Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:12122


This item is only available as the following downloads:


Full Text
1*HUM

ANUO XLVI. NUMERO II6
*

i.v
tklk k CAfITiL LGA1ES OIBE ViO SE PAfiA POTO.
J'or tres mesea -adianUdos
Por seis ditos idem .
l'orum anuo idein... .
Cada numere tvjaUo >
OOO
124000
244000
320
TERCA FEIRX 24 DE MAIO DE I870.
PA1A DKITBO S PORA DA PROVINCIA.
Por tres mezes adiantados
l'or seis ditos idem.
Por nove ditos idem .
Por um armo idem .
6*750
431600
20H50
271000
DIARIO DE PEMAMBIM
Propriedade de Manoel Figueira de Fara & Filhos.
Os Srs. Gerardo Antonio Altes 4 Fitaoa, no Pafi ; Gonctlvof Pinto, no MaranWto ; Joaquim Jos de Oliveira, n Cear ; Antoal* de Lemos Braga, no Aracatj j Joio Mara Julio Chaves, no Ass ; Antonio Marques da Silva, no Natal; Jos Joitino
Pereira d'Almeida, em Mamangoape; Antonio Alexandrino de Lima, na Parahyba ; Antonio Jus Gomes, na Villa da Penha; Belarmino dos Santos BulcJo, em Santo Antao; Domingos Jos da Costa Braga,
em Nazare* ; Francisco Tavares da Costa, em Alagoas; Dr. Jos Martins Alret^na Babia ; e Jos Bibeiro Gasparinb* no Bio de Janeiro.
*
parte ornan.
tovfrno da blspado.
USTA DAS DISPENSAS CUBO ADAS DO BIO DE JA-
NEIRO.
Amonio Joaquim de Sanl'Anna e Cecilia Rosa da
Cruz.
(Josme Lourenco da Silva e Florinda Joaquina da
Conceico.
Flix Das de Oliveira c Mara Joanna da Boa-
tnorte.
Felippe Nery Pereira e Camilla Eleuteria de Al-
en eida.
Francisco Maciel d Silva e Alexandrna Mara da
Conceico.
Franei*co Pereira Nuoos e Anna Rosa dos Mila-
eres.
Francisco de Barros Reg eJosepha Mana da
Silva.
Joaquim Athanasio da Cosa e Rosa Mara da Con-
. eeico.
Joan Francisco Beierra e Mana Joaquina do Es-
pirito Sanio.
Joio Gomes da Silva e Tbeodora Maria da Con-
eeicio.
Jo5o Felippe de Oliveira e Alexandrna Mara da
Gonceieao. s
Jlo Vieira da Silva e Mana Justina das Can-
delas. -
Jos Ferreira Coimbra e Joaquina Serina Lins.
Jes Manoel do Espirito Sanio e Maria Joaquina
da Conceico.
Jos Gomes do Na?cimenlo e Maria Josepha da
C raceico.
Jos Antonio de Sanl'Anna e Maria Joaquina da
Conceico.
Jos Rodrigues Pereira e Claudina Francisca da
Conceico.
Jos Guacal vea de Almeida e Belarmina Mara da
Coneeicio.
Jos Pereira da Silva e Candida Baptisla da Silva.
Jo-e Bernardo da Silva e Maria Luiza da l'.OOCei-
co.
Jos Vieira da Costa e Alexandrna Mara do Espi-
rito Santo.
Jovino Pereira da Silva e Generosa Maria da Con-
ceico.
Joaquim Manoel de Faria e Maria Joaquina da Cn-
chelo.
Manoel Martins Correa e Cstro o Maria Claadna
(tibeiro.
Cassiano Martins da Silva e Iiabel Mara Fernan-
des.
La de Siuta Barbos e Antonia Maria Barbosa.
Luciano Francisco de Souza e Josepha Mara do
Espirito Santo.
Miguel Archanjo da Rocha Dutra e Antonia Fran-
cisca Caminha.
Flix Joaquim da Cunha e Gertrudes Maria de
Jess.
Manoel Fortunato dos Santos e Maria Rosa dos
Santos.
..Manuel Fernandes da Silva e Candida Joaquina.
Manoel Vicente da Silva o Antonia Maria da Con-
ceico.
Manoel Rodrigues de Oliveira e Tertalina Delirara
do Espirito Santo.
Manoel da Assumpcao e Marcelina do Sanios.
Manoel da Paixo e Maria Alves.
Miguel Joaquim do Nascimento e Francisca Mana
ti't I iiH*l*l*1t 1
Victorino Arkiies do Reg Fara e Joanna Baptisla
de Faria. .
Vicente lanoel Ribeiro e Gerarcina Mana de
Jess. ,
los Vicente Ferreira e Antonia Mana de Jess.
Valeriano Ferreira Bravo e Joanna Baptista de
Araujn.
Bento Jos Correa e Francisca de Paula Correa.
Laurindo Cwra de Cerqueira e Maria Orimina de
Cerqueira.
Vicente Silva e Maria Camua Lins Sonano.
Anastacio Ferreira de Oliveira e Mara Alexandr-
na da Conceico.
\n.ielcto Correa de Mello e Anna Joaquina de
Helio.
Francisco Jos de Soma e Delfina Francisca de
Si.
Ismael Pereira da Silva e Filomena de Torres Ban-
deira
Correa Pimcniel e Maria Ignacia da Concei-
5*0.
.o;quim Gomes JarJim e Maria da Conceico Jar-
dim.
Gomes de Mello e Maria Guilhermina da Con-
cico.
;>-'Fernandes dos Santos e Anna Venancia do
l.go.
!.- Maria de Jess e Francisca Maria da Concei-
13 j.
DIARIO DE PERNaMBUCO
RECIFE, 21 DR MAIO DE 1870. '
Importaste noticia da Europa
Hontem depois de meio dia chegou o vapor in-
gloz Pascal, da linha de Liverpool, trasendo nos
joraaes de Lisboa, at 7 do correte, quando elle
d'ahi sabio.
Ao telo incansavel do nosso correspondente de
Lisboa devemos a recepeo das noticias que da-
mos em seguida.
fiunijx.Conspiraco descoberta contra a vida do
emperador. Prisoes. Bombas fulminantes e pi-
tis importantes. Os papis compromellem Flou-
rens. Plebiscito n 8 de mato. Convocacao ao
povo. Trabalhos dos comicios. Circular minis-
ferial.
bom*.Decreto de 18 caones da constituicdo dog-
mitica de Fis. Boas relacoesentre a Franca e
Roma, entrega da nota franceza.
italia. Trabathos parlamentares sobre assumptos
pnanceiros.
r.RK AK.Assassinato dos prisioneiros inglezes e
italianos pelos salteadores. Fmeraes das ce
timas. Perseguido dos bandidos. Documentos
diplomticos internacionaes.
iwci.ATERRA.Explicacoes do ministre da fazenda
sobre as iitidas da Hespanha e de Portugal.
Continua a agitaco na Irlanda. Proposta de
4r. Sewdgate para se proceder a um inquerito
setre as assoctacoes catholicas em Ingla'erra.
Protesto dos catholicos.
bgssia. Perseguido ao culto catholico na
Polonia. ExposiQfto na Laponia de Noruega.
ai.lemanha. Entrevista do rei da Prnssia com o
imperador da Russia. Abertura do parlamento
adtaneiro. Dissoluco do reiohsratks e dietas
do imperio anstrico. Novas eleicSes.
tesPs^HX.Incompatibiridades eleitoraes. Refor-
ma constitucional de Porto Rico. Candidato
prussiano ao trono kespanhol. Opposicao do
imperador Napoleao.
AgERicA.Propesta de annexacao do Wtnmpeg
aos Ettadof Unidos. Quasi terminada a tn-
surreicfio de Cuba. Prxima abertura do con-
gresso mexicano. Considera se quasi termina-
da a insurreicao mexicana.
poiTUGAL.Trabathos das cortes, Noticias de Bo-
tugad. Inaugurando da estatua do Roco. Fes-
tas pela terminarao da guerra do Paraguay.
. nUKQA.
No dia l. de maio hoove ama tentativa de as-
saswnato do imperador Napoleao, as corridas de
Longehamps.J
O pretelto da polica andar ni puta de ami
nova conjuraeo contra a vida do ilhperadrr.
Em fevereiro, por occasio da prlsao de Roche-
l'ort e da fuga dos Flourens, haviam desertado al-
guns soldados que tinham partido para o est'ran-
geiro. Parece que entre esses desertores navla o
plano de assassnato do imperador.
A polica Cora advertida que de Londres haviam
partido para Pars alguns homen3 suspeitos. Fo-
ram vistos no Havre, mas depois perdeu-se-lhes a
pista. Diz-se que um jornal ingle? annuncara
acontecimentos grates em Franja.
A polica suspeitou de um individuo com as-
pecto militar, e que por algumas palavras se jnl-
gou que era desertor. Foi preso no bairro de
Mont-marts; traiia armas comsigo; mas os papis
que se Ibe encontraran) nao pareciam ler grande
importancia ; entretanto achoa-se-lhe urna nota a
lapis, que indieava ao individuo preso o que elle
hava de azer para se por em relacoes com os
agitadores mais activos do partido democrtico.
Falla-se igualmente em una caria que muito
cempromette Flourens.
O preso nao tem feilo conssoes algumas, so
declarou ser desertor.
Foi descoberto um operario que funJiu as bom-
bas que Jeviam servir no alternado contra a vida
do imperador. O operario disse que nao sabia o
ti m a que ellas eram destinadas, e que Ihe haviam
sido emeommendadas por um desconhecido.
O meetng da opinio internacional em Londres
repellio com ndignaco a suspeita de cumplicida-
de no trama contra a vida de Napoleao
O ilorning Port commentando a parte que se
attrbue a Flourens contra o imperador, diz qoe
iiiuios>ivl que a Inglaterra tolere que se abase
por tal forma do direito do asylo.
N'um banque'.e otTerccido em Londres a Flou-
rens, este negou formalmonle ter feito parle da
conspirado.
A f >lha offlcial pnblica um relatorio de Grand-
perrel sobre os concilibulos existentes desde ju-
Ibo do anno passado com e flm de promover tu-
multos e assassinar o imperador ; cita ; s confls-
s5es de Beaury.e reproduz urna carta de Flourens a
Ittauy, dizendo : < laca por sabir bem da empre-
sa, nao -aiasenide noute, ou ento de carrua-
gem ; essas cousas ou se fazem bem ou nao se
mette a gnle nellas, > assim como urna carta de
Beaury a Ballot, datada de 28 de abril, pedindo
dinheiro e annunciaido para o dia seguinte a am-
putadlo, custasse o que custasse, e outra carta da
Flourens datada de 29 de abril e recommendando
a Ballot que nao d mais dinheiro e dizendo: os
meas amigos tem pressa de per em execacao os
seus planos porque sentem necessidade de ir para
dianle.
A authenticidade desta carta foi reconhecida
pela me e pelo irmo de Flourens.
Bal|pt foi preso e confessou ter entrega-
do dinheiro a Beanry da parte de Flourens ;
o escrvAo Laurel declarou que Ballot, Beaury e
outros eram empregados por Flourens em fabricar
bombas.
Um decreto de 4 de maio convoca o tribunal de
instauradlo de processos, para examinar a causa
intentada contra os suppostos implicados na cons-
pirado descobdrta no principio do anno
Continan) todas as altcncoes voltadas para
o prximo plebiscito.
Tem havido plena liberdade de reunio e dis-
cusso de assamptos polticos; as reunioes nao
tem sido perturbadas por desordens.
Es aqui ra entrega o decreto que publica o pe-
ridico offlcial francez chamando o povo aos co-
micios para votar o projecto de senatus-consulto
de 20 de abril de 1870:
t Pars, 22 de abril de 1870. Napoleao, pela
graca de Deus e vontade nacional imperador dos
franceze?, a todos os que a presente viren e ou-
virem, saude.
Tendo ouvido o nosso consclho de ministros,
e visto o senatus-consulto approvado a 20 do
presente mez, temos decretado e decrtame s o
seguinte:
c Art. I. Convoca se n povo francez aos comi-
das para domingo 8 de maio prximo, aflm do
que acceite ou regeite o projecto seguinte de ple-
biscito :
i O povo approva as reformas liberaes introdu-
zidas na conslituicao desde 1860 pelo imperador
com o concurso dos altos corpos do estado e
rectificados pelo senatus-consulto de 20 de abril
de 1870 ?
Art. 2. O voto emittr-se-ha por crculos,
conforme o art. 3. do decreto de 2 de fevereiro
de 1832 esegundo as listas Riadas a 31 de marco
ultimo.
Art. 3.' Os eleitores ausentes momentnea-
mente do seu domicili > podero votar no ponto
de sna resistencia actual, produzindo um extracto
da lista eleitoral do seu departamento, em que
couste a sna nscripco certificada pelo maire.
t Art. 4 Sero eliminados das listas eleitorae
os nomes dos individuos fallecidos desde 31 de
margo, ou que ti'erem perdido o direiio de
votar.
a Para este flm publicarse-ho listas rectifica-
das, Uvadas nos bairros 5 das antes da reunio
dos eleitores.
t Art t* O escrutinio verificar-se-ha no do-
mingo 8 de maio, em cada crculo, desde as 6 ho-
ras da manlian as 6 da larde.
Os prefeitos a pedido dos maires, podem au-
torisar a abertura das operacoes eleitoraes s o da
manha.
i O auto da prefeitura dever ser fixado em ca-
da circulo tres das antes do escrutinio.
Art. 6. O voto verificar-se-ha em escrutinio
secreto por meio de um sim ou um nao escriplo
em papel mannscripto ou impresso.
a O resumo dos votos seguir-seha logo ao acto
de cerrar-se o escrutinio.
t Art. 7." Os eleitores do exercito de mar e ier-
ra votarlo no ponto em qae se encontraren) de
guarnico ou residencia no acto do plebiscito,
t Presidir s sessoes militares o chele de maior
graduaco.
Art. 8 A emita dos votos de cada departa-
mento far-se-ha em seso publica por urna oom-
misso de tres membros do conselho geral designa-
dos pelo prefeito.
o Art. 9. A conta geral dos votos ter logar no
seio do corpo legislativo francez.
< Art. 10. Ficam encarregados os nossos mi-
nistros, na parte que Ihes diz respeito, da execuco
do presente decreto, que se publicara conforme as
ordenancas de 27 de novembro de 1816 e de 19 de
Janeiro de 1817. .
< Dado no palacio das Tulherias a 23 de abril
de 1870.Napoleao.Pelo imperador, (seguem as
assignatnras dos ministros.)
A maior parte dos bispos francezes tem acon-
sejado o clero das anas dioceses a votaren) sim
por occasio do plebiscito.
O ministerio franeez dirigi a seguinte circular
aos f mpregados do imperio :
Senhores.O imperador faz um solemne cha-
mmenlo najo.
Em 1852 pedio for^a para assegurar a or-
deno ; segura esta, pede em 1870 forca para asse-
gurar a liberdade.
Confiando no direito que Ihe do oito milhes
de suffragios, nao pfte o imperio em diseussio,
unieamenle submette ao voto a sua transformado
liberal.
Volar sim votar pela liberdade.
< O partido revolucionario qualifica de alterna-
do contra a soberana nacional a homenagem qae
o imperador rende a soberana nacional cnsul-
lano o P#ro, e aconselha-o a que vote nSo.
Os verdidelos amigos da- liberdade, apezar
dos (fi.*sentiraentoi de. detalhe marcha rao comr
nosco.
' Aeaao podem ignorar que abster-s, ou votar
nao fortificar o* qae combaten) a transformadlo
poltica e social a qae a Franca deve a sua gran-
deza?
Em nome da pal pnblica e da liberdade, em
nome do imperador, vos pedimos, a vos nossos
fiis colaboradores, que unaas os vossos esf>rcos
aos nossos.
Dirigimo-nos ao cidado, e vos transmitamos,
uo urna ordem, mas um conselho patritico; Ira
ta-se de assegurar a nossa patria um futuro tran
quiilo afim de qae tanto no throno como na mais
humilde morada, o filho succeda em paz a seu
pai.
Esta circular assignada por todos os minis-
tros.
Calcula-se que o plebiscito reunin S a 6 milhdes
de votos sim contra 3 milhdes de votos nao; e i
a 2 milhdes de abstencoes.
Conflnna-se a noticia do "regresso Franca
ao embsixador francez em S. Pelersburgo, gene-
ral Fleury, por causa de dessidencias com o prin-
cipe Constantino.
ROMA.
As relacoes entre a Franca e a corte, de R'iraa
sao cada vez mais cordeaes. "
O Memorial Diplomtico diz que sua santidade
ao receber a nota franceza manifestara que a igre-
ja tem sempre ti Jo em grande conta a sitnaeo
feita aos governos pelas exigencias dos povos e as
vicisitudes dos tempos e que lera cuidadosamente
a nota franceza.
Diz-se que no mesmo dia os representantes das
potencias eatholicas remelteram ao cardeal Ante-
nelli notas apoiando o passo dado pela Franca.
No dia 24 de abril verfioou-se a terceira se*-
sao publica do concilio. O salo eslava adornado
cerno em dia da abertura. A missa do Espirito
Santo foi cantada pelo cardeal Bilio presidente da
deputacoda f.
Os membros do concilio assistiram com os sen
chapeos encarnados e nao pronunciaran! discurso
algum.
Depois da missa os padres votaran) oralmente
em presenca do papa as primeiras actas concilia-
res e sua santidade logo depois do escrutinio pro-
mulgou-as com toda a solemmdade.
A solemnidade eomecou s 9 1/4 da manha e
terminou a 1 hora da tarde.
A Constituicao dogmtica de Fide contm 18 ca-
ones que cohdemnam os erros modernos sobre
os qaatro artigos : De'Deo rerum omnium Crea-
tore.=De Revelatwne.=De FideDe Fide et Ra-
tione.
Varios bispos presentaran) ao santo padre
um novo postulatum para qne comecem qaantn
antes as delilieracoes sobre o capitulo da infallibi-
Jidade.
Os orailores obtiveram, segundo se diz, urna
resposta favoravel de sua santidade, e acreJi'a-se
qae o concilio se nao separar antes de liaver pro-
clamado o novo dogma.
ITALIA.
O ministro da fazenda da Italia o Sr. Sella
respondendo no senado o Sr. Cambray Digny, do-
clarou que ja linha os fundos disponiveis. para o
pagamento dos coupons do mez de julho.
Foram apresenlados no parlamento italiano
differeotes projecto?.
Um do Sr. Moisi qae tem por flm estabelecar
um imposto de familia ; outro do Sr. Servadio,
sobre a abolicao do curso forcado das notas do
banco; outro do Sr. Pellatis. tendente a modificar
o imposto dos theatros ; outro do Sr. Griffin para
converter os immoves de obras pias em ttulos de
renda do estado.
O mini>teno adherio a todos esles projeclos, para
que fossem tomado em consideraco ; em conse-
quencia disto foram mandados commisso linan-
ceira para serem examinados.
A cidade de Milo, onde o principe Hum-
berto est passando a primavera, offereceulhe
ama espada de honra.
A rainha de aples sahio de Roma cora direc-
Qo a Austria atravessando a Italia. O rei Victor
Emmanuel deu as mais terminantes ordens para
que a rainha nao soffra incommodo algum na sua
viagem.
Chegou a Marselha com direccao a Austria o rei
de aples.
creca.
Na nossa ultima revista demos alguns promeno-
res sobre o aprisionamento feito po r urna quadri-
Iha de salteadores, a pouca distancia de Athonas'
de alguns membros das embaixaJas ingleza e ita-
liana, que tinham dado um passeio pelos arredo-
res de Alhenas. Os bandidos haviam-se apodera-
do dos Srs. Lloyd, Vgner, Heroert e o conde
Boy I e outros personagens pelos quaes exigiam
um avultado resgate, pedindo ao mesmo tempo
urna amnista para si.
O governo grego era quanto tratava com os sal-
teadores, que estavam acampados fra das portas
de Athenas, com toda a ousadia mandou-os cer-
car pelas suas tropas; os salteadores assassinaram
os prisioneiros e retiraram para as montanhas,
lendo sustentado um tiroteiode alguma3 horas com
as tropas do governo; foram mol tos alguns dos
salteadores, e diz-se que entre estes se enconlra
um dosprincipaes chefes. As tr pas continuaran)
na sua persegnico.
Os cadveres das victimas dos salteadores, os
Srs. Lloyd e Herberl, Vgner e conde da Boyl, fo-
ram transportados para Athenas, e depositados na
igreja protstame. O enterro verificou-se no dia
23, o re segua a p o prestito fnebre, acompa-
nliado de immensa mullido. A rainha tambem
assistio aos offlcios na igreja protestante. Foram
conferidas s victimas as ultimas honras milita-
res.
Os jornaes inglezes tornara responsavel o gover
no grego pela morte do) prisioneiros inglezes. Di-
zem que os bandidos estavam era intelligencia com
pessoas importantes em Athenas, qae os instigavam
a insistir na amnista extensiva aos qae j estavam
presos. Diz-se tambem qae o irmo de nm dos
bandidos se achava ao servico do ex-ministro da
guerra, agora demiitido, que se achava deste mo-
do inieirado de tudo o qae fazia a quadrilha dos
bandidos.
O Sr. Bulgaris, commandante da guarnico de
Torfan foi nomeado ministro da guerra, e ao Sr.
Sautros, irmo do ministro demittido e comman-
dante da praea de Athenas foi concedida urna li-
cenca Ilimitada.
O Times dando conta deste fatal acontecimento,
pede ama exped cao Grecia, nestes termos :
i Gastamos nove milhoes de libras esterlinas
cora a expedico da Abyssinia, que foi provocada
por nma cousa mais insignificante. Na Grecia
nao encontraramos tantas difflculdades, como na
Abyssinia. Tres ou qaatro regimenlos, com um
commandante capaz, seriam suicienies para tor-
nar, em alguns mezes, to seguras como as nossas
grandes estradas es caminhos escabrosos da Gre-
cia.
O Daily telegraph pergunta. Para que serve
a Grecia ?
Dizia-se que o governo inglez se decidir a
enviar Grecia ama expedico militar. O Telegra-
pho autograpko .fflrraa porm, que sabe positiva-
mente que na legaco brtanniea em Pars nao na
conhecimente algum de semelhante deterroinacao.
O Globe de Londres publica documentos diplom-
ticos relativos ao massacre de Marattu n, fjue Ibe
foram communicados pelo Foreign-Office. Entre
os documentos de que se trata encontra-se nma
nota de |or inglez n Athenas, datada de 27 de abril donde
resollacAine o embaixador inglez em Constantino-
pla reedneu ordem de pedir Porta que tomass?
as pnwfcdeneas necessarias par que os guerri-
Iha* i\w tentassem procurar um refugio para
qoern das fronteira fossem immedlatamente pre-
sos e entregues ao governo grego. O embai-
xador da Turqua em Londres mandn pela sua
parte a telegramma para Constantinopla, afim
Je apoiar o peJido do ministro inglez.
Lord Clarendon reclamou para as tropas gre-
gas maafdailas em perseguic) dos bandidos auto-
risacao para atravessarem em caso de necossidade
a frowra afim de operaren) no territorio toreo; e
ha todo o motivo para acreditar qae esta autorsa-
co nio chegue a conceder-se.
Odespacho do Sr. Erskiae de 16 de abril an-
terior ao assassnato dos prisioneiros, declara que
bandidos eslavam em relaces com personagens
importantes de Athenas que Ihe davam conselhos
e inforWfdM e esses personagens, na opinio de
um dos rm-nbros do governo o Sr. Zaimis, erara
nada menos do que membros da opposicao que
Krocediam deste modo, eem o intuito de crear em-
iracos-ao ministerio e derrub-lo. O Sr. Zaimis
linha mandada agentes aos guetrilhas para os de-
cidir a dar liberdade aos prisaeiros, e os guer-
rillas tinham Ihe respondido qu os seas conse-
lhos actuaes Ihe inspiravam toda i confianza, mas
3oe, por augmento de precaucSes tinham julga-
o a proposito consultar tres advngados notaveis
no foro em Athenas, e qoe nao lomaran) deci-
so alguma sera lerem receido a resposta destes
ltimos.
Lord Clarendon peda a Mr. Erskne explica-
coes para saber se a segnranca dada pelo rei, pelo
prestante do conselho e pelo ministro da guerra,
de que se dariam orden s enrgicas para que os
guerrilhas continnassem a ser perseguidos pelas
tropas, leve o son effeito.
Lord Clerendon tambem pergunta se foram as
tropas quera primeiro rompeu o ataque.
INGLATERRA.
O ministro da fazenda da Gra Bretanha deu as
seguinies explicacoes acerca da pretendida divida
da Hespanha e de Portugal ao governo inglez :
Refenndo-me resposta, que dei ha pouco
acerca das dividas de Hespanha e de Portugal, (to-
ro fazer ama osservaco. Disse que a Hespanha
dar a cte paiz 7;701 mil libras, Portugal 2,489
mil libras, por despezas na guerra peninsular, e
disse qae se os governosi anteriores tivessera jal-
gado opporlHnamente exig-las, nao via razio al-
guma qae tivesse impedido a sua cobranra em
beneficio do paiz, assim como o fez a Franca con)
urna divida de carcter mais queslionavel : a da
expedico do duque de Angoaleme.
Nao juigamos, porm, opportunamente recla-
ma-las, e creio qae o tempo de o fazer formalmen-
te est prescripto. Ao fazer estas observaces est
longo da minha mente fazer ofTema alguma aos
governo* daquolles paizes.
t O qae disse com referencia proposta de en-
trar coa elles em tratadas de commercio, fui que
deviamos considerar se antes de fazer o sacrificio
de abandonar orza grande parte dtts nossos rendi-
mantos, nao dolamos recordar que ertstam taes
reclamaroes, ainda qoe eslivessem abandonadas.
Nao e mea desejo prejadiear o commercio
com aqaelles paizes, que nao devero soffrer, polo
futo de existir urna divida, que nao temos julgado
prudente reclamar. Espero sem embargo, que esta
questo nao deve licar assim ; e creio que o the-
sjuro o nao permtlr. Na minha opinio deve
formalsarse urna convero com os respectivos
paize?, e obter-se a saneco do parlamento para
renunciar completamente reclaraaco. >
O governo inglez tendo motivos para suspe-
tar que os Tenanos intentan) algum golpe de mo,
ordenou que a polica reviste todas as bagagens e
mercadorias que chegarem Londres, pelos ca
minhos de ferro do Birmingham e Shefflelds, para
ver-se contm armas.
A agitaco moral augmenta todos os das, ape-
zar de que todos se acham concordes em afflrmar
qae nao pode perturbarse de urna maneira seria
a orden) material, porm a tranquldade dos es-
8ritos resente-se, como acontece sempre, em to-
os os actos da vida publica e privada, e as tren-
saccGes mercantis e industriaos sao completamen-
te riullas, occasionando ara estado em extremo af
fliclivo para o paiz.
Diz-;e que varios condados de Irlanda vao
ser postos em estada do sitio.
N'uma das sessoes da cmara dos coramuns,
Mr. Newdgat, qae um dos mais zelosos defenso-
res da igreja aoglcana, apresentou ama moco
tend nte formaco de ama commisso, que de-
vera encarregar-se de proceder um inquerito
sobre a t existencia, carcter e augmento das ins-
tituicoes e (las sociedades conventuaes e monacaes
na Gra Bretanha ; de procurar tambem conhecer
as condicoes em que as sociedades deste genero
adquirem e conservan) bens movis e immo-
ves.
A discusso foi adiada para o dia 28.
A proposta provocada pelos graves abusos re
cernemente divulgados e apresenlados peranle os
irbunaes inglezes, tem excitado urna grande m-
quietaco no partido calholico, que em Inglaterra
faz inconteslaveis progressos.
O Times pubheou um longo protesto motivado
contra a moco de Mr. Newdgate, aisignado por
grande numero de pessoas importantes entre as
ouaes liguram os duques de Noifohk, cuja familia
sempre se tem tornado notavel pela sua fidelida-
de a f catholica. os condes de Deubigh, de Gains-
borough, lords Arundell, CllTord, Staflord e ou-
tros. ,
Este protesto reivindica enrgicamente em fa-
vor dos catholicos de Inglaterra a liberdade reli-
giosa o o direito comraum.
RUSSIA.
Sao incessantes as persegui<;oes que na Po-
lonia russa se esto fazenilo religio catholia.
O partido panslavista, que exerce ama influen-
cia rauito preponderante nos conselbos do impe-
rio, eroprega granndes esforcos para anniquilar
alli' a religiao catholica^ que denunciada como
ama conspiraco permanente contra a aulordade
suprema do czar.
O authocatra publicou um ukase, no qual se
manda empregar a lingna russa no centro calho-
lico da Polonia, sempre que a municipalidade o
reclame do accordo com a autordade eccle-
siastica. .
O fim desta medida preparar o caminno para
o proselytismo da orthodoxia russa, para a qaal os
agentes do governo excilam por todos os mxlos
as municipalidades assignarem petices favor
da introdueco da lingua russa no rito calholico.
O clero catholico na Polonia, salvas algumas
pocas de desaoimaoo o desalent, desenyolve
tanto valor como energa para mallograr as intri-
gas da propaganda moscovita, e esta resistencia
do clero calholico elassifleada de rebello pelas
autoridades locaes.
Deste ultimo fado resalto qae muitos prelados
teo> sido presos e mandados desde logo para a St-
bria, sera qae Ihes lenha insUnrado o menor pro-
eesso. E' este e systema de ha muilo seguido pela
Russia, em o proposito de exterminar o elemento
polaco que existe no paiz.
Em agosto deste anno haver na Laponia
noruega ama exposicn de pesca, agricultura e
industria bastante onginal, onde figurarlo as di-
versas especies de peixes, meio de os pescar,
embareaedes e apparelhos de pesca, utensilios de
casa, cereaes e instrumentos agrcolas do pait;
productos da industria manufaclureira e domes-
tica, e finalmente os anlroaes e vogetaes daquel-
fa regio que o territorio menos povoado de
toda a Europa.
AI.LEMANHA.
O rei da Baviera escreveu s cortes de Ber-
ln e de S. Pelersburgo, pedindo para assistir
entrevista que o imperador da Russia, e o rei da
Prussia devem ler em Emus.
O antigo principado de Rodalstadt recusa-se
a pagar a sua contrbufeo para a suslentaco do
exercito prussiano.
Urna carta de Berln diz que por este motivo so
prepara um acord federal para o obrigar a
cumprir com as obrigacoes g->raes da confede-
rac.
O parlamento aduaneiro depois da primeira
sesso da inaaguraco, proseguio nos seus traba -
ihos elegendo a mesa.
Constituida a mesa fez uso da palavra o princi-
pa de Hohcnlohe. Em um largo discurso agra-
decen, assembla a distineco com que o honrara
e de que se julga va com direito de se Irsongear
atlendendo a que o parlamento aduaneiro, nao
lendo altnbuicoes restrictas, tinhi um caraeter de
um alto alcance, porque reuna na elaboraco
de ama obra comraum, os representantes da na-
cao allemanha.
< Comtado, disse o principe de Hohenlohe,
i tera-se censurado o parlamento aduaneiro de se
t basear em urna illusao e de respirar erradamen-
te o ar de parlamento allemo. Pois bem 1 a
< resposta a esta censura, esto no (rabalho teito em
i comraum pelos deputados allemcs.
< Aquelle Irabalho nao ama illusao, urna
< conquista que devenios procurar conservar com
< firmeza, a parte solida sobre que assenta a
< obra das nossas esperanzas nacionaes. >
Assim terminou o principe no meio dos applau-
sos da assembla, a qaal, segundo afflrmam os jor-
naes de Berln, se felicita de tudo quanto tem feito
desde a sua oraanisaco primitiva.
O representante d'Austria era Roma remetleu
ao imperador Francisco Jos um exemplar do fo-
Iheto escrpto pelo cardeal Raascher contra a
infallbilidade do papa.
O monarcha austraco mandou logo iraduzir o
texto latino, para o poder ler a sua vontade.
Pode dar-re como certa a amnista, que por
occasio do anniversario do matrimonio do impe-
rador d'Aastria, o governo austraco vai conceder
aos implicados era delictos polticos ou de im-
prensa.
Parece que o novo governo austraco vai dis-
solver as dietas e o reichsrath, appellando para
ama nova eleico, que dar a conhecer a opinio
do povo austraco sobre a grave questo do dualis-
mo, ou da eoncesso da autonoma aos estados,
actualmente fundidos no imperto austraco, que a
recelamam instantemente a exemplo do que se
praticou com a Austria.
Dizem de Vianna que tem havido muitas
conferencias confldenciaas entre' o governo e os
chofes tchequios. Parece que de um e outro lado
se tem manifestado o mais vivo desejo de se che-
garem a um acord. Diz-se qae o conde_ Polocki
mostrea am grande espirito de ecociliaco dando
proras de desejar ama combioaco de acord com
o cdigo fundamental.
Os chefes tchequios desojara proseguir as con-
ferencias at conseguir um acord.
Em eonseqnencia da amnista j partirn) para
Praga, os colloboradores do jemal tchequio Po-
litik.
HKSPANHA.
O marquez de Sardoal hava apreseotado um
voto particular, projecto de emenda ao art. 12 do
projecto de lei eleitoral. O voto particular era
concebido nos seguintes termos:
c O cargo de deputado incorapalivel com
qualquer emprego, ainda que seja de commisso
e sem vencimenlo (com tanto que o tenha consig-
nado no ornamento) que soja de nomeaco do
< governo, da casa real ou das cortes.
< Exceptuam-se nicamente
1.* Osconselheiros de estado, e 03 subsecre-
torios.
2.* O capito-general e o governador civil de
Madrid.
3 Os caples-generaes do exercito e >s almi-
c rantes.
a 4." Os tenentes-generaes e os marechaes de
< campo, em situaco de quartel.
5. Os vico-almirantes c contra-almirantes, em
igual situaco.
c 6." O reitor e cathedratcos do termo da un
versidade central e os inspectores-geraes, e
t engenheiros-chefes com residencia em Ma-
dnd. *
Na sesso de 28 de abril depois de vanos dis-
cursos, sendo posto votacao nominal, se era ou
nao lomado em consideraco o voto particular do
marquez de Sardoal, ho'uve empate da 77 votos
contra 77. O presidente declarou que apes8r de
ler voto de desmpate, nao quera usar delle pois
achava a questo de alta mporlancia, para ser
decidida pelo seu nico voto.
Ih vendo varias reclamacoes, decidi-se fazer
segunda votaco, sendo admittida a proposta por
83 votos contra 82.
Segundo as bases de reforma constitucional
de Porto-Rico apresentadas pelo Sr. Moret, tor
nar-se inquestionavel aunidade de territorio, con-
cedem-se as garantas e direitos constituconaes,
organisara-se os ajuntomentos e as deputacoes
elegiveis por suffragio dos que pagam alguma
cousa de contribuicoos directas, oa saibam lr e
escrever; as deputacoes elegero os deputados e
senadores, resolver) as questas municipaes ap-
pellaveis, entendero nos incidentes de eleigo ou
s spenco de ajuntomentos, dirigirlo s cortes as
periedes de interesse geral convenientes, nao se
misturando om assumptos propriamente polticos,
proporo certas medidas que sero permanentes,
se no preso de um anno nao forem annulladas pe-
las cortes, e sero presididadas pela autondade
civil, que a superior da ilha exceptos nos casos de
suspenso de garantas consltuctonaes, cuja evea-
tuafidade lica ao arbitrio e responsabillda le daquel-
la autordade, e so devera durar o tempo indispen-
savel para reslabelecer a ordem. Os municipios
ficam obrigados a sustentar o culto calholico na
ilha. ,
O general Prim, e o Sr. Ruiz Zorrilla declara-
rara no club Progressisto qae tinham esperanzas
da prompta conslituicao do paiz.
& poca publica ama carta de Pars em que se
afflrma qoe o imperador Napoleao chamara o Sr.
Olzaga para Ihe dlzer que sabia qae havia nego-
ciares entre o governo hespanhol o o gaverno
prussiano, para obter do prncipe Frederico da
Prussia a sua aceitocao a corda de Hespanha, se as
cortes Ih'a ofTsreeerem. Parece qae o imperador
accrecentara qne nao tencionava mgerir-se as
resolucoes das cortes, mas que eumptia a sua
lealdade declarar, que nao s elle, mas especial
mente a Francs, venara com grandissmo desgosto
urna tal eleico. Deixou entrever que esto nova
face da questo hespanhola tomara um carcter
europeo de urna importancia tamanha, qae nao era
dado reiolv-la ama s nacao, pois poderia pro-
Juzr al qm cojim belli entre a Franca e a
Prussia. ,
Afflrma-se qae o Sr. Olzaga responder que o
imperador deveria ter sido mal informado porque
nada sabia, convindo na importancia de um tol
acontecimento, nao era possivel qae o governo
hespanhol tivesse deixado de o communlcar ao seu
embaixador em Pars. O imperador rezpondeu
que isso nao obstara a que nao fosse certo, o que
ihe havia eommunieado, e qae al Ihe poda duer
que era principio estova aceito a solncao do gover-
qo hespanhol, e V* faltova regular alguma
uuesloes secundarias para levar em seguidas
cortes.
O ministro francez em Madrid, o Sr. Mreier,
recebea, segundo se afflanca, inslruccdes termi-
nantes para manifestar ao g>verno bespanM,
qaal a opinio do imperador Napoleao, e a do
governo francez.
O Sr. Olzaga chegou a Madrid no da 5 de ma-
nha.
A imprensa hespanhola de quasi todas a
cures, excepcao da republicana clama pela ter-
minacho da internidade.
Formou-so ama commisso para tractor da,
proposta da eleico do regte general Serrano,
para oceupar definitivamente e throno hespanhol.
A Gazeta publica a reforma do ministerio do
reino, da qual resulta urna economa de cineoento
mil pesetas.
As cortes tomaram em consideraco o pro-
jecto concedendo a penso de 8,000 reales as ir-
raas do almirante Mndez Nunez.
AMERICA.
O Sr. Chandi-r propoz no parlamento de Was-
hington abrir negociacoes para a annexacao do
distric o de Winnipeg (Canad) e que desejava
Sin' a questa do Alabama se resolvesse por meio
'esta annexacac.
A proposta foi enviada commisso dos nego-
cios estrangeiros.
0 capito general de Cuba, Caballero {de
Rodas transmittio ao governo hespanhol, o segamte
despacho :
c Havana, 28 de abril, s 4 horas e 20 minuto-
da manha.
t As operacoes do grande resaltad.).
< Os rebelles, dispersos, sem chefe, esto na
costo procurando escapar-se.
t Foram morios varios cabecilhas, e mais se-
tenta insurgentes, san perdas para as nossas
tropas.
Apresentoram-se muitos insurgentes.
Hontem, apresentaram-se 160, varios com
armas, cavallos, e suas familias.
Grande reaeco e pnico no campo inimigo.
< Caballero. >
O capito general do Porto Rico, organisou
varias columnas volantes, afim de percorrerem
algumas comarcas da dita ilha.
Foi nomeado commandante geral de Sancti-
Spiritu (ilha de Cuba) o bngadeiro D. Adolpno
Morales de los Ros.
O congresso mexicano devia abrir-sa no !
de maio, depois de ter tido quasi tres mezes de
ferias o presidente Jurez deva depr os poderes
dictatoriaes que Ihe haviam sido confiados ; al-
gumas folhas do paiz dizem que aquelle persona-
gem estova no caso de poder dizer qne consegaia
comprimir, sem grande difflculdade a mais seria
insurreicao que se manifestou no paiz.
Os chefes da rebellie Negrette, Cadena, Aguirre.
Toledo, Martnez anda conservara comsige alguns
partidarios, mas os seas movmentos nao tem gran-
de significarlo poltica.
PORTUGAL.
Proseguan) os trabalhos parlamentares, ten-
do sido j votada era ambas as cmaras a respos-
ta ao discurso da cora, sera discusso.
Debatia-se na cmara dos depu ados o projecto
sobre a contribuico predial, procurando a appo-
sico negar ao governo as menores medidas, ten-
do fallado sobre a materia os Srs. Pereira de Mi-
randa, Barros Cunha e Mariano de Carvallo. Tam-
bera foi votado neta can ara o projecto autori-
sando o governo a substituir por am s imposto,
chanao direito nico de mercs, o de merc sel-
lo etc.
Na sesso do 2 do corrente o mpistro da guer-
ra declarou as cortes que o paizachase todo em
socego, inspirando Ihe todo o exercito conflanca.
No da 30 declarou tambem o ministro da guer-
ra que o governo portuguez nao reconhece a di-
vida que o ministro da fazenda de Inglaterra se
referir n'uma das ulmas sessoes ; porquanto,
pelos tratados, a Inglaterra tem obrigaco de nos
defender em caso de invaso, e a ella quem com-
pre pagar as despezas das suas tropas.
Falleceu o antgo jornalisla Cesar de Vascon-
cellos, filho natural do conde de Torres Novas.
Carlas de Maco dizem que, a 27 de Janeiro
ultimo, f.i atacado o presidio de Batugad (Timor)
pelos rebeldes de Balib e Crabo, sendo repehV
dos pelas forcas que ah se achavam. Para am
seguir a escuna D. Carlos, com raantimentos e
maniedes de guerra.
Segundo declaraco do ministro da marrana,
s cortes, nenhum fundamento teve a noticia, qae
se espolhoa em Lisboa nos lins de abril ultimo,
de liaver o governo portuguez dado ordem ao
novo governador geral da India para contratar
forcas nglezas para o servico daquelles estodcs.
Por despacho telegraphico, o viscrade de S. Ja-
nuario e o seu secretario Tnomaz Ribero chega-
ram i Bombain a 29 de abril.
Damos em seguida a carta de nosso corres-
pondente de Lisboa, descrevondo as ultimas tes-
tos havidas nessa cidade, primeira daj quaes
assistio no caricter de representante do nosso
Diario.
Cumpre rae dizer-lhes que, posso sollctar a
rainha droisso Testo por algum titulo offlcial
ou ofllcioso por onde podia optar, apresentei roe e
inscrev-me como correspondente e collaborador
do Diario de Pernambuco, lomando lugar na tri-
buna reservada imprensa, e vi depois pela ro-
lacao que se publicou dos peridicos qne alli se
fizeram representar, que nenhuma ouira foiha
brasi eir o eslava senao o Diario.
E3 a destrpelo da festa segundo o Diario
Popular, ama das folhas de Lisboa que mais r-
pida e fielmente o descreveu :
t Sao tres horas I O povo converge de todos
os lados para o Roci. Das jaaellas, ornadas al-
gumas de colchas de damasco e de setim, debru-
$a-se ama inflnidade de cabecas feminnas alegre-
mente enfeitadas.
t As tres horas e mea ouvera-se os primeiros
sons das msicas dos regimentos encaminhando-se
para a praca de D. Pedro. Grande movimento de
curiosidade. Correm todos para a embocadura
da ra do Ouro, ende lazem j as bayonetas da
1" brigada de infamara.
Chegada a primeira brigada ao Roco, forma
em columnas contiguas de batolhdes na retaguar-
da do pavilhio
t Bate de chapa o sol nos metaes dos unifor-
mes da infantoria, sopra urna brisa de primavera
que faz ondular as plomas brancas dos ofnciaes
que acompanham e general Tallaya.
t Por volto das 4 horas chega S. M. el-ret D.
Fernando e S. A. o serenissimo infante D. Angos-
to, n'um coche da casa real, aeompanhados dos
Srs. marquez de Pombal, conde das Alcacovas e
D. Joo de Mello.
c A embocadura da roa do Ouro, desempedida
um momento para dar passagem 1' brigada,
esto ouira vez a trasbordar de gente que je 'pre-
cipita na praca, refugiando-se nos passeios e por
trai do cordao negro formado por catadoras 5,
ama ala dos quaej vem terminar defronte da eal-
gadi do Duque, onde el-rei ha de apear-se.
A rada da rea abrangida pelo pavilnao real,
tribunas a estrado, toda areada e drcntt*aada
d'am cordo de rame para a turba nao poder
passar, ha ama illa de guardas manieipaes.
t Na tribuna do lado oriental brilham ao sot,
ao verdadeiro sol da abril suave eMaaiWo,atta-
ma) toilleltes resplandescentes de P"6*090.^
e magnificas rendas. Completara o l0*,?*
membros do corro diplomatlcecom as suas r
da bordadas de ouro e conitaladas de gri-cru,-
;
%
m
**^


tes c commsddas, algumas .eciBlillantei de po-
driras. '<
A i
reparte,
grande es
de O Maiia II
a ass.nciac.i53s, as escolas, as
in os "sem rf-presentantcs no
vanlade om freute do tbeatro
sa> mniUs as senhoras que ale-
gran) com snas foii7 tas sombras de casaca (mas.
Duas alas de arcbciros, com as snas bntis
os sous vistosos tatos enernado, agaloados d..>
amarello, se estn-Jora da escalara alcatifa !a do
pa vil loo real a orla do pasa* o que circunda a
nraca, no sitio que ca era frente da calcada do
Duque.
Erara qnalro horas c m qnwto apparecen a
triaca c i.-spei'avel finura do S. J ajuira \ulo-
nio de Agjiar. o ministro do intnandop, qu no
gabinete Je estado e dn tr h.im i maiqaisloa "
|tic outr^s homens (te eu lempo alcancaram
nos cansos de Inl.-.llia : o ro-peiin, a admira fio
a- gratadlo de toles oa hu.i>ca.s sinceramente
taVraes.
SMitnm a ret-c%e-ln o Sr. mrrrquez de Si e
algn* veteranos condecorados eom as medalhas
de I>. Pedro e D. Baria. Tinto ruinas dess ^teii-
fi s k.Toi:os, em que todas as nle.ligencias c
todas as dedicarles sa poterar ao servir i de
Ma cans que ? poda triumphar como pon*
atarse roraj isa desinlerassalo da peana e da
sapada.

T.oMiiaetnw pir um epi*ej>o locante.
OSr. v*ro-|de de Si!vi Camino, quando vio o
niltro marquez de Sa, eartvo para elle de br.ic.os
aherts, anraeouu e beijoa-e ni testa. Cminioveu
-ai I es as jussoas que estav m presentes esla
maoife-ia -i > publica de eslima a lf '.co, Iribatada
ll'i lilho di grande estadista Jos da Silva lia'
vallu aquelle venerando ndito, qtt pelejm ftflm-
pre ao lado do imperador e que Jeixou iu lua e
iius combates, uao vi braco cuja ausencia a man-
ga la (arda nao consegue disTarcar, mas a mjc-
dade tambcui, ti cata los pielis que la>j faltaui
atw doUm-nto aquella cabera, por ciu a da qual
p.u arara u* ardores da guerra o ts gelos dos
am**.
As qua ro c mota horas da larde ebegavaqi
ao p.tvillta > real suas rnagtiSlades el re I). Luiz
vest: 11 d coronel de caciJore- o, sua laagesiali
a mola \o.tida de branco o azul e o principe D.
Cari w que traja va as raesjmas cures. Todas as
dam s la c-rie, .ilinaes di casa real, conselhei
isa le est*#l ministros c embrea oa canajtiaaaa
do m linimento se acercaran) do coche real para
rewberem suas magostadas. Entre os prmeiro-
que mi Ibes aorc-e.iiiir.nn, via->e o honrado Joa-
qun) Anten < e Aguiar, que fora miniare e dos
ni ns loses amigos do imperadas1 ; tilo prestante
|m-|.i rmsellio s pelas luzos ilo enien.hraeiito cuino
o r.iram pe! i esforc heroico o duque de Salda-
nha, o marqu' de S, o duque da Terceira, e
tauti's oiilius v.'ilonti'S eunlecoiados com a ineda-
Un da Caiupanlu liberal que lunitein vimus ro-
dean Jo o mmuinento levantado ao seu heroico
eompanheiro de armas.
Viini- entre ...< damas da rainha uinaenho-
r.i qiH la i nutos atinoi vive retirada da corte,
eatr^aado se toda pidlieas da laais vniuosa ca
rtii i le, ni s que tu ir presL.i- hjmeoagetH ao iiitparador soldido, por
qnem padecer as penas de ni desterro prolon-
aaaa.
Pallasa na festa, pie ira de. lagrimas e sau-
dada* para m titos dos que a preieaciva'U, a vir-
tu i-a viuva do imperador, sua companueira eni
tojos os iransf> e aoju boiu que muius vezes llu'
uavisou as do-ns e as amarguras. Representa va
sua mag'eMa.le imperiai o nobre m.irquez de Ite-
seiidi*. vulto J.is mus noiaveis da iio^si historia.
, liberal, e que pofsnio a con:ianra inais illiuiitada
d i niii.-i-.cJur.
Era ni 4 noras a 43 miiiulos quanio elrti
deseen ilo pavilhao ese diripto para joule do mo
nooieiuo. A's 4 horas o 40 minutos el roi correo
a certias file ta^ebria a ligura marcial do liber-
tador, ao sooi Jo traer da artilbora, de alegres
repi es il.,3 aiavS. do byiniio da caria tocado por
t.iJ.s as nvisicas dos erros.
XessH oucasiao vimos nos alguns vellios solda-
dos pregaren) os olhps ne clio, como envergo-
nha 1 is de que Ibes vlessem as lagrimas correr
com ahundaacia.
causa da r^sao. e da juslica, felicidade e oivili-1 raa na deiesennac.oes do Sr. D. Podro 11.
' N'a prmeira parto, entro oulrat iinagens opu
lentas, o Sr. Ja-ira de Gartro fez um qwlro bri
manee Kiiare monianka da Coiwo-niBJ^ao o
iSr. I'orlo -Ategro canlraf e tirn -d'aq'ti a :rnb-
ibeose do poeta presento,-com um arrojo d inspi-
racao verdadetrajonij adrairavel.
NVKiiifflM|ras pajal"111! flaflMST
"errojn ,,,;,lP Aj Colme,
uandn S. Ex*, uvaparava s soldada- 1
ts legues aaloiha o de Ai'ieuas, e fada 5J-pi>>
destae.ir o valto ilu imoBfador, nandanfi soli-tt-
tar iis moasmoiUos pHaV-coln |ugl) ta cou'ier
Ja paz;l
. N.i folego ilas periodo.-, no artcdlado das
miapraa, na Rraialozi dn-i\lu, ,, 1 Viml :nea da
palavra, o S.. V"in de Ci-iro ^i u r.i lor vor-
lUdetraraetu.' el-i^neas'.
1} Sr. l'.iri < A'egre, a q'uen o Sr. V.eira de
C-.sfr>-f!ia !-.Uii u.o.1 gloria Ui-tonca do Brasil, en-
anlou no resto da noile t>i4os uno ihe esentaram
a sua palavra amena, fljiila, tainuaut o capli-
vad .r, con) q e S. Baei fni um ra|iiilo quadro
da? suas impressoss de liamra.
Ao jamar agrade :eu o i.iinJe Jo Sr.- Va Gislro o Sr. L)r. I'orlj,--. IjrioJanlj pila naci
pVrtgetai e o>t,correnlo com elegandla acerca
dos il iis paizes.
t'Fufwna festa-stwpansa e brlnn'.e dees-
tirito.
Mo iba !) de miio eotrftnli-" f .1 .na i^ts>'J:l **
Xinsa Senliara aJiuoarnaCjj en L-IjOj. oTt:
Dfttm solemne cin a>\ i o da lt.i'-is pelo tritimplm
glorioso i| 1 It'ji-ii -ubre o es- ieMatof .lo Para-
guay. O lomillo eslava esplendido c a fes, fei'a
com grande magniliceucia fui m (u lo digna do
sssnaSfta. H4o falle;, nmi dkvia (aliar a lomar
ah inen lugar, pelo Dkii) de Peinmnbiica. O
sennn do ltevd..couogo IVjxeira, f o una oiagao
elevada, fljonte, corrc-eii>sima, i a toda a altura
do grandioso >ccesso que brasearos e pojlugue-
zes, em iiorae da civibsa^io a da liuinanidail all
celebraram com igual juuil>.
A eoneorrencia loi lmu quaota o lemplo po-
da comer no seu ampio lociallio. Os sulos e
chi$, a orchestra iran nVniamprahadiii por 15
illtlilmi damas ed-iinr.t.l: amadores, perlencen-
tes real associacao OrphuouiM.
Hrg-u o Tc-Deuui o Dr. Jos Veiga ; otantitm
wgo o Sr. CarJIn, bemwnlieci.bcooiposiior por-
saca 1 do seo paiz.
Este patritico 'tribiito do pov porttigitcz
Jue'lai sido interpretes as daas mak notaWtei ci-
adas de reino,. tuna preva' irreco-avel di qnaiKe
est slidamente lirmacu no solo da patria a ai vo-
ra da libprdade, e um seguro penhor do qoanJjO,
ilcrmos coaflar n *n/i,aajBjBliiento
lirsneridado da^n.v^ii, p rtngo
IVszaaDea- que saibara uar dasliberd
conquistadas cusa de lao aobrs sadrilirioj, 1
qae o amor da patria nao delx.; de IDuai.oar os
corajqjas dos Portugaescs ua defoza do v*1om> pa-
iiioionio qne os hareic >s soldados da tiberdde
co.iflarsm da- nosea guarda n do ti u-o patrio-
tismo.
c Nio posso tiesta Soleraao icoasii 1 dei^ar d'
loavar a dedics^o- e tele da f.irait>#io t|ne tao
jig.iaiuente dirigi u exeeaejio do monumento ajos
acabamos de inaugurar resie faastrsimq da.
e Koi depois as.ngnaio por el-roi o por Udas as
pessos que ormavam o seu sequilo o auto da
rasttguraajau, e destribuimm-se a- tneUalhas aaat
niemoralivas e as photopr.ipliias do inoriumonto.
A'slaaras da tardo comeearam as tropas
Je.-lilar era coiiinencia, t.iulo aa frontd a aililha-
ria e laneelrs, seguin lo-se a 1* e 2' brigadas de
uianUuia.
t Ao desfilaran as msicas tocaran! o hymii"
1* Tcn-eira.
Erara .*J li iras e raen d-i tardo q'iaado SSJ^
MM. ;-e retirar am, acumpanbados al .10 cuhe por
ludas as pe.-soas da corto e maltas nutras que nas-
as mooieni.i j Halanm invadido a praca.
A' uoute maltidio enorme, maiur ainda que
Jo da, algaiuas cairoagesis con braza o, trens pe-
liculares, d praaa, vendedores ambulantes, pre-
gos diver.-"S, msela de physionomias e do oi
Mes, luiMiilto do votes o de son?, e por cima de
ludo ito das earraagaaa atravessaudu .ili.-ilin.-n-
te a turba -inulta dos vendedores aliraudo quera
passa o sen pr gao o gritos estridenles, das pby-
m momias ludas alegres, exceptuando nm 011 .u-
tro rost 1 doentio, paludo e melanclico que as tutes
ailrabom para atli; por fesaia de lude isto e do
eiatnor, e ia stissarro qtio sabe de tolas as bocas,
o pavillifiofeal, as tribunas, as j mellas, ludo che.o
de lusca, e allomian lo Je lado o llocio, onde espe
eiabnente defronte do Arco da Uandfira, 110 qual
bavla no) U)M de luz elctrica, os semblaates das
O Sb. HgxniouE Mamkde :Est claro que refe-
riodo-me ao 3" districto, cu me redro ao corno
teiloral que me ul-geu.
O Sn. I'kdro Aftonso : Deve-o aij' *eus ele-
iiaathaits ostentavarn cerlo brilh 1 suave o paludo, tuguez, que par algon- anuos ah residi no llio
Grande d Sul. dl;o.i de pantiflcal o Rvd. bisi
de Angela. Entre as senhoras qne canlavam esla-
va a meuina Oorio, priui 1 do heroico marquez de
Herval, trujando elegsalameate as coros br.isilei-
rs, ve-!ido verde, cinto e veo de gaze amarello.
Tambem traja va as mesma carea a Sra. D. Mina
Ja Gl-ir: i I! miinln (t)ielbj, primado nobre mar-
quez de (yixias.
D'pois do sernb x:.:o'.)U-"o a symplionia
de .\'iburo.
t Todos os cavaiheiros que lialiara condecora-
Qes do Brasil, as Unbaoi peodeales. dignu ge-
neral do Brasil P. rto-Alegre eslava com a farda
ha cerca de JO annos que Ihe dora o impera-
der. O Sr. canelbeiro Lisboa miaistro do Brasil,
fo icumprimenur amavolmente loda< as da-
mas e cavalfteiros qno execuiaram o bollo fu-
Deum le Piolo. .Militas di mas qie ornavam a*
tribunas d.rraraavam so'ire a mnltidao urna chu
va de fof a' de rosa. A* saluda foi desiribuido
um impresso commemoralivo. Tem um prefacio
do Sr. pai're Brilo. di redor da es"la-.arid una poesa do Sr. Mandes Leal, extrabida do jor-
nal America. Remeito-llns pelo eerreio o follieto
que me ofleraceram.
O diyno ministro lo Urasil recebeu iuuit;s
cumpriincrit'S e fel elacoes.
t odia 3, escolludo pela comoiissao para aquel-
le festejo, conimemorava a igrejo a invencao da
Saoat Cruz e razia .'170 aunes que Podro Alvares
abral lomara posse, em noina deel-rei Manool
do territorio brasiloiro, que descubrir seto dias
antes.
O templo da Eia/flaio iodo ora ll res, da-
Begressando el-rei tribuna fora nllie apre-
venalos pelo presidente da comms-o os vogae.-
que a cninpunbam, uc-taluario Rohert a quom el-
rei agraeion co.n o grao do oTicial da ordem de
S. Thirigo, eo canteiro Qermno do Salles, encar-
f-g 11 > da parlo architecleoica, que recebeu o a-
biin da i/mceii;io. Em seguida, o Sr. marquez
de S. co.ii) presidente da comuiissS), pronunciou
o segiiinle discurso :
Sonhor.O acto da nauguratao do monu-
meiito niciBoria do sua magestade linperiil o Sr.
D Pedro IV, o complemento da execucao da le
qne o mandou erigir ua capital da m marchia, co-
mo leslemunho da veneracao que o novo purtu
nuez presta ao nomo do excelso principe quem,
deve i Uberdade do que gosa.
< A caria consiitucioiai, cuja eODcessio e^te
acto- commcinora, resttuio e ampbou os foros de
q te a n teio bavia sido privada desde que os seus
pr.e. ira. lores deixaram de reunirse em corles, e
que os sous votos ce.-saram de ser c insultados,'
des que lo la a auloridade publica era excrcida
ini- mim-tros i|ue a esle poder nai recoubeeiam
lcitos. A iinuarchii pennanecendo sujeita ao
e h'oii 1 absoluto durante um longo espaco de tem-
P ver 1 a cabir sai extrema decadencia, da qual
na 1 poderarn lira-la riera os esfor?os heroicos pra-
1 >' 11- ie.lo povo portuguez no del">*za da sua in-
il-iHndviH-ia contra a aggresso da inais formida
'! |.'!'ii.ia que tin existido na Europa ; nein 1)
ni i*t >i i! 1 libera) iniciado 110 anno de 180.
U Si, Pedro, herdandi a cora de Porlu
pal, pr.ipriz-se desde logo levantar a patria do
. .(ni. ut i em que eslava e para este lim, o pri-
10 tro acto que praticou como soberano, foi o de
r uso do podar absouto para renunciar esse
mcsino poder decrelando a carta constitucional
da 111 murchia para tornar livres os seus npvoj
subdiii's. Foi esle um dos actos inais gloriosos Jo
Ilustre principe, mas outros summsmjnte impor
lames foram por elle praticados quando a necessi
d.-ide o levou a einiireheidrr a loiviudicacao do
Uirono de sua augusta (Iba e a restaurado do
c iligo que ha va dado, empieza em que adquiri
luv.is ltalos aimracao publica, pela .perseve-
ran;.-), coragem e esibreos que empregou para ob-
ter o triuMipb >.
iju.isi todos os inelboraraentos ellectuaJos ua
umnarchia, desde que neila se eslabeleceu o sys-
w-ma parlamentar, tem o seu fundamenlo na carta
cin-iiiucio-ial.ou nos decretos que o Sr. D. Pedro
IV piomulgou durante a sua curia regencia do
reino de Purtugal; e qa mesma origom procede a
iiaiiNformaro que nos ltimos trinta annos lera
experimentado a sociedade portuguaza.
A's suas leis deve a nacao a ampia Uberdade
civil c poliJca de que esi guando, as garantas
jadtsue*. a completa uberdade de niprensa, a
abolicao do estado de escravidio era todas as colq-
oiis, a abolicao da peaa le morte e dos castigos
eerp^raej, a extinc{ao dos privilegios e monopo-
lios, a tierdade da ierra, o desenvolvimemo da
agricultura _e industria, o molboramenlo da via-
cao, a dillusao da instruccao publica as elasses
etvis e jinbiares ; e Jas'mesmas leis resobado
a elevai,ao do espirito da proprta dignidado di ci-
dadao, pela consciepeia que tem de que, |toraale
a le, toaos sao iguaes.
Esta comaiemoraiio, bem que .incompleta
do> beneficios que os portuguezes deyerq ao rei
legisliJor.bastante para se reconhecer qneelles;
prestan) um iributo devido a sua gloriosa memo
ria, slevando o monumento que vossa uugeslade;
o -ai; i de inaugurar.
a comiuis>ao que vossa magesude bov-'P
-por bem eocarregar de dirigir a oxecijco d'esso
monumento, espera, ao terminar os seus. iraba-
ihos, que a maceira como desempenho'i eslo l).>n
toso cargo, ba de merecer a benigna approvacao
de vossaa raagesladje. >
Sna mage*|ade el-rei dijnon se roipondar :oni
as si'?uintes pafavras:
9
E" para mira do mais subido aprego a gloria
\j me cabe, de presidir a inap^nraejo do monu-
mento? que rusta capital se levanta undosa me-
0 Sr. ). PeJro IV, meo
pie Augmentara a foravxura as bra tas, e fazia
passar como ues as que naolinham a fortuna de o
ser.
Como eslava designado no programma, as
musirs ragiassotaes esiiveram tocando no Kocio
al as lo boraa
Foi um verd.nleiro concert, om que se ouvi-
r.un oito bandas dilferentes, e alguraas pecis de
mu-ica escilliiJa-, nao es ueeendo os hymnos da
iai la o da Terceira.
Milita genio para maior commodidade, inva-
dir o grando estrado Jo lado do norle, e repim-
para-se as cadelras que tialiaiii servido ua cere-
monia da t ird*.
Paia o llm, a festa foi perturbada por um-in-
cidente, inigniiicante, e vurdade, mas que alvo
rolou a toda a gente. Pegn fogo ras llores de
um lotttre da tribuna do corpo diplomtico Fe-
Itziiienle apagn se logo; e tupas se retira rail para
c isa rnaatiea, contentes e alegres como uns leal
aventurados. >
Terminado o a;io da inauguratjaq, el-rei o Sr. D.
Lmz abraoou al^ns das eoiupanbeiros de seu avie
fez liles diversas inermes. Ao Sr. Joajuim Anloni 1
de Aginar dao o ululo Je unrquez, que o vclbo
ininUtro de D. Pedro IV pedia peanas para nao
aceitar, pis nao queria no fim de sua vida mudar
de mme.
n Den c-lrei a gf cruz de Aviz ao marquez de
Sa da Ranleira, a da Torre e Espada ao marquez
de Bemposia o ao mart|iiez de Ftcalho : a cmnenda
Ja Torre e EspaJ 1, ao conde de S Jiral, ao Sr. I).
Manuel de Sotiza Coutioho e os generaos llego o
Talaia. A coinmeda e Aviz ao coronel Perry da
Cmara.
Com o grao de olllcial da mesma ordem f o am
agracia los os Srs. : Uarte Jcyce, major roforma-
do, Jos de Medeiros UuWncourt, cominandant- da
guarJa intiuicipal do Porto; Cuiulanlino Lopes de
Azevedo e Cnnha, 4eaente coronel de infamara ni
ti ; Jo^ do BilienconiI Athayde, tt-nente-corone.
reformado, Jo Altas da Eucarnacao; Severo Leao
Cabreira, major 'refor-naJo ; Joaquim Lopes de
MaceJo, tenente-coronel refrmalo.
Com o grao de cavaileiro da Torre o espada
foi agraciad o coronel reformado o Sr. Miguel Jo>
Ja Suva Freitas.
Todos estes nfliciaes foram dos que combatirn)
ao lado do imperador a maior parle pertenciam
caladores n. 5 de que S. M. I. o duque de Bra-
ganca era coronel.
El-re o a familia real estiveram nonte om
S. Carlos. A tribuna de gala asina resplandecente.
- Os traba bus fora-rn inaugurados a 29 de abril
do 1867. Levaram tres annos completos.
O monumento tem desde a base ate cabe,-a
da eslalua do imperador ti metros e O centme-
tros e de largura 9, 49. E' composto de envasa-
rnento, pedestal, columna e estatua. O envasa-
raenlo do duas pitre,atabal qaadradas e de ngu-
los chairados ; a primara, acompinbada de quatro
pequeas pedcslies rectangulares, nos quaes ss
ve* n apostadas as figurasallegnricas da Prudencia,
Ja-tica, Fortaleza e Modcrteo A segunda parte
ornada de ezandos da> seguinles 16 cdades do
reinoAngra, Braga. Braganca, Ombra, Cvora,
Faro, Funchal, Goa, Guimarae?, Lisboa, Loanda,
Macan. Mozambique. Pona-Delgada, Pono e
Viseo. Foram eseolbldas as cilades mais amigas
da monanhia, as capitaes das aassl mais irapur-
tanies coli nas, e as ierras coja historia madis se
prende enn a dos duques de Braganca.
O pedestal, tambem quadrado e de ngulos
chafralos, lera as faces quatro almeladas com
loscripcdes, venlo-se na frente a dedicatoria
A D. Pedro TV nac'ia portugaeza.
Aos lados as daus do nascimento e do fi-He-
ciraento do imperador. No revtro do monumento
o entre aquellas duas dalas, est gravado o da da
ouihorgia da carta. O terco inferior da columna
circumdado por urna eorOl de lourn, e tambon
decorado de grinaldas e por qnalro figuras da
Fama, em baixo relevo ligadas por fe>loes que
Ihes pendcui das mao-, seado o resto do fuste em
canelleiras, o as quatro (tees do caioitl ornamen-
tadas por bratoes d'armas de Portugal. Por
cima do mesmo capitel se eleva um pedestal termi-
nando por um hemi'phcrio, sobre o qual planta
a estatua do imperador. Dea lugar a ser lira
pouco discutido pelos vogaes da conimisso o
trage com que devia ser representado o impera-
dor, e foi opiniao de alguns qaedeveria represen
lar-:o a estatua com aquelle uniformo de caeado-
res que S. M. I tanto Ilustrara en sua vida
Tiuha porera este alvtre o inconveniente de recor-
dar guerras que a seu pesar fora ibrigalo em-
prehender, e nio offerece aquelle nniforino linhas
eseulptura. Preferio-se porlanio. o uniforme
de general, coberto com o manto, s y roblo e in-
signia da realeza ; a eabena coroada de loaros,
ten i 1 na mao direita a caria constitucional c a
esquerda apoiada na espada. A estatua, assim
como o bpinispherio e as inscripcoes, sao de bron-
za. O envasamento, de raarmore azul de Montes
Claros ; a base as estatuas e a coluran, de pz
das pedrelrss de Pero Pinhelro e das Lameiras.
A base de todo o monumento de granito do
Pcrto. Na eseolha d'esla podra em que parece
masco, velludo ; oiro. No fecho do arco do cru-
zeiro e a 1 lado das arma porluguezas, viam-so as
bandeiras braiileira, portugueza, oriental .< argn -
lina. Entre os torheiros havia profoso deriqui -
simes jarros da China. O njasela das armacoes
o ornatos dava ao templo um aspecto deslumbran-
te e fe-livu. Alm deum.s 60Jsenhoras edo mu
taspessoas que me nao posso recordar,\i n'aquclla
significanie festividad* o passQaJ da legarlo e do
con-ulado do Brasil, o Sr. Mondes Leal ministro
dos negocios esarangeirus, os morquezes Je Ftalho,
de Sa, le Niza, de Panal va de ilezeode, de Proa-
teira. con les de Mesqu.t;a, d'Avila, de Castro,
de Kivellaior, o de Paraiy vi-.;ondes de A'meda,
muinbro Ja cjjiinissio, de CoudeixarSancbos Baci-
na, e de Soare-"Frane.o ; geuoraes Barreiros, Ca-
breira Palmeirim, Ayres da Nogueira. oQkiaes su-
periores de diversos corpos e do estado-maior c mi-
mendad'r o couselbeiro Fenccca, mullos reda^to-
raiens, C'is'.a Carvalbo e carlos Santos, alguns de
putados, entre os quaes os Srs. Jos Pedro No-
gueira e Falcan da i-unceoa ; o digno vigario capi-
tular Dr. Amorico, bispo cleilo do Porto, deao da
s patriarchal D, Jos de Lie-rda, varios conegos
e outros sacerdotes, miiilos brasiloiros o suas se-
nhoras, menibros de associages populare?, arts-
ticas!, de beneficencias ele.
A' noite umnou-se o prtico du groja, o
palacio da legacao, as casas de muitos subditos'
brasileiros e de alguns portugmzes. portado
templo tocava a nanda dosmus|pos cegos. A sym-
phonia de abertura, composta pelo maestro Car
dim, terminou com o bymno brasileiro, a mulli-
da.) applaudia c vctoraia com cnthusiasrno.
PERNAMBUCO.
capital
iniria de S. M. irbperial
Musir, av.
DqiadouTo monumejilo levantara elle ja Jila
h-irueidade. no cdigo d' libertades, que tan ex-
txiaUtteaaent ontorg uao pavo portuguez, o.nps
OrJluntcs foilos d'armas qae sonrio inspirar com o
s 'u ralof, cora a sua constancia e com sua ab- '
aegajao ao? bravos erensore- desso eodiga subli-
mo, do qual so derivam a- benefl'as iBsfl(ui
qne temos a. voulura r, o taa flfi
uostom feito'gairar no concoito dos pvos cixiti-
sados.
Justo era toa ,0 povo portiiguez prestasse um
condigna norhbbagPm lao extremadas nrfd'dcs'
attestando aos vindouros do um modo indelevel a
sua admiracao e o seu reconheciraento pelo nobre
esorco de quom lio do corajio so dedicoa santa
estar assone iodo o monnmenio, parece ter querid
a comrnlssao, qu se 4t um testemuBho de vene-
racao e acatamento eida'de invicta, depositario
do coracio do hroe, cidade que sempre foi
um baluarte da uberdade.
' Ganlelib-os monumeniaies e daas fonles de;
que e municipio est tratando, 'para o que j'
atiri concurso de dezenbos, devem completar ai
deeeta#M da -pr^a del). \?iro.
if Ilii Diario Popular encontr a seguini.- des-'
cripeao de nm banqoete em honra das vict.Tas
com que a Dao brasileira acaba de engrande-
cer-se :
Xo dia 27, no hotel Braganca dea o Sr. Dr.
Forbes am esplndido janlar. 15 am convivas, en-
tre outrw, o Sr. ministro ao Brasil, menibros
aa legarlo, o Sr. Porto Alegre consol do imperio,
general MalJonsdo, ex-mhStstro da guerra; Sara-
ra de Carvalbo. Perelra"de Miranda, Cirios Bnach
e ViCirs de Castro. Ojsntar comeeou as, 7 horas,
e os nltimos convidados que se ausentaram, sahi-
ram a mia roIc.
Ao des?f>rt levantaram-se varios'brinde'. O
Sr. San iva de Carvalho brindou pelo imperador
Jo Brasil. Agradcceu o Sr. Lisboa, .briddan'lo
pelo rei de Portugal, ao ex ministro da razenda,
mojo noiablfissimo ptela altara do sea talento, pela
Tividae do ?ti parle,W rSglcfez do sen ca-
rcter e |*elas rartdKs 'itfaliiStfcs i soa ppliM.
c3oe do seu es nido.
Briudaram o Sr.'cenar1* Msldooado o o Sr.
T)r. Forbas, o Sr. Vlfflra ;de'Csslrb. l/vantou se
cmao teste notavel orador, e Drilfllon pelo Brail.
O son rpido improviso foi elo|uentlssin.
Guii*oo-se as miis Has cfliftidaadalnsprcio,
c arrebatou o seu oscolhido andiorlo. Tocn
principalmente em tres pontos, na esplendida m-
tureza da America, no valor do exereito brasilei-
ASSEMBLA PROVINCIAL.
SESSAO ORDINARIA EM 13 DE MAIO.
PRESIDENCIA DO SU. Dfi. ACUIAR.
(Co/i/i/iuacao)
Conlinua a i' discus-o do art. Io do projeelo
n. 91 diste nno O SR. HENRIQUE MAMEDE :Sr. presidente,
novel como sot ua casa, sem ainda eonbecer os
esiylos parlamentares, sendo o priraeiro a reco-
nhecer a itisufQciuncia de minba inlelligencia, (nao
apoiaJos) e dispondo de pouquissimos conheci-
raentos, ltenla a rainba curta vida publica, eren
que temeridaJe da minba parte involver me em
urna discassao'tio importante, como a que ora se
agita nesia casa. Entretanto, dominado pelos dic-
tantes de minha consciencia, qni me diz bem alto,
que cumpra sempre o meu dever, eraborapara fa
ze-lo tenha de trilhar por algnma verede de es-
pinhos, vou fazer uso da palavra que me foi con-
cedida, do modo que julgar mais conveniente, es-
perando que V. Exc. a o nobre auditorio qne neste
momento me ouve, nao se escusardeprodigalisar-
me a benevoloncia de que tanto preciso para esta
minba estra na tribuna.
Se sou njvel na casa, o 6on tambem na polti-
ca, essa grande arteria da sociedade, que, segun-
do um escriptor moderno, encerra em si o segre-
do das vnocoes e das almas generosas, e qne con-
vm esto lar, amar e propagar para beneficio de
qualquer paiz.
Mas, Sr. presidente, se sou novel na poltica, fol-
go em poder declarar que felizmente. j posma
un) pequeo passado para evocar, passado que me
dispensa certamente de defllnir-rae e qne deve ga-
rantir tanto no presante como no futuro as minhas
ideas polticas.
^ Esse pausado, Sr. praJenle, o joraalisoio : a
Crnca, jornal oppoeiciontsta em 1855, e o Corrtio
Permtmbucano, jornal governistas desd 1 jolbo de
1868 at boje, o podein perfetamenta.altestar.
Por coriseguinte jnlgo al desneetesario dzer
que son sectario accerrlmo das ideas do partido
conserva lor, e que no momento em qne for obriga-
do, por qualquer circuraslancia, abandonar as
mritos naturaqaw
Um Sn. DeputAdo : E ao seu merocimento.
O Sr. rlsuniouR Mamede : Agora, Sr. presiden-
le, wu Ia5|rme no uor r neanetla 1 da oT-cnu-
sao |i iliica eom muito receo e naubagae, por
meu baxel por deroais frgil e as ondas
eslRo uinpotteo enerespsdas.
Um Sil DariiTAUo : O piloto bom.
OSn. Hgjiiniu-i MvJiEDg:O piloto por de-
ntis inhbil, porm anima-me a dore esperanca
di que o nao deslindo collega-e hoarado amigo
que honfeajUiccupou lao brilbanlem.-nle a-tritmna
desla casa, quando me vir lutando cmn as ondas,
ser o primeiro i lanear-me urna taboa de salva-
ea).
ASim o espero. avIsftK!
O lando ora va ante-bvntem o meu deslindo ami-
go o collena oppoia, filiando da descalabro polilico da situa-
3, d'KdesgisMs que.reioavamno seio do partid)
aisei-Wdoryc da de-uiiifu e confuzio que Jizia
elle enxergarna maior parle dasdeei-iVs desta as
sembla. dtSse eu emom aparteque talvez fosee
isto Ueyido a m.i (lreci;;ioda poltica.
FN?,. aparte, Sr. presidente, nio tem sido bem
interpretado; o ineu nobre collega quo b intem
fili ei bao resp-"hdeu eooio seria para desejar,
disso apenas q:i; era urna expressio dura e
aspara que nao devh ser tao fcilmente hincada
uosriio Jo urna as.-embla de amigos.
Nao una saprassao dura nem aspara, Sr. pre
Meato, sim urna expressao verdadeira, e o meu
nobre colltg.i deve saber perieitaniente, que al
muito repethla entre os. nosMis correligionario-, c
a verdade eu eule.ndu que nunca deve ser dura
nem spera pira pronunciar-.-e, principalmente,
quando ella deve apparecer na disoussao, como no
ca verteot?.
Um Sn. Dki'Utado :Pois diga l a verdaJe.
O Sn. Hhnriq)ik Iahcbb : -O partido conserva-
dor na opposieo linlia uoi directorio eleito pub-
cmente pelos seus 111.ontiros...
O Sn. Hkrmooe.\ss :IC boje nao le.n !
O Sr. Hknrious Ha urde :Irei l.
Um Sh. sputado :Ja norreu.
O Sn. BjNniQUa Mamede: ...o qual resolva,
os negocios polticos como euieudia inais conveni-
enle, e de conformidadecom osiuteresses de tolas
as nflueucias lucaes ; liaba urna direcgo clara
e delinida, conbecida por todos o por tolos rjs-
peitada.
Tmha u.n orgao na mprensa que delfeuJia os
seus bellos principios, e que pugnava seriamente
pelo direlo de seus sungo:.
Era jullio Jo 18t>8, Sr. presidente, fbe o parti-
do conservador ao p >der cbeio de seiva e de viJa'
lendo-danie desi una nobre raisso cumprir,
isto c, ten lo per fim regenerar o paiz, levanla-lo
do abalmeuio om que se achava, a qu linha si lo
arrastado por urna accao de trau-lugs polticos
que dale cinco anno< gaweraanm a ni do e>-
lado, e que so por escarneo se chauavjrn pro-
gresslas.
Desejava aprovtlaro ensejo para fazer alguraas
considerad-oes com relacao direc) da polilie.,
geral, mas como sti que um ouiro uosso collega
com mais hablilacoes dj que cu e com mai> co-
uheeimentosii faze-lo, aguarlar-:ne-b'i pa a ou-
vi-lo, e (allarei somenlo respeilo da direccao da
publica nesia provincia.
O partido conservador, lornando-se poder, a;a-
hou cora o directorio, c nem ao meuos cuidou
mais Je. sua nova eleigao.
Um Sr Dkputado :Qualquer poda requercr.
O Sr. Hexriqur IlAaKDl : -Nao i|uiz mais im-
prcn.sa, e al om de seas eneres, Sr. pre3idr.nl-,
di-2e, segund me consta, quo o partido que est
di cima nio precisa de impmisn : absurdo injua-
ItOcAvel, que admira que seja proferido to seculo
diz nove.
Um Sr. Deputado :O tem loi
O Sr. H. Mvirn-: :Eu nao quero citar perso-
nalidadts
O Sn. G. DnujiMo.vD :Ne-te caso seria bom.
O Sn. II. M.tsteDE :Emendo que nao : apeaaa
dii'ii uve fui urna das ptssoas que passa como
subebefe Jo partido.
O Sn. A>;tonm P.m uno :Mas V. Exc. emio
muito a falta de nao ser o Correia Ptrna-kbucano
o orgto d p rii lo
O Sr. H. Mamede :O partido conservador nao
cuidou mais dos amigos que offreram o osiracis-
mo durante a opposicao, esqueepu-os complea-
ii) ente.
Pergunlarei agora, Sr- presidente, qual a di-
reer.o actual do partido conservador ne.-ta pro-
vincia f
O chele do parJo, dsae hontem o honrado de-
putado que falln, nao quem quer solo. Con-
cordo iierfeitamente eom isto, o chefe de um par-
partido quer
nle, saber se
lileiras desse partido, prefiro retirar me da polti-
ca, do qae aUiar-me com os meas adversarios de
hontom, de Iwje e de sempre.
Pella assim formalmente a minha prafissao de
fe poliuea. nio posso eximir-me. de, oeste momam*
dizer, que se me acho nesta easa como obscuro
repreWnune da provincia que me vio naseer (nio
spoiados) rio o devo ae ebefe oa obelas do parti-
do conservador, mas sira e somante...
O Sb. .Antonio Paliho :A si prapro.
OSr. HENMQint Mamkde :.. Aos incaaaavis
esforcos de alguns parales e amigos dedicados
do d* distrieto, i quem saberel ser eternamente
agradecido.
Um Sn. DuPUTADa : -^fteva-o aasas ao sea coHer
gm sieitoral.
O.S^HjNB'OtB Maibkbb :-lgas parante*
amigos dedicados de > distrioto, oate sfoaoos
oMw a votar;io do raspectivo earpallahoraL
Um Su. Depitado Eolio rli-aete. tiada po-
lrtiea f '
O Sr. GosaXo Lobo :Eo devo tudo ao corpo
elertoral.
hecido.
O Sn. II Mamede : -O meio mais natural c ter-
se um directorio eleito, de forma qce os membros
do partido vao manifesiar na urna o seu desejo.
vao dizerqueremos fulano para nosso chefe, e
nao sicrano ou bellrano.
Sr. presidente, sou conservador, mas conserva-
dor que qu r a liberdsda, que a deseja at na di-
reecao do seu partido.
Um Sr. Dkputado : Todas querem.
O Sr. H. Mamede :Ausenta-e, por exemplo, o
chefe do partido desta provincia, quera que o deve
substituir t
Um Sr. Deputado :Os sob-chefes.
O Sr. H. Mamrdr :Quem elle designar ? Quem
qozer a si arrogar-se u direilo de sub-chefe ?
.Nao, Sr. presideute, deve ser aquelle que o partido
designar, aquelle que a clecao escolher, e nao
quem quizer .--lo.
Um Sr. Deputado : Isto assim, um estado no
estado.
OSn. H. Mamkde : Nao um estado no estado,
muito natural que quando haja ura directorio
eleito, e que o presidente se aasenle, o vice-
presidente seja quem o substitu.'".
Quanto imprensa, qual boje o orgao do par-
tido con-ervador nesta provincia ?
Um Sn. Dkputado :O que dirigido por V.
Exc.
O Sr. H. Mamkde :-0 Ctrwfo Pernamoucano
nio, por que o Coneio Ptrnambncano smente
orgo de minhas iJas potticas e das dos amigos
q )e me tem coadjuvado na sua redaccao.
U Sr. Deputado : Sao as ideas conserva-
doras.
O Sn. H. Mamkde :E' verdade que sio as ideas
conservadoras que sustentamos no Correio Pernam
bncano, masjiocom o carador de orgao do par-
tido, e aproveito o ensrjo para declarar solemne-
mente que o Correio Pernambucano nao deve
felizmente at boje um s avor nem aQ governo
nem ao partido. E' um jornal livre e indepen-
dente. -
O Sr. Antonio Paulino : Queria subvencao.
O Sr. JJ. Mamede :Da actoal direccao do par-
tido, declaro que regeitoa.
J se v, Sr. presidente, que o Correio Pernam
bucano nao orgao do partido, e sim das minhas
ideas polticas e das dos meus amigos que me
acompanham na sua redaojio ; um jornal de
minha propriedade, no qual sustentarei os prin-
cipios que benj me approuver.
Por conseguinte o partido conservador nao lera
qt%) oa imprensa, esla qae a verdade.
Era vista dostat con-fdera(,Oes, eatendo Sr. pra
sidente, que o mea aparte nao encerra urna ox-
prossio spera e dura, mas fim'ama expressao
verdadeira, e cora razio dase en que todo o mal
do partido conservador era devido talvez sua ra
direccio.
Dixemos ai trevas, faca-se a luz, .reajamo
contra urna direcgJo escura e ndefimJa, venha
urna direccao clara e definida, que todo o mundo
saiba quem sao es chefei do partido conservador.
De minha parto declaro que nio faco q oes lio de
nomes, orna vez quesejam ledos merabros proemi-
nentes do partido conservador. E' quanto me
basta. >
Ant. s de terminar, Sr. presidente, compre me
djelarar que nao faco a mnima eoposiob ao actu-
al adraioislrador da provincia, e ao contraro pre-
so-o tanto, e tenho em tanta consideracao o seu
honrado carcter, qne ornan maii ardente o sin-
cero deseja quo em lagar, de interino, o reja em
breve oceupando o dito cargo como offectivo.
Creta. Sr. presideaie, que nao pode haver urna
prova mais f lena de couflanca (apoads).
Voto contra o projecto em disenssao, iwrqae en-
tendo qae o partido coaservsdor aeSto provincia
nio um ido aquella direcoio qae seria para
'lesejar, e er raorovscao Sella reptavo o psojeeio
Tetrto eodtod.
>,CMinuiir-it-ha)-
vou, era primeira discussao, o projeet) n. 97 deste
anno, quo or?a a reeeila e lixa a despala tas ca-
^X&Za^SA Pani ,UBr" Anfomd L de Al o Igaae!
ejercicio,-dispensado o intersticio a riqueiimculo rjm,,,^ d;. ,,um
do Sr. Rulino de Abneida.
Na segunda pa,r e da ordem do da aparatan,
j em segunda discgsao, o projecto de lixaciio dr
' Torca piliciaLfln^disopTJMpi ni^aanrT<|n
qieiment daSr. G. 1). uimom ; era p?i nertadis
cussao, o da n. 4.1 desi^ amo s ihre pinturas da
cmara municipal do He oto ; adi u em primeira
discussao o projecto n. 1)8 des* auno, quo altera
a divso dotraballio dos offli-ios de juslica daca
mar da Razareib, orando a Si. G. Dmnnnond e
Manoel do Reg : adion at a discussio do nrra
ment, o de n. 77 deste anno, que regola a forma
da arrccadacjfo da laxa de heranr-as e legados,
rando o Sr. G. Drnmmood.
A ordem do da para hojo : primeira par!-;
Continiiacjao da antecedente, primeira discasssio
di projeelo n. 40 dte anno ; segunda parle con-
nnriscio da antecdante, e mais terceira dis pro-
l--'-los ns. Jo, 93 e 94 deslo anno, e M e 4864 e
segunda do de n. 97. lambemjdeste anno.
TRP.MO DE sRRl.MIARM-Sepundo ra da
corlo quesobonlea vimos, aeha-se 11 meado iuii
munieiripal do lermn de Serinliem o Sr Dr. Jos
Francisco de Ges Ca voleante.
PERIMRNTOS.No lugar Bolo, do termo de
Sanio Aiiio, no da V de abril ulim, Antonio
Francisco de Souza, eunhecido por Jos Antonia,
ferio levemrnlei Arehingela, escrava de Manoel
Antonio Soares ; e quando era condnzido preso
para a cadeia, fui feridi'cini'nraa facada p r Mar-
cos Teixeira de Cnrvalho, primo da flendida. Fo-
ram ambis presos.
No dia 25, Victorino Francisco de Salle?, fez
diversos 'enmentos em Jos Alvcs do Mendonca,
na cidade da Victoria, sen di peso em ll'i-
granlf.
FELIZMFNTE.-Achara quasi reslabclfCkJns
das poolialada- que receberaiii de um seu e.-cia
vo, na semana passada, o Sr. Dr. Alcxanlre de
Souza Pereira do Carino e sua Fxraa. Sra. Felici-
tamo-lo pi,r esse motivo.
MONTE PI PDHTUGUKZ. Procedeu-se no
domingo eleiea da commissaa de exanie da con-
las, para o qu.J foram eleiios os Srs. Manoel Tei-
xeira Bastos, Antonio Btpttfla Rbffwira, Antonio
AugU'tn dos Santos Porin'; p, para suppbnles
destes. o Srs.Antonio Gnncalve de Barro-, Jnao
Luiz Ferreira Hibeiro. Joo Jos Rodrigues Men-
des.
SOCIBDADR EMANCIPADORA.enniraa-
hontem era asembloa geral ns mmbro' desta so-
eleilade, e pneed-ram el-leai da dlrectoria, que
ficon assm comp'isia :
Presidente da as-embls geral. barao do I.ivra-
mento.
Pres3enteda dlrivcii'. Jos Ma'.iicus Fir'reira.
Vtee-pr^idente, Wegelin.
I." seereiario. Dr. (I-tv^m ilimp-'llo.
2.* secret; rio, Luiz Gonealve; da Silva,
Tlie)ureiro, Albino J is da Silva.
A'juntos.,Dr. J> Joaquim de Moraes Sar-
niento, Dr. Paulo de Oliveiro, Francisco Jeao de
Barras, Dr MiawH Prasmbtrco, Dr. Bfrarqne de
Matado, Antonio Marques da Rosta Stares, Dr. Pe-
lippc" de Figuciro.i, bario de Gurarapes, e Dr. Ru-
fino Augusto de Almpida.
REUMO DE ARTISTAS. -Anto-hontem rcu-
nio-se na casa unda funeciona o Club Popajar,
crescido numero Je artistas, que esla tillado co 11
o loqvavel intento de dar urna prova do apreeo
quelles de seus collegas que, deixando os traba-
Gomes de Sonta
|. Sabidos paraos a-Drtoa daS ao vapor Gt-
qui.
_J
'SEXISTA. DXAMA.
A8SEMBLA PROVINCIAL.-Hontem na pri-
moira parte di ordem do dia, a asaembloa appro
dcirol p dnab facas que o eecultem, Manoel O.
Gavjlcanle de Anupi'rqua, Jqao Daulas, *praca>
Jo^ Ratnoi
ro Oi'il'i Sil
t/ardosoe lima es
ilanc.'I Jos
oneellos, Lan--
., Miguel J. C
Torre.
GOMMKNICADOS.
tilos proussionaes, correram aos reclames dapi-
tria, desajravar a sna honra raacnala, expon-
do-e ao inimigo nos campos lo Paraguay I
E-sa reunlao fui motivada por um convite que
urna comnusso de nove artistas dirigi aos seus
collegas e coj) integra a segrate :
Illm. Sr.De-ej,in.lo os aballo .ssignados dar
urna prova de apreo p consi luracSo >us s'us r-
nios d'arte que Vieram daeimpanha do Paraguay
distinguidos por .sen* arlos de ncompraval bra-
vura e rjgdieae.io palriotici, teem .1 honra do co-
viJar a V. S. como artista. pra urna reuna i que
lera lugar na roa X iva de Sania Rita n. I, sobrado
nade ftincciuiia o Club Popular, as II horas da
manbaa do dia 22 do corrente. afi n de se discutir
e d. liberar no que se deve fazer para dar a oases
bravos urna prova de que os seus irmaos d'arte,
que conlemplavam de c o; seus grandiosos serv
eos, guardaram-lhe na coracao a mais profunda e
.-< nlida graldao.
Os abaixo a ssignados esperam que V. S. nao
Jeixar de comparecer a reuna, dando assim
mais ama prova de seu amor classe ,dos ans-
las e dus sentiraentos pa Ir uticos que possuo. Deas
guarde V. S.Recife 16 de mato de 1870.J >ao
dos Suitos Ferreira Barros. Luiz de Franca L ns
de Alhuquerquc. Joaquim Pacheco da Silva, Lad-
gero Franciseo de A-sis, Arbdpno Thiago de. Fa
ras, Anselmo Ayres de Azevedo, Joo Correia de
Carvalbo, Ant mo Ribeiro da C/.-ta o Silva, Jilvn-
io Aureliano da Cunba Cesar.
i\eunilos cerca do 300 artistas foi acchmado
nresiai rite o Sr. Joaquim Eneas Gomes da Silva.
Depois de um largo debate, assenlou-so era olle-
rceer esses distinctos irraos na arte o bravos
guerreiros de rnonieuto, urna raedalha de honra,
Je prata. para o que abrm-se desde logo urna
subscripcao ; e resolveuse que o excesso das des
pezas leilas com esse programma toase consagra-
do lbertaciio de crianzas, cajas carias de bbor
bade serio entregues por oecasiio oa dstrb/ica*o
daquclla medalha.
"sse duplo lim que ebegaram os artistas, pro-
va exhuberaiilemente o seu patrielismo o dedica-
ca seus irmaos ; e sio credores dos maiores
incommios todos quelles que se assosciarom a lao
generoso intento.
M VISI.NHANCA.Pedem-nos que roclame-
mos do respectivo' subdelegado providencias 00
sentido de obviar a pratica de actos poucos desenl-
ies que urna mulbor de m vida expe aos oaos
publico., na ra da Gloria, as vjsinhancas do
n. 98. .
Esses acto* sao de natureza a olenderem mo-
ral publiea, e privam os visinhos da tal casa de
ehegarem s janellas.
O Sr. subdelegado dive tomar em con-mlcracin
e-te pedido, e quanto antes dar as providencias
reclamadas.
1 olldboraftio.
Quando 11,1 tribuu univ, r-al e no parlanseato
se agua a nugna qn -ia ix-isl do-eleinento ser-
vil, justo c que no j jrnal de maior vulto e de maior
circulacao ao norie do imperio .-e abra larga a
tranca diseossau s >bre o assnmpto
Nascidos o creados os seus redactores e- pro- '
pneiarios no sew na verdadeira religiao do i>uai-
iicado, abracam jubilosos a grande e evangebea
idea da ndeui| ca dos captivos no magesloso im-
perio da Sania Cruz, idea contra cuja corrate
sera in-csa(ez oppor unir barr irr., qne nao seia
a da pruJencia e reflexo no qne diz respeto aa
modo pralic de sua realisacio.
E' nossa humilde opmia que os BnsitelmL
amarilis da prosperiaada'e tTti rnjjrninl liniasaa
d es.-e abencoaJo ij.iao que nos serve -de p.tlrla,
se devem unir tuJos em una $0 voniade, para
sem discrepancias levirein effcito a si Itijau desse-
grave problema, de que depende Lije o iosso fu-
turo, sera as calnrrirtfadW, on nntes caiastropbes,
que de una iupruJeucia 111 s ple resullar.
O sibnoio quoHjl.re esla quesivo ba gaarJado
ogadneode llidejulbo as duas ulirnas tillas-
do Utroiro, ten sen ilo de rhema otiposirac
para largas co:.mol-] cuea, com que picleuJe pro-
varser elle adverso nica da extiui^in da esrra-
vidao, ebegaudo mesmo denomina-to Je iteta-
eocrula.
Os motivos que lera tido o gabinete de 16 do
juilio para uaj dusigaaa na falla ilo i .runo esso
tpico exigido pela upposieao, sao do primeira
ratuieao.
Alera disto, niio lem querido e gabinete de 16
de jullio reprsenlar o papel pouco s^ra iavel, que
representou ue-ie negocio, o galntio Zacana?.
coosigoando aa i.iil.i do ibn no a m cessidade do
ser retolvida a queslio do elemento .-1 vil, e bp-
uhuraa aseJjJa propon Jo ao poder l.?i>lativov
Nao sendo anida bem conhecida a opinia do
,.uz sobie os meios pralicos de realisar-se esfa
numensa tran-foruia^io da nossa sociedad,aai
i.-tandj ainda giraiuidos os grandes iuleresses
pblicos e pariieulares, amoacados pela crise por
que teremos de passar, sent o's nie:os lootnptos de
substituir pjr livres os bracos escravos, que ser*.-
arrancados aet grande numero lavoitra, a nuior
foute de nossa 1 i |ii'7.a ; seria imbecilidade vir 1
gabinete 00 16 de juila) laucar ce siio da nafM
sociedade un-a bomba, earregada de males ineal-
culavet-;, e as^mi |njr em alarna as BQfttM lirnora-
los agricuiluies, a quem de mais parto lew do Ui-
car os males inb rentes exiiocgao da escrava-
lura no Brasil, seut que ibes pos-a ainda garmur
o fuluio.
Sena espr-se que a Ilustre commissao d.
resposia 3 alia do ihicrio Biesse sua- as palavras
d* emenda do Sr. Gutuio Pij:hIo, a 1 e>posla da
la lia do linonu em 1807 e dissesne : A cmara
dos depotaOus ^enle por ed88)dttrQtlM publicas
emmoiiieuieiiie brasileiras, e que nao "tscapario ao
i alto enluto de S. M. o Imperador, que o governo
LEILAO Hoje elTectna o agente Pinto, ti" s 1-
hrado da travess.i de Joio Ferandes Vera. o le
lio de movis carros a cavallos e mais objectos,
As 9 horas 3 50 minutos da raanhaa, parle <
trem da estacan do porto do Capim. onde poderao
seguir commdamente os concurrentes do loilao.
LEILO.O agente Marlins cffectua hoje o Ii
lao de movis objectos de curo, praia, ama grande
colleccio de jornaes encadernados e diversos ro:
manees; ra Nova n. 38 no segundo and ir as II
horas do dia.
LOTERA.A qne se acba a venda a S- a
beneikio da ijrreja da Sama Cruz do Itecife, a qual
corre no dia 30.
HOSPIT 4L PEDItO. II.0 rnovinjento desse es-
tabelecimenlo de 16 a 22 de raao de 1870, alm
de 232 doentes existentes, entraram "Jo, sabiram
18, fallecern) 7, existem 262. sendo 160 homens,
e 102 mulheres.
Adverlencia. ,
Foram visiiadas ss enfermaras nestos dias as
6 1/2, 61/2,6 1/2, 7,6 I/i, 61/2, pelo Dr. Hamos ,
a? 12.1/2,10 1/2, 12 1/2, 9 1/4, 10, W1/2, 9, pelo
Dr. Sarment.
Fallecidos.
Soverino Manool da Conceicio ; cancro na boc:a;
Antonio Mximo de Lima ; gaslro emente
Mara Tbereza da Conceicao ; congestio cerebral
Paula Narciza entente ebronica.
Custodio ; anazarca.
Francisca de Moraes ; entente ebronica.
Joio M rques d< Cosa ; tubrculos pulmonares.;
PASSAGEIROS.Sabidos para os portas do or
te no vapor Tocantijie ;
Candido A. Marinho, Block Lnuis, Marcelino Fer
nandes Piraenla. Climaco Vieira doantc, Jero
iiNMlgnisas na falla, cora que o tbrono abri a
presente Ms>ao, o grave a-suraplo di eb uieuta
*ef iiienle convencida de que .i o Umpo, o prugi'essico
augm-no da iiqutza nacional, e a-piosptndadt
ettoorl das inanvui publicas, poderao th termina)
u poca de altener se antiquissima mstitttic
serctl, que as lets d> estado reconkecem, ,-eui aba-
Ios bruscos do vaior e segurattea da furiuna pu-
blica, e sem deiiimeulo grave dos inais elevados
itiioresscs ;.>ia-:i.or..>s, inleresses que ate o presente
liiiiiam-se, o ene ainda por roaitos annos descn-
sala*) na agricultura, e orgaitisiifao do irabalbo.
Mas fdbziueuie o gabinete de t le julbo, cora-
po>io em sua manira de verdadero* estadistas,
l abalisados pensadores, nao represenlou o papel ik*
ilabuiele Zacanaz, nao ari iseou propo.-icoes im-
pemadas na talla do Uirono, CODsignaudo apenas a
neeeesuladd de medidas urgentemente reclamadas,
pelo iuieresse publico, d'otilre as quaes sobre-
saliera alguina.-, que cnsiJerarnos a base ou an-
corca |iara futuras deblieracoes sobre o problema
Jo demonio servil; e como tal julgamos o 1 ecen-
seanunio do toda a populacao do imperio, a oiffn-
sao da iuslinccao pc todas as elasses, e o auxtlu
de bracios lures lavoura, principal foute de uocsa
riqueza.
iniarpeilado na cmara dos deputados o Sr. Iu-
borahy sobre o mojo de peu.-ar do gabinete nesu
magua quesao, nao se demorn em vir ti ibun>
inainfesiar coi toda a franqueza qual o pensa-
meiilo do gabinete.
O Ilustre vi*scoude oxprinio-se nos*seguinie.-
lermos :
O nobre deputado, que acabou de dar mais unu.
prova do seu tlenlo oralorio, terminou o seu de-
curso pedmdo ou exigndo que o governo decU-
rasse o su pensainenio a respeilo da grave qoes-
lio de que ello tratou. Limitar-uie bet a respou-
der esla pergunla, o |)rocurarei faze-lo no me-
nor numero de palavras que me fr possivel.
Eslou convencido, Sr. presdeme, que nao ba.
011 ao n eao- que sao raros, muito raros, os Bra-
silt-Moa que nao desejera ver exncia ealre nos a
escravidio. (Mallos apoiados.1 Alm de outraara-
ze>, o espirito do chrislianismot es principio
ou ante.-, os dogmas da civilisaco moderna, nao
pdem dakar de Ibes ler inspirado os mesmos
SMilimentos que aos outros povos da ebri.-tandati.
(Apoiados : ...uitobem)
Mas a abolicao da e.-cravidio importa entre los
urna profunda traiislurmacjo da vida so-Mal, ( en-
leude nao -> com dircilus pieexislenti.'S consli-
luiyao do estado, respeilada e garantida por ella,
mas ainda com interesses essenciaes da ordem pu-
blica. Para conseguir essa abolicao, compre pro -
ceder muito cautelosa c lentamente, de modo qw
era se ollendara quelles direilos nem seponbaai
em sobresalto os propnetarios ruraes e os (Me-
rcases nuini'gsis,iimui e legtimos que esli liga-
dos com os (Te-la iniporlaiiiissimaefasse da nai;a.
Cumpre que nao se eslauqoem, nem mesmo se uV-
unaui as fontes de pruduccao, e por cuusegninu'
da renda publica.
Cumpre em urna palavra, que nio vamos de
cbjfre alludir os lundamentus em que, ha mais oe
tras seclos, se acba assenlada a associav.-ao txasi-
letra. (Apoiajus.)
Se as medidas que se tomarem ou pretendereis
tomar para resolver o diliicilimo problema da
emancipa-jao forera pre .opiladas, se nao viereio
precedidas de meios indirectos e preparatorios, se
nao se con uniuiem com a opiniao da grande
pane Jos Brasileiros, receto muito que ellas sej^m
seguidas de grandes desastres, e quera sabe se.e
tremendas cataslroplies ? (Muitos apoiados ; mui-
to bem.)
Se a queslio, pois, ( de tal maguilude, se en-
volve una iranswrinatao social, o governo nao
pJe, nSo deve enunciar pensamento, nem indicar
medida que uao seja madurameale refloctida, qo
nao seja lirmada to dados esiaiiscos (apoiadosi,
que anida nos tallecem, sera estar convencido de
que exprimo a genuioa volita Je-nacional. (Mu.i-.
bem ; muitos apoiados.)
Joui nos pai-eca., a n>, lueuibros do govein
que, apenas acatada urna tierra que exigra e
exige anda tantos sacrificios, seja prudente ir
'inmediatamente agitar o espirita publico camama
questu muito lyais difflc!, cercada de
maiores perigos do que .a guerra do Paraf
(Apoado,*,; muitoi'hem.)
JNo quor. jsto dizer que o goyerpp.pao
,nao esleja prompio a, coadjuva: todas as
qbe tennerm a facilitar
a racimar, ou a aj^ressar.
d'esle aiiflkil problema nos. termos de que f
nymo M. da Silva, Marcelino Jos tiiKo, Jopa Ma- [ d1*. procurar resolve lo orcpiladamente,
i ano da Costa, Pascon Mara da wc^ica^i.'Wierinoinao.o faromos. (Multo nem ; muito bem.)
liano da Costa, PaScon ManadaCoacaic^o.I. Wie-in^AW.o farooios. (Multo bem ; muilo pera.)
gand, cabos Ismael Amerioo de Oliveir-a, A. dal ^.qUeltes, ,p iejn, Jue se j,*lgara lumliladps e
Costa do Nascimoolo, D. Guedes L. de 'Vaacon^aj-J.ttOio fm*c/i .us>-dfajlta para o. res.Jverera dina
los, Antonio Pereira Lima, R. Adni", R. .I*apa | ttiane,ra '"^ prompt
Gal vio. Amaro Ferreira dos Santos, Luiz. da Fran-^
ca, I. G. oe Smiza, Luiz Vic nle de A., Antonio,
da Silva Santas, Marcelino Xunes da Silva, F/nr,
cklln A. Rogerio, Raymundo V. da C su, JoaoSft-
veriao da Silva, 1 sargento Tito tla:~
Carvalho,-2 cadete Antonio da Silva >
nho, Geraldo Joaquim de Olveira, alferes
raira da SUva Guimaraes, o as preas Joao P. "Ba, favo me permiUe fot apiilbstrado
|ilKa fedro Miguel Ferreip, Francisco Lftgos .dab pea minha provtncf (gnito bem*'
Ondas, Jos, Francisco, Mara B. da Conceicao, a-,. \ Exyri
bo Dionizio Alves de Aran jo, soldado Anioniv M., Wr d
do Sacramaata' aaspaqcad^ do ba^lbao ty V2, a as ar|
vaUatarios da iiaiaja, Antonio Simplicio (jrreiri, siijJp'
. yaam.Antani*%es,Francise XivieT.Batiq1?!-,^ #&>
ta, CourenctjTeixeira Alves ae.Miraada,
Perraira Gomes, sua mulber e urna Iba.

atira-enta-
i 0>H
i saes lcito
os seus planos, snlraeUerem ."os a delitS.-
) d'es|a aust cama pr&sentaQtes da
lo (eem raiis dlrelto, mais autbrtdafle dece-
lo que o poder ffxeCutlv. (Afcpia
S4ncerlflMa e \
Ua que.,
:oes que o 1
I

I

v 1 1 y nviine, juo UIHIIIDI O lHIJiS WIIH. J|
Jos'Medeiros Correa, Cnrispim Gomes de Franas, reflexo
Joio Goncalves Pereira, Joaquim Pereira Mai, Na tribuna universal abta-se a concarrancia
Francisco de Salles Ribos, senlenciadd Joao de Me- aos planos sobra a re*usac.ao da grande idea : va-



Diario de Peiviambuco Terqa feiro
fel a iHifki'U
MMf do ei_lk>u*u -
tas, resguardados os inleresses da agrcultora, e os
direitus de propriedade.
i i i i_______________li-JJUUBB
s*t. Ksfjr^'M
rgidos ganha
tilico; honr
cando so
ahanflfi
as
del
t ti
eloscui)**as wwlo
HgCttflES PEMW.
O f)r. Pereira jeito de dr,
X confidente) m*i!ra d) flrv Pereira do Car-
mo permitid assegurar que, com poueo, o ti I asir
cidado e3tar restituido a farai.a, sociedade e
mistares humanitarios de sua lionrwa pfo>
e hbilmente di-
f iumplio scien-
liarlos que acer
trato, aeompar
fias do mal, re-
alenlas
serwcao urna
d'#ieN'>vibre. Pesta cidade aevoinatoni
.rodigadoe a* ft i'a-
wra de Carino aeto da eorporacSo qne eumoria -salvar mi
mmt' xftteneta preciosa, til societade, vma
jranic alma .' im ionre carcter.
O fitr. Pereira do carmo o com efT-in. 'Odia
.ncMltodmento desgranada, que enchen deslu-
acBndo, fai um di de lu!. A indiglacTi"
iljcapela agentada meMc.rava se con a dr e n
t4uurta naalla imsicark'ahi-s aexUv
' ..icrfetlmeate a.iibletus;: lo sangua, sobr
a n citme rao tantas virmaes oruaaaenUtu. Re-
Abndo motivo para a d> poblira, o t)r. Peroira
4acra ss*a resfttJalo tad-t a gravf|*J do
tcrioiento, r nbecia-sa Da vespafti J urna separafao eterna; e
ir sobre estes laoai n"i|.is de cdhd.deneia, so-
iire*tt' a tobfa intr^ld.i Niiniqao de que
dera mTistras'o Ilustre enfermo, pMhd- primeira-
eme a a.*oc:a de un padre <\.it *ile um nie-
ir.ti. Exm0fo snnhmsl
r.i:u ioeo vial am nos *Dr rirein 1.f Carmo tinNa a* sua< <=afc* a es-
cala, a calcada, Minada* or pessoas que conor>
riam i sahnr o staio da ilustre victima. Lente-
a de visitan tas, de *4aa a*cUes, misturavam
a asa dor na a da urna familia desolada qne
iw rdara sobresaltada an terror de um atlentado
sem more ato pro'tn o srnehife desvelad.. O*
drai ii'tarl'r.-s pa*>a:n-se mam agci-dade
palme*; emtam-so os nampes : tolo- piorem.
4r 9 aaf.ino ; *> o d.iwn ua to meiitent era
rapousn ifoa esforcosdas ami'sii que-se meu
per vnes indcliados pira preservar o enfermo
de um cor.taalo anaammpdo.
Si) labias jne repotem a mil, e tradiuem por
act'., as !)> imi-r-iu de cra'.ido qne devem ao
Dr. Poreir d Cini). O sea lei de dOr f''i ao
4w.smo lempo uai leiu da resignad c de gloriil
eaeij. bto dere levar a un familia, ainda mer-
jaloada aa nais arofunda aIHic\;o, o balsamo de
axma faavsatiii consola^o.
Os artigos de embargos a fls.
17 e 20 de sbril jproximo passa-
do e o mais oue -e tem escriplo
sobre o rouoo da jtadtrin da
ra das Cien Unhts n. 38, po-
zeram o Dr. grogrtu honorima
de BruxcUus cm tal estado de
passesso que o impossibita de
discutirrrentewnti ante ares
peilavel aScmMea publica o por
isso resolvemos pas-ar a ordem
do dia a-^ de desaloja lo de
argumentar a*tu tegisl'tro ra
Juca f estnmhii a causa,' e com
odlreiTo (i. dorrode casa...
Principiando pelas a'jsnrdas ratBes nos antos,
J.'t elfo que o tatleador estece c:n ten direito indo
?JCOi)'/d a Macei alagar n ana. E que o A.
o tdugou porque nao uuiz! E' a! onde pide
negar ojeyuinte do pedan!iunoc petulancia....
Vom'h po uso epralica. EYjjerai ospropTlela-
rtn.-, n.ii passam arrendamientos ai s mqnilinos es-
laiHeridos era sr.us predios. Julgam-so garanti-
das ce -i- ineawuJ (lauto veedade qne nao azi-
em li: mos permanencia uas pivdi- i oude a se re-
'ir.-m por venda, quebra on mor'-.
Os proprfMklfal nao podeni sonao por raeio da
-"impetente aero o indenini-nrao despejar os in-
quiiinos; ineni's as podarlas qne sao garantidas
em fus lugares, pelas posturas mudeipie" e lei
provincial de 29 de Jnrtho de I8"7. K tanto isto
veflUle que o aetual propriet iri) da casa quit
compra;- ao A. o forno e mais objedoa que compoe
a nadara, sen ffnvida por tamurias Jo salteador
(nao se responde a qnalquer d'atribe respailo,
foi n. i apruveita a questaoj o A. se contena com
* aii!a(o e jui/.u a iailnr, para quem esereve e
nada mal. Ora. ieni> o A.alagado a casa e com-
prado :i podara (-r otermedn do proprio Joan
4 castra o A. do priieaaM de qneixa Instaurado pe-
li tlteadores Mata-Seno de Mcedo e Jouo I.m
ptifit Artaa A Miara) procurador do intitula-
da dono da ca-a residente en Macei o qual eslava
vi m por coiacr os aliigiuus que se iam vencer, e
os vencidos, jvir execuco contra, a altiva de Joa
par nao Ihe as pigar a pinto U; dar cartas de em-
penios i salivador, p.ra os candosos da Macei
alagaren)-le a casa, tendo-a ellec alugaJo ao A.
como :ica din.
S i Ha aatatp de ficto alunada ao A. pel
(raasfereneta da padaria e ue direito pela iaterfe-
reoain do referido procurador do intitulado doao.
R-o A. garantido em seu astabefeermeoto a sombra
da lei, dono que^r.uit) ancli i diz o pessimo so-
H nista que o A. nao alugou porquo nao quiz ?
Qaantas vezes quera om alugasse t Onde vio lla-
gar s-i niBI casa com padaria cu Outro (ualquer
estab iipfi nenio fo mes no de inoradla) a prazo
memal'f... Kntao por se pagar o alagual a mez
sejfne--e que osse o praxo
Ai tratante, em um foro, bem organisado, e
que a lei nao fosse letra marta nao a dovulganai
ai vi>;:i das tratlrancias praticadas. sumindo e
pietmanja autos, eacr^gando para o Brejo d'Ara
lm o 'vu'trgoso peculio de muitos inlelizes escra-
vrti ,|iie aortaraal nosvo-sis falsos sofismas de
liberdarte... Bo leu cnnstituirite ( digno da iros)
-' i-i i na gnlheta espiando seus erimes, nao te
eaiaria inchando a larga gue'-l t 0 dando samias e
mtracaj* e se einburracliaudo comtigo e mais
rompan-a- a cn*ta do bastalio Salgado (que em
lugar d empicgar a fustiga de Piumado guando
u via airaicoa'd e roubudo por semelnante larapio
audaz, tlese du\} diz l direi eu) em regosijo
de ser confirmado no rouba escandaloso nunca
visto nc-ta cidade, sem se lembrar que a primeira
cansa assiin foi decidida. K nos embargo? qoe
ji aVeiale arrestan orno reeonheeeis as razT>es
.vil-ii-ia os ha de iHnminar para nao com-
uetterem semelhama mjastica.
{Continuar-se-ha)
I Uta dafiinna Siarei Gnroarie.
Iiasar Pinto de (i uves.
1 faaquim Uaarte tlam
Atitonio Jystj da dsla A'Muja.
Mapoel daOosta Cordeiro Lima.
Jlo Alves Machado. *
Manoel Joaquina "Pereira.
Mordomos.
Oalttu Sr* : )ht Antonio df >taw.pijyejra.
i >o; Uap~u di Moraes.
Adiiaoo Xavier Pereira de Brito.
Saauol .de Olive ira Mau.
aite Tibureo Valeria,ao Baptiza.
Gaudido da Silva Guinores.
Antonio Joaqoim Farnades.da SHv*.
Antonio de Ahreu,QwltloBranco.
Antonio Alves Pinbeir. .
Jjaquiqi de Oliveira Torres.
Manuel Jofe do Oliveira Aiereda.
idap Flix de Mella.
J i- Xnaes da Guaba.
Aurelio das Santos Uoimbra.
lose Mana Fernandos.
I>s Maria Furreira da Cunta Jnior.
J-iaqnim Nii'j TerteiM.
Domingos Jos Ferreira Jnior-
Bernardo Alves Pinheiro.
Jijs da Costa Bispo.
Ilordoma?.
As Rxw*. Sras. !
D. Maruejiiaa Couelgl) Huuiz ie Moraes, ei
posa do lin. Sr, loaoBaptistt do Moraes.
. J'.aun* *lli. de Ojrena Garvaiho, esposa do
Illa. Sr. Jjflqan Antonio de Caraalho.
Q. C-.-liaina Coelao Ramos de Oliveira, espora do
Uri). Sr. Jos> B*-m Ramos de Oliveira.
. Rita Mara Pire da Ganda, espoaa do iltm.
S. los J laquim da Cunda.
Agua Florida de ffiur-
ray e Lanman.
.'uicirarnenie dilfrento generalidado dessas in-
tituladas aguas de cheiro e extractos de esserieias
para o tocador ; as qaaes nao sao mais que me-
ras vssendas aromatizadas ; este rieo e delicado
perfume um cosmtico excellente, e ao mesmo
lempo possue aJieeessara virtude de servir como
um grande remedio externo.
Diluido n'tim portea d'agna pura, torna-se ama
excellente e agradavel lavagem para a pello, re-
tnovendo toda aspereza da pelle, maculas, erup-
rocs, cnjplngens sardas, etc., transmittmdo em
seu lugar urna clara compleicao, rosada e linda,
macia e formoza. Applirada testa ou fontes, des-
sipa dores de cabeca, previne desmatos e verii-
gens, dando urna nova vitalidade refrigeradora ao
espirito ; empregada come urna lavagem para os
denles e o rosto (quando diluida em agua) da
urna aromtica fresquidao sem igual, assim como
serva da suavisar e mitigar a ardencia da pelle de-
pois que so baja leito a barba.
COMMERCIO.
PACA DO RECIFE 23 DE MAIO.
DE-1870.
AS 3 1/2 HORAS HA TARDF
:imbio aoarN Londres yo djv. 22 5|8 e 22 3|8
par isnflO (sabhado).
Dito sobre dito 90d|V. 12 3|8 e 22 l|8 por l
(lio je),
^arabio eebre Paris90 div. ill) rs. por franco.
Cmbio sobre, o Rio de Janeiro 8 djv ao par.
Descoalo de letras 9 OVO ao anno. 65
dncaHa Jos Affonso,
Presidente
A. P. de Lemos,
Polo secretario.
ENGLISH BANK
l)f Rio de Janeiro Limited
D&cojta lellras da pratja taxa a con-
'encionar.
Rpcebc (nheiro em conta crreme bis
I raso fixo.
Saca vista ou a praso sobre as ciade
?rlncipaes da Europa, tem correspondente.'
h ftaaia, Dnertos-Ayros, Montevideo, New
} Ncw-Orleans, t eraitte cartas de crdito
Dar os raesmos lugares.
HUA DO COM.MERGIO N. 36-
ALPANDBGa.
endimentododia2a2l. 860:185*7-li
dem do di* '2.; 4.836,>082
907:121*811
MOVIMEJSTO DA ALFANPEGA
'oiurae? entrados com fazendas
Ideat idem com generes
/alomes sahidos cora fazendas
dem idem cao generes
43
184
____227
459
8
494
Descarregam boje 34 de mato
Brigue ingiez-^lrp Agn ferro.
Barca >ugiezaAedbrufmercadonas.
Brigue pertuguezJuliomercadarias.
Brigue ho'landezGonlhart farinha de trigo.
Brigue italianoPeito Eugenio mercaduras.
iECEBEDORlA DE RENDAS INTERNAS GE-
RAES DE PERNAMBTCO.
lendiraentodo dia 2 a II 48:053*796
dem df' dia 33....... 6:010*100
51:CG5JS96
COSLAO PROViNGAL
Ueadimealo d dia a 21.
Idea do dia 23 .
78 9383? 30
G:G33.o.)i6
85:5743276
ELEI^O

a>AHE*\ ut:r,Knqn.\ da imandade de nossa
ipil* D\ rjr*i:K|C* DA WRE/A UA (N-
'.llE'iAlOPAIIA O A.NS0 DE I87D A 1*871.
Juiz por rleiQao.
O Ulan. Sr. Joaquim de Souzi Miia.
fuiz por devoejo,
O Illm. Sr. Gregori > Paes do Araaral.
Juiza por eleJo.
A Esir.a. Sra. D. Candida Mari Gomes de Gar-
vaiiio. esposa da Illm. Sr. Bprnardl.no Oomsde
C. rvalho.
Juiza por devogao.
A Exjna. Sra. D Isabel Xana de Vasconcellos,
esposa do Illm. Sr. Antonio Joaquim de Vascon-
cellos.
Esrrivao por elelco.
O li.ifi. Sr. los Jaaquim Barbea daSilvi.
Eicrivao por devogao.
O Illm. Sr. J>rn;.r lino Ja Suva Campos.
Esrrivia por eleicao
A Kxma. Sra. D. Raymon'da Ursulina dos San-
tos Alrfi ida, esposa do iliui. Sr. Francisco Baptjs-
ta de Almeida.
Eseriria per devogo.
A Kxma. Sra. D. Praneisra Luiaa de Mella, e*-
^fosa do Wm. Se. Antonia F.lix de Mello.
Tnesoureiro.
O Ulm, Sr. Joannun Upo da GosU Maia.
Procurador geral.
O Illm. Sr. Viaumno Downgues Alves Maia.
Procuradore*.
Os lilms. Srs.: i
Jos Rnflo Cntco da Silva.
Anaaoio fieafabrts de Barro*.
Ot'lllau. Sra. ***i'm-
4noaiP AgHto do* iiMo orto.
Alenao Lam* Jeapc^aJ.
MOVIMENTO DO PORTO.
Navios saludos no dia ii
Rio de JaneiraRriguo brasileiro Isabel,
capito Jos Marques Vianna; carga assu
car e outros gneros. '
Rio Grande doSul.Brigue brasileiro Unido,
capilao Joaquina dos Santos Souia, carga
assncar e agurdente.
Havre.Barca franceza Jean Baptista, capi-
tn Bojean, arga couro e algodo.
Lisboa Brigue portuguez Bella Fique rente,
capito Sobrinho, em lastro.
S. ThomazLugar .sueco Anna, capillo
Hulralilad, em lastro.
ParaliybaLugar inglez Linn Fern, capitSo
Selkirk, em lastro.
BarcelonaSumaca hespanhola Amable Do-
lorest capitao Pablo Gorina, carga algo-
do.
BarbadrjesBarca ingleza hssie, Scott, ca-
pitSo Le Mussire. em lastro.
Observacao.
Nao bou ve entradas.
JVoctAi entrados no dia 23
Rio Grande do Sul 33 das, patacho bra-
sileiro Pailita, de 17o toneladas, capito
Jos Antonio Marques, equipagem i,
carga 9,000 arrobas de carn ; Rezende
d.C.
Liverpool porL'rsba21 das, do I9 porto
ti do 2, vapor inglez Pascal de 1215
toneladas, commandaote John A. I'euy,'
equipagem 45, carga fazendas e outros
gneros; Satinders Brotbers & C.
flTflrio sahidos no mesmo Ha.
BarcelooaPa cho bespanbol Beliutiio, ca-
pitSo GewMo Alsena, c^rga algo lo.
BarcelonaPolaca hespanhola fhtweiina,
eap'rfio Francisco Maresiaoy, carga algo-
dio.
es"

EDITIS.
uno, ''>rp|ieudi<)aa aaa -
,nnT)
i!e [>&), as sen djwtfUiidpwmalario devero
J sii.icb.i-1
findo elle serem vendido pa/ aua ooau; stiu quo
Ins fique competlndo altejr contra o* Henos
desta venda. ^
Marca M F na. Ilflfl eJ200, Joas barricas con
queijos, vindas d Hw naibarca franceza Mit-
ro Andr, ontradf enlfcdeTRiho de 1869, cansg
nadas a H. Nunpar.|
Id&ra C T F s numero, I barrica favas pe-
chury, idem na barca francea Fgaro, entrada em
10 de agost.' ; a A. Caers.
dem JJ W U & C n. 800, dnzentas eaixas com
vinho, Idem no britfie irnt^Mf, entradas em
O de dexerabro ; a H. WMliqnar.
Idem P A B 4 C o. II. viole barricas com cas
tandas, viadas.de MaraeiUe na barca franceza Au-
gustin, entradas em 21 da Janeiro do crreme an-
ao ; a E. A. Burle di C.
dem V n. 1031, trinta e dbus fardos com flos,
dem, idem, dem.
ldtm 11B M ns. 102 e 103, dnas eaixas com
Dofce'anas e viudas do Havre na barca franceza
'Coliaiiii, entradas em 4 d teverelro a Berevfel.
dem U B D R ,3MJ 8 l3W> *n,s barrica?
com,porcelanai Itfen.' f"1 *'> aM' Barroso de
Meq.
dem J C B & C ns. 239 lu, dual cfllxa co.n,
vidros e.anua do vichy, idem, idem ; Joo da G.
Bravo & c.
dem *il M n$, 9Go 7 duas narficas'com porr
celana e vidro, idem ; a Bereve.
dem H I F G V R ns. 1 e 3, trtenla caixaa
com vintp, vindas do Hatr ,w barca franca*
Alele, etflradas'em 17a H. L'irer.
Sem matea, os seguintes objejtos, eutrados para
o armazn n 32 de junho do atine prximo pas-
-a'la perteacaiilts ao capito da navio inglez
Colema, 23 carnizas de la azul, 4S ditas da liaela,
0 ditas do lia branca, 33 ditas do algndo aznl,
4' cuijas de dita, 44 JUasdo castor liranco, 9 Ja-
quetoes de baeta azul, 8 japonas, 22 pares de
metas de la, 18 eapotes de encerada, 8 suestes e
II pares de sapalas.
lfanifi^a de Peinambien, JOdeimio de 1870.
O inspector interino
Luiz de Csrvalho Paes de Andrade.
Sr *^
rece
e o vap
arcada ni
Dos purtos do norte a esparada
at o dia 29 da correte o vapor
Guar, oommandante. o capillo
tenenle Pedro II. Dnarle, q qnal
depois da demora do costunie
Joder i*nd|zir,la ful devera
-----iade-siaciega. noommeii-
iasedinheiro a fret taida.. ; **v;r I 'ff r
Nao se recebem como encoTtmends seno ob
er^s de perraeno Valor e que BSo'wtcedarn a dna
Tobas de peso on 9 pamios ciiblcos de medielo
rudo quepassar destes lmite fle\'er 3er embar-
cado como carga. '''#
Previne-se aos sanbores passafeiros que sna?
passagen? ?6 se rneenem' na-agonehi.'ras'da Cruz
o. 37, 1 andar, esciiptorto de Antonio Luiz de
Oliveira Azevedo A G. "
d 100 barric s com batatas n-
tX>MPANUA 4>BHIi\M/3CA,NA
DI
**yega$S etsfe!Va por vapor.
__ Goianna.
*Wjr O vap< r Parahytiq, .soguif par,a f
^Vl4 l'orto acioia na dia '2C do correnta.
MHMB asPhofasdanaite.
B-.*ebe ciirga, oucomnwndas, passageiros e di-
ABetrca Irele qo escriptoio, do Fyiie. do-JIattei .ing'ezas as melhores que vem
n. 11
DEGLMMOES.
Pai o ? rto
-
\va sar a galera portasueza Tentadora da qual
convenante milito eenlncida o acreditado
capital K'oSidio Joi da-Olive ira ; recebe carga o
passape.ru>> tratar con as caosignatarios Car-
valho & N'ojnk^ra, na ra do Apollo n. 30 ou com
o Bicsmo capik'1-
lar, I cabida SJS 9tPui^iL^aTiQTS.. t wp[? dn
amarillo de tvr*; jrrw.ntba dr rostiir. f idbwn
para relraKg^^i^JMbjt, 2^)iren^yle ffjigj,
e <>'i" jUl|O^Ba^Bd^Vi>^pH vits
outros ubjecfll^wt^^^BteiflF no auto!
leilao bem comoJIricaBMfiio de onro para
gibeira pat.f| aia^K
LFLi0
De um carro Dogcsrt cok arreios e um
cavalio.
HOJE A 1 HORA.
Por mtervanc>< do agente Pinto, na travessa
de Jq.Io FernndeV \Heira por accwio do WlSo
d movis-, 99 A
glezas.
Floje as 11 horas em ponto.
agente Pestaa far leilao pbr conta e risco
de quem pertenrer.de 100 barr.ps com batatas
inglezas as melhores que vem a este merpado e
Ser*) vepdida* em m o ni* 1)'^ : iioje as 11
horas da manli.li,' n p jfjta ao |i'ip|n d* Sr.
Gome defronte da rstKuifaha.da nlCtndapa.
LEILO
.
fecbar con-
Santa asa de Misericordia
doRecife.
laiaheiro ft vi s a
A lllma. junta administrativa da sania casa de
in>erieordia do Recife, na sala do suas sessoes,
'elas 3 bur.-i* da tarde, recebe propostas para o
aniwinieflto dVttssucar que. aonajaem da eoasu-
tnir os estabelecimontos pios seu cargo cesta
cidade.
Secretaria da, Santa Ca-a de Misericordia de
flecire, li de mala de 1870.
Pedro Rodrigue* de Souxa,
_______________ Escrivao._________
Depew ila andieneia ra juizo ae paz d;i 're-
gnezia de Santo Antonio, iiaa em prajj|i por ex?-
cueo de Antanio Fernandos de Pigueiredo Paiva
contra Gregorio Neseaseno Baptista Dnarte, os se-
guintes hens: 6 cadeira* de armaeo de amarello
avallado par 32-3, 1 canslo da mosraa madi ira
p-3r IOS, 2 banqoinuas de amarello. por 8, 2 apa
radares pr 8jl e l armario pequeo igualmente
de amarello ar 8.3. E' a ultima praca no dia de
terca feira ? do irirrento mez de maia.
Pela feoebcdria da tema*, internas gerae.-
se faz pablioo) que nete n-rrento mez de mafo"
que se li;la o prazo em qn os routribuintes do
impoti pesaaal, relativo ao segundo semestre do
-xerclcia carrete, entre os quaes ?e comprehen-
dem a- e uuregnJos pubheos geraes, provinciaes e
mnnicipaes, teem de paga-lo bocea do cofre e
livre ue iiiolta, e que findo referida prazo, ser
cobrado com a multa de 6 por retto.
neccb-.'doria de Peruambao. 2 d : aio de 1870.
O aduiiatslr idor,
Manecl Cmneirn de Souza Jicerda.
U inspector interino da alfandega faz publica
a qoetn rateressar i >ssir, cpeeinlmente ao com-
mercio, que 38aiter.ets l'eit:.s na tarifa das al-
f.indegas, pelo decreto r. 4i9f) de 2 de abril pr-
xima 'paisaje, prineipiatfi a vigorar da Io de
julho vinlauro, mediante come dispiie a circular
n. !) de 22 do referido mez, deven Jo continuar a
ser observado o dispostj na circular n. 1 de U de
Janeiro desta auno, a respeto da cbranra dos
dirfitos da earn se_ca (aliar,pn-j "0 baealho.
Alfandega Je Pernambnco 1! do malo de 1870.
O n^pei-ior interina,
L de C. Pie; de Aorad*
Para o referida ^.rto pretewle seguir ta brendade o patacho partugue iVora Sorte, por
ter a-m^inr parte dt.nett aarragart' la tratado, e
para o pone* qua fte-'fta, jn recabe a frete
coiuniodo, trata se co-,n o consignatario Joaguim
Jos Connivs Beltrae, roa da Cammercto nn
mera 17.
CliMPAlMflA PERN.\MBUGANi
I.F.
^iaveffafSo eostelr por vapor
Parahyba, Natal, Mario, Mossot, Ara-
caly, Cear, Mandah, Acarac o
Granja. .
O vapor Ipyncm, eommaadantt
Muura, seguir para os porto
_ cima na dia 31 da currenle as ahora:
la larde. Recebe carga'at o da 30, eocom-
nendas. e passa^efros e dhrttelro a frete at a?
! horas da tarde do da da sabida no e-crlpto-
rio y i K Pe 15 eaixas corjl sebolas pira
ta de venda.
HOJE.
O agente Pestaa far leifo de lo canas com
arbolas : haje as II 1|2 horaa da manlia no ar-
mazem dn Amias defirinte da alfandega.
bora s.
^
Crin
com isa
h. 33, f-ir.>
penhore.* arara da
aJxmSLisswWf
.fcWido
InfeJfcn-enra
titirv
veocao
do agente Martins, uo da 3 de unbo aj 11 ho"a<
do dia, de todos os oMeclas' oaffr em penhor
cnn"teies da eanWas *8. 0 !* 1-3-jB, 161B,
IRi B,IB, IO-B, 171 B, I7V5, 148 B, IttB,
191 R, 194B. 104 H.201 B. 20B.21G B, 328 B,
22) 11, 210 B, 234 B, ?37 B, 238 B, 110 U, 113 B.
78 B, 253 B, 255 B. 187 B, 261 B, 284 B, JG9 B,
4 B, 278 B. 283 B, 592 B, 40afi. 2M',B^^B,
302 B, 249 B, 303 B, 305 1), 31tB, 313
m ft 219 B, 321 B M% *i$ B, 329
32*. 7o, 6,'34, 82, 71; {'0,64, 93, 59:
06, 114, II, W, 102, polendo seds dottoa -naga-
lar os objectos ou pagar o prcmk' 'tjue, eMao de-
vendo at ao acto do leilao o a vista di ajala.
AVISOS DI

Mudanza.
_ O Dr. Caniliao frfpcica de lama Santos mrt-
iiiu sua residencia e can.-ulttfjo para ruada
finiierador a. S, t andar -do sobrada cujo arma-
W eonaarva ainda hoje o ame da Alianea,
eudo a entrada, que pelo lado da ponfo Keie do
eteinbra, o mesmo numen ,??, da lr>m. Aht,
continuando o dito Dr. uo ejercicio dj sua pru-
ossaa de medico e de operador, pode ser procu-
rado a quulquer hora do dia e da noute.
-
de sebo de Jiieno-^yres.
A 09 do correoto.
OcipitaoH.-S^puMi. di brigue norte allemaa
Augusto, far lofiji') par intervengao do agente
fdliveira e conta *}fcco de quem pertencer, em
presenca do -SHa. 9r. cnsul da Confedera cao
norte allemiaerta Klade, precedida a co.n po-
tente autorisafia da alfandega com assisleecia
de um empregada fiscal desta 1-.parti5.io de urna
porco ibsetjn em pipas emeias pipas mal acon-
dicionado segundo exame dos peritos e que fazia
Sarte do carregameato dn dito brigue procedeote
e Bueuos-Ayres com destino a Kilniou/b.
Quarta-ffir.i
aa meio alia era ponto, ao armazem. alfandegado
da Bxm. harSa do IJvrament ao caes "do Apalto
Kio-Grande do Sul
Prepara se para tahir enm a possvel brevida-
de o patacho Cgro, por t*P a maior parte da car-
ga, p para o resto que Ihe falta, trata-oc enm o
consignatario Joaqn m Jos Gonsalves Beltrio :
ra do Gooimerciu n. 17.
CUNPANH1A HEHNAMWJCANA
Vavega^o
w
cosiera
vapor
por
MamangnpA.
O vapoc Cttrnripe, commandantfc
Silva, seguir para > porta ae mano
diafft-do corrate as 0 horas da
:arde. Bcefce carga, etcommeidas, passagei-
r si- diuheiro a frete at as 2 horas da farde
lo da Ja anida : escriptoro 1.0 Portn do Mato?
a. 12.
-Para'.
O brigue portuguez Ctele saldr com brevida-
de, para o r?sto da carga tratase na ra do Vi-
gario n II Io andar.
CAQGA. '.
O navio Pielro Eugenio rerbe carga para a
Itihii a freie cammado : para tratar com E .A.
Burle & C.
lili SIL
fVIa pre-ente se faz paotuvi a quem in.era--
sar p-j-sa. que a Exaia. MnMma do p;lieia dn
assemMa provincial, 'intrata a pnhicacao des
nebafes p. dos annaes da mewn a? -embla, do
biennio futuro de 1871 e 1872 : os pretendentes
apresentarao snas propusus em carta fechada nes-
ta secretaria at o dia 30, as II horas da manha,
era que se procedet a alertara das mesmas
Secretaria da assembla pruviucial 19 de raaio
de 1370.
O oficial maiorj
bf/l Cardaso de Maraes "anseca.
Ue irdom do film. Sr. cuiiselheiro inspector
da til suraria de fazenda de.-ia provincia se faz
puiliso que Undo havwo engao em marcar se o
dia 22 Jo crrante p.\rj. arrea.alaeaa dos cancer-
tas de que precisa a ponte denominada Sele de
Setembro, lia 1 a mesma arreinataa. transferida
para o dia 23 de?te mesmo mez.
Secretaria da thesouraria de fazendi de Pernam-
buco 20 de maie do 1870.
Servindo de offieial-maior,
Manar! Jos Pinto. _______
Vai a pn';a perante a Sr, Dr. jufat da *
vara Qo ia a andienc:. o sobradioho n. 7 da tra- .
vessa Jo Ciri 1-;. qnem no mesmo quizer lanc>r desde ja enganja a carga a fre;
ra o referido porte Sea pwnpto reeober
carga a ffete o pataetra portugnez Racha, navio
novo e de primeira ctrae : ira:audo-se coai os
consignatarios Amarim Irmaos 4 C, roa da Cruz
numero 3.
Rio de Janeiro
Para o referido porta pretende seguir com mu-
ta lirevidr.de o patacho rabe, portor a maior par-
e da carga tratada, e para o re-to que Ihe falta e
escravos a frete trata-s noJm JosGoncaives Beltra, roa do Cammrrcio
n. 17.______________________________________
Aracity
Seguir co'n a pcsivel brcviJads o palliabote
Sobralense, ainda recebe atguiaa carga a frete : a
tratar com S Leifa Crnes, ra da Madro de
Deas b. 1._______
Para Maraaho
A barca porlngueza Jnsejthma, yn> e.-t a che-
aar do Hia de Janeiro, ri'aii !e sao..., -. guir
para Maranhao cm toda prest'-sa, para o que
a barato : trata-se
con.par.caas II h Tas na salladas audiencias
i|ue achara o escripia em mo do porteiro.
THEATRO
GTMUASIO DRAMTICO
(No Monteiro)
SOn A SIRKCC'XO DO ARTISTA
OUINTA-FEIRA 2 DO CORWESTE
BENEFICIO
Manoel Ta vares P. Porto, pon-
to c machiaista do t teatro.
e de otitro artista.
Subir pela 4' vez ccena o magnifico e sem-
pre applaudido drama sacro de grande apparato.
GABRIEL E LtSBEL
ou
OS niAGIES 8E S. AWM0
Terminar n espectculo com a representa-
cao do espirituoso dialogo fnebre:
0 salto de Leimaif
do mimoso poeta Joaquim Serra. pelos artistas Ba-
ha e Peregrino, que de fcom grado e prestam a
trabamar.
Os beneficiados sondo esta a vez primeira que
recorrem so genero? pobhco desta cidade, esp-
rala merecer toda a coadjuvaco no 9eu espect-
culo e desde j agradecen).
Ha trem de ida e volta.
Principiar s 8 horas.
AVISOS MARTIMOS.
com Marques, Barro & _.
Santo n. 6, 3 andar.
no largo do Corpo
LEILOES.
LEILAO
de 45 barris om'yiubo verde
do Porto.
HOJE.
O agente Pestaa far leilao por canta e risco
de quem pertencer de 45 barris ftni vinto verde,
vin-ws do Porto no navio chegado ha poucos dias
eserao vendidos em um ou mais loes : te^ja-fei-
ra 24 do correte as U horas da manhi ao ar-
mazem do Annes.
-T-
ie movis, loo^a. vidros e um
carro ^nacrleano re 1 rodas
para tel pessuas.
tpnjpfB fTOrnalio e terreno, cbos pro-
CdNTEXDO
Um piano, mobilia, machina do costura e mais
pertences de ca de tamiiia.
IIOJK
Na travessa 0e J_u> Fe/napdpji Xfetfa.
John A. Thom tenda'de rewar-se pura Eqropa
far leilao per nter.^Blco da agente Pinto dos
movis e mals'ohiertds da cala de sua residencia
n Caminhb .Novo 11. -- 9a_3__Tr _
O leilao prineipiara as tOlmra. *'** Ll^
cinarta. feira *5 do cor rente.
1 00 pares dt*orzegu*r_ de ^ezeno pa-
ra be-oera, 7i ditos ditos pata senitora
enfeitados, 19_uzas ditos para meninos
enfeitados, G caoVfm PrieDieii
O agente Pestaa far leilao par e nta e risco
de quem pcrUncer das merca Jaras cima men-
cionadas as quaes sero vendidas em lo es a voo-
lado : quarta-feira 23 lo correnle as 11 horas
da manhaa no largo do Corpo Sant* n. 0, no cafe"
commercial.
LEILO
ile livros de litteralura, philo
sophia e tJireita dos melhores
e mais afamidos autores, co-
mo ^ejam :
Dederot, Kosseau, Bentham, Lamartine, Fe^al,
A. Dumas, E. Scriha, GuizotLamenais.Aim Mar-
tiu, \V. Scott, Vbltalre, CasWho, Mirabeaux, Wu-
tarque, Michelet, AncdUon, Tiers, Sch espeare,
Ponqii'ville, Butrn, Kant, Seliclling. Cbarm, D11-
oin, Ahrens, Haabaiel, Dncurrroy, Bae n,Oitalin,
Montesqoieu, Janffray, Pereira A Souza, P. Huena,
Crrela Telles, Marlin. Bacen, Ferreira Barge,
Lonrrir. rir. Baptisu, Rogi-on, Pardessus," P.
Boene, Troplong, W'alderk e muilo" antros.
Qoinla-feira i de junto.
No 1* auiar do sobrado da ra do Vigano n. .5.
O agente Pinto far leilao precedida a compe-
tente autorisac^o, em lotes a ventade dos com-
pradores, Mes livros de direito, liueratnra e phi-
losopbia que p+rtepcerain ao linidi Dr. Feitosa, o
leilao ser cfTetoaiu ru dia e lugar cima men-
cionados
Prinripiar as l hars em ponto por serem
muitps os Iptes.
~LELAO
De 10 eaixas cqm 480 machadintm, 72
ps de ferro capo longo. 30 pechas de
lona, 3 coras de cepo de ferro, 2 an-
corles di'.o, divtrsos cabos de ar>rae, t
amarrai de ferro cora 1 0 traca* rada
tuna, diversas correntes tinas, moites c
i-nif rnae, aguihas, 4 bilacula, 2 eaixas
cun boticas, ogao, 12 lerooa de ferro.
O agente Pestaa far eili por cunta e risco
de qucu^pcricnaer das objectos acinu menciona-
dos, (iuirita-Teirs *26 do corrente pelas 11-horas da
mauhaa no amazera dos Srs. Tasso Irmaos em
fredo aponte de Sauta Isabel.
Que o Ferreira Iratonea pichincha, de tantas que
tem tido os feusantigi'S fr. guates nao tem dado
lugar a se anuunciar. mas tiesta vez qac a porco
e grande, elle qoer servir aos seus novos fregae-
re, por isso est vendendu.
Para feto
Borzeguins francezes panR. seijhora, cana aho e
gaspiadas a 6000.
Ditas regulares com gaspia a oOO.
TaiDbeni ha de cores, mas cooio existam entras
qnalidades de colead is que seria-Vnfadoaho men-
ciona-los por is;a sse limita ^ns pretw : narn_
1I0 Livramema n 37, jumo a iereju, aja du seftrado
de varanda de ao_______
Para cariado 011 ijual^ner onlro estahelt-
ciiMDtO
Ahiga m as lajas dj sobrado n. 8 da ra daa
Trinchtiras, ande o finado e-a ha 1 Malta tete rar-
toflo : tratase na I andar do_ mesma soliraflo.
Na na da L.-.perainz, rasa n. Io aadar,
ha para alugar-se orna escrava.
Ama.

Precisa-se de tima a na para cosinhar e eom-
prar, preferndo-se t.^crave : fallar na ra do
Alecrim n. 10.
pp-rsa-se de ama ama
cisco n. .li.
na ra de S. Fran-
Desejand" se fsnar eum o Sr. Antonio Ma-
theus Fernaiid>;s Di, pede se ao mesmo senhor
para mandar indicar sua re>idencia ru do Brum
n. !)6.
Far
o
1
Aute-hontom or vahas das i horas da tarde,
fui fnrtado ile cima d> 'alt.i da luja da Boa f.mia
urna nota de 100$ per um moleque qua se acna-
va presente : raga-sea quem a tiver apprtheadl-
ia, leva-la a mo-un >a me -e reconipinr.
Fugio no dia 18 (teste enrente me?, s fr-horas
da nouie. a osera va. muala.-de naipe J.wrp.'rt.
baixa, --0r escara, cat.ell.is earaidiihas, ora re-
donda, uibvs empapa ya Jas, naris gruyo, Braroe
grussos dous dente- 'de frente atran' meio dos ditos denles nm padre, pe? diales, os
dados coapldos, os caleanhares flngindo amas
raciadnra-, r. proienta ;er 19 anona, Moa vi
lid" de chita escora, chalet de merino estampa-
da azul, nao ac jstumada a aniar na ra, e por
isso k ta que fosse seduzida por alguem e eslea cecal-
'a em alguna casa particular, e desdo j protes-
ta contra quem quer qua assim proceder : pir
taoto roga-se s rutoridal s policiaes c capites
de campo a caplur.vda p'ferida escrava, entregan-
da-a na ra do Imperador 11. 19, 2" nndar t;ue
ser gratificada.
LEILAO
De 30 eaixas cem frascos de louico para
cabello de Mr. Jysr, 4 eaixas Qom gar-
rafas de salsa parriiba de Mr Ayer.
Quinta-feira 26 do corrente.
O geme Pestaa far leilao por conta e risco
de qiem pertencer das mercadorias cima quinta-
feira 26 do correnle as 12 horas em frente a pon-
te de Santa Isabel armazem dos Srs. Tasso Ir-
maos.
LEILAO
Do sitio denominado i lees aa ra de Joo
Fernandes Vieira o. 4, com ama grande
casa de um andar e sotSo, com militas
accoaimodacftes, quartos fora, coebeira e
estribara, cacimba com agua de Deber,
s.
5v
na-frii-aui (leint}ii> aa> H hems.
Por intervengo do agente P nto, em
cnptorio ra da Cruz n. 38.
seu
es-
,.--~-'
O nmeelor interino da alfandega faz publi-
co, que existindo no armazem n. 6 os volumes abai-
xt) declarados, no caso de serem arrematados para
LEICAO
de movei?, louc^ e vidros. .
Soudooma ruoam* da jacalaai constando Se
18 cadeiras de guarnicao, i _Us do rayos, 4
censlos e 1 sof, 1 rico pian novo de Jacaran-
da cora cadeira, 1 estante de amarello envi.traya-
da para foro, 1 gu4riU.u_p* da amarello com
lente de raz, t imporlauta aparador de amarello
com pedra marmare, 1 guarda lou^a de mogno,
1 rande me a elstica de amarello com 7 Uboas,
l uatbete dp aroarelle com pedra, 1 annarador
Je columna, 1 9of de Bmarelh), 1 marqjieaa de
carga dito, 23 cadeiras de-amarello, 1 mjrquezao de 01-
tiric. 1 commeda peqnena de amreHo para
guajfdar papai, .1 Importaote telogk de parede,
1 cadeira de broa dp Jacaranda, 1 grande
Liverpool ktrasU dk I* i ver Pate
MafUlfeajne's.
O Tatfrjgfifoir, df|,K00 tonelada?, nnej
deve cO%af o ^io de Jandir. e Bdiia de 26 a'
3Q da corrente, f)g (jai desearregar a '
que traz para ete portu^egnr para
Liverpool.
Para frete en passageiros tmta-se co n
ders Bromers A C^praya da Cerpo Santo n. II. te.quasi novo para forrar sala, 1 dito'paj aTA
Ai accommodafles para passafeiros aaia i- 6 ditos menoraj, aapennas, jirros, caldngas,
I appare!ho donratiO' para cha, ton^a aittl paqapar
0 Havre e
Saun
cellentes.
Das casa* terreas da ra 4a Santa Cruz ns,
(ii-e 6tJ e (^otovello n. 2, edifica|as em
cMcrs prnprins'cnm Tan.le quinal mu-
rado sendo que os fuqdos da primeira
da"pjr os fondos da casa da na do
Cotovello, com portiio.
Terca-feira 31 le maio as 11 horas.
Por .terveoeao do agente Pinto, eni seo escrip-
torio ra da Crnz n. 38.
Da ees terrea da roa da Gloria
m chaos proprios.
UOdHa,fcai ,daai-n-ta
n. t edlacada
L 20, ca de 63-
roa a. \x, citaos foreiros.
iBadiu u roa dos Pureras, n. 40, chaos proj.
pin
D-se um cont de res a jur;s sobre hypo-
theca : quem precisar dorija-se ao entrar da Ca'a
Forte, na estrada do Chacen, a fallar eom o em-
pregado.____________________________
Precisa se de una ana que _ozinhe_e en-
garame com [ierfeiyao : a tratar na cMayo das
Cinco Poutas, com J.-aquim Domingues da Costa,
paga-se bem, agrad.nda^______________________
mu
Esta substancia, sen lo ewtie os medicament'js a
mais efflca come aoesth .i;\ hypnotico, sedativo
a calmante at agora canhecida, cujo effeito Coi
descoberto pelo lente da Univenidam de Berlin
o Dr. Osear Liebreich, re;omnendam Peckau &.
Davel a todos as seotiores redicas e pharinaceutt-
cos quo se qneiram muir de la i importante como
precioso medienment a riingir-se a nossa casa
no Hio do Jainio, roa reita n. Bt% por ser-
mos 03 nicas agentes ao i:ap-.rio do llrasil como
prava o documento abaixo :
O abaixo a-sigu do deeara que os Srs. Perkott
& Duvel, com a pharmacia imoerial e dngaria
no Rio de Janeiro, na Diraita n. 59, sao or
micos agentes no imperio do Brasil para vender
o Chloial hgdratado; preparado pela minha re-
oeita e com a minh garaatii da pureza e effi>a-
cacia da oreparacao, ft nenhnma outra pessoa no
Brasil est autorizada _ar do meu nome para.
esle lim.
Berln, 28 de fewereira de 1870.
Dr. Olear Liebfet-ti.
Knnheim A C agitt* geraes em Berlin.
Dr. Mendalssi'hu, Bartu.ldy.
Dr. C. A. Martin,
Directores da [abraca de chimica em Rom-
melsburg.
Pagare bejn.
Precisa-se de urna ama para cozinhar e com-
prar para duas essoas : na ra Nova a. 11-
| JrCoSI
Precisa-so de urna
rio n. 7, 1 andar.
ca ra do Viga-
Aviso s autoridades policiaes
e a i|ueu n|ftiff
No da i;' de mal > do crjjentfl a_ra>.
fagio o esclavo Eseqiel, crioulQ mm i 3_
onnos ile rlailc, es^ura^ea_TjbBargaaV
cftr bem prota, cabera redonda, trajava c*
mi~a azul e calca do caasenra cinzenl:.
durante o dia cdstuma'andarganbantto aaa
roas, oa em armazens de assocar 00 as ta-
bernas a conversar e a I Ittfeer; dorante *
noite rec'olhe-se a telheirM'tiertos, ou pa- -
netraveis^a eis8 erac.inttfoflto e aootroar
froaesrjner lugares/:oribW1ossa abriir;
rjuem o approherider tenha r *W* -
cond' '1*
_-__ :iS_.
vNSr T00?1-**
^fectivame^e ds dft vjom
|?lardMt>S^o'i''S,J?, _*



HHMBn
?




Diario d Pensaba Twnj fewm 24 de Mb de 1870
i

^_
GUSTAYE
CABELLEIREIHO FRANCEZ
51Ra da Cadeia do Reeifc51
Chama a attencJo dos seas innmeros fregueses, e do respeitavel publico
geni, para a seguate tabella dos precos de sua
miis barato do que em outra qualquer parte:
CabeUeiras para senhoras a 25)5,
. 405000
ooiooo
casa, os quaes sao vinte por coatt
Fogo & bengala
de maltas variedades, todo de efleito magnifico :
vendem-se em pequeas porcSes com todo sortl-
meuto, tanto para oe*as de negocio como particu-
lares : do armazem de baealho, na esoadiaha da
affaiidega n. 3. ___________
ATTENCAO
Borro fgido.
Mudanza.
Jos Joaquina Uaf/Batao mudoa o sea escrip-
torio da ra da Cruzo. '18 para a ra do Vigario
n. 27, 1* andar.
AMA
Cadeias para relogio a
U, 80, 90, i2d e-
18J00I
Corte de cabello, ....
Corte de cabello com frcelo.
50-.
01
301, 350 e
Ditas para homem a 354, 406 e
Coques a I2& 150, 180, 200,
m, m e.....500000
^^STi1^ *W'.18*' ^ 32*>001 <*r{* dlS0 COm Uv"g6m *
Cachos ou erespos a 30, 40 50.
"5T7, 81, 05 e. 100000
Tranca de cabello para annel a
509 e. .... .000
Tranca para braceletes a i 0/1,
153,203,256.....303000
ASIGNATURAS MENSAES
Especia! id ade de penteados para casamento
Bailes e aoiores
O dono do estabelecimento previne s j Recommenda-se a superior TINTURA JA
Ernas. Sras. e aos cavalheiros que ba um PONEZA para enegrecer os cabellos e bai
.... sali para tintara dofe cabellos e barba, as-| mno^fo prejadicial 8aude, por servo.
sha como um empregado smente oceupa- latil, analysada e approvada pelas acad*
champoo. ..... i#00t
Corte de cabello com limpez da
cabeca pela machina elctri-
ca, nica cm Pernamboco. .
Frisado inglesa ou francesa.
Barba. ,......
130W
501
251
A ESMERALDA
a
LOJA DE JOLAS
ac
Fugio de 12 para 13 do corrate do sitio deno-
minado Piruja, junto cidade de. Nazareth e per-
tenceale ao capito Franklin Al ves de Souza Pai-
va, um burro de sella com os sigoaes seguimos:
criuulo, grande, caslanhor muito andador de pas-
so, ohegando mesmo a andar sdffrivelmente bai-
xo i boro queixo, e quando anda, conserva a ca-
neca em muito boa posicao; sent bem tanto o
chicote cuino a espora; tem a juma do peador
de ama das maos um pouco mais grossa do que
a oh ira ; no quarto direito v-se um ou don
ferros ; est gordo, cabelludo e com a. cabeca
bastante pellada. Nascido no serto, pe'tencen,
at outubro do auno pascado, ao capitao Fran-
cisco de Souza Kego. Pede-se quein o pegar o
obsequio de o mandar entregar em Nazareth,
seu dono o capitao Franklin A Ivs de Souza Paiva,
que promette urna recompensa. Fazendoo pre-
sente annuncio o mesmo capitao Paiva pr^e-ta
azer valer o seu dueito onde quer que appare-
a o dito burro._____________
PEDIDO
Pede-se aos administradores da nn-sa fallida de
Antonio Pedro de Mello, que hajam de recolher -
um banco, onde pos-a render alrum juro, a na
pequea quanlia de mais de 10:000 j, de que e>lao
na posse mansa e pacifica, cuja continuaco o
urna ameaca expressiva de nunca niaia terminar
se a liquidado da infeliz ma$sa em que tem tam-
bem seu quinhao.
_______________________Um credor.______
Aos 20:000^000.
fiilhetes do Rio vena : roa do Cabug n. 5
vende Vieira A Rodrigis.
O abaixo assignado, tacita-
mente dispensado da inspeccao da
pharmacia especial hmeopathica e
consultorio do seu finado e Ilustre
amigo Dr. Sabino Olegario Ludge-
ro Pinito, de saudosa mimera e ani
mado por alguns seus amigos pro-
pe-se a abrir um eslabele cimento,
onde se encontrarSoas melhoresdro-
gas homeopathicas, para o qual des-
de j corita com a protecejo d'aquel-
les que honraram-no com sua confi-
anca; pudendo, entretanto, ser pro-
curado para qualquer mister, em a
casa de sua esiaencia, ra da
Palma n. 53.
Reeife, 18 de maio de 1870.
O professor homeopalhico
Jos AI ves Tenorio.
Precisase de-ama ama forra ou captiva para
casa de familia, que saiba cozinhar e engommar :
na ra da Cadeia do Reeife, luja n. 56 A, se dir
fttpatelro de Azettao:
Perdeu-seno dia 18 do crreme tarde, da roa
do Imperador at o becco do Carioca, vindo-se
pelo caes de 22 de novembro, nm voiume da obra
O Sapateiro de Azeitiopertencente ao Gabine-
te Portugoezde Lei ura : perianto rogase aquem
o tiver adiado, o especial favor de leva-lo ao caes
do Ramos n. 30, que se gratificar.
Precisase de urna ama para casa de pouca
familia : a tratar na ra de Santa Rila n 66.
Os abaixo assignados declaram ao publico
e especialmente ao corno do commercio, que dis-
sotoeram amigavelmente a sociedade que gyrava
debaixo da lirnia de Manoel Gomes da Cruz &
C. esta praca, fcando a cargo dos Srs. Tinoco
& Vjllela o activo e pasivo da extincta Arma.
Reeife, 18 de abril de 1870.
Manoel Gomes da Cruz.
Antonio Pereira Villela.
Precisa-?e de urna ama
Pescadores n. 33.
Ama.
de lene
Cabellereiio.
a roa dos
--------------
Preci-a-se ae urna ama para casa de pouca
familia, que saiba comprar e cosinbar ; na ra
da Roda u. 47, Io andar.
Precisa-se de urna criada para servir em
casa de um homem solteiro : ra eslreita do
Rosario n. 4, loja de relojoeiro. ____
Una da Cruzo. 4 andar,
por cima da footira.
Antonio Rodrigues Ramatho acaba de abrir a
concurrencia publica um espacso e acceiado sa-
lan para barbear e cortar cabellos, e amanea que
nelle encontrarlo seus amigos, antigos freguezes,
e em geral todos os que qnizerem freqaenta-lo,
agrado, actividade e bom desempenho do irabalho
Pedido.
Pede-se encarecidamente (s assim) aos senho-
res abaixo mencionados se dignem por especial
obsequio de virem reatlsar aquillo que teem pro-
mettido por diversas vezes, pols j e lempo, e vis-
to que o nosso negocio e de interesse para os
mesmos seuhores, por isso os esperamos o mais
breve, advertindo porem, que nio retiramos este
nosso pedido sem qve nao comparecara a ra
Crespo n. 7 A, loja do Passo.
Albino de Jezus Bandeira.
Jos Luiz de Souza,
Jos Antonio Miranda Guimaraes.
Luiz de Franca Belem.
O Sr. Jos C[audio Duboux Unbt a bosdade
de apparecer na roa do Queiroado n. 7 a negocio
que nao Ignora._______________________
Preeisa-se comprar urna casa com quinta),
prefere se as roas do Sebo, Prea e me*n na
Sotetade: a tratar na roa do fcivrameuto n. 10-
Estrada de ferr* d Reeife a
Olfnda.
Compram-se dormentes de roadeiras de reeo-
nhecida duraqao para a constru co desU es irada:
trata-se na rus da Aurora, eseriptorio da su penn-
tendencia, das 6 horas da manhaa as 6 da tarde,
nos dias uteis.
0 superintendente,
^^^^^^^ Andr de Abreu Porto.
0 Sr. vigario Bacalli1) que mora ou morou
na estrada de Joao de Barros, queira mandar a
esta typographia a negocio._________________
Precisa se de urna ama de liile, anda que
seja com filbo : em Fura de Portas, ra do Pilhar
n. 106.
COMPANHIA
DOS
TRILHOS URBANOS
DO
KFXIFE A9 ou\ni.
Por ordem da directora sao convidados
os senhores accionistas para, no prazo de
10 dias contados do dia 16 do corrente,
electuarem a 9a prestado de suas acroes
raz3o de 10 %.
Para esse lim ser encontrado o Sr. tbe-
soureiro, das 11 horas da manhaa s 2 da
tarde de todos os da?, no eseriptorio da
companba, ra Nova n. 35, Io andar, entra-
da pela ra das Flores, n. 14.
Reeife 12 de mao de 1870.
Joo Joaquim Alves,
Io secretario.
Aforam-se ou vendem se terrenos sitos em Be-
beribe, a nm quarto-de legoa da povoacao, cami-
nbo do lugar chamado Merueira por um ladr-, e
por outro riacho Lava-tripa. Esses terrenos sao
em ptimo barro para o planto da canna, e ou-
troi o isteres da agricultura, e de urna extencao
de 400 palmos, onde se encontram diversos corgos
a maneira de riachos e madeiras proprias para
censtrucrao : quem preti nder, pols, entrar em
negocio entre taes terreno?, appareca ra do
Hospicio n. 70, que achara com quem enteuder-se.
S|_|M_|_|S__i
AViuvAd nn. sabino m
proprietaria do antigo esiabelecimento de S
seu finado marido Dr. Sabino 0. L. Pinho, I
previne ao publico que desta dala em S
diante nicamente encarregado de ins- \
peccionar a boa preparaca) e organisa-
cao de sua pbarmacia especial homeop-
tica o Illm. Sr. Dr. Jezuino Augusto dos
Santos Mello.
utro sim que o mesmo Sr.
DR. SANTOS MELLO
quem dirige o antigo consultorio do Dr.
Sabino O. L. Pinho.
Consultas das 10 horas ao meio dia.
Gratis aos pobres.
Attentfio
Na ra Nova n. 43 vende-se urna negrinha de
11 annos, bonila pera, e uina escrava com duas
lindas crias.
Este antigo estabelecimento, completa-
mente reformado de novo, est as condi-
oes de servir vantajosauente os seus fre-
fnezes, visto que acha-se prvido com um
-ttxplendido sortimento de obras de ouro e
pirata de lei, assim como brilhantes e ou-
tras pedras preciosas, cujos presos sao os
tais mdicos que se pode encontrar.
As joias compradas nesta casa recebem-
em troca ou compram-se com pequeo
_:____!
Khiio i \ii i, \v:;
LOJA DOS ARCOS
A
Ra do Crespn. 20 A.
Alvaro Augusto d'Almeida & C.
Este estabelecimento de fazendas finas e gros9as j bastante conhecido como
um dos mais bem sonidos desta cidade acaba de receber directamente de Pars algons
artigos especiaes que passa a mencionar.
Ricos cortes de vestidos de blond para casamentos.
Cortes do vestidos de seda de cor, de gostos inteiramente novos.
Brochad, fazendas de la e seda propria para vestido.
Foulard de seda de todas as cores, tambera para vestidos.
Fitas largas de seda para cintos, gostos escoceses e lisos.
Chapelinas de seda e de palha d'Ilalia.
Basquinas de seda e guipure.
Colchas de seda e de 13a e seda.
Cortinados de cambraia bordados muito ricos.
Pannos de verdadeiro croch para jardineiras, sof e cadeiras.
Toalbas de linho de superior qualidade.
Bramantes, selicias, esguines atoalhados.
Cuardanapos, colchas, aaias bordadas camisas,
Cache-nez, baloe?, caminhas, sombrnha.
Madapoioes de varias quaidades, sa:cos para viagem, mallas, tapetes, capa-
chos, alcatifas e muitos outros artigos que se vende por precos mdicos.
Tem tambem constantemente um completo sortimento de ESTEIRAS DA IN-
DIA para forrar salas.
~"GLDESNVIDADES ~
NA
LOJA DO TRIUMPHO
PARVSENHORAS. Ricas poupelioas de padrOes linditsiraos, e gosto novo.
Cambraia8 branras bordadas para vestidos. Poil d'chevre de lindos padies por
barato proco do 560 rs. o covado.
Grande sortimento de lias e alpacis de 320 rs. a loOO o covado.
Saias bordadas, ditas lisas j eitas com barra de cor.
PARA MENINAS. Ricos vestidnhos de fustao enfeitados brancos e de cor.
Vestuarios de fustSo para meninos. *
PkRA HOMENS. Camisas inglezas e francezaj, de linho bordadas e de pregas,
com ooMarnho e sem elle, ditas bordadas para noivas. Chapeos de sol de cabo do
narfim e de canna ele, etc., lovis de Jouvin para senhoras.
Grande sortimenti de cortinados para camas e jaoellas. Croxes para sota e ca-
deiras de braco e guarnicSo. Tapetes para sof e cama, para pianos e portas.
Cobas de croch para cama de noivas. Tapetes em pessa para forro de salas.
O nico e especial sortimentos das verdaderas ESTEIRAS DA INDIA, s existe na
Loja do Triumpho.
Ra Duque e Caxas n. 7.
Jos Dativo dos Passos Bastos faz scienie ao res-
peitavel publico que tendo reformado a sua offl-
cina sita ra do Brum n. Ci, aonde encontrarao
com perfeicao toda e qualquer obra de caldeireiro,
ferreiro, serraleiro, latoeiro e fundicito de cinos e
mais melaes ; recebe-se eneommendas tanto para
esta praca como para fra deila, ^ncarregando-se
di as transportar para onde Ihe for feila a encom-
menda, e tambem enearrega-se de eucanamentos
(lara agua, tanques de ferro, etc., tudo por menos
prerp que em onlra qualquer parte.
Phlipp. F. Needbam tendo de se re-
tirar para Europa, pede a quem tiver con-
tas com elle, de as apresenlar ate o dia 25
do corrente, na prafa do Corpo Santo n.
II.___________________________________
O abaixo assignado, rendeiro do engeoho
Mangueira, sito na freguezia da Escada, tendo ar-
rendado dito engenho por escriptura publica cele-
brada no cartorio Jo tabelliao S, em data de 9 de
maio de 1865 ; e constando-lhe que se pretende
vender dito engenho, vem pelo presento protestar
contra dita v nda, v*to lea propietario nao ;er
cumprido as condiSes da dita escripfara ; e mes-
mo nao o pode fazer eflectiva, em vista da dcima
terceira condicaj que a seguinte : o locador su
jeita-sc a nao dispr de qualquer maneira do en-
genho Mangueira e fabrica arrendadas, durante
os seis annos do presente arrendamento, sob pena
de nullidade, e o locatario ebriga-se a nao trans
ferir o presente arrendamento a pessoa alguma,
sob a mesma pena. E para que niaguem possa
allegar para o futuro qualquer duvida faz o pre-
sente. Reeife 19 de maio de 1870.
Joao Laite Rodovalho.
Paga o gaz.
de
Chegaram para este estabelecimento um varia-
do sortimento de paisagens e oulras multas pintu-
ras alegricas, em quadros de moldura dourada.
A aguia negra julp.a de seu dever recommenda-
los a seus freguezes. por ser coua de.go ramente novo, e pela b mmodidade de preeo, que
por certo com 2*800 nao havera quem deixe de
comprar um quadro para colloear em seu g; b-
nete na ra do Cabug n. 8.
mm-mmmm-mmtmmmmm
TINTLRARIA FR.MGBZA
55-Rua da Impratiiz-55
Tinge, lava, limpa, lustra e aehamalo-
lase, com a maior perfeicao, fazendas em
pecas e em obras de todas as qaalidades;
como sejam : seda, la, algodo, linho,
chapeos de feltro e de palha etc. etc.
Tira-se na loas e limpa-se a secco sem
molhar os lecidos, conservando asjim to-
do o brilho da fazenda.
Tintura preta as tercas e sextas fei-
ras.
s
E
S
marmore, rna das Crnzes
n. ti.
O artista Gamillo acha-se estabelecido na casa
cima, onde pode ser procurado para todos os
mtsteres de sua procissao.
J se acham definitivamente divididos em
pequeos lotes os terrenos do sitio Belem, perten-
cente viuva do Dr. Feitosa, na estrada antiga de
Olinda, e por onde passam os trilhos urbanos des-
ta para aquella cidade, conforme j foi ludo ane
nunciado : quem quizer comprar terrenos nesso
sitio, dirija-se ao eugenheiro Antonio Vicente do
Nasiiraento Feitosa, ma estreita do Rosario n. 23.
para fora da cidade.
Urna pessoa estrangeira, casada, se propoe a en-
sinar era algum engenho ou povoacao as seguintes
materias : primeiras letras, francez, a fallar e es-
crever, inglez, geographia e mathematiea elemen-
to r, arilhmetica, aigebra, 3eometria e trigonome-
tra recteltnea : os pretendentes podera-se dirigir
ra do Queimado, loja das 7 portas n, 52.
o bom tom
Recebeu-se pelo ultimo paquete da
Europa, ricos cortes de seda ; na loja
das columnas da ra do Crespo n. 13,
de Antonio C rra de Vasconcellos.
Aluga-se o Io andar do sobrado n. 43 da ra
Nova, devendo o pretndeme prestar flanea idnea.
Retal lia-se, a vantade dos compradores.alguns
lotes de terreno, que restara, do sitio Aguasinha
em Beberibe, por precos i asoaveis. A posico lo-
pographica do terreno muito o recommenda, so-
bretudo por flear prximo da eslacao projectad
da via frrea. Os pretendentes podero dirigir-se
informarse do tenente S Peixot, no mesme
lugar, e para qualquer negocio ra do Crespo
n. 12, 1" andar.
Agencia em Pernambuco
Do Dr. Ayer
Peitoral de Cereja
Cura a phthysj_ e todas as molesiias do peito
MPm parrilha
Cura ulceras e chagas amigas, impigens e dar-
tros.
Tonteo
Conserva e limpa os cabellos.
Plalas eath rticas.
Puramente vegetaes e em mercurio, cura se-
tdes, curara e puriikam lodo o systema humano
Vende-se effectivamenle em casa oe Samuel P
hnslon & C.rua da Sanzalia Nova n. 42.
Ra do Impera lor I
N. 10. I
Francisco Xavier Pereira de Brito, ex- |
solicitador da fazenda nacional propoe-se 1
S a agitar o andamento de qualquer pre- S
I ten ao perante as repartieses publicas, de I
B causas civis, crime, comraerciaes e eccle- B
_ siasticas,e de todo e qualquer negocio.que S
I precise a intervencao de um agente : en- C
Bcarrega-se tambem de qualquer cobran- I
_, ija fra e dentro da cidade : quem de g
I seu presumo se quizer utilisar o pode
procurar das 9 horas da manhaa e s 3
M da larde na ra do Imperador n. 10.
Gaixeiro
Precisa-se de nm caixeiro de 1S 20 annos,
ara padaria ; a tratar na padaria allemaa, era
amo Amare.
Manoel Jos Alves, morador na ra do Pe-
dro Alfonso n. 38, antiga ra da Praia, avisa a
quem interessar possa, que nao se responsabilisa
pelos objectos que alguma pessoa comprar em seu
nome.
0 DR. SVMOS MELLO
mam
HOMEOPATHA
MIDOUSE
Para rna Nova n. 43.
Antiga residencia e consultorio do Dr. Sa-
bino L. O. Pinho.
Consultas todos os dias das 10 horas da
manhaa ao meio dia; e chamados a qual-
quer hora do dia ou noute.
Gratis aos pobres.
i3*-Rna Nova-43
...M9HMMI.
RAP PRIRCEZA
GASSE DO RIO DE JANEIRO.
A ra do Vigar.o n. 11, acaba de rce-
pelo ultimo vapor um sortimento do rap
gasse, tanto grosso como fino, assim como
Paulo Cordeiro commum e viajado, que
tanta acceltacio tem merecido nesta provin-
cia pela sua excellente qualidade proveniente
das boas materias primas de sua composi-
Co, tendo alm disso a propriedade de nao
ferir b nariz aquelles que fazem delle uzo:
os precos s5o o mais em conta possivel.
' CABELLEIREIHO
18Ra da Imperatriz18
Avisa ios seus numerosos fregneies, que al1 m
de Unas perfumaras recntenteme recebidas, tem
um hbil offlcial para perneados de sea horas ; o
qual se achara prompto para o servicu a qualquer
hora do dia ou da noute.
U VILLE DE rUIS,
20Ru.t da Imperatriz20
Farl d Lessa.
Temos a honra de participar ao respeitavel pu-
blico que fizeraos destinguir a vossa nova luja de
fazendas finas com o elegante tituloLa Ville de
Pars; animados como estamos pelo desejo de
corresponder a melhor vontade dos ftegvezes, po-
demos asseverar sem receio, ao publico em gera!,
que nao haver quem possa vender mais barato,
attendendo aos presos e qualidade da fazenda, e
mandamos as casas das Exmas. familias qual-
quer fazenda para melhor escolherem ; damc-s
abaixo os precos de varias pechinchas, que Mr&a
o bastante para justificar a nossa sincendade ja
por alguera reconhecida : satas brandas com ba-
ado frisado pelo baratissimo preco de 34000, ri-
cos corpinhos bordados, objecto de l, pelo pre-
co de 5, cassas de cores, lindos padr5es, a 240
rs., chitas finas claras e escuras a 300 rs. o cova-
do, cambraias organdys a 640 a vara, manda pola*
lino a 6| a peca, loalbas felpudas para rosto a
84 a duzia, lencos de cambraia a 2jotX) a dnzia,
cambraia victoria fina a 54, 54500 e 64, cumple: >
sortimento de grobdewple preto, popelinas de seda
o que ha de melhor, ditas de laa, e varias quali-
dades de alpacas brancas e de cores, cambraia im-
peratriz, completo sortimento de chiias, madap"-
lo e algodozinbo, bramante para len^es, e
guio, fustSes para vestidos e roupao de meninos,
camisas, ceroulas. meias, gravatas, colarinhos, e
outros muitos objectos qne deixamos de mencio-
nar, tudo por coramodo? prec/w._____________
Na praoa da Independencia n. 33 se da o-
heiro sobre penhores de ouro, prata e pedn
preciosas, seja qual for a quantia; e na mesrr a
asa se compra e vende objecto9 de ouro e praii,
1 igualmente se faz toda e qualquer obra de er>
-ommenda, e lodo e qualquer concert tendeme
i mesma arte.
Calpado nacional.
X. 1 Rin do iardlni X. 1
Jos Vicente Godinho com fabrica de calcados,
avisa a ledos os sais freguezes, que contina a
vender calcado em -ua fabrica em grandes e pe-
quenas porfSes como dantes, sendo mais barato do
quecm outra qualquer parte. Assim como um
sortimento de pares de formas francezas chapea
das para homem, do ultimo gosto, a pre$o de
440C0.
AMA
Preeisa-se de urna ama que engomme com per-
feicao e aceio, que para casa de pouca familia,
e a tratar na ra Nova n. 22.
Molina.
Roga-se ao Ulm. Sr. Ignacio Vieira de Mello,
escrivo na cidade de Nazareth desta provincia, o
favor de vir ra do Ixperador n. 18, concluir
aquelle negocio que V. S. se comprometleu rea-
Usar, pela tereeira chamada deste jornal, em flns
de dejembro pr.simo passado, e depois para Ja-
neiro, passou a fevereiro e abril, e nada cumprio,
e por este motivo de novo chamado para o dito fim;
pois V. S. >e deve lembrar que este negocio de
mais de oio anuo, e quando o Sr. seu filho e
achava no estudo nesta cidade.
CASA DA FORTUNA
Aos 5:00011
Bilhetes garantidos.
A roa do Crespo n. 23 e casas do costme.
O abao assignado, tendo vendido alm de ou
tras sorles, um meio n. 758 com 5:0004 da lo-
tera que se acaben de extrahir a beneficio da
irmandade de Ncssa Senhora do Bom Parto da
cidade de Olinda (147), convida aos possuidores
virem receber na conformidade do coslu-ne
sem descont algum.
Acham-se a venda 03 felizes bitnetes garan-
tidos da 4* parte da lotera beneficio da i gre-
a da Santa Cruz do Recite (148*), que se extrahi-
r segunda-feira 30 do corrente mez.
PrecosOs do costume.
Manoel Martina Fiuza.
MARTIMOS
Ba?UH 4 Reg, commerciantes establecidos
neste povoado dos Montes, termo de Agna-preta,
comarca de Palmares, provincia de Pernambuco,
fazem sciente ao respeitavel publico que dissolve-
ram a sociedade que tinham no mesmo povoado
amigavelmente em 13 de abril de 1870, cando o
passivo o activo a cargo do socio Bastos.
Ha noel Alves de Souza Bastos.
___________Manoel Antonio Rege.
, Ajina;
Precisa se *i urna escrava para -comprar e co-
J ziobar : na ra do Duque de Caxia? r. 'ja.
Aluga-se urna preta escrava, boa cozinhei-
ra : a tralar na ra do Mrquez do Herval n. 58
(amiga rna da Concordia).__________________
Precisa-se de um caixeiro de 13 a Ifl annos.
3ue tenha pralica de taberna, dando conbecimente
e sua con rucia : no Reeife, rna da Cruz n. 29.
Precisa-sede um menino de 12 annos, do
ltimos chegados, que queira pralicar no negocio
de taberna : no Reeife, ra da Cruz n. 29.
Quem precisar de urna
poma familia, dirija-se a ra
casa n. 4.
ama para casa de
da Sonzala velha,
Avisa
Os Mutuariospossaidorts das camellas ns. 46 B,
47 B, 124 B, 74 B, 133 B, 137 B, 51 B, 6d B, 105
B, 93 B, HB B, 67 B, 75 B. 1J B, 7 B, 48 B.
Venham receber o excesso que produzio em
prac.a noleilao de seu* penhores no praso de olio
dias, do contrario se recolher ao deposito geial.
P.ecife, 21 de maio de 1870.
Mauricio Jos dos Saatos ftJjciro.
FARMACIA CENTRA L
Ra do imperador n. as.
Lamploughs PyreUc Salino.
A preparatioo of well known ntelily to the En-
glish Facully, as a cooling and refresbina beverage
in all cases of fever. The freqnent usefof this sa
line preserves foreigners from many diseases to
which thev are leable before becoming acclima-
tised. May be obtained at the Phanuacea Central,
ra do Imperador n. 38.
E
COITRA FOGO.
A Companhia Indemnisadora, estabelecica
testa prafa, toma seguros martimos sor -?
lavios e seas carregamentos e contra iofi
un edificios, mercadorias e mobiiias: a
ra do Vigarion. 4, pavimento ter eo.
Attenpao.
Ainda se continua fornecer commedonas
para fora com asseio e prumptidSo, ma :-
dando-se levar a casa dos assignantes que
nao tiver portador: ra eslreita do Rosa-
rio n. 35, Io andar casa particular de fa-
milia.___________________________
Muita attenpo
Vende-se ou permuta-se por casas nesta cidade
o'sitio n. 5 na ra de Joao Fernandes Vieira pero
da Soledade, com casa de viven Ja para familia,
cacimba com boa agua, tanque para banho e la-
vagera, muias fructeiras de diversas qualidade-,
cente e tantos ps de coqueiros, muitas baixa^
para capim e trras pera plantacues, um grande
viveiro e muitos mangues para enha, ele. : para
ver e tratar, os pretendentes dinjaiu-se o mesmo
sitio a qualquer ora.______________________
Deseja-se fallar ou saber de sua residen",:
a Jos Vicente da Silva Pinto, na falta a seu ma-
no Diogo Jos da Siva Pinto, vindos de Portugal
de 1834 a 1836. e na falta a seus Olbos se os ti-
verem a negocio de muito sea interesse : na ra
do Duque de Caxias n. 52. ________________
GABINETE MEDICO-CIRURGICO
DO
Dr. Ignacio Alabiados Velloso.
Pode ser procurado a qualquer hora de da -1
danoite, prestndose as chamados fra da cida-
de, com toda a prompudin. Pratica operayoe-.
D con-ulus das 6 s 9 horas da manhaa, ra
ra Nova n. 45, 1" andar.
Pra o mez Mariano
Na rna Eslreita do Rosario n. 35, prepa-
ram-se llores artificiaos para enfeitar o al-
tares e oratorios do mez de maio, arcos,
palmas capellas rosas, e paliaas para o al-
tar, bouquetes e bugias enfeitadas com flo-
res de cera para enfeiles de aliar, todo com
p res tesa, gosto e barato, faz-so toda en-
commenda para fra, e tem j promptas,
rosas, arces e ponas._____________
Aluga-se nina casa larrea na travesa do
Luca, com um excelente sitio, o qual tem algamas
arvores de f rucio e campo para criacao dani-
raaes.com os seguintes commodos : 3 sa.as, 7
quartos. coiinha fora, cocheira, estribatia e ca-
cimba : a tratar na ra do Apollo n. 32, arrrazem
de assucar.
Ama
Precisa &<
amilia : no.
pra o servico de ama casa de fiouca
s:eo de S. Pedro n. 18.
Grande reunio !!!
NO
Armazem do Campos
O Campos avisa aos seas numerosos amigos e
freguezes que tem conseguido fazer urna Granice
reunio de gneros especiaes e inteiramtnle no-
vidades, cpmo sejam.
Que i jos de manleiga.
Ditos de Coalba.
Ditos de Minas.
Ditos flamengos.
Latas de guizados franceze.
Frascos de conservas francezas.
Doce fino de goiaba.
Charutos do alamadtssimo Costa.
Latas com lagogtas a 600 rs.
Cha perola verdadeiro.
Linguas seccas a 240.
Ceblas a 800 rs. a tranca.
'- Xavier Bao e Gabriel Ocaropo fazem put>-
Co para setene do respeitavel corpo do commer-
cio e de qaem mais possa inleressar que na pr -
sent data dissolveram amigavelmenle a socieda-
de que tinham ua padaria sita na iravess do Li-
ma,m Samo Amaro, que fyrava sot1 a firma S9-
cia de Xavier Bio C., nndo PJT?
hoje em diante aa pos*e exclusiva de dito esube-
Eemo com todo o activo e passivo, e a sea
cariro a liooidacao, e reirando-se o ex-sorio Ga-
lucrb. .o-a
Reeife, 18 de maio de 1870.^-^
Gabriel Ocarapo.
Caixeiro
Precisa-se de nm eaixelro de 44 a 16 anoo
idade, brasifciro e ** mato, para o armazem 1.9
sal da ra Imperial de Valdevino da jiolvor*.
\ I


Diario de Perhambuco Ter<;a feira 24 de Maio de 1870.
AGIA NEGRA
\v i
co
P3
-o
s3
fi
BENTO MACHADO a C,
A AGUIA NEGRA animada cora o bora accolhimento qae teve em seus annun-
etoe, vem novo participar -a seos reguezes que, acaba de receber um variado sorli-
meoto de objectos de gosto os qaaes serlo vendidos por precos multo razoaveis, pois
quando fez os seas primeiros annucios, foi o que assegurou, e sem mdo de errar,
perqdecoino j disse osla ioteresses ligada a urna casa importadoradesta praca, e
por isso poderi ter tudo especial e vender por precos admiraveis.Chama pois a atten
to de seas freguezes para os arttgos possa descrever :
Livros cora o tampo de marm, madre- Um variado sortimonts .de charuteiras e
oerola e tartaruga, proprios para missa. palliteiros de porcelana,
Garafinhas vazias proprias para presentes lentos para voltarete.
oonsa de goeto.
Indispensaveis de paHnha e de couro pro*
prot para senhoras e meninas trazer nos
tragos.
Binculo de madreperola, marm e tar-
taruga todos esmaltados.
Cintos largos de setim, cousa inteiraraen-
nova.
Fitas de sarja de todas as cores e larga-
as para lacos.
Toncas, sapatinbos meias de seda e mais
pertences para baptisados.
Bengallas cora marfim, cousa especia].
Sabonetes de alcatrSo.
Cofres de folhas para dinheiro.
Lindas caixas para costura. -.
Ura completo sortimento de luvas de pe-
iica,
Talagorce parabordar."
Um completo sortimento de enfeites de
seda para vestido.
Perfumaras de todos os autores os mais
Fitas com inscripcoes proprias para boa- acreditados em oxtractos, pomadas e leos
Ricos vasos com p do arroz. possivel mencionar ; mas cora a vista se
Um variado sortimente de jarros de por-' certiflcarao do sortimento deste estabele-
eelana. cimento.
O CMl'RGIAO DENTISTA
Frederico Mfrya
Tem a bonra de scentifi'cr ao respeta-
vei publico e.a geral, e aos seos cliente*
em particular, que elle mudou o seo gabi;
nete de consullas da roa Direila n. i 2 para
a do Queimado n. 31 primeiro andar, com
a entrada pelo pateo de Pedro II, onde po-
de ser procurado para os misteres de sua
proflss8o, todos os das nters das 9 boras
da manhaa s 3 da tarde.
Tarabem previne', que contina a prestar-
se a vontade dos clientes nio so na cidade
como nos seus suburbios, para onde as
idas serao precedidas de ajaste. Elle ga-
rante o bom desempenho e a perfeicSo de
seus trabalhos, o que j bem eonhecido,
assim como as commodidades dos precof
f
Agna Negra, ra do Cabug n. 8.
BBMMSSWmi MWHM1B
ST3 o
I
2 2
m
5 B
2S
l
S a
5S
B
fi
a f
B S
3
o?
5? V
2 B
o
&3
os *
O 03
-I
es a.
o'
O
O
ii, na
3. o\2.
69 2 Si -
M CP
5.a
S P w
* _.
5 2
^ii|i
o. I 5 S. =
m 3 o ? a 5 P*
o."1
.&
cnSca
aCJ
B > s.
2-2 -
BSg 1
g-BBgg
a 2 o. 5
O-Q O 0 tu
&2.B o.
=32
3 9 O 1
C3 22 < *
co co
>3 2.Sg
""g M a.CO
-r- o qj o,
" (t u u O ,,
S>M a co S
U*N P U Cfi fi)

n
O
a
No arrnazem da tfavessa do Corpo Santo n. 28, ha sempre ura completo
sortimento de objectos pr;i carros, e que se vendempor precos muito rasoaveis, como
tejam :
Vaquetas de lustro?, grandes e muito boas.
Solas ulem dito.
Oleado preto e de cdres.
Colleiras de lustro o que ha Guarnicoes de fino lato para arreios, completos.
Lantewias e vellas para as mesmas
Eixos patentes para sebo.
Joaquim Lopes Machado & C.
BAZAS DA HOM !
-RUA i\OVA 50 1
UMA PRENDA. Lindos objectos dourados de delicados gostos, proprios W
para meninos, vndese no BAZAR DA MODA.
BAPTISADOS. Ricos chaposinhos de setim brancos, lindas toncas de fil 0
M e setim, sapatishos etc. 0
GUIPURE. Ou croch em pessa, tranco e preto, com lindas ramagens c a,
* qualidade muito superior.
PL'NHOS. Para cimisas de homens, fazenda superior com duas faces, o ^55
9. par 610 rs. (pecbincha!) 8
0 PERFUMARAS. Finos extractos para lencos, aguas de diversas qualida- f&
des, sabonetes. leos, pomadas, pos, tnico etc.. etc. 0
PERFUMES. Lindas caixinhas para luvas contendo urna prepararlo em
que lbes'd um agradavel aroma, por l.'iOO. w
Grvalas, cintos, flores, plumas, coques, trancas, fitas, boloes, bicos e pen- ?g
tes etc., etc e muitos outros arligos proprios d) estabelecimento' vendendo-se
tudo por commoilos precos, no BAZAR DA MODA, ra Nova n. 30, esquina da 0
jsk de S. Amaro. $
10. Jos fie Souza Soares Si C. 0
Na Iravessa da ra
das Cruzes n, 2, pri-
nieiro andar, da-se di-
nheiro sobre penhores
de oaro, prata e brilhan-
tes, sejaqnal for aqoan-
lia. Na mesma easa com-
pram-se os mesmos me-
taos e pedras.
MOBILIA.
EDvernisa-se Hobilia e concerta ?e qaalqaer
peca de obra mais cm conla de que em outra qual
qner parte : na na da camboa do Carmo n. 21
TRILHOS URBANOS
DO
Recife a Apipucos.
AVISO.
A pedido de moitos passageiros, re-
solv fazer algumas alteracoes as horas de
partida de alguns trens (principalmente n< s
da noute) devendo ter principio as altera-
c5es feitas do Io de junho em diante. Os
Srs. passageiros podera procurar as novas
tabellas, na estacSo da praca do Capim, do
dia 26 do frrente era diante.
Recife, 21 de maio de 1870.
W. Rawlinson,
________________________Gerente.____________
VTTEQiO
Oabaixo assignado invenuriante e tutor dos
orphaos lhos do finado seu sogro, Joaquim do
Vasconcelos Pinto, roga ao Sr. Antonio dos Santos
Vidal, o obsequio de entender-se com elle. Igual-
mente pede a todos que flearam devendo letras e
wntaa a virwn recolher seus debit s, do cintrarlo
usar dos meios qne ihe faculta a lei. Gamelleira
23 de maio de 1870.
________ j^anoel Ferreira da Silva Vianna.
Prccsa-se de um mestre de massefrt <\ae
seja bom, ns se olha a ordenado : no pateo do
Terco n. 38
AMA
Precisa-se de urna ama para o servico de urna
casa de pouca familia: na ra da Sentala-velha
n. 42, Io andar.
O abaixo asignado faz sciente ao t? Jjata
Iho patritico Olindenso, que rttirdafse de con*
maudo do inesmo. Oliuda 23 de maio de 1870.
Maii'icl Joaquim de Miranda Lobo.
. FttTO
Na madrugada do dia i i do crreme furtaram
da margem ao rio Capibaribe, nos fundo? .lo sitio
do Illm. Sr. major Albuqaerpue, em Apipucos,
duas trnuxas de roupa suja com differentes mar-
cas, sendo I. L. J.M. C. L.M. C. LoboLobo-
o nutras: roga se a quem liver conhecimento do
referido furto, o favor de indicar na loja n. 32 da
ra da Ctulew, pois alem do devids ngradecimenio
se gratificara.
Previnn-se para que ninguem contrate com
JoSo Henrique de Oliveira, casado com Jenuina
Maria da Costa Ribero, e com a irmaa deste ll:la-
nna Candida da Co.-ta Ribeiro, solteira, acerca da
propriedade de torras em Beberibe, pois qne a
dita propriedade nao heranca de Salvina Igoei
da Costa, sogra do dito Henrqne, e sim perten^en-
te a abaixo asignada, irma das duas cima, por
titulo Je doaclo que Ihe fe seu padrinho. A abai-
xo assignada ja proteston no jnio municipal onde
pretendeu partilbar a dita prepriedade; anda
declara a abaixo assignada, que o seu nome
ig^ual ao de sua finada mi, fogra daquelle Hen-
rique. Olinda 20 de moio de 1870.
________ Salvina Igne; da Costa.
Muita atten(jo
O abaixo assignado para evitar qnalquer duvida
declara alto e lium som que o nome-de Jos* Fran-
cisco Pereira da Silva, que acha-se inscripto na
lista dos devedores da caixa filial do banco do
Brasil, pelo agente de ieila> Ihrtins, no Diario do
dia 18 do corrente, nao se deve entender ser o
ibaixo assignado, por isso, qne este por si e me-
nos por outreui, nunca teve a mnima liansacco
com a referida caixa : e por isso aesde j prolesia
coitra qualquer duvida que contra elle haver
possa. Kngenho "elno de Jaboitaj 50 de maio de
Io7U.
______ Jos Francisco Pereira da Silva.
Quem liver e queira alugar um preto (em-
bora de idafle) que sirva para vender hortalice,
dinja-se. rna da Amizade n. 18, na Capuoga.
Sociedad Recreativa
Juventude.
Nao se tendo reunido nume-o legal de socio,
afim do ser establecida a assemblea geral para
traur-se da disposico do arl. 6o dos estatutos, e
ele^o do cargo de thesoureiro, sao noviinenie
elnvddo os senhores associados reuuirem-se
qninia-feira 26 do corrente, as 7 i|2 horas da ma-
nhaa, fnnccionantlo a assembla geral com o nu
mero dos.secios que comparecer.
Secretaria da socedade Recrnativa Juventude
23 de maio de 1870.
F. Peixoto,
1 serretario
Perdeu-se ou furtaram no da Si do crran-
te do Uboleiro de um moleque um embrulho con-
tendo Din vo.-lido de merino, u:na 'amia e um
lenco branc.% sendo o vesdo de organdys branao
com hstras e enfeites de Ota verde, a cimisa de
madapolao com renda e bico, d.;*4e a ribeira de
S. Jos at a Capuoga ra das Crionlas n. 59 :
roga-se ni caso de ter sido achado, de entregar
na ra do \ gario o. 33, on na mesma Cspunga,
sitio do abaixo assignado, que se agradece.
Joao Jos da Cunha Lage?.
Precisa-.^
alugar um moleque de idade de 12 a I i anuos pa-
r**seryt) m*roo do tamiot-t, paga-ge fctnr:
mi*m> do Imp^fa4rfl. 3. K '.
Impe
BIAHTASS08
Travessa do Corpo Sanio n. 25
ARMAZEM
Ra Nova n. 28, loja Antonio
Pedro de Souza Soares.
Bandeira, Machado de C, avsam ao respeitave
publico qae nos lugares cima encontrar no mes-
uio sempre grande qnantidade de ditos pocos, e
que se acham habilitados para vender por menos
que outro qualqoer, poi isso que os recebem di-
rectamente do fabricante Norton, de Londres.
As vantagens que offerecem os pocos instant-
neos sao : primeiro, poderem ser colocados dea-
tro da casa on fra, com o trabalho de ama a duas
horas; segando, fornecerem os mesmos agna pa-
ra e abundante, podeodo serem removidos de um
para outro logar, qnando assim convier.
Os annuneiantes so reeeberio a importancia dos
referidos pocos depois de collocados, satistazende
a espectativa de comprador.________________
M HAB W DO
rio do Brasil.
Grande exposiqao na cidade de
Cordova,
REPBLICA ARGENTINA.
No dia 45 do outabro de 1870 ter la-
gar a abertura da expoai?3o nacional em
Cordova.
Previne-se, portanto, a todos os produc-
tores, agricultores, fabricantes, artistas e a
todos aquellos que exercam qoalqner indos
tria, que na dita exposico se recebem todrs
os productos da industria e agricultura
bra&ileira, assim como todas as machinas e
utensilios que quizerem remetter.
Estas productos est5o isentos dos direitos
da alfandega na Repblica Argentina e po-
derlo ser dirigidos cidade do Rosario, de
onde serlo tranportados pelo caminho de
ferro central.
Para mais explicarles dirijam-se em Per-
nambuco, ra da Cruz o. 3, ao consulado
argentino.
Codfeharia dos ananazes.
16Hua da Cruz16
Santo Aotooio. S. Jo5o e S. Pedro.
Amendoas, as mais apropriadas para sortes,
vende-se em arrobas e libras ; papis j promp
los com estallos para sortes ; recebe-se encom-
mendas de bolos pes-del enfeitados; as eneom-
meadas recebe se com antecedencia e as amendoas
em arroba terrao abatimenlo no preco.________
Novidade
Precisa-se alugar um sitio, nos seguintes arre-
baldes, estradas de Joao Fernandes Vieira, Joao
de Barros, Manguinho, Capunga, Caminho Novo,
Soledade, Mondego e Estancia : qnem liver, diri-
jase a ra do Commercio n. 18, armazem.
Ha quera tenhapara alugar um moleque de 12
a li annos, preferndo-J3 quem o oueira so para
servico interno de casa 'rna do Hospicio n. 28,
cu a ra do Duque de Caxiasn. 28.___________
Os abaixo assignadis declarara ao respeita-
vel publico e com especialidade o corpo do com-
mercio, que tem justo e contratado a taberna sita
ra Agusta n. 1, com o Sr. Jos Patricio de SI-
qaei*a Varejao, livre e desembarazada de qnal-
quer onus : se alguem se achar com direito
im-sina, appareca na ra de Santa Rita n. 1, no
praso de tres das, flndos os quaes por naia res-
pondera. Recife 21 de maio de 1870.
Jos Antonio Barbosa.
_______________Belarmino Loorenco da Silva
Acha-se justa a compra da taberna da ra
Imperial n. 446 : quem se julgar com direito
queira annunciar.________________^^
Pfecisa-se de urna ama de leite : na praca do
Corpo Santo n. 17, armawm.
Os abaixo asignados teem amigavelmente
dissolvido nesta data a socled de que tinham no
estabelecimento de seceos e molhados sito rna
da Imperatriz n. 80, sob a firma de Joaquim Fer-
reira Lobo 4 C, fieando o activo e passivo da
mesma a cargo do socio gerente Joaquim Ferreira
Lobo. Recife 19 de maio de 1870.
Joaquim Ferreira Lobo.
___________Duarte Antonio de Miranda.
Alagara se duas boas escravas para servico
domestico : na roa do Imperador n. 50, 3 andar.
AVISO
Fgio no dia 22 do corrente um papagaio eom
um no de cordao no p : quem o liver e quizer
restituir, ser recompensado, na travessa do car-
ino n. 2, sobrado.
COMPRAS.
O muzeo de joias
Na roa do Cabug n. & compra-se ouro, prau
pedras preciosas por presos mais vantajosos do
le em outra quaquer parte. ^^^ _______
1
Comprara-se e vendem-se diariamente para mra
i dentro da provincia esc. vos de todas as idades,
ores e sexos, com tanto que sejam sadios : no
erceiro anSar do sobrado n. 36, ra das Cruzes,
'reguezia de Santo Antonio.
Cora muito maior vantagem corapram-se
ouro, prata e pedras preciosas e n obras vellias: na
loja de joias do Co:acao de Ouro n. 2 D, ra do
Cabug. ____________________________
Compra se urna casa terrea boa, situada em
Santo Antonio ou Boa-vista : na ra da Florenti-
na n. 6.
Compj
ra-se
urna mohilia de Jacaranda era meio uso a Lniz
XV, sendo 1 sof, 4 cadeiras de braco, 12 de guar-
nco'e 2 consolos, e poder ter mais algumas pe-
cas : quem tiver annnncie por este jornal para
ser procurado, ou tratar neta typographia com
o Sr. Hermenegildo.
Compra-se um trepador de coqueiro : na
ra larga do Rosario, loja de calgadcs n. 22.
Compra-se urna casa terrea, na freguezia de
Santo Antonio : tratar no arco da Conceicao nu-
mero 6. .___________ __________
Mumbanda
Na roa do Hospicio n. 38 compra-se urna ne-
grinha de 10 a 12 airaos.
VrNDAS.
Vende-se urna esejsva de ineia idade, coii
nba e engomma soffrivelmente : a tratar na ra
do Pugne de Caiias, loja n. I.______________
Vende se urna ese-rara de 19 annes de ila-
de, sffrivel eng,mmadeira : tratar na ra
Nova n. 87, andar.
J Farinha de man-
dioca.
Chegoo praca do Corpo Santo
n. 17, 1 andar, estriplorio da Joa-
quim Rodrigues T..vares de Mello,
superior farinha da trra.
Vende-se urna casa terrea na ra da Senza-
la-velha n. 4i : a hilar na rna Duque de Caxias
n. 50, loja da verdade
Peoee-nez deouio a 144 do ultimo modeilo,
e fabrica se tambem gosto da pes-oa ; na ofllci-
na de relojoeiro oculista, -.orives e doarador de
Adolpho Thiago de Farias, rna das Larangeiras
Vende-se niui casa de taipa, na baixa do
Zumb, (TorYe) em se' r-'a-leiro : tratar na rna
Imperial n. 233.
Joaquim Rodrgues Ta-
vare^ de Mello,
Praqa do Corpo Santo
S. 17.
Tem para vender:
Cal de Lisboa.
Potassa paRussia,
Vinho Bordeaux de 1.'
qualidade.
Fai ello de Lisboa,
NO ARMAZEM
DE
SHA!, llffiES 41,
4-Ra da Cruz--4
TEM PARA VENDER : .
Tachos de ferro estanhado, para
assucar,
Cafres de ferro de Mllaer e ou-
tros.
Foges de ferro de, patente.
Arados americanos para var
zea.
Dito dito para ladeira
Machina* para descaro^ar a%
godo.
Vapores para mover machinas
de algodo.
Motores de dons cavallos.
rame de ferro aaloarsado, em
rede.
Chapas ou (elhas de ferro gal-
vanf sado.
Chumbo em cano, em Inqol
e em baira,
iMauho en barra vergii?iiha.
Folh de landres.
Ferragens e cutiLria.
Carrinhosde mo.
h ja do L' ao de Ouro
Chegaram a este bem eonhecido esUbelecimen-
to, as mais modernas lasinhas com lisias e de
muito bom goito, fazenda que outros vendem pelo
preco de 800 n. o covado, aqui se vendem pelo
baratissimo preco de 400 res o covado pechin-
cha, grande p'echincha senhores freguezes, ve-
nham ver a verdade, vendem-se por este tralo
pre?o por ter grande porcao e querer ganhar me
nos e vender muito para acabar depressa ; a ellas
senhores e senhoras antes que se ac bom. S na
loja Leao de Ouro, ra da Imperatriz n. 52 de
Paredes Porto que se vende barato e fazenda
boa. S com a vista 6 que poderao sertifirarcni-se.
Na loja do Leao de Ouro
Chegaram as mais modernas capas pretas de
fil bordadas e de diterenles gostos, tem grande
porcao para os senhores e senhoras escolherem, e
vendem-se pelo baratissimo preijj de 8$, 10J e
12 mil reis cada urna, por ter grande porcao,
quer ganhar menas para acabar dtprcssa, s nes-
ta e bem conhecida loja do Leao de Ouro ra
da Imperatriz n. 53 de Paredes Purto: que se
encontram destas pechincha*, pede-se aos senho-
res e senhoras que tenbam a bondade de virem
a este estabelecimento para com a vista cei tfica-
rem-se da verdade.
Cantara de Lisboa
Solera?, hombreiras c espitis para frentes de
casas, o que ha de melhor : -venda no arma-
zem da travessa d > Corpo Santo n. 25, de Joaquim
Lopes Machado A C.
NA
Loja Flor da Boa-vista
-8=Rua da Emperatriz -8
Chitas de muito bom panno., lindssimos padres
proprias para a praca, .cova Jo a
E barato 210
2iO
S40 '
Ditas escuras covado a 200, a 200, a 200 r.
Peras de madapolao algoda-j a i, o n (3J :
unto a padaria francfza._________
Superior vinho Bordeaux
St. Estephe & St. Julien: na ra da Cadea do
Recife numero 5. .
VEXIIK-KK
No armazem defronte a rscadinha n. 3 A, tem
para vender excellenies batatas inglezas novas em
barricas de 3 arrobas.
Attenqo
Na ra do Duque de Caxa?, utrora ra do
Queimado n. 19, vende-se-cambraias mudinhas
o de flores, bonitos padroes e finas a 300 e 360 rs.
o covado, barato._____________
COM Fll IIHA
Maia Landelino ven Je saceos com farinha de
mandioca : na ra do Duque de Caxias, travessa
do Rosario, loja n. 18 B.
Vendem-se caticaes de madeira pintados de
branco e donrados, de 2 a 3 palmos de altura,
proprios para igreja e cape'la de engenho, e com
seus competentes jarros: na ra Direita n. 36 A,
loja de pintor.
'Vende-se urna escrava de 19 annos de ida-
de, e sffrivel engommadeira : a tratar na roa
Nova n. 57, 1" andar.______________________
Verde-se nma taberna em urna das memo-
res legalidades da freguezia de Santo Antonio,
tendo a casa bastantes commodos: a tratar na roa
das fjrmes n. ')3._______________, ___.
JACARANDA'
Vendem-se cinco duzas de toros de Jacaranda
a preco commodo : para ver e tratar, na rna Di-
reita n. 34, armizem.
Fzendas com toque
de avaria
MADAPOLAO FINO a |, 5* e 65 a eca.
MADAPOLAO DE FORRO a 54 a peca.
CAMBRAIAS FINAS TRANSPARENTES a i*000
a peca
ACGODAOZ.1NHO com 18 jardas a 3 a paca.
ALGODO DE LETRAS AMERICANO para rsupa
de escravos a 2i0 o covado.
LENCOS DE CAMBRA!A bnraeos flio a *600
a amia.
CHITAS ESCURAS AdA'flZADA EMIUDXHaS
a 2i0o covado.
DSe-se amostras :ua do Crespo n. 23, loja de
Manoel Das Xa\t;\
A UVA fiffltAM
*
A ruado/Quque de Caxiasn 21-
(ANTIGA SDA 0 QUEIMADO)
r NSo fot sra ftiiidmtenlo <]ue a NOVA
ESPKRANCA lem (IxmI de fazer os seus
annoncios, a razio simples, ella enteuda
que ludo em demn.'ia borrr'ce... por teso
como j tinba dito e scinitcado sua ftod
freguezia o que constiilentnle ia rectfben-
do, ou livesse feito muilas \\zes, receiou
lornar-se massaute, assim pois rtcolheu-se
um potco ao silencio, mas nunca deixando
d'ea pregar os venladeiros csl'or(,:os, j coa-
tratando maior numero de com spondentes
oa Euro'pa, j descobrindo < bjeclus do mais
>purado gosto e finalmente assignando o
Jornal das Familias, o ijuaJ. vem sempre
ornado com iguriobs, modernos moldes para
vestidos ele,, etc. para (testa forma medio:-
setvir a sua constante freguezia ; e com es-
pecialidade ao bello sexo, quem a NOVA
ESPERANZA ufanase em oftrecer-ihe
seus servicos, apressando-se desde j em
declarar que tem recebido ltimamente
enlrtmeios e babados bordados transparen-
tes e tapados, chaposinhos de srtim para
baptisados.
Finas toucas de cambraia bordada para
o mesmo fim.
Meias de seda e fio de escocia para enan-
cas.
Dedaes d'osso, marfim, n;o e madrepe-
rola.
ptimas navalhas, afiadores o massa para
as mesmas.
Finas esponjas para o rosto e para ba-
nhos.
Bonitos sapatinbos com biqueira, sendo
com salto, para meninos e meninas de dots
a doze annos.
Boas lentes com cinco rx.elimetros, para
conlar-se os os de qnalquer fazenda.
Tesouras para fris.tr vestidos.
Carretas para tirar aoklcs do \cslidos.
Mullas para segurar c> simas.
Bonitos tioteiros de hunos moldes,
Meias de lito para homens e senhoras.
Finas e bonitas ligas para meias.
Fil de linho e de seda, sendo preto e
branco, liso e de salpicos, c outros muiloe
objectos expoios a venda ra Duque
de Caxias n. 21, na NOVA ESFEHANIjA.
Aabo d'aicaf.ro.
Vende-se na ra Duque ik Caxiasn. i.
PARA LOTO.
Briticos. broches, voltas, pul eiras, fuel-
las, [entes, boles para puthos e cadeias
para relogios.
A NOVA ESPEBANCA, querendo satisfa-
zer sua freguezia, nSosmeute em objectos
d'alegria ou de luxo, quer lambem acom-
patihar aquelles, que infelizmente perdrnda
alguem de sua familia, ou d;gutm de sua
amizade, precisam de taes objectos, assim
pois a NOVA ESPEBANCA, mandou viro
que ha de melhor ueste genero, poique
sendo taes objectos de cor negta, sendo
de m qualidade, nao soinente tornam-se
tristes como al repugnantes, o que no
acpntesco aos da NOVA ESPEKANCA, p< r
que apenas exprime o sentimeno pela cor
purem eomo que traz tira lenitivo pelo gosto
e perfeicao com que laes objeclos sSo Ira-
balbados.
Collar s a*iodin s.
CONTRA AS CONVfJLCOES DAS CRIARCAi
Nao esta a primei'ra \lz que a NOVA
ESPERANCA s ientiiica abs senhores pa>
familias, que os seus collares to os venla-
deiros de Vjer.. .recebidus diucciamenie.
e por conseouencia de um eieito eficaz qua
desnecessatio mais apregoar, assim pois
aquelles qua nao quizerem passar pelo dis-
sabor de verera seus filhmhos extrucerem-se
as lerriveis convnleSes, logo que a este
comessem nusser-lhes os denles apressem-se
em comprar os ditos collares, na ra do
Duque de CaxiSt n. l
CABELLOS "ORAN-:OS SO TEM QUEM QUER
A NOVA ESPERANCA recebeu o vetda-
deiro chromacome de Wiiam para tingir
eabellos.'para pretosou castanlios, assim pois
cabellos brancos s tem quem quer!!!
Fbula.
A NOVA ESMRVNCUun para wnder
urna flau: d'^aoo do alaiBaUu fabrica:..';
Boom.
Eival sem segundo,
RUA DUQL'ESUE! CAXlAM M. 4
(Anliga ra do Queioiado)
Contina a vender ludo muito bem e
muito barato a saber:
Nuvelio de linba de 400 jai das a. 00
Caixas com 100 envelopcs muilo
supeiiores a...... CCO
Pentes volteados para meninas a. -0
Thesouras muito finas pata eos tu-
ra a. -...... SCO
Tiuteiros com tinta preta a80rs. e 100
Pecas de fita elstica muito lina a 00
Resmas de papel pautado a. -. 400
Ditas dito liso muilo superior a. ii&OCO
Lata com superior banha a 100 e. 200
Frascos de oleo Philocomo muito
fino a......... 800
Ditos ditos dito grande a. {000
Frascos de macaciperola a. O
Frascos de extracto muito bonitos a 500
Duzia de sabonetes muilo linos a. 70
Sabonetes inglezes a 600 rs%). I0o
Frasco com agua de colonia Piver a 500
Dito-de oleo baboza a..... 500
Caixas de lamparinas a. 40
Sabonetes a forma menino muilo
superiores a....... 210
Lartilhas da doutrina fazenda nova a 400
Libras de linha surtidas de todos as "
nmeros a....... 1^800
Duzia de pomada do Porto muito
superior a....... Wd
Babados do Porto, largos a 100 e 20
topadlos muilo bonitos e grandes a 700
Carriteis de rvtruz preto, com 2
citaras a...... 6i0
Agulheiros de osso enfeitados a, 240
Papis de agitaos dooradis e ba-
lso a.........
Carriteis de litha 200 jardas, Ale-
xandre a........ 100
Duzia de agulheiros do Para a. '240
Libra de linha francesa superior
qualidade a....... 2*400
Caixas de palito do gaz W
Bonecas de cora muito bpnias de
500 rs. ........ WOCO
Vende*e orna mobitm de Jacaranda, a gu:.<
de Luii X.V, nea : i tratar aa roa du Du
da Canias m il, qbe mi vende coiiiiiiodaiiTiii.
prei;c. ___________ ______________
_ No ennenho Manguea a, coiihvn; a efla
da villa da Ecada, existe para
res derrotnos de cedro, proprios r"1"* barcav
por ci n'C> : ao dito engenho.
'


Diario
de Peinambuco
H
Terca feira 24 Je Mulo de 1870.

A
rv
de
Rna >uque-de Casias n. 5&
Na luja di VERDADE conlinna-se a yn-
der por baratsimos precos todos os ar-
gos de mmdezas e perfumaras do sea
grande e vanado sortimento, garantindo aos
compradores toda a sinct-ridade.
Luidas bonecas da cora e massa por ba-
ratissimo preco.
Espetos dotiradoj para pandurar a
160 rs.
Agulhas de osso para crox a 200 rs\
Peutes finos para segurar cabello, a
320 rs.
(lamines para gara 320 rs.
Garrafa coo tinta ataarinc a 1 0COO.
Dita com agua florida a 105CO.
Dita com .lita dita a (0.0.
Tnico do Jayme a I 0500 o frasco.
Frasco coro oleo ex prcsio de babosa,
210 a 040 rs.
Dito com agua do Colonia de 300 a 14000
Dito com extractos Saos a 1-5000.
Dito cora sndalo verdadeiro a 10200.
Lats com banha muito Una de 120 a
240 rs.
Sbonetes muilo finos e diversas quali-
dades a 80, 160, 240 e 320 rs.
Finas estovas para dentes de 320 e 50 rs
Dit?s para facto de 300, e 000 rs.
Ditas para cabello a 500 rs.
Pentas para a'isar com costa de metal a
320 rs.
Ditos ditos ditos de bfalo a 240 e 320.
Pontea para tirar piolho de 160 e 240 rs.
Pavios para gaz, dazia a 240 e 320 rs.
Brincos de cores, iiileiramente moderaos
de 160 e 240 rs.
Penuas caligraphicas muito finas a 10400.
Ditas de anca e mosinha a 800 rs.
Lindos babadinhos e ntremelos de 500
e I#300.
Grosas de botoas de tonca de 100 e
200 rs.
Ditos ditos para calca a 240 rs.
Caixa com papel ami?de a 700 rs.
Ditas cora envelopos a 480 rs.
Ditas com obre as a 40 rs.
Ditas com aguisas fundo dourado a
280 rs.
Thcsoura para costura a 240 rs.
Liaba de marca eiixa a 280. rs.
Garriteis de 'nhas de Alexaodre de n. 70
a 200 a 10 rs o
Grampos muito finos, com passarinhos du-
ziaa 00 rs.
Cartas franelas para jogar dnzia 30000
Ditas porluguezas, rtuzia 10400
Papel almaco superior qualidade resma
10000,
Lam muito fina para bordar libra 6)5500
Fitas para deDrnin de sapato, pess'a 160 rs
DHh de iam para debrum de vestido peca
400 rs.
Caivetes gr.ndes com mola a 400 rs.
Ditos grandes com 2 folhas por 320 rs.
Rosetas pretas para luto, o par 100 rs.
Trancas de Iam de caracol branca e de
cit.8 fie O a !G0 rs.
Fi'^r, para eos, peca 480 rs.
A 'i -s de lalo, carta 100 rs.
i os de tan para creanca de 400
a 800 r3.
Calcadoras a 40 rs.
Gravatas de seda pren de AOO e800 rs.
lito ito-croMs? brancas adeVflwa 3Q0rs.{i.r| i I
Dita de gorgurao do cores a 800 rs.
Na Verdad* ro* aarque da Ca
xlas n. *.


Cal. novn
do Lisboa chegadalH'tiamentejw barca Judilh *
-------
vende-je na ra doiApolln a 'iO.
Milho das Ilhas

S .r Grande esta^evimirW dfc.fcenda
peratriz n. 52 junto a lija de ourives.
e roupas feitas e por medida, ra da Im-
Nssta estsMecimenip eitcuairara o respeitavel poblie; um. bonito sortiineato de
roupas de todas as qualidades
, ... a,rt?t?vteclPr!?'e d* cfires a 3*000- 3^' 7M0. *i>s mirio preto
de 70000 at 2o0OOO, ditos de casemira de cores finas e ordinarias, de 60 ISj
ditos de panno finos de 8$ 80 tOJ e 2' COO. sobrecasaco dito de, 204 a 500000
Completo soitimenlo decaigas de brim pepdo de 1&500 00000, ditas brancas
de ^0, 100000 ornis superior, ditas meia easemira, ditas ca;erara da $, 120OX).
ditas casemira preta de 60. a 165000 superior, dita de'memo diversas qnaiid.ides paral
luto. Assim como um bonito sortimento de cottetes de brim de cfires, ditos brancos,
ditos de casemira de cores e pretas, ditos de meri- para luto-fazeada superior. ,
Sortim-into completo de camisas fraacezas de algodo, de l^dOO 30000, e de
Feijlo do Porto
em saceos grandes, das quilidadea ibaxo: rota
cionadaa,. e por wnos ure^o do que* era eutra^
pane.
MHJJO NOVO
Eeijao mulnljhha Fijd preto. v
Dte, braiwo j )iio josdo
Dito amaretlo Dito frade.
VENDEM
Jos do Reg gomes & c.. a ra do vigario n. u. I nho de 38W00 a 70,5000 a duzia.
Sortimeato completo de ceroulas
ra
de aitaazeiu bi rna da
impet ariz a.
Neste grande arm.izwii vende-id louga raglcza
linas e ordinarias, apptrdh-p de pbrcalaaa par
jantar para cha, jarros para ores os rifis boni-
tos a de gestos moderno* ; assim como grande
.'ortitnrnto de vidros linos o ordinarios, aue-'tude
se vender tanto a retalhh'corro por atacado pelo
mais barato preco qm* em ouira pualquer parte-:
chamamos a attenco dos freguezes, (jue serao
coim-menu-memc frvidos tflnt-i nis ec-mmodos
presos como na bo aalidade das farendas.
Cabriolets.
Vendora-se dou cabriolots, sendo nm cobertb e
de quatru rodas, e outro Dogcart, arabos com to-
dos os arrei'is e pertences : ai odctfeira de Tho-
maz Lins, ra do Santo Amr.rc. _
. -
Cigarros da imperial
fabrica de 6. Joao
de Niclheroy.
nico deposito em Perftamlmco caes da aifan
dega velha d. 2, 1 anda.__________________
Veudein-se p de jabaticaba, ditos de acti-
c a p, ditos de laranja cravo, ditos da terfa para
enrhertar: na rna da Cadei.i n. 9.
Milho novo e barato.
Mais barato do que em cuira parte : para ver
no trapiche do Dantas, e tratar a ra do Apollo
numero 4.
fraucezas de a'godSo de (GOi) a 2I500,
dttasrte brawanle a 1,5800, 2^500 o 35000. ditas de Hambur?o, rnczs, fazenda su-
perior de ^OOO a 35#0W dtfzia. Swtimenl da coanr*os dealgodao e linho, etc.,
assimicorno metes dealgodSonara liomem de U, s IO#0O8- ftSa'", gravatas de mui-
tas (inoHddt. Nar rbaVda^ Iflperati iz n 52/iIoja lio
Sortiaient* de chapaos de sxrt de alpaca, a sed', ditos isgl&es cabo de marfim.
Tiltras ptfi tf. SoMfn^nto da- mjilbs para viagem.
Nst'e'eslab'lathto encaYrega-se de mandar fa/.er qualquer obra por medida
e para esse ilw tem frafcil mestre encarregado di *licin, qae seecarrega do-trbalbo
com perfeiQla e pontniUdsdp.,
SO'ItTIMENT DE FAZENOAS.
Cintas de 240 rs. o covado ou 10-OOOa pess com \1 co vados, ditas miodes
para camisas e timao de menino 260. e 480 rs., e'ooirts'muitasq'iidades de 3O,:360
6 400 rs. o covado, ueste msmoestabelecimetito cbegarttni uraas bonitas chitas da
vietoria co barra, a qpal'iparaflbjs ecompetent efeite p'r corpinlio. Cam-
braia lisa de U, W,-ty e 10*00 a pessa, e outras maitas fuzntfas dades.
ALCODtO MADAPOLlO AVAR1 AOO.
A 4,5000 o algodo. e 4^509 omndapohfa: e tatnbem cbits escora ba 240 o
covado por (er graDde port-o, na ra da Uaperatriz n. 52, luja com portaos eucarnados.
intitulado
COSTURA
Acabam de cnegar ao GRANDE BAZAR
UNIVERSAL, roa Nova n. S-CARNEtao
vuNNAum completo sortlmento d ma-
chiaas para costura, dos autores mais co-
onecidos, as quaes estao em exposifo no
mesmo B2ar, garantindo-se a suaboa qua-
lidade, e tambero, ensina-se com peifeicao
a todos os compradores. Estas machinas
sao iguaes no seu trabalho ao de 30 coslu-
reiras diariamente, e a sua perfeicao ta!
como da melnor costureira de Paris. Apre-
sentam-se tiabaihos executados pelas raes-
mas, que muito devem agradar aos preten-
dentes^___________________________
Vendo-so por :UJ0/ una excollente canoa de .
amaretlo com 40 palmos de comprida : a tratar no' Poae enonlrar,
trapiche da companhla no largo do Corpo Santo.
Offcina e armazem de
BMCfrUF URO,
Bfaa da Imperador n. 26
O respeitavel Mfcfcco encontrar nesta
estabeiecimjntrr aWasaaaie am completo
sortHuento d pasteiaria, batos ingleses
poiafi pais-dato, prgseatos dos ltimos
chafadas ao oereado, salame da. lion, bo-
iinUos fiaos de todas as qualidaties para cb,
aneaioae c afeitadas, confeiloS; bomboios,
paslifbas-, choeotate francez embras, pas-
tilhas da raesmo .cartuxos e oarteiras com
seis charutos de cbo oate rada urna, este
sortimento de chscolate do mais acredita-
do fabricante de Paria e o melhor que at
hoja teta viadrj ao mercado.
Vinhoa portugueses, figaeira muito snpe-
rior. Os mais geoaiuos e superiores viahos
do Porto, moscatel e Setobal, o Ilustrado
publico encontrar neste estabelacimanto
por commodos precos, fazendo-se abatimen-
lo a quera :omprar em porgao.
Licdres de tudas as qualidades, as mais
finas, entre elles o afamado Aiapana, este
licor o mais saboroso e soperiar, at
hnje conhecido. Xaropes de grosarba, rosa,
maracuj, caja etc., vinlios da Bordeara de
todas as marcas, o mais superior qoe se
champagne de Chevernt
muilo superior, os mais tinos e superiores
cognacs francezes^old-tora de tois as be-
bidas alcuosas, este a mais salutar para
quem soffro do estomago,
Conservas de legnmes, portuguesas, fran-
eczas c inglezas, mlhos mostrada etc.,
fructas seccas cristalisadas e em calda, na-

Leao de Onro.
Aos cem mil azulejos
Portugueses, hespanhoes e frnncpzns : na ra
Primeiro de marco n. 16, r:itr'or,l do Crespo, ar-
mazem de louca de BernarJino Duarte Campos
& C.
memore
Caes Vinle e dous de novembro n. 57,
(ootr'ora armazem allianca)
Ha
taiaanbos
manhos, soieiras e saccaaas, assim como soiei- carnes aa uansa e Kio de Janeiro, cigarros
me saccadas di podra do Lisboa. Tambera con-' de S. Paulo e Rio de Janeiro, moitos su-
trat-se e faz-so qualquer obra, como raonu neo- ,. .im, ,i
ios, tmulos, estarnas, pias, lavatorios, mesas e Peores, e finalmente tudo qnanto se dese-
ludo o mais tendente mesma arte, por mdicos jar tendente a este gnero de negocio com-
pr-C"3-_________________________________ prometemn-nos a satisfzer toda e qual-
o sitio denominado dos Bontit, antiga casa da la-
vagem de roupa, com grande casa de vi venda,
sentala para preto?, estribara, bauheiro de pedra
e cal com agua corrente, baixa para capim e
Srande terreno para plantacoes : quera o preteu-
er dirija se praca da Independencia n. 33.
Caf do Usara'
Vende-se ptimo caf da serra d'Arata-
nba, Cear: ra da Cadeia do Recife
n. 5.
Nao mais cabellos brancos.
A tintura japoneza para tingia os cabellos
da cabe$i e da barba, fot a nica admittida
i Exposifo Universal, por ter sido reco-
nhecida superior toda.- as preparaces at
hoje existentej3, sem alterar a sade.
Vende-se a i5000 cada frasco na
Rna da Caa n. 51,
1. andar.
oimoeii.u
c
13
CO
-------1 1^^^
Com este titulo acha-e aberto e inteiramente transformado este anligo
estabelecimento de joia, onde os fregueses e amigos encontrarlo tudo qnanto
a moda e o bom gosto tem inventado na arte de orivesaria, o Collar d Ouro
observar delicadeza no trato e senciridade e modecidade nos precos.
Espera que o respeitavel publico venha ver o que existe de melhor em
aderacos de brHbantes, esmeraldas, rohins e perolas, meios aderecos, pul-
ceiras, brincos, alfinetes o anneis de todas as qualidades, prata de lei faquei-
ros, colheres, palit^iros salvas e cutros muilos objec'os que serla enfadonho
mencionar.
Compra-se onro, prata, brilhantes e pedras' finas, pormaior prego do
qu em' outra qualquer parte, treca-se e concerta-se todo e qualquer ohjecto
pertencente a esta arte.
GAZ GAZ GAZ
Chegon ao antigo deposito de Henry Forster t
C, ra do Imperador, um carregamento de ga:
de primeira qualidade; o qual se vende em partida'
e a retalho por menos preco do que em outra qoai
quer parta.
CEMENTO
PORTLAND.
Vende-se no armazem amaretlo de Vicente Fer-
reira da Costa & Fho, defrente do arco da Con-
ceicao, eri barricas grandes
Tasso Irmaos & G.
Vendem oleados pretos para forro e guardisehu-
va de cutos.
Ditos de cores.
Portas a*e pinho alrrof^dadas, tamanhos diversos.
Cadeiras americanas de varias qualidades.
Tnico para cabellos.
Agua de Florida.
M.ichadinhas americanas.
Vende-se nm mnlatinho de. ti a 7 annos, e
urna preta de mcia idade : na ra do Encanta-
mento n. 11.
tf assio : Como sejaat para casamentos,
baptisados baiies etc., tambera se recebem
encommendas de p3es de lo ou bollos de
qualquer especie enfeitados e decondos,
bandeijas de bolinhos com armago da as-
sucar, assim como de papel, pecas manta-
das, gellatinas de fructas, amendoas, leite
etc..
Os donos deste estabelecimecto na se
tem poupado a despezas para melhor me-
recerem a acoadjuvaco do Ilustrado pu-
blico.
Te I has de ferro.
Na ra do Crespo n. 6, ha para vender
por presos muito razoaveis um grande sor-
timento de telhas de ferro g.:lvaaisado, de
diversos tamanhos para cobrir casa a te-
lheiros que alm de ser mais barata do
que as telbas de barro e aformosear mais
qnalqner obra muito mais limpo.
Retroz.
Qualidade superior e sortido em cores : vende-
se na roa da CaJeia n. 21, i* andar.
Vende-se urna rs.-rava sem vicios era acha-
ques, com 2't annos de idade. engoraras, coiinbi
e faz todo o servico de urna esta : a tratar na ra
do Viscondc de Pelotas, casa n. 7.
60RA DA IMPERATRIZ
eo-vMtrara o rospeitavel publico,
9
um granie
Neste grande estabelecim^ntu
8 3 ..i qaalqaar parle, visto que oj novos sWios testa flri.a adopUram o'sjstema de
i fazer os seas sormentos pelos mesmos precos qu3 comprara as casas estrangeiras.
escolber.
CSUWlMHil s:i5.*.sa
COM 8 PALMOS DE 1.ARGKA A
i.000 e 21500 RS.
Chegaram asnissiraas cambraias suissas
traapsr^ates, seno o que ha de mais fino
1:600,
derem
de 12>000 y. cada um, pichincha.
CAiEMIWiS LiSCOSSEZAS.
O Pavao tem boni'as casemiras escosse-
zas com qaadros grados e midos e outras
lisas com listras ao lado, sendo fazendo
para vastiuose vende-se pelo barato preco muito fina que se vende mais barato, por
le 1080.), 2^1000 o 25300 o metro, tendo haver grande porco.
tambera das mismas, porra inglezas con CORTES DE C\SE\1IR\ PRETA A 4:500,
a mesma largura que se vendem a 1/10(0,' O Pavao tem os superiores cortss deca-
e l280o metro, sendoapenas precisos des- semira* pretas enfe.taias pelo barato preco
ta rga fwenda para sa fazer um vestido de l-S500r?. o cort,
4 ou i l/ metros, pechincha, CASEMIRAS RASPADAS A 800 RS. O CO-
SM.VSRORDVDAS VADO.
Veodd se um bmito sortimento de saias O Pavao ^ende excelente fazenda de pura
bordadas cora 4 r>inros, assim como ditas j 13a -com a3 cores escuras muito proprias
a promotas, de lasinha, enesgadas com para calcas, palitots, coetes e roupa para
barras bordadas a la por precos meninos que frequmtam a escolla por ser
sortimento de fazendas, do mais apurado gosto ass
DIXIIE
Para maior
&: CS.
para 'podeiam "VaaV ^T2 *%.!? Pj *g** ?u,ese,hes promelte vender por precos muito mais baratos do q
-r pelo costo, lkitando-se~ a
commodidade das Esmas. familias, de todas
muito em conta.
PANNO PARA SAIAS A l/OOO, i280 e
A'OO RS.
ideosa bonitas fazendas Jproprias para
saias sendo cora bordados e pregas a nm
lado, dando a largura da fazenda o compri-
manto Ja saia e vende-se pelo barato preco
de < &)'*), 10280 o 10800, cada metro sen-
do preciso apenas 3 on 3 1/2 metros para
.. iaia pechincha.
v.oindB e cascmlras pretaa.
O Prvo vende grande porc5o de pannos
pi itos do mais baixo at o mais fino, por
preco que al oir, assim como ura grande
sortimeota do casemiras pr. tas para calcas
qae so venda por preco mais barato do qoe
em outr qualquer parte.
Vestfcloi braneos a 13^009 rs.
O P^vao vende inissimos corles de ves-
t loa de cambraia >ranca, ricamente borda-
da3 e cora ranita Jfazenda pelo barato preco
PANNO DE LINHO.
Chegon um sortimento de pecas de pan-
nii d 700 rs. ;>t 10000 a vara, garantindo-sa
que em fazenda de linho n3o ha nada melhor
nem mais proprio para -lences e toalhas.
CORTINADOS PARA CAMAS E JANELLAS
de 83. m, tU e 160000.
m para a luja do Pavio um grande
sortirrento dos bonitos e ricos cortinados
bo; .Irlos, proprios para camas e janellas,
lem de 8000) o par. at o mais
rico r;i! ven ao mercado, a vende-se mais
barat -fioa em outra qnalqner parte.
CERA DE CARNAUBA.
i3sup;rior cera-de carnauba era
sircas mais barato do que em outra qual-
eper oarte, na roa da mperatrii n.|80,
loja do PavSo.f
urna fazenda leve, escura e de muita dtira-
Co, & pechincha a 80j rs. o covado ou a
2#8u0 o corle de caifa para liomem.
FINAS BARGES A.6i0 RS. O i.OVADO.
O Pavo tem as mais lindas bareges d
15a sendo raeias transparentes, com urna
s cor, tendo : lyrio, azul, rosa. Bismarck,
roxo, etc., tendo muito boa largura e tiqui-
da-se por 640 rs. o covado, por se ter fei-
to urna grande compra, assim como ditas
mais estreitas de urna s cor com listras
imitac5o de soda a 560 rs. o covado, e pe-
chincha.
ALGODOSINHO A 80000 COM JARDAS
. O Pavo vende pecas da superior algo-
diosinho largo proprio para todas as obras
por ser encorpado e fino, pelo barato pre-
co de 80000, pechincha.
PECAS DE MADAPOLO A 3*00.
O Pavo vende pessas do muito bom
madapolo, tendo 12 jardas cada urna, pelo
barato prego de 30600.
PSCHINCHA EM ALGODO A iJtOOO RS.
O Pavo est vendeudo pacas de algodo-
sinho francez, tendo 4 palmos de largara e
com 11 metros cada peca, palo barato pre-
de 40000 rs.
CAIBftAIAS BRANCAS A 43000, A PECA.
S o PaVe vende pecas" de cambraia
branca transparente, tendo mais de vara de
largura, com 10 jardas cada peca, fazenda
que sempre se vendeu a 70 e 8,5000, Dqai*
da-se pelo barato preco de 4$')00.
PARA BAPTISADOS
Na loja do Pavo vende-so bonitos en-'
chovaes para baptisados.
Cortes de casemira a 40.WH, cada um.
Vende-se bonitos cortos da ca3amira<
claras e escuras peln barato preco do 40,
loa a 20*00 o covado, tendo duay larguras.
CROCHE'S PARA CADEIRAS E SOFA'S.
O Pavo tem um grande sortimento dos
mais bonitos crochs para cadeiras, sofs
mesas, almofadas etc., proprios para co-
brir presentes e vende-se mais barato do
qae em outra qualquer parle.
AigodSo eafeatado.
preciso apenas para um lencol ura metro e
Vende-se urna grande porco de algodo .
sinho americano com 8 palmos de largura, f urna quarta ou* metro e mio.
proprio para lences e oalhas. tendo liso e Ln/X___
trancado, que se vende por preVo muito em gr?swwaples PRETOS de 156OO AT 7^000
conta. i ? l0Ja do Pavo encontra o respeitavel
CRETONES'MATIZADOS para VESTIDOS A 6iO' Pub,"'Gl> ura grande sortimento
a ganharem o descont. As pessoas que negociara em menor escalla, nesta loja
as fazendas se do os livros das amostras, ou se mandara levar enfsnas casas, para melhor po-
CRETOXES COM 10 PALMOS DE LARGURA A CHAPEOS DE SOL DSE
2*000-RS. I
O Pavoo tem urna nova remessa aamui-! Pavo fez urna grande compra de cha-
to acreditada cretone, propria para lences pl>s de s1 de Pura seda> ing,ezes com as
tendo 10 palmos da largura, dando na lar-.,,aspras Para8a sendo Deste genero os
gura o coraprimento do lencol e vende-se i m?lhores pelobarato'preco de 20000 o metr^*%& u,dam"se cada um ^Q Preco de l0a-|?a veSemN! S. lio a^raia^aS!!
100000. ALPACAS LAVRADAS A 640, 800 B
1,000 RES.
Chegou para este grande estabeliciraente-
o mais bonito sortimento das mais moder-
ROUPAS PARA IIOMENS PARA TODOS
OS PRECOS.
E 800 RS,
Para o Pavo ebegaram os mais bonitos
cretones escuros matizados, proprios para
vestidos, roupo, chambres etc. que se
vendem 800 rs. o covado. assim como o
mesma fazenda com padroes claros proprios
para vestidos e roupas de meninos a 640
rs. o covado, sendo os padroes mais mo-
dernos que tem vindo ao mercado.
OS SETINS PO PAVAO
Vende-se es mais bonitos setins de cores
o mais encorpados, proprios para vestidos
tendo de diversas cores.
de grosde
naples pretos de todas as larguras e qua-
lidades, tendo de 10300 o covado at 70000
e 8000!), que se vende por preco muito
em conta.
CASSAS FRANCFZAS.
assim como um grande sortimento de alpa-
cas lizas da todas as cores
Basquinas.
N'este grande estabelicimento encontrar
o respeitavel publico ura grande sortimento
de roupas sendo palitos e sobrecasacos de cheg,1ra-0 as mas raoilernas
panne preto e cazem.ra, calcas e coletos de ou jaquelinhas de seda ,
bnm branco e de cores, que tudo se vende enfertadas a vidrimo, tranca
mais barato do que era outra qualquer parte; I tendo de todos os modellos? c
assim como um grande sortimento da ca-
rnizas francezas e inglezas, e ceroulas tanto
de linho como de algodo e abundante sor-
timento da meias cruas.
LAAS ESCOSSEZAS
LAAS ESCOSSEZAS
LAAS ESCOSSEZAS
A S60 rs. o covado.
Chegou para a loja do Pavo, o mais
elegante sortimento das maj lindas lazi-
nhas escossezas com ftos de seda, as.quaes
fazem o mais. delicado effoito, para vestidos
de duas saias, o vendem-se pelo baraiissi-
mo preco de 560 rs. o covado.
Cbegaram para a loja do Pavo as mais
lindas cassas francezas com delicados pa-
um Bonito sorranto das mais lindas chi- o Pavo vende urna grande porclo de
ias iraacezas ascuras a alegres, qae sa vea- cortes de vestidos indianos, tendo daas
uem muilo em conta, e tarabem se do .saias e tendo bastante fazenda.com os gos-
i tos mais novos que tem vindo, e liquida-se
CHITAS A 2iORS. a 50000, tendo cada um seu competente
figurino.
wa toja do Pavo vendem-se bonitas chi-!
las francezas claras e escuras e coresxas
240 rs. o covado/e pechincha.
que tem chegao
muito razoaveis.
basquinas
ricamente
e setim veto
nevos
e vendem-se por preco
LASIXHAS A 320.
LAASINHAS A 320
CASEMIRAS MESCLADAS A 30 O COVADO
O Pavo tem para vender bonitas case-
miras mescladas e bastante encorpada para
roupa de horneas e meninos pelo barato
preco de 30000 cada covado ou 50000 o
seda e com as coi es mais lindas que tem
vindo ao mercado, sendo fazenda que vale
raaito mais dinbeiro, e liquidam-se a 320
rs. o covado, pechincha,
SEDAS DE LISTA
SEDAS DK LISTA .
- SEDAS DE LISTA
a 20000 o covac*o.
Cbegdu para a 1 ja do Pavo am grande
e bonito sortimento das mais lindas sedas
de listas.com as mais delicadas coas*, tendo
entre ellas algumas qae servem para ai, e
vendem-se pelo barata preco de 20OOO o
covado, pechincha.
FAZENDAS PARA LUTO NA L01A PAfAO
Encontra o respeitavel publico oeste es-
tabelecimento am grande sortimento de fa-
zendas pretas, como sejara cassas france-
zas e inglezas, chitas pro-fas de tojas as
qualidades, fazendas re la de todas que
tem viudo, proprias para loto, sende Uasi-
nhas alpacas lavradasn lisas, caataoi-bom-
bisinas. merinos, etc. qae todo sa vende I paito de linho bordadas a
por .preco barato. lpara todQS os 9rotp*.
LAASINHAS A 320.
Na loja do Pav| vendem-se elegante sor-
timento das mais lindas lnsinhas lustrosas, corte de calca para homem.
com listrinhas a imitaco de poupalinas da]
"dl*M""-'1 "*"""" Eoupa por medida.
Na laja o Pavo manda-se fazer qualquer
peca da obra a vontade do freguez, par o
l^ECMIA'IJIIA. que tem um perito alfaiate, responsabelisan-
__, .._ .do-se os dones-do estabelioimento por qual-
EM CAMISAS DO PAVAO A 40500 RS. 'quer falta qae possa baver, quer por de-
Vende-se um bonito sortimento de muito mora, qu9-por qaalquer defeito na obra;
finas e modernas camisas inglesas com pei-,e para ta ancontra o respeitavel publico
lo e co' arinhos de linho e puabos, pelo tan grande sortimento de todas as fazendas
baratissimo preco de 40500 rs. cada urna que desejar.
e aos freguezes, que comprarem dazias se, BRAMANTE A 1800
Ihe far um abatimento. garanlindo-se que
fazenda que vale muito mais dinheiro, Veade-sa superior bramante cora 10 pal-
liquidare por este preco por se ter feito mos de largura, proprio para lences, dan-
ama grande compra : assim como se vende do a largara d'esta boa fazenda o compri-
ma bonito sortimento de ditas tambem com monto do lencol, sendo preciso para cada
ditas de algodio ma apaas 1 e 1/2 metros on 1 a 1/4 aa-
1 flacha pelo preco.
A loja do Pavo est constantemente aberta, das, 6 horas da manMa s 9 da noute
POUPFLWAS DE SEDA
POUPELINAS DE SEDA.
POUPELINAS DE .DA
a 20000 o covado.
O Pavo acaba de recebar o mais ele-
gante sortimrnto das mais lindas veiiadei-
ras poupelinas de linho e seda com os pa-
droes mais delicados que tem vindo aa Cer-
cado, tendo entre ellas cores proprias para
allrviar luto, e vende-se pelo barato preco
de 20000 cada covado, pechincha.
Cambraias brancas
Vende-se um grande sortimento dss-me-
lhores cambraias tanto victorias como trans-
parentes tendo de 30500 peca at a mais
fina que vem ao mercado.
ESPARTILHOS A 5#000.
Vende-se um bonito sortimento dos. me-
lhores e mais modernos csparthos tendo
do barato preco de 50000 ata 8000.
CHITAS FINAS DE 30 A 500 RS.
Veade-sea mais elegante sortimento da
mais modernas e bonitas chitas tanto mia-
das como gradas, com coraa claras o es-
curas, dando-se de todas amostras.
FUSTES BIUNCOS A 640* li E 1JJ0O.
Vendo-se muita bonitas fasces brancoa
rauito flexivel proprios paivestidos da
senboras e roupa para meoiaos; e vende-sa
a 640, 800 a 10800 rs. o cn*do.
Cassaa a t40 rs.
O Pavo est vaodeado bonitas cassas da
ceras ftiu a *40, 280 a 300 rs. o covado.

v
,i
."-W-


otai >U ni > i-.T
Diario de Peraambiico Turca eira
imiWl l oivtiQ
V
I
24 de Muie de 1870.


-=z
tt-i' ;u-
TTTVT
3XS
' '"'' T
l BA DA MfEKXTJRtfS % Z
Esquina da na da.Auora, eiu IVenledo caf Iinporatriz.
(Testa novn e wmpfurwo ostohlecftn ', i d Faindas on :ontfarfa as E^.mas.
Mudas Mdo qoaoto^Msam desojar, tanto em rticos do mis rigoroso tus, como em todas
m mais qnaiidades 3 fnzeiid&s,
-^ro ',! te Mtiarem prvidos do mo de Bwlhbr so cneontra ncslc mercado,
par lodosos paquetes da Europa, recebara directamente o qtic rm artios de moda c
o raais apurado goslo se encentra em Pars, o cju vem cada di i augmentar as propor-
Ifles oe que 5 este estabelecrrnento para bem servir sua numerosa fregaezia.
Algodo largo pora lences e toalhas de Case com Iistras ue sj.la e flores, fazen-
is qualidades que eostuma vir ao raer- da inieiraraento nova para vesdosde buie.
fravatas p.-ra seiitinras e tutnens, o mais
z-rr-r......',' ; '.,

completo sorliraento quo se pode desejar.
Guipure pelo e branco, diversas larga-
ras e di eferentes gostos.
Collas e ptiuhos bordados para senhoras.
Guardanapos de \mhti pequeos e gran-
des.
Gorgurao de seda prelo ede cores.
Grosilenaples prelo ede cores, baven-
cado.
Alpacas de todos o padroes e qualiJa-
es to v;riadas,que se nao podetn dcscrev'er.
Anona com msicas para colincar retratos,
ielicado presepio para qualquer pessoa de
sima.
Atoalha Jo de linho e algodo, branco e
te coles proprios para toaTbas.
Bas juinas de seda pretas e muito moder- do diversas'qualidadcs e gostus.
aas, oem como de crocbt, la lo de apurado ,j
oslo e fetlo. j Japonezes para senioras, o melhor gos-
Baloes do rau-stlma, madapolio, brancos lo, e fazenda propria para as eslas nos ar-
de cores, para sdliora e toeoinas, rabaldcs e passeios a larde.
Uareges de cores variado sorjjmento. r~y^
Babadinhos ou liras bordadas em todas as Luazinas de tudas as qualidades, cores
"guras, 'e gostos, nao fiaudo nada a desejar, tal
Belbulina de todas as cores. :o sortimento qoe existe.para escoRer.
Bolsas de tapete para viagem. grandj Lcn<;,)->, tudo quanlo pode baver desde
*ariadadc do lamartos e gostos. esguiao ao algodao commum.
Bombazina p'net.i de todas as qualidades. Leques do madreperola e osso, o mais va-
*o Hueimabo
Bramante de linho de 11
pira, e todas s inais qualidades.
palmos de lar-
ruda sortiniento.
Ligas de- seda, bordadas, para senhara.
Luvas de Jouvin, cegadas por lodosos va-
pores, sempre novo sortimeato, quer em
pelika para homens e senlioras, qucremjio
Bretanhas de finito o algodao, grande sur-
imenlo.
Brius de linho branco e de cores, do mais
commodo ao mais caro em qualidade, aliaa- d'Escoc'ia, brancas o de cores.
pudo o que lia de melhor na especie. &3E
Brkis d'algodjo. completo sorliraento e Madapolao; iudescriplivel o grande sor-
rariedade de pre;os. tmenlo que La ueste genero, dsde o mais
Ci elevado preco ao menor, que se vende" em
Cassas de cores, o maior sortinento, pri- p.'ca e relalbo por menos do que em ou-
ando pelo boai gosto e barateza, atientas tra qualquer paj le.
'- qaalidades. Mantas de blonde para noivas : o apurado
Caaibraias brancas, lapadas, e transparen- gosto dos nossos correspondentes em Paria
s de todas as quididades e precos. Iialalila-uos a dizer .que temos em nosso
Camisinhas de cambraia de linho o cassa esubelecmento q quo de meibor se dse-
Cordadas ricamente enfilados para Sras. ja para vestir e ornar urna noiva.
Camisas para bomens e meninos, to va-
riado sorbiaentoque vai do mais ordinario
nadapoSo ao Irais perfeito bordado de li-
Camisas de niela, e Caticlla, brancas e
e cores para homem.
Casemras pelas e de cores, o melhor
jue se pode imaginar, endo d'isso a me-
nor pro va o grande consumlo dellas na
sfBcina da casa.
Capailas de flores, para noivas e bailes,
tesde a mais candida flor de larangeira at
i m33 interessante griaaida.
Chapelinhas no meihorgosto.de todas as
''res hoje preferidas pelas senhoras de
tais apurado rigor na moda.
Chapeos pretos de velludo, para senhoras,
r.imo gosto de Paris.
Chapeos de sol, para s-nhoras e homons,
is todos os pre;os e variados gostos.
Chaly com ricos padroes para vestidos.
Chales de todas as qualidades, avultado
tornero e nlo menos variedade de gostos,
Chitas, impossivel descrever o sortimen-
>o e variedade de padroes e novos gostos,
ta neste artigo tudo quanto se pode desejar.
Cintos para senhoras o que se pode inia-
fiiar de melhor.
Coques, o melhor no gosto e nos entei-
s, varios tamanhos.
Colchas de seda com borlas, o mais apu-
rado gosto e lavor.
Ditas do fusto branco e de cores por
precos commodos.
Corpinhos de cambraia, ricaraenfe borda-
das para senioras.
Cortinados de cambraia bordados e de
i.o quo de ra-lhor se pode desejar.
Colarinhos de inho bordados e lisos, o
calor sorlimento.
Damasco de la de 9 palmos de largura
lidas cores e rieos padroes.
OBI
Espartilhos bramos e de cores, para se-
choras e meninas, o melhor neste genero ;
aenhuma Sra. deixar por certo de muir
e de to precioso auxiliar perfeico de
am corpo delicado.
Entreraeios bordados.
Escomiiha preta.
Enleites para cabeca, ultima moda de
raris, recebida no ultimo paquete.
Esguio de linho, completo sortimento de
todos os nomeros.
O
Fitas largas escocesas para cintos, varie-
dade de gostos e lindos padroes,
Fi;hs de crochet, modernos cora cintos
a capas, o que ha de melhor.
Fil de seda, linho e algodo, de todos
os gostos e padroes.
Fusto de todas as cores e qualidades
grande sortimento.
Flanella branca e de cores.
Flores, o que, ha de mais rico, quor
ollas, qper em ramos, tem o PAYJLHaO
DA AURORA om permanente jardim a
isposico das Exmas. familias.
Muas pelas de blund.
Manas para carros, com lindas pinturas.
itferns pretos, trancados e Ijsos,
t Musselina branca e de cores, lindos e va-
riados padrees.
Pannos pretos e de cores, desde o mais
barato ao mais superior, por prego muilo
Commodo.
^Pannos de crochet, para cadejras e sos.
Ditas de casemira muilo finos para
mesa.
Peitos bordados de linho, lisos e de al-
godao para camisa.
Princetas pretas e ^e cores.
Popelina do seda e liuho, com iistras e
flores; fazenda lindissima.
Pelheriuas para senhoras, do ultimo
gosto.
Perfumaras ; os mais finos extractos c
que de melhor e mais agradavcl se pode
encontrar neste genero, e de mais fragaMe
e suave no olphato, tem o PAV1LHAU DA
AURORA, desdo a verdadeira agua Flori-
da at o mais fino Douquet d'Amour, final-
mente tudo quanto deve oceupar o touca-
dor de urna senhora de gosto.
Saias bordadas, brancas, lisas e de cores
com folhos e sem eles. o melhor possive,
Sbilas de baile, de todas as cores.
Sedas pretas, de quadros, lavradas, lisas,
de Iistras de todas as cores e qualidades e
o mais barato possive.
Sareelim de todas as cores e qualidades.
O?
Tapetes grandes, lindas pinturas para 8
cadeiras, mais pequeos e de lodos os ta-
manhos desejaveis, e em peca para co-
vados.
Toalhas de labyrintho, do maior e mais
fino trabaIho ao mais barato. *
Toalhas de linho e algodo de todos os
tamanhos, lisas e felpudas.
Tarlatana branca com palmas e de cores,
fasenda muito nova, e goslos delicados pro-
pria para baile.
. ^*
Vistuarios bordados de fusto brancos e
de cores para meninos, de cambraia para
baptisados, o que de melhor tem viudo a
este mercado.
Vestidos de la escoceza da 2 saias,
novidade pelo padro, goslo e forma; dilos
de linho cora barras de cores, e de cam-
braia de cores com 2 saias, tudo inteira
novida'de, trazem os modellos juntos para
mostrar a forma de os fazer.
Veos de bload para noivas e pretos para
luto.
Vestidos de blond para noivas: podemos
asseverar as nossas Exmas. reguezas, que
somos os nicos em Pernamboco que pode-
mos offerecer ao Ilustrado publico, o mais
apurado gosto em semelhante materia, gra-
bas ao bom gosto do nosso fornecedor em
Pars, podemos garantir que ninguem neste
genero o possae meibor, nem mais em
conta.
Quaado a AGU1A BRRNCA, niois precisa sciL-niiiear ao respoilavel pubiiooem
geral, e em particular a sua boa fregaezia, da immensidade do objectos que ulljm&men-
te tem receido, justamente'quando i-ila menos o pode faze/ e porque cssa falla invo-
luntaria ella confia e espert na benevolencia de lados que Ib'l Uewleiio relevarlo,
continuando portanto a diiigrm-se a bem conhedda lija da AGUIA LUAiNCA ra do
Queimado r. 8, onde sentpre aciiaro abondjncia m soi'timenio do superiord-ule em
qualidades, modicidade em presos e o seu nunca desiucmtido AlilUUO E SIN'CI'.IUDADE.
Do que cima tica dito so conhece (pie o lempo le. |u< a AGA liltANC V pode
dispr, ompregado apezar de scus cusios no desempenuo de bem servir a aquellos que a
honrara procurando prover-se em dita loja do que necessiiaui, entretanto sem ennumo-
rar os objectes que por sua nalixeza sao mais conhecidos ali, < Ha resuinidaincDle indi-
car aquelles cuja importancia, elegancia e novidade os tomara recoinmendaveis, como
b> m seja :
Corpinhos de camltraia, primorr sanente
enfeitados com fitas da setim e obras etfca
uja novidad'- de molde e perfeico de ador-
nos is tornara apreciador.
Titas mni largas de diversas cores e qua-
lidades para cintos.
Leqcs uesse objecto muilo se poderia
dizer qderendo descreve-Ios minuciosamente
por sus qualidades, coree e desenlies, talj
o grande e variado sortimento que acaba
de chegar, mas para nao massar n prath-
dente se lhe aprest ntar o que poder de, i
melhor.
Entremeios em pegas de 12 tiras.
Guipure branco e preto de diversas qua- '
lidades e desenhos.

Capeilas brancas para -meninas.
- Grandes sortiinuiio de llores finas.
Fil de seda, prelo.
PERI- L.dARIA
Grande c consunte sorrneuto de dita,
seninrrt meibor quajid.ide.
Lindos vasos com pj de arroz e piusel,
Caixinhas com ditos- aromticos.
Bonitos e modernos pentus dourados
circular o coque.
Bonitos brincos de plaquee.
Aderccus e aehtflos de madrepeioir.
Cauivetes unos para abrir latas.
Thesouras para bisar babadiiiiios.
Aspas4para balo.
Novos stereoscopos com 48 vistas, as
quaes sao movidas por un maclnismo^
L^oTA
par
Dilos de algodo com flores e lisos.
Veos de seda para ciiapelinas e monta-|Utn,f sabstiiucm as ouira.
rja Visia para stereost:opos.
Meias de seda para noivas.
Ditas a bertas de fio de Escossia.
Costomes ou uniformes para meninos.
Enxovaes completos para baptisados.
Touquinhas de fil, sapatiahos bordados enancas.
Bonitas >:aixinhas do vidi\> enfeitados com
pedias.
Ditas de ipadera anMrafiatf com vispo-
ras e com do minos,
Bollas de borracha para brinquedo de
e meis para ditos.
Camisinhas bordadas para ditos.
Diversos objectos de porcelana, propr03
para enfeits de mesa e de lapinhas.
L1
AfMLAZEm
,1,
NOS GRANDES
UE SKCCOS
s
E MOLfliBlOS
gallo miuim
Itm !o crespo n. 9
Ot broirn:ia; beni eunheeido csut>ole-
cinu-Bi'?, aliu (J. m-'io objecin <|ue linhau ex-
posto; i apreciaran Jo respeitavel publico, man-
lararn vir e ae'i'.am de receber pelo ultimo vapor
da Eniopa nm kiBiplMo e vanado suriimento de
Unas a mu (telitMaa Waeialidades, as quaes e-
laa rSf>lndo3 .1 vuu.ier, como de seu costume,
por preces rrtutu baratinaos e commodos para to-
do*, coiii tantq qua-o Gallo....
Mttllo iup"rinr>.'s luvas de pellica, pretas, lirau-
CM e de mu lindas tres.
^(1 t-..as o bonitas goliinhas e punlios para se-
nhara, oeste gi tro o que ha de niais moderno.
Snperftirss pentet de' tartaruga para coques.
Ijindos e riqnis Eimas. nhoraa.
Spfcrwres Uan';as pretas c de .cores- com vtfri-
Ihose sem eiles; esta fazenda o.que pode luver
de melhor e mai- bonito.
Superiores e bonitos loques de madrep^rola.
loarm, wudalo e osso, sendo aquellos brauco-
com lindos desenhos, e estes pilos,
Atuilo ajipefiores meias tio de Escossia para sn-
uhoras, as quaes smpre se venderam por 30fK'i
a duzra, ebfvt.into que nos as vendemos por 20*,
aihn deslas, leniot- tainbem grande suriimento de
ootras qaaudades, cutre as quaes afumas muilo
Quas.
Bos .bengalas de superior canna da India o
casti-de iharfim com lindas e em-oiiadoras figu-
ras do meeoio, ni-te genero o one de melber s'
pode dt-stjai- ; al< m deslM temos anibcn grajuh
quanliaJe de oalras qualidades, como sejaiu, iua-
deira, balcia, osso. borracha, etc. etc. ele.
Fiuos, b.inilo- e airosos ehicotinlios de cadeia t
de Miras quadades. -
Lndas e superiores ligas de seda e bonaclii.
para segurar ;>> meias.
Bos meias de seda para senhura e para meni-
nas de i a 12 anuos de idade.
Navj'fm cabo de inariiin e tartaruga para fazci
barba ; sao muilo boas.e de inais a mus s> ga-
rantida pelo fabricante, e nos por nossa vez tam-
bera a?sigur.uii-s sua qualidade. o decadeza.
Lindas c bella; capillas para noiva.
Superiores agulhas para machina e para crox.
Linha muilo boa do peso, frouxa, para cnelier
labyrintho.
gana baralhof de cartas para voltarete, assim
como os teios para o raesmo fim.
Grande e variado sortimento das raelhores per-
fumaras e dos melhores e mais conhecidos per-
f un islas.
COLARES DE ROER.
Electrices magnticos contra as convulsoes, f
fa'-ililam a enlicao das innocentes ci ancas. So-
UMB desde muilo recebedores destes prodigiosos
c<(iiares, e iwnliiiuamos a recel.e-los por todos os
vapores, afim de que nunca faltem no mercado,
i-orno j tem acuntecido, assim pois poderao aquel-
les 0110 delles precisare;-.!, vir ao deposito do gall<
vigilante, aoude sempre encontraro Uestes verda-
deirus cojeares, e os quaes attendendo-se ao fin;
futraque ,ao appiicaJos, se rendero com um mu
diminuto lucro.
Rogamos, pois, avista dos cbjec.tos quo deixamos
declarados, aos nossos freguezes e amigos a Icen
comprar Mor precos muilo razoaveis loja do galle
vigilante, ra do Crespo n. 7.
Grande iiquifhra na hja ar-
m y.am do
l'
1 e
dlfote.
d -pre.-f a.
(Uph isa.
depressa.
Ama
Ra da Impejairii 11. ii'2, porlaes cnearrad^s
l'aiades l'o: I. iinlu a liij:i de ctirivc;.
Admirein admiren admirem.
Admiren* hdiitirem adntven>
Admirem adminie a^ln iicm.
Grande p>ry2o de filil .
Grabde porclfe de fhl
Grande pon;ao de ch;u-.
A iU) e 40 re? i. e< v.ijo.
A no o 20 reja u euvado.
A 2(X e i\0 iviui fbvaffrt.
A -J.W e 2*0 reis o iv
l'ua oMi
l'ara aofb^r
Para acabar
I': araliar
veDdfl rnin'o -ara vi mi t- muo.
\'e: de 1 r-i > rara n$tr muil!
Vi Rile l,:u..!ir f^f^ v. ijdrr ni ii,i.
Vende ttarixo para vend 1 1.: t-..
A pe.-a run V.' L2 e...-.,,! f ;, A i'ssa ci'in II I b H lo- a .'.4 < l>i
A ne :) r.-ui tf i, Brlfl ktf !' n <',i
a p.'-s.i ti 111 4; i|^ e iadoe 1 ;t c ;),),
Alpaca de rqr.w rcuras u 1 lara*.
Alpaca de efires firmas e (i.:.-.s.
A'pnca rte rr-tn wenra" 11 l.-i
A'linja :: i>0 e IHO n iv<: i.
AdtftifH P 8U e :i:. u D< >.:
A-Juma a SO e JSO O i'1'i..il .
\o lc5o de 1 ii",
No l> iio de pnrn
Ne bao de oui'o.
l'.i.a !u [uiperair u. ."'2
ESGSVSS FGiDSS.
CONSERVATIVO
N. 23Largo do Ter?o.. 23.
DE
S1MA0 DOS SANTOS ft C.
10
Patio da Penha
DE
10
E' dispondo d to grande e variado sortimento que os proprietarios do PA-
VILHO DA AURORA se apresentam ao pnblico declarando desde j que a sinceridar
de e o bom gostoo movel onico de seus negocios.
Prvidos de todo e proraptos sempre a prover-se do que por ventora lb
eja necessario, os proprietario* deste sumptuoso estabelecimento recommendam-s
em receio de serem contradictos e proteslam esforcar-se por contincar a merecer
protecSo que se Ihes tem dispensado ; certos de que" do seu estabelecimento no sahira'
o freguez descontente.
Continua sempre a officina de alfaiate dirigida pOr om dos mais babeis artis-
<9, prompto execntar com promptidJo. e bom gosto qnalquer trabalho que lhe sej
confiado. Urna modista especialmente oceupada nos trabaihos do PAV1LHA0 DV AU-
RORA, dirige os que lbe s3o concernentes, garante porseu apurado gosto epromptido
na execuco e a mais completa perlero nos seos trabaihos.
A numerosa freguesa que nos honra urna prota de que merecemos o oonj-
^^eoque se dispensa ao nosso estabelecimento, coneito que procuraremos firmar cada
'Siauis. Para aciltar anda a co.ncecufo do fim qu nos propomos, temos no nosso
,stabe)ecimento. os ltimos figuripos de Paris, que recebemos por todos oe paquetes, ob.
^uaes envaremos para serem vistos as familias nossas freguezas, afim d escoiherem,'
on o padro da.fazenda o gesto na ora.
Na officina de.alfaiate, unto ao estabelecimento, ha igualmente os figurino
,ff homeos qw por todos os vappres se recebm.
w. *'^ '^Porque nos apresenamos pedindo a protecco do Ucstridb Bn w**M Wi,* C* *t*b~
pqftlwoe coq o.jnw profundo respailo convidamos s PTrftlIfntiflrrnlif *nr- ?^ & ^^^Mm^^mg^mf^.
^queDSde T^Iecunent0' ^ ^ encontrarem nelle pelo menor preeo possiv*-
.^ ^-?ndarea^S cai4I^r08 levar M fondas eamostras onde forero pedidas, Titttiiti
aio pdennos especificar tudo quanto temos. t^,
u Jj6 b*z, StAnnty & C.
Aborto das6 s 9 horas da noite.
SANTOS & FERR IRA
Os proprietarios destes bem sortides armazens participara aos seus innmeros
freguezes tanto desta praca'cerno do mallo que tendo feito grande diminuig:o de pre-
cos as suas mercadorias estao por isso resolvaos a vender por menos de tO e O r0,
do que en. ou'.ra qualquer parte, garantiado-se portado a s perior qua'idado de qual-
quer genero comprado oestes dous estabelecimenlos. Mencion^rnas alguns dos nossos
gneros e a vista destes so comprehendidos os outros, porque ontadono seria men-
cina-los.
Se alguem duvidar venha ver.
Vinagre branco mandado vir por conta Gaz americano marca Deves a 8>00 a
propria vjndo de Lisboa, a 320 a garrafa e
480 o litro.
dem tinto Figueira, Lisboa e Porto a
320,280, 240 e 200 rs. a garrafa e 480 300
rs. o litro.
Vi'nhc Figueira, Lisboa, Porto e Estreito
a 560, 500 480 o 400 a
7G0, 720 e 600.
" Vinbo branco puro de Lisboa a GiO 500 Mili, aiPis^ ? re- a 'ibr* 44 kj"
a garrafa, em porgo ba abatimento. logramma e 56800 a arroba, em porcao ha
Yinlio do Porlo, engarrafado das melho-! abatimento.
Queijos frescos do ultimo vapor a #800
CEMENTO
O verdadeiro porlland. S se vende i-
ra da Madte de Deus h. 22, armazem d
Joo Martins de Barros.
l.ita, 380 rs. a garrafa c 560 o litro.
zeite doce de Lisboa a 900 e i0t*)O a
garrafa em porfo faz-sa grande abatimen-
to.
Caf em caroco a 220, 240 e 2C0, a li-
trfl a'oVn'brao kilogrammo a 480, 540 e 600, e
Barraia litro a *u im^ 1&%Q e mQQ nQb^
ros e mais acreladas marcas a i$000 c 1200
i)500 e U a garrafa.
dem Bordeaux, Mfidoc e St. Julien a
76500 e 650O, a dozia e 640 rs. a garafa.
Genebra de Hollanda & laranja doce aro-
mtica a 65500, IU, i I(J500, a frasqueira.
Srwja Bass, Illers A Bell a 90800 du-
zia em porcao ha grande abatimento.
dem m.rca H e T e mitras marcas a
5^500 e 65, a dozia e 500 rs. a garrafa.
Assim como ha outros muitos
e 30400 cada um.
Aletria, mcarr5o, lalharim a 500 rs. a
libra e 15100 o kitogrammoem caiioha
abtimento.
Sabo massa de Ia e 2a qualidade a 220
e 240 rs. a libra em caia ba abatimento
Toucinno de Lisboa muito alto a, 400 rs.
a libra e 880 o ki'ogrammo, em arroba ha
grande diferenca.
gneros, vinho em ancoretas, azeitonas,
passas e figos, charutos 6nos de diversas marcas, marmelada, bolacbinhas do todas as
q'ualidides, peroia, Francy-cracynel, a, t, c, Mdium, mixed, soda Fancy-nic-nac, pa-
lace de Vanetes, combintion, Britania, doce de goiaba fina, chouricas, manteigas finas
franceza e ingleza, banha de Ballimor, phosphoros de Sycbryt, Cognac, cha de diver-
sas qualidades, Canella, pimenta do reino, ervadoce, pomada, enxofre, breo, peixe
em latas de todas as qualidades, farinba de mifto americana, grandes molhos de sebol-
las, uestes dousarmazens existe tambem grande sortimento de loucas proprias.para ne-
gocio, qtie pelos Seus commodos preco faz vantagem aos eompraiiors.
VENDE-SE ou arreada^se o eogenm
S. Gaspar, sito na freguezia de Seriohaeni
comarcado Rio Formoso, proxipio do em
barque, com grandes partidos de paal j
massap a roda-da-moenda, mattos aanguei
para oadeira aeessaria, bom pasto, etc.;
a tratar na ra Imperador n. 20.
Jcordeiro previdenti
Rita do Unciiuado n. t&.
Novo 6' variado sortimento de perfumar i
finas, e outros objectos.
j Alm do completo sortimento de peri
marias, de que effectivamente est prvida
loja do Cordeiro Previdente, ella acaba
receber ura outro sortimento que se ton
aotavel pela variedade de objectos, superior
lade, qualklades e commodidades de pn
fos; assim, pois, o Cordeiro Previdente pee
a espera continuar a merecer a apreciar.
do respeitavAl publico em geral e de ac
ooa freguezia em particular, nao se afai
tando elle de sua bem conhecidamansid
a barateza. Em dita loja encontraro c
ipreciadores do bom:
Agua divina de E. Coudray.
Dila verdadeira de Murray A Lammaii.
Dita de Cologne ingleza, americana, frar
cezay todas dos melbores e mais acreditad:
fabricantes.
Dla de flor de larangeiraa.
Dita dos Alpes, e vilete para toilet.
Ebxrr odontalgic para conservarlo
tsseio da bocea.
Cosmetiques de superior qualidade e cha
ros agradaveis.
Copos e latas, maiores e menores, cci
pomada fina para cabello.
Frascos com dila japoneza, transparem
d outras qualidades.
Finos extractos inglezes, americanos
francezes em frascos simples e enfeitados.
Essencia imperial do fino e agradavel cht
ro de violeta.
Oulras concentradas e de cheicos igua.
mente finas e agradaveis.
Oleo pbilocome verdadeiro.
Extracto d'oleo de superior qualidad
com escolhidos che i ros, em frascos de diS
rentes tamanhos.
Sabonetes em barras, maiores e menor
para maos.
Ditos (transparentes, redondos e em fig
ras de meninos.
Ditos muito finos em caixinha para barb
Caixmhas com bonitos sabonetes imitan6
fructas.
Ditas de madeira invernisada contendo!
aas perfumarias, muito proprias para pr>
lentes.
Ditas de papeiio igualmente bonitas, tai
bem de perfumarlas finas.
Bonitos vasos de metal coloridos, e *
moldes novos e elegantes, com p de rr<
e boneca.
Opiata ingleza e franceza para dentei.
Pos de camphora *e outras differeati
HSL4
Ein fti^u para u IcO, donde
natura!.
Aiizt-ii! m-se desde o da do abril '!i> cm iii.it>
anuo, a mofara kranrnlafla rnoki. deMitd f '-
ni mais na i-kius 30 annoa, rlin.-i da Mtpo, <-
helios rorrid s, lein os ci-nies (a frenle |> 11 iii
raHa daacaRfaea *.' o Biaiur sigu>l c urna hmi
em um u (tratos wtfiv. o cc'lovrllo : u- a inn-
nWr-a da uo, sup|.("i--n ur fefiflldn para n ; o
rliirttti" i4 ii;ilnr;il, li-wn visudn di- chila r-Kuru
rmn listas anrarudar, t- iirasiumaiia a da-'.!,i' a
pula : qorai a pegar l-ve ra Ja M.ui >;.i
Boa-ViSti) ii 46, ou ra da Cra 20, ijne ser
graffleado.
Colilimia HOUr i'ni:: de I" anuos lie idade, rrliuln. um f;.lis *6*0-
les na frente, u-.-ia ndnnda, olhns vrwai Sen anta
in.iica de queiiniduia na hairipa. e potra na (vxa
ue una estrepada j ulica : ^i^la de ajdar cmb
rajiubo : quoin o pegar nota- kvarao engr-nno
Caiifi'iiii.i em Sirinliaem. a reu senhnr J< 3-. Fl..-
reatino O. de AM>uaotri|u*, ou a ra da Praia o
Si, que sii bem ni'diiipc-idii.
- Fiqiin un terca para (uaa lina (!< cn^ciiin
Oiho d'Agua. villa dt. Tedias de F.ibu, ui i -c.;.
vo de niune I.niz, eom os tignai s siguiles i
Ura, baixo, eheki do rnrpo, [inde ler 2(1 a 27 an-
ima, usa pora, a roupa fad (He saMa d'aeii' fui de.
algodao draiico, levou una Irouxa viu leu.
de algaudimbo, um chale de incrii.n ;.7.i;i t um
veslidu de laa, consta me que fsle l< m dilo sqc:
que ttavia de taglr para o Kecifv e que mli/.iY. -
va pinaoulrus trra*,aseiiH pede a quaUHu-rra
pilan deramtxi e aaterMade policial dc-oa)'|ie
pender levando ao dito nipenbii, que .-na p \
SHini-nle reiMiiipensadn.
Hecife. H de maio de l"7(.
M'ISO
10000
PARA A FESTA
3 Dtirtas, l"ja de ftjrra^eii ia*,i(llde* tam**m Para dentw
* l O Tnnirtn nnanlal Ha Utunn
53-Rua Du:eita~53
Neste graDde estabeleelmento, ha para vende
vm completo seriimento de ferragem, emindeza
finas e grossas, eomo sejam bandejas ehiBia-
qoadradas e ovaes, facas e garfos de 1 2 Lo
da companhia das toes, bataneo inteiro e 1/2 balanco; panellas, cha
5 | de ferro cerno de porcelaaa, meinhos para cat d>
diversos tamanhos do tabrioante Japy, pesos kilo
gra>nmos, tanto de ferro como de latao, metro:
para medir fazenda tanto de ferro como de latao
vlhas de Tfby etc. ele., ludo por precos mni- Salitre, breo, barbante, eniOfre, papel marcvia
to em conta, em sa de Tisset-frres, /ua do Com- do, mercio n. 9. ro^ar algodao; alm de outros artigos de erra-
Os mesmos bem.aara yender cognac superior, e gm, nodaiaa cutarias flnaa, que s com a v
vtnhos de diwrsas qualidades. & evwflca na ra dtrdtPn. 53 loja de 3 por-
aguas de Tlchy
Agua Sourc Oelt!ns.
Dita dito Hanterive.
Dita Cliateton etc. etc.
"es de Vichy para banhos.
u* jo >tiuia un i ua unciw u. oo luid ue
us>de Bfctoel Bento de Ofivera Braga& C.
'' "j

orna macbina de costura-prefrTa de
couro; na ra da AssumpcJo q. 52.
eoser
' laariaidoseom'infeejiW.
us para meninos e meninas a H.
Cheguem antes que se acabe: na roa
numero i i.
Direlta
Tnico oriental'de Kemp.
Alada mate coques.
Um outro sortimento de coques de l
tos e bonitos moldes com flete de vidrilu-
e alguns oVelles ornados de flores e Su
esto todos expostos apreciaciode que;
os pretenda comprar.
GOLLINHAS EPUNHOS BORDADOS.
01>ras de muilo gosto e perteiclo.
?ellas e Atas para ciato*.
Bello e vanado sortimento de Ues obju
tos, fleando a boa escoma ao gosto doce*
pr*dor.
Bichas hamburg^iems
Neste nevodepwito reeebe-se por tadosospa!
quetesaaaslMticoa Wehai de-quaMade apsnoi
e vendWMaiattvaaB M ,p*rao mata aeqteaa,
ema^ihMfJa do.fue-an mitra uJoaer pane :
na roa da rjapea dn ftecife n. sTJ' andar.
Cabellos
Yeodm -s,ft cabellos de- (odas as ores, qualquer (ida.
eomprioiajo, anahdade superior, om eaisa o
perc>.mM paawau : na ma da Cadeia do He
iwfe * afAonsaaTOiFcus. ~"1
m^v*tot^lMt*o da iaaqau
raroode Basto, a ra do Vigano n. 16, i* andar;
machinas egypcias que podem ser movidas per
agua, fogo ou anlmaes.
Goolinda a arlar fumda d. .-de o da 18 de j; i-
ro do frrente auno a escrava Sveiia. rnouia, i.
idade df- 2'i a 'o tam B, com os si|nai- segainti s
altura regirl-ir, keieos rmaoa e BtUladaR, resi.i
salit-nte, orelhas pequen.s, falla mansa, corpo del-
gado, quando anda cotneta, fui escravona villa
Cabo do Sr. JtJo do RegO Barros, fui vendida ns-
la cidade pelo Sr. Plexe, como procurador do ,in
Barros, j fui vista para bandas do aaprahu Bine
nos em rnmpaubia de um cabra ex-prjea re ca-
vallara, julga-se que o seductor e que elle da
que a dila escrava se linha forrado : rogase a ao-
toridade policial e eapilaes de cainpo a tapiara da
mesnia. e leva la ra da Solcdade n. 8C, ou ra
do Anioriin n. 61
Fugio no dia 4 do crtente o mulato Salar-
nio, ollicio de caneiro, cor avermelhada a ; -;.
ci de a?a por ter os cabellos venuf-lhis, csialura
media e forte do corpo, cara ou te>ta rti-e. su.
falla apenando os canto da bocea, idade 25 ;: Sfl
annos, ps chalo, vestido com rerola e canosa d.
panno de algodo enirancado de core?, e na-
tural do serto. O anno pas.-ado esle iiiuuio j,i
esteve fgido 2 mezes e ni pegado no enjenho de
S. J"So de Pn-d'Alho' depois de ter vagado na-
ruas desta cidade por bastante lempo, tem conhe-
cimento na raa da Senr.alla etc. Pede-se aos ca-
pitaes de campo e as autoridades policiaes a cap
tura do mesmo para ser entregue a seu er.l i
no siiio da Sapueaia em eb-ribe.
Fugio no dia 11 de marca do frrente aun i
o escravo Francisco, cabra, de idade !W auno-,
eom os signis seguinlcs : cabello-; eara[ ni"'-,
rost- descarnado e com mareas de bexijra tilu-
la-sc ser livre, levou C8lfa branca, palctot de al-
paca de jor.fhapA) di chile, natural da Parala-
ba ; o mesmo fui comprado ao Sr. Delmiro Arces
Maia, morador na Paralivba. e julga se ler ido
para o mesmo lugar. Desde {i proles'a-se contia
a pessoa que o tiver oceultado : o rogase aos ea-
pilaes de ampo, assim orno s ant rnlades poli-
ciaes que o o apam ra D.reita n. 16, que sera
generosamente gratificados,
Fugio no da 5 do.correte da casa do alia i
xn asignado a escrava Luiza que reprsenla ler
20 a 22 annos de idade, cor fula, c.-rpo regular.
cabellos carapinho, costuma trfalos adi i:ie e
abri-los no mein, tem no ptscoco junto da puelia
um signal visivel que diz ser de queimadora d.
fogo em pequea, levou chale de casen ira cor
de rosa e saia e casareque de chita fiara, a qnal
fui es* aava do Sr. Dydio Arislides A Ivs Sampai-.
e qae teudeu ao Sr. Sehasto Marques d Nasci-
rrenlo, morsrder nesta ridade e e*te TenoVu se 4?i
Man el Jos de Couto, morador no engeijho Jia-
mucaba, comarca do Rio Formoso,_e-eMe v.nden
ou peruHKAU eom o Sr. l'ranc seo de Paula S:n-
tos, tambem morador nesta cidade quem coni-
piei obra de um mt z; rogo portanto a todos i -
eapilaes de campo, as anUioridades e a qpalqner
pessea que della lenba noticia, que a facarn apre-
hender e onduzir ao seu senhor Luiz Siilam d-
Mello, morador aliaz da matriz da Boa vista n. 2T<
pri metro andar, que alii se recompensar ion ge-
BMNMta.
Gratificapo de 300^
reis.
\igipam no Ha 18- -de maio do ewre,;- do
engenbo Massuass, termo da Escada, os esciavo-
iloaoao.assigaadu, por nome procopie e Loria-
no; seodo o primeiro, molato, de obtura bai-
la, gordo, barbado, com as maca> s do rosto m
lenles, peace^o muilo corto, hombros levantado-,
psipeaueaua, bstanle ladino e reprsenla ler"3S"
annos de idade.
O segando, preto fulo, fsta'nrra regular, sef-
eo do corpo, pouca barba na poata doi trartxo so-
mpnte, pos pequeos, pernas muito talas, e lm
Vians de triada. Fui oscravo do Sr. fabaa'a.
tnmdof ao llecife. Roga-se, portanto, as auto-
ridades, policiaes e a qualquer pessoa, de appre*-
henderem os ditos ewraTos, e de os lerarem -'
engenbo cima mencionado, en em casa do Si
Benawdiao'dc Sena P-nlaal, na ra ia Rcok.I; .
Nova n. 38, que se dar a grattflcco promet-
MaYrlMiHo da Sveira Lins.
-r Fqgio no dia 16 do corrente, do engenh
VitUtffB Batto, a fregoena de "
S. VirHl!, ,
eomarr-aitfe ataaab, o aseravo Jos Aatew*, ida
ilea lie- de.4olBaM, peaaaao, de ptfaao corK.
as.finas, cabeca redonda e com muitas i
Repsanos: graflea se bem a quem o arpr.
bendar a leva-lo a sea senhor no neemo engenho.


MR
i
8
Diario de Pernambuoo Terca feira 24 de Maio de 1870
_^~
....
ISSEMBLA GERli
CAMAftV DOS SRS. DBPUTADOS
EXTHAtTO 00 f.l TOMO DO IIXISTEBIO D.V
Gl'KRR.l.
Angostas e dignissiraos Srs. representan-
tes da naca. Em observancia do preceilo
da lei, vei)!i> apr-i'ntar-vos o relatorio dos
negocios que orrem pelo ministerio a meu
cargo.
Operacoes de guerra contra o gooento do
' Par Congr.itulo-me com a repreenlacSo na-
cional pe'a gloriosa terminieo da guerra,
que por mais de cinco anuos fomos abriga*
dos a sustentar ein desaffronta da honra ua-
cional e do* altos interesses do paiz.
O-dictador Francisro Solano Lpez, leva-
do de derrota etn derrota desde latahy al
Lomas Valentinas, oode o valente exercito
alliado destroenu no? sempre memora veis
dias de dezemhro as principaes torcas id-
migas e as ultimas tortilicacoes que entio
Km restavam. adiando se sem material de
guerra, e teodo perdido quasi toda sua ar-
tillara, ainda assim, n3o obstante cones-
sar-se vencido, foi com pertinacia embre-
nhar-se as Cordilbe ras. julgando-as lalvcz
tnexpogoaveis, para ahi fortificir-se e con-
tinuar ,i resistir com o que podesse reunir
dos restos do seu numeroso exereito.
Era. pois, foronso desaloja-lo, atravz de
grandes obsta -oos, dessas agrestes e acan-
tiladas serranas, e anniquillar inteiramente
os HBnos dt resistencia do que ainda dispu-
zesse, ebriga ido-o p->r este modo a ren-
der-se ou a abandonar para sempre o Un*
lorio paraguayo.
Foi nesta pliase da guerra que o augusto
prncipe o Sr. marechal do exercito conde
i"Eu, chegando Assumpcao a II de abril
do anno prximo passado, soguio sem de-
mora para Loque, e assumio a 16 o com
mando em chefe de todas as nossas torcas
em operacoes, para desempenhar a difficil,
porm mnito honrosa e gloriosissima com-
misso que Ihe fora confiada.
Desde logo oceupou-se o general em che-
fe em preparar com actividade louvavel os
meios de accao, e prover do necessario as
forcas a cuja frente tinha de continuar as
operacoes de guerra, fazenio ao mesmo
tempo explorar os terrenos que devia per-
correr, afim de serem batidas, como com
effeito o forara. quaesquer partidas iniraigas
que nelle se encontrassem.
Em quanto se proced< a essas explora-
rles o tenente-coronel Coronado, que por
ordem de sen chefe havia partido de As
sumpeloa 5 de maio frenle de 86'oricn-
taes a cavall > com destino fundirlo de
ferro de rbicu'iy. apoderra-se a 13 da
quelie estahe'ecimenio. depois de haver
derrotado a respectiva guarniclo, matando-
lhe 23 homens e aprisionando 50, com r>
hendidos o capitao Insfrao que a comman
dava, e dous subalternos.
Desse feito d.- armas resullou serem po-
tos em liberdade cerca de 150 presos de
diversas nari< nadades que all trabalhavam
no fabrico de lancas e balas, entrando nesse
numero nove paraguayos.
Depois de fuer destruir as principaes
machinas erapregadas naquele estabeleo.i-
mento, e lotilsar o armamento c municoes
que nio era- possivel conduzir, seguio
aquelle lenente-coronel coro a torca de seu
commando e com todos os prisioneros e
gado que pode arrehanhar. para Franco-
Jsla. onde chegou no dia 15.
A 20 fez o general em chefe seguir por
S. Lourenco com direcelo a lia urna co-
lumna sob o commando do general Joo
Manoel Menni Brrelo, afim de cobrir 9
flanco direilo do grosso do exercilo, que se
poz em marcha no dia 22, pelo caminho de
Aregu e Patinho-Cu, apezar do mo t;m-
po que fazia ; iodo sua alteza acampar nes-
se mesmo dia OOD Aregu com o Io c >rpo
de exercito, ao mando do general Jos Luiz
Menna Brrelo
Durante esse movimenlo o 2o corpo sob
o commando do tenente-general Poly loro
da Fonseca Quiutanilha Jordo, deixando a
posico de Laque, avaneou al alm do
acampamento argentino.
No dia 23 o'opon sua alteza com o Io
:'orpoHe exercito o poroado deltaugu, fi-
cando o 2o em Pitinho-Cu.
2i mandou oceupar por urna forca do
Io corpo a estacTio do Taquaral, da estrada
de ferro, resultando desse movimenlo fugir
o inimigo, que se achava postado entre
aquelle ponto e Patinho-Cu, incendi ndo
o seu acampamento.
Na manhl i de 23 seguio o Io corpo com
a columna do general Joo Manoel Menna
Brrelo, era direceo villa de Piray, on-
de chegou is i horas da tarde, nSo encon-
trando alli a menor resistmeia. Sua alteza
fez inmediaiam ::te avancar aquella colum-
na, alim d) apoderarse, na estrada de ferro,
da ponte que Bca a urna legua do acampa-
mento de. s-rro Len.
Na tarde d ;sse du foi aquelle acampa-
mento atacado repentinamente pelo coronel
Manoel Cypriano de Maraes, que, sorpren-
dundo a su i gnarnico, matou-lho 30 o-
mens, comprehendido ara capillo, e fez 20
ptisio eiros.
Na madrugada de 24i seguio o brigadeiro
Vasco Alves Pereira testa de du -s briga-
das de cavilara, pai a apoderar-se de Pa-
raguary. ondo Wiatia a estaco terminal da
eslrada de fe.ro; e, tendo sorprendido a
respectivo gnarnico de mais de 50 homens,
fez i l prisioneros, perecendo o resto, in-
cluye o capitao commandante, por n3o
qVcrerra enlregar-se.
Em quanto so executava aquelle movimen-
lo, dirigio'sua alteza, 1 hora da tarde, um
reconhechncnto sobre a posiflo de Ascur-
ra. Urna brigada ao mando do coronel Ma-
n el Deodoro da Fonseca alravessou o ar-
roio Piray, no passo fronteiro povoac3o,
e s 2 horas empenhou fogo de atiradores
com o inimigo, que, abandonando logo de-
pois o acampamento, recolheu-se s trin-
cheiras qoe defendiam a embocadura do
caminho da serra.
Nao obstante estarem estas guarnecidas
cora boceas de fogo, deixarara de respon-
der 20 liros de arlilharia que Ihes forana
dirigidos.
A' noite tentoo o inimigo inutilisar a pon-
te sobre o rio Juqoery; mas, sendo pre-
sentido pelas nossas forjas, fugio precipita-
damente, abandonando os machados que
Irazia. .
Tendo sua alteza noticia de que o inimi-
go em numero de 1,200 homens se achava
postado entre a margem direita do rio Je-
juy e a do seu affluonte Aragaay, bavia de-
termimdo qoe o brigadeiro Jos Antonio
Correa da Cmara marchasse para aquelle
ponto no dia 17, levando sob seu comman-
do todas as forcas existentes no Rosario,
augmentadas com a 2a divislo de cavallaria,
10' hrigada da misma arma, um batalho de
infantina e duas boceas de logo de mon-
lanha.
A 28 avistou aquella forca o inimigo que
em relirada fugia das immediacoes de Tu-
pipit.
Na madrugada de 30 marchou em direc-
eo do passo Topium, no rio Aguaranchy,
para onde o inimigo se havia dirigido, con
seguindo p 'uco depois alcncelo, trocando
com elle, s 10 horas da manhJa, os pri-
meiros tiros de arlilharia.
Sorprendido na occasio em que lentava
a passagem do dito rio, vio-se o inimigo
toreado a resistir, estniendo-se em linha
de batalha. apoiando a direita em urna mata
cerrada e a esquerda em um grande banda-
do e um cercado de que fez trincheira.
Rispido foi o ataque, e 13o enrgicamen-
te ftido por nossas armas, qu< aos toques
de avancar e carregar succederam se ponco
depois os hymnos da victoria, deixado o
inimigo, sobre o campo, mais de 500 cada-
veres, alm dos que foram buscar a morte
as aguas do Aguaranchy, eem nosso po-
der 30 J jirisioneiros, 11 boceas de fogo de
differentes calibres, 3 estandartes e grande
quantidade de armamento e municoes e 34
earretas.
Com csse bello feilo de armas conseguio-
se libertar grande numero de familias, que
foram logo transportadas Tupipit, d'onde
deviam seguir para os seus respectivos do
micilios.
No dia antecedenti havia sua alteza rece-
bido a seguinte nota do dictador Lpez:
t Cuartel general. Maio 29 de 18G9.
Hace algn tiempo que los desertores
y prisioneros del exercito aliado ban venido
diciendo que en a quel campo so habia ben-
decido la bandera nacional de la repblica
del Paraguay, y fo' no qoiz creerlo.
< Coando sop que V. A. I. habia assu-
mido el mando del exercilo aliado, confian
do en la hidalgua, caballerosidad y noblesa
de sentimientos, qu no puedo menos que
atribuir a un principe, que tanto se deve a
su nombre y al de su alianza, rae traaqui-
lis sobre el uso que pudiera hacer-se de
la bandera de la patria, que tanlo sangre
generoso habia costado a sus leales hijos,
y no me import mas de los desvarios que
hubiesen dado lugar al acto sacrilego de su
bendicone, se lal se hubiese praticado.
Mas esta maana ha amanecido al frente de
m linea una descubierta de cuerpos de ca-
baleria e infanieria del ejercito aliado, tre-
molando ia s'grada ensena de la patria que
V. A. Imperial combale.
a La profunda pena que como magistrado
y como soldad i me ha causado esto ser
fcil a V. A. Imperial medir en la honora-
bilidad de sus senlimentos.
t Ahora vengo a rogaj* a V. A. Imperial
quiera tener la dignacin de mandar entre-
gar en mi linea de aqui a maana esa ban-
dera, y prohibir que en adelante flameen
los colores nacionales en las filas de su
mando ya que ni siquiera los desgraciados
prisioneros nunca fueron respetados.
Prestando-se V. A. Imperial a estaso
licitud, como lo espero, habr mantenido el
lustre de su dinasta y prestado gran ser-
vicio a la humanidad, pues me relevar de
la dura e repugnante necessidad de tener
que hacer efectiva la condicin establecida
para este caso en nota de 20 de noviembro
de 1865 al Exra. Sr. brigadier-general D.
Bartholomo Mitre, presidente de la Rep-
blica Argentina y predecesor de V. A. Ira
perial en el comando en gefe del ejercito
aliado, que en el de la repblica tiene un
considerable numero de prisioneros.
Tengo e! honor de saladar a V. A. Im-
perial com mu consideracin muy distm-
guida.Francisco Solano Lpez.
t A S. A. Imperial el conde d'Eu, gene-
ral en gefe del ejercito aliado, etc., ele.
A esta nota repondeu sua alteza na mes-
raa dala nos seguintes termos:
t Commando em chefe de todas as for-
cas brasileiras era operacoes na repblica
do Paraguay. Juartel-general em Piraj.
29 de maio de 1809.
t O abaixo assignado, commandante em
chefe de todas as torcas brasileiras em
operac5es na repblica do Paraguay, rece-
beu a nota que Ihe dirigi era data de boje
o marechal Francisco Solano Lpez.
Nesta ola manifesta este ^ue j faz
algum tempo qoe os desertores e prisionei-
ros do exercito alliado teem dito baver-se
benzido no acampamento alliado a bandaira
nacional da repblica do Paraguay, e que
n5o quiz aciedita-lo; mas que hoje dema-
nh3a appareceu na frente da sua linha urna
descoherta de corpos de cavallaria e infan-
laria do exercito alliado, tremnlando nella a
insignia da nac3o paraguaya.
Accrescenta o Sr. marechal Lpez que,
tendo Ihe causado esse fado profunda pena,
como magistrado e como soldado, roga ao
abaixo assignado que mande entregar na
sua linha at amanha cssa bandeira, e pro-
hibir que d'ora em dianie flammejera as
cores paraguayas as fileiras ao mando do
abaixo assignado. j que nem sequer os
desgragados prisioneiros foram nunca res-
petados.
t Goncluodizondo que, prestndose o
abaixo assignado a este pedido, como espe-
ra o marechal Lpez, ter prestado am
grande servico humanidade, pois dispen-
sar este da dura e repugnante necessidade
de fazer effectiva a condico estabelecida na
Qota de 20 de novembro de 1865 endere-
Cada ao Exm. Sr. general Bartholomo Mi-
tre, enl3o presidente da repblica Argenti-
na e commandante em chefe dos xercitos
alliados, os quaes, diz o Sr. marechal L-
pez, teem grande numero de prisioneiros
no da repblica do Paraguay.
c O abaixo assignado nSo tem presente
a referida nota de 20 de novembro de
1865 ; embora, porm, a livesse. n3o Ihe
seria possivel dar com a brevidade exigida
solc3o nota a que ora responde ; pois,
em virlnde das estipulacSes que vigoram
entre as duas nacoes alliadas, nao elle
general em chefe dos xercitos alliados,
como suppe o Sr. marechal Lpez, e para
qoalquer deliberaco carece por-se de ac-
cordo com os commandantes das forcas ar-
gentinas e orkntaes, aos quaes, assim como
ao governo imperial, d nesta data conheci-
menlo da nota do marechal Lpez.
Limitar-se-ha, por ora, a fazer obser-
var que o apparecimento da bandeira para-
guaya as fileiras alliadas tem sua explica-
C3o no facto, publicamente mencionado em
numerosos documentos ofiiciaes, de que a
presente guerra nunca teve fins hostis
existencia da nacionalidade paraguaya, e
que consideravel numero de paraguayos
tem-se manifestado desejosos de cooperar
com as torcas alliadas pacficac3o de sua
patria.
t O abaixo assignado tambam no pode
deixar sem reparo a allegac3o feila pelo
marechal Lpez de que os desgracados pri-
sioneiros nunca foram respeitados. A hu-
manidade com que os prisioneiros para-
guayos, quer feridos, quer s3os, teem sido
invariavetmente tratados pelos alliados, go-
zando hoje em dia a maior parte delles de
plena liberdade, contrasta com as cruelda-
des exercidas nos subditos das nac5es allia-
das, os quaes tiveram a infelicidade de ca-
hir no poder-do marechal Lpez, e qoe aos
centenares teeu, soffrido differentes gneros
de morte, como consta, n3o s das decla-
racoes dos que escaparam, como dos pro-
prios documentos ofiiciaes paraguayos.
Ao concluir, o abaixo assignado chama
sobre o Sr. marechal Lpez a irileira res -
ponsabilidade de qualquer augmento de
mos tratos com que porventura este julgue
de ver aggravar a sorte dos prisioneiros de
cuerra, sob o pretexto mencionado na nota
que ora fica respondida.--Gasto de Orleans,
conde d'Eu.
31 marchou do acampamento de Pi-
ray o general Joo Manoel Menna Barreto,
tesla da diviso de cavallaria de seu com-
mando, e quatro bocas de fogo de calibre
4, para, segundo as instrucc5es que Ihe
torio dadis por Sua Alteza, subtrahir do
poder do dictador as familias que constava
existirem em grande numero as proximi-
dades de Villa-Rica e Ibitimy, devendo no
\,
FOLHETIM
OS DRAMAS DA ALDEIA
pon
Ponson du Terrail
(Continuaco do n. 115).
XXXVI
Omeio-dia da Franca, territorio fertilis-
simo, -o .tamiiem em ndoles enthusiastas.
a trra classica das animosidades vio-
lentas, das paixoes arrebatadas, mas tam-
bera ali que mais se encootram as affeices
ardentes. sympalhia facis e dedicacSes a
toda a prova.
O norte participa de algumas d'estas
quilidades, porm mais reservadas, mais
concentradas.
O centro do paiz em ambis as margens
do Loire difiere rauito dos dous extremos.
O orleanez sobre tudo prudealissimo;
nao aventura os seus capilaes sem seguran-
za ; empresta pouco e tem a maior aversSo
por qualquer que o3o seja econmico ou
grangea lor.
Na boa cidade de Orleans todo aquello
qae gastar oais do que os seus rendimen-
tos lido por desassUado ; e ajuelle que
ebega a fallir odiado,
As povoacoes depandootes resentem-se
da ndole metropolitana.
S. Floreano dista apenas seis legoas de
Or leaos.
No meio dia, em Marselha, em Bordeas,
na mais pequsna aldeia provincial ou do Lan-
nwdoc,, o oficial Loisean, apresentando-ie
m o mandado judicial no palacio, sera ex-
pulso pelo povo, e na manilla seguinte, o
mais tardar, Anatole de Misseny teria obtido
a summa de que careca, mas, em S. Fio
rentino entrou e sahio impunemente, limitan-
do-se alguns habitantes a' lastimarem a sor-
te da victima.
Anatole devia seis mil francos. .
A sua propriedade representava pelo me-
nos oito vezes aquelle valor, e por isso qual-
quer mutuante teria o seu capital ali bem
garantido, mas n'um territorio como o or-
leanez nlo se empresta dinheiro a quem
perseguido pela joslica.
Ali, em o negocio chegando ao ponto de
official de diligencias citar para a execugo
desde esse momento o tabelliao ou o agente
do devedor declara se incompetente para
funecionar.
Oito dias antes a transferencia do crdito
de Jaubert sobre Anatole para ootro indivi-
duo, como simples emprego de fundos,
era cousa fcil, mas ao presente era tarda-
simo.
Anatole esta va debaixo da accao execu-
Uva.
J l vio as epochas do feudalismo, em
que os grandes senbores faziam bastonar o
official de justca que ousava apresentar-se-
ihes muaido de um mandado judicial.
Alm d'isso, o ultimo dos Missenys n3o
era grande senhor, e, quando mesmo o fos-
se, a sua ndole singela e leal impeda o de
reagir contra a lei.
Noprimeiro momento Anatole n3o com-
prehendia' o objecio da visita de Loiseao,
mas depois o que Ibe admirava qoe Jau-
bert nao tivesse prmeiro solicitado o paga-
mento da sua divida antes de recorrer
justica.
sea regresso acabar de destruir a tond3
de loicuhy.
No. I.' de jacho enconlroa aquelle gene-
ral, no CJtreito dcsfiliden de Sapucaby,
orna trincheira, cuja guarnicao foi posta em
debandada, (cando morlo o commandante
e cta nosso poder 28 prisioneirds.
N5o podoodo a vanguarda da expediclo,
que chegoa a 2 no rio Tebicuary, atraves-
sa-lo, por n3o ser elle va leavdl naquele
lugar, deliberou o commandante da coiom-
na regressar a Ibitimy, onde se foi reunindo
grande numero de familias sob a proteceo
Ja mesma torca.
D'alli, segundo as ordens que havia re-
ceido, seguio a columna para Ibicuny, a-
companhada do maior numero de familias
que fui possivel reunir.
Emquanto atravessava um desfiladero,
que separa o Ibitimy do lbcuhy, apresen-
tou-se-lbe o inimigo, superior em numero,
que conseguio separar do grosso da colum-
na o pequeo corpo que torraava a reta-
guarda.
Informado o geoeral Jo3o Manoel do que
acaba va de acontecer, retrocedeu para de-
salojar o inimigo da posicSo que oceupav ,
o que obteve, aps breve lula, matando-lhe
200 homens e tomando-lbe tres prisioneiros
e dous estandartes.
Logo que Sui Alteza teve c nhecimento
desses factos, ordenoa que urna brigada de
cavallaria fosse proteger a relirada da co-
lumna. Esta, depois de haver aniquilado
completamente a fundco de Ibicuhy, des-
truindo os utensilios que havio escapado
ao tenente coronel Coronado, chegou a Pa
raguary na noite do dia 10, e no dia seguin-
te a Piraya, trazendo comsigo consideravel
numero de mnlheres, creaocas e velhos,
montando cerca de 4,000 almas.
Poucos dias depois, vencidas muilas dif-
fkuldades, reuniram-se ao nosso acampa-
mento todos .os ofiiciaes e pracas que tor-
mavam a retaguarda daquella columna.
Entretanto que se davam essas ocurren-
cias, o general Jos Gomes Portinho, tendo
segundo as ordens do general em chefe,
marchado com a torca do seu commando
de Aguapehy, no Alto Paran, onde estava
estacionado, entrava a 22 no territorio pa-
guayo, vencenio em sua marcha difficulda-
des de toda especie.
O inimigo tentoo por vezes embargar-Ihe
o passo, mas sempre infructuosamente e
soffrendo perdas consideraveis at qoe fi-
nalmente, depois de algumas horas de com-
bate, foi balido, deixando 120 morios e 20
prisioneiros.
Achando-se removidos em 27 de julho os
bices que difficultavam o tornecimento de
vveres s torcas que tinhara de marchar
em procara do inimigo, refugiado as Cor-
di Iheiras, fez Sua Alteza seguir, ao anoite-
cer do dia 28, era direc;3o ao Paraguary, o
brigadeiro Joo Manoel Menna Barreto,
tesla de urna columna, composta da divis3o
de cavallaria de seu commando, da 8.a bri-
gada de infantaria, urna ala do 1" regimen-
t e outra do batalhlo de engenhe>ros.
Sja Alteza acompanhou a marcha desta
columna at a estac3o de Serr Len, e,
com o fim de chamar a alinelo do inimigo
para o lado de Ascurra, simolou um ataque
contra esta posc3o, bombardeando por es-
paco de algumas horas o seu prmeiro re-
ducto, voltando logo depois para o acam-
pamento do Piray.
Ao anoitecer do dia 1. de agosto, poz-
se em marcha o 1." corpo do exercito, de-
vendo reunir-se em Paraguary o brigadeiro
D. Henrique Castro, commandante da divi-
so oriental, com as torcas de seu comman
do.
No dia 2 procedeu Sua Alteza a um ou-
tro reconhecimento sobre as trincheiras de
Ascorra, com as torcas que havam ficado
em Piray, para onde regressou depois de
fazer bater aquella posico por algum tempo
com urna batera a La Hitte e outra a Whi-
tworth.
Durante esta demonstrac3o, o exercito
argentino fazia outra sobre o pas o Pedro-
sa, e a torca que guarneca o Traquaral,
ao mando do coronel Bethbez, explorava
a sabida de Cabanas.
Nesse mesmo dia rcuniro-se s torcas
acampadas era Piray 900 homens do ex-
ercito argentino e o 2. corpo de exercito,
sob o commando do tenente general Poly-
doro da Fonceca Quintanilha Jordo, e na
madrugada do da seguinte poz-se toda a
forca em movimenlo, logrando acampar em
Paiaguary.
Ah ordenou Sua Alteza que o general
Polydoro fizesse entrega interinamente do
commando do 2. corpo ao brigadeiro Carlos
Resin, por haverem-se infelizmente aggra-
vado seus padecimentos, por tal molo qoe
os mdicos julgaram perigoso que conl nu-
asse a marcha.
No dia 4 seguio Sua Alteza com o 2.
corpo'do exercilo pan acampar no entron-
camento da p cada Abopicu, e d'ahi foi
reunir-se ao 1. corpo, que se achava na
boca da picada d3 Sapucaby.
O inimigo oceupava ahi urna trincheira,
goirnecida cora artilhara. cujoe tiros en-
fiav!) nao s a estrada geral ql/a atra-ve^sa
o desliladoiro, como tambora o aleo- que
corre paralelamente estrada. Par eeu-
trabate-lo fez Sai Alteza levantar dua* ba-
teras, cujos togos crozassem com os da ar-
lilharia da trincheira, mandando ao mesmo
tempo abrir duas picadas lateraes qne, atra
vessando o mato, fossern sahir retaguar-
da da posico inimiga.
Na manh5a do dia 5 romperlo as duas
bateras o fogo, que foi tenazmente respon-
dido pela triucheira do inimigo, progredindo
entretanto a a ertura das picadas. Pela da
esquerda penetrou a diviso oriental, refor-
cada com duas brigadas brasileiras, e pela
da direita a 6." brigada di infamara com
quatro bocas de fogo.
Ao desembocar esta ultima colomna
dentro do entrincheiramento inimigo, este,
desamparando-o quasi sem resistencia, fugio
para os mitos, deixando em poder do al-
liados alguma monicao e dnas pecas de
bronze.
Na tarde desse mesmo dia chegou o l.
corpo ao outro lado do destiladeiro, e dahi
fez seguir Sua Alteza urna brigada de ca-
vallaria e outra de infaotaria, para reunirem-
se s torcas do brigadeiro Joo Manoel
Menna Barreto, que j seachavam era rbimy
No dia 6 foi o i." corpo acampar na bi-
furcaco da picada que condoz a Valenzuela.
Informido de que essa picada se pres-
lava marcha do exercito, e receia ido que
durante a noile o inimigo a puzesse em es-
tado de defesa ordenou o augusto principe
ao marquez do Iterval que fizesse oceupar
no mesmo dia a sahida do lado do Va'eozu-
ola, e seguio logo depois para aquelle acaro,
pament".
O inimigo comecava com effeito a levan
lar abatizes, e nesse trabalbo foi sorpren-
dido pela torca que se havia internado pela
picada ao mando do coronel Wanderley
Lins, que o poz em fuga, depois de breve
liroleio, matando-lhe oito homens e fazendo
tres prisioneiros.
Na madrugada do dia 7 seguiram por
essa picada os doos corpos de exercito com
a forca do brigadeiro Jo3o Manoe!, que de
Ibitimy viera reunir-se-lbe, e foram pouzar
em Valenzuela, tendo encontrado em sua
marcha numerosas familias, qoe os sau-
davam com jubilo, e na fazeuda da mli do
dictador Lpez, em Itacuruby, grande qpan-
tidade de objectos de prala massca, des-
tinados ao culto divino.
No dia seguinte marchou o exercito de
Valenzuela em direceo villa de Pirebe-
buy, continuando a encontrar familias ; e
depois de penosa marcha por teiTenos es-
cabrosos e cobertos em parte de espesso
mato, acampou no dia 10 junto aquella
villa.
A praca de Pirebebuy achava se contor-
nada por urna forte trincheira, guarnicida
por boceas de fogo, que comecarama lan.ar
granada? logo que deltas se approximaram
as nossas torcas.
Ahi determinou sua alteza que ao anoi-
tecer se levantassem nos diversos pontos
oceupados pelos dous corpos de exercito
bateras, que rompessem o fogo ao clarear
do dia e o sustentassem at o momento do
assalto.
Recebendo, porm, sua alteza parte de
que se approximava ao Barreiro Grande
urna torca inimiga, que se calculava em.. .
2,000 homens, fez immediatamente seguir
naquella direcelo, sob o commando do bri-
gadeiro Resin, a infantaria argentina e duas
brigadas, Picando por este incidente demo-
rado o assalto por 24 horas.
Chegando ao Barreiro Grande o brigadei-
ro Resin, e n3o encontrando alli o inimigo,
mas sim grande numero de familias, que
se Ihe apresentaram, recolbeu-se com as
torcas que commandava s suas anteriores
posicoes, depois de haver feito destruir urna
fabrica de salitre que existia naquele po-
voado,
Ao amanhecer do dia 12, as bateras, em
numero de cinco, que por ordem de sua al
leza baviam sido construidas, romperam o
fogo contra o entrincheiramento de Pirebe-
buy, e durante esse fogo, sustentado por
mais de duas horas, toram collocadas em
posc3o as columnas de ataque.
Dispostas as cousas para o assalto, sua
alteza, com a columna da direita, cojo com-
mando havia assumido, mandn avancar.
Nada p6de exceder o enlhusiasmo. com
qne 03 nossos batalboes se arremecaram
contra o entricheiramento inimigo, nem o ar-
rojo com que travaram a peleja o o'vigor
com que sustentaran), at vencerem.
Custon-nos, porm, esta grande victoria
perda de um dos nossos mais dislinctos
generaos, o brigadeiro Jlo Manoel Menna
Barreto, perda extremamente sensivel para
o exercito epara a nac3o, que tantas glo-
rias haviara conquistado com o auxilio de
sua valente espada.
Derntada por todos os lados'a torca mi-
miga, ordenou sua alteza qoe duas divises
de cavallaria contornassem o entrincheira-
mento. aflro de impedir, pela retaguarda,
a evaso dos vencidos.
As percas do inimigo comprehendem o
total da torca qne tormava goarnico da
ornea; contaram-se cerca de 600 cadave-
ren e mais de I,*00 prisioneiros, entrando
ne;;te numero os feriaos.
Alm de 18 canhoes e om morteiro, mu-
nicados cada m com mais de 100 tiros,
cahram em poder dos alliados todo o ar-
chivo poblico da repblica do Paraguay at
1868, varios depsitos de vireres, alguns
caixoes com roupas e differente objectos de
prata lavrada, numerario de diversos paizes,
e 226.-824$, em moeda papel do imperio.
Com a oceapac3o de Pirebeboy fieon de-
finitivamente cortada a retirada pelo lado
de leste ao exercito inimigo, acampado em
Ascurra. Era, porm, indispensavel oceu-
parraos um ponto que dominasse tedas as
outras sabidas daquelle acampamento.
Convencido o, general em chefe de que
Ca cup era o ponto estratgico qoe cum-
pra oceupar de preferencia a qualquer ou-
tro, ordenoa que fosse explorado o camioho
que conduz aquelle ponto-
Terminada a exploraco e feitos os eon-
certos de que careca o caminho, por eHe
marchou no dia 15 soa alteza com o Io cor-
po de exercito, deixando o 2?, at nova or-
dem, para observar a estrada que vai direc-
tamente a Sanga-hu e Ascurra. Em mar-
cha soube soa alteza que o dictador bavia
na vespera abandonado Caacup, tomando
a di recelo do norte com todo o seu exer-
cito.
Chegando aquella psito e acbando-a
com effeito abandonada, ordeaeu ao mare-
chal de campo Victorino Jos Carneiro Mon-
tero, que com o segundo corpo de exer-
cito, cujo commando bavia assumido no dia
7, contrama rchasse por Peribebuy e Bar-
reiro Grande, em busca do inimigo, cojo
destino se ignorava.
Era Caacup achoa sua alteza os hospi-
laes atulhados ainda de doentes no ultimo
grao de exienuaco, e um arsenal, onde fo-
ram encontrados 22 canh5es em fabrico,
grande quantidade de projectis e todo o ma-
terial destinado fundica de arlilharia.
Examinada immediatamente a posico vi-
sinha de Aseurra, foi nella apenas encontra-
da urna bocea de fogo.
Pouco depois teve parte sua alteza de que
a nossa cavallaria, encontrando a retaguar-
da do inimigo, Ihe matara e aprisionara
cerca de 50 homens, deixando de persegu-
la pelo estado de cansaco da cavalhada.
(Continuarse-ha.)
LITTERAT1U.
Ent3o Loiseao fez-lhe saber que a di-
vida se achava em poder de um terceiro.
O nome Maurel revelou-lhe tudo.
Maurel foi quera Ihe iropozera a venda
do palacio, e por isso a sua admiraco foi
substituida por um senlimento de colera
desdenhosa.
Senhor,disse elle ao official, depois
de ter lido muilo attenlamente o mandado
judicialbem pode avaliar que eu n3o te-
nho aqui a quantia pedida, porm queira
concederme alguns dias e o Sr. Jlaarel
ser embolsado.
Loiseao, com um seu amavel sorrso, que
nao passava de urna hedionda careta, res-
pondeu-lhe que a frase de vinte e quatro
horas exarada no mandado nao passava .de
mera formalidade, roas que entretanto o sea
conslituinle careca do dinheiro e tencionava
seguir a execuglo rigorosamente ; depois
retirou-se sem dizer o praso que Ibe con-
ceda.
Esta entrevista teve lugar na sala do rez
do chao, de f -ma que oinguem onvio o qoe
se passou alli.
Entretanto os criados e visinhanca fa-
ziam mil conjecturas, e no boteqaim j se
dizia :
Se Juva) nao apetecesse o palacio, de
certo Anatole teria quem Ihe- empreslasse
de prompto os seis mil francos; mas, sen-
do elle o preteadeote, nlo ha forca qoe o
domine.
N'uma trra de avarentos o despotismo
do dinheiro n3o tem limites, como se vai
ver das duas cartas que aqui transcreve-
mos, s quaes a boa ta de Anatole escrevia
oito dias depois da inesperada visita de Loi-
seao.
Urna d'ellas era dirigida marqueza de
Charvmont, em Blois. ;.
A outra a Gallaud, tabelliao em Montele-
sin.
Eis a primeira:
Mnna querida prima:Vai n'um quar-
lo de seculo que nSo nos vimos ou lalvez
mais, porquanto, se a memoria me n3o fa-
Iha, a ultima vez qoe estive no palacio de
Senil, em Bolonha, em casa de seu bom
pai, tinheis vos apenas sete annos.
t Consta me que acabaes de casar
vossa fllha mais velha, e ajuizo que tereis
hoje os vossos 32 annos.
t Depois do vosso casamento nao torna-
mos a escrever nos seno por tempo de fes-
las e creio mesmo qoe estou um pouco no
vosso esquecimento.
O meo nome, porm, que Misseny,
como o vosso, nao pode deixar de vos ser
charo.
Pois, minha querida, vai a honra desse
nome no pequeo servico que voo pedir-
vos agora, o qual vosso esposo, que bas-
tante rico, seguramente me pode prestar.
Estamos n'oma poca, minha querida,
em que as antigs familias sao bem vexadas,
contribuindo os hberaes quanto podem para
a ruina deas. ,
Suppoode que does mal intencionados
d'esta aldeia se combinaram para nos p6-
rem em praca o nosso fraco patrimonio.
O meu pobre sobrinho Anatole tem
percorrido dorante oito dias todas as vsi-
nhancas em basca de quera Ihe empreste a
miseravel somma de seis mil francos, de qoe
carecemos urgentemente, e no o pode con*
seguir.
c Um fulano Juval emprehendeu desapos-
I.yra do Oriente
DIBRA.
(A' Francisco do Brasil)
Onde nasci, nao sei; eram enina
quando Zemo levara-me a Medina
nos bracos de Thebel.
L moslrou-me tal vez admirado,
o sepulchro do homem venerado,
do grande Mahomet.
Fomos depois Meca linda e terna;
patria heroica d'aquelle que governa
os filhos de Ismael I
Contemplamos o Kaaba a luz d'aarora;
e elle disse me aps; Vamos agora
peregrinar Jabel I
Viste j a cidade, a patria immensa
do propheta, que trouxe-nos a crenca
as folhas do Alkoro;
porm, Jahel, Mscate, a minha trra,
mais rica em thesouros que ella encerra,
rival s do Indosto!
Quero em marcha me por; a patria rainu*
se debroca banhanloserainha
as aguas i de Ornan ;
l, meu pai te dar outro agasalho-..
tu nao sers escrava de um serralho,
como as filhas de Irn!
Minha filba Thebet, que ama-te tanto
nunca te deixarentregue ao pranto,
no deerto sem lar!
Crescers brincar na lisa areia,
quando a la tranquilla se recreia,
mirando-se no mar!
Mas, no meio da noite, la clara,
urna tribu guerreira se (aneara
de chofre sobre nos I
Zemo, cahio-me aos ps, em sangue feito
e Thebet, entregou aberto o peito
cimitarra alroz I
Hoje, eu escrava sou da tribu forte,
c, chorando, s peco agora a morte
na lei de Mahomel l
Onde nasci, nao sei; era menina,
quando Zemo levara-me Medina,
nos bracos de Thebet!
sar-nos desta casa, berco commomjia nossa
familia,edificada ha sete seculos por um dos
nossos antepassados.
c Para este fim combinou-se com um
malvido, que soube aproveilarse da boa
f de um nosso credor, que por sua vonta-
de era incapaz de nos cansar o menor des-
gosto, mas que, achando-se em ms rir-
cumstancias, vendeu a sua divida, achando-
nos agora nos sob a perseguieo inexoravel
da jnstica, cujo official, pela m reputaco
do que gosa, nos pora em venda os-nossos
bens antes de um mez.
Escuso dizer-vos que damos vosso es-
poso segura hypotheca.
$ Espero a vossa resposta com tanta con-
fianca qnanta a certeza que tenho da yos-
sa veneraco pela memoria de vosso pai.
Vossa prima=Stephania de Misseny.
A outra carta, mais lacnica do que a
precedente, era concebida nesies termos:
Meu cabro Gallaud :E' o senhor en-
tre os procuradores do negocios que conhe-
CO o nico que merece a minha confianca,
por isso que me nao esqueeo que foi meu
pai quem o ajudou a estabelecer-se.
O baro de Misseny, meu sobrinho,
addciona a estas linhas ama tonga carta,
que Ihe explicar a nossa stnaclo.
Acabo de escrever minha parenta a
marqueza de Chavrimont, que ignoro se es-
tar, em Blois ou em Pars, onde costuma
passar o invern.
Pela carta de meu sobrinho ver a
urgencia qoe temos de que nos obtenha
um emprestimo de seis mil francos enro
praso. -
c Receba es votos de minha estima sin-
cera.Stephania de Ujisseny,
Agosto de 1869.
Eduardo de Carmino.
Anatole sobrescriptou estas cartas possn-
do de profunda tristeza.
Nao te afflijas,dizia-lhe a tiapor-
que a marqueza ou Galland, e talvez am-
bos, nos v3o dizer qoe o dinheiro est
prompto. Nao vale a pena por ama tal mi-
seria de dinheiro perturbares assim a toa
felicidade; o ten casamento estflxado para
o mez prximo.
Porm, minha tia, visto que o cura
se offerece para escrever aseo sobrinho,
quem legn a fortuna qoando entrou na vida
ecclesiastica, porque n3o havemos de acei-
tar ?
Depois que soube qoe esse sobrinho
fez um casamento desagradavel para o tio,
com quem interrompea as relaees, n3o
posso admiltir que aquelle santo homem faca
por nos to grande sacrificio. Cuardemos
esse expediente para um caso extremo, tan-
to mais qoe o proprio cura nSo acredita no
bom resultado delle.
Anatole nao responden, mas lancon om
olhar doloroso para os retratos faados de
seus avoeogos, suspensos as paredes da
sala, como qoem os provocava a|TfPfn-
derem-se das soas antigs prodigalidades.
Nesse momento entravt Pamella.
a saa apparicio foi como om raio de sol
brilhar atravet da tempestado, porquanto
logo se desannovioa a fronte entristecida do
mancebo.
(Continuar-te-ha.)
, fl
>
.
. 1
TYP. DQ PIAK10
RUA.DUQIJ8 OE
CAXIA


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EVCVANESP_R11ZJ9 INGEST_TIME 2013-09-14T04:12:21Z PACKAGE AA00011611_12122
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES