Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:12116


This item is only available as the following downloads:


Full Text

AMO XLVI. NUMERO 1(0


PABA A CAltAL
^r trea notes adiantados
Por se ditos Jem
Por un ano ideo..
Cada mumoro avuiso.
E tCARES OIDE IA0 SE PACA POSTE.
TERCA FEIRA 17 DE MAIO DE 1870.
fABA BEITBO E FOSA DA PBOVIICIA.
Por nove ditos idem.......-...*.. I......
ur seis ditos idem .'.... ...... iSjKnn ?- PPr trC8 mes!e8 Mulados ................. W750
or m an&> idem.....?, /....... S f l>or sei ditos Mein.......'......c...... i3800
ada maero avuiso. ....... ***( *slffi fT Por aove ditos idem.......-...-.. %...... 20||6O
^^ _____ .............. 820 -a^c- Pornn nao idem............V ..... S7.J00O
DIARIO DE PEMAMBIM
Propriedade de Manoel Figneira de Faria & Filhos.
' SAO ABMTBt
O Srs. Gerardo Antonio Alvos & Filbos. no Para ; Connives & P,nto. no Maranhio ; Joaqoim Jos de Oliveira, no Cear ; Antonio de Lemos Braga, no Aracaty ; Jlo Mara Julio Chaves, no Ass ; Antonio Marques da Silva, no
Pereira d'Almeida, em Mamanguape; Antonio Alexandrino de Urna, na Parahyba ; Antonio Jos Gomes, na VHIa da Penna; Belarmino dos Santos Bulcao, em Santo Antao; Domingos Jos da Costa Braga,
^ ___________________________________ftm Nazareth ; Francisco Tavares da CosU, em Alagoas ; Dr. Jos Martins Alves, na Babia ; e Jos Bibeiro Gasparinho no Bio de Janeiro.
Natal; Jos Joatino
PAUTE OFFICIAL.
yerno 4a pro viuda.
OSfACHO DA PnKSIDKNClA DA PROVINCIA DO DA II
DE MAIO DE 1870.
D. Anna Claudna dAguiar Wanderley. Fie
expedid* a eoovenienle ordem.
Antonio luaquim de Mello.D-se se conslar.
Rernardo Carneiro Monteiro da Silva Santos e
Joo Carneiro Monteiro da Silva Santos.Ao Sr.
raspeo da thesouraria proviveial coin a portara
desta dala.
Flori.-no Bernardo de Carvalho.Requeira ao
governo imperial.
Francisco Pinto de Carvalho.Fica espedida a
conveniete ordem.
Ignacio Luiz de Brito Tabirba.Faea-se a deca-
r-cao requerida peto supplicante acerca da preta
livre de aue se trata.
Joaqun N'unes do Valle.Nao pode ter lugar
por ora o que requer a vista da informado, visto
nao baver vaga.
JoiopGuarlttlto Correa.Informe o Sr. tenen-
te-coronel commandaote do corpo provisorio do
polica.
Joo Rodrigues de Souza.Informe o Sr. leen-
te-cdronel ooniroandanie do corpa provisorio de
polica.
Josephina Mara de Espirito-Santo.Seja posta
em hberdade o filho da supplicante.
Joo alara da Cruz.Satisfaga a exigencia do
Sr. iuspeetor do arsenal de marraba.
Joaqun) Pereira Arantes.Ao Sr. coronel cora
mandante da guarda nacional do municipio do Re-
cife para ministrar a iuforraacao exigida por des-
pacho de 11 de novembro ultimo.
Luiz Bernardo Castello-Branco da Rocha.In-
forme o Sr. desembargador provedor da Santa
Casa de Misericordia.
Olympio Francisco Honorato.Fica expedida a
conveniente ordem
Chavo Antonio Ferreira.Informe o Sr. teen
te-coronel comm indante do corpo provisorio de
polica.
Pedro d'Alcntara dosGuimares Peixoto.Ao
Sr. Dr. director geral da instruccao publica para
informar, ouvido o regedor do Gymnasio para este
declarar se o professor qerem o supplicante
-ubstiiuio esteve impedido e porque, tendo cm
vista i declaracao desta presidencia de 17 de agosto
de 1860. ^
Tiburcio Vareliano Baptisla da Costa.L ge que
se aprsente algum dos offlciaes quem o suppli-
cante substitue, ser atteadido.
dia It
Adolpho Pernandes da Silva Manta.Ao Sr. ins-
pector da thesouraria de azenda com a portara
desta data.
Antonio da Costa e S.Informe o Sr. Dr. juiz
de direito da comarca de Palmares, ottviodo o juiz
municipal respectivo.
Firnuno Francisco de Brito.Informe o Sr. Dr.
jaiz de direito da comarca de Palmares, ouvindo o
juiz municipal respectivo.
Bacharel Joaquim Correa de Oliveira Andra-
de.Informe o Sr. inspector da thesouraria pro-
vincial.
Jovino Epiphanio da Cnnha.Informe o Sr. Dr
juiz de direito da 1' vara quanto ao car torio do
jury deste termo.
Joao Theodomiro da Costa Monteiro.Informe o
Sr. Dr. juiz de direito da comarca de Palmares,
nitrado o juiz municipal respectivo.
Mara Rosa da Coneeicao.Indeferdo a vista da
informado.
Manoel Rufiuo de Carvalho.Informe o Sr. Dr.
ehefe de polica.
Padre Manoel Ferreira da Rocha.A' vista da
informadlo nao tem lugar o que requer o suppli-
ante.
Bacharel Paulino Rodrigues Fernandos.Enea-
minhe-se.
Pedro Raplista de M traes Reg.Hemettido ao
Sr. coronel Lobo para attestar querendo.
jecto verificase empate na votacao, pelo que Bca
adiado.
4' discussao do projecto n. 18 deste auno, que
supprmo o destricto de paz do Poco Comprdo
termo do Garaohuns.
O SR. GUSMO LOBO pede expleac3e sobre o
projecto.
Depois de algunas observares dos Srs. A. Pau-
lino e Ge Cavaleante em justillcacoes do projecto,
o mesmo posto votos e approvado.
1' discuta do projecto n. 74 deste anno, con
cedendo urna gratificaco s pessoas que cons-
lruirem acudes em terreno* de suas proprie lades.
E' regeitado.
Tendo dado a hora, o Sr. presidente designa a
ordem do da e levanta a sessao.
Se, portanto, a assembla nao quer em termos ta-
xativos determinar a realisaco da obra de que s
oceupa o projecto, mas simplesmente autonsar .a
presidencia a laze-la, motil se torna a medida,
neste caso votar contra o projecto.
Vai mesa e apoi--se a seguinte emenla :
Em vez dedea o presidente autorisado a
contratar diga--e o presidente da provincia
contratar Rufino de Almeida. .
. (Continuar-se-ha.)
PERNAMBCO.
ASSEMBLA PROVINCIAL.
SESSAO ORDINARIA EM 9 DE MAIO.
RESIDENCIA DO Sn. DR. AFl'UR.
(ContinuamoJ
OKDEM DO DIA.
t' discussao do projecto n. 55 deste anno que
autorisa a cmara municipal de Olinda a rescindir
o contrato de arrendamento feto com o Sr. os
Pinto da Costa, do terreno de sua propriedade na
ra de S. Pedro Mariyr, podendo af >rar o dito ter-
reno a quem roelhores vantagens offereor.
O SR. RUFINO DE ALMEIDA expoe as razoes
era que se fundou a commsso de negocios de c-
maras para offerecer o_ projecto que se discute.
Encerrada a dscussao, o projocto posto vo-
tos e approvado.
i' discosso do projecto n. 73 deste anno, au-
tora-ando a cmara municipal desta cidade a des-
pender desde j a quantia de 4:000 com a cele-
bradlo de um offlcio solemne commemorativo dos
hertes que em dt-feza da patria fullcceram nos
eompos do Paraguay.E' approvado.
Discussao da emenla offerecida em 3' do pro-
jecto n. 19 deste anno, que crea municipios em
Bezerros e Pendas__15' approvado.
3' dscussao do projecto n. 33 deste anno, que
revoga as leis ns. 339 e 744 de 12 de juntio de
1862.E" ajmrovado.
. 3* discussao do projecto n. 5 d-ste anno, que
transfere para a povoacio de Petrolna a sede da
villa da Boavsta, bem como a da freguezia de Santa
Mara Raioha O SR. GUSMO LOBO pede explicacoes sobre a
redaccao do art. 1* do projecto.
O SR. OLIVEIRA FONSECA faz algumas con-
sideracoes em juslificacao da utilidade do projecto.
Encerrada a discosso, o projecto posto
v /.os e approvado.
1' discussao do projecto n. 52 deste anno, ap-
provando diversos crditos supplementares. E*
approvado.
1' discussao do projecto n. 64 deste anno, que
autorisa a presidencia da provincia a reformar o
regulamento do cemtero publico desta cidade.
E' approvado.
{ discussio do projecto n. 53 deste anne, ao-
torisand.o o presidente da provincia a conceder
seis mezes de licenca com vencimentos, ao es-
cripturario da secretaria do governo, bacharel Ma-
noel de Siqueira Cavaleante.E' approvado.
2' discussao do projecto n. 24 deste anno, ao-
torsando o presidente da provincia a mandar
constror urna ponte obre o rio Una na estacao
terminal da estrada de farro, bem como o 1
Unco da estrada de Una ni
vado.
3< discussao do projecto n. 31 deste anno, que
determina que o producto da lotera concedida
para as obras da igreja do Carmo-da cidade de
Olinda seja entregue urna commwao"fle pessoas
residentes naqoelLa cidade.E' approvado.
1' discosso do projecto n. 59 fleeje anno, que
estabeleee regras para as inhumaco'es dos cada-
veres.E' approvado.
1* discosso do projecto n. 62 deste anno, que
concede ao ajadante do administrador da Casa de
Detenco desta cidade a gratiflcio annual de 300*
Encerrada a discosso e posto votos o pro^
imenteras.- E* appro-
SESSAO ORDINARIA EM 10 DE MAIO.
PRESIDENCIA DO SR. DR. AGUIAR.
Ao meio da feita a chamada acharam-se pre-
sentes os Srs. : Wanderley, Ribeiro Viatina, Fir-
mino do Novaes, Antonio Paulino, Felippe de F-
gueira, Eduardo de Oliveira, Cunha Figuciredo,
Correa de Araujo, Cavaleante de Albuquerque,
Nicolao Tolentino, Manoel do Reg, Ges Caval-
eante, H-rmogenes, Barros Reg, Teixeira de S,
Antonio Cavaleante, Augusto Costa, Gaspar Drum-
mond, Guedns Gondim, Oliveira Andrade, Rufino
de Almeida, Henrique Mmele, Cunha Cavalean-
te, Ferreira de Aguar, Paes Brrelo, Joao Caval-
eante, Mello Reg, G-mralves Lima, Man el Ar-
thur, Oliveira Fonseca, Gusmao Lobo, Igacio Leo
e Pinto Jnior.
Abre-se a sesso, lida e approvada a acta da
antecedente.
O Sr. 1* Secretario d conta do seguinte
EXPEDIENTE
Urna peticao de Francisco Silverio de Farias J-
nior, professor adjunto das escola; publicas da
provincia, pedindo o pagamento de seus vencimen-
tos durante o lempo em quee>teve suspenso.A'
commsso de ordenados.
Outra de Joao Baptista Gomes Penna, pedindo
a admissao dos seus filhos Joo e Antonio, no gym-
nasio provincial.A' commsso de petiQoes.
Outra de Manoel Joaquim da Silva, pedindo a
admissao de seu tilho Florimundo Torres Galindo,
no gymnasio provincial.A' commsso de peti-
efies.
Outra da mesa regedora da imperial cpella da
Assumpco das Fronteras da Estancia, pedindo
preferencia para a extraccao de urna aarte de
suas loteras,A' commsso de orcamenio pro-
vincial.
Outra dos moradores da ra do Ouro, pedindo
a collocacao de alguns lampeoes de gaz para
aquella ra e suas travessas.A' comroissd de
orcamento provincial.
Outra da mesa regedora da ir nanJade de Nossa
Scnhora da Paz da freguezia dos Afogados, pe
dindo preferencia para a extraccao da segunda
parte (fe urna de suas loteras.A' commsso de
orcamento provincial.
Outra da irmandade de Nossa Senhora do Li-
vramento da villa de Pao d'Albo, pedindo a ap-
provacio do seu compromisso.A' commsso de
uegecios ecclesiasticos.
Outra de Belarmino dos Santos Bulco, eicrivo
do jury da comarca de Santo Anio, pedindo que
se marque quota ni orcamento para pagamento
de cusas que Ihe de ve a cmara municipal da-
quella cidade.A' commsso de orcamento mu-
nicipal.
L-se e approvado o seguiute parecer :
A commsso de peticoes a quem foi presente
a de Joao Salvino de Souza Pexe, em que pede a
graca de o mandar admittir em concurso para o
provmento das cadeiras de instruceo primara,
independente da carta da escola normal, que d
direito a enirada naquelle concurso, de parecer
que seja a dita petigo enviada a commis-o de
instruccao publica, como a mais competente para
dar o seu parecer com relaco a semelhante pre
tenco.
i Sala das commissSes, 10 de maio de 1870.
Henrique Mumede.Baos Reg.
O SU. GASPAlt DRUMMOND justifica e manda
mesa o seguinte requerimento, que appro-
vado :
Requero que, por intermedio da presidencia
da provincia, se exijam as seguinlcs informales
do juiz municipal do termo do Cabo :
I." O quanto pagou de imposto de sza Ma-
noel Mendos Caminha, pela compra de duas partes
do engenho Baranhem do Cabo, feila Flix Jos
da Silva Barroso (em 1844).
i." O quanto pagou de imposto geral D. Maria
Francisca da Rocha Guedes, pela compra de urna
parte do engenho Ararba do Pimentel, feita em
1845 Jo- Francisco da Rocha Guedes.
3. O quanto pagm de imposto geral Antonio
Baptisla Teixeira, pela compra de urna parte do
engenho Pitmb, feita em 1845, Antouio Ferreira
de Barros.Campello.
4. O quanto pagou de imposto geral Fran
cisco Paes Brrelo, pela compra de urna parte do
eugenho Mulinote, feita em 1845, Antonio Luiz
Goncalves Ferreira.
< 5. O quanto pagou de imposto geral Flix
Jos Coimbra de Andrade, pela compra de urna
parte do engenho Arimbi, feita em 1845 Pedro
Barbosa de Moura.
6. O quanto pagou de imposto geral Antonio
Jos Vaz Salgado, pela compra de urna morada de
casa, feita om 1845 Luiz Jos Mooiz.
7.a O quanto pagou de imposto geral Joaquim
Aurelio Pereira de Carvalho, pela compra de urna
Earte da prop iedade Barra das Jangadas, feita a
uiz Franciseb de Assiz em 1845.
8. O quanto pagou de imposto geral Fran-
cisco Ferreira de Brito, pela compra do engenho
Sacamb, feita a Manoel Pereira de Souza Barros
em 1845.
9." O quanto pagou de imposto geral Hermi-
no Barbosa da Silva, pela compra de urna propre-
de e sitio denominado Jardim, feita em 184o Jos
Fernandos Lins e a soa iluIIht.
110. O quanto pagou de imposto geral Joaquim
da Silva Costa, pela compra feita ao tenenle-coro-
nel Joaquim Pedro do Reg Barreto, das partes
3oe I he hou vesse de tocar no inventario dos bens
e Antonio Leocadio Paz Barreto ero 1845.
< E que anda por intermedio da presidencia se
exija da thesouraria de fazenda geral a seguinte
rnformaco : !. Se a importancia dos impostes a
que estavam sugeitos os contratos cima referidos
foram recolhidos aos cofres da thesouraria ; S.*
No caso negativo, qual o procedimento havido at
boje para fazer o recebimento dessas quanlias e
responsabildade dos agentes flseaes que as rece-
bera m ; J). Quem exerca o cargo de collector e
escrivao do termo do Cabo.
t Paco da assembla, 10 de maio de 1870.
Gaspar Drummond.
ORDEM DO DIA.
2' discussao do projecto u. 21 deste anno, que
autori-a o presidente da provincia a contratar a
construeco de urna calcada em torno da cadeia
da villa do Brejo da Madre de Dos.
Vai mesa e apoia-se a seguinte emenda:
Em vez de calcada, diga-semurada de am-
paro. F. de Ftgueira.
O SR. G. DRUMMOND com qoanlo nao preten-
da oppr-se idea do projecto, lembra todava que
consignando o projecto orna autorisaco, de qoe o
presidente pode osaroo deixar de osar, esta me-
dida se torna desnecessaria, porque a le n. 665 de
18 de abril de 1866, autorisa o presidente da pro-
vincia despender at a quantia de|100:000i, com
reparos e constroccoes de cadeias no interior da
proviqci, quantia qoe nao foi ainda despendida,
ERRATA.
No discurso do Sr. N. Tolentino publicado no
Diario de sabbadoem principio, quando diz-co-
to pela emendadeve lrvol contra a emenda.
REVISTA DIARIA.
ASSEMBLA PROVINCIAL.-Hontem a Assem-
bla addiou, requerimento do Sr. G. Drum-
mond, a dscussao do projecto de flxaco de forca
policial por 24 horas; approvou as emendas of-
ferecidas ao projecto n. 28 deste anno, que crea
diversas cadeiras de instruccao primaria ; em 2.'
discussao o de n. 57, que approva diversos crdi-
tos supplementares, o de n. 69 deste anno, que
autorisa cmara municipal do Recife a contrahir
um emprestimo de 300:0fll), para construeco de
um mercado publico nesla cidade; em 1.* o de n
70 deste anno, que manda continuar a constroc-
cj da estrada de Muribeca at a povoacao do
raesmo nome ; em 2." o de n. 73 deste anno, auto-
nsando a cmara municipal desta cidade a des-
pender a quantia de 4:000i com a celebraco de
um momento por alma dos que fallecern) na
campanha do Paraguay em d;fesa da patria; em
2." discosso, o de n. 93 qoe autorisa o governo a
contratar um ramal dafeslrada de ferro de Jaboalao
Victoria, orando os Srs. F. de Figueira e Ges
Cavaleante.
A ordem do dia para hoje : 1.* discussao dos
projectos ns. 36, 43. 49, 5t, 68,77, 8t, 96 e 99
deste anno, 85 de 1868; 2/ dos de ns. 22, 23, 27,
32, 39, 90, 55, 59,63. 64, 66, 67, 76. 87 e 91 deste
anno, 6 e 38 de 1869 ; e 3.a dos de ns. 24, 4Ve
69 deste anno.
FERIMENTO. Em trras do engenho Bom-
iesus, do termo do Cabo, no dia 13 do corren te,
Marta Magdalena de Carvalho e sua fllha Josephi-
na feriram levemente Hemelerio Ignacio Ri-
beirn.
DISCURSO CONGRATULATORIO, Em,nossa
8." pagina damos hoje o discurso de agradecimeu-
t >, pronunciado pelo Sr. Dr. Antonio Coetho Ro-
drigues, no acto de Ihe ser conferido o grao de
doutor em direito pela Faculdade do Recife, para o
qoal chamamos a attencao dos leitores.
DINHEIRO.O vapor Gegui trooxe as seguin-
tes qoantias para ee-re.:
Manoel Jos de Aguiar 4:6991000
Tasso Irmos |: 950 a 130
Thomaz Times 1:074 J590
Minlello, Oliveira 6t C. 7MAO00
Andrade & Reg 5104000
O vapor Potengi levou no sabbado para o
Natal 10:0005000.
VIA-FERREA DE APIPUCOS.-Pedemnos que
chamemos a attencao de quem compete, para a
maneira inconveniente porque se comportam al-
guns passageiros desta linha frrea, ao passarem
os trens pelas estacos respectivas, dirigindo chu-
fas aquellas pessoas que tem a inf licidade de ah
estar nesses momentos. Sendo isso prohibido,
esperamos que cesse o abuso.
PASSAMENTO.-No dia 14 d> correnle den al-
ma ao Creador o praticante da secretaria do go-
verno, Manoel Jayrnes Rodrigues do Nascimento.
LEILO.Hoje s 10 horas, effectuar o agente
Pinto no armazn da ra Nova n. 9, o leilo de
movis, ferragens, vellocipedes, tonisos para ca-
bello, piannos, e mais objettos que estaro paten-
tes ao exame dos concorrentes no mesmo arma-
zem.
LOTERA.A que se r.cha a venda a 147\
ocneficio da irmandade de Nossa Senhora do Bom
Parto da cidade de Olinda, a qual corre no dia 20.
LEILO.Hoje effecta o agente Martins o lei-
lo de relogios de ouro o prata e muitos outros
objecto* de ouro dados em penuor; no 1. andar
do sobrado da travessa das Cruzes n. 2 s 11 ho-
ras do dia.
HOSPITAL PEDRO II.O movimento desse es-
tabelecimento de 9 a 15 de maio de 1870, alm
de 252 doentes existentes, entraram 43, sabiram
24, fallecern) 10, existem 252, sendo 151 homens,
e 101 mulheres.
Advertencia.
Foram visitadas as enfermaras nestes das as
6 1/2, 7, 7, 6 1/2,7, 7, pelo J)r. Ramos ; as 10, 10
1/2, 10, 10, 10 1/2, pelo Dr. Sarment.
Fallecidos.
Roberto de Souza ; tubrculos pulmonares.
Silveira de Mendonca; enterite chronica.
Roberto; febre typnoide.
Manoel Joaquim da Silva; hepalite.
Antonio Jos Gnimares ; febre typhoide.
Antonio Joaquim Baptista ; enterite chronica.
Francisca Miria da Coneeicao ; tubrculos pulmo-
nares.
Florencia Antonia dos Santos; enteriie.
Flix ibeiro Barbosa ; hepalite chronica.
Maria Flor do Espirito Santo ; velhice.
PASSAGEIROS.Sabidos para o Porto na barca
portugueza Atora Simpalhia:
Joaquim Francisco Teixeira, Manoel Ferreira de
Andrade, Antn i Barbosa, Manoel Joaqoim Ozo-
no, Jos Martins V., Miguel Soares de Araojo, A.
Jos de Campos Pinto.
Sahidos para o Aracaty no hiate brasileiro
Deus le Guarde :
Tenente-coronel Guilherme Pereira de Azevedo
e 1 fllho, Edaardo Goncalves Valente, Joaquim
Jos Alves das Neves, Jos Augusto Gurgel do A.,
Manoel da Silva Porto, Joao Caelano Gomes, An-
tonio Facanha, Jooquim Goncalves Valente, Fran-
cisco Grugel do Amaral Val nte.
CEMITERIO PUBLICO.Obituario do dia 15 de
maio.
Lucina Austriquilina da CosU Amaral, 21 annos
solteira, Santo Antonio; febre cerebral.
Manoel, Pernambuco, 1 anno, Santo Antonio :
espasmo.
Benedicta, Pernambuco, 1 anno, S. Jos ; ca-
tharro pulmonar.
Aona Mana Ribeiro da|Conceicao, Pernambuco
19 annos, solteira, Recife; pthisica.
Felismina, Pernambuco, 3 meses, S. Jes con-
vulcoes. '
Manoel Javmes Rodrigos do Nascimento, Per-
nambuco, 18 annos, sollero, Boavsta ; tubrcu-
los pulmonares.
Mara Flor do Espirito Santo, Pernambnco 90
annos, viuva, Boaketa ; velhice.
Marta do Carao, Pernambuco, 95 annos, soltei-
ra, S, Jos ; diarrhea.
Flix Ribeiro Barbosa, Alagoas, 43 annos casa-
do, Boavsta ; bepsie chronica.
Diogeoii Maria, fwnambuco, 2 mezes, Santo
Antonio ; pntystca. .
Mara, Pernambuco, 2 annos, S. Jos; enterite.
Mara, Pernambnco, 78 annos, viuva, S. Jos
congeslio cerebral.
CHRONICA Jl'DICURH.
TRIBUNAL DA lli:i. .<. lO.
SESSAO EM 17 DE MAIO DE 1870.
HJtSIDKNCIA DO KXM. B. CONSKLHEIRO CRTAMO
SANTIAGO.
As 10 horas da manha, presentes os Srs. desem-
bargadores Girana, Guerra procarador da corda,
Lourenco Santiago, Almeida Albuquerque, Motta,
Domingues da Silva, Regueira CosU e Souza Leo,
tallando o Sr. desembargador Doria, abrio-se a
sessao.
Passados os feitos, derara-se os seguintes julga-
mentos:
Habe.\s jobpus.Concedeu-se soltura a Jos de
Oliveira Lima Jnior e tambera a Jos Fructuoso
dos Santos, mandando-se recolher de novo pri-
sao o paciente Joo Bezerra da Silva, por ter sido
solt illegaluiente pelo chele de polica, cando
porunto adiado qoanto a este ultimo, para se to-
mar conlwcimento quando for elle prezo-, tendo
admoestadoo chefe de polica por semelhante pro-
-cedimento.
Dkugencia civel.Ao Sr. desembargador pro-
curador da cora: appellante, Traiano Americo de
Caldas Brandan, como administrador de Nossa Se-
nhora das Dores de Cannaflstula ; appeados, Jos
de Souza Barbosa e tutros.
PASSAGENS.
Do Sr. desembargador Gitirana' ao Sr. desem-
Dargador Guerra.Appcllaco civel: appellante,
Jos Francisco de Oliveira; appellado, Francolino
Laurentino do Bomlim.
Do Sr. desembargador Guerra ao Sr. desembar-
gador Lourenco Santiago.Appellacoes cveis :
appellante, Clementino de Hollanda Lima; appel-
lado, Jos Paclico da CosU Caraca. Appellante,
Gabriel Jeronymo de Aguiar Montarroyos; appel-
lado, Estevo Jos Paes Barreto. Appellante, Jos
Pialo Ferreira ; appellado, Thomaz Thenoro d'Al-
boquerqne. Appellante, Antonio Joaquim de Li-
ma; appellado, los Libanio da Silva Monteiro.
^ Do Sr. desembargador Almeida Albuquerque ao
Sr. desembargador MotU. Appellaco civel:
appellante, bacharel Angelo Henrique da Silva; ap-
pellado, Salvador dos Santos Cavaleante.
Do Sr. desembargador Domingues da Silva ao
3r. 4esembargador Bajoeira CosU.Appeltacdes
cives: appellante, Sebastio Jos Gomes Penna ;
appellados, os menores Maria o Jovino. Appellan-
te, us herdeiros de Guilherme Patrio Bezerra Ca-
valeante ; appellado, Manoel Pereira Magalbes.
Ao Sr. desembargador Souza Leo.Appellaco
civel: appellante, Archanjo Soares da Silva; ap-
pellado, major Antonio Jos de Oliveira,
Assignoo-se dia para julgaraento dos seguintes
feitos:
Appellaco civel.Appellante, Angela, por seu
curador; appeilada, D. Virginia Zenandes Fer-
reira.
As 3 hora da tarde encerrou-se a sesso.
.??f0 da cmara municipal, em 2 de marco de
1870.Dr. Lobo Hoscoso.
Nao concordo com o parecer cima : 1, porque
nada tem o administrador do cemtero com precos
de atarumbas oo sepulturas; 2", porqoe nao esU
marcada a extenso e largura das sepulturas de
eonformdade com as ordens existentes ; 3, por-
que emendo que nada tem que ver esta cmara
cora os terrenos j vendidos pelos antecessores
della;4, finalmente, porque presumo que ne-
nhnm terreno comprado a perpotuidade tenha sido
vendido
Paco da cmara, 3 de marco de 1870-Dr.Pr-
xedes Gomes de Souza Pitanga.
Postes em discussao os dous pareceres foi ap-
provado o do Sr. Dr. Pitanga.
Despacharam-se as peticoes de Antonio Jos do
Castro, Antonio Jos Duarte Coimbra, Anglica
Mana da Conceco, D. abbade do mosteiro de S.
liento. Bernardrao Jos LeiUo, Guilhermina Maria
da Coneeicao, Joaquim Paz da Silva. Jos Ber-
nardo GalvJi Ateoforado (2). Jos C.lho da Silva
' Araujo, Luciano de Magalbes Ribeiro, Luiz
CMARA MUNICIPAL.
4." SESSO ORDINARIA AOS 4 DE MAIO DE
! 1870.
PRESIDENCIA DO SR. DR. COSTA JfNKlR.
Presentes os Srs. Dr. PiUnga, Dr. Moscoso, Cos-
U Moreira, Dr. Se ve e Gameiro, abrio-se a sessao,
e foi lida e approvada a acta da antecedente.
Leu-se o seguinte
EXPEDIENTE.
Um olflco do Exm. Sr. presidente da provincia,
de 3 do correnle, autorizando a cmara, cm vista
do que se Ihe expoz em offlcio da mesma daU, sob
n. 26, com referencia difflculdade com que est
Incundo a populaco pela caresta dos gneros, a
despender a quantia de 4:0003000, como pede,
alm de ser empregada na compra de farnha para
revende-la sem lucro algum.Inteirada.
Outro do tngenheiro enrdeador, informando o
reqaermeulo de Manoel do Nascimento, secretario
da irmaDdade da SanU Cruz dos Canoeiros, tem
dizer que nada ha oppr, precedendo a curdea
cao.Mandoa-se cordear.
Outro do mesmo, informando contra o requer -
ment feto pelo dom abbade do mosteiro de S.
Bento, para eonsertar o sobrado n. 78 da rna das
Aguas-Verdes, de propriedade do mesmo mosteiro.
Indefirio se.
Foi approvado um parecer da commsso de po-
lica, sendo de opinio que se negasse o pagamen-
to pedido por Vicenie Jos de Oliveira pelo accres-
cimo de trahalho que leve na illuminacao que
contratou com a cmara, visto como a commsso
reconhece nao haver o supplicante augmentado o
numero das luzes ou globos contracUdosInde-
firio-se a peticao de Vicente Jos de Oliveira.
A commsso de peticoes apresentou o seu pa-
recer sobre o requerimento de Pedro Americo da
Gima Duarte, ex-fiscal da freguezia do Poco da
Panella, pedindo pagamento da quantia de 64460,
despendida quando empregado que ento era da
cmara na compra de gneros alimenticios para
os pobres da mesma freguezia, por occasio da
cheia do anno passado; neste parecer os respecti-
vos raembros divergiram entre si, sendo um de
opinio que se mandasse pagar e o outro que nao,
pela razao de a cmara n) ter quota para soc-
corroi pblicos.Po-to em discussao resolveu se
mandar pagar, voundo contra o Sr. Gameiro,
membro da commsso, e o Sr. Dr. Moscoso.
Foi tambem apresentado um parecer da com-
msso encarregada dos negocios do cemtero pu-
blico, relativamente materia do offlcio do res-
pectivo administrador, propondo duvidas sobre o
Umanho e custo das sepulturas perpetuas, eos
merabros dessa commsso divergiram do opinio,
sendo o primeiro (o Sr. Dr. Moscoso) de parecer
que se declare ao administrador que a letra ciara
e explcita dos arts. 21 e 25 do regulamento, nao
deixa a menor duvida sobre o lamanho do terreno
e preco que por elle deve ser cobrado, sendo, por-
tante, de lOOjOOO para cada sepultura a perpe-
tudade pela posse do terreno, e tanto* lOOaoOO
Juantas forem. as sepulturas tomadas pelo indiv-
oo, nao podendo a cmara conceder mais de qna-
tro, sem autorisaco do presidente da provincia,
como expresso pelo art. 21.
Demais, esU veriiendo que na planta do cemi-
terio o terreno para cada sepultura tem cinco pal-
mos de largo e dez de comprdo, e sobre isso tam-
bero nao resta a menorduvida.
Por tanto, se se tem concedido mais terreno do
qoe o marcado no regulamento, isso tem sido om
procedimento criminoso do ex-administrador do
cemtero que nao pode de forma algoraa ser sanc-
ionado por esU cmara e menos admittido como
regra para continuaco da defraudaco dos dinhei-
ros desta cmara, e esU opinio unte mais ver-
dadera quanto no cemtero publico nao existe
ama so das, minutas exigidas pelo art. 34 do mesmo
regularmente.
E nem se appelle para resolucSes temadas por
erigenbeiros cordeadores contra disposico ex-
pressa do regulamento e nao authorisados pela
cmara, poisque de suas acUs nada consta tal
respeito.
A' vista d'isso, portanto, a commsso de pa-
recer qne esta cmara mande proceder contra
quem fop de direito, afim de cobrar o que se Ihe
estiver dever pelo excosso de terreno occopado
por cada sepultara perpetuidad", que, pao tenha
sido pago.
Qoanto segnnda duvidf qoa relativa con-
cessao de uro terrena a qm individuo e esur em
nome. qe outro, a commissas entende que o regu-
.atnento no seo art. 81 oppjj-se que se negocie
oo ceda-se o terreno conwdtte, i algoem, nao po-
dendo, portan^, o terreno w dado I um e estar
boje em dme de outro, ^ *\
Eduardo de Hollanda, Manoel do Nascimento. Ma-
noel Ferreira Pinto, Oliveira & Filhos & C, Pedro
Amerio da Gama Duarte, Vicente Jos de Olivei-
ra ; e levantou-se a sesso.
Eu, Augusto Genuino de Figuciredo, offlcal-
maior servindo de secretario, a escrevi.
Bento Jos da Costa Jnior, pr-presdente.
Dr. Prxedes Gomes de Souza Pitanga.Caelano
Cyriaco da Costa Moieira. Dr. Pedro de Alhayde
Lobo Moscoso.Jos. Maria Freir Gameiro.
O
B
O-
:
O 13 .
lili:
K O i
lili
* 2 2
H roi
T1
B
s
3
S?S-o
ffii
: 2.?'
: l|
: 9&
: I?
P3
n
>

2m

!8S8
tos 23
5

P
>
Es
si
- -
o a
S
O .i!
i!
gs
is
^ 53
oo
cr.
O
\m

OD
s
00
C0
00
Oi
-1
00
38
o >
H
is
Vi n
' 5
9
n
H
N
k>
2
PUBLICACOES A PEDIDO.
0 meu quatrienio de jaiz municipal da
1.* vara d'esta cidade, finda-se em 21 do
junho do correte anno, como se pode ver
dos relatnos apresentados pelo ministerio
da jusli. a.
Recife 16 de maio de 1870.
Paulino Rodrigues Chaves.
\ memoria de Fr. Joao d\%.s-
snmpco Honra.
Cinzas e despojos da mor-
le I eu traco vossos
elogios, mas eu vos nao
profano I I
V. Brrelo,
A verdadeira amsade, e que c merece este no-
me, vive, como nos eosina o Ilustre padre Anto-
nio Vieira, immortal sobre a espherada minlanea,
nao chega l a jurisdieco do lempo, nem a vce-
morte, a ausencia a esfra.
Tal era a amisade que vouvamos ao Ilustro fi-
nado, Rvm. Fr. Joo d'Assumpco Moura, que a
soube conquistar pelas suas deslindas qualidades
e sublimadas virtudes.
E' pos, em nome desta, e da saudade, que nos
desperu o dia de hoje, anniversarte de seu passa-
mento, que vimos prestar urna fraca homenagem
sua memoria.
A mais grata memoria, qoe podemos render
memoria de nosso finado amigo, recordar a sua
vida cheia de virtules, e seu acrisolado afierro
moral evanglica, os servicos prestados a nossa re-
ligio, de cujos mysterios era profundo conhece-
dor, a mocidade, a quem fora encarregado de ins-
truir nos dogmas da f, e, emlim, os seus innme-
ros servicos prertados aos liis, j fazend )-se oovr
ao pulpito, onde sempro tivera alta nomeada e j
no confesionario, onde encontravam os espiritos
enfermos prompto remedio s suas enfermidades, e
em sua vida virtuosa, om exemplo vivo das vir-
lodes, que Ibes acooselhava.
Do feliz consorcio do tenente-coronel Amaro
Francisco de Moura, cora D. Francisca Margarda
de Faria, nasceu na freguezia de Santo Antonio do
llecife, aos IJ de julho de 1825, o Rvm. Fr. Joo
d'Assumpaco Moura. Tendo feto com proveito e
admiracao de seos condiscpulos o esludo da hu-
manidtde, Fr. Moura manifestou seus pas a soa
inclinaco vida sacerdotal, ao que estes accede-
rn) de prompto e eheios de contentamente, fazen-
do o pieparar nos estudos necessarios para este
mysier, em qoe se destingoio ainda mais, attrahin-
do si a consideracao e amisade de seos mestres
e Condiscpulos. Os preceitos religiosos, qoo be-
ber no seio de sna familia desde a mais tenra
idade, alimentados e esclarecidos pela sciencia, to-
roaram largos desenvolvimentos, e a moral severa
do evangelbo comeca a ser a norma de sua vida,
que Unu adrairaco merece.
Aos 19 annos, nesU poca em que tu do nos sor-
n, quando todo esperaoca, quando as paixoes
assumem ao seu mximo vigor, quando as llusoes
deste mundo nao basum para eiva-las e a nossa
imagnacao cria aulras tantas, que servero. de com.-
bustlvel ao seu fogo, vimo* s-: oora sopjtando-
as e daspresmio os gosoe do mundo, entregar-ae
ao silencio e as paixoes do claustro. Para to gran-
de virtude s um to grande valor. ^
Trocando a riqueza pela pobreza, a independen-
cia pela humildade evan^lica.a sensnalidade pela
caslidade perpetua| 10S f5 oe ^o^ Fr. Moora
P**fcS8f lp.*'.iutocarmehuno no convento do Re-
* recebe o presbylerado.
Revestido do carcter de ministro do Senhor,
Fr. Moura compenetra-se da alia misso, qoe este
Ihe ronde, e estorcado se mostra sempre em fa-
er-se digno de uma to sabida honra.
Instruido nos mysterios da t e na fciencia da.
jgreja, dedica se ao ensino destes, ja no pulpito *
ja na cadeirajnagistral, onde fora sempre admira-
do pelos doutos e por seus discpulos. Emflm suas
virtudes e sciencias o elevam sempre na foeieda-
de, onde fra agalarduado, com subidas posicoes
ttulos honrosos.
Aos 23 de setembro de 1848, Fr. Moura no-
meado letor da cadeira de theologia moral, do seu
collegio; IS de jnnbo de 1850 Ihe conferida a
patente, era 1850 oceupa o lugar de definidor ; a
29 de feverejro de I85i em capitulo eleilo pro*
vincial: em 1857 foi Exm. prelado diocesano o>
Sr. D. Joo da Purflcaco Marques Perdiga, len-
te de latim do seminario episcopal de Olinda.
To relevantes servicos prosudos em Unios e
taodestinctos cargos, mereceram-lbe conside-
raca.j Internuncio Apostlico Manrioe Slaurini,
que o honrou concedendo-lhe o uso de solideo e*
aoel.
Nao fleam anda aqu os servicos prestados pelo
Rvd. Fr. Moura ; outros ainda Ihe restavam im-
postes pela gratido, virtude, que sempre pre-.,
sara.
Vendo desmoranar-se e araeacar ruinas a gro-
ja de seu convento, grato, como dissemos quetem-
pre fora, nao se esqueceu do que devia soa or-
dem, reccorre assembla provincial, invocando o
seu auxilio, para que podesse pagar to grate, co-
mo just > tributo, e delia obtem urna concesslo de
loteras para este fim.
Activo e sempre zeloso no cuoiprimento de seos
deveres, Fr. Moura consegue em pooco tempo>
reedificar a sua igreja, elevando a a cathegora
dos mais bellos templos da cidade.
Fr. Joo d'Assumpco Moura em sua vida jamis
se deixou arraslar pelos bens perecedonros do-
mundo e nem deixou-se cahir nos lacos, que nos
arma o demonio sempre activo no desojo de per-
der-nos; conservou sempre a sua conscinca sem
macula, e escudado as doutrinas do evangelbo,
conseguio sempre a victoria na lula das paixoes
cora o dever.
Pelo mundo baviara sido recompensadas as vir-
tudes de Fr. Moura. restava-lbe, porm, ainda re-
ceber do Justo dos justos, o verdadeiro premie.
A 17 de maio de 1862 1 bora da madrugada
na comraca de Tacarat a roorte poe termo a sna
existencia, libertando-o dos misrrimos lacos do
corpo, fazendo-o passar a pacifica, suave e delicio-
sa morada das almas jnstas, onde, por rerto, ter
recebido o premio de suas boas obras e permane-
cer por ellas e por graca de Mana Sanssims.
Mana optimam partem elegit, qua non auferetur
ab ea. L. L. v. 42.
Eis em ligeiros traeos a vida do nosso finado
amigo, Fr, Joo d'Assumpco Moura, cuja memo-
ria merecer sempre o re-peito e veneracao de to-
dos, pois a"vrtode sempre digna de um to alto
apreco.
Sejam estas poocas palavras urna homenagem
prosuda soa memoria pela nossa amisade e
saudade, e sirvam alias de um alto protesto ergui-
do contra o esqoecimonto de soas virtudes e nu-
merosos servicos prestados causa da relgio.
Susawiat te Ckrislus qui vocavit te. .
Recife 17 de maio de 1870.
Nio os desab< intentos e ca-
lumnias injuriosas destruidas
em 1865 que impdem silencio oo
se mostra direito e razao; taes
meios do jus dzes de durn-
dana no campo das Rainkas,
escovadellas de guiri no Brejo
d'Aracorridas dt macahiba
no pateo da Sania Cruz...
O ex-recente rabotaB.. .uxellas de F....
Sustentaco de embargos de fl 14.
Essa sentenca tambem nao pode oceuliar em seu
segundo e nico fundamento, o reconhecido direi-
to do A sobre o frno e maisobjectos emrazado?,
quando diz: me nao est provado dos autos u'ili-
sai se o reo desle, objecloe para ser responsavel
pelos alugueis pedidas (note o benigno letor que o
reo sendo capaz de ludo, nao argumenta com esta
ponta, que Ihe empresta a sentenca, ella esUva
reservada a quem tendo alimentado to maldita
questo de 26 processos erimes e civeis, annulan-
do uns por falta de loques de campainhas e sus-
tentando outros com as inesmas fallan, e outras
mais nsanaveis, corou no fim sua obra com mais
este disparate. Nao obstante existir nos autos 4
sentencas da I* instancia e 2 da 2\ provando o
absurdo do semelhante fundamento que nao re-
siste a menor anali/te em frente da lgica, pois
nunca se vio padaria sem frno e nenhum s dei-
xarse de {ornear nelle as massat...
Para desengao, final requeren o A. a vstoriade
1869 a fl. 117, a qual prova que o frno e mais
objectos enraizados e por enraizar, funecionam na
forma do contrato a fl. 4 a 6 que se refere nica-
mente a padaria.
O salteador convencido de seucrime, e desorcn-
Udo com as derrotas soflridas estava j desenga-
ado de possuir urna padaria que nao comproo, e
de achar outra pelo preco oo recelando Ihe pozes-
sem as tripas ao sol, se tal tentasse; estava j de
tnuxato hombro para o becco do Rosario muni-
do de I cenca da cmara municipal para al I i cons-
truir a sua nadara e entregar a do A vendendo
essa licenca por 1:000J em vista do beneplcito
da sentenca: singularidade.
Para nao entregar a padaria roubada diz que o
forno da casa, sem ser o dono delta. E vende
urna lieenca de 4:0004 por 1:0004, que tal a l-
gica e consciencia do salteador que enlrou na i/....
para ter proteo-o e roubar a seu salvo III E ain-
da descompor e injuriar o roubado III
J vedes caros leitores qoe o segundo funda-
mente em base igual ao primeiro sobre a conus-
so de deposito pelo A. que nunca existi.
EsqoesiUs singularidades do salteador e seo de-
vasse patrono.
Diz que o contrato nao tem valor por estar /in-
do, etc., no entreunte apega-se ao da casa findo
em 1866, emanado de Ilegitimo proprietaro: e
nao qniz citar a lei qoe es declara lindos e sem va
lor depois de vencidos...
Os Htencilios sao cacos velhos, poe-lhe o preco a
seu talante (depois que enriqueceu com elies).
Nao obstante o contrato os declarou novos e em
bom estado...
Diz que o A. alugou a casa a D. Joaquina, nella
montou a nadara, mais abaxo diz que os oleo-
cilios tem 20 annos de idade; e o contrato os de-
clara comprados em 1842III a padaria foi cons-
truida em 1832..... o' A. comproa-a por inter-
medio do Jos das Lagas procurador do intitula-
do dono de Macei: nao pode negar o patrono do
salteador, que redigio estas asneiras depois do
jantar.....
(Contmttar-seka).
Subdelegada de polica da freguezia de Santo
Antonio, 14 de maio de 1870.
Illm. SrAcabo de 1er o Liberal de boje e an-
tecipo-rae em informar V. S. sobre as aoeasa-
odes que me fax aquella (oiha,
A 8 do corrate O toldado de polica Herculano
Januario de Lima, iogva em urna easawmj
volunurlos, e tendo Ihes ganho j
dinheiro
suMBiea o jgo e atMta* boom 8wUno
m_i*i____1. j. oh... :> Iha iln
Epiphanio da Silva,
"tira Ihe do lenco a maolia de
r&-m"dusoludei ***'
com aqoelle volununo, lo sanir
Mais urde fea o mesmo eoaa rilill
lino de tal, deqoem ro- .oiojitaitefffl-
qoe es uva fex' .uoa ama tedoia de 4002
_ W Dio.
AKjSI
' f-


0181 30 OIIM

AHIdl H3fi3TDrrio- PWambttCO TefoA feira lf de Maio de 1870 ij 0R3SH .IVJX QMMft
i*h ii -
puteo de
K di 9, lozotimito codo soub#do
? ai> meto dia |>nde encontrar-me
M 'reataniflOBOi te achava no botequim
S. Pedro. .
M*'* taMfttfqww que este me entregarse
n dintteirtMpvblia romsigo ; o que fez i
*73*MU. ** na patraa da (arda re
o 735100 fleando eoinigo 500 importanffa
ruHu\ e nanddo-o emborV
Se algumo. eonsa hvWnsor|l \
acto 6 nao ter logo jiaqufle
rm, oio eonsei ria|jj|ponWtai
iimas proras.
So das avcrlpoaeJ* I\W rAlAa ^i*.
se ctar en mal infrnf proceder WMlfc -
ao J.tedo e ello -*S pregona Ifchjiro
1. -* UnawMlTiloeraaWlHfer-
* Jan, porm, o '-ontr.ino. Nao 'erdarcun
' (f-vas e a 41 do corrente pneatli rfercnlano c
--3. o Baptista de Li'tia que romo vera VIS. iln au-
to de perganlas n. I lem connivencia no crime d-
qnelte.
No dia 13, Sevcriano Kpiphanio da Silva apre-
Htpn-'n-T" p'--"-""'" !'"' Herallano lhe lira
ra 100* de om lenco, os receben do ainha bao,
deixando uin recibo.
Os cutros lOOi tenlio en meu poder e nao en-
trif nei Mala K r>anc lio., que os procuruu, por
ido apresenlar provas jifHeientes.
Kis o "que se tem passad > e n qua teaha feito
para merecer a censura do Liberal. O bom senso
applaudir o mu proced meato.
Quanto so cscriplo daquella olha seb a epigra
p*ffCasa de Dttenea.itentio a dizer V. S- que
o faeto e verdadero, mas que nenhuma criminal!
dade recabe sabr inrm.
A prisao de mbelina foi feila pela patrtilh* de
p lieia c s na vespcra do solta-la dbi que soube
na secretaria de polica peli parle diaria da casa de
detengan, que eHa se achava, presa a 5 dias suro
p:rte.
No dia seguinte mandei-a pr em hbcrdade.
Procu/w a patrulha e liz-lho ver qne nial proce-
der, nao me dando parte daquella prisao 00 dia
seguinte.
fe1 o que me cabe informar V. S. en rsposta
o sen oIBcio datado de boje e pee permi>S>
par, publicar a copia deste para minha defeza pe-
rante o publico
Deus guarde V. S.Mm. Sr. Dr. Lua Antonio
Fernanda Piihelm, digno chelo de polica desta
provinciaO subdelegada, Miguel Lucio de Attm-
fnrifue Mello Filho.
- Unas palavras ao Liberal.
Nao me offeuderain as pal* tras do Liberal de i i
do crrante.
Moro ainda nao tenho mancha na minha vida;
os qu me conhecem sabem o muio bem. Escre-
vo para os apaixonados do Liberal, que j forain
desmentidos por dons protestos publicados do (ha-
rto de hoje.
O redactor da noticia augmenten por sua conta,
mas en Ihe perdn porque ha horneas que nem
sempre sSo responsareis por aquillo que fazem.
Contino a iraba'har na qocstao de Hercalano
porque me parece qee chegaroi ao conheeiint nto
do oulrM crime, de qno o Libeial nao se lem uc-
imp.iito por conttnjencias de familia.
Hc.-.f^l6 do m rio de 1870.
Migtel Lucio de itbuciuerque Mello Filho.
Aos afljrenrados teUdores das fesLineas da cap:,
huj eagagim-se eom nina uva, e eogolein orna
boiad inreira, e que, iiilganda os ootros por *>,
ite ram por un empre.-timo de qoadros e flram-
se qnolos, sepultando mi rwas de nao ?ei que
UKfn*M0 cemlerio o diolietro dos patinhos ; da"
qaes covas ainda nao re esu-cilaro su-pirado feftejo, morto ao na?ce-
douro; respondt-se :
Que, quanJo qplierem, po.tem vir carrejar no
lugar endo sempre tivTim os bustos, a eoroa de
lata e os degraos de pan, i'ie tem estado espe-
ra de Ss. Ss.
Que, vende a demora d 1? gnnhaiores, o sea de-
posaric os noz a disposieV), do presidente da as-
soi-iacio desde a prxima passib sessao era que
i presidente devia ter IKlo carta que acensa va 3
iradieca) de taesolijectos e mais ita quanlia de
VU000, importancia stih^erin .0.^, qaantia que
tambju se punha di-p isico do mesmo presi-
dente
Q;ic fiialmento d'esta mpofta exrlue o nome
homailo do presidente <; outros membros da
commissio, lao respettvers por sen earaeter,
quanto pela sua pisiefi 1.
O r 1I0 do arsenal.
ios habitante l.t ireguezia e
Nauto ttonlo.
A o.iiiisso iuoaui!;Ja J-a cmara munici-
paf de promover nesta rrpprnezin ;rmi strbsrripcSn
para a ererao de mn nwnnnien'o i-i'iimon irali-
vo Os irlompKradi Brasil un guerra do Paraguay.
N? excesiva c RVRt vista c.restia das subs-
tancias iliv.ntL-ias e. il.< tnd 1 quanto eligen as
necesitado; Ja tMa, ;. i rflWnte augmeoto dos
imposto*, e as iespozas rom njric maia on tenos
i|u;-i lodos havemos co: tri'mido para atonta
s-iio de fesMn peh cvi-ln-ai di guerra, linha
osla commissSo mortvoj para rrcnsir a missao de
que a cantan a incamhrn.
Ui 1,1: talo, poii, i-Jh re.'ei'u qne a soa r-
eu-a polesse ser imputa h filia de zelo, oo m*
vontade, e p r ontro lid 1 j-iigf in iao convenierrt?,
la 1 liuvavol a il) patritico o pensamento da ea-
111 ira, qae i- r?.i por de'.itr.'Si negar-lhe sua (Taca
. adjovaeao.
Ma. exisiin I > n 1 r H>\>\ nem em parte al-
. una da provincia, u.ri m mamerto pro[>ria
oi'iile commemorstiv 1 a 1 foi-.m gloriosos de nos-
s i> aniepassados, p>i- te as apellas votivas, qne
dopois da guerra Com os Hollandezes se eonstroi-
ram, nem pela forma, nem pelos destinos recor-
lun ao povo as facanhas immorties de noasr*
Minores, o projectado monumento, alm de trans
inittir as geraroes futuras a memoria dos nossos
iii.imphos na inaior guerra, que al hrje tem ha-
vidoetn toda a America meridional, pelo numero dos
vimbat'Otes, pela sua duraca 1 e pelas qnasi in-
superaveis dilliculdades, qoe apresentava, ineom-
paravelmente superiores aquellas, que os romanos
-ncontraram em suas famosas e proloneada?
ierras com os Parthos, alm de ser um tributo
de mu i devda gratiitiio a >s hroes qae tanto lllus
raram o Brasil por sua inexcedivot coragem e
ineompararel resgnagao, ser tambem nm bllo
ornato pan urna das nossas pracas, ea primera
dir verdadwramate artstica, qae possae a pro-
vincia.
Forara e tas golBidencoe* que actoaram no
animo da commis-ao, e lhe fazem eperar qne,
prodazindo igual effeito nos habitadles da fregoe-
guezia, todos se pr^starao na prrjpdrejjo de snas
intsses, a inscrever eus noms ra lista dos eooiri-
buintcs para o monumento projectado.
Recif 13 de maio de I87.
Dr Jos Joaqun de Moraes Sarment.
Altan Augusto de Almeia
Jouquim (Vi/illfio Bastos.
JoteJoaijuim rf; Fliria Machado.
Antonio de Honra folitn.
-tinTapolIces da
fk
' HJft:?W.$X* H,U3r.3*58!
oNvid -**edJ: -eonvertido- era apolicW da
V* mHIWa Mrionet de 6 0/0 3,774:700*000.
' --:i "1rB|'1""liai diafcM-hao
rio *5sai m* 1 lvrame
PSE
fallecido na proximi.lades da capital da Iaglalef* I
ra, e liaven lo aqui rh-'g-ado a infausta noti :a
sto fattrannenio no da 7 de mar -o pw^^
.sadp, ki0 ^lUjxado em mao do supph5jj
.tameDjj_uui^ por ceriid^j revetdfl 'de
Ke, urvien^oq ieeni
Dcetaro me nao assfsti
ncfi* Vidala-
a apprenrns&o que fea
____ligado de Santo Antonio d| uantin de
fiuaptos mil tris n noao di sedado II renlano
Jantatrio le Lima,eoua <1U o LibttOl de h-Je.
Rnrite, IV de maio ie l8foV I JL JB ..
Franeelino dos Santos Araujo.
Agu Fcida de Mu#fW ?
L-mm*tn
Alm de na avanlajada superioriladi! como nm
perfumo sobro as inais valiosas composicoes es-
trangetms ; |s*a delwosa quao deleitavl ensnela
floral, forma urna agradavel lavagem para os den-
les c genjife?. servinlo de conservativo nar% o*
meamos, e como applieariio suave modificante
para a pelle do rosto dep'i de M ha ver leiio a
barba diluida em agua U.n lenes) molhado com
Igumas golas da mesnia o arntlicdo lela a ion-
ios, proiuptamente dipa o *a dtspparcer as
dores de cabera as mais vilenlas; e as seuhoras
que presain sobre indo una compleifao cla*a e
ira'isuarenie,, aompanUada, d'uma ptlle macia e
avelluJada, ambara que ola extremamente til,
mu rtmtyver ol)uUi*;>o-, espinhas, sardas sa(Mubas,
mculas. a>sim como tolas a* mai- efupcooe ex
lerms o diseoloridos quo raililam contra a pure-
za. lran-u.ii.ncia e (lexibilidado da pelle.
COMMERCIO.
rftACA DO RKCIFB 16 DE MAM.
DR 87t>.
*S3 l/ HORAS B TAROS
Algodao de Macei 1" sorte%3rs. por kil. posto
a bordo a frete de ll sem capa por libra 7sah-
bado).
Mesqu:ta lunior,
Pelo presideute.
A. P. de. I.emos,
Pel eecre irto.
ENGLTSH BANR
)f Ilk) de Janeiro Limited
Oescoita lettras da pra^a i laxa a con-
'endonar.
Receba diheiro em conta corrate hij
I raso fixo.
Saca vista oa a praso sobr as cidade>
arinctpaes da Europa.-tem correspondente!
a Baha, Buenos-Ayres, Montevideo, New
i New-Orleans, e emitte cartas de crdito
jara os rnesraos lugares.
IIA 1)0 COMMERCIO N. 36-
ALFANDBOa
taodimeciodod2a IV 398:23j8D3
Mera do dia 16 3:161*458
631:420*261
"f *'r*,^^Rm;ao as dlflosi^.-s tnsme
"Si naqnelle fall vilo, proceder o inventario de
bia a f4gj)id> ;"" iij"- Mjj
ira o quo HHqnej^p Vjp^i
snpplcanle a piesiar
rosegar nos leim s ullerioi*
io, Citado o 8r. procura I
incn.l. B.
E porpne es le* .raiaries ntreos ,-oj,1(
testador duslriboli sidMzenda, aln I
cante a detua lilbi 0l Azsnet, sai na
o fesidBif em JivertO lugares 'la'Ameriea la-
gl.oct n|n sabidoat reqlHf euiro shn o sappItaMK.
a V. S. qne se digno do admilti-lo a juslilljar a
^U'.engii dessos ou|pm legatario?, am de >e
m aWos*f^^ia|coirfii)r| p|asn raiotwet,
ameatuo-lries um curador quo por ellos as'ista
aos lemos deste inventario, al que sa a^rosenlem
os seus respectivos procuradores Ifgalmcnie cens-
lituidos. Assim, nois, pede a V. S. dMAOWon
mandando que; destribuida esta por dependencia
ao fscrivao, em cujo car*orlt> se acha regirtradiv
o testamento oriainaJ se proceda na forma reque-
rida. E II. N *RMR sollado ansa a rospectiva
estamuiltia.
Ilec'ile, II da abril de iUTaO advegndo, Dr.
Vicente Perera lo Reg.
K nesta petii;So di-i o despaeho do ilieor se-
grate: |M|M|
Como reqicr. Nomelo curador o Dr. Aminlbas
de UarjalhiR odedgno- oagerhlo diae hora par
a juslicac-i requer i.*.
Kecife, 12 de abril de IR70.Anuinio lavares.
Em virtnJe deste meu dopacbo foi fe'ta a oes-
tribuieao ao escrtvao Bomingos Nnnes Ferreira, o
qual sslgnou o dia 29 de abril deste amo para
a inquerielo das testemanhas as (fuaes sendo
apresenladas nests dia pelo snpplieanie dehaixo
do juramento prestado no litro dos Santos Evan-
gelios, depofr.im convenfentemento acerca de
ausencia dos legatarios soguirites cm diversos la-
gares da America Ingiera nao sabidos: Mara
Azenett, um Inglaterra. Todos os lilhos de Anna
Mara de Albnrkle (vinvi Taylor) em Inglaterra.
Todos os sortrinh is resiJe ntes em territorio brl-
tannit que nao est-jam snnitos a estado lgnm
esirangciro, qoe sejam filhos legitimas de irmlos
vivos mi fallecidos do dito finado, constante do
auto do inventario e do reactivo testaiiien'o ;
peto que o eseriv.i. depnis de sellar e oroparar os
aulos me aa fe?, cmelnsos, e nos qnacs dei a sn-
lenca do tneor si^uinle:
Hei por jusiili-ada a ausencia dos snpplieados.
atienta a pr >vt ]ro.luziia, e nwnlo que ejam os
mesmosci'ad'is por edito? de 60 dis na forma re-
querida, pagas as casta ex causa.
Uecife, i de maio do 187.Arminio Corfotfnd
Tavares dos Santos.
Em cnmprrmnto desta sentenca o respectivo
escrivio qoe este sbsoreveo, fez pssar o presen-1,
le edita! com o prazo de flf) dias, pelo qnal e oh
theor. cbauo, cito e hei por citados aos refafWiW
tierderos aiumtes do dito. Chmtova Starr, para
ipic dentro do dito praso, cimparecaro por ,i od
seus procnrailores ante e-te juizo. alegando e tro-
vando o que lor a bem do sens direitos e jas!i;a
sobpena do revelia.
E para quo chegue ao eonhecimento de todo?
mandei passaro presenta (pie ser alisado nos lo-
gares do rstame c publicado pda imprensa.
Dado e passado oesta ridade do itecife de l'er-
namhaco, aos 9 ,i,> miii de 1870.
Eu Domingos Nnnes Ferrcra, eserivSo o -ul.-s-
crevi.
Arminio Coriolano Tavares d,c% S-ntas
SANIA C\SA DA MISERICORDIA D HECIFE.
WfL junta administrativa da Santa Casa de
nmWffr-*" do Hern'o manda fazer pnbllco que
flaaWi de suas sessoes, no da l9#rtMio> pelas
i horas da tarde, tem do ?er arremtadu a rjnem
mais vatrfagens offerecr, pelo lempo de IB a tres
annos, as retidas dos predios em setrnlda declara-
do: fc
ESTABGl.KCIMEMtD DE CABIDADE.
Poa do Amparo (ORna)
Casa terrean- 29...... |4ft*000
PATIUMUNIO DOi ORPBAQS.
Ra do Rtogel.
Casa terMI. 38........ 360*000
Ra do Pilar.
Casa terW*. 102 ..... :Sfe
Casaterrmj.HO --.., 101*000
Os preWfftmtes doverio tlpTHemar no acto da'
arrematado das suas flaneas,ou comnarecejem
J10VIMINTO DA ALFANDEGA
folujries entrados contfazendas
dem dem com genero*
f.iIrucB.s tbidos cn:n far.endas
dem dem cora gneros
148
452
128
418
------2i6
399
DECLARACOES.
Descarregam hoje 17 de maio
Barca francezaFi7!//Wemercaduras.
Escuna ingleza limpst farinha de trigo.
Drigue ingle/.Try ..4/onoiercadjrias.
Brigue iancezM' es Ffems-iden.
Bcigue inglezUnuk> dem. *
tECEBEtiOiUA DE RENDAS INTEKNAS (i-
RAES DE YVA X AMBIT/).
tendimentedo dta 2 a ... 2S:070W93
llera do dia 16....... :0i7*323
aK0B3/4l|
CONSn.ADO ri'.'VINCAL
Rendimenlo do dia 2 a IV S8-.'t'20l
dem do-dia 16 ....... 7:4005693
63:766 896
DO PORTO
Oabaixoasigadc, faisciente aos sens cons-
liiumtes, que durante a 3tJa urta ausencia, fteam
fazendo suas Votes sed mano Dr. padfe Antonio da
Cuabae Figueiredo e seu lilhoo bacharel Walfrtdo
lo d; todas as causa- do seo escriptorio. E apro-
veia a oceasiSo para pedir mil despulpas aos ami-
gos, de quem nao pAdr! pessnaimente desdedir tv,
i-ITtreeeodo-lboi seu diminuto prestlmo na corle.
Becile 12 no malo do 870.
Jo Bcitio da Cbtiha e Figueirt).
Julo. convfnienle decarar que nao fui
'luem parti para Bordeo* pelo t. por rar>
cez Amamne tle d'aqoi seitiio no dia I
do corrertte, cotilo se pode crer, vista da
lista dos paeflaqeiro* desse, vapar, publicada
na Revista do Diarin hontem ; m Dq flrnD BrJttardO d'AqOfM
Konceca que, com sua familia, part a
hnrdn do referida vpw. '
ttecie, 14 de maio de '.Ti.
Dr. Joaqun d'Aytino-Fonqm-.
Protectora 4as Familias,
Associacjo brafileira sgifrofl moMio*
sobre a vida, .arroyad* por deertrto
govorpo imperial de I? de jonbo d
Gcriia lelo IHco rural. hype#wfrio do Rio de
/neiro.
'"Ha* csmlirtra pas viaedeprospa*-
"traYei infceTBles emprea
Navios entradis fl* da id.
Montevideo17 dias, burea ingleza Air'df, de 3.17*
toneladas, capitao KeUlal, eiHjipagem 10, em
lastro ; a ordom. Socuio para Wesl Indies.
Santa Caiharna22 dia?, patacho brasileiro Cyso,
de 2-11 toneladas, capiao Antonio A. da 6e*l*,
equipagem 9, carga 6,600 alqueir de farnba
de maniioca ; a Jo.iquim Jos Gonealves Bel
tro.
Navios sahidas ifo mesmo dio.
Por!iBarca poriuaueza SpmpnlMa, capitao Gui-
Iherme Luiz de Souza Lobo, carga assucar e
uniros gneros.
MaranhoEscnna brasikira Georgiana, capitao
Manoel Praoklin do Amaral, carga differentcs
gneros.
Cabo VerdeBarca portngueza Piedade, capitao
Jns loaqaim doHeis, em lastro.
Navios entrados no dia 11
Rio de Janeiro10 dios, barca noruegueuse. Pera,
de 309 toneladas, capitao P. G. Peltersen, equi-
pagem 10, em lastro : a ordera.
Asid13 dias, hiat brasileiro S. Jo Bnplista,
de 64 toneladas, capitao Joaquim V. de Monra
Guedes equipsgem 6, carga sal e algodo ; Go-
mes de Matos.
Uin de Janerrlidias, biiguo noraegm?e Ca-
(harina. de497 toneladas, capitao G. Gil, equi-
pagem II, em lastro a ordeno.
Babia-5 das, barca inglea Annah Mary. de 540
toneladas, capillo Belf, eqnipagem U, em lastro;
a Sempson Duder 4' C.
Barcelona3o dias, sumaca bespanhoia laadla,
de 202 tonelada, capitao Tiiomaz Frnch, f qui-
pagem 13, carga vinho; a Pereira Carnei-
ro&C.
Naciot sahidos no mesmo dia.
AracatyHiato brasileiro Deut Te Guarde, capi-
tao Manuel Caetano da Cost, carga lilTerentes
gneros.
Rio da PralaBrigue portoguez Damao, capitao
Antonio Jos. Vianna, carga assucar.
Rio di PrataBrigue oriental Adelaid", capitao
Romao Peres Maciel, Carga assocar e agur-
denle.
Rio Grande do SulEscuna noite-aJlemaa, film,
capitao P. I.iodemano. carga violw.
Rio da Prala-Brigue hrasileiro Atberlo, capitao
Agotinho Naves da SilVa Lobo, carga assucar
e agurdenle.
a ...... i
Santa Casa da Msericoruia
do Recife.
I I a h el o vfsa.
A Illma. junta sdminktrativa da santa usa
do misericordia do Recife, no interesse de al.rpar
o circulo dis pe-soas que concorrem a arremata
cao do fMmecimento de gneros que tem de con
sumir os est:ibe|eciment'is pos a sea)cargo, mana
tazer publiei* n* r meftn torfceiaienlo do
quanlia de.3J)U0. annuaimente, e que pasi
mensaIrnenrd eom dinhei o vista.
Recebe, porianto, a mesma junta propostas para
o fornecimento indicado no mezdo jur.ho nn^imo,
da
le
na sala de suas sesso, e pelas 3 horas
do dia -19 do crreme :
Assucar refinado kilognmmo.
Dito 2* sirtojdem.
Dito Drrao i-ietn.
Aletria idem.
Arroz do Marauhao dem.
Azeite doce litro.
Agaardente idem.
Ateile de carrapato iiem.
Aibo restea.
Bicalhao kilogrammo.
Hlalas dem.
Cha verde idem.
Din hysson dem.
niK. preto idem.
Ceblas cenfb.
Carao secca kilogrammo.
F.irinha de msndioc litro.
Fumo d) Rio klogranmo.
Feij.io inulatinho litro.
F.irello sacco.
Mantoiga frnceza kilogrammo.
Mi I lio sacco.
Peixe fresco kilogrammo-
Potassa idem.
Sala > idem.
Sal litro.
Velas de carnauba kilogrammo.
Ditas stearinas dem.
Vinagre litro.
Vtnho luto idem.
Dilo branco idem.
Toucinho klogratnmo.
Tipioca idem.
Os pretendenles apresenlarao suas propostas em
cartas fechadas, as quaft deverao ter a ordem es-
labe.lecida no presente ano unci
Secretaria da Santa Casa de Misericordia do Re
cife li de maio de 1870.
0 escrivo,
Pedro Rodrigues de Souta.
Pela recebedoria de rendas internas geraes
se faz pahlico, que neste corrente mez de maio
que se finda o prazo em que os contribuintes do
imposto pessoal. relativo ao segando semestre do
exercicio corrente, mire 03 quaes se comprehen-
dem o< empregalos pblicos geraes, provineiaes e
municipaes, teem de paga-lo bocea i* cofre e
livre ue mulla, e que Ando o referido prazo, 9er
cobrado com a multa de 6 por cento.
Recebedoria de Pernambuco, 2 de roaio de 1870.
0 administrador,
Manoel Carneiro de Souza Lacrtda.
ECITAES.
Perante a cmara municipal desta cidade
estar em praca nos dis 13,16 e 18 do correte,
para sarem arrematados por quora maior re olferecer os alaguis dos tainos do acuuguo bU-
cu da ribeira aJ fragoezia do S. los ns. 10 11,
li e 13.
Os preteodeots deverao so habilita* na Jinua
da le para poderem licitar nos mesmos albos.
Paco da cantara munibipal do Recifo ll e mai)
de W70.
. Bento os da Coi4fl Juior,
ro-presidont.
O administrador da recebedoria de rendas
internas geraes faz publico que, em virtnde da
circular n. 8 do ministerio da fazenda de li de
jabril ultimo, o novo regalamento para arreeada-
:cao do imposto .do sello a que se refere o decreto
n. 4503 de 9 do mesmo njei, e que j fi pnbliea-
do nos Diarios de Pernambufo u*.-90 e 91 de 23 e
25 do referido mez, deve ter exeeueao do dia 19
do corrente em dianle.
Recebedoria de Pernambnoe, 10 de maio de
1870.
M-iKoel Garneirb 4e Souza bacerda.
dada, nae sea i-os .
Em'34 dedeietubM d 1868.
a aseodaiio 8542 cotratos.
tu.
Augusto
*" T'ior arvii
OBfCrSi-nf~ "
O W. AUnipio Gorii
eijedo,
o da secratapo.
taare
Tvares dos Santos.
da vara d crime 6 ei-
IIas e residuo?, nrsta ci-
fAk HMlripal di
vol e pratedol* 6i
dado m Recife de FW*atnfiueo rfe termo por
Sua Japawade intpiertal W Conrtrtueicna! qu
dfMsfaardevelc.^lc.
r*co aaber Aek prenenie qae, daege arlaed
Starr, na qualidade de leaalerrode43lrrit,flfvle
**#or.e|*hrefa4e, me dwlfie a -
'*eori-
,'lHm ufa, praaador-de residHoa.-Ifa Jorgetvnlsosno valorefltelal I/. .
v 1- A .** Uectuaeo vae starr, moradar que foi nesta cidade, onde O inspector interino,
pojania "ropriedades importantes, que teodo elle L. de C. Paes de Andrade.
Santa casa da misericordia
do Recife
Pela secretaria da santa caen de misericordia d
eerie se fas pnbleo que acha-se vago e laf nt
enfermeiro do colleaio dos orphaos, que por cefl'1
segP'Ofe os pretendentes quete logar deterao
lirlgir sua wlicea Illma. junta em sesso do
da 19 do e'orreo:
Secrefara- aa"saW as de miericofd?* do
Recife 13 de malo de 1870.
v. O esdrivio,
Pedro Rodrigaes de Soma.
O inspector interino da alfandera faz pubi
co qUo no dia 1 do corrente met, tfepois rio meio
da, e porta da mesroa repar|co, ser* letad
tilla pabllea,- vi% djreits ao arrehiiWite,
ma catea da mam F. n. 1, Ttda do Ha-
vre oa barca frarlefa Cvlni, eairada em if de
oaireio de. teverelro de 69, abanddhja P** Theooro GhrB
| lian sen, poffiend d* fcf|?*nWn dahaprestos
^"fflftfeiWr*11 "fi J*dorL
-SdH-ilarle *s M^nla Cssa Ja Mserieerdla de Re-
ife, 20 do abril de 18J0.
O esertrao,
aj a^| Pedro Rodrigues de Souza%

qvJmloaGoncakesBelrrao, rua do Commerec
n. 17.
f
iVopo &>M>.
Para o referido p-rio pretende seguir com mui-
la btevidade o patacho portoj
Ter a mai.ir najfelaseu*'
para o pouco^ue^JJ^ fa|
commodo, trata-. cun o
Jos Gonca|ve|tDelirio,
mero 17.
TiE
%avcs:i^U oosteim |>er vapor
Porto d9--GalIlnhas, Rio Forwoso t
TamaniarS.
O vapot&ira/ii/oa, seguir para os portos aci
ma no ola, i > do corrente mela noite. Recetx
earga, emwnouiendas, passageiros edinheiro a fre
te no escriptorio do Forte do Malta n. li.
referido rcrido, 'bofT8lervenr;o *> geme Ma>
tins, os i|liili]laijlii| anai|ini telas ni. iOTnr, 7%%, 12 137, 1W,
m,m,m;iw.nit3!fy'm, m, ne, m
m, 357, :m,m,m 37f 4ii, s, mt uo,
460,41, 482. 48WJ**t"aaaVI A, 23 A. 26
A, 35 A. 38 A, 63 A, 99 A, 103 A, 104 A, 105 A.
AsDsioas ii ue qqUerem jasgaiaX. oti retorne-
scuManh >rrsTBp3os iflanfB* spectivoo^K
!-'Z.o-|(f5Ha
Peregrino.
D. Jesnina
Braga.
Dc-Glovanni.
Abren.
Souza.
Airosa.
Fteita?.
Emiliano.
Azevedo.
Fdua.do.
D-. Oijrmpia
D. Francisca.
D. Joaquina
D. Mara.
Bahia.
THEATRO
GYMNASIO DRAMTICO
(So Moateiro)
SOB A PIHCti(L\0 DO AIITISTA
tuarta-feira 18 do correte.
Representar se-h* cora todo o esmero possivel,
o apparatoo drama sacro de grande espectculo,
em 3 actos e 4 qnadros, ornado de mosiea e eb-
rcijuecido de traesformaedes e visualidades inti-
tulado :
GABRIEL E LLSBEL *
oo
OS HILaGRES DE S. ANTONIO
Penmagens Aderes
Frei Antonio religioso )portuguez
GabrielO Aojo Rom
LusbelO Anjo Mae.
Ezelnosohnr (Te Verana, ge-
neral do eytnclD da lmp,era-
dor de Aleuunha, Freori-
co II
Frei Eliasgeral da ordem *s
menores, que surceden a S.
Francisco o instituidor da
mesma orden
O sacristaimorde Sonta Ma-
ra do Padua.
Pedro leigo, seu.;.judante
Ignaciodem
O cardeal-r-enviado por grego-
ri > IX a visitar o convenio dos
franciscanos
Marlim de Bulb.Vs, pai d froi
Antonio, ompregado na casa
dos seoHores res de Portugal
Leonardorapaz do poro
BertaaSua liae
MarietePaduana rica
U)Uviasin filha
ClementinaDonzella pobre de
Veron i
.Marco Aureliovendedor de co-
mestiveis
Reiigiosis menores, gnerreiro?, comitiva do car
deal, povo do Padua e Verona, sentinellas, frade?
er.
O seennrio inteiramente novo e executado
pelo babiiissimo >ccnographo o Sr. Adolpho Sal-
daaha.
O machini'in;, accesorios e todas as pec.as de
transforniacoes, f.ram prepirados conveniente-
mate pelo Sr *ano I Tarare) Pinto Purto
O vesluario foi confiado ao Sr. Julio da Rocna
Ferreira.
A msica ensaijda pelo Sr. Colas Filha
A direcojio, procurando lodos os meioa a seu
aleoiice, alira do ilustrado publico de.-ta capital.
poder sem grande dispendio g>izar os espectcu-
los no Gymnasio ilramatico, marnente agora qne
a rompanhia se acha reforcada com artistas de
reconhe.'ido merltn, resolve, durante _os mezes
do invern, estabcl cer '.s prectos dos bilhetes do
.nodo eguinie :
Camarote com 6 entradas liOOO
Caderas 25000
Platea 1*000
AVISO ESPECIAL.
As pessoas que muraron no Recife e em toda
a linha frrea at Apipncos, quando comprarem
bilhetes de cmara, ou cadeira, a rJieccao Ibes
dar patsaijem jMH em wafon, antes e dppoi
do espectacirto.
N. B.O bilhets? achara-se desde j, na esla-
eao do llecife. na casa n. 30 ra Bella, on no
beatro.
CIRCO
NO
PAViLHO DES. ISABEL
COMPANHU
EQUESTRE GYMWSTIGA E AC0B1.4TICA
DIRECTOR
D. Marcos Ciisali.
trla-iclri i* do errente
As oito h ras em ponto.
Variada c escollada funecao em b ne/iicio
do joven artista
Pela primeira vez se ejecutar neste circe A
escada aerea exercicios qae foram muito ap
pa adidos em todas as partes, e ltimamente no
Porto, onde se repetlram dez funccSes consecuti-
vas executadas por Cesare o beneficiado Vicente.
O rransficiado dedica urna funejo ao respeilavel
publico desta .cidade, esperando da phrlantropia
de to consantes favore edores.
O beneficiado desde j agradece as penoas que
Jueram honra-lo, (leanlo nma grata lembranca
o publico pernamb cano.
PROGaAMSA.
!. Symphonia.
1 O Joekei, pelo pequeo Juanio, sobra o ca-
valillo mosca.
3.a Exercicios sobre um cavallo em os e, pelo
beneficiado.
4" Pela segunda vez o clon invisrvel, interme-
dio jocoso pelos artistas Cesar, Vicente Aldaba e
o palhfleo.
5. Murilbo, cavallo amestrado, apresentado eu
liberdade pelo director.
6. Jarra di onro, pela senhorila Artna.
7.* Pell primeira ve o beneficiado execntar o
tambor aereo, obre o trapesio. *
Intervallo de 30 minlos.
8. Pela primeira vez, a escala aerea, exrcieiosr
da malflr nifOcoliade e ligeireza. wk applandi-
dos grnmasta Cesar e o benefWjde.
~9." Pela primeira vez. o marinrreiro, scena sen-
timental, executada por I.niz sobro um cavallo
W.-Postflra* acirdemicas. pela menina Jaanita.
H. El Canean, caricato iraneez.
Os bilhetes de camarotes, caderas e plateas
vendem-se no mesmo circo.
PRIMOS
Camarates eom 6 entra las........ 12*000
Cadeiras....................... 2*000
Gadeirs AvOlsas parJ zahora..... 2*000
Geraes.......................... 4*000
N. B;As ponas do re* abrem-ae 7 ho-
ra da noute, darw-a pheif*o aito era
ponto:
AVISO
Os senhores que quiterem, poder- estar e>
b"tlrtni4e seus camarote*.
Todas as quartasrerras, sabbados e domingos
h I '"....."^ ""
AViWltWT
Rio de Janeiro
Para o referido porto pretende seguir com mui-
la brevidade o patacho Arate, por lar a maior par-
te da carga tratada, e para o resto que lhe falta e
escrvN a frete trata-se com o conslgnatarlq ?oa-
II

Liverpool urasil & Wiver Pate
Hall Vleaue s.
Espera-so do Liverpoi-i e Lisboa al 22 do cr-
ranle o vapor iqgiez l'ascit. da 1876 loneladas, o
qual se despachar para Bqhia, Bio de J.meiru a
Sanios com todo br vi J.ide.
lVnlieiro e eacoianiendas a Veto recebem ?o na
gencio.
Os vapores desta companhia tora ex*ellenles
accoromodae,i>cs para passageiros ? agentes Saun-
der? Brothors 4C. 11 larJTl do Co po Santo.
mnm\ brasileiba
DE
Paquetes a vapor.
Dos porras do sul e esperado
al o dia ai do corrente o vapor
Tccantins, eommandante J. M
F.Tranco, a qual dapoU da de
mora uo ousiume seguir para os
do norte.
Desde j recebem-se passageiros e engaja-se
;arga que o vapor poder condnzir, a qual deven
ser embarcada no dia desuachegada. Enconunen
das e dinheiro a frete at as duas hefras do dia d;
ua sabida
Nao se reeebem como eucromendas senao ob-
loctos de pequeo valor e que nao excedam a 5
irrobas de peso ou 8 palmos cbicos de medi-
can.
Tudo que passar dostes limites dever se:
mbarcado como carga.
Previnc-se aos Srs. passageiros que suas passa
ens s se recebara na agencia ra da Cruz n. 57
( andar, escriptorio de. Antonio Luiz de Oliveir;
Vzevedo & C
Em contnuapo.
H-j6 17 t! crrante.
O agente Oliveira continuar por ordem e eoi
o armazem dos Srs. Ferreira & Maiheus, o imIo
de fazendas as mais proprias do mercado, ante-
Hnrente espec'ttada.
Terca feira ,, -
as 10 horas da manha no indicado anoazem
ra da Gadea do Uecife.
COMPANHIA PEKNAMBUCAN
VaTegacSo costetra por vapor.
Parahyba, Nata', Maco, Mossor, Ara-
caty, Cear, Mandara, Acarac e
Granja.
<^y 0 vapor IpijticT, commandanti
LvL Moura, segnira para os porto:
oHK cima no lia 31 do crrente as 5hora-
la tarde. Recebe- carga at o dia 30, encono-
mendas, e passageiros e diuheiro a frete at a;
i horas da tardo do da dr. sahida no escripto-
rio do Forte do Maltes n. 12.
Senilo 4 men1* *e jucWaeda, copoH#- de 12"
cadeiras de guarnico, 2 ditas do bracos, J dlas
de balarvjo, t. sof, i ccosoUoa ecmt taaiBe de po-
dra, 1 secretaria de jcearand coui coenmoda, l-
cama de Jacaranda, I toorador com peora, I espe-
iho grande proprin para toallete, 2 espelhos gran-
des, I piurda vestido da amarello quasi nove, 1
inarqaezo de amarello, I privada de ainarelte, f
par de consollo* de dito, 1 cama de amarello pera.
criaoea, 1 borc/>, 1 cama de lona, 1 oabMe ewn
cortinados, 1 mesa elstica de amarete, 1 dita, i
guarda i'oriflha. 1 mobi ia de Jacaranda *a Luiz
XV cun 6 cadeiras de guarnico, 2 ditas de -bra-
cos, I par de ernsollos com podra e t sof, 1 arte-
sa pjra p de rama, 3 pares de jarree, Jarres
avulsos, 1 guarda vesiidos, I guarda louca, i apa-
rador de amarlo com armario, 2 caderas da bi-
lancpde imarello, l onartinheira, 1 cadena para
ranla. 1 marqueta de amareHo, I apparelno dt
porcelana para jantar, 1 dito para cni, farra-
fas pora vinho, copos, clices, louca azat para o
servicodiaiio e t'em de eoiiaba.
Quarla-feira 18 do corrente.
O agente Martin* fir leilad" dos movis 'cima
pertenrentrs ao Sr. Alexandre Jos da Silw, fo
se retirra para a Europa, os quaes se aehaa aa
cas oude fni ,-no residencia na rna -"a Solajade
n. 36, ondo tera lasare leilaoas ti horas dd*di
cima.
l r
CO.MtANHIA
PEUNAMBIJCANA
DE

WaTegaeit cestera por vapor
Mamanguarja.
O vapor Cnrurlp, commandanie
Silva, seguir para o porto ac ma no
dia 28 do corrente as 6 horas da
tarde. Recebe carga, cncommendas, passagei-
r se dinheiro a frete al -s 2 horas da larde
do d a da sahida : escriptorio t.o Forte do Matos
n. 12.______________________________________
COMPANH1A PERNAMbUCANA
na
Navegagdo costara por vapor
Macei em direitura e Peneilo.
O vapor Giqui, commandanie Costa, seni-
r para os portos cima no dia 21 do corrente
s 4 horas da ianle. Recebe carpa at o da 20
encorrrmendas, pass.iEreiros o diuheiro a fre*
at s 2 horas da tardo do dia da sahida, no es-
criptorio do Forte do Mallos o. I-.__________
COMPANHIA PEUN.VUliUCANA
ou
.Vavegaeao custeira por vapor.
Giiianna.
^rty O vapr r Parahyba, seguir para -
t/ik Porto at-'ima "o *lia 26 do corrente
MmmtWt as 9 horas la noite.
R cebe carga, eneommendas, passagei ros e di
nhriro a frete no escriptorio do Forte do Malte*
n. 12.
De 99 saecos con assucar vl
ciado."*
Qitarla feira 18 do corrente. "
0 arenle PasUua fu leiio por conta dos Srs.
Alfredo & Barbosa Jnnior e por conla e i isao de
queai pertencer de 27 sacos cok assuea* naia-
dos vin-los de 15arrc:ros e sero vendide ama-
nhaa 13 do crrate as i I iioraa da manhaa>no
trapietoe da alf.udega volhei. .___________
De .at> paueiroe tapioca.
O ag.mi.' Jos Mara Pestaaa, fairleilao quai -
ta-feira 18 do crrente, de 30 paneiros cora tapie-
ca do Mnnni, coi p rleato estij, as H bas
em pont notrapi-hi nllandegado do bario do
! Livramento.
LEILAO
de chap s svariatic.
Quinta-ieira 11) de oaain as 11 horas
O ageste Pinte levar a leiio por coma c riso*
de quem pertencer urna catxa marea C di C a.
I8, eomchip'Vis de seda e marin avariadus a
bordo da barca fran -eza Jean Bapli-tta, a leilao
ser effectaado as II horas do dia cima dilo em
o escriptorio da ra da Cruz n. 38.
LEILAO
mashia mmmu
DE
uetes a vapor.
Dos portos do norte esperado
al o dia 29 do corrente o vapor
Guar, commandanie o capiao
tenente Pedro H. Duarte, o qual
depois da demora do costume
eguir para os portos do sul.
Desde j recebein-se passageiros e engaja-se i
;arga que o vapor poder conduzir, a qual devert
er embarcada no dia de suachegada. Encommeo
las edinheiro a frete al as 2 horas do-diada sua
unida
Nao se recebein como encoramciidas seno ob
iectos de pequeo valor e que ao excedam a dua-
irrobas de peso ou 8 palmos cbicos de medieao
Tudo quepassar destes limites dever ser embar
ado como carga.
Previne-se aos senkores pa&sagejroe que sua?
passagens s se recebem na agencia, rna da Cruz
o. 57, andir, escriptorio do Antonio Luiz de
Oliveira Azevedo & C.
HE FAZEIDM
avadadas.
Quinta-feira i9 de maio.
O geme Finio faro leiio por coala e risco do
quem pertencer de diffei en les fazendas avahada* e
I com defeito constind > e cambraias. chites, algn-
I does e estopa, as 10 horas do dia cima dito em
seu escriptorio ru da Cruz n 38.
LEILAO
De tilias calxas com horxefnlns
e bolina* para seohoras.
tjninta feira I!) de maio a o meio dia.
Por intervenga o >lo agenn! Pinto, em seu es-
criptorio ma da Cruz n. 38. -
Para'.
0 brigue portuguez Catete sahir com brevida
de, para n r;sto da carga iratase na roa do Vi
gario o 11, I' alUJar.
Frela-se um navio de primeira classe
para levar para FalmoiUh para receber or-
dens com as condiges da carta do fre a
meato original o carregamento do brigue
norie-allemioAu^/tsf'O legalmenlecondemna-
do neste porto, constante de cerca de IB
toneladas de gorduras em pipas II '/s di-
tas de oasos, 5300 dwtfres.
As propostas serio rocebidas ao consula
do da cotifederario da AllemanOa de Norte
at segunda fcira 16 do correte ao mel dia,
aonda as proponentes se podem informar
das condi^es da carta do frelamento ori-
giual.
LEILOES.
.
LEILiO

Do pianos, movis, (erragens e velocipedes.
(i:m cootlusiaeio.)
Aaaner;
Dous pianos fortes e de 3 curdas, ninas eom t-
nico para cabello, ps, macha.los, pregos, velo-
cipedes, e deiras de pao, ditas de palhiafaa e
outros rticos.
HOJE
Por inlervencao do agenta Pteto no armazem a
roa Nova n. 9.
Prtnciear as t hera?.
HJB.
N. Danheissor esiabeiecido.cor cMa -da peno-
res na travessa da travessa da roa das Cruzas n.
2, far leilaotercv feira 17 do cerrente no mesmo
Das casas terreas da ma da Santa Cre
ns. 61 66 e Cotovelo n. 2, edificadas
em chaos proprios, com graade qoinUl
morado, sendo que os fundos das pri-
me'tras do para os fondos da casa da
ra d i Colrelo, com portSo,
Quinta feira 19 de maio
O agente PdIo Icealmente autorisado far lei-
io das casas cima mencionadas em fim ou mais
lotes, as quaes te limara reconiroendadas por
seren edificadas em b >&s ras, chaos proprios
epor ter urna deltas graode sotao ; o leilie ser
effertuado as II horas do dia aeima dilo no *-
criptorio do referido agente.__________________
O leilio das dividas da caixa rMal 'do baoco rasil foi iraniferido para sexu feira tO da cee-
-nte.
AVISOS WVEfiSOS.
Mudanza.
O Dr. Candino Francisco de Lima Santos au-
iou sua residencia e aimuttorio pare roa da>
.mperador n. 57, 2* andar do sobrado cajo arma-
tem conserva ahoda hoje o nome de Manca,
tendo a entrada, que pelo lado da poniate 4
Setombro, o mesmo numero 37, i frente. Ah,
;ontinnaudo o dito Dr. no exercicio (fe sua pro-
isso de medico e de operador, pede ser procu-
rado a qualqner hora do da e da anote.
Troca-se urna rica imtgera da ConceicAo a
(lo Senhor Crucirkado, obra muito linda toda'de
Usboa, de marmore e mad ira, assia coto runa
linda machina de costura multo boa o nova, ama
(ama le casal aova ; na mesma casa vende-
nar-ipe que cura a rooJasila d polmio, estere
medio o vindo df stMo : ao Cbrretor dp K?po
ii 83.
Flix. Francco da Cuoha declara que
leceu urna irrria aa travesa dos
qnal se acha bem preparada e
tor qualquer obra, bem corri
p-adss e raraad
,aoa fregnexea jazer ludo por raeo j
Aluia-se o Ia andar da cal r* ** de'rue
lo Rangel : a tratar no 3 andar da nesuoa. ou
aa ru *> Queimadoj. J
< r



th+kflyPtltpftvo.^ IV^a Wra l fa Maio de 1870.
Pugio m dia 13 do-corre** r.ei o ptelorV m-
me Juaqaiin, cara Made de 48 anuos, de pequea
Matan, bjm moto le eer, e>m uraa ferida no
pi Aireita, e tetn bellido nos otaos, levou camisa
fcHa prew : perianto roga-se as autoridades
Mtteiaei e eapiftes de campo.a sua appreheu>o e
rento i raa do Jardim n 19, aonde se recom-
jMasari.
Qoem prcemr de orna negrmha para easa
efe fanalia, de poriw pan (teatro, pan servio de
flk i etrrBfar menino, iirtjavs3 a raa da SaDta
Crt ft. l
PERFUME INEXTlNCtOVEL.
Para o Lenc, Tecapoh, e Banho.
Ja so acham definitivamente dividido* em
aqaeiws lote os terreos do sirio Balero, penen-
te a viuva do DA Feitosa, na estrada antig de
Olindaj o por tm4e paseam os trilhos urbanos des-
tt para aquella cidade, eonforiue ja foi ludo ane
nttnciad) : tro, dirija se ao eogenheir Antonio Vicente do
3laMWanw Penosa, ra estrena do Rosario n. 23.
Alrjga se nma eerava muja para ) servico
Hroe de urna casa quem pretender dirija-se
fjfa do Conde d'fiu n. 1?.
A MU AFAMADA
AGA DE FLORIDA,
DE
HI RR41 A LAMAN.
fie o mais delicado e mimoso eao mes-1
mo tempe o mais estavel de todos os per
fumes, o encerra em si, no seu maior auge
ATTENCaO
Ac*-se fgida desde dia I do crtente a es
C.nva Barbara, criouia, de 45 anuos de idade, sem-j
doatei no queiv* auperwr, com muitos (-bellos
krawef Da eobeea e na cara, parecendo que faz a
barba, estatura all, corpo regular, costumando
traxcT pao nn cabeca como n*am as Bahianas, a
ftal indo ao Peixinho ver roupa lavada all a en-
tregou t a canoelro, e foi encontrada no Recife
o ttecoo lana, casa da preta Rusa que hoja
forra, e que diz nao saber da dita negra, a qual
muito conhecida em lieberibe, no Funda", no Pe-
sinti, wn Onda, e no Rio Doce, de onde tem ha-
vido mais oa mms noticias de ter sido vista :
roga-se por issoas aut.ridades e eapitaes de carn-
eo a captara da mosma escrava, que ser fcil
sur aeuutada em algum mucamb i fra da cida-
de, oa calugi dentro da masma, e leva la rua do
Brum n. 100, que ser generosamente recoinjen
sata,
53
i a *
"flypotiio J,>s Roberto, Pedro Emilio Roberto,
Virgina Rotarte Perts da Cruz, Jos Peres da
Orua, Mara Ad -laiJe Peres da Cruz, Virginia A-
maiia Peres da CrM, Julia Olindina Heresda Cruz,
Amelia faermdtm Peres da Cruz, Elvira Eulhalia
Palta da CrBt Laura llclvina Peros da Cruz, Jos
Peres Ja Cruz Jnior e Alfredo Ernesto Peres da
Cruz, > rlialmpute agra^lecem a todas as pesjoas
que ass'Sliraiara ltimos >n(Tragios e acompanha-
ram ao ccnjilerio publico o cadver de seu preza-
os convida pan assistirem a missa e memento do
setim i dia, que dever ter lagar na igreja matriz
de Santo Antonio, pelas 6 horas da manhiia do dia
1! do corren!", pelo que se eonfossam eternamen-
te agradecida.__________________________
ALGA-SE
urna nasa eom i quietos e um gahinee ua sala da
frente. tod< s com .janeHas. e no sotao com tres
tambero grande-, ssndo 2 com janellas, coxinha
jrrande e desposea, cOciieira, e;lribaria. quartos
para feiloi c esenvos, b^a asraa de cacimba, tam
diversos pAsde arvor^los, no logar da Capuoga,
irgnndo bjoc da Ventura n. 8 : quem pretender
dinja-se roa Jo Amorim n. 39.
g Ra do Impera ior g
N. 10.
Pnncisco Xavier Pereira de Rrito, ex-
solicitador da fizenda nacional propC-se
a apilar o andamento de qoatqaer pre-
tal aO peracte as reparticoes publica", de
causas otvis, crime, cummerciaes e cede-
HMioas.e do todo e qualquer ncgocir.qne
precise a intrvBoio de um asente : en-
oarrega- o tambero do quatqner cobran-
ca fra e dentro da cidade : qne n de
sea preSlna se qtiiz r uti'isar o pune
BTorurar Jas 0 Iwras da maniaa c s -
da larda n\ ra do Imperador n. 10.
jjfH
Fugio no di i 3 do corrente da casa do abai-
xo asvicr'i-!!! ,\ '-rrava Lima que representa ter
M i 22 a anos -J idade, cor futa, corpo regular,
cabellos carapinboj bostoma trufilos adianto e
.anr-los no mefc), tora no peeoono junto da guella
um slgnal visivei que diz ser do queimadura de
foi en i'^iena, levou cha'e de casemira cor
de rosa e saia a eaaareqna de chita clara, a qual
f i esnrava do Sr. Lydio Aristiles Al ves Sampaio,
e ()' veodeo ao Sr. Sebastio Marques do Nasci-
menl i, morad r nesta cidade e e-tc vendeu ao Sr.
Mau >el Jos d; Cont, morador no engenho Ma-
mneaba, eotnrea do Rio Formoso, e ete vendeu
oa p'.'nnoi )i com o Sr. Francisco de Paula San-
los, tadlbeni morador nesta cidade quem com-
(irei obra de um miz : ropo portanto a todos os
capities decampo, as anihoridates c a qualquer
i qno eOaJenba no'icia, que a facam apre-
lienlor c condazirap sou senhor Luiz Solano de
Millo, morad ir atrax da matriz da Boa vista n. 2G
primeiro audar, (jue ah se recompensar com ge-
aawatdade.
Aluga-se um sitio no lugar do Salgadinlio da
cidade de nimia, cora boa casa de vi venda, ca-
rimba de agua de beber, com grande baixa de
apiro c com terreno preparada para augmentar,
tendo rnn freguezia de 100 feixes annual com
pr-f xo, hastante plantado de feijo, milho, ma-
<;axeira e maanea, quem pretender dirija-se a
typegrapMa deste Diario para tratar do arrenda-
mento.
deiras flofed, quando anda na sua flores
cenca e fragancia natural. Como um mefo
seguro e rpido aliivio contra as dores de
cabeca, nervosidade, debilidade, desmaios,
flatos, assim como contra todas as frma?
ordinarias tle accidentes hysterios; de
summa eflicacia e n3o tera nutro queo
iguale. Igtralmente, quando destemperada
com agua, torna-se um dentfricio o mais
agradavel e encllente, dando aos domes,
aquella aJvura e perolada apparencia tio
altamente apreciada e desejaa pelas Se-
nhoms.
Como um remedio contra o mau balito
da boca, depois de diluida em agua,
summamente excellente, faz remover neu-
tralizar todas as materias impuras que se
criam roda dos dentes e das gengivas,
tomando-as duras, sadias e d'uma_ linda cor
encarnada. Quanto a delicadeza, riqueza
e permanencia do seu fragrant aroma, ella
por certo nao tem igual: e a sua supe-
rioridade sem rival. Etla igualmente tor-
na-se um meiomui excellente, para fazer
remover de sobre a pelle do rosto, toda a
qualidade de brotoejas, ebulicoes, sardas,
pannos, manchas, impigens e espinhas.
Quando se queira servir della como reme-
dio para fazer desaparecer qualquer um
destes disfiguramentos, e que tanto desfei-
am alindas feicoes do bello sexo; devera-
se usal-a n'um estado de dilluic3o, destem-
perando-a n'uma pouca d'agua ; porm no
tratamento de qualquer espinha, usar-se-ha
della pura em toda a sua forca. Final-
mente como um admiravel meio de com-
municar as feices trigueiras e paludas,
uma'pellu macia e d'uma transparente al-
\Tira, dando-llie urna linda cor de rosa :
para um tal fim, ella leva a palma a todos
os perfumes que se teem inventado at bo-
je, e existe em plena soberana sem rival.
Bem entendido tudo isto se refere nica-
mente a Agua e Florida de jMrray A
Laman.
As imitares que se tem feito na Franca,
Allemanha, assim como em outras partes;
sao inteiramento imitis e invaliosas ; por-
tanto recommenda-se mui especialmente
s senhoras, que tenham toda a precauco
e cuidado, de quando comprarem, estejam
certas que compram.
A Gentina
AGUA DE FLORIDA
de
MRRAY A- LANMAN,
A qual preparada smente pelos nicos
Propietarios,
LANM.\NN & KEMP, DE OVA YORK.
Acba-se a venda nos olabelecimenlos de
A. Caors, J. da C. Bravo, & C. P. Mau-
rer A C. A. A. Barboza Bartholomen. A- C.
Bartholomeu & C,
13 Ba da Imperatr* 18
Ulysses A Irmao proprietarios daste bem conhecdo e acreditad i estabelecimento
t<*tn a honra de participar ao Ilustrado corpo ACADMICO e aos seos numerosos fre-
guezee, tanto desta praca, como de fra, que lendo sido eiegaatemente refrmado dito
estabelecimento acha-se completamente sortido e eaj condipoes de bra wrrMos dor
seguintes artigos;
34 MA LAMC^ 11 (lSWIf.l^.
CHARUTOS
sopenores ^e Havana, Hamburgo, Babia e
Rio de Janeiro etc.
Cigarro g
de excelloncia, o propro aroma das verda- dc P** de 8. Paule, de 3*800 7*500,
VVBJE0ADES
PONTKIHAS para charutos e cigarros de
todas as qualidades gostos e precos.
CACHIMBOS de soperior espuma, de ma-
deira (raizj de U at 6*. a duzia e de ou
lias qualidades a relalho.
DITOS p de gallinhados melliores que
ha ueste mercado a 3* e 3*300 a duzia, e
com grande ^batanelo em maior porc3o,
ditos de louca, gesso, barro, c.
BOLSAS de borracha e courO de diversos
m, lhe> detia cwdin VogTit
Kattanadu ra.id.r.d*. tmmoi
,t/3SZT?,nuTaU 0i *"*". 'jan .ti io
iossi grti Uo fel aUMfg, tirtrmtn ih Trafcup
dlai corroborar o cODeeiio. e ectiucio a* ua attt-
D milheiro, Daniel do Rio Novo, Maority.
Imperiaes, TeneoLes do Diabo, Duque de
Caxias, C,andn etc.. : de papel, de ramo
tDaniel, General Osorio, Conde d'Eu,
ambolo, Badicaes, Acadmicos, Macham-
bomba, Montevideo, Orjentaes, Baependy e
muitas outras qualidades.
Afamados de^BAEPErSfem elixes de *?S**?' 5? 8oardar fua,-
20 libras 1*400 rs. a libra, em pacote9
a 2*. de 20 para chua a 1*800 e em maior
porcao 4*500 o pacote de I iibra. dito
em latas dequarta a 640 e 500 rs., e outras
juilas qualidades como sejam : Daniel do
Bio Novo, do Par, de S, Paulo, Caporal,
etc. etc.
CARTEIRAS para cigarros de todos os
systemas.
PHOSPHOROS de cera, em ceins de to-
dos os tam a ribos, de seguranca a balSo etc.
PAPEL de milho, de a'roz, san-rom, Per
san, pintado, de linbo etc. palha de milho de
Femando a melbor possivel.
ATTIiTDOf.
atali.8? B;rt,h0,00 C. o auto Kbid.
tOetcia exutordiDiria, poi qne soffreado ha fia* de
taSSL m1"' a"1"0 ni8 P8-" ,,ori,
wtito roesmo de roedioanMBloi me Iohut. alia
:rr m ts? cviher fui Hmt*re*i
o hoje reslabalecido cn .10 .ornante d
110arase-; Srlo pois eu* muliado
". ?. ir.ea recanheciment. De V. Si
Vegetal AmrrteaAo, de raa eompoeicio p-pn m*
acheta baauate doaala da una constifLETZ, Zm
Xja.aadiciaraaMxaiia. ton*, coatklekmeaa nme t ni traXx*]WiW
10. a dallaa oto hM)a da caator da emprea Irriaa, WMaaaVcar-iaaaT
oaampUlo rMlabaleeiateoto, m Ijtiaa cata ai a* aia>
do oeamo i.rope, depoi. dalh*T fecorruba S
UwaewBto*. Dwjarei que Mrdf oaw raaeti
ao ara nrape para aa fartaa lkliajVa ate ate 1
incommodo, lio f.ul neale pua.Cc* IL.
ncao coniiDoo a ter de V. Se. aiteata
- Uto Craaona. Saol. '.,
qai.i
Buuirelo a
. imito, e
lllnj.. .s. fcar.Uol.,... ,:. -Penhwadrseimocaa.
ra.>r ue n?t i,.,.tm ,u .--.Ihar,, BIO j. rvM
lllma Srs Bartholonae 4VC. -O aavope %
ttaao que V. S. tea expetto > najii
cacia para o coralito d'aaihtma,- jai
pticando-o a mea Itlho Jdadafi.
aoaos; victima d'etaa flagello.'aawi
eicedeote a dous asaoa hada rvaiataa a4
de grande aomeada. OtMinm paii T
presto altamente sincera de aa
aeiRorin servico que Ihe preaUraa a
xarope. acreditndome para seawrade'vV S.
Meato e nbiiga.lu. Amcrico ScUs de
Rer:U 2 <1< oulubro de 1868,
Alm dos artigos raeocionados encontrarlo nossos freguezes outros muitos no ge-
nero de nosso negocio, que se vende em grosso e a retalho e que com seas presencas
sero satisfactoriamente bem servidos: bem como nos enearregamos de qualquer en-
commendas de nessos cigarros de seda e Imho, etc.

//)/ 13Ra da Imperatriz-13
PI LULAS
PEPSINA OE
PH> 2 RU eASTIGUONE.
PAR] S
P. MARER et C", em, Pernambuco; JOS Illil.l.O, em Pono Altgrt\
SILVA LOPES, em Babia; FERnElRA ct C", em Maranhao.

Sitio
Braaiai-aa alapr um sitio com boa casa de
kvjaradia uu nuaoD um grande quintal com boa
oaca : quem tiver nestas circuimtancias appare-
\-a no arco da Oneeico, loja de ourives, que
gritara com quem tratar.
O aba asjteatm fai*m sciente a pu-
*!iC3 e com espocialidade ao corpo do commer-
Sua eomprarsm a taberna da ra de S. Jos n.
I, ai Sr. Jo] Jos Medeiros Mello, livre e dej-
^mbara-iila : quem se julgar com direito a mes-
ma apresaote e lindo os qnses nao 9e responsabilisa por nada.
- 7
i
Ef
Vl.N'HO, PlLULAS, X.MtOPE E TlNTUIU
. .Ilruobda BiMpr.Es i PRauorMoeo;
'leo, I'omadak i'^MPr.ASTno da HBSMi
PLANTA PREPARADOS POll
USRTHOLOISEO & CA
PHARHA'CBUTVeOS-DROaUlBTAB
PEIIHAMBUCO
A Jurahnba : esta plaota hoje reconhecidi
:oiuu u al.il poderoso tnico, como o meibe;
leobstnintc,eeanoul applicda nopadorimen;n
J" fijado e bayo, hepatites, dnresas, tamores inler-
nos e especialmente do otero, hidropesas, erjrsi-
aeUaa, etc.; e assuciada ao ferro til as pallidas
coros, chloruses e falta de menstruaco, desarran-
jo* do estomago, ele, e o qne diseos attestac
innmeras coras imponentes obtides oom nossos
preparados j4 bem conhecidos e asados petos mais
dislinctos mdicos do paix e Foriugal. Em todos ot
MHen depsitos distribuimos gratis fothetos aa*
aielhor fasem conhecer a Jambaba seos resulta-ios
ajjplicaco.
Precisase dc um.i ama qne tenha bom leite
para amamentar ama crianca, porm prefere-se
sm filhj: na ra larga do Rosario, i andar, en-
trada no nuneroda inesma ra.29-31.
Traba! hador.
Precisa-se de um servente : no hotel da ma das
Crozes n. 39, pagase bem.
" f FALQUE
N'ESTA ANTIGA E CREDITATA
FABRICA
BI
(3S^[pa(D3 cD^
IICQIII1
RfiTilTIIMTI IDI COIPLITI 1111111110 BI
CHAPieS BE SOatt
De todaa as qualidades f
De todos oa feitios!
De todas os precos I
DO CRESPO
Paria
cora
R O
CS ALPEDE
BARTHOLOMEO & C
certa iu itutt antigs e recentes, calarrbes pnirnonar, aslbmi; toase coomlu, eaUnh'
eTonchias, o era goral contra todos os soffrimtntw das tm respiratorias.
DEPOSITO GERAL
34, RDA URCA DO ROZARIO, 34
PERNAMBUCO
A therapentiea das diversas motestiss do peito, desde
i pbaryngile ou nial da garganta at a tuberculaclo
pulmonar, passando pelas diversas bronehites catarrbaes
e o empbrssma acaba de ser enreqnecida com mais
-.Me medicamento, qne toaara a primeira ordem entre
iodos at hoje conhecidos. O xarope Vegetal Americano,
carantindo paramente vegetal, oto contm em sua
composi(lo nm s tomo de opio, e sim sement soc-
eos de plantas indgenas, cajas propriedades benficas
as cura da molestias qne pertencem aos orgios de res-
pirago foram por nos observadas por longo tempo,
com ptimos resaltados cada vei mais crescenies; pelo
que nos julgamos antorisados i eompor o xarope que
agora apresentamos, e a offerece lo aos mdicos e ao
publico. Provamos com os attestados absixo o qne le-
vamos dito, e contamos qne o conceito de que ja gosa
o xarope Vegetal Americano crescert de dia a dia
deixando muito aps de si todos os pailones em voga!
Illa. Sr. Bartbalomeo C,0 xarope Vegetal Ame-
.icano, preparado em ana conceiluadissima pbarmacia,
um til remedio pera combater i terrivel ssihaia.'
soria en aqoella molealia ha qnatro mexes, sem anda
ter combatido os ataques mensaes que tinha; este ultimo
qne uve foi fortisslmo que me proston por 8 das, asei
orm o sea milagroso xarope, tomando apenas tres
loses, e at o presente nao tai de novo atacado Prasa
Deas, que en fique restablecido por ua vez. Rendo-
Ihe, pois os meas agrdeementos por me ter aliviado i
to horrivel mal. Com a mais significativa gratidit
subscreo-me deVmcs. affectuoso e reconhecido criad-
Stvtno Dttarie.Sua Casa 14 de fevereiro detS6r
Illms Srs Bartbolomeo 4C. Depois de qnasi s.:
metes de soffrimento com ama tosse incessant:, tastf
extraordinario, expectoradlo de nm catarrho amare!'-
do, e perda total das torcas, que o menor pasie*
me fatigara completamente, cansado de tomar mus .
tros remedios sem resollado tiveafeiicidadedenberqs
Vmes. prepararan) o xarope Vegetal Americano, e coa
elle, gracas a Deas, me echo restablecido ha mais i
dois meses, e robusto como se nada tivesse soUrido. -
gratidlo me forja a esta declaradlo, que poderlo Vnrc
fazer o uso que quizerem. Sou com estima de VaaCl
muitos respeitador e criado. Antonio Jicjui-n i
Castro $ Stic. Recife 8 de fevereiro de 1868.
Atiesto qne nsei do xarope Vegetal Americana, i
com pos i o doe Srs Bartbolomeo C C. pera cora d
forte deOuxo que me trouse ama muquidlo, que ms al
fatia edtender, inflammac, Jo e dor na garganta, tos-
grande falta derespjra{io. e flquei completamente <
tsbelecido com nm s vidro do mesmo xarope; pe
que Ibes protesto eterna gratidlo. Recife II ie ji
neiro de 18(8. /a^uim frrtira irtnto:'Jtm-
Esilo reeonhecidos.
Herecc-se urna porfeita engommi-leira : quero
pretender dirjase a ra da Cruz n 28. 1" and ir
Monte po portigucz
Nao se tendo reunidos em 15 do c< Trente o nn-
raero legal de socios proscripto polo artigu 21 dos
estatutos, saj novamentp convidado tolos os se-
nhores assoetaaoa a rcunreu;-se em assembla
geral doiningo 22 do correle, as lo horas da ma-
nhaa, no Gabinete Portujuer. de leitura, para elci
cao da eomraissa > de exame do sonta-*, tunecin-
nando a aasetabfa ger.i com o numero de socios
i que comparecer, na forma dq rererilo artigo 21
dot estatntos.
Secretaria do Monte Po Portugnez em Pernam-
buco 16 de maio de 1870.
Joaquim Gerardo de Bastos,
-___________________Secrelario.
_ 0 CliWIO M.WM
Frederico Maya
Tera a honra do scientificar ao respeita-
vei publico eaa geral, e aos seus clientes
em particular que elle mtidou o seu gabi
oetede consultas da ra Direita n. 42 para j
a do Queimado n. 3 i primeiro audar, com'
a entrada pelo pateo de Pedro I!, onde po-
de ser procurado para os misteres de sua
profissao, todos os dias otis das 9 horas
da manhaa s 3 da tarde.
Tambem previne, que contina a prestar-
se a vontade dos clientes nao s ra cidade
como nos seos suburbios, para onde as
das sero precedidas de ajuste. Elle ga-
rante o bom desempenho e a perfeicjio de
seus trabadlos, o que j bem conhecido,
assim como as commodi'dades dos precos.
Casa
Precisa se alugar urna casa com bastantes eom-
modos para familia, qne tenha grande quintal,
preferindo-se com arvoredos, ou mesmo um sitio,
no bairro da Boa-vista ou suas proximidades : a
tratar na ra da Gadeia do.Recife n. 21, toja-
Precisa-se de um caxeiro de 12 a li annos
Joaquim Jos Gon-
palvss Beltro
*UA DO TRAPICHE N. 17, i\ ANI>AITt
Sfcca por todos os paquetes sobre o Bao-
-o do Minho, em Braga, e sobre os murun
es logares em Portugal:
Lisboa.
Porto.
Valenca.
GuimarSss
Goimbra.
Chaves.
Viseo.
Villa do Conde
Arcos de Val do Voi.
Vianna do Castello.
Ponte do Lima.
Via Rea!.
Villa-Nova do .'Famulicio
Lamcgo.
Lagos.
Govilhaa.
Vassal (Valpnsos)
Mirandella.
Beja.
Barcllos.


Poie-se aos administrad ires da maasa fallidkdj
Antonio Pedro di Melb, que hajara do recolUer -
um banco, onde pos a renlar algumjuro, a a\
pequea quanlia de mais d lO.OUO, de qne esta
na posse mana pacifica, cuja continuacao o
urna amelga expressiva do nunca mais terminan)
se a li niiJaca i da infeliz missa em qne tem tam-
bem seu quinbae.
Um cretfor.
Precisa'se de urna criada para servico do
caga de pouca familia : na ma Augusta n. 5.
Ama
Na raa do Queimado n. 12, Ia andar, preetsa-
i se de urna ama que cozinbe,
i CABUGAI
esquina
flda ra larga do
Rosario.
Este importante estabelecimento no seu genero, tem sempre um sortimento sem igual, esquina
e vende por presos que nenhuma outra casa pode vender. j
vista da qualidade e do preqo das joias cada um poder-se-ha convencer da rerdade.da m *M*a
Oarante-se er tudo de leL Compra-se ouro, prata e pedras finas por prepos muito ole- Rosario,
vados.
A loja esta aberta M s 9 horas da nonte.


*..
r
%
Darlo de PorMibuco TeW fem 11 d Maio de 181
- -----i

USTAV
LEIREIR FR
51Boa da Cadeia do Becife51
Clama a attentfto dos seas innmeros fregueies, do respeitavel publico
ral, para a segante tabea dos preco de STja casa, os qoaes fo vrate pfl* centi
au barato do qoe em outra qualquer parte:
Clube popular.
No di* 19 do correte, as 7 horas da noite, ha-
Vfi ees? soeioffade tewao geral exiraordinari
para soiemBiatr o anu versarte da toa insiaHafsa,'
AJm da Muir do relaiorio trunensat do Sr. prd-
sidentejleriClngar a posse da nova direecSn do
Club eptafem 6 do correJUa. Sao ooovidadps to-
dos osteales e toda atadlas pessoas que eaize
rom abrilhantar' eom suas presencas esse acto so-
lemne da sociedade.
Recife 14 de maio de 1870.
0 1* secretarlo provisorio,
Jos Joaqaim de Almeida Nobre.
'" ESTABTO llfeNELECIEM 1832
ObeHeim para seoboras a 2W,
3WT. 35,5 e.....
Mas parahomem a 350, 400 e
CrWntes a tft|, I5fc'l8|. m,
IU, 30# e.....
Cachos ou crespos a 30, i#, 50,
#, 7*, |, 15 e. ,
Tranca de 'cabello para annel a
500 e.......
Cadeias para relogio a 50, 60,
404000. 70, #,. 0J> tai *5#O0l
500000
Corte de cabello,..... 50-
50*000 Corte de cabello com friofao. 50
Corte do cabello com lavagem a
champoa...... <0OO
Corte de cabello com limpez da
cabegi pela machina electri-
10000 ca' U'ca em Prnambuco. .
1 Frisado 4 ingleza ou i franceza.
Salsajarilha de Irislol.
LEGITIMA E ORIGINAL
KM FRASCOS GRANDES
0 aasixo assignado faz siente ao reaatitavel
publico e com especialidad* ao respeitavel corpo
do comraercio, que mudou sua fabrica de cigarros
e charutos da ra Direita n. 50, para i metma ra
n. 3 onde se aetaa prorapto a servir a todos os
seas fregueses e mais pessoas que o quizerem hon~-
Francisco Jos Ribeiro Braga.
320000,
100000,
1000
50t
251
I
ASSIGNATURAS MENSAES
Especialidade de penteados para casamento
Baile e colorees
O dono do estabelecimento previne s j Recommenda-se a superior TINTURA JA
Exasas. Sras, e aos cavalheiros qoe ba um PONEZA para enegrecer os cabellos e bar
a~. .K0nno a h.k Jba, onica admittida na ExposicSo Universal
sali para Untura dos cabellos e barba, as-, ^ ^ preJBdjciai M^> por ^ vo,
simetnoum empregado sdmente oocopa-.iatn, analysada e approvada pelas acads1
____:________________________________________
A ESMERALDA
LOJA DE MIS
08
mi& NAHI & G
Este antigo estabelecimento, completa-
mente reformado de novo, est as cond-
ides de servir vantajosaraente os seus fre-
^uezes, visto que acha-se prvido com um
sx alendido sortimento de obras de ouro e
jrata de lei, assim como brilhantes e ou-
ras pedras preciosas, cujos presos sao os
ais mdicos que se pode encontrar.
As joias compradas nesta casa receben
*8 em troca ou compram-se com pequeo
ibate.
Y S UVA DO CABUfi N.5
GRANDE ARMAZEM
DE
Lotizas, porcellanas e. eryistacs
DF
BERRADIRO DU1RTE CAMPOS & G.
16Ra 1. de Marpo16
OJTIOII % IIO CRESPO
Os propietarios desti bem conbecido estabelecimento, procurando cada vez
melhor servir ao respeitavel publico e particularmenie aos seus numerosos freguezes,
acabam de prover-se do mais importante e variado sortimento de loufas finas, porcel-
lanas francezas e inglezas, vidros e crystaes, de Baecarat, e outros fabricantes, tanto
m servico para a mess, como em pecas avulsas a vontadedos senhores pretendentes.
No mesmo estabelecimenfo encontram-se urna avultadissima escolha de di-
versas especialidades para ornamentos de sallas, jardins e ilramina?5es etc., tndo por
precos muilo commodos.
Encarregam-sa mediante urna commissao razoavel, ou condicoes previamente
estipulada?, de quaesquer encommendas para Pars, Londres, Hamburgo, New-York, Lis-
boa e Porto, em cujas pracas teem correspondentes babilitadissimos para asjexecutar do
modo mais satisfatorio. ft^lUttflli^l
Recommenda-se especialmente a todos os senhores moradores fura desta
capital o bom acondecionamento nosobjeclos que se dignaran comprar,para cojo fim
tem pessoas habis.
16 RUI DE MAR^O 16
Outr'ora do Crespo
OGHANDE PURIFICADOR DO SANGUII
Esta excellente e admiravel medicina, e
preparada d'uma maneira a mars scientifi-
ca por Chmeos e Droguistas mui doutos e
d'uma instruccSo pro&mda, tendotido mui-
tos annos de experiencia ao par d'uma lon-
ga e laboriosa pratica.
A sua composicSo n3o consiste d'um sim-
ple extracto d'um s artigo; mas sim,
composta d'extractos d'um numero de rai-
zes, hervas, cascas, e folbas, possuindo to-
das ellas, sua virtude especial ou poder
em curar as molestias as quaes teem sede
ou essento, no sangue ou nos humores;
e estes differentes extractos vegetaes, acham-
se por urna tal forma combinados ponto
de conservaren em toda a sua fonja, o cu-
rativo especial de virtude, que cada um de
per si possue. A raiz da planta de Salsa-
parrHha, produzida as Honduras, a que
nos usamos nesta preparac5o, sendo a qua-
lidade que todos os mdicos mais prezam
e estmam. Na composic5o da ftalsa-
parrllha de lirlstol entra mais de 50
por ceuto deste concentrado extracto. Ella
nao encerra em si cousa alguma, que pos-
sa por leve ser perigosa ou injuriosa
sade; e tanto n'este, como em quasi to-
dos os mais respeitos, ella inteiramente
diversa de todas essas mais preparaces,
as quaes debaixo do nome de Salsaparr-
Iha, s5o accondicionadas ou postas em gari
rafas pequeas, sendo receitada em doses
mui diminutas d'uma colher de cha por
cada vez. Nos pelo contrario engarrafa-
mos a
SALSAPARR1RA DE BR1STOL
em frascos grandes, e assim por este modo,
dividimos com os consumidores," o grande
proveito e vantagem atcancado por aquelles
que acondicionam sua preparacao em gar-
rafas pequeas. Cada um dos frascos da
nossa galsaparrilha de Brfstol
oonteem a messa quantidade igual porejo
contida naquellas garrafas pequeas, e alm
disso, possue ainda muito mais forca e
virtude medicinal do que aquella, que por
ventura se possa adiar contida dentro de
seis garrafas de pequeo tamanbo. Por-
tan to mui natural, que aquelles, que se
acbam oceupados em preparar -e vender as
suas produeges, em garrafas pequeas,
murmurem e gritem contra os nosses fras-
cos grandes proclamando, que a nossa Sal-
saparrilha de Brfstol uo possue a
menor virtude; porm quo effectivamen-
te sao elles postos em silencio, quando indi-
ciamos, ou simplesmente referimo-nos para
com essas centenares de certidCes e tes-
temunlws authenticos, por nos recebidos
de todas as classes da sociedade, nos quaes
plenamente attestam o poder curativo e vir-
tudes maravillosas da nossa.
SALSAPARRILHA DE BRISTOL.
A vantagem de termos os nossos pro-
prios agentes naquelles lugares aonde as
differentes raizes, drogas, hervas, e plan-
tas de que se compoem as nossas medicinas,
sSo produzidas, que nos habilita exer-
cer aquelle constante cuidado e disvello na
minuciosa escolha; e o que assegura e ga-
rante uniformidade de excellencia.
Em quanto que, por ostro .lado, nos nao
nos poupamos nPm dinheiro, nem dili-
gencias ; afim de alcancarmos o melhor
e nicamente o melhorde cada um artigo
ou ingridiente que entra na sua composi-
go; pois levados e compenetrados da
mais firme e persuasiva confianga; que po-
demos afoutamente dizer aos doentes de to-
das as nacoes, e de todos os paizes, que na
Salsaparrilha de Bristol. possuem
um remedio mais eflicaz e* seguro; do que
nenhum outro, que vos tenha sido offere-
cido at hoje, e o qual por certo n5o hade
mallograr vossas expectativas, na prompta
e effectiva cma das sesuintes enfermidades:
Troevse urna moraia iio andar da caaa
o. W d ru do Vigarlo. por outra morada em
casa terrea, endo no bairro de Santa Antonio. S.
Jos ou Boa-vista : a tratar na ra do Cabagi n.
B iimiiiMHn
MUDANZA DE ESCHIPTORIO.
Os advocados Dr. Vicente Pereira do ]
Reg e hachareis Jacintho Pereira do Re-
!- o e Miguel Archanjo Pereira do Reg,
mudaram o seu escriptorio da casa n. 46
para a de n. 18 da ra do Queiraado, ora
do Duque de Gaxias, 1* andar.
Mudanza.
Jos Joaquim Lima Bairo mudou o sen escrip-
torio da ra da Cruz n. 18 para a ra do Vigario
n. J7, i andar.__________________
Preeua-se d urna ama
Pescadores n. 33.
Leite aun
do ebafariz, das
Ama.
de lene
na ra dos
m pateo do col legio defronie
7 horas da manhaa em diant*,
tod s os dia's, a 320 Trs. a garrafa, a principiar {le
15 do crrente._______________________
CJabellereiro.
Ba da Cruz a 4 1. andar,
por einia da botira.
Antonio Rodrigues Ramalho acaba de abrir a
concurrencia publica mm espacoso e acceiado sa-
li pira barbear e cortar cabellos, e afflanca que
nelle encontrarlo seus amigos, antigos freguezes
e em geral lodos os que quizerem frequenu-le,
agrado, actividade e bom desempenho do trabalho
Pedido.
Pede-se encarecidamente (s assim) aos enho-
res abaixo mencionados se dignem por especial
obsequio de virem realisar aquillo que teem pro-
roeuido por diversas vezes, pois j tempo, e vis-
to que o nosso negocio de interesse para os
mesmos senhores, por isso os esperamos o mais
breve, advertindo porem, qoe nio retiramos este
nosso pedido sem qve nao comparecam a ra uo
Crespo a. 7 A, loia do Passo.
Albino de Jezos Bandeira..
Jos Luiz de Sonza,
Jos Antonio Miranda Guimaraes.
Luiz de Franca Belem.
Fogo nellas!
Trezmil lioguasl... 340 rs. cada
urna!.. E ceblas a 800 rs. a restia ?!
S no armazem do Campos ra do Im-
perador n. 28.
Chega a todos. FOGO NELLAS !....
Ao Campos. ____
Pede-se ao Sr. Jos Gomes Jardim o favor
de apparecer na ra do Commercio n S6, a ne-
gocio que I he diz respeito.
Escrfulas, -
Chagas antigs,
Ulceras,
Feridas Ulcerosas,
Tinha.
Syphilis,ouMal Ve-
nreo
Humores Escrofu-
losos,
Irregularidades do
Sexo
Feminino,
Nervosidade,
Debilidade Geral,
Febra e Malignas e
Febre e SezSes
Rillosas,
Tumores
Abscessos Apostemas,
Erupcdes,
Herpes,
Salsagem
Impigens,
Lepra, febres intermitientes e remitientes,
liydropesia e ictericia, etc., etc.
Ontro-sim, achar-se-h, que para o bom
resultado e perfeito curativo de todas aquel-
las enfermidades cima apontadas o adian-
tamento da cura, grandemente promovi-
do e apressurado; usando s ao mesmo
tempo das nossas mui valiosa plalas
vegetaes aasuearadas de Brlstol,
tomadas em doses moderadas em connec-
co ou conjunctamente com a Salsaparrilha;
ellas fazem remover e expellir grandes
quantidades de materias morbficas e hu-
mores viciados que se desprendera e livrs-
mente circulam espalhados pelo systema,
isto causado pelo uso da Salsaparrilha; 9
por esta forma facilita a volta e o exercicio
normal das operaces funecionaes,
Acba-se a venda nos estabelecimentos de
A. Caors, J. da C. Bravo 4 C.,P. Majoan
C, B M A.arbosa, Bartbolomeu C A.
Aos 20K)00OOO.
Biihetes do Rio venda : ra do Cabog n. 1.
ende Vieira & Rodrigues.
Em casa de THE0DOR0 CHRISTI-
iNSEN, roa da Cruz n. 18, encontram-s
stlectivamente todas as qualidades de vinb
Sordeacx, Ponrgogpe edo Rneno.
Precisare de ama ama para eozinbar em
casa de homex pteiro : na roa da Praia n. 11
ATTENCAO
Precisa-se alogar urna casa terrea, ou troca-se
a morada da mesma por urna outra na freguezia
de Santo Antonio, ou mesmo compra-se se neces-
sario (5r; por toda ra Imperial, desde o sobrado
da ex-fabrica de vinagre at a estrada da Caban-
ga : tratar rna des 0?sos ns. l e 14, a qual-
quer hora.
8&$9 mm wmmm
Q Dr. Manoel Enedino Reg Valenca con- |H
rg tina a prestar seus servicos mdicos c2
ra da Gamboa do Carmo n. 21,1* andar. f/.
3 8***8
*n Precisa-e
alngar um molaqne d idaie e 12 a 14 anuos
para servido Inferno se fumlet, paga-se bem :
na ra do Imperador n. 31'
Estribeiro.
Precisa-se de nm estribeiro para easa partro-
lar: tratar amada Craz i. 42, segundo andar,
das 10 horas s 2 da tarde.
Mobms de alugel.
Alugam-se mobHias completa* e qualqner uas-
te separado, e tamben) se alugam cad< iras em
grande porc^o para (estas, ou offlcios fnebres,
por menos do que em qualquer outra parte : i na
Nova n. 57, armazem do Pinto. ^^^^
Importante aviso para os Srs. de
engenhos e fazendeiros.
Pratica, paciencia e adiantamento em
muilo pouco tempo.
Um estrangeiro cora pratica a mais de dban-
nos offerece-se acs senhores cima, nao s para
ir entinar as primaras letras como o francez com
perfei^o em pouco lempo : quem pretender oei-
xe Hcar carta (echada na ra das Trincheiras n.
50 loja, ou na travesea da Cadeia nova n. 15, en-
deressada ao Sr. Meanestoa, com aa midiaes B. A.
B. para ser procurado. _______
Aforam-se oa vendem se terrenos sitos emBe-
heribe, a um qnarto de legoa da povoacio, cami-
nbo do lugar chamado Merueira por um lad<.e
por outro riacho Lava-tripa. Esses terrenos sao
em ptimo barro para o plantio da canna, e ou-
tros n isteres da agricultura, e de urna exlencao
de 400 palmos, onde se encontram diversos corgos
a maneira de riachos e madeiras proprias para
censtruego: quem pret nder, pois, entrar em
negocio entre taes terrenos, appare^a ra do
Hospicio n. 70, que achara com quem entenderle.
Precisa se de urna ama para casa de pou:a
familia : tratar na roa do Amorim n. 35, 2* an-
dar.
AMA
O Sr. Jos Claudio Dubeux tenha a boadade
de apparecer na ra do Queimado n. 7 a negocio
que nao ignora
Roga-se a pessoaque levou por em-
preslimo a collecco de Diarios de julbo a
dezembro de 1838, quera-mandar trazer
a typographia._______________________
Precisa-se comprar urna casa com quintal,
prefere-se as ras do Sebo, Pires e mesmo na
Soledade: a tratar na ra do Livrameuto n. 10.
Precisase de urna ama para casa de duas pes-
soas : na ra das Calcadas n. 26.____________
AMA
Precisase de urna ama forra ou captiva para
casa de familia, que saiba eozinhar e engommar :
na ra da Cadeia do Recife, loja n. 56 A, se dir
COMPANHIA
DOS
TRILHOS URBANOS
DO
RECIFE A' OMMDA.
Por ordem da directora sao convidados
os senhores accionistas para, do prazo de
10 das contados do (lia 16 do corrente,
effectuarem a 9a prestado de suas aeces
razSo de 10 %
Para esse fim ser encontrado o Sr. tbe-
soureiro, das 11 horas da manhaa s 2 da
tarde de todos os das, no escriptorio da
companhia, ra Nova n. 35, Io andar, entra-
da pela ra das Flores, n. 14.
Recife 12 de maio de 1870.
Joo Joaquim Altes,
Io secretario.
Ofcina de relojoeiru, ourives, oculista e
dourador, de Adolpho Thiago de Faria,
ra das Larangeiras n. 19.
Nesta offkina concorta-se todas as qualidades
de relogios, fabricase todas as pegas para relogios
chronometros e de differentes mchinismos, con-
certam-se caixas de relogios de ouro e de prata
que ficam novas por amassadas que venham ; fa-
brica- prata, doura-se qualquer obra na melhor especie,
fabnca se pence-nez, oculos e lunetos a gosto do
freguez, por precos que nao comprarlo as lejas.
O proprietario desta officina garante os seus
concerlos de relogios por um anno, e a boa exe
cu?ao de toda sen trabalho. ______.______
Ama
Precisase de urna ama para comprar e eozi-
nbar e de boa conducta : a tratar na ra da Praia
ns. 13 e 15.
Ao respeitavel pu-
blico.
Um homem de meia idade que j tem sido pro-
fessor, tanto publico como particular, por tempo
de m;is de 22 annos, que ensina grammatica por
tugueza, anlhmetica, geometra pratica, historia
sagrada, pois em todas estas materias foi exami-
nado e approvado, e ensina indepeudente de casti-
gos, com muilo respeito, prudencia, adiantamento
e moralidade, como tudo prova com documentos
que existem em seu poder, sendo estes das prin-
cipaes pessoas aonde tem ensinado : qualquer se-
nhor que queira dar urna educacao melindrosa aos
seus flllios annuncie por este Diario para ser pro-
curado._________________________________
Aluga-se a casa com sitio na ira
vessa de Joao Fernandes Vieira n.
6 ; a casa tem os stguintes com-
modos : 3 salas, 4 quartos, 1 sotao
cora um grande salla e 1 quarto, copiar, cozinha
fra, cocheira, estribara para 6 cavallos, quarto
para feitor ou escravos, banheiro. etc. O sitio
todo murado, com bastantes frucleras, jardim, e
flea muito perto da estacao do eaminho de ferro,
no Carainho Novo : quem prelendor, dinja-se a
casa junto n. 6 A, que aclur com quem tratar.
Muita attenqo
Vende-se ou permuta-se por casas nesta cidade
o sitio n. 5 na ra de Joao Fernandes Vieira perto
da Soledade. com casa de vivenda para familia,
cacimba com boa agua, tanque para banho e la-
vagem, muitas fructeiras de diversas qualidades,
cente e lanljs ps de coqueiros, muitas baixas
para capira e trras ppra planuces, um grande
viveiro e muitos manguis para lenha, etc. : para
ver a tratar, os pretendentes dirijam-se ao mesmo
sitio a qualquer hora.
CHA TON PURGATIVO E BEPllAtIVO
DE
C IIATII1 ARO.
Compoato das plaous as mais odorferas e as
mais virtuosas dos montes os mais elevados, o eh
tom-purgatiro de Chamburd, possue um gosto a-
boroso e um aroraa suavissimo, e as propriedades
as mais nota veis sobre os embaracos do estomago,
dos intestinos e do ligado o desobslruenta por
excellencia na constipacao do ventre e nio tem
resguardo nenhum.
Depurativo especial e directo da bilis e dos hu-
mores, refresca o sangue depurando o.
O oso do ch-Oambard pode ser continuado
por muite tempo sem o menor receio e sem in-
eommodo nem mudanc no modo de viver.
NICO DEPOSITO EM PERNAMBCO
NA
IPHARMACIA E DROGARA
DB
Bsrthotoaaea ft C.
31RA LARGA 0 ROSARIO34.
CASA DA FE.
AH
a i
rio
LO b
Precisa-se de urna ama livre ou cscrava
ra estreita do Rosarla n. 45, 1" andar.
na
)oid tom
Recebeu-se pelo ultimo paquete da
Europa, ricos cortes de seda ; na loja
das colamnas da ra do Crespo n. 13,
de Antonio C rra de Vasconcellos.
s
AMA
Precisa-so de urna ama, forra ou escrava, que
seja carinhosa, pois para andar com urna arias*
ga de 9 mezes : na ra Formsa, offleinas da na-
chambomba se dir quer.
Jos Ribeiro de Vasconcellos, roga a todos os
seus amigos, bem como aos amigos e prenles do
seu finado amigo fre Joao da Assumpcao Moura,
para ouvirem urna missa por sua alma, por occa-
sio do anni versa rio de seu passamento, no con-
vent i do Carmo, pelas 7 horas da manhaa do dia
17 do corrente, pelo que desde j antecipa os seus
agradecimenlos.__________________^__
Pede-se com a maior instancia pes-
soa que achou um papel contendo urna pro-
curacSo escripia em italiano, e pela qual
promove-se a consliluicao de patrimonio ca-
nnico favor de um ordinando, nosso pa-
tricio que reside actualmente em Roma, o
obsequio de manda-lo entregar nesta typo-
graphia, na secretaria do governo ao Dr.
Salazar, ou na ra do Hospicio n 51.
- Attencao.
D. l'mbelina Rosa de Lima Pinho pelo
presente annunclo faz publico que tem
encarregado da gerencia de todos os seus
negocios seu sohrinho o bacharel Hay-
mundo Braulio Pires Lima, ficando de
nenhmm etfeito qualquer negocio feito,
ou qualqner obrigacao contrahida em seu
nome, por outra pessoa.
A VIUVA DO DR. SABINO
proprietaria do antigo pstabeiecimento de
sen finado marido Dr. Sabino O. L. Pinho,
previne ao publico que desta data em
chante nicamente encarregado de ins-
peccionar a boa preparaca e organisa-
i;.io de sua pbannacia especial homeopa-
thica o Ilim. Sr. Dr. Jezuino Augusto dos
Santos Mello.
uiro sim que o mesmo Sr.
DR. SANTOS MELLO
quem dirige o antigo consultorio do Dr.
Sabino O. L. Pinho.
Consultas das 10 horas ao meio dia.
Gratis aos pobres.
Atten^o
Na ra Nova n. 43 vende-se urna negrinha de
11 annos, bonia peca, e urna escrava com duas
lindas cria<.
DA'
GUERRA DO BRASIL
CONTRA
AS REPBLICAS DO URUGUAY E PARA-
GUAY.
Acaba de chegar o volume livraria econ-
mica, ra do Crespo n. 2, defronte do ai co de San-
to Antonio, onde se contina a receber assignatn-
ras para a mesma obra.
COLLECCO
De todas as sentencas proferidas em grao
de revista
Pelo supremo ti ibunal de juslica e accordaos
revisores dos tribunaes do commercio
POR
FRNCISGO BAPTISTA MARQUES PINHEIRO.
Acaba de chegar esta obra (publicada este au-
no), e vende-se na livraria econmica n. 2, ra do
Crespo, preco 6000.
i 0 DR. SANTOS MELLO |
IfOUEOPATHA
MUDOU SE
Para rna Nova n 43.
Amiga residencia e consultorio do Dr. Sa
bino L. 0. Pinho.
Consultas tod os dias das 10 horas da I
manhaa ao meio dia; e chamados a qual- Sj
quer hora do dia ou noute.
Gratis aos ptfbres.
43-Rna Nova-43
de narnore, raa das Craues
n. it.
O artista Garanto acha-se estabalecido na casa
cima, onde pode ser procurado para todo os
misteres de sua procissao.
Aluga -se o 1 andar do sobrado n. 43 da ra
Nova, devendo o preteadento .prestar flanea idoneji.
Precisarse de urna ama para sprvico de urna
pequea ftvnilia : na ra da Imperalrt a 9, loja.
D-se a juros a nuiniia de 1:000#000,
tole
sob
a garanta de dons mofeques, ficando os servieos
por conia dos joros : ra das Cruzes n. 20, 3.*
andar._________________________________
Estrada de Ierra do Reelfe a
O Inda.
Compram-se dormentes de madeiras de reco-
nhecida dura^ao para a constru co desta estrada:
trata-se na ra da Aurora, escriptorio da superin-
tendencia, das 6 horas da manbia s 6 da tarde,
nos dias uteis.
O superintendente,
Andr de Abren Porto.
Ama.
Precisa-se de urna ama para o servido externo
de urna casa de pequea familia : a tratar ea ra
do Imperador n. 79. loja.
Ama de leite.
Preoisa-se de urna ama de leite, paga se bem :
no caes de Capibaribe n. 30.
Pelo presente aviso coramunica-se a quem
interessar possa, que os abaixo assignados foram
nomea'os agentes dos assegnrados harobur guezes.
Recife, 12 de maio de 1870.
Rab & Shmettamb.
Ama
Precisa-s de urna ama para todo
urna casa de pouca familia : a tratar
Hortas n. 88.
o servico de
na T'ii. de
t%ffJ? tu

C4BELLEIREIK0
48Ra da Imperatriz---i8
Avisa aos seus numerosos freguezes, que aiem
de linas perfumaras recentemente recebidas. lem
um hbil offkial para perneados de senhoras <
qual se achara prompto para o servigo a qualquer
hora do dia ou da noute.
\\ VILLE DE PARS.
20Run da Iniperatriz20
Farl A Lessa.
Temos a honra de participar ao respeitavel pu-
blico que fizemos desiinguir a nossa ora loja de
fazendas finas com o elegante titulo m Vate da
Pars; animados como estaraos pelo desejo v,>:
corresponder a melhor vonlade dos firijuezes, po-
demos asseverar sem receio, ao publico em gara!,
que nao haver quem possa vender mais bara: >,
attendendo aos precos e qualidade da fazenda,
mandamos as casas das Exmas. familias qual-
quer faienda para melhor escolherem ; darnos
abaixo os presos de varias pechineha, que eiao
o bastante para justificar a nossa sinceridad? j
por alguera recoohecida : ssias braneas com bu-
nado frisado pelo baratissimo preco de 3#000, ri-
cos corpinhos bordados, objecto de I2, pelo pre-
co de 5J, cassas de cotes, lindos padrSes, a 240-
rs., chitas finas claras e escuras a 300 rs. o covt-
do, cambraias. organdy a CM) a vara, mandapolao
fino a 6# a peca, toalhas felpudas para rosto a
8 a duaa, lencos de cambraia a 2^500 a dula,
cambraia victoria fina a 51, 51506 e 61, compteto-
sortiinento de groadensple preto, popelinas de seda
o que ha de melhor, ditas de laa, e varias quali-
dades de alpacas brancas e de cores, cambraia im-
Iteratriz, completo sortimento de chitas, madapo-
lao e algodoxinbo, bramante para lenccs, e-
guio, fustes para vestido* e roupas. de meninos
camisas, ceroulas. meias, grvalas colarinhos, e
uutros muitos objectos que deixamos de mencio-
nar, tudo por eommodo? precos.___________
- Na praga da Independencia n. 33 se da d-
heiro sobre penhoros de ouro, prata e podras
ireciosas, seja qual for a quantia ; e na mesma
asa se compra e vende objectos de ouro e praia,
igualmente se faz toda e qualqner obra de en-
;omraenda, e todo e qualquer concert tendee;*
l mesma arte.
Aluga-se metade de uro sobrado de um andar
muito fresco, com quintal e cacimba de boa agua
em boa ra : a tratar na roa Velha n. 19, veeda
CURA RPIDA E INFALIVEL DOS CALOS
pelA
POMADA GALOPEAU.
Deposito especial
Pharmacm de Bartholotneu & C.
34Ra larga do Rosario34. v
SEGUROS
MARTIMOS
CONTRAFOSO.
A Companhia Indemuisadora, esubele ;.-6
tetta pra?a, toma seguros maritaast sobit
latios e seus carregameotos e contra oge
edificios, mercadorias e mobiat: a
na do Vigarion. 4, pavimento ter e


/
Diario de Pernambuco Terqa fera 17 de Maio de 1870.
AGUIA NEGRA
.0 1 *!
BENTO MACHADO St C,
A AGUIA. NEGRA animada com o bora accolhimento que te ve em seus aunan-
tos, vem novo participar a seas reguezes que, acaba de receber nm variado sorti-
nento de objectos de gosto os qaaes serao vendidos por precos muito razoaveis, pois
{tundo fez os seus primeiros annucios, foi o que assegurou, e sera modo de errar,
porque como j disse osla interesses ligada a urna casa importadoradesta praca, e
por isso podr ter tudo especial e vender por precos admiraveis.Chama pois a atten
lio de seus reguezes para os artlgos possa descrever :
Livros com o lampo de marfim, madre- Um variado sortiments .de charuteiras e
,1
Pela primeir vez se expTa ve&da nesta pro-
vincia um magnifico e primoroso sortimento de su-
perior papel o m*is lindo aotsivel, desde o mus
simples e modesto al o mus rico possivel, e pro-
prio para forro e guarnicao de sala, gabinetes,
capeflas e santuarios. E preciso ver para admi-
rar-se a lindeza dealgumas pec,as desse artefacto
A novidade e esqueeitisse dos arabescos, o mimo
dos desenos, e o capricho do doiradu, encanta o*
olhos e convida a cmpralo. O mdico preco
por que se vende sorprende ao seohor compra-
dor, qoe apenas seri ebrigado a dar urna peque-
a commis>ao alem do primitivo costo da fabrica,
addicionado com a importancia dos djreitos etc
Nunca a modicidade do preco esleve tao junto da
belleza e bem acabado de um objeclo de laxo. O
respeitavel publico convidado a certiflcar-se de
todo o expendido no escrptorio de Candido Alber-
to Sodr da Motta 4 C, a roa da travessa da Ma-
dre de Dos n. 14.
0

Antonio (reir de Olireira Mala avisa aos nu
merowjs frefueaes .qu contina a ter em seu es
ulPSwcimento'i)s superiores tamaneos e chinellos
do Porto, proprios para a chava ; assim como
vende snalos de tranca portuguezes, francezes,
para homem e senhora, ditos de tapete, fume da
Bahia, dito da trra era folha, e es opa para cala-
feto de navios : na roa da Sanzalla-Nova n. 1.
perola e tartaruga, propnos para mtssa.
Garafinhas vazias proprias para presentes
cousa de gosto.
Indispensaveis de palmita e de couro pro-
prios para seahoras e meninas traser nos
reos.
Binculos de madreperola, marfim e tar-
taruga todos esmaltados.
Cutos largos de setim, cousa inteiramen- "
ti nova. aca'
pallileiros de porcelana,
Tentos para voltarete.
Bengallas com marfim, cousa especial.
Sabonetes de alcatrao.
Cofres de folbas para dinheiro.
Lindas caixas para costura.
Um completo sortimento de luvas de pe-
Mi MrMa^BSBBoM'MisBSiMiaalMa^aWl
mniAHA mmk
55-Rua da Imperat: iz-55
Tinge, lava, limpa, lustra e achntalo-
(a-se, com a maior perfeicao, fazendas em
pecas e em obras de todas as qualidades ;*
como sejam : seda, lia, algodio, iinho,
chapeos de ellro e de palha etc. ele.
' Tira-se no loas e limpa-se a secco sem
molhar os tecidos, conservando assim to-
do o brilho da fazenda.
Tintara preta as tercas e sextas fei-
ras.
Aluga-se o armatem a. 32 da Ponte-velna-
para algum estabeteclmento. _______
Para o inez lfiri<'no
Na ra Estreita do Rosario n. 35, prepa-
ram-se flores artificiaes para enfeitar os al-
tares e oratorios do mes de maio, arcos,
palmas capellas rosas, e palmas para o al-
tar, bouquetes e bngias enfeitadas com flo-
res de cera para enfeites de altar, tudo com
prestesa, goalo e barato, faz-se toda en-
commenda para fra, e tem j promptas,
rosas, arces e puntas.
Cosinhe:ra.
Precisa-e He nina perfeila em traballio de co-
rtaba : na roa da Cruz n. 1(>.
Atten$lo
Allugas ama excellonte loja na roa Nova, pro-
pria para nm grande esiabelecimento de qoalquer
nalure za : tratar na ra da Cruz o. 18.
nsino para fr.t da cidde
Um moco porfeitamente versado em linpoa na
cional, latim, francez, inglez, rhetoriea e philoso-
phia. presta se ao ensino das referidas materias,
em alguma comarca, villa, povoaco ou engenho
fra desfa cidade ; garante-se as habilitacfcs do
pretenderte, e para tratar ra de S. Francisco
n. 16.
Fitas de sarja de todas as cores e largu-
ras para lacos.
Toncas, sapatinhos meias de seda e mais
pertences para baptisados.
Fitas com inscrpc5es proprias para bou-
t.aet de noiva,
Ricos vasos com p do arroz.
Um variado sortimente de jarros de por-' certificarlo do sortimento deste
colana. cimento.
Talagorce parabordar.
Um completo sortimento de enfeites de
seda para vestido. -
Perfumaras de todos os autores os mais
acreditados em oitractos, pomadas e leos
e finalmente outros muitos objectos que nio
possivel mencionar ; mas com a vista se
estabele-
: cuueuiu.
Agnia Negra, ra do Cabug n. 8.
IMBttBMMI BMmWSB!X llllllll
I filfa
Bl O U
Z2B g B ^ a;
ua "o o
a 1 ^ o2,o 2 <
* i "5 3 ss s g
P
Cao damnado. casca-
vel, lacro. etc., na-
da disto mette hor-
ror.
Depois de quasi um anno de espera, venho cum-
prir a promessa qoe flz ao publico, de expr
venda a pedra de oxlrahir veneno, a qual deno-
mino lman do veneno. No es paco de 42 annos
tenho applicado tsta pedra pessoas e animaes
mordidos de cao damnado, cobra, etc., etc., me
seria enfadonho enumerar : tendo oblido em todos
o me3mo resultado, isto a cara infallivel.
O poblic j es a certo de que, ainda nao ha muito,
foram curados seis caixeiros das ras da Cadeia e
Encantamento, mordidos de eao damnado^ cujos
nomes deixo de publicar, nao s porque nao pre
ciso de attestados para prova da verdade, como
porque elles terao o cuiJado de o fazer patente a
todos. |
O imn do veneno, olbado primeir vista, pa-
rece que nada mais qoe um pedaco de chifre
queimado ; mas engaase o leitor se assim pen-
sar. Se fosse tao fcil, como parece, a fabricacao
do imn do veneno, eu nao levara lanto tempo a
prepara-lo.
Aos fazendeiros. genitores de engenho e lavra-
dores deve ulilisar imn do veneno mais que a
pessoa alguma, pelo facto de perderem csses se-
nhores pessoas de suas familias, escravos, bois e
cavallos mordidos por caes damnados, eascaveis e
outras cobras, para cujas mordeduras o imn
do veneno to prompto qoe, em poucas horas, faz
a cura, ainda que a pessoa ou o animal mordido
esteja prestes a snecumbir.
Advirto ao publico que a (flica ; a adunando
veneno est em extrahir o veneno da mordedura
do cao damnado antes de a pessoa damnar-se.
Esta pedra pode dorar de 50 a 60 annos, dan-
do-se-lhe o tratamento prescripto em um impres-
so, que acompanha a mesma pedra ; e to claro
e explicado, que qualquer pessoa pode curar sem
perguntar a outrem.
Kecommendo muito ao publico que tenha todo
o cuidado com os falsificadores, pois j ha porahi
queiu diga que'sabe fabrica lo, en nao me respon-
sabiliso pelo resultado sinistro que o publico ve-
nha a ter de urna tal falsidade, por isso declaro
que o imn do veneno s est a venda na toja, da
Boa Fama n. 33, ra do Queimado, pelo preco de
50 cada urna ; assim como estou prompto Xa- L
zer qualquer cura ere pessoas mordidas de cao
damnado ou cobra, em minba casa a roa da Praia
de S. Francisco em O inda.
Felippe Manoel de Christo Leal.
No armazem da travessa do Corpo Santo n. 25, ha sempre um completo
orlimento de objectos para carros, e que se vendempor presos muito rasoaveis, como
sejam :
Vaquetas de lustros, grandes t milito boas.
. Solas iilpin dito.
0>ado preta e de ores.
Colleiras de lustro o (me lia de melbor.
Guarnieses de lino latJio para arreios, completos.
Lanternas e Has para as inesmas
Eixos patentes para sebo.
Joaqnim Lopes Machado & C. ___________
LOJA DO TRMPHO
7Ra do Queimado7
DE
MOBElRi & BASTOS
Cuegou pelo ukimO vapor da Europa o mais bello sortimento de fazendas preta
orno sejam:
(.-osdenap'es pretos de todas as larguras e qualidades,
Gorgurao prelo para vestidos, o que tem vindo de mas superior nesta fazenda.
Pequin da Chioa, de seda pura preto com listras de setim o que lia de mais
moderno em fazenda preta para vestidos.
Mantilbas brasilciras d renda de seda preta o que tem vindo de mais moderno
a este morcado.
Meterniques de croch preto com ricas lacos de setim e de modello completa-
mente nove.
Csacos de croch pretos, compridos com grande roda e de rtgaco que finge
segunda safa sobre o vestido.
fticas manUs pretas para-cabeca de senhoras.
Um grande sortimento de fil preto de seda cem fiores, nest mesmo estabele-
cimento tambem ha um grande sortimento de poupeltna* de ricos gostos, sedas lisas de
lindas cores, saias bordadas, fioas para senhoras, loras de Jouvin de todas as 'cores
para bornease sen'.oras, grande sortimento de cortinados bordados para cama e janel-
las, tapetes pan sof, camas, pianos, janelias, e grande sortimento das afamadas eslei-
rs da India para forrar salas, s existe na roa do Q-jeimado n- 7.
Loja do Triumpho.
Agencia em Pernambuco
Do Dr. Aver
m
Petoral de Cereja
Cura a phthysica c todas as molestias do pcito.
a'sa parrilha
Cura ulceras e clugas antigs, impigens e dar-
tros.
Tnico
Conserva e limpa os cabellos.
Pitillas cathrticas.
Puramente vegetaes e sem mercurio, cura se-
ides, curam e purificara todo o systeraa humano
Vene-se effectivamente em casa ae Samuel P
hnston & C, ra da Sanzalla Nova n. W.
BAZAR DA MODA
SO RA NOVA -58
Os abaixo asslgnados propietarios deste estabetecimento, participara
que, continuam a vender muito barato e em vista ao grande sortimento de
miudezas da melhur qualidade cbamam a attencio dos Srs- commerciantes
de retalho afim de comprarem o que lbe for conveniente ; com descont de
10 (o, pagamento realisado no mez da compra.
Jote de Souza Soares & C.
i
i
*
ADMIREM
Grande liquidaqo na loja e ar-
mazem do
LE 10 DE MO
Ra da Imperatriz n. 52, portaes encarnados de
Parades Porto, junto a loja de curives.
Admirem admirem admirem.
Admirem admirem admirem.
Admirem admirem admirem.
Grande porcao de chitas.
Grande porcao de chitas.
Grande porcao de chitas.
A 200 e 240 res o covado.
A 200 e 10 res o covado.
A 200 e 240 neis o covado.
A 208 e 2i0 reis o covado.
Para acabar depressa.
Para acabar depressa.
Para acabar depressa.
Para acabar, depressa.
Vende barate para vender muito.
Vende barato para vender muito.
Vende barato para vender muito.
Vende barato para vender muito.
A pessa com \i 1)2 co vados a 94 e IO
A pessa com 42 1|2 covados a 9 e \(i
A p-'?-a com 42 i|2 covados a 9 o 10
A pessa com 42 1|2 covados a 9* e 10*
Alpaca de cr.'s escuras e claras.
Alpaca do cures escuras e claras.
Alpaca de cores escuras e claras.
Admira a 280 320 o covade.
Admira a 280 e 320 o covade.
Admira a 280 e 320 o covada.
No leo de ouro,
,\'o eao de puro. '
No leao de oara.
Ra di Imperatriz n. 5$.
PHARMACIA CENTRAL
Ra do Imperador n. 38
Xarope de lactucario d'Aubergier, e de
ihery decio d'Abbadie recommendados,
como calmantes para os casos, em que se
nao pode osar do opio e de seus prepara
dos, e mui convenientes para as criarlas
nos espasmos-e convulsoes.
PHARMAGIA CENTRAL RA DO IMPERA-
DOR N. 38.
Preparados d'alcatrSo em capsulas, licor,
e xarope ferruginoso.
pharmaWcentralTija do- iMmF
DOR N. 38.
Pillas de Vallet.
Pillas de Blancard.
Pillas de Bland.
Xarope furroginoso de Blancard.
Confeites de lactato de ferro.
- Pillas de carbonato de ferro, lactado de
ferro, iodureto de ferro com magnezia.
Ferro de Quevenne.
Assucar ferruginoso.
COMPRAS.
Compram-se moedas de ouro e prala de to-
los os valores, ouro e prata em obras inutilisadas,
srilhantes e mais pedras preciosas: na loja de
)urives do arco da Conceico, no Reeife.
0 muzeo de joias
Na roa do Cabug n. i compra-se ouro, prata
pedras preciosas por precos mais vantajosos do
ra* em outra qualquer parte. ___________
lolPRilMliHT
PHARMACIA CENTRAL BA DO IMPERA-
DOR N. 38.
Vinbo e xarope de pepsina e ^diarthare,
excellente tnico para auxiliar as digestOes
difTiceis nos casos de debilidade do esto-
mago.
MI
IA CENTRAL RA DO IMPERA-
DOR N. 38.
Agoa hemosthalica de Lechelle. mui re-
commendada em qualquer caso de hemor-
rhagia, e principalmente na thysica pulmo-
nar, e as hemorrhagias uterinas.
PHARMACIA DENTRAL RA DO IMPERA-
DOR N. 38.
Xarope de rbano iodacto excellente com-
binac5o do iodo com o sueco de plantas
anti-scorbuticas.
Este xarope empregado com grande
soccorro contra as molestias da pelle, os
engorgitamentos escrofulosos, o racbitismo-
cachloroso.
O vinbo iodado de joly, e oleo iodado de
Personn'e, s3o recommendados para os mes-
mos casos, e encontram-se nesta pharma-
cia.
PHARMACU CENTRAL RA DO IMPERA-
DOR N 3S.
Variado sortimento de chocolate de ban-
i'ilha, salepo arar uta, ferro, e de sade, da
acreditada officina de Menir.
Sabonetes d'alcalro, d'acido phenico, en-
xofre e camphora, recommendados para as
molestias de pelle como sarna, panos, em-
pingens etc., sendo o ultimo de muita ulili-
dade para o uzo do toilette, por preservar
a pelle de ser manchada das maculas, que
costumam accomettel-a.
,0&a
PHARMACIA CENTRAL RA DO IMPERA-
DOR N. 38.
Os melhores vermfugos para crianzas,
Pastilhas de sanctonina.
Ditas de Kemp.
Oleo vernifugo.
Tudo de melbor qualid de.
PHARMACIA CENTRAL RUADO IMPERA-
DOR N. 38.
Variadsimo sortimento de fundas de
excellente qualidade.
PHARMACIA CENTRAL RA DO IMPERADOR
N. 38.
Pastilhas de balsamo de tol e de seiva
de pinho maritimo, para ai affeccSes chro-
nicas dos pulmes.
Pasiilbas de therydocio e louro cerejo
para as tosses agudas, e de carcter nervo-
so, e para os vmitos durante o periodo da
gravidez, e qualquer affeccao nervosa.
Pastilhas de bypophospheto de cal moi
uteis na thysica pulmonar.
Pastilhas de angico naf, e de Regnault,
de hortel5a, pimenta, e de Viccley, de pe-
cacuanha e de Rermes.
Compram-se e vendem-se diariamente para fra
dentro da provincia escravos de todas as idades,
jores e sexos, com tanto que sejam sadios : no
lerceiro andar do sobrado n. 36, ra das Cruzes,
freguezia de Santo Antonio._________________
Com muito maior vantagem compram-se
ouro, prata e pedras preciosas e n obras velhas: na
loja de joias do Co-aclo de Ouro n. 2 D, ra do
Cabug.
Compra-se
Um deposito de ferro que sirva para agua e
um dito para oleo de linhaca : quem tiver dirja-
se a ra do Queimado n. 15 botica.
Compra se urna casa terrea boa, situada em
Santo Antonio ou Boa-vista : na ra da Florenti-
na n. 6. tfW
V1NDAS.
Vende-se
Urna machina completa de fabricar aguas ga-
zosas, com lodos os seus apparelhos, ha pouco
comprada as celebres ofScinas do Sr. Malbeus
de New-York. A machn i forrada de porcela-
na, com urna capacidade de 80 m-didas, mais que
sufQciente para produzir 100 duzias de garrafas
por da. Est actualmente trabalhando na curte,
na ra do Lavradio n. 62, onde se pode examinar.
Para informacoes dirijam-se ru de S. Pedro n.
28. no Rio de Janeiro.
a posse e bemfeitorias composta de urna casa de
madeira coberta de telha, e muitos arvaredos. em
um sitio na estrada do Arraial, defronte do sitio do
francez o Sr. Pedro Ginja, por um preco bem com-
modo : a tratar na Boa-vista, ra Velha n. 20,
2" andar.
Vende-se para quem quizer possnir duas
lindas e bem educadas mulalinhas de ida 'e de 9 a
I- annos, urna excellente c^zinheira escrava cri-
oula de idade 25 annos, um bonito inolequ i de
idaJe 18 annos, cozinha bem o diario : na-tra-
vessa do Carmo n. 1.
Cabriolets.
Vendem-9e don? cabriolets, sendo um coberto e
de <|uatru rodas, e oulro Dogcart, ambus com to-
dos os arreios e pertences : ni eccheira de Tlio-
maz Lins, ra de Santo Amaro.
Aos cam mil azulejos
Portuguezes, hespanhes e francezes : na ra
Primeiro de marco n. 16, outr ora do Crespo, ar-
mazem de louca'de Bernardino Duarte Campos
&C ___________________.
Milho novo e barato.
Mais barato do que em outra parte : para ver
no trapiebe do Dantas, e tratar a roa do Apollo
numero i.______________________________
Vende-se por 350 urna excellente canoa (k
amarello com 40 palmos do comprida : a tratar no
trapiche da companhia no largn do Corpo Santo.
Vende-se um bom cabrlolct descoberto com
todos os arreios e f m bom estado ; assim como
um cavallo bonito, gordo c muito bom de carro :
na ra do Imperador n. 45, cocheira.
TRADUCAO DO SPIRtTISMO.
AOS SPIBITOS.
Na encadernacao parisiense vende-se a tradc-
elo do spirttismo em sua mais simples expressao,
ou o resumo da dontrma dos espirito por Alian
Kardeke, alfo fullieto : obr.nlia muito curiosa
e interessante.
PHARMACIA CENTRAL RA DO IMPERA-
DOR N. 38.
Cha purgativo de Chambard, excellente
laxativo, e refigerante, que se pude usar
repetidas vezts sem irritar os intestinos.
CASA DA FORTUNA
Aos 5:00011
Bilhetes garantidos.
A roa do Crespo n.23 e casas do costme.
O abaixo assignado, tendo vendido alm de ou-
tras orles, 2 quistos n. 1668 cora 5-.000J da
lotera pie se aeabou de extrahir a beneficio di
rmatd*de do Senher Bom Jess dos Passos da
matriz 4o Corpo Santo (t46'), convida aos pos-
Riidort's virem receber na conformidide do cos-
ame sem descont algum
AChim-se a venda os felizes bilhetes garan-
tidos da 3* parte da lotera beneficio da ir-
manda te de Sossa Seahwa do Bom Parto da ci-
liado Je Olinda (147), que se extrahir sexa-fei-
ra 20 d crreme mer.
Prcos-Os do eostame.
_______Mnoal Martina ftaxa.
GABINETE MEDICOCIHUIGICO
oe
Dr. mci Alcibiades Velloso.
Pe ser procurado a qualquer hora do da ou
rtanoiie, prestandO-se a chamados fra da cida
de, com toda a promptidao. Pratica operac5e.
D eon;ultas das 6 s > horaj da manhaa, na
ra Xoya n. 45, andar.
Aitengdo.
Na praca do commercio n. 18, rmazcm, lem
para vender cebla; do Rio Grande do Snl.
vsho perTde
de superior qualilado chegado ltimamente, ven-
de-se na ra da Madre de Dos n. 30, armazem de
Cuuha Irmaos & C.
Vende-se urna taberna em urna das melho-
res localidades, da fieguezia de Saato Antonio,
tendo a casa bastantes contrados : tratar na
ra das Cruzes n. 33.
A ra do Dqquc do Caxiasn 21.
(AKTIGA BU DO QE1MAE0)
Nio foi sem fiuidaraerrto que a N0V\
ESPERANZA lem disado de f-zor os seos
annuncios, a razio simples, ella entcnce
que tudo em domasin tbohea... por isso
como j tinha dito e scienlitiado sua b(a
freguezia o que constantemente i.i recaben-
do, ou tivesse feito mui las vi-zes,- recoicu
tornar-se massaqte, assim pois rfcolbu-se
um potco ao silencio, mas nur.ca deixanc.j
d'etuprpgar os verdadeiros esforcos, j con-
tratando maior numero de correspondentes
na Europa, j descobrindo (.bjectosdomais
apurado gosio e finalmente assignando o
Jornal das Familias, o qual velo sempre
ornado com fignrinos, modernos moldes para
vestidos etc.. etc. para desta furma melhcr
servir a sua constante freguezia ; e com e?-
peciaiidade ao bello sexo, quem a NOVA
ESPERANCA ufanase em offerecer-lhe
seus servicos, apressando-se desde j em
declarar que tem recebido ltimamente
entremeios e babados bordados transparen-
tes e tapados, chaposinhos de setim para
baptisados.
Finas toucas de cambraia bordada para
o mesmo im.
Meias de seda e fio de escocia para crian-
Cas.
Dedaes d'osso, marfim, aro e madrepe-
rola.
ptimas navalha?, afiadores e massa para
as mesmas.
Finas esponjas para o rosto e para ba-
nlios.
Ronitos sapatinhos com biqurira, sendo
com salto, para meninos e meninas de dois
a doze annos.
Roas lentes com cinco melimetros. para
contar-se os flos de qualquer fazenda.
Tesouras para frisar vestidos.
Carretas para tirar iroldes de vestidos.
Mollas para segurar costuras.
Ronitos linteiios de novos molde?,
Meias de la para bomens e senhoras.
Finas e bonitas ligas para meius.
Fil de Iinho e de seda, sendo preto e
branco, liso e de salpicos, e outros muitos
objectos expostos a venda ra Duque
de Caxias n. 21, na NOVA ESPERANCA.
Mabao d'alcalro.
Vtnde-se na roa Duque de Caxiasn. 21.
PARA LUTO.
Rrincos. broches, vollas, pul.eiras, five!-
las, rentes, botSes para puchos e cadeias
para relogios.
A NOVA ESPERANCA, querendo satis fa-
zer sua freguezia, nosmetite em objeces
d'alegria ou de luxo, quer tambem acom-
panhar aquelles, que infelizmente perdendo
alguem de sua familia, ou a'gucm de sua
amizade, precisam de laca objectos, assim
pois a NOVA ESPERANCA, roandou vir o
que ha de melbor nesle genero, poique
sendo taes objectos de cor negra, sendo
de m qualidade, nao somente tornara-?'!
tristes como at repugnantes, o que nao
acontesce aos da NOVA ESPERANCA. por
que apenas exprime o eentimento pela cor
porem como que traz um lenitivo pelo goslo
e porfeico com (pie taes objectos sao tra-
bajados.
Collares anodi'n s.
CONTRA AS CONVULCOES DAS CRIAN'..
N5o esta a primeir vez que a NOVA
ESPERANCA s itnlifica aossnhores pais de
familias, que os seus collares s3o os verda-
deiros de ?jer.. .recobiilus directamente,
e por consequencia de nm eleito ellicaz qo:
desnecessario mai* a|)iL'goar,%a;rsim pos
aquelles qu \ nao querem pastar pelo dis-
sabdr de verem seus illinihos extrocerem-se
as terrlveis convtiiges, logo que a este
comessem nasser-lh.s os denles apressen>s
em comprar os ditos collarBB, ua ra ';
Duque re Caxias n. 21
CARELLOSRRAN OS SO TEM QUEM QUER
A NOVA ESPERANCA receben o ve.da-
deiro chrom-corre de Wdliam para ting'r
cabellos, para pretos ou castanhos, assim pois
cabellos brancos so tem quem quer!!!
Fia u ti.
A NOVA ESPERAN: v tem para jender
urna flau d'ebano do afamado fabricante
Boom.
Cimento
Na travessa da rea
das Cruzes n, % pri-
meiro andar, da-se di-
nheiro sobre penhores
de ouro, prata e brilhan-
tes, seja qnal for a qnan-
tia. Na mesma casa corn-
il pram-se os niesmos me-
taos e pedras.
mwsmmmm mmm mi
Mil e quinhenlasduzia do fogos li ar de ura
tres bombaf; n? ra DJreJ n ."3, loja ce fer-
^gens.
JoaquimRodriguesTa- S
vare-< de Melfo, g
g Praqa do Corpo Santo J
S N. 17.
^ Tem para vender: 0
I Cal d8 Lisboa.
i Potassa paRussia.
g Viuho Bordeaux de 1.
X qualidade.
g Farello d- Lisboa.
Vende-se superior flinfhlo em 'arricas grade^
pelo diminu preco de su..:0 a harnea : na pra.
ga da Concordia, armazem de cal preta c branc;
PARA A FE6T7
3 portas, 1' ja de fer/agem
53--Rua Direita--53
Nesle grande estabelecimento, 1u para aendn
um completo sortimento de ferragem, e miuduzi^
finas e grossas, como sejam bandejas cbinez
qoadradas e ovaes, facas e garios ae 1 2 be
toes, bataneo inteiro e 1/2 balan co; panfilas, cha-
Ibeiras, cacarollas, frigideiras, asradeiras, tantc
de ferro como de porcelana, moinbos para caf t
diversos Umanhos do fabricante Japy, peses kik.
gra>imos, tacto de ferro como de latao, metK!
para medir fazenda tanto de ferro corno ds lata-:' .
salitre, bren, barbante, enxofre, papel marca vis
do, do verdadeiro Picardo, machinas para deser.-
rocar aigodao; alm de outros artigos de forra- -
gem, miadezas entilaras finas, que s com a vis
ta se verifica; na ra direita n. 53 leja de 3 per
ta de Manoel Rento de Oliveira RrasaA C.
Attenqo
ja do L^ilo de Ouro
Chogaram a este bem conhecido estabelecimen-
to, as mais modernas lcfehai com listas e ie
muito bom coito, fazenda <|ue outros vendem p< lo
preco de 800 rs. o covado, arfoi se venlem pelo
haratissimo preco de 400 res o covado pechin
cha, grande pechincha senhores freguezes, ve-
nham ver a verdade, vendem-se por este barato
preco por ter grande porgan e querer ganhar ma
nos e vender muito para acabar depressa ; a elhs
senhores e senhoras antes que se aeabem. S na
loja Lt a> de Ouro, ra da Imperatriz n. 5i de
Paredes Porto que se vende barato e fazenda
boa<-S com a vista que poderao ser'lficareni-se.
Na loja do Leao d-3 Ouro
Chegaram as mais modernas capas preis de
Al bordadas e de dilTerenies gostos, tem giamle
poreo para os senhores e senhoras escolherem, c
vundem-se pelo baratissimo preco de 84, luj e
14 mil reis cada urna, por ter grande porcao,
quer ganhar menos para acabar depressa, s nes-
ta e bem conheeid loja do Leao de Ouro rus
da Imperatriz n. 51 de Paredes Porto: que se
eaeoniram de.-u pechincha*, pde-so ans senb>
res e senhoras que tenham a hondada- de virem
a estaallabelerlmento para com a vista certiflta-
rem-fJ|p, verdade.
Na ra do Duque de Ca\ias, outr'ora ra .'
Queimado n. 19, vende-se cambraias miudinhas
e de flores, bonitos padres e finas a 300 e 300 M.
o covado, barato.
Vende se um sitio no Arraial, com casa boa
de pedra e cal, differentes frucleiras, baixa para
capim e um poco d'agua de beber : trata-.-e di
sobrado de doos andares da na de Moras u. 48.
Vendem-se tres cabriolets de k rodas cober-
los, sendo deMes i americano? em moito bom as-
tado : para ver, antes da ponte grande da Passa-
gem n. 40, e tratar no mesmo ou na ra estreita
do Rosario n. i, Io41dar, com Jos Henrique <"..:
Silva.____________________________^___
Vende-se a casa terrea n. II. em chlos prc-
prios, sita em Olinda ra no oitao do Anipar .
com 4 quartns, corredor ao mcio e duas salas
ratar no t' andar o. 5 ra da Cideia do Reeife.
(Venca de terreno na cidade]
Vae a braca do juizo dos orphos, na
segunda-feira prxima (16 de maio cor-
rente) depois da audiencia'por volia de t
1 hora da (arde e na sala ^ublica ra M
i* do Imperador, o excellente terreno fo-
ySH reiro, que deixoo o tinado Henrique Jor-
ge, na na do Barthotouwu en. heoleao
caes da Detenfio, mediado 153 palmos
de frenle e 03 de fundq, A arreara la-
cio ser por lotes a saber : 4 do trinla &>
palmos cada un, e 1 > inou e tres pal- 25
mos; ludo avallado p __ Wi
bh wmmmmmm
Vende-se
urm raacliina de co
coilro ; na ru da
le coser
.ot.


Diario de Pemambuco Terca feira J7 le Malo de 1870.
Mna Duque de Casias nf 55
Ife toja da VERDADE continna-se.a ven-
et por baratsimos precos Ddos os arli-
de miudezas e perfumaras do sea
fra&de e variado sort'm. nto, garautindo aos
oetaprad.ires toda a sinceridade.
Lindas bonecas de cera e massa por ba-
attissimo preco.
Eapelbos dourados para pend tirar a
Ors.
Agulhas de osso para crox a 200 rs.
Pbntes linos pira segurar cabello, a
"*Or*
Cbamins para gaz a 320 rs.
Garrafa com tinta alizarine a 4d000.
Dita com agua florida a 1 >i O.
9U com (lita dita a 100.0.
Tnico de Jayme a 15500 o frasco.
Frasco com oleo expresso de babosa, de
2 a 640 rs.
Dito com agua de Colonia de 300 a 10000
Dito com extractos finos a 10000.
Dito com sndalo verdadeiro a 10200.
Latas com banba rauito tina de 120 a
110 rs.
S^netes muito finos e diversas qttali-
ades a 80, 160, 240 e 320 rs.
Finas escovas para dentes de 320 e 500 rs.
Ditas para facto de 500, e 600 rs.
Ditas para cabello a 500 rs.
Vitjs para alisar com costa de metal a
380 rs.
Ditos ditos ditos de bfalo a 240 e 320.
Peote3 para tirar piolho de 160 e 246 rs.
Pavios para gaz, dwzia a 240 e 320 rs.
Brincos de cores, inteiramente modernos
s 160 e 49 rs.
Ferinas cagraphicas muito finas a 10400.
Ditas de langa e mosinha a 800 rs.
Lindos babadinhos e entremeios de 500
9 15300.
Grosas de brtws de louca de 160 e
530 rs.
Ditos ditos para calca a 240 rs.
Caixa com papel amizado a 700 rs.
Ditas com envelopes a 480 rs.
Ditas com obreias a 40 rs.
Ditas com agalhas fundo dourado a
180 rs.
Tbssoura para costura a 240 rs.
Linha de marca eaixa a 280. rs.
Cartiteis ds nhas de Alexaudre de n. 70
3 200 a 10 rs q
Graapaa muito finos, com passarinbos du-
aa 200 rs.
Caitas francezas para jogar duzia 30000
Ditas porluguezas, dnzia 1,5400
Papel aimaco superior qualidade resma
4000.
Lam muito fina para bordar libra 60500
Fitas para debrum de sapato, pessa 160 rs
Di tas de lam para debrum de vestido peca
500 rs.
Caivetes grndes com molla a 400 rs.
Ditos grandes com 2 folhas por 320 rs.
losetas pelas para lulo, o par 100 rs.
Trancas de lam de caraeol branca e de
iras m 40 a 100 rs.
Fi'as para cus, p*ca 480 rs.
Atflnetes de lato, caria 100 rs.
Sapatinbos de lam para creanca de 400
s 800 rs.
Caigadoiras a 40-rs. .
Gravatas d ?ed pretal^ 40T) eBOO rs.
Ditas de croxe, fraseas de cores 500 rs.!
Dita de gorgurSo du cores a 800 rs.
la Verilade k rw* iHiqne de Ca-
Estampilhas.
Vendo-sana rna da Crui n. 8, -1 andar.
Milho das lillas
E
. Feiilo do Porto
em saceos grandes, das qualidades abado m
cionadas, e por menos prefo do qu 6m otriri
parte.
MILHO NOVO _____
Dito braaca Dito rosado.
Dito amrerlo Dfto Frade.
VENDR
Jos do Rep> Bontes A C, a na do' VtgiarW n. 14.
DE OURO
Grande armazem na roa
Imperatriz n.
Neste grande armazwn veade-se Ibtic infleza
nnas e ordinarias, apparelaos de prchi8a para
jantar e para cha, jarros para flnres os tnais boni-
tos e de gestos modernos; assim conao grande
sortimento de vidros fmos o ordinarios, que ludo
se yendoi* tanto a retalho como por atacado pelo
mais barato prega que era outra pualquer parte :
chamamos a attencao dos freguezes, qne serio
convenientemente servidos tauto nos ce m modos
procos como na boa nnalidado das fatendas.
O livro para o mez de mai
Acha se venda na ra1 do Imperador n. 15 o
bem conhecido livro do moi de mao, cbtilendo
alm do mais, versos, etc, e lambem es cadernos
de versos proprios para a mesma deroc3o, ntida
imprema, e pre^o mnito cemmoiK
Cigarros da imperial
fabrica de S. Joao
de Nictheroy.
oico deposito em Pernambueo caes da altan
dega velha n. 2, anda.
Grande stabeecimento de faMWls e roupas feitas e por medida, roa da Im-
peratriz n. 52 junto a leja de ourives.
leste eslabelecimento encontrar^ o respeitavel pablio um bonito sortimento de
roupas de lorias as qualidades.
, w.J^Iil?1 de alpaca Preta e e c6res 3^000' 3^5)0 7<>000. d'tos mirin preto
de 70QOO at 235000. ditos de casimira' de cfcvs fins e ordinarias, de SU, lAOOO
ditoslde\pnne18n^-6^ m lO^e 2< 5000. sobrecasaco dito de 20-S a 305000
CoBfeleto >Minet5to de calcas de brira pardo de 15600 a 65000, ditas brancas
de 25, i lOjJOOO' 6 Mt\s sorMioi, ditas meia casemira, ditas cafemira de 55, 12/OOO,,
ditas cswWra1 prtftif dv6|', 9 H5O0OSuperior, dita de merino diversas qtjalidades paTal
lulo. Assrm como urt B*rto sortimento de colteles de brim de cores, ditos braneds,
dttos de casemira de Wrfe# Jretas, ditos de merino para lutofazenda superior.
Sortimerlto- complf' e cnrjtfos fraiicezas de algodo, de 15O0 84000,0 de'
llnho (fe 385000 a 70JN0 itfttia'
Sorflmffro CoiMdti de femt/as francesas .de algodi) jle U000 a 2^1500,
ditasde tramante a 1|800, 2^800' 3J0O0 dta de Hambrgo, franelas, fazenda w-
Sortimentj de cuUnnhos de algodo e linlio, etc.,
Si omem de 35, a O^OOt)' duzia, gravatis de 1
srior de 2Bj90DO a ti
sMm como eias d&fl_
rtas Qualiddes. Na ra a^TmpraFiz n. 52, Ioja do
Sotimento d'chapoVde'sf de alpata, oda, ditos m?lezes cabo demarfim.
folmis1 pr tost. Soriifriettto de mallas para viageru'
Neste etabelochnento encarrpga-.se de tandar fa'zer qualquer obra por medida
e para esse fim tem hpbrt mewre ricarregado da officina, que se encarrega do trabalbo
com porfeicao e ponloalMade.
SORTIMENTO DE FftNDS.
Chitas de. 210 rs. o covado ou tOA')00 a pessa com 42 covados, ditas miudes
para' camisas e tmile de menino 260, e 260 rs.. e outras muilas qualidades de a, 360
e 400 rs. o covado, neste .mesrnoestabelecimento ebegaram, urnas bonitas chitas da
victoria com barra, a qnal paraflros ecompetente enTeite para corpinbo. Cam-
braia lisa de 3#, 4^, 5| e 10^00 a pessa, e ors mitas- fzend'as de todas as qtiali-
dades.
ALGOOA E !.\DAPOLO -VVAniAOO
A 44000 o algodfo, e 0500 omadapoUto, e tamben cbita escora boa 240 o
covado por ter grande porc5o, a roa1 da Imperatriz n. 52, lujTconi portaes encarnados.
intitulado
Mo de Ouro.
Pian
Vende-senm plano de iwsa, uom e afinado, per
eco commodo : na ra das Larangeiras n. 19.
Cortes de vestidos de
blond.
Acaba de chegnr loj.i dos arcos ra do
Crespo n. 20 A. de Alvar) Au^to de Almeida
& C, os mais ricos cortes de vestidos de blend
que tem vindo a este mercada para cabimentos,
assim como cortes de vestidos de seda de cor de
gostns inteiramente novos, e timbera um grande
sortimento de chapeos de velludo pr.ra feohsras
Caf do Ceara'
Venderse ptimo caf da serra d'Araia-
nha, Cear: ra da Gdeia do Iiccife:
n. 5._______________________.________}
Nao mais cabellos brancos.
A tintura japoneza para tingia os cabellos
i cabega e da barba, fo: a nica admittida
i ExposiQo Universal, por ter sido reco-!
nhecida superior todas as preparaces at
hoje existentes, sem alterar a sade.
Vende-se a 4(5000 cada frasco na
Rna da Cadfla n. 51
O COLLAR DE Bill
\. 3 A lli.4 M GAM.T.A N. 3 .*.
i
uiMts nn
COSTURA
Acabam de chegar ao GRANDE BAZAR
UNIVERSAL, pi Nova n. 22--carnbro
yunmaum completo sortimento de ma-
chinas, para costura, dos autores mais co-
nbecidos, as qoaes eslo em exposico no
mesmo Bazar, garantindo-se a sua boa qua-
lidade, e lambem ensina-se com peifcigao
a todos os compradores. Estas machinas
sao iguaes no seu trabalho ao de 30 costu-
raras diariamente, fl a sua perfeigao tal
como da melhor costureira de Paris. Apre-
sentam-se trabalhos executados pelas mes-
mas, que muito devem agradar aos preten-
dentes.
Vndese urna carleira de ama/ello com al-
gum aso, propiia para escripta: rna de S. Pran-
cisco n. S._______________
Officina e armazem de
I ma-more
Caes Vinte e dous de novembro n. 37,
(outr'ora armazem allianca)
Ha para vender pedras marmores de todos os
tamanhos e gr ssuras, tijolos de diversos ta-
maitos, suleiras e saccadas, assim como solei-
ras e saccadas da pedra de Lisboa. Tambem eon-
irab-se e faz-se qualquer obra, como mono lien-
tos, tmulos, estatuas, pas, lavatorios, mesas e
ludo o mais tendente mesma arte, por mdicos
pricos. ______
nesta praca
casada la-
ende-se oh troea-se por ca-as
o sitio denominado dos Boritiz, antiga
vagem de ronpa, com grande casa de vivenda,
senzala para pretos estribara, banheiro de pedra
e cal com agua corrente, baixa para capim e
STaade terreno para plantacocs : quem o preten-
e: dirija se pra^a da ladapendcncia
o pret
n. 33.
GAZ fiAZ GAZ
1. andar.

Hiiiv u mu
Com este titulo acha-se aberto e inteiramente transformado este antigo
estabelecimento do joias, onde os fregueses e amigos encontrarlo tudo qnanlo
a moda e obom gosto tem inventado na arte de ourivesaria, o Collar de uro
observar delicadeza no trato e senciridade e tnodecidade nos precos.
Espera que o respeitavel publico venha ver o que existe de melbor em
aderados de brilhanles, esmeraldas, robins e perolas, meios aderecos, pul-
ceiras, brincos, alfinetes e anneis de todas as qualidades, prata de lei faquei-
ros. eolheres, paliteiros salvas e outros moitos objectos que seria enfadonbo
m mencionar.
Compra-se ouro, prata, brilhantes e pedras finas, pormaior preco do
^ que em outra qualquer parte, treca-se e concerta-se todo e qualquer objecto
<~g pertencente a esta arte.
mmmmmmmmmmmm
Chegou ao antigo deposito de Henry Forster t
u., roa do Imperador, um carregamento de ga
de primeira qualidade; o qnal se vende em partida;
a a retalho por menos preco do qu em outra qnal
qner parte ___________________
CEMENTO
PORTLAND.
Vende-se no armaiem amarello de Vicente Fer-
retra da Costa & Filho, defronte do arco da Con-
erico, em barricas grandes
COGNAC
da mutn acreditada matea Houyer Guillet & G. do
eof nac. nico deposito era Perriarabnco, ern casa
de Carlos P. de Lemos < C, ra do Vigano nu-
mero 10.
Na la da Imperatriz n. 50, pada>*ia france-
za, vende-se urna tendedeira e urna masseira, pro-
pria para nm princ^wnte; assim como ama por-
q5o e ferro velho.
romo,
d Imperador h. 26
^fcencontrar neste
estabfeclmejo SSr^iSjW uO completo
Sortimento fre frast^fi. boli ingtezes
Si pds-dlfl, |rgs'S6s (f ltimos
cribados *ft.SyMe', salame de lion, bo-
iinhos.nog de todas as qualidades para cha,
Jmeniws cjnfitadas, onfetos, bomboios,
pfftfhas, cnocoft francez em libras, pas-
tilhs do tte^mo .cartuxos e ctfteiras com
seis charutos de cho.oate cada nma, este
sortimento de chscojate do mais* acredita-
do fabricante .de Paris o melhor que at
hoje tem vfho ao mercado.
Vmhos portuguezes, figoera muito supe-
rior. Os mais genalnbs e stfperiores vmhos
do Porto, moscatel e Setuba, o illotrao
publico encontrar neste estabelecHMNto
por commodos pre?0Si fazendo-se abatimen-
fo a quem comprar em porcSo.
Licores de todas as qualidades, as mais
finas, errtre elles o afamado Aiapana, est
licor o mais saboroso e superior, at
hoje eonhecido. Xaropes de groselhe, rosa,
maraeoj, caja etc,, vinhos de Bordean! e
todas as marcas, o mais saperior que se
pode ene mirar, champagne de Chevernt
muito superior, os mais linos e superiores
cognacs francezes, old-tom, de tod's as be-
bidas alcuosas, este a mais salotar para
quem soffre do estomago,
Conservas de legumes, portugrezas, fran-
cezas e ingle/as, mlbos mostrada etc.,
fruclas seccas cristalisadas e em calda, na-
| cionaes e estrangeiras de todas as qualida-
des, charutos dos mais acreditados fabri-
cantes da Babia e Ro de Janeiro, cigarros
de S. Paulo e Rio de Janeiro, muites su-
periores, e finalmente tudo acanto se dese-
jar tendente a este genero efe negocio eom-
promelemb-nos a satisfazer toda e qual-
quer encoraraenda com a maior promptido
e asseio : Como sejatn para casamentes,
baptisados baiies etc., tambera se recebem
encommendas de pes" de 16 ou bollos e
qualquer espacie enfeitados e decerades,
bandeijas de bolinhos rom armaco de as-
sucar, assim como de papel, pecas monte-
das, gellatinas de fructas au.endoas, leite
etc..
Os donos deste cstabelecimecto nao se
tem poupado a despeza-s para melhor me-
recerem a acoadjuvaijiio do illustrado pu-
blico.
Te 1 has de ferro.
Na ra do Crespo n. G, ha para vender
por preces mnito ra/.oaveis um grande sor-
timento de telhas de ferro gdvanisado, de
diversos tamaitos para cobrir casa e te-
lheiros que alm de ser mais barato do
que as telhas de barro e aformoscar mais
qualquer obra muito mais limpo.
Cal nova de Lisboa
descarregada hoje do pataeho Mara ; e vend
Joaquim Jos Radios, na ra da Cruz n. 8, pri-
rreiro andar.
Vendem-se uteeos com farinln : na loja de
Maia & Landelino, ra de Duque de Caxias, tra-
vessa.do Rosario n 18 R..^. ,
Nesta grande estabolecim^ut on-.ontrara o respeitavel publico, oui grande
60RA DA. IMPERATRIZ
Dlli
J

sortimento de faendas, do mais apurado gosto assim como de todas as de nrimeira nece>sidad(^ atn -so ihps nromM vr Iap nnr
em ootr qm'qnar parle, visto quo os novos enera desta fir.na ad^ptaram o systoma de s vennderem DIXHKlJlO ; para poderera vender pelo custo li litando se P
arm.iz>"n poderlo fazar os seos sortimentos pelos mesmos precos que compram as casas estrangeiras. Para maior commodidade das Exmas. familias de todas
rem escolher.
apenas a ganharem o descont. As
as fazendas se dio os livros das amostras, ott
precos mnitc mais baratos do qne
pessoas que negociam em menor esealla, nesta loja
se mandara levar enronas casas, para melhor po-
Ca'nbrafa snlssa <: I2y))0 rs. cada um, pichincha.
S>M 8 PALMOS DE LARGHV A 1:600, CASIMIRAS ESC09SBZAS.
2:000 e 2:50i) RS. j O Pavo tem boai as cajemiras escosse-
tegaram asinissimas cambraias suissas'zsscom quadros gradose miitos c outras
ranparantes, sendo o que ha de mais fino lisas edm listras ao lado, sondo fazendo
pan vestidos e vend-s palo barato preco BMito fina que se vende mais barato, por
i** 15J0"), 25000 e 25300 o metro, tendo haver grande porco.
vuib'm das mismas, porm inglezas com CORTES DE C\SE\HR\ PRETA A 4:500,
amosflM largan qaa so vendt3m a 150(0,1 O Pavao tem os superiores corles deca-
9 i$i&0o me'.ro, sendo apenas precisos das-: sciniras pretasenfeita las pelo barato preco
se fazer um vestido de 45330 rs. o cort,
la larga faienda pan
I >u i i/i metros, pe;hincba,
SAIAS BORDADAS
Vende-se um benito sortimento de saias
Bordadas com 4 paraos, assim como ditas
"v. ripias, da I5a3inha, enosgadas com
bonitas barras bordadas a 13a por prefis
Bwito em conta.
PANNO PARA SAIAS A 15000, 15280 e
1(5500 R3.
Venite-8e bonita? fazendas Jproprias para
jas sendo com bordadas e pregas a um
Me, dando a largura da fazendi o compri-
ente da saia e vende-se pelo barato preco
? I50)0, 152SJ e 1^'JOO, cada metro sen-
d:> preciso apenas 3 ou 3 1/ metros para
eada saia 6 pscblncba.
Peanos c casemlras pretal.
O Prvfo vende grande porcao de pannos
pretos do mais baixo at o mais fino, por
preco que adnira, assiin como um gra-de
*>rtim-mto dj casimiras pretas para calcas
?uese vende por preco mais barato do que
tm outra qualquer parte.
Vestidos braacos a 19000 rs.
O [".tvo vend1} fiuissimos corles de ves
Utos de cambraia jranca, ricamente bordi-
das e com ni rita fazenda polo barato preco
PANNO DE LINHO.
Chegou um sortimento de pecas de pan-
no de inhq do Porio, que se vendem de
700 rs. at 10000 a vara, garantindoso
CVSEMIRAS RISPADAS A 800 RS. O CO-
- VADO.
O Pav3o 'ende excellente fazenda de pura
15a com as cores escaras muito proprias
para caigas, pilitots, colletes e roupa para
meninos que frequ ntam a escolla por ser
urna fazenda leve, escura e de mnita dura-
c3o, pechincha a 80J rs. o cuyado ou a
25S'0 o corte de calca para homem.
FINAS BARGES A CU) RS, O AOVADO.
O Pavao tem as mais lindas bareges de
13a sendo miias transparentes, com urna
s cor, tendo : lyrio, azul, rosa Bismarck,
OTO,etc., tendo miitoboa rargura e liqui-
da-se por 640 rs. o covado, por se ter fj-
to urna grande compra, assiin como ditas
mais estreitas de urna s cor com listras
mitacSo de seda a 560 rs. o covado, e "pe-
chiuchi.
ALGODOSINHO A 80000 CO.M 2i JARDAS
O Pava) veide pacas d) superior algo-
dosinho largo proprio para todas as obras
por ser encorpado e fino, pelo barato pre-
co de 850 )0, pechincria.
PEGAS DE MADAPOLAO A 30500.
O Pavao vende pessas de muito bom
madapolo, tendo 12 jardas cada urna, pelo
barato preco de 35500.
PECHINCHA EM ALGODO A 4*000 RS.
O PavSo est vendando pocas de algodo-
sinho francez, tendo 4 palmos de largura e
O Pavoo tem urna nava remassa da raui-
CROCIIFTS PARA CADEIRAS E SOFA'5. I CRETOXES COI 10 PALMOS
O Pavao tem um grande sortimento dos 2ooo 'RS.
mais bonitos crochs para cadeiras, sofs
masas, almofadas etc., proprios para eo-
bi ir presntese vende-se mais barato do
que em outra qualquer parte.
Algodo entestado.
Vende-se urna grande porcSo de a!god5o
sinho americano cam 8 palmos de largura,
proprio para Iences e loalhas, tendo liso e ,
trancado, que se vende por preco muito em GR2f ,n AK P-ET0S m l*m AT 700
conta. l0Ja d(> Pavao encontra o respeitavel
CRETOXES matizados para VESTIDOS A 6i0 pub,lico ura &rande sortimento de groida
i CHAPEOS DE SOL DE SEDA A 100000.
O Pavao fez urna grande compra de cha-
to acreditada cretone, propria para Iences peos de s1 de pora seda' ID8,ezes' coni as
tendo 10 palmos de largura, dando na lar- haspras Pap?o. sendo neste genero os
gura o comprimento do lencol e vende-se melhores Ql,e tem v:nc, ao mercado, e h-
pelo barato prefo de 20000 o metro sendol preciso apenas para um lencol um metro e
urna quarta ou metro e meio.
que em fazenda de linho n5o ha nada melhor com 11 metros cada peca, palo barato pre
oem mais proprio para Iences e toalhas., de 40000 rs.
CORTINADOS PARA CAMAS E JANELLAS
de 80, 100,120 e 160000.
Chegou para a hjido Pav3o um grande
sortmvinto dos bonitos e ricos cortinados
bordados, proprios para camas e janellas,
qtr? se vendom de 8000') o par, at o mais
rico que vera ao mercado, e vende-se mais
birato que em outra qualquer parte.
" CERV DE CARNAUBA.
Vende-se supjrijr cera de carnauba em
ceas, mais barato 9o que em outra qual-
qoer parte, oa ra da jmpentriz n.|60,
toja do Pav3o.}
CAMBRAIAS BRANCAS A 4000, A PECA.
S o Pavao vente pecas de cambraia
branca transparente, tendo mnis de vara do
largura, com 10 jardas cada peca, fazenda
que sempra se vendeua70 e 80000, liqui-
da-se pelo birato preco de 40VOO.
PARA BAPTISADOS
Na loja do PavJo veul^-se bonitos en-
chovaes para baptisad >s
Cortes do casemira a 40 "00, cada um.
Vende-se bonitos cortes da casemiras
claras e escaras pelo b.rato preco de.40,
ou a 20400 o covado. t-ndo duas largaras,
A
E 800 RS,
Para o Pavo ebegaram os mais bonitos
cretones escuros matizados, proprios para
vestidos, roupao, chambres etc. que se
vendem 800 rs. o covado. assim como o
mesma fazenda com padroes claros proprios
para vestidos e roupas do meninos a OiO
rs. o covado, sendo os padras mais mo-
dernos que tem vindo ao mercado.
OS SET1NS PO PAVAO
Vende-se os mais bonitos setins de cores
e mais en^orpados, proprios para vestidos
tendo de diversas cores.
LAAS ESCOSSEZA3
LAS ESCOSSEZAS
LAAS ESCOSSEZAS
A 560 rs. o covado.
Chegon para a loja do Pa\5), o mais
elegante sortimento das mais lindas 13azi-
nhas escossezas com fios de seda, as quaes
fazem o mais delicado effoito, para vestidos
de duas saias, e vendem-se pelo baratsi-
mo preco de 560 ts. o covado.
SEDAS DE LtSTA ,
SEDAS DK LISTA
^k SEDAS DE LtSTA
a 20000 o ceVado.
Chegou para a I .ja do Pav3o om grande
e bonito sortimento- das mais lindas sedas
de listas com as mais delicadas c^res, tendo
entre ellas algumas que servem para luto, e
vendem-se pelo barato preco de 20000 o
cova lo, pechincha.
F\ZENDAS PARA LUTO NA LOJA PAVO
Encontra o respeitavel publico neste es-
tahHeciraen'o um grande sortimento de fa-
naples pretos de todas as larguras e qua-
lidades, tendo da 10300 o covado at 70000
e 80000, que se vendo por preco muito
em conta.
CASSAS FRAXCFZAS. '
Chegan>ra para a loja do Pavo as mais
lindas cassas francezas com delicados pa-
droes, tendo para todos os precos e quali-
dades, dando-se todas amostras, as&im como
um Bmito sortimento das mais lindas chi-
ROPAS PARA IIOMENS PARA TODOS
OS PRECOS.
NTeste grande estabelicimento encontrar
o respeitavel pnblico ura grande sortimento
de roupas, sendo palitos e sobrecasacos de
panno preto e cazemira, caifas e coletes de
brim branco o de cores, que tudo se vende
mais barato do que era outra qualquer parte ;
assim como um grande sortimento de ca-
rnizas francezas e inglezas, e eeronlas tanto
de linho como de algodo e abundante sor-
timento de meias cruas.
VESTIDOS INDIANOS COM DUAS SAJAS.
O Pavao vende urna grand
ALPACAS LA VIUDAS A 640, 800 B
1,000 RES.
Chegou para este grande estabelicimento
o mais bonito sortimento das mais moder-
nas alpacas lavradas de todas aa cores, que
se vendem a 1, 800 e 640 reis o covado,
assim como um grande sormento de alpa-
cas lizas de todas as cores
Basquinas.
Chegarao as mais modernas
ou jaqaetinhas de seda preta,
basquina?
ricaoMnte
rorc3o (iV
tas francezas escuras e alegres, que se ven- cortes de vestidos indianos, tendo duas
,la> So saias e tendo bastante fazenda, com os gos-
tos mais novos que tom vindo, e liquida-se
amstras.
CHITAS A 240 RS.
a 50000, tendo cada
figurino.
ura seu competente
Na loja do Pavo vendem-se bonitas chi-
tas francezas claras e escuras e cres^Oxas
240 rs. o covado, e pechincha.
LAASINUAS A 320.
LAASINHAS A 320
LAASINHAS A 3J0.
Na loja do Pa .'5o vendem-se elegante sor- preco de 30000 cada covado ou 50000 o
tmente das mais lindas lasinhas lustrosas,: corte de calca para hmem.
com lislrinhas a imitacao de poupelinas de
s;da e cora as cre3 mais lindas que tem
CASEMIRAS MESCL.A DAS A 30 0 COVADO
O Pavo lera para vender bonitas case-
miras mescladas e bastante encorpada para
roupa de homens e meninos pelo bara.o
vale
vindo ao mercado, sendo fazenda que
maito m>is dinheiro, e liquidara-se a 320
rs. o covado, pechincha,
Roupa por medida.
S JKtlIlVCIIi
e aos freguezes que comprarem duzias se
sendas pretas, como sejam crasas france- Ihe far.umabatimento, garantindo-se que
zas e inglezas, chitas pretas de todas as fazenda que vale muito mais dinheiro,
qmUdades, fazendas de 13a de toda qne liquidare por este preco por se ter fTto
tem vindo, proprias para luto, sendo 13asi-; urna grande compra: assim como se vende
nhas alpacas lavradas e lisas. cant3o, bom- nm bonito sortimento de ditas tambem com
basmas, merm*, etc. que tado se vende pe i to de linho bordadas e ditas de algod3o
Na loja do Pavo manda-se fazer qualquer
peca de obra a vontade do freguez, para o
que tem um perito alfaiate, responsabelisan-
, do-se os donos do estabelicimento por qual-
EM CAMISAS DO PAVO A 40500 RS.lquer falta que possa haver, quer por de-
Vende-se um bonito sortimento de muito! mora, quer por qualquer deleito na obra;
finas emodernas camisas inglezas com pei-'e para isto encontra o respeitavel publico
to e coharinhos de linho e punhos, pelo' nm grande sortimento de todas as fazendas
baratissimo preco de 405OO rs. cada ama' qne desejar.
loja
por preco barato.
para todos os precos.
BRAMANTE A 1800.
Vende-se superior bramante eom 10 pal-
mos de largara, proprio para Iences, dan-
do a largura d'esta boa fazenda o compri-
mento do lencol, sendo preciso para cada
nm apenas 1 e 1/2 metros ou 1 e 1/4 pe-
chincha pelo preco.
do Pavao est constantemente aberta, das 6 horas da manhaa s 9 da noute
enfeitadas a vidrilho, tranca e setim preto
tendo de todos os modellos, os mais nonos
que tem chegado e vendem-se por precos
muito razoaveis.
POUPELINAS DE SEDA
POUPELINAS DE SEDA
POUPELINAS DE SEDA
a 20OOO o covado.
O Pav3o acaba de receber o mais el-
gante sortimento das mais lindas vadadei-
ras poupelinas de linho e seda com os pa-
droes mais delicados que tem vindo ao mer-
cado, tendo entre ellas cores proprias para
alliviar luto, e vende-se palo barato preco
de 20000 cada covado, pechincha.
Cambraias brancas
Vende-se um grande sortimento das me-
lhores cambraias tanto victorias como trans-
parentes, tendo de 30300 peca at a maia
fina que vena ao mercado.
ESPARTILHOS A SJOOO.
Vende-se um bonito sortimento dos me-
lhores e mais modernos cspartilbos tendo
do barato preco de 50000 at 8000.
CHITAS PINAS DE 320 A 500 RS.
Vende-se o mais elegante sortimento das
oais modernas e bonitas chitas tanto anu-
das como gi-andas, com cores claras e se-
curas, dando-se de todas amostras.
FSTOeS BRaNCOS A 6i0, 800 E UJOO.
Vende-se muito bonitos fustes braoets
multo flexivel proprios para "vestidos de
senhoras e roupa para meninos e vendas*
a 640, 800 e 10200 rs. o covado.
Cassao a 40 rs.
O Pavao est vendando bonitas cassas da
ceres fixas a 2i0, 280 e 300 rs. o coiado.
*



Oiaci de Peruambuw -^ Tei^a- leiru 17 de Me de 1870.
e'

'if nrriv^.i-.i", i. iiM-itn fc
sfcr
ggTT
:;i' ?" :rr:i ni
IRlAllUMPERifKIXI, *
HBfamimJa: ruwvta AonAra, et frnito iflTaf -fniperatriz.
N'usto w e umptuosp ostalelecim.:nto de ftMttos encontrarlo rt Esmas.
familias todo quai.lopossai(lesejar,taita era arligos do mais rigorosd luxo, como era todas
m mais ^ui!iaaaes ihi f acento,
Alela de&e acAarma ?rovidns 0.. que de mellior se tmenritrB ueste mercade,
jor toaos os paquetes da-Kurcpa, receben, directamente o que em artices de moda t
om*s apurado gosto se encontra eto faris, o que vem cada da augmentar s propor-
oea 4e-que dtapue este estatelectmento pira bem'serrina sua numerosa regwzia.
Algodo largo pava teacoas toalbas. de Gase eom listras da seda e flores, faien-
Boa as qudaadesqucui4ttaia vireajaor- da inteiramente nova para vestidos de baile.
a7mil :, Grvalas p-ra sennoivts e omens, o ais
Asacas ye toaos m padrues o qualida- complitu soitmenlo oae e pode dose-jar.
ata o vanadas que se no podern descrever.
v*
Guipure piolo e blanco, divoisas largu-
ras e Merentes gestos.
Gollas e punbos bordado* para senhoras.
Guardaaapes de lialio pequeos e gran-
des.
Gorgurao de seda prelo e de cores.
Grosdenaples prelo ede cpre3, baven-
Atbunscom msicas para collocar retratos,
delicado presente pau qualqaer uessoa de
a ama.
Atoalhado de linho e algodae, blanco e
te ceres proprius paca luaihas.
asininas de sed pelas e muito modor- d0 diveraaa quaiidades eiotos.
aas, bem como do crochet, tu Jo de apurado ,^
fosto fcitio. j Japonezes para seuli,.ras, oelbor gos-
Baioes de muselina, tnadapoJio, brancos te, e fazenda propria para as ferias nosar-
de cores,, para scuhrira e meninas, wbaldcs e pagseins a tarde.
Bareges de cores variado sortimento. jhtj,
Babadinhos ou liras bordadas era todas as, UazinJuas do. todas as quaiidades, cores
rguras. ,e gostos, nao (cando nada a desejar, tal
BelboM de todas t cres..... o soriimentoque existe para escolbcr.
Bolsas de'tqpate para vi age m. grande' Lencos, ludo quanto pude baver desde
unadade da tama los e gostos. esguiao ao algodao commum.
Bombazina preta de todas as quaiidades. Leques de raa:reperola e osso, o mais va-
Bramante de linbo tle 11 palmos de lar- riado sortimento.
fura, e todas as mais quaiidades. Ligas d seda, bordadas, para senhora.
Bretanhas de linl.o e algodSo, grande sor- Luvas de Jouvin, ebegadas por todos os va-
mento. pores, sempre novo sortimento, quer ero
Brins de linho ortico e de cores, do mais peluca para (rameas, e senboras, quer em'jto
ommodo ao mais caro em qualidade, aflan- d'Escoua, brancas e de cures.
taodo o que ha de melhor na. especie. i SXi
Brins d'algodie completo sortimento e MadapolSo; indescriptive! o grande sor-
variedade de prejos. timento que da neste genero, desdo ornis
^B elevado preco ao menor, que se vendo em
Cassas do cores, o maior sortimento, pri- peca e retalho por menos do que em ou-
ando pelo bom gosto e barateza, attenlas tra qualquer parte.
** quaiidades. Manas de blondo para uoivas : o apurado
Cambraias brancas, tapadas, e transparen- gosto dos nossos correspondentes em Pars
es^de todas as quaiidades e precos. habilita-nos a dzer que temos em nosso
Canusmbas de cambraia de linho e cassa estabelecimento o quo de melhor se desc-
ordadas ricaraoute enfilados para Sras. ja para vestir e ornar urna noiva.
Camisas para honvns e meninos, t3o va- MaoUs prelas de blond.
*0 QtJttMAS*
Quando a AGtJIA BRRNCA, ais preete scientificar o rospeitavel publico em
geral. e em pattinihir a sua boa freguezia, dajraiaaensiiade de objectos que ltimamen-
te tim recebMo, 6 justamento'quando'ella mean-o pode famr e porque essa falta invo-
lunlaria ella confia e espera na benevolencia dn todos que Ih'a attenderSo a relevaran,
continuando portante a dirigirfm-ee a bem*nhecida lija da AGUJA BRANCA a rra do
Oueimado n. 8, onde sempre aehao abOHdancia em sortimento de superioridade em
quaiidades, modicidad* em pr?c* 9 o seu nunca desmfntido AGRADO BS1NCERIDADE.
Do qoe cima flea dita se onbe3eqe0 tempo le qne a AGUJA BR.\NC\ podo
dispor, empreado petar deseos costos no deeampenho de fciem servir a aqueHes que a
honram procurando prover-sc em dita loja do qae nocessita, entretanto Rom ennutno-
rar os objectos que por sua natureza sao mais couhecilos ali, ella resumidamente indi-
car aqueiles cuja importancia, elegjncia e novidade os tornara recomraendaveis, como
b^m sej
ad sortimento que vai do mais ordinario
adapolao ao mais perfeito bonlado de li-
Camisas de meia, de flanella, brancas e
4e c^res para homem.
Casemiras pretas e de cores, o melbor
^Tie se pode imaginar, sendo d'isso a me-
;r-or prova o grande consummo deltas na
fflcina da casa.
Capellas de llores, para noivas e bailes,
'esde a mais candida flor de larangeira at
mais interessante griaalda.
Chapelinhas no melhorgosto.de todas as
ores hoje prefer las pelas senhoras de
ais apurado rigor na moda.
Chapeos pretos de.velludo, para senhoras,
iltimo gosto de Pars.
Chapos de so!, para snhoras e homens,
4e lodos os pro,-os e variados gostos.
Chaly com ricas padrScs para vestidos.
Chales de todas as qunlidades, avultado
.umero e n3o menos variedade de gostns,
Chitas, impossivel descrever o sortimen-
o e'variedade de padrSes e novos gostos,
sa neste artigo tudo quanto se pode desejar.
Cintos para senhoras o quo se pode ima-
fiaar de melhor.
Coques, o melhor no gosto e nos entei-
:es, varios lmannos.
Colchas de eda coai borlas, o mais apu-
rado gosto e lavor.
Ditas de fusto branco e de cores por
precos commodos.
Corpinhos de cambraia, ricamente borda-
dos para senhoras.
Cortinados de cambraia bordados e de
fil.o que do awlbor se pode desejar.
Colarinbos de linho bordados e lisos, o
calor sortimento.
Damasco de la de ) palmos de largura
lindas cures e rieos padres.
a
Esp.irlhos bran:os e de cores, para se-
nhoras e meninas, o melhor neste genero ;
eoouma Sra. deixar por certo de muir
te de to precioso auxiliar perfeico de
3m corpo delicado.
Entremeios bordados.
Escorailha .preta.
Enfeiles para caneca, ultima moda de
Paris, recebida no ultimo paquete.
Esguio de linbo, completo sortimento de
todos os nmeros.
Fitas largas escocesas psra cintos, varie-
dade de gostos e lindos padrees,
Fihs de crochet, modernos com cintos
a capas, o qne ha de melhor.
Fil de seda, linbo e algodio, de todos
m gostos e padre.
Fnsto de todas as cores e quaiidades
grande sortimento.
Flanella branca e de cores.
Flores, o que ha de mais rico, quer
oltas, quer em ramo3, lem o PAVILHaO
DA AURORA am permanente jardim a
disposicSo das Exraas. familias.
Mantas para carros, com lindas pinturas.
Merinos pretos, trancados e usos.
MuaseliDa branca e de cures, lindos e va-
riados padi oes.
23
Pannos pretos e de cores, desde o mais
barato ao mais superior, por preco muito
cotnmodo.
Pannos de crochet, para cadeiras e sofs.
Ditas de casemira muilo fiuos para
mesa.
Poitos bordados do liuho, lisos e de al-
godo para camisa.
Pancetas pretas e ..e cores.
Popelina do seda e linho, com listras e
flores; fazenda lindissima.
Pelherinas para senhoras, do ultimo
gosto.
Perfumaras ; os mais finos extractos o
que de melhor c mais agradavel se pode
encontrar nesle genero, c do mais fragaute
e suave no olphato, lem o PAVILUO DA
AURORA, desde a verdadera agua Flori-
da al o mais fino Douquet d'Amour, final-
mente tudo quanto deve oceupar o touca-
dor de urna senhora de gosto.
Saias bordadas, brancas, lisas e de cores
com folhos e sem elles, o melhor possvel,
Saludas de baile, de todas as corea.
Sedas pretas, de quadros, lavradas, lisas,
de listras de todas as cores e quaiidades e
o mais barato possvel.
Sargelim de todas as cures e quaiidades.
O
Tapetes grandes, lindas pinturas para 8
cadeiras, mais pequeos e de todos os l-
mannos desejaveis, e em peca para co-
vados.
Toninas de labyrintho, do maior e mais
fino trabaiho ao mais barato.
Tcaihas de linho e algodo de todos os
tamanhos, IL-as e felpudas.
TariaUna branca com palmas e de cores,
Oseada muito nova, e gostos delicados pro-
pria para baile.
Vstuarios bordados de fusto brancos e
de cores para meninos, de cambraia para
baptizados, o quede melbor tera vindo a
eate mercado.
Vestidos de lia Nescocoza de 4 saias,
novidade pelopadrSo, gosto e forma; ditos
de linho com barras do cores, e de cam-
braia de cores com 2 satas, ludo inteira
novidade, trazera os modellos juntos para
mostrar a forma de os fazer.
Veos de blond para noivas e pretos para
luto.
Vestidos de blood para noivas : podemos
asseverar as nossas Exraas. freguesas, que
somos os nicos em Pernambnco que pode-
mos offerecer ao Mostrado publico, o mais
apurado gosto em seraelhante materia, gra-
cas ao bom gosto do nosso fornecedor em
Pars, podemos garantir que niuguem neste
genero o possue melhor, nem mais em
conta.
Corpinhos de cambraia, primorrsarm-nte
enfeitdos com' ritas de selim e obras esas
coja novidade de molde e pereicao de ador-
nos rs tornara apreciados.
I ilas mni largas do diversas cores e qua-
iidades para cintos.
Loques uesse ohjecto muito se poderia
dizer querendo descreve-Ios minuciosamente
por sitas qaalidades, coree e ilesenhos, tal
o grande e variado sortimento que acaba
de chegar, mas para rilo massar o pretn-
deme se Ihe apresentar o que poder de
melhor.
Eniremeios em pecas de P2 tiras.
Guipure branco c preto de diversas qua-
iidades c desenhos.
Dilos de algodo com flores e lisos'.
Veos de seda para chapelinas e monta-
ra.
Meas de seda para noivas.
Ditas abortas de fio de Escosca.
Costumes ou uniformes para meninos.
Enxovars corapletrts para baptisados.
Touquinhas de fil, sapatinhos bordados
e meis para ditos.
Camisinhas bordadas para ditos.
Capellas brancas para meninas.
Grandes soitnicnto de flores finas.
Fil de seda, preto.
PERFUMARA
Grande e constante sortimento de dita,
sempre melbor quajidade.
Lindos vasos cora p de arroz e pinsel,
Caixinhas com dilos aromticos.
Bonitos e modernos pentes dourados
para circular o coque.
Bonitos brincos de plaquee.
Aderecos o brincos de raadreperolr.
Caivetes finos para abrir latas.
Thesouras para frisar babadinhos.
Aspas para bailo.
Novos Mereoscofos com 48 vistas, as
quacs sao movidas por om machinismo
urnas siibstnem as outras.
Vistas para stereoscopos.
Bonitas caixinhas de vilro enfoitados com
pedras.
Ditas de raadeira envernisada com vispo-
ras o com dminos,
Boilas'de borracha para brinquedo de
criancas.
Diversos objectos de porcelana, proprios
para enfeiles de mesa e de lapinhas.
if&l^i
HE
NOS GRANDES
HOI S1AIOS
CONSERVATIVO
N. 23Largo do Tenjp.N. 23.
DE
SIMAO DOS SANTOS a- C.
10
Pat< o
da Ponlia
DE
10
E' dispondo d to grande e variado corlimento que os proprielarios do PA-
'ILHAO DA AURORA se apresentam ao publico declarando desde j que a sincerida-
e e o bom gostoo raovel nico de seus negocios.
Prvidos de todo e proraptos sempre a prover-se do que por ventora Ihe
eja necesiario, os proprietarios deste suroptuoso estabelecimento recommendam-se
c-m receio de serem contradictes e proteslam esfor^ar-se por continoar a merecen
proteclo que se Ibes tem dispensado ; certos de que do seo estabelecimento nlo eahira
> fr^uez descontente.
Contina sempre a officina de ajfaate dirigida por um dos mais habis artis-
js, prompto exeeotar com promptidlo e bom gosto qualquer trabaiho que Ihe seja
afiado. Urna modista especialmente occopada no3 trabalbos do PAVILHAO D V AU-
RORA, dirige os que Ihe sao concernentes, garante porseu apurado gosto e prompdSo
aa execucao e a mais completa perfeiclo nos seus trabalhos.
A numerosa freguezi qoe nos honra moa prova de que merecemos o con-
jMo que se dispensa ao nosso estabelaeiroeoto, conceito que procuraremos firmar cada
w aais. Para facitar anda a concecug&o do fira que nos proponos, temos no nosso
46tabeleamento oa ltimos figurioos de Paris, que recebemos por todos os paquetee, o
quaes enviaremos para serem vistosas familias nossas freguezas, am de escolberem,
tom o padrlo da fazenda o gosto na forma.
Na officina de aifaiate, junto ao estabelecimento, ba igualmente os "figulinos
para amena que por todos o vaporea se recebem.
E' este o odo porque nos aposentamos pedindo a protecelo do iflostrado
oobhco ecoia o man profunde reapeito convidamos s exceUentissimas Sras. a visl-
larem o nosso estabelecimento, certas de encontrarem nelle pelo menor preco possive-
tndo que podem desejar.
Mandarenoe caixeiros levar as fazendas eamostras onde forera pedidas, tisto
uo podermos especificar tudo quanto temos.
Jv>do Luiz, Sobrtiiho Afcerto *i 0 s 9 horas da noite.
SANTOS & FERR IRA
Os proprietarios destes bem sortelc > armazti:s partcipam aos seus innmeros
freguezes tanto desta pisca cems do rano que tendo eito grande dminuico do pre-
cos as soas mercadorias etto por isso resolvidos a vender por raeno de 10 e O \,
do que ex ou;ra qualquer parle, gatanndo-se perianto a s p^rior qua'wlade de qual-
quer genero compra'do i estes dous eslabelecnneiilos. Mencionamos alguns dos nossos
gneros e a vista destes sao comprchendidos os outros, porque enfadouho seria men-
cina-los.
Se alguem duvidar venha ver.
Vinagre branco mandado vir por tonta Caz americcuo marca Deves a 8800 a
propria vindo de Lisboa, a 320 a garrafa e
480 o iitro.
dem tinto Figuera, Lisboa e Porto a
30,280, 240 e 2iO rs. a garrafa e 480 300
rs. o litro.
Vinbo Figueira, Lisboa, Porto e Estreito i
a 560, 300 480 o 400 a garrafa litro a 840
700, 720 e GOO.
Vinbo branco puro de Lisboa a 040 560'
a garrafa, em poreSo ha abatmento.
Vinho do Porto, engarrafado das melho-
res e mais acretadas marcas a 10000 e 10200
10500 e 25 a garrafa. |
dem Bordeaux, Medoc e St. Julen a>
7iS500 e 500, a duzia e 640 rs. a garafa.
Genebra de Holanda e laranja doce aro-
mtica a Gi^oOO, 70, 115500, a frasquera.
Ser veja Basg* lllers A Bell a 9^800 du-
zia em porglo ha grande abatimento.
Jdem marca H e T e oulras marcas a
5^500 e 6!, a duzia e 50O rs. a garrafa.
Assim como ha outros muitos
passas e figos, charutos finos de diversas marcas, marmelada, bolachinhas de todas as
quaiidades, perola, Francy-cracynel, a, b, c, Mdium, mixed, soda Pancy-nic-nac, pa-
lace de Varietes, combination, Britania, doce de goiaba fina, cbouricas, manteigas finas
franceza e ingleza, banha de Ballimor, pbosphoros de Sycuryt, Cognac, cha de diver-
sas quaiidades, Canella, pimenta do reino, ervadoce, pomada, eniofre, bren, peixe
em latas de todas ai quaiidades, farinha de milho americana, grandes inolhos de sebol-
las, nesles dousarmazens existe tambem grande sortimento de loocas proprias para ne-
gocio, qoe pelos seus commodos preco faz vantagem aos compradores.
VENDE-SE ou arrendarse o engenni
S. Gaspar, silo na freguezia de Seriohem
comarca do Rio Formoso, prximo do em-
***: JfSS; frifo* d*PU : Na tojftftTfcHilei* de At9Do Moreira Pinto,
massap roda da oaoenda, mattos mangaei na itiymi da roa do Vigario n. i, tem para ven'
para adeira necssaria, bom pasto, etc.;
a tratar na ra d'Aurora n. 26, on na d<
1 la, 380 rs. a garrafa c 560 o l'tro.
Azeite doce de Lisboa a 000 e I5H)0a
garrafa cm por?5o faz-se grande abstimen-
to.
uf em caroco a 220, 240 e 2*0, a li
bra o kogrammo a 480, 540 e 600, e
75000, 755.0 e 85800 arroba.
Milho alpista 200 rs. a libra e 440 o ki
logramraa e 5^800 a arroba, era porco ha
abatimento.
Queijos frescos do ultimo vapor a 35200
6 35400 cada um.
Aletris, macarrlo, talbarim a 500 rs. a
libra e 15100 o kogrammo em caixlo ha
abtimento.
Sabo massa de i* c 2* qualidade a 220
e 240 rs. a libra em caixa ha abatimento
Toucinho de Lisboa muito alto a 400 rs.
a libra e 880 o ki'ogramnip, em arroba ha
grande ditferenc.
gneros, vinho em ancoretas, azeitonas,
GALLO ViGJUNTE
liara Os'profmtinrt Inste em-conlwrtit) estable-
cimcM, alen t>* miiit* objocto que tinhnm cx-
fiost.js a aprecucao do respeiiavel publico, man-
dara ti vir.e Uu'iam de receber pelo ultimo vapor
da Europa um cnmplelo e vanado sortimento te
nas e rnui delicadas xpocialidades, as quacs es-
tic resiJvid'i.* a vender, como de sea costume,
l-nr precos muito banaiiibes e commodos para to-
dos, coro tauto que o Gallo....
Multo superiores luvas de pellica, pretas, bran-
ca e de mui tiihtas cores.
Mu boas e boaiUs gulliahas e punhos para se-
nhora, nesle genere o que ba de mais moderno.
Supt-riores pentes do tartaruga para coques.
Lindos e riquissimos enfeites para cabecas da?
Bxmas. 'entwras.
Snperlore traneaa pretas a de .res com vidri-
Iho o seta i!; esta fazenda v que pode haver
de melhor e mais bonito.
Superiores e Ijonitos loques de madreperola.
marflm, sndalo e osso, seu5o aimcllce brancos
eom lindos desenhos, e estas pretos.
Muito siqieriovcs meias lio de Eseossia para se-
naoras, es qiiaes sempre se venderam por 3Q,M)
a duzia, eutretanuj quo nos as vendemos pvr 20,
aim destas. lentos Umbem grande sortimento de
outras quaiidades entre as quacs alcumas tnaite
flus.
Uoa bengalas de superior caima da India e
castao >ie niaruui com lindas e encantadoras figu-
ras do mesmo, ueste genero o ane de melhor s
pode desejar ; !m destas temos" tambem grandt
Juantidade de outras qualidados, como sejm, ina-
eira, ba'eia, osso, borracha, etc. ote. etc.
Finos, bonitos e airosos chicotiuhos de cadeia e
de outras quaiidades.
Lindas e superiores ligas de sed e borracha
para segurar as inoias.
Boas mesas de soda para senhora e para meni-
nas de 1 a li anuos de idade.
Navalhas cabo do marflm e tartaruga para fazer
barba ; sao muito boas.e de mais a mais sao ga-
rantidas polo fabricante, e nos por nossa#ez tam-
bem assegura-m-s sua qualidade e delicadeza.
Lindas e bellas capellas para noiva.
Superiores agulhas para machina e para crox.
Llnha muito boa de peso, frouxa, para eneher
ialiyrintha
Hon3 baralliof de cartas para vollarete, assim
como os teios para o mesmo fim.
Grande e vanado sortimento das raelhores per-
fumarlas e dos mclhores e mais conhecidos per-
fumistas.
COLARES DE UER.
Vende se o crarenho S. Podro
le Pcri CaTvo, proVn, i;, deAl?
na com arta
pos, <<
excellentes trras nara deis mil |>3es de as-
sucar, extensas mallas, magnifica sa k
vivenda. rimad*a lies iiuartos.de legras potto de ( mella de llura Grande,distrae
dista capiial poucas bore onde tocarlo
brrrmeMe oa \afores da coir.panbia per-
RMtbtsM.
O eiigonbo de nimaes, poim r^w
urna desfena ilodtM i u rescritos dei^fe.
pode ser Iransfnrmado trr. engenbo d'agK
cupeiro. Os partidos estao s poitas i
ergenbi.que pode aer manejado suavcmcaie
.mu i] inze on vinte trabalhadmes. T tid*
pela piopriidcde de me hores t iwsda te-
caiidade : e vender por preco milite co-
nod.i: lpat.tr oa na do Vi^mii f).B3l.
Batatas a 1^500"o"
gigo.
Vcnib' se na ru:. da Jftiffr de Po> n 7 ; +-
bs. anies qce se iiabwn. : lis >an dfsi nt>arradM
de I'je.
Calcado nacional.
K. i lia do Sard'm X. fl
Jtor VunnieGlir.h.: cun Drfrfra de .rikh,
avis K-dii- dk $ us fr cun. iun cniiiia a
veli.er ral'cad'M'i >imi l.iioii'a Mil arando Pfr-
|iii-na* purgos coiiin ilaiit .- rii'! i mais bafata 4.
que cm (Mitra qual ner naite. AMiii coma oto
snrtit!:cn!(i de pares de lUrman fhitlfna clteneT
das |ara /tn.iiwm, do uliiu.o m-Im. a otmo *
Vende-ir
Umi cscra it, de 13 anpos de jdade, perfeila r.r
zinheira e qne encamina algama casa:' ra
do Livramenle n. 2'.
Vende-se una c;.rriii*a ilv molla para cvale
eim os pertenrente.) arreina : la ddttami Ba-
ero 7(.i.
E35RAV0S FUG9Q0S.
H- ntfni 9 do copente ik>s|ipareecn u e
ravo Nienlo, enrulo. e< u IO anu s Elec-icus magntico^ contra as convulsoes, e llurarecular, sem falta de d. i.u>, clu i > dur..i-
fa^ilitam a dohlicao das innocentes enancas. So- P, bas'snte barbado ; u ci rp cido por Icr andado um Wnto dtflN de singue ; tem M ps um tanto vaaspi \wnw-
nirhe de ir*vos, do?i.te? do aadj^s ai c in-ui-
tendii cm urna d'ellas urna cicaliw liaslai-e prao
de em coiise(|Ui-ncia de una bba> e na oulr Pig-
nal de ler qttebran a persa, da esuo : irga-se, |M.riant, u loiiis uc capital >>-:
caiiipn e ;is auioridado> e> mpetenus a sua 7a!-,
ra, i|ii" se anlijwarA, na ra Rbva n. l.
cao uas innocentes enancas,
mos desde muito recebedores destes prodigiosos
collares, e continuamos a reeebe-los por lodoso?
vapores, alim de que nunca faltom no morcado,
tomo.j tem acontecido, assim pois poderao aquel-
los que delles preeisarem, vir ao deposito de galb
vigilante, aonde sempre encontraro destes verda-
deiros collares, e os quaes attendendo-se ao fim
para que tao applicados, se vendero com um mui
diminuto lucro.
Rogamos, pois, avista dos objectos que deixamo
declarados, aos nossos freguezes e amigos a viren*
comprar por presos muito razoaveis loja do galle
vigilante, ra do Crespo n. 7.
CEMENTO
O verdadero portland. So se vendo n
ra da Madre de Deus n. 22, armazem d>
Jo5o Martins de Barros.
Venda de lampeoes
p ra illuminaqo.
Imperador o. 20.
Deposito e/feclito ot producto a compankta dan
aguas de Viehy com) 9 Aeua Source Celeslin.
Dila d lo Hanterive.
Dita Chateldon etc. etc.
Saes "de Vichy para bauhos.
Pastilhas de Vinhy etc. etc., lado per pneoos mui-'
lo em conta, em casa de Tisset frres, ma do cm.
mercio n. 9.
Os mesmos teem para vender cognac superior e
viahos de diversas- quaiidades.
der 300 a^4O0 lampeSes promptos, muito econ-
micos por serem para gac liquido, e dio encllen-
te Inz: elles antes que se aeabem, senhores en-
T
Era casa de Mills Lateara & C., roa da Croo n
38, vendem-se folhas de ferro galvanisadao.
De telhas
de-se por
outraqua.r
zeres p. ii, dt J Garneiro da-Guate*
Vende-se
nha e engamma fanriTeiraenie : a tratar na ra
do Duine de Canta, loja n. i.
s por serem para gac liquido, e dao excellen-
tes que se aeabem, senhorc
csrrega|ps de illuminacoes, aue sao baratos.
Mea de Mara
Cnticos c byranos devotos para o mez
de Mara.
Um ntido vi/lame eucaderaado de eooro
,1*6X0.
De marroqnlm dourado
L YRAR'A FRANCEZA.
SUfbPitT >Hbt Borde&BK
St. Estephe & St. Julien: na rea da Cafoia de
Reoife UHBiero S.
. ......
* r.--------"
Admirem!
-:
Chitas escuras, core seguras, que se vendem a
240 rs o covado, ou IwOO con f covados,
mmauio a quaotidade cesolvMTse a m^er.nor
100 milheiros
.^.osfoUas a, quar.dades, ven TSSXST^ZOfiiSL
:^a^ttrrai0dU^ ^JStS1 Cra ,it, de m>UnW a ^
^B^^iCTsir^- aa;
i ibBTiTelmenle : a tratar na m ma
- Vende-se urna boa taberna bem aregueza-
iioucos fondo, e muitos -
ra das Larangeira? n.
>m poucos fundo, e muitos oaxnofo: na
Larangeira? n. 18 a tratar na ra das
i Cruies a. 33.
J cordeiro prevident<
Roa do qneiiundo n. te.
Novo e variado sortimento de perfamarh
finas, e outros objectos.
Aten do completo sortimento de perlt
oarias, de que effectivamente est provida
ioja do Cordeiro Previdente, ella acaba o
receber um outro sortimento que se ton
aotavel pela variedade de objectos, superior
iade, quaiidades e commodidades de pr<
?os; assim, pois, o Cordeiro Previdente pee
a espera continuar a merecer apreciac
io respeitavel publico era gera! e de se
boa freguezia em particular, nao se ata-
cando elie de sua bem conheeida mansidi
a barateza. Em dita loja encontrarSo c
apreciadores do bom:
Agua divina de E. Coudray.
Dita verdadeira de Murray ct Laminan.
Dita de Cologne ingleza, americana, frai
ceza, todas dos melhores e mais acreditadt
fabricantes.
Dita de flor de larangeiraa.
Dita dos Alpes, e vilete para toilet.
Elixir odontalgico para conservadlo
isseio da bocea.
Cosmetiqnes de superior qualidade e ch?
ros agrada veis.
Copos e latas, maiores e menores, cci
pomada fina para cabello.
Frascos com dila japoneza, transparen i
a outras qualidadts.
Finos extractos inglezes, americanos
franeezes em frascos simples e enfeitados.
Essencia imperial do fino e agradavel cht
ro de violeta.
Ontras concentradas e de cheiros igna
mente finas e agradaveis.
Oleo philocome verdadero.
Extracto d'oleo de superior quadad-
com escolhidos ebeiros, em frascos de difii
rentes tamanhos-.
Sabonetes cm barras, maiores e menor
para mos.
Ditos transparentes, redondos e em fig;
ras de meninos.
Ditos muito finos em caixinha para barb.
Caixinhas com bonitos sabonetes imitan*
fractas.
Ditas de madeira inyernisada contendo f
osa perfumaras, muito proprias para pr<
lentes.
Ditas de papelo igualmente bonitas, tai
bem de perfumaras finas.
Bonitos vasos de metal coloridos, e
moldes novos o elegantes, com p de am
e boneca.
Opiata ingleza e franceza para dentea.
Pos de campbora e outras different
quaiidades tamben para denles.
Tnico oriental de Komp.
Alada oais coquea.
Um outro sortimento de coques de m
vos e bonitos moldes com filets de vidrilhi
e alguns d'elles ornados de flores e fita.
ssto todos expostos a apreciacao de que:
os pretenda comprar.
GOLUNHAS E PUNHOS BORDADOS.
Obras de muito gosto e perfeiclo.
FlTelIaa e flitas para cinto.
Bello e vanado sortimento de taes objtt
tos, ficando a boa escolha ao gosto do coi
prador.
Em fuga para o Ico. donde *
natura!.
Aiuenl ufe dfde o da !i de ;)t.rii do anno, a muala ac.lincnlada Uisula, de idade pou-
Co u.ais i u n.uii'S d anuos, el ia (!< cut|A, (V-
bello* roiriJi s, lem os denlis da funte i>' ii iUtf,
falla d<.'iv.ni;, da e 0 niaii.r sigual- nina n'|:piia
n um des bracos desde i ehivcttfl t\c a im-
Dli^ca da man, .-uppoe-se ler seguido pata u Ut
donde i',;iluial, lev.-u v.-siido d- eiiita i-**\t\
cun listas encarnadas, acisiomada a dai-ii.e ..
Bulla : ipuin a pegar bve toa da Jli.li' Aa
Iloa-Vuia n Hb, oa ra da Oumi. i'-'\ : U i
liaiifii-.i(li'.
Fnpi i mi ilia II de nigreo do ccini i.' una
o esclavo Francisco, cabra, de itlee 30 siw
com us sillines M'iiiniis : cabella rarapinl
rosto descarnado e cen marcas de>.bt'vq.v, ni:
lula se sei livre, levi u rale;s brancas, i .:<>. W.-.
alpaca de cOr e cb." Parabyba, e fiii comprad ao t^. Iinn-u!
Maia, morador na l'arahyba e iojga-t'1 tot U
para o mtsmo lugar ; desde~j protstase coolra
a_ pe?.-oa que o tiver o tillado, ttogase aos crpi-
laes de canpo, 8ssim como ss auliridaile- ptM-
eiaes (jue o Iragin ra Diieila u. 10. i( o r&i
gf upri^ami ule grat lic.-.dus.
Ciiiiiina a eslar i'ugido o moli' de I" annos de idade, crioolo, com falla d. ra-
les na frenie, lesla rfdonda, olnos vivos, eooi uu&
marca de ((ueinicdura na baniga. e ootsa na rxa
ne orna'estrenada ja antiga : gosla de wdarcum
caximbo : (|uein o pegar pfH livar ao engeuae
California cm Si rinhtiu, a seu sentar "*i Po
renlino O. de Albu 31. (pie sii ttein cnnipen-ado.
t'ugio desta Cpal no dia *J de al ;:l i.-
tato pagado um nulaiinho bftfaro (' 1;; r\ ;.
de idade, leudo lle (hgado di Ceai.i i;.> \
C'i itzeiio rfn Sul dous dns antes de sua tuga d,-
qui, li vni elle camisa tranca iue erfava nuit
suja, tendo no colarinho em vez Je botan nlcbe-
te, e urna cal^a bem eslava muilo soja, o traz um roario v,
poscoco, eesle curto, lem os cabellos ora p me .
afoguiados e ere; pos, chama-se eUeTtioma, ma
diz chamarse Antonio Thomaz : quem o rppre-
liender leve-o Arua do Iirperai.ur, ne-ta capital,
n. 3, e ah spim reeomdensann.
50^ de gratificoQo
Fugio no da 21 de aliril prxima f >ado ind
a um mandado na Capuana, o aacrarfi do ai)
assi nado, de neme Luiz, de o u da Coi-l.i. < '
os signaes seguimes : alto, cor preta. sk-im
errpo. erm aljiuma falta de dtntes nafnnie, a
linguagem alguma soasa atrapamada, reprsenla
rellexo de vista meio encandiado, lem e im I..-
do do peito urna marca de caustico que levuu ha
pouco lempo por ter estado doeole, bviu calca
de casemira de cor, camisa de algodiin am!, cha-
peo de palha velho, repre>enta ter ot annos,
provavel que tenha mudada a reupa, este escravs
foi comprado ao Sr. Pinto procurador de cau>a ;
r"ga-se por tanlo, as autoridades poliriaes, as>im
como aos capilaes de campo a prisao ; lem skte
visto em Santo Amaro e em Agua-Fra : i entre-
gar na ra Direila a. 30, Hecife 6 de maio de r
i,cardo Jos Gomes da C.ivz,
1
100^000
Bichas hamburgnezas
Neste novo deposito recebe-se per todos os pa
quetes iranslaaticos bichas de qualidade superior
e vendem se em caixa on porco mais pequea,
e mais barato do que em outra qualquer parte :
na ra da Cadeia do Recite 31, I* andar.
Cabellos
bellos r.
jualidad
porcao mala paquena :
eife n. St, Io andar.
Vendem-se cabellos de todas as cores, qualquer
comprimento, qualidade superior, en caiaa ou
na ra da Cadeia do Re-
Contina a estar fgida desde o dia IR de jaiw-
ro do corrente anuo a escrava Sveiia, cnonla, de
idade du 2 a 30 anuos, com os signae- e*ui!i',er
ltnra regular, beicos rossos e rebitadns, rost
alienU1, urelhas pequ#nas, falla utaiia. eorpu del-
liado, quando anda cocheia, foi esc ravo da tilia i
|]abo do Sr. Ji ao do Reg Barro-, foi wnMe ne.>-
la cidade pelo Sr. Plexe, como procurador d> Barros, j foi vista para bandas do $ipejinn lf*re-
nos em companbia de um cabra fx-praea ee ra-
vallaria, julga-se que o seductor e que elle drt
que a dita esoravase lioha forrado : rogase au-
turidade poicial a capilaes de campo a (votara d*
mesma, e leva la ra da Soledade n. 8e, ou ru
do Amorim n. 6>. ___________' ___
Fugio no dia do eorrenld o mulato Salor-
nino, offlcio de carreiro, cor avermemada a rspe
t ie de ac por ter os cabellos vermeltine, estatura
media e forte do corpo, cara mi te la lia apenando os canto da bocea, idade 25 a :o
annos, pes chalo, vestido com cofola e cmiu-:
panno de algodo entrampado de crj, e na-
lural ferto. O anno [Masado este mdiaii
este ve fugiao i mczMt a le pegadeno enginiM) o>
;i. J.oo da l'.n-d'Allw' depois de ter v.gado i
ras desla cidade, por bastante lempo, tem confio-.
cimento na ra da Seojalla etc. Pede se aos
pitaes de campo e as autoridades poliraet a cap-
tiwa da dmmbo pana a*r entoegne a s*ti.*enbor
, |o sitio da Sapucaia em Beberibe.
* K dia 1 do arrete au-eoiou
sua senhora a eicrava Cusma, de i'
de, pduco mais ou menos, alta, cheia (fi
iiot urna bejlide no olho direito e urna cicairii
MACHINAS EGYPCIAS.
! Ha para vender no escriptorio do Jeaqiilm Ge-
tuo d> Baatix, a ra do Vigario n. 16, 1* sudar,
machinas egypcias que podem ser movidas por
agua, fogo oo animaes.
nuca provenienie de um caustico, levos taire otf
ira roupa urna saia e casaoo de cuita ro\
de suppOr que maia 'ara u
pelas ras da Boa-vista : roga
policiaes e capilaes de campo a a
mema o levar i Capuoga, ra J
47, que serio recompensados.
i
,
LJmj


8
Diario de Pernambuco Terqa feira 17 de Maio de 1870
IHTERATRA,
--------------------' i---------------1---------------------------------------
lima.
(I'ACINYS DE 1IA HISTORIA VERDADEIUa).
VII
0 catrario.
Por pied-ile !! Por piedade, muier!
retorquio o vulio rangindo os denles e con-1 todo, do qual sou apenas um tomo e um
vu!s >r porque n3o liveste tu piedade, quan-
do praetrasie no santuario de minha alma,
como o mais execrando salteador da huma e
da virtude.e n'elle aleaste o fogo da mi-
seria ?
Suzana n'esse momento tomou urna aul-
lada de. guei reiro audaz. Arreraessada
como a aguia que se sentisse ferida as
ponas de suas azas, procurou levar a mao
ao eio ; crusu o outro braco ; ergueo a
fronte, e n< posico genil do gladiador ro
busto. escutou:
Falla Icontinuou o vulto cada vez
mais ortedize p rque n3o ti veste tu pie-
dade, quandi na encherg* do isolameoto
deixaste teu infeliz fillio, q e tanto te ado-
rara, e viesle como em nupcias satnicas,
erguer em meio de um prostbulo, o thla -
rao negro da deshonra e do vicio IFalla!
Por|ue nao lveste tu piedade, quando fi
zeste perecer dehaixodeteus psmaldic'os,
a guaida. a ventura e o pudor de urna fa-
milia inleiro, que em lagrimas torreutosas
se baoha dia e noute, sapplicando Deus,
BOU cauterio para as suas chagas profunda.-
tomo os ocanos, implacaveiscomoa mortet
Falla INao tintas ludo ? Nao tinhas curo,
o ouro deslumbrante da opulencia Nao ti-
nhas a essencia inextinguivel dos carinhos
d i Giles a fio immarcuscivel da adoraco
do esposo !Oh mu.her dize dize!.. o
que que te falUva ? I
O amor lbramio Suzana.
Oh!.....
Y. o vulto avancou para ella, como ten-
lando eslraugula-'a. Segurou-lhe com impe-
to no pulso que stislinha o punhal, e a rau-
llier rt beld e insana desviando o corpo
como a gil serpete, com a outra mo es-
bofeteou a face de sea marido! !
Houvo eatSj entre ambos, um como rpi-
do abrasamento. O vulto afastou-sn me-
donno;. quando de novo parti para Su-
zana, foi para embeber-lhe um ferro as
cavidades do pc-Ro!
N3o se trata aqui de um discurso ; urna
simples allocngao, para cojas faltas anteci-
po-me a ped r disculpas. O auditorio
subi, e a sabedoria indulgente.
Seohores! Ao ver coreados boje com
tanta lecidade os longo esforc* e as pe-
nosas vigilias da minha vida escolstica o3o
parecer estranho que eu lince ama vista
retrosoectiva sobre a marcha desse grande
Al)! Smm-ine tilo cansado !
Melhoraria tanto, se o escrever estas pa-
ginas, nao fra nimia urna fatalidade !
afea Deus !

A irniaa de Uoberto com os cabellos em
desordem, s < arrasiando como ama sombra
oscillanle, toda lavada em sangue, e com as
raaos sobre o goipc dolon so e mortfero,
aniculou apeius estas palavras quasi inin-
telligiveis;
Sim, Alvaro !...obrigada !.... Eu nunca
fui ac.cossL.vel ... t, por meio... de teu
amor... abundante .. Deus... abencoe...~.i
folha de leu punhal !... Alvaro... Alvaro....
a...deus !...
E baten com a froute in nimada sobre o
peito de Alvaro.
Alvaro se debata em meio de cenvalsoes
urriveis, nos brac >s de doushomens.
Eu..\..eu, porem, nao vi senSo as pri-
maras sombias d'aquelle quadro.
Desde u momento em que o marido de
Suzana sustou-lhe os passos, segurando-a
pelo bra^o, Jnada mais resenciei.
Poucos instantes depois, com a fronte par-
tida da queda me dei, batiendo com ella
sobre a podra da calcada, sonhava dely-
ante no leito angustioso do enfermo, e mi-
aba mi se desfazia em lagrimas.
Joo Candido.
AlLOeucAo niiur.iDA a exma. congregaco
DA KACll.OVOE DK DIREITO DO RECIFE PELO
DOITORAMIO AMONIO COELHO RODRIGUES,
1*01 0CCASI0 DE l-IIE SER CONFERIDO O
GRAO PELA MESMA CONGREGACAO.
Illni?. c Esms. Sis.Acarreira foi longa
e o caminbo diflicl; a victoria completa;
r4;as a Iota renbida: as forcas ficaram
exhaustas e as alegras dotriumpho nopo-
deram bastar ao corpo, que pedia repouso.
i em ao espirito, que careca de distrac-
Por outro lado a urgencia de deveres,
que reclamara a minha presenca na corte,
nao permitta qae me preparasse melbor
para offerecer-vos neete momento solemne
um dos mais solemnes da minha vid;
um trabalho condigno deste acto e alguma
cousa mais capuz de prender a vossa atten-
fao, se para tanto bastassem meus re-
cursos.
Sirva isso de attenuante, seno de justifi-
cativa, ao desconchavo da phrase e ao des-
alitibo da linguagem.
tomo bem insignificante.
Quando contemplo, gracas tradicao,
qou a historia troaxe at nossos das, o
cresciment e o andar da humanidade, en-
contro-a em urna luta constante, continua e
ininterrnplavaria na forma, idntica no
fundo.
No Oriente o homem. cercado de flores-
tas .immensas, de montanhas inaccessiveis e
ciivuinscripto por horisonte naturalmente li-
mitado, viven de lutar com o mundo phy-
sico, desenvolveu-se materialmente e fez
da forca o dolo de sua adoraco e o ultimo
termo dos seus anhelos. Desde Nembrod
at Heitor, o homem valia o que poda e o
seu poder era exclusivamente medido pela
sua forca muscular, ou pela destrt za dos
seus movimenlos. A guerra era um estado
permanente entre os membros da especie
humana ; a destruyo reciproca o alvo das
suas aspiracoes; a conquista o nico meio
de obter celebridade e eslaTmiseravel cele-
bridade urna necessidade chronica dessa he-
dionda paixo, que fez a revoluro dos an-
jos e a desgraca do homem!
Nesse interim descendentes mais activos,
ou por ventura mais infelizes daquelles
adoradores da forca, haviara invadido o
ocano e oceupado a Grecia com Inacbo,
Dnao e Plops (I). Nesto campo mais li-
mitad*, onde por consequencia o homem
era maior; onde o seu olhar podia esten-
der-se sobre o ocano, como se se lancasse
pelo infinito ; onde o seu espirito conquis-
tara sobre o elemento liquido um imperio,
de que a ?ua forca muscular teria sido in-
capaz ; onde a sua imaginaco podia cor-
rer livre, como o vento no espaco, e o seu
espirito, cansado de divagaces, curvar-se
sobre si proprio para^perscrutar os segre-
dos da sua aclividadea idolatra continuou
a inesma; porm o sen objecto mudou. J
nao o mundo physico e as forcas da ma-
teria o que mais o preoecupa : elle sent
necessidade de comprehender esse quidquid
oceultum, que percebe em si, e o nosce te
ipsuin vem c llocar-se na portada do templo
de Delphos, como a Sphynge, que devia de-
vorar o dolo da forca. Hesiodo e Homero
clevaram os Gregos conlemplaco d
bello ; Thales e Scrates indagado da
verdade. O homem dexou de valer o que
podia o seu corpo e comecou a ser apre-
ciado pelo que sabia o seu espirito.
Nao qur isto dizer que oo Oriente n3o
livesse existido anda quem pensasse, nem
que no Occidente bouvesse todos renunciado
a adoraco da forca.
Os Brahnanes da India, os sacerdotes do
Egypto, os discpulos de Zoroastro e os
sectarios de Confncio j haviam s*m duvida
feito muita cousa no mundo da intelligen-
cia; mas l a sciencia era anda um myste-
rio, para nao dizer um monopolio. Por ou-
tro lado, em quanto Alhenas discuta ou
centava, Sparta mandava os mancebos
Crypta dos Ilotas, ou premiava aquellos,
que mais se dislinguiam na pratica do
furto.
Apezar porm dessas intuices dj Orien-
te e dessas reminiscencias do Occidente,
all prednminava a forca e aqui a iotelli-
gencia.
Ora, dous principios contrarios, que se
acham um em face do outro, nao tardam
milito em (ravarem luta e essa luta quasi
fatal, para nao dizer providencial: foi o
que effeclivamente se deu. Pouco demo-
rou-se o rompimenlo reciproco. O campo
era vasto e a guerra foi horrorosa e diutur-
na : Troya foi a ultima cidadella do Oriente,
representada pelos Pelagios, Heitor o ulti-
mo dos seus hroes, e Priano o ultimo dos
cus reis; do mesmo modo que Agamenn
foi o primeiro dos reis da Europa, repre-
sentada pe!os Hellenos, e Achules o primei-
ro dos seus hroes (2); mas o que o valor
deste nao pode fazer, nem as armas de Her-
cules conseguir, pdeo a machina deEpo
secundada pelos artificios de Uyss>-s. Pri-
raeira victoria em grande da intelligencia
sobre a forca!
O guerreiro do Oriente era nsusceptive!
de piedade e impenetravel pelos sentimen-
tos humanos; a incarnaco da guerra no
Occidente, Alexandre da Macedonia, espa-
hava flores sobre o tmulo de Achules e
derramava lagrimas sobre o de Priano
cousa admiravel naquelles lempos e anda
hoje incrivel aos que nao souberem que an-
tes de ser o maior conquistador da teiti
elle fura discpulo do maior sabio da Grecia.
Idolatra da forca o homem nivelou se
abano no plano diado da sua degrada-
gao ; idolatfa da indiligencia e guiado ra-
ramente por oto Aristteles oo por um Pla-
tio, e quasi aempre por" sophistas especu-
ladores e inconscientes,, desses dos qaatta
dizia o aposto'ot dicentes se sapientes
evanuerunt in cogitalionibus suis o ho
mem desceu mais peta corrupco do que
pela propria barbaridade.
Para resumiros faelos em poocas palavras
bastar-me-ha leobrar vos que a justica che-
gou a tal grao de esqoerimentv e desprezo
qae desterrava se um hornera someole
porque todos fallavam bem delle, e argu-
menta va se em favor de urna prostituta ti-
rando-lhe as vestiduras j por si indecentes
diante de juzes excitados por urna defeza
lubrica I...
Quando a humanidade tem descido tanto
nao deve caminhar mais : sua queda em
condi'coes semelhantes ama felicida'le e
essa felicidade, se nao chega espontanea
precipitada por um acno do dedo da Pre-
videncia : foi o qae succedeu, e a Grecia,
que resisti, atacou e ven.au o Oriente,
cahio ella propria sob o peso das discordias
intestinas. Sparta deslruio Alhenas, The-
bas assolou Sparta ; Alexandre conquistou
urna e tomou posse das outras (3).
A' esse lempo Roma j era alguma cousa
e estenda o seu dominio por grande parte
da Italia. Ao edificarem-se os seus prime-
ros muros, diz Tito Livio, encontrou-se urna
cabeca de homem, que os orculos decidi-
ram ser o symbolo da cabeca do mundo e,
verdadeiro ou mentiroso, o vaticinio a j
comecando a realisar-se.
Roma ajiinlou severidade de Sparta o
amor sciencia de Alhenas ; mas modificou
aqueila no sentido exclusivo de um patrio-
tismo ilimitado, que entre os Romanos t<-
mou o carcter de um egosmo sublime, e
circumscreveu em principio os seus estudos
as regras da vida social dos cidadaos. De
pos o poder de Roma cresceu tanto que ca-
hio sob o peso, nao de sua propria gran-
deza, como disse um escrptor celebre, mas
sobo peso desmarcado da sua corropcjio
sem limitesconsequencia de urna civilisa-
Co bastarda, onde os crimes tornaram-se
menos barbaros; porm mais vis e abjec-
tos. e os horneas menos audazes; porm
mais despreziveis e mais infames.
O povo e o senado descerara tanto que D-
zeram Tiberio possnir ama virtude somente
propria das almas bem formadaso horror
adulacao. O seu epiphonma ao sabir
das sessSes deste, conservado por Tcito,
bem conhecido e muito revoltante para que
eu o reproduza agora.
Houve imperadores taes que Deocleciaoo,
tal vez mais calumniado do que comprehen-
dido, pode figurar entre elles, como um se-
mi-deos entre os mortaes. Caligala, a per-
versidade fatua, Claodio a inepcia incarnada
e ero, o maior de todos os monstros e o
compendio de todos os crimes, formaran)
entre si um temo maldito digno de succe-
der-se mutuamente. E nao passe inaperce-
bido Caracalla, emulo ridiculo de Alexandre,
com todos os vicios do grande conqaistador
e sem urna s das suas virtudes, verdadeiro
imitador de ero, parricida, fratricida e reo
de lesa-sciencia pelo assassinato do principe
dos jurisconsultos romanos, o venerando
Papiniano, victima da sua bonestidade e
maior na sua morte do que mesmo durante
a vida.
meiro e a philosopbia moderna tem dado
preferencia as do seguodo. mister po-
rm um trabalho de refusao ; porque os
com. os brutos maisjeroze*. e desceu anuilo taietR#djp^e ambos, verdadeiros era si e
arterBtsNanaeate necessarios, foram falsea-
dos pelo excfrrsivismo dos respectivos sec-
tario*. A verdade essendaliDente huma-
nitaria, e a contradieco apparente eotre as
consequencias deduzidas de principios ver-
dadeiros teode forcosamente a exlingoir-se,
quaodo estes /orem melhor comprehendidos
e mais aoalysados.
Compenetrad) dessa concordancia natu
ral entre as deduccSes paratlelas de verda-
des, que se ligam, Vctor Cousin apresentou
ao mundo o seu eccleiwrao philosophico
systema sublime na concepeo e puro na
sua origem ; mas ainda muto incompleto
no desenvolvimento e al certo ponto vi-
ciado por ter o sea creador mais litteratura
do que pbilosophia.
Ao seclo XIX est provavelmente reser-
vado expurgar os seus defeitos e descobrir
a conformidade das leis do peosamento,
como j descobrio a harmona das leis in-
dustriaes.
Dos Romanos tivemos ocorpus jurs
civiliscom esseopus desperatumcomo
chamava Jastiniano as Pandectas (5), obra
monumental e a mais portentosa depos da
Bibliaindispensavel aos que se dedicam ao
estudo do direitoe til a quanlos tivt-rem
gosto pelo conhecimento dos progressos do
espirito humano.
Mas, senhores, forcoso confessar, a im-
perfeico o cunho das nossas obras. Nes-
se mesmo direito, que tantas vezes tem sido
chamado a razo escripia, ha muita futli-
da io, muita cousa barbara e, drei mesmo,
muito absurdo, que cumpre-nos riscar dos
nossos cdigos (6).
Os inimigos das codificac5es esqoecem o
que ha de mo nelle fascinados pelo que
tem de bom: a exageraco natural na es-
pecie humana!
Desculpemos esse lapso dos grandes bo-
mens sem esposamos st*as erros, e reco-
nhecamos que foi o christianismo quem m-
tigou o iraplacavelita jus estoda legis-
>aco anliga e tornou-a digna das sociedades
cvilisadas (/); assim como que ao mesmo
christianismo est reservado expurgar o que
ainda tem de mo nessa compilaco mages-
tosa, que j recebemos em um estado quasi
miraculoso, gracas a um abuso constante
das regras da hermenutica, "mediante o
qual introduzio se no seu seio, o que pos-
teriormente chamou-se direito honorario
(8). Confessemos qae foi o christianismo
quem desmonopolisou a sciencia, conciliou-
a com a fe e ensinou a contrapesar as fadi-
gas do pensador com os resultados praticos
obtidos em prol de si proprio e dos seos
semelhantes; quem finalmente utilisou a
sciencia proclamando-nos irmaos e a huma-
nidade urna mesma arvore, cujos ramos sao
povos e cujas folhas sao homens.
Fot elle quem trouxe ao mundo a don -
trina da candade e com essa obrigaco de
oos beneGciarmos mutuamente, fazendo
qae todos aproveitem as luzes de cada um
e cada um as luzes de lodos. A scienia
smente nao podia ser a ultima das nossas
aspiracoes : ella em si mesma 6 j muita
cousa ; mas ainda nao tudo. O conheci-
mento da verdade pede,'como complemento,
a pratica do bem, que a realise ; do mesmo
modo qae o pensamento pede palavras,
que o Iraduso, e as palavras ouvintes, que
aproveitem-as.
Latamos contra as forcas da nataresa ;
latamos contra a ignorancia dos seos se-
gredos; lutemos agora contra o mal dima-
nado da nossa propria perverso
Sem dar-se este fim sciencia, ella nao
seria somonte intil; seria tambera nociva,
porque quem mais sabe mais recursos tem
para faz r o mal e, se nenbuma considera-
cao o dissuadisse de pralica-lo, os homens
serie tanto mais perigosos, quanto mais
sabios fossem : isto em relaco aos outros.
Em relaco a si proprio, e dada a bypo-
hese do bom-sra alo procurar a sciencia
como um meio para lins sinistros, o que
nos levara a consumir nosso tempo e a
gastar nossa vida em esteris contemplacoes?
A felicidade, diram ; mas exactamente o
que eu ngo Neste mundo a nossa felici-
dade consiste na paz da consciencia e na
tranquilidade do espirito: quanto a paz da
coasciencia o homem scientifico pode -t-la;
mas a tranquilidade do espirito nao.
nos licito dixar de ver, em quant
nao olbamos; porm depois de termos
olbado havemos de ver fatalmente. Tambem
podemos viver tranquillos, emquanto nos
nao dedicamos aos estudos: mas urna vez
FOLHETIM
OS DRAMAS DA ALDEIA
POR
Ponson du Terrail
(ContinuacSo do n. 108).
XXIX
O Mulot.'ao ve-Ios, fkou como fulmina-
do.
Alm d'isso, o dia tnha-lhe corrido tem-
pestuoso, como vamos ver.
Fra de manha Raposeira para rece-
bar os seis mil francos que a irma lhe
prometiera.
Eslava elle to certo do bom xito
dos seos planos, que pelo caminho foi ale-
gremente cantarolando as suas cancoes de
caca.
O cavallo era bom, e elle raetteu-o a ga-
lope por monles e ouleiros, como se eos-
turna dizer. e, reflexionando que em poder
da irma se esta a perdendo por falta de
aso, fez tenco de nao Ib'o restituir.
Quando chegou Raposeira, estranhou
un pouco a physionomia de Miguel.
Era provavel que este livesse sorprendi-
do algumas palavras da Martina a sea res-
peito durante a jornada da vespera.
Onde est minha irmSa ? perguntou
o Mulot.
Creio que estar l em baixo nopa-
vilbo onde o senhor coiunandante lia os
jornae.
O Mulot apeiou -se, e, entregando o ca-
vallo a Migoel, disse-lbe :
Di-loe raco, que eu torno a sahir
n.ell.
(I)-Bossuet Hist. univ. 3.' e 4.a Epoqs.
(2)-Donozo Cortez. Question de 1' Orient.
Sim ? replicou Miguel, um pouco
admirado.
A espingarda fkou no arelo da sella,
porque Miguel esqueceu-se de a tirar.
a Martina eslava, com effelo, no pavi-
Ibo, que era ama especie de kiosque, com
seu fogo, e para onde ella coslumava ir
trabalhar |na costara.
O Mulot entrou ali com aspecto satis-
feito.
A Martina recebeu-o framente.
C estoudisse elle. Nao foi o que
combinamos ?
Pode ser.
Pare:e que duvidas!
As vezes muda-se de opinio.
Eu nunca.
Pois ea sim.
Vejamos tdisse o Mulot, franzindo o
sobr'olho.
A Martina prosegnio plcidamente :
Durante a noute reflecti, e lembrei-
me que tu, recebidos agora os seis mil
francos, d'aqui a um mez pedirs mais.
E entlo ?
Resolv nao t'os dar.
forte esse dizer !
Pois ainda nao disse tudo.
E lancou-lhe um tal olhar, que o Mulot
ficoa espantado.
Vamos ao resto !
A Martina chegou jane I la, assegurou-se
de qae estavam sos, fechou a porta por
dentro e voltou para defronte d'elle, di-
zendo:
Julgas que ea te esperava aqui para
fallarmos com reserva ?
De accordo.
Pois ento ouve : foste tu quem dea
o golpe.
E depois ?
Ea nao contribu para cousa nenhuma. |
Finalmente para dizer tudo em poucas
palavrasRoma leve seus dias de gloria e
seos homens famosos; porm todos os seus
hroes desappareceram diante da analyse
imparcial de Santo Agbstinho (4) excep-
tuando apenas Attilio Regulo, que, para ser
exceptuado, careceu de ser inconsequenle.
Paremos aqui e deixemos parte o Orien-
te ; porque a forca desacompanhada da in-
telligencia somente pode produzir movi-
menlos desordenados, e e.sses movimenlos,
se nao sao perniciosos, sao inuteis. Pro-
curemos conhecer agora que utlidade pra-
tica legaramnos os progressosratellectuaes
dos Gregos e Romanos.
Dos primeiros boia sobre as ondas do
lempo a Illiada; mas a Illiada quasi que s
pode servir aos poetas e humanidade,
feita para pensar e obrar, nao pode cooten-
tar-se com poesas. Aristteles e Plato,
descendentes espirituaes de um mesmo
mestre, deixaram-nos sem duvida obras gi-
gantescas, que ho de ser admiradas pelo
mundo scientifico, em quanto houver quem
se dedique s lutas da intelligencia; mas,
divergentes no caminho, careciam desde
muilo de quem os desenvolvesse at o pon-
to de chegarem a um accordo.
A escolstica esgotou as theorias do pri-
(3)-Id.
(4)-De
ibid.
Civil.
Dei. 1 Ic. 15.
Historias !
Eu nao soube nem mesmo ninguem
suppe que livesse conhecimento do que o
comraaudanie fez hora da mor le. O que
eu sabia que elle fizera era tempo um tes-
tamento em meu favor e que esse testa-
mento appareceu. Deram-me a posee do
que berdei e nada mais. Com o resto na-
da tenho. Se ha outro testamento, elle que
apparega e eu restituirei o qua deva ser.
Bello I Isso est bem calculado I
Dar por dar, sempre melhor res-
t.tuir; por consegointe Ticas inteirado.
O Mulot nao se desconcertou e prose-
guio :
Nao fazes bem Olba que eu nunca
chegarei a pedir-te qaatrocentos mil fran
eos *
Pois sim, mas n3o me restitues o qae
sabes.
Se eu fra tolo !
Por isso me conformo, se o segundo
testamento apparecer.
E possivel que appareca.
Mas esse dia nao distara talvez muito
de outro em que alguem, que tu conheces
melhor do que eu, ter a cabeca cortada
na praca Dauplime, em Orleans I
O Mulot empallideceo.
Tambem possivel, mas ha de ha ver
mais alguem em scena I
-7- Ests engaado replicou ella fra-
mentePara isso seria preciso provar a
cumplicidade da pessoa a qae allades e bem
sabes que ella nio entrn no plano.
Tu que ests enganaaa I replicou
elle com lodo o cynismo.
Pensas isso ? atalhoa a Martina,
que dando urna risada, deliberou por as
cartas na mesa. Ora vejamos: eu appa-
reci l ?
Isso n5o,
(5)-Instit. Proem. 2.
(6)-Cesar Canta liv. 8 c. 4.
(7)-Troplong Influir/ christ. sobre o dir.
civ. dos rom.
(8)-iPapin. fr. 7 I D. de jast. et de
jur. i,I.
Aconselhei-te a que o matasses ?
Tambera nao, mas poderias te-lo evi-
tado.
E como se prova ?
Podra3 ter previnido Saurin quando
elle montou a cavado. *
N'essa parte e3tou tranquilla. Nao o
vi sahir ; d'isso tenho testemnnhas.
Mas ainda lerias que provar que igno-
ravas haver o commandante feito um outro
testamento.
Ninguem m'o revelou
Talvez nao creas n'isso.
Pode ser... e que at berdasse sem
remorsos.
Mas o qae tu alo podes negar que
fizeste de tea irm >, que era um miseravei
vagabundo, a quem outr'ora expnlsavas de
casa, um proprielario de S. Florentino !
Este argumento era de esmagar. Por
isso tambem a Martina, vendo tocado o pon-
to culminante da questo, estremecen ; mas
recuperando animo, proseguio :
Pois bem : chegado o momento, sof-
frerei as consequencias I
a tua ultima resolucSol
a ultima I
O Mulot enfureceu-se.
Ouve : fazes 'mal em me collocares
n"estas circunstancias ; ignoras de certo o
que eu posso fazer-te !
N3o temo I
E dispoz-se a sahir ; mas, voltando-se da
sbito, encarou com o irmo e disse-lbe :
Qaeres transigir ?
Conforme as condicSes.
Dou-te cincoenta mil francos em tro-
ca do que sabes, alias fars o que entende-
ros.
Alm dos seis mil francos ?
Menos isso !
Mas ea careco d'elles j*,
envolvidos na corrente das ideas, oa cor-
reremos com ellas de bom gradp ou .ere-
mos arrastados forca. A omnisciencia
impossivel e o vacuo da ignorancia um
sorvedouro. A duvida agarra-se ao espirito
como a ostra ao rochedo; segue-o por toda
a parte como a sombra segu o corpo, re-
nascendo sempre como as eojranhas de Pro-
melbo (9) e reduzindo o fiiho da sciencia
a um verdadeiro Ashavro "*Jo mundo do
pensamento que caminhacaminba e ca-
minha constantemente para um ponto, que
apenas entrevum ponto, que nunca se
altinge e qae parece afastar-se tanto mais
quanto mais para elle caminbamos. Um
titulo scientifico como a tnica do Cen-
tauro, que ajusta-se a quem recebe o e su-
men t; separa-se delle com o termo da pro-
pria vida: c mu tas vezes um obstuculo
moral livre escolha das profisses e cncue-
o de deveres to penosos qu3o difticeis de
comprir.
Esta desoladora verdade sobremodo
sensivel entre nos os hacharis em direito,
que somos a um s tempo obligados a
esludar materias,as qaaes dezenvolvem
facnldades, que mais ou menos se excluem.
Assim a legislado e o direito positivo pedem
principalmente memoria reproductiva, analy-
se potente, classificaco laboriosa, generali-
sac3o difficil, vista de lynce para pjnetrar
at o fundo das quesles e circumspecco
deplomatica para nao dizer urna palavra de
mais; ao psso que as materias sociaes
eleyo o espirito a altura das concepcoes
mais geraes; desp3o-o da memoria repro-
ductiva ; agucao a |associac3o das ideas ;
pedem um olhar de aguia para ver se tudo
de um jacto; o reclam3o abundancia de
termos e faCildade de elocucSo.
Essa autonoma entre as materias, que
nos vemos obrigados a estudar, prejudica
necessariamente ao livre desenvolvimento
do espirit e forca a sua vocac3o por mais
pronunciada, que seja, soffrer contrarie-
dades de toda a sorl e decepces das mais
amargas.
Acho-me nao obstante resolvido a tudo,
e, se as difliculdades me nao fizram rcuar
antes que me desseis mais este incentivo,
espeto em Dos que n3o conseguirlo f.ze-
lo depois que a minha responsabilidade aug-
mentar e as vo sas anmaces rae trouxerem
mais forcas para levar um pouco adiante a
cruz dos meos estudos.
N3o considero-me ainda capaz do grao,
para o qual a vossa benevolencia/ movida
dos meos bons desejos, dignou-se habili-
tar-ole ; pretendo porm sinceramente fazer
quanto em mira couber para nunca enver-
gonbar esta Faculdade por ter na minha
pessoa admitlido entre os seos doutores um,
que abuse do seo titulo, ou que o desprese.
Se um dia, entretanto, retirar-me da vida
publica e recolher-me a algum logar igno-
rado, oade possa parecer intil esse grao,
nao enxergueis nisso menospreso elle.
Acredita) antes que, tocado profundamente
pelas miserias de urna patria, que amo de
veras, e convencido da minha impotencia
para traser-lhes remedio, fujo de ver males,
qae me afliigem, e de presenciar de perlo
crimes que me re 'olt5o e que n3o posso
obstar.
Nestas d;sposicoes venbo agora agrade-
cer o grao, que ides conferir-me e pedir vos
que m'o confiraes logo : com ellas prova-
vel que nao ose mal deste.
Conbeco porm desgracadamente alguma
cousa do nosso mando e comprebendo que
a pratica oppor-me-ha grandes obstcu-
los....invenciveis talvez ; porque de ordi-
nario acharaos to fcil ser consequente as
palavras, qu3o difficil s-lo as aocOes.
possivel, pois, que eu suecumba tam-
bem aos mos exemplos, come tantos
outros; que lem sabido d'aqui mesmo com
a cabeca chcia de ideas e o corarn de sen-
tmenlos, e venha por anda a mo e a
cabeca em almoda para mercadejar com o
ttulo e subir na poltica tanto quanto tiver
descido na moral.
Se tal desgraca for Dos servido me so-
brevenha, e vos me vir les passar ufano
entre os felizes do grande mundo, cheio de
galas compradas por outras tantas prevari-
cares, lamentae me do fondo d'alma e
apontae-me, como exeraplo da degenerarlo
poltica, aos qae ainda acreditaren) na boa
estrella deste paiz e na raoraldade das ca-
rnadas superiores da nossa atmosphra so-
cial. Dixi.
POUCO DE TUDO.
SOCIEDADE PARA UTILISACAO DAS
URINAS. O Giornale di agricultura del
regno d'Italia, em o seu numero de 15 de
marco, d a segninte noticia :
< Em meio de tanta azafama para haver
bons estrumes por pou;o custo, entre os
contiauos ensaios de combinacoes chymicas
(9)-Pedro Pomponeo De (ato libero ar-
bitrio et providenti IntroduceI
Peior para ti !
V o que fazes Olha que eu despro-
posito.
Como quizeres. Pensa bem : Irazme
o que sabes e depois veremos.
O Mulot conhecia-lhe o carcter, sabia
que ella era tenaz nos seus propsitos, e
por isso n3o pode dominar a furia que o
assaltoo.
Ella ia a sabir; o Mulot, embargando-be
opasso, gritn :
Nao sabires I
Tinba os olhos injectados de sangue e
trema todo.
Este bomem, j manchado de sangue,
n3o hestava perante outro crime.
D me os seis mil francos immediata-
mente gritou elleou afogo-te I
Deixa-me ou brado por soccorro !
exclamava a Martina, esforcando-se por se
desenvencilhar d'elle.
Antes d'isso fogirei eu !
E ao mesmo tempo comprmia-lhe o pes-
coco entre as muscolosas mos.
A Martina eslava perdida, se a desam-
parasse o sea sangue fri.
Est bem, larga me I balbaciou ella
Te-los-has!
Assaltra-lhe o espirito urna idea, rpida
e luminosa, que devia salva-la.
O Mulot largou-a no estado de meia as-
phixia, dizendo :
Nao me Iludes com palavras I Tens
o dinheiro comtigo ; passa-m'o paraca !
Nao o tenho comigo, mas est perto.
Vou dart'o.
Vamos ; eu espero,
Havia no pavilhSo orna especie de cora-
moda, na qual o commandante coslumava
guardar livros, jornaes, sement de flores
e at a sua garrafa de rhum.
A Martina lembrou-se de ter ali visto um
para restituir trra as materias qae os pro-
ducto) agrcolas.Jevam parifra, era acn-
elliada por todos como escolente atarte.
a orina. | de* fa.to, nos estbalos ln
construidos existen pocas para os recpbr
e faze los fomentar. 'Aifpns propunlara
ainda utilisar as urinas qae as cidades se
espamaas, oa as cloacas, (fie conduzem
aos ros, ou ao sabsolo.
< Agora em Villo conslituio-se una so-
ciedade para ap-oveitar as urinas que se
perdem nos ourinatorios pblicos das ci-
cidades.
A agricultura lombarda ganhar m-
meosamente com estes adubos, sendo boje
afiancado que estes ltimos productos do
trabalho econmico da vida animal contem
os elementos principaes, orgnicos e inor-
graicos, adaptados fertiliiaco das trras.
< Os ensaios, que tem servido de base
aos clculos para esta aova sociedade, sao
as mais certas esperanzas de bom resaltado.
Em media perdem-se lodosos dias em Mi-
13o sessenta hectolitros de orina. Quem
sabe como a urina combinada com os pbos-
pbatos' e os chlororeta de cal pede com
pouca despeta ser soliicados e dapois trans-
portada a grandes distancias, nao se mara-
vilbar que para esta nova sociedade se
abram copiosas fontes de Incros particula-
res e de utlidade publica.
c Assim ao numero das cidades qae pen-
saran) utilisar a urina para adubo (Brescia.
Com, Parma, Vicenza, etc.) junta-se agora
Milao, a qual como todos sabem ba muito
lempo uiilisa outras materias e asdestri-
bue pelos campos, gracas rica irrigaco. >
VARIEDADE
*'ova Amrica
AS QUATRO HACAS
O vasto dominio do lio Sam habitado
por numerosas raras, singularmente varia-
das. O europeu nao faz idea de nenhnm
destes contrastes. Na Europa somos todos
mais ou menos Aiyenos de origem ; nossos
dialectos, antigos costamos, os proprios
traeos do nosso rosto prende o-se a este
tranco primitivo. Allemes, hellenos, ita-
lianos, francezes, inglezes, lodos, apezar de
mil dissonancias, temos nao sei qaelacode
fraternidade mysteriosa que nos vincula e
nos une.
Na America nao ba nada semelhanle. All
as opposigoes desappareceram. O tratero
concdado do Sioox, e este caminha ao
lado do negro africano. Nao cont o Jodeu
semtico, o Chim da California, as mil varie-
dades da raca branca aryanica. Slavos, ir-
landeses, sonobes, portoguezes, bretoes,
nao sao hordas passageiras, hospedes de
um momento. Todos pagam seu imposto,
a maior parte tem familia ; s3o verdadeiros
cidadaoa, com direitos iguaes e possoindo a
liberdade ; profundamente distinclos quanto
aos costumes e s crencas, gosam da igoal-
dade poltica.
Podis imaginar um antagonismo e urna
a nihitese mais completos, que os que op -
pem as pedes vermelbas dos montes Al-
leghanies aos habitantes das margens do rio
Amarello, o negro cujo pai oriundo das
ribas de Tombonctu, ao natural da West-
phalia, cujos cabellos louros trabem a sua
procedencia ? Na Inglaterra vangloriamo nos
desta priso que acreditamos ter consegui-
do entre o genio solido e crcumspecto do
Saxonio, e a organisacao viva e brilante do
Celta, entre o Normando orgulhoso de seu
feudalismo e o feroz temperamento do Picta
das montanhas. A dissidencia destes con-
trastes primitivos nada ao lado daquelles
que pulullao na America.
Jantaes por exemplo em casa de um dos
numerosos mineiros, que a sede do ganho
attrahe s regios do Oeste. A vossa direita
senta-se umjudeu polaco; mais adiante ve-
des um conde italiano, um ebefe indgena,
um rendeiro mexicano, um bispo mormon,
um gerebro de Bombaim, um marinheiro
das ilhas Sandwich, um banqueirode Bos-
ton, finalmente um mestico do Kansas. O
que abre a garrafa por detrs de vos um
chim de comprido rabicho. Todas as igua-
rias sao praparadas por um preto. Sois ser-
vidos por alvos mocos, os filhos do dono da
casa, graciosos, elegantemente vestidos, e
que vos deitara vinbos nos copos.
Singular reunio de entes humanos! Nao
a encontrareis em outra par e mais; a alber
garia da Syria, o bazar do Egypto, a mes-
quila turca nao estabelecera entre seas ha-
bitantes essa novo harmona, que al i recon-
cilia a todos.
(Cmtinmr-te-ha)
par de pistolas ainda carregadas e escor-
vadas.
Correr gaveta, apoderar-se d'ellas e
aponta-las sobre o Mulot foi para a artina
opera ,o momentnea.
Afoga-me agora !disse ella, cantan-
do a victoria.
O Mulot esteve para avangar.
Se das um passo, faco-te saltar os
milos i
O Mulot bem sabia que elfa era capaz d
tanto, e if um accesso de raiva, a costo
comprimida, exclamou :
Estou vencido I
Agora aconselho-te que saias e nao
voltes aqui sem trazeres o que sabes.
O Mulot sabio precipitadamente e ia di-
zendo comsigo :
Nao ha remedio seno restitur-lh'o !
Nem se lembrou de voltar a casa da ir-
ma para buscar o cavado, em que ainda
ba pouco firmara as suas pretences.
Caminhou ao acaso, e, adiando se mo-
mentos depois na floresta, ia fazendo os
seus clculos e dizia comsigo :
Ainda me reslam seis dias para apre-
sentar o dinheiro a Jaubert. N'este inter-
vallo pode ser que ella reflexione. Deixe-
mos correr a bola at entao. O testamento
est em lugar onde nem o diabo o pode
acbar!
Era sob o dominio d'estas reflexoes, que
o animaram um pouco, que Maorel segua o
caminho da aldeia, sem se lembrar de que
deixra a espingarda na Raposeira.
{Conlinuar-seho)

YP, DO DA WO RVA PVQD8 06 QAXIA


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EVB77OS4O_FMSPC5 INGEST_TIME 2013-09-13T23:16:48Z PACKAGE AA00011611_12116
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES