Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:12132


This item is only available as the following downloads:


Full Text

MHHHhHm1

Miro XLVl. NUMERO 126

,l>r rlfin
?AffA A APITAI, IB6ASB
?>r -*e .aez .adiantoos
^onua'wuK. Mein.. ....
<4H' *nuero valso.
10 SE HCA METE.
SEGU1RU FEIRA 6 DE JUNHO DE 1870.
PARA DETEO E TUSA 9A P'iOVICIA.
Por tres roezes amantados* '............' ,,
Por seis ditos-idem.......... .......... ,
Por ri\we dito idwn........ *........, .
Por or auno dem ..*.. ... *>. .
6*750
43*300
20J250
211000
Bropriedade Os
SAO 4tK\TCH:
Sw. Gerarda Antonio Alvee & TObs, np Para ; Goncalves & Pinto, no Maranh3o ;. Jdaquim Jos de Oliveira, no Ceari*; Antonijie Lemos Braga, no Aracaty ;
Perfra d'Afmlda, em, Jlamanguape; Antonio Atoxandrino d Lima, na Parahjba ; Antonio Jos Gomes, naRHi da Peana; BeUrmioo dos
flm Nazareth ; Francisco Tavares da Costa, em Alagoas ; Br. Jos Martina Alvesiaa Babia
= ,; i \ \:; z
Joao Maria Julio Chaves, no Ass ; Antonio Marqnes da Silva, no Nata]; Jos Justina
Santos Bolcao, em Santo Anuo; Demingo Jos da Costa Braga,
e Jos Ribeiro Gasparinbo no Rio de Janeiro.
.JARTE OFICIAL'
:---------------y------1--------- ,-------,.
vfrno da ataviada.
aiSPACH.) J} HtfSIDF.ICtt D^ PROVINCIA DO 6U 31
,f t Ma|o ok J87U.
, Antomo de Soma ioielbo.Ass/gnando o sup-
4:"juia o respectivo, termo, como requer.
Belanniuo Ai-ves Aruxa.^Em vista da* conditots
^ra que o supplieaiite 'freteade. alugap.as taino,
a cuara municipal deferir com joatica, tendo
mancao ao descacho desta presidencia, a que o
ni.'wio snppijcante se refere.
Capitn J>ao Theodiiipiro da Costa Manteiro.
iicqneira ao governo imperial.
Joo Antonio Rodrigues.' vista da informacao
nao podo ter lugar y que requer,. por tar q aup-
tlieaiite sido excuso do servico asta da eontilnsio
la guerra.
Jisepha Francisca dos Prterea.Dirija-se ao
Sr director do arsenal de Juerra.,
Jos Garios Vital.Dirija-se ao Sr. tenenle-eo-
r cei coinmaBdaola do eoapo provisorio de po-
Laoncia de tanaFreir e Anna Monteiro de Lima
Ilpgo.VtenJ-j.Passe "feliberacao na Ji/raa re-
luorida. '
Manoel Francisco da Silva Gnimares.Aguar-
le o supplicante a iafnrnvacJo que se exigi.
Manoel Marinho do ascimepto Valois.A' vista
Ja infufmacao coneedarse lieenca .requerida.
Manoel Mirtheus Cavalcanle.Dtrji-se ao Sr.
.noHto. cjronel eammandanle. do eopo, provisorio
de polica, a qnem se oficia nesta data.
Hara Itermina iardim dos Passos.Conceda-se
3, liceaca requerida cora ordenado smente, vista
Ja ml.uiiiiHmo. .. .,
.vuastiio Carrea de afelio.Dirija se o Sr. te-
neatt corond coramaudaiite do torpoproviarto de
poln'ia.
Antonio Ao3ute,VUoiel.Ao Sr. inspector da
ilKsouraria de Caiqoda para em vjtla desta tnfor-
i; ,i) dar o sau parecer.
i 1 de junho
Anuilmo Jos de Guimaraes Ferreira.-T-Fica ex-
pedida a conveniente ordem.
Antonio Mara Marques Ferrera. Eneami-
nne-se. l
Co?ma Klvira de A rajo.Informe o Sr. director
.-eral interino da nslruceo publica.
Couipanhia Peruambucana.Ao Sr. inspector da
rlitsouraiia de lateada com a portara desta data,
Fraacsfco Zoroastro Nepomuceno.Ao Sr. ins-
pector da ihesourafia de fazenda com a portara
Je-ta dat. t <
Major Jos Joaoum do Rgo Barroi.Dirijvse
ao Sr. Inspector Ja tlie-Huraria provincial.
Bacbare! oaqujm Corriia de Oliveira Andrade.
Aguarde o suppicanle o crdito pedido a assm-
Juvencio Antonio Gaia.Expedio-se ordem ao
seuiido que requer.
Tinento Joaquim Francteco de Soqta.A' vitta
U sfuraiecio dirija-ge ao Sr. inspector da th80B.-
raria de i'azenda, que ser attendido.
i.ouranco Ferreira Alves de Miranda.Ao Sr.
uv.lor da MSourariade faienda eom a portara
leu data.
Mariana l.ins de Albu'querqne.Informe o Sr.
diraeloc peral interino da iiistruecao publica.
Maria Amalia de Barros I.ima e Carolina Bur-
limaque de Barros Lima.Dirija-se ao Sr in?])ec-
tor da lliesouraria de f.izenda, por si ou procura-
ilmenie constituido, que ser atlendida.
N;aria Eugenia dos Santos.Informe o Sr. des-
viubargador provedur da Santa Casa da Miseri-
Hurdia.
Mijuel Tlieotonio da Silva Crespo.Infirme o
Sr. lenente-eoronel coinuiandante do corpo provi-
* rio do polica.
Manoel loaquim Baptista.Informe o Sr. ns-
pector da the.-ouraria d* fazenda.
Pulycarpo Barbosa da Silva.-^-Dirija se ao Sr.
naadanlo do corpo provisorio de polica.
ilicio da Cruz Kibeiro.Sati.-laca o disposto
tuna parte do art. 28 da lei n. 598 de 13 de
de 186. ,
ircio Valeriano Bapii ta.A' vista das infor-
mo requer, pagos os direitos devidos re-
tuei'. n I-j-se estes papis ao Sr. inspector da the-
ia de (azenda para os ins convenientes.
tara municipal para examinar os defeitos e quaes
ftr irregularidades que pwsam haver na execu
das p ntcs de Porto de Cedras, do Gindahy <
Anjo, nos termos de'Serinhaem e Bio Formse,
fausnendendo-se os pagamenais da* prestaoes.
Cunao Ftguiredo
i O SB. PESIUE.VTE r^Fica a discussao ada-
la pelabora.
0 SB F.-DE FIGUpine.A :Bequeire nrfncta
Sara dscottr-se o requerimenlo do m>bre deputa-
o pelo terceiro districto. i
E' approvada a urgencia.
: Lap e apoiase a aeguinte emenda substitu-
tiva :
> Bequeiro que. por intermedio do presidente
da provineia se pecam infonnacoes sobre, a cons-
iruccao das pontes de Porto de Pedras, do Ginda-
hy e do Anjo em Serinhaem e Bio Formoso.OH-
prn Fonsec.a.
7) SR. RUFINO DE ALMEIDA faz algumas cen-
sideraefies contra o requefimento.
OSB. OLIVMRA'FONSECA :Estu quasi re-
sorrdo a jwtflr a retirada de minha emenda, mas
em todo caso devo dar a ratio per que-a apre-
sentei.
Parece me' o pedidos de mformaoSs, mas conveniente que
esses pedidos se nao apresentem desde logo como
um voto de desccnflanca ou censura.
Se o nobre antor do reqaeriraeato diz confiar
bastante no digno director da reparticlo das obras
publicas, nao devo julgar neressano que elle, paca
examinar e dar o eu parecer a respeito do esta-
do em que se acham as obras de fue se trata
teja aeompanhada de urna ou duas cOmnssoes.
As coosideraedes Jjgui presentadas em susten-
lacio do" requerimento. pdm dar lugar snppo-
Sicio de que nao feto regularmente o servico,
que est cargo do engenbeiro director (fas obras
SuWicas : o que nao de-suppor, avista da con-
anca que o nobre deputado autor do requer-
meato manifeeta favor desse eropregado.
En dase que eslava em duvida de pedir ou nao
a retirada de rolnha emenda, pois a casa estde
algoma forma inteirada a respeito do objecto em
Juestio, pelas informaces ministradas pelo nobre
epntado, meu companheiro de districto.
O Sr. Paes Babreto :Nem todos se acham
satisfeitos.
O Sr. OtiveiRA Fokskca :este caso deixo a
emenda, para que o nobre deputado possa esco-
Iher. entre um simples pedido de informacoes e nm
requerimento que manifest urna Censura.
O SR. ClINHA E TIGUEIREDO sustenta o en
requerimento, e a sub-emenda seguinte, que entra
tambern em diseussio.
Emenda.As ommissoes sejam naneadas
pelo Exm. presidente, de accordo com o direetor
djas obras publicas.Cunha e Figueiredo.
O SR. OL1VEIRA FOtNSECA insiste as consi-
deracee que fez, continuando a combater o re-
querimento pelo modo por que est redigido.
O SR. FELIPPE DE FIGUEIROA raaoitestase
contra o reqoerimento.,
J.0 SR. MBL{,0 REG':Sr. presidente, sempre
que. se rstatteecer aqai (Joeslao de conflanca
Mo o proposito, en into-m obrigado a vir 'tri-
ouna fazer m protesto. Eu nao si porque se
ha de fazer tal questao do requerimento qu se
discute I NJfo e;tou por isto, e nem emendo que
se deva tolher, a pretexto de conflanca, o dlreito e
a liberdade que tem esta assembla de averiguar
fados, de pedir informac^des, de exigir exames por
raeio de comraissoes, quando o queira. Me pare-
ce mais conveniente que uestes assumptos se po-
nham de parle questao de conflanca neste e na-
quelle funecionario.
O oobre autor do requerimento pode estar per-
suadido que a obra de que se trata muito ne-
cessaria, est em estado de receber reparos ur-
gentes, e por isso pede a nomeaco de urna com-
msso para verificar o estado da obra, alim de
que o seu trabalh > seja apresentado esta assem-
bla em lempo de providenciar-se. Por que ra-
zan se llie ha de recusar isto, a pretexto de prova
de eon'ianca no director das obras publicas ?
O nobre deputado fui o primeiro a declarar que
tem plena conflanca nesse funecienano, que er
em seu zelo...
(Ha uro aparte.)
macao da estatistlcajudidaria do-imperio.Vieira
ie Arnujo. -
O SR. G. DHJMMD.TOexplie o motivo porque
pedio o adiNafteofo do proje.'t*, concordando em
que seja approvadnjo requermea^o.
Encerrada*discossao, o reqaeriraento postoj
a votos e appravado.
ORD-M DO.HA.
-3.' diseussao do projecto n.^Sldste anno, que
auforsa o presidente da provincia a conceder um
anno de licenca com veocimentosjao escripturaro
da secretaria d governo Manoel de Siqueira Ca-
valcante.
Vae mesa e apoiam-se.os segointes artigos ad-
ditvos: ffoi
Igual favor a Jos Cavalcante de Albnquer-
qoe empregado do consolado provincial.Dr. Ma-
noel do liego.
Offereno como addltivos os projeetos ns. 46 e
66 deste anno.Dr. Manoel do fego.
08'. PEDRO AFFONSO fax al?umas conside-
rae5es sobre a matoria.
O SB. MELLO REG :Ped a palavra somen-
te para dar algumas expcacoes acerca da emen-
da apresentada por um honrado collega, que con
signa a idea de ser concedido Jos Cavalcante
d'Albuqnerijne favor igual, r.
Um Sr. Drputado :Favores %
O Sr. Mrllo Rano >Favor, sim ; esttJ licen-
ras sao favores.
Como se disse que havia soffreguidao de conce-
derse taes licencas, entend dever dfzer o que sel
sobre ee empregado para que a casa fique certa
que soffreguidio nao sa d' pelo menos em retacan
a,elle. O souestado de molestia grave, muito/^ra-
ve, e em atteo;ao a elle foi-lhe concedida Jtoa li-
cenca o anno passado ; como fui poqca, eliafeq'ae-
ren agora prorogaciodessa licenca, W o'sea-reque-
rimento commissao compleme, esta dar pare-
cer no sentido 4 pedido, attemtendo as pro vas
apresentadas; o parecer que continha o projecto
foi a imprimir.
Ora, desde qne ha nm parecer e projecto que
reconhece que esse empregado esta dente e no
A iajinlssao de !egislac5o tendo (ido A peti-
jao ou WMe.sto que apresentou o gerente da'com-
panhia trilhos urbanos do Recifp Apipucos,
Contra lanpreza de carris de ferro da cldade, al-
leg;indi-ttie esta empreza ofrende os drreitos que
Ihe assiawn em vista- de sen conlrato, vistos os
termos os reap^lwps contrata-, de parecer que nao se
d" coliialo \lguma entre os direitos que s mes-
nas L-oflapeft{n; e portanto de parecer que seja
indefertlp a referida petirao.
' 8jdas conmissocs! iR de maio de 1870.
*o.Bitoj Wanderley.
Wiissao le fazenda e orcamento quem
petifo do padre los Porflro Go-
caso de obter nova licenca, porque nao w Ihe ha G. Brummon~J. Mello Reg.
PERNAMBCO.
ASSEMBLA PROVINCIAL.
..SS\OORDLN'AUIA KM i\ DE MAIO.
pnESin:xr.iA do sn. nn. agciar.
Ao meto da, feta a chamada, acharara-se pre-
sentes os Srs. Vieira de Araojo, Ribeiro Vianna,
Eluardo de Oveira, Felippe de Figueira Anto-
nio Paulino, Paes Barreto, Manoel do Reg, Pedro
Afl inso, Goes Cavalcanli, Ferreira de Aguiar, Bu-
linode Almeida, Teixeira -Je Sj, Firmno de No-
vi-, Manoel Arthur, Mello Reg, Oliveira Fon-
s-'ca, Cunha Cavalcanti, Gus.no. Lobo, Henrique
Mamede, Goncalves Lima, Cunha Figueired),
Ignacio Jjaquim, Miguel Pernambnco, Cavalcanti
i Albi q lerque, Oliveira Andrade, Guedes Gon-
dira, Barros Wanderley, .Nicolao Tolentino, Gas-
par Druinmond.
Abre-se a sesso, lida e approvada a acta
da antecedente.
O sn. 1" Secretario d conta do seguinte
EXPEDIENTE.
l'm officio do secretario do governo, remetiendo,
para terein o conveniente destino, os authogra-
pbos das resolucoes da assembla de ns. 918
'M, sanecionaaas pelo Exm. Sr. vice-presidente
da provincia.Inieirad.
Outro do mesmo, transmjttindo por copia as in-
formaciies ministradas pela repartidlo das obras
publicas, relativamente aos dous quesitos menoio-
aados no officio sob n. 34 de 29 de abril prximo
passado.A' quem fez a requisicad.
Ontro do mesmo, transmittindo por capia a in-
formacao pedida relativamente s obras da capella
de S. Jos de Tamandar.A* qoem fez a requi-
sicao.
Outro do mesmo, transmituado por copia o
jlirio da cmara municipal do Brejo e um ro-
luerimento delJo?ii.Corra de Araujo Filho, arre-
nataiite do impota de chaos, pedindo um abate
pelos prejuizoaqne soffreu.A' commisso de or-
eamento municipal.
Outro do mesmo, transmittindo por copia as in-
formaeie* solicitadas pela assembla. oom refe-
rencia ao contrato da conipanhia dos irilhos urba-
tiM do Recite Olinda.A' quem fez a reqnl-
sieo.
Outro do mesmo, declarando que o Exm. Sr.
vice-presidente da provincia recebor boje nma
hora da tarde, a commisso que tem de apresen-
tar alguns actos legislativos saneco.Intei -
rada.
Urna peticao de Bebiano Francisco de Mesquita,
pedindo que se marque quota para pagamento de
castas que lhe deve a cmara municipal da Vic-
toria.A' eomraissio de-orcamenio moaioioal,
O SR. CUNHA E PIGUEIREDO juslidca e man-
da en o segninrt requerimenta qne, apoiado,
ntra em discusslj).
c Requeiro ^ue ^ oficie ao^Bxm. presidente
da provine!, para que seja Borneada orna ou duas
commj|3es oompostas do director das obras pu-
blicas o oop.xi engenheiro de soa conflanca, do
jdi de fai de um vareador fla respectiva ca-
0 Su. Mello Beoo :A questao nao de cf.n-
llanca, de querer se averiguar se houve na exe-
cucao das obras m applicacao dos dinheiros p-
blicos, e saber-se o estado em que esto as mes-
mas obras e os reparos que carecem.
O Sr. Goes Cavalcanti :Confia que este em-
pregado compre eom seus deveres ?
O S. Mello Refo :Por minha parte confio
que cumpre, mas isto nao razao para esta as-
sembla deixar de pedir exames fetos por elle e
poroutros, sobre a materia que est na sua com-
petencia decidir e resolver sobre ella.
0 nobre deputado pede a nomeaco de urna
commisso para proceder exames...
O.Sr. V. de Figueira : Nomeada de accordo
com o director das obras publicas 1
O Sr. Mello Reg ;Nomeada de qualquer
modo.
(Trocam-se muitos apartes.)
OSr. Mello Reg :Se a questao est em di-
zer o requerimento que se nomeie urna commisso
de accordo com o director das obras publicas,
vou mandar anda urna emenda esse requeri-
mento, o que reraove este inconveniente.
Nao carece-se, pois, fazer questao de conflanca
por causa do requerimento. Se a proposito de
ludo, se levantar aqui questes de conliaDca ; se
as attengoes pesseaes tornam-se tropecp*s nos-
sas deliberacpes, ento acabamos por nada mais
fazer, porquanio sobre todas as materias que li-
vermos de decidir, havemos de ter em frente urna
pessoa que nos mereca attenco, um funecionario
quem tenhamos de dar provas de confianca.
Procuremos acabar com estas quesloes de con-
flanea.
Vai mesa e apoia-se a seguinte emenda subs-
titutiva :
t Requeiro que se pega ao presidente da pro-
vincia para nomear urna commisso que examine
o estado da ponte do Gindahy,, Porto de Pedras e
Anjo, dando conta do resultado cima a esta as-
sembla. J. Mello Reg.
O SR G. DRUMMOND justifica e manda mesa
a seguinte emenda substitutiva :
< Requeiro que se pega a presidencia qne exi-
gindo as necessanas informacoes, ou mandando
proceder aos exames que julgar conveniente, so-
bre as ponas do Anjo, Escada, Pona de Pedras
e Gindahy, providencie em ordem a qne os con-
tractos feitos para construccao de taes obras se*
jam regularmente executados.G. Dnmmond. >
Encerrada a diseussao approvado o requeri-
mento de Sr. Figueiredo, e bem assim a emenda
pelo mesmo offerecida, sendo regeitadas as demais.
O SR. A. PERNAMBCO, como relactor da com-
misso ncarregada de apreseniar alguns actos le-
gislativos sanelo do Exm. presidente da pro-1
vinca), declara que a commisso enmprio o sen
dever, e que S. Exc. responden qne tomara na
devida considerado os actos da assembla.
O SR. VIEIRA DE ARAUJO pede urgencia para
apresentar mn requerimento.E' approvada a ur-
gencia. "
O SR. VflIRA DE ARAUJO faz algumas consi-
deraedes em juslifleaco do requerimento que of-
ferece : "
ReqaeirOBue se pega com urgencia copia do
ultime mappff gerai de inventarlos que deve ter
sido confeeionacK) na presidencia desta provincia
e remettidos ab ministerio da Justina para a far-
de conceder ?
Um Sr. Drputado:E esta perfeitamente no
caso.
0 Su. Mello Reg :Nesta casa todos saben
qne esse empregado merece ser aliensido, sbe-
se que com elle nao se d Soffreguidio.-
E' isto o que eu quero dizer.
O Sr. Pedro Arroifso :NSo neg o direito, mas,
conceda-se por meio do projecto.
Encerrada a dtscnseo o projecto approvado,
bem como os additlvos, com excepeao do que se
refere a Joo Jos Rodrigues
3." discnsso do projecto n. 33 de 1861, qne crea
a fregnezia de Nessa Senhora da Graja da Capuo-
ga, desmembrada dada Beavista.
Vae mesa e apoiam-se as segnintas emendas :
Acrescente-se- ao art. 3.* : nico. Em
quanto nao flear coaehiida a referida natielfa, ser-
vir provisoriamente de sede da fregnezia a ca-
pella de S. Jas do Manguinho.Dr. Mmnotl do
Reg, e
* Additifo.Pica dividida a fregnetia da Boa-
vista em don* districto d* pac, saMn rh*i*
separacao entre ambas as estradas de ferro de
Apipucos a partir dos limites da fregnezia da Gra-
Sa da Capunga em direccao cidade at a ra
o Hospicio, e por esta praca do Conde d'Eu,
ra da Matriz e pela ra Velba a encontrar o caes.
Ribeiro Vianna.
Encerrada a diseussao, approvado o projecto
e emendas.
1.' diseussao do projecto n. 81 deste anno, que
isenta de impostes provinciaes a empreza do abas-
tecimento d'agua "potavel cidade de Olinda.E"
approvado.
3.* diseussao do projecto n. 4 deste^ anno, que
eleva a villa e crea freguezia a povoacao de B?.ixa
Verde.E' approvado.
2.1 diseussao do projecto n. 63 deste anno,
creando os lugares de mdicos da polica nesta
cidade.
Vae mesa eapoia se a sojuinte emenda :
c Em lugar de l:200 diga-se6005000.Dr.
Manoel do Reg.
E' approvado o projecto e emenda.
3." diseussao do projecto n. 24 deste anno que
manda construir urna ponte sobre o ro Una na
eslacao terminal da estrada de ferro.
O SR. PEDRO AFFONSO Taz algumas conside-
rares sobre a materia.
Encerrada a diseussao o projecto approvado.\
3." diseussao do projecto n. 93 deste anno,_-qHe-
autorisa o governo a contratar a prolongaejio -da
estrada de ferro de Jaboato at cidade da Vic-
toria.E' approvado.
nica diseussao do projecto n. 61 deste anno
sobre posturas da cmara municipal da Victoria.
Vo mesa e apoiam-se os seguintes artigo*
substitutivos.
c Substitutivo ao art. 2. : Pica prohibida a
creacao de porcos, carneiros e cabras sollos em
todo o municipio desta cidade. Os contraventores
pagarlo a multa de e 10 na reincidencia.
O fi-cal mandar prender t arrematar oe di-
tos animaes encontrados soltos, se dentro do praso
de 24 horas nao comparecer os donos reclamndo-
os, on nao querendo pagar as referidas muBas,
sendo o producto applicado as despezas da moni
cipahdade.Ges Cavalcante.
Substitutivo ao art. 3.: Qualquer pessoa po-
der prender os referidos annimaes e reinette-los
ao fiscal para este proceder na forma do artigo
antecedente, se forem encontrados dentro de seus
quintaes ou lavouras.Grj Gavalomii:
Verificndose nao haver nnmero tica a diseus-
sao addiada.
O Sr. presidente designa a ordem. ao dia e le-
vanta a sesso.
mes. agregado dis obras da capella de S. Jos
Je Tamandar, e em vista da inforrnacao minis-
trada pela presidencii da provincia, da qual se ve-
rifica terAOpeicionarh despendido alm da qnota
que por asta assembl: ihe foi dada para as obras
da referidS'capella. \ qiantia de 8003, e conside-
rando 8BW art. 63 % da le n. 891 de 25 de
junho de 1869, foi autorsada a presidencia a pa-
gar semeHiante excesso fyenas procedidos os exa-
mes deceesarios se conhteesse a sua veracidade,
cuja.dispbsjco Je.xou deser cumprida em soa
ultima parto; por nao havy sido dada a respec-
tiva quota na lei do orcamaito, de parecer que
no projecto do orcamonto s consigne a necessaria
quaniia para semelhante paiamentoG. Bntntond.
-J. Mello Reg. .
A commisso de fazenda e orcamento a quem
foi presente a peticao de Antonia Cardos* de Qoei-
roz Fonseea, em que solicita para sua apseniadoria o tempt decorrido de 17
de agostla 1846 a 16 de mab de 1848 em que
esteve fra.do exercicio do seu ?mprego em virio-
de demissao que lhe foi dada pila presidencia da
provincia, de parecer qne sej essa peticao re-
meltida a commisso de legislado uatca compe-
tente paraHar sua opinio interptewndo o arl. 44
da lei n. 2t$:da 16 de jonho de 1A4 e art. 50 da
lei n. 89ifq 25 de junho de 1869.
Sala ifas commissoes, 23 de maio de 1870.
O SR. HENRIQUE" MAMEDE fazalgumas consi-
deracoes em jnstiflcaco de sua emenda.
frbR. GUSMAO LOBO,-declarando ter-se impos-
to como regra invanavel de sua condona nesta
casa nao constituirse orgo de nenhume preten-
co particular, sent qne violn o proposito em
que est, apresentando e justificando a emenda
que eleva 4 % a porcentagem do procurador
da cmara municipal nxa-Ja em 3 / pelo pro-
jecto que se discute. Inmstijtto na importancia e
responsabilidade das ftmecoes 'cargo do procu-
rador da cmara, o orador- reeorda assembla
que em annos consecutivos, essa porcentagem foi
raantida em 6 %.
Protestando nao querer imitar verdadeiras lar-
guras de o litros temos, adverte que, embora o
movimento progressivo dai receita, os vencimentos
do actual funcionario devera-ficar inferieres aos que
percebera o ex-procurador razio de 6 %. R6-
conhe o orador que seria em pura perda dos m-
teresses municipaes rehabHitar esta disposicao.
Mas sent por outro lado que, trabalhoso como o
cargo de procurador da cmara, urna boa re
muneraco a condceo nevitavel de urna activa
e diligente arrecadarao.
Ponderando anda que o calculo do ornamenta
pode nao traduzir-se em jbiato, acontecendo ordi-
nariamente que nao seja arrecadada toda a receita
oreada, o orador estende-se em outras considera-
ra j6es que se condnzem jnsilfcar a emenda.
(Continuar $e ha).
ERRAT.v.
Nos trabalhos da assembla publicados no Dia-
to de hontem, deram-se os segointes engaos :
Pagina l; columna 3.*, linha !, era lugar de
tentamento, leaseenlamen.
Na mesma pagina e columna, linhas U, depois
da palavra diodiga-sede 84.9.
A commisso de legislado qu foi presente
o termo de eontralo celebrado em 16 de Janeiro de
1855 pelo pfesldente da provincia com os directo-
res da oompanhia Pernambucana dt navegaio
costeira vapor, para regular as baies e condi-
coes do pagtmento da subvengo de 30:000,* con-
cedida mepma companhia pela lei provincial n.
303 de 9 dlnaio de 1853, deixando deemltiir pa
recer sobr a approvacao do mesma contrate na
parte em q|e depende do acto da assembla pro-
vincial nos termos da condicao, soa- n. ?, por cons-
tar a comr|isso qne varios actos legislativos alte-
ram profuBnamente as condicoee desse amigo con-
trato s coofedersm mesma companhia, median-
te novas clinsulas, subvenefles que se elevam
90:0004 anbnaes, e Isto por I irgo espaeo ; e pa-
recendo pmmissab que lhe indispensavel tb-
ter esclareclihentos sobre fio importante assurop-
lo, pede que pelos canaes competentes e coro or-
rencialhe sejam mroistradas *f segointes .infer-
TnOes y
^ 1' $%&*tej? 22l^L40n2l"-ha"1er* taPwagem'da Magdalena para quem da
nrgoveran wa~prevwOT eom s eempanma i er- i>onie grande, em territorio que nortence freeue-
nambucana da navegacao costeira a vapor.
i* Copia das Informales prestadas pela the-
SESSAO ORDINARIA EM 23 E* MAIO.
PRESIDENCIA DO SR. DR. A0BLAR.
Ao meio dia feita a chamada acbam-se presea-
tes os Srs. Rufino de Almeida, Vierra de Araajo,
Ribeiro Vianna, Antonio Paulino, Gaspar Drum-
mond, Antonio Cavalcante, Felippe..ie Figueira,
Correa de Araujo, Eduardo de Ofeqairs, mrmino
de Novaes, Teixeira de Sa, Cnoha Caaalcante, Fer-
reira de Aguiar, Vieira de Mallo, Manoel do Reg,
Cavalcante de Albuquerque, Mello Reg, Henri-
que Mamede, Manoel Arthur, Oliveira Andrade,
Pinto Jnior, Miguel Pernambnco, Guedes Gon-
dim, Hermogeaes, Cunha Figueiredo, Gnsmo Lo-
bo, Goncalves Lima, Pedro Affonso, Oliveira Fon-
seca, Nicolao Tolentino e Ignacio' Joaqnlm.
Abre-se a sesso, lida e approvada a acta d
anterior.
O Sr. 1* Secrbtario d conta do seguinte
matan
Um officio do secretario da governo, transiait-
tlndo por copia a inforrnacao ministrada pelo go-
vernador do bispado acerca do projecto u. 4 ues-
te anno.A' quem fez a reqnisco.
Urna peticao de Simo de Araojo Campea, v>.
gario da freguezia da Escada, pedindo ama. q ota
e preferencia para extraccao de loteras, qn'e |he
foram concedidas para as obras de aaa ni^^triz -
A' commisso de orcamonto provincial.
Outra da confraria de Santa Rita dt;assia. pe-
dindo a approvaco de seo oompaotatCjo.A cora
missao de negocios ecclesiasticos,
Outra dos proprietarios do nV.ac\o efieoho
Duas Barrase habitantes da f ntauxte Ga,
melleira pedindo vm ponte JSTho a'
ragy no lugar Daas Barraa.- A" oommisso de or-
namento, provincial. 'i."" w ,
Sao lido? e approva** os ^^ ^rwm :
souraria provincial sobre o modo porqne tem sido
cumpndos estes diversos contratos ; sendo ouvida
aquella reparticao'sobre este assurapto e sendo-lhe
ao mesmf exigido qualquer esclarecimento que
julgne conveniente ao exame dos meamos contrato?.
3.* Demonstradlo circunstanciada de todas
as quantias recebidas pela companhia desde o pri-
mitivo contrato titulo de subveneao.
Sala das commissoes, 23 de nwio de 180.
Gusmao Lobo Henriqne MamedeBarros Wan-
derley.
A commisso de fazen la e orcamento quera
foi submettido o officio, que em data de 17 do cor
rente mez, dirigi o inspector da thsonraria pro-
vincial ao presdeme da provincia, consultando-o
se esgotada, como e-la a consignarn do art. 29 da
lei do orcamento vigente, pode considerar desti-
nado as despezas do Asylo de Mendicdade o pro-
ducto do imposto adicional de 3 por cento, ou ca-
reca pedir crdito supplementar; entende que
tendo aquelle estabeleciment renda propria e em
deposito 70:8303178, importancia da arrecidaco
de dous annos do referido importo, creado pela lei
n. 777 com applicacao especial, devem de suas
despezas correr por conta desse deposito, indepen-
dntemente de decretacao de lei e crditos supple-
uientares, e poristo de nancer que se approve
0 acto da presidencia qu pesoWeu a eonsulta,
servindo elle de regra s despezas qued'aqni por
diante tenham de se fazer com o supradito Asylo.
Sala das commissoes, 22 de maio de 1880.
/. Mello Rego.J. Ledo.
L-se e llca adiado por pedir a palavra o Sr.
Pedro Alfonso, o seguinte requerimento :
A commisso de fazenda e orcamento precisa
para dar o seu parecer sobre a peticSo do coro-
nel Jos Cavalcante Ferraz de Atevedo, que por
intermedio da presidencia se exijam raformacoes
da directora das obras publicas.
Sala das commissoes, 24 de mao de 1870*.
G. Dnmmond.J. Mello Reg.
que foi presente a peticao em qne Francisco An-
tonio de Sa Barreto requer aposenta doria no posto
de major que servia no corpo de polica quando
foi demittido por acto da presidencia de 1 de
agosto de 1868, nao podendo julgar supprida a f |
de offlcio do peticionario, de qae devem constar
detalbadamente todos os servieos militares que at-
loga, pela simples declafacao inserida nr> attestado
que exhibi em que o commandante d corpo de
polica e coronel honoraria do exercite. Alexandre
de Barros e Albuquerque, afflrma haver sido re-
colhido ao deposito carga do commando das for-
ras brasileiras em Montevideo, o livro mestre de
corpo d/ende consta a mesma de officio ; e con-
sideran*) por outro lado que o faeJRK da demissao
do peticionario, ainda que nao hoayesse por mo-
tivo declarado falta de exaccao no cumprimento
de seos deveres, o que a commisso nao pode ve-
rificar, em todo caso tem como nm de sejis effei-
tos a perda do diteiio aposentadoria, que poden-
do ser alias aulorisada por orna lei especial nao o
deve ser senao em vista de motivos muito valio-
sos, quaes podlara ser servieos de ofdem relavan-
te, inhabifttaeao por causas, vindas do servico pu-
blico e cairos equivalentes, nenhum dos quaes
provoo a peticionario ; a commisso de parecer
r|he teja indeferida a peticao.
Sata das commissoes, 23 da maio de 1870.
Gisada Lobo G. Drummand.
onnaii do da.
1 ?diseussio do prefecto d.ornamento munl-
cipaL
Vo a asesa e sao approvadas as seguintes emen-
',s ... ,
i No 11 diga-sedem de dona amanuenses,
EEV1STA DIARIA.
ASSEMBLA PROVINCIAL-Deixou sabbado
do funecionar, por falta de numero legal de depu-
tado.
SUPPLENTES DOS JUIZES MUNICIPAES.Por
engao deixon de ser incluida a lista dos snpplen-
tes do termo de Tacarat que, com o de Floresta,
compoe a comarca de Tacarat. Ei-la :
i.* Francisco Cavalcante de Adbuquerq e.
2.a Manoel Antonio Vianna.
t Francisco David de S.
4. Jf s Peregrino de Miranda.
5.* Antonio Jos da Cunha Cavaleante.
6.* Joo H drigues de Barros.
Deram-sa tres erros essencaes na poDlicaco
feita no sabbado, e sao elle: termo de Flores
4.* Antonio Jos de Campos Barbosa, e 5." Anto-
mo Lopes di Siqueira Barbosa ; no termo de In-
gazeira6. Joo da Cunha F+anea e Brito.
INSTRUCQO PUBUCA.Pedem nos para cbaj.
mar a auencao do Exm. Sr. presidente da provin-
cia para o_abuso que houve na transferencia da
zia da Boavista, com grav prejuizo da instruoco
publica, pois qne a* filnas das' familias que moram
nos extremos da Magdalena achom-se privadas de
receber edueaco conveniente, s porque a pro-
fessora convem morar quem da ponte grande.
Chamando para isso a attenco do Exm. Sr. presi-
dente da provincia, esperamos que sero attendidos
os moradores desse logar, vallando a cadeira para
onde foi creada e onde sempre funecionou.
JURY DO RECIFE.o sbado entrou era jul-
gainento o reo Andr Jos de Atoara, accjsado
por offensas physicas leves feuas em Pedro Anto-
nio dos Santos, sendo seu advogado o Sr. acad-
mico Antonio Jos Esteves. O reo foi absolvido.
BOATOSTendo-se ospalhado
que Iioroen do seo quilate devem ser af-"
fastaiios do meio dos que se* prezam, e da-
qoellus que tem reputac-o a perder.
O major Ponioal est cima dt> Sr. Cy--
priano, por sua irloslracio. per'sua moral i-
dade, por seus- principios poticos nos
qaaes; sempr se coBaervou finae, e sole-
tado pela soa' importancia na- sociedade.
onde respetado e bemquislo.
V;"f > de lime qaie o conhecemes, mas
sim de muitos annos, e nunca o encontra-
nw na menor Calta, qqre<>mo hetnen par-
ticular, quer come commorciante e poltico.
QtMilo historia ato modanra do poli-
tica, muito conbeeid*,. por ser a arma pre-
dilecta dos miseraveis ealttmuadores, e da-
qaelies que, cjpando nao acham falta em
alguera que se aniepe ;v seas desnandas
e treavarios, delta lancam nao, sem conse-
goirera manchar a vida honesta e monlisa-
da do cilladao p-estante a dohomem d&po-
sico e de fortuna.
Os homens justiceiro sabe apreciar as
desiinctas qualitlades do> Sr. major PodbbI,
e os Ewnitenses bemdizem-o nene daqueHe
que a rcda ha pouco corr necesitados pela- secca e falta de manti-
mentos.
Despreze o S-i major< Pennal o
die ssa vbora,, porqjae amelhor
posta que merece.
m f.
qo
res-
.41 uomea^ra-de sapplcntes d*
juizes niuiaclpae.
Era desejo mea deixar passar esa silen-
cio s nomearoes dos sopplentes- m juize>
municipaes, feita-para o 4 distrirto elei-
toral; mas cima deste desejo pon o de-
ver de lealdade para com os meus amigos,
que me bonram com a sua oenfianea : nac
quero que alimntela a suspeikt de qae ne-
gligeneiei os legitimo irieresses-locaes, que
elle representa.
Por esta razo nao rae recurso a declarar
que las nomeacoee no-forais.. em parte,
foi las segundo as ponderacoee, qttu. a seu
pedido, tive a boora de faier ao Exm. Sr.
dezesibargador Issis Rocha.
Istc posto, er.tendo coaveniante declarar
tambm que, r^conheceudo o pleno direito
que tc-m a adirioistrac. jo de, delibrar sobre
todo os assumptos, a ella sojeito, nonfor-
iftw o 8<*u m*do>de voa ao ma-ttoa reaeo1
tiueeto por este seu acto.
Por mais qoa me coste a prebrtc^o de
amigt-i sempro fiis e dedicados na quadra
do iii'urtunio por aquelles qae teetn apenas
se rattstrado afervorados amigos nos das de
prosperidade; nao entrarei na apreciado
das referidas nomeac3"es, cmero evitar in-
eoove,aienctas. Entretauto convm-me qne
so saiba, que desta data por diante, iden-
tifleo-me com os conservadores da co-
marca do Bonito, que foram vencidos ou
preteridos as nomeacoes a que me retiro ;
maiignmnente me resignanet de bom grado a carregar com,
a sorte que Ihes preparam e isto fago por-
que em poUtica, como em tudo o mais,
iioreito sempre para mim as posicoes claras
e definidas* n5o costumo aflagar a alguem
para solapa lo s escondidas. Seja isto dito
sem ntanejo eservada.
Se na nomeaces alludidas, os maiis
amigC'S nao forara, como outros de outro
distingos devidamente attendidos, nem por
isto r.ae bei de emboscar em desgostos pe-
quen! aos., que eausem, desproveito ao inte-
resse do partido em geral: fique isto ooo-
signado.
R'fe, 4 d^ junho" de 1S70.
J. P. Barrlo ile Mello liegj.
o boato de que o escravo Paulo, que, ha pou-
cos das tentn contra a vida de seus- senho-
res (o Sr. Dr. Pereira do Carmo e sua Esma. se-
nhora) se acha gravemente enfermo na casa da
detencn, pedem-nos a publicacao do se^uiute at-
titad*o medico :
i Attesto que, visitando a asa de deiooco om
substitui-o ao Dr. Silva, que se acha uicommo-
dado, tive de ver o pretu Paulo, escravo do Dr.
Poreira do Carmo, o achei-o- em peieito estado.
de sade, sem que notasse nem ao menos vest -
iioi de castigos oorporaes, ^ que courmarei se
preciso for, com o juramento do meu grao. Beci-
fe, I de junho de 1870 Joo da Sm Ramo*.
ESPIRITO SAXTO.Realisou-se hontem, no con-
vento de S. Francisco, a testa do Espirito Santo,
com toda a magnificencia e brilbantismo. O tem-
plo achava-se, bem como, o claustro e sacrista,
elegantemente croados.
A' CMARA MICTCIPAL.Pedem-nos qne cha-
memos a allencao- da municipalidade para o esta-
do de ruiua do predio n. 16 da ra do Bangel,
cojas paredes posteriores j dosabaram, causando
prejuizosaos vitinhos.
CORRECCAk Nao houve nomeaco de 2.
snpplente do subdelegado do L districto de Seri-
nhaem, e soraente de l., 3v, 4.a, o." e tt>, tendo
sido aquelle numero mencionada em nossa noticia
de sabbado, por engao.
HOSPITAL PORTUGUEZ;Esta de saman a nes- .
te estabelecimeto, o Sr. mordomo Jos Antonio. ;P? *JF*Mn ^ K. ..p. c,
deSouea Bastos.
LEILAO.O agente Pinto, encarregado da ven-
da dos movis e mais objectos pertcnceotes casa
de residencia do Sr. Felippe Needham, offereceu-
nos um eathalogo para, o nwsm* ieimo, no qual se
v a quantidade dos objectos que teem de ser ex-
postos, sendo que os lotes excedom 350, pedio-
do-nos ao mesmo terapo que chamemos a atten-
co dos conenrreatee ao mesmo leilo ara a
liora marcada para eomacar o htilo, que ser s
9 e meia horas do diado amanhaaa.
LOTERA.A que se acha a venda a n. 149*
a beneficio da irnundade de Santa Anna da igreja
da Madre de Deas, a qual corre no dia 7.
PASSAGE1ROS. Chegados no dia
Parakyba: \
Antonio d* Moura Gondim e Antonio Ferreira
de Oliveira.
Felicitadlo.
A ;amar municipal do termo da Sscada
nomeott urna commissocomposla dos Srs.
deputados provinciaes Drs. Joaquim doSou-
z Lalo, Senrique Mamede de.Almaida, An-
tonio Luiz Cavalcante de Albuquerque, Gas-
par de .Menezes Vasconcellos de Drammond
e padre Antonio, da Cunha e Figueiredo,
PUBL1CAC0ES A PEDIDO.

BONITO.
Amigo da verdade, nao podemos deixar
sem protesto o artigo do Sr. Joso Cypriano
Bezerra de Mello, publicado ueste Diario,
na parte em crae se refere ao Sr. major Joio
perebeodo o*"1^*0*^8. "'t?^0?,^*^91 Manoel Pontual Jnior, senhor de engenho
nessa comarca, bem conhecido e recom-
mendado por suas ac9es nobres e genero-
1:4004.Gnamao Lobor=FigueirQa.
, ao S do art. ia porcentagem de procu-
rado* em logar de ser 3 por cantodiga-so 2 por
cento.Henriqvs Mamede.
i Ao 35 do art. I*accrescente-se ao admi-
nistratr do cemiterio do Recite 400* de gratili-
cacoa 100* ao guarda que servir de amanuen-
se assim como os vencimentos daa tsoveiroat sarao
de i* liarioa e dos serventes U300.Pint Ju-
ntar.
No $ dga-sa porcentagem ao proenrador,
sendo 4 por cento da renda que arrecadW,G.
Lobt.-^trnambwp^Figuev^.
as, a sobre tudo por sea cavalbeirismo, e
pela dedicac5o santa causa da justic-a e
da honradez. A melbor resposta a dar ao
Sr. Cypriano que o sea nome foi excluido
da lista doi supplentes do juiz municipal da
comarca, apeiar de rraanto tez, j por si e
j por aquelles que o protegem, por
entender o Exm. Sr. deserabargador Assis
nicips um voto de felicitac-3o a Exm. Sr.
presidente da provincia, como delegado do
govero imperial pea honrosa terminaco
da guerra que sustentou o BEasil contra o
tyranno do Paraguay.
A commisso foi recebida, por S. Exc.
hoatem, 1 hora da tarde, e tendo a mes-
ma riomeadoo-Sr. Cunha e Figueiredo para
orador, pronuociou-se este pela maneira se-
guinie :
Illm. e Exm. Sr. presidente.A cama-
I ra municipal da villa e termo da Escada, ao
z no vapor receber a gratissima noticia da terminacho
da guerra que o Brasil sustentou com tanta
gloria contra o tyranno do Paraguay, afim
de tingar o ollrage feito a honra nacional
por aquelle brbaro, assentoa de nomear
urna commissSo que sahisse do seio da as-
sembla legislativa provincial, ,e viesse em
nome da mesma cmara felicitar a Y. Exc.
por to fausto motivo, como digno delega-
do de S. M. o Imperador, apresentando a
sua adheso cada vez mais estreita augus-
ta pessoa do soberano, a cujo patriotismo e
inimitavel pertinacia se devem principal-
mente os successivos triumphos de nossa
armas naquellas inhspitas regioes, a liber-
dade de um povo wisinho indignamente em-
brutecido, e o desentorpecimento de todas
as 1'ontes de nossa riqueza agrieola e com-
mercial.
A cmara municipal da villa daEscada
tinha esta obngaco, como urna divida sa-
grada, desde que vjo a p***? de
louros" as pessoas de seus heroteo.8. Whos e
a pilma -



i
j
t

.

CN .(
1 UM


-----'-*

*
**
Jka
generaes que, forYa do habilidad q pa-
ciencia incrivws, dobellaram todos os obsla-
cnios que a insaliihndafle do terrona e a
deslealdad!) do^arbaro Ibes oppunham, at
planiarea o efindarie atraillar em todas
as ameias do Paraguay, o fazerem reconhe-
cer o Brasil con* a -tjrasMle naco da Ameri.]
ca do Su I.
E' esla. Sr. presidente, a nobro missao
que aqni nos'tm. Vimos pagar seuielbaa-
ic divida por parte da edilidade da Escada
e de seus hunrados maniripes. pedindo a
' V. Etc. se digne transnuttir a S. M. 6 Im-
perador as icspeito-ns liomenagi'ns daquta
rorporacao e os ardentes votos qoe a fat
pela longa vida do avtoarchn c pela perpe-
tdiiade da imperial dynnastia.
">. Ext. 'Sr. presidente digao-se res-
jwKider pel forma seguinte :
Agrade^o por parle do governo impe-
rial, a cuje conhecimetiio transHMirei a raa-
ifestacio ^ue Vv. Ss. acabaia do uzer em
nome dos generosos e patriticos sentirnen-
tos da cmara municipal" do termo da fis-
gad a, peta feliz lerminacio da guerra do
Paragi.ly.
Etoo certo de qtte S S. M. o Impera-
-dor ser milito agrada ve-l a felicitado qae
por tio fan4o motivo faz a cmara em eu
tiorac e de seos mimicipes.
dos
3'1
Llill
festejos patriticos, em. regosijo
acabamento Montes, f He julko de S70.
No da H, ao romper da .aurora, sur annuocia-
j!i por ama salva de 21 liros de bomba real, e
-grandes gyramHasde fugo do ar. subindo n>*
occasio o pavilhao nacional e os das nacoes aflia-
-d*. que Serio enllocados no grande* arco em que I dado daquclle professor, ja do modo de dirigir a
est a efigie de S. M.I.. ei tarde urna banda de aula ej.j nasfrequentes laltas que rontinuaameut
cebar o monopolio mi crtrigacao, qne tem dado
laes fructos, sem um m^nveonassavel. qtto ao
seja Din lucro desmedido, sera* proporcio, e to4o
oflensivo da massa coasumidora.
Nio tlfarei ainda aqu, mas aguardo me para
outru arn|n.
*# Origines de Oliveirq.
Sri. rtiactocuKNa sessiov de awesaWa pro-
vincial de ll da mak> aaresentei om remaeriment
pedindo infoi-maciSes a respete do professor pu-
idicn de N'aiaroth do Cabo Francisca Berengusr
Cesar de Mueses ; quando assim proced rol s-
menio para cumprir o meu defer sem algum oa-
tro flm.
I'hegsndo, porm, a ler urna publicacan inserta
no fanal do Recife de l'i da corrente, assi?nada
pelo referido prvfsssnr. em a qul Tac-mo algunas
s nsuras, venho boje m auaracao ao publico, a
quem limito respeito, diser aljamas palavrasjujei'-
ca da mesma publicacao, e a nao ser isto nao vi-
ria a imprensa, porqae aquello conununeado na
merece as honras de orna resposta.
Nao peiue o signatario da tal publicacao. que
com i'l i far me desviar do Ca minti que irilhei
porque exton tirmeem rontinaar a acousa-lo, sem
ter era visu outra coa^a mais do que concirrer o
qoantD pader para aqtfelle profasor cumprir coto
os aeui ueveres, o nao coutiauar a proceder do
ando porque tem sombra procedido, dando lugar
a que j contra elle res denuncias se tenliam dalo
a diversos directores, cnnn luram o Aado senador
S o Albuquerque, o Bxm. Sr. r. Joaquim Pires
M:i'-.lKnioPirtelia e o Sr. Dr.Tavora, ihh-i os di>us
prnuftu ido visitar aquella escola, u achado que
ludo :.n eia irrisgnhr e em virtuda do que u lina
do conselberniS u Albuquorque represeutou om
ira aquella prof?sor oner|icaojente io Exm. Sr.
pres.-4.j HMtu foi o Exm. senador Jos B^olo da Cauha
Pignrtredo. Nao obstante dizer a|ii.Ue.profe"ur no
referido c lUiiuunicado, que concorreu com o seu
voto para iniHia eleiciu, todava, nao devo por
isla deixar de cumprir o meu dever procedeudo
do wdo porque pro to me conjtuva que elle corntudo se importava
i taeuos com a encola esens alumnus, como lambetn
j porque dorante alguna inezes queestive em Naia-
reUt, lomando hautios salgados para melhorar mi-
| nli.i sade. Fui testomunha aecutar do pouco cai-
&ilri Praambuco j Segunda (eifa 6 de Junho de 1870.
-"r .f""/. ; sal
tenha malor praia par* mandar botif mate-t En nao era mais eommerciante, e todas. %s'm-
ohai transaroea insrcantis, toda a-OMflha vida
coi8mrcial ha va cessado com a nfmtitfio do con-
icordaram os
os de pe--
aogando
L
iiNisiM nwiei.il tocara vanadas pecas, e noile
sera Iluminado todo o jMVodo, leudo no cenro da
praca do ilaurity graiiile luniinaclo que estevo
mi largo do Carpo Santo d'csia capital, nos das
a io de abril proxim.i pa-sada
No dia 9 ser;i cantado, ao meio da, um Te-
Deum laudamvs, em accij de gracas o Todo
P.-dcroso peia* victorias ganhas pelo exereito e
armada nacional nos campos do hfafoav, e
larde u na Bcigadi jattiolwa ae mando do Exm.
Sr. barA de Palmares, e os digno coronel Joa-
qun! Lucio Monten-> da Franca, let-mle-coroucl
Xisc Antonio Seraphico de As-^is Carvalho, o capi-
o Au-tririioo de Castro S It.irreto, acompa-
ntiara o carro iriumphuW, u > centr>' do qual ir
i u-'.-.i" da liberdade, e de|j povoadM, dando-se vivas, se tiebandar, pan de
novo ser apreciada a dita illuminacau, e amoslca,
que tor.ira xt* as 10 hora-: da noite.
No dia JO haver a mesma passeiata, e Bate
*er tocado i"w grande fago arUfleial, e grandes
bailes, trahaiiti do insigne artista n Sr. Moura.
C ik ole |ir> voado e blguns amigos d'.Agua Preta, urvonm
que uro ~e es'ueceram de alejar os grandes Mt<
.i exercito e armada nacional, e para completo
rgossigiiada convida
- todos desta locali'Jade, para qup, sem cor poltica,
comparocaoi nos referidos dias, allm de e tornar
e?se fe*tfjo digno dos Brasileiros ; assmi como
timbi'iu pHilein que sejam os estabelecimentos la-
rtnAa, alim de que possa o commercio d'este lu-
gar participar d'esse regosijo.
Avstridino iledalm S H*r
J.utz Francisco Paula liauw*.
FnuviMO Afi'MO Ferretrix.
Maim-'l Pedro Evangelista.
dava em das que devia ter aui* aberta, e as vetes
que dava aula nao assislia a olla o teuipo necesa-
rio de que falla o regotaoieato, e abservei muitas
vez-s qa a sua aula s era fruquentada por dons,
tres o poneos mais alumno e que sua tnaior ac-
cupaplo era assisttr ao servici* do urna pedrera.
onde tira podras, as vejes com mais de B-jie-s-oa*
cojas podras -o einpregadas ai calcamento desta
eidade: <: ruis ficit encmKra-l dirigudo o servico
da peifcvua do'que regeudo a esc seu dev.r.
Nao jiii-o que a classe dos profesores pblicos
seja -na qlassfl le mendigos, como dii aduee pro-
f.-ssor no coniiniinieaoo a que me tanho retondo,
pelo eenanru migo a claaM dos profesores bem
di-tiiicta na soiedade e a considero digna de to-
da protecco do uos^o govereo, conhet; i muitos
profesoras zelosos no cumprimenia de seus deve-
re< e nao recei > de errar diwn-lo qm os desta pro-
vincia, ou os que conhecn s>> diguos de elogio, o
me uo ao ntece com o Sr. Frauoisco Bereuguer
Cesar de Menezes que constaniemoute se tem
trausviado Nunca tive a menor na vnntade contra o Sr.
Berenguer, nnncu me otTrndeii, e se o tivesse leito,
nao seria na tribuna que liavta de procurar vio-
'nnal.
ItigMraa eacatregoa-se do gandir paswax a
tstipaafqvr esta pajuei m.gSO, em -vista
le juna canta de mu proprio putitH, como teosta
delWro borrador da lo|a.
Aoalsada a mtvacSo.^em que
maii'rcs ere lores, nao oaiieram
quenas qnauts, djxendo enes
e comprando.
Participando ost* rcselncao i Ftteireto, res-
poodeu-mevi pagande, embontTteJM jwssada
a scriptarajle hyaoiheea : eu levatei tu nada.
leu carante licon assira era tor i S.VOOjPDO
sem ter reali*ado'*tedos os pagamento imuei
a ir pagando aoi pequeos credores, setipre de
accordo com o meu arante.
Saldei-me com o#8r#. :
Mello Lobo 6c C
tlocanas 4 Detucre.
Honrique Gllison-
Francisco Ai ves de Plnbo.
Fraueiaco Gomes de Oliveira Sobrinbo.
Antonio da Silva Paria.
De i por cunta aos Srs. :
August i Cexarde Abreu.
Afron-oCarnier.
Tliomaz Tcixeira Bastos.
Manoet Alw Guerra.
Sothol Moros C.
Dr. Jcaquioi de (Nivcira e Souza.
Cals & Irmo.
Alves Hambiirgen 4 C.
Joo Baplisia Fragoso.
Estes dois ltimos credores sq;nar*ofa con-
cordata, sao credores do meu. garante, uys anda
por evtes nao formn fiago.
Gs iag.iin -mos que Ik constavam de bofador da
loja e de urna nota qae fornoci a Fi;reir(do.
Oesaparocerain este borrador, e ma/ outro, o
livro de recibos da l< ja, tituios de orodt a letras,
a>sirn como o herrador da olaria.
ecornd o aaoo de 1861, e iteor*i om Fi-
gueiredo r.io continuar com o estatolecinoanlo, e
aniiiiuciar a sua-venda. N'io ajipareceu com-
prador.
Figueiredo offereceu-se (car com o eslabeleci-
ment para seus dois lilho Fifueiredo 4 lrmo,
nessa- poca eswbeleridos ru* da eideia do Re-
cite. Uaviaa condicTiode peroireu asluvas, no
armario, que rain dous contoi de res, Picando as
fazemlas existentes para seren vendidas por mi-
nia eonto, pelos filos, pa'a pagamento dalle,
pagando en smentu a despefi do ainutncin.
Kefloc-'lha que licasse o^o com as fazendas,
mediante abate : respoodet-me que as faaeudas
se |ioderiaai vender pelo ci^to, e bastav.i o abate
que eu llie azia uos male-ies, quo mandava-llie
entregar.
Asalto niio a^intecen!
No flm de marco de /8B2, dalo o balanco, en
treguei o esiaboJecimeito a Figaeedo & irmao,
com l8Siii Iti em lanndas, e roupas leitas.
Pouco depois sou ext.ulado por dous credores,
sendo ,am delles Alvo Hamburgen 4 C que ha-
viam a^signalo ccaanrdato, e eram credores de
Ki^aeiredo, o qual^ii fuoia recebulo porcoiUa tres
mil yoUos giamts. |
Acuuselhou-He Fiyueiredo qnefosse aojuio de
iaz confessar o dabto no valor da escriptura da
iyoethec-1, ja estando elle de pase da quantia de
S:G397tiO em dinhiiro, e as fazendas cima ditas,
e os iii.-itai iies quecontinuadameote Ibe butava.
Anida annui a *te pedido.
En era dcvuJorde ja f, que s tnba em mira
desciubaraear- me doa neus dbitos. Nao podifl
deixar de acrediwr na sinceridade do meu garan-
ganca porque raesmo detest> os temen* fiagativos te. Neiihum motivo havia para o contrario.
A c resti dos gneros de
primeirt nti-essidade.
O faci mais actual e qae mais excita o atarease
direoto da popoJaco dcsta cidailc, sem centradie-
cao a crise, de que ha mezes tem ella sido theatro sol
a rebe*^ de gneros de pnmeira nemssidado, ruja
falla re>cntida o extensamente como nao se
aclia xetnpto ein tempos passados, que a historia
ou a trarficao offerece corporacao.
RoiteiN|i) algum vio-se a alimentaco. publica
'ai d f8ci da pola exurloiaucia do seu casto ; o
aso--,-! .. nao materia de luxo, que possa
iser tei i a nUrgem !
Bni lempo Jgnm, repito, a farinha ehegon a
.'M. a .iino fresca a 180 r.-is, e sernulliante-
iMafp oa oiitros gneros procos abulosam^nte
enrresfi ideaiet em altura.
(.. .-'i ,-u-eusa por certo asisteocia de -au
s,i .i.'!,-:m,liante, cujo estado indeclinivel; e
dww re-nlur provrnciaprompla, que a si-
toa'-ii imada como dever restricto ao poder pu-
IlliCt.
KviaValemeale condieoes climatricas, crcums-
imw' ^-iaes mesmo, tem coucorrido para a pro-
>l:iee laste phenomeco; mas cerlo tambem,
que ilit e nao liga menos ao deeixo por um la-
io e i iodlTerenca por outro, com que simulta-
neamentd governado e governanle descuram das
ousas serias, e negligenciam negocios importan-
lea, que, como no caso agitado, prend9ndo-se ao
interesse proprio do individuo, entende directa-
monte com o da commuubao.
Nao estou longe, pou, de admittir que & Bausa
determinaste da crise teja em parte o decresci-
ment da prodtieeao, a menos colheita de cereaes
na safra lida ; 'admit)-o mesmo, porque a pe-
quena laveura nao poda deixar de resentir-sa da
i.Uu de bracos, que he, f> rain retirados, e os gran-
des agrien llores dados fanticamente a planta da
tanna e do algodao, e pSem tudo mais de parte,
e veni augmentar assim o numero dos consumido-
res, fazendacrescpr a prouri e diminuir a offerta
djs gneros de alirnentaco, que deveriam prodnzir
para o seu consumo, qaao-to nada.
Mas, ainda assim, nao era ito para dar ensan-
chas a caresta que reina, si, a especulacao nao
creas** assa estado pondo-se entre o productor e
i consumidor cora auf.Tencia do lucro daquelle,
tirado das aoalts deste.
Ha, portanto, urna cansa complexa na -rise, e
qae trato; mu- eta ultima predomina de modo
i-mag.idor
A popt!lacio nao pode por mai9 lempo suppor-
t.ii o preeo da farinha e da carne, base entre ns
da aliiiietilaeao publica, quando esse preeo um-
i.iuntasma que a trra do proprio rico, que dispoe
lio entretanto, como tal, de meios para nrover-se
u Mea gneros sem as diTculdades do pobre.
Gamo viver o operario, o artista, o empregado
i'olilic)eaaao passarem nutras classes de nmdi-
utewtof anlogos o g.inho diario insufflciente
no mal chci'a para o supprimento tambem diario
de farkiba c carne s>-, ada casto actual deate*
genems, de que todava se nao pode preseinir,
o s por seren a nutricia da nossa popalagao,
como ainda por eslarem igualmente procos te-
melhantes outros de apphcacao igual 1
A ptesso immensa petas retardes, quo tem. f
A pressaK doiorosa pelos efeiios, que pruduz.
E" preciso dar remedio esta situaeio, que loca
ai nstincto da cooservjeio, e por' conseguinte
falla s paixoes, que euipre foram ms canse-
.lieira*.
A paciencia publica tem sido exemotar, e o pevo
n sua longanimidade espera providencias Justas
refle.ctidas, que o livrera da mo e ferro, que
ie abafa a r. spiracio.
Impressione se, como o deve, o poder pnbhco
om i?ses males, qne sao serios, e unstltuem um
assumpto, para que esto voliados os espirttos
todos.
Nao bastam essas medidn', alias froetno*as, que
Bxoa. Sr. vice-presidente, honve por bem tomar
< 'ii relacao a farinha ; nutras sao requeridas cew
"iteusao ao fornecimeuto das carnes verdes : i>o-
ladas tae? providencias, seto que apta s se prenda
.i mitra, como a farinha se liga a carne na alimen-
faci nao ha direccao conveniente, nem so corres-
ioad"i as aspiracoe* do pnvo.
IT i'bra til e teunda, em que se n3o deve fur-
lar de cillaborar o corpo legislativo da provincia
attendendo s necesidades do dia, que urgem por
urna satisfacan Mata parte.
Note poderia elle, por certo, eoneorrer para i-
ii jrar e em parte previnir a remocio deaes males;
e entre oh meios tendentes este fim, oc^orre
ooio de reeonhecida eficacia um acto prompw
'en, qoo hibite o pod-r compleme a eontraotar
o ternecimento de carnes verdes nesta eidade cornil
nina pesoa plijwca oa moral, que o.Tereca as pre-
ias garantas do bam comprir a respectivas
obrigayflaaj
Asslmaao tereraos carne 9a'4Wrh por libra
de Ota) por kilo assim tero povo carne a pre-
-t-> tasado e eammodo a todas as condices; assim
e o mea lim laawute foi cumprir o meu dever e
ver se consigo fcizer com que aquello profe-sor
cum[ira os sem deveres ; so isto couseguir serei o
primeiro a anrecia-lo, mas eniqoanto nao, tenha
paciencia que o irei acensando orno- for de razio,
e que nao e enm >:imullicado que me ha de des-
viar do caminno que deva seguir conji deputado
jeo .'Io disuado, o enaltecedor do seu |roceJUiien-
te. Convm tambem que declare aoSr. Beren-
guer ;: se respondo ao sen cauaMUuicado,
cono ja disse, em atte.ncao.ao publico, eqna dei-
.\o do o tazer, se continuar, porque cnteudo que
de-c.u de niiuha dignidade em responder a com-
iiniii -ailo* que teuhain como autor mesmo Sr.
Berenguer.
teoife, l* do junlio de 1870.
Jooqnim Ftmfcii P. B.
Ao publico
ExaoC-vo DB Mahoei, do Auraao Caj', spbue as
QarrwJUBO.UMW e rarosTiijAis wat tbm soh'iudo
EM S!,a v;0A l'ARXICULAlt E 3E U1MMBBCIANTI:.
Nao 6 do estr.tnhar que -n veaha imprensa
oceupar a atiencio publica, coa a narracao de
actos que me dizem re-]Mito.singularmente.
A estima publica, oconceito de nomein de bem
entre os so^s conciJadaos, e urna dessas vantagens
ou ri.jueza social, que ninguem recusa, e todos
procurara alcancar.
Luan 11 com a adversidaJc, quo me tem rou-
bado o direito e a justiea, ou venho impreusa,
para que, embora tenha" no resto da vida por com-
panheira a infelicidade de bens e fortuna, ao mi-
nos nao me desamparen} a estima e bom conceito
era qne semp-e me tiveram a9 pessoas que me
conuecem.
Coii-.i-eei a vida laboriosa, como artista e com-
merciant;, em 1832 ; e .moco, vigoroso. e_ ctivo
fui tirando vantagens e lucros. Esta po-icio deu
lugar a que me bypolhecassera a propriedade de-
nominadaCorturaeda freguesta dos Adogados,
em IRt. Em doze annos da trabalho constante,
nada ha que admirar.
No mesmo mez o anno passei e-.sa by;ioibeca
minha lia a Sra. 1). Luiza Teixeira do Lima, em
pagamento de una mtiga divida, con o se deela-
rou na integra.do traspasso.
At essa poca a mlnha vida domestica corra
sem no vi hdo. En: 1817. porem, tive o profundo
desgfio de ver miuha mullier retirar-se de minha
companhia, por motivos que devo calar.
Era 1850, veio para ininba casa Sra. Severina
Emilia Francisca de Oiveira, e aos 19 de* julbo do
mesmo auno minha ti a intenta accao contra seu
devedor. Uai Glho de?t< apresenu cmba/gos de
terceiro, e os ,-ierde na primeira e segunda instan-
cias. Becorrcu para o supremo tribunal de Jus-
tina, onde tambem p?rd?n a causa. Posia cm
praca a propriedade, nao appareceu lancador.
Pica com ella minha tia, tomando pose com todas
as formalidades da le.
Aos 19 de julo do 1851, tive urna filha de nome
Manoela ; e aos 21 ds Janeiro de 1833 outra de
nome Ignez, ambas dessa senhora, que cima
disse viiM-a para minha casa. Tomei minha tia
para ma Jrinha de lgnez.
Em 1854 adoeceu gravemente a inadriaha, e
apenas melborou, encarregou ao fallecido Dr. J.
V. de Castro Tavares para tratar de urna escriptu-
ra de doacio da refei id i propriedado, sua anilla-
da Ignez, e irma desta Manoela, tundo eu o usu-
fructo durante a minba vida. So liaba naquella
|ioca e-tas duas Albas, hoje tenho seis.
Em dezembro de 1800, o balanco do mea esta-
bel-jcintento da ra Nova n. 18, deu-ne o saldo de
JDi:se aos meus credores, qne vendo casas
lories, de grandes capiaes fallirem, eu linha
reeei de nao escapar latlidado de igual sorte;
e assim poda urna moratoria' aos meus dbitos de
3 a 3fi mezes, sem bate.
A n aioria delles offerrceu-rae abatiraento, dando
au garante. Depois de muito pensar, resolvi-me
hilar ao Sr. Miguel ArchaDjo de Figueiredo, para
garantir todo o meu debito, oa iruportaucu de
56:800#000.
Os loitores aj conhecem aa crL-es conamer
tiaes desse tempo, nao eslranharao que, um ho-
aieiu qua p.u>'ora 30 anaos de trabalnos. licilos,
sem ser apanhado por seus credores em trafican era
alguma, podesee,elevando essa quanua (embora
nao grande! ahar-se em apuros para paga-la.
M. Archanjo de Figueiredo propoz me: vender-
Ihe eu todos qs lijlos grossos, de ladrilho, tapa-
mento e cacimba, e tenas/por um proco determi-
nado, tudo posto no porto do H ispicio, e" descar-
rtga jo raioba emita: por exemplo o inilheiro de
lijlos no mercado se venda a 2S* e 265, eu de-
via da-his por 105, que descarregados ininba
cusa, vnba a vender por 11MU 0.'
Annui esta proposta, com o 8m benfico de
obter o garantej alcancar o abato dos meus ere-
dores, e assim ver se atravessava os apnros da
poca, em que a sorte me encadera.
Figueiroilo dts-ina : V. faz a proposita da, ca nao conhecem a ganancia que-os nnrvos for
seu proprio punbo, pedindo 50, % de abatimento ,
eu nao dou um pa so, e assigno concordando to
dos os credores, e sacando elies contra mim letras
pr.vo de 6, 13, 18 e zi mezes r alem disto. V.
Iiyoutlieca-meo nao-fraxto da propriedade Cor
turna, as fazeada existente, armaqao da loja,
no valor todo de f3:So59l3, seus neos particu-
lares no valor de 7:6365060, e as dividas cobra-
veis do de UtOfOdO. Na hypofteca qne me
flzer serio estipulados os pagamentos era presta-
cues do 6, 12,18, JA, 30 e 36 meses, afim de que
Apeitas, p.iram, ticou elle de pone da mitjba
oonrissio, mosunu-se logo austero.
Pouco depois tratamos de ajaslar as no*sas coa-
tas ; ao que -eitpr se negara antes Jora illeren-
tes Jesculpas.
Enarieguej-o de mandar a Sernliaem, buscar
urna escravin.a de nome Melania, p ira ser vendi-
da o gen pro iucto entrar no ajust de comas.
Foi um tillio dolle e uao trouxe-a : ileliuia ainda
la esla. -
Mas -u, no ajuste de cautas, paguei a Figueire-
do jtor essa viagem e por despezas judiciass que
diz toa (eiw1395.
I'aguei de desbezas que Gzeram sem lilhos para
a venda de parte das fazendas que fcaram em
seu poder9160, e abaleu elle, na couta, que
Ihe tirei dos materiae*cento e tantos mil ruis.
Kecub de l'igaeiredn tres recibos por unta das
faiendas cima: 18i julh.i li.... 60050111)
lz ouiui.ro 31.. oiS*0J0
1863 dezembro 31 l:28755M)
fassei iguaes recibos a Figueiredo 4 Irma,
crvdiunio asieg nos m*>ui livroa e baWneo, q-te
eUe aaeignaraav-ma-e est, em mea poder.
A' Miguel Arcitanjo, debita va cesta* quanlias, e
outras que elle recebia. s raateriae* que eu ha
via posto no pono do Hospicio, andavam e.m dous
con'.os e sete seatos mil res, pouco mais cu me
nos: nao passo precisar a importancia, por causa
do desapparecimento dos livros.
Para que o publico aprecie como se venderam
as fazendas da loja, basta o seguinte exemplo : i
chapeos do Chile, linos docusto d* il., e i i ditos
do cusi de 355, comprados a Monteiro Lope9 4
C- foram vendidos a 85 cada um, sujeito ainda a
15 de daspeu cada um t!...
Fiz v.)r a Figaeiredo que tendo elle dito que nao
quena abate as fazendas, e que por estas poda
dar o cusi, como era possivel veoder chapeos do
Chile liaos cora o prejuizode I8e 2051!...
Pergunlou-me Figueiredo se seus ftlhos erara
ladr.les ? Hespondi-lhe -.nao chamo seus filhos
ladree, ma pergunto se tem lugar urna tal
venda ?
Cutio enfurecido, da elle um forte murro na
carteira, e dz-me :Senbor Caj eu acabo com
o seohor.
Dsse-lhe, nao pida acabar contigo, o que pode
executar-me, visto nao querer ajustar contas.
Achaudo-se elle senbor da contissio que Ihe Qz
nojuizode paz, leva-me todos os bens em praca
e na audiencia seguinte leva em praca poi venda
a propriedade Cort.ume, qttaudo eu Ihe havia hy-
potheeado s o uso-fracto.
A mii das menores Manosla e Ignez, s quaes
minha lia den a propriedade, aprsenla embar-
gos de terceira. Era difficil contesta-la, em vista
da escriptura de 18o4.
Para Figueiredo com a execuco da hypothe-
ca. Laoea mo das letras que tinha resgatado, e
que esli pagas eon a dita hypolheca, e abre-m
falleneia.
O juiz do earamereio Tnstao -Araripe, apresen-
ta-se era minha casa, com elle Miguel Arehanjo
de Figueiredo, como curador fiscal, Marcelino
Hennque Pereira, seu compadre, como depositan
da massa, um procurador de Figueiredo, para in-
ventariar o resio des peas, e objectos ijue Uohm
voltado da praea por falta de lancador. Do bus-
ea rigorosa, e sao encontrados diversos recibos de
I-igueiredo; passados era meu favor pelas quan-
lias que de mim resabia.
Reclamo para licar cora taes recibos que me
pertenciara: o Sr. Araripe responde-me qae de-
veriam ser inventariados, ajuma-os, e manda o
e-erivao escreveruta mus de recibos. Becla-
mei que esta pbraseum raasso de iveibosaao
tinha quantia, neui elassiUcacao, e que mandasse
tomar a quantia dalles, ator quem passados, e a
favor de quero. '
Restponideu-ojot.Oeeobor persnade-e que.
juir. tem interesse em prejudicar as partas*? &!
taiordenoii aoescrivae-tonftf l un mosto de
refinos !!t
Tal o aeh das jmticas da trra I'
nnd.- .invauiaro, PVguelreUo e o compadre
unu .m c ou de todo, e levam. no carro tudo quan-
toe*- oumporm.
Dw deiioisattaaroao depositario nm d urna
satisfago :-4 sou pObre, diz elle, e alem dls>o
ralxeiro de "Hsso 4 Irmao; mea compadre W.
gueiredo for;aTa-me, ilkidlra-me, dizeado que ta-
na depesitarm por pouos dias: que todo
levara de minha casa, eslava em poder de Figa
reto, mas que, pretexto de faier nma vigem
havia requerer a sna eaoneraci). Asxiiauotiei.
Dias depois falleceu de repente !
Todo corra portanto aaraviiliosameaje'para
Figueiredo, qne continuou na posse de JQia'
b-as movis, livros, letra, duas eecrava, Joaqui
na velha, e outra do mesrao nome, que fallecanj
em senrico doaaektioo do aiasaio aventurado/f?
seu-o e depositario Migosi Arehanjo deFiguai
redo.
Esta serie.de. violencias e arbitrariedades cap
sar adrairicao aos lertores, que em sua innocea
eom hypotbeca provada que HaaFiguei
tnzfo
reda
Em todo o caso no havia fallencia, porque nao
estando lindos o nao pagos dbitos nenhnns, nao
havia ano Ae pagamiento. Alterados as deb
pos, a nova atureza resultante da novaoio Oo
contrato, exclua perematoriamenie a faipacia, a
mostr va aos oihos menos prespicates qa tal fal-
lencia era despropsito iMommcnsuravei
O tribunal da relacio desfez esta noienla trica'
esta torpe e iajiobl meada, mas nao foi obadeello
em seu lumiaoso julgado.
Vejara a aaioo.lio:
...qu ao provlmeato ao reenrso para dee-
prouunciarena, como despronunciam, ao reo Ma-
noel do Amparo Caji, aprqaanto fondando-se o
despacho de pronuncia de fl. em Cactos anteriores
de Bse77, pela qual se oporou urna novaaicia
de debito com wcaaPjecimenta da boa f do deve-
dor, extemao de seu antigo debito, nao" pode o R.
sor mais acensad* por fallencia, o que s pode-
ria dar lugar ao debito, que deixou de existir,
sanio conforme a legi lacio commercial que os
enmenerciantes s podem ser accionados e aecusa-
dos por Jalteocia quando sao devedorea, e na es-
pecie nao existe a divida que llcou extincta
na citada *rfptnra. Portanto, e pelo mais que
dos autos consta, mandara que o K. seja imme-
dialamento soho. nao estlver prezo, dando-se bal
xa na culpa, pagas as cusas pelo autor.
t ttecifa, 6 de mare de 1866. -* Firmino, ?.
Auis, Domingttes da Silva, Giti/ana, velo vence-
dor. Relator, Costa Vieira.
Por forca jurdica doste accordio, requeren meu
procurador mandado para eu ser posto era liber-
dade. Eis o despacho do Sr. Araripe :
< Citmpra-se o accordio do tribunal da rola-
cao, e convoquem-se us credores para o dia tal.
Nao se pode ler este despacho a sangue fri.
No dia seguinte requer meu advogado que man
disse por tudo em seu antigo estado, coico daier-
111 na clara e iu.penosamente o art. 808do andi-
go do coininercio.
O Sr. Dr. Araripe despacha :
O tribunal da relacao incompetente para
conhecer da qnebra ; mas nicamente tem rompe
teocia para eonlieeor do crime. >
O paraduxo juri Jico retina e ss alambica. O
que quebra, o que crime ?
A le e.iz:o juzo commercial, quando o com
mercianie de boa f, com culpa, 011 fraude, cessar
os seus pagtutentos, feehe-lhe a casa, deposite
inventare os bens, declare e qualifique a quebra
pnr meio de urna pronuncia. Depois entregue o
fallido jurisdieeio criminal, se houve culpa, ou
fraude, e prosiga' nos mais termos da jurisdicio
cooiinercial, sobre as fallencias.
E evidente qne toda a bate do juiz commercial
a pronuncia, que quaiiuca os tactos. 0 Juiz
do commercio, quando pronuncia, nio tem ponte-
te a jurisdieeio commercial, mas mixta, commer-
cial e criminal. ,
Esta pronuncia, porm, do juzo commercial,
neiihum eifeiUt produz-; seaao depois de legalaieu
te courroada, ou essotados os reoursos..
Quando o tribunal da relacio ronltece desta
pronuncia, a continua, ou revoga, exoree urna u-
nsdiccao mixta, a criminal e a commercial : por
que os fados nao podem ter duas naturezas, duat
origen dicersat e contradictorias.
Se o tribunal da relacio tivesse dito smente .
nao ha, uao houve culpa, nem fraude, mas houve
fallencia, entao sim, o juzo commercial poderia
proseguir. Mas dizendo claramente o accordio,
em recurso neoeuarto que a le prescreveunao
houve fallencia, porque n homem au era deve-
dor,- evidente que o jaizo commercial nao po-
do. pri>seguir.
E um grande contra-senso dizer a juslica ai
mesnio tempohouve, e nao houvefallencia.
O tribunal a relacio, tomando coohecinicnti)
do recurso in-rtrs-ario Ja proauooia do juiz do
commercio, nao exeree someate jursJieei > cri
miual, ras, por forca, da lei, umbeiu jurisdieeio
commercial
Leia-se o oi-cordio com seriodade e boa f :
elle disse: Vet pode ser mais o reo aecusadode
fallencia
Itepellulo pela obstinago do Sr. Trisiio Araripe,
c.r.ipuz urna accio ordinaria rescisoria.
Sena longo enumerar todo o oecorrido : eahi
da accao. porque, nao obstante a relacio ter dUo
que eu nao era fallido, o Sr. Araripe deciarou
que eu nio poda lur a juzo porque era fallido.
Nada poade aialar essa obsihucio vitanda :
ella foi ao ponto do contrariar o administrador da
massa, na clas>ilicacao das dividas, ou crditos,
apesar dalle administrador \M acceilado o cargo
pur anuzade a Pigueiredo.
No juizo commercial. s eneonuvi o vm victis
de Breno I
A hypotbeca de minha tia, catn tambera sob
o cado do novo Gaulez.
Meus lertores viram cima como se conitluio
esssa hvpotheca era.l8i6.
Em 1S66 o jaita commercial do Sr. Araripe jul
gou a simulada f O fundamento, a prova
de-ta simulara o foi o depoimento de tres testemn
abas imberbes e imbecis, contra provas robus-
las que deu minha tia.
Para bem se aquilatar o criterio do juiz espe
cial do commercio, altenda-se para o seguinte des
pacho :
Quando pas^ou a hvpotheca a sua tia, foi no
sentido della fzer doacio s doadas.
A primeira doada nasceu em 19 de julho
de 1831, a segundo em 21 de Janeiro de 1853.
Em 1816, a mii era menor, e resida em
Saniarm (comarca do Para) d'onde era na-
tural.
J eu premeditava que essa mulher vina a
Perharabuco, entrara para minba casa, delia te-
ra lilhos, e portante acautelava o futuro des-
tes ( antes de uascerem ) cora hypotkecas simu-
ladas !
Que irrisao !...
Quando, agradec ao Exm, Senhor desembarga-
dor Assis Itocna, o ser posto em liberdade, disse-
me elle: nada me deve ; nanea pensei que na ei-
dade do Recife houvessem juizes que jttlgassem
que o senhor podesse ter fallencia. pois qualquer
caixeiro de taoerna sabe que o novo contrato ma-
ta o telho.
J vai longa esta expesicao. Terminarei com
um breve resumo do meu debito a Figuei-
redo.
Era de lettras por elle resgastadas 20:7315162
nimniasa falsidades, s eleivo>iajer,i8 ja Iua.
ledicencia.
Ser innocencia eternamei;p anbjuca'da a. pre-
potencia e ao crime ? v .
Nao podare! mais respirar 'Jurante.o-resto da
mirjha .vida '
Realisar-se-baa arneaca, ou propheca M Mi-
guel Archanjo de FlgnetredojOnindo'disse astaa
-ybillina '.alavris SenriorClJij, ea 1 etdsT
bar com o senfaar ? f *
Eu invoco a beuevotaneia :jtoteceo &m ora
ailelros hornea* de. bem.
Deus a ellas nao permiitirao que a aractea se
realise.
*cclfe, 29 de abril de <870.
Manuel do Amparo Caji.
Devia elle dnheiro rebebido antes
da execuco..................... 5:6395160
Bens vendidos em pra^a adjudi-
cados........................... 6:8825616
Fazendas constantes do balanco
entregue a seus filhos............ 12:8825il6
Dnh'.iro em poder do administra-
dor da massa................... 2:2905103
Dmlieiio era poder de Figueiredo
e parte da renda do sitio que nio
consta dos autos................. 3895213
Rest Figueiredo...............
28:0835308
7:33256i6
reeses teem a aaaa massa fallida, O svatema da jjulgaya,
noasa legislacao, quedjuises -,rn-W',lT rt i
kllidfiftodop, (coes, e j
"~, a poiceutagens, deepe aran
) a gantiaa, e aorna-o en paior oaadi>
Talq,hq
joamen^
mentes,
oa
ca que um exeomniuogado. Seus bens podeai-se
dizersujeitos primeira oceupacao sao a$eim< lacnico, usan
urna cousa que o vento Iras c o vento ieya!
Oucam.
No da 3 de juahad 4666, fot aberta declara-
da a fallencia, e eu pronunciado aos 12 de marco
de 1866.
afora a propriedade Cortumeque nao entrou na
classiflcacio, mas qae e*t arrendada por Figuei-
redo por l:3lWJfQJ0 par anno, desde 24 de marco
de 1868, poca em qua tomn posase judicial p**r
ihe ter sido adjudicado pela execuco da hvpo-
theca. I
Apeca%d tafo Figueiredo pode os jaros da
tweeucilna ioaswvJaneia de 33:3085278 1...
Estou ou oaefita'tido ?
O seahor Araripe, julgou-me forca fallido, para
fazer a mmba desaraca e a de mmlia familia ;
agora jarifra-ran *o faktdo para pagmr furo* I Fi-
iguairedo omnipotente : Indo eoasegue a cunee
gira I
Bis o homem em que deposilei minha confian
qa, procuraoo-o como brasileiro para ser man
garaate. Ten-rae arrancado a camisa com a pt-1
le do corpo. m
Ainda fui informado da diversas emboscadas
feitas pur Luiz Francisco de Oliveira, para aasas-
siuar ase, o qual enta* poude avadir-se e boje
asta em < Fernando. >
Cha mea Figueiredo polica para asrignar ter-
mo de seguranca, fiiessa oceasio fiz var ao aa-
Hhar Dr, ch-fe de polica, qae em vista de dize
rem;rae ter Figaeiredo assassinads coas suas pro-
prias aios, cmat um tiro de ca vinote, para as
handu.o Ghara-meomo, em selcmbro de 1831, a
um croulo crpala,,por este fa te criminoso en
Ka a sMBha vida. A vista dnssa
~ Rgueirodo fez ranias observa-
seomo pdda.
bom, o tanM aa bondade, coai
da. .y bstanse canbectdo pato
po deMjcmI Oarivaa l 1
Constarme qde atraz da cortina se oenUa uro
amigo de Fig'neiredo, o senhor Vtotnte Jote de
*rm,'W nao opupa occaBiaa de>frocurar des-
conceitnar-me.
Os factos, porm, allam auis alto que as ca-
te
; .-,--

=*=

--------
^hCanraHrJSCal comPrar*1 Par -Cavernas do snra'rira(em'obra)
itrcm bens da massa : penade por-, b^q. do c;fa,,;r. Lr, ..._ '
josa, e do preci, a beneficio di ac#-' Mela. '
P. SAo depois de feta essa minha exponieao,
e jno prelo, pas^all-me oVsapercebidtmente'
um dos mais importantes arlgos;que abai-
xo publico,inda mostrando o privilegio exclusi-
voqae tem lido serapre Figueiredo na accao que
contra mira injustamente move.
Dit o art -863 do cdigo ortmvnfirck :
Nena o jpiz commissarioe sen escrvao. ora os
administradores
si ou.para ou
dlmento da causa
vo comrautn,
Figueiredo curador fiscal damassa, nada pe-
dia comprar ou Iba seradjudicado mas cootra
o direito expresso, foram-lhe adjudicados os bens
sepililes :
A propriedade Cortume, qne, no sndo rainlia,*!
foi-ine a forca dada, para ao depois ser dada 1
Figueiredo.
.1 mobilia de Jacaranda. -
1 mesa elstica de amare!lo.
1 carteira de dito.
2 canoas grandes.
2 ditas pequeas.
2 grandes folhas de amarello pata eana.
2 grandes pranches de 60 palmos de dito
1 adereco de ouro moderno.
Diversas pecas de ouro.
1 relogio de ouro patento.
1 grosso transelim do mesmo.
1 luneta de dous vidros cora art do ouro.
Todos estes objectos foram, ovotra o citado
art. 863, em vista do .qual, ,tem elle perdido a
caasa.
J. A. Uaj.
"------------------
Anaco (toroa),
Caibros ......
pnxams.....
Frecliaes. ....
Jacaranda (c Lenha flm adas.
dem em toros
LinhasTve esteiaa,
Lours '(iirancaTl). .
Pao Brasil ......
Ido da jangada. .
Qulris ,'.......
Viohatico miUimetros do grossura.
dem prancLcs de dous costa-
dos atUOloiilioaetrf'! degros*
sora......, .
(4W taboado de menos da 35
miUimetros de grassura
Taboado diverso. .
Tatajuba......
Travs.......
Yaras para^pescar. .
dem para aguilhadas .
dem para canoas
a3#
duzia.
om

eeato

nm

kflog.
nm
raza
um
_____LL'
COMMERCIO.
rtt-ACA Di) REUFP. 4 DE JUNHO.
DE I8TO.
AS 3 1/2 HORAS DA TARD
Cambio sobre Londres 90 d/v 22 3(8 d. por
15000 (honiiMn 1.
Cambio sobre Paris 90 d|v. 423 rs. por franeo
(hontem).
Dito sobre dito -90d|v. 426 r. por franco (boj*-).
Cambio sobre Portugal pagavel era Londws 90
d(v. 32 3(8 (hje).
Descomo ae letras 8 0/0 ao anno.
vMnoalio Jos Affouso,
Presidente.
Mesquia Jnior,
Secretario.
ENGLISH BANK
t Rio de /aueiro Lntei.1
Oescoata lettras da pra^a tasa a co-fr
;ndoDar.
iocbe dnheiro eu conta cotTeote hii
I raso Gxo.
Saca vista oa a praso sobre ss cidade
jrlncpaes da Europa, tem corresponeatet
da Babia, Bueoos-Ayres, Montevideo, Nevr-
1 New-Qrleans, e etnitta cartas de crdito
ara os mesmos lugares.
ma do commercio n. 'a-
ALFAIVDESa.
dsediraento do dia I a 3 !76:2tK52t
dw do di 4 .... ::U5io
aJ2:t75'72
JOVIMEXTO DA ALFAxNDiEGA
134
386
'oiumes autrados com fazendas
dem dem com gneros
chumes sabidos com fazendas
!dem dem com gneros
------ri20
440
533
Oescarregam hoje 6 de junho.
Brigue italianoPetra Eugenio mercadoriag.
Barca portuguuzaSoeial mercadorias.
Rirca inglezaRedbriastidem.
Barca inglezaindiumdem.
Lugar norte-aliemao- Alfredo dem.
Lugar inglezRncierbacalho.
Logar inglezSoiafariuha de trigo.
Hrigue dinaraarquez.4wwdem.
Barca francezaRio Grandemercaderas.
Patacho portuguezSaphoidera.
Patacho inglezMar;/ Cornellidem.
Patacho austriaco=ftffitfarinha de :rigo.
Brigue inglezCautros plvora.
Brigue norueguenseU//ci farinha de trigo.
TABELLA dos pikco dos gneros svjsitos a di-
reito DE EXPORTAQO. SEMANA DE 'i A 11 DE
DE JU.NBO DE 1870.
Mercadorias: Unidades. Yatores.
Abanos \....... duzia 300
AJgodo era caroco..... kilog. 2ti
Idem em rama ou em laa. > '.'i
Carneiros vivos....... um 45000
Porcos idem......... 35000
Arroz cora casca. .... kilog. 68
(dem descascado ou pilado 177
Assucar branco...... 230
Idem mascavado....... 124
dem refinado....... 436
allinhas........ urna 5000
Papagaios....... 05OO
Azeite de amendoim ou men-
dobini......... litro
dem de coco ......
urna
1
par
kilog.
laco
Met deabolb,.. .
Milho.......... (
Ossos ......... <
Paiha de carnauba..... raolhos
Pechun-......... kilog.
Pedras de amolar >
Idera de filtrar......
dem de rehallo >
Pennas deemx ...*..
piassava. ....'.... molhee
Ponas ou cfrcs de novilho ou
605000
3A
1550O
935000
350TN>
I-25OOO-
65OOU
1050X
io:-;
55000
65001
16500(1
PUMO
1444000
965D0O

65000
25400
650011
I5OOO
3530
165001
SO
320
6S
16
I5OO1
817
31
1
34
4579'.
160
vaeca.........ceate 458<"J
Sabo.........kilog. 34s
Sal. ...,...,, iu
Salsaparrillia....... t 1504:1
Sapalos de couro branco ... par 800
Sebo ou grasa em rama kilog. 3*0
dem era velan. .*.... 471;
Sola e vsqueta......, .15*200
Tapioca......... ffa
Unhas du boi.......eento 380
Vassouras de carnauba duzia 76X
Idem de piassava..... > 1|2(M:
dem ele (rabo. 1 > 9(50
Alfandega ae Pemabmbuco, 28 de junho de 187H
O !. couferente. Joaquim A. Wanderlnj.
O 2." conferenteJoaquim J. de C. Mendonra.
Approvo.Ajirmda 4 de junho de 1870.=>oc
de Andrade.
Couforoi!. Jonqum Tertuliano de Mrdeiros
RECEBEDUIUA DE RENDAS INTERNAS UK-
RAESDEPERNAMBBOO.
Recdimeulade. dia' a' 8:798513o
dem do di 4....... 1:724509*'
10:52252';
C;iNSUl.AftO PHOVINCAL
Rendiiri. nfododi 1 a 3 .
dem d 1 di. % .
9:9735567
826J72
10 80052::
. kilog.
efarmentadas:
. lilr.
kuog.
dem de mamona. .
Batatas alimenticias.
Baunilha ....
Bebidas espirituosas
Agurdente cachaca. ....
dem de caima......
dem genebra......
dem resillada......
Idem alcool....... .
dem eerveja.......
em vinagre .......
dem vinba de caj......
Bolacha ina. comprehendidos os
hjscoitos.........
(dem ordinaria,, propria para.
embarque.......
Caf bom......
dem esculla ou restolho .
Idera torrado ou molde. '
Cal branca.......*
Idera preta ....;...
Carne secca (xarque ). .
Carvo vegetal.......
Cera amarella.......
idem de carnauba em bruto. .
dem dem em velas, ....
Gh..........
Cocos seceos .......
Colla.........
Coaros de boa, saceos salgados.
dem idem espichadas. .
dem idem verdes.....
(dem de cabras curtidos .
(dem de enea.......
Doces em calda ......
dem em gela ou massa. .
Idera seceos.......
Espanadores do peonas grades .
(dem pequeos......
(em de palba.......
Esleir de carnauba .
dem propria para forroou estiva
de navio........
Estopa nacional......
Farinha de aramia ....
dem de mandioca.....
Feijio de qualquer qualidade. .
Fumo charutos......centro
937
679
528
103
;.*;450
MOVIMIENTO DO PORTO.
Navios entrados no da 3.
Xew-York42 das, patacho fnglez Mrfria C/o-
well, de 226 toneladas, capitlo Growell, equipa-
gem 8, carga ,300 barrica* com farinJta de trigo
e outros gneros; a Tasws Irmio & C.
Lisboa 3*i das, patacho portuguez Sapho, de 127
taneladas, capio Antonia da Silva Pereira,-
e )iii|, i. m 10, carga violto e oulros gneros; a
loaquim Jos Goncalves Beltrao.
Rio de Janeiro13 dias, brigue hespanhol Canpo-
lican, de 2 toneladas, capitSo Isidro Hillei.
equijiagero 13, era lastro de pedras; a Perejra
Carneiro A C.
Hio Pormosoo horas, vapor nacional Parahiba.
de 104 toneladas, comcoaudanie Oliveira, equi-
pagem 14, em lastro ; a Companhia Pernambu-
can::.
Sanios sahidos no mesmo dia.
AracatyCter nacional Delphim, mestre Jos Aa-
tonio da Silva, carga varios gneros.
MarsellleBrigue francez Mousse de Xantes, capi-
tao Prech, carga assucar.
Sarios entrados no dia 4.
Glasgnn"17 dias, brigue ingles Cantos, de 20-
toneladas, capito H. Davidson, eqaiptgem f,
carga plvora e outros gneros; a Bctapsoa
& C.
Trieste79 dias, lugre norueguense Ollar, de 326
teneladas, capito J. Stork, equipagem 8, carga
2400 barricas eom farinha de trigo ; a Kelle
A C.
Observaro.
Ni) houve sabidas.
Savios entrados no dia 5
Rio-Grande do Sol 30 dias, barca portuguesa
Nota ilarianna, de 234 toneladas, capito Fran-
cisco Jos de Abreu. equipagem 13, carga carne
secca : a Oliveira Filhos* C.
Rio-Grande do Sul18 das, barca nacional fe-
cha, de 297 toneladas.-capilao Jm Augusto de
Pinto Ventura, equipagem II, carga carne secca;
a Marques Barros t C.
Rio do Janeiro20 dias, brigue portuguez Aprigio-
de 372 toneladas, espitao Antonio da Pena a,
equipagem 13, carga farinha de mandioca e ca-
iros gneros ; a Pereira Vianna & C
Savios sahidos no mesmo dia.
BahaEscuna naciooal Sanfo Antonio, capito
Manosl Antonio de Jess, carga varios geseros.
MontevideoSumaca he-panhola Alariua, capitae
Francisco Alcina. carga assucar.
Obmvafo.
Fundeou nolanw". o brigue portugus Relm-
pago, que nao commcou com a ierra.
EOITAES.

ti
rento
kilog.
um
1
kilog.

1
dmix

ceot
kiteg.


0 Dr. l-'iaucisco de Assis Oliveira Maciti.
juiz >lc direilo da primeira vara criminal
e substituto da do commercio tiesta eida-
de do Kecife de Peroambuco e seu ter-
mo, por S. M. Imperial q Constitucional
o Sr. D. Pedro II, a quem Deus guarde,
etc.
Facj -aber aos que o presente edilal irern e
193 delle niiicia li torera que por este juizo especial do
390 commercio correm nos autos de accao ordi-
3 naria de Bento Jos Ramos de Oliveira contra
Chrstovao Starr &C, ptr sea gerenteGoorgeGas-
land Sfarr. E tendo fallecido o dito Chrstovao
Slarr, por por parte do autor Bento Jes Ramos
de Oliveira. me dirigida a petieo do tneor ac-
\ quinte :
lllui. Sr. Dr. juiz do commercio.Diz Bento J>
s Ramos de Oliveira. que havendo intentado ac-
cao ordinaria por esto juiso, contra Chriatov
' 6tarr & C^ e havendu-se este floado, quer proce-
1 der a h.itiiiiiacandos^rdeirosqiie o repreaentam,
e-que sao os declarados na certidao juuta. E co-
mo dest'S esteja someote presente George G>s-
land Slarr, o sejam oa oulros residentes aa lagla-
terra, sem qae saiba o suapcante a residen i*
. tletes, e p-ir eaaa mao tenham sido dos pt*
edictos para os larjsw do inventario, requer V.
S. que nidude citar dte George, e admita <> su>-
ipiicaate a juaMicar a ausencia das outros, para
quo, sondo jaigada por seateuc.., se faca a ciiac>
tm dital e se prosiga aos ten.11, da habilitado. \
44000 Pede a V. 5. ilsfjnhstaaiau, E receber merm
U438 ((Esteva >Uado|.
ASO Recife 31 de laaio da 1870.0 procurador M
640 gturt Jos de Almeida Pernambuce.
m
300
660
*76
30
1533
784.
15180
24.1080
2S
Idem cigarros
(dqm-em folha bom .... *
Idem em folha, ordinario oa res-
tolho ........
ld*na em reato mulata* bom .
Idera, ordinario ourestoiho. .
Rap j % .
Goraina de mandioca, (polvilho).
Ipecacuanha ( raz).....

Na qual dei.o despacho do tbeor seafliaie : Sisa,
V& jdesigno i dia 25 do correte as 10 flhrus para a
saqulricao das lestemunhas.
1 Bacilo 31 Ja maio de 187a OUveiru iluael.
E tendo o autor produiido suas teslemualias sel*
ladas e preparados os autos, subir m a miobA
opncluso e nelles dei ^1 seiitenca do the-r se-
guinte :
VialA a uquiricSo de folhas 76. e foihas 77,,uai
por provada a ausencia dos suplicados a que a*
refere a peticd de folhas 73, mando que os bbov
anos sejam citados por edictos de 30 dias e cusas.
Recite 28 de maio de i870.-'"c**--'3 **-
sis Oliveira Jtaail. .
] Por forca desta minua sellenca, o vscnvau fea
ba3sar o rseate oiliul pelo W1 cimo c^
hei or maudos os ditos aopilcalos herdein,
a sao os segiiites : SaVia AKoatto, todo as -
AnnS-llaria Arbuckle, ti}'a Taclo^u-
os sobrinbos rajaJoa -
que rio estejA sa-
'rangelro, e qie satn
ios oa rmaas, vl'yea^a.ol-
idqe'do dito ITaa'o.para qde couuiar3C>m no in-
dicado praso ueste juizc, afifo de alegarm e que
for de j uslica.

m
ILEGftR


~*m

L_A



Mi

Diarw da ,PM4a1>U.O ,, %gW^W &pl 8 4rVifc^ 'v

ae
E para qae cheggie o c^neeimento dte
toos, rnaatlp*i>roprejfcnte. que sena
publicado pela l^prensa e affixado nos bir-
lares do Hotteaia.
Rttcife 31 Eu, Manoel Mara -iUdrigoes do Najcl-
mento eacrivio o sobecrivi.
Recife SI de mam de 1870.
________Ffnety de Assis Olivara Maefel.
acto d Aoujoo fpseca, cavajleiro da imperial
onfott 4 Rom, taaaaw eoruMl commadute
du i*.NUlblp MUtoht da, guarda nacio-
nal da tuaMiMw
elbo- do julld
*odro Goneaivea
rador te
.Faeo saber qe teada.&e concluido a, qualinca-
cao do guarda* uaewca* da. parocuia do Usare,
achara- affixadas no tolarior da tnaiita, aa w-
peenvas lista a q, prtanlo os cidadaaa que
Mvawm de redamar aeus dtraito, o davero rt-
si,
do
MI Mi
if."fc~
DMWBdBTTH r
qaatre mllneiros de
10 camas de vento, oento
f eorreare departo de tft
Ir presidelR do coa-
a paroflMa e S. Fre
Kecia, por & ai o Mpe-
nieblas, polei
os
rras de
lii de
-teca-
nade
par* pipa,
e Time braca de
ptenla nevada,
aer par uaeio de nqpmmeftoa asignado por
.** procuradorn, na conformidad
f*f 3 do cecrelo n. 7J, de 83 de ouiubro de
*#: uto ai o priitaelra. d* de *u segunda
motan, coma determina o a. JO do 4 .trote o.
iM0,de 13 de marco de i8 ; nado que, dita
segunda reuniao coomcax a 12 de \aotio pronimo
viadoaro, a % horas da maahaa podendo antas
aeaeaa eutneguas o prasidaota, o eoreuria do
ooneelbo, os requer a t*tai la eonfcrmidade do
niesmo an. SO.
O cidada que requewcara, eu que ti ver de
reqwarer pasaagwn para a werva, se de veri)
apreeeour na sala em qne funeciooa o coeeelno,
no da 14 do masa aaez, ae 10 ora da maabi,
atim de ser ra inspeccionados ; lieanda ioienaido
que o conselho nao tomar conhecimento dos re-
ijunrmentoi do ueadegaada molestias'nao coro
parecerem a mspeccaa que como dito tica, lera
tugar no predicto da I* de jonbo prximo futu-
ro, as 10 buras da machia, e nao alleguem de-
pas ignorancia.
E para que chegite ao coohecimeot#de todos
maodei pa imprensa e afosado nes tugares mal* pblicos da
paroebia.
Sala das sessoes do eonserhn de qualifleacao da
guarda nacional ds parochia de S. fre Pedro Con-
calves do KecHa, 30 de mai de 1870.
Dt'cio de Aquino Fonseco.
-------------___I lili
DECLARACOES.
11W> ratqasttp de farro, 00 narras da ierro ioglea
los para gfeftia, 300 vardes de ferro iaglez
a 3* gle quaarai de f a 4(8 de gnMaara,. 6 fule in-
gleses tendo cada um 8 ps de comprimento e 6
de largo, ? livros grandes da lio, papel pautado,
de 200 folhas, 1 livre grande, papel pautado, capa
da eonro, de 200 folhas, 2 livros grandes papel
pautado, capa de couK, de 130 forhas, 10 livros
grande,, papel paulado, de 200 romas, 20 lirros
grandes, papel pautado, ds 150 folhas, 80 nvros
peartenos, papel pautado, de fio folbas, 8 arrobas
djiaa barriguda, 20 lences de ferro de 1[4 d
grt's.'nra, 6 p4s de comprimento e 4 de largo, 100
pratos traressos de folha, 40 mimeiros de pregos
de ferro de batei grande, 10 arrobas de pregas de
ferro de \- polegadas, 2 resmas de papel bollanda,
20 prosas de parfosos de metal sortido?, 10 du-
2ias le tahuas de po-carga de 1 polegada. 40 li-
bras da taxas de cobre, 40 garrafas de tinta V
escrever rxa, 40 garraras de tinta de escrever
prata, e 400 remes de faia.
Sala das sessdes do conseibo de coaaaras navae
30 de maio da 1870.
O secretarlo,
Alexandre Bodrlgqes dos Aajo-
23L
=*>p!mii,jirari a pimffww^ltfr'yWiri?"
te Sulftense, afilia rouete algiua aanga a frea:
fraur oainS.Lsl(JaIrmln*f raad* Madre de
OeAg n. 1.
|ra forro de, sala, 1 rico lustra &*
--. -ae.
-.A-.--- .
*
bronce
a
"*f*r
Era virtude da ordera do Illm. Sr. capitao de
ragau e capitao do porto, faeo publico para sci-
acia dos seohoras po^Miidores de madeiras, que
sjj :.caui depositada.as praias oa nos caes, por
mais de cinco dia>, eu uulros quaesquer objectos
que emharacem o transito publico, anda quete-
nhara licenoa da cmara municipal, que ieam su
jeitos m penas mareadas ao artigo 14 do regula-
itiento de 19 de maio de 1846, se nao retira-
ran no referido praso de cinco dias taes objectos.
Tambero manda faser publico qne tem desig .a-
lameato, que as embareacoes do trafico do porto,
laes como alvarengas, lanchas, canoas e outras,
estacionem na eroa djs Passrinbos, ou na mar
ppqueoa, ni' podando oenhuma dessas embarca-
roes ''star tundeada ero qualquer utro lugar a
nio s^r carreganda oa descarregando, e todas nu-
meradas e marcadas coro urna letra do alphabeto
para do>ignar a estatao, cmo se deve observar
pelas Ucearas de que deverao estar munidos os
donas de taes embarcac33?, na cuuforroidade do
artigo 76.
Caphauia do porte de Pernambuco i de maio de
1870.
O secretario,
Oeeio de Aquino Ponse<:a.
COIPANHIA
O caixa desta con-Danhia, coramendador
T'iomaz le Aquino i-'aaseca, acha-se auto-
risado a pajar ao MU escriptorio ra do
Vigario n. 10, $ 10 horas as 3 o 44 dividendo esta compaabia na propor-
fo de '& por cadaacQSo.
Escriptorio da (. utnpanhia do Beberibe
28 de maio de iS;'..
O secretario,
Dr. Praxedei G. de Soma Pitaiiya.
Faeo i- nstar a quem convier que, em vir-
tad i!-> delil sragfes do Exm. Sr. presidente da
provincia, de 7 de abril ultimo e 16 de maio cor-
reate, o Iixrn. Sr. conselliero director geral inte-
in-i >ia nstraccSo publica, tem designado o dia
l de j ilio prxima vindouro, pelas 10 horas da
manha.n. para ler lu;a~ nesta secretaria o exarue
Oe vericagio de capaetdade para o magisterio
primari'i d.> sexo feminin". ao qual serio admit
tidas, nii s as seaboras, que j requereram, afi-n
de poder entrar no ci-ncnrso a qne se vai proce-
der para provimeota das cadeiras de iust uceo
primaria do sexo feminino, que se achara vasas,
n \mh o ao que para tal fim se quizerfm
ficrever nesta hecretaria, na forma das instrnc-
5es de 11 de junho tie 1839, at o dia 8 do mes-
nii as.
Secretaria da natrae|o publica de Pernambu-
co, 8 de maio de 1S"'>.
O secretario,
Aureliano Augusto Pereira de Carvalho.
DiispIho k compras navios
O conselho contrata, no dia 6 de junho prximo
vindourp, a vista de [ ropostas recebidas at as 11
Juras da inanha, e sob as condicoes do estylo, o
.raec i ment no trimestre d julho a setembro do
corrente aano, de vireres, dietas e outros objectos
<1e consumo secoint^r : arroido Maranhao, azeite
lose de Libia azeite doce inferior, agurdente de
20 graos, assucar tranco reflnado, assncar branco
j.'rossu, aletria, arariita, bacalho, bolacha, bol; -
cbinha americana, cragica pu inilho pilado, caf
em gru, cal mado, cha nyssofli carne verde,
carae secca do Itio Grande do Sul, cevadinba, car-
nauba era vela, feijao, farinlia de mandioca,' ga-
imhas. traba, malie, maftteiga ingleza, manteiga
fraoceza, pao, ji.Dao mas-a, sal, toucinho de Lis
>oa. tapioca, lijlo de alvenaria grossa, teraa, vinho
i i Lisiioa, vinagrada LisiOi, velas estearinas, e
vdas estearinas da 8 era libra para Linterna
Tarahem o conselho no mencionado dia 6 do
crreme mez, e pi: igual furnia, proraove a com-
pra des objectos d .aterial da armada seguntes:
10 pecas debrim, 2' aJmotoas de fidlia para azei-
', 6 Larras do '"> latido de pupoca de 2 1|2
De ardan do Illm. Sr, coaaelbeiro iaspactor
esoorarja de fazanda desta provincia, sa Caz
publico para, conhecimento de qnem ae interessar
2ue, a< 2 huras da tarde do dia 13 daste aauz irlo
praca peranle a junta da mesma thssouraria,
para serem arrematado per quem por mena fl-
er os reparos de que precisam diversos ponto d
edifQoio em qae fuaeciona a alrandega desta ca-
pital, oreado em 1:3791600 conforme o ore-a-
mento e clasulas especiaos que serio franqueados
os prteudentes na secretaria da dita thesonraria.
Os iicitute deverao habilitar se previamente, mos-
trando-s anlhenticainente desembaracado* e
quites tanto para com a fazenda geral como para
com a provincial.
Secretaria da thesonraria de fazenda da Pornan -
buco, 4 de juaho de 1870.
Serviodo deofficial-maior.
Uannel Jos PijUo.______
Consulado provincia!
Peto consulado provincial faz-se publico que em
o mez prximo de junho eomeca a correr o praso
dos 30 dias uteis para a eobranea bocea do co-
fre dos impostos da dcima urbana de 3 0|0 sobr.'
os bens de raa, de corporacao de mo-morla, e
do cmsurao deasuardente, relativos aocorrente
anoo fmanceiro de 1669-70, incorrando na mulla
de 6 0|0 os contrlbuintes que nao satisfizerero
suas quotas dentro deste praso.
Consulado provincial 27 de maio de 1870.
0 adminitrador,
Antonio Carteiro Machado Rios.
M repara sa para sabir com a passket brarida
de o paucho Qw, porter a malor parte-da dar
ga, e para o resta qjjta loe falta trat-s* com
coaaJDaiario Joaqiim Joa Goasaives Beitro :
roa ) Commercto n. 17.
'mimmlsM
Paquetes a vapw.
Dos poites do sol esperado
al o dia 7 do. coreante o vapor
Armas, eommondante o primeiro
tente Jos C. Buarle, o qual
depoi da deaaora da castume
seguir para os portos do norte.
Desde j recebern-^e passageiros e engaja-se a,
^rga que rpor poder condniir, a qual dever*
ier embarrada ao da de aaaanegada. Kncommen-
lasediaheiro a frete at aa 2 horas do dia da sa
tahida.
NSoserecebemeomo eacommendas seq|o ob
toctos de pequeo valor e qae nao exaedan A duat
ir robas de peso ou 8 palmos cbicos de medieao.
rudo qwpaasar destes limites daver ser emkar
cado como carga,
Prevwe-se aos sen-hores passageiro qae snf
passagens s se raeeaen oa agencia, ra da Cruz
o. 57. andar, escritorio de AotMnio Laiz de
OHvaira Axevedo A C. _________
COMPANHU PERNAMBUa\Ni
D8
%'avegaifSa costeira per vapor
Parahyba, Nata', Maco, Mossor, %n-
caty, Ceart, Mandah, Acarac e
Granja.
O vair Pfrapoma, commandar-
Aaevedo, seguir para os porto?
_ cima no dia lo do crvente as oora-
la tarde. Reqebe nendas, e passageiros e dinheiro a trefe at a-
i horas da tarde do dia da sabida no escripto-
rio do Portado Hatos a l>. '
peto
com
flor, i
-r,V f'K '-tod-' l.ifif.\'!irtrjj roii,,:. aOi'd.i
**5.r*1*k.'. deic-M d: ^jtk, WaUw
mesa Gm aba*, livftjtv mesas elsticas, appara*
dores, gfurdA hngaa, juanuMbos de porcelana
para cbiejantar, obJeelM da elactro-plate. co-
ja, eatees, garrafas, coaoteiras, cama de ferro,
litas para menino e vlnhd,TJm maerriira de eo
tu dita de engommar, 1 fbgo *e Ierro, i
fambaa le regar e de wpoefco, 'i oarro grande
TOberto, i dog car,. alhSs, rvelo e amitos
outros objectos que alario patente* ao exarae
das eonearrentes.
oh l*'^*fi!*r,, f dC I***
Fnilippe Neeahatj. tendo rotirado-se com soj
milia para Europa, far leilo pqr iutervecao
agente Pinta, dos rooveis e mais objectos existen
te em casa de su residencia ra do Mpwego
d. 101, aoode se eTeetuar o leilao no da 7 do
correte, o qnai dever comecar as 9 ti horas
em ponto por screm amitos os lotes qae tem de
serem expotus. j
tos fogos artifldaes" 'ndos de fora do imperio,
certos deqne nftnca*l!>nr"uraa norte faajbrilliaute'
ola diversidad" o os'o do rogo -crvicido aljMMii'
-ara ~er **!> sobre agir oU naca jfliytiii a sr.-i
vi-ndido em doria* nrtra chfg,* a .*% u <&
corrate*: aexia-feira K) do cuironte no largo
do GerpoSaato aofdo caf cumiitcrcial aa
horas.
-i-
Pi deafl-!'* dc.C0loreir.i
'"!*# rtlfejfnper.
Socledade ET

Mauricio tt.'.^ dos Santos Ribeiro far leilao por
intervenga i do agente Hartins, quarta-feira S
ne
londoesta sor
serob getal, a
ue a ella de sua espontaneid
Pt^9t'f10 cllego de S. Pt
profBssor particular Joaqun '
Iho, para leccionar priraeiras letras, j
portugueza, caligraphia, aritametica,
ente anj.
^mpetenie ntati
liabiliUr-* oas
eonclusae do referido lelio. I Zl S^St Cm ? commiS*>
Observa.se a,a rjreisttto^qi.e fbrao v^i-tejaf^MP^
dos muitos oblectos pormeuo7de sen valor in-1 S^S SV' *-,Tst
trlnsco, bem como caderas de eu, ralogip de ^fa0^Jtr!^?.n,lfc,ri?.h9'
ouro e de pr(a, r^rentes, arrneisTtc., etc |J**g t^*^?!*^**0.**
Comp-xecam porlanto os preteneutes no dia ^l^^m \^^^^^
iridieadoasliaoraadodiaiiucapechlnchacea- m*!t* "eAm
3L
Capitana do porto de Pt mam-
buco.
Em virtude da ordem de S. Exc. o Sr. vice-pre-
'idela da provincia, manda o Illm. Sr. capitao de
fragata e capitao do porto publicar o decreto n.
460i de 2 de abril de 1870, qne concede perdi
diferentes pragas dos corpos da armada, impe-
naes marioheiros, balalho naval e marinbagem
que (iveram a infelicidade de desertar da escua-
dra imperial, e o que se segu :
Commiserando-me das circumstancias em que
se acham as differenles pragas dos corpos da ar-
mada, imperta* mannheifos, hatalho naval e
m'irinhagem, que tiveram a infelicidade de deser-
tar da esqaadra imperial, apartando-se de suas
bandeiras : ilei por bem. por etleitos da miaha
imperial clemencia, indultar a9 referidas prag>s
com excepca das que deserlaram para o ioimign,
o crime de desercao, apresentando-se porm os
reos as autoridades multares ou civis, dentro do
90 dia;, contados da publie ico do presente de-
creto em cada urna das comarcas do imperio, ou
nos lugares em que houvereru capitanas do por-
los, estaooes navaes ou navios surtos, indurado
neste indulto os reos sentenciados, e os que esto
por sentenciar.
O barao de Cotegipe, do meu conselho, senador
do imperio, ministro e secretario de estado dos
negocios da marrana, assim o tenba entendido e
faga exteutar.
Palacio do Riodelanoiro cm2 de abril de 1870,
quadragesiroo nono da independencia o do im-
perio.
Com a rubrica de S. M. o Imperador,
Bar o de Cgtegrpe.
Capitania do porto de Pernambuco 24 de maio
de 1870.--O secretario.
Decio de Aquino f*nseca.
AVISOS MARTIMOS.
COlIPAlHIl
DAS
Mes3ageries imperiales.
Af? o dia 10 do corr'nte mez espera se da Eu-
ropa o vapos, francez Gironde, o qual depois da
demora do costume seguir para Buenos-Ayres,
tocando na Babia, Rio de Janeiro e Montevideo.
Para condicoes, fretes e passagens trata-se na
agencia ra do Coramercio n. 9.
Al o dia 11 do correute mezesperase dos por-
tes do sul o vapor francez Smah, commandante
Massenet, o qnal depois da demora do costurae
seguir para Bordos tocando era Dakar (Gore)
e Lisboa. Para condicoes, fretes. e passagens,
trata-se na agencia ru" do Commercio n 9.
Rto de Janro
Para o rr-ferido porto pretende se.uir com mui-
ta brevidade o patacho rabe por ter a maiof par-
te da carga tratada ; e para o resto que Ihe falta
e escravos a frete, trata-se com o consignatario
Joaquim Jos Goncalves Beitro, ra do Com
mercio c. 17.
PARA'
Para o referido porto pretende seguir com umi-
ta brevidade o patacho portuguez Nova Sorte, por
ler a maior parte de seu carregame to tratado, e
para o pouco que Ihe falta, que recebe a frete
coramodo, trata-se cora o consignatario Joaquim
Jos poEoalvos Beitro, ra do Commercio nu-
mero 17. >
PARA AfiAHlA
contina a receber carga a frete mdico o brigoe
italiano Pafro Eugenio : a tratar com E. A. Burle
4., ra da Cruz'fi. 48. *
ASMA BRA81LE1M
DE
Paquetes a vapor.
Dos porto? do norte esperado
at o da 8 do eorrento o vapor
Tccantins, commandante J. M
F. Pranco, o qual depois da de-
____mora oooostume seguir para os
do sul."
Desd j reeebem-se passageiros e engaja-se <
carga que o vapor poder conduzr, a qnal derer;
las e dinheiro a frete ateas duas hora do dia d
Alo se recebem cono encommendas senao ob-
lectos de pequeo valor e que nao excedara a 1
arrobas de peso ou 8 palmos cubico de medi-
gao.
Tudo que passar destes limites dever s)
embarcado como carga.
Preyine-se aos Srs. passageiros que suas passa
gens s se recebem na agencia ra da Cruz a 57
f andar, escriptorio de Antonio Luiz de Oliveu-
Azevedo & C.
COMPANHIA PERNAMMCANA '
DE
Navegando costea por vapor
Macei escalas.e Peoedo.
O vapor Giqui, commandante Costa, segui-
r para os nortos cima no di;. 8 do corrate.
s 4 horas da tarde. Recebe carga at o dia 7,
encommendas, passageiros e dinheiro a frete
at s 2 horas da tardo do dia da sabida, no es-
criotorio do Forte do Manos n. 12.
E importante leilao
DE
FAZENDAS.
HOJE.
O agmte uliveira far lei'io ao
armaiem os rs. rhomaz
JeffcriV C.
46Roa do Commercio46
DE
variadtssimo sortimento de fazenda- icglezas,
franeezas e aUemes de fi.. linho, algodo e seda
toda de lei, e as mais propria* do mercado como
sejam: madpo|Bes, algodoea da todas as quali-
dades, chitas dos gestos mais modorans, oassas de
diversos gosfos nunjerosas out^as que consti*
tuem um eeeolbioo deposito da feeudas as mais
procuradas.
TAMBEM
grande poreao de fazendas a variadas vradas pelas
vappres ioglezes Pattai e Jrp'"' de Liverpool e
por risco da quera perieacer.
Principiar a 10 horas da munhia era ponto.
tinuara.
. AVISOS DIVERSOS.
-------------f--------------n------re----------
Si roa Nva n. 90, andar,nreaisa-se.alo-
gar um escravo do 14 16 airaos para o servico
de casa.
Secretaria da sociedad Ufeeraj Vnift Aatati-
cente etn 31 de maio de 1870.
O secretario se
Jos Joaqni
AH
ni
indo de 1*
e Sant'naauL
I
_ Faz-se qualquer negocio com a loja n. 42
sita ra da cadea do Recife, proprr para ar-
mazem de gmsao trata por se actiar eoi iim dos
melhores locas : tratar Da mesma.
A Sra. viawa Carroil queira mandar a asi ly-
pographia a uogocio sen.
Aluga-se o
mero 58.
segundq andar da ra .Nova nu-
De morete. Iones, vidrn.
taes e enanos.
Terpa-feira 7 de junho.
No sobrado da ra do MonVgo n. 101.
erys-
. COMPANHIA PERNAMHCANA
DE
Vaccgapo costera por vapor
Mamanguape.
*ff^\r O vapor Curtiripe, commandante
-' 'IL-* ^''va> seKtlira P*ra u Porl ac na no
-aarf dia U do corrente as 6 horas da
tarde, decebe carga, encommendas, passagei-
r se dinheiro a frote at s 2 horas da tarde
do da da sahida -o escriptoriodo Forte do Matos
n, 12._____________________^__
COMPANHIA PERNA.MBUCANA
DE
\avcgaeo costeira por vapor.
Goianaa.
O vapr r Parahyba, seguir para t
porto cima no dia 6 do corrente.
as 9 horas da noite.
B -cebe carga, eucommendas, passageiros e-di-
nheiro a frete no escritorio do Forte do Matto>
n. 12.
i
COMPANIUA PERNAMICANA
DE
Navegacp costeira por vapor,
Porto de Gainbas, Hio Formoso e
Tamandar.
O vapor Parahyba, seguir para os pertoaaci
ma no dia 10 do cotTente meia noite. Recebt
carga, encommendas, passageiros e dinheiro a fre
te no escriptorio do Forte do Mattos n. 12.
ara Maranhao
A barca portugueza Josephina, que est a che-
gar do Rio de Janeiro, d'onde j sahio, seguir
para Maranhao c m tida prestes, para o que
desde j enganja a carga frete barato : trata-se
com Marques, Barros A C, no largo do Corpo
Santo n. 6. 2o andar. __________^^
(Para o Po to.
Para o referido porto pretende seguir com a
possivel r>revdade por ter sua estiva prorapta a
barca portugueza Saphira, para o resto e passa-
geiros trata-se com o capitao ou com os coasig-
natarios Thoraaz de Aquino Fooseca & C, ra do
Vigario p. 19, 1 andar.
LEILOES.
de movis, louqa, Crystaes e
carrps.
, A SABER:
Mobiasde Jacaranda, pianos, ricos quadros
com taa3 gravuras, di\-ans, espelhos grandes, ta-

LEILAO
com 2
e com
DE
Cerca de 300 saceos com fariab,
alqueires cada um, de marca S-
toque de avarn.
Terc^-feira 7 do corrente.
agente Pestaa far leilo por ecmta e risco
de quem pertenor de cerca de 500 saceos cora
2 alqueires de farinha de mandioca milito lina e
com toque de avaria, vinda do Rio no rapar ame-
ricano Merrimak entrado nesie pono em 1 do
corrente mez de junho, os qoaes sern vendidos
em 1 ou mais lotes a vontade, terca-feira 7 do
corrente pelas 11 horas da raanba no trapiche
alfandegado.do Baro do Livranieuto, no Forte do
Mattos.
Precisa-se de ama ama para ama casa de fa-
milia de 'i pes-oas: tratar ira roa estrerJa do-
Rosario n. 43, 2 andar.
Aluga-e na roa da Aurora a. 20, urna are-
la da 20 anuos, qne sabe coaer engommar e faa>r
o servico interno de urna casa de familia, stodo
muito carinhosa para erianeas.
AMA
Attencao
O 8r. Flix Peraira de Araujo queira ter a
hondada dirigir se.ao largo da Santa Cras n. 14,
a negoeta de sen intewaase. ^^W
Paul CWvip, 1
Mechaaieo conhecido a 10 aooos nesta ridade,
partecipa ao publico que leudo diasoivi'o amiga-
velmente a sociedade quo tinha com o seu cumia-
do Cario Ployn contrato a se achar a sua dis-
posico para o que diz respeito a abertura de
burras, machinas de costuras, armas, fechafluras,
collocaeao de campanhiuha e todo qualquer con-
cert.
Precisa-se de urna ama para cosinhaf a lavar
pava casa de pequen familia : icatar na ru
*' vfr"k >*
li.'oedaitio da ponte
do
AVISO
Os senhores eredores do casal do
da Costa Campos podero rir receber
no largo do Carmo n. 1.
finado Jo3o-
su. contas
\
Padaria.
Bra que se o&Breee sociedade a urna pessoa qae
esteja habilitada para a sua administracao, e tain-1 Aluga-se urna escrava para (oo servico
bem se Ihe cede a casa, se assira convier a am-' casa: na ra do Imperad ir r>. 50. 3" andar.
bos : a tratar no caes da alf.mdega u. 3;
de Sani'Anrra ptlo ujicbo que aju-iar-s.; : a tratar
no sitia ao arpo junto ao mesmo pedagio.
Oweja-s^ follar
Aos senhores abaixo declarado-i :
Coronel Manuel Carneiro Cavalcaatt d; Albnqner-
que Laeord.
Joao Jos de Miranda.
Joaquim de Menna Cardoso.
Mano-1 Thomazda Lta.
Jos Joaqun Martics da Cruz.
A' ma do Duque de Caas n. 7.
Ama
Precisa-se de urna ama para todo o seraif^do
urna ri-a de pouca familia : na ra de Moras *u
mero $8_______ ^_________________*~
Passadkaies ferro
P ecisa se na tinturara franceza. roa da tape-
1 ratriz u. 35._________
~de
LEEL40
De crea te S> sas de Verri.
Terca feira 7 do correte
O agente Pestaa far letlio por couta e risco
de quem perteucer de 60 caixas com massas do
Serri era um ou !mais fites a vontade : terr,a-
felra 7 do corrente as II horas da maahaa no ar-
mazern do A'nne.-.
LEILAO
De ptima mobilia
A 9 do corre te.
En consequencia do Sr Joaquina, Montciro da
Cruz haver seguido para a Europa e ficado o
agente Oliveira incumnirto de facer o leilao da sua
mobilia consistiudo esla era urna esplendida guap-
nico de Jacaranda para sala de visitas anda qna-
si nova, tendo a m.'-a do centro e o cousolos
lampos de ricas pedias marinera, outra dita ara-
bem completa em piimifi uso, censlos differente-,
bancas para.jog.i. '...:,a:- secretarias, cadeiras de
balanco. de bfaos e outras, guar la vestidos e
guarda ucas, rraarios. comroajilas, espelhos e
t-lucadires, ese.';, ^ : alcaiif-.is d salas, leito para
casal com corri.ii.o, d.u.s .enoic?, apparadores,
mesa elstica nata jasur e nutras diff -rentes, la-
vatorio;-, lindas ii;r e .rros de porcelana pa-
ra enfeiles, exc -lenle^ relogios para .cima de me-
sa, casticaes com' mapgas e canlelabros de vidro,
caidieiros, globo trrrestre e atlas, superiores cor-
tinados com snelas .ara janelias, apparelhos ae
porcelana parajantar, sobremesa, eh ecaf, gar-
rafas, copos e oulros crystaos e numerosos outros
artigos uteis como indispensaveis, f.ii o mesmo
agente o indicado leilo
Qainta-feira
as 10 horas da manha, no predio ra do Impe-
rador n. 59, 2o e 3o andares.
de cadeiras para sala, lisasy de
balando e pira meninos.
Quiola-feira 0 di corrate.
O ageBte Pestaa far lelio de poreao de
deiras novas^ara sala e de jantar. de '
para meninos em lotes : quinta-foira
rrate pelas 11 horas da manha
mercial largo do Corpo Santo.
no
ca-
balando e
9 do cor
i-af cora-
Grande leilao
De fogos^rtificiHes pira festejos das noites
-do milagroso S. Aotanio, S. Jo3o e S.
Pedrs.
Stxta-feirB 10 do corrente.
O agente Pestaa far leilo por conta a risco
de quem perteucer de diversos e nunca aqoi vis-
Precisa-se de urna ama para coiiuhar
praca da Boa-vista, botica n. 6.
na
Precisa-sc de urna preta
leiro : na ra Pormosa n. 0.
para vender abo-
J. Fe-F^ira VilMa
WS>T04ltAPII 4 I ti 3 5.'ISI Al.
18RA DO CABUG-----18
504000 de gratifi-
capao
No dia 5 de abril de 1870, do sitio do Arco da
; travussa da !'' de (Jetada, i'ngi o preto bido-
ro, de naca" Angola, de idade 42 anuos jkiuco
1 mais ou meno viixo, corpo regular, cabe*a pe-
j quena, rosto reloiido, com algaim barba uodtei-
A ntrala c pelopnte' du matriz. :^0 e n0 ()ueix, mM e v^mtm^ meuu>
Os Irabatbos da reedificar, desta pliotograpbia,. tinas, anda apressado e passo curto: consta que tem
e que se prolongaran) por tanto tempo, a^ham-sa andado a ganhar nesta praca : levou vestido Wu-
felizraente terminados e ella aben i ao servico de a curta de algodosinho cal^n iW, olop.i, e cha-
pubbco desde 7 de abril passado. i peo de paiha ;: carnauba de abas grande, seo-
0 predio era que ts| colliKada esta photegra- do visto c mi camisa do luadapulo ordinirio, cal-
pliia acha-se muito augmentado, e s a parte desti- ?-\ de briin escoro e chapeo de Litro rogase
nada ao estabeleci.nento conla cinco salas, inelu- .as autoridades poliriaes, c.iprt de cimpoe, oa
sive as do laboratorio. Todos os concert e aug- qualquer pessoa o prendara, ou mandn pesar,
raemos tendo sida fetos ex,nressamente para se ^ue levando ao mesrao sitio, on na ra da Groz
montar convenientemente a photographta, e nao se a. 32, ser recompensado com 580000.
podendo melhor modelo escolher do que a Photo-' ---------------------
i/ra/iia Imperial do Sr. Insley Pacheco doKiode-
Janeiro, o primeiro piutographo do Brasil, e um dos j
m M8II1. M
Imperio do Brasil.
pnmeiros do mundo, segundo a opini> dos mais;
abalisados mestres, a. no-sa pootographia acha-se I
disposta e reedificada pelo m<:.-mo plano da da'Sr.
I. Pacheco, a qual f >'\ montada sob todas as regras. ~,
reco:nmemlada pelas mais dostiuntos professore* -rranle eXpOSI^aO lia CIU ..tie (le
de accordo com as modificacoes necesarias a* ;. \vr lrva
clima do Brasil, reconheeidas e estilladas pe ha- vyOruOVd,
WftroeinPSor0 VSS2* esta nossa' K ..^PBLGA ARtEITIM
photographia foi mudado desde a soleira da parlada., No d,a ** do ^utubro e 1870 tera Iu-
rua at a coberta, teulo-se deraolid) toda as pa-. arar a abertura da exposico nacional em
redes interioras para se fazerem as novas salas, Cordova.
edifican,'.o-e um oro terraco envidraraderoui previe-se. portante, a todos OS proiac-
espacoso i! elegante. ', ,,' u .-.
Como sabido, fizemos urna viagem expressa- ores, agriculte-es, fabncariles, artistas e a
mente corte par., Mannariao a melb iree pho- lodos aquelles qu.1, exertjam qoalqaer tudas
tographias all, e foi a do Sr. 1. Pach co, a que rio, que na dita esp -siijo se rtcebem tad'S
melhor corresponden a..snos5os desejos e aspira os ^,,^05 da ia>lu>tria 6 agricullura
brasilera, assim como todas as mi .hias e
utensilios que quizerem reme .ter.
Estes productos esto isentos do? direitos
da alfandega na Repblica Argentina e po-
der5o ser dirigidos cidade do R >saro. de
(ilustrado publico onde sero tranporlado? pelo caminho de
ferro central.
Para mais expiicacoesdirijamse em Per-
aambnco, ra da Cruz n. 3. ao consulado
argentino.
ces, e da q tal trouseinos os planos depois de
all estarmos todo um mez estulando apro-
veitarKh> as licoes de i;\o disiincto inestre. Poa-
samos que juntando os noasaa estados a longa
pratica de 15 aunos de photographia s utilissiroas
lines ultiman ente recebidas do Sr. f. Pacheeo,
tendo montado a nossa photographia como se
acha, podemos offerecer ao
d'esta cidade e aos nos*os nu i.erosns ffegueaes
trabalhos de photographia lo per'eitos, como so
poder desejar, e disto convencidos, esperamos
que contiuuera a dispensar-nos a mesma pro-
teccao com que ha to anuos nos tero honrado o
ajudado. i
Urna pessoa que tem de vencimento 3.000#,,
precisa daquantia de 1:000,3 a premio de 2 0,0 ae |
mez, para ser paga era prestacSes mensaes de
m>. dando-se fiador idneo : quem qaizer deixo
carta nestt typographia W. S. C. on auouncie. j
Agencia de leudas |
Ra do Imperador n. 16
Neste armazem recebe-se para serem vendidos
eaa leilo, ou em particular, por conta de seus do-
nos; aovis usados, tonca e christal, ou outro .
qualquer objecto de prompla venda ; assim como
tambem comprase trastes usados.
Faa-se qualqcvr negocio^ com a loja n 42, cita .
ra da caleta do lente*propria para armazem roa do Vigarioo. 4, pavimento ter eo.
de prooo-arati', p se achar am dos melhores l-
caes : tratar na mesma.
COMTRAFOC.O.
a Companhia Indemrusadora, estabelacidae
:esta praca, toma segaros martimos sobra
avos e seas carregamentos e contra, fog
m edificios, mercaduras e mobilias: a.
efcS
se urna escrava que cuziuha, tu com-
pras e toda o serv c de casa de faaaiia ; para
tratar na ua do Rangel n, 55, 1^ andar.
Precisa-se de urna ama para todo o servico
de proa casa de pouca familia : na ra do Ara-
gao a. 39. r
G ande pciinch .
Na ra do puque de Canias, antiga ru i do Qaei-
matro n. 19, vendum-se alpacas de todas as core*
lavradas a 500 rs. o cov.ido, chitas A", bou panos
a 240 o covad", cambra miudinhas e do florea
a 300 e 360 rs. o covado, lio miudiubas a 40t>
rs. ; baratissirno.
I^OJA DE POLIS
Este importante estabelecmento no sen genero, tem sempre nm sortimento sem igual, esquina
d |e vendt por preejos qne nwihuma otra casa pode vender. L lardado
*\ k vista da qnalidade e do prepo tas joias^ada um poer-se-ha convencer da yordfUto. wg
Oai^l^^^er^t^Q de lei. Comprare ouro, prata e pedras finas $$ preooa multo elo- Rosario.
'**' "'Ai '
KBLBl
berta at s 9 hora? d nonte.
1 >K ,.
&' yo -i
ni*
35
3



-.

I
Diaria-fie Petftoftimco Segunda fira 6 de JtmhoH de 1&70
l
-*,
**:
-rriLOii
N'ESTA ANTIGA E CREDITATA
fabrica'/


iiciiiu ii ceiniiTiuiTi m curan ttiiiiiiii n
3a
ciirnt ni iit
i
Di tedia u qualidade I |
D tote o feitioi I
De todas m prtfot t
DO CRESPO N' 4
AGUIA NEGRA
BENTO MACHADO ft C,
A AGUIA NEGRA animada com o bom accolhiraento que teve m seas tnua-
, wn novo participar a seus freguezes que, acaba de receber um variado sorb-
tMDV) de objectos de gosto os q&aes sero vendidos por preces muito razoaveis, pots
011130162 08 seHS primeiros annucios, foi o que assegurou, e sena mdo de errar,
me como j disse est intoresses ligada a urna casa raportadoradesta praca, e
fK isse poder ter todo especial e vender por preces admirareis.Cbamapois a atte-
^Jfo de seos freguezes para os artgos possa descreer:
Lrvres com o lampo de marfim, madre- Um variado sorUments .de charutairas e
jereia e tartaruga, proprios para missa. palliteiros de porcelana,
'Garafinhas vazias proprias para presentes i Tentos para veUarete.
' *SS-de g0?t; *a ,inh, a a0 ,,,m m Bengallas com marfim, coosa especial.
Indtspensaveis de palmea e de couro pro-
ras para senboras e meninas trazer nos
atacas.
Raocolos de madreperote, marfim e lar- \
traga todos esmaltados. .
Cintos largos de setim, censa inteirameo-'
^ aove.
Fitas de sarja de todas as cores e larga- Talagorce para-bordar.
b para Jacos. Uffl completo sortimento de enfeites de
Toacas, sapatinbos meias de seda e mais i seda para vestiao.
'^ertences para baptisados. Perfumaras de todos os autores os mais
Fitas com inscripces proprias para boa- j acreditados em oxtractos, pomadas e leos
Ricos vasos com p do arroz, possivel mencionar ; mas com a vista se
Um criado sortimente fie jarros de por- certificaro do sortimento deste estabele-
*.x\?. cimento.
Sabonetes de alcatrSo.
Cofres de foibas para dinheiro.
Lindas caixas para costura.
Um completo sortimento de luvas de pe-
I lica,
Aguia Nsgra, na do Calrag n. 8.
S ARCOS
A
Rua do Crespo n. 20 A.
Alvaro Augusto d'Almeida & C.
Este estabelecimento de fazendas finas e grossas j bastante conbecido como
om das mais bem sortidos desta cidade acaba de receber directamente de Paris alguns
artgos especiaes que passa a mencionar.
licos corte de vestidos de blond para casamentos.
Cortes de vestidos de seda de cor, de gostos inteiramente novos.
Urochad, fazendas-de 13a e seda propria para vestido.
Foulard de seda de todas as cores, tambem para vestidos.
Fitas largas de seda para cintos, gostos escoceses e lisos.
Chape-Finas de seda e de palha d'Italia.
Basquinas de seda e.guipare.
Cortinados de Pannos de verdadeiro croeb para jardineiras, sof e cadeiras.
Toalbas de linbo de superior qualidade.
Bramantes, selicias,.sgoies atoalhados.
Guardanapos, colchas, aaias bordadas camisas,
Caelte-nez, bales, camisinhas, sombrinha.
.Madapoies de varias qua idades, saxos para viagem, mallas, tapetes, capa-
chos, alcatifas e muRos ootros artigos qoe se vende por precos mdicos.
Tem tambem constantemente om completo sortimento de ESTEIRAS DA IN-
DIA para torrar 6alas.
BZAR ACADMICO
13 Eua da Imperatriz 13
'JJlysses & Jrmo proprietarios deste bem conbecido e acreditado estabelecimento
ten a Jionra de partioipar ao illostrado corpo ACADMICO aos seus numerosos fre-
guezes, tanto desta praca, como de fra, qoe tendo sido elegantemente reformado dito
estabee cimento acba-se completamente sonido e en condiedee de bem servi-tos do;
seguate? artigo*:
CHARUTOS
soperioces ule Havaaa, Hamburgo, Babia e
Jo de Janeiro etc.
Ci gamos
e palha de S. Paolo, de 3*300 a 74500,
o milheiro. Daniel do Rio Novo, Maurity,
laperiaes, Tenenles do Diabo, Duque de
Onas, Gandon etc.: de papel, de fumo
de Daniel, General Osorio, Conde d'Eu,
Rocambole, Radicaes. Acadmicos, .Macham-
bomba, Montevideo, Orientaes, Baependy e
maitae outras qoalidades.
FATUOS
Afamados de BAEPENDY em cai&fos de
20 libras i 15 400 rs. a libra, em pceles
a 2|. de 20 para cima a 15800 e em maior
porcSo i300 o paeote de I libra, dito
a latas dequarta a 640 e 300 rs.. e outras
moitas qnalidades como ejara: Daniel do
Rio Novo, do Para, de 8, Paulo, Caporal,
te. etc.
VVRIEDADS
PONTEIRAS para charuto e cigarros de
todas as qualidades gostos e precos.
CACHIMBOS de superior espuma, de ma-
tera (niz) de 30 at 60, a duzia e deoo
tras qualidades a retalho.
DITOS p de galbanados memores qoe
ha oeste mercado a 35 e3<5500 a dazia, e
com grande abatimento em maior porco.
ditos de louca, gesso, barro, etc.
BOLSAS de borracha e couro de diversos
gostos e precos, para guardar fumo.
CARTE1BAS para cigarros de todos os
Ijitnim
PHOSPHOROS de cera, em caixas de to-
dos os taxoMfflos, de seguraoca a bailo etc.
PAPEL de milbo, de arroz, san-tora, Per
san, pintado, de linbo etc. palha de milbo de
Fernando a n.%elhor possivel.
Folograpliia imperial
E
CALERA D8 pintura
DE
J. Ferrbr Vitela
Desde o dia 7 aovo esubeleciiajid phutgraphico sito rua do
Cabana n. 18, canto da pateo >la matriz. Os trabn-
Iboi que desde eiUao, tem -sahidu de noesa otDcina
teui gerluiente agradad*, seudo reeebidos per
aiguos cora admirioao fela extraardiaaru pro-
gresso que ltimamente tem (ido a phukgraphia,
e por putro>.eocaaje|jr!a,.por vwem-a,provincia
dotada com nm ;stbleClmeqto dga contestavelmente o primeiro que uesse genero
hoje possue : umbemuao dos pnpamos em coosa
alguma para monta-lo no p em qne se ach, es-
perando que o potlico de Pernambuco saber'
apreciar nossos esTorgos e recompensar nossos sa-
crificios.
Convidamos'a todas aquellas pessoas, nacionaes
e estraageiras que.gostam das arles, on tiverem
necessidade -Ae wabalho* de photograptna a visi-
taren! o nossa. sMblecnneato, qne estar sempre
aberto e a su* lifpoiicao todos, os das desde as 7
horas 4a manbiii at as 6 da tifde.
Para es trtfcalbos de photographia fossnimos di
iogktes e alknemaes, como sejam ; Lerebiiars el
Secretan, Hermagis, Tbomaz Itoss, Voigtlander et
Sor* e Wuh*. ltimamente recebemos tres novas
macbinasrsendo urna deltas propria para tomar
sobre o raesmo vidro i on 4 amafies diversas e
soladas, e outra de 6 a 12 iraagons diversas
igualmente i sol idas, de sorle que no caso de
grande oncarrenda podereos retratar sobre
ama nica chapa at 8 pessoas diversas e sola-
das para cartees de visita, e aeskn em men um quariu de hora despacbarmos -8 dilTerenies
pessoas que pecam cada urna, oa dnzia de cartoes
mais on menos, com os seus retratos smeole, ou
em grupo com outras.
'Encam'gamos-nos exclusivamente da direccao
e feitura dos trabalbos de phoijgraphia dei-
xando penda e talentos do distiucto pintor
atlemo, o Sr.
Jorge A. Roth
os trabalhos de pintura, a aquarela, a olee, e a
pastel.
O Sr. Roth acha-se ligade a-nossa empresa por
urna escriptnra publica, e al o presente tem se
desvellado na execncao de seu; trabalbos.
Chamamos a alinelo do respeitavel publico
para dous retratos expostos na mui conbecida
Uvrarla ranceza
do Sr. De Ladbacar, os qaaes sao productos do
babil pincel do Sr. Roth sobro photographias
nossas. Os conhecedores verlo nesses retratos a
delicadesa e primor do pincel do Sr. Roth, e re-
commendamos-lhes especialmente o retrato colo-
rido a aquarela pela grande difflculdade em se
obter tal genero de pintura em semelhante pro
porcao e lio perfeitn.
Esses retratos tendo de ser entregues seu do
no apenas estarlo expostos al o dia i do cor-
rente.
.No nosso estabelecimento acham-e expostes ou-
tros trabalbos imanantes do Sr. Roth, tanto em
miniaturas aquarella como oleo, retratos
oleo, quadros sacros e diversos outros trabalhos.
Tomamos encommendas de retratos oleo at o
tamnho natural, assim como de quadros sacros
para ornamentaclo de igrejas ou capellas. Tam-
bem aceitamos encommendas de quadros histri-
cos.
Asseguramos que os precos dos diversos tra-
balhos da nossa casa sao mui rasoaveis.
CARTOES DE VISITA NAO COLORIDOS lOjJOO A
DUZIA
CARTBeS DE VISITA COM O COI.ORDO AO N'ATU-
RALi6OOOADlZlA
Retrates em miniatura oleo ou aqnarella de
16 20000 cada um, indo convenientemente en-
caminado em moldura donrada e regulando o
busto da pessoa retratada de 3 i pollegadas e
todo o quadro palmo e meio de tamanbo
Julgamos que bastarlo es precos cima para
darmos idea di baratesa dos trabalhos do nosso
establecimento, quanto sua perfeiejio cada um
venha julgar por seus proprios olhos.
As melhores horas para se tirarem retratos no
nosso estabelecimento slo das 8 horas da manhla
1 da tarle; entretanto de urna hora as o da tarde
em casos espeoiaes pde-se tambem retratar qual-
qer pessoa.
os dias de chuva, ou por teropo sombro po-
demos retratar, e asseguramos que esses dias slo
os mais favoraveis aos trabalhos de photographia
pela dofura e persistencia da luz, e p< r termns o
nosso terr8C0 construido cora taes proporct-s e
melhoramentos, que ainda ehovendo jorros ne-
nhum nconvenienie ha para fazer-se bellos re-
tratos.
Io de junhj de 1870.
________^______J- f' mira Villela.
Jos de Souza Barreiros, negociante nesta
(iraca, laz sciente ao respeitavel publico de que,
tendo comprado a Hennque i C. urna casa de
commercioem Una, e pago iodo o passivo da mes-
ma, encumbio de sua administrarlo a Jos Anto-
nio Gor.falves Pires, mediante procuraclo qne Ihe
dea seb a clausula de s comprar e vender a di-
nheiro. Sccede, porm, que o dito Pires, afas-
tando-se do eomprimento de seu mandato, pz-se
a vedder fiado os gneros que o annunciante lhe
remettia ; de sorte que, quando isto chegou ao
seu conhecimento, cassou-lhe a procuraclo, dando
outra com os mesmos poderes Tbomaz de Aqui-
no Pinto de Queiroz ; pelo que este senhor a
nica pessoa jutorisada para dirigir a mesraa
ca a, receber os pagamentos das dividas e dar as
competentes quitacoes aos devedores. Recife 2 de
junhode 1870.
PfiAftlittA CEBTRAL
Rua do lmperwlom. 38
Xarope d lactucario dvAubergier, e de
tbery deeio d'Abbadie recommendados,
como catanntes piraos cases, em que se
nao pode usar do opio e -de seus prepara-
dos, ennui convenientes para aa crianzas
nos espasmo e (JooTUrsees.
TARMAGIA CENTRAL. RUADO iMPERA-
DORN,*.
Preparados daicatrio em capsulas, licor,
e xarope ferruginoso.
PHARMACACENTRALT RUA
B0R N.38.
Pillas de Valle*.
Pilulas de BlancaTd.
Plalas de Bland. %
Xarope furrugineso de Blancard.
Confeites de iactato de ferro.
Pilulas de carbonato de ferro, laclado de
ferro, iodureto de ferro com magoezia.
Ferro de Quevenne. '
Assucar ferruginoso.
PHARMAQA CENTRAL RUA DO IMPERA-
DOR N. 38.
Vinho e xarope de pepsina e 4diarthare,
excellente tnico para auxiliar as digestoes
diiliceis nos casos de debilidade do esto-
mago.
Calcado nacional.
X. 1 Rua do Sardina X. 1
Jos Vicente G^dinho com fabriea de calcador,,
avisa a ledot os a* freguezes qoe contina a-
vender calcado em sna fabrica em graades epe-
quenas poredes como dantes, sendo mais baral do 3 Rs tlS 8, 67 B, 75 B, B, 7 B, 48 B.
qne em outra qualquer parte. Assim como Din
sortimento de pares de formas fraocezas chapea
das para hornero, do ultimo gosto, preco de
4*000.
Os lio'raario possaidots das eautellas ns/46 B,
W B, IfA B, 74 B; 133 B, 137 B, 81 B, 66 B, 10K
Mofina.
Roga-se.ao Illm. Sr. Ignacio Vieira fle Mello,
escrivlo na cidade de Nazarelh desta provincia, o
favor de vir rua do Imparador n. 18, concluir
aquelle negocio que V. S. se comprometteu rea-
lisar, pela terceira chamada deste jornal, em flus
de dejerabro prximo passado, e depois para Ja-
neiro, passou a fevereiro e abril, e nada cumprio,
e por esta motivo de novo chamadopara o dito fim;
pois V. S. se deve lembrar que este negocio de
mais de oito anuos, e quando o Sr. seu Albo se
acbava no esludo nesta cidade._______________
Ama
Precisas* para o servieo de urna casa de pouca
amitia: no pateo de S. Pedro n. 18.
Venaam receber o exeeaso praca no leilio de sena penboras no praso de ou
dias, do contrario se recelbar ao deposito geial.
Recife, l de maio de 1870.
Mauricio Jos dos Santos Ribeiro.
MACU CENTRAL RUA DO IMPERA-
DOR N. 38.
Agua bemostbalica de Lecbelle, mui re-
commenda-.ia em qualquer caso de bemor-
rbagia, e principalmente na thysica pulmo-
nar, e as' tiemorrfaagias uterinas.
PHARMACIA DENTRAL RUA DO IMPERA-
DOR N. 38.
Xarope de rbano iodado excellente com-
binacSo do iodo com o sueco de plantas
anti-scort)u.tca8.
Este xarope empregado com grande
soccorro contra as molestias da pelle, os
engorgitamentos escrofulosos, o rachitismo-
cachloroso.
O vinho iodado de joly, e oleo iodado de
Personne, sao recommendados para os mes-
mos casos, e encontram-se nesta pharma-
cia._____________^
i
Seguuda-eira 30 de maio ausentou-se segun-
da vez de casa o mulatinho Profiro que foi do Sr
Jos Duarte das Neves, e antes do Sr. Parizio Be-
larmino de Moraes Pires, que tem de idade ti ou
lo annos : julpa-se andar pelo Monteiro por ter
sido apprehendido l de outra vez, estando serrn-
dono theatro : ruga se a quem o poder apprehen-
der levar a rua do Passeio n. 36, que ser gratifi-
eado por Jos de Souza Barreirns.
Sitio para alugar.
Alnga-?e nm sitio na Caponga, na na das Per-
nambucanas n. 66, cem boa casa de vi venda, con-
teodo esta oito quartos e tres salas, cozinha, co-
cheira e quartos para pretos, jardim na frente da
mesma casa, horta com eanteiros de pedra e cal,
duas cacimbas com boa agua, tanque para banbo,
dous ditos mais para deposito d'agua, varrelle:ro e
fogao de pedra e cal para lavagem de roupa, mui-
tos arvoredos de fructo, entre estes quarenla ps
de larangeira de umbigo, algn? mais da China e
Seleta, iructa pao, sapota, abacates, limaos doces,
etc., etc. : a tratar no -mesmo sitio ou na rua do
Amorim n. 58.
PHARMACIA CENTRAL RUA DO IMPERA-
DOR N. 38.
Variado sortimento de chocolate de ban-
nilba, salepo araruta, ferro, e de sade, da
acreditada officina de Menir.
Sabonetes d'alcao, d'acido phenico, en-
xofre e camphora, recommendados para as
molestias de pelle como sarna, panos, em-
pingens etc., sendo o ultimo de muita utili-
dade para o uzo do toilette, por preservar
a pelle de ser manchada das maculas, que
costumam accomeltel-a.
mmmmm&mmwm
PHARMACIA CENTRAL RUA DO IMPERA-
DOR N. 38.
Os melhores vermfugos para crianzas,
Pastilhas de saoctonina.
Ditas de Kemp.
Oleo vernifugo.
Tudo de melbor qualid'de.
PHARMACIA CENTRAL RUA DO IMPERA-
DOR N. 38.
Variadsimo sortimento de fundas de
excellente qualidade.
PHARMACIA CENTRAL RUA DO IMPERADOR
N. 38.
Pastilhas de balsamo de tol e de seiva
de pinho martimo, para as affeccoes chro-
nicas dos pulmoes.
Pastilhas de therydocio e louro cerejo
para as tosses agudas, e de carcter nervo-
so, e para os vmitos durante o periodo da
gravidez, e qualquer affecc5o nervosa.
Pastilhas de bypophospheto de cal moi
uteis na tbysica pulmonar.
Pastilhas de angico naf, e de Regnault,
de hortela, pimenta, e de Viccley, de pe-
cacuanha e de Rermes.
Na tmessa da roa
das frnzes n, % pri-
meiro andar, da-se di-
nheiro sobre penhores
deonro, prata ebrilhan-
tes, seja qnal for a qaan-
tia. \a mesma casa com-
pram-se os mesmos me-
taos e pedras.
AO PUBLICO
Goacalves, IrmJo & C, sneeessores e liquida-
tarios das exliuctas firmas de Antonio fionealves
de Aievedo e Goncalves Para k C, declaram ar>
publieo e as autoridades policiaes, qoe de sen es-
criptorio em seu estabelecimento i na do Livra-
mento a. ti, Ibes furam subtrahides, um livro que
tem servido- de borrador de diversas taneamenlos,
diversas cadernetas tambem escripiuradas, entre
estas urna de eepias de tontas eorrentes com
eus devedores e outro copias de costas de venda,
assim como diversos documentos de importancia,
como seiam reeibos, cartas e copias de negocios.
Nao podem precisar a pocba em que teve logar
esta sublracao nem a pessoa qne a praticou, por
qne s agora, na occasicao em que o sceio chefo
e gerente tratava de fazer entrega dos Irnos e do-
cumentos da casa ao demais socios se den por
essa falta. Rogam portanto as autoridades peli-
ciaes e mesmo a qualquer particular que vea,
taes livros, cadernetas e documentos, o favor de
o aprehenderle protestam proceder criminalmen-
te centra quem os subtrahira on os tenba em ev:
poder.
Coni'eitaria dos ananazes.
16Rua da Cruz16
Santo Antonio. S. Joo e S. Pedro.
Amendoas, as mais apropriadas para sorte?,
vende-se em arrobas e libras ; papis j promp-
los com estallos para surtes ; recebe se encom-
mendas de bolos paes-del enfeilados ; as ensom-
mendas recebe se com antecedencia e as amendoa
em arroba lerrao abatimento no preco.
Criado
Noollegio de Santa Genoveva, rua do Hospicio
n. precisa-se de um criado para aj adame de
copeiro.
Atten Anda se continua fornecer commedorias
para foca com asseio e promptido, man-
dando-se levar a casa dos assignantes que
nao ti ver portador: rua estreita do Rosa-
rio n. 3S, i andar casa particular de fa-
milia. -
Precisa-se de ama ama para pouca familia,;
na rua Augusta n. 7.
Precisa-se de urna ama para pouca familia :
na rua do Caldeireiro n. 36.
O Sr. vigario Bacalbo qoe mora>u morou
na estrada de JoSo de Barros, queira mandar
esto typographia a negocio.
Alm dos artigos mencionados encontrarlo nossos freguezes outros muitos no ge-
nero de nosso negocio, que se vende em grosso e a retalho e que com suas presencas
serlo satisfactciriamente bem servidos: bem como nos encar .Tegamos de qualquer en-
comendas de oessoe cigarros de seda e linbo, etc.
13Eua .da Imperatriz13
Prtcisa-se de urna ama de meia idade para
comprar e corinhar para tres pessoas aa rua
das Flores n. 37.
Precisa-se de urna ama de boa conducta
que suba bem coser e engomraar, para urna e-
nhora viuva com um filho : tratar na rua do
Amorim n. 35,1 andar
PHARMACIA CENTRAL RUA DO IMPERA-
DOR N. 38.
Cha purgativo de Chambard, excellente
laxativo, e refigerante, que se pode usar
repetidas vezes sem irritar os intestinos.
FARMACIA CEPTR4L *
Roa do Imperador n. 3.
Lamploughs Pyretic Satine.
A preparation of weU known uielity lo tbe En-
glisb Facully, as a cooling and refreshing beverage
in all cases of fe ver. The frequent use'of th3 sa
I me preserves foreigners from many aiseases to
which they are loable before becoming acclima-
tised. May be obtained al lhe Pharmacea Central,
jua do Imperador n. 38.______________
; O GIRURGIiO DENTISTA
Frederico Maya
Tem a honra de scientiflear ao respeita-
vei publico ea geral, e aos seus clientes
em particular que elle mudou o seu gabi|
rete de consullas da rua Direita n. 12 para
a do Queimado n. 31 primeiro andar, com
a entrada pelo pateo de Pedro II, onde po-
de ser procurado para os' mis teres de sua
profissao, todos os dias uteis das 9 horas
da manha'a s 3 da tarde.
Tambem previne, que contina a prestar-
se a vontade dos clientes nao s na cidade
como nos seus suburbios, para onde as
idas serio precedidas de ajuste. Elle ga-
rante o bom desempenho e a perfeicao de
seos trabalhos, o que j bem conbecido,
assim como as commodidades dos precos
CASA DA FORTUNA
Aos 5:00011
Billetes garantidos.
A rua do Crespo n.23 e casas do costme
O abaixo assignado, tendo vendido alm de ou
tras sones, om meio n. 2118 com 900J da lo-
tera que se acabou de extrahir a beneficio da
igreja da Santo Cruz do Recife (148'), convida
aos possuidores virem receber na conformidade
do costume sem descont algum.
Acham-se a venda os felizes bilhetes garan-
tido da < parte da lotera beneficio da ir-
mandade de Sama Anna da Madre de Dos (149*)
que se extrahirterca-feira 7 do mez vindouro.
PresosOs do costume.
Manoel Hartins Fiuza.
Caixeiro
Precisa-se de nm caixeiro que tenba pratica de
taberna : a tratar na rua dos Pires n. 26.
INSTANTNEOS
Travessa do Corpo Santo n.25
ARMAZE.M
Rua Nova n. 28, loja Antonio
Pedro de Souza Soares.
Eandeira, Machado 4 C, avisara ao respeitave
publico que nos lugares cima encontrar no mes-
mo sempre grande quantidade de ditos pocos, e
que se acham habilitados para vender por menos
que outro qualquer, por isso que os recebem di-
rectamente do fabricante Norton, de Londres.
As vantagens que offerecem os pocos instant-
neos sao : primeiro, poderem ser collocados den-
tro de casa oc fra, om o trabalho de urna a duas
horas; secundo, fornecerem os mesmos agua pu-
ra e abundante, podendo serem removidos de um
para outro lugar, qnando assim convier.
Os anuunciantes so reeeborao a importancia dos
referidos pocos depois de collocados, satistazendo
espectativa do comprador.
0 Dr, Sarment Filho 1
I mudou-se para a rua do Imperador n. 29, B
133 i- andar.
Consultas e operacoes todos os dias das B
891 !0 horas ao meio dia.
Chamados por escripto a qualquer SB
85 hora. t
mmmm mmmmm mmmmm
mm-mmmm-mwmmmmm
I TISTIRAR1A FRANCEZA
55-RuadaImperatriz-55 M
B Tinge, lava, impa, lustra e achamalo- ^
m ta- se, com a maior perfeicao, fazendas em t
8 pecas e em obras de todas as qualidades ; f
I como sejam : seda, la, algodao, linho, |j|
chapeos de feltro e de palha etc. etc. km
Tira-se no loas e limpa-se a seccosem W
I rao'.har os tecidos, conservando assim to- ||
do o brilho da fazenda. rr
Tin:ara pre:a as tercas e sextas fei-
mrai- w
Confeitaria dos ana-
nazes.
1tt=Rna da Croz10
Ha presuntos de superior qualidade e dito em
fiambre.
abaixo assignado, tacila- gg
I mente dispensado da inspecrao da ^
i pharmacia especial bomeopathica e |
| consultorio do seu finado e Ilustre *
i amigo Dr. Sabino Olegario Lodge- 1
^ ro Pinho, de saudosa mimoria e ani
g| mado por alguns seus amigos pro-
8p5e-se a abrir um estabelecimento, jgg
onde se encontrarSoas melhoresdro- gj
m gas homeopathicas, para o qnal des- <||
m de j conta com a protecfo d'aquel- ffif
j les que honraram-no com sua conli-
I an(a ; podendo, entretanto, ser pro- jg
| curado para qualquer mister, emag
i casa de sua esiaencia, rua da Js;
| Palma n. 55.
Recife, 48 de maio de 1870.
O professor homeopathico
K Jos Alves Tenorio. Sgj
Attenpo.
Pede-se ao Sr. Samuel Hayman qne tenha a
bondade de mandar buscar a sua encommend,
que fez por intermedio de Carneiro Vianna, mo-
rador na rua Nova n. 22.
200S000
Da rua do Crespo at o arco de Santo Antonio
perdeu-se no sabbado 28 do correte, urna nota
verde da caixa filial de valor de duzetitos mil
reis: quem tiver achado e quizer restitui-la di-
rija-se a rua da Imperatriz n. 64, que ser recom-
pensado.
No Arraial
arrendase um terreno perto da estacao dos trlri-
urbanos: tratar na rua do Rangel n. 24, arieaei-
o andar.______________________________
Trilhos urbanos do Recife a
Olinda.
De orlem do Illm. Sr. presidente da assembla
geral. sao pelo presente convidados todos es senho-
res accionistas con parecerem no salo do Clnl
Pernambucano, pelas 10 horas da manhaa do dia
9 do corrente, para a continnacao Ja ses^ao oroi-
naria adiada em 29 de abril prximo passado. afim
de se apreciar o parecer da commisto de exa:n-
de cootas, e as propostas da directoria.
Recife Io de junho de 1870.
Manoel Ribeiro Bastos
1* secretorio.
Fogo de bengala
de muitas variedades, e todo de efleito magnifico :
vendem-se em pequeas porcoes com todo sorti-
mento, tanto para casas de negocio como particu-
lares : no armazem de bacalbo, na escadinha da
alfandega n. 3.
Aos 20rf)00J000.
Bilhetes do Rio i venda : rua do Cabug n. \
rende Vieira di Rodrigues.
Precisa-se de nm mestre de masseira e dous
amassadores : na rua da Senzala Nova n. 30.
Retalha-se.avantade dos compradores,alguns
lotes de terreno, que restan), do sitio Aguasinba
em Beb'-nbe. por precos asoaveis. A posi^o to-
pographica do terreno muito o recommenda, so-
bretudo por fiear prximo da estacan projectada
da va frrea. Os pretendemos poderao dirigir-se
informar-se do tenente S Peixoto, no mesmo
lugar, e para qualquer negocio rua do Crespo
n. 12, 1 andar.
Agencia em. Pernambuco
Do Dr. Ayer
Petoral de Cereja
Cura a phthysica e todas as molestias do peito.
salsa parrllha
Cura ulceras e cbagas antigs, impigens e dar-
tros.
Tale* '
Conserva e limpa os cabellos.
Plala eatnartleas.
Puramente vegetaes e sem mercurio, cura se-
i6es, curam e purificam todo o syslema humano
Vende-se effectivamente em casa de Samuel P
hoston k C.rua da Sanzalla Nova n. 42.
para fora da cidade.
lima pessoa estrangeira, casada, se pnpoe a en-
sinar em algum engenho on povnacao as seguales
materias primeiras letras, francez, a fallar e es-
crever, inglez. geographia e mathematica elemen-
tar, aritbmetica, algebra, aeoraetria e trigonon
tria recteltnea : os pretendentes podem-se diricir
a ru.i do Qu.'imado, loja das 7 poitas n. *i-,_____
Em S. Jos do Mangumhj, casa n. 2. pre-i
sa-se de duas amas, urna que seja perfeia en-
gommadeira e outra para ensaboado e sirvico do
mestieo paga se bom aluguel.
Na mesma casa tambem se precisa de um cai-
peiro de 12 a 14 annos.___________________
Estrada deferrj doReelfe u
Olinda.
Compram-se dormentes de madeiras de rec;>-
nhecida duraco para a constru cao desta estrada:
trata-se na rua da Aurora, escrip'torio da superin-
tendencia, das 6 horas da manhaa s 6 da Urce,
nos dias uteis.
0 superintendente,
Andr de Abren Porto.
Precisa-se alugar uro escravo que seja co-
peiro, esperto, e qne enfeuda di comprar : no
caes de Santo Amaro n. 42, ou na agencia pera) n.
21, praca do Corpo Santo, *___________^^
Padaria da rua dfl Matriz
N. 20.
O proprietario deste estabeleeimeoto declara,
para evitar dolidas, qne nao di pi vender
para a rua. por couseqoencia todo e qnateoer pao
que M venda nao m per tenca.
O proprietariQ,
___________ '______Raymonda.
5>l
soliesjo : oa-rua flo Rangel o. Criado.
Precisa-se de um preto qne aeja.escravo, p
todo servieo de armazem : na travessa do Co
ara
roo
Santn
Precisa-se de urna ama para todo servieo de
ama casa ie pequea familia ; a rua do
lN
Aragio
Precisa-se de nm eaJxeiro qne- tenha conbeej-
mento is batel e que ae francez, inglez ou alia-
mo : rrafiicbe 1, no botel do Uni-
verso. (Paga-fe bem)
Bu abaixo assignado, emprezar loda eompashia
fquestre-Gymnastica-Acrobtica, presentemente
estacionada nesa cidade, faeo sciente qne a daiar
de boje, os senbores jue liverem contsa a receber
desta companhia, terao a bondade de se dirigir
a roa larga do Rsalo n. 37, loja, que sero in-
mediatamente pagos, nao esquecend de tirarem
as suas comas em meu nome. Recife 3 de junho
de 1870.
Jos Mara Zuazola.
A senhora viuva com om rlMio que requer
urna ama de boa conducta qne saiba bem coser >
eogemmar roga i senhora que foi sua casa t:
rua de Amorim n. 35 lhe faca o obsequio de ev-
a ama para com ella ajustar, pois espera at safcr
bado.
ATTN^O
Declaro a mea rmio Salvador de Siqueira Ca-
va lean ti qne vou chama lo a responsabiiidade em
consequencia de seus annnncios de 28 e 30 do
correnta
_____ioaqnim S. Pessdn de Siqnoira Cavai^aoti.
Na rua de Hortaa n. i, precisa-se de um-
ama para lavar e engommar._________ .
Precisa se de urna ama de leite : na roa 4a
Praia n 6U __________
Na roa Primeiro de Mareo n. 15, escriptorio,
recebe-se propostas para a ceitocacio de vatoo
pintura no predio o. 23 i roa da Cadeia._______
criad*.
Precisa-se de um criado ou de um bora eounnei-
ro : ua rua nova de Santa Rita o. o9.
Servente
Precisa-se de um servente : no botel da rna das
Cruies n. 39, pretere-ae escravo 4 paga-se bem.
AMA
Precisa-se de ama um para servieo de dontro
e fra de cu de pouca familia, preferese escla-
va e pkfia-ie bem agradando : na rua Velba ni-
er) 66.
- Cbristiani & Irmio faiem sciente ao corpo
do commercio e a quem mteressar possa, que dis-
solveram amigavelraente a sociedade que ticham
na loja etannea de chapeos da rua Nuva n. 44,
desde o de Janeiro do corrente anno, Ocand*
todo o activo e passivo a carg "do^x-cio J.
Christiani. -___________________.
Desappareoeu a dia 1* de junho correo.
duas bostas com os signaes seguintes : urna mel-
lada, ova, magra, dinas preus, cauda aparada :
outra russa. magra, pequea, poldra, e ambas cow
o (erro triangular na anca 4o. lado direito : qoem
aoprehende-las avise no engetbo i un*
seri gexirosameQte itaacao.
!
i!




Diario de Pernambuco
(I
SegQnda feira 6 de Juuho de 1870.

GUSTAVE
CABELLEIREIM FRAMEZ
5iBa da Cadena do Recie-*51
[1 1 Chama a eltentfo doSiSeu innmeros fregueses, e do respitavel publico ea
feral, pu a segaiDUi tafcella los preoos de sua casa, os quaes sao vinte par cent
mais barato do que em outra qaalquer parte:
Cabelletraspar seuBGras'a 25,"
30*. 35/ e. .....
Dita parabomema 354, OJe
Coges a^ 155, iSI,^
Crescentes a m, &, l, 20
m, 30* e.....
Cachos oo crespos a 30, i&, 5&
fi|,"7#, 84, W e. .
Tranca de cabello para aanel a
580 e. .......
Tranca para braceletes a 104,
154, 204, 25 e.....
Cadejas pura relogio a 54, 64,
74, 84, H, 424 e.
(O
404000
5040OO
Corle de cabello, .
50^0001 cort de cabello com friclo. .
324000 ^rte ^e cabel' m lavagem a
a champoa......
ioaooo <^*rte ^e cabellocom limpezi da
cabeca pela machina electri-
14000 ca, nica cm Peraambuco. .
Frisado i iogeza ou francesa.
154001
501
50J
i400i
f#00
501
251
304000 Barba. ......
SIGNATURAS MENSAES
Especialidad e de penteados para casamento
Bailes e solres
O dono do estabelecimento previne s 1 Recommenda-se a superior TINTURA JA
Exinas. Sras. e aos cavalheiros que ha um PONEZA para enegrecer os cabellos e bar
alio para untara dos cabellos e barba, as- ba' "^ W*! W~iC*> Un.versal
^ como nio prejudicial a saude, por ser voi
Bim oomoom empregado smente occupa-iai, analysada e approvada pelas acade>
do nesse servico. '. mas de sciencias de PARS E LONDRES
Precia*
tratar na
Na
de umcaixir~|
duela amaneada.
II. .. ,-,--------_4_Ji-------^_
baicio que
_~-------
Fi apn'hada" na sahida da barra unja re
tranca de navio: quem e iJg*r com direito
meso, procur-a a rampa de Fra de Portas,
defronte do primeiro ponto fiscal, que all achara
4uem lh'- emragiya..
!&_______
I i;
*e marMre, r*a las Crnaes
ti.
O arftsta Camino acha-ie saabeieeido na casa
cima, onde pode ser procurado para todo os mys-
jeres de sua profissao.
Na praca da independencia n. 33 se da di
heiro sobre penhores de otro, prata e pedras
jreeiosas, seja qnal Tor a qvantia e na mesan
asa aeompra e *ende objestos d onro efratt.
t igualmente se (a toda qualquer obra de en
ommeoda, e todo quaUraer concert tendenu
i mesma arte-
preparada por
abellos, com a
Jlle. Vende-
'_
-* Vende-se un bonito carnelro, muito gordo e
manso, por ter sido da montara de ara menino :
na loja de tornelro. a ra das Cruzes n. :)8.
Fulha "*>>ww de Silo Barroca.
** Vebdese um escravo prelu de meia idade,
possante e bom trahalhader : a tratar ua ra a
Gadela n. 4.
Em casa de THEODORO GHRIST1
INSBN, roa da Crac n. 18, encontram-S'
Efectivamente todas as qualidades de vinb<
Bordeara. Uourgoene edo Rhaao.
A ESMERALDA
u
Urgencia
O Sr. Mnoel Baptwa Monteh-o Jatiior qoeira
ler a'bondade dlrigir-se casa de E. A. Burle 4
C, Da ma da Cruz n. i8, que se deseja fallar.
Ama
Precisa-se de urna ama pan casa de ponea fa-
milia : na ra do Qrespo n. 18, 2* andar.
0 Sr. Jos Cundi Dutwux faca favor 4e traier
o objeto que teveu amostra Ha ra do^ueima-
do n. 7.
ISscraTa ou Ilvre
Precisase de urna ante para o servir de ama
casa de tres pessoas, nao duvidando ft%ar- se bem:
na ra estrella do Rosario n. 45, 1 anftar.
Precisare de ama apa de meia idade para
comprar e cozinhar para tres pessoas : 'aa ra das
Floras n. 37
Fugio no da SO do mee passado m escravo
de nome Lino, na^o Csta, de 45 aireos de idade.
trabalha de marcineire e earapina, usa de bigode
eitarba por feaixo do |uekT, tem -sido vista na
freguezia de"S. Jos em casa dos parantes e as'
reas desta cidade. Prtesta-se contra queta o ti-
ver em sen poder : e gede-se nolici e eaprtae,
de campo a aoprehensao da dito motivo e lewm-
n* i ra 4a Cadeia do Reoife, casa n. 1, que sera
pago o sen rabalho. _______
Bernardino da Silva-Costa Campos (endone
retirar-' temporariamente para 'Europa detea
como seas procurares a seu irmio o Sr, Joa-
onim da Silva Costa e ao Sr. Bernardo Aies Pi-
nbeiro. ficando este na gerencia oe seu estabdle-
oimento conmercial. '-ara tratar de seas ego-
. cios no foro deixa enearregados os'Wlms, Srs. Dre.
Jeaquim Jj de Campas da Costa Medeiros Al-
.-iquerque. Jo, qnim Gorreia de Araujo e Jos
Joaquim TavaresBelfott e ceno soiicitadoro IU.
ST..coronellt!lolpho:J*o Barata de Almeida.
LOJl DE JOIIS
PK
l
Este antigo estabelecimento, completa-
mente reformado de novo, est as condi-
foes de servir vantajosamente os seas re-
^uezes, visto que acha-se prvido com um
nxplendido sortimento de obras de ouro e
jrata de le, assim como brilhantes e cu-
eras pedras preciosas, cujos presos sao es
nais mdicos que se pode encontrar.
As joias compradas nesta casa recebem-
oe em troca ou compram-se. com pequeo
bate.
Ama -de leite.
Frecisa-se de urna ama deleite
do Bipo. casa n. 13.
no 'Cerrador
Ama de leite.
Precisa-se em urgencia, wata-se e paga-se
bem : na ra do Corredor do Bispo n. 11.
COMPRAS.
0 muzeo de joias
.Va ra &o Cabag c 4 con:{ ra-se ooro, prata
yedras preeioKis por precos mais vantajesos do
j* ex entra onalquer parte.
mmmm
'Gr-mpraai-se e vendem-se diariamente pura ora
daatro da provincia ores e seos, cm tanto que sejam sadios : no
ro'jiro andar oo sobrado n. 36, a ra das Crines,
reguezia de Santo Antonio.
Cavado de chita a o r.
NA"
LOJA FLOR DA BOAVISTA
4&a UA DA IMPERATRI Z-----48
^ A S00 rs. AMO rs.
Chitas escuras para liquidar' 200, 500, a
200 rs.
Ditas otaras com cores osas de muito bom pan-
no, proprias para a prac> HO
Pecas e algodio e madapolao 4*000,' 5M00
________Junto padaria fraocea.
Engenho.
Vende-se o engenho Ribeirao da freguezia de
Santo Antao, situado pouco mais de urna legoa
da estrada d Victoria, de trras muito predneti-
vas, podendo safrejar para mais de .000 pes an-
nuaes, com bom cercado feitn todo de vallados, e
muito boas obras; o engenho e d'agna e est
moente e corrento : dirija-se ao mesmo engenho, on ra da Concor-
dia n. 13.
Estarse acabando
Chitas finas a 2*0 rs. o covado : na ra da Ca-
deu do Recie n. 45 de Santos Falcao & C.
1
"vj armaiem do Sr. Antonio Annes Jacome ^en-
de -se mais barato do que emqualquer outra par-
te : a tratar mi ra da Croi o. 38, armasen) de
Keills Laman & C
FAWNHA DE MASDIOLA,
Vende-se farinha de mandioca chegada flo Ma-
Tanliao no altano vapor do norte, per menos do
que em outra qualquer parte : a tratar no escrip-
terio de Joaqun Gjraro de Bastos, ra do Vi-
garion. 16, T andar.___________________
ATTENCilO
Em casa de Mills Latham & C. rea da f.rui
n. 38, vende-se sabao inflez de diversas qualida-
des.
As seguintes obras
Vinte amios depois, ou tres mosqueteiros,
por A. Duraas, il vol. ene. por 15(JO00 ;
1A tirgetn do mosleiro,** as memorias de R-
ckelieu, por Jos Victorino, ambos eneder-
nados era um so vol. por 3)5000. Colas
corito sttisso, ene.! vol. por 13000. Canto
d'almrada. poesas porM. da Rocha, 1 vol.
ene. por 35000. Flores ngelas, por Paes
de Andrade. Ultimas paginas, por P. de
Calasans. Itleses perdidas, por C. de
Aaevedo, todo encadernado em om s vo-
tante, por 8rl000. Jovita a voluntaria da
morte por J. C.,e Alberto, scents de um ro-
mance, por J. Candido, ambos ene. em s
vol. por 3j$000. Polmyra, ceguinha'ara-
slleira, romance em 7 cantos por Dr. Boni-
facio de Abren, ene. em om s vol por 5.
0 cacalkeiro d'Harmental por A Dumas, 4
vol. encadernados, por 100000.
Tamfeem vende-se as collecces de leis
provinciaes faltando apenas 3 annos, por
20^000, tendo 27 vol. me brochura, lam
bem lem outras obras que a vista se mos-
trarla, e qne tudo se vende p"or preco em
conta. Quem quizer dirija-se a esta typogra-
piia que se dir quem vende.
Vendem-se aiguns terrenos para edilloacao,
irtuiu bons, e tambera se arrenda nm pequeo
sino no lugar de Santo Aroarinho : trata-se'cnm
D.^aria da C nceicao Veig^a, na ra Velha n. 29,
on com Manoel Luiz da Veiga
Constituipo
Do nosso Santissimo padre PI, POR DIVINA.
PROVIDENCIA PAPA JX, pela qnal se limitam as
censuras eclesisticas Lata Stuttntw; folhete
brochado por 320 rs.
Livraria franceza.
mto waior vantagem
isas e ii i
Corcio de Ouro a. 2 D, ra lo
compram-se
aro, prata e pedras preciosas e u obras veihas: na
ioja de oias do
Cabrig.

-t
do mu \ s
iPI LULAS
PEPSINA
PH> 2 RU eASTIGLIONE
PA R I S
KOGG
|Uvwm : P. MAUREB et C", *n P4rmtmHto; JOS BELLO, -* Porto AUgrt;
SILVA LOPES, tm Baha. FERREIRA ct O", rm Manmhao.

Compra-se nma casa terrea boa, situada ai
Santo Antonio oc Boa-vista: na ra da Florenti-
na n. 6
Compra-s* urna casa terrea, na freguezia de
Santo Antonio : tratar no arco da Conceicao nu-
mero C.
Na travessa da ra das Cruzes n. i, casa de
penbore?. CJm&ravse prata e ouro >elho por mais
do que em outra qualquer parte.
Vende-ee farinha muito boa chegada hontera
em saceos grandes e panno da fabrica da Baha.
aos armasen- da companbia Pernambucanaj: a
tratar no mesmo e na roa da Cadeia casa n. 1,
cero IwBancilfM Torres.
M Joaquim Rodrigues Xa- g
vares de Mello,
^Pra^a do Gorpo Santo n. 178
fTEM PAR.\ VENDER :
Cal de Lisboa.
S Potassa paEussia
0 Vinho Bordeaux.
g Farello d^ Lisboa,
0 Parlaba de andioea.
Compra-se ou aluga-se urna e-crava (jue seja
crinnla, de meia idade, que saiba comprar, co-
zinhar e eegommar para casa de pequea fami-'
.lia : a tratar no Corredor do Bispo n, II. '
Na tranessa da ra das Cruzap a. i, casa de
penhoies, compra-se prata e ouro velho por mais
do que em oirtra qualquer parte.
Fazendas baratas
10Ra doCabug10
Chitas escuras, cores seguras, covado 200
Panno de lindo para lencoes 900
Chales estampado, um liOO
Colxas adamascada, urna .j'00
Gro^denaple preto de seda, covado 1 000
Cassa com salpicof de core?, vara 50
Algodo patente, pe^a o000
Dito de listras 200
Carnbraia para atinados, com 20 va-
ras a pessa 12i000
Laa com listrande seda, covado o6(
Ditas com ditas, covado 480
Dam-se as amostrs.
A 500 rs.!
Vende-se superfina tinta rosa e preta, custando
500 rs. cada garrafa : na ru de Santo Amaro
numero o.
Vendem-se tres boas escravas de idade 20 a
i annos, com muito boas habilidades, pois que
engommam perfeitamente e cozinham, urna bonita
e bem educada mnlatinha de idade 12 annos, dous
escravos sendo um bom carreiro, um dito official
d^ ferreiro : na travesea do Carmo b. 1.
Peelincha
No pateo do Carmo n. 9, armarem do
Ribeiro.
Manteiga ingleza a 900, UWO e l'OO a lbra.
Bita franceza a 790 h. a libra
Cha perola o que ha de meluor a 2 e 3.1200
a libra.
Dito hysson a U a libra.
Queijos flamengos novos a 2J100.
Velas de espermaeete a 700 rs, a libra.
Terreno para edifcatfio
Vende-se um terreno com 140 palmos de frente
e outros tantos de fundo, pouco mais ^u mono,
sito ma do Mrquez do Herval (Ccncordia an-
tigamente) confronte ao gazometro : a tratar na
ra da Madre de Dos n. 36 A, da3 9 horas da
ianha as 4 da tarde.
O proprietano do cosmorama ra da Im-
neralriz n. 49, vende este importante estabeltci-
mento recenteinente montado, com v3tas aovas e
finas, vidros de sobrecelentes, com um orgao e um
realejo de figuras, e um sortimento grande de
prendas, podendo ser transportado para qualquer
lugar por se achar preparado para este tim : a
trotar no mesmo estabelecimento.
Farinha de oaudioca.
Ha para vender boa farinha de mandioca, en-
saccada, ou agrane!, chegada recentemente de
Santa Caiharina bordo do brigue sueco /uus,
que se acha fundeado em frente do trapiche Ba-
rio do Livramento ; seus consignatarios Amorim
Irmaos A C. ma da Cruz n. 3.
Farinha a 7$00u
Vende-se na ra da P.aia, taberna n. 43, saceos
coro farinha de mandioca da trra, com o peso de
27 killus p r 8a.________
Attencao
Na praea do commercie n. 18, armazem, tem
para vender cebjlas dj Hio Grande do Snl a 175
o milh'iro.
OJ9I FA1
Maia Landelina vende
saceos com farinha de
mandioca : na rea do Duque de Caxias, travessa
do Rosari". Ioja n 18
Biliiar.
Vende-se ;:n L..inar coro todos os pertenec
ver e tratar na ma estreita do Rosario n. II.
Farinha de mandioca
Vende-se superior farinha em saceos
grandes, por pre$o commodo : no escrpto-
rio de Antonio Luiz de Oliveira Azevedo &
C, ra da Cruz o. 57. Io andar.
Vende-se a casa terrea n. II, em chaos pro-
prios, sita em Olinda ra no oito do Amparo,
com 4 quartos, corredor ao meio e duas salas : a
ratar no 1 andar n. 5 ra da Cadeia do Rpi-ife
4 A ilvij m
A rua'do Duque de Caxias n 21.
(AHTIGA RA PO CEIMAIIO)
Nao fot sem fundamento que a NOVA
ESPKRANCA tem deixado de f.iz?r os se_s
annuncios.'a razio simples, ella enltride
que tudo em demasa abi-rii.ee... por iso
como j tinhadito escientilicado i sua boa
freguezia o que r.oostautttnenle i;i receten-
do, ou livesse feito mokas v.-zes. rceou
toruar-se mass?ie, assiaj pois recolheu-i-e-
um pouco ao silencio, mas nunca deixanrlo
d'eipregar os venladeiros esk>rcos, j cr.-
tratando maior numero de correspondentes
na Europa, j descobrindo bjectoa do mis
-purado gosto e fualmenie assignondo o
Jornal das Familias, o qnal vem sempre
ornado com fijjurinos, modernos moldes para
vestidos etc.. etc. para desta furma melbor
servir a sua constante freguezia; e com es-
pecialidade ao bello seo, qutm a NOVA
ESPERANCA ufanase em offerecer-ibe
seus servifos, apres*audo-se desde j ta
declarar que tem recebido nlmamecte
ntremelos e babados bordados transparen-
tes e tapados, cliaposinbos de selim pera
baptisados.
Finas tuncas de cambraia bordada para
o mesmo fitn.
Meiasde seda e fio de escocia para cro
fas.
Dedaes d'osso, marfim, acj e madre:c-
rola.
ptimas navalha?, afiadores e rcassa para
as mesmas.
Finas esponjas para o rosto e para la
nhos.
Bonitos sapatinhos com biqoeira, Snifo
cora salto, para meninos e meninas de < is
a doze annos.
Boas lentes com cinco eclmetros;, para
contar-se os Qos de qualquer fazenda.."
Tesouras p3ra frisar vestidos.
Carretas para tirar moldes de vestidos
Mollas para segurar c stm.'?.
Bonitos liiteiros fie novos moldes,.
Meias de laa para bomens e seohoras.
Finas e bonitas ligas para meias.
Fil de linho e de seda, sendo pr> t e
braoco, liso e de salpicos, e nitros muitos
objectos expostos a venda na Duque
de Caxias n. 21, na NOVA ESPERANCA.
Mabo d'alcaro.
Wnde-se na roa Duque de Calas n. 1.
PARA LUTO.
Brincos, broches, rollas, pul ejras, fiv-
las, pentes, botes para pohos e cadeias
para relogios.
A NOVA ESPERANCA, qu- rendo satisfa-
zer sua freguezia, ulosaente d'alegria ou de luxo, quer tambem acom-
panbar aquelles, que infelizmente perdendo
algnem de sua fauilia, ou aigoem de saa
amizade, precisam de taes ol.'jectos, assim
pois a NOVA ESPEBANCA', mandn vir c
que ba de melbor ueste genero, porque
sendo taes objectos de cor negra, sendo
de m qualidade. nao soneote tornam-s*
tristes como at repugnantes, o que no
acontesce aos da NOVA ESPERANCA, p r
que apenas exprime o sentimeuio pea cor
porem como que traz um lenitivo pelo gosto
e perfeifo com que taes objectos sao trar
balitados.
Fliuta.
A NOVA ESPERANCA tem para wend r
urna llauia d'tbano do afamado fabricarte
Boum.
i
120
>.

CHARUTOS
DE
HAVAM
LEGTIMOS.
Chegaram ra da Cadeia do Recife n. i o.
Massa batid i a640rs.
Valdivino da plvora vende massa batida e
leza para fagos : no seu armazem de sal da
mperiaL
in-
ma
ELEPHANTE COM BOTAS
Grande armazem de pianos, msicas e instrumentos
DE
ANTONIO JOS DE AZEVEDO
N. 11-MA NOVA-N. 11
Partecipa ao repeitavel publico desta cidade
gi.'acaba de chegar um grande e expiendido sortimento de
e das mais provincias vteinhas, que o seu grande e bem acreditado armazem d. iostrumentos^para mosi-
0 que ba de mais moderno, de teclado fixo e mobile, e eom transposicSo oo sem ella,
afamados e bem conbecidos pianos da fabrica do Sr.
de aatores os mais acreditados nestf|;idade, [como sej am : os
Grande pechncha
Na ra flo Dujn de Caxias, antiga ra do
Queimado n. 19, vendem-se alpaca de todas as
cores e lavradas pe!o preco de 500 rs, chitas de
bons pannos a 2i0 rs. ; assim como lem ricus
corles de cambraia? bordadas de cores a "OHO u
corte com 10 vara, barat ssimo.
ao
IJOUO
CffOOO
I
1
AFFONSO BLONDEL
de Paiis, de qaem o aanunciante o nico agente nesta cidade, como prova com o documento abaiio transcripto e asaigoado pelo dito Sr. Brondel. Estes pianos, abri-
udoa pec.almente para o clima desle paiz, sao os aicos que offerecem urna garanta egura de ua doracSo. Elles sao aqui bastante conbecidos desde 1844, para que
saja necoSssario insistir sobre sua superioridade. As suas vozes sao mnito flautadas e melodiosas. Ellea possuem um teclado aoe se presta a todos os caoriebos do
aenbores pianistas. t r *
Todas a? pessoas que comprarem piaoos nesu casa, sao rogadas a exgirem o certificado de origem tssicnado pelo Sr. Blondel, afim de provar a sua
anteoeidade do numero de piano com%o de certtflcado. .
AO PUBLICO
3fr. -pbowe Blondel, fabricante de pianos em PARS, deeclara ao respeitavel publico de Pernambuco, que o nico deposito de seus pianos na cidade
do Recie, 4 RA NOVA JJ u, armazem de Antonio Jos de Azevedo. Outro sim que todos os seus Ipianos irSo accomph2dos de um certificado de origem assig-
nado por am. .
Pars, 4 de julbo d> 1869. (Asssignado) Alph^ase Blemdel
0 annocianie tambem roca e aluga panos. E tem o maior e mais explendido sortsentof de covos pianos.
MSICAS PARA PIAJVOS
v M fe8iMI6 dJctamente /U Europa e o Rio.de Janeiro; das acreditadas casas dos Srs, Felipone i, Tornagbi. JlaraM. Arthur Napoleo 4 C,
etc. 1*'|bmbi tem grande sortimeato de papel para ttosca e deseobo; cordas para todos os instromemos., risas gravuras e quadrps para oraamentos de sa^f, oleados para
usoalbo M salas, neos espelbos doorados qudradee e ovaes, caisiobas de costura eom msicas e sem ella, estojos para viyem, relogjos com despertador, vidros para
a?f a i4* u.nunfhof ^f. lM f01!,8 Para bordp' mn'ts outrosartigos que o respeitavel publico encongar sempre ,nesie armazem, o qual estar
abarto todcs os das ate as 9 boras da aoute, a0tn das Exmas. familias poderem ir apreciar os reus pianos. ^
u nm i pars.
20Ra da Imperatriz20
Farh't Lessa.
Acaba de chegar a esta nossa nova toja de fa-
zendas finas um variad- sortimento de fazendas de
laa e seda, coaiu sf-jam : granadines do ultimo
gosto, popelinas d jma ?0 cor, alpacas e laazi-
nhas de cores, o que ha de mais moderno, lado
por baratsimos praco, brilhantinas de core?, te-
cidos das inci.>, arendi nova a imitacao de per-
ca lia, balde* de e'ina tinpmdo saia de cor com lin-
das barras, fastoes proprios para vestido e roupas
de meninos ; agura grandes e admirareis pechin
chas, saias brancas com lindos frisados a 3a, ri-
cos corpmho bordados muito finos a 5, baes
modernos de -reos as*, ricas colchas para cama
alcochoadas. sendo brancas e de cores, a 3#, 6s t
7a, cambraia v1: tuna lina a S/, ditas transpaivn-
\%L t* fJ,6-^}** fln'simas escuras e clara*
a su, JO, .J20 e 360 o covado, cassas de cores a
210, lencas brancos de cas^a a 2*500, dilos chi
StiSS* a duiia> ra^apolao bno a 6,1 e
6*500, e muit superior a 7a, 7*600 e 8*, algo-
daozmho largo proprio para lencoes a 6*. panno
de aloaao branco trancada pioprio para toalhas
rtnn5* % Sr a vara' nramant P'a lencen a
2*oo j*500, o que ha de melhor, escuiao fi-
mss.mo a 2*100 e 3*500 avara. Mandamos as
casas das Exma'. familias para melhor podeivm
esc >lher. Tambem temos completo sojtimento de
perfumarias des primriros fabricantes francere e
inglezesj as pesoas qoe se dignaren) vir a esta
Iota teroocc8 que annuncianios para nos jnrtiflcar.
Rival sem segundo,
RITA BUQIJBilB CX!.-t .\". 4f)
(Anliga roa do Ocimrdo)
Contina a vender tudo muito bom c
muito barato a saber:
Quadernos de papel p-quono a. .
Libras de areia preta muito bco. .
Tasouras linas para nnhas e cof tu-
ra a.........
Papis de agulbas francezas a ba-
ilo a.........
Caixas com seis saboneies de frua
Libras de lita para bordar de tod-s
as cores a .......
Caivetes finos para aparar pi as
lapis a 500, t e.....
Carriieis d lmha Alixaodre a. .
Frascos com azeile p ra ma<
Grvalas de cores muito Gnas ;: .
Groaas de boles madepeisla li-
uissimos a.......
Pares de i uvas de cores muilo li-
nas a 320 e.......
Novello de lioha de O jai das ;.
Caixas com 100 envelopes muito
superiores a......
Pentes volteados para meninas a.
TinteKos.com tnta preta a80rs. e
Pecas de fita elstica muito fina a
Lata com superior banha a 100 e.
Frascos de oleo Philocomo muilo
fino a.........
Ditos ditos dito grande a. .
Frascos de macaca perola a. .
Frascos de extracto muito amitos a
Duzia de sabonetes muito finos a.
Sabonetes inglezes a C00 rs. e. .
Frasco com agua de colonia Pivera
Dito de oleo b;iboza a.....
Caixas ,de lamparinas a. .
Sabonetes a forma menino muito
superiores a.......
cartilhas da doutrina fazenda nova a
Libras de linha sortidas de todos js
nmeros a.......1 800
Duzia de pomada do Porto muito
superior a.......
Babados do Porto, largos a 160 e
Caparhos muito bonitos e grandes a
Carriteis de relroz, preto, com 2
oitavas a........
Agulheiros de osso enfeitados a, .
Libra de linha franceza superior
qualidade a.......2400
Caixas de pauto do gaz a. 20
Bonecas de cera muito bonitas de
500 rs. ........250(0
:;< D
10

3
SCO
G
CCO
20
100
uto
200
500
1,0000
240
800
720
10200
500
500
40
2*0
400
280
200
700
040
210
RtA DA CHUZ l
Yende-se
Pesos de ferro do sygtema decimal.
Champagne da marca afamada.
Aceio.
Furnias de louca para aadgiea e pudins, de li
versaf qualidades e tamanhos, assim como cacalo-
las e fngideira; de porsalana, proprias para ir ao
fogo : vende se na ra Primeiro de marco n. 16,
ootr'ora Crespo, armazem de lou?i de Bernardino
ftuarte Campos & C
Vende-se
Palitos do gai a :;20 r*. a duiia de eaixlnbas. ba
ralo ; na ra Cu Kapgd u. 39, taberna.
II,
RVA DA tllll i M
Teas prar* vender
Vaquetas enverniadas para carros.
Oleados do diversas cores.
CABRIOLf^
Vende-se nm cabriole! d doas rryl*- en f
e>tado, com arreins para nm cavado : na cochera
da roa de Santo Amaro n. I.
Vende-se ma casa de taipa. na baixa (io
Zumb, (Torre) em solo rendeiro : a :r;,;arna roa
113.
Imperial a.


V
I
Diario de Pemambuco -7- Segunda feira 6 de Juuho de 1870.
Jr
\
J]
H
Duque de Caxiasn. 55
fc- ioja da VERDADE eontraoa-ae a ven-
Br pu* biratissimos presos todos os arti-
*% *r i-idezas e perfumarias do seu
p:c>'e -ai iado sortimento, garautindo aos
jfrt'.Tes toda a sinceridade.
l_*3S hoaecas de cera e massa por ba-
nkKcuo preco.
tvpoios dourados para pendarar a
_.-s.
Amibas do osso para crox a 200 rs.
fiAa fiaos para segorar cabello, a
3Wfs.
Crimines para gaaa 320 rs.
G;r.*afa com tinta alizarine a 10000.
Btocomagaa florida a 1)5500.
U> com dita dita a i0U0.
Tnico de Jayme a 15500 o frasco.
Frs*.o comoleo expresso de babosa,
0 2 640 -s.
L*c> cota agna de Colonia de 300 a 10300
Mo com extractos finos a 15000.
Dito con* sndalo verdadeiro a 15200.
lAtes com banha mnito fina de 120 a
340 re.
-.yn 'os mnito finos e diversas quali-
_ft,>> a 80, 160, 240 e 320 rs.
Ibas escovas para dentes de 320 e 503 rs.
Mis para fado de 500, e 600 rs.
IK... para cabello a 500 rs.
f^ntcs para .Visar com costa de metal a
Us.
Duoe ditos ditos de bfalo a 240 e 320.
tetos para tirar piolho de 160 e 240 rs.
Piros para gaz, duzia a 240 e 320 rs.
Brincos de cores, inteiramente modernos
e *-? e 'i40 rs. >
J"! ihia^ c. ligraphicas muito finas a 15400.
Grvalas de seda prlt de 400 e 880 rs.
Ditas de croxo, bnuicu t de cores 500 rs.
Dita de gorgurfo de ores a 800 re.
Na Verdad* i roa Datejne 4e Ca-
___________xlaa o. &
Farinh* de madioca
A bordo t polas Marmko ha mullo bo fa-
rinha venda (em saecO): a traur can Joaquim
Jos Qonealves Beltrio a ra do Trapiche n. 17,
ou a bordo.
de
Vendeniae diversos ejeravo? pecas viados
do Cear, proprioe para eogenho, astim como
ama cabrocha por I:0IK)J, de 18 annos de idade,
bonita figura est um pooco descorada de f Halda-
de, e diversas molatas com habilidades : a Ulatar
na ra da Crui n 83, 2 andar.
DLfc
o '.anca e mosinha a 800 rs.
I]05 btadinhos e ntremelos de 500
4j000.
Grosas de brtes de louca de 160 e
Doe 'litas para caifa a 240 rs.
C tu com papel amizade a 700 rs.
Di as com envelopes a 480 rs.
Di* ts com brelas a 40 rs.
I>i3 com agulhas fundo dourado a
T oare para costara a 240 rs.
Luba de marca caixa a 280. rs.
Grriteis de linhas deAlexandre den. 70
3?.{:> a40 rsrj
Cr mpes muito finos, com passarinhos du-
sr :'W re.
Ca franeexas para jogar duzia 3#0O0
t< s poriogaezasj duzia 5400
Pane! a maco suprior qualidade resma
m
La muito frna para bordar libra 65500
1: -s para debrum desapato, pessa 160 rs
a ie !am para debrum de vestido pega
re
Calvetes srr.mdos com molla a 400 rs.
Y\r grandes com 2 folhas por 320 rs.
I;, setas pretas para luto, o par 100 rs.
In, i;** (\d larn de caracol branca e de
afc do .0 a 100 rs.
V*bs. para ees, peca 480 rs.
Alt) de lailo, carta 100 rs.
& Upos de larn para creanca de 400
3.
leras s 40 rs.
Armazem dous irmos
8=4Rnada PenhaB
Manteiga ingle: a snperinr a 1*500 a libra, dem
franceza a 800 rs., cha miud- bom a SjMO, dem
grosso a 3*, velas de es^ermacete a 640 a libra,
rafe em evoco bom a 200 e 440 rs., toocinho a
400 rs., Ulariui, macarnao e aletria aSOOrs-qoei-
jos frescos a 21900, dem prato alia libra, vinho
em pipa a 400 rs. a garrafa, dem S. Juhen Me-
doc a OiO, graades latas com boiachinhas. a 14400,
lagustinhos a 800 rs. a lata. Neste armaxemba
semp-e grande deposito do gneros de primeira
qualidade, e vendem-se a precos muito resumidos.
LOUCA
o
rande armazem na roa -4a
Emperatriz u. G
Neste grande armazem vende-se louna mglwa
finas e ordinarias, apparelh.'s de porcelana para
jantar e para cha, jarros para flores os maisboni-
tos e de gestos modernos ; assim eomo grande
.ortimento de vidros finos o ordinarios que todo
se vender tanto a retalbo como por atacado pelo
mais barato preiro que em ou ira pualquer parte :
chamamos a attencao dos freguexes, qae serio
convenientemente servidos tanto nos eomtnodos
precos como na boa aualidade das /azendas.
DE OURO
Pechhicha a 7j5 e 9&.
M4GHIN4S IMI11
COSTURA
Acabam de chegar ao GRANDE BAZAR
UNIVERSAL, rut Nova a. 22carniiro
Cigarros da imperial
fabrica de S. Joao
de Nictheroy.
nico deposito em Pernambaco- caes da alfan
dega velha n. 2, 1* anda.
TERRENOS.
Vende-se um terreno na roa de Luiz do Reg,
em Saoto Amaro, com 300 palmos de frente e 640
de fundo, com urna casa terrea edificaba no mes-
mu terreno quem o pretender dirija-se a ra
Nova, casa n. 22, que achara com quem tratar.
Grande asUbalecimtiito t (azendas e rouptt bitas e por ftedta, roa da Inv
peratriz W junto a toja de tmrivw.
Neste estabelecimento encontrar o respeitavel publico um botilo aortia^fito de
roupas de todo* as quaaa'es.
Palitot de alpaca prete da c4res a 3*000, 3500 7(5000, ditos mlrin pTeto
de 7(5000 at 255000, -ditos do ctsemira de cores finas e fcudinanas*, de 6^. 16^000,
ditos de panno finos dei5 85 10$-o 2< iOOO. sobrecaado dito da wjk a 50)5000
Completo sotWmente do calcas de brim pardo de iiOO. a 6|000, ditas brancasi
de 24, 104000 o mais suparior, ditas nieta casimira,dil-ia casniaira d# H, i 124DOO,
ditas cwemtra preta de'65, a'WjMJOOsuperior, dita de merina; diversas qnalidades para
luto. Assim como um bopito sortimento de coUeles de brim de corea, ditos brancas,
ditos de casemira de cores pretas, ditos de merino para luto fazeada saperior.
Sortimento completo'de ra&isas! francezas de algodo, de if>00 3J0OO, ede
linlio de 38*000 a 700O a duzia.
Sortimento completo de crpnhis francezas de algdido de 1 5600 a 25500,
dUasdebtamaata 480K*WWO.(J000, ditas, de UanaBarfo.-francezas, fazenda su-' v,*NNA~ain completo sortunento de ma-
perior de 2fW00 a 8MO0O dazia. Soilkanto e eolirtDhos de algodo e linlio, eic.,ichinas Para costura, dos aotores mais co-
assimeomo meias de algodSo para borne de 3.5, a 105096 a duzia, gravitas de mui- inDec,do^ as uaes **Uo em expsito no
tas cualidades. Na ral da Imperatmz n. 52, loja do i mesmo Bazar, garantindo-se a sna boa qui-
Sortimento de chapeos de sol do alpaca, e seda, ditos ingieres cabo de marfim.
Toditas para roato. Sortimento de mallas para viagem.
KftWHpM
Neste estbtoeimento encarrega^se d madar fazer qualqoer obra por medida reiras diariamente, e a sna perfeiclo tal
e para esse flm tem liabil mostr ncarregado da officinat que se encarrega do trabalho jc3mo da mftlbor cestureira de Pars. Apre-
com perfeicSo e pontaaldade. sentam-se trabalbos executados pelas mes-
SORTIiENTODE FAZENDAS. mas, que moito daven agradar aos pwten-
Chitas de 240 re. o aovado oo 105000 a pessa com 42 covados, ditas miudes dentes._________________________________
pora camisas e tmo dettenmo 260, e 280 rs., e outras multasqualidades de 3O, 360 ', /\#Y'-;_%_ ~ j
e 400 rs. o covado, neste mesmoestabeleciment ebegararn. urnas bonitas chitas da UIIICIIIE e arUiaZeiU U.6
victoria com-barra, aqnal para f!bos ecoaapetente nfee para corpiuio. Cam-
braia lisa de 34$, 45,55 e 10#00 s pessa, e outras muitas fazenda de todas as quali-
dades.
ALGODO E MADAPOLO AVABIAftO.
Vea^--B calrado fra#cez obra muito boa pelo
diminuto.prw do7* *, *m cuma calcado
para arianaaa ail baratiaiiaio venbam a ei-
m antes qane aaiaeaa, na bam conhecida loja de
miodtMs da raa a Oadeia o. A. confronte a
ra da ladre-la-fleos.
lidade, e tarabem enstaa-se cora perfecSo
a todos os compradores. Estas machinas
5o iguaes no seu trabalho ao de 80 costu-
Caes
Ha
maimore
Vinta e dous de novembro n. 57,
(ontr'ora armazem allianca)
a para vender pedras marmores de todos os
A40000 o algodSo;*I5o00 omadapolao. e tarnbern chita escura bOa a 240 o to:nanhos e grasuras, tijolos de diversos u-
(ovada por ter grande :porc5a na ra da Imperatriz n. 52, loja com portaes encarnados, manhos, soieiras e saccadas,
inifeifdo
Leao de Ouro.
Aos cem mil azulejos
Portuguezes, hespanhes e francezes : na ra
Primeiro de marco n. 16, outr'ora do Crespo, ar-
mazem de louca de Bernardino Duarte Campos
& C. '__________________________
Caf do Ceara'
Vende-se ptimo caf da serra d'Arata-
nba, Cear: ra.da Cadeia do Recife
n. 5._____________________ I
Nao mais cabellos branoosJ
A tintura japoneza para tingia os cabellos
da cabera e da barba, fot a nica admiltida \
Expofo Universal, por ter sido rece
nhecida superior todas as preparaces at!
aoje existentes, sem alterar a sade.
Vende-se a 15000 cada frasco na
Rna da Cad^a n, 51,
1. andar.
assim como soiei-
ras e saccadas d3.pedra de Lisboa. Tamben) eou-
; trau-se e fai-sc qualquer obra, orno moausten-
< tos, tmulos, -tatas, pas, lavatorios, mesas e
' tado o mais lendonte- mesina arte, por noicaa
. pricos. __________^^^
>ende-se-u truca-se por ca;as nesta praga
o sitio denomna) dos Boritiz, antiga casa da la-
vagem de roupa, com grande casa de viveada,
senzala para petos, estribara, banheiro de pedra
e cal com agna eorrente, baixa pira capira a
grande terreno faca plantacoes : quem o preten-
de* dirija so paaca da [iidependeaeia n. 33.
m 4ZGAZ
V 3 A Mil DOftWW 3.4.
II "
Com este titulo acha-se abfirto e inteiramente transformado este antigo
estabelecimento de joias, onde os freguezes e amigos encontrarlo ludo qnanto
a moda e o bom gostotem inventado na arte de ourivesaria, o Collar de Ouro
obsemari delicadeza no trato e senciridade e modecidade nos precos.
Espera qne o respeitavel publico venha ver o que existe de melhor em
adereces'de brilhantes, esmeraldas, robins e perol as, meios adorecos, pul-
ceiras, brincos, alfinetes e armis de todas as quadades, prata de lei faquei-
ros, colheres, palileiros salvas e outros muitos objectos que seria enfadonho
mencionar.
Compra-sc ouro, prata, brilhantes e pedras finas, pormaior preco do
qu em outra qualquer parte, treca-se e concerta-se todo e qualquer objecto
pertencent a esta arte.
l'wzw^ ?
Chegea ao antigo deposito de Heorr forater a
C, ra do Imperador, um carregamesto de sai
de primeira qualidade; o qual se vende em paruda
e a retalbo por menos proco do qne em ontm qual
qner parte_________________________^^
Vende-se um terreno proprio, cora 138 pal-
mos de frente e 160 de fundo, para o lado da es
trada de ferro, cujo terreno tem at cerce feito pa-
ra cinco moradas de nrii, na ra de Motocolom-
b dos Afogado? : a tratar na raesma ra, ou na
ra bireita dos Alagados n. 13.
CEMENTO
PORTIAND.
Vende-se no armazem amarello de Vicente Per-
reir da Costa & Piiho, defronte do arco da Con-
ceicao, em barricas grandes
Tasso Irmaos & C.
Vendem oleados prctos para forro e guardis-chu-
va de carros.
Ditos de cores.
Portas de pinito almofadadas, tamanhos diversos.
Cadeiras americanas de varias quadades.
Tnico para cabellos.
Agua de Florida.
Machadinhas americanas.
BRACO DE ,
Ra do Imperador u. 20
P respeitavel publico encontrar^, neste
estabelecimento diariamente um completo
sortimento d8 pastelaria, boMos oriezes
podins, pfds-delo, prgsentos dos nimos
chegados ao mercado, salame de Non, bo-
linbos finos de todas as qnalidades para cha,
amen loas confaitadas, confeitos, bomboins,
pastilbas, chocolate francez em libras, pas-
tilhas do mesmo .eartoxos e carteiras com
seis charutos de cho oate cada na, este
sortimento de chseolate do mais acredita-
do fabricante de Paran o metior que at
boje tem viudo ao mercado.
Vbos partujpmes, figneira muito sope-
rior. Os mais geouinos e superiores vinhos
do Porto, moscatel e Setubal, o Ilustrado
publico encontrar neste estabelecimento
por commodos precos, fazendo-se abatimen-
to a quem comprar em porc3o.
Licores de todas as qnalidades, asmis
fins, entre elles o afamado Aiapana, este
licor o mais saboroso e superior, at
hoje conhecido. Xaropes de groseme, rosa,
maracuj, caja etc,, vinhos de Bordeara de
todas as marcas, o mais superior qne' se
pode ene mirar, champagne de Chevernt
mnito superior, os mais fines e superiores
cognacs francezes, old-tosn, de todas as be-
bidas alcuosas, este a mais salutar para
i quera soffre do estomago,
, Conservas de egaiML portuguezas, fran-
eczas e inglezas, molaos mostrada etc.,
/rucias seccas cristalisadas e em calda, na-
eionaes e estrangeiraa de todas as qnalida-
des, charutos dos mais acreditados fabri-
cantes da Babia e Rio 4e Janeiro, cigarros
de 6. Paulo e Rio de Janeiro, muitos su-
periores, e finalmente tu do cnanto se dese-
jar tendente a este genero de negocio com-
promteme-nos a satisfaaar toda e qual-
quer encommenda com a naior promptido
e asseio : Como sejam para casamentes,
baptisados baiies etc., tambera se recebera
eocommendas de p3es (de lo ou boMos de
qualquer especie eofeitados e decorados,
bandeijas de "bclinhos com armafo de as-
sucar, assim como de papel, pecas monta-
das, gellatinas de fructa-, aniendoas, leite
etc..
Os donos deste estabelecimecto nao se
tem poupado a despeza* para melhor me-
reesrem a acoadjuvagao do Ilustrado pu-
blico._______________________
Telhas de ferro.
Na ra do Crespo n. 6. ba para vender
por presos muito razoaveis um grande sor-
timento de telbas de ferro galvanisado, de
diversos tamanhos para cobrir casa e te-
lheiros que alm de ser mais barato do
que as telbas de barro e aformosear mais
qualquer obra muhv__ais limpo.
IMPERATRIZ
WA
IREIiO J_i .
Para maior comraodidade das E*mas. familias, de todas as fazendas se dao os livros das amostras, ou se mandam levar enfsuas casas, para melbor p-
Hste grande estabe'eeimeoto encontrar o respeitavel publico, u._ grande sortimento de fazendas. do mais aparado gosto assim como de todas as de primeira necessidade que se Ibes promelte vender por precos muito mais baratos do qn
pi.j:qo ir parle, visto qae os novos socios desta finia adoptaram o systema de so vennderem (HVHCIHO ; para poderem vender pelo custo, li_itando-se apenas a ganharem o descont. As'pessoas oue nepociam em menor escalla, nesta ioia
a?. id ;ro fazer os seus sortimentos pelos mesmos precos que compram as. casas estrangeiras.
ie? q ilbf.
W iHI ^^^^! & Organdy bronco com listras lar-
' gase quadnnhos, a vara a 46000.
Todas estas fazendas, sao inteira-
mente novas e se vendem muito em
conla, ra da Imperatriz n. GO,
loja e ar_jzem de Silva e Figuei-
do & C.
llab novidades m
M* PATIO
r i i-AZENDAS PARA A FES-
TA DE
.: : V \'. i 10, S. JO E S. PEDRO.
ver a! se as mais lindas poapeli-
linho e seda cora os gostos
ros que tem viudo a este
: 'baratopreco de |2
.) j covado. 0
i is listradas, de furta cures, fa- ^
. i i: .le muila phantasia a 2.5000 ^
" '"Jo- X
.;. i bismark, larga fazenda muito w
. da o covado a 25500. *
; '.asinhas largas cora palma ^&
.,, covado a i5000, W
_.iJ agraciando lavradas covado ^
. ) i I >.
' i ,. lavradas de todas as c-
.v ilo a 650, 800 e 1,5003
;<, i lasinbas escossezas com
'. e litras de seda, covado a

:~l i* r.ipacas lisas, sendo cor bis-
. -i i io, verde, roxo, cinza, can-
. a:;u etc., covado a6i0.
.ra '.ores com as mais bo-
;es, covado 503 rs.
Li. afeges lisas, e com lisia
-.; ua c.\ fazenda inteiramen-
. covado a 5G0e 640 rs.
itis lasinbas lapadas etrans-
'.-.s cora grande diversidade, o
i 000 rs.
lias lustrosas com lindas c-
-*-s a nitacSo da seda, o covado a
.rio3 corles de anadine, sendo
f z: muili aantasia, com 18 covados a
Fin mos curts'de vestidos bran-
nos l. dados com t^os os enfeites
a 125000.
L. i da gaag fidians. fazenda
tul->...t: nte nova a, 7(000;
lineaes com duas saias a
H
Ditjs de ti escossdza fazenda mui-
de se"(a a 750 0 ''
FuiI.-cmU iS
6r | -ilpii
lista de
de
de 125000 rs. cada um, pechiocha.
CASEMIRAS ESCOSSEZAS.
O Pavao tera boni as caserairas escosse-
zas cora quadros grados e midos e outras
lisas com listras ao iado, sendo fazendo
muito fina que se vende mais barato, por
haver grande porcao;
CORTES DE CASEttlRA PRETA A 4:500,
O Pavo tem os superiores cortes de ca-
serairas pretas enfeita las pelo barato preco
de 45500 rs. o cort,
CASEMIRAS RASPADAS A 800 RS. O CO-
VADO.
0 Pavo *ende excellente fazenda de pura
la com as cores escuras muito proprias
para calcas, palitots, colletes e roupa para
menino que frequ -ntam a escolla por ser
urna fazenda leve, escura e de rauiti dnra-
Co, 6 pechincha a 80;) rs. o covado ou a
258 'O o corte de caifa para homem.
FINAS BARGES A 640 RS O OVADO.
O Pavao tem as mais lindas baregesde
la sendo maias transparentes, com urna
s cor, tendo : lyrio, azul, ros3 Bismarck,
roxo, etc., tendo muito boa largura e liqui-
da-se por 640 rs. o covado, por se ter fei-
to urna grande compra, assim como ditas
mais estreitas de urna s cor com listras
imitaco de seda a 560 rs. o covado, e pe-
chincha.
PECAS DE MADAPOLO A 3>300.
0. Pavo vend pessas de muito bom
madapoln, tendo 12 jardas cada urna, pelo
barato preco de 35500.
PECHINCHA EM ALGODO A 4*000 RS.
0 Pavo esta vendando pecas de algodo-
sinho francez, tendo 4 palmos de largura e
com 11 metros, cada peca, pelo barato pre-
da 40000 rs.
CERA DE CARNAUBA.
Vende-se superior cera de carnauba em
saccas, mais baralo do qae cm outra qual
quer parte, na ra da Imperatriz n.g6f>,
loja do Pavo.
CROCHE'S PARA CADEIRAS E SOFA'S.
O Pavo tem um grande sortimento dos
mais bonitos crochs para cadeiras, sofs
mesas, almofadas etc., proprios para co-
brir presntese'vende-se mais barato do
que em outra qualquer parte.
AlgodUlo enfestado.
Vende-se urna grande porco de algodo
sinho americano c >m 8 palmos de largura,
proprio para lences e toalhas, tendo liso e
trancado, que se vende por preco muito em
conta.
LAAS ESCOSSEZAS .
L.AAS ESCOSSEZAS
LAAS ESCOSSEZAS
A 560 rs. o covado.
Chegou paia a leja do Pavo, o mais
elegante sortimento das mais lindas lazi-
nhas escossans com fos de seda, as quaes
fazem o mais delicado effeito, para vestidos
de duas saias, e vendm-se pelo barassi-
rao preco de 560 rs. o covado.
SEDAS DE LISTA
SEDAS D i-" LISTA A
SEDAS DE LISTA
a 25000 o cova o.
Chegou para a 1 ja do Pavo um grande
e bonito sortimento das mais lindas sedas
de listas cot) as mais delicadas c&res, tendo
entre ellas algumas que servem para luto, e
vendem-se pelo barato preco de 20*00 o
cova lo, pechincha.
FAZENDAS PARA LUTO N\ LOJA PAVO
Encontra o respekavel publico neste es-
tabelecimento um grande sortimento de fa-
zendas pretas, como sejam c*asas france-
zas e inglezas, chitas pretas de todas as
qnalidades, fazendas de la de toda que
tem vindo, proprias para luto, sendo lasi-
nhas alpacas lavradase lisas, canto, bom-
basinas, merino*, etc. que tudo se vende
por preco barato.
GROSDENAPLES PRETOS DE 1*500 AT 7000 'CHAPEOS DE SOL DE SEDA A 10/JOOO.
Na leja do Pavo encontra o respeitavel
publico um grande sortimento de grosde O Pav3 fez oma grande compra de cha-
naples pretos de todas as larguras e qoa- Pos dt s1 de Pura seda, inglezes, com as
lidades, tendo de lifaOO o covado at 75000 Laspras parago. sendo neste genero os
e 8500), que se vendo por preco muito i mglhores que lem vindo ao mercado, e li-
em conta.
CASSAS FRANCFZAS.
Cuegaram para a loja do Pavo as mais
lindas cassas francezas com delicados pa-d
dades, dando-se todas amostras, assim como de roupas, sendo palitos e sobrecasacos de
nm Bonito sortimento das mais lindas chi-
tas francezas escuras e alegres, que se ven-
dem otailo em conta, e tambem se do
amstras.
CHITAS A 240RS.
Na loja do Pavo vendem-se bonitas chi-
tas francezas claras e escuras e cres'fixas
240 rs. o covado, e pechincha.
LASINBAS A 320.
LASWHAS A 320
LASINBAS A 320.
Na loja do Pavqi vendem-se elegante so*-
tinwnlo das tjjais lindas laas_has tnstrosasi
ALPACAS LAVRADAS A
1,000 RES.
640, 800 B
Chegou para este grande estabecimento
o mais bonito sortimento das mais moder-
-inararrABA homens para'ti^ZS^m'^tSm^^
OS PRECOS. 1 cas fizas da todas as cres
T aste grande esta be menlo encontrar
droes, tendo para todos os precos e quali- 0 respeitavel publico um grande sortimento BftSQTllit_"
basqninaa
ricamente
Z?FT* <^Wfc ^ ? *>* f Cheganr* Us maf? modernas
Sh r\ZY decres',(u8lu?\sevede ou jaq^etinhas de seda preta,
. J r f iUe em f^Vf3^ enfeitadas a vidrilbo, tranca e setim pete
assim como nm grande sort.mento de ca-. tndo de todos os ^^ os mais gnn
unzas francezas e mglezas, e ceroulas tanto I e te_ CQ Q yendein-se por preco*
de Imho como.de algodo e abundante sor- u razoa.feis ^ *^^
timfnto de meias cras.
VESTIDOS INDIANOS COM DJJAS SAIAS.
O Pavo vende urna grande
cortes de vestidos indianos,
porco de
tendo duas i
J saias e tenda b.isante fazenda, com os gos-'
tos mis novos que tera viBdo, e liquida-ae
POPELINAS DE SEDA
POUPELINAS -DE SEDA
POPELINAS DE SEDA
a 5000 o covado.
O Pavo acaba de receber o mais ele-
gante sortimento das mais lindas ve dadei-
^Ji^^'fi^50- **,- P*?i~,Qa5/*la 3*000, tettdo cada um seu competente "* poupeiinas de linho e seda com os pa-
sada e com as cores mais lindas que tem fi(.aiinQ>. F dres mais delicados que tem vindoao mer-
vi Jo jo mercado; sendo fazenda que ge CAStII_RA*MESCLADAS A 35 0 COVADO cad. -i <*** ellas cores proprias para
mdtolnais dinbeiro.a,liqmdam-|B fe.*20 |alliviar luto, e vende-se pelo barato preco
rs. o cpvado, p^zhincha,-*-
FiIIiVHA
EM CAMISAS DO PAVO A 4^500 RS.
Vende-se um bonito sortiraenk> de mui:
finas e raoderaaa-camisaa fagleias ma pei-
to e coliariQhos d: linho e puahos, pelo
baratissimo preco de 45300 rs. cada urna
e aws-nigueaes que co^^areMdjl se
farum abatnente, garantiidj^que
e Bzanda oue vale muito aais
O Pava* tera para vender bonitas case-1 de 2(J000 cada covado, pechincha.
miras mescladas e bastante encorpada para
roupa de homens e meriinos pelo barata
.de -VM0-xada covado ou 55000 o i
Cambraias brancas
RO
sle preco aor li Mleito
pra? aS?im aWaw^ftnde qfr%lirt|dWpdysn haver; qdWpfce-
um nopito sortimento de ditas tambem*om mora, quer por qualquer defeito na obra;
Vende-se um grande sortimento das me-
lhores cambraias tanio victorias como trans-
parentes tendo de 35C0 peca at a mais
tina que vem ao mercado.
CAMBRAIAS BRANCAS A i|000, A PECA.
P^deobra'^rtde do freguez/ para o hpS tPav5 ve"def P^?as .de, cam6raja
qZ lema... perito alfarate, re^sa^lis.n-' rJra"fr\^an^P?^ente\tend0ai3od^ 'ara
dol osTlnadoeataoelicimelSpi-qual- larrura- com
ca.lca para hornera.
upa por medida.
Na loja do tafo manda-se fazer qualquer
PARA BAPTISADOS jaaito.de linbo bordadas e ditas de algodSo e-para'i'sto encontra 'o respeitavel public
Na loja doVav* vende-se bonitos'en* VMA todo* ^ Pr*f* *" *vOm grande sortimento de todas as fazendas
chqvaes para baptisados. PANNO PARA SAIAS A 15000, 45280 e' Ia-6 desejar.
BRAMANTE A 1800.
Vende-se as mais bonitos setins de cores
e mais encorpedps, proprios para vestidos
tendo de diversas cores.
Ooes de casamira a Ou; cada fl_. *d00 BS.
Vende-le bonitos cortes de caserairas Venie-se bwaitas fazendas Joroprias para
dars e escuras pelo barato preco de 40, saias sendo com bordados fiipneasla i)tr
ou a 20400 o covado, tendo dnas larguras, lado, dando a largura da faztad*a campri-
CORTINADOS PABA CAMA"* E JANBLLAS ment da saia e vende-se Dlo barato proco do a larmiraj__a boa fazenda "o cmpri-
de 81, 4Qo\ it& e 460000 deiiOoO. \6i80 a 14600, cada metro sen- .-meato, do iencol, sendo preciso para cada
Chegou para a loja do PavSo um grande d preciso apeoas 3 ou 3"l/ metros para nm apenas 1 a 1/2 metros ou 1 e 1/4 pe-
hImiaaa Jam k. i _l _S__ -* .* __fl_ ____ L _v _a_ *_ .1__ (__:_ __ i / r
Yorul
mis de
*ip*uperor bramanie com 10 pal-
fcrgbra, proprio para lences, dan-
OS SETIMS D PAVO ortimento dos bonitos e ricos cortinados cada saia pechincha.
I ___i>_____.- i. .. hnrdflllas nrnnrinc nvri n-imac a imnll.. 7aaitflilo<. I>^n_._<
:, i-aiWtia.pala rece.

bordados, proprios para camas e janetlas* Vestidas >caaeo* a 1 4M>00 rs. esraRjtilhos. A aoOO.
que se vendem de 85000 o par. at o mais O Pavo v^*,^airaosgrtesadaAS j| af enda9oa%b_nit0 a4~ento dos me-
neo que vem ao mercado, e vende-se mais Mos de cajdW fradla, tiethenft b^^ihlres.e^M^Ma^oS Maculbos tende
barato que em o aira qmflawer'parte, 1 das e com moita fazenda pelo barato preco A loja do Pavo est constantemente aberta, das 6 horas da manhaa s 9 da noute
largura, com 10 jardas cada peca, fazenda
que sempre se venden a 75 e 85000, liqni-
da-se pelo barato preCo de 44W00,
CHITAS FINAS DE 320 A BOO^RS.
Vende-se o mais elegante sortimeato 4&
mais.modernas e bonitas chitas tanto mi-
dasreomo gradas, com caras ciaras a es-
curas, dando-se de todas amostras.
FUSTES BRaNCOS A 640, 800 E 1*100.
Vende-se muito bonitos fnsioes br^icaa
muito flexivel proprios para vestidos da
senhoras e roupa para meninos e vande-aa
a 640, 800 15200 rs. o covado.
Caaaaa a **>
O PavSo est vendendo bonitas cassas da
cares flxas 140, 80 e ,30Q n_Q covado.

1
\
\






J
Diario de Pernambuco Segunda eira 6 de Junho de 1870.
A IWJA B XIMPGR1TRI2 X, S
kjuiju ila ruada Aurora, em frente do caf Imperatriz.
N'aat rmvo e sumptuosoostabetecimiito do fatcndas cncontrarSo as Elmas.
anulrM todo quatuopussam desejar,tanto em artigos do inais rigaros lirio, como em todas
a mais ^realidades de fzundus,
Aim de se achrelo ^Aovidbs' do que de raolhor se ertcoftthl neste mercado,
por todos os paquetes da Europa recetan directamente o qon m artigos de moda e
t mais apurado gusto m encontra em Pars, o que van cada (Ka augmentar s propor-
oea ae que dispoe este eslabelscimento para bera servir s-na numerosa fregnezia. '
i a* i ^^ osa-
Aigoaao largo paij leaces e toallias da Gase com listras do seda e flores, faren-
toaas w qaaUdade&qne eostuma vir ao raer- da iiiteiramente nova para vestidos dtbaile*
Ga a pacas de todos j padres e qualida- completo surtirnento que se pode desear.
es to vanadas que se nao podem descrever. Guipure preto e branco, diversas largu-
Albuns com msicas para collocar retratas, ras e differentes gostos.
delicado presente para qualquer pessoa de Gollas punbos bordados para seaboras.
jSv ^ i < I Guardaaapos de liaho pequeos e graa-
Atoalhado de buho e algodSo, branco e des.
de cores proprios para toalhas. j Gorgurao de seda preto e de cores.
d.., i i33. Grosdeaaples preto e de cores, baven*
Basquinas de seda pretas e muito rooder- d0 diversas qealidadus e Kostos.
aas, bem como de crochet, tudo de apurado ^^j.
f0?l0,_e fertio. Jajoaezes para seaboras, o melbor gos-
BaUJes de mutselina, madapolio, brancos to, e faaenda propria para as estas nos ar-
de cores, para senliora e meninas, rabaldes e passeios a-tarde.
Bareges de cores variado sortimento.
Babadinhos ou tiras bordadas em todas as
'.arguras. t
Belbutina de todas as cores.
Bolsas de Ja pete para viagem, grande
ariadado de tamanhos e gostos.
Bombazina preta de todas as qualidades.
Bramante de linho de 11 palmos de lar- riado"sortimento.
fura, e todas as ma qualidades. Ligas d seda, bordadas, pa;a senhora.
Bretanhss de linho e algodo, grande sor- Luvas de Joo,vin, ebegadas por lodosos va-
ment. pores, sempre novo sortimento, quer em
Brins de linho branco o de cores, do mais pellica para horneas e senhoras, quer em'fio
commodoao mais caro emqaalidade, aulan- d'Eseoda, brancas e de cores,
lando o qne ba de melhw na especie. sxj
Brins 'algodo completo sortimento e Madapolao; in.dcacriptivel o grande sor-
ariedade do piejo. timento que ha neste genero, desde o mais
Ca elevado preto ao menor, que se vende em
Cassas de cores, o maior sortimento, pr- pega e retaho por menos do que em ou-
tiando pelo bora gosto e tantn, attenta6 tra qualquer parte,
u qualidades. Mantas de blinde para noivas : o apurado
Cambraias brancas, tapadas, e traesparen- gosto dos nossos correspondentes era Paris
as de todas as qualidades e precos. habilita-nos a dizer que temos em nosso
Camisinhas de cainbraia de linho e cassa estabelecimento o que de melbor se dse-
aordadas ricamente enfeitados para Sras. ja para vestir e ornar orna noiva.
Mantas prelas de blond.
,,raai precisa scienificar .ao respeitavelpublicoem
[ueaia, da hnmensdade de obiectosauehlUraanwu-
Qcando-a A(V.
geral, em particular a sua boa frequeii*, di iminensdade de objectos, que filtiraanwn
te tem recebido, justamentofqtiando ella menos o pode fazer e porqoceaaa falta invo-
luntaria ella confia e espera oa benevolencia de todo ,que II'a atteaderao e relevaro,
continuando portante a dirigrrenvsa a fcem coohecidalfja da AGUf A BRANCA ra do
Queimado a. 8, onde sempre abaro abundancia em iortimtuto de superioridade em
qualidades, modicidade em preijos e o seu nunca desmenttido AGUADO ESINCER1DADE.
Do qtje cima fica dito se conhece que o lempo de qu< a AGIA BRANC V. pode
dispr, empregado apeaar de seu* cusios no desempeabo do bem servir a aquelles que a
honram procurando prover-se em dita leja do que oecessitaia, entretanto sem eanume-
rar os objectos que por sua natnreza sao mais conhecidos ali, ella resumidamente indi-
car aquellas cuja importancia, elegancia e oovidade os toraatn recommendaveis, como
bf m seja
Liazinhas de todas as qualidades, cores
e gostos, nao fleando nada a desejai', tal
o sortimento que existe para escolher.
Lencos, ludo quanto pode'baver desde
esguiao ao algodo commum.
Leques de raadrepercla e osso, o mais va-
Corpiuhos de oambraia, primo re &amentt
enfeitados com fitas de setim e obras essas
coja novidade de molde e perfeico de ador-
nos os, tornara apreciados.
Fitas mni largas de diversas cores e qua-
lidades para cintos.
Leques uesse objecto muito se,,poderia
dizer querendo descreve-los miauciosamenie
por suas qualidades, coree desenhos, tal
o grande evariado si'timento que acaba
de chegar, mas para nao massar o pretn-
deme se Ibe apresentar } que poder d
melbor.
Entremeios em pecas de 12 tiras.
Guipure branco e preto de ditersas qna-
dades e desenhos.
Ditos de algodo com flores e lisos.
Veos de seda para chapelinas e monta-
ra.
Meias de seda para noivas.
Ditas abortas de fio de Escossia.
Costumes on uniformes para meninos.
Enxovaes completos para bapsados.
Tooquiohas de fil, sapatinbos bordados i crianzas.
Cupeltas brancas para meninas.
Grandes sortimento de flores finas.
Fil de seda, preto.
PERFUMARA
Graade e eoosLante sortimento de dita,
sempre melbor quajidade.
Uivlos vasos cota po de arroz e pinsel,
Gaixinbas com ditos aromticos.
Bonitos e modernoe .puntes dourados
para circular o coque.
Booito. bciocos da plaquee.
Aderocos e brincos de raadreperolr.
Caivetes fiaos para abrir latas.
Thcsonras para frisar babadmhos.
Atpas para balo.
Novos stereoscopos com 46 vistas, as
quats sao movidas por um machinismo
urnas subsuituem as outras.
i Vistas para stereoscopos.
Bonitas carimbas de vidro enfeitados com
i pedras.
Ditas de madeira envernisada com vispo-
ras e ^cem dminos,
Bollas de borracha para .brinquedo de
s meis para ditos.
Camisinhas bordadas para ditos.
Diversos objectos de porcelana, proprios
para enfeites de mesa e de lapinhas.
mamm completo
NOS GRANDES
AKlkUXEXg DE SKCOS
MOCHADOS
Camisas para hrreos e meninos, to va-
riado sortimento que vai do mais ordinario
oadapolio so mais perfeito bordado de li-
Camisas de meia, de flanolla, brancas e
le cores para homem.
Casemiras pretas e de cores, o melhor
fie se pode imaginar, sendo d'isso a me-
nor prova o grande onusummo delias na
officina da casa.
Capellas de flores, para noivas e bailes,
4e3de a mais candida flor de larangeira at
< mais int'Tessante grioaida.
Chapelinhas no melhor gosto.de todas as
cores hoje preferidas pelas seaboras de
mais apurado rigor na moda.
Chapeos pretos de velludo, para senhoras,
altimo gosto de Paris.
Chapeos de sol, para snhorase horneas,
de todos os pre;es e variados gostos.
Chaly com ricos padres para vestidos.
Chales de todas as qualidades, avultado
Mantas para carros, com lindas pinturas.
Merinos pretos, trancados e lisos.
Mussena branca e de cores, lindos e va-
riados padr5es.
Pannos pretos e de cores, desde o mais
barato ao mais superior, por preco muito
comraodo.
Pannos de crochet, para cadeiras e sofs.
Ditas de caseniua muito finos para
mesa.
Peitos bordados de linho, lisos e de al-
godo para camisa.
Princetas pretas e ^e cure.
Popelina do seda e linho, com listras e
flores; fazenda lindissima.
Pelerinas para senhoras, do ultimo
gosto.
Perfumaras ; os mais fios extractos o
que de melhor e mais agradavel se pode
encontrar neste genero, e de mais fragante
inmero e nao menos variedade de gostos, e suave no olphato, lem o PAV1LH0 DA
Chitas, irapossivel descrever o sortimen- AURORA, desde a verdadeira agua Flori-
do e variedade de padres e novos gostos,
tu neste artigo tudo quanto se pode desejar.
Cintos para senhoras o que se pede ima-
fiaar de melbor.
Coques, o melhor no gosto e nos enlej-
es, varios tamanhos.
Colchas de seda com borlas, o mais apu-
rado gosto e lavor.
Ditas de fuslo branco e de cores por
presos commodos.
Corpinhos de cambraia, ricamente borda-
dos para senhoras.
Cortinados de cambraia bordados e de
ll.o que de m-lhor se pode desejar.
Colarinhos de liaho bordados e lisos, o
naior sortimento.
Damasco de 13a de 9 palmos de largura
:indas cores e ricos padres.
xm
Esparhos branws e de cores, para se-
ntara e meninas, o melhor neste genero ;
aenhuma Sra. deixar por certo de muir
w de to precioso auxiliar perfeico de
am corpo delicado.
Entremeins bordados.
Escomilha preta.
Enleites para cabeca,^ ultima moda de
Paris, recebida no ultimo paquete.
Esguio de linho, completo sortimento de
todos os nmeros.
Fitas largas escocesas para cintos, varie-
dade de gostos e lindos padres,
Fishs de crochet, modernos com cintos
capas, o que ha de melhor.
Fil de seda, linho e algodSo, de todos
os gostos e padres.
Fusto de todas as cores e qualidades
{rende sortimento.
Flanella branca e de cores.
Flores, o que ha de mais rico, quer
da at o mais fino Bouquet tfAiiour, final-
mente tudo quanto deve oceupar o touca-
dor de urna senhora de osto.
Salas bordadas, brancas, lisas e de cores
com folhos e sem elles, o melhor possivel,
Sabidas de baile, de todas as cores.
Sedas pretas, de quadros, lavradas, lisas,
de listras de todas as cores e qualidades e
o mais barato possivel.
Sarceb'm de todas as cores e qualidades.
O
Tapetes grandes, lindas pinturas para 8
cadeiras, mais pequeos e de todos os ta-
manhos desejaveis, e em pega para co-
vados.
Toalbas de labyrtatho, do maior e mais
fino trabalho ao mais barato.
Toalbas de linho e algodo de todos os
tamanhos, li.-as e felpudas.
Tariatana branca com palmas e de cores,
fasenda muito nova, e gostos delicados pro-
pria para bae.
Vistuarios bordados de fusto brancos e
de cores para meninos, de cambraia para
baptisados, o que de melhor tem vindo a
este mercado.
Vestidos de la escoceza de 2 saias,
novidade pelopadro, gosto e forma; ditos
de linho com barras de cores, e de cam-
braia de cores com 2 saias, tudo inteira
novidade, trazan os modellos juntos para
mostrar a forma de os fazer.
Veos de bloud para noivas e pretos para
luto.
Vestidos de blond para noivas: podemos
asseverar as nossas Exmas. freRuezas, que
somos os nicos em Pernambuco que pode-
mos offerecer ao Alustrado publico, o mais
apurado gosto em semelhante materia, gra-
cas ao bom gosto do nosso fomecedor em
CONSERVATIVO
N. 23Largo do Terpo.N. 23.
DE
S1MA0 DOS SANTOS ft'
GALLO -VIGILANTE
Bina o Crespo n. 9
Os propnetalios desie bem eonheeido estabtfo-
ciroenUt, alen 6c omilos objectos que tinhara -
postos a ajjrecucio .do.resjwitavel publico, rn>u-
ilaratn vir e acibain d* tecber pelo ultimo vapor
da Europa um cmprelo e vanado sorlimento de
filias e mui deliradas especialidades, as quaes es-
fio re*?lvidos a vender, como de seu costume,
Sf precoz muilo baratiQb.es e commodos para to- '
, com santo iue o Gallo....
Bulto superiores luvas da pellica, pretas, brau- 1
cas e da mui lindas cures.
Mni boas o bonitas gollinhas e punhos para se-
ntiora, cs,:o ^cuero o que ha de mais moderno.
Superiores gentes de tartaruga para coques.
Lindos e riquissimos enfeite3 para cabocas da.'
Exmas. senhoras.
Superiores tranciB pretas e de cores com vidri-
thoe n *om elles; esta fazeuda o que pode ha ver
de melbor e mais bonito.
Superiores e bonitos leques de madreperola,
marfim, sndalo e oeso, sendo aquellee branco?
com lindos dcsenbos, e estes pretos.
luito superiores meias rio de Escossia para se-
nhoras, as quaes sempre se veuderam por .lOsiflO
a duzia, entretanto que nos as vendemos por 204.
tim destas, temos tambem grande sortimento de
"ras qualidades, entre as quaes algumas muito
.......
lioas bengalas de superior canna da India e
casino (e manbn com lindas e encantadoras figu-
ras do mesmo, ncte genero o que de melhor s>
pode desejar ; aim destas temos tambem grandt
10
PROGRESSO
Patt-o da PenUa -
da
DE
10
SANTOS & FERRE IRA.
Os propritarios (lestes bem sortidu- armazens participam aos seus innmeros
freguezes tanto desta praca como do matto que tendo feito grande dminuic5o de pre-
cos as suas mercadorias esto por isso resolvidos a vender por' menos de O e 20 V
do que ea. cutra qualquer parte, garantmdo-se portaoto a s perior quaiidade de qual-
quer genero comprado Lestes Jous estabelecimentos. Mencionamos alguns dos nossos
gneros e a vista destes sao comprehendidos os outros, porque enfadonho seria men*
cina-los.
Se alguem duvidar venha ver.
Gaz americano marca Deves a 8i>800 a
de oatrasqaaliJadcs.
Lindas o inferiores ligas de seda e borracha
para segurar as meias.
Uoas meia? de eda para senhora e para meni-
nas de 1 a 12 anuos ae idade.
Navalhas rabo de marfim e tartaruga para fazer
Dana; sao muito Aoas,e de mais a mais sao ga=
nuiUdas pelo fabricante, e us por nossa vez tam-
bem assegurau3 sua quaiidade e delicadeza.
Lindas e bellas capellas pata noiva.
Superiores agulhas para machina e para crox
Linha muito boa de peso, frouxa, para encher
labyrintho.
Bons baralhoj de carus para vol trete, assim
como os lentos para o mesmo fim.
Grande e vanado sortimento das melliores per-
fumaras e dos melhores e mais eonhecidos per-
fumistas.
COLARES DE ROER.
Elctricos magnticos col tra as convulsoes, f
f>ilitam a denlico das innocente criancas. So-
mos desde muito recebedores destes prodigiosos
collares, e continuamos a recebe-los por todos o?
vapores, afim de que nunca faltem no mercado,
eomo j tem acontecido, assim pois podero aquel-
es (ue dees precisarera, vir ao deposito do gallo
vigilante, acnde sempre encontrarlo destes verda-
deiros collares, e. os quaes attendendo-se ao fim
paja que iao applicados, se Tenderao com um mui
diminuto lacra.
Rogamos, pois. avista dos objectos que deixamo?
declarados, aos nossos freguezes e amigos a virem
comprar por precos muilo razoaveis loja do gallo
vigilante, ra do Crespo n. 7
CEMENTO
O verdadeiro portland. S se vende n
ra da Madre de Daus n. 22, armazem d-
Joao Martins d. Barros.
Vinagre branco mandado vir por coota
propria vindo de Lisboa, 320 a garrafa e
480 o litro.
dem tinto Figueira, Lisboa e Porto a
320,280, 240 e 200 re. a garrafa e 480 300
rs. o litro.
Vinho Figueira, Lisboa, Porto e Estreito
a 560, 500 480 e 400 a
760, 720 e 600.
Vinho branco puro de Lisboa a 640 3601 Milhoalpis 200 rs. a libra e 440 oki-.
a garrafa, em porcao ha abatimento. i logramma e 50800 a arroba, em porcao ha
Vinho do Porto, engarrafado das melho- abatimento.
res ernaisacretadas marcas a 10000 e i2001 oQ"e"0S Kescos ^ oltimo vapor a 30200
10500 e U a garrafa. | 3'400 cada m-
dem fiordeaux, Medoc e St. Julien => Aletria* macarro, talharim a 500 rs. a
lata, 880 rs. a garrafa e 560 o litro.
Azeite doce de Lisboa a 000 e 10000 a
garrafa em porcao faz.se grande abatimen-
to.
Caf em carooo a 220, 240 e 230, a li-
j bra o kilograjnmo a 480, 540 o 600, e
70500 e 60500, a duzia e 640 rs. a gatafa.
Genebra de Hollanda e laranja doce aro-
mtica a 60500. 70, 110500, a frasqueira.
Sen-aja Bas6, Illers d- Bell a 90800 a du-
zia em porf3o ha grande abatimento.
Idam marca H e T e outras jnarcas a
50500 e 60, a duzia e 500 rs. a garrafa.
Assim como ha outros muitos
libra e 40100 o kilogrammoem eaixoha
abtimento.
Sabo massa de Ia e 2* quaiidade a 220
e 240 rs. a libra em caixa ha abatimento
Toucinbo de Lisboa muito alto a 400 rs.
a libra e 880 o kogrammo, em arroba ha
grande derenga.
gneros, vinho em ancoretas, azeitonas,
ioltas, qoer em ramos, tem o PAVILHaO Paris, podemos garantir que ninguem neste
DA AURORA am permanente jardim a genero o possue melhor, nen mais em
iisposico das Exmas. familias. conta.
E' dispondo d to grtnde e variado .ortimento que os propritarios do PA-
VILHAO DA AURORA se apresentara ao publico declarando desde j que a sincerida-
leeo bom gostoo movel nico de seus negocios.
Prvidos de tudo e promptos sempre a prover-se do que por ventura lbe
teja necesario, os propritarios deste suroptuoso estabelecimento recommendam-se
em receio de serena contradictos e protestara esforcar-se por continuar a merecer a
proteco que se Ibes tem dispensado ; certos de que da sea estabelecimento nao sahira
o freguez descontente.
Contina sempre a oficina de a'faiate dirigida por ora dos mais habis artis-
as, prompto execotar com promptidSo e bom gosto qualquej" trabalho que lhe sejai
confiado. Urna modista especialmente oceupada nos trabaihos do PAVILHAO b V AU'
ROBA, dirige os que lhe s3o ooncementes, garante poraen apurado gosto e promptidSo
aa eMcnco e a mais compleu perfefao nos seas trabaihos.
A numro8a fregnezia que nos honra urna prova de qae merecemos o coq-
tto qae se dispensa ao nosso estabelecimento, conceito que procuraremos firmar cada
ea aaia. Para faetitar aiada a conenon^k) do fim qoe nos propomos, temos no nosso
stabelecimento os ltimos figurinos de Paris, que recebemos por todbs os paquetes, os
quaes eamremes para serem visaos as familias nossas fregaezas, afim de escolherem/
joxh o padro da fazenda o gesto na forma.
Na oficina de alfa rata, junto ao estabelecimento, ha igualmente os figarinoa
wa homem qoe por todos os vapones se recebem.
E' esta o medo porque nos apreseatamos pedindo a proteoeSa ido HJnsVado
JwMoo a com o maia prafando reepeiio convidamos *s exceentissiBaas Sraa. a visi-
arem o nosso esUbelecimanto, eertu de encontrarem nelle pelo mencu* preco posaive-
indo qae podem desejar.
Haadaremoa caiaeiros javar as fzendaa aamostm onda ferern perWts, visto
alo pdennos especificar todo qtfanto temos,.
MU Luis, Sbrtnh& (7.
Aborto das 6 s 9 horas da noite.
passas e figos, charutos finos de diversas marcas, mannelada, bolacbjnhas'de todas a:
qualidsdes, perola, Francy-cracynel, a. h, c, Mdium, mixed, soda Fancy-nic-nac, pa-
lace de Vareteos, combination, Bntania, doce de goiaba fina, chouricas, aanteigas finas
franeeza e ingleza, banha de BaJlimoox, phosphoros de Svcaryt, Cognac, cha de diver-
sas qualidades, Canalla, pimeota do reino, ervadoce, pomada, enxofre, brea, paixe
em latas de todas as qualidades, farinha de miibo americana, grandes molhos de sebol-
las, nestes dous armazens existe tambe grande sortimento de loucas proprias para ne-
gocia, que pelos seus commodos preco faz vantagem aos compradores.
DA IDA
mu 5
UMA PRENDA. Lindos objectos dourados de delicados gostos, proprios
para meninos, vende-se no RAZAR DA MODA.
BAPTISADOS. Ricos chaposinbos de setim bi ancos, lindas toucas de fil
e setim, sapatinhos etc.
GUIPURE. Oa croch em pessa, branco e preto, com lindas ramagens e
qualidade PUNHOS. Para camisas de homens.'fcenda superior com duas faces, o
par 60 rs. (pechincha f) r
PERFUMARAS. Fmos extractos para lencos, aguas de diversas qualida-
des, sabonetas olos. pernadas, pos, tnico etc.. etc.
PERFUMES. Lindas caixinhas par? lavas contando urna preparacao em
que Hit* d um agradavel arom?, por 10500.
Grnalas, pmlos. Dores, phimas, coques, trancas, fitas, boioes, bices-e pen-
tes etc., etc e mortos ontros artigos pr.)pri.s tudo por commodos pregos, no BAZAR DA MODA, ra Nova n. 50, esquina di
gt de b Amaro. *
-8 Jos4 ile Souza Soarcs & r
NICO FERRUGINOSO
mh
J cordeiro previdentif
Ra o Queimado n. 1.
Novo e variado sortimento de perfumara
finas, e outros objectos.
Aim do completo sortimento de pert
tnarias, de que effectivamente est provida
loja do Cordeiro Providente, ella acaba
receber um outro sortimento que se torn
Qotavel pela variedade de objectos, superior
dade, qualidades e commodidades de pr-
eos; assim, pois, o Cordeiro Previdente peo
a/espera continuar a merecer a aprecia?
do respeitavei publico em geral e de se
boa fregnezia em particular, n2o se afai
tando elle de sua bem conhecida mansidi
a barateza. Em dita loja encontrarSo o
jpreciadores do bom:
Agua divina de E. Coudray.
Dita verdadeira de Murray de Lamman.
Dita de Cologne ingleza, americana, frai
caza, todas dos melhores e mais acreditado
fabricantes.
Dita de flor de larangeiraa.
Dita dos Alpes, e vilete para toilet.
Elixir odontalgico para conservafo i
isseio da bocea.
Cosmetiques de superior quaiidade e che
roa agradaveis.
Copos e latas, maiores e menores, coi
pomada fina para cabello.
Frascos com dita japoneza, transparent
i outras qualidades.
Finos extractos inglezes, americanos
francezes em frascos simples e enfeitados.
Essencia imperial do fino e agradavel cht
ro de violeta. .
Outras concentradas e de cheiros igu>;
mente finas e agradaveis.
Oleo philocome verdadeiro.
Extracto d'oleo de superior qualidad-
com escomidos cheiros, em frascos de difl*
rentes tamanhos.
Sabonetas em barras, maiores e menore
para maos.
Ditos transparentes, redondos e em fip
ras de meninos.
Ditos muito finos em caixinba para barb.
Caixinhas com bonitos sabonetas imiUnc
ructas.
Ditas de madeira invernisada contando i
aas perfomarias, muito proprias para pr
lentes.
Ditas de pap.eio igualmente bonitas, tu
bem de perfumadas finas.
Bonitos vasos de metal coloridos, a a
moldes novos e elegantes, com p de arr<
a noneca.
Opiata ingleza e franeeza para dental.
Pos da camphora e outras difirela
jaalidades tambem para dente*.
Tnico oriental de Kenap.
Anda oaoJ coques.
Un ontro sortimento de coques da n-
vos e bonitos moldes com filets de vidriih*
o alguns d'elles ornados de flores a fita
eeo todos expostos apreciacSo de qae*
oa pretenda comprar.
GOLLINHAS E PUNHOS BORDADOS.
Obras de muito gosto a perfeico.
Fivellas e fitas para cintos.
Beo a variado sortimento de taea objar
tos, ficando a boa escolha ao gosto do coa
orador.
Si val sem segund
!U\\ DO DUurK lili (JiWtlAS N.
Estundisposto a cojitiaoar a vendeitsdat
as miflezas patos bajaiissmos prefosaba-
xo declarados, jaranndo tudo bom e| C? admirados.
Pcete rom 0 qua.ltKT -e pa-
pel atrrtsade a......
Caixas com i'O taJemospjjHl pau-
tado a,.......
Caixns om 50 noveitos do gaz a........
Duzias .lo meiss crts superior
qualUade a.......
Pecas de bibadinims tom 10 va-
ras a........
Pecas de tiras liordudascom 1f
metros cada p .,.: a V$5tX e.
Pecas de lilas para c qoerlareora com 10 varas a.
Escovas para onhasfaiinda fim a
Ditas para denles a 210, S20
400 rs. e....., .
Pecas de tranca lisas, brancas e
de ijflrea a.....
Caixinhas do madeira com alfine-
tes f-izenda snperk>r a. ,
Duzia de ritma fixa para horda-
dos a 4*i rs. .....
Pares de metas erua* iiau meci-
n"s diversos tamauhos .
Duzias de meras brar -.as moito
linas para si'jihot.i a. ,
Paros de rpalos de lraM;a <>
l'orto........
Paras (*e aapatos de lapeUra. .
Livrcs do nissa abreviados. .
Dmias de baralhos [rara vattaretv
Sylabarios porluguezis- a. .
Redes com eontas moito boa qua-
GsrtSes com colxetes 2 carreras a
Arotoadiir.is para rol!, te-diversas
qualidades.......
Cautas com penna da ac muilo
boa de .1-20 a......
Duzia de linha 206 jardas liex.tn-
dre de 40 a ido e, .
Caixas com superiores obrei?s a.
Dntia Oe apulha para macnina a.
Libras de pregas francezes iodos
os tamanhos a......
Talheres pan meninos a. .
Pire* .de sapatos de tranca para
meninos a. l50t
Y-el as de spermtK-et
Verdxdeiro americano, cada nan r.iis tro*
e cinro inci;i> iaiias ,ie vflli, >>u 2I0 wllw, |e
irinta e rioco mil rek So moa m de T8ilr-
mi's & 0.. ra do Amrim.
wuwm
3H*
m
a
a*
va
H8r3n
{rn
380a
m
te-
tm

Jil
Cara Kauto Antunio,
s. Pedsc.
Na maito ranhecida loja do OrrgenstoJ ;
va n. 39. de Booza A Guim?rSii, ,1(i,^^, nm 1w-
do 0 variado sonhaenlo do.ioJw as fiinsarUS-
ciaes aasmelbonn hbrianlH dwta eidiidf, raa-
lenda rodinlia, piklotas ii hnirn ,- tnouiab>!
brancas e de cure*, ciav. iros, HoBunarii. e l*
ques, etc. : assim romo om rJBoitfim*) vmmI
sortimpnto de (ogna ehmevt nNRtemeMe rtte*
dea, prtiprios pasa ctianras. M/wfs podeo *r
sol'.an, pm ni&o. Avisin mais qi:c i-xist \m
bem urna yrantic (uanfidade <)e sottos de todas a
qualidades eumo sejam, sorts >-o.o nlanina
sem pstampis. dilas etti saHea nr.\ pernouta
respota. ditas em livro-, ludo p>-r i recos iikn! i
commi dos, que admira : na *ua Ni va n. 39.
tichas hamburgnezas
Nesle boto deposito recebe-se por todos os pa
quelettraMianitcos bichas de quaiidade superior
e vender se em caixa ou porcie mais peqdasa
0 mais barato do que em outra ijuaiquer ^arte :
na roa da Cadea do Racjfe n. jljl* andar.
Cabellos
Vejldme-se cabellos 4o tdas aa cqrea, qualquer
oomprimento, quaiidade superior, em caixa ou
oreao mais pequea : na rea da Cadela do Re-
A-a. .a^av.
Suprior
SL Estepbe & St. Julien: na ra
Recife numero 5.
Tinho Borfcaax
da Cadera 4o
(anlaria 'Je.Li-))oa
Beteiras, hombreiras e capileii -para fenles4.
casas, o que ha de melhor : a vrnda no arma
em da travessa do Corp Sanio n. 2o, dt .;. ; .
Lopes Machado A C.
ESCRAVOS FIGICQS.
Em Juga para o Ico, donde
natural,
" Auzent)u-se desde o da 9 Je abr! do ci;;
auno, a mulata acaboealada Ur.-eJa. de dad- r.
co mais ou ni-r^ 30 anuos, cMa dn eerp ti
bellos corrillos, icui os dente* da frenle |. ricivr-
falla desancada < o naior -iunal urea ir
em um des bn.cos de.-do o otovco al a uis-
nbca da mao, snnpe*ee ter -ef mclo psra o lo:
donde natural, ewu vestido da chita eetam
com listas encarnada?, ;icosaoida a dar-loa i
gotta : qnem a pegar leve ra da Matriz (a
Boa-Visra n. 46, ou ra da Cfltt n. 2ti, que i
gratificado.___________
Ftigio no dia 11 de matee do rnm-nip van*
o escravo Francisco, cabra, Ue idade 30 ar.nov
ct.m os ritma'- seguintes : caeaMos earap nhv
rosto descarnado e com mareas de bexiga-, iuit-
la-se ser vre, levou calca braai', paletot d.- ai-
naca de MT.chapeo de chile, tutoral da Parala-
ba ; o mesmo foi comprado so"Sr. Delmiro Akv
Maia, morador na Parahybo. e joiga se ter i>
para o reeituo Ingar. Desdo jA proles a se coatr&
a pessoa qoe o tiver occnltado ; e n ga se aos ca-
pitaes de eropo, assim como s atit' ^iri^rte^ p ciaes que o iragam roa Dinirt.a 16, qu.- s :
generosamente gratificados.
Gratifica^ao Ae 200^
res,
Ctinlina a e&t; fgido o escravo Procopm. teo-
do j Sido appreuendido o sen parreir- de noiiH
Lueiano aue com eUe nha.fujiia. Segundo
informacoee adquiridas, tem-owo&pin sognido .-.
caminho para lagnanbe, faienda do B.^a^iran r-;
Cunha, da provincia, do Oear. 6- signaos df
Proci'pio sao os seguiotes : molat><. de estatura
baixa. gordq, barbada, coa ae maraes do ro*
salientes, pescoco muitc curto, hon-hros levanta-
do?, ps peqneaoe. bastante Kedwo. e represen-i
ter 38 annos de idade. Quem aprehende lo. rec-
aer a gratificacao acirra nienrtonada, no en
nbo Massoast, iermo da Estada, ou nn escrim.
rio de Bernardico de Sena Poatual, ra da Si e-
zala n. 38.
Fogianbdia 29deHuai* decorrenti-, do r,-
gento Lages, termo de IiamS, o escravo de n.-
me Antonio, r^presertlanio de 8 a 28 annw *
idade. cor preta. estainra baixa, ponen harha. c:
helio-'carapinbos. deeeuvolvidv ao rallar, a? dar
um pouco cambaieante, carreir e mestre 4*
assucar ; sunpoe-se ter seguido- para a villa a
Cabo, residencia de sna antlga-seobors, Tinta peo
prie'aria di> e genho Garapd, e aaesmo em bunti
de em tal Pi Vieira, que juta-ae o ier sediuii.
Gratifica-se generosamente a quero o l*var n genho Lages, ao seu senhor Vifgilio H rae:
Freirs, on gesta cidade rna^R^ny I n. <53.
Fugio do engenho D<>m fia, fngn<7ia **
K-cada o escravo de oome Domingo.. qii ti i
os sigoaN sefuintes: falta da deiii. n ir*n( .
ps inckidus e com bieboa, cmbali i qo nd .in-
da, alto, corpulento e tem tmaa otaren d f r,%
em um dos ps, idade de 43 aMam. .u
o caxaceifn, Irabalba em chapaos .te p .llia ri*f
c.mlia se qije vxiupara o Recua pe v l.rn-.i .
quem o aprehender e levarle aa di. -nu^nii,,
ou ra Estrella do Rosario a. ir n
Rodrigues Almeida A C, sera g nero*in.-m>
|raiiffoado; assim come prtesta-se c mra que
a acoitar. __^_^_
Fngio da cas~n. S, "a*r
a mulata Soohia, eserava da B. Ha'is TI: c
da Foneapa Cunha, comta qoe far* si d lid
taberneiro ^Ibfnc.^eqne a teni oecn1!;d,-.:
as autoridades policiaes e capnes d
captura da dita escava e en(TOgare>> ns ai
Carneiro da Cunna : na roa dea Cof '>, .s n.
qja sero gratificados com lOOlOOO.
!



!
I.i
ASSEMBLA GERAL
CAMARXDOSDEPUTADOS
SESSO EM 19 DE,.MAIO.
Era tal conjnniura seria grave a recus.3
ao governo d.s m.'.os indi*peaMV-i pira
salislazer o s-u 'coiiipromsso; e, i
Hullero da n
:tm vitti >c3.>, euten.l.i do dever
sioriQca-la a uiri'i questao relativainent.
q u?;i;t. tanto mais ji 11L0 I inteoc do g >
v.jfao fo lio lolire eftrao ac:ha de ex
o Sr. ministril di guerra. (Apoiado.)
obvio ij !' o lii religioso que ogwver
do deseja re.ili.-ur pdderia ter sido satisfeito
com omito mais economa, e de um modo
ir. lis satsl ictorio .i gratido de todo o I n-
prio? deis mi de ter o carcter de ama
fasta local.
Mas, dede que Do se t.ata de autorsar
ii.ua despeza, ibis sim de dar os recursos
D'cessaftos ao go-erno para pagar o qu
ja mandou fizer. sent verse constrangido
itar o foco consummado, e como amigo
do governo nao poder recusar-the um bil
de indtaimdade.
R putando, portanto. como tal o projecto
d o.* commiss de crcamento, votar
pita sua adbpc i ( Apoiados.)
Ninguem mais pedindo a palavra, e indo
procedet-se i votc>i, renoahece-se nao
haver numero legal: pelo que o Sr. presi-
d .ite declara a dscusso encerrada.
SES30 KM 23 DE MAIO.
O Sn. Pf.hdu;ao Malheibo ( pela ordem):
S presidente, vou pedir cmara ur-
gencia para Bprcsentar uns projectos de lei,
relativ mente a melnoramentos da legislaco
cnmiaal e civil, qianlo a escravos, e desojo
damenta- a spmsentacTio destesprojeitos.
(Consultada i casa approvada a arg"40-
cia podida.)
Sent extiomamente, Sr. presidente, nao
me acbar presente na sesso em que lev
lugar a iaterpettc3o ao governo sobre a
questo do eleme.'ito servil.
Naonata occasia"1 Ulv z tivesse tomado
parte na dpcussa > que se levantou e emitti-
do algu:i)3S ibservacoes ; mas nao ledo
pxdo fazo-o eulao, aproveito o ens^jo
pira, fundiaieitando os projectos que tenho
da ca-
rmino
a iionra de offeraeer considerado
mar, fazei a'guinaa i.onsideracSes
geraes sobre a quesillo ; tanto mais. quanto
na sesso ou anuo passado, discutindo-se o
o projeota viudo do senado em 1862, e que
e boje a le de 15 de setembro de 1869.
comprometti-me a apr-sentar, em necasiao
opportuaa, aigum projecto que adiantasse
um peuco mais do que aqnelle.
Esse j eslava atrasado, em relago s
n issas circunstancia*, estado e necessidaoVs
di actaalidade, se podia satisfazer aspiraces
era i86, por modo aluum era suflidenle
pjra as aspirarais de 1859.
O Sn. hmiadk Fiuceira : Mas, nem
s os adversarios quizero adoptar.
O Sr. PbmhgiO Malheiro : E ainda
mais porque o projecto foi demonstrado
nao s pelo mea Ilustre amigo e collega,
diputado pelo Rin de Janeiro, mas tambera
por algumis coaiderac5es que Uve a honra
de submetier \ aprecilcio da cmara, qoe
era defectivo, inconveniente, sobreiudo pelo
lado pratic
Gompromet(h) assim, e vendo eu que a
ira deseja fater alguna cousa, entend
que era mu dever rigoroso, quer como
bomem, qyer como brasi'eiro, quer como
membro desta. casa, concorrer com alguns
alhos modesto para to grandioso lim
As minhas ideas sao publicas, e eu o
*o sse [. rv i.n -nie na sesso do anno pas-
s.ido, sao moderadas. Abolicionista de ca-
b ca e de corado, nao desejo tod-via a
mancip p tala e irreflectida, como
i, a ponderou o nobre presidente doconse-
m tre o fofa ''o e esse extremo
im abysm i; preciso atravessa-lo, e
psra is que tomemos pro^len-
i qoe I I mente, sumo por i
. ia, nos
Sr. presi le
I o son por todos o motivos, deixar de con-
U;orre,;, quinte em niim, ca\pa, para que
Viossa patria tomabaoommoalso dasnacjjgs
a posi;ao que lhe compete.
Nos estamos boje qoasi solados no mundo
civilisado e tfirisfio. em relac.3o a este ob-,
iocto ; na o ha actualmente, se nao Cuna,
possessio bcspanbola, que ainda raantm
alguns mil escravos; os fiilhos desses
mesmos estiio livr preciso urna revo-
uc^o dbmcratioa, republicana, para que
um decreto do governo isto decidiese. O
mesmo aoonteceu em relacSo s colonias
l'rancezas e outra?. semrre ou qnasi
sempre a revolcSo que determina a refor-
ma.
NSo desejo isto ; e eis porque entendo
que llevo concorrer, offerecendo, apenas
como base de estudo, synthetisadas nestes
projecto-;, as minhas ideas.
Ha, portanto, um peasamento qae domina
os quatro projectos que tenbo a honra de
olerecer; mas, divididos como se achao,
s) elle* independentes. Se um fr addia-
do ou prejndicado, e se adimitir-se qualquer
outro. n3o ha o inconveniente de ficar tam:
bem esta prejudicado.
O primeiro a que darei o o. i. tende
abenas reforma da legislacio penal e d
processo criminal, em relacSo aos escravos,
melhorando a sorte dos mesmos, quanto
este ramo de direito.
O de n. 2 coulin reforma do direito civil;
ha nelle seis pensamentos capitaes:
O \ o do art. i.", que importa a mo-
diflcac5o da lei de 15 de setembro de 1969,
accommodando-a s circumstancias actuaos
e conforme as emendas que aqui foro
presentadas o anno passado.
O art. 2. providen:ia a respeito do di-
reito daqselle que resgata em juizo ou fra
delle a lib.-rdade de algum escravo, indem-
uisandose, se quizer, pelos servidos do
mesmo esetavo, mediante certas condicQoes;
e toma outras providencias para que estis
direitos e obrigacSes sej5o effectiva neote
cumpridos e respeitados. O regulamento
do governo desenvolver este pensamento.
O art. 3." consigna alguns caso quo n3o
estao positivamente, e ootros que nao esto
absolutamente as leis actuaes de manu-
miss3o forjada legal, quer com indemnisa-
cjio, quer sera ella.
O art. 4. faculta a mannmisso toreada
em dons casos: em bem da familia, em
bem dos ser vicos relevantes a terceiro.
O art. 5." trata de garantir o peculio do
escravo; confere-lhe, portanto, o direito de
propriedade em relajo ao seu peculio, ga-
rante a livre disposicSo do mesmo, princi-
palmente em bem da sua manumisso, da
do co juge, descendentes e ascendentes.
At aqui o peculio era apenas tolerado,
aqnillo que era tolerancia o projecto trans-
forma em direito, e garante-o. Con?igna
tambem a idea de succes-3o permittida ao
escravo na liaba reeja, descendentes e as-
cendentes : s3o direitos civis de proprieda-
de de que se alargo em bem dos escravos.
O art. 6., finalmente, consigna varias
disposiefes em bem da liberdade, e decide
eertas quesles graves, que at aqui e:o
duvido>as, e que eslavo e esto dependen-
tes ossencialmente de interpretarlo authen-
tica ; estas questoes fico todas resolvidas,
e toma outras providencias a bem da liber-
dade.
O de n. 3 consigna tambera em ltese a
revugaco do iniquo principio de direito
civil, pelo qnal so mantera a titulo doper-
peiuidade ou de bereditariedade a escravi-
do.
A fonte nica, para bem dizer, que ali-
meuta ain 'a entre nos a escravido o nas-
cimento. Esta principio, que de direito
i ivil, desapparece, portanto ; mas como stb
questo grave, o projecto estabelece um
systema pelo qual l dos os direitos de pro-
pnedade, todos os direitos e obrigaces dos
individuos assim declarados livres sao ga-
rantidos, sao acamellados, e muito princi-
palmente cora atteuto ao elemento agrcola,
est as leis a. permiss3o ; mas a titulo gra-
tuito a'oenbuovse tem,dalo alforria... jjor-
qlie, segando varios a dbojp-j
liquida e uorrente, sera permiti da assem-
bla leral isto n5o pode teV tagr; a as-
embla ger,a! a ornea que pode dispdr 4reito 4 sua qnta do valor
3o Fica livne> r> escravo-;
Salvo ao seT*bor o direito
l f Art,
s
JeranTs
* l*f ff\ se^duffe'yiJdominos, for por
algunVestes libflrtstlo ; os outros s tem
es-
a lavoura. Aqnelies que licao obrigados a
prestar os servicos, segundo o projecto,
o q'uelle fina. (Apelad1 s.)Ldado ocaso dofallecimento do senhor, con-
L\ Cavo declarar cora toda
, ::, |: i: bnuvoese ura governo q'ie
ades> 'ver conservar iodefinidameiite.
. i ;./>) diz-lo), nao poderia
apanha-lo o.u seaielbaole mojo de
sar.
O Sr. !!:::.-,-vuo :Mas nao provavel
i sao ateca.
O Su. P i Mm.ieiho :Se hou-
vesse um partido que NScrevesse na sua
leirasscrav dad e nao liberdade, elle
poderia contar-me as suas lileiras.
Se o Brazil ou qnaKjue nago entendesse
jue o sea l i3eavulvmeoto, o seu progresso
i, iustriai. material, ou moral, emflm, a sua
'dvilisacji). depiMidia essenciaimente do ele-
ilo c: vil. essa nago seria indigna de
ii,'iirar na c->n.a:inlio dasnaces civilisadas.
"Sendo, porta!*, eslas as minhas ideas,
n'o posso, amigo do Itrazil como devo ser
tinuo servir; os direitos e obrigaces
passlo para o conjugo, para os herdeiros.
e, portanto,, nao licao elles desamparados ;
mas se pertencem a eslabelecimentos agr-
colas, aeompanho o estabelecimento.
Se o estabeleci nsnto couber a um dos
herdeiros ou interessados, esses servos para
bem dizer acorapanham o estabelecimento,
nao .-o retirados delle; salvo a nica hy-
pothese de infantes ou,menores de sete an-
nps, que tero de acompanharasmis no ca-
so.em que ellasjsejam transferidas por qual-
quer titnlo de transraisso, ou se retirem
libertas. A razo disto muito clara.
O de n. 4 e u,timo, emm, consigna
dous pensamentos, um relativamente aos
escravos da nafo, a respeito dos quaes
se alforria gratuita, dando-se ao governo
autorisaco para faze-lo^ At aqui o gover-
no tem libertado a t lulo generoso, porque
dos trehs iwcionaes.
O 2o peqsamento vem a ser a respeito
dos escravos "das tafeB3 e corj)orac6es de
m3o rorta, \ qaem** prohibe $ ora em
diante adquerlr e possair quaqaerescravo;
e qaqtti aos que possoera aclolmente,
tomam-se certas providencias pira ae irem
libertando em termos moderados; median-
te indemnisaco oa conforme en'.enderem>;
licado Isto ao prudente arbitrio e criterio
do governo de accordo com as.me5mas c *
porar;5s.
Parece-me que com este conjiiocteide
providencias nos podereios conseguir um
resultado muito sajisfactorio, sem termos
necessidade de atacar directamente a ques-
t5o da emaucipac3o, a escravidie, sem re-
tirarmos da propriedade de ningoem con-
tra a sua vontade um sd escravo, -e por
consequencia mantida a ordem social, man-
tida a organisacSo do trabalbo com ella se
acha, apenas snjeita a essas mdifleacas
que h3o de ir auxiliando a transformado
da organisaco social a que todos nos ten-
demos, e a que eo entendo que devemos
aspirar.
Estou convencida de que no animo .d
todos nos, como bem disse o Sr. presiden-
te do conselho, est a i lea ; a difficuldade
consiste apenas no modo pratico. Pois bem
eu submelto, eu suggiro ao esiud;> da c-
mara estes projectos: sao um ftiido prati-
co : e se, como ouso esper-r da notavet
benevolencia da cmara, estes pr.yertos me-
recerera a honra de serem julgados objec-
tos de deliberado e forem traaidos dis
cussSo, em occasio opportuna eu me com-
prometi a desenvoh-los, visto como o
espaco de tempo qoe actualmente" me fa-
cultado mais que insulcieote para o exa-
me dequalqaer delle*. EntSo terei occa-
sio de produtir o pensamento com todos
os seus fundamentos, os seus desenvplvi-
mentos, as suas consequencias provaveis, e
a cmara afina! resolver pela votac30, se
elles sao dignos da sua appriovar;5o.
Vm mesa. 83) lidos, jiilgam-se objecto
de deliberado, e v3o a imprimir para en-
trarem na ordem dos trabalhos, os segra-
les projectos;
Aa ssembla geral resolve :
i Art. Io Fieam revogadas- ao art. 60 do
cdigo criminal, a lei de 10 de junho de
1835, salvo o disposto no art. 2o. e o art.
80 da lei de 3 de dezembro de 1841.
Reputar-se-ha comprebendida nadispo-
sic3o do art. 16 7o do cdigo criminal a
circumstancia de ser o olfendido atgama
das pessoas referidas no art. Io da mencio-
nada lei de 1835.
Paragrapho uuico. A pene de -acouies
imposta no art. 113 do cdigo* criminal fica
substituida pela de prisSo co'nxtrabalhos por
10 a 20 annos.
c Por cabera entende-se o principal tra-
tador.
Art. 2o. Revogadas as disposices em
contrario.
Paco da cmara, 21 deroaio de 1870.
A M. Perdigo Malheiro.
A assembla geral resolve :
Art. 1." as vendas judiciaes, quer por
execu?5es, quer por outros motivos, bem
como nos inventarios, sejara quaes forem os
herdeiros, o escravo qu8, po si ou por ou-
trem, exhibir vista o preco da sua ava-
liaco, tem direito alforria; o jniz lhe pas-
sar o respectivo titulo livre de quaesquer
direitos e emolumentos
Se fr do evento, de beos de defuntos
c ausentes, ou vagos, e nao houver arre-
matante, ojuiz dar a alftrriagjatuita.
i | l.0 lapso de tempo para a abertu-
ra das propostas ser o dos pregos, segun-
do a lei commum respectiva, derogado nesta
parte o art. Io da lei n. 1,695 de 15 de
setembro de 1869.
c No caso de privilegio de integridade,
o lapso ser o dos immoveis; sendo, po-
rm, as propostas comprehensivas dos
mesmos immoveis.
2. O dsposto no art. 2o da referida
lei extensivo a qualquer acto de alienac5o
ou transmiss3o de escravos.
Art. 2 Aquclle que resgatar algum
escravo tem o direito de indemnisar-se,
queseado, pelos servidos do mesmo por
tempo n3o excedente de cinco annos, com-
anlo que o declare logo e seja clausula ex-
pjessa da alforria.
t As questoes entre o bemfeitor e bens-
flefdo, e com terceiro, relativas a direitos
e obrigacoas derivadas do determinado
neste artigo, sero resolvidas de pland e
pela verdade sabida, observadas as leis so-
bre locago de servicos uo que forem ap-
plicaveis. O governo expedir regulamen-
los, podendo corarainar priso at 3 mezes
e multa at 200500O
t A ifcieraiiisacjto pd? ser pega om ser-
vaos aunta excedentes de eincV annos, e-
jata quantos forem os condominos ;
2.* qne'prestar relevantes servicos ao
stado, como seja de guern',' no ejercito e
arriada ; 'J* '
y, que professar emrelig'iS) oa1 tomar
ordens saras, ignorando-o o senhor.
< 5 2o Sem indemnrsacSo :
que de conseniiniento oa coro ?ci-
FOLHETIM
OS DRAMAS DA ALDEIA
POR
Ponson du Terrail
(Contioaaclo do n. 123).
XLV1
A Cabrita nunca amara no mundo seno
um enteo Mulot.
Este amor fora-lhe inspirado oo dia em
que elle a salvara do dente dos caes.
Adorava, pois, aquelle homem horrendo
e consagrara-lhe algum bom rastrado qoe
ainda exista sobre um coracSo perverso.
Ella nao quera passar de criada d'elle.
nao desejava partilbar da fortuna que elle
ia berdar. quera continuar a andar descai-
ga, a dormir nos bosques, a viver de fruc-
tos silvestres, mas o, que n3o podia sup-
portar era que usa outra mulher possuisse
o se homem, como ella Ibe chamava.
Se Rouxmol Ibe fallasse de urna mulher
do campo, tal vez a sua indignado n3o
tosse t3o violeota, porm o nome de Pa-
mella borroriaava-a.
A Cabrita odiava- aqaella virtuosa crea-
tuara tanto mais quanto contribuir para a
despojar de s;us haveres.
Depois de longo silencio,
Tu mentes, Rouxinol
p-Ksivel ]
a pura verdade.
D-me as provas.
E se eu fas der 1
Vingar-m-nei t
De que modo ?
enca do senhor, se casar com pessoa
livre.
2,quo for abnndonado pelo senbor
por enfermo ou invalido.
* y, qae, eoin scienefa do senhor, en-
trar para a religio, para o exeretto ou ar-
mada.
f 4o, que se estabelecer como livre cor
sciencia ou paciencia do senhor.
5", qae prestar algara relevante servico
ao seobor, sin mWtaer oa berdeiro neces-
gario, como salvar a vida, a honra, criar de
lelte lgom ulho oa descendente.
Est entendido que por estas disposi-
ces n3os3o derogadas as do direito vigen-
te favoraveis liberdade,
Art. 4. E' licito :
1.* Ao cdhjuge livre remiro conjage
escravo e osfiJhos- medante equitativa ava-
liac/o e exhibiro immedata da impor-
tancia.
| 2. Ao terceiro resgatar o escravo
a'heio que lhe bou ver prestado algum rele-
vante servico (art. 3." | 2* n. 5>, pagando
logo oseo valor.
t ArL.5\*r garantido ao escravo o seu
pecofio e a livre disposicao do- luesmo, cora
especialidad!) em favor de siw maoamissao,
da do conjnee, descendentes e ascen-
dentes.
t Pwcalio eritende-se dioheiro, movis e
jeraoventes adquirido* pelo escravo, quer
por seu trabalho e economa, quer por be-
neficio' do senhor ou de terceiro, ainda a
titulo de legado. Nos semoventes nao se
compreheodum escravos.
t | nico. A successSo perenittida na
liriba recta.
f Art. 6i Em bem da liberdade :
I.* Openborno pode ser constitui-
do em escravos, salvo nicamente de esta
belecimentos- agriculas cora a clausula eons-
umi.
2. Os- ftlhos das escravas hjpotbeca-
das que nascerem depois da hypotbeca n3o
se reputo aecessorb p^ra serem nella com-
prehendidos.
t 5 3. Sao millas ;
t Io, a clausula que prohiba a manu-
misso.
t 2o, a ctawula a retro as vendas de es-
cravos e actos equivalenies.
t 3o, em geral, a disposicao* condico,
clausula ou onus que possa impedi-la ou
prejudica-la.
t % Nao viro ollajao, nem> sen va-
lor, os tilhos das escravas iloadas nascidos
antes do fallecimento do ioador, libertados
pelo donatario.
| 5. O usufructuario pr*td.libertar os
filhos das escravas em usufructo, sem obri-
ga?o de indemnisar.
Esta disposicao extensiva ao caso do
ideicoraraisso e outros de propriedade limi-
tada ou resoluvel.
6. S3o validas as alforrias conferidas
ainda no excesso da terca, sem direito a re-
clamaco dos herdeiros necessarios ; e pre
ferem s outras disposices' do tes-
tador.
| 7. A maoumsso causa raorlis
irrevogavel.
8. Sao livres os filhos da mulher
statuliberv
t 9. Fica revogada a Ord. Uv. k tt. 63
na parte em que permitte a revogaco da
alforria por ingratido.
r:W. as questoes sobre liber-
dade :
< Io, aeco summaria.
2o, qaem a reclama on defende nao
obrigado a cusas ; as quaes ser3o pagas afi-
na! pelo vencido.
c 3o. o jaiz appellar ex-officio da senten-
Ca desfavoravel a ella.
4o. a revista, no mesmo caso sus-
pensiva.
Art. 7. Revogara se as disposigoss em
contrario.
Paco da cmara, 21 de maio de 1870.
>k. M. Perdigo Malheiro..
i A assembla geral resolve :
c Art. i." NO Brasil todos nascera livres
e ingenuos.
| l.0 Qlho de mulher escrava que
nascer depois da presen'.e tei servir gratui-
tamente ao senbor da mi at a idade de
18 annos, em-compensacio da criaco, tra-
tamento, educaijo e alimentos.
N > caso de usufructo-, fideieommisso e
semelnante repnta-se senhor para o efleito
desta lei o safructuird, ^fiduciatio 8 u-
tros, emquaaro durar o usofructo^m V di -
redo dos masmos.
5 ." Caj ^ireitos e obrigaces referidas
pafearaV ao conjage sobfewente, e em
falta aos haedeiros ou successorea do senhor;
se fr de stabalecimerito agrcola quelle a
qiiem es.te couber ; salvo sempre o dispos-
fo no %%*
j 3." Querendo, porm, remir-se da
obrigacao poder fazo-lo por si ou por
ootrem.
A indemoisacSo ser correspondente ou
ao terapo decorrido da criaco e educaco,
ou ao tempo de servico que ainda faltar,
como fr mais favorave i remisso; mas
nunca superior metade do valor de um
eecrav em idenScas conifr&es.
Est entendido que o casos em qae
pordireao se confere aos escravos a libe'
dade, com rademnisacSo o sem ella, s3e
extensivo*! remissSo dos servidos de que
trata a presente lei.
*SeDdo menor de 7 anoos, acom
panhar a mSi. se esaa passar por qualquer
titulo a oufro, ou liberta deixar acorapa-
nhia do senbor.
| 6o A questoes entre os mesmos e
com terceiro-relativas aos direitos- e obri-
gaces provenientes de disposto* nos
antecedentes sero decididas,de plano e
pela verdade sabida, observadas as leis
sobre locac3o de servico no que forem
apphcaveis.
O governo expedir egulamente, po-
dendo comminar pns3o at 3 meaes e
multa at 20i>iJ000.
| 6" S3o considerados relevantes ao
Estado os servico* a bem da melhor sorte
dos filhos das esravas livres por esta lei.
Art. 2o Ficar revogadas as disposiees
em contrario.
* Paco da cmara. 21 de maio de 1S70
A. Perdigo Malhriro.
c A assembla geral resolve:
Art. Io O governo fica autrisad a
conceder alforria gratuita aos escravos a
naco, dando-lhes o destino que entender
mais conveniente. Poder mesmo estabe-
ce-los era trras do Estado on devolutas.
As alforrias, quer gratuitas, quer a ti
tolo oneroso s3o livres de qoaesquer di-
reitos, emolumentos ou despezes.
t Art. V As ordens regulares e demais
corporaces religiosas e de n3o morta
absolutamente prohibido adquirir e pnssnir
escravos, sobpena de n>arero logo livres.
t Paragrapho nico. De accordo oom o
governo, i'S-escravos que actualmente pos-
suera sero libertados, e tero o destino
que forjulgado mais til
t A indemnisaco consistir, oa em ser-
vicos dos mesmos gratuitamente por tempo
n3o excedente de cinco annos, ou em urna
somraa pecuniaria at & mximo- de 4000
por cabeca^ paga em apolices a divida
publica ao par, qoe o governo fica aoton-
sado a emiltir para este fim. Estas apo-
lices, como patrimonio das ordens- e cor-
poraces, ser3o inalienaveis.
Art. 3o Revogam-se as disposiees em
contrario.
t Paco da cmara. 21 de maio de 1870
A. Af. Pndigo Malheiro
Ua' din,.urna s ver, mus inda ntt,.o melj
Tin lin&i qae eslavas I Como era MU entao f
Al .pai Deus #3 var taata i
U di.i, urr,i ven goiei ,e da
vteo tniuroie e encaaloi mil i
Um tta azul m abri m t*ns
Nao fio liooVa aarort, otra fio soat a luz.
Sereaaira partlio la tens em tea sorrir
Oh t da, qae dette eagoif, mimoso diertDim t
Zii\Vem e escota as pulsacSes do peito,
Ma- Iremulos suspiros, meo ma|lco9 tnlvios,
Da lyra te embriag nos cantos divioaes.
O co nos diz ama^vos anjos no* protegen),
Nuvens se debrugara- p'r ver nos sos cariobos,
O vento nos murmuratravessoscon auraes I
Nao vs ? Na Jympha pora claridio da ha
Se mira deseuidosa a fad das florestas.
Os ternos passarinhot pipilam nos rosaes.
O indio ea^a a corsa nos-renles betques.
Espera o doce esposo o sabia canoro,
E canta a palativa em me dos laranjaes t
As agaas- oTa correte-de aramio mamario
Por oode roca a barca qual garfa se banhar,
Repetem as doees notas que sola o pescador
as vagas se reflecte o coinwwal vicoso,
Nos leqoes s'spregnica a brisa qne perpassa,
Gemem as aora candes e todo iiamor I
VemZtUn leito de reeas- te offereep t
Sers hur lo co- aos canto da acorada
Emballada sorrir a luz do wu deserto.
Irei flores eolherao leu regaco as por i
Se quizere3 folgarmariposa me fawi
Se quz*res dormirmeu pei)-len9 anerto l
Ah doces encantos, delicias das campias,
Prazeres que senhol Wando os eos ames
Voltai-vos qae enee na (lr da moeidade.
Zhdizeqnem te le tao liad e lao crael I
Ah! Deas pesma oeaBjos, to s aajo t**'
Tu finges, rae oonfessa, eu Se que leo bootfaae

Mhio1870.
Sor Ourinu.

;i
IITTERATURA.
exclamou :
f ls8o nao

V Cabrita estrerasceo, mas ainda d'esta
vez goardou silencio : todava aquella na-
tureza fogosa e selvagem readquino o seo
poder.
Seisso for verdade, prosegaio ella
falarei 1
Os olbos pareciam-lhe faiscar.
Ah fallars ?interrompea Rouxi-
nol, rindo-se.
Sim.
E qae dirs ?
Isso contigo.
Rouxinol ergueu acabeca oa direceo de
ama arvore ali prxima.
Para que bihaste para ali 1 per-
guntou a Cabrita desconfiada.
Por coosa nenhamaresponden elle.
E prosegoio :
Ah f fallars ?
A Cabrita n'aqnelle momento lutava com-
sigo mesma: intentava apasigaar o espirito
e persuadir-se de qae Rouxinol raentia.
Este, depois de esperar em vo qae ella
se explicasse, continaou :
Pois n3o ouviste dizer que o "Molot
comprara um divida ?
Sim, a divida de Misseny aos1 lat
berts.
E qrje elle o persegua ?
Sim, para fazer vendar o palacio.
Eolio o Mulot. quer mal a Anatole ?
Parece que sim.
Mas porque ?
NJo sei: Juval deseja possur o pa-
lacio
Rouxinol rise.
Ah! ama rapariga que illade os guar-
das est boje t5o rudo I
Poia sim- .- redarguioella Mas
o qna significa querar o Mulot mal a Ana-
tole ?
.
Significa que o Mulot tem ciames de
Anatole.
E porque ?
Porque este est apaixonado por Pa-
mella.
A Cabrita soltou um grito de raiva, por
qoe desta vez se rasgava a venda qae lhe
cobria os olhos.
I Lembrou-se de repente dos arrombamen-
tos do Molot sob a idea de assassinar o sen
" 'al com o pretexto de qae este alcancra
linheiro para pagar a divida e eoto com-
uhendeu tudo.
Aquelle hornera, que ella ajudra a com-
raetter um crirae epor amor de quen ac
bava de commetter um nutro, aquelle ho-
mem s se servir d'ea cmo
mrtst0* j *
Eoto foi assaltada de urna-tona lonca:
nao pareca ama mulher, mas, sim urna
fra ; j nao fallava, uivava.
Malvado 1 bradava ella, sqnecida
de que Romrinol a onvla Patife Queres
desposar a rapariga e julgasUqod eu o conr
entirei ?.* Irei procura-I a, eu, a Cabrita
qae tanto loe importa deixar-me cortar o
pescoco cqnw beber om copo de visto !
Procura-la*bi para Ihe-dizer : Salba que
foi alie e u qaa matamos Saurn para Iba
roubaruios o testamento de sea tio !
das ainda bem nao acabara de pronun-rj
ciar tao imprudentes palavras, guando sal-
toa um grito' snffocado, horronsada de ter
revelado ojlflan segredov 1*
| E RoaxMfctorrespoa8ea qnelle grito
com ama gargalhada victoriosa,
i Ao mesfto tempo de^xima da arvore
para onde ha poaco Ronxiaol olhra delta-
cou -se o vaha de um hfllMn a qoeta elle
isse :
, Entilo, oaviste-a ?
Expliquemos, agora a razo porque o
.. .1 i .1____...... .,k: iV, nc\mr\ \(\ tQA
guarda LeboDtaux caba ali como do co nho compaixo de ti, e por isso nunca ten-
para ovir a-confisso do crim feta pela
Cabrita.
Havia ura mez qoe Rouxinol, o vaga-
bundo, a qnem se fecbava todas as portas
e ao qual a opiniaopublica insista em cul-
par como o assassinc- de Saarin, pareca
acceitar resignado a sua sorte.
O auxilio do cura.e de Anatole e urna
oa outra vez a ljela do caldo que a Ceifeira
lhe davam, iam-no ajudando a viver, de
modo que ello j nao se oceupava em
cacar.
Os compradores de caca nem j ouviam
fallar d'^Ue e os gaardas camnastres nc*
um'instru- encontravam l.^cos armados na. floresta por;
elle frequentada, sendo alias certa a sua
permanencia no bosque prximo ao Sapal,
qpde os radiadores de lenha o encontravam
quotidlana mente..
m'drt deade face com Leboateox.
Era, por-assim dizer, pillrado e.9re o
do e,a foboJj y jMM
Aeabavade pdr-se'o sol, ata emanana-
Cbes deleterias, que tornavam aqaelles si-
tios Hd insalubres, comecavam a surgir dos
paes circnmvisrahos.
Lebooteux era um dos raros habitantes
do Ingar para qnera a colpabiHdade de
Rouxinol nao estava plenamente demons-
trada, /i'
Por atis de urna vez ato sustentara elle
a sua innocencia. >.^*aw
Por isso tambeal ama'ttoute a mulher
d'elle recolhera o pobra. desgranado mrto
defomeede fro, dexanda-o aquecer a
fogaeira e dando-Ibe da oapatr.
Coa tudo n'essa noute Bebouteax, en-
contrando Roaxinol to vifar d um atalho,
lffanai osobr'plbo e (Jis?e.-lba i
zz. .
Ah se javait des paroles,
Des images, des symboles,
Pour peinare ce que je sens I
Se ma langue embarrasse
Pulir reveler na pense,
Pouvait creer des accents !
(LAMARTtWfi)..
ZzAs Jcies dourara as nuvens do occidente,
Banham-se as vagas nos fogos do crepsculo,
Purpurea eflr e bella encama o azul dos eos,
Soluca no arvoredo a brisa vespertina,
Brincara naa ollwgens ao sopro dos fovobios
Os doces passarinhos cantando hymnos Deus !
Desmaia langaecenle o lyrio da campia,
as rosas se debruca a mariposa errante,
Se ba/iha em melodas a flor linda do val.
O vento s'espreguica endeixas descantando
as reivas, nos vergeis, nos verdejantes prados,
As Cadas ledas folgam as fonles de crystal I
E eu penjo e scismo as dobras do mysterio
Que a al.ua me escurece, envolve nm denso veo,
S'ipponho ser d'amor a mgica feitara.
Mas ail ludo rae diz qne mim nao tens um nso f
Loucanu procuras calar as minhas magoas I
Lindanao me fallas com phrases de dogura I
Nao. vs ? A flor mimosa fana-se de dr,
Quando meigo beijo nao da lhe o sol brilhant,
E a voz da viracao nao geme em harmonas
Assim os sonhos meas, as minhas crencas puras,
Ofogo de minha alma, a< illusSes de amor.
Se findam, se nao vensbanhar-rao era mil magias !
Ura dia, urna s vez, ouvi-te a voz d'archanjo,
.Mollifica, sonora qual harpa suspirar.
A pmba solugar nao lera tanta docura I
mm& spes.
k PAHIMO DE VALLADAES.
Trago na fronte o diadema eseuro
da atroz desgraga que soffri ootr'ora;
trago-a descrenca por qaem boje chora
mioh'alma n de illnsoea falaes l
No codoamor > nao diviso om astro
que me Uluraioa o coraco descreme I
Espraio os olbos-para o meu presente,
oh t o futuro d3o me vem... jamis!
Quando sozinho, medito
no meo presente obscuro,
vem-me lembranca o fataro
qoe n5o parece chegarf
Joelho, ento pezaroso,
ante s scenas do passado,
como um mancebo inspirado,
como um poeta cantar f
Nos meus labios duvidosos,
ha sempre om canto sentido;
no meu peito enfraqueddo,
ha sempre om grito de dbr
No amphitheatro da vida
onde tudo vejo e escoto,
eo lucio, debalde lucio,
mas nao fico vencedor!
Contemplo os gozos da vida,
as esperancas formosas;
apaoho murenas as roas
que me brota o coraco 1
nesse desejo innito,
nesse luctar inconstante,
en s diviso brilhante
a estrella da inspiraco 1
Semelho o proscripto ignoto,
envolto da dr no manto ;
meas olhos s tem o pranto,
meus labi Desamparado, abandono
o mundo que nos enlassa,
como om phantasma que passa,
como urna fra rugir.
A descrenca apoderou-se
do meu espirito agora ;
em treva tornou-se a aurora,
a anrora do mea nascer 1
Indiferente, nao vivo
dos prazeres com que sonho ;
sou um mancebo tristonho,
um moribundo gemer!
Hoje, s faco no mundo
recordar o meo passado,
como um poeta inspirado,
como ara infante chorar ;
e sempre triste, solado,
fico vi vendo obscuro,
espera do meu futuro,
que nao parece chegar 1
,


Meu rapaz, Deus bem sabe se eu te-
tei prender-te, mas nao desejo muito tor-
nar a encontrar-te.
Rouxinol, sorrindo-se tristemente, disse-
Ibe:
- Eogana^se suppondo }ue ando caca.
J nao tenho espingarda nem lacos.
Deixflmos-oos de historias !repli-
cou o guarda.
o verdade nao me occopar j em
cacar como existir um Deu* bom e estar
eu innocente 1
Esla afirmativa foi. pronunciada com tal
accento de convieco, que o guarda redar-
guio )
Quero acreditar, mas entio qae aaes
Sempre mettido na floresta ? ,
Por onde qoer que eu ande ?-^-redar-
guio Rouxinol entristecido Expulsara-me
de toda a parte ; jos rapazes correm-me
podra A menos os javalis e cabritos
raontezes nao passam por mim mais apres-
sadament do que por outreai, d'onde
concluo que me nao despresam.
O guarda nao pode deixarQ de rir-se da
singela resposta.
-r Porm consta ma que o cura de S-
Florentino te offereceo tneios de deixares a
provincia e ires ganhar a vida n'outra
parte.
Nao ha duvida e eu nao acceitei.
Mas porque f
Porque quero justificar a minha inno-
cencia.
De qoe modo ?
Descotorrado o verdadeiro assassino
da Saurin.
Ah lexclamou o guarda sobresal
ladoconhece-lo 7
Maio de 1870.

EOUARDO DE CARVALMO.
Talvez, mas isso nao basta: preci-
se apreseolar provas.
Isso diflkil.
Tenho confianca em Deus.,
E, assim fallando, Rouxinol ia-sa affas-
tando, quando o guarda o chamoo.
Ouve, meu rapaz: se algum dia pre-
cisares valer-te de mira, procara-me.
E cada ura segio o seu caminho.
Rouxinol nao se esqueceu por certo do
offerecimeoto, por quanto naquella noute.,
em quanto a Cabrita corra para a Rapo-
sera e o guarda Lebouteox ia deitar-se na
cama, ouvio-se bater de maoso porta
d'este. I
Quem est ah 7perguntod elle,
Sou eu, o Roaxiool respoaderam.
de fra.
Que queres ?
Lembra-se da promessa qoe me fea 7
Lembro.
Pois ooeasio. Parece-me que esta
ooote teremos n \iilade.
Est bemredarguio Leboateox./
E tornoo a calcar as botas o foi buscar
a espingarda, dependurada no panno da
chamin.
Rouxinol eaperava-o sentado ao oomoro
do fosso.
Qoe destino *\ocaso ? pertonloa
o guarda. .
Nao sei bem ainda,= respondeu mi-
xioho o vagabondo maa venta camigo,
t|ue tenho aigoma esperanca.
E Lebouteux, seta pedir ma expuaa
ces, segaira Roaxinol.
JYP. DIARIft

l
\


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EUGG2UOKE_7H2BMV INGEST_TIME 2013-09-14T01:01:32Z PACKAGE AA00011611_12132
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES