Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:12142


This item is only available as the following downloads:


Full Text
*-;- ^
- -
i
4NN0 XLVI. NUMERO 136. <**** toi & si om^ *xAaumm *\, on <^ SOBRADO 18 OE JUNHO D? 870
PASA A CAPITAX E LUGARES OKBC lO SE M fOTE,
w tres mezes adiantadas................
rpr la a*no idea.. .
Cada numero avolso.
ti
.......i.......
t > "...........
" *....... .
** ?.........* t* /i nm

MI -.'.'.'!I
cn> '''f<&iff_4r)
320
'





PAHA DEHTBO E MHA M PROVHCIA.
Por tres ?e,es Cantados /.............
Por aeu ditos idea.................... 13
n ata lib*j .hv.. J>or novadnos dem................... 20
Por u armo idem [ -
1 _____ ___
63750
i3*500
200250



^ropriedade de Manoel Mguera de Para & Filhos.




KJ!U
---------------
'




"I '
""-----
'! lll ''

--------_l------------
------
SAO ACEITES:
Os Genrdo ^j,. no Par* 4 Fito, no Maraco, Joaqam Jos de Oliveira. no Ceara ; An^o-de L,^^, M ^ Jo3o Maria Jul, ^ no Ass ^ d, ^ ^ ^
Pereira d Aunada, em Manwng^pe; Antn* Alexandrino de Lima; na Parahyba ; Antonio Jo Gomes, m Tilla da ftqfaa; Barateo dos Santos Bulco, em Santo Anto; Domingos Jos da Costa Braga,
m Naiareth ; Francisco TaWs da Costa, em Alagoas; Dr. Jos Martins Airo, na Baha; Jos Bibeiro Gagpa-rinbo no Rio de Janeiro.
*

__r
PARTE OFTICIAl.
DE
o Sr.
orcrno da provincia*
.1106 Dv dtsAlfCIA DO DIA 13
JlWllii M: AUTO.
A.,.eiia do Mello Pires Galvao. Informe
)n^:li'ir.i director da instruccao publica.
Cacuja Liberata de 0lvra Santos.Volte ao
r. direc% geral da iu>ii c'iao publica para de-
clarar e-propa a uumucj interina deque se
iraU.
Emprcza di illumiaacao publica do gaz nesta
cidale.Infor ne Sr. engoalieifo cliefe da repar-
tiera fas. obras publicas.
Hmefeno Rodrigues Pires JatobiInforma o
Sr. inspector da thesouraria de farenda.
Dr. Ignacio Alcibiades Velloso. =-lnforme o Sr.
inspector da thesouraria do fazenda.
liiua,idiJo do Sautissimo Sacramento da matriz
de santa Antonio.Expervse ordeni.
I'adre Joa Viueata Cueles Pacheco.Informe o
Sr. inspector da jesouraha provincial.
Joaa Jase llodrf ues.Volte ao Sr. inspector da
:.! tarar- provincial, para orear a despeza fa-
zer-e con a impresao.
Conage Joaquim Pinto de Campos.Informe o
ar. inpector da tlie,ouraria provincial. .
.uiz Pedro Jacintho Casamiglia.Recorra o sup-
picanbi ao seu conijul, vjsto que esta presidencia
nao dispoe de jossagem alguma segundo as or-
len- ;.i vigor.
no Austreclia'i:.) da Costa.Informe o Sr.
inspector da tlwsoarara de fazenda
Dl 14
Aaselmp Forrei(a da Croa Jos Pereira de Li-
raa.Passaodo recibo sejam entrezues as baixas,
fklendo-sft^a con*tar ud^pacno que obtiveram
ara 7 do crreme.
Teueate ncalo da Costa Lima. -Com a porta-
ra des.a data ao Sr. inspector da thesouraria de
faz^ads.
hr.iandade doSantUsimo Sacramento da fregu-
zia de Santo Amonio desta cidade. Dirija-se ao
Sfj director_| arsenal de guerra.
Joao Domingiws da Silva Pinto Guimares.In-
rorme o Sr. informe o Sr. inspector da thesoura-
ria de fa,- 11
Luiz Kduardu dos Santos.Informe o Sr. ins-
peclor da thesouraria provincial.
Maria Salom de Siqueira Varejo.Dirija-se
a tBMiuraria prouincial.
PERNAMBUCO.
ASSEMBLEA PROVINCIAL.
- 83AO ORIMN.VHIA E.VI 3 DE JVSUO.
PRESt_K_U DO Su. DR. AGIAB.
A) tneio dia feita a chamada acharam-se presen-
Uf is v-i Antonio Paulino, Canha Cavalcante, Fe-
lippe de Fi?ueira, Garrea de Araujo, Cavalcante
de Albuquerqne, Manoel do Reg, Manoel Arthur,
Barros V'anderiey, Miguel Pernambuco, Nicolao To-
lenno. Rufino de Alraeida, Ferreira de Aguiar,
Barros Rmo, Oliveira Andrade, Guedes Gondin,
Goncalves Lima, Teixeira de S, Amaral, Pinto Ju-
nioi. l'as llarretto, Gaspar Drummond, Henrique
Mamede. Pedro Affonso, Firmino de Novaes, Igna-
ei) Joaquim. illiveira F.mseca, Cnnha e Figueire-
>, Joo Vieira, Eduardo de Oliveira, Gusmo Lo-
bo. Angustt Costa, Goes Cavalcante, Mello Reg,
Vieira d i Mello, Joao Cavalcante, R. Vianna.
\hre-se a sessao lida e approvada a aeta da
aateootfenta.
< Sn. SiccRKTAitio d conta doseguinte
K\PEI'IRMTE.
i .. iffieio do secretario do governo transmittin
do por copla a otteio do jaiz de direito da comar-
ca Je CabrobeV, acompanUado d informacao de
he-ur.iria provincial, no qual pede nin auxilio de
1 11 para as obras da igreja que se est erigin-
d i na lia do Granito.A' commisso de orca-
.M !!'.i p.'uvincial.
do mesmo. remetiendo por copia o offtcio
i !o do [ nno do Rio-Formoso, acerca da
i i melle termo.
^ I na pablan de Antonio Cesar de Vasconc9llos
. solicitando a genuina interpretacao do
lo irt 18 do tit. i' da le n. 891 de 2o de
junb i do anno prximo passado.A' eommisso
igistaojto.
911 JntgadOs objectos de deliberacio e mandados
imprimir os projeetos ns. 128 e 129.
E' approvado o seguinte parecer :
> X commistao de ordenados quem foi subme'.-
|j I a pe:ieo do>.'l" escriplurario da thesouraria
ncial, em que pedem augmento de seus ven-
ewMBtos; para poder dir seu parecer, precisa que
po|-.s can es competentes seja com urgencia onvi
Inapeeior da^oetla (fcesoanira.
Sala das commissoes, 2 de junlw de 1870.To-
mtino i' Carrnlho.Pinto Jnior.
i SR. GUSMOLOKO requer que seja impresso
no jornal da casa o p rojee to otTerecido pela com-
iaml i da BxatJio de forca, para ser incluido na
irdem do dia.
Cm-nltado a casa, defere o requerimento.
o SR. MELLO REG requer igualmente que
seja impresso no jornal da casa o projecto offere-
ido iwla commisso de orcamento sobre crditos
0 SR. G. DRUMMOND (pela ordem) pede que a
illustro commisso de constituido e poderes se
digne intorpr seu parecer sobre os projeetos nao
:[onados que Ihe foram presentes.
0ni)RJI DO DIA.
1 discnsso do projecto n. Ho deste anno, que
lutorisa a aposentadoria do ex-tenente do eorpo
de polica Joaquim Herculano pereira Caldas. E'
ipnrovado.
i diseussao do projecto n. 104 deste anno, que
manda crear duas cadoirs de instruccao elemen-
tar, urna para o sexo maseolino e outra para o
femenino no lugar Cruz d'Almas da freguezia da
Roa-Vista desta cidade.
vii mesaeapoiam-se asseguintesemendas :
K urna cadeira de instraccao primaria para o
sexo femenino no bairro da Boa-Vista desta cida-
de.(i. Drummnnd.
. Mais urna cadeira de instruccao primaria para
o sexo femenino no lugar Sanhar. H. Vian-
na
Acrescente-see ama e-cola nocturna na villa
Jo Cabo.Pedro Affonse.
< Fica creada urna cadeira de instruccao prima-
ria para o sexo femenino na povoaro da Rapo-
sa.-Anronw Pmlino.
Additivo. A 2" cadeira do sexo femenino
creada e nao provida na villa do Bonito, fica trans-
ferida para a povoacao de Itamarac. J. Mello
Reg.
t sexo femenino em Tejncupapo.Oliveira Andra-
de.Correa Gondin.J. Cavalcante.Paa Bar-
rao. .
< Y. ama cadeira de instruccao primaria para o
seto mascoline no Ris-Doee do termo de 01 in-
da. .Imaral
Encerrada a diseussao, approvado o projecto e
emenda*.
I." disensaio4o projeoto n. 116 deste anno, que
autorisa o governo a conceder at om anno de li-
cenca com ve-cimentos a Demetrio de Gusmao
Coelho, 2 escriturario consulado provincial.
Vao mesa e apoiam-se as seguinies emendas :
Igual faver lea o presidente antorisao con-
ceder ao ceJlaMndor da secretaria do gfoverno
Miuci'flm Jeptnswim P. deOtfvelraFTgueiroric.
ile &raujo.-jPua Jituwr. >.
" F!c? i8Uwlt-1 de> polica Amador qs Aauj Piaoa^ adendo. ier
a licenfa at lOmezn*.Gusmdo Lobo.
'. *f ;i?ne lifecaao pnpfsor.'de 6oyan-,
ninhajA(|(iilino lit des'Gninarats-Farreira.^-Vi/-
cetra Andraae. \' ,
Igual favor soja conoadido ao prattcaotejlda
secretaria do governo Joaquim Ribeiro d'Aguiar
Montarroy.is Jtirnr.Pinto Jnior.
Igual conces-ao ao couego Francisco Rochael
Perwr de Brillo Medeiros, drrector da escola nor-
mal at :j meze*./. Mello Reno.
O SR. GUSMAO LOBO .-Oirereci.Sr. presidente,
rima emendaque desejo justificar.para que nao pa-
reca que smente obre a minha pabvra que vai
reponsar a deliberaeao da casa, qualquer que ella
seja.
l'm alferes do corpo de polica, que nestes lti-
mos das tem sido visto as ante-salas, provou
exhuberantemente perante a commisso de forca
policial, que, soffrendo de urna ulcera na face late-
ral direita, precisa de 10 mezes de licenga cora os
vencimentos que Ihe corapelem para enlregar-se
cuidados mdicos.
Un Sn. Deputa do :E' o Sr. Amador Pessoa.
Sb. Gusmao Loiin :Xo o eonheco seno de
alguns das; e quando os documentos com que
instruio a sua peticao nao devessera merecer plena
f, muitas dos nobres deputados podem ter verHi-
cado coraigo que esse official precisa medicar-se
mnito seriamente, estando muito allantado o mal
que soffre a que de aspecto at repugnante. (Big-
uaes de adjrmacao).
A commisso elaborou neste sentido um projec-
to. Mas, por economa de tempo e prevenindo
que nao possa o projecto atravassar s tramites
ordinarios prescriptos pelo regiment, formulei a
emenda que se leu. E' o meio de poupar um
tempo precioso...
O Sn. Manoel do Reoo :E' o meu systema
para adiantar trabalho.
Um Sh. Deputado :E' um mo systema com-
tudo.
Sb. Glsmao Lobo:Seguramente nao o
melhor systema. Isto parece contravir a disposi-
co do regiment, quando exige tres dscussdes
respeito de cada um projecto.
Seja, porm, como fr, me parece que o caso
pede urna excepcao essa regra, at porque ino
vai sendo estylo e tem sido usado era assuraptos
de importancia.
O Sn. Manoel do Reg:E' estvlo muito se-
guido.
O Sr. Gvsmao Loiio :Muito seguida mas nao
digo muito predcavel. (Apoiados).
Creio que tanto basta, Sr. presidente, para justi-
ficar a emenda.
Um Sn. Deputado :Esl por si mesma justifi-
cada ; todos vu*am aqui esse ollicial.
O Sn. Gt/sm\o Lobo :J se v que nHoT/nero
fazer Orna cnrtezia.
O SR.WEIRA DE MELLO :-Sr. presidente^ nfio
venho fazer opposico nenhuma das emendas,
que acabam de ser sujeitas a consideraco da casa,
concedendo licenca differentes empregades p-
blicos, que provam com documentos, para mim
muito valiosos, o seu mu estado de sade. To-
dava, tenho meus escrpulos em concorrer eom o
mea voto para que igual favor seja concedido ao
collaborador da secretaria do governo Jepherson,
porque emendo que nao devendo elle ser conside-
rado empregade publico, a nos nao compete auto-
risar semelhante licenga.
Accresce alm disto, que nao me consta ter
esse em pregado apresentado casa.no ser a hen-
rada palavra dos nobres signatarios da emenda,
documento algum provando que est as condi-
edes de merecer o nao pequeo praso de um anno
de Ihenca, como o teem feito todos os outros.
Um Sr. Dputado .Todos nao.
O Sr. Vieira de Mello:As emendas apresen-
tadas hoje referem-se todas ellas pessoas, queja
requereram esta assembla, juntando attestados
mdicos.
O Sn. Ge Cavalcante : Todos lo : o cone-
0 Rochael nao requeru.
O Sr. Vieira dk Msllo :Em todo o caso a li-
cen(;a pedida pelo nobre deputado pelo i" districto
para o conegoRochael de tres mezes, nao de um
anno, como a que se pretende conceder ao colla-
borador da secretaria do governo.
O Sr. F. de Fiueira :O presidente usar com
descernimento da autorisacao.
O Sr. Vieira de Mello :E' humilde opiniao
minha, repito, nao competir esta casa conceder
favores desta ordem, individuos, que pela natu-
reza de seus empreaos, nao se acham na classe
dos empregados pblicos, e por essa razao voto
contra a emenda.
0^ SR. F. DE FIGUEIROA faz algumas conside-
racoes em jusliicacio da emenda.
O SR. MELLO RGO:O aparte do nobre depn-
do, chamando a autoria emenda que tive a hon-
ra de submetter consideracao da casa, obri-
ga-me a dar as razoes que me determinaran) a
apresen ta-la.
Vou referir o que se passou comigo, urna con-
versa intima, que vou referir, tambem tenho confi-
dencias para trazer para aqui... (Risadas).
Casualmente encontrei-me boje com o conego
Rochael, e elle me disse que desejava pedir a esta
assembla urna licimca de tres mezes para tra-
tar-se, e que havia de apreseniar attestados m-
dicos.
Nesta occasio mostrou-me os encommodos que
soffre, que sao a renovaeao de encommodos mui-
to graves que j soffreu.
UrSR. Deputado :Ma3 tres mezes o presidente,
nao pode conceder-lhe?
O Sn. Mello Reoo :Pode, mas sem vencimentos
por inleiro.
Os eneoramodos que solfre esse funecionario
estao j muito adiantados, elle precisa sem duvida
desta licenca para tratar-se.
Um Sb. Deputat*:Como funecionario zeloso
merece.
O Sb. Ges Cavalcante : Muito.
O Sb. Mello Reg :Resolv, portanto, apresen-
itr a emenda neste sentido, urna vez que a casa
abri o precedente de dar licenca quelles em-
pregad >s que as pedem por motivos de molestia,
e chegaudo aqui tendo acbado esta projecto j em
diseussao, entend que devia approveitar a occa-
sio.......
--
Um Sr. Deputado :Para embarcar a bisca.
O Sh. Mello Reg :___para apresentar esta
emenda.
Se a assembla tem concedido a diversos empre-
gados ura anno de licenca com todos os vencimen-
tos, nao multo que conceda tres mezes a esse
empregado que est realmente doente. Senao pre-
cinde de um atlestado, que prove o estado de mo-
lestia do conego Rochael, serei eu este Restado,
porque vi a molestia que elle soffre: nm encom-
modo visivel que nao precisa ser medico para o
reconhecer.
Sao estas as consideraciles que julguei dever
fazer; a casa resolva como entender conve-
niente.
O SR. GOES CAVALCANTE: Sr. presidente,
pedi a palavra para raanifestar-me contra a emen-
da apresentada pelo mea distineto collega deputa-
do pelo V distrieto, se.ntindo profundamente dis-
cordar da sua opiniao.
O Sr. Gusmao 1,obo dum aparte.
O Sb. Gcs Ca.vALCANTE:8r. presidente, peco
licenca a V. E\c. para responder ao aoarte do
nobre depatad e. ^
Wta o t>jre depntado qne era mim nao predo-
mina o capricho poltico.para iazer mal aos mens
adversarlo, se predominasse,- muito teria qne d-
zer ; pelo contrario partca-nae que o nobre depu-
do nao deu este aparte c >m aqueile fundo de
justic a reelido que deve caraoleriear todos
nos, parece antea dar ae deixou dominar pelo sen-
Umento de amisadeqaa Ihe inspira o pretndeme
a es*a licenca.
Sr. presidente, ne temos sido laxados do incon-
venientes quando concedemos licencas a emprega-
dos, cujos incommedos se reconliecem a nlhos vis-
tos e que tem apresentado peticoes nesta cas
acompanhadas de documentos valiosos, quanto nao
llevemos ser laxados de inconvenientes quando
vamos conceder licenca a ora lidividao que nem
ao monos te ve a delicadeza de requerer a esta
assembla ?
O Sr. Mello Reg:Essa argumentarlo nao
prevalece porque j a expliquei.
O Sr. Gees Cavalcante : Esse argumento
serve para provar justamente que o conego Ro-
chael, e director da escola normal nao tinha urgen-
cia dessa licenca. se a tivesse teria Yeito o mesmo
que os outros, teria requerido esta casa.
Alm disso eu entendo que a assembla nao deve
conceder Iicen7a a um empregado que nao reque-
ren era jnntou documentos, porque seria abrir-se
urna porta muito larga ao abaso.
Um Sr. Depl tado :-r-J tem sido aberta.
O Sb. Ges Cavalcante :-4*elo contrario anda
ha pouco se recusou dar licenca a um professor, e
alias a um professor qne merece a oosr-a eonianca
poltica,^ e que juntou documentos muito vali-
sos. Como que yunos agora ser iucoIj.erente,
concedendo licenca a um indivilu que apenas se
i'intou adizer a uif'-dos nossos dislinckis collegas,
cuja-palana alias resuHto nraito, que se acha
doente t
Neste caso, J disse, vamos-abrir a porta ao
abuso. i
O Sr. Mello Reg :Fecha-se a porta.
O Sn. Ges Cavalcante :Nao se fechar. Se
qualquer individuo puder obter urna licenca s-
mente porque em conversa na roa com un depu-
do declarou achar-se doente, enio nos estaraos
muito mal.
Eu entendo que esta casa deve sempre dar pro-
vas de equitativa e justiceira, mas para isso deve
fundar-se em documentos, e eomquanto a palavra
do nobre deputado seja mnito antorisada, anda
assim nada prova porque se basea nicamente na
palavra do director.da escola normal.
O-Sr. Mello Reg :En disse que vi os incoin-
modos.
O Sr. Ges Cavalcante : Nao sei se est
doente, vejo-o constantemente na ra.
O Sb. H. Mamede:Com relaoao a Jos Caval-
cante de Albuquerque houveram documentos"?
O Sr. ViaiBA de Mello : Houveram sira,
sennor.
O Sr. Ges Cavalcante :Ainda ha pone* ira-
pugoou-se aqu una emenda na qual se pede um
anno de licenca para um empregado publico, que
se acha, segundo eston informado, pthysico, all-
gando-se como base dessa irapugnacao o nao ter
elle requerido; como qne se pretende agora
conceder urna licenca ao director da escola normal,
que nem ao menos teve o pequeo ineomraodo de
reqnarer? De ordinario quando se soffre um mal
P'ocura-se remedio elle, e se o conego Rochael
tivesse essa urgencia de urna licenca, porque ra-
zao nao apresentaria sua petico documentada
esta casa, provando a irapossibilidade de conti-
nuar no exercicio do eraprego? E' porque tal
urgencia nao existe, porque elle nao soffre, e
apenas em conversa com o meu honrado amigo se
lembrou de dizer que estava doente, e por isso a
nobre deputado quer eonceder-lhe a licenca. Mas,
senhores, eu creio que isso urna prova de muita
consideracao que nos nao podemos dar nem mes-
rao a um amigo poltico, quanto mais a quem nao
o apesar de que eu abstraio dessa consideracao,
porque em mim nao predomina o capricho polti-
co, como j disse, se predeminasse, muita cousa
poda dizer.
Portanto, Sr. presidente, se o nobre deputado
dissj que o director da escola normal pretenda
apresentar a esta casa a sua petico instruida
com documentos comprobatorios de sua molestia,
acho desnecessario esperarmos que essa i-elicao
appareca, pjrque nao devemos conceder urna bren-
ca fundados apenas em urna conversa particular
que esse individuo teve com o nobre deputado, o
que sena estahelecer um mo precedente. Eu
pelo menos declaro que se passar o precedente,
toda vez que um empregado meu amigo disser,
estou doente, apreseitarei a casa urna emenda
concedendo-lbe licenca e farei questo pela sua
adopeo porqne quero usar do mesmo direito de
que um collega meu uson.
Em que se funda esta casa para dizer que o
conego Rochael est ou nao doente ? Na palavra
do nosso honrado collega; mas essa palavra. nao
sulliciente, porque como disse nao afflrmou o no-
bre deputado ter consicencia de que realmente se
d este estado de molestia.
O Sr. Mello Reg :Issn disse eu.
O Sr. Ges Cavalcante :Mas o nobre depu-
tado nao tem conssiencia d'isto, apenas referi o
que Ihe disse o conego Rochael.
O Sn. H. MAMEE:=Joo Landelino Dornellas
Cmara obleve a licenca de um anno sem ter re-
querido, apenas por urna emenda do nobre epa-
tado pelo primeiro distrieto.
O Sr. Gobs Cavalcanti :Sr. presidente, eu
aqui tenho ouvido dizer, e louvo essa resblucao -
sou sentinella inflexivel dos cofres pblicos H___
Um Sr. Deputado :Agora I
O Sr. Goes Cavalcbnti :Isto nao meu, te-
nho ouvido diser alguem que se oppoe e>ta ou
aquella preteneao por ser sentinella inftexrvel dos
cofres pblicos ; acho isto muito bonito, e se nao
posso ser sentinella inflexivel, ao menos quero ser
cautelosa.
tera envido dizer-o-'director da Escola Normal
qne se acha: doente, *as que molestia ?
Um Sr. Depitado cE' urna molestia grav-
sima.
O Sr. Gobs CvaiAasti :S$ja como fir, nao-
veto prova,. voto contra a emenda.
T O Sn. Gusao Lobo ;{aera so declarou senti-
nella dos cofres poblicos ?
O Sr. Goes Cavalcakti :O nobre depntado por
muitas vezes.
O Sr. GusmXo Lobo :------Nao, sennor.
O Sr. Goes CAyALCANTi :Eu pelo menos quero
ser cautelosa, e creio que estou no meu direito
oppondo-me a licenca que se quer conceder um
individuo que a nao requeru, que nao apresen-
tou documento algum provando os seps incommo-
dos;. e eren qua deve haver mais coherencia da
nossa parte, quando ainda ha p meo se negou li-
cenca um professor que provou cora attestados o
seu eetado de molestia.
Um Sr. Depittado :Ento nao se deve conce-
der a ninrnem.
O Si. Goes Caaalcanti :Disse-se mais que
esta casa julgm como jaiz, que So devia ser
equitativa, mas sim jasta. Concordo com isto, e
fundado neste principio, desde que o Jais s pode
julgar avista de prova, a assembla nao pode con-
ceder a licencA qne se pede, sem quo se prove a
j ustica que Ihe assiste.
O Sr. Gcsmao Lobo d um aparte.
O Sr. Goes Cavalqanti :Isto ainda opini
do nobre deputado, qnando disso nao dever con-
cederse urna iqdemnisacao, porque o individuo
nao tinha direito restricto on absolufo, e que esia
oasa nao podia fazer equidade, mas sim jostlca.
Pois bem, m agora applioando o principio do
nobre deputado, espero que a oasa nao conceder
essa licenca, porque se o juiz nao pode julgar sem
provas, nos nao podemos conceder a licenca qne
nao se fonda em prova de qualidade alguma.
(Trooam-se apartes.)
O Sr, Goks, Cavalcanti ;O nobre doptado
Vai mesa e apoia-se'a seguinte sab-emeoda :
Aeerescente-se : J-depois que houver provado
os mcom modos de sadMe.Goes Cavalnmh. i
O SH. GUSMAO LtUO : Sr. presidente, to
tomado de escrpulos se revela o espirito do no-
bre depntado peto terieiro distrieto, ao tratar-.se
da concesso de urna faquena licenca, que estou
tentado renovar jhstificapao da 'emenda quo
olfereci e em que solicito dez mezes de licenca pa-
ra ura alferes do eorpe- de polica, qne esta sabi-
damente enfermo e ejn estado de nao poder pres-
tar-so nenhum sprvco.
Quero deixar muito transparente qne nao me
dominan) aqui affeices ou desaffeicoes...
Um Sr. Deputado :-*-Assim sao todos.
O Sr. Gosmao Lobo : O favor que a emenda
consagra, deu assnmpto um projecto da com-
misso de torca policial, qne teve em 3ttencao va-
liosos: documentos...
O Sr. GoesCa vlgante :Eu nao me oppuz
emenda dj nobre deputado que reconheco muito
justa.
U Sh, Gusmao Lobo. :-~Ma eu desejo que se sai-
ba que o pensamento 4a emenda vea da commis-
so, perante a qual pruvou o peticionario que
Ihe era ndispeosavel o favor de urna licenca.
Eslo qui os documentos. O Sr. Amador de
Araujo Pes>a um tBciai que, segurado para a
campan! con>o oorpoexpediconario, regressou
pouco dpois puf iuhbilitacao verificada no exer-
cito em operaces. Adjdid ao corpo provisorio,
seus soffrmentos so tem aggravado de modo im-
possibilita-lo para o servwo.. Aquii na ante-sala
vimo-lo em estado de sade deploravel j a sim-
ples Hrspecco ocular podara dispensar attesta-
coes si elle, as nao honvesse exhibido.
Julgo que, nestas cir,flumstancias, nada mais
justo do que conceder urna autorisacao ao presi-
dente da provincia para qne possa coneeder a essa
oDcial a licenca que pede.
OSr. Ges Cavlgante :Acho muito justo;
urna verdade.
O Sr. Gusmao Lobo :V-se que a preteneao,
de que em cerlo modo me consiitui interprete,
d aquellas que se liga o meresse publico.
Um Sr. Deputado :Ninguem o contestn.
OSr. Gusmao Loe :Mas isto vem para mos-
trar que, nao poseo senao applauiir todos os es-
crpulos qqe se queiram guardar na> concesso de
licencas; e que, si me cansn exiranheza a im-
pugnayo do nobre ^depuado, que me preceden,
emenda do nosso e-iimavel cediega do quarlo dis-
trieto que concede ao director da escola normal
tres mezes de licenca. com vencimentos, nao me
poda ser attribuido que me 'duixasse levar por
amizade esse funecionario.
Tenho o Sccyoeao Francisco Rochael Pereira
de Bnto ed conu de empregado seloso, intelli-
gentee desvelado pelos progressos do instituto
que'dlrlge (apoiados); julgj-o muito incapaz de
pretender urna licenca sem motivo real e justili-
cavel de a pedir ; e estas sao as razoes do meu
voto. Honrar-me-hiam as suas relaces pessoaes;
mas declaro que nlo a^ tenho cultivado. Nao posso
dizer-ma amigo do Sr. conego Rochael ; e quando
0 fosse, sinto quo este motivo nao-seria a razao de
meu voto.
Mas nao disfarcp que me causn al sorpreza a
impugnaco do nobre deputado a urna licenca de
tres m ;/.es, reclamada em favor de um funeciona-
rio de ordem elevada, quando to sem exame
se vao concedendo licencas, uenhuraa das qnaes
tem sido inferior seis mezes, e isto respeito de
empregados de todas as cathegorias.
illa nm aparte.)
O Sr. Gusmao Lobo :O nobre donudo qaiz ver
em minha insistencia afeico ou auizade esse
funecionario...
O Sr. Ges Cavalcante :Nao o affirraei...
O Sb. Gusmao Lobo Mas-Bu, nao querendo
ver desaffeicao na sna formal impugnaco emen-
da, combino com ama impresso desagradavel
que o autor do projecto n. 84, que lenta extinguir
a escola normal, seja aquello que move a palavra
para impugnar a concesso da urna pequea li-
cenca ao chele desse importante esiabelecimento.
O Sr. Ges Cavalcante :?A' que vem isto ao
caso ?
OSr. Gimi Lobo :Para mostrar que o no-
bre deputado foi to injusto em atlribuir-me a in-
fluencia da araizade, quanto en poderia se-lo era
attribuir-lha respeito desse funecionario o senii-
raento contrario.
Tenho visto que nestas eoncessoes, se anda com
escrpulo pouco severo.. Nunca se levantou aqui
diseussao sobre urna licenca.
U\i Sn. Deputado :Arada ha pouco tempo foi
regeitada umi.
O Sb. Gusmao Lobo : limea ; mas nao se dis-
cutio a materia. Tralava-se de um professor de
primeva leitras, enjo ame anda ignoro...
O Sr. E. de Oliveiha. :Joo Jos Rodrigues.
O Su. Gusmao Lobo :e quando so ia votar,
fni informado por um dos honrados deputados,
que esse funecionario pretenda a licenca para
realisar urna vagem ao interior da provincia que
1 be era a arase I hada por motivos do inleresse par-
ticular. Esta informarlo oorreu aqui; e por esta
nica razao foi a licenca denegada.
Concurr com o roen voto para este resultado, a
estou satisfeito de ter cumpndo o dever. En amo
muito os professores pblicos, mas cointanto que
lacam da sna missao um sacardoeio. Licencas com
pretexto frivolo, s as concederei por erro ou in-
formacao infiel.
Um Sn. Ubputado :Mas o Sr. Rodrigues pro-
vou com altestado medico o sea estado de doeuca.
O Sb. Gusmao Lobo :Tenho em innita conta
ara attestado ; mas todos sabemos como de ordi-
nario sao obtidos estes documentos que em regra
se eniendom graciosos.
(Ha um aparte).
O Sr. Gusmao Lobo : Sim. O Sr conego Ro-
chael nao exhibi um attestado medico ; nao re-
queru urna licenca. Mas, um 'nosso collega que
afirma ter verificado o sen estado de eoiermida-
de ; e seria orna discortesia nao aeother esta in-
formacao, qnando de urna pequea licenca qne
se trata e com a qual nao sofirer seguramente o
serv qo publico.
Alm de que o Sr. conego Rochael. empregado
de ordem superior, chele de ura, estabeiecimento
Iliterario, nao pode ser suspeitado da. pretender
urna curta licenca para poupar-se ao trabalho. Si
o tizesse, elle nao seria um funecionario zeloso ; o
qne se sabe, que elle dirige a escola normal eom
verdadeiro inleresse...
O Sr. Ges Gavlgante :Mas si elle nao pe-
dio I
O Sr. Gusmao Lobo : Exprimi um nosso
collega a noeessidade de algum rop-inso; este po-
da verificar a enfarmidade ; laio quanto me
basta.
Nao attrbuo ao nobre deputado motivo menos
oonrassavel ; estou longe desta iuteneao. Mas esta
guerra declarada mais modesta pretenoo que j
nos batana'porta...
Um Sr. Deput.bo :Elle que a peca ao presi-
dente da provincia.
O Sa. Gotmao Lobo :-au sei si a podar ob-
ter com vencimentos. i
Um Sr. Deputado ; Bati a quostto dos
veoainwatos ?
vencimentos < de importancia para o empregado
publico que vive do seu trabalho. Pobreza mui-
tas vezes um brazao ; pode-se confe3sa-Ja mnito
ocrosamente.
1-M'Sr. Drpctado: Todas as licencas aqui
C0Rfc tern su* cora "M,os os "ane'imontos.
OSr. Gismao Lobv:Agradeco a honra deste
aparte. Oque se quer, pois, abrir urna excep-
cao odiosa a respeito do director da escola nor-
mal ? Ha para isto alguma razao qzc possa ser
oita sem reservas 1
O Sr. TRrxEjRA de S.vd trn aparte. '
O Sn. Gwsmao Lobo :Faco juslica s-intences
do nobre 1 secretaria ; conheco-o "muito intima-
mente em seus elevados sentinwntos para acredi-
tar que, tambem elle, faca questo do quo nao de-
ve ser ama questao.
Nao-quero fazer prar-a de senti-mentos fjne sao
os de toda esta assembla. Mas, sem applftaijae
ninguem, quero acreditar, o decididamente acredi-
to, que si, emvezdo director" da escola normal
se iratasse de outro funecionario do igual rathe-
gona, do regedor doGvmnnsio, de- director c al-
gum possivel curso eommeroial, do direct..r da
instrucro puWiea, que nos- merecesse affrqae
profunda, est questao nao se teria levantado Ca-
mnara oijerabnracos... (Nao apoiados; reclama-
CCSJ.
O Sr. Twkeiba dk Sa : Declaro por minha
parte que mantenho com c- Sr. conego Rochael
relaces muito syrapalhicas.
OSr Gsmaii Lobo :Sino que-esava em um
erro. E somente- agora qne fleo eoavencido ci
que esta qu-eio nao tem nada com o norae do
funecionario de que se trata.
Anda bem I A assembla mostrar, ainda uma>
vez a impareialidade, qne nao- puz em duvida.
Um Sr. Deputado :Mnito bem
Voses :Votos I Votos I
O SR. G. DRUMMOND maoifesla-se contra a
emenda ollerecida pelo Sr. Goos- Cavbante.
O SR. PIN SO- JNIOR faz considerae'jes em jus-
tificarn da emenda que offereeu.
O SB. OLIVEIHA FONCECA:Sr. presidente,!
O Sa. Ouveira Fonceca : Massnppde que el' -
nao sabera apreciar se conveniente a concesso
da licenca ?
O Sr. Goes Cavalcante :Supponhcqueo per
sanento da assembla deve fiear bem rtaro.
O Sn. Olivera Foncscv:Sao pode haver obs-
cundade em ser o presidente da provincia auto
ruados conceder urna Heanca de tre3 mezes.
A' vista desias consideraces voto contra a sob-
emenda.
Encerrada a- diseussao i o projecto posto a vo
tos B approvado, bem corno as emendas, com ex-
cep^o da doSr. Goes Cavalcantf.
OSR. GOES-CAVALCANTE: pede que sy decla-
re na acta que votwj contra a-emenda que sonce-
de Heenca ao director da escola-normal.
O SR. GUSMiAOLOBO pede se declare ni acu
que votou a favor da mesma emenda '
O SR. OUVEITiA ANDRADEpeoVnrgencia para
apresentar um yequerimento.
Consoltada a easa approva a urgfneia.
O SR. OLIVEfRA AND3ADR jusWIca e manda
a mesa o seguinta-reqoenmecto. que fr apoiao.
Reqneiro qna-pelos canaes-competentes se pe-
Catn eom urgencia-informales ao Bn. presiden-
teda provincia sobre es segumtes poneos : I Se
a fiompanhia Pernambaeana deixou de fazer as
nafeos a Itapissuma, > que se- obrrgaa pelo con-
trato que eelebrou-em o governo da provincia por
sua propria deliberaeao, ou de aeeordo com o dito
governo. 2* se a alt-rarao oj suppressao da;
viagt-ns ar> porto (JeGyana foi tambe feta de
aceodo enm o presidente da provinefeK. 3 que
fantaflnns ou conveniencias publioas resnltam d->
privilegio concedido i Mpanhia de reboque.
Oliveira Amlrade
Encerrada a discueso o requerimenio posto a
votos e-approvado.
.'1> discu*so do projecto n. 101 deste aono que
esclareee os limites da frefueza do Serinhem.
E'. approvado.
nica- diseussao do projecto de-postara da c-
mara municipal de Grcai& E' aporovadoi
3* diecussao do piojele- a.
tenho visto nesta casa""dema"sada "ben^nioade VI r-evo^a^Ta' Tm WUStVSdA
respeito de coiieessoes do licencas; conlinuamente i Se" aDorvado
tom sido autorisado o presidente da provincia a I 3'diseussao do prefecto n 69 dnato v> u
conceder licencas al um <**,*>*** ven- K^TTZJlInS!!^.rJ!^ 2L?Z
dalla*, ainda-que uraa ou ontra vez me patee* que p||ceco- eonstrucc? ^e nm mercado mSeW-
a autjrisaco mwto ampia, tanto em relacao ao
tempo como em- relacao totalidade do* venci-
mentos.
O projecto, que autorisa a cooeessode urna li-
cenca de tres mezes ao director da escola normal,
, pela pareimoma, quasi urna- excei'-io entre os
outros, a que aeabo de refenr-mt; redua quar-
ta parte o lempo que em tantas outraa autonsa-
ces se tem estabetecido.
Reccordp-iae de que, sendo apresentado um pro-
jecto autorisando o presidente da provincia a con-
ceder seis mezes de licenca a um empregado, m
mediatamente appareceu urna emenda ampliando
o praso at nm anno. Nao tenho lembranra de
que se haja feito alguma restriecao a respei*p"des-
sas licencas, o lempo fixado tem sido sempre de
um anno, e quando se peda menos foi ampliado
at um anno, sendo todas as licencas com os ven-
cimentos por inteiro. Portanto, quando se pede
urna licenca de tres mezes para um tuneeionario
que della necessita, nao deve haver grande oppo-
sico; um pedido muito modesto em relacao aos
outros, cuja procedencia tem sido admittida".
O Sb. Goes Cavalcante :A questao- nao ter
vindo a petico casa, instruida como de lei.
O Sit. Oliveira Fmcbca :Creio quo qualquer
um de nos competente para propr, que o presi-
dente da provincia seja auterisadoa conceder urna-
licenca (apoiados;. (Juanto. noeessidade de do-
cumentos, se esta casa fosse um. tribunal jndieia-
rio, nao s nao bastara a iniciativa de cada um de
nos, como nao bastara a simples apreseotaco de
documentas; seria preciso examinal-os e discuJil-
os, fazer-se um exame medico na pessoa que im-
petrasse urna licenca, ect.. etc.
Um Sr. Dhbutado : Um attestado- medico
prova.
O Sn. Oliveira Fonc&.a : Mas no tem rrca
de obrigar-nos, nao nos lira o direito de negar ou
fazer a concesso. (Apoiados). Pois cada um de
s nao leo o direito e reconhecer a convenien-
cia de una concesso desta ordem ?
. pablieo.-
E' approvado.
Tendo dado a hora*o-Sr presidente designa a
ordem do dia. e levante a sesso.
SESSAt> ORDINARIA 8MI 6 DE J1NHO S6 1873
RMWOEMU DO-SU. DR. A3 na
Ao meio dia feita a chamada acharam-se pre-
sentes os Srs. Vieira dArauto, Felippe de Ftguei-
roa, Aatonio Paulino, Olivera Andrade, Ferreira
de Aituiar, Rufino de Ataieida, Pinto-Jnior, Bar-
ros Winderley, Gnedes Gondim, Manoel Arthur.
Goes t'avaleante, Ignacio Joaquim, Manoel do Re-
g, Cavalcacie de Albuquerque, 01ivir3 Fonceca,
Mello Reg, Goncalves Lima, Teixeira de S, Mi-
suel Pernambuco, Vieira de Mello, Amaral. Gus-
mao Lobo, Firmino de Novaes, Barros Reg, Cu-
nta Cavalcaute, Augusto Costa, Paes Barretto,
I- Cavalcante, Eduardo d'Oliveira,. Itewiqno Ma-
mad, G. Drummond. Nicolao Tole-Mino e C. d'A-
raujo-.
Abre-se a sesso, i lida e apprcvada a acta da
anterior.
O Sn; Io sficaSTAne d conta do segninte
ETEEOWNTE
im officio do secretario do joverao, transmit-
tindo por copia o requerimento 9m. quo Vicente
Ferreira da Costa se prope a alterar mediante,
condices constantes do mesrno requer'meuto o
contracto da constrr.ecao do caes-da ra do Ria-
chuelo e (ervaco do canal, e bem assim a in-
rormaco. que a sta respeito ministrou o chele
da repartcao das obras publicas.A' conamissai
do obras publicas.
Outro do mesme. transmittindo por copia a in-
formacao ministrada pelo director interino- da iu<-
truecSo publica, relati\7imente ac professor de pri-
raeiras letras da povoacao de Nazareth c\> Cabo.
A' quem fez a re-uisicao.
Otro do mesmo,.remetiendo por copia a infor-
macao- ministrada pelo chefe da reparticao das
reparticao
I obras publicas sobro o reqnaeimento e diversos
Um Sr. Deputado: Enio podemos despresar proprietorios e moradores doBarbalho.-A' quem
estados mdicos ? fez a requisico.
Outro do mesmo, remetiendo os autegraphos das
resolucoes de ns. !)2."> a (KM do crreme anno,
sanecionadas pelo Exm. Sr. vice-presidente da
provincia.A" archivar.
Outro do mesmo, traasmittindo par copia a in-
lormacao mir.-trada pelo angenheiro chefe da re-
particaj das obras publicas, acerca das pontes
de Porto de Pedras, do Gindahy s do Anjo.A'
ijuem fez a re-pusico.
Outro do mesmo." transmittindo aor copia as in-
foriaaces rumoradas pela tbesoararia e consula-
do provincial, sobre as. peticoes de Franidin Ch-
inaco Pere:ra de Souza e Franeiaco Militino da
Ca-U Ferrsira.A' quera fez a requisici).
Urna pelieao de Aaieiia de Santa Rosa, profes
sora publica da villa da Escada, pedindo so eleve
a lOOQmensaesa quota mareada paa paga-
mento da casa em que funeciona sua aula. A
commisso de orcamento provincial. .
Urna reprsenmelo da cmara municipal do
Recife, acompanhada do parecer da commissa.
encairegada dos.ueg cioe do matadouro publico
A' coinmissao.de negocios de cmaras.
ORDEM DO DIA.
i-' diseussao do projecto n. 129 deste anno, so-
bre crditos sipplementares.E' auprovado.
1* diseussao do projecto n. 11 i deste anno, au-
torisando o presidente- da provincia a provr em
urna das cadairas de iostrueco primaria desta ca-
pital o professor jubillado Joaqnim Antonto de Cas-
tro Nunos.-E' approvado.
i' diseussao do projecto n. 110 deste anno, au-
torisando o presideate da provincia a aposentar
eom o sold que ora percebe o eapito da 5* coro-
panhia do corpo provisorio de polica Joaquim
Fernudas d'Azeveido.E' approvada
* iiscus.-o do projeoto n. 34 deste anno, ap-
OSn. GdsmX Iobo :Que saja. A questao de
alte
O Sn. Oliveira POSCSCA :Pitemos dispensal
os, porque sem el les podemos eonUecer a .tilidade
da autorisaro. Podemos nao conhecel-a, e em
tal ca*o con'vm aos peticionarioa instruirem suas
pelires com documentos que proven) c que eHes
allegam ; mas quando a maioria da assembla est
convencida da necessidade do urna medida como
esta, de que se trata, pode dispensar documentos ;
porque a exigencia delles em tal caso seria urna
simples formalidade.
Nao ha lei, que exija como condicao esseucial
autorisacao para ser concedida urna licenca, qne
se apresenlem documentos; apenas pode ser con-
veniente a quem requer apresenlal-os, afitn. de
convencer com elles aos membros desta easa, que
nao estiverera convencidos.
Um Sb. Deputado :O presidente nao pode con-
ceder sem documentos.
O Sr. Oliveira Fonceca :0 presidente, auto-
risado por nos, pode conceder urna Licenca, sem
exigir documentos. Podemos exigil-os ou dispen-
sal-os para tazer a autorisacao; e o presidente
pode exiguos on dispensal-os para usar da mesma
autorisacao. Muitas vezes aqueile, que pretende
obter urna cenija, log pr.meira vista, um do-
cumento vivo da jnstica de sua preteneao.
Portanto, Sr. presidente, sao me parece rasoavel
a grande opposico levantada ao menor dos pedi-
dos feitos casa sobre o obj->eto eu) discnsso.
R)i dito contra a emenda, que o providente pode
conceder a lieeuca. Nao pode concede!-a do molo
qne est proposto, isto com todos os vencimentos.
Se a licenca fosse por tempo superior, por um
auno, por exemplo, como se tem estabelecido a
respeito das outras, me parecera conveniente que
se fizesse alguma restriecao quanto aos vencimen-
tos ; mas a licenca, de que so trata, j bastante
limitada em relacao ao tempo.
^ m Sr. Deputado :A questao nao da. quan-
tidade da qualidade.
O Sr. Oliveiha Fonceca Em que consiste a
questo?
0 Sb. A. Cavalcante :Na.forma da pedido.
O Snt Oliveira Fonceca : Um deputado pro-
pe, que se autorise o presidente da provincia a
conceder tres mezes de licenca a nm certo funecio-
nario ; qne. sensura merece este pela apresentaco
dessa propsta ? Qaal a illegalidada em virtude
da qual se deve negar a autorisacao ?
Pelo nobre depntado pelo 3. distrieto foi oflere-
cida urna sub-emenda nestes termos: depois qne
houver provado necessidade.
Esta exigencia nraa excepcao, e urna excep-
cao odiosa, feita nicamente em relacao ao pedido
mais limitado. Tambera me parece qne nao dote-
mos restringir a autorisacao dada ao presidente
da provincia.
0 Sb. Goes Cavalcante :Todos os dias se faz
disso cavallo de batalua.
O Sr. Oliveira Fonceca : Se antorisamos o
presidente a conceder tres "metes de licenca, pare-
ce que devemos deixar ao seu criterio a exigencia
on nao exigencia de documentos para usar on nao
usar da autorisacao.
O Sr. Goes Cavalcante :Eu tiz essa restriecao
e confesso que tenho inteira confianza no presi-
dente da provincia.
.
V
'

provando ocontracto feito com Jos Henruju Trin-
dada para o esubelecimeoto de irilaos de forro as
roas de^la cidade.
2" diseussao das emendas offerecidas em 3* ao
projecto de fixaco de forca policial.
Depois de algumas consideracoes (pela ordem) do
Sr. Manoel do Reg, sao as emendas approvada
bem oo rao o projeoto.
Contina a 2a diseussao do projecto n. 102 des-
te anno (orcamento provincial) com rolarlo ao
art. t; adiado da sesso de 2 do correte.
Sao lidas e apenadas as segrales emendas :
Ao 8 do art. .6" accresceute-se 5:000*
pira a construeco de nm acude na villa do Itm-
b.Gomia Gondi.Ofioeirs Andrade.-Ama-
ral.
' t A> art. 6 7, accresceute-se 1:000J para
construeco das obras da matriz de Caruaru.
Firfl de Mello.
Ao art 8 $ 9 suppriraa.se 10:000* para a
reconstrueco da ponte sobre o rio Pirapama, e
marque-se 12 para nova potte.C. i'A-attjo.L
Leao.G Drummond.
t Ao art. 6 7Augmente-se 15:000*000 para
obras diversas.C. d"Araujo.I- Imo.G. Drum-
mond.
Art, 6 i 7, com a capella da Nossa Sentara
da Piodade da Santo-Amaro, em vea de 1:000* di-
ga-se 2:000* C. d\iraujo.G Drummamd.
t Ao art. 6 $ 6, accrescente-w 10:000* pau*




.
'


1

.iir
>
HUl 81 Qftfl- Wario de Pemamhuco Sabbado 18 de Junho de 1870. [ Q33K||j^
mi
ONttl
- v


...v .
- ** r"
reeoostruccao da ponte sobre o rio PiraparaaC.
fAraujo. G. Dmnunond.
Ao atrl. ft 8Supnruriara-se as palavras
para a abertura da barra de Serinhem ar o por-
to do Anf:>. 2S:00)S.-C. r.lrauw.1. Paulino.
fticeirn Anradr.
lAowt fa-Em ver de 3:000* para os con-
certos do acude de Caruar. diga-se LoOOl.^C.1
Ao arl. 6 7 aefr8aente-se 1:000* PaT a
capella da povoacaa 4o Guanga, e 1:M0 para
a obras da igreja de Nos Seshora do LWra-
meuto de Pao d'Alhe.C. i Araujo.A. -Paudino.
t Ao arU 6 8 7 augmente-se :1:000* para as
i.bra; da matriz de S. Caalano ila Itapts e 1:000*
para o acabament das obras da matri de* S. Ren-
to. A. Paulino.
cado, e II par dito na fabricado, importado
corw.inmrioo na provincia.
dando estampa a linda e procurada polka do
distiufto professor o 3r. Innoeenzo SrooltzAune-
10.55 rs. por kilogrammo da sabao, idem ,e, /o.O trabaHio apurado, ntido e correlo. O
Ao S 7, acrescente-80 :E 800*n* se pa:
par ao padre los Profn o Gomes o que se lhe est
-a dever, pelos oncenos da capella de S. los-de
Taiiiaiidar.G. Drummond.
Ao 7E 2:00* para obras e alfeias da
igrej* de Nossa Senhora do O', que tem de servir
de uiatM da freguezia le Ipojuca. G. Drum-
14 rs, por dito exportado.
| U,8 r* por litro de -vinagra importado e
consumando na provincia.....
1131 rs. por litro de geuebra e licores,,e,
91 rs. por dito de utras bebidas espirituosas.
idem.
h | 13.-4tan. puriT-lleuda nara T>xporti
em obras usadas en fundida ; ?S n. por ditaf-
piala, i Jen; 26 rv por kHogrammo de coonaoft
I a lio idem, e 173 n por dito de chombo, ida*.
Helia Rego.i-Sout* Leo.
Diga-se 2* por ottava da uro exportado.Dr.
Memotl do Reg.
j 14.57. rs por litro Oe -agurdente do pre
dueco dt>. paiz. coosuniinida na provincia. G-
Drummond.fallo Mtw.Smzu Imo.
% 16.SabstiuuMS asi' pargrafo par ate :
O dizimo do gado vaceum cobrado as comar-
cas da provincia em que este imposto tem sida
apreciadores da boa msica devem arncarar mu-
flir-, desde' ja, d'este primeiro speimen de ly-
tbograaia musical, tanto mais que custaeUe ape*
as i*.
CALCAMENTO DA CIDADE.Pedem-nos a pu-
bl cacao do je^uinto: ^m*~
i lloga-se so engarrafada A ceamonto da-
ras lest* oidade qua, cora imAtr hrwdaiia
pissivfel, manda calcar a tavetsa. da ni Bat
pois ojie o* mofadore vive amare encoaamo-
'dados-, coi qualquef dwva par se turnar dita
Vua ibiraotitaval, wwmhMo-te all grandes
eharclr de agua ptridas; e a aaglomeraoo das
aguasiptafiaes en A graada quandade, qtie
i-osiuma entrar pelas ca;, eetrafanio e arruinan
iluudo, como ate atecen e aoi esta bel ei Bien -
mpublfen na nomo- de 15-p*r"o amwtwceT ao
dia 16 que foi tas grande a qntntidade d'agua
cooradi or annos aoteriores.O/itwra ftnceqo. ^or ,jna,x(, da mema, -ttie ohrigoa ao dono 9Sir *h ,
Substitutivo.Dirimo de gado vaceum e caval- ^^ rua ,brind regoslara o cano de escoto allm' Ao desembargador Souza Leao.i
t Ao art. 6 | additivo.Gom a reconstruccan
do iheatru de Santa Isabel 1O:0004000.=*F, de
Figurina.Manoel ds Itego.Gasmo LabeHa-
fino de AmaiaV.iWen/wo de Carvalho.lienri-
que Mameie.
Ao art. 6 accrescente-se,Para a greja do
Bom Parto de OKnda 500*.E. A. itOHveira
F. de Fifueira.Gusimin Lobo.Olweim Andra-
Ao art. 6 % 7, diga-se^OO* para a igreja
le l:000*.-Dr. Manoel s Reao.-E. A. a"0li-
reir.
Ao arl. G C accrescente-sia lo:000$_cem
os cotcenos de que precisa a casa da detenr|o.
fitpno TAlmeida.
Ao art. 0 8 diga-seem lugar de 10:000*.
15:001* para a estrada do- Jabozto a Luz.Dr.
Mattorl do lego.
.^rt. 0|7. -Ar;rescente-se no flm do % f-.OQO*
jiara a de Cabrob.fWmino de Nocaes.
Ao 17 do art 6 necrescentese.5:008* para
as obras da matriz -da Boa-Vista desla cidade ;
2:0003 para a igreja da Santa Rita de Cassa ;
'1:500* para a igreja da Casa forte.Toentino de
Carva!ko. Pernambnco Filko.
Ao art. 6 7. Para as liras da matriz da
Eseada 1:000*. Figueiredo. llenrime 3laneic.
t Ao art. 6 7 accresceiH-se.2:000* para as
obras da capaila da Casa Furte ; 2'OfiO* parias,
oras da irmanda le de Sant'Anua da Madre de
Diis F. Figarirva.Rapto de Almeida. Ta-
xeira de S*.
u Ao art. 6 J 7.Para as obras da igreja mn-
triz do Iguarass 1.000*, e 300* para as da a. -
pella da Senhora Sanl'Anna da povoacao da Cara-
bna. augmottand i se fiara esse limaquuta.-
Amoral. Cae aleante i AlbuqMrque. BiMvas
llego.C. Go*dn.J. Cavalcanle.
Ao art. C 8. Gota a estrada de lupissunia
Nasareth, podando ser mudada a direcea pro-
jactada, (V.yiK) AugiNontando-se para isso verba.
Aisaruf.Cavalcantr. Albwpterqae. Barros
W'inderlcu.Goncaiees Lima.QUoeira Kv&rade.
Correa Ci'ndim.C d'Araujp. J. Cavdicinte.
Ao-7 accrescenie se.fara a igreja dos
Martyius iTesla cidad 500 : para a capella de
Nossa Senhora da Concei{io do* Milagres em
Olioda 380*.Gusmo Lobo.**.- Figueiroc.
Emenda. A' matri da freguezia das Montes
1:500* ; miva Treguezia de ^ameleira Goes Caxalcante.
. A i art. 0 j' 7 aecfescenie- obras da capella de Santa l'-?:a desla cidade
i'.uuhi Ceroteante.
Ao art. C 7.Gnu a continuadlo das obras
da igreja do Livrameuto da cidade do 'Fio For-
mo>o 1:000*.Rifiuio d'Akmiia.G. Drtmmond.
Oortra Fonsecu.Barres Wanderley.Cunha
Figueir*4o.
Ao art i 7 accrescente-se. Coni as obras
da igreja da Casa "Forte, na freguezia do Peco da
HaaeHa 1:0U0J.'Pufino de Almeida.
Ao C accrescente-se.1:000* paca a cadei
do SalpuHiro. O/.rv/i Ao art. 6 S 7 accrescente-se. Mais 1:000*
pira as obras da matriz do "imito. Omta Ca-
i:alcaet:.C. de Araujo.Carros Wantrley.
Emenda ao 8 du art. t, accrescente-se ao
'i".ai desis.4:0d* para a desappropriacao da
"Strada do Recife a Apipacoe, da entrada a Casa
i-'orie, conforme foi euiwgaado no orcamento vi-
gente. -Pernam*i:o Filko.
Ao art. 6 8 accrescente-se.fktttoj com t
i'urtipix do acuite Cu Salgueiru.Rufino 'Almeida.
Ao art. 6 6 ccrescente-se.Com os reparos
da estrada de Olicda 5:000*. Rufino4e Almeida.
Ao art. 6 8.Supprinm-se a verba 15:000*
par o pmnearameulo da estrada deOlinda.
Rufino < Almei&c,*
(i Sil. KUMfW B'ALMEIEA taz ataUBM con-
staeracies em jHeUOcaco das eneuda^-queoffe-
i < ii.
O Sil. -"P.ESIDWffl vbmmt que a emenda offe-
reenla |K<: Srs.H Mamada e F. Figueiroa con-
nfaMtdK a ijuantiade lo:060* para estados gra-
pliirus. uii i'de ser acceita, por ter sido regei-
:.alx na primeira esso ida idntica, que, nao
.>li-tau(. visto o Sr. depulado Figueira appellar
pan a daiis.io da casa a respeilo dess -delibera-
a i da nnsa, por simples deCarenJiaa va: onsui-
:ar a NBi.
Coaunllada a eaaa. depois de, ligeiras cbserva-
<<- lid- Un. G. LoWe e_F. de Figueiroa, decide
<->ia que a emenda nao esk. no case de ser
aJuiutlica. i
O SU. G..DEDHt&*.MOXD justifica e canda
mesa o seguinte requerimenlo :
.enueiro o adiamento da discjssao do art. 6o
at que as-emendas ejam publicadas no jornal
da casa.
O SB. GI'tMAO LtO justifica extensamente a
asteada que cllereceu, procurando demonstrar a
inconveniencia daconsigsacade pequenions par-
celias que mal podem eegar para insignificantes
rapan, O orador apona o exainplo de varias
igrejas que recebem sabsidio ha muitos annos e
-lijas ubras rao attestam um ireal prograsso.
. inti-a entre outras a igreja de S. Frei Pedro
M.tnyr de Qlisda, que figura quasi annualmeate
nos .(remenlos e no quadro das loteras sem u estado das suas obras se mostr adiaotado.
Nao urna ioeriminacao cw faz; o orador sabe
me lia urna eerta fisealisacao na prestado
-de coatas e que obras e graade vulto nao
pede adianur-se com a applicacao de pequeas
'luantias votadas de anno em auno
Muito mais proveitoso sacia que, autorisado o
presidente da provincia para empregar em aceor-
do com o arelado diocesano a quanlia destinada a
.-Miisiruirio e reparo de matrizes, fosae possivel
que em cada termo se cuidas*: seriamente em tres
"ii qnairo. d itando-se por este modo a provincia
d" templos adaptados s necessidades do culto e
vttandi -se o espectaoulo queoflerecemm regra
a* matrizes -do interior. O orador couda a as-
-i-iTiblae^jierimenlar este raudo de applicar a
i ha que to infroctoocamente se tara despendido,
ir este o peasamenio que a saz emenda ex-
prime.
V'ai mesa a isegninte emenda, que aaaiada.
< Snpprlraa-ae o 7* paca ser sobuituido aesim:
Com os repare e obras da matrices, que sarao
.-mtorisadas de aceordo coai o prelado diocesano
25:000*.CuMMi* Lodo.
SI!. (.. DRUMMOND manifesta-se contra a
emenda recentemeote apreseatada. insifitindo pela
adoprao do sen. reauerimenio.
O SR. WANDERLKY diz a pedio a palavra
para declarar easa -que inst; olas suas a com
missio de orcamento provincial consignen ao sea
nrojecto a quota de 3:000* para 06 reparos da ca-
paita-mar da matriz do Rio Formoso, e que se
.Rin proeadeu foi aoaveneido da neeessidade'
J.ujujlla medida. Dn mai? que estando recons-
truido o corpo 4a matriz, id resta reparar a ca-
peUa-mc qua ameaca raina e da qual mistar
enrar-se sob pena de acarratar comiigo grande
oerda e espera que soja approvada ajuella quota
por ser de utilidad publica
Ha errada a disensso e o rtquerimento de
a di a memo do Sr. Gaspar Drummond posto a
vi# appmvado.
Verillcando-se aao havor casa o Sr. Presidente
designa a ordera do dia e levanta a sessab.
Emendas apreseatadas ao art. Id do orcamento
pr ivinciaL
| *6 rt. por kilogrammo d assuoar expor-
tidn.
3.-% n, por litro de agnardente e aleool,
dem.
% 4."W*i por dito da mel de/uro, idem
G. Drummond.-Hetto #&.S*z Leo.
7.aAereseente-se 50* por cada escravo im-
portado de oBtra provincia, cora excapeo dos que
vM-ram em-aompaahia da tt senbores, apando
ates sanan residir n'esta provincia.Rufino de
jeimM
| 8.a218 rs. por kilogrammo de tabaco fabri-
lar, cobrado as facendas d Graaeau, coma na&|
leis aateriores. Antonio Paulino. KieiVa de
MelU.
19.Em vez de 50* diga-se, 100*.Antonio
Pautino.
Era vez de 3i* diga-se 100*.Priwij6icp Fi-
A.
20.Supprimam-se as paUvras fiuaes: e 5 0/0
sobra doaca de qualquer especie.Antonio Paw-
ijw.
Acrescente-se, com exceprao dos queforem fei-
los a* associaooes para amancipacao dos soravos.
Rufino e Almete.
projecto n. 77 deste anno.Fieira de Arrayo.
% 23.Acresccnte-se 5:0005 por garan* de
bilnetes da provincia.Antonio Pwtlmo.tit. Jo-
noel de liego.
23 Acrescenle-sdepois da palavra algoeao
e trapiches, o suprima-seo final do> paragrapho
comocaiido na palavra liuando. De. Mtmoel
doReyo.
Em vez das palavrasficando iseutos os que
nae tivereni caixeiras estrangeires, diga-aefi-
cando isenios us que s tiverera caixeiros aacio-
naes.Pernambuco Filho.
27.Suprima-se a palavra typogcaphiea, e
acrecento-se=e as que Uverom 10 discpulos m
constante apreadisagem.Aujiaa S 28.Em vez de 300* sobre casas de uenbo-
re*, diga-sc 1:*K).l'tnto Jxntor.=*Fii*eiiya.
Em vez de 900* por casa da penhoros, diga-se
1:000*. ^G. di .lrunjo.Br, Manuel do Reg.
E dous contos de res sobr cada casa de veo-
der polvora.= ;. DnunmontLJ. Meti Reg.
% 30.Substitutivo.100* por cada corrector
coiomercial e agentes de leikks e 1:080* por casas
de compra e venda oa qualquer transaccao sobre
escravos.C. de Ariutjo.Dr. Mantel do /ar-
.1/itonie Paulino.Vteira de Mello.
30.Opde dic 100 por cada corrector com-
meroial, accreseeate so : inclusive os caixjelrod
dos mesmos, condecidos peto appollido de zaafoes.
Rufino 'Almei.
3a.Em vez de 4003 por casa de compra e
vouda ou qualquer transaccio sobre ravas, di-
ga-se m&.Rufino "Almeida.
30.epois da palavraledesdigi-se :
e 500* por cada casa de compra e vendado es-1
era vos, por conla propria oa por comnnssao.
Pernambuco Fillio.A. CacOirmiti.
% 33.Acoresoente-se a palavra objettes : im-
movais a seiiwvenas.Vtetrenle- Araujo.
| 39.40# por carro uaobre de primeiratlbs-
se.Dr. Mamel doHegot
41.M*. por oavalo de alugneLDr. Mantel
dv Reg. '
S 43.Em vez de 1:000* dig-se MH>I: e em.
vez de .'iO*lf,, diga-se o\*.Antonio ^atUmck
Dr. .t/diae! doiRtgo.Vteira de Meito.F.. A. de
liveira.
43.Em vezde 1:000* por cada, joelbeiro e*
trangeiro ifue mascatear na provincia. digase
J:(HM)S. -iRufino fAbnwWn.
% 43SulHtitutivo.2:808.3 por cada joalaeir
ou caixeiro do mesm ca, exceptuados, porcn, os y|ue se aebarem esia-
belecides na provincia ha mais-de seis annos, os
quaes aagarao 00J5 per cada pessoa ou caixeico
que tiupregareui em mascatoar.Mm.-/qiw M:-
mede.
43.Depois da palavraestrangeiro, diga^>i
ou Cixeire do meswu.Dr. Manoeia Reg.
Proy&o.m,n. li.
A eommiss.-.o de iegisla^o, leudo examinado
attentomente o contrato csiebradu pelo presidenta
da previncia com Maooel Pulycarpu Moreiru de
Azevodo, liara a abertura e canallsa^ao do rio
GoyaDna.-' de parecer que eja approvado o mes-
mo contrato, olereoe o seguinto projecm de I :
A assembla legislativa provincial de Pernaat-
bucoresolve:
A-rt nico. Fica approvado o contrate feiiopek
presidente da provincia com Manoel 'Polyearpo
Moreira de Aeevedu para abertara a canattsaeic
do rio Goyanna.
Bovogadas as disposieoes emeootrario.
Paro da assembla legiiativa prorincial de Par
narabuco, 17 dajunho de 1870-.iforror Wandtr
tey.mrtqut Mamtde.
ft
pallado, Hermenegildo Eduardo Reg Mo
ro. Appellante, Alexaudre Augusto Fras Villar
appellaaa, a viuva Nev & Cardoso. Dia de ap-
parecer: appellado, Domingos Lauriaoo>de Arau-
jo ; appellante, Manoel Francisco de Souza Amo-
tira.
. Bo Sr. desembargador Motta ao Se desembarga-
dor Dona.Apnellacao civel: appellante, Joaquim
Jos de lama Freir : appellado, Chritqyin. dal
Hoera WaHerley. Appellacao erime : aprjellaata,
C5neD|!,e,cravo : appel'ada, a justica. '
D sr. etembargador Doiainiues, da Silva.o
Sr. desembargador Ragueira Costa.Appellaeoe
crimes: appellante, Lonreaco das Chag Mendea-
CH appaBada, a justica.* Appellante, o joizo ; ap-
pellado, Pairo Jos Rodrigue. Appeflacoes cl-
veis: apnellaoies, Joafitim Rlbelro deMoraese
outros; appelladas, Manoel Pareira Ma#alhe' e
outros. Appellante, Luiz Emiliano de*iguhK-
do; appelhNkis, Manoel Alexandre de Aranjo
Guerra e outros. Appellante, o cnsul portuguez:
apoetlad^ a Maru JBquuu' de Oiifeira Cao
regos liara o cano de esgto
daeviiar mamres- pn|*MM* que is: que soffre.
Acha-se approvado pela presiden*; aoj aev
plano para as extraccoes daa loteras, o qual seo-
de hora ooBtoociotu.1 o, pnraitu agradar,aa.p*.'
blico -.'conten ella 3,000 bilhetes a 8, urappemio
de:0p8*. t de l:3QftS. L daMft*. 1 dp,*- 3
de 10*. 6 de 40*; 24 do 16* e 68.1 de 8*.
SANTA 'CASA DS SgRiGOHDM IX) R8GTFE.
O pesseal dos estabeleciraeotos cargo d'esta
santa casa no mez da mato, fo o segntnte :
Hospital Pedro .Enfermos aacionaes 194, aa-
trangejros 33, mendigos 29, Alhos de onerujos
7, innis da caridade 10, empregados 7, serventes
e lavadeiras 15total 295.
Hospital dos tuzaros.Enfermos 26, emprega-
dos 4 serventes 2total 32.,
Htsptcio de alienados.Enfermo* 76, emprega-
dps 40, servarte itotal B7.
Casa dos ejspo&ios.Educandas no estabeleci- [
meato 83, meniaps era creacio 78, amas externas^
78, idem interna 1, irmaw oe caridade S.einprc-
gados 2, arsente 1total til.
Collegio Sos orpkaos.Educaados 77, empraga-
dss 11, serventes 3-rJtotal 91.
CoUfQio dii< orpitias.Educandas 131, irmaas
fi cariojade 9 empregados 3, serventes, 4total 447.
Asyl de menitetade.Mendigos 84, empega-
dos 6, goardas \ serventes 9. toial105.
Secretaria.Empregado Z, advogado 1, soici-
udores i, coliradares 2total 12.
Total geral-1018. ,
D'este pessoal 665 pertetcera ao patrimoni dos
ertabelecimeut* de caridade, 238 -a patrimonio
dos oriiliios e 10* ao asylo de raeodicidade.
LOTERA.A que ra acha neaa a 150'
a neaeficio da iirreja de S. Sebasiia do Benito, a
qual corre hoja.
PASS-AGEHOS.Shidos para o sol no vapor
nacomal Votenci :
Jalo Francisco da Roetra Lessa, Flotentino de
Sanea, Dr. Beato C. do Santos Bante e 2 criades,
Antonio Jos** da G. e i fiflio anner. knaaio F.
Mato, Domingos Mhtry, Andra H- "Witllmnr, Ma-
galhaes Bastos e' 1 scViivd, Jaaaario G. Pixoto,
F. P. ds Cruz, Jos *. F. Gwiraarlas e 1 soDrlnno,
Antonie S. Aceioly C. Josd J. de O. Barros, com-
fnendador F. R. Cavalcante, 1 fUlio-e 1 criado, A.
T. Pmto, A. Cor, 1. C, Claudma, M. da Concei-
cio, Mara Ignaeia, Jovln, Dommn e 3 fllhos,
Felicidades Calharfna, Ignez. F. d'Costa, Mathilde
Gandid*, Felizarda Q. da Mello, Boraingus da C,
M. B. Calbeiros. Lanrinda P. da S, e fldeTonsn me-1
or da 7 anmv, L P. de 8. Mendbnca, F. T. de
Sonza P.. I. D. de A. Csta, J. Antonia da Concei-
cio, M. G. Fonceca, Genoveva, B. J. de Mdeiro,
J. fiaptlst, W. Rabelleard, M. Mans, Jorre 8.
M., A. da Rocha flollanda Caval^nte, F. B.da
Figueiredo.
Sahidos para o norte no vapor naeional Pita
pama :
C. deAfboi|nerijoeHenrique, Alexandrino C: S.
Jos Henrique, F. S. da S. Reiumb>, A. II. da C.
A. D. Collares, J. da C. VTeira, S. E. C. da Cunea.
Seba>tiao J. de Salles; A. Bibeiro, M. de Stuia.
h. H. F. da Costa e seu fflilo, M. M. dcSonra, A,
M. X. BlttencoTM-t, I.'fl. Prmntel, J. R Ferr$o r..
W. Mnlfer, F. TI P. aVArauja el esoravo, ftr. P.
F. Gumares, ena senhora, 4 filha e 2 criadas,
H. Ricantro, F G. Angelo, i. F. Frederico e sua
senhora, V. Codmore, Y Branca. LuizP., 1. P. M.
T. Correa, j. p.R. da SUva a rasdrava, M. Caa-
dida Correa.
ui*m nvpulante,
Appellacio
Manoel Jwiqutm da 9rrvs" ap-
pellada, FranciscoFenoira Bastos Amorim
r Do Sr. desembargador Rcgueira Costa ao Sr.
desembargador Sou^a Leao^-AppellaQoes civeis :
ar*eMadt,Mari Ignkci-da Cnnselcie; appellado
ManoeL Antonio da Silva. Appellante, D. Tbereza
fareeiw1 Lih de Miradd--- appellado, Hternen-
gildo dardo do Rege Montejro. Appellante, Jo-
s Antonto Pernaftdes' Pradique ; appellado, Joa-
quim de Albuquerane Casir.. Appellante, Ana*
Francisca do Monte; appefiado, Francisco Anasta-
oie de Mana. Aapellaote, O. Mari das Menos
Miranda e Ollmra appeiihda, Rosa Marta da
Cinceicao. Appallantes, Joto Codltia Bastos e saa
mulher ; aMmdkda, a fazeada nacional.
'Do Sr. desembargador Soau Leao ao Sr. des-
embargador Gitirana.Appellacdes eiaeis: ap-
pallantes, Jos Alfonso Ferraba e sua ranlher; ap
pallado, Antonio Gomas de Macdo. Appallaote,
Jos Antonio Moreira Bias; appellado, Dr. Huttno
Augusto de Almeida.
Assigno-se dia-para julgamente dos seguales
Jeitos:
AepLLiBs canes.Appellante, Luir Antonio
da Silva; appellada, a justica. AppeHsnte. o joi-
zo ; appellado, Joaquia Correa de Mello. Appel-
lante, o jnoo; appellado, Manoal Baptista Lo-
pes. Appellante, Jos Serafim da Silva; appellado
Francisco de liveira.Pimentel.
AppGLLAgoes civeis. Appellanles, os herdeirot
de Joao Ferreira de C.arvalho; appellado, JoioFe
lippa da Cunta Bandeira do Mello. Appellante,
AatoniJoaquira de Lima ; appellado, Jos Liba*
nio da Silva Monteiro. Appellante, Clemeetfno de
Hollanda Lima; appellado, Js Pacifico da Costa
Caraca.
DaranroiGAO.
Acoravo db petico.Ao Sr. desembargador
Giiirana: aggravanta, Antonio Paregoiao Caval-
canie de Albuqiurque p aggravado, o juiao. Ao
Sr. deiembargador Guerra.', aggravante, Jos Lniz
Ferreira da Costa; aggravade, o juizo.
A' urna horaetres quartosda tarde eucarrou*
asecsao.
.

SEV1STA DIAEUL
A9SEMBLEA PRUVI9CIAL.Hontem a assem-
ba, na Ia parte daordem do dia, apreewu em2*
disoussao o projecto n. 112 deste anno, ene man-
da que as caur-as da fazenda provincial sejamjul-
cadas pelos joizes de iraito desia capital, orando
os Srs. A. Pauno, R. deAlmeidaa Vieira d'Arau-
jo, e tirando a discussao addiaoa pela hora.
Passando a oceupar-se da 2" discussao do arl.
16 do projecto de orcamento provincial, foi o mas-
mo addiado at rerem impressas as emendas que
lhe l'oram oftorecidas, a requerisnento do Sr. G.
Drummond.
Continuando.a di-riisBan dos arts., fursra appro-
vados os de 17 a 25 incbjr-e. depois da orareai di-
versos Srs. depurados.
A ordem do dia para boje : centinuacko da
antecedente; 1.a disrusso dos projeetus ns. 136 o
145, e 2 do de a 106 todes deste anno.
JDRT W) REGFE.Tendo sido bontem sob-
mettidos julgamento os reos Antonio Joa Car-
doso Baireto, abusado por.crirae de offensas pby
sicas, e Manoel Lobarinbos, per crlme de resis-
tencia, foi jnlgada perempta a primaira cansa, e
absolvido o segundo reo. Oeeuparam a eadeira da
defeza os Sre. academien Pela; Ribel de Carva-
Iho e Dr. Joao Joaquim da Fonseca e Albuquerqae.
Em conseqaencia de molestia do Sr. Dr. joizde
direito Olireira Maeiel, acha-se presidindo o tr
bunal o Sr. Dr. Paulino Chives, juiz municipal
da primaira vara.
NOVO ATMENE.-AmonhSa, s 10 horas do 1
dia, reuno-se esta sociedade em sessao extraordi-
naria, alini de proceder eleieao da diractoria e
oais commissaes.
FELICITACO-A cmara municipal da villa
do findito uoneou urna eomimasao, composu dos
Srs. Drs. Antonio Paulina Cavalcaati de Albuquer
que, EduardofAugusto de liveira, Joao Vieira de
Araujo a Ernesto Vieira de Mello e Silva, e de
Rvm. eonego Cimba e Pigneiredo, para felicitar
S. M. e imperador, aa pessoa do Exm. Sr. presi-
dente da provincia, pala feliz e honrosa termina-
cao da guerra contra o Paraguay.
JABOATO.A irmandade do Sacramento da
freguezia de Santo Amaro de Jaboataa, celebrou
qointa-eira a festivjdade de Carpo de-Deas, enai
esplendore nrdbantisme. v
INSTITUTO HISTRICO E fWLOSOPHTCa-
U'ije s quatro horas da- tarde, renete esta so-
ciedade em sessao ordinaria. Ordem db diaex-
posicio di segninte these dn Sr. Barros Guima-
res : Qual o papel que tem representado a mu-
lher, desde a sua efearao at os lempos modernos T
FESTIVIDADE RELIGIOSA. Os devotos de
Santo Antonio, que se ventea na matriz de S. Frei
Padre Goncalves, celebrara amauhaa a respectiva
festividade, com a magnificencia possivel, orando
ao Evangelho o vigario da .freguezia Revm. Antonio
Manoel da Assumpab e* ao Te-Deum o Revm.
Jos Estoves Vianna. A orebestra, dirigida pelo
professor Colas Filho, executar a nissa Esnirito
Santo, do raestro Settemio Battaglia, o Credo, do
me-lre Caweasa, ej) te.peumio professor C6ls<
Flio, que foi pela pnmeira vez xecutado., na so-
iemnidade da matriz de Santo Antonio pela termi-
nacao da guerra. Cantarlo os solos. as Exroas.
Sras. D. Mara Leobina Braga e tilha do Sr. Jorge
Victor, e os Srs. Trajano, Tobas, Sabino, e Joao
Ribeiro; axecutanio o Sr. Candido Fillto QVflau-
ta, depQis do fivangelbo, urna phantaia.sobreo,JI
ituFoscari.
PUBLICA^O MtiICAl**-4Jendo mandado vir
do Rio de Janeiro um hbil arbeta lylhographo,
enceton bontem O Sr. Antonio Jos de Aaevedo.
propriilario do armaiem de ransica e instrnmen-
tos na roa Novan. 11, a iiubHcacao da treohos
mbsicaes de autores residentes em Pernambuco,
tHlONICAJlWfURa
TRIBI'X.IL DI RFI.H\0.
SESSOEM 4 DEJCNH0 DE 1870
eBESIDEMIA BO tXM. s.1. C0.NSO.HUIU0 CAETANO
, SAJTIifiOr^,
Secretario interino Dr. Virgilio Coilko.
As 10 lluras da mandila, presentes os Srs.dssem-
oargadores Gir.ina, Guerra procurador da corda,
Lourenco Sactiagn, Almeida Albuquerque, Motta,
Dona, lioniingues da Silva, Regueira Costa e Souza
Leao, abri-se a sessao.
PassadoB os Jeitos,' deram-se os seguales julga-
mentos :
AaoRAVo issinr-iiEST.Aggravante. Js
Ca alame de Albuquerque Wanderiey; aggrava-
do, Jos de Barros Corroa de Qneboz.Relator o
Sr. desembargador Guerra, sorteados os Srs. des-
embargadores Gitirana a Luorenco Santiago;De-
ram pro vi menta
Recurso commercial Reeorrenie, Antonio Joa
sGoines1; reaorndo, o juizo.Relator o Sr. desem-
bargador Doria, sorteados os Srs. desembargado-
ros AinkN.u Albuquerque, Motta e Domingues da
Silva.Nao teinaram eonbecimento por nao vir na
frraa da le.
Rscunio curare.Reeorrenie, o juizo; recorrido,
S:in-jcu Pan-ira da Sil va.Relator o Sr. dasem
bargador Ragueira Costa, sorteados os Srs. desem-
bargadores Doria, Motta e Citirana.Improce-
dente.
Agoravo bc peticao.Aggravante, Francueo
Bareguer Osar de Menezes; aggravado, o jui-
zo.Relator o Sr. desembargador Souza Leao, sor-
teados os. Srs. desembargadores Doria e Almeida
Albuqnerque.Oeram provimento.
AcpclLacao cbbib.Appellante, Joao Aatoaio
Marqu88doEspirito>-Santo; appellada, a justicaA
novo jury.
Aj*BLLAcdcs -cvkisAppeJlaotei, o curador pe-
ral e outros; appellado, Manoel Joaquim Baptis-
ta-.Reformada a seutenca. Appal laote, Seoasaao
iJos Gomes Peona; appullados, os menores Mara
e Jovina.Daspresados os embargos. Aepetiaata,
Archanjo Soares da Silva; appellado, Antonio
Jos de Olive ira.Daspresados os embargos.
Dkui.k.nt.ia ohir. Ale Esro. desembargador
promotor da justica.: appellante, o promotor; ap-
pellado, Manoel Diansio dos Santos. Appaliaate,
Vicente Ferreira de Araujo; appeados, Antonio
a antroa, ApaeUaate, Joao Fran-
cisco da Costa; appellada, a justica. Appellante,
a juizo; appellada; Antonio Juaqoia da Silva. Ap-
pellante, o juizo; appellado, Ozonio Felippe Jos
francisco.
DeLii6ia crvauAocuradar geral: appellan-
la e juntaoieote appellado, Salvador ds Sequeira
Cavalcante e Joaquim Salvador Pessoa da Sequei-
raCavalcanto. Appellaate, Manoel Nienlu Higuei-
ra Pinto de Souza; aapellada. Emilio Pareira i de
Araujo. Ao Eim. ar. esenibargaior procarador
da eora: aapallante. Tasto Irraao : appellada, a
fazeada nacional.
PASSAGBHft.
Do Sr. desembargador Gitirana a Se deiem-
Dargador GuerraiAppeilacdes chieie: apaellan-
te, Antonio Jos Pinto; appoUada, D, Mariai Fraa-
cisca da Conoaioao Silva. Appelianie, Manoel de
MesquiU Cardoso ; appellado, Igaacto Pedro das
Nev. Appellanles, Jos Luiz de Luda e. sua ma-
lear; appellam,iPdroGu6deSonioaiaior. Ap
pallante. JesOJympio da Seixas Borges; appella-
da, D. Mara da Coaceicao Gomes Maris.
AoJSr. deseoabargtdor Lourenco Sanago.Ap-
pallacao nivel: appellante, bacharali Ao tonto Fer-
rara Muniz Ribeiro; appellada, a fazeada nacio-
nal. V-vj ,..-,'
Da Sr. detembargador Guerra,* Sr.4esemarr
gador. Louraneo Saatiagp.Annallagies cive ;
appellante, Jos de Souza NevttArag*; appellado*,
Francisco Konealre Se; vino eootros. Appafiantes,
Joaquim Jos dos Santos e sua mulher; appellado,
Antonio Eemaira dos Santo. Appellinle, Jos
Teixair -Machada appellado, Joao Luiz da Vas-
concetlos. Avpellame, Mara Joaquina de Sant'Aa-
na; appellado, Antonio Berlina Pereira de Car-
ralba. .
Do Sr. desembargador Laurea^ Soiiago, ao.
Sr. desembargador Almeida Albunaarque. Ap.
C" j3es civeis: appellante, JoaaTsanjioo; appei-i
Pedro da,Ceta Silva. Appeliaares, Ctaudiol
Dubeaux e outros; appellada, Jaabnira iJesado'
Miranda; apoeilado,Miguel GabraJide,Lyc (Ap-
pellante, D. Mana Joaquina Hr-ff-.ttiHh ; nrp.ii
Udo Manoel, Vieent-Gallado. H
Do Sr. desembargador Almeida AlbiMaerqoa ao
ir. uaaambargatlor. Matta. WpaaUa appellante, Sevenno Antonio Pereira da Silva; ap-
PUBLieACOES A PEDIDO.
Srs. redactores.Soa foreado a oceupar a at-
tcncao do respeitavel publico, protestando peta
calumnia que me qniz irrogar no Diario de se-
gunda-Jaira 13 do cerrente; o Sr. Domingos Jos
Marques, abastado proprtotario, julgando-se victi-
ma da injustiea e oppressao de nm pobre artista
que. anda querendo, jamis competera com o
Sr. Marques.
tjueixi>u-se o Sr. Marques de que um boi meu
arrombou a crea do seu sitio ein a imite de 30 do
mea passado, caucan lo graves dainos em suas
plantacoes durante urna naite inteira. Que eu ao
dia segu me, nao respaitaado o san direito de pro
priedade, invadir o referido sitio, acompanhado
de raais pessoas, evalenda-me de sua ausencia
tirei o boi que se achava legalraente preso, fazen-
oto-lha ilm dissj, de aceordo com os meas com-
panheiros, injuria e ameacas.
Afilrmo b posso provar que ludo falso, e so
um hornera irreilectd > como o Se. Marques po-
derla dize-lo.
E' verdade que o referido animal na manhaa do
dia 31 a nao na noite do dia 30; como diz aquel
seatior, illudindo o mau criada entrou no seu sitio
pelo portaoseaarrombaracercare luarend i o loen
criado retirar o boi, so oppaz a isso o Sr. Marques.
a titulo de poder "xigir ama indernnisac&o de :>&
pelas avarias feitas as plaotaco-s. Poi qaando
eu sabendn de to inslito procedimenio, dirigi-me
em companhia do Sr. Manee! Antonio Alves Mas-
careabas eloa Joaquim de Santa Anoa ao sitio do
Sr. Marques, afira de rehaver miaba propriedade
illegakmenle appreaeadida e examinar se de feito
deram-se taes avarias. La chegando, naoencon-
trei o SiL Marques em casa, porm vi o boi amar-
rado depois de maltratado cavalcado pelos ra
peze* da casa e de aocordo com o feitor do s'Uo.
Retirei o bot, verificamlo nao baver elle cansado
damno algum s piantsooes.
Estomagado o Sr. Marques cora o acto legitimo
que pratiqnei no exercicio do meu direito de pro-
priedade, guardando as devidas aUencoe* a este
seohor, e irritados seos fimos por falta absoluta
de educaeio, lancaram-me epithetos por demais
torpes e injuriosos, qne rae impelliriam a chama-Ios
parante o* uritranaes, se nao atiendes-e s consi-
deragoas de alguns amigos.
Para provar o.que afilrmo basta dizer, que ten-
do o Sr. Marques recorrido ao juiz de paz, foi in-
feliz, porque nao leve proviraenlo o seu recurso,
gracas deciso da ura juiz imparcial erecto,
isso anda mais ferio as iras do tal Sr. Marques,
por nao poder representar aqu, como fez na Pa-
rahyba, o papel de valentao afamado.
Clama contra os peritos, assacavlhes injurias e
finalmente contina a dar expanso ao seu genio
naturalmente turbulento e arrebatado.
Es a oarricao do faci ul qual elle se deu, e
deixo que o publico Ilustrado avalie da proceden
cia de es queixuiuas, affirmanio que voto o
maior despreso s injurias a raim lancadas pelo
Marques, promettend7 nao voUar mais impr'en
sa, sem comiudo temer a furia constante d'este
senhor, devida lalvez em parte saa derrotada
preieaQo de ser supplenle de subalegado.
Do publico espero justica.
Recite, 17 de junto de 1870.
Tkomaz Anastaao da Casta PimenteL
Somos altoios s fuaccoes de ura cabido para
eleieao de um vigario particular; e ignoramos
mesiiio se ella pode recahir em 'qualquer sacerdo-
te, qua nao periensa ao mesmo cabido : nao temos
por m deprimir o mrito pato illustracao, virtw-
des e servicos uacionau de algnem, so nos cumpra
manifestar a satisfazlo que tomos pela certeza que
nos domina da que a eleieao recahindo no Exm.
Sr. eonego Joao Chrysostom de Paiva Torres hon
rou muito ao mesmo cabido, quera saadamos,
por ter apresenfado para chele temporario da igre
ja um clrigo de radispensavel mrito, por suas
virtudes e por especial dedicacao ao servico da
igreja Deas o Ilumine.

<
MTTE.
OSda Casa Forte
Mudou-se p'ra os Arrombados.
GfjOSA,
Cada'um presentemente
Tem nwdo de-su orta
E' pengo eminente
O-S-nto Ctisa-Forki.
Por isso oucii dizer
Sera qua mal possa fazer.
Canse raiva, oa desagrados.
Que o syBtema Aodrezada
De curva, casa ou estrada
Mudou-se p'ra o OTronaVtdM.
h O Meter Braz.

PEDIDO.Em todas as cidadas do mundo clvi
lisado astor esiabeJ.eeido par leis e ragulamontcs
especiaes que certas industrias e pro$aoe nao
possam ser ejercidas dentro dos povoados, amas
por simplesmeota ncnmraodaf, outras per insalu-
bres, e outras por perigaias. i
Entre at^i e nesta povoadissima cidade do Re-
fa, ou nao ha ans/lutmoa'.e leis e regularaentos
a emeluanto rcspeitOj, ou, se.os ta a nosea mu-
nleipalidade (olera com urna orisfanoa compla-
cencia que taas lei u-egulantank sejaov cons-
tantomeote infringidas, eom evideate encoraraodo
qu com uaraiucnto perigo da -ande e da vida dos
habitantes da cidade.
A aua|a DJunicipaLdo Recife, quequ*i
exolosivaroeatoeonipaude mgica, napad.(Sp
-norares*, oo *f6, ase tomverdadairo rateres-
ae.pela sal obfidade a c^rniaodidada deseas au^
icirtos, naaidavadeixai; da tomar provldancias a
to*m.h>Mrmnm e,e7w*digpos) ajo de
todo o ponto inadmissi veis ara, tao momeotosv as-
Por ora, nos limitamos a este pedido. E se j
sobre os
ni- entre
s mais no-
afcanRpoftora.awpi:!! a esia reioelto, r,
dimos ao zeleso e activo Sr. fiscal oa Boa-vista
qne Janee suas vistas gara urna rofinacs.j, sita a
raca de Conde d'Eu n. II, a qual em poucos
as prometa matar asfixiada toda a visinhanca
com o fumo dn carvao de pedra qne bmpreg no
servido da refmaro...... *
Acuda nos pelo amor de Deus I
EKHttfS.
Na publicaran bedidj.-. de
negocias dn eajjJLgtqb anco
outros eiffoa-t\'pograf|i.-oa, o
tavels : *
Na 1* aatamna 9* hLh/r l-s eontiabla cm
lugar decontnha.
Idem-^taha 2r*sueieitar-se m lugar de se
estabelecet*.
fia segunda coloaina 79* liaba estt ntsmo
procurador em logar de este procurador.
dem123a linbaexpertos industriosos em lu-
gar d esairitos industriosos.
dem-486" linha decidam era lugar de deci-
diam. __
Wem17B* Hnha-meus traBlhos em lugar de
sus trabalhos
Na 3a columna62a linha versando a hypo-
tueoa sobre bens immqveis, era pefante a lei a
esctlptura' nulla ele em lugar do versando a hy-
putheca perante c te i sobre baaa movis, era a
escrlptttra uta etc.
dem67" linhariojiria em lagar de remeria
dem71a linharesgatado em lugar de esgo-
tado.
tOMMERCIO.
ENGLISB BANK
O Rio de Vaneiro Limited
Descorita lettras da pra^a taxa a cod-
'enciorar.
Recebe dinheiro em corita crtente hia
I raso fixo.
Saca 4 vista oa a praso sobre as cidadat
prlncipaes da Europa, tem correspondente
aa Babia, Buenos-Ayres, Montevideo, Nev*-
s New-Orleans, e emitte cartas de crdito
para os mesmos lugares.
RUA DO COMMERCIO N. 36*
ALPAXBGa.
tondltnantode 'ia 1 a !3. .
dem do dia 17.
:80:2*5#679
38:7421750
618:968*420
ra provincial e nao poderle ser vendidas on ter
applicacao sem expressa autorisacao da assem-
bla.
Art 9/ Neo havendo quem arremate a empre-
za na conformidad desta-ler, Oce o presidente da
provincia autnrisftdna maadaaoadoir a obra do
ehcaamento pela forma que julgar mais econ-
mica.
H- '0. HHaal revocadas todas as leis e dispo-
sici em contrario.
Mando, prtanlo, a> todas as aaftoridades a quem
o eoBBecmieato e eneeofao da referida lei perten-
oer que a cumpram a facam cnmprlr tao inteira-
mente como aella se coatm.
O seerearo desla provine a faga imprimir,
publicar e correr.
Palacio do govorno en! Maeei, aos 19 de raaio
de 1870, quadragesimo nono da independencia e
o Imperio. *
L. S.Jos Beato da Cnnka Figueiredo Juniot.
Nesla secretaria foi publi ada a presente le em
19 de maio de 1870.Joaquim do Reg Barros.
Registrada folha 141 verso do livro 4." de leis
provincia*.
Secretaria do governo em Maeei, 20 de mai
de 1870.Pedro da Silva Machado.
Perante a cmara municipal desta cidade,
estarlo em praca nos dias 18,20 e 22 do corren-
para serem arrematados por quem maior preep
(merecer oS'alugueis dos talbos do acougue p-
blico da Ribeira da freguezia de S. Jos, ns. 10,
II, 12 e 13. Os pretenaentes devero se habilitar
na- forma da lei para pooerera licitar nos mesmos
talhos.
Paco da careara aMMielpal do Recite, 15 di ju-
nho de 1W0.
Rento Jos da Corta Jnior,
pro-presidente.
No impedimento do secretario
O olcial-maior,
_________Augusto Genuino de Figueiredo
MOVIMKNTO DA ALFANDBGA
fatanaa entradea ce*n fazenda
dem idem com gneros 93
'orarassabidos com fazendas 149
dem idem cora gneros 163
93
312
Descarregam hoje 18 de junho,
Escuna parragoezaAguiamercadoria.
Brigus inglezMartha~- idem.
Bfigue inglezHelen RichardIdem.
Barca dinamarqueza Foreningen farlnha de
inga.
Escuna hollandezaAnlije Harerbuttidem.
Patacho nacional Jaboalo farinha e mais ge-
neres.
Rrigue portagnezLaia /diversos gneros.
Brigne inglezJolm BayolutrIdem.
ftECEBRDORlA f)E RUNDAS INTERNAS OE-
R.\ESDEPERNAMBl!(X).
indircentodo dia la 19. 40:699*043
llera do dia 17...... 1:217*998
,_______^____i^
41:9I7041
CONSULADO PRt.VINCAL
Rendimento dn dia a 18. 70:923*175
dem do dia 17. 7:4423475

78-36o*6oO
MOVIMENTO DO PORTO.
Navios saludos no dta 16.
MaranhaoBarca portugueza Josephina, capila
Franeisco Alves Vianna, carga dilfarentes ge-
neras,
Rio Grande do NorteBrigne inglez Tru Ajain,
capito I. R. Bellamy, om lastro de assurar.
BahaPatacho inglez Mara Growell, capitio Crn
well, carga parte da que trouxe de New York.
Oburcutaa.
Suspendeu do lamarito para Maeei o brigue
norte alloma dito, capitao Ol.-n. com o mesmo
lastro que trouxe do Rio de Janeiro.
JVdiJO entrado no da 11.
Valencia34 dias. brigne hespanhol Henriqueta,
dp 180 tnel iadas, capitao D. Cresliao Riera,
equpagera i.'i, carga vinho e uutros eiTeitos; a
Pereira Carneiro de C.
Atavio saludo mi mesmo dio.
Aracaty Hiato brasileiro Graciosa, capitao Joa-
quim Antonio de Figoeiredo, carga varios g-
neros.
EDITAES.
A cmara municipal desta cidade, em vista da
recommendacao que Ibe fez o Exm. Sr. vice-pre-
sidente da provincia em officio de 31 de maio ni
timo, acompanhado da portara de igual data, pela
qual o mesmo Exm. S<*. noraeou os supplentee dos
juizes muniuipaes e de orphos deste termo, con-
vida aos cidadaos na referida portara menciona-
dos a coniparecerem no seu pago at o dia 23 de
julho prximo vindouro, as horas do expediente,
afim de prestarem o juramento do estylo.
Paco da cmara municipal do Recife, 15 de ju-
nho de 1870.
Beato Jos da Costa,
pr-presideote.
No impedimento do secretario
Augusto Genuino de Figueiredo.
S. Exc. o Sr. presidente da provincia manda la-
zar publico, para coahecimento de quem possa
interessar, que no prasn de 90 dias contados des-
ta data recebe ra propostas para a venda' da
empreza do encanmenio d'agua do riacho Lniz
da Silva, conforme a lei provincial abaixo trans-
cripta.
Secretaria do governo das Alagdas, 23 de mata-
de 1870.O secretario, Joaquim do Reg Barros,
' LEI N. 360
DE 19 DS MAin DE 1670
Jos Bebto da Cunha Figueiredo jnior, presi-
dente da provincia das Alagdas : Facjo saber a
Todos os seus habitantes qne a assembla legisla-
tiva provincial deeretoo e eu saoecionel a lei se-
grate :
Art. l. O governo da provincia flea autorisado
a cednr por venda em hasta publica a empreza do
eneanamento d'agua do riachtiLuiz da Silva-
para esta cidade erviudo da base o preco de
130:000*000 como o mnimo pr qne deye sor
feita a venda.
Art % Para a has publica nacedera a p-
aiieaao de editaas no jornal olHcial da provincia
e das prinoipaes capltaes do imperio com tres me-
zes da antecedencia.
Art. 3.a O arrematante era obrigado a substi-
tuiros actnae cosfarizes par otro de melhor
systema e elegancia, podendo aproveilar aquellas
parados suburbios da cidade.
Art, i. O mesaio arremaitante nao porJer re-
ceber mais de 20 res sobre cada barril ou pote
d'agua, vendida ao publico, assiui .oomo sa obliga-
r a vender toda a aue fr neoesearia para as re*
partiles dos eatabeeoimeato proirinciaaa.a ppe-
So de 30* annuae pela pesa sendo feita ,. cuita
a provincia a colleaeac das canos e toraeiraei; a
fornacer igualmente sem pageuiento- algum a
agua; preci a em casos de incendios.
u ArL o. Concade sp ao arreaiatanlfiiopraso1 da
50 annos para auferir todos os lucros que possa
produzir o ncaBameato, a Ando este praso flear
alto, pertenceado & pruvinoia, sendo anta foineci-
da agoa ao povo grataitamente.
Aot.ti.0 Dijeorrido q'ternpoi de que trata a aiti-
goantecedente, o arrenuuinto entregar a eunTa-
jm, em esudo porfaito da f^icetonar^ jura d
urna aspee cao da profese naos, sao malla! <**
20:000*000. uiiVwa
Art. 7.a O prjdacto.;.da, v^adl da encanamcato
.Sara coavarlidoi em apolces da crjvida publicado
Estado,, seus jro* accumulados Anauaimeatt
serao tambera empregados da mesBttrfraa.
ArL 8.a As aponeos manoionadas oartigo an-
tecedente sarao depositadas no cofre da thesoura-
O inspector interino a"alfandega faz publico,
que achando-se as mercadorias comidas nos va-
lales abaixo declaiados, no caso de serem arre-
matadas para consuno, nos termos do capitulo
6 titulo 3a do regulamento de 19 de setembro de
1860, os seus dones ou consignatarios deverao
despacha-las no prazo de 30 das sob pena de
Ando elle, serem vendidas por sua conta sem que
Ibes lique competindo allegar contra os effeito
desta venda.
Armazem n. 1.
Marca M B A CUrna lata sem numero vinda
de New-York na barca americana Casco, entrada
em 1 de dezembro de 1860, ignora-se o conteudo
e a consignaran.
A/arqnes Barrot 4 C Um embruino n. 151/200
vindo de Liverpool no brigne inglez Saphtre, en-
trado em 14 de Janeiro de 1869, ignora-se o
eoateddo e a consignado.
dem H V,Um lo n 61, vndo de Hamburpo
na escuna norte allema Vjitharina, entrada em
4 de fevereiro de 1869, ignora-se o conteudo e a
consignacaa.
dem B. F.Urna cafxa n. 1325, |vinda do
Havre na barca tranceta Goliguy, entrada era 22
de setembio de 18H9, ignor-se o conteudo e con-
sigaacio.
dem R & L.Um embrnlho sem numero viode
de Antuerpia, no brigne inglez Belle, entrado tem
1 di marco de 1869, ignora se o conteudo t
consigoacao.
Diamante N E.Umdito n. 56/60 vndo de Li-
verpool na barea ingleza Serane, entrada em !*
de abril de 1869. ignora-se o conteudo consignacao.
Se-" marca.-Um eco sem numero vindo de Li-
verpool na barca ingleza Flantin Cland, entrada
era 15 de abril de 1869, ignora-se o comeado e
consignaeie.
G 4 F.Um enibrnlho n. 5 vindo de Antuerpia
no brigue ingloz Helena, entrrdo em 23 de abril de
1869, Ignora-se o conteudo e a eensignacio.
dem A F.Urna caixa n. 127/135 vinda de
Antuerpia no losrre inglez [Aun Wiatou, entrado
em 23 de abril de 1869, ignora-se \o conteudo
congignacao.
Diamante E P.Urna dita com cha n 23, vinda
de Lvuipoul uu vapor iaglez GLaikaion, aatrado
em 23 de abril de 1869, igpora-s a,cousignaea(>
G. A. Airas 4 FiluD. Um embrulho n. 218,
vindo do Soutuamplon no vapor inglez Domo, en-
trado em 27 de abril de 1869. ignora-se o conte-
do e consigoacao.
J. M. da Rom 4 Filho. Um dito sem numero
amostras, vindo do Havre na barca trancaza Saint
Andr, entrado em 3 de juotio de 1869, ignora-se
a consignacao.
Marca J M P. -*Um dito sera numero vindo de
Hamburgo no pataolio allemao Jofcn, entrado em
11 de junho de 1869, ignora-se o conteudo e con-
signa cao.
dem H F.Urna caixa n. 165, vinda do Havre
na barca franceza Saint Anir, contando lecidos
dealgodao, consignada c Linden Weydmam 4 C.
Ferreira 4 MatheusUmembrulho sem nume-
ro, vindo do Havre na barca franceza Veridiana,
entrado em 1 de julho de 1869, consignado a
Ferreira 4 Matheus.
dem V.Ura dito n. 40/49, amostras, vindo de
Souihampton no vapor inglez La Plata, entrado
em 1 de julho de 1869, consignado a Patn Nash.
dem Tasso 4 Irmao.Um dito sem numero,
vindo de Lanares no brigue inglez Rio Grande.
entrado em 13 de julho de 1869, ignora-se o con-
leinlo e a eonsignaeao.
dem diamante N E.Um dito n. 11/16, vindo
de Glasgow na baroa inglesa Minora, entrado em
17 de julho de 1869, ignora-se o conteudo e a con-
signagao.
dem S. P. Johnston 4 C Um dito sem nume-
ro, vindo de Glasgow na barca ingiera Minora,
entrado em 17 de julho de 1869, ignora-se o con-
teudo e a eonsignaeao.
dem E 4 CUm dito n. 617, vindo de Ham-
burgo no brigue norueguense Flora, entrado em
21 de julho de 1869, ignora-se o conteudo e a
eonsignaeao.
dem J F L.Urna caixa n. 359, cootendo teci-
dG de linho, vinda do Havre na barra franceza F<-
garo, entrada em 2'de agosto de 1869, consigna-
da a J. F. Lopes.
dem triangulo L.Duas ditas ns. 1245 e 124ti,
contando lecid de linho, vindas do Havre na bar-
ca franceza Ffrt, entrada era 3 de agosto de
1869, consignadas a J, F. Lopes.
Mills L 4 CUra embrulho sem numero, vindo
de Liverpool na barca ingleza Xoamt, entrada em
10 de agosto de 1869, ignora-se o conteudo e a
con.signaeao.
dem diamante M L C:Um dito com n 21/22,
v.ndo de Liverpool na barca ingleza Gasella, ig-
nora-se o conteudo e a eonsignaeao:
dem triangulo J.Urna caixa n. 1/30, viada
de Liverpool na harca ingleza Gazella, entrada em
20 de agosto de 1869, ignora-se o conteudo e a
eonsignaeao- *
Weui H. M.-Um volunte sem numero, vindo
de Hamburgo no brigue norte allemao Agalle, en-
trado em 28 de agosto de 1869, ignora-se o coa-
ledo e a eonsignaeao.
dem Augusto>\ de Oliveira 4 C>-Um em-
brulho n. 1/2, vinio do Havre no brigue fraacez.
Palestro, entrado em 28 de agosto de 1868, igno-
ra-se o conteudo e a eonsignaeao.
dem triangulo H I..Tres caixas ns. 228 a
230, contando (cidos, vindas do Havre na barca
franceza Amelia, entrada ero 9 de salembro da
1869, consignadas a' H. Leger.
dem C P L C A F.Un caixa a, 1,360,
tecidos, vinda do Havre na barca- francesa AoWr,
entrad em 22 de setembro de 1869, consignada a.
C P de Lemos 4 (1
dem M I.Um fardo n. 393, contando panno
de Irati, vindo do Havre na barca franceza Atete.
entrada em 23 de seteaibro de 1869, oonaigdada a
Magaibes 4 Irmao.
C P L 4 C A FUrna cai o. 1361, oontond
tecidos, vinda do Havre na baroa franceza Ada/e,
consignada C P. de Lemei 4. C.
dem triangulo travessao L.Duas ditas as.
2050 e 2051, canteado teeidosv viadas do Havre na
barca franceza Adele, entrada em 27 de setouibro
da 1869, consignada a J. F, Lopes.
Armazeia-ia 11- .
Sem letaeiro.-Uma caixjr ,saapitlaaB4lfr
da Liverpool no vapor ingtoc Sene, eqmadaieaa 1
da julho de 186* ignora** o oontodo a.apaa-
>ifOca). ....
dem L 4 CUrna caixa v. 1, ebntendo ,li^i
viodade,8fdiux, wimuT-wm&'nFi*"
rt, entrada em li tomm****** aaaanjuaaa-
aLlogO T^smorja. ,. .\ ... .
dem M F.Orna di sem numero contenoo ob-
jeot de peaoo, viada da- ittia de S. Miguel na
escuna, pofinmueaa tiioeim .aplMp, a 9 da
abril de 1869, consignada a Mana Francia T. de
Melto
dem Js Pires da Cruz.tTma caixa sam or
>W*>S.!li-
merp, qonteadp ependoatf.
gtel nanaS0W)f?fWW'.
2Me abril de MU-, coaiagaai
Cruz-jiiiivoi!^. .
IdaavUndea,^ i\^m
ro, masi/aa Wd* 4 Saa&aa
gtea Oa***, estrado em f?i..
consignado Linden Weydmann
''


\\
xa saa. ame-


mmm
*mmm
~*~r :
i
/
joiviiide P^wnwwU^ar-oS^W0 -^ d* ^hq , f
H A CUrna dita n, 43*. vindi de Bordeaux no,
va jor fcmnei \&gnm nhode 1869, ausig^ida Ta**u 4 irmao, igno-
ra- o coptuao.
Arfaodega de Peraomboco, 17 de junfco (to-1870
O inspector interino,
L4i - De orden do Uta. 5r. otaaheiro B*pptor
da thesouraria de fazenda d asta provincia te [*i
publico para eonnecimeoto de oem ter*9r,
nue oo dja 53 do crrante, ? 3 oras da larde,
ir pracaparn aer arrematado por %vm maior
4*a offerecer, o aluguel por nm a tres annos da
-casa qoe servs de cavallarice evo Santo Amara
da frenea d*. Boa-vista. A pe qaam
convte, ditverfo oopae*et na referida thsseo-
rana no da *Ba!Indicado. Secretaria da tbe-
senraria de rateada de Pernambueo, I* de jooho
de 18.
Sentado otSeiaJ-maior,
. Mattel JosN?tnlo.
Deposito- especial de inslrucfo
Teudo de contratarse o frnecimeoto de capim,
trelo, milho e to para a cavalhada do mismo
deposito no segundo semestre de jrfrWo avdwenv
bro do corrale auno, convido aos Srs. que qui-
zerwn se proper a fbroeoer gneros cima in-
dicados, a comprrecerem na secretaria do referido
depimio, no dia JO .10 huras, con as soaipro-
postan fechadas, advertindo que os peses e medi-
das dsvena ser pelo systema decimal. Quartel no
Campo da Prlncezaj, J7 de fnbo de 1870.
Jote Joaquim GoHko,
Caplfio cotnmandahte. -
CUSPAR JjlfEIM
Paqtiatoi A Tapar.
, V Doe Bortosdo n\ '
-^k atdft da Jrrente
a+tifro S ?.!, oomdm
-w*s BefotO,
'dadeorado
JM!
pawMetri* e
ser embarcada no dia de saaeBegftda,
da dmtteiro a tos** at as don baa
*c^<**,f't)n*
frpt.. oftpatos ,nbic1Hsind-
fndo que passar de** fcmtap devejr aar
aaabarcaflo com6 carga.
Piwaw-seaoa Sr^jaaapajnjl Jfts^Pfe*
ans ssereebem na agencia ra da Cnn n. 17
pandar, escriptorio de AatawoLoiz de Oliwir;
Uevedo k C.
D* ordeui 4o Rlm. Sr. oooMloeiro, inspector
da thesouraria de laxenda desta provincia se fat
publico, que tom de ser contratado so dia 25 do
crrente mez, as i horas da tarde, pe rao te a jan
U da mesma tneseoraria, per quem por menas 1-
zer o fomeclmento de meiieamentos enfermarla
militar desta capital no semestre de. julho a desenv
tiro prximo vindoaro.
Os pretmdcdtes detero dirigir snas propostas-
u cartas fechadas ao Illm. Sr. eoaselheir inspec-
tor at as 10 horas daoaetle dia, e ^er-lhes-ha
franqueado na secretarla da roesm \ reparticao o
reoeituario qae contera es medicamentos prepara-
Jos t os seas preces, afim de que possafia regula-
rem-se as suas propostas.
Secretaria, da thesouraria de fazenda de Per-
namhuco 10 de juntio de 1870.
Servindo d offlcial-maior,
_________ Manoel Jos Pinto.______
O administrador da Hecubedoria de
rendas internas goraes faz publico que he
oeste corrente rt^z de janho que os deve-
dores da dcima addiciona! de oiSo morta,
am cojo numero se compreheudem as com-
panhias e sociedades anonyroas, teem de
pagar a mencionada decima sera multa, e
qoc findo o referido mez, ser paga com
a mu.ta de 6%-
l{icphedoria de Pe-rnambaco, 10 de junbo
de 1870.
Monoel Carneiro de Souza Lacerda.
Consulado provincia).
Pelo consulado provincial faz-se pablco que em
o mez prximo de junho comeca a correr o praso
dos 30 das uteis para a cobranca bocea do co-
fre dos imposUis da decuna rbana de o 0|0 sobr^
os bens de raz, de corporagio de uiao-inorta, e
do consumo de agurdente, relativos ao corrente
aono Onanceiro de 1869-70, incorrendo na multa
de 0|0 os contribuintes que nao satisflzerem
suas anotas dentro deste"j)raso.
Consulado provincial 27 de malo de 1870.
O administrador,
Antonio Garteiro Machado Ros.
OOMPANJPA PJJNAAIBUCANA
Granja'. .
Azevedo, segura paja o p
]fo do Forte do MatKa
Pretende segiir qoip.a
tacho portuguw AU^'p
carga prompta, a pra a..
freie commodo, tratA-se com o csnMgriauno.Joa-
qoto Jos-Goncarves Beltrio, i roa do Goramer-
co n. 17.
lye^previaaae o pa-
-a maior parte da
pouca que loe aia,
Pe 1i vloWs dJffernte$ ob'rj
JiMttw ftr ais.'fteSlattesatUri
W'ligi,- rnrait
differetrtes obras.
Terga-feiraif drjmho tto
mi
"2E
awno-:
8ta
mu
KMo awaefcraJD da
O agente Pontual eompeteatemente autoriado
vender em leilao a armaoao,' wfeneHicw. Pffif de!
seda, sigarros, pontelAs, itaifcibov el
phaspborog segaranca, pertanooe* -W* a^
sigarrds acima..o'uin lote uu emaiveraos a /ron-|
tade dos licitantes. ,
Ter^fei d eorrenie. '
Naaaaama fcdnca devera rtr logar o>Mtt> as
U bora.
-?-*-
fw de Jantiro
Segu com brffvMadc o patacho nacional j/ro-
ga, ten-parte Ao carreganiento engajado; para
o resto que lbe falta trata se com ns consignata-
rios Antonio Luiz de Oliveira Awvedo A C, ra
da Grux a 37, T* andar.
Para Lisboa
Segu para o porto cima indicadown a pceei-
vel brevidade a eseuna porlugueza Agula : para
o resto da carga que Ihe falta, trata-9e com os
eonsgnaiarlos E. R. Rabetlo C, rt do Com-
mercio n. 48._________________
mmm wami
DE .
Paquetes a vapor.
Dos cortos do norte esperado
at o ata 30 do corrente o vapor
ArinM,-comnndjnte Goilherme
Waddengton, o qual depois da
detoora do cosame seguir pa-
ra os portos do gol.
Desde j recebern-se passageiros e engaja-se
;arga qne o vapor poder conduzir, a qual deven
*er embarcada no dia de suachegada. Encommen-
(as e dinheiro a (rete at as 2 horas do dia da sua
sahida.
Nao se reeebnj cuino esconunendas secao ob
iectos de pequeo valor e que nao excedam a duas
arroba&de peso ou 8 palmos cbicos de medicac
Tudo que passar destes limites dever ser embar
:ado como carga.
Previne-se aos senhores passageitos que jna
passagens s se recebem na agencia, ra da Crui
n. 57, Ia andar, escriptono de Antonio Luiz t
Oliveira Azevedo & u
COMPANHIA
O caisa desta comoanhia, commendador
rttomaz de Aquino Fonseca, acha-se auto-
rizado a p;i2ar no seu escriptorio ra do
Vigario n. 19, das \0 horas s 3 o i" dividendo esta comjaiiuia na propor-
de 39 por cada aego.
Escriptorio da Companhia do Beberibe
s de maio de 1869.
O secretario,
Dr. Prxedes G. de Souza Pitonga.
W^.TP.'iWWban.)'
Constando de
m grndi e leo los:re de brunxe com 6 glo-
bos, 1 alcatife, Ion da sala da frente, S langas a
flno cortinados, 1 hito fe aaroStc, tapet e es-
leirs, forros das salas & gabinetes, candieiros de
gal Om i, J, 3-ei bico, arandelas, veneainas,
langas, cartinadw, fapvtt deepadaton nm-
patentes ferros de la tai), 2 oros estantes para li-
vros,2 camas de trro, 1 mafqnza, I elbltte,'!
praleira, 1 magnffieo hlg d* ferio ameritaBO
e 1 tapete grande de tto i dito de i rodas cocerte paca 2 e 4 peMOM. "
reos, 2 siloes e 4 rodas pira carro, 1 TOttiba de
repucho, 1 dita fle regar, f isa para pombos,
mnitos ontros obiettos.
Differentes qaalidades de vinbos engarrafados.
Ter?a felra 1 de Junh as 411
horas, i \
Nao tendo sido possivel.expor no leilao do da 7
dd corrente toaos os objtos constantes do cta-
logoem c nseqdeoea dsefen'nToHt es Jetes,
deve ter lugar no dia terca-feira 21 do corrente a
cedtiduaco do mesmo leilao constando dos ob-
juctos cima descriplos. '
Os concorrentes ao referido lUSo encontrarlo
nk piaca 8o eohimerek' fflHibo* pwa transpor -
la-Ios (gratis) ao Mondego, devendo partir d'alli
as 11 horas em ponto do dia cima dito.
- O Sr. KanoQl
mandar 4 esta typogt
te d^ pnbcMoea de
culos, ai sonma wiperi^
eeen Un mil veis*
aaiu queira
ro impor-
wkr
ceato e cin-
M
PARA
I
CIRCO
NO
PiVILHAO DES. ISABEL
COMPANHIA
[RISTRE GIMNSTICA B ACOBRATICA
SOB A DIRECCAO
DE
D. Luis Casali.
Domingo 19 de junho
Duas escolhldas tiaeces
QUE TERAO LUGAR .
\s 4 i|2 da tarde e as 8 1(2 da noate.
PROGRAMMA.
1. Urna linda symphonia derigtda pelo maestro
Marins.
.a O Jockey, sobre um cavallo, pelo artista Al-
dabo.
\.' Pela pri'netra vez, gandes saltos morlaes so-
bre ijm cafaite, pelojosen Vlcenfe.
i O giHo e a gaiftnha, pelos clowns Cesar e
Aldaba
').' O nufragos scena sentimantai; soVre um ca-
vallo, pelo director;
r>. A poretia aeatl, pelos equilibristas Jos Te-
sari e Vicente.
7. O artista bfasileiro fara algumas
O brigue portngiiez Aprigio sahir brevemente;
paran resto da carga tratase cdid Pereira Vian-
na A C, ra do Vigario p. 11, i0 andar.________
Boa compra.
Vende- se o patacho nacional Palma, de lotac&o
de 10,000 arrobas de carne, cojo navio se aeha em
perfeito estado, e apparcthadn para etiprehender
qnalquer viagem; o qual chegsa ltimamente do
Rio Grande do Sul com carregamento se acha fundeado era frente ao caes de 22 de No-
vembro : os prttenieaWs podeni alli ir ve lo, e
tratar com Jos Victorino de Rezonde & C, rta
da Cadeia n. 5, escriotorio.________________
MARANHAO'
A barca portugueza Josepina sahir para Ma-
ranho impreterivelmente quinta-feira 16 do cor-
rente mez, recebendo sofneqie a carga que appa-
recer-lhe at ter?a-feira 14, afim de conferir em
15 do referido mez : tratare com Marques Barros
4 C, no largo,do Corpo Santo n. 6, andar.
de um carro americano de 4 rodas com cober-
ta e assentos para 2 e 4 peesoas, langas, varaes,
lanternas e chirote, arreios nra dons cavallos.
lerca-l'eira 21 de junho
1 hora em ponto
por miervencao do agente Pinto, na ra do Mon-
dego sitio n. 101. ______________
~LEILAO
No Oabo.
Por despacho do lllm. Sr. Dr. juiz municipal e^
do commereio da villa 3o Cabo requerimento
do curador fiscal da massa fallida de Severiao
Jos dos Santos Aguiar, fui designado o dia terca-
feira 21 do crreme, s 10 hpras da mauhaa, para
na casa do mesmo estabelecimentb, se proceder
em praga publica venda dos gneros e mais
objectos e pertences de padara que fazem pane
da mesma massa, e sero entregues pelo maior
preco. Convida-se os pretendntes para e^sa pra-
ea, podendo irem ver a avsrtiaijao nocartoriodo
-crivo Santa Anna
Pretende sahir em poucos dias com a
carga que tiver a barca portugueza Social,
por isso quem desejar aproveitar frete com-
modo, dinja-se ao consignatar.o Joaquim
JosGoocalves Beltrao, ra do Commer-
cio n. 17, assim como recebe,passageiros,
p_ara os qaaes tem bons.couimdos.
ooes,
' In .r^allo de 30 minutos.
8" A taboa eqinli ovada, pelo director.
'J.- Pla primeira vez, a* manobras militaes,
secutadas pela Sfa. D. Marieu Casali, sobre a.
curda lesa.
LEILOES.
De sebo do ni o da Irata.
A 18 do corrate.
O capito Stephe Goodman, da barca ingleza
Artes, far le lio per inlervsofo do agente, 01;-
veira e eonta u risco de quem pertancer, em pre-
sonca do represenlante dos ejnsigiiataos Srs.
Jobston Pater 4 C. precedida a corapetenie aa-
tora^ao da alfandega eom assistenda de nm era-
pregado fiscal desta repartigao, da porc&o de sebo
hu graxa em cascos, quanto baste pora oceorrer
ao eoslio o mais despeas ueste porto com a dita
barca, arribada oom agua abena na sua recente
viagem procedente do Rio daPrata com destioo
a Liverpool.
HOJE. .
10. A iarJineira, pe a menina Joaoinha, sobre ao meio dia era ponto no armazera alfandegado
um cavallo. do Exm. baraodeLivrasrente *D|caes d'Apoll.
II O duplo trapezio, palos gyranastas Cesar e ------------lAjb^. .'.. ^..
Vicente. T FTI I A
li. A divertida pamtorr.irna com transformaQao
Os tanoeiroe de Saint-Giond.T-
Prefo
liaMM-vnjsMpm'-sVM'.'.:: (K. Tres bahus com T'
TjTbrfhetW'de ic4m'aoesriJ88ras* phttaT O agen MartiarAu lBHttjOTj>rto*'Miti-
vendem-se m***4*rco: 8r. 'W.'Cladln**. Aran/o QtmatiM cisjI da
l"' M4a *otta >** banus com ronpai oonstande de
AO pUDllGO. vfido, tas, leo?tes, froabas,. toalnas, ^anas,
0 8r. Virgilio, deeloeade brasilairo, depois 4e<'0hle*iloo e ronflov omrnij *]*' # oP,
ter pensado na s*t precipitada despedida eVsta' peitettceates ao.esj^.ito^aWup'aWngqe A-
coinpalhia. *i tei;:colD eoilalBr, queie*x '
Sadlo Anfcnio. i
fyert'dlte, p,j8/abt*ai*n<*a^uqaBr ouir
exulioacao, visto oe o arreoendido nos veip, pro-
cuVar, Vt^Ile apraTosTsbracos de ciaceros
amigos, asairn como abriremos a cairos qpe jftei- "
rain vir narticioar -oomnoco das glorias O* ate.
''d', ...
De importantes dividas na Im-
portanela de t t:4f *408
O agente Martins competentemente antorrsado
far leilao das imporiantes dividas abaixo desenp-
tas no valor de 212:471^408 pertencentes ao ca
sal de Caetano Pereira Gangalves da Cunba cons-
tando quasi todas de notas promisorias e dnlis
em execarri a saber : Antonio Correia de Noro-
nha Bravo 2:620^, herleiros de P-Jdro Cavalcaaii
de Albuqaerque.Lir.< 2:460, Jos Justino Fer-
nandes de Souza e Jos Joaquim de Almeida Que-
des l:OI3iiOO, Joao Tictorrao Hersche 672p.
Elias Coelfii Cintra 1:*57730, 'ioaqnmi Manc'i
Carneiro da Cunha 363*543. Joaqnim Francisco
Cavalcanti 88i0'i0, padrs Fraocisco Rolrigues
Machado 1:08058)0,Joo.Baptista Paes Barreno
70o, Jos Joaquim dos Santos 3-:925A33i,J;'ran-
cisco Caetano Profiri 2:277323, Antonio Rufino
de Araujo Gavalcp.nl' 2:9343. herdeiros de Joao
da Rocha Carval o 66, Gaspar de A|nquerque
Maranho 1:1794>36, herdeiros de Joao Lias Ca-
valcanti de Albuquerque 3;800.j10, -erdeiroa de
Luiz Antonio Pereira Chacn 60l<300, Joao Ja-
nuario Duran 3:887J77. Manoel Antonio Codti-
nho 2:3023290, Antonio Borges d Fonseca lOOf,
herdeiros de Joao Baptista da Silva 13:89949fi,
herdeiros de Antonio Alves Soares 2;00938o>, di
tos de Sebaslio Antonio de Mello Reg 7:894925,
herdeiros de Ignauio Paulino da Cunha 56:8i0.
Dr. Flix Peixolo de Brito 200, Joaquim Jos
Bello 4:867o20, Manoel Francisco tdo Monte
3:332I7i, Thiago Doifiao Duro 1:8^392, Di-
oiz Jos II-'muan b Jjs Carlos de Mendonja
37:tlli|556, accao contra a menor Paulina filha
de Manoel Malhias de Freilas e ontros 7:883^784,
execucao de hypQtheca em um eneenho e mais
iiens de Jos' de Barros Campello 22:0005, urna
apolice do extincto banco "do "Rio de Janeiro .
1:0004, brigadeiro AiiIobo Borges Leal 820,
Thomai dos Santos EstimaLessa 1:8491490.
, Qnarla-feira tt do corrente.
As dividas aeHna sfirSo vendidas em nm ou
mas lotes no escriotorio do dito agente a rna da
Cadeia do Recife b. 9, as U horas do dia, os li-
tlos podara? ser.exnmmados peh>s pretwlentes
em mo do mesmo apenle que dir nm que car-
orio existe o- autos das qaestoes em juizo.
i
para
acia
avisos MARTIMOS
i 'Ifj /----lltl lili I II "t 'M
a
Segnnda-ftire 20 dconreat.
BtescrtMortoimada' ffJcSSSj^/abatdiB^dide^uiqaeroutr u.0,* andar, 4 11 horas d* M*^
< ii i"uu mautil
-....
IU.J1'
n
B*ve segolr dentr*n pooooidi*s o pataqho f#n,ty t
nacioBaJ Bemfica por tepromptt-*: niatr ft espqlwde
e sua carga, eSaYaTaie a*aypode receber, -,
trata-se com R*ikH iti4 C, a rna do VU Bffi
ario p. l.pfiouiro andar I ^.P,,!
de urna caii:a cora ro upa.
O aKentt'IUttni fcraJ*rtW>p*r*Nao Illm,
Sr. DrT'idso ntottogii roupi cooead'eaT(;aa'*'iat, de panno, palef
tots, camisas, tualhas, 2.repvtos de prata, "nnr'al'
finete de onro, dea-aaded* Je prata em botSes, 8
l'l'V
.....
I
AVISOS DIVERSOS.
------O i ni-----fi i t II 11 'I'I .----ri-
IleunlSo artstica
Domingo 19 do amnsnte, s 11 horas 4a aa-
nhaa, haver reuuio-aclislica, afiaa de Jear-se a
effeito o Yoto'de'gratidJJB one tem de dar os ar-
tsticas aos seas iw4K finios da campanlia de
Paraguay. ADlil "
Bacite-10 dejuah;da 187^.
0 flieiatio, Jfimciori i faei.

fS
$&
rame de fejrro lsanisado em red para efeas. niela?, gaUinheiros etc.
Chapa de fepro ffiUxaiiip. para cobrir casas.
Tachos da ierro eitaabada pana engsnhos. *
Cofres do ferio d- SiUier e oulrt autores.
Chumbo era rao
Dnoemlencol. ,
Dito esa barra.
Dito em eoxadas.
8iATE.e wrglUfllu-
Aradoa americanos para ladeira e vanea.
Carr&bw de vlu.
Va>iiana.' ,oara jan
Maobinas de descarufar
Ditas de serrl
Ditas para cortar fumo.
DUasa vapor de torca de 3 cavaltos e dJteres para 2 cavsftos, para mover w
machinas .de algodSo.
Cadeiras de ferro.
Camas de ferro.
Prensas para eopJar cartas.
Bataneas para pesar.
Oleo de linJwva ero latas de ferro. ...
Trllhqsde ferro paraeogenhos ew grandesommento de ferragens e cuiilana.
Bnrpbas americana-
Macacos de estivar.
jlai/as e pesos deciroaes e otras,
togSes de patente. i /
lHofre.
Saitre.
Estopa larga e de boa qnalidade.
Picaretas para caminfcos de ferro.
XAROPE
VEGETAL AMERICANO
T S A LID A DE
BARTMOLOM tO &C
rara a cara tem twtes aatifas e recentes*, eilatrlM palmonar, asihma; km cobtiIh> earrW
em foral esotra tsdtm os soffrimeotos das vas respirtiori.
DEPOSITO 6ERAL
TICA, je JDJEV.C
34, ROA LARG4 BO ROZARIO, M
PERNAMBUCO
GAI1LIH0-
Prec6a-se de ucaoalieiro para taberna : a tra-
tar na ra Augusta n. 116.
Leal 4 Iruio, amigos e corrtspol Sr. major Jo5o Baptrsta^aes Bsrre,: dnfiolde
engeuho Limao Doce da fregoeais do Hio Varano-
so, tendo lido no annoneio di> agente de leUiss
Martins, publicado no Diario de Pe nambut de 14
do corrente o norae do mesmo maior con daa-
dor de 705* do Casal de Caetiuw-Goncalves Perei-
ra da Cunba, procuraran) em poder do referido
ngeMe n respectivo titulo, e em face dalle se co-
nheceram nao ser do mesmo major Xoao Baptista.
Paes Barreto, o que apressam-se a declarar ao
publico para evitar qoalquer engao, tanto mais
quanto uto Ihes consta qae sja elle deteder .
pessoa algnma. ____________^___
PEDID
Bogo encarecidamente aos Srs. tabelliSea da cl-
dade do Recife e f&ra della de nao reeoBleerea
a minha firma era qnalqner esoripto, sea
achar presente noeartorio e declarar ser minha.
ReeMe 17 dennho de 18T0.
Marctrno 'Jos Lepes.
Na ra do Livf 36 leja de cr.', dezejanse fal-
lar com a Sra. D. He enjina
Gandida do Amaral lima,
viuv do Sr.capitlQ Seniio,
a negocio que ita5 ignora.
No dia 7 de abril lugm do engenho Mara-
nhl)o escravo de nooie M.ircotce com os tig-
naes seguintes : crioulo, bera preh, baixo. secco,
bardo. falla de denles, f iil.i manso, idade de 50
atinos, quem o peyar traga no engenao Maranho
a Jl de Soma Le* propnetario do mesmo en -
gento que ser bera ratificado._______^^
Ao S'\ Rodrigues de Son?a.
Previne se ao Sr. Rodrigues de Sonaa qne nao
pague premia algum se acaso sahir nos ns. 2108
meio e Sntein 3263 da lotera que se extrabir no
dia 18 d& corrente, pcis perlenee ao abaixo assig/
nado e gratifica-se a qnem o achoa e levar n
pateo do Tergo n. 12.
AfTonso da Cruz .Muir.
a tkerapeutica das diversai molestics do peito, desde
pharyngile on mil da garganta tt s tobercola^io
pulmonar, passando pelas divsrsas bronehles csUrrhaes
t o ernphysein acaba de ser eirreqnetida com ouis
este medicamento, qne totnsfS a primeira orden entre
iodos at boje conbtcidos. O urop* Vegetal Americcno,
:onipos9o nm so alomo de opio, o sim somenle sue-
co de plantas indgenas, cojas propiedades benficas
s> cara da molestias qne pertaBce n aos orgos de res-
piracao foram por nos observadas por longo tempo,
eom ptimos resultados cada vet mais crescentes; pelo
qne nos jolgamos aotorisados a compor e xarope qne
acora apresentamos, e a oflerece lo aos mdicos e ao
publico. Proramos com os .(testados sbaiio o qns le*
amos dito, e contamos qne o eonceito de qne ji gosa
o xarope Vegetal Americano crescera de dia a dia,
deiando multo aps de si todos os peitoraes em voga.
lllm. Sr. Bartbalomeo k C.-0 xarope Vegetal Ame-
.icano. preparad em ana conceKoadissima pharmacta,
am elil remedio pan combateT A termel sstbma.
.Sofra eu aqnella ovolastia ha qoatro meies, sem anda
ter combatido os ataques mensaes qne tinha ; este ultimo
qne tire fbi fortissimo que me proston por 8 dias, usei,
Iorm o seu milagroso xarope, tomando apenas tres
sea. e at o presente nao fui de twvo aUcado. Prasa
'Jems. qoe el oque reetabelecid por ima raz. Beodo-
Ihe, pois os meos acrdecimentoe per me ter aAiviado i>
lio horrisel mal. Cem a mais significativa gralida*
snbscreo-me de Vmes. affectuoso e reconhecide criadi
Setenta Duarte.Sea Case 14 de fevereiro delfr
Illm Srs Bartholoraeo ft C. Depois de qiesi a/-
mezes de sofTrimento eom nma tese ineessante, fr .
extraordinario, eipectoraclo de um catarrbo amerelh--
do, e perda total dM forcas, qne o menor pastel'
me faiigava completamente, cansado de lomar mni* i
tros remedios sem resuHado tieeefelieidade de saber o
Vmcs. prepararam o xarope Vegetal Americano, e ros.
elle, gracas a Deas, me sebo reslabetecido na mais *.
dois mezes, e robusto como se nada tivesse sofTno..
aratido me torca a esta declaracao, qne poderio Vmev
facer o uso que quizerem. Son com estima de Yxtcc
mnitos respeiUdor e criado. Anlonio Jtaqtnm *~
Castro e Suva. Recife 8 de fevereiro de 1868
Atiesto qne usei do xarope Vegetal Ameri.-an.- compoaiclo dos Srs Bartbolomeo K C. para cura de t*
forte deflnxo qne metronse nmaronquidao.qnema n<-
bxia odlender, inOammaca e dor na garganta, ton-
grande falta derespiracao, e liqnei completamenU eet
tabelecido com nm s vidr do mesmo xarope; <-
que Ibes protesto eterna gratido. Recife le de ;
neiro de 1868. Joooiits ttreir* ArtnUt+Jtmw
EsUc- reconaecidos.

i-
Na roa da Aurora n. 34, 2o andar, precisa-
se de um bom cozinheiro.
Club popular
Escola nocturna gratuita.
N'esla escola do Club Popslar, (ue estar aberta
todas as tercas-feiras das 7 as 10 horas da noite,
ensinar-se-ha a ler, escrever, contar, t mais ele-
mentos de grammatica, de arithnMlica, de geome-
tra e de geographia.
Esta escoja poder ser reqa'ntada por todos os
que precisaW'm ou quizerem receber ajnstrucca
que ella offerecT>em onus npiti enndicao algnma.
Secretaria do- Club Popular, 17 de junho de
1870.
Misael Silvoija Amaral,
1* sefrelario.
Qnem tiver u cabrulei americano de 4 ro-
das em bom uso, e qaizer vwider, eni-nda-se eom
o conego vigario de Santo Jiui.tnio, -n annnneie
por este brsrio.
iNa ra da Mft- n. : piewsa-se de
nina criad;: para tod(> <> er>X"
Aluga-se um eserav.i Je limito bous eostu-
mes, capaz de estar em rafa de Nouna, coainha
muilo ben bom aopeiro : na rna da imperador
n. 50, 3" andar._________________________
Os Srs. teneiiir-ivionel Marcelino de Moora
Albuquerqie e J>>uqa-ni Jos de Socra Braga,
nuuam mandar reerber na livraria iancezaas
suas asignaturswl Brasil Histrico- -

M
-
He* eeetnawniee preeerar Mleetedes pera acreditar
acs-oo preparados, e deixaraos que su applicacao e os
resultados obtidos pelos poseas que se digoaram acceita-
'.os, Ihes deem crdito evoga ; porque sao sempre os
Ulesiadns considerados isumos, e deMis qne langa
dAo o charlatanismo; mas n qnerendo ofTender as pes-
cas qve espontneamente nosoffereeeram.osque abaixo
lo transcriptos, ns tazemos publicar manifestainlo-ibes
fossa gntulAo pela aliMco. esperando que venbam
?lies corroborar o eonceito. e acceilacAo qne tem mere-
tido nosse xarope. Bmholomeok C.
aTTRSTSDOS.
Illms. Srs. Bartbolomeo 4 C. E com a ruis subida
Mtisfscio que declaro ser o xarope Americano de urna
ifficacia extraordinaria, pnis on" sorcnl!- ha das du
ntensa tossi
1. JUi
onlo de nao pivler 'lormi' a noile a
scorri e na traceira colher mi allisiado. a de lodo me
:cho boje resi.-belci lo coni o so somenln de cuasi
n>:io frarco: grato pOis a esse resultado manifest a
'. Ss. meofeojilieciHwnU. l'e Vv. Ss. anti':o. ve-
terador e ohrigado. Manorl Aniotiio Viege* Jnnioi.
"'Niacasj -0 do ahri: de fK'lltt
itf- t1 -' tffi liLi i. VJm,
Vegetal An-.pricroe, de sua composirao, quando mi
acheta bstanle deente de urna censt.pacto, qne mi
tornon completamente rouco e que trouie nma fortt
tosse, e me impossibiliton de cumprir os meus derere:
de cantor da empreza lyrica, tou agradecer-Ibes mei
completo restabelecimento, qne obtive eom am s vidre
do mesmo xarope. depois de haver recorrido a muitoc
traiamentos. Descjarei qne oatros como en recoma
ao seu xarope para se verem aliviados de to terrivel
ineommodo, to fatal nesle paix. Com maior conside-
radlo continuo a sor de Vv. Si. atiento, venerador o
obrigario. l.uiz Cremona. Recife 25 de setembrt
de 1868.
Illms Srs BarlholomeotC O xarope Vegetal Ame-
ricano que Vv. Ss. tem exposto A venda de toda efi-
cacia para o curativo d'astbma, canforme observe ap-
plicani!"-o a mea lilho Jaqnim, menor de qiatrc
annns; victima dVsse flagello, que at entlopor espact
encllenle a dous annos havia resistido a outros xarope
de .. :;Je noitu:: da. yuciram pois Vv. Ss. acceitar t.
p^prcsiio allnenle sincera de meo reconheeimaoto k
rio servdco ji Ihe preslaram cem o indicado-
acre iianiluiEf ;iar sempre de Vv. Ss. criado.
atatnto r obugado. amrrico Neuo de Wendoaca.
i <.. ,i,
AL:TA !!! ALKHTArfl
FogO I!? foso fogo!
ps| btpi varitleada a grande ir,i.-onvenieBCia
que ha nos fijrosrhin.-zes^pois a composicao de
seui combustives, lodos venenosos, tem provado o
mal que causa s lumitas, a poolo de que fami-
lias inteiras tem litado de cama provoniente das
combinacoes de drogas venenosos ene supportam
us taes fogos de bengala. Al' tem, que o folgnedo
e prejudicial. _____^____________
Theatrj Gynnasio Dram-
tico.
Manuel Tavares Pint Porto, ex-ponto e machi-
nista (leste theatro. roga a todas as pes>oas que se
dignarain aceitar bilhules para o sea beneliciu, o
favor de conserva-Ios at terca-feira 21 do corren-
te em que dove ter lusar o sen beneficio, confor-
m o programma j annunciado. O beneficiado
mais urna voz sgradece aos seus amigos em parti-
cular e ao publico em ge ral. ________
Desapparecu' da ra do Commereip um ca-
'erioiTO inger cont coleir de sola e chapa de latao,
tendo a inieiaes M.C, bojo cactiorro pertnce ao
d*rt(or do Circo : quen. o ^priMfiider o levar
at mesmo, sera bem re'Wtnpensado.
Ama de leite.
.prefsa-se de urna
Na ra do Unpieio
arm de tefte sert' tfihn.
m %ai-MOM
Preciar,.
vico de cbst: lia
para todo o ser-
26.
- Aluc3e ata escravo pc,e.4e bom ompor
tamenic, propri para algara artpaera ofc outro
qdalqjiN^stabe edtrrento, ond su eccupe das 9
hi rafdA manba* em diante ; no< 3* andar do so

Peranie o Sr. jniz de paz do Io districto da
Iregueaia da Boa-vista, se hao de arrematar diver-
sos porcos apprehendidos pelo fiscal damesaia re-
guezia, as 10 horas da manhaa._____________
O box.
Foi preso o boi, e o dono do boi, traz, zas, sol-
tou o boi, e eu me queixei ao juiz rie par, e este,
fogo sem ser oe S. Joao, mas de S. Marques, no
retro coudemnou-rae as castas, e o diabo foi nao
rae Itnpor a multa de 165000, e remover-me do
sitio, que nao seria mo, para eu melhorar da per-
versa conducta que tenho.
O filante Jo janlar do Gamba-
Precisa-se para urna familia estraugeira de
poucas pessoas fle nina boa ama pa" cozinbar :
no largo do Corpo Santo n. 7._______________
O administrador da massa fallida do Sr. Luir
de OveiraLima Jnior convida aos senhores ere-
dores deste para no praso de oito dias, contados
da publicaQa do presante annuncio, apresenta-
rem-lhe os ttulos do seus crditos ra do Com-
mercio no English Banck of Hio de Janeiro, Ljmi-
led, afim de'que se proceda a respe* dettes a
respectiva veriftacio, e serero devidamente con-
templados nos dividendos, effecinar-sa. Reare
18 de junbo de 1870.________________
CRIADO
Precise-se de am raoleque de 12 a IS annos,
fiel e lavwiligenie, para servio leve : a tratar na
ra Nova n. 10, l" andar.
_
*
36 aa r(m das Crnzes.
P^Tendo-se fiilraviado do poder do abaixo as
signado urna tetra da quanti de 426*600,| sa-.ada
n> ooiinheiro
dar.
na ra
^^t-Bog^Vii a KuropaT'rafer do
|i*TI*' tota* "'sesls'; proewvfarW,' ni
peTr Domingos Jos da Costa fldim traes i aceiu
pi lo nwsmo abal*n asslgnado em data o> 23 de
[i tipie 1868, e vencida no dia 23 de jaaeiro de
1 68, vem pelo presente prevenir que pei'oa ne-
-. n nma faca tiansaccao com dita letra ; je desde
"^ ji pr'ttestt ccnitra qttajauer negocio qne seja feito
a respeito. Recife 14 de junho de 1870.
hja^P -mais,
do Reoire
ama casa de famj'if^ nti
ama do Oreap^au l^rl'asadar, das l'iihdras

-^Vreti&rtt dujiips)oioo Hm fjnaeiro
lar na taber.Q, sita ,uo f^ra-ipuio, n. JL Ui
pwiew iaraurTiairmd Gaa^tiiaal i,
.anitn 86
^Wt'y*ffl*'tby.^s 'prowrawrw,^ni |_ vtSa:5e da ama ama para todo servigo de
.-SSKFffif- "S?1 *^ '^i81!^ (Si22Sl.e^ d*fr'pS36 na ra das Croa, ntrala pelo
f-JT.%^ SjMes de, Almeida, ^^a*, b, b( K0 q^^, n. M> gegundo andar
em y o sr. Joap^n> Alves da Silva. : --5^-.----------^ l-'--------t-
AarUa partlcalavr. CaiXeirOJW
iA*Wttan-sed'caSad9STia tia'no dia' 26 de jJ^
ttaJttlprtf4nWpaarlo, arri nJninp'pliftto de no-; W
rae Manoel.de 11 annos deJdAd&'leSnadVestWo eri
Aten iiitadBwnnlrado M Moatairo > o -Apappads a
Atexaddre Ro Irignes da Silva.
Pede-se ao Sr. iheeoureiro das lotera qne
nao pague, caso saia premiado, o quinto de bilhete
n. 51 da lotera qne se deve extrahir noje, senao
ao abaixo assignado.
Manoel Frsdenco Cardoso.
Moura

_ se' de nm caixe N coa pritica de
na osa *a Palma n. 3Vvanda,
tasMaera u.tidado'dn (Miodm, por km)] pogaVM a
iqunlqoer.ipagAta\.jne eocmeSfir on v noajcia
ea*tparticaari*ecoo do Rosario dn Sano
iAatosioiBJ!tt a roa ata ConHicjs* ni i,' que
Mra:puMtMo,,*pKMta.g coejtfa qtdm o ti-
a^tajalWait),
na roa da Pe*
i

"1

dono do armarem de carne n. 40 datna aa
Praia previne aos detedares do mesmo attnenwm,
ue nao paguem de^la da ti em diaote a Jp do
ego Mello, sob pena de pagarem segunda vea ao
son verdadeiro dono, que no armarem saberao
quera ___________ ,.".i.i r-
' Preeisa se de um copeiro no hotel d Wmipa.
n. 10, to nfa das Laraageiras. .
E5xist6 no imperial rustt de N. i do
Conselho urna carta para o Dr. Affbnso Sfltio.ito
*
Na praoa da ndeaendenc* n. 33 se dadi-
atveir sobre penhores de ouro, pratt e pedraa
preciosas, se quai fea a qnaM; *"J
asaaeeqmpfae >ia a igualmente se fu toda e qnaiqoar otara +m
jouMn*nda,aldoe (joalquer concert taaawa
mesma arte. _______________ ......
v
Em cas de THEOMHtO
iNSEN, roa da Crra n. i 8, niiiUii1i*ii.
)ia torAaat, Itoii^gaa do WteM.



1
A
, *
Di* BAZAR
rfftl


r
13 Sua da Impe*a$ras rj, 1$
Uljsses d Irm5o proprleVdlloB rteste bem cohecido e acreditado estabelecim:
tem a honra de participar ao Alustrado corpo ACADMICO e aos seos numerosos fre-
gones, tanto desta praga, como de fra, que tendo sido elegantemente reformado dito
cstabelecimento aoua^se completamente sorlido e em condicoes de bnm fterri-IW^K

-:-.j*a=g~*r.' -7
fjsai
m\9k o*
segnntes artigos:
tHARITOS
^perfores de Havana, Hamburgo, Babia e
Rio de Janeiro etc.
Gi garros
le pama de S. Paulo, de 30500 a 75500,
o milheiro, Daniel do Rio Novo, Maurity,
Imperiaes, Tenentes do Diabo, Duque da
Caxias, (andn etc.; de papel, de fumo
de Daniel, General Osprio, Conde d'Eu,
Rocambole.ftadicaes, Acadmicos, Macham-
jbomba, Montevideo, Orientaes, Baependy e
muitas outras qualidades.
Fimos
Afamados de BAEPENDY em caix&es de
20 libras-a 1/54,00 rs. a libra, em pacotes
a2(5, de Sopara cima a 4f800e em maior
porc3o ; 1)5500 o pacote de i libra, dito
em latas de quarta a 610 500 rs, e outras
muitas qualidades romo sejam : Daniel do
Rio Novo, do Para, [da S, Paulo, Caporal,
te. etc.
V VVRIED
PONTEffiAS para cta
I
todas as qualidades gostos a precos.
CACHIMBOS de superior sptfcaai'de
daira (raizy da 34 al 6& a duzia e da ou
tras qualidades a retalho.
DITOS p de gallinhados melhores qoe
ba oeste mercado a ' e 35500 a duzia, e
com grande abatimento em maior porcab,
ditos de louca, gesso, barro, etc.
BOLSAS de borracha e couro de diversos
gostos e presos, para guardar fumo.
CARTEIBAS para cigarros de todos os
syfltemas.
PHOSPHOROS de cera, em caixas de to-
dos os taannos, de seguranca a balito etc.
PAPEL de. milbo, de arrofc. san-aom, Per
san, pintado, de Moho etc. palba de milho de
Fernando a melbor possivel.
Alea dos antgos mencionados encontrarlo nossos freguezes outros muitos no ge-
nero de nosso negocio, que se vendeem grogso e a retalho e que com suas preseucas
eero satisfactoriamente bem servidos I bem como nos encarregambs de qualquer en-
commeodas de tessos cigarros de seda e linho, etc.
13Ra da Imperatriz13
. ----------------------------------------------------------------------------i
GRANDES NAVIDADES
NA
LOJA DO TRIMPHO
PARA SENHORAS. Ricas poupehoas de padrdeslindissimos, e gosto navo.
Cambraias bramas bordadas para vestidos. Poil dxhevre de.lindos padroes por
barato preco de 560 rs. o covado.
Grande sortimento de las e alpacas de 320 rs. a liJBOt) o covado.
Saias bordadas, ditas lisas ja feitas com barra de cor.
PARA MENINAS. Ricos vestidmhos de fusto enfeitados. brancos e de cor.
Vestuarios de fuslao para meninos.
PARA IlMENS. Camisas inglezas e francezas, de linho bordadas e de pregas,
com collarinho e sem elle, ditas bordadas para noivas. Cbapos de sol de cabo de
marfim e de canna etc,, etc., luvas de Jouvin para senhoras.
Grande sortiment de cortinadospara camas e janellos. Croxs para sof e ca-
Oras de tora?o e guarnico. Tapetes para sof e cama,.para pianos e portas. ;
Colxas de croch para cama de noivas. Tapetes em pessa para forro de salas.
O anko e especial sortimentos das verdadeiras ESTEIRAS DA INDIA, so existe na
Loja do Trrampho.
Ra Duua e Caxias n. 7.
Os trabathos da reedificabas desta photograpbia,
Jase se prolon>#$n por turto tapo* jcbanvK
lizmente term'raado e ella abertt ao servico do!
publico desde 7 de abril passado.
queat collocada esta phoVpi-j
lunaMi'ynientado, e s a parte-AMi-1
oinMo conta cinco saias, aclu-
Itnl.'-< Todos os concertos e'aug-
ido fetos expressamente pA.Hl
PHABMiCIA mVkl
Ra dpImperador n. 38
WSE0'W'#' e dp
10 dAbbadte tc%mMdados
antes P^rfSSg s,

fltolln
a.
usf.^ opio eorf$s ;pB|ara
e mu convenientes pajra as -crianca
suios ecom-ulsoes.
ientemente a photograpbia, e
a-!
modelo escolher do que a Hoto
trafia Imperial do Sr. Iosley Pacheco do Rio de
aneiro, o primeiro photographo do Brasil, e um dos
pnmeros do mundo, segundo a opinio dos.*Bis
abalisados mestres, nosa photbgraphia ad-e
dlsposta e reeiflcada pelo memo plano da 4-8r.
I. Pacheco, a quat toi montada sob todas as ragras
recommendadas pelos mars det|nctos profeaaw**
de accordo com as tnodificacos necessarjaa aj,
i-limado Brasil, reconhecidas estudadas pep ba-i
birissimoe pratico Sr. \. Pathecq.
Todo o interior' do prtilio errr que est 4tbesa
photograpbia Toi mudado dstfe a soleira da.partada
ra at a coberla, tendo-a dVtnqlido todas as pa-
redes interiores para se fferejn as nova-?alasj
edlflcamlo-* tfm novo teTrao': envidrbalo mu
espacoso e elefante.
. ,C9rao s?piao, fizemos tma viapem exp'reaaa-
metite cotleprWexamlnrmos as melhores.pho-
tographias all, e ff Vdb'Sr. I. Pacheco, a que
melhor correspoiideu atis nossos ;desejos e aSgrira-
qDcs, e da qual tronxemos os planos depots de
all estarmos todo tim m'ex'^stuAaadoe -apro-
veitando as lices de lao dlstlncto mestre. Peo;
samos que jnntanijcr.'os ndast esludos e Jwpa
pratica de. 13 armos de photograbhia s utilisatmas
li?5es ultiman enie recebMSs do Sr. I. Paheeo,
tendo moudo a no'ssa p'nottiipraphia coao se
acha, podemos offerecer ao Jilustrado poWicc
d'esta cidade e aos nossos rjuiiperosos fregnaies
trabalhos de photograpbia lo.'perfei.tos, como se
poder desejar, e disto conveicido,s, esperamos
que contlunem a dispensar-nos a mesma ro-
tec?ao com que ha 18 annos nos tem honrado e
ajudado.
Atten^o.
Anda se contmua fornecer commedorias
para fora com asseio e promptidao, man-
dando-se levar a- casa dos assigoantes que
n3o ti ver portad^ : ra eatreita do Rosa-
rlo n. 35, Io andar casa particular de fa-
inilia. j
O Sr. vigano Baoalteo qae mora>u rnurou
na estrada de joo de Barros, qoeira mandar a
esta K|>ograpbia a nep.ocio.
- Precisa-se alagar uro escravo que seja co-
peiro, esperto, e qu# cntend d"i comprar : no
caes de Santo Amar n. 42, ol na agencia geral n.
41, praca -do Corpo Santo.
BiMas deDiancard.
;RA-
rtw*] loaia O
!l PtWlas -de Rland.
r' 'XtrdpB1 rurragirroso de Blancard.
Confeite^ de lactato de fero.
i Pdulas de carbonato de ferro, laclado de
ferro, iodureto de ferro com magosta.'
Ferro
Assuc
.bxi!hc. D0RN.3
,. yinno e xanope de pepsina eidiartaare
xpefjenie 'tpnco para aux^iar aa dige^tSes
difliceis nos casos de debilidade do esto-
mago, ^i/a. '
DOR N. 38,
Agua hemostbalica de Leclielle, mu re-
commendada em qualquer caso de hemor-
rbagia, e principalmente na thysica pulrao-
oar, e as bemorrhagias uterinas.
#"
t
CO
>-
Com-ese titulo acba-se aberto e inteiramenle transformado este antipro
festabelecimento de joias, onde os freguezes e amigos encontraro tudo quanto
a moda e o bom gosto tem inventado na arte de ourivesaria, o Collar de Ouro
observar delicadeza no trato e senciridade e modecidade nos precos.
Espera que o respeitavel publico venha ver o que existe de melhor em
a| aderacos de brillantes, esmeraldas, robins e perolas, meios aderecos, pul-
cetras, hrincos, alfinetes e anneis de todasas qualidades, prata de lei faquei-
ros, colberes, paliteiros salvas e outros muitos objectos que seria enfadonho
H? mencionar.
Compra-se ouro, prata, brilhantes e pedras finas, pormaior preco do
JB que em outra qualquer parte, troca-se e concerta-se todo e qualquer objecto
rs< pertencenle a esta arte.
co
Paul cChauvin.
Mechanico cohecido a 10 annos nesta cidade,
pariecipa ao publico que tendo dissolvido arriiga-
velmente a sociedade que tinha cora o seu cunha-
do Carlos Plnyn contina, a,se actiar a sua dis-
p8cao para o que diz respailo u abertura de
burras1, machinas do cueturas, armas, fecbaduras,
collocacao de campanhiubas e todo qualquer con-
cert : praca do Conde d'Eu a. 24, oulrora Boa Vista. _________
Aos 20:000000.
Bilhetes do Rio venda : xoa do Cabug n. 1.
Htae Vieira & Rodrigue.
CASA BA FORTUNA
Aos 5:0003
Eillietes garantidob.
1 ra o>Crespo n.^8 -e casas do costme
O bsixo asignado, tendo rendido atm de ou-
:.-as sorles, um mcio n. OJ'2 com 900 da lo-
tera qe se ncabiju d extrahir a beneficio di
rmanaade de Santa Ansa da Madre de fieos (149)
convida aos possuidoras a rirem recebar na con.
formidade do costume sera descont algum.
Acam-se a venda os felizes bilhetes garan-
tidos da 2" parte da loteria beneficio da igre-
ja de S. Sebastiao do Bfnito (150), que se exlrahi-
r sabbado 18 do correte mez.
PresosOs do cosame.
'ilanoel Martins Fiuza
O
I
c ir.'iro.
3
Exeellente alcatifa cora 4 palmos de largura peto uaratissimo preco de 800 t>
O
Urna eagommadeira
l'recisa-se de urna eegommadeira : na ra da
Cadeia n. 4.
Chapeos de castor brancos pretos a 9000.
Chitas francezas, cures fixas e bonitos pdroes a 300 rs. o metro
Cortes de -cassas de cures com 7 e '8 varas a 3f 300
CO
* Loja de Antonio de Honra Eolim & C.
Candieiros. e gaz mimUm ihcolate vermfugo de antomo .ne-
Acaba de ebegar nova remessa desses 13o P ves "DE CASTRO,
deaejads andieiros m porcelana, bran- Este acreditado preparado, qne to boa
eos e de cores, os quaes muito se recom- ^'tacao tem merecido nesta provincia,
Agencia de leudes
Ra do Imperador n. 16
Neste armazem recebeseparaserem vendidos
nos : meveis usados, louca e christal, ou outra
qualquer objecto de prompta venda ; assim ci*o
tambera compra-se traites usados.
Faz-se qualquer negocio com a loja n' 42, cita
a ra da caeia do Recife, propria para armazem
de proejo trato, por se achar em dos melhores lo-
caes : tratar na mesma.
Precisa-se de urna ama para todo servido
de duas pessoas : na na do Duque de Caxias en-
trada pelo becco do Onvidor n. 22, 2o andar.
PHARMACIA DNTRAL RA DO 1MP
DOR N. 38.
Xarope de rbano iodado exeellente com-
binacao do iodo com o sueco de plaptas
anti-scorbuticas. -.** *t'.'-. ..
Este xarope empregado com grande
soccorro contra as molestias da pelle, os
engorgitamentos escrofulosos, o racbitismo-
cacbloroso.
O vinho iodado de joly, e oleo iodado de
Personne, sao recommendados para os mes
mos casos, e encontram-se nesta pbarma-
cia. i
PHARMACIA CEHTIUL RUA-DO IMPERA-
DOR N. 38.
Variado s^rtimoto de chocolate de ban-
nillia, salep-araruia. ferro, e de sade, da
acreditada officina de Menir.
Sabonetes d'alcatro, d'acido pbenico, en-
xofre e camphora recommeBdados para as
molestias de pel.o como sarna, panos, em
pingeos etc., sendo o ultimo de muita utili-
dsde para o uzo do toilette, por preservar
a pelle de ser manchada das maculas, que
costumana accomettel-a.
PHARMACIA CENTRAL RA DO IMPERA-
DOR N. 38.
Os melbores vermfugos para crianzas,
Pastilhas de sanctonina.
Ditas de Kemp.
Oleo vernifug.
Tudo de melbor qualiihde.
PHARMACIA CENTRAL RUADO IMPERA-
DOR N. 38.
Variadissimo sortimento de fundas de
excellentequalidade.
PHARMACIA CENTRAL RA Di) IMPERADOR
N. 38.
Pastilhas de balsamo de tol e de seiva
de pinho martimo, para as affecefas chro-
oicas dos pulmes.
Pastilhas de therydodo e louro cerejo
para as tosses agudas, e de carcter nervo-
so, e para os vmitos durante o periodo da
gravidez, e qualquer affeccio nervosa.
Pastilhas de bypophospheto de cal mu
uteis na thysica pulmonar.
Pastilhas de angico naf, e de Regnault,
de hortela, pimenta, e de Viccley, de pe-
cacuanha e de Rermes.
faW.de ir. raa do Jmwrador n. 18, conclu^
aqjtflle neg^aio qae >y. S, se- comproaettea xm
JlMP.Dete Mtfwir ctBddle kjAsl, em os
de detemtoo,Br^Wi^HWMdo.'ie At Pra ja-
oeiflk Halan, a teverro a abd, Ifl
e por este motivu de novo ehw*adoplr*fllto iud
pas V. & se deva lembrar que este negocio d
de pito anoo, quando o Sr, su filbo q
tstsass^ na** dad^,
\ 1

M travessa da rea
das tees n, % pri-
mt andar, da-se di-
ithelnjf sotefe- pealorcs
de wro, prala e brilhan-
les, seja qual for a quan-
tia. Na mesma easa com-
pram-se os mesmos me-
lles- e^s.
Eugommado,
Na ra da Imperatriz n. 88, 3o andar,
defronte da matriz, engomma-se, roupa para
algum cllegio de meninos.
Atten Na refinicao da ra do Bangel o. 43 precisa-se
de trabalhadores para a mesma.
Confeitara dos ananazes.
reRoa da Cito16
tSanto Antooio- 8i i(W> e S-.-Pedco.
Amendoas, a mais aproprtadas para sones,-
vende-se am arrobas e liaras; pipis j promp-
Precisa-se de urna ana para todo servico de
ubis casa Be pequea famNia : a roa do CAragao
n. 38. ; '._________________
'" Na ru* Primeiro de Marco n. 15, esfriptorlo,
recebe-se pwposras para a collocacSo de vrdriw'e
pintura no predio n. 23 roa da Cadeia. !
Desappareceu no da 1 de junbo crreme
duas bostas om os sigaaes seguintes : urna mau-
lada, nova, magra, dinas pretas, cauda acarada;
outra russa, magra, pequea, poldra, e ambas cora
o ferro triangular na anca do lado direito : queco
apprehende-las avise no engenho Cordaira, qu(
ser ganerosanente graiicado.
O Dr, Sarment^Tlho
mudon-se para a ra do Imperador n. 29,
2 andar.
Consultas e operaroes todos os dias das
10 horas ao meio dia.
Chamados por escripto a qualquer
hora.
TIJTLRARIA FRAIfGEZA
55-Ru da Imperatriz-55 j
Tinge, lava, limpa, lustra e achamalo- |
ta-se, com a maior perfeicao, fazendas em U
peras e em obras de todas as qualidades I
como si>jam : seda, laa, algodto, linho, _
chapos de feltro e de palha etc. etc. _j
Tra-se nejoas e limpa-se seccosera i
molhar os tecidos, conservando assim to- fi
do o brilho da Calenda. fi
Tintara preta as tercas e sextas fei- ?'
ras. ff
O Sr. Jos Claudio Dubeuk taija favor de tra
o objecto que levou amostra da roa do Queicna-
*>** :________ T
COMPANHIA PEWIAMWJCANA '
DK.
Xarcgaco cosiera por vapor
Os Srs. accionistas que fizeram a primeira es-
trada de 10 0|0 sobre o falor das scc5es que
subscreveram, querendo realisar o total das roes-
mas podem fate-lo, dirigindo-se ao escriptorio da
eompaohia no caes da Asaembla n. i% onde em
al caso Ihe serio entregues os respectivos titulas.
Recite !3 d janln de 1870.
O gerente.
F. P. Borges.
--------_r---------------------------------------------E__--------,
Pracisa-se de urna ama para casa de urna
senhora viuva com um Gibo a tratar na ra do
Amorira n. 35.__________________
Na roa do Marcilio Oas, out'rora ra Direi-
ta n. 88, S andar, precisa-se de ama escrava pa-
ra lavar e engommar para peqnena familia.
CESTA DE PLOKES. ~ ~
Esta nova loja intitulada Cesta de Plores, teodo
nma das pnnclpaes modista," apromptara com
esactidao e conforme o gosto de qnalqner pessoa,
tudo qnantD pertencer a urna senhora de tom.
Aprompta vestido, chapeos, e tudo com a maior
brevidade e preco commodo. Tem tudo quanto
preciso para este fim e baptisados, do qne ha com
uantidade : na ra w Imperatriz n. 31.
ttenoo
Precisa-se alugar um sitio nos seguintes arra-
baldes: Manguinho. Ponte de UchGa, Caminho
Novo e Soledade : qnem tiver dirija-se roa da
Crnr n. 38, armazem.
Na ra Velha n. lo precisa-se de urna am
idosa para comprar e cozinhar para easa de ponra
familia.
Precisa-se
Retalha-se, avantade dos compradores.alguns
lotes de terreno, qne restam, do sitio Aguasinha
em Beberibe. por precos lasoaveis. A posieao to-
pograptiica do terreno rnuito o recommenda, so-
bretodo por ficar prximo da estaeao projectada
da via frrea. X)s pretendenles podero dirigir-se
informar-se do tenente Si Peixoto, no mesrao
lugar, e para qualquer negocio ra do Crespo
n. 12, 1 andar.
Agencia em Pernambuco
Do Dr. Aver
Petoral de Cereja
Cura a phtbysica e todas as molestias do peito.
Maisa parrilha
Cura ulceras e chagas antigs, impigens e dar-
tros.
Tnico
Conserva e limpa os cabellos.
Pitillas catharticas.
Puramente vegetaes e sem mercurio, cura se-
toes, curara-e purificara todo o systema humano
Vende-se effectivamenle em casa de Samuel P
bnston jt ("., ru;t da Sanzalla Nova n. 42.
De um hornera portuguez ou brasileiro. que
queira ir com m mo$o doente para Caruan. para
fazer todo o servido necessario delle, no patee '
Livramento n. 36, _______'______
Barro para veadrr
Vende se nm burro : na fabrica do gaz.
Sortes
Para S. Jo3o e S. Pedro.
Acham-se venda sortes para as noites de S.
Joo e S. Pedro, impressas em papel de cor, e por
preco o mais commodo possivel : n ra o Im-
perador n. 15, defronte de S. Francisco.
. PARA DIVERTIMENTO.
Acham-s venda na ra do Imperador n. 1.",
defrente de S. Francisco, um rico sortimento de
flhetos, de Mag.ikma, Joao de Callis, Poriena o
outros muitos qne nao se enumeram por nao alon-
gar muilo o annuncio._____________________
A'tengdo.
Vende-se a taberna da ra da Araiz.-ide n. 2ti.
na Cagaoga, propna para principiante por ter boa
armacao e poucot' fundos: a tratar na mesma.
Farinha de naudinca.
Da'melhor qualidade e mais barata do que em
outra qualquer parte : vendem Amara!, Moreira
& C, no caes da alfandega n. 7.
AMA
Para botica.
Precisa-se de nma pessoa com alguma pratica
de pharmacia : a tratar na ra da Cadia n. 12.
mendam pela segoranca asseio e economa,
e anda pela exeellente luz preerivel mil ve-
zes ao tero;ene. Veetoara antes que 6e
acaben.
nico deposito na ra larga do Rosario
jB. 3i, pharuacia de Bartboloneo & C
.ASSLCAR DE OXIDO DE FEHRO DE
CHANTEAD.
SEGREOO ECONOMA E CEUBRIDADE.
ebtm se'com o uso 4a
O assucar Jrrngino*o de Chanteaud
udo pela.associa?o do oxido de ferro
inteiramenle solnvel com o agsucar cuida-
dosamente purificado. Este aasnear de
Juma bella apparenca crystaiiiia, 4em o sim-
ples gosto muj agrada\el do assuear, sem
o nwoor sabor adstringente, nao tem ac-
eta irritante sobre a mucosa do estamago
e intestinos, e rpidamente absorvjdo pelo
appareHjo digestivo sem causar as constipa-
f'ea do ventre.
INJECCifi LHOSTE.
I,'uica4ygienica radical nfallrvel na cora
certa das gonorrheas, flores brancas* e fin-
ios de toda a'especie recentes ou cfaroni-
ca*, e que offerece com garanta de seos
aotares resultados, a antiga e continuada
applicac5o que sempre com a maior van-
tagam se tem feito deltas nos hospitaes de
Pars. nico deposito para o Brasil, Sra.
BartUolomeo 4 C, ra larga do Rosario
d. 34.
Sabonetes dalcatro.
De Antonio Neves de Castro.
^ste acreditado preparado, que to boa |
awjeitaei tem merecido nesta provincia,
muito se rwommenda para otra certa das
impigens, sarnas, castas, cocein, e todas
ag-mnlriilias de pelle, sendo anda prefer-
vel para a barba, outro pulqmr sabo-
oete.
nico deposito da verdadeiro, fia pbar-
macia edrogari de Bartbolomao / C,
na larga do Rosario n. 31.
muito se recommenda para cura certa e
ellicaz das biebas ou lombrigas, tanto as
criancas como em pessoas de maior idade.
nico deposito a pharmacia e drogara
de Bartholoiaeo & C, ra larga do Rosa-
rio n. 34.
E' boje o preparado de ferro de mais ac
ceitaco para a colorse atona dos orgos,
perdas brancas, meosbruacesdifficeisetc,
e tem seu favor o juizo autorisado da es-
cola de medicina de Pars,e dos cbimicos os
mais notaveis. Deposito especial pharmacia'
e .drogara de Bartbolomeo A C, roa larga-
de Rosario n. 34.
PHARMACIA CENTRAL RA DO IMPERA-
DOR N. 38.
Cha purgativo de Chambard, exeellente
laxativo, e refigerante, que se pode osar
repetidas vezes sem irritar os intestinos.
Precisase 0e urna ama ticamente para ce-
sinhar : tratar na ra dos Guararpes n. 1.
AM
Precisa-se de urna ama forra ou escrava >
Meia idade : a tratar na roa do Duqte de Caxias,
aatiga ra do Qaeimado n. 69.
Muita attenpao
FARMAGI4 CESTBAL
Roa do Imperador n. 38.
Lamplooghs Pyretic Saline.
A preparation of well known utelity to the En-
glish Facnlty, as a coollng and refresbing beverage
in all cases of fever. The frequent usejjflhissa
I rae preserves foreigners from many aiseases to
which they are leable before becoming aecliraa
tised. May be nbtained at thc Pharraacea Central,
jua do Imperador n. 38.
Precisa-se de urna ama para servico de dontro
e fra de casa de pouca familia, prefere-se escra-
va e paga-se bem agradando : na rna Velha nu-
mero 66. m
TRECHOS CLASSICOS
Chegaraui e acham-se venda
NA
Livraria iranceza.
LIVROS PARA & JMII-
A CIGAIVA,
Para Santo Antonio, 8. Joao
e S. Pedro
Na ra estrella do Rosario n. 3o preparam-se
bolos de encomraendas, proprios destes das, sen-
do i'ncommendados dnns dias antes, etambera en-
feitam-se, tudo por proco commodo. Na mesma
tem sempre um grande sortimento de bsuquets de
cera de dTereates qualidades, e que se vende
Vende-aeou,permuta.seporas, nesta cida- *""b<"9 Pr preg commodo-
e o sitio a. 5 na roa de /ajo Fernandes Vieira Exisle no colleglo de N.
perto da saledae, cea casa de wvenda para
grande familia, cacimba cora boa agua, tanque, Ta Mallos,
para banbo, muitas fruteirap de diversas qcalida-
des, cento tantos ps xas com capira e erras para plantaeSes, um graa-
para lenha te. : para ver e tratar os pretenden-
tes dinjam-se ae mesmo sitio.
AVISO
S. do bom Conse-
Jho urna carta para o Dr. Affonso Sergio de Mou-
Matlos. '
Arrenda-se um exceHente sitio cora muitos
arvorados fructferos, aaixa para capim e verdu-
ras, muito boa casa, alera de *uiras para escra-
vos e estribara ; no mesra sitio tem tres cacim-
ba?, sendo nma deltas frrea, e fica perto do
caminlio de ferro : tratar com o Sr. Costa na
ma Nova, toja de charutos.
Ao Sr. Dr. Galeas pode nleressar-lbe o omp*-
recerjua ra larga do Rosario n. U.
SEGUROS
MARTIMOS
COyTttAFOGO
. a companma iodemoisadora, estaietecid
letta praca, toma seguro martimos sobre
aaviof e seu carregameotoi e contra foge
sm edificios, mercadorits e mcbilia: a
roa do Vigarioc. i, pavimento ter eo.
P/cisa-se de urna,ama da meia-idadapu
daKa3?ar P"Ia "* P9St
AMA
Precisa-se alugar um ama
para servico de pouca familia :
Cadeia do Recife n. 15, loja.
qne seja escrava
a tratar na roa 4a
SEGUNDA EDICAO
Consideravelmeote memorada.e augmenta-
da com novas cnaradas e iogogrypbos
L'ni bonito volme
ntidamente impresso e brochado.
Rs, 4^000'
A aceitafao qne do respeitavel publico merecen
a Cigana, cuja primeira edicSo se esgotou em doas
annos, nos leva a fazer esta nova, mais correcta e
augmentada.
Esse faci, tao raro entre nos, indica que a Ci-
gana tem qualidades que a recommendam e tur-
nam-s bemquista aos laitores. ,
Com effeito essa filha da Bohemia sabe gnardar
conveniencias, e procura, dixeodo a sorte de cada
nm, agradar a todos.
A presente editad, inteiramante meihorada, f>i
augmentada com novas charadas e logegryphos,
e bem assim algumas poesias recitativas, que no,e
sao tao apreciadas nos saldes.
Eiperaraos que a Cigana continua a merecer a
mesma aceitaran, e qne em breve possaraos ver
escotada esta nova edicao.
Ra do Crespo n. 9.
LIVRARIA FRANCEZA.
Virgulino Jos de Almeida, com holel e ta-
lieraa na cidade, da Victorja, jai sua residencia
desta data ate diaate em seu alio Oitisinho, no
meemo \agtr.
Fitor
Precisa se de
e tra
um 'feiter oo trabajador cara
um no, prelere-se asiringaim : qaen mimli-
rijarte^ruado inperador>defranojdaffl.
Francrteo, nos dias nteis 1irifthnrn i da urde ol ao raeam*itto.qaedrnT>4 r
Arraial casa amarella, das | hora* adiaata m*
da otei, e pos dias santiBcados,/a: Bfww
O di DENTISTA
Frederico Haya
Tom a honra de- scientificar ao respeita-
vef jraWico m gen\, e aos seos cittes
em ..particular qpc elle mudott o sen jabi,'
aQte.de consiils da juaDireita n. 12 par?
* m Cueimado n. 34 primeiro andar, com
entrada pelo patito de Pedro H, onid^jp-
' ser proarcado pan i* misterea de su*
profiss29rtodossf)tas *utei5'da5 9 b'o.
dafflanhJaaadaMtrde..
Jambe prefine, "qna cov^ioa a prestar-
vontade dos cl!*ente3_n3^ s'na cfdate:
m seus suburbios,' t> ara xMide at
dids d, fl&i'e. fie>
mjwpbo* p.erfcc3Q'de
ei* traMM,, 9^m fr i b^ ^nhecHft
assim como as caramodiddes dos precos.
de i
i sdriy
A abaixo assignada, na qualidade de curadora
de seu maridj o Sr. Antonio Joaquira de Fariu,
declara ao respeitavel puhlico desta provincia,
alm de evitar nvldas e dillicolddes futuras, qae
o mesrao seu marido nao tara at a .prsenle data
assignado sem sciencia sua documento algum,
coma letras, escripluras publicas ou particulares,
doaees, carias de liberdade, etc. etc., relativa-
mente aos bens de seu casal, dos quaes elle nuica
dispoz de forma alguma, aliaaaado, vendendo ou
permuundo, durante o terapo que os adininisirou.
A mesma abaito assignada convida, porianto, a
quem quer que se julgue. Armado em algum tito .-
lo, com direito a taes bens, a apresentar no juin
competente dentro do improrogavet praso de oo
dias, e a todbr da present data (fO de junho de
1670) os lodjknfentos que tiver temelbnle res-
peito : fidnnieiQe mnluti eflSigj ida e qualqulf
allegaco que for feita posteriormente, visto como
faei) eom o aatoal systema fle Mnibilha sellar
Fundicao de ferro e bronze, e fabrica de
machinas da ra do Brum n. 104 de
Cordeiro & Irmos.
Neste ntigo estabelecimenlo faz-se e concerta-
se toda a qualidade de machinismo para engenhos
de assuear, machinas a vapor de tern e do mar,
moendas inleiras e meias muendas, e lodos o>
perlences as mesmas e necessarios a agricoltura,
pedindo a atleucao de seus numerosos frageles e
amigos, senhores.de engenho e ao publico em ge-
ral paru os artigos que ja tem exposios venda,
como sejam :
Machinas a vapor vindas da Europa de for^a de
4 e 6 cavallos, superior constrncoao.
Taixas de ferro fundidas e batidas.
Reguladores e apitos para vapores.
Moendas a meias moendas.
Rodas d'agua e rodas de atadas de espora,
Rodas angulares de todas as qualidades.
ATTENCMT
Acha-se depositada urna cabra (bicho) que foi
apdrehendida : quem se achar com direito a ella,
dando os signaes certos subdelegada do 2* die-
tricto da Boa-vista, Ihe sera entregue._________
' ESTRADA DE BELEM.
Arrendase um sitio pequeo adiante da capel-
linha e etu lugar onde deve haver urna estaeao
intermedia dos tailhos urbanos de Olinda, tambem
se vende o mesmo sitio : na ra do Duque de
Caiias, outr' :ra das Cruzes n. 3Q, 2 andar.
Precisa-se de urna escrava boa, que cozmhe,
engomrae alguma cosa e compre : na roa Direita
n. 79, 2" andar._________^^__^___^__
TTENJAO
Joaquira Ferreira dos. Santos Coimbra Guima-
raes como pncura-or da viuva de Domingos Jo-
da Costa Guimaraes declara que iaexa ta a
aseveracao e prevencio qne no Jornal do Recife
n. 13o e no Diario de Pernambuco n. 13i de 1"
do correte fez Alexandre Rodrigues da Silva, re-
lativamente a ama transae^ao ce a o dito fallecido
Domingo- Jo- da Costa Guimaraes, por qnantoa
lelra que diz o dito Alexandre ter-se extraviado,
letra que censtitue o obj^cio da transaceio em
qnestao, existe sm poder do sacador e credor, a
viuva do dito Domingos Jos da frsta Guimaraes
visto como ainda nae foi paga essa_ letra. Pro-
testando contra a referida assever?cao de Alexan-
dre Rodrigues da Silva, asseveraco tao infunda-
da-que, attendenlo se as condicS s da lelra e
comparando-se com aquellas que diz o referido
Alexandre, ser a lalra, se v logo que o tHulo nao
lora ainda pago e era eslivera em poder do dito
Alexandre : o abaixo assignado declara qua o
anauncio em queslao e a que agora responde
um simples ardil e que val promover a cobranza
da dita le ra judicialmente, tao legal o tiltil*
liquidar a divida do do Alexandre.
Recife 15 de junoo de 1870.
Joaquira B. dos Santos C Guimaraes.
T1
O abaixo assignado, curador da heranca iaeenie-
ue outr'ora pertenceu ao casal do finado tenente
t& jfeaqnim Lopes "de Almeida, fas seient a
quem convier, qne flo^Aa 17 do cornate, polis
doeumwue ante-datados, e extofqoidbe naft H*!'. *, "^w- -"__ Pajue o
fteci* 10 de Jnn* de 1870.
reprobados.
gq
-T-r
iienriqneu Amalia (te Faria.
im-,
Criada
qne saba bem egpi^mar-'i Ifaa"^ SeT^o In
temo de nma asa ie pouca familia : a tratar
Maniguinbo. casa nov 3m Spr Carplnteirij?, qc
ao eaee^aJfb*J|dr velha n.' f eseMphrfe/p^i
se bem.
^5SBaa9|fS3ttSi,
'A
do
edeaMde
pana.casa de pouca faanUa ;
entrena do Rosario a. 8.
iferma-s* aa roa



Na laja do sobradd *f ru-*s TCoclieiras, pre-
cisa-se de nm cozinheiro e um preto qne "seja Bel.
V


*-W
tr-
Diario ae PefamWo i- Safebado 18 ele Junbo e 8Y0.
J'JJJHH^ f) iitMl
.--.- ',
5
ti OB8T 9b


DE
to navas faetura ora importan^ soxumento doS
tonmidns auti riossivel., *""

I
.-_,___._ o festejos de S. JoSo
jn' Grande vafleflade destes lindos foulnhes de artificio chin*, de vista fle crea e efleitos o>a-
enifieos de eojpeheoder, fabricados propiamente pwfc saloes e serena soltados por meninos e me-
arsem o menttr recelo de retvofendldos. *iqj
BALLS AEREOSTATICOS ,
Estes uteressanles boloas de.papel de,seda de cOres feitos na China, com 6, 8 e -10 pal-
rao* 'de
c$ra espirito de vi'nh, podem ser sottadps as
PJlFEI PARA EMFEITJl BlIilirtS
Papel rendado muio benito de diversas larguras para nfitar bollos de S. Joao, a precos
baratissimos. ..,-. .
LVAS DE PELLICA
Do afamado fabricante Jouvm.
Sortimento completo de brancas e de cores, rauito boas de se escolher, em quanlo estao bem
frescas e sortidas.
IMIII\%*>
BOTIMAS
Para ienhoras e meninas.
as pretas, brancas e de muitas outras cbem sortidas e bonitas, do ultimo go?to da
BOTO AS, BOTAS E PEK EIBAS
Para horneo e meninos.
Botinas de bierro. cordavao, lustro e pellica, botas russianas de bizerro e de lustro, per-
neiras de lustro tanto para boinens como para meninos.
i Sapatos
Sapatos de borracha para homens, senhoras e meninos, sapatos de invern para homens,
ditos de rastro com salto para hornees; Sitos de tapete aveludado, de casemira e de tranca fran-
oeees e portnguezes para homens, para sensoras e para meninos.
PERFUMARAS
Finos extractos, banhas, leos, agua divina, de cologne, de lavaade, e de florida, tintura
para cabellos, pomada angroise para. bjgodes, pos de arroz e sabonetas.
Quinquilharias
E-pelnos grandes e pequeos, leques, albuns e caixilhos para retratos, esterioscopos com
bellas vistas escolhidas,'' bengallas, chicotes, correales de plaqu para relegios, gravatas, oculos,
lunetas, caixinnas de costara orJradas com msicas, photographias. mgicas, coffresinbos mgicos
para desapparecer aunis, ditos ditos para relgios, jogos de domin, bagatella, rdelos, e outros
rouitos joguinhos (rancezes e allemes, jarros com bouquets de flores de porcelanas para san-
tuarios, cestinhag diversas para bra'rjo de meninas, objectos de phantasia dourados para loiletes,' ri-
cas eseovas para cabello, para vestidos de senhora, para chapeos e para barba, ponteiras de espuma
para cigarros e para charutos, abat-jnr para canoleiros a gaz e para lanternas de piano, caixinhas de
msica de darse corda, ps de vidre para pianos, realejos grandes e pequeos, aecordions, cosmo-
rainaa-com as mais importantes vistas, molduras donradas para quadros, bonitas eslampas de pai-
zageos, de figuras e de santos, carritios de 3 e de 4 radas para cunduzir meninos a passeios, ma-
las e boleas para viagens, bercos de vimes os mais commodos que ha para criancas.
r Para este artigo nao na espace nem tempo para a mas-ante leitura da infinidade ds gene-
ros de brinquedes fabricados em diversos paizes da Europa.
ATTENCAO
O dono dfsto estabelecimento pede ao publico em geral que continu a
lieando as qualidades e os precos baratos de ditos objectos por serem vindos em
onta prepria.
-
visilalo veri-
direitura e de
CABELLEIREIRO FRANGEZ
51Ra da Cadeia do Eecife51-
Chama a attenco dos seus innmeros freguezes, e do respeitovel publico es
eral, para a seguate tabella dos precos de sua casa, os quaes sao victe por cent
mais barato do que em outra qualquer parte:
Cabelleiras para senboras a 25&
305, 355 e......
Ditas para hornera -a 330, 406 e
Coques a 1_'5, lo$, 18, 205,
-5,5, 30-> e.....
Crescentcs a 120,150,180,200,
25, 300 e .....
Cachos ou crespos a 30, 40, 50,
"60, 70, 80, 95 e. .
Traeca de cabelle para auoel a
500 e.......
Tranca para braceletes a 100,
L 150, 00, 25 e
Xadeias para relogio a 50, 00,
400000; 70,80, 90, 120 e. .
500000
Corte de cabello,.....
500000
320000
100000
10000
300000
| Corte de abeilo com friccao. .
Corte de cabello com lavagem a
champoa......
Corte de cabello com limpez da
cabeca pela mchica elctri-
ca, uoica em Peroambuco. .
Frisado ingieza ou franceza.
Barba. ,..... ,
150001
50
50
1000
10001
501
25
^SIGNATURAS MENSAES
Especialidad e de penteados para casamento
Bailes e
O dono do estabelecimento previne s
Exmas. Sras. e aes cavalheiros que ba um
ealao para tintara dos cabellos e barba, as-
sim como una empregado smente oceupa-
do nesse servico.
solres
Recommeada-se a superior TINTURA JA
PONEZA para enegrecer os cabellos e bai
ba, nica admittida na Exposigo Universa)
como nao prejudicial sade, por ser ve
latil, analysada e approvada pelas acad
I mias de sciencias de PARS E LONDRES
SftUHHSKs nniiii wkhh *
Um dos ](^^p^|r^As^^fazend_
dos armazeus para as Tojas, conduzio na
wtUifeira pa&sada dp-aonazem n,_ 36 da
rna da Cruz para toja dos Srs. S' 'Amo-
rim 6 C~ na-ra do UvraowBlJ*, o, pessas
de ganga amarella, as "quaes riacr foram en-
Ifeguesaos.re/eriUo* Srs. : roga-se a quam
quer que poss dar alguma intormaco a
respeito, a se dirigir ao mesmo armrzra
que alem de se, Ihe" agradecer se gratificar
gene roaa ment. ____________.______i
Declarapao
Monoel da Barros Brrelo, declara em nenie
da saa "mae, que nao se respoosabilisa apagar
conta alguma de objectos comprados por sen es-
crava Pamphilo, o qual acha-se fugidn. Ontro
sim, pede as autoridades polioiaes e qusquer pes-
soa o/|9 noontrar o dito escravo de o entregar
cjsa de Daaencao, ou ra da Aurora vi. iO, on-
de se pagara todas as despezas da aprehfiTrsao.
Precisa se deum aaa na ra estrella'do"
Roario n. 45, Io andar. ,________
A
COMPRAS.
-|?<
------------0
M? 9fP
0 rjiuzeo de joias

Na roa do Cabug n. 4 compra-se onro, prata
i podras preciosas por precos mais ventajosos do
pe em outra. qualcnier. parte.
s seguintes^Dras
't'tirgm dfndi&it e as mtAohas de ,'
chelieft, por Joe Victorino, inbos erkuder-
nads'em ums vol. por 30060". Colas
cont,sui$so-,tni. 1 Vol. por 10000. Canto
d'alcofada. rjsias p'r M. da Rocha, 1 vol.
ene. por 30000. Flores sihgelas, por Paes
de Andrade. Vkimas paginas, por P. de
Calasans. Musties perdidas, por C. de
Azevedo, tudo encadernad em um &6 vo-
lume, por 80000. Jovita a voluntaria-da
morte por J. C, e Afbert, scentsde nm ro-
mance, por J. Candido, ambos ene. em so
vol. por 30000. Palmyra.a ceguinhabra-
sileira. romaqce em 7 cantos por Dr. Boni-
facio de Abreu, ene. em uin 80 vol por 50.
O cavalheiro d'Harmevtal por A Dumas, 4
vol. encadrnadps, por 100000.
Tambera vende*9e as collectoes de leis
provinciae's faltando apenas 3 annos, por
20:5000, tendo 27 vol. me brochrJra, tam-
bein tem outras obras qtf a vista se mos-
trarlo, e qne tudo se vende por preco em
conta. Qoem quizer dirija-se a esta typogra-
pbia que se dir qoem vende.
_
a-
de-se mais
le,; a tratar na ra
Meills LaUan & C
. ntmio Annes Joeome vi-
-que *m qualqoer ontra par-
da Cruz u. 38, arinazera da
.< Yeaie-as a casa terrea ii.il; em caos pro-
prios, sita em Olinda ra no oitao do Ampare,
com 4 guartos, corredor ao.meio e duas salas : a
ratar no 1 andar n. S ru'a da Cadeia do Recife.
Compram-se e vendem-se diariamente para iora
t dentro da provincia escravos de todas as idades,
ores e sexos, com tanto que sejam sadios : no
lerceiro andar do sobrado n. 36, ra das Gnes,
(reguezia de Santo Antonio.
U>m muito maior vantagem compram-se
onro, prata e pedras preciosas e a obras velhas: na
loja de joias do Coragao de Ouro n. 2 D, ra do
Cabuga.______________________/ ,
Comprase urna casa terrea boa, situada em
Santo Antonio ou Boa-visla : na ra da Florenti-
na n. 6._____________________
r.Mtnpra-se uuia casa terrea, na freguezia do
Santo Antonio : tratar no arco da Conceico nu-
mero 6. ;
Compram-se
Hoedas de ouro e de "prata de tedas as nacocs : ua
rna da Cadeia do Recifc n. 58, loja de azulejo,
= Compram-se sellins usados
deia n. 29, loja de telleiro.
na- rna da Ga-
VENDAS.
ona
Campos da ra do Imperador n. 28
recebeu da corte .^e vende em seu estabe-
cimento differentes fogos proprios para sa-
lees : sao inteiras navidades nesta pro-
vincia.
Ainda vende queijos a 20300, sao os me-
lhores que ha no mercado, sao os mais ten-
ros e feseos.
Tambera vende pescada a 300 rs, li-
bra
TUDO NO ARMAZEM DO CAMPOS.
Sortes Para S. Joao
Na ra da Conceicao n. 30 e ra dos Qurteis
n. 22, vende-se lindas sortes para S. Joao por pre-
cos muito commodo. Na mesma ra da Concei-
gao prepara-e qnalquer encommenda de bolo de
qualquer qualidade com muito aceio, promplidao,
e mdicos precos.
Vendem-se 12 escravos, sendo 3 pretor de 18
a 30 annos, proprios para todo e qualquer servico,
tanto de ea=a como para agricultura, assim como
um mulatinho de 17 afino?, perfeilo copeiro, 6 es-
erav.is d( 11 a 30 annos, todas prendadas: na roa
ealreita do Rosario n. 43.

Pechincha
o pateo do Carmo n. 9, armazem do
Rtbeiro.
Manteiga ingleza a 900,15100 e 1/SOGa libra.
Dita franceza a 720.rs. a libra.
Cha perola o que h de melhor a 2 e 3200
ariibra.
l)ito hysson a 3* a Itbra.
Queijos flaraengos novos a 25400.
Velas de espermacete a 700 rs, a libra.
Engenho.
Vende-se o engenho Ribeiro da freguezia de
Santo Antao, situado pouco mais de urna legoa
da estrada da Victoria, de trras muito producti-
vas, podendo safrejar para mais de 2,090 paes an-
nuaes, com bom cercado feito todo de vallados, e
muito boas obras; o engenho dagua e est
rri'" i-nte e correte : qoem pretender este negocio,
dirija-se'ao mesmo engenho, on a roa da Concor-
dia n. 13.
Vende-se
Ps de roseiras de varias qualidades, de cravei-
ros, de sapoti?, de figueiras, de abacates, de pi-
nheirost de palnieiras, de laranja cravo, por ba-
rato preco : tratar na Boa-vita, rna do Mon-
dego n. Si.
Farinha de mandioca
igual a de Muribeca.
Em saceos de dous alqueires e de panno de
algodp, cuja medida corresponde .de o a 8 0(0
mais do que a medida daqui e do Rio de Janeiro,
vende-se a prego menor do que em qualquer on-
tra prtete : tratar com Joaquim Jos Goncal-
ves Beltrao, em seu esenptorio ra do Commer-
cio n. 17.
Luvas.
Chegou pelo vapor francez, um grande sorti-
mento de luvas de pellica de Jouvin, brancas
pretas e de cores. Em casa de Andr Delsuc, ca-
belleirelro, ra do Primeiro de marco n. 7, t an-
dar.
Terrenos
Vende-se um terreno na ra de Luiz do Reg,
em Santo Amaro, com 300 palmos de frente e 640
de fundo, com urna casa terrea edificada no mes-
mo terreno : quem o pretender, denja-se a ra
Nova n 22, que achara com quem tratar. ____
a> Si.
3
B 3
fl o v a
_ oa> _, ero a

g^-e
as -i
as ~a
&
ZJ
o*
BFiiii*!
2L" 3S* ^ D
o* SS
s.p-.
3-9 E? B _.
bs; 3
9
s
o rr
B g

Si* gj5
1 |f H o
1 fc-fl
s
Economia dometitica.
A loja io.Passo da Patria do cae-- 22 de Noveni-
bro n. 52 e rna do Imperador n. o!, chegou um
importantsimo sortiunmki dn chitas que se vett-
dem a prego de 2,00, 210 e 280 rs. o covado; rtie-
guem qne se estao acabando III
Yende-stt
A taberna da ra de Santa Rita n. 53, muito
boa. para negocio, vende-se por seu dono nao l-
der continuar por falta de saude. propria para nm
principiante por ter poucos fundos : quem pre-
tender dirija-pe a mesma para tratar qualquer ne-
gocio que se possa fazer.
Farinha de mandioca
de Santa Cathaijna
O que se pode desejar de bom, a garnel a bor-
do do patacho ingle! Mari/ tlock : a tratar com
Tasso Irmos & C. ra do Amorim n. 39.
Vidios para vidragas de lodos os tamanlios
e em caixas, vende Bartholomeu Si C, em sua
pharmacia na ra larga do Piosario n. 34._____
e-
cni e .mu
s i1)
S
nimiifii Huitn
= Na ra do visconde de Pelotas, casa_n. 7,
(atiga ra do Argao) vende se urna eserava rom
25 annos de idade, a qual lava, engcjnma ce -
zintia e tem principio de costura, na mesma wta
se dir quem vende urna mobiiia de Jacaranda
em peneito estado, sendo 12 cadeiras de guarn-
gao, 2 de bragos, 2 consolos com lampo de pedra
e um sof.
A 1-J500 "
Veode-ss sapatos avelndadbs para homens e se
nhoras, pelo diminuto prego d 1500 o par :
nham a ra, da Cadeia n.oO, loja de miudezas.
Ferro gaivanisado
Vende-se em casa de Adamson, Howie A C, na
ruado Commerclon. 40, folhas de ferro gaivani-
sado de 6, 7 e 8 ps de complemento.
A 500 rs.!
Vende se tinta roxa e preta, custando quinhen-
tos res cada botija : na ra le Santo Amaro nu-
mero 3. -
---------------------------------1i..--------------------- i ,________._________________________________
&0I3J
(50Passeio Pubffio:
Neste grande estabeleciraento encontrar o res-
peitavel publico um grande sortimento de fazen-
das de todas as qnaUdades, sendo ingleas e fran -
cezBs qne se vendem por muito menos do que em
ontra qnalqusr parte.
COMO SEJAM:
Chitas escoras e claras, finas de cores fixa a 240
260 e 280 o covado.
Camhraias de cores, padrees moderno? a 280 e
320 o covado.
Lizinhas muito. finas, padres de goslo a 400 o
covado.
Madapoloe*finos de 4QJ)0aara eima.
Algodao harneo a 16 e J." 7
Cortes de fustaopara caiga a 15.
DA dp brtni pardo a la,' iaoo e i mi.
Ditos de casemira preta a 5000.
Caigas, paletots colletes Je tedas "as qualidades
e pregos.
Na loja ingleza do Passeio Publico.
46
"500
.
0
iSQOO
6ff000

FOGOS,
Para auto Antonio,
*. Joao
S. Pedro.
Grande deposito de fogos arlificiaes para os fol-
.'uedos de senhoras e enancas nos das de Santc
Antonio, S. Joao e S. Pedro, a sabir: pistolas
brancas de 3, 4, 5 e 6 balas.ditas coloridas de 3, 4,
5 e 6 balas, rodinhas brancas e cloridas fontanas,
craveiros, chafarizes em ponto peqneno, rodinhas
com illuminarao rolorilas, fogos oe bengala.fogos
do ar de i e 3 bombas, ditos de bomba rea>, tan-
ques chinezes,'baloesanh'S de 3 e 4 palmo?, pro-
prios para soltar ero varanda com espirito de vi-
nho ou mesmo gaz, alem de oulro maior sortimen
to que s com a vista do comprador : na ra Di
reita n. 53, loja de Lenidas Tito Loureiro, amiga
loja do Braga.
VIVA S. JOSO
Rna Diretta u. 53.
Completo sortimento de facas e garfos de baan
go de t e 2 bornes, bandejas chinezas com lindos
esmaltes, culheres de metal de principe para cha
e sopa, trens para cozinha, salitre, bren, barbante,
enxofre e papel, alem de nm completo sortimento
de ferragens, miudezas, cnlihleirias, maclimas pa
ra descarogar algodao, mninbos para cafe, etc..
tudo por meno preco do que em ontra qualquer
parle : na ra Direila n. 53, loja de Leouidas Tito
Loureiro, aniga loja do Braga.
mENe&o
Em casa de Mills Latham de C. ra da Cruz
n. 38, vende-se sabio inglez de diversas^qualida-
des
A economia las fa-
milias.
Acaba deabrirse de novo a loja e armazem da
Arara, na ra da Imperatriz n. 72, que tendo con-
cluido todos os si us negocios commerciaes ; ago-
ra vai fazer orna liquidagao de todas as suas fa-
zemtas sem reserva de precos, s com o fin de
liquidar ; por isso se convida a todas as Camilas
para mandar ver as amostras de todas as fazndas
par ver as qualidades.
A SABER :
Alpacas de cores p.ira vestidos, sedas de cores,
atoalhado de linho, bramante de linho, organdis de
cores, cassas francezas linas a 240 o covado, chi-
tas francezas escuras e claras a 240, 280 e 320,
grosdenaplos pretos de todas as qualidades, lit
branco liso e lavrado, brim pardo a 500 o metro,
brn branco de linbo tino, gangas para caiga a
320 o covado, castor para caiga a 160 o covado,
casemiras prelas para caigas, pao fino preto de
todas as qualidades, casemiras de cores, roupas
fetas de todas as qualidade?, paletots de ganga a
25000, ditos de brim a 2000, ditos de alpaca a
25000, algodao a 45100 a pessa, madapolo a
55, cobertas de chita a 15, cobertores de algodao
a i400 e outras muitas fazenda que se vendem
sem reserva de pregos, para liquidar.
Na frente da leja ter dous letreiros com letras
encarnadas exi que diz liquidagao, que principiar
hoje.
Vende-se boa farinha de mandioca em sac-
eos com dous alqueires, e colla do Rio-Grande dn'
Sul. no esenptorio de Jos Victorino de Rezende
& C. : ra da Cadeia n. 52.
CORTES DE SEOA
O Cysne ra da Imperatriz n. 64, acaba de re-
ceber pelo ultimo ^aper lindos e modernos, cortes
de vestidos de seda prelos e de cores, lisos e mati-
sados, os qoars vende por pregos mdicos.
Rival sem segundo,
iw* r<*iUlrtJ iO#\!%* *. i
s (Anfigawia do Beimado)
Contina a vender tudo muito boon #
muito barato a saber:
Quadernos de papel paqueno a. .
Libras de areia preta muito boo. .
Tesouras finas para untos e costu-
ra a......., .
Papis de aguljias francezas a ba-
13o a. ........
Caixas com seis saboneles de fruta
Libras de I lia para bordar de lodw
as cores a .......
Caivetes finos para aparar penae
lapis a 500, i e.....i UJOO
Carriteisde liha Alexaodrea. 00
Frascos com azeite para machinas K>0
Grvalas de cores muito tinas a 00
Crozas de boles madepersla 15-
nissimos a ...... BOO
Pares de luvas de cores muito fi-
nas a 320 e....... gjrj
Novello de linha de 400 jardas a. 60
Caixas com 100 en ve I o pes muito
superiores a ...... 600
Pentes volteados para meninas a. 240
Tinteiros com t rita prela a 80 rs. e ,100
Pecas de fita elstica muito fina,.a 200
Lata com superior banha a loO e. 200
Frascos de oleo Phirocomo muito
fino a. ,........SOO
Ditos ditos dito grande a. I000
Frascos de macag perola a. 240
Frascos de extracto muito bonitos a oOO
Duzia de sabonetes muilo finos a. 720
Saboneles inglezes a 600 rs. e. 15200
Frasco com agua de colonia Pivera 500
Dito de oleo baboza a..... 500
Caixas de lamparinas a. SO
Sabonetes a forma menino muito
superiores a....... 240
Cartilhas da doutrina fiz"tida nova a UO
Libras de linha surtidas de todos js
nmeros a.......bi)
Duzia de pomada do Porto muito
superior a....... 2fc0
Ilabados do Porto, largos a 160,e --<
Capachos muito bonitos e grandes a 7 i
Carriteis de retroz preto, com '2
oltavas a........ WO
Agulheiros de osso enleiudns a, 21-j
Libra de linha franceza superior'
qualidade a.......2#40)
Caixas de palito o gaz a. 0
Bnnecas de cera muito bonitas de
500 rs. ........25000
Antonio Jos Sarment de Benevides e seu ir-
mao Lniz Jos de S Benevides, moradores e nego-
ciantes estabe'ecidos com loja de fazndas na ra
do Commercio da cidade de Souza, provincia da
Parahyba do Norte, fazem sciente ao respeitavel
Sublice e especialmente ao corpo do commercio
as pragas do Recite, do Cear, que de hoje em
di ante se acham associados e mutuamente obri ga-
dos perdas e ganhos, coniratosje obrigagSes ten-
[ denles mesma sociedade, que gyrar sob a firma
Sarment de Benevides Irmao. Cidade de Sou-
|za 21 demaio de 1870.
Vende-se a armario da loja de fazndas da ra
da Imperatriz n. 3fc, denominada Gartbaldi pois
se terna recommendada pur ser muito grande e
ter proporgoe para um grande ectabeleciineato de
tratar na mesma ra n.
; quaiqier naluroza :
71, loja da Arara.
Fogos chinezes
. E de diversas qualidade?, vende-se por meaoe
do que ero ontra qualqaer parte fogos para se-
nioras e meninos migar: na ra do Hospicio nu-
mero 26._________________. s
Vfcudem-a as casas novare odrtrMBS-
51 e 53 ra Augusta, a de a. 36, ssobradada, i
ruada Alegra, e a de n. ra dos Coelnos
janto ao sobrao : a tratar na rna do Mondego,
olark B. 13.
Veadaoi>86 3 escravaa com iodt a habili-
dades e tea Conducta, 1 liada iulalir>h da idade
12 auaoe, um bom scravocarrairo, l do ferrei-
ro, 1 dito, para todo servico ; na travessa do Car-
mo o. t. '-'
Para & JoSo^
Vendfe-se massa secca para bolo?, tanto em por-
eia como o wuMre a mais era feita qn ge poda
na aeaconheotfa caaa da abobada ta
'enr
I
GRANDE NpVIDADE
PARA AS XOUTES
DE
K.-inio Antonio K. looeS6. Pedro
Grande sortimento de fogos artificiaes
nunca vistos nesta provincia, nao s por
serem de paiz estrangeiro, como ta'mbem
por serem todos de novas espe ialidades,
como sejam para soltar-se sobr'agua etc.
Acham-se venda na ra Nova ti. 20 na
bem ennhecida e acreditada luja de Almei-
da & Vianna,________________________
Livros de sertes
Oraewlo de Oetfer, o melhor _que tem appareci-
do, Livro dos Destino?, Pacotila Potica, Revela-
goes do Cigano, o Fado, Orculo das ogas, qnal-
quer a 12 : na ra da Cruz n. 52, livraria ee
clopeoHc.
ATTENCAO
Carne do sertio muito nova, Manteiga franceza
a 720 rs. a liBra, dita ingluza a U300 tllOO, 900
e 800 rs. : o* camba do Carmo u.i. equina da
rua_4as flore, .armaaeip de Si^ueiraA Irmp.
Engommadeira
Vende-s ulna crio o la de 98 aonos, robosta, fiel
e sadia, eagpnuna perfeitanjeate, eozinha,- lava e
epaa sostura ha ; o mcvo da venda *e dir ao
corapradr rte do Matto?, ru do Cdorpii
x\-+ m A T7 rifinu -i? .___.------numere. .' -" 2 uau-s amostras na rna ao uespi
ejj*fc ab e ^rxif hr^isM^
Farinha e niilho
qualquer parte
ma banto do que' em
DO trapiche Cunta
outra
Vede-se taberna da ra
tratar na mesma.
da Soledade n. 46
Fazndas b ratas com
t qu deavaria.
A' riut do Crospo u. 35. i
Chales de cassa bordados a I.
Cambraias braucas victoria de n?. 12 a '
20 a 3 e :iri00 a pega.
Madapolo fino a ioOO, 3, 5^300 e
GOOO a pega.
Agodozinho a 3000 a pega.
Algodao trangado branco americano a
560 rs ajara.
Algodao amecicanode listras para rou-
pa de escravos a 240 o covado.
Algodao azul com i aovados a o a
peca.
Cambraias matisadas de cores a 280 o
covado.
Musselinas brancas a 100 rs. o covado
Basquinas de grosdenaple e gorgnro
de seda ricamente enfeitadas a 18000
cada urna.
Chitas matizadas claras e miudinhas a
240 e 280 o covado
Lengos branoqs linos, urna caixinha
contondo -urna duzia. por 2300.
Cortes de cambraia de barra com duas
salas a 6 o corte.
Do-se amostras na ra do Crespo n.
25, loja de Manoel Dias Xavier.
IIS
FOCO&
H.
os t
Para Santo Antonio.
*. Pedro.
Na muito conhecida loja de ferrgens na rna No-
va n. 39, de Souza & GuimarSes, acha-se um bri-
do e variado sortimento da todos os fogos artill-
ciaes dosmelbores fabri;antes desta cidade, coji-
tenda rodinhas, pistolas de todos os taraanbos,
brancas e de cores, craveiros. illuminago e tra-
ques, etc.; assim como um lindissimo e variado
.sortimento de fogos chinezes recentemente cheg-
dos, proprioa para criancas, os quaes podem ar
sollados em sali. Avism mais que existe tarn-
bem urna grande i|uanfidade de sortes de todas is
qualidades, como sejam, sortes com eslampas, ditis
sera estampas, ditas em cartees com pergunla e
respo>ta, ditas em livros, tudo por pregos muito
commodos, que admira : na i ua Nova n. 39.
Grande pechincha
Na ra dn Duque de Caxias. antiga ra do
Queimado n. 19, vendem-se alpaca de todas as
cores e lavradas pelo prego de oOO rs., chitas de
bons pannos a 240 r?.; assim como tem ricos
cortes de cambraias bordadas de cores a 75000 o
corte com 10 varas, baratissimo.
i m
A ra do Duque (ANTIGA RA DO OUEIIdDO)
Nao foi sera fundamento que a NOVA
ESPliRANCA tem deixado de fazer os seas
annuncios, a razo simples, lia entend
que tudo em demasa aborrece... por isso
como j tinha dito e scientiticado ;i sua boa
freguezia o que constantemente i.i rec< ben-
do, ou tivesse feito muitas vezes, recek i
tnrnar-se macante, assim pois recoll eo-
um pooco ao silencio, mas nunca deixando
d'empregar os verdadeiros esforcos, j con-
tratando maior .numero de corrospondentes
na Europa, j deseobrindo i.bjert.'S domais
apurado gosto e finalmente assignnndo o
Jornal das Familias, o qoal ven sempre
ornado com figulino, mi demos moldes pai
vestidos etc.. etc. para desta fi rma mfti'>:
servir a sua constante fregaezia ; e com es-
pecialidade ao bello sexo, qucm a \('\ i
ESPERANCA ufanase em oferec
seus stfrvicos, apressandn-se di sde j ere
declarar que tem decebido uliimami,.
entremeios e babados bordados ttanspare; -
les e tapados, chaposinbos de siiim para
baplisedos.
Finas toncas de cambraia bordada para
o mesmo im.
Meiasde seda e fio de escocia para enar-
cas.
Dedaes d'osso, marfim, ajo e madrepe-
rola.
ptimas navalha, afladores emassa pera
as mesmas.
Finas esponjas para o'rosto e para ba-
nbos.
Bonitos sapatinhos con Wqneira, sendo
com salt i, para meninos e tnenmas dedois
a doze anr.rs.
Bas lentos -com cinco ncelimctros, par
couiar-se os fios de qualquer fazenda.
Tesouras para frisar vejuidos.
Carretas para tirar moldes de vestidos.
Mollas para segurar costuras.
Bonitos tinteiros de novos moldes,
Meias de la para homens e senhoras.
Finas e bonitas iigas para meias.
Fil de linho e de seda, sendo preto e
branco, liso e de salpicos. e outros moKos
objectos expostos a venda ra Duqce
de Caxias n. 21, na NOVA ESPERANCA.
abo Talcatro.
Vende-se na ra Duque de Caxias n. -i.
PARA LUTO.
Brincos, broches, volts, puleiras, fivel-
las, pentes, botes para pimhos e cadeias
para rologios.
A NOVA ESPERANCA. querendo satisfa-
zer sua freguezia, naosmente em objectos
d'alegria ou de luxo. quer lambem acom-
panhar aquelles. que infelizmente perdendo
alguem de sua familia, ou agtiem de sua
amjzade, precisam de taes objectos, assim
pois a NOVA ESPEBANCA, mandou viro
que ba de melhor neste' genero, porque
sendo taes objectos de cor negra, sendo
de m qualidade, nao somente tornaro-se
tristes como at repugnantes, o que n3e
acontesce aos da NOVA ESPERANCA. p que apenas exprime o sentimento pela cor
porem como que traz um lenitivo pelo gost<>
e perfeiglo com que taes objectos s5o tra-
bajados.
Fazcudas baratas coji
qfte de ararla
RA DO CRESPO N. 25.
CHALES d mer n. lisos de tedas as co-
res a 800, Ij, 14800 e t$ cada um.
MADAPOLO algodao, chitas e cam-
braias brancas.
DO-SE amostras na roa do Crespo n.
' Vende-s? nma taberna na ra Imperial n.
!7 : tratar n ni?sr:.a.
Joaquim Rodrigues Ta- ^
vare< de Mello,. *
^ fraqa dti Corpo Santo n. 1'
TEM PARA VENDER :
Cal de Lisboa.
Potassa paRus8&
Vinho Borde;:ux.
Fajello de Lisboa.
0 Farinha de MMr;
FARINHA
Vndese farinha muito boa chegada bootcn,
em saceos grandes e panno da fabrica da Baliin,
nos rmateos da eompanhia Pernambncana: a
tratar no mesmo e-na roa, da Cadeia, casa n. L,
com Jos Goncalves Torres.
r
I

bl


tm
Diario de Fenambuco

o Sabbato 18 Je Junho de 1870
i
A
Rna Duque de Caxiasn. 55
Na loja da VERDADE continnoa-se a ven-
der por baratissimos presos todos os Hi-
gos de miodezas e perfumaras do sea
grande e variado sor tmenlo, garant ndo aos
compradores toda a sinceridade. *
Lindas bonecas de cera e massa por ba-
ratissimo preco.
Espelhos doorados para pendurar a
160 rs.
Agulhas de osso para crox a 200 rs.
Pentes finos para segurar cabello, a
320 rs.
Chamins para gaza 320 rs.
Garrafa com tinta alizarine a 1(5000.
Dita com agua florida a 4 1500.
Dita com dita dita a 40r0.
Tnico de Jayme a 15500>) frasco.
Frasco com oleo expresso de babosa, de
240 a 640 rs.
Dito com agua de Colonia de 300 a 1(5000
Dito com extractos finos a 1(5000.
Dito com sndalo verdadeiro a 1(5200.
Latas com banha murto fina de 120 a
240 rs.
Sabonetes mnito finos e diversas cuali-
dades a 80, 160, 240 e 320 rs.
Finas escovas para dentes de 320 e 500 rs.
Ditas para fado de 500, e 600 rs.
Ditas para cabello a 500 rs.
Pentes para alisar com costa de metal a
320 rs.
Ditos ditos ditos de bfalo a 240 e 320.
Pentes para tirar piolho de 160 e 240 rs.
Parios para gaz,dazia a 240 e 320 rs.
Brincos de cores, inteiramente modernos
de 160 e 240 rs.
Pennas caligraphicas mnito finas a 15400.
Ditas de lan?a e maosinha a 800 rs.
Lindos babadinhos e ntremelos de 500
e 1.5500.
Grosas de botes de louca de 160 e
200 rs.
Ditos ditos para cal?a a 240 rs.
Caixa com papel amizade a 700 rs.
Ditas com envelopes a 480 rs.
Ditas com brelas a 40 rs.
Ditas com agulhas fundo doorado a
280 rs.
Thesonra para costara a 240 rs.
Linha de marca caixa a 280. rs.
Carriteis de linhas de Alexaodre de n. 70
a 200 a 10 rs.q
Grampos muito finos, com passarinbos da-
ziaa 290 rs.
Cartas francezas para jogar dnzia 35000
Ditas porluguezas, duzia 100
Papel almaco superior qualidade resma
4,5000.
Lam muito fina para bordar libra 65500
Fitas para debrum de sapato, pessa 160 rs
Ditas de lam para debrum de vestido peca
400 rs.
Caivetes gr-ndes com molla a 400 rs.
Ditos grandes com 2 folhas por 320 rs.
Rosetas pretas para luto, o par 100 rs.
Trancas de lam de caracol branca e de
cores de 40 a 100 rs.
Fitas para cs, peca 480 rs.
Alfinetcs de lato, carta 100 rs.
Sapatnhos de lam para creanca de 400
a 800 rs.
Calcadeiras a 40 rs.
'Grvalas de seda prelade iOTre"800Krs.
Ditas df croxf, briacai e decqns 500 rs.
Dita de gorgnro de eres a 8$ rs.
......-.i......a nji ii......-
Cantan 'Je Lisboa
Soleira?, htobrelras e espitis para frentes de
casas, cujue ha de melbor : venda no arma-
zem da%avessa doCorpo Santo n. 25, e Joaqtiim
Lopes Maebado A C__________________^^
Vendem se diversos eseYaros pe$as Viudos
do Cear, proprios para engenhp, as&im como
ama eabrocha por 1:000*. de 18 aanoi de idade,
bonita figura, est ura poce descorada de rilda
de, e diversas mulatas com bibil
na roa da Gnu n S, I aatar.
a tratar
irmos
* nada PenhaH
Manteiga Infera soperior a 1*800 a libra, ilem
fraDceza a 800 rs., cha minde> bom a 3*200, Mem
grosso a 31, velas de eai ermaoete a 640 a libra,
caf em caroco bom a 200 e 240 rs., loosinho a
400 rs., lalarim, raacarrao e alelrt a SOOrs., qnei-
jos frescos a 2*500, dem prato a 1* a libra, Traho
em pipa a 400 rs. a garrafa, dem S. Julien Me-
doe a 640, grandes lalas com bolactainbas a 1*400,
lagustinhos a 600 rs. a lata. Naste armatem ha
sempie grande deposito de gneros de primeia
qualidade, e vendem-se a precos mnito reenwnos.
DE OHRO
-r*-
-
LOUCA
brande armazein na roa da
Imperatrlz n.
Neste grande armazem vende-se lonca maleza
finas e ordinarias, apparelhus de porcelana gara
jamar e para cha, jarros para flores os mais boni-
tos e de gestos modernos ; assim como grande
s o rt i ment de vidros finos e ordinarios, (pe.todo
se vender tanto a retalho como por atacwo palo
mais barato proco que em outra pualqner parte :
chamamos a altencao dos freguezes, que serao
convenientemente servidos tanta nos commodos
precos como na boa Qualidade da aatndas.
Grande a8.tabelefiiHento de tandas e roppas felts e por medida, roa da Im-j
peratrk n. 52 junto a loja de. oorivei.
Neste estabelecimento encentrar o rWpeitkvel publico am bonito sortimeato de
roupas de toda* as qualidades.
Palitot de alpaca preU e de cores a SfOOO, 30860 70000, ditos rairin preto
de750OO at 25500Q,\ditos de oasemira de cores finas e ordinarias, de 6(5, 165000,
ditos de panno finos de 65 85 WI e 2f 4000, sobrecasco dito de 205 a 505000
Completo eertiraento de caifas debrim pardo de 15600 a 65000, ditas brancas
de 8, 4,101090.0 mais superior, ditas raeia casemira. ditas casemira de 55, 125000,
ditas casemira preta de 6#, a4^40OO superior, dita de merino diversas qgalidades para
luto. Assim como um, bonito lortimento'de colletes de brim de cores, dnos brancos,
ditos de casemire-de cores e freais, ditos de merm para tato fazenda snperior.
SorUmento completo de camisas francezas de algod3o, de 15600 34000, e de
linho de 384000 a 7Q0OOO a duzia.
Sortimento completo de ceroulas francezas de algodo de 14600 a 24500,
ditosde bramante,a 44800< 25300 e 34000, perior de 254000 a 354000 a duzia. Sortimento de colarmbos de algodo e linh, etc.,
assim como meias de algodao para homem de 34, a 104009 a dnzia, grvalas de mal-
tas gnaUdades. Na ra da Iaperatnz a. 82, loja do
Sortimento de chapeos de sol de atpae, e-sed*, di*mtfnes cabo de mar.
Toalhas para rosto. Sortimento de mallas para viatem.
AlTENCla ,?______
Nest eslMeaJtnento encarrega-se de mandar fazer qualquer obra por medida
Verdadeiro americano cada orna caixa trnta
e cinco mcias duzias de villas, ou 310 vellas, por
trinta e cinco mil res. No armazem de Tasto Ir-
roaos k C, rna do Amorim.
Madapolio encorpado proprio para saias e len-
Sw, pecas cora 20 varas, por 6* : na roa do
aspft.n. K, loja da esquina.__________
Pcchincba a"I e
MCHUS PABA
CflST
Cigarros da imperial
fabrica de S. Joao
de Nictheroy.
nico deposito em Pernambaco caes da altan
dega velha n. 2, 1 anda
e para esse fita teto hbil mestre encarregado da officina, que se encarrega do irabalho
com perfeicao e pontualidade.
. SffiTIMENTO DE FAZENOAS.
Chitas d 240M. o'cdtado oa 104000 a pessa com 42 covados, ditas miudcs
para camisas e timSo de menino 960, e 280 rs.. e ontras mnitas quahdades de 320, 360
e 400 rs. o covado, neste mesmoestabelecimento ehagaram, urnas bonitas chitas da
victoria com barra, a (jfyal para flhos ecompetente enfeite para corpinho. Cam-
braia lisa de 34i, 44,5| e 10400 a peasa, e outras maltas fazendas de todas as quali-
dades.
ALGODAO B MADAPOLAO AVAW.AD0.
A 44000 o lgoifio.e 44800 omadapolSo, e tambem;chita escora boa 240 o
Acabam de cbigar.ai GRANDE fii^M
UNIVERSAL, tua Nova n. 2*-Hift.RR*n
vunnaom completo sortimento de ma-
chinas para costura, dos autores mais co-
ndecidos, as quaea estSe em eiposicJo no
mesmo Bazar, garantindo-se a suabt qua-
lidade, e tambera ensine-se com perfeigo
a todos os compradores. Estas machinas
alo igoaes no sea tratoalbo ao de 30 costa*
reiras diariamente, e a sua perfeicao tal
como da melbor costareira de Pars. Apre*
sentam-se trabalhos eieentados pelas mea-
A 5000
?ende- calcado fraoeez bra muito boa pelo
diminuto preep de 7* e 9*, assim como calcado
Pa criaaaai a 3*, baratUsime ven"
antes qpese aeabem, aabem ,
iwudezas da rna da Cadau
roa da Madw d Dees.
m com catcaao
nevenen. el-
OIipKll
amo,
Caes
Vinte e doas de novembro
(odtr'ora armazem alliaaca)
Ha para vender pedras raarmores de todos os
lmannos e groSMiraa, lijlos de diversos ta-
covado por ter graade porto, na rna da Imperatrlz n. 52, loja com portaos encarnados, manhos, soleiras saocada, atann cono aofet-
mtituli.ln ; ras e saccadas de pedra de Li
Imperalor n. 26
0 respeitavel' publtcd ipncontrar neste
estabeledmeoto darjamette am completo
sortimento de pastelaria,' bollos inglezes
podins, p3ds-del, prgsentos dos ujUmoe
ebegadoe m mercado, ealame de lion, ee-
liahus finos de todas as qualidades para cha,
intitulado

Leao de Ouro.
mas, que muito devem agradar aes preter- amenioa* caeitao>s, cenfttlos, bomboins,
dentes. pastilhas, chocolate francez em libras, pas-
lilhas do mesmo .cartoxos e carteiras com
seis charutos de chocolate cada otea, este
sortimento da chscolate do mata acre*fca-
do fabricante de Pars e o meleor qne ato
boje tem vindo ao mercado.
Vnoos portugttezes, figueira mnito supe-
rior. Os mais anuinos e soperiores vinnoa
do .'Porto, moscatel e Setobal, o Ilustrado
Publico encontrar neste estabelecimento
por commodos precos, fazendo-se abatimen-
to a quera comprar em porcSo.
Officina e armazem de
maimore
n. 57,
pedra de Lisboa. Tambera con-
trata-se e faz-se qualquer obra, como monamen-

Vendem-se duas parelbas de muas (bichos),
mansas e muito' bonitas, proprias para carro, che-
gadas ha pouco do Rio Grande do Sol, as qnaes
estao na cocheira do Sr. Joao de Dos ra do
Imperador, aonde podem ser vistas : para tratar
com Jos Victorino de Rezende & C, ra da Ca-
deian. 52.
Aos cem mil azulejos
Portugueies, hespanhes e franceies : na ra
Primeiro de marco n. 16, ontr'ora do Crespo, ar-
mazem de louca de Rernardino Duarte Campos
d-C.__________________________________
Caf do Ceara"
Vende-se ptimo caf da serra d'Arata-
nha, Cear: ra da Cadeia do Recife
n. 5._________________________________
Attencao
Fogo fogo e mais fogo
No largo do Carmo n. 4 existo o verdadeiro
fogo artificial fabricado fra da cidade com licen-
ca da cmara municipal: no largo do Carmo nu-
mero 4.
Na mesma casa vende-se massa secca para bol-
los de Sao Joao.
Estampilhas.
Vende-se na rna da Cadeia do Recife n. 58, loja
de azulejo.
LOJA DOS ARCOS
tos, tmulos, estarnas, pias, lavatorios, mesas e i t -.SI__j. ,j *" JTXI- __ '
todo o mais iendente i mesra arte, por raodieas L^406^8 de ,das a,8 qaabades, as maia
'prjcos. __________________-___________Jias, entre elles o afamado Aiapana, este
licor o mais saboroso e superior, at
Xaropes de groselhe, rosa.
vende-se ou troca-se por catas nesta praca,
o sitio denominado dos Boritiz, antiga casa da la- hoje COnbetido.
1 vagera de ronpa, cora grande casa de yivenda, macacuj, caja etc., .vilOS de Cordeaox de
grana
ribaria
' senzala para pretos, estribara, banheiro de pedra
1 e cal cera agua corrente, baixa para capim e
i grande terreno para plantacoes : quera o preten-'
' der dirija se praca da Independencia n. 33.
uA/i uA uA
11 u a (10 Urespon. Z A. Chegou ao antigo deposito de Henry Forster *
xLLVarO AngUStiO & AJUl&lCicl ^ U, de'primeiraaiialidadejqualsevendeempartlliju
Este estabelecraeoto de fazendas finas e grossas j bastante conhecido como mercarte ^ men9 ^ ioqa*m 0Btf* ^
am dos mais bem sonidos desta cidade acaba de receber directamente de Pars alguns i v d
artigos especiaos que passa a mencionar.
Ricos cortes de vestidos e blond para casamentes.
Cortes de vestidos de seda de cor, de gostos inteiramente novos.
Brochad, fazendas de la e seda propria para vestido.
Foulard de seda de todas as cores, tambem para vestidos.
Fitas largas de seda para cintos, gostos escoceses e lisos.
Chapelinas de seda e de palha d'Itaa.
Basquinas de seda e guipare.
Colchas de seda e de 13a e seda.
Cortinados de eambraia bordados mnito ricos.
Pannos de verdadeiro croch para jardineiras, sof e cadeiras.
Toalhas de linho de superior qualidade.
Bramantes, selicias, sguioes atoa'.hados.
Guardanapos, colchas, aaias bordadas camisas,
Cache-nez, bales, cambinbas, sombrinba.
ie-se um terreno proprio, cora 138 pal-
mos de frente e 160 de fundo, para o lado da es-
trada de ferro, cujo terreno tem a!:cerce feito pa-
ra cinco moradas de casas, na ra de Motueolom-
; b dos Afogados : a tratar na mesma nra, oa na
rna Direita dos Afogados n. 13. ____
CEMENTO
PORTLAND.
Vende-se no armazem araareilo de Vicente Fer-
reira da Costa & Filho, defronte do arco da Con-
eoicao. em barricas grandes
Tasso Irmos & C.
j Vendem oleados pretos para forro e guardas-cha-
va de carros.
Madapoioesde varias quaidades, sa:cos para viagem, mallas, tapetes, capa- portas do pioho aimofadadas, tamanhos diversos,
chos, alcatifas e muitos outros artigos que se vende por pregos mdicos. Cadeiras americanas de varias qualidades.
Tem tambem constantem2nte um completo sortimento de ESTEIRAS DA IN- tTonico Para cabellos.
DA para forrar salas. i^ana de Florida.
" v* Machadrahas americanas.
todas as marcas, e mais superior que se
pode encmurar, champagne de Chevernt
mnito Baperwr, os mais fines e superiores
cognacs franceses, old-tom, de todas as be-
bidas alcuosas, este a mais salular para
quera soffre do estomago,
Conservas de legumes, portuguezas, fran-
cezas e inglezas, mlbos mostrada etc.,
fructas seccas cristalisadas e em calda, na-
ciemaes e estrangeiras de todas as qualida-
des, charutos dos mais acreditados fabri-
cantes da Babia e Rio de Janeiro, cigarros
de S. Paulo e Rio de Janeiro, mnitos su-
periores, e finalmente todo qoanto se deso-
jar tendente a este genero de negocio com-
prometemo-nos a satisfazer toda e qual-
quer encommenda com a maior prompdo
e asseio : Como sejam para cae-amentos,
baptisados baiies etc., tambem se recebem
encommendas de pes de l ou bollos de
qualquer especie enfeitados e decorados,
bandeijas de bolinhos com armaco de as-
sucar, assim como de papel, pecas monta-
das, gellatinas de fructas, arcendoas, leite
etc..
Os donos deste estabelecimecto no se
tem poupado a despezas para melhor me-
recerem a acoadjuvaco do Ilustrado pu-
blico.
60RA DA IMPERATRIZ
DE
liVA, UGUUERjEDO c& CJ.
Neste grande estabelecimento encontrar o respeitavel publico, um grande sortimento de fazendas, do mais apurado gosto assim como de todas as de primeira necessidade que se Ibes promette vender por precos moito mais baratos do m outra qualqoer parte, visto que os novos socios desta firma adoptaram o systema de so vennderem 3>!\!IJ:r.lO ; para poderera vender pelo costo, limitndole apenas a ganharem o descont. As pessoas que negociara em menor escalla, nesta foja
que compram as casas estrangeiras. Para maior commodidade das Ermas. familias, de todas as fazendas se do os livros das amostras, ou se mandara levar emjsuas casas, para melbor po-
e armazem poder5o fazer os seos sortimentos pelos, mesmos precos
derem escolher.
g ALTAS NOYIDADES
g DO PAVlO
. BONITAS FAZENDAS PARA A FES-
m TA DE.
0 SANTO ANTONIO, S. JOAO E S. PEDRO.
X Vendem-se as mais linda- ponpeli-
S as de linho e seda com os gostos
mais novos que tem \jndo a este
^ mercado, pelo barato pre?o de____
jg 2.5000 o covado.
je* Sedas listradas, de farta cores, fa-
zendas ae muita phantasia a 2)5000
o covado.
Seda bismark, larga fazenda mnito
encorpada o covado a 25500.
Bonitas laasinhas largas com palma
de seda, covado 15000,
Lindas agraciando lavradas covado
a 15600.
Alpacas lavradas de todas as co-
re?, covado a 6i0, 800 e 15005
Bonitas laasinhas escossezas com
quadros e litras de seda, covado a
M).
Finas alpacas lisas, sendo cor bis-
mark lyrio, verde, roxo, cinza, can-
oa, azul etc., covado a 610.
Ditas furta cAres com as mais bo-
nitas c6res, covado 503 rs.
Lindas bareges lisas, e com lista
da mesma cor, fazenda inteiramen-
te nova, covado a 560 e 640 rs.
Booitas laasinhas tapadas e trans-
parentes com grande diversidade, o
covado a 600 rs.
Laasinhas lustrosas com lindas co-
res emitacJo de seda, o covado a
320.
bindos cortes de anadine, sendo
fazenda nova e transparente e de
muita phantasia, com 18 covados a
15i9000.
Finissimos crtes'de vestidos bran-
cos bordados cora todos os enfeites
francezes a 125000.
'Cortes de ganga indianos, fazenda
inteiramente nova a 75000'
Ditos cbinzes com duas saias a
75000.
Ditos de lie escoseeza fteenda mui-
to b mita com os de sedaa7 Fusimos organdyseom lista de
cor e salpico, senuo fazenda de
muita phantasia, o metro 15230.
O.rgandy branco com listras lar-
gas e qadrinhos, a vara a 15000.
Todas estas fazendas, sao inteira-
mente novas e se vendem muito em
coma, ra da Imperatriz n. 60,
oja e armazem de Silva e Figuei- S
do & C. gs
de 125000 rs. cada um, pechincha.
CASEMIRAS ESCOSSEZAS.
O Pavo tem bonias casemiras escosse-
zas com quadros grados e midos e outras
lisas com listras ao lado, sendo fazndo
muito fina que se vende mais barato, por
haver grande porcao.
CORTES DE CASE VIRA PRETA A 4:500,
O Pavao tem os superiores cortes de ca-
,' semiras pretas enfeitadas pelo barato preco
de 45500 rs. o cort,
CASEMIRAS RASPADAS A 8C0 RS. O CO-
VADO.
O Pav5o vende excellente fazenda de pura
la com as cores escuras muito proprias
para caigas, palitots, colletes e roupa para
meninos que frequentam a escolla por ser
urna fazenda leve, escura e de muita dura-
cSo, pechincha a 800 rs. o covado ou a
25800 o corte de calca para homem.
FINAS BA,REGES A 640 RS. O COVADO.
O Pavao tem as mais lindas bareges de
13a sendo meias transparentes, com urna
so cor, tendo : lyrio, azul, rosa. Bismarek,
roxo, etc., tendo muito boa largura e liqui-
da-se por 640 rs, o covado, por se ter fei-
to uma grande compra, assim como ditas
mais estreitas de uma s cor com listras
im tacan de seda a 560 rs. o covado, e pe-
chincha.
PECAS DE MADAPOLIO A 35500.
O Pavao vende pessas de moito bom
madapolo, tendo 12 jardas cada ama, pelo
barato preco de 35500.
PECHINCHA EM ALGODAO A 4*000 RS.
O Pavo est vendendo pecas de algodio-
sinho francez, tendo 4 palmos de largura e
com 11 metros cada peca, pelo barato pre-
de 45000 rs.
CERA DE CARNAUBA.
Vende-se Superior cora de carnauba era
saccas, mais barato do que em outra qual-
quer parte, na ra da Imperatriz n.|60,
loja do Pav3o.
OS SETINS DO PAVO
Vende-se es mais bonitos setins de cores
e mais encorpados, proprios para vestidos
tendo de diversas cores.
CROCHE'S PARA CADEIRAS E SOFA'S.
0 Pavo tem um grande sortimento dos
mais bonitos crochs para cadeiras, sofs
mesas, almofadas etc., proprios para co-
brir presentes e vende-se mais barato do
que em outra qualquer parte.
Algodo entestado.
Vende-se ama grande porcao de algodo
sinho americano com 8 palmos de largura,
GROSDENAPLES PRETOS DE 1600 ATE 7/000
Na loja do Pavo encontra- o respeitavel
publico um grande sortimento de grosde-
naples pretos de todas as larguras e qua-
ROUPAS PARA HOMENS PARA TODOS
OS PRECOS.
N'este grande estabelicimento encontrar
e 85000, que se vende por preco muito
em conta.
CASSAS FRANCFZAS. '
Chegaram para a loja do Pavo as mais
proprio para lentes e toalhas, tendo liso e "3 ?"I lf*%\ com ?elicado8 W"
trancado; que se vende por preCo mnito em tZ' SSLS?.8J)l,preC0S ? qUa'"
pnnl* l v dades, dando-se todas amostras, sssim como
um Bonito sortimento das ms lindas chi-
panno preto e cazeraira, calcas e coletos de
conta.
LAS ESCOSSEZAS
LAAS ESCOSSEZAS
' LAS ESCOSSEZAS
A 560 rs. o covado.
Chegou para a loja do Pavo, o mais
elegante sortimento das mais lindas lazi-
nhas escossezas com fios de seda, as qnaes
fazem o mais delicado elleito, para vestidos
de duas aaias, e vendem-se pelo barassi-
mo preco de 560 rs. o covado.
SEDAS DE LISTA
SEDAS W LISTA
SEDAS DE LISTA
a 25000 o covado.
Chegou para a loja do Pavlo- um grande
e bonito sortimento das mais lindas sedas
de listas com as mais delicadas cores, tendo
entre ellas.algumas que servempara luto, e
vendem-se pelo barato preco de 25000 o
covado, pechincha.
FAZENDAS PARA LUTO NA LOJA PAVO
Encontra o respeitavel publico neste es-
tabelecimento om grande sortimento de fa-
zendas pretas, como sejam cassas france-
zas e inglezas, chitas pretas de todas as
qualidades, fazendas de la de todas que
tem vindo, propriae para luto, sendo laasi-
nhas alpacas lavradas e lisas, canto, bom-
basinas, merinos, etc. que todo se vende
por pre$o barato.
PARA BAPTISADOS
Na loja do Pavlo vende-se bonitos en-
chovaes para baptisados.
Certes de casemira a 41100, cada ara.
Vnde-se bonitos cortea de casemiras
claras e scaras pelo-baralo ptece de 45,
ou a 25400 o covado, tendo das larguras,
CORTINADOS PARA CAMAS E JANflLLAS
de 85, 105, m e 465000.
Chegou para a loja do Pavo om grande
sortimento dos benitos e ricas cortinados
bordados, proprios para canas e jaaeHas,
que se vendem de 85O00 o par. at o mais
rico que tem ao mercado, e vende-se maistj
barato qu% em outra qualquer parte.
tas francezas escuras e alegres, que se ven-
dem muito em canta, e tambem se do
amstras.
CUTUSA 2iORS.
Na loja do Pavlo vendem-se bonitas chi-
tas francezas claras e escuras e cres'fixas
240 rs. o covado, e pechincha.
LAASINHAS A 320.
LAASINHAS A 32ft
LAASINHAS A 320.
Na loja do Pavo v&dem-se elegante sor-
timento das mais lindas laasinhas lustrosas,
com listrinhas a imitaglo da poupelinas de
seda e com as corea mais lindas que tem
vindo ao mercado, sendo fazenda que vale
incito mais dinheiro, e liquidam-se a 320
rs. o covado, pechincha,
FECIIIYCH.l
EM CAMISAS DO PAVO 'A 45500 RS.
#Vende-se am bonito- sortimento de (Quito
finas e modernas camisas irigfezas com pe-
to e collarnhos de linho e puahos, pelo
baratissimo preco de 45500 rs. cada ama
e aos-freguezes que comprarem dnzias se
Ihe far um abatmento, garamindo-se que
fazenda que vale moito mais dinheiro,
lquda-sepor este preco por se ter feito
ama grande compra : assim como se vende
brim branco e de cores, que tudo se vende
mais barato do que em outra qualquer parte ;
assim como um grande sortimento de ca-
rnizas francezas e inglezas, e ceroulas tanto
de linho como de algodo e abundante sor-
timento de meias cruas.
VESTIDOS INDIANOS COM DUAS SAJAS.
,0 Pavo vende uma grande porcao de
cortes de vestidos indianos, tendo duas
saias e tendo bastante fazenda, com os gos-
tos mais novos qu tem vindo, e liquida-se
a 550C0, tendo cada um seu competente
figurino.
CASEMffiAS MESCLADAS A 35 COVADO
0 Pavo tem para vender bonitas case-
miras mescladas e bastante encorpada para
roupa de homens e meninos pelo bara'.o
preco de 35000 cada "covado ou 55000 o
corte de calca para homm.
Roupa por medida.
N toja do Pavo manda-se fazer^rtalquer
peca de,i>bra vontade do freguez, para o
que tem tita perito alfaiate, respons&elisan-
do-se esvflonos do estabelicimento por qual-
quer alta que possa baver, quer^per de-
mora, quer por qualquer defeito na: obra;
e para isto encontra o respeitavel publico
ora grande sortimento de todas as fazendas
que desfijar. ^-/y^
BRAMANTE A 180B. \j
Vende-se superior braman
ALPACAS LAVRADAS A 640, 800 B
1,000 RES.
Chegou para este grande estabelicimento
o mais bonito sortimento das mais moder-
nas alpacas lavradas de todas as cores, que
se vendem a 15, 800 e 640 reis o covado,
assim como om grande sortimento de alpa-
cas lizas de todas as cores
Basquinas.
um bonito sortimento de ditas tambem com mos de largura, proprio para lmcesv _
peito de linho bordadas e ditas de algodo do a largura d'esta Da fazenda," p-coejpri
ment lo lencol, sendo'preciso para eada
um apenas 1 e 1/2 metros ou i e 1/4 pe-
chincha pelo preco.
. -ESPARTILHOixA 54000.
Vende-se um fconto*sortimento dos me-
lborese oais modernB cspartilboe tendo
do barato precede 55Q$0 at 8000.
I C^ Cachenez.
Na loja do Patio vende-se um garande
sortimento dos mais bonitos cacBenez de
ptralSa proprias parasenboras, vendem-se
a 65QflSlada um, na ra da Imperatriz
para todos os precos
PANNO PARA SAFAS A 15000, 15280 e
15600 RS.
Vende-se bonitas fazendas |proprias para
saias sendo com bordados e pregas a uro
lado, dando a largara da fazenda o compri-
mento da saia e vende-se pelo barato preco
de 15000,15280 e 15600, cada metro seo-
do preciso apenas 3 ou 3 1/2 metros para
cada saia. pechincha.
VesttiM fcrnoeo:KIlJ#000 r,
OavJo vende finissiraos cortes de ves-
tidos de eambraia iranca, ricamente borda-
das e com muita fasftoda pelo barato preco
Chegarao as mais modernas basquinas
on jaquetinbas de seda preta, ricamente
J enfeitadas a riarilho, tranca e setfm preto
tendo de todos os modellos, os mais novo*
que tem chegado e vendem-se por preco*
muito razoaveis.
POUPELINAS DE SEDA
POUPELINAS DE SEDA
POUPELINAS DE SEDA
a 25000 o covado.
O Pavo acaba de receber o mais ele-
gante sortimento das mais lindas verdadei-
ras poupelinas de linho e seda com os pa-
drees mais delicados que tem vindo ao mer-
cado, tendo entre ellas cores proprias para
alliviar luto, e vende-se pelo barato preco
de 25000 cada covado, pechincha.
Gambraias brancas
Vende-se um grande sortimento das me-
Ihores cambraias tanto victorias como trans-
parentes tendo de 35500 i peca at a mais
fina que vem ao mercado.
CAMBRAIAS PRANCS A 4J00O, A PEC*.
S o Pavo vende pecas de eambraia
branca, transparente, tendo mais de vara de
largura, com 10 jardas cada peca, fazenda
que sempre se venden a 75 e 85000, qm-
da-se pelo barato preco de 45006.
FUSTES BRaNCOS A 640, 800 E !0ftv
. Vende-se-muito bonitos fost5es branca*
l^uito flexivel proprios para vestidos d*
senboras e roupa para meninos e vendeja
a 640, 800 el 5200 rs. o.covada^
etssas a rs.
O Pavao est vendendo bonitas cassas *>
ceres fixas 240, 280 e 300 rs. o va*
Hrilhantes laasinhas
S o Pavao, 488.
Chegaram as mais birlbanealaasieha's j
as mais lindas efees, eoa pahninhas mf
nhas, aseentadas eas mais delicadas c
lyrio, cor de canna, cer de ganga brai
sendo estas novas laasaibas de mnito
qualidade, tendo largura d* tpae'-e v
se 460 rs. o cebado; i ma da Im
n, 60 loj* do Pavlo.
<\> a
A loja do Pavao est constantemente aberta, das 6 horas d manhaa s 9 da noute
: llW'iMfJf Mwl'MslsWHlM'
^
.


-----jmm
4

/
.;
de Junho de 1870.

.

i:iivntiz \, 9
!!
(I
E^ui^a^ru^fl^^^,''^ /fronte do caf Imperttrii.
!f riitfjrt e' sfjmptttoso establficjmert> de fozandas epcoutrarjo s Esmis,
filias tgjjo quant^ssamdese^r^aplP efcartjgos doma* rigwoso lase, cerno m todas
qaafidafles le toer^as,
Aleta Qk'it darm pfovlfjoa 4o qao' de melhor se encontra neste nwrcada,
w todos os paq^tes da Europa^ rexQberq directamente d que u* actigos da oda e
AfSrSJ?S?C?ntr? em^is. o.ajw vm.ca^^a.ajjgQftQ^s prport
*w ae esa-
*
GfeSe crlistras de seda e flores, ftzen-
h inteiraBttnte nova par vestidos de llre,
Grvalas p^tsenhoraseottioens, o ais
cOitplto. sortimento (pie" se pod desiar.
Guipare preto e brapco, TCr-sas largu-
Aig odio Aarga.parTfewq a toaua de
todas, *s qiwiia(it(iae(iowB Wr io owr-
fcwas.da tpdi)* o padroes e q**da,
es to variadas que se nao podem desgravar.
Albflw*oiBnscafl, wacqrleoawtratos, vas e diftrnte gbstol'.
mcm presera pa/a Qalquer pea^de Gollas e ponhps bordados para senhoras.
****',, ,. ; T Guardanapos de jfntio peqoenos e gran-
AMloa^ da lipUo, e. algodo, branco e des. :: n '
*tfmwmm W toaUua. i GorgurSo de seda preto e de edrs:
M f JES* i I' ( Gtosderiaples pfreo e de cores, haven-
. imam* de Seda ,w*das e nwtto pwder- dt) diversas- qaaHdadee e gostos.
^,rb^9oapde^oi;^,tudod6ap^^i
_9 M*0- Japonezes para seohorasv o nrelraor go*
es de musselina, madapoln braceos to, e fazenda propria para as testas nos ar-
oS......l'H.i
I." .....
5=
......
zzzzzz:
53=

Quan,do a tfgW^BMeSCCA.'to prtdlsa cffctaf'att repeitavcl publica en
fartf; e em tiaftiftlaf a stJ'boa,freg\izia, da immensidade de objectos qualtlmapnen-
IrartaebHto; 'jus^ment^q^ab ell^ rqehas qpodfazere prgW;essa falta e invo-
luntaria Ma toad e espe^s fla&eneVQfoci d' todo trae lb'a aftwterSoe relevarlo,
cettnoande pbrtato' a dWgffem'S a bfeaiiponbettida \tj da AGUJA BRANCA ra do
*Qaeimado n. 8, onde sempre acbarf l^niraBcia em sortimento de snperioridade em
quaidadee, modiciade em precos e O'setiounca desmentiido AGRADOE SINCER1DADE-
Do que cima Sfca* dito se eonbecetrae o tmpo de jw a'AGIA BR.\NCV pod
tflapr, eiBpregado aperar de seusenstos no desempetmo dbem servir a aqoelfes que a
honrata proetrrandA prover-se em dita laja do que necessitara, entretanto sera entrame-
rar osobjeetw que por saa natureza sao mais conbecidos ali.'ella resumidamente indi-
car* aquelles cuja importancia, elegancia e novidade os tornara recommendaveis, come
bem seja

IiOJA
DO
GALLO VIGILANTE
de cores, para senhora e meninas,
Bareges de cpre^ variado sortinjento
Babadinbos ou tiras bordadas em todas as
arguras,
Belbuima de todas as cores.
Bolsas de tapete para viagem, grande
uriadade de tamanbps e gostos.
Bombazina preta de
rabaldes e passeios a tarde.
Laazinhas de todas as qualidadas, cores
e gosts,naoficando nada a desejar, tal
o sortimentoqae existe-para escoltier.
Leocos, todo quaflto pode ha ver desde
esguio ao algodocommum.
Leqoeade madreperola e osso, o mais va-
todas as qualidades.
Bramante de linbo de 11 palmos de lar- nado sortimento.
(Va,, e to4as os mais qaaidadesu Ligas d seda, bordadas, pai senhora. '
Bretanhas de linbo e algod^o, grande sor- lavas d lonvin, chegidai por todase&ja-
Waeoto. pores, secare: ^v sqrtw?to, qtjer em
Bnns de linho branco e de cores, do mais peluca D;pe bomeis e-seoiioras, quer em!fio
om^do.ap.mAiscaO^mqualJdade, aflian- d'Escocia, brancas d cres.
ando o qaa.ha de melbor na especie, I cg
Brins d'ajgpdo. completo jorinwsnto e Madapol3o; ndescVip'ttvel o grande sor-
ariedade de, presos. tnento que ha neete genero, desde o mais
CS elevado preto ae menor, que se vende em
Gassas de cores^o maior soriimentp, pri- peca e i retamo por menos do que em oe-
oando pelo bom gpsto e baratgia, attentas tFa qualquer parte.
w quabdades. Manta6dftblondepara noivas : o apurado
Gambraias brancas., tapadas, e traesparen- gosto do&Jiossos correspondentes em Paris
es de todas as quah'dades e presos. habilita-nos a dizer qae temos em nosso
Gamisinbasde cambraia de hnho e cassa eatabeleeimeoto o que de melhor se dese-
aordadas ricamente enfeitados para Sras, j paca vestir; e ornar urna noiva.
Mantas pretas de blond.
Mantas para carros, cora liadas pinturas.
Merinos pretos, trancados e lisos.
Mnssebna branca e de cores, lindos e va-
riados padrees.
Pannos pretos ede cores, desde ornis
barato ao mais superior, por preco multo
commodo.
Pannos de crochet, para cadeiras e sofa.
Ditas de caseimra muito finos para
mesa.
Pttltos bordados de linho, Heos e de al-
godo para camisa.
^'nfiflai piffltas t je cfflC-
l'opelina do seda a liuho, com listras e
flores; fazeada ltediesiaa.
Pelherinas par sefiftoras, do ultimo
gostq.
Perfiniarias j el: m'ls finos extractos o
que de melhor e maie agradavel se pode
encontrar neste genero, e de mais fragante
e suave ao ophato, tem o PAVTLHO DA
AURORA, desde a verdadeira agua Flori-
da at o mais fino Bouquet d'Ammr, final-
mente tndo quanto deve eccupar o tooca-
dor e nma senhora de gosto.
m
Saias bordadas, brancas, lisas e de cores
com folbos e sem elles, o melhor possivel,
Sabidas de baile, de todas as cores.
Sedas pretas, de quadros, lavradas, lisas,
de listra de todas as cores e qualidades e
o mais barato possivel.
Sarcelira de todas as cores- e qualidades.
Tapetes grandes, lindas pintoras para 8
cadeiras, mais pequeos e de todos os ta-
annos desejaveis, e em peca para co-
vados.
Toalhas de labyrintho, do maior e mais
fino trabalho ao mais barato.
Toalhas de linho e algodo de todos os
tamanhos, lisas e elpddas..
Tarlatana branca com palmas e de cores,
fasenda muito nova, e gostos delicados pro-
pria para baile.
Vistuarios bordados de fusto brancos e
de cores para meninos, de cambraia para
baptisados, o que de meibor tem vindo a
Camisas para borneas e meninos, lao va-
riado sortimento que vai do mais ordioa/iv
aadapoio ao mais perfeito bordado de fi-
le cambraia.
Camisas de meia, de flanella, brancas e
le cores para homem.
Casemiras pretas e de cores, o meltor
ue se pode imaginar, sendo d'isso a me*
jjorprova o grande coosummo deltas na
uficina da casa.
Capellas de flores, para, npivas a bailes,
lesde amis candida flor delarangeiraat
i mais interessante grioalda.
Chapeliolias no melhor gosto,de todas as
cores boje preferidas pelas saibores de
apprado rigor na meda.
Chapeos pretos deveUudo, para senborasj
itimo gosto de Paris.
Chapeos de sol, pana saanoras e horneus,
de todos os pregos a variados gostos.
Cbaiy com ricos, padres para vestidos.
Cbales de todas as qualidades, avultado
aomero e n5o menos variedade de gosto',
Chitas, e impoBsivel descrever o soimen-
j) e variedade de padroes e no vos gostos,
(to neste artigo tudo quanto se pede desojar;
Cintos para senhoras oqne se pede, ima-
tinar de meibor.
xjues, o meibor no gosto e nos entei-
tes, varios tamanhos.
Colchas de seda com borlas, o mais apu-
rado gosto e lavor.
Ditas de fusto branco e de edres por
jrecos commodos.
Corpinhos de cambraia, ricamente borda-
dos para senhoras.
Cortinados de cambraia bordados e de
ti.o que de melhor se pode desejar.
Colarinhos de linho bordados e lisos, o
naior sortimento.
Damasco de la de 9 palmos de largara
todas cores e reos padroes.
Espartilhos branos e de cores, para se-
nhoras e meninas, o melhor nste genero ;
aennoma Sra. deixar por certo de manir
e de tao precioso auxiliar perfeiGao de
om crpo delicado.
Entremeios bordados.
EScomilha preta.
Enleiies para cabera/ ultima moda de
Paris, recebida no ultimo paquete.
.Esguiao de linho, completo sortimento de
todos os nmeros.
Fitas largas escocesas para cintos, varie-
dade de gostos e lindos padroes,
Fi;bs de crocbt, modernos com cintos
e capas, o que ba de meibor.
Fil de seda, linho e algodao, de todos
os gostos e padre*.
Fusao de todas as cores e qualidades
fraude sortimento.
FJanella branca e de cores.
Corpinhos d% cambraia, primorosamente
enfeitados com fitas de setim e obras essas
caja novidade de mofde e perfti^o de ador-
nos es tornam apreciados.
! Fitas mm laWas'de diversas Cores e qoai
lidfies para eihtsr '
Leques uesse objecto muito se pofleria
dizer qerendo descrev-los minuciosamente
por snas qualidades, coree e desenhos, tal
o grande variado sdrtimento que acaba
de chegar, mas para h3b tpassar o pretn-
deme se lhe apresentar o que poder da
meibor.
Entremeios em pecas de 12 tiras.
Gdipure branqo e preto de diversas qua-
lidades e desenhos.
Ditos de algodo com flores e lisos.
Veo de seda para chapelmas e monta-
ra.
Meias de seda para noivas.
Ditas abertas de fio de Escossia.
Co8kimes ou Tmiformes para meDinos.
Enxovaes completos para baptisados.
Touquinhas de fil, sapatinbos bordados
e meis para ditos.
Camlsinbas bordadas para ditos.
Capellas brancas para meninas.
Grandes sortimento de flores finas.
i A6 de seda, preto.
rWUMAWA
Grande e constante sortimento de dita,
sempra" meibor quajldade.
Lindos vasos com p de arroz e p|nsel,
Caixjnhas com ditos aromticos.
Bonitos e modernos pentes dourados
para circular o coqae.
Bonitos brincos de plaquee.
Adereces e bracos de madreperolr.
Caivetes finos para abrir latas.
Thesouras para friar babadinhog.
Aspas para balSo.
Novos stereoscopos com 48 vistas, as
quaes sao movidas por um macbinismo
urnas substituera as outras.
Vistas para stereoscopos.
Bonitas caixinhas de vidro enfeitados com
pedras.
Ditas de raadeira envernisada com vispo-
ras e com dminos,
Bollas de borracha para brinquedo de
criancas.
Biversos objectos de porcelana, proprios
para enfeites de mesa e de lapinhas.
NOS GRANDES
BE SEC0
K .VIOllliDOS
SORTIMENTO COMPLETO
ARJffAZENS
I
N. 25Largo do Ter^o.

K. 28.
DE

S1MA0 DOS SANTOS ft C.
PROGRESSO
10
10
Pateo da Penha -
DE
SANTOS & FERR IRA
Os proprietarios destos bem sortide armazens particpala aos seus innmeros
freguezes tanto dcsta prat;a a>wo do maUo que tendo feito grande dinainuicao de pre-
i;os as suas mercadorias estao por isso resolvidos a vender por menos de 10 e 20 j0,
do que ek omra qualquer parte, garautindo-se portante a s. perior quajidadede qual-
quer genero comprado uestes Jous esubeiecimentos. Mencionamos alguosdos nossos
gneros e a vista uestes sao comprebendidos a outros, poique enfadonbo seria mea-
cina-Ios.
Se alguem envidar venha ver.



este mercado.
Vestidos de 13a escoceta de 2 saias,
novidade pelopadrad, gosto e forma; dilos
de linho com barras de cores, e de cam-
braia de cores com 2 saias, tudo inteira
novidade, trazem os modellos juntos para
mostrtr a forma de os fazer.
Veos de Wood para noivas e pretos para
lato.
Vestidos de Wond para noivas: podemos
asseverar as nossas Exmas. freguesas, que
sotos os aicos em Pernambaco que pode-
mos ofrerecer ao Ilustrado publico, o mais
, aparado gesto em eemelhante materia, gra-
fwres, o que ha de mais rico, quer | cas ao bom gosto do nosso fornecedor em
WM, quer em rajuss, tem oPAVILHaQ Paris, podemos garantir que ninguets neste
DA AUUORA um permanente jardim a genero o possue meibor, nem mais em
isposico das Exmas. familias. I con Vi i
% djwoudo d tSo grande e variado sertnfluto que os pfoprietarios, do PA-
VILHAO DA AURORA se apresentam ao publico declarando desde j que a sinoerida-
4* e o bom gosto-o movel nico deseos negocios.
Prvidos de todo e promptes sempre a pcover-se do que ppr ventura loe
teja necessario, os proprietarios deste sumptuoso estabelecimente recommeudam-se
em receio de serem contradictos a protesUm,. esforcarras por, cpntauar a merecer
pratecip que se Ihes tem dispensado ; earto de que do seu estabelecimeato n2o sahira
e freguez descontenta.
Contina sempre a officina de alfaiate dirigida por um dos mai habis artis-
W,jwoujpto xecBtvccm premptidao e bom gosto qualquer trabalho qae lhe seja
pw. nu modisa especiauneute. ocenpada ios trabamos do PAVILHAO D.V AJ*
RORA, diruje os que Ibe s5o concerneotesy datante por sfui apurado gosto eproraptidie
aa execueao e a mais completo parfeico nos seus traiwlhos.
A numerosa freguezia que nos boari suma pro va de qae merecemos eoa-
cttto que e dtpeat ao nosso stebleeimentOk conceite que procuf aremos firmar cada
vw nt.' Pac fttitar nada' concauoM do fim qae nos propio, temosno nosio
stebelecimento os ltimos figarine de Paris, qu recebemos por todos, w>. paquetea, oe
faaea enviawaios para tenm vistea as familias nossas negnezas* afina de eacolberam
Dm fadriosda fasenda gesto na fonua*
Na officina de ajmiate, junto ao e3tabaWeimesfto, ha igualmente oa figurinos
ara boama ooa por todos os va poros .se aecebem.
... -ialaa laaApaaque asa apreseatemos pedinde ajrcteoeSedoktrado
auDco e com oiaMjS'praad resxsita convidaatea ia e^efleatisficaasSiaa^a vis^
taraaio aotao aetebfllaeuaeatQ, certas de encootrareai,aaia pelo nunor,pnacepessive-
tado que podem desaacn
Mandaremos caixeiros levar as fajeadas amostra oade fowm pealar visto
Vinagre branco mandado vir por coate
proprp vindo de Lisboa, 320 a garrafa e
480 o lUro.
dem tinto Flgueira, Lisboa e Portea
320,280, 240 e 200 rs. a garrafa e 480 300
rs. o litro.
Vinho Figueira, Lisboa, Porto e Estreito
a 560, 00 480 e 400 a garrafa litro a 840
7G0, 720 e 600.
Vinho branco puro de Lisboa a 646 560
agarrafa, em porfoha abatmefito.
Vinho do Porto, engarrafado das raelbo-
res e mais acretadas marcas a lJ0O0 e 1(5200
tiJSOO e25a garrafa.
dem Bordeaux, Medoc e 'Si. Julin a
70500 e 65500, a duzia e 640 rs. a garafa;
Genebra de Hollanda e laranja doce aro-
mtica a M3QO, H, H>iOO, a frasqoeira.
Serv-eja Bass, Illers & Bell a 9^800 du-
zia em porc3o ha grande abalimento.
dem marca II e T e outras marcas a
54500 e 64, a dazia e 500 rs. a garrafa.
Assim como ha outros muitos
Gas americano marca Deves a 8^800 a
lata, 380 rs. a garrafa e 560 o litro.
Azeite doce de Lisboa a 900 e !#Q00 a
garrafa en porco' az-se grande abatimen-
to.
Caf em caroeo a 220, 240 e 280, a li-
bran ldlogrammo a 480, 540 -e 600, e
7iOO0, 75500 e 85800 arroba.
Milbo alpista 20O rs. a libra-e 440 o ki-
logramma e 5^800 a arroba, emporcao ha
abatiraento.
Queijos frescos do ultimo vapor a 30200
e 30400 cada um.
Aletria, macarrao, talharim a 500 rs. a
libra e IjOO o kilogrammo em caix5o ha
abtimento.
Sabio massa de 4a e 2a qualidade a 220
e 240 rs. a libra em caixa ba abatimento
Toucinbo de Lisboa muito alto a 400 rs.
a libra e 880 o kilogrammo, em arroba ha
grande difierenca.
gneros, vinho em ancoretas, azeitonas,
passas e figos, cbarutos finos de divisas marcas, marmeiada, bolachinhas.' de todas as
qualidades, perola, Francy-cracynel, a^ b, c, Mdium, mixed, soda Fancy-nic-nac, pa-
lace de Varietees, combiuatibn, Britania, doce de goiaba fina, chouricas-, manteigas finas
franceza e ingiera, banba de Baltimor, phosphoros de Sycuryt, Cognac, cb de diver-
sas qualidades, Canella, pimenta do reino, ervadoce, pomada, enxofre, bseu, peixe
em latas de todas as qualidades, fariha de milho americana, grandes molhos de sebol-
la8, uestes doos armazens existe tambem grande sortimento de loufas proprias para ne-
^^^^J^Si^1110^8 Prec k? vantagem aos compradores.
ha I
ato podarsm apaaiOsar tudo quanto tem
berttr da* 0 a*
Axio mu, Sebntto & &
oras da noite.
mA PRENDA. Lindos objectos dorads de decadcs gostos, proprios
para meDinos, vend -se no BAZAR DA MODA-
BAPTISADOS. Ricos cbaposihbos de setim brancos, lindas toucas de fil
e setim, sapatinbos etc.
GUIPUR. Ou croh em pessa, branco e preto, coffl lindas ramagens e
qualidade muito superior1.
*. nrn11.- u-^lra .?mi^s de homens'faEeod* *perjor,com duas faces, o
par 640 rs. (pechinpha!)
PERFUMARAS. Finos extracto? para lencos, agnas de diversas qualida-
des, s^oetes. ojeos, pomadas, pos, tnico etc- ete.
PaRFMES. Lindas caixinbas para layas, conteude umapraparacSo em
que lhes d qm.agradavel aroma, por 1^500.
A. Grava^s- Wto3, flores, plumas, coqaes,, transas,filas.,bolees,,Mcosa pen-
tes; etc., et tudo por commodo precos, no BAZAR DA MODA, ra Nova n. 50, esquina da
>,de b. Amaro..
Jos de Souza Soares. & C.
FtiiVh de rantfo
DefJahVeias e Alibaa, chegadi fcotttem e hale,
igual a da tefrt MVa-, rtfiS' eTsKrfrO' a
tralar do 65CrlpOTo'Blo8 Mtti IatMsVa, 4r-
"4^Cypp;5ftmip.^ i'Midar, 9 aiborto-dn

-
ecfaiiihas
t n ? ^ +
Loja flor da Boa-viato
vOOT FAKIIHA
_^delio vsoda saceos com fariha de
mlnaloc : na ra doJQuqpe da Casias, trayessa
do Rosario, loja d:ib 'ft.
--i nfcVli;,Vi,.l li.......; .,,_**_
98
Panlo F. de H. uimare.
to^paamronml3iB0Dot.toiiO):oi >*>)
francesa.
oa rmpctolflr
- wi^se.
o:-
Palitos do gaz a 3 rs.,a duzi d
rato : na roa do fstg^l o. 3ft;"
Manto Antonio, ft.
em yidrs nadita no>|a.
idfrt*iMti}'noy!
. ofcde aafti duwabm.'
Enxofre em tobos.
MnhlSba-
Bartholomeu 4 C na roa larga do Rosarw n, 3i
ELhu do Crespo n. 9
Os pjuprwarjQa des bem oonbcidaesttbele-
cimenio, alm dos muitos objectos que tinhain ei-
SDstos a apreciacao do respeitavel publico, man-
iram vir e acauam de roceber pelo ultimo vapir
da Eteropov om completo o vanado sortimento de
Toa* e raui delicadas especialidades, as quaes es-
tao resolvidos a vender, como de sea cosame,
Sor p/*ccs. muito baratamos e commodos para to-
09, coft tanto que o Gallo....
Muito superiores hivas de pellica, pretas, bran-
cas e da aiui lindas cares.
Mui boas e bonitas gouinhas e punhos para se-
nhora, neste genero o que ha de mais moderna
Superiores pentes de tartaruga para coques.
Lindos e riqHissimos enfeites para cabecas das
Exmas. senhoras.
Superiores trancas pretas e de cores com vidri-
Ihos e sem elles; esta fazenda o que pode haver
de melhor e mais bonito.
Superiores e bonitos leques de madreperola,
marnm, sndalo e osso, sendo aquello brancos
com lindo desenhos, e estes pretos.
Muito superiores meias fo de Escossia para se-
nhoras, as quaes sempre se venderam por 30*000
a duzia, entretanto qae nos as vendemos por 90J,
aim (testas, temos tambem grande sortimento de
outra cualidades, entre as quaes algumas muito
finas.
Poas bengalas, de superior canna da India e
eastSe de marflm eom lindas e encantadoras figu-
ras do mesmo, neste genero o que de melhor si
pode desejar ; alm destas temos tambem grandi
quantidade de outras qualidades, como sejam, ma-
deira, baleia, osso, borracha, etc. etc. etc.
Finos, bonitos e airosos chicotinhos de cadeia e
de outras qualidades.
Lindas e superiores ligas de seda e borracha
para segurar as meias.
Boas meias de seda para senhora e para meni-
nas de f a 12 annos de idade.
Navallias cabo de martim e tartaruga para fazer
barba; se muito boas, e de mais a mais sao ga-
rantidas pelo fabricante, e nos por nossa vez tam-
bem assegurames sua qualidade e delicadeza.
Lindas e bellas capellis para noiva.
Superiores agulBas> para machina e para crox.
Liona muito boa de peso, frouxa, para eneber
iabyrintbo.
Bons baralho? de cartas para voltarete, assim
comb os tentos para- o mesmo flm.
Grande e variado sortimento das melhores per-
fumaras e dos melhores e mais conhecidos per-
fumistas.
COLARES DE ROER.
Elctricos magnticos contra as convulsoes, e
faWlitam a donticao das innocentes criancas. So-
mos desde muito reeehedores destes prodigiosos
collares, e continuamos a recebe-ios por todos os
vapores, afim. de que nunca faltem no mercado,
como j tem acontecido,-assim pois poderlo aquel
les que dellee precisarem, vir ao deposito do gallo
vigilante, aonde sempre encontrarlo destes verda-
deaos collares, e os quaes attendendo-se ao ftm
para que ,ao applicados, se Tenderao com um mui
diminuto lucro.
Rogamos, pois, avista dos objectos que deixamo
declarado, aos nossos freguezes e amigos a virem
comprar por precos muito razoaveis loja do gallo
vigilante, roa do Crespo- n. 7.
CEWENTO
0 verdadeiro portland. S se vende a
ra da Madre de Deus n. 22, armacem d
Jo5o Martinsde Barros.
Jcordeiro previdentt
Ra do tuelmado n. 1.
Novo e variado sortimento de perfuman,
finas, e outros objectos.
Alm do completo sortimento de perfi
marasde que efectivamente est provida
loja do Cordeiro Previdente, ella acaba d
receber um outro sortimento que se tort
notavel pela variedade de objectos, superior
dade, qualidades e commodidades de pn
coa; asaim, pois, o Cordeiro Previdente peo
e 6pera continuar a merecer a aprecia?
do respeitavel publico em geral e de su
boa freguezia em particular, nao se afai
tando elle de sua bem conhecida mansidi
a baratea. Em dita loja encontrarlo o
apreciadores do bom:
Agua divina de E. Coudray.
Dita verdadeira de Murray de Lamman.
Dita de Cologne ingleza, americana, frai
3fza, todas dos melhores e mais acreditado
fabricantes.
Dita de flor de larangeiraa.
Dita dos Alpes, e vilete para toilet.
Eliiir odontaigico para conserva?5o 4
isseio da bocea.
Cosmetiques de superior qualidade e chai
ros agrada veis.
Copos e latas, maiores e menores, coa
pomada fina para cabello.
Frascos com dita japoneza, transparenb
a outras qualidade.
Finos extractos inglezes, americanos
(rancezes em frascos simples e enfeitados.
Essencia imperial do fino e agradavel cha
ro de violeta.
Outras concentradas e de cheiros igual
mente finas e agradaveis.
Oleo philocome verdadeiro.
Extracto d'oleo de superior qualidadt
com escomidos cheiros, om frascos de diffc
rentes tamanhos.
Sabonetes em barras, maiores e menor
para mios.
Ditos transparentes, redondos e em figr
ras de meninos.
Ditos muito finos em caixmha para barbt
Caixinhas com bonitos sabonetes imitand
fructas.
Ditas de raadeira invernisada contendo t
as perfumaras, muito proprias para pn
entes.
Ditas de papelo igualmente bonitas, ta
bem de perfumaras filias.
Bonitos vasos de metal coloridos, a i
moldea notos e elegantes, com p de arre
e boneca.
Opiata ingleza e franceza para dantas.
Pos ds camphora e outras differeou
qualidades tambem para denles. -
Tnico oriental de Kemp.
AIstda naala re^urs.
Um outro sortimento de coques de n<
voe e bonitos moldes com filis do vidrilhc
e alguna d'eltes ornados de lores e fitai
esto todos expostos i apreciacao de qnai
os pretenda comprar.
GOLL1NHAS B PUNHOS BORDADOS.
Obras de muito gosto perfeiclo.
FiTellaa o tm para alma.
Betoe variado sortimeoto de taes obj
toa, fteaado a boa escolha ao gosto do coi
prador.
-.^.
. ..-..
iburgnezas
Nesle aoTodepasito raoebse por todos os pa-
quetes trnjluitijy.e bichas de qualidade superior
e'tndtt s* em'caixa on porcao mais pequea,
e mais baittWio ne em-ontr Rntqaer pene:
na ra da Caes do Rctfn. SI, f andar.
Cabellos
Ten4e-se uhetlM o todis as cores, qnalqaer
oomirMHfllQ) qifidade superior, em caixa ou
us pequea : na ra da Cadeia do Re-

-
*'St Julieh: na roa
Recite numero 5.
hrm\
da Cadeia de
Rival sem segundo
WIJ TjD'DttQE UK CAXfAS N. i9
Estou disposto a continuar a \euder todas
s miudezas pelos baniissimos prer^s abai-
xo declarados, garantido ludo bem e pre-
cos admirados.
Pcete com 20 quadernos de pa-
pel amisade a......
Cajxas coni'20 cadernospapel pau-
tado- a........
Caixas com 50 oovellos de linba
do gaz a. .
Duzias de metas cruas superior
qualidade a.......:j,$600
Pecas de babdirios com O va-
rasa.........
Pecas de tiras bordadascom i-2
metros cada p^-a a 1(5500 e.
Pecas de lit;s para cs de q"a'-
quer largura com iOvararsa.
Escovas para unhas fazenda fina a
Ditas para denles a 240, 320,
400 rs. e.......
Pecas de tranca lisas, brancas e
de cores a.......
Caixinhas de madeira com alfine-
tes fazenda superior a. .
Duzia de linba fixa para borda-
dos a 400 rs. e.....
Pares de meias crua< para mi1'
nns diversos tamanhos a.
Duzias de meius brancas muito
finas parasenbora a.....
Pares de sapatos de tranca do
Porto........
Pares de sapatos de tapete a. .
Livros de missa abreviados. .
Duzias de baralhos p3ra*u!tarete
Sylabarios portuguezes a. .
Redes com contas muito boa qua-
Cartoes com colxetes 2 carreras a
ASotoadoras para collcte diversas
qualidades.......
Caixas com penna de ac muito
boa de 320 a......
Duzia de linba 200 jardas Alexan-
dre de 40 a 200 e, .
Caixas com superiores obrejas a.
Duzia de agulha para macnina a.
Libras de pregos francezes todos
os tamanhos a......
Talheres para meninos a. .
Pares de sapatos de tranca piara
meninos a......,
500
00
400
500
I
25000
500
500
500
40
400
500
i
320
45300
2JW0Q
15500
1*80;'
3,5000
400
20
400
141200
40
2fC00
240
320
[(9900
LA VILLE DE PA8IS.
20Ron ca Imp^ratriz20
Farf d i.essa.
Acaba de chegar a esta noeta noca Irja dr fa-
zendas finas um variada surtimenio de laaaada* dp
lia e teda, onno sejam : granadioe do uiiinio
gosto, popelinas de urna s cor, alpacas c laazi-
nhas de cores, o que ha de mais modi rao, todo
por baratk>iraes pre^oj, biilhantia- de cure*, te-
cidos das indias, fazenda nova a iimucao de per-
calia,bal3e-de dina Bflgiado saia de eur com lin-
das barras, fustoes proprios para vestido e roupas
de meninos ; agora grandes e admirareis perhin-
chas, satas brancas com lindos frisado5 a 3, ri-
cos cerpinhos bordados inoilo fiaot a. 5, baliM.'s
modernos le rc< s a 2, ricas euiebas yjra canw
alcochoadas. sondo brancas e de cores, a o, lia-e
7a, cambraia Tictoria fina a o&, ditas transparen-
tes a 54,6* e 74,dias flnissiias escnr s e claras
a 960, 300, 320 e 360 o covado, cassas de cores a
240, lengos brancos de cas>a a 25500, uil> ehi
nezes a 3300 a duzia, madapnlao n a 6a e
6*500, e moin suponer a 1$, 7*600 e 85, algo-
daozinho largo propria para lences a 6a, panno
de ai.odac branco trancada proprio para toalhas
de mesa a lCOOa vara, nramanie para lenerjas a
2000 e 35500. o que ha de melhor, eguiio li-
nissimo a 2200 e 23500 a vara. Mandamos as
casas das Exmos. familias para meibor poderem
escolber. Tambem temos completo sojliniento de
perfumaras des primeiros fabricantes francezes e
inglezes; as pessoas que se dignarem vir a esta
loja terao oceasiao de reconheccr a realidade du
que annuncimos para nos justificar.
Escrava eosiuheira.
Vende .e urna e.scrava ^oa cosinheira 6 en-
gomo ad ira d 3o a 40 annos c um filho mulato
de 18 a 20 annos, s se vendem /un j : na ra
do Livraim-ntii n 14.
Saceos de estopa
Vendem-se ptimos saceos de estopa, proprio?
para assuear, milho, farinha ele: no arini.zeH de
Adamson, Hawie 4 C, ra do Commercio 11, 40.
Vende-se urna casa de taipa, na haixa de
Zumbi, (Torre) em solo rendeiro : tratar na ra
Imperial n. 233.
ESCRAVOS FGIDOS.
Fugio no dia 11 de marca do correte annu
0 escravo Francisco, cabra, de idade 30 ancos,
com os signaes seguintes : cabellos earapnho.s
rosto descarnado e com marcas de bexiga-, intitu-
la-se ser livre, levou calca branca, paletot de al-
paca de cor, chapeo de chile, natural da Parahy-
ba ; o mesmo foi cTunprado ao Sr. Delmiro Alvee
Maia, morador na l'arabyba. e julga se ter iao
para o tBetmo lugar. Desde j protes:a-se contra
a pessoa que o liver oceultado ; e roga- se aos ca-
pitaes de ampo, assim como s autoridades poli-
ciaes que o tragam ra Oireita o. 16, que serio
generosamente gratificados.
Fugio do engenho Be-m-fkn, freguezia dr
Encada o escravo de nome Domingos, o qual tem
os signaes seguintes : falta de (lentes na frento,
ps inchados e com bichos, cmbaleia quaedo an-
da, alto, corpulento e tem urna marea de ferida
em um dos ps, idade de 45 a 50 annos, e mui-
to caxaceiro, trabalha em chapeos de pilita, des-
confia se qne vio para o Rerife pela via-fi-rrea ;
quem o aprehender e leva-lo ao dito engenho,
ou ra BstMita do Rosario n. 47, em casa de
Rodrigues Almeida & C., ser generosamente
gratificado; assim como protesta-se contra quem
o acotar.
Gratificado de 200^1
res.
Fugio do engenho Mandar na Parahybi o .s-
cravo Cosme, crioule, de 35 annos de idade, alto
barbado, tem muitas marcas de bexigas no rosto,
e muito ladino, quera o pegar e levar no refe-
rido engenho, pu nesta cidade na praca do Cpnde
d'Eu d. 20, ao Sr. Jos Gomes da Fonseca, ters
a grat8cacao cima. ________________
No dia 26 de dezembro do aune prximo
passado fugiram do engenho Bosque, freguezia; da
Escada, es eioravosseguintes : Regmado, muan .
que reprsenla ter finta e tantos annos, falla man-
sa, barbado, tetn todos os dentes, ce-rpo e fejio
regulares.:foi do Jteari do S-rid. Bonifacio, ca-
pra, que representa ter vate e unto* araos, tem
pouca barba, eabeiiosearapiobos, falla hem eepli-
cad/i, foijdaa^Sspinbaras. Francisco, mualo, que
represenU ler 18 a 20 annos, tem urna cicatriz em
cima do narit pendendo mais para o lado direito,
tero mai* nma iealrins nos tornoieloR *ee br*-
coe proveniet8i de Mb*#, foi da Laga^ona :
pe*-e.as autoridades poilciaes ou ao canita de
campp a appreheBsao dos ditos ecrajto; e. qaem
os apre^entar so ftono no engenho do Besque, on
na cdade do Recife roa do Apollo o. 43, t aa-
dar, sanAreBtunpaaa*icea> ptaroimap^
Tendfe vrado i torra o sravo Manwr, tri-
poliinie da ami Jdattma, no doiaingo Mtooof-
rente, nao voltou para bordo ; e come e pwsa-
ma esuia. fugido roga-se s. ttoridades compe-
tentes ra captura, levando-o a hordp on a ra
deomnrci**,17,qiie segralfflear. Oesera-
vo tora osegrinves slgnaca : altura regular, ca-
bello carapinbo psnde, rosto ovaj, olbos r
teaubaixs narii-regajar e bocea gran*e, diz er
^MaCoffirBlba, roas e da Baha, veio vc?-
r^e-pSe^t *le> de easemtra j* uwde, n-
misa branca, chapeo de feltro preto, e a calcada.


:
-


Diario de Pernambueo Sabbado
. '

GERAL
z -^pggganlo Tufar q*mte-moma ? Preteo-
de-se garanto ^e^ro de 3 a/o Por um
JdJWofll- 4e 447,900
CMARA DOS DEPUTADOS.
Mt&SJIO EM 2 PE JCNHO.
* I
(Continuarn)
Em I8C0 um ministro responde-llio. re-
dondamente que he nao admilte a preten-
do. Mas tenaz ara j a companhia nao
deixou-se abaler pelo ndeferimento. RelUs
tou e persisti no pedido, apezar de ler ob-
tido umemprestimo do governo para levan-
tar 400,000 libras na praca de Londres,
outro de 150,000 libras pira r.e fazer o seu
trem rodante, o oulrds muitus favores par-
ticulares que a n5o saciaram."
Tem de ento para c havido ministros
que favorecem i companhia e outros que
lbe sao oppostos.
S por urna questo de gabinete obteve
o ministerio de 1804 um voto nesta cma-
ra Mas no senado tudo ficou adiado at
fim do anuo passado. Ja" o nobre deputa-
d3 pelo Rio de Janeiro ootou que cinco dos
actuaes ministros, os Sis Itaboraby, Murili-
ba. Paranhos, Cotegipe e Nebias, votaram
sempre contra esta pi etencao. Como agora,
depuis de tanto* anuos decorridos, quer um
ministro do actual gabinete fazer approvar
pea cmara o favor dado de presente a
campanilla e desmora I isar os votos autero-
res dos seus collegas ? (Apoiados.)
E note a cmara que nos relatnos do
mni>terio da agricultura de 1864, 186>, etc,
\m documentos que provam que pelos
exames fetos as obras da companhia se
prova evidentemente que se praticaram rou-
bosescandalosos,em quantidade e precos
le materiaes empregados, em desperdicios
e delapidacoes, e em sommas superiores a
200.0UO libras!
E vamos sanccionar essa immoraliilade,
admiitindo umi inslita pretendo de di
nheiro e mais dinlieiro !
Disse o nobre ministro que era preciso
terminar o negocio, e que elle nos promet-
tia obier grande> favores e concessoas da
companbia no momento em que se achasse
autorisado a conceder-lhe o augmento de
garanta por este capital que ella r.i
clama.
tem se v que o nobre ministro nao
est bem esclarecido sobre os negocios da
administraco Nem os mais provectos e
esprtenles estadistas podem prometter
tanto, e nem a metade (risadas) do que o
aobfe ministro garante!
Nao sabe que desde o principio esta com
panbia tem suscitado questoes e reclama-
ces urnas sobre otras, exticas e extrava-
gantes algumas, e tem trazido sempre em
apuros o governo "? Nao sabe que apenas
obtem um favor, exige outro ? N5o sabe
que s vezes tem usado de linguagem in-
conveniente e desabrida at as suas rela-
ta ?
O Sfi. Ministro da Agricultura d um
aparte.
O Sn. Pkrkiiia da Silva:Se o nobre
ministro se der ao irabalho de ler os rela-
tnos de seus antecessores, ver a exacli-
io do que digo. Lembro-lhe ainda que
i um parecer do consellio de estado, cen-
drando o diplmala brasileiro em Londres,
o Sr. Pened), por ter recebido um oficio
da companhia redigido em linguagem in-
conveniente, e por nao te-lo recambiado.
Como, pois, promelte o que nao pode
mr ? E com o intuito de ebter a appro-
vago deste projecto ? Se conta com to
esplendidos triumplios, varaos emendar o
projecto, consignando bases e condicoes, e
:iao o approvemos como elle esta conce-
bido, s como favor, (Apoiados.)
0 nobre ministro na i respondeu ao mea
IS30T80 proferido o anuo passado quando
prove a injustica da pretendo; ninguem
he respondeu. A questo do fundo con-
va-se in acta. Contenta se o nobre mi-
nistro rom dizerapprove-se para cessar
a- invectiaas e insultos da companhia,
ipparecer a ddsagradavel situacao entre
iverno e a companbia.
E' isto urna razo ? Prova a justica
Prova tnesmo a conveniencia ? Nao pelo
contrario medo e receio, para fazer calar
bocea dos que injuriara e insultara, que
nio reclamara fiados no direih, mas na
audacia e na ameaca, e no escndalo ? Se
passar este precederle quem reclamar do
Brasil dinheiro seja atrevido e tenaz, e con-
>egu:r. (Mullos apartes.)
Par i eootieeer-se a gravidade da questo,
FOLHETIM
i mi mm n mu
l'OH
Xavier de Ylontpiti.
PARTE PR1XEIHA.
0 MROIEZ DE SAHT-BaST.
(Continuaco do n. 135J
II
Simoa e Lzaro,
A condessa de Rabn em minba casar
bradou Siraoa fazendo um gesto de viva
sorpresa.
Como tres e dous serem cinco.
Que me quer ella ?
Que lbe leas a sioa.
Simoa fez um rude gesto.
Admiras-te,? perguntou Lzaro.
Confesso que sim.
Ento porqae ?
Porque me parece inverosmil, para
nao dizer incrivel, que essa dalga se lem-
bre de vir consultar-me. E por ootro lado
como soube ella o mea nome, e quem lbe
disse que eu existo ao mando ?
E" exactamente nisso que semanifes-
ta a minba intervenco, redarguio Lzaro.
Mea amo, o marquez de Saint-Maixent, ia
com frequencia casa dos condes de Rabn,
quando estava em Paris, e urna vez por
oatra levava-me comsigo. D'ahi provm
o eu conhecer Aoastacia Gaudin, creada da
senbora condessa.
Alguma rapariga bonita, com certeza !
interrompeu Simoa com mo modo, e um
relmpago de ciuraes a brilhar-lhe nos
oibos.
Sempre injusta comigo replicn
Lzaro, dando aos borabros com certo rizi-
nboxde nafa. J me vaes aborrecendo,
palavra de honra I Qoando te convencers
de que n3o ha quem me ganhe em fideli-
dade e constancia ? E de mais, a Anastacia
novo capital-44dfeioni de 447,900 libras
por 90 annos* istq 22.3S0 libras po
armo, oi per outra, quasi 5,000:0000 de
cajpital, od jaro de 0:000* par anno, e
durante o especo de 90 annos.
O Sn. Ministro da Agricultura : A
tonta nao exacta.
O Su. Pk.ieiha da Silva :Contra a in-
flexibildade dos algarismos nao pode a pers-
picacia de V. Esc. (Risadas) 447.000 libras
io ombio actual regula por 5,000:0005
qnasi,22,330 1 bras por anno a 5*/0re-
gulara por quasi 250:O.K),- por anno: a arilh-
mlica nao draitte duvidas. (Risadas.)
E nos que somos mandatarios do paiz
podemos votar esta despeza nova, sera dar
conta i aos nossos committentes, nao Ihes
exp icar as nsoes que juslifiquem nosso
procedim nto ? Nao nos pergunlar o paiz
o por que vatmos, qua! a justica que as-
sste companbia ? Como nao se permittir
que seja larga, demorada e estudada esta
questo ? Como querer-se suffocar e regei-
tar um adiamento para esclarecer-se ? Como
quer. r votar sem se responder at aos ora-
dores que tratram a fundo da questao, sem
esclarece-la convenientemente, de modo a
nao coot nuar a ser considerado escndalo,
como o publico a reputa desde que foi
aventad ?
Eu nao posso: sou responsavel pelos
meos actos diante de meus constituintes
Nao ba o menor fundamento na reclamaco
da companhia, nao posso sobrecarregar o
thesouro com onus to pesados. N5o sao
os impostos que paga o poro para serem
barateados pelas companhias eslrangeiras,
que com invectivas e ameagas perturbando
o somno dos nossos ministros, e atemori-
sando-os, consegaem que elles exijam das
cmaras indevidos pagamentos.
E moialente fallando, apreciando a
questao sobre oulro ponto de vista, em vez
de ganhar, ha de perder no estrangeiro al
o nosso crdito, bao de chamar-nos perdu-
larios, fracos e timoratos, essa posigo se
nao pode adinittir. i.tpoiados.i
O Sit. Presdeme :Lembro ao nobre
deputado que o que est em discussao o
adiamento e nao a questo principal.
O Sr. Pereira da Si.va :Referen se
as minhas observacoes ao aamento, e in-
fluencia sobre sua soluco, como perspi
cacia de V. Exc. nao pode escapar. (Risa-
das.) Em respeito, po era. s observacoes
de V. Exc. vou terminar, promeltendo que
nao deixarei passar a questao principal sem
sobre ella fallar, quando chegar a sua occa-
sio. Termino declarando que voto pelo
adiamento. (Moilo bem.)
O Sr. Augusto deOi.iveira :Posto que
reconheca, que nos corpos legislativos o
adiamento quasi sempre um meio erapre
gado para protellar, como tambera algumas
vezes para matar urna idea, todava, Sr.
presidente, eu estara disposto a dar o meu
assentimento aorequerimeHto era discussao,
se porvanlura os discursos dos proprios
sustentadores do adiamento nao protestas-
sem contra a sua procedencia.
O nobre deputado autor do adiamento
encetatado hontem o presente debate, de-
belaron que liaba estudado a materia, e que
havia de acompanhar a questo palmo a
palmo.
O nobre deputado que acaba de sentar-
se, alm dos discursos pronunciados o anno
passado, nos annunciou outros novos dis-
cursos, que tenciona ainda proferir, sobre
esta materia. '
Portanto os proprios sustentadores do
adiamento esto perfeitament inteirados do
assumpto ; para que, pois, querer adiar um
assumpto da urgencia daquelle que preoccu
pa a attenco da cmara.
Demais, senhores, ha urna circumstancia,
e que apenas se trata da 2a discussao
(apoiados); temos urna 3a, e no espado
que tem de mediar entre urna e ontra, ha
todo o lempo necessario para que os no-
bres deputados procedam a todos exames
e averiguares necessrias, am de se ha-
bilitaren a meihor disctitirem a materia.
(Apoiados).
Eu, Sr. presidente, n> quero acompa-
nhar o nobre deputado em todas es consi-
derares que acaba de Ihe azer, am de
nao sabir da ordem.
S. Exc. nao se lmitou nicamente a ma-
teria do adiamento, eu nao o imitarei; po-
rra se. mais me for concedida a palavra,
na 2a ou 3a discussao, espero demonstrar
ao nobre deputado o erro da maior parte
.. 17" *.,...---------'.-------
oe swh aprociaooes"" acerca "*oa -estrada oe
ferro de Pernambfpi*sfepj adqfM>tr#r
cora algarismos qu
ser a menos valioj^v a *Jf ># oWifsa
pa.-a o estado. (Apoiados da aeputao. Jo per-
nambucana).
Espero tambera mostrar cmara' que,
atienta a modicidade dos precos da tarifa
dessa emprezat ella presta os melbores ser-
vicos lavoura. (Apoiados da mesma depu-
taco). ,
-r-
18 de Junhp
f,
1870
l
j orea pelos cincoenta. e picada das
bexigas. Pois, como ia dizendo, encontrei-a
hontem, e parecemio-me alguma cousa per
turbada*, perguntei-lhe o que se passava
Respoodeu-me que ia procurar um medico,
por sua ama estar incoramodada em conse-
quencia de um sonho muito exquisito que
ti vera noutes fo, e que devras a trazia
preoecupada e atormentada. Accrescentou
que a senhora condessa daria o que lhe
pedissem para obter a explicaco do ta
sonbo, mas ninguem conhecia capaz de ati
nar com o verdadeiro sentido d'elle. Ola
com todos os diabos gritei eu logo, nao
me podias encontrar mais proposito ; c
ston para te tirar de cuidados. Conheco
urna adevinha que interprea os sonhos, por
mais complicados que sejam, sem oonca
se engaar : um dom maravilhoso e na-
tural que ella tem, e que aperfeicoou por
meio do estudo. As pessoas que a con-
sultan, e sao ellas numerossimas, saem
muito satisfeitas e fazem-lhe grandes elo-
gios. Cbama-se a tal mulherzinha Simoa
Raymundo, e mora na ra da Laaterna. E
n'isto ajoujou-me a Anastacia Gaudin de mi
agradecimenios pela miaba opportana indi-
cacao, escreveu n'um papel a morada, e
aliancou me que resolvera a condessa a vir
ler comtigo hoje ou amanha, o mais tardar.
Prepara-te, pois, para recebares a impor-
tante visita, e dize-lbe cousas que sejam
do seu agrado e a lisongeiem : nao te es-
quecas que essa gente fdalgota, esses po-
derosos, costumados a mandar e a verem
sabir-lbos tudo medida dos seos desejos,
mostram-se tanto mais generosos, quanto
mais os adulan e satisfazem.
Sei isso perfeitamente, redarguio Si-
moa com modos desprendidos ; todava,
quando vier a condessa de Rahon hei de
lbe dizer a verdade... s a verdade.
A nerdade .'repets Lzaro fazendo
um gesTo'de assombro. Eisa pilhena nao
m Pois tu acreditas dos sonhos ? Nao
zombas da toa sciencia adeviabatoria ? Os
naipes, o novello, o epelho mgico e as
braxarias de qae te serves, serSo para ti
oatra cousa mais do qae as rodas indis-
pensaveis de ama en^eohosa machina que
tem por fim engaar os tolos, e eitrabir-loes
honra de pertencer, urna questo que
l>rtfnut! A pbraj to sna, mas ouvio-3
outr'ora a uns dpi membros do actual mi-
nisterio.
"(Ha varios apartes).
Os factos ah esto consignados nos Att-
naes do Parlamento, Foram os menjbros
do partido conservador que mais prodigaran
a idea consagrada nesse projecto, quando
e!le veio ao parlamento. Quer nesla caaa-
rja, quer no senado foi a sua adopeo emba-
0 Sn. P'erf.iiu da Silva d um aparte, tacada pelo voto dos consejadores.
0 Sn. Augusto de Oliveira : Julgo
mesmo que ha da parte dos nobres depu-
tados injustica procurando adiar seraelbante
materia quando a sua .urgencia est demons-
trada pela data em que ella foi pela pri-
men-a vez apresentada. ,
O nobre deputado j nos disse que ha
nove annos se trata desta idea.
O Sn. Pereira da Silva :Foi susten-
tada ha nove annos; nao se trata^t ^
O Sn. Augusto de Ouveira :A medida
proposta foi iniciada e adoptada pela cma-
ra dos Srs. deputados, e ao depois appro-
vada pelo senado ; e se nao por urna mera
disposico do regiment, e se nao se dsse
a circumstancia de ter sido essa idea con-
signada no artigo additivo de urna le do or-
camento, e della destacada ao senado para
formar projecto separado, j ^eria le do
estado ; o corpo legislativo, pis, j profe-
rio a sua senteuca; pois, -urna idea ven-
cida, tendo passado por todos os tramites
constitucionaes exigidos para urna le do
estado, e apenas dependente d saneco im-
perial; emtal bypothese a cmara nao pode
ser censurada de irreflectida e precipitada,
repellindo a protellacjo cora que se procura
embaracar a deciso deste projecto. ,
pois, mais um motivo que me leva a votar
contra o adiamento ; desejo sustentar antes
que tudo as deliberacoesj accordadaspelo
corpo legislativo. (Apoiados).
O nobre deputado nos prometteu sem
dnvida urna grande discussao ; S. Exc. tam-
bem queixou-se de qoe o bou-discurso do
anno passado nao fra respondido.
Persuado-me que o nobre ministro da
agricultura encarregar-se-ha Jo: responder
na parte que for conveniente ; pela tumba
parte protesto ai nobre depqtado que b-;i
de moslrar com docwneatos olliciaes, que
a maior parte dos factos que produzio con-
tra a estrada de ferro de Pernambueo se
inexactos.
Por emquanto liraito-me ao que acabo de
dizer, afim de nao sahir ra da ordem, es-
perando ainda ter occasiio de expender a
minba opinio acerca da medida proposta
no projecto. (Muito bem).
O Sr. Teixkira Jnior diz que nao aba-
sar da attenc|o da cmara. Trata-se ape-
nas do adiamento do projecto relativo es-
trada de ferro de Pernambueo, e tendo de
votar a favor do adiamento pretende nica-
mente explicar o seu voto.
Estraoha que o nobre ministro da agri-
cultura se opponha ao requerimento em dis-
cussao, cujo m proporcionar cantara o
ter.-.po necessario para examinar o relatorio
do ministerio da agricultura na parte relati-
va ao assumpto do projecto, o que s pode
azer-se quando for distribuido esse rela-
torio.
Se a concesso de garanta de juro ao ca-
pital addicional da companhia da estrada de
ferro de Pernambueo constitue urna questo
de grande alcance para os interesses da fa-
zenda publica, se a legitimidade dessa pre-
tencao to controvertida que autorisa a di-
vergencia que tem havido sobre a sua ad
misso, se to dubia que possa explicar z
incoherencia com que estadistas cujo crite
rio e reflexo sao reconhecidos por todo o
paiz, mudara de opinio no curto periodo
de ama mudanca de situacao poltica...
O Sr. Pebeira da Silva :En nao creio
que os quatro ministros mudassem de opi-
nio ; ainda estou persuadido que votaro
contra.
O Sr Teixeiha Jnior :... se urna
questo de natureza letigiosa e cootroversa,
como se poderla obstar que se espere o re-
latorio do respectivo ministerio para pro-
var-se a razo da mudanca- operada as
opinies dos Ilustres ministros ?
O orador nao sabe como peDsam actual-
mente os honrados membros da cmara
acerca desse projecto, sabe, porm, qual era
outr'ora a opinio dos membros do partido
conservador, e que a sastentaram nao s na
tribuna como na imprensa.
A questo Brahma, segundo aprendeu
com os proprios chefes do partido a que tem
suavemente das algibeiras as especies mo-
netarias ?
Nao sei, rosnou Simoa.
E'posslvel) queridinha, que sejas vic-
tima dos teus proprios engaos- ?
Nao sei, repeli a bruxa.
V l, ex lica-te, que eu por mira
nao atino a comprehender-te.
E' simples caso; a arle de inter-
petrar os sontos, tal qual como; adevuhar o
fntaro pelas linbas da mo, pelo curio dos
astros, ou por meio das cartas, andt sub-
mettida regras nada arbitrarias, das quaes
lenho feito consciencioso estudo, para des-
empenhar o meu papel de adevinhar e ler
as sinas. Ora bem : sempre qae se offe-
rece occasio, isto sempre que me con-
sultara, tenho todo o cuidado em applicar
escrupulosamente essas regras. Explico
os sonhos seciindum artem. Nao invento
ada, limito-me a interpretar o que segando
o mea parecer indicam as linhas da mo,
as cartas ou os astros. Ha n'istb verdade
on illuso? Ignero--o completamente ;
tem-se succeddo, porm.com tanta frequen-
ver cnmprfdas as minhas prophecias
tatrro tem degenerado no" Brastf: (A"p"Ohr-fje p'"dos antgos caxerros*a,olnfeRz""ne-
A maior parte dos actuaes ministros pro-
nunciaram-se e votaara contra,tal aulorisa-
Co. Foi contra o voto prestigioso do ac-
tual Sr. ministro da justica que ella passou
nesta casa...
t. O Sn. Prado :Mas em questo de ga-
binete. 3- .
0 Sn. Ministro da Agricultura :Foi
ento considerada questo de gabinete.
O Sn. Pereira da Silva :E votaram
contra no senado os Srs. Cotegipe e Para
nbos.
O Sr. Tcixeira Jnior : Nao faz ao hon-
rado ministro a injustica de suppor que S.
Exc. pudesse .infringir um dos principios
mais salutares do seu partidosacrificando
o interess publico aos interesses da polti-
ca. O patriotismo, de que tm dado irre-
fragaveis provas esses Ilustres .estadistas
repelle to mesqninha snpposico. (Apoia-
dos). Nenham delles escolheria seraelbante
terreno para aggredir o ministerio (apoia-
dos) ; e por certo o honrado ministro da
justica nao leria deixado de prestar o seu
voto a esta medida, embora fosse opposicio-
nista ao gabinete, se S. Exc. entendesse
que a sua rejeiclo affectava o interess pu-
blico ou menoscabava a honra e dignidade
do governo imperial, (\poiados).
Alm disso er que moito acertadamente
procederam naquella poca os Ilustres
membros do parlamento que votaram con-
tra, porque a questo nao era digna de ser
elevada cathegoria de ama questo de
gabinete ; nenbum compromisso hava da
parle do governo, nenbum interess publi-
co perigava com a rejeico do projecto, e,
pelo contrario, grande economa resultara
para os cofres pblicos. Com razo, pois,
declarara ajnda hontem o honrado ministro
da agricultura que o projecto nao podia
constituir ama questo de gabinete; e o
Orador nao comprehende como esta questo
pudesse ter tal carcter para aquelle minis-
terio e nao o tenha para o actual...
O Sn. Cnuz Machado :Enlo Bzeram
questo de gabiaete, e o Sr. ministro da
justica volon contra, no que fez muito bem.
(Ha outros apartes;.
0 Sr. Teixeira Jnior observa que ap-
prova esse procedimento, porque est con-
vencido de que esses Ilustres membros do
parlamento reconheciam que a rejeico de
tal autorisaco, longe de ser um mal para
os interesses do paiz, seria, pelo contrario,
um grande beneficio.
Mas, pondera o orador, nao foi este o
nico prononciamento dos correligiooarios
da a:tual situacao poltica. Indo para ose-
nado o orcamento, e nelle incluida esta ad-
torisaco como additivo, foi all separado,
concorrendo para isso alguns dos membros
do actual ministerio.
Na phrase do honrado deputado pelo
Rio de Janeiro que o precedeu na triouna,
esta questo estava perdida na opinio pu-
blica e nao poderia msi* ser levantada por
aquelles que to eficazmente a profli-
garan.
Mas, quando contFa a geral expectativa,
o proprio gabinete qaem resnscita seme-
lhante questo, nao pode merecer reparo
que os amigos da presente situacao quei-
ram indagar as causas dessa incoherencia.
Pela sua parte o orador quer conbecer as
razoes que produzirara a mudanca de opi-
nio dos Ilustres membros do ministerio,
porque pode ser qae por identidade de ra-
zoes elle tenha de votar boje a favor dessa
autorisaco, contra a qual teria votado em
4804, e contra a qual votar, se nao con-
vencer-se da procedencia de tal incohe-
rencia.
. Porqae pergunta o orador, que aquillo
que bontem devia ser rejeitado, deve ser
hoje approvado ? Ser porque hontem es-
tavamos fra do poder e hoje estamos no
poder ? Nao : o seu espirito de partido nao
vai at esse ponto. (Apoiados). Aquillo que
combater em opposico nao sustentar no
poder (apoiados); preciso manter-se a
lgica e a coherencia das opinies, porque
por falta dellas que o systema represen
1C Tf ii
LUfflwlto a |0tar contra o projecto, ,0 ora-,
or so mjodificiajt o seu voto se convencer
se da necessidatfe iadeclinavel de fi fla-1
grajjte' coQlradictao. Por ora nao est ha-
bilitado a faz-lo... _-r*
O Si* Cajuj&ro da Cu.nha :Para, isso
estamos discutindo.
O.Sb. Teixemu Ji'Nioa:E por isso vota
a favor do adiamento, porque entende que
elle nio pode prejudcar a votaco cons-
ciencioa e Ilustrada de um assampto de
tanta transcendencia como o de que se
trata.
Vozes :Muito bem f
O Sn. Araujo Lima pronuncia um discur-
so qae publicaremos depOis.
Ninguem mis pedndo a palavra, e pon-
do-se a votos o requerimento, reconbece-se
nao haver numero legal, pel que.O'Sr. pre-
sidente declara a discussao encerrada.
Encerrada a discussao do requerimento
de adiamento, e, Do podendo proceder-se
votaco por falta de numero legal, verificoa-se pela "chamada, declarou o Sr.
presidente ficar prejudicado o requerimien-
to, m virtude do regiment.
Suscitando-se ento urna questo de or-
dem, na qualtomaram parte os Srs. Anona-
de Pgueira e Araujo Lima, resol ve o Sr.
presidente que, ho obstante o estylo se-
guido nesta cmara e no senado, todava,
nao querendo contrariar a deciso de um
dos seus antecessores, segundo sel em a
nota ao art. 86 do.regiment, ficasse o re-
querimento para ser votado quando bou-
vesse numero, continuando, entretanto, a
discussao sobre a materia principal.
0 Sr. Andrade Figueira pronuncia um
discurso que publicaremos depois.
A discussao tica adiada pela hora.
Dada a ordem do da, levanta-se a sesso
s 4 horas e meia da larde..
UTTERATDM.
POUCO )E TUDO.
CASTIGADO POR SAS MOS. Ha
cousa de quinze annos desappareceu de
Maestritkl o representante de urna grande
casa de commisso de viohos, sem que se
soubesse do seu paradouro. Este homem
gosava de muito boa reputaco, porm
quando desappareceu descobrio-se que tinha
defraudado a casa de que era agente n'ama
summo avallada. Suppoz-se que teria fgi-
do para a America, eho setoroo'a a fallar
mais d este successo.
Em consequencia de se ter manifestado
um incendio na casa da familia do antigo
agente, entrou n'ella a polica e n'um quarto
que "apenas teria tres metros, encontrou
aquelle desgracado, que viva all sem nunca
sahir nem tomar ar, desde o dia do seu
desapparecimento, em presa do maior re-
raorso.
O dono do estabelecimento de commisso,
commovido com os soffrimentos do seu em-
pregado, renunciou a todo o procedimento
contra elle.
le
tou
om-zmpd
do furto das vate cinco mil libras fra
nata fbula para colorar desvos fraudulen-
tos. -,i
fcesta forma foi Clodomiro bem fraevida-
mente convencido de bancarrotero.
Certa manha a criada de William Bor-
nett anounca-lhe a visita de ora desconh-
cido.
Burnette passa do salo, onde se achjva
o visitante, de costas para a entrada, ab-
sorvido a leitura do Morning-Post.
Este jornal escapafido-se-lhe das mos,
o dasconhecido volla-se em movimeat de
apanha-lo, William Burnett d um grito
terrivel, e... -
Perdo, ia a escrever aqui um wimuar-
seha. "
Sir William Burnett, depois fiesta visita
faz ft-equentes sabidas de casa, emprehende
viagens urnas apz outras, e tem idas e vm-
tiBS mysteriosas: e'disto resolta Dor fim
apparecer barra do tribuna! criminal John
Moon, cuja priso reasara-se em occasio
em que tomava ama cbavetia de cha em
companhia de urna escrava Circassiana, qae
comprara... em Harisprovavelmente.
Perante o tribunal John Moonsorri, como
um indiciado certo de sua innoceoriar e ah
repete as calumnias, que asscara Mr.
Clodomiro Frenis. <
Eu sustentarei isto, disse em respos-
la a urna interpellaco do juiz, em presenca
ainda do cadver de meu antigo patro!...
rv
Abre-se a porta, e esse patro, invocado,
o proprio Clodomiro, se offerece s aristas
de todos, laucando olhares terrivets ao sen
antigo caiieifo,
Grito de horror levanta-se dentre to-
dos!
Os jnizes empallidetem, os espectadores
tremem, as senhoras fogem, e John Moon
cahe de joelhos e confessa seas crimes.
0 defensor porm nao se d por vencido,
exige que o espectro estabeleca legalmente
a sga identidade, antes, de ser admittido a
depr perante o tribunal.
Esses advogados americanos e ingtezes
sao celebres na verdade por suas excentri-
f insiP
A cor local nesta coarctada to bem res-
petada, que ella prova superabundantemente
a veracidade dor edactor jud'iciario do Monde
Ilustr.
Aquelle defensor devra ser inglez, ao
menos de origem.
V

Um tim por tim, qae s vezes chegoa acre-
ditar e qaasi a cohvencer-me da verdade
da minha scieijcia. Por isso respond s
toas perguntas que nao sabia.
-^N'esse caso, bradou o rapaz despe-
drado uma'graode risada, aqu teas a mi-
nha mo, que eu submelto s tuas infalli-
veis invesiigaca* pararme diz^res se a for-
tuna vira a sorfir-me e se algum dia serei
Simoa filen o olhar-atiento na alambasada
mo do rapaz, e as sobranceras da brnxa
contrahiram-se ligeiraraente.
Safa! mormurou Lzaro ao ver o
gesto ; enlo o meu destino nao de todo
em todo agradavel ?
A bruxa abanou a cabeca.
Que vs tu ? perguntou Lzaro.
QueVes s^tojfjf""- lTi-'--';
Irrevogavelnrnte.
Pois bem: vejo urna lioha de vida
agitada e aventureira, qae vai acabar no
patbulo.
Nao se pode chamar muito lisongeiro
esse desenlace, disse o rapaz fazendo
urna careta muito feia. Palavrinha que me
offereces urna bonita perspectiva Graca3
Deus, tenho o remedio na mo.
Qaal?"
EV nao acreditar n'essas paparrotices.
Pallemos de outra cousa.
Como qoizeres. Se te parece, falle-
mos de teu amo, do marqoez de Saint-Mai-
xent. Tens noticias d'elle ?
Ah disse Lzaro com profaoio sus-
piro. Ab I Oxal que as nao tivesse !
' To ms sao ?
Pessimas ; verdadinha que nao sei
cqmo o senhor meu amo sahir da arriosca
em que se metteu. J sabes qae sabio de
Pars toda a brida, haver cousa de seis
semanas, com o fim de fugir perseguico
dos credores, que o traziam acossado e sem
descanso ; o sea plano era eocaixar-se na
Auvernia, e ver se arranjava emprestados
alguns dobres, com os quaes espera ya,
anda que fosse momentneamente, aquie-
tar a quadrilha de famintos lobos que o
persegue.
Mo 1 bradou Simoa ; pois teu amo
nio sabe qoe os credores se tornan mais
intransigentes e e^carnicados quando che-
gara a receber algum dinheiro ?
Sabe, sim ; mas o que! mais lhe inle-
ressa ganhar tempo.
Para que ?
Ora essa para arranjar ama riqueza
ainda maior que outra j desbaratada,
Espera alguma herdanca ?
- Qual historia I Bem vs que am ho
mea chamado o marquez de Saint-Maixent,
que na sua parentella conta al familias mais
nobres da Franca, e qae tem por appndice
om palmo de cara capaz de fazer iuveja
urna niulher, sempre ha de encontrar
mo algnma ricas'sa que lhe traga em ca-
samento p safficiente para concertar as ava-
rias da tras posicio.
Concordo : mard'onde vem a tua in
quietaco ?
Vem de certas noticias qoe hoje re-
cebi, e que muito cuidado mt deram. Os
credores poco importam, en haveodo as-
tucia para zombar com elles ; mas o caso
moda de figura desde o momento em qoe
o Sr. de Reynie, tenente geral da polica
VARIEDADE

Mo tribunal criminal da liba
Mawrleia.
Clodomiro Frenois, rico negociante da
ilha Mauricia, ha lempos, fra encontrado
morto em seu gabinete.
Dera-se um suicidio.
A bala da pistola havia despedacado a
cabeca do infeliz de modo horrivel, tendo
levado a mor parte do rosto.
Ao lado do cadver encontrara-se urna
cartasea testamento de morto, na qaal
declarava o seguinte: < Um ladro fur-
loume vinte ecinco mil libras esterlinas;
e estando arruinado, e por conseguirte des-
honrada, mato-me.
II
uquidoij-se a casa.
A viuva abri mo do dote, para satisfa
zer quanto fosse possivel aos credores: e
consecutivamente recolheu-se a um conven-
to, cora voto de professar.
Ha porm credores, aos quaes nos satis-
fazem ainda as mais sublimes ahngacoes:
Destes era pm tal William Burnett, o qual
fizera reparo emque a catastropliede Clodo-
miro Frenois coincidir com a desapparico
do reino, intervm nos negocios de meu
amo. Sei de boa fonte que se expedio um
mandado de priso contra o senhor marqoez
e que, por cuidarem que estar escondido
em Paris, foram destrelados os melhores
sabujos para o desencantaren.
;' De que p aecusam ?
De varias baga tollas ; entre outras,
de ter ferrado urna punhalada. sahkJa de
uiua espelunca, em certo qudam que lbe
ganhra ao jogo muito dinheiro, e de ter
subtrahido galantemente ao mesmo sugeito
urna bolsa de regulares dimenses.
E verdade isso ?
Aqui para nos, ... mais que ver-
dade, respondeu Lzaro. Mas a polica nao
devia persegdir meu amo, que l teve suas
razoes para fazer o que fez.
Mas qoe razoes ?
Prirheira e principal ; tinha maitas
suspeitas de que o tal individuo fazia batot
e de que, por conseguinte, o havia rouba-
do. Meo amo reclamou o seu dinheiro, o
outro recusou-se obstinadamente a entrga-
lo, e como o senhoc marquez nao podia
desafiar um marionlo d^qoelles, valeu-se
da adaga para rehavor o que era sea. Df-
f-rire agora" se nao estava no sendireRo,
e se ootro qualquer nao teria feito o mes-
mo. Iofelizraeote, o traste qaem deix-
mos por morto recoperou os sentidos, e
averigaoase qae pertencia certa familia
muito protegida e qoe gosa de graode favor.
A' esta reaniram-se outras reclamaoSes de
menor importancia ; todas ellas juntas for-
mara um grande capitulo de culpas ; e por
bagatellas semelbantes perseguem como
damnados meu amo. Forte velhacaria 1
Em summe, se chegarem a saber qae o
pobre senhor est na Auvernia, sao capazes
de l trem ter com elle e de lhe deitarom
por trra todas as suas esperancas.
Ento preciso qoe lhe escrevas sem
perrfa de tempo, para estar prevenido.
Isso j eu fiz. recommendando-lhe
qae procure algum escooderijo onde se con-
serte oceulto, e que recorta quaolo antes
aos seos amigos para elles contrabalanca-
rem a influencia dos qoe o quarem perder.
Imagina to: se o
i i
Clodomiro Frenois narra aos juizes, sob
juramento, que na occasio, em que ia real-
mente fazer saltar os milos vira entrar em
casa o guarda do cemterio, trazendo para
sea sobrinho, que medico, am cadver,
afim de prestar-se estados anatmi-
cos.
Que, esta vista, mudara de idea, e des-
fechara o tiro no cadver, tomando-lhe o
rosto por alvo sob certo ponto, afim de dee-
6gora-lo etorna-lo irreconhecivel.
Que depois vestir esse duplo morto com
a sua roupa, e o deixira assim enterrar como
se fra elle, emquanto que manido de om
passaporte falso, e disfarcado, parta para
Franca em busca do seu infiel caixeiro John
Moon.
Esta narraco commovedora levou a con-
vieco ao espirito dos juizes, qne condem-
naram o caixeiro detencio perpetua, e re-
habilitaran Clodomiro.
Este, s acclamacoes da multido volta
sea domicilio, dando o braco a sua esposa ;
a qual, vistas as circnmstaneias foi dispen-
sada dos votos, que fizera... n'um convento
da ilha Mauricia, colonia ingleza !
VI
E' aqu que me comprazo de repetir o
que tenho mhitas vezes escripto.
A realidade excede incomensuravelmenie
aos esforcos da imaginaco humana.
Vede como tudo isto se acha providen-
cial e sabiamente preparado!
O sobrinho medico, c guarda do cemte-
rio, o cb a Circassiana, o Moning-Post, o
defensor excntrico, a apparico, o convento
da ilha Mauricia.
Nunca a ar.e, por mais que o faca, poder
chegar essa perfeic'o !
_____^-------------.-----------------------i
riade
pergon-
ou sete annos de priso ; e que seri;
mim em todo esse tempo ?
To apegado s teu amo ?
too Simoa, sorrindo.
Apegaio nao o termo, mas trab-
me certa affeicao.
-E porque'
Porque medou prbmette dar mag-
nificas recompensas.
Poderias encontrar, outros que te pa-
gassem to bem e de contado.
Teas raeoi mas -talvez 6a nio gos-
tasse de os servir. Eo iraero am amo qoe
n9s''me de nada que fajer, e isso exac-
tamente o que succede com este. As mi-
nhas obligarles !mitam-se a inventar men-
tiras coutra os malditos credores, e 'Wco-
dir-lhes o p, quando se atrevem a iPjWla
manha perturbar o somno do senhormir-
qterjscr portador dos seds bilhetes-,no-
roses s damas quem namdra,' **pw*V
lo noute nss slelas das casas- onde. vi#e
visita, jogando com o? meus eollegas ;, a
mellior vida para mim esta. E d'ahf,
sentior marquez j bit' comprehende e j
me estima ; sabe qoahto talho, e diz que
tenbo talento. Somos um par de tonanms,
qne nos entendemos peTfeUamente, -ea
perdi cera certeza smudasse de am.
Emfim, nao quero que mettam ntBas-
tilha. ,fl0^
Ese-omogito que vo,evrodo; os
seos negocios o impedirem e voRsr
Paris ?
Era eapax t ir ter com elle. J u
. Tu sabes o que ests diseoda Aoss
tencionas dixar-me? iaterragea Sinwaicosi
raoflbSi Mpreheosivos. r
Lzaro flcmiataranUdo, e pos aatabeca, semaaar' com a ttftfm^V
badalar fia campainba,' queaid^avaama
visita, wio ponto o tiren. ^[*-!,*f,B*
~ Ha de seracoarfessi^e'lahon,disse
o rs paz; nao a facas espalar, d _^
Vou verse eluv reaacftto ban,
dirigindoseparaaptrta. b* *****!
agarram. caso parrsels, p;^Bip^^: K ^

>
~~"


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EFKABZBV3_EE1CH5 INGEST_TIME 2013-09-14T00:03:31Z PACKAGE AA00011611_12142
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES