Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:12100


This item is only available as the following downloads:


Full Text


>
>
ft
MO XU. NUMERO 94.
oral b
Pili A CAHTA1 l iVCAUS W])E IA0 SE PAU POBTE.
.or tres mazes adiantados
Per sei* ditos dem..... ....
f-Wam anno Mam.. .... *.....
6000
12,5000
24*000
320
Por tras mezes adiantados
Por seis ditos idem. .
Por nove ditos idem .
Pop ntn anno idem
QfNTI FE1BHJ8JEJBR1L DE 1870.
PAIA filmo E POBA DA ITJ0Y1ICIA.
.
tai '
DE PEMAMBTO
S7i
* H-rtWi ^~~~B~" """" ^m -A- <
Proprieda-de de Manoel Kgneira de Faria & Filhos

SAO AC
Os Srs. Gerardo Antonio Alves Filhos, na Para ; Goncalves P,oto, no Maranho ; Joaqaim Jos de Ol.veira, no Cear ; Antank, Pereirad'A.meida,emMamangUape; Antonio Alexandrino de Lima, na Parab.ba ; Antonio Jos Gomes, ^'.^H ZZZT^lTl^^*'* *"''**
-~ ~ 2j d' ** ^ ^ ; e Jos Ribeiro ijTJtTj l ^ ^ ** *~
PARTE OFFICIAL.
COTerno da provincia.
SKI-SMENTE ASSIGNADO PELO KM. SR. SENADOR FRE-
KBICO ALMKIDA K ALBCQUISROUB KRKSIDENTg DV
(aovuicu. km 23 de fevkriro de 1870.
1' seccao.
N- 721.Portara ao Exm. Sr. general comman-
dante das armas.Communieo a V. Exc: em res-
poste ao seo offlcio d.) 21 do corrente sob n. 103,
que nesta data autorisei o inspector da ihesonra-
ria de focada a mandar por em hasta publica,
alim de serena arrematados os 31 cavallos mencio-
nadas na relacao n. 1 que veio annexa ao sou ci-
tado ofnee. Q lanto aos 7 contemplados ni rela-
ca n. 2. proceda V. Ex. pela forma indicada no
-nesmo offlcio.
N- 722.Dita ao mesmo.Communicoa V. Exe.
para seu conhecimento e alim de que o Taja cons-
tar ao tenente-coronel do estado maior de 2" cas-
ae Alexandre Augusto de Fras Villar, que se acha
na secretaria de*ia presidencia para Ihe ser en-
tregue, depois d pagoi os direilos exigidos por
le, a portara pela qual S. M. o Imperador houve
por bera nomealo commandante do Forte do Bu-
raco.
N. 723.Dita ao capitn do Porto. Mande V.
S. por em liberdade o recruta Bernardino Jos Pa-
tricio, visto ter provado isenoao legal.
". 721.Dita ao commandante d> brigue-barca
Iiattirac.Communieo a Vine, para sou eonbe-
i*-imeato, que segundo consta de offlcio do briga-
dero ominanlanle das armas, datado de 21 do
crreme sob n. 100, foi designado o lente Ma-
n.iel Anselmo Pereira Guimare*, para substituir
a> alferes Joao Monteiro de Andrade Malvinas, no
oselhu que tem de jnlgar as 3 pravas desse bri-
gue-barca, visto ter elle adoecido.
2' seccao.
fj 7?-~^to ao presidenle do supremo tribu-
aal de justica.Gommunico a V. Exc. para os de-
bidos fin-, que segundo participou o jola de direiio
da comarca de Cabrob oacturel-Manoel Francis-
co Fernandes Vieira em offlcio de 20 do mez Pin -
do, nessa data entrou elle no exercieio do dito
cargo, para o qual foi nomeado por decreto de 3
i1 seccao.
N. 727.Portara ao inspector da thesouraria
de, fazenda. Dpois de liquidados em vista dos
prets nominaes juntos em duplcala os vencimeo-
tei relativos aos mez; de oatubro, novembro e
dezembro do anno proxim, passado, dos guardas
mcionaes destacados na villa do Ex sob o com-
mando do sargento Jos Thomaz Viveiras, mande
V S. pagar a sua importancia ao Dr. Tristao de
Alenear Ararpe, conforme solicitou o comman-
dante superior da comarca de Cabrob em offlcio
da 19 de Janeiro ullirao.
ti. 728 Dita ao mesmo. Remello por copia a
V. S. para eu conhecimento o aviso da reparti-
dlo do imperio de 8 do correte, declarando ficar
needdo pela verba, bispados e relacao metropo
Iitana ao exercico de 1869 a 1870, o crdito da
l'Jintia de iOOOOO para pagamento da congrua
do padre Manoel Simplicio "do Sacramento, vigano
encamraendado da freguezia de Sant'Anna do
Sacco.
N. 729.Dita ao mesmo.Commanieo a V. S.
para os devidos lins que segundo participou o ba-
cliarel Manoel Francisco Fernandes Vieira em offl
co de 20 do mez lindo, nessa data entrou no
exercieio do cargo de juiz do direito da cjmarca
de Cabrob para o qual U\ nomeado por decreto
de 3 de novembro ultimo.
_ N. 730.Dita ao me*mo. Inteirado de quanto
V. S. expoi em seu offlcio de 17 do correle sob
a. 122, tenho a dizer em resposta que, da quanlia
das por conta do ministerio da guerra a bordo do
vapor Coruripe da companhia Pernambucana, na
viagem que fez ao presidio de Femando no mez
d'Janeiro ultimo, mande pagar smente a de...
1991*96 para que existe crdito, segundo o cila-
da offlcio ficando o restante para ser satisfeiio
q'iando o governo imperial votar o crdito neces-
sarlo.
N. 731.Dita ao mesmo.Commun;o V. S.
liara seu conhecimento que, segundo consta di
aviso da reparlicao do imperio de 10 Jo crreme,
foi concedido p>;|a verbaFacilidades de Direito
do exercieio de 1869 a 1870 o crdito na ama-
ba de 9025 para occorrer ao pagamento dos ob-
jeetos constantes da nota inclusa por copia com-
prados para uso da Faculdade d'esta cidade, con-
forme foi autorisado pelo respectivo director.
N. 732.Dila ao mesmo.Certo de quanto V.
S. expoz em seu offlcio de 1 do correte, sob n.
7i. tenho a dizer em resposla que, em vista das
razdes expendidas pelo comman lo superior do
municipio do Bonito na mformaeao junta por co-
pia, de 15 d'este mez, mande pagar integralmente
os vencimentos relativos ao mez de dezembro do
anco prximo passado, do destacamento de guar-
das nacionaes existente na cidade de Caruar. e
cujas folhas e prets acompanharam ao meu offlicio
de 27 de Janeiro ultimo, e nao de 2, como se de-
clara no sen cima citado offlcio.
N. 733.Dila ao mesmo.Commanieo V. S.
para os devidos fins, que, segundo participa o juiz
municipal e de orphos do termo de Ipojuca, ba-
cliarel Joao Baplista de Siqueira Cavalcanti, em
offlcio de 12 do corrente, nessa data reassumio
elle as funecoes do seu cargo.
N. 73i.Dita ao mesmo.Constando, de offlcio
do governador do bispado de 22 do crreme, ter
sido nessa data collalo na igreja parochial de
Nossa Senhpra da Conceicao de Quipap o Rvd.
Tito de Barros Correa ; asiim o commuoico a
V. S. para seu conhecimento.
N.-735.Dila ao mesmo.Transmiti a V. S.
para os devidos fins as duas inclusas ordena do
ministerio da guerra datados de 7 e 8 do crren-
te, e um offlcio sob n. 1 do director geral das
rendas publicas de 14 do mes.no mez, cebrmdo
ama guia em que acensa a remessa de 80:000/
de estampilhas de sello adhesivo.
N. 73o. Dita ao mesmo.Mande Y. S. por em
hasta publica, alim de serem arrematados, 34 ca-
vallos perteocentes ao deposito especial de ios-
truccio e constantes da relacao junta por copia, os
piaes se acham impossibilitados de prestar servi-
.0 pelos motivos que vio declarados na misma
relacao.
N. 737.Dita ao inspector da thesoararia pro-
vincial.Tendo, por despacho d'esta dala, e em
vista de sua informaco de 18 do corrente, sob
n. 113, autorisado a mesa regedla da irraandade
do Sanlisaimo Sacramen'o da matriz da Santo Ama-
ro de Jaboatao a despender at a quanlia de.....
X614SI0 ris com a continaacao das obras da
mesraa matriz, sendo indemnisada dessa importan-
cia depois de prestar essa reparlicao a respec-
tiva coala com o beneficio da quinta parte da lo-
tera concedida as referidas obras ; assira o com-
manieo V. S. para seu conhecimento.
. 738.Dita ao mesmo.Km vista do pret no-
minal, jante em duplcala, que nw* remellen o
'omniandante superior d'esle municipio com offl-
cio d 21 do corrate, sob n. 38, mande V. S. li-
quidar e pagar os veneimenlos a contar de 16 a
26 de jaoeiro ajumo, das pracas do 6* baulhao de
infaotaria deaueadas na fregueua de S. Loarcnoo
daMatu, ^^
N. 73.Dilr ao meemo.Ommunico V. S.
para tea fonhorimeato e la otaveaieatea, que,
ittaiiaUa ao que requeren a mesa reaedon da------
?eaeraval ordem tereeira de Nmm SeoJwr do entrn em
Cumo d'esta cidade ; e tendo ea vista a sua in
fotmacao de 19 do crreme sob n. 116, autorisei
nesia data a refer ia mea a continuar com as
obras do respectivo hospital, despendendo at o
valor do beneficio d 6 parte da lotera concedi-
da para ellas, eom a obrigacao de prestar contas
nessa reparlicao, quasdo ti ver de receber a im-
portancia do me.mio beneficio.
N. 740.Dila ao mesmo.Transmiti V. S. os
inclusos fprets cm duplcala, que me reraelleu o
commandante superior do municipio de Agua-
Preta com offlcio de. 15 do corrate, afim de que,
dipois de liquidados os vencimiinos relativos aos
mezes de dezembro do anno prximo passado a
Janeiro ultimo dos guardas nacionaes destacados
na povo3cio dos Monte?,, mande pagar a sua im-
portancia a Jos Rodrigues Pinheiro.
N. 741.Dita ao mesmo.Recommendo V. S.
que, em vista do incluso certificado, mande pagar
a quantia de 2:749/820 rs., a que tem direito o
c intratante das obras do primeiro lanco da es-
trada de Goianna Pedras de Fogo, Luiz Fran-
cisco de Paula Cavalcanti de Albuquerque Lacer-
da, proveniente da al lima prestacao do seu con-
trato.
Jf- ?42.Dila ao chefe da reparlicao das obras
publicas.Tendo por deliberacao d esta data de-
signado o engenheiro Flix Ramos Leuthier
para assislr, por parle do governo, a demarca-
gao de meia legua de trras pertencente ao padre
Antonio da Cunha Figueiredo, pelo lado que con-
lea com as de propriedade nacional no distncto
da extincta colonia do Pimenteiras, correndo por
conta do supplicante as respectivas despezas ; as-
sim o communico' Vine, para seu conheci-
mento.
4* seceo.
N. 744.Dita ao juiz coinmissario de medicoes
de ierras publicas do municipio do Bonito.Ten-
do por deliberacao desla data e em vista do que
requeren Pedro Antonio da Cunha Figueiredo de-
signado o engenheiro Flix Ramos Lieutier, para
assistir por parte do governo, a demarcacao de
meia legua de torras pertencente ao supplicante,
pelo lado que confina com s de propriedade na-
cional no districto da extinta colonia de Pimentei
ras, correndo por conta do mesmo supplicante as
respectivas despezas, assira o communico Vmc.
para seu conhecimento e llns convenientes.
N. 74o.Dita a cmara municipal da villa do
Bjm Conselho.Com a informaco junta por co-
pia, ministrada pela thesouraria de faz*nda em 18
do corrente, sob n. 128. respondo ao offlcio que a
esta presdeneia dirigi a cmara municipal da
villa do Bom Conselho, em 26 de Janeiro prximo
lindo, solicitando a creacao de urna col lectora nes-
sa villa.
N. 746.Dita a cmara municipal da cidade de
(joyanna.Declaro a cmara municipal da cidade
de Goyanna, em resposta ao seu offlcio de 14 de
outubro ultimo, que em vista das informacoes da
ihosouraria provincial e da reparlicao dis obras
publicas de 5 e 17 do corrente, sob ns. 28 e 108,
nao pode ser approvado o contrato feito com Ma-
noel Poiycarpo Moreira de Azevedo para a obra
da abertura e eanalisacao do rio Govanna por in-
competencia damesmacmara para celbralo.
N. 747.Dita ao engenheiro fiscal da estrada
de ferro do RecifeaoS. FranciscoPara dar cum-
primento ao aviso do ministerio da agricultura,
commercio e obras publicas de 12 do corrente, sob
n. 8, declare Veinc. precisamente quaes e de que
natureza sao os melhoramentos que exigera as es-
tacoes da estrada de ferro, que se refere o seu
relatorio do mez de dezembro ultimo, dirigido a
aquelle ministerio em Janeiro prximo Ando.
R. 748.Deliberacao.-O presidente da provin-
cia em vista do que requereu o padre Antonio da
Lunha Figueirelo e tendo em vista a informaco
da thesouraria de razenda de 12 do corrente, sob
n. 104, resolve designar o engenheiro Flix Ramos
Lieutier para assistir por pane do governo a de-
marcacao de meia legua de trras pertencentes a
supplicante, pelo lado que confina cora as do pro-
priedade nacional no districto da eximia colonia de
Pimenteiras, correndo por conta do mesmo snp
piteante as respectivas despezas.
N. 749.Dita.O presidente da provincia atlen-
dendo aos motivos allegados pelo emprezario do
encana ment d'agua pota val para a cidade de
Olinda Justino Jos de Souza Campos e tendo era
vista a informaco do engenheiro chefe da repar-
licao das obras publicas de 21 do correte, sob n.
47, resolve prorogar por 90 das o prazo marcado
na condicao do contrato celebrado em 20 de ou-
tubro de 1869, para apresentacao das plantas e
perlis das respectivas obras.
EXPEDIENTfi ASSIGNADO PELO SU. DR. ELIAS FRGDE-
RICO DE Al.MUIDA E ALBl'QUERQUE, SECRBTARrO IN-
TERINO DO GOVERNO, em23de ikverkiro de 1870.
2a seccao.
N. 750.Offlcio ao commandante superior da
guarda nacional de Agua Preta.Xesla data au-
lorisouse a lliesouraria provincial a pagar a Jos
Rodrigues Pinheiro os veneimenlos, constantes do
offlcio de V. S. datado de 15 do corrente, o qual
fica assim respondido de ordem do Exm. Sr. pre-
sidenle da provincia.
N. 731. Dito ao commandante superior da
guarda nacicnal de Cabrob.S. Exc. o Sr. pre-
sidente daprovnca, manda declarar a V. S. em
resoosta ao se i offlcio de 19 de Janeiro ultimo
que a thesouraria de fazenda tem ordem para
pagar ao Dr. Tristao de Alenear Araripe os ven-
cimentos constamos do citado offlcio.
N. 752.Dito (ao juiz de direito da comarca de
Cabrob.O Exm. Sr. presidente da provincia,
manda declarar a V. S. qne ficou inteirado pelo
seu offlcio de 2! do mez Ando de nao se haver
procedido no prazo da lei no corrente anno, a
revisao das listas dos jurados dos termos que
compde essa comarca, continuando a servir a feta
no anno anterior, segundo a doctrina do aviso de
26 de abril de 1853.
N. 753.Dito aa mesmo. O Exm. Sr. presi -
dente da provincia manda aecusar o recebimento
do offlcio de V. S. de 22 do mez flndo em que
participou ter a 20 do dito mez entrado no ex-
ercieio do cargo de juiz de direito da comarca
de Cabrob, para o ijual foi nomeado por de-
creto de 3 de novembro ultimo, do que flea o
mesmo Exm. Sr. inteirado, tendo nesta data con-
veniente deslino a certidao que enviou.
N. 754.Dilo ao juiz de direito interino da co-
marca de Boa Vista. 0 Exm. Sr. presidente da
provincia manda declarar a V. S. que flcou InHi-
rado pelo sea offlcio de 20 do mez flndo, de ter-se
reunido sob sua presidencia a 10 do dito mez a
juma de revisao dos jurados do termo de Ouri-
cury, deixando de reunir-so a do de Boa Vista
pelos motives consumes do dito offlcio.
t. 755.Dito ao baeharel Joao Baptista de Si-
quera Cavalcante juiz municipal de Ipojaca.O
Exm. Sr. presidente da provincia manda acensar o
recebimento do offlcio de V. S. de 12 do corrente,
em que participou ter nessa dita reassumido o
exercieio do sea eargo.
4" seccao.
N. 756. Offlcio ao > icario da freguezia de
Santa Anna do Sacco. Pela secretara da pre-
sidencia se communica ao Illni. Sr. padre Maaoel
Simplicio do Sacramento, vigario encommeodado
da freguzia da Seohora Sant'Anna do Sacco, qne,
segando consta do aviso da reparlicao do imperio
de 8 do corrente, foi concedido pela verbabis-
pado, relacao metropolita ia, do exercieio de M
a 1870-o crdito da qrnntia de 400/000 aera
pagamento de toa congrua.
Quanto porem o que vonceu de 12 de jaaeiro
de 1818, em que tomou posso d fre necia e
entrou em exercieio a* 30 de atoo de 48fl
pertencendo aos eierakue ja oncernM de 1807
a 1868, e 1868 a 1869, deve ser liquidado na the-
souraria de fazenda como prescreve a circular
de 6 de agesto de 1847.
despachos da pnEsiDENcra da rnoTnrcrA no da Vi
de abril de 1870.
Andre de Abreu Porto.Informe a directora
aa companhia dos trilhos urbanos para Olinda.
Hermogenes Braulio Ferreira da Canha.Ex-
peca-se erdem para a guia de mudanca reque-
Jos Ribeiro da Fonceca. Informe o Sr. Dr.
chefe de polica.
Baeharel Jos Mara Freir Gameiro Jnior.
Umceda-se a icenca reqnerida.
Joaquim Ribeiro de Aguiar Montarroyos Jnior.
Conceda-se.
Feliarooa Valentina de Mello. Encaminhe-se.
Guilhermina Custodia Alves de Assis.Dirija-se
ao sr. desembargador provedor da Santa Casa de
Misericordia era sesso da junta quanto ao menor
libareio, e quanto ao outro ndiferido.
Joaqaim Rodrigues Maia de Oliveira.Informe
o Sr. commandante do presidio do Fernando.
Jacnlho Paes de Mendonca Jaragu Conceda-
se sem veneimenlos.
Padre Jos Porfirio Gomes. Passando recibo
sejam entregues os documentos.
Javemano da Costa Monteiro.Especa-se ordem
para;que cesse o oiTerecimeoto.
fjul/^000. Proveniente de sria gratifleacao que
50^ em exercicios Indos.A' eommissao de or-
dnalos.
ani0"'* !> eornPantiia do Beberibe, pedindo que
mi ?Km"nlad"o o prazo de seu previlego por
iL annosA1 comtmssio de obras publicas.
urna peticao de Amador de Aranjo Pessda, alfe-
resioo corpo de polica, pedindo 10 mezes de l-
li fom to*w seas veneimenlos. A' com-
raisao de peticoes.
-!$f.-_de..fo(fl''" Antonio de Castro Nones,
Proawor jubilado, pedindo que seja reformada a
LA VUR 'ab,la&. bem como qu<
Repartlfao da palela.
2- seccao.Secretaria da polica de Pernambu-
o, 18 deabril de 1870.
N.5\8T,,"J1- e Exm- Sr.-Lero ao conheci
raento de V. Exc. qno, segundo conste das parti-
Jipaces recebidas hoje nesta reparticao, foram
recomidos a casa de detencao, os seguintes indivi-
duos :
A minha ordem, Balbino Beoiamm de Mello,
para ser processado pelo delegado do termo do
itio Kormoso, por crime de furto de cavallo
Aordem do subdelegado de Santo Antonio, Cos-
ma Mana da (.onceifao, Vicenwa Amalia de Mello
e Rrizida escrava de Joao Rufino de Mendonca, por
oireosas a moral publica; Paulo eseravo de Jos
Kraz da Silva, por andar fgido, Luiz eseravo de
Raymundo Pena Forte e Olympio eseravo de Ma-
noel Antonio Viogas Jnior, por briga.
A ordem do de S. Jos, Francisco Gomes de Sil- '., i F,ca aPProvado na parte civil com as
va, por disturbios e embriaguez. modincacoes constantes do acto do ordinario de
Parlicipou-me o subdelegado do distrieto de Be- *e,emDro e 1869, e o compromisso da con-
beribe, por offlcio de honiem daiadn m. ui.. o [raria do banti;simo Sacramento, erecla na mairz
beribe, por offlcio de hontem datado, que pelas 9
horas da noute do da anterior, lora alli espancdo
o individuo de nome Romo Maximiano da Cunha,
por um outro, que Ihe era desconhecido, e se evaa
dio imraediaumenle ; e lendo se dirigido ao lugar
em que foi perpetrado o crime, procedeu a corpo
de delicio no ofrendido, e delgenciara descobrir o
autor para contra elle proceder na forma da
le.
Deus guarde V. BxcIllm. Exm. Sr. des-
embargador francisco de Assis Pereira Rocha,
rice prndente da provincia. O chefe de po-
lica. Lmz Antonio Fernandes Pinheiro.
PERSAMBCO.
ASSEMBLA PROVINCIAL.
10 que sej indem-
1tJ*JW se lhe dfiv'5 ^e 1e W removido
.n?il~de 9-* a Vietoria.-A' eommissao de
m-truceao publica.
So approvadas as redaceffes dos projectos os. 17
,ha lnD0; au,0"san"o o governo contra lar a
222? no G<>ynB- e 45 do anno passado,
J.?a Jnma ?a*)ir* d* instruccao primara na
Las* de detencao.
SJo lidos e julgados objetos de deliberacao os
segaintes projectus:
A eommissao de peticoes, a quera foi presente
a do baeharel Manoel de Siqmra Cavalcante, em-
pregado da secretaria do govu-no, em que pede
um auno de brenca com todos os veneimenlos para
"A6 *na ?an concedida, a licenc, nao de um anno, conforme
pede, mas sim de ieis mezes com lodos os seas ven-
eimenlos, pelo que offerece i cons\deracuo da as"-
sembla o seguinle projecto:
Artigo nnico. Fica o presidente da provincia
autorisado a conceder ao baeharel Mwoel de Si-
queira Cavalcante, empregado da secretaria do
governo, seis mezes de lcenca com tods os seus
venamento? para tratar de sua saude, onr>e Ihe
convier.
t Revogads as disposicees em contrario. Sala
das sesses das commissoes, 19 de abril de 1870.
Menrique Mamede.Barros Rrgo.Vieira de
Meno.
Visto o compromisso da eonfrara do Santsi-
mo Sacramento da matriz de Santo Amaro de Ja-
j aPProvado na parte religiosa com algumas
modineaces por aclo do ordinario da diocese, de
16 de setembro de 1869, a eommissao de legisla-
cao de parecer que se adopte a seguinte resolu-
. Fica approvado na parte civil com as
SESSO ORDINARIA EM
1870.
19 DE ABRIL DE
PRRSIDENCIA DO SR. AGUIAR.
s 11 horas da manhaa, feita a chamada achara-
se presentes os Srs.:
Amaral, Paes Brrelo, Ges Cavalcante, Guedes
(jondiin, Vieira de Araujo, Miguel Pernambuco,
Ruhno de Alraeida, Barros Leao, Gu3mao Lobo,
Hermogenes, Gualter, Mello Reg, Augusto da Cos-
ta, Oliveira Andrade, Tolentino de Carvalho, Tei-
xeira de S, Vieira de Mello, Affmso Ferreira, Ca-
valcante ae Albuquerque, Ferreira de Aguiar,
l.unha Cavalcante, Luiz Cavalcante, Pinlo Jnior,
Eduardo de Oliveira, Correa de Araujo, Felippe
de. Figueira, Barros Wanderlev, Barros Rogo
Hennque Mamede, Goncalves Lima, Manoel Ar-
thur, Joao Cavancante, Ribeiro Vianna, Firmino,
Oliveira Fonseca.
Abre-se a sesso. lida e aprovada a acia da an-
terior.
O Sr. 1. secretario d conla do seguinle
EXPEDIENTE.
Um offlcio do secretario do governo, remetiendo
por copia o offlcio do provedor da Santa Casa de
Misericordia, em que pede a concessao de novas
loteriis. eommissao de peticoes.
Outro do mesmo, transmiltindo por copias o re-
querimemo aeompanhado de informaco da lhe
souraria provincial em qae o baeharel Antonio
Mara de Farias Neves, escrivo da receita e des-
peza da mesma thesouraria pondera a necessidade
que lera dejer coadjuvado por um empregado.
eommissao de orcamento provincial.
Outro do mesmo, transmiltindo copia do offlcio
aeompanhado da informaco da thesouraria pro-
vincial, emqueo regedordoGymnasio pondera a ne-
cessidade de ser fornecido a aquelle e-labelecimon
to um apparelho para exercieio de gymnastica.
eommissao de nslrucjao publica.
Outro do mesmo, remetiendo a informaco pe-
dida em offlcio sob n. 10, acerca do acude que se
est constnndo as margena do rio Natubi.
eommissao de obras publica*.
Outro do mesmo, transmittindo o orcamento e
balance da cmara municipal da villa da Escada
e seu relatorio. eommissao de orcamento mu-
nicipal.
Outro do mesmo, transmittindo por copia o re-
quenmento de Heraclio Constantino de Paula Mon-
teiro, com informaco da thesouraria provincial,
pedindo um crdito supplementar da quantia de
407/538.A eommissao de orcamento provin-
cial.
Outro do mesmo, remetiendo por copia as infor-
macoes da thesouraria provincial e do director ge-
ral da instruccao publica, acerca das gratiflci-
Qes dos professores. pdicos por maia de 15 e 25
anuos de strvico. eommissao de legislacao.
< Outro do mesmo, commanicando qae o Eim.
Sr. vicepresidente da provincia desembargador
Francisco de Assis Pereira Rocha, em data de 16
do corrente assumio a administradlo da provincia,
for ter de seguir para a corte o Exm. presidente
rederico de Almeida e Albuquerque Imei-
rada.
Outro do mesmo, remetiendo copia do offlcio de
inspector, da tnesouraria provincial, pedindo diver-
sos crditos supplementaresA eommissao de
orcamento .provincial.
Ontro do mesmo, transmittindo balanco da re-
ceita e despeza da cmara municipal da cidade de
Naxareth, e bem assim o orcamento.A' eommis-
sao de orcamento municipal.
Outro do mesmo, respondiendo ao offlcio reowt-
(ido sob n. 16, acerca da peticao de Antonio Car-
valho dos Santos.-A" eommissao de obras nu-
blleas.
Urna peticao de Antonio dos Santos Vital, pedin-
do para serem admtidoe no gymnasio doos Albo*
A' eommissao de instruccao publica.
Outra de Joo Happaa ae Meira Lima, arre-
mtente de 1047 metro de empedranMMo da es.
irada da Victoria, pedindo nma indonwiucao petai
prejaizos qae da ter solrido.A' ff obras publica.
Outra do padre Antonio Generoso Bandoira pr-
Kfasaor joinlado, pedinrio o pagameate da (puna w- aviador principalmente qae a provincia nio
. '------"-----w, v- nana do bantismo Sacramento, erecta na matriz
de Santo Amaro de Jaboatao.
Art. 2.* Ficam revogads as disposicocs em
contrario. .
Sala das commissoes, 18 de abril de 1870.
Gusmao Lobo. Barros Wanderlev. Henrique
Mamede. '
ORDEM DO DA.
Primera dhcussao do projecto n. 16 deste anno,
que autorisa o governo contratar a reconstruc-
cao do theatro de Sania Isabel.E' approvado.
Prhwi* diseowo do projecto n. 18 deste anno,
qne autorisa o governo a emprestar cmara mu-
nicipal da-cidade da Victoria, a ouanta de......
5:000/000 nara a construccao de um cemiterio
naquella cidade.
O SR. GOES CAVALCANTE.Sr. presidente,
sendo en um dos autores do projecto que se acha
em dscussSj, cabe-me principalmente o dever de
mostrar casa a sua utilidade, afim de que meu
nobres collegss, depois de bem informados, possam
volar pro oa contra a adopcao das medidas qae
nelie se contera ; medidas que sao reclamadas com
toda justica porque se baseam em urna necessida-
de urgente, de cuja satisfarn quasi que depende
o bem estar de una pepuiacao bstanle nume-
rosa.
Cumpre-me principalmente fallar sobre o pro-
jecto, nao s porque son representante do 3 dis-
iricio, de que faz parte a localidade, para a qual se
propz o melhjramenlo de que trata o projecto,
mas anda porque, sendo filho delta, devo eonhe-
cer como de facto conheco, as suas necessidades
mais palpitantes e aquellas que mais a aflli-
gem.
Trata-se, Sr. presidente, de antorisar o empres-
timo de 3:000/, cmara municipal da cidade da
Victoria para construccao de um cemiterio na mes-
ma cidade.
J se v portante que com a simples enunciarlo
do projecto, torna-se patente a sua utilidade e
at mesmo me seria dispensavel dar casa infor^
macSes a rospeito se nao iivesserao9 o dever de
patenlear ao publico, quaes os movis que nos le-
varao a votar urna quola cm proveito desta on
daquella localidade, alim de que nao se diga qne
os dinheiros pblicos sao despendidos para salis-
facao de meros caprichos e s nos oceupamos
aqu em crear prevlegos em benelicio dos aft-
Ihadosdasituacao. (Nao apoiados).
Julgo desneeessario mostrar casa, Sr. presi-
dente, quanto nocivo, quanto inconveniente
salnbridade publica de qualquer localidade o in-
lerramento de eorpos no recinto das igrejas, por
quanto todos geralmente reconhecem que isso
um grande mal; mal que se terna mais ou menos
grave, conforme for mais on menos extensa e po-
pulosa a localidade em qne este facto se der. Se
isto certo, Sr. presidente, nao se poder contes-
tar a utilidade do projecto, resta me apenas mos-
trar que a medida qne se |de para a cidade da
Victoria muito urgente...
O Sr. Oliveira Andrade :Como era urgente
para umitas ontras localidades.
O Sr Goes Cavalcante :... principalmente,
se attendermos extenso de seu territorio, ao
numero avallado de seas habitantes e natureza
do teu clima.
Sr. presidente, para fazer-se urna idea da utili-
dade e nrgencia da medida qae se reclama, basta
dizer qne depois deste capital, Oljnda. e Goyanna,
a cidade da Victoria a mais importante da provin-
cia, cuja populacao foi calculada ha poucos annos,
comprehendo tambera a da freguezia, em 38 mil
habitantes. Posso afflrmar, Sr. presidente, qae na
cidade da Victoria, nao ha cemiterio, ha apenas,
alm do recinto da igreja. um pequeo quintal
unido mesma, circulado de algumas catacumbas
coraprehendendo ama pequea ara de terreno,
onde se enterram os desvalidos. Espaco tao in
sufflciente em relacao ao creseido numero de eor-
pos sepultado annualmente naqaeiU localidade,
que anda mesmo as etiaeoea mata favoraveis on
mais sanitarias daqoella cidade, os eorpos sao
exhumados antes do lempo qne recommenda a
higiene publica, para qae este deem lagar aos
novos cadveres que tem de ser sepultadas, por
rnao na espaco, nesie lagar a que se d o nome
iemiiero.
Um Sr. Dkpvtaoo :A culpa da cmara I
O Sa. Gos Cavalcante : Isto s pro va a ur-
gencia da medida.
OS. Pinto Jnior :-Tamberoo obituario nio
lia di ser lio grande.
0 Se. Gow Cavalant :Acere* anda, Se.
presidente, qae o clima da cidade da Victoria
malte pona salubre, que qoalqner epidemia alli,
loma ara eaneter assoateder, e tal vez muite leoba
coecorrido par isto a aglomoracio de eorpos en
aro espaco lio peqoeao, feudo-* anda mesmo o
inconveniente de estar coUecado elle a entrada da
aUMa
A' vate pon, Sr. presidente, eatea considera-
es espero qoe o meas Uaelre eoitega alo ae
otforio ao pr^jetto....
Sr. Parro Jdnior;A cmara nio tem
iKde C0USa aJoroa. aPena faz emprestrao de
r^rnTeDt quamia' 1ae mais rde lh0 r
rMiKaida pelos cofres munieipaes da cidade da
,.m!R.GPMA0 LOBO:-Sr. presidente, entro
eom certo desanimo na discrjssao e estodo do pro-
S reflec,in,{0 que o rodeiara e amparara dez
assignaturas. Por mais qae isto seja permtiido e
praiicado, lamento que esle estylo poss passar em
im .?' i ea Podessc. ^"i ferir justas suseeptioi-
bdades, formular neste sentido nm convite aos
raens honrados collegas, pedr-lhes-ha que tives-
2. a-M5nSao a. cas0- Vem d'ahi um certo emba-
raco a discnssao.
Quem se levante para impugnar um projecto em
taes condicoea, julga de ante-mao perdidos lempo
Isto exprime, eu o reconheco, que ha necessida-
aes por tal modo sentidas, que eslao resolvidas
ames de qualquer discussao. Mas nao menos
verdade q-ie a conflanca, que nos merece um ami-
go e nos inspiram as suas Inzes e estudos, pode ser
raaita voz parte para que, sem muito exame, sem
lunaa mediiacao, subscrevamos um projecto que,
visto e revisto na discussao, nao nos merecera o
dec.sivo apoioqne ficamos, por aquelle modo, obri-
gados a preslar-lbe.
L'm Sr. Deputado :Al certo ponto bem ver-
O Sr. Gusmao Lobo:Embora me cale no espi-
rito esta razao de deixar ir seu caminho o projec-
to, sinlo-me tomado de escrpulos idea do
empresiimo que se pretende impor provincia,
parecendo-me ver um perigo nesie syslhema de
empresiimos de que se vai dar oexemplo e quan-
do, por urna parte, nada teem de lisonjeiro as nan-
eas da provincia, e, por outra, se sabe tanto que ha
ah monas necessidades inadiaveis a pedir-nos
immediata e inevilavel solucao.
Pede-se, Sr. presidente, que seja autorisado o
presidente da provincia emprestar cmara mu-
nicipal da cidade da Victoria a quantia de 5:000/
para a construccao de um eemiierio, applicada
igual fim a quantia de 1:000/ que foi urna das
tantas doaces derramadas nesta provincia por S.
. o imperador em sua raemoravel visita.
Tal o projecto qae acabo de ver justilleado
com preciosas informacoes pelo honrado deputado
pelo 3o districto, e das qaaes parece resultar um
pouco que, til em si como um melhoramento que
e para urna importante localidade, a idea do
projecto pode e deve ser adiada sem inconve-
niente.
Um Sfl. Deputado :Necessidade urgente.
O Sr. Gusmao Lobo : Quandj este ponto est-
vesse fora de duvida, tristemente verdade que
muitas localidades do interior senlem no mesmo
grao esta e oolras necessidades; e nao sendo pra-
iicavel attender todas por um syslhema e plano
geral de melhoramentos, tenho que de um re-
sultado ineillcaz estar ou eoraecar derramar
pequeninas a nsignaedes. No estado das nossas
(naneas de provincia, quando necessidades de
vulto estao pedindo e reclamando exigentemente o
emprego discreto e severamente escrupuloso das
rendas provnciaes, nao sei que se deva instaurar
tao sem exame o systhem de emprestimos s c-
maras munieipaes, que alias tem a sua receita e
podem muita vez bastar seus municipios.
Surge agora esta necessidade de um empre;timo,
motivada ou nao, questo em que nao entro, eu
que -ria\ conhee. a cidade da Victoria, que nao
consultei as forras do seu orcamento municipal,
que, nisto comoem mnilas ouiras cousas, sou obri-
gado ir com as nforraacocs que me irazem
aqu; amanhaa surgir outra e depois outra, e
iremos assim de emprestimo em empresiimo, de
autorisacao em autorisaco, carregar c sobrecar-
regar o orgamento, ale que nos vejamos reduzi-
dos a nada emprehender de grande, de permanen-
te, de duravel, como eu tanto desejo, como a casa
quer deliberadamente, como a provincia espera e
tem direito exigir de n?.
O Sr. Goes Cavalcante :Mas a utilidade deste
projecto incontestavel.
O Sn. Gusmao Lobo:Incontestavel, como sem-
pre incontestavel a constrnecao de um cemiterio
onde nao o ha em condicoes que a hygiene re
quer. Mas o que convm estimar e deixar claro,
si esta necessidade e de tal natureza que nao
possa ser adiada, e por outra parte si a cmara
municipal da cidade da Victoria nao tem mcios
para acudir construccao de um eemiierio, eujo
mximo da despeza c flxado em 5:000/ on re
construccao do que ali existe, reconstrueco que
pode telvez ser feita pouco e pouco sem grave
inconveniente.
Vou at dizer que, por mais autorisada que seja
a palavra do honrado deputado pelo 3o districto,
por mais detidas e abundantes qne tenham sido as
suas informacoes, tenho razao para pensar que a
cidade da Victoria pode passar sem um novo ee-
miierio. Este melhoramento que o era todo
caso.......
O Sn. Goes Cavalcante :Que razao esta ?
0 Sa. Gusmao Lobo :E' que, sendo a manictpa-
lidade o interprete das necessidades do municipio
e altamente compenetrada, como eu julgo, a cma-
ra municipal da Victoria de sna augusta missao,
ella nao se leria em silencio desde que julgisse in-
declinavel a necessidade que se procura pro-
ver. Pois a cmara daVictoria deixaria de dar-nos
aviso, pelo meio muito conhecido e muito predica-
vel de ama representacao, de que o cemiterio est
em tal dejproporcao com a m-irtalidade, que a
exhumaco se faz antes do praso proscripto pela
liygiener Os honrados signatarios do projecto
devera conhecer isto mais fundo do qoea corpo-
raco instituida para velar, guardar, defender e
promover os interessos do municipio t Eu tenho
muito amor por esta insttuieao, que se chama a
cmara municipal; pens muito que nella que
reside o primeiro elemento de forca de toda robus-
la organisagao social para crr que, peraate ama
tal necessidade, vendo comprometilda a sade pu-
blica e semindo-so sem recursos para acudir isto
cora remedio, a cmara municipal da importante
cidade da Victoria teoha esquecido em sea orca-
mento assumpto tao grave, nao faaendo delle nem
ao menes o objecto de ama representeeao.
O Sr. Goes Cavalcante :Si nao ve este anno,
lem vindo talvez mais de ama vez.
O Sr. (i'smao,Loo :Siato qae rio esteja pre-
sente o nobre deputado pelo 3* districto, que toma
honroso lugar no extremo deste bancada o qae tao
esforcadanente o maatm ha seu annos, para in-
formar-nos, elle qne tem sempre de memoria as
tradiccoee d'assembla, sobre tees representareis
e o caminho oa desoaroinho qae levaram. O qae
sei por mim, qae taei representaefles nao exis-
ten) na casa ; e si existem, nao podem ter vindo
da enmara aetoal
la urna segunda questao qae o honrado defen-
sor; do projecto mo lign toda a importancia que
ella no deve merecer. E' a queslio de meio. Eu
votara de melbor mente por ama estrada, por ama
poete ou por muite escolas do qae por ara s ce-
miterio ; mas voa concedendo em amor i ordem
presumo que se solicita, ser o m a'i
escoriadlo, annonciar o
ata para oulra localidad*-,
um quasi- programm*. K
a assembla evitara soben__
por actos o interesse discreto e solea
rendas da provincia.
.Despendam-se as resalas qae
'"ao foram ellas Instituidas; m*
(.mamo possvel, para os ~'miaailij V
ce, melhoramentos rooraes miftsiiw n
riaes, que podem fazer e bao de bz*r
provincia e o futuro do paiz. Una*
por via de icgra medidas inacabadas
t) nist'.
Procnrem os municipios bastar-se ir-
d ah mula forca.
E' como pens sobre o projecto; a
consagra, nao d remedio ama mm
nos deva obrigar abrir exempto a
da provincia.
(Ctmthmmit-hm.)
_ ERRATA.
No discurso do Sr. Manoel do Reg r-'Irali n
Diario de hontem, deram-se o* segnaat em<
lypographicos.
Pag. 1*. col. r>'. lin. ilenham-em haor <
-tenhamos-; lin. 35deve le-se-/*-"- ~*
43reconstitucionalem lagar deimrm
nal; lin. 45ni em lagar do Wtttt
Na ultima linha da mesma pagina t
em logar dese a julgueen a >/..
08a, G4-,s Cafaucantb -Mao akalaatt. De.
~~------- -------^ wwwuw ciat atuui A WUOIU lattfutMl
da argmeotaoao qae a cidade da Victoria precisa amador
REVISTA DIARIA.
ASSEMBLA PROVINQAL,-H aiem,
do expediente, a assembla approoa am
meato do Sr Gaspar Drummead, pedi
macoes ao governo sobre a obra da
Uapissuma.
Na ordem do dia approvoa, >m i' diseiueaV, ?
projecto n. 19 deste anno, qae crea bcm i
em B^zerros c Panellas, orando tevor do f arr
o br. Canha e Figueiredo; em S* tlisfiii, -
n. z deste anno, marcando o subsMko e )! a>
cusa dos deputados provnciaes na talara kafcs-
lainra em 2* discussao am obsllMiva r
116 de 1867, creando villa na povnecao BHa-
Jardim, com os limites da freguesa do biiii
nome: em 1' discussao o de n. ti dse aaaa.
creando villa na povoacao do Ex ; ea 1- im
sao o do n. 3 deste anno, que tran-fere pare-a -
voacao de N. S. do O" a Sede da fregona da a>
jaca ; em 1* o de o. 26 creando nraa eaiatoa
instruccao primaria na povoarao de Caaaaaaa;
do termo de Kamb, o de n. creando ama aa-
deira para o sexo mascolino da povoacao de Sa-
nharos dp termo de Cimbres.
Entrando em 1' diaeasrao o de n. 34 deste as-
no que autorisa o governo a -aderar o caatrat
da illuminacao gaz deste capitel, deiioaevi-
tar-se por falta de numero.
A ordem do da para boje : l> diseasen *>
pr-iecics ns. 25, 40, 41, 2* os de as. 3. IS, ft
31, todos deste anno.
COMPANHIA PERNAMBICANA.Ew roa*.-
quenca de ordem superior, foi transfenaa para
dia 29 ao meio dia a sabida do vapor
an o presidio de Fernando.
ESPANCAMENTO. No dia 25 do
9 horas da noute foi espancado aa povoaejk e>
Beberibe, Romo Maximiano da Canha, por
individuo ioteiramentc deseonheeido do
o qual logrn evadirse.
FACULDADE DE DIREITO.-Nos d.a< 3 > 4 !
maio ter lugar a defeza de ths ao Sr. bacaarel
Antonio Coelho Rodrigues.
HATALHO 42 DE VOLU.XTARIOS.-Oe
caria, escr pa de Assumpro, exlrabiino a
gainte resenta dos feitos deste heroico
O 42 de voluntarios foi sempre do
do do bravo major Joaqnim Ignacio Rieero A-
Lima, at sua gloriosa morte no rombal* aV t
ror.
i Embarcou em Perna nburo a 27 de abril eV
1865 ; desembarcon na corte a 5 de mato, oi-
novamente embarcou a 21 ; rhegou a MontevaM
a 27, ludo de maio. Desembarrou rm campa, H
arroio Dayman (Estado Oriental) em i- de jaaao.
Passou o Uruguay a 26 do mesmo. Eacetoa a
marchas de Entre-Ros a 16 de jnlho atravesan-
do essa provincia e a de Corrientes, lado em 1265.
e acampou na margem esquerda do Paran ao |-
de abril de 1866.
< Tomou parte na passagem do mesr-jo a la, -
nos tiroteios desse dia e no combate do dia 17 ai<-
a posse do Itapir a 18 e occupaeo d>> Passo da
Patria a 23, ludo lie abril. Tomou partea ata-
que de 2 e 20, baialha de 24 e reconbec>aU> V
28 de maio, bombardeamenlo de li de jonh-> e
outros seguintes ; assistio aos combates de 16 l*
de julho.
Embarcou para Curuz a IJ tomando pan*
no ataque de Curupaity a 22, todo de seteeakrc,
no qual urna granada lhe espdacoa a baaieira.
Soffreu todos os bombardeiamentos de Canuii a
contar de 20 de novembro em dtaate, lauto a
1866. Tomou parte em varios mrnnarel
clusve o de 11 de junho de 18f7.
t Embarcou para Tuyuty ate
no Passo da Patria a 5 de jnlho, lado
aquella posicio a 19 do mesmo mes. Tomoa par
le muito activa no combato de 3~.de aumare 4*
1867, e bera assim no reeonhenmento eV 19 ae la-
ve reiro de 1868, e assistio a lomada de Seace a
21 de marco, marcha ido a oceupar Cnea-paU ea-
de acampou a 24 do mesmo ; aesisti a
nhecimento de 16 de julho e tomoa parle aa i
cupacao de Numavt a 25.
< Receben no dia 5 de agosto os prtetoneiras
guarnic.o da mesma fortaleza. Paaasa a penea
ao 1* corpo de exercito.a 16; rnarcaou tara 1
biquary a. 19, onde encopa a 28y
passou-o ao Io de setembro e acampou
h y a 24. do mesmo mez. Embarcou
con no Chaco a 21 de novembro.
< Fu a expedicao e occoeoa Saato
5 de dezembro, tomando parta ao
ror a 6, e batalha de Aiaay a 11. Fai _
o batalho em dezembro de 1888 aete
aehar-se muito redonda esea as aaraas
am combate.
Este corpo volta coaMaaadad pee
s do Reg Barros, disaucto odacal.
GRANDE BOUBO NA CASA DE
Os iernaes de Par dio eeau da
bo feito qoeMa podaros enea da i
c Inesperada man ana do aaaa
dos empregado da a
roebo qne imparta em _
tos. O empregado Cario
bavia mais da 20
da sua larga
Bhamaaaa

i para Te-
da afana.
inadiaveimenie de am cemiterio maia largo, mais
espacoso, roais em oondiedea hygieaieas. Anda
assim, mdispensavel o empre&timo ? Nio lem a
cmara de municipio lio papatoso os meios de le-
vantar 5:0004 ? Esta despeza nio pode ser faite
por conta do manicipie, pouco i pouco, par par-
eelas ananaes T
0 Sa. Goes Cataicanti Si lvetse oa m'
nio oa pedia a prormeia.
O 8a. GuaalA Loao:Teono eetaa dur.das, Sr
prr-jieote. Dizendo de un ni par to/j ornen
p-enatweato, pareoe-aie qnq aateriar boje, o eta-
seus col legas _
rea estatnluuirnaaiaa
ehegoo a montar
reeia, preaperer.
msica eWearde---------
< Taaaa ara aaftavaerrria
Este
da pate,
pradeMiraa
< Bis como
un eamataa m*m*o a


Mil m jiasi .. sl
JKvio d ^ernambuco -. Quinte era 28 de Abril de 1870 3MUM".1JI OttU
F
aras om ouro, ou 15:000 francos. A enco-m-
znenda (ora paga adiantada. Quando IM*TW-
taran so ja Savia feilo a comida, rospohaeu a HIr-
mavaineata~e.aue s esperava pela faelura. rso
penltimo oftbaja Tassius nio apparecea no es-
eriptario ;W1 repartilo- omie elle' estavae
deuse lofFHito desapparecimento dos 38:090
Trteos. lVaqai so origiuou o dnscobrmenlo do
tvuludu ronbo.
Tassius, rrconhecendO aue eslava descoberlo,
fopio para a casa de ojfirpo, nMi certa <|iia a
polica laria em breve ca lio fm entregar -se
as autoridades, Paree aneaenojldo do quo li-
sera.
n Pas-.indo-se-llie busca rigorosa a casa em qoe
rile habtla va, encontraron Uta 80:000 franan em
diohciro e cartas qM* provaa complicidade de
um medico prussiamto, nueparece tereatradu
eom o diuheirj desviad por Tassius em aapeco-
laeSes da bolsa sepre cuidadas da uio result.idu.
O medico fi>i preb.
ASBKXIGAS EM PARSAs bexigas conti-
nuara fazendo numerosas victimas em Paris. Esta
pideaia tem levado o terror toda a populaca >
d'aqnelh grande capital, que diarameute procura
i pfremuvu na vaeetna.
AHi toda a gente se vaccina, sem dcstineco de
cla^ses nem dedidade<. Os altos funecionario
4o e-iaao dio o cxempjo, o desde a crianca de 60
dias at o ribo de 0 annos, todjs dao o reu
braco ai vaecnador. Os ricos era casa los Drs.
Lauoix a Baratares, dous habis especialistas; os
pobres nos eslabtlocimentos de bencQcencia.
A3 03RAS DO SIR WALTEl-SCOTr.-Um c-
ditor de Londres que por muit annos foi diree
tor di casa editora de Edimburgo de Mr. Roben
C*daHt f orneceo os segrate detalhe* relativos
pubiieaci das obras de sir Walter-Scott : Ate
oatubro de 18-16, imprimirn! se, obras e vida de
sir de Waltar-Scutt-7,96T.369 volunta*. Empre-
garam-se 99,592 resmas de papel, pesando l,i45
toneladas.
A edicio popular consumi 227 831 resmas nu
2,8*8 toneladas. O peso total do oaoel foi oe 4,093
loaeUdas. ,
O numero de foltaas de papel emprognd) foi de
13^8*2:438, que estendidas sobre o slo, deve-
riam cobrir uns suparllee de3,163 milhas qua-
drada*.
BOV PEGA Um monunhez propoz-se vonder
ana taberna de Glasgow, dizia elle, a sua
chira melado. A mufArr que como tal se apresen
lava.era na verdaJe malron.i le pr.^porcfle gigan-
tescas. Om aldeo palego g istou da mercadura
qie adquiri por quatro seh'llings.
Sejrulo depois mnito ancho c>m a boa prenoi
qu> comprara, quanJo ao volt ir d'uma esquina.
a imadamn saltn sobre o comprador e Ihe deu
urna losa formidavel.
a formosa litagona, era u;n valenlao jugador
de pugilato, que, de comblnafo eom o vcudedor,
havia tramado aquella nnnadilha ao lapuii..
UMA CASA CELEBUE.Na Libert le-se o se
gointe :
Porto da Bastilla est se dem-dimio urna casa
qoe se t irnou celebre por causa do utn liro de
pi.-lolla.
t Tol nos jardn* dessa casa celebre, que Ninon
i Lelos, amsreehala de la Feri, abbade di
Ghaieauneufn e mnr dM:w ou tres pessoas janta
vam um dia de vero.
Junto delles aehava-se um mancebo enjo olliar
lincolico contr.isiaa com a alegra dos outros
son vi vas.
< Era o fi lio di celebre cortesaa. Mas o pobre
mancebo o une i soubo que Niu >u ra sua mae, e
como a vira varias vetM e Ni aun era inuiio for-
mosa, apixonou-so por ella.
Tendo ambos lieado sj, arriscou-se a fazer-
!he urna confisso inuito viva.
< Niuon, nao sabendo com havia de se ver li-
vro das instancias do mancebo, Ihe disse :
Deagracado I su sou tua mae I
Esta rovelafo fulininou o pobre moc<}, que
ai) pude pronunciar una patarra o matoa-se.
BlBUaTHEGAS EUROPEAS.-O Cosmos [>ubli
ra a segaoite eslalsiica das biblioheeas europeas
com o numero de livros que conlm :
As do Franca 6,200000
As da Italia 4,.')0.0iK)
As da Austria .'OO.OOO
Ai da Pru^sia 2 OOl.OOO
As da Ingtatern 1,800,000
As da lluvia 850,000
LEtLAOO agente Marlms etfeeiua boje, eomo
es: anonn -ia i em lugar competente, o loilao il.i
e\:ellene viet-ra, (|ue por engaa foi annuiuia-
do para huuteu.
LOTEil\.A queso aeln a venda a li"j a
beaeeio da igreja do Santo Antonio de tamb,
a qual rorra no da 4.
OMlTERIO.-Obituario do dki 27 Je abril de
187.
los Fran-iseo Gomes, Vruombuco, 32 unos ca-
sado Recite ; paralysU-
Tn-vnaz, Afioa, 50 annos, solliro, Saato Anto-
nio ; pneumona.
Hua Jnquini da Cnnceifo, frica. 30 anuo?,
BOftcjro, Santo Antonio ; Tebre lyphuide.
Adelalfe, Pernambuco, 4 metes, Santo Antonio ;
iv-.asmo.
loi*, frica, 70 annos, 70 rnno?, soiteiro, Santo
Antonio ; espasmo.
tono, frica, 70 annos, soiteiro Santo Antonio;
h.inonliagia cerebral.
Um horneo que fallecen no porlao do uarlsl de
i dicia, Blgica. :30 anuos; Santo Antouio ; ano
pifltfa.
C IMARA WIJNICIPAL
HfiSSAO EXTRAORDINARIA A03 13 DE ABRIL
DE 1870.
PRRSiDRNCI.V DO Sn. DB. BARROS BARBETO.
PteseoMs os Srs. Dr. Seve, Dr. Hoscoso. Dr.
Costa Jnior, Pesada da Silva o Gusta Morei-
;. ori ose a sjsso, e foi lida o ap;ivovada a acia
da antecedente.
;.'*'i-:0 o seguinte
EXPEDIENTE :
0;n i.P.icio do Exm. presidenta da provincia da 6
1) correte, designando os lugares em ijuea com-
panbia Recife Drainag>, devo e:-t.ibelccer as fre-
uivias le S. Frei Podro G> noalvcs do Reiife e
di Roa-Vista os edificios para as bombas de &go-
*o ^ne tem de construir a niesma companhia na-
condicoes das das Cinco Ponas; a primeira no
largo da fortaleza do Rrum, e a segunda em Santo
Amaro entre a casa do Uado Francisco Joaqm
o a primeira ponte da estrada de Olinda,Intei-
i rada.
Oatro do Io secret rio da assombla provincial
com despacho da presidencia, mandando informar
sobre o projecto da lei n. 26, relativamente a eons-
.rac-eao de um pequeo cemiteno, onde dovem
er inhumados os cadveres de uessoas que nao
tiverem sepulturas ecclesiasticasA' oommissao
il> emiUrio.
Um requerimento de Belarmno Alves do .\ro-
cha, cooi despacho da presidencia dol' dj cr-
reme, representando contra a cmara por motivo
le nao sor Hendido c:n suas patioc?.Que sa
informase a S. Exc. relativamente r| materia.
Um offlcio do advogado, remelln lo o termo da
nfracQao do consignatario do bri^ue iSJa Hspe-
-ran^a. Que o procurador trae haver anigavel-
tneute a mu ti
Oajro do proenrador informando o re luorimun-,
to do cauitao Pedro Seraeio da Silva JJfa#*.A'
cx)mmisslo do cemitarij.
Outro do mesmo inturrnando o r \|acrin>cmo de
Th)iiiaz de Cirvalho Soaes Brandao S)brinbo.
Cmeedeu so.
Oulro do mesmo, nformano> tuauto rende-a i
iraca da tarinna no semestre de r de oQ'-ubf do
auno passaJo 30 de marco ultimo."'.irada
Oulro do meamo, informan!-* a p !;.u de quei-
sa d 4da eontra ello, por O. vtcencia ."rrcira da
Gunha Ao engenheiro cordeaJ u".
Outro dd'contdur, informando a pe;io Je Li-
dio Aberano Bandeffi d Mflo o Manoel Soafes
r.nliairo, loca-tarMs da* bs. IR, ?0 o Sitia
praca da ludepuctai- ectlto>sA
<)..u-o do mmnm, iaMonnmclo o feqaorimento V
Pa ra Frrirm-.Cnie-Lou Gomes Bezerraj ps-
Cuiio Ibes inaaildidkraiiin na eseripwr da hy-
potheca iu >''armaaBlwdo-ocn-
tradafarWaidKiaaIe rtadidis dosc rauai-
i.-4>nc Jof JoaqiUai Amanes.
Manoel Goa>ealv.-s F
r. Manoel de Figiiei
Comineudador A moni-
Dr. Joo atara Seve.
Dr. Raimo Augusta
Major Salvador Ifenr
Major Briarmn^ do
S deJfc Leda Jf
Outro do mesiiKi, dizendo aae nada tem a oppr
a iirfttndo 'MlueCWnfcjo dt Cruz Muniz,
dndose previaraunte a competente cordcaq.
Mandou-se cordeat
Outro do mesmj, informando sobre o que.puf
bo requerirflenfo de Jos FroneUco, tem a wier
que nao ha inconveniente uo que pede o fljppli-
cante.Conceduse.
Outro do mesiiM), informando sobre o requer-
menta do D. Pr quernue. cumpr. Ibe dizerque na* ba mconvp. aro dh S
iiietal dando-ia ,i M^)etfc cord*cio.-Ma- Sonego Fra
douww cerdear i "e,ro*
Outro do oM>m), hMbrmine sobrtoque pode .Joao Iguaci tfede
nu requerinieoto Joi Alvos da Sihra Gnimarata,
tem a zer qne nwlM incatenteme em se ooo-
ceder o que pe pecirtt ci-rdeioao. Mwdou.se cordear.
OHre do metinii, iendii que nio ha nconve-
nenl* no qoe pede Domingos Jote forreira.Con*
tu se.
Outro da mesmo, dizendo que se pode conceder
a licenca pedida par Jos Lulz Ferreira evCesla,
urna v que o supplicanle d as ditas porta a*
dimencoiis marcadas as posturas.Concedeu-se.
- ntr do mesmo, sobre o que pede no requeri-
mento Manoel Joaquim Baplisia, tem a dior que
se'pode c.mceder a licenca.Coneednu-se.
Oulro do mesmo, dizondo que nw ha iueonjor
hienle no que pede om seu requerimento Albino
Jos daSlra unm vez que se executa as obras
com perfefeo.Concedeu-se.
Oulro do mesmo, dizendo que nada taraje op-
|wr a pretcnco Je Ruuo Maooel da Cruz Cous-
9*m.Conceden-se.
Oulro do mesmo, informando sobre o que pede
no reqaenrocnto Prancelmo Damaceno Lins,
rumpro Ihe dizer que nada tem a oppor.Conce-
den-s.
Outro do ni. smo. dizendo que nada lera a- op-
por a pretcnejio de thoiaa* SlnJi da Conceicao.
cjncedeu-se.
Outro do mesmo, dizendo que inda tem que
oppor a preteirco de Jos da Silva Noves, coas-
thflndo o supplicante as obras de qiinformldade
om as posturas em yigor.C-meedeu se.
Outro do mesmo. ufurmando sobre o que pede
em seu requerimento o Rvm. D. abado do mortei-
ro fie S. liento, ciimpre Ihe dizer que o sobrado
n. 78 da ra d'Agna verde, aeha se em tal estado
que :m reparos a fizer-sc i qua-i urna reuUflcacao
e ama vez que se execu'e as obras todas com as
dimensSes o condigdes maresdas tus posturas em
vigor pdese conceder a licenca.Concodeu-se
de conformdade emu a uforraacao.
Oalro do mesmo, dizen Jo que pela plaa da ci-
ii Je, o le reno oiu que a irmandado Jas almas do
Corpo Sanio, raquer para construir una casa de
ur andar e sotca, est marcado para urna peque-
a praea.Indeferio-se.
Outro do liscal da freguezia do Recife, remellen-
do um termo de infraccao contra Francisco Ricar-
do da OslaAo procurador.
Outro do fiscal remetiendo dous termos de infraccao contra Ma-
noel J quita Rodrigues de Souza e Antonio Fraa
cisco Das Lin*.Ao procurador.
Oulro do fiscal da Ireguezia dos ATogados, in
formando sobre o requerimento de Anna Augusta
Ja Cesta Cavalcanta, tem a icclarar que nao ha in-
conveuieutcje em .-e Ihe conceder a licenca pedi
da.Concedeu-sj.
Mandou-se romotler urna petico do Dr. Anto-
nio de Vastoncellos Menezes de Druramond.
A' commissao de cemiterlo.
Dcsparharani-suspeteos de Antonio Henri
mies Itadiigues, Avian b* da Silva, Antonio
Baplisla da'Silva, Antonio Moreira liis, Adriano
Augusto de AlmeiJa Jordao, llibur &C, barao do
Livramentn, Beiuaiilino J'S Let, coronel Co
riolano Vello>o da Silva (3), Domingos Jos Fer
reir, Dr. Ernestu Feliciano da Silva Tavares. Pe-
lis Gomes Combia, Flavio Ferreira Clao, Ifoitor
& Ssin|)iio, Isael J.>sd.t Silva Gnimares, Dr. Ig-
nacio "irmo Xavier, Je- Henrique Trindade, Jo>
Luiz Ferreira da Costa, J >>6 Frane.i-co, J.iao Go-
mes de Abreu o Mello, Joaquim da Silva llego,
loao Ghri-ostonio de Albuquerqne, Jos Goncal-
ves Beltrao, Jo- Alvos da Silva Guimaies, Joio
Carlos Bastos de Oliveira, Joo Evangelista de Su,
Jernimo Pereira Villar, conmol Jos Pedro Vel
teta da Silveira, Jo-e L&urenlino de Azevedo, Jos
Antonio Alvos de Miranda Guimaraes, Lidio Ale-
rano Bandeira de Mello, Luiz Caudillo Ferreira,
Manoel Gisino Je Moraes o outros, a mesa regedo-
ra da*.alias do. Corpo-Santo, Miiod Joaquim
Baptieta, M.iximiano Aiitu-ie* Tavares, Manoel Pus-
lana, Marcelino Francisco ile Paula, Miguel Ar-
el) tnjo Ja Cruz Muniz, Manoel SpnJola de Men-
dnnQ.i, PrkwnUa Senhoriuha Mendos de Albuqur
quo Tiioi-.iaz, do Garvalho Suares Brandao e Tho-
Dsax de Aquino Fonceca, e levantuu-se a sesso.
Eu, Augusto Genuino do Figui-rdo, ollicial
maior servinJo de secretario a cscrevi. ,
Declaro em tempo queoSr. presidente nomeou
ao Sr. Costa Moreira, para substituir o Sr. Dr.
Aquino, por nao ter comparecido as sosses na
coinmkao de polica.FiguereJo edeclarei.
Manoel d Uniros Barrito, pr-presidenie.Jos
Mana Freir Gamiro.Bmlo Jos da Costa J-
nior. -Caetano Cyriaco da Casia Moieira.r.
Prxedes Gomes de Souza Pianga.Dr. Joao Ma-
na Se ve.
aprosentar-lhe a saftiitito lista de irmioa teroajC
fraria, que pode o e devem exereer
mente os careos da junta:
Ptooedor, m. Manoel do Nascimento
Vice-presidente, Dr. Jos Bernardo
librado,
tn%seweire,CMnmend.idor Jos Pires Per
Mordomos.
de
3s?

na.
es as Miraada Leaj>
AToquerqoe.*
Barros.
Um-ifmao fnniaior.
r'C
J-iao
Jos Mari
Antonio
Francisco
I Recife,
Conde d'Ea
No tbeatro Gyuma-to Dramtico, lera Wghf ib-i
dia 24 do correte um espectculo em grande
!*, para commcuwrar o aanivariario aaUlicio |
e-S. A. o Sr. conde d'En.
lia do ser un dsslumtiranta fssK, qmil,pa-
conaes o estrangeros, nao deixaro de assisr ,
pois que, o 8r. rondo d" En. ereder de estima e
geral considernoao.
Mas resptandenta tornar-se-ha o festeje-, si i
alta aristocracia Parnambucana. aliiada aos pri-
morosos ballboeipairiuiicon, aflluirein ao thaairo
para com suas imponentes presncas abrilbauto-,
rem um'acto, que lauta deve merecer as netaas
altencoea.
Mo iremos as nac, s europeas, que somos re-
caunecilua eque jamis s apagar de nossos
cora.joes, ludo quanto o intrpido conde d'Eu,.
Tez as plagas paraguaya-, etn defesa da causa
nacional.
Corramos ao iheatro Gymnasio Jramalico, pan
com inspiradas poesias e fervor eso enihoslosnw,
saudaruuis o feliz anoiversar do serenissiino
principe, que soube com denodado valar e aeer-
lados planos berlcos osmagar a lyranaia, (axendo
br Ihar nos horisontee de Brasil a fulgurante au-
rora da gloriosa paz.
Opoft-ioto.
Reinaldo de Miranda.
Jos Malbeiro Braga.
Mi de Aranjo Guimaraes.
Marques Vieira
Avelino de Mello Galvo.
Pedro Gaudcncio Bezerra.
Chara*.
_. Jos de Luna Freir.
Antonio Rufino de Barros.
de Barrueaa *r
Vital,
de Figwiredo.
de Souza.
Santas.
dos Santos te atar.
raes.
Rosario Pmholro.
de Souza.
es da Costa.
junbo de 1880.
O vigario, Antonio Manoel tAssumpcao.
Ai.soci,>c?in brasileira de seguro* mutuog
^pbr&ida, approvada por decreto do
govorao imperial de 13 de junbo de
11304,
Gerida pelo banco rural e hypoihecario do Rio de
Janeiro. I
Essa associaco caminha as vias de pros^eri-
dade, dio sem os oniraves iawreates a empresas
novas.
Ere Jl de dezembro d 1868 tnha elTectuado
3Ssa associaeo 342 contratos.
Inscripto um capital de 8.i2:104890.
Capital realisado a convertido em apolces da
divida publica nacional de 6 OJO 2,35i:700OOO.
As. 31 de deiewbro de I80O tnha offectuado
essa a-sociaeio 7722 contratos.
Inscripto um capital de U,o37:3aOoaO.
Capital realisado e convertido em apolces da
divida publica nacional de 6 0/0 3,774:700*000.
Para mais esclarecimentos dirigirse-bao ao
"escriptorio dessa associacao, ra do Livramento
11. i O agente.
NarctaaFitMUieode Vidal.
..,
Tributo 0 merlo
Os habitamos da povoaiao de Visenala se apres-
sam em vira entilar 4 ioprensa, orgo legitimo
da opinio, 'ua expresso slncera.de eslima para
com olllra. Sr. Joaquiu da Molla e Silva, tenente
de polica e actual subdelegado d'esla [ocalidade,
pelo modo porque esse distincto cidadao tem-se
conduzido em suas fune{des publicas e como bo-
mem particular.
Estamos de tal modo affeitos a ser victimas de
autoridades violerias,verdadeiros instrumentos dos
odie o paixfles beaes, que, quando apparece o
incontestavel mcrocimeoto preencheudo essas func-
coes de conflanca, sent se a consciencia instar
pela manifesucao publica e solemne de um justo
reconhecimeoto.
Accudmdo a estess reclamos, e acompanhando
n'sto o coaceito geril desta populacho, aqui del-
xamos enlaciada o nosso voto, filho da esponta-
neidade le desperla a conducta da autondade
inoralisada e conhecedora de sens deveres.
A populacao da Vlcencia faz votos para que as
vicisitudes polticas nao possam nunca influir so-
bre os destines d'esla localidade de modo que seja
ella privada de nma auloridade clieii de zelo e de
espirito de justica e de bumanidade.
19 de abril de 1870.
Hubilantes da Vtcencia.
das cahio, Ifj barris ilcairo,
180 garrafoos vasios, 13 eaixas eanella, 1 dita
obras de vime ; a Domingo* AI ves Satheu*.
T3 ditas ferragens, mindezas, vidros-e marro-
qmns ; Prente Vianna & C.
28 ditas.e 2 fardos briqs, roiudezas e torragen*;
a Otto Bohres.
180 fardos papel para embrnlhp ; 11
do e phospbjjjbTW TheiatMI Just
1 dita mudezas ;aJ [.opasMac
3 ditas papal ; a Armiuo 4 C.
24 ditas machina para colar, br
lezas e espotetos a Antonio Lope.-
2 ditas OBMMDS pa photofra
bel&C .
6 ditas chapos ; a Cbnstiani Irmio?.
1 dita um fcerra de (erro; a Keller & G.
150 dias sparmacoui, a Carvalho, Zeuha k C.
^M! ditas dito, Gafaos papel, 28 bsxrls alitre ; a
J. M. Pal me ira.
ogarralfs, 70 frasqoeiraa e BO c:,ix.is gene-
ba'a.Panaeca & Santos.
Ira ditas dita ; a Soares Primos.
lELEBlUWHiA 4>E h^NBAS INTfiflNAS t-
RAES DE PERNAMBCO.
dem do dia 27....... WffStt
2;863861
ada, UOQ libras ate eMa MIM ftJaW
ras de Unta branca da ateo*. mm tBaaa
e gTossnra em quera,
ergajrss de^MMara
ompafcenlo .1f||6 fg
as 4a ameiro, 6 vergB
raphia;
os,-aate-
igoae.
a A. lien
ansias
uas.
de grossnra em qoadre,
ver
con
das 1
tros da esraieree,
groaaam no mete 6
Sala das essea do
18 da abril de 1870.
i
.\leaaadre I
Santa Casa de JOnrimplii
do Recife.
.Ho eir- vala.
A Iilma. junta administrativa 4a aata lasa ate
Misericordia V Recife, no intaresse
circulo das pessous que coacorroai i 1
do fornecimenle de medicamentos i kaatea ato 1
pital Pedro II, n:\r.da fazer pubiteo aja *
neeiment sobe quantia de j.Onojbo
CONSULADO PRVJNCAL
dem do dia 27
70:538*741
3:177*690
79:713*431
Ofro puro medicinal de fi-
jado de bacalhao de Lan-
Kemp.
man &
Anda mesmo quando a febre bectica tenha mar-
ca Jo tua* faces, nao digas, 4 j muito tarde de
mais, porque sempre haver lempo de se aUlhar o
mal. Em quanto honver no systemo vital urna so
sombra de vigor recuperativo, animai acom o
oleo puro medicinal de flgade de bacalbo deLan-
man A kemp, porque esta pode reviver a energa
vital do systema Se exiem ulceras, nada tao
balsmico como elle ; so ba irrlUcao nada lio
suavisante, se ha debilidad, nada tao vigurisador ;
se ha e*tenoacae, nada tao restaurador. Porm,
mistar obler-se o artigo verdadeiro. Os leos
ordinarios de flgado de bacalhao, sao sempre im-
puros, e as rezes nelle nao se encontra umas
gota do artigo legitimo. Nao os ernpregueis ja-
mis. Reparai bsm, se o nome desta firma res-
peitavel, a qual por si so urna garanta da pure-
za-e legitimidade do genero, aeba se no letreiro e
sobre a capa do oleo de ligado de bacalhao que
por ventura tenhas de comtrar. Em tal caso po-
dis ficar defeancado, de quo a preparaco a
meliior, que o talento e sciencia podem pro uzir.
Aeha-sa a venda em todas as principaes lojas de
drogas e boticas do universo.
Attencao

/Mbaaaaridon
teaMa^Souee-
1 sebr que podo
5 Bastas de Olivei-
ufrof*
rcfiaatoaonto
tau-s*. '"
ir *o neaa*,
no roqiorlmoaa ate
.1 Mawtou*a*on
Oalro do oaesaaa toi
ro roquerimiolo de Isael
un a Ji.iaa ^iaaaaiaiaauBaaaleiitaTb*<>ap
cssaio psds ftwparla a*.
Ooarodo raa>set'i*iinli joaiwas <*->
por a nrlitoafiio de Manoel Spmola de.HaMP|a
^oio.
Dandj-se-hoa ci___
Outro do metma, iiitenaaaateto na-watto^a,
Jos Fenrisue Teaadada. eatta^oa dteor quaaada
un a oppor.Concedea 3?.
PUBLICACOES A PEDIDO.
Eperando-se do sul os bravos voluntarios do
1." corpo desta provincia, que Untos louros con-
quistaran! na campanba do Paraguay para o paiz
e especialmente para a provincia do Pernambuco,
b commandauc o major do corpo patritico de
lanceiros, eomvdam e rogam a todos os Srs. com-
mandantes de cornos patriticos comparecerem
coi seus batalboes no dads chegadadus mesmos
efim de oncorporados marcharem comtodo o en-
thus asmo para una exptendida recepeo. Roga s
mais clatses da soceJaJe, que para makr realce
darera a esta demonslrac de aprcu e gratula,
que l'echem seus eslaiielecimentos pedindo ao Exm.
Sr presidente da provincia para mindar feichar
as repai tico- s publicas para que esta festejo se
torne completamente pomposo; aprove'.ando a
uecasiao avisa a todos js lanceiros que so prepa-
rara ao primeiro signal do vapor Itupicur a com-
paiejercm no lugar da tcuuiao j sabido.
dos devotos qae ho d- festejar o Mez Ma-
ri;, no neste convenio de Santo Antonio do
Recife, no anuo de I87.
Juiz por eleicao.
O lluu. Sr. Francisco Jos da Silva Guimaraes.
Joiza por eleicao.
A Exma. Sra. D. Raimuada, esposa do I'-!m. Sr.
Francisco hapt-u de Almeida.
Juizes protectores.
Os Illms. Srs. :
Jos Pinto de Magaibaes.
J ise Rufino Ciimaco da Silva.
Dr. Manuei de Figueirea caria.
riburci > Valeriano Baplsta.
Manoel Qoncatves Ferreira da Silva.
Manoel Antonio de Jess.
Jai zas protectora*.
As fiamas. Sras.:
D. Mari, esposa do illm. Sr. Adriano Xavier Po
reir de- Brito.
Tendo desistido da acejr de naldad-^ do
testamento de minha rma Leonarda Mara
de Jesns, por me acbar convencida de qiie
ii5 ha vaniagem em se sustentar questoes
de ordinario roiposas e prejddiciaes- qaem
as prope, declaro pelo presente annuacio,
que flea de nennurn eleito aprocara(;5o que
para tul mter passei aoSr. Dr. Alfonso de
Albuquerqne Mello, a quem nesta dacta me
dirijo por escripia cassmdo a referidapro-
curaci>, que neafrtim valor poder terdesta
dada em diante; declarande mais, que esta
nudo e ficara d n'enhnm effeito, em vista
desta nvnlia resolngo.-uar pap de trato,
jqne passei ao Sr.coronet Andr Dias d'Arau-
0 para supprir os dinheiros necessarios na
susienta^rM dessa qacstSo, qoes apparece-
ria por cooselhos e suggeslb.'S desse Sr. e
do Sr. Dr. Arroda Falco.se me nao resol-
vesse abandona-la,como conscieociosamente
o fago-
Engenho Seva.21 de abril de 1870.
Assign> a rogo de tainha m5i Antonia
Maria de /esas Honorato Afves de Jess.
Como testemunhasJoaquim Antonio da
Silai AbitoDomtio Altes de Jess.
ELEgAO
Dos devotos que tem de fes-
tejar o glorioso Santo An-
tonio, na m Sntornoanno de 1869 a
1*70.
Juiz per eleicao.
O film. Sr. Francisco Lu dos Santos.
Jatea- por eteioio.
A Exma. Sra. D.~ Maria Joacjoina da Conceieao
Patricia.
Jai parpetoo.
O Illm. Sr. Manuel Francisco Marqoes.
Juza aervwttia.
A Ema Sra. D. tendida FTaocisea Marques dos
Santos.
Eneri vio por eleicao.
O Illm. Sr. Joaonim Xavier Vtaira Ligo.
Escrivaa por etetaao.
A Exma. Sra. Bt Joanua Mara 0> Siqwira An-
tUBO
Eserlvao por dvocio.
O Illm. Sr. Joao da Silva Lopes.
ficrivaa por devoeo.
A Exma. Sra. D. Helena Perpetua dos Santos Ma-
citado.
Ttwsoureiro.
O Ulna. Sr. Olvmpio SekMiao de HdRanda Cha-
cn. ^
Pfawaraaflr- aorat.
D. i'.itay viuva iJo'IUm. Sr. capitao Flix Francisco iMe farrea Ha.
de-Sw Msaalnaes.
D: Maria, espisa do' lita.
Lima.
"D. Itarmenegilda,' espesa do
Alberto de Souza -Afiliar.-
.Espesa/1-j illm. Sr. Jobo JosouiraiAUrea.
Sr. Jos oaqui d*
IUm. St.' Aatoaie
t). Mam, posa do Hlr. Sr. capitao ioao Caetano anooi Jiw-staM
de Abreu.
Tf. JoaqnaBB,' espasa-do IHm. Sr. Miguel Luca do
. Albuiiuarqttj Mello.
Enearregado do Haz Mariano.
O r.vzn. Fr. Joio Baptieta da Espirita Santa.
Santa Oto de Misrieordia
do Kedfe.
Ap8i~oxiflu-8e o dia 1 do malo, em wm deve
mt nomeado o pessoai da jnata administrativa da
flauta Casa de Mt: *rio>rdia do* fteeife, e chama-
dnos- a atieneo do I; Eaa.'>Sr.-'prrsMenta da pro-
itadoi* para-iiuo am tt daat-vea nfto seja knrladRa
^Bltrwvados estatutos; qn manda renovar de
Uros- em tres annos o- pevsmnV o-quo sido prenso
daseai ton ">i'tomaravo prujuizo *s esu-
aaLro-*imara)dB *eleaaantos'iiu>, umda -por mordomos o moa-
saa^rt-lisraiianTiaaiiaai aniohiimn lur nlr oHn-oa aM :.inos, ponaos
melhommonDs- tan a]>lta>) ata da auoixJaran- Jwiioata^ra*ra*iMKD
dd-se o numero dos iftnajs a crea de- aUpa aa afcamt a'4a'Saim Costa
__iaae*ieinveiA joiaaaa.?iptasia-
os cargos da jnnta.t iproiaodotsoa-'
um Ivot saar/oaaam nwia awlatpaaaptriiA
dedaaastaJKilacimanaas.
Creodo auo o ara 8r. proseota da pnmaaaa
de?e;a aceKar na escpjfta do novo pessoal, viraos
PRAGA DO RECIFE 27 DE ABRIL
DK 1870.
AS 3 1/2 HOBAS DA TARDE
Assuear bruta americano 2*630 e HUSO rs
por 15 kil.
Algodao I1 sirte857 rs. por kil. (bontem).
Alpoao -em inspeocSo850 rs. por kil. (nontaro).
Algcaao da Parahyba sorte 892 rs. por kil.
1 posto a burdo a frete do 1|2 d. e 5 0(0
dem dem idem 903 rs. por kil. posto a bordo,
fete do 3|8 e 5 0|0
dem idera surte837 r*. par kil. posto a bordo
a frete de 3(8 e 5 0|0
Cambio obre Londres 90 d/v 23 1|2 d. por
i 000,
Cambio sobro Paris90 d|v. 405 rs. por franco
De<"*M9 letrasK> Ofr a tamo ffwje).
'jon^aito Jos Alfonso,
Presidente
Mesquita Jnior,
Secretario.
ENGLI8 BANK
Of Rio de Janeiro Limited
Descoata lettras da pra^a taxa a con
encionar.
Recebe dinheiro em eoeta corrente hia
l raso fixo.
Saca vista oa a praso sobre as cidade*
principaes da Europa, tem correspondentet
i la Babia, Boenos-Ayres, Montevideo, New
i New-Orleas, e emitte cartas de crdito
par* os mesmos logares.
UUA DO COrdMERCIO N. 36-
ALFANDEGA.
dandimente do dia 2 a 26. 673:618<5I2
dem do dia 27 ...... 58:378*866

:
O la Sr. Aaaamaa Josaaao laarausa.
Jalsat por svasao.
O* litam Sr*. :
Late Aatanta ata Ca ba Lagos
intaaaaiapaa Brafav
'tao bmrmq* Pereira a Coala.
Kranelsoo MjhooI ua Silva.
r,nrz Anorto'* Sitaa'Parstra.
pFraaatawliiba*ioOjais.
Jaiaes
Os Uta, ave
has
O Kat. paaWMI atavaa VaMaa,
Antea* Joaa*m*aatlai
Antonia PraartaMa-M4Mat.
Jos* Antonia* loaaM.
._____ ^aa*a*prc*aetota8.
As Bxwa^Saaj :
D. Virginia, esposa do Exm. Sr. ebefe da
Hermena>a AMoSitalBta Moas rMMI
tita. Sr. Maaooi taoe dw
D. Passoura, aspos*
I' Santos.
D.Sn*oriaaai.es;nsaiaallkn. Sf. MeaMlgMal JM
Sanlos.
D. Mariv eapaa-dw Mm. Sr.
dav/aaai
O. G^rtroMaa, iraaiitdo Rtm. ir, feaPr *n>** 12-Wtas f*apora e Wgn a CMm
vMo itarmaaef,ti4o Aaasrto MVm*&W' ***
maMa r-
p agola, tam^mMk,Mmtm mm
Os Illms. Srs.
Henrique Francisco da Rocha,
toftttgtjeluos sams lurtor,
Joio Dent Monteiro da Franca.
Hoaaglo htaar atuiltarfc
Os Illra?. Srs.
yajji -i aa
COMMERCIO.
MOVIMENTO DO PORTO.
Navios endadns no da 27
Hamburgo ll diss, patacho norte ailemao Cato
de 133 toneladas, capa M. Peebl, equipageiu
7, carga diferntes gneros ; a A. L. de O. Aze-
vedo & f.
Valenria37 dias, patacho bespanbol ThemoUo
II, do til toneladas, capillo Ezaquei I'age.-,
equipagem 10, carga viuhu ; a Keller A C
Buenos-Ayres28 dias, bngue francea- Petit Ca-
poral, de l8'J toneladas, capitao Valia II, equi-
pgem 7, em lastro ; a ordam.
Gla-gow-38 dias, hipar inglez Linn Fem. de
167 toneladas, capitao J. Sclkcrk, iquipagem 9,
I carga polvura e outros gneros; a Scrap>on
Brothers & C.
Navio sonido no mesmo dia.
Rio de Janeiro e Bahiil Vapor brasilpir Cra-
zeiro do Sul, commandante Alcoforado.
ideo-
DECLARACOES.
731:997*378
MOVMENTO DA ALFANDEGA
'olumes entrados comfazendas
dem idem eom gneros
folutes sabidos com faaendaa
(dem jem com genero
15
841
m
96
Uf
------ 55
DesearregamhejeS da abril
Galera inglesatfmaioarmercaderas.
Barca opieza Zadaror-idem
Escuea austracaSrafarinna de trigo.
Encuna norte-aitamao-Ezafarinha de trigo.
Brigua nglexJudit-roereadorias.
Brigue portngust BeUa Figmirenudem.
Patacho portugusSeaasidem.
Brigue inglezNma aacalao.
Vapor inglezrafermercadoria.
aparta?*.
< Barcm austraca Sm* Pamiolia, vinda dt
Marseiha, consignada a Titt frm, manifn-
Um:
1 71 pipas, 30 meta e lUoMwrrls vial braneo e
ntf, O toneladas sal, 160 eaixas azeHe de olivei-
ra, 3i4 ditas massas, 2 jarras fructas ; aos con-
Signatorios.
40 caitas maesas ; a J. Jas* Goaeaires Bel
nio.
18 ditas afta nera ; a H. LeidM.
1 ditas chombo, 1 itarataa, 1 dita a i bar-
ril azoile de Oliveira ; a Cn. Gassier.
2 eaixas phosptairvj Saapignet
- i fama papal; a B-itava*d* Cmsha Medrim.
-Piziaja ntflf Dawttwia- Am, eaaata
itikj r:-. l-ok simmdo DdnHfOi /Uear MWAms,
mn//fea :
i 79 eaixas pragos; narmonloos o gaastira, 120
Mttas sOeatiwieiil ; a arMamv
* 9XUaH3f-a>s ; a WlUtalsauaA 6
u 6i daaaataai; a AOaars.
!: aonatawsaarmaoaar-, a Oaaha ItaaJtos A C.
- 5 dita ditia ; a Roaan-Silva ai C,
200 oitas dito, 3 ditas calcado ; a S Leitao ir
rMM
Faculdade de direito
do Recife.
Do ordem do Exm. Sr. conselheiro director in-
terine faco publico que nos dir.s 3 c i do vindouro
ter lugar adefesa de theses do hachare! Antonio
Coelho Rodrigues, comecando o acto as iO horas
da manhaa ; e que no da 30 do com ule, as 8
horas da manhaa, dever o mesmo bachajel com
parecer nesta secretaria para tirar o ponto da dis-
sertacao.
Secretara da facnldade de direito do Recife 27
de abril de 1870.
0 secretario,
Jos H)n>rio B. >le Menezes^_____
Pela secretaria da cmara municipal desta
cidade se faz publico que continuam em praea
nos dias 28 do corrente, Io o -2 de maio futuro,
para serein arrematadas por quem menor preco
offerecer, nao ( i ohra do concert da ponta do
Maduro, orca-Ja em .'i!7O0O. como a do pedestal
na frente das catacumbas ltimamente feitas no
cemitero publico, oreada em 212000.
Secretaria da cmara do Recife, 17 de abril de
1870.
No impedimento do secretario, o ofRcial-maior,
Augusto Genuino de Figueiredo.
Pe'a secretaria da cmara municipal se faz
publico qoe a mesma cmara principia a 2* sjj-
san < rdinaria de-te anno no di i 27 do corrente e,
continuar nos segnintos.
No impedimento do secretario, o fffleial-maior,
Augusto Genuino de Figueiredo.
\ SANTA GASA da misericordia do
RECIFE.
A Illm.a. junta administrativa da Santa Casa de
Misericordia do Recife manda fazer publico que
na sala de suas sessSes, no da 28 de abril, pelas
i horas da tarde, tem de ser arrematadas a quem
mais vantagens offeroear, pelo tempo de um a tres
annos, as rendas dos predios em seguida declara-
dos :
ESTABELECIMEMTO DE CARIBADE.
Rui do Padre Floriano.
dem idem n, 65.......7J000
Ponte Velha.
Casa terrea n, 31....... 5i000
PATRIMONIO DOS ORPHAOS.
Ra do Vigario.
Primeiro andar do sobrado n. 27 2i0000
Ra do Rangel.
Casa terrea n. 38.-......!6O*000
Roa do Pilar.
Casa ierre o. 102......20bf)00
Casa terrea n 110.....e WljlOOO
Os preteudentes deverao aprsenla r no acto da
arrematacao das suas llancas ou comparecerem
acompanhados dos respectivos fiadores.
Serrataria da Santa Casa da Misericordia do Re-
cife, 20 de abril de 1870.
O escrivao,
Pedro Rodrigues de Scuza,
Consulado le Portugal em *er-
na* eo.
Por esto consulado se Un publico om cur.i-
primento da lei, qne havendo-fallcido nesta cida-
de o subdito portnguez Manoel Borgcs do Freita",
sao peki presente convidados todos os credores do
i dito fallecido, a apresentarem suas contas dwr;-
do prazo de oito dias, a contar da datv de hoje.
para depois de verificadas serem pagas.
Consulado de Portugal era Pernambuco lo *}
abril de 170.
P.n- ordem do Sr. cnsul,
Arlhur Anreliano Fetveim ffraya.
Chancellcr interino.
Pela subdelegada do policia da fregmza V
S. Jos do Recife so faz pu tico que se acha em
deposito um cavallo com cangalba, o |ual foi en-
con.rada vagando sem dono pelas ras eesla fie
gueza ; assim como um carneiro ; pprehendik,
por suspeita de ser fortado, a um individuo que o
c-iii-iuzia, ao dia 18 do corrento, o qoe nio ab-
tante haver esta suudelegacia onnunciado, ala-
guen ainda o reclaraou : quera sj julgar com di-
rei,prov6Bd) Ibes ser entregue.
O subdelegado,
Antonio Mireira de Medonga.
Couse-lho de cobijh as nava^
' O conseiho no dia 28 do corrate ni'Z, vista de \
pr posta) receidas at as II horas da maauSa e
eob as condltoes do estylo, contraa 03 serrift de
barbeiro i enfermara de marii.ha no triualr
corrente, e o forneciraento no niesrao trimestre de
'velas steannas de 8 om libra para completa do
de vi .< res, dicas e outros objectos de consumo
aos navios da armada e estabelecmento de ma-
rlnha ; is velas proprlas para lantercas, assim co-
me proraove a Compra dos objoctos do material da
armada seguintes : almotolias de felha para azei-
te, 4 arrobal a agua r.iz, 12 bandeiras nadouaes
do 2 patinos", 8 baadairas nacionaes de i panno^,
12 bandeiras nacorwei de 3 pannos, 10 barra-de
junoo; aHaabird atetllar A G
harmnicos e marrOqntae ; a
igeafto.a
3 eaixas
Laal.
1 lEditaa papsi taavals'! a C. A. Oatrada
Motta.
. 33 ditas ditos e machaaa para eeatwra ; a A.
f9 Caraotro Vtaanai
a
alar.
01 ditas spermacetti; a Roeha Lima o Gira*
t.r
y IPMki fi>jn|)noi^>ll ajilm Jos Goncalves BvNra>;
JSTMizaipaaafavaf tmm aJtartOarw, 10
iparraaa*-. rl
lfaiaMai>Mafc^rmrvaaVfomi,-^rw de ba^ 8 aiTda>de'ialnBr,' iriiiir>9 bb dIP*
ftpqaioquilharias ;
d6 2?aaHif!
nlar.
a Estevo da OwtoTMe*-
, a F A: MeiRdic Jd-
8 itaaauaapwidasata aaVUi Nr laiho e da aleairSo, WO brochas sorlidas 8 Larris de b/iu.
99 barris de gat 200 caetas, 20 cadernaes bb
Van -rfo 4 a 12 polrrgadae, 500 caibros ca qualidado de
40a 45 palmus de comprimento, fi clearoJas de
Ierro esianffsdb," 12 carrinhos de 'rao, lODarauei-
Ms de cal branca, lid brabas do corretro do rerra
d 1|2 poiegada reforgada, 2 pecas de encerado,
*} sffnW M eatop de atgodar*; 10 (lmalas de
tfvio,- fehaaurs do ferro do broea para por
W, arfMMfcs do n Alel cnearn*, 900 mvados de' WeR ztH, 100 ani> tana para t o
covaditaue'IBefi venta, folds ihgfttw !n eaM (Whaa da ladta,"
din 8 p#ao wmprlTscnto o 0 *; bugo-, 4 jsfra* aVuelaaa, Hm.
:.a. B+BmM'** r^do *> l? i* b*tmt
mente, e que i- pago com dinheiro. a
Recebe por tanto prona as pera feroer.'fl
dos mezea de maio < junbo viat-nr.
Absimho, killogrammo.
Acafrao, grau'ir. "
Acido actico, kiogratgaio.
Acido ctrico cbrystaliaaoa, idem.
Dito marmita, idem.
Dito ntrico puro. idem.
Dito oxlico, idem *
Dito sulphnrico, idem.
nito tartrico, ide-m.
Dito bensoico, iiem.
Dito phenico, grainreo.
Ac preparado, idem.
Acomlo, killogranuat.
gua de colonia, duzia.
Dita dt flor de iaranja.
Dita de rosa', idm.
Dita de Sdelitz, garrafa.
Dita de Seltz, idem.
Dila de Vicby, idem.
Dita Ingleza, idem.
Dita raz, litro.
Alcatro, idem.
Alcool da 36 graos, idem.
Alecrim, killogranii/.o.
Alfazenia flor, idem.
Algalias ingleza* de goman Un*.-, taa.
tlmenga, gramma.
Aloes, Kiliogrammo.
Alvaiade de abombo, idem.
Amexas passadas, idem.
Amoniaco liquido idem.
Angelina em p. idem.
Aniz em p, dem.
Arsnico, ide.-a.
Assafetida, idem.
Assuear er.ndi, idem.
dem de leita em p, idem.
Avenca, idem.
Azougue. idiin.
Bi-pas dezimbro, idem.
Balsamo 3 copabyaa, idem.
Dito de Tolu, grammo.
Dito Peruviano, dem.
oito tranquillo, kil ngrammo-
Banha de porco, Idem.
Bardana, idem.
Beijoim, idem.
Rella-dooa, idem.
Rirarnonalo de soda, dem.
Borracha de minina elstica, diu.-
Boides de ro-a*. killogrammo.
Barbante lino, dem.
Dito grosso, idem.
Breu, idem.
Balsamo fioravanle, killoexsmm
Bromureto de p tassa, graaiou.
Bncbadina, dem.
Cabacinhas, dada.
Cahecas de paponlas, kiaVignai
Caixas para pillas francesas, grc..
Cal vr^em, kill grammo.
Calomelanos inglezes, gramma.
Camphora, killogrammo.
Casca de raiz de cynogt so, i-iec
Dita de eanella, idem.
Clstico liilis, luiws, vidro.
Cantbaridas em p, graneara.
Capsulas Je copahib, caixas.
Carbonatado magnesia, kilogrimc .
Dito de polassa, idem.
Caraba, idem.
Centaurea menor, idem.
Cera branca om grummo, ttkm
Dito amarella, idem.
Cerada, idem.
Cevadinha, dem.
Chloraio de potassa, idea).
Cl iroformio de cwnftanca, gramma
Cochlearia, kil grammo.
Codeina, raroma.
C da de Flandrw, killograwao.
Cmfeito de Intacto de ferro, duzia
Crmor trtaro em p, kitagraam
linlichas em p inglez, dem.
Cyamuretode potassa, graaaas.
Digeialis, killogrammo.
Dulcamara, idem.
Emplastro de aqoilio catea di do, ja. --
Dito gommado, killogrammo.
Dito commum, idem.
Ergntina pura, grammo.
Esptulas de ac, nma.
Spermacete em rama, ktafraav.'
E-ponjaa finas fraareaas, iiiaam;
Essencia de' aniz, idem.
Dita do eanella, alna.
Dita de cidra, idem.
Dita de flor d Iaranja, dem.
Dita de hor'.elli pirsala, idem
Dila de rosa?, idem.
Dita de amen-loas a aargaa, dan
Dila de bergamota, idem.
Dita de tererviitbin, garrala.
Dita de salsa parriiba, vidra.
E Estoroq e, kiUnfraaaaaa.
Estramonio, i-Jem.
Ktlier cloridi-o, gramao.
Dte sultUncii. idem.
Dita ntrico, idem.
Extracto de admita, idem.
Dito de slcacut, dem.
Dito d; belladona, ideal.
Dito de eamoniWa, ateas.
Dito de cicuta, idem.
Dito de doce amarga, idem.
Dito de favas de calaaar, idem
P*t 1 do fumaria, dem.
Dito de genciana, idem.
Dito do gramma, iaaa.
Kxiraelo do ipepacoaoha,
Dito de jnrubebn, ideov
Dita de eabaca, iaaa.
Dito de nos vmica, idera
Dita de nogueira, atea.
Oito de opra gomm
Sito de roMgula, kam
ito do quina, idem.
Dito de remana, id
Dito do se illa, ateai.
Dito de saMa-parrM
Dito de saponaria, idera
Dito do seaoo, ideas.
Dito de trdacie, i
LDita do vatariaia!
Dita de mwmawo
Fatula do balati,
Fezes de oora, idem.
Fgado de enxore, Maaa.
Fioravaate (1
Flor de ail, Me
Dita de ennofra, \i
la de arataa, bataa.
Diu de marris C_.
Dita de" satanrtra,
Dila ate MKa, 1'leo.
Dila de vteteta i._
I'olhas 4o eapeHaria,
Ditas seasas de taaaaa, Mkra.
JPumarla, tdam.
ruadas dimitas a i
Mas upfa, ama.


Ama> #rroial mMm-, 10arroba* *> rtetm
arrobas de lipha de barca, 8 arreo
Stecej II pMra de aYcaflibr
ameite 6 a 8 polegadas de rmsar.v. I
de plvora fina; 100 pratoe traressos de folha, 8
aa.


!Kn^^i,iaera, dem.
*mo Tfiaiiprio, vidro.
fcor &Muc><&m p, kiiligrarniuo.
*ft* int?ra,4iu.-
* Htena gallega, tfem.
JUs a calcinada, idem. -
"'**u*Iesia 4e Henry, vidro.
_ Mu* commum, kttograiniiii.
* 'lo em lagrima, idem.
eteiga de caco, dem.
*ia*sa cau-tica. dem.
"W 6c xliellias, garrafa.
'llereiM'ie 4oce, Kiloframmo.
aMrwi), tdm.
JansUnla, idem
Musgo islndico, idem.
> Sarai de praia em lapi-, gramola.
^M idem clirislalisado, idem.
' are iuro, kylogrammo.
iea uscada, Mt>?omica em p, gramma.
^Mea tfalfjema, kilugt asomo.
14m (famendoas, idem.
ider puro, idem.
Mua de batiptii, idem.
** teta do cravo, gramma.
*"*>.* de flgndo do bacaltie. -idro.
"itm idem crruiiimisu, idoni.
Mam de lirtfia ja, kil grammo.
-Idean de ricino, Mein.
lien vermfugo, vidn.
dlMamo, Vilogramnio.
O^H'liiiila-fiJ'ammi. -r
OaaaVo (M ain.v, Mugrantu
t'asel anillara oPibruRio,
letr.na-Jiranc, idem.
- Ifenfara flltro, Mlogrammu.
^aeeetarta. idem.
PxsJias de BeHoeb, ciixa.
dem de Int'paenatiha. gramma,
dem de Kemp, vidro.
Iie de kermes mineral, gramnw.
lie de Na le, caixa.
#>dr divina, kilogrammo.
l!t<;i unie, idem.
Penetras de cabello urna,
idetai de seda, una.
JrVssaries, duiia.
VwOilrclo de forro, kilogrammo.
PtTolas do Ellli r, vidro.
Ni de borgonba, kilogrammo.
Hiospmao de ferro Lera, tidro.
l'iwsjih tr. am ei iudroK, gramma.
Vtiuias do Missons, cala.
iJ-'.'i do c.rbunato do ferro e magnesia, vidro.
i!-, m .lo il.illnw.iy, caixa.
ftdpa de ttharind'*, kilografoma.
P.xnada rnorciiriai, idem.
P.'SUs de veado caleinidas, idem.
Ms P.rtasia eaiwiea, giaarna.
Pjle> de I a 8 uncas do bai r >, du .
dlrce^tiad-i rubro do nereuti ci a noa.
JViitii iodureiu do mercarlo, idea
jfett&ta, kilogrammo.
Quina em casca, idem.
idem ni |m. gramma.
. Ilaiidc Aleacuz, kil >graiu:n--.
Lttu de cenica, Jero.
few do afiela. Idem.
<*i le espanto, lAen.
4-tu do genciana i I a.
-l*e Jo Hatana, idem.
-l*
Ktv-a de analco, Mi mi.
Han da batata, gemina.
dioJius r:i^a Bosugn za, ceio>.
l'.-Mi.i.lio e o |H>. gra.ii.iia.
aao braiico amydllno, kilrgramtiv.
Idem do alcatra.i, duzi::.
Idera para np-iJoldoek, kilograwu,
imarfa, dem.
Tiafea brlense, idem.
iima parniha, idem.
Saearcto do idaj de bccallia, caixa.
S>
Rae, id .
Seipenl iri i li*m.
Sitorao d penuaganato do pc!:.> a, vidro.
4dem do pro 11 iure.i d> ferro, klRagrammo.
ai i insiiiuili, pramroa.
.i i -. >;>i as, ganafa.
; i de so I:, !>! gnaicuc-.
-a de i| :ini:i!( gramma.
Ilem d- magnesia, kilogramioD.
Id ut Uo. ferro puro, i lem.
-i ucolr i de atr pina, i lem.
iaspen:orios cen lao.-. duzia.
Fansagem, kilogranimo.
i ifJl i 'arloira.
Vamtf, um.
Taw K1, gramma.
aro emtico, blograinmo.
fariaral.) de potas&a o .-. Ja, Idem.
Terrftentna, Se Veaeza, kil gi linfl
acato do ll.-ll ivav. pote.
v'iiiis para Qfodeifoc, um.
Ucm ordinario do 1/2 a ti on?a', dua;<.
ib i.l m coa rclha.- de i/1 a '> 0, o idem.
X irop- de Bourgois, vid t.
Jdem de codeina Jo Bcrth, i''""1.
Idem h'droplwMbilo d i soda, i lem
!'-oi pliilau Irito, idem.
tdfii an icubuWn* p->ta!, i'l .
d I 13 do f idem de o nz: ideitk
Uom do Lam.irottt, den.
'. im do Na, i lem.
4e:u p'iral injrtM, htem.
td'-m d i quina frauooza, idoa'.
Os coacorrcntt dewio .o, iiiar suas pro-
.Hias om cari.'.s Coeludag, ;- ima-s tero a drdem
slhcleMa ntwta aunun^i.., polas 'A horas da
tarde'do dia 28 der correlo i i *ala das e^oes da
Ha.
Ser.relaria da Sanfa Casa de Misericordia do
*ectfe, 12 do abril do 1870.
O escrivSo,
Pedio Jtodnuues de Sonsa.
1::
-
AwMfcde cjutapato M'%-, _
Albo j*s le*. +*.2
Bacalho kilogrammo.
'Batatas Idem,
Cha varete dem.
Dite preto dem.
Dito hyssonaem.
Ceblas centu.
Carne sece* kil fRtmm.i.
Farinhade mamliica litro.
Fumo do Rio kilngrammo.
FejSo inulotluho litro.
Prelo sacco.
Manteiga fnitiMra kilogrammo.
Miliu saco
Peixe fresco kil.
Poiassa idem.
SabSo idon*. *
Sal litro.
Velas de carnauba kilogrammo.
Ditas stearinas idem.
Vioagre litro.
Vtaho tinto idem. v
Dito braue.i idoM.
Toucinho kilogiainma.
Os concorrentrs apresentaraq suas propostas em
carias fechadas, as quaes deverao ter a ordem es-
taielecid*' no prsenle annuncio.
Socretana da Sama Casa de Misericordia do Re
cie ii de abril i!e 1870. O *eseriYSo,
Pedro Rodrigues de Souza..
do o aun!verurili mata
'Braait tanto 4aae,
Os Wtoete BcoajH'60 na esta^-aodo Raotf i
no theatru.
festividades que M&4V-
s em ^tror,I o.Mpta|||iai^raij|fto ^ de*|>aclio *
ranasio drana- irijpj. Sr. Dr.jaMi da orb>i, do* u^veii #eft-
^ desaperceb-1 jectw de o'ro e prata aeiita. ito arttazeo 'a
c,Pea Ia iBfJinhr n &mJ s jjjyia^c'nw
MM

:y urna? itj
o.- '^?
>- ..geiiic jiartins fara leilo de
lewaforia eoai niilo'pnilfftii*
am eaom eavallo?.
Parftfiyta, Nstai, Mm*r>, Mossor, Ara-
lCty,Cei-r, mtiM, Asrace
(rajija.
*^\V O vapor ipt/uca, comman'dailu
Xa4 Muura, seguir para os -porto;
I mtmkm cima no da 30do crreme.as fliora*
i3 tarde. Recebe rasga, at o dia 39, encom-
mendM, e passageiroa dinbeiro a frete at at
i horas da larde do da al* anida oo seriptb-
rio di Port da Ma No armazein da ra du Imperad'r n. 16, ao
nieto... .
-a...-rt-r.-------^-i-_ A


do

Sania casa da misericardia
Recife.
A Illm' junta admini.-traca i da sania casa de
misericordia do Recife, na safa do snas sossSes
pelas 3 horas dn tanto ero da 28 do crreme, re-
Icebe propcsws para o frriieciWento do afH ver-
des.mie liouverejn de consumir os rstabeletimen-
toj pms sei cargo as mflkei de mah ^junbo
vindour,'.
Secretaria a santa casa demisericcrdiailo Re-
cife 23 de abril dert7.
O oscr-ivSo.
Pedro Rodrigues de lotiza.
Acha-ae recolbi lo A casa de detencao por
orem do subdelegado de polica do Io districto
da Boa-yista, o cabra Ilouorio, quo diz ser escra-
vo do Manoel de Mello, morador' no Caciniliao,
freguezla'de Garantaos,o qual declarou estar f-
gido ha sete mates : quem ao referido escravo se
julgar com direjto aprsenlo se para ser alten-
dido.
O subdelegado supplente.
Corroa Setie.
Pela sabdelegapja de pulila do Io districto
da freguezia da Boa-vista fui apprehendldo um
eavallo ruco pedrez, de couro pretn, castrado, fer-
rado no uaaii" Jiieim ciui NC, bastante aniego-
quem se julgar com dirntj ao mesuio, appareca,
que jusiilic;.ndo, Ihe ser entregue.
O subdelegado supplente,
____ Correa Selle.
! llolai ao das cartas registradas procedentes do su.
o norte du imperio existentes na reparticao do
coireio em 22 de abril de 1870.
Anna Clara Joaquina Brrelo, Adriao Lni Pe-
reir da Silva (i), An;onie Borges da Fonseca, An-
tonio Jeaquiiu do iloraofl e Silva, Antonio Pedro
Forreira I.tms, Alfonso Octaviana Pinto tuimarae?,
Ad djilii Curio, li.ilbina Rufina da C. Pinhoiro,
Boinjamin Pcrreira liandeira, Cesar Quirino da
Silva, Dpmingei Aafiftjo Villana, Emiliano R. de
Moli Tamborim, Francisca Carneiro Machado
Rios, Francisca dn^ Ro- Aanes Vanna. Ferreira
liuimaraos & C Franei-ico l/incio I). Lima, F
Brcderodo de An-.Ira lo. Francisco Ignacio Pint>
(i), Gailherme Cirt", Gabriel Soares Raposo da
Cmara, H'nriqiie Jos d.! Silles, Hemelerln Jo-
V. da Silfi Ira, -loo Francisco de Barro'. JoaiH
F. de Gusuia i L. Vital. Jo- Joaqaim P.r-'ira de
Oveira, Jos Rib.'iro Brito. Jos Fdbx da Silva
Fragosa, losepba Hara la (yjncoicao, Luiz Angas
lo C. Cintra, Lourenon Freir de M. Danla, Luiz
Ferreira Maciel Pinhoiro (i), Manoel Gomos de
Moli, Manoel FraticUo do Mallos, Manueila, Ua<
melDuari' Vrreir.T Ferro, Hanoi I Qaffttilmiio
da slta, Manoel Forre ra da Silva,' Mara da Con
cei^ao Filgueiras, Marianna Rihetro da Lapa, X r
ciso Francisco Vidal, Pa#e%te Vianna & C, PWro
Autran da M A'buq erque, Vicente" F. Barro
Wanierley, Luiz c An.ujo.
O enoarrega !o ]< registro,
MaioeTibs Passos Miraml..
Ce|iaBfaI:i americasa c brasl
*e?ra rt paquete* a vapwr.
A o dia lj eniak esperado do port'f do
suLq vajjor ameriermo Wnrtft Ameka, o qnal do.
nois da demora do eosluuie seguir para ^Xew-
York tocando no Para e S. Thomaz, para Iretes e
pas^agens trata-secom os agentes Hemy Forster
A Ci ru do Commorcion. 8.
OOMhVNtA PfiHNAMBANA -
Navecfaqfto costtra por vapor
Macelri, escitas, c Perrcdtr.
O vapor Giqui, eommmidanle Costa, segui-
r para os portos cima' to'dia 30 do correte
as 5 horas da larde. Roecbe earga at o dia 29.
encommendas, pnsKagefgoiriW e dioheiro a frett
at s 2 lloras da tarde do dia da-sabida, no es-
eriptorio do Forte d Mattos n. 12.
~CIl'ANHIA PERNAMBCAJNA
DB -
VaTcgaco costelra por vapor.
Porto de (iaWnrias, Rio Formoso e
famani];ir.
O vapor Pnrahnba. seguir para os portos ci-
ma no dia 30 do corrente mia note. Receb
carga, encommendas, passageiros e diuheiro a fre
te no escriptorw do Forte il Matt-s n. 12:
pdhto poRirsBor
Seguir ero poneos dias a barca portaguez^
Sova Sumpatitia de I" clnsse e marcha por j ter
prompto quasi toda sua carga : para a pouca (|ue
ihe falla, assim conio para pa-sa?eiros aos quae?
offerece ricos o exc?lenl.y eo-iimoans, tfata-se
com Hallar, Orelra &
primeiro andar.
a na do Vigjrio n. I.
Rio Pretendo sahir era poneos dias para o referido
i'rto o veo iro patacho brasileiro Prolerlor, por
ter a maior parle de sou curriganieuto engajado; e
para o pouco que liie faa o cscravn fretc-
li'ala-se com o consiguaiain) Juaquiai los Gon-
galvos Be 11 rao ruado (>-ioniereiii
o. 17.
TUEVmO
Santa Casa da MisericoBUjji
do leefc.

lUn^ei o tinta.
\ Illm- Junta aJ nk^jalva da sania casa de
isericordi do Re.iifo no interesse de alargarlo
nrculo das pessoas que concorrem a arrematadlo
,j (r/iecimeu'o de queros, qni ten fie consumir
*s estabelecimontos pio%4 sau cargo, fnandi lafcr
paWieo que o inesni, i ir", '.cimanlo d;i quantia
de 3:0000lX) annualmenif.c que ( psgo menl-
siule, com dinbeiro vita.
(No Monteiro)
soda nmi: :f.\o no autista
DL-GOVAXXI.
OUIN'TA-FKIIIV il DO CORRENTE
Esjjpctacnlo em grande galla, para solemnisar
o finstwo anniversario natalicio de
.UOH.
D'
com a valiosa cbadjnvaco do Hlustrado
N (loverno da provincia
A' ebega la do Exm. Sr. presdele, a Sra. D. Je-
suma i lodos i s artistas canlarj
O hymno nacional
ante a augusta efllgie do
; mimm nmm
Segniui:-' a 2' repcenla cao-do magnifico dra
ma em o ac .s, inti^ihufo :
0 G0 E 0 COBCOWDA
fomarn parto as Sra. D. Mria de Laccrda Ba-
ha, D. Olympia, D. Joaquina"-? os Srs Xisto Babia,
Peregria-..' Braga, Eduardo, Freitas Lyra e De-
Giojfi'oni.
T.riHii;:' espeeHittle com a representago
de unta lotei estante
(> u i v o 11 i m cnlMT tipiar ebegada do Exm.
Sr. presdeme hlmmw
A direccaj desejHBio'apresentar eslo espectcu-
lo com lodo o brilhantismo pnssivel, vui-se na
onligenciad- fazidfinia pequea alierago no*
prec'.a dos 1it!iete<, para dest arte coatrabalangar
as grandes depeusi'|ue sobre si tem de pszar. .
i>RECOS.
Cttmwote, cohi 0 ingressos, incluindo passagem
Ilha de S. Miguel.
A escuna paftogsen Dios, segu oeetes bucoj
dias para o p.ii't.j cima e para o resio da can I,
opassageiros para os q'iaes toai bon's coimnodn;:
trata-so om o suu ewisignatario Joao do liog?
Lima, ra do Apollo n. i
Porto por Lisboa
Para os portos cima s?gae com b re vi dalle e
palhahoie tiirluiiez Burlen, Km a ma:>r parle
Jo sen carregauiento prompt), pira o refj rpia,
iba falta trata-so com os oo.tsignataTpi< AMaah
Luiz de Oliveira Aievojj A C. ra dn Cruz n. 57,
I artdHr.
Para Lisboa.
Vai sabir com hrevidadoo briguo poituginz
Etflt Fijueinnsf, capitao Carvalbo, para carga c
pas-ageiros trau-se com E. R. !.bol i & C., rui
do Gimmarcio n. 48.
Ccatrala-se c->ni quo.m por mecos le.-, para
virar o briguo norte alloman Aupu*io,e ambos
oslados, s-ii-lo o t ntralador pbrtgaJo a apromp-
tar o navio a sua costa san njnhasia assialencia
do capilao ou da triplaep, e rcspousavel p.ir
qaahpicr avaria ou damo que p ,?s > Ir.vrr i
tasco ru apparrlho do mesmo. navio, prepostas cm
fart fechim rccebe7rt-S3 no consrifad) d: -cor.-
federaeao da Aikmanba do Norte, hija 53 jo
abril de 1870, at o meto da.
Sabbado 40 do crrante, tem de ir em prava
piib'i.-.i ;eraiite o Sr. Hr. infe municipal da 2
vara, a< II horas do referklo dia, as bemfeitorias
existentes na engenh) Rodizio da frgiiczia do S.
Looj'cn da Mata, avalladas em 6:9305, ossm
como um burro de cor branca, avallado por G0>,
ludo por ex'-:!.') do Exm. viscande de Assuassu-
na,coaira a viuva e berduiros do Seljasliao Anto-
nio Pacs Urrcto.
Oe um cotic elejrantf. cual ricas
; M*^r>ei* tuattitibip*.
Um wibr.ioltt ajneikuBO ile 4 roda?, co-
Bff6, crtftt fenol -p&rB-WB'e fios eaval-
lo* arrems...
*cxtaM?k he aWHt a lt
hora rifOBia,
LILAO
Da armar3o-ir genero disientes at taber-
aa airua &rUn. .14 .
O agente Pontual vonder em leilSo por manda-
do do IHni Sr. T>r. jtfe o> ttfreAo da prim'lra ra-
ra c interino do coimnercio, a reqnenmonto dos
curadores flseaes da urassa-fallida do Antonio Joa-
qnim Fernandas, nnacile e genrtos existentes
na taberna sita roa Direita n. IV Previne-se
aos Srs. licitantes ie a taberna osi sitnada n'uma
das melhores lo rafntades para rominereio a reta-
Iho e que acha se abastecida de wneros de pri-
meira qnalidade.
Sexta-feara li do correute.
Do ver ter fugar o lil> rta meima taberna as
II horas.
i m de vi
dft com-
abril de
AVISOS DiVERSOS.
A viuva de Ignacio Adriano Monlckro, decla-
ra ao respeitavel publico qxie nao se responsabl-
lis.a por Jobito alcum que sua cria Miguel con-
trahir, si.b pena do IIcarero no desembolso.
i XSTITTO ARGHE0L0G1C0 (iEOllliPfilCH
per\ambucaj;o.
llavera sessSo ordinaria (|innta feira, 28
Jo corrht abril, pelas *l I lioras da ma-
nhaa.
onnni no ha
iscnsso rio ori;a"inf'liio q
goiar de. 1870-71 ;
Pareceres e mais trnbsdbae
missoes.
Secretaria do Instituto, io de
1870.
/Ose 8oar*s d'Azeverto.
Sccrel rio periietuo,
~m ni 11 iMinmiw
Madia 2'.i iw ci.rioii'e o'7. iriaes^inii i-Ij fallc-
cimento do Exm. Sr. Ilr. Ilraz norcnliiio Henriipics
do Souza, sorfw celolir.idw alj_'i >;a* missas (e tuna
de Heifttirm) e meinont. na er'ii d- Nnssl] Se-
nliula do Carino, p-hs s |, -,y,,< -la panlif. Sao
convidados para esw pin sulTrasi s pr alma
da iiiee distircto tinado, nao 1-hJ.i*- os Illms.
Sr.-. seos parenres, collegis da facmdaO e do (Oro.
com es fitnK. Srs. ai'.adi'itii'qj._____
(I viganu Manuel J aipnm Xavier Souwira,
prctondendando ceJebrar uussa pido terna d.s-
.mi;,<.da alma de sea aniig o [ir. Bfa ("lorenli-
ne anriiiues de Souza, sixla Vira 20 do corren-
te, triae>imo dia de sen falicrrmentn, na matriz
a I! vi V:-ra. a- 8 horas da oamraa. convida aos
(illi-.-. pareiii-.se aaflgi'is do mMM liando, a vsis-
tlrera csse arto de rol;c;vi n crfMaAe.
LEILOES.
LEIO
De tn iveis, ofojeetos de ouro c
prata.
D ma mobiliado amariHo a Luiz XV", i dita
do Jacaranda gaJJM antigo, I guarda louca de ama
relio, 1 cama franeeza de Jacaranda, i appara-
dor de amaioo obra de mullo gosto, 1 mesa
elasiiea c.m otaboas em oerfeiio .-tal., 1 toa-
Ihete do Jacaranda com peora' marinore, i ricos
quailros com linas Bravuras e molduras domadas,
i espollio- ovao*cora molduras domadas, i san-
taario, l.inoio apparellio de lenca ingleai uira
'antAT*1!versos copos e carices de crjsiaL 2 pares
e awaias do crjial, diver-os pares di5 ,|aftpr-
nas, i jarros grandes, 1 par de camputeiras, 1
porta queijos, di/ersas callejeas aiulsas, t cama
franeeza de; api a relio, I mesa grande para o .-c-
vico de cosinia, 12 cadeiras m botn oslado i>ra
Picriase a \t compra; o eegealm .'dui.eu- do lermo de Seri-
ra qa?omesmi eng'i.dn fsl.i snjo o a tres
arlos do arn-damoM.', o.oil rn.e a condicaj
et'iraJ i o o-c''Oi'.i rj.-,'.,'oi;va, e betu como
.. '.. I -los j::ii."a, :;. i :'.o-o,-j-j u actual
rem!.',.
' J -
o
: 1. o-.-e .i noute o'e 21 do cotrento da ra
do Imperador a inairiz de Sabia Anlonio o ponte
da Boa-yista, urna palcoia ,!o onrq : quem i ti-
ver achado, quarendo rr>l;iir. pode leva-laa ra
do Vigario n. 23, segando andar, que se gratiQ-
car. m
'ajLlb
Pede-se encareciduutnlo a oes ua que acbou
urna pnlcctra de caoraplieo, encastoada em ouro.
no largo il; Corao Santo, icrJiia ta nonti) de 23
do corrcnlo, cm oteaslo do fugo, queira tor a
hondada de levar na "ra do Kigariu n. 20, Can-
dar, quo sen geiien>sameiU re- upon>ado.
ESALIDADE
BA RTHO LO f t% & C
Har a cura certa d tc>srs alijas e recentes, eMarrbti pulmonar, asihma; (mu cunan, catana
Sronefaijj, o em oral contra lodos os sofTfimtatas das v.h respiratcwitaj.
DEPOSITO f.ERtl,
SOTICA 12 IlROGAniA
34, RDA LARGi DO ROZARIO, 34
PERNAMBUCO
Ama
PrecKa-se nlugar urna ama para fazor compa-
nhia a urna senbora, faifr compras na ra c co-
zinltar, que tenba boa conduela : quanl e-tiver
nestas cireumsiaocias procure a ra vclha do
Santa P,i(a n. C6, que, so dir quem precisa..
Desapparaeen no dia 21 eV, correcle ma
c'axorra da taca iialpo, marca pprrannT, branca e
com urnas mamas pardas alara--: quem a tivan
pesad, queira onlresia-la a eu dono, ra da
Cru n. -iO, 1 andar, que ser ji nieonipeusado ge
aerosamente.
Ama.
Precisa se,de uma_ama prt .casa de hpmem
olteiro na roa oa Gadeia SaV para cozinbar,
pira/I comprar e fazar todo servipj.de iMna.casaw.
A teraputica das diversas molestias do peilo, desde
i pharvngite ou nal da garganta at a toberculaco
pnmnnar, passando pelas diversas bronebites caurrhaes
so emphysema acaba de ser eareqoecida com mal*
'.nt nieiticameoto, que tomara a prlmeira ordem entre
iodos al boje conhecidos. O aarope Vegetal Americano,
.inniinilo paramente vegetal, nao conlm em su*
somposi^lo am s tomo de opio, e sim tmente sac-
eos de planta* indgena*, cujas propriedades benficas
an cura da molestias que pertencem aos orgaoa de res-
piracio foram por nos observadas por longo lempo,
jom ptimos resultados cada ve* mais cresceoies; pelo
roe nos julgamos autorisados a compor o aarope que
gora apresentamos, e a offerece lo aoa medico* e ao
publico, Pi otamos com os attestados abaixo o qn la-
tamos dito, e contamos que o eonceito da que ja gota
o xarope Vegetal Americano creseerl de dia a dia,
le jando moilo apos de ai todos o* peitoraes em voga.
Illm. Sr. Barthalomeo i C,O xarope Vegetal Ame-
ikano, preparado esa sea conceitoadissima pbanaacia,
e uia uul remedio pan combater A lerrivel ulbma.
Sofra cu aquella molestia ba qoatro meies, tem anda
ter combatido os ataques memae* qae linba; este ultimo
qae tive foi fortiuimo qae ma projtou por 8 dias, usei,
parm o sen milagro tarap, tamango apenas tres
tases, e at presente a*)o *i de doto atacado. Prata
0m, q4 afl oque retukelecido por ama vez. Rendo*
Ihe, pola o* meas agrdecimealos por aae ter atinad* A.
lio horrifel mal. Com a man .ignifica'.iva gnliaVt*.
$ubscro-me de Vine*, affectuoso reeoaheci^o rriaiai
Stverino Duaru.-Sn Cata 14 Vmreiro d-.m
Illm* Sr* Barlholomeo A C. Depoi* d. qaati w.
meies de soffrimenlo coa* ama tesae iaccatj.te. f
exuaordinario, eipeetoracAo de am eaUrrha i
do, e perda total da* furjas, qne o bm
me faligav* completamente, cansado Je tomar atii .a
tros remedios sem resaltado livc a felicidad* 4e sakar-aa*
Vmc*. prepararam o xarope Vegetal AaaaricBo, ca*
elle, grata* a Deas, me cao restabelecid* ha avaaatW
dois mese*, e robaste como se nada tir-iaa **aa>iaWaV
gralidio me forja a esta declaradlo, qae podara. Taac
fazer o oso qne qnizerem. Sou com eslima da Traa
mnitos respeitador e criado. Inf-nii finjtii i
Caitr i Sitv. Recita 8 de feveveira de I8M.
Atienta qa* ate! do xarope Vegeul
composiclo dos Sr* Barlaolonteo i C para .
forte defluxo qne me trome ama roaqaidlo, qa. c. a**.
faii* eiltender, InSammaflo dor aa garpana, lita
grande falta de respiracao, e liaoei ceplataaaaaa.raa-
tabeleeido com am so vidro do mesmo xar*p*; p-AV
ae Ibes protesto eterna gratidlo. Raeif. W #
Berro de 18*38. j h i i li ilii'faaaH
Eatio rKonhecidc.
Preci
todo o se:
na ra da
cerr n- 26,
AMA
na [
a+es:
iadb da
yrdlario/de i
ji. tO< otrna^
Precisa-e de xsm% ama pira enzinhaV cm casa
de pon ;i fitrtitia : na fravessa do arsenal da guer-
ra n. t, armaren;.
unm Cria
Jooa conducta, para
ni.i o isa : tratar
apanga, porto La-
Paa-se bem
Precisa-so alogar b.u lu-il'iue de bJaeonJao-
t;i pata a servCb de ama leja : na ra Nava. Or
mero 10.
, Pre-'isa-s.) do um cria io do boa Mdacta,
quo sirva para comp <: rvie<> itemo4i
eas : rita do Imperador n. 57, V andarn
rada [relo lado da ijonte 7 de sotembro.
da m* larga
SoSaariou
Este importante estabelecimento no sen gwiero, ton sempr nm sortiil*ito sem i
e vende por presos qne nev^mm entra casa pode vender.
A Vista da qnalidade do pre$ 4g jmaa edft w& pdie^-e-Jia conveneer da 7rd
nte-sa Sor tftdo de Id. C 1 loa esta berta uf te 9 hyW
I


. '_. : : .,,.
*,
CASA DA FORMA
Aos 5:0001
B&^o garantidos.
1 Toudo Cwupo B-2* e cas do costme
"o ibaixo^iSpudb, tendo vendido atm de ou
8 **, l o n. 1980 com 5.000* da lo-
fcrfr-Mes-aeabou de xtrahir a beneficio da
IgrejToT Ca* Forte (144), convida aos posmdo-
T*s TirenTreceber na conorrmdadu do oostu-
mati sea descont alcum.
ActamT venaa os felizes bUhetes garan^
lidoYdat- parte da loteria i beneficio da igreja
de Santo Amonio de ItamJa U*o*)> que se eitrahi-
T quartafcira 4 do mez vrndouro.
Prcfco.
Bilnete 6*000
Meto. w 3*000
^^fjuinto -~-**i*200
Emporio de 100* PU*.--limi
Quinto i 1*00
'- Mas^l Martin Finza.
Precia-se de urna creada cozinheira : ,
na do Imperador n. 37, ndar, entrpelo
da ponte 7 de ?etembro.
& Qrihta fitt m #* k,:cto70-
0 DB. SAOTOS MELLO,. .
1 Medico homfopaihn, recom chitado da
i corte, fixofi a m residencia esta
I capital, ana re a do
- Rofaria n. 3I S*
rna da
Criwei
D consultas tAis osUtas du 9 as 1
horas da mauhaa.e recebe recados pon
eseripto qualqucr hora du da ou da || ^{}fc"g||
noule. ^r* S
i Aos pobrer d eonsnlus as megmas/1^
horas e medicamentos gratis.
' J&Mlist G*r ll^dhn------*
/*na, op^e pode sef Mcurado para foirtTos
f Buster-^, fo 8^tt procayo.
!~g oras e raurcui<-un e =
M-MMIf-ttlKifi


Arrenda-se o erifeenho T^-anquilidade, boro
agua, tefcmo para 2 a. j mil pan, na freguezia
la focada por tres aty.ioe, ou seis: i tratar com o
i roprietario no inflamo.
CMA DA FE.
Aos 20:000^000.
Bilhetes do Rio i renda : roa *) Cabug n. 1
rende Vieira ARodrigma.
GUSTAVE
*.-#
Preciii-se de dus trabalhadores forros on
captivos para servico .interno ; tratar na ra
Ur^a do Rosario n. 3*, htica.
I
Mudanza.
Precisa-se de urna, y^ nocameote -para tratar
de urna crjanoa to j^ Novt 44^ io|a.
**^Wm ftttK8KI8g
* ADVOGACIA *
O hachare Augusto Carlos Vax de OUveira
tem o sea escriiwrte ra do Imperador
* n. 67, primeiro andar.
Quem fweoisar de urna ama pan asa de
homem soHwroou e pouca familia, dirija-ge a
ra da Coqaisia n. 18. ______'
O Dr. Carolmo Francisco de Lima Santos mu
dou s residencia e consultorio para ra do
Imperador 57, i' andar do sobrado cujo arma-
xem conserva anda buje o nomo de Alianca, CBRUlu,ai ,, p, ..^-....-, ,
tendo a eofrada, que nelo lado da ponte Sete-de p(mca fam,Ha : a tratar na roa Seva,
;.-.._,._ n -.nc.nn raamarn K7 la frpntP Atll. ...^.^
aIAS
mbro, o oiesino nnmero 57, da frente. Ah,
ontmuande o dito Dr. no exercicio do sna pro-
ussao de wedico e de operador, pode ser procu-
rado a qaali|uer hora do da e da noute._______
fl
o h. cmivi
frecisase-*e duas amas, sendo -urna para
engommar o otra para oonnhar, para caaa e
' tilia : a tratar na roa Seva, casa
inero32.
Precisa-se de urna ama para coziohar e cooi
prar para nma pes3a : na rna streita do Roa
rio n.37, t andar.________________________
Precisa se alugar uin soih preto para.ser-
vico interno e externo de ama casa de homem
softeiro.ipaga-se bem : na ra da Gadeian. 50.
Na trtwssi h mi
das {iwm n, % j>ri-
miro andar, da-se di-
ihelfe sede pehares
id oyro, pala e britfaan-
tes, seja pal for a quan-
lia. Na mesma casa com-
jiram-se os mesaos me-
taes t pedras.
iWnQMMtt Htt
Tedica bomeopalha, pode-ser procurado no sen
onsnttorio especial homeopathico no largo da a-
,rz e Sanio Antonio n. i, andar.
No mesmo consultorio lera sempre grande sor-
timento de medieamentosdehomospathia, tanto em
globos como em tintura.____________________
Pertteu--e na noite de 23 do correte um
-alfinete deocro em frnw de flor, e com enfeite
-de coral: qnem o achou, querendo restituir, pode
Hrigir-se roa do Imperador n. 50, :t andar, qoe
ser recompensado.
COMPRARA
0
Patria'cha S. Jos d'Agonia
Eixcta.no convento do Carmo.
Por nao se lr reunido no domingo passado nu-
mero legal para aeleifio de nosso Patriarcha sao
de novo convidados todos os nossos charissimos
rmeos para domingo 1" de maio comparecerem
pelas W horas di maahaa em nosso consistorio
par o mesmo flm.
Secretaria 27 de abril de .1870.
O secretario,
Francisco de Medeiros Raposo.
COMPANHIA
Precisa se de urna ama para cozinhar :
1 na do Caldeireiro n. 6.
na
Nutrimento
MEDICINA!
prkpaiudo pon
Lnnmau <& Kemp
PARA
Tsica e toda a
qualidade de do-
em.'as, quer seja
na garganta, pei-
to ou bofes.
E x p r e s s a-
meute escolhido
dos melhores fi-
gados dos quaes
se extrae o
(oleo, no banco
da Terra Nova,
purificado chi-
miealmente, e
suas
p ropriedades
conservadas
com todo o cui-
dado, em todo o
frasco, se garan-
te perfeitamen-
te puro.
Este oleo tem
sido submettido
a um i'xanie
iiiuitosevero, pelos cbimicos de mais tale-n
!, do governo hespanhol cm Cuba,foi de-
vulgado por elle e conten
.MAIOR PORCAO D10DINA
ilo que outro qualquer oleo, que elle tem
examinado
IODINO EL'M PODER SALVADOR
Em todo o oleo de figado de bacalho,
e naquelle 110 quar contm a maior porc3o
'esta invaluavel propriedade o nico
meio para curar todas as doencas de
GARGANTA, PEITO, BOFES.FIGADO,
Tsica, bronebites, asma, catarrho, tosse,
resfriamentos,etc.
Uns poucos frascos d carnes ao muito
magro que seja, clarea a vista.e d ^igor a
todo o corpo. Nerihum outro' artigo co-
ithecido na medicina ou sciencia, d tanto
nutrimento ao systema e encommodando
juasi nada o estomago
As pessoas cuja organisagSo tem sido
destruida pelas affecroes das
ESCRFULAS 00 RHEIMATISMO
e todas aquellas cujadigest5o se acha com-
pletamente desarranjada.devem tomar
O OLEO DE FIGADO DE BACALIIAO
DE
C.anm.in A kemp.
Se qie desejam ver-selivres eexepasm
le enfermiades
DOS
TRILHOS IBAHOS
DO
RCCIFE A9 oluda.
Por ordem da directora sao convidados
todos os Srs. accionistas para lo da 29 do
corrente, as 10 horas da maiiha, no sat3o
do Club Pernambucano, se reunirem em as-
sembla gera!, segundo estabelece o art.
13 dos estatutos da compatihia.
Escriptorio da cempanbia, 1 de abril
de 1870.
Jo Joaqtm Alves,
Io secretario.__________
Na ra do Imperador n.' 7o, primeiro andar,
deseja-se fallar aos seguintes. senhores negocio
de interesse : Jos Roiirigue Fernandes, Manoel
Luiz de Lima, Francisco JosCorreia Guimarcs,
Joaqulm Speridio da Silva Gotmarae-, Joo de
Castro Oliveira Guimaraes, Raymundo Nonato da
Costa, Jos Jjaquim Fernandes da Silva, Joaquim
Lopes Ferreira e Jos Ignacio do Val.
Imperio do Brasil.
Grande expsito na cidadede
CJordova,
REPBLICA ARGENTINA.
No da 15 do ontnbro de 1850 ter la-
gar a abertura da esposic3o nacionar em
Cordova.
Previne-se, portante a todos os produc-
tores, agricultores, fabricantes, artistas e a
todos aquelles que exer^am qualquer indus
tria, que na dita exposic3o se receben tod< s
os productos da industria e agricultura
braseira, assim como todas as machinas e
utensilios que qnierem remetter.
Estes productos est5o isentos dos direitos
da alfandega na Repblica Argentina e po-
derlo ser dirigidos cidade d.o Rosario, de
onde sero tranportados pelo caminho de
ferro central.
Para mais explicaces dirijam-se em Per-
nambuco, ra da Cruz n. 3, ao consulado
argentino. __________^^
Pede-se encarecidamente aos Srs. Domingos
Theeoro Higuetra Aristides Florentino Caval-
cautt de Alboquerque (de Serinhaem), que fenharn
i rua do Vigario n. li, a negocio que se precisa
lEw^.___.^^-^-^-------
e^i WMl WftGATIVO E DEPRWWO
DE
CHIWBARD.
Composto das plantas as mais odorferas e as
mais trttloMi dos montes os mal eterados, o *o
totU-,pmrgativo de Ckamburi, possue um gosto sa-
boroso e um aroma.suatissimo, e as propnedaaes
as naris noUveis sobre os embaraeps do estomago,
dos intestinos e do figado o desobstruente por
eweflencia na conslipacao do yentre o nao tem
resguardo nenhum.
Depurativo especial e directo da bh e dos hu-
sores, lefresca o sangue depurando-o.
O uso do eM-Caawoari pode ser continuado
por muito tempo sem o menor receio e sem n-
commodo nem mudanc* no modo de viver.
NICO DEPOSITO EM PERNAMBUCO
NA
IPHARMACIA E DROGARA
DB
Barttaoloaen c
34RA LARGA CO ROSARIO34.
_ Panno de algodio da fabrica Todos os
Santo do IUm. Sr. eomraendador Pedroso, ja
chegou ao escriptorio de Joaquim Jos Gonjalves
Beltrao : ra do Commrcio n. 17.________
Lisboa e Poito
Carvalho 4 Nogneira na ra do Apollo n. 20,
saccam sobre as pracas cima vista e a praso
Preisa-se de nma criada qne seja perfeita
engommadeira, para casa de pouca familia : na
ra do Imperador n. 51, 2 andar, ou do Crespe
n. 8, loja de 4 portas._________ ___________
CABELIlIREIRO
51ana' da Cadeia do Recife51
Ciurma a attenejio dos seos innmeros freguezes, e do respeitavel publico, e*
geral, para a seguinte tabella dos precos de sna casa, os quaes sao vinte por gmk
mais barato do que em outra qualquer parte:
Gabeeiraa para senhoras a "i-H,
30, 35/ e. 405000
Ditas para bomem a 35?, 405 e 50*5000
Coques a m, 154, m, 204,
254, 304 e ..... 504000
Crescentes a lr>4,154,184.204.
254, 304 e.....324000
Cachos ou crespos a 34, 44, 54,
64, 74, U, H e. 104000
Tranca de 'cabello para annel a
500 e. *...... 14000
Tranca para braceletes a 104,
154, 204, 25 e
Cadeias para relogio a 54, 64,
74, 84, 94, 124 e. .
150004
101
Corte de cabello, ...'..
Corte de cabello com fricf 3o. .
Corte de cabello com lavagem a
champon...... 400*
Corte de cabello com limpez da
cabeca pela machina elctri-
ca, nica em Pernambaco. .
Frisado ngleza ou i franceza.
304000
14C0
501
51
AMA
Precisa-se para comprar e coiinhar para tres
pessoas : na ra da Cadeia n. 45, loja.
Joaquim Rodrigues Tavares de Mello, praca
do Corpo Santo n. 17. r andar, tem para vender
cal de Lisboa, potassa da Rossia da mais nova,
vinbo Bordeaux superior qualidade, e fannlia de
mandioca.______________________________
45 Zapatos le borracha 4
A 1*000.
Para senhoras e rapazes que calcem at 37 : a
rua Direita n. 45. ___:
Irgencia.
Pede-se ao Sr. Francisco de Salles e Silva quei-
ra apparecer a negocio que Ihe diz respeito, no
Bazar da Moda, ma Nova 50.
| Agencia em Pernambuco
Do Dr. Ayer

...:
Petoral de Cereja
Cura a phthysica e todas as molestias do peito.
Malaa parrllha
Cura ulceras e chagas antigs, impigens e dar-
#oe.
Komleo
Consolva e limpa os cabellos.
Plalas alnarU as.
Puramente vegetaes e sem mercurio, cura se-
os, ooram e purifleam todo o systema humano
Vende-se effectivamente em casa de Samuel P.
hnston A C, roa da SanxaJ* Nova n. 41
SEGUROS
UIITIMOS
OITR.iFOGO
^ Companbia Indemnisadora, estabelevid;
prac, toma seguros martimos sot<
carregamentoj a eooira og<
mercadorias e mobiliag:
te. i, pavimento ter w.
George G. Starr, tesiamenleiro do tinado C.
Safr, faz publico ao respeitavel-corpo commereial
e a quem possa interessar, que o estabriecim'ento
de fondicao sito na cidade nova de Santo Amaro,
continuar a ser da mesma forma gerido pelo an-
nuneiante sob a mesma firma C. Starr 4 C. em
Hquidacao:e que para compra?, vendas e rece-
bimentos tambem eontinuar o aotigo caixeiro
loaquim de Oliveira Mello.
Pracisa-se de um caixeiro psra taberna, de
12 a li aunos: a tratar no pateo do Ter^o nu-
mero 63.
Rap Paulo Cordeiro.
Constando ao proprietario destn fabrica que se
tem vendido rapo falsificado com a deoominacao
do de sua fabrica, c mitaco dos rtulos, sellos,
medalhas das expusieres de 1861 e 1866, eniencao
honrosa da expoticao de Paris em 1867 ; previne
por isso ao respeitavel publico haja de o examinar
com toda a attencao a fin de niio ser illudido, e
por esta form i fccilmente poder distinguir o va-
lor do verdadeiro rap Paulo Cordeiro, que tanta
aceitacao tem'merecido. nico deposito, ruado
Vigario n. 11, s&brado.
V de coqneiros
a 300 rs., e o cento a 2o, e o melhor tempo dos-
sivel para plantar : na ma Direita n. 45*
^ i i -"'
ATTENCAO
o
Pontes & C., eslabtdecidos com loja de alfaiate
na travesea do Ouvidor n. 1, avisam ao respeita-
vel publieo desta cidade, que se acham promptos
a receber encomendas de obras de todas s qua-
lidades, para o que se acham prevenidos de boas
fazendas, como sejam cazemiras prela e de cores,
alpacas linas, brins ele. Assim como .tambem ac-
ceitam fazendas garantindo presteza e hemfeitoria.
Cozinheira
Para urna pequea familia precisa-se alugar
urna escrava que seja perfeita cozinheira, pela
qual se garante 33 mensaes: a quem interessar
pode annunciar. _______
Caixeiro
Precisi-se de um
n. 63, taberna.
caixeiro : na ra do Brum
Frederic* Chaves precisa saber quem o
correspondente do Sr. Jos Soares, senhor do en-
genho Cantalean do Sol, fregaezia de Avua-Preta,
ra se Ihe entregar ama carta de importancia.
VIDA DE SANTA VERNICA JULIA.HI.
Acha- ^ venda olivrinho da vida desu santa
serva de Dos, traiuzido do italiano em portuguez
a 1|600, o resto d s exemplares que exisiom na
liviana universa), ra do Imperador n. 34.
i
VVISO
Precisa-se alugar ou comprar nma escrava de
meia idade, que eozinne e lave bem, faz-so todo e
qualquer negocio : na ra de Hortas n. 30, sobra-
do, das > horas da tarde em' diante.
Ama.
Precisa-se* de urna ama para serviru externo
de urna casa de pequea familia : a tratar ca ra
do Imperador ti. 79. loja.__________
Precisase de ama ama para comprar ecozi
para etsa de npaz solttro; -r ra do "
do o. 12, loja. ____
Precisa-se na ra do Iiaaerador n. 18 de
aprendices para o offleio de marcteqlrla.
AMA
Precisa-se de urna ama para servico de casa de
familia, e que saiha coziohar : dirija-se livrarja
ononiica, ras; do Croepoi rrfrfifl
aheiroabre ponbores de oaro, prau e pedral
precios!, seja qoal for a qnantia; e na mesma
jasa se compra e vende objectos de ouro eprau
i igoalmento so faz toda e qualquer obra da en
jommenda, a todo e qtulqtwr concert teadeott
AVISO
DA
Tinturara Franceza
j35--ltua da luiperatriz-5ftl
O proprietario deste estabeleciraente j
s previne as pessoas que depositaran) j
I n'elle alguns objectos antes do primeirro 1
I de Janeiro do anno crrente, que os vo j
I buscar impreterivelmente no praso de j
I um mez da data da presente publica- j
8 cao, do contrario sero os ditos objectos j
considerados como abandonados para pa- i
8 gamento do trabalho, e seus donos nao ]
ttere direito nenhum em reclama-los em j
lempo algum.
Reeife, 29 de mar^o de 1870.
Barba. ......
^SIGNATURAS MENSAES
Especia] id a de de penteados para casamento
Bailes e golres
O dono do estabelecimento previne s i Recommenda-se a superior TINTURA' A
Exmas. Sras. e aos cavalheiros qoe ha om. PONEZA para enegrecer os cabellos e bar
sato para tintura dos cabellos e barba, as-!3' unicj admittida na EiposicSo Umveto)
r como n5o prejudicial saude, por serm
sim como um empregdo somente oceupa-1 atil, analysada e approvada pelas acac^
do nesse servido. I mas de sciencias de PARS E LONDRES
BAMACIDMICO
13 Ra da Imperatriz 13
Ulysses & limaos proprietarios deste bem conhecirJo e acreditado estabelecimei. o
tem a honra de participar ao illustradd corpo ACADMICO e aos seus numerosos fre-
guezes, tanto desta praca, como de fra, que tendo sido elegantemente refoimado dito
estabelecimento acba-se completamente sortido e em condicoes de b^m servi-los dos
seguintes arligos:
Vendo um anouncio do Sr. Jos Candido de
Barros inserido neste Diario desejando saber qual
era o negocio que a ra das Cruzes n. 9, se clla-
raava o Sr. seu filho Themaz, o como no s consta
ue o Sr. Jos "Candido reside na cidade de Olln-
a e sendo pense l irmos, pedimos a S. S. man-
car alguem eniender-se a respeito.
A imperatriz regente.
Com esta denommacao cbegarain a loja do Pas-
so pelo ultimo paquete os mais ricos chapeos de
palhinha pretos com enfeites de cores, objecto es-
te o mais moderno de Paris, ebeguem antes que
se acabem : a ma do Crespo n. 7 A.
V. PALHARES
Centelhas
Colleccao de versos sobre a guerra do Paraguay
venda na livraria Franceza, na livrana Pari-
siense e na loja de madama Falque.___________
?:m
MU e qoinhentasduzias do fogos do ar do urna
e tres bombas: na ra Direita n. 53, loja de fer-
ragens.
Precisa-se de una ama para casa de pouca
familia : na ra estreita do Rosario n. 31, primei-
ro andar.
D-fe algum dinheiro a premio sobre hypo-
theca ein pedrios n'esta cidade :. ra do Crespo
n. 2, loja, se dir quem d.________________
Precisa-se, de um crisdo para casa de mui
pequea familia : na ra estreila do Rosario nu-
mero 28.________________^________.
Precisare
alugar urna escrava que seja perita cozinheira,
garante-se bom tratamento e pagare bem : a ira
tar no largo da matriz de Santo Antonio, n. 2.
a pedido le sua familia em Lisboa precisa-
se saber noticias rte iaime Cefestino Persoro.' Este
senhor esteve em Bom Jardim : pede-se dirija no-
ticias suas ma do Duque de Oaxias n. -18, loja
de Manoel Ribciro de Carvalho.
AMA
Na ma Nova n. 14, primeiro andar, precisa se
de urna ama forra on escrava, mas quesaiba bem
oosinhar e engommar; na mesma casa, compra
se nma escrava com as raesmas abilidades cima:
quem liver apresente-a.________^^
Uffereee-se um criado de 16 para 18 annos,
para compras e mandados, e iazer mais algum
servico de casa de familia, um homem soltciro re
sidente ma da Imperatriz n. 36;____________
EM MflEUA
Tem paca trocar na loja de ourites do a reo de
Nossa Senhora da CooeeicJ)no Recife.
PROTESTO.
Constando ao abaixo assignado que o seu es-
cravo Miguel^abra escoro, que foi do Slaaoflt
Fernandes daiftliveira, morador na Serra da Rail,
na rrorrnc'a Barahjba, qua est fjgdo desde1
2 de novembro de 1868, protesta com todo rigor
da lei cont quem o trrer acontado, gaaiiAc
com JOOJTl quem oapprehend^r'e levar rui
Senzala-nova n. ffl^L __ ,
t Jeao Lttiz GonjJves Perrin.
-- Aboao Jos da Oliveira
AI|ManrM*riul Falli, .jue -
avisa ao Sr. Pedro
qB|U escraro Cy-
impras do cestume,
na Vicencia.
ravode^me:
banco da cri-
i.ifiu&ss.'SBSJi vaatt
unidos, deixando o Sr. Aalonm Marques da Coatt
abe para flis p
Publicado na corte pelos Srs. Angelo Thmaz do .
Amoral e Eduardo Augusto de Qhveira.
Esta folba em cada numero contm artigos de
fundo sobre a politicaGazetilhaEcho da cida-
deFolhetimVariedadesRevista commereial
annuncios, etc.
Assignase por anno14*000
Seis mezes 7*000
Tres mezes 4 000
Nao se aceitam assignaluras sem previo paga-
ento.
LIVRARIA FRANCEZA.
CHARUTOS
superiores de Havana, Ilamburgo, Babia e
Rio de Janeiro etc.
Cigarros ?
de palha de S. Paulo, de 30300 a 7*500,
o milheiro, Daniel do Rio Novo, Maurity.
hnperiaes, Teen tes do Diabo, Duqoe de
Casias, Gandou etc.; de papel, de fumo
de Daniel, General Osorio, Conde d'Eu,
Rocambole, Radicaes, Acadmicos, Macham-
bomba, Montevideo, Orientaes, Baependy e
muitas oulras qualidades.
Fumos
Variedades
ADVOGADO
O advogido Antonio Pedro Ferreira Li-
ma, de volta de sua viagem ao Rio de
Janeiro, contina em seu escriptorio de
advocacia ra do Impe 'ador n. 32, Io
andar, onde pode ser procurado para o
exercicio de sua profissao, das 10 horas
da manhaa s 3 da larde.
Ama de leite.
Precisa se de urna ama de leite sem filho : na
ra do Queimado n. 49.___________________r
GABINETE MEDICO-CIRUKGIC
DO
Dr. Ignacio Akibiades Velloso.
Pode ser procurado a qualquer hora do da ou
da noite, prestndose a >s chamados fra dacida
de, com toda a promplidao. Pratica operajoes.
D consultas des 6 s 9 horas da manhaa, na
ra Nova n. 45, 1" andar.
Precisa se de um criado de 10 a 12 annos,
.ivre ou escravo, para compras ; quem o tiver di-
rija-se a ma da Palma n. 34. _________
i
Pela primeira vez se exp5o venda nesla pro-
vincia uin magnifico e primoroso sortimento de su-
perior papel o mais lindo possivel, desde o mis
simples e modesto at o mais rico possivel, e pro-
pino para forro e guarnilo de salas, gabinetes,
capellas e santuarios. E preciso ver para, admi-
rar-se a lindeza de algumas pecas desse artefacto
A novidade e esquesilisse dos arabescos, o mimo
dos desenbes, e o capricho do doirado, encanta os
olhos e convida a cmpralo. O mdico prego
por qne se vende sorprende ao senhor compra-
dor, que apenas sera obrigado a dar urna peque-
a commis.'io alero do primitivo rusto da fabrica,
addicionado com a importancia dos direitos etc.
Nunca a modicidade do prece esteve tao junto da
belleza e bem acabado de om objecto de luxo. O
respeitavel publico convdalo a certificarse de
todo o expendido no escriptorio de Candido Alber-
to Sodr da Molla & C., a "roa da travessa da Ma-
dre deLDeos n. 14.
Joaquim Pereira de Carvalho e Joaquim Cor
reia dos. Santos fazem sciente ao respeitavel corpo
do commercio e a quem mais interessar possa, que
na presente data dissolveram a sociedade que ti-
nham no estabelecimento de taberna sito ra do
Mondego n. 32, que gyrava sob a firma social de
Joaquim Pereira de Carvalho & C, fleando d'ora
em diante o socio Carvjlho na posse exclusiva de
dito estabelecimento cm todo activo e passivo, e
obrigado sua liqnidacao, sahindo o socio Santos
pago e satisfeito de seu capital e lucros. Recife
19 de abril de 1870.
Um moto casado e sua senhora, am-
bos com bastinteL-pratica de ensino, seoffe-
recfm para leccionar em algtim engenho
primaras lettras, grammatica portuguesa,
arithmetica, geometra, gepgrapbia, ioglez,
U fallar a liogua francea, costuras e bor-
dadas de diversas qualidades : quem qui-
zer deixe Bear esta lypograpliia carta fe-
"a com as iniciaos M. R. S.
oaqoim de JMneida Croa fedo aos
seus amigos para asistir urna missa que manda
dizr por alma de seu amigo Miguel Mendes da
Silva, as 7 horas da manhaa do dia 29 do correle
no convento de Carmo, assint como pede aos ami-
gos do fallecido que ealivnrem na praca assislir a
mlSL ^m_____ .
. t Quem annuneiou querer ama escrava para
cozinhar, dirija-se ra da Imperatriz n. 4.
mu
o
do lonteiro
Sabbado 304o corrente ter lugar a par-
tida do encerraamenla do mesmo club..
_ Terlfttegresso os Sr. socios da i* as-
i signatura.
O emprezario, .
P. J. Lavte.
?-
paratugeiilio.
traMM, aracan-
i | jfotaior
Afamados de BAEPENDY em caixes de
20 libras 1^400 rs. a libra, em pacotes
a 20, de 20 para cima a 15800 e em maior
porfo 1(5500 o pacote de 1 libra, dito
em latas dequarta a 640 e 500 rs.. e outras
muitas qualidades como sejam: Daniel do
Rio Novo, do Para, de S, Paulo, Caporal,
etc. etc.
PONTEIRAS para charutos e cigarros oe
todas as qualidades gostos e precos.
CACHIMBOS de superior espuma, de ma-
deira (raizj de 30 at 60, a duzia e c'e cu
tras qualidades a rctalho.
DITOS pe de gallinbados melhores qne
ha neste mercado a 30 e 30500 a duzia, e
com grande abatimento em maior porco,
ditos de louga, gesso, barro, etc.
BOLSAS de borracha e eonro de diversos
gostos e presos, para guardar fumo.
CARTEIRAS para cigarros de todos os
systemas.
PHOSPIIOROS de cera, em caixas io-
dos os lamanhos, de seguranca a bailo e:*-.
PAPEL de milho, de arroz, san-t om, Per-
san, pintado, de linho etc. palha de milho e
Fernando a melbor possivel.
Alm dos artigos mencionados encontrarlo nossos freguezes outros muitos no pe-
ero de nosso negocio, que se vende em grosso e a retalho e que com suas presentas
sero satisfactoriamente bem servidos: bem como nos encarregamos de qualquer en-
commendas de nessos cigarros de seda e linho, etc.'
13Ra da Imperatriz13
BAZAR DA MODA
-IBA NOVA-50
Os baixo assignados proprietatios deste eslabetecimento, participara
que, continuam a vender muito barato e em vista ao grande sortimento'de
miudezas da molbur qualidade chamam a attencao dos Srs- commercianlcs
te retalho afim de comprarem.o que Ihe for conveniente ; com descont de
10 Ojo, pagamento realisado no mez da compra.
Jos de Souza Soares & C.
A ESMERALDA
LOJA m JOIAS
&c
Este antigo estabelecimento, completa-
nente reformado de novo, est as cond-
loes de servir vantajosaraente os seus fre-
jueres, visto que a cha-se prvido com um
ixplendido sortimento; d toras de ouro e
jrata de lei, assim como brilhantes e hu-
irs pedras pr$oiosty&,e; cujos prepos sao os
sais mdicos que se pede encontrar.
As joas compradas nesta casa recebem-
16 em troca ou com
ibate.
-s com pequeo

S&SMMM&


/i


Diario de jreriiambucd QuinU feift 28 d Abril de 1870.
Precisa-se dfltfla_ UKlflHIiU
DireiU n. 86,
Perdeu-se um leneo de labyriutbo na noite
lo fogo.na praea, do Coria Santo e dahi al a
te de Sajita Isabel : queMa achou querend
trega-lo*-sua dona, pode Ie*aj-ua do
mado na joja da Boa "
do comgoasi o V^^_
Precisa s de unj bom co
Ir fa Aojmi de 12 a li annos,
_JndSie HaM'ara mandados e
alfana servicos de casa, que tenha boa conduca :
ra da Roda n. 48, sobraco.
vmm
Compran-te o vendara-so diariamente para fi
dentro da previocia escravo de-toda& as idadi
oves e sexos, com tanto que sejam sadios : no
iro andar do sobrada0. 36, arto to Cruzes,
azia de Santo Antonio.
.....ii i ,i ,
antagem aworaia-s;
para aldjar, e sendi pUro compra -
je : na rn la Gru n. uf, Prect?a-so de urna ama que engo
na roa (gTCrcpo n. 19, toja,
^Pr
se de um amassador
ra do R'anget n. 9.____________
PrgBisa-se de urna ama forra ou. escrava qoe
saiba costobar bem
t> andar.
na ra das Cruzes n. ,
0 COLLAR Ifl ODRQ
V3 A RA DO CABIGN. .IV
Com este titulo acha-se aberto e inteiramente transformado este antigo
estabelecimento de joias, onde os freguezes e amigos encontrarn tudo quanto
a moda e o bom gosto tem inventado na arte de ourivesaria, o Collar de Ouro
observar delicadeza no trato e senciridade e modecidado nos precos.
Espera que o respeitavel publico ventaa ver o qoe existe de melhor em
aderemos de brilbantes, esmeraldas, robins e perolas, meios aderecos, pul-
ceiras, brincos, alfinetes e anneis de todas as qualidades, prata de lei faquei-
ros, colberes, palileiros salvas e outros muitos objectos que seria enfadonho
mencionar.
Compra-se ouro, prata, brilhantes e pedras finas, pcnnaior prego do
que em outra qualquer parte, trcca-se e concerta-se todo e qualquer ol)jecto
pertencente a esta arte.
Sitio.
Precsase .arrendar ura sitio com casa de mo-
radia sofTrtve, arvores fructferas e baixa de ca-
pim, nos lugares : Arraial, Bcletn, Afflictos e,
Itoa viagem, podendo quem tiver para arrendar
dirigirle em carta fechada sobre as niclaes C
L. na casa n. 83, as CincoPontas casa de. Jos
Carneiro da Silva.___________________________
Pergimta ingenua.
AIruus socios inslalladores pedem ao Sr. Joa-
3uim Gerardo de Bastos, muito digno secretario
o Monte Pi Portuguez, de responder publica-
cao inserida cesta tulla de 2 e 4 do correte, at-
tribuindo-lhe exclusivamente a demora da convo-
cacao da as*embla geral. Esperamos ser atten-
didossem falla.
Senhora do
Bom Conselho.
De ordem de nosso irmao jaiz face saber, qae
se acit* vago o lugar de capello desu corporacao
por luver renunciado dito lugar o Rvm. padre l)r.
Estanislao Ferreira de Camino.
O pretndeme deve entender-se com o nosso
irmao jaiz, ou reqaeror mesa administrativa da
zoesma irmandade.
Consistorio da irmandade acadmica aos 23 de
abril de 1870.
Servlndo de secretario,
Francisco Jos Meira Sobrinho.
Candida Miria Bocha de Vasconcellos, faz
ver ao respeitavel publico, que a casa sita no
Monteiro, freguezia do Poco da Panella, perten-
cente O. Carlota Joaquina de Lima, .-e aeha
vendida desde 21 de fevertro d'este mesmo cr-
rente anno, como prova com todos os sens docu-
mentos lezaes. _
Dinhiro achado
Na roa do Queiraado, hoje Duque de Ca-
xias, loja n. i-i, achou-se a 15 dias algum
dinhiro que se suppoe ser de um voluuta-
riocbegado.no 2o batalho, dizendo a quan
lia e as notas Ihe
ser entregue.
Na ra larga do Kosario n. 20, precisa-se
fallar com o Sr. Manoel Jos de'Campos Barbosa.
Trabalhadores.
Precisa se de 2 horneas para o Rio-Grande do
Norte, qae se queiram dedicar as trabalho de
amassadores ; quem quizer dirjase ra do
Amorim n. 37, em casa de Tasso Irruios & C.
Precisa se de um caixero para taberna de
n a 14 annos : tratar no pateo dj terco n. 63.
Feitor
No sitio do arco da travessa da Ponte de Ucbda'
precisa-se de um feitor, procure no mesmo.
A pessoa que annunciou precisar de urna
escrava para o servico de corintia, appareqa a
roa da Senzalla Velha n. 136, Io andar.
"Ne armazem da travessa do Corpo Santo n. 2*, ha serapre um completo
aortimento de objectos para carros, e que se vendem por precos muido rasoavets, como
sejam:
Vaquetas de lustros, graades e muito boas.
-Se-llas idem dito.
Oleado preto e de cores.
Colleiras de lustro o que ha de melhor.
Guarnices de fino lato para arreios, completos.
Lanternas e ellas para as mesmas
E'ios patentes para sebo.
Joaquim Lopee Machado <& C.
OS IIAIliTAMS
O armazam lo VAt'QK FRANCBK ra nova n. 7, lembra e offenece por comroo-
ftiiipreco aos-dgaos moradores da roa do DUQUE DE CAXIAS, os lindos GL0B8S de
papei de cores : verdes, asnare lo?, encarnados, e cor de rosa, para oraarem todas as
varaadas e abriUianlar assim a bella e grande iKuminacJio que tencionam fazer, que por
maior que el'a seja, nao dispensar de ser matisada com as differentes cores dos men-
cionados globos.
VIVA
A NlCiO BRASILEIRA
Ksqnadro patritico Ifoze
de Setembro.
S5o convidadas todas as pessoas que se
inscreveram neste esquadre a se forma-
rea no mesmo lugar do largo do Hospi-
cio, 2 horas antes da marcada para o de-
sembarque do batalho n. 42 de volunta-
rios da patria, que brevemente se espera
do sul.
Este batalho merece todos os festejos
no seu desembarque, nao s por ter sido
o i corpo de voluntarios que d'aqui
marchou, como tambero pelos seos im-
mensos feitos gk riosos na cruenta campr
aba que acabamos de sustentar centra o
Paraguay.
G Sr. "commandante espera que nao fal-
lera a esta fest?, pelo que desioj se an-
tecipa a agradecer-Ibes.
Em27 de abril de 1870.
O secretario,
Luiz Goncalves da Suva.
._ b ttttnr. Dr. jola municipal
du ff-T*D de Agna Preta", porque rallo anda nao
poz em concurso o offlcia de tabelio e escrvo
do mesmo termo, vago ha quatro metes por inor-
te do serventuario Jos Noberto Casado Lima ; e
qual o interesse publico, particular o- local, que
prevalece ao campiimejitp.da lei.
1 Jt { \ i *?/! ^urioso-
4roMndade: aeaemiea de Nossa S
Perdeu-se no domingo 2V do correte, nna
pequea pulseira de juntas com urna pedra en-
carnada e circulada de esmalte azul : a pessoa
que ichou queira restituir na ra de Santa There-
za n. 28, que ser gratificada.
Acba-se justa e contratada a casa n. 16 da
ra Direita dos Affogados, se alguem se julgar
com direiti a mesma, nestes tres dias ententenda-
se na ra das Trncheiras n. 50.
.(.
Com muito
noedas de ouro prai
ra.cSd de Ouro n. 2 D, na do Cbug,
maior ti
rata : na loja de joiaa do Co-

Comprarse

f|asadia. pam
emflouftfaiOm habilida-
levar na praca daTnde-
uma preta d wtia i
servico dftMSampo, asi
des : quem tiver pode
pendencia n. 39.
Comprarse urna crtouU peca, de 16 a 2p'
annos, perfeili engommadeira, nao stj olha a pre-
co, agradando ; na ra de Hartas n. 96.
VNDAS.
Vende-se doce tin de-goiaba em latas de
qnatro libras e meia e em arrobas, por prtre
morto mdico : no pateo-do Ter^o rf. i, toja de fu
nUeiro___________ ________/
Vende-se a armacSo da taberna do pateo .da
Penha n. 8 : tralar junto n. 10.
farinha de mandioca
Vende se de superior' qualidade, no escriptorio
de Joaquim Itodngues favares de MfiUo, largo db
Corpo .Santo n. 17 ou no trapiche lo'Gunha, For-
te do Mallos.
Cozmheira
Precisa-se alugar urna cozin"eira para casa de
pouca familia, paga se bem : na ra do Apollo n,
, 2 andar._________________l&___________'
A pessoa que annunciou precisar de urna
escrava para ser empregada em casa e na coz-
nha, pagando o aluguel de 35J mensaes, pode di-
rigir-se ra das Cruies (hoje do Duque de Ca-
sias) n. 41,1" andar, das 10 horas da manha as
3 da tarde.
Vende-se para pagamento de dividas o se-
guinte :
1 casa terrea nova com 5 quartos, dnas salas,
Sabinete ae lado, oom quintal, cacimba etc. na
eguezia de S. Jos.
Algamas ditas de 22 palmos com 2 qoartos e 2
sallas, e bom quintal, na roa da concordia.
Um terreno com algnm principio de ediflcac^o,
contando 200 palmos de trente, na ru Imperial
defronte do sobrado que toi do Sr. major GusmSo.
Urna canl de carga d" 1300 jlos grossos.
A tratar com Manoel Firmino Ferreira, ra da
Concordia n. 113.
Correspondencias com destino para Europa
Aviso Importante
As instruccoes dos correios franceies prohibi
do a seus agentes de fazer seguir as cartas que
nao Ibes sao entregues directamente pelo correio
braileiro, carta alguma com destino para Europa,
poderser reeebida de hoje em diante na chan-
cearia do consulado de Franca ou na agencia dos
vapores franeexes desta cidade._______________
Proprias para padaria
Alugam se duas casas sitas no lugar da Soleda-
de ns. 14 e 16, proprias para um estabelecimento
de padaria, pois ja leve esse negocio por mais de
20 annos, pelo que acham-se bem afreguezadas :
quem as pretender dirija suas propostas mesa
regedora da irmandade de N. .-S. da Soledade da
Boa-vista, em sessio de quinla-feira 5 de maio ;
e para informaedes ao thesoureiro da mesma ir-
mandade, na travessa de Joio Fernandes Vieira n.
6 A, ou na igreja lodos os dias as 7 horas da nia-
uhita e 5 da tarde. ___________________
Lembranca.
Hoga-se o favor a pessoa que mandou buscar
urnas perfumaras roa da Imperatrlz n- 82, casa
de cabelleireiro, para escolher como prova do bi-
Ihete a bondade de restituir estes objectos ou a
importancia delles, do contrario ver seu nome
por extenso com a publicacao do seu bilhete uas
paginas deste jornal._________________________
ATTENCM)
9
Pcrgunta-se ao machinista Manoel Ramos da
corapanhia dos T. U. R. A. se elle tem o direito de
conduzir na machina qualquer objecto por sua
urdenv nao ignorando que ha um trera proprio
para este lira, prejudieando assim os inleresses da
companhia.
44> r*.
Admirem!!!
Chitas escuras, cores segura;, que se vendem a
240 rs. o covado, ou 10*000 com 42 covados.
atlendendo a quinlidade resjlven-se a vender por
este preQo. Estao. acabando-se : na ra da Impe-
ratriz n. 52, loja com o titulo de leo, junto a urna
loja de ourives.
REFINA" O.
A ra rJr5 Daqie^filet^iasrtt 21.
Vende-se urna relinacao
n. 7 : a tratar na mesma.
na ra da E-peranea
Vende-se o rendimento innual da pedaglo da
ponte da travessa da ponte.dVcba Sant'Anna:
a tratar no sitio do arco, i .
Farinha nova

de mandioca ltimamente chegada, vende-se a bor-
do do brigue escuna Mentor fundiado entre o caes
do Ramos e trapiche Baro <1j Livrainenlo : a ira
tar com o eapiau a bordo e com Bernardo Jos
de Araujo, no armazem do Aunes defronts da al
fandega.
Brincos e allineies de pape,' obra delicada e
vista pela primeira vez nes:a cidade, feitos por um
curioso ; vende-fe a 1500 a peca : na loja da
Agnia Negra, rna do Cabup n. 8.
Vende-se urna Doa taberna bem afregnezada
e com muitos comrcodos, sita ra das Laran-
geiras n. 16 : a tratar na ra das Cruzes n. 33.
urna vacca de leite e urna
dos Afflictos n. 17.
Vende-se
Dovilha
na estrada
100000 de gratifi-
cado.
Fugio no dia 3 do oorrente da povoacao de Ca-
ooeiras do termo do Bonito, o e&cravo Benedicto,
preto, crioulu, idade de 26 anuos, altura regular,
tem feijBes finsimas, falla finae um peuco afela
da, costuma vislir-se em tra^o de mulher para
poder passar, tem no queixo inferior duas cicatri-
ze de talho bem visiveis, foi eseravo de Jos An-
tonio de Mafia, morad >r em T.i|uareiiaga do ter-
mo de Limoeiro : quem o pegar pode aprsenla-lo
na dita povoaca* de Capoeiras ao abaixo assigna-
do, ou nesta pra^a aos Srs. Goes & Bastos, na ra
do Manoel Viel.r da Fonseca Marques.
Precba-se dous leitores portuguotes para
engenho : tratar na ra da Santa Cruz n. 4.
Achado
Achou-se urna carlera contendo porfao de di-
nhiro : quem for seu dono, dando os signaes da
carteira e a quantia, e pagando a importancia
deste arranado, pode dirigir-se a roa do Livramen-
to n. 12, loja de Leal & Lomos, que Ihe ser res-
tiluidp.
Cozinheira
Precisa se de urna cozinheiro que seja perita,
prefere-se escrava, sendo boa nao so olha a prego,
para urna casa astranfeira : no largo da matriz
de Santo Antonio n. 2, 1* an lar.
COMPRAS.
Casa terrea.
Com
i M
a-se urna casa terrea :
de Deus n. 16, loja.
tratar na ra
Alugase dnas escravinhas ijae sabem cozi-
nhr e coser, recolhida, proprias para fazer com-
panhia aaigumaeenhora casada : a tratar na Ca-
punga porto do Lasserre n. 23.
i'.ompram-se moedas de ouro e prata de to-
los os valores, ouro e prata em obras inutilisadas,
iriluantes e mais pedras preciosas: na loja de
mrives do arco da Conceicao, no Recife.
O muzeo de joias
Na ra do Cabug n. 4 compra-se ouro, prata
pedras preciosas por jwegos mais vantajosos do
le em outra qnalqaer parle.
________________________:_______:
: l
ELEPHANTE COM
Grande armazem de pianos, msicas e instrumentos
9E _____
ANTONIO JOS DE AZEVEDO
N. 11-RA NOVA-N. 11
['artecipa ao re&pitavel publico desta cidade e das mais provincias vis+ahas, que o sen graade e bem aereditado armazem de instrumentos,,rpara musi-
ilaraha de laet n graae e esplendido ,sort*aaeato de_____ ______ ______ ______
PIAMOS
O que ha de ata moderno, de teclado foco e mofcile, e com trarjpoaic2o ou sem ella, de autores os mais acreditado* nesta 'cidade,'[.como sejam : os
tenados e bem cobetios piano* da fabrica do Sr.
Vende-se duas maquinas novas e de metho-
do novo, nnnea vindas a Pernambuco, de orna
durarau eterna e vindas ha poitco de Inglaterra ;
por preco commodo. Duas imagens muito boni-
tas, Christo e No*a Senhora, de pedra, obra mi
to bem feita. Una cama trancezi tambem se ven-
de a nica banha contra a qtieda dps cabellos, e
um charope vindo do sertSo para cpra da moles-
tia do peito : no Corredor do Bispoit. oo, tambem
se engomma roupa de hornea) eTde genhora.
Cabriolets.
Vende-se dous cabriblets, sendo um coborto e
de quatro rodas, e outr Uogcart, ambos com lo-
dos os arreios e pertences ': n i cocheira de Thc-
maz Lins, ra de Santo Amaro.
Joaquim Rodrigues Ta- $
vares de Mello,
Praqa do Corpo Santo
N. 17.
Tem para vender:
Cal de Lisboa.
Potassa paRussia.
Vinho Bordeaux de 1/
qualidade.
$ Farinha de man-
dioca.
Farello de Lisboa.
(irUGA RA DO OIMADO)
Nao loi sem fundamento que a fiOYA
ESPERANCA tem deixado do /.ze'r.os ais
annuncios, a razio simples, ella _
que tiulo cm demasa borrece...
como ja linha dito e scjcijlilicado
regutzia o que. consianlemente ia i
do, ou livesse fito muiiqs vezes
torior-se jnassante, assim pois ru
um poico ao silencio, mas nunca
d'eapivgar os verdaderos esfoi^os,
tratando maior numero de correspe
na Europa, j descoDriuo i bjectus
apurado gosio e liiwlmcnte assigna
Jornal 4ls Familias, o qua vem-;^^
ornado com laurinos, modernos moldSBrH
vestidos etc.. ele. para desta furnia iqWkt
servir a sua constante freguezia; e corr s-
pecilidade ao bello sexo, quem a NOVA
ESPERANCA ufana-'se em otlVrecei -jie
seus servitos, apressando-se desde j tna
declarar que tem recebido ullimauiente
enlremeios c babados bordados transpain-
les o tapados, chaposinhos de si'm para
baptisados.
Finas tuncas de cambraia bordada para
o mesmo Gm.
Meiasde seda e fio de escocia para c, :-
Cas.
. Dedaes d'osso, marfim, ac e. madrepo-
rola.
ptimas navalbas, afiadores e massa ;
as mesmas.
Finas esponjas para o rosto e para ba-
nhos.
Bonitos sapatinhos com biqueira, sc.i'o
com salto, para meninos e mininas de <'.
a doze annos.
Boas lentes com cinco melimetros, 'va
contar-se os os de qualquer .lazcnda.
Tesouras para frisar vestidos.
Carretas para tirar moldes de vestidos.
Mollas para segurar Cunuralu
Bonitos linteiros de nuvos moldes,
Meias de 15a para humens e senhoras.
Finas e bonitas ligas para meias.
Fil de Rn.ho e de seda, sendo preto e
branco, liso e de salpico?, e outros muitos
objecto? exposios a venda" ra Du^. i
de Caxias n. 21, na NOVA ESPERANCA.
MU1TA PERFUMARA.
A NOVA ESPERANCA, a na Duque -le
Caxias n. 21, acaba d receber muita per-
fumaria dos melhores e mais afamados fa-
bricantes, como sejam finos extractos par; o
leuc.0, essencias concentradas de muitas qua
lidades, olhos de agradaveis elidiros para os
cabellos, e bonitos vasos com boa banha, !.'>
dissimos vasos com pos de arroz, sabonel-:::
de dilerentes qualidades etc., etc., ass'm
pois os apreciadores do bom,. veiihams*; -
fazer suas paixoes na NOVA ESPERANCA.
PARA ALVEJAR E CONSERVAR OS.UE.NT^
P de carvo de rosas : vendem-se IrUa
Dnque de Caxias n. 21 na NOVA ESPE-
RANCA.
Para acabar com as sardas ou pannos
recebeuaNOVA ESPERANCA, na Di-
que de Caxias n, 21, o verddeiro leite <:c
rosas brancas.
Saho '.'aieaCro.
Vende-?e na roa Duque de Caxiasn. -i.
PARA LUTO.
Brincos, broches, tolla?, pnDeiras, five!-
las, lentes, boles para punbos e cadei
para relogin?.
A NOVA ESPERANCA, querendo satii!.-
kersua freguezia, nosomeiile un objecivs
d'alegria ou de luxo, quer tambera acom-
panhai' aqui'lles, que irifelizmerito perdenCo
alguem de sua familia, ou a'gucm de- s;:a
amizade. piecisam de taes objpctos, assim
pois a NOVA ESPEBANCA, mandou vi, 3
que ha de melhor neste genero, porque
sendo taes objeelos de cor negra, senuu
de m qualidade, n5o smente tornara-:.!
tristes como at repugnantes, o que nao
aconlesce aos da NOVA ESPERANCA. p t
que-apenas exprime o sentimento pela c.'r
porem como que traz um leniti-vo pelo gosts
e perfeifo com que taes objectos sao tra-
ba I ha dos.
Milho das Ilhas
E
Feijao do Porto
em saceos grandes, das Quatfcladea abaixo men-
cionadas, e por menos prc;o do que em outra
parte.
MILHO NOVO ()
Feijao mulalinlia Feijao preto.
Dito branco Dito rosado.
Dito amarell Dito frade.
VENOEtf
Jos do Reg Borfcji A C., .a ra le Vrgario n. 14.
:'E'l <

do Pars de qem o annunciante o nico agente nesta cidade, como prova com o doeuindHoWWffWScTi'pto e assignatio pelo dito 8r. Broodel. Estes pianos, fabri-
cados tspeciJaeate para o cuma deste paiz, sao os nicos qae offerecem urna garanta segura de#*,durmi, EHae sio aqu bastante eoobeidoa desde 1844, para que
seja neeaeario ins4ir sobre ana superioridade. As suas vozes sjto muito flautada* e melodiosas'." lle's''possn%nT um teclado que se presta a todo* os capriobos do
senboxea pipita&
GRANDE
fOVIDADE
SA
BRACO
Vende-: ou troca et; um
travessa do
Todas as peasoas que comprarem pianos nesta casa, to rogadas a exigirem o certificado de origem a^igaM pelo Sf.'enfiel,:
intacddade b numer de piano com de certtficado.
doRecifi,
nvlp or, nym.
AO


de provara
OT Jvl /
I
Mr. Alpbonse Blondel, fabricante de pianos. em PARS, deeclara ao reapeiaflvei publico de PeroamboO, ^e o ciuca depoik> de saus. pianoa ma ctdad*
NOVA N. 11, armazem de Antonio Jos de Azevedo. Outro sim que todos os seus (pianoa irlo accompanbadog de uo certificado de origem aaaig;
Pars. 24 M jolbo de 1869.(Asssignado) Alph* BUndel
*** o nnnciae tambem iraca e luga pianos.. E tem o_maior e mais explea&do srumettojie cvoe jtauoa.
WIDHICAS FAMA;,
'"'Al auaes recebe directamente da Europa e do Rio de '.(M aWMKaW'&ga
eft. taafc^tetegtand'slrnwno de papel para muska e de8bq,r)[ # tfrtodosjs_ toitromento^
taaoalho de salas, ricos espelbos doarado.;_.pifot"Bm*ml <*&*&& *Mm eroelboi de todos os tamanfaos, talagarca," un e igulbs para bordar, e muitos ootrosarligcs que o rtspeittvel pu
iberio todos os das at as D borai da oote, aun w Exmas. familias porjerem ir apreciar os reus pianos.
sea utV >
Tornaghi. Wrciso, Arituu- .Jtopole* Cj
os nara ornamentos de. ilas, oleados par
aq
re neale armazem, o qoat psiarr
Luca n. 10 junio do poyoado da Magdalena e perto
de onde tem do passr a estrada de ferro de Ja-
boato, com baixa tfe eiim pitra sustentar diaria-
menie quatro camltos e com logar proprio para
so plantar mais, to'do^ercado re novo, eom al-
gumas arvores de troci, :s?.., caciuiBa de mnllp
boa agpa'eierrdnop^i.aiiinal ;jtr iilanucao por
urna casa que renda de 2j 5 a 30* mens4*i,,ondb
as fregtiezias de Santo An :.r. S. Jt; ou Bui-
vjU" a tratar.no meSnif sio.
Vende-se unja pequea cs ttarea'faa'ts-
irada .\oa, fregueak dos Afeados, a qual de
pedra a cai
Vede'se oo permoiase por predios nesta
praca ou seus sobuibios o engenho Mocambkjue,
sito na freguezia de S. Louren.-o da MaUa, cea
boa usa < vivenda, de purt;a', de destila (ao, sen-
do o seu iamhi |ue de'c pacidade para destilar
60 caadas de agurdente por dia, machina
vapor, trrenoe para afrejir para mais de 1.080
pes do assuear, moente e correte ; nogociando
fe com,a safra criada oj sem ella : a tralar em
Santo Amato, ao sobrado Junto ao cemilorio inglez.
Vncese ama preta fue cjunika e Uva bem,
Haraate-* nao M Vdos nem' at-banne : lia ra
Direita b. .1, 2* aad*r.
Etigeuli
!iaxKj &#
Ijdo, sires legoas da eslava .i! Oiir\d^..^|
j Dom ne trra, e moe con
3 ___- l'amla da nme maIiM
ni agua sem preqbsr
o irwTtio.
Veadew um mobilia dejajarand, em bora
esudo : Da roa da Palma t. : Ra do Imperador n. 26
Os donos deste estabelecimento desejan-
do por em praiica nesta capital os costu-
mes das confeitarias das primeiras capitaes
da Europa e Brasil (Rio de Janeiro") faze.m
seiente ao Ilustrado publico desta capit; l
que na prxima semana santa tao este
estabelecimento primorosamente decora
e eiifeitatlo com um completo e vari,;., i
sortimonto de caixinhas lidades e gosto, um completo so: mento
de amenioas confeitadas de todas as qua.i-
dade., conl'eitose pastilhas as quaes ser-
van para endiimenlo das mesmas caxinhs
?dvcriindo ao Ilustrado publico que na cid
em uz brindar senhoras com este delicado
presente e vendo nos que at a poca pro-
sent, ainda n5o houve alguem que (iresse
a lembranca de proporcionar aos amantes
do bello sexo nesta cidade o-eosejo de dar
suas demonstrages de estima, gratido e
amisade com um bello presente, ns tema-
mos a'n'e-sso argo t5o ardua tarefa atlen-
dendo as duvidas do b m ou mo resulta-
do-, que podermos colher..
O publico encontrar ludo mais que re-
Jalara o amigo aununcio neste Dkuio, &$
Eanas. familias na occasjao de visitar ?
templ-s pcdirao vir fwtaleceivse com ools
lanches, vnhos, licores, Gham^agae, aer.ve-
ja e refrescos tudo do melcor qu foi
vel. Esperamos pois t..tbcumr.cia do
respeitavel publico em-ger-al.
Ra do Queimado n. 31
o
s
Fxfl?lhrnte9 chaph} de casi
IbwiK^a e-prrt, pelo ^ratMi-
preoo de 100CO.
*C.
I.pjade.Antww)(Jieara Rolim
Exiado Queimado n. 3
Ve^s/uni-.
MaAC'dXI NHBitle
car, e nma eria lha da itnesi
meie?, muito linda e m
fe. tambem urna negra i
madira c cazini
3 andar.
JH


fliario Ue PeiiaiJlucaip- Qj^il *eir 28 Je Abril de 1370
A
Rna Duque de Casia* u. 55
N loja da VERDAOE continna-se a ven-
der por baratissimos presos todos os arll-
gos de miudezas e perfumarlas do seo
granflo e variada sortimr-nto, garaatfndo aos
compradores toda a sineeridade.
Lindas bonecas de cera e massa por ba-
ratissimo preco.
Espelhos donrados para pendorar a
160 rs.
Agulhas de oso para crox6 a CO rs.
Pentes finos pira segurar cabello, a
3*0 rs.
Cbamins para gil a 3?0 rs.
Garrafa com tinta azarine a I0COO.
Dita com agua'florida a l5C0.
Dita com dita dita a tfO-.O.
Tnico de Jayme a I 300 o frasco.
Frasco comoleo expresso de babosa, de
240 a CO rs.
Diio com agua de Colonia de 300a ijJQOO
DKo com extractos finos a liJOOO.
ito com sndalo verdadeiro a IJ200.
Latas com banhi muito Una de 120 a
240 a.
Ssbonetes muito finos e diversas quali-
dades r 80, 100, 240 o 320 rs.
Finas escovas para denlos de 320 e 50 J rs
Ditas para fado de 500, e 600 rs.
Dit3s para cabello a 5C0 rs.
Peates para a'isar com costa de metal a
320 rs.
Ditos ditos ditos de bafalo a 240 e 320.
Peales para tirar piolho de 160 a 240 n.
Pavios para gaz, dazia a 240 e 320 rs.
Urifico3 de cores, inteiramente modernos
de 160 e 240 rs.
Parmascaligrapuica* muito finas a 1 $400.
Ditas de lanfa e mosioha a 800 rs.
Lindos babadinbos e ntremelos do 500
e 1^503.
Grosas de bdoos de lojca de ICO e
200 rs.
Ditos ditos para calca a 240 rs.
Cai*xa6om pape! amizada a 700 rs.
Ditas com envelopes a 480 rs.
Ditas cora brelas a fe rs.
Ditas com agulhas fundo dourado a
280 rs.
Thesonra para costura a 240 rs.
Linha do marca cixa a 280. rs.
Carriteis de liabas da Alexaodre de n. 70
a 200 a 10 ra.q
Grampos muito finos, com passarinlios du-
ziaa 2()0 rs.
Cartas francesas para jogar duzia 3#000
Ditas portoguezas, dona i$100
Papel almaco superior qualidade resma
4;500O. .
Lam muito fina pra bordar libra 6&>00
Fitas para ilebruoi de sapato, pessa 100 rs
Ditas de lam para debrum de vestida peca
400 rs.
Canjveles gr ndes com molla a 400 rs.
Dilos grandes com 2 follias por 320 rs.
Roseta* pelos para lulo, o par 100 rs.
Trancas de lam de caracol branca e de
cores de 10 a 100 rs.
Filas para eos, peca 4*0 rs.
Alfioetee de Jalao, .caria 100 rs.
Sapaiihos de lam p^ra cieanca de 400!
o 800 rs.
Calcadoras a 40 rs.
Grvalas de seda prela de 400 800 rs.
Ditas do crux, brancas o lidf^ra* OOrs.
Bita de torgorao de coree B*8Wn.
Ra Vcrdadc roa ktuqpe de Ca-
ifas n. AaV*
CftntHria de Lisboa
Solelras, horabrelras, e apilis, o gue b'vde
melhnr pri frontes de predios: i ven ja no ar-
raazeai da trawessa do Cjrjo Santo, i ioaauira
Lopes Machado A C.________
Vende se ama carroca ta raoJJa para cavallu
com os nertenceniei arreius : ra do Brun au-
mero 79._____;
Estampilhas.
Veodo^na roa da Cruz nM1 andar.
i--------------_
COGNAC
cognac. nico depoailo em Verriambucn, em cas
de Carlo P. da ieoofi >C, ra do Vigario nu-
mero 10.
^m
{OS
Travessa do Corpo Santo n,/25,
Oa redirados cylindros americanos para padaria, por dotos djl&rttuc ***
Jiaebinaapara escarocar algodad pelos mejores abrioaofeaVIe He* -York?*
Machinas de vajor systema de locomotiva e pollas para as raefcmas.
lairmnes americanos para aportar voluntes em arnaaeos.A Tudo por
uaoawis.
14 MACRIDO fr C,
IWmi DOiORPO SANTO N.
Milho e arroz de casca
Vende-ge milho e arroz do casca novoem no-1
(os, no trapiche da compankia : a tratar na. ra
da Cadeia-vellia, casa n. I, t andar. ______
Kir: popityjIl!
DA
FABRfA N4CI0KAL DA BifiU
DE
Tei'xeira UlduricofrC,
Acha-se venda este ptimo rap,' ornea pode supprir falta 4o priaeza de Liaboa, por ai
de mui agradavel perfume, viajado, e g. pre$c i
ruis mdico poseivel; e por isso teru sido as.--j
acolhido as pracas da Baliia, -do Rio daJawlrc
em oulras do imperio : no escriptorio n Joaq
Jos Goncalve* BaHrao, roa do Qommstno u
nwro 17.
A AGt'LV t#'2lRa animada com p bum accgi!muUt ^ae Tve era seus ar.cun
ios, vea aovo paripar a aet irtguezas que. acalca de receber um variado aor'i-
neMo deobjedos do gosto=oB'fMee ser5b veftdidos por precoe muilo raioaveis, pois
juande fez os seas mraetros a/inacios, fi o (jue ^segm^a, e sem mfido de errar,
j .wrque como ja d^e osla inlereases jjgajda a orna casa importadoradesla pra?a, oj
i.-fOt mo peder ler iodo .e^pueial e veatle por presos admrravcis.bama ppis a atlen-
i o de seos rreguezes para os -arttgos pe$sa deseftWer :
Livros com o tampo de marjtm, madre- Um variado sortiments ,de charuteiras
erla .e iartacegas proprios para missa. patiteros de porcelana,
Bichas hamb argaozas
Neste novo deposito recebe-je por todo? os pa
queleslranslanticos bichn= r-, quahdarle superior
c vendem se em caixa on percao mais pequea,
e mais barato do que em outra qualqucr parto:
na ra da Cadea do BecifL- n. ol, i andar.
Cigarros da imperial
fabrica de S. Joo
de Nictheroy.
nico deposito em Pernambuco caos da altan
dega velba n. 2, anda.

tarfinlias vazias propriaj para presentis]
*usa. de ^osfa, '. .[
IndispensaveLs ie .paliib.v e de couro w- <
ios para senhetas e ownieas traster'nos'
rseos. i
Bipoetros d) madrqperola, nrartim e tar-!
uruga todos amallados.
Teios para voltarete.
CiAQga'Uas con mp.rfim, cottsa especial.
S ibonetes de acalr5o.
Cofres do foftias para dirdv?tro.
Liiulas caixas para costura.

5;000
A ra Nov n.' 60
para senhora a 30000
quanto n3o se acabam.
veni!n-se bolinas
o par : a ellas em
Caf do Cear
Vende-se ptimo caf da sorra d'Araia-
nha, Cear: roa da Cadeia do Recife
Gatos largos drstmUwsa4nieraen-i1.'I,n mn*m sortira,>f>to ,,e lmas de Pe*
. pova. _. Bt*'
Fitas de sarja de todai as odres e larga-' ^^?*ara **
aspara lacos. thn.tmpleio sortimenic de encites de
Toncas, sapatinho* mei&s-tle 9eda emais eda para vcilido.
aorteaces .pan baptUados. j^^arips de todos os autores os mais
Fitas com-tnscnpcot propna.s para-bou- acreditados em oxiractos, pomadas e leos
loet de noiva, e inaU^onle outros muilos o)eclos que nao
Pucos vasos com p do wroft possivel mencionar ; mas com a vista se
Vm variado sorfittrcnte de jai ros da por- ccrtikaro do sonimento deste estabele-
^ana- cimento.
Agua Negra, ra do Cabug n. 6.
JnjiiiirKijiij \i:'iii) \G.
----------M----------------.--------.------\ ; >
lortes de vestido^
ti
Acaba de ehega? i I ja doi arco *r
Crespo n. 20 A. do Alvar > AugW-lo de M\
& C, os mais ricos fprts de vptidw
que tem rindo a esto mercuda ppra casan
assim como cortes de vellidos de seda do
gostos inteiramente aovo?, e tambetn um g
sortimentD de chapeos de velludo p;,ra senh
Veniesp on iroea-se por c*as orsta
o sitio denominada dos Bcritiz, aatiga tasa i
vagem de roujia, com grande c4?a de viv
senzal.i para pretor fitribaria, baoheira de n
ecal cem agua correte, baixa psra eaptlg
grande terreno para pantaeSo : quem o iretn
der dirija se praca da Independencia n. 5
Vendc-se om'boi eearro pmpno parar-r
rogar asucar ou gneros : a tra'ar no rae* do
Ramos n. 22, com Antonio ^oe Farrujo, poes-
..lar para retirar so"para KaTopa.
liaS!!?if* ??? GRDR BAZAB ; Ve^e-se orna es. ,er,e. t***,^
UNIVERSAL, ra Nova n. 22CAnNEJRO na fregoezia de S. Jos : na ra rio HortaTn. 3
viannaom completo sonimento de ma- se dir qnem vende._______
chinas para costora, dos aulores mais co-! Venoess a loja d-; (uotlew^ da raBtreita
DecidS, as quacs eslao em C.lpOSicO no n-38: a tratar na mwma
me*mo Bazar, garantndo-se a snaba qua-1 | _^__
iidade, e tambera ensina-se com pe ft;i;ac ; V* HGVci
a todos os rjempradores. Kstas machinas iieseamsiadaMhoje do i atacjio
sao iguaos no s*'H trabaIho ao de 3 costd-
reiras diariamente, e sua perfeicao ftl
como da melbor costureira de Paris. Apre-
sentam-se traWhos ejecutados pelas mes-
mas, que muilo devam agradar aos preten-
denles. \* if
HACHIWS l'ABi
COSTURA
lunrlfHir n
i roa a-.Al.
o>
Chegou a luja de Paredes Pflc, a ra da Trfteratriz n. 52, (Porta Larga) um bo-
nito sonimento de loaibas de linlio para mesa, assim como os competentej goardanapos
que se vendem preco baito.
JLA
OUCA
Ci-aude nruiazem ua rna da
Iiuperariz o. ti
Iasinlws a 240 o cavado, fazenda de 300rs, para acbar fillfIe "^ annazera ,Bae-"se lona m^y
isboa
3kra ; n vead
laaquin los Kam % fia rua.da Cruz b. 8, ffi-
rr.eiw aila*,
Vende-se urna parte do engento Pnrtiatalio,
de graade ^roduegn para aftricuUara, sita na
fre^ueiia de Imtoruss. a.-sim como *e nade on-
tra part1 da engenho Curto de Cima,, anm xo ao
purgatorio, que.nniito conve luinprar ames: a
tratar no Remedio com o Sr. An onio HoaelioCor-
detro de l>m?.o.
3 portas, -ja de ferr&geB
53-Rua Direita-53
Nao mais cabellos bruos.
.. -----* r------------ unas e ordinaria?, apparelli's de porcefana para
ua ra aa Itilperainz n. >a. juntar e para eh, Jarros para flores os mais boni-
PAHKES POKTO .vende algodo com pequeo toque de avalia a 35R) e 4?000, d,> E-*109 modernos; assim como erando
a peca ra da Imperairiz n. Ti*.
PAREDES PORTO vende ebria preta para luto a 100 rs. o euvaflo ua ra da Im.
peratriz n. 52. Porta larga.
QIU88
Vende-se diales Drelotle merino a %#m-huenA mpetior, na rn> da Imperarri?.
PAREDES PORTO vende meias para trrtwrasa 2500 a dazia p r ter um peque-
ExScl r^Jrt r< ""f" *'tautt111 PAREDES PORTO vende cortes de cal?* cernir preta a 3#>0O e 4^000.
J^^J^t^^^^-1^ "WBM"8 WHTO tem pam veuder paooo rreto soperior e esemir^ de cores e
h!,? -.* Pf 3 S PreP^cocs at pretas que vende por prcos rwnmodos.
. CH.UES. GRAKDB PECIHXCH.V.
Cbe?ou a -loja da -ra Jmperali-iz n. 52 de Paredes Porto un* bonito s.irtimeuto de
chales fhinews fazerrrlas rmiilo Ivas para senlioras trazerem em casa, ej vendeodo
porv3)5iOOO, Cafftoflca&ando-e ha
aoje existentes, sem alterar a sade.
Vende-se a I #000 cada frasco na
Rna da Cad
n, 51,
Neste. frrande esabelecimento, ha para vender
nm completo sorlimento de ferragem, e niudaa^
finas e grossas, como sojam bandejas clinejas"
fortini-nt-i de vhlros flnps o ordinarios que tudo qnadradas e ovaes, facas e garfos do Obo-
se vender tanto a retalho como por atacado pelo ides, balando inteiro e 1/2 balando; paneUas, cha-
mis barato pnseo que em outra pnfllqaer parte : theiras, cacarollas, frigideiras, assadeiras, taatc-
chamamos a atteiifao dos freguezes, que sero do ferro como de porcelana, moinhos para caH de
eonvenienlemoirte- servido* tanto nos comraodos diversos tamanhos do fabricante Japy, jjcjos kUo-
preens como na ftiia nnalidade das fazendas. graumos, tanto do ferro como de latac, metros
" -------7--------- pra medir fazauda tamo d? ferro como de lato.
h.O nOVO 6 .OartO stilro> ^ou, barbante, enxofre, pape! marca ^a-
do, do verdadeiro Picaro, machiuas para desca-
ro jar algodo; am de outros arttgos de lam-
gem, miv.dcas cutarias linas, quo s com a vis-
ta se veriftea ; nr. ra diretta n. 53 loja de 3 per-
t de Manoel tieiiie. !' Olivnira RrasaA f!.
Mais barato do que em outra parte, para ver
no trapiche UaoUs, c tratar ra do Apollo au-
mero 4.
Bap Paulo Cordeiro.
m m gaz
1. andar.
Leja do Lee.
Abatiraenlo no preco.
Vende-se r;iti Paulo Cordeiro fiio, viajado,
,mio grosso evirgribrM : no deposito, ra do Vi-
gario n. II, sobrdiK Faz-se vaataperi a quem
comprar |.!t;So, e. troea se o rap que nao servir e a'retalbo por manos pre\-o doqne era outfaeuaJ-
ao agrado do comprador, qaer parte.
^ Che^on ao ant:go deposito de Hcnry Ferstcr 6
C, ma do Imperador, um carregamentc^da gaj
de primeira quaJidade; o qiial se vende em ipitidat


i '--'i
..tm.
/3V
60RA DA MPERAT
a* e;'. te' "s s,,as r***p,,K meiTOs i^?mS!S2iS5SS SSPVLJSUSIsjri aaJraaTii'SK ==. ^k.^ fsd*.
:;0M 8 SmSlSS A l:00Of:dC IMSS r4Pce?a- ^OCIIOPAnACADfflltASE _E^^ f CRECES COM 10 PAU3S DE UKURA A, NOVAS POPEL^S A iOO RS.OCOVADO
2:000 fl ;-.:fQ > RS.
CASEMIR.\S E9C0SSEZAS.
0 Pavao tem boni.as casemirai cscosse
Coegaram as Gmsstnaas cambraias soissas zas com quadros graios e midos e outra
traripnr rites, sivK> o que ha de mais fino lisas com lisiras ao lado, sendo fizendo
para i i: veflde-se pelo barato proco muito lina que se vendo mais bar;>to, do"
do IIS0-), /OOO a 2,J300 o metro, tendo haver gnnde porcao.
3. familias, de todas as fazendas se 5o os livros- das amostras, ca se mandara tevar emanas casas, para maltor"po-
<\MGAS LAVRADAS A 640,
1,0GKEIS.
timben) d is m vea:, poriB' inglezas com CORTS DE CASE llRA PRETA A 'cSOO,
jftil Urg .-a que se vendem a I^OO.j O Pavao tem os superiores cortes ileoa-
s I#80) m;;.o, sendoarwnas precisos des- semira? pretasenfeita*las pelo tanto proco
ta largafaienoa para s> fazer um vestido,di) WOOrs. o cort,
Oil
i/i meHtf, 6 pc,;hincli3,
SAIAS BORDADAS
Vende ^e nm. bonito sorlimento de sam
CASEMIHAS RASPADAS A 800 RS, O 0-
VADO.
O Pavo ende excellent': fazenda de pura
bordaaas .-ora h pannos, assim como ditas lacom as cores escuras muito proprias
amatas, d.; liastnba, enengadas com para calcas, palots, co!tetes e j-oupa para
boniU barras bordadas a ia por procos: meninos que frequ^ntam a escolla por ser
aoto em coi:'.). | uma fdZenda leve, escura o Je muita dura-
PANNJ PAP.A SAJAS A U000, 1,^280 e
\m rs.
Venle-se bi!as faxendas ^propriaspara
*;i!3s sendfl coca bordados e pregas a um
lao, dando a largura da faznda o compri-
merit i da saia o ver jo-se uelo barato proco
da 10040, IJO 3 I ,400, cada metro sq-
tIo preciso ap0aa3 3 o:i 't l/ metros para
lata poehhwha.
Colariahos.
Veodoso nm bonito sofmono d-j cola-
riohos tanto de linho como do algodo pro
pi; ;. ;-a Itom m, assim como tambem um
. ':"> sf.rltimoDto fio. tnesmos para meninos
a t-...i.'s e todos vendem-se por preco
muilo barato.
*j!aos e ea- emirws pretas.
u Pi-.Tu vendo gr.n.de porc3o de pannos
do mais bii-:o at o mais fino, por
preso que admira, ssira como um graade
i,us se vend j por prc;o mais barato do que
Z3 oulra qoatquer oarte.
-GOtijallAO PRETO.
Vende-?e o melljor gmgnrSo de seda
preta para crleles e vp.stid.os, sendo nesfe
Uger**) meihor qjie teto fie do a o jabeado,
'rnai"! !.) : '^do que eraourn rj-iolquer pule.
eslillas braucus a l^OOO rs.
O l'.iv3o vende finiasioaos coftes de ves
jos de rarnbraia ranca, ricamente bord--
das i com m lita !'a?.i'mla pf.lo ba/a'.o pre?o
PANNO DE LINHO.
Cbegon um sorlimento d>) pecas do pan*
O-1- i)no>.do P.o.ro, ,qa ae-tveiidem de
que cm fatenda dordnTnaoba; nada raettio
.tota mais peofcift para. tooejM e IoiAm,
gao, o pecnlncha i 80.) rs. o covado ou a
2jl80 o corte de calca para hornera.
FINAS BAREGES A 610 RS O i OVADO.
O Pavo leaa as mais liadas bjreges de
Ia sendo m^ias transparentes, enrn uma
s cor, tendo : lyrio, azul, roso; gismarcU,
roxo, etc., tendo maitoboa largura e liipii-
da-se por 640 rs. o covado. por se ter fri-
to uma grande compra, assim, orno ditas
mais astreitas de ama a cortonvlislras i
e pet
---------------------, l. .
O Pavo tomara g-aado sortimeuto dos4- 23000 RS. O Pavao ven te grande sortiment
- mais bonitos crochs para cadeira*, s&s i, O 3^5o tem uma nova remessa-aa mui- das mais bonitas popelinas- com. listriohas
i mrsab, almo&das etc., proprios p*ra eo-Ila acreditada cretone. propria par* lences de-todas as ores-e com lustre imitaco
D.irprtS3utso vendle mais balito do EtendMO palmos de largura, dand*. na lar-da-sed, facilitando esta bonita fazenda a
que em oatra qoalquer parle. igura ocoinprimento do lencol e vende-se fa.xr-sC nm iV>m vestid > de nuta fantasa
A ?tao csfchd l pelo baFalo preco de 2O0O o metro, sendo-' por pouco dinheito, isto por ter-se feito
Vende-se orna grande poreSo de-alg&dao "preciso apenas para um lencol u metro e|-nm prando compra e fde-sa a 400 rs.
sinbo americano cora 8-palmos de ardura,', urna-qoarla ou mew e meio. jeWado.
proprio para lences e oalbas, tt'udo lis > p
trancado, qije so vende por proorwito em : GBS?fWS PBa0S DE U600* 7*m OPAS PARA UOMSNS RUIA TODOS
coala. v1 m,,wtm, Na loja do Pava* enconlra o respeilavol OS PRECOS
CRETNBSMATzados.para VESBOOSa610^k(> um 8^ sortimento & groado- Neste grande estabeKcimento. encontrar
*r> n ..- S2 $A*n Jt Sft" TaVV'?l-; respeilavtl pnUieo mh grande sonimento
Para o favao ebegeram os mais bonitos Iidades, tendo de li^O ocovado-ate "5000 -*- -
e 8-jOOO, quo se >omle por pjfec muito
em conta.
PARA BAPTISADOS
Na loja do Paxo vende-se- bonitos en
cb>vaes para bap-Usados.
Voritm com 10 covados a 3,-SOOO. tknfnto de meias cruas.
Vende-se ^s; d, .!,Jtas Qiias Icnd^ VESty)OS ADANOS COHWJAS SAIM,.
;coras c alegrs con. eres Utas, sendo 0' Pavij. oode uma ^ni ror?o>
imitaolodesejd a 563 rs. o
chiadii.
ALGODOSINHO A8,000COM 21 JARDAS
O Pava > vende pecos d) superior algo-
dosioho largo proprio pao lodas a* fbra&
por ser encorpado e fino, pelo barato pre-
co de SDOjO,- pechincha.
PECAS DE MADAPOLAO A 3500:
O Pav5o vendo pessas do multo bom
madapolo. tendo 12 jardas cada u.ra, pelo
barato preco de 30500.
PSCMXGHA EM ALGODO A40H&
O Pavo est vendendo pecas d* it.odfio-
sinho francez, tendo 4 palmos de. hrgwa e
com i I metros cada pee, pelr barato prd
de 44000 rs.
CAMBRAIAS MANCAS A 44000, A PBCSt*
Srj o PavJo vento pegas de caojbsaia
branca transparente, enro rniU de vara de
largura,.com 10 jardas cada \v>$i, fezrrwfct
oue sempro so venden a W eHufi, boni-
da-so pelo barato preco d .4U00.
Cm palmas ae seda l4*l>f<
Para o Pavao coo^outJMs rtco; wptimm,
o das mais nonijtas lasiabai com palmas
de seda leado d4das-aajores e padroos*
seade faeenia baalaoto' Itfpi c refraa-se-a;
J0O9 o covado.
l loja lo Pavo g
cretones escaros matizados, proprios para
vestidos, rot^ao. ctmbres ete. que se
vendem >-80v. raesraa fazend1ttora,p^roiiS?o|afpr^irios
para vestidos e roupss de meninos a 040
rs. o cavado, sendo os padres maie-mo-
dernos que tem vindo ao mercado.
03 SE1INS PO-PAV4(K / ;
Vende-se os mais bonitos.sotnsda cores
e mais encorpados, proprios. par vestid**
tendo do diversas cores.
de roupas, seado pats e sosvecasacos de-
panno preto e aaaeiwra, caler. e cleles de
brim branco ede cores; que tudo se vendo
mais barato do qae em outra q^alqoer parte ?
assim como mb grande .sorlimento de ca~
raizas- francesas e inglezas, c-ceroulas tanto
800 E
Chepon para este grande eslabeftmertto
o ais bonito sorlimento das mais noder-
oas lpicas lavradss de todas as crMs, que
s vesdein a \$, 800 e640 res o covado.
assim como um grande sortimenlo de dipn-
eas- lizas d i todas as cores /.
CELEZLVS- E BRETANrfl^.
, Vendem-se as mais finas /celezias da
linho puro ou pessas com 28/metros, assim
oorao, finissimis- bretanbai de linno com
25 varas, por preros que faaem admirar
em relaeco qoabdade.
Chegaro
Basquinas.
mais modemes be****:*
raizas-francs e inglezas, e-eeroulas tanto m iaouetinhas de spda r7c7 Z\-
Ao* dez nal|eoTn<1os.
De Basidbas a 400 rs.
O Pavo vende pelo baralo preco de 400
rs. o covado, urna prsmle porco de 'Y5u.fr
nhas com lislra* miaa'nlia.-: tendo as mota
lindas cores e lustros, imitaco de poupe*
lina do seda, pechkvcha,
Poupebnas de ssds-
Poupelinasdo soda '
Poupelinas de seda.
Chegou para a loja do Pavo peb ultimo
vapor, um bello sortimenlo das mais bri-
dantes poupelinas de verdadera sedae
llano, sondo todaai do p.dmeo no vos e -
.4 ida se por menosmeo,do te em ootra
quaiiBer parle por ha ver iRsade-por^o :
assim cemo tambem se receben um b mito
seriimestoldft .-edaa de Usaras, rasdens.
pies lisos o setins do tolas as cOres.
FAZENDAS PARA LUTO NA LOJA PAVAO
Encontra o respetare! publico neste es-
tsbejeciroento mt9n^ mmmo oh-
was-ptetas, oemo e*tM comss frince-
zas e toglezas, ohius pretaa de todas as
quahdades, faieodas de Ia de toda^ que
tem vmdo, proprias para luto, sendo liasi-
nhas lpacas lacadas e lisas, canto, K
oasinas merino^ etc. ojo
por preso barato
tsom cores ...-, .._.... p,^ ?WJUl,
w^^mo*8?^.^^^^^ d ves,fdos n^"o. tendo" taas
um,e pech-ncha, rara atibar com .o nafo. ,08 .ais ri#vas ^ue lem jlllJo> e y^.^
GASSs FiiAitfZAfe | a 5J)C0i femloj cada um nm compatente
Colarais para a lotjkdo Pavo as- mais r'8 "
lindas cassas francez is rom delicadas pa- CASEMHt\S MESCLA3AS A S-S O CAVADO
S i?nn gSi^" procos e quaii- 0 Pavao tem para vender bon-tes case-
t Z'?,t'1i]^ ,BPis me.sltdas ebstanle encapada para
umBonito^prtAlfbnSGrnas'mmsinAls clw-. rUpa. do blJfltons mfiftlnos pello bara.o
las francezas esctirto o alegres. rtfeifcvrr->preee de 3*1 cada covado ou SrOOO o
dem muito em coate,
ama* rae.
'Nferd>elie9fiNra4
. ^ Vend-se bonitos cortes' de ciseairas
clais e escuras pelo I>>ruto pre^r4y^4-5
oua 2fT0 o covado, Lrido dnas larguras.
J'v-v** **> vr'^u V^i^SU vuiu<
dao corto do ca.lgj paga hornera.
Eoupa per medida.
?fa loji'db ftivft rfrsrlda-se f-.zi?r qonftJtiK
peca-de obra a vontade do fregus, para o
! qnc tero ont-'r)erito alfaiate, responsatelsan-
,db'TO 09 danos do eslabolicrnipntrr por qoal-
EM CAMISAS DO PAVAO A 4oG0 RS. quer falta que possa baver, quer per de-
Vendo-se om bonito sortimentb domoito mora, qner pWqoato;aor r/lMtb na obra;
rECHIMOli
bm I
finas emodernas camisas ingdezas to
lo o coliar i nbos di linbo i
baratissim preco de 450O'.
o-aoe fregueses ifa compfarem ws re
Ibe f-ara um abatimento, garammVee qne1
fazenda que vale muito mais dinbeiro,
en?ontra"o respeirA-ot pnbnco
o 1iment de todas as fazondas
tara, isto
de^jlt.
BRAMANTE A
1800.
aafrawde>eopibiifstiTO cono ss ranos do
" bonito "---------
Vende-se superior bramante com K) pal-
quida-se por este preco por se ter sttaiwydo'Wy4|iproprio para lencoes, dan-'
lira Mitai iniMliiTin.........i i )i ^ ..^,_ '
boa fatenda o Cmpt*-
TPso para ,cida
out 0 1/i.Rfc
Beute
:amente>
Jim preto.
tendo de todos os modellos. os mais novo.
que toin chegado e vend6m-se por prego;*.
amito razoaveis.
Oftfe\NDY COM SALPICO.
Cbegaram os mais ricos organdys. de co
res com salpicos o mais bonito que tem
vindo para vestido, que se vende a t#280,
o metros ditos brancos mnito finos coro
listras largas a i^000. -
Cambraias brancas
Vende-se um grande sorlimento das me
lhoes cambraias. tanto victorias como trans-
parentes tendo de 3^500 pecaat a mai\
fina que vem ao mercado.
ESPARTILHOS A 3JS0OO..'
Vende-se wn bonito sorlimento dos. ma-
Inores e mais modernos, espartilhos ten^u
|do batato jireco de o^OOO at 8000.
CWTAS FINAS W5 8W A Wfr-RSv
Vende se o mais elegante sorfwWrrto^s
mais modernas o, bolitas chitas tanto m-
1das como gradas, com cores clarase
curas, dando-so de todas amostras.
FUSTOES IUUNCOS A 640, 800 E UOO.
Vende-so* mudo bonitos fustoes brancas
muilo floxivel proprios para vestidos, de
senlioras a roupa para meninos e vorro^-s
a 440 tiC) e 1*200 rs. o covado.
Casias a I4t ri.
. 0 Pavao est vendendo bonitas cassas dr
cores, fixaa a 240, 280 o 306 rs. o-oovafe,
Jsfcnsafi Mdbq; >.



>

/
\\l
A WOfA 1A ni-IIUTUl/ jtm *-
BsjuinatlnnKttlh Anrorn, en frente to caf Imperalriz.
N'eato neto e samjitaaiocBtiibelecimeiito de fazendnsimcontrarao as Exmas.
familias tudo quanto posaam-desojar, tanto embaios do umii rigoroso ltixveoino em lodtal
sais qajaaidsiles da faiendas.
Alera deee acharan prvidas da que de mellior se encontra neste mercado,
wr todos as paquetes da Europa^ receheni directamente, o que em artigas de moda e
10 mais apurado gosto se encontra era Paris, o que vera cada dia augmentar s propor-
oes de que dispoe este eetabelecimenio para l>em servir sua numerosafreguezia.
Algodlo largo para feuces o toalbas de Gase com lustras de soda e flores, fazen-
.odas as qualidados que costuma vir ao mer- da inleiramente nova para vestidos de baila,
03<~- Gravatas .p-di-a senhoras eoemew, o mais
_ Alpacas de todos oj padrOes e qualida- completo sortiraenta que se pode desejar.
des Uto variadas que se nao pudem deswever. Guipure preto e. bianeok diveraaelargn-
Albuns com msicas para collocar retratos, ras e differentes gostos.
laucado presente paraqualqnerpcs9oa.de Gollase prralios bordados para senboras.
%s.ima.
Atoalaado delinbo e algodo, branca e
ie cores proprios para toalbas. Gorgur2ode seda preto e de* cores.
__ .. J23 Grosdenaplas; preio e de core, havea-
Btefomas de soda pretas e ramio raoder- do diversas qualidades e gostos.
aas, bom como de crochet, tudo de apurado ^ j
gosto_e. leitio. Japonezes para senil iras, o rnelhor gos-
Baloes de massetana, madapolSo, brancos to, efazenda propra para.as fastas nos.ar-
* de cores*, para entrara e meninas, rabaldes e passeios a larde.
Bareges de cores variado sortimento. r
Dabadinhos ou liras bordadas em todas as Laazinbas de todas as qualidades, cores
* QjIMMA9
GRA1E
ilVf MMJUtl
Qoando a AGUIA BftRTCA, mais precisa scientiflear ao respeitavel publico em
geral, e em particular a sua boa freguezia, da immensidtide de objeclos que ulmamen-
le tem recebido, justamentorquando ella menoa o pode fazer e porque essa falla invo-
loataria ella confia e espera, na benevoreocia de todos que Ib'a attenoV.rSo e relevarao,
continuando portanto a drrigrem-se. a bem conbecida leja da AGUIA BRANCA ra do
Guardanapos de. linho pequeos e grao- Queimado n. 8, onde sempre acharao abundancia em sortimento de superioridade em
(]es- 1[ualidade5, modicidade em precos e o sen nunca, desmenllido AGRADO ESINCERIDADE
Do que cima ftca dito se couhece que o lempo de que a A GUIA BRANCA pode
dispr, empregado apezarde seos cusios no-desempeuho de bem servir a aquellos que a
houram procurando prover-se em dita loja do que necessitaro, entretanto sera ennuroe-
rar os objectos que por sua nalureza s5o mais conhecidos ali, eHa resumidamente indi-
car aquellos cuja importancia; elegancia e novidade os tornam recomrnendaveis, cmo
b
grande
arguras.
Belbutina de todas as cores.
Balsas de tapete para viagera
variadade de lmannos e gostos.
Bombazina preta de todas as qualidades.
Bramante de linho de II palmos de lar-
gura,, e todas as mais qualidades.
Bretanhas de linho e algodo, grande sor-
omento.
e gostos, ric (cando nada a desdar, tai o
o sorlimeulo que existe para escolher.
Lencos, ludo quanto pode baver desde
esguio so aigodiio comiaum.
Leques do madreperola e osso, o mais va-
riado sortimento.
Ligas d seda, bordadas, para senhora.
Luvas de Jeuvia, chegadas por todos os va-
pores, sempre novo sortimento, quer em
Brins de linho branco e de lores, do mais pellica para bomuns e senhoras, quer erando
commodo ao mais caro em qaalidade, afan- d'Escocia, brancas e de cores.
ando o que ha de rnelhor na especie. sry
Brins d'algodo completo sortimento e Madapoln; indesoriptivel o grande sor-
variedade de pre;os. lmenlo que ha ueste genero, desde o mais
<33 elevado preco ao menor, que se vende em
Cassas de cores, o maior sortimento, pri- pega e relalho por menos do que em ou-
aiando pelo bom gosto e barateza, atientas tra qualqucr parle.
a qualidades. Mantas de blonde para noivas: o apurado
Canabraias brancas-, tapadas, e trausparen- gosto dos nossos correspondentes em Paris
tes de todas as qualidades e presos. labilta-nos a dizer qiie temos em nosso
Camisirmas de cambn de linho e cassa esiabelecimento o que de rnelhor se dese-
ncordadas ricamente enfeitados para Sras. ja para vesr e ornar urna noiva.
Camisas para hoitens e meninos, to va- Mantas prelas de blond.
iodo sortimento que vai do mais ordinario; Mantas para carros, com lindas pinturas,
madapolo ao mais perfeito bordado de -! Merinos pretos, trancados e lisos.
Camisas de meia, de flaaclla, brancas e fiados padres.
de cores para homem. 3-fi*
Casemiras pretas e de cores, o rnelhor | Pannos pretos e de coros, desde o mais
rae se pode imaginar, sendo d'isso a me- baral ao raais superior, por preco muito
mor prova o grande consmalo deltas na commodo.
offinina da casa. Pannos de crochet, para cadeiras e sofs.
Capellas de loies, para noivas e bailes,! Dilas ae casemira muito finos para
cesde a mais candida flor de larangeira at mesa-
i mais interessantc griaalda. Peitos bordados de linho, lisos e de al-
Cbapelinhas no melhorgosto.de todas asgodao para camisa,
jdres hoje preferidas pelas senhoras de! Princetas pri-tas c je cores,
taais apurado rigor na moda. Popelina do seda e linho, com Ustras e
Cbapos pretos do velludo, para senhoras. [ flores; fazenda lindissima.
ultimo gosto de Paris. Pwraeriaaa para senhoras, do ultimo
Chapeos de sol, para smhoraso bomens, gosto.
e todos os pre^>j e variados gostos. Perfumaras ; os mais finos extractos o
Cbaly com ricos padres para vestidos.! que de mellior e mais agradavel se pode
Chafes de todas as qualidades, avallado encontrar neste genero, e~de mais fragai.t:
-umero e n3o menos variedado de gostos, e suave no olplialo, lera o PAVILHO DA
Chitas, impos/ivel descrever o sortmen- AURORA, desde a verdadeira agua Flori-
to e variedado de padres e novos gostos,; da at o mais fino Douquet d'Amour, fiual-
; ni seja :
Corpinhos de cambraia, primorosamente
enfeilados com fitas de setim e obras essas
cuja novidade de molde c pcrfeicSo de ador-
aos rs tornara apreciados.
litas mni largas de diversas cores e qua-
lidades para cintos.
Leques uesse objecto muito se poderia
dizer querendo descreve-los minuciosamente
por suas qualidades, coree e desenhos, tal
o grande e variado sortimento que acaba
de chegar, mas para nao massar o preten-
dente se lbe apresentar o que poder de
rnelhor.
ntremelos em pecas de 12 tiras.
Guipure branco e preto de diversas qua-
lidades e desenhos.
Ditos de algodo com flores e lisos.
Capeas brancas para meninas.
Grandes sortimento de flores finas.
F de seda, preto.
PERFUMARA
Grande e constante sortimento de dita,
sempre rnelhor quajidade.
Lindos vasos com p de arroz e pinsel,
Caixinbas cora ditos aromticos.
Bonitos e modernos pentes dourados
para circular o coque.
Bonitos brincos de plaquee.
Aderecos e brincos de madreperolr.
Caivetes finos para abrir latas.
Thesouras para frisar babadmhos.
Aspas para ba!3o.
Novos slereoscopos com 48 vistas, as
quaas sao movidas por ura macbinismo
Ve7de el71arTc^ as oulras-
rf. Vistas p3ra stereoscopos.
Bonitas caixinbas de vidro enfeitados com
na.
Meias de seda para noivas.
Ditas abertas de fio de Escossia.
Coslumes ou uniformes para meninos.
Enxovaes completos para baptisados.
pedras.
Ditas de nadeira envernisada com vispo-
ras e com dminos,
Bollas de borracha para brinquedo de
Touquinhas de fil, sapatinbos bordados. crianfas.
e meis para ditos. Diversos objectos de porcelana, proprios
Camisinhas bordadas para ditos. para en-.-iies de mesa e de lapinhas.
SIIH! IH i M > COMPLET O
NOS GRANDES
Of ilAUOS
CONSERVATIVO
N. 23Largo do Terpo. -N. 23.
DE
S1MA0 DOS SANTOS ir C.
ta aest artigo tudo quanto se pode desejar.
Cintos para senhoras o que se pode ima-
ginar de mellior.
Coques, o rnelhor no gosto e nos enfei-
tes, varios tamanhos.
Colchas de seda com borlas, o mais apu-
rado gusto e lavor.
Ditas de fusto branco e de cores por
pre^s commodos.
Corpinhos de cambraia, ricamente borda-
i, :s para senhoras. i
Cortinados de cambraia boedados e de
C-.oque da rnelhor se pdc desejar.
Colariabos de linho bordados e
caicr sortimento.

Damasco de 13a de 9 palmos do largura
lindas cores c ricos padroes.
db
Espartilhos bramos e de cores, para se-
r'aoras o meninas, o mellior nese genero ;
aenbama Sra. dcixar por cerlo de manir
ie de tSo precioso auxiliar i perfeig^o de
cm corpo delicado.
Entremeios bordados.
Escomilha preta.
Enteites para cabeca; ultima moda de
Paris, recebid* no cltimo paquete.
EsguiSo de linho, completo sortimento de
i.-^dos os nmeros.
Fita3 largas escocesas para cintos, varie-
dado de gostos e lindos padres,
Fwhs de crochet, modernos com cintos
capas, o que ha d melbor.
Fil de seda, linbo o algodo, de todos
os gostos e padroes.
Fusto da todas as cores e qualidades
grande sortimento.
FUneUa branca e de cores.
lisos, o manhos
vados.
menle tudo quanto deve oceupar o touca*
dor de urna senhora de gosto.
Saias bordadas, brancas, lisas c de cores
com folhos e sem olles, o melbor possivel,
Sahidas de baile, de todas as cores
Sedas pretas, de quadros, lavradas, lisas.
de lisiras de todas as cores e quaiidades e
o mais barato possivel.
Sarcelim deludas as cores e qualidades.
Tapetes grandes, lindas pinturas para 8
cadeiras, mais pequeos c de todos os ta-
desejaveis, o em peca para co-
/
Toalbas do labyrinio, do maior e mais
fino trabalho' ao mais barato.
Toalbas de linho o algodo ae todos os
tamaitos, li-as e felpudas.
Tarlatana branca com palmas e de cores,
fasenda muito nova, e gostos delicados pro-
pria para baile.
Vistuarios bordados de fusto brancos e
de cores para meninos, de cambraia para
baptizados, o (jie de melbor tem viudo a
esto mercado.
Vestidos de 15a escoceza de 2 saias,
novidade p3lo ladro, gosto e forma; ditos
de linho cora barras de cores, e de cam-
braia de cdres'com saias, tudo ialeira
novidade, trazem os modelos juntos para
mostrar a forma de os fazer.
Veos de blond para norvas o pretos para
lulo.
Vestidos de blond para noivas : podemos
aseveraras uossas Exaias. freguezas, que
somos os nicos em Pernambnco qo pode-
mos offerecer ao Ulustrado publico, o mais
apurado gosto em semelhaiHe materia, g'ra-
Flores, o que ha de mais rico, quer i cas ao bom gosto do nosso fornecedor em
citas, quer em ramos, tem oPAVILHaO Pars, podemos garantir que ningaetn neste
DA AURORA ara permanente jardim a genero o possuc rnelhor, nem mais em
disposico das Exmas. familias. I conta.
E' (kspondo d lao grande e variado >oi iimento que 03 proprietirios do PA
VILHO DA AURORA se aprsenla ao-publico declarando desde ji-que asicoerida-l?0,'iarcs ao K, Formoso, prorrimo de ua
de e o bom gostoo raovel uaico do- seus aegooios. S- \ barqne, com grandes partidos de pal
10
10
PROGRESSO
Fatto da Pehha
SANTOS TfEBREIRA.
Os propritarios de6le bem sortdf-s armazens participa aos sens innmeros
freguezos tanto desta praga como do matto qoe tendo feito grande diminuico do pre-
cos as suas mercadorias estao por isso resolvidos a vende- por roeno* de <0 e 20 f0,
do que eiL ou ra qoalqoer parte, gararrtindo-se portanto a s p rior qua idadede qual-
qaer genero comprado -ieste.* gneros e a vista destes sao comprebendidos os oorns, porque- errfadonho seria men-
cina-los.
Se alguem duvidar venha ver.
Vinagre branco mandado vir por contal Gaz americano marca Devoes 808OO a
propna vindo de Lisboa, a 3O a garrafa e'. nnn ,, ...
i80 o Ftro Lia-, 380 rs. a garrafa e 5C0 o Uro.
dem tinta Figueira, Lislm e Porto a Azeite doce de Lisboa a 000 e LVKK)a
3O,280, 240e 200rs.a garrafa e 480 300.f1'^ ej *** laz"S 8,ade abt'raen-
rs. o litro. r0-
Vinho Figueira, Lisboa, Porto c Estrello,' (i,, e.carofo a 20, 240 e |^ W
a 360, 500 480 o 400 a garrafa litro a 8401bra Mwsnmo a 480, 540 e o
700, 720 e 600. \7^000' 7*^0 e 8*e0t wwU'
Vinho branco puro de Lisboa a 640 560 i, Mi,no a!PisH.*? rs- a 'ibra e 440i) k' "
a garrafa, em porcao ha abatimento. I logramma e okSOO a arroba, em porfo ha
Vinho do Porto, engarrafado das raaiho-' abahmento.
Quejos frescos do ultimo vapor a 3.0200
e 3)5406 cadaum.
iUotria, macai-ro, talbarm a 500 rs. a
libra e 13100 o kilogrammo em caixoba
abtimento.
Sabo massa de Ia e 2a qualidado a 220
e 240 rs. a libra em ca xa ba abatimento
Touciulio de Lisboa muito alio a 400 rs.
a libra e 880 o ki ograramo, em arroba ba
grande dilferenca.
gneros, vinho em ancoretas, azeitonas,
paseas e figos, charutos linos de diversas maicas, marraelada, bolaobuhas da todas ss
qaalidides, perola, Francy-wacrnel, a, b, c. Mdium, mixed, soda Fancy-nionac, pa-
laco de Varetees, combraation, Britania, doce de goiaba Gna, chouricas, mantegas finas
ranceza e mgleza, banba do Baltmor, phsphoros de Sycuryt, Cognac, cli de diwr-
sas qualidades, Canella, pimenta do reino, emdoce, pomada, eoio/refc breu, peije
em latas de todas as qualidades, farinha de milbo americana, grandes molaos de sebol-
tos, nestes donsarmazens existe tambera grande sortimento, de louc^s popr.as para ae-
goeio, qoe pelos seas commodos preco fez vantagcqi ao'$ comprailose&r
res e mais acidadas marcas a 15000 e 10200
l >jO e 25 a garrafa.
dem Bordeaux, Medoc o' St. Jatfen a
7f$500 o 00500, a dozra e 640 rs. a garata.
Genebra de Holanda e Urania doce aro-
mtica a 60500, 70, 110500, a frasqueira.
Serveja Bass, illcrs & Bell a 90800 do-
zia em porco ba grande abatimento.
dem m> rea BeT e outras marcas a
5.o500 e 60, a dnzia e 500 rs. a garrafa.
Assim como ha outros mutos
A. S.'Gaspar, silo aa'Zgu^dTseSBS.! VCJUlft 4, lailipeOeS
p ra illnyninaqao.
hl7^oi^lMoV"'^0miml^7Qra^t^ ^ que por venteaitolwsap i roda'daBweada, aiMXismaogiei \^%^^^Z\i^3j^tX
-ecommondato-se W^ ^adeu-a aecessaria, bor fasto, le.: dar 300 a 400 impH-puamiia, nuito fwo-
sea necessario, os propritarios deste sumptuoso estbelecimerHo
em receto do seram coatradiclos e protealam esfort^so or continuar a merecer 1. abalar na ruad'Aurota. a. 26. on aadt- X'"r^Ia^ f i**1^'e fo.awu
protejo que se Ihes tem dispensado ; cerU da qta do sea estaljelecimenta no sahirai Imperador a. 20. ,Je.!**?^ SS?.f^M'
o freguei dscotente.
Contina sempre a o*kua da aUaiile dirigida por um dos-mais habisaitis- ai '
tas.prcmpto eaecutar com promptido e bom gasto qnaiquer trabalho une lbe seja- superior itMov
coonada. Urna modista especialmeate oceupada nos trafeathos do PAVILHO D l AU- amplia, chlorsiv byftopS, te_,.
RORA, dirige os que Iba so con cerneles, garanto porseu aparado gosto e pfomptdo ^^ j.ni[bfi"1 cmpy^-ya^'fc*iws
a aeiwao o a ma6 coaspieu parteniao nos sous trabalhos. uoa*w u^ iarSa*S2\E252^S' ^
A nmarasa freguezia qoe nos honra uau prova. de que merecemos- o coa- Jui^ *.? ceilg qoe so dispensa ao nosso estabelocimeato, conecito que procuraremos fiMoar oeda- (om? ora fW&affifjFr [
?ez mate. Pafa Acilwr ainda a coacecuco do fim que'riOs^nipoiiM^feilWItlO'Bsia* fj^rsitl)
stabelecimento os ltimos figurios deaaa* que recebemos por todos paquete*;'os mu
quaj* ecriareaas oaraaweai vistos m>- tmifos nossas trzgwm, a6mde'86ftrnfai; Afoa
com o padrao (fa fazenda o gosto na forma, .
DiU dilo Hatciive.
i\a officiaa da alfaiata, jauto ao estabeleciraont, ba gualmwaa o fjgnritios gj1* Sv?|^S12"
parabomaasqpe portodasod.yapares se receben. PaMiihas de Vjchy tc.B^.,tu
E' esto o modo parque oaa apraseaUmos pediad a protecc3o do i!!3?rada 'beM-cmtAi'ni publico a4fn o ma# groiindo respailo convidamos s MClerrtfesima* Sra?. y \fei- ertio n. 9.
tarea) o uo*so eslaaetaaimealo, CM fcdoqwe padwadwejiir
U*B<\wwmMmrV b** as fasaBdas .oaa^traa mWlmufimt; yfo .m
tio pdennos especificar tM9 acimto temos.
Ajo Miz, olm**-& O.
Aiwto m 6 s 9 horas da ndite.
! ranegados de illumiiuaws, gue ao iMraii.
%mt
i
Mez de Mria
Va^uaaodurtuaeo4t^Mra4]#e <*nrrc'
1*600. -ai s
.ser h
JTHJ HO -
-II
.1.

lErtept & St. Julien: na ra, a Caea fio aj
2k-M** m de'SMM eto-ifcrri?,- ,
lamijminfciliimiiniiM laiiiMati i
^^a^a>d^ter
ba fra quarto mtVWmm, tlWI, Ui m


X a cidade f ilWWfngano t aUMar
38, venueui-se iJtna3 de ierro gan
?aiiis;
pe*.**!**'
gramo e pies, retroz preto taperior.
DO
t0 YIGEANTE
Roa do C roano a. 9
O propritarios desto bem conhecido eiabele-
cimente, alm dos innitos objectos que tijham ex-
postos a apreriafAo do respeitavel publico, man-
daram vir e acabam de receber pelo ultimo vapor
da Europa, um completo e vanado sortimento d.-
Anas o mu delicadas especialidades, as quaes es-
li resolvios a vender, como de seu costume,
por presos muito baratinnes e commodos para to-
dos, cora tanto que o Gallo....
Muito superiores luvas de pellica, pretas, bran-
cas o Je mu lidas cores.
Mui boas e bonitas golliohas e punhos para se-
nhora, nesto genero o que ba do mais moderno.
Superiores penles do tartaruga para coques.
Lindos e riqusimos enteites para caberas da-c
Exmas. seulioras.
Superiores traajas pretas e de cores com vidri-
Ihos o sem ellos; esta fazenda o que pode haver
de melbor e mais bonito.
Superiores e bonitos iequee de madreperola,
niarhin, sndalo e osso, seudo aquellos brancos
com lindos deseuhos, e estes pretos.
Muito superiores meias rio de Escossia para se-
nhoras, as quaes sempre se venderam por 30J0O0
a duzia, entretanto que nos as vendemos por 204,
aira destas, temos tambera grande sortimento de
outras qualidades, entre as quaes algumas muito
finas.
Boas bengalas de superior canna da India e
castao de marflm com lindas e encantadoras figu-
ras do mosino, no-le genero o que de melbor s 1
pode desejar ; alm destas teios tambem grandt
Suantidade de outras qualidades, como sejain, ma-
eir, baleia, osso, borracha, etc. etc. etc.
Finos, bonitos e airosos ehicotinhos de cadeia e
de ouli a i ijualidades.
' Lindas o superiores ligas de seda e borracha
para segurar as meias.
Boas meias de seda para senhora e para meni-
nas de I a 42 annos de idade.
Navalhas c;tbo de marflm e tartaruga para fazer
barba; sJo muito boas.e de mais a mais sao ga-
rantidas pelo fabricante, e nos por nossa vez tam-
bem asseguramws sua qualidade e delicadeza.
Lindas e bellas capellas para noiva.
Superiores guilas para machina e para crox
Linha muito boa de peso, frouxa, para encher
labyrintho.
Bons baralho de cartas para voltrete, assim
como os tentos para o mesmo fim.
Grande e variado sortimento das roelhores per-
fumaras e dos memores e mais conhecidos per-
fumistas.
COLARES DE ROER.
Elctricos magnticos contra as cnvulsSes, t
fa^iliUm a denticao das innocentes enancas. So-
mos desde muito recebedores destes prodigiosos
collares, e continuamos a recebe-los por todos os
vapores, afim de que nunca faltem no mercado,
como j tem acontecido, assim pois poderao aquel
les que deiles precisarem, vir ao deposito do galb
vigilante, aunde sempre encontraro destes verda-
deros coliares, e os quaes attendendo-se ao fnn
para que ;.ao applicados, se venderao com um mui
diminuto lucro.
Rogamos, pois, avista dos cbjectos que dcixamor
declarados, aos nossos freguezes e amigos a virem
comprar por presos muito razoaveis loja do galli
vigilante, ra do Graspo n. 7.
imtftmm,do pinto
W rio umacffl"eiavcrdndeirnmentomar-
vilhosa como c*ll*,*r)|if te^sftbh,,ricrvosoe
applicndo contra n paialisia, stna, tosee
convulsa ou requrhirhe.tosso recentes ou an-
tifrns sufTocncSrs, ealarrnnp bronchicos.etc. t
a linal contra lodos os soffrimentos das va*
respiratorias, e-naphtisica pulmonor,6u vir-
tude conlrn o te tuno ou espasmos, e con viilcoes
incon'.islavcieningeni haqunodcsconhec*.
nico deposito, ru largado Rosario, n. 10,
junto no qunrlel de polica. Pernambuco.
Continuadamente enosn|iresentamno.voe
testomunhos da efflcacia do fedegoso Pernam-
buco.
PILULAS, VIKH0 E XAROPI
M JI'RUBEB.4
mn>wi mu rmimiCEiiTica
JOAftl IM ME %S 1IL1IU PIXT
As prepnragoesde jurubebao hoje vanU-
osamento conhecidas e prconiaadas pelo*
mais habis mdicos, tnnto da Europa como
do paiz, pela sua ffleasia nos casos de anemia,
chloroze, hydropesin, obstruccao do abdomen,
e tambem nosde menstruacaodifQcil, oalharw
na bexign, etc. eto. ^
Vendem-se em porao e a retalho na oidadt
do Recife, pharmncia do seu compositor, roa
larga do Rosario, n. 10, junto ao quartal da
polica.
PIN'TO l'HARMACKUTIOO
XAROPE DE SALSA PAUMLHA DO PARA
DEPURATIVOdoSANGUE
Usadas as molestias de PclU*. impigens, dore*
rlirumaticas.c ulceras venreas.
KI A L1KCA DO ItOSlfilo, W. 10.
ESRAVOS FSlOS.
Fuiio do ingenlio Boa-vista, na comarca de
CamaragiliK e ptoviaria das A'agoas, o eserav.
MeoJo, idade 34 annos, .-.llura refutar, pn.sso do
rerpo, andar banzeiro. tem falta de denles na
frente, ro-io larpo, barbado, roslorl a as vi-zi-s 7-
ui toda a barba, e lem urna cicafrlz na testa, e
os ps giossos ; Me cscra o anda fugido desdo e
dia 10 de j.an'iio d,. corrate auno : recabe por
tnni" as auloridadep policiac e aos raaitc* de
campo a prlsio rietlc esrrav i c o enliopar do en-
gKnhfl acuna n do Vitrarin n. 12 ou Irawfn do Corpe 'Santo n.
2o, primeiro andar, que se gratificar ceneosa-
cienle.
COGNAC.
De superior qualidade da mui accredit;-
4a fabrica de Bisquit Duboucb & C, en
cognac urna das que ritis agurdente d<
cognac, fornecem para o coasummo >
Reino da Inglaterra.
Vende-se em casa de Tb. Just. ra d<
ommercio n. 32.
TeTweto
0 verdadeiro portland. S se vende u
ra da Madre de Deus n. 22, armazem d
Juio Martins dt* Barros.
J coraeiro previenti
Hna do Queimado u. 18.
Novo e variado sortimento de perfumarh
finas, e outros objectos.
Alm do completo sortimento de perrt
otarias, de que effecvamente est provida
loja do'Cordeiro Previdente, ella acaba o
receber um outro sortimento que se ton
otavel pela variedade de objectos, superior
lade, quslidades e commodidades de pr
;os; assim, pois, o CordeiroPrevidente peo
3 espera continuar a merecer a apreciac
io respeitavel publico em geral e de IX
boa freg.aezia em particular, nSo se af?
tando elle de sua bem conbecida mansidi
e barateza. Em dita loja encontrarlo o
ipreciadores do bom:
Agua divina: de E. Coudray.
Dita verdadeira de Murray A Lamman.
Dita de Cologne ingteza, americana, fr*
ceza, todas dos melhores emaisacredtade
fabricantes.
Dita de flor de larangeiraa.
DiU dos Alpes, e vilete para toilet.
Exir odontalgico para conservac5o
reseioda bocea.
Cosmetiques de superior qualidade e che
ros agradaveis.
Copos e latas, maiores e menores, coi
pomada fina para cabello.
Frascos com dita japonesa, transparen;
d outras qualidades.
Finos extractos inglezes, americanos
francezes em frascos simples e enfeitados.
Essencia imperial do fino e agradavel cn
ro de violeta.
Outras concentradas e de cheiros igua.
cente finas e agradaveis.
Oleo i .alocme verdadeiro.
Extracto d'oleo de superior qualida
com escomidos ebeiros, em irascos de difi.
/entes tamanbos. t
Saboneles em barras, maioros e menort
para mos.
Ditos transparentes, redondos e em fig
ras de meninos.
Ditos muito finos em caixmba para barL
Gaixiuhas com bonitos sabonetas imitaoc
fructas.
Ditas de madeira invernisada coatendo i
f^S perfumarias, muito proprias para pr.
lentes.
Ditas de papclKo.igualmete bonitas, tu
etn de perfumarias finas.
Bonilos vasos da metal coioridpa, t
moldes novos e elegantes, com p de axr\
a boneca.
ta Jngleza,^ fraoceza para dentea.
s de camphora e outras difforeau
des tambem para denles.
b oriental de Kemp.
Anda mala coquea.
Um.Qulro 8rMwito.de cpqueg
ie> a bonitos moldes com filis de vn
t alguns d'elles ruados de florea e
- expostos i apreciacao de qau
Futi dij engrnliu Camarapibe na freguezia
de Serinhiem pertenrenles a Gaspar Uamicie
Wanderley os escravo wgeinin : Samuel frin-
lo balxo. groeo, narix chalo, diz ser da ('.u.-ia poi
ler sido e. nipr;J.> peoueno. Juan Caborulo de ida-
de trila e lanU s annos, ps rhatts. vintas arre-
bifadas, estalnra balsa, cSrfeixad. popca barba
e esta na p< na do qneiio, Felippo mulato de da-
de de 10 annos poneo mais oo mea >s. balso, pios-
so. sem (til, lgu), leve bixns em pequeo, po-
rm pouco apparece; pt.r is.-o pede-se as aulori-
dades pnlicir.es e c.-.pilaes de campo a raptara dos
meamos e lvalos n mesmo pnpenhn tu na ra -
da Maeda a. 2o andar escripii.rio do Manoe! Al-
ves Ferrcira 4 t. que sero gratcadoa.
Fugi.i d i engrano Hir c;s, da -..marca di
Sanio Aman, no da 20 dejonhO do a: ni pausado.
o esrravo de nome Fiance'lino, reprsenla er 35
annos de idade. tan os gaet segnintes cor
preta, baixo. corpo reforeado, eaia larfia, bastante
barbado, olhoa pequeos, nariz mallo : li ano, hne-
ra regular, denles curtos o limados, multo prosis-
ta e andar spressado ; ennsi?. andar. peina sobur-
bios da cidade de Ocda, e&geniM Fi/p so, f'.aiu
e, Bebe rile on Apipuci.s, coniado por Joaqnim
Jos de Sart'Anna, sen inneo liberto, o qnal lem
em suacimptdiia una eab*clln e BHios da mes-
ma, e por oulri) rmo de mme l <( Bap i-i que
ocondnzira para os lugares aeiua nndi-;
alciii de umouii.) so-io de pnme Jutd Zaehauae
da Silva, conhecido por lord Paje, p> r ler inde
daquella cumarea. Roa-s > autoridades e ca-
pilaes de campo que o appreliendam e o leven i
ra do fianpeL n. 17, on no ergenho Unhfwaa, a
entregar a t-en senbor ,Jo3o Corma de Qntiiof
Monlciro, que seno penen smenle giaiifiradi-s.
FUGA
".
BORDADOS,
e parfeicao.
para ciaaloa.
O e variado sortimento de taes objn
joa> ficando a boa escolba ao pato do coi
prador.
... ...u ..
CHUTO
tUi

palta, da Oata t fHw, dofronte
ceicio, tm barricas grandes.
m amarello de Vfeulo Fer-
de arco dt Con*
Fogio da casa da n a de Santo Amaio,
n 22, no dia 3< de margn rio Odrerre anno
o preto crionlo de nome JuSti id:ide de 30
ano s pauco mais oo i enos, com os signaos
sepuintes: baixo, ebeio db curptt, p*ra
barba, rosto-om marca de bfxigas; ura
dedo de menos na mio direir*. o anal fui
escrevo do Sr. Antonio CHtnato Mortira
Temporal, e juloa-s'1 'ssislir n"um riss
qualro freguezia da cidade. Bnga.-sa p.
s autoridades com fe ten tes e p..i licolai^s o
obsequio de appnbenderein ekva-lo tua
do Ciepo n. 5qoe generosaiucntcse com-
pensar.
ageni
Fogio do eBgeln DrorneJario. termo da
Escada, no dia ;0 do corronte, o e travo por no-
me Antonio, com os si^naes Maniles : enr lan-ca,
alto, as pernas um puuco arqueadas, lalta de um
dente na frente do lado de rima, e itm orna das
jun'as dos p-> um ppaoo mais pro>sa do qne un-
ira, rentescala ter 20 e taaloa ranos, gosia d.- an-
dar limpo, c um p uro cuiversad.ir, anda nao
lean br.rb, nial se vulga alguns cabello* na pen-
ta do qucixo : pede-so as autoridades pelirh e- e
capiles de campo a captura do mesmo, e leva lo
ao me rno cngenbo ou no Itrcile na ra da A! -da
o. 5, 2o andar, e criptiiria da Manuel Alve> Fer-
reira & C, que serao bem recompensados.
Fu?i i no da 11 de marco do corrale ano
o cscravo Francisco, cabra, de Idade 30 anuos
com os signaes seguintes : cabellos carat inhos.
rosto descarnado e com marcas de beiipas. inti-
lula se ser livre, levan caleas brancas, palilot de
alpaca de cor C chapeo do Chile, nati ral da
Parahyba, e fui comprad ao Sr. Delmiro Alies
Ma a. morador na Paralaba e julga-se ler Ho
pata o mesmo lugar ; desde j protesta-se contra
a [*ssoa qne o liver ocultado, Roga-se nt rapi-
lae de campo, assim como ss autoridad* poli-
cial que o irigum rrua DiceHa a. 16, que s. rat
generosamente. gFraaftoKd.
Contina a eslar. iugido o moleque Gregorio,
de 17 mnos de idade, crionlp, com falla d- d. li-
tes na fronte, tesla-redonda, anos vivos, c ni urna
marca de qoeimednra na barriga, e oulra na roxa
oe urna estrepada ja antiga j gosu de andar cm
caximbo : quera o pegar pao levar aq engenbo
California em Serinhaam, a seu senhor Jna Flo-
rentino O. de Aibuquerquatoi a ra da Prnia n.
3i, que ser;bem rfoampeiwadc.
Fugio no dia O do crrente, do engenho
Uivinedari, icruio da Jw.*a4a oescrav.i de *
Antonio com os signaes segrales : idade oe m.-i
te e lant'S annos, cor talara, a lo, as perna- um
nmeo arqueadas falla-lbe um denle na fren e, do
lado de cima e tem urna das juntas dos |V-- um
pouco mal* gross* du qpe.-euira, guMa.de r&>-t
impo, e um pouco conversador, ainda R3 barba, mal se divulga algnns'cabijfos n-poni;
do qw'eixo : roga-jo -aslh' eapilajs de campo a raptukdM laesssDe thw-lo
ao mesmo engenbo ou no ftPfHftt.rna da atwla
b. segundo andar, (acrioino dteXuBjajLllve--
erreira & t. me serlo rWofflp^ftruvlr
SSfii
_ Bea'eoj;
les: cor cabra, cabellos al guia crasa carpi-
olis, oibfj^ ptuM ? riaw'riMj. aeaaluj |ajxa,
do potrea suisra, tenVumMSjBjVj
urna mancha pf*e*i qwlfc*WkVr
ios, cara alguna catoaa raneosfraanPa .. **
m : qi*e*}. prfMhr l*e*aWPI>vll *t'r
Lema duJosf} o Cutttl 0ili*ra8. 40V1"
"ecompctfeado. ________
iV~od*4l
to, idade de
oscra\"o, e faw-kr rrrl'a santa lua
stri recompensado
1
md



1
8
Diario de Pernambuco Quinta feira 28 de Abiil de 1870
VARIEDADE
ateeaas do Paragnay
AVKNTl'RAS t IWWECIME.VTOS DE l'MA EMMIIU-
DA KRANCEZA NO PARAGUAY, BSCH1PTAS
POR ELLA MESMA.
F.xposirao de Dorotha ktprat Lassrrros.
(Concia sao)
Os soldados- pediam filas das coros do
imperio; os oflHaes ni> eram condecidos
dos soldados, nem estes entre si so coiihe-
ciam.
A rasubordinaso chegon a tal ponto que
as partidas votantes, que sahiam deseo-
b:'rta, quando se encontravam, aprsiona-
vam-se reciprocamente e at se matuvam
bnsiderando-se espioes brasileiros urnas
das outras.
Da conversasSo que Uve com alguns del-
les deprehendi que eram feridos que linham
fagido dos combates, que sahindo das mal-
tas se tinham reunido e formado um corpo:
a incerteza que ellos apresenlavam, dava
rnnilo que pensar.
OjO dias depois de estarem entre nos
liotive orna reun o geral a pretexto de no-
mear-se um novo joiz. Concorremns a
essa rcuniSo que te ve lugar em um quarto.
Depois de nos contarem, entrou um del-
les que perguntou qual era nosso jarlido :
em seguida chegou um convite -par;i um
baile, pretextando-se que havia falta do se-
nhoras.
O modo por que nos tratavam perluibava
nossas ideas.
Como.as 4 horas da madrugada se tecoo
chamada, pozeram-nos em linda, collocando
as vellras, as da meia idade, as- solu-iras,
as casadas e eslrangeiras, todas em filas
separadas.
Um sargento, que so fallava o guarany,
comefou a enfadar-se com as eslrangeiras,
por n3o o c tmprehenderem, chamando-nos
na sua gyrhI'ernambuco-cueva.
Ameasou com quarenta pauladas aquella
que nao se conservassc em linha : scparou
cincoenta velbas, que mandou depois em-
bora : chamou todas as eslrangeiras. reu-
nio-nos, e chamando-me de parte disso-me
com aspereza : a senhora relire-se at sc-
gujda ordem ; chamou um homem o en-
ea rregou de vigiar que as donas de casa
r.o fossem cavar trra, e dpois despe-
tiio-me.
Nao fui para casa : passei a noite a sra-
bathar para a dona de casa. A meia noite
i.uvimos grande rumor ; eram os soldados
que se reliravam.
A freguezia amanheceu em-silencio; es-
peravamos em Deus que as designadas nao
parlissem ; fui ver enl3o minha mi.
A' larde soube que tinham c-iegado doos
espioes para levar todas as designadas.a S.
Jiaquim, alim de apreseniarem ao general
Delgado: foi alli que as mais pediram pur
suas fi has e foram altendidas.
Ordenou-se-lhes que voilasscm para San-
1i Antonio, podendo cada urna tomar conta
de suas familias eparlir para Curuguaty.
U s estrangeiros chamados Juan Beniles,
argentino, Antonio Cambne, hespanhol, e
Jos Vidal, foram aorados soldados e en-
carregados de acompanhar essas senhoras,
rnarcando-se-lhes o prazo de dez dias para
ihegarem ao lugar de seu destino.
Os moradores de lhu viviam em um con-
tinuo sobresali: os espines am e vinham,
varoj.uam as casas, sacavam de urnas os
romestiveis, era outras pediam roupas, co-
raida, qual'iucr cousa que Ihes apetecesse ;
todos os dias carneavam guio dos particu-
lares, e no dia 19 de setembro levaram to-
03 os animaes qae existiam no lugar.
N ssa mesmo dia chegou urna partida vo-
jriie com ordem de levar as designadas
amarradas para Curuguaty.
Alislamo-nos na mesma occasio e fomos
presentar-nos. Qoando o meu antigo
'.nado soube di ordem, comquanto eu nao
1 ontasse nada por ser residente, pedio
stantomenle para acompanhar-nos ; e, se
i,em que eslivesse doente, nao fez caso da
molestia e poz-se em marcha comnosco.
Partimos de lhu meia noute e cami-
i.liamos como pjdemos por aloleiros, ar-
i oios e com carga s costas.
Eu so tinha de meu I 5 libras de gomma
urna libra de assucar mascavo, tres libras
de gordura e um punhado de sal: eramos
tres pessoas para viver connsso, s Deus
sabia por quanto tempo.
Chcgamos a um lugar, cujo caminho ig-
n rajamos; eramos cerca de 30 pessoas;
i eunimo-nos no meio do campo al amanhe-
cer.
Ao romper da alva vimos o campo alas-
trado de partidas volantes, que se er-
goiam; descobrimos um trho, encami-
i.damo-nos para elle, a procura de quem
eslivesse lomando mate ; faltava-nos com o
que acendesse fogo, at que afinal encon
tramos um magote mais bem prvido: sen-jtranhandonos no mano se por ventura ne-Jiras Ibrir eovas, o que n s fatigava muito.
limnos para, almfar, tomamos mate e nhum soccorro nos viesse. Assim Humos; O mais engrasado que algumas compa-
comemos urna torta que preparei ligeira- mas passava sempre gente, e iiSo^odiomoaleteuM etaivam tambem comnosco or
FOLHETIM
OS DR4MASDA ALDEIA
POR
Ponson du Terrail
(Continuaco do n. 92).
XV
O Mulot entrou em casa dominado por
mil pensamentos confusos.
Quando um a!de3o se Ihe mette em ca-
bdfa viver como qualquw habitante da ci-
dade, vem-Ibe logo idea tomar para casa
urna govenante.
A Martina, que gustosamente se desem-
barazara do irmSo, troco mesmo de um
sacrificio, deu-lhe urna criada de intima
confianca.
Era urna mulher de meia idade, carcun-
da e coxa, que servir muito lempo na Ra-
poseira, moslrando-se demasiadamente res-
jiitosa para com a Martina.
Ctaamava-se Dorotha.
Estes nomes sao muito sympalhicos as
aldeias.
Dorotha Uvera por padrinho do baptis
mo um velbo professor que lhe poz aquelle
BOOM.
Viera, pois, Dorotha installar-fie na Bel-
la-Vista com a missio ostensiva du servir e
tratar da ronpa do sen novo amo, e a in-
cumbencia particular de o vigiar e por a
.Martina ao faoto de todas as anas accoes.
O Mulot, qoando sabio n'este dia, disse-
Ihe:
Podes deir-te. Yon dar um pisseio
ate ao boteqotai ; eoltorei taade.
Na volu, em vez de segair o caminho
directo parar casa, o Molot, obedecendo aos
hbitos antige, saltn por ana de algumas
urna loria que preparei ligeir;
mente; juotamo-nos a outras partidas que
conhociam o camin, c com o sol ji alto e
ardente chegamos a orna casa perto de Ibi-
cuy, onde todos cosinhavam.,
M mdei buscar carne para o criado, que
n3o coma torta, mas ninguem m'a quiz
vender.
A senhora de Leite Pereira vendo os
i-apuros era que eu me achava disse que o
meu criado pjdia comer da carne que suas
criadas cosinhavam; agradec a offarta e
aceitei a.
D.sde ^ntao caminhamos juntas, dormi-
mos jantes u nun;a imisn os separamos.
Ti ve o prazer de conhecer intimamente
e de apre iar de perto essa paraguaya, que
tantas vezes se expozera s iras de Lpez,
soccorrenio os brasileiros opprimidos!
Dalli seguimos at oarroio, passando pelo
estero : molhei minhas botinas.
Todos me disserara que eu havia de des-
caltar-me : descalcei-me com effeito e na
occasio em que puz os ps co chao senti
urna dor horrivel de denles.
Pedimos ao sargento que nos deixasse
passar o arroio pan nis reunirmos s ou-
tras companheiras que linham ido adianto,
nao consentid e mandou que dormissemos
em urnas carretas vasias que as designadas
de Co aguaz viram-se obligadas a deixar
alli.
A's II bata 4a njute ebegaram alguns
soldados, que fizeram muila bulha, orde-
nando-nos que passassemos o arroio no
mesmo instante, porque se o alferes, na
volta de sua ronda, nos encor.trasse alli,
seriamos lanceados. Dissemo-lhes por que
tinha mos lirado alli, acalmaram se um pou
co e nos referirn) que vinham de Curuguaty
mandados p>r Lpez para conduzirem as
designadas,;com ordem de lanceara aquella
que cansasse ou moslrasse m von-
lade.
Passamos o arroio Ibicui una hora da
madrugada, tornei a carcal-me: desde en-
tao caminhamos por trilhos em urna mili i
espessa e escura : alolando-me em charcos
immundos por ue eu ia diante : em um
dolles perdi urna botina, e poaco depois a
outra.
Continuei a caminhar s com as moas
at qud alcanzamos as companheiras, que
j.i tinham atravessado a matta : nao tinha
ainda amanhecdo e nao noj deixaram des-
cansar, obligando as outras e levantar-se
ameafando lanceal-as.
Continuamos a marcha, entramos ao ama-
nhceer em outra matta, e separamo-nos at
sabir delta.
Seri mduas horas da tarde: nenhuma de
nos tinha tomado se quer mate.
Era alli que devumos esperar o alferes
quj- tinha ido ver se em lhu linham fkado
algumas designadas.
Eloctivamente chegou : apenas tinhamos
accendido o fogo quando cabio um aguacei-
ro muito forte, que sem pestanejar apante*
mos.
Depois que cessou, as que tinham roupa
mudaran a molhada, mas nos amagamos
no corpo a qm se havia molhado.
A Sra. de Leite Pereira soffre muito;
eu nada senti.. .era de ferro.
Aoamanhecerchoviscava. Ordenouseque
marchassemos, entramos em um estero com
agua at os joelhos; o caminho era cstreito
e caminhamos aportadissimas. As ordens e
t-meac is de andar ligeiro choviam de traz,
e s com muito custo podemos vencer o
barro pegajoso em que pisavamos.
Gastamos quasi duas horas para sahir-
mos d'alli.
Entramos em outra malla, que tinha um
trilho estreito ecujo bario escorregava como
aauao: essa malta tinha cinco leguas de lar-
gura, e nao descansamos cmquanto a nao
vencemos: de tardo passamos por um lugar
muito perigoso, mas vencemo-lo com a co-
ragem da desesperaco e debaixo de chuva.
Descangmos cerca de urna hora, come-
mos urnas tortas que eu tinha apromptado
na vespera : continuamos depois a andar at
sabir da matla; j era muito larde e tinha
escurecido qoando acendemos fogo, mases-
lavamos la o candadas que nao comemos ; pre-
ferimos dormir: antes de amanhecer acor-
dramos, sempre com ameacas.
Apenis podemos tomar matee partimos:
nao me lembro porque caminhos andamos
esse dia: mas paramos ao meio dia para
seccar a roupa e tomar mate.
N i tarde desse dia passarara por nos urnas
mulherescora um espilo correado e a gritar:
s inimigosnos seguem: caminhem, cami
nhem.
Todos os nossos guardas nos largaram
para irem dar parte ao alferes que ia di-
ante.
Continuamos com a Sra. Leite Pereira
pretextar molestias para Ocarines alli, en-
passava sempre gente
arredar-nos do canunM|
O alferes manflM seta frjiaJTHia obser
var a retagtairdav
Encontraslm-nos alli, sentai-am-se a
de nos, exigiram que apromptossemoa
comeram e alli permane S a si
da !ua.
A essa hora chegou o aliares; osespibes
retiraramse e nos tivornt ohar.
Os arroios estavam, cw correr os

dia
a-
de
sebes para chegar mais depressa, mas cou
sorprend do de ver luz as salas do rez do
chlo e ouvir mesmo fallar.
A idea de propriedade, sentimento novo
para elle, despertou-se-lhe ento vivamente.
Parece-me qoe a criadinha tem visi
tasdizia elle. -- Veremos como isto e
von p-la na ra.
E, fallando assim, apresson o passo.
A Dorotha recebia hospedes, com effei-
to, mas que eram pouco do seu agrado,
como vamos ver.
Umi hora depois do amo sahir, a criada,
tendo acabado de dobrar a toalha da mesa
e guardar a louca, dispunhi-se a recolher
ao quarto, quando lhe chegou aos ouvidos
um certo rodo do lado do jardim, qae se
assemelhava ao balido de ovelbas.
Dorotea, fllha dos bosques, nSo podia
illudir-se muito sobre a natureza do que
ouvira ; mas, reflexionando na poca inver-
nosi em que se eslava e na distancia que
havia d'ali i fl resta, parecia-lhe inacredi-
tavel.
O som repetio-se e pareca vir de mais
perto.
Dorotha abri a porta, resmnngando.
A noole eslava escura ; com todo, sabindo
porta, Dorotha desnguio um vulto que
mais pareca saltar do que andar.
O vallo cootraaou o balido e approx-
mou-se de Dorotha, que tere de conven
cer-se de qae nio (ira um irracional, mas
sin ama pessoa que se lhe apreseniava.
Enlo, assnstada, recaou at ao meio da
cosiobe.
O vn'to negro entroo.
Era ama mulher- aiqda aova; por nico
falo, venia urna especie de caaMsa atada
por orna corda na cintura ; oa cabellos ne-
^ros e desgrenhado; pendiam-lne cabidos
pelos hombros.
Dorotha reconheceu n'aquella creatura
passamos com^Mi pela nturf3
caminhamos senrTlewaosp
Assim vivemos, dia e ribflH,'
a Curuguaty co dia 27 de Dezembro
nha.
Contaram-nos, reuniram-nos de^aito
urna arvore, lizeram urna lista ea relaclo e
deixaram-nos descansar esse dia.
Aproveitei-o para screver. Todas faziam
protestos de araiza ie a Lpez, pedindo-lbe
perdao, prometiendo seguir o exercito e ou-
tras baxezas, improprias de senhoras dis-
tinctas
A' noute chegou um sargento, que nos
fez marchar; o que nos contrariou muito,
porque tenciona vamos descansar essa nou/e.
Caminhamos urnas 4 quadras: depois fi-
zemos alto para dormir.
Esquec-me de dUer que nos deram boas
racSes de carne: ao amanhecer soubemos
que Lpez tinha estado alli e se retirado
depois.
Depois de tomarmos matte e de comer-
cios tortas seguimos viagem com um guia
que nos levou a Igatim: esse gula trten-
nos atteaciosamente, cuidando de todas e
parando onde queramos.
No segundo dia de marcha noite, j
tarde, passamos o Jequi; constava all que
os inimigos vinham por esse rio, mas nada
acontecen.
No outro dia chegamos freguezia e nos
apresectamos ao commandante Pablo Ur-
bieta. (
No dia 1. de Janeiro relacionoa-nos com
urna cara muito feia adiante do padre Can-
tero.
Dahi a 3 horas pregaram-nos am longo
sermo sobre os deveres de nosso estado;
que deviamos trabalhar cavar Ierra pira
nosso sustento, que aquella que se negasse
a fazer esse trabalho era porque quera
morrer, e seria morta.
Com estas exhortares entregou-nos a um
lente para serraos conduzidas para llama-
ran onde e-tavam acampadas as companhei-
ras que tinham viudo adiante.
Choveu, mas continuamos andar, che-
gamos um arroio que tinha um barre
lerrivel, e~afiml chegamos ao nosso destino
ensopadas.
Relacionaram-nos novamente e nos orde-
naram que fizessemos immediatamente casas
Qual seria o nosso desalent vendo-nos
aradas no meio de urna matta como ani-
maes, sem recursos e com ordens to bar-
baras, sem tormos onde, se quer, nos sen-
tassemos!
Alli encontrei-me com urna amiga Euge-
nia cozinhando, para poder ter pao Dar suas
filhas, e eslava molhada at os ossos 1
As minhas sensacoes slo indiscriptiveis e
recejo entregar-me essas tristes recor-
dacoes; sinto-me com pouca coragem para
faze-lo, mais tarda darei ama pequea idea
dos nossos padecimentos moraes.
Alli me encarcerei; a Sra. de Leite^e-
reira e minha mi construiram urna casioha
para onde me levaram.
Tive um accesso de febre, mas amanheci
boa, grabas misericordia divina.
Sahiu o sol, seccamonos um pouco, veio
um sargento que mandou que fossemos
capoeira nesse mesmo da; mas dahi a urna
hora veio o major que nos ordenou que
marchassemos.
Foi um labyrintho, levaram-nos a urna
matta sem caminho, e s quando o sol se
recolheu podemos sahir dalia ; encontramos
um rosado, e ordenaram que nos encostas
sernos o mais possivel malta : achamo nos
metiidas em urna maega mais alta do que
nos, onde com os chusos e fooces construi-
mos um pequeo rancho.
No dia seguinte veio um sargento inti-
mar-nos que limpassemos esse rosado, e
vendo que pouca pressa tinhamos em obe-
decer-lhe, foi chamar o commandante que
nos reuni, noineou d'entre nos, duas para
sargentear as outras, dando-lhes ordem para
formar duas companbias que trabalhasse
cada urna um dia e descansasse no outro.
Coube-me o logar de escrevente de una
das sargentas.
Cada manha formava-se urna lista, e
ainos cortar lenha no matto.
O major, quando compareca, ralhava
sempre com nosco.
Depois de limpar um grande espaso de
terreno, mandaram urnas buscar paos e ou-
tambem comnosco por
ctm muila forca e assi-
j-4 olga sahiamos Jim procura
mamOes, bananas verdes, e algumas
fiwe depara vamos com batatas e mel.
*m roupa mudavam-a, mas
oulras j andavam quasi esfarrpadas.
r. Carmen Goiburi ijuiz que se fizes-
sa nma suplica ao presidente, para nos
deixar ficar morando como residentes na
freguezia; pediram minha opinio, desap
prove quanto mim, podendo as outras
ar fazer o que qaizessem.
F.zirsm sempre a representadlo, que as-
signei, porque nnnea gostei de oppr-me
ao que minhas companheiras queriam ou
faziam
Mas dahi resulten um barulho lerrivel;
o major veio reprehender nos severamente,
ameacou a autora da idea e prohibiu-oos
de screver urna s letra mais, sob pena de
mor te.
Recebemos ordem para fazer casas; amas
foram buscar caibros no matt>, outras ar-
rancar palha.
Justamente quando eu aeabava de trazer
os materiaes para o meu rancho recebi or-
dem para marchar.
No da 23 Je outubro sahimos daquelle
logar; b numero de pessoas que se nos
reunid exceda de dous mil.
Fomos ent egues um sargento.
As tres horas da tarde foi que encelamos
a marcha ; fomos caminhando como camei-
ros.
Ao por do sol paramos na entrada de
urna matta e ento perguntou que familia
pertenciamos, merecndo a Sra. de Leite
pjreira e eu a maior vigilancia.
Muitas vezes mandava fazer alto a des-
horas para nao nos perder de vista. E se
por acaso n3o nos descobria logo, eafure-
cia-se.
De proposito nos escondamos 'delle al-
gumas vezes para v-lo furioso.
Na ullim noute descansamos em urna
pequea matla antes de chegar ao passo I-
guatemi.
Cahiu om agnacero muito forte.
Os dentes doiam-me muito'e molhamo-
nos pingar.
Amanhecemos sem urna berva de matle
para tomar, uem am bocado para comer.
A creada da Sra. Leite Pereira estava
em um estado deploravel de languidez,
qaando de repente abortou urna egua per-
tencente aquella Sra.
Disseram-no3 que em Fransa se coma
carne de cavado.
As famiotas crearam animo, e debaixo
de forles aguaceiros assou-se um peda?o
dessa carne.
Minha mi e a Sra. de Leite Pereira nao
poderam come-la; mas eu que tinha jura-
do aos mens deuses viver, com a I
De noute nio havia mai? urna lasca dessa
carne nauseabunda.
Nedas passamos o arroio. ,
As que tinham que comer viviam alegres,
mas as que estalavam de fome, custo,
podiam andar e mover-se.
O sargento reuniu nos e nos entrecou a
outro sargento, qde pareca nao dar impor-
tancia ao cargo de que estava revestido.
Disse-nos que podamos ir procurar la-
rahjas-e fruclas silvestres; mas que n3o
aos affastassemos muito.
A Sra. Leite disse-lhe que era escusado
faze-lo, porque o Sr. presidente sabia per-
feitamenle que aquelie logar era muito rido
e inhspito : apezar disso relirou-se.
De tarde carneoa-se urna mua que j
nJo podia andar. A dona do animal repar-
tiu com nosco toda a carne.
Minha mi, que J nao podia caminhar,
nem faltar, viu-se obrgada a comer um
pedaso dessa carne que eu temperei com
coco.
Marcou logar para se construir casas,
porque era alli qua deviamos passar os
nossos ltimos dias de vida, e que seria
considerada desertora a que atravessasse o
arroio Iguatemi.
E sem mais nem menos despediu-se de
nos, dizendo que ia contar S. Exc. o
muro que tinhamos soffrido e que nao ti-
nhamos nem laranjas azedas para comer.
No primero de novembro, algumas com -
panheiras que tinham ido matta descobrir
algumas laranjas, e rimo-nos das crueldades
de Lpez quando Cuernos aquelle adiado.
Nos primeiros dias minha mi ple re-
sistir ; mas de repente cahio em prostraso
completa.
De modo nenhum ella quera comer mais
a carne da mua, mas vendo-me muito
afilela, mudou de resolusSo.
Fiz-lhe umcald) simples, e como nao ti-
nhamos sal, deitei dentro do caldo algumas
gottas de laranja.
Chegamos a am tal estado de miseria que
tricawfcos por comida, a pouca rouaffique
Os rapaies emmagreceram de um modo
espantoso; algumas familias comiam sapos,
lagartos e cobras.
A morle comecou a devastar-nos ; prin-
cipalmente nos das de chava morria muila
gente.
(Continuarse ha) )
meio selvagem a mesma quem os guardas
da floresta cbamavam a Cabrita.
Que queres d'aqui, cgana ? disse-
lhe ella.
Venho ver o Mulot.
E, fechando a porta e percorrendo a casa
com a vista, disse :
Onde est elle ?
Q Sr. Maurel n3o est c acudi
Dorotha magestosamente.
Oh I qae comedia f... O Sr. Mau-
rel I... repeli a Cabrita, chacoteando
Tens dr de dentes, veiha foioha 1
Dorotha flcou furiosa com o epitheto.
O Sr. Maurel nao tem negocios com
gente d'essa laia I replicou a velfaa.
N8 ests boa, bem se v I redar-
gmo insolentemente a CabritaEa direi ao
meu bomem... atas onde est elle ?
Sahio.
Esperarei. D-me de crner.
NSo tenbo o que.
Mentes I
E, correado ae armario, a Cabrita to-
mou um rosto de carne, pi e vioho, e pos
tudo sobre a mesa.
Dorotha, enoreclda, quiz tirar-lhe tudo,
mas a Cabrita era tao robusta como gil.
N'om momento agarrn Dorotha peto
pescoso, atiroo-a ao chao e poz-se a enti-
nar :
A velhaca da velba I.. Quando vier
o mea homem, far-tehei por na roa l
Dorotha ergueu-se toda magoada e qniz
pedir soccorro, porm a Cabrita, deiundo a
m3o i espingarda do Mulot, pandorada no
panno da chamin, disse lhe:
Se gritas, metto-te dona cargas de
chombo n'essa veiha pella I
Dorotha leve mdo e calou-se.
A Cabriu, qoe aodava morreado de fome.
beben e comen bem, coneervando-se de
pe, como quem ignora va o o das cadei-
ras. Depois foi acocorarse ao lome, tendo
primero lansado n'elle om bragado de le-
nha.
Dorotha estava furiosa, mas nao se
atreva dizer palavra As unhas da Ca-
brita tinham-lhe fleado bem impressas no
pescoso. Todava, passada urna hora, nao
fazendo a Cabrita caso d'ella e achando-se
teda embebida n'aquella voluptuosdade dos
c3es de caga fatigados que se deilam junte
de um bom lome, resolveu se a dirigir-lbe
a palavra.
Se espera pelo Sr. Maarel, n3o o ve-
r lo cedo.
Onde foi elle 1
Est em jornada.
Espera-lo-hei igualmente.
- Mas eo qeero fechar a porta.
o mesmo ; dormirei aqu.
N3o tenho cama para lhe dar.
Nio eareco d'ella ; estou bem aqu.
E deitou-se no estrado da chamin.
Dorotha nao gostou e disse-lhe :
O que quer da Sr. Maarel ?
Nio lhe importe isso.
Pois, se nio sahe d'aqui, vou chamar
o sbegao, qoe a far sahir I
Pois ni, que te rebento Iexclamou
a Cabrita, erguendo-se furiosa.
Foram estas ultimas palavras as que cha-
faran aos ouvidos do Mulot, ao approxi-
marse de casa.
Qoe barulho este ?exclamou elle,
entrando na eosinna.
Mas, reconhecendo a Cabrita, franzio o
#oVolho e flcou embasbacado.
A Cabrita empregoo mal e tempo, viodo
fiaitar o sen antigo companheiro.
O Molot, convertido em Sr. Maarel, U-
Snha ideas mais altea, porm isso nio im-
dio qoe elli, ao ve-lo, soltasse nma gran-
jgargamada.
OMoioteaUva ioteiraamu itro. J
rroeessa de Pedro Bonaparte
(Continuaco)
t Entramos em casa, e entregamos as
nossas cartas um criado.
t Fizeram nos entrar em um pequeo
salo Atravessmos urna sala de armas,
e entramos em um grande salo.
< Alguns instantes depois, entrou o prin
cipe.
< Apresentei-lhe a carta que me havia
sido entregue por Psqual Grousset.
c O principe, depois de a ler, amacbu-
cou-a na mo.
Disse-nos enUe : NSo me bato com-
vosco, mas com o Sr. Rochefort; n3o co-
rnheso nem os seus sicarios nem os seus
carrocinhos.
O principe disse depois : t Sois vos so-
lidari s ? Vctor Noir fez om passo para a
frente e responde-i : t Somos sotidarios dos
fa;tos c dos gestos de nossos amigos.
< Em seguida, o principe deu urna bofe-
tada cora a mo direita em Vctor Noir, ao
mesmo tempo que disparava queima rou-
pa um tiro de pistola com a m3o esquerda.
Vctor Noir encaminhou-se com os
bracos levantados para a porta, que abri,
e eu oceultei-me atraz de urna cadeir'a de
brasos.
Tirei ento um rewolver da algibeira
esquerda do meu paletot, e na occasiio em
que me levantei, o principe desfechou con-
tra mim; a bala atravessou a gola do meu
caneo.
Eocaminhe-me para a outra porla, e
no momento em que ia a sahir o principe
atirou sobre mim segundo Uro de pistola;
a bala nao me alcancou.
Desci, e vendo Vctor Noir a expirar,
exclamei: < assassino I
Pergnnta:Podis indicar, ao menos
aproximadamente, e tempo que decorreu
entre o momento em qae Vctor Noir foi
ferido, e aquelle em que vos fez essa nar-
ras3o o Sr. Foavelle ?
Resposta : Tres quartos de hora, pelo
menos. Calculo este tempo da maneira se-
guinte : um quarto de hora para me virem
prevenir ; um quarto de hora para ir a casa
do pharmiceutico, e um -quarto de hora
para fazer os exames em casa do pharma-
ceutico, e para ter esta conversa com o
Dr. Pnel, e com o Sr. Passual Grousset.
A testemunha continua:
Depois de ter esperado at s quatro
horas, vendo urna multid3o muito conside-
ravel em frente da pharmacia, tomei
sobre mim fazer conduzir o cadver para
Neuilly.
Para esse fim Oz com que fosse colloca-
do em urna padiola ; mande vir urna car-
roagem, e nella entraram os Srs. Pascual
Grousset, de Fouvielle, o Dr. Pinel, e na
occasio em que eu ia entrar, um empre-
gado do crrete d'Auteuil, chamado Rons-
tan, entregou-me um rewolver do seis li-
ds, com coronha de marflm, cano e tam-
bor d'aso marchetado de prata.
O empregado disse-me ento que aquelle
rewolver lhe tinha sido entregue por de
Fouvielle, quando sahio da casa do prin-
cipe.
Esta pistola estava carregada dos seis ti-
ros, e era fcil ver que n3o tinha sido des-
carregada.
Pergunte enlo ao Sr. da Fouvielle se
aquella pistola lhe pertencia, respondeu-m3
aflirmatvamente.
Pergunte como era portador d'aquella
arma ; respondeu-me que trazia sempre um
revolwer comsigo : -
Entrei na carroagem, e torae lugar em
frente do Sr. Pasqoal Grousset, c a i lado
do D.\ Pinel.
Durante o trajelo, -vi vestigios" de san-
gue no lenso branco que o Sr. de Fou-
vielle tinha no pescoso.
Perguntei-lhe de que provnham aquellas
manchas, e respondeu-me que nao estava
ferido. Emqaanto fallava, mostrava-me a
suam3o direita.
Notei no dedo pollegar, entre a primeira
e a segunda phahnge, no fechar da m5o,
umi arranhadura, d'onde corra sangue.
Pdrguntei-lhe de que provinba aquelle
ferimento, disse-m8 que o tinha feito tentan-
do armar a sua pistola.
Depois desta narras3o foi apresentado
aos Srs. jurados o rewolver do Sr. Ulrico
de Fouvielle.
Ulrico de Fouvielle. redactor da Marse-
coUajt firvas-
setr de fcs-
Aeeaci a
stodK-
Ihcza :Devo rejaoUr-fM a vespera de
W>
Corsega cea om
la lievanche, de' qde Groasset
borador, a qual contistba
dirigidos por Pedro Bonaparte.
missio. De Urde converse*
fort; pareca admirado d'aqoella resosneSo:
manifestou-me a inteocio em qw eesava de
evitar aquelle eu:ontro.
Na manha seguinle conccrimin eean
No r em qoe eu escreveria a
que tivesse ama entrevista
fort.
Concordamos em ir ama ten aae-
criptorio do jornal. Foi, e alli
Groasset; disse-lhe: Rochefort feer
ter-se com Pedro Bonaparte. >
Entramos em orna carroagem. e n
mos para Auteuil; se tenbo dito
para pro var qoe a cousa nio estn atada
decidida urna hora.
Pergunta :Que cousa7
Resposta:Quero dizer qoe piiimamu
em evitar ir a Auteuil.
Nao estando nada revolvido
caminbaodo-nos para Auteuil.
Alguns minlos antes de chegar a
teuil encontramos Santn. Vctor
disse-nos: Eis abi Santn, > e
chegamos ao o. 59 da roa de A
camiobamo-nos para o interior da
encontramos dois homens, dois
pediram-nos para nos fazermos
tiramos as cartas de qoe vinhamoe
e entregamol-as a um dessea
qual desappareceu ; o onlr j fez-
em om pequeo aposento; es
ou tres minutos, e depois vw
nos: f queris subir ao
dar?
Fizeram-oos atravessar urna sato aT:
mas, e introduziram-nos em um saHo,
estivemos oito ou dez minutos,
que a porta se abra, e vimos entrar
Bonapirte; encaminbou-se pan nos,
as mos as algibeiras. Senhor.RM
cu, apresentando-lhe urna carta, vi
parte de um dos nossos amigos
urna missio. Pedro Bonaparte
t Nio vindes pois da parte de
N3o sois dos seus mariulas ?
Pedro Bonaparte avansou pan
e leu a carta: depois de a lar
chucou-a com mi febril, e debuna
e avansando para mim disse-me
quei Rochefort porque o porta-estaadasto.
quanto a Grousset nada tenho con esV.
< Dirigindo-se a Noir, disse-lhe: Sea eis
sollidarios daquellas Carronhas ? > Se-
rnos solidarios dos nossos amigos: > re-
plicou Noir.
Neste instante Pedro Bonaparte dea aaaa
bofetada na cara de Noir, e recesado fcz
fogo contra o meu amigo. Vctor Itor,
apesar de ferido, conseguio abrir a pana.
e desappareceu.
Comprehendi que a minha vida eatovj
ameasada, por isso que vi a pistola (Taime!
homem apona da para mim : eoo meta a
mo na minha algibeira, e voltei
diante ; ento recebi am tiro.
Lajicei mi do estojo do meo rewolver
Bonaparte dirigio-se para a porta e lechea-ae
e encaminhou-se para mim; tinte me apro-
ximado de urna cadeira de bracos e aari-
guei-me com ella, e foi nessa oeease eme
consegu tirar o meu rewolver do
avancei para a sala do bilhar ; alli
segundo Uro.
Abr a porla que deitav* pan a
pequea,"gritando assassino.
aquella escada pequea, e no Om
o meu pobre amigo Vctor Noir ex
a minha exaltaso sabio n'aqnelle
ao extremo ; entreguei a mete pistola i
um homem que eslava alli. e o ene en
meu amigo foi levado para casa d am
pharmaceutico
Se o tribuna! o permute, direi qual en
a disposif o de espirito em q-ie eslava Tk-
tor Noir, quando ontrou em osa dePedr
Bonaparle.
Era a primeira vez na sua vida qae ae-
sistia um negocio de honra. Eslave me-
tido como para urna visita de
tinha luvas calcadas; estn atogn
sempre; mas tendo a consciencia da sea
missao, dizia : E' necessaro qoe toa
mostr o que sao cavalbeiros i esees '
partes. (Movimento) Estava Beata
e tranquillo.
Pergunta:Havia grande irritaco
o principe Pedro, o acensado, e
Porque testes vos a casa d > principa,
vez de mandar alli tesleaaunhas ?
estaveis armado ? Pensaveis ser
Resposta :Peosei sempre qae
ra algum ultrage ; mas nao jotoj >n ajee
encontrara um assassino.
(Omtimm-m-hm.)


nao era o vagabundo esfarrapado, de p
descairo, cabellos desgrenhados, sujo, he-
diondo e enfarruscado, tendo por nico fato
urna blusa e urnas caigas rodas em baixo.
O Mulot convertera-se em grande senhor.
Jusava botas, casaco, collele de xadrez
vermelho e chapeo fino.
Bravo I Como ests aceiado I.. Pa-
reces o mestre-escola de Ingranoe Iexcla-
mou ella s gargalhadas.
O Mulot estove quasi a zangar-se, mas a
Cabrita, agarrando-se-lbe ao pescoso, con-
Kiooou :
Ests lo feio, que me d vootade de
te descompor, meu velbo !
Dorotha estava vendida e olhava para
o amo com ar lasUmoso, e Maurel pareca
to confundido, que Dorotha comprehen-
dea nro ter i esperar d'elle apoio algom.
Tomou, pois, o expediente de se retirar
e encaminhar-se para o quarto, mas primei
ramete disse ao amo:
Antes de se deilar, Sr. Maurel, quei-
ra ver se as portas esto bem fechadas.
NSo tem duvida acudi elle com
enfado.
Retirando-se Dorotha, Maarel eacarou
com a Cabrita e pergantou-lhe :
Que veos aqai fazer ?
Venho ver te.
Nio era preciso c vires.
Porque?
Porque isso pode dar qae Miar.
O qae ? Tambem nio ests bom da
caneca ? Venho, porque assim me aprax.
--.Mas olha qoe nio estamos no bos-
que J,/
-f- Tu s o mea bomem I
-^ Se se soubesse qoe eslavas aqui I...
E qae me importa o que se dix ?
Se precisas de alguma coun, "dar-
t a-hei. Queres dinheiro ?
Nio qnero nada ; quero aqui ficar.
O Mulot leve um accesso de
E se eu nio o consentir T
Qae remedio teres
O Molot apertoo os pulsos
. Mo corario f disse a
Suppunha-te melhor
j nao aprecias a minha
O Mu'ottstremecea.
Ests provavelmente
alguma rica-sa ?
O Molot nao respondee.
E se eo nao o e
a Cabrita.
Cala te exclamou o
Nio quero Soa ama
nio tenho mesmo onde
om grande senhor,
se ea qoizesse dizer
Cala-te fii
rado.
Nao te dei acaso mi
prosegoio a Cabriu.
O Mulot desenganoo-se
nio apasiguasse tefe, ele
qoe Dorotha oovisae
Mas cala-te,
veae, se queres
A furia da Cabrita
lagrimas roiaram ao tengo
ti
-
ata
EntSoaindi tornea .antojef-
ella.
Aquella rapariga
meio bestial,
aqoeite corecioeeaal
A Cabrito nio ae foi
leve o d caglo de a ver i
almocar i man com sea i
feito talvee de
panaaccadar ojaae.
TYP. OODiAtol


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID E7U2W8CYS_VIWUTG INGEST_TIME 2013-09-14T00:19:59Z PACKAGE AA00011611_12100
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES