Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:12120


This item is only available as the following downloads:


Full Text
s
\
\
' r
AMO XLVI. NUMERO 114.
filA A CAPITAL E LCAIIS OVDE IAO SE PACA MU.
Tor lrs mezes adiantados..................|00O
Por seis dilos tan...............y. iSJOOO
Por uro annoidem.. .."..-............... jfOO
Cada aumaro avuiao........,......... 320
W
SABBADO 21 DE
DE 1870.
PA1A DEITBO E FOBA DA PROVHCIA.
Por tres mezes adiaotados
Por seis ditos idem. .
Por doto ditos idea .
Por tm mqo idem .
61780
43*500
201250
27*000
DIARIO DE PERMITO.
Propriedade de Manoel Rffieira de Faria & Filhos.
H40 AOENTES:
Os Sr. Gerardo Antonio Alves A FilboSj.no Pata-; Goncalves 4 Pinto, no MaranhJo ; Joaqaim Jos de Oliveira, no Cear ; Antonio de Leaos Braga, no Aracaty ; Joao Mana Julio Chaves, no Ass ; Antonio Marqnes da Sil?*, no Natal; Jos Justar
Pereira d'Almeida, em Mamangnape; Antonio Alejandrino de Lima, na Parahjba ; Antonio Jos Gomes, na Villa da Penha; Belarmino do Santos Bulcao, en Santo Antao; Domingos Jos da Costa Braga,
em Nazareth; Francisco Tavares da Costa, em Alagoas; Dr. Jos Martins Alves, na Bahia ; e Jos Bibeiro Gasparinho no Bio de Janeiro.
PAETE ornciAL.
Govrroo da provincia.
ESPACHO DA WKSIDEXm DA PROVINCIA DO DA 19
DB MAIU DK 1870.
B.teliarel Ayres de Albuquerque Gama.Junte
o supplieaole orcatnento da despea a fazerse
cora a impressao.
Antonio frrdeiro Cavalcanle.Av>sta da infor-
macao, alo pode o supplicanie ser altendido por
ora.
Auna Joaquina mandante do presidio do Fernando.
Alex indrina Igaacia de Oliveira. Informe o
Sr. inspector da thesour.iria de fazouda.
Antonio Mtchado Lima.Dirija-se ao Sr. ins
pector do arsenal de marinha.
Alfredo Alves Pacheco. Aprosente a lieenca
cotn oue veio pan esta provincia.
Agostinho Mximo Nogueira Penido.Informe
o Sr. regedor do gv.unasio.
Barao de Oarknry.Inforn; acamara munici-
pal da capital.
Firraino Apolinario da Silva Ram.*.A vista
da informaefto, como requer.
Francelino Ferrara Crespo.Dinja-se a tnesou-
raria provincial.
Geraldo Henque de Myra.Informe o Sr. Dr.
cbefe de polica. .
Barao do Livramento.Informe o !>r. inspeeior
da thesouraria provincial.
Hereuiana Candida do Amaral LimaInforme
o Sr. inspector da thesouraria de faienda.
Hermogenes Braulio Forrera da Cunha.Din
jj-se ao Sr. coramandante superior^ da guarda
nacional do municipio de Santo Antao e Estada,
a quem em 25 da abril prximo finio fe aspadlo
ordem para mandar dar a guia que o supp.cante
pede. .
Irmandade da Senhora Sant Anna da matriz da
Grvate.Dirija-se a thesouraria provincial.
Jlo Antonio Rodrigues.Informe o Sr. inspec-
tor da thesouraiia de fazenda.
Lourenco Ferreira Alves de Miranda Informe
o 3r. inspector da thesouraiia de fazenda.
Manael Francisco de Barros llego.D-se por
certidao. __
Maria Salom de Siqueira Varejao. Fica expe-
dida a conveniente ordem.
Manoel Baplista Barbosa.Derija-se ao Sr. ins-
pector do arsenal de marinha.
Nomeriano Jo* de Barros Jnior.A' vista da
iaformacio, nao pode o supplicante ser attendido
presentemente.
Severino Gomes Coutinho. -Ao Sr. Dr. juiz de
direito da comarca de Pao d'Aiho, para informar
providenciando no sentido que requer o suppli-
cante.
Telesforo Marques da Silva.Informe o S>r. ras
pector da thesouraria de fazenda.
Xilderico Aranpo de Faria.Passe deliberado
conceiendo a remoco
PERNAMBCO.
ASSEWUA PROVIBCIAL.
SESSAO ORDINARIA EM 13 DE MAIO
PRESIDENCIA DO SR. DR. AGUIAR.
kl 11 hora*, feta a chamada, acharam-se pre-
MOtsa os Srs. Firmino de Novaes, Gucdes Gondim,
Amaral, Ges Cavalcanle, Antonio Cavalcante, Bar-
ros Lelo, Paes Brrelo, Rufino de Aimeida, Gual-
ter. Felippe de Figuera, Gorreia de Araujo, Edu-
ardo de Oliveira. Oliveira Fonseca, Ignacio Leao,
Pedro AITonso, Miguel Pernambuco, Oliveira An-
drade. Henrique Mamede, Cunha Cavalcante, Tei-
xeira de S, Manoel Arihur, Antonio Pauline, Fer
reir de Aguiar, Goncalves Lima, Cunha eriguei-
redo, Barros Wandeflev, Gusmao Lobo .Vieira de
iHlo, Ribeiro Vianna, Cavalcanle de Albuquer-
.\col;b Tolentino, Mello Reg, Augusto
que,
C > e Piulo Juuior.
lida e approvada a acta da
Abre-se a sessao,
anterior.
O Sr. Io Secretario d conla do seguinte
EXCEDIENTE
OS pelicjb do Barao da Soiedade e mais menv
bro3 encarregados da cunstruccao da capella de
Nossa Senhora da Piedade, pedindo consignado da
iiuota na lei do orr-amento para pagamento de
2:0)0 voudos na lei'de 1868 a 1869, e bem as-
sim de 4:000* para a conclusao. das referidas
obras.A' commis Outra de Urbano Carvalho doi Santos, ex-arre-
matante do imposto de 13003 sobre cabeca de
gado consumido no municipio de Po-d'Alho,
pelindo que a assembla na lei do ornamente mu-
nicipal approve o abate que Ihe fui concedido pela
cmara municipal daquelle municipio.A' com-
missao de ornamento municipal.
ORDEM DO DA.
I' discussao do projecto n. 66, que autorisa o
gOfcrno ;i conceder ao prsfessor Joao Jos Re-
driatm um anns de licenra nom vencioientos.
E' approvado.
! discussao dp projecto a. 93 deste anno, que
autorisa o governo a contratar com a companhia
da estrada de ferro de Joboatao o prolongamento
da mesma estrada al a cidade da Victoria E
approvado.
Cmtinnaai" discussao do projecto n. 36 ueste
anno, que autorira a creacao de urna eorepanhia
de sapadores bombeiros. .
Art. 10. A companhia ter nm engenheiro
pira dirig la em seus trabalhos de estinc^ao de
incendios e instrui-la em continuados exercicios
na mudares para que ella creada.
O SB, PINTO JNIOR : Sr. presidente, o ar-
tigo 10 do projecto n. 35, que se acha em discussao,
consigna a idea de ter a ompanhia de bombeiros
um engonheiro psra dirigi-la em 9eus trabalhos
de exlinccao de incendios e instrui-la em conti-
nuados exercicios nos misteres para que e creada.
Acho, Sr. presidente, superfina a creacao desse
lugar de engenheiro, ainda mais superflua o
augmento de despeza que tira trazer aos cofres
pblicos essa ereacio. O art. 1* deste projecto
soffreu emendas, attendendo-se nicamente eco-
noma da despeza, e me parece que este engenhei-
ro director dos incendios com os vencimentos que
pereebem os engenheiro* de distrcto, vai sem
duvida alguma, augmentar /nuito a despeza que a
provincia j vai ter com a organisacao da com-
panhia de sapadores bombeiros Adiando que o
cheffi da reparticlo das obras publicas pessoa
muito habilitada e competente para dirigir esses
trabalhos, offereco casa a seguinte emenda snbsti-
i A companhia ser dirigida em seus trabalhos
de exlinccao de incendios a instrui-la em cont
nuados exercicios nos misteres para que ella
creada pelo engenheiro director das obras publi-
cas que ter por este trabalho a gratiQcacao annu-
al de 600#000.-P'"> .
0 SR. F1GUEIR0A :Sr. prestdente.-Levanto-
me para me oppfir emenda do nobre deputado,
meu c allega de disinti, porque me parece in-
conveniente o sen objecto.
Quando coBfeecionei o projecto que se discute
occorreu-me a idea do nobre deputado-de ser
engenheiro da companhia de bombeiros o director
das "obras publicas, marcando-se-lhe para esse
trabalho urna rasoavel gralificacao; mai lombrei-
me em confnenle que esse empregado acna-se
per tal forma sobrecarregado de jr3b*lbos, que
l
fora nm impossivel obter com o sen auxilio Ja in-
dispensavel instruccio lechnica para os bombeiros.
Ninguem ignora qne o director das obras pu-
blicas representa duas individualidades n'aquella
reparticao, ao mesmo tempo o cncarregado da
saa parte technica e da parte administrativa, cada
urna das quaes e mais que sufflciente para occupir
toda a attencao do nm empregado zelloso.
Em diversos relatnos da administracao da pro-
vincia tem-se lombrado a conveniencia e a ne-
cessidade de dividirse em dous aquella lugar, e
creio que s nao tem sido aceita essa idea pelas
difflcHldades praticas que encontrariam essos dous
personagens em funccionarem sem chocarem as
suas rbitas de accao.
Alem d'isso, aceresce que o director das obras
publicas fiscal nato de quanta empreza se orga-
niza n'esla trra. E' fiscal das estradas de ferro
(Je Apipucos e Olinda ; fiscal das emprezas de
illuminacao gaz d'esta cidade e da de hmpeza e
aceio, actualmente em vas du coustruccao, e ha
de sem duvida liscalisar a empresa de carris da
cidade, a estrada de ferro do Lim leiro, e tolas as
mais, cuja constroccao esta assembla venha
aulorisar.
Com urna tao grande serie de trabalhos, fora
ajuntar aflliccoes ao afflicto incumbir esse func-
conario da direccao da extinccao dos incendios e
dos exercicios que demanda urna companhia d
bombeiros.
O Sn. Pinto Jnior :Mas presentemente nao
o directoras obras publicas quem dirige os
trabalhos da exlinccao dos incendios?
0 Sr. Figuriroa :Nem sempre, e nem elle
isso obrigado. Muitos ontros engenheiros se
tem incumbido em varias occasioes d'esse tra-
?-" v
Sr. Pinto Jnior :Vejo que elle sempre
quem vai.
O Sr. Figueiroa :No' isso obrigado; vai
porque quer ir, vai porque nao havendo organisa-
do um servico de exlinccao de incendios, cumpre
todo o cidado, como liometn, prestar auxilio ao
seu semelhante, cumprindo assim um preceito do
evangelho.
Nao me parece, Sr. presidente, que o director
das obras publicas, tanha descoberto o dom da
ubiquidade, que possa estar ao mesmo tempo em
dilfarentes lugares, que possa ao mesmo tempo
oceupar-se de my*teres diversos.
Esse empregado que, como j disse, multo
oceupado, que tem imperiosos deveres cumprir
na sua reparticao, nao pode ser della distrahido
para exercitai os bombeiros em todos os exerci-
cios que elles tem necessidade de praticar, e pra-
ticar muito, at que fiquem co^'letamente ha-
bilitados para mauobrarem as occasioes de in-
cendio.
Como j tive occaso de dizer nesta casa, os
exercicios dos sapadores bombeiros sao de diver-
sas naturezas. Sua instruccao consiste : i na
manobra propiamente dita da bomba, 2 em exer-
cicios de ataques simulados de incendio, de modo
amestra-los nos meios mais seguros de atalhar
e abafar o fogo, 3 finalmente, em tolos os exer-
cicios gymnasticos proprios desenvolver-Ibes
agilidade e firmeza as ascensSss perigosas, quan-
do tratar-se de escallar um edificio que estiyer
senda devorado pelas chammas pela parte in-
ferior.
V-se por tanto que para taes exercicios 3ao
necessarias repetidas lces pralics e urna ins-
truccao peculiar e appropriada, que por conse-
quencia demanda muito tempo.
Me parece, pais, que o director das obras publi-
cas nao o engenheiro mais proprio para esse tra-
balho, visto como j Ihe falta tempo para outro3
mysteres que esla seu cargo.
Tambern me lembrei, Sr. presidente, do ajndan
le d'aquelle director. Mas occorreu-me igualmen
te que esse funccionarlo, que engenheiro^ do l1
dtstricto da provincia, tem grandes oceupacoes que
Ihe roubam o tempo.
Incontestavehnente o l"districto de obras pu
blcas, nesia capital e suas visinhancas, tem em
vias de andamento umitas e importantes obras,
que prendem a aitetieao do engenheiro que o di-
rige ; fora portanto querer ser mal servido em-
prega-lo como engenheiro da companhia de bom-
beiros, visto como nao Ihe sobra o lempo que
convem que seja votado inslruc;ao daquelle
corpo.
Por toda? estas considerarlas, Sr. presidente,
me oppouho emenda do nobre deputado, opi-
nando para que seja ella regeitada. No entanto
esta assembla em sua alia sabedoria deliberar
como melhor entender.
Vai mesa e approva-se a seguinte emenda :
t Acrescente-se ao final, do artigo: sendo o di-
to engenheiro capito coinmandante da companhia
de que falla o art. Io. Dr. Manoel do Reg.
O SR. F. DE FIGUEIROA raanifesta-se contra a
emenda.
Encerrada a discussao, approvado o artigo
com emenda do Sr. Manoel do llego, sendo re-
geitada a do Sr. Pinto Jnior.
t Art. 11. Esse engenheiro tera os msmos
vencimentos que os engenheiros de distrcto
das obras publicas e usar farda e divisas de ca-
p lao. >
Vo mesa e apoam-se os seguintes artigos
substitutivos:
Substitutivo do art. 11. Alm dos vencimen-
Rennio-se na quarta-feira esla sociedade, ero ses-
sao ordinaria, as 11 horas do dia sob a presiden-
cia do Sr. Bandeira de Mello.
Foram approvados socios effeetivos o Sr?. Joa-
quim Correa de Amorim, Peliciano da Cunha Ca-
valcanle e Albuquerque, Joao Copino Monteiro da
Franca, Ignacio Lucas de Seuza Rangel, Jlo Bap-
lista da Silva Fragcso, e socio correspondente na
cidade da Victoria Sr. Antao Borges Alves.
Toroaram assento os Sr. Antonio Rodrigues da
Silva e Souza, Adalberto Elpdio de Figueiredo e
Joao Baptista da Silva Fragoso.
Foram approvados os pareceres da commissao
de ex ame sobre os- relatnos da mesa passada ; e
foi discutida a seguinte these do Sr. Simplieie de
Carvalho: Qital o fuluro religioso das sociedades
modernas ?, tomando parle na discussao o propo-
nente, e o 2. sorteado o Sr. Silvera Garca, fican-
do ainda addiada.
Foi sorteada a segointa these do Sr. Carneiro
Leo : Qual a phitsophia escocessa e sua escola t
e sorteados para discut-la os Srs. Leandro Dan-
tas, Rodrigues e Souza e Bandeira de Mello.
NOVO ATHENEU.Rennio-se na quarta-feira
esta associaro, sob a presidencia do Sr. Flix do
Fgneira, com assistencia- de 21 socios. Depois
de approvada a acia da anterior, leu-so o expe-
diente.
Tomaram assento, depois de felicitados pelo ora-
dor da casa, os socios effeetivos Jos R. Elvas Ju
nior, Jos Moreira A. Silva, e Salvador C. de S e
Benevides.
Continuando em discussao a lhe3e que fora de-
fendida peloSr. Jansen, oraram os Srs. Regueira
Costa, Arouxa, Vicente Lemos e Jansen.
Amanhaa haver sessao extraordinaria para
tratar-se de negocios urgentes.
DINHEIRO.O vapor Ipojnca trouxe as segnin-
les quantias para os Sis.:
Augusto Frederico de Oliveira & C. 10:0O0a
Manoel Antonio Pires. 6:000?
Tasso Irmos 4:597
L. A. Siqueira 3:100*
Joaquim J. Goncalves Btllrao 3:0004
Carneiro A Nogueira 1:973#
Cunha e Mana 1-3251
Reg & Silva 1:000*
JUIZ DO COMMERCIO.Chegou hontem o Sr.
Dr. Sebaslio do Reg Barros de Lacerda, juiz de
direito do commercio da comarca do Recife.
tos do capillo commandante, ter o mesmo enge-
nheiro urna gralificacao de 1:000,.Dr. Manoel
do Reg.
t Artigo substitutivo a o art. 11. Esse enge-
nheiro alm dos v menlos que compete aos ca-
pules do carpo de polica, ter mais de gratifica-
cao a qnantia que for precisa para tornar os seus
vencimento iguaes aos de engenheiro de dislricto.
Pernambnco Filho.
Encerrada a discussao approvado o artigo
substitutivo do Sr. Aimeida Pernambuco.
Em seguida sao approvados os seguintes arti-
gos do projecto.
Art. 12. Haver na companhia urna caixa
de soccorros para os seus membros quando feridos
em servico publico,
i Art. 13. Essa caixa ser formada :
c g 1." Com o producto da dedcelo de 2 %
dos vencimentos de todos os membros da com-
panhia. ... ,
c 8 2. Com o beneficio liquido d > urna lo-
tera de 100:030i000, que correr annualmente.
c g 3." Cora metade do qualquer gralificacao
que por ventura seja concedida aos bombeiros
que tomarem parte na extincQo de um in-
cendio, sendo a outra metade devidida entre
elles. -. ,
Art. 14. O presidente da provincia, despen-
der com a organisacao da companhia e com
os objectos do art. 7 at a quantia de 30:000*000.
t Art. 15. Na lei do orcatnento ser consigna-
da a verba do artigo antecedente e bem assim quo-
ta para pagamento dos vencimentos da compa-
nhia.
Art.
trario.
16. Revogada3 as dispoiQoes em con-
{Coniinuar-se-ha)
CAPITANA DO PORTO.-J se acha no exerci-
ci de capillo do porto o Sr. capitao de fragata
Ignacio Accioli de Vasconcellos.
BRIGUE BARCAITAMARAC.-Assumioo com-
mando deste navio da armada nacional, o Sr. ca-
pitao de fragata Augusto Cesar Pires de Miranda.
RA DOS TANOEIROS.-O estado lastimoso era
que se acha o leito desta ra, pede com urgencia
se faca o calcamento, nao s para se evitar a ag-
glomeraco das aguas pluviaes, como tambem que
continu o abusivo costume de lancarem alguns
moradores as aguas servidas ao meio de urna ra,
com grave detrimento publico.
MISSAS FNEBRES.A familia do finado com-
mendador Domingos dos Passos Miranda manda
celebrar, na segunda-feira s 7 horas da manha,
missas pelo pagamento de seu chefe, na convento
do Carino.
SOCIEDADE EMANCIPADORA.Para o da T oou
do corrente aeha-so vonvocada urna assembla ge-
ral dos membros desta sociedade, no 'salao do
Club Pernambucano, afim de se proceder elei-
cao da directora respectiva.
HOSPITAL PORTUGUEZ.Deve amanhaa, s 10
horas do dia, haver sessao da a accionistas, afim de se tratar de negocio impor-
tante.
TURCO EQUESTRE.Hoje e amanhaa haverao
espectculos vanados, como se v dos program-
mas publicados no lugar competente, pela compa-
nhia do Sr. Marcos Casali.
MONTE-PIO PORTUGUEZ.-Amanhaa ter lu-
gar no Gabinete Porluguez de Leiiura s 10 horas
da manha a reunio dessa corporacao cm assem-
bla geral dos socios, funecionando com o numero
que apparecer, para eleico da commissao de
exame de contas.
DIARIO DE PERNAMBUCO.-Se chegarem hoje
os vapores Tocantins do sul do imperio, e Pasca/
da Europa, destribu remos amanhaa o nosso nu-
mero de segunda-feira.
RA MRQUEZ DO HERVAL.Os canoeiros do
porto desta ra, alguns artistas e moradores da
mesma,tratam de festejar porsua parte.nos o ac-
menlo da guerra com o Paraguay, como o novo
baptUmo que soffreu a mesma ra, passando, de
ra do Sol, chamar-se ra do marquez do Her-
val.com um lindo fogo de artificio, semelhando di
versos combates martimos, do3 que honraram a
nossa esquadra, c que dever ser acceso no ro
Capibanbe, na parte comprehendida entre a Ponte
Velha, da Boa-Vista e a casa de detencae. Como,
porm, os encarregados de tal festejo disponham
de poucos recursos, vio solicitar o auxilio popular
e de esperar que sejam bem succedido3 em sua
nobre idea.
IPOJUCA.Do Acarac e portos intermedios
chegou hontem este vapor da companhia Pernam-
bucana, trazendo jornaes do Cear at 15, do Rio
Grande do Norte al 18 e da Parahyba at 19 do
corrente.
Foi festejada com urna grande passeiata, na
capital do Cear. a escolha dos Srs. desembarga-
dores Figueira de Mello e Dr. Jaguaribe para sena-
dores pela provincia.
No dia 10 do corrente fallecen, na capital, o
juiz de direito Joaquim Jorge dos Santos.
Realisou-se em Lavras a eleiglo de vereadores
ejuizes de paz do municipio, mandadas fazer nela
presidencia da provincia, por ter sid > annulada a
feta em 7 de seiembro de 1868. Vencern) os
conservadores.
Achava-se no exercicio interino de director ge-
ral da instruccio publica, por designadlo da pre-
sidencia da provincia, o Dr Jos Lourenco de
Castro e Silva, durante a auzencia do desembar-
gador Jaguaribe.
Dos collegios conhecdos dos tres districlos da
provincia, era o resultado o seguinte : Para de-
putados provinciaes :
i dislrictocollegios da capital, Maranguape,
Aquiraz, Cascavel, Aracaty, Maria Pereira, Saboei-
ro, Queixeramobim e S. Bernardo
Dr. Goncalo Baptista
Capitao Gustavo
Dr. Soares
Vigario B-sa
Dr. Moura
Major Joao Severiano
Padre Braveza
Dr. Portugal
Dr. Corneio
Dr. Justa
Coronel Joao Machado
Dr. Joaquim Mendes
2* distrctocollegios de Canind, Granja,
bral, Ip, Vicosa, Acarac e Santa Quitea
Capitao Carapeba 164
3* dislrictocollegios de Lavras, Ico e Pereiro :
Dr. Paulta 116
Dr. Laureno 105
Padre Daniel 105
Dr. Joao Paulo 102
Celso 99
Padre Theodulo 98
Padre Cosario 77
Juviniano 70
Do Natal escreve nsso correspondente :
Realisou-se no dia 15 do correnta a abertura
da assembla provincial, convocada extraordina-
riamente pira esse mesmo din, em virtu4e da por-
tara do Exm. Sr. Dr. Sil vino, datada de 29 de
mareo prximo passado, com assistencia de 16 de-
putados.
. A mesa flea assim composla : presiden, Dr.
Jeronymo. Cmara; 1 secretario, Dr. Jeronymo
Amanso ; e 2o dito, Dr. Amynlhas Barros.
O Exm. Sr. presidente, no acto da insiallacao
da assembla, leu o seu bem elaborado rotatorio,
no qual expoz com precisao e clareza as necessi-
dales mais palpi:ant que cumpre promover com
urgencia em relaco re:eiia e despeza da pro-
vincia e sua forca policial.
E' de crr que aquella Ilustrada corporacao
tacilitar ao digno presdente todos os recursos
administrativos com os qiae- elle possa, como ar-
dentemente deseja, promover os melhoraraentos e
prosperidade da provincia
O vapor Guar, aqu chegado 11 do cor-
rente. Irouxe-nos a,certea de ter sido escolhido
senador por esta provincia o Sr. conselheiro Fran-
cisco de Salles Torres Horneo.
< Esta no|icia, tao grata e ansiosa, foi recabida
polos Riograndenses, que desajam o bem estar e
a felicidade de sua provincia cora a maior satis-
facao, regosijo e nthusiasmo.
a O governo imperial acaba de praticar mais
um acto de consununada justica : reliro-me aju-
da de cusios de qnatrocentos muris, que por or-
dem de 22 do mez passado mandiu pagar aos fi-
lhos do finado chefe de scelo da thesouraria de
fazenda desta provincia, baldinc Jos da Cruz,
eoncedendo-lhes alm disto passajpm at a pro-
vincia da Baha, por conla do mirjsterio da fa-
zenda.
t Por acto de 10, S. Exc. o Sr. Df. Silvino re-
integrou o Sr. Pedro de Alcntara De, no lugar
de chefe de scelo da secretaria de gjverno, do
qual havia sido demittido pelo Sr. Pedio de Bar-
ros, no lempo era que este se achava no Cear-
meirim I
< 0 empregado Francisco Canuto, que exercia
aquefle cargo, passou a exercer o d oficial de
gabinete, que da mesmi calhegoria e te igual
vencroento.
< Consta que acabara de ser capturados m ter-
mo 9f Crato, provincia do Cear, dous celeierri-
raoa criminosos de mortes na villa de Pt dos
FerrdB d'esta provincia, Joao Antonio Br indio e
Franfisco Jos da Cunha, condecido por Xico C boclo, coreos de um tal Moreira, subdelegado qne
foi n lempo do Progresso, e cuja demissao na-
irnell tempo dera lugar rimeqtos, fados pelos quaes aquella ex-autoriia-
di fora processada, artando-se hoje sentenciada
30 annos de pnsaa
A cmara muaicipal da eidade do Principe
oou ama eommissao P*r* Wii"-ft m in.
petWur pla nonrosa conctu^So ita guerra, a qnal
sec&rapde lo Exm. Sr. conselheiro Torres Homem,
deputados Octaviano Raposo c Gomes da Silva, Dr.
Manoel Jos Marinho di Cunba e Rvd. Joao Ma-
noel de Ca'valho.
t Continia assustadoro estado sanitario da pro-
vincia ; fehres, dyarrheas, lypho, sarampo e be-
xiga flagelbm diversas localidades.
t S. Exc, o Sr. Dr. Silvino, c >m a mais louva-
vel promptiio, com a maior solicitule o zelo pro-
cura suavisar esse deploravel estado em que se
acha a salubridade publica, e se mais nao tem fe)-
lo, porqie infelizmente nesu trra se sao en-
contrara recursos e meios de que se possa lanQar
mao em cai03 urgentes.
. Assim mesmo ae ordem de S. Exc. sahira
em coramilo para fra da capital os Drs. Henri-
que Caman e Paulo Aniunes, e ja se tem remelit-
do ambulancias e outros soccon os para diversos
pontos. .
Para a villa do Cearamcinm, por exemplo,
rorara rem-ttidos requi3k;ao do respectivo juiz
municipal, Dr. Jos Ignacio Fernandos Barros, una
ambulancia e alguns gneros alimenticios, inclusi-
ve arroz e bolaxa paia os doentes desvalidis, cojo
tratamentomedico ser confiadoao Dr. Vicente Igna-
cio Pereira, que offereceu ao governo seus servicos
gratuitamente, urna vez que esses doenies fossein
recolhidos um hospital, que segundo ordem da
presidencia vai ser alli estabelecido sob a direccao
econmica de urna commissao composta do Rvd.
vigario Jos Alexandre, do-lente coronel Fer-
nando e do capillo Ladislao,
t A fome contina a flagellar o pobre povo.
t A fariaha subi um preco descon)munal, e
por flm foi escasseando ao ponto de nenhuma ap-
parecer no mercado.
Hontem, porm. o governo conseguio com
prar a diversos negociantes do pequeo relalno
d'esta cidade, chegadas d'essa provmoa no va-
por Polengi, cerca de 155 saceos de farrana para
serem vendidos pelo custo, e alguns distribuidos
gratuitamente cem as pessoas desvalidas; no-
meando nina commissao oe soccorros pblicos,
composta dos Srs. Dr. juiz de direito Interino, vi-
gario Bartholomeu e presidente da cmara mun-
cpal e major Benevides. .
t No dia 11 entrou no exercicio interino da
vara de direito d'esta comarca o Dr. Jos Ignacio
Fernandes Barros, juiz municipal do Cear-meinm.
em vista da remoco do elTeclivo Dr. Sebasliao do
Reg Barros de Lacerda, o qual segu ueste vapor
a tomar conta da vara commercial d'essa praca.
t No dia 14 d'este mez ultimou-se o prazo den-
tro do qual 03 juizes mnnicipaes supplentes do
novo qaatrienaio deviam ter solicitado os respecti-
vos ltalos e prestado o competente juramento.
c Por acto de hontem S. Exc. concedeu ao ha-
charel Francisco Odilon Tavares Lima a demissao
que pedio do cargo de promotor publico da co-
marca de Massor, e nomoou para snbstiini-lo o
baeharel Tiburcio Rayraundo da Silva Tavares.
FESTEJOS EM OLINDA.Remltem-nos o so-
levado por sentimentos generoess-, propoz-se a pro-
nuncia-lo apeanr de doente-, enetando-lhe orna
syncope no palpito.
t Na tarde do mesmo dia Ibrmou-se a krlfada
e pereorreu as mas da cidade, no meio de vivas
estrondesos, e sempre internan)D*da em sua mar
cha por discursos e poesas, que de diversos pon-
tos eram recitadas.
Debandando-se a brigada s 9 horas da n arte,
qneiraouse nm excedente fogo artificial no lar-
go do Carme, fabricado pelos artistas Monteiro
Leoncio. Se bem qne fosse o fogo interrompido e
em parteinutifieado, por copiosa ffenva,a satisfar)
publica pronnneiou-se ; Se cada cauto levanta-
vam-se louvores aos artistas, apar de nr sent men-
t pelo desagradavel aconteeimente- da chuva.
Segundo o programma publicado no seu Dia-
rio, ter-se-hia concluido ah a festa ; roas o enthu-
siasmo publico prolongou-a.
No dia 16 continuaran) ainda os regosijos
sempre aeompasbados da melhor ordem e harmo-
na.
A cidade Numinou-se, os balalhoes com suas
msicas percorreram as mas, cheios de entbusias-
mo e no meio de calorosos vivas, subiraro ao ar
diversos baldes e gyrandolas ; erguendo as Exms.
filhas do Sr. lente Luiz Jos Gonzaga de suas
varandas, vivas ao dia de marco, ao chefe da
naca* brasileira, sna augusta familia, victoria
brasleira, armada, aos bravos generaes ele. lato
por se achar sen pai eneorporado ao 1* balalhao,
frente da casa, sera tempo de subir para sauda.^
lo. O Sr. tenente Gonzaga (que marchou coma-
soldado patritico, e quem em grande parte se
deve a organisacao do batalhao), foi nessa occasio
lisongeado por seu commandante, ofciaes e ami-
gos, frente do batalhao.
tOs vivas das Exmas. Sras. foram enthoalastica-
mente respondidos.
< Ao deb andar do batalhao, e frente del le,
pronunciou o Sr. Gonzaga um discurso em que
fez sentir a parte que haviam tomado os por tu-
guezes nos regosijos pela victoria brasileira, o no
sentimento pelos que fallecram na guerra, pres-
tndole voluntariamente a todos os festejos, e
mandando suffragar os mortos (como se dra na
cidade do Porto); conclumdo por dizer, que seme-
lhante confraternisaclo reclamava um agradec
ment nacao portugueza, por ser a gratidlo um
dos melhores ornamentos do coraclo humano, e
por isso levantou vivas a naci portugueza, ao
seu magnnimo rei, e todas as nacSes, que se
regosijaram com a victoria brasileira, os quaes
foram phrenelicamente correspondidos; asim
como que o mesmo Gonzaga dirigi ao patriotis-
mo do Sr. Jos Maria Pestaa, que, com sacrificio
dos seus interesas, e com a melhor vontade, tra-
balhou seis das na iliuminacao posta frente do
paco, prestando sua3 armajoes, sera aceitar re-
compensa alguma.
Os habitante3 do municipio (quer nacionaes,
quer estrangeiros), e o Sr. Pestaa penhoraram as
commissdes encarregadas dos festejos.
< As commissdes trabalham no empenho de
mandar suffragar o mortos na guerra do Para-
guay ; se nao por um modo pomposo, ao menos
pelo que fr mais decente e conforme s suas
forca.
LIVRO ANT1GO.Na Fidelidade lemos a se-
guinte Bayeta bem curiosa :
tron-se ha dias nra autographo precioso. Sao ca
racteres roanuscriptos em urna folha'bram
querelante e de dehesa......... 3JSK'
35,975
A indemnisacao dos jurados e dos juizes car-
go do estado. Pedro Bonaparte s leve por conse-
qnetcia a pagar 9,111' francos de cusas, e desta,
qnantia ainda ha a dednzir a indemnisacao das
tesiemunhas de defeza;. sendo quasi certo qne>
esiai testemunhas desisMram dos emolumentos a.
que tinham direito.
LOTERA.A que se acha a venda a 648' a
beneikio da igreja da Sania Cmz do Recite, aqual
corre no dia 30.
PASSAGEIROS.Vinao dos portos da Granja e
escala no vapor Ipojuca :
Dr. Sebastiao do Reg Barres de Laeerda 1
escraros, Francisco Fernandes Ferreira Mendes.
Pedro Celso da Costa Anuir, Vicente Geffon, Ber-
nardo Francisco de Oliveira, Jos de Araujo Cofta
Jnior, Jos Manoel Rodrigos, Americo Bibeiro
de Aranjo, Jos Antonio do Nascimento, padre-
Fermino da Rocha Brandao, Manoel Francisco de
Moura, Joaquim Jos Barbosa, Luiz Jos Ramos,
Pedro Jos Goncalves da Silva, Joaquim de Souza
Pacheco e um creado, Manoel Francisco da Asa-
vedo, Francisco Jos de Azevedo, Cvpnano Lopes-
P. Jnior, Antonio de S Barrete, Pedro Goncalves
Torres, Antonio Joaquim Se ve e 3 escravos, Joao
Barbosa de Azevedo, Antonio Monteiro, Antonio M.
da Silva, Antonio Joaquim de Barros Lima e 6 pra-
cas, Bento Garca da Silva, FabiCabra! de Olivei-
ra, Eufrazio Alves de Oliveira, Jos Gomes d'Arao-
rim Junjgr, Jos Joaquim de Monra e Silva, Gon-
raio Teixeira Leite, Antonio Manoel do Nascimen-
to Jnior. Jos Mana Lisboa, Antonio Felippe Ca-
bral de Mello, Americo Yespucio Seminen, Jos
Paulino de Aorado, Ignacio Manoel de Sant'Anna,
Emilia Maria das Neves, 1 filho e urna creada, J.
Bonifacio Cabral de Mello, Dr. Manoel Jlivenal K.
da Silva, Pedro R. da Silva e urna lilha, Argemiro
L. Comes P., Lourenco Antonio de Azevedo, Fran-
cisco de Araujo de Holln la Chacn, Antonio Ale-
xandrino Lima, Francisco Soares da Silva R. e 5
escravos a entregar.
CHRONICA JU)H |im.
370
369
987
364
363
363
362
337
357
344
313
231
"".No dia 15 do corrente manifeslon Olinda mais
um livro de Horas, que pertenceu a Catharraa de
Medces. Ha urna lenda acerca deste autographo.
Cr-se qne foi proprielade de urna familia de sa-
paleros, cujo actual chefe conta aproxidamenle 7o
annos.
Diz este anciao que o recebeu por heranca pa-
terna, e parece disposto a acreditar que esla pre-
cosidade luvia sido saccada da casa de Savigne
em 1793.Na capa do livro v-se urna coroa, as
armas de Franca mal conservadas, e as letras M.
C. entrelazadas.
t As letras do autographo attribuem-se a Hen-
rique, duque de Guise, e dizera apenas estas pala-
vras : t Tudo est prompto para 24. Assignado
B. Esta inicial parece querer dizer Balafre, de-
signacao particular de Henrique do Lourrame.
As palavras mvsteriosas parecem refenr-se aos
factos do dia de S. Barthnlomeu de 1572.
PACTO SINISTRO E S1NGULAH.-0 banqueiro
Jos Nunes, da cidade de Lrida (na Hespantia),
tinha dous cofres em sua casa. Um servia as ope
racoes dianas do banco, o outro contuilia especial-
mente ouro e prata, sendo este nicamente abor-
to quando Nunes tinha que fazer algum pagamen-
to consideravel. ,
Este ultimo cofre estava em um subterrneo re-
dalo por urna porta de ferro muito solida, na
qual havia urna fechadura de segredo.
O banqueiro tinha duas chaves. A pnmeira
achava-se sempre no seu poder, a segunda estava
confiada ao caixero. Esta desappareceu. Passa-
oos alguns dias do desapparecimento, o banqueiro
emprestou a sua chave ao outro caixeiro, quando
foi necessario descer ao subterrneo.
Pouco lempo depois este ultimo empregado leve
occasio de ir buscar algum dioheiro em ouro do
que esteva no cofre secreto. Mas qual nao fot a
sua sorpreza quando encontrn a outra chave na
porta do subterrneo I .
Pensou desde logo que algum ladrao se tmiia
introduzido alli, que haviam sido roubadas sotu-
rnas consideraveis. Foi, pois, prevenir o banquei-
ro, o qual, maravilhado, deseen com o seu em-
pregado.
Abri se o subterrneo. No chao eslava nm ca-
dver em putrefaccao. OSr. Nunes e o seu cai-
xeiro reconheceram desde logo um empregado da
casa, que tinha sido despedido pneosi das antes
e que cortamente havia sido o roobador da chave
do subterrneo; ., .__. _
A auelle desgracado tinha querido despojar o
seu ango patriU)?^^ a porta do bterraneo
sendo de batent, tinha-se fechado so por si, pren-
dendo o homem na casa, que Ihe devia servir da
tmulo;
INVENCAO MORTFERA.N'oma conferencia
que ha poucos dias deu em Londres o proressor
Tvndall, annuociou-se na nova invencao morti-
fe'ia. Propox aqoelle proessor impregnar, o algo-
dio em rama das materias purulentas colindas nos
boepitaes dos atacados de lebres e dos colricos, e
depois de encersar estes resduos envenenados nos
SESSAO
c no ai 10 oo cunouiD uii *----- lUEeo empraga-l" em eombater os inim)gos em
urna vez o seu jubilo >? ^teaml u jaerra; wn|^,rja0i Assegurou o isvenlor qne cada ex-
So>
REVISTA DIARIA.
ASSEMBLA PROVINCIAL.Hontem a assem-
bla nao funecionou por falta de numero.
Tendo-se de proceder transferencia dos
movis, do ediflciojYlo larga da Assembla para o
palacio da ptesdeneia, deixar boje de haver
"iNSTITirrO HISTRICO E PHILOSQPHlCO,

Vigario Nogueira 174
Vigario Correa 174
Dr. Jlo Firmino 174
Dr. Castello Branco :\
Dr. Oliveira Sobrinho \i\
Capitao Miguel Severo 1.74
Capi.'^o Custodio Moreira 174
Moreira 4a Rocha 174
Dr. Firmo 171
Jos Cordeiro 167
Vigario Xavier 165
. a vespera' do indicado dia, o pov coilocou
nraa bella illuminacao frente do paco municipal,
tendo ali, no maior decoro, o retrato de S. M. o
Imperador, perante o qnal levanten o bataltoo
natnotico vivas S. M., religiio catholica, a na-
ci brasileira, s armas alhadas etc. Os vivas fo-
ram correspondidos com o maior calor e entusi-
asmo, seguindo-se o hymno, roguetea e aseensao
de baldes, e apos urna passeiata pelas ras da ci-
dade, serapra aeompanhada dos maw animados vi-
1 Ao crepsculo matutino do dia da festa, a
frente do paco municipal tocn-se o hymno,
urna salva'de 21 tiros despertou a populacao da
Das 10 hars da manha em diante, formon-se
I e setuio para a cathedral urna brigada, composte
de nm eaquadrio e Ira bataltroes patriticos, sob
comraando era chefe do Sr. major Thomaz de
Aimeida Antunes.
c Aochegar da brigada, cantousenra Tt-Ueum
olemne, assistido pelo veneravel cabido, semina-
ristas ete., occapando a tribuna sagrada o Rvm.
Sr. commendador cpnago Ferreira dos Santo?, q,ne,
plosao do projectil sernearia os germens de enfer
midades. e que seriara duimadas rpidamente por
este meio as filas do exereito contrario/
E" ama idea termal o iraaginar-se varios regi-
mentos de artilberia abrindo a batalha com fogo
prenhe de colera-morbus, urna salva de bexigas,
de typbos e de febre amarella I
PROCESSO BONAPARTE.A' GivzMa dos TW-
^M(J, de Franca, clenla a despoza feta com o
tribunal supremo que jnlgou Pedro Bonaparte,
avalia-a em 35,973 francos assim destnbmda.
Despezas com o processo pre-
paratorio, citacoes, examea e ..... .^
diversas diligencias........... i,J 'rancos.
Ao presidente 9 dias de sessao.
Ao procurador geral, idem...
Aos 5 juizes e ao substituto do
procurador geral^...........<
Ao escrivio e secretario.
Aos jurados.........xv---
A' \ft testeniunhas, dadas palo
ministerio publico,. % \ <........
A1 tMWfflftnM da parte.
'270
270
1,090
180
15,162
raiim \ ti. DO < miii.iu 10
\CTA DA SESS.iO ADMINISTRATIVA DE 16 DE
MAIO DE 1870.
PRESIDENCIA do exm. sr. desembargado ahsbzjio-
FRANCISCO PBRSTTI.
s 10 horas da manha, presentes os Srs. depu-
tados Rosa, Baste, Miranda Leal e barao de Crnan -
gy, S. Exc. o Sr. presidente declarou abena a
issao.
Foi lida e approvada a acta da sessao de 16.
EXPEDIENTE.
Aos Srs. deputados foram distribuidos os se-
guintes livros: Diarlo e Copiador de Souza tt Ve-
mao, Copiador de H. Oetli & C.
O Sr. secretario offkiou Carneiro & N: guaira,
communicando Ihes a resoluclo d'este tribunal
respectivamente ao registro de seu distrato social,
afim de que seja por elles curaprida, pagando o
sello competente, ou apresentando o distrato para,
ser innlilisada a verba do registro.
DESPACHAS
Requerimento de Manoel Jos da Fonseca, pe-
centamentos em suas disposiedes.Sim.
Dito de Alfredo Henrique Garcia, pedindo que
se proceda a convoniente annotaclo no registro da
nomeaclo de seu caixeiro Lizardo Rocha.Defe-
rido.
Dito de Sebastiao Marques do Nascimento, pe-
dindo que se faca o competente registro da no-
meaclo que dora Bertulino Correa de Amorim
para caixeiro de sua luja de louca ra da Impe-
ratriz n. 6.Registre-se.
Dito de Jos de Souza Braz e Fjaneisco Jos
Fernandes Marcoj, pedindo o registro do contrato
social que em duplicata apresentamCurapram
es suppicantes o disposto no art. i." 7. do de-
creto n. 4505, que hoje comecou a ter execucao.
COM INFORMAQAO DO SR. DESEMBARGADOS FISCAL.
De Antonio Bernardo Vaz de Carvalho e Miguel
Pereira Leal, distrato social.Registre-se.
De Jas Alexandre Ribeiro e Francisco Ferreira
Maia, pharinaceiiticos, contrato de sociedade.Re-
gistre-se.
De Manoel Jos da Fonseca e Jos Pires Chaves,
contrato social.Foi retirado conforme requereu
Manoel Jos da Fonseca.
De Joaquim Francisco das Chagas e Silva, ma-
tricula de commercianle.Adiado.
Dada a hora (11 e nrcia da manhla), o Exm. Sr.
presidente encerrou a sessao.
JUDICIAR1A FM 19 DE MAIO DB
1870.
PRESIDENCIA DO EXM. SR. DESEMBARGADOR A. F. PB-
RETTI.
Secretario, Julio Guimaraes.
Ao meio dia declarou-se aberta a sesslo estando
presentes os Srs. desembargadores Silva Guia-
rles, Reis e Silva e Accioli, e os Srs. deputados
Rosa, Basto, Miranda Leal e barao de Craangy.
Lida, foi approvada a acia da sesslo anterior.
Foi lldo o ofilcio de 17 do prsenle mez do
Exm. Sr. conselheiro presidente da relacao, com-
municando haver designado o Sr. desembargada
Lourenco Santiago para rever o feta qne pende da
decisao d'este tribunal, entre partes appellantes
os administradores da massa fallida de Antonio
Jos de Figueiredo, appellada D. Paulina reas de
Godoy.
JULOAMBNTOS.
Juizo especial do commercio : appellantes reos
a viuva e herdeiras de Manoel Gonc.alves da
Silva, appellada. autora D. Claudiaa Senhorlnna,
Vieira de Carvalho; juizes os Srs. Silva Gmroa-
rles, Accioli, Miaanda Leal e barao de Crnangy.
Ordenouseurnadeligencia, sendo voto veneno
Sr. Miranda Leal
Juizo municipal e do commercio do llio sor-
moso : embaagantes appellantes. autores Leandro.
Cavalcanti da Silva Gninwaos a outros herOairoi
de Joao Cara da Silva Guimaraes, embargado
appellado reo 'Manoel Joaquim Ramos e Sjlva;
.uizes os Srs. Reis a Silva, cclo i, Basto e barao
de Crnangy. Foram despresados os embargos.
AppeHautes Clemente los* da Silva Noves & C.,
ap^adoJos Pedro de Carvalho; W*"
Firmiaao Jos Rodrigues Ferreira, fPP'* D-
Joaquina da Silva Cosa; sppellanles a viuyao
aeXros de Dioge Jos da Costa appallado Anto-
nio Dnarle Carneiro YVanna. Adiado a pedido dos.
Srs, deputados.
fASSAGENS.I
Do Sr. desemhaigador Silva Guimaraes aoSr.
desembargador Meto e Silva ; *
Augusto Gamatoo Monteiro da Silva SantoP, ap-
neJados oa adminiiradores da massa wna ao
Siqueira & Fereira ; appelUnto D. Maria Febs-
na do Reg Coste, appellado Manee Wrjjf "*g-
Ibles ; appellante Bernardo los Rodngnes P-
nheiro, appeUados Wilsona A HeU.
Ao Sr. deserabaradTa^Smnttw: P-
pallante Jos Barbosa de Cartalho; anpeuaaoa
Barbosa & Souia. ------b.-^.
Ao Srvdoaembarbador Reis.e Silva. *fP**
Jos Mana Beaerra Cavtc^s^2|j2"g
de Sonsa.
Ferreira oa Veras; PP"" ^
Barvalho eontro; appellado Antes
l-^o Sr. deOTbanador Aectoli: **-
noel Pareira llagslhaaa, appalUdo Joio puason.


-
^


'
IC 0QA8U2 diario (le Pernambuco Sabbado 21 de Maio de 1870
unjiun .11 Ja
ORM
^m
AQGHAVu.
di commercio : aggravante Fre-
Igrvado. o Dr. Prax-'des
O Exm. Sr. presidente ncgoa
essSo a urna bora datarlo.
jxhTJ
CMARA MUNICIPAL.
S8SS0 EXTRAOKDMrMiA AtirTTOK
PUBSIDRNCIA B0 Sil M. COSTA )U*R.
Presentes os S. Dr. Mosco->, '.uueiro, l'asla
Mnreira, Pessoa da Bit**, l>r. Pitang.i e Dr. Save,
atavi-se a sasso, atado lid* o pprovad* fcta
da antecedente.
Leu-se o seguiulH \
lMMtD! \t:*
Lim offi.-io de E\ n. vi-o presiUate da provin-
cia de 7_do eorrttye,exig ;i1>, pira *as(ftler urna
requisicio da assemlila legislativa provincial, que
a amara infirme, com >|uu se Ihe ouVrecer e con-
ejar, sobre a convoniencia la estaca) e ponto de
patuda marcado para os trilhos urbano* desla ci-
dada~ jura Olind* o Beberibe.A' comtaissao de
ediftVsKii-s.
Outro ao mesn, de 9 d > corrento, reconmen-
dando aamara, parasasfaz-r o disposto no aviso
do ininiARTto di Imaeria d; 27 do abr prximo
fiado, remella com toda a urgencia a autheotica
,4a apuraco geral das eleieoes luil nos colirios
do l" dislricto desta provincia, para preetichimento
da vaga do Sr. visconde de Caniaragibe, ua
cmara dos de.mta los'.Inleirala por ter ja sido
saftifrita omeHowle reqtiisiivVi.
Outro do mesmo, de igual data, declarando que
ficanteirMo pelo nffleio qo* Ihe dirlgij a catnsra
em 3 do prsenlo mez sol n. 28, de se nao ter
apreseotado concurrenie abiom para contratar a
eea*ti*tccao do pedestal da tremo das eataewnbas
e dlReadas ltimamente no cemiterio publico, e
meede a aul >i i-ncAo pedida para mandar proce-
der pw administracu a construec > iln refcrWa
pedestal Mandn--e ordem ao en:;enheiro para
determinar a exeme/to da obra, e ao procurador
para pagar as foihaa depois de legabsadas.
Otrtw di engenheiro cliera da re nica) das
obros publica-,' >' >m despacho di presidencia de o"
do corren!'', mandando informar sobre o que allega
6 gen ule d.icoin|i.uiliia-Keiif.? tlompany Drama-
ge.A rommi: s especial.
Outro do subdelegado supplcnle do dislric o da
M.-sJalena, comm nficaiid. aehar-se no exercicio
do mesmo cargo no impedimenta do elTectivo.In-
teir;;da.
Outro do procurador, rematen lo os balaneet-'s
de reteiU a desasta do do outubromlum >, at
marco prximo lindo.A' cinmisso de p ilieia.
O.uro do mesmo, irruanlo a peUe i Ue Jsui-
n Forrean, d.i Si\ .i, declara que nada Ihe consta
relativa n. lite ao que trata o ,-upplieau:e na (lila
pulir. Ao contador pira infernar.
Outro do un sn ', rem 'tendo o eooiMOitaefUU de
imposto geral dedur.iJas dos veuei nmios d t e.n-
prrga.is at o ui;i,no de dexambro do au.no pausa-
do.Ao archivo.
Outro do mesmo, remellen lo urna rel.ic.io das
letras as-igiudas j r div,r-os_je das quaee pagou
<> Bait'Vtivo sollo na importancia io olJlOO, pode
acamara qa m.io le levar om conla a"eferi l.i
qu-mii.i.Que oc.iotador levisse na verba eompe-
lale de le-peis.
Outro dj enge:iheir conleadnr, dando o tea
jiaivcer subr-1 o polil) do Dr. Joaqium Aotoiio
0rieJro da umha Miran la B Arcemo Antonio T.ar-
n no da Cooh Mirnd.i, reirlirnmtnle a desapro-
Iiriay que i x.'liu d um twNfeuo na ruid'Auro-
ra.Ao adv.iyado.
Oniro do mismo, informando requerimento
de J aqiii:.i Bernardo d s Ittis, tem a izer que
nada lia a opper.Cjncedeu se.
Onn d) ihosh), inlaroiii) o requerlmmi!o
do ttr. J -.) .! r ii-11 G ilv i '.' >fn*ado, d icl ira
que nula lia a oppor O i!") do mermo, informiud) o requerimento Je
Fel x Lins CivaleaMA d-'cl^ra que constroin lo o
supplicanii; a; casas le canXjrmi4a.de e en a.- pos-
tura a i i s :i) alinliainent> 'la^ cxistontes na-
da leu a Ofpr.Goncedeu-sa.
_ Qjb' i J) n um >, infor na i lo > r i :wr! moni i de
Guilhormina Mara da Cuiteeicjco, diz que ediiican-
do a s ppe.anic a casa de conformidalo Con) as
posturas, a Mfaindo o alinhimenlo das casas mo-
dernas i'xist''ntes da um e outro lado, nada tem
que oppor.Cmx lea-i s.
O.iir, d> m'sino, inf'iund) solire o quo pede
J i-i' Francisco !i Visita;,! i cm seu requerimento,
tem a di/..r que s:ii I) casa eonsicuida 0 pal-
mos arre-lado d alinluuient' da esla la, nenhum
iHs.invenienle liana C-USio de lioonei Per-
millio se.
O.itro dolii-cal dafreguexi do S. Jos, :am-
msaJeand haver snspeo l lo por l' das a suar-
da d. me-... fre.rueza Ignacio lbrbo-a de Prei as
|it nao se ter port id > be:n no tmmnrHBfnXO de
setifl deve,-o-:, pede a iveiorao do guarda para ou-
- tfeV. fJ-'g'i'Mtt-roft^'alrerlido em sssao, e'que su
dee!.ira*seaii fiscal que a SOspenc^J lijara de ue-
nliiioi Ihitd nesta data.
'InTi ilo li-eal Ja freguez'a da Ji.avista. apro-
nta do que despenden com a compra
leila e:n Yv..hlelas de SO sacci e-.-m farinlia e
'i ;:.-r."io das mes;r.as para esta celado. iUai-
i. ttaudj ..i-su remeUer a commbJo deediflcadg
du-c*-pficdes, uina Jo Dr. Areelino Xavier do
V.vm o ViiridiesCaiii|iello,subro acliicacjiode
il us ra as na roa do Hospicio o no prol)uamen
i. do ii do dos Kerreiros.
\ segand i de Domingos Jo.- Marques aprsen-
lo l ii Mu i lo terreno ie po-sue no Caldereiro
i! i r goiiia do Poco.
Mit>a-sj reipatter oadvogado u;na peiican
fie i). \1 .na Buaeatcta Gomes de S.iuza. '(ue e l
na po-se d i sio.do finado Francisco Joaquim Pe-
te.ra le Carvalho, pedinJo para pagar a quanlia
a que eat obrigadu do mesmo sitio para com o
eofre municipal, em tret prenago's terrainando-se
a uCima no lim de3C meses.
;s:.:u-haraih-se a- pCtiooM de I), abbado do
Misteiro de S. liento, Antonio Campos Ja Silva,
.Antonia Marques ia Silva, Antonio Valentim da
Silva li.rro-.a, David Willia i oman, Francisco
Jjs ibeiro Braga, Jos PVrnandes da Silva Da!-
tro, Jom Affonso Kodam, Dr. Joaquim Antonio
da Cuaba Miranda, Arcenio Artouio Carneiro da
L'aka Miranda, Joo Correa da Silva, Jos Bodri-
nes do Na-ciineulo, Jas do3 Santos Oliveira,
Marceliito Lopes Callo, Miguel Ribeiro Pavo, Ma-
nuel ile Azevedo Santos, Manuel Jo Dantas, Pe-
dro Aoreliano da Cruz Muniz e Segismundo da
f.o.-ia e Mello : e luvautou se a fsesao.
Ka, Augusto Genuino de FigueirJe, oHi-:ial
maor servind-a de lacfetaiio, a escrevi.
Ileulo Jos la Cosa Jnior, 'pro-presidente.
Dr. Pudro le AtJmude Lobo Mascse.Jos Marta
l'ir.re (lametro.Caetano Cyriaeo da Cotia Moiei-
ri. lijuacio Peasoa ila SilcaDr. Prxedes Gomes
df. &)uza Pitonga.Dr. Joo Marta Sece.
<* l**** fran-j., aomfcfc* de Pas-
mado.
Becife, %i de malo de 1870.
Edy
-
ingleza/cRr/rflnferro e cirvi
fir(t6ia*~mercadorias.
^^HRn-''ilin -vario; g" nv
^^^^^B DE RENDAS hXTURMAS F-
l ^^^^n 'lia 1 a 19 ... aja
wwr#\dfr*i.......
OallaUL Km- PRIVICA
SENTIDA HQRTt*t II.OK SB. QPitEMDAW'
DOMINGOS DOS PASTOS MIRANDA,
OPPBRKCIDA BOk ING6OT01.AVB1. FAMILIA.
Qoe o bomem ? Um soabo
qae se demsiece, nm"ahantsnia
que desapparece, urna ave que
alravessa o- ares, nina nao rme
nao deixa rasto algum sebr
ondas, urna poeira que o vento
Iaus uim vaiuai ou vi ilicttifta
um orvalho quo so evapora ao
primeiro raio do sol.
(ConseUteiro Vastos)
Do bero a sepultura I eis a distancU
Q.ia p'ara todos igualmente e?t marcada,
Va senda desta vida de marlyrios
Cnvada de cilicios o gemido1',
-Onde o bomem teme sampre Uo futuro,
Qie ao sopro fatal da fria morle
Vai de cbafre cabir no cha da campa.
Sentenra quo o mortal eantpron trra,
Infallivel sentrnca a todos dada,
A" li Islgo, ao plehi, ao reiv ao nobre,
(Joobaqueia do p M mesmo nivel,-
No mysti'ia i insondavel do sepulchro.
dm braceada familia carinhosa^
Despren en-se o pai, o esposo lo qncrid i
O amigo, o cidadio to prestipiosoj
Carcter semprecheio de Dondade,
Que s aquilata lo bem poda.
Q'jom com elle de peno se estreilasse
Nos los d'amizade, honra e virtude.
Morreo mas quem na trra asslm pra'.ica
Tem di>s justos a inancona cteruilade,
Kntre a paz tranquilla e sania de mH luses,
Ao snm dos sacros hy tinos desprendidos
IVIos anj s de Den* d'eoleas larasv;
Aos p; do immenso ibrono do Senlnr.
Deste mun lo elle parti com l bastete,
Deixando a alma livre vapnrar-so
N;s silleras regi5e3 nao copheoidas
Dos paramas innuitos l do cea ;
Biiscar.do ent recompen-a a salvaba*,
^le darme para sempio em fria cama,
!A' sombra d'uma cruz triste c marmrea
".Hila ema do morlal que baixa ao tuinulA
12 agora sirva ajienas de consolo,
O meu canta .erpas-ado de samlde;
Do mesmo soaiimcnto ea mis par'dho
De amizade sincera o gratido.
Ren.liinenloaJedia 2 8*1
dem do dia 10
Penedo, sori receida pela manerra-ee-
do jornaea, impressos de qnalqaer natt-
Itrtas a registrar e carus ordfaMtils jit ^
da Larde, e sla< a'. 3. i|3-horas da
pagando porto duplo
O administrador.
Affonso do Reg Barros.

MOVIMENTO DO PORTO.
iVewft ttttrntlo na4ia J& ,- r..
Granja e prrtos niennHios-7 dias, vapor brasi-
leiro Ipojuca, de 300 tonelada, commandante
MoiTra.e-ffnirnirerrniO, carga Varios gneros ; a
rompanhia Pornambueana.
bsercagao.
Nao bouve sabidas.
EBITAES.
^^ J. Sovres da Branca.
;fi*Sfte"-qlJilK3HaR*ap=5i.!iRi#a#gJ!. .-**??'
fifi tigres de Baiito intoaio
Assisliinosa priraeira represenlaciio do drama
sacro Os mifm de Sanio Antonio, o qual
leve lugar na noute de 1S do correnlt no thealro
Gymnasi.i Dramtico, e licamos maraviltiados pelo
modo porque foi execulada.
Pawia nos impossivel, que em 'J thaalro de
pequeas proporeoes sepoJesso levar sciua um
drama de tama ti.Uuld.ide, rasa a pirque dupli-
cou a uo.-s i surpre.-a, vendo quo o programma
anii'tncialo se cumpria exactamente. As suenas
do Claustro, Kntrannis d>i Terra, Acampameiilo
de Exilian, a Barraca que se transforma, ;j Clli
e a Apolltctoi, [wuduzraro deslumbrante effeito ;
nierooendo algnmas delUs, estrepitosos applausos.
Maclimism i, coros e vestuarios, esli.erao: bons.
O desemponbo do drama agrailou goralniente,
landc os arliflas chaniados acea repetidas vezes
nao ob.ianle, aurirmos um parenlhesis, para afflr-
mar,H|ue o Sr. Peregiiuc e um magnifi.-- .Santo
Antonio i! que se fo>se de miro, ou-prala, po Ral-
Liria quem-a quizesse trocar por alio preca;
poreni, como de carno o ftsso, contentc-sc cera
os oo-sos sinceros cigaos,
O Ibeatro Gy un asi i Dramtico, situauo em um
dos arrabaldes' mai; pit.ure>cos ; com a boa com-
panhia que (em e com as commodiJad^s que a di
recelo uilerece das passagens gratis, .mos e de-
pois dos espectculos, para as pessoas que morara
no itecife e om toda a linlia terrea ; jylgamos qie
deve ser concorrido pelo publico, apreciad..:' da
arte dramtica.
los habitantes ta fregucza de
aato .tato ato. _; .
ijaTuG'pTJtirver"nsia freguzia una ;ulisi-ip'ca
para a eroedSu de um mmiumonto comnicaiorati-
vo dos trinmphos do Brasil na guerra do Paraguay.
9ift i
tancias
xcesawa e nun:a vista carcsa das subs-
aiimenti :i,is e de ludo quanto exigcm as
necess'dade; da vida, no recomo aTigmenlo das
imposto*, e nas despezns com quo mais ou menos
juasi todos havemos contribuido para a ionpa
re de festejos pela eonelusao da ginrra, Unh.a publicas, de ntte se iunara cerlidao aos auto;"
PUBLCAC0E3 A PEDIDO.
Ao publico.
Debaixo da capa do anonyrao conhece-se |ierfei-
tamente que a alma do escripia que, no Liberal de
liMitem *) do corrate, foi publicado sob o titulo-
de vazabeti!, a alma, do juiz municipal daquei-
le termoj becharel Jlo Baptisla do Amaral' e
MiIIo.
O sea estyllo, sempre eivado ra peana, serapre^molhada na tinta.miLvezes ne-
gra di ridi ailo oTeosivo, deixa-se a'dvmbar sob a I
isfirrapadacapa de um psaudonymo, queatcerto
ponto assenta no Sr. bacbaret Amaral.
Somos amigos do 8r. Df. Joo Rezerra de Melo,
a quem so ouizeaxovalhariiestaescripia; e. quetn
i.iie d.i<|uele distinelo caralheiro taila a baba
pesseRbeau que loe foi lancada.
Klatnot certos que o Dr. Bezerra dar ao ineog-
ni'o autor daquelle sopimtissimo ea\ielam*to a
resposta que cm rigor.oWe-meteco, isto o m.iis
leJrmdo despivso, Nc-eotanto por nossa -parto ni.
jwaamos deiaar de protestar contra d t* des-
.n^a^Swr!0 Proc'">e"to" cota leve o
wu *" WRidanrae.awjaoso noUh-o i Literal
R-M RMRa.dMaaar.amo. JaXJTptSS
puhttca; esse aittMMoahaeaiiMHa nsTe deS
a-seguramos ao ^r.amiWaaor qna elle nwnUr-se-ha
iM'eadiaea-davMnMsa ate fa^toerter a ea
l^a, coa^ttt-ajafjapualicadai^risp^u.ao
iminymo.
esta commi.-sao motivos para recusar a minio de
que a cmara a incumbir..
De um lado, porm, ella receiou qae a sua re-
cusa podesse ser imputada falta de zelo, ou m
vontade, e por nutro hdo jnlgou lio conveniente,
lie louvavel e tao patritico o peiisanienta da c-
mara, que' teria por desairse ncgar-llie sua fraca
coarfjuvaco.
Nao ciistindo nesta ciJade, nemom parle al-
guma da provincia, um so monumerto propria-
mente commemortivo aos feitos gloriosos de nos-
sos aniepassados, pois que as capella votivas, que.
depois da gueira com os Hollandezes se constru
ram, nem pela forma, nem pelos destinos recor-
dam ao povo a< facanhas immortaes do no*sos
maiores, o projeetado monumento, alm do trans-
mittir as gera^Ges futuras a memoria dos nossos
irumpbos na maior guerra, que al hoja tem ba-
vido em toda a America meridional, pelo numero dos
cimbatentes, pela soa dura cao e pelas quasi in- |
superaveis difflcnidades, que apresentava, iuenm-
paravelmeute superiores aquellas, que os romanos
encontraram em suas famosas e prolongadas
guerras com os Pannos, alem de ser um tributo
de mui devida gratido aos hroes que tanto illus
Iraram o Brasil por sua inexcedivel coragem e
ncomparael re-ognacao, ser taoabem um bello
ornato pan urna das nossas praeas, ea primeira
obra- verdadeiramente artstica, que possue a pro-
vincia.
Foram c tas consideraeoes que actuaram no
animo da commissn, e Ihe fazem esperar quo,
produzindo igual effeito nos habitamos da fregue-
guezia, todos se prestarao na proporcao de suas
posses, a inscrever seos nomes na lista dos contri-
buimos para o monumento projeetado. .
Reciie, 13 de maio de 4870.
Dr. Jos Joaqaimde Maraes Sarniento.
Akaro Augusto dt Alnuida
Joafuim OtyMho Bastos.
Jos Joaqun de Furia Machado.
Antonio de Maura Roliin.
O Dr. Joae-GonzagaBacelrar, jutr municipal e do
commercio da villa e termo da comarca do Cabo
da prorlttcia de Pern.imhuon por S. M. o Im-
perador censlitnrioml o Sr. D. Pedro Uj quem
Deus gttfrdc, etc.
Faeo saWer a >s quo o presente edt.al -v'rem, que
por parte' Ai Th-nnaz Fraiieisw de Salles Rosa,
negocame matnru'ado ir orador na cilade do
Recife, irte foi apresenlada a pelifao'do tbeor se-
guinte :Bim Sr. Dr. juiz inunieiiial e do com-
merclo.Diz Thomaz Francisco ce Salles Rosa,
negncianie matriculado eslabelecid na cdade do
Recite a ra do Airorim, que tendo vendido mer-
eadurias Severino Jos Uos Santos Aguiar, nc-
goetante ne?ia villa lio Cabe; na importancia de
I:IMI'3?S5 ri, constante da contt junta, e como
quer, que na tenha o stipplieado pago a mesma
mpnriaucia, e se tenha atrazado do maneira a
ino cumprr sena compromissos, como se vfl lo
do iiinento nnilo, o nao tem pngo-nos demais
credores, pois oneladeiite, tfia se cha cm es-
tadn de fallencia.
N'esias cir.-um conivirecido em jnizo como Re faculta o art. HH.'j
ilo cdigo do coiimierein, ven o suppiicante. con-
finne o art. 807, loqnerer ine se proceda aber-
tura daf.illencia do mesmo sopplicadn.
Pede V. S. deferiraenn admittindo o suppli-
canie a jos:iiicar o e*ta I de insolvencia do suo-
plieado, sen i., elle para is.a rilado.K R. M.
Barfava -el.'ndo com (Stampilha de iflO ris.
'Recife. 13 da maio de 70. Thomaz Francisco
de Salles Rota.
Em o qual dei o desiacho do theor seguinle :
Distriuida, joli!lqe councilacao do supplica-
do, o venhsm ns aups conclusos. Designo o dia
18 do correte para a justirtcacia. (.aba, 14 de
maio do 1870.Bacillar.
E ten.h o rapdeante justificado o estado de
insolvencia do suprlicido, foram-nie os autos con-
closo*, e uelles iruiVri a sentenea da theor se-
iguimo :
Em vista da ,< ica i de follias 2, documentos
con-tani's d'osli* auios, hei por declarada a fal
enca de Severo o Jos las Santo* Aguiar, a dat.-.r
d i dia 16 do coirenie, dia em que f ii aprsenla la
;a peiieiu de foliis 9 ; nameio curador li-csl Tno-
m:z Franci cede Salles Rosa, quem se intimar
para prestar a errnpelunte juramento, c precede:
jos termos dt lei.
' O. escrivin tire copia desla scnt-iica e a re-
melter... ao.uiz He paz do distiicio respectivo para
proceder n/ianto antes opposicao dos sellos noi
brns do fatulo, ni firma dos nits 809 e 811 do
bodigo cinm'ereial. F.iea-se pnblii'.i a i;.!lencii
por editas no lugar d i zostao, e conv i i.i<: ib
ns cred.''s para rennirem-oe no dia 23 do cr-
rante ;w 10 huras na casa das sndeneia?, afhn de
pyoeaderm nomeacao de depositarios, que ho
de receber protisoriamejite a ni asa fallida, na
forma fle ir:. 812 do coligo commerdal. F, na
occai.ii ilo ii'v,'Diario nomearei i-terinamente.
Ciho, I8de,nrain de 1870 Jodo Gonzaga Ba-
er/m".
B'pemnlo faao publica a fallencia do commer-
ciaate Severino J .se^os Santos Aguinr, a datar de
Jf) da crreme me/., i> cottoco os credores dn
mesm i para no dh W s 10 horas do dia se reo
nirem na ca-a d: MmaraS e das aadleoeia'ifeste
jnzo nesta villa do Cabr, pira noniearem deposita-
rios qiTO tomeiii eonia dos -hus do follido, alvef-
t'iulo qi nenliini crelor ser repretetfttdey
j-^uior-.!'. { o.t ni *or pnOers e-peci
para c acf.v o q i; a pr. curseo ii:iopod-s. r ifs-la
a pessoa que wja devfd.ra ao fallido, nfm o bies-
moproc:;r.dnr reprasentar pur dous drersfs ere-
Bofes, na ci!ifor:n.dado do art. 842 do cctigo com-
nuijial. 6
[: para constar, mandei passar o presente e
amxar nm ejemplar na paria da raa das ao-
di nci8S d este juizo, outro na porta exterior da
i do fallido e put.lic'-lo por urna das fuihas
PAVILHO DES. ISABEL
COMPANHIA
EttCESTRE GVMS1ASIICA1ACOBRATICA
DihecTott
D. Marcos Giga.
EXTRAORDARfA E VARIADA F.VCQAO.
^Rtfcliaiio 91 do corrente
Pela segunda vez se execuL ra neste circe os
appisodidos ejercicios A eseda aerea onde
tintos applauos receben, ejecutadas por Cesar e
Vicente.
PROGRAMMA.
!. Symphoaia.
2." Volteio sabr c cavallito mosca, pelo artista
Juanin.
3." Salles por eatre arcos forrados de papel,
pelo arliita Viueate sobre uin cavalo.
4." Pela primeira vez, o balio (saia), iaterme
di* cmico-, pelos palhaeos O-ar e Aldabo.
8." 0 pao yoador, peto artista Vicente.
6. Moateciel e Lebelhe, seeoa burlesca, por
Liz e Abetino.
/.' Pela primeira vez as subidas dos antipodas,
ejercicio gimnstico, por Aliia^o.
Inlervailo de 30 minnlos.
8.a La Amazona, pela seoborita Anua, sebre um
ca vallo.
9.* Pelaegunda ez, a escala aerea, exerciclos
da maior aiflicuidade e lgereza, pelos applaudi-
dos gyir/nasLas G&sar o Vicente
10." As posturas do cli.ule pela menina Juanita
de 7 aanos, sobte um cavallo.
II. Urna graciosa pamtnmima bufa, intitulada :
o+arbeiro de Sevilba.
H. B.As porlas Jo circo al.rem-se s 7 ho-
ras da noute, dandt-se principio s oito em
ponto.
Domingo 22 de maio
latas cscoihidas ftincedeg
As 4 \\2 da tarde e as 8 l|2 da noute
Espectculo de domingD
asi l|2ria tarde.
PROGRAMMA.
1." Symphonia.
2. Volido sobre nm cavallo.
3. Exercieios eqnestres, peio artista Luiz, sobre
um cavallo.
i.' A saia balo, pelos palhacos Cesar e Al-
dabo.
3." Murilho, cavallo ameslrado, apresentado en
liberdade pelo director.
i). 0 Estudante dou,do pela equitco, por Lniz
que tocar a pandereta, sobre um cavallo.
7/ O trapesio, pelo gymnasta Viceute.
Intervallo de 30 minutos.
8. La Amazona, pela seohocjta Anna Casali so-
bre um cavallo.
9. O spplaodidos exercieios, a escada aerea,
per Cesar e Vicent.
0. A j.irlineira florista, scen?. pastoril pela m'c
nina Juanita, sobre um cavallo.
II. Uina^ psratomima intitulada : Os tre3 aman-
tes burlados.
Os bilhetes de camarotes, cadeira9 e plateas
veudem-se no mesmo circo.
JPRECOS
Camarote- ooia 6 entradas........ lCOC
Cadeiras....................... 23000
Caderas avulsas para .-enliora..... 2000
Genes.......................... 1*000
AVISO.
Os senhores que qui;crem, podero estar co-
herto- nos seus camarutos.
Todas as iiuariasfeiras, sabbados e domingos,
li..ver.i aiicci) no circo.
Liverpool Rrifcll A lilver Pate
- Uall HtenmAra. ~- .
Espera.se d* Liv*rpm.| e jfeboa al '22 db oir-
rente o va par jngia * qual se desparbaia para Babia, llie de Janeiro e
Santos ci teda brevi I
Dmheir* encurnaaendas a frete recebera^e na
4encia.
Os vaporee dosis companhia tora ejceBentes
^ccommodatOea para pssagelros : agentes Saun-
Brothors 4t C, HHirgo do Opo.Sanio.
ders
, A WA---------------~
uso, I guarda vasos, i commoda de amarea, I
par dttesRnR grtMides, I haseapara escripia, 1
candelabro de viilra, diversas reUomas, 9 tafia
de Jacaranda, meio appareilio de iouca* para jaa-
tar, dirersbs \idrc^ de jarros, I imanante rela-
gio fraileequasinwvcaffl'corri ata 15 dia
fia tendo horas e meias horas, porco de eadeira
de amarello ^ujaff. conaalwjRajfe/iezues, metas
redRRRV-. 1 -piBftrda aS P e moitos ea-
lrotj|ecto. I
Augti-M.. i A. S\a coin|iealemeiitg aulcr-
sado p.r urna pessoa qoe- se retira desta provin-
cia vender;, em leiliio por interM$ao .do agente
Martin-, o- I jectos arima meaoRBados, em sea
armazem ra do Imperador n. rifas 11 horas do
da cima.
Sio de Janeiro
Para o-eferido parto pretende seguir com mu-
la breridade-o patacho .-Irt^, por ter a maior par-
e da carga tratada, o para o resto que Ihe falta e
escravos a frete irata-se com o consignatario Joa-
quim Jos Goncalves Beltro, ra do Commercio
B. 17.
"wAiiFmmEnii*-
DE
Paquetes a vapor.
p is portos do norte esperada
al o dia 29 do crreme o vapor
Guar, commandante* o capito
lenle Pedro II. Duarte, o qual
depois da demora do costme
seguir para os portes'do ful.
Desde j recebem-se passageiros e engaja-se
;arga que o vapor noder conduzir, a qual devora
ter embarcada no dia de suacliegada. Encommen-
ias e dmheiro a frote at as 2 lloras do dia da su
iatuda.
Nao se recebem como encommendaa seno ob
ectos do pequeo valor eque nao excedam a dua*
irrobas de peso ou 8 palmos cbicos de med cao
rudo que passar destes limites devora ser emba
:ado como carga.
Previne-se aos senhores passageiros que sua-
passagens s se recebem na agencia, ra da Cruj
;n. 57, i andar, esrriptorto de Antonio Luiz de
Oliveira Azevedo & C.
COMPANHIA PERKAMBUCANA
DR
Vavegaco cnstefra por vapor.
Goianna.
O vapi T-Parahyha, seguir, para -
porto cima no dia- 26 do corrent-
_ as 9 horas Ja aoite.
R cebe carga, encomniendas, passageiros e di
oheiro a frete no escripterio do Forle do ilalto
0.12.
Para o P rto
Vai sair a galera pondgocza Ten'ndira dt qual
commandante o muo cuiiacido e acreditado
capital Emigdio Jos de Oliveira ; recabe carga e
passageiros : tratar con os consignatarios Car-
vallio & Nogueira, na ruado Apollo n. 20 ou com
o mesmo capito.
Dado e pastado villa do Cabo, aos 19 de
.mam d? lS7(i.
Eu, HnaH Jos de Si na Anua e Aratjo, eseri-
vao, o ecrevi. Joo Gonzaga Bacetlar.
Ao sello 30d res.
Vallia e.n sello ex-causa. Baceilar.
Brtava -diado com S00 ris em duis estam-
P'lb s.
E mala se nao conlinha em dito edittl original
rafluado, ao qual me reporto, c esta vaisem coli-
sa que duvjda fae.a por mim eseriv escripta,
Lassignada, conferida e concertada nesU villa e ter-
ano da comarca do Cabo, aos 19 cas dn mez de
maio do auno do nascimenlo de Nosso SeBhor Je-
ss atristo de 1870.
Escrevi este e assignei. Villa do Caho. lo de
maio uo 1870.-O eserivao, Manoel Jos de Santa
Arma c Araujo.
SEOLARACOES.
i Pela recel'edoria de rendas internas geraes
*e faz publico, qne neste corrente me de maio
l[|ue se (Inda o prazo em que os contrbuintes do
imposto pessoal, relativo ao egnndo semestre do
cercicio corroule, entre os quaes se comprehen
dem o empregados pblicos geraes, provineiaes e
'nunicipaes, trem de paga-lo bocea do cofre e
livre ne multa, e que (Indo o referido prazo, ser
cobrado com a molla de 6 per cento
! Recebedoria de Pernambuco, 2 de iraio de 1870.
O administrador,
____________Manoel Carntin de Souza Lacerda.
O inspector interino da alfandega faz publico
a quera mteressar possa, especialmente ao om-
mercio, quo asalteracdes feitas na tarifa das al-
tandegas, pelo decreto n. 4499 de 2 de abril pr-
ximo passado, principiarlo a vigorar do Io de
jolho vindouro, mediante como dspoe a circular
COMMERCIO.
sen
Um todo wsa-d boai lenilsrar nm interassRdas c
aadaraos sofeawiptado a*. Moktm RimaRaiaMi
paWtara de aRlnalaM esenpleri qmnrtmZ,
(mmka a t^atoa. odia, dtrfrTtMsKZ>o
cabera. E demais o Sr. .Voleiro quera quer qoa1
sefa, deve saber qne quand replame insaltaoso
r-dicala, $e daarta^ Waaa^tyfiiRnwlo com
paiavras, da seronda ajustamos sempre as contas
oucora ama vara de cauoa da India ou cm caro-
n ENGLISH BANK
pf Rio de /aneiro Limitetl
Descoata lettras da prafa taxa a con-
Kencionar.
i Recebe dinheiro em costa corrente bii
Iraso fixo.
Saca avista ou a prasoaobre as cidadei
prlncipaes da Europa, tem correspondente
pa Bahia, Buenos-AyFes, Montevideo, New
jj'New-Orleans, eemitte cartas de crdito
para os mesmos lugacas.
RA DO COMMERGIO N. 3C-
n. 9 de 22 do referido mez, devendo com
ser observad a o disposto na circular n. 1 de 11 de
Janeiro deste anno, a respeito da cobranca dos
direilos da carne se.ca (charque)'e do bacalhd. .
Alfandega de Pernambuco 11 de maio de 1870,
0 inspector interiao,
L de a Paes de Andrade.
TIIEATRO
1YMMSI(niUMATC0
(No Monteiro)
SOB A PIREC(,A0 DO AHTISTA
sahhit* 3{f io co-rente.
Segunda representacao do apparatosn c muito
applaudido drama sacro, em :l actos o 't quadros,
ornado de msica e enriquecido de trainforma-
edas o visualidades, intitulado :
GABRIEL B LISBEL
ou
OS MIMES DE S. ANTONIO
Toma parle toda a companhia.
Scenario, vestuario o accesorios nteiramente
novos.
PRECOS.
Camarole com 6 entradas liiOOO
Cadeiras 2*080
I'lata 14000
AVISO ESPECIAL.
As pessoas que morarem no llecife e em toda
a linba frrea at Appucos, quando coraprarem
bilhetes de camarote, ou cadera, a diiecco Ibes
dar.jaasfljm gratis em wagn, antes e depois
do espectculo.
Os bilhetes acliam-se na estacao do Recife e
no thealro.
Principiar s 8 horas.
Para o referido perto pretende seguir com mui
la bievidade o patucho portuguez Noca Sorte, por
ter a maior parle de seu earrtgame to tratado, e
pafa o pouco que Ihe falti, quo recebe a freti
commoJo, trata-se com o consignatario Joaquim
Jos Goncalves Delir, ra do Commercio nu-
mero 17.
COMPANHIA PERNAMBUGANA
HaTe^aco eosteira por vapor
Paraltyba, Nata', Maco, Mossor, Ara-
caly, Car, Mandaba, Aoarac e
) Granjd.
0 vapor ptjucd, commandanti
M mra, seguir para os porto:
cima no dia 31 do corrente as5hor*
Kecebe carga at o dia 30, enconv
passageiros e dinheiro a frete at a>
2 horas da tarde do da da saluda no escripto-
rio da Porte do Nfatf.sn. 12.
Kio-Grande do 8ul
Prepara se para ahir cora a pa-sivel hrevida-
de o patacho Cyro, por ter a maior parle da car-
ga, e para o resto que. Ihe falta, traase com o
consignatario Joaqu m los Gonsalves Beltrao :
roa Jo Cimmcrclo D.-17.
Db madapoi5es avariads
Seguniia-fira 23 do corrente
As 11 brras em ponto.
0 agente Pint lev;r a leilo por conta e risco
de quem perlewer de differentes fardos com ou-
dfpolees avariadiis, as 11 horas da ma cima dito
em seu escripterio rna da Cruz n. 38.
LEW
de 45 barris com rinho verefo
ilo Porlo.
Tf-rca-fcira 24 do correnta.
O agente Pestaa far leilo por conU e risco
de quem pertencer de 45 barris com vinho verde,
vindcs Jo Porte no navio chegado ha poueodias
esero ven1ids em um ou mas loles : terea-M-
ra 24 do coirenie as 11 horas da manh bo rt-
mazein do Annes.
el-
la tarde.
Hiendas,
COMPANHIA I'ERNAMRUCANA
DE
XaTegaco costera por vapor
Maniangnape.
*I^lr' vaPor. Cururipe, commandante
-'.Ja, Silva, seguir para u porto aemano
affiJanK dia 8 do corrente as G horas dn
larde. Recebo carga, encommendas, passagei-
r se dinhe.ro frete at s2 horas da tarde
do d a da sabida : escriptorio lo Forte do Mat-
n. 12.
LEILAO
De mevels. louea. viui-os e
'carro americano le 4 ro
para e 4 pesaoas.
CO.NTEXDO ;
Um piano, mobllfa, machina d costura e raaw
pertences de casa de familia.
Terca reir 2i de maio.
Na travo-a de Ji o Fernandes Vierra.
John A. Thom tendo de rerar-se para Enrop
far leilo pi r interveaco ilo agente Pinto dos
movis e mais objecios da casa de sua residencia
noCaminbo Niv n.
O leil-j principala as 10 horas.
LElLAF
de niovei-. ouqa e vidros.
Sondo urna mcbia de Jacaranda constando de
18 cadeiras de guarnirn, 4 di!;.s de feraces, 4
eonsolos e 1 sof, 1 rico piano novo de Jacaran-
da com cadeira, 1 estante de amarello envdraca-
da para livros, l guarda roupa de amarello cm
frente de raz. 1 importante aparador de amarello
com pedra marmore, 1 guarda lotiza de mogno,
I grande me a clstica de amarello com 7 taboas,
1 Dalhete de ananlio com pedra, 1 apparador
do columna, I sof de amarello, 1 marqueza de
dito, 23 cadeiras de amarello, I marqnezao tte o-.
licca, 1 commeda pequena de amarello para
guardar papis, l importante relogio de pareder
1 cadeira de bracas de Jacaranda, I grande" tape-
te qua-i novo para forrar sala, 1 dito para sof e
0 ditos menores, serpentinas, jarros, calungas.
apparellio do-jrado para cl., lou<;a-azul para jan-
lar, 1 cablee de amarello para pared e muitos
ontros objectos que estante patentes no acto do
leilo bem como um rico relogio de ouropara al-
gibeira .patente in^lez.
Terea-feira 21 do crrente.
O agente Martina far leilo dos movis cima
existentes no 2 andar do sobrade :..... da ra
Nova, as 11 horas do dia.
LEILAO
COMPANHIA PERNAMUGAltt '
DE
Navegando costea por vapor
Macei em direilura e Penedo.
O vapor Giqui, commandante Costa, segui-
r para os portos cima no dia 21 do corrente
s 4 horas da Urde. Recebe carga at o da 20
encommendas, passageiros o diuheiro a fretf
ate s 2 horas da tarde do dia da saluda, ro es-
criptorio do Porte do Mattos n. 12.
de livros de littera'ura, philo-
sophia e direitodos melhores
e mais afamados aut Tes, co-
mo f-ejam :
Dedend, R.isseau, Beniliam, Lamariine, Feval,
A. Dumas, E. Scrbe. GuizotLamenais.AimMar-
tiu, \V. Scott, Voltaire, Castilho. Mirabeauz, Plu-
tarque, Micheki, Anrdlon. Thiers, Sch espeare,
l'onqn.'vle, Uuflbn, Kan!, Sihelling. Charm,Du-
pm, AiiLiis, .Machmei, Dacurrr.v. Be n.Ortolin,
Montsquieu, Jaullroy, l'ereira &. Souza, P. Bueno,
Corroa Telles, Malln, Pacen, Ferreira Borges,
l.oureir>. Dr. B.ii.ista, RogroD, Pardeems, P.
Rueo, Troplong, Waldeck e muitos oulros.
(jiiinia-feira 2 de juuho.
No V andar do sobrado da rita do Mgnrio a. o.
O agente Pinto fara leilo precedida a eompe-
tente autorizara), era lotes a vontade dos com-
pradores, dos livros de diieito, ltteratura e pb-
bsopnia que perUnceram ao findi. Dr. Feitosa, a
leilo ser effetuado no dia e lugar cima men-
cionados
Principiar as 10 horas oro ponto por serem
muitps os lotes.
Para'.
vtoatiugo &t do corrale.
Tcseeira representaco do muito applaudido
drama sacro :
GADRIEL E LUSBEL
o
OS MILAAGRES DE SANTO ANTONIO.
N. B.Os bilhetes aeham-se desde j, na esta-
c,o do Recife, e fie theatre
Principiar as 7 1(2 horas.
AVISOS MARTIMOS.
O brigoe portnguez Catete salar com brevida-
de, para o r?sto da carg trata-se na ra do Vi-
gario n II, 1 andar.
LEILOES.
Pelo prsenle se faz publico a qawm inters
jar possa. que a Exma. couunisio de p ilieia da
asserabloa proviociaik contrata a pub icacae dos
Renatas o das aanaes da mesma as.-embla, do
'SSin,1 -Ur de l871 a mi : M preundentes
presentarlo suas sroposus era carta fechada nes-
,*fm al odia 30, a 11 horas da.manha,
m que se procodera a a aertura das mesmas
de I870tor'a da assemU* P"noW 19 de raaio
O offleiai-maior,
Jos Cardoso de.Moraes Fonseca.
ALPANBBGa.
BendBMBtododR9ai0. 8Ofc8W086
dem do dia 20 .... 38.98*0i
8M:tittR4a
rWIMENTO DA ALFANDBfiA
/olumes entrados coiifaaaadM 54
Idea idaQ cora ganaros tta
/olnates sUMes cora, f azenaa 162
dem dem cea pineros 5M
Desearregjun hoja 21 de maio
Brigue ingleaHf/ ^en-mercadorias.
Brgne rueM-jVoM frtrei-iim.
317
6%
Do ordem do illm. Sr. censelheiro ii
da Ibesourana de fazenda desta provincia se faz
publico.que leudo luvido engao era marcar se o
da 22 do corrente para srremataco dos coneer-
tos de quo precisa a ponte denominada Seto de
Setembro, (lea a mesma areematacao 'transferida
para o da 23 deste mesmo mea.
Secretaria da thesouraria de fazenda de Peraam-
Raoe-10 de maio de 1870.
Servindo de offlcial mafor
Maaoai Jos Pinto.
tdmliiistrftcSo dos canrvm de
, Peruaaibuco i de nfodc
- iHlO.
Ihia ptlo vapor Gtq*t da empankia Ptrtvm
" A correspondencia que tVn de-ser expedida hfe
pelo vapor cima mencionado, para os portos do
WA1IA BRASIUSIR
DE
Paquetes a vapor.
Dos portos do sul esperado
ate o da 21 do corrento o vapor
Tcantitis, commandante J. i
F. Franco, o qual depois da de-
__^ mor4 ao ojstumc seguir para os
do norte.
Desde j recebem-se passageiros e engaja-se i
carga que o vapor poder conduzir, a qual deven
*er embarcada no dia dasuachegada. Encommen
iaB e dinheiro a frete at as duas -boraa do dia di
*ua sahida.
Nao se recebem come, enconunendas seno ob-
tectos de pequeo valore que nio excedam a J
Rrrobas de peso ou 8 palmos cubicas de medi-
[ Tudo qna passar destes limites daaeri se-
pmnarcado como carga.
! Previne-8R:aos Srs. passageiroaqaaaoaa passa
gens so se recebem na agencia-roa- da Cruz n. 87
andar, escriptorio de Antonio Luia de Olivein
Uevedo dt C.
De dividas na importancia de 10772^215.
A 21 do corrente.
Em cuinprimenio do rtepRuavel mandado do
Illm Sr. Dr. juiz da primeira vara .-riminal esubs-
tituto da do 'special da cammerclw em exercicio
nesta cidade, a requerimento d.'s administradores
da massa fallida de Antonia Pedro de Mello, o
agente Oliveira fa leila do mais dividas de dita
massa, na imporlancia supra, con tantea do refe-
rido mandado em poder do mesmo agente para
previo exaroe dos pretndeme?. .
AVISOS DIVERSOS.
Mudanpa.
O Dr. Carolino Fra arisco do Lima Sanios mn-
jou sua residencia e cunrultorio para ra do
Imperador n. 57, 2* andar do sobrado cujo arma-
zem conserva anda hoje o nome de Alianca,
tendo a entrada, que pelo lado da ponte Sete da
Setembro, o mesmo numero 57, da frente. Ah,
continuando o dito Dr. no exercicio de sua.pro-
8sso de medico e de operador, pode ser procu-
rado a qualqtirr hora do dia e da'nonte.
Pre- isa-se alugar nm criado tte 1*' a
15 annos de idade, prefere-se* escravo : a
tratar na ra Nova n. 50, Io andar.
CASA DA rORTDIU
Aos 5:600$
Bilhetes garantiiost-
i rna do Crespo n.23 e casas do costum*.
O abaixo a^signado, tendo vendido alm de oo-
-as sones, um mei u. 758- com 5:006* da lo-
tera que se acabou de extrabir a beneficio da
irmandade de Nossa Senbora do Bam Parto d*
cidade do Olioda (147"), convida aos possojdores
viram receber na conformidade do coslume
seas ascento aignm.
Acnain-se a venda os felizea bilhetes gara-
l)e dividas na importancia do 34:80'tlo. neos da 4- parte da_lotera beneficio da i|re- '
llOaff
ao meio dia em ponto, no oscriptorio do mesmo
agente, ra da Cruz n. 53, Io andar.
Recebem-se propostas para dar urna
Iquantia nao suprior a ^00>, a risco m-
ritimo 8obr a parto da carga da bge
norte-alIflnfSo Augusta, arfbado neste por-
to c m agtla aberU e Iflgalmento condem-
aaao em,SBa viagero-de Buenos-Ajfes para
Falmouth aiiqueenati* a raober ordens
para deswregar, ou no ratrto unidd oo no
Contmeiaftente Havre,Htmbiirgfl, a qaal
vai seguir, viigem a bordo da escuda norte
allemao 'Qifo, no consulado do consolado
dconf^"c5o da AHemMhi do Norte,
ate 23 do corrente nez at ao m8o dia.
A 21 do coTente.
Em cumprimenio do respeitavel despacha di
Illm. Sr. Dr. juiz de dlreitor especial do courmerclo
Jesta cidade, a requerimento dos administradores
da massa fallida de Antonia Pedro de Mello, o
agente Oliveira pera a leilo pela' segunda vea, as
dividas do armazem denominado Liga, na impor-
tancia de 31:415*245 rs., e das do armazem Dnai
Ameritas, importando em 3:392G70 rs-, sendo
parte do activo da referida massa e cujas relaces
se acbam em poder do dito agente para serem
previamente examinadas pelos pretendentes, bem
como no acto do leil3o,.o qual ter lagar.
HOJE.
ro meio dia em ponto, em seu escriptorio roa
da Cruz n. 53, 1* andar.
i* da Santa Cruz do Recite (I48'j, que se
r seguuda-feira 30 do corrente mez.
Prec-asOs do coslume.
Um lartii
ealrani-
t
. De ama mobilia da amafello, 1 commoda de Ja-
caranda de mtiHe' goslft; P guarda ronp de ama-
rello, um guarda-voslido, i secretaria de amarel-
lo propria para escriptorio, 2 guarda touea da
amarello, i mpbllia de Jacaranda gosto antiM. 22
cadeiras de Jacaranda salas (abra do Porto), i
moia commoda de jcarand', 1 grande estanle de
amarello propria para livros, um apparador de
amareHo, i piano de armario miio bem oaaer-
Candida Ileliodora de Jess Bastos, Jos Fernan-
des Bastos mbelina C. oV Jess Batios Jumo/,
Francisco de Paula d- Medeirws Bantos, Fdlesmina
Gudvberta da Conceicao Bastos, Feliciana CaudW-
da. Rocha, e Albino Baptlsta da BbeltR, corde-
alniente agradecera a todas as pessoas- que
assisliram aos ltimos ulTragios e acoatpanha-
ram ao cemiterio publico o caoaver e- swi
muito presado esposo, pal e sogro, Jos Pnoanias
Bastos, e de novo ds convida para aasisttrem a
mitsa do stimo di, que-dever ter logar na igre-
ja do Divino Espirito Santo, pelas 5 ons dama-
nhia do dia 24 do crreme, peta que se eeaftessam
eternamente agradecidos.
Fugio no di* 16 do c.
adoba de Baixo, da I
le Itarali, o eacrav,
5 aanos, pequeo,
abet redonda
1
<
l
I
J
vado, 1 machina para 1 burra de fertro Pato panaos : gratifica-se bem a' qoctn o appre-
em perfeito estado, 2 cama3 francezas com poneo | hender e lvalo a seu senhor no mesmo engentid.


I I
Diagp Pei^jstjj, r ajjj^o i 'U.iftfejft* **<
-se alugar
de leit* : na ra do
Cabqg n., loja.
H#s|MlaI rVrt#$M de Beneficen-
cia era
Precta-e;M
famfHa, ^ae saiba
*&x secretaria deste hospital manda o Ulna. Sr.
provedor convidar aos sniores socios Hetivos
rft-se KMiram-en- assambla oeral domingo da ^^47 irawjar.
Brrente, as JO horas da manhaa, para se tra---------- : __
lar de negocie de grande transcedencia
Secretaria do Hospital Portoguez de Beneficen-
cia fim Peraambnc 18 de mato de 1870.
01 swretario,
__ toaqoim Xavier Vira Ligo.
ITIENCSO
los Ruarte Orafinho, wtabeleeidn nesta Hade
%a amitos awMs, na ra Vheocdo do PokAas, ou-
.frora ra do AragSo, vendo o seu nome na rela-
jo das dividas da eaixa lllial para ir a leilo, de-
clara a Ue annuaciante, e sim com onlro de mal nome,
aftqji se verfficna rom a propria letra.______
IrinfiKia'de do Divino Espirito Sanio vea
no oonvento de Sanio 'Antonio do Recife
Oirmlo jra't por ordera da mesa regadora con
irtlx a todos os nossos chariotmos irmaos "pira
oompareeerem 00 domingo ti do correte, pela
W'horas do'da, no consistorio da imm Irmanda
de, para elegermos a nova mpsa ipie tem delttoe-
eionar no anno do 1870 a 1871.
Consistorio da rmandade do Divine Espirite
Harto de S. Francisco 49 de maio de 18*0.
Claad o Ideburqno C. Leal,
______^__ Secetirin.____________
Inaaadade
16 Divloo espirito ianlo da
lgre)a do Colles;io.
1H? erleod) irmao jaiz e< nvido a todos os pos-
aos irisaos i o.mipjareeerem no consilorio de nos-
*a igr? ja no dia'Si do correle, pelas 9 horas da
wanbaa ali.11 de tlepermos a nova admiuittrirao
para o exereieio de 1870 a 1871.
O oscrivaa,
Lufa Epifanio M-iurica.
akSxo MMSHaldaTaglor.im ao publico
e e.-pec almonlH an n io, (jue drs-
solvern amigaveln 1 1 le que gyrava
dtbaUo -da arma nt ai. mes da Cruz &
C. nesta praca, (tcando a eargo dos Srs. Tinoco
Se Vlel o activo a pai.-ivo da extincta firma.
Racife, 18 de abril de 1870.
Manol Gomes da Cruz.
Aitlio ftnin Vlllela.
ga Miofnlen
r nnv; r^me*Ue-:ss 15o
ama na par-t>a de pouca
piare cosinhar ; na roa
ehuiym
Imperio do Brasil.
Bandeira, Maehado & C, avbam so respeitavt
publico que nos lugares cima encontrar no mes-
uosempre grande quaolidade de ditoe po$os, e
que se achara habilitados para vender por manos
,qae outro qualqoer, por isso que os recebem di-
urraiule eXbOSICaO lia ClClade de' rectamente do fabricante Norton, de Londres.
na. A***-
, eos i: de cn*. b* "(xsMiij $ rvedW-
flwpaara pela se^ranca asseio e economa,
asmAqi. .SriSi. VeDam '*** m* **
Ra Nova n. Q, loja/Antonio1 nico deposito na rm larga do Rosario
Pedro lie Seuza Sagres. 34' Phafraacia de Bttholoneo ASSCAR OXIDO OB "PUMO DE
solieilador da fazjn
a agitar o andafae;
lettfc pernte asrepa
oot
H
i prope-te
iluer pre-
publicas, de
Os annancianl
AVISO
Quem perdi-nfirnas arflas de 011 n lia um anno,
a igreja'da Santa Cruz, dir'ja se raesma Igreja.
oti ra do? Pires n. 6i, que dando os signaes Ihe
serio- entregues.__________________________
O Sr. vigmo Ilacalii) q e mura >u morn
na estrada de J> fu de Barros, queira mandar a
esta tvpgrapbia a negocio._________________
- Aluga-se o rmaiem 0. M i!a pjnle-velba,
para al;juni es.tahelerimento. _____________
Preei^ase dt usa ij de leito : na praoa
do Corpo Santo n. 17, armazem. ______
Cop<::ro.
Rrscrsarse' deum topeiro d> i't anns que spja
de ba cia.lucta, para casa de pe nena familia
pagase n. ni atqguel : no caes do Apollo u. 7i.
Cordova,
REPBLICA ARGENTINA.
' lfd dia -15 "do outobro de 1670 ter lo-
gar a abertura da expsito nacional em
Gerdova.
Provine-se, portanto, a lodos os prodnc- eSpectativ'*> comprado!
(ores, agricultores, fabricantes, artistas en-
lodes aquelles que exerf ara qoalquer indos
tria, que na dita exposicJo se recebem tod.s
os productos da industria e agrienrrora
brasileira, assim como bodas as machinas e
utensilios qne qtiiierm reme ter.
Estesi'productosesloisetoa dos direitos
da alfandega na Repblica Argentina e po-
dero ser dirigidos cidade ao Rosario, de
onde sero tranportados pelo eaminho de
ierro caitral.
Para mais explicaoes dirijam-se em Per-
nambuco, ra da Cruz 0. 3,
argnliao.
CHANTfiAD.
0 asittear ferruginoso te Cbanteaud
obttdo-peta asaoctacao do-oxido de ferro
mteiramente sohj\-el cora o assucar cuida-
As vanugen? qne offerecem os -poeos^ stBhU- dogamente poriiCado. Este assucar de
oes sao :-prtnietTo,'plerem eer oelloeados den- >, *,pii, -', ._..." ,'ZZ "'
tro de casa ou fra, coin trabalho de umaaduasi :''f apparencia crystalma, tea 0 Eim-

"!p!es
horas; segundo, frnecerem oslnesmos aguapu-_P'cs 6st<> BMii agradavel do assucar. sera
ra e abntioante, podoad serem removidos de um, o menor sabor adstrrngente, nao tem ac-
para oatro lugaq, qplndc ass* cftivier. c5o irritaote sobre a mucosa do eslamago
re intestinos,ejrpidamenteabsorvidopelo
i-apparerno d:gestlvoem causar as conslina-
Ces do vette.
E' boje o preparado de ferro do.mais ac
ceitacSo para a chterese alonia dos orglos,
refet.aos.poc.4s I^i/df^aaP[l^iS't e*-f*,Mnwi,e ^O^o-^io
-
Grande liquidaqao na loja e ar- perdas brancas,'toensb^ac'
m^am An e tem a $eu favor o iuizo a
mazem
do
Jos Dativo dos Pagsos Barios faz selento ao res-
peiiavel publico que tendo reformado a sua ofll-
cia sita ra do Brnu 11. Ci. a indo eneontraro
c iin perflejb l')da a qu;ilquei obra de eal >eireiro.
ferreir i, rraleiro, laioeiro e fu li^ai de cinos e
mais ii: taes recobe-ga encummendas tanto para
esta praga como para fra delia, ncarregando-se
di as trausportar para onde Ihe for feila a enconi-
uienda. o tambem enrarrega-fe <; encanamentos
para ag 1:1, tanques de ferro, etc., ludo por meaos
preci que em ontra qnalq i;r parle.
HOBILW.
Envernisa-se MoLilia o eoneerta ?o qualqurr
pef.i de ubra mais era ri.ta d) que em ouira qual
quer parlo : m ra da camb ; 1! 1 Carino n. 31
D. Joaquina Pertira de SOsorio o Antonio Piu-
lo Osori 1, viuv \ o irmj do lalecido Francisco
Piuin Owrio, aioda rapaisaiios da mus pungente
lar 1; irqne acabaoi de pasear, nao so esqurcidos,
e s'. coaesaam gratos a todos os amigos do falle-
deaampararan durante a moles-
tia que o fez baixar a sepultara ; assim como a
todo-; aquclles que se dignaran assisilr as exe-
quias e o aci mpanharam ao cemilerio publico, e
de nv,i Iboj rogam ecaiidoso obsequio de assistir
m nissws Jo stimo dia, que por saa alma serio
ditas na Ordem Tercei:a de S. Franciseo no dia
21 do corrale, as 6 liora-s la manhaa.
Antonio Pinto Osorlo, convida aoi seas amigos
e du fallecido seu irmao Francisco Pinto Osoo,
ira mvir nma missa no selimo dia de sea pas-
samento. que por saa alma manda di;er na ca-
bella do Hospital Pormguez no dia 2i du pre-
sente mer. as 6 1(2 horas d. manhaa : e para
cojo aclo de religwo e caridade se confessa eter-
namente zralo aquelles de quem espera o com-
jiarecimento. ________


Um amigo de nm eunhado do finado Domingos
ios Pasaos Miranda, roga Exrna. viuva, fllhos,
rmao, cuuUados e eipecaes amigos do mesmo, o
atlencioso obseqni) de, qaando acabarem de as-
assislir o religioso acto annanciado para o dia 23
do corrate, dignarem se comparecer na ordem
terceira do Carmo, para, ouvirem duas missas pelo
repouso eterno do mesmo finado, cojo acto urna
prova do apreQo e consideraco, qne tanto soube
penhorar A humilde grattdo do annnnciante.
Manoel da Silva Noves convida os seu* amigos
e paren.es par o enterro de sua pre;ada espesa
O. Marianna Augusto B-rnteiro Neves, hoja as 7
t|Z horas da manhaa, qne tem de sahlr da casa de
-saa residencia, no Puco da Prnolla, para o cemi-
torio pnblico.
OS
DO
Eecife a Apipucos.
AVISO.
A pedido de modos passag&iros, te-
sotvi fazer algamas altrameles as horas de
partida de alguns treos (principalmente t\"s
da nouto) devendo ter principio as altera-
res fettas do 1* -de jaabo em Uanto. Os
Srs. paeaageirea pedoaa troearar as nbtaa.
tabellas, a ltif fla prtca do Gapim, do
-dia 6 do rorrete em diante.
flecife, 21 de aio de 1870.
9. RawUmon,
##eote.
Iravessa ca ra
Crines h, 2, pri-
meiro andar, da-se di-
nhelro sobre penhores
de oaro, prata e krilhan-
tes, seja qual for a quan-
iia. Na ittpsraa casa com-
pram-se os niesmos me-
tees e pedras.
lita DE DURO
Roa da Imperatriz n. S2, portaos encamados .de
rarades Porto, junto a>taja-da ot1\>.
Admirm admirem anirem.
. Admirem admirem admirem.
ao Consulado Admirem admirem admirem.
Grande porcao de chitas.
Grande porcao de chia?.
Grande porcao de chitas,
i A 200 540 reis o covado.
A 280 e WO reis o covado.
' A 200 e 240 reis o eovadn.
; A 200 e 210 reis o covado.
[< -Para acabar depressa.
Para acabar d'prc-sa.
Para acabar depressa.
Para acabar depressa.
Vende barato para vender muito.
Vende barato para vender muito.
Vide barate para vender m:>ito.
Vende barato para vender muito.
A pessa com 42 i|2 cdvados a 9* e 103
A pessa eom 42 112 corados a D* e 10*
A pessa com 41 i|2 covados a 9 o 10*
cansas vis, rime, eommercaes e eecle-
siasticas.e de todo e qnalquer negocie,qne
As a intervenclo de um agente : en-
carfe'ga-fe tarrtbem de qtratquer cobran-
oa fra e dentro da cidade : quem de
seu presumo se quizer atilisar o pode
proenrar das 0 horas da manhaa e as 3
da tarde na ruando Imperador n. 10.
Ama
Precisas! para o servic de urna casa de pouca
familia : no. pateo de S. Pedro n. 1.8.
Ai val sem segundo,
RA DUQUE DE CASIA! \. 4
(Amiga ra do Oueimado)
5es difficeis etc ,' Cbnlinira a vender tudo muito bom e
as a.
muito
.. iuizo airtorisado da es- muilo barato a Saber.
cola detaedictiYa de Par?, e dos Cbmicos os Novello de lioba.de.40p jJrd
mais nobtveis. Deposito especial pharmacia Caixas com 100 encepes 1
e drogara de Banlioiomso C, na larfa-j superiores a......
do Rosario n. 34.__________________^ | Pentes volteados -para meninas a.
SEGRKDO E';ONO"MA E CELERtDAE. j Thesouras^iuito finas para cojtu-
ohtn se com o uso da ra a...... .
- INJECCO LHOSTE. Tinteiros com tinta preta a80rs. e
Uuicahygienka radical einfalvel na enra Pecas de fita elstica muifo Boa a
certa das gonorrbeas, flores-brancas, e fio- Resmas de papel .pautado a. .
xos de toda a especie recentes -ou clironi- IWas dito liso muito superior a. .
cas,xe que otferece cero ijatanlia de seu. f-ata com saperior banba a 100 e.
salotar&vresultados a antija e continuada Frascos de oleo Pliilocomo moito
applicafo-que sempr'e com a mk>r var-I fino a. .......
tagem se tem feilo aellas nos hwpitaes de Ditos ditos dito grande a.
Paris. 'nico deposito para o Brasil, Ss. Frascos de macar parola
Barlholomeo 4 C>, ra laiva do
n.34._______________
SHboueta rj alcatriio.
De Antonio Neves de Castro.
Este ePedHaflo prttnarado, ane to b^a
acceila^o tem merec lo m-sia provincia ;
n jicssa cun .A pessa com -M l|2 covados a 9* e 10j mu,J, SB re'.Ominen .la vara cura .corla das
Alpaca re cr.'s escuras e claras.
Alpaca de cVcs escuras e claras.
Alpaca de cores escuras e claras.
Amira a 280 e 30 o covado.
Admira a 280 e 30 o covado.
Admira a 2S0 e 320 o covado.
No leao do ouro,
No ieo de ouro.
No leao do ouro.
1 impigens, sarnas, castas, cocciras, e todas
m molestias de pello, sevio anda preferi-
vel para a barba., outro qualijaer sabo-
neta.'
nicodeposit) do verdaAeiro, rw pliar-
macra c flro.uuria de Bnrt'iblomc 1 d C,
roa larga do RosSrlo r. 3!.
Agencia em Pernambuco
Do Dr. A ver
Peitoral de Cereja
Ra di Imperatriz n. 52. CHUCOLATE VKItMIFUtO lE i.NTOMO E-
------j-------------------== VIS D?. CASTO.
FAH3MI\ CE.YFII-. Est *ato"wPAi ^ue to boa
Rna de Iiupcador n. 38. acceia**) tem nte.eddo seata anm\nu
Lamploogns Pjretic Sline. m",t0 sf recommenda para H certa e
A preparados of w.;!l kn wn nlelitv t,. the En- en'caz ,las bl(,!l3s "" WffiOTigaS, lano as
glish Paenlty, .i- a eooling an I refreslung beverage
in all cases of fever, The frcpienl nsSoftbissa
line preserves ofcignrs fro-n many oiaeasM to
wliieh Iliey are leailo batir heemnins acclima-
li^ed. Miy be obtaiaad ;it Ihe i'harmacea Central,
ra J') Imperador 11. ''.*.
(Jaixeiro
Cunta phthysica e todas s molestias do peito.
Wa'sa parrilia
Cura ulceras e chagas antigs, impigens c dar-
tros.
Tonteo
Conserva e limpa os cabellos. Prcn>.v?o de nm caixelro do 1-i 20 annos,
Pitillas eathartices. 'para padaria; a tratar na padarta allemaa, em
Puramenie vegetaes e sem mercurio, cura se- San to Amare.
tSes, enram e purifieam todo o systema humano
Vende-se effeciivamento em casa te SimnelP
Rosario, Frascos de eitfacto muito b toitos a
Duzia de sabonetes muito linos a.
Sabonetes inglezes a 600 rs. e. .
Frasco com agua de colonia Piver a
Dilo de oleo babdia a.....
Caixas de IjKnprnas a. .
Sabonetes a forma 'menino muito
superiores a.......
urlillias da outrina fazenda no?a a
Bibr.s de linlia sorlidaa de todos os
nmeros a.......1)5800
Duzia de pomada do Porto mdito
snperir a.......
tobados do Porto, largos a 160 e
Capachos muito bonitos e grandes a
Carriteis de rclroz preto, com 2
oitavas a........
Agulheiros de nsso enfBUtos a, .
P pis de agitas doradas e ba-
io a.........
Carriteis de liona 200 jardas, Ale-
xa ndre a.
Ele ura preventivo seguro er terto cbntr*
Ela calvicc,
e d e restaura forfa e sa'nidade a
da cabeca,
Elle de prmpto fazcessaraqweda preaai-
tura dos- cabellos.
Ella d grande riqueza de fostr aos ca-
bellos,
Elle doma e faz preservar os cabellos em
qualquer forma e poaigo que ae-1
n'um estado formoso, liso e tacio,
Ele fazerescer os cabellos bastos efioD-
prios,
Elle conserva a pelfe e o casco da catMf
limpo e.livre de trxla a especio uVeasp,
Elle previne os cabeilos de se tornare
blancos,
Elle eonserva a cabeca n'um estado fe so*
ciffa refrigerantee agradavel,
Elle nao deraiaziadamentc oleoso, gordo-
reuto ou pegadizo,
500 f Elle TlSo deixa o menor cheiro desagra-
da ve I,
Elle o meihor e o mais aprasivel artigo
para a boa conservafo e arranjo dos ca-
bellos das senhoras,
Elle o nico artigo proprio para o pao-
teado dos cabellos c barbas dos snio-
res,
Nenhum loacador do senliora se pode con-
siderar como completo' sera o
0 CABELtO.
Tonteo OrlcBtai
o O^ual preserva, limpa, fortifica e aformoaea
Acba-se a venda nos estaDeleairaentos.de
A. Caors, I. da C. Urat 4 C. P. Maarer
dr C, M. Barbosa, Burlbolonieu 4 C, e em
todas as principaes lojas de perrunarias
e boticas.
60
COO
240
400
200
40000
40000
200
500
1,5000
240
500
72')
1,5200
500
500
10
240
400
280
200
700
6i0
240
enancas romo em pessoas de maiar dada.
nico deposito na pharaaci 1 e rogaria |DaxTle agnlhciros 00 Para a."
de Bartliolomeo & C. ra larga do llosa-1
n. 34.'
no
hnston 4 C.,rua da Sanzalli Nov.i 11.
Na ra da Santa Cruz n 7
um caixeiro porluguez que entenda
a di
recisa-se do
e tai.ena.
Mandil losa Afves, moraJer na rna do re-
dro Alfonso n. .'18. antig-i ra d.i I'raia, avisa a
quem interessar nossa, que mu 'm reaponsabilisa
pelos objectos que alguna pe*soa comprar em seu
nome.
UO CU.XH M SGL.
Para o referido porlo ca pmmpto receber
carga a frete o pancho porluc'ie? Racha, mo
novo ffde primeira classe : r.iund >-sn co.11 03
consignatarios Amirim Innaos & C, ra da Cruz
numere il.____________________
.Na padaria da ra do Itangal n. '.), precisa-
se de dona am^eadoros, paga se bou; ordouadu.
""
linba
franceza superior
Liora iie
qoilidade a.
Caixas de pa'ilo do gaz a. .
Bonecas de cera muito bonitas de
500 rs. ........
too
2i0
2;$MK)
20
25000
'roea-se urna rica imagem da Conneico e
I du Senlwr Crucilicado, ubra muito linda vina de
Lisboa, de marmore o mad ira, assim cono orna
linda machina de BOBtora muito hoa e mva, urna
cama de casal nova ; na mesma. casa vende-se o
xari>pe que cura a molaslki do pulmao, este re-
iiiedio 6 vario do serian -. no Corredor do Hispo
n. M.
. 0 CIRiUO BE
Prederwo
ya
Tem a honra de scteulifibar ao respeita-
vipdblir.o e.-a gera!, e abs seos clientes
am particular que elle mo oetede consultas da rua'Direita n. 12^>ara
a do Queimado n. 31 primeiro andar, com
a entrada pelo pateo de Pedro II, ond po-
de ser procurado para os misteres de soa
prolisso, todos os dia Otis das 9 horas
da manhaa s 3 da tarde.
Tambem previne, qua.contina a prestar-
se a vonlade dos clientes nao s na cidade
como nos seus suburbio?, para oade as
idas sero precedidas de ajuste. BHe ga-
rante o bom desernpenlio e a perfeico do
stus trabalhos, o queja bem 'conhecdo,
assim romo as commn lidadesdos pret;fi^
GABINETE MEDICO-CIKUHGICO
DO "
Dr. Ignacio AlcibUulcs Vellono.
Pode ser procurado a qualqner h^ra do lia on
da uoite, prestando-so a scl>.inMdo6 (Ora da cida-
de, com t'iia a promplidn. Pralica p-^r-efies.
D consultas das 6 > 9 horas da manha>, na
ra Nova n. 45, Io andar.

EXrOSIQO UNIVERSAL DE 1855
MEDALHA DE I" CLASSE
ALF. LAMRRaQE & Cu
/ *
APPROVADO PELA ACADEMIA DE MEDICINA DE PARIZ
P ra o mez M ri?-no
Na ra Estreita do Rosario 11. 35-, prepa-
rfin-so flores artificiaos para enfeitar os 3(-
tsres e oratorios do mez de maio. arcos,
palmas capellas rosas, e palmas para o al-
iar, bonqucU: e bngias enleitadas com flo-
tes de cera para enfi ii' s de aliar, todo com
prestesa, gosio e barato, faz-se toda en-
commenda para fra, e tem j promptas,
rosas, arces e ponas.
Aluga-se nma casa terrea na Iravessa. do
Laca, com um ex- lenle sitio, o qual tem algumas
arvores de frncti o campo para eriacao do ani-
maes, c-un os S'.gtiintes -ommodos : 3 salas, 7
quartos, cozinha fra1, cnebeira, estribaiia e ca-
cimba : a tratar na ra do Apollo n. 30, armacem
de as-ucar.
Aluga-iO urna prela escrava. boa cozinbei-
ra : a tratar na ra do Marquei do Horval n. 58
(intiga 1 na da nacordia). ___________^__
Preasa-se de urn caixeiro de 15 a 16 anii(s*
c,ue tenha pralica de taberna, dando eonheeimente
ele sua cu uoia : do Recife, na da Ciuz n. 29.
0 Qsii 11 iiim Labarraque., um
vinho eminentemente tnico e febrfugo que deve
ser preferido todas as outras preparacoes de
quina.

Os vinhos de quina ordinariamente emprega-
dos na medicina preparam-se com cascas de
quina -cuja riqueza em principios activos extre-
mamente variavel; parte disso, em raz3o de seu
modo de preparacao, estes vinhos contem ape-
nas vestigios de principios activos, e em propor-
coes sempre variaveis. ,
*
0 Qiilnliini Lal>arrac|iia3, approvado
pela Academia de medicina, ctfnstftte pelo con-
trario um medicamento de composico deter-
oinada, rica em principios activos, e com o

qual os mdicos e os doentes podem sempre
contar.
0 Qulnliim Labarraquc prescripto
com grande xito s pessoas fracas, delimitadas,
seja por diversas causas d'esgotamento, seja por
antigs molestias; aos adultos fatigados por urna
rpida crescen0a, s meninas qui tem difficuldade
em se formar dos partos; os velhos enfraquecidos pela idade
ou doenca;
No cazo de chloross, anemia, cores plidas,
este vinho um poderoso auxiliar dos ferrogi-
noso^. Tomado junto, por exemplo, com as pia-
las de Tallet, produz effeitos maravilhosos, pea
sua rpida aeco.
Precisa se.de um menino da 12 anuos, ltimos ebegados, que queira praticar no negocio
ce taberna : no llerifc, rna da Croa n. J9.
Quem precisar de urna ama para casa de
pou:a familia, dirija-se a rna da Sonzala velna,
casa n. 4.
_^_______m___T
Precisa-se de urna criada liara servir em
casa de um homem solteiro : ra eslreita do-
Rosario n. i, loja de reloj^eiro.
Criado.
Na rna do Queimado n, ife l-
se de um criado. \
andar, precisa-
Deposito em Paris. L. FUERE, rae Jacob, 19
ftio Janeiro, Ummn^rtti % Chv>iot,
Pernambuco. P. rtmnrer 9 C4*
Bah,
'fc 'jr '-Wn
Ihnmhao,
PeloUs,
'fcee,
Forte AieKre,
NO ARMAZEM
PE
W, HAHESC.
4Eua da Cruz--4
TEM PARA VENDER :
Tachos de ferro estanhado, para
assucar,
Cafres de ferro de Slluer e -
Iros.
FogSes de ferro de patente.
Arados americanos para Var
Dito dito paira kdeira
aehbnis para eeareaff a'-
godio.
Vapores para mover machinas
decodao. \
tare de mnMgm*.
Aram*4* f*n ^Wi Wtm
rede.
Chapas elhas'de farra gal-
?aadaa*.
Chumbo em n lenco!
mmmbt
ka aat Mrfl* vargMiaha.
Fernuaua a catUa.
_ia

<
Em safa
m>


Diario de Peratmb'
SabWo de Mao de 1870

GUSTAVC
CABELLEIREIPft RNCB
WBua da ^fou do fceeie51
rhimi 9 aM' .....
Fo**
vendem- <<**e?, e Mdo de efleito ni;
aenf <|t Wn flffiea\tK>rc,5e8 c
ifwdega
IflcoJ.
sortt-
*WI(6iparaA8*rieocio como paritea-
m arrhttem #0 bacarao, na escamaba da
n. 3.
ir?*" *"**& o"01 WT18 mnmerrjs fre. V- i ^nint* UbU dos pe de sua casa, os quaes slo vinte por ctnu
40*000
*. rato do que em outra qualquer parte:
*
CabeUeiras para senboras a Sty,
*30|, 3816......
Ditas para homem a 353, 403 e 80*000
Coques a 121. W, W, 203,
H, 301 e.....503000
Crescentes a 1S#, 154,183,203,
25*. 303 e.....323000
Cacfcoa oa crespos a 33, 43, 53,
~4TU, 83, 93 e. 103000
Tranca de cabello para annel a
900 e....... 10000
Traeca para braceletes a 103,
15#,203,25e.....303000
Cadeias para relogio a
73, 83, 93, 123 e.
153001
Corte de cabello, ... % W*
Corte de cabello com friccto. 801
Corte de cabello cosa lavagem
4 champou...... WXK
Corte de cabello com limpeza da
cabeca pela machios elctri-
ca, nica om Pernambuco. .
Frisado inglesa ou ranceza.
130W
501
251
Barba.........
ASSIGNATURAS MENSAES
Especialidade de penteados para casamento
Bailes e aolorea
O don do estabelecimento previne s | Recommenda-se a superior TINTURA JA
Timas Srw. e aos cavalheiros que ba um PONEZA para enegrecer os cabellos e bai
a ...KniiA. hrha a-'ba, nica admittida na Exposico Universa)
eattopara tintura dos cabellos e barba, as-(^ n3o prejudcial saFde> ^ Mr v0,
srmcomoura empregado smnte nccupa- latl, analysada e approvada pelas acad*
do nesse servico m'as de sciencias de PARS E LONDRES
Para luto
Bernaouins Wncezes para wnhora, cano alto e
gMOMos-aegMO-
DftosTgdtore* com gaspi a 5*060.
Tambern-ha de cores, mas como existam outra
qaaWdadas de calcados que seria enfadonbo men-
oiona-los. por Isso s se limita aos pretos.
Attenc&o
Alluga-se ama excellenle loja na ra Nova, pro-
pria para om grande esubelecimento de qualqaer
natureu : i tratar na na da Cruz n. 18.
Trocase ttml mofada na 1 andar da Casa
o.t9;dartt do Vigario, pw x>\\n morada em
casa tarrea, sendo no bairra de Santo Antonio,
Jos oa Boa-risia : a tratar na ra do Cabugi n.
a-
Mudanca.
Jos Joaquim Lima BairSo muden o sea escrip-
torio da roa da Cruz n. 18 para a roa do Vi gario
n. 37,1* andar.
LOJA DE JOIAS
DB
&c
Est antigo estabelecimento. completa-
mente reformado de novo, est, as condi-
$068 de servir vantajosatnente os sens fre-
^nezes, visto qne acha-se prvido com um
plendido sortimento de obras de ouro e
^rata de lei, assim como brilhantes e ou-
tras pedras preciosas, eujos presos sao os
ais mdicos que se pode encontrar.
As joias compradas nesta casa recebem-
m em troca ou compram-se com pequeo
bate.
H 5 RA DO CAB1IGAR.5
LOJA DOS ARCOS
A
Ra do Crespn. 20 A.
Alvaro Augusto d'Almeida $ G.
Este estabelecimento de fazendas finas e grossas j bastante conhecido como
um dos mais bem sonidos desta cidade acaba de receber directamente de Paris alguns
artigos especiaes que passa a mencionar.
Reos cortes de vestidos de blond para casamentos.
Cortes de vestidos de seda de cor, de? gostos inteiramente novos.
Brochad, fazendas de 15a e seda proprla para vestido.
Foolard de seda de todas as cores, tambem para vestidos.
Fitas largas de seda para cintos, gostos escoceses e lisos.
Cbapelinas de seda e de palha d'Italia.
Basquinas de seda e guipure.
Colchas de seda e de 12a e seda.
Cortinados de carabraia bordados muito ricos.
Pannos de verdadeiro croch para jardineiras, sof e cadeiras.
Toalbas de linfco de superior qualidade.
Bramante?, selicias, sguies atoalhados.
Gnardanapos, colchas, aaias bordadas camisas,
Cache-nez, bafes, canminhas, sombrinha. v
Madapoioes de varias qua'idades, sa:cos para viagem, mallas, tapetes, capa-
chos, alcatifas e muitos outros artigos que se vende por precos mdicos.
Tem tambem constantemente um completo sortimento de ESTEIRAS DA IN-
DIA para forrar salas.
~GRANDES N0Y1DABES "
NA
LOJA DO TRIUMPHO
PARA SENHORAS. Ricas poupelinas de padrees lindissmos,' e gosto nevo,
raucas bordadas para vestidos. Poil d'chevre de lindos padrOes por
barato preco de 560 rs. o covado.
o de iaas e alpacas de 320 rs. a 13500 o covado.
Saiaa bordadas, ditas lisas j feitas com barra de cor.
PARA MENINAS, Ricos vestidinhos de fusto enfeiudos brancos e de cor..
V8wr.o de ustio para meninos. H
Camisas inglesas e fra tas, de linho bordadas
O abaixo assignapo faz publico ao restpeita-
vel eorpo do commerco desta praca que nesia
data veodeu ao Sr. Joaquim Correia dos Santos, *
sua taberna sita ra do Hondego n. 97, vre
e desembarazad i de qualquer ouus, se alguem
se julgar sea credor, aprsente suas contas no
K aso de 3 das, para serem immediamente pagas.
icife 19 de mato pe 1870.
Manoel da S.lva Costa.
Jos Joaquim de Lima Bairo, (az scieoie a
que ni interessar possa, com especialidade ao corpo
do commerco, que desde 19 do presente mex, dei-
xou de ser sea caixeiro o Sr. Nasario Jos de Li-
ma; o anminciante nao se responsbiiisa por
qualquer recibo ou pedido* feitos em seunome.
Os admunnistradores da massa fa^ida de
Manoel Miranda da Pedra, convidam aes redores
da referida innsa para que no praso de 8 dias
contados da publicacaodeste, apreuiem seus ttulos
no armaaem a. 11 da travessa da Madre de Den?,
afim de serem verificados e clasificados.
ATTENCAO
Burro fgido.
Fugio de ii para 13 do torrente do sitio deno-
minado Piraj, junto cidide de Nazareth e jier-
tencente ao capitao FranWin Alves de Soaza Pai-
va, um burro de sella c.m os sigaaes seguin'es:
cnoolo, grande, casianlu, muito andador de pas-
so, chegando mesmo a andar soffrivelmente bai-
xo; bom queixo, e quando anda, conserva a ca-
beca em muito boa posicao; sent bem tanto o
chicote como a espo ; tem a junta do peador
de urna das maos ui pouco mais grossa do que
a ostra ; no quaru direito v-se um ou doas
ferros ; est gordJ, cabelludo e com a cabeca
bastante pellada. Nascido no sertao, pertenceu,
at outubro do aono passado, ao capitao Fran-
cisco de Sonza Bego. Pede-se quem o pegar o
obsequio de o mandar entregar em Nazarelb,
seu dono o cap tao Franklm Alves de Souza Paiva,
que promette ama recompensa. Fazendo o pre-
sente annunc'o o mesmo capillo Paiva prote-ta
fazer valer o seu diieito onde quer que appare-
ca o dito bnrro.__________________________
Quem quizer comprar para algnma igreja
ou capella de engenho, casticaes de madeira dou-
rados e braceo de dous palmos a tres, dirjase
ra Direita n. 36 A, loja de pintor.
Attenco
Precisa se de ama creada ou creado que
nhe bem: rna da Cadea do Hecife d. 37.
COZ!
Fogo nellas!
Trez mil linguas I... i 240 rs. cada
urna I... E ceblas a 800 rs. a reslia ?!
S no armazem do Campos ra do Im-
perador n. 28.
Chega a todos. FOGO NELLAS !..
Ao Campos.
Ama.
Precisa-se de orna ama de
Pescadoreaj Ht. ,
lene : na roa dos
ATTENCAO
Precisa-se alagar urna casa terrea, oa troca-se
a morada da mesau por ama outra na freguezia
de Santo Antonio, oa mesmo compra-se se neces-
saro for; por toda roa Imperial, desde o sobrado
da ex-fabrica de vinagre at a estrada da Caban-
ga : tratar roa des Ossos ns. 22 e 24, a qual-
quer hora.
jg Dr. Manoel Enedino Reg Valonea con-
cS tina a prestar seas servicos mdicos
w roa da Gamboa do Carmo n. SI, 1* andar.
AMA
Precsa-se de urna ama forra ou captiva para
casa de familia, que saiba cozinhar e engommar :
na roa da Cadeia do Hecife, loja n. 56 A, se dir.
COMPANHIA
CEDIDO
Pede-se aos administradores da massa fallida de
Antonio Pedro de Mello, que hajam de recolher -
um banco, onde possa render algum juro, a na
pequea quantia de mais de 10:0005, de que esto
na posse mansa e pacifica, cuja continuado o
urna ameaca expressiva de nunca mais terminar
se a liquidacio da infeliz massa em que tem tam-
bem seu quinbae.
Um credor.
Aos 20:000^000.
Oilhetes do Rio venda : ra do Cabbg n. S.
vende Viera 4 Rodrigues.
Precsa-se de urna ama de leiie, n-i se
olhando a preco, sendo de bons costumes: na rna
Direita n. 99, taberna.
Francz
Es no prel > a verso em francez dos trechos
classicos, obra muito til para os exames deste
preparatorio ; sahir em nove nmeros de 16 pa-
ginas, um numero por semana. Na typ graphJa
commercial ra estreita do Rosario n. 12, rece-
iie-se assignaturas a 25 o exemplar, pagos en-
trega do primeiro numero. Depois de completa
custar 35000.
Manoel Maria Rodrigues do Xascimtnto e sua
mulher muito agradecem as pessoas que se dig-
naran! comparecer e acompanhar o corpo de seu
ilho ao cemiterio, e Ihes pedtm que venbam as-
sistir a inisa do stimo da na igreja da Santa
Cruz, pelas 7 horas da manhaa do dia 21. Pro-
testam a sua gratdo confraria da nvsma igre-
ja, e irmaiidade do SS. Sacramento da Boa-
Vista.
O abaixo assignado, rendeiro do engenho
Mangueira, sito na freguezia da Eseada, tendo ar-
rendado dito engenho por escriptura publica cele-
brada no cartorio do tabellio Sa, em data de 9 de
mao de 186a ; e constandj-me que se pretende
vender dito engenho, vem pelo presente protestar
contra dita v nda, visto seu proprietaro nao ter
cumprido as condc,5es da dita eseripfura ; e mes-
mo nao o pode fazer effectiva, em vista da dechna
terceira condi^ao que a seguinte : o locador sa
jeita-se & na) dispr de qualquer maneira do en-
genho Mangueira e fabrica arrendadas, durante
os seis annos do presente arreadamente, sob pena
de nullidade, e o locatario obrjga-se a nao trans
ferir o presente arrendamento a pessoa algnma,
sob a mesma pena. E para que nogoem possa
allegar para o futuro qualquer dvida faz o pre-
sente. Recife 19 de maio de 1870.
Joao Laite RoJovaHio.
DOS
TRILHOS URBANOS
DO
RECIFE A9 Ol IM> 1.
Por ordem da directora sao convidados
os senhores accionistas para, no prazo de
10 dias contados do dia 16 do crrente,
effectuarem a 9a pre*tacao de suas acroes
razio de 10 %
Para esse lim ser encontrado o Sr. the-
soureiro, das 11 horas da manhaa s 2 da
tarde de todos os dia?, no escriptorio da
companhia, ra Nova n. 35, Io andar, entra-
da pela ra das Flores, n. 14.
Recife 12 de maio de 1870.
Joo Joaquim Alves,
Io secretario.
Festejos da Gapunga
A illuminacao da Capunga dizem que nao se
faz porque est !oda gradada I... mas o macaco
nos assevera que nao ba tal, que absolutamente
falsa esta naticia, que anda preciso grude e
muito grade.
A pinguella do Arantes.
Cabelireiro.
Una da Craza Al.0 andar.
par etaa 4a bolea
Antonio Rodrigues Ramalho acaba de abrir a
concurrencia publica um espacoso e acceiado ss
lio para barbear e cortar cabellos, e afflanca que
nelle encontrarlo seas amigos, antigos fregueses,
e em geral lodos os que quizerem frequenta-loi
agrado, actividade e bom desempenho do trahalto.
Pedido.
Pede-se encarecidamente (s assim) aos senho-
res abaixo mencionados se dignem por especial
obsequio de vifem realisar aqaiilo que teera po-
metltdo por diversas vezes, pois j e lempo, e vis-
to que o nosso negocio ae interesse para os
mesmos senhores, por isso os esperamos o mais
breve, advertindo porem, que nSo retiramos este
nosso pedido sem qve nao comparecam a rna do
Crespo n. 7 A, loja do Passo.
Albino de Jezas Bandeira.
Jos Luiz de Spuza,
Jos Antonio Miranda Gnimares.
Luiz de Franca Belem._________
A
Precisa-se de urna a, lorra oa captiva, t Dar
cozintur para casa o^, homM solteiro : na roa do
Livramento B, 31..
APRENDIZ.
Precisa-se tomar um aprenda livre oa escravo
para offklna de alfaiate: a tratar aa roa das Flo-
res n. 8.
Estriteico.
Precisa-se de um estriben" -para casa particu-
lar: tratar na rna da Cruz n. IX, f fuado andar,
das 10 horas s 2 da larde.
Aforam-se oa vendem se terrenos sitos em Be-
beribe, a um quarto de legoa da povoaco, cami-
nho do lugar chamado Merueira por um lado, e
por oatro riacho Lava-tripa. Esses terrenos siio
em ptimo barro para o planto da canoa, e ou-
tros a isleres da agricultura, e de ama extenco
de 400 palmos, onde se enconlram diversos corgos
a maneira de riachos e madeiras proprias para
canstruccao: quem preU nder, pois, entrar em
negocio entre taes terrenos, appareca roa do
Hospicio n. 70, que achara com quem enteuder-se.
A VIUVA DO DR. SABINO
proprielaria do antigo esubelecimento de
seu Qnado marido Dr. Sabino O. L. Pinho,
previne ao publico que desta data em
diante nicamente encarregado de ins-
peccionar a boa preparar e organisa-
cao de sua pharmacia especial homeop-
tica o Illm. Sr. Dr. Jezuino Augusto dos
Santos Mello.
utro sim qne o mesmo Sr.
DR. SANTOS MELLO
quem dirige o antigo consultorio do Dr.
Sabino 0. L. Pinho.
Consultas das 10 horas ao meio dia.
Gratis aos pobres.
Attenco
Na ra Nova n. 43 vende-se urna negrinha de
11 annos, bonita peca, e urna escrava com duas
lindas crias.
i) MI. SAXTOS MELLO
O Sr. Jos Claudio Dubeux lntu a bondade
de apparecer na ra do Queimado n. 7 a negocio
que nao ignora__________________________
Roga-se a pessoaqne levou por em-
presumo a collecfio de Diarios d juico a
dezembro de 1838, quera mandar trazer
a typographia._________________________
Precisa-se comprar urna casa com quintal,
prefere-se as roas do Sebo, Pires(e mesmo na
Soledade: a tratar na rna do Livramento n. 10.
Estrada de ferro do Reelfe a
Ollada.
Compram-se dormentes de madeiras dereco-
nhecda duraco para a constru cao desta estrada:
trata-se na rna da Aurora, escriptorio da superin-
tendencia, das 6 horas da manhaa s 6 da tarde,
nos dias uteis.
O superintendente,
Andr de Abreu Porto.
Vende-se urna carroca de molla para cavallo
com os pertencentes arreios : roa do Brum nu-
mero 79.
I
Precisa-se de um escravo ou livre
tel francez ra das Larangeiras n. 10.
no lio-
A viuva, filhos, genro, irm5os e cunlia-
dos do fallecido Domingos dos Passos Mi-
randa convidam aos mais parentes e espe-
ciaes amigos do Gnado, para que se dig-
nem de comparecer na segnnda-feira 23
do corrente na igreja dos religiosos Car-
melitas, pelas 7 horas da manhaa, afim de
asststirem as missas que se teem de cele-
brar pelo reponso eterno do mesmo fina-
do ; e por cuja demonstrarlo de amisade
se protestaro agradecidos..
HOttEOPATHA
MODODSE
Para rna Nova u 43.
Antiga residencia e consultorio do Dr. Sa-
bino L. O. Pinho.
Consultas lodos os dias das 10 horas da
manhaa ao meio dia; e chamados a qual-
quer hora do dia ou noute.
Gratis aos pobres.
i3-Rua Nova-43
m
O abaixo assignado, tcitamente dis-
pensado da inspecejo da pharmacia especial
bomeopalhica e consultorio do seu finado
e Ilustre amigo Dr. Sabino Olegario Ludge-
ro Pinho, de saudsa memoria, e animado
por alguns de seus amigos, propoem-se a
abrir um estabelecimento, onde se encontra-
\ rao as melhores drogas homeopathicas, para
o qual desde j conta a protecgo d'aqnelles
que honraram-no com sua confianza ; po-
dendo, entretanto, ser procurado para qual-
quer mister, em a casa de sua residencia,
ra da Palma n. 55.
Recife, 18 de maio de '870.
O professor homeopathico,
Jos Alves Tenorio.
AlXIl.i WAO
Paga o gaz.
cota eollaiinho e sem elle, dita bordadas para ni
marfim e de cannaetc,, tfit., lovis de Jouvin par
Grande sortiraent) de cortinados para can
xleiras de braca e guarstc&).~ Tapetes para sota
Col xas de craobe para cama de noivas. T
O nico e especial aortimentos das verdad!
Loja do Trinmpno.
ua Duque e (^axias n. 7.
de sol
e de pregas,
de cabo de
Crois para sola e ca
pianos e portas.
a para forro de salas.
A INDIA," s existe na
Chegaram para est estabelecimento um varia-
do sortimento de paisagens e outras maitas pinta-
ras alegricas, em qaadros de moldar doorada.
A aguia negra julga de seu dever recommenda-
los a seus freguezes, por ser cousa de gosto intei-
ramente novo, e pela c mmodidad de preco, qne
por certo com 25800 nao haver quem deixe de
comprar um quadro para collocar em seu gabi-
nete na ra do Cabng n. 8.
iii-iiiinii
TINTL'BARU FRANCEZA
55-Rua da Imperatriz-55
Tinge, lava, limpa, lustra e acbamalo-
tase, com a maior perfeicao, fazendas em
pecas e em obras de todas as qualidades
como sejam : seda, la, algodao, linho,
chapeos de feltro e de palha etc. etc.
Tira-se nadoas e limpa-se a secco sem
molhar os tecidos, conservando asiim to-
do o brilho da fazenda.
Tintara preta as tercas e sextas fei-
Da-se 1:0005000 juros sobre hypotheca :
quera pretender dirija-se na estrada da Casa For-
te, fallar com Manoel Domingnes.
Sociedad Recreativa
Juventude.
Sao de novo convidados os senhores socios a se
reunirem em sesso extraordinaria da assembla
geral, domingo 22 do corrente, as 11 horas da
manhaa, sendo a ordem do da a eleicao do cargo
de thesoureiro, que se acha vago, e a discussao da
disposicao do artigo 65 dos estatutos, devendo a
assembla, para a disenssio da parte da ordem
do dia.'ser esUbelecida com qualquer numero dos
socios presentes.
Secretaria da sociedad Recreativa
18 de maio.de 1870.
F. Peixoto,
! serretario.
Juventude
Ji
do
1
I ras
I
Retalha-se, avanUde dos compradores.alguns
lotes de terreno, que restam, do iUo _Anasinha
em Beberibe, por precos i asoaveis.
de uiaruiore, ra d u. 11.
O artista Gamillo acha-se estabelecido na casa
cima,, onde pode ser procurado para todos os
misteres de sua procissao.
Nontc pi portugiicz
Nao se tendo reunidos em 15 do corrente o nu-
mero legal de socios precripto pelo artigo 21 dos
estatutos, sao novamente convidados todos os se
nhores associados a rounrem-se em assembla
geral domingo 1i do corrente, as lo hora; da .ma-
nhaa. no Gabinete Portuguez de leitura, para elei
cao da comm^fo de exame de ontas, funecio-
nando a assembla geral com o numero de socios
3ue comparecer, na forma do referido artigo 21
ot estatutos.
Secretaria do Monte Pi Portuguez em Pernam-
buco 1G de maio de 4870.
Joaquim Gerardo de Bastos,
Secretario.
Precisa-se de urna ama para servico de urna
pequea familia : ca ra da Imperatriz n. 9, loja.
J se acham definitivamente divididos em
pequeos lotes os terrenos do sitio Belem, perten-
cente viuva do Dr. Feitosa, na estrada antiga de
Olinda, e por onde passain os trilhos urbanos des-
ta para aquella cidade, conforme j foi tudo ane
nunciado : quem quizer comprar terrenos nosso
sitio, dirija-se ao engenheiro Antonio Vicente do
Nascmenlo Feitosa, ra estreita do Rosario n. 23.
RAPE PRISA
GASSE DO IUO DE JANEIRO.
A ra do Vigar.o n. %1, acaba de rrce-
pelo ultimo vapor um sortimento do rap
gasse, tanto grosso como fino, assim como
Paulo Cordeiro comraum e viajado, que
tanta acceitaco tem merecido nesta provin-
cia pela sua excellente qualidade proveniente
das boas materias primas de soa coraposi-
co, tendo atm disso a propriedade de nao
ferir o nariz aqnelles que fazem delle uzo :
os precos sao o mais em conta possivel.
Calcado nacional.
M". 1 Rna do Jardlaa W. 1*
Jos Vicente Godinho cora fabrica de calcados,
avisa a ledos os stus freguezes, que contina a
vender calcado em sua fabrica em grandes e pe-
quenas porcSes como dantes, sendo mais barato do
que em outra qualquer parte. Assim como um
sortimento de pares de formas francezas chapea
das para homem, do ultimo gosto, a preco de
45000 _______________^___
AVISO
Ea abaixo assignado declaro que o annuncio
que Josepha da Assumpco Olveira da Silva bo-
tou procurando a praa Thomazia, eu protesto em
como dita preta nao Ihe pertnce, assim como te-
nho em meu poder todos os documentos ; e e-tan-
do a pre'a em mea poder, por isso roga-se as au-
toridades para tomar isso asen cargo, pois que a
preta nao sendo della, ella nao poda procura-la
como della? at um crime.
Jos Mauricio Goncafves.
AMA
para fora da cidade.
Uina pessoa estrangeira, casada, se propda a en-
sinar em algum engenho ou povoacao as seguintes
materias : primeiras letras, francez, a fallar e es-
crever, ingfe'z, geogrphia e raathemalca elemen-
tar, arithmetica, algebra, eoraetria e trigonome-
tra recteltnea : os pretendentes podem-se dinar
ra do Queimado, loja das 7 pollas n, 52.
Vaade se urna escrava de 19 anaos de Ma-
de, soffrivet engommadeira : i tratar na ra
Nova n. 87, andar. ___ .......
11MWWW.M
Precisa-se de urna ama que engomme com per-
feicSo e aceio, que para casa de pouca familia,
e a tratar na roa Nova n. t._________
Molina.
n
Roga*se ao lilm. Sr. Ignacio Vieira de Mello,
escrivo na cidade deOazarelh desta provincia, o
favor de vir ra do Imperador a. 18, con;luir
aquello negocio que V. S. so cemprotneUeu rea-
Usar, pela terceira chamada deste jornal, em flns
de deiembro prximo passado, e depois para Ja-
neiro, passou a fevereiro e abril, e nada cunprio,
por este motivo it novo chamado para oditc Im;
pois V. S. se deve lembrar que esto negocio 6 de
mais de oito annos, e quando o Sr.- sea fillw
*tuda*^^^^P
1)1
CABELLEIREIRO
iSlina da Imperatriz---.8
Avisa os seus numerosos freguezes, que alm
de tinas perfumaras recentemente recebidas, tem
um hbil official para penteados de senboras ; o
qual se achara prompto para o servicio a qualquer
hora do dia ou da noute.
Li V1LLE DI l'UIIV
20Ra da Imperatriz20
Paria & ft.easa.
Temos a honra de participar ao respeitavel pu-
blico que iizemos destinguir a nossa noca loja de
fazendas finas cora o elegante tituloLa Ville de
Pars; animados cemo estamos pelo desejo de
corresponder a melhor vonlade dos freguezes, po-
demos asseverar sem receio, ao publico em geral,
que nao haver quem possa vender mais barato, /
attendendo aos precos e qualidade da fazenda, e/
mandamos as casas das Exmas. familias quaU
i(uer fazenda para melhor escolherem ; damos
abaixo os precos de varias pecbinchas, que serio
b bastante para justificar a nossa sinceridade ja
por alguem reconhecida : saias brancas com ba-
bado frsalo pelo baratissimo preco de 35000, ri-
cos corpinhos bordados, objecto de 125, pero pre-
co de 55, cassas de cores, lindos padres, a 240
rs., chitas finas datas e escuras a 300 rs. o cova-
do, cambraias organdys a 640 a vara, mandapolao
fino a 65 a peca, toalhas felpudas para rosto a
85 a duzia, lencos de'cambraia a 2&500 a duzia,
cambraia victoria fina a 55, 55500 e 65, completo
sortimento de grosdensple preto,popelinas d seda
o que ha de melhor, ditas de laa, e varias quali-
dades de alpaeas brancas c de cores, cambraia im-
peratriz, completo sortimento de chitas, madapo-
lo e algodaozinho, bramante para lences, es-
guiao, fustoes para vestidos e roupas de meninos^
camisas, ceroulas. meias, grvalas, colarinhos, e
outros muitos objectos qne deixaipos de mencio-
nar, tudo por commod^ precos.______________
Na praca da Independencia a. 33 se da C\-
heiro sobre penhores de ouro, prata e pedras
preciosas, seja qual for a quantia; e na mesma
:asa se compra e vende objectos de ouro e prata,
! igualmente se faz toda e qualqaer obra ce en-
wmmenda, e todo e qualquer concert tenden:.
i mesma arte.
IEGUR0S
MARTIMOS
COMXRAFOGO.
A Companhia Indemnisadora, estabelecia
esta praca, toma seguros martimos sobra
avios e seus carregamentos e contra fogo
am edificios, mercadoras e mobilias: a
ra do Vigarion. 4, pavimento ter eo.
Attenpao.
Ainda se continua fornecer coramedorias-
para fora com asseio e promptidSo, man-
dando-se levar a casa dos assignantes que
n5o ti ver portador: roa estrella do Rosa-
rio n. 35, 1 andar casa particular de fa-
milia._______________________________
Muita attenijao
Vende-se ou permnta-s e*is nesU cidade
o'sitio n. 5 na ra de Joio Peraandes Vieira peno
da Soledade. com cttt do venda par familia,
cacimba com boa agua, tanque para banho e la-
vagem, muitas fructeiras d liversas qualidades
cente e tanus ps de coqueiros, muitas baixis
para capim e trras ppra plints^uee, um grande
viveiro e muitos mangues para enba, etc. : para
ver e tratar, os pretend tes dirijam-sa ao mesmo
sitio a qualquer hora.
Deseja-se fallar oa saber de sua resideac;a
a Jos Vicente da Silva Pinto, na falta a seu ma-
no Diogo Jos di Siva tinto, vndos de Portugal
de 1834 a 1836, e aa falta a seaf Mna ae os l-
verem a negocio de muito seu interesse : pa ra
do Pugne de Caxias a. W. _________
Precisa-se de am ranas, bras ba oa- portuquez,
e lenha bo letra, e conle be, t qiM tenha al-^
cuma pratica de escitptura^o, qaeat se jahrar ha-
biliudo, dirjase a roa do Queimado n." Si, que-
se dir quem precisa. ______________
Francisco da Sita fWreii 4 filho tem con
tratado vender ao Sr. Manoel Cssiaao de Gliveira
Ges, a eua taberna da r Jtaparial n. 27, livre e-
desembaravada, o que faz pabl :o para sdeacia o-
respeitaxei eorpo do cogH uem mais-
possa iBteresssr. Se alguem oat di re-
to a qualquer raaUtffltia dmja-se a mesma ta-
berna no praa da jt.
Ama.
omd.
^r e
prar una
iartu pa-
ou na ra
o do
\.
/
t


Diario de Pernambuco Sabbado 21 de Maio de 1870.
11 i

es
Wr
0 muzeo de jQias
Na roa doCabuga n. 4 compra-at oaro, praU
ptaBn*1^ Presos mai vantajosoa .do
qo i aira gnalgaer parte.__________
mamui-s! i viimh-
EgCRAYOS
Comprara-se e vender-se diariamente aara (ora
dentro da provino ia escravoe d todas as idades,
ora aaxos, com tanto que sejam sadios: no
larMiro andar do sobrado n. 36, a ra das Cnues,
flwpwala de Santo Antonio._________
UHD mtuto autor vauagein compram-se
ouro, pratae pedras preciosas e i obras vcllias: na
lojaie Joiaa do Coracio de Ouro n, J D, ra do
Canga.
Compra-se urna casa terrea boa, situada em
Santo Antonio ou Boa-vista: na roa da Flurenti-
nan.6,________________________________
Oompra-se
urna mobilia de Jacaranda em meio uso a Luiz
XV, sendo i sof, 4 eadeiras de braco, 12 de guar-
nilo o 1 consolos, a poder, ter mais algumas pe-
cas : quera livor aonuncie por este jornal para
ser procurado, ou tratar n&ta typographia com
o Sr. Hermenegildo._________' *
Compra-s um trepador de coqueiro : na
roa larga do Rosario, loja de calcados n. 23.
Compra-se urna casa terrea, na freguezia de
Santo Antonio : tratar no arco da Conccicao nu-
mero .
VENDAS.
- Vndese um casal de escravos pretos de
nnia i tade, espertos, fortes e de boa conducta,
pelo que se tornam recommendaveis para enge-
nho ou sitio : tratse na roa de Borlas n. 96.
BARATO
NA
Loja Flor da Boa-vista
48=^Raa la imperatrla **
Chitas de maito bom panno., lindissimos padroes
proprias pora a praca. covado a
fe barato 240
240
a 240
Ditas oscuras, covado a 200, a 200, a 200 t.
Pecas do radapolo algodao a i, 5 eOH :
opto a padaria trance u.
Vender urna esc\va (mulata) moca
'benita figura, com tima cria de 3 aonos;
sbendo coser, cosintiar e engommar com
perTeicSo?'^a ra do Pilar n. 63, Io an-
dar.
Bogias de cera
Vendera-se bogias de era, superiores em luz:
earmacaos viodasde Lisboa.por coramodojpreco
de 1J4*!0 libra : na travessa da ra das Cruzes
n 4 c ra do Vigario n. 26.
Na ra da Imperatrie n. 30, padaha franee-
za, vende-se urna teodeJeira e urna masseira, pro-
pria para um principiante ; assimcorao urna por-
Qo de ferro velho.
Vende-se urna preta de idade25 annos, bjniuv
ligara, cozinha, engomma soffrivel, e urna negri-
nha ocm 16 annos, de muito bonita flgura, &m
principio de hahilidade, propria para mucamba :'
na ra da Paz n. 34. ______ ___________ ;
JACARANDA^
Vendem-se cinco duzias de toros de Jacaranda,
a prece commodo: para ver tratar, na ra fit-
reita n. 31, artmzem.
I
DI
A RIJA DA IHPERAT.RIZ M, *
Esquina da ra da Aurora, em frente do caf Imperatriz.
N'este novo e sumptuoso estabelecimento de fazendas encontrado as Exmas.
amilias todo quantopossam desejir, tanto em artigos do mais rigoroso luio, como em todas
ii mais qualidades de fazendas,
Alera de se acharem prvidos do que de melhor se encontra ueste mercado,
km* todos os paquetes da Europa, recebera directamente o que em artigos de moda e
lo mais apurado gusto se encontra em Pars, o que vem cadadia augmentar s propor-
des de que dispo este estabelecimento para bera servir a sua numerosa freguezia.
Algodao largo para lences e toalhas de Gase com listras de seda e flores, fazen-
odas as qualidades que costuma vir ao mer- da inteiramente nova para vestidos de baile.
ado. Gravatas para senhoras e homens, o mais
Alpacas de todos o padroes e qualida- completo sortimento que se pode desojar,
les tao variadas que se nao podem descrever. Guipare preto e branco, diversas largu-
Albuns com msicas para collocar retratos, ras e diferentes gostos.
lelicado presento para qualquer pessoa de, Gollas e punbos bordados para senhoras.
olima. Guardanapos de linho pequeos e gran-
Atoalhado de linho e algodao, branco e des.
le cores proprios para toalhas. Gorgurlo de seda preto ede cores.
LL3 Grosdenaples preto ede cores, haven-
Bas juinas de seda pretas e muito moder- do diversas qualidades e gostos.
tas, bem como de crochet, tudo de apurado dj
{osto e feitio. Japonezes para senhoras, o melhor gos-
Balos de rnusselina, madapolao, brancos to, e fazenda propria para as festas nos ar-
i de odres, para senhora e meninas, rabaldes e passeios a tarde.
Bareges de cores variado sortimento. t~*>.
Babadinhos ou liras bordadas em todas as LJazinhas de todas as qualidades, cores
arguras. e gostos, nao flcando nada a desojar, tal
Belbutma de todas as cores. o sortimento que existe para escolher.
Bolsas de tapete para viagem, grande Lencos, tudo quanto pode baver desde
'ariadade de tamanhos e gostos. esguiao ao algodao coramum.
Bombazina preta de todas as qualidades. Leques de madreperola e osso, o mais va-
Bramante de linho de 14 palmos de lar- rado sortimento.
fura, e todas as mais qualidades. Ligas d seda, bordadas, para senhora.
Bretanhas de linho e algodao, grande sor- Luvas de Jouvin, chegadas por todos os va-
imento. pores, sempre novo sortimento, qner em
Brins de linho branco e de cores, do mais pellica para homens e senhoras, quer emjfio
ominodo ao mais caro em qualidade, afilan- d'Escocia, brancas e de cores.
ando o que ha de melhor na especie. "^ft-
Brins d'atgodao completo sortimenlo e Madapolao; indescriptivel o grande sor-
'ariedade de pre;os. timento que ha neste genero, desde o mais
C34 elevado prego ao menor, que s vende em
Cassas de cores, o maior sortimeAo, pri- peca e retalho por menos do que em ou-
nando pelo bom gosto e baratez, atientas tra qualquer parte
ia qualidades. Mantas de blonde para noivas : o apurado
CaMfcraias brancas, taradas, e'transparen- gesto dos nossos correspondentes em Pars
es de todas as qualidades e precos. habilita-nos a direr que temos em nosso
' Camisinhas de cambraia de linho e cassa estabelecimento o que de melhor se dese-
wdedas ricamente enfeitados para Sras. ja para vestir e ornar urna noiva.
T-
1 Fazendas *im Cambraias brancas linas a-Je 33 a peca.
Madapolai bom v. c o 6300 a pe Algodaozinho con 18 jardas a 3 a peca.
Algodao american de listras para roupa de -es-
cravos a 240 o cenado.
Chitas escuras -antaticadas sem avaria a 148 o
covado. Dao-se amostras na roa do Crespo n.
23, loja de Manoel Dias Xa der.
Vende-e um mulato robusto, sadio, sem vi-
cio nem deleito, com idado de 21 annos serve-bem
para o malo : quem o pretender dirija-se a r-ua
do Brum. 4 andar n. 84.
Vende un escrava sem vicios nem acha-
ques, conri annos de dado, engomma, cuainka
e faz todo oservioo de urna casa : a tratar na ra
do Visconde de Pelotas, casa o. 7.
Attenfo
Na ra da Ruque de Caxias. outr'ora ra do
Queimado b. &9, vrde-se cmbraias rniadinhs
e de flores, Iwalkw^adroes. ; linas a 300 e 380 rs.
o covado, tralo.
Vend&;n-se tres oabria-is de i rodas cober-
tos, sendo &eae2 aaiericii.'<* en muito bom es-
tado: para w, fi*s da. pn:te grande da Passa-
gem n. 40, e tratar tB raesnw on na ra estreita
doiflGsano n. JUr".!xlai\ gju Jos Henriquoda
Silva.
Vndese a c*a terrea, n II, em ehioe ipro-
prios, sita em Dunda roa no oitao do Amparj,
com 4 ijua.rtos, crredr ao meio e duas salas : a
ralar np andar n. o ra da Cadeia do Kecfle,
Vende-se
oma cooro na roa da Assumpco n. 52.
Eetroz.
Qualicde superior e sonido em cores : vende-
se na roa da Cadeia n. 21, 1 andar. _______
ATTENCaO
Vende-vam sitio ao lugar dos Remedios, com
tma boa eUria, dous viveiros, barro para toda
obra, divers arvoredos e casa*.: a trazar no mes-
ara lugar eos Eduardo Amases de /Ibuauerque
sMello.
Vende-se urna mobilia de Jacaranda, gosto
de J^niz XV, sera : a tratar na ra do Duque
de^Caxias n 1!, que se vende cmmodamente no
pracp
"No engefi Mangoeira, coairen te estacan
da iHa da scada, existe para se vguderrtres pa
res de embonos de edro, proprios para Ijarcaca*;
por modo preeo : quem quizer pode dirigir-se
M dito.anjBpho.
dinbeiro.
Bolinas de cana alte para senhora a Gi.
Ditas da Dura.jiw a 5f.
Dita* de gaspiadoa eom enfeHe a 5a.
Dita* para menina a 3.
Ditas para menino e meninas a 2*.
Ciiegaem antes qne ao acabe : na ra Direiu
naaero II.
Que o Fe> : iineha, de untas que
tMftd^^^Ha amigos i i nao ten dado
Ingw i > ZMi
Camisas para homens e meninos, to var-
iado sortimento que vai do mais ordinario
aedapolo ao mais perfeito bordado de f-
te cambraia..
'Camisas de meta, do flanella, brancs e
U cores para hoanem.
Casemiras preta* e de cores, o melhor
pe se pode imaginar, sendo d'isso a me-
aor prova o grande coasummo deltas na
'fficina da casa.
Capel I as de fiares, para noivas e "bailes,
lesde a mais candida flor de larangeira at
i mais interessante-grioalda.
Chapelinhas no melhor gosto,de-todas as
;ores aoje preferidas pelas senberas de
nais apurado rigor na moda.
Chapeos pretos de-veludo, para senhoras,
ltimo gost de Pars.
Chapeos a sol, para senhoras e homens,
do todoa-os pre;os e variados gostos.
Chaly com ricos padroes pana vestidos.
Chales de todas as qualidades, avultado
umero ealo menos variedad*-de gostos,
Chitas, i impossivel descrever o sortimen-
o e variedade de psdres e oovos gostos,
ia neste arg(K tudo-quanto se pe desojar.
Cintos para senhoras o que se podo ima-
riQar de melhor.
Coques, o melhor no gosto e oos ente-
'es, varios tamanhos.
Colchas-de seda com borlas, mais apa-
rado guste e lavor.
Ditas de fusto tranco e do cores por
jrecos commodos.
CorpmGos de cambraia, noatecnte brda-
los para senhoras.
Cortinados de cambraia bordados e de
l.o que fie melhor se pode desejar.
Colarinhos de Hnho bordados e lisos, o
naior sortimento.
ZJLJ
Damasco'de la de 9 palmes 4e largura
indas coros e reos padroes.
Espartilhos brancos e de cres, para sev
horas e meninas, o melhor nesi genero;
enhuma Sr-a. deixar por certo de muir
ie de to precioso afiliar .poreicSo de
im corpo delicado.
Entremeios bordados.
Escomilha preta.
Enteites para caneca, ultima -ctoda de
*aris, recebida no ultimo paquete.
Esguiao dos os nmeros.
Fitas larga escocesas para cintos varie-
iede de gostos .e lindos :padr5es,
F'uhs de crochet, modernos com cintos
t.tapas, oque ha de .melhor.
il de seda, linho e ajgodSo, de todos
gostos e padrtes.
j'ustlo de todw as cores e qualidades
(rar.de sortimento,
Planella branca e de cores.
Flores, o que ha de mais rico, quer
tltaa, quer em naaw, tem PAVILHaO
DA AfTJRORA um permanente jardim a
iisposicSo das Exmas. familias.
Mantas pretas de Mond.
Mantas para carros, com lindas pmturas.
Merinos pretos, trancados e lisos.
Musselh branGa e de cores, lindos e va-
riados padroes.
0j*j2Sji2*trt|
GRANDE NOVIMDE
Quando a AGUIA BRRNCA, mais precisa scientihear ao respeitavel publico em
geral, e em particular a sua boa freguezia, da immensidade de objectos que ltimamen-
te tem recebido, justamentefquando ella menos o pode fazer e porque essa falta invo-
luntaria ella confia e espera na benevolencia de todos que lh'a attenderao e relevarlo,
continuando portan to a dirigirem-se a bem conhecida leja da AGUIA BRANCA 4 ra do
Queimado n. 8, onde sempre acharao abundancia em sortimento de superioridade em
qualidades, modicidade em precos e o seu nunca desmenttido AGRADO E SNCERIDADE.
Do que cima fica dito se condece que o tempo de que a AGUIA BRANCV pode
dispr, empregado apezar de seus custos no desempenbo de bem servir a aquellos que a
bonram procurando prover-se em dita loja do que necessitam, Bntretanto sem ennume-
rar os objectos que por sua natureza sao mais conhecidos ali, ella resumidamente indi-
car aquellos cuja importancia, elegancia e novidade os tornam recommendaveis, como
btm.seja
Corpinhos de cambraia, primorosamente
enfeitados com fitas de setim e obras essas
coja novidade de molde e perfelcao de ador-
nos os tornam apreciados.
Fitas mni largas de diversas cores e qua-
lidades para cintos.
Leques uesse objecto muito se poderia
dizer querendo descreve-Ios minuciosamente
por suas qualidades, coree e desenhos, tal
o grande e variado sortimento que acaba
de chegar, mas para nao massar o preten-
den te se lhe apresen tara o que poder de
melhor.
Entremeios em pecas de 12 tiras.
Guipure branco e preto de diversas qua-
lidades e desenhos.
Ditos de algodao com flores e lisos.
Veos de seda para chapelinas e monta-
ra.
Meias de seda para noivas.
Ditas abortas de fio de Escossia.
Costumes ou uniformes para meninos.
Enxovaes completos para baptisados.
Touqurahas de fil, sapatinhos bordados
e meis pitra ditos.
Camisinhas bordadas para ditos.
. Capellas brancas para meninas.
Grandes sortimento de flores finas.
Fil de seda, preto.
PERFUMARA
Grande e constante sortimento de dita,
sempre melhor quajidade.
Lindos vasos com p de arroz e pinsel,
Caixinhas com ditos aromticos.
Bonitos e modernos pentes dourados
para circular o coque.
Bonitos brincos de plaquee.
Aderecos e brincos de madreperolr.
Caivetes finos para abrir latas.
Thesouras para frisar babadinhos.
Aspas para balao.
Novos stereoscopos com 48 "pistas, as
quaes sao movidas por um mabhinismo
urnas substituem as ouiras.
Vistas para stereoscopos.
Bonitas caixinhas de vidro enfeitados com
pedras.
Ditas de madeira envernisada com vispo-
ras e com dminos,
Bollas de borracha para brinquedo de
criancas.
Diversos objectos de porcelana, proprios
para enfeites de mesa e de lapinhas.
IiOJA
Pannos pretos e de cores, desde o mais
barato ao mais superior, por preco muito
commodo.
^Pawos de -crochet, para eadeiras e sofs.
Ditas de casemira muito finos para
mesa.
Pcitos bordados de linbo, lisos e de al-
godao para camisa.
Princetas pretas e e cores.
Popelina do seda e linho, com listras e
flores; fasenda lindissima.
Pelherinas para senhoras, do ultimo
gosto.
-Perfumaras ; os mais finos extractos -
que de melhor e tais agradavel se pode
encontrar neste gesero, e de mais fragante
e suave no olphato, tem o iPAVILHO DA
AURORA, desde a verdadeira agua Flori-
da at o mais fino Bouquet 'Amour, final-
mente tudo quanto deve ocupar o touca-
dor de urna senhora de gosto.
Saias bordadas, brancas, lisas e de cores
eom folhos o sea elles, o melhor possKel,
rSahidas de baile,, de todas as cores.
Sedas pretas, de quadros, lavradas, lisas,
de listras de todas as cores e qualidades e
o nais barato possivel.
Sarelim de todas as cores e qualidades.
"O
Tapetes grandes, lindas pinturas para 8
eadeiras, mais pequeos e de todos os ta-
Bwihos desejaveis, e em peca para -co-
vades.
Toalhas de labyrintho, do maior e mais
fino trabakio ao mais barato.
Teallias de linho e algodao de todos os
tamf.nlios, lisas e felpudas.
1 arla tana branca com palmas e de cores,
fasenda muito nova, e gostos delicados pro-
pria para baile.
Vietuarios bordados de fusto brancos e
de-cores para meninos, de cambraia para
baptisados, o que de nrelhor teta vindo a
este ercado.
Vestidos de laa -escoceza de 2 saias,
novidade pelopadrSc, gosto eforma; ditos
de linho com barras de cores, e de cam-
braia de cores com 2 saias, tudo inteira
novidade, trazem os modellos juntas para
mostrar j forma de os .azer.
Veos-de blood paraneivas e pretos para-
luto.
Vestido* de blond paca noivas: podemos
asseverar.a nossas Exmas. reguezas, Que
somos os.uaicos em Peroambuco que pode-
mos offesooer ao Ilustrado publico, o mais
apurado gosto em semelhante materia, gra-
pas ao bare ^osto do nosso fornecedor em
Pars, podemos garantir que ninguem neste
genero o po&ue melhor, cem mais em
conta.
SORTIMENTO COMPLETO
AU9IAZE*'S
NOS GRANDES
DE NI-XX'OH
JE UOI IIAIIOS
CONSERVATIVO
N. 23Largo do Ter DE
S1MA0 DOS SANTOS & G.
PROGRESSO
10 Pateo da Penha
da
DE
10
santos & ferr ira .
Os iproprietarios destes bem sonidos armazens participam aos seus innmero?
freguezes tanto desta praca como do matto que tendo feito grande diminuico de pre-
cos as suas mercadorias estSo por isso resolvidos a vender por menos de 10 e 20 i0,
do que ec quer genero comprado uestes uous estabelecimentos. Mencionamos alguns dos nossos
gneros e-a -vista destes sao coraprehendidos os outros, porque enfadonho seria men-
cina-los.
Se alguem duvidar venha ver.
Gaz americano marca Deves a 8(5800 a
DO,
GALLO VIGILANTE
Ra do Crespo n. t
Os propricUriosdeste bem eunheeWo estabel&-
cimeotd, alin dos muitos objectos que tinham ex-
postos a apreciaco do respeitavel publico, maa-
daram vir e acabam de reeeler pek ultimo Xi^.t
da Europa um completo e vanado sortimento de
finas e mu delicadas especialidades, as quaes e-
tao resolvidos a vender, como de*seu costume,
Sor precos muito baratinbos e commodos para tiz-
os, com tanto que o Gallo....
Muito superiores luvas de pellica, pretas, bran-
cas e de mu lindas cores.
Mu boas e bonitas gullinhas e punbos para se-
nhora, neste genero o que ha de mais moderno.
Superiores pentes de tartaruga para coques.
Lindos e riquissimos enfeites para, canecas das
Exmas. senhoras.
Superiores trancas pretas e de corea eom vidri-
lhos e sem elles; esta fazenda o que pode baver
de melhor e mais bonito.
Superiores e bonitos leques de madreperla,
marfim, sndalo e osso, sendo aquelles brancos
com lindos desenhos, e estes pretos.
Muito superiores meias fio de Escossia para se-
nhoras, as quaes sempre se venaeram por 30*00*
a duzia, entretanto que nos as vendemos por 201,
alera estas, temos tambera grande sortimento de
outras qualidades, entre as quaes algumas rauio
finas.
Boas bengalas de superior canna da India e
castao de marflm com lindas e encantadoras figu-
ras do mesmo, neste genero o que de melhor ski
pode desejar ; alm destas temos tambem granBo
quantidade de outras qualidades, como sejam, ma-
deira, baleia, osso, borracha, etc. etc. etc.
Finos, bonitos e airosos chicctinlios de cadeia t
de outras qualidades.
Lindas e superiores ligas de seda e borracha
para segurar as meias.
Boas meias de seda para senhora e para meni-
nas de 1 a 12 annos de idade.
Navaihas cabo de marfim e tartaruga para_ fare*--
barba ; sao muito boas, e de mais a mais sao ga-
rantidas pelo fabricante, e nos por nossa vea tam-
bem assegurams sua qualidade e delicadeza.
Lindas e bellas capellas para noiva.
Superiores agulhas para marliina e para croi
Linha muUo boa de peso, frouxa, para enchtr
labyrintho.
Bous baralhos de cartas para vortarete, ass;m
como os tentos para o mesmo Bm>
Grande e vanado sortimento d; melhorc per-
fumarias e dos memores e mais conhecidos per-
fumistas.
COLAHES DE ROEH.
Elctricos magnticos contra as convulsoe?, e
facilitam a denticao das innocente* criancas. So-
mos desde muito recebedores destes prodieiofi*
collares, e continuamos a recbelos por tedes (3
vapores, aflm de que nunca faltcm' no mprcado,
tomo j tem acottecido, aasiin pois poderlo aque-
les que delles preeisarea, vir ao depositlo gaL'o
vigilante, aonde sempre encontraro destee veres-
deiros collares, e os quaes attendendo-se ao fim
Sara que sao applicados, se venderlo com um v. r i
minuto lucro.
Rogamos, pois, avist dos objectos que deixamcs
declarados, aos nossos freguezes e amigos a virem
comprar por procos muito razoaveis loja do gallo
vigilante, ra do Ciespo n. 7.
CEMENTO ""
O verdadeiro portland. So se vende t
ra da Madre de Deus n. 22, armazcm ct
Joao Martins de Barros.________________
3 cordeiro previdenti
Roa do Queimado n. tf.
Novo e variado sortimento de perfumara;
finas, e outros objectos.
Alm do completo sortimento de perft
marias, de que efectivamente estprovidz;
loja do Cordeiro Previdecte, ella acaba &
receber um outro sortimenlo que se toru:
aotvel pela variedade de objectos, superiori
dade, qualidades e commodidades de p=
eos; assim, pois, o Cordeiro Prndente peui
e espera continuar a merecer a .apreciaci
do respeitavel publico era gcral e de su;
boa freguezia em particular, njo se afat
tando elle de 6ua bem conhecida mansiu*..
a loia cncottrtrSo o
Vinagre branco mandado vir por conta
propria vindo de Lisboa, a 320 a garrafa e
480 o litro.
dem tinto Figueira, Lisboa e Porto a
320,280, 240 e 200 rs. a garrafa e 480 300
rs. o litro.
hta, 380 rs. a garrafa e 560 o litro.
Azeite doce de Lisboa a 900 e I;>iK)0a
garrafa em porto faz-se grande abatimen-
to.
Vinbo i 5ira, Lisboa, Porto e Est ito JPjglggg \ 2.2^ 24 J *%* \
Vinho branco puro de Lisboa a 6i0 560;. Milho illfJ rs- a 'ibra e 4i0s k'
a garrafa, era porco ha abatimento. logramma e 5,>80O a arroba, em porcao ha
Vinbo do Porto, engarrafado das melho- aoitimento.
Queijos frescos do ultimo vapor a 3)5200
e 30400 cada um.
E' dispondo d t3o graede e variado fortimento que os proprietarios do PA-
/ILHAO PA AURORA ;e apresentaai ao pubtco declarando fiesde j que a sincerida-
le e o bom gostoo movei nico de seus negocios.
Prvidos de tudo e pronaptos sempre a prover-se 4o que por ventura lhe
teja necessario, os pioprietarios deste suropteoso estabelecimento recommendam-se
tem receio de serem contradietos e protestan esforcar-se por continuar a merecer
wotecJo que ee Ihes tem dispensado:; certos de tae do seu estabelecimento nao sabira
> freguez deeeontente.
Contina sempre a ofScina de alfaiate dirigida por um dos mais habisartis-
u, prompto esfceutar puado. Urna modista especialmente oceupada nos rabaihos do PAVILHAO D i AU-
.iOUA, dirige os que lhe sSo concernenes, garante porseu apurado gosto epromptidSo
ia ezecu^ao e a mais completa perfeico nos seus trabalbos.
A numerosa freguezia que ros honra urna prova de que merecemos o con-
eito que se dispensa ao nosso estabeleetmento, coaceito que procuraremos firmar cada
?ez mais. Para facilitar anda a conctcu^3o do fim que nos propomos, temos no nosso
Htabelecaento os ltimos figulinos de Pars, que recebemos por todos os paquetes, os
nes enviaremos para serem vistos as familias nossas freguezaa, afim de escolberem,
om o padrao da fazenda o gesto na forma.
Na oficina de lfaiate. junto ao estabelecimento, a iguaitiecte oa figurinos
wa homens que por todos os vapores se recebem.
E' este o mode porque nos apresentamos pedindo a proteceo do
e com o mais profundo retpu> convidamos s xcelientissimas
ttV estabelccuent^. cen. arem aee celo av
res e mais acretadas marcas a IdOOO e l 200
10500 e 20 a garrafa.
dem Bordeaux, Medoc e St. Julien a
70500 e 60500, a duzia e 640 rs. a garafa.
Genebra de Hollanda e laranja doce aro-
mtica a 60500, 70, 110500, a frasqueira.
erveja fiase, Illers 4 Bell a 90800 du-
zia em porcSo 4a grande abatimento.
Mem marca fl e T e outras marcas a
50500 e 60, a duzia e 500 rs. a garrafa.
, Assim como ba outros muitos
Aletria, macarro, talharim a 500 rs. a
libra e 10100 o kilogrammoem caixoba
abtimento.
Sabao massa de 1* e 2a qualidade a 220
e 240 rs. a libra em caixa ba abatimento
Toncinbo de Lisboa muito alto a 400 rs.
a libra e 880 o ki'ogrammo, em arroba ha
grande differen?a.
gneros, vinho em ancoretas, azeitonas,
passae e figos, charutos finos de diversas marcas, marmelada, bolachinhas de todas as
qualidades, perela, Francy-cracynel, a, b, c, Mdium, mixed, soda Fancy-nic-nac, pa-
lace de Vareteos, combination, Brtania, doce de goiaba fina, chouricas, manteigas finas
franceza e tngieza, banha de Baltimor, phosphoros de Sycuryt, Cognac, cha de diver-
sas qualidades, Canella, pimenta do reino, ervadoce, pomada, enxofre, breu, peixe
em latas d todas ae qualidades, farinha de milho americana, grandes moihos de sebol-
las. uestes dous armazens existe tambem grande sortimento de Joucas proprias para ne-
gocio, que pelos seus commodos preco faz vantagem aos compradores.
VENDE-SE ou arrenda-se o engennt
S. Gaspar, sito na freguezia de SerinLaem
comarca do Ro Formoso, prximo do em
barque, eom grandes partidos de pal <
massape i roda da moenda, roattos manguei
para madeira necssaria, bom pasto, etc.:
a tratar na ra d'Anrora n. 26, ou na d<
Imperador n. 20.
Deposito effectko dos productos da companhia das
aguat de Vichy como tejnm :
Agoa Sonrce Oelestins.
Dita dito Hanterive.
Dita Chateidon etc. etc.
Saes de Vlchv para banhos.
Pastilhas de vichy etc. etc., ludo por precos mui-
to em conta, em casa de Tisset frtres, ra do Com-
raereio n. 9.
Superior vinho
Bordeaox
da Cadeia do
St. Estephe & St. Julien: na ra
Recife numero 5. _______________
TRADUCAO DO SPIR1TISM0.
AOS SPIBITOS.
Na encadernaciio p*risiene vende-e a traduc-
gao do spiritisiko em sua mais simples expiessCw,
o o resumo da doutrtna dos espiritos por Alian
Kardeke, alio folheto : obrinha muito cariosa
e interesante.
No armasen! defronte a escadinha n. 3 A, tem
para vender escellentes batatas inglezas novas em
barricas de 5 arrobas.
PARA A FESTA
iSoTdSiS KtS*cognac 50p9riore,3 Prtas i' a de fer- Wm
53--Rua Direita53
AVISO
itos caixejro'
^^HK** eapecificar tu
t cata de MHK Latham' 4 C, ra da Crac n
i folhis de ferro galvanisadhc
ros
. ven-
airo 4o que em
urna pret
manto n. n.

Aberto das 6 s 9 horas da i
Neste
nde
nm completo sortimento da ferragem,
aran
ifeto
estabelecimento, ha para reatdei
e miadeai
Anas e grossas, como sejam bandejas chinea
quadradas e ovaes, facas e garios da i
toes, balanco inteiro <
lheiraa, cacarollas,
de ferro
diversos I
gratta
^^tLeha
i barateza. Em
tpreciadores do boa:
Agua divina de Ctidray:
Dita verdadi.'ira de Murray Lammafi
Dita de Colognc inglesa, rnercana, Un
ceza, todas dos melhores e mais-acreditsdt
fabricantes.
Dita de flor de larangeiraa.
Dita dos Alpes, e vilete para toiet.
Elixir odonlalgico para conaervafco 4.
isseio da bocea.
Cosmetiques de s'-peritr qualidade e*cii
ros agradareis.
Copos e lata?, maiores e menores, cti*"'
pomada fin;; fera cabrio.
Frascos com dita japoniza, transparenv
a outras qualidades.
Finos extractos/inglezes, nrericairo
francezes em frascos simples e enfeitados.
Essencia imperial do fino e agradavel chs
ro de violeta.
Outras concentradas e de heiros iguaj .
mente finas e agradaveis.
Oleo philocome verdadeiro.
Extracto d'oieo de superior qusiidadt
com escomidos cheiros, em frascos de din
rentes tamanhos.
SabOnetes em barras, maiores e menores-
para maos.
Ditos transparentes, redondos e em &g -
ras de meninos.
Ditos muito finos em caixmha para barba-
Caixinhas com bonitos sabonetes imitandf
fructas.
Ditas de madeira invernisada contendo t
aas perfumaris, muito proprias para pra
lentes.
Ditas de pape 15o igualmente bonitas, tur-
bem de perfumaras finas.
Bonitos vasos de metal coloridos, e 4?
moldes novos e elegantes, com p de arr o boneca.
Opiata ingleza e franceza para dentez.
Pos de camphor e outras difieren
qualidades tambem para dentes.
Tnico oriental de Kemp.
Aln Mala eoajnea.
Um outro sortimento de coques de l
vos o bonitos moldes com filets de vidrho
s alguns d'elles ornados de flores e Bt
esto todos exposl i apreciacio de qu
os pretenda comprar.
GOLLINHAS E PUNHOS BORDADOS.
Obras de maitogosto e.i)erfeiclo.
Fivellise llaa para eiatoi.
Bello e variado lorttr le faes ob;
tos, ficando a boa escoma ao gasto do cox
prador.
Bichas hamburgnezas
queti
e ven
o mais bara
os pa-
^fartc
Sa^BbS
I iryftn de Ora-
; Bento it Oveira Bra|** C
forcio mat aquefia
cife n
MACHI!
Ha para veod
rardo de Barto*. ro
. na?., i> q
agua, f i
'
>\Hi
^^H
^^H



i
6
Diario de Pemambuco Sabbado 21 de Maio de 1870.

----------a


**_
t'.'ti.rtj..^^ j
-
A
Rna

a 200 rs.
cabello, a
15000.
Duque de Caxias n. S5
Na loja da VERDADE coniinna-se a ven-
der por baratsimos precos todos os arti-
gos de miudezas e perfumaras do en
grande e variado sort'mtnto, garaotindo aos
compradores toda a sincoridado.
Lidas nonecas de cera e massa por ba-
ratissimo* prego.
Espelhos donrados para pendorar a
160rs.
Agulhas de osso para crox
Peales Gnus para segurar
320 rs.
Chamjns para gaz a 320 rs.
Garrafa com tinta alizarine a
DiU com agua florida a ISfiCO.
Dita com lita dita a 1500.
Tnico de Jajme a 1 5500 o frasco.
Frasco comoleo expresso do babosa, de
iO a 6i0 rs.
Dito com agua de Colonia de 300 a 1 #000
Dito com extractos nos a 15000.
Dito com sndalo verdadeiro a 40200.
Latas com baiihi mu.lo fina de 120 a
240 rs.
Sabouctes muito finos o diversas qual'i-
dades a 80,160, 240 e 320 rs.
Finas escovas para dontes de 320 e 500 rs.
Ditas para facto de 500, e 000 rs.
Ditas para cabello a SCO rs.
Pentes para alisar cora costa de metal a
320 rs.
Ditos ditos ditos de bfalo a 2i0 e 320.
Pentes para tirar piolbo do 160 e 240 rs.
Parios para gaz, duzia a 240 e 320 rs.
Brincos de cores, inteiramente modernos
de 160 e 240 rs.
Penuas cagraphicas muito finas a 15*00.
Ditas de langa emosinha a 800 rs.
Lindos babadiuhos e ntremelos de 500
e 10500.
Grosas de bot5e3 de louca de 160 e
200 rs.
Ditos ditos para calca a 240 rs.
Caixa com papel amizade a 700 rs.
Ditas com envelopes a 480 rs.
Ditas com obrejas a 40 rs.
Ditas com agum fundo dourado a
280 rs.
Thesoura para costura a 240 rs.
Liaba de marca ejixa a 280. rs.
Csrriteis de linhas de Alexaadre de n. 70
a 2i>0 a 10 rs o
Grampos muito finos, com passarinhos du-
ziaa 200 rs.
Cartas francezas para jogar duzia 3000
Dios poruguezas, duzia 15100
Papal aimaco superior quulidade resma
S OOO,
Lam muito fina para bordar libra 6/5500
Fitas para debrum desapato, pessa 160 rs
Ditas de lam para debrum de vestido peca
400 rs.
Caivetes grandes com molla a 400 rs.
Ditos grandes com 2 folhas por 320 rs.
Rosetas pelas para luto, o par 100.rs.
Trancas de lam de caracol branca o de
c\. de- /O a 100 rs.
Filos para ros, peca 480 rs.
AHkeies de latan, caria 100 rs.
Sapatinbos de lam para crcanca de 400
a 80 rs.
Calcadoras a 40 rs.
GrAvatas-He-sda prala de:400.er80OM-
Ditas de.croxe, brancas e de cores 500 rs.
Dita de goreurao de cores a 800
Wa verdad* r,
Ha*
ue turcf> a o-
00 re... I
Cal nova
de Lisbo&.theg&da iillimiarr* ufanea -JndUk
vende-se n;i ra do AfMHo a. 40.' _____-___
Milho das Ilhas
Feijlo lo ^orto
em ?acL-os granie, ias quaNta* bao raen-
cionaias, e por. iwsob ,re(;o do-qae m outta
' pane. ^*r j. .
MILHO Ta
Feijao mulaiinlia Feijo preto.
Dilo branco Dito rosado.
Dito amarello Dita frade.
VENDEM
Jos do Reg Bortre9 4 G, a roa do Vigurio n. i\.
DE OURO
LOUCA
da
Orande armazem na rna
Imperatrtz n. O
Nestc grande armazem veade-se ton$a ingteza
finas e ordinarias, apparelhos de porcelana para
.tatuar e para cha, jarros para flores os raais boni-
tos e de gestos modernos; assim como grand'
sortimento do vldros finos e ordinarios, grietado
M vender tanto Malln romo por atacado pelo
I mais barato preco qno em ontra nualquer parte :
cliamamos a attenco dos freguer.es, qpe serao
convenientemente servidos tanto nos ecmraodos
preens en^o nn bna mialidade das fazendas.
MACHINAS PARA
COSTURA
Cabriolets.

Vendem-se dou? cabnolets, sendo nm -coberto e
de quatro rodas, e outro Dogcarl, ambos com to-
dos os ai reos e pertences : ni coebeira de Tno-
maz Lins, ra de Santo Amaro._____________'
Cigarros da imperial
fabrica de S. Joo
de NictheToy.
nico deposito em Pernambaco caes da alfan
dega velha n. 2, Io anda.
w n
beleemeiHa de fazendas e roopas feitas e por medida, ra da Im-
paratriz n. 82 junto loja de ourives.
NeatotaatiMasiinento encontrar respeitavel publico um bonito sortimento de
roupas detodas as gaalid.iiles.
Pafttot teAfim preta e de cores-a 35000. 3,55,0 7:5000, ditos mirin preto
#e.7($60 atmBWR ditos de casemira de cores finas e ordinaria?, de 05. i 1650JO,
ditos de pamw 8ims de 65*85 105 e 2 oOOO. sobreeasaco dito de 20 a .ri0<5O0O
dtnn^to soLtimflU de calcas de brim pardo de 15G00 a 65000, ditas brancas
"de.2.. lOiQftO o|iB*nperior, dilas rieia casemira; dius cafemira de. 55, 12*000,
* attst*erai*apreta ae 65. a 1650C0superiar, dita de merwu diversas qnalidartes paral
lulo. Assim como um bonito sorlimento.de codetes de brim de cores, ditos brancos,
ditos de casemira de cores e pretas, ditos de merino para hito aseoda superior. {
Sor tunelo, completo de camisas francezas de algodo, do 15300 35000, e de
linho de 8#DODa'7t>,5000 a duzia. < Acabara de ebegar ao GRANDE BAZAR
Sortirnaatoeacnploto de ceroula? fraacews (lo alodio de 15000 a 25500, UNIVERSAL, ra Nova n. 22carneim
ditasde bramartle a 15800, 25500 e 350OO. ditas de Hamburgo, franelas, fazenda su- *iaiwa--oib completo sortmiMito de ma-
perior de 255000 a 35000 Vduzia. Sortimento de colramos dealgodSo e linho, etc., cn,nas Para costura, dos autores maisco-
assim como meias de algorHo para bomem de 2&, a 105000 a duzia, gravatas de mu- n*c>dos, as quaes est3o em expsito no
tas quadades. Wa roa da'hnperatnz n. 52, loja do mesmo Bazar, garantmdo-se a suaboaqiu-
SortimeDto de chapos de so! de alpaca, e seda, ditos inglezes cabo de marfim. "d,"e' e tambem ensina-se com perfeico
Toalbas para rosto. Sortimento de mallas para viageai. ,a todos os compradores. Estas machinas
AOTEXCAO. s3o iguaes no seu trabalho ao de 30 cestu-
Neste etabelecimento ucarrega'se d mandar fazer qualquer obra por medida reiras diariamente, e a sua perfelcao ta!
e paraesse fim tem Imbllarostre encarregado da offleinar que seencarrega do trabalbo como da rnelhor costureira de Pars. Apre-
com perfeicio e ponlualidade. sentam-se traballios ejecutados pelas mes-
SORTIVIENTO DE FAZENDAS. mas, que muito devem agradar aos preten-
Chitas de 210 rs. o covado oo KW0O0 a pessa coro 1? ovados, ditas miudes dentes.
para camisas e timio de.Bwaino 260, e 280 rs.. e outras muitas quadades de 320, 360
e 400 rs. o covado, neste mesmoestabeteeimento chegaram, urnas bonitas chitas da
victoria com barra, a qnal-para flhos ecompetente enfeite para enrpinto. Cam-
brala lisa de 3)J, 45.85 e 40 G3ULS.
Vende-senm piano de me?a, bom e aunado, por
e(o commodo : na ra ca- Larangeiras n. 10.
Vende se urna carleira do amarello com al-
gum uso, propria para escripta : a ra deS. Fran-
cisco n. 82.
ALGODO E MADAPOLO ^VARIADO.
A 45000 o algodo, e-46500 omadaporo, e tambem chita escora boa 240 o
covado por ter grande porco, na rua'a Imperatriz n. 52, loja com portaos encarnados.
intitulad o
Lefio de Ouro.
m a-more
Caes Vinte e dous do novembro
(ontr'ora armazem allianca)
n. 57,
BRACO BE 0190,
Ra do Imperador n."2SB
O respeitavel publico cfrUrari nest
est'abelfclmento diariameo^ro completo
sortimento de pastelarra, btSfbs ingJezes
podins, p3ds-del, prgsentos dos ulUmos
cliegados ao mercado, salame de lien, bo-
linhos finos de todas as qnalidadea para ct,
amen loas onfeitadas, eonfeitoa, bombes,
pastilhas, chocolate francez em libras, -pas-
tilhas do mesmo .cartoxos e carteiras com
seis charutos de cho:olate cada urna, to
sortimento de chscolate do mais acredita-
do fabricante de Paris e o melhorqmrat
boje tem viudo ao mercado.
Vinhos portuguezes, figueira muitO"9fpe-
rior. Os mais genuino esnperiores vinhos
do Porto, moscatel e Setubl, o iUus,trado
publico encontrar neste estabe'ecimento
por commodos precos, fazendo-se abatian-
to a quem :omprar em porfi.
Licores de todas as quadades, as mais
finas, entre elles o afamado Aiapana, este
lieor o mais saboroso e superior, at
hoje conjiecido. Xaropss de groselbe,osa,
maracuj, caja etc vinhos de Bordeaos.do
todas as marcas, o mais saperior que se
pode encentrar, champagne de Chevernt
muito superior, os mais inos e superiores
cognacs francezes, old-tom, de todas-as-be-
bidas alcuosas, este a mais saloiar para
quem soffre do estomago,
Conservas de legnmes, portuguezas, /pan-
cezas fi inglezas, mlhos mostrada Itc,
fruclas seccas cristasadas e eai rslda, na-
m\
Milho novo e barato.
Mais barato do que em outra parto : para ver|
no ir.pielie do Danta?, e tratar a ra do Apollo,
numero 4.

he

Portuguezes, hespanhes c franceze? : na ra
Primeiro de marco n. 16, ontr'ora do Crespo, ar-
marein de louca de BcrnarJmo Duarte Campos
&C. __________________________
Caf do Goara'
Vende-se ptimo caf da serra d'Araia-
nha. Cear: ra da Cadeia do Recifo
n. 5,__________________________________
Nao mais cabellos brancos.
A tintura japoneza para unga os cabellos
da cabeca e da barba, fot a nica admittida
Exposico Universal, per ter sido reco-
nhecida superior toda? as preparaces at
hoje existentes, sera alterar a sade.
Vende-se a i#000 ada frasco na
Rna da CadSa n. 51.
p
O
O
T
Aos cem mil azulejosi g fl. ^ { R|J\ J$ CiBlfii^ ,1
PortiiBuezes. hesnanhes c francea : na ra Kt ^-^ i V X*-J.1.5JiJl BJ M \JLMmW9J\Mim. 1 f ?J'
C
ft
O
O
1,1
Ha para vender pedras marmores de todos Os!cion3es e estrangeiras de todaa as qualida-
taraanhos _e grs?uras, lijlos de diversos ta-1 des, charutos dos mais acreditados fabri-
manlios, soleiras e saccadas, assim como solei- cantes da Babia e Rio de Janeiro,
ras e saccadas de pedra do Lisboa. Tambem con-
trat:-se e faz-sc qualquer obra, como momnieu-
tos, tmulo?, estatuas, pas, lavatorios, mesas e
tndo o mais tendente mesma arle, por mdicas
pr?cos:____________________________
\ende-se ou troca-se por caas nesta
o sitio denominado dos Hcritiz, antiga casa
vagem de roupa, com grande casa de vivenda,
senzala para preto?, estribara, banheiro de pedra
e cal com agua corrente, baixa para capim e
grande terreno para plantacoes : quem o preten-
der dirija se praca da Independencia n. 33.
gaz m m

1. and
ar.
Com este titulo acha-se aberto e inteiramente transformado este antigo
estabelecimento de joins, onde os freguezes e amigos encontrarlo tndo quanto
a moda e o bom gosto tem inventado na arle de ourivesaria, o Collar de Ouro
observar delicadeza no trato e senciridade e modecidade nos procos.
Espera que o respeitavel publico venba ver o que existe de mellior em
adwecos do brilhantes, esmeraldas, robins e perolas, meios adorecos, puh-
ceiras, brincos, alfinotes e anneis de todas as quadades, prata do Ici faquei-
ros, colhcrcs, paliteiros salvas e oulros mnitos objectos que seria enfadonho
mencionar.
Comn;a-se ouro, prata, brilhantes e ppdras finas, pormaior preco do
que em outra qualquer parte, treca-se e conecra-se todo e qualquer objecto
pertencente a esta arte.
Mf
Cbegou ao antigo deposito de Heary Forster <
C, rna do Imperador, um carregamento de ga;
de primeiraqualida!o;oqual se vende em partida'
e a retalho por menos proijo do que em mitr qua'
quer parto.
cigarros
de S. Paulo e Rio de Janeiro, moitos su-
periores, e finalmente todo qoanto seilese-
jar tendente a este genero de negocio cora-
prometemo-nos a satisfazer toda e 'qpal-
a praca quer cnconimeda com a maior promptdSo
rivomia' e assc' : ('om. seJam Para casameatos,
baptisados Iwiies etc., tambera fe recebem
encimmendas de pes de l ou boHos de
qualquer especie enfeitados e decorados,
.bandeijas de bolinhos com armac.5o de as-
sucar, assim como de papel, pecas monta-
das, geatinas de fructa?, aiendoas, leite
etc..
Os donos deste estabelecmecto nlo se
tem poupado a despezai para melhor me-
-reccrenst a acoadjuvacao do Ilustrado pu-
blico.
m
98
PORTLAND.
Vende-re no armazem amarco e Vicente Fer-
reira da Costa & Filho, defronte do arco da Con-
reicao. ero barricas graades_______
Tasso Irmaos & 0.
Vendom oleados pretos'para forro e gnardischu-
va de carro?.
Ditos de cores.
Portas d^> pinhi aTfroMadas, tamanlns diversos.
Cadeiras americanas de varias qualitlaiks.
Tnico para cabellos.
Agua de- Florida.
Maehadinlias americanas.
Te I has de ferro.
Na ra do Crespo n. 6, lia para vender
por preces muito razoaveia um grande sor-
timento de telhas de ferro glvanisadc, de
diversos lmannos para cobrir casa e te-
lheiros que alm do ser mais barato do
que as telbas de barro e aformosear mais
qualquer obra muito mais limpo.
Cal nova de Lisboa
[ desearrfjran'a hoje do patacho- Maria ; e vend
Joaquim Jo Rasios, na ra da Crnz n. 8, ph-
rriciro andar. .
Vendem-se saceos COM
Vende-so dous pires de ma las, usadas, por
preco commodo : na Iota da verdad n. 15, ra Mai.i & Landelino. ra do Duque
do Do"jue de Caxias, antiga ra do Queimado. vessa do Rosario n 18 B.^^.
l'arinln : na luja de
de Caxias, ira-
60RA DA IMPERATRIZ
________ ^^ DE
3.k......ffXfHE JJEMBEMO
Neste grande, estabelecimeato encontrar o i rir* iw eiTThnc nromlfT.
em outra qnalquer parte, visto que os novos socos desla firma adoptaram o systema de s venuderem OI*HKiaO ; para "poderem vender ^o?to,T. itand hTwm a 'anharem o deion? s P P ^ d -q~
e armazem poderap fazer os seus sortimenlos pelos mesmos precos que compram as casas estrangeiras. Para raaior commodidade das Exmas
derem escolher.
familias, de todas as fazendas se dao
<:om
Cambra! sisJnsa
8 PALMOS DE LARGUU.V A
2:000 e 2:500 RS.
pessoas que negociam em menor escaa, nesta loja
os livros das amostras, ou se mandara levar emboas casas, para melhor po-
de 12:5)00 rs. cada
. um. pechincba.
1:600, CASEMIRAS ESCOSSEZAS.
O Pavao ten boni as casemiras escosse-
Chegaram as finissimas cambraias suissas' zas com quadros grados e midos e outras
tranparentes, sendo o que ha de mais fino lisas com listras ao lado, sendo fazend
para vestidos e vende-se pulo baralo preco muito fina que se vende mais barato, por
de 10600, 2000 e 25300 o metro, tendo ha ver grande porco.
tambem das mesmas, porm inglezas com .CORTES DE CASEVIIRA PRETA A 4:500,
a mesma largara qne se vendem a iflOCO, O Pavo tem os superiores cortes deca-
e l(5280o metro, sendo apenas precisos des-: semiras pretas enfeita las pelo barato preco
ta larga fazenda para s) fazer um vestido j do 45300 rs. o cort,
CASEMIRAS RASPADAS A 800 RS. O CO-
VADO.
O Pav5o 'ende excellente fazenda de pura
la com as cores escuras muito proprias
i ou
4 l metros, pechincba,
SAIAS RORDADAS
Vende-se um bonito sortimento de saias
bordadas com 4 pannos, assim como ditas
promptas, de lSasinha, ene3gadas com
bonitas barras bordadas a 12a por precos
muito em conta.
PANNO PARA SAIAS A 10000, 15280 e
1^600 RS.
Vende-se bonitas fazendas Jproprias para
saias sendo com bordados e pregas a un*
lado, dando a largura da fazenda o corapri
ment da saia e vende-se pelo barato preco
do 15000,15230 e 15600, cada metro sen-
do preciso apenas 3 ou 3 1/2 metros para
cada saia pechincba.
Pannos e casemiras pretas.
O PrvSo vende grande porcao de pannos
pretos do mais baixo at o mais fino, por
preco que admira, assim como um grat.de
sortimento de casemiras pretas para caigas
que so vende por preco mais barato do que
em outra qualquer parte.
Vestidos brancos a 134000 rs.
0 Pavao vende finissimos cortes de ves
tidos de cambraia rauca, ricamente borda-
das e com milita Jfazenda pelo barato preco
PANNO DE LINHO.
Chegou um sortimento de pecas de pan-
no de-linho do Porto, que ae vendem de
700 rs. at 15000 a vara, garantndo-S8
que em fazenda de linho nao ha nada melhor
nem mais proprio para Jences e toalbas.. de 45000 rs.
para calcas, palitots, colletes e roupa para
meninos que frequentam a escolla por ser
urna fazenda leve, escura e de muita dura-
Co, pecliincha a 800 r3. o covado ou a
25800 o corte de calca para bomem.
FINAS BARGES A 640 RS, O LOVADO.
O Pavo lera as mais lindas bareges de
la sendo gulas transparentes, com urna
s cor, tendo : lyrio, azul, rosa Bismarck,
roxo, etc., tendo muito boa largura e liqui-
da-so por 640 rs. o covado, por se ter fei-
to urna grande compra assim como ditas
mais eslreitas de urna s cor com listras
imitacao de seda a 560 rs. o covado, e pe-
chincba.
ALGODOSINHO A 85^00 COM 24 JARDAS
O Pavo veude pecas de superior algo-
dosinho largo proprio para todas as obras
por ser encorpado e fino, pelo barato pre-
co de 85000, pecliincha.
PEQAS DE MADAPOLO A 35500.
O Pavo vende pessas de muito bom
madapolo, tendo 12 jardas cada ama, pelo
barato preco de 35500.
PSCHINCHA EU ALGODO A 4*000 RS.
O Pavao est vendando pecas de algodo
sinho francez, tendo 4 palmos de largura e
com 11 metros cada peca, pelo barato pre-
CROCHE'S PARA CADEIRAS E SOFA'S.
O Pavo tem nm grande sortimento dos
mais bonitos crochs para cadeiras, sofs
mesas, almofadas etc., proprio3 para co-
brir presentes e vende-se mais barato do
que em outra qualquer parte.
Algodo enfestado. j pelo barato"preco de 25000* o metroTsendo
Vende-se urna grande porco de algodo J preciso apenas para um lencol am metro e
sinho americano com 8 palmos de largura, joma quarta ou metro e meio.
proprio para lences e toalhas, tendo liso e !,ni,nPVin,no______
trancado, que se vende por preco muito em GRS?D,^AK.P!}ET0S DE ,*600 ATE J*0
CHAPEOS DE SOL DE SEDA A 105030.
O Pavo fez urna grande compra de cha-
CORTINADOS PARA CAMAS E JANELLAS
de 85, lOM 25 e 465000.
Chegou para a toja do Pajlo nm grande
sortimento dos bonitos e ricos cortinados
bordados, proprios para camas e jaoeltas,
qne se vendem de 85000 o par, at o mais
rico que vem ao mercado, e vende-se mais
barato qne em odtra qaalquer parte.
CERA DE CARNAUBA.
Vende-se s cera de carnauba em
saccat, mais barato do que em outra opal-
quer parte, r>a roa da Inaperatrix n^W,i
loja do PavSo.J
CAMBRAIAS BRANCAS A 4iOOO, A PECA.
S o Pavo vende pecas de cambraia
branca transparente, tendo mais de vara de
largura, com 10 jardas cada peca, fazenda
que sempre se venden a 75 e 85000, qui-
da-se pelo barato preco de 45000.
PARA BAPTISADOS
Na loja do Pavio vende-se bonitos en-
chovaes para baptisados.
Cortas de casemira a 45000, cada um.
Vende-se bonitos cortes de casemiras
claras escuras pele barato preco de k#,
ou a 95400 o covado, tendo unas largara,
conta.
CRETONES MATIZADOS PARA VESTrDOS A 640
E 800 RS,
Para o Pavo chegaram os mais bonitos
cretones escuros matizados, proprios para
vestidos, roupo, chambres etc. que se
vendem 800 rs. o covado. assim como o
mesma fazenda com padroes claros proprios
para vestidos e roupas de meninos a 640
rs. o covado, sendo os padrOes mais mo-
dernos que tem vindo ao mercado.
OS SET1NS DO PAVO
Vende-se es mais bonitos setins de cores
e mais encorpados, proprios para vestidos
tendo de diversas cores.
LAS ESCOSSEZAS
LAS ESCOSSEZAS
LAS ESCOSSEZAS
A 560 rs. o covado.
Chegou para a loja do Pavo, o mais
elegante sortimento" das mais lindas lazi-
nhas escossezas comaos de seda, as quaes
fazem o mais delicado effeito, para vestidos
de duas saias, e vendem-se pelo baraiissi-
mo preco de 560 rs. o covado.
SEDAS DE LISTA
SEDAS DK LISTA '
SEDAS DE LISTA
a 25000 o covai*o.
Chegou para a loja do Pavo nm grande
e bonito sortimento das mais lindas sedas
de listas com as mais delicadas coras, tendo
entre ellas algomas que serven para loto, e
vendem-se pelo barato preco de 25000 o
covado, pechincba.
CRETONES COM 10 PALMOS DE LARGURA A
2000'RS. A. -
O Pavo tem urna nova remessa na mui-
to acreditada cretone, propria para lences' Peos de 8o1 de PDra ^^ ,nS,ezes> as
tendo 10 palmos de largura, dando na lar- ,aspras ParaK3- sendo nesle gener os
gura o comprimento do lencol e vende-se me.ll0res qmdm-ss cada um pelo preco de 105000.
ROUPAS PARA IIOMENS PARA TODOS
OS PREQOS.
N'este grande estabelieimento encontrar
o respeitavel publico um grande sortimento
de roupas, sendo palitos e sobrecasacos de
panne preto e cazemira, calcas e coletes de
brim branco e de cores, qne tudo se vende
mais barato do que em outra qualquer parte ;
assim como "um grande sortimento de ca-
rnizas francezas e inglezas, e ceroulas tanto
de linho como de algodo e aundante sor-
timento de meias cruas.
VESTIDOS INDIANOS COM DUAS SAIAS.
O Pavo vende urna grande porco de
cortes de vestidos indianos, tendo duas
saias e tendo bastante fazenda, com os gos-
tos mais novos que tem vindo, e liquida-se
a 55000, tendo cada um seu competente
figurino.
Na loja do Pavo encontra o respeitave.
publico um grande sortimento de grosdo-
naples pretos de todas as larguras e qua-
dades, tendo de 15^00 o covado at 75000
e 85000, que se vende por preco muito
em conta.
CASSAS FRANCFZAS.
Chegaram para a loja do Pavo as mais
lindas csssas francezas com delicados pa-
droes, tendo para todos os precos e qua-
dades, dando-se todas amostras, assim como
um Bonito sortimento das mais lindas chi-
tas francezas escuras e alegres; que se ven-
dem muito em conta, e tambem se do
amstras.
CHITAS A 240 RS.
Na loja do Pavo vendem-se bonitas chi-
9iSnr"cnCnZaS fi,iras e e8CKrale coresPxas CASEMIRAS MESCLADAS A 35 O COVADO
240 rs. o covado, e pechincba.
LASINHAS A 320.
LAASIXHAS A 320
LASINHAS A 320.
Na loja do Pa*o vendem-se elegante sor-
timento das mais lindas lasinhas lustrosas,
com listriahas a imitacao de poupelinas de
seda e com as c6res mais lindas que tem
vindo ao mercado, sendo fazenda que vale
muito mais dinheiro, e liquidam-se a 320
rs. o covado, pechincba,
IPECIIIftCIIA
FAZENDAS PARA LUTO NA LOJA PAVO
Encontra o respekavel publico neste es-
tabelecimento ora grandf sortimento de fa-
zendas pretas, como sejam cansas france-
0 Pavo tem para vender bonitas case^
miras mescladas e bastante encorpada para
roupa de homens e' meninos pelo barato
preco de 35000 cada covado ou 55000 o
corte de calca para homem.
Roupa por medida.
Na loja do Pavo manda-se fazar qualquer
peca de obra a vontade do fregoez, pare o
que tem um perito alfaiate, responsabebsan-
do-se os donos do estabelieimento por qaal-
quer falta qne poasa baver, quer por de-
mora, quer por qualquer defeito na obra;
e para isto encontra o respeitavel publico
EM CAMISAS DO PAVO A 4^(500 RS.
Vende-ae um bonito sortimento de multo
finas e modernas camisas inglezas com pei-,
to e coliarinhos de linho e pannos, petefam grande sortimento de todas as fazendas;
baratissimo preco de 45500 re. cada enm que desejar.
e aos freguezes que comprarem duzias sai wuwntf a inn
, Ihe fari um ahaisnio. gareotindo-se qu RAMANTE A W00.
SLrV0! "i* J."84 FU?* flM as' a^da que vale mait0 mais iAn' I S"0*-8* '"PWior bramante com 10 pal-!
. j^Wf**, fazendas deWa de toda^qne llqaida-e^por este preeo por se ter ferio oe de largararproprio pare lences, C
lem vrado, proprias parajok)f jeadoimi. ama grente compra: assim como ae venda do a largara d'sati Ma fazenda o compri-
nhas alpacas lavradas Um. oanto, bom- um bonito sortimento de dius tambemooa mmo o lencol, sendo nreciso san cada
w m* ___________
ou a wu o covtao, teoao aaas largaraa, por preco barata. (para todos os precos. tlUMi 1 peco------.......
A loja do Pavao 0A constantemente aborta, das 6 lloras da manMa s 9 da note
ALPACAS LACADAS A 640, 800 B
1,000 RES.
Chegou para este grande estabelieimento
o mais bonito sortimento das mais moder-
nas alpacas lavradas de todas as cores, que
se vendem a 15, 800 e040 reis o covado.
assim como nm grande sortimento de alpa-
cas lizas de todas as cores
Basquinas.
Chegaro as mais modernas basquina
ou jaquetinbas de.seda preta, rieaente
enfeitadas a vidrilho, tranca e setim preto
tendo de todos os modellos, os mais novo
que tem chegado e vendem-se por precos
muito razoaveis.
POUPFLtNAS DE SEDA '
POUPBLFNAS DE SEDA
POUPELLNAS DE PEDA
a 2i$000 o covado.
O Pavo acaba do receber o mais ele-
gante sortimento das mais lindas veidactei-
ras poupelinas de linho e seda com os pa-
droes mais delicados que tem vindo ao mer-
cado, tendo entre ellas corea proprias para
alliviar luto, e vende-se pelo barato preco
de 25000 cada covado, pechincba.
Cambraias brancas
Vende-se um grande sortimento dasme-
Ihores cambraias tanto victorias como'trans-
parentes tendo de 35500 i pecaste a mala
fina que vem ao mercado.
ESPARTIUIOS A 50ffi.
Vende-se um bonito sortimento dos me-
lhores e mais modernos espartilhos tendo
do barato prego de 55000 at 8000.
CHITAS FINAS DE 320 A 50018-
Vende-se o mais elegante softt Hl'ftt
mais modernas e bonitas chitas t o mia-
das como gradas, com cores -clalaa a es-
curas, dando-se de lodas amostras.
PlISTOES BBaNCOS A 640a O E i*HU
Vfende-se maito bantos fustes
muito flexivel proprios para m
sanboras e foapa'tWaaeatBaa j asaafe-aa
a 640, 800 e 151 r
Caaaaw a 4 m
ttC^^^^^^HHbo*
s
i
J



4m.
Diario Ue Pernambuco Sabbado 21 de Maie Je 1870.
tejan*
i r,: ;,
ex
.ArBENT0 MAGUIDO ft G
A ACUIA NEGRA animada com.o bom acoolhimento que tewe em seas anuim-
^^Rowo--participar a seusfregezes que, acaba de.receber um variado sorti-
K)bjacU.s de gosto os qoaes serio vendidos por pre$o muio ratoa>6is, pois
os seas primeiroa anuucios, foi o que asaegurou, e sera mdo de errar,
^qw como ja die osii iQturesses ligada a urna casa importadoradesta praca, e
o pader ter tudo .especial e vender por preces adiairaveis.Chama pois a attea
*o de seus freguezes para os artigo possa doscrwer:
uvroa can o tarapu de marfim, nadre- m priado aortimate d charuteiras e
a, propnoB para missa. ^teiros de porcelana,
Vagnel
Solfas idera il
CfrrS:iig5ede ftw> l.ta a, co*-. lejos.
Lanterna* e veifs pr.r as mcsnras
Elxos patentes para sello.
2Z*! ty*J Mfictfo & C
-&.88W8Wf3KJ

\.
Garafinuas vazias prupriai para presentes
o de gosto.
ladispensavftis ie paiinha c de couro pro-
pise para senhras e aioniaas trasoriios:
*.
Binculos da raadreperola, laarm e tar-
taraba todos esmaltados.
Cintos largos de sslito, coasa mteiramea-
'4 aova.
Teotos para vottarce.
Bungulas coa.marim, cousa especial.
Sabonetas de alcatro.
Cofres de fallas para dinheiro.
Lindas caixas para costura.
Um completo sortimcnto de luvas de pe-
ica,
Talagorce para bordar.
Um completo sorrimento de cneites de:
UMA PRENDA. Lindos objectos domados de delcadis.gastos, nroprios
pin meninos, vende-se no RAZAR DA MODA. m V">vu*
BAPTISADOS. Ricos chaposinho*do setim brancos, lindas toucas de fil
e setim, apatinhos etc.
^ GUIPURE. Ou croch em pe.'sa, branoqe preto, com lindas ranwgens^ e
w qualidade muito superior.
PUNIIOS. Para c imisas de honwns,.fa>enda superior cora cUia*- faces, o
par O40r. (pocbincba!)
PERFUMARAS. Finos extractos para lencos..aguas de diversas qualida-
des, sabonete^. olos, poma.ia, ps< tonteo etc.. etc.
PERFUMES. Lindas caixiobas para luvas-coDtndo urna preparacSo em
g* que ilius da um agradavel aroma, por 1,8500.
v Grvalas, cinto?, llores, plumas, coq&es, trancas, fitas, boloes, t icos e pea-
X tes etc., etc e mudos outros artlgos propnos d eslabelecimenlo' vendendo-se
tudo por comraodos precos, no RAZAR DA MODA, ra Nova n. 30, esquina da
<$ de S. Amaro.
$( Jitst de Souzt Suture* & C.
*
Fitas de sarja de todas as cores e larga-
nte para laces.
Toacas, sapttinhos masas de seda e mais seda para vertido
awtences para bapiisaes. i n0rfm..-, a ". t -i
Fitas com inserp%es proprias par. bou- i,JS S?* ,J^ os "J*! os ifais
fnet de ueiva i acroltalJ<,> ea extractos, pomadas e leos
n.o .-,.,. > e fi,ialente outros muitos obiectos que n3c I
Sil. ** 'J YT0Z- possivei mc-cionar ; mas com a usa se
un vanado sortirawte de jarros, de por- cert&arSo do sortineoto det eslabele-
sa- cimento.
guia Negra,
i
o* 5 p ~- o
ra do Cabug n. S.
T-
o
-1

O- -c
rl2
>
w ^ c ^r ->
O a T

2 2 5'
-
^o
:s i
o
W
'a
si
O.
3 0^
o. a. 0. 2
o -s
' 2.3 3
3S" |
="0 2. =? f 3
Sag 3 a ST
~ 3 v>
OO
a
o
o g ST
o n> 2 .
a ce
'3?
a. _
^ cr
5-3 re
T O j
3 3
03
co
01-
3 3 a 5 "
>H
a o
- 5 "
__M 5
^ ^ S*
w o a .
a a. a "
09 "
a. N ai aa a w
m Joaquim Rodrigues Ta-1
vare* de Mello,
Fraqa do Corpo Sanio
N. 17.
Tem para vender:
I Gal de Lisboa. ~
^.Potassa paRussa.
I Vinho Bordeiux de 1."
J qu ti ida ile.
Fa:ello d Lisboa.
Ljado L ilo de Ouro
Chegaram a esta lem onhecido sstsbeecimer,-
t. ;is imiis magmas Lisiabas com listas e du
miMO bom gnto, fizenda i|iie ostros vcartem pcln
prer. ao SO) n. o cv^d.i, ;iqui so vondem iwlo
i-ralis?imo preco clia, gramla pccliinclia enhores fnguezes, ve-
nham ver a verdado, vendem-se per e preco por ter srando por?3o e m?rfr ?uhar me
ni3 e vender imiito p-.ra acabar depwsa ; a ells
senhore< e setrhoras aoles qu se acabem. S na
loja Lro de Gar, a ra da Imperatriz 11. ."j do
Paredes Porto i que se veoe t.irato e faz?4a
boa. S com a vista 5 que poderaosertifiearem-se.
m loja do Lefio de Ouro
Cliegaram as ma> modernas capas prelas de
fil bordadas de di'erentes gostos, tem .grande
poreSo para os senliorcs e seahoras eseolherem, c
vcndeni-s peto barati.-simo pre^3 de 8, K) e
12 mil retejada urna, por 1er grande pnrco,
quer panhar menos para aenbac dtpressa, nes-
la c bem corteen] loja do Leio de Ouro a ra
da Imperatrfe n. 32 de Paredes Porto: que so
enconlram desas pechin-ias, peder aos senho-
res e senhnras^ que tontiam a wndade d virem
a este estabelecimento para com a vista certiii.w
rem-se da vordade.
Pola pi imcira vez ec expoe i venda nesia pro-
vincia, um magnilico primoroso sortiineulo de
supeiior pipel o niis lindo pngsivel, desde o mais
simples o mode>to al o mais rico possivei e pro-
|imo para torro e guarnir, de sallas, gabinete*
capellas c antaarios. E" preciso ver para admi-
rar-se a hnJcza d a:gumas pejas desse artefacto.
A novidade e esquosiee d.>s arabesco?, o mimo
os aosennos. o o capricho do dounido, encanta os
oros e convda a compra te. 0 mdico preco por
qae.se vende sorprtlicnde ao senhor comprador
que apenas sera obligado a dar urna pequea
commissao alera do primitivo cuito da fabrica td-
dtcionaaocora a Importancia dos direitos etc. Nun-
ca a modicidridc do preoo esteve uro unto da bel-
leza e heu, a respeiuvcl publico e convidad' s cerli!i<\:r-'e de
todu o expendido no esenplurio de Candido Alberto
bodre da Motta & C ra da traiess da Madre
oe Dcus n. 11.
Canlana de Lisboa
Soleira?, kombreirns o cantis para fwntes de
'asas, o que ha de ineiber : venda no arme-
zem da tiaves-a d > Corpo Santo n. 2o, de loaouim
Lopes MaHiado & C.
T~SEfiRA
E-t a venda urna soraphin.i pequea, maneira
e que se vende por preco muito commodo .- queiri
a pretender dirija-se aru. do Imperador n lo
defronte de S. Francisco.
____ .V** Ja travessa ro Corpo Santo n. 25, ha sempre um eomp!eK;
KMBNM de oojectos para carros, e qoe se venrlem por precos muilo neaveis, come
Estantes para typ^graphi
Vendem se qoatro estantes proprias para typo-
graphia-: quemas pretender dirija-se a ruado
Inperadiirn. lo defronte de S, Francisco
Vende-se por :t50 urna exoellente canoa de
ajnarello cora 40 palmos de comprida : a tratar no
ir; piche da companbia no larglo Corpo Satao
A ruado I)uquedeCaxiasn21.
(A5TTGA RA LO QUEIMADe)
Nao foi seto fundamento que a NOVA
ESPIR ANCA tem eisado de fazer os seus
arinuiicios, a raz3o simple?, ella entende
que tudo em demasa aborrece... por isso
:orao j tinha dito e seientifjcado ;i sua bo.
freguezia o que constantemente ia receben-
do, ou livesse feilb muitas vezes, receiou
tornar-se massante, assim pois rtcolbeu-se
"um poico ao silencio, mas nunca deixando
d'ea pregar os venladeiros esforcos, j con-
tratando maior numero de correspondentes
na Europa, j descobrindo i.bjectjs do mais
.florado gosto e finalmente assignando o
Jornal das Familias, o qual vem sempre
ornado com figurinos, modernos moldes para
vestidos etc,. etc. paa desta forma melhor
, servir a sua constante freguezia ; e com es-
; pecialidade ao bello sexo, quem a NOVA
lESPERANCV ufana-se em offerecer-lbe
j.Wj servidos, aprcssatdo-;e desde j em
I declarar <;uc tem .rejebiJo ltimamente
'enlremeios o babados bordados transparen-
tes e tapados, cbaposinhos de sctt'm para
j baptisados.
Finas toacas de cabraia bordada para
o mesmo fim.
Meiasde seda e fio de escocia para enan-
cas.
Uedaes -d'osso, marfim, ac e raadrepe-
rola. -
ptimas navalhaf, afiadores e massa para
as mesmas.
Finas esponjas para o rosto e para ba-
nkos.
Bonitos iapatiiibos com biqueira, sendo
1 cota salto, para meninos o meninas de dois
a d'ozn anbo.
Bftas-lentes mcHmetros, para
ctmia fazemi.
T>srttira>:' pnr; rlns. ^'
Carretas para tira!' nuldes de veitfdos.
Mlhs para segurar C'jSttrras.
lion s i' j de nrivos incide?,
KIfti s de la.i para homens e senhh*as.
Finas o bonitas ligas para itif'm.
Fil (le.lrrrbo e ds soda, sendo pnto ej
branco, nVe-tle salpicos, e outros muitos
'thjocios expostos a venila rua Duque
de Casias n.2t; na NOVA ESPERANQA.
.**afeii> d'alcalio.
V nde-se na rua Duque de Caxiasn. 2!.
paua libro.
.Brincos. brocHes, rottari, pul eiras, fivel-
las, entes,- boloes para puubos e cadeias
para relogi.
A NOVA ESPERANCA, quenndo sasf-
zer sira fregnezia, nSosmente em objec o.-
d al. gria ou de luxo, traer lambem acom
panbar rqnellfs. qoe infelizmente perdtnd-i
algiiem de sua familia, ou a gu ni de su
amizade, precissm de taes otijc-ctus, asfim
pots a NOVA ESPEBANCA, tnanjou \ir o
que ha de mclhor neste genero, porque
sendo taes objectos de cor negra, sendo
de m qualidade. nSo somenfe tornam-se
tristes como at repugnantes, o que no
acontesce arrs da NOVA ESPERANCA. p,,r
que apenas exprime o sentimen'.o pela cfti
porem romo que traz um lenitivo pelo gostn
perfeico com que taes objectos s8o tra-
balliados.
Collar s anodin s.
CONTRA \S CONVLCES DAS CRIANQAS
Nao esta, a primeira vez que a NOVA
ESPERANC V s ientilica aossenhores pais de
familias, qne.os mus collares sao os verda-
deros de.V^jer...recebidi-)s directamente,
e por 1 onsequencia de um effeito eflieaz quy
desnecess.11 io mai apregoar, assim pois
aquelles qm r.5o quizerem passar pelo dis-
sabor (te verom seus filbinlios extrocerem-se
nas teirivei c.inulcoes, logo que a este
coraeiscm nassir-llics os denles apn sse.m-se
em comprar os ditos collares, na rua do
Daque de Casis n. 2i
CABELLOS BRAN OS SO TEM QUEM QUER
A NOVA ESPERANgA recebeu o veda
Jeiro chrom come de WiUiam para tingir
cabillos, patapretosoucastatilios, assim pois
cabjllus brancos s tem quem quer III
Flauta.
A NOVA ESPERANCA tem para vender
urna flauta d'ebano do afamado fabricante
Boum.
m
100^)00
Qjnhota tar fgida dwdt o dia 18 te'^ne-
ro do coan-nle ai^o a crava Swih, crmil^M
idailo de 25 a 30 a unos, com os sipae> segnima-
al'-ira regohr, Leicos rosjos n-l Kisto
salienl*', orelhas plumas, falla mansa, cuiji., det-
aado, (ptaiido an^ia t-orhem, foi wcravon* villa do
(.abo do Sr. Jai d>. llego arrajt, f,n vendida nas-
1* firfade pelo, Sr. Pese, coinp proci-radr do dilu
Han..?, ja fo vista r?ra banda d enfi-nho Hoie-
nw em cmipastiia d nm rahra otprca #ca-
\allana, jolga-fo i|ce o seductor e-ueeMe diz
piea d.ia .serava ge linlt.i forado : rrtca-rt an-
t iiidudc po.icial o c^imaes de r^n.1.0 a capinra da
me-nia, c leva la rua da Soledad* n. 8P, m rua
lo Arimhin n. 6't
Euto dota capiial im ,i,a 29 ^ Hbrir"prn^-
nrro pa>do imi ir.ul*i.i.l.o ifciavo de lfiinni*
d.ida.lc, Ionio (He cagado do Cear no- v^por
Ciuzeirado Sul duusds antes do h (u^a da-
'lili, ln'ou elle canda branca ^ue e.-tava piuit
sojii, leudo no cntarlnho em vez de briao eHche-
le, e ana ealea de alji< dJozinlro liscado, ine tam-
bem e>iava nao tuja, o (tu um ro^fw na
peseojo, ecsle cuito, tem es cabellos mu p^uco
afoguiados e ere pos, chama-se tl!e Thomi, ma>
dir. cliLmar--e Antonio Th'tnaz : quem o appre-
hendtr teAc-o rua do Impera.-or, nerta nmUt,
n. 3, e ab s.i reronulenafto.
Fugio n da 4 do cnenlo o inulal~SatQr~
orno, cilicio de carreiro, cr avennellia la a m
ce do afa por er os cabellos vermeiho, eslMora
u.cdia e forte do corpo, cara ou te.-ia rnusa
talla apertandi. os canto da bocea-, idade 2:>'a .0
annos, ps chalo, v.sdo tata cerola e c:oiia.de
panno de al, dio eniraiijado de cores, u na-
tural do feria". O anuo pastado este inuiato ia
esleve fgido 2 mizes e b.i pppaju no engenho de
S. J.So de Po-d'Ailio' depois d.-. ter v..gr>do na>
mas desta cidade por Laxante lempo, tem eonhe-
ciioeuto na rps da Senzalla etc. Pede-se aos ca-
pitaes de campo e as auturidsdes pofi(ia a cap-
tura do mesmo para ser entregue a son stchu-
no sirio da Sj.ucaia em Beberibe.
ATTENCAO
VivHO VKRUE
de superio.* qualihdo ebepado ltimamente, ven
de se u.-i rua da Madre de Dos n. 30, armazem de
tuntia Irinos & C.
Acha-se fogida defde o dia 2 do eorrente a es-
erara Barbara, .-rioula, de 'r; annos de idade, sem
denles no ipieixo superior, com muitos cabellos
braneo nacabeca c na cara, parecendo que faz u
barba, cstaura alta, eoipo r^ular, cosrumndo
trazer pana na cabeca como nsam as Lahanas, a
i|nal indoao Pr-ixinho ver roupa lavada alli a en-
tregoua um canoeiro, e fui encontrada no Itidfo
no b.cco largo, casa da preta Rusa que boje
forra, e que diz nao saber da dita negra, a qual
inuitu enlucida em Beberihe, lo Fundi, no Pe-
xinho, em O inda, e n< ltio D.*e, do onde ton h-'.-
vido mais ou nanos noticias de ter sido visia :
roga-se por isoas aut ridades e capPes de CB-
po a captura da mesma c.-c'rava. que fd '
estar acoutada em algum mucair.bo fra da cida-
de, ou cali.pi dentro da mesma, e lvala a rua do
Brum n. ItiO, quo ser grik rosa mente reeomeca
srdo.
ESCBAVOS. FGIDOS.
p L1SL4
Em fuga para o Ico, donde
natura!.
Auzen'.ju-fr- desde o da 9 de abril do eorrente
anno, a mulata acaboeulada rsula, de idade pun-
co mais ou nims 30 anuos, (Via do corpo, ca-
bellos corridus, tem os dpnles da frente p. rfeilos.
alia descamada e o mai.-r signal 6 urna impigem
em um dos bracos desde o coiovello at a inn-
Dhca da mao, suppoe-se ter seguido para o Ico
donde natural, levi-u vestido de cliita escuro
com listas encarnadas, acostumada a dar-lhe a
gona, : qiu-m a pegar l^vo rua da Matriz da
los- vista n. 46, ou rua da Crui n. 20, que ser
gratificado.
Continua a estar fgido o mol.que Gregorio,
oe 1/ annos de idade, crioulo, com falta de den-
tes na frente, testa redonda, nios vivos, enm urna
marca de qnerniedura rm barriga, e ontpa na rxa
ce urna estrena j autiga ; posta de andar com
caximbo ; quem o pegar pone levar ao engenho
California em Scrinhaem, a seu senhor Jbiu Flo-
rentino O. de Albuquerque, ou a rua da Praia n
31, que ser bem recompensado.
- Fuglo na terca para quarta feira do engenho
OH10 d Agua, villa de Pedras do Fogo, nm e vo de nome Lmz, com os sigues s. pumtes : ca
-ora, bata cheio lo corpo, pode ter 20 a 27 an
nos usa i-era, a roupa que elle sabio d'aqui Ih de
algrtao branco, levou urna tronxa com 2 lencoes
dealgaodismiio, um chale de merino azni eum
vestido de laa, consta me que este tem dito aqu
que havia de fugir para o Recifo e que embarca-
vapara.outras trras, assim pede-so a qualquerca-
pitoo de campo e autoridade policial de o appre-
pender levando ao dito engenho, que ser peero-
smente recompensado,
lecife li de maio de 1970.
Fupiu no da 5 do eorrente da rasa do aba
xo asignad a esrrr.va Lnia que representa t-
20 a 22 anuos de idade, cor l'nla, c. rpn regular
cabellos earaplnoo, rostan trfalos adame
abri-los no meio, tem no pescco junto da gn
um signal visivel que diz ter de queimadnra de
foio em pequea, levou Chain de casen-ira cf
de r..sa c saia o cwBTeque de chita dura, a qu.-.l
r.. escrava do Sr. Lydio Arislides Alvos Sanmai ,
e qi'o venden ao ?r. Sebasao Mnrq-.ies d-. N
n 1 uto, morad. 1 nesta cidado e e-te vendes -. 81.
Man el Jos de Culo, morador no engenta toa-
macaba, comal ca do liio F.rmoso, e eJe > nd.'u
ou permut-n c.m^i Sr. Franc-sro de Paula &n-
I08, tan bem "morador neta cidade quem c .
pici otna de um mrt; ropo porianto a todos < s
capilVs de can.po, as antli .ridados e a qualouc
pessoa quo della lenba noticia, que a b?am apre-
hender e conduiir ao seu senhor Luiz Sulai
Moli, moradr atiaz da matriz da Boa vista ti -
jiruneiro audarKque ahi =m recompensar in ge-
norosidade.
Gratificacio de 300^
res.
Fugiram no dia i8 de maio do eorrente d
engenho Massuasii, termo da Escada, os wei
do abaixo assignado, por nome procopio e Lucia-
no ; sendo o primeiro, in.dato, de e.-tatnra ba-
xa. gordo, barbado, com as maraes do rusto s.i
lientos, pescoco muito curio, hombros levahfn
ps pequeo?, bastante ladino e representa ler -
anuos de idade.
segundo, preto fulo, .staurra regular, se-
co do corpo, penca baiba na punta do qu \\, -
menle, ps pequeos, pernas muito linas, e t
:o snnos de niade. Fui oscravo do Sr. Tal.
morador no Recife. Roga-se, portanto, a* rui-
ndades policiaes e a qualquer pessoa, de appn -
henderein os ditos eseravos, e de os levasen .
enpenho cima mencionado, ou em ca*a do Sr
Beroardino de Sena Puntual, na rua da Sen
rSova n. 38, que se dar a gratifleacao pn
Mar. ionilto da Silveira Lins.
DOS PREMIOS DA
3.
147.
a
PARTE DAS LOTERAS OONCBDIDA POR LE PROVINCIAL N. 402, A BENEFICIO DA IRMANDADE DE NOSSA SENHORA DO BOM PARTO
DA CIDADE DE OLINDA, EXTRADA EM 20 DE MAIO DE 1870.
iS. PREMS. 0. PREMS. PHEMS. XS. PP.EMS. NS. ** NS. PREMS. p, PREMS. m ^ p&E]S. *, PREMS..NS. PREMS M
m G.G82 m en /12 6iim 6fim 62io3 ^

_ I
1054
37
58
02
01
73
73
77
86
90
91
1107
15
10
M
23
26
28
31
33
34
44
47
il
51
66
67
69
71
W
4
86
90
96
1207
9
10
II
a
- 46
rk ?
1232
33
39
40
M
43
52
55
60
66
76
80
81
86
88
(130J
6
7
1
11
13
m
22
24
31
34
3X
39
37
41
45
S
53
>
65
- m
-t 7
87
89
10*
6*
Cj 1390
91
96
n ni
8
li
16
18
23
24
25
48
53
55
57
68
73
74
80
84
lo
98
-IftOft
11
12
23
33
38
40
58
o* 7
o
14
17
il
25
30
32
35
36
38
41
43
46
58
fO 1
20j
20*
6*
i
ioa

io#
6*
10*
6*
-
6*
10*
73
75
78
81
81
86
0* 8
97
1601
63
67
71
74.
79
80
90
- 1703
8
14
i-;;
18
26
28
6#f 30
31
48
42
44
M
54
?87
60

I 81
1782
84
85
86
87
89
i 90
91
97
90
1800
5
M
M
28
20
31
33
36
37
51
56
61
68
72
75
78
84
81
86
96
20<
.1931
H
56
59
63
71
73
77
78
82
85
92
-98
2062
4
6
10*
6*
O 13
- o
- 21
_l 22
- 27
- 26
29
31
20*
37
41
8#! 45
46
47
10* 51
6| 83
58

n
#9
73
G* 2103
4
10
13
15
23
35
37
47
49
52
H
56
58
65
68
76
-I .79
84
87
90
94
98-
97
99
2201
10* 19
40*
*
18*
6*
6* 2330
38
38
39
50
53
58
59
83
64
65
77
81
82
A
I 85
N
81
2402
ioo*. as
10* n
PREMS. NS. PREMS. .\S. PREMS. NS. PREMS. NS. PREMS^NS. PREMS.
6* 2501
i
7
23
24
27
40
42
58
60
67
78
79
88
87
S* 9t
93
2802
10*
6*
6*
20*
6*
= '
74
75
1 88
L,
94
98
28
37
44
88
56
69
78-
7*
94
' 98
I98C
3
8
23
27
28*
6*
25
26
30
37
il
4
88
56
57
m
-I 64
-
*0i
04

7
78
78
77-
W
m
m
n
96
20*
6*
14
15
23
24
25
37
47
49
50
56
84
66
75
76
77
79
8:
81
83
88
90
97
98
270
IZ9B
6* 2703
8
12
20
21
23
25
26
37
40
44
a
48
m
m
89
79
87
98
2801
3
7
13
19
26
28
31
40
49
57
89
68
70
72
73
-f 83
88
97
2902
3
Ht
r
6*
10*
8*3004
5
8
14
1
22
28
27
31
43
48
5*
18
58
58
m
83'
77
79
2916 6j 1 3082
19 83
20 85
25 91
27 92
30 95
33 3102
35 4
39
40 fi
43 9
49 11
57 12
5 16
62 17
72 . 18
73 19
77 23
78 32
86 *m 40
88 60
93 62
97 63
o*
6*
10*
6*
3254
56
57
62
64
69
70
73
74
75
77
78
79
81
90
10*3308
6*
2001
61
70
72
78
79
84
93
1
4
fr
7
8
44
47
52
3
8
13
15
17
26
28
32
58
56
57
GO
8
77
L 81
87
9f
93
98
HF
3412
m
m
33
38
3439
40
47
49
56
63
68
70
72
76
79
80
85
89
93
96
3300
-. 3
9
13
14
16
18
20
27
28 -
29
38
37
39
43
50
84
66
88
78*
77
79
81
83
891
98
97
6*

20*
6*
V
V

I


H
R. -; v, '"''
8
Piano de Pernambuco Sabbado 21 de Maio de 1870

IJTTERATRA,
\ m poema e '
(Concluso)
Era um anjo qoe talvez boscasse na tr-
ra urna estrada matysada de flores tim de
fazer um leilo perfuraoso para dormir e so-
nhar, de roupngem fnlgurea e azas diaman-
tinas, embalado pelas suaves candes das
auras celestes, entre risos de luz e nHodiasJsilencio.
' ethereas Sonlios. illnses, paraizos e cos
s3o a vida dos anjo I Sira, scismaveis. E
vossos o^ios lnguidos e doces tinham
aquelle lan#or paludo da la prateando os
lmpidos Crstaes da fonte serpeante que
se desusa mollemente por entre pedras e
seixinhos ; tinbam aquella languidez do
murmurar das vagas quando solucam endei-
zas soidao, e indolentes se espreguicara
nos alvos e nitentes lences de espuma ;
tinbam aquelle brilho tremolo e meigo que
a Venas radiante esparge, qoando pela face
lhe passam velozmente as nuvens e depois
a descortinam pressu-osas; tinham aquelle
desfallecimento dos raios de urna lampada
sozinha no seio da escuridJo, e de quando
em vez batida pelo tenue sopro da arag^m ;
tinham a tristeza e a magia da virgem im-
maculada orando aos ps do Redemptor;
da mariyr christSa envolta etn nuvens de
incens se offerecendo ao duro sacrili.io ;
tinham aque la languidez da luz que bi uxo-
leia, da vida que se esvae no ultimo suspiro
do peito. no derradeiro e final arranco do
moribundo I
A la no azul dos cos vagava harmo-
niosa e errastava em seu cortejo luminoso
as vividas estrellas. Seus paludos langues
raios vinham medo bater e reflectir se
em vosso rosto angelical. Ora as midei-
xas solas ao ussurro do vento onde se
enroscavam e soltavam sentidas endeixas
travesso&seocenltavam, sorvendo o perfu
me embriagante que ellas derramavam i
prescrutando os doces arcanos de ternura.
Tive zatos, ali! tive muitos zelos Nao
ser eu a la, a brisa, a viracho, e o ven-
to !... NSo ser eu em forma invisivel para
chegar at \ia n'ui xtasis sublime Qui-
zara arrojar-me aos vossos ps lacrimoso e
triste e pedir o perdao de amar-vos tanto,
ousando levantar os meus olhos sob e o
vosso seio ondulante e perfumoso.
Scismaveis. Quem vos poderia disper
tar de taes scismas ?
Em mim travava-se ucna lula reunida e
abatarada. Um pesadello borrivel me aca-
brunhava a mente.. Um desassocego, urna
inquietado, un solufos e suspiros me lan-
caram nos abysmos dos tormentos. E de-
pois eu vos coutaroplava e ros adurava.
uljoelhei-me diaote o vos, creio queme
nao vistes, viviois n'uma esphera etberea e
sublime." Vosso pensar, como o de todos
os anjos, era concentrado no co e procu-
rara as franjas dos horisonles descortinar
a luz balsmica de Deus. N5o sei... um
mystsrio, um segredo talvez que encerrava
urna vida f... Vossos olhos cravados no
lmpido esparo azul anciavam o momento,
em que as novens, eiernas irmas, se se-
gregassem um mstanle para ver fulgir res-
plandecente a estrella da esperanca.
Respirareis pois- n'uma athmosphera es-
tranha ao ser humano, assim nao podieis
ver-me, compadecerlos de mim, e corar
ao primeiro volver de um olhar ardenle de
paixlo Sim. ajielhei-me diante de vos
jeverenle e humde como se estivesse dian-
te de um altar, cuja imagen* fosse o aojo
de minha guarda, o dolo do raeu amor.
Eris a minha virgem santa que me appa-
recies as noutes delirosas com urna mi
me seccudindo fl tres, com a outra benefi-
cios o consolaces.
Era forc. >so pois vos adorar e consagrar
minhas preces fervorosas e meus hymoos
de agona. *De repente ros levantastes.
Crusastes os bracos em sigoal de respeito.
Vossos labios tremeram. Ouvi um leve
sussurro como o zumbido das abelas. Fal-
laveis. Tinhcis a voz doce e meloda
como as harpas de -Siao. Urna oragV) un-
gida com os enea tos da virtude. cheia de
uai fervor divino, urna prece banhada dos
raios lmpidos e dos brunos da pureza ex-
halou-se devossa alma e elevou-se ao ser
supremo. Alguem que vos ouvia, chorou
de felicidade p isnio de tanta candura e cas-
tidade. Vossos olhos brilharam de maoei-
ra offuscar o fulgor da la. Os effluvios
santos e religiosos derramavam n'esse mo-
mento de inexprimivel virgindade. T5o
candida e tao pura s respiraveis perfumes
celestes.
Scismas e crticas, idees e sonhos a men-
te me pejavam. Se um riso de ventura as-
somava flor dos labios, bem depressa a
desdila os vinha arder confundindo o gozo
do amor ao veneno da descrenca.
Pensamtntos me tumultuavam na fronte
como as vagas no ocuano. Tive mdo de
eulouquecer. Meu cjraeo era um theatro
de lutas desesperado as. Scenas sublimes
de sentimento e negras de scepticismo e
loucura neile sa passaram, ora mais rivas,
ora mais paludas e tristes. Por um mo-
mento que o delirio nSo cogoa-me i ponto
de praticar um crime. A idea do suicidio
transluzio, roa*, f< breva o relmpago.
Passou-se a tempestado d'alma. Serenoo o
vento- procelloso. Levantei-me e le novo-
ajoelhei-ma orando por largo tempo com
fervor. As paixes tinham-se abrandado.
Urna oa outra vez os raios fuzilavam. A
procella se apagou. Apenas urna luz suave
e doce me illumnava de momento mo-
mento. Era de vos que parta. Tudo era
Eu e vos!... meu Deus que
ventura 1
Seria fac) ou fatalidade I... A noite
a vanea va, mas claro era o espato. A la
se banhava na luz das paludas estrellas,
3njos da guarda que velavam vos cobrindo
com seu manto de esplenda*. E sem me
verdes...
Oh meu Deus, eu daria lodo o meu
ser por um s dos seus sorrisos E como
eris be la assim 1 Candura, ingenuidade,
innocencia e pureza, ludo em vos se re-
tratava! Depois fugistes... Mais veloz que
a rola que se abriga das iras do tufao;
mais lgeira e apressada que a gazella do
monte qoe foge ao calador; como o silpho
errante que anda em busca de una flor
para della sugar o dulcificante aroma; como
a fada se occullar na fonte, quando no
banho avista um r humano que a admira;
como a brisa porfiar com as mariposas do
val; como o passaro dos trpicos voando
para o cimo das montanhas I E como a
corsa que foge do pastor que a flecha apon-
a descarregar sobre ella ; fugistes luz dn
meus olhos! E como a estrella despedir
mil raios no gyro sobre o espaco deixa-les
um circulo luminoso que aclarou a noite E
como a fada embalsamastes o ar 1 E hgis-
tes, pomba de amor, linda garca do co...
E eu pobre mendigo do deserto* da vida
em busca d'um consol, um unitivo, longas
horas permanec defrente da vossa janella
com xtasis contemplativo e sem poder re
tirir-me... E eu triste vagabundo das tro-
vas de novo exilei na gruta escura do in-
fortunio. .. E eu nauta sem rumo, perdido
e looco, sossobrei nos mares procellosos da
incerteza, despenhei-me nos abysmos dos
tormentos lancinantes... E comoassanhu-
das vagas do ocjano trovando lutas com os
rochedos, urna hita renhida e forte travou-
se no imo do meu peito entre a descrema
e a fas magoas e as torturas, e os pra-
zeres e gozosluses, sonhos e chimras,
a realidade do p e o conhecimento do
nadaa luz da esperanza e a noite do
scepticismo I... E fugistes... Os astros se
occultaram.
A la deixou de derramar seus raios pal-
udos e lnguidos. O co nublou-se. A
escuridio comegou. A abobada cobrio-se
de chumbo. E eu com grande esforco pude
chegar ao ponto almejado, asylo de dr,
onde ma esperavam o leito dos tormentos,
e a mesa das meditaedes. Aqui o silencio
que me cercava era igual ao desespero de
minha alma. Silonek que infunde terrores,
silencio que encerra mysterios, como o si-
lencio das e-ipas.
Eu era um espectro solitario que me la-
mcnlava da sorte, minha morada um tmu-
lo, onde arremessava as flores de om por-
vr que poderia ser ditoso se vos o quizes-
seis faz-lo!
Ah! louca mariposa de azas lindas que
divagaes cantando, encuendo a trra de
ambrosia e de myrra, ouvi-me e veris que
de notos tenho passado- de agona e longo
padecer.
Oh! se me amasseis... sim, se me
amasseis... Como seriamos felizesP...
Supponde acaso que ambiciono as gallas,
o; esplendores dos safes ? O fausto, as
grandezas, os ouropeis, a purpura brillan-
te ? O ruido, as failas, o farfalhar das se-
das, o brilho dos crystaes, os loaros, os
triumphos e a gloria, oh! at a gloriay o
porto que desejo abordar no fim da vida,
as aspirages o sonhos de mancebo deli-
rante, tudo por ros sacrificara para river-
mos confundidos n'uma alma s, n'um lu-
gar deserto, n'um rroo ao longe segregado
do mundo, ouvindo o ciciar da brisa*, a
queda ao regato, a voz do vento, o canto
dos passarinhos e o dylio das aves; miran-
do-nos no espelho das fontes, sorvendo o
perfume embriagante das magnolias, be-
bendo os raios das estrellas e contemplando
o azul do firmamento.
Oh mas quo fraco o poder humauo !
Oh quo fraco! Nao posso exigir que me
amis, porque o amor um sentimento na-
tural e espontaneo, independente de aossa
vontade. Notaieu TOi amo Como f Nao
sei diz-lo No entanto vos amo, mais do
que pode dzer a voz sent la e meiga de
urna lyra naviosa ; mais do que a harpa
que tange o trovador nasnoites de delirio;
mais do que a lympha para deslisar-se
doce nos salgoeiros que choram e que des-
canta m ; mais do que o passarinho cantando
em pleno gozo das auras matutinas; Maja
do que Romeo Julieta, banhado em pron-
tos na hora da despedida !
Ah minha Julieta, amai ao vosso Ro-
meo! Amai com o corado, com a voz,
com o gesto, com o sorriso e os olhos.
FOLHETIM
OS DRAMAS DA ALDEIA
POR
Ponsou du Trraii
(Continuacao do n. 102)
XXXIV
SSo decorridos quinze das depois que se
concluio o pacto mysterioso entre Juval e o
Slulot, e, todava, nenhum facto extraor-
dinario veo sorprender ainda os actores do
qosso drama.
No mundo moral, porm, como no mun-
do physico, o socego precursor da tem-
pestado, a hora da felicidade precede sem-
pre a dos tormentos do corceo, e aquelle
que adormecer tranquillo e confiado no
futuro, desperta apoderado das mais pun-
gentes decepcoea. -
O invern abrandra; o sol adquirir a
intensidade do de abril.
Os trabamos agrcolas iam absorvendo a
altencSo ainda dos maiores ociosos de S.
Florentino, donde resultava a ausencia dos
mais assidoos frequentadores do botequim
Universal.
O tanoeiro Ulysses andava pela floresta
comprando verga para os arcos, o to Bou-
tevile eslava n'uma herdade, Juval fra
para Orlens e Mulot nlo apparecia.
0 velhaco cacara de maohaa al nonte
com os bel'os ces comprados a Jaubert.
Anato'.e e sua velha tia tinham o prazer
de receber tres vezes por semana a visita
Amai do imo d'alma ao vosso Romeo qoe
humilde, crenie t tubmisso se prostra aos
vossos ps, tocando a fronte no p para
beber os effluvios santos e puros, os ardo-
res divinos e tbereos da vossos labios mi-
mosos, ondr as rosas cravaram beijos ao
despontar da aurora!
Amai jo pobre navegante que n'um mar
de dores sdssobra, para que um dia fite o
co, e pr entre as novens descortinando
urna estrella brlnndo entre veos de negror,
possa dizer n'um sublime e magestoso ar-
rouboson feliz.
Amai ao viajor do deserto que nlo encen-
tra urna pedra para repousar a fronte, e
um abrigo para soccorrer-se das iras da
sorte.
Amai-me que serei vosso. Como Romeo
pertenceu Julieta, Petrarcha Laura,
Tasso Leonor, Eurico Hemengarda,
Paulo Virginia, Dante Beatriz, Abelardo
Heloisa! Este amor nlo posso mais ar-
rancado do peito. Foi como urna pedra
atrada na profundeza do abysmo, que la
fica e por ninguem pode ser subtrabida ;
como a perola lancada na immensidade do
vacuo do ocano ; ou como o segredo do
tmulo que nao dado ao ser humano des-
cobrir.
E assim sinto diz-lo, mas forcoso di-
z-lo, se bem que tenha envidado todos os
esforcos para arranca-lo do seio, mas sinlo
que vos amo, que vos idolatro, e que n3o
posso river sem um olhar deslumbrante de
vossos olhos, sem um doce sorriso de vos-
sos labios, inda quando por descuido o des-
abrochaos, pois 15o suave que semelha a
queda d'um regato tombando do monte le-
vemente sobre urna fonte serpeante.
Oh que feliz me considero quando pas-
so por vos! Um dedo parece-me de:er,
condo mysterioso, mgico, sublime, que
se concentro em brumas tenebrosas; e eu
fico, e eu vos contemplo extactco e mudo,
como estatua, como se ros fosseis urna rma-
gem no templo. E no momento em que
por acaso me volvis um olhar, que feliz me
sinto Como tmido e semelhante om
cordeiro tenlo de vos fugir!... Mas ab l
um labyrintho intrincado e indissoluvel me
enleia, um que enygmalco que se n3o pode
exprim r, barreira ingente e invencivel, mu-
ralha de pedra que impede a passagera,
quebra-me as torcas, rmpede-me o andar, e
en fico... e sobre vos derramo
notas de ternura f Como o rubor ma vem
brincar face, borbuleta travessa, quando
deixaes dtter por um segundo vossos olhos
scntillantes sobre o meu rosto paludo pelas
vigilias e hmido de prantos f De que coro
quando vos vejo ? Por ventura o pjo me
sobe ao rosto quando estou perante jovens
como vos, e que r>rum mar de gozos arre-
batara e prendem ? Pbr venturo desejo ex-
primir alguma cousa e apenas sons inarti-
culados e sem nexo balbuciam veas labios
treraulos lnguidamente e fr-co f
Por ventura perante as outraa um suor
fro e gelado percoFre-me o corpo todo,
prostrando-me abatido ? Sinto tu desaso-
cegor urna inquietacot om suspiro, um ai,
urna afllicc.i, um choque ?'.....
Ma< orvalho do co, mimosa perola de
orphir; encamado da luz, divina essencia
tombada do infinito, anjo d Deus, per-
di f..-... Perdao fr quem: dorido-e presa
de infof tunios tristemente trova da penna
para revelar um segredo que so devra ser
dito aos genios da noite; s sombras que
esvoacam, ao silencio- dos tmulos- em mel
dos son- plangentes das viraces errantes,
aos lamentos e gemidos do vento do sepul-
chro as flores dos cjprestes !
Perdao aquelle que tem soffrido os mais
crois martyrios, os- transes mais-duros e
acerbos, por urna joven donzell, encanto
de primores* que talvez tenha risos de es-
carneo e maldico para o desventurado fi-
lhe do amor! Perdao quem vagando des-
cuidoso pelo mundo- sem pensar as vascas
do sarcasmo, nem siquer as delicias, flores
e meiguices do amor, como no seus espi-
nhos e abysmos, por urna dessas noites
aziagas ousou deaiisar sublime imagem de
castidade e virtude, e sainndo com a mente
abrasada pelos fogos da imaginacab, depa-
rou com urna virgem igual aos anjos do
paraizo,. semelhante ao sonho encantado de
sua pbantasia, que para log* o quemou
com essa scentelha divina que chamam
amor t.....
Perdao mim,. s mim que loucamente
vos amo e vos vejo sempre em todos os
meus sonhos, todos os momentos, em to-
das as noites de desesperacSo eloucura...
A' mim que vos chamo sempre para conso-
lado de minha alma atribulada.. A' mim
que meus labios t3o someote vosso nome
sabe cem ternura proferir como se fosse
um hymno de esperanca ou de gloria...
A' mim que meu peito soffre, meu coraclo
palpita, e as iras da paixabfervemcomran-
cor horripilante, querendo mergulhar-me no
pego espumante do infortunio Foi loucura
vos amar, sim, e talvez ousadia. Mas
perdi I n5o tive forcas oppr barreira
alguma para servir-me de muralha i cahi...
a queda era inevitarel, se nSo me levantei
na luz I
Ao principio suppuz ser apenas simples
affeicao, mas depois ingente brado soou as
Srofundezas da caverna* do meu peito ; e
a repente' arde-tne o crneo, foge-me a
idea o amor, amor supponho ouvir do
Oar, das ondas, das campias, e do vento
que toda hora me sibtava aos ouvidos
urna canelo repasada de tristeza.
Entlo conheci que vos araava. Vi que
de vos, de urna simples palavra vossa de-
penda todo o meu futuro. Teutei sacudir
o jugo oppressor, mas foi debalde Conti-
nu! vr-vos e contetaplar-vos com ter-
nura.
Um dia me exlasiei tanto que sub ao
co! E fui, efui... arroubado s azas de
um anjo... o anjo eris vos I
Parecia-me que tudo me encanta va, me
entoando bymnos de prazer e venturas.
Mas oh I engao foi apenas illuso de urna
mente dolorida e pejada de phantasias. NSo
importa, fui feliz nesse momento que jamis
hei de esquecer Ah! maviosa sereia que
descantaes de amor s auras sussurranles;
que modulaes cancoes banbadas'de docuro,
quando lnguida, faceira, fuaes o espado
azul limpi lo e claro; pomba innocente,
meiga e suspirosa, reflexo do co, ouvi o
bardo, o louco bardo que canta aos rmos
trovas de ternura!
Por ventura n3o sents palpitar o seio,
nSo tremis de volopia, de dr e de sauda-
de, quando ouvio ao longe um canto pea*
roso que magoas derrama as solidos do
ar?
Acaso j urna voz interior ainda vos n3o
disse que por vos eu paludo feneco ? Ainda
vos n3o segredaratn aos ouvidos bolbucios e
sussurres de desconhecidos sons qoe lem-
bram as harmonas ethereas ? Ainda vos nao
disperlaram do seio essa sentelba divina
que canta e que soluca mais maviosa do
qoe o cysne, mais mellfica do que a har-
pa ? Pois bem, eo vos amo, nao co esse
amor que se ad jutreseduzido pelo farfalhar
das sedas e pelo brilho dos candelabros ;
nao com esse que se esva n'um minuto,
desde que somos de posse do objecto ama-
do ; desse amor a>qutrido no esplendidos
sales, na febril e delirosa walsa, no olhar
lascivo ehmido de goaos, aos sons da mu-
sica e dos risos; n3o eomo esse pelo qual
nos deixamos embalar por urna hora, de
alegres delicias e prazer iodefinivel! N3o I
as minhas O raeu amor sublime,, paramente senti-
mental, naseido do imo d'alma, e alimenta-
do- por cantos! E por vos tenho soffrido os
transes mais duros, as magoas mais acerbas
que podem dar fonte aos actos mais loucos
d vida de wn joven, podfem at arrstra-
lo um espantoso suicidio!'
Nao tenho urna hora de repouso, om s
miauto de coneolac3o. As vezes zombo da
vida > ver se nisto encontr um pouco de
allivio; Maldigo- a existencia o procuro em
mea carainho algumas flore pobres e mur-
chasy cujo aroma me embriague e suavise
ind que atiradas por algum vento impe-
tuoso.. Mas atol1 tudo debalde!... Tudo
me dilacera, tudo me atormenta, tudo me
roe e queima as-fibras de tn'mh'alma agoni-
sante!' E vos o-que tendes feito* mariposa
genlHi linda acucena do val ? Me respondis
com um sorriso de escarneo aura olhar de
desprezo.
Calcaes aos ps as flores de mina juven-
tude, estas 15o pobres flore* que tanto me
tem visto prantear a nmana siaa> E o que
tendes- feito lypk>' mimoso da campia ba-
nhado dos raios- da aurora ?'Roxa violeta
do prado que cresceis aos risos e aos afta
gos das brandas notas do fugaz favonio ?
Arremessaes ao-ch3o as provas mais puros
de minha ardenle paixap, deadenhaes dos
meos- protestos verdadeiros,. de minhas
juras- fiis, lancaes ao vento (talvez risonha
e descuidos*) as minhas to santas crencas,
onde- senlo pode encontrar urna s nodoa,
urna s macula de ignomina. E nao obs-
tante em nada me tendes abalado, em nada
suffbeaes o meo amor, ainda n3o consegus-
tes soprar o fogo abrasador qpe rae devora,
anda vos amo, nao sei si mais, por que
mais impossvel, ha tocado ao ultimo ex-
tremo 1
Sombra de lus encantada visao cerlea,
caadida appariQ3o, estrella da manh3a, por
que nao tendes d de urna alma dilacerada
que soffre sem cessar as raivosas furias da
desgraca o- de que tudo soes a causadora ?
gosos
e depde as armas, vos o esmagaes, lancaes
ao vento com djscuido infantil, como se
atirasseis flores na eorreotesa do rio mais
fondo abriodo o abysmo do meo peito f...
Ser possivel qaa ainda me nao tendes com-
prehendido, qoe nada sabis, e que por
isso rae trataes com essa indifferenca qoe
tanto me faz soffrer crois martyrios ? Oh I
meo Dos! dae-me io menos esta espe-
rance. Qaero ainda embriagar-me com essa
gtti de felicidade, emquanto o fl n3o me
vm queimar os labios, as furias das paix5es
n3o me precipitem nos mares tormentosos,
e o horror, o desespero n3o me fa$3o des-
cambar a fronte donda sob e o meo peito
debilitado! Senhor Senhor! perdao se me
esquego as vezes de vos para pensar s
n'ella Senhor, perdao I Oh! quanto
duro o amar-se, sem que por esse anjo por
quem tudo sacrificamos, si quer urna simples
affeicSo, urna terna simpathia seja-nos dado
por elle... Oh l quanto duro I Sem ter
urna glta d'orvalbo que lhe actente as
dores, e suavise as doudas iras da sorte.
Azas d'um anjo onde o paludo rosto
possa abrigar das negras tempestades da
existencia. Zephiro consolador que lhe ba-
fejo e de lhe alentos no tombar.
Eu qual naufrago que lutaodo em ancas
contra as ondas volve os olhos ao horison-
te, e n3o v urna estrella que o guie, um
astro de esperanca a scintillar as trevas,
mas entren na escuridSo das ragas a sen
tenca nefanda da morte escripia em letras
de fogo Eu sou qual peregrino que cres-
tado pelo sol abrasador do deserto busca
urna fonto para saciar a sede, e no meo
dos areiaes ardentes apenas divulga o es-
pectro raedonho do archanjo da morte que
paludo e silencioso se approxima d'elle bal-
buciando-me aos ouvidos pbrases sem es-
peranza de vida Eu sou como a vagabun-
da mariposa que cancada de soffrer deixa-
se arder as chammas ardentes de nma pyr
crepitante, ou d d'enconiro douda c sem
crueis transe* qoe defloham a vida, batel
sempre perdido aos mares procellosos, ea
tambera gemo e suspiro, eu tambem me
desfleco, e na harpa rota que seguro
euato trovas sentida* rou caotando aos er-
raos. Eu que seobei auroraVresplandentes,
risos de luz nos labias io borisoates, eu
qae creei ou frontes estrefias fulgurantes,
armamentos azues ideiaes divinos boje re-
cordadando os tempos j passados, sentado
sobre as minhas ruinas, coao Mario as
cinzas do Cathargo, sinto deslisiPem-se-me
pela face prantos.de dor amargurados. Ah f
tudo mudou t Fugirara os sonhos. As lu-
zes se apagaram. Triste,, paludo de dor,
cadver, p, eis p me sou... e como sofito
tanto !... Si caminho encontr espinbos e
abysmos, mares e vulces qu6 ardentemente,
me querem tragar. Se vivo s n solid3o,
pnantasmaa e espectros horrrorosos me per-
pass tm vista mostrando-me os dentes com
ar descarneo e zombeteiro! E tao tmente
na soldJo onde encontr algum conforto
pranteando pesaroso, e recordando vossos
olhos fascinantes, e vosso rosto angelical,
onde os anjos deposeram beijos de loucura.
Se estou as trevas sinto que m3os invisi-
veis me arrastam talvez para lancar-me no
tmulo ou mais endoudecer-me
Se vivo com lozes entrevejo sombras hor-
rendas e feias, nuncios agoureiros, que se
approximam de mim para lavrar i seatenca
do desventurado lilho do amor.
Oov.E' a ultima nota de urna lyra par-
tida, o ultimo som de urna harpa lamen-
tosa, o ultimo canto do cysne, o ultimo lara-
pejo de urna paluda estrella, o ultimo raio
se eslinguir de luz f Eu vos amo 1 9e eu
podesse depor aos vossos ps os meas pro-
testos d'amor, beijar as fimbrias roeagan-
tes do vestido, chorar, ah f e chorar de felici-
dade e prazer...
Oh se ea podesse... Ent3o conhecereis
que vos amo muito, pois tamba physionoraia
tomara outra expresso, roJBha voz tena
sentidos sobre o muro ennegrecido do mos- outro son e um accento maie violento, tr-
mulo e entrecortado por soluces e aiscora*-
pungentes. Be como quando- se est nos
degros do altar orando pela santa de nossa
maior devoco, tal eu ficaria diante de ys
todo embebecido em vosso olbae lnguido
daoe, e esperando ouvjr o son melifluo
de minha
teiro Triste como o lyrio- do rochedo que
entre pe Iras vegeta e que pende ao sopro
do feroz tufSoy s* os raios do sol n3o lhe
festejam F> como a flbr do deserto
sempre myrrada' e murcha busco urna gotta
d'orvalho e um. bafejo de brisa! Eu sou
cerno a gasella doroonte quechora amorte ,je voss'a voz*argentina, nuncio
do esposo, e vaga triste e lacrimosa asan- magoada existencia..
do- a voz do vento que sibilla seo3 queixu- g^ es\^s & uocas expre3s5e ^uaposso
roe* e gemidos r E como a roea desmaiada devedir do peito.
da-oampna paludo, pendida, equasi soltar q senttmento ecm extremo se pode ex-
da> v-da o suspiro derradeiro choro c lamen- prjmjp. nj0 posso dizer mais, no entanto
to o meo viver sem vida. Se um raio de sntoqae ainda tenho-muito dizer.
O enthusiasmo occasionou que reve-
luz^as vezes brlhna gruta escura do meo
ser,- bem cedo passa e s'afugeota como a
idea d'um porvir.
Se um riso d'alegria as vezes brinca flr
dos labios, como- o rpido losir de om
fogo fatuo.
Ah-!: luz sem brilho, estrella sen* clar3o,
vida-sem viver, passaro sem atas, eis e
que sou neste abysmo tenebroso.- B umo
gargalbada descrate, cheia de ardor o da
fel, so-destaca de mim como o ultimo ar-
ranco de desespero que ao despedir-se da
vida solta o insano leao todo espumante de
raiva,. rangendo os dentes, suaoio sangue
ardenle de afflcc5o>.- Ave que arrastra as
azas feridas pela teciia envenenada.
Rola que busca unvpouso eno-encontra
sen3o cardos e espinaos Passarinho qae
volita- em torno de um outeiro triste e pe-
saroso chorando nngoas e queixumes. Cys-
ne que agonisa. Luz paluda e amortecida
que entre veos de negros rutila,, mas se
apaga, logo...
Que mais sou ? Um pobre peregrino dos
desertosda vida que nao encontra urna fonte
para, saciar a seda e um galho para, se ape-
gar.Mendigo d'amor que esmola a com
paix3o d'um sorriso de ventura,, de um
olha* ardenle de vetopia. Um lenco de
lirar* espectro solitario que canta e soluja
endeixas.
Pbantasma de noites de tromenosque v
o co nublado, esirellas sem fulgor, relm-
pagos e trovos, fusilar, de raios e lampejos
de procellas! Que mais sou? Ifm bardo
das solides, vate amargurado que nos er-
raos medita, oh mas que nao tem por li-
rro para escrerea senao os troncos das ar-
vores e os rochedos escabrosos r E como a
cguia que doodeja cega do ardor do sol e
.de poeira, e que mais relozappessa a mar
cha at atirar-se num abrsrao, assim n'uma
lasse esse segredo de--meu coracaov esse
mysteaio de minha alma. Este romance de
minha vida, ou este poema do meu amor,
fiel transumpto de minh'alma, meu ser tra-
duzidOi.meu eu exposto aos raios da clari-
dade, nao me envergonho de vos te-lo*feito.
O amor um sentimento natural. Per*
doai-me se eu o tenho oomo um padreo de
gloria qae muito me honra e nSo poae-me
nodoar.
Rasta. Urna simples pal >vra, ora gesto,
um sora* um sorriso, ua olhar dizero mais
do que pbrases extensas e arredondados pe-
riodos.
O silencio a linguagean mais expressiva
e eloquente de um coracao que ama.
Recite 1870.
SevzA Oliveuu.
De que me serve os praseres, os ------
as delicias, folguedos, risos e loucuras se noite de deliro mearrojei num despenha-
tudo par mim dores, enfados e torturas deiro escoro, mas u bou, c
De que me serve o ruido das salas, o vo-
sear das multides, o brltoo dos candela-
bros, o valsar febril, se t3o smente tenho
allivio aa solido, as lagrimas, e no pensar
em vos ?------
Parece-me que urna atroz fatalidade es-
tende as negras azas sobre mim e tenta fa-
zer-rae sumir no pego do infortunio !-----
Parece-me que oabutre medonho do de-
sespero aguca as garras crueis para cravar-
me no seio palpitante f Oh que tanta in-
gratido n'uma virgem como vos horrivel
de crer-se. E no entanto 13o smente o
que me concedis. E todo esse immenso
amor que depoaho aos vossos ps, como
um prisioneiro humilde que despe o manto
da joven mestra de escola, e o bora cura
Duval prosegua no seu viver todo de cari-
dade e dedicado para com os seus paro -
chianos.
De Rouxinol nunca mais se soube, nem
mesmo na granja da Ceifeira.
Pamella e Anatole n3o deixavam de co-
rar olhaudo-se recprocamente, e o joven
fidalgo continuava a manter-se para com
ella nos limites do mais rigoroso respeito.
Pamella nao fallara a ninguem, nem mes-
mo ao cura, da pergosa entrevista que ti-
vera com o Mulot, e fizera jurar criada
de nao dizer palavra a tal respeito,
Bem que o Mulot nunca mais lhe tinha
apparecido, Pamella nutria tristes presenti-
mentos, presentimentos e tristezas partilha-
dos vagamente por Anatole de Misseny,
que agora se apresentava melanclico como
nunca.
Na Raposera havia igualmente mysterio
sas apprehenses de espirito.
Dorotha, expulsa pelo Mulot, voltra
para al i.
A Martina, ao saber d'este facto, enfure-
cera-se e nao deixou de inquietarse
O Mulot n3o lhe apparecera mais e esta
ausencia fazia-lhe presentir alguma machi-
nado.
Se elle tivesse ido Raposera, obteria
os seis mil francos e talvez mais alguma
cousa, mas assim pareca que se tinha esque-
cido da irmaa.
A sua vida era andar caca, d'onde s
vollava de noate.
Nao tinha ainda tomado criada.
A Cabrita fazia-lbe frequentes visitas.
VARIEMDE
a escuridao, vi um anjo que rae sorria, elle,
era t3o lindo! Resistir quem pode ao sorriso
seductor dessa obra de Deus ?
Levantei-me. Sacud o p das vestes, o
tentei apossar-me delle, mais desappareceu
entre nuvens de luz, como urna sombra
fugaz, ou um sonho de venlura. Ah can-
tos de Tasso, lamentos de Ossian, bardo*
queixosos e doridos, vinde mim, uni-mo
cora vossas harmonas mellficas, sde o
balsamo santo de minhas chagas, o perfu-
me miagante de minhas- dores. E ros p-
regrinu Homero se alem dos mundos
infinitos noros cos e borisontes descobrit-
teseaoluzir fulguraste dos planetas co-
nhecestes segredos; se na trra .soffrestes
O general Urqnlza.
Juste Jos Urquiza, naseeu em marco de
1800, na Arrayo de la Ckina,, aonde hoje
se acha a cidade de Concepcin. Seos p-
renles roram opulentos e possuiram diver-
sas estancias : seu av (era natural de Hes-
panha). foi um dos priraeiros iiumgraetes
que c>egaram a Entre-Ries. Seu pai exer-
cia o emprego de alcaide naquelle districto,
tendo passado a sua mocidade naqnellas- pa-
ragens cultivando a liberdade dos selva-
gens^ os quaes sao chamos gauchos Elle
foi um dos prmeiros qpe foi mandado para
as escolas de Buenos-Ayres, aonde foi po-
pulo, dos jesutas, e contemporneo do arce-
bispo Escalada, e de outros horneas que
oceupam actualmente- posces elevadas.
Diz-se ter principiado a sua vida como fa-
bricante de pannos, raas pouco tempo de-
D04S seguio a carreira militar na qual foi
destinado a desempenhar um importante
papel, ideniificando-se com a historia desses.
paizos durante 0 2annos.
No trabalho imprtante do Sr.'Martin d
Moussy, encontramos um bem laucado cs
boco sobre a elevaco de Urqui&a.
t Durante a sua mocidade foi arrastado
para a carreira militar pelos acontec meatos
que o cercavank Combateu constantemen-
te debrixo do pavilh3o federal, e a guerra
na Banda Oriental (quando saNoa o exer-
cito de Rosas durante o invern de 1843)
elevou o seu nome como um hbil e expe-
rimentado leader.
(C voliando depois para b matto satisfeita por
ter visto o seu homem e ter comido em
pratos com luxuosos talheres, e nao exiga
mais nada.
O Mulot de ha tempos apparecia no bo-
tequim, mas ia dar tima volta para nao pas-
sar por diante da casa da escola.
Se algum dos collegas frequentadores do
botequim lhe fallavam em objecto qoe ti-
vesse relaco com Pamella ou Anatole, elle
tratava logo de mudar de conversa.
Este socego annunciava prxima tempes-
tado, que nao devia tardar em rebentar, e,
como todas as tempestades, foi esta annun-
ciada par um signal precursor.
0 primeiro meosageiro da tormenta foi
um homem de pequea estura, vestido de
prelo, chapeo fino encebado ua cabera, pas-
ta de marroquim debaixo do braco, que se
transportara n'um velho tilbury puxado por
um magrissimo sendeiro.
Este homem dea entrada em S. Florea-
tino e logo se dirigi ao palacio Misseny.
Era um sabbado, da de mercado.
Estava-se nos-fins de Janeiro e j os das
eram maiores.
O recem-chegado passou por defronte do
botequim Universal.
A porta eslava Juval, qoe trocou com
elle um cumprimento de intimidado.
Durante o trajelo por entre opovo re-
ceben elle ainda as suas viole barretadas.
Estas, porm, nada tinham de amigaveis,
antes exprimiam intimo receio.
Lavradores, rendeiros, negociantes e fei-
tores, todos ao mesmo tempo pergontavim
em vozbaixa ;
quem vira Loiseau mimosear com
a sua visita ? "
E todos anciosos o seguiam com a vista
e logo olbavam para Juval, como suppon-
do-o em contacto com o mysterioso recem-
chegado.
Juval, porm, que comprehendera o es-
pirito publico e estimava muito a sua po-
pularidade, dizia:
Assevero-lhes que nada sei. N3o
em meu servico que elle vem.
Os circumstantes ficaram mais socega-
dos.
Juval preseguo :
Vai envelhecendo aquelle pobre Loi-
seau I v '
Se o levasse o diabo bem depressa,
nao se perda nada! resmongou um dos
assistentes. _
Juval, encolhendo os bombos, disse :
Cada qual tem o seu officio.
verdade: acudi Boutevlle
mas, se me d liceoca, sempre drei que o
tal senhor desempenha o seu om pouco s-
peramente Em negocios que outros le-
variara tres mezes desempenha-se elle ei
tres semanas.
E porque assim ?
Porque para elle todos os caminhos
sao boas e para haver ama quantia de cin
coenta roncos capaz de obrigar a fazer
contas na imporlancia de duzentos.
Os officiaas de justica nao podem sus
tentar-se de vento. Se*a8o bouvesse ca-
loteiros, nlo era preciso baver beleguias
tedarguio Juval.
Aquelle homem que fra cumprimeatauo
com um sentimento de receio, sendo de-
pois acompanhado por maldicoes, era ofii-
cial de di.igencas.
Loiseau era o official de justica mais te-
mido em todo o departamento: era o ho-
rnera que se encarregava de causas perdi-
das e de dividas mal paradas, obleado sem-
pre dnheiro.
as aldeias o official de diligencias ge-
ramente bom homem ; s vezes mesmo
um rapaa folgaz3o.
amador da caca ou da pesca, e ciega
a tirar de embaragos, emprestando-lhes di-
nheiro, as pessoas a quem encarrega Jo
do executar.
Loiseau n3o gozara nunca d'esta reputa-
C3o. .
Havia trila annos que func:ionava e du-
rante elles nunca tivera urna hora de cora-
paixo.
Em elle entrando n'uma aldea, j se sa-
bia que n'essa noute n3o fallavam aolucos e
lagrimas de desesperac3o.
Como dissemos, todos os frequentadores
do botequim se chegaram porta para ve-
reta o destino de Loiseou.
De repente manifestouse no ajoatametito
um indicio de admiraco.
O detstavel tilbury acabava de entrar
na avenida de arvoredo qoe da estrada con-
duzia ao palacio de Anatole.
Um sentimento de desgosto se apoderou
msmo dos que nao eram partidarios de
Misseny e nao faitea qaem perguatasso a
que loria que fazer Loiseau em casa de
Anatole.
*
4/
,;.
V
/
V
--
i

do que urna divida de seis mil francos
disse Bouteville.
J n3o pouco para dar que fazer a
Loiseau.
Mas como o .-redor Jaubert...
verdade, redargoio Juval po-
rm Jaubert est em ms circumstancias. O
Sr. de S. Joli3o insta pelo seu dinbeiro e
aquelle teve de vender o direito a divida.
E quem Ib'o comprou ?
Juval fingi nao ter ouvido a perganta.
Bouteville proseguio :
Pouco importa isso ; nao feltart quem
lhe empreste oa seis mil francos.
N3o vejo quem o possa fazer acacho
Juval.
E ao mesmo tempo empertigou-se a lan-
cou em volta da si um clhar de ava de ra-
pia, com que fez baixar os olhos a todos.
Grandes ou pequeos agricultores, po-
bres ou ricos, Juval tmha-os a todos sob a
sua dependencia.
N3o havia ali nenhum que lhe nao de-
vesse dmheiro, e por isso tinha a certeza
de que ninguem brincava com elle.
0 tanoeiro Ulysses, porm, nao pode coa-
ter-se que n8o lhe dissesse, sorrindo-se;
0' \K Sr. Juval, dar-se-ha caso qfle
Iba convenba comprar o palacio ?
N8o impossivel responden-lhe
elle.
Or circumstantes senram nova mpres-
saode terror e ot amigos de Anatole ,*de
Misseny ficaram convencidas de qaa elle
eslava perdida., >
(Ct?*MMiar-se-*a.)
i
-Nao me coHa (qu elle teoba a.aif typ. DQ Ql^ UO -to dwje U8 -AMA
.........


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID ETHYR4YMZ_6TMVA1 INGEST_TIME 2013-09-14T00:26:12Z PACKAGE AA00011611_12120
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES