Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:12126


This item is only available as the following downloads:


Full Text


i
ANDO XLVI. NUMERO 120.

.OfcCf >b oift >L O. -. <.
PABA i CAPITAL E LUGARES OIDE IA0. SE ?4&A POETE..
Por Ifts meses adia otados....... ^^
Por seis ditos dem........ '. "........ jaKnn
Por na anno dem......... ...... T..... Tima
Oda momero avulso ..... ............ "Zzt
320

SfGUNDA EIRA 30 DE MAIO DE 1870.

DIARIO DE
PAJA DBITBO E POJA DA PJOVMCIA.
Por tres mezes adrantados ^^^^^IHHHHH
Por seis ditos rdem. .
Por nove ditos dem .
Por Din anno idem
...

...
780
134S00
201260
27*000
Propriedade de Manoel Figueira de Fara & Filhos.
AO ACJJB1WJB:
Os Srs. GerardoAiapmo Alv* Filhos. ne Para ..o** 4 Pmto. do Maraco r^oim Jos de otea, no Cearl ; Antonio d Lemo Braga. > Aracaty ; M,M Julio Chaveteo Ass ; Antonio Mrgaos d> Silva, no Nat ; Jo* Justino
Pereira d'Alme.da, em Mamangnape; Antonio Alejandrino de Lima, na Parahyba ; Antonio Jos Gomes, na Villa da Peafea.; Belaraino dos Saatoe Bulcao, em Santo Antao; Domingos Jos da Coste Braga,
_____________________.___________________em Nazareth ; Francisco Tavares da Costa, em Alagoas ; Dr. Jos Martins Alvos, Da Baha ; o Jos Bbeiro Gaaparinhone Bio de Janeiro.
EXTERIOR.
BUE.NOS-AYRBS, 9 DK MAIO DE 1870.
A ultima correspondencia que escrev de As-
sunipgo tero a data de i3 do passado, e creio que
lera sido retardada, em razao da demora que
ttveram os vapores em sahic de Humayl com as
tropas. Eram esses Werneck e Rmilff. ha vendo o
rimbiro encalhado na altura de Goya (rio Para-
n), onde se achava anda no da 3.
ti' de crr que o Atice e o S. Jos, que subiram
no da 4, o tivessera eoto dosencalhado, como foi
i;ocon.inundado aos capites desses vapores pelo
Sr. conselhoiro Prannos, que sanio de Assumpcao
na larde de 30 do passado para Buenos-Ayres no
Rosario, que oncontrou esses vapores nos dias 3 e
'i do corrente.
O motivo da viuda do ministro brasileiro
uenos-Ayres foi a (lifficuldade posta as negocia
eoes diplomticas pelo governo da repblica Ar-
gentina. Nao tendo o.general Vedia, que foi o
ministro plenipotenciario argentino nomeado dapois
da volta do ministroVarella (como ja disse em urna
das anteriores) as pn-cisas rastrucgOes para modi-
ficar o contra-trojecto argentino, com o queria
o conselheiro Paranhos, era neeessario virem os
ministros plenipotenciarios a sede do governo da
rrpublica.
O Ministro bra*ileiro j pareca desesperado de
conseguir o accordo.
As instrueges que acorapanhavam nm con
ira-prujecto. formulado p9lo governo argentino
sobre o projecto apresentado pelo Sr. conselheiro
Prannos ao ministro Varella era Assumpcao eram
milito restrictas. as duvidas susctadas'oalvitre
que se tomou foi a ida para Buenos-Ayres, che-
panil.i os dous ministros esta cidade no dia 1 J.i
.lera para Montevideo o ministro oriental
Isto tai o que transpirou.
Aqu tem havido tjdos os dias conferencias di-
plomticas, coiselhoiro Paranhos nao tem per
dido terapo, e grabas a seu tino, chegaram hontem,
segundo me cnsla, a formular um accordo satis-
falorio c honroso para as partes contratantes.
Km consequencia disso, consta que voltaro
Assumpcao os dous ministros plenipotenciarios
para negociaren) e firmaren) com o governo pro-
visorio do Paraguay o tratado preliminar de
pai.
liu me congratulo com o imperio pela solagao
que leve esse assumpto que eslava sendo rodead.
'I,' nuvens no horisonte da allianga.
Parte hoje no vapor Copernicus para o Rio
pecial, em servigo da mesma misso perante o
Itoverno. O Sr. Lisboa, cuja intelligencia e activi-
dade tem sido poderosos auxiliares dessa missao
as diversas phases porque tem passado, presta
nesta viagem um importante servir.
Ao ministro brasileiro acompanha para As-
sumpgo como secretario o Sr. Alvarenga Peixoto,
secretario do ministro residente em Buenos-Ayres,
?i&1* srvira como addido da misso especial em
I86i, teuipu i^de qilMrvfc
e. mofo muito intefligente e de maneiras deli-
adas.
O embarque do conselheiro em Assumpcao teve
'.:; ir c im as proras mais brilhantes de coaside-
r.igo e saudade da parte de nacionaes e estran-
geiMK
O marechal Cmara tinha dado ordens para que
fossc postada no caes do embarque urna guarda de
>ura ora urna banda de msica, o que se elTec-
uou ao meio-dia.
A' 1 hora sahio S. F.xc. da casa da legago acora-
panhado do marechal Cmara, general Jos Auto,
.hefe de divisio Lomba e toda a offlcialidade da
:;u iraigo daquella praga, bem como do muitos
.fciaes de marinha. Acorapanhavam tambera ao
ministm brasileiro os merabros do governo provi-
sorio do Paraguay, cujos semblantes demonstra
vam o pezar que Ibes ia na alma pela ausencia
daqaelle estadista, que fundara e estabelecera a
autonoma do governo provisorio.
Grande numero de pesioas de todas as naciona-
lidades e profissoes acorapanhavam aodipl mala
que tinha sabido conciliar todos os interesses e
captar todas as sympathias da nova popularlo do
Paraguay, sera faltar um momento religiao do
patriotismo, e amor do Brasil. Muitos escaleres
. Rom os memoras do governo provisorio, e pessoas
da lega gao. A' bordo do Rosario se demoraran)
muitis pessoas at a occasio ern que sabio esse
. vapor, fazendo as despedidas distincta persona-
!io:n que daixava no Paraguay to gratas recorda-
As 3 horas sabio o vapor, recebendo as
salvas do estylo.
A chegada do conselheiro Paranhos a esta
cidade foi igualmente notavel. Apenas fundeou o
ipor, foram em um escaler da capitana argenl-
n i rom bandetra dessa najao e a brasileira rece
ht ao conselheiro Paranhos o Sr. ministro Borges,
ha rao de Miu, o gerente principal da casa o Sr.
Amorim, e diversos outros Brasileiros. No i#
ou ponte de desembarque, foi S. Exc. recebido por
diversas pessoas grada*, entre as'quaes o Dr. Ro-
que Prez, Eduard Mulhal (redactor do Standard),
Ploraucio Madein e oulros. Em coches que foram
mandados postar abi pelo Sr. Amorim, veto o con-
selheiro Paranhos aeompanhado de todos esses ca-
valhciros para casa do Sr. barao de Mau, onde se
.cha hospedado com todas as pessoas que o a:om-
par.haram de Assumpcao.
Os jornaes do dia seguinte publicaram a noticia
da chegada dos plenipotenciarios com palavras
muito lisongeiras. O Standard pnblicou um ex-
tenso artigo editorial, em que faz justica completa
aos talentos o serviros do estadista brasileiro.
S. Exc. tem sido muito visitado, recebendo assim
demonstraces eloquentes do eonceito em que
tido nestas paragens. Os Srs. Mau e Amorim
nadi teem es querido para obsequiar a seus
hospedas.
No dia 7 offereceu a S. Exc. um jantar o
ministro brasileiro Carvalho Barges, na casa da
legacao, onde foi o banquete servido com a profu-
sao e regularidade que caracterism as festas do
Sr. Cir/alho Borges. Alm dos Brasileiros convi-
dados estiveram o Dr. Roque Prez e ura de seus
filhos.
No dia 8 o Dr. Ronoe Prez offereceu tambera
ao conselheiros Paranhos um banquete, para que
foram convidados os Srs. ministro Borges, Mau e
Amorim, e todos os Brasileiros que acompanham
a S. Exc.
A rnaior cordlalidade.e alegra reicou rio festim
fazendo-se brindes de reciproco affecto e conside-
rarlo. O Dr. Roque Prez, desde a misso espe-
cial em que servio, ticou muito amigo do ministro
brasileiro.
__Tomn anle-hontem posse do consulado bra-
sileiro neta cidade o Sr. Adolpho Lisboa, cuja no-
meaco para esse emprego foi geralmente aceita e
applaudia. O Sr. Lisboa, alm da intelligencia e
actividade de qae dotado, tem raaneiras dslica-
das com que sabe prender as afeicoes e ympa-
thias de todos. Manejando com proficiencw. alm
da lingua verncula, a francesa, a ingleza e a alie-
ma, reunft as qaalidades precisas para empregos
d8sta ordem. Apenas constou em Buenos-Ayres
essa nomnaco, foi ella saudada com effusao de
contcnumento por todas as pessoas que nesta ci-
dado eonheceram e traUram ao Sr. Lisboa duran-
aqni estivera
repartieo fiscal, e uraa caixa militar. O coronel
Deschamps, deque j rae tenho oceupado diversas
vezes, foi sempre zeloso dos interesses do thesooro,
regulando e decidindo todos os assumptos concer-
nentes sua reparticj com muito tino e muita
imparcialidade.
Do exercito, apenas sei que contina o em
barque de tropas para o Brasil, tendo sido contra-
tados dous vapores grandes e espagosos para con-
duzlr a Humait os batalhdes de linha que se acha-
vam no Rosario o Conceicao ainda.
Desta repblica a noticia mais importante
a da revoluto de Entre-Rios. Depois de amanha
se completa um mez do assassmato de Urquiza, e
do governo de Lpez Jordn ioaugurado sobre o
cadver ainda quente do governador de Entre-
Rios.
O governo da repblica tem tomado urna enr-
gica attitode, sem importar-se muito agora com o
artigo da constituirlo, qne prohibe a intervenco
as provincias. Tres generaes com as torcas res-
pectivas se acham oceupando a provincia por di
versos pontos. Pelo Uruguav o general Emilio
Mitre, pelo Paran o general Gellv v bes (ao norte)
e o general Canesa (ao sul).
Debalde alguns jornaes insisten) pela execucjio
do an. 26 da lei nacional de 1863. Esse artigo
exige duas ntimaedes previas aos rebeldes antes
de proceder-se ao emprego da forra armada. Pug-
n-m pela execucao desse artigo os partidistas da
ordem.
Os outros Ihes respondem que esse artigo nao
tem applieaeao, porque o paragrapho inmediato a
elle dispoe o seguinte: Nao sero necessarias
respectivamente a primeira e segunda intimacao,
desde o momento em que os sublevados facam
uso das armas.i
A oso respondem os primeims que Lpez Jor-
dn esperava que o governo nao interviesse, ape-
sar da primaira proelamacao do presidente Sar-
miento com data de 13 de abril, em que declarava
a intervenco acmada e incitara a desobediencia
ao governo novo.
Foi necessaria a segunda proclamagao para que
Lpez Jordn se lancasse a rebellio, expedindo ao
mesmo tempo essa proclamagao de guerra.
Considerada essa proclamagao de Jordn a pri-
meira mafestacao da rebellio, de que falla o
art. 26, sustentan) que o governo errou desde
principio em fntervir logo com aforga armada sem
as duas intimagdes. Como fundamento lembram o
caso da provincia de Corrientes em 1868,quando o
exercito nacional operava conta Evaristo Lpez, e
Caceres, occasio em que o presidente da repbli-
ca raandou de commissionado ao ministro Dr.Velez
Sarslield, que em ura dia regulou a questao,
despondo os rebeldes, e salvaddo assim o paiz dos
desastres da guerra civel.
Seja como for, contina a guerra civil. Alem
dos taes generaes de que cima fallo, embarcon
ante-hontem o general Rivas com mais forras para
Entre Rios. Dizem que Caceres se acha a fron-
teira de Corrientes cora torras a favor de Lpez
Jordn.
Chegaram a esta cidad" vinn* no ,Xnpr
otUMva (m r,ii.in.i. aiguiis nos assassinos oe urtfBi-
za que foram presos pelo general Canesa. Entro
esses vem o celebre Mesqueira, que dizera ser o
qu den a ultima punhalada no infeliz governador.
Foram todos postos disposigao do juiz do crime.
Tem chegado j da campana os contingen-
tes pedidos pelo governo para o novo batalho que
se vai mandar para Entre-Rios.
Parti ante-hontem para Corrientes, a reunir-se
com o general Gelly. o coronel Ocampes.
O gorerno nacional comprou ante-hontem
grande quantidade de espadas e de espingardas,
bem como mil e tantas toneladas de carvo.
Nesse mesmo dia parti para Entre-Rios,
conduzindo armamento, o vapor Garibaldi.
Corre a noticia de que urna torga do general
Mitre, composta de 200 homens, foi batida e der-
rotada por outra de Lpez Jordn, constante de
500 homens a quem a torga di Mitre fra atacar.
O lugar dessa derrota foi em Guayleguach. To-
dos esses acontecimentos fazem duvidar muito do
que affirmam alguns jornaes aqui respeito do
alia lamento da rebellio, de que fallam com a
maior seguranga.
Do Estada Oriental tambera m a situaga
Os Mancos vo cada da ganhando mais terreno, e
apuroximando se de Montevideo.
Hontem chegou a e3ta cidade no vapor Rosa-
rio, que fra, por ordem do conselheiro Paranhos,
a Montevideo tomar carvo, o Dr. Adolpho Rodri-
gues, ministro oriental. Vera tomar parte as ne-
g)ciag5es sobre o Paragoay.
Ainda nao se aSrio o congresso nacional. Di-
zem. porm, que ter lugar nestes dias a abertura
solemne.
Annuncia-se para o da 17 deste a inaugu;
rara*, d) ferro carril do Rosario a Cordova. E'
una obra im oriantissima e de grande alcance
para o progresso da repblica argentina. Visitei
j a estago central do Rosario e as diversas obras
que se fazem actualmente naquella cidade para e
complemento da linha frrea.
Espero ir assislir inaugurago da estrada, e
por essa occasio fazer mmha primeira viagem
cidade de Cordova, que tenho immenso desejo de
conhecer. De tado darei depois noticia aos jeito
res do Jornal do Commercio. Ser bom i egistrar
ao lado das desconsoladoras noticia- da guerra ci-
vil nesta repblica os prog essos e o desenvolvi-
raento da industria e do commercio.
Houve aqui em Buenos-Ayres um bazar
aberto e dirigido pe as senhoras inglezas no Co-
lyseu, par o costeio do hospital dessa nacionali-
dade. Deu resultados muito satisfactorios, tendo
rendido vinte a vinle cinco contes as tres noites.
E' sempre magnilica e santa a idea da caridade, e
o miseris solamen ser sempre o motte dos hos-
pi'.aes.
No theatro Colon houve na noitede sexta-
feira urna scena de escndalo por occasio de urna
tremenda pateada cantora Rouzi. Desde o prin-
cipio at o flm do espectculo os assovios eram a
harmona da noite, acompanhados dos applausos
dos partidistas da cantora. Viva la Rouii e fuera
la Rouzi, eram os gritos que cobriam as vozes dos
cantores. a porta do theatro foi ferido com urna
pedra, atirada de entre ura grupo de Ronststa,
um moco de nome Osvaldo Saavedra.
A outra cantora tem sido sempre applaudida.
E' a Gasc. Ouvi-a no Arado e na Lucia de Lom-
remoor. Parece-me muito hbil. Voa melodiosa,
mmica, eonhecimento da arte sao ttulos para e*se
meu julzo.
Tenho visitado os estabelecimentos luteranos
e scientiQcos desta cidade. A faculdade de medi-
cina, que priraeiro chamou minha attenco, tem
um importantissimo gabinete de anatoma patholo-
gica e outro de anatoma descriptiva. Fora dah
rae parece superficial o esludo das sciencias me-
dicas e cirurgicas.
Ainda me nao foi possivel ouvir um professor,
depois formarei Juzo mais seguro : os alumnos
estodam pouco.
A univtrsidade, que est sob a administradlo
de um dos homens mais illustrados do paiz, de
nome Joo Mura Gutirrez, recebeu ha dias seis
caixoes cem os instrumentos e machinas para um
gabinete de physiea experimental, e outro de geo-
metra applieada s artes. A aula de desenho a
noite. ist muito bem preparada e Iluminada a
gas, giorno para assim dizer.
^ssa universidade est dividida era tres secgfSes
Urna com o titulo Estudio prepara
ciaes. Demoreime na umversidade tres horas
successivas e nao tive o gosto de ouvir a um s
professor. Nao hava aulas. Gastei o lempo era
conversar com o reitor, que um argentino muito
instruido nao s em litteratura como em algunas
sciencias.
-candidato fufara presi-
sna renuncia talvez para
te o tempo em que elle a
passado.
Segu tambem para o Rio de Janeiro ueste ^e estudos.
vapor o eerouel Deschamps, que foi intenjeme do torm, outra cora o de Fncultad de- saencia* eieae-
exercito e que tinha aconlpanbado ao censelheiro\las e a terceira Facuttad de jurisprudencia. PM-
ai aqu. Foi extinct a intendencia, flea/idn a I so qne os estados so all tambera, mnUo, supera-i pinjar
MONTEVIDEO, 17 DE MAIO DR 1870.
Calcular de antemo o desenvolv ment dos
surcessos que com tanta rapidez se originara no
Rio da Prata, tarefa sobremaneira difflcil e ar-
riscada. Difftcil, porque aqu as sociedades nao
se achara constituidas como no velho mundo, onde
os factos se encadeiam lgicamente e a refiexo
permitte conhecer, quasi com certeza matheraatca,
at onde elles nos conduzem ; arriscada, porque
aqui o imprevisto representa sempre o principal
papel, e pe de cara banda aqueles que, para
passarem por mais perspicazes, se animarara a
emittir um juzo, que em outras localidades e com
outros povos seria fundado.
Quem poderia conjecturar que a revolugo de
Entre-Rios havia preoisamente do escolher a occa-
sio mais adversa para sua manifestago ? Quem
poderia crer que os chefes que a planejaram ^es-
pirariam pela morte do tyranno do Paraguay e
pela terminarn da guerra, que conceda ao go-
verno argentino mobihsar logo suas torgas impor-
tantes contra o movmento sedicioso ? E' tudo isto
contra o bom senso, mas a verdade.
Lpez Jordn nao tem descansado, e actividade'
e energa do governo nacional corresponde com
igual actividade e energa. Depois de ter-se apo-
derado da povoago da Victoria, qne as torgas le-
gaes abandonaran), atravessou resolutamente o
rio Gualeguay e toi collocar-se em frente do ge-
neral Canesa, que em sua ultima parte ao minis-
tro da guerra confessa que aquelle chefe revol-
toso apresenta urna vanguarda de cerca de 2,000
homens, e que presume ter elle tomado posigoes
era urna ponte sobre o arroio de Nogeya, a seis
leguas de distancia, onde de suppor se achem
suas reservas, e seja o ponto escolhido para uraa
batalha, que ainda no dia 13 ho tinha sido ferida,
porque o governo argentino prescrevera ao g_ener.il
Canesa que a nao empenhasse emquanto nao re-
cebesse alguns batalhes que marchavara a incor-
porar-se ao exercito sob snas ordens.
Esta communicaco, que offlcial, revela qne
Lpez Jordn conta torga respeitavel. Nao du-
vidoso o xito de urna luta travada entre torgas
exiilusivamcnta de cavallaria, como sao as entre-
rianas, com outras regulares, as quas figurara
bizarros corpos de infamara, que acabara de voltar
triumphantes de uraa longa campanha. Entre-
tanto, Lpez Jordn possue elementos para demo-
rar essa luta por muito terapo, e basta esta cir-
cunstancia para que a situarn do governo argen-
tino seja presentemente bastante embarogosa.
A revolngo no Estado Oriental tambem tem
ganho terreno, e esta obrigando o governo me-
didas vigorosas para poder domina-la. Apparicio
imitando a tctica do general Flores, purcorre a
campanha de departamento em departamento com
urna velocidad incrvel; sorprende os sens ad-
versarios e bate-cs m daialhe, iniercenta todas lire Qa.-jn.Wnga
s diligencias e apoderando se de toda a corres-1 ibtiraos canioes,
pondencia, e nao batisfeito com tudo isso, que j
mu grave, apresenta-se em Santa Luzia e em
S. Jos, as proximidades desta capital, e corta-nos
o fio elctrico.
J estao em servigo de guerra tres batalhes da
guarda nacona1, um delles aquartelado na Flo-
rida, qne bi completamente fortificada para evitar
qualquer sorpresa.
O movmento blanco, terminar no dia em que
Lopoz Jordn cahir, porque vem do impulso que
este caudilhe Ihe tem impresso de Entre-Ros.
Nao ha, porem, motivo, por ora, para tranquilar
os espiritos s->bre a certeza deste resultado, dese-
jado por totos os homens qne lamentan) estas con-
tinuas revolugoes que s serven) para atacar o
desenvolvimento destes paizes, e para diminuir
a sua escassa populago nacional.
Nesta duvtda o governo oriental obra com
muito acert augmentando os meios de defesa e
procurando conter o adversario. O general Ca-
raballo annuncia j ter reunido cerca de_ 1,500
homens; sei positivamente que ainda nao tem
600. Os outros chees colorados, que afinal se
resolvern) secundar es esforgos do goyerno,
porque virara que o negocio era serio, estao em
campo rearando seus amigos, mas por ora nao
conseguirn) vanlagem alguma sobre o inimigo.
Depois de urna porfiada negoeiagao diplomtica,
o Sr. conselheiro Paranhos teve a satisfagan de ver
em Bueuos-Ayres o governo argentino chegar a
um accordo rasoavel, desistindo de certas pre-
tengoes que nao tnham razo de ser, como a
de querer o tratado provisorio assignado nica-
mente pelas tres potencias alliadas, sera intervir
nelle o governo paraguay \ ..
Influirn) naturalmente para esta deciso, ja os
snecessos de Entre-Rios, j a discusso reflectida
e sensata da Nacin, que raostrou o erro de po-
ltica do governo do seu paiz recusando adherir a
urna negeciago indispensavel para a nova si-
tuago internacional que se estabelece no Rio da
Prata e no Paraguay, em vrtude da terminagao
da guerra.
Os artigos jue a Nacin publicon, e a qne rae
reporto, sao atlribuidos ao general Mitre, que
nesta questo provou ainda ser a cabega pensa-
dora mais importante da Confederagao. Sahindo
do campo de urna poltica especulativa, elle esla-
beleceu a questao perfeitaraente no_ terreno or-
tico, e mostiou que era um erro nao tratar, por-
que a allianga nao foi s para destruir, mas prin-
cipalmente para reorganisar ; o que s na paz
se poderia fazer.
O Nacional, orgo do presidente Sarmiento, cria
qne a primeira solacio consista em futar : so
pelo faci da terminago da guerra, havia termi-
nado tambem a acgo conjunta e solidaria des
alliados, para tratar, determinar e alcancar os di-
reitos establecidos no tratado. A Naci* combate
esta iolelligenca. o afflrma que os alliados nao
poden, sem declarar roto o tratado faier ajustes
cada nm separadamente, e accresceota que,
mesmo sendo isto permittido, o interesse argen-
tino consiste em que o Brasil 5o trate separada-
mente com o governo provisorio do Paraguay;
porque, se pode o imperio -perder cora isso moral-
mente, seguramente ganhar muito materialmente.
Estas obeervaede, e outras de igual peso, que
nao cabe nos limites de urna correspondencia
transcrever, abalaram o animo do foreign office
argentino, e por lira o Sr. conselheiro Paranhos
conseguio o que se pode chamar ura verdadeiro
trinmpho diplomtico.
Infelizmente o prazor qne poderia sentir por
ver concluida una questo que seria talvez ori-
gen) de novas complicagdes foi annullado com c
descosto que Ihe cansn a noticia da morte do
irraao, o brigadelro Paranhos, que lalleceu em
Aasumpgo ae urna febre maligna, depois de ter
resistido a todas as fadigas de urna longa. cam-
panha de cinco annos, pois deverao9-nos recordar
que este digno general figurn no theatro da
guerra desde o sitio de Montivido era fevereiro
de 1865.
Parti, portanto, aquello diplmala para As-
sumpcao debaixo desta dolorosa iirpressao, e
consta que all apenas se demorar o tempo sufi-
ciente para legalisar o accordo palo governo pro-
visorio, segurado immedialamente para essa corte.
O governo do Paraguy prepara o paii para
a eleicao de depntados ronstltuintes, e mostra-se
disppato a dixar plena Hberdade manifestago
\Tm dos rasHtfcro deste gorerno, o Sr.
Bedoya, que tambem
denefa, tp-esentoa a
poder mis francameate-cabaiar!
Entre os candidatos figura d general argentino
Gelly y Obes, e os trabalhes a favor desta candi-
datura sao assiduos. Riverts, porem, o mais
provavel, e jastamente o qae parece- rennir ac-
tualmente mais predicados para admtuisirar o Pa-
raguay
O general Cmara acaba de dirigir Nacin de
Buenos-Arres a seguinte carta; que ser lida eom
bastante iiteresse, pois qne eontm urna narrago
palpitanteldos ltimos momentos d) dietador. Cha-
mo para este importante documento a attengo pu-
blica :
t Duas tezes teve o Sr. Redactor dn Nacin a
bondade d) tomar minha defeza contra os auques
que me f( m dirigidos e as torgas imperlaes sob
meu con )ando, como motivo da morte do ma-
rechal Lo ez. Venho agradecer este procedimen-
to agora im toda a effuso de minha alma.
Nada nais proprlo, nem mais usado qae se-
melhantes iccusages para augmentar a satisfago
de minha ;on?ciencia, ante a fortuna qne me col-
locara f mte daquelles soldados aguerridos, ns
momento' He poder prestar nossa patria, tr-
plice allia ra e causa da civilisacaoy symbolisa-
da neste, o assignalado servigo que- deu flm
guerra.
Era do, Sr. Redactor, durissimo para solda-
dos de hmra, que durante cinco annos lutaram
para dewver a paz a estes paizes, perturbada
pela obsfcago e tyrania de ara despora, ver-se
confund os com os sangnanos sequazes do br-
baro, ce is mos ainda tinha hmidas do sangoel
de nosst heroicos prisioneiros, immolados quan-
do os a; res da guerra os obrigaram a entregar-
se, ante que rendido-, moribundos.
En duro, durissimo, principalmente quando
este des )ta cahia, nao em uraa emboscada, mas
em um ombate leal e defendendo-se cora urna
valenta que, faga-se Ihe, senhor, esta justiga,
honrou ia morte e desmentie sua vida.
Por sto Sr. Redactor, a defeza que Ihe devo
me com toreu profundamente, e'venhoiagradec-
la de los o coracao, tanto era raeu nome, como
no de to os meas companheiros de armas.
A A cion, Sr. Redactor, disse a verdade. O
rnarecha Lpez nao foi, era poda ser assassina-
do, nem ambem foi fuzlado : falso I Nao o
toi nem Mtia s- lo em mos de meus distinctos
compairi ros de armas, e as minhas menos.
O g seral Lpez foi sorprendido de da por
um desst accidentes tao felizes, como podem ser
tambem bersos na guerra. Tive a ventura de
ver lio i )ida e hbilmente executar as dispos-
goes que lava tomado, que a execucao nao den
lugar a, er perceber sua deficiencia.
Lope o homem cauteloso e desconfiado por
excellenciL cuja minuciosa prudencia nao despre-
zava meiof de precaugo, nem de vigilancia, vio-
se cercadje acommettido em sea acamparaeato,
ainda anta de ter podido saspitar que haviaraos
tomado slas avan.adas.
Deii-n^, quando) sahimos no campo raso so-
iurd a* ?aa mpamento,
carrejando simaliatieaiiibuw =
bizarros tanteiro* do denodado coronel SiWa Ta-
vares, os bravos carabineiros dos valentes Mar-
tins, Marques Xavier, e as pocs, porm galhar-
das bavonetts do distincto major Peixoto.
Assim se explica que o dictador comprometteu
sua pessoa, nao tendo tempo de fugir ; e quando,
mandando tarregar a seus briosos soldados-, fa-
zendo luzirao sol a folha de sua espada, deu vol-
ta, e procuran salvar-se, j era tarde, pois tinha
sido conheodo, e a perseguigo, conseguratemen-
te, toi encarnizada. .
t O major Simeo de Oliveira, e outro offlcial
que o Sr. ledactor conhere pessoalraente, omiltio
estes detalhes por sua modestia, porm a justica
exige que jqui, como em qualquer parte, eu pro-
clame que a elles especiamente se deve o trgico
tira do decantado caudilho.
Quanlo este fugia, perseguiram-o aqueles
cem alguns atiradores de cavallaria ; enio L-
pez deixou o cavallo para entrar no monte; apeia:
ram-se elles tambem, comegando a atirar quasi
sera descange com os peucos soldados que os
acompanhavam, e estas balas foram as que puze-
ram termo aos dias do marechal Lopea, ferrado-
o em duas partes mortalmenie.
O major Siraen de Oliveira nao pode verificar
at o flm a efficacia daquelle fogo tenaz e per-
sisiente. Alcanrado por mira, teve ordem de acu-
dir a outro ponto ; ento fui dos primeiros que,
chegando aos barrancos de Aquidaniqra vi do ou-
tro lado cabido e quasi examino o general L-
pez.
Ao p delle estavam dous offlciaes que morre-
ram com a espada na roao, defendendo-o at es
ltimos momentos, e algum outro que conseguio
escaparse lalrez dalli para renderse mais tarde.
Aquelle?, reeonheci depois, eram os majores Esti-
gatribia e Vargas, que foram baleados pelos ati-
radores qne lgo atrs de raim chegaram
Rospirei: o Sr. Bond metteu a viola no sanco
e en aqoi ftco tranquillo, desejando qne a ligio
Ihe seja provertosa.
Rl INB 4 %XIIIIIO
46 DK MAIO DE 187.
Aate-hontem, por occasio do acto solemne da
posse da nova administrago da loja roaginca
Caritw, ao Grande Oriente do La-vradio, foi l-
nerto um pardtnho de quatro annos de idade.
Tendo-apparecido as portas do edificio urna crian-
ga de dous annos, escrava, cotisou-se esta socie-
dade para a sua libertaeao, auxiliada neste acto
pelas suas co-irntaas Amparo da Virtnde, syio da
Prudeneia e Esperanca dr Nitherohu.
17-
Pelo vapor ngle Cnpentieus, entrado hontem
do Rio da Prata, recebemos folhas daquella pro-
cedencia al 11 do-crreme.
Sendo deraiado restricta as instruccoes que
o general argentino Vedia tinha do sen governo,
na poderam o*ministros das potencias alliadas
chegar na Assumpcao a um accordo sobre o ira-
lado de paz qua deviam faaer assignar pelo go-
verno provisorio do Paraguay. Nestas circuras-
tancias resotveu-se transferir a sede das negocia-
goes para Baenos-Ayres, aond o Sr. conselheiro
Paranhos chegou. no dia i. Alli, sendo tambem
presente o ministro oriental, chegou se eflectiva-
mente ao desejado accordo, eo secretarlo da nos-
sa missao especial, o Sr. Dr. Adolpho Lisboa, che-
gado hontem a esta corte- no referido Copermaus,
o viria naturalmente subraetter ratificago do
governo imperial. Peito isto voltaria o Sr. conse-
lheiro Paranhos arada Asenmp assignado o tratado por parte dos quatro go-
vernos.
A revolugo em.Entre Rios tinha tomado carc-
ter serio e as ultimas noticias dalli eram datadas
da vespera presuraivel de ama batalha, entra as
tropas nacionaes commandadas pelo general Cbne-
sa e as torcas de Lopes J^rdo. Urna partida des-
tas, avahada em SOOihomen, tinha sorprendido e
batido em Guayleguach um destacamento de 20
homens do exercito do general Mitre. A Victeria
foi oecupada pelas torcas do mesmo Jordo, por
quera ento se pronunciaran) alguns chefes, nao
parecendo mesmo baver muita corfianga em oo-
tros que se trabara apresentado aos generaes do
governo nacional. Apezar disto se Lopes Jordo ft-
casse reduzido aos-1,000 homens, quasi todos de
cavallaria, que Ihe do as folhas de Buenos-Ay-
res, claro qne nao poderia resistir por muito
tempo aos 10,005de que dispoe em Entre-Rios o
general Mitre, entre os quaes 6,000 de tropa de
linha disciplinada e aguerrida nos campos do Pa-
raguay.
No Estado Oriental ainda mais serias proporeo*s
pareca tomar a revolngo. Os blancos j se ha-
viam aproximado de Montevideo at tres leguas de
distancia, e dispoodo de methor cavalhada, iowi-
oas, osrebeldes nao oceupavara as poveagoesse
nao momentneamente, e se em alguma se demo-
ravam, evacuavam-a approximagao de qualqer
torga iniraiga. ltimamente havia urna partida
delles em Santa Lnzia, para onde o governo frie-
ra sahir de Montevideo un* 200 horaens coro or-
dem de desaloja-los.
as foihas daquella capital appareceu urna no-
ticia de estar o governo oriental negociando coro o
argentino um tratado de alianga offensiva e de-
fensiva, segundo o qual o presidente Sarmiento
faria oceupar por tropas snas, Salto, Paysand e
outra3 povoagoes da margen oriental do Uruguay.
Accrescentava-se qne esta allianca era mais de
futuro de que de actualidade, tendo por fim oppr
barreira influencia brasileira no Prata, pelo que
se nao tornara effectiva seno depois de partida
do Sr. conselheiro Paranhos e retirada completa
das forgas imperiaes.
Devenios comtudo observar que pouco ou ne-
ohum crdito pode merecer esta noticia, por par-
tir de fonte muito suspea, sendo espalhada pelos
iniraigos jurados da trplice allianga.
Por portara de 4 do corrente foram owmeados
Balduino Jos Coelho Jnior e Autnnio Ferreira
Dias, primeantes da secretaria de estado dos ne-
gocios do imperio.
Por portara de ti de maio de 1870 ero licen-
capara residir na provincia das Alagas.por onde
deve ser page dos seus vencraentos de reforma e
pensando soldado Steooel Riti no Rosario.
con como doado ; correu a- soccorrer o eriouto
mas logo que o abrageu para levanta-fo, teve so-
mante o cada-.-er entre suas caos !' Fe-se o auto o
tratase do processo.
No dia 1 de abril prxima passado, appare-
ceu na margem< esquerda do rio Cabo-Verde di-.-
trito Areado, do mesmo termr> de AHeoas, o ca-
.naver de um hornero branco, jiem estado de pu-
treraegao. Acha va-se o cadver interamente n
Hnlja alguns golpe de faca no corpo e opescoc'.
ferido como por corda, que servlsse para-pnxa4.
para o rio. Pareca fmlicar ser pessoa de trato
pois que pelos ps conheeia-se qu viveu sempre
calfado leado-os fice-, corpo e catb mais oo me-
nos deheado;. Fej-seoauto de eorpo dedelu-
to> mas noticia nenhr>ma ha d- quem seja esseio-
leJwe nem seu assassino.
O'Sr. PTancisco Aavfer Panbel, ;azendeir> eni
SanO' Mana Magdalena, eoncedeu" hberdae a
tres de seus escravos, sendo dous n 40 o um de
o arcos.
A loja maeonira Commercio, ao val dos B-
dictinos na nonte de ti do torrente, >r occasio
da sesso sotemne da possede suas dignidad*-
deu lifeerdade a urna escrava 4e 10 aaM de ida-
de, a que a Sra. directora do eollegio de S. Joo
situado na praga de >. Pedro 1, se presMu a dar
educago a expensas saon;
Coi o predneto do sacco-da beneficeawa toi oa
inesrna seccao libertada urna erianga do-14 mtm
deidade, que appareceu a-porto do edificio das
sessoes, obrigando-se o seu ex-senhor velar por
ella. v

Por penara de 14 do corrente toi derotido o
lugar deeomroandante da tortatesa de SaaiAnn4
na provinoia de Santa Caftarina, e altores refor-
mado do exercito Antonio-Jos de Olivein Sam-
paio, e nomeado para o subsiatr o tenante d<.
corpo de estado-malor ee-2* etasse Al^xandr?"
Augusto Ignacio da Silveira.
A loja maoonica Giemto Mltntropico, ao valle
dos Benedictinos, por oceasio de dar .'tse a.*-
suas dignidades, deu liberdade a urna crhacad*
cerca de nn> anoo de idade, aamal oca sob a pro-
tecgo da mesma loja.
19
Por portara de 17 de maio corrale foraaeon-
cedidos dfcas annos de Ikaaaa para residir oa
Europa ao cirurgio-mr de- divio refrmala Dr
Manoel do Reg Macedo.
Os acadmicos da escola central fnndara::i hon-
teaa nasa sociedade eraanctpadra eom o tita!- -
Uniao e Liberdade, cuja dreetori foi constituida
do seguiote modo :
Presidente, Joo Ramos de ^ueirox; vice-presi-
dente, Jos Freir de Andrade Parreiras Harto ; i:
secretario, Joo Chroskatt de- Si J?ereira de Cas-
tro ; 2 dito, Jorge Benedicto Otloni ; tlie>oareiro,
Vriato Belfort Duarte ; procuradores : i%RUe-
brando Pompeo de Souza Brasil ; 2, Ludgero Er-
nesto Las3ice Cuaha ; > GaB_aibrir d 8oo-
za Mendonca ; ecunmissao de aavian rtn,itiiwn ,
Christino da Silva 6uerra.
20
Por decretos de 13, 14 e ti "do eorrnte :
Foi promovido o eirurgo de diviso Dr. JoBo-
Ribeiro de Almeda ao posto- de cirorgo de es-
quadra graduado, pelos relevantes servigos pres-
tados durante o ltimo periodo da gnerra 9 Pa^-
ra?uay.
Foi promovida Io tenenis o 2* dito Jiia> Ber-
nardinn de Araujo.
Mandou-se contar ao convnissarie reformada da
2* class Guilherme Vicente ShorC mais ura .anno,
10 mezes e 11 as de servar, viada por isso-a.
perceber 17 vigsimas quintes, parte do rasnecti-
vo sold.
Por portara de 18 de maio do 1*70 ccaeedea
se um.anno de licenga para ir provincia da Ba-
ha tr^r de seos interesses, a capitn reforma
do do exercito Dt Carlos Ballhaaar da Silveira.
Por decretos'de 18 do corrente foram af caa-
dos, em attenvo aos relevantes servigos jKe>tado.-
na guerra do Paraguay : .
C'inarechat- de campo Xi"onn Jos Carner
Monteiro, com, o titulo de baro de S. Bcsja.
Qibrigadeiro honoraria,Joo NaDes dasilva.T>
vares, com o de baro (> Itaqak
O brigadeiDo honorario Vasco Alvcs Pereira, cera
o.de baro de- Sant'Anaa do Livraraento.
bar-
ranca e qde ftzeram fogo vendo-rae vadear so e a
_,^,;.-i^ n|0 como ura liberta-
p o arroio, e ser recebido,
dor, mas como ura mimigo implacavel e raneo-
t Devo minha honra de soldado, ao meu no-
me e mrahj patria, devo verdade da historia e
minha consciencia, o testemnnho authentico ae
que o marechal Lpez morrea com grande ntei-
reza e presenga de espirito.
. Ioenando-me, para poder tomar a espada qne
eonservava ni mo desembaiahada, fez arada ara
raovimenlo como para ferir-me, e respondeu-ne
com voz arrogante e firme que moma com sua
espada mmo, por sua patria t
t Mandei ento a um soldado do 9 batalao que
o desarmasse, e nesta luta.exalou o ultimo suspi-
ro sem reber mais nenbuma ferida. ?
Esta na*agao leal do general brasileifo tem
sido aqui imito applaudida, e todos os peridicos
do BaenoslAyres a transcrevem agora em sua re-
visto paran exterior. E' um desmentido solemne
ultima ufamia que aossos iniraigos enteaderam
dever invtatar em relagao ao nasso procedimenlo
na guerrsldo Paraiy. .
Terminirei esta cerrespondencia com um inci-
dente que me intoiramente pessoal, mas que nao
deixa doler interesse.
Disse urna carta anterior que o_Ur. Bond
Filho tinta sido preso sob a aceusago de ura
crime heJionxlo, e que havia sido sollo por inter-
vengan d) ministro e almirante americano. Ora,
eram nejocios tao reservados, que eu nao podia
ter conlecimento delles seno por possoa muito
importaitante do governo.
O Sr. Boud, lendo esta correspondencia, ficou
como un possesso, e andn por toda esta cidade i
procuraldo correspondente do Jornal do Comem-
co, nauraJmenie para faze-lo pagar caro a auda-
cia quefcve.
Nao nlente com isso, pnblicou no Stgto ura
artigo falsas etalamoiosas.
Realaeme flquei assustado ao prncip'.o de que
o bometn me descobrisse, e que com ef.feito meu
informante me vesse feito commAUV;r urna In-
discripgao tanto mais revoltante, porqnaalo ma-
culav a repntacao de um o)edi,co, distracto.
A Tribuna, porm, orgp, da govorno, encarre-
gon-se de responder nos mim, % tranquillisou o
escrpulo de consoieni que, p-je prlneipiava a
afligir, declarando, qae o SrvTjr/. Roud era verda-
aeiramente culpado e ana rximmenia uraa aceto
De Gonservadw de 8 do corrente, folha que se
publica na cidade da Campanha da Princeza, ex-
trahimos o seguinte :
t. Ha dous mezes, mais ou menos, deu-se no
Retiro, districto de S. Joaquim, termo de Alfenaa
um. tacto horrivei.
c Um menino de 10 para ti annos. indo a casa
de-um vizinhe, (ue tinha uro llllio de 6 a 8, achao
ilo, este a sos era casa de seu pa, passou alli pac-
te do dia, e parece que davidarara amboi, resut-
(tato que o maior dsse ura tiro no menor e raa-
tasse-o instootaneamente t Longo de arrepeoJer-
sa de to criminoso acto, carregoa o cadavwe a
poucos passos da casa ontorrou-o, mal podeodo
cobri-lo da trra. Voltou lirapando o caminho por
onde cabio o sangue, volvendo a trra, linpoo a
saleta da easa onde tinha. corrido mais saague,
varreu-a e lancou mais trra onde poda ftcar al-
guma mancha; toiespingarda do donada casa,
carreooo-a de novo, e collocou-a no lugan-em que
e achara, pjra n3o causar sospeita e eonservoit-
se depois em casa na maior tranquilidad ate cne-
earem da roga os paii da infeliz victima, que mal
entraram na porteira perguntarara (talvez tocados
neto dedo da Providencia) pelo filho querido, ao
que foi framente e sam perturbacao wpo"*
pelo menino assassino, qne, elle eslava all peno
no matto, apaohando gpiabas, ou nao sei o que^.
i E't resposta,nio salisfez aos infetizes pas pe
lo que segurara a procnra-lo a deliro era paoco
acharara nm porco mexendo torra/que mm
cavada, e alli descobriram os caaellos, jaleen e
o corpo do coitadjnho, que por _r enterrado em
paqueDo Ingar teve ainda de soirer muitos golpes
deenxada quo deixaram todo.mulilado.f rez-se
ruta di corpa de delicio; __f___"_R
ta qne emoarapauhia do pai est toragido para a
Divisa, teemo de Tres Pontaa.
. A*9 de marco prximo passado, !___*
quea&so, moVaor tambem no >___
iot Joaquira da Serra Negra, termo de Al to-
nas toado prendido na carral os carneiros.de sua
Sdapara livra-los de. um cao que todas as
nouufs devorava um ou outro carneiro, e qo mes-
SSSE j linha mono a alguns, a meia nou-
S mais o"i menos, ouvindo barulho na porteira e
cXtosef eaSorro, prepara-se de uraa espa-
Por decretes de 11 da corrate :. ...
Concedeui-se a exor.erago que pedia. nocnare
Antonio Manoel dos Res, dn. careo da secretario
da polica da provincia de S. Paulo.
Foram noroeados :
O bacharel Jio Bautista deMoraes^para o car-
go de chete de polica da provincia de S. Pauto.
O bacharel Jos Francisco de Goes-Uralcanr-,
para o logar de jriz municipal e da orphaas do
termo de Sernhen, na provincia de Pernamftuco.
Fez-se- raerc da serventa vitalicia:
A Gonealo de Lavor Paes Barreta, do* effleos
de tabehao do publico, judicial e notas e esenvao
do civel e crime do termo do Grate, na provincia
A Ju"no Maehado de Miranda, dos officios de
tabelliao do pualico, judicial e notas, escrivao do
civeJ, crime eexecuces, capellaee residuos, e de
orpbos e ausentes do termo de Soure, na provm-.
cii do Para.
do correle fot de-
rda e abralo a janella rpidamente vena por-
leira ma sombra que parecia-lhe um cao que a
P5m _is reflectir (as fogo, e infelizmente J
o chumbo no lado direita de um preto de 18 an
nos bonito e bom eseravo de sua mi, D. Anna
Toioria oovelhor eseravo qae ella possu.ae
oueem poneos mteatos morrea I O infeliz preto
VT^rpoVordem de sna senhora trazer nm, eaya -
lobtrio nasto do fllho que era mais seguro. Mi-
iN^aTSKSaT: eSraSrSirr.'i.* rff
deieuifcrava;- Soumooo
Por decreto de 44
mittido ntonio Leonardo de Meueies Amo^
rim, do- tugar de 3o eseriptiirano da tb.3-
souraria de Pernambuco.
Por portara de i? do correte foi nomea-
do Mario Odorico Piobjeiro, praticante por-
teiro da adrainistraco. do correio di pro-
vicia do Marauho.
Por cartas inperiaes de 18 do corrente
foram naturalisados o subdito franeez Eu-
sebia Bstevaux e o portuguex Jos* Alves.
da Silva.
Por decreto da mesma data ;
Foi nomeado o Dr. Cesar Augusto Mar-
ques para o lagar de inspector da saude
do porto da provincia do Maranhao.
Foram coocedidas as segantes pensSes,
que ficam pendentes da approvac3o da as-
sembla geral:
a D. aria Leonilia de Jfcranda Cbavw,
D. Jesuina Adelaida de Miranda Chaves, D.
Rosa Candida de Miranda Chaves >P""-
bolina Henriqueta de Miranda Chaves, ninas
legitimas do lente de commissSo Deoj'-
sano Jos de Miranda Chaves a de 21*
mensaes, reparlidamente. :o|ftlh9
A D. Thomazia Maria de Solja Qadelha,
mli do capitJO do 40 corpo de voluuta^
rius Manoel Cyrillo fe *MR Q*HH a te
q^5 mensaes.


:
-
.

I IHJtt I
*m



i
Diario de Peratnbuco, *~ Segunda fe'ifa 30 de Malo de 1870.
fifi 3II'
mi l
x om
a
-v
garr
I^s_

\o alteres do 49 corno to-v^ntrtos
OrtOrtai. de 38-J
Lmz Alve Dantas
inensaes.
de A
"~t)< ; lisa fundaram urna associa presidente, Alfredo Horeira Pjnto ; vice
nrmiidente, Joao Zagdem Corre* do Reg ;
secretario, Oliveira Bueno ; thasaureiro,
Di*s da Cruz. Nomeou-se taiobem urna
commissao da estatuto, a qual ficon com-
osla dos Srs. Baptisla Pcteira, Francisco
Jos-Nones c Serrano.
38
Pelo paqoclc inglet Oonrn, entrado hon-
tern do Kio da Prata. recebemos f >lhas de
Ruenus-Ayres al 15 e Montevideo at 17
do corrate.
1,rvgo apos o ajuste, assentado em ne-
nos Ayres entre as tres potencias taladas,
tnraoo o Sr. consetbeiro Paranhos a partir
para a AssotujK onde i referido ajaste
leve ser assid<' conjuntamente pelos
wpiesentaates aquellas potencias e o go-
^eriii provisoria do Paraguay.
Tmlia aqualta govemo marcado por um
decreto o numero de membros que tanlo
i Assurocao como os diversos departamen-
tos da repnbca devem enviar assembla
cnnstittiinle que va reunir-se ;m breve.
Bedoya demfctio se de membro do referido
overeo.
A noticia que nos chega da Assumpcao,
deaaver atli fallecido de molestia o briga-
dero Prannos, nao pode dentar de ser>*e-
cebida eom profundo petar por todos os
Brsilire3. Depois de ter feito toda esta
loriga e penosissima campanha, e de em
-tmU ella haver prestado assigoalados ser-
lr.iM/t()inando anda parte activa e caz
as ultimas operaces qoe piweram termo
{erra, nik Ihe oi dado volver i patria
que to lealmente servir. O soldado a
ornea as baas iaimigas haviam respeitado
em cera baUlhas oi colliido pela meo trai
'CtH-ira da eofermidade que tantas outras
'vidas Ilustresnos ceifou no solo paraguayo.
A batallw que as ultimas noticias davam
imininente en Eotre-Rios ntre as tropas
> nacuma*} do general Caonesa e as de Lpez
Jordn, nao se chepou a dar por ter-se este
retirado para o interior, segundo as folhas
argentinas. Continuara, estas a pintar o
sudo das coosas aquella provincia como
)xtraordinar3mente favarawl ao governo
nacional, cojas tropas oceupam todas a
|)Ovoacc das margen* dos dos rios, ao
mesrao tewpo gaanadas par vasos de
ierra; mas a demora dos geaeraes em
aprehender movimentos rpidos e decisi-
vos contra os i-ebeldes claramente est
mostr do que a situaco offerece mais
diiflcudades do n*ie se inculcam. Entre-
tamo o presidente Sarmiento declarou em
estado de sitio a provincia de Entre-Bios, a
cajos habitantes -dirigi raais urna proela-
(3a, cenvidando-os a almidonar Lopes lor
dan e retirar-se para anas cases.
O general Gelly y Obes com
hagas nacionaes oceupava a provincia de
Corrientes, e nao constava que nenhuma
das outras se -houvesse declarado por L-
pez ludan, que assumindo a aoioria do
asatssnCO de tirquiza, ex itera contra si
4s numerosos partidarios e nnigos deste
gaaaraL
O congresso argentino dewia abrir se em
Buenos-Ayres na dii lo. Estando cortada
a >*i*m tMUgrphici) mitre aquella ci ade e
Montevideo, neriania lotteia ulterior temos
o estado eirtental -o governo pareca
parausado diante da revoluto que lenta
mente ia aajrottando. O genera! Caraba lo
iav.i anda em Paysand reunindo forcas,
oc insurfeatea, como se o temessem, se
iRosfr..v;,in ao wrto do Rio-N-gro. As
vaas partidas, purm. porcorriam nao s
iiiipuiemenle, mas at ievando aqui e all
vanUgens solire as do governo, os depar-
tjfnnos da so!, onde comrmridava o ge-
nera! I) HeiiFiqae Castro, nomeado com
mm4anta*geraldfl campanha, mas a quera
tiwaaato recesara obediencia. Para re-
io Nar asta .iin de accordo tencionava
*ia. api-evidente atile ir estabeleeer
>' qoartel-geaaral no Durazno como
l'"iro centra1, eseerando porfer dalli enviar
Itivxtwnente as snas ordens aos dous ge
wrae-.. Este fr-jccionameoto favorec! sin-
gut'rnente os rebeldes.
As cmaras legislativas votaramtinalmen-
ti urna lei para regular circulacao do
paiz/was n3o tal qual a desejava o podef
exaeatiao. Nao quiz este opporllhe se
g inda vez o seu oto, mas n'uma mensa-
g- io declarou qae a n3o reputa va suffi-
cieiite.e. aceitando-a, appellava para o fu-
turo qoe mostrara qoal dos deas poderes
me'hor coasultara os interesses da rep-
blica.
A gtwrra que fompwel4l achou-o
neste posto commandando inUrmaowote o
6 babtbao de infantaria. O bngadSwPa-
ranbos servio durante toda a luta, set reu-
rar-so um s da do cscreito, apexar de
achar-se gravemente enfermo no ultimo pi
riodo da mesma. Despio _s'ja -espada ap
Paysand e s embaiahoB-a ero Cerro-Lora,
tundo feito a marcha da ConcelcSo comu
caustico aberlo.
Durante a campanha oriental e a gaerra
do Paragoav oommnndou a principio o O"
batalhao de'iofantaria e depois vanas briga-
das e divisoes do exerdto am-operaftes.
Os ser\ico8 que prestou valerum-lbo os
postos de ten-nle-coroii1! at hrigaoeiro.
Tomn parte nos segumos combates: to-
mada de Paysand, passagem do Paran
combates de 10 e 17 de abril no Passo da
Patria, hlalha de 2 do maiu no E>tero
Bella
Zapata ero Catmarca, #fto.w ai0lJt ^oe^lii
utoriiaeao mveni. A &#aeUM vn9m\a pata
completar o abrir o^j^ ^ .
al, usa sunViwiemente
alldnWa. palas >^K e\ap a S'a ^ *** poros d, nisA rk,
nao tenao mq aecosario qae o bov^hu ubrtn-
eione, $e r^> alff-.ss quh razem suas tmi-d, euira
ponfci-p^njwepscor^Kr. -- r
As ooias'-aominattacoM' xieriorc* JfMhV'i.
qu^tssimM pU*/aieretu.Miims de vp*re!
.ftabelprt(iH de oilfeos ,^moj da Koimp* ; 4,
e para imMtt que. af %cj9 nao t)?5o aWofeiM*
subvnca dos Ruados Unidos .HlKo (fe laneiio.^
Entre tuj-km pranatius raalisulos fee aono,
Jjntaoi varias IMaf di; tapn df*trda ao
ansporte de. ihimigraatps ae teriwio fcil e
| lUinKadn n auauuai d >*u #tenenloid riqaza
i e pouu a;ao.
/mj/)afao.O*a,0oft ninigraBlesque reco-
bemw no auno i^aasado eacoobwao logo iue
desembarearam oeCHpaQao tucrativa. Ha apealo
dufe 'correales |n*derosa coolaie* % crtwcenie
esaabelecioa
(ta Europa para a America : a que
iliaco, combate de 20 e batalna de 44 de *> noru du Kirepa se- dirige de pwftremw j
aio de I8d6, bombardeamentoi de 14,16, **J2 "^ e -^ d Mtio Dalm esube'
m .
17 c 1K de junho. tomada ao Potrero Pins
em 16 le julho (era que fot ftido), aflsalto
de Curupai y (2 de setembro), bombardea-\
ment deCunui, combate de 11 de aoslo
de ISG7 no Estero-Rojas, batalha de lm
novembro em Tuyuly, tomada do Tefciqia-
ry .(i& de agosto do Wf>8), assalio e turna-
da de Lom^s-Valennas. No ulm i pari-,
do da guerra esteve snb as orden* de gene-
rol Cmara, commandahdo ama divisSo das
tres armas, e concurren do .pata o brilhante
desfecho do combate do Aquidaban.
Daixa vinva e qmtro'rMhns aores. O
hrgadeiro Paranhos era official da ordera
imperial do Cruzeiro, commaedador das de
Christo e da Rosa, cavalleire da de Avix.
Tinha a medalna fio mrito militar '>. as das
campanhas i 18511852 e de 1
1805.
lecer-so su Mi i* TYata.
A unmigrajiin, aois, um dos assum|to3 raai<
Imporutalw ao tiossoa torap,.s, e ij< pWtauto,
que as M* ugrarias. as da kisiruciTu publica e de
aiturasHgti se conforme e.nn aVsua oecesida-
des c prefiera incorporaejio na socieade de que
os immifsrantes veemsformar parte. <* gweroo
recebe litiqueQtiimeulu propostau para acelerar a
imtuiir*t*o agrcola, e seu agentes na Europa
drtlauHeii cam intultigeocia dados estUKticos so-
' "bre as .-wagen que uocso solo oftVrece, aflin
de (aufein com que o cnahecimento dells esteja
ao alcance dos que, para melbirarem do cndi
^io, queiram procurar nova patria.
KiecavamaUo.Levaotau-se o. priroaro recen-
seanientu da {{publica Argentina cujo algarismo
toU f ti de t,7:t6,70l liatjitaiiies. E'-me rato di-
tur-vos que esta operacao, ha taat a anuos esqu-
jala, |oi exicutada cora perfeicaoie exactiao
mai tres, talvez, do que o teeia alcanado outros
Estados em seus primeiros rasaios.
Exposiro de Cordwa.Todo* os trlbalhos mar-
cLaui coiii aetividade, e as obra coitraiadas em
Europa e Riladjs-Unidos para a cdtstraccau do
palacio esto em andameuto. A popul|(ao a* mes-
Conferio-SO bonteu. o (TO de dOUtorem ot^P" emprca esforco* "i^rAw-se viva-
.. j,.;. h, menle para o boai xito da eaposicai tendo wdo
natbemvbcas e physicas >osl*rjM1^4^lwWJJwa^llabH^UlIj.
sci encas
algumas
citareis as mesmas sciencias Antonio de,ose.Europa.
PanU Freitas, Aristides Gaho de Queiroz
e Jos Martms da Silva, fazendo o discarso
de apresetrtacSo como padrillio o Dr. Ga-
briel Mitao de Vilianova Machadn, e de
aeceitaco por parte da congregaco o sub-
decano Dr. Candido de Azeredo Coatinho e
o de afradecimento era sen nnme e de seus
collegas o doutorando Antonio de*aula
Ffeitas.
- i
O vapor maje Ctty of Butnus~Attres, entrad*
bontera do Rio da Prata, adiaata um dia< n iti-
ci.ts que d'alli linhamos, trazendo fluas de Iluo-
no--;\yrs de 17 Montevideo de 18 do-crrente.
N Paraguay eslava lixado a aia 12 de juaho
para eleicao dos membro* da assembla ransti-
tninte, e ilizem as folhas da Assumpsio haviam
varios clubs urgaolsad ts pan disputaran o trium-
pho das urnas. Beceiava-se mesuio <(uaas*lei-
foes ftiiaam uta peaco laaintiuaak i
Por decreto do 4 de maio a goveruo provisorio
declarou propriedado da naco c* bet que per-
teaceram a Solano L'pi;z, e" embargados os le
Elys.i Lynch a:e aalanM de qnaciquer causas pu-
blicas oa privadas, eiteis on crirainaes que res-
peito d'eiles so inslaarem. L'.u artiro awaaa que,
para que na se apaguem os vosgios dos cri
uies que a conscieocia publica farpezar sobre a
mesma Lynch, seja asta quanto antes processada
criiiiinalniei4e e intimada para comparecer por si
ci por procurador bastante. Na previsao de que
Olla nao acuda eitacao, maede-selhe comear
um advogado que a defonda ex offio.
Helativameute as revoluces de Entre-Rio< e
Estado Oriental, neirhuin facto do importancia se
menciona. N'uma iltia defronw de Payaand. re-
ferirn os esculcas do general Carab.iHo, foram
vistos 500 a 600 homens com divisa branca, igno-
rando *e se eram Orientaos oa Entre-Riauos de
Lopes Jordn.
Da menstfgera que o presiilelite -'armieato diri-
gi ao CoBgresso argenttao por ocsasiao da aberj
tura, extrahnnoi os seguinles tpicos que nos pa-
rannodo Paraguay, o raaior acsatecimento hi's
lonco que a America apresentou expectativa
uuiversal no aono decorrido. O mondo estava
ahombrado da dra^ao d'.sto luta, e ignoram-se
anda, porque o boin senso repugna a acredita-las,
quania barharidade e quanta obstinagao da parle
de um inimigo ja vencido contribuiram para pro-
longa-la.
O Paraguay aberlo hoje a influencia Jaeivilisa-
cao, e em contacto com todas as nafo^ t, comeca
a darse osiitnieoes republicanas ; e reparara
muito breve os estragos da guerra e da tyraaoia
hereditaria que pesavam sobre eUe. Apazesl
resiabeleeida pelo triumpuo das armas alijadas ;
e pertencero ao dominio da historia todos os fui -
tos concernentes i esta guerra verdadeirauvnte
extraordinaria, licando tmente perennes nossof
votos pela independencia, prosperidade e liberda-
de de um aovo lao deegracado.
flahaOn exteriores.A cotacao dos fundos ar-
gentmos, na bolea de L ndres, di idea do crdito
qjo lem alcan.ado a repblica na Europa quanlo
a sua capacidade e voutade para satisfazer os
compromissos fiuanceiros ; ba. porm, um crdito
nioral para os povos que nao se cota nos merca-
dos, e goca desse a repblica no ais alto grao,
ravurecida pela opioio do mundo civilizado, que
acompanba com vista) benvolas os nosso pro-
gressos. consideraBdo os rpidos, e reputando-nos
ja isentos das deordens a que parceiaraos con-
Espero.'pois, que estmedida seja
fecunda em hons resultados.
Gudes.A expoitacao delaaem p69, pela al-
fandoga de u"nos-Avr.:s, foi de lilOOOOOO li-
bras, e.wedenJi ti,00t),000 a exportajao de 18S.
A esta exportacao lem de se accreweniar a de
{OO.OOO.OJ libras de graixa e sebo k iS.OOO.OOO
libras de duros, pira se poder calillar toda a
extensa e progresst d'esta iuduslria, |ao obstante
a nauvel decadencia do pre?o aos se* productos.
Os oulros ramos da industria de er^-io coati-
nuaram *tim progresso no decurso do auno lindo.
Aos magniUoos resultados obtidos p jI. induti'ia,
a que obainarenws primordial, accrespram e^te
anuo os dos cereaes, cuja re muera ti a colbeita
parece satisfoaer pela primeira vez as lecessida-
des do cou'-.umo, aspirando, pelo seu ipidodes-
envol vi ment, a mini-iiar anda um exeellente
artigo de expertaeao.
Kend'i pubiioi.As-renias publicas nacionaes
altingiram e;u 18i o algarismo de 2,676,680
pe 80 .intiinos fortes, de 18iiS.
A nao ter sida a baixa das tarifas e i >s direitos
de alfaodegu s.Ore ai tigos de raaior cot uno, ette
augmento seria rnaito awis avuliade i ia mesma
progre> ijue a- rcuJas publicas t. m obxido
desde 1861.
No primeiro trimeure d'este aano as ijudas pn-
hlieas foram de a-.01a.QSl pesos 86 cj timos^ for-
tes, hadado, porianto, am augmento < l,133,ai6
pesos 90 ceotm.js fortes sobre a do rioJo cor-
respondente n> auno anterior. Anda |ue lao sa-
tisfatorio resultado padesse serattrili ido alle-
racao -ios dveitos de alfandbga, e crer que
una- meluora- proporcional se fa^a setir-ao* ou-
tros triine.-tre.', pois que os cosos pi duelos sao
procurados, e ftada anuo os recursos o paii vo-
se multipbcDdo. Tambem deve ter contribuido
par aquelle augmento a maior resilaridade no
processo dos daipach-w d3S alfandeg*, a perse-
guicao do contrallad}, o exame revisao das
coulas dos anoos aotenorus, eia que acbam de-
rliis larde u-
llberlaciodeeseravos. Foram libertad^, trerrt-
ancas uessa oceas%o.
Os acadmicos fluminenses offcretcrara una
medalba ao Sr. coronel Amorim (ttngel.
Noticia o trrelo Paufwfiwa^joe fcCasa com-
merdattosiflg Brothers &.G. pfit disposicao do
Sr seaador Souza Queiro a aquantia de (0:0001
par* soccorros aos que maii tenham soffrido com
Afnerrtr.
"~ T) tguape tjcrevem mama foha:
0 hiato SiDifa-Arario, capltio Lafa era ana
t'teem do Rio a Ganaaa perdea um marinheiro
de sua tripulara-, por nome Luit lose de Fraaca
o qual rol arrojado ao mar em coaaequencia de
til-o apanludo a retranca do aa*io em orna rol-
la que fox ; couiinuando a viagem para este por-
to, acoateeau cahir-lhedoguraps nm grumete o
qual fol salvo pela lancha que viaha a reboque.
t Rstava-hontem esta embarea^iio conweenaoal
can egar, tinha dous aomens no poro accommo-
daodo as saccas de arroz que dous outro3 toaa.-
vam no oenit,aarriavam a bata da coberta,
quando um dcstes perdendo o equilibrio tombou,
ucaado penco eoatuse por naver am dos que es-
tavam uo aorao receido na quJa. Nao parou
aquvaalpnrismo do navio.
O marinheiro Antonio dos Santos Grilho es-
tata acabando de Ipparenr o mastaro de r,
lirmm-se no po da carga, quando faltando Ihe
Um ctbo de que laucara mao buscn apoiar-se na
adrica da b icci da verga da vela grande, e nao o
alcanzando veio sobre a borda de tMlibordo onde
esmigalhou a parte anterior do crneo, fracturou
o bra^o, vndo a fallecer oito horas depois, pas-
sandj por um verdadeiro martyrio. >
Bi DE J VNEIR ).
.S, M o Imperador resolveu tomar luto por 4
meifes, sendo 3 pesado e 9 alllviado, pelo passa-
mento de S A, R. a Ju jueza de Berry, irmaa de
S. II. a Imperatriz.
O senado elsgeu, no da 20 o presidente e
vicepresidente da mesa, recahiadu a ewolha nos
rs.: visconde de Abaete, presidente, por ii vo-
tos ; bario das Tres Barras, vice -presidente, por
Id voto; deixand) de eleger os secretarios res-
pectirof por falta de numero legal, motivo porque
nao fuiccionou depois desse dia. (i
A cmara dos deputados funcionava com re-
gularilade.
Na seso de 16 procedeu-se a eleicao da- com-
missoes, lcaodo as do orgamento e cuotas assim
emposta : 1* Henricjues, Pengao Malbeiros, e
Pereira da Silva; 2* Theodoro Silva, Capanema, e
Casado; 3* Silva Nunes, Heraelito Graca, e;Alen-
------------------------------_,-------.,-----
A assembla jtfal decreta :
Augustos e dlgniisiraoi Srs. roprescniantes da
nacn__Em cu'.nprimehlo da le:, aprsenlo vos a
seguinte proposta
Art. 1 A* toreas do ierra para o-anuo floao-
pero de 187( a 1872 constarlo :
I. Dos (ffleaos das diilerentes claes do
quadro do exercito. -
2. EudEiriWnstanahs-o'rdiiiana^ de ,000
pracas de pret, e-db 32,(100 m clraBeisUia ex-
traordinaria ; p.Wtenrio, na bvufBeiencia de ou-
tros meiasj drem as forijas xtraordinanai oreen-
chidas por'guarda nacional dsucaa.
S 3*w conjpanbias de aprendlres arthei-
ros, nao teedendo de {000 prafas.
4,!.l2|overao desdo ja autorisado a alterar
o quadro no corpos do exercito movis, eAptfuar
nicao reduxtad) o su numero, e organisando -o|
conforme as aecessidades- rto serricn.
Revogam-se as disposicoes em contrario.
Pago, em 11 de maio de 1870.Baro de Mu-
ritiba. >
Sala das commissoes, em 19 de maio de 1870.
-Jesumo Lamego Costa. F. Raphaet de afeil
Reg.
t A enmmissao de marinha e guerra tendo exa-
minado a proposta do governo. que Bxa a forca na-
val para o anno-flnailfceiro de 18T1' a" 1872, de
parecer que seja convertida no seguinte projecto
de fei:
A assembla geral deireta :
a Art. |. A forca naval activa para o auno ft-
n.nceiro de 1871 a 1872 se compon :
!. Dos offlciaes da armada e das demais
dasses que Cor preciso embarcar nos nario de
guerra e transportes, conforme suas lota^iies, 6 a
dos estados-mamres das esquadras o divisoes na-
va es.
t g 2." Em circunstancias ordinarias de 3,000
pracas de marinhagem e de prtt dos corpos de
marinha, embarcadas, e do 6,Oto em crcumslan
cas extraordinarias.
3. Do corpo de iraporiaes raarinheiroi do
ente. A eoaew-
senifeso CQDcorJsrem
s togenuo?, e Mi io-
inwato dos tuieressadoe
oTsViialres sa abrigados a libertar
car Araripe; 4" Lamego, Galv.i.), e ftenjamim; o'
Silva, Gamillo Figueiredo, e Moraes e Sil
Brrelo," Affonso de Carvalho, e
17 foi approvado o seguate pa-
~~~rqplfr*ni Torip concedidas
iosIo de- alteres do esircito ao se-
l.im.i e
va ; 6" Barros
Cruz Machado.
Na sessao de
recer:
< A commissao de consttuicio e poderes, qual
foram presentes as actas da eleico primaria efec-
tuada em 2i de outubro ultimo na pirochia de
Marvo, da provincia uo Piauby, verificou que^o
proeesso eteitoral correa com regutaridade, nao
havendo reelamacao nem protesto algum, o de
parecer que a dita oleirao seja approvada.
c Sala das Bnnalt<8W, em 17 de maio de 1870.
Manuel Francisco Coni.L. A. da Silva Nu-
nes. >
Foram aliados os seguimos :
Sendo presentes commissao de consttucao
e poderes as actas da eleicao primaria a que em 5
de Selembro ultimo se pnwedeu as paroeUa? de
Sousel e Muan da provincia do Para, verikou
ter corrido regularmente o proccjso eleitoral na
poochia da Muan.
t A elei^o de Sousel, porm, nao est no caso
de ser approvada, pois que nao foram declarados
na acta ia 3' chamada os o unes dos votantes qoe
a ella nao aeudiram, contra o que expressameute
determina o art. 49 Ja lei regulamentar das elei-
joVs.
E\ portaata, a commissao de parecer
i." Que se approve a eleicao primaria da pa-
rochia de Muau.
2." Que saja .-maullada a elei^a i primeira a
qoe so procedeu a o de setembro ultimo ni paro-
chin de Sonsel, mandando se proceder a outra.
Sata da i sonMaisaoaSj em 17 de maio de 1870
Maooel Francisco Correa.L. A. da Silva Nu-
aes. >
< Foram presentes a commissao da coastituicao
e poderes as actas da eleicao primaria a que se
proceden a 31 de Janeiro de 1869, as parochias
do Nossa Sonhora da Penha de Praaoa di Taqua-
ra e-de Nossa Senhorada Assumpcaodo Alhandra,
do 1 districto eleitoral da provincia da Parahyba
do Norte.
bitada* grand's seminas, sjib que, .
vessem enirari" par uumw .. --------- Verili:a.ndu oe as eleicOes corrw*... "-*--
imas testo nem reenmacao algumi, a commissao de
as nonras do posto de-aireres do exweito ao se- pan.'ivr que sejam ellas approvaMas.
gpud.. -"aruerito du ;i> cerao de volu|Uirios da pa- ] Sala das cotnuissoes, era 17 de maio de 1870.
tria, A lomudas Jos da Costa Bastosj eai atteu.;ao Manoel Francisco Carrea.L. A. da Silva Na*
aos relevantes servicjs que prestou na guerra m.
contra o Paraguay.
l'jr portara de 19 do correte foi nomea
<1o \ntonio Das Tavares, amanuense do ar-
chivo publico do imperio.
Por decretos de i3 do corrente foram re-
novadas as egointes aittorsatoes concedi-
das : ao desembargador P.ilycarpo Lopes d j
Lria par. lavrar mineraes na comarca da
Chapada, da provincia do MaranbSo; a Ig-
nacio Jos Ferreira de Moura e ootros para
xplorarem mineraes as margens do ^oa-
i-nnm, na provincia de S. redro ; ao des-
mbirgador Polycarpo Lopes de LeSo e
Nathaniel Plant para procederem exp.ora-
t?ii de mineraes em varias comarcas da
provincia do Maranbao.
O general Paranhos nasceu na Baha em
H de ag sto de 1818. Em 837 e I83K
nervio como vokwtari.. durante a rovoluca)
da Baha, sentando prar,a de I9 cadete, ap-j-
tias saffocada a rebellii, emarchando'Jmu
. rara o Hi^-Grande do Sal. servio alli desol
IS'18 at pacificaclo d;i provincia etp
I8i.1, sendo proawvido a aieres e tennis,
< athando-se entre outros comates, na ba
alna de Taquary (3 de maio do l"8i0) e no
- mbate de Iobatium (13 de junlio do m?Sr
too aaoo). Fez as campanlias de i8l
I>1 e foi promovido a capillo pelo mod
It^iiteU D,ir(jne sfl iouve na batalha d.-
-t-Ciseras. Seguio om 8S-V coma
spedivio do chefa Pedro Frrea para o
"angiuy. e servio durante oanin de S56
junto a legae5o impe-
das
de: uados.
A cordialdade das nossas relajos com os go-
vernos das outras nac^es inspira se neste bom
onceno o mostra o desejo que os anima de nao
eiabaracar, antes ajudar o governo argeotinr na
uobre tarefa de desenvolver os, valiosos recurso*
do paiz.
Celebrarara-se varios traudos cora algumas na-
gpaa e estao era negociacSes outros, tendo sido
raticados na sua raaior pateos que foram sane
clonados pelo V. H. no ulmo periodo legisU ti va
A mais perfeita harmona reinoa entro as ao-
tancias alhadas durante a guerra contra o tyranno
ao i aragtuy, e contina boje inalteravel depois
aa victoria. Os plenipotenciarios das tres aaeoes
oceupam-se de perelto accordo ero flxar as con-
*eoe> de paz com o actual governo do Paragoav
e.uquanto so nao constitue a autoridde w-rau-
nenie para e*ie6rjram-se com eila os tratado de-
j l'Ii? 1ue se acham ndkadaa no k* de maio
de 186o.
Interior.A tranquillidade publica que- reina
ra em toda a eatensao do aaz durante ai aono
de-wrido foi receatemente perturbada; 'mas a
postcao que a repnblica tem sabido conquistar in-
duz a crer qoe nao continuar a ser alterada, ama
ez qae tenharaos vepeido a crimioosa rebaan
datrtieJIe que deu a morte jo go*moda ntre-
nlos, para elavar-sa na seu logar.
Fiaa terreas. -UBI. m>\h* -i
Peio ptacno PUlo .', -entrado noofem. recebe-
mos datas de i'orto Ale-re at 9 e Ho Grande 14
do corrente.
Ao brgadeiro commandanle da Uamicao e
inmteira do Rio Grande lora expedida orden para
fazer marchar para a cidade do Jaguar) o pr-
meiro bauiliao de i:ifanlaria que ehegasse do Pa-
raguay.
Picava a partir da capital para ofiio Pardo o
casco do qnarto corpo do cacadores, sob o cora-
mando do tenenle-coronol Drilhaate, ai.i de ser
alli reorganisado.
Fura assassraado no municipio de Camaquan um
moco de nome Ernesto Vieira Rodrigues, filho oo
jenentecoronel Palricio Vieira Rodrigues, ja fal-
lecido.
Acbavam-se presos na cidade do Rio Grande e
era processo cinco pretos. escra"os, su--pe tos do
assasinato do teneme-joronel Carvalhoeu'e seus
netos no logar da Mangueira.
Naufragara no dia 3 na costa dai torres o. navio
inglez ia Have, que vinba de Boium eom carre-
ganiento d* piuho.
A Sra. D. Candida Pisto de Mello, desojando
eotaaemorar o di de h-ije, anmvrsario de urna
das mais dispuiadas batalhas ganbis no Paraguav
pelas anus alliadas, concede carta de iiberdade
sua escrav* Mara da Gl ra, de 6 annos de idade,
incumbindose de mandar educa-b.
frreas.
queaJa ao semeu puWieo, 0 em coustruocio,
10 contratadas WOeoj estudo forman a tataTi-
aatto dos no.vos eamiatios de ferro.
O sibito. da locomoava
OHRIO DE PEnNiWeUCO
RECIPE, 30 DE'MAnTDE 1870.
noticias do aul do Imperio.
Amanbeeeu bontera fondeado no temario o va-
por raglea Douro, trazend.. datas do Bio de Jane-
ro at e da Baha at 27 do.crrante.
Sobas rubricas Eafetior e interior damos por
extenso is noticias mais importantes, alm das
quaes s eoconlramoa nns jornaes as que segoem
Recebemos iornaes 19 demarco ultimo
publica um jornal ama earta do porto da Lmpol-
dina, onde ebegara e vp.,r Cokmba D boas
noticiag a respito da viaS...ii d<> bates a 8aiu
Mana, bem como d mniiaaalii con rolal df
Mpol'lwa. Consta que m m liui flatta) fc>n.|i
wsa noticia de que o vau-.r f.Mome a ia aprisi-
aaro e-pararam na nnrtni
me nao dedara, u cora ^nvos e-afr.iiMDta
explorar as celebiw
coo^pletou o,
frcuiovido a major.
. resooa- jis porta de
"fwir^ para avwar a^uela r'ca proviaendaqu*
gon a hora de aouiapaaoa/ o movimaato. pie
Mrasta h.y o mundo civtlieao. Estt v Tarrea
e uiii verdadeiro monurnento de boara par a re
publica. *^
k/^rapBM.-,Tanios ja .fanceionand a* terri-
f _no da repblica 836 mudas de linbaa tahira-
paifas ; e aedam-se actnatoante mais o"e 1.000
em va de coMtrucca.. O Cabo atrava di/na'j'a-
rana sera assentado da.|ui algunacias..
rata-sedeuar um extre;n.i das iwsiii innav
as uo Brasil, para p-las era onta.to eom o cabo
submarino ja ooniratado na Eunpa, a qu*ligara
entre sr os dous mandos.
/'liradas. -Este ramo da adminislracao pit lira
lem lixalo principalmente a altenca^ do uoni-rno
crendo asiin prover a necessidade primordial do
O ministro arg.-nan no Chile e o governo i
San-Joan Co.amunicaram como am impon me
acto a ousada eaiveza, reabsaa com eliK'xi .,
3 Castro da alraiasuar oa Audfsj
rial de Montevideo
Voitando ao Rio- qae oecupava a band Oneat
rorso da arma
instructor de 1' ciaste da, escola militar nre- 'T^S^Siff > ******** W
v.'r*m do R,o Gran Je a Jogo d^is aja- s,iSStSS i Jf^SSSA! "3SSZ -t10' *ttS2'
o inte do director da raegina escol" Em 2 J> e coatiaaam all o aa?S|ff*SS. iSSStSSSSS^T^'
de dezembro de 1860 foi por mercimto ^^/rAajkW --
Ja arma.de infantaria e foi horneado lJ!\.T^lf t***"****^ logo foi se, aabaam
minas t\g ouro detraes.
ItWAS GtBAKS.
^Ummumeam ao Phnrot:
tA 4 l'a V do abril u,t,^^', a freaiezia de ,q
tose do Paraso, tormo de P.o
f-.!!,.na4-** V'* ht*+* P-r oe.--a*A. d-nm,
irie t..i esde, urna faisra e|-trifta, n,etra,0
"-"'"ba da rasa d. teneni.'.B.,rowl Jlor-nha
^orprenfleu alli,u ve|ies..as. qaa-j todn e--rava-,
sern qu- off^ndsse a nenmnaa, n a.ffr tan ap
as i das grande choque; .,Sso qi n im-
ninn de 4 anno, qoe m rh.va ntai--Lb-ite .1
logsr estragado Ph| raio, -o. .,r ,I1C >, n -..
quarto de hora sera sentidoc, ^ h rer i ou me
Ji ni^ ih recursos que Ih- re.i -u d le ,e-iie
'or1.al.V>rlia. Notiv.-I f-.i a mm, ro,
H-itoa-> iie. se achava da part- oxl>*na 11 v '' '-
oa Ciziulii, em que est-nvaoi as pes.iaM Ir
mesma f / eapirnduzio na -i.-fnmif
-nte .-,, sr !>*- Atit.-u- Ratttituaa G io.r .
graodes t-sirag,,., ., p^4r 0 eM,.an{4ndo p r
o ira um menino .j i -e a-bM aa s pesoa aleara : fos..-- virt o di ul faisi
S. PABt. T
Ateaaiain 20 do coaTot*as>a*aa'j,ijer> l^^aaiSilva \
Pi approvao o seguinte requer ment :
Reqneir que se consigne na acta um voto de
recoahecmiento e gratidao desta augusta cmara
aos dignos pares e deputados da naca poriuguoza
pelas demonstrares de sympalhia e consideracao
qoe manifestaram ao imperio do Brasil, felicitau-
do-o pqla gloriosa conclnso da guerra contra o
governo do Paraguay.
Cmara dos deputados, em 17 de maio de 1870.
lesuino Lamego Costa.
Proseguindo a eleicao de commissoes, foram
leitos : prosdes-Araujo Lima, Gomes de Cas-
tro, o Carneiro da Cuoba; fazmdaAndrade F-
goeira, Pereira da Silva e Cardoso de Menezes ;
justiC3 civil -Burgas Monleiro, Gama Cerqueira, o
Ponido; justica criminalAleacar Araripe, Souza
Hei*. e Duque Estrada Teixeira; diplomacia-Ta-
qiiMS, Leonel de Alencar, e Candido Torres, filho;
miriohae guerra- Lamego, Mello Reg, e Rodri
go Silva, _
Na sissao de 18 foi approvado o parecer se-
guinte :
c A commissao de constituiyao e poderes, exa
minando a acta da eleijao primaria a que em
2i de outubro ultimo se pr jeedeu na nova paro-
chia da Manga da provincia do Pauhy, nellas en-
cwnlrou a itortaria do vice-presidente da mesma
provincia, eom data do 1* do julho de 1868, mar-
eando para a dita, parochia o numero de 7 eleito
res. t-undou-se o acto do vice-presidente na
qualificago a que se prcideu, quando o 11 do
art. do decreto n. 1,083 de 18 de agosto de
1860, dispoe que a distribucao do numero de
eleitores das parochias aovamente creadas deve
ser feita sobre a base da aualifica-Ao anterior oo
desmmbrameuto.
< Sendo neee-sario coahecer exactamente se a
fixacaodo numero de eleitores da parochia de que
se trata foi feita de inteiro aecrdo eom. o preceito
legal, a comiiii-sia e de parecer que se pecara
sobre este posto informacoe ao governo.
- Sala das cammis-5es, 18 de maio de 1870.
Manoel Francisco Corrj.L. A. da Silva Nunes.
J- i. Teixeira Jnior.
F >Nido e mandado imprimir o seguinte pro
lecto sobre legisUcIo, penal de escravos :
< Ai a-eraula geral resolv. :
t Artigo unid. Fie ra rev >gados o art. 60 do
oriigo criminal, a lei de 10 de junho do 183o e 6
an. 80 da le da 3 de dezembro de 1841-
t Puco Ja cmara, 18 de mak de 1870 The >
t.-M a. F. Pereira da Silva.
Na -essao de 19 foi ttdo a approvado o seguinte
parecer:
< A catarais a > de coasiituicQ o poderes, tendo
exaouiiado as actas da 4Hei(:u> prim -ra a que se
i irore.tru u i ulbaa dominga do niez de agosto do
anuo fiado na frrgrwa deS. Vicente Ferrer.per-
imnvnte ao { di-tncto eleitiral da provincia- do
Maianhai, recoobe-eu terem sido observadas as
prmcriiices legae>, nao ter hivido protesto ou
ro ia,o;^ i dr espacia alauraa, notando menas
t-r i nt-a resol ido tomar em separado os vatv*
i cid* i.tos r.'si lote* aa parte do territorio des
n- iibr-!.?d*nieswa freguezia para formar cora a
pa te a de S. tu s B nto J< Bteurltubi ; resoluao qoe aa >
l e s-r maatiaat por bao otia a creaco da nov
.iar N-qia firma.la de territorios desmembrados
fe f.gne/ias neitennaoies a collegos distinnos
ftpMfl ter eff-ilo algam eleitocal, e os cidauos
la rendentes coatiouam a votar na freguezia a
,ue p.-rt-nciam >< re pas, a coivnissio de parecer :
t lOu -eJH approvada a eicio primaria da
pai o, ,ie S Vicente Ferr.T.
tpri^n t S* Q u< ejaiu conato o- votos ilis ctdadao
p"s no ten* tori ^su embrado para a aova
fieguAtia dy S Brnto de Bncorituba, que a mesa
"la ase oblea par oebial t .moa era separado.
Aw eonmissoes. 10 de maio do 1870
*oaaarraoc'ri>-,>i(ri,r-J. J. Teixeira Juaior.=-


a Salta, de Salta a Qaebabadlwrdel 27 '^fafSS!"'
*/ cute fiat a
Fin* mandados npnrair
batalhao naval, das companhias de aprendizes ma
rinheiros, creadas por lei, e da companhia de im-
periaesmariaheiros da provincia de MatoGrosso.
t Art. S. Pira preencher a forca decrtala ho
artigo antecedente o governo aa'.orisado a dar
gratificac^s aos voluntarios que se apresitarem
para o servico, a eomraUr oacionae; e eslrangi-
ros mediante eoncessao de premios, e a recruiar
oa forma da lei.
c Art. 3. Ficam revogadas todas as ""disposicoos
em contrario.
t Palacio do Rio de Janeiro, em 14 de maio de
1870.Baro de Cotegipe.
Sala das comuiisses, era 19 do maio oe 1870
Jesuino Laraogo Costa. F. I'.aphdel de Mello
Reg.
O Sr. Pereira da Silva nsliikou a se?uinte inl-
ca^ao, que foi remettida a commissao de polica :
t ludio qoe todas as co:nin:s-es denominada
do orcimeotnsa reonam para o-iiaiii-arem ira-
halhos que Ihes sai incumbid s, e oso eonunoom
a interoor pare.-.eres solada nente ; e quando se
entenda que nai eoavaaianM wta us-Moal; m
dico que haja daqui por diante urna s commissao
de orcamento para a desp^z* e reee>ta publica,
composti de nove membros.Pereira da Silva.
Na sossa de 20 foram I i dos e a poro vados os e-
guintes pareceres :
A commissao do ennstituicao e poderes exa-
minou as authenticas da eleii i primaria a que so
procedeu na parorhiada cidade de Bragainja, pro-
viocia do Para, em 31 de Janeiro do anno passado.
Helias consta que, teado a parochia 1.27% votante
qualllicados. acudiram 920 s chamadas, doixaudo
de votar 3SV Feiu a apuracao para se coattecer
quaes os que eniravam no numero dos 16 eleito-
res qoe d a par >ehi.i, wrifteaa-se que os quatro
primeiro- liOerara 46J votos cada um, os >eis s>
guntes 461, e os dez imraedia'.js a estes 4b) ead;i
nm, sendo pirtanto necessario proieder-se a sor-
tera para o djsempate devendo dos dez ltimos
licarseis rom eleitores o quatro como suppleo'.es.
0 3t votado, votos, 5 vid; ap-nas menos que o primeiro elei-
tur. Qoer i-ti dizer que a etetco foi muito plei-
tead i e a coitenl muito renhida. Cmsla igual-
menta d.s artas que dos votantes que d^xarain
de votar e eujos nomos vem nbllas mencionados,
como determina a lei, uns fattarnra por motivo
de molestia, outros p>r ausentes da parochia, al
gitns por terem sido recolh dos a ctula no primeirs
da da eleicao. e outros por tenem montada so/*-
no destacimento du cidade. >
t A commissao |.snsa que somelbalte eleicao
ala pode ser approvada, sendo por i-so de pare-
cer que so annulie, mandando so proee-Jer outra,
prddus o destacamento a que so refere a acta em
questao.
i Sala das commissoes, e:n ib de raaio da 1870
L. A. da Silva Nunes.Manoel Francisco Car-
rea J. J. Teixeira.Junior.
Nao tendo havido protesto era recliunacao
alguraa contra a eleicao primaria a qna se proce-
deu em 31 de Janeiro do anno passado na parochia
de S. Laii Goazaga do Alto Merim. do 2 distric-
to eloiturai da provincia do Niaranha, a commis-
sao de coustiluicrio e poderes, qml l'oram pros
sentes as respectivas actas, nao descubrindo n.il-
lidade. de parecer que sejj approvada a dita
eleicao.
Sala das commissoes, 20 de maio ai 4870.
Manoel Froncisco Correa.L. A. da Silva Nunes.
| J. J. Teiieira Jnior.
Foi approvada a seguinte emenda foila e appro-
vada pela cmara proposicio do >enado sobre
os asseotos que devem ser tomados polo supremo
tribunal de justica.
- Substuase o art. 2." pelo seguinte :
No julgamento das revistas o supremo tribu-
oal de justica, a requerimer.'.o da qaalquer de
seus membos, ou do promotor da jostica, dever
tomar asseutos para a boa iaterpretacao das lei
civs, commerciaes e criminaes.
1." Para esle efeito depois da decsao da
revista, urna commissao de tres membros far o
reatorio da queslao, e ppnraado-se em favor de
qualquer opioiao maioria de doas tercos da tota-
ida de de otos, se lavrar o assentn com a expo-'
sicio de >eus fundamento?. A minora peder
deduzir era voto separado as razoo'.', de sua diver-
gencia.
o 2. Oassento, urna vez tomado, so poder
ser. revogado pelos membros tramites, maioria
de dous Mroo, e em virtude da nova revista >obre
o ponto controverso. O novo amia nao ter ap-
plicaco ao caso occorreute .que o ti ver provo-
cado.
$ 3." O sasete, emquanto nao f.r revogado
na forma do paragraplio antecedente, nu cassado
pelo po ter legislativo, oprigatorio para o supre-
mo tribsoai.
Sala das commis5es, em 19 de majo de 18"Q.
Joaquim Deliino Ribeiro da haz. Candido
Mendos do AlmeiJa.J. Evangelista da N. S. Lo-
Kiato.i
requerimento do Sr. Andrade Figuera fji ve-
tada nominalmente a proposta do governo sobre o>
crdito de 20:000j; para as despejas do T'-Deum
pela terminado da guerra, e appruvada, vitando:
a favor os Srs. Fau>to de Aguiar, Gomes de Casi-
iro, Pinheiro, Janeen do Paco, Candido Mondes,,
Heraelito Graca, Salles, Jaguribo, Fernandos Viei
ra, Figueira Je Mello, Domngnes Alee r Arari,-
pe, Raposo da Cmara, Pinto Possoa, Dioga-Veln-',
Moraes Silva, Souza liis, Barros Brrelo, Corre
de Oliveira, Theodoro da Silva. Ferreira de Aguiaij,
licha Cavalcaate, baro de Aracacy, Portella, Au-
gusto de Olivoira, Meiio Reg, Casadoy Maueze
Piado, Guimars, Dionysio Martins, Gonjalve da
Silva, Boaifaeio do Abren, Aran jo Ges, Junquei-
ra, Fontes, Silva Nunes, Ferreira Vianna, Bornes
Monleiro, Duque-Estrada Teixeira, Besario, Tei
xeira Jnior, Lima e Silva, Antao, Pinto Moreira,
Murta, Vicente. de Figueiredo, Lou Carlos, Joa..
Mandes, Paula Toledo, Nebias. Cardoso de Monez-,
^lello Mtttos, Paranhos Jaoior, Correa, Lamego
Evangelista Lututa, Braga e 6imo Lupes; e coa-
ira os Srs. Angelo do Amaral, C, >elho Rodrigue,
J. de Alencar, Candido Torra; Filbo, Pereira d.
silva, Aodrado Figueira, Cani'!-> Figueiredo e Ca-
paooaia.
Na sessao Je 23 foi lido e mandado imprimir o
segrate projecto:
A assembla goral rosolve
Arl. !. As leis que reculara o estalo servil
connuara em vigor com as inodifica^des se-
guiotes :
Arl. 2. Sao livres ou ingnito* os filhoi de
mulber escrava que nasccrera Jepois da {Manten-
te le.
l.u Os ulhosde mulh ; < scra?a,deqB6^a-
ta o artigo antecdanlo,-lo oarigados duraa.e a
sua minoridad.! a seivir grati:i ment aosaeob
res de suas mis.
'-------"*n-----------------------
i. No ca.o da alienarlo ou transnassie da
propriciade da imilfter esraaa, a que sa refero
asa lei, os Una* menores da 7 anao do idae
ncompanbarao Rtt^si n< O aovo senbor Rea
subrogado nos direitos e obi&acas de sao ante-
cessor.
8 5.* As associacCes aulonsadas pelo governo
parraaa^-tiorisaaaTBBhriuiz de orpbao
o l-teT 6 io^poaflBraditos para ais-
is t adata i
sioser .rr-ipam
os anhores das- m
demnisaro tixada a:
e en fajta c
Art. 3."
sens r-cravos seaipre qoe esle ou alguem auio-
risado por cUes, otarecant a-aalor oevido O
pre ser fiaado a apraairaeaft dos interesaaos,
e na falla cesto, por arbitramento.
Paragrapho nico. No caso de libertacaade
escravos, o filhos menores de 7 annos de idaae
acoinapanhnrao suas mis, sein idemnisacao at-
guma.
t Art. \s 0 governo autorisado a andar le-
vantar a matricula de todos os escravos do impe-
rio. Os quo nao forom incluidos nella sao repatados
livres.
Art. 5." O governo outro sin aotorisado a
mandar fazer a matricula especia! dos ingenuos, a
que se refere esta lei, inencionando-se seus nas-
emenlos c bitos.
Art 6. 0 governo autorisado a espedir o
regulamenU preciso para a >x-u<>ao-da4a tei ;
pudendo estucelec^f panas at 'M das de prisa-
simples e ato MfVde mulla contra os infracto-
res della ; -bea. como o respoativo processo e com-
petencia.
Art. 7.a Revogam-se as duposicoes em con-
trario.
< Paco da c.imara dos deputados,em 21 da maio
drt 1870.=.4ra;o Lima.
O Sr. Teixeira Jnior justifico;! e aviada
mesa o seguinte requerimento, vado :
a Requeremos que se nome urna comroissa- aa-
pecial de 5 raembros para dar cmara en!pa-
recer, com urgencia, sobre as medidas que jul-
gar conveniente adoptar se acerca da inaportan'
queslao do ecmeBto servil no imperio, da niod.
que, respeiuda a prapriedade aelital, e sen abalo
do aossa pnmeira induslia, a agricultura, iam
attendidos os altos interesses que se ligam a est*'
assampto.
Paco da cmara dos depulao. *m SI do
maio de 1870.J i. Teixeira Juninr.--1 ereira da
.Slva,=Ferreira Viaona.J J^ O. Jnnqu*irajr=A.
T. do Amaral loaquira de Souza Bata, -Joao al.
de Almeda. Candido Torres Filho. 4. J. da Lim..
e Silva Sobriciho.=M. A. Uuarte de Awvedo.'=A
M. Perdigo MaHero.=FraBCiso de Paula To-
ledo, t
= Chegou acorte o vapor Wre$'&i com Sto*
emigrantes de, Ifaraclha, Tarragona e tlibraliar
om destino ac Rio da Prata.
Lomos no 0/in.i dn Rio :
Informamnos que o Sr. miaistro da (aaaada
contratou com o Raneo Rnrat a eeiisso de......
18,00u:O00 elficlivos em apolices da divida pu-
blica, e dzia-sa na prafa que ao preijo de *4, aob
a condico de nao havtr nutraemis>o at junho.
- A alfaniepii da corte rendeu de 1 a 23 *o
jrrente 2.259:X0A06o rs.
Kis as noticias commorciaes da ultima data :
Incluindo iosignilicantes tran:.,-^ors em cam-
bio, ei.'e;tuadas noje a 23 3/1 d., papel bancao, e
a 22 7/8 e 23 d. particular, sobra Franca d 4-tt a
420 rs. por franco e sobre Hamliurgo a 777 rs. por
M,iJ. soramam os saques pelo paquete ingle/.
Doiiro.
Sobre Londros cerca de 465,000 a IM/4,
22 l/ e 2-2 I i d. papel baneario e de O 5/8 a B
1/i d. oapel pinirular.
i Sobre {"ranea cerca do frs. MfO.OCO aos ex-
tremos de 403 a 425 r. por franco.
Sobre Hamburgu aerea de M-'P. tlk|M0 de
758 a 780 r*. ponWB.
Solire Portugal vinorou o prt ni' databeli
que demo na usna Revista de aaaaaffl.
Vendoram-ahoje 140 apiliccs fiae de 6 ':
a 85 3/i, un pequeo tote de dita-. ;: no e i-utio
das do euipresti-.no nacional de ltb8 '.;04.
o X-'j-oiaram-s h.ije 300 acroes do banco di.
Brasiia 172, 100 ditas dito a 174i-
Sahiram para Parnambnco : a 18 pola. .
bespanhola Venturita, a 20 brigueh.esparibuKTo//.-
pohean, e a 22 patacho austraco fieord.
Bitia.
A assembla provincial oi prorogada de <>
vo at 31 do corrente.
*-- ;t oa o presin jurament) o vicepre-
sidente da provincia desembargado: Joao Jos d<-
Almeida Coulo.
Foi nomeado promotor publico do Itapieur.t.
o Dr. Antonio Calmon de Araojo G-es.
Para administrador do thealro de S. Fran-
cisco foi uomeado administrador c Sr. Franti?.
Jusiiniano de Castro Robello.
A alfandega rondeu de 1 a 2o do eovrent.
754:289109.
O cambio regulas* : sobre Londres 23 a
I/i d, e sobre Paria 403 a 412 ris.
Lemos no Jornal :
De communicaciVs viudas do sertio, consi..
que no dia 30 de abril prximo passado umgru
po de 8 a 10 homens tentou entrar armado na til-
la do Remanso, e Irado sido obstado pela torca
publica, se r tirn. A'iioote, porm, desse mesmo
dia voltou, travoii um conflicto com a patro4ba, r
rompendo fopo de parte a parla sahio gravemen-
te ferdo um dos apgressores, qoe morrea no di
seguinte.
A palrnlha fii presa para responder a pro
cesso.
S. Os dooos das escravs iio nbtigadna-a
os ;us sagainies alin.eotar e educar os ingepuis-acimjierW,
prBJaeta-i. durante (oda o lonpo e qv i lorem sacvidoaWa
. Aeomiaa*a^demeraae*aiaeara^Bdoexa- WHoaiPWe. ,wwas?w
l^!!^21J^^^7awV>t^^Jtl'^a < ga,.Qid W'paa^am, SmKttotoTm f 1855, df da fidos a ahmeatar e educar o*fiSmI
areeer -*w se> cenvaraida no seftnt* pnjaeio aa por lodo-o tempe en .qae lhaa S
".AiLmaaiiaaa.^. L .n,____. d Acareaoeoie-aa oa lagar competente: nente.
iWoticiaa do norte do iaaperio.
Tambora amanheceu hontera fuadeado no pon-
o vapor braseiro Guar, trazando jornaes do Pa-
ra at 19, do Maranbao al 21, do Ceari at 2',.
do Rio Grande v 27 e da Parabvba at 28 d
crrante.
PARA..
Envenenou->e no dia 11 do corrate, o-par-
do Felippe Nery. sapateiro,marador travesa dos
Ferreiros, com urna dsede phosphoros, mocreo-1
poucas horas depois.
Fallecen o tenenle-coron}l reformado Fiel
Sigraaringa H. Pereira Lima.
O descont napraca regula va de 9 a 10 por
cento ao anno.
A alfandega rendeu do 1 a 18 do corralo
174:730*330.
Esta vara carga os navios : fia.o, .fioton,
Atalaia o DejateL para a Havre ; Liado a lifeiri
para Lisboa ,- e Sarah A, Itne para Navr-York.
matafio
No dia 21 foi o corp-, consular estruofako.
residente na capital, felicitar o govarno imperial
na pes>a do presidente d provincia, proaonoian- "
dooSr. Dr Jes Corrt.i Loureiro, aonaul da Por-
tugal, o seguinte discurso :
Illm e Exm. Sr.-0 corpo canaula? strancei
r; residente nesta. cidade nao pqdia ser rdifle
rente ao jujnlo manifestado pola iu.cao brasiln ..
por occasiodos triumplio gloriosos alcajaeado--
pelo seu exercito e armada, que tiveram em re-
sollado a concluso d* guerra, ana a. sacao aus-
tentava contra o g iverno do Paraguay.
Por occasio tao solenaot P a aounajodos sentimralo damaiac **lcao para
com o povo !iras-itot van hoja, iac-M-patado, co-
gratular-e com Vfc Eic. -par. taoriMii r*uttdo
que trazendo ao Brasil a paz, a, sombra da qual
somonte prosperara as napoes, maupurara para o
imperio urna nova era de felieidade publica, ao-
o ba de engrandecer cada re mais a wnVra de
leis sabias, e do nm. governo ju-tn.
t Se a naco brasi|e.ra tmate >, iiieraei-
ila.a coosideraca o amisado de arfas a oard>a ;
d ora era diante, esa consideracao e>tima se ele-
varn anda mais p.-l.s factos gl'trios... rialisj-
dus no Paraguay, pe a pHica sabia e ju-i-
uida pelo govcriio imperial durante lio prolon-
gada -guerra p la pericia do cbefe< a ravorA
do exercito e da armada, que a IquiriiW* lodr>-
putivBl direito ao "ceaahecimeBt-> di n.?ai.
llnalswnlo pelos beoefleos; que coi-- eon-*qiie-
:ia deste* |actm>, ha. da fecund r a du-m o
cojamorcio do Br,isd, daaaa-!vendo eda vez .nais
asretaijoes commvr^>:ies rom laM '* p>*,K-
Digne-se V. Ksc .crailaf, com >-'* Mir
ci) d.i.cnrpo consular langriro re-il'Ol-- oetua
cidade, os voto mceres que elle f*a para i{oe
estas previsdos serealisem, pea (elir.l di- le S.
M. o Impercdor, e de sua annoV (>'x:'-
' S. Exe. o Sr. Tiiv-presidaiiw- do or.vincn i
puadeudo ao corpo c-wuMM'djrigio.lhrt as seguin -
teexpre83es : ... *,.
A datiaadeza do arocednpeaio do dfttioek>
-corpo coagular eatraiigairo ota MaraDhao, a m-
!W^vao.lS*^en- *yo.. _
. Caaw brasil*i> teange4*-u d%|ae.os Mu'
i tres represenuoto* das mais caltas aacoes do
IgloaoGompartilbera conaoaco do aoeso jobito e
i
,
\



I
-; <




M
Diaiferffe J^bfttfba* Mr %<^, eii* 30 Jk- Mmo- .df 4#7Q,
sj mano, (jua renta e seto
jwssnas, f(,ta,rt C0UI a
./ Mt a. do Mr nMivo peta, estwiiar majs
^f**> MCM drdia|ia4 as reledes com-
WW w aw.prenjwn,** ooipiea, por-
qH^WBil.if m#m araa>* sympaiuiaque.e
habitadls por 130
JjuuI.'M pelas
JSffi.
ra casas que ilcaram completamente arruin*
fH Avalioni, n'um povqado .de, W t 70 al-
porgado r
<*n.Bnja ifc, lol^-tpero
rffibSl**^
de SO
fas, perdendo
Jasas, oon
deserever, ootfT]rfMri* prt(, o qnadro
*>morio e lactidio, que de ante nontem para fia
9 esta viUa.apr8Uuk). Ella, como sabsm Vv.
, ^aMpc.. Ss., esftsituada, na margem direita do rio Piaqu-
* 4>igoe*se e JUqstre wtpo. oeMUlar, recabar o uca, era ama vau collina, de pouca woemineo-
^^iic()tiatfjUeeiniwtoipl9-,affctquer8-|'!ia, qoe se estende norte a ondate. Eate rio.
tewrfwwd fli.4wM fmmmp
que liron-se rtos rnio.T!.
< 4* casas do$ ar^oV*
da guate., Na; lateada ,AUp, ,
do lente Xirnte, fita nos so
tilla, se agasalbaj-aga poje familits,
* As fazendaLdi ctpytt Rontorjeii, do
lente Trindaofo do >P<% flagalbaes, e
ama de Nossa Sanbora. do Gajimo, izeta
vesana*m*patria. <
Abrase, no da Itt a aseembla provincial,
^HWjaaaa artoaialatraiivaflgoa asaue or*auiidA :
Keleefcv Ita. fMMdo Veira de SouzaTseere-
taijo*. padre Thooai de Uoraee flego, e Dr. Mar-
ti auna Meadas Portara.
FaJtpnBifeota da. provincia foi publicado
o sepuiota,progrmala da.rec^pcie dos voluntan os
^atria:
.Logatquo-tandear, no porto o vapor .que con-
HaYM^D|ipo.da.vaBDtario8 da patria, as tres
matajazas da narra salvario smultaneainenlo pon
Si.nras caa urna, rompendo o fogo a do S..Luiz,
*M mudante daaideus da pro "Masatameatea bordo do vapor, afta de all coro---
masa* com oflkial que rier coraraaadando o dito
onmjoeee a hora d* desembarque dea tu, que
"veta ter lugar na rampa do palacio do goverm.
' Astortaieras e o navio, .de guerra surto no
POBfcubaadeiravio como nos da de-festa nacio-
nal, (tersando a eapania do porto convidar os ca-
vilara .las Niturcacee mercantes nacionaes e en
iran^iras, para fazerem o moamo.
Detennui;i a boca para o desembarque, o
que se far constar m annuncios afflxados nos lu
Cares ixais pblicos da cidade. todas as lanchas e
isc*lr*> da capitana do porto do biaje d^guerra
li4f Cont, 4% alfandg, qoe sfv^rmn dlspo-
nivcis.c des paruculares qu voluntariamente fo
qitfHratii pr.-tar. devidaraent; i-mbaudeiradis, se
'Jiri^u cora precisa antecedencia ao lugar eui
qm estiver fnndendo o vapor, afira de a'li recebe-
rem. ransportarera pira trra as pracas do corpo
asivspfctivas ba^agens.
* P.tra a rampa de palacio tnarebario opportu-
namente uma suarda de honra da guirda nacio-
na. 'j corpo dos educandos artfices e a compa-
hia de aprfnd.zes mariolieiros, alira de mer^m
cr|j de voluntarios as honras e contin/acia-
Movidas na acto do desembarque, e de acompatia-
t ddrante o seu trajelo pelas ras.
Ao passarem pela frona do forte de S. Luii
os fsejieres em que viorera os volnntaries, dar p
iK-saio forte urna salva do SI tifD3, quesera igual-
mente )rre*[Kiiiiiida pelos de TSanto Antonio da
arra e do S. Marcos.
Do quartel marchar a postar e era frente
igrea catheiral urna guarda de honra do corpo
provisorio, alim il i'.izi-r as liinras e continencias
vidas, p.ir occasiio do Te Dtum, que se tem de
eeiefenr mqn^lla icreja.
KITccuiadi o deseiobarqne de todo o corpo, re-
rtlher-se-ha este ao forte de S. Luiz, d'oade sahi-
ri em formatura o ordem do marclia, subindo
p>-ta ra :.x\ cima, acompanhado de toda a tropa,
atj- a igri'ja catledral, onde aasisu/ tirn solem-
ne T i' ""t. n .icjo de grojas pelo feiiz regres
i de soas familia^.
i oda a Ibren que vier acompanbando o orpo,
i ..' : guarda d honra que deve achar-se posta-
da em frente da rathedral, f rm::r ahi em liuha
pelas uas pYecedeneias, e a?sira permanecer du-
ran:.? o Te-Dnm.
Pind o acto religioso, o corpo do voluntarte*,
seguid ,a> t" la a tropa, deefil < pelas ras: Vin-
te 'i da Jullio. NaxanNb, Estrena, Direita, For-
mo; : irg i dn Ganao, Barbeiroa, Palma, Nazareth,
8ol, S. oia, Via..i-. Iwuwdios, frente do cuartel,
ra (i i :.i-eo, Grande, travesaa do Theatrj, roa
dxVv. it o qii'riel.
Fechar-ae-to todas as repartieses publicas,
para que os empreado i se pos;-.m cbar em pa-
lari-. onde tMBMn dnv.5 corapari-cer toda a olli-
aiaMade de mar e trra, afin- de que, reunidos As
temis autoridades, concorrmn r.o rcebimento do
referido corpo.
' Nao s ao passar este pela frente do quartol,
cvii.. quando recolher-se ao mamo, o parque d..
arina ia,aM postado em lugar conveniente, dar
d.....11 -. i ama salva do 2! tiro-, fazendo-lhc por
essa oe mo asdevidM eonfinMas a guara do
tyeartei, |ue aerdi prastada peio corpo de polica.
Sdsitarrse-ha da cmara munieiptl la capital
sa de te .--ir o e r;i i cst*jam fimpas e aesem-
-. e bem a~.-m para que os moradores
alas i mas naa acomnanhein o governo nestas
temonstrnedesde regocijo, como tem f'ito em ou-
tas i embaadwiiawto as frentes de sua.
eaaas e [lluminando-aa uoite.
O vice presidente da provincia recoramanda
lasas autoridades a quera perteacer a execu
(w deste programma del ebservancte do que
nottei aeba determinado, esperando que todo?
oparaquo se torne maia pomposa pos-
Mv,-t i ailada soiamo i r,' -;a cid de do 36" corpo
de v I intarioi da patria, ao qoal deve o palz mos-
trar agradr-nida pelo maito que fez em defesa
da honra oacional.
A eomnussao da praca Ao coramercio, encar-
r.iid i festejos paraa recepgao dos voluntarios
da provincia,dirigi ao gommercio a seguinte cir-
:-tjiar:
* A eoaanateaia da praca, em nomo do eor-
commercio, satisiazendo ao appello diripdo
,.e.'i :';} 3r. r. Jos da Silva Maia. vice-presi-
v-ot' la provincia, ao eootnrcio nacional e es-
Irange-r, no pro*ramm puolicado no dia 10,
redol u o gagaiol :
i: mvidar a todos que fazem parte do com-
nenio para renniram-sa na easa 4a praga een-
c-rados irem av palacio do govorno afim de
Bar o Exm. Sr. vice-prasidenle ao desera-
' lo 30 eorpo de voluntarlos da patria*.
Pedir atlos os proprielarios de estabeluci-
nmntoa eoinnaareiaes que os fechen) no dia do de-
emam tie dos voiuatarus para qne os seus era-
ni. poaaafli tomar parte nos graudes festejos
q i' se preparanv
3' Ornar exterior e iatoriormente a casa da
praca, assim como- pra^a qu Ihe Oca em frente,
:ts *aaos serao Iluminadas na noite desse dia.
Qaeimar nra fogo de artificio, simh|sando a
passagem de Humail, no largo do Carmo, onde
c atro festejos se farao. sob a direc^ao do Sr. Aa-
usto Cesar Marques.
naseendo no cume da 9erna Ibiapaba, provincia
do Leara, desee semprepor urq leito summamente
pearegoso, vem, pelo- interior d'este termo, rece-
nenao aiguns conOueales, baaba esta villa, e vai
razersua Toz nu.rioljooga, nos limites d'este, com
0 -V A\ ^"^t*. C.wa quanto tenha elle
maja de W leguas do curw, o ciaiudo, pouco
caudalosa por ser bastante ribanceiraqo, o as
aguas, de suas enchentes ordinarias,, quaslaunca
esnargcjuatm de sou Icito natural Ksteanno,
porem, tivfmog urna enchenie quasi diluviana,
que pode-se dizer d um golpe mortal no estado
material d'este povoado. N urde do dia 8 do
correte notou-se que a endiente do rio serapre
prograssivaj excedia bstanla da marca or*
nana, e Isto comeciju-a seriamente afljigir aos in-
dividuos que. mora vara mais prximos de sua
margem. Essa. encbapte foi poucp. pouco eres-
cendo, ea nojla j lin^ia, toinai> as casas do lado
de baixo da roa da Beira, cujos hahitaotes passa
rara-sc ligtir^ o coa/uaraenieCuari as casas do
lado opposto da inesma ra. Em poucas hora*,
as aguas creyendo extraordinariamente i ha-
viam derribado todas as casas desse lado da ra,
e tamavam as casas do la(Jo opposto aonde se ha
va o povo-refugiada,
< Foi entio extraordinaria e geral a coafusao I
Pessoas doentes, ontras com febre, horneas porga-
dos, rauiberes paridas, enancas chorando, sahiam
por neutro d'.gua. com chuva, csnduziodo squs
trens de dentro da- casas j em ruinas II
Constrangia o coracao mais empedern lo vdr
o miado la.nentavel e afflctivo era quo se aeliavajn
esses infelizes que vijm aniquilar-se, em um m/>-
ment, o rainguado, mas precioso fructo de seus
longos e quotidianos trabaihos. Essa gente assiip
ao desamparo, e sera abrigo, teado por tecto ol-
veos negras, desmanchando se na amplidao do
aspaco, e por leto,o solo inund ido pelas aguas
da extrarirdmana enchente, rpfugiou-se, parte na
ra do Porto, nutra na ra Diversa, e parte na
casa da cmara, jjuartel e cadeia, que se acnayam
desocenpadoj; as qnaes fsrmam um espacoso
ediHcio. de grandes accomraodace?, que foi posto
a disposicao desses infelizes seri-naufragos, pelo
delegado de polica, e procurador da cmara.
t Messe coBtinno e afllictivo labutar, passou se
a noite do dia 8, e ao araanhecer do dia 2I, o rio,
moderando a furia de sua enchente, conservou-a
vagarosa at as i horas da tarde, teado, porm,
corapletaraeale arrasado as casas da rna da Bei-
ra, que havia tomado.
Das duas horas em dianle creseeram as agua*
de urna maaeira. espantosa que foram gradual-
mente lomando as casas da ra do Porto, cujos
babitmtes se foram ligeiramente mudando a pro-
porfi que suas casas eratn tomadas pelas
aguas. ,
Ao anoutecer dasse dia j tinham as aguas
entrado na praga do Porto, e s 9 horas da uou-
te principiou a cahir copiosa chuva ; as aguas
creseeram com tao prodigiosa pi esteza, que s 10
horas j esiavam completamente tomadas tolas as
casas da ra do Porto, e ra Diversa : entao nin-
guem so pedia mais ntender.
O povo corra em todas as direcces, a pro-
cura de abrigo. Os gritos, os choros, os lamen-
tos do povo, o fuzilamcnto dos relmpagos, o es
tampido dos trovos, e o estrondo das casas que
cahiam, assemelaavam esla villa a um campo de
balalba, na maior intensilade de um combate I
Ao araanhecer do dia 30, haviam-se arrasa-
do 47 casas habitadas 230 pessoas se achavam

mSm m^h O.O qpuiH iMhJ|Pj!!*: JLffl; rbei|8% projSyiDl
: ao desabrigo
ihias equarteiroes inteiros se achavam sub-
mergidos n'agua I A enchente continuava sem-
pre furiosa e destruiiora II Das 7 para 8 hora,
da manliaa, a aguado rio passa va pelo seco do
Quartel e eatrava na praca da Matriz I Tomvi,
em poneos morauntcs, a casa da cmara, quartel
ft cadeia p.*lo lado de traz e pela frente, obrigan
do a relirar-se precipitadamente o povo que all
se havia refugiado.
Os presos foram mandados sabir pelo dele-
gado de iiocia. Km poucas botas emavam to-
das as casas da ra dr. frente, odas as casas
da ra da Cmara, e seus habitantes abapdDoa-
ram-nas, quando j as aguas haviam entra-lo
asilas,
Com pteos instantes entraran) as aguas do
rio pelo Ijecco do lado esquerdo da praca da
Matriz, no o i tao da loja d .menta coronel D >nii;i-
gos de Britto, e communi.;avatii-se na praga da
Matriz coa as que tinliam entrado pelo Leceo do
Quartel I O resto das casas existentes esta vara
apianadas de gente, j nao caban) os trabes: em
algunas so haviam abrigado de 8 a 10 familias !
Era geral o desanimo, unismo o praoto das mu
Iheres e crianeas Era esta Piracuruca urea mo
derua Babel A endiente creseia prodigio-amen-
t, j povo se preparava para mudar-se das ul-
timas casa* em que se haviam abrigado ; nao ti-
nham porm para onde ir "Nesle nterin] :ri
te e angustioso, ouve-se o dobre do sino da Ma-
triz convidando os fiis casa de Deus.
Correrara ellas persiirosos a dia, uos des-l-
eos, outros no mais completo desabono, ten do to-
dos era suas feigoes estampados os mais vivos sig-
naes do aftlicgai e de d^r. Alli o noasu piedoso
Pastor, coiii voz trmula e commovida, em um
simples porm tocante discurso, exortou os Seis,
convidando a unirem as delte as suaa prece im-
plorando ao Todo Poderoso, que livrasse nos da
tamanha calamidade, e do risca eminente que
corramos.
Depois disso oelcbrou a missa, e cantn a la-
daiuha di3 Santos, e mais oracoes, acompanhado
fervorosamente por suas ovelhas. Poucas horas
dspois a enchente comecou a doclinar, e declinar
consideravelmante
Eis o que se passou nessas 2 i horas
de attrbular.oes, e angustias, que reduzio
este bello povoado as mais tristes con-
digdjes. E* opioio geral que Piracuruca
tuda, que se ppssa ne&t ulUrooa iaezee
da invern arraojar acommodacoes para
setenta e ama fatnirias, qae tantas foram
as qaecaram sem casas.
Isto par*oe que. foi um castigo dos
Gos, irritados contra a maldade dos bav
mens. A casa em que eti raorava, pro-
priedade do meu amigo tente Jos Filip-
pe do Reg Castillo Br|ijcot. fioou extrema-
mente arruinarla. Abandone i > s 9 horas
da npole de 29, por'ja estarem as aguas^
nos avarpdads : s 10 horas entrapara as
aguas,uqcpcpo 4t cafa, e s.H cowftjou
esta a cahir!
CEAR
Acham-se definitivamente eleitos.de-
pulados provinoiaes :
Pelo lo ilistricto Drs. Goocalo Baptista,
Seares, Moura, Cornelio, Portugal, Jqquim
.VIendes, e Francisco Justa, padres Bessa,
e Bravesa, coronel. Joao Machado, raajor
Severiano, e capitao Gustavo.
Pelo 3* distncto jjrs. Jpap Paulo de
Alaltos, Joaquim Pauleta, Laureoo: Cabral,
e Araujo Urna, padres Uaniel Moura,
Tbeodmo P lo Baodeira, e Cesario, e e,
profdSsorCel9o.
por portara do inspector da alfan-
dega, de 25, do corrente, fot suspenso, do
exercick) o pareiro e administrador da ca-
patazia Antonio Nogueir) de Hollanda Li-
ma, por maltratar com palvras ao seu
chefe.
Foi nqmeado promotor pnblico da
Granja, o Dr. Francisco Odilon lavares Li-
ma.
Fallecea, na capital, o Sf. Floriano
Vieira Perdigo.
Lemos no Pedro II:
Em Sant'Anna do termo do Crato, por
A
auteei
103 e m do de,n. m!|a ifi ;do, de u 10?,
tba'os deste anno. L ** T
ALFANWW-Comeca, no dia i. da juobo, a
ter vigor aesto-pruiiucia a refarta da tri. da
alfandega, fnWicada mu o decano n. 45i0,de 20
de abril lamo,
IMPOSTO PESSOALf-.No dia 31, do corrente
oda-s o praari p%-a 0 pagamento' do imposto
pessual, sera nuUa. no segundo semestre do eser.
dicio de ioCitr-Jo'O.
r.oiPA.NHIA D|) UEBBiIBfiV-0, caixa, com-. 5.u'- R?10 Psimo paquete, esperando a sua ap-
occasio de se proceder captura do en
minoso Antonio de Mattos Favella; chefe
de umj quadrilha de ladrees, por diligen-
cia exp-'dida pelq delegado d'aqulle ttr-
mo de corobinac-ao com o de MissTio-Vdha
contra o reo Jorge de S Barrelto, que nao
foi encontrado, aconteceu o referido Anto-
nio de .Mattos romper o cerco posto
casa, era qne elle estava, dispar de clavinote no > eito do soldado de p Hca
Joo Al ves de Oliveira, que o persaguia. e
receber o mesrao ctmnoso, quando quiz
lneraso de urna pistola, que tambem Ira
zia, dous ferimentos produzid'is por ti os
da escolta; fallecetido" este poucas hora
depois, e aqueile instantneamente.
RIO-GBANOK.
Nosso corresponde ate escreve em 27
do crreme :
A assembla provincial contina em
seus trabalnos regularmente, se bem que
at boje r.3o tenha tratado das leis annuas,
im principal para que fra convocada extra-
ordinariamente.
D/.:in qui! semelli"ntefalta devida
mor.isiJade das respectivas comnitssOes na
opies'ntne.o de seus trabaihos em rolacao
mstdadov Twaai de Aquro Foqceca, acua-se
.autoxisado a paar no seu eacriptorw, ra" ao
Vigario n. P, o i diridendo na razio de 34000
por accao.
FESTEJO PATRIOTipa-levalugar, no da IS
do corrente, em PadradeFafi), flm solemne feste-
jo patritico frito paiOK-Ajerv,adores daqmdia
villa, em denoastracao de seu rf9ti pela con-
ciusao gloriosa da guerra do Paraguay.
A pompa e aguidceucia qne ostentaran) os
cou*rvador8 daiuieJlp lugar nesse festejo au
l>t ssivel defcrevnr se, e apenas com dMikmldade
dar uina ligara idea.
A's cinco horas da manhas desse dia, como era
sigoal da grande festa, urna banda de msica mi-
litar se aotiooi postada em frente igrejs, onde e-
via ter lugart a solemmdade religiosa; e tocando
diversas peca, depois de urna grande- salva e im-
meosa foguettria que >o>io ao ar, se retiron, per-
Sarreado naqheiU mesm'hora, todas as ras, que
e vespera fltstavaro preparadas com o roerhor
gosto.
A's i i bor!, estando o templo da Cbnccicao or-
nado com o r aior brilhaatismo, e cheio de poto
mais nao csbi r, entrn a festa; e orando ao Evan-
Selho o padrt Manoel C^nricanie Assis Becerra de*
[eaezes, flm m-se s ,'l horas da tarde com urna
importante s iva e para mais do 300 duzias de
(oguetes.
O lempo di larridg entro o final da festa e a eD-
trada do Te- euni IA ocem.>ado peta commissao
encarregada {o* festejos eiu promover a liberdade
de.seis escravos, sendo dous libertados, unr pelpj
mni digno delegado de lumb, o major Ursulno,
e oiuro pe proprietario do nganbo da Husta,
seus propriul doavs.
A's sete 1 tras da noate, estando o templo Ilu-
minado con todo o r.rilhantismo, e concorrido de
grande mu dio de povo, tevo lugar a entrada do
Te-Dcum, corando o HvJ. Dr. Leonardo deMeira
Hennques, lndou-se o acto com ama grande sal-
va, e, paramis de dui--ntas duzias de (oguetes,
s guindo -elogo noi lindo li.^p de artitloio.
No dia ,i guinio leve rogar um grande offlcio
solemne i. alma do nosss iioios nn.rtos na
guerra; o noite. as ras estando ornadas com
gostu e :irt deixaudo ver os mais liados arcos
e importan s pyramides. com a mais bella illu-
minacaOj l [e lugar anda um fogo de artificio
em frente i casa da chinara de Itainh, de-
pois do qi il sabio a correr as ras um carro
triumphant' puchado por nma grande mullidlo
de mcoinos e-!idos a volantirios da patria, o qual
conduzio so re elle um lindo anjo, i|p, cantando
um bi lio h) un < ao *m da msica, recitava, pa-
rando, ninantcellente poesi, nu lim da qual voa
vam as inaMbellas cornas de II >rw naturaes sobre
a grande uludj de mais do duas ;uil pessoas
que acoinpi hava o carro, o qual ro'ofhido
casa da can .ra de Itamb, d'onde liava sabido,
deu lugar.a' comeen do baile que houve ua mes
ma casa da iamara, concorrido por mais de 400
pess as.
Xessa passiiala qne fez, o carro iwrou em diver-
sas ras parase Ouvir os mais entliusiasticos dis-
cursos, sobrisahindo muito o do Dr.' lnojosa,
cujii oradof tra'' cala passo interrompido pelos
bro'.'i da mukido eattiusia mada.
A casi da cercar do liamh leai^-se preparado
*oiOM*! 'itmr:!^ para j lioii ,uj es
lava menos no *eu exterior.
'-s" edificio ostent.iya urna imponan
."jpuwi'w liaw d:'te."irjn.ml i \\- f .r.'rntj
tudo..juauto tnde a nssegurir aiia b ja c* solida
coastrueco, e faoilioade para o transpprte e
xecuc^o dos bares, Dos competentes lugares.
Nestas vistas slabeleci, para os contractadores, a
onrjacaude monvarem cada pbarl completa-
ineata, as.-.suas officinas onde fcil fazer.se
quaujuer correc{a(V no ajtiswmento das pf* e
dos buracos dos parafusos e rebit?, etc.,') que
ie muita importancia, quando, como o cas para
a mioria do? phares eontraelados, ?e tem de
erigir eesas obr#s em lugares onde nio se dipoe
de grandes recrsos.
Pira ^eallsar isto convenientemente ftz o
contrat de todas s obras com Messrs. P. 4 W.
Mac Leilan, era cujas oflicioas cada phart ser
construido temporariamente, e depoi de appro-
vpdb por min, pintado, numerado e marcado dls-
tmetamente, aflu de evilar-se quakjuer confosao
ojo eunrrjue. Tudo ser melhor esclarecido oom
o contrato o suas diversas pecas, que terei a
honra do submetter alta considerado de V.
aoj irojectos de orcamcuto e forca policial, te illnmiuarau iwmo? quadros do imperador, du-
Distribuir dous dias depois parte da som- Jama's se-" W toi a'C ante-hontem I A
sua vista de hojo nos traz as mais amar-
gas recordaces I A gente mais desfavo-
recida da fortuna, a que se chama vulga-
mentepobrezaprestou-se com lodo o
gosto e promptido a ajudarem os proprie-
larios a mudar-se, despresando o perigo
que corriam suas cbou panas ; foram assi-
duos at o ultimo transe.
" Urna nica canoa, existe nesta villa,
de propriedade do tenente Xirile, e raajor
Benicio de .Moraes, a qual sob a direcc5o
do ncansavel Bernardo Jos Valeri pres-
lou relevantes servico*. salvando mallos
objectos e trastes, j submergidos n aguas I
S3o com effeito dignos de louvor os
esorcos, solicitude, e p^rseveranca da.sse
individuo animoso e presttivo, que* tanto*
servidos presin aos hab tantes deste lugar,
Gestes dias de tamanha calamidade.
Algumas pessoas,. mais abastadas tem
feitq escolas pobrezS, consistindo ellas
em gneros alimenticios que se acharo aqui
summamente escassos. O tenente Xinte
acommodou em urna casa que bavia com-
prado nesta villa, e estava concertando,
quatro familias, afora a delle que para ali
eio, vislo como sua casa de morada foi
tomada pelas aguas. Perdeu elle duas
jasas, senda- rn m que morava e- tinha
loja, e outra que tinha alugada.
O tenente-coron '
ma :;'.**,-r.la para os festejos pelos invlidos da
cvnpauha do Paraguay, que aqui estiverein.
- A com.nissao da praca espera do corpo do
cwnniercio iodo o auxilio para desempenhar do
iwUii)r modo possivel o compronjisso de que pelo
ntesi.'W fai inoumbidae conlaqae 03 seus esforgos
sejam neste seutido plenamente coroados, porque
sao para renJer a mais justa bomenagem quellcs
siigoi lade nacional, a'd^uerindo com o seu sangne
o jtjsto titulo de benemritos da patria.
< Sala da coiuiuisso da praca do Maraubio em
.11 dr m.'iio de !8?0. maaiiiai^n
lose Manoel Vinbaespresidente.
Bomiagos T. Jurgo de CarvalhpV. P.
iaacio Nina e Silvai secretario.
It iberto Antonio Moreira -4* dito.
< .VhiiocI da Silva ftDdrgnesThesureiro.
D >n:ingos Goncalves Braneo.
< 1'rinklio Jansen Serra Lima
MM'iel Soarw Teixoira.
Ja lini assumiio o exercicio do cargo de ebe-
f' d'1 ii.ilicia a Dr Domingos Monteiro Peixoto.
A nlfanoVga renden de 1 a SO do corrente
<4t:9#670.
Durante a primira qmnzena do mez de maio
vleram ao meroado da capital : 437$-saceos cota
algudaj. 46 pipas cyra agurdente, 1323 atqueiros
'; arroz, Uta saceos com assucar, i8'J coun de
boi. c 1601 atqueires defarinha'de mandioV.
l'ieavam cafgaoMajriMflo5i/^oafa Per-
nambaco ; Imrluna 6 Bbica pora Liverpool ;
Janwlc pata Barcelona ; e Ctntila paa!si'ba.
riAOjiy..
' lljuvrav era. Thereu, |ran,des eitejo, pela
t erra i nagada ir narra.
Do Piauky extraliimos a'seguate descripiji
-la grande innundacao hivida na villa de Pir,
curuca; .
" rtarraado esu catastropbe recebemos nma
carta Ai Sr. Baimuad
dor ua raesma villa ; nao, a pubLcaraos, po/i
vimos na Jf$pren?a atf arlua, tambem.
Icscrvuadio, o aconleqiaMWp
mente
mus
iosa-
u tenente-corond Gervasio, fra queoo
o Caataoodtf,M^aes,mi>ri- !wp todo o gosto, a sna casa de rlirada,
qm escapo da.'.eochuote, pobrasa, que
aawia fleado na ra & ella agasslba boje
gastantes familias.
0 cocpnejl Fonteoelli, est maftdaodp
gpterrar a ca&a da {oir, que sqa proprie-
* idade,.a,qiial loi tomada pela enchente.
ppata nio desaiiou de todo, e A'mm mfi
rrpara pSereceda aos desvalidos, qe se
achaoi sera abrigo.
ie-crji-one! Gervasio j dea co-
raeco a- u a (grande morada de casas, que
jem (ta^da-^ibwmodarl toaita goote, e
< ICntretanto a assembla tem cuidado de
outros asaamptos uo meaos imperiaates,
taes como : a restaorato das caoiras de
latim das cidades de S. Jos, Ass e Impe
ratriz, a restauraco do municipio e villa de
Campo-Grande, annexando-a comarca do
Ass ; a subdivisao dos cartnrios do Ass,
coiitra a qital se op^uzeram vantajusamente
;! os depulados Souto Jupior e Jos de Borja;
' a suppres o finalmenU) i'.a pt zia de Nossa Sonora do O'da Serra-Negra,
na comarca do Seridr. ficando enenrporado
o sen territorio ao da fiegtipzta do Principe, j
cujo municipio perteu:.
Soliro esle ultimo projack) foi onvida
a commissao de negocips ecelesiaslicos, a
qual em sen jodiridso parecer ooinot pela
audiencia do prelado diocesano, seta que
(fesconbecess a utilidade da aiUnceau proJ
posta.
t Contina a crise alimenticia que de
certo assumiria proporces assustadoras se.
S. Exc. o Sr. l)r. Silvino nao vesse toma-
do o maior interesse pelo bera-estar geral da
poptilaco. ahasteceodo o mercado compor-
Cao da-farinha, que manda expr venda,
salvando tao somente o capital empregadu.
Todos reconhecem os bons desojos e
a constante actividade de S. Exc, pondo em
aeco os recursos de que dispe. para que
a populaco pao soffra privacao alguma em
CSrelao a seu alimento.
Aopposico, poVm,'que do melhor
bem procura tirar o maior mal, ha feito in-
justas accusatjoes ao digno administrador,
desconhecendo os beneficios, que o povo
tem recebido nesta quadra tao calamitoa,
emque se acha a provincia.
As cmaras municipaes de Maco e Pa-
pary acabam de nomear commisses par
felicitarem a S. |, o.lqiperador pela feliz e
gloriosa torminajtio, da^g^erra do Paraguay:
a primeira commisso coripoe-se dosExms.
Srs. conselheiro Torres lomem, senador
Ftrmino, bar5o das Tres-Barras,; pr., OcU-
viano HajiOsQ e.Dr. Gormes da S^va ; a se
sen
d
"tjta, CflJjUar e ao
[. Joao Man#el de
,,com a
SjBarras
gunda dosmesmojj Ex
dilf^ronca de .-que lo b"
substitnio o Or. Warl
senador Firmino o
Carva;bo.
c Por actos da samaos passada o Exm.
Sr. presidepte, lujgoo de oenhanj effeito a
portara de 4 de Janeiro ultimo, pela qaal
arbitraria e ilfeglmente foram-passados do,.
Servifo activo para o de reserva os capiia>js
4a guarda nciooal do. bataibaodeata cidade
Antonio Pinto de Moraes Castro e Joaquim
Guilherme de Soaza Caldas.
No dia 20 do corate, \&% \ogi^ o
concurso ,das cadeiras daanso primario
do sexo femenmo da ;idade do Principa
povoaco da Macahyba,.e fdrara approvadas
plenamente as oppositora D. Joaona de_Na-
aaretb Barbosa e D. Mirla
FernaadesJPkto.
HoBtem fallece, dftoamarts de sangae,
ae*M .capital, o capillo Carla*. Joajjyinj P}r
nhetra.de VascoBca^lo, ^ai*aior apo-
R">Mft.da secreria. do foyerlrO 0 ajeate
a companbi* Pemambueaoa.
.1;
ftBmraoi.eai
PAAHYB.V.
* "**>
que de Casia*, conde d'Eu, marquez (K: Ilerval,
Victorino e orare?, assim como quadro* com ira-
[i rlantos p'^sii deol'-adas Ped > Imowso e-ou-
ros bravos un lo em sen pal 1 urna grande pj
ramide triangular, nocinio da qaal fluctuando O
anriverd. paffno, o seu pedestal representav.i as
tres na(.'j all|,d-is, c-iu. o., seas repre-sx-ntantes.
t queu'i fui etpect-idor desta graudu festa poder
avaliaf de sna grandeza.
MIZ DE MaIWA..iiiBuhja rucerrar-se-ha a
devoco do Mez AI:irano, na igrej da Santa Cruz,
coma poinoi 1 lirilhxntismo qne ci-lurna havor
m todo.- os .11 lisreiigio.-os wtebnulws ue.-i.-aigrcja.
A miisa solemne da festa, cuja msica sor can-
laja por iiiff.'i-i'nt's ?oh-aas, e-va aeompanhi-
mento inii-ute j ii.ir,u.>u:c', 'ii.r.o as lo liras lrj ja tre-'uezia
la manbaa, oanlo ao Evangelbo o Rvro. pregader
la caoella tnflertil padre Ljhi do Monte Carmslo
Luna.
A's cinco horas da trirde tora lagar a procissao
Je meninas em r! 1 d*i p to d ueja, e noite
caotarao as seuidra's, uepuis da prauca Oo i',vm.
apello, padre Jalio Mosca, urna ladaioha e um
Tantum l'rqn, dandn pnteriormentii o mesmo ca-
pellao a utuc^o Jo Suitissiiuj Sacramento.
AHCAQ LOVWEL.0 Rrm Sr. conejo Dr.
Luiz rerreira Nobre Pebuca nada quiz receber co-
mo retririu>l.i da on^So eonjrnlolid'iri porell"
.r /!ar.cia...i uo isleume Tc-Ueum, ouiidado cci -
brar peia enmara municipal do Ketxio por occasiio
da feliz termnacio da guerra, devntven lo com-
uiiss.T., respectiva a quantn arbitiada, a qual foi
offarecida ao Aylo de Hendioidade em nomo do
Kvm. Sr. conejo Piljnaa. ,
PIANOS.i'eiu governo fraucez acaba do ser
agraciado, com o pro" de cavalheiro da Legio de
Honra, o Sr ikrp> Kiiiilzcn, director das oSii-iuis
de construcao e pianos dos Srs. Pbilippe Herz
Sobnnbo 4 t:., sita era l*aris, pIos importantes
melhoramudos feitos is irte applicadas indus-
tria.
Esse galarlao do enverno do seu paiz, veo coa-
Irmar o bom eonceito de que ha muito gzam os
piano desse fabricante, me agora acaba de esta-
ietecer urna agiincia sua nesta ciaade.' rna di
unperatriz n. 9, offlciaa o armazem de pianos do
Sr. Vogely.
CAPTURAS,-he'11 subdelegado de Nazareth foi
preso Antonio Francisco de Barros, criminoso de
Jiorte na provincia da ParanyDa.
Pelo sb(|el thiiem, foi cipmrado Joatjuim Vieiza ja Silva, cri-
minoso da morte.
ASSASStN.jrO.So dia do corrente falleceu,
no seu engenfi) Pofosi, da freguezia de Agna-Pre-
ta, HerculinoFde Hollanda Va-scoocellos, de nma
lacada que lie deu oa ves, era o seu escravo
Chrispim. O criminoso foi preso.
> DESASTRE! E \IOHTE.-No sabbado ? 10 horas
e meta da noite, inda o criado do Sr. Dr. King, m-
lico ioglez rtsidonto., rfajdoiraterador n. 26,
apagar o ca^dieifotda gax d sala de visitas, (-lo
tao mal qne irregafUfQ-si. I sceftaculo do gaz,
communicano-lbfc, g fogo a roipa. Teado elle
corrido dessrienwde- par o v andar da casa,
aggravdbfal-o aw^porquanw lioou fe tal orma
queimado, qae morrea hontem no raeio de dores
nornveis.
NAfi COSAS DfJ. BRASIL Aba-*
mas constructires P. & W. kbo,
de CHMtfppp, a coastrueco de
rsos ponteado Brasjt, como me-
0 inra :
'enbo a satjsfjio de annun-
h ,acba ctiwktulo o contrato
pfrwacaa.
c Deas guarde a V. Exc. Ilkn. e Exm. Sr.
ronselneiro barao do Cotegipe, ministro e secre-
tario de estado dos n*godos da marinha^-I^mdres,
abr]|| t, 1870.Zuzimo Birroso.
AlA'-ANDliGA.Pelo ministerio da fazenda foi
aomeada moa commissao, composta do ajudante do
iaspejtor da alfandega da Babia, addido da corle
carno cou'erepte, o de um segundo escripturaro
para ir s provincias da Baha, P.-rnaiubuto, Ma-
ranho e l%r* harraonisar a execurao das aovas
disposiodes relativas ao regulament a tarifa cora
a ortica seguida aa da corte, de forma a haver
uniformidade.
VOLUNTARIOS MABAHEN9ES. No dia 21 do
crreme chegou cOrte, no vap-*r Emita, ala
direita do balalbao n. 37 de voluntarios; da pro-
vincia do Maranho.
CELEBRE CRIMINOSO.=A' cada db villa do
Jardjra, nu Cear; aeba-se recolhido o celebre en-
.limoso Jos Barbosa, autor do assassinato do de-
legado da Floresta Jos Rufino de Araujo.
MBMlV* Este vapor, da companhia Femara-
bacana, sanio da Fortaleza para o Acarara, no dia
J3 do crrente.
VIDA DO DR. SEMANA. Chegaram hontem
para a loja & madama Falque, ra Primer
de Marco n. 4, alguns ejemplares d.i Vida e (ti-
to* do Dr. Semina, de que j nos ocenpamo*. As
pessoas que assignarara, e aquellas qne deseja-
rem possuir esse bello trabalbo litterario, devem
procorar logo os exemplares, que rs vende a &
cada um.
CONVENTO BE S. FRANCISCO.Eacerraor-se
amaaha pela madrugada os exercicios do Mes de
Maria, celebrado nesi igreja com todo o reco-
lltiraeuto e *WVc5o pelo Uvm. Fr foin Baptiita
do Espirito Sauto, havendo missa solemne, oran-
do aoEvangelho o Rvm. Fr. Joo de Santa Tiie-
reza, distincto pregador di ordem seraphica, e
nonto Te-Deum com bencao do Sacramento, sendo
entao destribuidos versos e oracoes ao povo.
O Rvm. Fr. Joo Baptista foi incansavel duran-
te lodo o miv, e ana seas esforcos e xelo se deve
o (H-oseguimento desdes exercicios, contra nme-
ros bice? que II13 appan^cem tidos os anuos.
E' LOUVAVE..A commissao dos festejos pa-
triticos celebrados ra Nova desta cidade, as-
senlou applicar actos de suffragios p-las almas
dos qne .se niuaiii na guarra do Paraguay o res-
ta te da contribiuco ageuciada aaqaea ra-para
os mesnang festejo?.
A applicaco de**e 9aldo dq poda ser melhor
embrula, eos que concorreran comas suas quo-
t:is predrto appivivara o destino, que asskn Ihe
dad o, pois ivinsegue se por esta forma um (m du-
plo, casaodo-se o dovido ao; vivos cora u embran-
ca religiosa votada aos morios.
Estes se nao voltario a receber, como acuelles,
as devidas bomeuagens, nao devem ser elimiuados
da gratido publica ; a qual se manifosta eloquea-
te para referida coasagraco.
DIVIDENDO.A companhia Pemambucana pa-
ga o seu i" devdindo na razio de 3.1000 per ac
ci.
IMPOSTOS PROVINCAES.-D3pos d'amanbia
:bre se o recebimento d 2o semestre da deeim
m-oiM.i, Jo coiisumti U>' Ajuaroslo e de tivio mor-,
ta, pertencentes ao ann* financeiro corrente de
10-_3O.
PASSAMBNTos. n., hhadoalina a- creador
o Sr. lente-coronel mo de Sa e AibU'jnrrqan,
irmio do Exm. Sr. bario do Guararapes. a' sua
inconsolavfl familia damos nossos niearos pe-
z.i: .-.
Tambem falleceu 110 sabbado o nfflcial archi-
vista dothe^ouro proviacial da Parnliyba, .>rgemi-
:o Leu Gomes Psma.
PItOMDTORIA PUBLICA.Acha-se de nova no
exer-icio de promotor publico da comarca Jo Re-
cite, o Sr. Dr. Juu rnoui da Silva.
PUBUCACOES A PEWDT.
~ '' '----------------.*- *-------- 1. 1111
Ve).- roeo.irm.V S'lvador de *ifiieira Caalwa--
1 f.in ii.iw evasiva bom qoUiri. para rri.tonailir
publicar a carta, que diz ter eoj seu podarTae
moa pnbo, a <}aal propala compdf-se oV&e-
mos e diatribas pessa a qaem foi drrlgiS.
, Ja se disaeqTfe es cartanao coninl o na
>arador, elle a calnmnla e exagera, e lano aasta*
que fogede da-la ao ordo.
Poi na vespera do jalgameroto Vf urna qoesSo
que mea irmio Salvador, enlendeu dever aliraf
soare mtm o odioso, tendo por objeto essa carta,
que ate motto de proposito, tronxe o nomeda nes-
s.*aqueraloi dirigida f Esse proceditnanlrr*
meu irraao Salvador, Irazende* pnbiicidada nt
facto particulamsimo, que le mais a mais nada*
tem do que Ihe arge, qne tSo desaiuisado co-
mo elle mesmo. Tr
.Vo-enlanto ncistwnos pela puWicacSo da carta.
icando o sen original exposto para ser amerito.
Com rsto llcarao de>memidas as suas odiosa ex-
pressoes.
Jixrontm S. Pestoa de Stqtmra Camiaml*.
COMMERCI.
PRACA DO RECIFB 28 DE MAR*
DEI870.
AS 3 1/2 HORAS OA TARDE
Gam&io sobre Londres 90 d/v 22 d. por f J0rj>
OescoBi o ietras 9 0.^0 ao anno.
joncatlo Jos Alfonso,
Presidente.
Mcsanit* lunior,
becrelario.
ALFANDEiA.
Iondimenta/dodia2a27. .
dem do dia 28 ...,.
l,008:5i7A|5'
t&MtfH-t.
l,054:ii*8S*
MOVIMENTO DA ALFA5BEGA
PHARO!
eomratada
Lelloiudac
pharosera
mor se ver
c Hlm. e
ciar V. E:
E
fossrs P.
ara tmasnt
\ drincipaes *mas na
1 queila cidada, e que poasuo rao Jes
Mac Leilan, de Glasgow, urna das
manufactura de ferro da-
raataa de
Mcucao do obras do eageoAana, Aos planos
aiiripaiaVM,(.qua recnemji conveniencia soMar
a,maia*aat>Bidaii,.ao preco do ferro frasea*;
iaate, o daar>4e obra na Escoma, dovo ter
ido contratar os novo gares, constantes do
1. cte tnirmas^jtMoig&L ^ha_ como nma
l iMUIhHi f'"l Jintriif Aracaty,
-1^Vv'fRu0 cl0 crdito
starbnal |ytw 0. i jde libras os-
embarcar maior inmar pos-
tasViOrto deOfeafav, o pM M-
mumi aaoa deapatas, e daixar, *u asftro, al-
HOSPITAL PORTUGEZ.Est de semana nes-
te estil'o.ecuiieulo o ar. aiordomo Jos Antonio de
Souza Bastos.
PROCLAMAS.Foram lidM no domingo na ma-
jo Sitiiio Antunio os pniclama
seguintes:
1." deimuciacjao.
Beuto Domingos Dios, com Olympia Magdalena
Daiz.
Luiz Jos do Sanzi,.cora Alexaudrina Marques
da-Silva Mascareuhas.
Silvino Baptista da Silva Chaves, cora Mariana
Francisca da CneeicjSo.
Domingoi Joaqaim de Faria.com Gemilicia Ame-
lia Pereira Borges.
Joao Loiz Nogueira, com Rita Mara da Boa
aforie.
i.1 deuunciacao.
Raymuado Braulio Ries de Lima, rom Pbilo-
raeua? mino de Lima Pinito.
Joaquira Cavalcantu u: Amorm, com Mara
Isabel da Silva. *
Vicente Silva, ce-m- Maria Carolina Lms So-
ra ao.
Francisco Antonio Uoreira do Carvalbo, com
Isabel Jmquina da gilva.
Jos Ignacio de Uoieiros Jnior, com Jacintua
Candida da Cku<^ciio.
Nicolao Martins Muhl, com Rufina Marur Ra-
mos.
3>* denunciacio.
Francisco do llego Barros, com Adeliude de
Souza Genez
Jos Carlos de S, com Sophia Francisca No-
gueira.
Antonio da Silva Girio, com Mara Luiaa da
Cwnceicio Ferreira.
Jos Antonio da Rosa, conv Maria Pastora Nunes
de Laura.
Luiz Ignacio Mend-s. con> Maria d'.Vnnuaeiacio
da Silva.
M^noeJ, na-'Silva Pinto, com Auna Gerancia da
Costa Lima.
LEILAO.-Ainanbia (iV elTootua o agento Pin-
to o leilao d1 prodios contarme est aaaanciad <.
LOTERA. -A que se- acha a venda a 14*'
beneficio 4a igreja da Santa Cruz do Recita, a qoal
curre hoja 30.
PaSSAGEIROS Vados dos portosdo norte no
vapor Guar:
H, Souchan, VirgiKo de Jess C, Auraliano Aa-
gasto d Soaza Serrano, Luiz P-dru C. C, Jos
rrsaci ManoeL Rodriauas de Santiago, Athanaslo Jos da
Cosfa, MaaoeAatoOio Peres, Maaoel Francisco de
Moura, Joao F.ancisco Flix, Joio MartiusPereira,
Aiuonk Loarencp de Soaza,. Jos R. das Cnagas,
Delino do Nascuneuto Gaos, Joio Rocha Silva, J.
Paijino de Castro Medeiros, Joio Antonio F. de
Carvalho o 1 criado. Martiniano J. Fernaades e 1
oscravo, cadfcta Prolirio Jos, Fernandos, Antonio
H. de Alinejlla, JoaOoncaives Pereira, Jos Lima.
'olumes entrados eem 'azoadas
dem ide-m com genero.
/clubes sahidos com f axendas
fiiem dem com gnero?
190
1120
----- 1310*
189
1121
MW
Descarregara noje 30 de mam.
Brigne italianofttlv Ewgtnioinereadorias.
Brigue portuguezJuliomercadorias.
Barca taglezaReObriastdem.
Brigae nollandezGbrdkartfarinha de trigo.
Brigue inglezTnj Agenferro.
'.ECEBEDOR1A DE UENIM3 INTERNAS &-
RAES DE PERNAMBUCO.
ieudimeatodo diaa57 58:i0Atfl8
dem do dia 28....... 1:171*262
59:031.1370
CONSULADO PROY3.NCA1.
Readimento do dia 2 a 2T.'
Iden do dia 28 .
9i:01i72
l:6l3,580i
9StMBM
PRACA DCIUSOFE
u 28 ni: uuo di: 1850. AS 3 mus da taruk
ItKiYTNTA fUSM-ASUUU
dVMRios.Sobro Londres succou-se a 22J. 21
/i, a 22 d. por 1 obre l'tns a UO rs. |H>r Ir. a
vista e de 430 a ido rs. .1 i) d/v., o sobro Portu-
gal a 438 pur ceulo a vista e 140- a 90 d/v. uo
dia 2o. '
Algod.vo.Venden-se vincia a 883 rs, por kil., no ia 2Vdt> corrate,
o de M icei posto a bordo a 9S3 por kil., e posto.
a bordo a frete de ,', sem im'w.
Anno7O pilado da Inda* vemleo-se a 23740
aarroba, avariadn, o de 3&JC0 a 4a bon.
Azeitk-doce -Retalhou-se o de Lisboa a SMt
wr galio.
BacalhoRetdbourse d80j a -'ti a barrica.
oaniia in i-orco.Vi nilv-i ; 'dOrs. a libra.
Batatas,Venden-so a ;i .1 arroat
BoLACiHNH.vs.Ido.o a ."i.". .1 rriqiiiiha.
Cafk.Veadeu-H! de 5.4 n ViO:>a arroba.
Ca,dem de 2*200 a 2S800 a libra.
Crveja.dem de 03GIO a SiOO aduziado
garrafas ou botiias.
Farikha Dt iASDiocA.Vendeu-se de U a 124
o sarco.
Kekosksk. Vendo u-se de 0J800 a 7-A a lata te
cho galoes.
Loica Vendou a inkjza ordinaria com 370
1. por i.uuui uu| ., _E,^^
Mv.\"Ti;ir,A.a mglaza vandou-sM u> iaau :i
1^300 a libra e a franeeza de CO a 60O r>-.
Massas.VenJerm-se i 7J2O0 a cii.ta.
Ocho di; unnAfiA.Idema 21300-nvr galio.
Passas.dem a l-'o a caixa.
Phksiimtos.dem a 185 a arroba.
Ojcbuos.Os tlamengos vonderain-.-e de *Xtf>
a 3200 cada um.
Sarao.O inglez regaloa a 170 rs. xir libra.
Toucimto. Vendeu-se o da Lisi* a 13J200
a arroba.
Vinagkb.O de Portugal vendeu-se do |30f a
a 1405 a pipa.
Vinhos.Os de Portugal vendranb-se dn 2IOjt
a 2'iOA, e os d>* outros pai/.c? d.; LvO> a 1S.>3 ,1
tinto, e de 220> a 2403 o braneo por pipa.
Velas.As de composicio venderanvse de 350 a
08O rs. 11 pacota de 6 velas. ^
Descomo.O rebate ue ietras regulou cto 0
a 10 por cento ao auno.
MOVIMENTO 00 PORTO.
Dmlindi Mnnn
Ag.
lla^
Barras.
> K^UMfWHa)^ Salino fcoraas da'
ilver* e 1 escravo, Sebastiao Antonio do MeMo
ego, Caetano Daniel de Carvalho, Pergentino A.
avares Franco, Pedro ftaptsla dte Santa Rosa, Se-
ronio OlegarioBarges Gavalcanta.
Seguem nara o sul.
Senador Ambrosia Leitio da Cuuha, coronel Aa-
orno TiburonW, t Souza, maior Antonio E. M.
ana familia, 4gj|tafac Jeroaymo Lepes Pereira.
,uiz Dazon, P^B inicio das Koaas, JoalGo-
Peretra, Francti iFerrrera* 'da Silva Samius,
iiescra
*
o de
Amelia
' Ubaldino
; Mara ,M;
do Soaza,
i>fi
.D-
Cruz,
Cruz, hi-
da Sil-
riquo Jorga
Navios entrados no dia 28.
Ass9 dias, cter hraileiro Deliilm, de 38 te-
neladas, captio Aatonjo Rudriguea dh Silva,
cquipagem i), carga sal;. .1 Jos 1. >oes D*vit.
Goianna6 dias, vapor bvasileiro l'jr-tiiybn, de
104 toneladas, commandanto Oliveira, eijun-
gem li, omJasiro; a Compaata PernAuou-
caua.
Nadas snhiiis na wi^wto din.
Para -Crvela a vapor nacional Afcig, c.ouMaan-
dante capitao de fragata Joauuim C.ndidLi dos
Reis.
Rio daPrataPatacho.hrasiloim Valente, capitao
Jos Maria Furreira, carga assucar o agur-
dente.
Ro da PrataBrigue aorle A'.iemip Insel, capiti
I. Schulh, carga assucar e agurdenle,
BarcelonaPatache", hespanhol Tfientotkea I, c~
pit.to CasaU, carga algudo.
iVorios entrados iu> dia J9.
Trieste -70 dias, patacho austraco Re, de 33L
toneladas, caoitio- TrilTooe. equipagom 10,
ga 2250 barricas com farinha de triga ; a
ier i C.
Rio de Janeiro e Bahia5 dia, vapor in?l, Vau-
ro, de 1785 toneladas,conmandanta J. BiwaiLs.
equipagem 117, carga d 1 lie roo les gesteros; a.
Adanson Hwie C
Para e porto> luiermedios9 1, i dtav vapor bra-
silero Guare, de 09 tom-ladas. .aommana.'iam
capito-tenente P. H. Duarie, equipagem 34,. car-
ga differentes gneros; a AntonioZ de O. Ase
vedo & C.
Navios sahidos no ursino dia.
Rio-Grande do Sul Barca bvasileira Pwtbcnha,
capitao Antonio Al ves de Souzi, carga assacare
agurdenle.
Rio-Grande do SulPatavho brasileiro David,
capitao Candido Rodrigines Viaona, carga assu-
car e agurdente.
Porto-Palhabole portngjez Eurico, capitao Jasa
Fernaades Alvos, carga couros e outros ge-
ros. '
LiverpoolBaroi l/glez Belvidere, canlloCoun.
dan, cargA algotio.
Liverpool Barc/i iagleza /# carga assucaT.
tlha de S. HFiguel Escuna portuguea Delfkim,
capitao F. S. de Medeiros, carga assncar e oa-
tros gene-ros.
Sowthainp'ton e portos intermediosVapor ioglez
Itaira, comoiand inte Thwaits, carga parte 3a
qne troupe dos p trios do sul.
Ll III Jl I III
*-
EDITAES.
Peranlea cmara mnmcipal dasta cidada as-
ura em praja nos dias 23 e 30 do earreaa e t da-
junb** xiodouro, para serem arrematador.per taaenr
maior proco offerecer os alaguis dos talla do
aeoiague publcp da ribefra da S. Jos ns. % it,
l| o .13.
Os pretan lentes devera so habilitar, atffnu
la le para [uderem lidiar nos meaaKaJaW
Paco da cunara maajcipal do Recua 25 de man
Bento Jos da Costa Jonior,
Pro-presidenta
Augusto GeMinp da Figueiaadn
OIBcai-maior sarr]!*) desaawUaTax
"


.

/

/
:**
L iugUh



' V

-
I
Diario tfe 'PwnHn&aoo t*. Segtinck eira 30 d* ttaio, fe 187Jb a
sella-,
miaha con-
0 ir. lYtncfcco de AssW de Oliveira Ma-
ciel, juiz de direito .da primeira vara cri-
mnal, e substituto da do especial do
commercio n'esta cidade do Recife de
Pernambuco por soa magestade o Impe-
rador, etc., etc.
Faoo saber aos que o presento edital virem,
<|ue por parte de Manoel Jos da Sitva Oliveira,
me foi dirigida a petizo do iheor seguinte :
Uto. Sr. Dr. Jttiz do commercio. Diz Manoel
Jos da Silva Oliveira, que tendo arrematado em
leilaa publico as dividas activas do commerciante
Jordo Jos de Oliveira, acontece que entre dita."
ceastante de ima letra saccada pelo dito Jordao
em SI de agosto de 1860, a 12 mezes de praso,
da quantia de 456*630 reis, e a de Joao de Me
deiros Barbosa, tambem proveniente de urna le-
tra de igual quaotia, saccada pelo mesmo Jordao,
o mesmo da, roex e anno, e a um igual praso,
pelo que eom o nm de interromper a proscrip-
to, requereu o supplicante em 1865 a citacao por
tdues do supplieados, o que teve lugar; no en-
treunto, estando a completar-se outros cinco an-
uos e qnerendo o supplicante de novo interrom-
per a prescrpeio, vem requerer a V. S. admita
ainstincar a ausencia dos ditos supplicados em
lugar mcerto e nao cabido, aiiin de que se passem
edaes para a sua not*cacad para o referido fim,
* jJeats^torinVrequnr e pede aV.S. deflrimen-
Estava selada.-Recife, 9 de maio de 170.
dvogado, Joo Twxeira.
Na qual dei o despacho do theor seguinte
Oestribuida corao requer, e designado o da U do
eorrente s 10 horas da manhaa para a jastiBca-
^ecie, 11 de maio de I870.-Oiiveira Maciei.
Em virtude do trui 18 a mesma peticaones-
r&uida ao escrivito leste juiw Manoel Mara no-
-d<-igues do MMimenio o qual fez Uvrar o termo
4e protesto do theor seguiote: termo de protesto:
Aos 11 de Hiede 1870, na dade do*ecife
em mea cartorio appareceu o supplicante Manoel
Jos da Silva OlWeira, por seu basUnte procura-
dor o solicitador Rodolpho Joao Barata de Almei-
da. e disse perante mim e as testemunhas infra
.Miaadas qe reduzia a protesto o cometido de
su petcio retro, a qual offerecia come carie do
presente que toca sendo ; e decenio assim o dis-
e e protestou lavrei este termo, no qual depois
de lido s firaiec enm as ditas testemuEbas: eu
Secundioo Helio*'ro da Cunta screveate jura
mentado screvi, eu Manoel Mara Rodrigues do
NascimeiHO'esepiv.Vi o subscrevi, Rodolpho Joao
BaraU de Almrida, Francel'mo Olympio Pereira
de Oliveira, fanMuen Joaquim Pereira. 1
o supplicante |Todii7.id > suas toatearaa
dos e preparados os autos snbiram- a
cluso e nelles *> a sentenra seguate :
A" visto df* depoimentos das testemunnas de
folbas seis e 'lhas sete tai por justificada a
ausencia a insudo que o justificado seja citado
por carta d Autos com o praso de 30 das para
o tim ropnrif na peticode folhasduas e cusas.
Recife, SI 4c maio de 1878.--Francisco de as-
- sis de Oliveira Maciel.
Por fop:a d?. i|Ul o escrivao fez possar o pre-
sente eitol p*io qual chama, cito e-hei p>riH
mado os supplicados para qe comparecam ae*U
juizo dentro do di:c> prasa alim de allegarem o
que fordeijustica.
E para ue onegu* an cwnw cimento de toov.-
mandei passar o presente ae era publicado pela
imprensa e afinado n-is nrares do -costume.
Recre, 44 do mw <'< W18.
Manoel Varia Rodrigues do Kasoimento, esen-
vao, o snbscrevL.
Ilecife. 28 de maio de 1870.
O esemao, Mcnoel Maria Rodrigues do Nat;t-
ment. ,
Fwacuco de Mn Oliveira Mactel. m
O Dr. Francisco de Assis Oliveira Maciel
juiz de direito da primeira vara criminal
e substituto da do commercio nesta cida-
de de Rece de Peroambuio e seu ter-
mo, por S. X. Imperial e Constitucional
o Sr. 0. Pedro II, a quem Deus guarde,
etc.
Faco saber os que o presente edital vreme
delle noticia tiveran, que no dia :10 (boje) de maio
do correrte anuo, se ha de arrematar por venda,
quem mais der, em praca publica deste juizo,
denois da respectiva audiencia, o segmnie :
Um sobrado de dous andares e soto, sita na
ra estrena do Rosario n. 23, com 61Ui palmes
:?I.v e"d<>*"quartos em cada andar, oeinba-fra,
. avallado por 15:006^000.
Um dito do um ndar e sotao sito na ra das
Aeua<-Verdes n. 2, com 51 palmos de compr-
melo e 13 de largo, com 2 salas e 2 quartos e
no sotao i1o*k pequeos quartos. cosinha com pe-
* queoo quinia, avahado por 5 000*000.
Um sitio ea traveesa do Brito, freguesa de S.
Jur, chaos propries, cocheira e estribara, com
A.M) palmos de frente, alem do alagado, 400 de
'lindo, com aguns arvoredos, avahado por......
-48:380*000.
Os quaes foram psnhorados por execnoao de
Mnnoel Pires Ferreira, contra o major Antonio da
* >ilva Gusmao.
E nao haveno lanzador que cubra o preeo da
. avakacio, a arrematacio ser feita pelo pre^o da
ad'ndicaco na [erma da lei.
E para que ehegue ao coDhecimento de
'todos, mandei passar o presente, que ser
publicado pela npreRsa e afiliado nos lu-
gares do entume.
Reoife i de aaio de 1870.
Eu, Manoel Mwia Rodrigues do Nasci-
nneoto escrjvo o sobscrivi.
Francisco 4e Assis Oliveira Maciel.
de bomba de ferro, JO0 lijlos inglezes 40 bm
de taxas de cobre, 40 garraa de Unto escre-
ver rxa, 40 garrafas de tinto de escrever preta, e
72 grosas de torcidas para pharol. >.^h
Sala da sessdes do conselho de compras uva(
25 de maio de 1870.
0 secretarlo.
Alexaadre Rodrigues dos Anjos.
Imperio e reglo !*
Austria e U0fherU !
i a ni b neo
Con decreto dd." 14 dicembre 181, venne or-
dinata nn aoagrafe dei suddiu austro-ungarichi
si trovano all'estero. _.
I medeiimi vengono quindi inviUU col presente,
di anaunsiar-si, nei termine di tro mesi dal gwr-
no d'ogg, presso questo I. e R. eonsolato, mnniti
dei documenti conprovanti.
La iscrisione ha luogo libera d ogeri spesa, ed
assicura agli iateressati il dirttto di nazionalit
presso l'l. e Ufflc consolari nel irasile.
Imperiale e Regio eonsolato d'Anstria-Ungana,
in Pernambuco 2 aprile 1870.
L' I. e R-consol,
Barone do Livramento.
en
Consulado I. e H. da Atistria-flungaria
Pernambuco.
Pede-se-a auem poder dar noticias exactas dq
subdito hngaro, por norne Jos liffer, ebegado ao
Brasil ha alguns annos, e ja fallecido.de comwunt-
ca-las ueste consulado, pelo que se Ihe ftear mni-
to agradecido, e at promelte-se urna recomeensa
se necessario for, para mais fcilmente poder -se
obter as noticias que ne pedem do sobredito indi-
viduo. Recife 28 de maio de 1870.
O consol I. e R.
Barao do LiuramenK).
i Qspccco do arsenal e
marnha.
Fac-se publico que a commissao do peritos,
examinando na ferma determinada no refnlamento
annexo ao decreto n. 1324 de 5 de fcwereire de
1854, o cseo, machina, caiduira, apparelho,
mastrealo, veame, amarras e ancoras do va-
por Ipojuca da ompanhia Pernambueami de na-
vega cao costeira, achou todos esses objectes era
estado de |>oder o vapor navegar.
Inspeccao do arsenal de raarinha'de Penwmbu
eo 27 do mate de 1870.
O inspector,
H. A. Barbosa de AJmoida
N
TVavcoogA) costetra por 'Vapor
Macelo escalas e fenedo*
O vapor OtaW, commandante Oom, segui-
r para os portes cima no dia 31 do correte
as o horas da tarde. Recebe carca -at o dia 30,
encomraemUs, passageiros e unbeko a trefe
at s-1 borne da tarde do dia da sabida, eo ?-
criptorio do Forte do Mattos n. 12. ^^^
'COMPANHIA PERNAMBDCANA
DE
Navegando costeira taor vapor,
Portle GaHinhas, Rio Formoso e
Tamandar.
0 Tnper Paraktfba, segu para oe portos ni-
ma no 41a 31 do eorrente 4 mea noite. Reeetx
carga,-encommendas,passageiros edinharo afre-
te no escriptorio do Forte de Mattos n. 12.
Paraoorto ,
V sair a galera portugueza Tentadora da qual
cemmandante o multo conhecido e acreditado
capitao Emigdio Jos de Ohveira ; recete carga e
passageiros : i tratar com os consignatarios Car-
valho & Xogueira, na ra do Apollo n. SO ou com
o mesmo capltio.
estribarla,, cacimba com agua de beber,
tanque, para bai e terreno, chaos vpro-^
|ei-/mti 3i de maio as 11 turas.
Po^tntervenvao do agente P.nto, em sen es-
crtBtorio i roa da Cruz n. 38.
Oe um boa
e oat
bonito cavallo forelro
_ bons andares.
I O agente Martins far lelle n rquerimento de
Joao B. de S e por despacho do lllm. Sr. Dr. juiz
municipal da segunda vara de tim cavallo foreiro,
de pelle muito bonita e por conto de quem per-
tencer.
Quarta-feira ( de junho.
Defronte do Corpo Santo na porta do predio
onde foi Associagao Commercial as 11 horas do
dia.
Pregsa-se de urna ama
Pescadores n. 33.
Ama.
de lene
na
roa los
--------
PAM'
Para o referido porte pretende seguir com mui-
to brevxtade o patacho pertuguez N*m Sorte, por
ter a nanier parte de seu carregame ito tratado,
para e nouco qne Ihe
corntRoda, trata-se com
Jos Gon^alves Beltrao,
mero 17.
falto, qne recebe a frete
o consignatario Joaquim
ra do Cemmercio nu-
LEILAO
COMPANHIA
COMPANHfA PERNAMBUCANA
DE
lavegaeSo eostelra por vapor.
Parabytea, Natal, Maco, Moesoro, Ara-
caty, Cear, Mandah, Acaiac e
Granja.
0 vapor Ipojuca, mmandanu
Moura, seguir para .os porto:
cima no dia 31 do correrte as 5 hora'
la tarde. Recebe carga at o dia] 38, encom-
mendas, e passageiros e dinheiro 4 frete at a.'
2 horas da tarde do dia da sahida no escripto-
rio do Forte do Maltas n. 12.
JL
de livros de litteratura, philo
sophia e direito dos melhores
e mais afamados autores, co-
mo ?ejam:
Dederot, Rosseau, Bentham, Lamartine, Feal,
A. Dumas, E. Scribe, Guizpt,Lamenais,Aim Mar-
tiu, W. Scott, Voltaire, Castilho, Mirabeaux, Plu-
tarque, Michelet, Ancellon, Thiers, Schnespeare,
Ponqueville, Buffon, Kant, Schelling, Charm, Du-
pin, Ahrens, Machaiel, Ducurrroy, Bacnn, Orto lio.
Monlesquieu, Jauffrov, Pereira ASouza, P. Bueno,
Coiteia Telles, Merlin. Bacon, Ferreira Borges,
Loureiro, Dr. Baptisto, Rogron, Pardeasus, P.
Bueno, Troplong, Waldeck e mu tos outros.
Quinta-feira t de junho.
No 1' andar do sobrado da ra do Vigarto n. 5.
O agente Pinto far leilao precedida a compe-
tente autorisacao, em lotes a vontade dos com-
pradores, des livros de direito, litieratura e phi-
losopbia que perteneeram ao finado Dr. Feitosa, o
leilao ser effetuado no dia e lugar cima men-
cionados.
Principiar as 10 horas em ponto por serem
muitps os lotes.
Cabeilereiio.
Ra da Cruz n. ti i andar,
por can a da botica
Antonio Bodrigues Ramalbo acaba de abrir a
concurrencia publica nm espacoso e acceiado sa-
lao para barbear e cortar cabellos, e aflianea que
uelle Montraro seus amigos, antigos freguei.es,
e em geral todos os qne quizerem frequenta lo,
agrado, actividade e bom desempenho do trabalho.
20
Pedido.
Pede-se encarecidamente (so assim) aos senho-
res abaixo mencionados se dignem por especial
obsequio de virem realisar aquillo que teem pro-
mettido por diversas veres, pois j e tempo, e vis-
to que o nosso negocio de interesse pars. os
mesraos senhores, por isso os esperamos o mais
breve, advertindo porem, que nao retiramos este
nosso pedido sem qve nao comparecam a ra. de
Crespo n. 7 A, loia do Passo.
Albino de Jezus Bandeira..
Jos Lniz de Souza,
Jos Antonio Miranda Guimaraes
Luiz de Franca Belem. ______
DECLARACOES.
Pela recebedora de rendas internas geraes
se taz pnbUco, que ueste eorrente mez de maio
que se linda o prazo em impoeto 4>es?oal, relativo ao segundo semestre do
exeretcio eorrente, entre os quaes se comprehen-
dem oempnegados pblicos geraes, provineiaes e
municpaes, teem de paga-io bocea do cofre e
\ livre ue multa, e que ndo o referido prazo, ser
\.obrado om a multa de 6 por cento.
S, Recebsdoria de Pernambuco, 2 de maio de 1870.
O administrador,
Uanoel Carneiro de Seuza Lacerda.
- As pessyas que quizerem contratar o forne-
cime.Vto de cacae, pao, effeitos de venda e de mo-
Ihadoi'iao Asyte de Mendicidade, podero apresen-
tar prop>.1stas ta cartas fechadas ao Sr. capitao
Amaro de. Barrosorra, rnordorao da Santa Casa,
at o dia V* do correte, sendo toes cartas enca-
rainbadas pai a a aaandega; onde o referido mor-
domo ser di ariamente encontrado, t contrato
ser realisado com aquelle que offerecer menos
preeo, e no dia 3.' devero os proponentes compa-
recer'no mesmo .'ylo. as 9 horas da manua.
O caixa desta companhia, commendador
Thomaz de Aquino Fonseca, ncha-se auto
risado a pagar no seu esenptorio ra do
Vigario n. 19, das 10 horas as 3 da tarde,
o ii" dividendo esta companhia na propor-
go de por cada acc5o.
Escriptorio da Companhia do Beberibe
8 de maio-de 18G9.
O secretario,
Dr. Prxedes G. de Souza Pitonga.
Tribunal do com-
mercio.
Por esta secretaria se faz publico que ficam ar-
chivados :
O contrato de sociedade de Joaquim Jorge de
Souza e Manoel Jorge de Souza, estabelecidos nes
ta cidade com padaria, sob a firma de Souza 4
Irmao. e o capital de 8:206i00.
O distrato de Antonio Bernardo Vaz de Carvalho
e Miguel Pereira Leal, dissolvendo a sociedade que
gyrou sob a lirma de Vaz 4 Leal, cuja liquidacao
fica cargo do ex-socie Vai de Carvalho.
O contrato o>. Jos Alexandre Ribeiro e Fran
cisco Ferreira Maia, estabelecidos nesta praca sob
a firma de Ferreira Maia 4 C, com casa de com-
mercio de phannacia e drogas, e o capital de
20:00, sendo 13:000* em commandiu.
O distrato de Antonio Lo jes Braga, Francisco
J>s Gomes e Jos Gomes, dissolvendo a sociedad*
que gvrou sob a firma de Braga, Gomes a .., ae
.l^^Mj^jweiaiu ira ux-socios Braga e rran
cisco Jos Gomes responsaveis
O distrato de Beruardino Duarte Campos, Joa-
quim Fernaudes da Silva Campos e Manoel Jos
da Costa Pereira, dando por liquidada a sociedade
que tinham sob a firma de Duarte, Pereira 4 u,
cuja duracao findou em 28 de fevereiro ultimo.
O contrato de Jos de Souza Braz e Francisco
Jos Fernandes Marcos, estabelecidos nesta cidade
com taberna. 9em lirma social, e com o capital de
3:117*735.
Secretaria do tribunal do commercio de Per
nambuco 28 de maio de 1870.
O offlcial-maior,
Julio Guimaraes.
Tribunal do commercio.
Por esta secretaria se faz publico que nesta data
foi inscripto na matricula dos commerciantes o
Sr. Joaquim Francisco das Chagas e Silva, cidadao
brasileiro, estobelecido nesta cidade com casa de
commercio de miudezas retalho.
Secretaria do Tribunal do commercio de Per
nambuco z'i de maio de 1870.
O offlcial-maior,
Julio Guimaraes.
Conselho de compras u\m
O conselho promove t'm 38 do eorrente, sob as
condicSes do estylo e \ is* de proposta reoabi-
das at as 11 horas da ma\ibaa, a compra dos se-
guintes objectos do materia* da armada : 20 almo-
tolias de folha para azeite, \'2 carnnhos de rano,
6 foles inglezes tendo cada ua.' 8 ps de compri-
men e 6 ee largo, 20 lences de ferro de i|i de
grossnra. 6 ps de comprimento e "e largo, 100
pratos travessos de folha, 10 duzU ^ taboas de
po-carga de 1 polegada, 6 barras de ac batido
depopoca de 2 1|2 polegadas de k'rgoe4|8de
grossnra, 6 barras de ac batido de i M polega-
das de largo e 1|4 de gfoasura, 40 arroi'* de ale-
nagre, 30 pecas de brim, 20 baldeadeiras d? folha,
10 pelles de caraurca. 100 cobertores de ,aa> '80
colchas de algodo, 28 caivetes de aparar ^enna,
40 cadeados de ferro sonidos, 100 croqut'* *
ferro, i milheiros de cravos sortidos para pipa, *~
canecos ferrados para caf, 10 camas de vento, *
crivanias de metal, 100 forquetos de ferro, ftv1
barras de ferro inglez proprios para grelbas, 380
varoes de ferro inglez de 2 7|8 de grossnra. 280
varoes de ferro inglez quadrado de 2 a 4i8 de
BTOSsura, 20 arrobas de graxa do Rio Grande, 2
livros grandes de talio, papel panudo, de 280 fo-
lhas, 1 livro grande, papel pautado, capa de eon-
ro, de 288 toldas, 2 livros grandes, papel pautado,
capa da couro, de 158 fo bas, 18 livros grandes,
papel pautado, do 208 ful has, 28 livros grandes,
papel pautado, de 188 folhas, 50 livros pequeos,
papel pautado, de 50 folhas, 8 arrobas de lia bar-
riguda, 40 milheiros de pregos, de; ferro de batel
pequeo. 48 raiibeiros de pregos de ferro de batel
grande, 18 arrobas de pregos de ferro de i pole-
gadas, 2 resmas de papel hollanda, 20 grosas de
parfosos de metal sonidos, 40 milheiros de taxas
Correio geral.
Hela^o das cartas que, registradas nesta adminis-
trado e destinadas s pessoas abaixo declaradas
as provincias do sul e norle do imperio, foram
devolvidas, em consequencia de seus destinata-
rios as nao terem reclamado ; portento os re-
metientes ou os proprios destinatarios, que se
aeharem nesta provincia podem vir recebe-las
reunidos dos competes certificados :
Antonio dos Santos Lessa, Antonio R. Souza e
Silva, Antonio Joaquim Frisa?, Antonio Tureo,
Epiphanio Manoel de Carvalho. Francisco Antonio
da -Fonceca, Francisco de Paula Bodrigues de Al-
meida, Fabio Rio (2), Felicia de Jesns Mana,
Francisco Bodrigues Pessaa de Mello, Henrique
Vieira da Cunba,Jullao H. Correa de Miranda, Jos
T. Bastos Magalhes, Jos Alves Valenca, Joio Fa-
enados de Castro Menezes, Joao Lopes Leal, Luiz
Francisco do Espirito Santo, Manoel Cardoso de
Lima Figueiredo. Manoel Ignacio de Carvalho Mon-
dones, Mara Joanna Gomes Machado, Manoel Lniz
Gonealves Ferreira. Manoel da Cunha Sampaio J-
nior, serafim D. Madeira (4), Tbom Fernandes
Madeira de Castro, Thomaz Ferreira de Oli-
veira, Antonio Pereira da Costo
O encarroado do registro
_____________Manoel das Passos Miranda.
Administrado dos correios de Pernambuco
30 de maio de 870.
Mala pelo vapor Guar da companhia bra-
sileira.
A eorrespondene que tero de ser expedida hoie^
pelo vapor cima mencionado, para os portos do
snl, ser recebida pela forma seguinte :
Macos de jornaes, npressos de quaiquer natn-
reza, e cartas a registrar, at as 2 hora* da tarde,
cartas ordinarias at as 3 horas, e estas at 3 1(2
pagando pone duplo.
As cartas e Jornaes que forem dirigidos ao Rio
da Prata pagario previamente, aquellas a toxa de
380 rs. por 15 grammas ou fraccao de 15 grara-
mas, e estes 48 rg. por 40 grmmaj ou fraccao de
40 grammas na progressSo estobeJecida as ta-
bellasC e Dannexas s instrnecoes do 1* de
dezernbro de 1866.
O administrador,
Affonto do Reg Barros-
AVISOS MARTIMOS.
Kio-Grande do Sul
Prepara se oara sahir com a possfel brevida-
de o patacho Cyro, por ter a maior parte da car-
ga, e para o resto que Ihe falta, trat|-se com o
consignatario Joaqu m Jos Gonsalvej Beltrao :
roa do Commercio n. 17. \
CARG*.
O navio Pietro Eugenio recebe ca^a para
Bahia a frcle commodo
Burle 4 C.
para tratar
com E A.
IHI SIL
Para o referido porto fica promptoj receber
carga a frete o patacho portugus Bocha, navio
novo e de primeira classe : tratndote com os
consignatarios Amorim Irmaos 4 C, wa da Cruz
numero 3.
Aracaty
Seguir com a possivel brevidade
Sbrateme, ainda recebe algn carg
tratar coiuS Leita> Irmaos, ra d
Dos n. 1.
) palhabote
a frete
Madre
Para Maranhao
A barca portugueza Joseptna, qudeste a che-
gar do Rio de Janeiro, donde j saSio, seguir
para Maranhao com toda prestesa, para o que
desde j eoganja a carga rete barato : trata-se
com Marques, Barros 4 C, no larfo do Corpo
Santo n. 6. 2o andar.
LEILOES.
LEILAO
De
400 chapeos d Cbyll.
Hoje as 11 horas em ponto.
O agente Pestaa (ara leilao por conta e risco
de quem pertencer de 00 chapeos do Chyli em
umou mais lotes hoje as horas cima dito no lar-
go do Corno Santo junto ao ca' commercial.
LEILaO
De urna casa de um andar com duas lojas
sita a ra da Palma n. 9, rende annual-
mente 6125000,
Terc-a-feiri 3! de malo as. 11
horas
Por intervengo d) agente Pinto, e;n seu es
f riptorio ra'da Cru*. n. 38.
LEILAO
Das casas terreas da ra da Santa Cruz ns.
64 e 66 e Cotovello n. 2, edificadas em
ch5os proprios com grande quintal mu-
rado sendo .que os fundos da primeira
do para os fundos da casa da ra do
Cotovello, com porto.
Terca-feira 3 le maio as 11 horas.
Por interveneo do agente Pin'-o, em seu escrip
torio ra da C-nz n. 38.
Da casa ]errea da ra da Gloria n. 16 editlcada
em chaos proprios.
Urna dita na ra da Mangueira n. 50, casa de es-
quina, chaos proprios.
Urna dita na mesma ra n. 18, chaos foreiros.
Urna dita na ma dos Prazeres n. 40, chaos pro-
prios.
Terca-fefra 31 de malo as 11
horas.
Por interveneo do agente Pinto, ma da Cruz
n. 38.
LEILAO
De AO cala com sabo.
Terca-feira 31 do eorrente.
O agente Pestaa vender em leilio por conta
le quem pertencer 230 'Mxu cora sibio em um
ou mais lotes a vontade, terca-feira 31 do cor-
rente as 11 horas da manhaa no irmazem do
Aunes.
De 30 paoelros coas tapioca
Tercaafeira 31 do corrate.
O agente Pestaa far leilao por (conta e risco
de qtem pertencer de 30 paoeiros" com tapioca
em om ou mais lotes a vontade, terea-hira 31 do
eorrente a porta do Aunes defronte da alandega
p aahla americana e brasi
lelakt de paquete* a rapor.
At o dia 1* Je junho esperado dos portos do
sal o vapor aVnericaoo Merrimack^o troal depois
da demora do .'slame seguir para New-York t-
eando no Para e S. Thomaz, para fretes e paisa-1
gens traa-se coa' os agentes Henry Foriier 4 C; \.
n do Commercio n. 5. J
De
LEILAO
15 barrls de S com vlnho
verde.
Terca-feira 31 do correte.
O agente Pestaa (arJeilao por eonta e risco
de quem pertencer de 45 barris cora siperior vi-
no* verde e serao vendidos, em lote* t vontade
doteompradores, terca-feira 31 doTeorreote as 11
1|2 horas da manba na porta do armazn do
Aunes.
LEILAO
De joias.
Mauricio Jos dos Santos Bibeiro estobelecido
com casa de penhores praca da Independencia
n. 33, fsr leilao na mesma casa por interven rio
do agente Martins, no* da 3 de junho as 11 horas
do dia, de todos os objectos dados em penhor
constantes das cautelas ns. 130 B, 158 B, 161 B,
164 B, 126 B, 170 B, 171 B, 171 B, 145 B, 184 B,
191 B, 194 B. 104 B, 201 B. 204 B, 216 B, 228 B,
229 B, 230 B, 234 B, 237 B, 238 B, 110 B, 113 B,
78 B, 253 B, 255 B, 167 B, 261 B, 264 B, 269 B,
94 B, 278 B. 283 B. 292 B, 102 B. 293 B, 298 B,
302 B, 249 B, 303 B, 305 B, 311 B, 313 B, 318 B,
319 B, 219 B, 321 B. 325 B, 328 B, 329 B, 180 B,
332 B, 76, 62, 34, 82, 71, 90,64, 95, 59, 77, 92,
66,114, 116, 98, 102, podendo seus donos resga-
tar os objectos ou pagar o premio que esto de-
vendo at ao acto do leilao e a vista da cautela.
Aforamse ou vendem se terrenos sitos em Be-
beribe, a nm quarto de legoa da povoacao, cim-
nho do lugar chamado Merueira por um lado, e
por outro riacho Lava-tripa, Esses terrenos sao
em ptimo barro para o planto da canoa, e ou-
tros n isteres da agricultura, e de ama exteneo
de 400 palmos, onde se encontram diversos corgos
a maoeira de riachos e roadeiras proprias para
censtruccao: quem pretender, pois, entrar em
negocio entre tees terrenos, appareca mi do
Hospicio n. 70, que achara com quem entenderse.
A VIVA DO DR. SABINO
proprietaria do antigo estabelecimento de
seu finado marido Dr. Sabino O. L. Pinho,
previne ao publico que deste date em
diantc nicamente encarregado de ins-
peccionar a boa preparaca) e organisa-
cao de sua pharmacia especial homeopa-
thica o lllm. Sr. Dr. Jezuino Augusto dos
Santos Mello.
utro sim que o mesmo Sr.
DR. SANTOS MELLO
quem dirige o antigo consultorio do Dr.
Sabino 0. L. Pinho.
Consultes das 10 horas ao meio dia.
Gratis aos pobres.
Rrja da Imperatriz-
Fari Lessa. *
Temoe a honra de participar ao respeitavel pn-
blieo que (liemos desnguir a nos$a nova toja dr
fazendas finas com o-elegante titoto La Ville m*
Pan*; animados como estemos pelo desejo de
corresponder a melhor vontade do* frtguezts, po-
demos asseverar sem recelo, ao publico em geral,
que nio haver quem possa vender mais barato,
attendendo aos precos e qualldade da fazenda, e
mandamos as casas das Exmas. familia* quai-
quer fazenda pira melhor escolherem ; damos
abaixo os precos de varias pecbinchaa, que serao
o bastante para justificar a nosaa sineeridade ja
En- alguem reconheeida -. saias brancas com ba-
ado frisado pelo baratissimo preeo de 3#080, r-
eos corpinhos bordados, objecto de ti, pelo pre-
eo de 54, cassas de cores, lindos padroes, a 2*0
rs., chitas finas claras e escuras a 300 rs. o cora-
do, cambraias organdys a 648 a vara, mandapotio
fino a 6| a peca, toalbas felpudas para rosto a
8 a duzia, lencos de cambraia a 2500 a dazia,
cambraia victoria fina a 5a, 5*500 e 64, completo
sortimento de grosdenaple preto, popelinas de seda
o que ba de melhor, ditas de laa, e varias quali-
dades de alpacas brancas e de cores, cambraia im-
neratriz, completo sortimento de chitos, madapo-
ln e algodaozinbo, bramante para lences, es-
guilo, fustoes para vestidos e renas de meninos,
camisas, ceroulas. meias, grvalas, coiarinhos, e
outros muitos objectos qne deixamos de mencio-
nar, tudo por commodos precos.
Grande reuniao!!!
NO
Armazem do Campos
O Campos avisa aos seus numerosos amigos e
freguezes que tem conseguido fazer urna Grande
reunido de gneros especiaes e inteiramente na-
vidades, como sejam.
Queijos de manteiga.
Ditos de Coalba.
Ditos de Minas.
Ditos flamengos.
Lates de guizados francezes.
Frascos de conservas francezas.
Doce fino de goiaba.
Charutos do afamadissimo Coste.
Lates com lagostes a 600 rs.
Cha penda verdadeiro.
Lingaas seccas a 240.
Ceblas a 880 rs, a tranca.
LEILAO
de um carro americano coberto, comassen-
to para 2 e 4 pessoas de 4 rodas para 1
e 2 cavallos e com arreios.
Quarta-feira 1 de junho as 11 horas em peuto.
Por iutervenco do agente Pinto no largo do
Corpo Santo lado da sombra.
EM CONTINUACAO
vender o mesmo agrnte um dg-cart com arreios
e um cavallo.
Atten$o
Na roa Nova n. 43 vende-se urna cegrinlia de
11 annos, bonita pera, e urna escrava com duas
lindas crias.
AVISOS DIVERSOS.
Mudanpa.
O Dr. Carolino Francisco de Lima Santos mu
don sua residencia e comultorio para ra do
Imperador n. 57, 2" andar do sobrado cujo arma-
zem conserva ainda hoje o nome de Alianca,
tendo a entrada, que pelo lado da ponte Sete de
Setembro, o mesmo numero 57, da frente. Ahi,
continuando o dito Dr. no exercicio de sua pro-
Sssao de medico e de operador, pode ser procu-
rado a quaiquer hora do dia e da noute.
Que o Ferreira annuncia pecbincha, de tantas que
tem tido os seus antigos freguezes nao tem dado
lugar a se annunciar, mas desta vez qne a porcao
e grande, elle quer servir aos seus novos fregue-
zes, por isso est vendendo.
Para luto
Borzeguins francezes para senhora, cano alto e
espiados a 688.
Ditos regulares com gaspia a 54888.
Tambem na de cores, mas como existem outras
qaalidades de calcadjs que seria enfadonho men-
ciona-los. por isso s se limite aos pretos : na ra
do Livramento n 37, junto a igreja, loja do sobrado
de varanda de pao.
Antonio Joaquim d'Albuquerque Paes, vai
para Europa concluir seus estudos, no prximo
vapor.
Os abaixo assigoados fazem publico qne
desde o primeiro de Janeiro do eorrente anno dis-
solveram arnigavelraente a sociedade que tinham
na loja Aguia Branca, sob a firma de Cmara &
Guimaraes ficando este desligado da sociedade e
correndo toda a liquidacao por conta do socio C-
mara, a quem fia pertencende todo o activo, as-
sim como todo o passivo da mesma.
Kecife, 35 de maio de 1878.
Francisco Jos Alves Guimaraes.
Marcolino Dornellas Cmara.
Ama
Na ra da Alegra n. 5 precisa-se de urna ama
para comprar e cozinhar para peqnena familia.
AVISO
O Sr. Ildefonso Lucio Monteiro da Franca quei-
ra apparecer na travessa da ra das Cruzea n. 2
a negocio que nio ignora.__________
Precisa-se de urna de leite forra ou escrava que
tenha bom leite e seja de boa conducta : na ra
do Duque de Caxias, antiga ra do Queimado,
n. 69..
Precisase de urna ama para comprar e co-
zinhar : na ma do Queimado n. 22, loin._______
Precisa-se ie urna ama
Rosario n. 45, andar.
na ra estreita do
Caixa filial do sanco do Brasil em Pernambuco
em liquidacao, 25 de maio de 1878.
O liquidante da caixa avisa aos pretendentes s
propriedades annunciadts venda, sita i ra Im-
rial,-que de accordo com as instrucoes rebebi-
das do banco, vai ao mesmo banco sabmetter a
maior offerta que teve de vinte coutos de reis pelo
sobrado o. 64.
HOMEOPATH.1
MUDOU-SE
Para na Nova u 43.
Antiga residencia e consultorio do Dr. Sa-
bino L. O. Pinho.
Consultas todos os das das 18 horas da
manhaa ao meio dia; e chamados a qua -
quer hora do dia ou noute.
Gratis aos pobres.
i3Ra Nova43
Quem tiver e queira alugar um preto (em-
bora de idade) que sirva para vender hortelice,
dinja-se ra da Amizade n. 18, na Capunga.
Cosinheira.
Precisa-se de urna cozinheira, na ra do Viga-
rio n. 7, 1* andar.
AVISO.
Os Mutuarios possudores das cantellas n*. iC B,
47 B, 124 B, 74 B, 133 B, 137 B, 51 B, 66 B, 10>
.B, 93 B, 115 B, 67 B, 75 B, 12 B, 7 B, -48 B.
Venham receber o excesso qne produzio em
praca no leilao de seus penhores no praso de oilo
dias, do contrario se recolher ao deposito geral.
Becife, 21 de maio de 1878.
Mauricio Jos dos Santos Bibeiro.
Precisa-se de um mestre de masseira que
seja bom, ne se olha a ordenado : no pateo do
Terco n. 38 _______________
!g^?i-ifaBHm*HMl
RAP PBINCEZA .
GASSE DO RIO DE JANEIRO.
A ra do Vigano n. 27, acaba de rece-
pelo ultimo vapor um sortimento do rap
gasse, tanto grosso como fino, assim como
Paulo Cordeiro i.oiniiiiiiii e viajado, que
tanta acceitaco lem merecido nesta provin-
cia pela sua excellente qualidade proveniente
das boas materias primas de sua composi-
Co, tendo alm disso a propriedade de n3o
ferir o nariz aqueiies que fazem delle uzo:
os precos sao o mais em conta possivel.
Calcado nacional.
X. 19 Ra do ardlni V 19
Jos Vicente Godinho com fabrica de calcados,
avisa a ledos os seus freguezes, que contina a
vender calcado em sua fabrica em grandes e pe-
quenas porgues como dantes, sendo mais barato do
que em outra quaiquer parte. Assim como um
sortimento de pares de formas francezas chapea
das para hornera, Co ultimo gosto, a preeo de
44O0O.
Mofina.
Roga-se ao lllm. Sr.' Ignacio Vieira de Mello,
escrivao na cidade de Nazareth desta provincia, o
favor de vir a ra do Iaperador n. 18, concluir
aquelle negocio que V. S. se comprometteu rea-
Usar, pela lerceira chamada deste jornal, em (ras
de deiembro prximo passado, e depois para Ja-
neiro, passou a fevereiro e abril, e nada cumprio,
e por este motivo de n< vo cbamadopara odito fim;
pois V. S. se deve lembrar que este negoc o de
mais de oito annos, e quando o Sr. seu lilho se
achava no esludo neste oidade.
GASA DA FORTTSA
Acs 5:0005
Bilhetes garantidos.
A ma do Crespo n.23 e casas do cottome.
O abaixo assignade, tendo vendido alm de ou-
tras sorles, um meio n. 758 com 5:808| da lo-
tera que se acabou de extrahir a beneficio da
irmandade de Nossa Senhora do Bom l\.rto da
cidade de Olinda (147*), convida aos possudores
a virera receber na confermidade do eos tu me
sem descont algum.
Acham-se a venda os felizes bilhetes garan-
tidos da 4* parte da lotera beneficio di igre-
ja da Santa Cruz do Becile (148*), que se attrahi-
r segunda-f-ira 30 do eorrente mez.
PregosOs do costume.
Manoel Martins Fiuza.
FARMACIA CENTRAL
Ra do Imperador a. 8&.
Lamploughs Pyretic Saline.
A preparation of well known utelity to tbe En-
glish Faculty. as a cooling and refreshing bi verage
in all cases "of fever. The freqoent use'of ihis sa-
line preserves foreigners from many diseises to
which they are leabfe before becoming aecliroa-
tised. May be obteined al tbe Pharmacea Central,
ra do Imperador n. 38.
Ama
Precisa-s para o servico de urna casa de pouca
amilia : no pateo de S. Pedro n. 18.
Precisa-se de urna
13, r andar.
AMA
na ra das Larangeiras o.
Ama
Precisa-se de um* ama para co'iahar e en-
gommar: na praca da Independencia ns. 4 e 6.

Precisa-se
De um caixeiro de 14 a 16 annos : na ra do
Cotovello, quina qne d pan. a travessa du
Barreiraa, teada._______
Precisa ae de um raoleque de 12 a 15 an
nos para servico de urna casa de pouca familia :
na ra do ama de Caxias n. 31, 1 andar.
Jp* ?** tru vai Porlueal, a 4*ix
por seas bastantes procuradores Francisco Coelh*
Brandao, Antonio Pedroso de Lima e Francisco
, Jos Fernandes Piucos- Becife J8 de mo de
aecoromodacoei, qoartos fora, cocheira el 1870.
Do sitio denominado 4 lees oa ra de Joao
Fernandes Vieira n. I, coa urna grande
casa de um andar e soto, com militas
Milita attenpao
Constando que o Sr. Joaquim Salvador P. de Si-
queira Cavaleanti vai vender agora' om dos teas
escravos, achando-se encarregada du compra a
casa eommerctal doi Srs. Manoel Alves Forrelra
C, e como aquelle senbor nio possa (aier tal
renda porque ha penhora em taes escravts por
parte de alguns credores, sendo quaiquer venda
aulla por ser feite era fraude da execuco. avisa-
se em tempo a quem- qaef qne eeteja contratado
para tal negocio, nao faca para nio perde-lo.
Irmandade acadmica
de N. S. do Bom
Conselho.
De ordem de nosso irmao juiz convido a mesa
administrativa desta corporacao reunir-se. no dia
2 do mez de junho prximo futuro, as 11 horas da
manhaa, em o convente de S. Francisco, para tra-
tar-se de negocios relativos mesma irmandade.
Consistorio da Irmandade acadmica ao^ il de
maio de 1870.
O secretario.
Camino Correia Dantas.
Ama de leite:
Precisa-se de urna ama de leite livre ou escra-
va, e paga-se bem : ua ra da Poute-velha o. C
Gabinete Portuguez de Leitura
em Pernambuco.
De ordem do llm. Sr. presidente do conselho
deliberative, convido os Srs. conselheiros a reuni-
rem-se em sessfio extraordinaria, segunda-fira 30
do eorrente, pelas 6 \\z horas da tarde, afim de
serem apresenlados os balancetes e relatorio da
directora.
Secretaria do conselho deliberativo do Gabinete
Portuguez ae Leitura em Pernambuco 25 de maio
de 1870.
J. B. Fonseca,
Secrertano.
AMA
Precisa-se de urna ama que
engommar, prefere-se escrava :
ment n. 19.
saiba cozinhar e
na ra do Livra-
Ama de leite.
Precisase de ama de leite :
Bosario n. 26, primeiro andar.
na ra larga do
Traspas>a-se urna hypoiheca da quantia de
4:800* com seguranca em urna propriedade na
freguezia de Santo Antonio : a fallar na ra do
Duque de Caxias, loja da verdade n. 55.

. n V.
Antonio Samico de Lyra e Mello e Idomcfteo Sa-
mico de Lvra e Mello agradecem cordialmente a
todas aqullas pessoas que se dignaram compare-
cer ao enterro e acorapanhar ao cemiterio publico
os restos monaes de sua sempre chorada mai Je-
ronyma Samico de Lvra e Mello ; e de novo con-
vidan aos seus parentes e amigos para ouvirem
algumas toissas do stimo dia que mandam cele-
brar no convento do Carmo no dia 1 de junho
pelas 7 horas da manhaa, pelo que se confessam
desde ja gratos.
O 8r. Jos Claudio Dubeux tenba a btmdade
de apparecer na ra do Queimado n. 7 a negocio
qne nio ignora.
Precisa-se comprar urna usa com qiintal,
prefere-se as ras do Sebo, Pira* e mesmo na
Beledade: a fratar na ra do Livramento n 10.
. Na padaria da ra da Concordia n. ) pre
eisa-s* de urna ama e de um caixeiro.
Ceciliano Jos Ribeiro de Vasconcellos, agrade-
ce cordialmente a todos os seus amigos e paren-
tes que se dignaram acompanhar o restos mor-
tees de sua presada esposa D. Mara Digna de
Vasconcellos, e de novo o* convida para assisti-
rem a mlssa do stimo dia, que se h de cele-
brar no convento do Carmo do Recife, qoarta-tet-
ra 1 de junho, por cujo acto se confessa eterna-
mente grato. .
AO PUBLICO
Gonealves, Irmao & C, successores e liquida-
tarios das extinotas firmas de Antonio Gonealves
de Azevedo e Gonealves Para dt C, declaram a o
publico e as autoridades policiaes, qne de -seu e.-
crptorio em seu eslabelecimento a roa ao Livra-
mento n. 22, Ihes foram subtrahidos, nv8uce
tem servido de borrador de diversos lancamentor,
diversas cadernetis tambem e^P,nT**f' en'"
estas urna de coplas de eontai crtenles cora
seus devedores e ontro coplas de contes *enda,
assim como diversos documentos.de imporUHCia,
como seiam recibos, cartas. cpmas J?mw-
Nao podem precisar a poeja ,em qu^teve, lagar
esta snbtraclo nem a pawoa 4 **%?>
que s agora7 na occnaWa anqn* o scelo chele
gerenteVat de f**rtre| dos linos e do-
enmentos da^sn os*mls odosse dea per
essa falta. Rogam lrtnto s nforidades pol.-
claes e mes
tees nnw.'cadernetw e documentos, taor de
os aprehender;epretestefflPWeder cnminalroen-
u centra qo* luttrahiraouVfs tenha era 5eu
peder.
vn
>
i
/
:





"i
1

1/
Diario de Pernambuco Segunda fera 30 de Mpio de 1870.
v^
wm wwos.
UVBAIA FRANGEZA
*aa i* Crep iro .
AnssffciAleudes soeiaes, 8* encad. 3000.
Brafo-rEspirito do direilo civil, 8* br. 1#.
CartottoMar^rio d'Amor, 8* encad. 3|.
C*ao-JLlWaMo*e wp(ra CaiteMo BMiKf fl're '''t'JS da unn< ciencia,
encad. .<|
---------Mtthw 6il, encad. Sj -
--------Brilhant.-i d.. Osileiro, 8 encad. 33.
Cowoiiwo As vwtiiura* da H^im^ j volt*
IlnH-) njatador de tigres, I vol. cari, 51.
FigueinoTasso poema, 8 mead. :i.
JWt-4^pa Sogro, 8 eoca.l ;u.
Jirata-Tbeatro, 8 encad. 3*.
MoWwr-Tartuffo tr. de Casiilho, 8 eucad. i*.
Patatal\ fllha dos negros nags, 8* br. 2.
Paiavras de D. Pedro Y8 encad. 3*.
Ponto* du TerratDramas de Paris (Rocambole)
4 vols. 4 encad. 25*.
-----1Novos dramas de Paris, 2 vols. 4
encad. 8*000.
Pnftcto para a reforma do ensine Secundario8
encad. 3*000.
Ramaiho-Qrtigao Histerias cor de rosa, 8
encad. 3*000.
RtynoldsTaberna do diabo, 8* encad. 35.
Simitt DiaiA. hostia de ouro, 8* encad. 3*.
TropmmnO grande enme d'Anbervilliers (Pan-
tin), 8 br. J*000.
VieiraThesoaro inexgotavel, 8 encad. 6*.
Vieira de CastroDiscursos, 8o br. 2*.
Echo de Soma.
Revitta religiosa especialmente dedicada s ma-
terias do Concilio Geral Ecumnico do Vaticano,
publicacao measal de Lisboa. Aeha-se completo
e em distribuicao aos senhores assignantes o pri-
meiro anno desta importante Revista. Est aberta
a assignatura para o segundo annoRs. 6*.
L1VRARIA FRANCEZ*.
*
> D-se dinbfiro juros com livpotheca em
casa : na ra de Santa Hita n. 48, das 6 as 9 ho-
ras da manhaa, e a tarde das 3 horas em diante.
D-se 25*000 reis mensaes pelos servicos
de am escravo que d fiador a sua conducta : na
ra do Rangel n. 9.
Em S. Jos do Maoguinho, casa n. 2, preci
~a-se de dnas amas, urna que seia perfeita en-
gommadeira e outra para ensaboado e sirvico do-
mestico paga se bom aluguel.
Na mesma casa tambem se precisa de nm ca-
peiro de 12 a 14 annos.
Fogo s bengala
de muitas variedades, todo de efleito magnifico :
.vendein-se em pequeas pojves eom todo sorti-
mento, tanto pa-casas de negacio como particu-
lares : no arntftetu de bacalho, na escainha da
alandegas*. S.
0
Fretfl)
Burro fgido.
Fugl do 12 para 13 do rorrele do sitio deno-
minado Piruja, jauto in1ade4e fiazareih e per-
lancete ao capitn Fraiiklin Alves de Sotuarai-
va, um burro de -olla eom os signaes eegnintes:
crioolo, frande. ci-ianno, muito ndaor da pas-
so, chepandn inuMno a andar sotTrivehnente ba-
xo ; buiu quuixo, e quendo anta', conserva a ca-
bera em muito boa posicio; sent bem tanto o
chicote como a espora ; tem a junta do peador
de urna das maos um pouco mais grossa do que
a oatra ; no quarto direito v-se um ou dous
ferro; est gordo, cabelludo e cora a caneca
bastante pellada. Nascido no sertao, peleaceu,
at outubro do anno passado, ao capitao Fran-
cisco de Souza Reg. Pede-so queni o pegar o
obsequio de o mandar entregar em Nazaretn,
seu dono o capito Franklin Alves de Souza Paiva,
que prometie urna recompensa. Fazendo o pre-
sente annnncio o mesmo capitao Paiva prieta
fazer valer o seu dueito onde quer que appare-
ca o dito borro.______^^___^__
Aos 20:000^000.
Bilhetes do Rio venda : ra do Cabog n. 2,
*ende Vieira A Rodrigues.
a
Tem a bonhTd#rsiSWB^WrrespeluH*
vei publico ea geral, e aos seas clientes
en particular que elfe moflo o seo gab?
nete de consultas da ra Direita n. 12 para
a do Queimado n. 3f primeiro andar, com
a entrada pelo pateo de Pedro n, onde po-
do ser procurado para os mwteres de sua
profissSo, todos os dias utei das 9 hora*
da manhaa s 3 da tarde.
Tambem previne, que contina a prestar-
se a vontade dos clientes nao s na cidade
como ros seus suburbios, para onde as
idas serlo precedidas de ajuste. Elle ga-
rante o bom desempenho e a perfeicSo de
seus trabamos, o que j bem conhecido,
assim como as commodidades dos precos.
Estrada de ferr do Reeife a
Ollnda.
Compram-se dormentes de madeiras de reco-
nhecida duraco para a constru rao desta estrada:
trata-sena ra da Aurora, escriptorio da superin-
tendencia, das 6 horas da manhaa s 6 da tarde,
nos dias uleis.
O superintendente,
Andr de Abreu Porto.
PHARMACIA CENTRAL
Rua do Imperador n. 38
Xarope de lactucario d'Aubergier, e de
thery decio d'Abbadie recomraendados,
como calmantes para os casos, em que se
nao pode usar do opio e de seus prepara-
dos, mui convenientes para as criancas
nos espasmos e eonvulses.
PHARMACIA CENTRAL RA DO IMPERA-
DOR N. 38.
Preparados d'alcatro em capsulas, licor,
e xarope ferruginoso.
PHARMACIA CENTRAL RA DO IMPERA-
DOR N. 38.
Plalas de Vallet.
Pilulas de Blancard.
Pillas de Bland.
Xarope furroginoso de Blancard.
Confeites re lclate (fe ferro.
Pilulas de carbonato de ferro, lactado de
ferro, iodureto de ferro com magnezia.
Ferro de Quevenne.
Assucar ferruginoso.
PHARMACIA CENTRAL RA DO IMPERA-
DOR N. 38.
Vinbo e xarope de pepsina e .diarthare,
excellente tnico para auxiliar as digestoes
ditficeis nos casos de debilidade do esto-
mago.
m
PHARMACIA CENTRAL RA DO IMPERA-
DOR N. 38.
Agua hemosthalica de Lechelle. mui re-
commerida 'a em qtialqtier caso d hemor-
rbagia, e principalmente na thysica pulmo-
nar, e as li^morrhagias uterinas.
PHARMACJ', :>E.\TRAL R( A DO IMPERA-
DOR N. 38.
Xarope de rbano ioda^o excellente com-
binaco do iodo com o sueco de plantas
anti-scorbuticas.
Este xarope rmpreg.iib com grande
soccorro contra as njlestias da pode, os
engorgilamenlos escrotulosos, o rach'itism j-
cacbloroso.
O vinho iodado de joly, e oleo iodado de
Personne, s5o recommendados para os mes-
mos casos, e encontram-se nesta pharma-
cia.
PHARMACIA CfiNTRAL RA DO IMPERA-
DOR N. 38.
Variado sortimento de chocolate de ban-
oilha, salepoararuta, ferro, e de eade, da
acreditada oflicina de Menir.
Sabonetes d'alcatrSo, d'acido pbenico, en-
cofre e camphora, recommendados para as
molestias de. pelle como sarna, panos, em-
pingeos etc., sendo o ultimo de murta ulili-
dade para o uzo do toilette, por preservar
a pelle de ser manchada das maculas, que
costumam accomettel-a.
I*
PHARMACIA CENTRAL RA DO IMPERA-
DOR N. 38.
Os melhores vermfugos para crianzas,
Pastilhas de sanctonina.
'Ditas de Kemp.
Oleo vernifogo.
ludo de melbor qualidade.
O abaixo assignado, tcita-
mente dispensado da inspeceo da 5
pharmacia especial homeopathica e i
consultorio do seu finado e Ilustre
amigo Dr. Sabino Olegario Ludge- i
ro PinliOr de saudosa mimoria e ani |
mado por algunsseus amigos pro- fi
poe-se a abrir um eslabelecimeoto, i
onde se encontraroas melhoresdro- *
gas homeopathicas, para o qual des- *
de j conta com a proteccSo d'aquel- 1
les que bonraram-no com sua confi-
anca ; podendo, entretanto, ser pro- M
curado para qualquer mister, em a I
casa de sua tesidencia, ra da i
Palma n. 53.
Reeife, 18 de maio de 1870.
O professor homeopathico |j|
Jos Alves Tenorio. j3
immm mmmmmm
ATTENCAO
Jos Dativo dos Passos Bastos faz sciente ao res-
peitavel publico que tendo reformado a sua ofli-
cina sita rua do Brum n. 6i, aonde encontraro
cora perfeco toda e qualquer obra de caldeireiro,
ferreiro, serraleiro, latoeiro e fundico de cinos e
mais metaes; recebe-se encummendas tanto para
esta praca como para fra delta, 'ncarregando-se
de as transportar para onde Ihe for feita a encom-
menda, e tambem encarrega-se de encanamentos
para agua, tanques de ferro, etc., tudo por menos
preco que em ontra qualquer parte.
Na travessa da rua
das faiizes n, % pri-
meiro andar, da-se di-
nlielro sobre penhores
de ouro, prata e brilhan-
les, seja qual for aqnan-
tia. Na mesma casa com-
pram-se os mesmos me-
taes e pedras.
ATTENCAO
Oabaixo assignado. inventariante e tutor dos
orphos filhos do finado seu sogro, Joaquim do
Vasconcellos Pinto, roga ao Sr. Antonio dos Santos
Victal, o obsequio de entender-se com elle. Igual-
mente pede a todos que Acarara devendo letras e
cantas a virem recolber seus debito, do contrario
usar dos meios que ihe faculta a lei. Gamelleira
23 de maio de 1870.
Jfanoel Ferreira da Silva Vianna.
Travessa do Corpo Santo n. 25'
ARMAZEM
Rna Nova n. 28, loja Antonio
Pedro de Souza Soares.
Baadeira, Machado & C, avisam ao respeitave
pitilico que nos lugares cima encontrara no mea-
ra* tmpr grande quntidade' de ditos poco, e
quB se acham habilitado* para vender por menos
que ontro qnalqner, por o que os recebem di-
rettamente do fabricante Nwtun, de Londres.
As vantagens que oflferecem os pocos nstanta-
n^>*fao Priine'ro> poderem ser collocados den-
trt de casa ou fra, eom o trabaiho de tuna a dnas
horas; segundo, fornecerem os mesmoa agna pu-
ra e abundante, podendo seren removidos de am
psra outro lugar, quando assim convier.
Os annnnciantes s reeeberio a importancia dos
referidos pocos depois de collocados, sattstaiende
aespectativa do comprador.
Imperio do Brasil.
Grande exposigao na cidade de
Cordova,
REPBLICA ARGENTINA.
No dia 16 do outubro de. 1870 ter lu-
gar a abertura da exposicfo nacional em
Cordova. ""
Previne-se, portanto, a todos os produc-
tores, agricultores, fabricantes, artistas e a
todos aquelles que exercam qualquer indus
tril, que na dita expsito se recebem todcs
os productos da industria e agricultura
brasileira, assim como todas as machinas e
utensilios que quizerem remetter.
Estes productos est3o isentos dos direitos
da alfandega na Repblica Argentina e po-
detfio ser dirigidos cidade do Rosario, de
onde serao trasportados pelo caminho de
ferro central.
fara mais explicacSes dirijam-se em Per-
abbuco, rua da Cruz n. 3, ao consulado
argentino.
Vr:NDAS.
r?r
ATTENCO
Pazndas baratas para
acab r
matisadas superiores a J80
A Jflll fiRUKl
A rua do l)uque de Caxias n 21.
(ANTIGA RA 10 QEIMADO)
Nao foi sem" fnndamento que a NOVA
ESPERANCA lem deixado de fazer os seus
- annuncfos, a raz3o simples, ella entende
que ttido em demasa aborrece... por isso
como j tinha dito e scienlifleado sua boa
freguezia o que constantemente ia receben-
do, ou tivesse feito muitas vezes, receiou
tornar-se massante, assim pois recolheu-se
um potco ao silencio, mas nucca deixando
d'expregar os verdadeiros esforfos, j con-
tratando maior numero de correspondentes
na Europa, j descobrindo cbjectas do mais
apurado gosio e finalmente assignando o
Jornal das Familias, o qual
rs. o
Joaquim Rodrigues la-
vares de Mello,
Praqa do Corpo Santo g
N. 17.
Tem para vender:
Cal de Lisboa.
Potassa paRussia.
Vinho Bordeaux de
qualidade.
Farello de Lisboa.
1/
f TMTLRARIA MANCHA
55-Rua da Imperatriz-55
Tinge, lava, limpa, lustra e achamalo-
Itase, com a maior perfeico, fazendas em
pecas e em obras de todas as qualidades;
j como sejam : seda, laa, algodao, lino,
; chapeos de feltro e de palha etc. etc.
Tira-se nodoas e limpa-se a seccosem
: molhar os tecidos, conservando assim to-
do o brilho da fazenda.
Tintura prcta as tercas e sextas fei-
ras. ;
ATTENCAO
Urna familia que se retira para fra da provin-
cia, vende urna mobilia le Jacaranda em perfeiio
estado, constando de 18 cadeiras de guarnicao, i
ditas de brac,i, 1 sof, 4 consolos e } jardineira,
com tampos de pedra ; e mais os seguintes objec-
tos: 3 marquezas de amarello, candieiros para
gaz, jarros para dores, lanternas de vidro e tapetes
Dar sala :*quem pretender dirjase a rua da
Trempe n. 11.
Formas de ferroT"
P.ra purgar assucar : esperam-se at o lim
do mez urna pequea quntidade ; os senhores
que as pretender appare^am na rua da Cadeia n.
i, armazem de Silva Barroca.
Ama para engommado.
Precisa-se de urna : na rua da Cadeia n. i.
Manoel Zeferino de Sale, faz publico que
desde o dia i de maio prximo passado, foi des-
pedido da loja de seu cunhado Luiz de Franca
Souto, o caixeiro Joao Felippe da Costa eque pes-
sqa alguma pague dividas, ou venda qualquer ob-
Jecto que possa ser Comprado em norae do mesmo
:'eu cunhado Souto.
Retalha-se, avantade dos cnmpradores.algnns
lotes de terreno, que restaro, do sitio Aguasinha
em Beberibe, por presos tasoaveis. A posicao to-
pographica do terreno muito o recommenda, so-
bretudo por ficar prximo da estacan projectada
da via frrea. Os pretendentes poderao dirigir-se
i informar-se do tenente S Peixoto, no mesmo
lugar, e para qualquer negoiio rua do Crespo
n. 12, 1" andar.
'HARJ
)0 1MPEBA-
fundas de
LOA CENTRAL RU
DOR N. 38.
YariadiBsiino sortimento de
exceflen te qualidade.
PHABMACIA CENTRAL BCA DO IMPERADOR
H. 38.
Pas'ilhas de. balsamo de tol e de aeiva
de pinbo mahtino, para as affeccSea chro-
nicas dos pulmes.
Pastilbas de Uierydocio e louro cerejo
para as tosses agudas, e de carcter nervo-
so, e para os vmitos duraste o periodo da
gravidez, e qpalqaer affecco nervosa.
Pastilbas de bypopbospheto de cal mui
atis na thysica pulaaooar.
Pastilbas de angico naf, e de Regoault,
de bortela, pimenta, e de Viccley, de pe-
caetMnbaiede Rermes.
- Em easa de THEODOBO CHRISTI
ANSEN, rua da Cruz n. 18 encontram-et
flectivamente todas as qualidades de vinb
ordeaux, Bonrgogne edo Bbeoo.
Agencia em Pernambuco
Do Dr. Aver
Peitoral de Cereja
Cura a phthysica e todas as molestias do peito
aisa.parrllha
Cura ulceras e chacas antigs, impigen? e dar-
tros.
Tnico
Conserva e limpa os cabellos.
Piinlas catbarucas.
Puramente vegetaes e sem mercurio, cura se-
zSes, curam e purficam todo o systema humano
Vende->e efectivamente em rasa ae Samuel P
hnston & C.rua da Sanzalla Nova n. 42.
3
Ama.
Precisa-so de urna escrava para comprar e co-
zinhar : na rua do Dnoue de Caxias n. 46, loja.
Ama.
Precisa-se de urna ama para cosinhar e com-
prar, preferindo-se e?crava : fallar na rua do
Alecrim n. 16.
Precisa-se de urna ama : na rua de S. Fran-
cisco n. 54.
Ama
Na rua do Torre* n. 16, i andar, preelsa-se de
urna ama que cozinhe, engoinme e compre para
urna pessoa.
Precisa-se de ama ana para pouca familia:
na rua Augusta n. 74.
Precisa-se de urna ama para pouca familia :
na rua do Caldeireiro n. 36.
PrecjKa se de urna ama : na rua do Vicario n.
33, 2 andar._______^___
Precisase de urna ama para cu;inhar e
engommar para urna pessoa: na rua do Amorim
n. 31, 1 andar.
0 Br. Otto, socio gerente da casa de Rabe
Schmettau & C. retira-se temporariamente para
Europa, deixaodn duranle a sua ausencia encar-
regado da gerencia da dita casa o Sr. Hermn
Ledeoom.
Herculano Marcos Inglez de Souza, tilho de
Dr. Marcos Antonio Rodrigues de Souza, residen-
te no Para, r6ga encarecidamente pessoa nesta
cidade, enearregada por um negociante do Para
de ser seu correspondente, a bondade de o pro-
curar em casa do illm. Sr. Dr. Aprigio Justiniano
da Silva Goimres.
ESCOLA
DE
Instruccao primaria.
29PATEO DO PARASO N. 29
Io andar.
Anna Senhorinha Monteiro Pesa,
Professora particular.
Precisa-se
de urna pessoa para passar a ferro, preferindo-se
urna preta escrava que entenda alguma cousa de
engommar e que se alugue por mez : a tratar na
tinturara franceza, rua da lmperatriz n. 53
Dam se amo tras na rua do Queimado n 1, loja
de Gaspar Antonio Vieira Guimaraes.
Confeitara dos ananazes.
16Rua da CruzIG
i Santo Antonio. S. Joao e S. Pedro.
Amendoas, as mais apropriadas para gortes,
vmde-se em arrobas e libras ; papis j promp
les com estallos para, surtes ; recebe-se encom-
tiendas de bolos paes-del enfeitados; as eneom-
nrndas recebe se com antecedencia e as amendoas
en arroba terrao abatimento no pre?o.
Confeitara dos ana-
nazes.
16=Rua da Cruz16
Ha presuntos de superior qualidade e dito em
fiambre.
Joaquim Jos de Oliveira Apolin, vai Por-
tugal tratar de sua sade, e deixa nesta cidade
por seus procuradores, em Io lugar o Sr. Antonio
Ferreira Praca, e em 2o o Sr. Antonio Joaquim
Barbosa Vianna. O annunciante declara nada de-
ver nesta praca ou fra della, mas se alguem se
julgar sen credor aprsente sua conta ou titulo
rui da Penha n. 33, no prazo de oito dias, para
ser pago incontinenti.
Recite, 21 de maio de 1870.
_________Joaquim Jos de Oliveira Apohn.
700
400
:it(500
500
20O0
Precisa-se de urna ama que saiba cozinhar
e engommar para casa de pouca familia : rua
do Jardim n. 3.
vm&mm mmmmm-mm
| Rua do Impera lor g
1 N. 10. i
[ Francisco Xavier Pereira de Brito, ex- fjf
i solicitador da fazenda nacional propOe-se M
S a agitar o andamento de qualquer pre- 25
8 ten ao perante as repartieres publica*, de S
S causas civis, crime, commerciaes e ecle- Sjjk
siasticas.e de todo e qualquer negocic,qne ^
precise a intervencao de um agente : en- s
| carrega-se tambem de qualquer cobran- gB
55 ca fra e dentro da cidade : quem de S
KS teu presumo se quizer utilisar o pode f
jjg?{ procurar das 9 horas da manhaa e 3 |
;S da tarde na rua do Imperador n. l.
Precisa-se de un caixeiro de 12 a 14 annos,
com pratica de molhado* ; para mforma';oes
rua da Cruz n. 16.
lrmandade de santa (Jecili i, no
Livraraento.
Tendo a mesa regedora deliberado reformar a
tabella que nos tem regido, para este Um convi-
da a todos os nossos irmaos profe*sore.*, a apre-
sentarem no praso de seis dias, a contar da data
deste suas propostas tendentes a reforma da
mesma.
Consistorio da rmandade de Santa Cecia, 27
de maio de 1870.
O secretario,
Sabino Venustiano Romao de Luna Freir.
Precisa-se de urna ama para ea*a de i
familia : a tratar na na de Santa Rila n 66
mea
O Sr. vigario Bacalbo qae raoraJ morou
na estrada de Joao de Barros, queira mandar
esta typograpbia a negocio.
Precisa-se de orna ama de meia idade para
comprar e cozinhar para tres pessoas : na rua
das Flores n. 37.
Julio Cardoso da Co*ta. morador em Tron-
bala, por haver outro de igual nome, se signar
de boje em diante Julio Cardoso da Cost Araujo
Castodte Jos Altes Guimares, nao podendo
pela brevidade de sua paitida para Europa, des-
pedirse de cada nm de seus amigos, pede a todos
desculpa desea falt involuntaria, t ofTerede os
seus limiudiseimos servaos tta qualquer lugar
em qne se achar.
Custodio Jos Alves Gaiowes, tendo de fa
zer pma riagein a Europa, deixa por sens procara-
dores em lugar o 8r. Jos Antonio de Rreitas,
em 2 ao 8f. Antonio Jos Cordeiro SimCee, e em
3 augr, eoflHpendador hm ot Pereira gimjes.
O autor do annuncio de boje, oeclarando que
o abaixo assignado pretende vender um escravo
sugeito penhora em frande da execucao, ter a
resposta que merece, e o publico ajuizar do seu
bom carcter ; no entanto declara o abaixo assig
nado, que o escravo que se pretende vender, ou
antes que se pretende comprar, nao est sugeito
penhora alguma, como se pode ver des cartorios
desta cidade, ou diga o annunciante d'onde pende
a execuclo, cuja penhora foi feita no escravo
que alinde, sob pena de responsabilidade, e ser
tido pelo mais andaz calumniador. Reeife 28 de
maio de 1870.
Joaquim S. Pessoa de Siqneira Cavalcaoti
Fugio no dia 13 do crreme, as 9 horas da
noite, a escrava mulata de nome Mara, alta, cor
acaboclada, cabellos ralos e caxiados, cara redon-
da, com algumas pintas pela'cara por ter tido va-
rila, tem o dedo do meio da mo direita cortado
mesmo pela unha, represen* ter 23 annos de ida-
de, poueo mais ou menos, levou vestido e casaco
de mussulina branca e chale de melim hranco
eom barra verde ; cuja mulata foi comprada ao
Sr. Dr. Paulo Jos de Oliveira, morador no Mon-
teiro, fregnezia do Poco da Panella, a quai na0
lera! do Rio Grande do Norte ; snspeit se que
fosee sednzida por alguem e esteja oceulta em
algnma casa particular, pelo qae desde j protesta-
se contra quem a tiver em sua casa cera todo o'ri-
gor da lei: roga-se toda* as autoridades poli-
ciaes e capitaes de campo a captura da dita et-
craw, levando-a rua do Hospicio n. 25, casa
terrea, que serao gratificados.
Ae Sr. H. L. V.
Tenho *empre evitado encontra-Io en meu ca-
minho para que nao rne cbamem ingrato, mas tem
sido intil. Eu nao influ directa ou indirectamente
para deKObrir-se..... Em nome de sua propria
dignidade peco-lhe, que nao se oceupe com minha
vida e caoobrigue-me a us^r do direito de defeza,
porque lalvez lance mo de certos documentos, aos
quaes desejo votar eterno esquecimento. Reeife
27 de naio de 1870.
Francisco do Carmo Ribeiro
Precisa-se de urna aun de boa conducta
que silla bem coser e engommar, para urna se-
an vttva cora nm filho : tratar na rua do
Amorim n. 35,1 andar.
I
COMPRAS.
0 muzeo de joias
Na rua do Cabug n. i compra-se ouro, prata
pedras preciosas por precos mais vantajosos do
Tue em outra qnalqner parte^_______________
limM'E ral-I
SGRY&S
Compram-se e vendera-se diariamente para icra
i dentro da provincia escravos de todas as tdades,
ores e sexos, com tanto que sejam sadios: no
.erceiro andar do sobrado n. 36, rua das Cruzes,
reguezia de Santo Jntrnio.
Rival sem segundo
RUA DO DUQUE DE CAXIAS N. 49
Estou disposto a continuar a vender todas
as miudezas pelos baratissimos precos abai-
xo declarados, garautindo tudo bom e pre-
cos admirados.
Pacote com iO quadernos de pa-
pel amisade a......
Caixas com 20 cadernospapel pau-
tado a........
Caixas com 50 novellos de linha
do gaz a........
Duzias de meias cruas superiot
qualidade a.......
Pecas de bibadinhos com 10 va-
ras a.........
Pecas de tiras bordadascom 12
metros cada pe$a a 1^500 e.
Peras de fitas para cs de qual-
quer largura com 10 varas a.
Escovas para unbas fazenda fina a
Ditas para denles a 240, 320,
400 rs. e....., .
Pegas de tranca lisas, brancas e
de cores a.......
Caixiubas de madeira com alfine-
tes fazenda superior a. .
Libras de la para bordar de to-
das as cores a......
Duzia de linbafrxa para borda-
dos a 400 rs. e.....
Pares de meias cruas para meni-
nos diversos tamanhos a. .
Caivetes finos com 4 folhas fa-
zenda superior a.....
Duzias de meias brancas muito
finas para senbora a. .
Pares de sapatos de tranca do
Porto........
Pares ('e sapatos de tapete a. .
Livros de missa abreviados. .
Duzias de baralbos para vultarete
Sylabarios poruguezes a. .
Grvalas de crox todas as qua-
lidades a......:
Redes lisas para senbora a, .
Redes com contas moito boa qua-
lidade a.......
CartSes com colxetes carreras a
Abotoaduras para collete diversas
qualidades. ......
Caixas com penna de ac muito
boa de 320 a......
Cartoes de linha 200 jardas grosa
Duzia de linha 200 jardas Alexan-
dre de 40 a 200 e, .
Caixas com superiores obreias a.
Duzia de agullia para macbina a.
Libras de pregos francezes todos
os tamanbos a......
Talheres para meninos a. .
Pares de sapatos de tranca para
meninos a.......
Cambraias
covado.
Algodaozmho a 3 a pe^a. *
Madapoln largo a 5i a peca.
Diio de superior qualidade com pequeo toqne
de avaha a j, 64500 e 7* a peca.
Algodao de listras americano superior com pe-
quea avaria a 280 o covado.
Bareges a 360 o covado.
Chitas escuras e claras a 250 o covado.
Musulinas de lindos padrees superiores 440 o
covado.
dem brancas superites a 420 o cova'o. Jornu aas ramillas, o qual vem sempre
Dao-seamostas na rna do Queimado n. il, lofa ornado com figurinos, modernos moldes para
vLffiS'wIS'!!!^_____ vestidos ele,, etc. para deMa forma melbor
servir a sua constante freguezia; e com es-
pecialidade ao bello sexo, quem a NOVA
ESPERANCA ufana-se fcm olfcrecer-lhe
seus servicos, apressando-se desde j em
declarar que tem recebido ltimamente
entremeios e babados bordados transparen-
tes e tapados, chaposinhos de setim para
baptisados.
Finas toncas de cambraia bordada para
o mesmo lim.
Meias de seda e fio de escocia para crian-
Cas.
Dedaes d'osso, marim.-aco- e madrepe-
rola.
ptimas navalhas, afiadores e massa para
as mesmas.
Finas esponjas para o rosto e para ba-
nlios.
Ronitos sapatinhos com biqueira, sendo
com salto, para meninos e meninas de dois-
a doze annos.
Roas lentes com cinco rcelimetros, para
contar-se os fios de qualquer fazenda.
Tesouras para frisar vestidos.
Carretas para tirar tcoldes de vestidos.
Mollas para segurar Costuras.
Bonito* linteiros do novos molde.1:,
Meias de la para liomens e .-enhoras.
Finas e bonitas ligas para meias.
Fil de linlio e de seda, sendo preto e
branco, liso e de salpic.os. e otitros muitcs
objectos expostoa a venda rua Duque
de Caxias n. 21, na NOVA ESPERANCA.
Sabo d'alcatro.
Vtnde-se na roa Duque de Caxias n. 21.
PARA LUTp.
Brincos, broches, vuitas, pul eiras, fivel-
las, (entes, botes para pnaos e cadeias
para relogios.
A NOVA ESPERANCA, querendo satisfa-
zer sua freguezia, naosomentu em objectos
d'alegria ou de luxo, quer lamben acom-
panbar aquelles, que infelizmente perdendo
alguem de sua familia, ou alguem de sua
amizade, precisam de taes objectos, assim
pois a NOVA ESPEBANCA, maodou vir c
que ha de melbor ueste genero, porque
sendo taes objectos de cor negra, sendo
de m qualidade, nao sonriente tornam-se
tristes como al repugnantes, o que n2o
aconlesce aos da NOVA ESPERANCA, por
}ue apenas exprime o sentimento pela cftr
porem como que traz um lenitivo pelo gpsto
e perfeico com que taes objectos so'tra-
balliados.
Collares anodin s.
CONTRA AS CONVULCES DAS CRIANCAS
Nao esta a primeira'vez que a NOVA
ESPERANCA scientilica aos senhores pais de
familias, que os seus collares sao os verda-
deiros de Vjer.. .recebidus direclamente.
e por consequencia de nm elleitu efficaz que
.iesnecessario mais apregoar, assim pois
iquelles que nao quizerem passar pelo dis-
sabor de verem seus filhinhos extrocerem-se
as terriveis convulces, logo que a este
comessem nasser-lhes os lenlos apressem-se
em comprar os ditos collares, na rua do
Deque de Caxias n. 21
CABELLOS BR ANCOS SO TM (H'E.M QUER
A NOVA ESPEBANCA receben o verda-
dero chrom.icome de William para Ungir
cabellos, para pretosou castanhos. assim pois
cabellos blancos s tem quem quer I!
Fiaula.
A NOVA ESPERANCA lem para vender
urna llaua dehano do afamado fabricante
Boum.
500
500
500
40
400
0,5500
500
320
15500
4500
2->000
1)500
1^800
3)9000
400
500
320
G40
20
400
500
400
1^-200
40
25000
240
320
10500
BARATO
Na
Loja Flor da Boa-vista
-18 llua da lmperatriz ..
Chitas de muito bom panno., lindissimos padrees
proprias para a praca, covado a
barato -'id
240
240
Ditas escuras, covado a 200. a 200. a 200 r?.
Pe 'as de madapolao algodao a 13. "i5 e ti
unto a padaria fraocezn.
Eival sem segundo,
RUA ni'lil'liUK CAXUtt W. 4
(Anliga m do Queimado)
para
Un pessoa eitrangeira, casada, se propoe a en-
sillar em aJgnm engenbo ou povoaijao as seguintes
inateriaa : primeiras leiras, francez, a fallar e es-
crever, Ingez, geograpbia e mathematica elemen-
tar, aritn*netica, algebra, geometra e trigonome-
n mmmmmm'i^Smmmm
Ao boiir tom
Reeebeu-se .pelo ultimo paquete da. H
Europa, ricos coms de seda ; na loja
das columnas da rua do Crespo n. i3
; de Antonio CjrrJadj|Vafik)nceUo,
Lom muito maior vantagem compram-se
ouro, prata e pedras preciosas e n obras vinas: na
loja de joias do CoracSo de Ouro n. 2 D, roa do
Cabui.
Compra-se una casa terrea oca, imada em
Santo Antonio ou Boa-vista: na rua da Florenti-
na n. 6.
--------i..... .
Compra-se
urna mobilia de Jacaranda em meio uso a Luiz
XV, sendo 1 sof, i cadeiras de braco, 12 de guar-
nico e 2 consoles, e poder ter raas algama* pe-
cas : quena t*er annuncie por este jornal psra
ser procurado, oh tratar besta vypographia com
o Sr. Hrrmepegjldo
Compra-se um trepador de coqueiro :
rua larga do Rosario, loja do calcadcs n. 22.
Cantara 'Je Lisboa
Soleim, hombreiras e capiteis para frentes de
casas, o que ba de melbor : venda no arma-
zem da travessa do Corpo Santo n 23, de Joaquim
Lopes Hachado & O
Vndese urna escrava de 19 annos de ida-
de, e soffrivel engommadeira : a' tratar na rua
Nova n. 37, i* andar.
Vndese urna casa t rrea na rua da Espe-
ranza, defronte da estacao dos trilitos urbanos na
Soledade : quem pretender dirija-se a esta typo-
graphia.
Farinli.\ de mandioca
A h rdo da polaca Iminho ha muito boa fa-
rlnba venda (em sarcos) : a tratar com Joaquim
Jos Goncalves Beltraj rua do Trapiche n. 17,
ou a bordo.
na
Compra-se urna casa terrea, na freguezia de
Santo Antonio : tratar no arco da Concecao nu-
mero 6._________ '
Na travessa da rna das Cruzes n. 2, casa de
penhores, compra-se prata e ouro veibo por mais
do que em ontra qualquer parte.
Alaga-te o 1 andar do sobrad^, n. 43 da roa
aora,devdoopreteadeate prestar flan;* idnea.
Naloja de Vianna & Guima-
riea
BA DA CADEIA DO RECIFE N. <9,
Compra-se nm arreio para cm cavallo eord pou-
co uo.
--------
OolnpFavsie
Jontaaj para ea*rtttho: -r do Crespo n. S5,
loja da esqoiaa..___
Compra-e orna
de meia. idade que
saiba cozinbarfierfeilaateate i na roa do General
Victoripo n. 2, antig ra 4o. s
.*..> miar
'^diNkr^Vba
do, aue s ja sitiada na freguezia de S. Pedro Mar-
tyr da cidade de Olinda : M> 31
do d, 38 da rua das Cruzes.
Kftaem eua-.
S. Ped
andar do sobra-
Vndese ama escrava (cabra) com alga-
mas habilidades, tendo um filho de qualr me-
zes prapiia para amamantar ajgnma crianza, por
ser sadii, e ter abundante leite : no 3* andar do
sobrado p. 36 da rna das Cruzes.
CHARUTOS
DE
HAVANA
LEGTIMOS.
Ciiejraram rua da Cadeia do Reeife n. 15.
JACARANDA'
\ ende^n-se cinco dunas de toros de Jacaranda
a prego coromodo : para ver 0 tratar, na rua Di-
reita a 34, armaxem.
Para escriptorio
Vndese urna boa grade com balaustres, pro-
pria para escriptorio. tendo tres faces, com daas
portas: tratar na rua da lmperatriz n. 60, loja
do Pavao.'
Contina a vender tudo muito bom e
muito barato a saber:
Novello de linha de 400 jardas a.
Caixas com 100 envelopes muito
superiores a ^. .
Pentes volteados para meninas a.
Thesouras muito finas para costu-
ra a......., .
Tinteiros com tinta preta a 80 rs. o
Mecas de Ola elstica muito fina a
Resmas de papel pautado a. .
Ditas dito lisomuito superior a. .
Lata com superior banba a 100 e.
Frascos de oleo Philocomo muito
fino a.........
Ditos ditos dito grande a. .
Frascos de macaca perola a. .
Frascos de extracto muito bonitos a
Duzia de sabonetes muito fino a.
Sabonetes inglezes a 600 rs. e, .
Frasco com agua de colonia Piver a
Dito de oleo baboza a. ....
Caixas de lamparinas a. .
Sabonetes a forma menino muito
superiores a.......
tartilhas da don trina fazenda nova a
Libras de linha sorlidas de todos js
nmeros a.......1^800
Duzia de pomada do Porto muito
superior a.......
Habados do Porto, largos a 160 e
(lapachos muito bonitos e grandes a
(ailis de retroz preto, com 2
oitavas a........
Agulheiros de osso enfeitados a, .
Papis de agulhas douradas e ba-
lao a.........
Carriteis de linba 200 jardas, Ale-
xandre a........
Duzia de agulheiios do Para a. ,
L'bra de huta franceza super
qualidade a......
Caixas de palito do gaz a. v
Bonecas de cera muito bonitas de
500 rs. ........2000
superior
60
600
240

500
100
200
400
46000
200
500
15000
240
500
720
15200
500
500
40
240
400
280
200
700
640
240
10
240
25400
20
Retroz.
Qualidade superior e sortido em cores : vnde-
se na roa da Ca-teia n. 11. I* andar.
Superior vinho Bordeaax
-i


i -
i
Si Estpite dtSL Julien: na rua da Cadeia 4a
Recite numero .
i*
**-*



6
Diario de Pemanjbuco Seguida feira 30 de Maio de 1870..




Ra Duque
Na" lija da VEUDADE continm'ia-se a ven-
der por baratsimos presos toda- osarti-
gos de miudezas e perfumaras do sen
grande e variadosort'mento,garaitindo aos
compradores toda a sinceridad?.
Lindas bonecas de cera e massa por ba-
ratissjmo preco.
tspolhos doarados para pendurar a
160 rs.
Agulhas de osse para crox a 200 rs.
Pentes finos para segurar .cabello, a
320 rs.
Giaioias para gaz a 320 rs.
Garrafa com tinta alizarina a 10000.
Diu com agua florida a I550O.
Dita com dita dita a Tnico de Jayme a 45500 o frasco.
Frasco comoleo expresso de babosa, de
240 a 640 rs.
Dito com agua de Colonia de 300 a 1000
Dito com extractos finos a 45000.
Dito com sandaJo verdadeiro a 15200.
Lat;>s com banna muito lina de 120 a
240 rs.
Satcacies muito Pnos 9 diversas quali-
dades a 80, 160, 240 e 320 rs.
Finas escovas para dentes de 320 e 500 rs.
Ditas para facto de 500, e 600 rs.
Ditas para cabello a 500 rs.
Pentes para aiisar com costa de metal a
320 rs.' #
Ditos ditos ditos de bfalo a 240 e 320.
fontal para tirar piolbode 160 e 240 rs.
Parios para gaz.dazia a 240 e 320 rs.
Brincos de c&res, inteiramente modernos
de 160 e -240 rs. *
Penoas caligrapbicas muito finas a l;>i00.
Ditas de lanca e mosinha a 800 rs.
Lindos babadinbos e entremeios de 500
e 10500.
Grosas de botoes de lonca de 160 e
2C0 rs.
Ditos ditos para calca a 240 rs.
Caixa com papel amizade a 700 rs.
Ditas com envelopes a 480 rs.
D;tas coa obreias a 40 rs.
Ditas com agulhas fundo dourado a
280 rs.
Taesoura para costura a 240 rs.
Lmha de*marca caixa a 380 rs.
Garriteis de linhas de Alexaodre de n. 70
a 200 a 10 rs.Q
Grampos muito finos, com passarinhos du-
ziaa V.) rs.
Caitas francezas para jogar dnzia 3#000
Ditas portuguesas, duZia 15400
Panel almajo superior qualidade resma
;$o.
Larn ramio fina para bordar libra 65500
Fitas pan debrum de sapato, pessa 160 rs
Dii;is de lara para debrum d vestido peca
00 rs.
C?pi\etes grandes com molla a 4C0 rs.
Din, ,r..ides. com 2folhas por 320 rs.
Rosetas pretas para luto, o par 100 rs.
Trancas iie lm de caracol branca- e de!
cok.s 3a 50 a 100 rs.
Fita para eos, peca 480 rs.
Aificews de lato. carta 100 rs.
Sa'uatnhuB de lam para creanca de 400
BAfl i .
Orarrtas de ?e*h -preto de-WOe96&rs.
Ditas t oroxe, brancas a de cores 500rs.
Dita de gorgurto de cores a 800 rs.
Ma verdad roa Doque de C a
Ua p. %
ftal nova
--
de Lisboa cheg^da ulttaanjente na baro Jmlii:
vende-ge na roa do ApoUo n.,40.
Milho das Ilhas
Feija do Porto
em saceos granees, das qnalidades abaixc roen-
cionadas, por menos nre^o do que era ootra
parle.
MILHO NOVO
Feijao malaiinha Feijia preto.
Dito branm Hilo rotado.
Dito amarello Dito frade.
VENDEM
Jos dn RegoBontesA C a ra do Vifcario i. 44.
ase ro.upaa feitaa e por medida, ra da a-
Cira me armazem na rsa da
Imperatriz a.
Neste grande rmaseos wnde-se lrac< ingleta
finas e ordinarias, apparelhes de porcelana para
jantar e para coa, jarros para flores os mais boei*
tos e de gestos modernos; assim como grande
partimento de vidms flios o urdiaarias, que todo
-e vender tanto a retalho como por atacado pelo
mais barato prove que em oiiira pualqaer parle :
cbamamos a atteneo dos freguezes, que serio
coDvementeraenie .-ervidos tanto ni cmmodos
precos como na boa oualidade das fazendas.
Cabriolets.
Vendem-se doaj cabrmlets, 3endomu cocerte e
de quatro rodas, e ootro Dogcart, amfrs com to-
dos os arreios e pertences: ai cocheira o Tbo-
maz La-, na de Santo Amaro.
Grm
m\\\m par
COSTURA
Acabam de ebegar ao GRANDE BAZAR
Cigarros da imperial
fabrica de S. Joo
de Nictheroy.
nico deposito em Pernamboco caes da alfan
dega velha n. 2, anda.
TERKENOS.
Vende-se um terreno na ru de Luiz do Reg,
em Santo Amaro, rom 300 palmos de frente e 610
defaniio.com urna casa terrea edflra4a no raes-
mo terreno quem o pretender dirija-se a roa.
Nova, ca
Aos cem mil azulaos
Portuguezes, hespanhes e fnncezes : na roa
Primeiro de marco n. 46, outr'nra do Crespo, ar-
ms7em de kwuja de Bernardina Duarle Campos
& C.
Granfest^*UMt4t'A
peratriz n. 52 junto* le', de ourives.
Ntote etobelflinwto,an>^a^ pubo um bonito sortimento de
roupas de todas as quididades.
Palttot de alpaca prea e de-cotes a 3*900, 3#6W: 75000, ditos mirin preto
de 75000 ate 285000, ditw de caseaMfaeokfs nai e ordinarias, de 6& 1640uO
ditos de panno flQOS de. W W 10| B &fQQO, sobrecasaco diu>'d 20* ,a 50^000
Complete soitioeuto de calca d brim pardo de 1^600 a fimo, ditas brancas
de 2iM 105000 o maia soperior, ditas neia casemira, ditas cat-emira de 55, 12<9000,
ditas caseoaira pretJrde,jW:a IdrXrsnjerior, dita de m*ra ditersas qualklades para
lulo. Assim como um .bonito sortimeuto de coJkbes do brim de cores, ditos brancos,
ditos de casenura de cates e pretas, dot de marin para lato fazeada superior. :
Sortimento c linho de 330000 1700060 a dozia.
SUwto diUsd* bramaote a, 11800, 2$5t)Q 3J0J0, ditos de Hamburgo, francpzas, fazonda- su- v^nnaum completo sortimento de ma-
perior de 25^000 a 35|000 a duia, Sortiaento de colrmeos de algodao e linho, etc., c*aa' P>r costura, dos autores mais co-
assm conao tas qualiades. Ni rmia; Jmpaiatnz n, 52,-loj* do mestno Bazar, garantindo-se a suaba qua-
Srtimeato dtxhapM deso de lpica, e seda; ditos iogiezas cabo damaffim. li(i*de e tarabem ensina-se com perfeico '
'^6atbas--paft>st&. SonaeBto de uaallas para viagem. a todos os compradores. Estas macbinas
i. ATTENgO. sao iguaes no seu trabalbo ao de 30 costu-
Nste estabelecmente encarrpga-ie demandar fazer qualquer obra por medida reirs diariamente,e a sua perfeicSo tal
e para esse fim tem babO mestre encarregadada officina, que se encarrega do trabalbo coa da melbor costureira deParis. Apra
com perfeicSo e poatuadade. sentam-se ti abalhos executados palas mes-
SORTIMENTO DE FAZENDAS. .mas, que muito devem agradar aqs preten-
Chis de 240 rs. o cavado ou 10*000 a pessa com 42 covados. ditas miudes dentes. _______________________
para camisas e timio de menino 260, e 380 rs.. e outras muitasqoalidades de 320, 360 /%fl aS
e 400 rs. o covado, naste mesraoestobalecimento cbagnram, urnas bonitas cbitas da UClIa e armaZeill QC
victoria com barra, a qnal para ihos.ecompetente enfeite para corpinbo. Cam-i
braia lisa de 3^ 4(>, 5* a QdQ a pesaa, a outras muitas fawidis de todas as qua- maiHIOre
. ,Caes Vinte e dous de novembro n. 57,
AIGODXD E M4DAPOL0 AVARIADO. J^'V aLraazem a"'anCa,) ^
A HW> o algodo. e 4500 ooadapolio. e tambam chito escura boa 2i0 o* Jj^e^^jS^S&S!?S
aqopor te r grande .porcUo, na roa daimperatriz n. 52, luja com portaos encarnados, manhos, soleiras e saccadas, assim como solei-
ras e saccadas Je pedra de Lisboa. Tambem con-
da.
Na ra do Duqno tofMi P'* rna do Oae-
mado n. 19, ycuJu ;- ^"fAiV^^Pp0 a* o0"
larradas a 369-ra. 6 oWdo/ hm de boas panos
"bVattHl,no. -*rr
WW'' I
Caf do usara'
Vende-se ptimo caf d;i serra d'Arata-
nba, Cear: rua da Cadeia do Recife
n. 5.
COY
intitulado

H31HliMCiUU(alLU;i
I
a 800 is.
Caijadeiras
a 40 rs.
Nao mais cabellos brancos.
A tintura japoneza para tingia os cabellos i
da cabeca e da barba, fot a rica admittida
Exposifo Universal, aor.ter sido reco-,
nhecida superior tooi as preparacoes at i
boje existentes, senl alterar a sade.
Vende-se a 1#Xa) i'^da frasco na
Rna da Cadfia n. 51,
1. andar.
be
p
a
3 juEfnnw i mos a
Com este titulo acha-se aborto e inteiramente transformado esto antigo
estabelecimento de jota?, onde os frtgutzes e amigos encontraro tudo qnauto
a moda e o bora goslo tem inventado n? arte de ourivesaria, o Collar de uro
observar delicadeza no trato e senfiiridade e raodecidade nos pregos.
Espera que respcilavel publito venha ver o que existe de melbor em
aderecos de brilbanles, esmeraldas, robins e perulas, meios aderegos, pul-
ceiras, brincos, alfinefes e anneis da todas as qualidades, prata de lei faquei-
ros, colberes, patileraos salvas e outros muitos objectos que seria enfadonbo
mencionar.
Compra-se ouro, prata, brilbanles e pedras finas, pormaior prego do
que em outra qaalquer parte, treca-e e concerta-se todo e qualquer objecto
pertencente a esta arte.
trau-se e faz-se qualquer obra, como mouuiien-
ts, tmulos, estatuas, pias, lavatorios, mesas e
tudo o mais tendente mesiua arte, por mdicos
pragos.___________
uQde-se ou troca-se por ea^as nesta praca
o sitio denominado dos Bcritiz, amiga casa da la-
vagem de roupa, com grande casa ds vivenda,
senzala para pretos, estribara, banheiro de pedra
e cal com agua corrente, baixa para capim e
rande terreno para plantacSes : quem o preten*
er dirija se praca da Independencia n. 33.
iM GAZ GAZ ~
Coegou ao antigo deposito de Henry Forster i
1, roa do Imperador, um carregamento de ga
de primeira qualidade; o qual se vende em partda
e a retalho por menos preco do que em outra qotl
qner parte
Vende-se um terreno proprio, com 138 pal-
mos de frente e 160 de fundo, para o lado da es
trada de ferro, cujo terreno tem al cerce feito pa-
ra cinco moradas de casa, na rua de Motocolom-
bj do> Afogados a t'tar na mesma rna, on na
rua Direita dos Afogados n. i3.___________^^
CEMENTO
PORTLAND.
Vende-se no armazem amarello de Vicente Fer-
rara da Costa & Filho, defronte do arco da Con-
ceicao. em barncas (fraudes
$8MMi&gg3irai mmi
m
Tasso Irmaos & C.
Vend>m oleados pretos para forro e guardas-chu-
va de carros.
Ditos de cores.
Portas de pinho alrcofadadas, tamanhos diversos.
Cadeiras americanas de varias qualidades.
Tnico para cabellos.
Agna de Florida..
Machadinhas americanas.
BRACO DE 0L
Rua do Imperador n,!
0 respeitavel publico eucootrejra-
estabelecimento diariamente um
sortimento de pastelaria, bollos'
podins, pds-del, prgsentos dos
ebegados ao mercado, salame de lion, H
linbos finos de todas as quafidades para cb,
amenioascjnfeitadas, coafeitos, bombaos,
pastilhas, chocolate francez em libras, pas-
tilhas do mesmo .cartuxos e carteiras con
seis charutos de chocolate cada ama este
sortimento da cbscolate do mais acredita-
do fabricante da Paria e o toeUwr que al
boje tem vindo ao mercado.
Vinhos portuguezes, figueira muito sapft;
rior. Os majs geouinos e sur^rioriBa^innos
do Porto, moscatel e Setubal, o i&strado
publico encontrar neste estabelecuMtfo
por oommodos precos, fazendo-se abatimeo-
lo a quem comprar em porg3o.
Licores de todas as qualidades, as maj*
finas, entre elles o afamado Aiapana, esta
licor o mais saboroso e superior, at
boje eonbecido. Xaropss de groselhe, rosa,
maraco], caja etc., vinhos de Bordeaos de
todas as marcas, o mais superior que se
pode encentrar, champagne de Chevernt
muito superior, os mais finos e superiores,
cognacs francezes, old-tom de tod?s as be-
bidas alcuosas, este a .mais salutor para
i quem sofi're do estomago,
Conservas le legumes, portuguezas, fran-
cezas e inglezas, mlbos mostrada etc.,
(rucias seccas cristalisadas e em calda, na-
cionaas e estrangeiras de todas as qualida-
des, charuto- dos mais acreditados fabri-
cantes da Babia e Rio de Janeiro, cigarros
de S. Paulo e Rio de Janeiro, muitos su-
periores, e finalmente tudo qnento se deso-
jar tendente a este genero de, negocio com-
prometemo-nos a satisfazer toda e qual-
quer encommenda com a maior promptido
e asseio : Como sejam para casameotos,
ha plisados bailes etc., tambera se receben
encommendas de pa>s d l ou bollos de
qualqner especie enfeitados e decorados,
bandeijas de bonhos com armaco de as-
sucar, assim como de papel, pecas monta-
das, gellatinas de fructas attendoas, leite
etc..
Os dono* dest pstabelecimecto n3o se
tem poupado a despea* para melnor me-
recerem a acoadjuvago do Ilustrado pu-
blico.
Tflhas le ferro.
Na rua do Crespo n. 6, ba para vender
por precos muito razoaveis um grande sor-
timento de telhas de ferro glvaoisado, de
diversos tamanhos para cobrir casa e te-
Ibeiros que alm ie ser mais barato do
que as telhas de barro e aformosear mais
qualquer obra muil;uiais limpo.
Jn&..-
60^RUA DA IMPERATRIZ
t &VMJWAL* HGLEI1IEI10 tfe C
M b os Mr,intos polos mesmos pra5os ,ue compram aas casa, S2L Para S lgfBilEZj!SB. SZtT^SSiSTJL'SlSS lfgU VZ "t^- "^ '^ "?" '*
x^xx'^S^Sf S1B9%8IW ^ Organdy branco com listras lar-
ALIAS NOVIDiDES
no pav.Io
BONITAS FAZENDAS PAHA A FES-
TA DE
SANTO ANTONIO, S. JOO E S. PEDRO.
Vendem-se as mais lindas poupeli-
: is !p, nho e seda com os gostos
mais nevos que tm vindo a este
mercado, pelo barato preco de-----
2)5000 o covado.
Sedas listradas, de furta cores, fa-
zendas le muita pbantasia a 2)5000
o covado.
* Seda bisraark, larga fazenda muito
encorpada o covado a 24500.
on'tas lasinhas largascam palma
di seda, covado a I.$000,
^Z Lindas agraciando lavradas covado
m a 1-3000.
x< Aloacas lavradas de todas as co-
%$ res, -ovalo a 6i0, 800 e 10000
gR 3).mas lasinhas escossezas com
xv qtrtdros e litras de seda, covado a
bC 560.
*p r"i'j-.is alpacas lisas, sendo cor bis-
0 ruarle lyrio, verde, roxo, cinza, can-
^ na. au etc., covado '010.
ftf Ditas furta cores com as mais bo-
v nit-s cores, covado 503 rs.
vv Lindas bareges lisas, e cora lista
5&. il i m\sma cor, fazenda inteiramen-
4k te r.ova, covado a 560 e 010 rs.
~0 Bonitas lasinhas tapadas e trans-
g$ rentes com grande diversidade, o
covado a 600 rs.
Lasinhas lustrosas com lindas c-
res emitac3o de seda, o covado a
20.
i.'ios cortes de anadine, sendo
fazenda nova e transparente e de
muita phantasia, com 18 covados a
lb^OJO.
Fieissimos crtes*de vestidos bran-
cas bordados cem tddos os enfeiles
Trancezes a 12^000.
Cortes de ganga indianos, fazenda
inteiramente nova a 7fJ000;
Ditos chinezes com doas saias a
75000.

Ditos da lia eseosseza fazenda mui-
to b nita com fios de seda a 7*Oi,o
Fmissimos organdys com lista de
cor e salpico, saldo fazeoda de
$ muita phantasia, o metro l8d.
e Piguei-
gase quadrinhos, a vara a 1*000.
Todas estas fazendas, sao inteira-
mente novas e se vendem muilo em
coala, rua da Imperatriz n. CO,
bija e armazem de Silva
do & C.
mmm mmwmm
de 12.-JOO rs. cada um, pecbincha.
CASEMIRAS ESCOSSEZAS.
O Pavo tem boni as casemiras escosse-
zas com qtiadros grados e miados e outras
li?as com listras ao lado, sendo fazendo
muito lina que se vende mais barato, por
ha ver grar.de porco.
CORTES DE CASEV1IRA PRETA A 4.-500,
O Pavo tem os superiores cortes de ca-
semiras pretas enfeitadas pelo aarato preco
de 40500 rs. o cortA,
CASEMIRAS RASPADAS A 800 RS. O CO-
VADO.
O Pavao ende excellente fazenda de pura
la com as coros escaras muita proprias
para calcas, palitots, cotletes e roupa para
meninos que frequmtara a escolla por ser
urna fazenda leve, escura e de muita dura-
Co, pechincba a 80) rs. o covado ou a
2#8u0 o corte de caiga para homem.
FNAS BARGES A 640 RS. O OVADO.
O Pavo tem as mais lindas bareges de
la sendo miias transparentes, com urna
so cr,.teodo : lyrio, azul, rosa Bisawrck,
roxo, etc., tendo muito boa largura'a tqui-
da-se por 640 rs. o covado, por se ter fei-
to urna grande compra, assim como ditas
mais estreitas de urna so cor com listras
imilaco de seda a 560 rs. o covado, e pe-
chincha.
PECAS DE MADAPOL5.0 A 30500.
0 Pavao vende pessas de muito bom
madapolo, tendo 12 jardas cada ama, pelo
barato preco de 3*500.
PSCH1NGHA EM ALGOdO A IJ00O RS.
O Pavlo est veadeado pegas de algodlo-
sinho francez, tendo 4 palmos de largura e
com 11 metros cada peca, pelo barato pre-
da 4,5000 r$. f
CERA DE CARMAIBA.
Vende-sB superior cera da carnauba em
saccas, mais barato de que em outra qual-
quer parte, na rua da Imperatriz a.gOO,
toja do Pavao. J
OS SETINS DO PAVO
Vende-se es mais bonitos setina de cores
e mais encornados, pruprios para vestidos
tendo de diversas cores.
A loja do
CROCHS PARA CADEIRASE SOPAS.
O Pavo tem um grande sortimentp dos
maisbooitos croebs para cadeiras, sofs
mesas, almofadas etc., proprios par co-
brir presentes e veede-se mais barato do
que em outra qualquer parte.
Algodo eoffeatado.
Vende-se urna grande porc3o de alg&do
sinho americano com 8 palmos de largura,
proprio para lea?es e toalhas, tendo Iso e
trancado, que se vende por preeo muito em
conta.
LA AS ESCOSSEZAS
LAS ESCOSSEZ.VS
LAAS ESCOSSEZAS
A 560 rs. o covado.
Cbegou para a loja do Pavao, o mais
elegante sortimento das mais lindas JJazi-
nbas escossezas com fios de seda, as quaes
fazem o mais delieado efleito, para vestidos
de duas saiae, vendem-se pelo baratissi-
ma preco de 560 rs. o covado.
SEDAS DE LISTA
SEDAS D" LISTA
SEDAS DE LBTA
a 2*KX> o aovado.
Chegou para a 1 -ja do Pavo nm gratde
e bonito sortimento das mais lindas setas
de listas com as mais delicadas cores, tedo
entre ellas algumas que servem para loto, e
vendem-se pelo barato preco de 2||000 o
covado, pechincba.
FAZENDAS PARA LUTO NA LQJA PAVAO
Encontra o respekavel publico neste e3-
tabelecimen'o am grande sortimento de fa-
zendas pretas, como sejam cassaa Ihmce-
aas e inglezas, chitas pretas de todas as
qualidades, fazendas de 13a de toda* que
tem vindo, proprias para loto, sendo lasi-
nhas alpacas lavradas e usas, cantao, bom
basinas, merinos etc. que tudo se vende
por preco barate.
PARA BAPTISADOS
Na loja do Pavao vende-se booilos en-
chovaes para baptisados.
Cortes de casemira a 44000, cada nm.
Vende-se bonitos cortes de casemiras
claras e-escuras peN barato preco de 4^,
ou a 2i$iOO o covado, teado doas larguras,
CORTINADOS PARA GAMAS. JAltBLUS
GROSDRNAPLES PRETOS DE 15600 AT 7*000 CHAPEOS DE SOL DE SEDA A 10?J000.
iva loja do Pavao encontra o respeitavel
publico um grande sortimento de grosde- j 0 Pav5o fez urna grande compra de cha-
naples pretos de todas as larguras e qua-1 Peos de sol de pura seda, inglezes, com as
lidades, tendo de 1-J-iOO o covado at 7^(000 haspras parago. sendo neste genero os
e 8$00l), que se vende por preco muito
em conta.
CASSAS FRANCFZAS.
Chegaram para a loja do Pavo as mais
lindas cassas francezas com delicados pa-
dres, tendo para todos os precos e quali-
dades, dando-se todas amostras, assim como
um Bonito sortimento das mais lindas chi-
tas francezas escuras e alegres, que se ven-
dem muito em conta, e tambem se do
amstras.
CHITAS A 240RS.
Na loja do Pavo vendem-se bonitas chi-
tas francezas claras e escuras e crs|fixas
240 rs. o covado, e pechincba.
LA5TNHAS A 320.
LASINHAS A 320
LASINHAS A 320.
Na loja do Pavo vendem-se elegante sor-
melhores que tem vindo ao mercado, e li-
quidam-se cada ura pelo preco de 10(5000.
ROUPAS PARA IIOMENS PARA TODOS
OS PRECOS.
N'este grande estabelicimento encontrar
o respeilavel publico um grande sortimento
de roupas, sendo palitos e sobrecasacos de
panne preto e cazemira, calcas e coletes de
brim branco e de cores, que tudo se vende
mais barato do que em outra qualquer parte;
assim como um grande sortimento de ca-
rnizas francezas e inglezas, e ceroulas tanto
de linho como de algodo e abundante sor-
timento de meias cruas.
VESTIDOS INDIANOS COM DUAS SAIAS.
O Pavo vende urna granda porco de
cortes de vestidos indianos, tendo duas
muito mais baratos do qna
n menor escalla, nesta loja
levar emsuas casas, para melhoc po-
610, 800 U
ALPACAS LAVRADAS A
1,000 RES.
Chegou para este grande estabelicimento
o mais bonito sortimento das mais moder-
nas alpacas lavradas de todas as cores, que
se vendem a i&, 800 e 640 reis o covado,
assim como om grande sortimento de alpa-
cas lizas de todas as cores
Basquinas.
Cbegaro as mais modernas basquina*
ou jaquetinhas de seda preta, ricamente
enfeitadas a vidrilbo, tranca e sem preto
tendo de todos os modelios, os mais noves
que tem chegado e vendem-se por precot
muito razoaveis.
POPELtNAS DE SEDA
POUPELINAS .DE SEDA
fOUPELINAS DE SEDA
a 2)9000 o covado.
0 Pavo acaba de recebar o mais ele-
u WrAeae saias e tendo bastante fazenda, com os gos-
":".iilm!\-:.a.^slais'_*L.^rosa,s: tos mais novos que tem vindo, e liquidase gante sortimento das mais lindas veidadei-
com listrinhas a imitaco de
seda e eom as cores mais lindas que tem (
vindo ao mercado, sendo fazenda que vale! "^sr-mi
muito mais dinheiro, e liquidam-se
rs. o covado, pechincba,
i:c iii\c ni
pe"a*' a 55000, tendo cada um seu competente
a gj; CASEMIRAS MESCLADAS A 3^ 0 COVADO
O Pavo tem para vender bonitas case-
miras mescladas e bastante encorpada para
EM CAMISAS DO PAVO A 4^500 RS. rouPa de nm Vende-se om bonito sortimento demnito S^/f"90 ^ covado ou 5(000 o
finas emodernas camisas inglezas com pei-i00^ de calca Para homem-
to e coharinhos de linho e puahos, peloi J&OUPcl POf llSdldS.
baratissimo preco de 45500 rs. cada urna [ *
e aos freguezee que comprarem duzias se! Na loja do Pavo manda-se fazer qualquer
Ihe fer um abatimento, garantiado-se que' peca de obra a vontade do fregoez, para o
faienda que vale muito mais dinheiro, i que tem um perito alfaiate, responsabelisan-
hquida-se por este preco por se ter feito do-se os donos do estabelicimento por qual-
ama grande compra: assim como se vende quer falta que possa haver, qner por de-
um bonito sortimento de ditas tambem com mora, quer por qualquer defeito na obra;
peito de linho bordada e ctaa de algodo e para isto encontra o respeitavel publico
para todos os preco*. i um grande sortimento de todas as fazendas
PANNO PARA SAIAS A 45000, 15280 e que desejar.
v .W"60^ ^ BRAMANTE A 1800.
vende-se bonitas fazendas {proprias para
saias sendo com bordados o pregas a un Vende-se superior bramante com' 10 pal-
lado, dando a largura da fazenda o compri- tnos de largura, proprio para lences, dan-
mento da saia e vende-*e pelo barato preco do a largura d'esta boa fazenda o compri-
de 15000, 15AS0 e 11600, cada metro sea- ,mento do lencol, sendo preciso para cada
J metros para em apenas 1 e 1/2 metros ou 1 e 1/4 pe-
chincha pelo preco.
de 85, 105, 4 5 e 165000.
Cbegou para a loja do Paao um granda do preciso apeaas 3 ou 3 1/2
sortimento dos booitoei f>fW cortinados cade saia epecfeacia.
bordados, proprios pera canea e ieneHas,' Veatidoa lraeoN a I t*MM>0 rs.
que se vendem de 85000 o par. ato armis i 0 Pavao vendeaissimos cortes de vas-
rico que vemaomaread^e vende-t mais tideade cambraia >anca, ricamente borda- .
v% ~ qm m tHtr* ?a*1nV PMie. I das e com muita fazenda palo barato preco do barato preco de 55000 at 8000.
Payan est constantemente anorta, das 6 botas da manhaa s 9 da nonte
ESPART1LHOS A 84000.
Vende-se um bonito sortimento dos ma
Inores e mais modernos cspartiljios lendo
ras poupelinas de linho e seda com os pa-
drees mais delicados que tem vindo ao mer-
end, tendo entre ellas cores proprias para
alliviar luto, e vende-se pelo barato preco
de 25000 cada covado, pechincba.
Cambraias brancas
Vende-se um grande sortimento das me-
lhores cambraias tamo victorias como trans-
parentes tendo de 35500 i peca at a maia
fina que vem ao mercado.
CAMBRAIAS BRANCAS A 44000, A PECA.
S o Pavo vende pecas de cassbraia
branca transparente, tendo mais de vara da
largura, com 10 jardas cada peca, fazenda
que sempre se venden a 75 e 85000, liqat-
da-se pelo barato preco de 4*800.
CHITAS FINAS DE 3 A W1S.
Vende-se o mais eleganle sortimento daa
mais modernas e bonitas chitas tanto mo-
das como gradas, com cores datas e es-
juras, dando-se de todas amostras.
FSTOES BRaNCOS A 0, 908 E .
Vende-se muito bonitos lwco*
muito flexivel proprios pata vestidos d
senhotas a roupa para Wiww w4e-ea
l 640, 800 e 1*200 rs. e cavado.
Caaaaa a 94^ ff
O Pavlo est yeadt^fm^wmM
cerasfixssa W>m^"


.1


I II


>im




Diaria de Pernambuco----Segunda eira 30 de Maie de 1870.
A itti 1*1 ifirMittTfiuz \, ?
B[tiiiia'ikrutte Aurora, em frente'do caf1 Imperiitriz.
.
' novo e Bp4uoso oslabefecimonb de fazcftdas encoiHMro a9 Er.mas
.tendas toto;quontotw6art jIMtf^artidade do faxandas;
^a*^ JSi^.^^'P''*09*0 1no (,c me'lor g en^ntra neste mercado,
panetas la Europa, recebera -directamente o que em artigos de moda e
inmis apurado^gosto se encentra wParis, o que vem cada da augmentar s propon
weaeqaedispe-8te ettatielecimento para bem servir sua numerosa freguezia.
%,B larg4U ?'""* Ien^s fl toalaa8 cle Gage com l'stra de seda e ores, faaen-
ajdes qoe costuma vir aomer- da inteiramente nova para vestidos de baile.
Gi avatas para senboras e bomens, o- mais
sdo.
*A
:*G QEtMABd
*&'.J'X- ^l^nv^^t^ **..
Qoaoda a AGMA BRRNGA, mais precisa scletitioar ao rospeitavj publico em
Guipureproto e< betico, diversas lareu-
AiDans cora msicas para enllocar retratos, ras e differootes costos.
Oiicado
soma.
presente para qualquer pessoa de
Gollas e pnnhos bordados para senhoras.
Guardanapos do linlio pequeos e grao-
Atoalhado de Imho e algodo, branco e des.
e cores proprios para toalhas. Gorgueo de seda preto e de cores.
-ui .^m. F3^ Grosdenaples preto e de cores, baven-
Hasimnas de seda pretas e mmto moder- do diversas qaalidades e gostos.
aas, bem como de crochet, ludo de apurado ,j-
C8to -Wtio. Japonezes para senboras, o raelbor gos-
Bah>es do musselma, madapoln, brancos to, efazenda propria para as festas nosar-
de feotes, para senhora e meniuas, l rabaldes e passeios a tarde.
Baragos de cores vanado sortment.
Babadinhos ou tiras bordadas em todas as
arguras.
Btelbutina de todas as cores.
Bolsas de tapete para viagem, grande
^ariadade de tamaitos- e gostos.
Bombaziua preta de todas as qualidades.
Bramante de linbo de 11 palmos de lar-
fsra, e todas-as mais qualidades.
Bretanbas de linho e algodo, grande sor-
amento.
a*
LSazinhas de todas as qualidades, cores
e gostos, nao ficando nada a desejar, tal
o sortimnto que existe para escolher.
Lencos, ludo qnanto pode haver desde
esguio ao algodo.commum.
Leques de madreperola e osso, o mais va-
riado sortimnto.
Ligas d seda, bordadas, para senhora.
Luvas de Jouvin, chegadas por todos os va-
pores, semprc novo sortimnto, quer em
pellica para homens e senhoras, quer em^fio
Brins de linho branco e de sores, do mais
commodo ao mais caro em qoalidade, affian- d'Escocia, brancas e de cores,
ndo o que ha de melhor na especie. srrj
Brins d'algodo completo sortimnto e Madapolo; indesoriptivel o grande sor-
' "..._ C elevado preco ao menor; qoe se vende em
Cassas de cores, o maior sortimnto, pri- peca e retaiho por* menos do que emou-
cando pelo bom gosto e barateza, attentas tra qualquer parte,
qualidades. Mantas de blonde para noivas: o apurado
Caaibraias brancas, tapadas, e transparen- gosto dosnossns correspondentes era Pars
*s de todas as qualidades e precos. habilita-nos a dizer que temos em nosso
Camisinhas de cambraia de linho e ca-ssa estabelecimento o que de melhor se dse-
fordadas ricamente enditados para Sras. ja para vestir c ornar urna noiva.
Camisas para boicens e meninos, to va-
%do sortimnto que vai do mais ordinario
aadapolo ao mais perfelto bordado de li-
Camisas de meia, de flanella, brancas e
ce cores para homem.
Casemiras pretas e de cores, o melbor
$ue se pode imaginar, sendo d'isso a me-
aor prova o grande consummd dellas na
tfficiua da casa.
Capailas de flores, para noivas e bailes,
fitode a mais candida flor de larangeira at
i mais interessante grioalda.
Chapoiinhas no melhor gosto.de todas as
'Ires boje preferidas pelas senhoras de
ccais apurado rigor na moda.
Chapeos pretos de velludo, para senhoras,
:_;'.mo gosto de Paris.
Chapeos de sol, para senhoras e borneas,
ce^ todos os pro;os.e variados gostos.
Chaiy cora ricos padres para vestidos.
.Chales de todas as qualidades, avultadu
: jotero e nao menos variedade de gostos,
Chitas, impossivel descrever o sortimen-
o e variedade de padres e novos, gostos,
ta oeste artigo tudo quanto se pode desejar.
Calos para senhoras o que se pede ima-
rar de melhor.
Coques, o melhor no gosto e nos eniei-
tes, varios tamanhos.
Colchas de seda com borlas, o mais apu-
rado gosto e lavor.
Ditas de fusto branco e de cores por
precos commodos.
Corpinhos de cambraia, ricamente borda-
tas para senioras.
Cortinados de cambraia .bordados e de
tl.o quo de melhor se pode desejar.
Colarinhos de linho bordados e lisos, o
aaior sortimnto.
Damasco de laa de 9 palmos de largura
ladas cures e reos padres.
CB
Espartilbos branws e de cores, para se-
:.toras o meninas, o melhor neste genero ;
sahuma Sra. deix'ar por certo de muir
se de to precioso auiiliar perfeicSo de
am corpo delicado.
Entromeios bordados.
Escomilha preta.
Enleit :s para cabeca, ultima moda de
raris, receida no ultimo paquete.
Esguio de linbo, completo sortimnto de
-idos os nmeros.
O?
Fitas largas escocesas para cintos, varie-
Fhhs de crochet, modernos com cintos
e capas, o qoe ha de melbor.
FH de seda, Imho e algodlo, de todos
os gostos e padres.
Fusto de todas as cores e qaalidades
jraride sortimerito.
Flanella branca e de cores.
Flores, o que ha de mais rico,' qaer
ollas, ijoer em ramo*, tem o PAVILHaO
DA ttJW)RA om permanente jardim a
ispic3o das Esmas. familias.
V dfspondo d t3o grande e variado sortimnto que os proprietarios do PA-
V1LHA0 D\ AURORA se apresentam ao publico declarando desde j que a sincerida-
4e e o tvwn gostoo morel nico de seus negocios.
Prvidos de todo e promptos sempre a prover-se do que por ventura lhe
aja nH!essario, os proprietarios deste sumptuoso estabelacimento recommendam-se
em fwpjo de serena enntradictos e protestara esforfar-se por continuar a merecer ,
protejo que se Ibes tem dispensado ; certos de que do seu estabelecimento nao sahira
i freauez dMContente
Oontmia seranre a officina de alfaate dirigida por um dosipais- habis artis-
tas, promp/ executar n m promptidao e bom gosto qualquer trabalho quelheseja
<:ohMo. Urna modista especialmente oceupada mjs tiabaihos do PAVILHAO DV A-
B9HA.' d:n!e os qu Mih s5o coocernentes, garante por seu apurado gos!o epromp&dao
it iM-ufu e a mais mmpleta perfec3o nos seus trabalbos.
A numerosa freguezia que nos honra uma prova de que merecemos ocon-
que w dispensa ao nosso estabelecimento, conceito que procuraremos firmar cada;
r Hinda a concecufSo do fim que nos propomos, temos no nosso
08
Mantas prelas de blond.
Mantas para carros, com lindas pinturas.
Merinos pretos, trancados e lisos.
Musselma branca e de cores, lindos e va-
riados padres.
Pannos pretos e de cores, desde o mais
barato ao mais superior, por preco muito
commodo.
Pannos de crochet, para cadeiras e sofs.
Ditas de casemira muito finos para
mesa.
Peitos bordados de linho, lisos e de al-
godo para camisa.
Princesas pretas e ^e cores.
Popelina do seda e linho, com lisras e
flores; fazenda lindissima.
Pe hermas para senhoras, do ultimo
gosto.
Perfumaras; os mais finos extractos o
que de melhor e mais agradavel se pode
encontrar neste genero, e de. mais fragante
e suave no olphato, tem o PAVILHAO DA
AURORA, desde a verdadeira agua Flori-
da at o mais fiuo Bouquet d'Amour, final-
mente tudo quanto deve oceupar o touca-
dor de urna senhora de gosto.
Saias bordadas, brancas, lisas e de cores
cora folhos e sem elles, o melhor possivel,
Sabidas de baile, de todas as cores.
Sedas pretas, de quadros, lavradas, lisas.
de listras de todas as cores e qualidades e
o mais barato possivel.
Sartrelim de todas as cores e qaalidades.
Tapetes grandes, lindas pinturas para 8
cadeiras, mais pequeos e de todos os ta-
manbos desejaveis, e em pega para co-
vados.
Toalhas de la'jyrinlho, do maior e mais
fino trabalho ao mais barato.
Toalhas de linho e algodo de todos os
tamanhos, lisas e Telpudas.
Tarlatana branca com palmas e de cores,
fasenda muito nova, e gostos delicados pro-
pria para bailo.
Vistuarios bordados de fusto brancos e
de cores para meninos, de cambraia pura
baptivados, o quede melbor tem viado a
este mercado.
Vestidos de la escoceza de 2 saias,
novidade pelopadro, gosto e forma; ditos
de linho com barras de cores, e de cam-
braia de cores com 2 saias, -tudo inteira
novidade, trazera os modellos juntos para
mostrar a forma de os fazer.
Veos de blond para noivas e pretos para
luto.
Vestidos de blond para noivas: podemos
asseveraras nossas Exraas. (recuezas, que
somos os nicos em Pernambuco que pode-,
mos offerecer ao Ilustrado publico, o mais
apurado gosto em semelhante materia, gre-
cas ao bom gosto do nosso fornecedor rm
Paris, podemos garantir que ningoem nestfe
genero o possue melbor, nem mais em
canta.
te tem recebido; jstamente*qundo etla menos1 o pode-fazer'porque *ss falta Invo-
luntaria ella confia e espera-fia benevoteaciir de todos qe Ih'a attenderBo e relevarBo,
continuando portanto a dirigirenvs' a bem conbecida Ir ja da AGULA BRANCA roa do
Queimado n. 8, onde sempre acharo abundancia em sortimnto de soperiorftkde em
qualidades. modicidado om precos e o seu wincrf'de^mewttiflo AGUADO B SINCEWDADE.
Do que cima fica dito se ertnhece qne 0 tempo de t]w a AGUIA BRANC Vpode
dispr, empregado apezardeseuscustosnodesompenhode bem servir a aquelles que a
honram procurando prover-se em dita loja'dq que necessilam. entretanto sem ennume
rar os objectos que por sua natureza sao mais coohecidos ti, ella resumidamente indi-
car aquelles coja importancia; elegancia e novidade os tornam recommendaveis, como
bt m seja :
Corpinhos de cambraia, primorosamente | Capellas brancas para meninas,
enfeitados com fitas de setira* e obras essas i Grandes sortimnto de flores finas,
cuja noAidade de molde e perfeico de ador- Fil de seda, preto.
nos os tornam apreciados. PERFUMARA
Fitas mni largas de diversas cores e qua- Grande e constante sortimnto de dita,
lidades para cintos. sempre melhor quajidde.
Leques uesse objecto muito se podera Lindos vasos com p de arroz e pinsel,
dizer querendo descreve-los minuciosamente Calimbas com ditos aromticos,
por suas qualidades, eflree e desenhos, tal Bonitos e modernos pentes dourados
o grande e variado sortimnto que acaba para circular o'coque.
de clregar, mas para nao meftar o preten- Bonitos brincos de plaquee,
dente se lho apresentar o que poder de Aderecos e brincos de madreperolr.
melhor. Caivetes tinos para abrir latas.
' Entremcios enj pecas de 12 tiras. Tuesonras para frisar babadinhos.
. Guipare branco e preto de diversas qu3- .Aspas para balo.
lidades e desenhos. Ntfvo stereoscopos com 48 vistas, as
Ditos de algodo com flores e lisos. 3u"es sao movidas por um macbinismo
Veos de seda para cbapelinas o monta- dm*s ^osbtuem as ootras.
ra > Vistas para stereoscopos.
Meias de seda para OM B enfeitados com
' peoras.
Ditas de madeira envernisada com vispo-
Ditas abertas' de fio de Escosca.
Costumes ou unifonnes para meninos.
Enxovaes completos para baptisados.
Touquinbas de fil, apatinbos bordados
e meis para ditos.
Camisinhas bordada para ditos.
ras e com dminos,
Bollas de borracha para Irinqcedo de
criancas.
Diversos objectos de porcelana, proprios
para enfeites de mesa e de lapinbas.
AUMAZEXS

' IfOS GRANDES
DE BKCCOS-JE
T
^lOI-HillOS
N. 23Largo do Terpo.N. 23.
DE
SMO DOS SANTOS U.
PROGRESSO
10 Pateo da'Penha 10
DE
SAHTOS & FERREIRA.
Os proprietarios destes bem sortide* armaztns participam aos seus innmeros
freguezes tanto desta prac* como do matto que teado feito grande diminuto de pre-
sos as suas mereadorias esto por issoresolvidos a vender por menos de 40 e 20 i0,
do que en. outra quaquer parte, garaiiiiodo-se portanto a s perior qua^idadede qual-
quer genero comprado .esto *ous fistabelecimerilos. Mencionamos alguns dos oossos
gneros e a vista destes sao compreUjmdidos os outros, porque
cina-los.
Se alguem davidar venha ver
enfadonbo seria men-
Vinagre branco mandado vir por conta
propria vindo de Lista, a 320 a garrafa e
480 o'litro.
dem tinto FigHeira, Lisboa e Porto a
320,280, 240 e 200 rs. a garrafa 1480 300
rs. o litro.
Vinho
a 560
Gaz americano marca Deves a 8*&800 a
I4a 389 rs. a garrafa e 560 o litro.
Azota doce de Lisboa a 900 e yoOOa
garrafa em porcao faz-se grande abatimen-
lo.
jueira, Lisboa, Porto t 1 itreito,' ? "ropo a 220, 240 e 2-0va U
, 500^80 e400 a garrafaiitro ,840 ^^SJii" '
e w, e
760, 720 e 600. j 7*W0'7,!o0 e 8^800 iarroba'
Vinho branco'puro de Lisboa a 640 560 MiUw lpa200 rs. a libra e 440_o k
agarrafa, em porcao ha atatimento. l Vinho do Porto, engarrafado das melbo- abatanen10; 0iw
Ooeijos frescos do atimo vapor a 30200
res e maisacretadas marcas a 14000 e i200
I 500 e U a garrafa.
dem Bordeaux, Medoc e St. Julien a
70500 e 60500, a dozia e 640- rs. a garafa.
Genebra de Holl oda e laranja doce aro-
mtica a 60500, 70, 110000, a frasqueira.
Seneja Bass. llters & Bell a 90800-du-
ziaem porcao na grande aba timen to.
dem marca HeTe outras marcas a
50500 e 60, a dozia e 500 rs. a garrafa.
Assim como ha outros muitos
e 30400 cada um.
Akl'la, rcucario, talharim a LOO rs. a
libra, e 10100 o kilogrammo em caixo ha
abtimento.
Sabio massa de 1* e 2a qualidadS a 220
e 240 rs. a libra em caixa ba batimento
Toucinho de Lisboa muito alto a 400 rs.
a libra e 680 o ki ogrammo, em arroba ha
grande differeuca.
gneros, vinho em ancoretas, azeitonas,
L'jarto L ao l-Oaro
Depalito effectiv das producios da agualde YichycomaMjw* :
Afrua Source Ole.-lins. Qgararo a este bem c-.i.h.>cJ4o eUbetoeimeo-
DUa dito Qaoteve. tq, as mai." awdfraas ISnii-lus i-um-tisu* de
Dita Chatoldoa ele te. mo tK>m Mo, fiarad 40* "otrflg'Wdunipelo
Saes de Viehy pora banhos. prt.qn 0$ 800 r-. o mv ti, agu se vetam pfi
Pastilhas de Vicby ptc. etc.,-Indo .por. precos mui- iiarafi^iwprc de. 400 ri.- <> ci.vado < pohia
to em iiuuta, em case de Tisset frres, raa. do Com- cha, grande pVrhicha seubures'Trpgaezes, ve-
mercio n.'9. Dhim *er a wrdsde. vend")i>e pnr-es b*tUi
O* mismos teem para woder cogsio interior e pr^<> enr lef praneV p'ri^ qauret ganhar-a
"hos de diversas qnalnla*>w._________'. m t vepder rMit<> p.-ira **bar it ptmm. i Hp
kenW,r(*s, ,VRb",ras antes t|U--.e acabem- 6 ua
tija l. S> ___ pari-rtHs Prti - v. nd1-lwrat e laaenda
. k. c. .J ,.;,.. a ...... ierAuM'fi)flfBreni-8ft
vez Dais.
st^iCUjbDto os ultmios ngurinos de Pars, que recebemos por todos os. paquetes
ituaes enviaremos para serem vistos as familias nossas freguezas, aflai de escelherem.
com. o padro da fazenda o gfjsto Ha forma.
Na. officina ie alicate, junto ao estabelecimento, ba igualmente os figurines
yara oaens qoe por todos os yapdres se recebem.
K' este o- modo^ porque oes apresentamos pedindo a proteceo 00 ilastrado
wbijco e aom o mait profundo respeito convidamos s excellentissjmas Sras. a visi-i
arwn o o&sso estabirtecimeoto, certas de encontraran neliape'o menfr prscanogsfve-i
l qoe podelBrtaejar. r ^ T
Mandaremos toiros levar as fazendasf dtoMstf as ofide forem pedidas, ?is#
*> podMiaoe Bspectflcar todo quanto temos.
Aberto das 6 s 9 horas da noite.
passas e figos, charutos finos de diversas marcas, marmelada, bolachmhas de todas as
qualidades, perola, Francy-cracynel, a. b, c. Medhto, mixed. soda Fancy-nionac, pa-
taco, de Varietes.combination, Britania, doce de goiaba fina, chouricis, manteigas finas
franceza e ingleza, banba de Baltimor,. pbosphoros de Sjrcurytr Cognac, eh de diver-
sas qualidades, Oanella, pimenta do reino, ervidoce, pomada, eirofre,. bren, peixe
om latas de todas as qaalidades, farinha de,miHm americana, grand-mnlboa desebol-
las, oestes dousarmazens existe tambera grand sortimnto de loucas nropnas paa ner.
gocio, qne pelos seus commodos preco Ui vanuejem aos <=ompr -loivs. ^
MAMA
miumii
Kna do t'respo n. 9
O'proprtmrio* clesto bem coetmeido estabele-
cimento, alrn dos muitos objectos que tinbam ex-
postoaapreeiaao do respcitavol pul>lico, mali-
daram vir CacaLam de receber pelo ultimo vapor
da Europa um completo e vanado sortimnto de
finas e mni delicadas especialidades, as quaes es-
tao rosolvidos a vender, como do seu costnme.
por procos mito baratannos e commodos para to-
dos, iiom tanto que o Gallo....
Muito superiores luvas de pellica, pretas, bran-
cas e de mui lindas cores.
Mui boas e bonitas gollinhas e punhos para se-
nhora, neste genero o que ba de mais moderno.
Superiores peales de tartaruga para coques.
Lindos e riquissimos enfeites para cabulas da-
ftema senhoras.
Superiores tranras pretas e de eores com vidri-
Ihoi e sem elles; esta fazenda o que pode haver
de melhor e mais bonito.
Superiores e bonitos leques de madreperola.
martim, sndalo e osso, sendo aquellos branco;>
com lindos desenhos, e estes pretos.
Muito superiores meias flo d Esrossia para >e-
nhoras, as quaes sompre se venduram por 30*000
a duzia, entretanto que nos a? vendemos por 20*,
aim desta s, temos tambem grande sortimnto di-
outras (ualidades, entre as quaes aleamos mnit"
finas.
Boas bengalas de superior canna da India p
castao de mrfin' com lindas e encantadoras tipu-
ras do mesmo, neste genero o que de melhor s >.
pode desejar ; alm destas temos tambem grandi
3nantidade de ootras qualidades, como sejam, ma
eir, baleia, osso, borracha, etc. etc. etc.
Finos, bonitos p airosos chicotinhos do cadeia e
de outras qualidades.
Lindas e superiores ligas de soda e borracha
para segurar as meias.
Boas meias do seda para sonhora e para meni-
nas de 1 a 12 anuos de idade.
Navalhss cabo de niarfim e tartaruga para fazer
barba; lab muito boas.e de mais a mais sao ga-
rantidas pelo fabricante, e nos por uossa vez tam
bem asseguram.xs na qualidade e delicadeza
Lindas e bellas capellas para noiva.
Superiores agu has para machina e para crox
Llnha muito boa de peso, frouxa, para encher
lahyrinlho.
MB baralho? de cartas para voltarete, assim
como os lentos para o mesmo Bm.
Grande e vanado sortimnto das melhores per-
fumarias e dos melhores e mais conhecidos per-
fumistas.
COLARES DE ROER.
Elctricos magnticos contra as convulses, e
facilitam a denlico das innocentes enancas. So-
mos desde nmit rocebedores destes prodigioso^
collares, e continuamos a recebe-los por todos os
vapores, aim de que nunca falten no mercado,
tomo j tem acontecido, assim- pois poderao aquel
le que deHes. precisaren, vir ao deposito do galh
vigilante, aonde sempre encontrarlo destes verda
deiros coMares, e os quaes attendendo-se ao flm
ara que loo applicados, se venderao com uro rom
minuto lucro.
Rogamos, pois, avista dos objectos que deixanu
declarados, aos nossos freguezes e amigos a viren,
comprar por precos mnito razoaveis loja do gall<
vigilante, ra do Crespo n 7
CEMENTO
0 verdadeiro porWand. S se vende ji
ruada Madre deOeus n. '&, .-nnazem o
Joo Martins de Barros.
Em casa de Millo Lfliwn 4C, ma da Crw n
38. vendenv-se D4ts A* f-iro galvaoisadao.
Veede so a*-tern*a ni'M. em chSns bm
prios, sita em Oiinda i rna o oitao do Amnar-,
com 4 quartos,-prr>-d'>r a mcio e dua B'j a'
ratar no 4o andar n. 8 aira da Cadeia dn rtecif

i
i
Farinha de man-
dioca.
^hefioo i:prafa doiCor,po, $a*to.
boa. S on a vist) qn**
N-i 1 riiegrun ,a- ua nn>iii rna> 3 pas pretas de
i (H* ludada- e de diff rrnt- ini<*, tee>-g end>'
ii- pt.. iwra ..s stteeYov e BbaruN eetutonreni,
Mrfi"nt feto brii pn r. c de rWk"Ni. ^
tt u I ri'i-.cada uua. pin t.-r gnade porei".
qm r caihar im-iiii. jj.iia acah.n dtprp-sa, sd.l*.
la e t'in ,< nheeida luj' d- L*ln d"Ou/o rn
dii'.IiMt#rtitriz nMVParedes P.io'-4|m' >e
rneomram de-tas pjvh.n ha-, pede ^e bos-wbo-
, tw<- swjipras-qu&.lfTibam a bopdade,,dft viren!
, a e-t^ eUb.-l1meBto para com a rist^Certfica-
rem-se da verdad-.
Jcordeiro previdenti
Rna do ilucimadi n. 11 ft.
Movo e variado Bortimento de perfiunan;
finas, e omros objectos.
Alm do completo sortimnto de peri.
ataras. de qne electivamente est providi
loja do Cordeiro Previdente, ella acaba c
receber um outro sortimnto que se ton
aotavel pela variedade de objectos, s.uperioi
lade, qualidades e commodidades de pr
eos; assim, pois, o Cordeiro Previdente pe*
a espera continuar a merecer a aprecian
do respeitavel publico em gerai e de '
boa freguezia em particular, nao se ai>
;ando elle de sua bem conhecida mansic;
8 barateza. Em dita loja encontraran
preciadores do bom:
Agua divina de E. Coudray.
Dita verdadeira de Murray A Lammaii
Dita de Cologne ingleza, americana, fr.
ceza, todas dos melhores e mais acreditad
fabricantes.
Dita de flor de larangeiraa.
Dita dos Alpes, e vilete para tonel.
Elixir odontalgico para conservado -
isseio da bocea.
Cosmetiqnes de superior qualidade e ot-
ros agradaveis.
Copos e latas, maiores c menores, coi
pomada fina para cabello.
Frascos com dita japonesa, transpare->
a outras qualidades.
Finos extractos inglezes, americano;
francezes em frascos simples e enfeitados.
Essencia imperial do fino e agradavel cb-
o de violeta.
Outras concentradas e de cheiros igxu
mente finas e agradaveis.
Oleo phitocome verdadeiro.
Extracto d'oleo de superior qnabdaa
com esclbidos che>ros, em irascos de difi
-entes tamanbos.
Sabonetes em barras, maiores o meno,
para mos.
-Ditos transparentes, redondos e em ti?
as de meninos.
Ditos muito finos em caixinha para barb
Caixrahas com bonitos sabonetes imitanc
frnctas.
Ditas de'madeira invernisaaa contendo i
aas perfumaras, muito proprias para pr
entes.
Ditas de, papelao igualmente bonitas, tu
tem de perfumaras finas.
Bonitos vasos de metal coloridos, e t
moldes novos e elegantes, com p de arr>
4 boneca.
Opiata ingleza e franceza para dental.
Pos de campfiora e outras diflereau
i calidades tambem para dentes.
, Torneo oriental de Kemp.
Abada au coques.
m outro sortimnto de coques de n>
os a bonitos moldes com filis de vidrilb<
^guns d'elles ornados de flores e fita
stio todos expostos. aprectacio de qoe
a pretenda comprar.
GOLLINHAS E PUNHOS BORDADOS.
tbras de muito gosto e perfeico.
FUellas e fita* para cintos.
ello e vanado sortimnto de Ues obj<
4j, ficando a boa eecolha ao gosto do co
t)idor.
Bichas hamburgnszas
.Veste novo deposito recebe-se por todos os +i
i|uete iransJaouco bichas .de qnalidade saperioi
p -venden ee em caina oo porcao nrais pequea,
e mais barato, do ^ae om oQlra qiwlqncr parte -
na rna daCadea.dr KeciP n. I, f asdar.
n. 17, Io andar, escriploria^eato-i
B quuwMwiK TdmesrdehUU^,-;
pltni|KRMia*insarikrilerca. .^
Zornbi, (Torre) em solo r?ndeliv: a tratar na roa
{imperial a. 233.
Mata Landelino
m
4
OA
vende saecos com tfadttvrrt
mandirca : na rna do Duque ds Casia?, travessa
do Rosario, loja 1.16 6.
Cabellos
ftufijjos da serto.
Vehde-se na rna da Imperalrit n. 80, do arma-
ite(n de moJhados.
Atten^o
Na rna do Duque te Cuxias, outr'iira ma do
Quemad, n. 19, Miude-se eaubrai.is i.uudu-lis
e de flore*, bonil^ padres e Mus a 300 a U60 rs.
o covMn, barato.
r ara baile-, casaii. utos
A' loja de AoiuIo Porto ehetra iwvn sorti-
mnto iie lidos bouraus paf sabida >ie bailen ;
superiores cortes do sed, p blondo, fil -!e seda forneo e preto, liso e de llores,
colxas dn damasco de seda para camas, curtina-
tUu, vestidos braiN'os bordados e niuins outras
fazendas que se veiidein por muito barato pceo.
Nesta loja tem temare grande sortituonio das
melhores esleirs nata ferrar sallas. Rna de IHi-
qne de i'.axias, antiga roa dn Qneioiadon. II.
ATT WMf
Vendffise por 'barato afltsn a proprie-.idea
c.iiiilioa ri. sitemedios, qne < de Joai AnasUrm
Camello Peso.i. tw una grande Jara i" |iedra
er;.l,qut lastra 16000 lijWos ft torno que em-
pea o.OOO, eo:n exrrtWtrte b(no pura iod o
qu.il(|iHT Ua. aaa duo BMelleiNn virnrw o
um pr.'iuie acude d'ayaa dore, lendo una ea -ilo
sobrado de um and.r e swtSa : as prwnas que
pretend rem, dirija ni -e rf-Tidi |iropri>f.)e a
entenderse mu o t-apilfm Doiftia l.:n> Cst*a*etSte
Pessoa i-nii.-riiiiiir da mesma pnipriadade.
Vndese um cal) iolel de dnas rodss. rofoorto,
com a eio. pata um Ctvalto n em Ikiii es'ado :
na re luva ra ru de flii.i An>am n. I.
PEUMAS.
Vende-se urna porrln de n>dras de LsNki que
foran de ralcaJa : tratar na ra do II -;,cio
n. 26.
Cuntitia aeMil futida di'sdeodia t.* dr Janei-
ro do rie>lite anuo a rsciav Sviria. rvionia, di.
idade d.' 2S a MO anuos, eoin os lipBXw WINHOM
aliara reftnlar, bci?" roasoe e iebit:>dns, rost
saliente, or.llias pi'i|iunas. falla mana, rorpo del-
cailo. qnando anda USBi'ia, foi e-cravona vla de
Cabo do Sr Ji a > ilo Pego Barro*, fui vendida sac-
ia cidade pelo Sr. Pl-x>, CAIM procurador da ilil'
Barros, ja m vhea para banda- div'n^enbo More-
nos em ei o i .liia de um caba px-praca re ra-
valala. Jnlpii-K' que c o s-erinctor e que elle ui<
que a dita i>crava se tinh forrado : rege-ftf an-
toridade po-ktol t eaprtsea de ean>M a captura n
mesma. e luva la na da Soledade n. 86, ou ra
do Amoruii n. cv
Vendem^aoafceso de tedas as cores ^uaJqacr
oonlpdmesf?) ,^o*W4 lettserior, em ,caiatara
1 <{|it
Vende-se
ma machina de costura propria de
couro; na roa da Assumpcio o. 52.
coser
AVISO
oosooo.
Fupio no da 4 do correte o mulato Satur-
nino, uffirio de c?neiro, cor avetmethada a espe-
cie de ac por ler o cabellos venoelnos, cstalura
media e fortp do corpo, cara ou te>ta ru*B sa,
falla apenando os canto da bocea, idade 25 a 30
anuos, ps chalo, vntttdo com ceiula e camisa dn
panno de aleudan '-nirancado de cures, e na-
tural do sertto. O annu pasVadn este mualo j
esteve fusid< n:ezes c M ptpdo no eupuliode
S. Jiode Pod'Alho' depuis de ti r vacado as
ras desta ndadn pt* l'.i-lanie lempo, leo) conbi
cimento na ra da Senzalla etc. rVde-se aos ca-
ptura ile c. nipo e as autoridades policiaes a cap
tura do osame para ser entrepue a seu senhur
no sllh da Sapuc.ua em tieberibe.
Fujio no din II de marc* rio crrenle anno
o escravo Francisco, cabra, de idade oO anno.-.
com os sipsees seiiuintes cabellos eanpnho*,
rosto descarnado p rom marcas de bexiffa-, iotitn-
la-se ser livre. levuu calca branra, paletol de al-
paca de "or, chapeo de chile, naural da l'arahy
ba ; o mesmo foi comprado ao Sr. Delmiro Alvos
Maia, morador na larahyba. e juica se ter idii
para o n.esmo hipar. Desde j proles a-e cuntraj
a pessoa pilaes de eampo. assim c> roo as auti idade* poli-
ciaes qne o tiapam ra Direita n. t6, que serj
generosamente pratillcados,_____
Fuplo d-j lugar Cateara, termo de Santo Anta \
o escravo de d m- Justino, rom os stgaaes e-
guinles : idade 26 annos, pouco m is cu meuo-,
cor tola, corpo pro mj, cha altura, barba rala,
beico grosso, narii cha o, cabello c rapinbo, den-
tes perfett-Sf perua? regulares ps chatos e 1 m-
pos, tem UKia >m rq .inha d fenda j ve h- i m
urna das pema abaix do jortho e d parte il
lora, tem pe as eosus pequen, a marcas de a li-
go Esle escra- fugo ao dia 8 de marco do cor-
rete ano >, e uio se sabe se eeta.uesta cidade un
fradcla : rapase a querno appr-hend.r ww o
ao Baermo.'ngaT a s- n tenhor, abaix > a que reeeber a quantia di- 200a de gr-titicacao.
^^^^^ Herculaoo ce B. Lima.
Gratificapo de 200ri
rete.
Continua a est/oeido o e*cravo Procqnw, I
do j sido appn tfendTdo o seu parceiru de ame
Laiaao qm com elle tinha fitpido. Sepundi
informales adquiridas, tem t rYueuSto eefnido *
cunmho pasa J..piw.nbe, faienda *> Huqu'ir" d .
Cunta, da provincia do Caer Os Mgoai-
Procopio sa os .etnintes: melat"^ de estator;.
balxa, gorde, barbes O as macaes do r
rtituaitpmr^in^B corto, hombros Icto,
dos, nos pncenos, bastante ladino, o rfpmentn
ler 38 annos de idade. Qsem aprehende o, rec-
uera a'entlfleacSn aima menelnnada. i
liiii athaiaie ii termo da Eersde, ou/i
rio de flernardino de Sena Pontear, rda ua Su-
I ala a. 38;
S 1\V
\ imirn
ESCRAVOS FGIDOS.
UESDL
Em fuga pura o Ico, donde (y
natural.
Auzentm-se desde o da 9 de abril do frrenle-
anno, a mulata araborolada rsula, de idade pun-
co mais ou menos 30 anno, rheia du cnrsn, ca-
bellos corrid .s, tem na denles da frente p>rfeitos,
falla descancada e o maior -igual urna impigem
em om dos bmrea desde o eolovello at* a mn-
ak*vt da n>|p, supptV-se ter seguido paia o Ico.
donde natural, levi-u vesiids de cinta escaro
com listas eiicarnarias, acoslomada : ilar-lhe a
potta qnein a pegar bve ra da Matriz da
Boa-Vista n. 46, ou ra da Cruz n. 26, que sw
gratificado.
Continua a e>tar Ingidu o mele^ue Gregorio,.
do 17 mil' s de idade. criculo, com falta de Ava-
les na frente, testa rrdnnda, nllios vivos, com urna
mares de qieinodnra na barriga, e oulr-.i na rdia<
te una estrepada j antiga ; gasta de andar c >ni
calimbo : qnem n negar pone levar ao eogenlio
Califirnia em SeriSHeM, a seu srahor Joj.1 Fo-
enlino O. de Albuquerque, oh a ra da Praia n.
31, que ser bem r> conipensado.________'

Fugio no dia Ift dcste crreme mez, s 9 horas
da noute, a e>rrava mulata, de nome Josepha,
baixa, cor escura, cabellos cara pinitos., cara re-
donda, olhos emptpocados. nariz wroc', bracos
groaaos, dous dentes de frente atravessadus no
ineio dos ditos denles um podre, ps chatis, os
dedos compridos, os calcanhares fipgindo urnas
Tachaduras, n[p-enta ter 19 anns. levou ves
tido de chita escura, chales de mfrin estampa-
do azul, nao acistomada a nrar na ra, e por
isso terna se desconhecida ; o annuncianle suspei-
ta que fos.se seduzida por alguem e e.-leja iccnl-
a em algoma casa parlicnlar, e desde j protes-
ta contra quem quer que assim procedpr : por
tanto rogase sy autoridad a noticiaes e capitae*
de campo a captura da referida escr. va, enlrepau-
do-a na ra do Imperador n. 19, 2 andar que
ser gratificado.



8
Diario de Pernarabuco Segunda feira,730 de Maio de

Ux
1870
tHIHJl
HTTEBATDltfl.
POTJCO DB TTJDO.
FRANCA.Damos em seguida o sena-
us-cotuultus. lixando a constitoigo do im-
perio francez:
Titulo I.
* Art. 4. A consliroigao reconhece, con-
firma e garanta os grandes principios pro-
clamados em 18(50 e que sao a base do di-
reito publico dos Franceses.
TUulo II.
c Da dignidade imperial e da regencia.
Art. 2. A dignnlatle, restabelecida na
fies.*oa de Napoleao III pelo plebiscito de
21 e 22 de novembro de 1852. heredi-
taria na descendencia directa e legitima de
Laiz Napoleao Ronaparte, de varo a varo;
por ordem de primogenitura e com exclti-
s3o perpetua das mulberes e sua descen-
dencia.
Art. 3. Napoleao III, se nao ti ver fi-
Iho varo, pode adoptar os 61 nos e descen-
dentes legtimos na linlu masculina dos r-
m3os do imperador Napoleao I.
As formas da adopgo s5o reguladas
por urna le.
Se posteriormente adopco vierem a
Napoleao III filhos var&es, seus lilhos adop-
tivos nao polero ser chamado* a succede-
rem-lhe seoo depois- de seus descendentes
legtimos.
A adopc3o interdicta aos successores
de Napoleao III e sua descendencia.
t Art. 4. Na falta de herdeiro legitimo
directo ou adoptivo sao chamados ao lluono
o principe Napoleao (Jos Carlos Paulo) e
sua descendencia directa e legitima, de va-
no a var3o, por ordem da primogenitnra e
c >m exclus3o perpetua das mulheres e sua
descendencia.
Art. ). Na falla de herdeiro legitimo
ou de herdeiro adoptivo de Napole3o III e
de successores em linlia collateral que te-
nham os seus direitos no artigo precedente,
o povo noma o imperador e regula na sua
familia, a ordem hereditaria, de var3o a va-
ro, com exclusSo perpetua das mulheres e
sua descendencia.
t O projecto de plebiscito successiva-
mente deliberado pelo senado e pelo corpo
legislativo, obre proposta dos ministres
reunidos em conselho do governo.
< Al ao momento em que a eleig5o do
novo imperador esteja consummada, os ne-
g ios do estado sao governados pelos mi-
nistros em funcgoes que se determinen! em
conselho de governo e deliberem por
maioria de votos.
Art. 6. Os membros da familia de
Nipoleo ni chamados eventualmenle a he
reditariedade, e sua descendencia dos dons
sexos fazem parle da familia imperial. N3o
podem casarse sem autorisac3o do impera-
dor. 0 seu casamento feito sem esta auto-
r;""'?!j imnoria privaco de todo o direito
nereditanedaae.r ia,.w ,0iip mu n
Art. 14. O imperador o cbefe do
estado.
a Commaajla as forgat de trra e mar ;f
a guerra; faz os tratados de pz,
p muelle que o
conirahio como para os seus desceuaenu>.
t Comtudo se n3o existirem filhos deste
casamento, em caso de dissolucSo por mor
- te, o principe que o tiver contrahido, re-
adquire os seus direitos heredtariedade.
O imperador fixa os seus ttulos e as
condicoes dos cmtros membros da sua fa-
milia.
Tem plet>a autoridade sobre elles: re-
gula os seus deveres e os seos direitos por
estatutos que teem forga de lei.
Art. 7.1 A regencia do imperio re-
gulada pelo senatus-consultus de 17 de ju-
iho de 185G.
Art. 8. Os membros da familia real cha-
mados eventualmente liereditariedade to
mam o tilulo de principe francez.
O filho mais voltio do imperador tem o
tUulo de principe imperial.
Art. 9. Os prncipes francezes sao
membros do senado e do conselho de es-
tado, quando tenhara altingido a idade de
."* annos completos. Naopoiem tomar as-
sento a!li sem permUsao do imperador.
Titulo III.
Formas do governo do imperador.
Art. 10. O imperador governa com o
concurso dos ministros, do senado, do cor-
po legislativo e do conselho de estado.
" Art. H. O poder legislativo exerce-se
conectivamente pelo imperador, senado e
corpo legislativo.
Arl. 12. A iniciativa das leis pertence
ao imperador, cenado e corpo legislativo.
Os projectos de le emanados da ini-
ciativa do imperador podem, sua escolha,
ser levados ou ao senado ou ao corpo legis-
lativo.
Comtudo, toda a lei de imposto deve
ser primeiro volada pelo corpo legislativo.
Titulo IV.
Do imperador,
c Art. 13. O imperador responsavel
perante o povo francez, ao qual lem sempre
direito de consultar.
declara
de allianca^ e de commercio; noma todos
os empregado, faz os reglamentos e de-
cretos necessarjos pira a execoco das leis.
Art. 13. A justica laz-se em seu
nome.
A inamoblidade da magistratura
mantida. *
Art. 1G. O imperador tem o direito de
perdoar e decretar amnistas.
a Art. 17. Elle sancciona e promulga as
leis.
Art. 18. As modificacoes que ^e facam
de futuro as tarifas das alfandegas e de
correos pelos tratados internacionaes s
em virlude de ama lei ser3o obrigatorias.
c Art. 19. O imperador noma e demit-
te os ministros.
f Os ministros- deliberara em conselho
sob a presidencia do imperador.
S3o responsaveis.
Art. 20. Os ministros podem ser mem-
bros do senado ou do corpo legislativo.
Teem entrada n'uma ou n'outra as-
semba e devera ser ouvidos todas as vezes
que o pecam.
Art. 21. Os ministros, membros do
senado, do corpo legislativo e do coaselho
de estado, os oflicaes de trra e mar, os
magistrados e os empregados pblicos,
prestam juramento assim concebido:
Juro obediencia constituido e fideli-
dade ao imperador.
t Art. 22. O senatus-consultus sobre a
dotaco da cora e a lista civil de 12 de
me do governo a distosto dos projectos de o plano. Tratava-se da o asaassinar, e a
Jei diante do senado e o corpo legislativo- dono da casa esta va de accordo com os mal-
Art. 39. Os couselbeiros de estados3o feitores para o roqbarem e fazerem desap-
nomeados pelo imperador a oMOgavft of||Mkcorbo. Levanlou se imme-
e"e- pMliw(%uo*,^rmpa-se com urna
BiV^rt. 40 Os ministros teem_aeasite enxada que :r>. e esperou.
HBilps depois aeno que alguem
voz deliberativa no conseUajajfPI
F TitujmV
Disposigrjes genes.
Art. II. 0 direito de peticlo exeree-
se junto do senado e do orpq legislativo.
t Art 42. Sao abolidos otarla.' 19, 25,
27, 28, 29. 30, 31/3'* e 33 da.conslituige
de 14 de janeado de 1852, o art. 2o do se-
natus-consulHtt de 25 de dezembro de
1852 ; os arts. 5' e 8*do tenotus-cowultus
de 8 de setembro de 1869 e todas as dispu-
sieres contrarias presente constituido.
Art. 43. As.disposig5es da constitut-
c3o de 14 de Janeiro de 1852 a ai do se-
natus-consultus promulgadas desde essa
poca, que nao sao comprehenddas na pre-
sente constiiuigo e que nao s3o abolidas
pelo artigo precedente, teem forga de lei.
c Art. 44. A coustituigo nao pode ser
modificada seno pelo povo, sob proposta
do imperador.
i Art. 45. As mudancas e addicoes fei-
tas no plebiscito de 20 e 21 de dezembro
de 1851, pela presente consttuic3o serao
submettidas approvac3o do povo as for-
mas determina las pelos decretos de 2 e 4
de dezembro de 1851 e 7 de novembro de
1852
| Comtudo o escrutinio durar maisdo
que um da.
dezembro de 1852 e 23 de abril de 1856
fleta em vigor.
Comtudo ser determinado por urna
lei no caso previsto pelos arts. 8, He 16
do senatus-consultus de 12 de dezembro de
1852.
c Para o futuro a dotaco da cora e a
lista civil seo determinadas, durante todoj
o reinado, pela legislatura que reunir-se-ha
depois da elevacSo ao poder do imperador.
Titufo V.
Do senado.
Art. 23. O senado compe-se :
t 1." De cardeaes, de raarecbaes e almi
rantes.
t 2. De cidad3os que o imperador eleva
digndade de senador.
Art. 24. Os decretos de nomeacSo de
senadores sao individuaes. Mencionan) os
serviros e indicara os ttulos sobre que a
noraeaco fundada.
| Nenhuma outra condiejio pode ser
imposta eleic.no do imperador.
< Art 25. Os senadores sao inamoviveis
e vitalicios.
Art. 26. 0 numero dos senadores po-
de ser elevado a dous tercos daquelle dos
membros do corpo legislativo, couiprehen-
dendo os senadores de direito.
O imperador nao pode nomear mais
de viole senadores por anno.
Art. 27. O presidente e os vice presi-
dentes do senado sSo nomeados pelo impe-
rador e escolhidos entre os senadores.
Sao nomeados por um anno.
Art. 28. O imperador convoca e pro-
roga o senado.
Pronuncia o encerramento das ses-
ses.
An. 29. As sesses do senado sao pu-
blicas.
Comtudo o senado poder reunir-se
em comit secreto, no caso e segundo as
condicoes determinadas pelo seu regula-
mento.
Art. 30. O senado discute e vota os
projectos de leis.
Titulo VI.
Do corpo legislativo.
Art. 31. Os depntados s3o eleitos pelo
suffragio universal Sem escrutinio de lista.
Art. 32. S3o nomeados por um espa-
co de lempo que nao poder ser menos de
seis annos.
Art. 33. O corpo legislativo discute e
vota os projeqtos de lei.
Art. 34. O corpo legislativo contar
na abertura de cada sess3o os membros
que c/rnipem a sua mesa.
. Art. 35. O imperador convoca, ada,
proroga e dissolve o corpo legislativo.
Art. 36. As sessSes do corpo legis-
lativo sero publicas.
Comtudo o corpo legislativo poder
reunir-se em comit secreto no caso e se-
gundo as condicoes determinadas pelo seu
OS SETE PECCADOS MORTAES.-O Sr.
Silva Tullio, na conferencia do gremio Ili-
terario, relatando os th-souros de moral
queeneerra o adagiario portuguez, disse
que se podia fazer um catnecismo de flou-
trina christa dos nossos preverbios e ada-
gios ; e para amostra leu a segrate nota
dos que se referem aos sete peccados mqr-
laes :
SoberbaQuando o villo est rico, n3o
tem prente nem amigo.
AvarezaA arca do avarento, tem o dia-
bo dentro.
LascivaA seosualidade arruina a mo-
cidade.
IraO iracundo depressa vai para o ou-
tro mundo.
GulaCome para viver, e u3o vivas para
comer. Onde entra o beber sae o saber.
InvpjaNunca o iavejoso merou, nem
o que ao p d'elle raofou.
PreguicaQuem n3o anda por fri e por
sol, nao faz seu' prol.
BAIRRO OPERARIO. Alguns peridi-
cos de Hespanha fallara da planta de um
bairro paraoperarios pobres que se ha de
edificar em Madrid sob os auspicios do du-
que de Montpensier.
Chamam a attenco a elegancia das cons-
truccoes, que nao de ser d ladrilho, o m-
dico prego das casas e a combraao amor-
tisadora do capital. Segundo esta, qual-
quer pessoa pagando 5 duros mensaes de
aluRiier, ser3dono da prapriedade no fim
de 10 annos.
Haver casas de dons andares, com qua-
tro, seis e oito qoartos, agoa encanada e
tanques para lavar no pateo ou no fardira.
Alm d'isto a colonia ter urna capaila,
um lavadooro publico c< m banbos quentes,
urna casa mercado em sociedade coopera-
tiva, urna escola publica para os meninos,
e finalmente urna estac3o de polica.
escusado dizerf as vantagens qoe advi-
no s classes operaras se se realisar to
importante projecto.
FOLHETIIH
OS DRAHASDA ALDEIA
POR
' Ponson du Terrail
(Continuaco do n. 118).
XLI
Retrogrademos agora algumas horas.
Ao tempo pouco mais ou menos em que
Loiseao, depois de baver triumphantemen-
te levado o edital de venda ao palacip, Se
fura installar mesa hospitalera de /uval,
entrava Pamella no presbyterio.
Havia um mez que Aoatole e Pamella se
tiaham ajustado os esponsaes. Desde ent3o
passava ella todas as nootes no palacio, e
estava iniciada em todas as angustias da
Sra. de Misseny e sen sobrinho.
O bom cura' Doval tinha em segredo fei-
to todas as diligencias para arranjar o di-
nbeiro de que se careca, sem que at ali
houvesse obtido resultado algnm.
Pela primeira vez, depois de qoarenta
annos, aquello homem, que se denominara
marquez de Champerret e gozara ama gran-
de fortuna, se arrependia agora de ter-se
despojado de recursos peconiariot.
lio dia em que Duv3i tomoa os hbitos
ciericaes, abandonou toda a fortuna aos p-
renles, reservando apenas um rendimento
de dous mil francos para os pobres da soa
futura paroebia.
Duval esci-ereu a um sobrinho. Este
nem se dgnou responder.-lbe.
Procurara varios tabelles e agentes de*
negocios ; todos se achavam predispostos
por Javal.
N'aquelle mesmo dia, porm, o carteiro
da tarde, qae levara ao palacio a resposta
regulamenlo.
Titulo VII.
Do conselho de estado.
Art. 37. O conselho de estado est
encarregado, sob a direegao do imperador
de redigir os projectos de lei e os regula-
mentos da adrainistracao publica, e de re-
solver as difficnldades que se levantem em
materia dt administrarlo.
Art. 38. O conselho sustenta em no-
do Sr. Gallaud, foi portador de urna carta
com a marca de Pithiviers.
O cura abrio-a, olhou ancioso para a as-
signatura eleu : Padre Moulin,
A carta era assim concebida :
Hea charo irm8o era Chrtsto e meo
velbo amigo : um antigo irm3o de ar-
mas e camarada de collegio quem te escreve,
depois de um silencio de trinta annos.
t Servimos juntos a Franca, entramos ao
mesmo tempo para o collegio e tomamos
ordens no mesmo dia.
Em quanto tu te coatentavas com o
modesto apostolado de enra da aldeia, en-
trava eu as misses estrangeiras e diriga-
me Cochincbina.
Deveria ali ter morrido} porque algu-
mas vezes l soffri o martyrio.
c Chegava mesmo a ponto de ser dego-
lado quando o pavilhao tricolor appareceu
fluctuante sobre os muros de Saigon.
Fui d'ali trazido semi-morto, e passei
cerca de dous annos entre a vida e amorte.
Trinmpbou alflm a minha robusta or-'
ganisacao, e, apezar dos sessenta e cinco
annos de idade, eis-me menos mal e colla-
do na modesta abbadia de.....prximo a
Pithiviers.
t Procorei informales las e soube que
estavas em S. Florentino, adorado de teus
parochianos.
Quando me ordenei, proced como tu,
despojando-me dos bens de fortuna em pro-
veito da minha familia, porm altos-des-
tinos de Deqs!raorreram todos os meas
sobrinhos e volto a ter rico I
t Como deves ajuizar, o3ocareco de di-
nheiro, mas carecem d'elle os pobres, a vou
procurar o melbor meio de o distribuir.
< Tera tu na tua porochia moitos necea-
sitados ?
Qaeres dez mil francos para Ibes coas-
CASO HORROROSO.Em Viterbo, nos
Estados Pontificios, succedeu ura caso hor-
roroso, e que se fosse assumplo de um me-
lodrama julgar-se-hia inverosmil.
Um marchante chegou ao anoitecer a urna
estalagem, qoe ficava na estrada a algama
distancia da povoacao; pareca muito satis-
feito e conlou ao estalajadeiro que tinha ef-
feituado urna venda vantajosa de gado, que
lhe havia rendido urna somma de 5:000
francos.
Depois de cear, poz-se a caminho, mas a
pouca distancia foi atacado por treshomens.
O marchante defendeu-se corajosamente e
consegnio escapar-se.
Voltou para a estalagem, onde conloo o
que lhe havia acontecido, declarando que es-
tava resolvdo a pernoitar all, com receio
de ser novamente atacado, e qae assim s
partira no dia segrate de manh5a. Arran-
jaram-lhe um quarto, e o hospede deitou-se
6 adormeceu. Pela noite dianle acordon e
ouvio vozes no pateo. Poz-se a escalar, e
ouvo urna conversa que lhe fez arripiar os
cabellos. O estalajadeiro dizia qoelle com
quem fallava: Facam a cova na quinta
grande, vou l em cima deita-Io pela janel-
la,e enj/rrem-n'o logo.
O marchante comprenendeu logo qual era
tituires um rendimento annual de quinhentos
francos ?
Responde-me, e, se conservas ainda a
bella saode de outro tempo e te nao assus-
tam as quatorze leguas que nos separam.vem
dar-me um abraco.
Teu amigoMoulin.
O cura Duval acabava a leitara d'esta
carta quando Pamella entrou.
A pobre menina tinha os olbos verme-
Ihosde chorar.
O velbo sacerdote deu-lhe a carta a lar.
Pamella, acabada a leitura, olhou para
elle tmidamente, dizendo :
E enl3o ?
Ento...respondeu elle Aille
est salvo O mea velbo amigo quem
me ha de emprestar os seis mil francos, e,
se por acaso elle nSo tiver meio de os dis
pensar senao dos dez mil qae destina aos
pobres da minha parochia, pooco importa
que este oinheiro seja empregado n'om
empresumo feito a Anatole, qoe, como qual
quer outro, pagar os juros e com tinta
'maior regularidade, visto ter por credores
os pobres.
Ah I mea Deus, qoe bondade a sua,
senhor cura Iexclamou Pamella, ergoendo
as maos ao co e debulhada em lagrimas.
N'esse mesmo momento abria-se a porta
e entrava Rigorne azafamado.
Senhor, senhor I gritava elleQue
desgraca I
O que isso ? Qae te succedea,
imbcil ?disse-lhe o cara.
Voltou outra vez o oficial de jastica !
E depois ?
Acaba de afihar um glande edital na
porta da cmara t
E qoe diz o edital ?
Qoe o palacio se vender no pralfde
oito dias!
apro\imav t>Ofta,. e que a abra de-
ohecendo Ipgo o esta-
"chante descarregou urna
forta pancada com a era ida sobre a cabe?a
do malvado, que cahio immediataraente no
ch3o com o crneo aberto.
O marchante pegou no carpo e deitou-o
pela janella, por baixo da qual estavam tres
homens e urna cova, que estava destinada
para elle. 0s tres homens n3o reconhece-
ram o' cadver e enterraram-n'o em seguida.
O marchante, sem perder tempo, sabio
para a ra e foi avisar os carabineros pon-
tficos.
A tropa dirlgio-se estalagem. Os tres
cumplices do assassioo, que linham acabado
a sua lgubre tarefa, Ibram logo presos;
eram os filhos do estalajadeiro, e natural-
mente os mesmos que atacaram o marchante
na estrada.
PROCESSO RONAPARTE.Este prosesso
acaba de ter ura triste episodio ante o tri-
bunal de Paris. Apresentaram-se algans
credores da familia Noir a reclamar parte dos
25:000 francos estipulados na sentenca
para imlemnisacao de perdas e dararos. Se-
gundo parece, a urna s pessoa devia o
morto2:000 francos. Isto em nada preju-
dica a su i boa memoria; mas o que muito
difficil comprehender que seu pai, a quera
a morte proporconou um triste e inespe-
rado lucro de 25:000 francos, recuse pagar
as dividas do filho. Apesr dos herdeiros
serem obrigados a pagar as dividas da he-
ranga, o pai de Victor Noir soube fazer a
distinego opportuna enlre este caso e o
seu, dizendo:
Nada herdei de, meu filho, e a in-
demnisago que me foi concedida nao pode
estar affecta a nenhum grvame.
Segundo parece, os 25:000 francos foram
depositados em poder do Sr. Maquard ; mas
a autoridade competente resolveu que se
entregasse a quantia que sobrar depois de
feitas as opportunas deducaces em conse-
quencia das dividas que se reclamarem.
GRANDE VELOCIDADE.Os cagadores
p do exercito francez marebam com ex-
traordinaria velocidade ; a longitude do seu
passo ordinario de 65 centmetros, isto ,
70 por minuto on 4:200 por hora (2:706
metros); a passo ligeiro augmenta-se at 88
centmetros a longitude, 165 passos por
minuto, 9:909 por hon (8:217 metros); a
correr gradua-se em 83 centmetros a lon-
gitude, 180 passos por minuto, 10:800 por
hora (8:964 metros). O soldado de linha
nao anda era metade do caminno em igual
tempo.
YAMEDADE
Proeesso de Pedro Bonaparte
ACCDSCO DE ASSAS8IMO E DE
TENTATIVA DE ASSASSINIO
(Audiencia do dia 26 de margo.)
{ConclusCwJ
E' porm fra de toda a duvida qae, se
Fouvielle tivesse inteng3o de fazer uso da
arma que levava qnanUo foi casa do prin-
cipe, nao deixaria de a armar antes de en-
trar. Pelo contrario, a arma foi encontrada
desarmada, quando Fouvielle a entregou ao
carteiro Roustan. *
Nao pode pois proceder a legitima de-
feza.
A scena pode explicarse assim : o prin-
cipe levou a bofetada de Victor Noir de-
pois de algumas expresses desagradaveis
que proferio, em seguida recuou, puxou
pela arma e fez fogo. sobre o aggressor.
Sao dois actos quasi simultneos. Fou-
vielle, perturbado, corre para traz de urna
cadeira, e s ento faz diligencias para ti-
rar a pistola do estojo.
0 principe disse aqu: que, emboca es-
tivessem 60 pessoas diante delle com pis-
tolas na mao, nao deixaria de atirar sobre
aquella que lhe tivesse feito um ultraje an-
tes de pensar no pergo. Tiro d'aqui a con-
cluso qae foi o ultraje e nao o perigo que
determinoa o principe a fazer fogo.
Se a idea do perigo estivesse estreitamen-
te lgala, como quer o aecusado com a
idea do ultraje, teria immediatamente atira-
do sobre Fouvielle. N3o deveis esquecer
que s atirou sobre Fouvielle quando este
apontoo a pistola para elle.
Devia o principe receber com modos to
altivos as doas testemunhas que o iam pro-
curar? Se elle nao tivesse desodo a tratar
com os autores de artigos podia despedir
com desprezo os portadores de cariis.
Pois bem.mas oito dias nao vimanha.
Ora es,ta! exclamou o "sacristo,
espantado da fleugma do cura Pois nao
lhe d isto cuidado ?
Vamos agora tratar de aparar o golpe
respondeu o padre. Apparelha o Cc,
porque teremos de sabir d'aqui auma hora.
E Rigorne retirou-se estupefacto d'aqueHa
placidez de espirito.
tfinba fllha,disse Duval a Pamella
intil, senao perigoso, qoe se saiba
naaldia que eu vou buscar dinheiro...
Aquelle miseravel Juval julga-se seguro da
victoria e convm deixa-lo n'essa convic-
co at ultima.
Tem raio!acudi Pamella, sentin-
do-se gelar de susto, pensando no Mulot.
Por aquelle motivo nada disse diante
de Rigorne, qae um fallador eiria publi
car a novdade. Vou comer algama coosa
pressa e farei jornada toda a noote ; ama-
oha de naanha estarei em Pithiviers, pas-
sarei a noute com o mea velho amigo e
depois de amaohla estarei de volta. *
Mas acudi Pamella nao poderei
ao menos dizer no palacio t
E, fallando assim, calculava o golpe cruel
qae Anatole soffreria sanando do terrivel
edital.
Sim, minha filha, disse o cura
nao ha inconveniente em que vi ao palacio
e que mostr esta carta qae acabo de rece-
ber, mas convm esperar que anoutega. Se-
ria pooco prudente qoe os ociosos, para
quem todo objecto de commenlarios, po-
dessem notar a coincidencia da minha par-
tida com a soa ida ao palacio. Primeiro
ceie comigo.
Eram ento >eis horas da Urde.
0 velho cara chamoo a crieda e ordenoa-
lae qoe adiantasse i ceia.
Santo Deut I exclamoa i velba
Mas depois de ter aserilo a carta pablicada
no Avenir de la Cors e^m 30 de dezembro,
e ter dirigido outra a ibebefoq tiara obri-
gagSd d recebar as peaaoas qae o procu-
ra ssem em sua casa.
O acensado faltou aos deveras que tinha
a cumprir para com a toa pessoa, para com
o seu oome, a para com o astado.
Quem tem a honra de ter o nome que
elle tem deve ser superior aos desvarios das
ludas apixonadas.
Seobores jurados, pego-vos que. vos col-
loqueis com o vosso veredietnm na verdade
juaiciaria. Se houve, cflmojulgp, provoca-
gao, attendei a ella em beneficio do aecu-
sado ; mas ir alm, pego-vos que o n3o f-
gaos, porque era o mesmo declarar, que
innocente o acto que se exproba ao aecu-
sado, e seria exim-o de toda a responsa-
bildade. Equivala a dizer que o principe
tinha direito de fazer o que fez. N3o odi-
gaes, porque se o fizer n3o exprimiris a
verdado judiciaria. Nao podis obsolver
o aecusado da responsabilidade, que peta
sobre elle, responsabilidade qoe provm to
smente dos seus anos. Julgai sem dar
ouvidos nem aos clamores ameagadores de
uns, nem s sympathias manifestadas por
outros 1 Julgai segundo as vossas conscien-
cias em nome da nago que- representaes, e
posso dizel-o em nome da historia! ( Su-
surro prolongado de approvago.)
A audiencia foi suspensa por tres quar-
tos de hora e continuou s duas horas.
Teve a palavra Maitre Leroux, defensor
do aecusado' Na primeira parte da sua al-
legag3o demonstrou que nao trabam funda-
mento as accusagSes contra ds antecedentes
do prncipe, depois descreveu o carcter de
cada um dos outros dois actores do drama
de Auteuil. A respeito de U. Fouvielle de-
clarou que nao queria discutir a moralidade
desta testeraunha porque nao duvdava delta,
e que s tinha, a observar que se se aecu-
sava o principe de ser um aventureiro, n3o
se devia esquecer que a mesme aecusago
se podia fazer a Fouvielle. A respeito de
Victor Noir tambem nao tinha motivo algum
para duvidar da sua moralidade, tio smen-
te discuta o seu carcter e os seus hbitos,
usando do direito de defeza
Discutindo os factos da causa, comparou
as duas versoes apresentadas, urna pelo ae-
cusado, e outra por Fouvielle, servindo-se
dos depoimentos fsitos no tribunal, susten-
tando a preferencia da versao do prineipe
por ser a mais verosmil.
Examinaado os factos que constituem a
provocagao e a legitima defeza,oncluio que
se dava a legitima defeza. Disse qae nao
se tratava de urna pena mais ou menos se-
vera, mas da honra do principe e da sua fa-
milia.
Se o seu dente nao habita as Tulhe-
rias, pelo que foi censurado, nSo por cau-
sa da violencia do seu carcter, mas sim
porque, como seu pai, nunca deixou de ser
republicano, e hoje ainda tem paix3o pela
liberdade, mas pela liberda com ordem.
Concluio dizendo que em outros tempos
a qualidade de prncipe era um privilegio,
mas que hoje para o aecusado era um ver-
dadeiro peso.
Dirigindo-se aos jurados, disse : que nao
devam dar oovidos ao que se tinha dito e
ejeripto fra da causa, mas que deviam jul-
gar o acensado como se fosse um simples
cidadao.
M. Floquet declarou que os advogados
das partes querelantes nao replicavam.
Teve a palavra M. Demange advogado do
aecusado. Disse que julgava n3o ter ne-
cessidade de tomar a palavra da allegago
completa de mr. Leroux. Mas que teve de
satisfazer o pedido do principe, que desejava
que urna voz mais juvenil e mais apaixona-
da se fizesse ouvir.
Senta que tivessem havido as polmicas
que se seguiram depois da priso do prin-
cipe, e lastiraava que este tivesse sido to
violentamente atacado pelos advogados dos
querelantes neste mesmo recinto.
E se os que se neuleam apostlos da
liberdade nao hesitaram em proclamar que
Vctor Noir morreu martyr, elle tinha tam-
bem o direito de dizer que o principe tem
sido martyrisado.
Conclnio declarando : que era irapossivel
em presenga da provocagao feita por Victor
Noir, que houvesse condemnago.
Tenho plena confianga na vossa deciso,
disse o advogado, porque a sorte de P. Ro-
naparte est entregue a homens que tem
um corag3o generoso e que nao se movem
com o veredietnm dos 200:000 jurados. Se
estes 200:000 jurados disseram que P. Ro-
naparte um infame, vos, jurados compe-
tentes, vos que representaes toda a Franga,
diris que Pedro Ronaparte nunca faltou aos
deveres da honra I (Applausos no fundo
do auditorio)
O aecusado levanlou-se e apertou a mo
ao seu defensor.
Ento r> senhor cura ainda va sahir ? D
cabo de si n'estas fadigas !
Pois sim, redarguio o bom do pa-
drese der cabo de mim n'estas emprezas
porque Deus assim o quer, e, como son
um servo seu, todo ficar em boa ordem.
Urna hora edpois o cura Duval, que es-
tava bem longe de suppor que Anatole de
Misseny aquella hora iioha em seu poder os
sete mil francos emprestados por mo occol-
ta, cavalgava o sen rossim, e levava comsi
go, receioso de qne elle commettesse algu-
ma indiscrigo, o sacnsto Rigorne, que
largou correr frente do cavalleiro.
O cura passou por Yagrannes e entrou
em casa do collega, a quem pedio para di-
zer a missa em S. Florentino na manha
seguinte.
Ali o velho cavallo descansou um pouco,
o padre aqueceu-se fogueira durante al-
guns minutos, e Rigorne, para se confor-
tar, devnroa doa3 pratos de sopa, bem qae
houvesse comido soffrivelmente antes de
sahir de S. Florentino.
Assim se passou meia hora.
Para ir de Yograones para^ Pithiviers ti-
nha qae passar-se pela Raposeira.
A um quarto de legua da habitago do
seu defunto amigo, capito Ricardo, o bom
do cura affrouxou o passo ao cavallo e
n'essa occasio ouvio atraz de si as passa-
das de ama cavalgadara.
Por orna das veredas da malta vio o cara
despontar Miguel, o antigo criado do com-
mandante.
Roas nontes, senhor cora disse Mi-
guel, aOrouxando o pa*so ao cavallo e col-
locando-se ao lado do padre.
Boas nontes, Miguel dtss framente
Duval.
Senhor cora,prosegoio o velho en-
tristecidohej& tai qae alo deve ter gas*
O presidente levanlou a audiencia t cinco
hora?
;; fe
quarto.
0 presidente Accusaao, tem algdma
coisa que accrescentar soa defeza ?
Reu.(Mais paBido que noa dias ante-
riores ; levanta-se.) Senhores jurados ;
entre as calumnias qoe o desnobre peridi-
co a Marselheza me atiiyu, ha urna qual
n3o respondern! categricamente os meas
defensores. N3o exacto, como se disie,
que eu matasse ou ferisse alguem na Ame-
rica. A questio a que se alude passou-se
em presenga de meu primo, boje impera-
dor dos francezes, que attestaria, em caso
de necessidade, a falsidade d'estes ataques,
e declarar a que nem elle nem eu fomos por
modo algum perseguidos.
Ha ainda urna ordem d'idas qae mal foi
explorada pela defensa. Pela absurda ca-
lumnia de que ac >o de fallar, julgareis do
valor das demais.
preciso que se saiba que se nao entro
n'esta ordem de ideas, nao por inepcia
nem por temor.
Disse-se que duzentas mil pessoas nham
dado nm veredictum contra mira : parece-
rae qoe se deve diminuir muito o numero ;
o nico veredictum que o Sr. Laurier reco-
nhece o veredictum da ra.
Pois bem, eu declaro que d'estes duzeo-
tos mil individuos, suppondo que tantos
fossem, as nove decimas partes eram sim-
ples curiosos.
Asseguro emfira, senhores jurados, que
nunca me apartei da verdade. Desde o prin-
cipio do summario s tenha atlirmado as
particularidades de que estava certo.
(Moviraento : o ru torna a guardar a
carteira no bolso, e assenta-se. Urna ou
duas pessoas applaudem.)
P. Encerram-se os debates. A lei ira-
pe-me, senhores jurados, o dever de mes
apresentar um resumo completo dos deba-
tes que presencearam. A attengo to bem
sustentada que a elles prestaram os Srs.
jurados, faz com que primeira vista seja
intil esse trabalbo, mas ter ao menos a
vaniagem de permittir ao jurado o delibe-
rar com mais socego, afastando-o da viva-
cidade das discussoes que se decaa.
O presidente resumi successivamenle os
discursos drs partes civis, do procurador
geral e da defeza.
A urna hora e trinta e cinco minutos re-
tirou-se o jury, e esperou-se com pronun-
ciada impaciencia a leitura do veredictum.
P. Recommendamos que nao baja sig-
naes de approvago e desapprovago, e qua
o respeito justiga se traduza pelo silencio.
O resoltado do veredictum foi: Nao! a
respeito das duas questoes principaes de
homicidio e tentativa de homicidio.
Entrou o principe Pedro Bonaparte, qoe
nao conbecia ainda o veredictum, porque
escutou com a maior attengo a sua leitura.
Terminada esta, inclinoa-se para varias
pessoas e interroglas. Ao"saber que foi
absolvido, cobrou a sua physionomia certo
ar de satisfago mal comprimida.
O presidente ordenou que immediatamen-
te fosse posto em liberdade.
Nao se notou nenbum signal de appro-
vago ou desapprovago.
Os Srs. Laurier e Flouquet declararan
que tinham de fazer varios argumentos em
nome dis partes civis.
O principe tiron-se do sitio reservado
aos reus e collocoo-se ao lado dos mus
advogados, os Srs. Leroux e Demange.
A noticia da absolvigo espalbou-se r-
pidamente.
O Sr. Rernheim, advogado, apresentou
um requerimento reclamando, em nome de
Salmo, pai, 100:000 francos de indemni-
sago.
N3o pode acceitar-se o requerimento por
nao estar assignado por um advocado ma-
triculado em Tours, porque o Sr. Bernbeim
est em Paris.
Durante ufha breve suspenso da audien-
cia, regularisou-se o documento.
Sr. Laurier s reclamou que o principe
pagasse as cusas.
s quatro horas, o principe, a quem
tinham persuadido que devia sahir da sala,
nao esperou pelo resultado dos debates
civis que se suscitarara. Sahio do tribunal
e entrou na carruagem, em companhia do
Dr. Morel, do commandante Ramolino, e
do Sr. de Grave.
O trem mal podia andar por entre a mut-
tido que se agropava na sua passagem. O
principe correspondeu a priraentos que lhe faziara de todos os lados.
Para evitar urna invaso de gente no
paleo da sua hospedara, logo se fecharan
as portas. 0 principe, chegado ao seu
quarto, chegou janella e comprimentou
novamente o immenso povolo, que dianle
da hospedara continuou estacionando at
muito depois de entrada a noite.
tado muito de que eu me conservasse na
Raposeira depois do que se passou ; mas
qoe havia eu de fazer ? verdade qoe foi
grande a calamidade occorrida, mas en nao
contribu para ella, alm d'isso eu vi nas-
cer o pequeo... o retrato vivo do nos-
so pobre commandante.
Miguelreplicou austeramente o sa-
cerdote eu'no tenho nada que ver com
a sua conducta.
O pobre pequeo proseguio Miguel
ha oito dias que soffre bastante e a mi
nao lbe deixa um instante a cabeceira.
Ento que tem ? inlerrompeu o pa-
dre sobresaltado.
Escapou milagrosamente, e tivemos a
mi quasi douda ; nao sabemos o que aquil-
lo foi nem mesmo o medico de Sorris o sa-
be : quando de l sahi, ia melbor mas pou-
co ... Ah senhor cura, s a sua presen-
ga teria o poder de tranquilizar a affliclaai.
Duval deu um pulo sobre a sella ; o con-
vite de Miguel tinba o quer que fosse de
revoltante.
Pois o amigo do finado commandante, o
protector da sobrinha desbordada, transpo-
ria o limiar d'aqoella casa que abrigava
talvez um assassino ? Elle o amigo dos
espoliad s bava de ir levar consolages aos
espoliadores ? *
Eia as questoes que o padre se propu-
nha horrorisado ; mas a consciencia logo
lhe respondeu :
Mo es tu o ministro de Deus ? Nao
s o symbolo da cariotde divina sobre a
ierra ? Nao s o, sacerdote. qoe a todos
deve conforto a oraedes.
E o padre fazendo emodecer o hoojem,
respondeu a Miguel;
Pou bem. vamos i Rapoteara.
(fiwftiMwr-M-fta)
TYP. DQIUHIO^RUAI^V'E 0 QaJA
WMM
IMP^
'


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID E5Q6EGAI8_DBUDF6 INGEST_TIME 2013-09-13T23:27:36Z PACKAGE AA00011611_12126
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES