Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:12144


This item is only available as the following downloads:


Full Text
VMK
\
ANNO XLVI. NUKFEIW (38.
!>

PARA A CAPITAL E LUGARES OtfDE HA* SE PAGA POBTE.
Po* tres mezes a dia atados................'. 6,5000
Vor seis ditos dem.................-. *2000
l'or um anuo jdeai............ ...... 24400
Hada mumero avulso............... 320
, 4,

TERQA FEiRA 21 DE JUNHO OE 1870.
PARA DENTRO E FOBA DA PR07LHCIA.
Por tres mezes adiantados........* ,'........ f\S750
Por seis ditos dem......i............. 43)5500
Por nove ditos idem.................... 200250
Por om anno idem ................. 270000
Fropredade de Manoel Figneira de Fara & Flhos.
*?
SIO A*BWTJE:
Os Srs. Gerardo Antonio Alves A Fithos, no Para ; Goncalves & Pinto, no Maranho ; Joaquim Jos de Oliveira, no Geari ; Antonio de Lentos Braga, no Aracaty ; JoSo Mara Julio Chaves, no Ass ; Antonio Marques da Silva, no Natal; Jos Justino
Pereira d'Almeida, em Mamanguape; Antonio Alexandrino de Lima, na Parabyba; Antonio Jos Gomes, na Villa da Piona; Beiarmino dos Santos Bulcao, em Santo Anto; Domingos Jos da Gosta Braga,
em Nazareth ; Francisco Tavares da Costa, em Alagoas; Dr. Jos Martins Alves, na Babia; e Jos Bibeiro Gspait.iho no Rio de Janeiro.
EXTERIOR.
'
l
,
1
v

Buenos-Avies, 30 de maio de 1870.
Esta a terreira que escrevo este mez desta ci-
dade. A primeira (a 9), pelo Cupernicns, a segun-
da (a 2'), pelo Araucaria, e a de hoje, que vai
pelo vapor Syndlt (Messageri francais).
A queslSo do Paraguay, depois da paz mais
importante do que tem parecido no Imperio.
A repblica Argentina, que tao grandes resul-
ta los urou durante os cinco annos da guerra e.m
qiw o Brasil se vio empenhado, som querer, alm
d beneficios reaes que coleu pela paz cum o
d>-appareeimente daquella ameaca penaanente do
Paraguay, armado e poderoso, quer, ao que pa-
rec', comer outros rebultados menos confessaveis.
Tom um candidato para a presidencia da repblica
de Paraguay, com o llm talvez de realisar com um
protectorado o bello sonho dos polticos argentinos
91 Ettattos-Unidos do Rio di Piata, ou a recous-
inifcao do antigo vire-reinado de Buenos Ayres.
Tudo me faz crer nesse pensamento da poltica
argentina.
Alm de outros motivos a qja me tenlio sem-
pr? referido as anteriores, a fundacao do jornal
argentino La Voz del Pueblo em Assumpco, o
apoio franco e decidido que presta essa peridico
a propaganda argentina, e a candidatura de
de Candido Barrero, paraguayo que era om-
pregado da casa Molina & C. (fornecedores de
alfalfa e milho para o serv c > do exercito brasi-
lero) que tem conseguido fazer a fuso dos dous
clubs del pueblo em Assumpco s em proveito de
sua candidatura, as sommas* de dinheiro que se
eslo gasLtndd em Assumpco por parte da can-
didatura Barrero, a adheso que a essa candida-
tura ja presta a propria Regeneracin dos jornaes argentino-, tudo so me faz suspeitar
da influencia occulta, mas poderosa, que a polti-
ca argentina tai exercer no Paraguay e no seu fu-
turo governo. Serapre suspeitei. Entretanto o
Bnsil eran sua improvidencia infantil, com sua
boa f proverbial, em nada disso tem pensado se-
riamente.
Ao contrario, quando o ministro Paranhos pres-
lava a esse assump'.o alguma attencao em junho
do anm passado, li.iuve no senado brasileiro quem
plagiando urna phra?e dos diarios argentinos com-
featesse ot fms sinislrus do conselheiro Paranltot e
anda rnais, o propno presidente do conselho o
Sr. Itahorahy, declara va publica e solemnemente :
O Brasd nao le;n candidato ao governo do Pa-
raguay, nao deve, nao pode telo, nao ha de t-lo
em lempo nenhuin.
Eu realmente nao pomo comprehender essa abs
ten-ao completa depors de cinco annos de guerra,
que nos custaram tantos sacrificios de vidas, de
-angue e de dinheiro do thesouro nacional.
Ha de ser milito bonito se, depois de feitaa
pu, nao tenha o Imperio conseguido oatro resul-
tado do que havpr tirado repblica Argentina o
snantalh) do Paraguay, e ter-lhe preparado o
1. irado para ella saborea-lo agora com um pro-
tectorado, a custa do sangue e do thesouro do
Brasil.
Parece que nem se prnsa por essa grande mo-
narchia do novo mundo na importancia de tal as-
su rapto.
Desde fevereiro at hoje nao se faz no Brasil ou-
(ra cousa seno levantar arces triumpnaes, atacar
foguetes, delinear marchas pelas ras, dar biiles,
etc.. em regozijos da victoria ganha.
P.ra cumulo de frenezi patritico o governo do
linoerio acaba d decretar duzenlos cotilos de reis
para um T-Dtam solemne pelos triumphos do
Brasil.
E' necessarlo que se pens em outras cousas.
Ja t; lempo de acabar as Testas e pensar nos re-
sultados da guerra ; porque nos os Brasileiro?,
mu vista dos proventos que ella nos trouxe, nao
podemes diier: Vamos ao capitulio dar graca?
ao.- oVuses I
A noSM alliada, sim, essa foi a nica feliz. O
progrewo que apresentam as cidades da repu-
biaa Argentina, margem do Paran, desde Bue-
Dos-Ayrea al Corrientes, depois dos cincos annos
i guerra, a prora inconcus afirmando.
11 .iiiilieiro do Brasil, que em ondas corren por
- paragens, a causa primordial desse prn-
Kresso. En pens com um intelligenie amigo meu,
-,i '.--. ."ssampt", que o general Barthnlomeu
Milite se durante o lempo em que commandou em
ekefi ot exercitos ni liados, nao provou ser um h-
bil ijeneral. deinonstrou ser hbilissitno poltico
como presidente dn re publica Argentina.
Hasta altender ao denvolvimento que tem tido
esta repuhliet nesse ultimo quinquenio.
tan fallar da facilidade com qie pode pagar
parte de sua divida, do estado lisoogeiro. em que
se acham suas linancas, da lixaco do valor de
- BMOf'papei, ha quatro annos. atlenderei aos
ni inoramentos materiaes que estou. observan-
do aqu, o que ludo attribuo em parte aos nossos
gastos na guerra.
Na inensagem de>te ann.i ao congresso nacional
i 15 do mez que linda, o' presidente Sarmiento
affirma que 458 milhas de camioho de ferro, estao
abertas ao trrico publico, 60 milhas estao em
coastraoaiD, 2i0 milhas mais estao ja concedidas
das a eratim 400 outras milhas eso em estudo.
Bu tenlio tido occasiao de viajar por essas pa-
jii'-ms da repblica e por sens caminhos de ferro,
ojM Ihe cu-tatn mui pouco, gracas topographia
om terrenos.
Assisti ltimamente inanguragao do ferro car-
ril central que percorre a distancu de 83 leguas
le verdadeiros pampas, de vastos desertos, onde
o governo argentino acaba de atirar, confiado na
imiigracao 83 leguas de estrada de ferro.
Dei na anterior noticia de que essa solemnida-
de, das Iestas, discursos e conversacoes que tive-
rara lugar atravez do fio elctrico, entre Buenos-
Avres, Hosario e Cordova a 200 leguas de distan-
cia.
Quando medito nesses asumptos nao posso aei-
xar de chamar attencao do Imperio para esses
lunkes da America do Sul uestes cinco annos.
Nntem bem. A repblica Argentina est agora
corlada por linhas de lelegraphos elctrico?, qoe
aininliam ao lado de suas linhas de caminho de
ferro. Urna linha especial existe* entre Buenos-
Ayres e Montevideo.
Alm das linhas do sul e de leste que partem
desla cidade, ha a linha do norte pela qual se es-
tabelece agora a communicaco directa entre
Montevideo e Boeno-Ayros, Bosario e Cordova,
em breve para Tucuman, para onde se vai cons-
truir oatro ferro carril, como o intenta o Sr. Weel-
ngh:, capitalista norte-americano, que est fren-
te dessas empresas.
Essa rede de coram unieras, visto o empenho
que Mostram as compaiihias qoe j tem seas ca-
piues empeubados no Ierro carril central, nao
tardar muito a e?tender-se al lejoy, Mendoza,
e outras provincias do norte, e a linha que liga
Buenos-Ayres com Sania F, atravessar o Para-
na para ir ter a Entre-Bios e Corrientes.
A raorte de Urquiza, contra a qual se te# ,
nanciado todas as provincias, posto qne po* ..
guiri tetnpo vai trajer as latas da guerra r' j,
reduzida ao ceatro daqaella provincia sor (en(e
offerece urna perspectiva lisongeira pan .'reDQ.'
hlica argentina enjo foverno aproveita, a n^Jka
para sugeitar por ama vez a avelu ^g.^^
que Urquiza liaba sabido ter serap* "* ..J
spanulho para Baenos-Avres. '
AniT?i^io vPor depoisW i86s> apresen.
V W forara raais nu-
merosas e mais animadas desde entao no Bio da
Praia e seu* affluentes. Assim fazem hoje um ser-
vi regular e qua-i quotidiano entre Buenos Ay-
res e Montevideo. Em 10 horas, termo medio, se
faz o trajecto entre essas duas cjdades. Ha tam-
bera serviros regalares sem dis fixos, e rauitas
vezes por semanas, entre Buenos-Ayre* e o Salto,
Concordia e outros portos do Uruguav, como tam-
bem entre Buenas-Ayres e S. Nicolao, Bosario e
Santa F, Paran, Corrientes e A^sumpr-ao.
Ha um vapor cada mez de Buenos-Ayres para a
bahia Blanca.
Alm d'esses raeios de communicscae, abre-se
agora para a repblica Argentina a navegacao do
no Bermejo, que nao tardarao a explorar algens
estrangeiros emprehendedores tara attrahir o
commercio da Bolivia para Buenos-Ayres. Ouvi
at em conversado com um Argenuo muito in-
telligentee enfronhado nos negocios do commercio,
qi;o se pretende fazer um outro ferro carril pelo
Chaco, nm pouco cima d i cidade de Paran, o
qnal,,depo:s dividindo-se em dous raimes, confor-
me as provincias de Tueuman e de Salta, para
chamar ,>ara a Bepuhlica Argentina todo o com-
mercio da Bolivia, que nao tem por ora outra sa-
hida para o ocano atlntico seno a nossa provin-
cia de Matto-Grosso.
Em nina das anteriores j chamei a attencao do
imperio para este a se faca a madaoca de nossa provincia de Matto-
Grosso para Corumb, que pode ser um emporio
para attrahir o commercio da Bolivia para Santo
Corazao. A idea desse novo ferro-carril argentino,
para o qual ha muito boas razoes, porque sera
multo menos dispenndioso do que o que se em
prebende de Cordova Tucuman, em razan das
montaiihas que esse ultimo teria de atravessar,
alm de por as provincias de Salta e de Tucuman
em communicaco fcil com buenos-Ayrcs, cha-
mara inevitavelmente para esta repblica o com-
mercio da Bolivia.
Eu porlanto insisto hoje na idea qae j ante-
riormente erailti, a respeilo da mudanca da cap
tal de Matto-Groiso para Corumb, e da fundacao
de um arsenal de marinha brasileiro naquelle
ponto. Essa idea ten grande alcance actualmente.
Muitos de nossos depsitos em Assumprao pdem
ser transportados para Corumb com mais facili-
dade do que para o Bio de Janeiro. Nossas forcas
seriam acompanhadas d'ese commercio ambu-
lante que se habituou a acompanhar o exercito do
Brasil, e a ganhar-lhe as libras. Fora urna col-
msaco para Mallo-Grosso, sem despeza nenhuma,
e suavemente feita. EstabeleciJa depois nesse
ponto a correnteza do commercio da Bolivia. que
infelizmente nao tem seno um pessimo porto no
ocano pacifico, e faz o transporte de seu? pro-
ductos actualmente para a nossa cidade de Villa
Mara, estabelecida, digo, essa correnteza com-
mercial, melhoradas as estradas de Santo Corazao,
e assentados os meios de transporte, diflkilmente
procurariam depois os Bolivianos outro caminho
para a venda de seus productos e para a comi-ra
das mercadorias estrangeiras. Ento nao se ani-
mara a repblica Argentina a emprehender, com
a mil a nesse commercio, nem a navegacao do rio
Bermejo, nem a tal entrada de ferro, cujo plano
me foi revelado outro dia.como dsse.
Os argentinos, se alm do Paraguay, d'onde
piem extrahir muitos elementos de riqueza, como
sejara as madeiras, o tabaio, o mate, etc., conse
gera apoderar-se do commercio da Bolivia ; nos-
sa desgracada provincia de Matto Grosso, fica re-
duzida a cuii licoes anda mais infelizes do que as
em que tem vivido at hoje, e nosso papel uesta
guerra torna-se agora triste.
No Brasil, infelizmente, em vez deestudar-se
que resultados pode o governo tirar agora d'essa
desastrada guerra., nao se pensa em mais do que
nos foguetes e as flores para os regosijos do mo-
mento. Eram justos, nao o neg, raai devera ces-
sar. Nao nos Iludamos. A repblica Argentina
Iucroa muito com esta guerra e prepara-se paralu-
crar anda mais c ra a paz que o Brasil trouxe para
o Prala. Ha aqui um progresso patente, mani-
fest, real. As cidades tem crestado e e cendo a custa do dinheiro do Brasil. Se j nao
nos licito emendar os erros do passado, estude-
inos o presente e meditemos no futuro. A questo
do Paraguay merece muita attencao hoje. Me
ser ndifferente que seja tal on tal seu presi-
dente. O tino do Sr. conselheiro Paranhos pude
j conseguir que se llzesse o tratado preliminar
Je paz com o governj provisorio, apezr de todos
os pezates, e dos protestos do tal Sr. Bedoya que
pretextou esse motivo para renunciar ao governo.
general Vedia apenas chegou ao Paraguay, fez
desoecupar a villa occidental que havja oceupado
indevida e prematuramente, como o tenho prova-
do em outras nccai5es. O mez que cometa o da
eleico no Paraguay. Veremos que resultado da-
rao essas eleicoes. Pensemos ro menos nessas
oooas.
Outro assumpto, para que cumpre chamar a
attencao do imperio, a fundacao de colonias mi-
litares era nossas fronleiras, lauto do lado do Pa-
raguay, como do da Bolivia. Especialmente para
essas fronteiras da Bolivia, que ficam sendo prxi-
mas s da repblica Argentina ; porque, segundo
o tratado da trplice allianca, os limites dess ulti
raa vo agora at Baha Negra.
Se o governo argentino nao teve remedio seuao
retirar agora a gente com qae oceupava a villa
occidental, claro que a oceupara depois dos ira-
tailos definitivos da paz se nao sargirem objec-
coes do lado do goveruo do Paraguay contra essa
oceupacao. Quanto a nos, que nada ganbamos
na questo de limites, porque os que obtivemos
agora do lado do norte do Paraguay sao os
que j tinha conseguido em 1857 o Sr. Puuanta
Bueno de Lpez pai, nossa attencao deve prender-
se actualmente mais para o lado do Chaco (li-
mites entre a Bolivia, a repblica Argentina e o
Brasil.)
Sabemos que a commisso de lmites man-
dada pelo governo boliviano esteve em Assanipcao
no tira do anno passado e no principio d'este, indo
para o Bio de Janeiro o presidente d'ella oSr.
Gaillelmi, e voltando para a Bolivia no da 5 de
maryo o irmo d'elln o engenheiro GaiHelmil. Em
quanto nao se rene de aovo rssa uommissao, nao
fra inconveniente fundar colonias militares por
asse3 pontos, as qnaes terianl u Sueleo de com-
mercio nesses coramerc antes, que nao duvida-
nam acompanhar de Assum^o para all forcas
morte d'esse hroe, do soldado que soube fazer do
Paraguay urna Numancia moderna. Nt> sei se
efectivamente era um tyramio, um monstro sem
exeraplo, portn sei que contra elle tem havWo mui-
las calumnias, e que foi o primeiro patrila para-
guayo que defeodeu sua independencia at o sa-
crificio, at o herosmo. Ah quando comidero
que.........................................
brasileiras.
- As gazetas de Buea^.Avres publicaran! an-
te-hornera e Bontem, fc'lVez 001 0 |im malicioso
^edltar ^-^il na Europa, para onde
OX* ^Pff*' seainle ,recb0 de uma cor-
resp/ondeucu M^-a*
h.*nnlaaQ"*r*'> Ullm0 h0UVe D0 PaaC attt
nnia **" l 'lue general Melgarejo qaiz obse-
3u .0* 'amigos que o foram felicitar por ser o
aia, oe sv
j.s annos.
ion grande progreaso.
*. *** ave varios' Incidentes, dos quaes me bas-
lr* eferir um s. '
. Parece que o general achava-semuito impres-
* ijoado com a noticia da morte de Lpez, que havia
recebido pouco antes. O fado que em seu pri-
meiro brinde, depois de dar o* agradecimentos
aos concurrentes que se haviam dignado aeompa-
nha-lo nesia occasiao, expressou-se pouco mais
oa menos nestes termos :
a Seja-me agora permittido exprimir um senti-
meoto pessoal. Ha pouco que se me disse que o
general Lpez, vencido em um ultimo combate
desigual, foi cobardemente assassinado por seus
iniraigos. Isso sena sellar com ama igoomiuia a
mais ignominiosa das emprezas. Eu. o general
Melgarejo, lamento oom toda a minha alma a
A dor embarga a voz do general, e seas olhos
se enchera de lagrimas, c nao pode concluir a ex-
pressao de sua idea.
Verdade ajuntou pouco depois, que eu
sou condecorado com a graa cruz da ordem im-
perial do Cruzeiro do Brasil ; pnrm protesl.
< E ao dizer essas palavras procura no peito
a medalha cora a intencao determinada de despo-
jar-so d'ella. Porm, por desgraca, nao a trazia
posta naquelle momento.
Peco, contina, que os que sejam amigos
da causa que defeodeu Lpez se ponhain de p
p ara beber por ella um copo de vinho.
t Todos se p5em de p, inclusive o encarrega-
do de negocios braseiros Dr. Eduardo Callado,
e seu secretario que se achacan prsenles.
O presidente que notou essa anomala, a qual
nao sei como qualilicar era um representante di-
plomtico, se dirige a elle cora estas palavras :
Pode sentar-se o senhor, Uso nao lhe com-
pete. >
E que eu sou amigo pessoal de Lpez, res-
pondeu o Sr. Callado, a quem mu pouco untes
se tiobam ouvido palavras de fulicilacao pela
morte do hroe, a quem todo mundo conhece
como o inimigo raais enearnicado do Paraguay, e
de tudo que lhe pertence. Tai procedimento nao
se conta, nem se explica decorosiraente.
Li com indignaeao esse escripto, transcripto no
da 28 na Tribuna, Repblica e dacin ji no da
29 na Verdid. I-so me faz suspeitar um accordo
mutuo.
A Nacin, que como sanemos, a gazota do
generaj'Mitre, ajuntou estas palavras :
Nao necessilamos fazer commentarios sobre
um facto tao extraordinario, para nao dizer es-
candaloso.
Se o que diz a correspondencia ceno (oo-
tando-se que aparaguayada, e que foi publicada
nos diarios do Chile), resulta que, anda quando
o ministro Callado fallarse, dizendo que era como
amigo particular de Lopes, o fez para nao sentar-
se como Ih'o indicava o general Melgarejo, e que
o brinde a que correspondeu, proposito pelo
mesmo general, foi para que os amigos da causa
que Lpez defendeu se puzessem de p para beber
por esta causa.
O ministro brazileiro se brindava pela causa
de Lpez, brindou portante contra sua propria
patria e pela raorie de seus irmos.
< Esse um dos raaiores escndalos que o
mundo tem presenciado, e o governo do Brazil
por sua honra que compromelteu um d- seus re-
presentantes no estrangeiro deve averiguar o
faci, para dar lhe a mais ruidosa repararlo.
Essas reflexoes da Nacin e a pblica<*io simul-
tanea daquella correspondencia para ser uonhec>-
do na Europa aquelle facto, trausmittido hoje por
esses jornaes, demanstram um proposito de do-,
considerar-nos parante o estrangeiro. Nao conlie-
50 penalmente o Sr. Eduardo Callado, mas dous
brfzilleiios distinctos a quem consuliei hoatem
sobre o assumpto, informam-me jue era aquelle
brazileiro incapaz daquillo, porque o conhecem
muito.
Como hontem era domingo e nao havia diario
nenhu.m a corapor-se para sahir hoje, nao me foi
possivel fazer publicar para seguir para a Europa
um protesto contra aquella calumnia, que deli-
beramos fazer. S poder sabir smanha. Em
todo o caso ser a prova de que algttus brasi-
leiros nesta cidade nao vein impassiveis esses
desacatos ao Brasil,
O congresso desta repblica foi aberto so-
lemnemente no di.*. I .'i.
O presidente Sarmiento leu una extensa men-
sagem, em que se referi diversas vezes aos suc-
cessos de Entre-Bios. Deve j estar conhecida no
Bio de Janeiro, pois no mesrao da tarde havia
sido tran-raittida pelo telegrapho ao Bit-ario, oude
a li ento, e porlanto tambera a Montevideo.
A respeito das sessoes do congresso tenho no-
tado uma cousa interessante. Os pas da patria
se reunera alternadamente. Um da os senadores,
outro dia os deputados da nacao.
Sorprende-me que en uma repblica, em que se
falla tanto em democracia e liberdade, os encarre-
gados dos interesses e dos dreitos do pevo nao
tenham suas sessoes mais frequeutes. Ainda
mais essas mesmas sessoes alternadas como sao,
dexam de ter lugar muitos dias por falta de
quorum.
Apezar de aberto a 15 o congresso, nenhum as-
sumpto importante tem sido tratado. Apenas
foram aoresentados dous projectos,' um do sena
dor Orono, destinando a somma de 50,906 pesos
f irles para ajudar a educaejio dos jovens pobres,
que tenham terminado seus estudos preparatorios
e queiram continu-los as universidades de Buenos-
Ayres e Cordova, e o outro do senador Granel,
fazendo revi ver a qaesto da capital da repblica,
e designando para esse lira a cidade do Bosario
com o espaco comprehendido. entre os arrois Sa-
ladino a Luduena, com tres leguas de fundo desde
o Paran ao oeste.
Veremos o que resulta da discussao, e se vem
outro po do presidente, como tem vindo j dous,
um de Mitre, outro de Sarmiento nulificar o
voto do congres*o. Nao me admirar, porque
tiestas repblicas o governo faz quanto quer. A
vonlaae do povo phantasmagoria. Ha aqu;
muita liberdade ; mas em estatua, no alto das
pyramides, as prac^s publicas, ,'illuminada a gaz
nos dias de festa.
Foi abena no dia 23 a conwnfoo que tem de
reformar a constitoicao da provincia de Buenos-
Ayres. O Dr. Quintana, eleilo presidente della,
recitou um bello discurso que corre impresso. A
primeira discussao nasceu da formula do jura-
mento que devla prestar cada convencional.
Qoeriam uns, e frente desses estava Mitre, qae
fossft : V.
Per DetJ, e pelos Santos Evangelhos, ato.
Queriam outros que fosse esta :
Por Deas, e pela patria.
Foi apiada a ultima frmula por uma dimi-
nuta maioria. Esse assumpto despertou na con-
veBcao a outra questoseparacau da igreja e do
Estado, e j se aprega a frmulano estado
livre a igreja livre. Isso tera levantado uma dis-
cussao na imprensa, e j ha quem convide o povo
para que proteste contra o que se trata de fazer
a separacao da igreja e do estado. Veremos se
volla a poca em que Buenos-Ayres presenciou o
escndalo de um elero qae exnortava s mais e
as esposas a abandonar seas filhos e seus maridos
porque erara macies.
De Etre-lliua nada ha de novo, akm de um
oatro encontr no dia 24, do qual, como o da 20,
dizem qne foi um'triumpho para a causa nacional.
De Montevideo o mesmo e-tado de inqoietagao
e desordem. O presidente Bata marchou para a
campanha para comraandar o exercito.
Entretanto o commercio nada soffre Bostas duas
cidades. Continua como sempre.
wmm
to o transpone d guerra Leopoldina, trazendo da-
tas da corte at 11 do crrante.
mo D.\ PB.VTA.'
O vapor Tydto limite, chagado a erte no
dia 7, troxe jornaes de Montevideo at I.
A' sabida do vapor daqnellc porto acabavam de
ehegar teleStammis de Buenos-Ayres, segundo os
quaes o general Almada e o coronel Benieio Gon-
Cales, aue env Entre-Bios seguiram c- partido de
Lpez Jordn, se tinliam rendido com ijJOO'honiens
s forjas nacionaes.
Como de costuint, os telegrammas annuneain
esta defeccao oonH sigoal evidente da prxima
supprosso da reyolla emre-riana.
E' a nica noticia de alguraa importancia. Em
Montevideo o, presidente Baitle fez sahir para a
campanha toda a gente e elementos da guerra de
que anida dispunha, 1 na madrugada do dia>i de-
via elle mesmo pi'tr-seein marcha.
GOYAZ.
Aleaneam a 30 d maio as ultimas datas-.
O prelado diocesano celebrou uma misa> \tor
al "a daquellesque fallacerara nos campos do-Pa-
raguay.
VAS-r.KRAES.
Sao de 4 do correie as datas que recebe-
mos.
Achava-se em Ooropreto o prelado diocesa-
no, conde da Gioceicio, c qual ocupou a tribuna
sagrada na festa do emerramento do mez de
aria
Fallecer a baroneza de Sanl'Auna, impor-
tante fazondeira da provincia.
RIO ORAMOe 10 SUL.
Os jornaes de Porto Alegre alcangam a 3,
so do Bio Grande a 4.
Tinha ebegado ao Bio Grande, de volta do Pa-
raguay, o 3* bstalbo de ntiitana de linha. Dalli
seguir para Jaguar.ii no dia 3 a ala dreita, de-
vendo a outr partir era breve para o mesmo des-
tino.
Fra preso no Albardao, ro dia 24 do passa-
do, o preto livre Joo, que assasiinra no lugar da
Mangueira o tenante-coronel Camlho e seus dous
netos.
Cartas do Sarro-Largo notciavam ter sido as-
sassinado no Chuy, porto daquela villa, o nego-
ciante Villamil.
L-se no Diario de 3 :
Consta-uos que hontem de nianiaa chegou 11 m
proprio com a noticia de que no districto do San
ta Victoria, ha poucos dias, fra assassinado com
DIARIO DE PERNaWBUCO
BECIFE, 21 DE JUNHO DE 1870.
Noticias do sal do Imperio

uma ounhalada no ventre Joaquim Eusebio Cor
rea, dentro de sua propria casa c parante sua fa-
milia, no lugar denominado Matto do Silreira.
a Nos inforniam que o assassino fura Andalocio
Presa, Oriental, que se emprega na corrida de ca-
vallos.
t O assassino fugira, levando em sua compa-
nhia a esposa do assassinado, de norae Martinana
Goiicalves Correa, que dizera fra a mandauria
de*te horrivel assassinato.
Essa boa mullier nos dizem que a autoridade
cousaguio urend-la j na freguezia de Santa Vic
loria, nao padendo agarrar Pre-a porque j varou
a frontelra do Chuy.
O Jornal do Commercio de Pelota3 noticia :
t Do Paraguay foi enviada pelo Sr. Jo5o Eloy,
ao Sr. Jos Joaquim dos Santos Jnior, a imagem
do Senhor Besuscitado, era ponto natural, que per-
tenceu a uraa igreja daquella nacao, afim de ser
offerecida sociedada Portugueza de Beneficencia,
como lembranca e gratido do contingente de vo-
luntarios que daqnl marchou para a guerra.
s. PAULO.
= Becebemos jornaes al 5 do correte.
No dia 12 do passado, em um jamar offere-
cido aos voluntario* em Sorocaba, fallando-se de
uma enanca que ia ser vendida judicialmente,
avaliada em 200 foi levantada entre as pessoas
que e-tavam presentes e ontras que se offereceram
depois a quantia necessaria para a liberdade da
enanca, lindando o jantar com este bello acto de
philantropia.
Ha cerca de tres mezes, diz o Correio Pau-
listaro de 3 d rorrente, a Sra. D. Maria Bndge,
residente na capital, libertou em modesto segredo
quatro escrava- irae possaia, convertendo-as em
criadas e pagando-lhes salario. E- este um facto
que muito honra aquella senhora.
A Gazeta de Campias de i do corrente no
ticia qne na madrugada de 1 do corrente fra as-
sassinado com um tiro, estando no territorio de
sua fazenda, o cidadao norte-americano Washing
ton Menis, medico hommopatha. At a ultima
data ignoravam-sc os pormenores deste lamcnta-
vel acontecimento, estando a poliia em pesquizas
para alcance-Ios, e bem assim averiguar quem fu-
ra o assassino, anda desconhecido.
Na villa de Santa Isabel de.u-se no dia.27do
passado, um lamentavel incendio, em que perece-
rain tres pessoas.
Sobre esta oceurrencia communicam daquella
villa ao Diario de S. Paulo de 5 do corrente :
t No dia 27 de maio passado, s 10 horas da
mauba, estando quatro fogueteiros trabalhando
em sea offi:o, em um quarto em que havia algu-
mas arrobas de plvora, barricas de salitre,, enxo-
fre e muitos fogos preparados no valor de 400
para mais, aconteceu que um delles que *1"na*a
deixasse cahir fogo do cigarro era uma vasilha de
plvora, a qual fez grande expo ao e corarauni-
cou fogo a tudo o mais, de modo que se tornou
um horrivel espectculo, porque os estouros se
soccediam instantneamente, no meio da uma hor-
rivel nuvem de fumaca e gritos de desespero das
pessoas presentes.
Logo no cometo sahlo um dos fogueteiros que
eslava mai3 perl.i da porta, e os outros tres pare-
ce qae, aturdidos pela fumaca, sahiratn quando o
incendio j era geral. Ao toque do sino, dando
signal de fogo, afendiram rauitas pessoas a prestar
soccorros para extinguir o fogo que j se havia
coramuoicado casa. Todos os qae se achavam
presentes trabalhram com muita presteza, pois
a-. as mulheras,prestavam-se a carregaragua
para apagar o iaceudio, e por isso a casa leon
pouco estragada pelas chammas, e o fogo nao se
communicou s casas visinhas. Os qaatro fogue-
teiros sahiram horrivelmente queiraados e, nao
obstante todos os soccorros que s-j Ihes prestou,
um morreu 14 horas depol?, pulro viveu 48 horas
a o terceiro 56 horas. O quarto que foi o que pri-
meiro sahio do maio das chammas, aiuda esta em
perigo de vida. t
Os que morreram sao: Antonio Bodngues de
Araujo, Bento Bodngues Caraca e Luiz Antonio
Bodrignes. O que est era pango de vida o li-
berto Jos Caraca.
SANTA CATIIARI.W
A Bsserabla provincial tinha encerrado seus
trabalhos do corrento anno.
H10 DK JANBI1IO.
No senado discutia-se o parecer da commisso
obre a leicao de senador pelo Bio Grande do
Norte,.e o orcamento da receita geral,
O Sr. Silveira Lobo, sobre a primeira questo
disse :
Deseiava este anno nao tomar parle as ais-
cu*soes do senado, mais um dever imperioso, tal-
vez a primeira obrigac.5o de um representante do
povo.o obriga a discutir o parecer de que se_ tra-
ta. Dizlhe a voz da coascieacia que a ebicao de
que se trata a causa da liberdide. Por muito
pouco que se relicta sobre a, importancia das
qnestes aleitoraes na drecc.ap e destinos do paiz,
ha de forcosaroaote reconjjener-se o Wnpeto com
que o poder inveate contri esse elemento nico
que o pode rsfrear a resolver as questSes vltaes
conforme o interese, e,. a digaidade do palz, como
.Cas os verdadeiros amigos do system representa-
livo.
r Convicto, como eslv de que hoje- as nossas
nsiituicues eleitoraes nao passam de rifiveis simu-
laoros, perraita-lne o senado qne opponha um pro-
testo enrgico contra o aitenlado de que se traa.
- Hoove eleicao- na pfoviucia do Bio-Gfande
do Norte, ou honve apenas a repre parte do governo de uma farpa comieo-tragio.
assigaalada pela desirainaco do terror, pelo era-
prego da fraude e pela effusaode sangue Res-
ponda a esias perguntaso-exame minnoso qoe fez
dos lados eque o levoca acreditar qae nao houve
mais do qoe uma coraplta coropresso da parte do
goverao; qoe por meio de um delegado seu a fer
cahir sobre aquella proviueia con mo pesada e
feroz.
Defecara de parte os efcmeutos de electividide
do candidato imposto pelo jnoveroov candidato qae
nunca residi na provincia por ome se propunha,
e onde nao liaba relaces alfjomas, pan tratar dos
meios de coaccao e dos mauejos empregados peto
delegado do governo afim de levar ao- cabo a em*
presa prinoipal, se nao a nica de *p foi encar
regado.
Comecando pelos preparativos da etei^ao, vai
occapar-se oom preferencia .laqneHes qae te.n o
carcter de medida* geraes, cov relaeao- pro-
vincia. O primeire- cuidado do delegado do go-
verno quando chegott ao Bio Grande do Norte foi
procurar conseguir amigavelments o bem xito da
sua empresa -mas ompretoendeu lego que toda a
orca eleiloral da provincia eslava- na raaos da-
quelles que eram adversarios dasua administra
cao.
Proseguoslo no intentr de realifwr amigavel-
1 neo le o seu plano, shegsa a ponto de- eum os
afagos que lazia-aos adversarios a gastar o con-
pheus do pequeo grupo que a provine* do Bio
Grande do Norte representa o partido vermelbo.
Os jornaes da corte ifio noticias de explosoes
pelas quaes se aquilatara bes estes felo. Os
aiTagos do prasideute nao tiveram a fovoa de fazer
com que o grande partido- peauociasse-a- sua au-
to ooiuia, absteodo-se de- tornar parte no- pleito
eleiloral, para o qual possuia todos w oleaienlos
de triampho porque depois da ascengo- do- gabi-
nete 16 de julho, os dous partidos liberaesquese
achavam em disidencia naqaeBa pro\incia reo-
niram-se, dando o bello- eaeuiphi de es<>aesn au
questoes pessoaes-para debellarem o inimigo cona-
inuin, e de repudia! esses afTgos, que oo arana
outra cousa mais do que o sysema de traasatijoes
ollerecido por parte do governo.
< Nao obstante todas estas difficuldade o dale-
gado do governo nao abri mo da empresa.] Go-
inecou por noraear dous chefes da sua rsparticao
os Srs. Bonifacio Pinheiro da Cmara e Dr. Jero-
nynao Baposo da Cmara, para percorrerem dif-
ferentes pontos da provincia, e por faze? partir
para diversas localidades destacamenios- de 40
pracas commandados pelo leneate Manoel Casillo,
a quem pouco lempo anta havia, emitido do to-
ga* de subdelegado de polica.
n.Com o mais indebiio inleresse na tjaestao
eleiloral e uom o proposo de intnacao coraprou
para a Capital da provin ;ia nata mouos de 250
barris de plvora, pedio aos presidentes de duao
provincias, a um 3,000 cariuxos a 250 armamea
tos, e a outro 109 armamentos.
o Para uao aventar juizos temerarios, pareee-
Ihe occasiao de perguntar ao governo se 0 pre-
sidente da provincia do Bie Grande do Norte II
participou ter reoeios de rebelliao on insurreiijo.
(Pausa).
Toma o silencio dos Srs. ministros como respos-
ta negativa, porque tambeinlaes receios nao se ma-
nifestaran! em parte alguma do imperio. Entretan-
to estas rtquisices fopam salisfeilas, c os 3,000
cartuxos forara enviados por tun hiate da alhndc-
ga, asim como os 250 armamentos que depois de
percorrerem as ras da cidade- forano depositados
no palacio do- presidente do Bio Grande do Norie.
Tambera foram postos- sua ordem 30 artilhein
navaes e um navio de guerra. Talvez o Sr. mi-
nistro da marinha seja o mais competente-para
declarar se deu ordem aquella fraeeo da forea
naval a sea cargo para so por ao servico do pre-
sidente da provincia. E' d-crer que sem o pre-
vio assentiraento do governo nada se fizesse. Por-
tanto S. E:;c. deve, e>tar inteirado, e, para qae se
nao laca a inju-tie de aceresceotar mais uma
culpa os seus delegados, muito conviria que S.
Exc. declarasse o tira cora- qne esse navio to en-
viado para o Rio Grande de Norte.
Poder-so-ha objectar que estes factos tiajasti-
ieaco sem ser na fonlef eleiloral; mas desde
que o governo nao apresenta uma necesenlade
publica para esse movirnento de forjas, a explica-
cacao que se torna natural, a conquista da elei-
cao.
t Tambem nao se pode crer que o presidente
tizessu tudo islo por precauco o sem nonhunia
inlencao eleiloral porque, achando-se a provincia
em completa iranquilidade, a prc venc3o tornava-
se suspeita. Em ludo isto o que se pode ver
o vivo intoresse que o presidente linha em fazer
iriumphar o candidato apresentado pelo goverao
o para a prova submetlo consieraco do sena-
do uma carta do presidente, devidamene authon-
ticada, em que elle inosira claramente que sao
estas as suas ideas.
Patea a analysar o parecer d3 commissait. re-
lalivamente a eleicao em diversos cottegios e(fre-
guezias observando que a commisso nao linha
base para formar um juizo seguro, porque da
maior parte dos collegios nao vieran as actas da
sua organisacao; que o numero de votos que a
commisso aprsenla nao o verdadeiro, que a
commisso fui injusta, achando regulares, certas
eleicoes e impugnando outras.
Conclae observando que nao possivel de-
clarar validos eleitores em numero tal que cons-
titaam maioria e que nao se deve- admitir como
senador um caudidato que com taes ttulos se
aprsenla.
Fica a discussao addiada pela hora.
o Sr. Theodoro
Hontem depon ft meio da chegou nosso por-1 tambem o uni$o,env que depositara as suas crep-
Na cmara dos deputados
Silva juslificou e raandou masa o seguinle pro-
jecto :
A assembla geral resolve- :
Art. i. as coltectonas, mezas de rendas e
reoebedorias dos municipios proeeder-se-ha ao
registro de todos os escravos existentes no impe-
rio e dos que forem manumitlidos de ora em
diante, assim como a reviso annusl do mes-
mo regisiro, dentro dos praios que forera eslabe.-
lecidos.
t 1." A inscripcao compete :
Aos interessados as manumisses, como o
liberto,
t Incumbe :
t Aos senhores ou seus prepostos.
t J. Tambem sao obrigados a transmiltir
aquellas estacos esclarecimentos para o registro,
os escrives, tabelliaes, tesUmenleiroSj curadores
gerae de orpliaos, promotores pblicos e juizes,
conforme lor regulado.
t Art. 3." Sao nullos os actos e oontratos de
locacao de servoos, usofruto e tranflactivos ou
alienativos de dominio, quando nao forem acom-
panhados de certidao do registro.
t Art 4.* Anda qoe haja prova em contrario,
presuraem-se libertos os escravos que nao frem
registrados por seas senhores ou -prepostos du-
rante doas annos consecutivos.
t l uoico. Nesse caso compete ao promotor pu-
blico requerer a manomissio delles ao juiz de or-
phos, de cajo julgame*to final era processo aura-
mano so havera o recurso de aggravo.
Art. 5.* As CTlwcas uascidas de escravas se.-
rao baptisadas dentro de tres mezes depoi3 de seis
naseimento.
g i.* O registro de nasciineotos, casamento*
e bitos de escravo e liben, cargo dos paro
chos,far-se-ha em liwros especiaes e separadamen-
te do registro commtiin < pes>as tivres.
< S 2'.'Os parodies con liarn esses livros >
estaces incumbidas do registro, quando lites fo-
rem reqnisilados.
t Art. e> As ditas estaedes organisarao o re-
censeamewo annual dos escraves exisienies e das
manumissiies eflectnada nos BHMitlpiH, para ser
presente ao governo imperial, dejois d refundi-
do pelas thesuorarias de- fazenda.
Art, 7." Para a execacao da presente le o go-
verno autorisado :
* I.' A mpr multas at 200.
i.' A conceder gratifieacoes aos- enrarrega-
dos do registro.
Art. 8. Pican revogadas as dsposkwes em
contrariu.
> Paco da cmara dos denotado-, em 3 de jn
nhode 1870.Vmaro M. .*. Pereirn- da Silva. -
H sessao de 9 foi approvada, em tugu dis-
cussao, o projeclo auktrisando o augmento da ga-
ranta do joro de>>>*/ao capital -addicional da es-
trada-de fcrro de Pernambiicoy volando-: favor
os- Srs, Pinheiro, Ffenstn de Aguiar, Gtne de
Castro,. Jaosen do ico, Candida Mendos, Salles,
Fbrnaudes Vieira, Demingues, Alncar Araripe,
Gome da Silva. Baposo da Cmara, Cameiro da
Cunhas Pinte Pessa. Dwgo Velbe, Moraes Silva,
Tbeudwo da Silva, Frreira de .-tguiar, ha Ca-
valcante, baro de Aracagv, Portolla, Augusto de
hyeira2 IMIo Bego, Casado, Pfel de arvalho.
Gaimaraos, Affonso de Carvalho, A'sgusto Chave?,
Pililo Lima, Taques, Bonifacio da Abrer>,.ATaojo>
Gees, Pbntes, Silva Nanas, Frreira Vianna Bor-
ges-Mcnteiro, Duque-Estrada Tirxeira, Cndido
Torres Rlho, Panlino d Souza, \n r llama i'.erqaeira, Gm Machado.Jo Mendes.
Bodrigo Silva, Paula Toledo, Godoy Duartede Aze-
vedo, Aaionio Prado, Eardoso de Mneze?, M.-II--
Mallos, Correa, Lamego, Evangeli.Ha Lobato^ Btt-
tennourt e- Simoes Lopes, 55; e nontra os Srs.
Leonel de Afeacar, HeracWo Gre dneues, .Vrauj Lima, Souza Reisr Barrus Brre-
lo, Fernandas da Cunha.Dyonisio Martin 1. Cicero
U.ritas, Goncal'/es da Silva, Junqueira. F. Belisa-
rio-, Preia-d Silva, Audrade Figaeira, Lima e
Silva, Perdigao Malheiro, Jvronymo Penido. Fr-
reira da Veiga, Ribeiro da Luz, Vicente de BTguei-
redo.-Luiz Carlos eParanhos Junior,.22.
Na sessao de 10 oceupeu-se com aterceiradis-
cusse do projeclo supra, orando os Srs. Araf>
Lima, Antonio Prado, Diogu Velho e Souza lieit- ;
sendaihe oSerecida a segrale emenda :
Se passar o projecto :
Depois-daa palavrasreferida g3rantiarac-
crescente-se -obrigande-se a companhia a pro-
longar- sua custa a estrada das Cinco Pomas ao
Recfo e destinar dos dividendos paovenientes da
receita uma acuantia para fundo de auiortiZAoao,
rev riendo ao- governo sem indemusaco, .passa-
dos 'i annos da concesso, a propriedade das
obras ; a formar igualmente um fundo de reserva
dedoaido dm dividendos a converoionar navas
regrae de fiscatisaco, temada de coalas e escrip-
turafo ; e a desistir de suas reclaia.;t).ts contra
algujnjs disposifoes do decreto n. t;930 de % de
abril^de 1857.Pereira i Silva.
A.discussao licou adiada.
Por decreto de ll) foi nomead o Exm. ba-
rio de Muritiba para exercer interinamente o car-
go de ministro da justiea, emquane durar a mo-
lestia- do conselheiro Ntjias.
Por decreto de O foi nomeado rommissario
brasileiro da Boamlasio mixta de deniarca^ae de-
limites entro o imperio- e a repblica da Bolivia,
o capito de mar e guerra Anianio Claudio Sido.
Por decretos de 2d de malo foram nomeados
em attencao aos dislkictos sprvices prensado* no
exeroicio'de suas funecoas, ollicies da < rdem da
llosa, os chef< s de secoo da secretaria de estado
do negocios do iraperi ios Viceate Jorpit o Joa-
()UJm Sorberlo de Siiza e Silva ; d cavalleiro da
dita ordem o 2o offfcial damesm secreuvria Ar-
lidom Augusto Xavier Pinheiro.
Por deiTetos de 8 : Foi eoaeedido a o ha rao
do -Melgado a demis-o que pedio do cargo de pre-
sidente da proviucui.iic; Matto-Grossif; e nomeado
para subsliiui-lo o coronel de estado-nw.or de ar-
tiluna. ronx-ilu-ir.. 'rannsru Aatonio Ba{ioso.
H111 alindo aos relevantes servicos praetados
na guerra do Paraguay, foram. agraciado* os se-
aiinles ollicies dos-co'rpos ns. 31, 3b' e3,' de vo-
luntanos da patria com o titulo de coadecorac.'s
abaixo designadas:
O brigadeiro hsaoraiio do exercito Amanto Au-
| gusto de Barros e Vasconcelos, cora o titulo de
baro de Peonalva.
. Ordeio imperial do Cruzeiw. Caval luiros os
majoces Polycarpo. Peneira de Campos, Jos Ce-
sarlo Varella da Franca e Francisco de Barros
AccioJy do Vasconceiios.
Ordem de Cbristo, Commendador : o tencr.ta
corunel de commisso Joaquim Aitonio Fernan-
das da Assumscao. Cavalk-iros : otVDtaJpres Fran-
ciseo Jos Martins Filho, Juvencio Alves dos San-
to Fortes, Epiphanio Baptista de Sou: Barrito.
Leopoldo Antonio da Franca Amara!, Jacintho
Correa da SHva Butinelly e Jos Baposo F rreira ;
os capiles Joao Cancio da Silva, Antonio Francis-
co Cardoso-de Sampaio^Felippe Santiago de Abn-u.
Euclides d* Sonza Mello o Aprigio Augusto da Cu-
nha ; o capito de commisso Jos Portes de Lima
Franco ; os tenente Antonio Augasto Vidal, An-
tonio Alvss Henriques, Antonio Francisco Cordei-
ro de Mallo. Augusto Balthazar Coatreiras, Anto-
nio Lopos Teixeira, Antonio de Sonza Araujo; o
aiferes Antonio Jos Pereira Jnior ; o alferes de
commisso Marcellino Antonio d* Mello Franco.
Ordem da Rosa.Offlciaes: o tenenie-ooronel
F-aneiMO Manoel da Cunha Innior; os majons
Tude Soares Nclvas, Bodrigo Augusto da Gama
e Costa, Joo Manoel Pereira de Abreu, o major
de eomraissao Jorge Maia de Oliveira Guimares,
o capito Deocleciano Aurelio de Menezes, o capi-
to de commisso Aigelo Carlos da Abreu,
o t* cirurgio de commisso Jos de Tte.ve e Ar-
gollo.
Cavalleiroe: os majores Joaquim Gomes Pessi a
e Joaqun Antonio da Cunha ; os capitos Mar-
oallino Jos Nerv, Pedro Jos de Monta Leal, Joau
Baptista de Lem?, Jos Paes de Azevedo, Guilher-
me Lius Calheiros e Joao Carlos Dttarte, o capitac
de commisso Antonio Bernardina dos Santos; os
unentes Joo Alves Pereira, Maooel Jos dos San-
tos, Francisco Luiz Moreira Jnior, Manoel B*y-
nundo de Barros. Miguel Joaquim Bernardina o
silva, Pedro Jos Pinto, Miguel dos Anjos de Al-
meida Villarouca. Antonio deOliveira Horta, Clau-
dio Souio de Menezes, rcn* Teixeira de Barros
Liberato Jos Cordeiro Gomtdes, Joaquim Antonia
Gomes e Claro Jos llamos, o lente do eommis-
*ao Manoel Carreiro da Silva; os alferes Antonio
lzuperio de Moraes Machado, xdolpho Urbano da
llosa, Domingos Jos de Souza, Josa Goncalves fle-
Farias, Severiano de Barros eVaseoocetlos Jumor.
Pedro Celestiuo Colho, Jos Candido Varao, Nico-
lao Tolentino Frreira, Camillo Henrique Guima-
res, Franklin da Silva Porto, Joo Capisiraiio Go-
mes Cruz, Felippe Benieio David, Virimo Beierra
de Paula Cavacantl, Geminiano Antonio rerreira,
Joaquim Alexandrino Paz, Joao Baptista Nepomu-
eeno e Jorge Gabriel de Azevedo, o alferes de
commisso Custodi Juslino das Chagas, o 1 ci-
rurgio de commisaio Jos Antonio Pereira da,
Fora condecorados por sarvicos que presurata
7 .





'^
Diario de Pemasibiicq Terca feira 21 de Junho de 1870.
I
-
i
l
tros combates de dccembro de 1908 ; o coronel da
yeurda nacional Severitin Mibeiro de Almeida,
xonmendHdr' da ordem de ChrUto; o capitao Ja
mesiiu i guarda na:ional Suiy Jos de Souza, ea-
valftint ua da R< sa.
Foram comeados '.avalleiros da ordera de Aviz
<>- capties d j 2" batalhao de artilharia a p Tito
Laic Manuel de lesus c Leonidi> Laiz Manuel do
MlHk
F.iram noinendos eavalleiros da ordem da Hosa
os subditos ausiriaeos Emiti Sclilaginltvcrt a Ro-
berto SchlagintwcK.
Foi nomeado eavalleiro da orJem de S. lento
do Aviz o capillo de fragata Antonio Luz 11o-
tnltlU.
F.ii concedida a pe.i-a de 18.i mensaes a D.
Gertrudos de Jess Pwiies, viova do alteres do 25*
rpii de v-ttintarios da patria Juo Hoaoiio
-Ponte?.
O clarou-se que a ber.sio de 000 rs. diaroi.
comedida pur decreu de 2?~denovcmbro de 1869
ae t" sargento los Mara Campos Sobrinlu, deve
meten ler-se. como concedida ao musmo sargento
d "i' carpo da voluntarios da patria, o nao do V
tMUl!iw de itftaria, cuiiw se declarou naquellc
eret-s
F.x*m reformados o ctrurjtiaomr de brigada
*3 r.trpo de seiide do escruto' Dr. Francisco Alvos
Pontcs com o sold por mtoiro, por haver prova-
dn que as molestias foram adquiridas em cam-
pan ha ; e o alteres do f regiment de cavallaria
'.igeir Joaquim da Radia e Souza, -per achar-seJ
omiprelipudido Da disoosicao do 1* da art. 9 da'
tei u. Gi8ce 8 de agosto de 4861
Foi reformado o soldado do 4* battflkao de ard-
iharia ap Manoel Antonio, cora o'respectivo sol-
1 par hiteiro, visto achar-se itopossiWlitado para
r> erviro do exwjKo, oro consequencia de feri-
mento recebido ei* cmbate.
PEMAMBUCO.
Foi reformado, ven endo sold dobrado de vo-
lunt.trios da pa'*ia, o 2* sargento do 23 corno de
omdlatJa da guarda nacional do Rio-Grande do
-Sal, Jeronymo os Pnbeim, visto aehar-so im-
pomiaiHeds para o servico do ejercito, em conse-
qm-iK-ia do fermento recetado < tu combate.
Foram concedidas as honres de diversos postos.
do exercito a os ufflciaes seguintes:
Capitio do corpo policial da provincia da Babia,
"Sig*ffedo Ataa Galvo, capllaes do 10* corpo anvalltrla 4sguarda nacional do Rio-Grande do
Su, Anatleto Alves de Cymas e Justino Silveira
a; ex-*tferes de viduutarios da patria Lbz
" Henriques de Freitas.
Le mes no Jornal do Gcmmerao:
Sob o 'titulo deCentro Acadmicotal-
Ione no dia '] da currme una assoeiaco soien-
UNon, cuja irectoria ficew assim comosla : ha-
cha ni Silvn M.na, presidente; Ambrosio Caval-
auti Lyra.vice-presiflentft; Ralduino Jos Culbo,
orador ; Fmucsco lluretra Sainpayo, 1" sccrata-
rio; Das d Oux Fiho, 2* dito; Jof Sadr sie
onta Jnior, IhesouroHM.-
O Sr. 4fan>el Jos Ventura da Silva, por-oc-
castao do-regeesio e *eu filhn o t"apita Ventara
da Silva, do 'Xi' de vokiotArios, deu carta de li-
li-rdade .i sUa i-serava Faustino, ftarda, de II
annos (te idade.
A tmoJado dos veteranos da independencia
AstabffaKda na Babia dupNtoa o seu scin Antonio
Gniil HnrapiUag% para, unido a oaims voteranos
n>; o Sr. conde il*Eu pela Toltz terminadlo da guer
ra. Em de-eni|jeauo deata missio foram apreseu-
t Seai'.orl A ociodade-dos veteranos da Infle-
pendencia, con-titwVIa nc leal e valorosa cidade do
Salvador, Baha de Tihlos os Santos, nos incumbo
do felicitar a V. M. Imperial cm-Io triumpho das
armas brasii'iras na guerra coutra o tyranno do
l'.iragsay, devino a constancia e h exercito e armada.
Dando cumpritnonto a um lao grato dever, se-
nh>r, os vetemos da independencia resentem-se
do inaior enthusiasmo coasidevando as victorias
ilo< inclyto vencedores dos campos e baluaries do
Caraguay, reprndnzidas e perpetuadas ao inQnito
as me iinevis glorias 4.;ue na def.za e sustenta-
cao da eniao nascente naciolidado brasileira con-
segairam os dmndadog combatetiles de Paraguas-
s. (tapanca e Piraj; e assim que com o mais
|ir..funco reeonhoeimeato por tao grandiosos feltos,
renflemos grabas a V. M. Imperial, em quem a
virtud-- do patriotismo futen e immensamente res-
plandece.Duque ile'Casias.Baro de Montser-
rat.Amonio Cernir'Reboticas.Antonio Gentil
ItMrapitnnga.Manuel Tranelsco da Cosa Perei-
ra. Man ".'l Franeico de Castro.
SenhorlA sveiedadn d,is veteranos da inde-
pendencia, instituida na leal e valorosa cidade do
Salvador, llahia de Todos os Santos, nos lia incum-
bido de saudar a Vus"i Alteza, pela nelinitiva
lerininario da guerra do Caraguay, conseguida
pelo rtecodo e valor do nxercito a aunada, ao fesii-
giu d.-< i inganimidadn, aabedorla e beroicidade do
seu cBiligii i gen-ral om rhefe.
rtoi:den lo granas a Vossa Alteza por utn to |
p-i.idi.- l'dto, sohor, o^ veteranos da indepen
4i.-ti.-:,i i-stiem-se do maior jubilo contemplando
n.s -s pialadas victorias dos vencedores dos
ra:ii|M e baluartes do Paraguay a reproducct.i
da- ^l trias conseguidas pelos combatentes de Ca-
-raguassii, Itapanea e Piraj, em defeza da eutao
n>.-n nte nacionalidade brasileira, e na eminencia
J-i renosie de Vossa AltKa, e sua identiVacao
< mi a perpeluidade da d^mastla mooarchca cons-
iiticiona1! do imperio.Bariio de Monteserr.it.A.
<;! I Inirapitanga.Manoel Francisco da Costa
K---ira, i Manoel Franeiseo de Castro.Duque de
<". is.Antonio Pereira F.eboucas.
. (I pilan I. H. Cese, do patacho allemo
Unsm, i cete o seguinte :
BEV1STA DIARIA.
ASSEtBLKA PRVIXClA^-hontera a atsem-
bla approwu, em2* discussSo, um projecto'sabs'
titulivi ao de n, 85 deste uno que regula o esta-
belecinirnto da estacio central da oHriula de ferro
de Olinda, sendo dispensado o intorsticio reque-
limenlo do Sr. TeixeiradnS.
Continuando a 3a discass) do orc&mento mu-
nicipal, obteve a palabra pala ordaoa n Sr. Gasasiu
Lnbo o propoz a sns>jensio dos trabatbos da cssaY.
como inauiiias'.acao de sentimento pela infausta no-
ticia, i|ue acaba de chogar, do faltecimento do
Sxm. Sr. mador por esta prnvineia ) conseeiro
de estado Marques de Olioda.
A mnean foi itmnfmeraenM apprevada.
PEMMEN'TOS GRAVES.No dia 18 do cor-
rente, no disieto U Vanea, Gnilbennino Perre-
ra Pessoa de Aeevedo, ferio uravemente coravuia
btyenetada Thomaz Alves de Oliveira, sendo
preso em flagraate.
No dia II, na villa do Bonito, bou ve um con-
flicto entre Jos Ribeiro, loaquim Mendes Manoel
Grande, do e o segurto levemente. Os criminosos foram
IHresos.
N*'stricto dt Gabelleira, do termo do Boni-
to, a 30 de maio, los francisco do Lima ferio
gravemente com um tiro a Jlo Jos dos Santos; e
este aqtielta levemente *m urna tacada. Foram
anilles capturados.
PASSAME5ir0S.-FaIle:eu hontero, victima de
angos padeciinentos, o Sr. Jos Cardlo Ayres,
proprieta rio da leja rio livros da ra da Cda e
innae do fallecido bispo D. Francisco.
Segundo artos da Baha, Tall'wu na noite
asn tjue deixott nosso porto, 'berdo do vapor
Snitm AmericA, oflr. Dr. Victonano de S e Albur
fueiqu'-, uicnftro da fimilia desso appellido.
seas dignos roaos damos nossos sincera psa-
mes.
VOLUNTARIOS MAllANHSSES.-A' wde do
Wansporto do guerra Leopoldina veio hontem o
batalbao s. 37 do voluntarios da patria, do com-
xiando do Sr. coronel bario de Penalva. compos-
i de praeas das provincias do Maranfeae, IV e
Amazonas,-om numero de iTd. Apen s tundeou o
vapor, fiMauu a seu bordo os Srs. Drs. lavares Bel-
fori, Mala|uisGoncalves a Jalo Kavinuiidu, com-
merciantes Daniel Ramoso Poreira Reg, e acae-
micos Wanua do Mello e Pires Lima, (felicitar os
seu" conpaoheiros, e couimuuicar i re.poctiva
oflkialidado que lioje deve ter lugar o baile que
elles Ibes prepararam.
EsseHransp voluotanos do Sergipe, a em Macei para deixar
os das Alagoas, ao U>do cerca de 906 praeas.
BAILE.Moja tr lagar nos saines to Club
Pirtiumliucano o baile que os Maranheiises, aqui
residentes, uffereceni ao commaadante o olficiaes
do corp-. di^ voluntarios da patria do Maranbao
em signa! de a|.-reeo pedos servatos pelos volun-
tones da patrio maranheasos prestados na guerra
contra o Paraguay.
E" de esperar que a le.sta esteja na altura do
lim e do ooseioio que preteodum M Maranhenses,
que ?qui se acham, fazer a sena ptiranioij e de
e-peur que elle seja bastante concorrido, espe-
cialmente por farailras, correspondendo-se assim
ao' de.-ejos e sforeoa dos que diraeni essa a-
trietica inarrirtisiaco.
O hospedes sempre tiver.tm
ao*espeiio e consideracao e essa quahdade de
hospude> raunem os votunurios da patria mar-
nhen es a de defensores ;da honra e dignidade
nacional, defensores que so consemram i-mes
no sen posto, at o memoravel dia do marco ce
i*./0. que poz termo guerra do Paraguay.
FKsTIDADR RELIGIOSA.-O^ alumnos do col
legto de S. Franciseo Xavier, sito ra do Hospi-
cio, celebrara boje is 6 horas da farde, com bri-
ihaniismo condigno, a festividade deS.'Luiz Gon-
zaga, padrocim da mocidade, ocoupando a atten-
-;ao dos assistentes um dos alumnos. Pela manba
llavera raissa e communbao dos alumnos.
MRQUEZ DE OLINDA.-Beu alma ao creador,
no Rio de Janeiro, na manba de 7 do correnu-, o
e.xm. sr. cnnselheirn de estado effeetivo Mrquez
de Olinda, senador por Peroambuco.
Sobre seu passaraen'.o diz o Jornal do Cemmr-
cw da curte :
Fallecen hontem as i toras da madruga, e
WpnltoQ-ae hoje as 4 1/i da tarde, no oennierio
i. francisco de i'aula, em Catuinbv, o marquez
Jtrpor le-lo perdido; e rcoins para qne, pelos
bens caducos e pelas h>inrjs va?e da trra. Oble-
nha elle no co a bem;.ven|uran?a eterna.
Sob preposta do 8r. Sariiva deixou de hater
sessao nos das 8 e 9, smdo cerneados rs 8ra.
senadores Fi^ocira de Melld visconio de Cmara*
gibe, Jagnanbs, Fermnddj Braga, Cu:iha e Pi-
guciredo, e Silve:ra da-Molla vara assistirem ae
funaui.
Nacamafpiflos ilepuladoslo Sr. ministro do im-
perio deu eonhec meato da marte pom as tegtiin-
te> pslavras:
O Brasil acaba de sorTrV a peni a dolores do
tira deisus mais ilustres fabos. (Apesados).' O
passaroepto do Sr: roarejued de Ohnda nao podo
deixar de contristar pMfu*dameute j todos os
rastWros que siticerasKnti presam u, sersicos
patria e a rtedicacao eausl publica. (Acolados,
muito heo). 'T|^
Se outros mufws tituts nao he tivessom
granjeado a estima e respei| dos contemporneos
e asf nalado usme entre a mais dMmctos (es-
te ptt, toastonadi fiara recotrmendaMhe a- memiv
na posteridad* os servirs irnpertantissimos que,
nos das contingentes da im'ooridade. presin o ex-
rogeate Pedro de Arajo Lilia. Oduitos apeiadoa,
muito be o.-).
Occapaudo boje um cargo que por diversas
vezes e tao dignamente- exrecu u Ilustre finado,
nao hesitei, Sr. presidente, pm, pxprimlado os
sentimentos de loila .a casa, Vunar a iniciativa na
pri*su de suspeader-se os'twbalbos at aaianlWta
e ornear V Exc. urna depstteao. para asslstir
etn nome da catnar, ao funeiii, lazentfo V. Ex;,
parte da mesma dcpuUcao. (Kilo bem).
< Esta homenagoiu devtfc ao\setiador e ex-re-
gonte do inuerio, ao ex-mmistro e o conselbeiro
de EsUdo, ao homem queoceop^u os mais eleva-
dos cargos do paia, demonstrara os no sos sent
mantos do apreco ao cldado eminente que em
urna longa curreira sempre com henra se dedlcou
ao servico do!Brasil. (Numerosos spoiados; mu-
tj em, muiUi lieni).
O requerimento verbal apoiado a approvado
unaatmemente; em vrtude do que, o Sr. presiden-
te nuida os Srs. Portel la, Taques, Costa Pinto e Ki-
beiw da_ Luz para com elle comporem a referida
depntacao ; e immeiiameute levanta a sesso,
declarando que a ordem d* dia seguinte" a
mesma.
A ceremonia do funeral
Josnnl do Comnurcio:
Hontem, depois das 5 loras da tarde, foram
dados sepultura, no cemlerio de S. Francisco
de Paula, os resios inortaeJdo marquez de Olinda.
Prestaram as ultimas lonras ao Ilustre linado
duas brigadas da guarda acional e nm part|ue
de artilharia A i', eomfosta dtu bataihffes 1,
:! n *) de infaniaria, poitou-se porta da casa
do fallecido, na ra doLavradio, e sahida do
f-retro, deu as desearg/s do eslylo. A i; for-
mada pelos batalhoea *, i e 6 de caradores,
achava-se enlt'dda do'cemiterio, e ao pausar o
prestilo fnebre, deu tarnbem as competentes dos-
cargas. Quaiido u. corpo deseen sepultura, o
hatalho de attlbarij da guarda nacional, que
eslava iffnalmente jun ao cemterio, den 19 tiros.
A's i i/2 horas da tarde as fjrtalezas tinham j
dado igual numero tiros.
O corpo foi curnuzidc em um carro' da em-
preza rodeado por viole mocos da estribeira, tra-
jando uniforme graWe o empunhando tocllas ace-
sas. Seguiatn-se n/n coup da casa imperial com
o parocho de Sant* Antonio; a carruagem do li-
nado. onde ia sofcre ama almofada a cora de
gem redonda a sarvencao de 26:O0O.
tu tera vigof durante cinco annos.
0 contra-
ELEfCAo SENATORIAL.Por aviso do 10 d ,
BTeutr., do ministerio do imperio, ordonou-se *r
presidente de Pernambnco que mande procee1^
elacaode um senador, para prtapchimeo.(o da
*aga deixada pelo fallecido marquez de Oftnd*,
. COMPANHIA CERNAMBUCANA.-Hr.ie 0tt.
tumi dto era qne ruotbe carja o rMr G<*i
para sjeet e Penedo, conformo o anaancloi
mesma oonpanhia. "iuo a
LEILAO.-Hoje
Crespo o mnibus
de movis, carros
ra do Monde;; i
dhara.
A's U boras parte o segundo mnibus da pr*.
ca o Corp* Santo. "
LOTERA.A que se acha venda a Mi-
autsaencio do recolhiruanto da Ignarass, a qual
corre no da f pelo novo piano qo se a'cba pu-
o n^V0, seQdo me0ur Prtlio 8 e o maior
as i i horas parta da ra do
com os coj>carrestfes ao le lao
e outros ojectos na casa da
em que resida o Sr. Nee-
se*
COMMUNICADOS.
toilaltoravo
O LWCRAL E AS AUTORIDADES DE TAGAnAT.
A paixo partidaria n5o conhece limites
assim descripta pelo
ai-rad ",ar9; U"' wyn da casa imperial, que devera
I!:!?n.?aar2 !",m(,uz!r f"' ? onde este nao couhe; m-
Em viagem d- Nova-York para o Rio de Ja-
neiro, no da 3 de abril, s 6 i/2 horas da
tai de por 6" 41' H. e 56* !' O. passamos perto do
desrroco de um navio armado a escuna, parecen
do fin -tuar sobra a carga. Eslava tartemente i-
rbnad > para Eli., arrecentando o mar por cima, e
leudo arrebatado qua.-i toda a amurada. O tope de
nttVi quebrado penda em parte ao longo do mas-
ir i. o massaro de popa estava rendido em meia
altura, o grups quebrado ao p da roda de proa,
pre. smente nos cabos com o pao da bujarrdna,
tambe u quebrado. O casco era pintado de preto
<-o n um friso blanco, o ivrrimo do tombadilho
lamben iiintado de hranco e a parte baixa dos
na-tros de verde. Linha nos lados da proa o no-
me ?navila, era latirs brancas.
Tendo oscurecido e refrescado a brisa, con-!
tinoanios a seguir a nosst derrita.
Entrou bonlem (9) procedente de Santa Clha-
iiu. o transporto S. Jos, conduzindo o 1 bata-
lbao do Juran aria de buha, com 31 oflciae o 468
(raras, sob o enramando do carooel Joo Anto-
nio de Oliveira Vaiporto.
* S. M. o Imperador acompanhado de seas se-
-tii'inarios, dirigio-se logo para bordo do transporte
e l -i assisiir, ua Armara,, ao desembarque e
a-luartclainentii daquelle corpo.
So .c. /().*' vi-rain tambem os prisionelros pa-
rajiuyas, generai Bernardo Caballero; ex-mmis-
tro J is Faci ; coronis Silvestre Aveiro.. Victor
Sitveira, l o Chrysoslo.no (enturao e Silvestre
Oaliuorl; o tenentn-coronel Manoel Paivios e sna
Tmilia ; major Juliao Lazas e sua familia; teoente
Elseo Maiz. e o padre Pidelis Maz.
c Amanha (12) s 3 horas da tai de, effectuar-
se-ba a solemoidade da reeepcio d batalho
de infantaria de liaba, que acaba do ebegardo
Paraguay.
O transito determinado o segointe : desem-
Jrircando no arsenal de marinha, seguir pela ra
-t'rimeirn de Marco al do Visconde de Inhau-
ma ; por esta entrar at da Quitanda, prose
punido at a da Alfandega, afira de tomar de no-
vo a roa Primeiro de Marco al praca de l).
Pedra II, onde Cara as continencias a SS. MM. Im-
ponaus ; voltar depois pela mesma ra Primeiro
le Marco at a do Ouvdor, indo por esta e peia
do Thuatro, praca raadaConstttuicaoato cam-
po la lima, careara municipal, seguir pola do quar-
tei ia secretaria da guerra, faces da Cidade Nova
da ra do Conde, ra desto norne, praca da
r.jnstitiiicao, ra da Carioca, ra da Assambla,
nutra vez praca-de D. Pedro II, am deembar-
car para o seu quaitel. *
O Sr. Dr. Joaquim Ai ves de Figueiredo, Ir ei-
rargiio da fortaleza Jo Santa-Cruz, em sgual de
regosjo pela feliz terrainao da guerra, eoncedeu
.aiia de liberdsuJe a uaa sna escrava de nome
H-si ; oaSra. D. Amelia de Azevedo Ferreira
(iuimares, em coramomoracao do 60 anniversa-
ro natalicio de seu pa, tambera libertou a sua es-
i Olivia, da um auno de idade. E* sempre
cuiu prazer <|ue registramos actos de philantropia.
> r:imbio*sobre Lmdres i'eguJava a22 % d.
Os soberanos () veudiam-se a 10^980 cada
um.
A alfandega rendeu de 1 a iO do crrente
88i:7815i3.
Sabiram para Pernambueo:. a 6. a barca
portuguesa Vencedora; e a 9, patacho BrasiJeire
Prottctoe. e sumaca bespaofloia Porlollat.
de Olinda.
Nascido em Pernambueo, de pas abastados,
a .2 I deznmnro de 1790, ou 1787, segundo al-
guns dos seu* bioirraphos, e laureado con o grao
de doutor em caones pela unversidade de Coim-
bra em 1819, Pe'dro de Araujo Lima foieleito pela
prrvmcia d cortes constituintes de Lisboa ; em 1823, deputa-
do a asserabb'a constituinte do Rio de Janeiro, na
qual perteneeu commissao que redigo o pr.i-
jacto do constituioao ; pjn 1825 a 18.7, deputado
a asse.nbla geral legislativa, em que durante
muitos annos presidio a cmara na i.% 2 e 3" le-
gislatura ; em 1837 senador do imperio.
Norneado ministro a secretario de estado em
1823, 1827, 1832 e 1837, foi oeste ultimo anoo
eleito regente do imperio, cargo quo exerceu at
ser proclamado com a sua annuencia em 1810 a
maiondade do actual imperador. Posteriormen-
te organisou, na qualidade da presidente do con-
selho, os ministerios do 29 de setembro de 1848 4
le maio de 1837, 30 de maio 1862 e!2deraio
de 186o.
Durante a sua longa carreira servio as pastas
do imperio, justica, estrangeiros a fazendn, exer-
ceu cora assiduidade o cargo de conselheiro de es-
tado desde S de fevereiro de 1842. Nem os annos
nem as enfermidades o zerara abandonar o esta-
do e as tarifas do parlamento, do conselho de es-
tado e da poltica militante. Anda na vespera do
ataque de congestao cerebral, a q*ae sucumbi,
assistio sessao do senado.
Opposto como homem poltico a qualquer me-
dida directa de abolicao da scravido, crino par-
ticular nao dnvidou conced r alforria grande
numero de escravos, cujos servidos Ihe haviam
sido recentemente legsdos por sua irma.
. Ex-regeute do Brasil, conselheiro de estado,
sen-'dor e grande do imperio, offleial do Cruzeiro,
e gra-ertiz das ordens ta Christo do Brazil, Santo
Esiovao da Hungra, Legao de Honra da Franca,
S. Mauricio eS. Lzaro da Sardeoha, e de Med
jedie da Turqua o marquez de Olinda na sna lon-
ga carreira poltica, em que subi at onde era li-
cito subir presin numeroso? e valiosissimos ser-
yi?os patria. Respeitado de todos pelo seu ta-
lento e pelo seu carcter, desceu sepultura co-
berlo de honras, apoz urna laboriosa e dilatada
vida publica que ninguem peder escrever sem
historiar ao mesrao lempo a do Brazil como na-
cao independente.
Na sesso do senado, o seu presidente deu par-
to desse passameoto nos seguinies termos :
Seuhores, constrange-me o coracao ao ter de
communicar-vos urna infausta noticia.
* Acaba de fallecer nesta corte, hoje pelas qua-
tro ^oras da madrugada, na casa de sua residen-
cia, um dos nossos mais Ilustres colleras.
;E' o Sr. marquez de Olinda, senador pela pro-
vincia de Pernambueo, nomeado- para este lugar
por carta imperial de 5 de ftteiubro de 1837.
A sua voz sabia e eloquente eomecou a ser ou-
vida a favor e em defesa dos direilos do Brazil
as cortes constituintes da nacao portugueza em
1821.
t Essa voz contionoa a ouvir-se, cada vez mais
persuasiva e enrgica, as tribunas de ama e ou-
tra cmara do imperio, defendeudo com tlrmeza
os saos principios da liberdade, da ordem e do pro-
gresso.
Nuuea deixou o Ilustre (loado do ter, como
nenlium bracilwro deve deixar de ter, urna f vi-
va as nstitucoes da nossa patria, para fazer tri-
umphar aquellos principi s
* Poueos das antes de sua morte n3dfodoo
vimos fazer-se transportar ao senado quasi mori-
bundo, como lord Chalara, o assentar-se na cadei-
ra que tanto honrou e illiwtron.
* J retirado dos negocios pblicos, como o es-
tadista inglez, combaten sempre, como elle, todas
as medidas que iba parsciara contrarias justiea,
ou aoe intensaos da sua patria. Foi eooKlneiro
de estado, e no exercio desta cargo o sao conso-'
llio e u< seus trabalbos atlestaro, quaado se pu-
blicaren], a sua prudencia, a sua previso e as
seus profundos conhecimeutos em poltica e admi-
oistragao.
* Foi ministro por vezea ns primeirc e segun-
ndo, e prevtou ao estado servidos que re-
commeudam o seu nome e a sua memoria ao lou-
vor e ao recooneciroeuto dos seus considsdaos.
< Foi regente daos vezes, a primeira como mi-
nistro do imperio que era, guando renun um
aquelte emieonte ctrgo o Sr. Dugo Antonio Fei-
j ; a segunda, por eieicao popular.
< E' este, senhores, o ciitado que acabamos de
perder.
< Unamo-nos boje em un t sentimento oda
imprimir o
tro coche de re^ieito tambem da casa imperial,
que s servio no( enterres do principe D. Alfonso
e do bispo de Crysopolis. Acompanhava o fretro
o 1 regiment de cavallaria do exercto, e se-
gniam-se mais Je 90 carros com os amibos e con-
vidados, entre s quaes os membns do ministerio,
muitos senadores e d.-poiados, enuseNieiros de es
tado, funecionarios pblicos e grande numero de
pessoas gradas.
o Pegaram nos cordSes do fretro os Srs. con-
de de Iguassd, camarista de semana, por parte
de S. M. o Imperador; mnde de Lages, por parte
de S. A. o Sr. conde d'Eu ; visconde de Abael,
pelo senado; conde de Baependy, pela cmara dos
deparados :_vseonda de Paqorahy, pele ministe-
ra ; e barao Je Muritiba, pelo conselho de es-
tado. .
O cadver, que tinha s'do embalsamado pe-
H Srs. Drs. Franca e Ferrar, foi recebido no ce-
muerio por toda a ordem tereeira de S. Francisco
de Paala incorporla e levando a -na frente a
cruz aleada. Deao-iiado tm seguida sobre urna
eca foi encommendado pelo commi33rio da or-
dem.
NOVOS COLLEGIOS ELEITORAIS.-Na sessao
de 4 do crreme foi lido e manddo
seguinte projecto :
A assembia geral resolve:
Ai t. 1> Ficam creados na provincia de Per-
nambueo tres CoUeyro* eteitoraes l; na villa de
Itamhe, compostos tos eleitores da fregue2ia de
.Nossa Senhora do Desterro e de S. Vicente; 2*, na
villa de Ipojuca, composto dos eleitores da treguo-
IiaL,,|e ^ *'' da horesta, composto dos eleitores da freguezia
do Senhor Bora Jess dos Aflllctos da Fazeada
Grande.
j 1. As novas freguezias de Nossa Semwa
da Peaha Ja Gainelleira, de Nossa Senhora dos
Monte?, do Senhor Bora Jess de Panella?, de Nos-
sa Senhora da Conceicao da Pedra e de Sanl'Anna
do bacoi, creadas eran lerritorios de fregnezas
(erieiicentes a diflerentus collegios, farad parte dos
coilegms dos respectivos municipios.
i A freguezia de Nossa Senhora da Con-
ceicao de Quipap tica perteucendo ao collegio da
villa de S. Banto, de cujo municipio faz parle
actualmente.
3.- As antigs freguezias, eujos limittes fo-
ram alterad.* posteriormente ao auno de 1860,
por annexacao ou de-annexaco de territorios de
rreguezias do outros collegios, terao para os elTei-
tos eleitoraes os limites ora estabelectdos por leis
provinciaes.
Arf. 2. Ficam revogadas as disuosicSes em
contrario.
,0f'Pa? da cmara dos deputados, 9 de janhode
18/0.J. P. Machado Portella.A. J. de Moraes
Silva.J. A. Carrea de Olveira.=Uchda Caval-
canli. Joaquim de Souza Reis.Mello Reg F
de Aguiar.A. de Oliveira.Barros Brrelo
Tbeodoro'da Silva.!'. Alencar Araripe.
ONEIDA.Eslava annauciada, na edrte, para o
da 23 a sabida deste vapor para Soatbampton
pela Baha e Pernambueo.
?2XA.A(EJC,A DE SEGUROS.-Pelo decreto
n. *5.Ji de 4 do crreme foi concedida autori**-
i companhia ingina de seguros, The Commercial
unton Assurance Compigny, para estabelecer urna
agencia em Pernambueo.
NAVEGACO A' VAPOR.-Por decreto n. 4535
de 7 do crreme, foi approvado o contrato cele-
brado entre a directora geral dos correios do im-
perio e Couceicao & C, para o servico da nave-
gacao a vapor na ilha fluvial de Montevideo a
tuiaba, na provincia de Mato-Grosso. Segundo
esre contrato, corae$ar o servico em julho pr-
ximo, sera feto raeusalmente, partindo os vap res
de Moutevido at Guiaba com. escala pelos por-
tes intermediarios, sendo obrigaterios os de Bue-
nos-Ayres, Rosario, Paran, Corriente?, 'Assump-
cao e Cprumb. Cada viagem redonda nao exce-
uera a 35 das. Por viagem redonda receber a
empreza a subvenco de 18:000*. O contrato du-
r ira por cinco annos.
Pelo decreto n. 4.836 da mesma data foi ti
bem approvado o contrato celebrado oem Esievo
? C'' rePresntantes da companhia Liwr-
pool, Brazil and Rner Piale Sienta Natigation
para o servico da navegacao a vapor do Rio de
Janeiro a Montevideo. 0 servico comeear dootrs
de 19 mezos, contados da promulgagao do decreto
que approvou o contrato ; as viagens sero duas
mensalmente eom escala, tamo na ida como na
volla, ajjrimeira pelos portes de Paranagn, capi-
tal de Santa Catbarina e cidade do Rio Grande do
Sal; a segunda pelos portas da capitel de Santa
Camarina e cidade do Rio Grande. Cada viagem
redonda sem a escala de Parsnagu nao excede-
r a 19 das, nem a 22 quando os vapores toca-
rem naquelle porte. Pelos servicos especificados
no contrate, receber a empreza por viagem re-
doBda a subretioio de 10:000*. 0 contrato du-
rar por cinco annos. -
Pelo decreto n. 4,337 da mesma dato foi tam-
bem approvado o conirato celebrado com J. M.
Carrero e W. R, Garrison para o servico da na-
vegacao a vapor do Rio de Janeiro ao Para. O
servio comeear ao prazo de 19 mezes, contados
leva os seas excessos e os seus furores ao
finito, disse muito bem a redaegao do
Liberal em seu numero 180.
Si o espirito de partido nao cegasse os
escciptore* do Liberal, por cerlo tjue elles
procurariam ter exacto conheeimento dos
fados, para iatl, fundados nelle, levarem
ao dominio do publico aecusacoes seus
adversarios. Si a paixo partidaria os nao
dominasse, nao aventuraiiam as propost
Coes acres, que em artigo edictorial dirigi-
ram (no citado numero do Liberal) s au-
toridades policiaes e judiciarias de Taca-
rat.
NSo diriam, certamente, que o odio po-
ltico e partidario das autoridades daquella
locad-de se agnea e apura c ntra cida-
daos benemeriios, qoese apreseniaram co-
mo voluntarios, march;tram para o Para-
guay, fizeram a campanba, defenderam a
patria, e voltaram coberloa de louros iuve-
javeis.
No mencionado artigo do Lberal, bem
como em urna carta escripia desta capital
para o Jurnal do Commercio na corte, se
diz, que o capillo de commissao Francisco
Baptista Correa Cabetleira victima de
persegBr,5es acintosas das autoridades de
Tacarat, onde ele residente, e onde o
esperam torturas e tormentos da todo o
genero, preparados por seus figadaes ini-
migos.
Ha_ falsidade nos fados narrados p-lo
capito Cabelleira aos seus amigos, redac-
tores do Liberal. Nenhama perseguicao
se Ibe prepara e nem processo algum se
Ibe iostaurou pelas autoridades aduaes.
P plena s au:oridades de Tacaratti, injusta-
mente aecusadas de perseguidoras de um
beuemoiito di patria, vamos lazer urna liet
exposic3o do que, cora relaco ao capitio
Cabelleira, tem occorrido naquella comarca,
servmdo-n is de dados officiaes. de iofor-
mags de pessoas fidedignas, e de docu-
mentos particulares (cartas) de amigos po-
lticos do citado capitao.
Nao nos anima a menor prevenco con-
tra o capitao Cabelieira, em favor de quem,
confessamos milita a ci cumstancia de ter
prestado ao paiz relevantes servigos na
guerra do Paraguay. lito, porm, nao de-
ve ser obstculos para que nao digamos a
verdade toda iuteira acerca da vida publica
desse cidado.
Francisco Baptista Correa (hoje rapitio
de commissao, e cujo sobre-nome se aug-
tnentot o de Cabelleira) era um progres-
sista exagerado na comarca de Tacarat, no
famoso tempo da Liga : homem decidida-
mente partidario, capaz de aiTrontar as
mabres diliculdades, foi nomeado subde-
legado de polica,
A opposico conservadora era imponente
em Tacaral, e smente a violencia seria
capaz de arrancar-lhe o triumpho as elei-
coes que all se procederam : nao bottve
hesitaclo em emprega-la contra os conser-
vadores mais notaveis do lugar; e o sub-
delegado, Francisco Baptista Correa, foi
encarregado de pola em exeeucSo.
N5o houve contempUges com pessoa
algnma: foram todos medidos pela mesma
bitolia. Baptista Correa, sem motivo al-
gum justificavel, mandou metter no tronco,
e em gargalbeira ao pescogo por 26 diis
um tipplente do juiz municipal, e varios
conservadores mais influentes daquelle lu-
gar ; mandou atar pelos dous pulsos cau
da de um cavado, e arrastar durante duas
legoas de caminbo Joo Evangelista Pinto,
conservador estimado, pai de familia nume-
rosa ; ordenou que fossera recolhidas ca-
deia (e assim se fez) a mulher e sogra do
capito Valpassos. aecusado pela morte do
capitao Barros, sem qne estas respeitaveis
senhoras tivessem culpabilidade no acto
nicamente de seu marido e genro.
Como estes, muitos outroa attentdos
commetteu o subdelegado Baptista Correa,
collocando-se. por si mesmo, em posigo
de ser forgado a abandonar o lu?ar de sua
residencia. Promovia-se ento a acquis-
go de forgas para o Paraguay, e os amigos
de Baptista o aeonselharam para offereoer-se
como voluntario,
Para isto realisar, e collocar-se em boas
condiges para com o governo da Liga,
letabroo-se elle de promover um horroroso
re, rutamento contra os seus adversarios,
que nesta capital foram convertidos em vo-
luntarios da patria, palo ayalema adoptado
pelo Sr. Domingos d Sooza Leo, depois
chrismado Baro de Villa Bella, por causa
dos voluntarios que mandn para a guer-
ra, denominados com muito espirito pelo
nosso povo de voluntarios de corda.
Quand o subdelegado Baptista Correa
agenciava os seus voluntarios de corda,
aeu-se no Brejo dos Padres o assassinato
de um Individuo,,inimigo do subdelegado,
e a vez publica, com razo ou sem ella,
(nao aceitamos a resRoosabilidade) indigitou
este como mandante, que houve de
certo, e se pode provar, foi que e.aassi-
oo foi preso, proressado recolhido ca-
deia de Tacarat, e della tirado pelo sub-
delegado, e levado juntamente com o pro-
cesso, como voluntario para o Paraguay,
d|onde voltou, ha pouco, e seguio para
'iranhas. em companhia do mesrao subde-
legado, boje capitio Francisco Baptista Cor-
rea Cabelleira.
rd' esla capital, encontraram no poder
o partido conservador, e em cargos poli-
ciaes na comaica de Tacarat. algims da-
quelles cidndos, que por 26 das gemeram
nos troncos o gargalheiras.
Acreditamos que o 'Liberal nao sustenta-
r, que pelo fado de-ter capilln GuMli'i-
ra, quando subdelegado, as* fla|nSado
os seus ndversaifcs, floiant gtes ineom-
pativeis para os cafgog policiaes.
O ca|Mo UajHista. apezar to velaxo de
cabellen*, que tomou na guerra, asaustou-
se com esta noticia: traba razao ds assus-
tar-se, porque julgava por si ossetis dversa-
nos, e lhe pareceu na toral que Iguma vin-
ganga tomassem das aiTrontas recebidas.
fjaodou para a sua casa em Tacarat seus
ilbos. qse ali foram muito bem recebidos;
e elle aqu deixou-se Picar po algum tem-
po, a espera das promettidas e suspiradas
novas da ascengo do partido liberal as re-
gioes do poder. Aaal, aperUulo de sau-
dades do lar domestico, resolveu-se par-
tir, teodo antes oblido cartas do Exm. pre-
sdeos da provincia, o Sr. senador Fred -
rico, s autoridades de Tacara, recom-
raedanao-lnes todas as attengoes para com
elle.
Na vespera da partida, consta, tivera elle
larga conferencia na casa das reunioes do
directorio liberal com Sr. barao d; Villa
Bella, e com um outro personagem. Seguio o
capitao Ca idleira p3ra Piraiihas, onde d'e-
via tomar cavallos, com dircego Taca-
rat: mas, chegando quelle ponto, nao
qutz continuar a viagem sob o pretexto de
tomar perseguirles de seus inimgos, que,
segundo avisos anor.ymos, o esperam para
tornar vmganga doqueelle Ihes navia feito
ouir'ora. Tal porm nohavia, pois podemos
aiiiangar que nenlium processo at b je ae
inicioa contra elle, e as autoridades de
Tacarat esto denostas a nao se lembra-
rera mais das affrontas, que semelhante ho-
mem ihes fizera.
Sob aquelle mprovizado pretexto man-
dn o capito Cabelleira chamar os filhos,
e amigos, e, em reuoio com elles, propoz-
Ihes, qm rennissem urna forca para o ac-
companhar al Tacarat, affiancando-lhes,
que deste fado nenhum petigo Ihes restil-
tatia, poiiyuE o baiiAo de Villa Bkli.a liik
HAV1A AFFIA.NCADO, OUE APENAS SUA AI.TF.ZA
O CONDE D'E. CHEGASSE A CORTE DE VOLTA
DA CAMPANHA, SLBERIA 0 PARTIDO LI.CRAI. AO
PODER, E ELLES E.STAV.VM GARANTIDOS.
Cumpreaqui notar, que estas mesraa
palavras, cima transcriptas, i.ram ditjs no
Orando por Manoel Florenrio eoutros libe-
raes exaltados, que amcagao muito breve le-
var os conservadores cnicote.
Os amigo de cabelleira, mais prudentes
do que el;o, negaram-se ao seu pedido,
muito embora dissessern alguns que era f-
cil incendiar o alio serlao, preza de varias
quadnUias de ladres. Vendc-se Cabellei-
ra sem auxilio nos amigos, lembrou-se
(triste e desbragada lembtanga) de mandar
chamar o celebre criminoso Marcolino
(anda seu patente ) chefe da quadnlha de
ladroes que, ha pouco, atacou Piranhas, e
com elle Coufereaciou, para ,^ie, reunindo
os seus s.quazes, oescoltasse at Tacarat.
e ali Ibe survisse de guarda-costas.
Ao divolgar-se esta entievista, entrevista
que se prova por urna carta de pes?a in-
suspeita a Cabelleira, toda a populado de
Piranhas, e lugares adjacenies so alarmou,
e avisos se expediram as autoridades de Ta-
carat e termos vtsinhos. Ento o delegado
daquella comarca, e o commandante siperi-
or reuniram forga para repellir o grupo de
Marcolino, e prendel-o como criminoso de va
ras mortes e tambem os seus companhei-
ros, igualmente criminosos.
Collocado na attitude que lhe cumpri? to-
mar diante deste facto inqnalificavel man-
dou o delegado dizer ao capito Cabelleira,
que viesse t para a sua casa, que lhe ga-
ranta, que nada soflreria de seos inimigos,
mas que se teimasse em se fazer accompa-
nhar do criminoso Marcolino e seus com-
panheiros, elle delegado seria forgado a em-
pregar a forca para prende-los e desrma-
los, e que sobre elle Cabelleira pazaria as
consequencias fataes, que deste seu acto
resultassem.
A vista da resolugo do delegado o ca-
pito Cabelleira determinou abandonar Pi-
ranhas, declarando aos amigos que iria a
corte queixar-se ao Imperador do proced-
mento do delegado de Tacarat, e effecti-
vamente desaparecu do ponto em que se
achava em direcgo a capital de Aligas.
Etn face do exposto, quej a verdade des-
pididos ornatos da oratoria, ter cabimento
exclamago do liual do artigo edictorial do
Comtudo podemos affiangar ao Liberal,
que a polica de Tacarat redobrar de es-
forgos para resguardar o capito Cabelleira
de qualquer persi^uigao de seu adversarios,
queno-tiverftiniamentnas leis e no di-
reito de justa defeza.
Io poro em prastca a pena do TaHm
de que tanto se a/receia o Capio Cabel-
leira.
iruiao
propriti e
eu, segundo
precisava e
enten-
PUBLICACOEt A PEDIDO.
i*sSs,'asv-5a.Ttf
luaraiii-nw de que meu pai havia sido ulao pe-
lo Jmzo de orphaos deite termo incapaz de reaer
e administrar sua pesaebens, por demente '
Parecia-me incrivel, mas verifltiuei o facto al-
ludido m Jornal do Becife de 2 do corre**, lendo
ah um editl, pelo qual sefazia publica semelhan-
te mterdicijao.
Foi este o ineio que a arteiriee de mau
Joao da Silva Faria acbon ter o mais
efllcaz para evur a pratica to qne
tenbo dito em miuhas pubcacoe*, ,
pretenda fazer para juUiucar-me. isto ,
der-me com meu pai, de um modo solemne acer-
ca de actos <|ue em seu nome se tem pra'iicado
ja contra iimn e ja em relacao a < stranhos.
Actualmente ota mou pai interdicto por demen-
te : logo, nem me Bcito anteoder-me com elle,
nem suas declaracfies teem val-. Por mais qu
elle alBrmasse que nao teve couhecimeoro de urna
correspondencia quo o coagiram a assigoar, nfa-
mando-me do modo mais inslito; que nunca au-
ttirisou demandas contra mfm, nem coutra Luiz
niecn ; que se o defendesse em accSo de um
pequea divida, allagando-se a prescripeao deta
ernjuizo, etc., etc. ; nada valeriam suas" declara-
yde?, pois que, diriam, elle esta demente.
Diga o respeitavel publico se ba nada mais im-
moral, e se meu irado Joo por tal mtio nao de-
nunciou o receio que tinha de ver-se confundido e
desmascarado f
E nao se pense um s momento que a nterdic-
cao de meu pai era reclaicada por alguma neees-
sidade de acautelar direito.-", porquanto meu pai
nao tem negocios de qualidade alguma com nin-
guem, e nao possue seno tres escrava?,, maiores
de quarenta annoj de idadp, as quaes tpinna mii
tem empregsdas com negocio na ra de que tira
os meios de sua subsistencia e a de meu pai.
twtas clrenmatanclas, nao evidente <|ue meu
irmao Joao nao teve outro intento senao privar-me
de rallar com meu pa, procurando com essa me-
didade mterdiegao por demencia coonestar a re-
clusao do pobre ceibo e a u preterivel companhia
de seus guardas as poucas ceses que Ibe permt-
tirem sahir de casa ?
Dantes procurava meu irmao fru>trir o meu
interno com a reclusao ,1 guarda tle mea pai ;
mas nao so jnjgando com ias camellas tranquillo,
recorre ao rucio da interdiccao que obrtga a pro-
mover minha mal, que uomeada caradora, ape-
zar de sua avancada idade de setenta annos, para
que esta sirva de egide, atraz da qual escondido,
pos-a elle contrariar-mo e ferir-me sem respon-
sabilidade propria.
fimo o meu desejo nao se refera a meu pai
Uo someut, mas tambera a minlia mai. que ao
mesmo tempo foi coagida a assignar publicacoes
ralumuiosas contra mim, quero com ella enten-
tlei-mea tal respeito na presenga de muitas pes-
soas, ao que mim nr.ao Joao, se aprecia o iuizo
da sociedade em que vivemos, nao deve obstar.
Mas isto nao convm ; e para evita-lo, elle ser
capaz_ de promover segunda interdiccaoa de nos-
sa mai.
-\io me era possvel ir contra a interdiego de-
cretada, e fazer que ella d.-sapparecosse ; pori'
deyendo respailar a tranqnillidade de meu par,
deixo sobsistir o acto praticado como nm padro
immorredouro da infamia de quenr toma a seu
proprio pal p ir instrumento em suas abominaveis
bragas e vingangas, curto de que a punicao de lao
sacrilego att.utado nao esquecerAquelle que tu-
do ve, ludo conhece e ludo iulga com inteira ins-
tiga. '
Tendolido um annuncio que se fez publicar nos
ltimos nmeros do Jornal do Recife, em nome
de minha mil, como curadora de meu pai, e per-
cebendo o pensamento que presidio a essa publi-
caeao, nao deixarei de vir aprecia-lo devidamente,
tal vez a manhSa.
Recife, 16 de junho de 1870.
Infonw da Silva Faria.
Pergunt s innocentes.
5o do decereto que appraVoa'o'w ^E? .C f?S'mais notaveis d^s,e snhor'
trato, sendo duas as viagens mensalmente, par-' "* t a li"lJ>1r> a Onnrra.. onde, resa a
lindo os Vapores do Uto de Janeiro at captta' *na' 4b tfiBcio, se boiwe com Ora>ura
do Para, eom escala tanto na ida como na volta,' distwata, baso como dorie (llhos
?^P?!10!A"l PlS? a ?#* AL88*"- rVr- acompaobafatn.
que o
Liberal de 17 do corrente?
O facto de ter sido o capito Cabelleira
seguido para a guerra e l feito prodigios
de valor, voltaodo a patria coberto de Ion-
ros, e ovages populares, d-lhe direito
ter o procedimento reprovado, que teve e
concede lhe imunidades para oommetter
crimes ?
A theoria que prega o Liberal em favor
dos volntanos da patria, se passasse como
verdadeira, seria bem funesta ao paiz, poi-
que os oollocaria cima das leis.
Um voluntario da patria, por mais dist ne-
to que elle seja, to cidado como qual-
quer outro cidado ; deve o mesmo respei-
to as Itis e esta sugeito as mesmas penas,
quando delinquir, como qualquer ontro
habitante do paiz. Nao tem previlegios.
To censuravel e punida deve ser a
perseguigfio que lizr a autcrida'de um
voluntario, como a qoalqoer outro individuo.
A qualidade do voluntario nao da melhor
direito ninguem. v
As autoridades policiaes de Tacarat ti-
veram o comportameuto, que deviam ter,
em face da a'tude criminosa, que pretenda
tomar o capitao Cabelleira. que por ter sid<
voluntario da patria nao poda cercar-se
de gente armadi e esta crironosa, para ea-
trar na villa, affrontodo assim as leis e a i,, elle.P*ra hawer Pagsmento de salarios
moralidad publica.' *
A consciencia que de seos actos, de on-
tras eras, tem o capito Cabelleira, qoem
o faz suspeit*r que o pretendem assassinar,
e pao porque realmente isto tentia passado
pela ment de seus adversarios politicos. e
nambuco, Panbyba, Rio Grande do Norte, Cear
e Maranbao. Cada viagem redolida ado exceder ^IfOPvTlJS^emoa ^pra do que ha oc
de-zdias. Em retribuico dos servigoa especi- corrido depoia da sua vola do Paraguay.
fleados no contrato receber a emprm por via- Votando o capito Cabelleira e seus fi-| mera veis inimigot
muito menos pela das autoridades policiaes
de Tacaral, que empregaro todos os seus
esforgos para que era de leve se lhe to-
quo em um s cabella de saa cabelleira.
Qiwm.com muitas pedras bole, alguma
lhe dar na cabega. Disto que realmen-
te se recea o :apito Cabelleira, e nao da
que as autoridades de Tacarat pretendam
exercer vtngangas contra a sua pessoa.
Um homem as condiges em que se collo-
couo capito Cabelleira torna difflcil a'ta-
refa, de quem se ncarregar de o garaor
contra urna vindicta particular de seus ionu-

Ao doutissimo Sr. Antonio Carlos Pereira de
Uurgos Ponce de Len, cuja sapiencia c perspica-
cia sao lao profundas, que muito depois de lindas
as pendencias judiciaes entre o seu ex-constiiuinte
Mituel Archanj. de Figueiredo e o sea irmao cha-
rtismo Manoel do Amparo Caj, foi |ue enxergou
na escnpiura de hypotheca d'aquelle passada a
esto extorsoes eepantosas, actos fraudulentos, si-
mulacoese nullidades que escaparam a perspica-
cia Je seis adoogados, pelo meis que leve o seu
curmimo irmo uessas pendencias ; assim como
tambem escaparam lodos esses horrores perspi-
cacia dos diversos iribunaes superiores do paiz
perante quem foi bem diaputada e discutida a dita
e>cnptura de hypotheca que elles recooheceram
como legal, firme e valiosa, negando wvvimeoto
todo? os recursos qu para ellas inlerpozeram, e
esRotaram o hypolheeanle e toda a sna familia
tltegitima ; ao passo que a perspicacia do mesmo
sapientisstmo Sr. Burgos nao enxergou simulacio,
falsidade, fraude e ue.n nullidade alguma as fet-
iras proscriptas e antidatadas, em virtnde das
quaes qualidcou eom credora privilegiada de
avultada quantia a tal Luiza Teixeira de Lima ta
do -mio carissimo Caj, na segunda classiflcacao
do crditos feta ex proprio marte por aque'lle
perspicacissimo Sr.;
Ao muito alto e poderoso Sr. Burgos, cuja pre-
potencia chejfou ao ponto de julgar-se autorisado
para engendrar essa celebrrima classifieacao dia-
meiralmeule opposta at* julgados proferidos por
tribunaes superiores, qur nos autos de execncao
de seu ox-wnstiiuinle, qor nos da fallencia de
seu carsimo irmo ; ao ponto de reduzir aquelle
a simples cbvrographario de diminuta qnantia.
uullificando assim por seu puro arbitrio urna es-
cnpiura publica de hypoUieca, reconhecida como
valida por sentencas de que nao resta mais re-
curso albura a iniorpr-se, e que por isso eoosti-
tuen. o que em direito se chama cansa soberana-
mente julgada ;
Pergunia-se : chegaram o seu podero e a ua
sapiencia a tanto, Sr. Burgos ?
Ao mesmo doututimo Sr. cuja perspicacia ebe-
gou a enzergirlincompatiilidade e quic, desar do
racto de ter o advogado que j era de seu consti-
tuinte na execucao d'este contra o sea iretdo ca-
rtutmo continuado a patrocinar o mesmo coasti-
tuiuie quaudo curador fiscal, posteriormente co-
meado nos autos de fallencia, eomo se honv.?**,
opposico de inleresses entre os oradores damas-
sa fa lida e esu que desuada para pagamento
d aquelles a quem por oonseguinte vem a perten-
cer por va dos dividendos, salvo se o Sr Bureos
qtier conMderar a massa como personificada ae
taiiio, assioi como a heranca represenu a pes-
soa do defunw, emquanto jacente I
Pergunia-se atada : neo haver anus ineompa-
oilidade e desar entre as qwtridades que tem Sr
Burgos asiumido, ja de procurador do creder Mi-
guel Arcbanjo de Figueiredo, j de administrador
oa massa Ijllida, nomeado por elle, como confessa
e ao Mnosmo lempo patrono do fallido, enioa inle-
resses esta patrocinando com ardimento oootra
aquelle de quem se tem consumido inimigo cap'-
nuovendo tambem da sua parte execucao-
' i de salarios que
~ procurador -
uoso d mulher do fallido sem mndalo 4'eHa
para allegar direilos que s a e la oonapetem alle-
gar T
Que admiravel innocancMi.porm, nao a do
6r. Burgos, servindo de instrumento initocenle do
seu ex-conslitointe, copiando e assignando fat
como adiiiiistrator rascuaos de primeira elasti-
ficaco sem os lr nem ,ero*r e oue coptava t as-
signava I
Esta innocencia do Sr. Bargas Bao ser itmaa
gemea da do sea oarisstma irmao Caj que diz a
quem queira ouvi-lo, ter assigoado a eseripinra
de hypolheaa que fez dos seus tiens ao seu eredor
Miguel Arcbanjo de Eigaeiredo sem a idr, sera
ouvir 1er pe) ta!>el>, eolia aeio saber o que
assignava t Que doiu iaeoceiitinnos 1
Pei'Rqnta-sa linaimeule ao poderosissimo 8r.
Bnrgos que detilmo pretende dar a tres cantos -e
tantus mil rUde rendas do-sitio Coctume e dea
emiectos que foram *adidos que na,ceraa,d> dona
annos tem em sen .poder eomo perteaeentea i
massa fallida de Cij t
Ponnie nao es deposita em um banco al pres-
tar conta d'elles ? Nao ser este o pomo de di-
I <:ordia entre S. S. e o sen ex-eonstituinte ? fleix ?
tai
<
<
'
i
X
i
a


*WfB*
Diario de P&&hihaco
i*

r Entretanto que bell i prototi/po de felicidad niio
este Sr. Burgos par Judo* os procuradores pos-
siveis, presentes e futuros ? Mireuise pois os seus
cjnsutuinjes nesie espelho !l!
OFranc macn espantado.
Agua
Florida de Mur-
ray e Lanman.
Daede paahol.s, o forraoso paiz d Florida, tem sido jus-
tamente afamado pelo balsmico e odoriphero
aroma de s,nas raras e florescentes flores e verde-
jantes arbustos. Aqu temos, pois, o fluctuante
perfume e incens de seus jardjns aprestes e seus
aromticos e refrigerantes bosquezinhos, barmo
Diosamente concentrados e encerrados dentro de
iioi diminutivo espar-o hermticamente fechado e
salado.
Esta Agua Florida deriva e recebe a sua esqui-
rla fragrancia das frescas, verdejantes e flores-
centM fnfhas de flores e plantas do trpico. O
seu sublime e delicado perfam?, nao desmerece
n nada, posto ein comparacao com aquelle da
mais fina agua da CoIIoob, e infinitamente su-
perior que se fabrica em Pars; emqoanto que
ao contrario o seu preco apenas a metida do
custo de qualquer nm dos ontros.
COMMERCIO.
rSACA DO RJSCIFE 20 DE JUNHO.
DE 1870.
AS 3 i/2 HORAS DA TARDE
Coaros salgados seceos5i4 rs. por kil.
Pelo presidente,
Mesqulta Jnior.
Pelo secretario.
A. P. de Lemos,
ENGLISH BANK
Of Rio de Janeiro Limited
Descorita lettras da praca taxa a con-
mencionar.
Recebe dioheiro em cona correte hia
i raso fixo.
Saca vista on a praso sobre as cidade
priacipaes da Europa, tem correspondentes
aa Babia, Buenos-Ayres, Montevideo, New-
e New-Grieans, e emitte cartas de crdito,
para os mesraos lugares.
ttA DO COMMERCIO N. 36-
Pedias du anotar
dem de filtrar...... *
Ideal *le rebollo
PenHaSdeema. ...... 4/791!
Piassava.........momos 160
Pontas on chifres de Borrlho on
vacca.........cento 2J800
Safcao.........kilog. 348
Sal. ...,...., o 10
Salsaparrillia....... 2*043
Sapafos de couro branco ... par 800
Sebo ou graxa em rama kilog. 340
dem em velas. ...... 476
Sola e vsqaeta....., 1*200
Tapioca. ........ J04
Unhas de bol.......cerno 380
Vassouras de carnauba dozia 768
dem de piassava..... 1*100
dem de imb. .).... > 960
Alfandega ae Pernabmbuco. 18 de junho de-1870
O !. caoferente.--Manoel C. Brrelo,
O i.' onferenteooifuim da C. Ribeiro.
Approyo. A,lfandga 18 de jaoho de 1870. =
Paestde Andraie.
Conforme. Joaqmm Tertuliano de Medeiros.
RECEBEDORIA DE RENDAS INTERNAS tf-
RAESDE PERfiAllBUCO.
ftendimentodo dia 1 a 18. 42:885*634
dem do dia 20....... 4:350*671
47:236*323
CONSULADO PROV1NCAL
Rendimento do dia 1 a 18. 84 003*944
dem do dia JO. 9:3285582
31|jdh.' da-paidaa-gueiia do S. Jos n'ciUcrtUd,
18 uu) la casltnl claro, atatfsd > em MjOflO, pa|3
pajjaniBi!" r>t duMi..i nn (yiio Ter<# fera j!l 4e Jun
(lic de la70.
m
-''* -.-'
%mlm e tmfitm iwvaes
0 conserao, no dia 23 do corrate mes,'viita da
propost* recebidas at a 11 horas da maahia e
sob as eondiedes do estre, promove a compra dos
ubjecto? do material da armada seguinte: 1 eicaler
de 4 remos para serpea da capitana do perto, fl
barras de seo balido de popara de 2 1|2 polegadas
de largo e 4|8 degrosora, 6 barras de ac batido
de 2 1|8 polegadas ^ largo e 4f8 de grossura, 10
baldeadeiras 3e folha, 10 camas de vento, 60 bar-
ras de ferio ingle proprio para grelhas, 80 len-
ces de ferro de 1|4 de grossnra, 6 ps de com-
primelo e 4 de largo, e 6 foles inglezes, teado
cada iim 8 pes de comprmento e 6 de largo.
Sala das sessScs do conselho de compras navaes
18 de junho de 1870.
O secrecario.
Alejandre Rodrigues dos Anjos.
H*w........J..............
Oufcsras avufcas ni." tMfft,,...
^*-.,.........[..............
venem-ae iw mesta eiru.
200
2*000
i 07,0
ptfcfea
Theatra Gjymnasio Drama-
tico.
Oespectioulo annciadq para bojej-eul sene-
flclode Maooel Taires Pint Porto. Oca ransferi-
do para qninta-feln 29, em eonsaquenen do bai-
le que deve ter lujar hoje no Club, e o maestro
Colas ter de ir tor.
O beneficiado fepera ainda que o respeitml
publico Ihe drspejse esta falta, alheia sua vod>
tade.
93:532526
ALFANDEGA.
tiuim. ato do dia 1 a 18.
l.i-'in do di* 20. .
657:718*780
44.112*530
701:831*310
tfOVniKHTO DA ALFANDEGA
*o.tme.i entrados com fazendas
tdsm com gneros 107
v ';;* sabidos com fazendas
ittoo dem com gneros
-----107
162
519
----- 681
Desuarregam hoje 21 da junho
Escasa prtuguzaAguia mercadorias.
trigu-s inpfezilarthaidem.
riiie i ajilenUelen Richard\ics.
Bngue nglez iolm Bayoharidem.
Hriguc inglftzCautrosidem.
Patacho nacional Jaboatao idem.
[tarca diuamaiqueza Foreningen farinha de
ll'lgO. \
Escuna hollandezaAntije Haverbuttiiem.
lirgue portuguezLaia /mercadorias.
TABELLA dos prkqos dos gneros sjeitos a di-
IEITO DE EXPORTAgAO. SEMANA DE 20 A 23 DE
DF. JUNBO DE 1870.
Mercadorias: Unidades. Valores.
Abanos......... duzia 300
Algodao em caroco..... kilog. 200
dem em rama oti em la. 809
Carneiros vivos....... um 4*000
Porcos idem.........
Arroz com casca. .... kilog. 68
idem descascado ou pilado 177
Assacar branco...... 250
dem masc&vado...... 12'i
'''inrcnado....... 436
iallinhns........ urna 1*000
fapagaios....... 5*000
Azeite de amendoim ou men-
d.ibim......... litro
dem de coco ....".
MOVIMENTO DO PORTO.
Navios entrados no dia 20.
Rio de Janeiro, Babia e Maca8 dias,
transporte nacional, a vapi r Leopoldina,
commandante capitao tenente Castro, traz
500 pracas de vuluntarios da patria,
pertenceotes s provincias de Maranbao
e Para,
Rio de Janeiro20 das, brigue bisp-nbol
Lepanto. de 178 toneladas, capit3o Ger-
nimo lsina, equipagem 12, em lastro ;
Pereira Carneiro 4 C.
Havre40 dias, ba'-ca franreza Sphere, de
325 toneladas, capH3o Josse, equip?gem
II, carga mercadorias; Tesset Fiere.
ObsercacSo
Nao houve sahidas.
EOITAES.
A cmara municipal desta cidade, era vista da
recomraendacao que Ihe fez o Eun. Sr. vice-pre-
sidente da proviucia em ofcio il-- 31 de maio ul-
timo, acompanhado da portara de igual data, pela
qual o mesmo Exm. 6>. nomeou es supplentes des
juizes municipaes e de orphos deste termo, con-
vida aos cidadaos na referida portara menciona-
dos a comparecerem no seu paco at'o dia 25 de
julho prximo vindouro, as horas do expediente
afun de prestarem o juramento do estylo.
Paco da cmara municipal do Recife, 15 de ju-
nho de 1870.
Rento Jos da Costa,
pro-presidente.
No impedimento do secretario
Aucusto Genuino de Figuciredo.
kilog.
eformentadas:
.... litr.
.
kilog.
dem de mamona. .
Batatas alimenticias.
Baunilha ....
Bebidas espirituosas
Aguardante cachaca. ....
dem de c.inna......
dem gonebra......
dem restilada......
dem alciuil........
i i u cerveja.......
enivinagre.......
vinhodeeaj......
lia una. comprehendidos os
blscoitos.........
dem ordinaria, propria para.
Hmharque.......
Cal bom .......
dem escoba ou restolho
dem torrado on moide. ...
Cal branca........
dem preta.......
Carne secca (xarque ).
Carvao vegeto!....... >
<^era araarella........
dem de carnauba em bruto.
dem dem em velas.....
Cha..........
Cocos seceos......, cento
Colla.........kilog.
Oraros de boi, seceos salgados,
dem idem espichados....
dem idem verdes.....
dem de cabras cordos .
dem de onca.......
Doces em calda......
dem em gela ou massa. .
dem seceos.......
Estaadores de pennas grades .
dem pequeos......
Iem de palha.......
Esleirs de carnauba ....
dem propria para forro ou estiva
de navio.........
Estopa nacional.......
Farinha de araruta .."...
dem de mandioca.....
Feijio de qualquer qualidade.
Fumo charutos......centro
dem cigarros......
dem etn folha bom
[dan em folha, ordinario ou res-
tolho ^......
dem e:n rolo e em latas bom .
dem, ordinario ou restolho. .
Rap .........
>riT.ma de mandioca, (polvilho).
Ipecacnajta ( raiz).....
AQgieo (toros)......duzia
Caibros ........nm
Eaxams.........
Frechaes......
Jacaranda (coucoeiras) duzia
Lenha em achas......cento
dem em toros...... >
Linhas e esteios......um
Lour s (pranchoes)......
Pao Brasil........kilog.
dem de jangada......nm
guiris ,........duzia
Vinhatico costadiobo de 25 a 30
raillimetros de grossura. um
dem pranchoes de dous costa-
dos at 50 millimetros de gros-
snra ......... <
dem taboado de menos de 25
millimetros de grossura duzia
Taboado divorso. .....
Tatajuba........kilog.
Travs......* urna
Varas para pescar.....duzia
dem para aguilhadas ...
dem para canoas.....urna
Cavernas de sua mira (era obra)
Eixos da cicupira para carro. par
Mslaco.........kilog.
Met deabelha.......
Milho...........
Ossos......,
Palha de carnauba.....moiboi
Pechurj........ kilog.
>
um
>
kilog.
>
duzia.

i
cento
kilog.
a
kilog,
>

937
675
52a
102
5*450
195
300
330
300
337
600
300
660
476
204
4-76
442
959
39
27
258
168
442
436
763
4*360
4*00
1*438
477
640
300
350
10*000
1*133
784
2*180
48OO0
24*000
12*000
16*000
12*000
136
681
92
272
3*000
320
1*090
613
681
545
2*180
170
1*703
60*000
360
1*500
5*000
95*000
3*000
12*000
6*000
10*000
103
5*000
6*000
16*000
20*000
1444000
96*000
33
6*000
2*400
6*000
1*000
3*500
16*000
SO
320
68
16
"SB
Perante a cmara munn-ipal desta cidade,
estarai em praga nos dias 18. 20 e 22 do corren-
para serem arrematados por quem maior preco
offerecer os alogneis dos tainos do a.cmigue p-
blico da Ribeira da fregneza de S. Jos, ns. 10,
11, 12 e 13. Os pretenaentes devero se habilitar
na forma da lei para poiierem licitar nos meamos
tainos.
Paco da cmara municipal do Recife, 15 de ju-
nho de 1870.
Bento Jos da Costa Jnior,
pro-presidente.
No impedimento do secretario
O oflflcial-maior,
Augusto Genuino de Figueiredo.

CWaNHa
DO
BEBEEIBE.
No dia 27 do corrente pelas 12 horas
do dia ter luga;- no escriptorio di compa-
nliia ra da Cabug n. 16, a arremitag
dos chafarizes e picas por bairros nao se
admittindo propalas que comprehendara
mais de um bairro enera por espac^raaior
de um anno. Sr. licilaiites podem concor-
rer coa seus fiadores ou declarado dos
mesmo? no mencionado dia, devendo ser as
propostas em carta fechada e apresentadas
na mesma occasi5o, ou antes no escriptorio,
onde melhor se podero informar das
condices do contracto d'arreraalacjio. De-
clara-se a inda quea venda d'agaa para o mar
ser exclusivamente feita, no bairro do
Recife, obrigados os Srs, arrematantes
fazer a terca parte de seus pagamentos em
sedulas miadas e cobre.
BAZES SOBRE ASVQUAES SE DEVE
LANCAR
Bairro do Recife
Chafarizes e bica do caes d'al-
lfandega \ .
Dito da ra da Cruz .> 17:155^
Dito da ra do Brm .
Dito e bica do Forte do Mattos
Bairro de Santo Antonio
Chafarizes do Largo d; Carato.}
Dito do Largo de Pedro II .
Dito do largo doParaizo .) 21:720,5
Dito da ra do Sol*" ....
Dito da ra da Concordia. ..
Bairro da Ba-Vista
Chafariz e bica do caes do Capi-
baribe.......
Dito da ra da Aurora. .
Dito da cidade nova de Santo
Amaro..... .
Dito do lugar do Campo Verde.]
Dito do largo da Soledade. ,1
Dito da Caixa d'Agua dos Pires.)
Dito da praca do C nde d'Eu,.|
Dito do ra de S. Goocallo J
Bairro de S. Jos
Chafariz flo lan-o da Ribeira i
Dito da ra de N. Senliora do i
Terco........[
Dito da entrada da Cabanga. 23:0005
Dito da roa Imperial .
Dito do largo de N. S. da Paz
dos Affogados ....
Passagein da Madalena
Chafariz do largo vivero 72^000
Dito da entre duas pon-
tes....... 2O05OOO
SANTA CASA DA MISERICORDIA DO
RECIFE.
A Illm.a. junta administrativa da Santa Casa de
Misericordia do Recife manda fazer publico que
na sala de suas sessoes, no da 23 de junbo, pelas
4 horas da tarde, tem de ser arrematadas a quero
mais vantagens offerecer, pelo tempo de um a tres
annos, as rendas dos predios em seguida declara-
dos :
ESTABELECIMEMTO &E CAPJDADE.
Ra do Padre Ploriano.
Casa terrea n. 63.......177*000
Idomn. 47........171*00D
Ra larga do Rosario.
3.'andar do sobrado n. 24. 242*000
1. alto do sobrado n. 24 A. 404*000
2. dito do sobrado n. 94 A. 400*000
3.dit do sobrado n. 24 A. 942*000
Ra de Santa Rita.
Casa terrean. 34........150*400
Ra das Calcadas.
Casa terrea n. 34. 179*000
Trawssa da S. Pedro.
Sobrado de 2 andares n. 2. 6025000
Ra de Santa Thereza.
Casa terrea n. 4.......145*000
Ra do Amorim.
Casa terrea n. 26.......301*000
Ra do Amparo (Olinda)
Casa terrea n. 29........ 140*000
O sitio do Forte na Veuda Grande. 16Jt)00
PATRIMONIO DOS ORPHOS.
Ra da Senzalla.
Sobrado de 2 andares n. 136 601*000
Ra da Cruz.
Sobrado de 2 andares n. 12 881*000
Largo do Paraso.
Io andar do sobrado n. 29. 252*000
Ra do Rangel.
Casa terrea n. 58........3 60*000
Ra de S. Goncalo.
Casa terrea n. 22...... 2163000
Ra do Amorim.
Casa terrea n. 24....... 84*000
Travessa th Madre de Den*.
Sobrado de um andar n. 11. 1:300*000
Ra da Cacimba.
Casa trra n. 12.......147*000
Ra dos Burgos.
Casa terrea n. 19......147*000
dem n. 21........150*000
Ra da Seuzalla Velha.
Casa terrea n. 17.......207*000
Rna da Guia.
Casa terrea n. 27......301*000
Ra do Pilar.
Casa terrea n. 01......204*000
dem, n. 89 ....... 243*000
Idem n. 2......... 77*000
dem n. 104.......200*000
dem n. 102........202*000
Idem n. 103........200*1X10
Casa terrea a. 110...... 204*000
Beccu das Boias.
Casa terrea n. 5.......420*000
Sitio da Mirueira n. 4...... 1073000
Os pretendentea de*erao apreseptar no acto da
arremataeao das suas flaneas ou comparecerem
acompanhados dos respectivos fiadores.
Secrataria da Santa Ca-a da Misericordia do Re-
cife. 20 do junho de 1870.
AVISOS MARTIMOS.
-----------------1--------------------
P*i Lisboa
Segu para o pprto cima indicado com a
vel brevidade a acuna portuguesa Ajzwa : para
o resjp da carga que ihe falta, trata-se cora os
consignatarios E R. Rabello de C, ra do Com-
memo n. 48.
C >ntraii-se com quera po,r menos fi-
zer a descara da brigantina norte-ailema,
Fides chegaw de Marvim com agua aberta.
composta dplOO caixa* com 5,403 ?rrobas
de assucar k 1,000 saceos com 5,000 ditas
de ditas de bordo do mesmo navio para
um armaiem alfandegado, arruotaco e
concervaclo no mesrao armazem, ceocerto
das caixas e saceos que soffrerem no de-
sembarque, e conduco da mesma carga ou
parte dlla para bordo do mesmo ou outro
qualquer navio.
Propostas em cartas fech das serao rece-
bidas hoje (?5i de junbo) al urna hora da
tarde no coniulado da Confederacao da A!-
lemanha do ^orte
16:6oo
Capunga
Chafariz da ra das Pernambucanas
Apipucoi. .
Chafariz desta localidade .
Monteiro
Chafariz desta localidade
Escriptorio da companhia do Beberibe,
O de junho de 1870. O se6retario,
Dr. Prxedes Gomes de Souza Pitonga.
2720
2000
180
1500
Arrematapao
Segnnda-feira 20 do corrente se arrematar
SautaCasa de Misericordia
do Recife.
-ia' eir.* vista.
A Iilma. junta ad ilustrativa da santa casa de
misericordia do Recife no intuito de alargar o cir-
culo das'pessoas que concorrem a arrematagao do
forpeciraento de pao e bolacha, que tem de eenso
rair o estabelecmentos pos seu cargo, manda
fazer publico que o mesmo fornecimento e da quan-
tia de 22:000* annualracnte, e que pago mensal-
mente com dinbeiro vista.
Recebe, portanto, propostas para o fornocimenio
indicado n> trimestre de julho seteuibro prxi-
mo, na sala de fiias jossofe, e pelas 3 horas da
tarde do dia 23 do corrente.
Secretaria da santa casa de misericordia do R;-
cife 13 de junho de 1870.
O escrivo,
______ Pedro Rodrigues de Souza.
Santa asa de Misericordia
do tfe.
5:!!ieirrt vusa.
A Illma. junta administrativa da santa casa d.:
misericordia do Recife, na sala de suas sessoes, do
da 23 do corrente, recebe propostas para o for-
necimento do assucar que liouverem de consun ir
os estabelecimentos desta c;dad seu cargo, no
trimestre de julho a setembro vindouro.
Santa casa da misericordia do Recife 20deju
nho de 1870.
O escrivo,
Pedro Rodrigues de Souza.
Santa Casa de Misericordia
do Recife
A Illma. junta administrativa da santa casa de
misericordia do Recife, na sala de suas sessoes, no
dia 23 do corrente, recebe propostas para o forne-
cimento de carnes verdes que houverem de con-
sumir os estabelecmentos pos seu cargo, nos
mezes de julho a setembro vindouro.
Santa casa de misericordia do Recife 20 de ju-
nho de 1870.
fi escrivo,
Pedro Rodrigues de Souza.
NO
PAViLHiO DES. ISABEL
COMPANHIA
EQLESTRE GIMNSTICA E AGOBRATIGA
SOB A DIRECgO
DK
D. Luis Casali.
EXTRAORDINARIA E VARIADA FNCCAO.
HOJE
Em regosjo da chegada dos voluntarios do
Ceer e Maranbao a este porto e por ser hoje a
inanguracjto da magnifica illuminacao qno assen-
tou-se no Campo das Princeas, a direecjio deste
circo resolveu dar urna variada funecao.
PROGRAMMA.
1. Urna linda symphonia derigida pelo maestro
Martins.
2. Volteio sobre o eavallito mosca, pelo artista
Juanin.
3." Pela priraera vez, o artista Vicente Casali
executac os saltos Mortaes.
4. Murillo, cavallo amestrado apresentado em
liberdade, pela signorita Anna.
5.a Um intermedio jocoso, pelos clons da compa-
nhia.
6.* A jardineira, pela menina Joaninha, sobre
um cavallo.
7.' O applauddo artista brasileiro Sr. Vicente
do Reg executar.
Iatervallo de 30 minutos.
8.* O pao voador, por Vicente.
9. O carnaval de Vneta por Luiz.
10. A barra lixa, pelos ajustas, Cesar, Aldabo e
Vieente.
H. Terminar com a aplaudida pantomina : O
Boticario da Aldeia.
Presos
Camarotes com 6 entradas........ 12#000
COMPVSfflA BUSilM
DE
Paquetes a vapor.
Dos portos do sul esperad*
a o dia 21 do corrente vapoi
&zeiiv do S>U, commandante J
Pl Guedes Alcoforado, o qual
desos da demora do costume se-
guir para os do noite.
Desde j recebeme passageiros e engaja-su ;
jarga que o vapor poer condnzir, a qual deven
ser'embarcada no diaide sua chegada. Encommen
das e dinheiro afrtente as dnas horas do dia di
Nao se recebem cont> encomraendas seno ob-
lectos de pequeo va'ofce que nao excedam a 5
arrobas de peso ou 8 palmos cbicos de medi-
can.
Todo que passar dstes limites dever se)
embarcado como carga.
Previne-se aos Srs. passapeiros que suas passa
eos sse recebem na ageacia rita da Cruz u. 8*
1- andar, escriptorio de Astouio Luiz de Oliveir;
Azevedo & C.
lln (ME DU S
Deve seguir dentro em poucos dias o patacho
nacional Bemfica por ter prompa a maior parte
de sua carga, e para a qna ainda pode receber,
tratase com Balthar, Oliveira & C, ra do Vi-
garic n. 1, primeiro andar.
COMPANHIA PEKNAMBUCAtNA
DE
Vavegado c-sies*a pi>' vapor.
Porto de Gallinbas, Rio Forutoso e
Tamanrlar.
O vapor Parahyba, seguir para os portos aci
ma no dia 20 do corrente mola noite. Recebe
carga, encommeudas, passageiros e dinheiro a fre
te no escriptorio da Vori" do watt s n. 12.
COMPANHIA PEKNAMBCANA
DE
Navegagdo costeira por vapor
Macei em direitura e Penedo.
O vap.ir Giquic, commandante Costa, segui-
r para os portos cima nu di.i 22 do corrente.
s 4 horas da tarde. Recebe carga at o dia 21
encommendas, passageiros e dinheiro a fnte
at s 2 horas da tarde do dia da sabida, i:0 es-
criptorio do Forte do Mattos n. 12.
COMPANHIA PKANAMCANA
DE
Navegacdo costeira por vapor,
Goiar.ii.t.
O vaprr ParcJi;;:. : chaira para -
pono aclrna no di 2K do corrent-.
a as 9 horas da noite.
R cebe carga, encommendas, passageiros e di-
aheiro a frete no escriptorio di Forte do Matto?
a. 12._________________________________

Pretende seguir com a possivel brevidade o pa-
tacho portuguez Jos, por ter a maior parte da
carga prumpta, e para a pouca que Ihe falta, a
frete commodo, trata-se com o con-ignalaro loa-
qnim Jo-^ Gom;alves Beltrio, ra do Commcr-
cio n. 17.
Rio de Janeiro
Segu cora brevidade o patacho nacional Esfro-
ga, tem parle do seu enrregamento engajado ; para
o resto que Ihe falta trata s com os consignata-
rios Antonio Luiz ?. Obveira Arevedo & C, ra
da Croz n. 87, 1 andar.
COMPANHIA BRASILEIRA
DE
Paquetes a vapor.
Dos portos do norte esperado
at o dia 30do corrmte o vapor
Annos, commscdante Guilberme
Waddengtor, o qual depois da
demora do costume seguir pa-
ra os portos do sul.
Desde j recebern-se passageiros e engaja-sa i
:arga que o vapor odor conduzir, a auai deven
ser embarcada no dia do suachepaa. Encommen-
las e dinheiro a frote at as oras do dia da su
abida.
Nao se recebem como encommendas senlo ob
lelo de pequeo valor e que nao excedam a dnas
irrobasde peso ou 8 palmos cbicos de medicao
ludo que passar destes limites dever ser embar
ado como carga.
Previne-sc ao3 senhores passageiros que stias
passagens s se recebera na ageacia, ra da Cruz
n. 57, Io andar, escriptorio de Antonio Luiz de
Oliveira Azevedo 4 C.
PARA
!
O brigue portuguez Aprigio sahir brevemente ;
para o resto da carga tratase com Pereira Vian-
oa t C, ma do Vgario n. 11, 10 andar.
Boa compra.
Vende-sa o patacho nacional Palma, de lotacao
Ide 10,000 arrobas de carne, cujo navio se acha em
perfeito estado, e appirelhado para emprehender
qualquer viagem; o qual ebegou ltimamente do
Rio Grande do Sul com carregaraento de carne, e
se aeha fondeado em frente ao caes de 22 de No-
vembro : os preteodentes podem all ir ve lo, e
tratar com Jos Victorino de Rezende A C, a ra
da Caieia n. Si, escriptorio.
-*-----------*
Uma mobjlis d Jacaranda; com 1 sof, 4 conso-
K 4 cadeiras de bracos, 2 de balando, e 17 de
guarnicao, 2 candieiros a gaz, 4 figuras de loo-
ca, 1 cama franceza de Jacaranda (nova) 1 piano
de armario, 1 candieiro a gaz, 3 castigues e man-
gas, 4 garrafas de chrystal para vintto, 5 duzias
de garrafas cam vinbo B rdeaux. I rico espelho
oval, f dito com moldura e columnas de Jacaran-
da. 12 cadeiras de faia, 2 mesas de jugo, 3 ditas
redondas, 1 gurda-loiica, 2 apparadores, 1 sof.
1 mesa, 2con.-olos, 12 cadeiras de Jacaranda, i
mobilia de palba, raeia pessa de tapete novo, gar-
ios, faca?, comeres, vinhos e rouitos outros c%-
JMios.
HOJE.
No sobrad da rna do Jdondego o. 101, s 10
1|2 koram em posto.
Oonde haver em eootiouocio lelao de tapetes,
lustres, carros, bombas e outros objaetos.
ro, 2 ditos de prata, |anternas. jarros, calaagxs
para inteilfiff mosa, 1 canm pira ir.fnino, lata-
i 'i'itM, 2 cabides, rtandieirn a pat h inii.s nniras
't/eclu ij'ii- esiario pre-niiies uu da do lelao.
Quiuta-feira 23 d correiie.
Augusto Seixas competentemente autorisado
fai leilo era seu armazem a rna do Impantor
n. 16, u 11 horas do dit por ntervencio do
agente Puntual, sem reserva de precos.
Partida de mnibus para o kilao da ra
do Mondego casa n. 101.
Terca-Ieira 21 do corrente, as 10 horas em pon-
to parte da roa do Crespo o primeiro mnibus
com os Concurrentes ao kilao.
As 11 horas parte da praea do Corno Santo o
segundo mnibus, sendo que a passagem gratis
para os concurrente".
LEIUO
De 71 voluntes difTerentes obras novas em
ingiez constando de 15 voluntes United
States, Tbe Statutus at Large, by autlw-
rity of CoDgress, 26 voluraes United Sta
tes digest, e muuos outro voluntes de
differenles obras.
HOJE
Por intervencao do agente Pinto no sobrado da
ra do Mondego n. 101.___________________
"1LEUAO
Da fabrica de cigarros sita a travessa de
S. Pedro n. I.
O agente Pontual competentemente autorisado
vender em leilo a armaco, ntencilios. papel de
seda, sigarros, pnuteiras, cachimbos, fozi e
phosphoros seguranca, pertencentes a fabrica de
sigarros cima n'um lote un era diversos a von-
tade dos licitantes.
HOJE
Na mesma fabrica dever ter lugar o leilo as
U horas.
LEILO
De movis, carros, lustros, tapetes e ou-
tros objectos (em continuacio ao do da
7 do corrente no sobrado da rna do
Monrlego n. 101, casa em que residi o
Sr. P. F. Needhan.)
Constando de
Um grand; e rico lus:re de bronze com 6 glo-
bos, 1 alcatifa, forro da sala da frente, 6 lancas e
Unos cortinados, 1 ito de damasco, tapete e es-
teiras, forros das salas e gabinetes, candieiros de
gaz com 1, 2, 3 e 4 lucos, arandelas, venezianas,
langas, entinados, tapetes deescada com os com-
petentes forros de la ti i, 2 boas estantes para li-
vros,2 camas da ferro, 1 raarqueza, 1 cabide, 1
prauleira, 1 magnifico Tigo de ferro americano
e 1 labelo g.aade de c:o, 1 carro dug-cart, 1
dita de i rodas cobert i para 2 e 4 pes.-uas, ar-
reos, 2 sudes e 4 rodas para carro, 1 bomba de
repucho, t dita de regar, 1 casa para pombos, e
muitos outros objectos.
Diferentes qttalidades de vinhos engarrafados.
HOJE.
Ter^a-ffeira 34 *e jesnlto as 11
horas,
Nao tendo sidopo-sivel expr no leilo do da 7
do corrente toaos oa objectos constantes do cata-
logo em c nsequencia de serem muitos os lotes,
deve ter lugar no dia terca-feira 21 d-i corrente a
continuacao do mesmo leio coustando dos ob-
jectos cima descriptos.
Os concorrentes ao referid leiiao encontrarao
na praca do cominero*.> ommbu< pira lianspor-
ta-los (gratis) ao Mondego, devendo partir d all
as 11 horas cm |u:iio Jo da cana dito.
de um carro americano de 4 rodas com cober-
ta e assentos para 2 e 4 pe3soas, lancas, varaes,
lanternas e chicle, arreios para dous cavados,
o qtial tr^ba'ha com um cavallo. tendo arreios
para o mesmo e podendo tirarse a coberta.
Hoje.
Terca-feira 21 de junho 1 hora em ponto
por intervengo do a-ente Pinto, na ra do Mon-
dego sitio n. 101
No Cabo.
Por despacho do lllm. Sr. Dr. juiz municipal e
do commercio da villa do Cabo requerimento
do curador fiscal da massa fallida de Severino
Jos dos Santo? Aguiar, foi designado o dia terca-
feira 21 do corrente, s 10 horas da manha, para
na cata do niesnu estabejecimento, se proceder
em praca publica venda dos, gneros e mais
objectos e pertences de padaria que fazem pane
da mesma massa, e sero entregues pelo maior
prego. Cnvida-se os pretendentes para e.;sa pra-
ea, podendo rea ver a avaliacao no cartorio i
S?crvai Santa Anna
De 1 gigos capn loii^a ordina-
ria avariatia.
HOJi^.
O agente Pestaa far leilo de 16 gigos com
louca avariada d'agua salgada vindas pelo pata-
cho inglsz Mtirtha, as quaes serao vendidas por
ordem do capitao e por conta e risco de quem
pertencer em lotes a vontade dos compradores :
terci-feira 21 do corrente as 11 horas da ma-
nbaa no largo da escadinha da alfandetta.
De urna cai&a marca v S & C a.
cosu pertcaces para se-
lelro.
Quarta feira 22 do corrente.
O agente Pestaa far leiliio por conta e risco
de quem pertencer e para fechar contas de urna
caixa com a marca e numero cima com cabe-
cadas rolicas e simples, loros, rabichos, a qual
ser vendida em lotes na quarta-feira 22 do cor-
rente as 11 horas da raanhaa no largo do Corpo
Santo n. 9.
De 15 barr de 5o com violto chery e 5 di-
tos dito com dito do Porto.
Quarta-fevra 22 do corrente.
O agei/te Pestaa far leilo por ecuta e risco
de quem perleneer de 15 barrisde 5 cora vi nitro
ebery e 6 ditos com dito do Porto, os quaes serao
vendidos em um on mais lotes a vontade dos
compradores : quarta-feira 22 do corrente as 11
horas da manbaa no-trapiche barao doXivraaato-
to no Porte do lutos.
Pretende sabir em poucos dias com a
carga que ti ver a barca portuguez* Social,
por isse quem desejar aproveiur frete com-
modo, dinja-se ao consignatario Joaqpim
Jas Goncalves Beltro, ra do Commer-
c a. 17, assim como recebe passageiros,
pira os quaes tem bons conuaodos.
LEILO
De movis, loneas e crysttes.
Urna mobilia de Jacaranda composta de 19 ca-
deiras de guarnicao, 4 de bracos 2 consolos, 1
mesa redonda com pedra e 1 sof, 1 piano de ar-
mario, 1 mobilia de raogno, 1 guarda vestidos de
amarello, 1 santuario, lgnarda louca, 1 mobilia
de amarello, 2 machina-: de costura, 1 cama fran-
*eu de amarello, 1 mesa redonda de Jacaranda
com pedra, 1 oommoda de Jacaranda, diversas ca-
deiras de amarello propria para sala de jamar, 2
nrarquezas, 1 inarqnezo, 2 pares de consolos, '2
bancas de Jacaranda, di versas cadeiras de jaca-
randa, 1 cama, 1 fogao de ferro, mesas para co-
sinna, diversas obras de ouroj nm relogio de ou-
lelTo
Da armaco e gneros existentes na taber-
na do largo da Casa Forte n. 6.
O agente Puntual vender em leilo por man-
dado do Illm.Sr. Dr. juiz municipal da primeira-
vara a re juerimento do Maooel da Costa Perrei-
ra, a armaeSo e gneros existentes on taberna,
cima.
Quarta-feira 22 do corrente.
Na mesma taberna a< 10 horas.
De Importantes dividas na Im-
portancia de 3 3 2:45 I SlOS
O agente Martin competentemente antorisado
far leilo das imprtanles dividas abaixo desenp-
tas no valor de 2t2V47t j.40d pertencentes ao ca
sal de Caetano Pereira Goncalves da Cunea cons-
tando quasi todas de notas promissorias e du..s
em execncao a saber : Antonio Crrela de Noro-
nha Bravo 2:620^, henlerros de Pedro Cavaleanti
de Albuquerque Lias 2.1G03. Jos Justino Per-
nandes de Souza e Jos J )qoim de Almeda Gue-
des l:#13iS(iO, Juo Victorino llersche Tti,
Elias Coelho Cintra l:2d7750, 'Joaquim JBanwi
Carneiro da Cunta 3(>.j'ri't:; Joaquim Francisco
Cavaleanti 88i0i0, padi Francisco Vjirigues
Machado l:080800, Joo Baptista Paes Barrete
70o, Jos Joaquim dos Santos 3:925^234, Fran-
cisco Caetano Profiri 2:27732o, Antonio Rufino'
de Aranjo Cavaleanti 2^34*. herdeiros de Joo
da Hocha Carval 66S*, Gaspar de Albuquerqce
Maranhao 1:179530, lierdeirus de Joo Lii>* Ca-
valeanti de Albuquerque 3;H0O5.i'IO, 'erdeiros de
Luiz Antonio Pereira Chacen 60I300, Joao la-
nuario Durao 3:8875277. Manoel Antonio Conu-
nho 2:302'3290, Antonio Burses da Fonseca 108.
herdeiros de Joo liaptista da Silva 13:899X493,
herdeiros de Antonio Alves Suares 2;0O985>. di
tos de Sebastian Antonio de Mello Reg 7:8(J4A925,
herdeiros de Ignacio Paulino da Cunha 56:846*,
Dr. Ftlix Peixolo de Brito 200. Jeaquiui Jos
Bello 4:8673520, Manoel Francisco do Monte
3:332*476, Tbiago Dellhi. Duru 1:8395592, Di-
oiz Jos Herculanu e Jos Carlos de Mendoaca
57:111*556, accao contra a menor Paulina ttlha,
de Manoel Malhias de Freilas e outros 7:883*784,
eX'-ruefio de hypotheca em um eugeoho e mais
bens Je Jos de Barrus Campello 22:000*. urna
apolce do extinct i banco d j (to de Janeiro .
1:000*, brigadeiro Antonio Borges Leal 82M,
Thomaz dotSlOHH Estima Lessa 1:849*490.
Quarta-feira 22 do corrente.
As dividas cima serao vendidas em nm ou
ma s leles no escriptorio do dito agento a rna da
Cndeia do Itecife n. !), as II horas tulo* node.j ser examieadi pelos preteodtntes
cm mo do memo agente que dir em que car-
torio existe o autos das qnst9es em juizo.
LEILilO
Da casa com solea e solio sila a ra do
Rangel n. 16, em solo fereiro (f>aa 2$
anouaes) a Santa Cnsa de M.--riirdia(te
Loanda.
A 25 do cnrren'ic
Por despacho do lllm. Sr. Dr. juiz do rootraa*-
cio, a requerimento dns administradores da mas-
sa fallida de Slqueira & ^-re.ira, o agente Olive*-
ra far leilo do predio supra outr'ora pertoiicen-
te a vinva e herdeiros do Dr. Ignacio Nery da
Fonseca. e adjudicado a referida massa pela
quantia de 6:i00
SAB3ADO
ao meio da em ponto, em sen escriptorio ara
da Cruz n. 53, Io an ir, onde os pretendentes
achare a chavo para procederem a previo exa-
me da mencionada casa.
i\, j
IVERSOSJ
i
XSTITUTOAliCilELKlICO E GEOGRAPCO
Haver sessoordinariaqumia-feira 2 do
corrate pelas II horas da msaha.
OUDKM DO DIA
Parocnres e mais trabamos de com-
misses;
Discissao do orcamtilo que t^ra de
gorar no anno social de 187071.
Secretaria o Instituto, 20 de junho
1870.
Jos Soarcs d'Azevedo.
Secret.rio perpetuo.
VI-
de

Hl
Ul:
o
i
O DrvCarulino Francisco de Lima San-
tos mudou sua residencia e con-ultorio
para a rna do Imperador n. 57, 2 andar
& do sobrado cu;o armazem conserva ain-
da hjje o nome de Alianca, tendo a
entrada, que pelo lado da ponte Seta
de Setembro, o mesmo numero 57, da
frente. Ahi continuando o dito Dr. no
exercicio de sua proAssa) de medico e
de operador, pode*ser procurado a qual-
quer hora do dia e da o: ute.
ttHMt&ST'
TRILHOS URBANOS
DO
Recife Apipncos.
Hoje depois do baile dado aos v lun-
tarios do Maranhao partir um treai do Re-
cife a Apipucos, tocaado em todos os pon-
tos.
Escriptorio da coapanhia, 20 de ianho
de 1870.
W. Bawlinson,
_________________Gerente.
- Perdeu-.se da ra Nova do Crespo,
e desta a S. Armro ama cassoietu deouro
oval, sobre urna das faces tem asa circulo
de pedras azues, sobre este um f com es-
ma te preto, com ama perol no centro.
Tem alguns cabellos dentro e eslava, la-
ada em urna fila preta da viludo.
Quem a achou pode entregar aa roa do
Crespo loja, do Moa. Falqie, n. 4._______
Jacaranda
Vandemse 44 toros de Jacaranda, de mnto boa
qualidade, viudos pelo brigue Confiamoa : para,
ver, no trapiche do Angelo, e trattr na rea Direita,
n. 31, armazem^
AMENDOaS
conleitadas il(i libra, pipis para sortea al*
eenn : na. eonfeitaria das ananazos.
-.
^



Diario de Pemambut *~ Terga fefea 21' de Junho de 1870
0 Sr. Manoel De-Giovanni queira
mandar esta typographia pagar o impor-
te de publicares de annuncios de espect-
culos, em somma superior cento e cin
coenta mil reis.

GRANDES NOVEDADES
NA
LOJA DO TRIMPHO
PARA SENHORAS. Ricas poupelioas de padrdes lindsimos,' e gosto nevo.
Cambraias braa.-as bordadas para vestidos. Poil d'chevre de lindos padrees por
barato preco de 580 rs. o covado.
Grande sortimento de lias e alpacas de 320 rs. a 10500 o covado.
Saias bordadas, ditas lisas j feitas com barra de cor.
PAR* MENINAS. Ricos vestidinbos de fusto enfeitados brancos e de cor.
Vestuarios de fustao para meninos.
PARA HOMENS. Camisas inglezas e francesas, de Kobo bordadas e de pregas,
com collarinho sem elle, ditas bordadas para noivas. Chapeos de sol de cabo de
narfim e fie canna etc,, te., lavas de Jouvin para senhoras.
Grande sor'i'oeot i de cortinados para camas e janellas. Groxes para sola e ca-
Oi'ras de braco e gurnelo. Tapetes para sof e cama, para pianos e portas.
Colxas de O nico e especial sortimentosdas verdadeiras ESTEIRAS0A INDIA, s existe na
Loja do Triumpho.
Rua Duque *> Caxias n. 7.
PHARMACIA CEHTB^L
co

Se
I COLIAR n OUBQ
i N. 3 i NA M CANGA N. 3
UNIfflMI II
O
i
3
co
>
Gwm-este titido aeha-se aberto integramente transformado este antigo
estabeteciracnto de joias, onde os freguezes e amigos encontraran todo quanto
a moda e^e bom gosto tem inventado na arte de onri vesana, o Collar de (Juro
observar -delicadeza no trato e senciridade e modecidade nos precos.
Espera que o respeitavel pnblico venha ver o que existo de melbor em
aderaos de brilhantes, esmeraldas, robins e perolas, meios aderecos. poJ-
ceiras, trineos, alfinetes e anneis de todas as qualidades, prata de lei faquoi-
ros. collreres, patiteires salvas e outros mHitos objectos ^que seria enfadonbo
mencionar.
Compra-so mro, prata, brilbantes e pedras finas, pormaior preco do
que em otra qoslquer pane, trecs-se e oencerU-se todo e qualquer objecto
pertencente a esta arte.
J. Eei reir Villela,
PIIOTOGRAPIII 1HPER1AL
18----RUA DO CABUG18
A entrara pelopako da matriz.
Os trbalhos d.reediicaca9|esta photographia,
o que se prolongaran por tantc lempo, aroam-M
felizmente terminados e ella alerta ao servido do
publico desde 7 de abril passadi.
G predio em que est collociia esta phologra- j
pbia acha-se muito augmentado, so a parte desti-
nada ao estabeleci ment cnta ebeo salas, inclu-
sive as ao laboratorio. Todos oi concertos e aug-
menioa tendo sido fetos exprejsamente para se
montar convenientemente a phobgraphia, nao se
podendo melbor modelo eseolher do que a Photo-
grafiia Imperial do Sr. tosley lacheco do Bio de
Janeiro, o primeiro phfltographoflo Brasil, e um dos
pnroeiros do mundo, segundo opinio dos mais
abalisados mestres, a no-sa pfcdographia acha-se
dlspost e reeducada peto metal) plano da do Sr.
1. Pacheco, a qual fui montada sob todas as regras
recommendadas pelos mais esllpctos professores
de accordo com as modificaefite necessarias ao
cttna do Brasil, reconhecidas e exudadas pelo lia-
toHssimo e pratieo Sr. I. Pacheco.
Todo o interior do predio em ine est notsa
pbotograpfaia fui mudado desde a sdeira da.porta da
rua at a coberta, ten Jo-se demolito todas as pa-
redes interiores para se fazerem \s novas salas,
ediflcaodO'se um novo terraeo eavidracado mui
espacoso e elegante.
Como sabido, flzeoios urna via$em expressa-
mente- curte para exaioinarraos as nalhores pho-
lographias all, e foi a do Sr. I. Pacheco, a que
methor corresponden aos nossos desejose aspira
efics, e da qual trouxemos os planos depois de
all estarmos todo um mez estudndo apro-
veitando as licSes de to distincto aiestre. Peo-
samos qne juntando os nossos erados e longa
pralica de la anuos de pt.otograp'ita s utilissimas
tildes ultiman ente recebidas Sr. Pacheco,
tendo montado a nossa photq?raphia como se
aeha, podemos offerecer ao Ilustrado publico
d;esta cidade e aos nossos numerosos freguezes
trbalhos de phofographia tai perfeitos, como so
poden desejar, e disto convencidos, esperamos
que -conliuuem a dispensar-fos a mesma pro
tec^ao com qae ha 15 anuos nos tem honrado e
ajudado._______________
Atten^o.
Ainda se continua foroecer commedorias
para fora com asseio e prjmptid3o, man-
dando-se levar a casa dos assignantes que
nao tiver portador: rua estreita do Rosa-
rio n. 35, Io andar qasa particular de fa-
milia._____________
Preci>a-se alugar um escravo que seja co-
peiro, esperto, e qae entenda di comprar: no
caes de Santo Amaro n 42, ou na agencia geral n.
21, prnca do Corpo S?nto,
Rua do Imperador n. &
Xarope de lactacario d'Auberg' r> e ,je
ihery decio d'Abbadie recoir jmeodados,
como calmantes para os casos t em que se
n3o pode usar do opio e de jeas prepara
dos, e mui convenientes p."^ as criancas
nos espasmos econvulsBr^
mmmmit fMmmm
pharmagia centr/.lrua do impera-
nop N. 38.
Preparados d'ai^uao em capsulas, licor,
e xarope ferrug^oso.
&
O
B
o HWtO.
Ls-cullente alcatifa com 4 palmos de largura pelo baratissfmo prero de 8tM CO
"..apeos de tMer brancos e pretos a 05000.
j fra!Vr.a, cores ixas < bonitos paMe .1 300 rs. o metro
Caries rie cassa:'. de cores eum 7 e 8 vara* a :300
?1
O
CO
W Loja- de Antonio de Moura Eolim & C.
Atten$i9
Na padavia '> paleo da Santa Cruz n. I, preei- I
ea-M lugtr imi mule^ue para todo terviea da1
foi ,:i tiver dinja-se a oosuia.
Srmandade aeademiea
DF,
mesma
Precisa-*- dAcmt ama : i>a Iravessa da on-
cordia, sobrada a. 1:1
Ama
Na rua d Oneordia. tabenu: n. t*, se dir
Huei precian (Hvcma ana, pa^a--e be:n.
Pr-scisa-se di urna ama par.i coxiobar, mr
o engommar p.i' easa de familia : na rua da Flo-
rentina, padaria n. 2.
Precisa-m) ii mu tnoleque de 10 a 12 annos,
forro nu eautfvo : jiiem 'iver dirija-se rua das
Crme n. ii.^f andar.
3o h'i-|i :.ili ^dro II, na tercejra eoferntarfa,
t'xiste um doeate <]tie precia falar a negoeinem
daate Antonio {Leocadio Paes Barreto e sua nw-
IberD. [gnez aria de MeH.
Vndese a padarla da rua do Guia n. *,'
par seu dono qoerer retirar-se por se ac.har doeote. de sua pozada mi Folicia'da Assurapcjio Pereira
< Prente Guimares, mandam celebrar na qnarta-
N".. S. do Bom (Jonselho.
De ordem de naaso irmao jniz convida a mesa
administrativa desta curporaco runir-?e no dia
2! do corrente, as 11 112 horas da manhaa, em
convento de Santo Antonio, para tratar-ge de nego-
cios relativos mesma irmandade.
Consistorio a irmandade acadmica aos 20 de
JKiiho de 1870.
O secretario,
____________ Camillo Correa Dan'as.
fJfltfflaffMrft'
Jw.o Ferreira Pinto Guimares e suairma Ma-
ra do Espirito Santo Guimares Bastos, eonvidam
aos seus prenles e pessoas de sua amizade para
oaviKoi alpimas mi-sas, (|ue pelo repouso elernu
Al;iga M casi n. 8 da ca:> do Jasnnm
tratar na rua da arara n. "iO. ^i'hrado.
reir 22 do correte, pela 6 1|2 horas da manhaa,
na igreja ina riz da S. Jos, anniversari) do seu
pas smenlo.
Paul Chauvip..
Meehanico conhecido a 10 annos nesta cidade,
partecipa ao publico que tendo dissolvido amiga-
velmente a sociedade que tinha com o sen cumia-
do Carlos l'lnyn etntina a se achar a sua dis-
posico para o qu diz respeito a abertura de
burras, machinas de costuras, armas, feehaduras.
collocacao de campanhinbas e lodo (|ualquer con-
cert : praca do Conde d'Ei d. 2i, outr'ora da
Boa Vista.______________________________
Aos 20:000^000.
Bilhetes do Rio venda : rua do Casogt n. 5.
vende Vieira Rodrigues.
Urna eng^mmadeira
Preci?a-se de urna eegommadeira : na rua da
Cadeia n. 4.
Agencia de leiloes
Rua do Imperador n. 16
Neste armazem recebe-se para serem vendidos
em leilo, ou em particular, por coma de seus do-
nos : movis usailos, l.mca e ciiristal, ou cutro
qualquer objecto Ue prompta venda ; a?*im como
tambem compra-se trastes usados.
Faz-se qualquer negocio com a loja n 42, cita
rua da caieia da Re:if'', propria para armazem
de grofo trato, por se achar em dos aminores lo-
caes : tratar ni mesma.
Precisa-se de urna ama para todo servleo
de duas pessoas : na rua do Duque de Caxias en
trada pelo becco do Ouvidor n. 22, 2o andar.
Milita attenpo
Vende-se ou permuta se por casas, nesta cida-
de o sitio n. 5 na rua de Joo Fernandos Vieira,
perto da soledade, com casa de vivenda para
grande familia, cacimba com boa agua, tanque
para banho, muitas fruteiras de diversas qualida-
des, cento e tantos ps de coqueiros. muitas bai-
xas com capim e trras para pLntacoes, um gran-
de viwiro com muo peixe, e muitos mangues
para lenha etc. : para ver e trataf os pretenden-
es dirijam-se ao mesmo sitio.
AVISO
Ao Sr. Dr. Galran pode interejsar-Ihe o compa-
recer na rua larga do Rosario n. 44.
Predat-se de urna ama para servio do nmal
pequea familia : na ra da hnperalgss n. 9, loja.
Na rua do fiMidego n. 18, raha da houiem
olteiro, precisa-se de tina ama que entenda cmu
perfeicao do servico de cozinha ; agradanJo pa-
.#ar-se-ha nHiito be.
Na estrada do Manjrninho, casa n. t ainda se
/precisa de mus 0111a que *ej* boa aRuwmadeira,
ontra para servieo domestico e algam ensaboa-
do, paga-se l.-*in alnsueL
Hoje 21 di: crreme haver sessao do airec-
torio parocliial o partido libera! da freguezia da
>ato Antonio, na casa e hora do costme..
ATTENCAfl
99
O padre provincial da ordemarmelita desta ci
dade previne a quem conta o uapmento de foros dos terrenos perten-
centes me-na orilew, jjue nao foi effectuado
vita de recibo por elle esiripto e asignado. Be-
cife 20dojuiiiio d 1870.
Pe. Erico do Sant'Anna Kigueira.
Fabrica d^ eerveja da rua
da Florentina n. 20.
AO PUBLICO.
Constando a Cbair & (iissier, socios e prearieta-
nos da (L'MCA) fariea de cerveja que existe na
roada Florentina, que nina pessoa tem espafaado
o boato qne en coomanditario da dita fatirica,
qaerendo tal vez dessa maneira realcar seu crdito
ommercial, os abaix assignados farem i presen-
te declara?)i para fazar sciente ao publico de Pr-
xumbuco, que nao devera nada a em pe*soa oem
a ontra qualquer ; poraj se a dita pesoa se jul-
gar com alfom direito a ?er credora da dita fa-
brica, lenha ella a biodade de arnunoiw por esse
jornal, que etes Ihe provaiio que suas asercoes
sao lab falsas (uiaata mentirosas.
Char 4 Gassier.
Jlo Xavier Rtbeiro de Andrade manda
torar urna missa por alma de seu pai, no dia .23 dt
rorrete, trigsima do seu passamento, (na corte
*3 imperio).; para eujo acto de caridade e religiao
caovida aos prenles, e amigos do mesmo cotn-
parecerem na matrie do torp Santo as 7 horas da
mMttiaa.____________________
1*. F.ibeiina Xavier. Ferra^!inpo!^esuawmi-
lia muito .igradecem atodas as pessoas da alta-
da de .Mj tinado m.indo -Francisco J. de Mlicas
provas de amigad?, assislindo ao seu enterro e
aeomoaaaando ao comiterio publico desta cidade ;
e de novo convida a todas os amig s do mesmo fi-
nado para assistirm a missa do elimo dia, a quin-
tera lugar sexta-Xeira na ordem terceira de S.
Francisco, pelas 7 horas Ja manhaa, pelo que se-'
ti') eto.ruamente gratos._________
ATTEMO
Grande sortivento de sortespara as noites de S.
Joao e S. Padro, bein camo um lindo e varisdo
ortimeato de legos de todas as qualidades, de pa-
p is para sortes, ludo por menos do que era butra
qualquer parte. Reeebe-se encommendas de sor-
tes, conforme o gosto do comprador : na roa da
Imperatriz n. 44.
COMTRAFOGO.
a Compaohia Indemnisadora, estabetecid
esta pra?a, toma seguros martimos sobre
navios e seus carregamentos e contra fogt
em edificios, mercaduras e mobilias: j
roa do Vigarion. 4, pavimento ter eo.
4-
Precisa-se de urna ama ae ineia idade para
comprar e cozinhar p^ra ires pessoas : na rua
das Flores n. .37.
Feitor e trabalhador
Precisa se de nm feitor ou trabalhador para
um sitio, prelerese estrangeiro : quem quizer di-
rija-se a rua do Imperador n. 15 defronte de S.
Francisco, nos dias uieis das 9 horas da manhaa
at as 4 da tarde, ou ao mesmo sitio que no
Arraial casa amarella, das 5 horas em diaute us
das nleip, e nos dias santificados, a qualquer
Aora
ENTRAL RA'DO IM
DOR If. 3a
Molas de Vallet.
Pilnlas de Blancard.
Pilulas de Bland.
Xarope furraginoso de Blancard.
Goofeites de lactato de ferro.
Pilulas de carbonato de ferro, laclado de
ferro, iodureto de ferro com magnezia.
Ferro de Quevenne.
Assucar ferruginoso.
PHARMACIA CENTRAL RUA DO IMPERA-
DOR N. 38.
Vinbo e xarope de pepsina e ,diarlhare,
excellente tnico para auxiliar as digesloes
dificeis nos casos de debilidade do esto-
mago
PHARMACIA CENTRAL RUA DO IMPERA-
DOR N. 38.
Agua hemosthalica de Lechelle, mui re-
commendada em qualquer caso de hemor-
rbagia, e principalmente na thysica pulmo-
nar, e as hemorrhagias uterinas.
PHARMACIA DENTRAL RUA DO IMPERA-
DOR N. 38.
Xarope de rbano iodado escolente com-
binado do iodo com o sueco de plantas
anti-scorbuticas.
Este xarope empregado com grande
soccorro contra as molestias da pelle, os
engorgitamentos escrofulosos, o racbitismo-
cachloroso.
0 vinho iodado de joly, e oleo iodado de
Personne, sao recommendados para os mes-
mos casos, e encontr^m-se nesta pharma-
cia.
PHARMACIA CENTRAL RUA DO IMPERA-
DOR N. 38.
Variado sortimento de chocolate de ban-
nilha, salepo araruta, ferro, e de sade, da
acreditada ollicina de Menir.
Sabonetes d'alcatro, d'acido pbenico, en-
xofre e camphora recommendados para as
molestias de pel'. como sarna, panos, em-
pingens etc., sendo o ultimo de muita ulili-
dade para o tizo do toiiette, por preservar
a pelle de ser manchada das maculas, que
cusLumain accomettel-a.
PHARMACIA CENTRAL RUA DO IMPERA-
DOR N. 38.
Os melhores vermfugos para criancas,
Pastilbas de sanctonina.
Di:as de Kemp.
Oleo vernifugg.
Tudo de melbor qualid de.
PHARMACIA CENTRAL RUA Du IMPERA-
DOR N. 3S.
Variadissimo sortimento de fundas de
excellentequalidade.
PIIAHMACIA CENTRAL KUA DO IMPERADO
N. 38.
Pasiilhas de balsamo de tol e de eiva
de pinho maritimo, para a: affecces chro-
nicas dos pulmoes.
Pastilbas de therydocio e louro cerejo
para as tosses agudas, e de carcter nervo-
so, e para os vmitos durante o periodo da
gravidez, e qualquer affecejio nervosa.
Pastilhas de bypopbospheto de cal mui
uteis na thysica pulmonar.
Pasiilhas de angico naf, e de Regnault,
de hortela, pimenta, e de Viccley, de pe-
cacuanha e de Rermes.
PHARMACIA CENTRAL RUA DO IMPERA-
DOR N. 38.
Cha purgativo de Chambard, tfxcellente
laxativo, e refigerante, que se pode usar
repetidas vezes sem irritar os intestinos.
" FARMACIA CENTRAL
Rna do Imperador n. 3.
Lamplougbs Pyretic Saline.
A preparation of well known ntelity to the En-
glisb Faclty, as a cooling and refresbing beverage
in all cases of fever. The frequenl use'of this sa
line preserves foreigners from many diseases to
which they are leable before becoming acclima-
lised. May be obtained at ihe Pharmacea Central,
jua do Imperador n. 38.
Para Santo Antonio, S. Joao
e 9. Pedro
Na roa eslreila df Rosario n. 35 preparam-se
bolos de encommendas, proprios destes das, sen-
do encommendados dous dias antes, e tambem en-
feilam-se, ludo por preco commodo. Na mesma
lem sempre um grande sortimento de beuquets de
cera de differentes qualidades, e qne se vende
tambem por preco commodo.
AVISO
m dos pretos conductores de fazendas
dos armazens para as ojas, conduzio na
ejeta-feira passada do armazem n. 56 da
roa da Cruz para a Iqja dos Srs. S Amo-
rim e C. na rua do Livrameota, 5 pessas
de ganga amarella, as quaes nao forana en-
tregues aos referidos Srs. : roga-se a quero
quer que possa dr algoma mformaco a
respeito, a se dirigir ao esmn armrzem
Amt
Precisa-se de ama ama : na ras do Queinudo
B. 12. I* andar
Negoeja-sfi a luja de cal^adi/da rua Direila
b. 31 : a iratar na mesma.
nrnemataco Jndiclal
So dia 25 do correte mez, Anda a audiencia
do Sr. Dr.. pfovadr dos reiiduo, arremata-se por
venda a .asa terrea do largo da matric de N. S.lqoe alem da Par, freguetia dos Afogdos n. 83, com 32 pal I generosataente.
mos de frente e 7o de fundo, construida em ler--------------------------------------
reno foreiro, plantado dearvores, caeimba. Unqne, t)uVivi
seml.i o lerreuo airavessado pela estrada de ferro,
avahada en frOOftj, perieocente o testameoteiro
de Jos Rib tro da C^sta ; a eseriptura se acha em
poder do portetro
AMA
Precisa-se alugsr urna ama
para servico de pouca familia :
Cadeia do Recife n. 15, loja.
que seja escrava
a tratar na rua da
O padre provmett! da orden) carmelita desta
cidade convida os senhores possuidores de terrenos
foreiros mesma ordem, para que no praao de
oito dias, contados da puMicaco deito annuneio,
aprfseoem Ihe no respectivo convento os ttu-
los de^uas posses, e o ltimos recibos qae tive-
rem don foro por elles pagos aOm dcmelhor re-
^ular-sea respeito, sob pena do emprego do* meios
judiciae pora Uso. Recife 20 de junho de 1870.
Pr. Erico da Sant'Anna Rigaeira.
Alagarse ama exeeHeu> escravt ^oe en?om-
ma e lava, para casa de puaca riraiba-: quem
precisar, dirija se 4 !Ja,nto Amaro,a>' sofcrado jsnto I
ao cenittrio inglec.' '
Ama
. a ama deleite: alraia/i
uj dineral viclorme n, 42, amiga rua do Sebo.
Prensase de um menino1 de 12 a 46 annos de
idade, que techa alguma pra.* de taberna e d
eonhecimenio de ua conducw -' no pateo do Ter-
co n. 32.__________
CAIXEIBO."
Preciase de um caixeiro para Mfcepna-: a tra-
tar aa rua Augusta d. 116.
^SPVftJt}* w* ama dp Isjte: a iraia/ na roa
ALERTA m ALERTA 1 U
Fojo JJ fogo f!? foAw2?!
Est b*veoleacia
qne ha no* t)ROs<*ineze,'pois a com twicao de
seus einlvjBte<, lodos venenosos, tem WMWie o
mal que cania s familias, a oslo de t, ve
lias Intetras tetn li.-ado de cama provonii V
eombloaeSeede drogas euencwos oe sop ^*
osiaes fogo de Jxogala. .iMrtem. aa o fri
eprrjadicial.
0 GIRDRGIAO-DENTISTA
Frederico Maya
Tem a honra de scientificar ao respeita-
vei publico eai geral, e aos seus cliente*
em particular que lie mudou o seu gabtj
nete de consultas da rua Oireila n. 12 pars
a do Queimado n. 31 primeiro andar, com
a entrada pelo pateo de Pedro II, onde po-
de ser procurado para os misteres de sus
profisso, todos os dia < otis das 9 horas
da manhaa s 3 da tarde,
Tambem previne, que contina a prestar-
se a vontade dos clientes nao s na cidade
como nos seas suburbios, para onde a;
idas serlo precedidas de ajusto. Elle ga-
rante o bom desempeoho e a perfeicao de
seus trbalhos, o que j bem conhecido,
assira orno as commodidades dos oreos
^M^R^M 4V5t^KW9 wWrw ^W^W^W^WI^l
Na travessa da rna
das Crnzes n, % pri-
meiro andar, da-se di-
nhelro sobre penhores
de oui'o, prata e brilhan-
tes, seja qnal for a quan-
tia. Na mesma casa com-
pram-se os mesmos me-
taos e pedras.
Agencia em Pernambuco
Do Dr. Ayer
Peitoral de Cereja
Cura a phlhysica e todas as molestias do peito.
Malsa parrilha
Cura ulceras e chagas antigs, impigens e dar-
tros.
Tonteo
Conserva e limpa os cabellos.
Plalas cath rticas.
Puramente vegetaes e sem mercurio, cura se-
zdes, curam e purifleam todo o systema humano
Vende-se effectivamente em casa ae Samuel P
hnston C.rua da San zalla Nova n. 42.
0 Dr, Sarment Filho
mudou-se para a rua do Imperador n. 29,
2 andar.
Consultas e operacoes lodos os dias das
10 horas ao meio dia.
Chamados por escripto a qualquer
hora.
Confeitaria dos ananazes.
46Rua da Cruz16
Santo Antonio. S. JoSo e S. Pedro.
Amendoas, as mais apropriadas para sortes,
vender em arroba e libras;.-papis j promp-
tes com estallos para res ; recbese eneetn-
mndas de bolos pes-del enfeitados; a)Com-
mendas recebe se com antecedencia e as amendoas-
em arroba terrao abatmento no preco.
fi
TINTURARA frameza
55-Rua da Imperatriz-55
Tinge, lava, limpa, lustra e achamalo-
ta-se, com a maior perfeicao, fazendas em
pecas e em obras de todas as qualidades ;
como sojam : sea, laa, algodo. linho,
chapeos de feltro e de palba etc. etc.
Tira-se no loas e limpa-se a seccosem
molhar os tecidos, conservando assim to-
do o brilho da fazenda.
Tintura preta as tercas e sextas fei-
ras.
AMA
Precisa-se de.uma ama para servico de dontro
e fra de casa de pouca familia, prefere-se escra-
va e paga-se bem agradando : na rua Velha nu-
mero 66.
TRECHOS CLASSICOS
Cheg-iran c aekana-se ven ta
NA
Livraria iranceza.
UTOS PARA" S. JOAO-
A CIGAM.
SECUNDA EDH;O
Gonsideraveimente melhoradi augmenta-
da com novas charadas e logogryphos
Um bonito- volunte
ntidamente impresso e brochado.
Rs, 15000
A aceitacSo qne do respeitavel publico merecen
a Ciqana, cuja primeira edigao se esgotou em dous
annos, nos leva a fazer esta nova, mais correcta e
augmentada.
E gana tem qualidades que a recommendam e tor-
nam-a bemqu:sta aos laitores.
Com effeilo essa filha da Bohemia sabe guardar
conveniencias, e procura, dizendo a sorte de cada
um, agradar a todos.
A presente edii.o, inteiramante meihorada, foi
augmentada com novas charadas e logogrypios,
e bem assim algemas poesas recitativas, qne hoje
sao to apreciadas no< sales.
E^peramos que a Cignaa continu a merecer a
mesma aceita ao, e que em breve possamos ver
esgotada esta nova edicao.
Rua do Crespo n. 9.
_________LIVRARIA FRA.NCEZA.__________
ATTENCAO
o
A abaixo assigoada, na qualidade de caradora
de seu marida o Sr. Antonio Joaquim de Faria,
declara ao respeitavel puhlico desta provincia
aflm de evitar dnvidas e difflculdades futuras, que
o mesmo seu marido nao tem at a presente data
assignado sem sciencia sua documento algam,
como letras, escripluras publicas ou particulares,
doaedes, cartas de librdade, etc. etc., relativa-
mente aos bens de seu casal, dos quaes elle nunca
dispoz de forma alguma, alienando, vendendo on
permutando, durante o tempo que os admmisfrou.
A mesma abaixo assigoada convida, portanto, a
quem quer que se jnlgue, firmido em algum titu-
lo, com direito a taes bens, a apresentar no juizo
competente dentro do improrosavel pra=o de oito
dias, e a contar da presente data (10 de junhc de
1870) os documentos que tiver semelhante res-
peito : ticando de nenhutn effeito toda e qualquer
allegacao que for' feita por teriormente, visto como
fcil com o actual systema de estampilhas sellar
documentos antedatados, e extorquidos para 6ns
reprovados. Recife 10 de junho de 1870.
_________ Henriqueta Amalia de Faria.
Criada
Precisa-*e de urna criada livre on escrtiya,
que saiba hem eegommar c tratar do servico in-
terno de urna casa de pouca familia : a tratar no
Manguinho. casa nova dos Srs Carpinteiros, ou
ao caes d'alfandega velha n. 2 escriptorio, paga-
se bem. .
oem tiver um cabriole! americano de 4 ro
das em bom uso, e quizer vender, enlenda-se com
o eosego vigario de Santo Antonio, ou annuncie
por este Diario.
O administrador da uiassa fallida do Sr. Lu?
de OliveiraXiima Jnior ron vida aos senhores ere-
dores deste ira no prasc de oito das, contado?
da publiMcao do preseuU annunoio, apresenta-
rent-liie os litlos do seus crditos rua do Cora-
niercio no floglish Banck o/Rio de Janeiro Limi-
ted, aflm de que se proceda a respeito delles a
.-sespeciiva erific*eo, serem devidamente con-
tsmdados nv dividendos, i eflaetair-se. Reefr
iMe atibo d 6970,
Na rua do Livi\imento n.
36 loja de cera, dezeja-se fal-
lar eom a Sr/. D. He eulina
Candida do Amaral Lima,
viuv do Sr. capitao Senm'io,
a negocio que uaS ignora.
.Na rua da Madre de Dos n. precisa-se de
ama criada para todo o servieo.
ATTENQA0
O doao do armazem de carne o. 40 da r ja ds
Praia previne aos devedores do n^aaio armazim,
8ne nao pagnem desta data em denle a Jos do
ego Mello, sob pena depagirem. sgaiida vez as
sea verdadeiro dono, que uo artna.'m eabe-as
quem .
Precisa-se de urna ama para todo servico de
urna casa de pequea familia : na rua do Aragao
n.38.______________________________
Na rua Primeiro de Marco n. 15, escriptorio,
recebe se proposias para a collocacao de vidros e
pintura no predio n. 23 rua da Cadeia.
Desappareceu no dia de junho crreme
duas bostas com os signaes seguintes urna me-
lada, nova, magia, dinas pretas, cauda aparada;
outra russa, magra, pequea, poldra, e ambas com
o ferro triangular na anca do lado direito : quem
npprehende-las avise do engenho Cordeiro, que
sera generosamente gratificado.
Precisa-se de urna ama para casa de urna
senhora viuva com um lllho: a tratar na rna do
Amoriin d. 35.________
Farlnha de nandioea.
Da melhor qualidade e mais barata do que em
outra qualquer parte : vendem Amaral, Moreira
& C, no caes da atfandega n. 7.
Precisa-se de ama ama que saiba cozinhar e
faca as compras para urna pequea familia, pre-
fere-se que seja escrava : para tratar, na roa No-
va n. 40, 2 andar.______________
Precisa-se de nm criado ou criada forra ou
escrava para casa de homem solteiro : na rua da
Caminado Carmo n. 21, 1" andar.
CRIADO
Precise-se de nm raoleque de 12 a 15 annos,
fiel e intelligenie, para servico leve : a tratar r.a.
rna Nova n. 19, 1 andar.
Precisase para urna familia estrangeira ue
poucas pessoas de urna boa ama para cozinhar :
no largo do Corpo Santo n. 7.
Jvre ou escrava
Precisa-se de urna ama para o servido de tres
pessoas .- ia rua estreita do Rosario n. 43, pri-
meiro andar.
Na rua da Aurora n. 34, 2* andar, precisa-
se de um bom cozinbeiro.
Precisa se de urna ama na rua estreita do
Rosario n. 4o, 1 andar.
Aluga-se um escravo de mnito bons costu-
mes, capaz de estar em casa de familia, cozinha
muito bem, bom copeiro : na rua do Imperador
n. 50, 3' andar.
Ninguem duvide que ha
Chapeos do sol de s da a 5 cada um : na leja
das 6 portas em frente do Livraraento.
O abaixo assignado faz ver ao respeitavel
corpo ccuimercial, que vendeu sua taberna sita a
rua do Progresa n. 16. e que julga nada dever
ao mesmo cominercio ; porm se alguem se julgar
credor, queira aptvsentar sua centa legalmene no
praso de 24 h ras, que sera promptamente sati-;.
feita. Recife 18 de jun' o de 1870.
_____________Pedr da Hora Santiaso.
O Sr. Joo Gil Paes Barreto chamado a
comparecer cora urgencia na rua de Santo Ama-
ro n. fi, 2" andar.
Precisa-se de urna ana para servico de pe-
qnena familia : no largo do Paraizo. 2o andar do
so'tado na esqu na da travessa do Ouvidor.
Aloga se um moleqoe de 12 annos, possanT,
j com principio de ozinheiro, habilitado para
comprar : a tratar na rua do Qaeimaru, n. 4.
Sortes
Para S. Joo e S. Pedro.
Acham-se venda sartes para as noites de S.
Joo e S. Pedro, impresas em papel de cor, e sor
prec'> o mais commodo possivel: o rua do Im-
perador n. 15, defr.mtfi de S. Francisco.
PARA DVKUTlME.NTO.
Acham-se venda na rua do Imperador n. I",
defrunte de S. Francisco, nm rico tofununu de
folhetos, de Magalona, Joo de Callis, Poriena o
outros muitos que nao se enumerara por nao alon-
gar muito o annuneio.
Aitencdo.
Vende-se a taberna da rua dn Amizade n. 26,
na Capunga, propria para principiante por ter b-
armaco e poucos fondos: a tratar na mesma.
CESTA DE PLORES.
Esta nova loja intitulada Cesta de Flores, tendo
tima das pnneipaes modista, apromptar com
exactido e conforme o go.^tu de <,ual |iier pesoa,
tudo quantj pertencer a urna senhora ^.e lom.
A prompta vestido, chapeos, e tudo co ,\ a maior
brevidade e preco commodo. Tetn tudo qnanto
preciso para este fin e baptfsados, do que ba m
uantidaile : na roa >li [inoorurii n. 31.
Attentfio
Precisa-se alugar um sitio nos seguintes"arri-
ba Ides : Manguinho. Ponte de Dchoa, ("aminho
Novo e Soledade : quem tiver dirija-se rua da
Cruz n.38, armazem. __________________
lint> o para vender
Vende- se um burre : na fabrica do gaz.
Attenqo
0 aba;xo assignado faz sciente a quem
convier que a arretnataco dos bens perteo-
centes a heranfa jaceni9 do iaado tenente
Jos Joaquim Lopes d'Almeida, fot transfe-
rida para o dia "i do correte ^or nao ter
sido citado Joaquim Lodos d'Almeida de-
positario dos mesmos bens. O mesmo abai-
xo assignado convida aos uevedores da
mesma beranca a comparecerem em sua
casa, rua do Bom-Stissesso n. 2, no praso
improrogavel de qoinze dias, para sati fa-
zerem os seus dbitos.
Olinda 18 de junho de 1870
Manoel Joaquim de Miranda Lobo,
Curador da heranca.
50^000 de gratifi-
caqo
Para quem descobrir os autores da destruic")
malvola do eneanatnento do gaz Hydrj-carboni-
co em frente do Club-Pernambucano, no Campo
das Princezas ; quebrando os canos de Ierro e
roubando pilares destinados para as lanternas.
Dense este facto na noute de sexta-teira, !7
para sabbado 18 de junho de 1870.
_________Dr. Gustavo A. Vurfbaire.
0 abaixo assignado, professor publico da ij
cadeira da freguezia da Boa-vista desta cidaae,
avisa aos Srs. paes de familia que est abena a
matricula da sua escola, na rna da Gloria n. 10?.
Flix de Valois Correia.
Ana de le te.
Precisa je de un .una de Jeite : a rus nha n -% andar, ,pjfa-se bem.
Sitio para alagar
Aluga-se am sitio na Passagem da Magdalena,
com grande casa de sobrado, com 4 sala-, '
quartos, sala para engommados, dispensa, cacim-
ba, qnarto para pretos, estribara e coxeira, e bas
arvores fructiferas: tratar na rna do Vigari>
n. 31, com Domingos AI ves Matbens.
~ Ottoni
Geometria.
3* edicao
1870.
Livraria Franjen1
Preciso se tio smente para engotnmar : na rua-
da Seniala-velba n. 96 padaria, aclara eom quem
tr&ttr.
AMA.
Preoi-f>e de umi ama para lo ma ea|a de pouca familia j a tratar na rna.de-
Hortas n. 88.
f
I
'
"i.
U


Diario de Pernambuco Ter<;a feira 21 de Junho de 1870.
\l
dos
AO ARMAZEM
FRANCEZ
I 7--M 1IH, 7
Acaba de chegar a este estabelecimento novas facturas rom importante sortimento
artigo* abaixo mencionados u procos os mais resumidos que possivel.
FOGO CHINEZ DE SALES
Para os festejos de S. Joo
Grande variedade destes lindos foguinhes de artificio chinez, de vista de cores e efleitos ma-
gnficos de sorpehender, fabricados propriamente para saldes e serem soltados por meninos e me-
ninas sem o menor recelo de serem ofendidos.
BALLOES aereostaticos
Estes interessanles boloes de papel de seda de cores feitos na China, com 6, 8 e 10 pal-
mos de altara, inuito elegantes e facis de subir com espirito de vinho, podem ser soltados das
varandas.
PAPEL PARA EXrEIT Alt BOLLOS
Papel rendado muito bonito de diversas larguras para enfeitar bollos de S. Joao, procos
baratissimos.
LUYAS DE PELUCA
Do afamado 'fabricante Jouvin.
Sortimento completo de brancase de cores, muito boas de se escomer, em quanto eslo bem
frescas e sortidas.
BOTINAS
Para .elaboras e meninas.
Botinas pretas, brancas e de muilas outras cbera sortidas e bonitas, do ultimo gesto da
rcoda.
BOTINAS, BOTAS E PERMEIRAS
Para homcus e meninos.
Botinas de biierro, cordavao, lustro e pellica, botas ro.ssina> de bizerro e de lustro, per-
xeiras de lustro tanto p&ia homss como para meninos.
Sapatos
Sapatos de borracha para homens, enboras e manios, sapatos de invern para homens,
ditos de lastro com talto para tiomens, ditos de taple aveludado, de casemira e de tNnra fran-
cetes e portaguezes para homens, para senftoras e para meninos.
PERFUMARAS
finos extractos, bafthas, leos, agua divina, de cologne, de lavan*?, e de fiorida untura
para cabellos, pomada angroise para bigodes, pos de arroz e sabonetes.
Quinquilharias
E pelos grandes epequenos. leques, albens e eaixilhns para retratos, esterloscopos com
bellas vistas escotaidas, beifralla*, chicotes, corantes de plaque para rekgios, gravatas, ocales,
lonetas caixinhas de costara ornadas com msicas, photographias. mgicas, coffresinhos mgicos
para desapparecer anneis, (Mos ditos para relo?ios, jogos de domin, bagateila, redetos, o utros
muitos joguinhos franceses-e allemites, jarros com bouquets de res de porcelanas para san-
tuarios, cestinhas diversas para braco de meninas, objectos de phautasi.i dourados para toneles, ri-
cas escovas para cabello, para vestidos de senhors, para chapeos e para barba, pocteiras de espuma
para cigarros e para charutos, abat-jnr para cantheiros a traz e para lamernos de piano, caixinhas de
muca de dar-se corda, ps de vidro para pianos, realejos grandes e pequeos, eecnrdions, cosmo-
rama3 com as mais importantes vista*, molduras doaradas para quadros, bonitas eslampas de pai-
7.agens, de figuras e de santos, carrinbs de 3 e de 4 radas para condnzir meninos a passeios, ma-
las e boleas para viageas, tercos de -vimes os mah commodos que ha para criancas.
Para este artigo nao ha espaco nem tempo para a aiassante leitara da .infinidade ds gene-
ros de brinquedes fabricados era diversos paires da Europa.
ATTENfAO
o commercip
Ura moco ehegado ha ponco da Europa, tenflb
algum conhecimento 4o commercio, bn como ia
lingua franceza, ufrertee sea presttmu ; quem
d'elle carecer, queira deixar carta fechada com as
iniciaos H. C S. C, no pateo de S. Pedro n. 17,
sobrado.________________________________
Plano para as extraeces dai
loteras, approvado pelo E\m.
Sr. presidente da proviueia
3,000 bilhetes a 8J00O .... 2i:000*000
Impostos, beneficio, cominisso, etc. 7:410*000
. 16:390^000
Liquido
1 premio de .
1 dito de
1 dito de
1 dito de
3 ditos de 100*000
6 ditos de 40000
24 ditos de 16* .
683 ditos de 8,3000
720 premios .
8:000.-5000
1:300*000
600*000
3MJO00
300*000
240*000
384*000
5:4645000
16:590*000
N. B. Os premios de 8:000*000 e 1.300*000 es-
tao sujeitos ao descont de 20 010 por lei gral e
provincial, e o de 600*000 ao de -8 0|0 por lei
provincial, os quaes esto sujetos tambera por
lei provincial ao imposto addieienal de 3 0|0 sobre
o descont de 5 0|0
Thesourana das tolerias de Pernambuco 14 de
junho de 1870.
O thesonreiro,
Antonio los Rodrigues de Soma.
ii imm 4este evtalwl'cimento pede ao publico em geral que continu a
ticando as qoaiiades e os precos'baratos de ditos ubjecis por serem vindus era
ocia propria.
visita-lo veri-
direilura n de
ATTENCAO
O abaixo assignado acaba de deparar com ura
annuncio incgnito no Diario de Pernambuco de
boje, no qual*e previne ao publica para nao pa-
garein ao abaixo assignalo a carne que conpra-
rem iu referido armazem n. 40 da ra da Praia
desta cidade ; e como nesse armaiem sao socios o
abaixo assignado e Antonio Joaqaim Machado, por
isso o abaixo ass goado pede ao autor de dito an-
nuncio, que firme o sea norae para ser reconheci-
do pelo abaixo assignado como o dono, sob pena
de ser considerado cerno calumniador. Recite 18
de junho de 1870.
_____________ Jos do'Reg Mello.
Tendo-se airouociao a venda da taberna
sita ra Imperial n. 27, previne-se a quera a
quizer comprar nao realisar a compra sera prrmei-
ro >eentendercom Francisco da Silva Tearoiro,
na ra da Lapa n. 3. ____
O Campos da nja>do-Imperador n. 28 apresenta
concorrencia do. respeilavel publico os seguintes
gneros, que rop_to-os especialidades, nao o por
serem muito desojados, como pelo prego porque
est vendendo ; naos os que abaixo menciona,
romo todos os naats qae existem no seu armazeia.
ESPECIALIDADES :
Camaroes seceos.
Pescadas em salmaura.
Presuntos d e Lamego:
Ditos para fiambro.
Rap Paulo Oordeiro viajado e commum,
Velas ptra arro.
Lata3 com egumes em coacerva. .
Dras com gtiizados franeezes,
Bitas com -salmn e ostras.
Choolate de diversas qualidades e preces.
As seguintes obras
A tirgem do mosteiro, e as memorias de R-
chelieu, por Jo6 Victorino, ambos encader-
nados em um s vol. por 3000. Colas
cont suisso, ene. 1 vol. por IiJOOO. -Canto
(Talvorada, poesas por M. da Koca, 1 vol.
ene. por 3,5000. Flores sinqclas, por Paes
de Atidrade. Ultimas aginas, por P. d
Calasans. Illiwcs perdidas, por C. de
Azevedu, todo encadecnado em um so vo-
lume, por 8^000. Jovita a voluntaria da
morte por J. Ce Alberto, scenas de um ro-
mance, por J. Candido, ambos ene. em s
vol. por 30000. Palmara, a ceguiulia bra-
silera, romance em 7 cantos por Dr. Boni-
facio de Abreu, eoc. em um s vol por 5#.
0 cavalheiro d'Harmental por A. Dumas, 4
vol. encadernados, por !0l000,
Tambem vende-se as colleccoes de leis
provinciaes faltando apenas 3 annos, por
20^000, leudo 27 vol. me broebura, tam-
bem ten outras obras que a vista se mos-
traro, e que 'tudo se vernle por preco em
coala. Quem quizer diii-ja-se a esta typogra-
phw qae se dir, quem vende.___________
Na rna do visconde de Pelotas, casa n. 7,
(antiga roa do Ar^go) vende-se urna escrava com
25 anuos de idade, a qual lava, eugemma ci-
zinha e tem principio de costura, na mesma tasa
se dir quem vende urna mobilia de Jacaranda
em perfeito estado, sendo 12 cadeiras de guarni-
cao, 2 de bracos, i consolos com lampo de pedra
e ura sof.______________
Vendem-se 12 escravos, sendo 5 pretos de 18
a 30 anaes, proprios para todo e qualqutr servico,
tanto de casa como para agricultura, assim como
am mulatinho de 17 annos, perfeito eopeiro, 6 es-
cravBs de 14 a 30 annos, todas prendadas: na ra
estreita do Rosario n. 43. ^^________
Farinha de mandioca
de Santa Catharina
O que se pode desejar de bom, a garnel a bor-
do do patacho ingle?. Mory Stock a tratar com
Tasso Irmaos k C. rna do Amorimft. 39._______
Ferro gaivanisado
Vende-se en casa de Admson, Howie (c C, na
jna do Comraarcio n. 40, folhas de ferro gaivani-
sadoide6^7^e^psdecomprnnenra._________
Enyommeira
Vende-se nmacrioula de 28 annos, robusta, fiel
e sadia, engomma perfeitamente, cozinha, lava e
'ose costura cha ; c motivo da venda se dir ao
comprador : uo Forte do Mallos, ra do Codorniz
n omero 9.
II I| VH
Loja ingleza.
60Passeio Publico_60
Neste grande estabelecimento encontrar o res-
peilavel publico um grande sortimento de hien-
das de todas as qualidades, sondo ioglezas e ran-
ceias ue se vendem por amito menos do que em
outra qualqusr parle. .
COMO SEJAM:
taitas escuras e claras, finas de cores Osa a 240,
260 e 280 o covado.
Cambraias de cores, padroes moderno? a 280 e
320 o covado.
Laarinhas muito linas, padrdes de gosto a 400 o
covado.
Madapoloes finos de 4J000 para cima.
Algdo branco a i i e 4|.
Corles de fust2o para raiga a l.
Ditos de brim pardo a 13, 1*200 e 1300.
Ditos de casemira preta a 5*000.
Calcas, paletots e colletes de tedas as qualidades
e precos.
Na loja maleza do Passeio Publico.__________
Rival sem segundo.
RA DUQUE DE CAXlA *. **
(Anliga ra do Quinado)
.0
FOGOS,
S. Joo
S. Pedro.
Grande deposito de fogos artificiaes para os fjl-
ucdos de senhoras e erUBCas nos dias de Sfint'
Antonio, S. Joao e S. Pedro, a saber: pistolas
brancas de 3, 4, 5 e 6 balas.ditas coloridas de 3, 4,
5 e 6 balas, rodinhas brancas e cloridas fontanas,
craveiros, chafarizes em nonio pequeno( rodinlias
com illaminacao color las, fogos de bengala.fogos
do ar de 1 e 3 bombas, ditos de bomba real, tan-
ques chinezes, baloeszinhos de 3 e 4 palmos, pro-
prios para soltar era va randa com espirito de vi-
nho ou raesmo gaz, alera de outro maior sortimen
to que s com a vista do comprador : na Fu Ui
reita n. 53, loja de Lenidas Tito Loureiro, antiga
loja do Braga.
VIVA S. JOO
^LLE
GA
51&&a da
Chama a attenco dos seos ianumeros r-eguezes, e do respeitave! pablico ei
geral, para a seguale tabella dos prscos de sua casa, os quaes sao vins por cea*-
mate barato do que em outra qualquer parte:
Cabelleins para senhorar a _t;,
30i, 351 e. ......
Ditas para Jt-.inasru 334,
Coques a -',. '-S, 8. 05.
250, 30 n .....
Crescentt-s ; 1SI, lo#, 18. C-,
_5>, 0t> t.....3_JQ00 Corle-ue cabello -om lavagem a
i champou......
<0>4000 .<^rte'^e cabello cora limpez da
cabeca pela machina electri-
1S0O0
Ca^eas para relopio a o&. fifi,
40(5000. 7,-84, M, m e. .
K0#o5bi
Cete de cabello, .....
Cele oe cabello cok fnecaa. -
Caches crespos a 35,
"W.70. Si." 95
de cabalo
e. .
Tranca para bracelete*
. 150, 205, 5 e
Tranct
500
o,
e. .
para -KM
M,
155001'!
50
15004-
ca. snca cm Pernambuco. .. 4500
a 105, Frisado i ingieza ou franceza. 50*
. SOvSOOO Bara........ 2
ASIGNATURAS MENSAES
.Especia! id a de de penteados para casaiuento
Baile* e soletees
O dono do estbelecimenco previne s! Recommenda-se a superior TINTCRA JA
Sxmas. Sras. e aos cavalheirs cjue ha am PONEZA .para enegrecer os cabellos e bar
sali para tintura tos cabellos e barba, as-: ba' unic_a dmittida na Exposico iatvers;
F i como nao prejudicial saude, por ser vo
sim como um empregado smeete ocoupa-1 latil, anadeada e approvada pelas acaae
CASA DA FORTIMA
Aos 8:000S
Bilhetes garantidos.
_ roa O abaixo aaaignadb, tendo vendido aim d(! on-
:ras sirtes, tres quintos n. 3.*i93 com 900*. da
beria qoe se ac.-Don de e-traliir beneficie
df. igre-i dv*.S. Sebastiao do Bonito (16'9) convida
aos P'ismdores virem receber na conforniidaie
da ccai-ime sem descont algum
Ac_iQi-se a venda os fel.zes bilhetes garan-
tidos la C" [.arte da lotera baneficio do reco-
ramvjuto de guarass (151), que se extrahir
tercrt^etra S do c-jcr^nie me: pelo novo plano.
FRENOS.
Mliele inteiro lOOOO
Mfio bilhete 000
Quinto 23080
Em pef^ai- de 105000 para cima.
Billieteint.ira 0,000
Jeio biHiet.; iOI
Quinto I y.m
Minoel Martius Pinza.
Para S. Joo
Vndese massa secc* para bolos, tanto em pir-
adiar : na bem conhecida casa da abobada da
*Mite_L 37.
VEI1)E-E
Farinri e milbo mais barate do que em outra
qnalqeer parte : no trapiche tinnha
A 500 rs.
Vende se tinta rxa e preta, custando quinhen-
tos reis cada botija : ni ra de Santo Amaro nu-
mero S.
Ra t>irelta u. 53.
Completo sortimento de facas e garfas de ba'an-
ca de 1 e 2 botes, bandejas chinezaa com ilndM
emaltes, culheres de metal de principe para cha
e sopa, trens para cozinha, salitre, breu, barbante,
enxofre e papel, alem de um completo sortimento
de ferragens, miudezas, cutihleirias, machinas pa-
ra descarocar algodao, moinhos pata caf, etc.,
tudo por menon prego do que em outra qualquer
parle : na ra Direita n. 53, loja de Lenidas Tito
Loureiro, antiga loja do Braga. ^___
Contina a vender Uni muito l>ow e
muito barato a saber:
Quadernos de papel pequeo a. .
Libras de areia preta muito fcoo. .
Tesouras finas para nabas intu-
a a. ...-
Papis de agu'has fraocezss ? ba-
o a.........
Caixas com seis .abneles 'i frua
Libras de la para bordar ue tud-s
as cores a.......GllOoo
Caivetes finos para aparar pinas
lapis a 500, 1> e.....I
Carriieis de linha Alejandre 3. .
Frascos corn azeite p>ra ma.. binas
Grvalas de cors muito finas a .
Crozas do boles raadepersla li-
nissimos a.......
Pares de luvas de cures muito li-
nas a 30 e.......
Novello de linha de 400 jai das. a.
Caixas com 100 envelopCS mnilo
superiores a ..... .
Pentes volteados para meninas a.
Tinteiios com tinta preta a80rs. e
Pecas de fita elstica muito lina a
Lata com superior banha a 1U0 e.
Frascos de oleo Philocomo tnoito
fino a......
pitos ditos dito grande a. .
Frascos de macar peula a. .
Frascos de extracto muito b Ditos a
uzia de saboneles muito fino a.
Sabonetes inglezes a G00 rs. e. 10
Frasco com agua de colonia Pivera
Dito de oleo baboza a.....
Caixas de lamparillas a. .
Sabonetes a forma menino multo
superiores a.......
tertulias da doutrina fazenda no\aa
Libras de linha surtidas de Unios Of
nmeros a......
uzia de pomada do lorio mu
superior a......
Baados do Poito, largos a K
Capachos muito bonitos e gran
500.
KKK)
5(0
100
$00
5*K)
500
500
60
600
40
IO0
4W<
_< 0 -
500
2*
10
prclu,
c
Sacpos de estopa
Venflem-se ptimos saceos de estopa, proprios
para assucar, milbo, farinha etc.: no armazem de
Adamson, Howie C., ra do Commercio n. 40.
Carriteis de retruz
oitavas a.....
Agulheims i!e osso eufeiudf
Libra de Imba franceza
qoalidade >.
Caixas de paulo do gar ,.
llonecas de cera muito ooilM
500 rs. *_. .
VA
\) e
les a
;n
<\
'0
_(i
_0
,A U
!0
40c
i_oo
2(Mt
:'(:
UplMlOI
de
640
240
2^400
20
2CC
FOOON
,
j
s.
II
3oSo
Luvas.
Chegou pelo vapor rancez, un grande sorti-
raenio de toras de pellica de Jouvin, rhrancas
pretas e de cores. Em casa de Andr Delsuc, ca-
feolleireiro, ra do Primeiro de marco n. 7, Io an-
dar.
Vidros para vidrocas de todos os tamaoios
e em caixas, vende Bartholoincu _; C, em sua
pharmacia na ra lar?a do Rosario n. 34.
0 nmzeo de joii<
Na roa doCabuga n. i Compra-se ooro, praia
< podras iree.u3as{jor orwos mais vanfi;;asdo
le- e OBB- (P-wgMr > |B~"
Um
S
I1I-I
Taiinha de mandioca
igual a de .Muribeca.
Km saceos de dou-s a'lqueires e de panno de
jtfodio, caja medida cerrespoude de 5 a 8 0(0
: mais do que a medida daqui e do Rk de Jaoeiro,
vndese* preco menor lo qae era analqupr ou-
' ira prtete : tratar c>>m Joaquim ios Gongal-
j ves Beltro, em seu escriptorio a ra do Commer-
ci n. 17.________
Sortes Para S. Joo
Na raa da CeoceicsLo n. 30 e ra dos Qurteis
!. 22, veade-se Jindas -serles para S. Joao por pre-
sos muito commodo. Na mesma rea da Concei
i -cao prepara-se flnalquer encoramenda de bolo de I
f qualquer quahdade com muito aceio, proinptidao.
(4 mdicos precos.
Para auto .luiouio,
. Pedro.
Na muito conhecida luja de ferrgensna mi No-
va n. 39, de Soma & Guimares, acha-se um lin-
do e variado sortimento da todos os fogos artifi-
ciaes dosmelhores fabricantes desta cidade, con-
tenda rodinhas, pistolas de todos os tamaitos,
brancas e de core?, craveiros. illuminacao e tra-
ques, etc.; assim romo um lindissimo e variado
sortimento de fogos chinezes recntemele chega-
dos, proprios pan. criancas, os quaes po_m ser
soltados era salo. Avism mais que existe lam-
bem nma grande quaiiridade de sortes de toda* as
qualidades, como sejam, sortes corn eBtampa?, ditas
sem estampas, ditas em c.irloes com perguala e
resposta, ditas em livros, tudo por prec&S muito
commodos, qoe admira : na ra Nova n. 39.
5i tmmr^S
Estvmj/i.lhas.
Vende-se na ra da Cadeia do Recife n. 08, loja
t vmeja.
ESCEA
Coai^cBD-se e ve_de.-i-se diariamente para wra
' dentro la.ppovincia escravos de todas as idades.
:ores e sexoa, com tanto que sejam sadios : nof E de diversas qnalidade?, vende-se por menos
wrceno aooar do sofcrado n. 36. rua das r.ruzes, | n que em oatra qualqaer parte fogos para se
fregueiiit de Santo Antonio.
Fogos chinezes
Cirto iuiio Haiur vanu&eui cciupr__.-*e
ouro, ptiata-e.edras preciosas e ^i obras vcllias: na
loja de joia do Coraio de Ouro a. i D, ra o
SabBfta.
Compra->e ama casa terrea b Santo Antonio u Boa-vista: na ra da Florenti-
na n. 6.
Compra-; Saolo Antao : tratar r arco da Coaceao a-
mero 6.
do nesse servido.
mmmmm&
m
, mias de setencias de PARS E LONDRES
*35
o
3 =r_?. g =*
M ^ _l ~Z'
-* ^ -1 -1 a S 3 _!
B V 3 ^3 O
I! ni
Oompraia-se
Moedasdeooro e de prata de todas as nadies : ua
ra da Caiea do Recife n. 38, loja de aiulejo.
m Comprani-se sellins usacfcis : nn rna da Ca-
deia n. 29, Ifja de selleiro.
aAoras e meninos folgar : na ra do Hospicio nu-
;nro 26.______________
Vende-s-j a casa terrea n. 11, em chaos pro-
,ieos, sita em OUoda.nia do largo do Amparo,
cofa 4 quartos, eofredor ao meo e duas salas : a
ratr no i" andar n. 5 ra da Cadeia do Recife.
CORTES DE SEDA
O-Cysne ruad (miteatriz n. 6i, acaba de re-
' celier pelo ultimo vaper liados e modernos cortes
de vestidos de seda pretos e de cores, lisos e mati-
zados, os qaaes vende por precos mdicos.
*


-^ c
w J v
o sres-a <
krlS-ii-jS-I-

? <
'CD
-
'*
3 S 2*3
3. a,
o a>
=. _>,
5 v>
=r o s; g
2_s &> 2
BiH 5|
Ca-
cti
1
5.0 =
-c O ai

3 2 g'
O =
^ 3
2 g a ce

sr. a.i;aa
g o, 3 g; o
5 a>
_:. o a
>ai:I 2
s m a, w
"2 =
u-n v II s u

B
o
.O
Os
Q
^
&

o

el
1-
Vende se ura preta de meia idade, possanle
e nom trabalhor : na rna da Cadeia n. 4.
Veade-se um ornamento para se celebrar,
missa, completo com tender pode dirigir se i ia de Hospicio n. K.
Fzcuulas bar :ias co_i to>
qie ce ararla
RA DO CRESPO N. 25.
CHALES de merm lisos de todas as co
res a 801). H, 1*500 e 2S cada um.
MAAPOLAO algoda, chitas e cara- &J
s br.iias hrancas.
DO-SE amostras na ma do Crespo n. I
I 25, loja de Manool Dias Xavier.
rrenos
Semen tes de hortalice
muito novas.
Chefaram ltimamente botica de C. Catao &
C, na T-UA da Imperatriz n. 77, as sementes abaixo
declaradaifl : repolho, cenouras, eonvp "manteiga.
ceboliobo, coentro, pepino, rbano, alface repolhu-
da, rabanete rxo, rabaneta branco, nabicas. Ha
t ambem tomaina de tarro a ac.
Vende se um terreno na rna de Luiz do Reg,
em Santo Amaro, com :()o palmos de frente e Ci
de fundo, com urna casa terrea ediliaada no mes-
mo terreno : quem o preieader, denja-se ra
Nova n 22. que achara com quem tratar.
A economa das fa^
milias.
Acaba de abrir-se de novo a loja e armazem da
Arara, na ra da Imperatriz n. 72, que tendo con-
cluido todos os seus negocios comraerciaes; ago-
ra vai fazer urna liquulacao de todas as snas fa-
zendas sem reserva de precos, s com o ftm de
liquidar; por isso se convida a todas as familas
para manjar ver as amostras de toda as azendas
para ver as qualidades.
A SABER:
Alpacas de cores pura vestidos, sedas de cures
atoalhado de llnho, bramante de liuho, organdis de
cores, cassas francezas linas a 240 o covado, er-i-' para l_|o_i(M
anrszas escuras e claras a 210, 280 e >
k [Vi
4 ra ck> l>n<|i?e de Casias n 21.
(ARTIGA KUA iO RIMADO)
Noo t'oi si.m fijidanietito gue a NOVA
ESPERANZA tem dMdo tic lser os seus
annuncios. a razSo simple?, ella eotende
que ttidn cm demasa aborrece.. i>or teso
como j tintia dito e scientitado a sua bu
fregue/ia o qui. consiantemeirle ia receben-
do, ou livesse feito muiias vezes, recetorj
tfirnar-se massanie, .assira pois rrcolhea-se
um potco ao silencio, u;:s itontsa deixando
d'empregar os verdadeit-is .-s!.>n;os, j cor-
tratando mai-T nuf-^ro .:'.' correspondentes
na Europa, j dcscjbriudo : ]- 1. Cv i
apurado goio t linainienlc s.sl?iu3j :.
Jornal das Familias, o qoai veBi sempre
ornado con; figu; iiws, modero:? moldes |
veslidos etc.. rte. para dista r.>rni w>:'
servir a soaconsifn'efrtgtrcaiii e peclaliilade a WJu >>;. '.41 qt: m a NOY
ESPERAN^* Hfnao tn off^rec -;,
seuiservico spr6SSando-sc drsdo j ea
declarar qne tem recelad-' ttllimamei
entromeios e balados oril^dps ^r-nsparan-
tes e tapados, ciiapusinliu; de setim para
baplisados.
Finas toncas de cambraia bordada pare
o mesmo fin.
Meiasde seda c Qo de escocia para cr
Cas.
Dod;i''s d'o?o, nmOfl, a;. '. _a_iupe-
rola.
ptimas Qavalba', amadores e massa para
as mesmas.
Finas esponjas para o rosto e para ha-
tillos.
Bonito:- s-apatiobos d m itira, sen
com sal;, uaat_eitUiu b .. i... dadi
a do?i' :io -'.
Bo.is lenltfs com cincVi r iros, 'nr?
cotii.n -; o os fios de qua. t; I tenda.
TesoiKu para &64r %A ;S-
Carretas par i:i-a! D uldei Mullas para scgi-fa e .. ,
Bonitos nlti.pg de n mi moldes,
Metas de la para omens c senoras.
Finas e bonitas ligas para mpias.
Fil de linbo e de ^-a, sendo preto &
branco, liso e de salpicos, e oulros muitos
objectos expostos a renda rna Doque
de Casias n. t_, na NOVA ESPERANCA.
Mab c'afcaro.
Vende-se oa roa Duque de Caxiasa 21
para tno.
Brincos, broches, valias pul eiras.- five'-
as, pentes, botffca para pwibos.e cadeias
i r anus mmmm mmmummnm
ATTENCAO
; Fazeadas b ;rata com
t qu deavaria.
A' ra do Crospo n. th.
MADAPOLAO lino a 4*500, 5*. 5*500
e 6*000 a peca.
ALGODAOZINHO a 30O0 a peca.
ALGODAO americano de listras para
ronp.i de escravos a 240 o covado.
CHITAS matizadas e miudinhas a 940
o covado.
CAMBRAIAS finas de cores a 240 e
280 o eovade,
CHITAS escuras de superior qualidade
a 280 o covado.
C -RTES de calca de r'uslo a i i too.
LENCOS Anos de cambraia a 21500 a
duzia.
CORTES de cambra! da'barra eom
duas sAia a 6* o corte.
BASQUINAS de grosdcaaplei amante
enfettadas.a 18|000- v
ALGOOO azul com 56 envido* a J'
a peca.
Dao-sn amostra na ni Ai Creepo_. Sf
K, foja de Manoel Dias Xavier.
Pechincba a 7J e 9$.
Vende-se calcado rancez obra muito boa pele
diminuto pre$o de 7i e 9*, assim com calcado
para criancas a 2*500, oaratissno: veoham a el -
tesantes que se acabem, na bem conhecida laja de
miu-ezas da ra da Cadeia n. 50 A, confronte a
rna da Madre de Dos.
A 5$l)00.
Vendem-se bolinas de eores para senhora pdo
dimmutv preco de o* o par, sao cores bonitas e
obra bem fui la : veniwm ra da Codeia i. 50 A,
luja de inradeus confronte a ra da Madr? de
Dos.
*lll fflMW MMN
III
Mais barato do que eax outra qualquer J
partfl.
No porto da travessa dof Coelhos acha-se enns-
tantemnob) tijulo irroeso e flno, tapamento, telhas,
e grande porcio de areia, que s vedem a vontade
do comprador por meui's preco do qu em outra
f irnecer matenaes para as obras, para o que h?
Mnoas e carroQas
tas francezas
grosdenaplos pretos d? todas as qualidade.', .
branco liso e lavrado, brim pardo a 500 o metro,
brim brauco de linlin lino, gangas para calca a'
320 o covado, castor para calca a -ICO o aovada
casemlras pretas para calcas, pao (loo preto de
todas as qualidades, casemlras de cores, roitpas
fetas de todas as qualiJade, p.iletnt* de san ira a
JiiOdO, ditos de brim a SOOO, ditos de alpaca' a
2*000, algodao a 4< 00 a pesta, madapolao a
5*. roberas de chita a 15, cobertores de algodao
a 1*400 e outras umita? fazenda i que se vendem
sem reerva de precos. para liquidar.
Na frente da l*ju ter dous letreiros com letras
encarnadas ex que diz liquidaco, que principiar
hoje.
_
Vende-se a taberna ?i'.a roa da Seqzala-nova
n .3, propria para principiante, e bastante afregue-
a- : tratar na oiwmn ra n. 21.
Aotooin Jos Sarment de Benevides o seu ir-
mao Luiz Jas deS Benevides, mjradorcs o ntgo-
ciantes estabelecidos com loja de fazendas na ra
do Commercio da cidade de Souza, provincia da
Parahya do Norte, fozem sciente ao re^peit; vol
Sabuco e especialmente ao corps do comnr -co
as praca* do Recife, do Ceara, qne de luje em
diauie se acham associados e muluamenle obriga-
dos perdas e ganhos, coniratos,"e ohrigaoSes tun-
dentes mesma sociedade, qne gvrar sob a firma
Sarniento de Benevides k Irmau.' Cidad de Sju-
za 21 de maio de 1870.
=- Vendem-se 3 escravas com toda as h.ibili
ilades e boa conducto, 1 linda mulatinha de idade
12 annos, um bom escravo carreiro, 1 dito ferrel-
ro, I dito para lodo servico : na travessa do Cir-
mo n. 1.
Formas de ferro
Para purgar tsaoer ; anda exls_i algnmas,
e recebe-se encommenda* para as qne *#to em
viagem, a preco commodo : na rna da Cadfja r.
4, armajem de S. Barroca.
.Vende-se a arnucSo da loja d fazeutas da ra
da Imperairitn. 5tf. denominada Gsribaldi nijs
se terna recommendada p-r ht mottnarsmi
ter proporcoes para um grande estabelecimento do
ma quer nalnroza : tratar na mesma na
72, loja (Ja Aran.
A NOVA ESPERAN^, querendo satk.i-
zer sua freguezia, naosmeute em bice-:
d alegra ou de lino, ,,er Umben acwn-
panbar aqnellcs. q- nflhauente prdendo
afgiiem de sua familia, u agocm de sua
arotzade, |>rocisam de tai^ utijecU, assim
IKNS a NOVA KSPEBANCA, mandou vir -
que ha de mclbor neste genero, poaqot
sendo taos objectos de cor negra, sendo
de ma qualidade. nao somente tornam-se
tristes como at rp(>i)nanles. o que n5o
acontesce aos da NOVA ESPERANCA. p<>r
que apenas exprime o sentimenlo pela c&r
porem como que tras um lenitivo pelo gost"
e perfeito com que taes objectos sao tra-
balhados.
| JoaquimEodn'A'ucsTa- |
vare< Pracja do Corpo Sanio 11. 17
TEM PARA VENDER : 0
Cal de Lisboa. &
j| Potassa pafiKsa.
f Vinho Bordcauy.
Faello d< Lisboa.
W Parlaha de mandioca.
i).
&-~
i
FARINHA
Vende-se farinha muio hoa-chegada bou;
em saceos grandes e panno da fabrica da Babii,
nos armazens da companhia Pernarrbucana : a
tratar no mesmo e na ra da n. I,
com Jts* Goncalves Torres.
III


-vNMap.
p-w *.-- >

6
Diario de Peuiaiubuco Terqa feira 21 Je Junho de 1070.
'
------
.
A VERDADE
Rna Duque de Caxiasn. 55
Na loja da VERDADE continna-se a ven-
der por baratissimos presos todos os arti-
gos de miudezas e perfumaras do sea
grande e variado sortimento, garantindo aos
compradores toda a sinceridade.
Lindas bonecas de cera e raassa por ba-
ratissirao preco.
Espelhos doarados para pendurar a
160 rs.
Agulhas de osso para crox a 200 rs.
Pentes finos para segurar cabello, a
320 rs.
Chatnins para gaz a 320 rs.
Garrafa com tinta alizarine a 1(5000.
Dita com agua florida a 15300.
Dita com dita dita a 1501)0.
Tnico de Jayme a 15500 o frasco.
Frasco com oleo expresso de babosa, de
240 a 640 rs.
Dito com agua de Colonia de 300 a 15900
Dito com extractos finos a 15000.
Dito com sndalo verdadeiro a 15200.
Latas com banha muito fina de 120 a
240 rs.
Sabonetes muito finos e diversas qua-
dades a 80,160, 240 e 320 rs.
Finas escovas para dentes de 320 e 500 rs.
Ditas para facto de 500, e 600 rs.
Ditas para cabello a 500 rs.
Pentes para asar com costa de metal a
320 rs.
Ditos ditos ditos de bfalo a 240 e 320.
Pentes para tirar piolho de 160 e 240 rs.
Pavios para gaz, dazia a 240 e 320 rs.
Brincos de cores, inteiramente modernos
de 160 e 240 rs.
Pennas caligraphicas muito finas a 15400.
Ditas de lanca e mosinha a 800 rs.
Lindos babadinhos e entremeios de 500
e 15500.
Grosas de botoes de louca de 160 e
200 rs.
Ditos ditos para calca a 240 rs.
Gaixa com papel amizado a 700 rs.
Ditas com envelopes a 480 rs.
Ditas com obreias a 40 rs.
Ditas com agulhas fundo dourado a
280 rs.
Thesoura para costura a 240 rs.
Linha de marca enixa a 280. rs.
Carriteis de linhas de Alexandre de n. 70
a 200 a 10 rs.p
Grampos muito finos, com passarinhos du-
ziaa 290 rs.
Cartas francezas para jogar duzia 35000
Ditas portuguezas, duzia 15400
Papel almaco superior qualidade resma
45000.
Lam muito fina para bordar libra 65500
Fitas para debrum de sapato, pessa 160 rs
Ditas de lam para debrum de vestido peca
400 rs.
Caivetes gr ndes com molla a 400 rs.
Ditos grandes com 2 folhas por 320 rs.
Rosetas prelas para luto, o par 100 rs.
Trancas de lam de caracol branca e de
c es de 40 a 100 rs.
FiUs para cs, peca 480 rs.
Alfineics de lato, carta 100 rs.
Saoatinhos de lam para creanca de 400
a 800 rs.
Calcadeiras a 40 rs.
Gravaras dr seda preta de 400 e800 rs.
Ditas de croxe, brancas e de cores SOO rs.
Dita de gorgurlo de odres a 800 rs.
Na Verdad* i m* Duae &e Ca-
________xla a. &fc.________
Cantara de Lisboa
Soleiras, hombreiras e capiteis para frentes de
casas, o qoe ha de melhor: venda no arma-
zem da travs do Corpo Santo n. 25, de Joaqun)
Lopes Machado & C. _______________
Vendem e diversos eseravos pecas vindos
do Cear, prtprios para engento, assim como
nma cabrocha por 1:000j, de 18 annos de idade,
bonita gura, est nm pouco descorada de rialda-
de, e diversas ranlatas com habilidades : a tratar
na rna da Crut n 53, a* andar.
Armazem dous irmos
8=ua da Penha8
Hanteiga ingle; a superior a 11500 a libra, dem
Tranceza a 800 rs., cb miudo bom a 3*200, dem
grosso a 3#, velas de esnerraacete a 640 a libra,
caf em caroco bom a SOO e 240 rs., toucinho a
400 rs., lalarim, macarrlo e aletria a 500 rs., qnei-
jos frescos a *500, idem prato alia libra, vinho
em pipa a 400 rs. a garrafa, idem S. Julien Me-
doc a 640, grandes latas com bo'.acbinhas a I'i00,
lagustinhos a 600 rs. a lata. Nenie arpuueni ha
semp.-e grande deposito de gneros de primeira
qualidade, e vendem-se a precos muito resumidos.
DE OURO
LOUCA
5
Grande armazem na rna da
Imperatriz n.
Neste grande armazem vende-se louca ingleza
Unas e ordinarias, apparelhos de porcelana para
juntar e para cha, jarros para flores os maisboni-
tos e de gestos modernos; assim como grande
fortimento de vidros finos e ordinarios que ludo
se vender tanto a retalho como por atacado pelo
mais barato preco que em outra pualquer parte :
chamamos a atteneo dos freguezes, que serio
convenientemente servidos tanto nos commodos
precos como na boa aualidade das fazendas.
Cigarros da imperial
fabrica de S. Joao
de Nictheroy.
nico deposito em Pernarabuco caes da alfan
dega velha o. 2, 1* anda.__________
Aos cem mil azulejos
Portuguezes, hespanhes e franeezes : na ra
Primeiro de marco n. 16, outr'ora do Crespo, ar-
mazem de louca de Bernardmo Duarte Campos
& C.
Enprenho.
Vende-se o engenho Ribeirao da freguezia de
Santo Amfio, situado pouco mais de urna legoa
da estrada da Victoria, de trra? muito producti-
vas, podendo safrejar para mais de 2.OS0 paes an-
imaos, com bom cercado feito todo de vallados, e
muito boas obras; o engenbo d'agua e est
moente e corrente : quem pretender este negocio,
dirija-se ao mesmo engenho, ou ra da Concor
da n. 13.
Grande estabelecimento de fazenda e roupas feitas epor medida, ra da Im-
peralriz n. 52 junto a loja de ourives.
Neste estabelecimento encontrar o respeitavel publico um bonito sortimento de
roupas de todas as anualidades.
Palitot de alpaca preta e de cores a 3#000, 35590 75000, ditos mirin preto
de 75000 at 255000; ditos de casemira de cores finas e ordinarias, de 65, 165000,
ditos de panno finos de 65 85 105 e 2(<5000. sobrecasaco dito de 205 a 505000
Completo sortimento de calcas debrim pardo de 15600 a 65000, ditas brancas
de 25. 105000 o mais superior, ditas meia casemira, ditas casemira de 55, 125000,
ditas pa$em.ira preta de 65, a 165000superior, dita de merino diversas qualidades para
luto. Assim como um bonito sortimento de colletes de brim de cores, ditos brancos,
ditos de casemira de cores e pretas, ditos de merino para luto fazenda superior.
Sortimento completo de camisas francezas de algoda, de 15600 35000, e de
linbo de 385000 a 700000 a dazia.
Sortimento completo de ceroulas francezas de algodao de 15600 a 25500,
ditasde bramante a 15500 25900 e 35000, ditas de Hamburgo, francpzas, fazenda su-
perior de 255000 a 355000 a duzia. Sortimento de colannhos de algodao e Itnho, etc.,
assim como meias de algodao para homem de 35, a 105000 a duzia, gravatas de umi-
tas qualidades. Na roa da Imperatnz q. 52, loja do
Sortimento de chapeos de sol de alpaca, e soda, ditos inglezes cabo de marfim.
Toalhas para rosto. Sortimento de mallas para viagem.
ATTENGAO.
Neste estabelecimento encarrega-se de mandar fazer qualquer obra por medida
e para esse fim tem hbil mestre encarregado da officina, que se encarrega do trabalho
com perfeicao e pontualidade.
SORTDENTO DE FAZENDAS.
Chitas de 240 rs. o covado ou 105000 a pessa com 42 covados, ditas miudes
para camisas e ti.mab de menino 260, e 280 rs.. e putras omitas qualidades de 320, 360
e400 rs. o covado, neste mesmoesiabelecimento chegaram, urnas bonitas chitas da
victoria com barra, aqnal paraflhos ecompetente enejte para corpinbo. Cam-
braia lisa de 35, 45,55 e 40500 a pessa, e outras muitas fczendas de todas as quali-
dades.
" *
ALGODAO E MADAPQLO AVARIADO.
A 45000 o algodao, e 45500 omadapolab, e tambem chita escura boa 240 o
covado por ter grande porcao, na ra da Imperatris n. 52, loja com portaes encarnados,
intitulado
Leao de Ouro.
MACHINAS PARA
COSTURA
Acabam de chegar 40 GRANDE BAZA
UNIVERSAL, ra Nova n. 22carneiic
via.nnanm completo sortimento de ma-
chinas para, costura, dos autores mais co-
nbecidos, as quaes estao em exposico no
mesmo Bazar, garantindo-se a sua boa qua-
! lidade, e tambem ensina-se com perfeicao
a todos os compradores. Estas machinas
I sao iguaes no seu trabalho ao de 30 costu-
! reiras diariamente, e a sua perfeicao tal
, como da melhor costureira de Pars. Apre-
j sentam-se trabalhos executados pelas mes-
mas, que muito devem agradar aos preten-
dentes.
Officina e armazem de
Velias de spe?maeet
Verdadeiro americano rada nma caixa trhrta,
e cinco meias duzias de villas, ou 210 vellas, por
triota e cinco mil reis. No armazem de Tasse Ir-
mos & C, ra do Amorim.
Atten Vende-se manteiga ingleza a 12280 e 800 rs. 1
libra, dita franceza a 720 rs. : na ra da Penha
n. 33.
Grande pech!ncha
Na ra do Duque de Caxias, antiga roa do
Queimado n, 19, vendem-se alpaca de todas as
cores e lavradas pelo preco de 500 rs., ditas de
hoos pannos a 240 rs. ; assim como tea ricos
cortes de cambraias bordadas de cores a 7J00O o
corte com 10 varas, baratissimo.
BRACO
mannore
Caes
Vende-se
Ps de roseiras de varias qualidades, de cravei-
ros, de sapotis, de figneira?, de abacates, de pi-
nheiros, de palmeiras, de laranja cravo, por ba-
rato preco : tratar na Boa-vista, ra do Mon-
dpgo n. 51.
Vende-se urna casa de taipa, na baixa do
Zumbi, (Torre) em solo readeiro : tratar na ra
Imperial n. 233.
A 1^500
Vende-ss sapatos aveiudados para homens e se-
nhoras, pelo diminuto prec-T dp. 13500 o par : ve-
nham a ra da Cadeia n. 50, loja de miudezas.
LOJA DOS iRC
A"
Ra do Crespo n. 20 A.
Alvaro Augusto d'Almeida C.
Este estabelecimento de fazendas finas e grossas j bastante conhecido como
am dos mais bem sonidos desta cidade acaba de receber directamente de Paris al"uns
artigos especiaes qae psssa a mencionar.
Ricos cortes de vestidos de blond para casamentes.
Cortes de vestidos de seda de cor, de gostos inteiramente novos.
Brochad, fazendas de la e seda propria para vestido.
Foulard de seda de todas as cores, tambem para vestidos.
Fitas largas de seda para cintos, gostos escoceses e lisos.
Chapelinas de seda e de palha d'Italia.
Basquinas de seda e guipure.
Colchas de seda e de lia e seda.
Cortinados de cambraia bordados maito ricos.
Pannos de verdadeiro croch para jardineiras, sof e cadeiras.
Toalhas de linho de superior qualidade.
Bramantes, selicias, sguioes atoalhados.
Guardanapos, colchas, aaias bordadas camisas,
Cache-nez, bales, camisinhas, sombriaba.
Madapoies de varias qua idades, saxos para viagem, mallas, tapetes, capa-
chos, alcatifas e muitos outros artigos que se vende por precos mdicos.
Tem tambem constantemente um completo sortimento de ESTEIRAS DA N-
DIA para forrar salas.
Vinte e dous de novembro n, 57,
(outr'ora armazem allianca)
i Ha para vender pedras marmores de lodos os
lmannos e grsauras, tijolos de diversos ta-
maahos, soleiras e saccadis, assim como solei-
ras e saccadas de pedra de Lisboa. Tambem con-
i irau-se e faz-se qualquer.obra, como monumen-
tos, tmulos, estatuas, pias, lavatorios, mesas e
tudo o mais tendente mesma arte, por mdicos
pncis.________________________
, j vende-se ou troca-se por ca:as nesta praga
o sitio denominado dos Boritiz, antiga casa da la-
' vagem de roupa, com grande casa de vivenda,
senzala para pretos, estribara, banheiro de pdra
e cal cem agua corrente, baixa para capim e
Srande terreno para plantacdes : quem o preteD-
er dirija se prnca da Independencia n. 33.
i" CAZ GAZ AZ
Cbegou ao antigo deposito de Heory Porster
0., roa do Imperador, um carregamento de gai
de primeira qualidade; o qual se vende em partidaj
e a retalho por menos preco do que em outr qual
quer parte._____________________________
Vende-se um terreno proprio, com 138 pal-
mos de frente e 160 de fundo, para o lado da e*
trada do (erro, cujo terreno tem acerce feito pa-
ra cinco moradas de casas, na roa de Motocolom-
b dos Afogados : a tratar na mesma ra, ou na
ra Direita dos Afogados n. 13.
PORTLAKD.
Vende-se no armazem amarello de Vicente Fer-
reira da Costa & Filho, defrente do arco da Con-
ceicao. era barricas Brandes
Tasso Irmos & C.
Vendem oleados pretos para forro e guardas-chu-
va de carros.
Ditos de cores.
Portas de piaba almofadadas, tamanhos diversos.
Cadeiras americanas de varias qualidades.
Tnico para cabellos.
Agua de Florida.
Machadinhas americanas.
DE OURO,
Ra do Imperador n. 26
O respeitavel publico encontrar neste
estabelecimento diariamente am completo
sortimento de pastelaria, bollos inglezes
podas, pds-del, prgsenlos dos ltimos
chegados ao mercado, salame de lion, bo-
liuhos finos de todas as qualidades para cb,
amen loas confcitadas, confeilos, bumboius.
pastilhas, chocolate francez em libras, pas-
tilhas do mesmo .cartuxos e carteiras com
seis charutos de chocolate cada urna, este
sortimento de cnscolate do mais acredita-
do fabricante de Paris e o melhor que at
boje tem vindo ao mercado.
Vinuos portuguezes, figueira muito supe-
rior. Os mais gnuinos e superiores vinho
'. dp Porto, moscatel e Setutytl, o Ilustrado
publico encontrar neste estabelecimento
; por commodos precos, fazendo-se abatimen-
' to a qem comprar em porcJo.
Laceres de todas as qualidades, as mat
finas, entre elles o afamado Aiapaoa, este
licor o mais saboroso e superior, at
I hoje conhecido. Xaropes de groselbe, rosa.
maracuj, caja etc vinbos de Rordeaux de
todas as marcas, o mais superior que se
pode encontrar, champagne de Chevernt
muito superior, os mais tinas e superiores
cognacs franeezes, old-tom, de todas as be-
bidas alcuosas, este a mais salutar para
quem soffre do estomago,
Conservas de legumes, portuguezas, fran-
cezas e inglezas, mlhos mostrada etc.,
Jruclas seccas cristalisadas e em calda, na-
cionaes e estrangeiras de todas as qualida-
des, charutos dos mais acreditados fabri-
cantes da Babia e Rio de Janeiro, cigarros
de S. Paulo e Rio de Janeiro, muitos su-
periores, e finalmente tudo qointo se dese-
jar tendente a este genero de negocio com-
promelemo-nos a s,atisfazer toda e qual-
quer encommenda com a maior promptido
e asseio : Cerno sejam para caSamentos,
baplisados baiies etc., tambem se recebem
encommendas de paes de l ou bollos de
qualquer especie enfeitados e decorados,
bandeijas de bolinhos com armar.50 de as-
sucar, assim como de papel, pegas monta-
das, gcllatinas de fructa, auiendoas, leite
etc..
Os donos deste estabelecimecto nao se
tem poupado a despezas para melhor me-
recerem a acoadjuvaco do Ilustrado pu-
blico.
rf'* ~
RA DA IMPERATRIZ
em on'ra qaa
e armazem p
dereai cscolher.
S IO PAVlO
m BOXITAS FAZENDAS PARA A FES- vk
TA DE 0 ,
SANTO ANTONIO, S. JOO E S. PEDRO. g< ^
Vendem-se as mais lindas poupeli- w >W
as de linho e seda com os gostes &< i'
mais novos que tam vindo a este x<
mercado, pelo barato preco de___3
2^000 o covado. S
Sedas listradas, de furta cftres, fa- q
midas ae muita phantasia a 2)5000 x
o covado. **
S.'da bismark, larga fazenda muito <
encorpada o covado a 25500.
Bonitas lasinhas largas com palma
de seda, covado a i5000,
Lindas agraciando lavradas covado
a 15000.
Alpacas lavradas de todas as co-
res, covado a OiO, 800 e 15O0D
Bonitas lasinhas escossezas com
quadros e litras de soda, covado a
560.
Finas alpacas Mas, sendo cor bis-
mark lyrio, verde, roxo, cinza, can-
na, azu! etc., covado a 610.
Ditas furta cores com as mais bo-
nitas cares, covado 50) rs.
Lindas bareges lisas, e com lista
di rasma cor, fazenda inteiramen-
te nova, covado a 563 e 640 rs.
Bonitis lasinhas tapadas e trans-
parentes com grande diversidade, o
covado a 600 rs.
Lasinhas lustrosas com lindas co-
res emitaco de seda, o covado a
320.
Lindos cortes de anadino, sendo
fazenda nova e transparente e de
muita phantasia, com 48 covados a
155000.
Finiss'mos crtes'de vestidos bran-
cos bordados com todos os enfeites
franeezes a 125000.
Cortes de ganga indianos, fazenda
inteiramente nova a 75000'
Ditos cbinezes com duas saias a
75000.
Ditos de la escosseza fazenda mui-
to b mita com nos de seda a750.0
Finiusimos organdys com lista de
cor e salpico, sendo fazenda de
muita phantasia, o metro 15280.
Organdy branco com listras lar-
gase quadrinhos, a vara a 15000.
Todas estas fazendas, sao inteira-
mente novas e se vendem muito em
conla, ra da Imperatriz n. 60,
loja e armazem de Silva
do & C.
e Figuei-
de l^OOO rs. cada um, pechincha.
CASEMIRAS ESCOSSEZAS.
O Pavo tem bonias casemiras escosse-
zas com quadros grados e midos e outras
lisas com listras ao lado, sendo, fazendo
muito fina que se vende mais barato, por
haver grande porco.
CORTES DE CASEMIRA PRETA A 4:500,
O Pavo tem os superiores cortes deca-
semiras pretas enfeitadas pelo barato preep
de 45500 rs. o cort,
CASEMIRAS RASPADAS A 800 RS. O CO-
VADO.
O Pavo vende excellente fazenda de pura
la com as cores escuras muito proprias
para calcas, palitots, coiletes e roapa para
meninos que frequentara a escolla por ser
urna fizenda leve, escura e de muita dura-
co. pechincha a 80) rs. o covado ou a
2580Q o corte de calca para homem.
FINAS BAREGES A 6iO RS. O COVADO.
O Pavo tem as mais Inda3 bareges de
la sendo meias transparentes, com urna
so cor, tendo: lyrio, azul, rosa Bismarck,
roxo, etc., tendo muito boa largura e qui-
da-se por 640 rs. o covado, por se ter fei-
to urna grande compra, assim como ditas
mais estreitas de urna s efir com listras
imitaco de seda a 560 rs. o covado, e pe-
chincha. v
PEgAS DE MADAPOLO A 35500.
O Pavo vende pessas de muito bom
madapolo, tendo 12 jardas cada urna, pelo
barato preco de 35500.
PECHINCHA EM ALGODAO A 4*000 RS.
O Pavo est vendendo pecas de algodo-
, sinho francez, tendo 4 palmos de largura e
| com 11 metros cada peca, pelo barato pre*
;de 45000 rs.
CERA DE CARNAUBA.
Vende-se sop9rior cera de carnauba em
saccas, mais barato do que em outra qual-
quer parte, na .ra da Imperatnz Q.JJ60,
loja do Pavo.
OS SETINS DO PAVO
Vende-se es mais bonitos setins de cores
CROCHE'S PARA CADEIRAS E SOFA'S,
O Pavo tem um grande sortimento dos
i mais bonitos crochs para cadeiras, sofs
mesas, almofadas etc., proprios para co-
brir presentes e vende-se mais barato do
que em outra qualquer parte.
Algodao entestado.
Vende-se urna grande porco de algodo
sinho americano com 8 palmos de largura,
proprio para lences e toalhas, tendo liso e
trancado, que se vende por preco muito em
conta.
LAS ESCOSSEZAS
LAS ESCOSSEZAS
LAAS ESCOSSEZAS
A 560 rs. o covado.
Cbegou para a loja do Pavo, o mais
elegante sortimento das mais lindas lazi-
nhas escossezas com fios de seda, as quaes
fazem o mais delicado effeito, para vestidos
do-duas saias, e veadem-se pelo baratissi-
mo preco de 560 rs. o covado.
SEDAS DE LISTA
* SEDAS D" LISTA
SEDAS DE LISTA
a 25000 o covado.
Chegou par?, a 1 >ja do Pavo um grande
e bonito sortimento das mais lindas sedas
de listas com as mais delicadas cores, tendo
entre ellas algumas que servem para loto, e
vehdem-se pelo barato preco de 25000 o
covado, pechincha.
FAZENDAS PARA LUTO NA LOJA PAVO
Encentra o respeitavel publico neste es-
tabelecimento um grande sortimento de fa-
zendas pretas, como sejam cassas france-
zas e inglezas, chitas pretas de todas as
qualidades, fazendas de 13a de todas que
tem vindo, proprias para luto, sendo lasi-
nhas alpacas lavradas e lisas, canto, bom-
basinas, merinos, etc. que tudo se vende
por preco barato.
PARA BAPTISADOS
Na loja do Pavo vende-se bonitos en-
chovaes para baptisados.
Cortes de casemira a 45000, cada um.
Vende-se bonitos cortes de casemiras
claras e escuras .pelo barato preco de 45,
ou a 25400 o covado, tendo duas larguras'
CORTINADOS PARA CAMAS E JANELLAS
de 85, 105, *25 e 165000.
Chegou para a loja do Pvd"' um grande
sortimento dos bonitos e ricos cortinados
bordados, proprios para camas e janelks,
'^K P-RETS m ,60 AT7** ROUPAS PARA HOMENS PARA TODOS
INa loja do Pava.) encontra o respeitavel > nQ Dfil?rn(:
publico um grande sortimento degrosde-l vw ^ k V .
naples pretos de todas as larguras e qua-! N est?, grandol fslabehcimento encontrara
7X000 respeitavel publico um grande sortimento
de rouj;as, sendo palitos e sobrecasacos de
lidades, tendo da 15300 o covado at 75000
e 8500), que se vende por preco muito
em conta.
CASSAS FRANCFZAS.
Chegaram para a loja do Pavo as mais
lindas cassas francezas com delicados pa-
droes, tendo para todos os precos e quali-
dades, dando-se todas amostras, assim como
um Bonito sortimento das mais lindas chi-
tas francezas escuras e alegres, que se ven-
dem muito em conta, e tambem se do
amstras.
CHITAS A 240 RS.
Na loja do Pavo vendem-se bonitas chi-
tas francezas claras e escuras e cres'fixas
240 rs. o covado, e pechincha.
LASINHAS A 320.
LASINHAS A 320
LASINHAS A 320.
Na loja do Pavo vendim-se elegante sor-
timento das mais lindas lasinhas lustrosas,
com listrinhas a imitaco de poupelinas de
seda e com as cores mais lindas que tem
vindo ao mercado, sendo fazenda que vale
maito mais dinheiro, e liquidam-se a 320
rs. o covado, pechinclu,
PECHIffCEIA
EM CAMISAS DO PAVO A 45500 RS.
Vende-se um bonita sortimento de muito
finas e modernas camisas inglezas com pei-
to e coliarinhos da linho e punhos, pelo
baratissimo preco de 45500 rs. cada urna
e aos freguezes que compr-arem duzias se
panne preto e cazemira, calcas e coletes de ,
brim branco e de cores, que tudo se vende
mais barato do que em outra qualquer parte;
assim como um grande sortimento de ca-
rnizas francezas e inglezas, e ceroulas tanto
de linho como de algodao e abundante sor-
timento de mcias cruas.
VESTIDOS INDIANOS COM DUAS SAIAS.
ALPACAS LAVRADAS A 640, 800 fc
1,000 RES.
Chegou para este grande estabelicimente
o mais bonito soitimento das mais moder-
nas alpacas lavradas de todas as cores, que
se vendem a 1$, 800 e640 reis o covado,
assim como um grande sortimento de alna,
cas lizas de todas as cores
Basquinas*
Chegaro as mais modernas basquina*
ou jaquetinhas de seda preta, ric-amenii
enfeitadas a vidrilho, tranca
-......-----a viarimo, tranca e setim preto
O Pavo vende urna grande porco de tet,do de todos os modellos, os mais novo*
rtes de vestidos indianos, tendo duas I08. tem legado e vendem-se por precot
cortes de vestidos indianos, tendo duas
saias e tendo bastante fazenda, com os gos-
tos mais novos qu tem vindo. e liquida-se
a 55000, tendo cada um seu competente
finirino.
CASEMIRAS MESCLADAS A 35 O COVADO
O Pavo em para vender bonitas case-
miras mescladas e bastante en;orpada para
roupa de homens e meninos pelo haraio
preco de 35)00 cada covado ou 55000 o
corte de calca para homem.
Roupa por medida.
muito razoaveis.
POUPELINAS DE SEDA
POUPELINAS DE SEDA
venae-se es mais norntos settns ae cores "-'f-vk-'" p **ui o jaulas,
e mais encornados, proprios para vestidos Ka8 M Tendem de mP P31"' ^ mais
tendo de diversas cores. "co ^ue vem ao mercado, e vende-se mais
...... -----------~ 0, ,.- v
que tem um perito alfaiate, responsabelisan-
do-se os donos do ostabelicimento por qual-
quer falta que possa haver, quer por de-
mora, quer por qualquer defeito na obra;
e para isto encontra o respeitavel publico
lhe fer nm7batimeVorgarant7rjdo^se'qe!0m 8Taode sorl'mento de todas as fazendas
fazenda que vale muito mais dinheiro, 11ae deseJar
Hquida-se por este preco por se ter feito | BRAMANTE A 1800.
ama grande compra : assim como se vende Vende-se superior bramante com 10 pal-
um bonito sortimento de ditas tambem com raos de largura, proprio para lences, dan-
peito de linho bordadas e ditas de algodao do a largura d'esta boa fazenda o compri-
para todos os precos. ment do lencol, sendo preciso para cada
PANNO PARA SALAS A 15000, 15280 e nm apenas 1 e 1/2 metros ou 1 e 1/4 pe-
15600 RS. chincha pelo preco.
POUPELINAS DE SEDA
a 25000 o covado.
O Pavo acaba de receber o mais ele-
gante sortimento das mais lindas vei dadet-
ras poupelinas de buho e seda com os pa-
dres mais delicados que tem vindo ao mer-
cado, tendo entre ellas cores proprias para
alliviar luto, e vende-se palo barato preco
de 25000 cada covado, pechincha.
Cambraias brancas
Vende-se um grande sortimento da me
Na loja do Pavao manda-se fizer-qualquer lhores cambraias tanto victorias como tram-
pega de obra a vontade do freguez.^para ojparentes tendo de 35500 peca at a mah
fina que vem ao mercado.
CAMBRAIAS BRANCAS A 4*000, A PECA.
S o Pavo vende pecas de cambraia
branca transparente, tendo mais de vara de
largura, com 10 jardas cada peca, fazenda
que sempre se vendeu a 75 e 85000, liqui-
da-se pelo barato preco de 45800.
FUSTES BRaNCOS A 640, 800 E iim
Vende-se muito bonitos fustes branco
muito fleiivel proprios para vestidos de
Vende-se bonitas fazendas {proprias para
aaias sendo com bordados e pregas a un
lado, dando a largura da fazenda o compri-
mento da saia e vende-se pelo barato preco
de 15000,15250 e 15600, cada metro sen-
cada saia pechincha.
vertidos braaeos a f000 r.
O Pavo vende flmsshno,s cortes de ves-
tidos de cambraia sranca, ricamente borda-
das e com muita fazenda pelo barato prfeo
ESPARTILHOS A 8*000.
Vende-se um bonito sortimento dos me-
mores e mais modernos espartilhos tendo
do barato preco de 55000 at 8000.
Cachenez.
Na loja do Pavo vende-se um grande
sortimento dos mais bonitos cachenez de
pura la proprias para senhoras, vendem-se
a 65000 cada um, na ra da Imperatriz
n. 60.
I barato que em outra qualquer pa/te,
A loja do Pavao est constantemente aberta, das 6 horas da manha s 9 da noute
senhoras e roupa para meninos e vende-se
a 640, 800 e 15200 rs. o covado.
Cassas a 5J40 rs.
O Pavo est vendendo bonitas cassas de
cores fixas a 240, 280 e 300 rs. o covado
Brilhantes Jasinbas.
S o Pavo, 460.
Chegaram as maisbirlhantesliasiohas com
as mais lindas cores, com nalminhas miudi-
nhas, assenladas as mais delicadas cores de
lyrio, cor de canna, cor de ganga e branco,
sendo estas novas lasinhas de muito boa
qualidade, tendo largura de alpaca e vende-
se 460 rs. o covado. ra da Imperatriz
n. 60 loja do Pavao.
v


"*>*;
Diario de Pernambuco Tenp feira 21 de Juuho de 1870.
=

1
H

i >


1)
^
A BA BIA IRIFfillAWitiZ ^
Esquinada ra da Aurora, ew frente do uf mperatriz.
k^iK .^NeStB.n!)V0 e '""P1*80estabdecirueptu fie fazeodascricotraro as, Exmas.
m^ S,K w*amd,e*af *" "i do nuis rigoroso lu.xo, coa*,em todas
ttaii '4 nahuatle:* a taxeudas,
-nr t>aBs, Alm rt*' l*J*eJ*W* pwnto que do melhoi'se encanta nose rorreado,
"E\2E?!8 I>aqetw da Europa, recewru ^OaweoU o que em arbitro de moda e
L? ^*?- -8uSto 8e m,cl*'u ti o 4U0-WIO cadadia augmentar s propor-
w8 ae que dispoo este estabeiac-------
menta para bein servir sua uutaerusa l'reguetia.
3a-
iJF 'W ,p,ra lences e toalhas ** Ga!* cora lstrS de s,ida aflores, fazen-
|ue costana vir ao mor- da in^iramenle nova para vestidos de bailo.
(ravatas para senhoras e hornero, o mais
Quaatio a AGCI.V toRNCA, mais precisa scieniflcar ao re;;petavel publico em
geral, e em particular a sua boa freguezia, da mmensidade Vobjeetos que ltimamen-
te tem recebido, jnstamcnte'quando ella menos opodcfazere porque essa falla invo-
luntaria ella confia e espera na benevolencia de todos que Ih'a attenderao e rclQvaro,
continuando portanto a dirigireoi-se a bem conhecida leja da AGUIA BRANCA ra do
Queimado n. 8, onde serapre acharo abundancia em sortimento de snperioridade em
qualidades, modicidade em precos e o seu nunca desmentido AGRADO E SNCEBJDADE.
Do que cima fica dito se conhece quo o lempo ie que a AGUIA BRANCV pode
dispr, empregado apozar de seus cusios s>desempenho de bem servir. 4 aquelles que a
honrara procurando prover-se em dita Joja do que necessitam, entretanto sem ennume-
rar os objectos que por sua natureza sao mais conLecidos ali, ella resumidamente indi-
car aquelles cuja importancia, elegzncia e novidade os tornam recomraendaveis, como
b m seja :
do.
46S
ecado
sama.
presente para qualquer pessoa de
gostos
Gol las e puntos bordados para senhoras.
Guardanapos de linho pequeos e gran-
Atoalhado de Imho e ajgodo, fcraoco e des.
te cores proprios para toalhas. GorgnrSo de seda preto e de cores.
nein,o ^J"*3 -. Grosd J? hlm f > Pffl e milt0 m0d5r* d0 diverMS qalJa aas, bem como de cVochet, ludo de apurado =0"
Costo e f'tio. Japouezes par -senhoras, o melhor gos-
iiaioes de mnsseitoa, raadapolio, brancos. to, e fazenda propria para as testas nos ar-
*e cores, para seahora e meeinas, rabaldes e passeios a tarde,
tfaregf.s de cores variado sortimento. q^
Babadkihos ou tiras bordadas em todas as! Lazinhas de tudas as qualidades, cores
*t?s\ | o gostos, nao finando nada a desojar, tal
Be totma de tedas as cores. i o sorliment que existe para escoltar.
Bolsas de tapete para viagem. grande! Lencos, uio quanto pode baver desde
nnadade de unannos e gestos. esgoio ao algodo commum.
Bombazina preta de todas as qualiddes. Leques de madreperola e osso, o mais va-
Bramante de linho de i i palmos de lar- riado sortimento. i
fara, e todas as mais quaHdades. > Ligas d seda, bordadas, para senhora.
Bretanhas de linio e algodio, grande sor- Laas de Joavia.hegadas por todos os va-
i?Dt0' v pore8' semPre nove sorraento, quer em
Bnns de imho branco e de cores, do mais peluca para hmense senhoras, quer em'fio
oe'modo ao mais caro em canto o que ha de melhor na especie. sjj
Brins d'atgodao completo sortiento e Madapolo: indescriptivel o grande sor-
variedade fie pra;os. Ikaento que lia ueste genero, desde o mais
CS elevado precu ao menor, que se vende em
ussas de cores, o mafor sortimeRto, pri- peca e retaiho por menos do que em od-
aando pelo bom gosto e baraleza, attemas tra qualquer parte,
qualidades. Mantas de Monde para qovm : o apurado
Cambraia.s brancas, tapadas, e traaspareu- gosto dos nossus correspondentes em Paris
s de todas as qualida Camisiahas de cambraia de linho e cassa estabelecimento o que de melhor se dese-
ordadas ricamenta afeitados para Sras. ja para vestir e ornar urna noiva.
Camisas para horneas e meninos, tao va- Mantas {netas de blond.
nado sortimento que vai do mais ordinario
Corpinhos de cambraia, primorosamente
enfeitados com Otas de setim e obras essas
cuja novidade de molde e perfeicjio de ador-
nos os tornam apreciados.
* Fitas mni largas de diversas cores e qua-
lidades para cintos.
Capellas brancas para meninas.
Grandes sortimento de llores finas.
Fil de seda, preto.
PERFUMARA .
Grande e constante sortimento de dita,
sempre melhor quajidade.
Leques uesse objecto muito se poderia Lindos v.-.sos cora p de arrox e pinsel,
dizer querendo descreve-los minuciosamente Caixinhas com ditos aromticos.
por suas qualidades, coree e desanos, tai
o grande e variado sortimento que acaba
de chegar, mas para n5o massar o pretn-
deme se Ihe apresentar o quo po^erde
melhor.
Bonitos e modernos pentes dourados
para circular o coque.
Bonitos brincos de plaquee.
Aderecos e brincos de madreperolr.
Caivetes finos para abrir latas.
Entrempios em pecas de (2 tiras. Tbesouras para trisar babadinbos.
Guipure branco e preto de diversas qua- Aspas para balo.
lidades e desenhos. Novos stereoscopos com 48 vistas, as
Ditos do algodao com flores' e lisos. movidas por em machinismo
Veos de seda para ctapelinas e monta-lUma? substituera as outras.
a. Vistas Dar slerensconns.
aaadapolSo ao mais perleito bordado de li-
Camisas de meia, de flanella, brancas e
te cores para homem.
Casemiras pretas. e de cores, o melhor
jme se pode imaginar, sendo d'isso a rae-
iwr prova o grande consummo deKas na
ncina da casa.
Capailas de flores, para noivas e bailes,
-lesde a mais candiila flor de larangeira at
* mais interessanle grinalda.
Chapelinhas no meihor gosto, de todas as
Ores hoje preferidas pelas testera de
ais apurado rigor aa moda.
Chapeos pretos de velludo, para senhoras, |
altimo gosto de Paris.
Mantas para carros, com liadas pinturas.
Merinos pretos, trancados*lisos.'
Mussena branca e de cores, lindos e va-
riados padres.
Pannos pretos e de coros, desde o mais
barato ao mais superior, por precu ttaKo
commodo.
Panuos de crochet, para cadeirs e sofs.
Ditas de case-mira muito fiuos para
mesa.
Peitos bordados de linho, lisos e de al-
godao para camisa.
Princetas pretas e ^e cores.
Popelina do seda e linho, com listras e
flores; fajeada lindissima.
Peliierinas para senhoras, do ultimo
Chapos de sol, para senhoras e horneas,
de todos s prefos e variados gostos.
Chai y com ricos padroes para vestidos.
Chales de todas as qualidades, avultado
omero e nao menos variedade de gostos,
Chitas, impos8vel descreverosortimen-IAiURORA, desde a verdadeira agua Flori-
do e variedade de padroes e noves ?ostos,! da at o mais tino iouquet d'Atnour, final-
gosto.
Perfumarias ; os mais finos extractos o
que de melhor e mais agraavel se pode
encontrar neste geaero, e de e snave no olphato, tem o PAVILHO A
aa neste artigo tudo qtianto se pode desejar.
Cintos para senhoras o que se pede ima-
fiaar de melhor.
Coques, o melhor no gosto e nos entei-
js, varios tamanhos.
Colchas de seda com borlas, o mais apu-
nado gosto e lavor.
Ditas de fusto branco e de cores por
,)re?os commodos.
Corpinhos da cambraia, ricamente borda-
ios para senhoras.
Cortinados de cambraia bordados e de
i,o que de melhor se pode desojar.
Colarinhos de linho bordados lisos, o
aaior sortimento.
ao
Damasco de la de 9 palmos de largura
lindas eres e ricos padres.
Espartilhos bran^s e de cores, para se-
ahoras e meninas, o melkor neste genero ;
aeohuma 9ra. deixar por certo de muir
ae de to precioso auxiliar perfeicao de
om corpo delicado.
Enlremeios bordados.
Escomilha preta.
mente tudo quanto deve oceupar o touca-
dor de urna senhora de gosto.
Saias bordadas, brancas, lisas e de cores
eora folhos e sera elles, o memor possivel,
Sahidas de bailen de todas as cores.
Sedas pretas, de quadros, lavradas, lisas,
de listras de todas as cores e qualidades e
o mais barato possivel.
Sarselim de todas as cores e qualidades.
O*
Tapetes gramies, lindas pintaras para 8
cadenas, mais pequeos e de iodos os ta-
manhos desejavois, e em peca para co-
vados.
Toalhas de layrintho, do maior e mais
fino trabalho ao mais barato.
Toalhas de linho e algodo de todos os
tamanhos, lisas e felpudas.
Tarlatana branca com palmas e de cores,
fasenda muito nova, e gostos delicados pro-
pria para baile.
Vistuarios bordados de fust3o brancos e
de cores para meninos, de cambraia para
baptizados, o que de melhor tem viudo a
na.
Meias de seda para noivas.
Ditas abertas de fio de Escossia.
CosHmies ou uniformes para meninos.
Eoxevaes completos para baptisados.
Toafninhas de fil, sapatinhos bordados
e rais para ditos.
Gamisinbax bordadas para ditos.
para stereoscopos.
Bonitas caixinhas de vidro enfeitados com
pedras.
Ditas de raadeira enveraisada com vispo-
Iras e com dominas,
, Bollas de boiracha para brinquedo de
criancas.
Diversos obiectos de porcelana, proprios
para enfeites do mesa e de lapinhas.
AUHEAZGfS
NOS GRANDES
DE SE2CCOS E
MOLIlillOS
N. 33Largo do Ter DE
SIMIO DOS SANTOS 8- C.
PSOGRESSD
10 Pat da Penha 10
DE
JANTES & FERR IRA. ,
Os proprietanus desies bem sortido* armazens participam aos seus ianomeros
freguezes tanto desta piaga como do matto qoe teado leilo grande dirainuico de pre-
sos as suas mercadorias esto por isso resolvidos a vender por meno* de 10 e 20 i0,
do que eiL.ouira qualquer parle, garantindo-se portauto a s ptrier qualidade de qual-
quer genero uoeiprado uestes Jous estabehicimentos. Mencionamos alguns dos nossos
gneros e a vista (lestes sao comprebeodidos os ooiros, porque enfadoobo seria men-
cina-los.
Se alguem duvidar venha ver.
Gaz americano marca Deves a 8^800 a
Viaagre braaco mandado vir por conta
propna viudo de Lisboa, a 320 a garrafa e
480 o litro.
dem tinto Figueira, Lisboa e Pwto a
320,280, 240 e 200 rs. a garrafa e 48 300
rs. o litro.
Viabo Figueira, Lisboa, Porto e Estreito
lata, 380 rs. a garrafa e ^60 o litro.
Azeite doce de Lishoa a 900 e 10000 a
garrafa em porc3o faz-se grande abatimea-
lo.
Caf em caroeo a 220, 240 e 20, a li-
IAIJA
DO
GALLO VIGILANTE
Una do Crespo a. 9
Os proprieuiios de3la bem eonhecido e.-iubele-
..imente, aliu ios ruuilos objectos (jue tiuiuua ex-
postos a apreciacao do respeitavel publico, mao-
dararn vir e acabain de receber pelo altimo vapor
da Europa um completo e vanado sortimento de
finas e mu delicadas especialidades, as quaes es-
to rcsolviUo* a vender, como de sea costunw.
por prives muito baranho e commodos para to-
dos, cora tanto que o Gallo....
Muito superiores luvas de pellica, pretas, brau-
cas e de mu lindas coros. '
Mu Las e bonitas gollinhas e punlios para se-
nra, neste genero o que ha de mais moderno.
Superiores pentes de tartaruga para coques.
Lindos o riquissimos enfeites para cabecas das
Exmas. senhoras.
Superiores iranias pretas e de cores com vidri-
Ihos o sem elles; esta fazenda o que pode haver
de melhor e mais bonito.
Superiores e bonites leqnes de madreperola.
marim, sndalo e osso, seneo aquelles branco?
com lindos desenhos, e estes pretos.
Muito superiores meias fio de Escossia para se-
nhoras, as quaes sempre se venderam por 305000
a duria, entretanto quo nos as vendemos por 20,
aim destas, temos tambem grande sortimento de
outras qualidades, entre as quaes algunas amito
linas.
Boas bengalas de superior canna da India e
costeo de marim rom lindas e encant.idor.-is figu-
ras do mesmo, neste genero o que de melhor s
pode desejar ; alm destas temo3 tambis'grandi
quandade de outras qualidades, como sejam,ma-
oeira, baleia, osso, borracha, etc. etc. etc.
Pinos, bonitos e airosos chicotinhos de cdeia e
de outras qualidades.
Lindas e superiores ligas de seda e bolacha
para segurar as meias.
Bons metas do seda para senhora e para meni-
nas de 1 a 1S annos de idade.
Navallns cabo de marflm e tartaruga para fazer
barba; sao muito boas,e de mais a mais i! ga-
rantidas pelo fabricante, e nos por nossa ve: tam-
bem asseguram** sua qualidade o delicadeza.
Lindas e bellas capellas para noiva.
Sujrrtores agulhas para machina e para crox.
Linna muito boa de peso, frouxa, para encher
lahyrintho.
Bons baralhe de cartas para voltarete, assim
como os teios para o mesmo flm.
Grande e variado sortimento das melhores per-
fumaras e dos melhores e mais conhecidos per-
fumistas.
COLARES DE ROER.
Elctricos magnetices contra as convulsoes, e
fa^ilitam a denticao das innocentes criancas. So-
mos desde muito recebedores destes prodigiosos
collares. c continuamos a rectbe-los por toaos os
vapores, afini de que nunca faltem no mercado,
tomo j tem acontecido, assim pois poderao aquel-
les que delles precisarem, vir ao deposito do gallo
vigilante, aonde sempre encontrarlo destes verda-
deros collares, n os quaes attendendo-se ao fim
para que ,ao applicados, se venderao com um mu
diminuto lacro.
Rogamos, pois, avista dos objectos que deixamos
declarados, aos nossos freguezes e amigos a viren)
comprar por precos muito razoaveis loja do gallt
vigilante, ra do Crespo n. 7.
EMENTO
0 verdadeiro portland. S se vende n
ra da Madre de Dos n. 22, armazem d
Joo Martins de Barros.
a 560, 500 489 e 400 a garrafa litro a 840'bra kilogrammo a 480, 540 e 600, e
760, 720 e 608. 170000, 75G0 e 8*800 arroba.
' Vioho branco puro de Lisboa a 640 560 i Milno ^Pista 200 re- a Mbra e 440 o ki -
a garrafa, em porgo ha abatimento. I logramma e 5)J800 a arroba, em porfo ha
Vinho do Porto, engarrafado das melho-' abatimem.
res e mais acretadas marcas a 1,5000 ei$200a 9?$* f';e9cos d8altHno V3P<>r a 30200
1 Enfeites para cabeca, ultima moda de. este mercado.
Paris, recebida no ultimo paquete. Vestidos de la escoceza de 2 saias,
Esguio de Imho, completo sortimento de! novidade pelopadro, gosto e forma; ditos
todos os nmeros. de |nQ0 com \)iirs de cores, e de cara-
^ I braia de cores com 2 saias, tudo inteira
Fitas largas escocesas para cintos, vario- novidade, trazem os modellos juntos para
4ade de gostos e lindos padrSes, mostrar a forma de os fazer.
Fiihs de crochet, modernos com cintos Veos de bload para noivas e pretos para
a capas, o que ha de melhor. luto.
Fil de seda, linho e algodo, de todos Vestidos de blond para noivas: podemos
a gostos e padres. asseverar as nossas Exmas. frejfuezas, qpe
Fustao de todas as cores e qualidades; somos os nicos em Pernambuco que pode-
frande sortimento. mos offerecer ao Ilustrado publico, o mais
Flanella branca e de cores. apurado gosto em semelhante materia, gra-
Flores, o que ha de mais rico, quer cas ao bom gosto do nosso fornecedor em
wltas, quer em ramos, tem o PAVILHaO Paris, podemos garantir que ninguem neste
DA AURORA am permanente jardim a genero o possue mBlhor, nem mais em
4isposic,2o das Exmas. familias. conta.
E' dispondo d to grande e variado sortimento que 03 propietarios do PA-
VILHO DA AURORA se apresentam ao publico declarando desde j que a sincerida-
e e o bom gostoo movel nico de seus negocios.
Prvidos de todo e promptos sempre a prover-se do que por ventura lhe
aeja necessario, osproprietarios deste sumptuoso estabelecimento recommendam-se
em receio de serem contradictos e protestam eeforcar-se por continuar a merecer
proteco que ae Ihes tem dispensado ; certos de que do seu estabelecimento nao satura
a reguez descontente.
Contina sempre a oficina de alfaiate dirigida por um dos mais habis anis-
as, prompto eiecotar com promptid5o e bom gosto qualquer trabalho que lhe, seja
confiado. Urna modista especialmente becupada nos trabalhos do PAVILHAO DA AU-
RORA, dirige os que lhe sao eoocernentes, garante por seu apurado gosto epromptido
aa eiecucao e a mais completa perfei$ao nos seus trabalhos.
A numerosa freguezia que nos honra urna prova de que merecemos ocon-
* Mito que se dispensa ao nosso estabelecimento, conceito que procuraremos firmar cada
'ez mais. Para facilitar anda a concecwyab do fim que nos propomos, temos no nosso
stabelecimenlo os ltimos figurinos,de Paris, que recebemos por todos os paquetes, os
fuaes enviaremos para serem vistos as familias nossas fregoezas, afim de scolherem,
com o padfab da fazepda o gasto na forma.
Na officina de alfaiate, junto ao estabetecimento, ha igualmente os figurines
arahomensque por todos os vapores se recebem.
E' este o modo porque nos apresentamos pedindo a proteceo do alastrado
jabuco e com o mais profundo respeito convidamos s encellentisBimas Srasiitf^a*-.
tarara o noss* estabelecimento, certas de encontraren nelle pelo menor preco possiva-
tacto que podem desejar.
ilanaremos caixeiros levar as faaendas eamostras onde forera pedidas, viitpJ
aso pdennos especificar tudo quanto temos.
kaoimi, Sobrftho & C.
Aborto das 6 s 9 horas da note.
Aletria, macarrao, talharim a 500 rs. a
libra e lliOO o kilogrammoem caixo ha
abtimento.
Sabio massa de t* e 2a qualidade a 220
e 240 rs. a libra em caixa ba abatimento
Toucinbo de Lisboa muito alto a 400 rs.
a libra e 880 o kogrammo, em arroba ha
grande differenca.
dem Bordeaux, Medoc e St. Julieu a
70500 e 60500, a dazia e 640 rs. a garafa.
Genebra de Hollanda e laranja doce aro-
mtica a 60500,70, i 11500,8 frasqueira.
Ser\-eja Bass, llers Re II a 90800 -du-
zia em porc5o ha grande abatimento.
dem rn. 50500 e 60, a dutia e 500 rs. a garrafa.
Assim como ha outros muios gneros, vinh em ancoretas, azeitonas,
passas e figos, charutos finos de diversas marcas, marmelada, bolachinhas de todas as"
qualidades, perola, Francy-cracynel, a, b, c, Mdium, mixed, soda Fancy-nic-nac, pa-
lace de Varietes, combraation, Britnia, doce de goiaba fina, chouricas, manteigas finas
franceza e ingleza, banha de Baltimor, phosphoros de Sycuryt, Cognac, cha de diver-
sas quahdades, Canella, pimenta do reino, ervadoce, pomada, enxofre, breu, peixe
em latas de todas ae qualidades, farinba de milho americana, grandes molhps de sebol-
las, oestes dous armazens existe tambem grande sortimento de loucas propnas para ne-
gocio, que pelos seus commodos preco faz vantagem aos compradores.
3
UMA PRENDA. Lindos objectos dourados de delicados Roetos, oronrios
^ para meninos, vndese no BAZAR DA iMODA.
g BAPTISADOS. Ricos chaposinhos de setim brancos, lindas toncas de fil.
0 e setim, sapatinhos etc.
S GUiPURE. Ou croch em pessa, branco e preto, com lindas ramagens e
w qualidade muito superior.
PUN1IOS. Para camisasdehomens, fazenda superiorcomdaas faces,o
>g par 640 rs. (pechmcha f)
9 PERFUMARAS. Fiao&.axlractos para leos, aguas de diversas qualida-
f des, sabonetes. olos pomadas, pos, tnico etc.. etc.
w PERFUMES. Lindas caUiobas para lavas contendo urna preparacSo em
^ que lhes da um agradavel aroma, por l^SOO.
firavaUs, cintos, flfes, plumas, coques, trancas, fitas; botoes, bicos e pen-
w< tes etc., etc., emuitos outros arlaos proprios do estabelecimento* vendendo-se
m. tudo por commodos precos, no BAZAR DA MODA, ra Nova n. 50, esquina da <
jF de b. Amaro.
ff Jos de Souza Sqares.fr C.
r arinhA de mandioca n i
De Garayelas e Alcabasa, chegaia hoatem e.ioje.'
igual a da trra nova, redoqda e sem cjwiro a'
tratar no escriptorio de Jos faria Palreira, lar- '
go do Corpo Santo n. 4, ana>r, oo a bordo das! ^- .
^c.i\L'n4a' fH^b Pt#"a *& *"<*>.". *w- COM 'VAS IUHA
Mala Undeno vae saceos com farinba de
jBandicca : na roa do Duque ,de Caxias, travessa
do Rosario, foja, n. J8. B
radas no caes do Ramos.
Novas pechiiijBhas
Vjaiule-se .
palitos da gaz a 3M rs. a doxia de caixinhas, ba-
rato : ;ia rna do Range] n. 39, taberna.
santo Antmtf*, e a.
JF#diro
LitWlba de (erro em vidtos muito noya.
Dita de 150 em viflros multo nova.
Dita de agujha de Len muito nova.
Mtwpara feupte de mlart aDOo eot*4o. axofre^o.tufcos.
Grajl.atrliaieDto do topas feias, asato^wo nSaWw reftaido de l* qiullade.
e fajera per adula, preco.MjlteQommo*)fc Ttodas as demais preparacoes para >m*t-
Na ra da mperatriz n. jumo a paaria tiflciaes: vende se na pharmacia T/roprla de
irancesa. Bartbolonieu 4 C na roa larga do Rosario n. 34.
KA
Loja flor da 8oa-*vigt*
DE
JanU F de M. Inaries.
Chitas escaras e claras, a 200 e 210 o cendo 1
"* ^mJilp>B>lW, 20Q,e,3|e o,ovdo.
3 cordeiro previdenti
Ra do ftueimado es. 16.
Novo e variado sortimento de perfuman
finas, e outros objectos.
Alm do completo sortimento de per-
tnarias, de que effectivamente est providi
loja do Cordeiio Providente, ella acaba o
receber um outro sortimento que se ton
aotavel pela variedade de objectos, superior
dade, qualidades e commodidades de pr<
eos; assim, pois, o Cordeiro Providente pee
e espera continuar a merecer a apreciaci
do respeitavel publico em geral e de se
boa freguezia em particular, nao se afat
tando elle de sua bem conhecida mansidi
e barateza. Em dita loja encontrarlo o
ipreciadores do bom:
Agua divina de E. Coudray.
Dita verdadeira de Murray 4 Lammac.
Dita de Cologne ingleza, americana, ir
ceza, todas dos melhcres e mais acreditad'-
fabricantes.
Dita de flor de Jarangeiraa.
Dita dos Alpes, e vilete para toiet.
Elixir odontalgico para conservado t
'sseioda bocea.
Cosmetiques de superior quahdade e ch
,ros agradaveis.
Copos e latas, maiores e menores, coi
pomada fina para cabello.
Frascos com dita japoneza, transparenv
a outras qualidades.
Finos extractos inglezes, americanos
francezes em frascos simples e enfeitados.
Essencia imperial do fino e agradavel che
ro de violeta.
Outras concentradas e de cheiros igual
mente finas e agradaveis.
Oleo philocome verdadeiro.
Extracto d'oleo de superior qnalidad
com escolhidos cheiros, em frascos de diff>
rentes tamanhos.
Sabonetes em barras, maiores e menor
para mos.
Ditos transparentes, redondos e em figt
ras de meninos.
Ditos muito finos em caixinha para barb;
Caixinhas com bonitos sabonetes imitan
frnctas.
Ditas de madoira invernisada contoneo f
aas perfumarias, muito proprias para or-
ientes.
Ditas de papelao igualmente bonitas, tar
bem de perfum?rias finas.
Bonitos vasos de metal coloridos, e
moldes novos eelegantes, com pode arre
e boneca.
Opiata ingleza e franceza para dentet.
Pos de camphora e outras different*
qualidades tambem para dentes.
Tnico oriental de Kemp.
Alada naafcg coques.
Um outro sortimento de coques de p?
vos e bonitos moldes com filets de vidrilhc
9 alguns d'elles ornados de flores e fita
estSo todos expostos apreciacao de que?
os pretenda comprar.
GOLLINHAS E PUNHOSBORDADOS.
Obras de ararlo gosto e perfeicSo.
FlTelIas e fitas para elntoa.
Bello e variado sortimento de~taes objai
tos, ficando a boa scolha ao gosto do cor
prdor.
Rival sem segundo
RA DO DUQUE DE CAXIAS N. 'j9
Estou disposto a"continuar a vender todas
as mindozas pelos tiaralissimos precos abai-
xo declarados, garanlinilo ludo bom e pre-
cos admirados.
Pcete com 0 qoadernos de pa-
pel imisade a...... 500
Caixas com 20 cadernos papel pau-
tado a........ 700
Caixas om 50 novellus de lifiha
do gaz a....., 400
Duzias de meias ornas superioi
iiualidadea.......3(0600
Pt'Cs de babadiiihos am 10 va-
ras a......... 500
Pecas de tiras bordadascom 12
metros cada pea f^OO e. OOO
Pecas de litas para eos de q ;d-
quer largura com 1.0 varas a. .*ii
Escovas para unhas fazenda fina a 500
Ditas para dentes a 240, 320,
400 r*. e....., 500
Penis de tninea lisas, brancas e
de cores a..... 40
1 aixinli;;s de ir.adeira rom alDne-
tes f.zcn(i:i superior a. 400
Duzia de tinha fix,i p?ri borda-
dos ;i 4i.( rs. e..... 500
Pares de mei;is cruaj para riic'
ii: s diversos lamtcbos a. 320
Duzias de meias tirareis mui'o
linas para senhora a. ;;.",;>
Pares de sapatos de trao$a do
Porto.....: '3000
Pares i'e sapatos de tapete a. i>500
Livns de ansa abreviados. 14800
Duzias de barallios para vuiarele 3^000
Sylabarios poiluguezes a. 400
Redes com contas mcito boa qna-
Cartes com coltoa learrwas a o
Aoloaduias para co!l- te diversas
qualidades....... 100
Caixas com p-?mia de ac muito
boa de 320 a...... 500
Duzia de linha 200 jardas Alexan-
dre de 40 a 200 e, I0OO
Caixas com superiores obreis a. 40
Duzia oe agulha para macnina a. 200o
Libras de pirgns franeeies tidos
os tam;ir,ln'S a...... 240
Talheres para meninos a. 320
Pares de sfalos de tranca para
meninos a..,'..., i i'* ti
LVlLLE DE M
20Run da mperatriz20
Fari A- Le.ss::.
Asaba Je chufar a esta tivss'i noca luja de (n-
zendas fmus um variada FortWnentO de inzuida- de
laa e teda, eumo sejam : graoadineS do altimo
gosto, popelinas de urna eor, alpacas e lazi-
nha< de cores, o <|ue ha d> n.u\> mudara, lado
pir bara!>m(s prn;o>, bflIhanliOM de emes >-
cidos das indias, faiciida nova a iir.iUirao de per-
ca lia, bales de clisa Hnprdo saia do cor cen le-
das barr.-js, fusles piuprii s para vestan e roupas
de meninos ; agnra grard"; e admirareis pei-h.n-
clias. saias briiicas eoin 'indos fnsaiins a 3a, i-
cos ci.rpmhos bordwlM idiiIo fin s 'i, \ i
modernos de ir s a li. ritas entenas para
alcorhnadas. sendo brar.eas e de cores. ; ."5, 05 f
7, eambrail irturia lina a 5. ditas transpann-
tcs a .", 6 e 7i,cliiias linissiir as Mearas e ciaras
a 280. :0, 320 e oLO o aovado, cassas de eowa a
240, Rncos luancnsde cas^a a 24500, difos cni-
m-7.es a :t5i>00 a duzia, ma'apola> fa a 6; (
fiiOO, e nanita sapeity r a 7, 7ru0 e 8, alf .-
daozinho largo proprio para k*Qfes a 6. pam
de algodo branco trancad.) aiopriu para lualbs
de mtsa a l(i()0a vara, nramanie paia ItDfes a
2000 e 35500. o que hj de nielhnr, espuiao h-
nissimo a 22C0 e 230fl a vara. Mandamos as
casas das Exmas. familias para melhor poderem
escolher. Tambem lemjs completo sojiimento da
perfumarias des pr.rmiros fabricantes francezes *
inglezes; ns pessoas que se dignare::! vir a su
leja terao occasiao de reconhect-r a nalidade i
que annunciamus para nos juslific:r.
Fugin no dia 11 de mared do crrante limo
o escravo Francisco, cabra, "de idade 30 anuos,
com os f guasa seguinles : cabellos earap uho-,
rosto (kscarnado e com marcas de bexigas, iotiti)-
la-se ser livre, levou caiga branca, paletut de al-
paca de jor, chapeo d.1 chile, natural da Parala-
ba ; o mesmo fui comprado ao Sr. Delmiro Alvi-s
Maia, morador na farahyba, e julga se ter idu
para o mesiAo lugar. Desde j proles'a-se conua
a pessoa que o tiver oceultado ; u rrga-M aos sa-
pitaes de tampo, asini cerno s anloridadet pc'i-
ciaes que o traga m ra Direita n. 16, que sero
generosamente gratificados,
Bichas hamburgnezas
Keste novo deposito recebe-se por todos os pa-
quetes translanticos bichas de qualidade superior
e vendemse em caixa ou porcao mais pequea,
e mais barato do que em ontra qnalquer parte :
na ra da Cdeia do Recife n. 51, andar.
Cabellos
Vendem-se cabellos de todas as cores, qaalqaer
cemprimento, qualidade superior, em eaixa ou
porcao mais pequea : na roa da Cdeia do Re-
eife, n. 51, 1 andar.
Snperior visto fforitw
St. Estephe & St Julien: na rna da Cdeia do
Recife numero 5.
Gratificado de 200^5
reis.
Fugio do engenho Mandar na Parahyb* o es-
cravo Cosme, crionle, de 35 annos de idade, alio
barbado, tem ranitas marcas de bexigas no rosto,
e muito ladino, quera o pegar e levar no refe-
rido engenho, ou nesta cidade na praca do Conde
d'Ea n. 20, ao Sr. Jos Gomes da Fonseca, tera
a grati&cacao cima.
No dia 2o* de dezembro do aono prximo
passado fugiram do engenbo Bosque, freguezia da
Escada. os e-cravos seguintes : Regtnado, mulato,
que representa ter trinta e tantos annos, falla man-
sa, barrado, tem todos o* dentes, corpo e feco
regulares, foi do Acari do S rid. Bonifacio, ca-
bra, que representa ter vinte e taBtos annos, 'era
pouca baib. cabelioscarapinhos, falla bem espli-
cado, f>> das Espinharas. Francisco, mulato, qoe
representa ter 18 a 20 annos, tem nma cicatriz em
cima rio nariz pendendomais para o lado direilo,
tem mais nraas cicatrizes nos tornozelos dos bra-
cos proveniente! de bobas, foi da Laganova :
pede-se s autoridades policiaes on aos capitaes de
campo a apprehensao dos ditos escravos; e quem
os apresemar ao dono no engenho do Besque, on
na cidade do Recife ra do Apollo'n. 43, 2o an-
dar, aera recompensado com generesicade.
Tendo vindo lena o escravo Manoel, tri-
pulante da barca Idalma, no domingo 12 do cor-
rente, nao voltou para bordo ; e come se presu-
ma esteja fgido, rega-se s autoridades compe-
tentes a sua captura, levando-o a bordo ou rna
do Conusercio n, 17, que se gratificar. O escra
vo tem os tguintes signaes : altura regular, ca-
bello carapinho e graede, rosto oval, olhos pardo?,
testa baixa, nariz regular e bocea granee, diz ser
natural de Olingniba, mas da Baha, veio ves-
tido de palet.it e caica de casemira j usada, ca-
misa branca, chapeo de feltro preto, e ia calcad...
200$ de gratificacao.
Fugio no dia 17 de abril d'este corrente anno de
1870, da povoecao de Gapoeiras, termo do Benito,
o escravo de nme Andi, de idade 28 annos,
pouco mais ou menos, o qual tem os signaos se-
Suintes : ? |tura regular, qualidade cabra, cheio
o corpo, rosto um tanto redondo, cabellos ruins,
olhos medianos, amarellos e redondos, bastante
barbado, nariz e bocea proporco, com falta de
deates na frente do lado superior, falla grossa,
be u trabalhador e sagaz, pescoco grosso,-ps lar-
ga*, ps compridos e largos, dedos das mos tam-
be tn compridos, pernas tinas, multo diligente,
go tem mareas de acoutes pelo oeapo ; levou vestido
calca de brim branco, camisa de algodoiinbo de
lisa, chapeo de couro grande, urna pistoll e urna
faca ai parelhada de latao, mutolio forrado de
os ata e japona osada, sendo dito escravo natnrat
de Pajeii de Flores. Roga-se a captura codito
escravo,. e sua entrega ao seu senher Antoaio Pe-
reira de Mitaes, na povoso da Colonia do termo
da villa de Flotes, onde se gratificar a p
que entregar com a quantia de dnzentos mi!
eme. Sendo que seja aprisionado perto d> R. -
cifj, entregarao aos Srs. Alheiro, Oliwira 4 ('..,
na da mperatriz a. 41


i
J



^ m
8
Dario
i
de
Pernambuco Terca feira 21 de Junho de 1870
_
__.-

JRIS11
m
A
tuesta jurdica.
Do despartios do*.jnizea de
direilo dn i.-rime, quando subs-
tituios dos juizes especian* do
coinmen-io, poderinterior-s
recurso? Sim.
Baqneiam-nos as forjas ante a magoilude
e importancia do assurapto ; poini resta*
n is a presumpcfio, tenso mesmo a eonvie-
(3o, de qua peonas unis bem aparabas vi-
rao eia nosso auxilio, (lando um deseuvol-
vimento cabal a materia e '.im apoio a nossa
opinio, a qual j lera ein sen favor o res-
peitavel aecordo do venerando tribunal da
relacao, alera dos pareceres de alguns dis-
tinctos advogados.
A nossa opimo. pois, uo individual,
tem sectarios. sectarios bem importantes;
e por essa razo nos encorajamos a tlesen-
vjlv T.
Isio posto, vejamos a legislarlo regula-
dora da materia, e della deduzamos argu-
mentos para coi roborar a nossa opinio.
O art. 3o da lei u. 799 de 10 de selera-
bro de 18>i preceita :Para julgamento
is causas Cummerciaes em primeira ins-
tancia, sern nomoados juizes de direilo es-
peciaes n s o;-, pitaes, onde funccionarem os
tribunaes do commercio.
Km face do nosso pacto fundamental, sao
tribunaes de 2a instanciaa relacao o su-
pretno tribunal de justica,
art. 01 do rcgulamento n. 1,597 do Io
de maio de 1653 diz :Os recursos n'ces-
sanos da pronuncia mi nao pronuncia, no
caso de qti.'bra. serio interpostos par os
juizes de direilo do crime, sendo proferidos
pelos juizes mnnicipaes, e para as relaces,
quando forem dos juizes de direilo espe-
ciaos.
Dos despachos dos juizes de direilo do
crime, quando suhsiiluirem os juizes de di
reito especiaos, nao haver recurso.
Do exposto v-se que sao juizes de Ia
instancia, nao s os juizes de direilo espe-
ciaos do commercio, como os juizes de di-
reilo do crime ; ambos, pois, sao da mes-
ma cathegoria. E, sendo assim, nao lia ra-
zo jurdica algnma que justifique a inadmis-
sibilidade ou n< interposico do recurso
de pronuncia ou nao pronuncia, quando 16-
jm proferidas por e>ies como substitutos
daquelles; porquaato o poder legislativo
n nnieo competente para determinar as ins-
tancias, e nao 0 poder executivo.
De fe.to. se como ja vimoss somente a
relacao e o supremo tribunal de jnstica
trbonaes de i* instancia, se islo urna
lei emanada do poder competente, isto ,
do legislativo, nico autorisado a fazer as
. claro esl que sao juizes de i1 instan-
cia, nao s n< de dimito pspeciaes do com-
mercio, como os de direilo do crime. Pelo
que nao se peder loar, como ja hoove
qaem dissesse, que os juizes de direilo do
rime, no ejercicio le direito especial du
commercio, ida elassif.caco da lei (que
I ii ?) exerce as fundos de juiz de 2a ins-
tancia, naquella mesma instancia emqne se
cha cotlocada a relacao, e por isso de sea
s Dteeea de p onuncia ou nao pronuncia, a
tei nao adm lio era devia ad pena a relacao, que tribunal de instan-
cia, e da mesma emquejolga o juiz de di-
ito do crime, quando r. une aquelle duplo
carcter, na qualificacSo das fallencias.
A admissfu de semelliante opinio impor-
ta a confnsao da lei cora o rcgulamento.
piando ba grande dillerenea, porquanto
urna attribuigo do poder legislativo, e o
mtro do poder executivo, que encarrega-
s de explicar ou dissolver alguma duvida
i. lei, violo como a elie compete executa la
por meio dos seus agentes ; porm nunca
destruir ou revogar a lei. sob pena de ul-
passar a SDJ e.-phera.
Foi a lei, e somonte a lei, que den ca-
;vter duplo au juiz de direito do crime,
quando rene as ronceos de juiz de direito
especial do commorcio: e nao o regula-
mento n. 1,397, o qal, em nosso entender,
Dada mais do que urna usurpacao ao po-
der legislativo, nico co-npetente para de-
terminar as instancias; usurpacao que tem
s
r>om juiz de 2* instancia, e, oeste casor a$
suas dicisues uio tero recurso. Seme-
ntante modo de pensar cerlarncnte infun-
dado, destituido de razo e por consequen-
eia absurdo".
Se, pois, os juizes de direito do crime,
quando subslituem os especiaes do com-
raercio, $8o considerados juizes de primeira
instancia, e se a relacao tribunal de 2*
instancia, claro est que para ella dever-se
ha recorrer sempre que a pronuncia n5o for
baseada nos verdadeiros principios da jusli
ca e d> direito ; o contrario ser toiher a
parle o sou direito de defeza, esse direito
natural, umversalmente conhecido, e reli-
giosamente observado e respailado ; quem
defend o sen direito n3o ultrapassa a es-
pliera legal : e foi por isso que o legislador
com amito acert creo as instaucias, aim
de reparar as iniquidades, baqoear as arbi-
trariedades, destruir os caprichos e fazer
imperar a jusiicaessa constante e perpetua
voutade de dar a cada um o que seu
constam et perpetua voluntas suum cuique
tribuendi, como definiam os Idos roma-
nos.
O regulamento u. 1.597 do Io de maio
de 185, confrontado com a constituido,
na pane em que esta somente considera
juizes de 2* instancia a relaco e o supre-
mo uibunal de jnstica. d lugar serias e
jtaves opinioes, salido, a melhor destas, a
que parece mais conforme com os dictames
da ra3o e do direilo, em nosso humilde
entender, a que n3o admitte que um regula-
mento venha destruir ou re 'ogar urna lei,
partida do poder competente e que s este
poder dever revoga-la, como prescreve o
pacto fundamental.
Se. pois, repetimos, os juizes de direito
do crime, quando substitutos do especial
dicommereio, s3o reputados juizes de 1*
instancia, s desta pude-se recorrer para a
segunda, que a re ac3o e o supreuotn-
bunai Je jusiica, log.c e concludente que
poder interpor-se recurso, desde que o
fallido ou cmplice considera ser infunda-
da, injusta, a pronuoc a quaricativa da
qutbra. E. portan to ainda, o precitado re
gulamento faz umi usurpacao a le', quando
sem fundamento prescreve o contrario, ieto
, a nao interposicao de- recurso.
Nao haver, porm, recurso do despacho
de pronuncia, ou nao pronuncia, quando
for proferido pelos tribunaes do commercio
ou relacao, como dispe clara e terminan-
temente o arf. 0 do decreto o. 707 de 9
de i;utubro de 1830, que serve de instruc
C3o a lei n. ."JG de, "2 de julh' de 1850.
E na segunda parte do art. 2o desle de-
creto aiuda encoutra-se o seguate : se o
reo estiver preso, ou aiancado, ser-lhe-ha
intimada a pronuncia, e dentro de cinco
dias imporrogaveis, poder juntar as ra-
zos o documentos, que julgar necessarios,
o oesse caso a parte contraria nos cinco
dias -eguintes poder juntar tambem suas
razes e documentos. Se o rito nao for
pronnuciado ou estiver ausente, o processo
Seguir para a UUancia superior sem ma-
mama.
Do exposto v-se lgica e lealrnente que,
lanto a lei com toda a jusiica facuitou a
parte os meios de defeza, coa3eniindo que
nterpozesse o recurso, que marcou-lbe
cinco diaspara a exhibico do mesmo, re-
curso que, entretanto, deixor de ser io-
lerposlo quando a pronuncia ou n3o pro-
nuncia for proferida pelos tribunaes do
commercio ou relamo.
Assim pensamos respeilo di-t3o impor-
tante questao, salvando sempre o melhor
juizo.
Recife, 18 de junho de 1870.
Candlo Y. ila Silva Freir.
concurrido para as (ecriminacoes injustas
jue, pela imprensa, se tem arrogado ao
venerando tribunal da relacao, cujas deci-
a toom sido pautadas pelos principios da
;usica e do direito.
Se um juiz de direito do crime, reunindo
iplo carcter quando substitue ao de di-
reito especial do commercio, devo ser con-
siderado juiz de f instancia, e nao admit-
tir-se recurso algoin de suas pronuncias,
> por ignaldsdo de razo o juiz de di-
mito do crime que substitue a outro no jury
em comarca visiaba, por isso que rene o
duplo carador, deve ser considerado tam*
FOLHETM
j fifi nm n mu
P0
Xavier de Montpia.
LITTERATRA.
A INSTRCCiO PUBLICA.
Coneliico.)
A lei depois de haver encontrado muitos
obstculos em seu comee foi modificando
e melhorando pouco e puuco o espirito pu-
blico, e boje a obrigaco escolar est to
introduzida nos costumes que n3o soffre
mais difiieuldade alguma Tornou-se at
tao simples e fcil sua applicaco, que a
disp.isico penal tem cnido qnasi em desuso
As Icis que estabeleceram a organismo
actual da iuslruryo primaria sao de 29 de
selembro de 1830, G de novembro de 1858
e 25 de maio de 1865. Se todas estatuem
o principio da obrigaco, s3o unnimes em
repellir a condico de gratuidade como
principio absoluto. as ideas al.emaes a
instruccao um bem lao preciso que nao
ha sacrificios que se nao devam fazer para
obte-lo: seria avdta-lo, dalo por nada;,mas
na relidade esti a muito bai\o o preco
PiRT PUI.HK1H.4.
o LuvfCB de i0mm
j(Contiouaco do n. 137J
IV
O progaostico.
Calou-se outra vez a condessa ; deitou a
cabeca para traz e poz as m3 js convulsivas
sobre o corac", como que para Ihe repri-
mir as violentas pulsaces. Aquelle silen-
cio, respeitado pa adevinha, durou s um
instante, passado o qual, a fidalga se endi-
reitou na cadeira. e proseguio :
Acordei sobresaltada e abri os olbos ;
mas por alguns segundos nao consegu
conrdenar as minhas ideas e senta urna
dr profunda, como se efectivamente aca-
basse de perder meu filho. Volvi afina!
ao sentimento da realidade ; comprebendi
que tudo tra um sonho, e todava, j n5o
pude tornar a adormecer e passei o da se-
guate mais triste e^preoecupada do que de
eostumo.
E o souho repetio-se f pergontou
Simoa.
Repeli...
Quanias vezes ?
Tres.
Em tres ooutes consecutivas ?
N3o ; medeou urna nooto de insomnia
entre cada vis3o.
E essas visOes, como' a senbora lhes
chama, reproduziram-se com idnticas cir-
cumslaucas ?
To idnticas, quo todas tres se con-
fundem na minha memoria e formam s
urna. E agora, que j sabe tudo, expole-
me a sgniiicacao oceulta que o meu sonho
encerra. Que devo temer ? Que posso
esp'-rar ?
Simoa reflectio durante alguns segundos,
que pareceram seculos condessa de Ra-
bn, e disse aOnal :
Entre todos os soohos, acerca dos
quaes tem viril > consultar-me, e Deus sabe
se sao numerosos, nenbum enconlrei nunca
t3o singular, to escuro, diga-se por urna
vez: tao inexplicavel como o seu. As re-
gras da sciencia, regras positivas e indes-
iructiveis, nao tem forca bastante para dar
satisfatoria explcelo...
A fidalga mostrou-se admirada.
Admira-se da franqueza das minhas
pala1 ras, bem vejo, proseguio Simoa, e
duvida de raim, porque, em vez de me
servir dos artificios de um charlatanismo
vulgar, Ihe fallo sinceramente e sem ro-
deios. Nao cuide que essas duvdas me
offendem o amor proprio ; ouga-me n3o
obstante, e eu Ihe apontarei as contradic-
ces que tornara incomprehensivel o seu
sonho.
A condessa tomou a compostura da mais
profonda attenco, e a bruxa continuou :
Diz que leve o menino nos bracos,
que poz n elle os seus labios, que Ihe sen-
to pulsar o corado ; por conseguate, o
sonho n3o annunca urna esperaaca do gra-
videz fallida, ou o nascimento de urna
crianca morta. So der luz um filho, vira
vivo e sao ao mundo.
Ab I bradou a condessa alvorocada ;
se assim fosse I... !
N3o se alegre lo depressa, conti-
nuou Simoa meneando a cabeca; aqui ap-
parecem j as monstruosas contradceoes
para as familias abastadas, e gratuita para
aquellas que n3o tem recursos.
Todos os meninos pertencentes a urna
municipalidade, bem como os que nelia se
acno, posto que seos pas habitem albures,
sao obligados, desde a idade de sote annos
at a de 14, a freqnentar a volksschule, ex-
cepto, bem entendido, aquees que tem
meslres particulares, ou que vam s casas
de educaeSo de grao supe ior. Esses limi-
tes de idade, todava, nao sao absolutos;
os meninos podem ser mandados escola
desde a idado,, de seis annos, se tem bas-
tante desenvolvime_to, e os que, aos 14
aooos mostrara n3o possuir instruccao suffi-
ciente, podem ser constrangidos'a mais um
ou dons annos.
Em todo o caso, de qoatorze do frequen-
cia a drzoito annos, os rap-zes ao sahirem
das volksschule sao focados a seguirem os
cu:sos d'S escolas do domingo e uocturnas
(sontags schule -uod abends schule) que
existem entre as 1,909 escolas de Wortem-
bug.
as volksschule ensina-se a 1er e escrever,
a lingua allema, calculo e canto. A ins-
lrucc3o religiosa dada pelo pastor.
Cada municipalidade dev manter umi ou
mais escolas, segundo suas necessidades.
As de aprendizagem (industrie und arbeit
schule), so-lhes reunidas, se isso neces-
sario. Toda agg!omerac3o de mais de trinta
familias, se a munic palidade Ihe fica dis-
tante urna legua para mais obligado a ler
urna escola. A autoiidade escolar superior
(ober scbulbehcede), deve igualmente es-
labelecer urna em toda aida qoe conlonha
menos de trinta familias, porm mais de
quinze, se os caminhos forem perigosos, e
se a distancia que a separa da municipalida-
passar de urna legua ( un stunde.)
as cidades e villas onds os habitantes
sao de seita dilferente, a porco menos nu-
merosa, se nao tem* escola, tem o direito
de mandar os seus filhos para as que per-
tencem a outra cornmonho religiosa. O
caso apresenta-se cem frequencia, e nao
origem de dillicuidadti alguma, visto a tole-
rancia reciproca e a boa harmona que reina
geraimente" no paz entre catholicos e pro-
testantes.
As familias em quest3o podem igualmente
por seus filhos em outra escola fra da mu-
nicipalidade, se esta nao tnoito distante,
ou estabelccer urna a expensas suas, o que
nao fcil, porque conforme a lei, as ins-
tituices particulares podem ser abertas
por quem quizer, sob a condico de serem
inspeccin>das pela auloridade escolar du
tugar (ortsschulbebcede) e de que os me-
ninos que as frequentare a tomar3n parte
nos exames pblicos das volksschule.
Todava, se o numero das familias disi-
dentes se elevar a sessenta, a muaicipalid .-
de obrgada a crear para ellas urna escola
especial.
A instruccao primaria como cima disse-
mos. nao gratuita, mas a retribuigo
miuima. Ha at um certo numero de com-
munas onde ella nao existe. Sao as que
gosam de rendas suficientes, proveniente
de Irgidos, fundacoes, dizimos, etc., que
lhes p:rmittem essa excepeo.
Todas as outras estam autorisadas a exi-
gir de cada alumno urna cootribaicao que
as villas e pequeas cidades de menos
de 2,000 habitantes, est fixada em 48
kreuzors ( 1 fr. 95) por anno ; as cidades
de 2 a 6,000 almas em um florim ( 2 fr.
15) e as demais de 6,000 em um florim
24 kreuzers ( 3 fr.) ; os meninos, porm,
pertencentes a familias reconhecidas indi-
gentes sao admittdos gratuitamente.
O numero de professores proporcionado
ao dos discpulos. A experiencia tem de-
monstrado que um s mostr poda, na Al-
lemanha, desempenhar o ersmo de noventa
meninos. Accrescenta-se-lbe ura por cada
fraccao supp.ementar de noventa ; entretan-
to, logo que as classes sao separadas, o nu-
mero de alumnos de que ura professor est
encarregido pode elev,r-se at 120, c se
ha muitos, at 130 para cada um.
Os professores dividem se em tres classes.
A primeira comprehende os schulmeisler.
Seu numero era, no 1. de Janeiro de 1867-
de 2,684 (catholicos e protestantes reun,
dos).
Sao vitalicios. Seu ordenado varia de
700 florins (1,500 fr.) a 400 florins (860
fr.), nao comprehendido o alojamento e
urna gratficaco, como sacristo, que pode
ir ao termo medio, al 30 florins (64 fr. 50)
por anno.
Na segunda classe estara os substitutos
(untertehrer). Contam-se destes 299, tanto
catholicos como protestantes ; tem aloja-
mento, lenba para o invern e 180 florins
( 387 fr.) de ordenado.
A terceira classe compe-se dos ajudan-
tes dos professores (lehrgehilfen), cujo nu-
mero de 644; recebem o vencimonto de
que lbe disse O menino que lbe foge dos
bracos e cae ferido pelo rao, parece an
nunciar a morte que ha de sobrevir seu
filho ; mas estas palavras : illuso men-
tira escriptas em letras de fogo. dizem
claramente que essa crianca n3o passa de
v3o phantasma, de urna chimera ; e agora
pergunto eu : como pode m rrer o que nao
nasceu ?
Tem razo, bem conheco isso muran
rou a condessa; e n3o obstante, o sonho
tem seguramente alguma sgniiicacao e prog-
nostica-me o que qoer que seja. Maiores
difihuldades apresentavam as visoes bbli-
cas do tempo dos prophetas, o apezar de
todo, havia quem as oxplicasse.
Procure, pois, um propheta que sai-
ba satisfaze-la, replicou Simoa encolhendo
os hombros desdenhosa; eu, pela minha
parte, nao passo de urna pobre mulher, e
nao sei explicar o que nao entendo.
Assim dizendo, ergueo-se meio como
que para indicar visita que terminara a
consulta, e que j era tempo de se retirar.
Sbitamente, porm, mudou de parecer.
Occorrera-lhe urna idea.
D me oulra vez a mo, disse a ade-
vinba ; vou examina-la com mais attenco
do que ainda agora, e talvez as suas linbas
me orientem acerca da singular visao que
pela primeira vez na minha vida me obriga
a declarar a sciencia impotente.
A condessa acolbeu com avidez aquella
nova esperanca, e estoadeu a mo bruxa,
que se poz a examinar mui severamente os
delicados sulcos cor de rosa que alravessa-
vam a mimosa epiderme.
Simoa estremecen repentinamente e sol-
t u urna surda exclamaco. que assustou a
condessa.
Qae isso ? perguntoat fidalga; que
v as linhas da miaba mo, qae assim a
impressiona ?
110 florins ( 236 fr.)' mais o alojamento
a 5 alqueires ( boisseaux ) de tigo.
Afora estas tres clsses acham-se os hilfle-
hrer auxiliares, amts ceriveser administra-
dores, e urnas cincoenta professoras mais
ou menos que podem preencher os lug res
de ajudantts de professores e de substitu-
tos as classes de meninas, e na class s
inferiores de rapazes, com approvar3o,
porm, da auloridade local e da autoridade
escolar superior. O numero total do pes-
soal de ensino nos volksschule d 3,684
( .480 protestantes e 1,204 catholicos)
repartidos por 2,125 scolag.
el!e mantido pelos seminarios de Ess-
lingen, Nurlingen e Gmund (este catho-
lco) e por alguns outros tstabelecmento
particulares sustentados por eclesisticos
ou professores, e subvencionados pelo Es-
tado. O ensino dado nesses seminrios
compe-se primeiro do exigido nos volkss-
chule e mais de um punco de raatbematicas,
historia natural, msica, agricultura e gym-
nastica. Dura dous annos e gratuito.
Os alumnos recebera do Estado alojamento
e gratificacss para sustento e vestuario.
Sao admitlidos smenie at a idade de
desoito annos, e depois de haverem justifi-
cado a frequencia de dous a anos de estu-
dos preparatorios cora um professi r ou em
qualquer estabelecimento paiticular.
Era necessario nao abandonar os profes-
sores em suas villas ; compria anmalos,
p-los (=m relac3o entre si, e fazer de sorte
que podessem aperfeicosr sua instruccao e
continuar seus estudos. Neste intuito esla-
leceram-se conferencias sob a direceo de
um raestre de conferencias escolhido pelo
consistorio. Ahi se pronunciam discursos,
leem-se di8sertacos. Os professores que
se tem distioguido pelo seu zelo e dedicaco
era uas penosas fnneres recebem recom-
pensas ; emfim, distribuem-se premios pelos
melhores trabalhns sobre assuraptos postos
em conenrso.
Agnra s nos resta, para terminar, dzer
algumas palavras a rpspeilo da manara por
que se exerce a vigilancia nos volkssulech
da autoridade que della est encarregada e
dos meios de que dispoe.
Sabe-se qae em cada municipalidade
wurlemberguezi ha tres autoridades elei-
las pelos habitantes que tem ahi domicilio
e pagam um imposto municipal. Sao ellas
o mitre (ortsvorsteher) com urna nomeaco
vitalicia do rei que o escolhe de urna lista
trplice ; o conselho mu ipal, e a cora-
missSo dos burguezes. Alm disto existe
um conselho especial, composto da autori-
dade civil e ecelesaslica do lugar e de al-
guns conselbeiros mnnicipaes. E' chamado
stiftungsrath, e inenmbdo de todos os ne-
gocios concernentes a instituices (stiflung)
e estabelecimentos de beneficencia. Nomea
por sua vez, urna commisso permanente,
na qual fignram o medre, o paslor, o admi-
nistrador das instituices (stiftungspfleger)
e dous a tres conselbeiros mnnicipaes: esta
commisso toma o nome de kirchenkouvent
Tem por misso pesquzar e punir todas
as fallas cominetlidas na mumcipalid;de
contra as leis da moral e da igreja. e entre
outras contra a inobservancia do domingo.
Inspecciona as igrejas e escolas, vela no
comportamento dos professores. recebe as
queixas feitas contra ellos pelas familias,
exige urna lista mensal de todos os meninos
que tem falhado ao dever escolar, e pune os
pas com multa ou priso.
Os kirchen kouvent tem a mesma jurisdic-
Co e os mesraos poderes que a autoridade
local. Pode mpor multa at 12 florins e
condemnar a quatro dias de priso as mu-
nicipalidades de primeira classe, 9 florins
e 3 dias as de segunda, e 6 florins e 2
dias as de terceira.
cima dos kirchen kouvent esl, na or
dem gerarchica, um inspector, que encar-
regado de visitar todas as escolas deste ds-
tricto, velar nos professores, e accomodar
as contestaces que podem suscitar-se entre
ellos e as autoridades municipaes.
Este bagar ordinariamente preenchido
pelo dekan ( o norae do pastor proposto
administracao religiosa de 'jm districto),
que enderessa seus relatorios ao consistorio
evanglico, autoridade superior em materia
de instrucr3o primaria.
Taes s3o, abreviadamente, as principaes
disposices da lei que rege em Wurtemberg
etfe ensino ; tal o complexo da organi-
saco a que s3o devidos os invejaveis re-
sultados que procure por em claro. Nos
conseguimos o fim relativamente quanti-
dade de instruccao derramada no povo, di
za-me ltimamente um profesar de Tubin-
gen ; falta-nos porm, muito anda quanto
qualidade, e no que trabbamos actual-
mente.
Vejo que nasceu com estrella bem
singular f redarguio Simoa bruscamente.
Ento porque ? balbuciou a condessa.
Porque, se a oniromancia nao
sciencia va o engaosa, e se eu sei ler no
livro infalivel do porvir, o seu destino ser
inexplicavel, mais inverosmil do que o so-
nho mysterioso, do que essa vlso que bem
parece o delirio da febre..
Que importa o meu destiao ? bradou
a condessa de Rahon. Urna s cousa de-
sejo saber do que me reserva o porvir...
Qual ? perguntou Simoa cora vi-
veza.
Se virei a ser m3i.
Nao sei, respondeu a adevinha; mas
o que sei, oque leio na sua mo, e n'ella
est escripto em caracteres inequvocos,
ama cosa qoe o proprio Dens n3o pode
permittir, n3o ser por um milagre.
Que ? perguntou a fidalga asseoho-
readi pelo medo. Que est para me suc-
ceder ?
A sehora ha de chegar a estar mor-
ta e viva ao mesmo tempo.
Morta O viva repetio a condessa
estupefacta. Mas isso Impossivel ac-
crescentou ella passados instantes.,
Bem sei que impossivel, redarguio
Simoa ; todava est escripto- e ha de
acontecer.
Dizendo estas palavras, a bruxa poz o
dedo na palma da branca mo que ainda
tinha entre as suas, econtinuou :
Olhe : v esta l'raha que principia as
pe do puoho o atravessa toda a palma da
mo ?
- Vejo, responden a fidalga, cada vet
mais aterrada.
alinha da vida, proseguio Simoa.
V est'outra, angulosa e profunda, que se
une com a primeva, ou melbor, qoe a faz
desapparecer ? Pois indica morte bem
trgica. Vm erime a arrancar, do mando
POUCO DE TUDO.
TIUBALHOS. GEODSICOS EM HOMa.
As ultimas noticias da Italia, dirigidas
urna folha de Bruxellas, fallara de um tra-
baibo scientifico promovido ha bastante
tempo, em qoe toma a sua parte o Estado
pontifical.
Ha alguns annos que se formou na Alie-
manha, instancias do general Bayor. chefe
do corpo de geodesia da Prussia, urna as-
sociaco de diversos estados europeos, para
proceder inedico de um grande arco do
meridiano, principiando no mar glacial atra-
vez da Europa central | e passando por
Brrlim. Este arco passa por Frossinone,
a pouca distancia de Roma ; o Estado pon-
tifical, querendo coniorrer para esta grande
obra scieni'ca, nomeou. sob a presidencia
do padre Secchi, urna commisso encarre-
gada de dirigir os trabalhos que se devem
executar n'aqutlle punto. Por fsse motivo
leve lugar no da 6 do correte umi cere-
monia especial sobre o monte Mario, as
proximidades de Barberine, para a inaugu-
raco de um signal trigonomtrico destinado
a ser um dos principaes da rede de triau-
gulaco necessaria para aquellas operaces.
O padre Secchi e o cardeal Berardi tomaram
a palavra por essa occasio, e recordaram
o lira e os meios de execuco de to im-
portante trabalbo.
O general Kanzler e grande numero de
convidados assistiram a toda a ceremonia.
UN DUELLO NA GRECIA Seguudo re-
fere o Jornal do Havre, houve um duello
em Atli-nas entre o ministro da Franca, o
Sr. Baud, 3 o ex-commandante da praca,
Demetrio Soutzo.
O embajador francez assislia aos officio.s
fnebres do joven o sympathco socrelaro
da embaixada. Hrbet, que foi victima dos
salteadores gregos. Dep rando, sahida
do templo com o ministro da guerra, que
se suspeita com razo ou sera ella, ter pro-
cedido n'aquelle negocio com urna deplora-
vel fraqueza, nao se pode ler que nao ex
clamasse: A presencia d'este liumem aqui
um escndalo t >
Demeirio, irmao do ministro, voltouse
para o representante francez e disse-lhe se
era capaz de repetir aquellas palavras. Esie
nao s as repetio, mas acrescenlou: E a
presenca do commandante da praca outro
escndalo nao menor .
O duello, que foi a consequencia d'esta
troca de palavras, nao teve consequencias
graves.
INFLUENCIA DOS CAFS. E' fado
averiguado, que os cafs tiverametft Franca,
diz um escriptor, urna grande influencia
poltica.
As tabernas e as tascas, onde nao havia
seno vinho, vendan narcticos, e n3o ex-
citantes.
O sueco das parreiras plebas, absorvido
de ordinario alm da medida, creava secta-
rios de Epicuro ; m Encyclepedia.
Os cals tornaram-se oapontamento (ren-
dez-vdus) do povo. As novidades do da
tinham aii circulacao os jornaes, a princi-
pio manuscriplos, & depois impressos, ap-
pareceram tambem ah.
Nos cafs nasceu a dscusso entre pes-
soas de intellgencia saa; e a primeira vez,
em que dous freguezes aproximaran) as
respectivas cadeiras, formoo-se o primeiro
club.
Para determinar, pois, a inlluencia dos
cafs, citaremos a opinio de um espirituoso
cavalheiro, que foi ministro e embaixador,
e chamouse conde de Salvandy.
D-se a denominaco de cafs um dos
ramos do poder legislativo nos paizes li-
vres.
Sao os cafs as cmaras de caca menor.
Nelles se discutem as grandes questoes
polticas ; se decidem a paz e a guerra ; se
fazem, e sobretudo se desfazem, os minis-
terios ; se julgam e destrem as nomea-
das.
Nelles trazem-se barra os generaes por
haverem mal dirigido as operaces, retar-
dado o comeco do combate, abandonado
fra de tempo as trincheiras, e deixado te-
merariamente descobertos os flancos.
Nelles a economa poltica professada
como a estrategia, a legislado e a diploma-
ca, sendo as financas e o commercio scien-
cias communs, e bavendo abundancia de
estadistas.
A revolugSo se faz, porque os cafs esto
com ella.
Napoleo reinou, porque os cafs eram
pela gloria.
A restaorac3o naufragou,-porque os cafs
entndiam a carta de modo diverso.
N3o se tem comprehendido, que o nao ter
por si os cafs anualmente, teria sido o
em que vive. O seu fim ha de ser vio
lento.
Ah I isso horrivel balbuciou a
condessa, coja pallidez se destinguia, nao
obstante o veo. Quem commetter um cri
me t3o monstruoso ? Quem me querer
assassinar, mira, que nunca fiz mal a
ninguem ?
Ora que importa a morte, quando
seguida pela ressurreico ? bradou a adev-
nha com vehemencia. Eu Ihe prophetiso
que ha de resuscilar, sem que n'isso me
refira outra vida, vida da alma; nao,
fallo da vida material, digo que a senhora
ha do viver no mundo, depois de ter estado
morta. E seno olhe : n3o v como a li-
ona da vida, momentneamente apagada,
reapparece mais longe ? E' isto o positivo,
o ex a tissimo, o indubitavel.
Emquanto Simoa fallava, refez-se a con-
dessa da sua involuntaria perturbado, e
reflectindo era tudo o que a bruxa Ihedizia,
veio a tirar por consequencias que os prog-
nosticos d'eila nao tinham senso commura,
e que a pobre mulher havia do estar donda.
Operou-se com isto urna reaccio completa
no. seu modo de, sentir, e mais illimitada
creduldade succeden urna absoluta descon-
ianga; de modo que nao s deixou de dar
crdito aos orculos de Simoa, mas at
ebegou a convencer-se de que os sonhos
oo tem a menor significarlo, e de qoe
preciso estar dmenle para querer ade vi-
nhar as confusas linhas da mo o destino
de ama pessoa. De vemos accrescentar que
a fidalga se sentio alliviada de um grande
peso ao fazer estas reflexes; mas ao
mesmo tempo, o passo que dra bumilha-
va-lhe o amor proprio. Consoloa-se toda-
va, pensando que, afina! de contas, o mal
nao era grande, e talvez redundasse em
proveito seo, porque d'alli em diante (ica-
ria curada de toda a soperstiejo.
Simoa, entretanto; coa a cabeca biia e
mf srao que haver a opposc3o das abbadas
na idade media, e dos castellos em tempo
mais remoto.
A PROPOSITO Abra bao Dubois, antigo
deputado da Mancha, membro da cotiti-
tuinte e ex-cavalheiro referendario no tribu-
nal de fazenda, era mui apreciado em tra-
balhos das commisses, mas nao dava para
a tribuna ; e por isso lendo um dia de fal-
lar sobre quest3o especial, de que era per-
feito conbecedor, teve a lembranca de es-
crever o que havia de enunciar.
A cmara eslava desattenta, e o orador
que o apercebra, tinha -j sallado por al-
guns paragraphos do manuscripto ; e com-
tudo pareca que lodos desejavam a concla-
so para votar-se, partilhando dessa impa-
ciencia o proprio Dupin, que disse para o
orador:
Vamos, ainda um sacrificio, Abraho '.
Foi isto o signal do encerramento da ds-
cusso, sendo volada a lei e de modo bem
jovial.

UM NOVO TUNNEL EM LONDRES.
Londres, onde se realisam obras gigantescas
que deixam muito qaem as t3o celebradas
dos romanos, posse j dous tuneis por
debaixo do Tamisa : o primeiro construido
por Brunel e que todos os estrangeiros tem
visitado, acba-se hoje convertido em um ca-
rainbo de ferro ; o segundo, que va i da
Torre de Londres at Tovley Street, foi l-
timamente inaugurado. E' urna ponte tu-
bular de ferro, de um quarto de milha de
extenso e de sete ps de dimetro, ficando
a vinte e dous ps debaixo da agua. Des-
ce-se ponte por urna dessas machinas
como as que havia na exposico de Londres
para fazer subir e descer os viajantes, e
na qual podem collocar-se at quatorze pes-
soas. A venulaco da ponte perfeita, e
os curiosos que visitam a Torre de Londres
podem assim em breve tempo passar de
urna a outra rnargem do Tamisa.
Quando haver urna ponte semelbanle en-
tre a Inglaterra e o continente ? O seclo
que nos deu os cabos transatlnticos nos
dar tambera as pontes transatlnticas.
BARBARIDADE PATERNAL. Segundo
se le no Mortanais jornal de um departa-
mento martimo de Franca, a justica acaba
ie averiguar um facto de sequestraca >
commetiido sobre um moco por seu pai.
rico lavrador do canto de Isigny-Paioda-
vaine. Apezar de ter passado o tempo em
que a justica humana deixava impune os
abusos da autoridade paternal, reprovados
simultneamente pela moral e pelos sent-
meatos de humandade, apenas se tem con-
seguido diminuir o numero d'estes casos,
sem que desapparecam totalmente.
O filho Clouare tinha, ha alguns annos.
sido atacado por uns accidentes cerebraes.
que o impossibilitaram de trabalhar ; mas
alliviado um qouco d'aquella enfermidade.
chegou a um estado mental mais regular
que Ihe permittio continuar as soas oceu-
paces.
N'estes ltimos tempos, porm. a terri-
vel doenca reappareceu-lhe, mas d'esta vez
com um carcter de gravidade dos mais
assustadores.
O pai, a quem a sua posico de fortuna
permittia prover as despezas de tratamento
em ura hospital de alienados, achou meio
de economisar urna despeza que Ihe pres-
creviam a humandade e a desgranada si-
inacao de sen filho. Para esse fim mnnio-
se de urna correte de ferro ; chnmbon
urna das extremidades parede da adega
conduzio para all o desgranado moco e
atou-lbe a outra a .urna pema, dando-lhe
por cama apenas urna enxerpa.
Foi n'este miseravel estado que ; justi-
Ca o foi encontrar sobre ora moiiio de
immuniicies o mais repugnante ao olfacto o
vista.
BAILE ESPLENDIDO. A ratafia de
Inglaterra deu ha pouco um sumptuoso
baile por occasio da visita que Ihe fez o
re da Blgica.
A lista das pessoas de alia cathegoria
que foram convidadas para esta festade
regosijo enche urna columna dos jornaes
inglezes.
Achavara-se all o principe e a prioceza
de Galles, a princeza Luiza, a princeza de
Teck, o principe Christiano e o duque de
Cambridge, membros da familia real.
Apenas o augusto visitante chegou ao
palacio, o principe e a princeza de Galles,
a princeza Luiza e outras pessoas da corte
acompanharam-o e deram ^ entrada na sala
do baile s dez horas e meia, principiando
logo a dancar-se phreneticamente.
sem proferir palavra,permaneca absorta em
meditacoes de outro genero. A condessa
de Rahon levant' n-se, trou do seo indis-
pensavel ama bolsinha bem rechelada de
moedas de ouro. e pondo-a em cima dota-
peto da mesa, disse:
Ahi tem a paga da sua consulta. Faca
agora o obsequio de me indicar o caminho
para sahir.
A brnxa obedeceu sera descerrar os la-
bios. brio a porta da cmara encarnada,
e depois a da escada, arredando-se para
dar logar condessa, qne nao tardou
em desapparecer.
Essa fidalga, pensou a brnxa com os
seus botes, vai-se d'aqui muito persuadida
de que estoo demente ou cega, ou pelo
menos de que a chiromanca urna ab-
surda invenco para explorar a curiosidade
dos parvos, como Lzaro, dizia ha pouco.
Qoe ha de verdade em tudo isto ? N3o
sei; mas tempo de o averiguar. Ne-
nhuma occasio melhor do que esta para
comprovar a exactido dos singulares agou-
ros de que sou interprete inconsciente. N3o
le perderei de vista, condessa de Rabn.
Nao me esquecerei do leu sonho, nena das
linbas da tua mo; quero saber todo o
usto se fe compre ou nao o estranho des-
tino que, segundo parece, ta reserva o por-
vir.
Simoa fechou a porta, e j se dispunba a
voltar 4 sala encarnada, quando Ihe pare-
ceu ouvir na escada um raido de passos
precipitados e urna respiracfc) offegante.
Poz o ouvido escuta, para ver se se en-
ganava, e um instante depois, resooo na
porta urna violenta pancada, qoe fez estre-
mecer a bruxa.
(GooHtrnAkar-seAd)
DUQUS

l
- '
)
'i
i


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EI8KDCT6W_2VWZ8F INGEST_TIME 2013-09-14T03:51:46Z PACKAGE AA00011611_12144
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES