Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:12137


This item is only available as the following downloads:


Full Text
*s
> '*.*>
\

ANNO XLVI. NUMERO 3f.
-------------------------- i -
PARA A CAPITAL E IUGABES OIBE IAO S FAGA PORTE.
08 ....._..........

' 'X>-
"Por tres mexes adi
tor seis ditos idem '. .
^atl montero ivulso. .
OOO
1*5000
244000
320

- '' SABBADO lf DE JUNHO DE 1870.
PARA DE5TS0 E FORA DA PR075CIA.
Por tres mezes adiantados
Por seis ditos idem. .
Por nove ditos idem .
Por nm anno idem
*
4750
434500
204250
274000

Propriedade de Masoel Figueira de Faria & Filhos.

SAO AGETK9:
Os P8. Gerardo Antonio, Alves & Filhos, no Para ; Goncalves d Pinto, do MaranbSo ; Joaqnim Jos de Olivtjfray- s Cear ; Antete de Lemos Iraga, no Araoy ; Jo3o Mara Julio Chaves, no Aas ; Antonio Marae. da Silva, no Natal; Jos Justino
Pereira d'Almeida, em Mamanguape; Antonio Alejandrino de Lima, na Parahyba ; Antonio Jbs Gomes, na Villa da Pena; Belarnino dos Santos Bulco, em Santo AntJo; Domingos Jos da Costa Braga,
em Nazareth ; Francisco Tavares da Costa, em Alagoas; Dr. Jos Martin Aires, na Baha; e Jos Ribeir Gasparmho no Rio de Janeiro.
EXTEBIOIt.
Correspondencia do Jornal
Coininercio.
do
BUENOS-AYRBS, 24 be tilo DE 1870.
Como disse Da anterior (9 do crreme) fra a-
quilla dala assignad o tratado preliminar de paz
aar.re as tres atees alladas. e o Paraguay.
u r.abil estadista brasiteiro conseguio vencer to-
das as didlculdades.
.xodiallao meio-dia, parta o Sr. conselheiro
'Paranli' de novo para Assumpcao para fazer fir-
mar o msalo tratado e o protocollo pelos mem-
ores do gobern previsorio, com quem estava feita
a negociado, grabas aos esforcos do nosso minis-
tr>. Devia aeompanha-lo para aquella cidade o
reneral Vedia, ministro argentino ; mas a grave
molestia de urna tilha o irapedio de faz-lo, tendo o
Sr. Mariano Varella, ministro de relaces exterio-
res de mandar outro plenipotenciario. A raorte
da filha do general Vedia, que leve lugar dons
das depois uu dia 14, be permittio partir para
Asumpcao, a 13 do corrente. O ministro brasi-
leiro so chegou Assuropzao no dia 17 s Choras
da noute.
Ahi o esparava urna dolorosa noticia, um golpe
profundu, a morte de eu estimado irmao o coro-
nel Antonio da Silva Prannos, que depois dos
gloriosos feitos de Cerro Cora, fra promovido a
brittdeiro,
Essa noticia, recebida pelo conselheiro Paranhos,
da hora de um soldado ordenanza do marechal
Gaqara, que se aehava na porta do alojamento do
mesmo marechal, por onde aquella hora da noute,
escura e tempestuosa se dirigia o conselheiro ao
-desembarcar, foi como um raio que fulminasse
aquelle nobre ciraco. Como em inuitas das an-
terior correspondencias tenho dito, a saude do bri-
gadeiro Paranhos se aehava profundamente alte-
rad durante essa- campanha extensissima.
A dignidade pessoal, o pondonor militar o pa-
.trioisuio, ohrigavam aquella bravo militar a rao
deixar sea posto de honra, seuo depois do ultimo
grit.' da victoria.
pailecimento era grave clculos biliares. Mu-
tas Veaes, durante os terriveis accessos desta fatal
molestia, o valente cabo de guerra contiriuava suas
marchas atravez dos pantanos e dos desertos do
Paraguay, guardando no intimo do peito os gemi-
dos produzdos pela dr que lhe ia naquella orga
. nisao alquebrada pelos solTrimentos da campa-
nha. Era de mais. Aquelle heroism. aquella re-
signacao admirsvel, aquella abne^aco de si pro-
pro. <''ram arlnal o triste resaltado,'que lamenta-
mos todos.
IjOnge da familia ha seis anuos, tendo desembai-
ahado a sua espada em Paysand para s mlle-
la na bainba depois dos gloriosos feitos de Cerro
Cora, em que oceupou um do primeiros lugares,
o brigadoiros Paranhos morrea no theatro de saas
jrlorias.
Nao foi licito ao bravo general ver ainda ama
vea :i esposa ijuerida, as extremosas dinas, o seu
ultimo fllho, quo nascera depois da vinda de gene-
ral para a guerra, innocente creatura que com cin-
co e meio annos de idade balbuciava o nome de
nai. seno ennhecer o autor de seus dias!
Pobre criancinha I Nao foi licito a teu pai dar-
te o primeiro sculo de amor E' que antes de
-po-o lie era cidad>, e antes de ser pai era I
wldado. Deus te servir de pai no mundo.
o conselheiros Paranhos sentio profundamente a
morte de seu irmao, que mais velho do que elle
alguns annos, era o seu melhor amigo, o por elle
fazia todos os sacrificios.
Q lando o conselheiro sahira da .\ssampco a 30
i passado, deixando ao general Pannhis no leito
revel da molestia, nao taoia tildo que os arcanos
da provincia guardavam contra aquella existencia
querida.
A urgencia das negnciagao o chamavam a Bue-
nis-Ayres e qnando sahio desta cidade o levavam
doas motivos, a missao diplomtica e o amor de
', de novo capital do Paraguay.
.Vii he foi mais licito ver nem cadver da-
l'H lie a quem tanto amara *
" na dor profunda apoderou-se daquella alma
I -.na, que tcm sabido sempre sollrer todos os
'ii urna resignado estoica. As lagrimas
ibafavam a voz naquelles dias embora procu-
i occaltar no intimo do coracao aqaalles desa-
. sublimes da dor.
lina consolarao resta porm ao imlfadado If-
6 e que o general Paranhos marreu cercado
dai as aiiencfti' e cuidados, dando o ultimo
ira nos bracos de sua cunhada D. Mathildo, a
pial com =eu esposo tributaram a seu prenle lo-
doa o eoidade?, que exigiam aquellas amargas
i- iras.
\:.: irte do general Paranhos foi geralmente sen-
K n Assunipco nacionaes e estrangeiros
deram as mais francas d'-monstrac.oes de apreco e
ntima ao Mostr finado.
0 marechal Cmara, que durante a molestia do
sea companheiro de armas, nao ahandonou-lhe o
leito, precedendo como um leal amigo, determinou
as raaiores honras fnebres ao general. Seu en-
terro foi solemne e pomposo.
0< Drs. Svmphroni) e Muniz Barreto pronuncia-
ran sentidas palavras sobre a sepultura daqiielle
m trt\ r do amor da patria, e do pundonor militar.
A memoria dp general Antonio da Silva Paranhos
ser sempre urna reminiscencia gloriosa para a
patria agredecida.
E' de crer que depois de alguns dias mais
volte o conselheiro Paranhos para a corte do im-
perio.
Desta repblica as principaes noticias se reu-
nem nos succesm de Entre Ros, [estas mayas, e
inanguraco do ferro carril central argentino.
As' ultimas noticias de Entre-Ros dio una ba-
Uriha entre as forcas ds Lpez Jordn e as do ge-
neral Conesa no da 20 do corrente. Todos 09 jor-
uaes desta cidade se esforgam por coosideRr este
recontro como urna victoria para o governo nacio-
nal. Mas eu que j estou acostumado com a im-
prensa argentina, onde se realtsa aquelle prover-
bio por uguez Mais sao as vozts que as nozes
direi aqu en resumo o que se d;prehende da
parte ofnciai do mesmo general Conesa j publi-
rada.
Daquelle documento resulta que o inimigo ini-
ciou urna f-irte carga de cavallaria por um flanco.
Que sendo essa repellida retirou-se, porm sem
desorganisar-se. Que novas cargas pelo outro
flanco, eonseguiam fazer vacillar as tropas nacio;
naes. Que foi rechacado este novo ataque e se
renabilitou esse flaneo. Que 2,000 horaens corre-
ram pelo flanee esquerdo e alacaram as torgas
nacionaes pela retaguarda, fuginio aquelles ante
o i de avallara, o de S. Loarenco. Que o
combate oi encarniado e durou tres horas, ro-
nunciando-se o inimigo em retirada, ikando as
Torcas aacionaes donas do* campo, no qual o Ini-
migo deixou armas, petrechos, feridos e alguns
prisioneros. 0 genera^ Conesa esqueceu. de dizer
qaautos canhdes, quantos prisioneiros etc., deixou
inimigo, e perden a iosurreico, e a base da-
quella parte s este factoo inimigo que tinoa
forca superior foi repellido.
A JVooi, era, um artigo editorial de hoja, que
attribuo ao general Mitre, dii sobre o assumpto o
seguate:
c A victoria nao precisamente nm facto ma-
terial que se determina pelo numero de morios e
feridos. Ella dea melhor establecida pela ira-
pressao moral que todos recekem e pelo alcance
que ella loe d mais oa menos immediato, Des
de Cagancha at Pavn foi a moral que deu a vic-
toria.
< Em Cagancha nossa cavallaria foi derrotada,
e apenas se refaz na retaguarda. Porm a intao-
taria e a artilharia fazem um estrago formidavel
no exercito inimigo. Carregam nossas forcas e
descobre se urna reserva, inimiga muita aaaior do
qnc se poasou. Mas o inimigo se tioha dado j
por derrotado : essa era sua impresso, e nao ten-
do j reserva que pudesse salva-lo, se desfez essa
como se tnham desfeito as outras forcas.
i Em Pavn a nossa cavallaria derrotada em
todas as partes, e passa nossa retaguarda, po-
rm a infantaria e artilharia (lea dona do campo,
a anca e o exercito do general Urquiza proclama
elle mesmo sua derrota, dispersaado-se urna par-
te da cavallaria rencedora, e retirando se o resto
sem disparar um tiro. Eis o que succede boje.
Estas palavras escriptas pelo general Mitre, di-
rao melhor do que eu aos leitores de Jornal do
Cnmmercio o que foi a batalha de 20 do corrente
entre os generaes Conesa e Jordn, e provaro
tambem o que a arte da guerra no Rio da
Prata.
< Esta cidade estremece desde hontem com os
jbilos e rogosijos do pomposo anniversario de 25_j
de maio de 1S10.. Assisti desde hontem ao meio
dia ao comeco das fastas populares, que devem
seguir o seguinte progranima, principian o no dia
23, anniversario do juramento da constituicio.
loje 24, ao meio dia, seelevarao globos aeros-
tticos, e s 2 da larde os acrbatas executaro
pruebas de gymoastica como o salto de Nigara,
la Zampilloaeroslacao, a tranca hespauhola, etc.
A's 8 da oite se elevar um globo aereoslatico,
a os fogos de artificio representaran a fortaleza
de Humail, arremessando fogo e grandes bom-
bas, etc.
Amanha (25 de mao), ao sahir do sol, se far
urna saudaco com foguetes, bombas etc., um re-
pique ge ral de sinos em todas as igrejas da cidade,
e as enancas das escolas raunicipaes, vestidas de
branc'o, com fitas azues tiracol lo, enlaro o
hymno nacional ao p da pyramide da Liberdade,
ao som das msicas, na praca da Victoria. A' 1
hora haver solemne Te-Deum na igreja metropo-
litana, e depois d'elle a corporacao municipal re-
eeber e obsequiar em seus saldes os governos
nacional e provincial, orpo diplomtico, socieda-
de de Beneficencia e corporaedes e autoridades do
paiz. Nesse momento se elevarlo globos e se
queimaro fogos. Das 2 da tarde' s 5 haver
pruebas pela companhia de aerbatas.
As 8 danoiteseacenderuma grande fachada de
20 varas de cumprimenlo com o letreiro25 de
maio de 1810.Xa praca haver j"gos de calecitas,
cucanyas, rompe caberas etc., estando a mesma
praea Iluminada a gaz'e luz elctrica, inclusos
os doas grandes chafarizes d ella.
Hontem noite estava|'com effeito lindissimo o
panorama da praca da Victoria. Immenso povo a
eruzava de todas os lados. Assislirei essas de-
monstraed-s nacionaes de um povo ao grande dia
de ana independencia. E' sempre augusta e o-
lemne a hora dessas recordares patriticas. As
nac5es vivem de reminiscencias gloriosas, e para
a America do Sul a memoria da independencia
sempre bella e faustosa.
i Neste mez, tao auspicioso para esta repblica,
foi inaugurado no da 18 o ferro carril central ar-
gentino na cidads de Cordova, acto a qne fui as-
sisiir, como dsse na anterior. Foi urna festa mag-
nifica : era a festa da industria, do progresso e
da civilisaco. Cordova tica a 83 leguas de dis
tanda do Rosario, pJe-se dizer que o centro da
Repblica Argentina. Pois hem, gracas ao tele
sxapho elctrico, a solemnidade ae Cordova era
pariilhada naquellas horas felizus pela popula^o
de Buenos-Ayres, que tomava parte naquellas ale-
gras santas do progresa nacional.
Era um acontec monto maravilhoso. Era em
Cordova onda se celebrava a inauguracao do Ierro
carril cantral argentino, e Buenos-Ayres assistia
essa solemnidad^, tomava parte nella, aira vez de
um rame mysterioso, que ferido as margens do
Kio da Piala,' e nascdo da provincia que limita
com a Paiagonia, reproduza, a duzentas leguas
de distancia, pouco mais ou menos, o signal com-
binado, a palavra transmiltida. Grandioso mila-
gro da applicacao industrial dasciencia I
E nesse prospero acontecimento, nesta maravi-
Ihosa communicacao por urna coincidencia feliz to-
mava parte o ostabeleciment de um hornem ami
g i do progresso, de um brasileiro dislincto, o ban-
co Mau. Ne inferiores, a eslacao do tehgrapho em Buenos-.Vy-
res. A pedido feito pelo Sr." Mariano Varella, nos-^o
patricio o Si. Araorm deu generosamente o salo
superior do mesmo banco, que magnifico e
suraptuoso, para nelle se reuuirem os membros
d) governo nacional, do govorno provincial, mem-
bros do corpo, diplomtico e mnitos outros cidi-
daos que o presdante Sarmiento tinha convidado
para dar mais solemnidade ao acto.
A's 2 horas da tarde estava cheio o sallo. O
olhar ancii so dos concurrentes se pregava cons-
tantemente em um apparelho de Morse, collocado
no mesmo salo, desejando ver ebegar por aquelle
conduelo a primeira palavra da cidade de Cor-
dova.
O apparelho funccionou,e abenco do arcebispo
de Cordova dada ao caminho de ferro, s locomo-
tivas, e aos trens, ao que eu assistia ento, foi
transmiltida ao salo do banco Mau. Comecou
logo o exercicio do telegrapho, rpido, activo e en-
tusiasmando cada vez mais os assistentes da festa
em Cordovae em Buenos-Ayres.
Passarant-se telegrammas de Sarmiento, de Mi-
tre, de Rawson, do membros do ministerio, do
go 'ernador da provincia de Buenos-Ayres para
Cordova ao Sr. arcebispo, ao ministro Veler Sars-
lielde, a Weelright, e militas outras pessoas que
de l respondiam pouco depois. Era urna troca
mutua de palavras desde s 2 horas da tarde al
as 9 da noite. Para pro va dou aqu a copia de
um telegramma mandado pelo gerente do banco
Mau, o Sr. Amorim, nestes termos :
c O Amorim ao Dr. Luiz Alvares dos Sontos.
De Buenos-Ayres Cordova.
Comprimanlo ao distincto brasileiro que neste
momento assiste em Cordova inauguracao do
ferro carril central, verdadeiro representante do
progresso e da civilisaco d'est bello paiz.
Assim se communieavam os habitantes de Bue-
nos-Ayres com a's pessoas que se achavam em
Cordqva, em momentos.
O Sr. Amorim tinha feito preparar sua custa
um magnifico lunch em urna opipera mesa, com o
qual o banco Mau obsequiava aos hospedes que
iam celebrar, em seu edificio aquelle feliz aconte-
cimento.
Os discursos comecaram. Fallaram Sarmiento,
Rawson, Mitre, Avellaneda, Varella, Campillo,
conforme diz a Tribuna,, de quem tomo esses por-
menores.
O presidente Sarmiento tez um discurso poli-
tico. Coraecou recordando a amizade que, em po-
ca nao mui longiqoa, ligou a tres homens que
estavam ali presentes : Sarmiento, Mitre, Rawson,
e depois de fazer um breve retrospeclo sobre o
peregrinacao que haviam feito, chegeu at a si-
tua;o actual. A presento u em Lpez Jordn, e
ultimo caudilbo a vencer-se, e no ferro carril de
Cordova, o grande civilisador moderno, e elle se
levantou, presidente da repblica, no meio d'a-
quelle qnadro extraordinario, mostrando em nma
mao a espada que castigar ao rebelde, e na outra
a bandeira de pioner, que ha de guiar Sempre
adiante aos que queiram chegar meta.
Jto concluir disse que nma batalha se devia
darem breve, talve nos momentos em que elle
estava fallando, e que. se a sorte das armas- Ibe*
fosse adversa, o que nao era fcil nem provavel,
elle con la va sempre com o patriotismo do cor a cao
argentino para vencer ao rebelde.i m applauso
nutrido e acclamacoes vivissiraas saudaram ao
presidente neste discurso.
Urna mao atravessou aj mesa e apertou de ;\
Sarmiento. Era a do Dr. Rawson. A emo ;o que
entao dominou aquelle numeroso grupo de- ho-
mens, que conhecem a historia e as divisoes dos
partidos na Repblica Argentina, foi sublime. L'm
magnifico .uadro de alegra aniraava a todos.
Um abra;) do general Mitre, e do presideote da
repblica seilou aquella fraternidade, que se rea-
lava depois de largos annos entre os tres amigos,
que se achavam actualmente divorciado* as
questoes polticas do paiz, como se sabe no Brasil.
Assim, ao passo que em Cordova se elevava o>
monumento da civilisaco e do progresso da Re-
pblica Argentina, aqu em Baenos-Ayres, no sa-
lo do bancf Mau, na casa de um prestimoso
brasileiro se elevava outro monumento igual-
mente bello, o da concifiaeao, e da fraternidade
entre o presidente Sarmiento e o general Bariho-
lomeu Mitre. ,.
Em Cordova a inauguracao eslava marcada
para o dia 17, o que se sabia no Rosario, d'ocde
partiram os trens no dia 16 s 8 1/2 horas da
manha.
A commisso directora do ferro carril tinha
distribuido cartas de convite para a festa tendo
eu a felicidade de receber no Rosario u na carta,
que devo amabilidade da Sra. D. Cesara
Blanco, consorte do gerente do banco Mau na
quella cidade.
O dia 16 amanheceu chuvoso ecarregado. Noa-
obstante partiram para Cordova mais de ira-
zentas pessoas entre senhoras e homens convi-
dados. A companhia se mostron omito obsequia-
dora.
Na eslacao de Belle-Ville, que tica visinjia a
povoacao de Fraile muerte, e onde chegamos a
meia hora depois de meio dia, foi offerecido um
lunche abundante a todas as pessoas que iam no
trem de recreo.
As 9 e meia horas da noute chegavamos a Cor-
dova. Eu desejara tracar aqu todos os aponta-
mentos que tomei em meu livro de viagenx, sobre
as distancias entre as estacSes, sobre a construc-
c3o da va frrea, sobre o immenso deserto da-
foi mandado construir peto finado geeral Urqui-
za,. unindo em ama bella imgem os aomes de Ur-
quiza, que o fundn, de Mitre, que laofoo o pri-
meiro railwaj e de Sarmiento que inauguroo
para o transito publico.
Nosia repuWica. como em-todos os poros de ins-
tituirles democrticas, a palavra nosffestms po-
pulares sempre pedida e enthosiastieamente ap-
piaudida.
Jlo da l) bou ve um Te-Devm solemne na ca-
thedral, depois o qual militas das pessoas, pre-
cedidas de urna banda de mueiea, forana- sandar a
Wetbrighf. A noite houve um' esplendido baile
ullerecido pelo governador e- povo de Crdova ao
ministro do interior Velez.
Kic.iu assim maagurado erm grande elemento
para esta repoWica. Comprehnoda o impeno a
urgente necessidade de se nao- deixar ficar atraz
oa America to Sol.
De Assumpeosei que conlinnam as aspira-
co>s dos candidatos ao governo com certa oste-
tacio que espanta.
DIARIO OE PERNAMBUCO
i--------------------------------------------------------
RECIFE, M DE JUNHO DE 1870.
OSir.D.Franelseo Canloso Ayres
fuellas vastissimas pampas que percorri naquelle
dia, na distancia de 83 leguas. Tudo isso foca
milito curioso para os leitores do fanal do Com-
mercio; mas nao devo tornar de mais extensa esta
missiva.
'Vo posso, porm, furtar-me ao dever de men-
cionar magnifica ponte de ferro construida so-
bre o rio 2", que lera urna dimensao de cerca de
tresquadras e meia.
Esta obra honra a seu constructor o enge-
nheiro mglez, o qual pane neste vapor para a
Europa.
Alm desta ponte ha ostra de pedra e cal com
vigas de ferr sobre o rio Curcaranal, igualmente
milito bem construida.
Alm desta obra, a nica que pode chamar a
altencao a ponte construida entre a estaijij de
BelleMtIlc e a povoacao de Fraile, muerte, para
felicitar a passagem das carretas e vianderos que
venham das provincias de. Cuyo, como aqu cha-
mam as provincias que fiara a oeste da repblica
argentina.
No mais. as obras de arte sao siraplicissmas, pois
este terreno chato e plano, parece ter sido crea-
do para ser cortado por una rede de ferro-
carril.
Tal a facldude com que podera aqni ser
construidas as estradas de ferro O que po-
rm preciso, povoar cs companhia do ferro-carril, que tem urna legua de
terreao a margera da estrada que coustruo, trata
j de fazer vr novos inmigrantes, para o_ que
acaba de fundar urna companhia de colonisaco, de
que fazem parle os mesmos accionistas da de fer-
ro carril.
Em razao do mo tempo tinha sido trans-
ferida a ceremonia da inauguracao para o
dia 18.
Aproveilei o dia 17 em visitar a cidade de Cor-
dova, to afamada na repblica argentina, por ser
o breo de seus homens Ilustrados e de seus ar-
tistas mais nota veis.
A cidade lica em um valle extenso, rodeado por
immensas cordilheiras. Os edificios sao construi-
dos com simplieidade e nao com os arabescos e o
luxo dos de Buenos-Ayres e do Rosario. O exte-
rior de todas as cass como o das do* Brasil,
analoga qu me impressionou agradavelmente.
De urna montanlu vizinha tirada a eal com que
sao construidas eedilicodas.
Tem nove templos, ao passo que a cidade do
Rosari), que muito maior do que a de Cordova,
tem apenas um. A universidade como a de Bue-
nos-Ayres. Para ella acabara de ser nomeados
dous professores allemaes, um de chimca e outro
de sciencias exactas, que forain contratados na Al-
lemanha por Uugineister, sabio Allemo, director
do museu desla cidade. 0 collegio de Nossa Se-
nliora do Jjtreto, que um seminario, prepara os
alumnos para a carreira ecclesastica que ahi
mesmo esludam nelle. O collegio nacional, ou de
Montserrat, prepara para os eslndos da universi-
dade, que segu o mesuio systema e rgimen da
universidade de]Buenos-Ayres, (Direito o sotencias
exactas). *
A angustia do espaco nao permilte fazer aqu
as rellexes que pululara da bicu da penna so-
bre a organisaclio dos estudos 'to.'esta rep-
blica.
Guardo-as para um trabalho que tenho entre
mos, que darei o nome.de Estado comparado do
America do Sul.
Ha em Cordova urna presiosidade. E' o pas-
seio de Sobremonte, que nm extenso quadrado
cercado por pilagres e grades de ferro com ras
de salguiros, e alamos, tend no centro um im-
menso lago, no centro do qual se eleva uakkios-
que de inadeira sobrejacerces'e pilares de pe-,
dra. Neste lago 'ha um botezinho com o no-'
me de Doctor, en que passsiam as pessoas ,ue
all vo.
A ceremonia da inauguracao estove muito 'So-
lemne Um passeio dado depois da bencao do ar-
cebispo, at o rio 2", para exame da ponte a que
cima me retiro, terminou pela volta dos trens
cidade, onde na estacao um inmenso concurso os
esperava. Ahi o Dr. Velez, ministro do interior
da repblica, leu, um bello discurso terminando
pela inauguracao do ferro-carril. Depois servio-se
um banquete de 500 talberes.
Muitissimas senhoras oocuparara seus lugares
na mesa que foi posta em forma deferradura, ha-
vondaoutra em frente abertura da primeira, em
que tomaram assenlo o mioisto da guerra e seu
secretario Dr. Lucas Gonoalves. o governador da
provincia e seu ministro Mr. Weebright o funda-
dor da empreza, o inglez activo e emprehende-
dor que rea I son esta obra aira vs de mil embara-
zos. Mr. Arnslrong, direettr residente da compa-
nhia, e muitas outras pessoaa gradas.
l'ronunciaram-se diversos discursos eloquentis-
simos, tendo fallado, alm de todos os oradores
argentinos que all se achavam, Mr. Weebright
(Inglez), Mr. Kirk (Norteamericano) e. o Dr. Luiz
Alvares (Brasileiro).
enfant duri actual da rennblica argentina, o
eloquente Hctor Varilla, foi o centro de multas
attenedes e de applauso*, fe i oeste banquete
como do da seguiute.
O Dr. Lucas Gonzales^ aja paiavrame agrado
muito, oxpoz a pistn* daquelle farro-carril, nnn
A igreja pernambucana est justameate, e in-
Frias consolavelmente, desolada I, Em um eyelo de-oito
annos, ella v descerem ao la mulo dous venera-
vei*prelados, um e outro ornamentados de raras
virtmles, singnlarissimamente modestos, infaga-
velnieoie dedicados obra apstolioa, ura e outro
em cometo, e comeco esperanzoso, da ardua missao
episcopal. Designios i m penetra veis- da Providen-
cia I Mystenosos decrel >s que o- cu sabe ta-
lliar! Como sdo extraordinarios estes destinos
irmios !
. D. Emmanoel deMdeiros emprelendia a visita-
cao de sua vaita dlocese, reatando assim urna pre-
dicavel pratica episcopal, qnando aprouve Deus
mteri Mnp-lo em sua excarso evangelisado-
ra. Infructnosos ledos os desvelos^ impotente a
scieocia.... todo nm glorioso destino cedeu um
chamamenlo que a vaidade do mundo diz prem.v
taro. Di Fr.uicsco C aoso AYRE^exercitava a
mais elevada hncelo, do seu ministerio, colabo-
rando com severa e piedosa pontualidade nos tra-
balhos gigantescos do concilio do Vatieano, quando
'a Deus iocomprehensivelmente grande reduzio o
apostlo ardente da sua f ura miseravel des-
pojo.
Quanto Somos nada I Dir-se.-la- que largos
deslaos espera van em D. FRANOiscu.un obreiro
esforcado. O estaos severos que Ihe impunha a
sna alta missao percate o grande parlamento da
igreja universal, a profunda meditacao das verda-
des reveladas, a contemplaeao de toda urna ordem
sobrentorat' de par com. estos devotos exerci-
cios, o contacto de lautos consocios na obra epis-
copal, ludo pareca annunciar que o prelado per-
nambueano recomecaria com um oovo vigor o seu
plano de provenoas~ reformas, leaJIssmo ioterpre
te das vistas paternaes do coocillo do Vatica-
no. Nao o quiz Deas ?
Cnrvemo-oo-, tristemente resignados, ao tre-
mendo decreto!. E em quanto a igreja pernam-
bucana arrasta aos ps do altar a sua tnica des-
pedazada pelador, rememoremos iis na imprensa
os traaos biographicos do filustre prelado.
Francisco Cuidoso Atrks nasceu em 18 de de-
zemtwo de 1821 na freguezia de S. Frei Pedro
Goncalve3 desta cidade de pais honrados e temen-
tes a Den?. Foram efles Joo Cardoso Ayres, bora
e leal portugnez, natural de Abrantes. e D. Mara
Cardoso Vivas, natural de Pernambuco, marrona
dslincta pela sua piedade.um e outro provndos de
filustre origem. Os pais.de Cardoso Ayres ac&'i-
nharam por um seeretorinstinco que o pequeo
Francscj dira um dia lustre e Honra sua fami
lia, destinando-o desde os nais tenros annos
carreira ltteraria e pondo nelle como em nm lllho
dilecto as suas mais caras esperanzas.
A discricao e a modestia foram virtudes que
despontaraio com urna notavel precocidade no es-
peranzoso menino. Nessa idade em flor em que
os brinos sao todo o encanto e o attractvo da
existencia, Cardoso Ayres era tmido, reservado,
melancholico. Evitava o coniacto; dir-se-hia
que o menino raeditava no mysterioso problema
de seu fuluro. A sua compleico por extremo
delicada junlava-se estes exteriores de urna tris-
\ teza congenita para inspirar os mais tenaos desva
los pela sua existencia. Os pais viam-no crescer
com susto; (ani< amor Ibo votavam Sentiam-se
talvez os deposilarios de um grande futuro.
Desde a escola, o pequeo Francisco deixara
transparecer a excellencia de suas faculda-
des. Era apontado pelo menino-modelo na appli-
cazan, no aproVeitamento, as maneiras modestas
e retrahidas.
Segurado era 1833 para Lisboa juntar-se seu
pai, que interesses commerciaes tinhain chamado
para all, cursou em 4 anbos varias humanidades
com ura raro aproveitamento. Bol de seus mes-
tres chainava-o graciosamente :o esperanzoso
brasileiro.
Regressando C3ta provincia era 1837, sempre
em cempanhia de seu desveladu pai e excellente
amigo, Cardosd Ayres continuou o sen curso de
linguas e sciencias com os melhores raestres do
lampo.
Estudou em annos consecutivos a iingua latina,
cajos segredos devia um dia possnir em grao ele-
vado, com o Rvd. padre Joaquira Raphael da Silva,
mullo conhecido dos contemporneos como pro-
fundo latinista qne foi. Vio geogjraphia e historia
cor* o Rvd. D. Francisco do Corante de Jess Car-
doso Castro. Erequontou o curso de philosophia
professado pelo nosso festejado litterato, o Sr. Dr.
J. Soares de Azevedo, que ainda hoja um. dos
melhores educadores da nossa mocidade,-** quem
o moco Francisco ficou sempre ligado pelos leos
de mais lerna gratido.
Quanto D. Francisco revelou nestes primeiros
estados de notavel lutelligencia e de intenso dase-
jo de saber, podem atiesta-lo os seas cooterapofa-
ueos.
0 Sr. Dr. Soares de Azevedc, cuja competencia
nestes assumptos est muito cima de todo enca-
reciineato, redizia-uos ha pouco tempe que, em
mais de 30 annos de magisterio, nuaea houvera
discpulo que exoedesse em applicacao aprovei-
tamento ao sea Cardoso Ayres
Ao mesmo tempo que se raostrava aproveitado
nos esludos, primavao 1B090 Francisco pelos hbi-
tos de un piedoso recolhimento. Elle aao eonhe-
ceu os pongos dourados da mocidade, as allracoes
volupluarias das paixoes ardontes, as tristes se-
ducooea.da adolescencia. Dir-se-hia delle pela
phrasa de um notavel biographo que Deus o pre-
servara da macula das paixde mundanas como
aos meninos babyloncos das chammas das forna-
Uias. Urna gloriosa predestnacao pareca gritar
alma e aos sentidos da modesto Francisco 1
Quando, aos 2o annos completados, ejperavam
todos v-lo matricular-se no nosso cursa jurdico
a conquistar um diploma qao Ibe abrira de par
em par as Invejadaa potizdes do estado, e esta era
a preocupazo e era o ardente desejo de toda a
sua familia, o joven Francisco externa a resoluza
de aprofundar nos estabelechnentos europeas as
scieneias ecclesiaseas.
Vencidas as resistencias que natura Imenlade-
viam suscilar-se esta imp-evoida delibaraca,
eabarcou-se Cardoso Ayns no navio geoovez
Rema, matrieoloa-se na universidade da Sapien-
cia, Paculdade utroqiie jure:
Urna vez em Roma, relacionon-se com os ho-
mens mais distmetos em santidad e sciencias,
avisinhando-se respeitoso dos bos modelos e
devotameuK appcado ao insano labor do es-
tado.
Por e9se lempo,' am golpe tremencf traspas-ou
o- coracao do joven estudante. A notijia da morte
de- sna boa mai, que tanio eoocorrra para formarv
lh* a curazao e predispo-lo ao culto virtades, foi sorpreade-Io meio de suas activas
oceapazoes Iliteraria?.
Foi talvez devido dolorosa impresso d'este
pungente acontecimentoi qae o joven Francisco
deu-se pressa em filiar-seo Instjutoae-Carida-
de, ama especie de congregazao fundada pelo ab-
liade intonio Roztniny, de quA todos os membros
vivem- como padres seculares com o vol de mis-
sionar para onde oe mandar o snperior.
Terminado em 18S0 o noviciado que segaio no
Piemoate, passou-se Cardozo Ayres para a casa
centra'da ordem <]ne or> ento no collegio de
Ratcliffe; aocoodado de Nottiogbam, da Inglaterra,
applicando-se ahi estudos severos de theologJa e
philosophia, e recebende ordene de dicono das
mos dtvbiepode NoMhngrm:
Em paocipio de 6832, iransporta-lo-se para
Rugby da ordem do saperior do rnstitulo, receben
ordens de presbytero em 5- de junho, celebrando
no da O'a sua primeira'm99a<
Era 4a tal exemplaridade-a sua coadncla, to
irrepreheaafveis os seus habite, que oi chamadi
a exercer em Rugby as elevadas- raoc^ities de vica
reitor do estabelecimento, que-era esse tempe
administrado pelo virtuoso podre Carlos Caccia,
natural da- Milo, e Tare muito iMocaiBado era
sciencias eclesisticas..
Faltam-aos tempo e espado para- redizer os in-
nmeros servieps do piedoso cooperador do Insti-
Mo da Cariit nos mltiplos encargos commet-
tidos a sea ze!o apostolioo. Inbtigavel eoUabora-
dor da obra de Rozmioy, companheiro assiduo do
veneravel padre Cacciar o illustre brasrteiro der-
raroava, sena a querer e sem qae-nisto pensasse,
a fama de saas virtudes- e st*pri ir illo< Era dezenove anooe deojssae,-traasportaodo-se de
condado a eoadado o sempre em obediencia ao
geral de sea- ordem 0. infatiga*eli apostelo des-
prendeu-se coro soberano dasprezo de todas as
relazoes do mundo para volar-s inteiro ao serv-
lo de Deus.
Regia o predestinado missionario a escola de
Upton, no condado de Ccaic, Irlanda, em qunhdade
de vice-reitor qnando, a 21.de maio de 1867, re-
cebeu a noticia da sua eevaea ao-episcopado do
Brasil por decreto de 6 de-abril d mesmo anoo.
Salteado por esta honrosa desigaacao em sea
modesto retiro que suppun! mpenetraveknente
obscuro, foi nma formal, recasa o primeiro ena
tural movimento do dedicado servo do htetiluto
du Caridade. Mas. sabida a nomeacio pelo .geral
que a achara am Loughbomughi na Inglaterra,
ordenou-lhe ero nome da auteridade do sea cargo
que se pozesse sem mais tempo caminho de
Roma. Forano embalde sedas- as supplicas ; nto
coraparavel ao piissimo BartholoaKH dos Martyres,
o desambicioso missionario prosb^rnou-se iotruc-
tuosamente dame do severo superior pedir-lhe
que o poupasse as honras- e s-responsabilidades
do solio episcopal. Foi invogavel o decreto !
D FRANCisca.obedeceu. Mas, em chegando a ci-
dade eterna*, sollicitou e obteve- urna audiencia
particular de Sua Santidade, era que reaovou
perante o supremo pastor da igreja a su humilde
recusa, entrecortadas as suas regacoes por lagri-
mas copiosas.
Sbese o resto. Pi IX, acolhendo o ilustre
prelado como a um lilho dilecto da igreja, e ad-
vinhande nelle o pastor exemplarissimo, resisti
com ura sorriso anglico s suas supplicas. Pro-
digou-lhe palavras ungidas de consolacao ; se-
gredou-lhe aviaos do Cije ; edeu por linda a au-
diencia com,a formal intimacao de que respoodes-
se ao Imperador do liras;! aceitando e agradecen-
do a nomeaoo.
Festejava-se nesse tempo em Roma o oeotenario
do martyrio de S. Pedro 9 S. Paulo, o numerosos
prelados jtinbam accorrido de varias- pontos do
globo esta festa secular. Andavamos nos, es-
ereveu de Lisboa um padte- que ento fez o co-
nhecimenlo de D. Francisco, de igeja em igreji
para admirarmos a pintura, a esculitnra, os na-
numenlos da historia nxuaua, as praeas, o forum,
as catacumbas, o granda templo da-S. Pedro ib
nalmente o profano e o divino, am qnanto D.
Francisco estava n'm claustro pedindo Deus o
seu auxilio.
Preconizado em consistorio de 20 de djzembro
tluodrjia trabalhava para fazer viagar a candida.
turi de- Cndiao Barrero, qne havia conseguido
fuudir es doas clubs fundados na- Asumpcao e
representados um pela folba paragnava Regenera-
cin e o mitro pela fottia argentina 9o del Pueblo
an.bos o^aquella cidade.
0 coogresso argentino ainda se nao tinha
eccupado de assumpto algum importante. J ap -
parecer, porm, um projeeto fazendo reviver a
momentosa queslao da capital da repblica e prn-
poodo para ella a cidaV d Rosario.
Na c. msti'iinte para reforma da ccostttuizo 'da
provincia ds Buenos-Aires a primeira queatn
qoe se suscitoa foi a da formula do juramento pa-
ra tw seus Hiambros, querend un> que se jarasse
por Deus e pelos evangelios e oulros por Deus a
pela patria.
, Esta questao troaxe log-outra, a da separac'.
da igreja e estado.
Por mais que as fjlhas b Bnenos-Ayres- enca-
racessera as varjtanens ganaus em Eiitre-Rios na
Ntitlha do arrew Siuce, tomava-se patente que a
maijr dallas fra-teram fleado alforzas nacionaes
senhoras do campo. Piova-cofactode ter ido L-
pez Jordn acto continuo por sirio cidade- do Pa-
ra i algnmas leguas adame
A guarnizo entrioeheirou-sae pude sustentar-
se at qoe o general Conesa,. segundo anuncia
un> telegramma uMma hera, chegou com as
suso- tropas e fe leva atar o sitio. Entretanto pa-
rec.a poder coatar-se que a insurreigao se cir-
curwscreveria provincia de Entre- Bos; quanto
lempo; porra,*elteall >e manreria era o que mat
pod.a calcnlar-se.
No Estado Criena a sitoazo afferecia mu-
danca> sensivel. A rasutreico t(nonr capitaneada
por Aparieio, pareca antes creseer do que dimi-
nuir da roreas. Barlando seraprs as d*genciar> das
tropas do governo, aqoelle caodilho apparecen
inopinadamente na-Uno, a urna legua de Monte-
video, levoa dalli alguno dps seus parmes, que se
Ibe unirn, e, indo cahir seis lejosfc alm sobre a
povoacao de Paudo, obrigen as casas da negocia a
fornecer-lhe roupa para a sua genter passaado-
Ihes elle vales pagaveis depois do' triumpho. Sa-
Senlo disto o ministro Bustamante, sano da capi-
tal com-uos 600 homens, mas ^oand'< chegou a
Paudo j. oe blancos batiam longs.
Calculava-se a estes ama forza> de oil horneo,
cavallaria e iofanJura, qiw pareciam' dirigir-se
part Cerro Largo agora qae o gaverao tinha
maior parte de seu> exerciti concuntrado ao sul do
Rio Negro. Assim podkuu estas correras dorar
indefinidamente, pelo renos at qae, como diz o
M Orienta?, e repete a Tr.ffunii^ a baalha
que deve deeidir dos-destittos da Bernia Oriootal
sepeleje doou;ro lado-do Urugaav, em Enlre-
Rios.
No dia I ou 2 de corrate teaeionain o presi-
dente Baote sahir a ampo com algunas foroas c
ir etabelBcer o ssa qaartet-eeoeaal na Florida ou
no-TQrasn, paradaM dirigir as opeaacoes mili-
Mt-
mbia* mirtfiT
A^somira as rdeas da adoiioistracao da
provincia o quieto viee-presidente- Dr. Agostinho
h'v Ferreira Brotas.
O Pkarol, do Juz-de Fra, do- i" do crtente
noiicia-o seguinte :
Foi preso Bwijamim Jos Tsixein, autor do
aesassiaoto de Jos-, Estevi da Costa, perpetrad"
eo Rio-Novo, era dias do aano passa*.
Apresentou-sem los do me passailo, ao
delegado de polieia desta cidade, o ctouIo Domin-
gos pertencenta ao Sr. Aatonlo Amanes da Car-
>r.lliii.. dizendo ser c-nraiaoso por ha-ver asssssina-
do ha cerca do dous- aanas a Jos da Cosa, irmao
de sua- antiga senhoras ao termo do Pomba, e que
julgando melhor a prisae-do quo-o eaptiveir, que-
ra sofrer a pena que merece.
O amigo senbor do Domingas leve a csragem
de vender u xssassino da seu prente, livnando-o
assinado castigo merecido.
L-se na mesma foiha de i-.d' corrate.
No dia 2a do passado cabio u.xi raio era nma
das torres da i-apella ao Senhor dos Pasaos, cau-
san lo pequeno estraga.
. Na tarde desse mesmo dia chio outro na ca-
sa do Sr. Antonio Clemente fertira, morador na.
fiagnatia de S. Francisco de Paula ; achava-se a
seahora da Pereira. aorta da eazinha. rodeada
dd eos olio lilbos, rezando, (uando o ra cahio e
raalou-a, na -i|uo ascnauc-.j- st>ffressera mais d>
que o choque. >
Rto DK URBiRk
No senado, na sesso de 2 do corrente, o Sr.
SHveira Lobo fundando-se em que ama verda-
j ds axiomtica quo o senado, qnando verifica po-
de 1867 bispo do Pernambuco, D. Fiiascisco Ci-a- > aeres, nao dalibera propriameme fallando, mas an-
dozo Avbes foi sagrado em 15 de marzo do anno
seguate.
Apenas angdo en seu elevada cargo, o Ilus-
tre bispo escreveu de Roma a sua primeira carta
pastoral as linguas latina e portugueza. ann-un-
cando diojse a sua sagrario, e derraraasdo
beocaos sua igreja. Foi este o primeiro acta de
sou ministerio, Nessa carta memoravel, tMnspa-
rece a piedad do virtuoso pialado de par cora o
seu profundo coaheciraenlo das sagradas leltras.
Chegado esta cidade era julo de 1SCS e re-
cebido com fervoroso accolho. por toda a popula-
cao, o sabio prelado leve ponum de suas primeiros
e mais solcitos desveles aiastrucco e edneacao
do clero. Elle via na r generazo d'esta impr-
tame classa o segredo de urna proveit a adminis-
traco das almas.
Os seus planos de reforma do seminario, o re-
tiro espiritual qu teva a magoa de inlerromper,
as providencias que tornou sobre o ffiro ecclesias-
tico, e outras medidas de natureza econmica que
inicien ; do eloquente testemuoho do zelo pas-
toral em que s abraaava o virtuoso prelado. A
igreja pernambucana redresela sub a admiaistra-
Zo de uardozo Ayj6 quando a convocao do
concilio do Vaticano o chamou cidade dos apos-
tlos.
Foi ahi que, salteado por urna febre typholde, o
sabio e preclariasimo prelada deu a alma ao seo
Creador no dia 44 de maio 1 hora da tarde.
Nao se sabe anda como se passarara os ltimos
momeles d'aquella precio* existencia.
0 que infelizmente se sabe, e o brenze das nos-
sas torres alai osla a avisar-nos em estylo dolo-
sosamente- plaogent, que a igreja, pernambuca-
na est vwva de seu dilecto esposo.
A dar publica mistura-se com a oracao dos levi-
tas pata traduzir urna grande perda. nm vacuo
immeaso o qae deixa aborta o Sr. D. Francis-
co. Hars frontes se tero visto circumdadas de
lo pura aurola.
D. Francisco Caidoso" Atrks tem inoonteslavel
direito a urna honrosa mencao nos fastos da igreja
hrasileira.
Foi mais do que. um pernarabucano illustre; foi
um verdadeiro servo de Deus.
Repouseraera paz as suas cazas na serenidrde
do tmulo; e possa a sua memoria fortale;er-no9
na crenza de que nao se verdadeiramente gran-
de sead sarvico de Deus.
tes julga e con^itae-se tri'junal para averiguar a
validado ou.nullidade das actas eleitcrses, maada
mesa a seguinte emenda para que se addciene
ao regiment usaa disposiuao no sentido de, quan-
do se tratar da verificacia de poderes, serem cha-
mados a defendterem-se os candidatos que tverem
intaresse inmediato no resoltado da m sma veri-
licuzo.
1 Indico que se addioione no regiment da casa
a seguinte disposicao :
t Serlo admiitidos a defender seus diretes na
discussao da vericazio de poderes, sempra que o
rejueiram, as candidatos que iverem interesse
firaraedalo no resultado da mesa verfvacao.
S. R.Silvetra Lobo.
Foram approvados o projectede fixacSo de for-
Zas de-trra para 18301871, com a emenda do
bario de Muritiba, e oart. 6o do orzaownio geral
de imperio.
Pelas respectivas eommissSes foram aprsenla-
dos os pareceres sobre as eleicoes do Amazonas e
Ri-i Granee do Norte, conclaindo assi :
< 1.* Que sej.i approvada a eleicao de qaa se
trata, e declarados legtimos e competentes para
os Hns legaes, nos termos deste parecer, os eleilo-
rea que nella figuraram ;.
< 2.* Que saja recoahecid) senador do imperio
pela provincia do Amazonas o Sr. desembargado!'
Ambrosio Leitao da Caoba;
3. Que se declarara nullas as eleicoes prima-
rias das freguezias de Andir a Manicor ;
4." Que se manda proceder a eleicao nestas
duas freguezias e na& de Moura, Thomar e S. 6a-
brlel; a
5. Que se rcspiisile a remessa das actas da
formazo dos coltogios de Manes (Piraaiis) e Talle
(Solimes).
1 Que seja declarada valida a eleicao de que se
trata, e reconbacido senador do imperio o Sr. con-
selheiro de estado Francisco de Salles Torres Ho-
rnem. 1
Na sesso de 4 foi approvado o primeiro desses
pareceres, sendo declarado senador pela provincia
do Amazonas o Sr. desembargador Ambrosio Lei-
tio da Cnuha.
Na sesso de 6 levia ser disentido o segundo
noticias do ral do imperio.
Amanheceu hontem no lamarao o vapor fran-
caz Sinda, traaendo datas do Rio de Janeiro at 5
e da Baha at 8 do crranle.
RIO DA PaATA.
No Paraguay tratava-se d>s prximas elei-
Zoes. Os argeatinoa desoeeuparam momentnea-
Br/'fVaaf' em 1846 e, pasta o-se de (eneva | mepte a Villa Oriental no Chaco, mas a ?ua. in
parecer. ,
- Na cmara dos depuUdos,nt) dia Ia do cr-
reme foi lida a seguinte interpellaco :
Requeiro da e hora para iaterpear o Sr.
presidente do conselho de ministros sobre as cau-
sas e effeitos da madifioazo ministerial que se ve-
rificou no intervallo das sessoes legislativas de
1869 a 1870.Ptreira da Silva. >
No da 4 teve logara discussio sobre a mate-
ria, a.qaal^asslm resumida pela Jornal da Lom-
0 Sr. Pereira ia Silva princip por dberflne
no iulervallo das sessoes dous memoras do P"**
te, os Srs. ex-ministros da jostica e da ""a-
ra, relirurawst do governo, sem, que at Hft-
r**1

V. ..-


' *
t
t
1*
v-

Diario d Pernambuoo $abbado 11 de Junho de 1870..
ta se dssem explicmcoes do* motivos dmte (uto.
Nestascircnmsten.ias, e tendo j sido ventRada o
jaaotio ao senado, entended dever pedir ao Sr.
presidenta do conselho a exposiciB das causas des
ta retirada e bem a via tratido a muJanea n pensamento do gover-
oo. Nao4 simples euriosidade ; zelo pela causa
publica.
Os dous nonradus membros que deixaram o
poder deram algumas Bachear-dea pata imprensa,
unas que nao sailsfawm.
> O es-ministro da agricultura disse que deso-
jando pleitear a sua candidatura na eleicao sena-
torial por Minas .pitera Lgualar-se com os ou-
tros coucarrentes. Declarando, porm, que est fo-
r a cansa principal, reconhecia nao era a nica.
Tinha elle como" ministro direito 'lo aprsenla)- *
os elertereji, portante a cansa nao explica bas-
tante, alem do que poderia parecer ura epigram-
tn a seu ex-collepa da usitca quo-oao deixou a
pasta-para pleitear igual eleicao pela sua provin-
cia natal.
Qnanto ao nore ex-ministro da justica, ba-
via declarado me chogando a convencer-se de
que era umobsaculo marcha do gabinete se
retirara, tanto mais que alinal reconliecera ser
motivo de divergencia ne seio do ministerio. As-
sim a cmara tero direito de s.ber qnaes foram
ossas .-ausas que o temara convicco de que
era am obstculo e mtivo de divergencia.
O orador cita a* duas declaracoes feitas na
demissio esteva dada, e que o gabinete poda re-
erganiaaMft-eomo rnnor entetraesse. Desde es-
se dia nao foi mais ministro, mas so a 10 de Janei-
ro recebea a so* exomraclo. E' cllro, pois, que
o orader eslava sendo nm obstculo *ara a mar-
cha do gabinete, desde qncesse nao podm-mmst.
tir sem o Sr. ministro da marinha, e o Sr. mis-
tro da mincha se declarara incompativel com o
orador.
Se falln era translfawjias pntMcas, oi por-
que houre exigencias de amigos, de que o Sr. mi-
nistro d marraha se tomou orgo, e que o gabi-
nete aceitou parause perder aqaelle memoro.
Bitas exigencias, que lornaram o orador iocom
pative, o Sr. ministro da marinha as declarar.
O pata deve saberle os goverons se organisam
ou modiiieam por oonsideracQes pessoacs. Quaa-
do ministr, o orador nanea exigi saber aunes
os motives que eetabeleciatn a incompatibilidade
entre elle e o sen *x-colleg\ com recoio de que
pareces pretexto para conservarse no pouer.
Agora como depuiado quer eoahecer esses mol-
vos. Conclue declarando que, so como ministro 1
nao prestou os serviros, qne, quera, ao pait e
ao seu-pariido, pedia lhe aceitassein os seos boas
desfjns que leve.
< O Sr. barao de Cotegipe (ministro da marinha)
disse que qnando no senado se lallou em honra
relativamente explicacao das causas da retirada
do seu ex-collega, nao se referir senao toara
poltica. Nao podia eHe orador
imprensa pelo honrad., ex-uiinistrti e estabelece hetos ameVdYhaveTem'sito^^
o direito jue a cmara e o pan tem de saber fuaes acabavam de o ser. Sorprehentoao a especie de
as venladciras causas da retirada d am Ministro.
As sua* palavras baviam sido obscuras, princi-
palmente quando se r.'ferio nao escolla para se-
nador, <: isio consttSiio um enigma que s elle po-
de explicar.
Habituado a respailar no Sr. presidente do
coHselho um typo de firmeza, est certo que nao
modifleoo os sens principios polticos com a reti-
rada dos duu< collegas. Mas o ministerio, alm da
sua iiiissao poltica, lem tarahem a administrativa,
e a respeto desta, ein que a moditicacao de pen-
-saujento liarte, julga-se autorisado a pergunlar
*c realmente a houve. Assim relativamente ao mi-
pi>teno da agricultura ha dous systemas, o de fa
zer tudo por si, e o de entregar as grandes em-
Sorprehenata-o a aspeeie
iusinuacao collega -Aabava de lanzar sobre eo. Pedira-se-
ilie quo "\pu/esse a,s cansas da sua tncompatibili-
dado oim n seu mesno evcoUega; a fiu-lo. Na
urg. ir.saco do actual gabinete, Unham apparocido
algwnas difllfuWades; ento o orador ooz-se a
disposieao do Sr. visconde de Ilaberahy, para qual-
quer pasta ou outra posico m que pidesseser
utH. OITereoendose a pasta da marinha, elle
uiesmo lemnruu como mais ideaeo aobre de-
putado. J se v, pois, que nao luvu aniipathia
proexistonle. A divergencia veio da marcha da
.'.dnuui.-traf.-ao. Nao lia duvida que pyoonreu sa-
tisfazer os -sous amigos, cajo apoio era til ao ga-
biufte, mas a todo elele, e ne ao ministro da raa-
praas a InWava pat1teplarOraaervaieA.sea lis-, ruma otOsamante. Esse apoio particular semiire
i o despresou, eporunto nao macular ataques pela
lopreiisr. a um collega. Emenden que o gabinete
O orador no auno passado sustenten o segun-
do syema, e agora deseja saber se com a retira-
da "lo ex-ministro mudou o pensamento do-gover-
no. Quantb- administrado da justra venQcoo
pelo relatorto do actual numero que as suas ideas
variain atuito das do seu antecessor.
O nohre ex ministro no anno passado fez
quesin^ de gabinete oppondo-sc discussao de
um projecto antigo e fi adiantado na casa sobre
turnas juilinaria, quereado que se esperasso pe-
lo- Bank.
O nvultado foi que nao se firz nada. Agora v
rom araar que a actual ministro adopta as bases
du anjete de I8((5. No anno passado o ex mi-
ni-iiro, embora shnniesmeita na qualidade de de-
nntado, aprasenlou um projecto de reforma radi-
cal aguarda nacional, emquanto no actual rela-
- torio da npartiro respectiva apenas w -consigna-
da a ucccs adiar na guarda njcienal os contingentes de que
pr.ci-.
Aaahn, conclue reiterando a-
nao poaia apresentar st este anr cmara sera
modificarse, caso nao prrferi*se dissolver-se Ti-
nha querido dar lempo para os oovos ministros se
prepamm antes da seso, c portaalo desde setem-
bro (edio a sua demissio. nao impoz a de seu
collega. Se o presidente do cons-lho enteodeu
que careca mais delle no gabinete, do que do sau
ex-coltega, a apreciacao nao foi delle orador. Nao
quera tambem partiHiar da respoasabilidade da
eleicao do seu 'x-coleganot'.ear. Quando pug-
nara pela annuilaca) da eieioao anterior, ignora va
que o ex-ministro tivesse 40 annos. Nao podia,
pois, carregar com a culpa que Ihe knpotavam
de preparar lugar para o seu collega. Nao ds-
conhecii >> direito de qualquer ministro otetear
una eleicao, mas nao udia aceitar o principio de
quanla vaga de senador apparece eeja lugo abar-
cada por um ministro.
tera o pregressivo crescimento das Irendaa publi-
cas, prova evidente do que valem as torcas pro-
ductivas do Brasil habilitando o govorno a apre-
seotar urna proposta ,de ortameoto em que as
despeas nao escedem os recursos ordinarios d
thosouro.
Se exiga qne os negocios da pasta da juslioa
fossem deliberados em oonselho, era porque assim
perguntas. | est estabelecido, e tiorque aquelles negocies tm
JL!uJ%? tr'lHb0Ar inT2?M.i"I- P 3da 7e declarar0 gabinete. Tinha, pois, d^eito de ser ouvido
te lectivamente em pr.n -:p.os do deieinbr- re-1 sobre estas questoes,^ dar mesmo coaselbos.mas
emlim o sem ex-coljega fazia o que tinha por
melhor. Se o seu ex collega tinha pedido demis-
so a 21 de dezembro. elle orador j havia.pedio
a sua em setembro. O seu ex-collaga era teaai,
cetien urna carta doSr. ex-ministro da agricultura
jiedinCo aua deniissao. que foi concedida. Ignora
se iwra este pedido inflnio outra cousa alm da
allegada de querer destmbaracir-so para pleitear
a sua eleijao.
Qnanto ao Sr. ministro da justica, algumas
divergencias se suseitaram entre elle e um dos ac-
tuaes ministros, sem todava versaren) sobre prin-
cipiofi geraea de poltica. Afinl pedio S. Exc a
suadeiui-sao, declaraudo, porm, que deixava ao
orador alguns das para reorganizar o gabinete.
Raerado e-te pedido, passados alguos das, teve
di ser aUendldn.
e>|i indendo ao segundo quesito declaro que
qnanto a prugraMnia politieo uo poaia ter havi-
tl mudanca, pois que o gabinete tendo de reorga-
ni>?r-se riera prnnTsr novos membros no s3io
dt^ta mesma cmara que o apoiava.
Na parle administrativa tambera nonhuma
moJificaco tinha iavido. Entre os .ninistros de-
uissionarios e os que Ibes succederara Do-seda-
vaeTerenca ile ias, nao se.pdenlo considerar
tal urna on outra divergencia de apreciacao sobre
ponina secundarios.
;ram estas as explica^esque entenda dever
dar o se alguna mais totee necessaria de bom
gra lo tafearla os daaajoa da cmara.
" Sr. J. de Akncnr logo quando deixou o ga
bate a que teve a honra de pertencer, reooabe-
ceu o dever em que eslava de expor ao paiz as
causis da sua retirada. A publicidade a pri-
meira condieao do governo representativo. Nao
trahelhanJo o painaananjo quando o orador se ro-
'irmdo iiiiiiisierio, enteadeu dever recorrrer a
impr-.iK.i. para nao deixar pezar suspeitasinlun-
DadaiMilui! a sua retirada.
Sitas causas declarou-as dizendo que era ura
MKUculu porque iinjiedia a marcbaidos planos de
ganwete, um motivo de divergencia porque obs-
lann a iparoxiotatjio de duas iraccoos qne havii
a%inete, p que depnisda sua retirada cffeeti-
aawante se .ipproximaram. Expr os factos es-
nectara, seria fina* a histeria ititiraa do gabinete,
i. que n tarto levado multo louge. As expucaodat
'. iiiii.:?im .ie:ni*siotfario nao foram contestadas
!;. gnverm. iiue se caloa quatro inezes. Aberto
o parlamente, n-nhum merabro do gabinete r.em
ra o inierpellara, pelo
.:!'..- -uas explicaces taaviam sido julgadas
sttfficiiKMes.
Vio pois, com sorpreza que no senado os Srs.
preaidanle do conseibo e minillfti oa marinha ba-
viam edmdo que era o orador que devia dar
:.)iicacoes. E' urna mvarajw do estylo uni-
ersal nos governosrepresentativos em queeaem-
pro ao ciiefe do gabinete que imiuiube a obriga-
'o de dar explicaces das modificagoes do mi
i^leri i. Entro mis sempre se observou o mes-
'ii'. _1*. rianto, havendoanuuuciado concisamente
ao |mk as causas da sua retirada, nada mais tinha
da diaor sem ser provocado.
O Sr.^roinistro da marinea disse que o que o
Bovenm nao quera era provocar o eeu xe-colle-,
ja. n as se careeia de nas explicaces per quej
na i pedi-las ? Dijse anda o nohre roinistro.que.!
m a lionra do gabinete exiga mais claras explica-
o'-s. nao menos as exiga a honra do ex-ministro.
U redor como ministra cumprio semore o seu de-
>vr, oa secretaria, na cmara c na imprensa. Foi
lne r'jsptadeu ao manifest do partido libe-
ra!. T.'in sido acensado de arbitrarle, violento.
lem sorriioa iiais tenaz opposicao, mas jmnea at
S >i" i foi accunado de desleal para com os seus
;.llegas, nunca a sua retirada foi attribuida a mo-
ivi menos honrosos. Como pois, dizer que a
amulas >>YnliafiiAc &>
e aferrado s suas ideas, e, uo querendo nunca
abandona-las, nao era estranho que nasees*e
daqui algumas divergencias. Qaaato a exigencias
feilas por nk, declara que nunca as fez seno a
bom do part lo em geral, e esses tinha tanto di-
reito de late-las cerno qualquer dos seuseoilegas,
pois i pie o imparta a responaabilidade do gabine-
te. A divergencia com o seu collega ministro do
imperio nunoa havia sido senao de apreciacao
sobre um ou mitro ponto, tendo chegado arabos
por flm sempre a um aceordo. Nao sabe se lhe
esoapou algum tpico do discur.-o a que respon-
de, mas, assim explicados de parte a parte as
causas da reorganisaco do gabinete, v-se que
nao ha razio alguena para que paire a menor sus
pella sobre o carreler ou lealdade poltica de
quem quer que sja.
O Sr. FotUes toma a palavra para explicar as
suas retacos com o Sr. ministro da manaba, re-
lativamente administraeao do Diarto do Ro.
Eneetou a sua carreira n imprensa eombateado
o ministerio triwsacto ; dapafl passou a apoiar
sinceramente o actual gabinete. Como denutado
tambera apoiou sempre todos os ministros, mas
com independencia. Apenas leve urna divergen-
cia como ex-ministro da justica sobre reformas
judiciarias. Quando encerrado o parlamento o
ex-ministro dividi o partido na imprensa, erando
outro orgo, o orador julgou nao lhe flever mais
as consideracoes que tinha para com os antros
membros do gabinete. Explica o proceiimento
da folha que dirige na quslao da exoneraeao do
commandante superior da guarda nacional, na dos
estudantes e finalmente na da retirada do mesrao
ex ministro, cujas explicaces o nao baviam sati3-
feito.
i ') Sr. Inlo diz que os seus amigos Je Minas
entendiam que o corpo e'.eitoral da provincia nao
poderia votar com toda a sua independencia con-
servando-se o orador no n.inis;erlo, A na candi-
datura era por isso guerreada, a ento quiz porse
em igualdad dn circumstancias com os oulros
j concurrentes, que temiam a sua escolha quasi
que dev.a suppor ..brigada, sendo elle ministro. Sera conferencia
Elavar o nivel mtellectual dlITundida-so a hn-
trueco por tedas as classes da sociedade, animar
o trbame, facilitando as coinmuuicacoes e que-
brar as tradiepes da retina auxiliando de bracos
hvroi a lavwa, fonte prmcipal de aossa riqoeta ;
s as coadteSes de que depende esscoxialnvatc o
desenvolvitnento moral e material do iajperio
t A enmara dos doputados protesta correspon-
der i benvola cenflancA de V.ll. Imperial pres-
tando desvelada attenco a estes assnmpte, e
bera assim reforma eleitoralj ao mcihoramanto
da admjnistraco da ju^iea, a reoreanisaaio.inu-
niopal e da guarda nacional, decn-iaco de
meios para levar-se a effeite e recenseamen'w do
toda a popiiacao do imperio, e ao cdigo penal- o
de processp militar, aguardando a sabia rewluco
do senado acerca do projecto da le de reeruiv
ment, que lhe remetiera aa sesso passada.
Senhor !Se quando a-gnerra exigia recur-
sos extraordinarios nao falten ao goveruo dedi-
cada e patritica coadjnvaclo, ha do a amara
dos (tapiados presu-la hoje, qneTa ora fa de
paz nos permute dar impulso a todos os melfera-
mentes internos, sattsfazendo assim os votos do
paii e correspondeado s patriticas eijierapcas
de V. M. Imperial.fir. ^ntonm ferrtira Vianda.
-Joo Jos i* Qlimta Hunqceira. Dr. Domtn-
goi de Andradt Fifueirn.'
Por decretos de 1. do correle :
Foram nomeados praticantes:
Da secretariado estado dos negocios da fozon-
da, Jos Antonio de Araujo,
Da thesouro nacional, Manoel Ferreira de Arau-
jo e Silva.
Da thesonraria da Baha, Lyourgo Lenidas
Marlins Moseoso.
De conformidad'! com a autorisacao concedida
pelo decreto n. 1;667 de 4 de agosto de 1869, foi
readminido no qoadro activo do exeroito o major
reformado de infantera Joo de Sauza Fagundes.
Em attenco aos relevantes servicos prestedos
na guerra contra o Paraguay pelos ndividos abai-
xo declarados, foram Ibes concedidas as honras
dos postes militares do exercito:
De capitaes : aos capilaas do eorpo de caval-
laria de ganrdas nacionaes do Rio-Grande do Sol,
Sully fos de Sonta, "e do 51* corpo de volunta-
rios da patrias, Joao Lhodomiro da Costa Mon-
teiro.
De tooente : ao tenente do 4i corpo dito, Ma-
nuel de'Faria Lemos.
Na cajnformidade da imperial resoluco de 11
de maio do correte anno, tomada sob consulte do
conselho supremo militar, e das disposicoes do 8
l" do art. 9 da lei n. ftUl de 18 de agosto do 852,
cwc^dea-se reforma ao caprtio aggregado arma
de Infantera Luiz Tbauraaturgo de Guerra Macha-
da, visto soffrer molestia incuaavel que o torna in-
capaz de continuar no servida.
Foi reformado, vencendo o sold dobrado de vo-
luatario da patria, na conformidade das dispnsi-
cilea da ultima parte do art. Odo decreto n. 3,371
da 7-do Janeiro de 1863, visto aebar-se inutilisado
para o servico do exercito em oonsequeneia de fe
rmenlos racebidos em combale, o r* sargento do
37 corpo de voluntarios da patria Manuel Euge-
nio da Silva.
Foram concedidas as honras dos posti milita-
res do exercito aos offletaes dos oarpos de volun-
tarios abaixo mencionados, em att netio aos rele-
vantes servicos prestados na guerra contra e Pa-
raguay. .
De brigadoiro. Ao coronel, honorario do exer-
oito- Antonio Augusto de tarros Vaseoncellos.
De tenente-coronel. Ao tenante-coronel eom-
niandaote do 36" corpo de voluntarios da patria.
Francisco Manoel da Cunha Janior, e ao major
honrario do exercite e teneote-coronel comman-
dante do 31 corpo do voluntarios da patria Joa-
quina Autonio Fernandes de Assumpcao.
De major. Aos majores do 31 corpo dito Fran-
cisco Jos Martins Filho. addido ao dito corpo Jor%
ge Maia de Oliveira Guimares, ero commissio do
J6 corpo dito, Jacintho Correa da Silva Botinelly,
Joajtiira Antonio da Cunha, JosRapano Ferrara,
t Polycarpo Ferreira Campos-e Joao Manoel Pereira
, de Abreu do 37' corpo dito Francisco de Barros
Aecioli Vascotic,'los ; a?regatioao dito qorpo Ju-
veucio Aires dos Santos Fortes, Epanio Baptiste
de Soo9 Brralo e Leopoldo Antonio da'Franca
Amaral, o ao eapito honorario do exercito e ma-
jor em commissao do 36' carpo dito Joaquim Go-
mes Pessoa.
'J' capiQo. Aos capitaes : do 31* corpo dito
Faustino Januario de Abreu, Joao Monteiro de'To
ledo. Jos Portes de Lima Franco, Antonio Ber-
nardlno ros Santos, Angelo Carlos de Abren, Sil-
vno Joaquim da Costa, EracstQ.de Araujo Goes e
Antonio Affonso Coelho ; do 36 corpo dito Joao
Cancio da Silva. Cantillo Lelles Gomes de Castro.
Antonio Prancis :o Cardoso de Sampaio, Marcelli-
no Jos Nery e Pedro Jos de Moara Leal; do 37
corpodiin Joao Bautista Lsraos, Daocleciano Au-
approvacao da assemhlea geral legista
va bonra exiga mais ampias explicaces ? Se
assim o ontendesse, immediatamente as leria da-
do, eem a mesma promptidao com que por veres
illereceu i sua aamiasia de ministro. Agora po-
rm que Ih'as pedemeta prompto a ala-las.
O nobre presidente do ooosetho disse no senado
qut nao sabia qnaes os aetos de moralidadeeener
gia que nao tinha sido licito ao orador praticar
qnando ministro. Nao fez listo msinuacao ne-
itrama. Apenas qniz dizer qne nem sempre pOde
-'zer valer as suas ideas, qnando para isso preci-
*ava do concurso dos eos collega-. .9a na sua
declaracao pela imprensa disse que por vezes ti-
ib-i estado anteriormente a ponto de dar a sua
temisio, foi para mostrar que a situaco qn o
ingou a retirar-so nao se apresentou de repente.
--"orarn causas accumuladas que o levaran con-
;e -i.) de que era um obstculo. Juaotoa diver-
geoaa, era publica e notoria que os seus ex-coUe-
- is do mperio e da marinha aodavam em desac-
do sobre pontos que depois se recoueiliar.im.
^o de principio reconheeeu que a organisaQo
Sy di internado gabinete, e a iogereocia de uns mi-
is'os as pastas dos ontrds tornando necessaria
a iatervencao da cora em negocios de expedlen-
te, a peava em extremo. Eulendeu o orador qne
o ateo systeraa possivel era o de cada ministro ad-
-trar os negocios da sua pasta nicamente
!i .i fiscalisacao do presidente do conselho. Nio
quer renovar questes antigs: va, porui, que
encerrado o parlamento o orador foi aggredido por
um oi-g-w da imprcusa.ob e o qual o seu col lega
iiarioba exercia intluencia. O? sens outros
c. 'legas nao queriam apoia-lo vig irosamente, rc-
udo provocar a retirada do ministro da mari-
l Nao quz dar o triste espectculo dos mem
do mesmo gabinete se gladiarem pola im
a. A' S de dezembro pedio urna conferencia
'tir. presidente do conselho. Esta conferencia
S- S. Exc. disse que ia dfssolver o gabinete
1 o Sr. ministro da marinha andnva dosgos-
e sera o seu auxilio nao podia eonnuar. OT-
irannn anio dar a sua damisso para fater ees*
^Bjtglie descosto. A SI de dezembro o Sr.
<**nnie do colVoHio expuz llie qne o Sr. minis-
tru da marinha se bavla declarado Ineoropativel
cfJi elle; eotao o arador responden, qne a sua
previa, e espontneamente dirigi urna carta ao Sr.
presidente do conselho, pedindo a sua iemisiio.
Demai?, Iiavendo dous ministros candidatos sena-
toria, quer fossem escolhidos quorno, o gabinete
tena de modificar-se, e entao entendeu que era
meior ti2er-se a niKlificaro com antecedencia
sufficiente para o< novos ministros se preparen!
antes da sesso da cmara. A sua retirada moti-
vada por estas causas foi exclusivamente pessoal
e nad podia iniluir sobre o pensamento poltico
nem sobre a marcha administrativa do gabinete.
A discussao ficou encerrada.
Foram approvadas as propostas do poo'er exe-
cutivo que fixa a terca naval para o anno nan-
ceiro de 1871 a 1872, c.m a segniute emenda :
i O art. 3 additivoi seja substituido pelo se-
grate :
V Fica o governo autorisado para crear desda
j urna eompanhia de aprendizes marinheiros na
provincia da Parahyba do norte e outra na do
Amazonas.Rodrigo Sittxt.Lainega.Mello Reg.
Na sesso de 3 foi lido e mandado imprimir o
seguinte projeMode resnosta falla do throoo :
- Senhor O vivo jubilo de que V. M. Imperial
se possue quando rodeado da representacao na-
cional, muito peuhora a cmara dos deputados
que, as effusdes da mais plena satisfaco, con-
gratula-se com V. M. Imperial, e rende gracas ao
Todo Poderoso pela feliz e gloriosa termDacao da
guerra, queidurante cinco anuos sempre cora
honra para as nossas armas, sustentamos contra
o ex-presidente da Repnhliido Paraguay.
* A reahsacao da fundarla esperanza qoe V. M.
imperial se dignou manifestar na abertura da
passada sesso legislativa de ver snesso valeotes
solamlos condutidoe victoria final, sob o com
mando do monarcha do exercito conde d'Eo,
muito amado e iirasado general de V. M. Imperial
o merecido premio cora q je Deus quiz em sua
miinta jnica recompensar a dedieaeo e incania-
vel soUioitude do defensor perpeluo do Brasil.
< Em todos os lempos attestar a historia que,
ho unnime pensamento de desaggravar a honra'
da patria, a actual geracao mostroa-se constante
e inhabatavel, justificando amplamente a confian -
ca que V. M. Imperial depesitou na Iraeza e pa-
triotismo dos Brattleiros.
O regosijo eom que foram saudades os glo.
riosus suocessos que poseraai termo a tio o-
bre saeneios, e o enthusiastico recoobecimeoto
aos voanUrios da jjatria, guarda nacional, a
exereito e armada, ao homenageos qne toda a po-
pulaco do imperio expontanearaente prestou,o ime
alom de ser devda ao herosmo a merecida re-
compensa da dedcaijio provada causa nacional.
- Na lon' i e porfiada lula era que eropenha-
roos, rreonheee a cmara dos depoudos qoe,
para os resnltados obtidos, muito conoarreu a
valliosa c leal eooperacao dos nossos bravos al-
llados. .
A perda, embora irreparavei, que de multes
de seus briosos lilhos, o Brasil lamenta, tem, ido
nica e consoladora compeosasao, a memoria que
lhe resta dos feitos que praticaram, exemplos pre-
claras de cvhui e denpdo.
Nos ajustes neceartof que o govern trata
de realizar com a repblica de Paraguay,'de c-
te*n eom-o tratado d> de malo de 18We pro-
toeollos annexo?, esi e*rta a enmara dos depflta-
doi do que icaro ariaaoados a permanencia e
vantageng da paz.
O meto de contiouar inalteravet a tranquilli-
dade pnblics.e o de maatrmos com todas as po-
tencias reajoes da mais perfei/a amisade, garan-
de
los Dnart ; aggregados ao dito corpo Aprigio
Augusto da Cunha, Zacaras da Victoria Oivera
e c ;Iismino Jos Caldas.
Da lente. Aos renentes : do 31" corpo dito
Francisco Lzaro do Napcimento. Joaquim Manoel
Xavier, Uefisario Monteiro de Pinho, Ursino Tei-
xeiM de Barros, Manoal Carnero da Silva, Ernes-
tD Jos-; Barballin, Joso Francisco de Castro e Li-
berato Jos Cordeiro Gemides ; aggregado ao dito
corpo uabriel Saturnino Martins aididos ao mes-
rao corpo Joaquim Antonio Gomes, Antonio Au-
gusto Vidal, Claro Joso Ramos e Kermes Jos Ba-
aA1"a n a: do 3(3 corP dii? Manoel Ravmun-
do de Barros, Mispie! Joaquim Bernardino e silva,
Fedro Jos Pinto. Antonio Alvos Henriques, An-
tonio Francisco Cordeiro de Mello. Augusto Balta-
lar Contreiras, Antonio Lopes Telxeira, Migue]
dos Anjos de Almeida Villarouca, Antonio de Oli-
veira liona e Claudio Souto de Menezes; do 31
corpo dito Flavio Jas dos Santos Fialho, Jos de
souza Vieira, Joo Al ves Pereira, Manoei Jos dos
Santos, i-lorencio de Araujo Gpe? Filho, Antonio
de Souza Araujo, Thoroaz Tenorio de Albuquer-
qtie e Joa.jtfim Antonio de Farias Leite.
De alferes. Aos rtferes : do 31 corpo dito An-
tonio Isuperio de Moraes Machado, Henriquo Jos
do tarmo, Antonio Augusto de Souza, Adolfo Ur-
bano da Rosa, Se-isnando Xavier de Souza, Jos
Carolino Chaves, Jos Rodrigues Sampaio. Ansel-
mo Jos Pereira da Silva, Qumtino Gomes de Me-
nezes, Antonio Jos da Silva Paratv, Domingos
Jost de Sonza, Jos Francisco Lncas, Galdino de
Magalhaes Couto, Jos Gaspar da Cunha Brito,
Manoel Alvos Branco e Joo de Souza Pinto; ag-
gregados ao dito corpo Antonio Jos Pereira J-
nior,Luiz Rodrigues de Camino, Antonio Gomes
frvira an,or e Ma^'miano Jos de Sant'Anna :
addidos ao mesmo corpo Jos Goncalves de Farias
Joao Fernandes Martins, Svnfronio de Souza Tel-
les, Marcelhno Antonio de Mello Franco, Castodio
Justino das Chagas eCassimiro Jos de Oliveira
Maia, ajndane Manoel Ferreira Lonzada, quartel-
raestre Francisco Antonio dos Santos, secretario
Lzaro Pires de 'Araujo; do 30" corpj dito SeVe
nano de Barros e Vasi^ncellos Jnior, Pedro Ce-
lestino Coelho Jos Candido Varo, Ignacio da Sil-
va LagvNic |o Toleatino Ferreira, Gamillo Hen-
riques Owmares, Fnnkltn da Silva Porto Joan
eapistranp Gomes Cruz, Pelicro Benicio D ivid,
Veriane Bezerra de Paula Cavalcante, Manoel Luiz
aeeicman, Joo de Medeiros Barbosa, Antonio Jos
de sam Anna, L-mrenco P dro Ribiro, Biaven-
turi Ferreira da Silva Bentes. Bibiano Pedro da
Losta Barral, Manoel Ferreira de Castro, Joaquim
Alv.es da Costa Caresta, Gimlniano da Costa Fer-
rara, Joaquim Alexandrino Paz, Jos Malaquias de
souza Afcuqnerque, Mariano fos Ales Picanc-o,
Ju.tino Francisco da Silveira Jnior, Jos do O"
de Almeida'eFrancsce Mandes Neves; do 37*
vZ aI'm lu-t,0.P!,crheco de Quclroga, Floriano
S< P"0'^0^ B,P*i,a Gnenaes, Jorge Ga
de A"Trtd0> "noel Lopes da 'sItJ, Joio
T?2Tr ^""V58, AJfrif, p*d,,h,, Pedro Jo-de
de S.mza, Manoel Gomes Coelho Claudia Pereira
Lino, *raoso Xavier Guedes Jnior, Jos Ka
eiel de Ar-aujo Rijo, sjudaate Domingos Jos de
SJL''^.JIB^I-nfrn Horacio Marctlio
UttvPMfa eeerwrvo Joao. Baptisu Nopomuea-
nu; aggretados ao dito corpo Francisco das Cha-
gas CavaJeante de AUniqnerqae, Betisaro R.^ri-
gne da Caoba, Luiz ftspo da Coota, Manoel Jos
de Ataiondfua Filho, Ji o Mara i da Qosu e i Sil va
e Francisco Rodrigar de Parias.
--'K:dento de W de malo:
Foram apaaantanVs, a sea pedido
OjwioedrreiioRrmoJosdeMatios, nomos
ma lugar, sem vencimento ala nm, cora as faaarai
de dflsemhargader.
O sowatario da refaci do P*rnambuoo, Domin-
fos Affonso P(rrMra-,-m referido,ficto, cmoer-
denado por inWrb, vis comnr mais eotrin-
ta annos de sarvico; depeodendo nesla
te da
Uva.
Poi reconduzido o hachare! Manoel Thora3z Bar-
bosa Freir no lugar de jniz municipal e be or-
puaos do termo da Vicosa, na provincia do
Cear.
Foram nomeados* j'uizes munlelpaes e de or-
pbaos:
O baoharel Antonio Manoel Peixoto de Souza,
do termo de S. Fidelis, na provincia de Rio de Ja-
neiro.
O bacbarel Venancio Jos Gomas da Costa, do
termo da Franca, na provincia de S. Paulo.
O baehare! Emiliano Jos Rodrigues, dos ter-
mo* reunidos da Chapada e Barra de "Corda, ;oa
provincia do Maranho.
O baoharel Antonio Lopes Mendonca, dos de Ca-
mela e Baiao, na provincia do Para.
Foram nomeados para a guarda nacional das
seguimos provincias :
Pcrnambuco : Francisco Gomes dos Santos, te-
uente-coroael commandante do batalliao de inten-
tara n. 38; Jos Isidoro des-Dantos, teoente-eo-
ronel commandante do batalnio de reserva n. 10 ;
Luiz PanUno Vieira de Mello, major commandante
do 10 esquadro de cavallaria.
Maranho : U bacharel Aniceto Jos Borges, co-
ronel commandante superior do municipio de Tu-
toya.
Foram designados para majores, os capitaes dos
segumtes batalliSes de infaniari da guarda nacio-
nal da provincia da Parahyba do norte : Aplomo
Xavier Monteiro da Franca, do balalho n. 2; Jo-
s Lourenco da Silva Pinto, dolbatalbao n. 6 ; Joo
Cavalcante Tavares de Mello, do balalho n. 23.
Concedeu-se:
Ao tenente-coronel commandante do 4* batalhao
de infantera da guaada nacional da provincia do
Cear, Antonio Thom Rodrigues, reforma no mes-
rao posto.
Fez-se merc da serventa vitalicia des segra-
les olUcios : A Jos de Souza Lobo, de partidor do
termo de Campos, na provincia do- Rio de Janei
ro ; ao bacharel Virgilio de' Gusmao Coelho, de
secretario da relaco de Pernambuco; a Ezequiel
Francisco Barbosa, de tabelliao e eserivao das exe-
enepaa civeis e crimes do termo de Alcntara, na
provincia do Maranho.
Foi exonerado, a seu pedido o bacharel Carlos
Augusto Naylor do lugar de juiz municipal e de or-
phaos do lenno de S. Fidelis, na provincia do Rio
de Janeiro.
Mo dia 2, S. M. o Imperador acompanhado
por S. A. o Sr. marechal conde d'Eu, e seguido
dos seus ajodantos de campo e semanarios, passou
revista na praca de O. Pedro I, a baigada de vo-
luntarios da pairla ltimamente ohegada do Para-
guay, coinmanJada pelo coronel Antonio Augusto
de Barros e Vasconcelos, a qual executou com
presteza e preciso diversa* manobras. S. M. a Im-
peratriz e S. A. imperial assistiram a revista em
carro descoberto.
No dia i a assembla geral dos accionistas
da cempaibia brasileira de paquetes a vapor ap-
provou o parecer da commissio de exame de con-
tas que hontera publicamos, e realegeu toda a di-
rectora.
Foram julgadas provadas, por seatenca do go-
vernador do bispado, depois de ouvido o respecti-J
vo promotor, as premissas offerecidas pelo Dr. J.
rito Nabneo de Araujo a favor da secularisaco
de urna religiosa de Ajuda. O* autos vio sgora
sumr a Santa S para deeisan final.
A sociedade Jockey Club compoz assim asna
directora para 1870 : presidente o Sr. commenda
uor Mariano Prooopio Ferreira Lage, secretario
Sr. Dr. Costa Ferraz, 2 secretario o Sr. Joo
Alvos Souto, thesoureiro o Sr. Guilherrae Kreis-
r, directores os Srs. veador Paes Lemo e Anto-
nio Joao de Faria.
No dia 4, perante a congregaro da escola
contra!, foi i-onferido o grao de bacharel formado
em sciencias mathematicas e phvsicas aos seguin-
tes 8rs. eos; .nheiros: Augusto "de Andrade Sou-
za, Joao Feliciano Pedroso da Costa Ferreira, Joa-
qun! ttuet de Baceller, .los Augusto Devoto e Luiz
Auguct de Oliveira.
Lemo* no Jirnal do Commcrcio :
..' corr'io geral da edrte tem sido apprehen-
dida toda a correspondencia suspeita de conterhi-
metes das Interna que sao oxtrahidas em Hespa-
nha,_ Portugal e Rio da Prata.jnlgando-se esta ro
particSo obrigada a assim proceder era virtude do
MeidJspSa a lei n, 1,099 de 18 de setembro de
1 tHH/.
Urna nova linha de vapore de .1000 toneladas
e 500 cavallos nominaes vai eslabelecerse entre
Marselha e o Rio da Prata, com o Ura principal de
transportar emigrantes. Sao os vapores itallapos
talo-Pntense, L-i Pampa e Upo que tenecionam
largor de Marselha Iodos os raezos. tocando em
(nbraltar somonte. O flalo-Platense, eslava an-
nnnciado para larjar no dia l de junho.
Do Esmrito-Swto do Pinhal escrevem a Ga-
zeta ile Campias de 38 do passado :
No dia 3 do crreme -maio) deu-se nesta fre-
guezia um facto honroroso. Um camarada do bem
conceituado Sr. Joo Bastos, conhecido por Juca
laraguayo, por ter si lo voluntario da patria, ten-
do na campanha apanhado urna bala em urna per-
na, cuja extraecSo lhe foi feita nm Mogvmirim pelo
sr. Dr. Beata Cintra, foi barbara e tricoeiramen-
te asan sanado na estrada, na sabida da povoaco
com um liro de espingarda, disparado, ao quepa-
rece, a queima roupa, por ura tal Justiuinho, pai
de familia e horaem de idade. Este malvado j ti-
nha promettido tirar a vida ao infeliz paraguavo,
mies delle seguir para o sul, a anda no dia
em que aqu festejamos a terminaco da guer-
ra, elle disse (ao que corista) ao Io substituto do
subdelegado, que naquelle mesmo da lhe tirara
a vida I >
ram para os saldes da mesma sociedade : onda
houve urna explendida reunio.
. Chegou no dia 5, no Arines, o Sr. chefe de d>
visao Mamede SiraOes da Silva, que vem cotn-
mandar o 2' districto naval.
, LS" E,x' ,raz eiD sua cerapanlna o Sr. Io len-
le Manoel Ferreira Pinto Bravo, que consta- ios ser
o seu secretario.
O cambio-regula: obro Londres-Sif'i
? /J *obre Paris **2 a 423 rs por fr. a so-
bre Hambargn 782 rs.
Estava carga para Pernarabnco o Urigne
Constante Umo.
PERNAMBUCO.
ItEVISTA DIARIA, l .
.ADM1NISTRAC0 DO CORREIO.-EsU repart-
cao arteaadou no mez de maio 3:287*600 rs.
ESTATBTICA POSTAL.-A adranistracSo do
correio expedio hontem, pelo vapor franca Sindh,
para a Europa :i752 cartas e 137 massos de jor-
crrlncipaes da Europa, tem correspondente!
ia Bahia, Buenos-AyTes, Montevideo, New-
3 New-Orleans, e emitte cajtas de crdito.,
oara os mesmos lugares.
RA DO COMMR(2iO N. 36-
ALFANBN*.
ItiMIluiento odia la. .
laam do dia-la......
361:9864089
31:146*321
393:433*310
MOVHOMO DA AaUNDEGA
fettmes entrados corntazentlM
Idea idem com gneros
Totumes gaidos cem fazendaa
dem idem cora gneros
213
411
112
601
24
713
cartas e 102 massos
naes com 6386 portes, sondo :
Malla para Portugal-1320
de jornaes.
Malla para Franca 1138 cartas a 113 jomaes.
Malla para Inglaterra1031 cartas e iK jor-
naes.
Malla para a Italia63 cartas e jornaes.
KEPLER.Este vapor devia sahir do Ro de
Janeiro para Liverpool, pela Bahia e Pernambcco,
no dia 10 do correte.
RA DO RANGEL De novo pedem os mrra-
dores desta ra a attenco da aotondade compe-
tente para o lastimoso estad;i de ruinas do sobra-
do n. 16, parte do qual j desabou, e estando a
outra parle prxima isso. Chamamos s attengo
da Ulna, cmara municipal para esse terror dos
visinbos.
NOVO ATHENEUTem hoje lugar s 7 horas
da noite no palacete da Juventude, no pateo de S.
Pedro, a sesso magua com que essa sociedade
festeja o primeiro anniversario de sua installaco.
SANTO ANTONIO DO CORPO SANTO.Ama-
nhaa, s 10 i/2 horas do dia ter lugar a bencao
da magera de Santo Antonio que se venera no
Corpo Santo. Por essa occasao pedem os devo-
tos que seja dado um repique de sinos era todas
as igrejas da cidade.
EM TRANSITO.O vapor francez Sindli irouxe
do sol do imperio para a Europa 282 passageiros.
TACARUNA.Informam-nos que ueste ponto
da estrada de Olrada apparecem ltimamente vul-
tos suspetos quo procuran) reconhecer as pessoas
que tem a infe licidade de ah passar depois de cer-
ta horada noute. Chamamos para isso a ailenco
da autoridade competente. *
VIDA E FEITOS DO DR. SEMANA.-Vieram
hpntem pelo vapor francez mais alguns exempia-
res do interessante pampbleto Vida e feitos do Dr.
Semana, que se vendem a 2* cada cm. As pes-
soas que encommendaram, queiram ir procurar
loja de madama Falque, ra Primeiro de Man
n. 4.
RETRATOS.=Tambem vieran) ruis alguns re-
tratos de S. A. o Sr. conde d'Eu, e do Clce
Diabo.
COMMISSO A' EUROPA.-Sobre o tira a qus
foi Inglaterra o Sr. Trajano augusto de Garva-
Ibo, encontramos no relatorio do ministerio da
marinha o seguinte :
O constructor do.arsenal de m.".rinha de Per-
nambuco, Trajano Augusto do Carvalho, pensa
ter descoberto urna nova forma do navios, que, a
ser aceito pelos peritos, produzir urna grande re-
velucao aa sua arte. A dea cornmanicada ao pri-
meiro constructor do arsenal da corte, eapito te-
nente Napoleo Level, foi por este hbil prossio-
nal considerada exeqnivel e digna de animarn.
Em viste, pois, dess circumstancias, conced l-
cenca aquella constructor para ir Inglaterra
exibir seus projeetosjios mestres cempetemes, que
all abundara, e ento o encarreguei tambera de
obter inforuacTios sobre o preca provavel de urna
fragata de madeira, a hlice, movida por graude
vetocidade, armada da mais poderosa arlilheria
conhecida. >
LOTERAA que se achaa venda a n. 130a
a beneficio da igreja de S. Sobasliao do Bonito, a
qual corre no dia 18 do correte
Descarregam hoje 11 de jnnho,
rea francezatio Granderaercadorias.
Barca inglezaJndium-idem.
Lugar norte-allemioAlfredo-itm.
Papacho portuguezSapho dem.
Patacho inglezMart Cornrffidem.
Brigue pm-tuguez-tfampofldem
Bngua inglzIfmRaidem.
Brigue iaglezMeten Richardidem.
Lugar inglez A'oraarinha de trigo.
Brigue noruoguense~Uerfarlnha de tris.
Bngue austracoOi Ztre Pguderlixiftia do
trigo.
Brigue dinamarquezAuneidtm.
Brigue inglezGnvci/.sbacalbo.
Barca portuguezaSerialmercador, is.
Patacho austracoNitormercadonas.
Brigae inglezCantrosidem.
Brigue francezConanceidem.
ECEBEDOR1A DE RENDAS INTERNAS GE-
RAES DE PERNAMBUCO.
lendimentodo dia I a 9 84:033*0'-4
Idem do dia 10....... 2:186*322
26:180*3K>
CONSULADO
Rendimento do dia i a 9
dem do dia 16. .
PROVINCAL
33:772*381
4:100*787
39:873*1*
FUBLICACOES A PEDIDO.
MOVIMENTO DO PORTO.
Navios entrados no da 9.
Rio da Prata e portos intermediosvapor
fra,ocez Gerottde, com naadante de Somer.
carga parte da que troaxe da Europa.
Sanios entrados no dia O
Rio de Janeiro e portos intermedios5
das, vapor francez Sindh, de 2854 to-
neladas, corarasndanle Massinet, equipa-
sen 121, carga caf e outros gneros:
*Tessel Frere.
Trieste59 das, escuna hoUaadeza Ham-
butt, de 155 toneladas, eapito I. I. von
Heuvelu, equpag*n 6, carga 1551 bar-
ricas com farinha de trigo ; ordem.
Rio Grande do Sul21 das, barca portu-
gueza. S. Joao, de 339 toneladas. capitSo
Manoel Ferreira Leite, eqnipagem 11.
carga 15,000 arrobas de carne;
Joaquim Jos Goncalves Beltro
Savios sahidos no mesmo dia.
Bordeaux e perUs intermedios Vapor
francez Sindk, commandante Massenet.
ECITAES.
par-
Eis as noli das commerciaes da ultima data :
Cambio.Londres 22 d. bancario, 22 3/8 par-
ticular a 90 i/y., hontem ; 22 d. bancario, 22 1/8,
22 /i, 22 3-8. 22 l/ d. particular, a 90 d/v., hoje ;
Pars 428 e 430 rs. porfr. a 90 d/v., hontera: 430
rs. por fr. a 90 d/v., hoje.
Metaes.Soberanos a 105970, ditos a 11*000
ate 9 do corrents.
AurjOss.Banco do Brasil a 1735 por accao
para 18 do correte, hontem ; Bio de Janeiro Gas
Cooptar 300 S por. accio, hontem.
FnETKs.Estados Unido?, norte, 22 s. 6 d. e
5 0/0, Hampton-Roads a ordens 25 s. e 5 0/0.
Gi:.NEROSDivEB.so<-Caf lavado. 6*500 a 83200
Fino e superior 6*800 a 73500
1* boa 6*300 a 6*500
Ia ordinaria e P regular 5*200 a 63000
2 boa 4*800 a 5*100
2' ordinaria 4*200 a 4*60n
Assucflr bran:o de Pernambuco, baixo, em
saceos, a 53400 por arroba.
Effectuarara-se transadles menos que regu-
lares era cambio sobre Louifres, a 22 d. papel ban-
cario, 22 1/8,82 1/4, 32 3/8 d. papel .particular ;
mais que regulares sobre Franca de 485 a '434 rs.
por r., e pequeas sobre Hamburgo a 800 rs. por
marco-banco. ,
Negociaram-se cerca de 25,000 soberanos de
10*950 a llp, 180 apolices gerae de 6 0/0 a 86
0/0, 30 aceoesjlo banco do Brasil a 173* e 7o di-
tas do Banco Commercial a 3* de premio.
A alfandega da corte renden de 1 a 4 do
corrente 348r49*5"0.
BABA.
Os traba I nos da a>semblea provincial foram
de nova prorogados at o dia 11 do corrente.
Lf mos no Jounol :
No dia 4 do frrente foi presa pelo subdele-
gido da Victoria, que insiaurou o competente pro-
eesse.'TJuilhermraa Myeira de Pinho, amasia de
finado Fiano Pereira de Jess, por se ter veri-
"can do corpo de delicto que se proceder,
terlnorridoo mesrao Feliciano, em consequencia
de urna dentada, que dera-lhe a dita Guilhermraa
ao di 89 de maio, e de que, nao tondo sido con
venienteuiente tratado, appajeceu a gangrena,
que lhe den a mortef
Vfio im Arinot a Exma. Sra. D. Anna Nery.
acompanbada de aeu filho o 6 annista d medici-
na fzidoro Antonino Nery, que por espaco de 7
nnos prestou valiosas servioos de sna prefissio
nes campis do Paraguay, sendo distinguido por
diversas vezes era ordem do din.
A caridosa bahiana tronxe em sna eompa-
nhia tres orphaos (linos de ofTiciaes nossoe eom-'
Ptovnciano* mortosem campanha, havendo dei-
xado na orte em oollsf ios outros tres.
Fez o sendesembanme no arsenal do mari-
nha, e seguida de mnites amigos, foi para sua ca-
sa de residencia na ra dolaagal, onde folcom-
primeotada per muilas. pessoas. '
Ah foram-lbe reciuda^< al gomas poesas.
A Exraa. Sra. O. Adelia Josefina de Castre
"onceca, aaodesinettindo u frode liorna pri-
meira.poetisa, reoitoa'li nma'Onomrosa poesa,
am a*im os Srs. Joao da Brito, D. J. da Fon.
aeca.e A. L.Cnanteo,edieculaa o/8r. Frederice
Lisboa e outros. t
AeOa vie Mante no salo da patria e no lar,
da-amia, a tUestre bahiana-, quo tao nobremeo-
ta moaeetModaa a aanta mis*ao. da eq rtdade.
Hontem noite foi crnaaaimamada am aMpalaa Sana. iMbaanav 1a Mhom da Re-
oreauva, preeedadaa e .aconipaonadas par msi-
cas e muito povo, e depois de a receberem, volta-
O subdelegado da ireguesia do
Poco e o Sr. Domingos fos
Marques.
Receloso de que o meo silencio legitime
8s assercoes do Sr. DomDgos Jjs Mar-
ques em seu artigo inserto neste Mario,
de 8 do corrento mez. passo a respoadjT-o
com especialidade a parte relativa as pro-
videncias que o Sr. Marques diz reclamara
da subJelegacia do Po?opara evitar, segun-
do allegava, a destruicS do nm terreno.
margem do rio, no lugar denominado Caldei-
reiro.
Effectivamente o Sr. Marque; reclamou ;
porm, sobre nao ter certeza Je que o indi-
esdo terreno de sua proprieilade, enten-
d, conforme ainda entendo que nao me
competa dar essas providencias.
Entretanto, disse-lhc que as reclamasse
do Dr. chefe ou delegado de polica, as-
segurando-lhe que observara o que me
fosse ordenado por qnalquer das duas au-
toridades, muito habilitadas sem duvida para
me tracarem a linha de conducta.
O Sr. Marques dirigio-se a secretaria de
policia, e nao me trouxe communicacSo al-
gum oflcial.
Creio pois, que demasiado injusta se-
mejante a rguic5o do Sr. Marques.
Quando a ultima parte do tetado artigo,
na qual o Sr. Marques appella para o pu-
blico afim de quejuiguepor f-^te facto quaes
oshomens ffa'freguesia-doPoO, observo to
somente que nesta fregoesia moram pessoas
muito Importantes por sua conducta exem-
piar, posico sociI e.outros preciosos ttu-
los, que de certo, devem merecer-lae mais
attenco, mais respeito. ,
Monteiro 9 de junho de 487G.
M. J. de Paiva Pinto.
Erratas.
Na pubtcaco de hontem sob a epiga-
bpe Bonitol-se a liaba 17=o que misa-
mos acreditar, em vez de o que nao ousa-
mos acreditar; a linha 19 nwfazes insen-
satos em vez de audaze?. e insensatos; a li-
nha 20 certo de que este nesso em vez de
certo deque onosso.
Perante a cmara municipal desta cidade
estarao em praca na das II, 13 e 15 do corrente
pan serera arrematados por qnem m8nor proco
ollerecer, o calcamanto das entradas do matadou-
ro publico da Cabanga, bem como a constrnceao
de um parodio a aterro para o tapainento do rom-
bo feto pelas aguas das grandes mares : e 1 ar-
gado na quautia de 4831500 e o i- na de 6U">.
Os pretndenos devero se habilitar na furu..
da le para poderem licitar as mesmas obras.
Paco da cmara municipal do Recife 8 de iunhi
de 1870. '
Beato Jos da Costa Jaoaor,
Pro presidente.
No impedimento do secretario,
* O oflicial-maior,
__________Augusto Genuino de Figueredo.
Joaquim Jos Silveira, teneDte-coronel com-
mandante do Io batalbio de infantaria,
e presidente do conselho de qualificacn-
da guarda nacional da fregaezia de San-
to Antonio do Recife etc.
Faco saber que tendo se concluido a
qualificaco dos guardas nacionaes desta
fregaezia, as respectivas listas se acham ai-
fixadas no interior da igreja matriz; tod"S
os cidadosque tiverem diretos a recla-
mar, deverao fazer na segunda reunio qut-
deve ter lugar no dia 25 do corrente, na
conformidade do art. 34 do decreto n. 722
de 25 de outubro de 1850. e art. 20 d>
decreto n. 1130, de 12 de marco de
1853.
Salla das sess5es do conselho de qaal;
ficaco da guarda nacional da fregaezia di-
santo Antonio do Recife, 10 de ianho de
1870.
Tenente-coronel presidente,
_____________Jouquim Jos Selvetra.
0 Dr. Francisco de Assis Oliveira Maciet'.
juiz de direito da primeira vara crimiDal
e substituto da do commercio nesta cida-
de do Recife de Pernambuco e seu tor-
mo, por S. M. imperial e Constitucional
o Sr. D. Pedro II, a quem Dens guarde,
etc.
Faco saber pelo presente, que dos termos ui>
artigo l" do decreto n 1,69o, de 15 de seterabr.
do auno prximo passado. dentro do praso de 30
das contados da publicaran deste edital, recebera
este jnizo proposlas por cartas fechadas para a
arrematecao por venda de dous eaeravos, a quem
por elle mais oflerecer. senda um de nome Mar
colino, cabra, cora idade de 25
anuos pouco mais
!H^
P
COMMERCIO.
f BAGA DO RECIPE 10 DE JU.IUQ.
DU 4870.
as 3 1/3-nenas da tardk
Algodo de Macei sorte OVIO'/ rs. par kil.'
posto a bordo frete de 3j8 e 5 OfO
Gambhi sobre Londres 90 d/'v '22 3)8 a. po
IOOO (hontem).
Dilo sobre dito 90 drv. 12 Iji por tfMO
do haneo (hontem). '
Camt> sobre Portugal pagavel em Londres -tK)
div. M l|4 (h ntem).
CamWo sobre Portugal -- 90 \v. 140-OiOde preJ
mo (hontem). '
Descont de letras ->9.Wao anno (hontem)
yoncallo Jos Aflonso,
Presidente
A. P. de Lemos, i*
Pelo secretario. fc
ou meaos, avaliado prr 1:3004000, e o outro de
nome Pedro, crioulo, eom 28 anuos de tdade,
pouco mais ou menos, adoentado, aveliado por
f:000000, ambos peuhorados por axecneao de
Joaquim Manoel Ferreira de Souza, contra Fran-
cisco Thomaz de Barros Campello c outros. e se
acham em puder do dito eveculado Francisco Tb<>-
maz de Barros Campello.
Epara que cliegue ao conbecimeoto ck
todo8,*mandei passar o presente," qoe ser
publicado pala imprensa e affixado nos lo-
gares do cosime.
Dado e paseadoooesta cidade do Recto
de Pernambuco, aos 2 de maio d #870.
En, Manoel Maria Rodrigues do Nasci-
meoto escrivo o suhscnvi.
Recife 2 de maio de 4870.
francisco i de Assis Oliveira Maeiel.
.'
#
DECLABACOES.
/aiieiro jUmited;
Deseo ata lettres da praca tosa a coa
mencionar. 4
Recebe dinheiro em costa coreante 'iiij
i raso fixo.
Saca vista on a praso sobre, as ciadeij
Conselho de compras uvaes
O conselho contrata era II dooorienie mez, a
vista de propostas ree&ttas at as II horas -da
manhaa, o sob as eofidi!Joes*do estro. forneri-
mento fle ambnlactas aes. navios da armada, aar-
?leos de barbeiro enfermara de maneba, e a
lavafem de roupa esestaoelecimeBtos de mar i-
tma. 'durante o exefeiplai fiwaw vindeuro V
WW a 1871 ; bem coma-por tempe de ires mesa*
fiados em setembro do-'earraBle aneo o fomr-fj-
maoiodos segmMm'abjeaMe4'''daBieuto :
Para aw^dleas-arinee.
Bonets do uaitorme, ponet? do servico, -bloaas
de*rhii braaeo/MWsafgalgedao atol, Miwas pe.
pamo beb, calma"de*nm >*raaeo, ealeaa de al-
Wdae- mu, oamsa#de aifadioznuo, eobertores #e
Itk. fterioMS'da aajodSo. "eticas :de paoae azul.
r*B6aadellDloebaios-d> palha, frmmas dea..
godaozmho, lencos de seda preta para grvalas,

/
s'
i
i
i
i unto





I
Diario de Pemambuco -H Sbbai 11 de Junha de 1870.
fr
k
.
-*.
T
e imiwro"
supatoes, saceos de guardar roopa,
de lintio curios de palha.
Para imperiaes aunnneiro eaprendizes
dito
Bonets da panno azal, tamisa d brisa braaerj,
caicas de algodao azul, .caifas de pauao azul, cal-
m de brim braoco, camisas de.baaia azul para
iMthw marinheiro teado i ifl palous de com-
pnmenio o corpoe 3 as mangas inclusive es pu-
oIms, camisas de badta azul para aprendizas man-
ulwawi isadu 1 palaaai <" 'T'*" "" ^T"
e I as mangas ielerve o aias, fardetas de
panno azul, leos daaada preta para grvalas, sa-
rmM, e saceos de losa de- mariahagem.
Para artfice avulsos.
Bbtias de panno aaal, biosas de algodao azal,
alcas de brhn braoco, calcas de panno azal, cal-
cas de algorfa j aaal, camisas de algodozinho, e
cintos de couro braaco envernisado.
Para marinhagem.
Calcas e camisas de brira braoco, caicas e ca-
aateas de algodo azul, e camisas de bata azul,
tendo o corpo 4 ift panos de coaiprimehto e 3 as
mangas inclusive Tambem do mencionado da 11 do corrente mez
per igual forma o conseibo promove a compra dos
ojelos do material d armada seguimos:
20 almotolias de folha para azeile, 10 baldeadei-
ras de folha, 10 pellas de camuca, 10 camas de
??uto, lid bracas de corrate de ferw legada Teforcaaa, 60 barras de ferro nglez, pro
pfo para gremas, 300 varees de ferr inglez da 2
a 7i8de grossnra,. 2Wrtardes de ferro inglez d T
4(8 de grossura, 6 Mes Ingletes tendo cada um
S-pe> da camprimento e 6 de largo, 2 livros gran-
de* da tafao, papel pautado capa de cauro, de 200
olhas ; 2 livros grandes, papel paatado, capa de
couro, de 130 folbas ; goleares de ferro de l|i
de gressura, 6 ps dp. eomprimento e 4 de largo.
100 pratos travessos de folha, 2 resmas de papel
hollar.da, 40 garrafas de tinta rosa de escrever,
%oo remos de aia. 6 barras de ac batido de popo-
oa de 2 1(2 polegWas de largo e 4(8 de grossura,
& barras de ac batido de 2 1|8 polegads de
largo e 4(8 de grossura.
Sala das sestees do conseibo de compras navaes
7*ejuahodel70.
O secretario,
Aje landre Rodrigues A
O administrador da Rccebedoria de
rendas internas geraes faz publico qne he
ntste correla mez de juaho que os deve-
lares da decima addicional de mi mora,
sm cujo numero se comprebeodem as com-
panhias e sociedades aaooymas, teem de
pagar a mencionada dcima sem multa, o
<|u* dudo o referido mez, ser paga com
a.mana de 6%.
Rccebedoria de Peraambuco, 10 de junbo
de 1870.
Manad Carneiro de Souza Laceria.
s 4 *12 da.tarde e as. ii- da. rente
ta* fi da larde
'tpeaHdo d algaroa*/amBias, represeatarvse/.
lia pela ultima vez, a multo applaudida pauoav-
na O terrvel ponte da meta noote e a morte
do general Cleber.
O elown Cesar tomar parte nos exercieios bur-
lescos.
PROGRAMMA.
1.* Sympbooia.
2. A divertia batuda americana, por tedas o;
saltadores.
I 3. Murilhp, cavaBo amestrado, apresentado em
liberdade por D. Luir. ^^
4. Novos exercieios executados pela primeria
vez com um arco pequeo pelo artista Vicente so-
bre um cavallo em sso.
i o> A saia balo, pelos palhaoos Cesar e Al-
nabo.
6." La Amazona, pela senborita AnnaJCasali so-
bre um cavallo a toda brida.'
7. Pela primeira vea neste reo, as persas de'
pao pelo artista Rodrigues.
. IntrvaHo de 30 minutos.
8. O torniquete, pelo artistas gynmastioo da
Companhla.
9* Exercieios sobre um cavallo, pela menina
Juauaha.
10. O Sr. Virgilio, artista brasilero executara
difieeis desleseles da maior difQeuldade.
11. A pedido se executara o terrvel ponto da
mala nonte.
Personagens Atoret
Um genral Rodrigue!
A fllha do general A beneficiada.
Capitn de Ladroes Luiz.
Um offleial Aldabo.
Um Umbor Cesar.
Urna caatlneira Abertao.
Um passageiro Tesan.
Um criado Venancio.
I Ifelitar e bandidos.
N. 11.As 8 1|2 da noute haver o mesmo es-
pectculo.
PRECOS.
Camarete com 6 entradas 124000
Cadeiaas 25000
Cadeiras rnicas para Sras. 2|000
Platea U000
Os bilbetes de camarotes, cadeiras e plateas
vende-se no mesmo Circo.
AVISO.
O empresario e o director interino desta compa-
nhia rogara aos senhores espectadores da platea,
o favor de nao se agrnparem logo nos primeiros
bancos da geral, tendo a bondade de irem toman-
assento nos ltimos, alim de nao dar lugar a que
se digo que a companhia vende bilhetes demais,
tendo a platea licado vasia quasi sempre nos lti-
mos bancos.
RelacHo das cartas registradas, procedentes
do sul e norte do imperio, existentes na
repartico do correio em 7 de junho
d* 1870.
Antoni- de Sonta G. Filho,' Aloxandre Gomes
farra i d Argollo (2), Antonio Francisco de Souza
Braga, rajamim Arestides Ferreira Baaleira,
Caetano Brando de Souza, Francisco O. Tavares
Urna, Francisco Lucas de Souza Rangel, Joaquim
Kduardo Pina, Jos Manoel Correia de Barros, lose
Paulo Maciel de Carvalho, Jo- Coelho da Silva
\raujo. Luiza de Jezus Cavalcanti de Albuquer-
que, Manuel Gomes de Mello, Fr. Nicolao do Bom-
ftm,' Saldado & Neves.
Manoel dos Passos Miranda.
O enearregado do registro
: '
Em segaiJ* sara repreaeaUla atefqa|aulc
comedia
O marido victimabas modas,^
Tomam parte a Sra. D. Mara Babia, e as SrJ
Baha, Peregrino e Freins.
Tbrwlnar o-espeetamlo cera a graciosa me-
dia em am aeto, uada'de msica :
4f criada impagaitl
Exihida pela Sra-D. Jesuma e oa Srs. Braga,
Freitaa* DB-Giovatrat
A msica desta comedia foi composta pela Sra.
D. Jesuina e a instrumentacao feita pelo maestro
Colas Filho.
Principiar as 5 horas.
Os bilfcetes acbam-se navsUoio do Heortee no
tbea tro-pelos precol segumte :
Camarote, com 6 ingresso, tucluindo passagem
em wagn,, antes e depois do espectculo, 12.
Entrada avulsa, para seobora, em camarote,
com passagens antes e depoi do espectculo H.
Cadctra, com passagem antes e depois do
espectculo, StfOOO.
Platea ltOOO. .
Espectculo as 8 horas da noute
Sexta representacSo do muito applaudidu dra-
ma sacro de grande espectculo, em 3 actos e 5
quadros, ornado de msica e enriquecido de traoe-
(ormacoes e visualidades, intitulado :
gabuel e lusbel
ou
OS HILARES DE S. ASTOSIO
No final do 1* acto hatera ama
CHUVA DE FOGO
de deslumbrante effeito.
Terminara o espectculo cent- a representaco
de urna interessante
owi:iiia
Os bilhetes acham-se nos Ihgares cima indica-
dos, dando-se passagem gratis em wagn, antes e
depois do espectculo, na forma do estylo.
Principiar s 8 horas.
CIRCO
NO
PAViLHiO DES: ISABEL
COMPANHIA
BQLOTE MM OTA E ACOBMTICA
S03 A DIRECCAO
DE
D. Lu'S Casali.
EXTRAORDINARIA E VARIADA FUNCCAO.
^'-.:bbado BENEFICIO
As oito Ir-ras em ponto.
PRORAMM\.
i. Symphonia.
. Vi Itsio sobra um cavallo.
3. Exercieios sobre um cavallo, pelo artista
Vieeal
\r \'a iaierraedio jocoso, pelos clons da compa-
IllllU.
;>. Pela primeira vez o artista brasilero execu-
lar;' varias sirtes sobre a cerda bamba.
C." Mr. e Madama Denis, scena jocosa, pelos ar-
ita< Luiz, Cesar e Aldabo, sobre dous cavados.
7 A Juas escadas equilibradas, por Cesar, Al-
dabo. Virgilio, Vicente, Juanin e Juanita, servin-
Jo ''e alcide Rodrifrues.
vallo de 30 minutos.
i?.- i'osturas acadmicas, pela menina Juanita,
sobra um cavallo.
9. O doble trapesio, pelos gymnastas Cesar e
Vi eete.
10. Varias portes de escamoteos, pelo palba^o
Rodripiues.
11. Fiaalisando-se com a intere=sante pamto-
'nina : o terrvel ponto da meia noute.
Pornnaifn Adore?.
CJelvr, general Rorigues.
CapUio de ladives Luiz.
Um offleial Aldabo.
Um tambor Cesar.
Vm n.issageiro Tesari.
A fllha do general Auna.
Urna velba Aberino.
tiro criado Juanin.
afilitam e bandido* etc. .
N. B.As portas do circo abrem-se as 7 ho-
ra da noute, dando-se principio s oito em
ponto
Precos
Gaaaarotes com 6 entradas........ J1*2SS
Caeiraa..................... Jgwo
Cadeirss avulsas para senhora..... aiww
<^raes........................... I*000
(H bilhetes de camarotes, cadeiras e plateas
venderii-se no mesmo circo.
AVISO.
O circo achar-se-ha ricamente acornado cora
'bandoiras etc.. e tocar durante os tintervallos em
rent'; ao pavilhao urna banda de msica.
Os sabores que quijerero, poderao estar co-
cerlos nos seus camarotes.
Domingo 12 de junlio
Unas escolhidas fnncees
THE4TR0
GYMMSIO DRAMTICO
(No Monteiro)
SOR A DIRECgO DO ARTISTA
DE-GIOVAM.
Sabbado 11 do corrate
BENEFICIO DE
JOO JOS DE SANT'ANNA GAIO.
Primeira representaco do excellennle drama
cm 2 actos :
CliLr.lEKID.lU
Tomam parte s Sras. D. Jesuina, D. Maria Ba-
bia, D. Olympia e os Srs. Rabia, Peregrino e Do-
Gbvanni.
Segue-so representaco da excedente comedia
em 1 aeto :
O ti Torquato
D. Mana Babia, e os Srs.
a interessante e
um acto, ornada
Executa-lo pela Sra.
Babia o Peregrino
Terminar o-espectaculo com
muito applaudida comedia cm
dj msica, denominada :
A criaaa impagavel.
Tomam parte ;. Sra. D. Jesuina e os Srs. Braga,
Freitas e De-Giovanni.
A msica desta comedia, a exepco de nm nu-
mere, escripta pela Sra. D. Jesuina, sendo a ios-
trnnientacao feita pelo maestro Colas Filho.
O resto do> bilhetes achan-se na estaeio do
Recife e no theatro, pelos preces estabolecid *,
dando-se passagem gratis em wagn antes e de
p'ois do espectculo.
Principiar as 8'horas.
N. R.O beneficiado ;:char-seha oo the'.ro,
aflm de receber as esportulas dos bilhetes que se
dignaram aeccitar.
AVISOS MARTIMOS.
COMPANHLV PERNAlfflCANA
DE
Vavegaco costeira por vapor.
O vapor nacional Coruripe, que deve seguir
Sara Mamanguape no dia 11 do corrente as 6
oras da tarde locara no porto da Parahyba para
onde recebe (carga, encummendas, passagens a
dinbeiro a frete no escriptono da companhia no
Forte do Matos n. 12.
Rio de Janeiro
S>'!?tte eim hrevid-tifc u ratirho nacional Hsfro
*. MS ion.' J-i rtnv ceratgatPm'.o engajadn ; pra
o resto .jue ibe islr (rata se rom cnmigtata-
r|os Antonio Luj/lerOliveira Azevedo & C, roa
da Crnz 57, 1 aadar.,____________
Wo^rttuaft'de ftil
Preparase para sahir cota a posstvel brevida-
de o patacho Curo, por ua a raaior parte da car-
ga, e para o resto que lbe falta, trata-se com o
consignatario Joaqum Jos Gousalvea Beltro :
roa Comraercio ai 17. __^_
Para Parlo.
Pera o referido pono preteao seguir com a
liossivel brevidade porter sua esMva prompta a
barca portogoeza Sapk/ro, para o reste e passa-
geiros tratn-se cora o eapitao ou cora os consig-
natarios Thomaz de Aquino Pbnseoa & C, ra do
Vigario o. 19, andar.
Deve seguir dentro em poneos das o patacho
nacional Bm/tat por ter prompta a maior psrte
de soa carga, e para a que anda pode receber
fratase com Balthar, Oliveir C : a ra do
figarto o, 1, primeiro andar.
0 hrigue portuguea Aprigio sabira brevemente;
para o resto da carga trata-se coa Pereira Vian-
da *: C, ra do Vigario n. 11, lt andar.
mm\ mam
DE
Paquetes a vapor.
Dos portos do norte esperado
at o *a 30 do cmate o vapor
^Irroot, comntandnte Gnilherme
WaddengtoB, o qual depois da
demora do costame seguir pa-
ra o portos do sul.
i Desde j recebem-se passagetros e eagaja-se
arga que o vapor poder conauzir, a qual deveri
ser embarcada no oa de suachegada. Ecomrnen-
das e dinbeiro a frete at as 2 toras do dia da sua
sabida, .
Nao se recebem como encommendas senao ob-
ledos de pequeo valor e que nao excedam a duas
arrobas de peso ou palnwa cubicas de raedicao.
rudo que passar deete litarles dtaer ser embar-
cado como carga.
Previne-se aos senhores passag;iros que soas
passagens so se recebera n agencia, roa da Cruz
n. 57, andar, escriptono de
Oliveira Azevedo & C.
Sotedate Gi?t^ Beaeficenfe'
i: avidfa Ira..-' i*ia nnaneV corp,.r.if*i
para qJa,14 do arreste, as 6 horas da tarde,
eoinpareeereaa na sala das suas sesses para dar j
eompriroentf^qi art. 39 dos seos estaiutos : na
OJBlltoiaOT
Prwsa-sc d.^ ata er-za*ero ou ozinheiraHpiaf
ra in ido o. 1, i ja da ''-quipe. ______.
I.
Criado
Precisarle de um prele qoe seja eaarirro par
roa do Vigario n. 52, 2 andar, de orden do pre- iodo servico de armazem : na. travessa do Corp
siderita da mesma.
01" secretario iuterrno,
, Maooei Lopes FefTeira.
wmmmmm wmwm
MtMNCA.
w
O Dr. Caroline Francisco de Lima San-
tos msdou sua residencia e consultorio
para a roa do Imperador n. 57, 2 andar
4o sobrada cujo armazem conserva ato-
nda heie o nomo de Aliarla, tendo a
entrada, que pelo lado oa ponte Sete
de Setembro, o mesmo numero 57, da
frente. Abi continuando o dito Dr. no
exercicio de sua proflBao de medico e
:de operador, pede ser procurado a quai-
qner hora do- dia o da noute.
'Sant0 p- ^5-
Preclsa-se de urna ama de meta idad par
, corinhar, senda da boa eendacu : na roa. de Hea-
las n. 91.
PUL-
Precisa-se de um eaixeire com praexda fa-
zendas, para nm estabelecimeato ao centro destar
provincia : tratar na roa do Livramento, toja
a fr.__________________________________
Qoe horrar oraba gente I o liscal multo
Marcos do CaWereiro, e porque ? porque tiram-
lbe araias do fando; isto brbaro, accosar-se
citacao feita ao fiscal, requeiro que se prosiga no
termos do inventario de minti finada mu_er, pe-,
na de lancameoto, at a cheia me perstgue, i
ton-me as parreiras, os feijoes e as verdoras.
j Os raaus compadres.
TRECHOSCLSSiCOS
Chegarain e aefaam-se a
NA
Linaria iranceza.
imiis p.\R.i s. m-
0>bao asaiguado, ex-escrivio da irmandade
do Senbor Itom Jezus das Dores em S. toncaio.
desta cid*de,no aano de 1867 a t868, tendo ex
tiahido diversas patentes a pedido do theseareiro
daqueile anno, Joao Manoel Lino d Rocha, e ten-
do seieneia das respectivas patente a mesa rege-'
dora do aune* cima mencionado, o ex escrivio,
deixou de, abrir os competentes assentos, visto que j
oerguntou ao thosouretro Lino da Rocha por di-,
versas vezes se tinha ou nao recebido-as jolas das |i Consideravemente melhorada e a^gmerHa-
Antocio Luiz de
COMPANHIA PERNAMBUCANA
DE
Navegacdo costeira por vapor,
Macei escalas, Penedo e Aracaj.
0 vapor Poteng, commandante Mello, se-
guir para os portos aCima no dia 15 de iunho
as 5 horas da tarde. Recebe carga at o da 14.
encommendas, passageires e dinheiro a frete at
as 2 horas da tard do dia da sabida no escapto-
rio do Forte do Mattosn. 12.
LEILOES.
Companhia americana e brasl
letaa de paquete* a vapor.
At o dia iodo corrente esperado de New
York por S. Thomaz e Para o vapor americano
South America, o qual depois da demora do cos-
t me seguir para os portos do sul, nara fretes e
passagens trata-se cora <.s apeotes Henry Forster
& C. ra do Commerciin. 8.
C01IPA11A
omicgo I 9 do corrale.
Lindos e variados espectculo
AS 5 HORAS DA TARDF.
E
8 DA NOUTE.
Estra do dancarinn de corda bamba
EUPHROZINO DE HOLLANDA CAVALCANTE
que se acba de passagen nesta capital, viudo de
diversas provincias do Imperio, onde foi immensa-
mente applaudido.
A direceo. allendendo a pedido de numeras
pessoas da distincla classe commercial, resolveu
dar, domingo 11 do corrente, um lindo e vriado
e-pectaculo s 5 horas da tarde,
PROGRAMMA.
Depois dos professores da orcheslra executarem
a brilhante quadrilha, composla pelo maestro Co-
las Filho, intitulada:
Chico Diabo
Fulminando o tyranno
DO
Paraguay.
O Sr. Euphrozino apresentar-se-h; pela primei-
ra vez ao Ilustrado publico, aQm de executar n
Corda hamba
diiBceis exercieios, precedendo a estes, pelo mes-
rao Sr. diversas sortes de
Magici apparente
Depois rept^sentar-se-ha a graciosa comedia
em 1 acto :
POR UM TRIZ
Perder .m a machambomba.
Deserapenhada pelos Srs. Baha e Peregrino.
Segoindo-se pela Sra. D. Je.-uina a linda e mui-
to applaudida cansoneta
COMPANHIA PERNAMBUCANA
DI
'Wavesaco costeira por vapor.
Parahyba, Nata', Maco, Mossor, Ara-
caty, Cear, Mandah, Acarac e
Granja.
{^k^w Ovapoi Pirapama, cemmandant.
WU Arevedo, seguir para os porto-
jjBHSBti cima no dia 15 do corrente as 5 hora
ia tarde. Recebe carga at o dia li, encora-
nendas, e nassageiros e dinheiro a frete at a;
horas da tarde do dia da sabida no eseripto-
rio do Forra do Mait s n. 12.
BMSILEIM
DE
Paquetes a vapor.
Dos portos do sul esperad'.
at o dia 21 do corrente o vapor
Cmzeiro do Sul, commandante J
P. Quedes Alcaforado, o qua
depois da demora do costume se
guiri para os do norte.
Desde j recebem-se passageiros e encajare
carga que o vapor poder conauzir, a qual deven
las e dinheiro a frete at as duas horas do di3 u;
jua sahida.
Nao se Teoebem como encommendas senao ob-
lectos de pequeo valor e que nao excedam a 5
irrobas de peso ou 8 palmos cbicos de med
cao. .
Tudo que passar destes limites devera sei
embarcado como carga.
Previne-se aos Srs. passageiros qua sais passa
gens s se recebara na agencia ra da Cruz n. 57
l* andar, escriptono de Antonio Luiz de Oliveir;
Azevedo 4 C. ^^^_^__
LEILA
De ptima mobilia
A i3 do corrate.
Em consequencia do Sr Joaquim tonteiro da
Cruz haver seguido para a Europa e licado o
agente Oliveira incumbido de fazer o leilo da sua
mobilia consistmdo esta em urna esplendida guar-
ni?ao de Jacaranda para sala de visitas aioda qua-
si nova, tendo a mesa do centro e os consolos
lampos de ricas pedras raarmore, oulra dita tam-
bem completa em ponco uso, consolos diferentes,
bancas parajogo, lindas secretaras, cadeiraa de
bataneo, de bracos e outras, guara vestidos e
guarda lougas, armarios, comroodas, cspelhos e
toacadores, eateiras e alcatifas de salas, leito para
casal com cortinado, ditos menores, apparadores,
mesa elstica parajantar e outras differentes, la-
vatorios, lindas figuras e jarros de porcelana pa-
ra enfei les, excellentes relogios para cima de me-
sa, caslicaes com mangas e candelabros de vidro,
cantieiros, globo terrestre e atlas, superiores cor -
tinados cora sanefas para janellas, apparohos (te
porcelana parajantar, sobremesa, cha c caf, gar-
rafas, copos e outros crystaes e numerosos ontros
artigo* uteis como indispensaveis, (ara o mesmo
agente o indicado leilo
Segunda-feira
as 10 horas da manbfia, no predio roa do Impe-
rador n. 59, 2 e 3o andares.
A
SECUNDA EDICAO
da com aovas charadas e loifogrypros
Um bonito volyme
ntidamente impresso c brochado.
Rs, 15000
A aceitarfio qua do respcitavel publico merece
a Cinana, cuja primeira edic se esgotou em dou
aunos, nos leva a fazer esta uova, ruis correcta a
augmentada.
Be facto, to raro entre n, iadica que a Gt-
lor-
respectivas patentes, e a respesta daqaelle tUesou- i
retro era aos segrales termos : nao tenho que lbe
dar satisfacao alguma a este respeito, qne o res-
ponsavel para a irmandade sou eu como-tbesonrei-
ro; e assih foraa-ae passando raeze9 al qne
chegon occasio de dar posse nova administra-
cao ;- o abaixo assifoado tendo a sua consciencia
tranqailta de haver fielmente cumpndo os seus
deveres e ter prestado as suas eontas legalmente,
aprsenlo urna relaeao de todaa as patentes, qne
foranvextrahida8 a pedido do thesoureiro Lrho da ,ia%9 tetn qnalidaes que a recommeudam e
Rocbav declarando a nales con constados ter- uam a bemquisla aos laitores.
mos de sao ter aberto os assentos-no livro compe- Com effeit essa fflba da Bohemia sabe guardar
tente, h que flcou aquella adminctraco seiente ; conveniencias, e procura, dizendo a sorte de cada-
mas acoBlece que a digna admrotstraco actual nm, agradar a todos.
qner coatendir esta verdade to visivelmeate es-; a presente edi^o, inteiraraante melhorada, B>i>
clarecida-; mas qaerendo o abaixo assignadojus-1 augmentada com novas charada* e logogryphos,
tificar-se perante o respcitavel publico e os seus p bem assira algumas poesas recitativas, que noje
muito dignos e respeitaveis irraaos da irmandade o to apreciadas no salo>s.
cima deparada ; pede a todas as pessoas abaix, Efperamos que a Chana continu a merecer a.
declaradas, que se acham de posse de patentes | mesma a-eitt o, e que em breve possaioos vtt
passadas no anno de 186V a 1868, que se dignei esgotada sata nova edicjki.
declarar par este Diario a pessoa a quem entrega-
tan a quantia de 20, joia de suas respectivas (
patentes, assim como se dranram do pagar; ou i
se dirijam digna administraeo actual, e faca-lhe
seiente pessoa que recewu a mencionada quan-1
tia,afim deque ella seja justiceirae
o que de
Ra do Crespo n. 9.
LIVRARIA FRANGE.
Ama
d a Cesar' Precisa-sc; de orna ama, que saiba- eosiahar com
Csar,tf D&i** clue de-Deas; cuja'. perfeic.'fi : tratar na ru;. do Crespo n. 1
r.-la^o consta das segrales pessoas
Augusto Cvriaco Villas Boa*
D. Luiza Maria do Espirito Santo.
Arerao de Oliveira Gama.
D. Ralbina leopoldina dos Santos.
Basilio Jos da Hora.
D. Claudina Alexandrina dt>Jezns.
D. Germana Maria do Livraraento.
D. Joaquina de Miranda Catro e_Silva.
D. Joaquina Candida da Conceii-i.
I). Maria da Penha Sii.
D. Maria Archanja Campeho.
Manoel Rodrigues Campos.
D. Maria Joaquina da Conceir*
l'onciana Canuto de. Luna.
D. Rogeria Maria de Almeida.
Ricardo Manoel da Paz.
D. Valeriana guacia Santiago.
Manoel Antonio Santiago Lessa.
Jos Ignacio Ribeiro Pires.
Leandro Rodrigues de Barros.
Virissimo Fragoso da Silva.
Recife 8 de junbo de 1870.
FrancLcn de Araujo Caldas Lima.
D. VV. Biwman pielenilehdo retirar-se parar
! loclaterra no fim deste raez, pede aos seus ciada
' res particulares a mandar sem demora as suas
cantas aQm de >erem pagas-: na fundico de ferro-
, ra do Brum n. S2. ___________________
MAGAHilJA.
Falleceu naqnella povoacao o negpeiaate Jera-
nyino Alve de Paiva, e, o aaaixo ainiaaadu na
qalidade de su cnnhad.i P-praoaradorB viuva,
convido os crednres e devo : 11 fallecido para
k virem on mandaren liquida? suas coala. Natal.
Io de junho de 1870.
, Antonio P/a*i J
De 2 canoa da carregar lijlos
U agente Martias far leilo por ordem do Illm
S'. Dr. Clandino de Araujo Gnimaraes c nsul de
Portugal, de duas canoas de carregar tijolos per-
tencenus ao espolio do su Mito portuguez Fran-
cisco Joaquim rfe Carvallio.
Segunda-feira 13 do corrente
Na rampa do caes defrnnt <'a rna das Flores
porto (is caaoas ;>> II b ras d->
PARA'
Pretende seguir com a possivel brevidade o pa-
tacho portuguez Jos, por ter a maior parte da
carga prompta, e para a pouca que Ihe falta, a
frete commodo, trata-se com o con>igoatario Joa-
quim Jos Goncalves Beltro, a ra do Commer-
cio n. 17.________________
Rio de Janeiro
Para o referido peto pretende sezuir com mui-
ta brevidade o patacho rabe por ter a maior"par-
te da carga tratada : e para o resto que Ine falta
e escraves a frete, trata-se cora o consignatario
Joaquim Jos Goncalves Beltro, ra do Com-
mercio n. 17.
; O capito J is Anl mw Minjues cor-
idealmente agradece a todas os seos amigus
16 collejas las exequias de sua lerna aspo l>. Malviua
dos Smto* MrqiiKS. qu- uvera lugar no
dia 7 do correte, e navameale toga a
todos os seus aurigas e collegas e araigas
da fallecida o earJdeso obaeqaio de irem as-
sislir miosa qui no s timo dia -i) pelo
7 lioras da maobSa lem de cellebrar-e oa
Matriz do Corpo Santo
roas
Qnarta-feira 15 do ion-ente
concluir-se-ha o leilo de jo'as. a praca da Inde-
pendencia n. 33, por intervencao do agente Mar-
fms.
O resto de jlias dados em penhor na casa ci-
ma seo vendidas em leilo sem limites, preve-
ninde se aos concorren!.* que lizerera o lavor de
comparecer que ainrta ha muito baas obras a sa-
tisfazer as pessoas que dellas preeisarem.
Em concluso ouro por menos de #eeu valor e
pechincha.
auE tal ?
0 Sr. Munzie Lima, s5o duas a
em um s corpo immundo: aquella tompT-a
e jende mel, e este mella-os. porque ex- (]j J(wi_
a ina-o porque lodo seu m vinganea,. e
como tem dito, para ella na e$colhe meios: i
nao bastava a branquiDha no despacito da;
la de carneiro; subtilesa- miseravel!..- ;
Respontlara almas de chicharro, nao tem
vosses remreos?... esoo enteadido : s
queremor.;os exitem a onde ha ronscien-,,
CB,e esta voces aSo tem: desta puhlicacao
l'acam vosees seus pelitos e fique o pobre
tanoeiro sem o producto de seu suor.
ianoeiro.
O guama livros.
Farfulla da imadioca
Chogadas attiHWIiienle
. j, em B8fi(
em outra qualquer parle:- ira!
do Vigario n. H 1" andar.
r
EIHK!
O Sr. .los Claudio ItabaQX f
o objecto que levou amostra .
*io u. 7.
i r d.'trar
ma il.i Queima-
AVISOS DIVERSOS.
PaTa Lisboa
Segu cora toda brevidade o benyeonhecido lu-
gre portuguez Julio ; para a carga e passagei-
ros trata-se com os consignatarios Thomaz de
Aquino Fonseca & C. ra do Vigario n. 19, ljm
dar.
- Bernardino da Silva Costa Campos tendo de
rotirarse boje para ;v Eunpa no vapor francez
Sindh o nao podendo despedir-so pessoalmente
de todos sens amigos e pessoas que o honrara
com seus oficios, despede -se pido presente, pe-
dindo-lb"us desculpa, por semana)
soraente de idnticas oocasioes e
portunidade para offerecer-lhe-
servicos onde quer que
fita
aproveita a op-
seus limitados
for residir.
de
Na ra da
se para fra.
Penha n. 15, lava se e eiigonuna.
Precisa-se de nma ama de meia idade para
r-iinorar e cozinh^r p.ra tres pessoas: na ra,
j das Flores n. 37._________________________
_ Na ra do Hospicio n. 46 precisa-se de una
i ama q>-e saiba cozinbar. paga-se bem._________
No alo doOob PoputerT na" ra nova, de San-! O abaixo assignado declaraa quera poder
nRitiu t f> andar, estar abena todas as ter- interessar, que a letra de .-05000, accuit pea
cas-feira's das 7 s 10 hora danoite, tuna escola Sra. D. Caod.Ja R. P. Barr*lo. no da 2i de de-
dp'nrimei'rao letras para todas asp'ssoM do povo zembro prximo passaio a favor do MKnUdu
cm distierao e sem contribuicao algurea. i Mipand- Dray, fica de nenhum efeito. por ter re-
cetado a sua importancia da mesma senhora p^r*
CLUB POPULAR
Escola primaria gratuita.
i ceDiao a sua importancia
i encontr de eontas com o dilo Dray.
Recife 9 de junho de 187f.
Fra*icisco de Oliveira.
,! Sr; Dr. Francisco Jos Rabetlu tem
luma carta nesta typographia.
Sitio para alugar.
Alua-se o sitio da estrada do? Afflictos n. 56,
coro boa casa de maradla, coiitendo 3 salas, 3
ouartos, copia na frente da mesma. cosraha, co-
xeira, cacimba, e muitos arvorodos de frncto, e
perto da estaco do Mangninho : a tratar na ra
do Apollo n. O. armazem de aomcaT.__________
"UTExistc no collegio de IS. *. do Bom Conse-
lo urna carta para o Dr. Alfonso Sergio de Mou-
ra Malte
PROFKSSOR
Vicente de Moraes Mello.
ADJUNTOS
Antonio Augusto de Frot Menezes.
Manoel Francisco Honorato Jnior.
A, Clodoaldo de Scuza.
Manoel R. Barreto de Menezes.
Manoel Pereira Magalhes. Irmandade do Divino Espiril >
Manoel Odorico Pestaoa. igreja do Collegio.
Joao 9a?ci,G:>nies.ia.^va' De ordem do nosso irrao jniz convido todos
Misael da Silveira Amarai. nossos irmos para assistirein ao oficio paro-
Secretaria do Club Popular 9toff 1870 o^o>sos irraao^pr^.^^ ^ q ^
M,saeidlfNeireAratral. ; ser celebrado no da 14 do correte pelas 7 ho-
__________----- -------r=-: ras da manhaa.
Roga-se a pessoa que. na tarde de 5 do cor- No da |5 naverj raemento e missas pela alma
rente, acu'ou no ceraitorio publico utna caixa de Q faueeQ0 rmao Jos Ferreira da Silva Maga-
rap, de tartaruga preta coni firma de ouro, de mae8> pari cujos aclos ^ convidados o lestoaea-
leva-la a fortaleza das Clnco-Ponlas que sera bem tero e amg0S d0 mesm, flaado.
gratifleada tra razao do valor, e se alguem a cora- N() ^ 17 do mesmn mez haver missa com
pron d-se-lhe o seu dinheiro sem mais prorae- memento pe|a alma do irrajio Sebastiao Jos Go-
nores, visto potisnir-se dita caixa como memoria meg pessoa ,. pCa este a :o sao convidados
Santo da
de um amigo fallecido.
Na retraacit
de nm bom trabalhador
da ra oireita n. 22 presisa-se
parentes e amigos deste linado.
O escrivo,
< Luiz Epiphnuio Maurimi.
la ra larga
SU _
(i Rosario.
711
U| HA
Este importante estabeleciatento no sen genero, tam samiira nm sortmento sem ignal esquina
e vende por preces qne nenhniita ontra casa pe vender. da rna larga do]
A vista da qualidade e do preco das joias cada nm poew-na convencer da wrdade. |
Garantenw ser tada de lei Comprare ouro,.prata e pedras finas por wm mnxto ele- Rosario.
vados. "
A loja est^aberta at s 9 horas da.noute.
'
'



1 f

A
t
Diario de Pernambuo Sabbado 11 de Junta d T876 O
BAZAR ACADMICO
13 Ra da Imperatriz 13
Ulysses & IrmSo proprieta rios deste bem conhecido e acreditad i estabelecimento
tem a honra de participar ao Ilustrado corpo ACADMICO e aos setos numerosos fre-
gueaes, tanto desta praca, como de fra, que lendo sido elegantemente reformado dito
de -bem servi-tos do
VVRIEDADES
PONTEIRAS para charutos e cigarros d
tollas as qualidades gostos e presos.
CACHIMBOS de superior espuaa, de ma-
deira (vm) de 30 at 63, a duxia e de ou
tras qualidades atetaltao.
DITOS pe de gaiohados melhores que
ha oeste neceado 3 com grande a batimento em maior porcSo,
ditos de louga, gesso, barro, etc.
BOLSAS de borracha e cearo de diversos
gostos e pregos, para guardar fumo.
CARTEIRAS fara cigarros de todos os
systemas.
PHOSPHOR0S de cera, em caitas-de lo-
dos os tamanhos, de seguranza a bafio ele
PAPEL de milbo, de arroz, sao-Dom, Per-
san, pintado, ce linho etc. palha de mimle
Fernando a telnor possivel.
tanto desta
estabelecimento acha-se completamente sortido e em condicSes
seguintes arligos:
, ^ CHARUTOS
superiores de Havana, Hamburgo, Baha e
Rio de Janeiro etc.
Ci garros
depalha de S. Paulo, de 3*500 a 7*500,
o rnilheiro, Daniel do Rio Novo, Maurity.
Imperaes, Tenentes do Diabo, Duque de
relias, Gandon etc.: de papel, de fumo
de Daniel, General Osorio, Conde d'Eu,
Rocambole, Radicaes, Acadmicos, Macham-
bomba, Montevideo, Orientaos, Baependy e
umitas outras qualidades.
Finos
Afamados de BAEPENDY em cax5es de
20 libras 1*400 rs. a libra, em pacotes
a 2*, de 20 para cima a 4*800 e em maior
porc3o 1*500 o pacote de 1 libra, dito
em latas dequarta a 640 e 500 rs., e outras
muitas qualidades como sejam : Daniel do
Rio Novo, do Para, -le S, Paulo, Caporal,
etc. etc.
Alera dos rticos mencionados encontrado aossos fregueses -tros murtos no ge-
nero de nosso negocio, que se veade em grosso e a retalho e que cem suas preseBcas
serao satisfactoriamente bem servidos: bem como nos encarregajaos de queiquer -
commendas de ness*s cigarros de seda e linho, etc.
13Raa da Imperatriz1
GRANDES NOVIDADES
NA
LOJA DO TRIUMPHO
PARA SENHORAS. Ricas poupehoas de padroes lindsimos, e gesto novo.
Cambraias brancas bordadas para vestidos. Poil d'cbovre de lindos padroes por
barato preco de 560 rs. o cavado.
Grande sortimento de las e alpacas de 320 rs. a 1*580 o covado.
Saias bordadas, ditas lisas j feitas com barra de cor.
PARA "MENINAS. Ricos vestidinhos de fuslao enfeitados brancos e Vestuarios de fusto para meninos.
PARA TCOMENS. Camisas inglezas e francezas, de litAo bordadas e de pnegas,
eom collarinho e sera elle, ditas bordadas para noKas. Chapeos de sol de cabo de
marfim e decanna etc, etc., lovas de ouvin para senhoras.
Grande sortimeat de cortinados para camas e jaoellas. Cross para sola e ca-
rairas de braco e guaroig5o. Tapetes para sof e cama, para pianos e portas.
Coisas de croch para cama de noivas. Tapetes em pessa para forro de salas.
O nica e especial sertimentos das verdadeiras ESTERAS DA INDIA, eaistena
Loja do Trrampho.
Ra Duque e Caxias n. 7.
n
J. Ferreira Villela
PIIOTOttltAPI1I i IMPERIAL
18RA DO CABUGAVs
entradac pelopateoda matriz.
Os trabamos "da reedificaba desta phofographia,
e que se prolongaram por tanto lempo, acham-se
felizmente terminados e ella abena ao servido do
publico desde 7 de abril pastado.
O predio em que est collocaa esta pfcatogr*
phia acha-se muito augmentado, so a parte desti-
nada ao estabelecimento coala ioco salas, inclu-
sive as do laboratorio. Todos os concertos e aug-
menios lendo sido fetos expressamemte para se
montar convenientemente a ptootograpnio, o nao se
podendo melhor modelo escother do que a Pkoto-
grafiia Imperial do Sr. Iasiey Pacheco do Rio de
Janeiro, o primeiro phatograpko do Brasil, e um dos
pnmeiros do wrando, segando a optao dos maic
Jbalisados mestres, a nossa p'hotogrphia acha-se
dtsposta e reedificada peto mesmo plano da do Sr.
I Pacheco, a qual foi montada sob tedas as regras
recommenuadas pelos mais destinctos professore*
de acedrdo com as molMicacoes necessarias ao
clima do Brasil, recoahecidas e estaadas pelo ha-
bilissimoe pratico Sr. 1. Pacueoo.
Todo o interior do ipredio em qne est nossa
photographia foi mudado desde a soleira da parta da
ra al a oberta, teado-se demido todas as pa-
redes interiores para se azerem as novas salas,
edificando-so um boto terrado -eovidracado mai
espacoso elegante.
Como sabiao, Raemos amaTiagem expressa-
mate oorte para examinarme* as melhores pho-
lographias all, e foi a do 5r.'I. Pacheco, a que
rnettoor correspondeu aos nossos desejos e aspira
edes, e da qual trememos os i planos desos de
all starmos todo um mez*estudandoe apro-
veande as licoes de lo dlsiincto mestre. Pea-
sapos -que jaataado os nossos estudos e longa
pratrea de 15 asnos de pbotafraphia.s utiiissimas
licoes ultimaaeote receidas do Sr. I. Pacheco,
tendo montado a nossa photographia como se
acha, podemos offereoer ao Ilustrado, publico
d'esta cidade e aos nossos nuierosos freguezes
trabftios de photographia tao perfeitos, como se
poden desejar, e disto convencidos, esperamos
qae-oontiuuetn a dispeosar'Dos a mesma pro
teocao com qae
ajudado.
tRUAMCiBKU^..)
La
i este titulo acha-se aberto e mteuemente transformado este antigo
estabeieciraento de joias, onde os freguezes e amigos encontrarao tudo quanto
a randa e o bom gosto tem inventado na arte de ouriveswia, o Collar de Ouro
observar delicadeza no trato e senciridade e modecidade nos precos.
Espera que e respeitavel publico venha ver o que existe de melhor em
aderacos de briliantes, esmeraldas, robins e perolas, raeios aderemos, pul-
ceiras, frmeos, alfinetes e anneis de todas as-qualidades. prata de lei faquei-
ros, colieres, pateiros-salvas e o-atros rnuitos objectos que seria enfadonbo
mencionar.
Compra-se curo, prata, brilbantes e pedras finas, pormaior proco do
que en outra qualquer parte, trcea-se e concera-se todo -e qualqoer objecto
pertencenle a esta arte.
ha i$ annos nos tem honrado e
irc
o
Attenpo.
Anda se continua fornecer comraedorias
para fora com asseio e promptidao, man-
dacdo-se levar a casa .dos assigrrantes que
n5o tiver portador: 'rua estrena do Rosa-
rio a. 35, Io andar casa particular de fa-
lia._____________________________________
O Sr. vigaria Bacalbo qae mora>u morou
na estrada de Joao de Barros, queira mandar a
esta typographia a negocio.
Ama.
Precisa-se de ama para o servido de urna casa
de pequea familia : no paleo de S. Pedro n. 18
Precisa-se alugar um escravo que seja co-
peiro, esperto, e que entenda di comprar : no
cae3 de Santo Amaro n. 42, ou na agencia geral n.
21, praca do Corpo Santo,
Paul Chanvin.
Mechanico conhecido a 10 annos nesta cidade,
partecipa ao publico que tendo dissolvido amiga-
vehnente a sociedade que tinha com o seu ennha-
do Carlos Ployn contina a se aeaar a sua dis-
posieao para o que diz respeito a abertura de
burras, machinas de costuras, armas, fechaduras.
collocacaa de campanhinbas e todo qualquer con-
cert : praca do Conde d'Ea n. 24, outr'ora'da
Boa Vista. __________________
Attencao
O Sr. Flix Pereira de Araujo queira ter a
bondade dirigir se ao largo da Santa Cruz n. 14,
a negocio de seu interesse.
Deseja-se fallar
Aos ^enbores abaixo declarados :
Corone! llanoel Carneiro Cavalcanti d? Altaquer
que Laeerda.
Joao Jos de Miranda.
Joaquira de Menna Cardo.-o.
A ra doJDuque de Caxias n. 7.
Aos 20:000sr000.
ra do Cabug n. 1,
Bilhetes do Rio venda
?ende Vieira 4 Rodrigues.
9k,
Novo Atheneu
i oia focodade de reunir-se hoje as 7 bo-
ras c.z. noite tai sessrio sole:nne, no palacete do
pateo de 5. P^iro a. 9, aliin de eelebrar o 1* an-
uvereario de sua ns tal lacio, para s-jo convida
tod*" os senlixr^s socitg
secretaria j .N'ovo A'.heneu 11 de ianho de
J^7C.
iuventino P. Alves Lima,
Io secretario interino.
Amas
Prcisa-^e de oras ama para lavar e engomnur,
e lazer o servido interno de urna casa, .prefere-se
escrava : na rea da Imperatriz n. .
n mi i iib itmsmmammmteaammammak*
Le ordem da diroctoria convido a todos os
iH>st> cari^sirnos irmos para Domingo 12 do
i-orr-1!;;', met, eomparecerem na igreja do Divino
Espirito Santo a* 10 horas da maubaa, afim de
ssi-iiirem a mista que sa manda celebrar em
louver da Santissima Tnmlade, nossa padroeira, e
em segnida haver na sala das se*-oas reuniio da
-mtila geral afim de prestarem juramento di-
versos csndiilatos.
(gandido Jos de Ges Telles,
^^^^^ 4* secretario.
Arrenda-se um excellente sitio eom muitos
arvoredos fractiferos, bakia para capim e verdi;-
ra-, inuit. .a casa, alem de outras para esera
vos e estribara ; no mesmo sitio tem tres cacim-
bat, sendo urna dellas frrea, e fica porto do
caminlio de ierro : tratar com o Sr. Costa na
ra Nova, loja de charutos.
Precisa-se de urna ama para lodo servico
de duas pessoas : na ra do Duque de Caxias en-
trada pelo beeco do Ouvidor n. 22, 2o andar.
Ama
Para inteireza da verdade e da justica, des-
mentido e confusao de quem, com reverendas fal-
sas, pretende Confundir o direito, faz-se publico
que urna escriplura de arrendamento lena em
11867 d) engenho Cassu do major Pinheiro, nunia
chegou a ter effeito, e nem um so dia esteve como
rendeiro em dito engenho aquelle major. Outro
sim cumpre declarar-se que desde marco ou abril
do anno pascado est de posse do referido enge-
nho o Sr. coronel Francisco Antouio de Barros e
Silva, senhor do engenho Firmeza, que o liouve
por eompra aos herdeiros do fallecido Antonio Luiz
lioncalves Ferreira, todos credores hypothecanos
de Manoel Ignacio de Siqueira Cavalcanti era c en-
sequen cia da compra por este eita e nao reasa-
da do dito engenho Ca^su. Finalmente declara-
se anda para cabal desnorleio de certo chicanista,
que o engenho Mussayba pertence hoje ao Sr. Dr.
Joio iFraucisco Xavier Paes Barreto por compra
feita ao seu proDrietano, constante da escriplura
iavrada no cartorio do tabelliao Portocarreiro.
PHARMACIA CENTRAL
Ra do Imperador n. 38
. Xarote de lactucario 'Aubargier, e de
ibry decio d'TIbadie re^ommendados,
como calmantes para os casos, em que se
nao pode usar do opio e de. seus prepara-
dos, e mui convenientes para as criancas
nos espaswss e convulsos.
PHARMAGIA CENTRAL R DO MPRA-
OORN.38.
Preparados d'!catr e xarope ferruginoso.
!*
pii^macT^en!!ra'l"~1ua do
DOR N. 3a
Pillas de Vallet.
Pilotas de-Dlancard.
rillas de Bland.
Xarope ferruginoso de BJancard.
Gonfeites de Iactato de ferro.
Pilulas -4b carbonato de ferro, laclado de
ferro, iodureto de ferro com magnezia.
"Ferro de Quevenne.
Assucar ferruginoso.
PHARMACIA CENTRAL RA DO IMPERA-
DOR N. 38.
Vibo e xarope de pepsina e diarthare,
excefleete tnico para auxiliar as digestoes
diliceis nos casos de debilidade do esto-
mago
PH.VRMACIA CENTRAL RA DO IMPERA-
DOR N. 38.
Agua hemosthalica de Lecbelle. mui re-
commendada em qualquer caso de hemor,-
rhagia, e principalmente na thysica pulmo-
nar, e as heraorrbagias uterinas.
PHARMACIA DENTRAL RA DO IMPERA-
DOR N. 38.
Xarope de rbano iodado excellente com-
binado do iodo com o sueco de plantas
anti-scorbuticas.
Este xarope empregado com grande
soccorro contra as molestias da pelle, os
engorgitamentos escrofulosos, o rachitismo-
cachloroso.
O vinho iodado de joly, e oleo iodado de
Personne, sao recommendados para os mes-
mos casos, e encontram-se nesta pharma-
cia.
PH.ARMACI CENTML RA DO IMP
DOR N. 38.
Variado sortimento de chocolate de ban-
nilba, salepoararuta, ferro, e de sade, da
acreditada officina de Menir.
Sabonetes d'alcatrao, d'acido phenico, en-
xofre e camphora, recommendados para as
molestias de pelle como sarna, panos, em-
pingens etc., sendo o ultimo de muita ulili-
dade para o uzo do toilette, por preservar
a pelle de ser manchada das maculas, que
costumam aecomettel-a.
PHARMACIA CENTRAL RA DO IMPERA-
DOR N. 38.
Os melhores vermfugos para crianzas,
Pastilhas de sanctonina.
Ditas de Kemp.
Oleo vernifugo.
Tudo de melhor qualMade.
PHARMACIA CENTRAL RA DO IMPERA-
DOR N. 08.
Variadissimo sortimento de fundas de
excellente qualidade.
PHARMACIA CENTRAL RA DO IMPERADOR
N. 38.
Pastilhas de balsamo de tol e de seiva
de pinito maritimo, para as affecces chro-
nicas dos pulmoes.
Pastilhas de therydocio e louro cerejo
para as tosses agudas, e de carcter nervo-
so, e para os vmitos durante o periodo da
gravidez, e qualquer affecco nervosa.
Pastilhas de hypophospheto de cal mui
uteis na thysica pulmonar.
Pastilhas de angico nar', e de Regnault,
de hortelaa, pimenta, e de Vicclev, de pe-
cacuanha e de Rermes.
Thomasia Barbosa Cimbra, sua filba. entiados
genro, agradecem cordialmente s pessoas que
se dignaran) assistir os ltimos sulTragios de seu
prezado "marido Jos Antonio Gomes Jnior ; e de
noro conidam para assif|irem a missa do stimo
dla, feira i da corrate, as 7 horas da maahaa, peto
que ee confessam eternamente agradocidos,
ivTiaaaBuatEffia.

Glicino Pecgentioo da Silva Braga agradece cor-
dialmente a todos os seus prenles e amigos o fa-
vor que prestaram em aeompanhar ao cemlteno
publico o cadver de sua sempre charada e chara
esposa Anna Clotildes deTFigueiredo .Braga ; e de
novo os convidan) para assistirem a m9sa do s-
timo dia, as 7 horas da manha do dia 14 do an-
dante, na matriz da Boa- vista.
Irmadade do SS. Sa-
Calpado nacional.
M. i Ruado Jardlm W. 19
Jos Vicente Godinho eom fabrica de calcado!,
ansa a ledos os seus freguezes, qae contina a
vender calcado em sna fabrica em grandes e pe-
quenas poTQes com? dantes, sendo mais barato 4o
que em outra qualquer parte. Assim como om
sortimento de pares de formas francezas chapea
das para homem, do ultimo gosto, a preco de
Mofina.
Roga-se ao Illm. Sr. Ignacio Vieira de Mello,
escrivo na cidade de Nazareih desta provincia, o
favor de vir ra do Imperador n. 18, concluir
aquelte negocio qne V. S. se comproaietteu rea-
Usar, pela terceira chamada deste jornal, em lias
de deienibro prximo pasudo, e depois para Ja-
neiro, passon a fevereiro e abril, e nada cumprio,
e por este motivo de novo chamado para eolito m;
pois V. S. se deve lembrar que este negocio de
mais de oito annos, e guando o Sr. seu filho se
achava ne estado nesta cidade._______________
Ama de leite.
Precisa-se de urna ama de leite : no Corredor
do Bispo, casa n. 13.
Na travessa da roa
Idas Crozes n, % pri-
meire andar, da-se di-
nhelro sobre penhores
de ouro, prata e brilban-
tes, seja qnal 'or aqiian-
lia. \a mesma casa com-
pram-se os mesmos nie-
laos e pedras.
INSTANTNEO -
Travessa do Corpo Sanio n.25
ARMAZEM
Ra Nova n. 28, loja Antonio
Pedro de Souza Soares.
Bandeira, Machado & C, avisam ao respeitave
publico que nos lugares cima encontrar no mes-
mo sempre grande quantidade de ditos pocos, e
que se acham habilitados para vender por menos
que outro qualqoer, por isso que os recebem di-
rectamente do fabricante Norton, de Londres.
As vantagens que offerecem os pocos instant-
neos sao : primeiro, poderem ser -cllocados den-
tro de casa on fra, com o trabalho de urna a duas
horas; segundo, fornecerem os mesmos agua pu-
ra e abundante, podendo serem removidos de um
para outro lugar, quando assim convier.
Os annunciantes so reeeberao a importancia dos
referidos poco9 depis de cllocados, satistazendc
espectativa do comprador.
0 Dr, Sarment Filho
mudou-se para a ra do Imperador n. 29,
2 andar.
Consultas e operacoes todo* os dias das
10 horas ao meio dia.
Chamados por ascripto a qualquer
hora.
Confeitarla dos ananazes.
1Ra da Crua16
Santo Antonio. S. Joao e S_ Pedro.
Amendw, as mais apropriaas- para sortes,
vende-se em arrobas e libras ; pipis j promp-
los com estallos para sortes ; recbese enom-
mendas de bolos paes-VI enfeilados ; as eneom-
mendas recebe se com aatecedencia e as amendoas
em arroba terrio abatimento no preco.
Attenpao.
pde-se ao Sr. Samuel Hayman que tenba a
bondade de mandar bascar a saa encommenda,
que fez por intermedio de Carneiro Vianna, mo-
rador na ra Nova n. ti. <
No Arraial
arrendase um terreno perto da esta^o dos trilbos
urbanos : tratar na ra do Rangel n. 2, primei-
o andar. r
Precisa-se de urna ama paca todo servico de-
urna casa de pequea familia : na raa do Araco
o. 38.
Na ra Primeiro de Marco n. 15, escriptono,
recbese proposta9 para a collocaeao de Tidros e
pintura no predio n. 23 roa da Cadeia.
Desappareceu ne dia de junho correte
duas bestas cem os signaes seguintes : urna mel-
lada, nova, magia, dinas prelas, canda aparada ;
outra rdssa, magra, pequea, pldra, a ambas com
o ferro triangular na anca do lado direito : quem
apprehende-las avise no engenho Cordeiro, que-
sera generosamente gratificado.
AMA.
Na ra Direita n. 27. 2o andar, precisa-se de
urna ama que cozinhe e engomme para orna ^%-
quena familia, molher e marido, paga-se bem.
Aluga-se urna casa terrea na travessa do-
Luca, com nm excellente sitio, o qual tem algu-
mas arvores de fructo e campo para criaeao de
animaes, com os seguintes commodos : 3 salas, 7
quartos, eozinba fora, cocheira, estribara e ca-
cimba : a tratar na ra do Apollo ni 32, arma-
zem de assncar.
Aluga-se na ra da Aurora n. 20, ama pre-
ta de 20 annos, que sabe cozer, engommar e faz?r
o servico interno de orna casa de familia, sendo
muito carinhosa para criancas.
AMA
Precisa-se de urna ama para cosfnhar e lavar
para casa de pequea familia : tratar na rua-
do Vigario n. 9, 3 andar.
ATTENGftO
Fornece-se comidas com muito asseio para casa
de familia, loja ou alguma officina, mandndose
buscar, ou mesmo levar em casa de sens dono? .
na mesma casa recebe-se roupa para lavar e en?
gommar tudo por preco commodo : na travessa na
ra dos Pires n. 5.
ESTRADA DE FERRO DO KECIFE
A S. FRANCISCO.
AVISO
O transporte de garrafoes avulsos pelo trern de
mercadorias ser feito sem responsabilidade da
companhia, e as mesmas condieSes serio trans-
portadas em qualquer trein todas as mercadori?
acondicionadas em involucros frageis. Nestes ca-
sos ser declarado nos conhecimentos o motivo da
nao responsabilidade.
Villa do Cabo 8 de junho de 1870.
Hfnry Spencer.
_______________Superintendente interino.
ESTRADA DE FERRO DO REC1FE A S. FRAN-
CISCO.
AVISO
Precisa se de ama ama
zinhar : na ra d > Qceimadi
m m-mmmm-mm
para comprar e co-
i o. n.
PHARMACIA CENTRAL RA DO IMPERA-
DOR K. 38.
Cha purgativo de Chambard, excellente
laxativo, e refigerante, que se. pode usar
repetidas vezes sem irritar os intestinos.
FARMACIA CEMiL
Ra do Imperador o. 38.
Lamploughs Pyretic Saline.
A preparation of well known utelity lo the En-
cramsnto da ma.triz'glisb-Faculty-a-*acool-nga-nd refre9hin? ^w
do Corpo Santo-
A mesa regedora da irmadade convida a todos
s irmads compareeeem no consintorio da matriz
no domingo 12 do eorrente mez, as 11 horas, para
elegerem a jwva me-a qne tem de reger a irma-
dade no prximo auno de 1870 a 1871.
O escrivo,
Manee! ..los d)S Santo?.
Na rni do Crespo n. 1, precisa-se de urna ama
para casa de hoaem solteiro que cozinhe eom
perfeicSo.
Fugio no dia 26 de maio d'este anno, do en-
genho Bujary, em Geianna, a preta Rufina, eom
idade de 5 a 30 anaos, a qnai tem o nmbfgo
levon vestido de chita j asado; jolga-se estar
nesta cidade : pede-se aos Srs. capitaes de cam
l>o e autoridades polieiaee que a capturarem, le-
vem-na ao dito engenho, ao Sr. Manoel Cesarle
dos Santos, que era bem recompensado.
:; nv:
Na raa.de Hortaseaaa n. 1, precisa-se
de am caixeiro para balead que tenha .con-
ducta a (Bancada,
Official de cabelieeriro.
Na ra da Crai a. 24, Io andar, precisa-se de
nm official de cablleireiro que seja bom, espe-
cialmente de cabello e barba.
pasaageiro
ttengdo.
Ao Sr. Francisco Jos Villa-verde,
da barca porlugueza Social, chegada ha das da
cidade do Porto, pde-se o favor Se vir rna do
Bram n. 92, pois deseja-se fallar-lhe com urgen-
cia em objecto de sea interesse.
forneiro : na nadara da
Jos Antonio Morara convida a todos os -seus
parentese anigos aeaistirem a missas qoe^or
alma de sua sempre chorada esposa D. Luzia An-
tonia do Espirito Santo, manda celebrar ne dia
segunda-feia 13 do corrate, as 7 hom da ma-
nbaa, um auno depois do seu falecimento, na
matriz do Corpo Santo.
Precisa-se de am
ra da Guia n. 56.
Offereoe-se urna mulher para ama de
senrico interno de casa de pouca familia,
menos co?inbar e engomar: a tratar na roa
do Padre Ftorjano, n. 40 loja.
Sabino Jok de Almeida manda no A* 13 do
eorrente, as 6 1|2 horas da manha, resar orna
missa na matriz do Corpo Santo, stimo da do
fallecimento da D. Candida Rosa Mendes da Silva,
avo da saa molher; e para este acto de verdadei-
ra religio e piedade, pede a asistencia dos p-
rente* e amigos da mesma ftnada, pelo qae se con-
fessam desde j agradecidos.
Allogam-se duas exeelllates es era vas para
cozinhar e engommar em casa de pouca familia :
aem precisar dirija-te em Santo Amaro ao sobra-
o junio do eemiterio ingiez.
Ama
PreeUa-ae de urna ama para casa de ponea fa-
i ntilia oa roa do Crejpo o. i%, segundo andar.
Irmadade
dk> **i. Wmraairuto de S. June
do -Reetfe.
Oeecrivo da referida irmadade convida a to-
das os eharissimos irmos para reunie de mesa
geral domingo 12 do corrate, as 18 horas da ma-
oha, afim de proceder-se a eleicao da mesa rege-
dora do anno fatuto. Espera, pertanto, a nu;or
coucor reacia dos charos irmos.
CASA DA FORTUNA
Aos 5.000S
BiUietes garantidos.
A roa do Crespo n.23 e casas do costme.
O abatxo aaaignado, tendo vendido alm de ou-
tras sortes, nmjneio n. W52 com 9001 da lo-
tera qae se aeaboa de extrahir a beneficio da
irmadade de Santa Anna da Madre de Dos (149)
convida aos possadores tirem receber na con.
formidade do costa me sem descont algum.
Acham-se a veada os felizes bilhetes garan-
tidos da 2a parte da lotera beneficio da igre-
ja de S. Sebastio do Benito (150), que se extrahi-
raabbado 18 do eorrente mez.
PreeojOs do eostame.
Manoel Martina Fioza.
ATTENCAO
Os abaixo assignados. estabelecidos na Ja do
Pillar das Alagoas com loja de fazendat, declarara
ao respeiuvel corpo do commercio qne desde o 1*
do eorrente mez de jonho dissolveram a apcidide
floe trabara ao mesmo esubeleeimentri cima, a
iaal gyrara soba Arma de Mauricio & Goncalws,
eaada o activo e pa99ivo pertencendo d'ora em
diaae a Mapriew Mans. Recife 9 de junho de
io/U.
in al! cases of fever. The frequent use'of this s
line preserveg foreigners from many diseases lo
which iney are leable before becoming acclima-
tised. May be obtained at the Pharmacea Central,
jua do Imperador n. 38. ___________
ATTENCSO"
Pergunta-se ao Rvd. padra provicial ou
ao seu delegado se em virtude do decreto
do SS. Padre Pi IX, de 5 de abril de
1856, podia o guardio de certo convento
desta cidade casuar, como o fez a 4 do cor-
rente a missa votiva de N. S. da Coocetco,
quando e sabe perfeitamente que outro fim
nao tem se nao extinguir a deuocjo de N.
6. que algumas devotas ba muitos annos
costomav fazer. Para semelhante abuso
ao referido decreto chamamos attenc5o do
Exm. Sr. governador do bispado, pois nos
consta que no .sabbado prximo se pre-
tende cantar outra vez contra a expressa
determinadlo do mencionado decreto.
O 8ineiro do S. Francisco.
MIRARA FRAIE/A
55-Rua da Imperatriz-55
Tinge, lava, limpa, u>tra e achamalo-
ta-se, com a maior perfeico, fazendas om
pecas e em obras de todas as qualidades;
como sejam : seda, la, algodo, linho,
chapeos de feltro e de palha etc. etc.
Tira-se no'oas e limpa-se a seccosem
molhar os teridos, conservando assim to-
do o brilho da fazenda.
Tintura preta as tercas e sextas fei-
^^MSBi
. Pelo presente sao convidados os senhore? accio-
nistas desta companhia para vireni ou mandarem
por seus procuradores receber na estaco das Cin-
co Ponas o 13 dividendo concernente ao seme-
tre findo em 31 de dezembro de 1869, a raiau ue
3 OjO ao anno.
Villa do Cabo 7 de junho de 1870.
Heory Spen^r,
Superintendente interino.
-Cf>
*:;:<
Miguel Moreir.i de S;>uza M.iia. Jjanna do? Sao-
loa Vital e Vicente Ferreira da Porciuncu'a. sa
nhado, mana e primo do tinado Domingos dos Pas-
sos Miranda, mandam celebrar missas p)r alma
desie, no dia 13 de junho trigsimo de seu pas-
samenlo, no convento do Carmo, as 7 horas da
manha, e convidam os seus amigos e do linan
para assistirem e*te acto de candade.
Retalha-se, avantade dos compradores,alguns
lotes de terreno, que restam, do sitio Aguasinha
em Beberibe. por precos i asoaveis. A posicao to-
pographica do terreno muito o recommenda, so-
bretudo por fichr prximo da estaco projectada
da via frrea. Os pretendentes podero dirigir-se
informar-se do tenente S Peixot), no mesmo
lugar, e para qualquer negocio ra do Crespo
o. 12, Io andar.
Agencia em Pernambuco
Do Dr. Aver
Peitoral de Cereja
Cura a phthysica e todas as molestias do peito.
watsa parrllha
Cara ulceras e chagas antigs, impigens e dar-
tros.
Tnico
Conserva e limpa os cabellos.
Pillas eatbarticas.
Puramente vegetae9 e sem mercurio, cura se-
zoes, curara e pnriScam todo o systema humano
Vende-se effectivameote em casa de Samuel P
hnston & C.,rua da Sanzalla Nova n. 42.
AMA
Precisa-se de ama ama para servico de dontro
e fra de casa de pouca familia, prefere-se escra-
va e paga-se bem agradando: na ra Velha nu-
mero 64.
Dividendo
Para Santo Antonio, S. Joao
e .Pedro
Na roa estreita de Rosario n. 35 preparam-ee
bolos de eneommendas, jroprio8 destes das, sen-
do encommendados dons dias antes, e tambem en-
feitara-se, todo por preco commodo. Na mesma
tem sempre om grande sortimento de bsuquets de
cera de differentes qaalidai1e>, e qae se vende
tambem por prego commodo._________________
Precisa-se de urna ama gne compre e cozi-
nhe : na ra de S. Francisco V- 54.
Precisa-se de um molequo qne
entenda de
cozina, e para o servico interno de urna casa de
pequea familia: na ra Imperual n. 130.
I
Mauricio Mus.
Z>oqriago8 Jos Goneaives.
Urna eagoramadeira
Preea-se de nma eegomnJadeira : na raa da
Cadeja n. 4.
Na ra Nova n. 30, 1* aoilarV preciss-e alu-
gar am eteravo de 14 16 annos para e servico
j- D. Anna Joaqaina'de Mello Curioca declan
pelo presente que desta data om diaate seu pro-
curador o seo sqbrinho Jos Rodrigaes de Olivei-
ra Lima, ao qnal outborgou plenos poderes pan
gerencia de todos os seas negocios Heando oesta
data em diante revogada toda outra e qualquer
procuraco anteriormente pela annanetante pag-
**ll* quem qaer qae seja. Recife 9 de j!tnbo
de 1870.
^ D-ae i*m* preaaia obre hypoiheca em
tftfma easa oa raa Direha c. 24, padaria, te
din quem da *^ '
Paga-se o o dividendo da massa fallida de
Amorim, Fragoso, Santos & a raso de 3 0|0,
no escriptorio da ra do Vigario n. 13, 1* andar,
as tercas e sextas fei.-as das 11 horas da manh
1 da tarde.
Namam Danheisser, vai a Europa tempo-
rariamenfe e deixa por sea bastante procurador
o Sr. Joseph Lehman em 2 lugar o Sr. Julio Izaac.
- O abaiio assignado estando a promo-
ver urna ubscripc5o psra a publica?3o de
um volme de poesas de saa composiclo,
declara que nao autorisou pessoa alguma
a receber o valor das assigoaturas j obti-
das e das que poder ir obtendo, pois qae
de sua indeclinavel resolucSo cobrar essas
assignaturas na occasiao da entrega do vo-
lunte, j impresso, aos Srs. assignantes. A
estes, portante previne para que nao adan-
tem a quem quer que seja as quantias com
que tenbam subscripto para a referida pu-
blicado. Recife 6 de junho de 1870:
A. R. de Torres Bandeira.
ATTENCAO
Urna pessoa q*e vai provincia da Baha offe-
rece aa para tratar de qualqur negocia, dando
fiador : appareca na ra de Hortas n. 94.
Joaquim da Silva Costa e Bemardino da Silva
Costa Campos convidam a seus prenles e amigos
e aos do tinado Antonio Martins da Silva Campos
a virem assistlr a missa do stimo dia as 7 boarr
da manha de sabbado 11 do correte, no conven-
to de S. Franci.-wo, por cujo obsequio desde j se
confessam gratos.
nuil i mMga
Irmadade do SS. Sacramento da matriz
de Santo Antonie,
Pela mesa regedora da irmadade do SS. Sa-
cramento da matriz de Santo Antonio sao convi-
dados todos os nossos eharissimos irmos para no
domingo 12 do eorrente, as 10 horas do dia, se
reunirem no consistorio da mesma, afim do em
mesa geral procederem a eleico dos novos func-
eionarios que ho de reger a dita irmadade para
o anno comproraissal a) 1870 a 1871.
O escrivo,
________ Modesto do Reg Bautista.
Attencao
Na ra Duque de Caxias n. 63, loja da bonan-
za, vende-se sortes de Santo Antonio, por prego
commodos, em porco far abatimenlo no preco l.
venham freguezes antes que se acabem.
Padaria.
Offerece-se
Um bom copeiro de condneta ahaocada
procorar na roa do Imperador o. 40,
pode
Em que se offerece sociedade a nma pessoa qnc-
esteja habilitada para a sua administraco, e tam-
bem se lhe cede a casa, se assim convier a am>
bos : a tratar no caes da alfandega n. 3._______
Precisa-se de um feitor que entenda de hur-
ta e jardim tratar na ra da Cruz, armazeuii
n. 49._________________________________
Brecisa-se de ama ama de meia idade para
comprar e cozinhar perfeitamente : na ra das-
Cruzes n. 36, armazem, se dir qnem precisa.
ATTENCAO
9
Tendo sido publicado no Diario de 6 do corren-
ta nm annuncio em qne se pedia a captura de
urna mulata de nome Sopbia, escrava da Kxma.
Sra. D. Mara Thereza da Fonseca Cunha, ^recom-
mendando-se a entrega da mesma em easa do Sr.
Jos Carneiro da Cunt, e tendo sido aasa escra-
va de dita senhora que por acto de sua Mvre on-
tade me concedeu carta de manomisso aos cinco
dias do mez de noverabro de 1867, a qoai se acha
registrada em um dos livros de notas" do tabelliao
S, para evitar engaos da parte de algCW pr~
ci llmente do Sr. Jos Carneiro da Cuna*, veono
declarar, qne actualmente resido na ra d,r Sania
Cruz n. 17, na freguezia da Boa-vista, e >ff a<
mi m se nao pode referir dito annnncio, sao -'*-
tante haver rae retirado da casa de minha pati'
na, pelo qae protesto contra qualqoer atintase
qtie por ven tur a pessoas qae me io desafectas
qneiram faxer a minha liberdade. Recife 9 de jn-
nlio de 1970.
Sopbia (a liberta).
AMA
Precisa-se da ama ama para o servico interne e
externo de nma casa de poac familia: a tratar
oa ra das Cruiaj o. 6,2* andar.
XI
i 4
i
^

i


k
'lili \ -*l 1
Diario de Pernambuco Sabbado 11 de Junh de
*r
-----

AO ARMAZEM
VAPOR FRANCEZ
j: mu nom i
Acaba de chegar a este estabeleeimento novas facturas cora importante sVrMmento dos
artiges abaixo mencionados precos os mais resumidos qne possivei.
FOGO CHINEZ DE SALES
Para os festejos de Santo Antonio e & Joao
Grande variedade deetes lindos fogninhos de artificio chinei, de vista de crese effeitos ma-
grifleos de sorphender, fabricados propiamente para safes e seren soltados por meninos e me-
ninas sem o menor receio de serem offeudWos.
BALLOES aereostaticos ,
Estes iateressanles boloes de papel de seda de cores feitos na China, com 6, 8 e 10 pal-
mos de altura, inuito elegantes e facis de subir cora espirito de vinho, podem ser soludos das
varandas.
PAPEL PARA EMFEITAR BOMLOS
Papel rendado amito bonito de diversas larguras para enfeitar bollos 4 S. Joao, precos
barattsslmos.
LUYAS DE PELLICA
Do afamado fabricante Jouvin.
Sortimento completo de braacase de cores, rauito boas de se escolher, em quanlo esto bem
frescas e sortidas.
BOTINAS
moda.
cuneras e meninas.
Botinas pretas, brancas e de multas ouiras obem sortidas e bonitas, do ultimo gosto da
BOTINAS, BOTAS E PEMEIRAS
iara horneas e meninos.
Botinas de-tieerro, cordavao, lastro e pellica, botas russiana* de Lcerro e de lustro, per-
neiras de lustro tanto para hornera como para meninos.
Sapatos
Sapatos de borracha para homens, senhoras e meniofc, sapatos de invern para homens,
ditos'de lastro com -salto para homens, ditos de tapete aveludado, de casemira e de tranca fran-
ceres e portuguezes para homens, para senhoras e para meninos.
PERFUMARAS
Finos extractos, baohas, leos, agua divina, de cologne, de lavaede, e de florida, tintura
para cabellos, pomada angroise para bigodes, pos de arroz e sabonetes.
Quinquilharias
Epelhos grandes e pequeos, legues, albuns e caixilhos para retratos, esterioscopes com
bellas vistas escolhidas, bengatlas, chicotes, correntes de plaqu para relegios, gravatas, oculos,
lunetas, caixinhas de costura ruadas cora msicas, photograptaias. mgicas, colresintaos mgicos
para desapparecer anneis, ditos ditos para relogios, jogos de domin, bsgatella, redetos, e ontros
amitos joguiobos r&ncezes e alleniaes, jarros com bouquets de flores de porcelanas para san-
tuarios, cestinhas diversas para braco de meninas, objectos de phantasia dourados para toiletes, ri-
cas escovas para cabello, para vestidos de setihora, para chapeos e para barba, ponteiras de espuma
para cigarros e para charutos, abat-jur para canaieiros a paz e para lantemas de piano, caixmhas de
msica de darse corda, ps de vidro para pianos, realejos grandes e pequeos, accordions, cosmo-
rama con as mais importantes vistas, molduras douradas para quadros, bonitas estampa- de pai-
zagens, de figuras e de santos, carrinhos de 3 e de 4 radas para conduzir meninos a passeios, ma-
las e boleas para viagens, bercos de vimes os mais commodos que ha para criancas. .
QQniapaia^ ?&a& laaiainass
Para este artigo nao ba espaco nem tempo para a mas-ante leitura da infinidade ds gene-
ios de brinquedos fabricados em diversos paizes da Europa.
ATTENGAO
O dono deste stabelecimento pede ao publico ern gerd que coaiinue a visrta-lo veri-
leando as qualidades os presos baratos de ditos objectos por serem viudos em direitura e de
.jeta propria.
TAVE
CABELLEIREIRO FRANCEZ
51Ra da Cadeia do teeife51
Chasia a atteneo dos seus innmeros freguezes, e do respeitavel publico e
geral, para a eguinte tabella dos precos de sua casa, os quaes sao, vinte por ceaw
mais barato do que em outra qualquer parte:
Cabelleiras para senhoras a 25, i Cadeias para relogio a 55, 60,
300, 35o e......400003
Ditas para hornero a afL, 405 e
Coques a IA$, 45, 180, 200,
250, 30 e .....
Crescentesa ir0, 50,180,-'00,
250, 300 e.....
Cachos ou crespos a 30, 4 50,
"60, 70, 80, 95 e. .
Tranca de cabelle pan ar.fci a
500 e.......
500000
500000
70, 80, 90, m e.
Corte de cabello,
Corte de cabello com frilo. .
30OOO' ^^rte ^e ca^ com lavagem a
champon. .
Aft/w* l Corte de cabello com limpez da
cabeca pela machina electri-
10000 ca' UD'ca om Pernambuco. .
Frisado ingieza ou franceza.
300000: Barba. ,......
150001
50
601
000
{001
504
251
Tranca Para braceletes a 160,
I5, 00, Se.....
SIGNATURAS MENSAES
Espeeialidade de penteados para casamento
Bailes e soirs
O dono do estabeleeimento previne s I Recommenda-se a superior TINTURA JA
PONEZA para enegrecer os cabellos e bar
ba, nica admittida na ExposieSo Universal
, como nao prejudicial sade, por ser ve
sim como um empregado smente oceupa- latil, analysada e approvada pelas acade
do nesse ser vico. i 'n'as de sciencias de PARS E LONDRES
Exmas. Sras. e aos cavalheiros que ha um
ealao para tintura dos cabellos e barba, as-


f a -
a w
l O o
* C3
i Z. 3
tglfi*
1 o M <. 2
_-2 5
Precisa-se d ma ampara wnhar
da Senzala-velba a, 88.
COMPRAS.
0 muzeo de joias
Na roa ft Cabng n.1 4 compra-se onro, prtta
i pedras preciosas por precos mais ventajosos do
pie em outra qualquer parte. .
1
Gompram-se e rendem-se diariamente para tora
i dentro da provincia escravos de todas as idades,
cores e sexos, com tanto que sejam sadios: no
.erceiro andar do sobrado n. 36, ra das Cruxes,
fregnezia de Santo Antonio.__________
Com muito maior vantagem compram-se
ouro, prata e pedps preciosas e n obras velbas: na
loj* de joias do Cora^ao de Ouro n. 2 D, ra do
Cabug._____________________,______^____
Compra se urna casa terrea boa, situada em
Santo Antonio ontioa -vista : na ra da Florenti-
na n. 6.___________________________ '
Compra-se urna casa terrea, na freguezia de
Santo. Antonio : tratar no arco da Coneeico nu-
mero 6.
Compra-se ou aluga-se urna escrava que seja
cnoula, de meia idade, e que saiba comprar, co-
zinbar e engommar para casa de pequea fami-
lia : a tratar no Corredor do Blspo n, 11.
Compra-se por todo preco, o interessante ro-
mance de Octave Feuillet, intitulado Joaquim
Dick ou o batedor de estrada, o qual fci ba tem-
pos publicado no folhetim do Diario de Pernam-
buco, cuja colleccao tambero se compra : tratar
na ra do Crespo n. 19 loja de fazenda. ____
Compram-se 8 pipas de mel de furo em bar-
ris, dando o annuncante os cascos : na ra Nova
de Santa Rila (ribeira do peixe) armazem n. 19.
V:NDAS.
ia!!!...
O Campos da roa do Imperador n. 28
recebeu da corte e vende em seu estabe
cimento differentes fogos proprios para sa-
loes : sao inteiras navidades nesta pro-
vincia.
Ainda vende queijos a 20300, sao os me-
ltaores que ha no mercado, sao os mais lee-
ros e frescos.
Tambem vende pescada a 300 rs, li-
bra
TODO NO ARMAZEM DO CAMPOS.
Boratos tseravos
Vendem-se quatro escravas que sabem com per-
feicao todo o servico de urna casa, urna mulata
da 1S annos com um lindo filbinho, urna linda mu-
laimha de 12 annn?, um bomseravo carreiro, um
dito meUre ferreire, um dito para todo servir :
na travessa doCarmo n. 1.
Formas de ferro
Para purgar assucar, vndese a commodo preco
na ra da Cadeia n. 4, armazem de S. Barroca.
1136UOO
Saceos grandes com superior feijao mulatinho :
no escriptorio de Jos Joaquim Lima Bairo, a ra
do Vigario n. 27.
A economa das fa-
milias.
Acaba de abrir-se de novo a loja e armazem da
Arara, na ra da Imperalriz n. 72, que tendo con-
cluido todos os seus negocios commerciaes ; ago-
ra vai fazer urna liquidacao de todas as suas fa-
zendae sem reserva de precof, s com o nm de
liquidar ; por isso se convida a todas as familas
para mandar ver as amostras de toda- as azenJas
para ver as qualidades.
A SABER :
Alpacas de cores para vestidos, >edas de-cores,
atoalhado de linho, bramante de iinho, organd* de
eOres, cas?as franeezas finas a 240 o cavad-), chi-
tas fpancezas escuras e ciaras a 240, "280 e 320,
grosdecaplos pretos s todas as qualidade:, tilo
branoo Jiso e lavrado, brim pardo a 00 o metro,
brim branco de linho fino, gangas para calca a
320 o covado, castor para calca a 160 o covado,
caseowas pretas para caicas, pao fino preto de
todas as qualidades, casemiras de cores, roupas
fetas de todas as qualidades paietots de ganga a
-25000. ditos de brim a 2000, ditos de alpaca a
2000, algodao a 4' DO a pessa, madapolo a
ai, coberlas de chita a 16, cobertores de algodao
a 1400 outras moitu fazenda* que se veudem
sem reserva de precos, para liquidar.
Na frente da loja ter dous letreiros com letras
encarnadas eio que diz liquidacao, que principiar
hoje.
As seguintes obras
Tinte annos depois, ou tr rs mosqueteiros,
por A. Damas, 11 vol. ene. por 150000;
A tirgem do mosteiro, e as memorias de R<-
chelieu, por Jos Victorino, ambos enesder-
nados em um s vol. por 30000. (Jolas
cont suisso, ene. 1 vol. por 10000. Canto
d'alvorada, poesas porM. da Rocha, 1 vol.
ene. por 30000. Flores singelas, por Paes
de Andrade. Ultimas paginas, por P. de
Calasans. Illusdes perdidas, por C. de
Aievedo, tudo encadernade em um s vo-
hime, por S0OOO. Jovila a voluntaria da
norte por J. C., e Alberto, scenas de um ro-
mance, por I. Candido, ambas ene. em s
vol. por 30000. Palmyra, ceguinhabra-
sileira, romance em 7 cantos por Dr. Boni-
facio d Abren, ene. em um s vol por 50.
0 cavalheiro d'Harmental por A Dumas, 4
vol. encadernados, por 100000.
Tambem vende-se as collscces de leis
provinciaes faltando apenas 3 annos, por
200000, tendo 27 vol. me brochura, tam-
bem tem outras obras que a vista se mos-
trarlo, e qne tudo se vende por pre^o em
conta. Quem quizer dirija-se a esta typogra-
phia que se dir quem vende.
Pechincha
No pateo do Carao n. 9, armazem do
Ribeiro.
Manteiga ingieza a 900,1#400 e 14500 a libra.
Dita franceza a 720 rs. a libra.
Cha perola o que ba de melhcr a 25 e 3x200
a libra.
Dito hysson a 3 a libra.
Queijos flamengos novos a 24400.
Velas de espermacete a 700 rs, a libra.
Engenho.
Vende-se o engenho Bibeirac da freguezia de
Santo Antao, situado pouco mais de urna legoa
da estrada da Victoria, de trras mui'o producti-
vas, podendo safrejar para mais de 2,030 paes an-
anaes, com bom cercado feito todo de vallados, e
muito boas obras; o engeibo d'agua e est
moente e correte : quem pretender este negocio,
dirija-se ao mesmo engenho, ou ra da Concor-
dia n. 13.
Farinha de naudioca.
Ha para vender boa farinha de mandioca, en-
saccada, ou agranel, ebegada recentemente de
Santa Camarina bordo que se acha fundeado em frente do trapiche Ba-
ro do Livramento ; seus consignatarios Amorim
Irmos & C, ra da Cruz n. 3.
Vende-se
Ps t roseiras de varias qualidades, de cravei-
ros, de sapotis, de figueiras, de abacates, de pi-
nheiros, de palmeiras, de laranja cravo, por ba-
rato preco : tratar na Boa-vista, roa do Mon-
dego n. 51.
Vende-se por metade do seu valor um terreno
Foreiro, onde se acha edificada parte da cidade
do Rio Formoso ; e aluga-se, cu vende-se o so-
brado n. 21 sito na ra de S. Pedro Mam r de
Olinda : tratar na ra do Imperador n. 50.
Farinha de mandioca
igual a de Muribeca.
Em saceos de dous alqueir<3S e de panno de
algodao, cuja medida corresponde de 5 a 8 U;0
mais do que a medida daqui e do Rio de Janeiro,
vende-se a preco menor do que em qualquer ou-
tra prtete : tratar com Joaquim Jos Goneal-
ves Beltre, em seu escriptorio a ra do Commer-
iio n. 17.
Noarmarem do Sr. Antonio Aunes Jacome ven-
de-se mais barato do que etu qualquer outra par-
te : a tratar na ra da Cruz n. 38, armazem de
Meills Latllan 4 C, _______
Veas de spermacet
Verdadeiro americano, cada orna caixa trinta
e cinco meias duzias de vellas, ou 210 vellas, por
tlnta e cinco mil res. No armazem de Tasso Ir-
mos 4 C, ra do Amorim.
Vende-se a casa terrea o. 11, em chaos pro-
prios, sita em Olinda ra no ojto do Amparo,
com 4 quartos, corredor ao meio e duas salas : a
ratar no 1 andar n. 5 ra da Cadeia do Becife.
Massa batid* a 640 rs,
Valdivino da plvora vende massa batida e in-
leza para fogos: no seu armazem de sal da ra
mperial.
Loja ingieza.
gOPasseio Publico_60
iNeste grande estabeleeimento encontrar o res-
peitavel publico um grande sortlraento de fazen-
das de todas as qualidades, sendo inglezas e fran-
co; as que se vendem por muito menos do que cm
outra qualqusr parte.
COMO SEJAM J
Chitas escuras e claras, finas de cures fixa a 240,
260 e 280 o coyado.
Cambraias de cores, padrdes moderno; a 280 e
320 o covado.
Lazinhas muito fina?, padroes de gosto a 400 o
covado.
Madapoloes finos de 4000para cima.
Algodao branco a 3/ e 4J.
Cortes de fustao para cal?a a l i.
Ditos de brim pardo a i, 1*200 e 15500.
Ditos de casemira preta a 5000
Calcas, paletots e colletes de tedas as qualidades
e precos.
Na loja ingieza do Pa>seio Publico.
CABRIOLET
Vende-se um cabriole! de duas rodas em bom
estado, cora arreios para um ca vallo : na cocheira
da roa de Santo Amaro n. 1.
Estamphas.
Vende-se na ra da Cadeia do Recife n. 58, loja
de azulejo.
I,Fui Vende-se 13a de canna bem secca por prego com-
modu, phospuoros do gaz a 280 a duzia : no pateo
do Carmo, esquina da ra de Horta?, armazem
numero 2.
A 5$000
Madapolo encorpado proprio para saias e len-
coes, pecas com 20 varas, por 5 : na ra do
Crespo n. 23, loja da esquina. ____________
Venle-se urna escrava de 25 annos de ida-
de, cozinba o ordinario de urna casa, tem princi -
pi de engomma lo, lava muito bem, sadia e nao
tem vicios : na ra do Pires, sobrado n. 27.
46
120
Sfl 1
66
6TOO0
1
A 54000
Vende-se bolinas de cores para senhoras, pelo
diminuto preco de cinco mil res o par, sao cores
muito bonitas, obra bem feita : venham a ra da
Cadeia n. 50 A, loja de miudez;;, defronte da ra
da Madre de Deus.
Cavallo.
Na eccheira da ra de Santo Amaro n. 1 ven-
de-s" um .excellenttf cavaho de cabriolet.
Vende-se urna casa terrea na ra do Brum
n. 16 : quem pretender dirija-se ra da Guia
n. 56.
nico deposito
Mua do Vigario n. 11, sobraio.
Vende-se com abatimenlo, autorisado pelo fabri-
cante, o rap fino, assim como ba para vender o
vinagrinho, viajado, e meio grosso
as < '
gNll

&3
I.
"J-fs1
= r=j
w o
a
9
ro
S^l
II 8-1
g => 5 -
o
a a
lis.
*ii*-a
-- S e
CB
N
s
Boa compra.
Vende-se o patacho nacional Palma, de lotacao
de 10,800 arrobas de Carne, cojo navio se acha em
perfeito estado, e -apparelhado para emprehender
qualquer viagem; o qual chegou ltimamente do
Kiu Grande do SuJ com carregamenlo de carne, e
se acha fundeado em frente ao caes de 22 de No-
vetnbro : os pMendentes podem alli ir ve lo, e
tratar com Jos Vietorino de Rezende & C, ra
da Cadeia n. 32, escriptorio.
Farinha de mandioca e milho
chegado ltimamente do Rio de Janeiro, em saceos
grandes, e mais baratos que em outra qualquer
parte : trata-se no trapiche Fontes.
Vende-se boa farmha de mandioca em sac-
eos com dous .alqueires, e colla do Rio-Grande do
Sol. no escriptorio de Jos Vicforino Be Rezende
& C. : roa 0a Cadeia n. 22.
Vende-se a taberna da ra do San tu Cruz
o. 74, com pouoos fundos propria para um prin-
cipiante : a tratar na mesma, e tem commodos
para familia.
"i
S*
illlili BffSKMHi
ape de varias qualidades
Prineeu Rocha.
Gasse grosso.
Gaste uno.
Faulo Cordeiro eommum.
Dito Cordeiro viajado.
Rolao iraBcez.
Princeza fino da Rabia.
Dito meio grosso da Baha.
Princeza de Lisboa.
Todas* estas qualidades sao os mais frescos qnt
ha no mercado.
' Na loja da Aurora, ra larga do Rosario n. 38.
NOVIDADES.
Chegaram ma Primelro de Mareo n. 5, loja
de Vieira Guimaraes & C. s seguintes, viudas pelo
vapor Gtroude :
Riees corles de seda lisos e matisados.
Superiores casacos de fai pretos.
Chapeos de seda de cores para senhoras ;som-
brinhos) bordados e lisos.
Veludo preto e de cores de differentes quali-
dades.
Paia preta e branca, lavrada e lisa.
Ricas saias bordadtt, branca* t de core-'.
Preulias, eambraiai, brilhantinai e fu>toes de
core modernas.
Leqvjes branoos e de madeiri pretos.
ATTENCAI
Fazendas b iratas cora
t qu-deavaria.
A* ra d Crospo o. 25.
Cambraias finas victoria n?. 16, 18 e 20
de 34 a 3500 a peca.
Cambraias linas de cores a 280 rs. o
covado.
Madapolo fino a 5, 3(500 e 6(000
a pe^a.
Atgodaozinbo com 18 jardas a 3000
a peca.
Algodao de listras americano para rou
pa de escravos a 240 o covado.
Algodao trancado branco a 560 rs. a
vara.
Lencos finos de cambraia a 2(500 a
dnzia.
Chitas amatizadas e raiudinhas a 240
o covado.
Dao-se amostras na ra do Crespo n.
23, loja de Manoel Dias Xavier.
Fazendas com pequeo toque
de a vari a.
Ra do Duque de Casias, antigamente do Quei-
mado n. 17.
Madapolo fino a 6( a peca, cambraias de cores
lindos padroes a 240 rs o covado, cortes de ve?.
tid e de duas saias a 4(300 o corte, chales de merino
estampados a 4(300, saias de madapolo tendo
ap:ofts defeito pequeo a 3(500, e baldes de ma-
dapolo dos antigo?, mas que a santa economa o?
recommenda, a 2( I Offereco se amostras.
Vidros para vidracas de todos os tamanho?
e em eaixas, vende Bartbolomeu <& C, em sua
pharmacia na ma larga do Rosario n. 34.
aat* Autoafo, S. Pedro
Limalha de ferro em vidros muito nova.
Dita de ac em vidros muito nova.
Dita de agulha de Len muito nova.
Enxofre em tubos.
Salitre refinado de qualidadf.
E todas as demais prepararles para fogos ar-
tificiaos : vende se na pharmacia e drogara de
Bartholomen A C. na ma larga do Rosario n. 34.
ATTENCAO
Vende-?e um sitio na estrada do Rosarinho com
boa casa de vivenda, estribara, cocheira, bastan-
tes arvoredos fructferos, bem cercado, tudo em
perfeito estado : quem pretender dirjase ao pa-
teo do Carmo n II, a andar.
FOGOS,
Para Manto Antonio-
8. Joo
S. Pedro.
Grande deposito de fogos artificiaes para os fol-
. uedos de senhoras e criancas as dias de Santi
Antonio, S. Joo e S. Pedro, a saber: pistolas
brancas de 3. 4, 3 e 6 bala?,ditas coloridas de 3, 1,
5 e 6 balas, rodinnas brancas e cloridas fontana?,
eraveros, cbafarizes em nonto pequeo, rodlnhas
com MaminacSo color la?, fjgos de bengala.fogos
do ar de 1 e 3 bombas, ditos de bomba real, tan-
ques chinezes, baloeszinhos de 3 e 4 palmos, pro-
prios para soltar em varanda com espirito de vi-
nho ou mesmo gaz. alera de outro maior sortimen .
to que s com a vista do comprador : na ra Ui-
reita n. 53, loja de Lenidas Tito Loureiro, antga
loja dn Braga.
VIVA S. JOAO
Ra Dlrelta o. 53.
Completo sortimento de facas e garios de ba'an-
co de 1 e 2 tiotes, bandejas chnezas com lindos
esmaltes, ,'uHieres de metal de principe para cli
e sopa, trens para cozinha, salitre, breu, barbante,
enxofre e papel, alera de um completo sortimento
de ferragens, miudeza=, cutihleirias, machinas pa-
ra desearocar algodao, rnoinho? paia caf, etc.,
tudo por meno-i preco do que em outra qualquer
parte : na ra Direta d. 53, loja de Lenidas Tito
Loureiro, amiga loa do Braga.
ATTENQAO
Em casa de Mills Latham 4 C. ra da Cruz
n. 38, vende-se sabo inglez de diversas qualida-
des..______________________________
1 \ mi i i
Vende-se
Pesos de ferro do systema decimal.
Champagne da marca afamada.____________
H. LEGi, 111 \ BA lin, lili
Tem para Tender
Vaquetas envemizadas para carros.
Oleados do diversas cores.
Luvas.
Chegou pelo vapor francez, um grande sorti-
mento de Iqvas de pellica de Jouvin, brancas
pretas e de cores. Em casa de Andre Delsuc, ca-
beileireiro, ra do Prmeiro de marco n. 7, 1 an-
dar.
Terrenos
Vende-te um terreno na ra de Luiz do Reg,
em Santo Amaro, com 300 palmos de frente e 640
de fundo, cora urna casa terrea edificada no mes-
mo terreno : quem o pretender, derija-se a ra
Jiova o 22, que achara com quem tratar.
A tteno&o
Vendera-se ou trocam-se por casas nesta pfaca
ou mamo por sitio perto de cidade duas barcacas
de lote de JO caixit, bem appaialbadas e promp-
tas navegando : a tratar na ra do Passeio nu-
mero 96.
ATTENCAO
Vends teum encllente escrtvo crioulo de mui-
to bonita figura, bom >fflcal d; pedreiro, de 13
annos, muito esperto para todo o qualquer servico,
principalmente para o de campo, sera 'ido algum:
na ra da Sledade n 60.
Vende-se farinha muito boa chegada hontem
em satcot grandes e panno da fabrica da Baha,
oosarmazen- da companhia Pernambuoana : a
tratar no mesmo e na na da Cadeia casa n. 1,
cem Jos Gonealves Torres.
A 500 rs.
t
Vende-se superfina tinta rxae preta, custando
500 rs. cada garrafa : na raa de Santo Amaro
numero i.
Lnja da Bella-vista, ra da Irapjratriz n. 13 A.
Neste novo estabsleaimento vende-se por baratis-
simo preco um granle sortimento de redes de tu-
cum vindas do Para.
CORTES Dt SEOA
0 Cysne ma da Imperalriz n. 64, acaba de re-
ceber pelo ultimo vaper lindos e modernos cortes
de vestidos de seda pretos e de cores, lisos e mati-
sados. os quaes vende por precos mdicos.
Calcados baratos.
Vende-se sapatos de tranca de Lisboa para ho-
mens e senhoras a 13(000 a duzia, e a 2(200 o.
par, garante-se a,boa qualid.ide : na ra do u-
.queiie Casias n. i i.
#
Rival sem segundo,
Itl A DUQUE I>E fliw \\ 4
(Antga roa do Qncimado)
Contina a vender tudo mnito bom e
muito barato a saber:
Qcadernos de papel pequeo a. .
Libras de arela prela morto boo. .
Tesouras Onas para unlias e costu-
ra a......., -
Papis de agulhas /rancezas a ba-
lito a........ .
Caixas com seis sabonetes de fruta .16000
Libras de 13a para bordar de todas
as cores a .......
Caivetes finos para apuar {tenas
I apis a 500, 16 e. ... .
CaiTiteis de liaba Alexandre a. .
Frascos com azeite para machinas
Grnatas de cores muito finas a .
Crozas de boloes niadcpersla 11-
nissimos a.......
Pares de luvas de cores muito li-
nas a 320 e.......
Novello de linha de 400 jardas a.
Caisas com 100 envelopes multo,
superiores a......
Pentes volteados para meninas a.
Tinteitos com tinta preta a 80rs. e
Pe^as de lita elstica muito Una a
Lata com superior banha a 100 e.
Frascos de oleo Philocomo muilo
fino a...... .
Ditos ditos dito grande a. .
Frascos de macaca perola a. .
Frascos de extracto muito b nitos a
Duzia de sabonetes mnito Tinosa.
Sabonetes inglezes a GOO rs. e. .
Frasco com agua decqlonia Pivera
Dito de oleo baboza a.....
Caixas de lamparinas a. .
Sabonetes a forma menino muito
superiores a.......
Lartilbas da doutrina fazenda nova a
Libras de linha soriidas de todos as
nmeros a.......14800
Duzia de pomada do Porto muito
superior a....... iHO
Babados do Porto, largos a IGOe 200
Capachos muito bonitos e grandes a 700
Carriteis de relroz preto, com
oitavas a.........640
Agulheiros de osso enfeilados a, 240
Libra de linha franceza superior
qualidade a.......26400
Caixas de palito do gaz a. 20
Bonecas de cera muito bonitas de
500 rs. "a........23O0O
500
100
500
500
500
800
00
oco
240
100
200
200
5(>0
16000
240
500
720
1(5200
500
500
0
240
400,
A
A ra do Duque de Caxiasn 21.
(ANTGA RA DO QEIMADO)
Nao foi sem fundamento que a NOVA
ESPERANCA tem deixado de fazer os seos
annuncios, a razo simples, ella entena
que tudo em demasa aborrece... por isso
como j tinba dito e scientitkado sua boa
freguezia o que constantemente ia receben-
do, ou tivesse feito muilas vezes, receio.1
tornar-se manante, assim pois recolheu-se
um pouco ao silencio, mas nunca deixando
d'einpregar os verdadeiros esforcos, j con-
tratando maior numero de correspondentes
na Europa, j descobriudo objectos do mais
apurado gosto e finalmente assignando o
Jornal das Familias, o qual vero, senv
ornado com figurinos, moderno* moldes para
vestidos etc,. etc. para dcsla firma melhor
servir a sua constante freguezia ; e com es-
pecialidade ao bello sexo, quem a .NOVA
ESPERANCA ufanase em offerecer-lbe
seus servidos, apressando-se desde j e~
declarar que tem recebido ultimamen'.e
entremeios e batamos bordados transpareo-
tes e tapados, chaposinlios de seiim para
baptisados.
Finas toacas de cambraia bordada para
o mesmo fim.
Meias de seda e fio de escocia para ci .
gas.
Dedaes d'osso, msrfim, ajo e madrep-ts-
rola.
ptimas na vainas, afiadorese massa para
as mesmas.
Finas esponjas para o rosto e paca ba-
ndos.
Bonitos snpalinhos com bipieira, ser.
cem salto, para meninos e msninas de d-.!i
a doze sosos.
Boas lentes com cinco melimetros, para
contar-se os Bos de qualquer fazenda.
Tesouras para frisar vestidos.
Carretas para tirar rc,oldes de vestidos.
Mollas para sogorar costuras.
Bonitos linteiros de noves moldes,
Meias de la para homens e senhoras.
Finas e bonitas ligas para meia6.
Fil de linho e de seda, sendo preto e
branco, liso e de salpicos, e outros muitos
objectos expostos a venda ra Duque
de Caxias n. 21, na NOVA ESPERANCA.
AabSo Talcatro.
Vt-nde-se na roa Duqae de Caxias n. 21.
PARA LUTO.
Brincos, broches, ollas, ptrf-eiras, fivel-
las, f entes, botes para puchos e cadeias
para relogios.
A NOVA ESPERANCA. querendo sati&la-
zer sua freguezia, nosmente era objectos
dalegria ou de luxo, quer tambom acom-
panhar aquelles, que infelizmente perdendo
al^uem de sua familia, ou alguem de sua
araizade, precisam de taes objectos, assim
pois a NOVA ESPEBANCA, mandou vir o
que ba de melhor neste genero, porque
sendo taes objectos de cor negra, sendo
de m qualidade, nao rnente tornam-s*
tristes como at repugnantes, o qne n2e
acontesce aos da NOVA ESPERANCA. por
que apenas exprime o sentimento. pela cor
porem como que traz um lenitivo pelo gosto
e perfeicSo com que, taes objectos sio tra-
bajados.
FJauta.
A NOVA ESPERANCA tem para vender
urna flauta d'ebano do afamado fabricante
Boum.
Vende-se una casa de taipa. na batxa do
Zumb, (Torre) em solo rendeiro : tratar na ra
Imperial n. 233.
Joaquim Rodrigues Ta- j
vare* de Mello,
Praqa do Corpo Santo n. 17)
TEM PARA VENDER:
Cal de Lisboa.
Potassa paRussk
Vinho Bordeaox.
Farello d Lisboa.
Parlaba de mandioca.
i
i i
l.
V



6
Diario de Peinanibuco Sabbado 11 de Junho de 1870.
A
Ra Duque de Caxiasn. 55
Na lop da VERDADE continna-se a ven-
der por baratsimos precos todos os artt-
gos de midezas e perfumaras do seu
grande e variado sortimento, garaotindo aos
compradores toda a sinceridade.
Lindas bonecas de cera e massa por ba-
ratissimo preco.
Esoellios dourados para pendarar a
160 rs.-
Agulhas de osso para crox a 200 rs.
Pentes finos para segurar cabello, a
320 rs.
Charums para gaz a 320 rs.
Garrafa caa tinta alizarine a 15000.
Dita coiu agua florida a 1.55CO.
Dita cun dita dita a 10000.
Tnico de Jayme a 1(5500 o frasco.
Frasco com oleo expresso de babosa, de
240 a 010 rs.
Dito com agua de Colonia de 300 a i000
Dito com extractos finos a 10000.
Dito com sndalo verdadeiro a 10200.
Latas com banha muito fina de 120 a
240 rs.
^Lh'^'esmnito finos e diversas quali-
dades a 80,160, 240 e 320 rs.
Finas escovas para dentes de 320 e 500 rs.
Dif.s para fado de 500, e 600 rs.
Ditcs para cabello.a 500 rs.
Pentes para alisar com costa de metal a
320 rs.
Ditos ditos ditos de bfalo a 240 e 320.
Pentes para tirar piolhode 160 e 240 r9.
Pavios para gaz, dazia a 240 e 320 rs.
Brincos de cores, ioteiramente modernos
de loO e 40 rs.
Penr.as caligraphicas muito finas a 10400.
Das de langa e maosinha a 800 rs.
Lindos babadinbos e ntremelos de 500
e 1500.
Grosas de botoes de louca de 160 e
200 rs.
Ditos ditos para calca a 240 rs.
Gaixl com papel amizade a 700 rs.
Ditas com envelopes a 480 rs.
Ditas com obreias a 40 rs.
Ditas com agulhas fundo donrado a
280 rs.
Th;jonra para costara a 240 rs.
Linha de marca caixa a 280. rs.
C-.rrileis de linhas de Alexandre de n. 70
a 20 50 rs.q
G' ampo* muito finos, com passarinhos du>
zia^ 230 rs.
Orias francezas para jogar duzia 35000
Ditas portuguezas, duzia 10400
Papel aimaco superior qualidade resma
50000.
Lasa muito fina para bordar libra 65500
FrtJa pan debrum desapato, pessa 160 rs
Di de lam para debrum de vestido peca
600 rs.
C 'niveles grandes com molla a 400 rs.
Dia* grandes cora 2 folhas por 320 rs.
P. ': is pretas para luto, o par 100 rs.
T r.v; de lam de caracol branca e de
- -O a 100 rs.
Fi! ; ra cs, peca 480 rs.
\ tu de lato, carta 100 rs.
Sjd .Los de lam para creanca de 400
I i ...'iras a 40 rs.
Gravatas d seda preta d 400 e 8TJ0"rs.
Ditas de croxe, brancas e decores 500 rs.
Dita de gorgurao de cores a 800 rs.
Na Toriao nm Duque de Ca-
_______ xlsw *__________
Cantara 'Je Lisboa
Soleiras, hombreiras e espitis para, fren tes de
casas, o que ha de melhor : venda no arma-
zem da travessa do Corpo Santo n. 25, de Joaqaim
Lopes Hachado & C.
*- Vendera se diversos eacravos pecas vlndos
do Cear, proprios para engenho, assim como
ama cabrocha por l:000j, de 18 annos de idade,
bonita tigura. est um pouco descorada de frialda-
de, e diversas mulatas com habilidades : a tratar
na roa da Crui n 53, 2o andar.
Armazem dous irmos
8=4tna daJPenha N
Mantea instle superior a 1JSOO a libra, idem
franceza a 806 rs., eb miado bom a 3*800, idem
grosso a 3, velas de esrermacete a 640 a libra,
caf em caroco bom a 200 e 240 rs., toucioho a
400 rs., lalarim, macarro e aletria a 600rs., qnei-
jos frescos a 21500, idem prato a 11 a libra; vmho
em pipa a 400 rs. a garrafa, idem S. Jolito Ue-
doc a 640, grandes latas com bolachinhas a 1*400,
lagustinhos a 600 r.-. a lata. Nerte armazem ha
serapte grande deposito de gneros de primeira
qualidade, e vendem-se a precos omito resumidos.
LOUCA
Grande armazem na roa da
emperatriz n.
Neste grande armazem vende-se lonca ingleza
Gnas e ordinarias, appareltws de porcelana para
jaotar e para cha, Jarros para flores os mais boni-
tos e de gestos modernos ; assim como grande
fortimenle de> vidros finos e ordinarios, que todo l
se vender tanto a retalho como por atacada pelo
mais barato prego que em outra pualqner parte :
chamamos a attencao dos freguezes, qne sero
convenientemente servidos tanto nos comandos
precos como na boa analidade das fazendas.
Cigarros da imperial
fabrica de S. Joo
de Nictheray.
nico deposito em Pernambuco caes da altan
dega velha n. 2, 1* anda.
FARINHA DE MANDIOLA,
Vende-se farinba de mandioca chegada do Ma-
ranhao no ultimo vapor do norte, por menos do
que em outra qualquer parte : a tratar no escrip-
torio de Joaquim Garardo de Bastos, ra do Vi-
gario n.16, 2o andar.____________________
Aos cem mil azulejos
Portuguezes, hespanhes e francezgs : na ra
Priraeiro de marco n. 16, outr'ora do' Crespo, ar-
mazem de louga de Bernardmo Duarte Campos
& C.
Caf do Ceara'
Vende-se ptimo caf da serra d'Arata-
nha, Cear: ra da Cadeia do Recife
D. 5.
Nao mais cabellos brancas.
A tintura japoneza para tingia os cabellos
da cabeca e da barba, foi a nica admittida
Exposifo Universal, por ter sido reco-
nhecida superior todas as preparacoes at
hoje existentes, sem alterar a sade.
Vende-se a 15000 cada frasco na
Rna da Cada n. 51,
1. andar.
Grande eetobelecimeoto da faadas e roupas feitas e por medida, roa da Im-
peratra d. 52 junto a loja de ourrves.
Neste estabelecimento encontrar o respeitavel puNico um bonito sortimento de
roupas de todas as qualidades.
MMtJ^'wSS^F'i 6 d* c6re8Ja f000-.3*0 7*0. ditos mhio preto
de 75000 ato 255000. ditos de casemirade cores Gnas e ordinarias, de 65 165000
ditos de panno finos de 6* 85 105 e.K-0000, sobrecasaco dilo de 20o a 30,1000 '
a m ?^JSvS0rtin6Dto de."Ic* da brim pardo de 1*5600 a 60000, ditas brancas
de 20, 1O0OGO o mais superior, ditas meia casemira, ditas ca?emira de M 120000
ditas casemira preta de 6& H5O00 superior, dita de merino diversas qnalidade"s para
loto. Assim como um bonito sortimento de colletes de brim de cores, ditos brancos
ditos de casemira de cores e pretas, ditos de merino para loto fazenda superior
Sortimento completo de camisas francezas de algodJo, de 15600 30000 e de
hubo de 380000 a 700000 a duzia. fw*ww,eoe
Sortimentocompteto de ceroulas francezas de algodo de 15000 a 20500
ditasde bramante a 10600, 20300 e 30000, ditas de Hamburgo, frauoezas, fazenda su-
perior de 230000 a 380000 a doria. Sortimento de cularinhos de algodo e linho etc
assim como meias de algodo para homem de U, a 100000 a duzia, gravatas de mal-
tas qualidades. Na ruada Imperatnz n. 52, loja do
Sortimento de chapos deso de alpaca, e seda, ditos inglezes cabo de marfim.
Toalhas para rosto. Sortimento de mallas para viageni.
ATTSNCAO.
Nste estabelecimento eocarrega-se de mandar fazer qualquer obra por medida
e para esse fim tem hbil mestre encarregado da ofEcina, que1 se eocarrega do trabalbo
com perfeico e pontualidade.
SORTIMENTO DE FAZENDAS.
Chitas d 240 rs. o covado oa 100000a pessa com 42 covados. ditas miudes
para camisas e timo de meamo 260, e 280 rs.. e outras muitas qualidades de 320, 360
e 400 rs. o covado, neste mesmoestabelecimento chegararo, urnas bonitas chitas da
victoria com barra, a anal parafHios ecompetente enfeite para corpinbo. Cam-
braia lisa de 30, 40,50 e 10000 a pessa, e outras muitas fazendas de todas as quali-
dades.
ALGODO E MADAPOLAO AVARIADO.
A 40000 o algodo, e 40500 o madapol5o, e tambem chita escora boa 240 o
covado por ter grande porc3o, na roa da Imperatriz o. 52, loja com portaesencarnados,
intitulado
Leo de Ouro.
Pichincha a 7$ e $$.
Vende-se calcado francez obra moito boa pflo
diminuto preco de 7 e 9, assim eume calcado
para criancas a 3f, baratissimo venbam a el-
las antes qne se acabem, na bem conhecida loja de
mjadezas da rna da Cadeia n. 50 A, confronte a
roa da Madre do Dos.
Ra do Crespn. 20 A.
Alvaro Augusto d'Almeida & C.
Este estabelecimento de fazendas finas e grossas j bastante conbecido como
nm dos mais bem sortidos desta cidade acaba de receber directamente de Paris al"uns
artigos especiaes qoe passa mencionar.
Ricos cortes de vestidos de blond para casamentas.
Cortes do vestidos de seda de cr, de gostos inteiramente novos.
Brochad, fazendas de la e seda propria para vestido.
Foulard de seda de todas as cores, tambem para vestidos.
Fitas largas de seda para cintos, gostos escoceses e lisos.
Chapelinas de seda e de palha d'Italia.
Basquinas de seda e guipare.
Colchas de seda e de la e seda.
Cortinados de cambraia bordados muito ricos.
Pannos de verdadeiro croch para jardineiras, sof e cadeiras.
Toalbas de linho de- superior qualidade.
Bramantes, selicias, sgies atoalhados.
Guardanapos, colchas, aaias bordadas camisas,
Cache-nez, baloes, camisinhas, sombrinha.
Madapoies de varias quaidades, saceos para viagem, mallas, tapetes, capa-
chos, alcatifas e mnitos ootros artigos que se vende por precos mdicos.
Tem tambem constantemente um completo sortimnto de ESTEIRAS DA IN-
DIA para forrar salas.
ACHINAS PARA
C08TUKA
Acabam de chegpr ao GRANDE BAZAK
UNIVERSAL* roa Nova n. 22carnetoo
viannaum completo sortimento de ma-
chinas para costura, dos autores mais co-
ndecidos, as qnaes estJo em expsito no
mesmo Bazar; garantindo-se a sua boa qua-
lidade, e tambem ensina-se com perfeico
a todos os compradores. Estas machinas
sao iguaes no sea trabalbo ao de 30 costa-
reiras diariamente, e a sua perfeico e tal
como da melhor costureira de Paris. Apre-
sentam-se trabalhos ejecutados pelas mes-
mas, que muito devem agradar aos preten-
dentes._______________________________
Officina e armazem de
marmore
Caes Vinte e dous de novembro n. 57,
(outr'ora armazem allianga)
i Ha para vender pedras marmores de todo os
tamanhos e gr asuras, lijlos de diversos ta-
annos, soleiras e saccadas, assim como solei-
ras e saccadas da pedra de Lisboa. Tambem con-
trau-se e faz-se qualquer obra, como monunen- i
tos, tmulos, estarnas, pas, lavatorios, mesas e
tudo o mais tendente mesma arte, por mdicos i
pricos.________________
Vende-se ou troca-se por caas nesta praca
o sitio denominado dos Boritiz, antiga casa da la-
vagem de roupa, com grande casa de vivenda,
senzala para pretos, estribara, banheiro de pedra
e cal com agua corrente, baixa para capim e
Srande terreno para plantacoes : quem o preten-
er dirija se praca da Independencia n. 33.
GAZ GAZ GAZ
Chegoa ao antigo deposito de Henry Forster
C, roa do Imperador, nm carregamento de ta.i
de primeira qualidade; o qual se vende em partida
e a retalho por menos preco do que em outra qnal
qner parte.________
Vende-se um terreno propno, com 138 pal-
mos de frente e 160 de fundo, para o lado da e
trada de (erro, cujo terreno tem alicoree feito pa-
ra cinco moradas de casa, na ra de Motocolom-
b dos Afogados : a tratar na mesma ra, ou na
rna Direita dos Afogados n. 13.__________
CEMENTO
PORTLAND.
Vende-se no armazem amarello de Vicente Fer-
reira da Costa & Filho, defronte do arco da Con-
ceicao. em barricas grandes
Tasso Irmos & C.
: Vendem oleados pretos para forro e guardas-chu-
' va de carros.
Ditos de cores.
Portas de pinho alirofadadas, tamanhos diversos.
Cadeiras americanas de varias qualidades.
Tnico para cabellos.
Agua dr Florida.
Machadinhas americanas.
DE 110,
, Ra do Imperador n. 91
0 respeitavel publico encontrar neste
estabelecimento diariamente um completo
sortimento de pasteiaria, boHos inglezes
podns, pSds-del, pifsertos dos ltimos
chegados ao mercado, salame de lion, bo-
linhos finos de todas as qoadsdes para cha,
amendoas confeitadas, confaitee, bomboins,
pastilhas, chocolate fraDcez em libras, pas-
titbas do mesmo .eartoxos e carteiras com
seis charutos *de chocolate cada urna, esto
sortimento de chscolate do mais acredita-
do fabricante de Paris e o melhor que at
boje tem vindo ao mercado.
Vinhos portuguezes, figueira muito sope-
rler. Os mais genuinos e snperiores vinhos
do Porto, moscatel e Setubal, o Ilustrado
publico encontrar neste estabelecimento
por commodos precos, fazendo-se abatnen-
lo a quem comprar em porc9o.
Licores de todas as qusKdades, as maie
Anas, entre elles o afamado Aiapana, esto
licor o mais saboroso e superior, at
hoje conliecido. Xaropes de groselhe, rosa,
maracuj, caja ete vinhos de Bordeaos de
todas as marcas, o mais superior que se
pode encontrar, ehampagne de Che vera t
muito superior, os mais unes e superiores
cognacs francezes, old-tom, de todas as be-
bidas alcuosas, este a mais salutar para
quem soffre de -estomago,
Conservas de legomes, portuguezas, fr-
cezas e inglezas, mlhos mostrada etc.,
[rudas seccas cristasadas e em calda, na-
cionaes e estrangeiras de todas as qualida-
des, charutos dos mais acreditados fabri-
cantes da Babia e Bio de Janeiro, cigarros
de S. Paulo e Bio de Janeiro, muitas su-
periores, e finalmente tudo quanto se deso-
jar tendente a este genero de negocio com-
prometemo-nos a satisfazer toda e qual-
quer encomroenda com a maior promptido
e asseio: Como sejam para casamentas,
baph'sados baiies etc., tambera se recebem
encommendas de p5es de l ou bollos de
qualquer especie enfeitados e decorados,
bandeijas de bolinhos com armaco de as-
sucar, assim como de papel, pecas monta-
das, gellatinas de fructas, amendoas, leito
etc..
Os donos deste estabelecimecto nlo se
tem poupado a despezas para melhor me-
recerem a acoadjuvacau do Ilustrado pu-
blico.____________________________
Telhas de ferro.
Na ra do Crespo n. 6, ha para vender
por precos muito razoaveis um grande sor-
timento de telhas de ferro galvanisdo, de
diversos tamanhos para cobrir casa e te-
lheiros que alera de ser mais barato do
j que as telhas de barro e aformosear mais
i qualquer obra muitojnais Kmpo.
60RA DA IMPERATRIZ60
DE
J
&
Neste grande estabelecimento encontrar o respeitavel publico, uiu grande sortimento de fazendas, do mais'apurado costo assnH^T h
, utra qaalquer parle, visto que os novos socios desta firma adoptaram o systema de s vennderem lMli:iflO nara nXfvpSr JTl ? a pnme,ra nece:;sidade <1 se lnes promette vender por precos muito mais baratos do que
o podero fazer os seas sortimentos pelos mesmos precos que comprara as casas estrangeiras. Para"maior commodidade das EimaTfimiiiaa SvJJTTSJPSM. an?rem descont. As pessoas que negociara em menor escalla, nesta loja
escolher.
Organdy branco com listras lar-
gase quadrinhos, a vara a 40OO.
Todas estas fazendas, sao inteira-
mente novas e se vendem muito em
conta, ra da Imperatriz n. O,
loja e armazem de Silva e Figuei-
do & 0.

Vi TAS NOVIDADS *lg
O PATIO
BONITAS FAZENDAS PABA A FES-
TA DE
> N TO ANTONIO, S. JOO F. S. PEDRO.
VciJom-se as mais lindas poupeli-
\ i de linho e seda com os gostos
a este
de....
.;: novos que tem vindo
merca-lo, pelo barato preco
iOO o covado.
S-'1 -: listradas, de l'urta euros, fn-
teadas de muita phantasia a 25000
0 i ..Jo.
S'da oismark, larga fazenda muito
paco; jda o covado a 2^500.
Be las lasinhas largas com palma
!ie 1j, covado a 15000,
Lindas agraciando lavradas covado
liftOO.
AJpaeaf lavradas de todas as c6-
ros, ovado a CIO, 800 c 15000
:*-"itas lasinhas escossezas com
ims e litras de seda, covado a
CROCHE'S PARA CADEIRAS E SOFA'S. JGROSDR.NAPLES PRETOS DE H600 AT 7*000 CHAPEOS DE SOL DE SED\ A 105000
O Pavao tem um grande sortimento dos Na loja do Pavo encontra o respeitavel
as fazendas se dio os livros das amostras, ou "se mandam levar em'suas casas, para melhor po-
640, 800 ft
.
.
i':;ms ilpacas lisas, seado cor bis-
iyrie, verde, roxo, cinza, can-
h azul etc., covado a 640.
EHws furta cores com as mais bo-
ores, covado 503 rs.
Lr! i> bareges lisas, e com lista
. mesma cor, fazenda inteiramen-
1 i -va. covado a 560 e 640 rs.
litas lasinhas tapadas etrans-
P ivnU'S comgraqde diversidade, o
Civi tu a 600 rs.
La*< ;!iiias lustrosas com lindas c6-
r-a i eraitacSo de seda, o covado a
Jados cortes de anadine, sendo
f z-;" a nova e transparente e de
finita puantasia, com 18 covados a
155000.
F'nissimos crtes'de vestidos bran-
cos bordados com todos os enfeites
francezes a 125000.
Cuites de ganga indianos, fazenda
tato ramete nova a 75000'
Ditos chinezes com duas saias a
75000.
Ditos de la escossoza fazenda mui-
tn o nin com nos de seda a 750*0
Finsimos organdyseom lista de
cor e salpico, sen Jo fazenda de
muita phantasia, o metro 15280.
i
de 125000 rs. cada um, pechincha.
CASEMIBAS ESCOSSEZAS.
O Pavo tem bonitas casemiras escosse-
zas com quadros grados e midos e outras
lisas com listras ao lado, sendo fazendo
muito tina que se veude mais barato, por
haver grande porco.
COBTES DE CASE IRA PRETA A 4:500,
O Pavo tem os superiores cortes de ca-
semiras pretas enfeitadas pelo barato preco
de 45500 rs. o cort,
CASEMIRAS RASPADAS A 800 RS. O CO-
VADO.
O Pavo Teade excellente fazenda de pura
la com as cores escuras muito proprias
para calcas, palitots, colletes 'e roupa para
meninos que frequentam a escolla por ser
urna fazenda leve, escura e de muita dura-
Cao, pechincha a 800 rs. o covado ou a
25800 o corte de calca para homem.
FINAS BABGES A 640 BS. O (.OVADO.
O Pavo tem as mais lindas bareges de
la sendo meias transparentes, com urna
s cor, tendo : lyrio, azul, rosa Bismarck,
roxo, etc., tendo muito boa largura e liqui-
da-se por 640 rs. o covado, por se ter fei-
to urna grande compra, assim como ditas
mais estreitas de urna s cor com listras
imitaco de seda a 560 rs. o covado, e pe-
chincha.
PECAS DE MADAPOLAO A 35500.
O Pavo vende pessas de muito bom
madapolo, tendo 12 jardas cada urna, pelo
barato preco de 35500.
PECHINCHA EM ALGODO A 4*000 RS.
O Pavo est vendando pecas de algodo-
sinho francoz, tendo 4 palmos de largura e
cora 11 metros cada peca, pelo barato pre-
de 45000 rs.
CRA DE CARNAUBA.
Vende-se soperior cera de carnauba em
saccas, mais barato do que em outra qual-
quer parte, na ra da Imperatriz n.|60,
loja do Pavo.
OS SETINS P-0 PAVO
. Vende-se es mais bonitos setins de cores
e mais encorpados, proprios para vestidos
tendo de diversas cores.
mais bonitos crochs" para cadeiras, sofs
mesas, almofadas etc., proprios para co-
brir presentes e vende-se mais barato do
que em outra qualquer parte.
AlgoMo eafestade.
Vende-se urna grande porco de algodo
sinho americano com 8 palmos de largura,
proprio para lences e toalhas, tendo liso e
trancado, que se vende por preco muito em
conta.
LAS ESCOSSEZAS
LAS ESCOSSEZAS
LAS ESCOSSEZAS
A 560 rs. o covado.
Chegou para a loja do Pavo, o mais
elegante sortimento das mais lindas lazi-
nhas escossezas eora fios de seda, as quaes
fazem o mais delicado effeito, para vestidos
de duas saias, e vendem-se pelo baratissi-
mo preco de 560 rs. o cOvado.
SEDAS DE LISTA
SEDAS D" LISTA
SEDAS DE LISTA
publico um grande sortimento degrosde-l r O Pavo fez urna grande compra de cha-
naples pretos de todas as larguras e qua-' P)s de sol de pura seda, inglezes, com as
a 25000 o covaio.
Chegou para a 1 ja do Pavo um grande
e bonito sortimento das' mais lindas sedas
de listas com as mais deseadas cores, tendo
entre ellas algumas quaserven para lato, e
vendem-se pelo barato preco de 25000 o
covado, pechincha.
FAZENDAS PABA LUTO NA LOJA PAVO
Encontra o respeitavel publico neste es-
tabeleciraen'o um grande sortimento de fa-
zendas pretas, como sejam cassas france-
zas e inglezas, chitas pretas de todas as
qualidades, fazendas de la de toda que
tem vindo, proprias para lulo, sendo lasi-
nhas alpacas lavradas e lisas, canto, bom
basinas, merinos etc. que tndo se vende
por preco barato.
PARA BAPTISADOS
Na loja do Pavo vende-se bonitos en-
chovaes para baptizados.
Cortes de casemira a 45000, cada um.
Vende-se booitos cortes de casemiras
claras e escuras pelo barato preco de 45,
ou a 25400 o covado, tendo duas larffaras'
COBTINADOS PARA CAMAS E JANELLAS
de 85. 105, me 165000.
lidades, tendo de 15300 o covado at 75000
e 8500:), que se vende por preco muito
em conta.
CASSAS FRANCFZAS.
Chegaram para a loja do Pavo as mais
lindas cassas francezas com delicados pa-
drees, tendo para todos os precos e quali-
dades, dando-se todas amostras, assim como
um Bonito sortimento das mais lindas chi-
tas francezas escuras e alegres, que se ven-
dem muito em cnta, e tambem se do
amstras.
CHITAS A 240 BS.
Na loja do Pavo vendem-se bonitas chi-
tas francezas claras e escuras e cres|fixas
240 rs. o covado, e pechincha.
LASINHAS A 320.
LASINHAS A 320
LASINHAS A 320.
Na loja do Pavo vendem-se elegante sor-
timento das mais lindas lasinhas lustrosas,
com listrinhas a imitaco de
haspras parago, sendo neste genero os
melhores que tem vindo ao mercado, e li-
quidam-se cada um pelo preco de 105000.
ROUPAS PABA IIOMENS PABA TODOS
OS PBECOS.
N'este grande estabelicimento encontrar
o respeitavel publico um grande sortimento
de roupas, sendo palitos e sobrecasacos de
panne preto e cazemira, calcas e coletos de
brim branco e de cores, qoe tudo se vende
mais barato do que em outra qualqaer parte;
assim como um grande sortimento de ca-
rnizas francezas e inglezas, e ceroulas tanto
de linho como de algodo e abundante sor-
timento de meias cruas.
VESTIDOS INDIANOS COM DUAS SAIAS.
O Pavo vende urna grande porco de
cortes de vestidos indianos, tendo duas
saias e tendo bastante fazenda, com os gos-
poupelinas d Y*}* ntovH qUV' Vndo' e 1qa,|a'Se
seda e com as cores mais lindas que tem 5*J0'tendo Mda um seu competente
ALPACAS LAVRADAS A
1,000 RES,
Chegou para este grande estabelicimento
o mais bonito sortimento das mais moder-
nas alpacas lavradas de todas as cores, que
se vendem a 15, 800 e 640 reis o covado,
assim como um grande sortimento de alpa-
cas lizas de todas as cores
V
Basquinas.
Cbegaro as mais modernas basquinas
ou jaquetinhas de seda preta, ricamente
enfeitadas a vidrilho, tranca e setkn preto
tendo de todos os modellos, os mais novot
que tem chegado e vendem-se por preeoe
muito razoaveis.
CASEMIRAS MESCLADAS A 35 0 COVADO
m as cores mais nnaas que tem -,:_,.
vindo ao mercado, sendo fazenda qoe vale ricifuri
muito mais dinheiro, e liqaidam-se a 320
rs. o covadb, pechincha,
PEcmnrcHA
EM CAMISAS DO PAVO A 45500 RS.
Vende-se um bonito sortimento de moito
finas e modernas camisas inglezas com pei-
to e colorinos de linho e puahos, pelo
baratissimo preco de 45500 rs. cada urna
e aos freguezes que comprarem mutas se( Na loja do Pavo manda-se fazer qualquer
me far um abatimento. garantindo-se que peca de obra a voatade do freguez, para o
e fazenda que vale muito mais dinheiro, qae tem um perito alfaiat, respoosabelisan-
nquida-se por esto preco por se ter feito do-se os dooos do estabelicimento por qual-
uma grande compra : assim como se, vende qner falta que posea baver, quer per de-
um bonito sortimento de ditas tambem com mora, quer por qualquer defeito oa obra;
pedo de linho bordadas e ditas de algodo e para iste-- encontra o respeitavel publico
para todos os precos. um grande sortimento de todas as fazendas
PANNO PARA SAIAS A 15000, 15280 e qae desojas.
POUPELINAS DE SEDA
POUPELINAS DE SEDA
POUPELLNAS DE SEDA
a 25000 o covado.
O Pavo acaba de receber o mais ele-
gante sortimento das mais lindas verdadet-
ras poupelinas de linho e seda com os pa-
drees mais delicados que tem vindo ao mer-
cado, tendo entre ellas cores proprias para
alliviar luto, e vende-se pelo barato preco
O Pavao,tem para vender bonitas case-1 de 25000 cada covado, pechincha.
miras mescladas e bastante encorpada para
roupa de homens e meninos pelo barato
preco de 35'00 cada covado 'ou 5500o o
corte de calca para homem-
Roupa por medida.
Cambraias brancas
BRAMANTE A 1800.
sortimeato dos bonitos e ricos cortinados 'cada saia pecqtacha"
bordados, proprios para camas e ianellas, Vestido brancos st 19AOOO rs.
qae se vendem de 85000 o par. at o mais O Pavo vende finissimos cortes de ves-
Dow barato q^e era outra qualqaer parte. I das e cont muita fazenda pelo barato DreCo' do barato Wo de S 7 8Wo"
A loja do Pavao esta constantemente aberta, das 6 horas da maahaa s 9 da nonte
15800 RS.
Ven1e-se bonitas fazeadas |proprias-para
saias sendo coaj bordados- e pregas i um Vende-se'superior bramante com 10 pal-
lado, dando a largura d* fazenda o Com$'ri- mos de largura, proprio para lences, dan-
Jlqnto da saia o vende-se pelo barato proco do a largar* d'esta boa fazenda o compri-
de 15000,152.80 e 15600, cada metro sen- ment do Mogol, sendo occiso para cada
- um apeoa* i 1/2 metros ou 1 el/4 pe-
chincha pelo preco.
E9PARTILH0S A 5*000.
Vende-^jam bonito sortimento dos me-
lhores e mais "modernos espartilhos tendo
uiegou para a loja do Pav5o nm grande .do preciso apenas 3 ou 3 1/2 metros para
rtimentO (JOS banitOft P. ricna mrti>,Jn. rvli .;. i___u:__u. '
Vende-se um grande sortimento dis me-
lhores cambraias tanto victorias como Uan
parentes tendo de 35500 peca at a mais
fina que vem ao mercado.
CAMBRAIAS BRANCAS A 4*000, A PECA.
S o Pavao vende pecas de cambraia
branca transparente, tendo mais de vara do
largura, com 10 jardas cada peca, faieeda
que sempre se venden a 75 e 85000, liqoi-
da-se pelo barato preco de 45W0.
CHITAS FINAS DE 320 A 800 RS.
Vende-se o mais elegante sortimento da
mais modernas e bonitas chitas tanto mui-
das como gradas, com cores claras e es-
curas, dando-se de todas amostras.
FUSTES BRaNCOS A 640, 800 E I JV
Vende-se muito bonitos fustes brancos
muito flexivel proprios para vestidos do
senhoras e roupa para meninos e vende-so
a 640, 800 e 15200 rs. o covado.
Cassas a 4# rs.
0 Pavao est vendeado bonitas cassas dt
cores fias a 240, 280^ 300 rs. o cevado

.
\
i
r
!



'
I

I
Diario de Pernambuco Sabbada 11 de Juuho de 1870.
=
-n~*-----
<;ii wmm

A RA DA IMPERATRIZ tf,
Esquina da ruada Aurora, era freirte do caf Iniperatriz.
-.; N'*6tei"^ e mpuwtjo esiabeleciment de fajeadas eocootraro as Cimas.
OmliK tudo quaat.. poswn desear, tanto un arUgos do i> rigoroso luso, como em todas
mais (juaiidattes de^azenda*.
.!- ~,AlW *M *?*'Provido do que de meJaor so ttcontra neste mercado,
SfmS^ Pfquetes da Europa, racebem directamente o jue ein anuos de moda e
SifdnK.^"? se4fc?ntra e,u[,aris- 1ue ^ cadadia aogmeotar s propor-
oe deque dispoe esteestabeleumeato para bem servir sua uumwbaafreguezia.
JPS^W f"a leaciie8 e toalhas de Gase c aas as qualidades que costuma vir ao mer- da inteiramente nova para vestidos de baile.
,' Aa BJ Grvalas para senhoras. e bornens, o mais
Amaws de todos o$ padres e qualida- completo sprioeolo que se pode deseiar.
* T var,adas **? se nao podem deserever. Guipure preto e branco, diversas larcu-
AiDuns com msicas para collocar retratos, ras e diferentes gostos
tcado presente para qualquer pessoa de ( Gollas e punuos bordados para seqhoru.
ItL'ika^ a iLa, a, Guardanapos de linho pequt,o5 e gran-
Atoalhado de bobo e algodao, branco e de<
-le cores propios para toalbas. i Gorguro de seda preto e de cores..
r ,;, a. J233 -. J Grosdenaples preto e de cores, oaven-
*H*M de seda pretas e mudo moder- do tersas qualidades e gostos.
aas, bem como de crochet, ludo de apurado ^ 8
OB.0i7Lf^!10' a I JaPonezes para seaoras, o melbor gos-
Baloes de musse(jM, mndapoSo, brancos to, efazenda propria para as festas nosar-
sQoaodo a GIJ1A BKRNCA, mais precisa scientiScar ao respeitavel publico em
geral, e em particular a sua boa freguezia, lia immensidado de objectos que Hltimamen-
te tem recebido, e JHStamenteJqoaQdo ella meos o pode azer e porque essa fajla invo-
lootana ella confia e espera ja benevolencia de todos que lh'a attenderao e relevarao,
continuando portento a dirigirem-se a bem conbecida leja da AGUIA BRANCA roa do
Queimado n. 8, onde sempre acfaarao abundancia em sortiment de superioridade em
qualidades, modicidade em presos eo seununca desmenttido AGRADO E S1NCERIDADE.
Do que cima fica dito se conhece que o tempo de que a AGUIA BRANC V pode
dispr, empregado apezar de seus cusios no deserapeobo de bem>eervir a aquellos que a
bonram procurando prover-se em diu loja do que necessitam, entretanto sem ennume-
wr os objectos que por sua natureza sao mais conhecidos ali, ella resumidamente indi-
car aquellos coja importancia, elegancia e novidade os tornara recommendaveis, como
bem seja
de cores, para senhora e meninas,
Bareges de cores variado sortiment.
Babadinbos ou tires bordadas em todas as
arguras.
Belbutina de tedas as cores.
Bolsas de tapete para viagem, grande
*ariadade de taannos e gostos.
rabaldes e passeios
a tarde.
Laazinbas de todas as quaiidades, cores
e gostos, nao ficando nada a desejar, tal
o sortiment que existe para escoluer.
Lencos, tudo quanio pode baver desde
esguio ao algodao cbmmum.
bombazina preta de todas as qualidades. Leques de madreperol e osso, o mais va-
Bramante de linho de i 1 palmos de lar- riado sortiment.
fura, e todas as mais qualidades. | Ligas d seda, bordadas, para senhora.
Bretanhas de linho e algodao, grande sor- Luvas de Jouvin, ebegadas por todos os va-
"SK'J ,. Pores' S8mPre novo sortiment, quer em
uriosae linho branco e de cores, do mais pellica para horneas e senhoras, quer emflo
nodo ao mais caro em qualidade, ailian- d'Escocia, brancas e de cores,
anao o que ha de melhor na especie. I rr-
Brins d'algodao complejo sorliraento e Madapolo; indescnptivel o grande sor-
'-ariedade de pre^s. (ment que ha ueste genero, desde o mais
_ (3S. elevado preco ao menor, que se vende em
ussas de ^res, o maior sortiment, pri- peca e retalho por menos do que em ou-
aiando pelo bom gosto e barateza, atientas tra qualquor parle.
* qualidades. Mantas de blonde para noivas: o apurado
uisDraias brancas, tapadas, e U-ansparen- gosto dos nossos correspondentes em Pars
es de todas as qaahdades e preces. habilita-nos a dizer que temos em nosso
lamismnas de cambraia de linho e cassa estabelecimento o que de melhor se desc-
ordadas ricamente enfeitados para Sras. ja para vestir e ornar uta noiva.
Camisas para hornera e meninos, to va- Mantas pretas de blond,
Corpinhos de cambraia, primorosamente
enfeitados cora fitas de setim e obras essas
caja novidade de molde e perfeic5o de ador-
nos os tornam apreciados.
Fitas moi largas de diversas cores e qua-
lidades para cintos.
Leques uesse objecto muito se poderia
dizer querendo descreve-los minuciosamente
por suas* qualidades, coree e desenhos, tal
o grande e variado sortiment que acaba
de chegar, mas para nao massar o pretn-
deme se lhe apresentar o que poder de
melbor.
Entremeios em pecas de 42 tiras.
Guipare branco e preto de diversas qua-
lidades e desenhos.
Ditos de algodSo com flores e lisos.
Capellas brancas para meninas.
Grandes sortiment de flores finas.
Fil de seda, preto.
PERFUMARA
Grande e constante sortiment de dita,
sempre melhor quajidade.
Lindos vasos com p de arroz e pinsel,
Caixjnbas com ditos aromticos.
Bonitos e modernos peates domados
para circular o coque.
Bonitos brincos de plaquee.
Aderccos e brineos de madreperolr.
Caivetes finos para abrir latas.
Thesoaras para frisar babadinbos.
Aspas para balSo.
Novos stereoscopos cora 48 vistas,
quaes s5o movidas por ura machmismo
as
Veos de seda para chapelinas e monta-'amas sobstitaem as ontras.
na.
Meias de seda .para noivas.
Ditas abertas da fio de Escossia.
Costumes ou uniformes para meninos.
Enxovaes completos para baptisados..
Touquinhas de fil, sapatinhos bordados
e meis para ditos.
Camisinhas bordada para ditos.
Vistas para stereoscopos.
Bonitas caixinhas de vidro enfeitados com
pedras.
Ditas de nsadeira envernisada com vispo-
ras .e com dminos,
Bollas de borracha para brinqaedo de
enancas.
Diversos objectos de porcelana, proprios
para enfeites de mesa e de lapinhas.
S08TIfe COMPLETO
AKjWAZEXS
NOS GRANDES
E YMH EI11IOS
lado sortiment que vai do mais ordinario
adapolao ao mais perfeito bordado de li-
Camisas de meia, de Danella, braneas e
fc cores para homem.
Casemiras pretas e de cores, o melhor
rae se pode imaginar, sendo d'isso a me-
toor prova o grande consummo dellas na
efficina da casa.
Capellas de flores, para noivas e bailes,
esde a mais candida flor de larangeira at
mais interessante grinalda.
Chapelinhas no melhor gosto,de todas as
cres hoje preferidas pelas senhoras de
mais apurado rigor na moda.
Chapeos pretos de velludo, para senhoras,
sitio gosto de Paris.
Chapeos de sol, para senhoras e homens, [ gosto.
e^ tedos os presos e variados gostos.
Chaly com ricos padres para vestidos.
Chalos de todas as qualidades, avultado
Gomero e tio menos variedade de gostos,
Chitas, impossivel descrever o sortimen-
"j e variedade de padres e novos gostos,
u neste artigo tudo quanto se pode desejar.
Cintos para senhoras o que se pode ima-
Ciaar de melhor.
Coques, o melhor no gosto e nos entei-
es, varios tamanhos.
Colchas de seda cem borlas, o mais apu-
'do gosto e lavor.
Ditas de fusto branco e de cores por
r-recos commodos.
Corpinhos do cambraia, ricamente borda-
dos para senhoras.
Cortinados de cambraia bordados e de
f !,o que de melhor se pode desejar.
Colarinhos de linho bordados e lisos, o
maior sortiment.
ED
Damasco de 15a de 9 palmos de largura
'indas cores e ricos padres.
OI
Espartilhos brancos e de cores, para se-
thoras e meninas, j> melhor neste genero ;
oeahuma Sra. deixar por certo de muir
e de to precioso auxiliar perfeicao de
:m corpo delicado.
Entremeios bordados.
Escomllba preta.
Enleites para cabeca, ultima moda de
Paris, recebida no ultimo paquete.
Esguio de linho, completo sortiment de
.dos es nmeros.
Fitas largas escocesas para cintos, varie-
ade de gostos e lindos padres,
Fishs de crochet, modernos com cintos
capas, o que ha de melbor.
Fil de seda, linho e algodao, de todos
es gostos e padres.
Fusto do todas as cores e qualidades
pande sortiment.
Flanella branca e de cores.
Mantas para cqrros, com lindas, pinturas.
Marinos pretos, trancados e lisos.
Musselina branca e de cores, lindos e va-
riados padres.
Pannos pretos e de cores, desde o mais
barato ao mais superior, por preco muito
commodo.
Pannos de crochet, para cadeiras e sofs.
Ditas de casemira muito finos para
mesa.
Peitos borflados de linho, lisos e de al-
godao para camisa.
Princetas pretas e ^e cores.
Popelina do seda e linho, com listras e
flores; fazenda lindissima.
Pelherinas para senhoras, do ultimo
Perfumaras ; os mais finos extractos o
que de melhor e mais agradavel se pode
encontrar neste genero, e de mais fragante
e suave no olphalo, tem o PAVILH DA
AURORA, desde a verdadera agua Flori-
da at o mais fino Bouquet dAnour, final-
mente tudo quanto deve oceupar o touca-
dor de urna senhora de gosto.
Salas bordadas, brancas, lisas e de cores
com folhus e sem elles, o melhor possivel,
Sahidas de baile, de todas as cores.
Sedas pretas, de quaaros, avradas, lisas,
de listras de todas as cores e qualidades e
o mais barato possivel.
Sargelim de todas as cores e qualidades.
Tapetes grandes, lindas pintaras para 8
cadeiras, mais pequeos e de todos os ta-
manhos desejaveis, e em peca para co-
vados.
Toalhas de labyrintho, do maior e mais
fino trabalho ao mais barato.
Toalhas de linho e algodao de todos os
tamanhos, lisas e felpudas.
Tarlatana branca com palmas e de cores,
fasenda muito nova, e gostos delicados pro-
pria para baile.
Vistuarios bordados de fusto brancos e
decores para meninos, de cambraia para
baptisados, o que de melhor tem vindo a
este mercado.
Vestidos do la escoceza de saias,
novidade pelopadro, gosto e forma; ditos
de linho com barras de cores, e de cam-
braia de cores com 2 saias, tudo inteira
novidade, trazem os modellos juntos para
mostrar a forma de os fazer.
Veos de blond para noivas e pretos para
luto.
Vestidos de blond para noivas: podemos
asseverar as nossas Exmas. freguezas, que
somos os nicos em Pernambuco que pode-
mos offerecer ao Ilustrado publico, o mais
apurado gosto em semelbante materia, gra-
CONSERVATIVO
N. 23Largo do Ter^o.N. 23.
DE
S1MA0 DOS SANTOS ir f, i
PROGRESSO
10 Pateo da Penba 10
DE
SAUTOS & FERR IR .
Os pi oprietanos destes bem sortides armaztns participara aos seus innmeros
freguezes tanto desta praoa como do matto que tendo feito grande diioinuico- de pre-
Cos as suas mercadorias esto por isso resolvidos a vender por menos de 10 e 20 i0,
do que ex oulra qualquer parte, garantindo-se portanto a s perior qualidade de qual-
quer genero comprado restes dous estabelecimentos. Mencionamos alguns dos nossos
gneros e a vista destes sao comprehendidos os outros, porque enfadoaho -seria men-
cina-los.
Se alguem duvidar venha ver.
Gaz americano marca Deves a 8800 a
Flores, o que ha de mais rico, quer cas ao bom gosto do nosso fornecedor en
toltas, quer em ramos, tem o PAV&HaO Paris, podemos garantir que ningaem oeste
DA AURORA am permanente jardim a genero o possue melhor, nem mais em
Oisposico das Exmas. familias. conta.
E' dispondo d to grande e variado sortiment que os proprietarios do PA-
TILHAO DA AURORA se apresentam ao publico declarando desde j que a siacerida^
4e e o bom gostoo movel nico de seus negocios.
Prvidos de tudo e promptos sempre a prover-se do que por ventura lhe
aeja necessario, os proprietarios deste somptuoso estabelecimento recommendam-se
em receio de seren cootradictos e protestam esforcar-se por continoar a merecer
proteco que se Ihes tem dispensado ; certos de que do seo estabelecimento nSo sabira
o reguez descontente.
Contina sempre a officina de alfaiate dirigida por um dos mais habis arua-
cas, prompto execotar com promptido e bom gosto qualquer trabalho que loe seja
confiado. Urna modista especialmente oceupada nos trbaihos do PAVILAO ftk AU
&ORA, duige os que loe sao conceroeates, garante porseu apurado gosto e prometilo
oa eoeoucao e a mais completa perfeicao nos seos trabaihos.
A numerosa freguezia que nos honra uma prova de queanerecemo* o^o-
cejtflue ae ampoosai ao nosso estabelecimento, conceito que procuraremos firmar tuto
vez mais. Para facilitar atada a concecuco do fim que ooe propomos, temoiaonesso
stabeiecimento os altrajos.figurmos de Paris, que recebemos por todos os paquetes, os
tcaes enviaremos para.^ecom.vistos as familias nossas freguezas, afim de escoloerem,
com ) .padro da (azenda o gosto na forma.
Na officioa de alfaiate, junto ao estabelecimento, ha igualmente os figurioeo
sarrnomens que por todo* os vapores se recebem.
este o modo'porque nos apresentamos pedindo a proteccao do lulr*do
.aaoco e com o m protondo respeito convidamos s exceentissimaa Sras. a is
tarem o nosso esUboieciotento,. certas do encontrajem peUe pelo menor proco j^ossive-
Mandaremos eaixeiros levar as fazendas e amostras onde uesLoedidM. nato
lio podernos oepotffcar todo quanto temoT^ ^ wmf>m. w|
Jjooluiz, SobrutAo & .
Aborto das 6 s 9 horas da noite.
Vinagre branco mandado vir por conta
propna vindo de Lisboa, a 320 a garrafa e
480 o litro.
dem tinto Figueira, Lisboa e Porto a
320,280, 240 e 200 rs. a garrafa e 480 300
rs. o litro.
Vintao Figueira, -Lisboa, Porto e Ertreito,.
a 560, 500 480 e 400 a garrafa litro a 840 "ra klloGT animo a 480
7t0,720e600. --------."T,rt
Vinho branco puro de Lisboa a 640 560
a garrafa, era porcao ha abaiimento.
Vinho do Porto, engarrafado das raelho-
res e mais acretadas marcas a l 5000 e 1)5200
liJoOO e 20 a garrafa.
dem Rordeaux, Medoc e St. Julien a
70500 e 6)5500, a duzia e 640 rs. a garafa.
Genebra de Hollanda e laranja doce aro-
mtica a 65500, 75, 11)5500, a frasqueira.
Serveja -Bass, Illers Bell a 9800 du-
zia em porcao ha grande abaiimento.
dem marca H e T e outras marcas a
55500 e 6)5, a duzia e 500 rs. a garrafa.
Assim como ha outros muitos
lata, 380 rs. a garrafa e 560 o litro.
Azaite doce de Lisboa a 900 e 10000 a
garrafa em porefp faz-se grande abaiimen-
to.
Caf em carteo a 220, 240 e 2^, a li-
540 e 600, e
70000, 70500 e'80800 arroba.
Milbo alpista 200 rs. a libra e 440 o ki -
logramma e 50800 a arroba, em porgo ha
abatimento.
Queijos frescos do ultime vapor a 30200
e 30400 cada um.
IaQJIJL
po
GALLO VIGILANTE
IIua do Crespo n. 9
Os propri^iaris desie bem conhecido estabele-
cimente, alin dos muitos objectos que tinham ex-
postos a apraciacao do respeitavel publico, man-
daran! vir e acabare de roceber pelo ultimo vapor
da Europa um completo e vanado sortiment de
finas e mui delicadas especialidades, as quaes es-
tao resolvidos a vender, como de seu costume,
por procos muito baratinhos e commodos para to-
dos, com tanto que o Gallo....
Muito superiores luvas de pellica, pretas, bran-
cas e de mui lindas cores.
Mui boas e bonitas gollinhas e punhos para se-
nbora, neste genero o que ha de mais moderno.
Superiores pentes.de tartaruga para coques.
Lindos e riquissimos enfeites para cabecas das
Exmas. senhoras.
Superiores trancas pretas e de cores eom vidri-
Ihos e sem elles; esu fazenda o que pode haver
de melhor e mais bonito.
Superiores e bonitos leques de madreperola,
marftm saudalo e osso, sendo aquelles brancos
com lindos desenhos, e estes pretos.
Muito superiores meias fio de Escossia para se-
nhoras, as quaes sempre se venderam por 3ff000
a duzia, entretanto que nos as vendemos por 20,
alera deslas, temos tarabem grande sortiment de
outras qualidades, entre as quaes alguraas muito
finas.
Boas bengalas de superior canna da India e
castao de marfim com lindas e encantadoras figu-
ras do mesmo, nesle genero o que de melhor s
pode desejar ; alera destas temos tambem grand<
quantidade de outras qualidades, como sejam, ma-
deira, baleia, osso, borracha, etc. etc. etc.
Finos, bonitos e airosos chicotinhos de cadeia e
de outras qualidades.
Lindas e superiores ligas de seda e borracha
para segurar as meias.
Boas meias de seda para senhora e para meni-
nas_ de 1 a 12 annos de idade.
Navalhas cabo de marfim e tartaruga para fazer
barba; sao muito boas, e de mais a mais sao ga-
rantidas pelo fabricante, e nos por sotas vez tam-
bem assegurams sua qualidade e delicadeza.
Lindas e bellas capellas para noiva.
Superiores agulhas para machina e para crox.
Linha muito boa de peso, frouxa, para encher
labyrintho.
Bons baralho? de cartas para voltarete, assim
como os tentos para o mesmo fim.
Grande e variado sortiment das melbores per-
fumarias e dos memores e mais conhecidos per-
fumistas.
COLARES DE ROER.
Elctricos magnticos contra as convulsSes, e
fa^iiitam a denticao das innocentes criancas. So-
mos desde muito recebedores destes prodigiosos
collares, e ontiauamos a reoebe-los por todes os
vapores, alan de que nunca fallera no mercado,
tomo j tem acontecido, assim pois poderlo aquel-
les que dilles precisaran, vir ao deposito do gallo
vigilante, aonde sempre encontrarlo destes verda-
deros eoHare, e os quaes attendendo-se ao fim
para que sao appcados, se venderlo com um mui
diminuto lucro.
Rogamos, pois, avista dos objectos que deixamos
declarados, aos nossos freguezes e amigos a virem
comprar por precos muito razoaveis loja do gallo
vigilante, ra do Crespo n. 7.
Rival sem segundo
RU.A DO DUQUE 1)K CAX1A? N 19
Estcu disposto a continuar a vender todas
as raindezas pelos baraii.ssim.os precus abal-
lo declarados, garantindo tudo bom e pro-
cos admirados.
Pacote com 20 quadernos de pa-
pel amisade a......
Caixas cora 20 cadernospapel pau-
tado a........
Caixas com 50 novellos do linha"
do gaz a....., .
Duzias de meias cruas superior
qualidade a.......
Pecas de bbadinhos c.im 10 va-
ras a.........
Pecas de liras bordadascom 1^
metros cada pea a 15500 e.
Pecas de litas para cs de q* al-
quer largura com 10 varas a.
Escovas para unhas fazenda lina a
DilM para dentes a 240, 320,
400 rs. e....., .
Pecas de tranca isas, brancas e
de cores a.......
(aixinhas de madeira rom aliine-
toa fazenda superior a. .
Duzia de linlia frxa para borda-
dos a 160 rs. e.....
Pares de meias croa* paramoai-
nos diversos tamanhos a. .
Duzias de meias brancas muito
linas para senhora a. .
Pares de sapatos de Iraofa do
Porto......".
Pares c'e sapatos de tapete a. .
Livrns de missa abreviados. .
Duzias de baralhos para voltarete
Sylabarios porluguezes a. .
Redes com cotilas mnito boa qua-
Cartoes com colxetes 2 carreras a
Abotoaduras para colltte diversas
qualidades.......
Caixas com peona de ac muito
boa de 320 a......
Duzia de linha 200 jardas Alexan-
dre de 40 a 200 e, .
Caixas com superiores obrejas a.
Duzia e agulha para macnina a.
Libras de pregos francezes todos
os tamanhos a......
Talheres para meninos a. .
Pares de sapatos de tranca para
meninos ..,.... 15i>\>
500
700
400
3,5600
500
2f000
500
500
500
40
400
500
320
4,5300
200!)
I 500
15K0:
3^000
400
20
40!)
500
i 201)
40
25000
240
320
CEMENTO
O verdadeiro portland. So se vende n
ra da Madre de Deus n. 22, armazem d'
Jo3o Martin de Barros.
Aletri, macarro, talhanm a 500 rs. a
libra e, 1)5100 o kilogrammo em caixSo ha
abtimento.
Sabo massa de Ia e 2a qualidade a 220
e 240 es. a libra em caixa ha abatimento
Toucinbo de Lisboa muito alto a 400 rs.
a libra e 880 o kilogrammo, em arroba ha
grande differenca.
gneros, vinho em ancoretas, azeitonas,
passas e figos, charutos finos do diversas marcas, marmelada, bolachinhas de todas as
qualidades, perola, Francy-cracynel, a, b, c, Mdium, mixed, soda Fancy-nic-nac, pa-
lace de Varietes, combination, Britania, doce de gqiaba fina, cbouri?as, manteigas finas
franceza e ingleza, banba de Baltimor, phosphoros de Sycuryt, Cognac, cha de diver-
sas qualidades, CaneUa, pimenta do reino, ervadoco, pomada, enxofra, breu, peixe
om latas de todas as qualidades, farinba de milho americana, grandes molhos de sebol-
las, nestes dous armazens existe tambem grande sortiment de loucas propnas para ne-
gocio, que pelos seus commodos preco faz vantagem aos compradores.
BAZA M H01A
-UA MVA-50
m
%
m
m
UMA PRENDA. Lindos objectos dourados de delicados gostos, proprios ' W para meninos, vende-seno BAZAR DA MODA.
9k BAPTISADOS.
Ricos chaposinhos de setim brancos, lindas toncas de fil
e setim, sapatinhos etc.
& ,. GUIPURE. Ou croch em pessa, branco e preto, com lindas ramagens e
^ qualidade muilo superior.
Pa*o camisas de homens, fazenda superior com doas faces, o
PUNHOS.
par 640 rs. (pecbiocba 1)
PERFUMARAS. Finos extractos para lencos, aguas de diversas qualida-
des, saboaetev, oleo*, pomadas, pos, tnico etc.. etc.
PERFUMES. Lindas caixiahas para lavas conteno ama prepara^ao em
que lhesd um agradavel aroma, por. 11500.
Grvalas, cintos, flores, plumas,-coques, trancas, fita3, bolees, bkosopen-
fes etc., etc., e muitos outeos arligos proprios do estabelecimento' vendeodo-se
tudo por commodos precos, no BAZAR!DA MODA, ra Nova n. 60, esquina da
im, de S Amare.
S Jas de Souza Soares St C.
Fazen das baratas :
10Ra do" Cabog10
CMt cbwb, cores #ejfnras, oovido 200
-Panno de Nono para lenfoes 900
Chales estampado, um 11400
Colxas adamascada, orna 21600
Gro.'denaple preto de seda, covado iSoO
Casia own safpleos e c*re?, vtr 560
Algodao patente, peca i000
.Ditotde lislrH 200
Cambraia para cortinados, com 20> va-
ras a pesaa ^000
Ua am .llctras'de sea, covado 660
Ditas com ditas, covado 410
tPaniMoOtaoMr
LEGTIMOS,
hgaram i roa daXadeia do Reeifeu 1.
Farwihi de mandioca
De Caravelas e Alcobaa,;-tftfi!a''hometnia ^
nal +4 Vsrra nova, M^oOi i>e etn Mro :
tfl^MftsertKorioafcMSUri Eahnew^k. .
utM Linda, DkHxt, Pastora t S. Md IT, anco-
--v jto caes do Ramos.
COM F4VIIHA
Ma Landelino vende saceos i tan faftalu lie
:: MiW'^Doquft.de Gw, tcasessa
Patitos tf'px a-340T9. a dnzia lie caixinhas.- .ba-
-' roa do Rasgal u. 39, taberna.
J cordeiro previdentt
Ra do Queimado a. 19.
Novo e variado sortiment de perfuman
finas, e outros objectos.
Alm do completo sortiment de perli
ataas, de que efectivamente est provida
loja do Cordeiro Previdente, ella acaba
receber um outro sortiment que se tora
Qotavel pela variedade de objectos, superior
dade, qualidades e commodidades de pn
fos; assim, pois, o Cordeiro Previdente pea
9 espera continuar a merecer a apreciapi
do respeitavel publico em geral e de sr
boa freguezia em particular, nao se aa>
.ando elle de sua bem conhecida mansidi
e baratera. Em dita loja encontrarlo c
preciadores do bom:
Agua divina de E. Coudray.
Dita verdadeira de Murray & Lamman.
Dita de Cologne ingleza, americana, fra
ceu, todas dos melbores e mais acreditado
fabricantes.
Dita de flor de larangeiraa.
Dita dos Alpes, e vilete para toilet.
Elixir odontalgico para conservado
isseio da bocea.
Cosmetiques de superior qualidade e ch
ros agradaveis.
Copos e latas, maiores e menores, coi
pomada fina para cabello.
Frascos com dita japoneza, trausparem
s outras qualidades.
Finos extractos inglezes, americanos
franceses em frascos simples e enfeitados.
Essencia imperial do fino e agradavel cha
'o de violeta.
Outras concentradas e de cheiros igual
mente finas e agradaveis.
Oleo philocome verdadeiro.
Extracto d'oleo de superior qualidad--
com escolhidos cheiros, em frascos de dift.
rentes tamanhos.
Sabonetes em barras, maiores e menor*
para mos.
Ditos transparentes, redondos e em figt
ras de meninos.
Ditos muito finos em caixinha para barb:
Caixinhas com bonitos sabonetes imitand
fructas.
Ditas de madeira invernisada costeado I
as perfumaras, muito propriaa para pr*
entes.
Ditas de papelio igualmente bonitas, tas
boa de perfumaras finas.
Bonitos vasos de metal coloridos, e 4
moldes novos e elegantes, com p do arre
e boneca.
Opiata inglesa e franceza para dentea.
Pos de campbora e outras differenti
realidades tambem para dentes.
Tnico oriental de Kemp.
Aloda mal coques.
Um outro sortiment de coques de n
?os e bonitos moldes eom filets de vidrht
B alguns d'elles ornados de flores e fita
?sto todos expostos i apreciaclo de qoa:
>s pretenda comprar.
GOLLINHAS E PUNHOS BORDADOS.
Obras de mnitogosto e pereicld.
Pivellas e fila para ciatos.
Bello e vanado sortiment de taes obj
ros, ficando a boa escolha ao gosto do coi
prador.
LA VILLE DE F.15
20Ra da ImperaInz20
Paria a- essa.
Acaba de chegar a esta noca ora laja >1< fu*
zendas finas um variadu sorlimenio 0e bzraila> de
laa e seda, como sejam : granadioes do 11 limo
gosto, popelinas de urna s cor, alpacas e lita&-
nhas de cores, o que ha d mais moderno, ludo
por baratsimos procos, brhaDlina- de cores, t-
cidos das indias, fazenda nova a imilacao cala, balees de dina fingalo saa de cor eom lin-
das barras, fustocs vroprins para vestlon e roupas
de meninos ; agora grandes e admira veis perln-
chas, saias brancas com Hadoa frisado- a 34. li-
eos corpinhos bordadus muilo ni'S a .':.j. baloei
modernos de reos a li, ricas colchas par rama
alcoclioadas. seno brancas e de cores. .1 :>s. 64
74, cambraia victoria tina a ."J, ditas traiispareD-
tes a3, 64 e "i.chilas finissimas escur. e claras
a 280, 300, -iW e 360 o covado, cassas de cores a
240, lencos blancos de cassa a 23'S()0. diti.- rbi
nczes a 34500 a duzia, madapolo :n.. a Ce.
64500, e muit* supen/T a "5, 74BO0 e 84, lgo-
daozinho largs proprio para lentes a 64, paaao
de algodao branco Iraucatlti prjpriu par* toaltian
de mesa a liiiOa vara, nram;iute pala lences a
23000 e 34500, o que ha de melhor. espuian li-
nissimo a 220O e 2ifl a vara. Haodauts as
casa? das Exmas. familias para melbor puderem
escolher. Tambem temos completo Mutimento de
perfumaras des pnmeiros fabricantes fraocezes >
nglezesj as pessoas que se dignaren) vir a esta
loja terao occasiao de recoaheeer a r que annunciamos para nos. jostilicar.
I OI^IS
Bichas hamburgnezas
Neste novo deposito recebe-se por todos-es pa<
quetes translanticos bichas de qualidade superior
e vendem se em eaixa ou prcio mais pequea,
e mais barato fleque em outra qualquer parte :
aa ra d Caflea do Recite n. 8!, 4*. andar.
Cabellos
Vendem se cabellos le todas as cores, qualquer
comprimento, qualidade 1 superior, em caixa oa
porcao mais pequaaa : nxiua da dfaeia do Re-
eife n. 51, i andar.
Sperier vmho Rordeaux
St. Estephe & St. Julien : na ra da Cadeia do
Recite numero 8.
Para auto Antonio, S. fo&.v< e
*. Pedro.
Na muo conhecida loja de ferrgens na na No-
va n. 39, de Souza & GuimarSes, aeha-se uui lin
do e variado aortmento todos os tagos arujl-
ciaes dosmelhores fabricantes u*esta eidadt-, con-
lenda rodinhas, pistolas de todos os tamanhos,
brancas e de cores, craveros, illuininac,;. .< c tra-
ques, etc.; assim como um lindissinio variad'
sortiment de fogos chinezes recentemc-nie ciiega-
dos, proprios para criancas, os quaes podem mi
soltados em salao. Avism mais que ex>t> lam-
ban urna grande quanfidade de sortes de : .'das a-
qualidades, como sejam, sortes com Ntampas, dila>
sem estampas, ditas em cartoes com perguola 1
resposta, ditas em livros, tudo por procos muito
commodos, que admira : na ra Nova n. 39.
Bilhar.
Vende-se um bilbar com todos os pertences :
ver e tratar na ra estreita do Rosario n. 11.
Grande pechncha
Na ra do Duque de Casias, antiga ra do
Queimado n. 49, vendem-se alpaca de todas as
cores e lavradas pelo preco de 500 rs., chitas de
bons pannos a 240 rs. ; assim como tem rios
cortes de cambraias bordadas de cores a 75OU0 o
corle com 10 varas, baralissimo.
ESCRAVOS FGIDOS.
Pugio no dia 11 de marca do rorrentc ann >
o eseravo Francisco, cabra, de idade 30 anuos.
rom os signaes seguales : cabellos earao rtio-,
rosto descarnado e com marcas de bexisa-, ntiii--
la-se ser vre, levou calca branca, paletot de al-
paca de cor, chapeo de chile, natoral da Parahy-
ba ; o mesmo foi CtHnprado ao Sr. Delmiro Au<
Maia, morador na Parahyba, e jnlpa se ter id
para o mesmo lugar. Desde j proles a-se contra
a pessoa que o tiver oceultado : e r'ga-se aos ca-
piaes de eampo, assim como s ao&ridadee poli-
ciaes que o tragam ra Direiu n. 16, que aerSj
generosamente gratificados,

Pugio do engealio Bem fm, regaeiif. 0a
Escada o eseravo de nome Doningos, o qual h
os signaes seguintes : falta da dentes nfrente,
ps inchados e com biehos, cmbaleia quando an-
da, alto, corpulento e tem urna marca d" fcrida
em um dos ps, idade de 45 a 50 annos. p rr< i-
to caxaceiro, trabalha em chapaos de prlha des-
confia se que yein para o Recite pela via frrea :
quem o aprehender e leva-lo ao dito ngenho,
ou ra Estreita do Rosario n. 47, em casa de
Rodrigues Almeida & C, ser generosamente
gratificado; assim como protesta-s contra quem
o icoitar.
Gratificbalo de 200*$
res.
Pugio do engenho Mandaruna Pan-hvl> o es-
eravo Cosme, crioule, de 35 a*aos>*> idade. alto
barbado, tem muitas marcas de beaiga no r.sto.
e muito ladino, quero o pegar e levar no refe-
rido epgenho, ou nesia cidade na praca d d'Eu n. *), ao-Sr. Jos Gamat-da Fonseca, lera
a gratifleacao cima.
Sanio de casa e nao volteo mais, no dia i:.
de maio 'prximo passado, o mtalo Jacob.-alto,
sewo do corpo, sera bsrba algurna, rabillos grn-
des usa de estrada, tem algnmas mar. a? de pan-
nos pele peacaeo, ten eflBcio de albiate, cwtuma
nlir rjatalr *l 91 aamos de ktat p>>uc->
bs oopellos. iQoaro o ^nratnoder leve-o
prica da Independencia n. 2, qde sera gfaUfi-
oado. ^

i%:


1" ''''
**
1
8
Diario de Pernambaoo
;8i i n .
Sabbado
...Wl.f
11 de Junho de
1 de
03 iJ
\
1870


ASSEMBLEA GERAL
CMARA DOS DEPUTADOS.
SESBAO ESI 27 DE MAIO.
Entra em "3* dwcusso o art. Io da pro-
posta do governo-nue fixa a forga naval para
o afino financi'iro de 1871 a 1872.
O Sb. Araijo Ges :Sr. presidenti1, pc-
;o perdo cmara para romper o silencio
e submeiler apreriagao de S. Exc. o Sr.
ministro da marrulla algumas considerara es
acerca da proposta snjeita a debate.
Sr. presidente, confrontando a proposta
com s lei em vigor, que de agosta do
anno passado. v se que ella copia litte
ral daquella lei, salva a parte em que exclue
ou elimina os arts. 3o e 4o.
Posto isio, pergunlo a S. Exc. o Sr. mi-
nistra da marinba: comotomar-se por nor-
ma urna lei votada sobre a presso e exi-
gencias da guerra para a proposta de urna
lei, que tem de vigorar em lempo ordinario
e de paz ?
En dosejava saber de S. Exc. se nao era
possivel, do alguma lrma, diminuir n5o
s o pessoal da armada, como o material.
Ojiando en fallo em diminuic5o de pes-
soal, nao me niliro aosofficiaes ; rehro-me
i marinhagem. aobatalho naval, aos impe-
rios inariiiheiros, ele
Dtsejava saber deS. Exc. se n5o era pos-
sivel tambera, diminuir o material da ar
nisda.
Lanzando a vista sobre o mappa respec-
tivo snnexo ao relatorio, v-se que lemos
77 navios de diversas classes, inclusive tres
ponios. Todos estes navios estao espada-
dos pelos diversos disti icios navaes em que
o imperio dividido, e em servigo fra do
paiz, no Paraguay, Uruguay, etc.
Cem a terminago da guerra parece-me
lin'gada a poca de fazer-se alguma reduc-
ro nesse material, porque, em estado de
paz, nos nao teremos necessidade de urna
armada em lio largas proporeoes.
No caso de S. Exc. convir em qualquer
dinamuieao do material da armada, pergnn-
to a S. Exc. qie destino dar a esses na-
vios que leera de ser desarmados ?
E por esta occasio perguntarei tambem
a S. Exc, se nao seria possivel vender al-
guns desses navios, que sejam alm das
I0SM8 necessidades, como succedeu nos
Estados-Unidos depois da guerra que lti-
mamente all bouve. Aqui, assim como
alli, poderiamos tentar a venda de alguns
D wios, quo nito fossem precisos. Em lem-
po de psz urna esquadra numerosa e forte
ser bastante onerosa ao paiz, e talvez mo-
tivo de cumies e receios aos nossos vi-
EiDbOT.
Compulsando o relatono de S. Exc. vejo
tambem que lia m grande deposito de
plvora, de cerca de 800,000 libras, no va-
lor de 400:0006, pouco mais ou menos.
Alm do perigo de um to grande deposito
de plvora ni lugar onde se acha, sabe-se
que um genero de fcil deteriorado, e
assim parece-me conveniente vender parte
dessa plvora, e distribu-la pelas provin-
cias.
Arora passarei consideragoes de outra
ordem. Eu disse no principio de minhas
observares que a proposta tifrtia eliminado
dous artigas da lei em vigor, os 3o e 4o.
O art. :'. autorisa o governo a conceder
carta de naturalisag5o a estrangeros em-
pregados no servigo da armada com dous
innos de praga ou com um anno de cam-
pana.
Reconhecendo S. Exc. em seu relatorio a
,'oita de pessoal idneo para o servigo da
armada, e as dilkuldades para obt-lo, ne-
cesariamente lia de concordar que o art. 3o
ta lei actual facilita, meios de conseguir-se
um pessoal as condiges desejaveis; a ni-
mralisago franca e fcil pode tornar-se um
poderoso incentivo para attrabir estrangei-
ros que procurem o nosso paiz. E.pois,
eu entralo que a honrada commisso nao
devia ter eliminado esse artigo da lei; ao
oootrario, devia continuar a reproduzi-!o na
al proposta. (Apoiados).
O segundo artigo supprimido, que o 4"
da iti vigente, era urna disposigao transito-
ria mandando rever as tabellas dos venci-
iaentcs denominidoscomedorias e maio-
rias, etc.,a um s, com tanto que nao
boavesse excesso de despeza.
Hoove a revisao e reduogao de que trata
? I-i vigente 1
em 1866.. comegada etn 1867, e ainda nao I extraordinarias, extraordinario tambem deve
acabada, qnaiido deveria ter sido concluida ser enumero de praga que se tixari
Hoove a!gom excesso, ou diminuigSo da
.despeza ? Do relatorio nada collio a seme-
jante respeito.
Feitas estas consideragoes, Sr. presiden-
te, o Sr. ministro da'marinha permlta-me
que de um passeio at nossa provincia.
S. Exc. em seu relatorio deplorou, e eu
i lloro com elle, que o arsenal de raarinln
da Babia esleja reduzido a meros concerios
dos navios do districto naval.
E' deploravel que o arsenal de marinba
'la B;:hia, onde exisiia e existe um pessoal
moito idneo e habilitado, d'onde vieram
operarios para o arsenal de marinba da
' te, esteja rednzido a este estado, tenha
urna existencia to ingloria !
Mas por um lado se S. Exc. disse urna
verdade, por outro nao me parece compa-
tivel que comum arsenal nestas condiges
se tenha feito urna despeza superior a-----
230:0005000, conforme o orgamento que
aqui tenbo, com um caes, obra contratada
em dous annos e meio, segundo o contra-
to. Pelos dados fornecinos por S. Exc.
em seu relatdri, v-se queforam executa-
des os seguintes tra balboa : de al ven aria
49,943 palmos cbicos. 28,506 ditos de
cantara e" 20,500 toneladas de aterro.
Comparado o trabalbo exectado com o
orgamento da obra, o qual o segumte :
309,235 palraos cbicos de alvenaria,
113,87(5 de cantara e 52,877 toneladas de
aterro ou entulho, conhece-se o que resta a
farer, e vem a ser 159,322 palmos cbicos
de alvenaria, 87,370 de cantara e 32,377
toneladas de aterro, sem comprehender
quatro escadas e algumas peqaenas obras
accessorias, previstas em urna verba sob a
deoominago deeventuaes- de 9:9270244.
A obra deve acabar no Io de julbo deste
anno em virtude da proro.g?g3o concedida
pelo aviso de maio de 1869, de que o. rela-
torio d noticia. Na poca indicada abso-
lutamente impossivel isso: mas nao pos-
sivel adiar por muito tempo a execug5o de
urna obra, que tem por fim principal alar-
gar a rea do arsenal, conforme diz o no-
bre ministro m seu relatorio. Chamo,
pois, a attengSo de S. Exc. a respeito desta
obra, para faz-la acabar no mais curto es-
pago de tempo. E a proposito ser conve-
niente que S. Exc. tambem tome conheci-
mento do projecto de urna ra que vai in
ternar-se pelo arsenal, de marinba da nossa
provincia, e destruir, talvez, grande parte
dos edificios. Eu nao sei se S. Exo. j tem
noticia deste projecto; se a n3o tem pro-
cure informar-se. No expediente do go-
veruo da Baha li algumas providencias a
semelhante respeito.
Sr. presidente, permitta-me V. Exc. que
ainda oceupe a attengo da casa com poucas
palavras acerca de urna questo que tiatei
na sesso passada ; reflro-me ao modo de
arrecadar os espolios dos bravos mar'rahei-
ros que perderam a vida no Paraguay, de-
fendendo a nossa bandeira, a honra do nos-
so paiz.
O anno passado eu chamei a attengSo do
governo sibre e mesmo assumplo, e tor-
nando a elle ainda venbo deplorar que a lei
tenha sido atrozmente violada por aquelles
a quem incumbe a fiel execugo.
Os espolio3 dos offlciaes de marinba, em
virtude de um aviso de 1865, expedido
pelo ministerio de entao, sao remettidos
para o juizo de ausentes, na forma do re-
glamento de 1859.
Em virtude do citado regulamento, o pru
dudo das arrematages deve ser recolbido
ao thesouro dentro de 4 horas. Entre-
tanto o anno passado, depois de ter tra-
tado deste objecto perante a cmara, antes
de retirar-me para a Bahia a 22 de ootubro
nao pude receber 1600 do espolio do dis-
tinelo e bravo capito-tenente Fiuza, con-
forme a incumbencia d sua desditosa fami-
lia, porque a importancia respectiva nSo
tinba entrado ainda no thesouro, embora a
arrematago se tivesse feito emfios de abril
de 1889, como aqui disse na sesso do
anno passado, e consta da certido do proc
esso que tenho. (Mostra) Quantas 24 horas
nao passarm dos fins de abril a 22 de
outubro de 1869!!
Trago este fado ao conhecimento de S.
Exc. no intuito de rogar-lhe, e ab nobre
ministro da justiga, que lancem suas vistas
sobre o que se passa no juizo dos ausentes
desta corte.
Em nome das familias dos bravos que
pereceram gloriosamente as aguas do Pa-
raguay, eq rogo a SS. EExc. que tratem
de verificar o fado alludido, e evitem a
conlinnago de um estado qae nao hesito
qualificar de altamente escandaloso.
Tenbo concluido.
O Sn B.vno de Cotecipe (ministro da
marinba): Sr. presidente, noiou o nobre
deputado pela Bahia que esta proposta fosse
copia fiel da que o corpo legislativo votou
o anno passado; e de alguma forma admi-
rouse S. Exc. de que, sendo ascircumstan
cias actuaes muito diversas das circumstan-
cias passadas, toda na contenha a proposta
o mesmo numero de pragas votadas o anno
passado.
Perguntou ainda o nubre deputado se,
vista da variago das circumstancias, nao
possivel diminuir o pessoal e material da
a mada: e em si'gnida indicou algumas me-
didas que, em seu conceito. ser.o conveni-
entes boa administrago da marinha.
Sr. presidente, se o honrado membro
tivesse prestado sua attengo as leis vota-
das em annos anteriores, vera que a pro-
posta nao a reproduego smente da qne
se adoptou o anno passado, mas de quasi
todas que tem sido approvadas de 10 annos
a esta parte,, pelo menos. Temos sempre
3,000 pragas para circumstancias ordinarias,
e 6,000 para circumstancias extraordinarias,
segundo o systema seguido por diversos
ministerios de differentes creugas.
Mas eu tenho por vezes enunciado no
corpo legislativo a mmha opiniao relativa-
mente ao melbodo por que se fixo as forgas
de mar. Entendo que nao o mais conve-
niente lixarem-se as forgas para circums-
tancias ordinarias e extraordinarias.
NSte assumpto o que deve regular a
situagao existente na occasi3o em que se
tem de legislar: se estamos em circumstanci-
as ordinarias, fixem-se as forgas em numero
que lhes seja apropriado ; se porm forem

FOLHETIM
OS DRAMAS DA ALDEIA
POR
Ponson du Terrail
(Continuago do n. 130).
LI
Momentos depois chegava esta e dizia :
Estamos perdidos! E' forgoso fu-
8r !
Entao pozeste o fogo ?pergunton o
Mulot.
Poz.
Sorprenderam-le ?
E' verdade.
E entao confessaste ?
Eu perdi o juizo 1
O Mulot julgou ter comprehendido e
continuou :
Nesse caso, comprometteste-te a t e
a mim ?
E' verdade.
Foste talvez dizer que eu que te
aconselhei a por o fogo ?proseguio o Mu-
lot enfurecido.Es uro* desgrasada.! Po-
Nao possivel antever- quaes serio as
forgas extraordinarias de que se tem de
precisar para fazer face ao que tiver de
acontecer. Faga-se a Qxago para tempps
ordinarios: se apparecertm occurreocias
extraordinarias, pode o governo solicitar
providencias ao corpo legislativo, on convo-
ca-Jo especialmente para lhe dar os meios
com que proveja a essas emergencias ines-
peradas. At nisto tem o corpo legislativo
urna garanta contra o poder execulivo.
Entretanto este o systema em voga: eu
o segu. Nao tem resultado dab nenhum
mal, supposlo nao seja muito conforme com
o que se pratica em outras nages, as quaes
tixam o material, declarara o numero de na-
vios de que deve ser composta a forga, a
sua qualidade, e vista de sua lotago se
clenla a forga. Nos seguimos o inverso :
ixamos o pessoal, decretamos que a forga
naval ser fixada em 3,000 pragas, por ex*
emplo, distribuidas nos uavios que Qgover-
no armar; de modo que o material est
sugeito de alguma forma ao pessoal.
N3o possivel diminuir o pessoal. Eu
at estou persuadido de que as 3,000 pragas
propostas mal chegarqjjara os navios que
precisamos ter armados. Devenios, findos
os trabalhos da esqoadra, que ainda tem
parte de sua forga no Paraguay, conservar
alguns navios preparados para o servigo no
Imperio, e instruego das guarnigec.
Entretanto convera igualmente observar
que. posto se fixem 3,000 pragas de pret
para navios armados, todavia a forga naval
nao se limita a este numero de pragas. E'la
comprehende anda os corpos de marinha,
que tem o seu pessoal determinado por le,
e que convem sempre conservar completo,
porque para crea-lo ha necessidade de urna
educagio profissional, que nao exige o sol-
dado. Portanto, em lugar de-fcarem aquar-
teladas as fortalezas as pragas dos referi-
dos corpos, ser preferivel que embarquem>
permittindo assim armar mais alguns nawos,
c< m pequeo augmento de despeza e grande-
vantagem para o sevigo.
J v o nobre deputado qual deve ser a
minha resposta pergunta que fez acerca
do deslino que dever ter esses navios.
Senhores, examinada a lista dos navios
rmados que temos, poneos sao os que se
podem chamar prupriamente navios de guer-
ra. A campanha que terminamos foi toda
especial; tivemos de improvisar urna es-
quadra que nao est a par dos melhora-
mentos actuaes deste ramo de servigo.
(Apoiados.) Temos um miteriai inservivel;
uia tos navios tem sido condemoados; ou-
tros dever s lo, porque as despezas com
os reparos exceders em mais de metade
o seu valor; e nao sendo machinas de guer-
ra, como de vem ser, nao prestam para o
fim a que se destinam. Nao sendo meio de
defeza, entendo que melbor nio conser-
va-Ios de que fazer despezas cornos no vos
concert.
Se o nobre deputado langar a vista sobre
o mappa annexo ao relatorio ver que nao
estou a quem da verdade. Temos pequeas
embarcares proprias para a navegagao flu-
vial, e poucos vasos adaptados grande
navegagao. Entendo que urna nagao que
tem por dever ser martima, como nos, pela
grande extensao do nosso litoral, podendo
ser por isso mais fcilmente atacados por
mar do que por trra, deve- possuir urna
esquadra que, se n3o servir para oppor-se
s nages mais poderosas, contribuir ao
menos para a defeza.... t
O Su. Abaujo Goes d um aparte.
O Sb. Ministro da Marinha :Nao pre-
cisamos de tantos navios da qualidade que
licou mencionada ; mas precisamos de subs-
tituir o material que temos, por outro
melhor.
O Sb. Abauo Goes :Concordo.
O Sb. Ministbo da Mabinha :Indicou
o nobre deputido a conveniencia de vender-
se parte desse material. Pergunto-lhe : a
quem ?
O Sn. Akajo Goes :Ao commercio, s
companhias de vapor.
O Sb. Mimstbo da Mabinha :Os navios
que sao propriamente vasos de guerra nao
nos convem aliena-los ; outros nao podem
servir ao commercio ; e alguns. finalmente,
nao tendo prestimo algum, n3o haver
quem os compre.
Temos alguas vapores bons, e sao estes
os seis transportes da marinha, que tem
prestado excelentes servigos as Estado e
ainda podero presta-Ios. Se nao fossem
necessarios poder-se-hia dispr d'elles; mas
entendo que convem conserva-Ios, porque
com ellas temos sempre mo um elemen-
to precioso de mobilidade para as nossas
forgas.
A esle respeito direi que considero ter
sido urna falta n3o se ter adquirido desde
o principio da guerra niaior numero de
transportes; a despeza teria sido muito
menor. (Apoiados.) Talvez saiba o nobre
deputado que com o freie de alguns vapo-
res se tem gasto mais de 500:0000, alm do
carvo que se forneceu por conta do esta-
do. Se tivessemos comprado transportes,
teriamos esse capital, e poderiamos talvez
fazer a navegagao para o norte e sul com
despeza menor do que actualmente
Sb, Candido Torbes :E por que nao se
pe em pratica esta idea ?
rm, felizmente, ninguem te acreditar. A
Martina minha irma, eu sempre me dei
bem com ella, em quanto que tu s urna
velbaca 1 Queras que eu casasse comtigo,
e, como eu nao me resolv, foste por o fogo
para me comprometieres !.... Eis a minha
defeza, que ser acreditada I... Um pro-
pietario sempre tem crdito.
Ests engaado 1redarguio a Ca-
brita.Nao de por o fogo que te ac-
ensan).
Porque dzes entao que estamos per-
didos ?
Por causa de Saurin.
O Mulot estremeceu, mas depois, enco-
Ibendo os hombros, proseguio:
Bem sabes que n5o ba provas contra
nos; Rouxinol que o culpado.
Enganas-tet
Porque?
Ouvecontinuou a Cabrita com voz
rpida, como quem receiava que lbe faltas-
se o tempo.N3o verdade que tenciona-
vas casar com Pamella ?
E que tens tu com so ?
Quero saber a verdade.
Nao da tua conta 1
Remonde sim ou nio t
E se eu n3o qoizer ?
A Cabrita, n'um cceiso de cime, e*
clamoa:
Outro Sr. Deputado: N5o t3o fcil
coma parece.
0 Sr. Ministro da Marinha :A discus-
s3o sobre este poato se desviara um pouco
da materia sujeita aos debates. (Apoiados.)
Ha occasio mais proprhi para tratarmos de
transportos para a navegaco costeira : en
to poderei responder a) nobre depatado
que me honrou com o seu aparte.
0 Su. Candido Torres : V. Exc. mesmo
foi quem lembru.
O Sb. Ministro da Mabjnha :-*-Foi ape-
nas incidente.
O nobre deputado pareceu tambem exi-
gir a diminuigao da nossa armada em con-
sequencia de ciunes que peder excitar em
nossos vizinhos.
Esta razao nao procedente. Devoraos
cuidar dos nossos interesses sem dar gran-
de importancia aos ciumes que possam cau-
sar-lhes o nosso desenvolvimento. O pro-
cedimento leal, a franqueza can que nos
temos havido com os nosso* vizinhos bao de
tranquillisa-los.
O Sr. Araujo Ges d um aparte
O Sr Ministbo da Marinha :ET urna
verdade : os estados qoando se armara, ex-
citara mutuamente ciumes; mas nem por
isso deixam de fazer quanto lhes cumpre
para a sua defeza, nem por isso diminuem
a forga de mar ou trra, necessaria para
qualquer energencia.
Foi um grande erro em qne cabimos,
quando redozimos os nossos recursos mi-
litares ; quando soou a hora da necessidade,
tivemos de fazer esforpis extraordinarios,
tivemos de despender quantias desmarca-
das para conseguir aquillo que poderiamos
ter melhor e com meos dinheiro.
Notou ainda o nobre deputado que hou-
vesse em deposito urna grande quantklade
de plvora, representando avultadas som-
mas sujeita ao risco de deteriorar-se, e mes-
mo ameagando a vida e segnranga da vizi-
nhanga. Aconselhou, ou que se dispuzesse
de parte dessa plvora, ou que fosse envia-
da para as provincias.
Sr. presidente, declaro ao honrado depu-
tado que ha quasi dous annos que tenbo a
hora de occopar a pasta da marinba, an-
da nao compre urna libra de plvora. Tal
era a quantidade de muniges accumuladas
para a guerra do Paraga iy, que eu suppo-
nho que ainda cinco anno3 mais de guerra
nos achariam preparados.
Alm da grande quan'idade de plvora
que existe ero deposito aqui no porto do
Rio de Janeiro* e a bordo de duas corve-
tas, cora risco de perder-se, bavia no Pa-
raguay porg3o tal que serv' para o resto
da campaoha ; voo pelos ares um brigje
que alli estava carregado de plvora, vo-
rara tambem todos os depsitos, e at hoje
nao Uve reclamag.3o de plvora para ser
alli consumida.
Ha mais de um anno que em vez de en
viar muniges para o Paraguay, tenho feito
reverter dalli para a c&rte muniges em
grande quantidade, vindo em todos os va-
pores, etc.
J v o honrado deputado que da minha
parte tem havido toda a prudencia necessa-
ria para nao augmentar despezas super-
fluas.
Nao mando vender parte desta plvora,
porque ella de urna quanlidade especial
que d3o achara' compradores ; plvora
para artilbari, polvor. de canh3o, e al-
guma que s serve para canho raiado.
J principiei a mandar dessa plvora para
algumas provincias que a tem reclamado. O
honrado depotado sabe que mandei urna
certa quantidade para a Babia, e que at
isto servio de pretexto (ra se dizer pelos
jprnaes que eu^proeurava conquistar a pro-
vincia, ou nao sei o que. Tambem prin-
cipiei a mandar para Pernambuco, e man-
darei para outras provincias, porque se se-
ha de comprarfall por um prego elevado,
mando-a d'aqui; acho que isto urna eco-
noma.
Nao posso, portanto, vender a plvora
aqui no Rio de Janeiro, porque nao acho
particular algum que a compre; se bou-
vesse quem a quizesse comprar a ven-
dera.
Notou ainda o honrado depotado que na
proposta actual fossem eliminados os arts.
3o e 4" da proposta transada. O art. 3o
aquello que permitte ao governo passar car-
ta de naturalisago ao estrangero que tiver
dous annos de residencia no paiz e una anno
de praga; e o art. 4o autorisou ao governo
a rever as tabellas das commedorias dos
officiaes da armada.
Senbores, o art. 3o foi eliminado da pro-
posta actual porque entend que a sua dis-
posigao i de carcter permanente. Entend
que a respeito de naturalisago nao se de-
via legislar annoalmente ; e pois talvez con-
venha declarar na proposta actual que a
disposigSo daquelle artigo permanente. Se
o nobre deputado se diguar apresentar al-
guma emenda neste sentido, eu a acceitarei
para mais clareza.
O Sr. Araujo Ges:Eu a mandarei.
O Sb. Ministro da Marinha :O art. 4o
contm urna disposigSo transitoria, e n3o
foi incluido na proposta actual porque esta
lei para o anno de 1871 a 1872, e a qne
contm aquella disposig3o para 1870 a
1871. Tenho, portanto, tempo sufficiente
para fazer essa reforma.
0 S,p. Araujo Ges. :Perguntei apenas
se j se tinha executado essa autorisago.
0 Sr. Ministro da Mariha : Atada na o
se executoo ; todava tem-se feito w eatu-
dos precisos. A materia em si de algut
ma dificuldade, e quanto a mim ba de se
conservar parte do amigo systema e parle
do hoto. As tabellas estao j quasi todas
preparadas; falta apenas um exame geral
sobre Has.
Bem vejo nos teus olhos que ver-
dade!
E quando o fosse 1 f
Pois bem foi isso o que nos per-
deu !
Que queres dizer %
"'OIba : depois de eu>ter bragado o fo-
go. encontrei-me com Rouxinol e Lebou-
teox, que me disseram que tu esta vas para
casar com Pamella. Foi entao qne eu con-
fessei todo.
Com mil diabos, que dizes tu ?
Digo qae confessei tenaos nos assas
sinado Saurin!
Desgragada l
E o Mulot quiz precipiar-se sobre ella,
iangou-se-lhe aos ps ie
porem a Cabrita
raaos postas.
Castiga-me, mata-rae mesmo, mas de-
pois Idisse ella. Agora foge! Vanos
para a floresta, onde arranjarei um escon-
drijo, no qual nao seremos eacontrado
Desgragada Irepeta o Mulot.
Vem!proseguio ella. Salv
Olba que nao tardam os gendarmes 1
Elle, dando-lhe ama gargalhada,
guio audacioso :
Foge tu, se tens mdo: eu
ton! Son o Sr. Maorel, proprietarlo l/Qaan-
do e aJfirmar que tn es orna miseraWl cria-
da que, para te vingares de n5o queM
Depois de feitas estas observares den o
nobre deputado, na sua espirituosa phrase,
um passeio provincia da Bahia, e reparou
que o arsenal de marinha da Bahia, estan-
do no-atraso que eu descrevo no meu rela-
torio, todavia faga deipeza de duzentos e
trila e untos contos de rrs, e continu alli
urna obra dspendiosissima, qual a cons-
truegao de um caes.
E' verdade. senbores, que o arsenal de
marinha da Bahia est no estado que eu
descrevo ; mas no mesmo relatorio eu digo
qoe-.tenciono melhora-lo. Era essa quan-
tia o menos qae se poda gastar com esse
arsenal," a n3o se querer acabar eom elle,
porque ba alli officinas, ha operarios, ha
emfitt empregados que nao se pdem dis-
pensar do da para a noite. Esses empre-
gados v3o fazendo algum servigo.
Estivemos em estado de guerra, todos
os servicos, todos os objectos feitos antes
nos arsenaes das provincias passaram a ser
feitos aqui no arsenal da corte, e por iso
en n3o poda distribuir maior crdito para
aquelle arsenal e outros, como por exemplo
para o de Pernambuco, onde se est cons-
trundo urna corveta, cuja obra foi interrom-
pida ha 5 annos, isto desde que comeeou
a guerra J dei ordem para verificar se
se convem fazer alguma alterago no seu
plano, de modo a receber urna macbioa
aperfeigoada, de maor forga, e outros roe-
Ihoramentos-modernos adoptados neste cur-
to periodo, e acho-me disposto a concluir
essa constraegao.
Mandei tambem levantar plantas para ou-
tras constroeges no arsenal de maridha da
Bahia, para dar que fazer aos opera-
rios.
O caes que alli se est eonstruindo urna
obra necessaria ao arsenal, como o honrado
deputado sabe. Executa-se por um contra-
to feito em 1866, e a respeito nada mais
tenho a fazer sen3o cumpri-lo. A obra tem
marchado com muita demora; mas dabi
nenhum prejurao tem vindo, porque, como
o nobre deputado sabe, a3- obras que s3o
feitas no mar, quaAo mais tempo passam
sem grande augmento, mais se consolidara,
mais segura a sua concluso. f
Tem-se demorado essa obra porque era
conveniente, segundo informages do enge-
nheiro. acontecendo que s se tem pago a
obra feita, ficando sempre urna terga parte
da importancia da obra feita em deposilo.
Creio, pois, que n3o seria conveniente
dar muita pressa a essa construegao, antes
pens que mais convem gastar com aovas
machinas para o arsenal.
Pergantou o honrado deputado se eu1 ti-
nba noticia do projecto de se querer abrir
urna ra corlando o arsenal. Tenho ouvi-
do fallar que se pretende abrir essa ra,
que sahindo em fronte igreja da Concei-
gao v ter ao mar, dividindo o arsenal em
duas partes. Disseram-roe que isso nio
prejudicava ao arsenal, por que se faria
ama abobada, etc.: mas para tomar urna
resolugao aguardo a occasio. Pelo que
conbego daquelle arsenal parece-me que se-
melhante ra ha de causar lhe damno, e se
eu tivera honra de estar ainda na pasta da
marinha quando se tratar desse assumpto,
acredite o honrado deputrdo que nao hei
de sacrificar o arsenal de marinha a- urna
obra de simples af\rmosoamento. (Apjia-
dos.)
(Continuar-se-ha)
LVDI
VAMEDADE
Desvalros da velhice.
(Concluso)
LIV
Os favores e as offensas quasi sempre s3o
aquilatados segundo o tempo em que sao
feitos; um favor feito depois de muitas
offensas, quasi sempre muito mais apre-
ciado e agradecido, do que muitos favores
a que se seguir urna offensa.
LV
A ollensa que mais difclmente se perdn
e esquece a que fere o nosso amor pro-
prio.
LVI
A instruego no homem que falla mal a
sua lingua, ou que tem dificuldade em ex-
primirse, semeihante a um corpo vigo-
roso e bello, coberlo de andrajos; o conhe-
cimento das palavras e elocugo sem instrue-
go solida, semelhante a um corpo doente
e ebeio de mazellas, ataviado de sedas e
galas.
LVII
Se queres ser livre e independente, nao
procures o remedio as leis e autoridade
somente ; procura-o em primeiro lugar no
trabalho, na econornia, e no cumprimento
de todos os deveres.
ffao petas favores sena em frgente pre-
cisao, porque pagars e ouro o que trve-
res receWdo eao cobre.
LXIX
Em quanto a moral cbrist3a nao fr o ni-
vel e a fonte universal da legslag3o de to-
dos os povos, os cdigos das differentes
nages serao collecges de regras e precei-
tos repognantes e contradictorios.
LX
O orgulho encarado segundo a religiao
christSa semelhante s montanbaS altas,
porm esteris; ahumildade b semelhante
aos terrenos baixos, porm frescos e pro-
ductivos.
LXI
O homem na sua casa soberano, na
albeia subdito, e na pris3o escravo.
LXII
0 prodigo sofre de indgestSo de ma-
nh3a, e de fome tarde.
LXIII
A ignorancia, a avareza, e a soherba s3o
os fardos mais pesados que o homem ear-
rega.
LXiv-
Os vicios e gozos maleriaes trazem-nos
poucos momentos de prazer, e urna vida
inteira de recordages dolorosas; a pratica
da virtude poucas vezes nos causa dr, e
enche urna vida inteira de recordages ineffa-
veis de prazer.
LXV
O acto de fazer um favor muitas vezes
a troca de um amigo por uro inimigo.
LXVI
Sendo a vida temporal urna serie de pra-
zeres, de desgostos, n3o nos devemos affli-
gir com os incommodos, e nem nos alegrr-
onos muito com os commodos, porque quasi
sempre estamos em transg3o dos prazsres
para os desgostos, e vice-versa.
1 LXV1I
Qnenvs conhece a propriedade o signi-
fleago das palavras, sem a scieacia do pen-
samento, semelhante quelle qge tendo
todos os instrumentos indispensaveis para
exercer orna arte ou profissao, n3o sabe
usar delles.
LXV1I
Nunca devemps obrar em relago a ou-
trem, a ponto de o collocar no mais alto
grao de soffrimento, e o paciente deve levar
o soffrimento at ao mais alto grao, sendo
preciso.
LXIX
O hornero poltr3o e madrago n3o acha ba-
bitagao comrooda em parte alguma ; seme-
lhante ao rheumalico que n3o acha na cama
urna posiglo em que esteja em descanso.
LXX
A expresso em prosa est para a ex-
press3o em verso, e esta para a expresso
em msica, assim como na pintura o bos-
quejo est para o desenho, com 03-contor-
nos bem marcados, e este para com o pai-
nel que tem o colorido e o matiz completo.
LXX!
N3o ha prova convincente, rigorosamente,
sen3o a que descende da intuigao ou audi-
c3o daquelle de cuja convicg3o se trata.
LXXI
Muitas pessoas se considerara infelizes,
ou mais do que s3o, por se supporem n'oma
allura superior, a que a natureza ou os
seu actos as collocaram.
LXXIU
O- homem cujo merecimento limia-se aos
bens da fortuna, semelhante a arvore de
frrdo, qne s attrahe a atteng3o durante a
col hei ta.
LXXtV
Os homeos polticos sao semejantes aos
actores nos theatros, cujos semblantes sao
sympathicos ou antpatbicos, conforme o pa-
pel que representam.
Ao homem laborioso custa-se a conbecer
o momento em que pecca ; ao hojnem ocioso
custa-se a conbecer o momento em que nao
pecca.
LXX.Vl
Nos paizes-onde a moral e o espirito in-
dustrioso est pouco radicado, as convic-
ges polticas s3o quasi sempre o producto
do interesse particular, e tem por therrao-
metroolucro material, e n3o o amor da
patria.
LXXVIt
A patria de todas as nauoradas a que e
requestada e passeada de maior numere
de amantes; porque as outras dizera logo
quaes os adoradores, que nao acceita, mas
a patria por nao ter bocea, nao tem outro
remedio seno ficar amada, ou sollrer os
amores, at dos mais professos tratantes.
Lxxvnj
O sizo nos faltar para todo, menos pan
aquilatar bem ou mal o* dos outros.
LXX1X
posar-te, inventaste essas calumnias, todos
me h3o de acreditar I
E, agarrando a Cabrita pelo brago, em-
purro u-a para fra da porta.
.........................i..........
J o sol ia bem alto e Juval acabara de
levantar-se.
Ouvio fallar debaixo das janellas e abri
para saber o que se passava.
Um grupo de doze pessoas conversava
animado.
Juval deseen ra para melbor se in-
teirar.
Alli soube que durante a noite arder a
Rapozeira, que o pequeo Augusto morr-
ra, e que a Martina, louca de dr, pouco
tempo poderia viver.
Ulysses, o taooeiro, qae apparecia em to-
da a parte, dizia:
E Maurel quem vai herdr tudo, qne
nao menos de ora milhio 1
Juval, convencido da verdade da assergSo,
dizia comsigo :
Fiz bem mal em me mostrar orgu-
lboso com aquelle rapaz, porm faremos as
pazes e talvez mais tarde ainda eicetemos
vantajosas transaegoes i
E, como homem que v as consas pru-
dentemente, foe vatubo da Bella-Vista.
0 MoJoVdepoi? que oxpulsoo. a Cabrita,
A nica independencia duravel, e sem io-
terrupeo, a que desande do trabalho.
da economa, da tranquillidade do espirito,
e da resignago.
LXXX
Ha pessoas que nascem velbas, e outras
que depois de longa vida morrem enancas-
O discurso em estylo attico, e tenoe, con-
vence os sabios e ignorantes, em estylo
asitico e fraldoso, embeleca os ignorantes,
e aborrece aos sabios.
LXXXII
Aquillo que,hoje consideramos preciso,
amanhaa consideraremos superfteidade, e
vice-versa.
recorrer ao seu grande remedio das ocea-
sies criticas.
Abri urna garrafa de agurdente e poz-
se a beber.
A' medida que beba, cada vez se achava
mais sentaor da propriedade, e por conse-
grante cima de toda a snspeita.
A embriaguez simplificava cada vez mais
a questao.
A morte aa Martina era cousa quasi defi-
nida e a Cabrita n3o era pessoa que a justi-
ga podesse acreditar.
Finalmente bebeu tanto, qu adormeceu
mesmo na cozinha.
Juval, que se fartou de bater porta,
sem obter resposta, levantoa o trinco e en-
trn.
Deparou com o Mulot neqnelle misero
estado, e empurroo-o, acabando por faz-lo
acordar.
Que isto ?perguntou elle espavo-
rido.
Venho fazer-lbe os meus cumprimen-
tosdisse Juval familiarmente.
Porque t
Coostft-me que vai ter urna boa he-
ranga.
. 0 AMot estremecen, ergnen-se de am
polo a affastou os ltimos assomos da em-
briag*jez, mas nem Juval teve tempo de lbe
oxrjicar como era a he/uca, oen tqnella, typ. diario dq -. ruaduqus Df U"
de lhe agradecer a saudagao, porqoanto no
mesmo instante se fez ouvir em baixo o tro-
tar de doos cavallos.
Juvl approximou-se da janella e flcou
estupefacto.
Acabavam de apear-se dous gendarmes,
que momentneamente entraram allw
O mais graduado delles, pondo a m3o
no hombro do Mulot, deu-lhe voz de preso.
O Mnlot empalbdeceu, balbuciou algu-
mas palavras sem nexo e disse comsigo :
A Cabrita tinha rai5o : en devia fu-
fe"'1* '
Juval, por prudencia, ia-se encamjnbando
para a porta, quando o genderme o deteve,
dizendo-lhe :
Tem razao, mas era preciso q*e n3o
se acbasse aqui neste momento.
En son na homem de bem t
N3o digo menos disso.redargoio o
gendarmemas nos nio viemos aqu para
nos mostrarmos somente.
E em qoanto Juval senta arripiarem se-
Ihe os cabellos por aquelle dito de mo
agouro, o gendarme tima do bolso urnas
algemas, que foi applicando ao Mulot.
(Coninuar-se-ha)
i
(1 ,


,i
\
' f4


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID ERQR43EB8_QCZFST INGEST_TIME 2013-09-13T21:48:47Z PACKAGE AA00011611_12137
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES