Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:12146


This item is only available as the following downloads:


Full Text
e
\
m

\__________MHO XLI/I. NUMERO 40, l
-------i------------v--------------------i.----------------
PABA A CAPUAi E L6AHES Ofl)E HO SE PAGa'wME.
f'nr tres mezes adiantados, '. _-.
orlis dfc* Itfcffl '. ............ J
Jorum rio dem.......J........ ; u*ooo
di mumero avinso.... J........... *4^
**l*.* ****** ****** JZ(j
"f
Hl 0)1 Jj
tfUINTA FEIRA 23 OE JUNHO DE 1870.
PAIA DEITBO E TOBA DA PB07HCIA.
Por tres mezs adiantados..............
Por seis ditos idm. ...........'.','.
Por nove ditos idem.............[
Por um anno idem.......
6*730
13*500
20*250
27*000
Propriedade de Manoel Kgueira de Faria & Filhos
Os-Srs. Gerardo Antonio Alves & Filhos, no Para
MO ACTNTKS:
A1 ., u GD?aIVeS PDt' n Maranh5 ; JoaDni Jos de OIveira> no Cear i ^ai0 de Le Braga, no Aracatj ; Joao Maria Mi Chaves, no Ass ; Antonio Marques da Silva, no Natal; Jos Jrtmo
Pere.ra d Almeida, em Mamanguape; Antonio AIexandr.no de Lima, na Parahyba ; Antonio Jos Gomes, na Villa da Penba; Belarmino dos Santos Brido, em Santo AnOo; Domingos Jos da Costa Braga,
_^^^^^ em Nazareth ; Francisco Tavares da Costa, em Alagoas; Dr. Jos Martins Atas, na Babia ; e Jos Ribeiro Gasparinho no Rio de Janeiro.
PEBIAMBUCO.
ASSZM3LEA PROVINCIAL.
SESSAO OtUHXARlA EM 7 DE JUNHO.
pnKsiDK.\i:iA di sb. un. Aouun.
(Gatetartn).
O Sa. GUSMAO LOBO :Sr. presidente, sueco-
deudo na tribuna ao nubre deputado pe.) 3o dis^
tricto, ii3> tomo u encargo de responder ao longo
discurso i| le Ihe (tuvimos. A eoran.i.-vsao de orea-
ment o far seguranenie com.a proliseieueia'
. o
de-velado amor pelos intereses publie is que tu los
Ib a reconhecemos (apdsMtos); quanto a inim, acu- .
do -omento pela deleza da Moda que offafeai, ej* e,,r* morto-. E.ist0 quo consagra o pen-amento da por disposicao do' f'S!.- Tque nao ,nslaura-r ntro m<* *
por a (tisuosigai
aduiiiiistraoi- ita provincia urna verba de 2.">:000
destinada reparo das matrizes coin audiencia do
lelalo diocesano.
Este me ixireceu o meio mais fcil de evitar que,
lio desproveitosaineule Como se tem feilo. desdo
annos, se earreguo e sobreearregue ooieiinonio
de pequeas iuree|las_, ....
Um Sn. Dkpptado : Oesproveilosamente, nao.
O Sr. Gusiivo Lobo: .....paquenas parcellas
que, reunidas e rusolutamoutu empreadas, dar-
nos-Mam muilo otro resultarlo.
Na i querendi) honrar-nos hornera cora a sus
prese lija, o uobre deputado pelo 3* disincto nao
OMVto a larga justiticaco quo produzi o cora que
jiiolivei a minlia emenda. Nao a alirei mesa des-
aeomjanbada de sustentecao; por mais que eu
dewsse julga-la desamparada de sympathias, pois
que a sua approvaoao importara, nada mais, nada
menos, que a regeieo de unto louga liste de pedi-
do-, teute juslilira-la.
Nos tintiamos levado quince lonjo's minuio-
oovir paoienteineiiie a leituia da emendas, e en-
in tanto onobre seeretario a lia com urna admi-
ra vel eorrenteza. Em quanto o ornamento tintia
tixdi pin esta fapnta a verba de 27:OOO, as
emendas pediam milito mala que o dobro. Era
maito pedir.
S. Pixto : Trinta e tantos contos soaimain
as emendas.
(J Su. GdsmIoLib i :De modo que elevarse-hia
as Parecen-me e anda im parece que se a nobre
ouinmiss'i do nnvi'irintii, depois da um studo re-
t elido, dostmoii 17:Q00| despeza duque se
trata, -li-va-la ao duploura a am.-.n; i de ser pro-
uavelmenie elevad i an triplo era de um certo modo
e.iiitrariar as suas"be n entendidas previsoes.
Se queremos oro.unet.t > que seja urna verda-
coiivjni nte-nente acautelado.....
Da Su. DcruTADn : Mvs o mbre deputado
tamben oflbreeeu o Deudas e at para igrejas que
nao srio matri es.
O Su. Gusmaii Lobo: S' verdad* qm olTereci
doaa emendase pr-strei entra aminha assigna-
tura. Mas, ajin de que eu mo podia suppr que
ellas eoocorrarian tiara accrescenlar urna lista
ex\ea uns iude-tas mi pedir.
Nein ha meohernefa no meo DWda de proce-
der, (ipino pela ranlagem de ser evitada no or
eamento a designadlo das matrizes que de ve ser
anpliexio o beneliei i e a qitantia que se Ibes de*-
btu. Aceita esta idi, cuno sesmo que, nao ser,
todos os pediJ is desta n.itoreza licariam prejudi-
i I is, e os meo entre alies.
M:is pode a Basa na > pensar por ele modo,
pode jnlgar eonvenie lie entender consgnacoes
igrejas e capellas, e ueste caso as miaas emendas
corrern o sen destino. Sum a inteneao de t'azer
urna antecipada reeommendaeao, difei desde j
i|ue el as sao de urna modestia singular (bilanda-
de), singularissiuia. Pele cada urna OOi em
quinto os nobres depoUdos, e Gdo3* districto que
me preceden mire elles, sin largos no pedir.
(Trocam-se apartes).
O Su. GosmXo L"tt i: C oivenho que se otlere-
eam emendas; ellas u-adnzem senUmentos nota-
v.-ln;ene OTtbftdoxcs. Mas seas vo'.annos tojas
presealet e fu turas, iml va do oreamealo; a
<'.iti:iu--a> ver o si-u bou) trabilho despielada-
uieiit;! mutilado nn pensamento que o presidio.
"i Se. Pedro Arromo : Porm sabe o nobre
deputado como se faz lodos os annoa '
Un Su. Dwtrraoo:A eommisso aceita urnas
' regeita ontras.
OSn. GosMAoLoao:C presumidamente o que
ar a commissao. Mas nu me Je neiiliuin mu-
do vedado que eu procuro evitar-lhe esta respon-
sahidade, expmdo as minhas ideas sobre o
asrampto. (Apoiatlos).
Creio muilo na commi-so fulgo de ver que a
ornamentara espintos omito competentes (apola-
dos); mas e muito por amor do seu projecto que
i mbro nm mel de dar a esta verba uma applica-
>-\t que me par-ce mais proveitosa.
Neo a commissao levar muito bem que Iba
attrtbfum a neeessidide de vir manifestar se
respejlo de cada emenda. Declarou-me um d3
seus membroa, quera eston habituado votar
ri'speito, que o onpimonto ahi esteva para ser am-
plamente disentido, modilicaov, retocido
parecesse conveniente.
Sao tanta* as emendas uue o nobre deputado
quero roubar o raerecimento d'esta paciente inda-
ga cao.
A lei n. 744 de i de junho de I86J, tinha flxa
do para esta despez a verba de7t:3O0j. Nao sei
que, em nenhum nutro anno, se tenha cuidado
con tanto desvelo em reparo de matrizes. Quer-
se saber quanto se dospendeu com esta verba ?
O Sr. G. DniM.uo>D : Era que anno ?
O Su. Gumao Lobo :Em 1862.
Forara apena* applicados lo:iOOS. Isto que-
rer a verdade no orcaraento ?
O Su. Ci.nha PTamBoo : E" o
acontece.
O Sr. Gusvao xibo : Assim que, por esta
desproveitiKi pratica, Ika o pensamento do legis-
lador contrariado, e as di-posic5es da lei s3o mui-
la vez ledra raorta. E' isto
que sempre
pelo districto (Jiriiindo-se ao Sr. Maaoel do
Kego), nao contentando-se 'de as lr impressas no
jornal da casa, onecera um in folio (hilariia
de). E, nao estando a discussao encerrada, quera
sabe quantas outras Bati sendo meditadas esta
liora!
I'm Sr. Deputado :Ainda !
O Sr. Gusmao Loro : -No meio disto pareceu-me
qoe decreur uma verba, equivalente do projec-
tu. que podesse ser empregada como as neessida-
des do culto couviesse, e isto de accordo com o
coefe da diocese, cuja competencia nestas materias
aqui est o nobre depaiado pelo 4" districto (diri
gindo-se ao Sr. vigario Finniuo de Novaes) para
acclamar e por fra de toda contestaco, seria
muito mais proveitoso aos altos Interessas da reli-
gilo. Estrangular esta verba era ridkulissima*
consigiiaQoes que nao podera bistar senao para
reparos, que sao o anouuciu de oulras despezas,
e ui'l.-11)11 ir-nos lr de anno era auno nos relat-
nos que as matrizes desabam, nao estao vestidas
dos necesarios paramentos, precisara de alfaias
condignas do culto divino.....
illa um aparte).
Sr. Glsmao Lobo:E' na experiencia que ha-
seio a niinha indicaco. Nein a idea e nova ; nao
tem uada de original. J se lentou este meio, e o
que para deplorar, que nao tenha sido abando-
nado este systema de pequeuinas e infructuosas
dotacoes.
Vou entrar em uma ordera de com-ideracoe;
3ue mosiram bem qu rato esta pratica tem sido
sproveitosa, quanto tem ido era pura perda do
esplendor do culto esta decrelacao annua de pe-
queos beneficios raatrites, igrejas e capellas.
Aquellas que podera ter ura procurador diligen-
te, ou bem acolliido, recebera e dio deslino etsas
migalhas do orcamento; oulras. mais desafortu
nadas, ou mais indiligentes os seus procuradores,
vem decorrer o anno financeiro sem obter o rece-
bunento, e esperan) o anno futuro para acudi-
rem-se de novo ortbodoxia da assembla!
Devo ura amigo, que esta casa conbece bem
.pelo seu genio pacientemente investigador, excel-
ientes inforraacoees sobre o assumpto...
Un Sr. Diputado :Quera i esse amigo ?
O Sr. Gumo Lobo :Nao sou indiscreto era
apontar o nobre deputado pelo 3* districto (diri-
gindo-se ao Sr Rufino de Almeida), quera nao
applicacao ?
O Su. QmmeuuRmcmu d ura aparte.
O Sn. Guimao Lobo :Era outro anno tinham
sido contempladas na distrihuicao do otcamento
2i matrizes e 28 capellas, e apenas se mandou pa-
gar a i matrizes. sendo a cada nina dellas meta-
de do que Ibes havia sido decretado.
Em outro anno anda, de 30:000| fixados des-
pendeu-so pouco mais de 16:000*.
No anno flnaneciro quo corre, de 16:0004"vota-
dos, pouco mais de melado tem sido despendido.
D'aqui inflr mais de una observaco. At na
propjrco das verbas vetadas em varios annos, eu
vej) uma exeeeltente prava de que nao um es-
tudo aliento e aprofundado das necessidades do
culto quo de ordinario as determina.
(Trocam-se apartes).
O Sr. Gusmao Lobo :Sao mpressoes de todo
genero que proparam as votacoes d'esles subsidios.
Podem ser impressoes muito generosas, muilo Ion-
vaveis ; mas ellas so oppein que nesta parte
tenha a receita nuil conveniente applicacao.
O que se est fazendo desde muitos annos, e
tem sido sera fructo (nao apoiados o apoiados). As
npssas matrizes do interior, as igrejas e as capel-
las que tem merecido o favor dos orcamentos, ahi
se mostrara em regra geral necessiiar de repa-
ros que nao caneara de ser urgentes
Acaridade particular tem feto mais do que os
subsidios provmciaes. 0 que se tem feito, o quo
se vai fazer, nao seguramente o emprego mais
discreto d ron Ja (nao apoiados). So o quo se tem
despendido, fosse applicado por um plano gerl
de melhoramentos, cuidndose em um numero
menor de matrizes, mis applicando algumas
uma quanlia corresp indente as suas necessidades,
teriamos muito outro resoltado.
Nao quero razo: offensa ninguem. Mis, o que
se diz muito por ahi, e nao era todo para ser
despresado, que estes subsidios nao chegam sem-
pre seu destino com o de vido es:rupulo (apoia-
dos e nao apoiados).
Outro systema e, oor ventura, outro resultado.
Experimntenlo-lo com uma resoluco Arme. Es-
tas pe |uenas consjgnardes que vilo etalhar a ver-
ba destinada ao culto, podera ser excelentemente
suppridas pelas loteras.
Um Sr. Dscl-taoo : Se or esta syslema nao
so lera conseguido inulto, oque ser das matrizes
se Arar isto somento arbitrio' de quem quer que
seja?
OSn. Gusmao Lodo : -O arbitrio mais perigoso
o que esta um pratica. Volara-se verbas exage-
radas ; mas Ocara muas de nenhum effeito. Or-
dena-se ou nao o pagamento, e assim 6 que o exe-
cutor da lei toma por sua vez o papel de legis-
lador.
Os nobres denotados terriAcam-se idea de
mu corto arbitrio na appliccji) da verba. Mas,
5i se att'.der que o prelado deve ser ouvido e
ninguem mais competente para conbecer das
necessidades da diocese...
O Sr. Gaspar Duummond :V respeito de ma-
trizes, eu Bonbeco mais a rainhi que o prelado
diocesano ; nao admiti ioformaco do prelado
n'aquillo que eu conheco perfeitaraenle. (Apoia-
dos).
O Sr. Glsmao Lobo :Os nobres dopntados di-
zem-se muito informa los das necessidades do culto
Dos districtos que representara. Mas, eu comeco
por observar que ha sobre a mesa emendas que s
c iQirdizem, e algnojas entre ellas relativas ele-
gante eanella da Gasa Forle, de que nao posso
temhrar-me .sem o desojo de coticeJer-lhe lodos
os precisos iobsidios, iiue podem de 1:0005
2:OO0S.
Isto rne diz algom tanto que os nobres diputa-
dos tem o animo muito resoluto autoiisar re-
paros, mas nao conhecom por tal modo as neces-
sidades de cada uma matriz, de cada uraa ca-
pella, que eu os possa ter na conta dos mais jus-
Ueosot distribuidores.
(Trocam-se aparto-).
O Sr. Gusmo Lobo : Conhecem que ha ne-
cessidades remediar ; mas tanto quanto po-
dem saber. O desaccorJo das emendas sobre
um mesmo assumpto pe em relevo que se vo
ndiOorentemento um pouco mais ou un ponco
menos. (Nao apiado.)
Onde o projecto diz 1:0003, os uobres deputa
dos dizem a:0003. Para uma raesra i igreja, si-
tuada pequea distancia d'esta cida le, offerecem
competencia tres emendas que dizem l:OD0,
1:500:5, 2:000. Asseguram por lim de contas
que cada ura de nos e o mais competente para
conhecer da repai'tico d'esta verba !
Um Sr. Deputado : Nao podemos dar o que
preciso ; aamos at onde chegam as forcas da
provincia.
O Sn. Gusmao Lobo :Pois si reconhecem isto,
e ternera o arbitrio que a niinha idea consagra,
designoraos d'aqui duas ou tres matrizes cujos
re|iaros se destine a verba ; e era anuos vindouros
se cuidar era outras. Uma verba de 23:000,
applicada duas ou tres igrejas, as pora tora do
quadro annuo dos reparos ; e iremos assira do-
lando a provincia d! templos condignos do culto.
Um Sr. Deputado : Esta cscolhi imp"ssivel.
O Sb, Gusmao Lobo : Uraa vez que conhecem
tanto as matrizes, Ibes fcil fazer a escolha.
Lhcs prometi que nao inAuirei n'isto cora o nwu
voto ; ponho-me de parto em quanto os nobres
deputados se consagraren! este ostudo para que
sou e me confesso altamente incompetente.
Os nebros deputados nao querem que se deixe
quera quer que seja o arbitrio da escolha.
Querem o arbitrio da execucao. Obedecera s
mais louvaveis iuipiracoes para ca raento de emendas, o por lira vei--e-hao resigna-
dos preferencias de execugo que podera op-
por-se s suas intencoes.
Irnos votar 50:000a-; receber-se-ha uraa terja
parte. Reeeberao os mais diligentes, e estos serao
naturalmente os que houvorem sido uielhor dola-
dos...
Um Sr Deputado :Antes assim do que a au-
lori;acao.
O Sr. Gusmao Lub :Nao portanto, a qnes-
lo de verdadeiras o reaes necessidades O que
se quer, que se votein as consignares ; impor-
ta pouco que se recebara (reclamares e nao apoia-
dos).
Ha at no-te modo de decretar a applicacao da
verba urna injustica relativa. Sem por era duvi-
dao zelo esclarecido de cada um dos represen
tanles da provincia, couiprehende-se que so por
um estudo comparativo se poderia chegar deter-
minar quaes matrizes precisam mais jue outras,
quaes obras sao indispensaveis, quaes podem ser
addiadas, ele.
Nao era um momento, quasi hora do encer-
raniento. que este confronto pode ser feito com
vaougem do interese publico. S o repouso da
meditaeSo pode offerecer dados seguros esta
apreciaco.
Um Sr. Deputado da um aparte.
O Sr. Gusmao Lobo :Uao a correr, Sr. pre-
dente, que se coneebe um plano geral de melbo-
ramentos.
As numerosas emendas, off recidas o por offe-
recer, traduzera impressSes de todo genero. Dir-
se-nia que o assumpto de cada tima annuncia o
nome do seu autor? freclama;5es).
E' asim que o nobre deputado pelo 3o districto,
membro da commissao do orgainento, pede para a
matriz de sua residencia 3:000j eraquanto pro-
jecto, respeito de todas as outras, Axa subsidios
que, ao muito, elevara'se 2:008,3. E' ainda por
esta razao que as capellas do 3 ditrcto estao
vantajosamente dotadas no orcaraento.
Outros obedecem inspiracSes do teda espe-
cie para, era momento de repartir verdaaeiras
gracas. dar testemunbo do seu amor por esta ou
aquella igreja. Tuto isto ou pide ser muito
louvavel, mas nao o que mais convem graves
necessidades do culto.
OSr. Nicolao Tolenti.no-: Pode contestar o
nobre deputado a necessidade que tem a matriz da
frejmtia da Boa-Vista T
O Sn. Gusmao Lobo : Longe de Impugnar,
tenho inleneao de prestar o meu voto emenda a
que se refere o nobre deputado. A matriz da
Boa-Vista d'aquellas que en desejara ver gene-
rosamente atleadidas. E' um templo respoitaveel
quo preciso acabar.
O que nao desojo, que votemos as Untas
emendas que se oceupara (Teste assumpto, sera o
estillo necessario...
Um Sr. Deputado : --Exija dos seus autores que
as justiAquem.
OSr. Gusmao Lobo :Isto era bons termos
urna formal ameaca Sao mais de trinta as emen-
das ; se cada uraa tem de costar nm discurso,
prefiro votar por todas sera nenhum exame.
Deus me p upe este marlyrio de trinta discursos,
um dopois do onlro...
Um Sr. Deputado :Pois eu ouvirei todos com
murta attencao.
O Sr. Gusmao Lobo : Confesso que nao tenho
essa longanimidade ; isto um herosmo do nobre
dcpntado (hiiaridadr). Nao o tenho, at por que
cada um dos autores das varias emendas se en-
carregaria de desenhar-rae ura quadro de necessi-
dades, que o meu espirito se renderia fcilmente
na ausencia de outras informacoes.' Quera apr-
senla uma emenda, tem por este s f;.cto revelado
que julga do raelbor e mais solutar effeito a provi-
dencia que ella consagra.
Observo, Sr. presidente, nma verdaleira conipe.
teneia as emendas. Quando as lia hoje no jor-
nal da casa, era que ellas oceuparara uraa quasi
columna, adrairei commigo me>mo quao desvela-
dos sao os representantes dos varios districtos. O
assumpto do cada uma dizla-n:e o nome do sen
autor.
O Sr Pedro Atfohso :A que consigna 3005
para a igreja dos Martyrios, nao rae annunciou o
nome do nobre deputado.
O Sn. Gusmao Lobo :Poi* devia annnncial-o,
que muilo modesta. Em quanto o nobre depu-
tado pode 3:50(13000 para duas matrizes do u
districto, nao muito que en me lembrasse de
uma igreja pobrissima.- centro de muita devoeo
publica e que nao tem sido das feiizes do orea
m nto.
O Sr. Pudro Akfo.nso :Nao o podia, entretan-
to, fazer desde que se trata de uma capella e nao
de uma matriz.
O Sn. Gusmao Lobo : Nao fui eu abrir o
excmplo. A commissao tinlu votado consignaco
varias igrejas, quo nao sao matrizes. Era um
exomplo de seguir.
Mas o nobre deputado que manda carregar o
orcaraento de emendas...
O Sr. Pedho Arromo :Para matrizes.
O Sn. Gusmao Lobo :E' sraente agora que sur-
ge esta doutrina de nao estender capellas o fa-
vor do oreainenlo. A coniraissj nao pensou por
esle modo.
O Sn. Pedro Aito.nsu :E" o nosso dever dotar
as matrizes.
O Su. Gusmao Lobo : O nobre deputado sobre-
carrega solTrivelmente a verba...
O Sr. Pedro Aono :Pedir 3:5003000 para
duas matrizes que se achara era construccao,
pobre-carregar o orcamento? Pego ao Sr. lachi-
graplio que tome nota disto.
O Sr. Gusmao Lobo : Nao bade ser o ultimo
trbalo > intil que se incumba ao Sr. tacbigrapho.
Estou quasi resolvido nao dar sena o resumo
dos meus discursos.
O Sr. G. Dbummomd :Eu fago melhor; nao pu-
blico neuhura.
Um Sr. Deputado : Os Ania que hfw de
sentir a falla.
O Sb. Gusmao Lobo : Tenho por este modo, Sr.
presidente, justificado o substitutivo que raandi
mesa. O presidente da provincia, ouvrado o chefo
da diocese, c o mais competente para decretar a
applicacao da verba destinada reparo de matri-
zes (apoiados, nao apoiados).
Sinlo bem que esta idea vil ferir interesses de
grande numero dos nobres deputados. Quando di-
go interesses, subintendo que ellos sao os mais le-
gtimos, os mais confessaveis.
Desde_ que cada emenda amparada por seu
autor, nao posso ter a pretencao de ver votar um
subsiitativo que prejudicaria todas O que nao
ha do acontecer ao raeu subsi.iulivo, porjsto res-
pondo com seguranca, o que| se deu aqu com
uma infortunada emenda que nao leve ao menos o
voto do seu autor. Aponto o caso, mas guardo
sobre o nome do autor um segredo inviolavel.
Um Sr. Deputado :Isto assira particular ?
O Sr. Cusmao Lobo :Rigorosamente confiden-
cial. Foi ara factu que a casa testemunhou...
Um Sn. Deputado : Segredo que lodos nos sa-
bemos.
O Sn. Gusmao Lobo :Nao queiram os nobres
deputados que o novo Saturno tenha de queixar-se
da nimba indiscripro.
(Trocam-se apartes).
O Sr. Gusmao L-bo : Primeira desconfiar do
destino que espera a substitutivo, offereci outras
duas emendas que nao querem dizer dous discur
sos de juslittcaoo (hilaridade).
Sao ambas de uma notavel modestia. O que
nellas proponho, que "se decrete SOOOOO duas
igrejas sem p9trimnis...
O Sb. Pedro Affonso : O que nao podia fazer,
desde que nao sao matrizes.
O Sn. Gusmao Lobo :Araparo-me eom o exem-
plo da commissao.
O Sr. Pedro Affonso:A propria commissao
declaron que votava contra as quotas concedidas
capellas.
O Sr. Gusmao Lobo : O nobre deputado que
podo fallar das tradiccoes desta casa, em quo mai-
de uraa vez tem desempenbado o honroso manda-
to de representante do 3a districto, deve saber que
esta tera sido a pratica constante, invariavel dos
orcamentds.
O Sr. Pedro Affonso : E' a segunda vez que
tenho assento nesta casa.
O Sr. Gusmao Lobo :Nao pense que julgo mui-
lo longo o que peco licenca par chamar o seu ti
rocinio parlamentar.
(Trocam-se apartes).
O Sn. Gusmao Lobo :A hora est adiantada, e
a caa fatigada (nao apoiados).
Nao tomoi e nao podia tomar mira as respon-
sabilidades do orcamento. A nobre commissao,
coraposta como de membros respeftaveis, e de
alta signifleacao pnlitic, nao deixiro a sua obra
abada, consentindo em vel-a mutilar tao des-
pflladamente.
til vira dizer-no?, nesta qnestao como em todas
U ontras, a sua ultima palavra ; e esta palavra
justos titules pesar nos destinos das tantas
nadas que esvonen sobre o orcaraento.
O SR. MANOEL DO REG pede urgencia para
saf.subniettido discu-sao o projecl) u. 123 deste
auno.E' aporovado a urgencia.
3* discussaido pn.jecto n. I29dsste anno. sobre
crditos supnlemeolaros.E' approvado, e dispen-
sado o intrestcio a requeriraeato do Sr. Mello
Rgo.
Ten Jo dado a hora o Sr. presidento designa a
ordsra do d|a e levanta a essao.
REVISTA DIARIA.
ASSEMBLA PROVINCIAL.Hontem a assem-
bla approviMJ, em 2J discussao, o projecto n. 143
deste anno, qte approva o contrato celebrado cora
Manoel Polvcirpo MoreiradcAzevedo, para a aber-
tura do rio Goyanna, depois de oraremos Srs. Ol-
veira Ponseca, Gusmao Lobo, Wauierley e A. Per-
nambuco.
Continuando a discussao do orcamento provin-
cial, orararam.kSrs. R. de Almeida, G. de Drum-
uiud, Gnsuio Lobo, Mello Kego, Wanderley e Po-
dro Affonso, sobie o artigo additivo quo aiitonsa
a omissao de 1,2(13 enntosde res era apolices, sen-
do o mais approtado.
A ordem do da para hijo : continuacao da
antecedente. { discussao do projecto n. 140 e 3"
do de n. 145.
AUTORIDADES POLICIAESPor deliberarles
da presidencia da provincia, do 17 e 21 do cor-
rete foram noinoadta : .
Subdelegado d > 1 districto da fregnezia de Te-
juriipapoAntonio Coocalves do Azevedo, e !
supplente Joo Ribeirj Campos de Vasconcelos.
2 a 6' supplentes ito subdelegado do districto
do Bebedouro, do termo de CaruarJos Janua-
rio (Jorrea do S, Flix Noves de Andrade, Luiz
Miguel Gomes dos Santos, Francisco Jos dos San-
tos, e Antonio Jacintbo de Mello.
3* a 6" supplentes do subdelegado dePanellas,
do termo de CaruarManoel Ignacio de Paula e
Silva, Manoel Simos de Souza Joaquira Jos de
Birros, a Francisco da Cruz Figueiredo,
i* i 6 supplentes do subdelegado do Altinho=*
Joao Alves Cavaleante, Clemente Rodrigues dos
Smtos, Jos Francisco do Torres Gallindo, Anto-
nio Cavalcante de Albuquerquc, e Manoel Satyro
de Barros.
1 a 6 supolentes do delegado do termo de Fio-
resiaFrancisco do Barros do Nascimento, Anto-
nio Alves do Carvalho e Silva, Manoel Salvador da
Cruz, Antonio Valgundes dos Santos Barros, Be-
nedicto Alves de Carvalho e Joao de Araujo Leal.
Io. 3". 4, 5 e 6o supplentes do subJelegado
de Fazooda Grande, do termo da FlorestaPrimo
Lopes de Barro*, Jos Joaquim de Novaes, Jos
Vicente de S, Olymplo Flix de Menezes, Jos
'Annillal Alves Caoianll.
GUARDA NACIONAL. Por deliheracoes da
presidencia da provincia, de 17, 18 e 20 docor-
reuie* "*
Mandou-s dar guia le passagem para o muni-
cipio de Goyanna, ao tenente cirurgio do bata-
Ihao n. 10 de infantera de Igoarassd, Antonio
Gome* Cordeiro de Mello.
Foi transferido para a reserva, llcando agere-
gado ao 5 hatalhi}, o capitao Joaquim Manoel da
Silva, do batalhan n. 23 de infantaria do munici-
pio de Santo Antao, por sotrer de alienacao men-
tal.
Foi transferido para a l1 companhia o tenente
da 8' do balalnao n. 43 do mnnMpM de Barreiros,
Bernardino de Senna Wanderley.
BAILE Teve lugar ant'liontem nos saldes do
Club Pernair.hufnno o baile que os Maranhenses
aqui residentes offerecerara ae corpo de volunta-
rio de >na provincia, aportado estas plagas s^-
guida-feira ultima.
A reaman estera explendida. quer pelo numero
de .oni'idados e sua escolha, quer pela profusao
de adornas dos saldes e apparatoso service de
meia.
Cerca de 80 senhoras e innmeros cavalheiros,
trasudo estes rigoroso trajo de corte, o aquellas
culosos toilettes e riquissiinas jcias, foram o mi-
ele* que forra-iu e gozou as delicias da bella festa
mafanben-e.
Ea parte externa do edificio, onde funeciona o
Club, esteva formada uraa guarda de honra do
balhao de voluntarios do Miranho, cujo pendi
o;cjpou lugar dislincto no salo do honra do bai-
le. Duas msicas marciaes da guarda nacional
tociram aos latios da entrada varias pecas', quer
ao mirar e ao sahir dos convidadas, quer nos ra-
teriales das dancas e dos brindes do festim, para
cuj me-a foi a sociedade1 as 2 e 1[2 horas da ma-
drugada.
E-i versos foram os brindes e todos patriticos,
sendo o de honra, Sua Migestade o Imperador,
levantado pelo Exm. Sr. B\raj de Pennalva, com
maidanle docorp de voluntarios maranhenses.
Ueiitaram-se tambera durante o festim varias poe
?ia<.
\ reunio este ve animada, e a sociedade dansou
at< s 4 horas da manhaa.
tma bella illnrainacao sobre columnas de folhas
najnraes, do systema ultimameuto ensaiado entre
nt, real^ava era face do edificio a belleza do qua-
dr que o povo, agglomerado no largo das Prlnce-
zai e rna do Imperador, se encarregou de com-
pletar, concorrendo ver a fosta patritica.
Na entrada do edificio, as paredes da escada
principal em frente aquella, e nos saldes, laiia
atarnos especiaes de trophos de armas e escu-
dos contendo os nomes e as dalas de alguns nota-
ras feitos de armas, era que tomou parte o corpo
ds voluntarios, objecto da festa
Emtlra, a noule foi perfei ti mente cheia e a festa
explendida.
SETENARIO.Depois de amanhaa (23) princi-
pia o setenario do Senbor Bora Jess das Chagas
na igreja do Paraso.
O vapor Geput levou hontem 20:0904 para
Macei.
AUDIENCIA.A do juizo de paz de Sanio An-
tonio, que devia ter lugar amanhaa, tica transferi-
da para sabbado hora e no lugar o cos-
tme.
PRONUNCIAPelo subdelegado da Boa-viagem
foram pronunciados Miguel Francisco do Souza,
Antonio Francisco Nery e Antonio Soares de Car-
valho, como incurso as penas do art. 192 do cod.
criminal.
DIARIO DE PERNAMBUCO -Se chegar hoje o
vapor inglez Sapkyre, que devia sahir de Lisboa
de 5 a 7 do correte destituiremos amanhaa
nosso numero de sabbado.
ESCOLA NORMAL.Aecedondo ao pedido es-
cripto dos alumnos, o Rvra. Sr. director deste es-
tabeleciraenio resolven suspender os trabalhos
hontem e hoje, pelo fallecimento do Exm. Sr. mar-
de Olinia.
INFANTARIA DE LINHA.Segundo carta* da
corte, esperava-se todo o momento o 2* bataioo
de infamara de lintia, de volta do Paraguay, de-
vendo partir pouco depois para 5*emambiico, onde
vera estacionar, sob o comrnarido do Sr. tenente-
coronel Alexandre Augusro de Prias Tillar.
DINHEIRO.-O vapor Ipojttca trome as seguin-
tes snramas para os Srs-i
Prente Vlanna dt C: 9:0003000
Ferreiri t Mathens 3:0001000
Caldas & C. 3:0004000
Fuerstemberg, Plaek & C. 3:000*000
J- da C. Bravo & C. 2:6343150
Fraga & Rocha 1:5033000
H, deLagrango 1:2003000
Gomes do Mallos & Irmaos 1:0003000
Sa Leilao & irmo 6003000
Cunha 4 Manta 4003000
Martiniano Jos Fernandos 33130(10
Gustavo N Furtado de Medonca 3003000
Horacio da Silva Rabello :JOO000
P- Maurer & C. 3005000
Fernandes & Irmo 2823430
Antouio Goncalves Torres 1913160
J. Gerardo d Bastos 1003000
A. Guimares & C. 40*000
VAPOR IPOJUCA.Chegou hontera pela ma-
nhaa da Granja e portas intermedios, trazendn-nos
gomas do Cear at 17, do Rio Grande al 19 e da
Parahyba at 21 do correte.
A presidencia da provincia do Cear no-
meou as commissoes segointes : Drs. Manoel Soa-
res da Silva Beztrra e Paulino Nogueiia Burgos da
Fonseca, o cajito Joao Brigido dos Santos, para
rever o regularaento da secretaria do govorno e
propor a sua reforma; tenente-coronel Joaquim
da Rocha Moreira, major Manoel Moreira da Ro-
cha o capitao Antonio de Mello Osar, para exa-
minar o corpo de polica ; Drs. Joaquim Felcio do
Almeida Castro, padre Luiz Vieira da Costa Delga-
do Perdgao, Joaquim Alves de Carvalho, padre
Antonio Peroia de Alcncar, Drs. Manoel Soares
da Silva Bezerra e Flix Jos de Souza Jnior,
para rever os reglamentos da instruccao publica,
e da respectiva secretaria, o propor suas refor-
mas.
O negociante da capital Francisco Joaquim
da Rocha alforriou a filha de uma sua escrava ; e
oSr. Valentira Gomes Pimenta, abastado fazendeiro
de Quixeramobm, alforriou a 12 escravos seus.
Era S. Bernardo grassavam febres perni-
ciosas.
Foram capturados no termo do Crato Fran-
cisco Ferreira do Nascimento, conhecido por Sapo,
que uo da 26 de dezembro do anno prximo liado
assassinou o escravo Antonio, do Thomaz Pereira,
na villa da Missao-velha o Manoel Joaquim deOii-
voira, sentenciado pelo jury da Barbalha pena de
18 raezes de prisao.
Lemos no Cearense :
senta a provincia, para poder attiner ao grao d*
prosperidade, a qne ncontesiavelmante Ihe ddi\
reito seu rico e ameno slo; e Analmente a har-
mona que sempre renou entre V. Exc. e a mes- .
ina assambla, quo por sua parte nao eslabeleceu \
limittes conftanca qne deposita na circonspee-
(jio e tino administr tivo de V. Exc. sJo, quando
outros precedentes honrosos se nao dessem, ttu-
los muito justos 9 legitimo* gralidao e reconhe-
cimento da provincia, alera de que dao elles plena
seguranca de que mantendo-se V. Exc. na altnr.i
do dever em que se ha collocado, correspondipri
as viajas da mesma assembla, e s do sabio eo-
verno de S. M. o Imperador.
Sao estos, Exm. Sr., os votos que, em nonw
da assembla nos coube a dstincta honra de apo-
sentar a V. Exc. com qaem por esse acio nos con
gratulamos.
Paco d'assembla legislativa provincial do Rio
Grande do Norte 3 de jnnho de 1870. Affonso de
Paula do Albuquerque Maranho, Francisco
Amynlhas da Coste Barros, Luiz Antonio Ferrei-
ra Souto, Joaqram Manoel Teixora de Moura, Dr.
Henrique Leopoldo Soares da Cmara.
S. Exc. respondeu:
Srs. membros da commissao da assembla le-
gislativa provincial.
Agradeco cordialmonte a assemcla legislati-
va provincial a felicitacao que se dignou dirigir-
me.
Observando era nimba administrarlo os prin-
cipios de justica o moderacao, nada mais facp do
uue exocutar o pensamento elevado e magnnimo
*
Na cidadede de Baturit, devido iniciativa do
nosso amigo Dr. Antonio Nogueira Accioli, juiz mu-
nicipal daquelle termo, acaba de fundar-se uraa
associacae cujo lim uuico promover por todos
os meio s a aeu alcance a manuroisso de eriangas.
Reunido em casa do pharraacentico Joao Francis-
co Saiiipaiu, grande numero de cidados, alli fo-
ram discudos os estatutos anteriormente confec-
cionados pela commissao para esse Ara nomeada e
coraposta dos Drs. Antonio Pinto Nogueira Accioli,
Pergentino da Costa Lobo, Virgilio Augusto de Mo-
raes, Domingos Carlos Gerson de Sabota e proles-
sor Antonio Nogueira de Freitas.
< Approvados os mesmos estatutos, proceden-se
eleicao da directona, sahindo eleitos: presiden-
te o Rvm. vigario Rayrauodo Francisco Ribeiro,
irice-presidente Dr. Antonio Pinto Nogueira Accioli.
secretarios Drs. Domingos Carlos Gerson de Saboia
e Pergentino da Costa Lobo, e supplentes advogado
Manoel Rodrigues Martins e Dr. Francisco Jos de
Mallos, thesoureiro pharmaceulico Joao Francisco
Sampaio e supplente profossor Antonio Nogueira e
orador o Dr. Virgilio Augusto de Moraes.
t Commuoicam-nos de Quixeramobm :
No lugar Alegre, perlo da fazenda Umary,
deste districto suicidou-se uraa pobre raullier dan-
do ura grande golpe com uma faca no ventre que
deitou todos os intestinos. Nao morreu logo, durou
ainda 3 horas.
Periiantando-se-lbe se nao se arrependia do
que havia praticado, respondeu que nao m arre-
penda, porque tinha certeza de ir para o co :
disse mais que ha muito tinha desejos de morrer
ou afogada ou enlranhar-se pelos bosques para
por l acabar cora uma existencia que ella julga-
va tao pesada, mas ao mesmo tempo lerabrava-sg
que inorria sera ter quem Ihe raettesse uma vela
na mo, por is-o servia-se daquelle meio para ma-
tar-se.
AlArmam que essa desgranada ha muilo sof-
fra desgostos; era mi de 20 Albos e moca ainda.
Foi sepultada nu ccraiterio do Pai Jos deste mes-
mo districto.'
Communicaranos da Boa-viagem o segrate :
t No lugar Barro vermelho dste districto ap-
pareceram dentro de uma loca de pedra duas os-
udas humanas: algumas pessoas que examin-
ramos, informara que em um dos crneos v-se
bem visivelmenle ura grande talho. Eocontraram-
se i,minera no mesmo lugar pedacos de esleirs
que -e costumam trazer debaixo de selas.
i Ha 20 dias raais ou menos que isto se deu e
as autoridades do lugar nao deram um s passo
para o descobrimento da verdade. Dizem que tam-
bera existe uma outra furna junio a essa, fexada
com grandes pedras. Prezurae-se que nella encer-
rarse algum mysterio.
> Anida sobre as ossadas humanas que foram
descobertas na Boa-viagem e de que hontem de-
mos noticia escrevera-nos dalli o seguinte:
a Na fazenda da Estrella do Norte de proprieda-
de do tenente Antontno Rodrigues Pires, no termo
da Boa-viagem, n um serrote prximo a mesma
fazenda, um meniuo andando cacandomocos
descobrio em uma caverna snlulbada de pedras, a
ossada de duas crealuras. Os ossos estao asss
deteriorados pela aeco do tempo parecendo que
alli foram depositados os cadveres, era remotas
eras.
c Parece igualmente que esses iafelizes foram
assassinados, porque v-se visivelmenle n'ura dos
crneos, nm grande golpe de faco ou catana.
Tambera v se nma outra caverna prxima a esta,
dos ossos, eniulbada cora pedras miudas, robrindo
estas outras muito grandes que se nao poderara
quebrar com massetae era abrircom espeques. Es-
le achado extraordinario, tera produzido inmensas
eonjecluras, pois nao ha pessoa alguma das mais
anUgas que saiba explicar essa estranha novidade.
Esse lugar sempre foi erino, e s de 3 annos a esta
parte, foi quo o seu proprietario veio situa-lo e nel-
le residir. J seeommunicou ludo ajuslica da Boa-
viagera
A assembla provincial do Rio Grande do
Norte encerrou, nn da 3 do correle, os seus tra-
balhos extraordinarios, approvando na vespera
uraa raocao para que uma commissao fosse apre-
sentar ao Exm. Sr. presidente ura voto de adha-
sao, pela moderacao e ju-ti;a eom que ha dirigido
os negocios pblicos, e principalmente pela nobre
altitud,, que assumio, por occasio de manisfes-
tar-'se a crise alimenticia, aggravada mais ainda
pelo apparecimento de certas molestias, que gras-
sain actualmente era diversos pontos da provincia.
No dia designado a mesma commissao dirigindo
se ao palacio do governo, o seu relator proferio
por ante S. Exc. a seguinte allocuco:
Illm. c Exm. Sr. presidente da provincia. A
assembla legislativa provincial do Rio-Grande do
Norte, faltara a um grato dever, se ao encerrar a
presento sesso extraordinaria, deixasse do mani-
festar a V. Exc. um voto de adheso pela justica e
moderacao de que se tem sabido V. Exc. aspirar
na adrainistracao desta provincia, tao digna, como
acertadamente confiada a solicitado e illustraco de
V. Exc. A attitudo nobre e enrgica qne V. Exc.
assumio, por occasio da crise alimenticia aggravada
ainda mais pelo desenvolvimento da epidemia ora
reinante ; o incremento dado aos melhoramentos
moraes 6' raateriies j iniciados de que sre-
governo imperial ; maniendo a melbor harmo-
na coma assembla provincial, apenas satisface o
mais grato e imperioso dever pelas provas as mais
.igoillcativas de adbese e eonfianca, cora que me
tem honrado.
Digoe-se a Ilustre commissao de receber pela
sua parte e levar ao seio da assembla provincial
estas deraonstraces de meu reconhecimenta r
gratido.
t Palacio do governo do Rio Grande do Norte
3 de jnnho do 1870.Silvino Elvidio Carneiro da
Cunha. >
A cmara municipal da capitel da Parahyba
resolveu dar as seguintes deuonnnaces s mas :
Ra das Convenidasra do Conde d'Eu.
lina Direila comprehendendo a da baixa e S.
Goncalo at S. Franciscora Duque de Caxias.
Ra Novara Mrquez do Herval.
Ra das Mercz, comprehendendo a da Cade.i-
Velha ea do Carmora do visconde de Pelotas.
Ra do Varadourora do Visconde de ta-
ha mi.
Ra da Pontera do Visconde de Itaparica
Ra d'Areiara do Bario da Passagera.
Ra do Carrora do Baro do Tri.impbo.
Pela le provincial n. 362, de 5 de abril ulunie.
foi creada a comarca da Independencia, compos-
ta dos termos dessa denomioacao e .de Alago i
Grande.
O resultado da arrematacao do dizimo do gad >
vaceum e ca vallar da prodncao de 1808-1869, ef-
fectuada perante a junta da thesouraria provincial
foi de 37:0*V, nos municipios da capitel, laman -
guape, Pedras de Fogo, Pilar, Inga, Independencia.
Campia Grande, S. Joao, Pombal, Patios, Catl
do Rocha, Pianc, Misericordia, Srmza, Cajazeiras,
Coil, Ara, Bananeiras, e Bodocong.
LOTERA.A que se acha venda a 151*
a beneficio do recolhimento de Iguarass, a quai
corre no dia 28 pelo novo plano que se acha pu-
blicado, sendo o menor premio 8* o o raaior
8:0003.
PASSAGEIROS.=0 vapor Ipojuca, entrado da
Granja e portos intermedios, trouxe a seu bordo os
seguinles:
Luiz Bernardo C. B. da Rocha, sua senhora, 1
Albo e t criado, Manoel da Cunha Figueiredo e 1
criado, Nicolao Florenciano, Jos Antonio de Bri-
to, Antonio Fernandes Thom, Wenceslao Machado
de Siqueira, Jos Luiz Gonzaga, Manoel Dias Fal-
can, Joao Coelho da Silva, Antonio Alves Teixeira
Bastos, Francisco Antonio Martins de Miranda e 2
escravas, Tiburcio Nunes do S, Manoel Januario
de Lima, Braz Fechi, Francisco Rodrigues da Sil-
va, Manoel Marques da Silva, Jos Joaquim d i
Silva, Marcolino Jos do Souza, Maria B. de Jess.
Antonio F. F. Lima Verde, Antonic A. de Moura,
Francisco Jos da Silva, Joao A. de Moura, Joan
M. de Castro, Manoel F. Correa, Fraucisco Siman
da Cosa, D. Antonia P. de Vasconcellos e 2 Albas,
Vicente F. do Lago, Francisco S. de Souza, D. Ma-
ria E. de S. L. Guimares, Dr. Affonso B. da C M .
Antonio I. M. Jnior, Honorato Jos dos Santos.
Manoel F. Ramos.Luiz Rodrigues de Albuquerque.
D. Carolina M. da S. R. e 1 criado, Joaquim F. d"
Vasconcellos, Francisco A. Cordeiro. Joao R. de
Souza, padre Jos T. de Mello, D. Maria P. de Al-
buquerque, Manoel Francisco da Silva e 1 criado
Jo.- C. D. de Souaa, Benigno da Silva, Manoel C.
de Albuquerque e sua familia. Manoel S. Corren
das Nevos, Benedicto O. de A. Hennques e 8 escra-
vos a outregar.
O vapor Parahyba, vindo de Fernanda trou-
xe os seguintes:
Dr Temarindo, sua senhora e 2 criados, major
Padilha, Gabriel Antonio o 1 escrava, o B. da R.
W. Los.
CEMITERIO PUBLICO.-^Obituario do dia 2J do
junho.
Antonio Marlins Barbosa, Rio-Graade do Norte'
27 annos, casado. Sanio Antonio; gasiro interi-
te. (Casa de delencao).
Maria, Pernambuco, 5 annos, S. Jos; pneumo-
na tuberculosa. *
Benedicta, escravo, Pernambuco, 9 annos, Reci-
fe; hepatile.
Joao, Pernambuco, 17 mezes, Boa-Vista; inte-
nte.
Benedicta Monteiro, frica, 68 annos, soltoira.
Boa-Vista, (hospital Pedro II); interite chronico.
Maria do Sacramento, Pernambuco, 42 annos
soltoira, Boa-Vista ; etica.
Constancia Maria da Conceicao, Aracaty, 2*
annos, solteira, Boa-Vista, (hospital PedroII); tu-
brculos pulmonares.
Francisco Goncalves Guimares, Pernambuco, H
annos, solleiro, S. Jos; cmaras de sangue.
Emilia, Pernambuco, l mez, Boa-Vista ; conges-
tao cerebral.
f HROMCA JID5 LIRIA.
TRIBUNAL DA RELAAO.
SESSOEM 21 DE JUNHO DE 1870
PBBS1DKNCIA DO EXM. SR. CONSKLHKIRO CASTAO
SANTIAGO.
Secretario interino Dr. Virgilio Coelho.
As 10 horas da manhaa, presentes os Srs. desem-
barizadores Gitirana, Guerra procurador da cora.
Lourenco Santiago, Almeida Albuquerque, Motta.
Doria, Domingues da Silva, Regueira Coste e Souza
Leo, abrio-se a sesso.
Passados os feitos, deram-se os seguintes juh>-
nentos :
Appellacois civeis.Appellante, Jos Gome-A
Rodrigues de Albuquerque; appellados, Man<
Maria e outros.Despresaram os embargos. Ap-
pellante, Clementino de Hullanda Lima; appeUado.
Jos Pacifico da Costa Caraca.Despresados u*
embargos. Appellanles, Jos Pinto Teixeira e ou -
tros; appellado, Thomaz Tenorio Villa-Nova.Des-
presados os embargos. Appellantes, Joao de Con-
t Silvae outros', appellado, Jeronymo Paes Bar-
bosa.CQnArraada a sentenca, eora modjfica-
Appkllacao crime.Appellanto, o juizo; appel-
lado, Pedro Jos Rodrigues.A' novo jury.
- -



t
T
V
*
\
*
^
-____
~>-^.
a*

iii
itrio
de Pernambuco i Quinta feia 3 de Junho de 1870.

mm* >*;-'
-
Habas coWs.Conederam ordem a Benja | Esperantos que n Ilustrad^ Corpo eleito-
ra do Carmo Lopes, para o da 13 de crreme, Lrtl dasU provincia tor* 9HWiao monse-
/
tna" honrad que fb* cooferio na ultima
Cao senatorial.
elei
rssissf:'dTS^,ur?aram ordem fe i? *. *p". ***
PASSAOKNS.
Do Sr. desoin'iargador Gitlraoa ate Sr. desem
argador Guerra.AppollacSesciveis : appellanie,
Uanot-4 Jeaqeim da SilvaLeio; appollado, Fran-
risco Ferreira Rastos de Amorim. Appellante.
Je* Antonio Fernanes Fradiquej apgeuados.
Joaqun) de Alhuqwrqae e oulro.
Oo Sr. desembargedla' Lourenco Santiago, ao
Sr. aesembargader Alraeida Albuquerqoe. Ap-
liliceos civeis: appellaffles, Joaqoim Jos dos
Simios e outms; appelladv, Antonio Ferreira dos
Santo. Appellanie, Jos de Souxa Nones Bra-
g; apelladas. Fran isfloGoocalves o oulro. Ap
IteilaiHe, Jos Teixera Machado; apabilado, Joan
Loiz Vascoiioellos Apellante, Manuel Gomes
la Cunta Lima; appdUdo, Manuel FrancUeo A!-
\*s flama. ppellaine, Hooi IqilftU Kusa Bank* ;
pelado, Jos4 Luiz de Soma Ferreira. Appel-
1at>-, Joto Francisco 4oReg)Maia; appellado-,
Jos Aftooso Ft*r-ira e outros.
Do Sr. desembargador Almcida Albaquerque ao
9r. t-oemtiargator Molla.- AppetraeSes civei-:
jiwiettante, Juo liiptisu da Costa Co;ho; appet-
1a tos. Anua Iguaria e MUS filhos. Appellanie, D
Jv-a-iuiua Mara da Cauceieo; appeHado, Mauoel
Vicente Catiado. Apllame, a Santa Casa de Mi-
rericord.a; appellado, o viscua.lo de Suassu-
aa.
Do Sr. dcsenibargador Doria ao Sr. desembar-
$ador Dnmmiies da Silva.Da de appareoer :
appellado, Domingo* Soriano de Aievedo; appel-
. Unte, Manoel Francisco de Soma Amorta).
1) i Sr. desumbargador Doningues da Silva ao
Sr. dc^einbargador Begaetra Costa.Appellacao
vi* : appellwito, Paulino Pites Falco ; appellado
Joan de Aievedo Mata.
Ao Sr. desembargado* Soma Leo.Apncllaro
eiwi : appellanie, SeveriDo Alexandre Fereira da
Sv*; appellado, Hermenegildo Eduardo Bego
tloiitttiro.
Do Sr. deseral'argader Rcguera Costa ao Sr.^
desemtargador Soma fceo.Appellacao eivel:
xppellaote Manuel de Aievedo Ponies; appellado,
Mo de Daos Guimares. Appellacao crime: ap-
pellanie, I, rareoco das Chagas Monden?); appel-
lada, a justica.
A' luna tura depois do meio-dia encerrou-se a
tessio.
C3MMUNICAD0S.
eollobora^o
El.RICAO I)E SENADOS
A vaga (tafeada na cmara vitalicia pelo
Esm. naiqwez de Oiinda, de saudoza m>-
nwria, deve em bravo strpreheocItiJ^ se-
Xmdo caba da determinar <* gi-verno im-
>erial por :vjso de 10 do corrente dirig-
an ao son delegado nesta provincia.
Pd.t segunda vez no decur* de papen
ais de nm asno convocado o dislineto
c,rQn elcitoral desta provincia para designar
l'oiitr os Peroambucanos dignos do ntsen-
par nma caaein n'aquelli cacnara, tres gue
Mtnponham a lista que deve ser offerecida
c nsidera^o do monarcha.
Longa tarifa seria a nussa, so qoizesse-
mos enumeiar aqu os notnes e qualidades
de varios roeicbrus do grande partido con-
servador, que consideramos no caso de ra--
recereiu os votos d s eititores dos circuios
ib que se divide esta provincia : d'entre
elles algun^ j sao couliecidos do corpo elei-
toral, qne certaraeote se oo esquecer de
seas nomes.
JIoje o kossu fim leiubrar a este briuso
corpo urn crjrreligionario distincto, 'que se
actia ausente era p^iz estrangeiro e em
servico dx patria, o Exm. monsenbor Hnto
de Campos, distincto debutado assemblca
geral legislava pelo a." districto desta pro-
vincia, e, ha pnoco, coratemp!adD na hon-
isu IsIj si- lupia para senadores as vagas
bavidas no senado pela morte dos senado-
res por esta provincia, os conselneros S
Albtiquerqae, e Almcida Albuquerque.
'entre os Peruaubucanos membros dis-
tiactos do partido conservador que solicitara.
a honra de um lugar na lista trplice, que
se vai organisar nenhuin tem a allegar me-
iLores Services ao seu partido e provincia,
que o nonsenhor Pinto de Campos.
33 |) itrioiisrno, mais rmi-.za de otrae-
i-r. in ii constancia, tena idade nos dias de
crois p ova cas por qne tem passado o par-
(::!' conservador, e maiordedicaco aosam.-
}. is n5o conhecernos em outro qualquer
Mi.'tnbro de>te partido.
Ou^m mais tenha soffrido d' sens encar-
i::c.:dos inimigos polticos, quem lenhasido
ihk flagellado pela calumnia pelo seu aferr
as idi,n conservadoras tambem nocoobe-
i:.'tlo-.
\.o li deve estar bem fresca ua memo-
ria dos otos conservadores a maneira ne-
rmea porque, durante o dominio da 1 i-_a,
se poi tou na arena jornalistica o monsenbor
Pinto de Campos, nao recuando diante das
juaiores invectivas de MU8 iuiraigos, dos
botis de desfarcados e infurecidos calumnia-
dores.
E.-quacia-se muitas vezes de si, dexan-
do-se moder pela calumnia, para smente
cuidar na defeza das ideas e dos membros
do partido conservador. O seo triompbo na
Jtnyreusa foi cmplelo, como o tem sido na
cmara temporaria.
Abram-se os annaes do nosso parlamento
*i nelies se encontraro provas exuberantes
dos servicos do depulado Pinto de Campos
*m prl da religiio, do pacto fundamental,
e da causa conservadora. O que no senado
seria capaz de fazor em beneficio do paiz
o monsenbor Ptnio de Campos, di -o clara-
mente os precedentes da sua vida poltica
8 parlamentar.
O corpo ele toral desta provincia, queja
o hoorou, mcluindo-o na ultima lista sxtu-
pla, uo o abandonan ainda esta vez, pois
qne elle longe de desmerecer dessa to ele-
a-a da honra, cada ver se torna mais digno
ddla. Agora mesmo est elle incumbido
de nma alta missao junto a curia romana,
da qual nos pode resultar grandes benefi-
cios, grabas ao zelo e tino com que se tem
elle sabido baver.
Nao um pretencioso candidato, sem scr-
vicos ao spu partido, desconbecido na pro-
vincia, e smente escodado no patronato,
que recommendamos ao corpo eletoral, e
MU um distincto correligionario, enesneci-
(1o as grandes lutas polticae de todo o ge-
i ero, c de inconti.'i.tave8. e relevantissimos
servicos.
Contamos que o Ilustrad corpo eletoral
desta heroica provincia dar mais urna pro va
lo apreco e estima em que tem o seu ve-
Iro correligionario, raonsenhor Pinto de
Campos, incloiodo-o na lista trplice para
senadores, desprwando as calumnias e alei-
v,s que contra elle levantaren) inimigos pe-
queninos ou ingratos e invejosos.
O que contra o monsenhor Pinto de Cam-
P"s poderJo dizer osseus inimigos, nao pas-
cua de repelieses em 6. ou 7.a ediccSo de
calumnias ha muito pulverisadas, e em que
boj) oinguem, dotado de simples bom sen-
so, acreditar em vista das refutacoes.com-
pletas qae n'aquees tempos vertiginosos
do dominio i preda tiveram ellas.
Um i de seus calumniadores nao dei-
xoii nunca de ser por lie confundido solem-
nemente.
PUBLCACOES A PEDIDO.
Villa do Bonito
No intuito de corrigir tlgumaa inexactiMes e
fazer desappareupr a ambiguidad qne se jwttroa
rettli mc*o feta -pelo Sr. r. J. J. de Campos no
Diario d Pci-pmoMco do i $>\ o^rreaia, oiua
publico que se l nu D^i t deU, ;tpres*o-me u
narrar o que htete nesta (reguezta em 18*7, rela-
avamente -en^i' rtMWr.
Poocos iiiss antes do em que devia ter lugar i
eleijao dita, conversaudo coinigo nu casa da c-
mara mu 'iNincto membro da oppoatcau, o advo-
gado Flix F. Portelia, entre outras cousas disse-
ine i|ii> eonia i boat ie tue-H ees hvshs*h-
gos estavamos oisposios a pleiwar a eleicio no
sentido de excluir absolutamente das urnas a op-
pusieao.
Em resposta aoverei, qu to era verdadeiro
esse b.-ato ; e oin.squiida expm com franuueza o
meu peesaineiiio rejpelto -de eleigaVs, ftzendo
sentir ao br. Portslla que u nao icreditava na
legilicnid;e das unanimWadeS em taes materias,
o que eslava couveuculo de-jue, pur auis nume-
roso quo fo)so um partido, to o seria nanea ao
ponto pillada, excluir absolutamente a o^osicio.
Ae germinar essa eonversacao dsese en ao Sr.
PortelU que os meus amigos linhaut aeta fregue-
zia uin inaioria muilo pronunciada, que se elle
eos S.-.U- quisessem poupar irabalho, aoceilassern
os ligares de supplenlcs da eleitores,,por sei-oin
juslain'iiie os que podiam cbterpkiK'4iido a tei pre.-iJe o iriuiuil
falla sua petico, requerendii fosera os mes-
eos editores apregoades% nao camnareeendo
incorresse com elles a, responsabilidade, o que
sendo outido pelo dito jota, assim deferio, Dan
dando-os npregoar pilo dito porteiro. o qual fa-
zendo, deo. sua f ter rom parecido o Dr. Migoel
de'Figucira F?.ra, o qual disse que exhiban au-
Ihoprapho mtc questio.o qual achaudo em termo,
o jutx rerebeu e mandou juntar aos autos, e 6 o
que e se^ue-
& para consiar lao o presente, em que flfsM
na e juiz, editor, peticionario e porteiro.
Bu, GuHbenne. Aagnsio de Aihayde, esrritio, o
escrevi.---Anii nio Tacird.XiitjuH dr. Figuetri*
Fatia.Paulino Rmlriguts Fernaiiiet 'Chaces.
Francisco Manoel de Almeiia.
Respoasatiiliso-'no na formada leiD.:.rtodoss
artigas |uc teem de ser nublieados im, Diark de
PnlOuco sol) o lilijlo QtuUo Jm^dtca, escfip-
ios em relacanao recnrsw interposto pelo Sr. 3 a-
quim Podrigues Duarte, em resposta ao que pu-
blico iio Djarin de Pernumlinve o Sr. l)r. l'aali-
no RodriguasFainatides-Chaves.
Reeife. de }aolio de I8W Manael de SHda
Jactnu Pessa*.
Julgo qu" estnu sohejamonte justificado, urna
vez que faeo seiente a* puhlir<4e ace Ot*r-
Duarte depois do me ter injuriado tom unta f-
nagem, neou o seu iwitw a **! corresoondeicia
que com tanta ufama foi apreseniada o publico,
tend siJo l na wespera pre^oada a ua pubei-
dade.
Em wclusio declaro, que un admiti dis-.
cusso algnioa entre mim e n Sr. Durn-ii-, porque
alem de catres motivos, nao posso, uem devo dis-
cutir con i qaem teado a [.icilidade de offendora
ropotacao nlheia, tem Umbeiu a de nao suWmar
os sens actos.
PatUino itoiriguet Fernames Ckatel-
cao. Nesle poaiu u separamos ilneudo o Sr.
i'iirV'H.i que as urnas decidiriau l#so.
lo dia u.i eleirao eompareceawi ledos aa ma-
triz, sem que honvesse alli urna senimeUa on o
raeoor apparalo de -brea, e depois da ndssa proce-
demos a eluico da mesa, seiulo de m>Ur qe nessa
eloioo, que* foi feiU sem discosses desagrada-
veis, sem violencias, sem compresso, e *n que
upposicao voton com toda a hdenlade, Ikaram os
meus amigos victoriosos, o , retcarem-se da matriz as pessoas mais salieuiesj
da opposicao, sem duvida para confecenarea
entre si.
Clmavaso a acta da eleicio da mesa, quando
entro ua u.alriz o Sr. PerlelU cliaiuaaito-me di-
parte dis^e-me que se eslivessenios eu e os meus
amigos pelo que eu ihe navia dito na casa da c-
mara, elle u us seus amigos .-Kvk.iv.iru os lugares
de suppleuie dos quats os lejialmeiue e nao os
poJeiamos exi-luir, e ^rn^arise-uia a eleieo
sem o augmento de*rahaUios e sacrilicios muAuos.
Assi-^urei ao Sr. Poriella que em breve iia |e-
var-lbo a resposta a casa eiu que elle os seus
amigos etUvam reunido-, .resposta qi*e uo podia
dar S''U ouvir ns meu- aaiigos.
Eireclivjmente DHuco'ai'-poi comparec na casa
do \igario Uupba, onde o>uvam reanudas as i>es-
snas qu'i dirigiam a opposicao, e onde se achava
hospedado o Sr. Dr. Cauros, e depois de cei lili
car-me de que 3 proposia que me fura, feta li-
uha o asseuiimeiiui de iodos os presentes, pedi
qiWJ me dessem a usU do* suppleiites, asseyeran-
Uo qile sena, ella re vontade da opjkisicao.
E' veroyide que nessa occasiao, entre oulras
pessoas qne aeeitoi como gar;inlos J*> fiel cumpri-
meuto dacomposiro que. me fora proposta na M-
iriz, conlemplei J Sr. Dr. Caupos, que, celando
presente, uao podia eu sem injusiica nugar-lbe
essa pruva de consideraco e apnco.
Smeute por nao runhecer o liomens o as tu-
sas d'esta fiegoexio deu a entender o Sr. Dr. Cam-
pos que a eieicao de eieilores de 1867, foi aqui
(llspuuda pelos 'conservadores, pois a verdade
que a opposicao deent)era Composla ein qnasi
sua totalidaite de liberaes dissidentes; e para pro-
var esta verdade nao preciso mais do que iembrar
5ue frente dessa oppo-ic^o estavam os Srs. Drs.
osqnin do Reg Barros, rigario Conha Cavnl-
canil, capifo Antonio Jos Pereira. advocado l'or-
lella e padre Manuel Francisco Pereira,' nenhum
dos qnaes era conseTTador.
O fado de ter estido o Sr. Dr. Campos envolvi-
do com a opposicao ifaqni. co-nposta 'le fiheraes,
sendo S. S. um distincto membro dj partido con-
servador explica-se fadilmente pelo principio svm-
pathi) que approxima "hs opposlci hlstatf, quaes-
quer (|Ue sej un .-nas ideas, e es liga cintra o ini-
ungo uminuni. O liberaos divergentes nao com
pondo na provincia um partido devidamente arre-
gimeulade, em algumas localidades empreg.ivnui
seus esforcos em prol dos conservadores, porque
assim esperavam nbter mais promptamente o llm
desejado, que era a queda do partido que estava
uo noder.
Sem duvida levado por informacoes de pessoas
aiiaixonadas, commetteu o Sr. Dr. Camp-n orna
grande inexac:ido, dizendo que em 1867. nesta
freguezia, a ouposicao constitria urna imnrensa
inaioria ; porqiiauto era tao mingoada essa oppo-
sicao, que os seus ehefes punham tida a fa es-
peranca no vencimenl) da mesa, e logo que a
perderam abandonaran a matriz, e comeearatn a
parlamentear.
Se porventura a composirao soliciUda pela op-
posicao, nio tivesfe sido realsada, posso asseverar
ao Sr. Dr. Campos qno nao teria havido a effusao
de sangue que S. S. receiou e sappoz evitar ; por^
que da parte dos meus amigos nao havia um s
hoiiiem capaz de promover desordens ou de alme-
jar um triunipho ensanguentado ; deejavamos
lazer vingar a .no^sa chapa de eleitures, verda-
de ; mas do mesmo modo por que haviamos feito
vingar a de mesarios, obrigando a opposicao a con-
fessar-se vencida legal e legtimamente.
Quanto ao que occorreu na eleijo secnndaria
relativamente a pressio exercida s bre o Sr. co-
ronel Pedrosa, o Sr. Dr. Cimpos fezme justica e
memoria do meu sempre lembrado amigo, Dr.
Candido Martins; nern eu, nem o Dr. Candi'Jo
exercemos presao sobre qnem quer que fosse. *
Para sustentar o que tenho dito, eston prompto
a voltar imprensa as vizes que forera necessa-
ri, mavime ten do por contendor um cavalhefro
tao distincto como o Sr. Dr. Campos.
Bonito, 16dejuulode 1870.
Jote Gitirana.
O hachares Panlino Chaves, ao
I ubico
A minha correspondencia n'este Diario, leve
por fim tao tmente estigaiatisnr o procedimenio
qne tiveram os dous *iesembargaderes no jura-
mento da falleucia de Duarte & Medeiros ; em
que feriram bem de pe rio a justica que me asis-
ta, pelo que pr.-testei e anda profs.-to contra os
mesmos, dar urna queixa peranle o supremo tri-
bmal de justica, bem como declarar ao Sr. Duar-
te, que o meu direito anda est de n tanto que
ou renovar o processo de cumpiicidade pelas no-
vas provas quo tenho em meu poder, e que hei de
palmo a palmo dscuti-lo al on le pcriniltirem as
leis do paiz, para o que salierei ter pertinacia e
paciencia.
A verdade d'esta monstruosa fall-'in-ia ha de
sabir ao lame e entao havemos de deslindar um
negocio de letras no banco Man e urna hypotheca
que sob as suas inspiracoes fez ama respeitovel
ota.
J v noii, u publico, que eu nao podia esperar
em Tesposia a esU minba correspondencia, que,
com quanto esteja ooncebiJa em tormos eoeriti-
cos, est comtudo em linguagem propria da minha
posieao e dignidade, um accervo d injurias e of-
fensas, que gratuitamente me foram dirigidaa>sob
a respoosabilidado do Si. Duarte que mais urde
coshecendo a critica posieao, em que se achava,
declinou para o Sr. Pessoa que assumio.a res-
ponsabilidade de acto3 de que nao tem a precisa
coraxein pera carregar as suas conseiiueoeias,
dando com este procedimenlo a entend r qne s o
despeUo eo desforro no vocabulario dos calum-
niadores eram a nica possivel resposta.^ quem
do alto da imprensa declaron que na sua vida
publica, .-e bem que curta, nao ha um s faci
que o desdoure o que o obsie de continuar na
vereda que vai thrilhando.
A mais lempo nao flz esta declaradlo, porque
s honlein foi que leve lugar era jiuzo a exibicao
do autograpbo abaixo.
Auto de exhibico.
Aos 15 de junho de 1870, em a sala publica
das audiencias, onde se achava o Dr. juiz munici-
pal da segunda vara Arminio Conolano Tavares
dos Santos, eomigo e.-crivao de seo cargo abaixo
nomeado. ah pelo dito juiz foi ordenado ao p,r-
toiro do juizo, que abriste a audiencia criminal, o
que logo foj comprido, com as formalidades legaes,
pelo dito porteiro, o qual dea sua f ter compare-
cido o Dr. Paujioo Rodrigues Fernandes Chaves, o
qual disse que para a presente audiencia traz ci-
tado aos editores do Diao de Pernambuco, -afim
de exhibirem a responsabilidade do artigo de qne
AcvniecimwlQs do foro,
Honra ao digno
e probidoso magistrado/ qae
da ivlaeiu de Pernambeo, e
que no exeme* de mas elevadas luncfSes, sabe
zeiar a ammi de 4ia nohre classe I
Por uma portara do Exm. Sr. presidente da re
Ueao, da-euibargadoreconselaeiro CaeUno Jos
da Silva Santiago, foixpulso dos audiciorios o
eoiir.itiidnr de causas qne, para proover srdidos
interesses seus, nao duwda*a comriroinetter a re-
pulacao de ipajjslrajjps lospeiuvfis, sangrando,
a pretexto'de os ir corremper, a albeira de seas
constitut^fes. f
^ Deus fueira'que e-ti .icio de enbrgia do Exm.
Sr, coiisellieim preidenle da relapo, e o proces
so, que con.-t; te sh, instaurado paira o cliente
logrado o sulk-itador experto, irvam de i:cc?.
e escarment a todos os clientes/' que, certa* da
iojnsli-i com que liligam, qinfeui ^anJiar sus
cansas a troco oe dinlieiro, a tolo- o> socitado-
res, i|ui-, no iHiuiUi di f.izeroin, forluua a vapor,
saliidm ao (uesiiio lempo as a/gibeiras deunse
a honra de ouirus.
Se Ihes nao apityeitar a lc(;"p, lenham en) me-
moria a seguiute mxima de im esprituo.-o mo-
ralista :
As Mlha&tdat mo cuino n( tethns imayiuap. ser
0 ciiu Intimo : por mais que se esenudum, la d*
xM i- fora ama jionlinlia le rabo, para snem
iescobert'it maU cedo, ou mas tolde
Astra.
nnoso pai e de seu desvelado irmo, victima, d v
bacamurte dos*icarios I Ah I quanto preea/(u
o ser humano Nelle nada ha verdadeiran-^m,,
bello ; porque na maior punjaoca da alegra vem
a negra imagem da dr embrar-nos quanto so-
mos contingentes 1 Ah I nao turbemos as glorias
do prazer na recordacao de um 'qnadro, que o
presento deve esquecer!
.0 distincto tenente coronel cr.egou em sua pro-
priedade, 'azenda iNova, no da 20 de maio s
setc aeras da noite, e no dia 27 pela manha om
iurnero orescido de amigos vew esta sua pro
priedao>> cumprimenta-lo, e o mesmo succedou
nos dtas We 29. No dia 30, i seis horas da ma-
nnaa, leis de cento e otncoenta cavalhei ros acha-
rara se, postados em frente ilaua morada, os quaes
depo de estrepitosos vivas saliiram em forma
nia;s on menos regular em direceo povoacao,
ind frente d'este regosijado grupo o tente-
coredoL
A's 10 horas etitraram estes cavalheiros na po-
Vftacq, e foram mrbidos rom eutliusiastico ju-
bilo, sobindoaos ares ceuj^Lja/es de gyrandolas de
fbtjuets.
Achaudo-se o squito em frente matriz, o te-
her.te-coronel apeou-se e entrn para ella, onde
^cotfjladaa submissio e rtliglosidade rendeu gra-
c1* ao Allissinm e Nossa Senhora da C nceigo
por Ibe ter dado aborta de .voltar, depois de einec
annos de innmeras fadigas. sua torra natal.
A matriz chava-so coberta de galas, devklo ao
zelo e solicitude do administrador, o Sr. Manuel
iTUomaz.de Preitas, que nao obsuuto nio estar
presento o Rvin. vigario Paes e Paiva, todava pre
dispoz suas orden* de tal maneira, que nada bou-
ve a desojar.
Cdin toda solemnidade foi dita a missa, Coda a
qual o teen te-coronel dirigi-so residencia do
primeiro shpplenta da subdclegaeia, o alteres Vic-
torino Jos da RocbS e Suma, onde foi cumpn-
mentado pela massa compacta des habiumes da
Ireguezi.i.
As 11 horas foi pelo alferes Victorino offerecido
am lunch lo tenente-cronel, no qual flzeram-se
muitos brindes, sobresahindo os que foram levan-
tados ao exercilo brasileiro, conde d'Eu, duque de
Caxla?, marquez do Herval, partido conservador,
pr-siilen.to da provincia e Ilustrado jarocho Paes
e Paiva, sendo feitos muitas e repetidos brindes ao
tenenle-coronel, terminando este o lunch com um
brinde de honra Sua Magestade Imperial.
O enthusiasmo do povo subi ao delirio.
O lente-coronel Apolioano foi, como mereca,
recebido pelos habitantes da freguezia de Aguas-
Bellas, os quaes, depois do brbaro assa-sinato de
seu nnnea esqueci lo mano, o major Lourenco, vi-
viam como um rebanbo sem pastor.
ERRATA.
No pedido hontem publicado pelo Sr. Jos do
Reg Mello, deu-se no final un erro, pelo que de
novo o copiamos nesta referida parte :
.......2:000$000 de Machado e sua senhora,
3:000000 do abaixo assignado e sua senhora, o
que ser provado ante os tribunaes competentes.
Tendo esta provincia Je eJeger nm senador
p.-.ra avaga defxada, na caarj vitalicia, pela
senlidissima morte do venerando marquez de Oiin-
da, e deven-Jo a esenlna recahir n'ma pesa,
qae rena as qualidades exigidas para funecoes
i.io imporlantes, apresentaiiius o nosso estimvel
amiito o Exm. Sr. Or. Augusto Frederico de Ol-
veira.
Elle (; pc\n sua illnstracao, criterio, servicos e
amor ao paz diga) dos salTragios desta heroica
provincia.
Os das infjustos da poltica conservadora o en-
contraram sempre Da arena, defendendo os in-e-'
resses o'ella.
O paiz, especialmente a provincia, que n vio
nascer, o contara no numero deseasmais devota-
dos Sitios. Su palavra autorisada toin-se feito ou-
vir.na cmara temporaria, sempre que o paiz on
a provincia tem exigido.
O zelo pelos pblicos negocios, a independencia,
posieao e desinterosse do apresentado sao asss
re-o.ibec;rtos pela provincia.
Esperamos, portan!, que o illuslrado corpo
eletoral, apreciando devidameote as qaalidailes,
que rene este^ digno pernamhucano, raanifeste-
Ihe sua graiid^ >, otteiecendo seu nome escolha
do nos? Monarcha.
Alguns deinres.
O publico aprecie
Aind i Jos do Rege Mello, leudo eu depara lo
hje 22 do correrte, com um protesto feito pelo
meu bello concunhado. Antonio Joaqaim Machado,
onde com lodo seu descarameulo diz : t qu licou
sorprehenddo quando desama as minhas respes-
tas aos sous dessrucados anonymos publicados nos
Diarios de 18, 19, 0 e 11, aos quaes nao se re-
fere elle, por serem feitos debaixo do capote e
dgaos elle.
Para o publico ver quantc digno de lastima
o egosmo infame do vil procediineuto do meu
CTicunhaJo ; pois se tem elle s o direito no
referido armazem, para que busca faitar-s de
sustentar 6eu vallido direito ?
Declara-se agora porque nao pode mais occul-
lar-se?...
Dizendo lioje no sen protesto que me intitulo
socio do a.-rnazaui n. 40, que foi de Pedro Jos de
Mello Costa.
Se o Sr. Machado persuadiu-se quo eu deieria
ser seu raensageiro, como tambem devia le jue-
rer illiciar aqaillo que me mais caro, e eu o
nao havia de repulir com honra e dignidade.en-
ganou-se T
Diz mais : < e qne esteva eu admittido no Refe-
rido armazem por motivos muito especiaes e ique
quer fazer valer o seu direito ?
Tanto estimo : sendo o Sr, Machado adminilra-
dor de sua Sra., assim como eu, o sou.
Se tem Machado direito a casa por ter ellenel-
la dous ratos de reis pertoncentes a sua Sra
eu tambem o ten no por ter minha Sra. tres.ion-
tos de reis. Sao esses o mol i vos imprevistos que
cabe a ambos, ou nao cabera a nenhum dos ma-
ridos e sm a outro e-tranho ?...
O contrario, s o, Sr. Jachadoa casando-se
com as duas irmas; s nesse caso podara asu-
mir a si o direito de asT.bos ; perianto, o publi-
co aprecie as leis, anda nao me tiraram o di-
riito que tenho de vellar nos interesses de mnha
casa, ou de fazer pur adquerir o fdluro de m.nba
familia.
S, sirn, boje, meu digno e coahecido corcu-
nbado Machado com calumnias artificiosas dituas
dalle.
Perguntaremos nos ao publico quem tora a
audacia de fazer os ditos anonymos ? Responcer-
me-ha Machado ?...
Pois bem : o publico apreciar a comedia, (tila
e ensaiada pelo digno Antonio Joaqun) Machado.
Recife, 22 de Junho de 1870.
Jis do Reg Mello.
AVISO
PRACA DO RECIFE 22 DE JUNHO.
DE 1870.
as 3 1/2 bobas na ^abdr
Assucar bruto americano2200 rs. por 15 kil.
Cambio sobre Londres 90 d/v 21 1|2 por UOO
(hraiem).
Dito sobre dito 90 d[v. 28 5|8 por 15000
(qoje).
Cambio sobre Pars 90 d|v. 440 rs. por franco
Iboutein).
Cambio sobre Portugal 90 d|v. 143 0(0 de pre-
mio (hontem).
aonjallo Jos AfTonso,
Presjdar-t".
MesquiU Jnior.
Secretario.
ENGUStt BANK
Jf Rio de /aneiro Limited
Descosta lettras da praca taxa a con-
'encionar.
llecobe dinbeiro em coata corrente his
lraso xo.
Sitca ;i vista ou a paiosob"e as cidadet
principats da Europa, tem correspondente;
aa Bahia, Raeoos-Ayres, Montevideo, New
New-Orleans, emitt3 cartas de crdito
33ra os mesmos lugares.
RA DU WMMGHCIO N. 36-
ALFANSGA.
erdimento dcdal a 21. .
dem do dia 22. .
727:960.: 865
33:3<)3664
701:2645529
MOV! MENT DA ALFANDEGA
/oluraes entrados cora fazendaB
Idea idsm com gneros
/olaicessahidos com fazeuas
dem idem cora gneros
U7
485
------602
160
K
------ 2!5
Descarregam i-.oje 23 d. junho
Brigue nglezJfor/Aflferro.
Brigue iaglezHelen Richardiem.
Escuna portuguezaAguiamercadorias.
Rrigne pnrtaguezLaia /mercadorias.
Brigue inglezJolm Bayoharidem.
Brigue inglez Cautrosidem.
Patacho nacional Jaboatao idem.
Barca trancezaSphereidem.
Patacho portuguezPoiiiabacalbo.
Barca dihamarq&eza Foreningen farinha de
nao.
Barca inglezaIndiumcarvao.
RECEBEOIilA DE RENDAS IS'ERNAS GK-
RAESDE PERNAMBUCO.
ilwdiirentode dia 1 a 21. 48:79820:
Idem dr dia 22...... 1:451*333
50:349S536
CONSULADO PROVINCAL
Rendimento do dia 1 a 21.
dem do dia 22.
99:857*241
4:5643234
104:421*495
' tiva pnwmcial decretoa, e ea lantcionei a Ici
seg'urtte :'
Art. 1*. O presidente da provincia ea autori-
sado icuntr-uar cora lacqnes llonefond, ou com
qualquer outro que melbi.res vanta^is ofereeer,
precedendo editues de 90 dias, pobliead. pela
imprensa, nas princ.ipae..t cijades imperio, a
collocaco de nm gaoir,ctro para a illumina-
colmblica da capital, mediante as oondicoes se-
guinles: ''
i 1." Aillumiacao romprehtiKlera toda a ci-
dade e seu contornos limitados.
g 2. Dentro do referido puriwetro coilocara
o enipsezario, a^sua cusa, tresealo combostores.
ilesti ihuidoa pelas ras e praca*, e na distancia"
que for marcada pelo governo, pcrceliendo peta
luz de cada combtistor a quantia de irinta reis
por hora, areco que deve ser regulado pelo pa-
dri monatario brasileiro. e equivalente a deze-ete
dinhciros slerlinos; podpnd'Ver .infiBento\-
aquello numero qdando o governo o julgar eon-
vfniepie, pela mesma forma, preco e condicoes
cima ijjencionados, ao que tica tambem obrigado
emorezaiio.
3.a Cade eombusur formara urna luz equi-
vatento em ;intensidade dez velas de sper-
macele.
4. A ofDewna para a produeco do gaz, a
collocaco dss machinas, apparelhos, canos e tudo
o mais que for concei nenie a illuminaeo com
pleta, da celado, hn como o fornecimento e eos-
leamento dos combuslores correrao pot cotila do
etnprezario.
j 5.' O emprezano licar lambem obrigado
Iluminar os edificios e estabeleciuienlos pblicos,
logo que o governo o JelTininar, pelo preco de
dez reis por cada p cubico de gaz, que for consu-
mido, regulado wlo me mo padreo monetario es-
labeieeido no 2. sendo feitos eusta da provin-
cia as despesas para a collocaco das combustores
e seus afectivos tubos de rierivaco.
S 6. O termo medio de lempo em que se con-
servaran acesos os com ustnres ser lixado pelo
governp, que determinar igualmente o looal para
o estabelecimento das offieioas o gazometros.
7. O empresario comecar a perceber o
prsco da illuminaeo na razar estipulada do nume-
ro dos combustores marcados pelo governo, e por
aquellos que s acenderem por distrietes, quartei-
res ou fregueuss.
g 8. O empresario ser obrigado dar coin-
co aos trabamos respectivos no praso de dezoito
metes, e cMnclui-los no de trez annos, sujeitau-
do-se na falla de camprimento da primeira cun-
dico pagar a inulta de 5:000*, e da segunda
2.000*, enleudendo-se por comeen dos trabalhos
aapresentaea) da iilaala da cidade, ja organisada
e escolta do local para o pazomeiro, e por_ con-
cluso a completa eanaltoeo e illuminaeo da
mesma.
9." Pura jarantia das condifoes anteceien-
tes depositar no cofre a Uiesouraria provincial a
Uiniia de 5:000* em diahoro, ou apolicos da
divida publica, no acto de asspgnar o contrato, e
essedepisto ser levantado do modo saguinte_:
3:000*, no fiomeco das obras para s canalisaco
c o restante seis raezes depois de se acbarem eilas
concluida, c do regular o completo audameulo
jas niesroas.
% 10. O emirato durar por espaco de cincuen-
ta annos, fine serio contadas da dato em que
principiar a iilumiuaco, e lindo este prazo o em-
prezario lea, prefereacia qualquer outro, em
iguald ide ile condiQes para a sua renovac'i ;
nao sendo permittido nenliuraa companhia ou
particular, e:uilielecimento de jgual empreza du-
rante o lempo cima mencionado.
11. 0 empiezan:) lera laoiUvn preferencia
quando nouver de oatabeleneiTSO a illuminaeo
de algtiraa das demais cidades ou villas da pro-
vincia, sendo obrigado bracee ia pelo mesmo
preco e condicoes desta contrato.
12. O governo da provincia ficai obrigado
a ceder ao emprezario qualquer terreno devoluto,
uu de marraba qne seja nocessario para o estabe-
lecimento, da ulllcina do gazometrn e suas rtepon-
dencias_; assim cuno a solicitar do gov.ruo geral
a isenco dos direos das machinas, comDustorcs
e materia prima n-c-ssaria illuminaeo, corren-
do por contarla provincia as despezas que se li-
zerera com a aleracao, ou Jeslocaco do material
dailluminac) em cousequencia de traballi.s pu-
blico?.
13. 0 governo ter o direilo de nomear, sera
annuencia do c ntratante, um engenheiro para ve-
lar no exactocuraprimento das condicoes estipu-
ladas no contrato, assim como de organisar um
regulamento para a illuminaeo no qual se fixa-
ro a. multas que deve pagar o eniprexario na
razo de duzenlos res por noite, por cada com-
busior que te;,lia a luz amortecida, e quatrocen-
t'js reis por cala um que noestiver aceso, sendo
estas multas descuitadas mensalmente da mpor
taucia que titer o erapr.'zario de receber da the
souraria provincial.
14. Ni caso de paralrsaco da illuminaeo
por culpa do eraprezario, lieai este responsave'
pelo prejuzo que causar, correndo por sua conta
todas as despezas qne o overo bouvar de man-
dar fazer com este servico, fic.-indo tambera o em-
prezano re.-p insave! pelas faltas qua commelte
rom os seus empregados no escrcicio de suas
fuaegoes e obrigado a pagar qualquer daino pu-
blico ou particular por elles causado.
i 15. As dundas que appirecerem acerca da
lulelligencia no contrato, assim como as qae se
susci arem durante a execugo, sero decididas
por dous arbitros nomemios por ambas as partes
contratantes e no caso de empate, por um tercei-
ro escolhido pelo governo.
16. O tmprezano licar responsavel pelo
apparelhos que collocar nas casas particulares,
salvo forja maior; e ser o nico habilitado a
foruece-los para a sua collocaco, nao po.1e.ndo
porm receber maior preco do que o estipulado
no l 5' da presente lei.
17. O emprezano poder ulilis.-.r-se das ma-
terias mueraes quo encontrar na provincia para
a produccaodo gaz, se a seu juizo ou medanle
processo di: aieo, as julgar mais appropriadas
para rat Ihuramento da luz; pagando o valor dal-
las, que ser convenciouado entre o emprezario e
o presidente da provincia.
18. 0 emprezario ter o direito de fazer ees-
sao do contrato a qualquer pessoa ou coinpanhia,
sujeilando-se oo-ssionano a lodosos onus e obri-
gaeoes relto estipulados.
Art. 2." Fieam revogadas todas asleised3po-
sigoesem contrario.
Mando portanto, a todas as autoridades, qaem
o conhecimento e execueo da referida lei perten-
cer, que a cumpram o ucam cumprir tao intuira-
uitnte como ueJIa se (OUtam.
O secretario desta provincia a faca imprimir,
publicar e correr.
Palacio do governo em Macei aos II de maiode
1870, 49 da independencia e do imperio.
Em qualdade de nico dono do armazem de
carne secca n. 40 dama da Praia, tendo j preve-
nido ao publico, de qne meramente imaginaria a
firma Machado & Helia, de que servio-se o Sr.
Jos do^Rego Mello, nao quero continuar era mais
discusso pela imprensa; e nos tribunaes, onde
espero o Sr. Reg Mello, farei viler o direito
ju'tica,,que me assistem.
Dos livros, e das notas que roe foroecem o Sr.
Reg Mello, como mea preposto, nao con;te debita
oa aceite algum daqoella firma, e se atgum appa*-
recer contra elle protesto desde j.
Recife 22 de junho de 1870. ^.
Antonio Joaqun Machado.
Radiante de jubilo e contentamento sargioeara
todos os habitantes de Aguas Bellas o dia 26 de
maio prximo passado (dia serfipre meraoravel e
de verdadeira alegra para aquella fregaezia) ;
porque nelle viram tornar glorioso e triumphante
ao seo de sua familia um de seus mais Ilustres e
distincto palricios o tenentecuronel Apolinario
Florentino de Albaquerque Maranheo Sobrinho,
que depois de longas fadigas na campanhado sul
vei i repousar em sua torra natal.
A penna nao pode exprimir os sentimantos du-
plos e dlamclralmente oppostos,' que sem duvida
experimeotou sua alma quando, deparando sua
carinhosa mai entre os arroubos de conleotamento
e frenetico enlbusiasmo de sua familia, que no
meio das ovaces e da alegra de toda aquella po-
pulacho, que offegara de prazer, viona em ondas
de todos os lados para saoda-lo ; elle se ra cer-
cado de seos prenles e verdadeiros amigos ,
mas j nio vinha a imagem querida de sea cari-
MOVIMENTO CO PORTO.
Navios entrados no dia 22.
Granja e porto intermedios7 dias, vopor brasi-
leiro Ipojuca, de 360 toneladas, eoramaodante
Moara, equipagem 30, carga differentes gene-
ros ; a companhia Pernambucana.
Rio de Janeiro14 dias, barca poitugueza Vence-
dora, de 280 toneladas, capito Joo Lopes
Martins, equipagem 16, carga farinha de man-
dioca, miluoacaf ; Soares & Primo.
Rio Formoso6 horas, vapor brasileiro Parahy-
ba, de 104 toneladas, commandante Oliveira.
equipagem 14, em lastro; companhia Per-
nambucana.
Navios s'ihidos no mesmo dia,
BarcelonaPolaca iiespanhola Antonieto, capito
Jean Limonia, carga aigodo.
Rio de JaneiroBrigue austraco Diezwei Dru-
der, capito Antonio Bodech, era lastro.
Rio de Janeiro^Patacho brai-ijeiro Arte, capito
Antonio Pereira Marques, carga assucar e ou-
tros gneros.
LiverpoolBarca ingleza Aris, cap io S. Goode-
vin, em lastro.
LiverpoolBarca ingleza Hannah Mar y, capi-
to Bell, carga aigodo.
Porloj do norteVapor brasileiro Cruzeiro do
Sul, commandante Joaquim de Paula Guedes
Alc torada-
(L. S).Jos Benlo da Cunta Figueiredo Jnior.
Nesta secretaria foi publicada a presente lei ein
11 de maio de llO.Jotiquim do tajo Barros.
Registrada a fl. 136 verso, do livro 4 de leis
provinciaes.
Secretar do governo em alacei, 17 de maio
de 1870.Galdino de Alcntara Tateiros.
OEOLABACOES.
EDITAES.
S. ExcoSr. presidente da provincia manda fa-
zer publico que no prazo de 90 dias contados des-
ta dau devem ser apresentadas nette secretaria as
propostas para o contrato ce illuminico gaz
uesta cidade, ^conforme a le provincial abaixo
transcripta.
Secretaria do governo das Alagas em Macei,
19 de mai a de 1870. O secretario, Joaqun do
Reg Barros.
LEI N,42DE 11 DEMlO DE 1870.
Jos Beoto da Caoba Pigueiredo Jnior, presiden-
te da provincia de Alagas: Fago saber a to-
dos os seus habitantes que a assembla legisla-
Por (rdtn do Sr. Dr. Claudiao do Araujo
Guiraaies, consol da n..co porlugutza nesta pro
vinciade Pernambuco, sao chamados os eredres
aos espulios do> subditos poriuguezos Francisco
Jos de Carvallid e Joo Antonio Duarte Jnior,
para apresentarera seus crditos nesta chanjella
ra do consulado, dentro do praso de oito dias da
presente dala, para depois de verificados seren
panos at onde chegar o producto dos mesmos es-
polios.
Consulado de P rtugal em Pernambuco 20 de
junho de 1870.
O chaoceller interino,
___________Artlrar Aureliano Ferreira Braga.
COMPANHIA
DO
I6:IWM
clara-se a inda quea renda d'agua para o mar
ser exclusivamente feta, no bairro do
ItecITe, e obrigados u Srs, arrematantes
fazer a terca parle de seus pagamentos em
tiedulas miudas.e cobre.
RAZES SOBRE AS QUAES SE DEVE.
_ LAJgAR
Bnir doRtcifc
Chafarizes e bica do caes d'al-
Ifanoexa......
Dito da rita da Cruz .) 7:l5^
Dito da ra do Brim ,
Difo e bica <> FHe doMattos^
Bairro de Santo Antonio
Chafsrizes do Largo d-Carino.'
Dito do Largo de Pedro II .
Dito do largo doParaizo. .\ 21:720,51
Dito da ra do Sol .
Dito da ra da Concordia. .
Bairro da Ba-Vista
Cuafariz e bica do caes do Capi-(
liaribc.......\
Dito da roa do Aurora. <.
Dito da cidade nova de Santo I
Amaro..... .1
Dito do lutjr do Campo Verde.\
Diio o^o largo da Soiedade. ,1
Dito da l^ixa d'Agua dos Pires.)
Dito da praca do C ude d'Eu,. I
Dito do na H S. Goncallo ./
Bairro de S. Jos
Chafar do larco da Ribeira
Dito da ra de N. Senhora do
Terco.......
Dito da entrada da Cabanga. 2:1:000,?
Dito da ra Imperial .
Dito do lar^o de N. S. da Paz
dos Affugados.....!
Passgem da Varia lena
Cliaferizdo largo vivero 72/jOOO
Dito da entre duas pon-
tes.......200,5000
------------- 272
Capunga
Ghafariz da ra das Pernambucanas 2005
Apipucos.
Cbafariz desta localidade 180
Montdro
Cliafariz desta lucalidade 150*
Escriptorio d;i cirn[janha do Bcbeiibe,
20 de junho de 1870. O secretario,
Dr. Prxedes Gomes da Souza Pitonga.
Concilio de compras navaes
O conselho, no dia ?3 do corrente mez, vi propostas reccbilas ate as 11 horas da manha e
sob as condicoes do es:y!o, promove a compra dos
objteto? doiuateriaLda armada segunte: 1 e-caler
de i remos para servico da capitana do parto, 0
barras de ac batido de popica de 2 1|2 polegadas
de largo e i|8 de grossora, 0 barras de ac batido
de 2 1|8 palegadas de largo e 4|8 de grossura, 10
baldeadeias do folba, 10 camas de vento, 60 bar-
ras de ferio inglez proprie para grelbas, 20 len-
5es de ferro de l|'t de grnssnra, 6 ns de com-
primento e i de largo, fi fules inglezes, tendo
cada um 8 ps de ewnpi iraenio e6 de largo.
Sala das tesasen do conselho de compras navaes
18 de junho de 1870.
O secretario.
Alexandre Rodrgaos dos Anjos.
SANTA CASA DA MISERICORDIA DO
RECIPE.
A lm.a. junta administrativa da Santa Casa de
Misericordia do Itecifo manda fazer publico qne
na sala de suas sessoes, no da 23 de junho, pelas
't horas da tarde, tem de ser arrematadas a quem
mais vaniagens ofiVretvr, nelo tempo de um a tres
airaos, as rendas dos predios era seguida declara-
Jos :
ESTABELECIMEMTO RE CABIDADE.
Roa do Padra Floriano.
Casa terrea n. 63.......17700O
dem n. 47......, 71*000
Ra larga do Rosario.
3. andar do sobrado n. 24. 242*000
L 'lito do sobrado n. 24 A. 401*000
2. dito do sobrado n. 24 A. 400*009
3.0 dito do sobrado n. 24 A. 242*000
Ra de Santo Rita.
Casa torrean. 34........150*00(1
Ra das Calcadas.
Casa terrea n. 34.......179*000
Travessa de S. Pedro.
Sobrado de 2 andares n. 2. ,. 602*000
Ra de Santa Thereza.
C\sa terrea n. 4.......145*000
Ra do Amorim.
Casa terrea n. 26.......301*000
Ra do Amparo (Oiinda)
Casa torrea n. 29........ 140*000
0 sitio do Forte na Ven-la Grande. .. 16*000
PATRIMONIO DOS ORPHAOS.
Ra da Senzalla.
Sobrado de 2 andares n. 136 601*000
Casa terrea n. 10......207*000
dem P. 18........340*000
Ra da Cruz.
Sobrado de 2 andares n. 12 881*000
Largo do Paraso.
Io andar do sobrado n. 29. 232*000
Ra do Rangel.
Casa terrea n. 38........ 360*000
Ra de S. Goncalo.
Casa tortea n. 22...... 218*000
Ra do Amorim.
Casa terrea n. 24....... 84*000
Travessa da Madre de Deus.
Sobrado de um andar n. 11. 1:500*000
Ra da Cacimba.
Casa torra n. 12.......147*000
Ra dos Burgos-
Casa terrea n. 19 147*000
dem u. 21........150*000
Ra da Guia.
Casa terrea n. 27......147*000
Ra do Pilar.
Casa terrea n. 101......204*000
243*000
77*000
200*000
202*000
203*000
204*000
204*000
420*000
107*000
No dia 27 do corrente pelas 42 boras
do dia ter lugar no escriptorio d i compa-
nhia ra daCabogn.0 16, n arrematado
dos chafarizes e bicas por bairros nio se
admittindo propostas que comprebendam
mais de um bairro enem por espaco maior
de um anuo. Os Srs. licuantes podam coa-
correr com satis ha loras ou declaracSo
dos mesmos no mencionadodia, devendo ser
as propostas em carta fechada e apresenta-
das na mesm:: occasiao, ou antes'no escrip
tario, onde melbor podero informar-ae das
condicSes do contracto' d'arrematacSo. De-
dem n. 89
dem n. 2.......
dem n. 104.....
dem n. 102......
Id sin n, 103......
Casa terrea n. 110. .
dem n. 93.......
Becco das oias.
Casa terrea n. 5.....
Sitio da Mirueira n. 4.. .
Os pretndanles devero apresentar no acto da
arremataco das suas llancas cu comparecerem
acompannados dos respectivos fiadores.
Secraiaria da Santa Casa da Misericordia do Re-
cife, 20 de junho de 1870.
O escrivo,
Pedro Rodrigues de Souza,
Santa Casa .de Misericordia
do -Recife.
..'yin'-eiro vista.
Alllma. junta ad ilustrativa da santa casa de
misericordia do Recife no intuito de alargar o cir-
culo das pessoas qne coneorrem a arremataco do
farnecimento de pao e bolacha, que tem de conBU-
rar os estabelecimentos pos ea cargo, manda
fazer publico que o mesmo fornecimento da quan-
tia de 22:000* annunlmente.'e que pago mensal-
n.iente com dinheiro vsia.
Recebe, portanto, propostas para o tornecmenio
Indicado no trimestre de julho setembro proxl-
no, na sala de sna sessoes, e pela 3 horas da
tarde do dia 23 do corrente.
Secretaria da santa ca*a do misericordia do Re-
cife tS de janho de 1870.
O escrivo,
_____________Pedro Rodrigues de Souza.
Hanta asa de Misericordia
do Recife.
Biatheiro i vista.
A Mima, junto administrativa da santa casa de
misericordia do Recite, na sala de suas sessoes, no
da 3 -do cowente, reeebe propostas para o for-
necimento ao assucar qae bouverem de consumir
o estabelecimentos desta ciclad sea cargo, no
trimestre de jlho setbro vindonro.
Santa casa da misericordia do Recife 20 de m-
nho de 1870.
O escrivo,
Pedro Rodrigues de Soasa.
I
* f
t
i
J
i
1


Diario de itomanjW Santa Casa e Misericordia
do Recite
A Illma. jaou administrativa da santa casa de
?'str-c5rdia df> Rec,fa. n*9al ^ o* sessoes, no
fia 13 do correte, receiw propostas pwa o Torne-
cimento de carnes verde que houerera de con-
sumir os eslabeleeaentos pos seu cargo, nos
mezes de julho.a setembro vindouro.
Santa cesa de ratserieordla do Recife 20 de iu-
ntao de 1870.
O eserivJi),
____________Pedro Rodrigues de Soma.
.** -
9
CIRCO
NO
PAVLHiO DE SISJ
*
Pinni ra
COMPANHIA
O caixa desta companhia, commehdador
Tomaz de Aquino Fonseca, acha-se anto-
risado a pagar no seu. escriptorio ra do
Vigario n. 19, das 10 horas s 3 da tarde,
o 44 dividendo esta compartida na propor-
cao de 3$ por cada accao. *
Escriptorio da Companbia do Beberibe
28 de mato de 1869.
O secretario,
Dr. Prxedes G. de Souza Pilonga.
OVJSB.NO 1)0 BISl'AUO.
Sed Vaeantu.
O Rvm. S. vigario capitular manda fazer pu-
blica que da despachos todos os lias nteis da 9
horas da manhaa at as 2 4a tarde : d andienei
no foro contencioso as quintas, feiras as mesmas
horas ; e igualmente d audiencia particular nos
mcsm^s dias das 4 as 6 horas d tarde.
Palacio da Soledade 22 de junliu de 1870.
O paire Joaquim da Assumpco.
______________Escrivao da cmara ecclesiastica.
Consulado provincial.
Pelo consulado provincial faz-se publ co que em
dos 30 dias uteis para a cobranca bocea do co-
fre dos imposto da decima nrbana de S 0|0 sobr^
s bens de raz, de corporaco de rod-morta, e
do consumo de agurdente, relativos ao correte
auno finaiiseiro de 1869-70, incorrendo na multa
de 6 0|0 os contribuimos qne nao satUfizerem
suas quotas dentro deste praso.
Consulado provincia 27 de rnaio de 1870.
O administrador,
______________Antonio CarLeiro Machado Ros.
administrador da Recebedoria de
rendas internas geraes faz publico que be
ueste corrente mez de junbo que os deve-
dores da dcima addicional de m3o morta,
omcuio numero s^ comprehendem as com-
paobias e sociedades anonymas, leem o>
pagar a mencionada decima sem multa, e
I! lindo o referido mez, ser paga com
a raoJla de 6%.
R-i"obedoria de Pernambaco, 10 de iunho
de 1870.
Manoel Carneiro de Souza Lacerda.
Arrematado judicial.
Xn dia 2o do corrente mez fi.ida a audiencia do
Sr. Dr. provedor dos reganos arrematar-? -ha por
venda a casa terrea do largo da matriz de Nnssa
Senbora da Paz. freguezia de Alagado?, n. 85. com
-li palmos de frente o 7."> .le fundo, construida
ni terreno foreiro, plaido de arvores, com ca-
cimba, tinque, endo o terreno atravessado pela
estrada de ferro avahad em 2:000*000 oerteucen- r6t C, ra do (iimmoreio n. 8.
te testamentaria de Jo> Ribeiro da Costa,
rripto s" acha em poder d > portoiro.
Oes-
o inspector interino da allandeg faz publica
que no dia 21 do corrente 1 hora da tarde,
porta i!a mesma, ser levado hasta publica, li-
vrc de direito* ao arrematante, 20 launas de pi-
ano viadas de Hambargo no navio norte-alien To
Vertas, entrado nesttt porto em 28 de abril d >
crrante anno; a? gases foram avahadas em 84,
< abandonadas aos respectivo-, direltos por Joo
Martin* de Barros.
Atfandega de Pcrnambuco, 21 de janho de
1870.
O inspector interino,
Luiz de Currulho Paes de Andrade.
COMPANHIA
BQL'ESarU GIMNSTICA ACROBATI :.\
SOB A DIREpCAO
DB
D. Lui& Gasali
EXTRAORDINARIA E VARIADA FUNCCAO.
abbnd* 5 o .o;rcnte
BENEFICIO
De D. luiz.
PROGRAMMA.
1." lima linda symphoma dorigida pelo maestro
Martin?.
2." As posieSet acadmicas, pelo .beneficiado e
sympathica seorita Anua.
3. Pela primeira vez, a menina Joannita e>
cutara o volteio rpido, sobre o caallinho matea
4. Pei primeira vex, o salto do Rombo, pelo
banehriado.
8. Dm jocoso entroroez, pelos clowns Cesar,
Aldabo o Rod rifaos.
6." Pela primara vez, o beneficiado apresentar
a alta escbola, o cavallo Marrtio, montado pelo
systema B;iurhe".
7. O Sr. Vicente do Repo, artista pernambuca-
no, far sorprendentes destocats sobre duas
cade i ras.
Intervallo de 30 minutos.
8. Os arriscadisaimo* jogos athleticos, sobre a
escada aerea, pelos festejados gymnasticos Ce-
sar e Vicente Casalj.
9.' Trinta annos, ou a vida do jogador, pelo be-
neficiado.
10. .Pela primeira vez, as argollas vollantes,
por Aldabo e Rodrigues.
11. M primeira vez a interassante pantomi
ma : intitulada : os dou- irmaos feridos ou o de-
fensor da bandeira brasileira.
O pr ncipal papel desta pantomima sera feito
pelo beneliciaoo.
Principiar s 8 1|2 da noule.
*rfos
Camarotes com 6 entradas........ ItflDW
Cadeims....................... 2*00(1
Cadeiras avulsas para senbora..... 25000
Geraes.......................... j^ofJO
Os bilhetes de camarotes, cadiras e plateas
veudem-se no mesmo circo.
DEDICATORIA.
_0 beneficiado, penhurado pela decidida pratec-
Qo e ptimo acolhimento que esta enmpanhia
tem tido nesta capital, e pelas maneiras a-ss ob-
sequiosas com que ha sido tratado por todo', quer
como artista quer como homem. dedica o seu be-
neficio ao distinelo corpo .-.endmico, e ao nao me-
nos Ilustrado corpo eorrmereial desta cidade, es-
perando de todos o seu benvolo apoio.
Paqueces a vapor.
Dos portos dto aorta parado
at odia 30 do crrante o vapor
Arutoi, confmandante iuilherme
Waddengton, o quai efenois da
demora do costume seguir pa-
ra o parto* do mi.
Desde j recebem-se passageiros e eagaja-sa j
Mgi er embarcada no ala de sua chegada. Eneommen-
lasedmheiro a frete at as 2 horas do dia da sua
tbida.
Nao se recebera como encoramendas seno ob
lectos de pequeo valor e que nao excedam a dua
irrobas de peso ou 8 palmos cbicos de medlcao
rudo quepassar deste limitas devora ser embar
ado com carga.
Previne-se aos senbores pasgageiros que snas
passagens s se recebem na agencia, ra da Cruz
n. 57, andar, escriptorio de Antonio Luix de
Oliveira Azevedo & C
Boa compra.
Vende-seo patacho nacional Palma, de lotacao
de 10,000 arrobas de carne, cojo navio se aha em
perWto estado, e appjreibada para amprebendar
qualquer viagem ; o quai chegou uiliraamente do
Rio Grande do Sul com carregamento de carne, e
se acha. fondeado em frente ao caes de 22 de No-
vewbro : os-prMeoient.'s poiaro- all ,1 ve lo,e
trair com.Jos Viotorino de Reaeode & C., ra
da l^adeia n S2. escripturia,. _________
e mais ob/e tos c perteoces de nadarla qne fazem
parte na mesma m;<^a*e *er.' entre(fni plo
P
isai'T urtjgo. ('..ninfa s> 0s pr. * |.ij.;a pu'lnu-lo irmn v. r a av.iliaeo no car
torio do escrivo Sant'Anna. *
AVISOS DIVERSOS.1
3STfTCTOARCfl8LOGfCO E 6BOGRA?ffll30
Haver sessSo ordinaria quinta-firira 23 do
corrate pelas ll horas da roaobJa.
OBDEM DO Da
Pareceres e mais trabalhos de com-
missSes;
Disc)ss3o do oreymaoto que tem de vf
gorar no anno social de 187071.
Secretaria do Instituto, 20 de jonbo de
Para comprar, cojinhar e lavar jara dua. pm-
; >as, precia-se de urna ama^; na roa da liajoata
1870.
"OSESE;
Compaa3i!a 3mer.'caf::a c brasS-
lelra de aqaelc a vapor.
At o dia 1" de julnu esperado dos portos do
sul o vapor americano South Amrica, o quil de-
pois da demora do costiune. segnir para New-
York tocando no P.r e S. Tbanfat. para frates o
pavagens traU-se cornos agentes Heniv Forster
Pretende sahir em poucos dias com a
carga que ti ver a barca poringueg Soaal,
por isso quem desejar aprov^itar frete com-
modo, dinja-se ao xoosignatr.o Joaqaim
Jos Gongalves Beltro, i ra do Comtaer-
ci u. 17, ajsim como recebe passageiros,
para os qua9 tem bons comm'dos
Para .Wamanguape
At o dia 25 bureara Monte Ckruto, anda recebe alguma car
ga : a tratar com o mestre da mesma na esca-
dinha.
Porto por Lisboa.
A barca Vencedora dever seguir viagem em
puucos dias com a carga qne tem : por i-so os
Srs. carnegadores e passageiros que quizerem
aproveitaresta brevidade e commodidade no* pro-
cos, pdem diriizir se ao escriptorio de Soares Pri-
mos, ra do Vigariu n. 9.
ELAO
THEATRO
GIMNASIO DRAMAou,
(lio Moateiro)
Preco das passagens para o Para.
As passagens para o Para na classe eusta 120
______ na proa 600
Pa a Lisboa
a
Segas para o porto acina indicado com a possi-
vel brevidade a escuna portu^ueza A^i' o resto da carga que lh<> falla, trata-so com a
consignatarios E. R. Rabeiio & C, ra do Com-
mcrcio n. 8.
por vapo
GO.MPAN'HIA JM'.aNAMUCAN;
DE
Navegando coa tea
Goianoa.
'**$** O vaptr Parahyoa, seguir par -
y%A^ porto cima no dia 2fi do corrente
_i2aESB as 9 horas ua n
R cebe carga, eucommendas, passageiros e di-
nheiro a frete no escriptorio do forte do Hatto?
n. 12.
e nmveis, toncas e cystaes.
Urna niobilia de Jacaranda eomposta de 12 ca-
deiras de guarnicj, 4 de brac is, 2 consolos, 1
mesa redonda com pedra, 1 sof, 1 piano de ar-
mario, 1 niobilia de mogno, 1 guarda vestidos de
Hinareilo, l santuario, 1 guarda lote, 1 niobilia
de amarello, 2 machinas de costura, 1 cama fran-
MM de amarlo, 1 mesa redonda de Jacaranda
ni pedia, 1 eonuaoda dejacaran a, diversas ca-
uoirai de amarello propria para sala de jantar, 2
marquen?, marquesao, 2 "res de cousolos, 2
bancas de Jacaranda, diversas cadeiras de Jaca-
randa, i cama, 1 fugo de ferro, mesas para cc-
sinha, diversas obras de oaro, aiu relogio de ou-
ro, 2 ditos d.; prat i, lanOfrnaf, jarroi, calungas
para endite 1e meta, 1 cania para menta), lava-
torios, 2 cabidos, candieirus a paz e inuitos outros
ohjaetoa que estirad pnesontes .-i i da do Icilao.
BOJE.
Atignsto Seizas competente.nenie autorisado
f.iia leilSo em seu artnaiem a ra do Imperador
n. 16, as 11 horas do dia par intervenfo do
agente Pontual, sem reserva de presos.
Jos Soares d'Azevedo.
Secretario perpetuo.
O Dr Carnlino Francisco de Lima San-
los modou .sua residencia e consultorio
para a roa d- Imperador n. 57, 2o andar
do sobrado cujo armaxem conserva an-
da hoje o nome de Alianca, tendo a
entrada, que pelo lado da pona Seta
de Stembro, o mesmo numero 57, da
frente. Ah coninuamlo o dito Dr. no
ejercicio de sua profisso de medico e
de operador, pode ser procarado a qual-
quer hora do dia e da noule
m
0 ilftifr.idj As'iin. illandt' are. <* ,1 -nm fjrto
: t'i f,'v desta cijae oV mojo a
pr idaraaiuavo puti/ca diz =*u>r wtttfkUa
or de causas sido aecusado de haver simulada e
crimoogamente aulitrahido de nfuconstiiuinte sen,
rols de oCoft como donativos peetrofartos fertos fpna,.
aosjitzes e empregados do.lribBnal l _. ^ /* l*e"Vl"
Tnbaou ro atte iulcior pratcado o ficto n us. angos offleiaes .do lluado Francaco
criminoso, que se lhe imputa; o que verdade "!fflr>. e*tbeleeeram-*e na mesma roa o. de
qne os outros solicitadores nao evem carregar rri)Dte do becco do Rosario, e uainernaalua^m-**
com o anathema infamante que amente qaelle eJ-'PP|lc"'" bichas de Hambargo.
deve recatar, por isto o Asira deveria era sua Precisa-.se de ama auia ara cozinbar, pre-
publicacay indicar o nome do solicitador aecnsa- ferindo-se escrava : na ra do Livramento o. 2,
do parayjfa/engaos.tio prejudiciaes s reputa-1 toja.
c5esl|haiasflue sao dignas de acatamtnto. ~ ------------ --------------
0 iHurafo Asfra deve contenoer-se que ha < A \/lWI
soh'citadcirei que >e prasam ser honrado, e sao f\ V I ^11
verdaiMM e locaraicaftfe iuijj.gos dos pravan-1 Ao Sr, Dr. Galro pode iweressar lhe o mn
cadores, isto dos corruptoi-es con o dos comm- }neT T"' \^,tin^n^ ^"
Pidos, cuja impuniade, contara sempre peU diffl-' fQa larga du Bosari n' W'
culdade das provas.
O justos,
A iesonra fo ouro.
Ra Duque de Caxias c. (j.prirattro andar.
Para este esuiljeleeimeiito chegou no vapor
fraacez Gi:onde, um completo sortioienio de lu-
vas de pelw-.a de Jonvin as quaes siodo as pri-
meiras em jualidade san garantidas cora, o sinete
da casa.
Urna smhora casada, de- nwia idade e de
bons costuints, robosfci e sadia^ que lava, eneom-
ma e cosinha, olTerece-se para servir interna-
mente em algima casa de pouca familia: quem
de seu pcestinotee quizer niilisar dirija-sea est
typograpliia qte se Ihn dir quem .
O abaixo assieondo sorprhendido por um an-
nuncio do Sr. Jos do Reg Mello e publicado em
sua ausencia em tue se inti:ula socio no arma
zem oe carne a na da Praia n. 40. quanio nelle
esteve admittido por motivos muito e-pteiaes.
protesta contra sefaelbante anauocio bem come
usar de seu direito para fazer eifectiva a respon
sabilidado legal do rsesmo Mello.
Recife 21 de juoho de 1870.
___________Antonio Jiaqnim Machado
Salao do caes do
llamos.
daatata-felra 83. e 94 lo cor
Os propietarios da j muio conhecida loja de
ferragwa da Souia A-Gainwraes, na roa Nova n.
3, veem de novo avisar ao respeilavel publico que
alem do grande aortimento de fogos artiflciass, de
que j se acham prvidos, tea um lindo e variado
sortiineulo de fogos tambem artificiaes, proprios
parasoltarem-se n'agu, cuja boa qualtdade e nom ;
desempenho de ead? pe?a admira,- aseim como tem
tambeu una nova carta de advinnaco propria
para a presente poca, sobre o nome de tarjectas
mgicas.
Antonio Rodrigues Pinto vai a liuropa, e du-
rante sua ausencia deixa por sus bastantes pro-
curadores aos Srs. Bernardino Correia de Rezende
Reg era lugar, Joo Luii Ferreira Ribeiro em
SSLK S^r^SriS; ^ ^W tem sido Temida; S&o"-
lihs azucaradas de Bristo!.
COVNO TEM NEM CALOMKL\N0S NEM NENHtK
OTRO MI.NEUAL.
A grande necessidade e falta de ora ca-
thartico oo de tuaa medicina purgativa, ha
regados da gerencia de seu estabeleciraento. Re-
cife 20 de junho,de ISJf). *
de idade, e que tem alguma .
ifferece-se para leeciouar em toda a confiarrea e seguridade, recommendar
vo, como mesmo por meio da faculdade
medica; e por isso, infinito o costo e
pntzer que sentimos, em pdennos com
Um homem j
pratica de ensino,
alguma casa particular, mediante algpm salario uhOA nearaei awirnrnrin* rfp Rri^fJ
pequeo : quem qnizer dirija se roa do Caldai- Vnuia* vegeiaes as,ucaraaas ae Brutat.
reir n. 10. (Prefere se fdra da prac). coiao uma excellento medicina purgativa, a
tt. j ,-p-p-------------- qutl encerra em si todas as partes e mais
V1V . JOIO ICllZ. ingredientes essenciaes, tornando-se em
UBS
Alerta rapaziad. ao grande baile da sociedad* perfeito, seguro e agradavel cathartico de
o^n^\iia9l!'ll,a^If^,'lahru^quen.S',6ve*^'f^ Est, remedio n3o comoosto
ZS^S&n^iSSZ'Sm dessas drogas ordinariamente usadas na
para receber as damas que emeorrerem ao gtan- '"-Ompositao dessas pillulas, que por all se
e que em regosijo ao pat Aitx, por ser vetidem, mas sim, sao preparadas com as
mais finas e superiores qualidades de raizes
dia de S. Joo.
Cavalleiros, tragam suas damas para abrilban-
tarera o r'stim.
Entrada para damas 2*000
As camelias pelos spiw lindos olhos.
raedicinacs, henas e plantas, depois de se
haver chimicamente extrahiiio e separado,
os principios activos, ou aquellas partes
que contem o verdadeiro valor medicinal,
da([uellas porces fibrosas inertes e agres-
tes inteiramente destituidas da menor virtu-
de. Entre esses agentes activos ou ingre-
com quem menos fizer as obras precisas de car-
pinteiro no patacho ingl^z fysolution entrado ha
ponco com carne serca.da. Mwntevid, 'qual dientes especficos, podemos nomear a po-
achase tandeado n ancorad ouro d^ descarga do dovhntn, a quai SCRUdo a experiencia
geuero. As propostas sero recehidas
oiesmo
em cartas" fechadas at" o dia 25 do corrente ao
ineio dia no consulado neto, ra do Trapiche.
traba-
para
Preci>a-se alugar uma escrava
Iho de casa e ra : quem'tlver dirija-se ra dos
Ferreiros n. 1 (|ne achara com qupm tratar.
LEILAO
Da casa r,um solea e sollo
llangel n.
sita
Hoje.
i:
E O A DRGCg.VO DO ARTISTA
N-ttWA.
iiata*fe*ra 83 E.N';:ficio de
mi lavares Pinlo Parto
E C -POMO R VACHINISTA DKSTE TIIRATRO.
1) tra, dirigida palo Insigne maestro Colas lllho, re-
presentar-se-ba o magnifleo e apparatu sacro, ornado dd trastormaciSas e visualidades,
intitulado :
GAliEL E LLSBEL
ou
OS ULiGIES DE S. ASTO^IO
R i aoal to na parte toda a companhia.
TVrminar o espectacaio com o chisljso dialogo
fnebre, d i distinotn poeta Maranheuse o Sr. Joa-
quim Serra, iutituado :
0 salto de Leacad
Pe i os artistas Rahia e Peregrino, que de bom
grado se prestan) a coadjuvar o beneficiado.
O resto do i bilhiles dageral acha-se veada
na mo di billieteiro na esta^ao dos trilhos urba-
nos do itecife, bem como os passes de ida e volta.
llavera dous trens especiaes, sendo um s 7
bofas e meia e outro as 8 horan.
O heneficiaio em um dos intervalos ir aos ca-
marotes agradecer aos seus convidados.
Principiar as 8 1|2 horas.
O beneficiado daj&e j agradece aos Ilustres ca-
valheiros que se dignaram cotisar-se para abri-
Ihantarcm o seu espectculo, rom uma banda de
msica marcial, que para e>se tim estar na es-
tacao do Recife as 7 horas, e seguir no trem al
o ieatro para tocar nos intervalo:-, e na volta do
" ictaculo. .
CIMPANHIA PERNAMBUGANil
DE
%'aT^ga?o costeS ra 5>r vapcx
Parahyba, Natal, Maco, Mossor, r
caty, Cear, Mandad Acarac e
Giunja.
O vapo* Innjitra. Ctnmai
Honra, sraura para o.- .
t3 cima no dia -'iO do corrate a; ; bol l
. Recebe carga at o dia 28, en
.njadas, e passageiros e nlkeiro a fr
2 horas n. tarde do dia da sabida no escripto-
rio ) Forte do Matas n. 12.

PARA'
Pretende seguir com a possivel brevidade o pa-
tacho portnguez Jos, por ter. a matar parle da
carga prompta, e para a poiifa que lhe falta, a
frete commodo, trata-se com o con-ignatario loa-
qnio Jos Gon?alves Beltro, ra do Cramer
ci n. 17.
Rio de Janeiro
Segu com brevidade o patacho nacional Es fro-
ga, tem parte do seu carregamento engajado ; para
o resto que Ibe falta trata sa-com os consignata-
rios Antonio Luiz de Oliveira Azevedo & C, ra
da Cruz n. 57, Io andar.
V
"ki
O brigue portuguez Aprigio sahir brevemente ;
para o resto di carga tratase corr Pereira Vian-
na i C., ra do Vigarlo n. 11, 10 andar.
Para o referido porto pretone segor com pos-
sivel brevidade o patacho portuguez Elephante por
ter alguma carga tratada, e para o que lhe falta
trata-se com o consignatario Joaquim Jos Goncal-
ves Beltro ra do Coramercio n. 17.
que ps-
musica
33, e
, rente.
As8 horas da noite abrir--e-ha o salao
tara ricamente adornado, uma banda de
nacional execu..u im.gnilicis uvas.
As 9 horas em ponto eomecaro bie, espe-
rndoos? a coneorrencia de mui dirtinctos eava-
Iheiros e das mais sympatbtaas e anreciaveij, da-
mas. Ser cumprido n regolamento policial.
O Sr. Joaqun) Pfrnandes de Otivwra queira
vir a e de io.Cere->o sen
a ra do
y.. u. 16, em solo foreiio (paga 2
annues) a Santa Casa de Misericordia dt
Loanda.
A 2 do corren'e.
Por despacho do Illm. Sr.Dr.juiz do commer-
cio.a requer ment doa administradores da roas-
sa Fallida de Siqui ira & tereira, o agente Olivei-
ra far leilo i!o predio supra ontr'ora pertencen-
te a vinvi e ti rdeiros o Dr. fgaaeiu Nery da
Fonseca, <; adjidiaado a refer la mnssa pe:
quanlia de G:100
SABBAOO
ao meio da pm poni, en sen escriptorio a ra
da Cruz n. 'M, Io andar, onde os pretendemos
acbarao a cli.-.ve para rocederem a previo ex.--
i da mei c
I l I I I
mm
Dos geuemd o alguma mokilia existente m
estabeleeimeato da massa fallida de A-
meida. Burgos & C irasBSM da Ma-
dre de Des n. 9.
A 27 d i corronie.
Em cun-primenta do res^eitavel mandado do
Illm. Sr. Dr. jniz do comoi ; em, a requerimeniu
dos dappsitaris !a dita massa, o agente OJiveiraJ
far leilan dos indicados arfigos, conslstrdo em
cha em latas de imtfe a duas' libras, milhj era
saceos, pbospboros em eaixos o massos, licores,
vellas de earnaoba, vinho BoHoaux e cognac em
caixas, sardiuhas de SFdntes, banta da porc
em barril, eaixSes vasios, paos de estiva, tanaca
com pertences, burra de ferro prova de fug.
prensa para copiar carta*, eartirat e noxoa, se
cretarla, cadeiras difterntes, banqumh s, apa-
radores, quariinheira. eabide, lavatorio, candiei
ros degaz, marqueza e outros objectos que esta-
rao patentes :
Segunda-feira
As 10 horis da manha, em ponto, nj indicada
estalielecimento.
Olub popular
De ordem da directora faeo publico que a ses-
;'o hinin. que 4>viatter lugar boje, lica trans
ferirt pera quinta feir.i vir.dn'ir.i, 30 de junho, em
coiisequencia do- f.sltj s ie S. .i>ao.
Secretaria do C i:b Papular, 23 du junbo de
1870.
Misael Silveira A'naral,
Io secretario.
deMp'h, e>-
provincia, o
18 a oneluir
pruiBettes) reiii-
j nnal, em flus
Continua
no
ao
^abo.
"i ^3 % naiil SssimJ Ex3 I m
m
Por despacho d) Illm. Sr. Dr. juiz municipal e
do coaimercio da villano Gabo, a re ju-rimento
do curador fiscal da ma3 fallida Jos dos Sanios Aguiar, fui designado o dia se-
gunda-fira 27 do crrente as 10 horas da ma-
nhaa para na casa do mesmo estabeleciraento se
proceder em praca publica a venda dos gneros
Roga-sc ao I ta'- Sr. Ignacio V.er,
env.'i i na cidade daNazaraili desta
faviir de vir ,i ro (|n Imptra lor n
aqufie ne/oeio que V. .;. -.
sar, pela tereeira chamada i
da l>ro,praxin)o passao^ e depois para ja-
nep, passou a t^vereiru e abril, e na la rumpri,
e por esto motivo de novo chimado para dito
(tai; pois V. S. se rteve lembrar que este neg icio
e d'| mais de oito annos, e quanau o seulior sea
tilho se achava no esto do nesta cidade.
la da Florentina, quenmi pos a tem espalhado ^ Rrhtal arlnr-se-hn spmnre um rPmP,
baato que er.Mummanditario da dita fabrica, n"b"n< acnai-st-nao semprt um rent-
icrendo ulvez ilessa m.ineira realcar seu crdito O'0 prompto, seguro e eminentemente effi-
Fabri-a dj cerveja itn ra
da Fl Tintinan 20.
A O PITUCO.
Constando a Chau & ',i-sier,socios e proprieta-
nos da (NICA) fabrica do carreja que existe na nublieo
ra da Fl
o
que
eoramercial. os abaixo as>iga.idos fai^m a preseu-
te declarado paja fazer sciente ao publico de Per-
nambaco, que uaj devein inda a eesa pessoa nem
a outra qualquer ; prm se a dila pessoa se jal-
ear com algum direito a ser aradora da dita fa-
brica, tenha eila a bondade de annunciar por e?se
jornal, que alies lhe provarao que suas asserc5es
o tao falsas quaoto mentirosas.
_________________ Chaix & Gassier.
Am.
Precisa-se de uma ama
a. 15. Io andar
mm demonstrado, possue um poder o mais
^aravilhoso possive! sobre as regioes do
figado, assim como sobre todas as secre-
ces biliosas. Isto de combinacao com o
leptandrin, e mais alguns extractos vege-
taes e rlrogas altamente valiosas, consti-
tuem e formam uma pilula purgativa, tor-
nando-se por isso muitissimo superior, -
qualquer uma outra medicina da mesma
nalnreza, que jamis lora apt-esentado ao
As pihuas veget(U$ assnearada-s
.Negocia-se a taja de calcado da ra Direita
d. 32 : a tratar na mesma.
na roa do Queiraado Perda do apetite,
Edtomago sujo,
caz, para a cura de molestias, taes como
sejam as seguintes.
Dspepsia, on indi-
gesto,
dAstringencia, ou..
priso do ventr'e
habitual,
Azia do estomago e
flatulencia,
/'
Uydropesia dos mem-
bros ou do corpo,
Affeccoes do figado.
Ictericia,
flemorrodias,
Mau balito, e irregu-
laridades do sexo
femenino.
Dores de cabeca.
Em todas as molestias que derivara ?
sua origem da mnssa do Sango: a salsa
parrilfia de Bristnl esse melhor de todo?
os purificadores deve ser tomado conjua
tamente com as pilulas. pois que estas
suas medicinas, tendo sido expressamente
preparadas para obrarom de harmona uma
riecisa- e
Na Jua estreita do Rjsario n. 17, 2o andar, de uma
ama para o servieo tatemo e externo dd uma
pessaa.
Mnoe\ r. ;! Avres agradece a seos prenles
e anigos qu* assistiram e aeompanharam o enter-
ro i!e seu prezado jrmo Jos Cardse Ayres ; e
rogaba todos o car doso obsequio de a;-sstrem as
missas que manda celibrr por alma do mesmo,
na n)atr; do* Corpo Santo, as 7 '.oras da mauhaa
do f do corrente.
J*s Miguel oe Lyra, nimiamente grato memo-
ria lo Exm. marquez de Olinda, manda celebrar
nm| missa e memento por nteuca de sua alma,
na jialriz de Santo Aotjnio. pela'- 8 horas da ma-
nhat do dia 27 do crrente,.(stimo dachegaJa
e.-ti cidade da noticia de seu passamento) o para
assistirem- na convida aos prenles e amigos da-
qulle Ilustre finado.
Prectsa-se de um portuguez para o servico
deum engehho margem da estrada de ferro :
a tratar a ra do Apollo n. 10, do meio dia s 4
horas da tarde.
Na rsirada do Maoguinho, casa n. 2. anda se
orecisa de uma arna que seja boa engommaiieira,
e outra para sorviea dotaese e algum ensaboa- com a outra, quando fielmente assim se faz,
drp.isn.s? bomioognel.___________________ n3(( nog resta a menQr ^^ m ^
que no maior numero dos casos, podemos
affiancar nao s um grande alivio, como
tambem uma cura prompta e radical, isto
est bem visto, quando o doente nao se
1,,,,,5,e!".vi:.'n carm-!;ti|des!ci ache n'um estado muito aim dos recursos
iade provine a quem eniwier que nao levara era i.....,
conta o pagamento de foros dos terreno? pertm^
cenes mesma orden, que uo fo elTectuado --------1-------------------------------------------------------------
visti de recibo por elle es Tipio e assigoado. Re-
cife 20dejun!i' de 1870.
____________Fr. Erico do Sant'Anna Riqoe
O padre provincial 'a ordem carmelita desta
cidade convida os senhores possuidores de terrenos
foreiros mesma <>r lem, para que no praso de
ito diis, contados du publicaco deste annuncio,
aprrsentem-lhe no respectivo convento 03 titu-
les de suas pjsses, e os ltimos recibos que tive-
rem dos foro por ellas pigos aflu de melhor re-
gular sea respeito, sob pena do eraprego dos meio?
judiciaos para isso. Recife 20 le juuho de 1870.
Fr. Erico de Sant'Anna Hique
Precisa-so de ama ama para servico de urna
pequea familia : na ra da Imperatriz'n. 9, loja.
ATTECAO"
Deseja se s:.ber se existem nesta cidade ou pro-
v.ncia os Srs. Manoel Jos Soares e Joo Jo.- Soa-;
res, naturaes das Ilhas dos Acores, os quaes, ou \
quem delles tiver noticias, sao "rogados compare- \
cerera rita do Brum n. 96, armazem, a negocei
de interesse.
C4SA Di Nram
Aos 8:000-
Bilhetes garaatid .
i raa do Crespo a. 23 i caSS do toiiama.
O abaixo assignado. lefido van l:do aldm i'e ou-
\:z.i sones, tres quintos n. :',W) com 900J da
lotera que se acabou de "Ctrahir a ba.-Safo
d igraja de S. Sebastij di Rmio (to3) convida
aos possmdores a virern receb r oa coaurmiJade
do costume s-jm descoaf3 algum.
A.:!iarn-se a vonoa iv fenzes bibataa garan-
tidos da 6" paria dtt lotera beneficio do raco-
Ihunento de Igaarass d.' yi ss extraair
tenja-feira 28 do corren m-j
PRECOS.
Rilhete iateira 105000
Meio bHhete 5*'J00
Quinto 2*000
Em porcao de lODjOOO para cima.
Rilhete int.-ir j. 9*000
Meio bilhete 4*500
Quinto 1*800
Manoel Miriius Fiuza.
p'ta now plino.
BCA
DO
$ CABUtii
n
I
esquina
ra larga do
Rosario.
Em casa de T:0D0RO GiflttST
ANSEN, ra da Cruz n. 18, encontraa-sc
Aluga se a casa n. 8 da ra do Jasmim : a j i3ectivamente todas as (jaoLidades de viso*
tratar na ra da Aurora a. 30, sobrado. Sordeaux, BoargD.fjS eio RhittO.
ae!iiga
L.OLf^L
CABOttA
Este importante estabeleeimento no seu genero, tem sempre um sortimento sem igual
e vende por presos que nenhuma outra casa pode vender. '
A vista da qualidade e depreco das joias cada um pofier-se-ba convencer da vrdadt9.da raa *****&>
Oarante-se ser todo d le, Compra-se ouro, prata e pedras finas por pr^.jtft*t* itosario.
vanos.
A loja est aberta at s 9 horas da nonte.
35 353555 35S5H5Sa^351SHaHE5HSHiSaiS15
esquina


j*\


4
"Diario d Pernambuc Quinta foira 2a. 4 Junho de
-.
1870
* 0 Sr. Md'd De-Giovanni (jneira
mandar esta ttpographia pagar o impor
te de publicares de annuncios de especta
culos, em somma superior cento e cin"
coenta mil res.
..

FABRICA DE MACHINAS
Ra do Brum n. 104
DE
CARDOSO & IRMAOS.
Neste aDtigoe8tabelecimentofaz.se e concertase toda a qnalidade de m^nis-
o para engenhos de assucar, machinas a vapor de ierra e de mar, moendas otras
e mias moendas e todos os pertences as resmas e necessanos agricultura, pedmdo
a atteaco de seus numerosos fregoezes, amigos, s nhores de engenho e ao publico
em geral para os artigos que ja tem exposto >euda, como sejam : -:
Machinas von ,lindas da Europa, da forca de 4 e 6 cavallossuper.or coastroccao.
Taxas de ferio fundidas e batidas,
Reguladores h pitos para vapores.
Moendas e metas moendas.
Rodas d'agua, e rdas dentadas de espon.
Rodas angulares de todas as qualidades.
1ERALDA

*5
p0
0
J. Fe reir Yillela
IMIOTOftRAPCIl V IMPERIAL
(8RA DO CABUGA48
A ntrala pelopatefi da matriz.
Os trabalhos da reedifleacaa desta photographia,
c que se prolongaran! por tauto lempo, aehara-se
felismenle terminados e ella aborta ao servico do
publico desda 7 de abril pausado.
O predio em que tsi oollocada esta photogra-
phia acha-se muiio augmentado, e s :i parlo desti-
nada ao eslabeleclmenlo coaU cinco salas, ioolu-
sive as do laboratorio. Todos os concertos e aug-
mento* teodo sido fetos expressamente para se
montar convenientemente a photographia, e nao se
podendo melhor modelo col her do que a Pftoto-
g\ afiim imperial do Sr. Insley Pacheco do lUo de
Janeiro, o primeiro photographo do Brasil, e um dos
pnmeiws do mundo, segundo a opinio dos mais
abalisados mestres, a nosa photographia acha-se
dlspostt e rectificada pelo mesmu plano da do Sr.
L Pacheco, a qoal (o montada sob todas as regras
recommendadas pelos mais destnelos professores
de accordo cora as modificacoes necesarias M
clima do Brasil, reconbecida e esludadas pelo na-
bilissimo e pratico Sr. I. Pacheco.
Todo o interior do predio em qne esta a nossa
photographia foi mudado desde a soleira da porta da
ra at a cobertt, tendo-te demolido todas as pa-
redes interiores para se fazerem as novas salas,
ediflcando-se om novo terraco envidracado mu
espacoso e eleganlD.
Como sabioo, Aremos urna viagem expresa-
mente corte para examinarmos as melhores pbo-
! tographias aN<, e foi do Sr. I. Pachaco, a qu
rnelbor corresponden aos noscos dse jos e aspira
cOes, e da alli eslarmos todo um tnet estudandoe apro-
veitano as lices de tao dlstincto raestre. Pen-
samos que juntando os nossos esludos e louga
pratica de 13 annos de ptotographia sutilissimas
licdes ultiman ente recebidas do Sr. I Pacheco,
tendo moudo a nossa pholographii como se
acha, podemos offereeer ao Ilstralo publico
d'esta cidade e aos noscos nun.erosos freguezes
trabalhos de photographia tao pericias, como se
poder desejaf, e disto convencidos, esperamos
que contiuuem a dispensar-nos a mesma pro
teccao com que ha 15 annos nos ten honrado e
ajudado.______________________,_____.
Attenpo.
Anda se continua fornecer tommedorias
para fora com asseio e prumptidao, man-
dando-se levar a casa dos assignantes que
nao tiver portador: ra estrella do Rosa-
rio n. 35, 1 andar asa pirticular de fa-
milia.________________________
Preci>a-se alugar um escravo que seja co-
peiro, esperto, e que entenda d*) comprar : no
caes de Santo Amaro b. 42, ou na agencia geral n.
21, praca do Corpo Santo.
Aos 20:000^000.
ra do Cabng R. i.
PEiRMlCIA GEHTRiL
Ra do Imperador n. 38
Xarope e lactucario d'Aubergier, e de
ihery decio d'Abbadie recommendados,
como -calmantes para os casos, em que se
d5o pode osar do opio e de seus prepara
ios, e mui convenientes para as crianzas
nos espastaos e convulses
PHARMACIA CENTRAL RA DO IMPERA-
DOR N. 38.
Preparados d'alcatrao em capsulas, licor,
e xarope ferruginoso.
PHKSCIA CENTRAL RCA DO IMPERA-
DOR N. 3a
Pillas de Vallet.
Pilulas de Blancard.
Plalas de Bland.
Xarope forruginoso de Rlancard.
Coofeites de lactato de ferro.
Pilulas de carbonato de ferro, laclado de
ferro, iodureto de ferro com magnezia.
Ferro de Quevenne.
Assucar ferruginoso.
PHARMACIA CENTRAL RA DO IMPERA-
DOR N. 38.
Vinbo e xarope de pepsina e idiarthare,
excellente tnico para auxiliar as digestoes
difceis nos casos de debidade do esto-
mago
PHARMACIA CENTRAL RA DO IMPERA
DOR N. 38.
Agua hemosthalica de Lechelle. mui re-
commendada em qualquer caso de hemor-
ragia, e principalmente na thysica pulmo-
nar, e as hemorrhagias uterinas.
t
Na travessa da ra
das Crnzes n, 2, pri-
meiro andar, da-sc di-
nhelro sobre penhores
de ooro, prata e brilban-
les, seja qnal foraqnan-
tia. Na mesma casa cora-
pram-se os mesmos me-
taes e pedras.
^mmamm mmmwmmm
Agencia em Pernambueo
Do Dr. Ayer
Petoral de Cereja
Cura a phthysiea e todas as molestias do peito.
Matsa parrllha
Cura ulceras e chagas antigs, impigens e dar-
tros.
Tonteo
Conserva e limpa os cabellos.
Plalas catbarAleas.
Paramente vegees e sem mercurio, cura se-
toes, curam e puricara todo o systema humano
Vende-se efectivamente em casa ae Samuel P
hnston & d.rua da Samalla Nova n. 42.
Confeitarla dos ananazes.
16Ra da Cruz16
Santo Antonio. S. Jo3o e S. Pedro.
Amendoas, as majs apropriadas para sorles,
vende-se em arrobas e libras; papis j protnp-
tos com estallos pan sortea ; recebe-se eneom-
mendas d bolos piies-dclo enfeitados; as eneom-
mendas recebe se com antecedencia e as araendoas
em arroba terro abatimenti no preco.
Precisa-se de una ama para todo ser vico de
nma casa de pequea familia : na ra do Arago
n. 38.__________________________________
Na ra Primeiro di; Marcu n. 15, eseriptorio,
recbese propottas para collocaeo de vidro e
pintura no predio n. 23 ra da Cadeia.
Precisa-se de urna ama para casa de urna
senhora vinva com um tubo: a tratar na ra do
Amonio n. 3o._______________________-
Farlnha de naadlnca.
Da rnelbor qnalidade e mais barata do que em
outra qualquer parle : vendein Amaral, Moreira
& C., no caes da alfandega n. 7._____________
Precisa-se de um cn;>do ui\ criada forra a
escrava para casa de hometn solteiro : na ra da
Gamboa do Carmo n. 21. t andar.____________
Mvre on escrava
Precisa-se de jima ama para o servido de tres
pessoas .- na ra estreiu do Rosario n. 48, pf>-
meiro andar.____________________________
Na na da Aurora n. 31, 2o andar, precisa-
se de um bnm cozinheiro. _________
Precisa se de urna ana na ra estreita do
Rosario n. 45, 1" andar.__________
Ninguem duvide que ha
Chapeos do sol de seda a 5 cada um : na leja
das 6 portas em frente do Livramonto.______ ^
Sortes
LOJ DE JOIA!
yi v n
i
Bilhetes do Rio venda
vende Vieira A Rodrigues
&Q
Este antigo estabelecimento, completa-
reformado e nova, est as condi-
s da servir vantajosainante os seus fre-
aezes, visto que acha-se prvido com um
desdido sortiment de obras de ouro e
>rata e Isi, assim como brilhantes e on-
ras cedras preciosas, jujos presos sao os
aais^modieos que se pode encontrar.
As joias compradas nesta casa recebem*
a em troca ou compram-se com pequeo
bate.
lifi N. 5' '
Urna ena nimadeira
Precisa-se de urna eegomraadeira : na ra da
Caileia n. 4. _____________^___
Agencia de ieiloes
Ra do Imperador n. 16
Nestearraazcm recebe-se psraserem vendidos
em leilao, ou em particular, por conta de seus no-
nos : movis usados, Inuca e chrisial, ou outro
qualquer objecto de pmmpta venda ; assim cumo
tambem comprase trastes usados.
Faz-se qualquer negocio com a laja n 42, cita
ra da cadeia do Recife, propria para armazem
de groco trato, por >e achar em dos melhores lo-
caes : tratar na mesma. ________
PHARMACIA DENTRAL RA DO IMPERA-
DOR N. 38.
Xarope de rbano iodado excellente com-
binaclo do iodo com o sueco de plantas
anti-scorbuticas.
Este xarope empregddo com grande
soccorro contra as molestias da pelle, os
engorgitamentos escrofulosos, o rachitsm>
cachloroso.
O vinho iodado de joly, e oleo iodado de
Personne, sao recommendados para os mes-
mos casos, e encontram-se nesta pharma-
Cia. -^mi^r
PHARMACIA CENTRAL RA DOIMPERA-
DOR N. 33.
Variado sortiment de chocolate c ban-
nilha, salepo araruta, ferro, e de sade, da
acreditada oflicina de Menir.
Saboneles d'alcalrao, d'acido phenico, en-
xofre e campliora recommendados para as
molestias de pel.o como sarna, panos, em-
pingens ele, sendo o ultimo de muia ulili-
dade para o uzo do toilette, por preservar
a pelle de ser manchada das maculas, que
coslumam accomettel-a.^
PHARMACA CEOTRALRA DO IMPERA-
DOR N- 38.
Os melhores vermfugos para enancas,
Pastilbas de sanctonina.
Dias de Kemp.
O Dr, Sarment Fiiho
mudou-se para a ra do Imperador n. 29,
2o andar.
Consultas e operacoes todo* os dias das
10 horas ao meio da.
Chamados por escripto a qualquer
hora

TINTURARA franceza
55-Rua da Imperatriz-55
Tinge, lava, limpa, lustra e achamalo-
ta-se, com a maior perfeicao, fazendas em
pecas e em obras de todas as qualidades; W
como sejam : seda, laa, algodao, linbo, g|
chapeos de feltro e de palha etc. etc. rj/\
Tira-se noioas e limpa-se a seccosem g
molhar os tecidos, conservando assim to- g
do o brilho da fazenda. jJ
Tintura preta as ter?as e sextas fe- g
ras. f"1!
mumm
Para S. Jo3o e S. Pedro.
Acham-?e venda sortes para as noites de S.
Joo e S. Pedro, impressas em papel de cor. e p-r
preco o mbis commodo possivel: n ra do Im-
perador n. 15. defronte de S. Francisco.________
PARA DIVERTIMENTO.
Acham-se venda na ra do Imperador n. 15,
defrente de S. Francisco, um rico sortiment *t
fulhetos, de Magaloua, Joao de Callis, Poriena c-
outros muitos que nao se enuineram por nao alon-
gar muito o annuncj|).______________________
Aftengdo.
Vende-se a taberna da ra da Amizade n. 20.
na Capun?a, propria para principiante por ter boa
armacao e poucos fundos : a tratar na mesma.
Attencio
Precisa-se alugar um sitio nos seguintes arra-
baldes : Manguinho. Ponte de Urhoa, Caminbo
Novo e Soledado : quem tiver dirija-se ra 3a
Cruz n. 38, armazem.______________________
Kiir- o para vender
Vende se nm burro : na fabrica do gaz.
AMA
Precisa-se de urna ama para fservco de dontro
e fura de casa de ponca familia, prefere-se escra-
va e paga
mero 66.
se bem agradando : na ra Velha nu-
TRECHOS CLASSICOS
Cbecarain e acham-se venca
NA
Livraria >ranceza.
4YILH0S0 BEBI DO
DR. CHASDE GRATH
CTRIC
OF !A\ 0 RE DA lilil
|>All I M IVMUIXO 1 EXTERXO
Cura cholera echle a m rbus,
Diarrhea, llu\ i de sangne, em um da. Dor as cosas e nos lados,
Dr de cabera, e dores de ouvido em' utos.
tres minutos.
Dor de dnte, em um minuto.
Neuralgia, em cinco minutos.
Deslocaces, em vinte minutos.
Gargantas inchadas, em dez mir.utos.
Clica e coLviilsoes, em cinco minutos.
Rheumaiismo, em um dia.
Febre e febre intermitente, em um dia.
Piecisa-se de urna ama para todo servico
de duas pessoas : na roa do Duque de Caxias eu-
trada pp|o becco d.i Ouvidor n. 22, 2" andar.
Muita attenpo
Vende-fe ou permuta se por casas, nesta cida-
de o jilio n. 5 na ra de JjSo Fernandes Vio ra,
perto da soledade, com casa de vivenaa para
grande familia, cacimba com boa agua, tanque
para banho, nuilas fruteiras de diversas qnalida-
de*, cenio e tantos ps de eoqnslro, muitas bai-
xas com capim e ierras para pUatacoes, um gran-
de viveiro com muito |i-ixe, e muitos mangues
para lenha e:c. : para ver e tratar os preienden-
es dirijam-se ao niesmo sitio. _______________
Precisa-se de urna ara ae meia idade para
comnrar e cozinhar p ra tres pessoas : na ra
das Flores n. -37.____________ ____________
ALERTA !!! ALERTA III
Fogo !!! fogo!!! fogo!!!
Est bem verificada a grande inconveniencia
que ha nos fogos chinezes, pois a composicao de
seus combustives, todos veneuosos, tem prvido o
mal que causa s familias, a ponto de que fami-
lias inteiras tem llcado de cama provonienB das
combinacoes de drogas venenosos que supportam
os taes fogos de bengala. Alertem, que o fulguedo
prejudicial.
i3JAng^vi^a3asgaag-iag^^
D. H'rmelinda do Carmo Macedo Montarryos e
sua familia agradecem cordialmente, e dirifem a
expressao mais significativa de seu eterno reco-
nhecimenlo, a todas as pessoas que se digiaram
ac^mpanhar at o cemiterio o corpo inanimado
de seu mui charo e prezado esposo JoaquimRibei-
ro s Aguiar Montarrcyos Jnior ; e de novo as
convi 'a, bem como ao seus prenles e anigos,
para assistirem a mis que ci-lebrar se-ha io dia
26 do crreme mee. as 6 hora da manbia, na
igreja de X. S d> l,ivra;mii".
Precisa-se de orna ama : na ra de Hortas
numero 70.

Oleo vernifugs.
Tudo de melhor qualid.de.
PHARMACU CENTRAL RA DO IMPERA-
DOR N. 38.
Variadsimo sortiment de fundas de
excellente quaiidade.
PHARMACIA CENTRAL RUS O LMPERAUOlt
N. 38-
Pas'ilhas de balsamo de tol e de seiva
de pinito marilimo, para as affeccoes chro-
nicas dos pulmes.
Pastiibas de therydocio e louro cerejo
para as tosses agudas, e de carcter nervo-
so, e para os vmitos durante o periodo da j
gravidez, e qualquer afecco nervosa.
Pastilhas de hypophospheto de cal mui
uteis na thysica pulmonar.
pastiihas de angico naf, e de Regnanit,
de hortela, pimenta, e de Viccley, de pe-
cacuanha e de Rermes.
PHARMACIA CENTRAL RA DO IMPERA-
DOR N- 38.
Cha' purgativo de Chambard, excellente
laxativo, e refigerante, que se pode usar
repetidas vezessem irritar osintestinos.
IaRM CB5TBIL
Roa do Imperador n. 3S.
Lamploughs Pyretic Saline.
A preparation of well known utelity to the En-
glish Facultv. asa cooling and refreshing beverage
o all cases "of ftver. The frequent usejof this sa-
line preserves furuigners fro.n many diseases to
which thev are leable before becming acclima-
tised. May be obtained al the Pharmacea Central,
jua do Imperador n. 38.
Sitio oara alujar
Aluga-se um sitio na Passagem da Magdalem.
com grande casa de sobrado, com 4 salas, 7
quarliis. sala para engommados, dispensa, cacim-
ba, quarto para pretos, osiribaiia e coxeira. n b a>
arvores Irucliferas: tratar na ra do Vigarb
n. 21, com Domingos Alves Matheus.
Ottoni ~~
Geometra.
3* edicao
1870.
Livraria Franceza.
en dez mi-
Tosses perigosas e refriados, em um dia.
Pleuresa, era um dia.
Stirdez e asthma.
Uemorrboidas e bronchitis.
Inflammacao nos rins.
Dyspepsia, erysipelas.
Molestias de figado.
Palpitac5o de corado.
Resene sempre este remedio em sua familia
AS DOENCAS SE APRESENTAM, QUANDO MENOS SE ESPERAM.
OLEO ELECTRIZO 0 KNG OF PAIN (O rei da dor),aquieta e positivamente
dissipa mais de differentes molestias e dores, e allivia mais os sofrimentos e prodoz um
mais perfeito equilibrio no systema humano, o que n3o se pode effectuar no mesmo
lempo, com qualquer outro remedio medecinal
Eite muito popular remedio est agora usando-se geralmente, pela razio que
raimares de pessoas se tem curado gratis com o dito remedio pelo Dr. Grath e outros
Este importante remedio n5o se offerece para curar todas as doencas, porem tao
tmente para aquellas estipuladas as nossas drecc5es.
Est operando nos principios da chimica e da electricidade e por isso esta ap-
plicavel para o enrmenlo e para a restaurarlo da acc3o natural dos orgSos que soilrem
la irregular circulacio dos Ilusos dps priocipaes ervos. Oleo elctrico 0 Kiqg of
Pain opera directamente nos absorventes, fazendo desapparecer as inchacoes das gln-
dulas at em um lempo incrivel, breve ssm perigo de seu uso debaixo de qualquer cir-
cnmsiancia.
O remedio, urna medecina para o uso externo e interno, composto dos elemen-
tos curativos, raizes, uervas, e cascas, taes, como se tem usado dos nossos antepassa-
dos, e das qoaes tem grande existencia no mondo, para curar todas as molestias, so-
ineote sa' endo-se quaes ellas sao.
Foi um grande e especial desejo da faculdade de medecina durante muitos annos
de experiencia para aprender os melhores raidos que se deviam adoptar para enrar, as
seguintes dooncas, e que proporc5es de medecina se devia asar.
CMICO DKPOSTTII
EM PERHA1BC0
NA PHARMACIA K DROGARA DE
BARTHOLOHEO & C
X. 34 Ra Larga do Rosario.N. 34
Criada.
Precisa-se de urna criada para casa de pou.ia
familia : a tratar na ra da Imperatnz n. 26. loja.
= A sociedade patritica b hiana DoOJ ce Ju-
Ibo, convida a todas as pessoas que queiran al-
lomar crianzas do sexo femenino, preferindj se
aquellas qae'n) tiverem sido baptisadas, a man-
da-las apresentar as 4 horas da tarde do dia'23 do
corrento, na ra da Aurora n. 70, acompasadas
com os seguintes oselaremenlos : nome da trian-
ca, dia, mez e anno d > nascimento, nome da ia e
dos seus senhores, e o menor preco. A socitdade
espera da philantropia dos mesmos senhores mo-
dicidade nos precos.
Precisa-se de urna ama que saiba cozmkar :
a tratar na ra Nova n. 61, l* andar.______
Irmandade acadmica
DE
N. S. do Bom Uonselho.
De ordem de n sso nnao juiz convido a mesa
administrativa desta emoraco rt-nnir--^ no dia
33 do corrente, as ii i|2 horas da manhaa, em o
convento de Santo Antonio, para tratarse ae nego-
cios relativos a mesma irmandade.
Consistorio da irmandade acadmica aos SO de
junho de 1870.
O secretario,
Gamillo Correia Dantas.
Para Santo Antonio, S. Joao
e S. Pedr*
Na rna estreita do Rosario n. 33 preparam-se
bolos de encommendas, proprios destes das, sen-
do encommendados dous dias antes, tambem en-
leitam-se, tudo por preco commodo, Na mesma
tem sempre um grande sortiment de btuquets de
cera de differentes qualidades. e que se vende
tambem por prego commodo.
LIVROS M JOAO-
A CIGANA.
SEGUNDA EDIGO
Gonsideravelmente melhorada e angmenta-
da com novas cnaradas e logogryphos
Um bonito volume
ntidamente impresso e brochado.
Rs, idOOO
A r.ceitacao eme do respeitavel publico mereceu
a Cig.ma, cuja primeira edicao se esgotou em dojis
annos, nos leva 3 fazer esta nova, mais correcta e
augmentada.
Bise facto, tao raro entre nos, indica que a Ci-
gana tem qualidades que a vcominendam e Ur-
nam-a bemquista aos laitores.
Com effeito essa filha da Rohemia sabe guardar
conveniencia?, e procura, dizendo a sorte de cda
um, agradar a todos.
A presente edi'.ao, inteiramante meihorada, foi
augmentada com novas charadas e. logogryphos,
e bem as?im algumas poesas recitativas, que hoje
sao tao apreciadas nos saldes.
E-peramos que a Cignnn continu a merecer a
mesma a.-eita ao, e que em breve possamos ver
esgotada esta nova edicao.
Rna do Crespo n. 9.
LIVRARIA FRANCEZA.
Precisa se tao tmente para engommar : na ra
da Senzalavellia n. 96, padaria, achara com quem
tralar. ______
Precisa-se de urna ama para iodo o gervico d -
urna casa de pouca Tamilia : a tratar na ra de
Hortas n. H8__________
Lisboa.
Georcelria.
(/impendi da escola normal.
VollumL' encadernado
2000.
Livraria franceza.
AMA
A abaixo assignada, na quaiidade de curadora
de seu maridj o Sr. Amonio Joaquim de Faria,
declara ao respeavel publico desta provincia,
afim de evitar duvidas e difOculdades futuras, que
n mesmo seu marido nao tem at a presente data
assignado sem sciencia sua documento algum,
como letras, escripturas publicas ou particulares,
doagoes, carias de iiberdade, etc. etc., relativa-
mente aos bens de seu casal, dos quaes elle nunca
dispoz da forma alguma. alienando, vendendo on
permutando, dur;iute o lempo que os adminisirou.
A mesma abaixo assisnada convida, pnrtantn, a
quem quer que se jnlgne, Tirmido em algum titu-
lo, com direito a latt bens, a apresenlar no juizo
competente dentro do improropavel pr.vo de oito
dias, e a contar da preseate data (10 de junho de
1870) os documentos >|ie tiver semelbante res-
peito : licando de nenhum e(Tei! toda e qualquer
allegarlo que for telta pe teriormente, visto c imo
fcil com o actual sys;tma do estampiihas sidlar
documenUis antedatados, e extorquidos para fins
reprovados. Recife 10 de junho de 1870.
Henriqueta Amalia de Faria.
Precisa-se alugir urna ama que seja escrava
para servico de pouca familia : a tratar na ra da
Cadeia do "Recife n. 15. loja.________________
Compra-se um seilim ioglez em bom uso :
no andar do sobrado n. 36 da ra do Apollo.
Precisa-se de urna ama para cozinhar, lavar
e engommar pa reniiiia, padaria n. 2.______________________
Precisa-se de um moleque de 10 a l auno,
forro on captivo : quem tiver dirija-se ra das
Cruzes n. 22, 2 andar. '
AMA
Precisa-se de um< ama : na travessa da Con-
cordia, sobrado n. 13.
Peile-se ao Sr. Joao Feiippe da Costa,
caeir que foi da loja de Luiz de Franca
Sou-to, que ventia ajustar contas, e saldar
o tempo qae falla do aluguel da casa em que
morou, na roa de Honas n. 132, penen
cente ao mesmo Sr. Soulo.
Chaves perdidas.
Perdense da ra do Brum i ra da Cadia, di-
versas chaves pequeas presas por urna argola de
fewo; pede-se a quem as acbou o favor Je ss en-
tregar ra do Brum n. 101, fundicao, que se re-
5comj> __ Aluga-se a metade do Io andar do sobrado
n. 36 da ra do Apollo, proprio para eseriptorio :
a tratar no mesmo.___________________
Precisase alugar urna sala para eseriptorio,
no bairro do Reeife, sendo as ras da Cadeia,
Cruz, ViRario, Apollo, Trapiche e Corpo Santo :
quem tiver annuncie
Vende-se feijo mnlajinbo e amarello.
em saceos por preco barato na ra do Apol-
lo n. 20.
Precisa-se de um
perial n. 193.
amassador : na ra lm-
Engomma<1e No collegio de Santa Genoveva a roa do Hospi
ci n. 22 unto a quartel, contrata-se urna
gommadeira._____________________
en.
Offerece-se
Criada
Precisa se de urna criada livre ou esciaya,
qne saiba "bem eegommar e tratar do servico in-
terno de orna casa de pouca familia : a tralar no
Manguinho. casa nova dos Srs Carpinteiros, ou
ao caes d'alfandega velha n. 2 eseriptorio, piga-
se bem.___
Na ra da Madre de Dos n. 3 precisa-se de
urna criada para todo o ervico.________
ATTENQftO
U doao do armazem de carne n. 40 da ra da
Praia previne ao devedores do mesmo arma tem,
que nao pagnem de-la data em diante a Jo*4 do
Reg Mello, sob pena de pagarem segunda vez ao
seu verdadeiro dono, que no armazem sabero
_______________...........*Hj
Attencao
O abaixo assignado primeiro tcstamer.'.eiro df
scu irmao o fallecido Francisco Pinto Osorlo nr--
vine aos devedores do mesmo Qnadn, que nao pa-
guem comas que nao forem tiradas pelo mesmo
abaixo assignado ; assim como declara que pan
maior seguranza para marcar o papel de dius
contas com o sgnete do nome do mesmo finado.
As contas pagas da presente data em liante, qoo
nao estiverem as condicoes cima nao rio a-
tendidas.
Recife. 22 de junho de 1870.
Antonio Pinto Osori.______
Ama de leite.
Precisa se de urna ama de leite : na rna do
Duque de Caxias n. 49. lo]a do Rival sem segundo.
1 verdadeira farinha peito-
ral de B. Bento
Esta farinha ussda com vanUjneos resnRad -
nos padecimentos dos oreaos do peito, como ,i-
thma, on pnchamento de cath;:rris, inflamaca.
de bofe, pleurizes e na phihisica. Recommenda-s*
com igual proveito na* pessoas convalecentes.
nico deposito em Pernambueo
NA
Pharmacia e drogara
DE
Bartholomeu & C
34Ra larga do Rosario34
Rob- ntt neumtico
Remedio elllcacissimo contra as dores rbeam-
ticas at hoje u oiaU conhecido pelos seus mara-
vilbosos resollados.
Xarope de agriao,
E' nm do medicamentos que sua efllcaeii na-^
enfennidades, tos>e e sangue pela bocea, bionchi-
tes, dores e fraqueza no peito, escrobnto e moles-
tias do ligado, que uHhor tem aprovado.
Tintura de raarapuama.
A telebrt raz de marapuama, cuja energa e
eflicacia as paralysias, imtorpeciinento, ele. etc.
muito se recomenda.
Todos esses preparados se cncontram
NA
Pharmacia e drogara
DE
Uaribolomeu & C.
34Ra larga do Ro-ario34
um homem para caixeiro de algum engenho. aoo-
de i tem sido empregado lempos, e de que tem
pratica : a tratar na ra do Padre Floriano nu-
mero 18.
Carvalho & Nogueira, ra do Apollo
n, 20 sacio sobro Portugal, vista e a
praso.________________________________
N praca da Indopeniieucia n. 33 se da di
aheiro sobre penhores de ouro, pratt e pedras
ireciosas, seja qual for a quantia e na meem:
:asa se compra e vende objectos de ouro e prata
i igualmente se faz toda e qualquer obra de en
ommenda, e todo e qualquer concert tandeat
t mesma arte.
H
PRIMEIRO E ANTIGO CONSULTORIO
HOMEOPATHICO
FUNDADO PELO DB. SABINO
HOJE DIRIGIDO
PELO
DR. SANTOS MELLO.
43Ra Nova n.43
O Dr. Santos Mello de votta da Baha
conUna a ser encontrado lodos os dias
das 10 horas ao meio dia para consultas.
Chamados a qualquer hora do da ou
da noute.
Gratis aos pobre?.
43-Rua Nova n. 43.
s
ltenlo
Na padaria do pateo da Sarta Cnu n. I. preci-
3-se alagar um moleque para todo serv$) da
Jmesma : quem tiver dirija-ee a aesma.
: a n y -
Joao Xavier Ribeiro de Andrade manda cele-
brar urna missa por alma de seu pai, no da o u>
corrente, trigsimo do seu passamento, (na. curie
do imperio) ; para cujo acto de caridade e religw.>
convida aos prenles e amigos do mesmo a com-
parocerem na matriz do Coi p Santo as 7 oras da
manhaa. ^-to"
ATTENCAU
Grande sormento de sortes para as noiles de n
Joao e S. Padro, bem como um lindo e v*nadc-
sortimentode fogos de todas as IMliaade, de pa-
p is para sortes, tudo por menos do que m ntra
qualquer parte. ,Reeebe-e ene ommenda* de sor-
tes, Anfortne o gosto do comprador : na n da
Imperatrii n. 44- -----------------
Ama
Na raa da Concordia, taberna n. 23, se
,jaem precisa de urna ama, paga-se bem.
dii


*m
Diario de Pernambuco Quinta feira 23 de Junho de
1870.
-


AO ARMAZEH
VAPOR FRA
17-RIIAIITM 7
Acaba de chegar a este eslabeleeimento novas factura com importante sortimento dos
artigos abaixo mencionados ;i precos 09 mais resumidos que possivel.
FOGO CHiNEZ DE SALES
Para os festejos de S. Joao
Grande variedade destes lindos fogninhos <1e artificio chinez, de vista de coros e efTeitos ma-
pnificos de sorpehender, fabricados propriamente para sal5es e serem soltados por meninos-e me-
ninas sem o menor recelo de erem offendidos.
BALLES aereostaticos
Estes interessanles boloes de papel de seda de cores feitos na China, com 6, 8 e 10 pal-
mos de altura, uiuito elegantes e facis de subir com e-pinto de vinbo. podem ser soltados das
varandas.
PAPEIi PARA EUFEITAR BOIIjOS
Papel rendado mailo bonito de diversas larguras para enfeilar bollos de S. Joao, precos
baratsimos.
LUYAS DE PELUCA
Do afamado fabricante Jouvin.
Sorti ment completo de brancas e de cores, muito boas de se escolher, em quanto e-tao bem
frescas e sortidas.
BOTIAAW
moda.
Para enhras e meninas.
Botinas pretas, brancas e de muitas outras cbem sortidas e bonitas, do ultimo gosto da
BOTIV%S OTAS E PERMEIRAS
Para borneo e menino.
Botinas de birerro, cordavlo, lustro e pellica, bolas russiana; de bizerro e de 'astro, per-
neiras de lustro tanto para homens como para meninos.
Sapatos
Sapatos de borracha para homens, senhoras e meninas, sapatos de invern para homens,
ditos de lastro com salto para homens, ditos de tapete aveludado, de casemira e de tranca fran-
cezes e portuguezes para homens, para senhoras e para meninos.
PERFUMARAS
Finos extractos, banhas, leos, agua divina, de cclogne, de lavande, e de florida tintura
para cabellos, pomada angroise para bigodes, pos de arroz e sabonetes.
Quinquilharias
E-pe!hos grandes e pequeos, leques, albnns e caixilho? para retratos, esterioscopns com
bellas vistas escoltada*, bengallas, chicotes, correntes de plaqu para relugios, gravatas, oculos,
lunetas, caixinhas de costura ornadas com msicas, photographias. mgicas, coffresinhos mgicos
para desappareccr ann^is, ditos ditos para relozios, jogos de domin, bagatella, redetos, e outros
muitos joguinho< francezes e allemes jarros com bouquets de flores de porcelanas para san-
tuarios, cestinhas diversa* para braco de meninas, objectos de phantnsia dnurados para loiletes, ri-
cas escovas para cabello, para vestidos de senhora, para chapeos e para barba, ponteias de espuma
para cigarros e para charutos, abat-jtir para eandieiro* a gaz e para laniernas de piano, caixinhas dp
inmica de darse corda, ps de vidro para pianos, realejos grandes e pequeos, accordions, cosino-
rama3 com as mais importantes vista*, molduras douradas para quailros, r/tiitas estampa* de pni-
zagens, de figuras e de santos, carrinhos de 3 e de 4 radas para conducir menines a passeios, ma-
las e boleas para viagens, berros de vimes os mais coinmodos que ha para criancas.
BQuiaQioaiDQS mm mww>
Para este artigo nao ha esparo nem tempo para a mascante eitura da infinidade ds gene-
ros de brinquedos fabricados em diversos paizes da Europa.
ATTENCAO
O dono deste estabeleciniento pede ao publico em geral que continu a visila-lo veri-
licando as finalidades o os precos baratos de ditos objeetos por sere:n viedos em direitura e de
onta propria.
51Ra da Cadeia do Eeeife51
Chama a attenfo dos seus innmeros freguezes. e do rospeitavel publico ei
geral, para a seg-iinle tabella dos precos de sua casa, os quaes sao vinte por cern
mais barato do que era outra qualquer parte:
Cabelleiras para senhoras a 25$,
300, S e......
Ditas para hornera ;t 355, 40
Coques a I2J, i5i, I&& 20&
255, 305 e .....
Crsscentes a I>$,155,185. 205,
lo. 305 e.....
Cachos ou crespos a 35, '..-5, 94,
65, 75. 81. 05 o. .
Tranca de cabello para annal a
500 e.
Tranca para braceletes a 105,
i 155. 205, 25 e
Cadeias para relogio a 55. 05,
405000 75, 85, 05, 125 e. .
505000 ,
Corte de cabello......
505000,
155001
50
50
; Corte de cabello com friccao. .
325000 Corte de cabello com Izvagem a
champou...... 1500
tnwiflO ^orte de cabcliocom limpaz da
cabera pela machina electri-
15000 ca, nica em Pernambuco. i*J*
! Frisado ingieza ou franceza. 50
.... 305000'Barba. ,...... 25
ASIGNATURAS MENSKES
Especialiiade de penteados para casamento
Batlea e aolres
O dono do estabelecimento previne as Recommenda-se a superior TINTURA JA
Exmas. Sras. e aos cavalheiros qne ha ura PONEZA para enegrecer os cabellos e ha
i, ,- im h,iw a h-xrh-, oo iba, nica admittlda na Expsito Universa)
na 3o nara tintura dos cbelos e Daros, as- ,. la.
Bd.au jjaia um.u. u como n3o prejudicial saude, por serve
eim como um emprepdo smente occapa-1 jat|, analysada e approvada pelas aoade
do nesse servido. mm de sciencias de PARS E LONDRES
Plano para as extraeces da
loteras, approvado pelo Exm-
Sr. presidente da provincia
3,000 bilhetes a 8*000 .... iVtOOOOOO
I rapos tos, beneficio, eomwissao, etc. 7:1105000
Liquido .... 16:590*000
1 premio de...... 8:000*000
1 dito efe ....'.. 1:300*000
1 dito de....... 600000
1 dito de....... 3O9JU00
:t .litos de lOOjjOOO .... .luOJoOO
6 ditos do 40000 .... iM|0C0
24 ditos do 16*..... 384*000
683 ditos de 836OO 3:46400
720 premios...... 16:5003000
N. 1). Os premios de 8:000*000 e 1.300*900 es-
to sujeitos ao descont de 20 010 por lei gral e
pioviuci.Tl, e o de 6005000 ao de 5 OjO por lei
provincial, os quaes estao sujeitos tambern por
lei provincial ao imposto addicional de 3 0|0 sobre
o descont de 5 0,0
Thesouran das loteras de Pernambuco 11 de
junho de 1870.
O thesonreim.
____ Atitmo Jos Rodrigues de Souza.
r nijiii ti.'s^iwtgBBtiaKaMggaBKKfcgitf
i o Pereira Rabfllo Braga, incumbido por seu
particulares amigos o Exm. Sr. Dr. Feliiardo T03
cano de Brilo (residente na provincia da Parahy-
lia) e Dr. Kpaminondas de Souza Giuveia iulz de
direito na provincia do Espirito-Santo) pai, e ma-
rido da flnada Sra. D. Joanna Accioly T scano de
Goveia, manda celebrar missas e memento, em
visita ao jazigo mortuario, no cemiterio desta ci
dade, pf las 7 horas da manhaa do dia 27 do cor-
rente, 1 auniversario do fallecimento da dita se-
nhora.
As pesoas que se digm-rem assistir a estes ac-
tos, gravaro um eterno reconhecimento no cora-
cao d'aquelles a quem extremamente saudosa
a meo oria das bellas prendas, dotes e virtudes,
de que se ornava aquella predilecta filha, cari-
nhosa esposa e inae rtesvfllatlissima.
O COMISSO.
A meeira do casal de Ji ainda por esta vez vem pedir aos aos Srs. proprie-
tarios que tem os seus predios edificados em terre-
nos do extincto vinculo da Conceicaodos Coqueiros
do bairro da Boa-vista nas ras da Imperalriz, Au-
rora, Aragao. Conceicao, Rosario, Prjc,a da Boa-
vista, Tambi, Hospicio, Cama'o, Pires, becco
co dos Ferreins pateo da Santa Cruz, atraz da
matriz, e um terrenos na ra Formosa e no bair-
ro de Santo Antonio, mas do Fogo e Bomba, a
bondade de virem pagar os foros vencidos, alim
de_que a mosma nao se veja toreada a-laucar
mao da lei, visto como al alguns Srs. preprieta-
rios teem oito quem os tem ido receber, que os
terrenos em que e sao foreiros ; porm provando a nwsn,a o contra-
rio pela escriptura do mesmo vinculo, tem nao s
tirado estas duvidas cora alguns. como tambem cla-
reado vendas que se tero qnerido fazer como oos
proprios.
A inesma offerecese aos Srs. propietarios de
taes roas que algtima duvida tiverem com taes
terrenos, dirigiremse ra eslreita do Rosario
n. 2, no. primeiro andar, a fallar com Jos Henri-
ques da Silva, quoin tambem poderao p;gar os
referidos foros. %,
Pedro Jus de Mello Costa tendo no dia 26 de
abril prximo passado cedido o seu arraazem de
carne secca na ra da Praia n. 40 aos Srs. Macha
do, Mello & C, e juntamente autorisando a recebe
rem todas as suas divids constante do seu esta-
belecimento, cedido ficticiamente por illusoe*, ten-
do deparado com varios protestos de Machado &
Mello, declara a lodos os seus fr^gnezes que nao
faram desta data -m dame pagamento algum a
miro, pertencentd aos Srs Machado & Mello, p;.:s
do da 27 em diantc estar no mesmo armazem
para dar quitacao a todos, e fazer resumir aos
seus dignos credores, sob pena de nagarein duas
vetes. Recife 21 de junho de 1870.
o Sr. Innocencio Francisco de Lima venha
buscar seu Santo Antonio que ha qu.Uro annos
deixon em meu p-der isto iu praso de 13 dia:,
do contrario ficar sem direito ao mesmo.
Alugase o Io andar da casa n. 41 da ra do
Bangel : na monia casa, oo ra do Queimado
numero 2.
As segiiintes obras
A tirgem do mosleiro, e as memriot de Ri
chelieu, por Joe Victorino, ambos eneader-
oados em um s vol. por UOOO. Colas
cont suisso, ene. i vol. por I 000. Canto
d'alvorada. poesas porM. da Rocha, i vol.
ene. por 3,9000. Flores .wujelas, por Paes
de Andrade. Ultimas paginas, por P. de
Clasaas. Illuses perdidas, por C. de
Azevedo, tndo encadernado em um s v*>-
Itime, por 80000. Jovita a voluntaria da
morte por J. C, e Alberto, scenw de um ro-
mance, por J. Candido, ambos ene. em s
vol. por 3|J000. Palmyra, a ceguinha bra-
sileira. romance em 7. cantos por Dr. Boni-
facio de Abreu. ene. em um s vol por 5$.
O cavalheire d'Harmental por A Dumas, 4
vol. encadernados, por 10)5000.
Tambflm vende-se as collecces de leis
provinciaes faltando apenas 3 annos, por
20i5OOO, tendo 27 vol. me brochura, tam
bem tem outras obras que a vista se mqs-
trar3o, e qne tudo se vende por preco em
conta. Quem quizer dirija-se a esta typegra-
phia que se dir quem vende.
Vendem-se 2escravos, sendo 5 pretos de 8
a 30 annos, proprios para todo equalqutr servico,
tanto de casa como para agricultura, assim como
um mulatinho de 17 annos, perfeilo copeiro, 6 es-
cravas de 14 a 30 annos, todas prendadas: na ra
estrella do Rosario n. 43.
Farinha de mandioca
de Santa Catharina
O que se pode desejar de bom, a garnel a bor-
do do patacho inglez ifary Block : tratar com
Tasso Irmaos & C. na do Aniorim n. 39.
Para S. Joao
Vndese massa secca para bolos, tanto em por-
cao como o retalho, a mais bem feita qne se pode
char: na bem conhecida casa da abobada da
Penha n. 37.
Vidros para vidracas de todos os tamanbos
e em estacas, vende Bartholoraeu & C, em sua
phannacia na na larga do Rosario n. 34.
Farinha de mandioca
igual a de Muribeca.
Em saceos de dous alqueires e de panno de
algodo, cuja medida cortesponde de 5 a 8 0)0
mais do que a medida daqui e do Rio de Janeiro,
vende-se a preco menor do que em qualquer ou-
tra prtete : tratar com Joaquim Jos Gongal-
ves Beltrao, em seu esenptorio a ra do Commer-
ci n. 17.
Estamfilhas.
Vende-se na ra da Cadeia do Recife n. 58, loja
je azulejo.
Vende-se a casa terrea n. 11, em chaos pro-
prios, sita em Olinda ra do largo do Amparo,
com 4 quartos, corredor ao meio e duas salas : a
ratar no 1" andar n. 5 ra da Cadeia do Recife.
JPechirrcha a 7$ e 9$.
Vende-se calcado francez obra muito boa pelo
diminuto preco de7* e 9*, as^im cumo calcado
para criancas a 2*00, baratissimo: venham a el-
les antes que se acabem, na bem conhecida bja de
miudezas da ra da Cadeia n. 50 A, confronte a
roa da Madre de Dfos.
A 5$000.
Vendem-se bstinas de cores para senhora pelo
diminuto preco de o* o par, sao cores bonitas e
obra bem feita : venham ra da Codeia u. 50 A,
loja de miudezas confronte a ra da Madre de
Dos.
Mais barato do que em outra qualquer '.
parte.
No porto da travessa dos Coelhos acha-se cons-
tantemente tijob grosso e fino, tapamento, lelhas,
e grande poreao de area, que se vedem a vontade
do comprador por menos prego do que em outra
qualquer parte ; assim como se encarregam de
fjrnecer matenaes para as ohras, para o que h?
canoas e carrosas
COMPRAS.
0 muzeo de joias
Na ra do CaLngr n. 4 compra-se ouro, prata
i pedras preciosas por precos mais antajosoe do
jue -ere outra qualiuov parte.
' W8M-IE fBMHi
Goinpram-se e vendem-se dianauenlepara iora
deniri' da provincia escravos ue tudas as idades,
;ore- e sexos, cora tanto que sejam sadios : no
rceiro andar do sobrado n. I'.G. L ra das Crnzes,
regne.ria de Sant< An .lio.___________________
Li.m mu;to maior vantagem' compram-se
ouro.prata c pedras preciosas e u obras vellias: na
loja d< joias do Oo.Mco tic cro n. 2 D, ro do
1'.ahupa.
Compra se moa casa terrea boa, simada em
Santo Antonio ou Boa-vista : ua ra da Florenti-
na i). 6.
Compra-se una casa tenea, na freguezia de
Santo Antonio : a tratar no arco da Conceicao nu-
mero 6.
Oornpram-se
Moedas de miro e de prata de todas as nariies : ua
roa da Cadeia do Recife n. .'iS. hija de. azuMjo,
Cou>pra-se nm diciouano inglez, por Vieira:
na ra da Cmz n. 13. armazem.
Carrosa e boi.
Coropri-se urna carrofa e um boi
manso para a merma ; quem tiver e quizer
vender, dirija-se r la das Aguas-Verdes
n. 40 segundo andar, das 8 horas da
manhSa at as II, que ahi encontrar rom
quem Iratar.
Formas de ferro
Para purgar assucar ; ainda existam algumas,
e recebe-se encomraendas, para as que pstao em
viagem, a preco commodo : na ra da Cadeia n.
4. armaiem de S. Barroca.
mmmmm-w&mmmmmm'M
IATTENCAOI
5 Fazendas b rara com
t qu de avaria.
A* raa iSo Crospo n. 95.
MADAPOLAO tino a 45300, 53, 55500
e 6000 a peca.
ALGDAOZI.N'HO a 30O0 a peca.
ALGODAO americano de listras para
ronpa de escravo^ a 240 o covado.
CHITAS matizadas e miudiuhas a 240
o covado.
CAMORAIAS finas de cores a 240 e
280 o covado.
CHITAS escuras de superior qualidade
a 280 o covado.
C-RTES de calca de iustao a 1*400.
LENCOS finos de cambraia a 2*500 a
diuia.
CORTES de cambraia de barra com
duas saias a 65 o corte.
BASQUINAS de grosdenaple ricamente
enfeitadas.a 185000-
ALGODAO azul com 56 eovados a 55
a peca.
Do-se amostras na ra do Crespo n.
25, loja de Manoel Dias Xavier.
<3

31
. >|
m
3S5
m
Jacaranda
FOGOS,
S. Joao
*. Pedro.
Grande deposito de fogos arliciaes para os fol-
uedos de senh >ra< e criancas nS dias de Sanl
Antonio, S. Julo e S. Padro, a s.txr: pilela*
brancas de 3, 4, ti e 6 baias.diths coloridas de 3, 4,
5 e balas, rodinlias brancas e clondas fontanas,
craveiros, chafarizes em ponto pequeo, rudlnhas
com illuminacao color las, fogos de bengala.fogos
do ar de 1 e 3 bomba, ditos de hrmba real, tan-
ques chinezes, baldeszinhos de 3 e 4 palmos, pro-
prios para soltar em va randa com espirito de vi-
nbo ou mesmo gaz, alem de ootro maior sortimen
to que s com a. vista do comprador : na ra Di
reita n. 53. loja de Lenidas Tito Lourciro, amiga
loja do Braga.
VIVA S. JOAO
Ra Dlrelta n. 53.
Completo sortimento do facas e garfos de ba'an-
co de 1 e 2 botiies, bandejas chinezns cora lindos
esmaltes, cnlheres de metal de principe para cha
e sopa, trens para cuzinha, salitre, bren, barbante,
enxofre e papel, alem de um completo sortimento
de ferragens, miudezas, cntihleirias, machinas pa
ra descarocar algodo, moinhos pata caf, etc.,
tudo por meno preco do que em mura qualquer
parte : na ra Direita n. 53, loja de Lenidas Tito
Loureiro, antiga loja do Braga.
Sacaos de estopa
Vendem-se ptimos saceos de estopa, proprios
para assucar. milho, farinha etc.: no armazem de
Adamsnn, Howie A C, ra do Cnmmercio n. 40.

Para Manto Antonio. S. oo e
S. Pedro.
Na muito conhecida loja de errgen* na ra No-
va n. 39, de Souza & Guimarli s, acha-se um lin-
do e variado sortimento da todos os fogos arlifl-
ciaes dosmelhores fabricantes desta cidade, con-
tenda rodinhas, pistolas de todos os tamanhos,
brancas e de cores, craveiros, Iluminarlo e tra-
ques, etc.; assim como ura lindissimo e variado
sortimento de fogos chinezes recentemente entoga-
dos, proprios para criantes, os quaes podem ser
soltados em sallo. Avisam mais que existe tam-
bem urna grande quanfid8de de Borles de todas as
qualidades, como sejam, sortes com eslampas, ditas
sem estampas, ditas em carloes com pergunta e
resposta, ditas em livros, tudo por precos muito
commodos, que admira : na ra Nova n. 3P
Vende-se um grande sitio de ierras proprias
com urna grande casa de morada e outra ainda
por acabar, casa de farinha com aviamentos, bas-
tantes arvoredos de fineta de differenles quaiida-
des, minta ierra para plaanlo de tudo, muito ter-
reno parasafrejar 1,000 pies de assura- por anno.
pasto para cavallo e vaccas de leite, muil) pcrio
do Recife, na Ibura : a fallar na ra Augusta nu-
mero 79.
Sahi'lax de ba>\
Cbegaram loja do paro as ricas sabidas de
baile, assim como os ricos er.chovaes de cambraia
bordados para criancas se baptisarom, artig) este
o melhor que ha no mercado, assim como temos
gran e sortimento do outras muitas fazendas de
gosto e novidades p>r todos os vapores : na loja
do paco ra Io de Marco n. 7 A.
iiv i vi
Miiho a 55500 o sacco grande, traques n. 1 a
240 rs. a carta, velas de spermacete a 640 a libra,
gomma de milho a 360 nm parte, vinh > Bor-
deanx a 75 o 65500 a duzia, e 640 a garrafa, dito
Figueira o melhor me ha nesse genero a 560 a
garrafa e 45 a caada dito verde cousa nunca
vista a 560 a garrafa, tnucinbfl de Lisboa novo a
'00 rs. a libra, na iteiga franeeia a 760 a libra,
em arroba se far algum agrado, ; muitos mais
g'eros que nfadonlio annnnciar ; ludo menos
vinie por cento do qne em outra ipialquer parte :
na Cambo i do Canto n. 2, esquita da ra das
Flores, armazem de Siqueira A Irisaos.
r\lta novidade
NA
Loja do paqo
Chegaram pelo ultimo vapor francez as ricas
chapelinas tle palha de Italia, ultima novidade de
Paris. chapeos de veludo e palia lambem os te-
mos de muito gosto, po-tilhes e basquinas de gor-
gnrio preto muito superior com ricos lacos de
setim : na ra 1 de Marco n. 7 A. toja do pac/>.
VENDAS.
Aviso especial
Aos amantes do bola de S. Jo5o e S.
Pedro.
Manteiga flor a 800 rs., dita f anceza a 720 : no
iniMtem do Kibeiro no puteo do Caram n. 9.
Farlnba de uaind oca
Vende-se farinha r ubao no ultimo vapor d. uorte, por meses pre-
co do .ue em noira qualquer parte : a iratar no
escripl-irio de Joaquim Gerardo de Bastos, ro
do Vigario n. IG, i" andar. *
wmnamvm mwmwamnwmmm
Ullimas novidades clwgadas Bontam pela vapor
Cruzeiro do Sal para piano.
SOLITUDE porGoltschaik.
LAGRIMAS D'AURORA polka mazorka.
ESTRADA DE PKRHO quadrilha.
LA FANGHONNFTrE phanUsia por f^ro^-h
UMA LAGRIMA mizurka.
XICO BIABO polka.
Plano e canto
QUEIXA DE AMOR modinha.
HRDE AMARTE ATE* MORRDR m -dinha.
HYMO DE S. A. O SN. CONDE D El;
A' *e*di no grande armaiMn d pan< e *
sica* d iotnnio Jos de Ateved/;. a nm-
jmero H.
Vendem-se 44 toros de Jacaranda de muito boa
quaJidade, viudos pelo briguo Conpanrn : para
ver, na trapiche do Augelo. e tratar na ra Direita
d. 31, armazem.
AMEND0-.S
confeitadas a 15 a libra, pipeU para sortes a 15 r
cento : na confeitaria dos aoanazes.
A economa las fa-
milias.
Araba de abrirse de novo a loja e armazem da
Arara, na ra da Imperatiiz n. 72, que leudo con-
cluido todos os sens negocios commerciaes : ago-
ra vai fazer urna liquidarlo de todas as ?uas fa-
zendas sem reserva de precos, j com o IIm de
liquidar; por isso se convida a todas as familas
para manijar ver as amostras de todas as fazendas
para ver as qualidades.
A SABER :
Alpacas de cores para vestidos, sedas de cores,
atoalhado de finito, bramante de linho, organdis de
cores, cassas francezas finas a 2i o covado, chi-
tas francesa* escuras e claras a 240, 280 e 320,
grosdenaplos pretus d; todas as qualidade.', tilo
branco liso e lavrado, brim pardo a 300 o metro,
brim branco de linho fluo, gangas para calca a
320 o covado, castor para calca a 160 o trovado,
casemiras pretas para calcas, pao fino preto de
todas as qualidades, caseuuras de fres, roupas
feitas de tudas as qoalidad*", paletots de ganga a
25000, ditos de brim a 25000, ditos de alpaca a
25000, algodao a 43(00 a pessj, madapolao f
55, cuberas de chita a 15. cobertores de algod
a IJ400 e oaUM umita' hienda< que se vent. .u
em reserva de presos, para liquidar.
Na frente da leja tefe dous letrein.s com letras
encarnadas i que diz lii|Uidacao, que [iriucipiar
boje._____________________
Vende-se a padaria da ra da Guia n. 56,
por so dono querer retirar-se (wr i-e adiar doente.
O esntbelecimeoto la ra das Cruzes n. 13,
tem para vender: amendoas confeltada. balas
com estallos, iofeites para bollos, nina variedad.;
de eonfoitos, birboleta<. Ilor de tartaja e passa
rinhos em flores, papis com estallos para serles,
e ditas francezas em pequeninas conchas de as-
sucar.
Camaroes seceos
muito superiores
A ra da Cadeia do Recife n. 53, armazem
Unio Mercantil.____________________________
Farinha de mandioca
da Baha.
No escrinwrlo de Jnaquim Gualdo de Bastos ;
i ra dp Vigario n. 16, primeiro andar, vende-se
farinha muito alva, fina e trrida, saceos de dous
alqueires, pr menos do que em ooira qualquer.
parte.
, i.. i i
Veinte-*!' uimh eautN de casai eui muito bom
estado e ama machina de tetara muito boa, viu-
da do Rio de jamirn ; o trnca-so nma linda ima-
gem de Chrlsto mnito bonita com todos ts seus
pertencas de prata; na mesr.ia cana vend--e o
irope de ju preparado no sertio, muito bom
para roelestia do per
Vende se um preto de meia idade, podante
]< bom trabalbor : na ra da Cadeia ti. 4.
Amonio Jos Sarment do.Benevides e seu ir-
mn Lnii Jos deS Beuevides, moradores e neg-
cianies estabe'ecidos com U ja de fazendas na ra
do Commercio da cidade de Souza, provincia da
Paraliyha do Norte, fazem scientc; ao respeitivel
publie e Bcpaeiatiaraie ao corpo do coimn rcio
das pravas do ItoeMe, < Ceaia, que de luje em
dian'e s achara associailus e mutuamente obriga-
dos a perdas e ganh.n, cmiiratos'e ohri;;icoes ten-
ib'nles inesma sociedade. que gyraia sob a firma
Sarment de Bem vides 4 Innlu. Cidade de Sou-
za 21 de maio de 1870.
11
Vndese a anipcao da loja de'fazeni-.s da ra
ila Imperairiz n. 56. denominada Garibaldi poi
se torna rerommendada p< r ser muito grando e
er pros para um grande estabclerirocnln de
nuaiqii'T natureza : tratar na inesma ra n.
72, li.ja da Arara, s
Farinh e milbo mais bar-te do que em ontra
qualquer parte : no trapiche Cnnha
Vende-se
Sement* n .wde hortarices, gjraotidas, da socie-
dade deHortirnllura Lisbonense, ruado Amorirn,
Itopusitoda librica de cervejas a espiritas da fu
do Crnm.____________________'
Vende-fe ina bnrra de ferr de
mns d> coipritnento : os ra da Iinpera'rix nu-
mero 6). i
Rival sem segundo,
RA DlQIlHi: (i\U i. 49
(Antiga roa do Qoeimado)
Contina, a vender tuflo muito bom e
moito barato a S3her:
Quadernos de papel pequeo a. 46
Libras de areia prela ipuitn boo. I.'V
Tsooras finas para nnliaa e co; tu-
ra a. ........ 500
Papis de agnlhas francezas a lir-
15o a......... Pi
Csixag com seis Mbonetd frua \8(X)
Libras de la para.bo:d r i:e todag
as cores a....... OtTOOO
Caivetes finos para aparar penas
lapis a 500. 1) e..... 1 500
Carriteis ile linha Alexandre a. 10u
Irascos cora azeile p.ra macliinas 500
Gravatas de cores muilo Htia a 500
Crozas de boloes madepcrsla li-
nissimos a....... 50o
'ares de lovas de cores muito li-
nas a 320 e....... 900
Novelio de linha de 400 jai das a. u
Caixas com 100 envelopes muito
superiores a...... fiOO
Pentes volteados para meninas a. '0
Tinteiios com tmtl prela a Hl'rs. e 100
Peas de fita elstica muilo fina a 200
Lata com superior banha a lt<0 e. ^0<)
Frascos de oleo Ptiilocomo muilo
fino a........ 500
Ditos ditos dito grande a. .... I^GCIO
Frascos de macar per ola a. 40
Frascos de extracto moito b Ditos a 50o
Duzia de sabonetes muilo fin< a. 70
Saboneles inglezesa 000 rs. e. I20O
Frasco com agua de colonia Pivera 5(0
Dito de oleo babaza a. .... OO
Caixas de lamparinas a...... 40
Sabonetes a forma menino muilo
superiores a....... HO
L.arlilhas da doutrina fazendu nova a 40o
Libras de linha surtidas de linios is
nmeros a....... 1800
Duzia de pomada do Por lo muito
superior a....... 880
Babados do Porto, largos a ICO e *0u
Capachos muilo bonitos e gratules a 700
Carriteis de retroz preto, eoifl 'i
oitavas a. ..... CiO
Agulhciros Te osso eofeiladog w. 240
Libra de linha franceza superior
qualidade a....... 240ti
Caixas de 'palito do gaz a. 20
Bonecas de cera muilo bonitas de
500rs....... gflOOO
a m lPiiir"
A ma do Duque de Cyxias n 21.
(ANTIGA EA DO QUEDADO)
Nao l'oi sem lundameuto que a NOVA
ESPKRANCA tem deixado de fazer os seus
annuncios. a razo simples. Hla emende
que tudo cm demasa aburr ce... por isso
como j tinlia dito e scienlilicadn ;i sua boa
freguezia o que constantenu nte i;i reciben-
do, ou livesse fcilo muias vtzes. receiou
tornar-se massaole, assim pois tt'colheu-.se
um poseo ao-silencio, mas onoca deixando
d'eoipregar os verdadeirns esfurcos. j con-
tratando maior numero de correspondentes
na Europa, j deaeobrtodo -bjefiis do mais
ipurado gosto e finalmenle assigiaodo c
Jornal das Familias, o qu.. vem sen.pie
urnado com liptr iuos, imidernns moldea pata
vestidos etc.. ele. para desta furnia melhor
servir a aoa constante fregu?ia; e coro es-
pecialidad ao bello M-.to. ;i (|in ni a NOVA
ESPEBANC.V ufanase i-m pof-recer-lbe
seus servi(>is. a])ressamlo-se desde j em
declarar quo ti'm recehidn nltimamente
entremi'ios a baba tes e tapados, chaposllns de selim para
baptisados.
Finas toncas de cambraia toldada para
0 mesmo lim.
Meiasde seda e fio de escocia para crian*
(jas.
Dedaes d'usso, marlim, a?o e madrepe-
rola.
ptimas navalha?, afiadores e massa para
as roesmas.
Finas esponjas para o rosto e para ba-
nhos.
Bonitos snpanhos com hiqnnira, srndo
cun sal', fia: i meninos t- roeiui:is d'; dois
a doze ar ;. .
B'.s lnli'.-- com cinco r. r'.'-n-t-us. para.
cotii:ir-se os lios de qualquer fazeoda.
Tesotiras para frisar vestidos.
Cairelas para tirar noldes flu vestidos.
Mollaa para s-gor-r r.aliras.
Bonit'is linteiros de novo" molde-.
MfliM de laa para homens e sr-nhoras.
Finas e bonitas ligas j^ara neias.
Fil de linho e (h seda, sendo preto e-
branco, liso e de salp;cos, e outros muitos
objeetos exposlos a venda roa Duque
de Caxias n. 21, na NOVA ESPEBANCA.
Mabita l'alcatro.
Vend-s na roa Duque de Casias n. 21.
PARA LUTO.
Brincos, broches, voKas, pul eiras. fuel-
las, pentes, botes para nurlio* e cadeias
para relogios.
A NOVA ESPEBANCA. ijoerendn satisfa-
zer sua freguezia, nosroenle em objecos
d'alegria ou de luxo, quer tambem acom-
panhar aquelles. qn- inelizmente perdendn
alguem de sua familia, iu .t'guem de sua
amizade, precisarn de taes objeci >s, assim
pois a NOVA ESPEBANCA, raandoti viro
que ha de melhor nesle genero, porque
sendo taes objeetos de cor negra, sendo
de m qualidade. nao somente tornam-s
tristes como al repugnantes, o que pSo
acontesce aos da NOVA ESPERANCA. por
que apenas exprime o sentimento pela coi
porem como que traz um lenitivo pelo gosto
e perfoirao com que teea ohjeetns sao 1ra-
balhados.
[ Joaquim Rodrigues Ta- S
vare^ de Mello, f
Praqa do Corpo Sanio n. 17^
TEH l'AUA VEWRR :
Cal de Lisboa. .*
Potassa pa Ru^sia.
Vinho Borde iux.
Farello du Lisboa.
Farinha de pnantffoea.
FARINHA
Vndese farinha mnito hns chep-ida hnnti
em sarcos frondes e |iannn da fubriea da Bahi>.
nos armazens da companlii IVrnamhiiran
tratar do me>rao e na ru da Catfc a. I,
cora Jj Goncalvcs Torres.



Diario de Peaanibueo Quinta feiru 23 Je Junho de 1870.
Rna Duque de Caxiaan. 55
Na loja da VERDADE connna-se a ven-
der por baratissimos presos todos os arti-
gos de miudezas e perfumaras do sea
grande e variado sortimento, garaotlndo aos
compradores toda a sinceridade.
Lindas bonecas de cera e massa por ba-
ratissimo preco.
Espelbos doarados para pendurar a
160 rs.
Agulhas de osso para crox a 200 rs.
Pentes finos para segurar cabello, a
320 rs.
Chamines para gaz a 320 rs.
Garrafa com tinta alizarina a 10000.
Dita com agua florida a 105CO.
Dita com dita dita a lOiO.
Tnico de Jayme a i 5500 o frasco.
Frasco com oleo expresso de babosa, de
240 a GiO rs.
Dito com agua de Colonia de 300a 1)5000
Dito com extractos finos a 1(5000.
Dito com sndalo verdadeiro a 1)5200.
Latas com banha muito fina de 120 a
240 rs.
Sabonetes muito finos e diversas quali-
dades a 80,160, 240 e 320 rs.
Finas escovas para dentes de 320 e 500 rs.
Ditas para facto de 500, e600 rs.
Ditas para cabello a 500 rs.
Pentes para alisar com costa de metal a
320 rs.
Ditos ditos ditos de bfalo a 240 e 320.
Pentes para tirar piolhode 160 e 240 rs.
Pavios para gaz, dazia a 240 e 320 rs.
Brincos de cores, inteiramente modernos
de 160 e 240 rs.
Peonas caligraphicas muito finas a 14400.
Ditas de lanc>> e mosinha a 800 rs.
Lindos babadinhos e entremeios de 500
e 1(5500.
Grosas de botes de lonca de 160 e
200 rs.
Ditos ditos para calca a 240 rs.
Caixa com papel amizade a 700 rs.
Ditas com envelopes a 480 rs.
Ditas com obrejas a 40 rs.
Ditas com agulhas fundo dourado a
280 rs.
Thesoura para costura a 240 rs.
Linha de marca eiixa a 230. rs.
Cwiteis de liabas de Alexaudre de n. 70
a 200 a 10 rs.Q
Graropos muito finos, com passarinhos du-
ziaa 200 rs.
Cartas francezas para jogar duzia 30000
Ditas portugiuzas, duzia 10WH)
Papel almajo superior qualidade resma
40000.
Lam muito fina para bordar libra 60500
Fitas para debrum desapato, pessa ICO rs
Ditas de lam para debrum de vestido peca
400 rs.
Caivetes gr ndes com molla a 400 rs.
Ditos grandes com 2 folhas por 320 rs.
Rosetas pretas para luto, o par 100 rs.
Trancas de tom de caracol branca e de
coles de 40 a 100 rs.
Fitos para cs, peca 480 rs.
Alfine es de lalo, carta 100 rs.
Sanatinhos de lam para creanca de 400
a 800 rs.
Calcadeiras a 40 rs.
Gravatas de seda prcta de 400 e 800 rs.
Ditas de croxc, branca e de cores 500 ra.
Dita de gorguro de cres*a 800* ral
Na Verdade a rv* Dnqne d Ca-
__________xlas a. &fc__________
Cantara 'JLieboa
Soleiras, hombreiras e caplteis para frentes de
casas, o que ha de melbor : venda no arma-
zem da travesat do Corpo Santo n. 23, de Joaquim
Lopes Machado 4 C._____________________
Vendem se diversos ecravos pejas yindo
do Cear, proprios para engenho, asiim'como
urna cabrocha por 1:0004, de 18 annos de dude,
bonita flgara. est nm poneo descorada de frialda-
de, e diversas mnlatas com habilidades: a tratar
na rnada Crnt n 53, f andar.______^^^^^
Armazem dous irmos
=*tna da Penha8
Man'.eiga ingiera snperior a IfSOO a libra, idera
franceza a 800 rs., cha minJo bom a 3J200, dem
grosso a 34, velas de es' ermacete a 640 a libra,
caf em carolo bom a 200 e 240 rs., toocinho a
400 rs., lalarim, macarrlo e aletria a500rs., quei-
jos frescos a 21500, idem prato alia libra, vinho
em pipa a 400 rs. a garrafa, dem S. Jnlien Me-
doc a 640, grandes latas com bolachinhas a 14400,
lagustinhos a 600 rs. a lata. Nesle armazem ha
sempre grande deposito de gneros de primeira
qualidade, e vendem-se a presos muito resumidos.
LOUCA
o
Grande arnuazcm na rna da
Imperatriz n. G
Neste grande armazem vende-se lonca ingiera
linas e ordinarias, apparelhns de porcelana para
jamar e para cha, jarros para flores os ir.ais boni-
tos e de gestos modernos; assim como grande
sortimento de vidros linos e ordinarios, que tndo
se vender tanto a retalho como por atacado pelo
mais barato prego que em outra pualquer parte :
chamamos a attencao dos freguezes, que serio
convenientemente servidos tanto nos commodos
precos como na boa aualidade das fazendas.
Cigarros da imperial
fabrica de S. Joao
de Nictheroy.
nico deposito em Peraambuco caes da alfan
dega velha n. 2, 1" anda.
Aos cem mil azulejos
Portugnezes, hespanhes e franmes : na ra
Primeiro de marco n. 16, outrora do Crespo, ar-
mazem de louca de Bernardmo Duarie Campos
Engenlio.
Vende-se o engenho Hibeirao da freguezia de
Santo Antao, situado poneo mais de urna legoa
da estrada da Victorta, da trras' mui'o preducti-
vr.s, podendo safrejar para mais de 2,020 paes an-
nuaes, com bom cercado feito todo de vallados, e
muito boas obras; o enjwnho d'agua e est
moente e correnlc : quem prelender este negocio,
dirija-se ao mesmo engenho, ou a ra da Concor
dia n. 13.______________^^_____^
Vende-se una casa d laipa, na baixa do
Zumbi, (Torre) em solo rendeiro : tratar na ra
Imperial n. 233.
Grande estabelecimento de fazendas e roupas feitas e por medida, ra da Im-
peratriz n. 52 junto a loja de omites.
Neste estabelecimenttr encostrar o respeitavel publico um bonito sortimento de
roopas de todas as qualidade.
Palitot de alpaca prelae- d cores a 30000, 30500 7300(3, ditos mirin preto
de 70000 at 25*000, ditos decaaeisira de cores finas e ordinarias, de 60. 183000,
ditos de panno finos de 65'85 10* e 2< 3000, sobrecasaco dito de 203 a 503000
Completo sortimento de calcas debrim pardo de 13600 a 63000, ditas brancas
de 23, 103000 o mais superior, ditas meia caseraira, ditas ca ditas casenrira preta de-60, a 164090superior, dita de merino diversas qaalidades para
lato. Assim com am bonito sortimento de coiletes de brim de cores, dito-; brancos,
dito de casemirade cores e pretas, ditos-de merino para Into fazenda snperior.
Sortimento cempfeto de camisas francezas de algodo, de 13600 30OOO, ede
linbo de 383006 a 703000 a doria.
Sortimento completo de oerontos francezas de algodo de 13800 a 23500,
ditasde bramante a 13800* 23500* 33000; ditas de Hamburgo. francezas, fc-'.errda su-
perior de 25300 a 350DOO a dtrria. Sortimento de cularinhos de algodo e linbo, etc.,
assim como meias de algodSo para hornea) de 33, a 103000 a duzia, gravatas de mui-
tas qualidade; Na roa da Imperatnz n. 52; loja do
Sortimento de chapeos de sol de alpaca, e seda, ditos inglezes cabo de marfim.
' Toalhas para rosto. Sortimento de mallas para viagem-.
ATTECO.
Neste estabeleciaaento enearrega-se de mandar fazer qualquer obra por medida
e para esse fim tena hbil mestre encarregado da ofDcina, que seeacarrega do trabalho
com perfeico e pontualidade.
SORTIMENTO DE FAZENDAS.
Chitas de 240 rs. o cwado ou 403000 a pessa com 42 corados, ditas miudes
para camisas e timo de menino 260. e 280 rs.. e outras muitas quilidades de 320, 380
e 400 rs. o covado, neste mesmoestabolccimento ebegaram, urnas bonitas chitas da
victoria com barra, a qnal para fih^ ecompetente enfeite para corpinho. Cam-
braia lisa de 33 43, 53 e 1000 a pessa, e outras muitas fazendas de todas as quali-
dades.
MACHINAS PARA
COSTURA
Acabam de chegar ao GRANDE BAZAY.
UNIVERSAL, roa Nova n. 22cabnkiro
yiannaum completo sortimento de ma-
chinas para costara, dos autores mais co-
nnecidos, as quaes estao em exposic.2o no
mesmo Bazar, garantindo-se a sua boa qua-
lidade, e tambem ensina-se com perfeico
a todos os compradores. Estas machinas
sao. iguaes no seu trabalho ao de 30 costa-
raras diariamente, e a sua perfeiejo tai
como da melbor costureira de Paris. Apre-
sentam-sc trabadlos ejecutados pelas mes-
mas, que muito devem agradar aos preten-
dentcs.
A 500 rs. r
Vende se tima rxa < prea. cn-lando quinhen-
tos re* cada botija : ua roa de'Santo Amaro ro-
mero 5.
Velias de spermacet
Verdadeiro americano cada um caixa trinU
e cinco meias duzias de velias, ou 210 velias, por
trinta e cinco mil res. No-armazem de Tasso Ir-
mos 4 C.. rna do Amnrirtf.
Cirande pechncha
Na ra do Duqua e Caxias, antiga nu do
Qneimado n. 19, vendem-se alpaca de toda as
cores e lavradas pelo prec/i de 500 rs., chitas de
bens pannos a 240 rs.; assim cont teaa: ricos
cortes de cambraias bordada decores a 7J000 o
corle com 10 varas, baratissima.
ALGODO E MADAPOLAO AVARIADO.
A 43000 o aigodSo. e 43500 o madapolo. e tambem chita escura ba
Ofdcna e armazem de
mannore
Caes Vinte e dous de novembro n. 57,
(ootr'ora armazem allianca)
Ha para vender pedras raarmores de todos os
-tu O Itamanhos e gnsiiuras, tijoloa de diversos ta-
covadn por ter grande porcio, na roa da Imperatriz n. 52, loja com portaes encatn3dos. i manhos, soleiras e saccadas, assim como solei-
* t!l__( J i' a .'"iiii.i l-i.i ,1 1 nuil ( ilit nVinn Tu ^------
intitulado
Leao de Ouro.
ras e saccadas da pedra do Lisboa. Tambem con-
I tra.-se e faz-se qualquer obra, como monumen-
tos, tmulos, estatuas, pias, lavatorios, mesas e
, ludo o mais tendente mesma arle, por mdicos
'pricos.
i i,
i veuds-se ou tri'a-se por ca-as nesia praija
[ o sitio denominado dos Barniz, antiga casa da la-
I vagera de roupa, com grande casa de vivencia,
': senzala para pretos, estribara, banbeiro de pedra
e cal com agua corrente, baixa para capim e
Sranie terreno para piantacoes : quem o preten-
e." dirija se nraca da IiidBoendencia n. :i!.
A 1,1500
Vendf-ss sapatos aveludndos psra homens e se-
nhoras, pelo diminuto prego de 13?i00 o par : ve-
nham a ra da Cadeia n. 50, loja de miudezas.
TESO
O Cysna ra da Imperatriz n. 6i, acaba de re-
ceiier pelo ultimo vaper lindos e modernos cortes
de vestidos de seda pretns p de coree, lisos e mati-
sados, os quaes vende por presos mdicos.
Ra do Crespo n. 20 A.
Alvaro Augusto d'Almeida ^ C.
Este estabelecimento de fazendas finas e grossas j bastante conhecido como
am dos mais bem sortidos desta cidade acaba de receber directamente de Pris akuns
jrtigos esneciaes que passa a mencionar.
Ricos cortes de vestidos de blond para casamentos.
Cortes de vestidos de seda de cor, de gostos inteiramente novos.
Brochad, fazendas de la e seda.propria para vestido.
Foulard de seda de todas as cores, tambem para vestidos.
Fitas largas de seda para cintos, gostos escoceses e lisos.
Chapelinas de seda e de palha d'Italia.
Basquinas de seda e guipare.
.Colchas de seda e de la e seda.
Corlinados de cambraia bordados muito ricos.
Pannos de verdadeiro croch para jardineiras, sof e caduras.
Toalhas de linho de superior qualidade.
Bramante?, selicias, sgtiies atoalhados.
Guardanapos, colchas, aaias bordadas camisas,
Cache-nez, baloes, cami^inhas, sombrinha.
. Madapoies de varias qua idades, saxos para viagem, mallas, tapetes, capa-
chos, alcatifas e muitos outros artigos que ss vende por precos molicos.
Tem tambem constanlemante um completo sortimento de ESTSIRAS D V IN-
DIA para forrar salas.
CAZ GAZ m
Chegou ao amigo deposito de Henry Forster a
C, ra do Imperador, um carrogamento do gu
de primeira qualidade; o qual 3e vende em paroai
e a rctalho por menos preco do que em outra qnal
qner parte. ___________________________
Vende-se um terreno proprio, com 138 pal-
mos de frente e 1G0 de fundo, para o lado da es
trada de Ierro, cujo terreno tem alcerce feito pa-
ra cinco moradas de casa>, na ra de Motocolom-
b dos Afogados : a tratar na mesma ra, ou na
rna Direita dos Afogados n. 13.
i
I \2iiB,
FORTLAXD.
Vende-se no armazem amarel'o de Vicente Fer-
reira da Co3ta & Filao, defrento do arco da Con-
ceicao. em barricas CTandes
Tasso Irmaos & C.
Vendem oleados pretos para forro e guardas-cha-
va de csrros.
Ditos de cires.
Porta* de yioho almofadaias, tamanhos diversos.
Oadeiras americanas de varias quadades.
Tnico para rahellos.
Agua de Florida.
Machadinhas americanas.
BRACO DE OURO,
Ra do Iraporador n. 26
O respeitael publico encontrar neste
estabelecimento diariamente um completo
', sortimento de pastelaria, bollos inglezes
ipodins, plds-dei, prgsentos dos ultimo
i chegados ao mercado, salame de lion, bo-
1 linhos tinos de todas as quadades para cha,
i amen loas confeitadas, confeitos, bomboins,
I pastilhas, chocolate francez em libras, pas-
| tubas do mesmo .cartuxos e carteiras com
seis charutos de cho oate tada urna, esta
sortimento de chscolale do mais acredita*
do fabricante de Paris e o melhor que at
hoje tem vjndo ao mercado.
Vinhos portugtiezes, figueira muito supe-
rior. Os mais genuinos e superiores vinho*
'do Porto, moscatel e Setubal, o Ilustrado
publico encontrar nesle estabelecimento
por'commodos precos, fazendo-se abatimen-
! lo a quera <:omprar em por?5o.
Licores de tudas as quadades, as mais
finas, entre elles o afamado Aiapana, este
licor o mais saboroso e superior, at
hoje conhecido. Xarop: s de groselhe, rosa,
maraeuj, caja etc vinhos de Bordeaos de
todas as marcas, o mais superior rue se
pode ene nlrar, champagne de Chevernt
muito superior, os mais tins e superiores
cognacs francezes, old-tom, de tod?s as be-
bidas alcuosas, este a mais salutar para
quem soffre do estomago,
Conservas de legumes, portuguezas, fran-
cezas e inglezas, mlhos mostrada etc.,
fruclas seccas cristalisadas e em calda, na-
cionaes e estrangeiras de todas, as quada-
des, charutos dos mais acreditados fabri-
cantes da Babia e Rio de Janeiro, cigarros
de S. Paulo e Rio de Janeiro, muitos su-
periores, e finalmente tudo qnanto se dese-
jar tendente a este genero de negocio com-
prometerno-nos a satisfazer toda e qual-
quer encommenda com a maior promptidao
e asseio : Como sejam para casamentos.
bapsados bailes etc., tambem se receben
encommendas de pes de l ou bollos de
qualquer especie enfeitados e decorados,
bandeijas de bolinhos com armar,5o de as-
sucar, assim como de papel, pegas monta-
das, geliatinas de frucia.-, a-i:Cudoas, leite
etc..
Os dono* deste estabelecimecto n5o se
tem poupado a despezaj para melbcr me-
recerem a acoadjuvagao do Ilustrado pu-
jblico.
IM P E R A T R
em
Neste grande estabelecimento encontrar o respjit.ivel publico, uu grande i
i qualquer pa-te, visto que os novos socios desta finoa adoptaram-o systema de s vennd
**'/nry nAn:>r*\ \*iif\ rti nnon nAntmnfti1^ rivlAC -ilonmp ni*apnD fin, /rtmr\^nr, rir. MPno /\t.#rtn
cu uu:ra (juxiuuer pana, visi'j qim os iiu' s"tn's nosia ua'ci e ar.n?zem pnaeifo fazer os seis sortimentos pelos meamos precos que compram as casas estrangeiras.
derem escolher.
SOrmT m4nmo- mSS.^IS'11 T f ^"^ prmeS55da^ ^ets Prol Steffier por pregos mdto mais baratlo qo.
PJ^m^^&^Vn^t^; f!^'*&2t*m. a gaa?rem desconto- As Pssoas ?oe WS em menor escaa, Z &
commoaiaaa. das mm. fam.has. da todas as farendas se nao os livros das amostras, ou se mandara levar erajsuas casas, para meihor y
rom
ALT
PAVlO
BOXITAS FAZENDAS PAIU A FES-
TA DE
[ SANTQ AMONIO, S. JOO E S. PEDRO.
' Veniem se as mais linda poupeli-
i as de linho e seda com o* gostos
[ mis novos que tsm viudo a este
? mercado, oelo barato prego de....
K) o covado.
Sedas listradis, de furia cores, fa-
sendas fie muita phantasia a 2^000
', o covado.
S da bismark, larga fazenda muito
encorpada o covado a 2300.
! B mitas iasinhas largas cora palma
] de ceda, covado a 1?5000,
Lindas agraciando lavradas covado
a I-SOO.
Alpacas lavradas de todas as co-
res,' covado a GiO, 800 e 1#00.)
Bonitas sfitohas escossezas com
qnadros e litras de seda, covado a
560.
Finas alpacas lisas, sendo c6r bis-
mark lyrio, verde, ro\o, cinza, can-
na, azu! etc., covado a6i0.
Ditas torta coras com as mais bo-
nitas cores, covado 50J rs.
Lindasbareges lisas, e com lista
di nrsma cor, fazenda inteiramen-
te n>v.i, covado a 560 e 610 rs.
Bonitas Iasinhas tapadas e trans-
parentes com grande diversidade, o
covado a 600 rs.
Lisinhas lustrosas com lindas co-
res emitagSo de seda, o covado a
320.
uindos cortes de anadine, sendo
f.tzenda nova e transparente e de
muita phantasia, com 18 covados a
15,5000.
Fioissitaoi crtes'de vest los bran-
cos bordados com todos os enfeites
francezes a 120000.
Cortes de ganga indianos, fazenda
inteiramente nova a 70000'
Ditos chinezes com duas saias a
75000.
Ditos de la escosseza fazenda mui-
to b mita com os de seda a 700 0
Finiasimos organdys com lista de
cor e salpico, senio fazenda de
muita phantasia, o metro 44289.
CROCHE'S PARA CADEIRAS E SOFA'S.
O Pavo tem um grande sortimento dos
mente novas e so vendem muito em S
conta, ra da Imperatriz n. 60, xa
oja e armazem de Silva e Figuei- ^
do 4C. S
mm mmmmm
de 12-5090 rs. cada um, pechincha.
CA9EMIRAS ESCOSSEZAS.
O Pavo tem bol as casemiras escosse-
z?s cora qnadros grados e midos e outras
lisas cora listras ao la lo, sendo fazendo
muito fina que se vende mais barato, por
baver gr-rade porc.3o.
CORTES DE CASE MIRA PRETA A 4:500,
O Pavo tem os superiores cortes de ca-
serairas pretas enfeitalas pelo barato prego
| de 40300 rs. o cort,
CASEMIRAS RASPADAS A SCO RS. O CO-
VADO.
O Pavo ende excellente fazenda de pura
la com as cores escaras muito proprias
para caigas, painots, coiletes e roupa para
meninos que frequsntam. a escolla por ser
ama fazenda leve, escura e de mnita dura-
.go, pechincha a 800 rs. o covado ou a
,2080; o corte de caiga para hornera.
FINAS BABGES A 640 US. O -OVADO.
O i'avo tem as mais lin las bareges de
laa sendo msias transparentes, com urna
s cor, tend'o : lyrio, azu1, rosa Bismaxck,
roso, etc., tendo muito boa largura e liqui-
da-se por 640 rs. o covado, por se ter fei-
to urna grande compra, assi^i como ditas
mais estreitas de urna s cor com listras
imitaco de seda a 560 rs. o covado, e pe-
chincha.
PECAS DE MADAPOLO A 30500.
O Pavo vende pessas de muito bom
madapolo, tendo 12 jardas cada una, pelo
barato preco de 30300.
PECHINCHA EM ALGODAO A 4000 RS.
O Pavo est vendendo pegas de algqdo-
sinho francez, tendo 4 palmos de largara e
| com 11 metros cada pega, pelo barato pre-
da 40000 rs.
CURA DE CARNAUBA.
Vende-se superior cera de carniuba em
saccas, mais barato do que era outra qual-
j quer parte, ra ra da Imperatriz n. 60,
loja do Pavo. '
OS SETIN3 DO PAVO
Vende-se os mais bonitos Petras de cores
e mais encorpados, proprios para vestidos
tendo de diversas cores.
mais bonitos crochs p*ra cadeiras, sofs
unsas, alraofadas etc., proprios para co-
brir presentes e vende-se mais barato do
que em outra qualquer parte.
Ago-JIio enfestado.
Vende-se urna grande porco de algodo
simio americano com 8 palmos de largura,
proprio para lenges e toalhas, tendo liso e
trancado, que se vende por prego muito em
coala.
LAS ESCOSSEZAS
LAS ESCOSSEZAS
L.AS ESCOSSEZAS
A 530 rs. o'covado.
Chegou para a loja do Pavo, o mais
elegante sortimento das mais lindas lazi-
nhas escossezas com os de seda, as quaes
fazem o mais delicado effeito, para vestido-
lunas as larguras e qua- i ~, ,.:-------- w'^""-"> t.uegou para esie grant
310oOO o covado al 70000 S resPeilavd pnbuco um grande sortimento o mais bonito sortimento
i vende por preco muito roupas' sendo pa!ltos e SODrecasacos de! Das alpacas lavradas de lo
panne preto e cazemira, caifas e coletos de se vendem a 800 e 6
de duas sa'as, e vendem-se pe'lo baraiisst-
mo preco de 560 rs. o covado.
SEDAS DE LISTA
SEDAS D- LISTA
SEDAS DE LISTA
a 20000 o covado.
Chegou para a 1 ja do Pavo um grande
e bonito sortimento das mais lindas sedas
de listas com as mais delicadas cores, tendo
entre ellas algumas que servem para luto, e
vendem-se pelo barato preco do 20000 o
covado, pechincha.
FAZENDAS PARA LUTO N*LOJA PAVO
Eacontra o rspekavel publico neste es-
tabelecimento um grande sortimento de fa-
zendas pretas, como sejam cassas france-
zas e inglezas, chitas pretas de todas as
quadades, fazendas de la de todas que
tem vindo, proprias para luto, sendo Iasi-
nhas alpacas lavradas e lisas, canto, bom-
basinas, merinos, etc. qae todo se vende
por preco barato.
PARA BAPT1SAD0S
Na loja do "Pavo vende-se bonitos en-
chovaes para baptisados.
Cortes de casemira a 40000, cada nm.
Vende-se bonitos cortes de casemiras
clans e escuras pelo barato prego de ifi,
ou a 20400 o covado, tendo duas largaras'
CORTINADOS PARA CAMAS E JANELLAS
de 80, 100, m e 160000.
Chegou para a loja do PavJo nm grande
sortimento dos bonitos e ricos cortinados
bordados, proprios para camas e janellas,
qae se vendem de 80000 o. par, at o mais
rico que vem ao mercado, e vende-se mais
barato que em outra qaalqaer parte.
GROSDENAPLES PRETOS DE 1*600 AT 75000
Na loja do Pavj encorara o respeitavel
publico um grande sortimento de grosde-
na pies pretos de todas as larguras e qua-
dades, tendodi "
e SJOOj, que se
em conta.
CASSAS FRAN'CFZAS.
| Chegaram para a loja do Pava5 as mais
lindas cassas f.ancezas com delicados pa-
drees, tendo para todos os pregos e qua-
dades, dando-se todas amostras, ?ssim como
um Bonito sortimento das mais lindas chi-
tas francezas escuras e alegres, que se ven-
dem muito em conta, e tambera se do
amstras.
- CIIITASA20RS.
Na loja do Pavo vendem-se bonitas chi-
tas francezas claras e escuras e cres'fixas
240 rs. o covado, e ppehincha.
LAASINHAS A 320.
LAASIN'IIAS A 320
LAASIXHAS A 320.
Na loja do Pa^o vendem-se elegante sor-
timento das mais lindas Iasinhas lustrosas,
com listrinhas a imitaco da poupenas de
s?da e com as cores mai lindas que tera
vindo ao mercado, sendo fazenda que vale
mito miis dinheiro, e liquidam-se a 320
rs. o covado. pechincha^
.PESIISA
EM CAMISAS DO PAVO A 40500 RS.
Vende-se um bonito sortimento de muito
finas emodernas camisas inglezas com pe-
to e coharinhos da linho e puahos, pelo
baratissirao preco de 40500 rs. cada urna
e aos freguezes que comprarem duzias se
he far um abatiraento. garantindo-se que
fazenda que vala muito mais dinheiro,
liquida-se por este preco por se ter feito
urna grande compra : assim como se vende
ROUPAS PARA HOMENS PARA TODOS ALPACAS
03 PRECOS.
N'este grande estabelicimento encontrar
LAVRADAS A 640, 800
1,000 RES.
Chegou para este grande estabelicimento
lo das mais moder-
adas as cores, que
< c 640 res o covade.
brim branco e de cores, qae tudo se vende; assm como um grande sortimento de ato.
mais barato do que em outra qualquer parte; Cas lizas de todas as cores
assim como um grande sortimento do ca- -
mizas francezas e ing!<;zas, e ceroulas tanto
de linho como de algodo e abundante sor-
timfnto dr- meias cruas.
VESTIDOS INDIANOS COM DUAS SAIAS.
O Pavo vende urna grande porco de
Basquinas,
Chegaro as mais modernas
ou jaquetinhas de seda prfcta;
enfeitadas a viarilho, tranca
tendo de todos o modellos,
basquina*
riesct&ti
e soun p>(ic-
os mais novo*
cortes de vestidos indianos, tendo dnas! We. tem cnegad e vendem-se por prefu
saias e tendo bastante fazenda, com os gos- muil zo;ms.
POUPi'LIXAS DE SEDA
POPELIXAS -DE SEDA
POPELIXAS DE SEDA
a 20000 o covado.
O Pavo acaoa de receber o mais ele-
gante sortimento das mais lindas vei dado-
ras poupenas de linho e seda com os pa-
droes mais delicados que tem viudo ao mer-
cado, tendo entre ellas cores proprias para
alliviar luto, e vende-se palo barato preco
de 2000 cada covado, pechincha.
Cambraias brancas
Vende-se um grande sortimento das m*.
Ihores cambraias tanto victorias como trana
tos mais novos que tem vindo, e liquida-si
a 50u0, teado cada um seu competente
fiRurino.
CASEMIRAS MESCLADASyA S-S Q COVADO
O Pavo tem para vender bonitas case-
miras mescladas e bastante en:orpada para
roupa de homens e meninos pelo Ijara.o
prego de 30 )00 cada covado ou 500 JO o
corte de caiga para horaem.
Roupa por medida.
Na loja do Pavo manda-se fazer qualquer
, -------------- ii-. luu,Jlolllulai iauiu MOlUIldS COUII
pega de obra a vontade do freguez, para o.parentes tend de 30300 peca at a
que tem um perito alfuiate, responsabesan-; fina oue vem ao mercado.
do-se os donos do estabelicimento por qual-
quer falta qne possa ha ver, quer por de-
mora, quer por qualquer defeito na obra;
e para isto en:ontra o respeitavel publico
1 um grande sortimento de todas as fazendas
que desejar.
BRAMANTE A 1800.
Vende-se superior bramante com 10 pal-
um bonito sortimento de ditas tambem com m&s de largara, proprio para lenges, dan-
pe.to de hnho bordadas e ditas de algodo,do a largura d'esta boa fazenda o compri-
para todos os pregos.
PANNO PARA SAIAS A 10000, 10280 e
10300 RS.
Vende-se bonitas fazendas Joroprias para
saias sendo com bordados e pregas a aro
lado, dando a largura da fazenda o compri-
mento da saia e vende-se pelo barato preco
de 10000,10280 e 10800, cada metro seo-
do preciso apenas 3 oa 3 1/2 metros para
cada saia pechincha.
Vestidos braneos a 134009 rs.
O Pavo vende finissimos cortes de ves-
tidos de cambraia aranca, ricamente borda-
das e com muita fazenda pelo barato preco
ment do lengol, sendo preciso para cada
um apenas 1 e 1/2 metros ou 1 e 1/4 pe-
chincha pelo preco.
ESPARTILHOS A 8*000.
Vende-se um bonito sortimento dos me-
mores e mais modernos espartilhos tendo
do barato prego de 50000 at 8000.
Cachenez.
Na loja do Pavo vende-se um grande
sortimento dos mais bonitos cacbenez de
pura la proprias para senhoras, vendem-se
a 60000 cada um, na ra da Imperatriz
n. 60.
Al j % ~ ------ JjT h"'m" f*. uaa o wjiu muua iazenaa peiooarato preco n. 00. "
loja do Pavao est constantemente aberta, das 6 horas da manhaa s 9 da noute
CAMBRAIAS BRANCAS A 4/000, A PECA.
S o Pavo vende pecas de cambraia
branca transparente, tendo mais de vara de
largura, com 10 jardas cada peca, fazenda
que sempre se vendeu a 70 e 80000, liqui-
da-se pelo barato preco de 40yOO.
FUSTES BRaNCOS A 640, 800 E 1*200.
Vende-se muito bonitos fustoes brancos
muito Bexivel proprios para vestidos d*
senhoras e roupa para meninos e vende-s
a t540, 800 e,10200 rs. o covado.
Cassas a 94o rs.
O Pavo est vendendo bonitas cassas d%
ceres fixas a 240, 280 e 300 rs. o covado
Brilhantes Iasinhas.
S o Pavo, 460.
Chegaram as mais birlhantes Iasinhas com
as mais lindas cores, com palminbas mi di-
nhss, assentadas as mais delicadas cores de
lyrio, cor de canna, cor de ganga e branco,
sendo estas novas Iasinhas de muito boa
qualidade, tendo largura de alpaca e vende-
se 460 rs. o covado. ra da Imperatra
n, 60 loja do Pava.
I
;l


/ '
Diario de Pernambueo Qubta feira*3>3 (Je Junho de 1870.
'
, >
I
Jl RE WA'SMSPKRATfilIB SU
Esquina da rut:la Aurora, em frente do/uf Jmperatriz.
ftmHiinrtrm!,"0V0 e s^'<>*> establecanlo do fazendas onvontraro as Exmas
tris serke?** art3 ***>. -o u>das
** todos dsSL 'V0^*'10 PMos 'lo I* do niolbor so eno.r.tra Ule mercado,
ffflrEiraR > 1 P?' reCCru **** o qae ,, ruros do moda.
daKS ..T;,"ra WB!4arS' *" vcm e*hh "S*"*' *i propon-
we e que drspSe este estabelectraer.to para hem servir* soa uuaerosa iv
mm
gerai, e em
.'^ueziif.
k
""" .o.m as qualiuadesquecostuaia vir aomer- da integramente
Aigodao largo pan. lences e toalhas
Alpacas 6e lodos oj padroes e qualiria-
es tao variada qu Alouascomnuuicaa para collocarretratos,
oucado presente para ijuaiouer pessoa de
sama.
Aioathado de linho e a!god5o,
te cores proprios para toalhas.
233
nova para vestidos de bailo.
Grvalas pira sonnoras e homens, o mais
complelo sortimenlo quo se pode desojar.
Guipare preto n branco, diversas largu-
ras o di'erentos gostos.
Collas e paabo* bordados para senhoras.
Guartlanapos de indo pequeos e gran-
des.
Qw.irto a AGUU WlRNCA, mal precisa wktotifjcar aorespertavel -pnblito era
m particular a sua boa freguezia, d imrriensidade de objectos que intimamen-
te tem recebido. josramente'qnando ella motos o pode facer e porque esa falta c invo-
luntaria ella confia e espera oa benevolencia fie todos qae Wa tunderao e rHetarSo.
contiijuando portanto a riirigirem-se a beroc(*mecMairja da AiiL'IA BRANCA a" na dn
yueirnado n. 8, onde sembr achara abundancia em sorttmonto de wipcrioridsde em
qnandades. modicidade em precos e o seu nanea desmenttido AGRADO E SfNCERIDADE
^ Do qae cima fica dito se ronhece que o lempo e que a AGUfA URANCY pode
jiispor, einpregado aperar de seus cusios no destmpenho de bem servir a aqiiclles qoe a
hfinram procurando prover-se enl iu toja do q-Je necesstam, entretanto sem ennume-
raros objectos que por raa natureza sao mais ennbeeidoa a!i, olla resumidamente indi-
car aquellos cuja importancia, eiegtncia e novidade os tornara recommendaveis, como
oem soja :
' DO
GALLO VIGILANTE
ais, i ,. japonezos para senlinras, o me k
. de cores, para senliora e menmas, rabaldcs e passeios a tardo.
se
nosso
dse-
branco e
Gorgurode seda preto edo cores.
Tfrm e muito moder- do^^S.iK ^^ haVen'
m, bem como de croct, ludo de apurado qowaawjtj gestos.
Japonezos para seoOwts-, o melhor gos-
nos ai-
Bareges de cores variado sortimenlo. r
Babadinhos ou tiras bordadas em todas as Laziimas de todas as quaiidados, cores
,,rffiS;- a a e gostos' n5 'lcan,, "ailil a desliar, tal
Be botina de todas as cores. o soriimento quo existe para escolher.
5?Saf e,la?elt) Lpara v,u'tm* 8rande engos, tudo quanto podo naver desdo
anadade de tamanhos e gostos. esguiao n tgcto coimmim.
Bombazina pretai do todas as qualidades. Leqms do madreporola o osso, o mais va-
Bramante de linho do II palmos de lar- riado s ^ft^f,^3 VS inj.aS (ltali(|ades- Ligas d seda, bordadas, para senhora.
limw? algd50' raBde **" Luvas rit Jouvin. chegadas por todos os va-
Sn.*.!- i-k v pnros' se,,M; DOBp sortmonto, quer em
ana ae iinlio branco e de corea, do mais tilica para borneas e senhoras, quer em'o
fiommodo ao mais caro em qualidade, affian- dTSscocia, brancas e de cores.
alo o que lia de mellior na especie. Ma
jrins d'aigedo completo soriimento e Madapoln: imleiciiptivel o grande sor-
ariedade de pesaos. i ment qim h> ;je.,tti gone!0| deSf|e 0 mais
>- Aa ^. elevado prego ao raeuor, que se vende em
-,^S? k ,ca,or t!0',l,raf,rit0' Pn- PC e rctalho por menos do que. em ou-
manao pelo bom gosto e barateza, atientas ta qoalauer parte.
"SffhSSTh *****d l,l,,ri,k para noivas pradn
i.dQiDraias brscas tapadas, e traesoaren- gosto dos nossos correspondentes eui Paris
6 de todas as Umuinhasdecarnbraia de linho e cassa esiabolecimonto o que de uelbor
eordadas ricamente enfeitados para Sras. ja para vestir o ornar orna noiva.
Camisas para horcons t meiiinos, to va- N***m pretas de blond.
udo sortimoato que vai do mais ordinario Mantas para c;:rros, com lindas pinturas,
adapolo ao mais perfeito bordado de li- Merinos pretos, trangados e lisos.
Camisas de mcia, de. aoella, brancas e *Wm padroes.
4e cores para tiomom. rg>
Casemiras pretas e de cores, o melhor Pannos patos e de coros, desde o mais
pe se podo imaginar, sendo d'isso a me- t)a!'at0 ao superior, por proco muito
fficma da casa. Pannos de crochet, para cadeiras e sofs.
Capelas do lloros, para noivas e bailes,! Ditas d(> tasomira muito (Utos
*esde a mais candida Uor de iarangeira at mesa-
c mais interessante grioalda. Peitos bordados de linho, lisos e de al-
Chapelinhas no moliior gosto.de todas as godo para camisa.
aeres hoje preferidas pelas senhoras de. Frmcotas piolas c o cres-
aa;s apurado rigor na moda. Popelina do seda e linho,
Chapeos preios de velludo, para senhoras, flores; fazenda lindissima.
itimo gosto de Paris. Pelhorinas paro senhoras,
Chapeos de sol, para senboras e horneas,' gosto.
de todos os pre;os e variados gostos. i Perfumaras ; os mais finos extractos o
una com ricos padroes para vestidos, que de melhor e mais agradavel se podo
Ohaies de_ todas as qualidades, avultado encontrar neste genero, e de mais fragante
aumero e nao menos variedade de gostos, e suave no oiphato, tem o PAVILHO DA
Chitas, unpossiveldescreverosortimen- AURORA, desde a verdadeira agua Flori-
o e vanedade de padroes e novos ?ostos, da at o mais fino Bououet d'Amour, ioal-
aa neste artigo tudo quanto se pode desejar. mente tudo quanto deve oceupar o touca-
Cmtos para sinhoras o que se pode iraa- dor de urna senhora de gosto.
Coques, o melhor no gosto e nos enei- Saias bordadas, brancas, lisas e de cores
es, varios tamanhos. com folhos e sem elles, o melhor possivel,
Colchas do seda com borlas, o mais apa- Sabidas de bhle, de todas aa cores.
-ado gosto e lavor. | Sedas preias, de quadros, lavradas, lisas.
Ditas de fustio branco e de cores por.de (istias de todas as cores e qualidades e
oreos commodos. :o mais barato possivei.
Corpinhos de cambraia, ricamente borda-! Sanrem de todas as cores e qualidades.
Corpiilios de cambraia, primorosamente
enfeitados com fitas de setim e obras essas
cuja novidade do motae e-perfeico de ador-
nos os tornam apreciados. .
Fitas rani largas de diversas cores e qua-
lidades para cintos.
_ Loques uesse objeto muito sepoderia
dizer ipierendo descrere-los minuciosamemo
por si;as qualidades, coree e desenlies, tal
o grande e variado snrtimento que acaba!
de chegar.mas para nSo massar o preten-
dente se Ihe aprestmtara o-que poder de
melhor.
Efjtremeio3 em pegas de 1-' tiras.
Gnipnre branco e preto de diversas qua-
lidades e deseuhos.
Ditos de algodJo com flores e lisos.
Veos de seda para chapelinas e monta-
ra.
Meias de seda para noivas.
Ditas abortas da fio de Escossia.
Costumes ou uniformes para meninos.
Enxovaes completos para baptisados.
Capcflas brancas para meninas.
Grandes sortimento de flores finas.
Fil de seda.prto.
FERFUMARIA
Grande e constante sortimento de dita,
sempre melhor qunjidade.
Lindos vasos com p de arroz e pinse!,
Carxinhas Com ditos aromticos.
Bonitos e modernos 'pentcs donrados
para circular o coque.
Bonitos brincos de plaquee.
Adereces e brincos de madreperolr.
Caivetes tinos para abrir latas.
Thesonras para frisar babadinhos.
Aspas para ha!3o.
Novos stereoscopos com 48 vistas, as
qi:aes sao movidas por um machinismo
i urnas substitnem as nutras,
i Vistas para stereo?copos.
Bonitas caixiubas de vidro enfeitados com
i pedras.
Ditas de madeira envernisada com vispo-
| ras e com dminos,
Bollas de borracha para brinquedo de
Una o Crespo u. 7
Os ppuui-ieiarios ic.-e bem conhecido osubele-
clnirate, afm dos mbibn objocto* quo tinham ex-
pertos a apreciaeio do respeitave! publico, m.n-
dararn vir e MMtsm de roceber pelo nltimo vapt.r
da Barupa ura cimpleto e vanado aortimento de
finas e mui delicadas especialidades, as quaes es-
tao resohidos a vender, como de sea costun'e,
porprwos noito baratmhos s commodos para to-
do?, com tanto que o Gallo....
ifuo ca a de iaui liadas cores.
filil boas e bonitas gollinhas e punhos para so-
nhora, neste fetero o qne ha de mais moderno.
SupjTioros pectos de tartaruga para coques.
Lindos e ri(|uisiimos eufeitos para cabecas das
Bacinas, senhoras.
Superiores trancas pretas e de cores com vidr-
inos esra elles esta fazeuda o que pode haver
ce melhor mais bonito.
Superiores e bonitos lequos do madreperola.
marlim, sndalo e osso, sendo aquelles brancos
c<^m lindos itescnhos, e estes pretos.
Muito sttperWr's meias lio de Escossia para se-
rinoras, as .[naos sempre t$ venderam por 30*000
a onea. entretanto que nos as vendemos per 20*,
atoin desUs, temos tarabem grande sortira^nto de
outiascualidades, entre as quaes algumas mnito
Beas bengalas de superior canna da India e
caslaode marfim r6ui lindas e encaniadoras f-pu-
ras do aesmo, ue>te genero o que de melhor si
pudo desejar ; atfnt destas temos titnbem grandi
quantidado Oy nutras mialidades, como sejam.ma
aetra, balcia, osso, borracha, e:c. etc. etc.
Unos, hniiitos e airosos chicotiuhos de
Rival sem segundo
Touquinhas e.meis para ditos. | Diversos objectos de porcelana, proprios
sinhas bordadas para ditos. para enfeites de mesa e de iapinhas.
IflPil "
NOS GRANDES
15E SECCCIS
AKMAZEIS
E mMLHADOS
de uatns qualidades.
Lindas o superiores
para segurar as meias.
Boas meias de seda para senhora
as de 1 a i-> annos de idade.
cadeia e
igas de seda e borracha
e pira meni
N. 23Largo do Ter DE
^ santos a- c.
para
e ;
com listras e
do ultimo
ESS
Penha 10
FERREIRA
Os prop letarios destus bem sortidos annazt-ns particioara aos seus innmeros
reguezes tanto desia praca como do matio que tendo feito grande diminuicao de pre-
tos as suas mercadorias estao por isso resolvidos a vender por menos de U) e 20 V
do qoe ex outra qualquer parle, garanndo-se portatito a s ptrior quah'dade de qua-
quer groen comprado restes dous estabelecimenlos. Mencionamos alguns dos nossos
gneros e a vista destes sao compreheodidos os outios, porque enfaaonbo seria men-
cina-los.
Se alguem duvidar venha ver.
Gaz americano marca Deves a 8)5800 a
Vinagre branco mandado por conta
propria vindo de Lisboa, a 30 a garrafa e
480 o litro.
dem tinto Figueira, Lisboa e Porto a
30, 80, 210 e 200 rs. a garrafa e 480 300
rs. o litro.
Vinho Figueira, Lisboa, Porto e Estreito
UUs, 380 rs. a garrafa e 5G0 o litro.
Azeite doce de Lisboa a 900 e 10000 a
garrafa em porcao faz-se grande abatimen-
to.
Caf em caroco a 220, 240 e 2S0, a li
600, e
a 560, 500 480 e 400 a garrafa litro a 840[ bra kilorammo a 480, 540 e
760, 72.0 e 600. 7.JO00, 705GO e 8^800 arroba.
Vinho branco poro de Lisboa a 640 560 Milhoalpista 200 rs. a libra e 440 o ki -
a garrafa, em porcao ha abatiraento. i logramma e 5800 a arroba, em porcao ha
Vinho do Porto, engarrafado das melho- abatime&to.
iViva.'has abo de marim e tartaruga para fazer
b;irba ; sau muiU) bos-,e de mais a mais siio p:.-
r.nittdas p'lo fabricante, e nos por nossa vez tam-
ben aascgnraiiM ;-ua qnaWdade e delicadeza.
Lindas c bellas capelas para noiva.
Sr.fHjriorcs a::ulias para 'macitua epara crox.
Ltnha rauio boa de peso, frouxa, para eacher
lahynntho.
Bons baralhof de cartas para valtarete, assim
como os lentos para o mnsmo lim.
Grande o variado sortimenlo das raelhores per-
fumaras e dos meliiorcs e mais conhecidos per-
tomtsias.
COLARES DE-I'.OER.
Elctricos magnticos contra as convulsdes, e
facililam a denticao das innocentes criancas. So-
mos desde muito recebedores destes prodiciesos
Cellares, e roatnuamos a recebe-Ios por todos os
vapores, airn de que nunca faitean no mercado,
como ja t*m acoiRecido, assim pois poderao aquel-
es ue dalles preciarem, vir ao deposito do gallo
vigilante, aunde s^aprc enconu-aro destes veru-
uc-iros collares, c os quaes attendeDdo-se ao fim
para qne sao appcados, se xenderao com cm mui
dimmuio lucro.
Bogamos, pois, avista des objectos que deixnmos
declarados, aos nossos freguezts e amigos a viiem
comprar por precos muito razoaveis loja do gall-
vigilante, ma do Crespo n. 7.
RA DO DUQUE DE CA31AS .N. 9
Esb'O disposo a continuar a vender todas
as .iuudozas pelos baialis^irnos precos abai-
xo declarados, garsgt mo ludo botn e pro-
cos adciiradiis.
Pcete com id qoaiiern'.s de pa-
pel anisado a...... 50*
Caaaf comatkadtrnospaptJ pac-
tado a........ 700
Caixas rom 50 novelos de lir.ha
do >jaz a........ 400
Duzias de meias cross soperioi
quadadea.......:}O
Pefas de bib;.i!iiii:i* am 10 va-
ras a......... BO0
Pecas de liras bor4adiscem 12
mctn.s cada p pa a id'VO e. 2<>000
Pecas do lilas para tos de q al-
quer largura com 10 varas a. 500
Escovas ara uiihasfaztnda lina a 500
Ditas para denles a 240, 320,
400 rs. e....., 300
P de cores ..... 40
' aixiidias domadeua com alfine-
tcs fzenda suponer a. 400
Dozia de liona fixa para borda*
d>s a iUO rs. o..... 300
Pares de meias cina- paiaan<'
n- s diu'isos larpariboa a. 320
Duzias de D:o:as ,r;i':c-is muito
linas paiastnLora a. o00
Paros' de sapaios do trasca do
fofo .....'. BDOQ
Paros i'o s;patos de taple a. loSOO
Livres do missa abreviados. l'80i
Diitas do t.aralhus para vuiu.icle ::>00O
Sylabarios pertugowefl a. -i00
Kedes cora contas mullo boa rjoa-
Cartocs com culxelos : ca rutas a O
A';otnaduas i;.-a col I, lo diversas
qualidades....... 400
Caixas com peona de seo muito
boa de 320 a...... S06
Duzia de linda 200 jardas Alexan-
dre de 40 a 20U o, |g08
Cnxas com supciiotos obrei*s a. 40
Duzia Oe a^olha par iriacbi.la ;i. 2(fO0O
Libras de pcgos fraoceten b.dos
os tauaiih'is a...... 240
Talhtios para mcoiaos a. 320
Pares de sapatos de tranca para
meninos a. lfO
0 verdaileiro portland. S se vende o
ra da Madre do Deus n. 22, armazera d
Joo Martins de Barros.
ios para senhoras.
Cortinados de cambraia bordados o do
?il.o qoe de rndnor se pode desejar.
Cojariobos de linho bordados e lisos, o
aior soriimento.
Tapetes grandes, lindas pintaras para 8
cadeiras, mais pequeos e de todos os ta-
manhos desejaveis, e em peca para co-
vados.
,lflrst sfikrde i^P2as ^raSarSr3^e mas
.indas cores e rioos^padroes. | Toa|has de ,nho 0 a|god-0 d0 todos QS
Pln,, v~-a tamanhos, li--as e felpudas.
hnr I 1 3nfS 6 6 CrCS' para se"' Tar!atana branca com palmas e de cores.
SSSm, ST!i e o melhor nesie genero ;; fasenda muito nova, e gostos delicados pro-
uenhuma bra. deixar por certo de muir nria para baile
e de to precioso auxiliar perfeico de
om corpo delicado.
Entremeios bordados.
Escomilha preta.
Enfeites para cabera, ultima moda de
Paris, recebida no ultimo paquete.
Vistuarios bordados de fusto brancos e
de cores para meninos, de cambraia para
baptisados, o que de melhor tem viado a
este mercado.
Vestidos d3 13a escoceza de 2 saias,
Esguio de linho, completo soriimento de, novidade pelopadro, gosto eorma; ditos
iodos os nmeros.
5-
'de linho com barras de cores, e de cam-
braia de cores com 2 saias, ludo inteira
para
Fitas largas escocesas p3ra cintos, vari- novidade, trazem os modellos juntos
dade de gostos e bndos padr5es, mostrar a forma de os fazer.
Fhhs de crochet, modernos com cintosl Veos de blond para noivas e p-etos para
a capas, o que ba de melhor. I loto.
Fil de seda, linho e algodo, de todos | Vestidos de blond para noivas: podemos
gostos e padroes. asseverar as nossas Exmas. (reguezas, que
Fusto de todas as cftres e qualidades somos os nicos em Pernarabuco que pode-
Crande sortimento. mos offerecer ao Ilustrado publico, o mais
Flanella branca e de cores. apurado gosto em semelhante materia, gra-
Flores, o que ha de mais rico, qnor cas ao bom gosto do nosso fornecedor em
joltas, quer em ramo3, tem o PAVILHaO Paris, podemos garantir que ninguem neste
DA AURORA am permanente jardim a genero o possue melhor, nem mais em
4isposic5o das Exmas. familias. conta.
E' dispondo d to grande e variado sortimento quo o propietarios do PA-
vTLHAO DA AURORA se apresentam ao publico declarando desde j que a sincerida-
e e o bom gostoo raovel nico de seas negocios.
Prvidos de todo e proraptos sempre a prover-se do que por ventura lhe
eja necessario, os proprietarios deste sumptuoso eslabeleciraento recommendam-se
em receio de seren contradictos e protestara esforcar-se por coulinnar a merecer
oroteco que se Ihes tem dispensado ; certos de que do seu' estabelecimento n3o sahira
o freguez descontente.
Contina sempre a officina de alfaiate dirigida por om dos mais habis artis-
*&, prompto executar com promptidao e bom gosto qualquer trabalho que lhe seja
onfiado. Urna modista especialmente oceupada nos trabalhos do PAVLHAO Di AU-
RORA, dirige os que lhe sao concernentes, garante por seu apurado gosto e promptidao
aa exocucao e a mais completa perfeigo nos seos trabalhos.
A numerosa freguezia qae nos honra urna prova de que merecemos o con-
cito que se dispensa ao nosso estibelecimento, conceito que procuraremos firmar cada
e?. mais. Para facilitar anda a mcecuco do fim que nos propomos, temos no nosso
subelecimc^to.os ltimos figurinos de Paris, que recebemos por todos os paquetes, os
fuaes enviajemos para serem vistos as familias nossas freguozas, afim de escolherem,
com o padro da fazenda o g,sto na forma.
Na officina de alfaiate, junto ao estabelecimento, ba igualmente os figurinos
para homens que por todos os vapores se recebera.
E' este o modo porque nos apreseotamos. pedindo a proteccao do Ilustrado
aaWico e com o mais profundo .respeito convidamos s excellentissimas Sras. a visi-
taran o nosso estabeiecimeoto, eertas de encontrarem nelle pelo menor proco possive-
|ado que podim desejar.
Mandaremos caixeiros levar as fajeadas e amostras onde forem pedidas, visto
I podermoa especificar tudo quanto temos.
Joe Luiz, Sobrmho <& C.
Aberto das s 9 horas da noe.
res e masacretadas marcas a 15000 e 1=5200
fiJBOO e U a garrafa.
dem Bordeaux, Medoc e St. Julen a
7S500 e 6500, a duzia e 040 rs. a garafa.
Cenebra de Hollanda e laranja doce aro-
mtica a fir$500. 7d, 11)5300, a frasqueira.
Serveja Bass. Illers 6 Bell a 9(5800 du-
zia em porcao ha grande abalimento.
'dem marca SI e T e outras marcas a
5^500 e o-5, a duzia e 500 rs. a garrafa.
Assim como ba outros muitos
passas e flgos, charutos finos de diversas arcas, marmelada, bolachinhaVde todasTs
qualidades, perola, Francy-craeynel, a, b, c, Mdium, mixed, soda Fancy-nionac, pa-
lace de Varetees, combmaon, Britania, doce de goiaba fina, chouricas, manteigas finas
franceza e mgleza, banha de Baltimor, phosphoros de Sycuryt, Cognac, cha de diver-
sas qualidades, Canella, pimenta do reino, ervadoce, pomada, enxofre, breu, peixe
em latas de todas as qualidades, farinha de milho americana, grandes molhos de sebol-
las, nestes dous armazens existe tambem grande sortimenlo de loucas propnas para ne-
^^^iPelns seus modos preco faz vantagem aos compradores.
Queijos frescos do ultimo vapor a 3(5200
e 3(5400 cada ura.
Aletria, macarro, talbarim a 500 rs. a
libra e 1(5100 o kilogrammoem caixoba
abtimento.
Sabo massa de 1* e 2a qaalidade a 220
e 240 rs. a libra em caixa ba abatiraento
Toucinho do Lisboa muito alto a 400 rs.
a libra e 880 o ki'ogrammo, em arroba ha
grande differenca.
gneros, vinho em ancoretas, azeitonas,
8114 MU-5
^ UMA PRENDA. Lindos objecfos dourados de delicados gostos, proprios
** para meninos, vndese no BAZAR DA MODA.
W BAPTISADOS. Ricos chaposinhos de setim brancos, lindas toucas de fil S
0 e setim, sapalinhos etc. g
^ ,i-?i,,P.E" 0u crooh em Pessa' braDC0 e preto, com lindas ramagens e S
xj qualidade muo snpenor. m
& n, -,aNH?S" wPlra lmsas de llomens'fazcnda superior com duas faces, o S
w par 040 rs. (pechincha!) !
5 ao PERFtUMAl|fAS. Finos extractos para lencos, aguas de diversas qualida-
6 ''es, abnete*, leos, pomadas, pos, tnico1 etc.. qtc.
& ,a k u ]'"ld.as f"aixinas Paralevas cuntendo urna preparaco em '
^ que Ibes d am agradavel aroma, por 1,5500. wf*-^
ia Pt,Gr!!?taS ?,-?S' n.res' pllimas' C0(Ines' lraD5a9. fitas, botoes, bicos e pen-
n ia ;; T Ulros artlgos prPrios d) esUbelecimento' veodendo-se ,
1 eS Amaro ^' D BAZAR DA MO0A' rtta Nova D" 50' es^'m da j
8 os de Souza Soarea & C.
Novas pechinchas
iNA
Loja flor da Boa-vista
DB
l'aiilo F de M. CinlaiarSes.
Chitas esouraa e claras, a 3G0 o 240 o covad
Laa com palminhas, 200 e 3J0 o covado.
Seda pretal de Iwtas muit<) eiioorpada a 2J idem do Ro8ario. 'oja o. 18 B.
Cortes de brim para calca a 1290. *
Fustoes para roupas de meninos a 800 o covido
Grande sortimento de roupas feitas, asiim como
se fazem por.jr.cdda, prego* mullo coinaodos
Na roa da Iraperatriz n. 48, juato Dadaria
francesa. ^
COM FABKOIA
Maia Landelino vende saceos com farinha
a : na ra do Duque de Caxias, travessa
de
Sortes Para S. Joao
Na roa da
Vende-ge
Patitos *) gai 3 rs. a duxia de caxinhas, ba-
rato : na roa do flaafel n. 39, laberna.
airt- Aatpalo, m. aoSo e JS.
Pedro
Limalha de ferro era vidros muito nova.
Dil.4e ac. em vidros tmirto ova.
Dita-de aniha de.Leon auilo nova.
GMMMU'ji. 80 eoa dos Qurteis r
n. S2,.nBda-8e liBda8,oxie8,nata S. Joao porpre- ,Enx/re.em tubos.
CS IUJi Wt ** mes,Di ru,a 4a Concei- (Sa^a reQoado:de l- qualidade.
repara-fe qnalquer en'
ao pr
encommetdade bolo de' E todas as demais'preparacSes par toaosar-,
Bartholomeu & C. na roa larga do Rosario n. 34.
3 cordeiro previdentr
Rasa do aciioiado a. t*.
Novo e variado soriimento da perfumar i;-
finas, e oulros objectos.
Alm do completo sortimento de peni
marias, de que effectivamente est provids
loja do Cordeiro Previdente, ella acaba
receber um outro sortimenlo que se ton
aotavel pela vanedade de objectos, superior
iade, qualidades e comniodidades da pr
eos; assim, pois, o Cordeiro Previdente pc<
a espera contornar a merecer a apreciacK
do respeuavftl publico em geral e de sa
boa freguezia em particular, nao se afa>
tando ee de sua bem conhecidamaBsiai
a barateza. Em dita loja encontrarao t,
ipreciadorcs do bom:
Agua divina de E. Coudray.
Dita verdadeira de Murray de Laminan
Dita de Cclogne ingleza, americana, frsi
oeza, todas dos melhores e maisacredita,
fabricantes.
Dita de llor de larangeiraa.
Dita dos Alpes, e violeto para toet.
Elixir odontalgico para conservaco <
isseio da bocea.
Cosmetiqnes de superior qualidade e cht
ros agradaveis.
Copos e latas, maiores e menores, cok
pomada fina para cabello.
Frascos com dita japonaza, transparente
3 outras qualidades.
Finos extractos inglezes, americanos
rancezes em frascos simples e enfeitados.
Essencia imperial do fino e agradavel ch*
ro de violeta.
Outras concentradas e de cheiros igual
mente finas e agradaveis.
Oleo philocome verdadeiro.
Extracto d'oleo de superior qualidedi
om escolhidos cheiros, em frascos dedifc
rentes tamanhos.
Sabonetas em barras maiores e menor
para uas.
Ditos transparentes, redondos e em fig
ras do meninos.
Ditos muito finos em caixinha para barb<
Caixinhas com bonitos sabonetes imitanc
fructas.
Ditas de madeira invernisada contendo
as perfumaras, muito proprias para pr
entes.
Ditas de papelao igualmente bonitas, tai
bem de perfumaras finas.
Bonitos vasos de metal coloridos, e
moldes novos o elegantes, com p de arrr
s boneca.
Opiata inglesa e francesa para dentes.
Pos de camphora e outras differea;?
qualidades Umbom para dentes.
Tnico oriental de Kemp.
Alaida mala coqaes.
Um outro sortimento de coques de a
vos e bonitos moldes com filis de vidrilhc
d zlguns d'elies ornados de flores e fitat
esto todos expostos apreciaco de qwr
os pretenda comprar.
GOLLINHAS E PUNHOS BORDADOS.
Obras de muito gosto e perfeico.
FiTeilas e titas para ciatos.
Bello e vanado sortimento de tees obj
(os, ficando a boa escoma ao gosto do cor.
prador.
ia wi raufli
Run da Imp. r;Urz20
Far 4c ILcssa.
Acaba deebrgsr a iMa noss ora lija di fa-
Sflufci final r,n> v.'iiim!.' ?i>rrnn-n:o laa e ti\ C"ino sfjam : granaMmf dii iv.iiam
gosto. popelinas de urna s eor, alparas a l.'i;>zi-
niias de c.ni', o i|Uf Ira d> n:is mederoH, nido
por baraiif.'-imca prifo*, briUwr.tinai" na coe>, te-
caos da india, fazenda Dnva a miM-ao de per-
cali, batCe de dina lnpird r C'-m lin-
das barras, fusloes proprii s rara vettide i rounas
de meiiims ; afoia (randM e a.imiraeis peettin- -
chas, saias brandas nn .in rrisado? a :, li-
eos re rpih'is brrdado nr.l'i fin. s a '. baioV
modernas de uro s a !|. ricas ndcliM part rama
alcoch(i.-'ls. sedo ira nos e f cues, a i>, 6 e
7, canbraia victoria lina a ,". dilas ir:.iis[.aren-
tes ao, fi e 7,rl>iias fiuisfims fseeras e tiaras
a 280, :10U, Oe 3e0 n covadu, rawg de eoies a
240, Ifnens brancos de canta a ?3"00, dtlns c-hi-
MKH j-3500 dnzi;:. lliadapallii fu fid e
(500. e muit9 soperii r a 7, 7( 00 e 8S, alfo-
daoziBbii l:.rij'. prnprio para b*ncs a |hddo
de a!,,od:!.i branco tran(add pn>prin para kafuas
de ijiesa a l6O0a vara, nraii'anie pa k-neN a,
20()0 e oo00. o qur hs de nieihnr. erpoiao li-'
uissinif. a 22CO c S-fr'O a vara. BlMOdoutns as
casas das Exmas. familias para melbor poderem
escolher. Tambem temo roifipteto sojtmenlo de
perfumaras drs pr'mciros ftbrieaaie francezes e
inglezes; is peoaa que se dignaren] vir a esta
leja U-ro occasiao de reconbccrr a rtalidade do-
que annunciamos para us justificar.
Lutos.
Chegou pelo vapor francez, um grande sorii-
mento de luvas de pellica de Jouvin, brancas
pretas e de cores. Em casa lie Andr Delsue, ca-
belleireiro, ra do Primen o de marco n. 7, an-
dar.
Ferro gaivanisado
Vende-se em casa de Adamson, Huwis & C, na
roa do Commercio n. 40, folhas de ferro galvani-
sado de 6, 7 e 8 pea de comprimento.
ESCBAVOS FGIDOS.
Fugio no dia 11 de marca do crreme an
o escravo Francisco, cabra, de idade 30 anno
com os signaes sepuinles : cabellos earap nho',
rosto descarnado e com marcas de bexigas iotitn-
la-se ser livre, levon calca branca, paletot de al-
paca de cor, chapeo de chile, natural da Parahv-
ba ; o mesmo foi comprado ao Sr. Delmiro Alvs
Maia, morador na Parahyba. e jnlga se ter ido
para o mesmo lugar. Desde j protes'a-^e contra
a pessoa que o tirer occolladn ; e rega-so aos ca-
pilares de eampo, assim como s autoridades poli-
ciaes que o tragam ra Direita n. 16. qne serao
generosamente gratificados,
Gratificapo de 2005
reis.
Fagio do engenho Mandnr na Parahvb' o e6-
cravo Cosme, erionle, de 33 anuos de idade. alto
tarbade, lem muilas mareas de bexigas no rosto,
e mnito ladino, quem o pegar e levar no refe-
rido engenho, on nesm cidade na praca do Conde
d'Eu n. SO, ao Sr. Jos Gomes da Fonseca, lera
a gratificaejk cima.
Bichas hamburgnezas
Neste novo deposito recebe-se por todos os pa-
quetes translanticos oichas de qualidade superior
e vendem.ee em caixa en porcao mais pequea,
e mais barato do qoe%m outra qualquer parte :
a*rua da Cadeia do Reeife n. 51, andar.
Cabellos
Vendeoi-se cabellos de todas as corea, qualquer
comprimento, qualidade superior, em caixa qu
porcao mais pequea : aa ra da Cadeia do Re-
cifen. 51, 1" andar. ________________
nSoptmr vinho Mmx
St.Kstephe ASt. JuHen: na rna da Cadeia %o
Reeife numero 5.
No dia 26 de nezembro do aona prximo
passado fugiram do engenho Bosque, freguezia da
Escada. os escravos sfguimes : Reginado, mulato,
que representa ter irinia e tantos annos, falla man-
sa, barrado, tem todos os dentes, corpo e feco
regulares, foi do Acari do 3 rid. Bonifacio, ca-
bra, que representa ter vinte e tantos annos, iem
pDUca barba, cabelios carapinbos, falla hem espli-
cido, foi das Espinharas. Francisco,.mualo, que
representa ter 18 a 20 annos, tem urna cicatriz em
cima do nariz penden do mais para o lado direiio,
km mais urnas cicatrizes nos tornozelos dos bra-
cos proveniente? de. bobas, foi da Laga-nota :
psde-se s autoridades policiaes ou aos capi'ies de
cimpo a apprehensao dos dito- escravo*; e quem
ot apresemar ao dono no engenho do Besque, ou
ni cidade do Reeife ra do Apollo n. 43, 2o an-
dtr, ser recompensado com generesicade.
Tendo vindo A tena o escravo Manoel, tri-
pilante da barca Idalina, no domingo 12 do eor-
ronte, nao voltou psra bordo ; e come se presu-
ma esteja fgido, roga-se s autoridades compe-
tentes ana captura, levanlo-o a bordo ou ra
do Cemoeercio n, 17, que se gratificar. 0 e#cra
vo tem os seguintes signaes : altura regular, ca-
bello"carapinbo e grande, rosto oval, olhos pardos,
testa batas, naris regular e bocea grande, diz ser
natural de Colinguiba, mas da Babia, veio ves-
tido de .paletot e caica de casemira j nsida, ca-
misa branca, chapeo de feltro preto, e ia calcado.
Fugio do enaeuliu Campo Alegre da co-
marca de Santo Antao, um escravo, crioulo, cor
preta, estatura regular, pernas um ponco cam-
betas, olbos grandes, cabellos carpinhos e nra
ptueo vernielbo, falta deus denles na frente, de
nomo Nicolao, representa ter ca annos, cujo es
cravo suponho estar acortado no engenho Joboa-
ti3, de Pedro da Cunha, no logar Cafanete, onde
ten paneles, ji foi preso urna vez : quem o pe-
gr lave-o ao engenho Campo Alegre que ser
gratificado, e o abaixo as,-nado protesta pro
(L r judicialmente contra quem o tiver ac .*
Engenho Campo-Alegre 10 do junho de 1870.
Manoel Cavalcanie de Albuquerque.




t
8
Diario de Pemainbuct Quinta eira 23 de Juiho de 1870
ASSEI8LEA GERAL
EXTRACTOS DO RELVT0R10 DO SR. MI-
NKYRO DO IMPERIO.
ADMIMSTUACO DAS I'IIOVINCIAS.
El.EipES.
(Conlinuaca)
A lei dp I!) iU agosto de 1846, apezar
da regolarid.nle d1 shh systetna, da barran
ni* ele suas disposicoes. ed;is garantas que
procuren lar aos patelos quer na organi-
saco do afistament-* los votantes, qaer no
processo eleitoral, nao tem produzdo os re
sallados que d'e la se esperaram. Conloa
o legislador tai vez demasiado nos meios le-
gues que poz ao alcance das parcialidades
lcaos ; e oto conloo com os abasos que
pouco- e pouco se foraai radicando pelo fal-
seamento gradual de nutras leis, cavilladas
em beneficio do interesse partidario.
As vivas recnminacoes que se segoom a
cada elei^So pod?f iam ter explicado no des-
pean de ambiges mallogradas, se nio esti-
vesse na consa-uica de iodos que nos nuios
empregad'is para o triumpho eleitoral nem
sempre ha grande e-.crupulo e respeilo i
espontaneidad^ do voto e aos direitos do
cidado.
Habituando se os partidos a ver no con
curso de taes nHos a espada de Br-uno,
que ha de inclinar em seo favor a batanea
eleitoral, Ro pnvuraro sraente nos ser-
vidos causa publica, nos effeitqs de uro
procediniente benfico para a populacho. "S
recursos de que devem prover-se pi'a a
quadra n a que suas chefes solicitam os suf-
fragios da naci.
Nao fallam oxeraplos de, no da em que
nao podem mais exer er em seu prov iio e
enfluxo olcial, clamarem contra abusos qun
na vespera puzeram em praica, e as vezes
no arr-staraenlo da paixao poltica profliga-
ren factos imaginarios, que imputam aos
adversarios na creuca de lerem sido segui-
dos os precedentes que deixaram.
O terreno da uta nao O das ideas ;
pan eslas Dio se bselo adheses. A con-
quista do poder ln de realisar-se nao p'lus
crditos que s* obt verero, mas pelo des-
crdito do- adversarios. Nao se interna er-
guer; ab:xa-s o nivel do espirito publico.
O espirito de revindicta. que determina
represalia; por parte dos que soffreram
contra os que acabara de eserasr a domi-
nai;ai local, traz a adraiuistracao superior
era COQSttnle suspeila e vigilancia sohre s
autoridades subalternas, que, vivendo no
seio dos partidos, nem sempre se mostram
iscnlas de o los, cuja origem muitas vezes
nao se adiar na paixao poltica.
Fallo vos com tanta franqueza porque nao
fago alluses a este un aquella partid e
DQftU deer dizer-vos a venlade como se au-
gura a nnu espirito, chamar vossa ttsnOSo,
sempre desvelada pelo jogo regalar de
nossas instituices, para nra estado de c,u-
sts que profundamente altela o regular in-
damente do rgimen de governo livre que
nos outorgou a constituidlo.
Na ordem constitucional que nossos pus
nos legaran a forca do go erno est na
opiniao, e sem ipie esta se fortaleza e se
ostente viv /, em suas manifestados, n3o
pod^ram o? humen*, que a confia oca publi-
ca mantera frente da adra nistracao, ooea-
miiihar com a decisli e seguranza precisas
i s grandes medmiamentos de que depende
o engrandecimento do Brazil.
inegavel que a cada mudanca na alta
direrco poltica do paiz corresponde >
substituirlo qaasi completa no eleitorado de
iodo o Impeiio, revelando na appirencia os
partidos, ora (.-xtraordinaria pujanca, ora
extrema debilid ule. que s se podem dar
em pocas e por mol vos excepcionaes. As
varaces da opiniao em lempos normaes
nao me parece deverem ser tao pronuncia-
das e excessivas. como os factos'attestam.
Nao contesto que a educac5o poltica nao
t-m atliug do arada entre nos o grao de
aperfeeoamentu que para desejar. Incon-
testavelmente parm o Urazil, de 184(3 at
hoje, tem feto grandes e notaveis progres-
sos, j no que se refere diffus > das luzes,
j em riqueza e desenvolvimento material.
Esta observaco leva-me a acreditar que se
o defeito est mais nos homens do qne Das
instituic5es, estas, na parte que interessa ao
rgimen eleitoral, nao satisfazem nos resul-
tados praticos o intuito que moveu o legis-
lador a estabe'ec las.
Ha quem sustente e com apparencia de
fundamento, qoe a lei actual das eleir/es
exeeutar-se-ha na sinceridade de suas dis-
Dnsi;Vs, r- o lej-islido- obviar os abusos
ilas auiiMindid-is subilieriMs, e liveVem
sempre os excessos; por ellas praiicados, a
devida represso.
Km met concaito, qa.lquer que seja a
"rganisarao policial e da guarda nacional,
se subsistir o interesse do abuso, ha de elle
dar-se e a represso nao lera a efficacia de-
spj.ida, por maior qae seja a vigilancia e
teta ilas auliiiidailes superiores.
Nao nossivel despir os agentes da ad-
inmMracSo das attrihuinies de que sao_ in-
vestidos por interesse pi'blioo. Nem o
exerciciu Ugal e honesto das attrbuicoes
que perturba f livre rnanifestacio do voto,
utas a connivencia dos que 3o delles em-
possados eio f.iz- as servir a flns e interes-
ses estraiihos executo das leis. Arreda-
do o movel que determina o abuso, se co i-
titiuar este, lia de ser com grande attenua-
C&O, e tender a desapparecer, nao sedando
o proveito que delle eolhem seus autores.
As altnbuicoes conferidas pela lei de 3
do dezembro d-j 18H, nao podem deixar
de ser exercidas por a giem, pois qu-j sao
essnciies a toda a oiganisacio judiciaria
e pulid 11. Emquanto nao tiverraos milicias
loca s bem organisadas, encarr^gadns da
polica dos municipios ser dillidl, sem
grande p-tjuizo do servido fazer nolifivagSes
profundas no .-ysleina da lei da guarda na
ion.il, qiiil se pode dizer que estam co*
fiadas a seguranca individual e a tranquilli-
riada publica no interior do paiz
Que sao os ageutes policiaes e os oll ia-
es da guarda nacional ? NSo sao os propri
os cidadSos e salva urna ou oulra excepeo,
os mais gidos da iocali iade ? Ter a,lei,
a virtude de crear novo e melhor pessoal
para mvesii-lo das fuucc5-s policiaes e dar
lie os postos da guarda nacional ?
Se as aitribuicoes tem de ser cooliidis a
alguem, e o pessoal o mesm > a transfe-
rencia ou nova distribuido daquellas pouco
adi'Ular, sobsistindo as causas do falsea-
ment da legislado.
R' sem duvida da maior vantagem aper
feiooar a nossa nrga;usa(;5o judiciaria e po-
licial, resguardar o mais possivel a liberda-
de individual, obviar os vexames ijue resul-
tara do servido da guarda nacional. Aulo-
ns im, porm, a lei de 'i de de/.embrn, a de
18 de setenioro de 1830 e as disposicoes
em vigor sobre recru'.amento, o arbitrio e
excessos Je que tantos se queix.nn ? Se peln
contrario a legislacao d garantas e recur-
sos, e estes na pralica nao surtem o dese-
ja lo elleito. deve-se procurar no estudo dos
factos as cansas que desvutuam na execu- \n^,z0nJasK>'
viessem a possuir os requisitos exigidos ;
n3o se diminuira a torca poltica dos re-
presentantes, antes augmentar-se-h'u. tendo
lies na enunciaclo de sea voto o apoio mo-
ral de um eleitorado mais numeroso, em
parte fllho das assemb'as populares em
que o suffragio quasi universal, e em ou-
lra parte legitimado pela capacidade que,
por meio das pruvas positivas do censo, a
lei tiver conhecido como titulo para confe-
rir o mandato aos representantes da nac5o.
Os collegios eleitoraes em que ao lado dos
eleilores oriundos das assemblas paror
chias, tiverem assento permaqenle os ho-
mens bons de lodos os partidos, os cida-
dos que possuirem os caractersticos pre-
sumiveis de independen.-ia e desenvolv-
memo mtellectud cima do nivel ordinario
da populacSo, ho de mostrar mais firmeza
e inteiligencia da vida publica, coucorrero
certamenle para adianta^ os hbitos consti-
tuciouaes da nac3o, e eslarSo mais no caso
de comprir os deveres que a nossa forma
de governo imp5e aos cidadSos, dando-lhes
mtervengo decisiva na directo do paiz.
Nao esta, porm, a occasio asada para
exposic3o de planos que. reduzidos forma
conveniente, importunamente sujeitarei
vossa ilustrada attenco.
Com os dados remettidos pelos presiden-
tes das provincias, em consequencia da re-
quisico feita por aviso circular de 23 de
Janeiro ultimo, tiz organisar o quadro elei-
toral do imperio, no qual filia apenas o nu-
in-ro de votailies da provincia de Mato-
Grosso.
Era virtude das disposiefies do decreto
legislativo n. I,8 de 18 de agosto de
18G0, qii9 altern a lei n. 387 de 19 de
agosto de I84G, e o decreto n 842 de 10
le setembro de 1 -5o, a diviso eleitoral
do imperio em
Disirictos...........:.. 4U
Collegios.............. 408
Parocnias (nao incluidas algnmas
creadas, mas nio instituidas
cannicamente, e onlras s
quaes, comqu nto instituidas,
ainda nao se designou a re-
presentaco que hao de ter no
eleitorado)................ 1,333
com
Kleitores.............. 20.006
Votantes.............. 1,039,659
A segninte expsito por sua forma sy-
noptica resume melhor o quadro eleitoral :
Um depuiado geral est as provincias do
FOLHETIIW
\ VIVA DEPOIS DE ORIA
POH
Xavter de Montpin.
/
PRTK 3liIUKIH%.
O M4RQIEZ DE SAINMIAIXEJT.
(Continuago do n. 139J
VI
Reolncio.
O Sena coni lentamente por entre as
escarpadas margeos : o snssurrar das
aguas, e o choque d'ellas de encontr aos
arcos da ponte, prodnziam um ruido mono-
tono, mas aprasivel. No meio do rio bri-
Ihav urna luzinha, e urna voz eotoava
espacos alegre canelo. Eram o parol de
um bote e a voz de um pescador estenden-
do as redes. Lzaro sltou um suspiro de
satisfaejio, e disse para a companheira :
O'esta vez quer-me parecer que n5o
terlo o gosto de nos deitar a unha. De boa
te safaste, min a belleza I Se nao fosse
eu... mesmo assim ainda apanhaste um
valente susto Ent5o, que dizes isto ?
A bruxa levanlou a cabera, que al li
conservara indioada, profundamente en-
tristecida, e com a voz trmula, apenas
perceptivel, bradou :
Est-me parecendo que tudo islo
om sonho I
Pois nao passa de orna realidade, que-
ridinba, redarguio o rapaz. Concordo to-
dava que tem mais visos de pesadello qoe
de outra cousa. Mas como d abo te nao
lembrastenunca de leres a tai sina?...
Talvez que a toa sciencia maravilhosa hou-
vesse evitado esta catastrophe.
Deixa-te de briocadeiras, replicn a
bruxa, e j que por agera nada temos que
receiar, explica-me ludo isto que se est
passando. qu eu por mim nao entendo.
Pois to simples como pouco di-
c: os preceilos legislativos.
E' a principal, a raen ver, o systema elei'
toral vitrente. que. sem conseguir garantir
os parllos no pk-ilo eleitoral, deixa inelli-
caz a manifestada da opiniao do eleitorado
pela couceotraco da influencia poltica em
muitos pontos do imperio as mos de po-
tentados loe tes que, una vez nella enfeuda-
dos, proi'oram manter a todo o transe e
por iodos os meios o ascendente que exer-
cem.
Com a le> de 1846 lucron mnito por cer-
to a disciplina dos partidos; mas foram-lhe
sacrificadas ouiris consideracoes de maior
momento. O interesse de partido determi-
na a mxima parte dos actos as localidades
ou cora relaco a ellas: quem d a nor-
ma na acco policial, quem detalha o servi-
co d i guarda nacional, quem indica os mais
aptos para o servico do ejercito e armada,
e ludo cora a mira as futuras efeic5es ou
em liquidaeao do crdito e debito em que
cada volante fu;
Nest-s manejos para deslocar adherentes
de urna para outra chapa do eleitorado (e
i?to o q le mais me impresiona) soffrem
as classes menos Ilustradas, mais numero-
sas e desfavorecidas da fortuna, que devem
em lod i parte merecer a sMiiiiude das
mais felizes na sociedade. e teem todo o di-
reito vigilante proteedio das leis e das
autoridades.
Etnminna liumild; opinilono basta para
sanar laes inconvenientes um ou outro re
toque em disposicoes reglamentares da
ie actual de eleicoes; indispensavel mo-
dificar, sem tirar o direit do voto as elei-
cSes primarias aos que o teem actualmente,
as condicoes da influencia poltica no paiz
oela formadlo de um eleitorado qu'Si per-
manente, composto dos cidados que pela
Ilustradlo, posico e haveres deera garan-
tas de independencia, e devara ser chama-
dos intervencao mais directa na represen-
tadlo nacional. Nao se creariam assim
lasses privilegiadas, porque o ingresso no
alistamento seria franqueado a todos os que
Para............
Maranho ........
Piauhy...........
Cear...........
Rio Grande do Norte
Parahyba.........
Pernambuco......
Alagas.........
Sergipe..........
Bahia............
Rspirito-Santo.....
Kio de Janeiro-----
S. Paulo.........
Paran..........
Santa Calharina.-...
S. Pedro.........
Minas-Geraes.....
Goyaz...........
Mato-Grosso......
para

*
>
>
i
t
i
*



60
188
142
112
158,3
238
156,2
154,23
271,2
171.5
269,357
73.5
166,916
131
100
102
92,666
149.6
188
69
eleitores.
vertido, volveu o rapaz. Alii vio os fac-
tos em poucas palavras. Has de lembrar-
te que me despediste quando a condessa
entrou em toa casa. Assim que me vi na
ra, passei escrupu'os revista s algibei-
ras, mais por costme do que pela espe-
ranzado encontrar algum ii)heio; mas,
com grande sorpreza minha, encontrei nm
tost5o forro. Sem saber o que havia de fazer,
fui nina taberna, onde pedi um copo de
vinh >, e entrei a empinar o cotovello... >
Para que servem esses pormenores ?
Sao indispensaveis.
Nio podes chegar ao lim sem tantos
rodeios ?
Vou exactamente pelo caminho mais
direito. Ouvr, en me interromperes. que
ainda iremos mais depressa. Haveria cousa
de meia hora que.eu ali eslava, muito so-
cegado da minha < vida, quando se abri a
porta e appareceram doas bomens, que to-
ra m assentar-se perto de mim. Os taes
sugeitos tiuhara urnas caras d'estas que
nunca engaara quem algnma cousa phy-
sionomista, e por i?so conheci legua que
erara espas, e espas de nfima classe, dos
que andam no offlcio gratuitamente e de
qoem a propria polica se envergonba. Po-
zeram-se a coxixar, sem ru me occorresse
a idea de os escutar, quando o nome do
marquez de Saint-Maixent pronunciado por
um d'elies me fez agujar o ouvido. e, fa-
vas contadas eramos nos o assumpto da
palestra. Ouvir depois, com bastante sas-
to, que a ra da Lauterna eslava toda vi-
giada desde o anontecer, que tinham visto
entrar em casa de Simoa um grandssimo
patife chamado Lzaro, cmplice de seu
amo o marquez de Saint-Maixent, nos cri-
nes de assassinio e roflbo, e que se espe-
rava o Seohor commissario, seguido por
um destacamento de tropa, para procede-
rem priso do supracitado Lzaro junta-
mente com a sua amiga bruxa, aecusada
de exercer, em contraveneno dos edites, o
officio de ngromanta ou, n'oulros termos,
acensada de traficaste, e de quem a voz
pnbuca diz, alm d'isso, que offerece o seu
auxilio s raparigas imprudentes, cuja im-
A propor?a > do numero dos senadores
com o dos eleitores seria na razao do dobro
do numero de eleitores correspondente a
cada depotado da mesma provincia, se os
membros da cmara vitalicia fossem em to-
das as provincias na raz3o de metade do
numero dos depotados que ellas enviam
assemb'.a geral. Contam-se. porm, do
numero par immediatamente inferior me-
tade das deputacoes representadas por nu-
mero impar, como Para e Piauhy. que d5o
um senador por tres depulados ; Alagas e
Parahyba, que do dous por cinco ; Per-
namouco que d seis por treze; e S. Paulo,
que d quatro por nove.
A representaco nacional compe-se de
58 senadores e 122 depulados.
O numero dos membros das assemblas
provnciaes de 578.
0 numero de eleitores de 20,006 e o
dos votantes de 1,039,639.
O termo medio da proporgo dos eleito-
res com os votahtes de 19 provincias (ex-
ceptuada a de Mato-Grosso) e dos membros
das assemblas provnciaes, dos depulados
geraes e senadores com os eleitores de todo
o imperio o segrate :
prudencia fruilificoa, e que vende certas
drogas para uso dos herdeiros qu lem
pressa de herdar, obstinando-se os paren-
tes em nao morrer. De todis estas cotizi-
tas me inteiraram os taes dous homens, ac-
crescen'ando que no da seguinte seram
entercados Simoa e Lzaro para satisfago
e con'entamenlo da gente de Paris.
O rapaz calou-se para toma* a respira-
do. Simoa trema como varas verdes, e
ouva-se-lhe qaasi o bater do coraco. L-
zaro continuou d'ali pouco :
Pelo qoe fica dito comprehenders
sem que eu t'o jure, que j o violto se me
ia azedando no estomago. Tera dado al-
gnma cousa par me ver longe d'aquelle si-
tio ; receiava, porm, despertar as suspei-
las dos meus amigos, se me levantasss logo
repentinamente. Por felicidade, como es-
tavam na persuaso de que Lzaro ainda
nio sahira de casa de Simoa, nem sequer
olhavam para mim. Afinal, tomei c o
men partido ; atirei para cima do balco a
pratinha, metti o troco na algibeira e dirgi-
me para ra, fazendo todos os esforcos
imaginaveis por me mostrar tranquillo e so-
cegado. Ia j a sabir, quando a porta se
abri novamente e appareceu um qudam
ainda mais feio e repugnante que os outro.?
doas, aos quaes dirigi muito pressa
estas palavras :
Ola, camaradas, alerta, que ah veta
o commissario e os agentes!... Vamos
toca I
E depois de dizor isto, calou-se ; salto
para a ra, corro, chego' tua casa, subo,
bato, e... o resto sabes tu.
Tal era, effectivamenle, a relacio do oc-
corrido, salvo urna epusa que Lzaro nao
contara e que nos devemos consignar. Ao
ver-se fura da taberna, o seu primeiro im-
pulso foi fugir elle sozinho ; antes de se
resolver a ir avisar Simoa, te ve de sustentar
entre si um rude, ainda que breve comba-
te, e se decidio-se afinal a arriscar a lber
dade por causa da bruxa, aodou n'aqoillo o
egosmo, nico e puro. Tenna-se presente
que Simoa n'aquelle tempy juntara algum
dinheiro, ou pelo menos o rapaz assim o
j alga va, e elle pela sua parte esta va com-
I eleitor......est para 51.067 votantes
I meinbru da as-
sembla pro-
vincial...... 33,991 eleitores
ldeputado geral > 163,983 >
1 senador.,... 344,931
ESTATISTICA.
A apreeiacao do factos sociaes exige o
conhecimento de dados positivos que reve-
lein o estado do paiz, considerados sob di-
versos aspectos que altamente interessam
aos encarregados de sua direccao. quer op
que se refere decretadlo das leis, quer s
Jisposices reglamentares e providencias
necessaras sua execucao.
Estes dados, porm, nao podem ser co-
Ihidos sen.io cuta de iiubalavel perseve-
rante, que infelizmente nos tem fallado.
Nos ietii|)os coloniaes nao se deixava de
dar altencao ao censo da populago, que
era levado a elTjito sem opposc3o dos po-
vos, apezar do imposte de capitadio exis-
tente em alguni.is capitanas. A elle se
proceda pela mesa da cunsciencia e ordena
e pelo desembargo do paco, vista de lis-
tas enviados pelos capites-rares do rol das
desobrigas dos parochos, e das relaces fei-
tas pelos ouvdores de comarca.
Com os escassos meios que ento se po-
diam empregar nao era possivel qne o tra-
baltio se appruximasse da perfeico. Com
o lempo, porm, se poderia ir tornando ca-
da vez mais satisfactorio.
Depois da independencia cessou esse
servico. Ha provincias era que de ento
al h je nio mais se proct*l>u a arrolamen-
to algum : algumas em que se mallograram
as tentativas ness sentido ; otiiras em que
se consegnio algum resultado, mas incom
pelo.
No municipio da corte fizeram-se os en-
saios de 1838 e 1849 : o primeiro ordena-
do pelo eminente e ladista Bernardo Perei-
ra de Vascuicellos ; o ultimo, mais com-
pleto, devidi) enrgica vontade do illustre
cidadSo Dr. Roberto Jorge lladdok Lobo,
que soubi trtuniphar dos numerosos em-
baracos que se oppunhsm realisacjto de
sen intento. O algarsino que um e outro
offereceram nao pode, porm, ser acceito
como a exacta expresso da popularn da
capital do imperio naquelias pocas.
Entretanto nossa legislacao nao omissa
sobre este ponto.
Pelo T do art. 24 da lei do 20 de ou-
tubro de 1823 foram os presidentes de
provincia incumbidos de formar em conse-
llio o censo e eslalistica das provincias.
Por aviso de 8 de agosto de 1826 man-
daram-se formular em todas as provincias
taboas estatisticas uniformes, e destribuir
exemplaros de um elenco que tinham de
servir-Ibes de norma.
Por decreto de 25 de novembro de 1829
creou-se na corte urna comraisso de esla-
listica, dassifi:ada esta era geograpbica, na-
tural, poltica e civil.
Extractos os conselhos geraes de provin-
cia nem por isso o arl. 12 da lei de 3 de
oulubro de 1834 dspensou os presidentes
de provincia da incumbencia que Ihes dra
a de 20 de oulubro de 1823.
Pelo art. 1115 do acto addicfcoal ficou
compelindo s assemblas legislativas pro-
vnciaes promover cumulativamente com a
assembla e governo geraes a organisaglo
da estatistica da* provincias.
O 17 do art. 18 do regulamento n. 120
de 31 de Janeiro de 1842 incumbi tambem
aos chefes de polica o andamento da po-
pulacho, e o art. 107 da lei n. 387 de 19
de agosto de 1846 manda proceder ao cen-
so da popuiacao de oito em oit annos.
Autorisado pelo | 3" do art. 17 da lei n.
586 de 6 de setembro de 1850, expedio o
governo o regulamento que acompanhou o
decreto n. 797 de 18dejunho de 1851.
cuja execucao teve de ser suspensa pelo de-
creto n. 907 de 29 de Janeiro de 1852.
A divisao administrativa e a eslalistica da
populacho correal pela secretaria de estado
dos negocios do imperio vista do 2o do
art. Io do decreto n. 4,152 de 13 de abril
de 1868.
Apezar destas disposicoes a eslalistica
entre nos est anda embrionaria.
Entretanto a opportnnidade a mais fa-
voravel para tratarse de-to importante ra-
mo da administrarn.
As prevencoes contra este servico nao
podem manifestar-se agora, que o estado
mais lisongeiro das linancas nao deve fa/er
receiar bracamente de novas imposcoes, e
a feliz terminaco da guerra contra o ex-
presidente da repblica do Paraguay per-
mitte o licenciamento de numerosos bata-
pletamente exhausto de metlico. Ora n'a-
quellas circunstancias nao poda Lzaro
conservar-se em Paris : tinha de por ps
caminho quanto antes, baldando assim as
pesquizas da polica ; mas como podia elle
tentar a viagem sem draheiro ?
Na la Vou arriscar a ultima carta,
disse Lzaro com os seus botoes. Um com-
missario animalejo muito rooceiro^que
nao se apressa por cousa alguma ; lorno-lbe
a dianteira, e quando elle julgar que nos
vai agarrar, j a gente tem tomado as de
Villa Diogo.
, Este discorrer este ve quasi levando L-
zaro forca, segundo os leitores j sa-
bem.
Terminada a sua relaco, o criado do
marquez de Saint-Maixent desaino urna gran-
de gargalhada, lo franca e alegre, que leve
a companheira de Ibe perguntar se perder
o juizo.
C"in todos os diabos! disse o rapaz
inclinndose para Simoa, muito gosta va eu
de saber se o senbor commissario metteria
na cadeia os seus prisioneros.
Quaes prisoneiros ? exclamou a bruxa
estupefacta.
Ora I o Malhusalem, o Sesoslris e o
Flamel t
Eram estes os noraes do velho corvo, do
galo preto e do peixe encarnado.
Olba qae te nao percebo, realmente I
bradou Simoa dando aos hombros. Como
podes tu rir e zombar, n'esta borrivel si-
tuaco em que nos adiamos ?
Pois nio vale mais rir do que chorar ?
E n'um caso d'estes pode alguem
conter o desespero ?
De accordo ; mas as lagrimas de que
servem ?
Servem ao menos de desafogo.
Pois chora par'ahi at te fartares, e
em acabando ento resolveremos alguma
cousa.
Resolver j melhon Que tencionas
fazer ?
Bem deves comprebender, queridinha
que se o sol de amanha nos apanba ainda
na capital, seremos rafal livelmente presos,
porque a polica, depois da famosa zom-
Ihies qu0 lama glora ci Iheram nos com-
ba t<>
Mas nao possivel dar andamento desdi
j a qualquer pr.jecl.> relativo ao censo /e>
ral do imperio pela falta do oecessario crdi-
to no orea ment em vigor.
Attendendo, entretanto, ao moito que
aproveitaria a numerosos pontos d adm;-
nistracao local a estatistica da populaco da
corte, e considerando por outro lado que
em um traballio essoucialmente pratico, era
cautela salutar tratar primeiro do arrola
ment da popnlac3> desta capital, o qusl
poder-se-hia effectuar sem maior dispendio,
eoihendo-se do ensino qu4 a experiencia
trouxesse proficuas licSss para proceder cora
mais seguranca quando se desse ao traba-
Iho o desenvolvimento de que suscepti-
vel ; resolv rea'izaresse servico pelo modo
simples que as nslruccoes de ~i do moz
findo estabeleceram.
A popuUco do municipio neutro, fazen-
do jnsticaao Um que o governo sepropnnha.
tem fornecido com a boa vontade esperada
os clarecimenlos delia exigidos, e tanto a
commisso central, como as de dis-ricto, e
ti agentes policiaes a quem foi incumbida
a execucao do pensameuto do governo, lm
prestado valiosos servicos cotn dedicsco
tauto mais digna de louvor quanto o seu
irabalho nao retribuido.
Pela rapi !ez que tem tido esse servico,
espero que possuiremos brevemente o cen-
so, lano quanto possivel exacto, da popu -
lacio deste rico e (brscente municipio.
Todos os bices" que na pi tica, se tem
apresentado bao sido prompta e satisfacto-
riamente removidos.
Logo que houver crdito especial empe
>;har-me-het em realizar em lodo oiraperij
o trabdlio que agora s foi possivel effec-
tuar na corte. O progresso nacional nao
se compadece cora a ignorancia em que es-
tamos acerca do algarismo exacto da popu-
laco do paiz. a qual foi ainda urna vez ve-
rificada pela impossibilidade em que se
acharara os presidentes de provincia desa-
tisfzer cabalmente a exigencia que Ibes fiz
de iuformacoes sobre esle poni.
No annexo D encontrareis nao s essas
informacoes, como a indicaco de diversos
clculos que se lera feto sobre a populaco
das provincias, e de que tenho noticia por
documentos olliciaes e pelos esrriplos em
que se trata deste interessante assumpto.
Foi eocarregado de organisar este traba-
llio o digno ebefe de scelo da secretan-
d'estado dos negocios do imperio Joaquina
Norberto de Souza e Silva, que nao poup ra
esforcos para desempenha-lo satisfactoria-
mente.
nUGISTUO CIVIL.
Os assentos dos nascimentos, csamentos.
e bitos, lavrad )s pelos parochos nos livros
das respectivas igrejas, sao ntrenosos ni-
cos registros concernentes ao estado civil
doscatholicos. Seguimos ainda nesta parte
sem alteraco alguma as pratiqas flefeiluo-
sas e incompletas dos antigos tempos.
E' geralmenie recouhecida a necessidade
de organisar este servico, passa ido-o para
a administaco e regulando-o por mod i
que preencha seus importantes lins. Basta
para demonstra-la a consideracao dos elTe-
los de taes registros.
Destinados a conservar e cerificar factos
e circunstancias quedeterminam ou podem
influir na condico e capacidade das pessoas
em varias relaces da vida civil, o mamfesta
a importancia do assumpto, dependendo em
grande parte da realizaco e fidelidade dos
asseolamentos a seguranca dos direitos pri
vados, a qual interessa a toda a socie-
dade.
Sendo a materia por sua natureza da al-
eada do poder civil, e polendo ser regulada
sem prejuizo dos actos1 religiosos, nada
obsta a que se transfira servico para func-
cionariosv-civis sob a immediata vig.lancia e
liscalisacao da ailministraco publica, qual
incumbe ser depositara de ttulos que tanto
importam ao interesse parlcular e s con-
veniencias sociaes.
Sao obvios os inconvenientes praticos que
resullam do actual estado de cousas. A
crcumslancia de serem excluidos dos assen-
taraentos parochiaes todos os que profes-
sam religo dilTerente da do estado, ea ne-
gligencia de alguns calhoiicis no cumpri-
menlo dos deveres religiosos, tornam muito
incompletos os assentaraeatos teitos nos li-
vros dSparochas. Acciesce que, pela in-
curia ou ignorancia de. muilos parocoos, sao
preteridas declaracoes essenciaes. cuja falta
traz, no correr Jos lempos, serias dilficul-
dades, e abundam os exeraplos de, nos li-
bara que he pr gamos esta noute, ha de
fazer lodo o possivel por se vragar.
Ento vamo- >os embora exclmou
Sitnoa levantando se espavorida. Vamos
quanto antes 1... Anda, anda !
Deixa estar que n.nguem corre atraz
de nos. Ests ainda muito agitada, e nao
te podes mecher.
Tenho medo... quizera estar bem
longe l'aqui.
Tambera eu, com todos os diabos I
Mas ainda temos lempo. Sero por ah
dez horas, ou pouco mais, e emquanto fr
noute, nada temos que temer.
Dizes isso devras ?
P lavrioha E tenho a certeza do
que avanco, Descanca que eu respondo
por tudo. Teas algum plano ?
Um plano ? Como hei de fazer pla-
nos, se nem sei da cabeca ?
Col formas te com o que eu propu-
zer ?
Simoa fez um signal affirmativo.
Ests resolvida a seguir a minha es-
trella ?
Para onde tu fres vou eu, redarguio
a adevinha. Estou muito fraca d-' forcas t
de espirito, e bem vejo que nada poderis
fazer sozinba.
Ento est combinado. D'aqui urna
hora pomo-nos caminho.
Para ond6 vamos *
Para muito longe d'aqui. Vamos
para a Auvernia, que segundo crelo, 8
tua trra.
6', mas vim de l muito pequea ;
ali nao tenho lamilla uem conheco nin-
guem.
Tanto melhor. Em l estando, mu-
damos de nome e principiamos vida nova,
em socego e muito escondidinhos.
Pois sim, nio tenho preferencias por
nenboma trra. Mas porque motivo esco-
ltaos tu a Auveania ?
A cousa simples : por l estar meu
amo.
E qoe temos nos com elle ? Acaso
estar em melhor posic3o do que nos ?
Nao o persegue tambem a justica ?
Persegue ; mas spezar de todo, sem
vroi proebiaes. nem? vestigios muitas vezes
se encootrarem de actos-flaotvamenie pra-
ticados. Nem tem sido rare'Sprovtitac-se
a fraude de ooeasies que a crcumstao-
cias offerecem para realizar legitimo* e
crtmnr us designios.
CASAMENTO POR ACTO CIVfl."
Escuso reprodozir as considerac&es qae
sobre este importante assumpto tive occa-
sio de fazer no anterior relatono. ter-
sisto as ideas ento manifestadas.
Parece me indispensavel regular a mate-
ria dos casamentes por forma que nao baja
no imperio quem possa allegar defeito na
lei para deixar de con^ituir familia legi-
tima.
Presentemente os sectarios de religio
difireme da do estado, da qual nao exista
pastor ou ministro devidamente ha litado
para praticar actos qae produzam effeitos
civis, nao podem celebrar nj Brasil casa-
mento valido.
Por outro lado, contratado um casamento
dos denominados mixtos, se estiverem ,es-
gotados os casos em qne a autoridade eccle-
siastica brasrteira pode conceder dispensa
do impedimento cultus disparitas, neces-
sario, para realiza-lo, que os contraheQtes
disponham d! bens da fortuna para pode-
rem solicitar essa dispensa do Summo Pon-
tfice, ou do seu delegado. E se a parte
cathobea, constrangida pela consciencia, nao
quizer sujel3r-se s condicoes exigidas para
a dispensa, em tal caso nao se poder de
modo algum levar a effeito o casamento.
Esta deficiencia da legislacao, alm do
muito que pode prejadicar os costumes
pblicos, offende fatalmente os ioteresses
dos filhos que, pelos erros religiosos dos
pais, tornam-se bastardos da lei, e ficam
sem os direitos com todo o fundamento as-
segurados legitimidade.
Se urna unio que a inexperiencia, a cra-
dulidade, o arrasiamento da paixao torna-
ram inovitavel, nao pode alcancar a ssgra-
co do elemento religioso, que tanto a no-
Dilita e eleva, nem por isso d-ve ser posta
fra da lei, qual cumpre acautelar os in- '
teresses da prole innocente.
O legislador nao pode cohibir certos des-
m ndos das paixes humanas e evitar a ille-
gitimidade ; mas deve ao menos dar abrigo
aquellos que, vivesdo em erro quanto a
crencas religiosas, desejariam, em respeito
sociedade e moral, conlrabir sombra
da lei urna unio regular.
Convm que o concubinato nun a possa
desculpar-se com a falta de medidas legis-
lativas, que seram o amparo e seguranca
dos direitos dos filhos.
Nada se ter fcite emquanto na legislacao
do imperio nao for firmado o principio mo-
ralisador de que a lei nao obsta a que con-
traiam matrimenio civilmente valido todos
os que, sem impedimento para contrahi-lo,
nao o puderam celebrar segundo os pre-
ceilos da relgio do estado.
Quando a unio conjugal puder obter a
sanlifcaco religiosa, deve esta ser sempre
favorecida; se as na colliso entre o concubinato, a profanara
do sacramento, ou o casamento por acto ci-
vil, nao ha que hesitar.
INSTRSCCO PUBLICA.
O rgimen representativo a forma de
governo caracterstica do seculo em que vi-
vemos. Nelle a lei feita pelos represen-
tantes da naoo a expresso da vontade po-
pular, e o governo do paiz mantm-se pelo
apoio da opiniao.
A >imples ennunciaco destes principios,
geralmente sabidos, suficiente para tor-
nar patente qianto deve inleressar a edu-
cago nacin I dos poderes pnblicos nos pai-
zes constitucionaes.
Se, como se exprime nm pensador con-
temporneo, o governo de cada naco nao
seno a imagem e o refiexo dos individuos
de que ella se corape, e se. nortanto,qual-
quer governo, que quizer ir adiaote do pov
que dirige, tem ineviUvetmenle de retroce-
der pnra tornar ao nivel do uimo de que sa-
bio, a illustraco publica n grande motor
do adiantamentn nacional, o estimulo a cojo
impulso a direccao da sociedade se encami-
nhar para a realisac^o das mais nobres e
elevadas aspiraces do patriotismo.
Ao passo que se desenvolve a inslruccao
publica, que a sodedade v accnmularem-se
maiores cabedaes intellectuaes pelo alarga-
mento da comprehenso de tedas as classes.
novos elementos de pi osperidade concorrem
a bem da elfertividade das liberdades poli-
ticas, da moralidade, da industria, de todos
os interesses sociaes, do bem-esiar dos ci-
dados. (ontinuarse-ha)
pra um lidalgo, chama-se o marquez de
Saint-Maixent, e, gracas ao seu nome e s
suas relaces, possue mil recursos que nos
nao temos. Onde o misero villo se afoga.
o nobre, o fidalgo sempre encontra p, ou
pelo menos sempre cuusegue tornar a flor
d'agua depois do mergulho ; se o negocio
[\he correr bem, peco-lhe para nos dar om
reboque. Deixa a ecusa c por minha
conia, digo lo eu, e d me a tua bolsa.
A minha bolsa ? repetio a bruxa com
voz spera : nao Ihe agradava de modo
algum a communidade de interesses, sobo
ponto de vista pecuniario.
Sim, a tua bolsa. Cuidas que irei
supportar a humilhac > de urna mulher
pagar por raim ? Qua diabo salvem-se
ao menos as apparencias!... Hesitas ?
Isso agora differente, minha belleza, seja
feita a tua vontade. Apartemo-nos aqui;
vai tupoi um lado, que eu irei-pelo outro,
e talvez seja o melhor. Mas, francamente,
depois do servico que te prestei esta nou-
te, arriscando a pelle para te salvar, nao
esperava tamanba ingratido da tua parte.
E ditas estas palavras com ar de digni-
dade offeniida, Lzaro fez mengo de se
apartar de Simoa.
Mas eu nao hesito I exclamou a ade-
vinha muito inquieta. Ters valor para
rae desamparares ? Bem sabes que entre
nos todo rommum... Anda c... abi
tens I... accrescentou desensacando como
da algibeiraa bolsa da condessa de Rabn e
dando-a ao rapaz.
Ah isso agora outro cantar I disse
Lzaro apalpando os dobroes, qae relnziam
a ira vez das malhas de seda ; j temos aqui
para o principio da viagem; em isto se
evaporando, recorre-se reserva.
Simoa exhalou um suspiro, mas nao op-
poz nenhuma objecc'.
Lina hora depois, Lzaro e a sua com-
panheira deixavatn atraz de si as ultimas
casas da capital.
(Contmuer-ie-ka)
TYP.I AHl DO RA DUQUE DB CAv
V



M


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EZUU5ARHP_F1N40L INGEST_TIME 2013-09-13T21:38:08Z PACKAGE AA00011611_12146
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES