Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:12099


This item is only available as the following downloads:


Full Text
w >
i
<
,K


ANNO XLVI. NUMERO .
. ,__________.______ .____________________________________________ _________
PARA A CAPITAL E LUGARES OTOE'IAO SE /aCA POBIE
Por 4ro mezes abantados.................
Por seis ditos idem .'...........,.....
'or una anco dem.........' p i. J
Cada uner avulso......... J
240000


'.'V.
0UADTTA FEIBI 27 DE BRL DE 1870.
PA1A DEBTHO l PORA DA HOflICIA.
IPopittes mezes adiantados
seis ditos idem.
nove dito idei
Por ura anno idem
Por nove dito idem .
6750
13/1500
20*250
27)9000
DE PMAMBIM
Propriedade de fflanoel Figneira de Fara & Filhos.
*
BAO AGE3TEW:
6s Srs. Gerardo Antonio lves & Filhos, no Para ; Gon?alves & Pinto, no Maranhao ; Joaqoim Jos de Oliveira, no CeaA ; Antonio de Lemos Braga, no-Aracaty ; Joao Mara Jolio Chaves, no Ass ; Antonio Marques da Silva, no Natal > Jos Justino
Gomes, ne'Vrlto da Penba; Belaramo dos Santos Bulco, em Santo Antao; Domingos Jos da Costa Braga,
^ Aive^na Babjjg > e Jos Ribeiro Gasparinno no Rio de Janeiro.
Pereira d'Almeida, em Mamanguape ; Antonio Alejandrino de Lima, na Parahyba ; Antonio Jos
em Nazareth ; Francisco Tavares da Costa, em Alagoas; Dr. Jos Ma

PARTE OFEHJIAL
Goveroo da provincia.
B3SPACH0S DA PRESIDENCIA DA PROVINCIA DO DA 19
S 20 Ot ABRIL DE 1870a
L)r. Antonio Coelho Rodrigues.Ao Sr. raspee-
tor da thesouraria de fazenda coni a portara desta
Cita.
Abaixo assignados de proprielarios e moradores
n povoapo do Loreto, Candeia.Reineita-se
... embica legislativa provincial.
Antonio Jos de Cainpds Pinto.Passe portara.
Desembargad:- Bernardo Machad da Costa
Doria. Ao Sr. inspector da thesouraria de fazen-
da cora a portara desta data.
Cathanna Leopoldina de Castro Araujo Ramos.
Informe o Sr. inspector da thesouraria provin-
cial. f
DelOna Bemvenuta Mara da Conceiro.Como
requer. .
Erapreiteros dos trlhos urbanos do Recito
Apipncos.Informe o Sr. inspector da thesouria
provincial.
Flix de v 'alois Corroa.Informe o Sr. inspecr
tor da thesouraria de fazanda.
Capito Hemeterio Jos Velloso da Slvera.
Informe o Sr. inspector da thesouraria de i'a-
zeada.
Heoriqueta Amelia de Menezes Lira.Concda-
se a liceopa requerida, com ordenado somente.
Jos Marcelino da Co-ta.Informe o Sr. Dr. di-
rector (feral da Instrucpo publica.
Jos de Mello de Albuquerque Monte-negro.
Informe o Sr. Dr. chefe de polica.
fiacharcl Joao Curalcanti de Albuquerque.In-
forme o Sr. engenheiru chefe da repariieo das
obras publicas.
BacbWel Joao Cavalcanti de Albuquerque.In-
f.nne a mesma repartieao.
Joao da Cruz Lima.Informe o Sr. capitn- do
Porto.
Joaqum Rodrigues dos Santos.Informe oSr.
inspector da thesouroria de tazenda.
Tenante coronel Jos de Moraes Gomes Ferrei-
n.Informe o Sr. engenheiro chefe da reparlieo
da3 obras publicas.
Alferes Joao Gualberto Correia.Eocamnhe-se.
Luiz Jos de Parias.Informe o Sr. tenente co-
r ael commandante do corpo provisorio Je polica.
Manoel Raynero de BarrosSeja adJido.
Policarpo Pereira da Luz Silveira. A vista da
mormapai, nao ha o que deferir.
*
0MB10 PE PEBNAMBUCO
RECIFE, 27 DE ABRIL de 1870.
\oliclas do norte do Imperio.
Chegcni hontem o vapor Cruzeiro do Sal, trazen-
o datas do Amazonas at 7, do Para at 17. do
Maranuo at 19, do Cear t 2* to l'.io Grande
2* e da Parahyb* at 23 do crreme.
AMAZONAS.
No da 2o de marco foi installada a sessao da
issembla provincia) cuja mesa icou composta do*
Srs. Dr. Gustavo Adolplo Ramos Ferreira presi-
dente, Francisco A. Monteiro Tapajoz e Jos Ar-
thur Pinto Ribeiro secretarios.
No dia 2 do correte a assembla provincial
enviou urna commissao de seu seio a felicitar o
presidente da provincia, pelos importantes serv-
eos prestados provincia.
6 Exm. Sr. tenente-coronel Joao W'ilkens de
Maltes passou as rodeas da administrapao da pro-
v.ncia ao Io rice-presidente, sendo obsequiado ao
partir para o Para com um jantar pela assem-
bla provincial e com um baile pela praca do com-
rncneio.
I'.Ut.
No da 17 do crrente assumio as rdeas
la administrapao o V vice-presidente Dr. Abel
tirana, por ter de tomar assento na cmara tem-
poraria o Exra. Sr. Dr.' Joao Alfredo Correa de
i.-.eira.
Suicidou-se, no da 9 do crrente, tomando
ule porpao de arsnico, o Sr. Dr. Trajano'de
:a Velho, ignorando-se os motivos que isso o
levaran).
Falleceu o Rvm. chantre da cathedral Felip-
pe Nery e Cunha, com 79 annos de idade, o qual
liaba sido ordenado pelo 7." bispo do Para D.
.Manoel de Almeid* de Cnrvalho, era o decano dos
-joerdotes vantes servidos no ministerio parchia!, em que
-onsumio a maior parte de seus annos; pertencia
ii corpo cathedratico do seminario como lente de
lithurgia.
A alfsndega rendeude 1 a 10 do crrente..
iMJQB7.
mabakho.
Tendo sido exonerad* de delegado da capital
> l'r. Hermenegildo Antonio da Encamapo e Sil-
va. foi nomeado para o substituir o Dr. Joao An-
tonio Alves.
Por-eer incompatvel o exercicio de inspector
dts estudos cam o de procurador fiscal da fazenda
geral, fui exonerado daqueile cargo o Dr. Frederi-
co Jos Correa, sendo nomeado o Dr. Augusto 0-
lympio Gomes de Castro.
Foi anda exonerado de inspector do thesou-
ru provincial 6 Sr. Henrtque do Brito Guilhon,
sendo nomeado o Dr. Joo Antonio Coqueiro.
Falleceu o vereador da cmara municipal
Antonio Noguera de Souza, com 50 annos.
O brigue portuguez Flonnda foi julgado in-
capaz de navegar, e vendido em lcilo.
No dia 12 do crrente leve luga/ a assembla
geral dos accionistas do banco do Maranhao. Dis-
cutio-se e approvou-se que se impetrasse o gover-
no imperial prorogacao do praso por mas 20 an-
nos, augmento de 2,000 contos do capital, que as-
-iiii ficara elevado a 3,000, e a creaclo de urna
scelo hypothacaria, para a qual se destinaro 500
contos do eaplul.
Foi aomeada nma commissao para apresentar
um projecto de reforma dos estatutos sob estas ba-
zes. Fazem parte desta commissao os Srs. Dr.
Carvalho e Oliveira, Lopes Ferreira, e Agotinho
Valle.
O rio Mearim teve urna endiente extraordi-
naria.
Lemos no Paiz :
t a diocese do Maranhao, que comprebende es-
ta provincia e a do Pauhy, actualmente conta ape-
nas 114 sacerdotes.
Destes 104 sao seculares e 10 regulares ; da-
quaes 6 acham-se completamente inutilisados.
. A diocese divide-se em 79 parochias e 1 co .
looia militar, para o preenchiment* das quaes i'
pretina 80 sacerdotes. Acbam-se incardinalr ,jos
16 eooegos e 8 beneficiados na cathedral, e i prej.
byteros no seminario das Mercs,
f Para o preenebimento de todas as p- arochas
beaeflcios da cathedral sao preciaos 104 sacerdo-
tes ; eom os 9 empregados no gaminar* 0 jog fai
tam portante 8 sacerdotes para o nur MT0 effeclivo
dos empregos eeclesiasticos. Ja s e v que, por
impedimento dos parochos em qu> ,,qUer freguezia,
nao ha sacerdotes disponiveis Va* substituil os,
visto Dio os havar para e effii*' tv0 numero iadis-
pensaveL
Das 79 parochias. 2 ,3,, administradas po-
paroehos nacianaes eftcour j,eBddos e 48 por cor-
late-, aehando-sefi.(J p,,r fatu absolnU de
cenotes; alera dies!^ rem vagos dous canonli
oatM e 2 benetVoiosla uhedral
Lemos no Publicado*- Maranhense :
A feliz noticia da concluso da guerra tem
sido festejada aqu cora o maior enlhusiasmo.
Nesse da 13, em que foi aqui recebida, hou-
ve logo no momento da chegada do vapor urna
Srande passeata, frente da qual percorreu o
r. vice-prosdenie da provincia as ras da cida-
de, sendo por toda a parte victoriado- Filha da
primeira impivssao, formada expontaneamente,
sem aviso ou comhinacao previa, essa reuniao foi
numerosissima e esplendida. A alegra tocava ao
delirio. Por todos os pontos da cidade estrugiam
os foguetes; e nao cessarara os vivas aos hroes
da guerra e ao nosso patritico monarcha, acom-
panhados do hymno brasileiro e de msicas fes-
tivas.
' S. Exc. mandou inmediatamente fechar as
repartieses, c que salvassem as fortalezas.
A cmara municipal dirigi logo seus mu-
cicipes urna enthusiaslca proclamago.-
< A' noute toda a cidade illuminou-se, e em
palacio rennio-se grande numero de amigos do
Sr. vice-nresidente, aos quaes. S. Exc. olleieceu
um profuso e bem servid cha
< Ros dias 14 e lo, quinta e sexta-feira santas,
houve completa suspensiio dos festejos.
No dia 16 continuaran) com o mosmo, ou
anda superior jubilo.
A' tarde fez o corpo do commercio, ao qual se
uni a sociedade dos caxeiros, urna brilhanlo
passeata, apezar da abundante chuva que cabio.
Durante o dia nao cessarara os foguetes, os
vivas e msicas.
Como no dia 13, salvaran) as fortalezas pela
manhaa e tarde.
Toda a cidade enbanderou-se, bem como os
navios surtos no porto, apresentando assira o mas
risonho e festivo aspecto.
t Diversas coramissSe?, e corporaeoes, lodo o
funcionalismo dirigio-se palacio, aura de felici-
tar na pessoa do Sr. vice-presdente, o governo
imperial e a nacao per tao feliz acontecmento.
A' noute toda a cidade illuranou-se.
No dia 17 houve larde na cathedral o Te-
Deum que em accao de grapas mandou celebrar a
cmara municipal, o qual foi grandemente con-
currido.
Comecou noute a grandiosa, elegante e so-
berba illuininacao que em frente ao papo munici-
pal, mandou fazer aquella corporapao.
Veem-se ahi convenientemente dispostos os
retratos do Sr. D. Pedro II e dos Drncipaes
vultos da campanha.
O elTeito d'essa illurainacao realmente bello
e condigno do assumpio.
No meio do immenso concurso, que nao
obstante a chuva, houve no edilico da cmara,
recitou o Sr. vereador David Freir da Silva um
elegante discurso.
Hontem 18 continuou a llumnapao da c-
mara que foi anda mais concorrida do que no
primeiro dia.
Por ordem da presidencia fecharam-se as re-
partieses ao meio dia.
A' tarde sabio a passeata da guarda nacional
acompanhada de tres bandas de msica e percor-
rendo com o mais vivo enlhusiasmo as ras da
cidade.
Proseguem anda boje 'as deraonstrapSes de
regosijo pela completa e gloriosa victoria das
nossas armas.
Estc annunciados um jantar aos pobres, e a
proeissao de Nossa Sra. da Victoria que por
aquelle motivo vao fazer os arlistis membros da
sociedade dos Ourives.
A alfandega rendeu de 1 a 18 do crrente
77:526*992.
CEAR.
O prorramma para receppao do batalhao de
voluntarios o seguinte :
< S. Exc. o Sr. desembargado!' presidente da
provincia, manda declarar que, tendo recebido
participapao ofcial de adiar se ja na corte o ba-
talhao 26 de voluntarios da patria desta provincia,
e que deve aqui em breve chegar, se observe em
seu desembarque o seguinte :
A fortaleza logo que avistar o vapor e re-
conhecer ser o transporte de guerra, annunciar
a sua approxmacao eom dous tiros seguidos de
pepa, e embandeirar o telegrapho, como tambera
deverao fazer todas as repartipoes publicas, e o
mesmo espera que praticarao os navios surtos no
porto e as casas particulares que o quizerem.
Logo que o vapor fuudear a fortaleza salvar
com 21 tiros e o mesmo far por occaso do de-
sembarque da bandeira.
Se- o transporte chegar pela manhaa, o desem-
barque ter lugar pelas 4 horas da tarde ; si
purem, chegar tarde de modo qae nao baja
tempo para o desembarque nesse dia, far-se-ha
s 8 horas da manhaa sefrunte na ponte d'Alfan-
dega, salvo a inconveniencia da mar para o qne
a capitana do porlo providenciar de manera que
tudo se faca tempo.
t Desembarcado o corpo* de voluntarios e posto,
em-ordem de marcha receber as continencias do
Io batalhao da guarda nacional, que ali estar
postado; feitoo que. desfilar o corpo, seguido
do Io batalhao, e precedido do prestito que se lhe
aggregar, pelas ras da praia/ do Marcado, do
Passeio Publico, da Palma, Travessa das Hortas
ra Formosa cima at a ra da Municipalidade ,
dahi ra Amelia, Trinchtiras, Praca Municipal com
direepo dos Voluntarios, ra d Bosario, Largo
de Palacio, onde depos de feitas as continencias
do estylo, desfilar para os quarteis, passando
confronte a Assembla, pela Travessa do Lyceu e
Prapa da Cathedral.
Exc. o Sr. desembargador presidente da provincia
com sua Exma. familia.
Ao chegar o prestito frente da casa do Sr.
tenente-coronel Antonio Gonpalves dajusta, parou,
e de urna das saccadas do sobrado a Sra. D lza-
bel Veira dirigi urna allocupo congratulndo-
se com suas patricias pela foliz terrainapao "da
guerra.
Percorrendo mais algnmas ras voltou a pala-
cio, de cujas saccadas os Ilustres Srs. Drs Jos
Avelino e Ambrosio Portugal proferiram brilhan
tes discursos, e o Sr. Dr. Garca recitou urna poe-
sa de ardente inspirapao.
S. Exc. o Sr. presidente em seguida franqueou
os saloes de palacio, proporcionando alguma horas
de agradavel passa-tempo com dansas, e offere-
cendo um bem servido cha aos que na occasiao
accedern) ao seu convite.
Foi ante-hontem o ultimo dia dos festejos pela
termmapo da guerra. >
1110 GRANDE.
Do Natal escreve nosso correspondente 23
do crrente:
Segu hoje no Cruzeiro do Sul para o Rio de
Janeiro o deputado Dr. Gomes da Silvas com sua
Ilustre familia.
A provincia intera tem as vista no deslindo
represt-nUu^ cujes talento.; e virtudes" lhe te*
c mi lisiado immensa popularidad e al a eslima
dos adversarios conscienciosos.
Desejo-lhe prospera viagem.
O Exm. Sr. Dr. Sllvino val de da em dia tor-
nando se crador da maior sympathia, adhesao e
respeto deseas governados. '
De espirito recto e esclarecido, com a pratjca,
que tem dos negocios pblicos, com o tino e pru-
dencia de que dot-do, S. Exc. asssgura a esta
provincia urna nova era na senda dajnstpaedo
progresso.
c Consta que no dia 18 do crrente o Sr. Dr.
chefe do polica recebara communcapao offlcial
do Dr. Hardman juiz municipal dos termos reuni-
dos da Maioridade com data de 19 de marpo ulti-
mo, em que dizia aquelle juiz ter pronunciado
pelas mortes de Jos Marcolino de Bessa e Jos
Ricarte, o capitaoJoao Flix de Moraes Navarro e
4 soldados, 2 de polica e 2 da guarda nacional,
os quaes faziam parte da pequea fofea que se
achava em Port'Alegre, quando no dia 29 de ojt-
tubro do anno pas-ado, se dera all o conflicto de
que resultaram aquellas tristes e lamentaveis oc-
currencias.
t No mesmo dia (18), o capitao Navarro reco-
beu ordem de priso, e foi recomido ao estado-
maior do quartel de 1* linha, era cujo calaboupo
j se acha preso um dos soldados pronunciados,
nao se tendo realisado acaptura dosoutros 3 por
se acharen) presentemente fora da capital em deli-
gencia do servpo publica.
A cmara municipal desta cidade noraeou
urna commissao para felicitar a $. M. o Imperador
pela termina pao honrosa da guerra do Paraguay.
A commissao comp5e-se dos Exms. Srs. con-
selbero Francisco de Salles Torras 11 unem, Dr.
Francisco Gomes da Silva, Dr. Octaviano Raposo,
coronel BonKacio Cmara 9 padre Joo Manoel.
Em virtude de ordem do thesouro nacional, a
thesouraria de fazenda desta provincia vai remet-
ter para a corte 200:000 por centa do saldo exis-
tente em cofre do exercicio findo. "
Ante-hontem o Exra. presidente vistou as re-
partipoes publicas. ,
Na cidade da Imberatriz foi capturado no dia
11 do crrente, mediante as mais acertadas deli-
gencias do respectivo delegado de polica, o cri-
minoso de morte Mrnoel Maria, condemnado a ga-
les perpetuas n'aquelle termo, de caja cada j
ama vez elle conseguioevadir-se.
O invern nos permilte urna abundante Co-
Iheita de milho, feijao, arroz o jeramuns.
O ro Cear-merim teve agora urna grande
ebria.
Desde o da 31 de marpo que nao apparece o
Liberal do Norte.
' Hontem ultimaram-se na thesouraria provin-
cial as arrematapoes dos dizimos.
O gado produzio......'..... 52:5403000
As miunpas e lavouras...... 30:700000
Este resultado lisongero
com o do anno passado, nota-se
para mais neste ramo de receita
83:2403000
e comparados
urna differenpa
em 14-.WU000
c S. Exc. convida a todas as autoridades civis
e militares, e que nao estiverem de servipo, bem
comp a todos os cidadaos que quizerem tomar
parte em taes deraonstrapSes de regosijo publico >
A cmara municipal da capital mandou ce-
lebrar um sumptnoso Te-Deum, pela terminapao
da guerra, e deliberou que a roa do Mercado se
deoominasse d'ora avaotrua do Conde dE, a
prapa do Patrocinio, prapa do Mrquez do Hen-al.
o boulevard do Livramento, tmtlecard do Duque
de Carias e a prapa do Encaaamento, prapa do
Visconde de Pelotas.
Os salvados do vapor Paraense, vendidos
em leilao, ja tinham proc'luzido 8:2873330.
Fallecen em Maranguape, o collector de ren-
das Jos Tacares Ribeiro Campos.
No d'ia 25 de marpo, forara alforriadas, na
cidade do Ico, 12 crlancas do sexo fememno, sendo
7 por tonta da provincia e 5 pela generosidade
popular.
Lemos no Cearense:
c Agfadavel e grandemente expressivo foi o es-
CBCtaculo que apresenton a passeata de ante-
ontem (19), formada em sua maior parte pelo
bello sexo. ,
' < Muitas seahoras das pnncipaes familias, lindas
jovens de todas as dades, ao lado de destinctos
cavalheiros, lormavam um prestito imponente,
precedido de urna banda de mnsica percorrendo
as roas da cidade.
O trajar uniforme, os elegantes toilettes, orna-
dos de Atas de cor aart-verde, lindas bandeiras,
onde se lia em lettras d'ouro saudaedes patria,
cima de tudo o pra;:er que divisava-se em to-
dos os semblantes, da vara o maior realce ao inte
ressante grupo, que assim celebrava as glorias da
napao.
Em respeitosa distancia acompanhava o pres-
tito numerosa multidao de povo, que se associava
s manitesue&H de rencrijo.
O palacio do governo ro o ponto da reuniao
e da partida da passtiIaU, da qual fez parte S.
Os lances eflerecidos subiram sobre as res-
pectivas bases da thesouraria em 16:405301.
Deixaram alm disto de ser arrematos por
falla de licitantes os gados da freguezia de Can-
guaretama, oreada em 206000.
PARAIIVBA.
No dia 18 do crrente encerraram-se os
irabalhos da assembla provuicial, sendo nessa
occaso nomeada urna commissao para apresentar
ao presidente da provincia os testemunhos de
apreoo e considerapao que a mesma llie tributa ;
commissao que dirigi as sesmintes palavras ao
presidente, quando o foi cuppriraemar :
t lllm. e Exm. Sr. A assembla legislativa
provincial da Parahyba do Norte, testeraunha
da maneira Ilustrada, prudente e acertada,
Eorque V. Exc. ha sabido dirigir os negocios pa-
leos ao .seu cargo, e maater a honrosa e pro-
ficua harmona com aquella corporapao, que
em perfeito accordo com V. Exc, e se* sua po-
derosa coadjuvapo se ha esmerado e promover
o bem estar dos Parahybanos, nos eavia a ma-
nifestar a V. Exc. os sinceros votos de aprpo,
considerapao e reconheciment de que se acha
p ssuida pelos relevantes servipos prestados a
provincia, cujos destinos lhe fora felizmente
conliados.
Urna administracao, Exm. Sr., qne cria as
esperanpas de melhor porvr, e anima urna po-
ltica, de quera somante se pode esperar verda-
deiro progresso e prospendade, nao pode deixar
de merecer a gratidao da provincia, que a mesma
assembla tem a honra de- representar, e de cdjos
sentimentos agora fiel interprete na respeitosa
homenegem, com que em seu nome nos desva-
necemos de felicitar a V. Exc.
Parahyba, 18 de abril de 1870.1- Dr. Leo-
nardo A. Meira Henrinoe.Dr. Claadiano Rezerra
Cavalcante.Padre Antonio Baptista Espinla.
Dr.. Augusto C. d'Almeida e Albuquerqe.-Capi-
to Marcolino X. Tavares da Silva.
S. Exc. respondeu :
Srs.A honrosa felicitaeao que me dirige a
assembla provincial a melhor recompensa,
que eu poda- aspirar pela minha administracao.
Aceitai, e dignai-vos de significar a segnranpa
de minha profunda gratidao assembla, a
cuja valiosa e leal coadjuvapo devo principal-
mente os servieos que tenho prestado.
^W<--------------rt-----------
Albuquerque, 'Pedro Alfonso, A. Pernarabaco
afros Reg,-Vieira de Mello, M. Armur, Joao
uavalcanti e Ribeiro Vanna.
Abre se je sessao e sao lidas # approvadas as
actas d anteriores.
O Sr. 1 ecretario da eenta do spguinte
expewewde :
Um oflidn do secretario do governo, transmil-
ndo um UWfio da cmara municipal da villh do
Buique de 3 de fevexeiro ultimo, acompanhado-d
informapaoda thesouraria provincial de 9 de mar-
eo prximo fiado, e de ura requerimento em que
Jos Merculano Assamppo, delegado, rfferece nm
apude por venda no lugar denominado Palmeiri-
nha.A' commissao de orpamento municipal.
Outro do mesmo, transmittindo, com informa-
cao da thesouraria provincial de 21 de marpo
prximo flndo, um offieio tambem junto por copia
de 21 de Janeiro, em qne a cmara municipal da
villa de Flapasta -pede ura auxilio de 200 para
urna mobilia para a sala das sessoes dp jury.
A' commissao de orpamento ronicipal.
Outrp do mesmo, remetiendo i esta assembla
'i0 exemplares do relatorio do Inspector da the-
souraria provincial e ontros tantos do balanco do
exercicio prximo findo, do orpamento da re'ceita
e despeza do exercicio proxhjno vindouro, da re
lapao das oaasas executivas, e o relatorio do pro
curador fiscal.A distribuir.
Urna petipap de Jos Antonio Pestaa, ex-te-
nente do cprpo de polica, pedindo sua aposenja-
doria.A commissao de legtslapao.
Oulra de Octavio Alfonso de Mello e outros, es-
creventes e desenhistas da repartico das obras
publicas, pedindo para que os seus' vencimentos
sejam igualados aos de praticantes da referida
repartipao.A' commissao de ornamento pro-
vincial
Outra da cmara municipal da vil|a da Roa-
vista, representando contra a le n. 601 de 13 de
maio de 186'.A' commissao- de negocios de c-
maras.
Outra de Vicente Ferreira Paiva Simoes, ser-
vente da repartipao das obras publicas, pedindo
para ser aposentadoA' commissao de peiipoes.
Outra de Joo Jos Pereira, vigaro da fregue-
zia de S. Pedro Martyr de Onda, pedindo urna
quota para as obras d'aqneHa matriz.A' com-
missao de orpamento provincial.
Ootra de Manoel Jos da Conceipao, servente
do gymnasio, pedindo augmento de vencimentos,
e que seja qualificado como continuo.A' com-
mi-so de orpamento provincial.
Outra de Manoel Arves da Silva Caldas, pedindo
para que seja admillido no gymnasio um seu filbo
de igual nome-A' commissao de petic.Ses.
Outra de Sidronio Lydio de Oliveira Magalhes,
terceiro escriptarario da" thesouraria provincial,
pedindo urna' gratilipo por estar servindo o lugar
de segundo escriptu/ario.A' commissao de orpa-
mento.
Outra de Manoel da Costa Prazeres, pedindo
para que seja- admillido no Gymnasio um seu fl-
Iho de nome FranciscdA' cominiss* de pe-
tipo*.
OutrS da mes* regedora da irmandade de Nos-
sa Senhora da Soledade, erecta na igreja do Li-
vramento, pedindo urna lotera com preferencia.
A' commissao de petipoes.
Outra de Joao da Cunha Moreira Alves, por-
teiro accumulando as fonccSes de continuo da
directora da instruccao publica, pedindo qne os
seus vencimentos sejanrigualados ao do porteiro
da thesouraria provincial.A' commissao de or-
pamento.
Um abaixo assignalo dos- habitantes de Tim-
baba, pedindo que seja marcada a respectiva
quota, afim de poder fnnecionar a cadeira de
instruepao primaria em Itamb.A' commissao
de orpamento.
Sao julgados objecto de deliberapo e manda-
dos imprimir os projectos segainles:
Art. 1. Os vencupentos de todos os emprega-
gados provinciaes sero divididos em duas partes
iguaes, urna das quaes ser considerada ordenado
e a outra gratilicapo.
Art. 2. Ficam revogadas as disposipoes em
contrario.
t Papo da assembla, 18 de abrilde!870 Dr.
Manoel do Reg.'
Art. 1. Fica o presidente da provincia autor-
sado a adiantar s municipalidades desta provincia
a qnantia necessara para acquisipo de um jogo
de pesos e medidas do systema mtrico decimal
r ancez, obrigando-se as mes mas a indemnisarem
opportunamenie os cofres provinciaes.
Art. 2. No caso de suscitarem-se duvidas,
sero os pesos e medidas de todas as municipali-
dades aferidos e comparados pom os da cmara
municipal do Recife.
Art. 3. Ficam revogadas as dispo3icoes em
contrariaDr. Manoel do llego.
Art. 1. Fca o presidente da provincia antori-
sido a fazer a acquisipo de urna casa na villa de
Cabrob, que melhor se preste e que mais accom-
modapoes tiver para servir de quartel, cadeia e
casa da enmara, para o que despender atea quan-
lia de8:000|.
Art. 2. Ficam revogadas as disposipoes em
contrario.
Papo da assembla, 18-de abril de 1870.O.
Fonseca.Ribeiro Vianna.Frmino de Novaes
Rufino de Akneida Mello Reg.IfnfM de A-
ratyo.i
Artigo nico. Fica a cmara municipal da
villa de Pesqueira autori&ada a contratar com
qnera melhores vantagens oBerecer, a consiruepao
de urna Cas de mercado.
c % 1." O'contratante ter como nica indera-
nisapo o que percebe de alogaeres dos que reco-
llierem gneros em quaesquer dos compartknenios
fechados do edificio, uma laxa inalteraval flxada
pela cmara por cada carga de effeites que vier ao
mercado.
Se*- Indemnisado o contratante, o edificio
seja ouvido o Exm. governador do bispado, sem
prejmzo da primeira discusso.H. Mamcde.
Enaerrada a discusso, approvado o projecto
e o requerimento.,
Primeira dMenssan- do projeeto n. 12 d'este an-
no, que declara Vitalicios o? empreeos provin-
ciaes.
O SA. ANTONIO PAULINO ^-Sr. presidente,
grave, de summa importancia a materia con-
signada no projecto dado-tjpje em dscus3o. Ha
muito qtrnn se desvane?a em augmentar de suas
proporpss- nalnraes toras as questSes, para exa-
gerar-lhes a importancia e gravdade. De minha
parte, naoreceio q_ne me aecusem de exagerapao,
como tambem nao receio que me censurem de
ha ver convidado a attenpao da casa para demo-
rar-se sobre urna questo despida d interesse, e
pouco imporraute.
Antes de qHaesqner outras considerapoes, son-
forpado 4 dissipar dnvidas que presirto levantar-
se, e am alia, respailo, poique a duvida nm
direito dos espiritos.
Ouvi alguns dos honrados eollegas imputapes
de inconstitacionalidade da materia do projecto
em disenssao. Nao qnero aneeipar juizos. nem
entrar detalhadamente nessa qnesio suscitada
por esses meus hoarados e iliuotres collogas.
Entretanto, vem a ponto assegurar-raes que
nmgneiD mais do raie eu tributa respeto e oDe-
diemria s leis do imperio, respeito e obediencia
ma, censuro-a, mas quero v-la axeou
sua renda arrecadada
assembua phovihcial.
SESSAO ORDINARIA SM 18 DE ABRIL DE M7C,
PRKSiniNoiA no sa. auviab.
As II horas, da manhaa, feita a otacrAd.
acbam-se prsenle os Srs. Antonio PaviIm> Fir-
mino de Novaes, Ferreira da- Auiar, P,iieira
Fonseca, II. Mamede, Goes CavalcanU, V teira da
Araujo, Hermogenes, Barios WandatVev T 1
Carvalho, Manoel do l'.egp, E. de Oliva a oliveira
Andrade, Gonpalves Lima, Correa e ranin
Gaedes Gondi, Pinjo Junier, GonUw de Alencar'
A. Cavalcanti, Mello, Ra^p, TriariSTib \S
ser pruprio municipal
pela cmara.
Papo da assembla, 13 de abrir de 1870.-
Vieirm de Arenejo.O. Fbnieca.R. Vianna.
Firmino de' Not-ats Rufino de Akneida.Meti
Reg.' *
ORDEM Dq,DIA.
Primeira discusso do projecto u. 7 d'este anno,
que manda pertencer freguazia do Jaboatao os
terrenos dos engenhos Suassuna, Palmeira e M-
cug, boje partencentea. de Muribeca.E' appro-
vado san) dbate. -
Primrita disenssao do nmjeeto n. 8 d'este anno,
qae aanexa.ao municipio de Cabrob a ireguezia
de Sanl'ABna do Sacco a- rene mesma fregue-
zia de Cabrob diversos terrenos que lhe sao ad-
Jaocnte^
OSR. OLIVEIRA FONSECA faz breves consi-
deraoQas em jusuQancao do projecto.
Emcerrada a d&oussao, o projecto appro-
vailo.
Primeira discusso do projecto n. II d'este an-
no, que erige em matriz a capaila do Bx, sb a
invocapao de Bom Jess do AfHJctos.
O SR. & MAMEDE :Nao pretendo oppr-me
ao protocto, nam tao pouco coaoorrer para que
elle nao saja desde j approvado em primeira
dscosslo ; porm vendo que se ange em matriz
ama capaila, entendo que, segundo o cosame
adoptado, se deve* mandar ouvir o governador do
bispado ; por conseguale mando um raqnerlmento
nesse aantido.
Vai/ mett a apoia-se o seguinte requeri-
mento :
f Reqaefro suav tolw e projeeto mb ditoatsao,
a le
tada.
Se, jas discussoes, me demonstrarem a ineons-
titucionalidade do projecto em Aseusso, oom-
prometto-me a fazer-me de Saturno e devora-lo
desapiedadamenle.
Mas, Sr. presidente, 3 competencia das asam-
bleas provinciaes tao expressameote descrimi-
nada as leis que a regulam, que rao receio ser
obrigado metamorpliosc;"
O art. 10 do acto addicional estatu :< Com-
pele 6 mesmas asemblas (as assemblas pro-
vncaes) legislar : 1. Sobre os casos e a
forma por qae podero os presidentes das pro-
vincias nomear, suspender e a inda mesmo do-
miltir es empregados provinciaes.
A le de 12 de maio de 1840, interpretativa de
alguns artigos do aclo addiaional, confirmando a-
competencia das assemblas provinciaes sobre a
materia que esl sendo discutida, excepta unio-
mente aqoelles empregos c?eados por leis geraes,
e relativos objectos da competencia do poder
legislativo geral.
Diz a lei da ioterpretapo, em seu art. 3 :
o O 1* do mesmo art. 10 (refere-*e ao art. io-
do acto addicional) smente comprehende aquelles
empregados cujas funepoes sa relativas objec-
tos, sobre os quaes pdem legislar as assembls-
legislaiivas de provincia, e por maneira- nenhuma
aquelles que sao creados por leis geraes relajjivae-
objectos da competencia do poder legislativo
geral. a
Anda o avisos do 1 de marpo de 1838 e o de
21 e ontubro de 1843, corlrmam a dispospao
do acto addicional, interpretada pela lei de 12 de
maio de 1840.
Ninguem seriamente se persuadir que eu qci-
zesse incluir no projecto aquelles empreados p-
blicos que exercem empregos creados por leis ge-
raes e coro funepoes relativas objectos da com-
petencia do poder legislativo geral.
Ainda, se eu quizesse tirar argumentos de pre-
cedentes, invocara o da lei provincial n. 140 de
10 de maw de 1815. Mas os precedentes nada
autorisam e pooho os margen)-
J se v,- pois, que a idea consignada no pro-
jecto, nada tem de inconstitucional. Como qoor
qne seja, nao quero ter a vaidade de confiar no
estado que fiz, uem tao pouco exijo que em ma-
teria de tamaita gravidade, se decida irrefieeti-
damente, o que repuguaole sabedoria d esta
assembla.
Desejo quevenhamem moa auxilio a illustracao,
experiencia e mitras vantagens de qne em grande
copia dispoem os meus honrados collegas, membros
das commissoes de legislapo,- e de constituico e
poderej, e cedendo a esse sentimentovoureqiierer
que o projecte- seja remllalo as commissoes-reu-
nidas de constituipo e poderes, e de legislapo,
para sobre elle eroitterem o seu parecer.
Assiin, peco-V. Exc, Que snbroetta delibera-
pao da casa o men requi-nmente.
Va mesa e apoia-se o seguitsJe requerimento:
ttequeiro que o projeeto seja remeuido s
commissdas reunidas de legislaco e constiiuipo
e poderes para sobre ello nlernorem seu parete.
AiUonio Paultno.
O SB. MANOEL DO REG Sr. presidente, nao
descubro utilidade alguma. no projecto ora discus-
so...
M Sr. Depi tado : Opportunameate se- de-
monstrar.
Sn. Masosl do Iicoo :Est em discusso o
projecto e um requerimento, segunda acaba de
declarar o Sr. presidente, por conseguinte, tratan-
do-se na Ia discusso da utilidade do projecto,
creio que cabe-me analysa-lo como entender me-
lhor.
Diz o projecto n. 12 no seu art. Io :Si-S vita-
licios todos os entf>rgadt) provinciaes.Ora est
claro que nessas palavras, fodos os empregados
provrneiaes, comprohendem-se todos aquelles em-
pregados que podem ser nomeados e demittidos
pelo presidente da provincia. Para mim nao ha a
menor duvida sobre asse ponto, a duvUla que te-
nho sobre a utilidad do projecto, que at julgo
de alguma forma constitucional, porque diz o |
16 do art. 179 da eonstituipao : ficam abolidos te,
dos os prrvUegios fn nao forera- etstaeial e ini-
matnente ligado* aos cargos por utihdade publioa.
O Sr. Ahxokio Paulino :E onde esta abi. o
previlegio.?
O Sr, Manojo, bo Reg.:Ha previlegio para
aquelles, cujos empregos tornam-se vitalicio ; e
rmanto mim, nao pode haver utilidade alguma
em tomar-se vitalicios todos os empregados pbli-
cos provinciaes.
O isa. A. Cavalcante :Pode dar-se para un
e nao para outros 1
O S*. Manoel do. Beoo; .Eu apenas admiti
que continen) a ser vitalicios aquelles empregos
que-por leis anteriores teem sido deilarados taes,
apeaar de que em rsgra seja contrario vialicie-
dade, entendo que se deve acabar com ella.
Era apolo da opinio, qao tenbo emittido, cita-
rei algumas con ultas do conselho de estado assig-
nadas por homens muito importantes.
O Sr. Antoiuo Paulino :Nao temos nada que
ver com o conseibo de estado.
O Sr. Manoel do Reg :Sao homen3 muito il-
lustrados os que lera elaborado essas consultas, e
por isso devemos respeita-las.
O Sil Antonio Paulino d um aparte.
O Sr. Manoel do Reg :0 nobre deputado
pepa a palavra, se quizer fallar, do contrario sen-
to-rae e esperarei que o nobre deputado acabe
para eatao continuar.
O Sa. Presidente ;O nobre deputado quem
tem a palavra.
O Sr. Magobl do Reg : -Sel, raas.estou sendo
interrompido cada momento pelos apartes do no
re deputado, de- modo que perco assim o flo do
meu discurso, nao posso emiltir claramente a mi-
nha opiniao.
Diz o projecto que lodos as empregados provin-
ciaes serito vitalicio*. Por mais que procure, nao
posso encontrar utilidade alguma fiesta dis-
Sorstpao, porque eatendo'que a amovibilidade
i eraprego Dtovinciaes, a nica garanta para
umvB-
aeoos--
consirftada a serano do inperio de- conselite-de es-
tado a este respeto, deu o se parecer 001 o
qual se ronforoteu-a resclapao imperial 29 de
julho de 184s, em virtnde da qiul foi expedido o
aviso de 21 de osiabro do mesmo anno ae presi-
dente da provincia de Alagoas, ne qual se decla-
ra va que mios curial f'jra o- feocediment da
puednt, sanciorMnd seneihante lei, porqw a
amovibitidade era da ndole- dos empregos provin-
ciaes, e lerna-Ios vitalicois mporta-va crear emba-
races administrapao pufeca.
Bm-Sh. Deputak>-:Mas- nao por reconstBeio-
nnlidade.
>Sr. MAONEi.DeP.i}co:De certa nao -in-
constitucional, porone traz embarazo a marcha
da adminislracpo, eno uprlano de uiilWade
puSliea.
Esta lei foi suspensa em outubro de 1844, e de-
poi tornon a ser posta em exeeueao- por uraalei
de l.i iie jiunho de 11850, e ^eodo de novo consol-
tada a respeito a seepao do imperio do conseto
de estado, relator o- Sr. vmoade de Sapucahy n
votos o Sr. marques de Oliad.ve AArintes. deci-
dirs por consulta de 29 do Janeiro de 1853,'qae
o projecto era mecterrnientoeamtvn os principios
de-tea (uhainistracc&o, mas que visto, ter sido
sanecii-mado, convnstt que oprmttrnte trataste,
por todos- os meios ao seu gitanee, dv obter a, sua
revogaeo da assenlM nrosrntia
Um Sn; Deputado :Nao prova que seja incons-
titucional.
O" SR. Manoel do Rugo :Prova (pe inconi
niente ; e eu disse que era. d cesto Vftodo ine
titucionai, p.)r((uan*> evientemente prejudicial
aos interesses pafccos.
Uj* Sr. Dkih t.vi. ;O que prejudicial o n;ue
o governo por meio de avisos estejt cercaado as
attrilMiipwes das assemblas prov.:iaes.
t> Sil: Manoel do Reg : Nao por asaos,
por consultas do aousclho de estado, corpo admi-
nistrativo de murta importancia e at certo ponto
poltico, do qual fazem parte as matores illustra-
poe do imperio.
Ainda a a-sei.tbla provincial de Sergipe, por
unta le de i de asrilde 136-2 declaren vitalicios os
empregos da secretaria da presidencia e da the-
souraria; o presidente deixou de sanecionar esta
lei por jnlga-la tnconslitvcMnai; antepoiitica e
oontaiatna aos mteresses da provincia; sendo adop-
tada por dous tercos, o presidente ainda supendeu
a sua execupo pretextando que tinha sido ap-
pfovada por doas tercos das membros presentes,
e- nao pelos dona tercos do numero tota! do* mem-
bros d MiemMt, sendo consultada a asto respei-
to a saccao do Imperio de conselho de onado. re-
lalor o Sr. Kaia, e votos os Srs. Sapucahy e Olin-
ila. declarar:'.! estes em coo-ialta de 2 .-d dezem-
bro de 1852 -jue a lei at certo ponto nao era in-
constitucionui, porm que era incont novelmente
a.nte-politicct ante eonaweit, e prejudicial ao ser-
vico e a fazenda.
"O Sr. A. CAVALCAcm: :Ante poca para o
governo genal e polilica para nos.
O Sr. Mxnoel do Heuo :Como j disse, eu
aeho necessaria para os empregados provinciaes,
a aniiiioviilidade, porque o empregado que com-
pre com :eus deveres, ost quasi csrlo de qae nao
"Sera demiltido, m se lor decretadas inammovibi-
lidade, os-empregados em vez de auxiliaren) os
chefes de suas respectivas repartijes, procuraro
muitas vezes embarapa-los. Ha oertos empregos
que nao podem deixar de ser considerados da
immediata e exclusiva, eonfianpa do presidente da
proviceia; decretad a innamovibilidada de todos
os empregos, succeder que nuios ser exerci-
dos por pessoas que nao lhe raerepam a menor
eonfianpa, e noste caso nao restar ao presidente
recurso algum, d'oode concilio- que o projecto
ante-polilico, alm de anie-tconomico, e prejudi-
cial ao servido publico.
t'aiSn. Dh>utajbo .Pode alterar-se.
O Sr. Masobl bo Rkgo :Eu esto referindo-
iie aos termos era que o- projecto esta conce-
bido.
At hoja as-assemblas-provinciaes que tem le-
gislado sare esse assumpto nao tem encontrado
apoio; por lano nao devemos nos adoptar aqnillo
que tem sido geralmenl reprovado, como acabo
de demonstrar.
( Ha um aparte. )
Essas leis. que tem sido postas em execupao
nao tam. sido approvaas nem pelo governo geral
nem pelo provincial, e ha muito deixaram de ser
executnas.
O SO. Cavalcante :Os. presidente san de
legados do governo geral.
' *
qe tenham os bons empregados-, para que este*-
seesforcem em ser zelosos do enmprimento V
seos deveres, afim de serem conservados em seu
logares; e para que lenham dH-aifo aos aecessos.
nos casos previstos pela lei. Se forraos garantir
a vitawciedade a lodos, em vez de melborarmos,
em ves de termos bons empregados, teremoa pes-
simos, acabando eom o incentrvo destes.
Senhores, eu noto que o empregado publico qu
cumprtr com os seos deveres nao tem ireceio o>
ser demiido. (Ne apoiado.)
Ha poaeo tempahonve mudan pa de peHliea no
paiz, e entretanto raras foram as demissees que
se deram. (N3o apelado).
O emprsgado qus escrcpnloso do de^eropenho
ae suas aribuipoe*, jalga-se garaat:do contra a
aernissao, porque nesse case- apenas ara- oa outn
beto se d, qae serve, quand inuiuv para confir-
mar a regra em conJrario.
,0 Su. HoatAND* CVAncMm.: IWelianente
d*> e o que se d.
O Sr. Manobl do -IIac :E* oque sedL
Com a mudanpa da poltica qne levo lpgar em
18, quaes eram as demissoes que koaveram ?
Bem poucas, na verdae. (Apeiado.)
Se formos e.-minsr os acias das a*semhlas
provBeiaes qae tem preeedido de idemico modo,
isto -, tornando vitaliciee-(|ua: todos os empregos
provinciaes, veremos que a lei le 4 de marco de
1843 da assembla provincial de AbgOas, deciarou
O Sn. Manoel no Reg :=Bem, mas o conse-
lho de estadp em suas. consultas nao tem sancio-
nado esse proced ment das assemblas provin-
ciaes, por conseguinte acbo que nos nao devenios
adoptar sementante ido, tanto mais porque assira.
procedendo, parece que de certo nodo recejamos.
qne venham a ser demiKidos aqoelles empregadsk
3ue nao sao muito zelosos no cojaptimento deseos
everes. (Nao apoiados).
Os que curaprem bem as suas obrigapoes nao.
devem lamer demissao, porque mui raras sao as.
que se dao nstas oircumstancias.
Um Sr. Deputado :Em todo caso preciso que-
bajara garantas. ^
O Sr. Manoel do Reqo :De iuamovibUidade
resultaro, em lugar de vantagens, nao pequenoa
inconvenientes.
0 Sr. A. Cavalcante :Nao ha inconveniente
maior do qne o que existe actualmente.
O Sr. Manoel do Reg : Admiti qu to-
rnera providencias a esse respeito, de modo un o
emprogado qae tiver servido com selo e asstui-
dade par certo numero da annos tenha dimito
algumas garantas.
O Sr. A. Cavalcante :Qoem o juiz na apre-
ciapao do servipos ?
O Sr. Manoel 00 Reg -.Esto assembla pode
fazer uma lei neste sentido marcando claran
os nicos casos em que possam os empregados
gosar destas garantas. Nos tamos a le de
maio de 1845 qae foi posteriormente revogada
qno no emtanto contm alguma eoua de anr
tavel, com'quanto no todo se a julfae prejudieim;
1
'?-

, *

.1

4 t


z
..w
fodemos aprovcitar i que
Hit; masuSnadnpiar :. ri>' n.)a quo
jectfxtn discussao, qae era v<
3=3
Diario de Pernambuc Quaria feira 27 de Abril de 187o.
HI^^H ^B Appmvcu m' 1 discussau, precio a.
le rewgf le n. 603 de 13 waio de H,
t;ra ns limites daj inga?zras de Jaboatao e
ibe-a, den;? de orarem os Sr. 6. Dromraond
anoel^H^B
Sendo o projecto modiflcado, en nao terei duw- qne

dar-nt dir-lhe o meu voto, ms nos termos eui que
est concebida, voto contra.
O SR. ANTONIO PAULINO :Confeccionando o
rojecto qae tanto prtvocou as iras do honrado col-
Icga, que se senta nraba direita, eu nao Uve. a
estulta pretencao de sappo-lo invutoeravel, e isen-
o. San o primeiro a confessar. que o projecto
s peder ser convertido em lei depois de coove-
aieuio o prudentemente modificado; ] o disse
guando falksi da prineira ver. Nao son um pre-
tencioso, nao qniz tomar a jnim a difficilima tarefa
de faier assas modiflcacoes, requer qne fosso n
projecto remejbdo s commissoe> reunidas de cons-
lif.iicao c poderes e do legislaco, eni cuja Alustra
Cao e prudencia deposito abundante confianza.
manoando-se, uuvir o invernador do bispado ; em Custodia
1* discnssSa, o dea. 31 deste ano, qne anda
entregar o producto da buena oneedida favor
da unja do Carmo de Olinda, a ama cora nissae
Entrando em 2* discussao. o projecto o. 49 des**
anno, ifae elev* Tillas as freguezias -de Granito ^es Godinho, Francisco da Enat)
e Beierros, oiaram os Srs. Pinto Jnior, Viejr cisco de Olivara, Paato Tsse;?!
de Mello, Antonio Panbno. Pael Barreto, Vieirarde-----
Araujo, Ges &>vacante, Mallo Reg, G. Drop-
mond A. Cavalcante. fieande a discussao adiada.
- A ordem do dia para boje : i* diicussi* da
proferto n. 221; S* dos de ds. 21 83 ; 3" do de
n. 3, todos dente anno.
VOLUNTARIOS CEA11E.NSES. Como astava
combinado, no dia 254 mna bora da tarde depois
de liaver sid(t visitado bordo por S. Exc. o 8r.
--------------------- --(----------------------------------------------------4---^|p ||..' f|
guando livormos navido as commissoes melhor e *>resd.>ute daproviaca o 26 corno de vokiuta-
mav convenientemente pederemos apreciar o pro-: r03 (j;l p;i
jerto, que de nodo myihum para ser retirado da
tisrossa >, antes de um estudo detido e desapaixa
nado. EUoudisposto a aceitar todas c quaesqiKT
iModificacdcs razoaveK e, al mesmo retirar-llie o
tneu apoto, se as commissoes opinaren) pela in-
con-tituciOnalidade argida. Ditas -estas palabras
passare* a responder os argumentos do honrado
nmpngnadrr do projecto.
A vtaticiedade dos embregados pblicos provin-
*iaes orri previlegio, di lo o collega. Onde o pre-
vilegin? A vtaliciedade qnando muito ser urna
recompensa em pura vantagem do servico publico.
Os prevHegios, que a constituicao cooiemna *ao
favores concedide s uns, com cffensa dos direitos
dus puros. E-ta, portapio, prejudicado o argu-
mento tirado do S 16 do art 179 da coitsiituieu,
em quanto se au provar, que ha oJTeusa tos deootros. E quaes os direitos c>lT>md dos com
a vitatictedadt^dos eniprtgades pblicos ?
(Ha pai aparte.)
t Sa. Antonio I'miuno:0 projecto ante-
pbblico, assevera o hoorado membro, e contrario a . iotercssesjmWic.i*. Ao coatrario, consi tero o de
grandes vantageas polticas e de inconieslada con-
veniencia publica. E nao posso deiar de consi-
derar vantagens polticas e conveniencia publica n
ennobrsciiuanto dessn classe numerosa de nussa
-socteiade. rio desproti'giit, que se pJe. e j al
i!U''in aualitiuoua, em vista do abalimento e de
-graiaelo a ^ue esi reduzida, d,e dasse de avudt-
qo% if.casao-t Levntela i la, pois. desse abati-
mi-nto. inantcnhamola era ceito pe do dignid^de,
i|Uo habilite a alTVonlnr as iras de governos anaf-
chiciis, 0evitiivmos o espectculo que tantas ve-
&'s temos pre-enciado eom rond.>iniento...
O *n. Corr;;\ de Ando-uig :Mas necessirio
tambis ojue nao possaiu tinbaracar a aegao do go-
veruo.
O Sr. Antosi i Paillio :'Eu j disse qua aeei
Jo as B*4ilieaides tendentes a remover taes em-
baragos. Alin do que, eu nao vejo raza para
temer se esses erafoaracos. Quero eiabaraeos para
os caprichos e odios dos govurnos corrompidos.
Anida, o honrado enHega que se senta a mintia 8i-
r.iia oppo;. a eonstitucionalidade do projecto algu-
mas consultas do coDselbn de estado.
0 Sn. Hanokl i ) Kgoo :As consultas do coo-
seliji) di otado ni'Ti< 'in muito valor.
o Sa. ANrosij PAtxt.NO: era sempre as con
sullas do concerno ile esta de inerecuin o respeilo
('* ibis tributa o nolire deputado. Rejeito a au
toridade dis consultes quandi) contraria razad*e
lei. E* tendencia cooptantes dos podares geraes,
e a saa nelbo e uiais estremecida aspiracaocoii-
ceiitrar.e.n si tola a aecao e vigor das assemblas
proviciaes, tirando-Ibes as meUiores attnbui-
edes.
Quanto a nao llvennos legislar sobre aquillo a
queseoppem consultas do mmaelbo de estad,
prevaieeem as mesmas raides. Nao me submetto
ecfia e imprudentemente autoridide de urna con-
sona, qoe beui podo ser imprudente, desai razoada
e ate nJitiila...
O Sa. Mvnoel do Reg :Porque de utili-
dad-.
O in. Antonio Pauli.no : Mas a aaserablapro-
vincial pJe reounbecer ulidade ah mesmo ond.-'
o coasclbo de estado s v desvantagens e desaciT-
to e a aisembla esta em seu direito, exerce at-
tiihuigao ana.
O Su. Oi.'vhira Foksbca:Sio conselhos.
O Sk. Antonio Paulino Justamente, um
cons Di i que bein polo nao ser ai-eilo.
(ri'o'am-se apartes.)
O Su. Antonio Paulino :Finalmente, levo as-
arar au honrado m.-niliro a qu.'in respond, que
se imhoem vista iutaresses p-jliiici;s,sao inters
qu? evem ser acatidos por p tilicos honestos.
Tambera nao me faro orgao, u -m dofendo em
pregados di'l';ixad>s que receiam ser demittidos
quandt baja qualquer mudanei poltica. Para
qaerv punirn, cj'iio quero garantas paro
a .. ja J o n de se is devjres. que cstao igualmen-
t'- sujetos i reacees polticas.
'liuclumdo, Sr. presidente, insisto pira que o
projecto si-ji reme.itido s c>mmi*s6es indicadas
t > meu requerimento f]ne est sobre a mesa. A-
gnxMoo p.ieeer das commissGes.
Bnetmda a discussao approvado o ra]ueri-
Bkmw de diamanto.
en-rtira diseossio \ > projeato n. 17 deste anno,
une auto.-isa o ovorno a eootratar a abertura do
iii Gvytni:. raso na> realnc > contrato para
qite est autoiisalo.E' approvaJ) sera diteus-
h*0 f
S'san la discussao do projecto n. 10 deste auno.
. i revoca a le n. fiOOd- 13 de nato de 18i.
>S. CORREA DE AMAJO:Sr. presidente,
ei emendo t|uo o artigo nico do projecto n. 10
(J<> crrente anno nao podo ser approvado nestn
s 'gunda discussao sem urna oriunda.
Este artigo revoga a lei n. 000 de 13 de maio
da 186*, i toum; mas pelo que vejo, apezar
dos aits, 1 o 2* e paragraphi.s dessa loi serem
inconven,entes, como muito bein provou aqu o
meu nubre collega pelo 1 districto, deraonstrand i
qae o lim uuico que leve a assembla provincial
.iqui'lle lempo, fui remover os eugeisnua Cmara
;;ib < Timb da freguezia de S. Lourenco da Mat-
ti para a da Vanen, oor conveniencias polticas;
com todo me parece que o art. 3* fle grnd-
utiliJade, o pode ficar com) est. Dizessearti-
o. As regnezas desanto Antonio e do Reife, cony
tolos aabeuio-, sao muito pequeas e nao podem
comportar dous districtos oe paz, sub pe o a d--
!i:.ir ead> ara dclles com numero muito limitado
de habitantes. Sou, portanto, de parecer que o
artigo tnico do prejecto deve ser substituido por
"Uro que revngne os art i. 1" e 2 da lei n. 600 de
t*

/ti :ii''sma lei. Neete sentido vou mandar mesa
urna emenda, 2 espero que V. Eae. a submetler
Jipreriacao de neus callegas, para quo dscidara
ctin Ibee pareser main conveniente.
/ai a mesa e apnia-sea spguintc emenda :
Em tugar dotica revogada a leidipa-se
ficam revogados os arta. 1* e 2o da lei 11. 600 de 13
Ai Aaia de 1864.Correa de Araujo.
-.:; "errada a disiusso approvada a emonda'
i'istitutiva.
Segunda dis:usso do ;>!ojelo n. 11 deste anuo,
oie revuga o art 1" di lei n. 793 de 2 i3 maio
de 168.E' approvado sem debate.
Segan-da discussao do pnjeeto n. 4 de ibti,
que eleva os veoeimentoa do continuo, do GyrtD3<
sio.^-Ef regeirado.
'iido dado a hora, o Sr. presidente desigpa a
riten* dia e letana a seasao.
' 1
Eim. vi8l
da'U8rra'
EEV1STA DIARIA.^
A.aEMBLA BBOV1NGIALHontem a ..b-ju-
t lea, iia bora do expedante, approvou umroquejr
MBwnto.a>-Sr.;Maooel no Reg, para que em luj-
ffalda ooaunisao. nomeada para fslkltar S. M. o
'mpeiad ir,- S. A,. a^6r. conde d'Eu,. e
> ide de Pelotas, peta feliz tarminacio
im Paraguay, eja a mencioaada couimissao
*\cluswam(io dosttaada a cumprimeniar a S.,M-
o Imperador, nnroaatido-se outras cnra.nis5oo.spa-
rj d>;somiibac 4al.4iii$so perante S. A. o Sr.
vmde d'Eiije viseonde de Pilotas, adjtando*
Pa-uujraoad, 400 a najanitn deus eommis-
apr*anl,as o a ambl provincial aoExm. duque de Cav
xiav ^ ,
Passaado Mt^ioil/aViia,4wKiis, de oraran o
A. Cavaicaat* o Alaspar.rirumnMiHJ, /.-i re-
nidVidpa onmmia.'ao,de obras publicas o prokcV
r. Iniaat annoj. nejniarfia, a, otajf -
na*HrPWto, 4:.pd.^rt^wiMB
i'vjm sabr o projecto abstitetivo
. atria rio Oir, des mbarcoa uo arsenal
a ala direita daquetle coipo com a respectiva bin
deira e nfficialjdade, e.com o seu c uiuiandante o
coronel Trburcio frente, encaminhou-se para a
roa do Commercio, onde np betel do Franca es-
lava preparado um sumptnose copo d'agua que
Ibes era olferecido por seus comprovincianos reai
d entes nesUi cidade.
Ao ebegarem os bravos frente do botel lize-
ram alto, o ah receberam o oommandante urna
linda corda de loaros offertada por urna menina
que o fez proferindo bellos versos; a gloriosa-
mente esfprraptda baudera urna grnaldprimo-
rosamente armada, de que penda urna larga Ota
verde com a seguate inscripcan bordada ouro
Os estudantas cearenses o 26* de voluntario^
Nesta iccasiao o Sr. Dr. Gomes Prente cura-
prinientoii os seus patricios em um ^sonrso elo-
queute e vigoroso, com que conseguio um justo
triumphu para a sua palavra para a espada de
sens irmaos.
Seguio-se-lho o festejado poeta pernarabucano
Vicioriano Palhares, que mais de urna vez deu
prova de seu robusto tatemo, recitando urna linda
poesa dedicada ao coronel Tiburcio, arrancando
de todos um bravo geral de enthqsiasmo.
Fallarara depois ud ac ledeos Childerico Bi-
Ihar, Patricio de Castro, a Obveira Sobrinho, como
orador da eomraissao aeademiea..
Emquanto servio-se o copo d'agua, ti/.eram-se
os seguimos significativos brindes :do Dr Jas Ber-
nardo aos voluntarios d.i Cear ; do Dr. Araripe
ao coronel Tiburoio, u.ue souhe elevar cada
vez mais a espada cearense que j bjn celebre
recebera das mos Jo immortal Sampayo ; do des-
rabargador D imingues aos tres genefaes Osorio,
Casias e conde d'Eu ; do Sr. V. Palhares ao co-
ronel Tiburcio, transportaodo-se ao pasaad* he-
r neo de l'ein unbuco e sauJ.mdo de cimadis
1.1 oararapes.ao lado de Vieira, Negreiros, Dus e
Cimaio, pela vjzda bravura daquellaseras a va-
lenta do povo ceareus em 1870, entarnada no
vulto magasteso do comuandante do 26"; do Dr.
Prente a inarinli.i brasileira, cujos. feitos glo
riosos assombraram o mundo inteiro ; do Dr.
Carqinha briosa e hnspitTuira proviuciade Per
naraoUiM, brilliantemente representada pelo Sr. -V.
Palhares ; do curmiel Tiburcio, <|ua era um ar-
denle discurso agradeceu a manifesiago de que
era alvo, sau Jando a magistratura brasileira re-
presentada alli na pessa do Sr. desQinbargador
Doniingues, ao corpo de advngaons representado
pelo Dr. Jo> Bernardo, mouidade academ ca do
Itecifo representada pela couimissao respectiva
que all se achava, corpora^ao commercial na
pe uambuco repreguntada pelo Sr. V. Palhares; do
D<\ C> priano Feuel moroso saintou a n.cao braxteira ; do Sr. V. Pa-
lhares, quoagradecenoao coronel Tiburcio era uo
niede Pernamhnco, enviou ama aanda^io ao Cea
i* ; do coronel Tiburcio ao general Osorio, que clav
silicou de bravo dos pravos; do Dr. Chrysolito
Chaves ao coronel Tiburcio ; do Dr. Silva ao mes-
mo ; do Sr. Verissiiuo '.haws, que era ura lindo
improviso foUeiton a prosperidado do Cear; di
Dr. Joo Thnn ao coronel Tiburcio ; do Dr. Jos
Bernardo ao Sr. Dr. ebefe de polica, Fernmdes
Pin'ieiro ; do Sr. V. Palhares ao Sr. desembarga-
d ir Araripe ; e mnitos uutros, todos cuihusiasti
camente correspondidos, tetminaado pelo brinde
lo honra ao Imperador como prineiro cid i: patio, que (01 apaikooadamente entoado pelo
coronel Titmrcio e phreneticaraente acompanhado
pelas p_esfijas presentes.
A sociedade iuficente Dezrsetc de Janeiro of-
ferbeeu ao coronel eommandaote do 26 o diploma
de socio benemrito.
Por fin toda a multiJo presente conduzioa ala
direita i balalfid ao arsenal de inariuha, ond:
erabarcoo, ede volta conduzio sempre victoriando
o coronei Tiburcio, al a casa do Dr. Jos B'-ruar-
do, onda ficcu ; dispersando onto o povo que o
icompanhra.
HOSPtTAL lORTGLEZ.Est de semana nes-
te e>tabelecimento o Sr. mtJjuio Mainel Jos
Guedes Magalhes.
MKZ MARIANO.-No dia 30 s 7 horas da nou
le'tero comeen, na igreja da Santa Cruz, os exer-
cici is do mez Mariano, coja devocao, para maiur
coimr.oJiJaile das familias, ser feta noute, nao
deixandTi comtudo de baver missa pela maJru-
gada.
FERNANDO DE NOROAHA. Era virtade de
ordem upenor segae hoje as 3 horas da tarde o
vapor Parakyb.i da Coiupanbia Pernambucaua pa
ra Fernando de Noroaba, aflu de couauzr gene
ros de primeira neceisidale.
Deixa, pois, de realisar-se a vagem que se
adiara annunc^da para o da 4 de maio prximo,
e qm devia ser fei:a pelo Handuh.
TRJLHOS URBANOS DE OLINDA___No dia 29
deve ler lugar, no sali do Club Pernarabucaoo,
a assembla geral dos accionistas desta compa-
nhia atlm de >e dar execucio ao art. 13 dos res-
pectivos esvituto.
SOCIEDADE DOZE DE SETEMBRO.Hnje reu-
ne-se a sociedade patritica Doze de Setemoro, no
sala 1 do Guio Poruaiubucano, aiim do tratar dos
ineio* de levar effei'.o a ereceo do monumento
commemorativu das uossas victorias nos campos
do Paraguay.
INSTITUTO ARCHEOLOGICO. Amanhaa ha
sesso oidiuan;:, para a discussao do orcamenio
da receita e despeza do anno correte.
PIRAPaMA.Esto vapor da companhia Per-
nambucana, sabio do porto da Fortaleza paran
norte uo da 19 do crrente.
ASSASSL\ATO.-No dia 7 do conrente, noen-
euho Matary, da Ireguezia de Nossa Seohora do
O' de Guyamia, o cabra Bellarmino, escravo de
Scraphiin Velbo Camollo Pessa. de Albuquerqu,
assa>sDou ura sea arceiro chamado Francisco,
logrando evadir ae.
PRONUNCIA.Pelo subdelegado de S. Jos fai
pronunciado Joo Antonio da Silva Santos, como
incurso aas penas do art 193 do cdigo criminal.
CRUZEIRO DO SL.Seguejhoje para os por-
tos o su.', tiran'.j a mala no oorrcio s 3 horas
da larde
D1NKEIR0.-) vapor Cruzeiro -da Sal trooxe
as .segrate? quuntias para :
Bank o Rio de Janeiro 15:(00*000
Augusto F. oV Oliveira & C. 23:000*fW
tondon and Braan Bank 21:7661^10
Marques Barros-A C 0:00t<000
naquira Gerardo de Bastos 1:30&U00
Lto Francisco de Souza 1:000400
Veras di Barbad i 812*000
J i* Francisco to Santos Bastos SOUOOO
Thomaz Jefferies MOf uOO
A L. de Oliveir-. Azeveo A C. -1154600
J. Ju? Gainjalves Brjtro tOUOO
Domingos Al ve Matheus i^sSoVO
Dr. Tarquiuio Brauliod Souza A. 200*1100
Ofinra (.aporto 178*930
Satyro R. dos Santos 160*000
Para o >ul do imperio trouxe mais esae
.vapor :
Babia 2:497*600
Rio de Janeiro 219:120*000
;A6SEHBLA OSRAL.A' bordo do Cruzeiro
o Sul, segoem iioie para a corte a.tomar assen-
lo as cmaras vitalicia e temporaria o* Exms,
Sre segadores vtscondo de Camasagibe, baro de
nnanguape e Predorico de Almeida e Albuquer
que ; dsputades conego Siqueira Mendes, desem-
bargador A. F. de Salles, Dr. Olympo de Castro,
HeraclitoGra{a,JusiinoD..iraiiigues,FernandesVie
;ElHOS.-Vnlos dos
no vapor Cruzeiro ds SU I
-Evni. Sr. Jai Alfrta Correa de 1
Joa.qid^^HBcto de
norte,
na
Ha Camma, Celso-Tto
Lzaro Uoreira de Sooca e I
Francisco Reie, Jos Harta -'erreira,
fia*
_J)riano Jos
reir da Silva, Simao Jote da Silva Lope, Lilia
qoncalvcs da Silva, baebarel Manoel Pereira 4a
Silva Brambila e 3 filhos, SUnoalRcardo HuguoA.
21 nufragos do vapor ingla ,-paroeiii que W
perdeu no Ceara, Ltiix FrancMiiXarneiro daCtl-
nha. Joao o> Fraila, Eraestd ves Galvao, Ta*-
ciano Gomf s da Silvofea, padre' Flix Harmete dd
Reg, Joa Gmes da Aranjo Qainplla j&ior, Isi-
doro Cho, parir Franitsco Marcilio, Seve Epi-
pbauio, Vicente Valpiaili, Seraphnn Ismael Fnrta
do_. Sabjaliano Gomes da Silveira e 1 escravo,
Joao de S, Joo Nerx>nnieemwPerera dos Santos
el criado, los Peroira Peixoto, Joo Lira do as-
cimento, Francisco Jos do Rosario, Antonio Pe-
lari o |cravo, padre Luiz Ipacio dtrafoura,
Caetano Daniel de Sarvalho.
Segue.n para o sul :
Exm. Sr. bario de Mamanguape sua senhora e
sua Kogra, padre Fraadsro Pinto Pe/so e I cria-
do, conezo Manoel los de Siqueira Mendes, se
nador Frederio de Almeida e Attpquarqqe, Dr.
Octaviano Cabrl Ra)oso da CamanT 1 eadravo t
1 criodo, Jos Pinlitiro de Souia, Dr. Justino D>
minpies da Silva, Dr. Manoel Feriattdes Vieira e
1 escravo, major reformado Jos Barroso de dr-
valho. Dr. Antonio.F. de Salles, Dr.fAugusto de
Oliveira Gomes dp Castro, Dr, II. Grasa, Manoel
Gardozo da Silva e 5 osera vos., Fernando Bibeiro
do A'iaral, Anninio Cesar. Burlamaqae e nescra-
vos, Beroardino Ferreira da Silva, Jos Antunes
man Jante das ama Interino; tendd a satisfaca
de ve-toe regTftaar eobertes de glorias, eabendo
anda ao abaixo assigoadera honra de conduzir ao
^I^^B o 1.* batalhio de volumarids qne aqrf
e eommando do Sr. coronel AlexanJre
Albuquerque, coberto tfcs louros da
* pois o ntimentos pafroticos do an-
^Mne steve frente do lio heroica diviso e
tre a eaperaaca de qne se fortiQquera no cora-
cao de todos os pernambocanos os senttraentos de
Matdade, iustiea e mor s instltnicSes jurada?,
aervindo de entimulo aos nossos vindouros tao as-
aignalados fciks de bravura e herosmo pratica-
dos nos campos da guerra, como um vivo p-
dor de nossa digoidade nacional e respeito que
alcancamos entre as nacoe* civlisadas que sem
duvida, fazem-nos ajnstica de coptemplar com
admirarn, esta pagina de ouro de nossa his-
toria.
A'signadeJos Mara Ildefonso Jarome da Vti-
ra Peuoa $ Mello, comraandanie da divisad.
l^nforroeJos Luiz Pereira, ajudante de or-
dens.
ORDEM DO DIA N. 3.
O coronel coramandante da divisad patritica,
tem a honra de enmmunicar a todos aquellos que
nolletomaram parte, que em virlude de convite
feitopla commisso central da sociedade patri-
tica Doze de Setembm, sao rogados a comparecer
rqunio gue deve ter lugar nos saloes do Club
Pernarabucao no dia 7 do corrente s 6 horas da
tarde.
Assignado Jos Mara Ildefonso Jacome da Vei-
ga Pessoa e Mailo, coronel commandante.
2 Confonn, Jos Luiz Pereira.
Tributo ao uier'to
Mercadorias: Unidades.
Abanos......... Q;uy
Algodo em carojo..... kor
dem em rama ou em la.
Cartefros vivos....... am
Porcos idem......... >
Arroz com caica. .... kilog.
tdem descascado ou pilado >
Assucar br.anco
X
Valores.
300
258
' 820
4,1000
2,1000
dem mascavado.
dem refinado. .
Gallinhas .
Papagaios .
Azeite de ainendoira
dobim.....
dem de coco .
dem de mamona. .
Batatas alimenticias.
Baunilha ....
Bebidas espirituosas
Agurdente cachaca,
dem de canna .
dem genebra .
dem restilada .
dem alcool. .
dem cerneja .
emvinagre .
dem vinho de caj..
:
.... urna
....
ou men-
.... litro
. /
.
.... kilog.
...
efarmentadas:
. litr.
.
.
t
>


i
177
300
178
436
5t000
937
678
S
101
fi.1450
195
390
330
300
337
600
300
C60
2*0*000
' 360*000
I
1
Lopes, Aureliano Ferreira do CarvaJho, 2 cadetes.
i recrutas para o exnreto, 2prac,a3 dematiuhi c
30 escravos a entregar.
t'.EMITERIO. -Obituario do 4a 2i de abril de
1870.
Artlinr, Pernambujo, 6 dias, S. Jos.; espaajM-
Manoel, Pernambuc, 3 mezes, S. Jos; es-
pasmo.
Canudo, Pernambuc, 2 annos, Recife ; que-j
madura. '
FranQisea Joaquina da Fonseca, Pernambucp,
70 anuos, solteira, Santo Autonio ; entente bro-
mea.
Lucinda, Pernambuc, 30 annos, soit&ra, San-
to Antonio; liydropesta.
Pedro, Pernambuc, 38 annos, solteifo, Reiifo 5
varilas confliient-f
Frederico, Perriarabuco, 40 aqnos, soUeiro, San-
to Antonio; enngesto cerebral.
Ridolpho, Penn.nliuc 1, 1 dia, Rcife ; ^pasmo.
Ca los, PernaiubuQ, 23 anuos, solteiro, Ba-
Vsta; ga>tro entente.
Hara, da C, inceicao Anglica, Pernambuc, 28
annos, solteira.
85
. Mariana, Pernambuc, 1 anno, Santo Antonio ;
convulsoes.
Francisco, Pernambuc, io dias, Boa-Vista;
canvulsoes.
Mara, Pernambuc, 10 dias,.Boa?Vista ;. es-
pasmo.
Autmio Francisco.M.irtins, PqrUsgal, 4G anuos,
casado, Boa-Viita; tubrculos pulmonares.
Francisca, Pernambuio, 2 mezes, s. Jos : es-
pasmo.
Francisco, Pernambuc, 2 mezes, S.Jose ; opila-
lacio.
\im Mara, Pernambuc, 9 mezes, Santo Anto-
nio ; deutes.
Maria, Pernambuc, 2 dia. Sr Jo' : espasmo.
Laurtniiao, Pernampnso, 14 mezes, Recue: ca
terite.
Joaquim, Pernambuc, o njezes, S. J3c ; 3*r
pasmo.
Joo, Perna-nbaco, 3 mezes, Recife ; mterita.
26
Mara, Pernambuc, 4 mezes, Santo Antonio ;
espasmo.
aria, Pernambuc, 4 mezts, Boa-Vist.i desyn-
icria.
J ao Dmaso Correa Lima,.Santo Antonio ; apa
plexia.
Anna Maria do Carino, Pernambuc, 90 annos,
solteira, Boa vista ; tuberculos^mlmocares.
Escolstica, Pcrnarabuc.i, 2 mazos, Santo Antonio,
inflammao.
Coriolano, Pernambuc, i dias, Ptecie ; es-
pasmo. "
Manoel da llora de Faria, PeruamLpro, 18 an-
uos, viuvo. Roa vista ascite.
Os habitantes da povoacao de Viceneia se apres-
sam em vim coDflar imprensa, orgao legitimo
da opinio, sua expresso sincera de estima para
cim o Iilra. Sr. Joaquim da Multa e Silva, tenenie
ds polica e actual subdelegado d'esia localidade,
pelo modo'porque esse distipeto cidado tem-se
conduzido em suas funegoes publicas e como ho-
rnera particular.
Estamos de tal modo affeitos a ser victimas de
autoridades violentas, verdadeiros instrumentos dos
odies e, paixes locaes, que, qnando apparece o
incontestavcl merecimento preenchendo essas func
cues de conQanca, sente-se a consciencia instar
pela raanifestacao publica e solemne de um justo
recpntiecimento.
Accudindo a estess reclamos, e acompanbando
n'isto o conceito ger-l desta populaco, aqu dei-
samos enuociado o nosso voto, lillio da esponta-
ueidade que disperta a conducta da autondade
moralisada e_conberedora de seus deveres.
A*T>opulacao da Viceneia faz votos para que as
vicisitudes polticas nao p*s-ani nunca influir so-
bre os destinos d'esta localidade de modo que seja
ella privada de urna autoridade eheia de zelo e de
espinto de justica e de humanidade.
19 de abril de 1870.
Habitantes da Viceneia.
Attenpao
FBLICACOES
A PEDIDO.
Coade tl'Eii
No theatro Gymna-to raraatica, ter lujar no
dia 28 do correte um espectculo em grande
gala, para commemorar o anniversario natalicio
de S. A. o Sr. conde O'Eu.
Ha de ser urna deslumbrante testa, qnal, na-
cionaes c edraugeiros, nao deixaro de ^assistir;
pois qne, o r. onde d'Eu. eredor de estima e
geral coiisideraeao.
yin respleudepte tornar-se-ha o festejo, si a
alta aristocracia Peruambucana. alliada aos pri-
morosos batalluies patriticos, afluirem ao th-atro
para com suas imponentes presentas abrlbaota-
rera um acto, qua tanto deve merncer as uossas
attincoes.
Misiremos as naedes enropaa, que saraos re-
conhecidos e que jamis se apagar de nossos
coraooes. ludo quanto o intrpido conde d'Eu.
fez as plagas paraguayas, em defesa da cansa
uaoional.
Corramos a0 theatro Gyranasio Drama'.lco, para
com inspiradas poesas e fervoroso cntbasiasmo,
saudarmos o feliz anniversario do snrenissirao
principe, que sonbe com denodado valor e acer-
tados plauos bellicos esmagar a tyrannia, fazendo
br Ihar nos horisontes do Brasil a fulgurante au-
rora da gloriosa paz.
0 patrila.
Ordem do dia n. 4.
Tendo desistido da ac(ao de nullidad-^ do
testamento de miaba irmaa Leonarda Mara
de Jess, por me aehar convencida d que
nao ha vantagem em se sustentar quesl. a
de ordinario ruinosas e preju liciaes quem
as propoe, declaro pelo presente annuucio,
que lica.denenbum el-ilo aproebra^ao que
para tal mister passei aoSr Dr Aff >dso de
Albaqucrque Mello, quem D'-sta dacta m*
dirijo por escripta casswdi) a referida pro-
curado, que nenhum valor poder terdesta
dada em diante; declarando mais, que esta
ojIIo e ficar de nenbum effei'o, em vhU
desta mnlia resoluQo, um pape de trato.
jque passei an Sr.coronel Andr Dias d'Arau-
o para lapprir os diubeiros necessarios na
sustentaco dessa questo, queso apparece
ra por conselhos e suggestes desse Sr. e
do Sr. Dr. Arrjda Falco.se me nao resol-
visse abandona-la,como conscienciosamente
o aco
Gogenho Se va 21 de abril de 1870.
Assigno a rugo de tainba n.l; Antonia
Maria de Jesos Ilmorato Alces de Jess.
Oimo t'istemunhasJoaquim Antonio da
Silva MelloDonato Altes de Jtttu.
Protectora das Familias,
Associav5o brasileira de seguros motos
^obre a vida, approvada por decreto du
ovorno imperial de 13 de juobo de
864.
Gerida pelo banco rural e bypothccario do luo de
Janeiro.
Essa a3sociaQao caramba as vas de proseen-
dale, nao sem os en travos inherentes emprezas
novas.
Em 31 de dezembro d 1868 tinha effectuado
jssa associaeao 5312 contratos.
Inscripto ura e;pital de 8 02M0U890.
Capital reahsado a convertido em apolices da
lvida publica nacional ue C 0/0 2,3ot: 700*000.
Al 31 de dezembro de 1869 liaba effectuado
essa associaeao 7722 contratos.
Inscripto um capital de 11,537:350*580.
-Capital realisado e convertido em apolices da
divida publica nacional do 6 0/0 3,774:700*000.
Para mais esclarecimentos dirigir-se-bo ao
escripterio dessa associaeao, ra do Livramento
n. 19, andar.
O agente.
Sarazo Francisco de Vidal.
COMMERCIO.
PRAGA DO RECIFB 26 DE ABRIL.
DE 1870.
as 3 1/2 horas na tarde
<|ua tel do cornaam* di divi- Aigodd deMacei snrte31 rs. pof ki). posto
o patritica da idade do ..* bordo arete deJ|8d e5 0f0(hoje).
Uncu honra e atifacao de ler commanlado a ^J JS6, *Sre Md* 13 l, 23 S.8
divisao patritica que percorreu as ras de3ta ci- rf^r m H '
dada uas urde* dos dias 21 e ii do crrante, por c^Jfi!** -90d,v. 4& rs. porfranco.
'joncallo Jos Affonso,
frosideute
Meaquiu Jnior,
SeoreUno.
#*m. e*JMA .gQjMg, g^l^SWBUfS*^
"V'r!
taf cootrp: ama ponte sabr, o rSUp na WtfMl ttoohs&oAo *por 'Hglea Pvapw, da
iisal da tsfacU dft ttrru, bom como o RMGrosro Lme.
4rada de liba a Pimenuiras. ., iLW)BftlA.-rA quo ae' acha a venda a 1W a
^rfdMa*svpara ser oovidn ,a^Mb>ikei. da.icrej da Santo Amonio do itatob,
bwpadc, o projecto n. 7 deste anno,- a qnal co;-re no dia 4.
occasio dos fijejos que com taolo eathoaiasmo
se liieram na regosjo pelo elevado olivo da ter-
rainacao da guerra contra a repblica do IVa
guay, a.una a ju-tica se nao desse um| publico
testemunno de seus coediaas agradeoideiimentos,
aos seobores lomraaodantesrdas daas brigadas
corainandantes dos garbosos baUlhOes, a.conwnan-
daute dos doos twilhanles coraos de lanceirds
e cavallaria do commercio de que elle se corapu-
nha; a bera assim dos seobores officiaes superio-
res e subalternes, que zarara .parte do osudo
maior, os qoaes sogeitaram-se as. anas ordens
para abrilbantar um tao imponente festejo.
O eaihusiasmo que se.apoderou, ueasa occasio,
de todas as,clase* de-u cidade e soimrhk ; as
ovacoea que eslremecidamente recebeu a devisan
em sua lenta e.regular raareba,,oo paiacioda pre-
sidencia e roas par onde trans vou, poderse sentir;
maa a Imguagem .cotaraum nao pode de las attestain soberanamente o brllbantismo,. o
fulgor, a bizarra com^ue nma.npporeSi>*riosa
reunida em bauhds e eUjuadroes. se aujeitaram
com toda a ordem e discifi&na.a manchar em
grande parada, era horafuapetri aotainwao.de
noiso estaadarte nos camaot.de Paraguay^ sautj.
fcaado pelo aiboiaamo a honra Kiopal s a
institurcoes deste paiz, concorreado 'ariin jiri
este esplendor btilho a nebf* e,disajaeu/iev
dada painoticaiba* de Siembro, a quara beatas
a glnria de dirigirlos uas. aanitaslafoea t.imd
seutimsolos; e o abaiio assignado .tem., prez*
de consignar esta distlncta sociedade* non cial mancao de agradetuuaoKiLfiela .Otfauna loe
tez de convdalo, a tomar, o luaat.de Jtour a.>de
chafe destas. pbalanges paukMheM.
I iQuando ura povo como o de Pernambuc sa
pcooonaja Ae um modataa Msvadb a ^attbkaaeM
prol de lio, aobre eaqaa a tMnaadado ^o^aa-
trangeiros entre elles., AaajdaBtat (aos qnaM dan
um.aoleosM lasteaianhode 8r4M4i),n*re qua
o sentiranato do dever se cajiade tMManiaaanW
por wrao* que somos ura pnvrt.fa*ra, akvo'ajao
bra.%an.sainandc xawigar oaiaaVna
a wiiidifnidade, aabxgoaaaiiinlmj _
beora aacMaai, aprecnrostoiroi da.
E,i*otfttaaii.be de proaial a i
seniimentos no coraeao do abano i
i uva a.dspia.iBtiHfeca o ida,fec
desejos maiuteetadds ao coodtixjr
IresprimeiroabataMitsde '
vieta quando era 1865, be
ENGLISH BANK
X l^io de M/aneirp Limited
DescoaU lettras da praca taxa a cod
-ncioDaT.
Ke^bedinbeird" e*n conta corrente hij
. Saca, \1sta ou a praso sobre as cidade
Jrlncipaes.da Europa, tam correspoadentet
. Saija, JBOQOS'Ayrjes, MoQteyfdo. Ncv:
i NewrQrWis, e mitw cartas de crdito
para o& meamos, logares.
RA DO COMIffiRCIO N. 36*
Bolacha fina, comprebendidos oa
bisceit'S......... kilog. 47,6
dem ordinaria, pftipria para.
embarque....... 204
Gaf bom...... 476
dem escoma ou restolho > 442
dem torrado ou raoide. 959
Gal branca........ 39
dem preU........ 72
Carne secca (xarque ). 258
Carvao vegetal....... 168
Cera amarella....... 142
dem de carnauba em bruto. 436
dem dem em velas..... 763
Cha.......... 4360
Cocos seceos.......eento 4J0OO
Colla.........kilog. 1*438
Couros de boi, seceos salgados. 566
dem idem espichados. ... 640
dem idem verdes..... 3'i0
Idem de cabras cortidos xun 350
dem de onca....... .lOfOOO
Doces em calda......kilog. 1*13.1
dem em gela ou massa. > 784
dem seceos....... > 2J180
Espanadores de pennas grades daa, 48*000
Idem pequeos ...'... 24*000
lem de palha....... > 12000
Esteiras de carnauba .... cento 16*000
tdem propria para forro ou estiva
de navio........
Estopa nacional......
Farinha de araruU.....
Idem de mandioca.....
Feijo de qualquer qualidade. .
Fumo charutos.....*.
dem cigarros......
dem em folha bom
dem em folha, ordinario ou res-
tolho ........
dem em rolo e em latas bom .
dem, ordinario ou restolho. .
Rap .........
Gomma de mandioca, (polvilho).
Ipecacuanha ( raz ).....
<\ngco (toros)......
Caibros ........
Enxams ......
Frechaes........
Jacaranda (coucoeiras) .
Lenha em'achas......
Idem em toros......
I.nhas e esteos......
Lour s (pranehes).....
Pao Brasil........
dem de jangada......
Quiris ,........
Vinhatico costadinho de 25 a 30
millimetros de grossura. um 1G000
dem pranchocs de dous cosU-
dosat 50 uiimetros de gros-
sura ......... f
dem uboado de menos de 25
rail I i metros de grossura duzia
Tabuado divorso......
tatajuba.........kitog.
Travs.........urna
yaras para pescar. du*ia
dem para aguilhadas ....
Idem para canoas.....urna
Cavernas do sucupira(era obra)
Hixosd-cicupira para earro. par
VNaco .........kilog.
Mel de abelha.......
Milho...........
Ossos.........
Palha de carnauba.....moibos
Pei'hury.........kilog.
Podras de amolar
dem de filtrar......
dem de rebollo
Pennas de emi. ..."..
Piassava.........molhos
Puntas ou chif/es de novilho ou
vanea.........c-snto
Sabio......... kilog.
Sal. ...,....,
Salsapnrrillia....... t
Sapatos de couro branco .
Sebo ou graxa em rama .
Idem em velas. .
Sola e vaqueU ". .
Tapioca. ,....... *
L'nhas de boi.......cento
Vassouras de carnauba duzia
dem de piassava ...
Idem de timb....... >
Alfandega de Pernambuc. 25 de aJirii de 1&70.
O 1. c-mferente, Joaquim Anrelinno da Silva.
O 2.* dito, Joaquim I de C. Mendonca.
Approvo.Aitandega de Pernambuc, 85 do o
bril de 1870.Paes de Andrade.
Conforme. ioaquimTcrtuliano de Medtircs.
iECEBKDOKlA DE HEi\DAS INTKKKAS ti-
RAES DE PERNAMBUC.
lendimento do dia 2 a 23. 48t91O|O08
dem do dia 26........4:720#33.>
kilog.

s
I
centro

kilog,
>
>

duzia
um
B

duzia
cento

um

kilog,
um
duzia
par
kilog.
.

19*000
136
681
92
272
3*000
320
1*090
613
681
545
2*180
170
13703
60*000
360
1*500
5*000
95*000
3*000
12*300
G*'J00
10000
103
.'13000
OoOOll
20*000
1444000
M#000
33
6*000
2*400
6*000
15000
3*00
165000
50
320
68
16
1*000
817
31
18
34
4*796
160
2*800
348
10
2*043
800
340
476
i* 00
204
768
1*100
900
na sala de apa sessoes, no du JO de abril, i
4 horas da urde, tem de ser arrem
mais vanUgeas offerecar, pelo tenvpo de a a" era*
anuos, as anidas dos predios em aeeaida duitan
doa:
aalESTABELECIl CARiDADE.
Idem idem n, 65......
Ponte Velba.
Casa terrea n_3l 5U0OO
Casa terrear10" 8 Priinelro andar do^bSS*.
Casa terrea n. ,8.^ ^
Ra do Pilar.
Casa terrea u. 102
Casa terrea n. 110 .' .' .' *
,r2L1r,fe-ade!tes devero Vesenlar no"aekT
arnsmatacao das sua flaneas ou comparecerean-
acorapanhados dos respectivo nadoreT^^^
rtCX"^ ^o^ da M^ncordia do la-
cife, 20 de abril de 1870. M
6 eserivae,
_____________Pedro Rodrigues di Souza,
(ionseldo de eoDipras lavacs
O conseiho no dia 28 do corrente mez, ruta di
pr liostas recebidas ateas ti hoaas da manJoaa
sob as cendiedes do estylo, contrata os servie/ d
barbeiro enfermara de marinha no tuiestn
corrente, e o fornecimento no mesmo thxuu>uada
velas stearinas de 8 em libra para cmatela da
de vveres, dieias e outros objeetos de. comn*
aos navios da armada e estabelecbnento da ma-
rinba ; s velas propras para lanternas, assim co-
mo proraove a compra dos objeetos do material-da
armada segnintes : almotolias de folha para asal-
te, 4 arrobas de agua raz, 12 bandeiras nacioaaes
de 2 pannos, 8 bandeiras naciooaes de 4 panaea,
12 bandeiras nacionae* de 5 palmos, .10 barris de
alcatro, 100 brochas sortidas, 8 barris de brea,
50 barris de gal 200 caetas, 20 eadernae *
de 4 ala polegadas, 500 caibros de qualidadod*
40 a 45 palmo*! de comprimento, 6 cassarolas-d*
ferro estaobado, 12 earrinhoe de ra^o. 100 alaaai
res de cal branca, ii bracas de correa-e de forra
de 1|2 polegada reorgada, 2 pecas de encerada,
20 arrobas de estopa de algodao, 10 SmalaAe
navio, 10 fechaduras de ferro de broca para par-
ta, 2 arrobas de ti de algodo, 300 corados --.
lilel encarnado. 300 covados de flleli aanl, -WD
covados de flleli verde, 6 foles in?lozes tendo eai*
um 8 p de compri rento e 6 de largo, 4 juran
de madeira de amarello, tendo 30 paliaos deaita-
a, 25 de dimetro no fundo e 19. na bocea, *
livros de 50 folhas, l arrobas V Imha aletiaada,
8 arrobas de linha de barca, 8 arrima- de marfi*.
8 arrobas de malh.ir. 20 moites bb da 4 a |1
polegadas. 10 libras de obreias fraucezas, S oa-
los de alcance, 12 pedras de amolar de 3
dimetro e6 a 8 polecadas Je zrossara, 4 .
de plvora lioa, 100 pratos travesos de fidh*,6
panellas de ferro estanhado, 600 remo de faia^ja
luzias de uboas de pinho de resina de 3anlwga
das 10 dnzias de tsbnas de pao carga da^.a*!*-
gada, 1,200 libras de tinta verde ingeaa, I li-
bras de unta branca de zinco. 800 libras de gata
preta, i pe.is de fip.'t^, -'HJ iraves de quadade,
de 42 a 45 palmos de comprimento e 10 poleajada*
de grossura em quadro, 1.000 ajlos de I
vergonteas do pinho para paos de eoiello,
comprimento 3o ps e grossura no mel 1
das de dimetro, 6 vergonteas de pinho por* i
tros de escalare-, icndo de oomprinjealev V^ a
grossnra no meio 6 1|2 polegadas de dtajjaerro.
Sala das sessoes do consr.lho de coniMras nnaa
18 de abril de 1870.
O secretaaio,
___________Atexandre liolrlgoe* dos Aojes.
CookiiE -.do d*> j*or(ag^Ieai
ni tire.
Por este consulado so fai-pnblieo era
priracnto da lei. que havendo fallecido narta
de o subdito portuguez Manoel fUges dd-FniUs,
san i i i presente cunvidados todos os ondoreado
dito fali.'iMd'i, a apreseniarern ana" coates deawo
do prazo de oito dias, a contar da dala de Jjytv
para depois Je verificada> serem pagas.
Cra abril de 1870.
Por ordem do Sr. cnsul,
Arthur Aureljano Ferreira Ortiga.
ChanceJler interino.
Pela subdelegada de poliria da frego-fate-de
S. Jos do Recife se fai.pu Jiro que se aebaaro
dposito uro eavallo com cangalha, o qnalfeia-
cooirado vagando sem dono petas roas aesja.-a-
gu"zia ; a-isim cmno um carnetro ippfebeadjas,
iMir sraspeita de ser furtado, a um individuo qae o
condnzia, no dia 18 do corrente, e que nao b-
tante haver esta subdelegada aanunciado, ai
gera anda o rerlamou : quem ae juigar comA-
reiio, provand) Ihesser entregue.
O subdelegado,
______________Amonio M refera dtllfndau^a.
Aduinistra^o dei eprreimm 4kt
Peraambueo 27 de ..br I de
,190.
. Mala pelo vapor Parahyba da tomjumkmjim
nambucaua.
A correspondencia que tem de ser expedida Me
pelo vapor cima mencionados, para a Uate
Fernando de Norcaha, ser receuida pete-osa
neira seguinte : '
Uassos de jornaes, impressos de qualquer nata-
reza, cartas a registrar, e carta ordinarias atea*
meio dia.
O administrador,
Affonso do Reg Barros.
-3:030*343
CONSULADO PROV1NCAL
tecdiraento do dia 2 a 25.
Idem do dia 26. .
73:12o*l80
3:410*461
76:53S*V4I
MOVIMIENTO DO PORTO.
Santa Casa de Jiserkx>r^tt
do Recife.
in elr vista.
A IIlina, juma administrativa da danta Casando
Misericordia do Recife, no interesse do alargar o
circulo das pessuas que enneorrem arramatesao
do fornecimenle de medicamentos a botica dq'^s-
pital Pedro II, manda fazer publico one .jjqo.Jojr-
neciraeuto sobe quanlia de o:0Mawfl ,VW*ir
mente, e que pago com dioheiro nste.
Itecebe por tanto prop >s as para fojanr^sflrauj
dos me.'es de maio h junho vindouros!
Absintho, killogramrao.
Acafro, grau-mo.
Acido actico, killogramrao.
Acido cnico cbrystalisado, idem.
Dito maroho, idem.
ALFANDRGA.
ftpdatneaodioduSaSS. ,
Jdam ,4o. dia 6 .
'*B2
*^itiB>fiiihinVii tom fnis4li
idem dem eqip^ea^os
631^53*306
42:245*206
i673:648*12
-60
.40
rrc> wtw-
idatngo.
-idam.
t-^oraaddfiu.
100
fanaaads. trigo,
m.
fa-*Mreador1u
Navios entrados no da 36
Portos do N lero CruMiro do Sul, de 1119 tonadas, cora-
mandante F. de P. G. Alcoforad, eguipagem &2,
carga tiriuba de maudwa e ottM'VS genero;
a A..Luii de Oliveira Azevedo & C
Triate89 dias, patacho norte ailemio Minia
de 159 toneladas, rpitas I. Sebad. equipagtm
9, carga 1976 barrica cam arinba d trifo ;
Henrj! Forter 4 C.
Rio de Janeiro Jl das, barca norte-aUqptaa & na, de 330 toneladas, capiio W...Doodt, oaju
pagem 14, em lastro ; a Jubnston *irr & &
Baha6 dias, .barca ingieza (^ra^antkirt, de
364 toneladas, capitao HutcbJ5in, panipafiera
J4.am lastro.
Hamburgo -36 dias, patacho jngle.
de 142.toneladas, capitao ,Ptiiel
geur7, carga diOeruntes gneros ;,' c, UoOlmg.a
AI ve Matheus .
Rio Grande do Sol27 dias, patacho portaras
Sem Par, de 223 toneladas, c^iifo Antqrjipl^fc
reirai.Vareo, #0{Qi>*_ ttj
ISaVr dajuS) 'W. W. Tnii
II. narga dfferentes gneros ;,,.*,
atar &
Napiojakjda mo^mo^,
;lp|a-Barca ameriean!^ ipw^iiar,
PbiJ^pto-Barca
to Heard, em lastro.
FsptefiO- ,no.hm
tete, c^twr^moyao
norte, una patacho.
Dito ntrico puro, idera.
Dito oxlico, idem
Dito sulphurico, idem.
'tito tartrico, dem.
Dito bensnico, (Aera.
Dito phenico, graramo.
Ac proparado, idem.
Acunito, killogrammc.
Agua de colonia, duzia.
Dita de flor de laranja, idem.
Dita do rosas, dem.'
Dita ae Sdelitz. garrafa.
Dita de Seltz, idem.
Dita do.Vichy, idea.
Dita Ingleza/idcni.
Di la raz. btro.
Alcatro, idem.
ArooI d^ 36 graos, idem.
Alecrn), killogramrao.
Alfazema Oor, idem.
Algalias imdeza< de.gamma oiastica, d*f
\bnenga, gramuia.
Aloes, killogramrao.
Alvaiade de chumbo, idera.
Amexas passadas, dem.
Amoniaco liquido i*em.
Angelira em po, idem.
Aniz em p, idem.
Asenjco,jdem.
Assafelida, idem.
Assucar candi, idem.
{ir dem de lei te em po^lem.
Avpnca, idem.
Azougue, idem.
|lsamo de copabyi>a,,i4ian).
Dito dejlo, gramnt.
Dito PflNvfano, dem.
v
yftv'
um.
onViT>T
I SANTA CASA DA M*W(ArAa>A.llU
A lllma. junta admiaistrativa da Sana Gas oV Cabacrahas, dutia.
Misericordia do Recife manda fazer pnbbco qae Cabecas de ppenlas, kiliOfraoBo,
^^Mjpw-
Banha
11 Bardana, dem.
'$* eWdWBla; idem. .
arhaaatede
- Bof raetta de gom
utoee de rosa, le
Balrbtate filio, Ideal'
tH o grosso, idem.
Bi M,a*:-
duiti.
inn 'i
S9pSST


DmtioHdv Pernmbuoo Otnrt.
27 de Abril 4* 1870,


v
Cate** para piliUs fraoeezas, grou.
Cal virgen, kilt-ferammo.
Qtieiaeuaes iaglezts, grama
Gawnhora, ki%>nii)n.
Casca 4< n de eyn
Dita dt anella, .lera.
Camc Sinos, lub
Ga*i*da6 em p, gramma.
'Capsulas a> copahpi, **"'.
CariMaato-.rfe magia MP>ranui<>.
Mto-de potassa, dem.
Carota, dem. '
Coala orea menor, Mea.
tifa branca em.gruinmo, id mi.
INC amarefla dem.
Cacada. idem.
Cevadiuna, dem.
Calratele poussa, dem.
CUruformio do conllaafa, gramma,
Cacttiearia, kilogramo.
Caieiaa. gramma.
4aHa Confeso de Intacto du ferro, duzia.
Cretoor trtaro em p, ltograiumo.
Cohibas era p iogez, dem.
Oyaatereu* de potassa, gramma.
IMaetalis, killogrammo.
ooleamara, dora.
Kamlastra de aqnilao esteodido, jarda.
Otia gommado, killojrammo.
futa comisura, dem.
Krftica auca, gramrao.
Bta:.su!a3'd> ac, urna.
$f*rmac<>te em rama, killogrammo.
linas franceza, gramma.
Ksnencia de aniz, idem.
SHta d casdla, ideo).
lki Hilx d< flor de laranja, idem.
>tfa. deliortelio piuic-uta, idem.
Dita de rosas, idem.
:>>U de amendoaj a oargas, idem.
OUa de t>erf.'imota, dem.
Dtii de iereb>-nlhRa, garrafa.
Ota de salsa parrilha, vidro.
Ksnaraouea de atipo, gramma.
Esturaq e, killogrammo.
Estramonio, idem.
1&Vr cluridico, graromo.
>ite sulfrico, idem.
H-o ai Meo, idem.
iiuar. > da acnito, idem.
Oiu Ue-ateacuz, dem.
UiUd? belladona, idem.
Dito de camomila, dem.
Dito de cicuta, idem.
Hita de doce amargo, idem.
Mito do uvas de ealabar, idom.
'i;j de fumaria, idem.
BiW le genciana, idem.
Oit Retracto de ipepamanha, gramma.
te jarubeba, idem.
iJiui de rabaca, idem.
);ta de noz vmica. dem.
ico de nogueira, idem.
uto de opio gommoso, idem.
DtW de nllgula, idem.
Dito d>' 'turna, idem.
Orto *? rathania. idem.
ie -cilla, dem.
I i: satsa-parrilha idem.
iito de saponaria, idem.
")'.. :.; w roe, dem.
DRs < 11 iu a valeriana, idem.
J>;iu de inuimeodu negro, idem.
tcela debatan, killogrammo.
''>;.': de uuro, idem.
togado de enxore, idem.
tte f balsamo) idern.
flor de ail, idem.
tlitt de enxofre, idem.
?>U (fe rnica, idem.
." malvas, ideo.
ilguetro, idem.
i.:- de tilia, idem.
> violetas franceza, id;m.
i- de capellaria, idetn.
Dita- seces de tabaco, idem.
ri... dem.
Pondas oireitas e esquerdas, dazia.
D is dupla, urna.
Panix de vidro de 2 e i onca, :.
til de louca pira 2 e 10 ooea*, otn.
(albas da I iJia, killogrammo
. Metaos, idem.
i ceria branca, idem.
namyi i ein lagrima, idem.
i:.t ra. idem.
alquitira em p, gramma,
1)'U amoniaca, killogrammo.
*.iii". Iiata! i, i'i. in.
ica uiteira, Idem.
dita era p, dem,
lira de vi 'ro para 4 e C> oh ;-', ac-
i: da ; r.-elaii-, idem.
, kiltogrammo.
: ororala do morphina, ara. .a.
llV i i., ivillugrammo.
poro, prarnrao.
aso, kiflogranuno.
li '. .^ campana, idem,
odurelo de potassa, graut i
ftito de chumbo, idem.
iiia prela, idem.
a em p, Idem.
- niiner.il, dem.
> '-..' Jllogrammo.
:. parple, garrafa.
5ii vomitorio, vidro.
cor de labarraque, garr.ia.
..'.'a 'mu p, killogrammo.
)ita ioleira, dem.
mo, idem.
Macelta gallega, idem.
ia eateuida, idem
fifagoesia de Henry, vidro.
' commiim, lulogrammo.
i i- era Ingrima, idem.
Maoteiga de catao, dem.
Tassa can del de abelhas, garrafa.
Mercurio doce, kilogramuu.
.Maeirio, idem.
ifostard, idem
Mago islndico, idem.
Nitrato de praU em lapi., gramma.
Jdem iilem clirisialisado, dem.
puro, Je y logra mino.
N Noz-f-omica em p, gramma.
Oleo d'alfazema, kilograoiruo.
dem d'amendoas, idem.
i puro, idem.
--tdsm de eaiipui, idem.
; fea de cravo, uramma.
n de Sgado de bacalho, vidro
Idem idiin ferruginoso, dera.
dem de !mha;a, kil'gi'ararao.
'. jitii de ricino, idem.
lien vermfugo, vidro.
^ ibarao, r.ilogrammo.
"piooruto. gramma.
to de zinco, bilogramrno.
/apei azul para embralbo, resra.
idero branco, idem.
' lea pauudo para escrever, idet.
tdera para filtro, hilogrammo.
Ida
o*-
Pauotana, i
m
Idee
Idoai
dem de
divina. KTIogrammo.
> time, idem.
B,'. ras da cabello tima. .
ideo de -eda, una.
Peesarios, duzia.
Parcbloretftjie. ferro, kilogrammo.
Peroias defBfefr, vidto. **
Ps de Jjorgonba, kilogrammo^
Phos/lbfc de ferro Leras, vidro.
Phot-phoro em eilindres, gramma.
PUulas de Mifsons. caixa.
dem de carbonato de ferro e magnesia vidrj?.
dem de HoHoway, caixa.
Poipa de tamarindo, kilogrammo.
Pomada mercurial, idom.
Ponto* de veado calcinadas, idem.
Pos de Rogg, vidro.
Pota?sa caustica, gramma.
Potes de i a S oo?as de barro, duzia.
Recepitado rubro de mercurio, gramma.
Proto iodurein de mercurio, idem.
Quassia, kilogrammo.
Quina em casca, idem.
dem em p, gramma.
Raiz de Alcacuz, kilogrammo.
dem de cenica, idem.
dem de alteia, idem.
dem de espargo, idem.
Idun de genciana, iden.
Meintle lUiania, idem.
dem de turbito. idem.
Resina de angico, idem.
dem dt batat.i, gramma.
Ralbas de cornea pqrtugueza, ceuto.
Ruybarbo en po, gramma.
Sabio branco aioydalino, kilogrammo.
dem do alcatrao, duzia.
dem para opodeldock, kilogrammo.
Sal amargo, idem.
Salsa berteuse, idem.
dem parrilha, idem.
Sacurelo de oleo de becalhao, caixa.
Sassafrs, kilogrammo.
Seame. idea
Serpentaria.idem.
Sjluoio de pennaganato de potossa, vidro.
dem de proto lodurcto de ferro, killograramo.
Snb nitrato de bismatb, gramma.
Sueco de grosel.as, garrafa.
Sulfato de soda, kilogrammo.
dem do quinino, gramma.
dem de magnesia, kilogrammo.
dem de ferro puro, idem.
dem neutro de atropina, idem.
Suspensorios cscrotaes, duzia.
Tansagem, kilogrammo.
Tafeto ingle-, carteira.
Tami?, um.
Taniv, gramma.
Trtaro emtico, kilogrammo.
Tartarato de potassa e soda, idem.
Terebentina, de Vencza, kilogrammo. m
Ungnent. de Hoilovay, pote.
Videos para opodeldoc, um.
dem ordinario de i/i a 6 oncas, duzia.
dem idem cora rclhasde 1/2 a 6 0/0 idem.
Xarope de Rourgois, vidro.
dem de codeina de Rerih, idem.
dem indrophosphilo de soda, idem.
dem philaudrico, idem.
dem an-coburtico pota I, idem.
dem de ponas de espargo, idem.
dem de (juiz, dem.
dem da Lamronx, idem.
lam de Nat, idem.
dem petionl inglsz, idem.
dem de quina franceza, dem.
Os Concorretes deverao apresentar suas pro-
posias em cartas fechadas, as quaes terao a ordem
esUbifccida ueste annuncio, pelas 3 horas da
tarde do dia 2S do crreme na sala das sessoes da
junto.
Seeratoria da Santa Casa de Misericordia do
Recite, 12 de abril do 1870.
O escrivao,
Pedro Rodnaues de Souza.
Sata Gasa da Misericordia
do Eecife.
l>in ci < vsla.
A lar' junto administrativa da santo casa de
misericordia do Recife no interesse de alargarlo
circulo das pessoas que eonoorrem a arrematacii
do t rneciciento de gneros que tera de consumir
os esbeleclmeatos pos seu cargo, manda faier
publico que o raesmo Jjrneciraento da quaulia
de 3O:0O0O0 annualmpr.t.e que pago mensal-
menlo, com dmbeiro vista.
Recebe, portant", a mcsina junto propastas para
o forneciniento indicado nos mezes de maio e ja-
nbo, na sala de suas sessoes, pelas ) horas da ur-
de do dia 28 do cerrente.'
As&uear refinado kilogrammc.
Dito de 2' sorte ide>. .
Dito de torro idem.
Aletria idem.
Arroz do Maranhao idem.
Azeite doce litro.
Aguarden'e idem.
Azeite de carrapato idem.
Alho restos*.
Bacalho kilogrammo.
Batatos, tdera,
Cha verde dem.
Dito preto idern.
Dito hyssoD idem.
Ceholas cento.
Carne secca kilgrammo.
Fari.uha de mandioca litro.
Fumo do Rio kilogrammo.
l'i ijSo mulatiuho litro.
Farelo sacco.
Mauteiga franceza kilogrammo.
Mitho sacco
Pela fresco kil.
I'otassa idem.
Sabio ideuj-
Sal litro.
Telas do carnauba kilogrammo.
Ditas steirinas idem.
Vinagre litro.
Vioho tinto idem.
Dito branco idom.
Toucinho kilogrammo.
Os concurrentes apresentaro suas propostas era
cartas fe;hadas, as duaes deverao ter a ordem es-
tabelecida no presente annuncio.
Secretaria da Santa Casa de Misericordia do Ro
ciio 23 de abril de 1870. O escrivao,
Pedro Rodrigues de Souza.
Santa casa da misericordia do
Recife.
Aillo' junta adminfctracao da santa casa de
misericordia do Recife, na sala de suas sessoe3.
pelas 3 horas da tarde do dia 28 do correte, re-
ceto propostas para o fornecimento de carnes ver-
des que houverem de consumir os estabeleeimen-
tos pos seu cargo nos meze* de maio e junho
vindonro.
.V i "iVm'ff-.-J
retoria fe vauu Ma de aisnrtcordU do Re*
c.fe23deabrdfti'
escrivlo,.
irifaes de
subdelgalo de polica do
da Boa-vista, o cabra H^iorio, que dffbp
vo de Maooei de JKeBo, morador no
fregnezia de GaraBhnnsyo <|ual deetarou estar
pido ha sete mezes : qu>na ao refetido eseravo
ulgar com dirsrto apreenta-ue pasa ser attenf
S
40.
ttw i jHile-jiiw o divertimento te-
^VP -s^itosmoi salldes, estan-
^m as cre p irophfios oaciooaes,
L >
O snbdeegado snpplento.
Corroa- Sette.
Pela subdelegada de polica do 1 dislricto
da freguezia Ja Boa-vista foi apprehendido um
cavallo ruco pedrez, de raro preto, castrado, fer-
rado no qarto direito em NC, bastante airdego:
quem se julgar com direito ao mesmo, soparei.-a
que jusiiueando, Ida era entregue.
k O subdelegado supplente,
Corma Settc.
------------,-ifcde ja agfkdetao
r*u fafei boa.ordem qoe tero man-
iat-festo estatuteeimento, e por isso
~r boje continuara a manto-la damesma
|dtrte-s- M* Srs..soe*ns desle baile qna
os seuttMitoes sJw.inlraiismctit*i, e atjuelles Srs.
que o? nao poderem ir bascar por Mita, de tcm-
psyjbs oMontrsrao nojnesinn salo, na mo do
administrador.
AJmiiustraco dos corrtos de Pernambuco
27 do abril do 1870.
Malas pelo vapor Cruzeiro do Sul da ampanhti
brasileira.
A correspondencia que tem de ssr.expedida boj*
pelo vapor cima mencionado, para os portes do
sul ser recebida pela forma seguinto :
Macos de jornaes, impressos de qualquer na!
reza, e cartas a registrar, at as 2 horas da
cartas ordinarias at as 3 e estas at as 3
llagando porte duplo.
As cartas o >irnaes que forem dirigidos ao Rio
da Prata pagaran previamente, acuellas a taxa de
300 r*. por 13 grammas ou fraeco de 15 gram-
ma, e estes 40 rs. por 40 grnunai ou fraenao,
na 3rogreso estabelecida as tabellasC e D
annexas as inslrnccOes do 1* de de?embro de 1866.
O administrador,
Affntiso do Reg Barros
Relacao uas cartas registradas procedentes Uo su.
e norte do imperio existentes na repartido do
correio em 22 de abril de 1870.
Anua Clara Joaquioa Brrelo, Adrio Luil Pe-,
reir da Silva (2), Antonia Borges da Fonseca, An-
tonio Joaquina da Moraes e Silva, Antonio Pedro
Ferreira Lima, Alfonso Octaviano Pimo Guimarles,
Adolpho Curio, Balbina Rutina da C. Pinheiro,
Bemjamin Ferreira Bandeira, Cosar Quirino da
Silva, Domingo-; Antonio Villaca, Emiliano E. de
Mello Tamborim, Francisco Carneiro Machado
Rio?, Francisco dos Reis Anoes Vianna, Ferreira
Guimaresdc C, Francisco Ignacio B. Lima, .P
Brederode de Andrade, Francisco Ignaeio Pinto
(2),Guilherme Corte, Gabriel Soarss Raposo da
Cmara, Henrique Jos do Salles, Hemetorio Jo-
V. da Silveira, Joao Francisco de Barros, loanoa
F. de Gusmao L. Vital, Jos Joaquun Pereira de
Oliveira, Jos Bilieiro Brito. los Flix da Silva
Fragoso, Josepha Maria da Conceicao, Lniz Augus-
to C. Cintra, Loureoeo Freir de M. Dantas, Luiz
Ferreira Maciel Pinheiro (2), Mauoel Gomes de
Mello, Manoel Francisco de Mattos, Manneila, Ma-
uoel Duarte Ferreira Ferro. Manoil Quintiliano
da Silva, Manoel Ferreira da Silva, Maria da Con'-
ceico Fllgueiras, Marianna Ri!>eiro da Lapa, Nafr-
ciso Francisco Vidal, Prente Vianna 4 C, Pedro
Autran da M. Albuqurque, Vicente F. Barros
Wanderley, Lniz e Araujo.
O encarregado do regirtro,
Manoel dos Passos Miranda.
_____ NO
PAVfLHAO DES. ISABEL
Gotnpanhia equestre gytiastica e acrobtica
do palacio de chrystal do Porto.
DIRECTOR
D; Marcos Casali.
GfWtDE FUiNCCAO
Qtirta feira 27.de -aorli do 1&70-.
As,8 Ij da noute.
PRGRAMMA.
i.* Symphusa.
Pelayriumnfvez o Jockei, sobro o eavallito
mosca, pelo nienim* Juaaki.
;i Exercicios equestre*, pelo artisto Luiz, sobre
um ravaln a carreira.
4. Pela primeira vez un novo intermedie, por
luanin e o paltiaco.
5.* Posturas acadmicas,, pela menina Juanita,
sobre nra cavallo.
6.' Murilho, cavallo amostrado, apfesentado em
ilberdade pelo director.
7.' Q carnaval de Veneza. scena de transforma-
cao, pew-Sr. Luiz Casaii, soacc um cavallo.
8.* La Deluda amenoana, pelos saltadores da
companhia, os Srs. Ctnar, Aldabo, Luiz, ngel,,
Vicente e Juanni.
nter vallo de 30 minutos.
." A merenda americana, sobre a ponte elsti-
ca, pelo director. /
10. Granja volteio, pela seuhorita Anaa, sobre
ara cavallo.
11. O triple trapezio, felos gymnasias Aldabo,
Cesar e Viceote-
12. Urna divertida pamtomima : O ladrao do-
mestico
Os bi'hetes de camarotes, cadiiras e plateas,
vende-se no mesffio circo.
PRSXOS
Camarotes com 6 entradas........ 123000
Caderas........................ 24000
Cadeiras avulsas para senbora..... 2000
(torees.......................... i$O0O
AVISOS MARTIMOS.
THEATRO
GYMMSIO DRAMTICO
(No Monteiro)
SOB A PIRKC('0 DO ASUSTA
DE-GIOHWI.
OUINTA-FRA i-i DO CBRENTE
Espectculo em grande galla, para solamiusar
o faustoso anniversario natalicio de
0
D'
com a valiosa coadjuvaco do-ilkistradu
Governo da provincia
A' chegaia do Exm. Sr. pre-idete, a Sra. I). Je-
suina c todas i s artistas cantaro
O hymno nacional
ante a augusta '.Cigie rio
msmm nmm
Seguindose a 2- representac3n do magnifico dra-
ma e:n > actos, lolilalad :
Compaa?&a americana e brasi-
leira de paquete* a vapor.
Al o dia 1 de malo esperado dos portos do
^ul o vapor americano Nartk America, o qual de-
pois da demora do enslume seguir para No,w-
York tocando no Para e Thuniaz, para fretes e
pas*agens trata-?e com os agentes Henry Forster
A C.. roa do Commcrcio n. 8.
"OJMl'AMUA i'J^!VMCANA
bs
Navegando costara por vapor
Macei, escalas, c Feoedo.
O vapor Giqti, eommandanle Costa1, segui-
r para o? portes aotntB no dia :) do corrente
as 5 horas da lardo. Uocebe carga at o dia 29;
encomme.ndas, passagoigeiros o diaheiro a frete
at as 2 horas da tarde do dia da sabida, no es-
iT'm'vorio do Forte do Mallos o. 42.
Tomam parto as Sra. D. Maria de Lacerd Ba-
ha, D. Olympia, D. Joaquina os Srs. Xisto fS.'.Iiia,
Peregrino," Braga, Eduardo, Freitas Lyra e De-
Giovaom.
Terminar o espectculo cora a reprasentacu
da una interessante
COMEDIA
O divertimento principiar a cliegada do Exm.
Sr. presidente da provincia.
A direccao desejando apresentar osle espectcu-
lo com todo o brilhantismo possivel, viu-so na
conligencia de fazer urna pequea allcraco uos
precos dos bilhetes, para dest'arte coalrabalanc.n-
as grandes despejas que sobre si tem de pezar.
PRF.QOS.
Camarote, com 6 ingressos, indurado passagera
em wagn, anles e depois do espectculo, 20*."
Cadeira, com passagem antes e depuis do
espectculo, 43000.
Camarote, nao indurado passagem, 11..
Cadeira, sem passagem; 33.
Platea, sera passagem, 2.
Em todas as naedes cultas, as festividades que
Ihes dizera respeito, sao realizadas em theatros,
por consequenda.. tendo nos o gyranasio drama
tico, nao coherente, deixar passa desapercibi-
do o aniversario natalicio do principe, a quera o
Brasil tanto deve.
Os bilhetes acham-se na estaco do Recife e
no theatro.
SALLOES
DO
CAES DO RAMOS
imAm l.ULL
Em regosijo do feliz acabamen-
to da guerra
HOJE
O administrador participa aos respeitaveis se-
i OMPANHIA rTSRNAMICAH4
DE
%'avegaeo coseira por vapor.
Porto dj Gallitas, li'i Formse e
T.ijt.inilnr.
O vapor Porafcfln, segoira para os portos ci-
ma no dia -'tu do corren'ij inda noile. flerdif
carga, eneonraiendas, passageiros edinheiro a (re-
te no escriptorio do Furto do Mattos n. 12.
Tllf?)FLBOr
S gnir em poucos dian a barca portugueza
Soi'o Sympathia de Ia cl.iss* e marcha por j ler
nrn!T;:>.. qinsi toda sm carga : para a pouca que
Ihe falta, assiui eoujo paca pnssageiros ao. quaes
oflerece ricos e excedentes commodos, traia-se
v.'ira & '.., ra do Vigano n. I,
rim ira andar.
^OMPAN^U_t^i>ruiCCANA '
DE
.\'aregaeo c>stcra por vapor.
Goianiin.
O vap r Parahyba, seguir para r
porto cima no dia 26 do corrente.
as 9 horas da n rite,
rl cebo carga, encorauendas, passageiros e di-
nheiro a frete no escriptorio do Forte do Mattos
mjl________________________________
(OMPANHIA FERNAMBCANA
DE
Xavegaco eosteira por vapor
Mamanguape.
O vapor Cururips, commandante
Silva, seguir para o porto ac ma no
dia 2S do correte as 5 hora3 da
tarde. Recebe carga, encommendas, passagei-
r se dinheiro a (rete at s 2 horas da tarde
do da da saluda : escriptorio lo Forte do Matos
n. 12.
Rio de Janeiro
Pretende sahir em poneos dias para o referido
porto o veleiro. patacho brasileiro Protector, por
ter a maior parte de seu carrtgamento engajado; e
para o pouco que lhe falla e csi-ravos a frete
trata-se cora o consignatario Joaquim Jos Gon-
talves Bdtrao ra.do Commercio n. 17
Ilha de S. Miguel.
A escuna portngueza Das, segu nestes poucos
dias para o purto cima e para o resto da carga,
e passageiros para os qnaes tem bons commodos:
trala-se com o seu consignatario Joo do Reg
Lima, raa do Apollo n. 4.
COMPitfHIA PERNAMBUCAN
% a Teffa^fi* ostelra por vapor.
PaMbjfor, Nata*, Mado, Mossor, Ara- (
caty^ Cear, Mabdab, Acarac e
Granja.
O -vapor Ipojttca, commandantf
Moura, seguir para os porto;
ncima no dia 30 do corrente as 8 hora'
. Recebe carga at o dia. 29. encom-
mendas, e passageiros e dinheiro a (rete at a>
2 horas da tarde do dia da sahida no escripto-
rio do Forte do Itfattws a. li. ______________
Porto por Lisboa
Para os portos tem segu com nrevidade o
palhabole portugus Eurieo, tem a maior parte
do seu carreg'anieato prompto, para o resto que
lhe falta trata-se con os- consignatarios Antonio
Luiz de Oliveira Azevedn 4 C, ra da Cruz n. 57,
i' andar.
iiisTmTOAiemiOGiGo i tana
Para Lisboa.
Vai saWr com brevldade o brigtto portugnej
Bella Figueirerue, capito Carvalno, para carga e
passageiros trata-se com E R. ICabelio 4 C, roa
do Commercio n. 48.
Compradla pernambneana.
Para Fer/iando de Noronba.
HOJE.
Segne as 3 hora* da tarde em virrude de or-
dem superior, para n presidio 6*3 Fernando o va-
por nacional Pariifirjba. recebe carga, eocommen
das, passageos e dinheiro a frete al t hora.
Escriptorio da c tnpanhia Pernambucana no
Forte do Matos n. 12.
LEUDES.
Movis, lou?a, idros e pratav
Mt.
A saber:
Urna mobilia de jacanrad. i espelho grande, I
relogio, 2 serpentinas, 1 candelabro, 2 casiicaes
mangas, 2 candieiros, 4 jarros, 1 lavatorio, ico-
moda, 1 cabido, 1 apparador, i guarda-louca, 12
eadeiras, 1 apparelho de porcolana para jamar, 1
dito para almoco, copo, garrafas, 1 qnartinheira,
diversos livros, colheres de prala, 1 cama francesa
a otaros objectos de casa de familia, existentes na
casa do |teo do Terco, n. 78.
O agente Pinto Dar ieilao por ennta do Sr. Ma-
noel Pedro de N'oronha, o qual foi para Europa
com sua familia, do* movis c mais objectos ci-
ma m ncionados, existentes na casa do pateo do
Terco, n. 78.
Principiar as 10 horan.
LEILAO
De urna itnporlanle victoria com arreios
para um e dous cavados.
O agente Ttartins far Ieilao de urna importan-
te victoria com inuito pouco oso e arreios para
nm edous cavados.
HOJE.
No armazcm da ra do Imperador n. 16, ao
nido da."
Haver sesSo ordBaria quinta-feira, 2R
do corrente abril, pelas l horas da nw-
tiha.
ononi do ma
Discussao do orfamerrlo qae tem de-
gorar de 187071}
Pareceres e mais trabamos de eoh
misoes.
Secretaria do Instituto, 25 de aferil'r
1870.
Jos Soares d'Aseveth.
Secretario perpetuo.
Aotooiu Alves daPcncer^ee^~ilhs,' h. I__
ria Ramtmlda Al ves da Fonceea e sens fttb8seor-
dealmento agradecem a todas as pessoas queaeom-
pauharam at ao cemiteno publico, o corpa di
seu presad filho, irmo, marino e pai Antonio Al
ves da Foneeca Jnior, uo da 23 do corrente;
de novo convidara aos seus amigos e prentelo acs
senhores ofciaes do ti" baialho da guarda nacio-
nal para assistirem a inissa e memento no stimo
dia na igreja do convento de S. Francisco Mtaa 7'
e raeia horas da raauha do ala 29 .do correrte, e
desde ja agradecen) a todos por este acto de enri-
daile e religio.
mramm
jw.No dia 2D
TTS
jpXodia 29 do crreme mez, iriiessimo d.i lfc-
cimento do Exm. 9r. Dr. Braz FtereMin Henriqne
de Souza, sero celebradas al^uioas inissas (o umv
de Rquiem) e raeiwnto na igreja de Nossa Se-
nbora do Carino, pelas 8 horas dn>manhis. Sao-
convidados para <*ws p'uw sulTragio \x\r alma
daquellc distirelo tirulo, nao t todos os Htnr.
Srs. ras prenles, collegas da faculdde m Uo fro,
coin-i os ldms. Srs. smdeinito*.
vigan '.Manoel J>ai|uioi \avk-r jjbrii,
pretendendendo celebrar missa pelo etern*4es-
canco da alma de seu amigo o l)r. Braz FteMMt-
no Heuriques de Souza, sexta-fe ira 23 do eontn-
io, trigsimo ojia de sea fallodniento, na matriz
da Boa-Vi>ta, a 8 hora. da manha. eonvida ao
dlhos, p.irentes e amigos- do mesmo tinado, a apsh>-
tireo a es-e acto de jeligiao e caridade.
ATTENQO
Previne ?e a qualqner pessoa que pretender
comprar o engnnho Matlyo= do termo de Ser-
nhem que o mesmo eng'-oho esto sujeia a tres
airaos do arrendamento, conforme a eondicaj
exarada na escriptura respectiva, e bem coiim
metMda das bemfeitorias qn est fazendo o actual
renaelro.
Perdeu-se na noute de 21 do corrente da rea
do Imperador a matriz de Santo Antonio c psito
da Boa-vista, urna pulceira de ouro : quem n-
ver achado, querendo restituir,.pode leva-la a roa
do Vigario n. 23, segundo an lar, que se gratifi-
car.

Pede-se encarecidamnue a oesoa que achon-
urna pulceira de camapheu, encasloada em ouro,
no largo do Corno Santo, per lila ta nenie do 23
do corrente, em occasio do fugo, queira t. r a
bondade de levar na ra do Vigario n. 20, > an-
dar, que ser generosamente recompensado.
De ni ve:*, objectos
prata.
De ama mobilia de aman lio a Lniz XV, l diltv
de Jacaranda posta antigo, I guarda loui;a de ama-
relio, I cama franceza de Jacaranda, 1 appara-
dor de aonfeUo obra de milito gosto, 1 mesa
elstica com 1> tahuas em perfeito estado, I toa-
liiete de Jacaranda com pedia marmore, i ricos
quadros cora linas gravaras e molduras domadas,
:j espelhos ovaes con molduras dotiradas, 1 san-
tuario, 1 meio apparetho de louca ingBza para
-jantar. diversos copos e cauces de crystal, 2 p^res
degariafasde crystal, dlver>os pares da lanter-
nas, i jarros pandes, 1 par de campoteiraa, I
porta queijos, diversas cadeiras avoJaa 1 ama
franceza de araarello, 1 uiesa nraade para o ser-
vico de cosinha, 12 cadeiras em bom estado para
Snia d- jantar, 3 marquezoes, i sof de araarello,
1 cofre frzncez, 2 aneis com brilhautes, 1 adereco
de ouro com brilhautes, 1 salva du prala, 1 pa-'
liteiro. assneareiro e porco do colheres para cli,
sopa, arroz tudo de pra dj le e outros mui-
tos objectos.
Quinta-feira 28 do crrente.
O agente Martms far Ieilao por despacho do
liltu. Sr. Dr. juiz de orphos, dos movis e ob-
jectos de ouro e prala aciua no armazein da ra
Jo Imperador n. 16,as 11 horas do dia cima.
De um coup elegante, com ricas lanter-
nas e arreios Je metal principe.
m cabriolet americano de 4 rodas, co-
berlo, onm lanca para um e dous caval-
los e arreios,
wexta-fetra 29 de abrcl as 3 1
horas em ponto. ____
LEILAO
Da armac.o e gneros existentes na taber-
na sila ra Direila o. 14.
O agente Pontual vender em leitoo por manda-
do do lllra. Sr. Dr. juiz de direito da primeira va-
ra e interino do commercio, a requerimento dos
curadores flseaes da massa fallida de Antonio Joa-
quim Fernande?, arraacao o gneros existentes
na taberna sita ra Direita n. li. Previne-se
aos Srs. licitantes que a taberna est situada n'uma
das melhores loraljdades para commercio a reto-
Iho e que acba se abastecida de genero de pri-
meira qualidade. .
Sexta-feira 29 do corrente.
Deverter lugar o leil) na mesma taberna as
II horas.
AVISOS DIVERSOS.
A viuva de Ignacio Adriano Monteiro, decla-
ra ao respeUavel publico que nao se responsabi-
liza por debito algutn que sua cria Miguel con-
trabir, sob pena de tlcarem no desembolso.
Ama
Precisa-se aln?ar nma ama para fazer campa-
nhia a urna senbora, fazer comprasen rua o co-
Htthar, qae lenha boa conduela : (ueni o-ti*r
nestas tlrcmnstancias procuro na roa vetha do
Santa Rita n. 66, qne -dir quem precisa.
Desapyarec-'u uo rti.i P do corrente urna
caxorra da raca galgo, marca peqaena, branca a
cora urnas inalhas pardas 'taras; quem a ti ver
pecado, queira entfegSrb a sou dono, rua da
Crm n. iG. Io andar, que s-r^ recompensado ge-
nerosament'-.
Conimtia t estar iugidu o molpque Antfiwiis
de 17 innos ue idade, rrioolo eom taita il. c ;:-
tes na frente, testa redonda, othos vivos, eom una
marca de queimedura na barriga, o ontra IM rdm
ce urna estrepada j auriga ; gosto de andar m
caxiintio : (pi.'m u pegar son levar ao engonbo
California em S'-rihiiiera, a sel seuhor boa Flo-
rentino 0. do.AlbtujU'T'piJ, ou a rua da l'raia n.
31, que ser bem recompensado.
Fugio no da 20 do correute, do engeuho
Dromedario, termo da Escada o scravo de nome
Antonio com os signaos seguimos Idade do Ma-
ta e tantos snnos, cor taisca, alto, as pemas um
pjuro arqueadas fal'.a-lhe um denle na frente, do
lado d cima e tora una das juntas dos ps uro-
pouco (Dais grossa do qoa outra. gosta de andar
limpo, e o nm pouco conversador, linda nao tem
barba, mal se Atraiga alguna cabellas na poma
do queixo : roga-e as anthoridades ixliciaes e
capiles de campo a captura do mesmo e l.ca-lo
ao mesmo engeofio ou no Recife, roa da Moeda,.
n. o, seguuilo andar, escriptorio de Manuel .Uves
Ferrdra & C. que sero -compensads._______
Um mofo casado e. aa senbora, anv^
bos i.om liastatUe pratica Je ensiuo, eoie-
rectm para lecciooar em alguin eflttantto
priinoiras lettras, gratnirtatii';t portuguez,
artbnetca, geometra, geograpltia, inglez,
a Tallar a lingua franceza, costuras e bor-
dados de diversas qualidades : qoetn qui-
zer deixe liar nesta typographia caria te-
chada com as iniciaos M. R. S.
Antonio Joaquuu de A Uncida Cruz pede ao
scus amigos para assistir un a missa que manda
dizer por ahna de seu amigo Miguel Mendos da
Silva, as 7 horas da manbf.a do dia 29 do-comnm
no convento do Carrao, as>im como pede aos ami-
gos do fallecido que estiverem na praca assistir a
missa.
^MjjjfgG^msae&pam-: ^aaiiWMBaa>
Fagio no dia 2 do corrente mez de abril, do
engenho Constantino freguezia de'S. Loareaco da
Malto, o esetavo Lanrindo, coa os signaos seguin-
tcs : cOr cabra, cabellos alguma causa carapi-
nhos, olhos pretos o redoudos, estatura baixa,
maos e pes pequeos, bigodo a Ca*anbac, ten-
do pouca suissa, tem nm signal caraj-teristico que
urna mancha preta que lhe cobro una dos pe-
tos, com alguns caballos hrancos p<>r sobre o mes-
rao : quora o prender leve-o ao paleo da ribeir
taberna do Jos do Couto Cuimaraes, que ah sera,
recompensado.
Quem annunciou querer una escrava para,
cozinhar, dirija-se rua da Imporatrit n. 4.
ttUA
EO
esquina Este importante estabelecimento no seu genero, tem sempre um sortimento sem igpaalJ esquina
IM! A? ven^ PPr pw?s W* nenhnma ontrav casa pode vender. fflt rua hmd
**&''**' IMte da qualidade e do pre^o das jeiiaaisada um poer-seiha ooavencer da eerdade. *^
Rosario. Garante-se ser tudo de leL Comprare ouro^ prata e pedras flias por presos muito ele^ Rosario.
vados.
*.
C;
~>
;-.,

I-I-'


r


**'-.,
...
w .<
Diario dp Pwnambuco ^ Quarla feira 27 de Abril dt 187'o

CASA DA FORTUNA
Aos 5:0<$
Bilhetes garantidos.
4 rol do Crespo n.23 e casas do costme.
O abaixo assignado, tealo vendido alm de ou-
ttas sorles, 1 meio n. 2980 com 3.000J da lo-
tera que se aeaboa de extrahir a beneficio d
reja da Casa Forte (144"), convida aos possuido-
fia i. tiren) receber na comformidade do costa-
me seffl descont algum. v
Acham-se a venda os feltzes bilhetes garan-
tidos da 1' parte da lotera beneficio da ipreja
de Santo Antonio de Itatnb (145*), que se extrah-
r quarta-feira 4 do mez vdouro.
Procos.
Bilhete r 6*000
Mein 3000
Quinto _J200
fen oorcao de iOO ara cima.
Bilhete 5J800
Meio #7S
Quieto l|IOA
Manoel Martina Finia.
O OR. SANTOS fiLLO
Medico homeopatha, reatan chegado da |
corte, fixoa a fu residencia nesta
capital, rua.'estreta do
Rosario, b. 32,2
andar.
D consultas todos os horas da manbia, e recebe recados por
escripto qualquer tora do dia on da
nowte. '
Aos pobres d eonsultas s mesmas
horas a raedicjinxtitos gratis.
de maruiore
ir
das ornees
O artista Gamito acha-se estabelecido na casa
cima, onde pode, ser procurado para todos os
misteres Ue sua procissao.
Precisa-se de ifma creada coxinheira : na
raa do Imperador n. 57, 2o andar, entrada pelo
lado da ponte. 7 fie miembro. ________
Precisa-se de um criado de boa conducta,
qne sirva para compras e mais servico interno de
casa : roa no Imperador n. 37, 2o andar, en-
trada pelo Indo da ponte 7 de setenibro._______
Precisa-se de dous trabajadores forros ou
captivos para servico interno ; tratar na ra
larga do Rosario n. 31, botica.__________
*recisa-se urna criada de boa conducta, para
todo o servico ordinario de urna cisa : tratar
na roa da Cruz n. 20, a na Capunga, porto La-
cerren. _6._________' ______________
Pagii-se bem
Precisa-se alogar um moleque de boa conduc-
ta para o servico do una loja : na ra Nova a-
aro W. ________
Precisa-se fie urna ama nicamente para tratar
de urna chanca : na raa Nova n. 44, loja.
ADYOGACIA 1
O 'hachare! Augusto Caos Vaz de ttliveira
^ tem o seu escrUtorio roa do 'Imperador 5
& n. 67, primeiro andar.
CAA da fe.
Aos 20:000^000.
raa do Cabr j 1
Bilhetes do Rio & venda
vood-.Vieira & Rodrigues.
PEDIDO,
Quem precisar de urna ama para casa de
iiomem solteiro ou de pauca ftmika, dirijase a
roa da Conquista n 1S. ________
iIAS
Na travessa da ruagg
das Crozcs n, 2, pri-
| neiro andar, da-se di- $
I nlielro sobre penhores i
I de ouro, prata e brilhan- 5
i tes, seja.qoal foraqoan- I
j| tia. Da mesma casa com- *
1 pram-se os mesmos me-
taos e pedras.*
Pede-se encarecidamente ac., rg% Domingos
Theodoro Rigueira e Aristides Florentino Caval-
canti de Alboquerque (de Sen* haem), que venham
.rua do Vigario n. 14, a nepj0cfo que se precisa
ultimar
GUSTAVE
CABELLEIREIRO FRANCEZ
51-Rua da Cadeia do Recife51
Chama a attenco dos stfbs innmeros freguezes, e do respeitavel publico e
geral, para a seguinte tabella dos presos de sua casa, os quaes s_o vinte por cenu
mais barato do que em outra qualquer parte:
Mudanpa.
O'Dr. Car.iliao Francisco de Lima Santos mu-
_dU sua residencia e coaultorio para 'rsa do
Imperador n. 57, _* andar do sobrado cujo arma-
zem conserva ainda'hoje o nome de AHanca,
tendo a entrada, que c p^lo lado da ponte Sete de
?5elembro, o mesmo nunero -*i7, da frente. Ahi,
continuando o dito Dr. no exercteio de sua pro-
tesio de medico e de operador, pode, ser procu-
rado a qualquer hora do dia e da noute.
n
"dedico homeopata, pode ser procurado no seu
- _onsultorirt especial homeopaibico no1 largo da ma-
triz de Sanio Antonio n. 2, _jmdar.
No mesmo consultorio tero-sempre .grande sor -
timento de medicamentos de tramo?patbia, tanto em
globos como em tintura.
Precisase de duas amas, sendo urna para
engommar e oura para cozinhar, para casa de
pouca fanilia; tratar na rua Nova, casa nu-
mero 22.
Precisa-se de urna ama para cotinhare com
prar para urna pessoa : na rua estreita do Rosa
rio a. 27,1 andar. _____
Precisa se alugar
vico interno e externo
solteira, paga-se bem :
um boin preto para ser-
de urna casa de homem
na rua da Cadeia n. 20.
COMPANHIA
DOS
na nout de sachado par o do-
mingo-de nieta nouf< ote \hora
da madrugada, des ie a estogn
dos (rtlkcs urbanos tw Moitf/etrq
pelobcceo dos Qaabvs, ateo si-
tio no rayar dos coquetrvs no
bccc do Acude; um re.logto de,
ouro I: risonk, de repitiv ,
desc-iberte, corr mmtradir ri-c
prata cisclada, endo as cosas
'do caiztio ettif'tlarudas as n*-
ciacs d i proprietario /.. M.,
junm-merM com utna c-orrr.ne
com.prido de ouro quebrada em
urna df.- argollas.
Que/: o hecr ochado tjueren-
do resii'oi lo ao done dirija sea
ruada Cruz n. 42. 1\ andar tu
9 horas df, manhaa. -ateas 4 da
larde s n sitio >que faz ttqvdna
do cam th pam o Mr ojo epare,
Gratificase generosamente ao
portador porque esse rrlogia
de minio calor para o proprieta-
rio s como lembrancade famiia
appzar deserjd hast.inte velkit
M do Soiiieiro
Sabbado 30 do corrale lera lugar a par-
tida do erirtri-aameno do .mesmo club.
Terhs tagMSSO os Srs. socios da a as-
. ;i^natu.
O empezado,
P. J. Layme.
Arr-i. 11- 0 (u^'niho Iraiiquilidade, kom
4 agua, lamino para i a 3 mil paus, na freguezia
_a Eseada #or tres anno*, ou sois : tratar cora o
proprietarie no mesmo. _________
&reee-se um cri;uto le 16 para 1 annos,
.iira comc_-i e oandado?, e tu* mais algnm
ervico de eaea de familia, um homem sjl'.e.iro oe-
i icnie nu '!.'. .mperatrir u. 38.
i
TRILHOS URBANOS
DO
RECIFE A9 OIIVDA.
Por ordem da directora sao convidados
ledos os ~Srs. accionistas para _o dia 29 do
wrrente, as 10 boras da murtela, no salo
do Club Pernanibucano, se reunirem em as-
sembla geral, segundo estabelece o art.'
13 dosestatQto< da companhia.
Escriptorio d-a companhia, i6 de abril
de 1870.
Joo Joaqttim Alves,
1 secretario._________
Xa rua do imperador n. 75, urimeire andar,
deseja-se fallar aos seguintes senlwres negocio
de iatensM : Jos Rodrigues feraandes, Manoel
Luiz di Lima, Francisco Jos Gorreia Guimaraos,
Joaquim tSperWiao da Silva Gmnjarae', Joao-de
Castro Oliveira Guimaraes, Raymundo Nonato da
Costa, Jos J'aquim Fernaades da Silva, Joaquim
Lopes Ferreira a Jos Ignacio do Val.
George G. Starr, tesiamentsiro do finado C.
Store, faz pubrio. ao respeitavel corpo commercial
e a quem posse rnteressar, que o estabelecimento
d' fundicao sito ta eidade nova de Santo Amaro,
continuar a erda mesma ferina gerido pelo on-
nuncante sob a mesma firma C Starr & C. em
liquidVao:e qne para compras, vendas e rece-
biments tambem continuar o amigo caixeiro
loaquim de Oliveira Mello._________________
Precisa-se de um eaixeiro p:ira liberna, de
12 a 14 annos: ^ tratar no pateo do Terco nu-
mero 03.
Cabelleireiro
Rua da Craz n. 24, i andar, por cima da
txHica.
Antonio Rodriguas Ramatho acaba de abril a
concorrencra publica um espa^oso e asseiad > sali
para barbear e cortar cabellos, e aSancV'que nelle
encontrarlo seus amigos, antigos fi eguezes, e em
geral todos os que quizerem frequenta-lo, agrado,
actividade e bom desempenho do trabalho.
Imperio do Brasil.
Grande exposiqo na eidade de
Cordo\a,
REPBBLICA ARGENTINA.
No dia 15 do outubro de 1870 ter lu-
gar a abertura da expsito nacional em
Cordova.
Previne-se, portante, a todos os produc-
tores, agricultores, fabricantes, artistas e a
todos aquelles que exercam qualquer indos
tria, que na dita e_pnsic5o se recebem todi s
os productos da industria, e agricultura
brasileira, assim como todas as machinas e
utensilios que quizerem reme.ter.
Estes productos est5o isentos dos direitos
da alandega na Repblica Argentina e po-
dero ser dirigidos eidade ao Rosario, de
onde sero tranportados pelo caminho de
ferro central.
Para mais explicaces tlirijam-se em Per-
nambuco, rua da Cruz- n. 3, ao consulado
argentino.
L!
Tem para trocar na loja de ourives da rua de
Noasa Senbora da Cooceicao no Recife.
PROTESTO.
Constando no abarxo a^signado que o seu es-
cravo Mtgaelkcabra escuro, que foi do Sr. MaooBl
remandes de Oliveira, morador na Serra da Raiz,
na crovuieia da Parabyba, que est fgido d_de
de noTerolxo de 186. protesta com todo rigor
da lei contra quem o ti ver acontado, e gratificar
com 200J a quem o apprebender e levar rua da
Seozala-nova n. 38.
Joao Luiz Goncalves Ferreira.
Rap Paulo Gordsiro.
Constando ao proprietario desta fabrica que se
tem vendido nfM falsificado com a denominacao
do de sua fabrica, e imiacao dos rtulos, sello
inedaas das e: posicoes de iS>I e 186G, emen?ao
honrosa da expesica de Paris em 1867 ; oreyine
por if so ao respeitavel publico haja de o examinar
com toda a attenco alim de nao ser Iludido, e
por esta frm fcilmente poder distinguir o va-
lor do verdadeiro rap Paulo Cordeiro, que tanta
aceitac.o tem merecido. nico deposito, rua do
Vigario n. 11, s _rado.
AO ARMAZEM
DO
Wim 9t_K_<_l-3
Rua _Vova n. V,
acaba de chegar pelos ltimos vapores novas re-
messas dos seguintes :
Chibado francez
Para aenhoras.Botinas brancas, pretas, e de on-
tras mottas differentes cores i ultima
moda.
Paraninas.Botinas das mesmas cores e qua-
lidad;s cima.
Para homens.Botinas de cordavao, bezerro, ver-
niz, pellica, o melhor sortimento que se
pode desejar.
Para meninos.Botinas das mesmas qualidaV
mencionadas para homens.
Para homens.Botas ructanas, meias-botas e per
neiras.
Para homens, senhoras e meninos.Sapatos de
tapete, aveludados, charlte, casemira
preta, tranca de Lisboa etc. etc.
Para meninos e meninas. Abotinados fortes de
muitas quahdades.
Quinquilharias e Brinquedos
para criangas.
GLOBOS
GLOBOS
GLOBOS
De papel de cor para as grandes illuminaces
geraes que devem ter lugar nos tres dias dos
festejos ; vendem-se baratos no armazem do
Vapor Franoez rua nova n. 7.
I_uvas de Pellica
Luvas de Pellica
i.uva-, de Pellica
Do vordadeiro fabricante Jouvin, brancas, pretas
e de oulras muitas cores, bonitas ao ultimo gosto
c chegadas de novo ao armazem do Vapor Fran-
cez rua Nova n. 7.
Cabelleiras para senhoras a 250,
. 300, 350 e. '. 400000
Ditas para homem a 350, 400 e 5000001
Coques a (20, 150, 180, 200,
250, 300 e.....500000
Crescentes a 120,150,180, 200.
250, 300 e .
Cachos ou crespos a 30, 40,
60, 70, 80, 90 e. .
Tranca de 'cabello para annel a
500 e.......
Tranca para braceletes a 100,
150, 200, 25 e.....
Cadeias para relogio a 50, 60,
70, 80, 90, 120 e.' .
Corte de cabello,
'
| Corte de cabello com frcelo. .
I''".'."'. 7 ~."\ 320000 cr,e de cabello com lavagem a
150001
50*
501
10001
1000*
501
25#
-Irgencia.
Pede-se ao Sr. Francisco de Salles e Silva quei-
ra appjrecer a negocio que Ihe diz respeito, no
Bazar da Moda, rua Nova 30.
AVISO
DA
Pea de coquelros
a :i00 rs., e o cento a 2">, o melhor tempo dos-
sivel para plan'r : na rua Direita n. 45-
_TTEM40
Pontee & C, ostabelecidos com loja de alfaiae
na travessa do Ouvidor n. 1, avisam ao respeita-
vel publico desta eidade, que se acham promptos
a receber encomendas de obras de todas s qua-
lidades, para o que se aeuam prevenidos de boas
azendas, como sejam cazemiras preta e de cores,
alpacas Unas, brins etc. Assim como tambem ac-
ceitam fazendas garamindo presteza e bemfeitoria.
Coziaheira
Para urna pequea familia precisa-se alugar
urna escravta que seja perfeita cozinheira, pela
qual se garante 33J Manea : a quem interessar
pode annunciar.
Cahero
Precisa-se ds um
n. K>, taberna.
caixeiro : na rua do Brum
Frederica Chaves precisa saber quem o
correspondente do Sr. Jos toares, senhor do en-
genho Camaieo do Su), freguezia de Avua-Preta,
para bc ihe entregar nina carta de importancia.
Aflmw iog da Oliveira avisa ao Sr. Pedro
Alpiano Marinbe Falcao, que o seo eseravo Cy-
priano, hootein, depois das compra^ do co*tume,
. Jhe de Precisa- s#,alugar pous es>;ravoe de meia
idade : a tratar a jibeira 3 .'ato, banco da eri-
gala Vieencia.
iMA
Precisarse de una ama para cozinhar em casa
de pou'a fauulia: na travessa do arsenal de guer-
ra n. 13, armaem. ^^^^^^^
Desappareceu da roa nova de Santa Rita n'
ti, no dia 25 do corrente, o esoravo de uome Be
uedicto, idade de 22 anuos, cnonlo. com os sig-
naes seguintes : vesgos dos olhos, muito preto,
baixo, cheio do corpo, levon caaaisa branca, cha-
p} branco : recom_enda-se"a captara do dito
eseravo, e leva-lo rna de Santa Rita 14, jue
sr recompensado_______________________
' H. H. Suift, si>cio gerente da casa commercial
de Henry Forster C, rttira-se pata os Estados
unidos, deixando o 8r. Antonio Marques da Coata
icmres, com proearaco baitinte para dirigir os
' i da mema cata. Recife 26 deabril d^
ATTENCO
VIDA DE SANTA VERNICA JULIA.
Acha-se venda olivrinho da vida desta santa
serva de Dos, traduzido do italiano em porlaguez
a i690, o resto d s ejemplares livrana universal, rua do Imparador n. 54.
.r
m
Tinturara Franeeza
i.*5--iiiia(la Imperairiz35.
O propietario deste enabelecimente 1
previne as pessoas que depositaram s
[ n'elle alguns objectos antes do primeirro i
de jaaeiro do auno corrente, (ue os vo 9
buscar impreteriveiraente no praso de 5
( um mez da data Ja_ presente publica- 3
jt cao, do contrario sero os ditos objectos k
x considerados como abandonados para pa- S
M gamento do trabalho, e seus donos nao |
fg! ier- direito nenbum em reclama-los em j
12 lempo algm.
mi Reeife, 29 de mar^o de 1870. i
ftieSS_'iil_3_3-^P '^RSKgSjSk^g
A imperatriz regente.
Com esta denommacao chegaram a loja do Pas-
so pelo ultimo paquete os mais ricos chapeos de
palhinha pretos com enfeites de cores, objecto es
le o mais moderno d<: Paris, cheguem antes que
se acahem : a rua do Crespo h. 7 A.
V. PALEARES
Centelhas
Colleccao de versos sobre a guerra do Paraguay,
venda "na livrana Franeeza, na livrana Pari-
iense e na loja de madama Falque.
m&
MU e quinhenia.dtizas do fogos do ar de urna
e tres bombas: na rua Direita n. 53, loja de fer-
ragens.
Antonio Eernandes de Figneiredo Paiva re-
tira-se para Europa, e deixa por procuradores de
suas casas cemmereiaes os Srs. Luiz Fonseca^Je
Macedo, Antonio Ignacio Pereira Coellio e Juli-
nino Antonio Aives Soares.
Na rua de S. Goncalo n. 29 precisa-se alu-
jar urna canoa de carreira. t
Precisase de urna ama para casa de pouca
familia : na rua estreita do Rosario n. 34, primei-
ro andar.
AVISO
0 fogo do Urgo dj Corpo Santo hojeas 9
horas.
Preesa-se alugar ou comprar urna scrava de
meia idade, que cozinie e lave bem, fae-so todo e
qualquer negocio : na rna de Hortas a. 20, sobra-
do, das 5 fioraa da tarde em diante.
Ama.
Precisa-se de urna ama para o servico dKterno
de urna casa de pequea familia : a tratar m rua
do imperador n. 79. loja.
M
Preciea-se de urna ama para comprar e cozinhar
para casa de rapaz soiteiro : na roa de Queima-
do n. 12, loja. _
Precisa-se na rua do Imgerador n. 18 de
aprendizes para o offleio de marcineiria.
AMA
D-se algum dinheiro a premio sobre hypo-
tbeca em pedrios n'esu eidade : na do.Crespo
n. 12, loja, se dir quem d.
Precisa-se de urna ama que compre e cqs-
nbe para dnas pessoas: na roa Augusta n. 74.
Precisare
alugar urna eccrava que seja perita cozinheira,
garante-se bom tratamento e paga-se bem : a ira-
tar no largo da matriz de Santo Anjonio n. 2.'
Roga-se a quem achou urna pulseira de ou-
ro esmaltado de azul, que homem foi perdida de
urna figura que foi na procissao do Senhor aos
enfermos da matriz dj Boa-vtsta, a qual foi per
dida do hospital militar, at confronte a casa do Sr.
Viegas, onde sedea por bita : roga-se, portanto,
a quem a achou o obsequio de levar rua do fio
sario da Boa-vista, casa a 13. qne se ficai ter-'
mente obrigado e se recompensar querendo,
cbampou
Iq-qqq'Corte de cabello com limpez da
cabe?a pela machina electri-
100001 ca> UQ'ca em Per nambuco. .
\ Frisado iogleza ou franeeza.
.... 300000 Barba. .......
ASIGNATURAS MENSAES
Especialidade de penieados para casamento
Bailes e soires
0 dono do estabelecimento previne s i Recommenda-se a superior TINTURA JA
Exmas. Sras. e aos cavalheiros que ba um. PONEZA para eDegrecer os cabellos e ba?
salSopara tintura dos cabellos e barba, as- ba> unica admittida na ExposicSo Universal
como nao prejudicial a saude, por ser voi
simeomoum empregado smente occapa-iali, analysada e approvada pelas acade*
do nesse servico. i mias de sciencias de PARS E LONDRES
BAZAR AC10EMIC0
Sua da Impratriz
13
13
CHATONI PURGATIVO E DEPURAtIVO
DE
CIIAJIIK.-RU.
Composto das plantas as mais odorferas e as
mais virtuosas dos montes os mais elevados, o eh
toni-purgatiro de Chumbar, possue um gosto sa-
boroso e um aroma suavissirao, e as propriedades
as mais notaveis sobre os embaraces do estomago,
dos intestinos e do figado o desobstruente por
excellencia na constipacao do ventre e nao tem
resguardo nenhum.
Depurativo especial o directo da bilis e dos hu-
mores, refresca o sangue depurando-o.
O uso do ch-Chxmbar pode ser continuado
por muito tempo sem o menor receio e sem m-
commodo nern muil.mc < no modo de % ver.
NICO DEPOSITO EM PERNAMBUCO
S.PHARMACIA E DROGARA
DI
Bartbolomeu A C
34RUA LARGA CO ROSARIO34.
Panno de algodo da fabrica Todos os
Santos do Hlm. Sr. commendador Pedroso, ja
chegou ao escriptorio de Joaquim Jos Goncalves
BeHrao : rua do Commercio n. 17.__________
Lisboa e Poj to
Carvalho & Nogueira na rua do Apollo n. 20, i #
saccam sobre as prac.is cima vista e a pra=o
Pre;isa-se de urna criada qne seja perfeita
eugommadeira, para casa de pouca familia : na I
rua do Imperador n. 51, 2o andar, ou do Crespe
n. 8. loja de i ponas. ___________
l'lysses & Irmos proprietarios deste bem conbeciflo e acreditado estabelecimewo
tem a hoDra de participar ao Ilustrado corpo ACADMICO e aos seus numerosos fre-
guezes, tanto desla praca, como de fra, que tendo sido elegantemente reformado dito
estabelecimento acha-se completamente sonido e eai condicoes de b _a servi-los dos
seguintes arligos:
charutos Variedades
superiores de Havana, Ilamburgo, Babia e
Rio de Janeiro etc.
Cigarros
de palha de S. Paulo, de 30500 a 70500,
o milheiro, Daniel do Rio Novo, Mauriiy.
Imperiaes, Tenentes do Diabo, Duque de
Casias, Gandou etc.; de papel, de fumo
de Daniel, General Osorio, Conde d'Eu,
Rocambole, Radicaes, Acadmicos, Macham-
bomba, Montevideo, Orientaes, Raependy e
muitas outras qualidades.
Fumos
Afamados de BAEPENDY em caixes de
_0 libras 1#400 rs. a libra, em pacotes
a 2$, de 20 para cima a l#800e em maior
portfio i1500 o pacote de 1 libra, dilo
em latas dequarta a 640 e 500 rs., e outras
muitas qualidades como sejam : Daniel do
Rio Novo, do Para, de S, Paulo, Caporal,
etc. etc.
PONTEIRAS para charutos e cigarros de
todas as qualidades gostos e presos.
CACHIMBOS de superior espuma, de ma-
deira (raizj de 3S at 65, a duzia e de oa
tras qualidades a retalho.
DITOS p de gailinhados melhores que
ha neste mercado a 35 e 35500 a duzia, e
com grande abatimento em maior porcSo,
ditos de louca, gesso, barro, etc.
BOLSAS de borracha e couro de diversos
gostos e precos, para guardar fumo.
CARTEIRAS para cigarros de todos os
syslemas.
PH0SPH0R0S de cera, em caixas de to-
dos os tamanbos, de seguraoc a balo etc.
PAPEL de milbo, de arroz, san-t.om, Per-
san, pintado, ce linbo etc. palha demilho e
Fernando a melbor possivel.
Alm dos artigos mencionados encontrado nossos freguezes outros muitos no ge-
nero de nosso negocio, que se vende em grosso e a retalho e que com suas presentas
sero sat^factoriamente bem servidos: bem como nos encarregamos de qualquer ec-
commendas de nessos cigarros de seda e linho, etc.
13Rua da Impratriz- 13
0
0
0
I SO RUA
AMA
Os abaixo assignados proprietarios oeste eslabetecimenlo, participara
continuam a vender muito barato e em vista ao grande sortimento de
miudezas da melhor qualidade cbamam a altengo dos Srs- commerciautes
de retalho afim de compraren, o que Ihe for conveniente ; com descont de
10 0>o, pagamento realisado no mez da compra.
Jos de Souza Son res & C.
Precisa-se para comprar e cozinhar para tres
pessoas : na rua da Cadeia n. 45, loja.
Joaquim Rodrigues Tavares de Mello, praca
do Corpo Santo n. 17. Io andar, tem para vender
cal de Lisboa, pota-sa da Itussia da mais nova,
vinbo Bordeaux superior qualidade, e farinha de
inandiocaJ______________________________
45 Sapatos de borracha _&
A 1^000.
Para senhoras e rapazes que calcem at 37 : a
rua Direita n. 45.
Vendo um annuncio do Sr. Jos CanJido de
Barros inserido neste Diario desejando saber quai
era o negocio que a rua das Cruzes n. 9, se cha-
mava o Sr. seu filho Tboraaz, e como no s consta
ue o Sr. Jos Candido reside na eidade de Olin-
a e sendo peos- l irmos, pedimos a S. S. man-
car alguem entender-se a respeito.
Publicado na corte pelos Srs. Angelo Thomaz do
Amaral e Eduardo Augusto de Oliveira.
Esta folha em cada numero contm artigos de
fundo sobre a polticaGazetilhaEcho da eida-
deFolhetimVariedadesRevista commercial-
annuncios, etc.
Assignase por anno14#000
Seis mezes 7*000
Tres mezes 4,8000
Nao se aceitara assignaturas sem. previo paga-
ento.
LIVRARIA FRANCEZA.
ADVOGADO
O advogado Antonio Pedro Ferreira Li-
ma, de volta de sua viagem ao Rio de
Janeiro, contina em sen escriptorio de
advocada rua do Imperador n. 32, i"
andar, onde pode ser procurado para o
exercicio de soa profissao, das 10 horas
da manhaa as 3 da urde. .
pedido de sua familia era,Lisboa precisa-
se saber noticiae de Jaime Cele-tfno Peixoto. Esto
senhor esteve em Bom-Jardim : pede-se dirija no-
ticias suas ni* do Duqtie de Caxias n. 18, loja
de Manoel Ribeiro de Car.vaiho.
Professor imratDgenho.
Que alerrr de portutnez silba fra*cez, preeta*-
a n. 64, ou rua do Itnpeia4er
.73.
Preci-68 de orna ama para gervico de casa de
familia, e qne jaiba cozinhar : dirija-se livraria
econmica, rua do Crospo.
AMA
Ama de leite.
Precisa-se de nma ama de leite sem filbo
roa do Queiruado n. 49.
na
AMA.
Precisa-se de nma ama: na raa do Pires n. 5.
Na praca >ia ladepeodencia n. 33 se da di
ibairoeofre peiiboree de ouro, prata e pednu
irecioaat, seja tfi for qtuntia; e da mesma
asa secoBpra e vende objectos de onro epratt
i (ateante se az tp* e qvaifoer bra de en
_ e Wo e qualqoef mm teadetK
wKiartft
Na rua .Nova n. 14, primeiro andar, precisa-se
de nma-.ama forra on eeerava, nm qiw saiba bem
oasinhar e engommar ; na mesa casa, compra
se urna escrava com as iBesmashbldades cima:
quem tiver aprsente-a.
Precifa-8e dous feitores portogaezes para
engenno : tratar na raa da a_iu Crm n. i.
Preos-n
pequena familia:
mero 38.
de unr cri'do para test M mai
n rua estreita do Rosarla na-
Precisa-se dcaaacsfl
ro do Caldeireiro n. .

GABINETE MEDICO-CIRUHGICO
DO
Dr: Ignacio Alcibiades Velloso,
Pode ser procurado a qualquer hora do da ou
danoite, prestando se a >$ chamados fra da cida
de, com toda a promptido. Pratica operacoes.
consultas das 6 s 9 horas da manhaa, na
rna Nova n. 45, 1* andar.
LOJA DE MAS
Ao commercio
Deifico Martins de Araajo avisa ao publico com
especialidade ao corpo do eoramercio, que de ac-
cordo com aeus credores tem vendido a sua taber-
na siu i rna Imperial n. 1S3, ao Sr. Antonio Au-
gusto de Vasconcellos,' iivre e desempedida de
qualquer onns : se alguem se jnlgar prejndicado
com dita venda, queira reclamar nq praso de tres
fias, findo3 osqnaa nao ser atteodida recamado
gana. Red e H de abril d 1870.
a 1- anno,
o ver di-
Este antigo estabelecimento, completa-
nente reformado de novo, est as condi-
oes de servir vantajosaraente os seus fre-
guezes, visto que acha-se prvido eom um
ixplendido sortimento d obras de ouro o
>rata de lei, assim como brilhantes e ou-
iras pedras pi-eciosas, eujos presos sao
n'ais mdicos (ffie se pode encontrar*
As joias compradas nesta casa receban-
te em troca ou cOTipram-se com pequeo
U RUA DO


Diario de Pernambuco Cuarta eira
. >
V
freclsj

AWENGAO
l"

Ama
Precisare de urna ama para o servlco interior
de pequea f mili : na ra da Amixada n. 21,
Ca panga.__________________________^^
Pede-se ao Sr. Josa Alves Kewaira, morador
no enfeiho Malto Grosso, o favor de apparecer,
na rna do Brnm n. 5'V.
irgomas ao Illa. Sr. Dr. juit municipal
do termo fie Agna Preta, porque razio ainda nao
poz em concurso o offlcia de tabehao e escrivao
do mesmo termo, vago ha quatro mezes por mor-
a do serventaario Jos Noberto Casado Lima ; e
qual o interesse publico, particular ou local, que
prevalece ao curaprimento da lei.
O Curioso.
Cosinheira.
Paga-se 303000 por mez a uaia escrava para
ser empregada nicamente na cozinha. para pe-
quena familia : a puem convier annuncie para se
procurar.
Irmandade acadmica do Nossa Senhora do
Bom Conselho.
De ordem de nosso irmao juiz face saber, que
se acta vago o lugar de capello desta corporacao
por haver renunciado dito lugar o Rvm. padre Dr.
Estanislao Perreira de Carvalno.
O pretndeme deve entender se com o nosso
irmao juiz, ou requeror mesa administrativa da
mesma irmandade.
Coasistorio da irmandade acadmica aos 2o de
abril de 187a
Servindo de secretario,
Francisco los Meira Sobrinho.
' Perdeu-se no domingo 21 do corrente, aira
peqaena pulseira de juntas com urna pedra en-
carnada e circulada de esmalte azul : a pessoa
a n. 28, que ser gratificada.
Acha-se justa e contratada a casa n. 16 da
TUaDlreita dos Afogados, se alguem se julgar
com direit a mesma, nestes tres das ententenda-
se na ra das Trincheiras n. 50.
Coznheira
Precisa-se alugar urna cozinneira para casa de
pouca familia, paga se bem : na ra do Apollo n,
24, 2 andar.____________________________
Precisa-se de uiua ama forra ou escrava qu*
saiba cosinhar bem : na ra das Crines n. 22>
2 andar.
COMPRAS.
Casa terrea.
Corapra-se urna casa terrea :
da Madre de Deus n. 16, loja.
tratar na ra
Compram-se moedas de ouro e prata de lo-
tos os valores, ouro e prata em obras matilisadas,
ruantes e mais pedras preciosas : na loja de
^orives do arco da Conceicao, no Recife.
Compram-se e vender-se diariamente para fra
a dentro da provincia eseravos de todas as idades,
-cores e sexos, com tanto que sejam radios : no
lerceiro andar do sobrado n. 36, ra ds Cruzes,
freguezia de Santo Antonio.
Com muito maior vantagem compram-se
moedas de ouro e prata : na loja de joias fio Co-
racao de Ouro n. 2 D, ra do Cabug.
O muzeo de joias
Na roa do Cabug n. 4 compra-se ouro, prata
pedras preciosas por precos mais vantajosos do
que em outra qualquer parte.
riTILI I DI 411114
A HIJA A IIEPERATKIK M,
Esquina da rna da Aurora, em frente do caf Imperajjiz.
N'este nov e sumptuoso estabelecimento de fazendas encontr,ar5o as Exmas.
amilias tudo quantopossam desojar, tanto em artigos do mais rigoroso luxo. como em todas
s mais qualidades de fazendas,
Alm de se acbarera prvidos do que de melhor se encontra neste mercado,
wr toaos os paquetes da Europa, reoebem directamente o que em artigos de moda e
lo mais apurado gosto se ocontra em Pars, o que vem cada dia augmentar s propor-
;oes de que dispoe este estabelecimento para bem servir sua numerosa freguezia.
AlgodSo largo para l^nces e toalbas de
odas as qualidades que costuma vir ao mer-
cado.
Alpacas de todos os padroes e qualida-
les to variadas que se nao podem descrever.
Gase com listras de seda e flores, fazen-
da inteiramente nova para vestidos de baile.
Gravatas para senhoras e hemens, o mais
completo sortimento que se pode desojar.
Guipare preto e branco, diversas largu-
Albuns com msicas para collocar retratos, ras e differentes gostos.
lelicado presente para qualquer pessoa de Gollas e punhos bordados para senhoras.
tima. I Guardanapos de linho pequeos e gran-
Atoalhado de linho e algodo, branco, e des.
le cores proprios para toalhas. Gorgurao de seda preto e de cores.
lii Grosdenaples preto ede cores, haven-
Rascjamas de seda prefts e moito moder- 0 diversas qaalidades e gostos.
s, bem como de crochet, todo de apurado. ^
iost e feitio. Japonezes para senhoras, o melhor gos-
Baloe de musselina, madapolo, brancos to, e fazenda propria para as festas nos ar-
t de cores, para senhora e meninas, rabaldes e passeios a tarde.
Bareges de cores variado sortimento. r*^
Babadinbos ou tiras bordadas em todas as Lazinhas de todas as qualidades, cores
arguras. e gostos, nao fleando nada a desejar, tal
Belbutina de todas as cores. o sortimento que existe para escolher.
Bolsas de tapete para viagem, grande Lencos, tudo quanto pode haver desde
'ariadade de tamanhos e gostos. esguiao ao algodo commum.
Bombazina preta de todas as qualidades. Leques de madreperola e osso, o mais va-
Bramante de linho de 11 palmos do lar- riado sortimento.
jura, e todas ;is mais qualidades. Ligas d'seda, bordadas, para senhora.
Bretanhas de linho e algodSo, grande sor- Luvas de Jouvin, chegadas por todos os va-
mento. / pores, sempre novo sortimento, quer em
Brins de liaao branco e de cores, do mais pellica para homens e senhoras, quer entffio
jommodo ao mais caro em qualidade, afilan-, d'Escocia, brancas e de cores,
jando o que ha de melhor na especie. > sc^-f
Brins d'algodo completo sortimento e Madapolo: indescriptivel o grande sor-
yariedade de precos. timento que lia neste genero, desde o mais
<33 elevado preco ao menor, qne se vende em
Cassas de cores, o roaior sortimento, pri- peca e retalbo por menos do que em ou-
nando pelo bom gosto e barateza, atientas tra qualquer parte,
is qualidades. Mantas de blondo para noivas : o apurado
Cambraias brancas, tapadas, e traesparen- gosto dos nossos correspondentes em Paris
es de todas as qualidades e precos. habilita-nos a dizer que temos em nosso
Camisinhas de cambraia de linho e cassa estabelecimento o que de melbor se dese-
xirdadas ricamente enfeitados para Sras. ja para vestir e ornar nma noiva.
Camisas para homens e meninos, to va- Mantas pre'.as de blond.
i-.
^A 2 t^tmx^'
iado sortimento que vai do mais ordinario
nadapolo ao mais perfeito bordado de li-
Camisas de meia, de flnella,
le cores para homem.
Casemiras pretas e de cores,
Mantas para carros, com lindas pintaras.
Merins'pretos, trancados e usos.
Musselina branca e de cores, lindos e va-
brancas e riados paoVoes.
5
o melhor! Pannos pretos e de cores, desde o mais
rae se pode imaginar, sendo d'isso a me-
nor prova o grande consummo dellas na
(Bcina da oa-:.a.
Capellas de flores, para noivas e bailes,
lesde a mais candida flor de larangeira at
t mais interessante griaalda.
Chapeliahas no melhor gosto.de todas as godo para camisa.
barato ao mais superior, por prejo muito
commodo.
Pannos de crochet, para cadeiNS e sofs.
Ditas de casemira muito finos para
mesa.
Paltos bordados de linho, lisos e de al-
Compra-se
unia'prcia do nwia idade, que seja sadia. para
servioo de campa, assira como urna com habilida-
des : quem tiver pode levar na prara da Inde-
penden ;ia n. 39.
Comprn-^s urna crioula poca, ci 16 a 2.
annos, perfeita eofommadeira, nao se olba a pre-
co, agradando : na ra de Borlas n. 90.
/Ores hoje preferidas pelas senhoras de
aais apurado rigor na moda.
Chapeos pretos de velludo, para senhoras,
ltimo gosto de Paris.
Chapeos de sol, para senhorase horneas,
de todos os pre;os e variados gostos.
Chaty com ricos padroes para vestidos.
Princetas pretas e ^e cores.
Popelina do seda e linho, com istras e
llores; fazenda lindissima.
Pelherinas para senboras, do ultimo
gosto.
Perfumaras ; os mais finos extractos o
que de melhor e mais agradavel so pode
Chales de, todas as qualidades, avultado encontrar neste genero, e de mais fragante
umero e b3o menos variedade de gostos, i e suave no olpbato, tem o PAVILHO DA
Chitas, impossivel descrever o sortimen-, AURORA, desde a verdadeira agua Flori-
IDAS.
Vende-se do.-e ino de goiaba em latas de
quatro libras e meia e em arroba?, por preco
muito oMiC0 : no patej do Torco a. i, luja de fn-
nileiro-
Vndese a armacao da taberna do paiqe ia
Penha-q 8 : irn.ar junto n. 10.
Farinha de mandioca
Vende se de superior qualidade. no eseriptoro
deJoaquim Rkfrigues Tavar' de Helio, largo do
Corpo Santo n. 17 ou no trapiche do Gunha, For-
te do Uattos.
Caf do Ceara'
Veofie-se opiao caf>i da sewa d'Ama-
nba, Cr: :ja da Cadeia o Recife
liliO i} voe barato
Mais barato do :-..* em ottra parte, para ver
no trapiche Danur., ; traUr i roa do Apollo nu-
mero t.
Vende-^ urna motatmna com 18 annos de
idade, eom habilidades 'le engomar, coser e mar-
car, e urna cria iila da me-ina com quatro
mezes, muito liada e muito mansa. Vnde-
se tamaem urna negra moca perfeita engom-
madeira e cazinheira : ra do Imperador n 45.
3 andar.
Veude-se para pagamento de dividas o se-
}5iinte :
1 casa terrea nova con o quartos, du?.s salas,
gabinete ao lado, oom quintal, cacimba etc. m
freguezia de S. Jo'-.
AJgumas ditas de 22 palmos cora i quartos e 2
sallas, e botn qiiiiit.il, na ra da concordia.
Dm terreo com algara principio de edificacao,
uniendo 200 palmos de frente, na ru Imperial
defroate do sobrado que toi do Sr. major Gusmo.
Urna canoa e. carga d 1500 lijlos grossas.
A tratar com Mano'jl Firmino Ferreira, ra da
Concordia n. 113.
49 rs.
Admirem!!!
Chitas escuras, core-; seguras, que ae vendem a
^40 rs o covado, oa lOfOOO com 42 cavados,
attendendo a quantidade resjlveu-se a vender por
este preeo. Bsto a^ahanda-se : na ra da Impe-
ratrz a. 52, loja com o titulo ia leao, junto a urna
Joja de oorives.
.o e vtriedade de padroes e novos gostos,
ia neste artigo tudo quanto se pde\losejar.
Cintos para senhoras o que se podeima-
{iaar de melhor.
Coques, o rneihor no gosto e nos eafei-
tes, varios tamaitos.
Cofchas de seda cora borlas, o mais apu-
ado gosto e lavor.
I>tas de fusto branco e de cores por
oreos cosamodos.
Corpinhss de cambraia, ricamente brda-
los para senhoras.
Cortinados de cambraia berdados e de
ii.o qce de melhor te pode desejar.
Cokrinhos de linho bordados e lisos, o
naior sortimento.
Damasco de la de '-i palmos de largura
indas -coree e ricos padroes.
ai
Espartilhos brancos e de cores, para se-
ihoras-e meninas, o melbor nes;a genero ;
euhuma Sra. deixar por certo de muir
le de to precioso auxiliar perfeio5o de
im corpo doicado.
Entremeias bordados.
Escom Iha preta.
Eneites para cabera, ultima, moda de
Jaris, recebida no ultimo paquete.
Esguo de lioho, completo sortimento de
odos ae nmeros.
Fitas largas escocesas para cintos, varie-
iade de ^oste* e lindos ;padr5es,
Fims de crochet, modernos com cintos
* -capas, e que ba de memor.
.Fil de ceda, linho e algodo, de todos
* gostos e padres.
Fus to de todas as cores e qualidades
{randte sortimento.
Flnella branca e de cores.
Flores, o que ha de mais rico, quer
atlas, quer m ramos, tem oPAVILHaO
OA AURORA oln perroBente jardim a
lispasicao das ritmas, familias.
da at o mais fino Bonquet d'Amour, final-
mente ludo quanto deve oceupar o touca-
dor de urna senhora de gosto.
83
Sa:as bordadas, brancas, lisas e de cores
com folbos e sem olles, o melhor possivel,
Sabidas de baile, de todas as cores.
Sedas pretas, de quadros, lavradas, lisas,
de listras de todas as cores e qualidades e
o mais barato possivel.
Sarceiim de todas as cores e qualidades.
-O*
Tapetes grandes, lindas pintaras para 8
cadeiras, mais pequeos e de todos os ta-
maniios desejaveis, e em pec^a para co-
vados.
Toahas de labyrtntho, do nsaior e mais
fino trabalbo ao mais barato,
Toalhas de linho e algodo de todos os
taoranhos, Ii>as e felpudas.
Tarlatana branca^ com palmas e de cores,
fasenda muito nova, e gostos delicados pro-
pria para baile.
Vistuarios bordados de fusto brancos e
de cores para menines, de cambraia para
baptizados, o que de melhor tem vindo a
este mercado.
Vestidos de la escoceza de 2 saias,
novidade pelopadro, gosto e forma; ditos
de linbo com barras de cores, e de cam-
braia d cores com 2 saias, tudo inteira
novidade. trazem os modellos juntes para
mostrar a forma de os.fazer.
Veos-de bload para noivas e pretos para
lato.
Vestidos d blond fcara noivas: podemos
asseverar as nossas Ecmas. freguesas, que
somos os nicos em Pernambuco que pode-
mos offerecer ao Ilustrado publico, o mais
apuradogoeto em semejante materia, gra-
>'& *o bom ^osto do bosso fornecedor em
Paris, podemos garantir que ninguem oeste
genero o possue melhor, nm mais em
conta.
Quando a AGUIA BRRNCA, mais precisa scientificar ao respeitavel publico em
e em particular a sua boa freguezia, da immensidade de objectos que ltimamen-
te tem recebido, justamentelquando ella menos o pode fazer e porque essa falta invo-
luntaria ella confia e espera na benevolencia de todos que lh*a attendero'e relevaro,
continuando portanto a dirigirem-se a bem conhecida leja da AGUIA BRANCA ra do
Queimado n. 8, onde sempre acharo abundancia em sortimento de superioridade em
qualidades, modicidade em presos e o seu nunca desmenttido AGRADO E SINCERIDADE.
Do que cima fica dito se couhece que o tempo de que a AGUIA BRANC V pode
dispr, empregado apezar de seus custos no desempenho de bem servir a aquellos que a
honram procurando prover-se em dita loja do que necessitam, entretanto sem ennume-
rar os objectos que por sua natureza sao mais conhecidos ali, ella resumidamente indi-
car aquellos cuja importancia, elegancia e novidade os trnate recommendaveis, como
bem seja
LOJA
Corpinhos de cambraia, primorosamente
enfeitados com fitas de setim e obras essas
cuja novidade de molde e perfeigo de ador-
nos os tornam apreciados.
Fitas mni largas de diversas cores e qua-
lidades para cintos.
Leques uesse objecto muito se poderia
dizer querendo descreve-los minuciosamente
por suas qualidades, coree e desenhos, tal
o grande e variado sortimento que acaba
de chegar, mas para nao massar o preten-
dente se lhe apresentar o que poder de
melhor.
Entremeios em pecas de 12 tiras.
Guipure branco e preto de diversas qua-
lidades e desenhos.
Ditos de algodo com flores e lisos.
Veos de seda para chapelinas e monta-
na.
Meias de seda para noivas.
Ditas abertas de fio de Escossia.
Costumes ou uniformes para meninos.
Enxovaes completos para baptisados.
Capellas brancas para meninas.
Grandes sortimento de flores finas..
Fil de seda, preto.
PERFUMARA
Grandee constante sortimento de dita,
sempre melhor. quajidade.
Lindo vasos com p de arroz e pinsel,
Caixinbas com ditos aromticos.
Bonitos e modernos pentes dourados
para circular o coque.
Ronitos brincos de plaquee.
Aderecos e brincos de madreperolr.
Caivetes finos para abrir latas.
Thesouras para frisar babadinhos.
Aspas para balo.
Novos stereoscopos com 48 vistas, as
quaes sao movidas por um machinismo
urnas subslituem as outras.
Vistas para stereoscopos.
Bonitas caixinbas de vidro enfeitados com
pedras.
Ditas de madeira envernisada com vispo-
ras e com dminos.
. Bollas de. borracha para brinquedo de
Touquinbas de" fil, sapatinhos bordados enancas,
meis para ditos. Diversos objectos de porcelana, proprios
Camisinhas bordadas para ditos. para enfeites de mesa e de lapinhas.
SORTMTO COUPLET O
ARUAZEMS
NOS GRANDES
DE SKCCOS
E JIOLilADOS
CONSERVATIVO
N. 23Largo do Ter DE
S1M0 DOS SANTOS ft C.
10
10
PROGRESSO
Pateo da Penha
DE
S & FERR IBA.
Os proprietarios destes bem sortidos armazens participare aos seus innmeros
freguezes tanto desta prar;a como do matto que tendo feito grande diminuigo de pre-
cos as suas mercadorias esto por isso resolvidos a vender por nr?nos de 10 e 20 r0,
do que em ouira qualquer parte, garantindo-se portanto a s perior qua'idade de qual-
quer genero comprado nestes dous estabelecimentos.
SAUT
a s
Mencionamos
alijuns dos nossoS
gneros e a vista destes sao comprehendidos os
cioa-los.
outros, porque n'adnlio seria men-
Se alguem duvidar venha ver.
Gaz americano mar- a Deves a 8#800 a
Vinagre branco mandado vir por conta
propria vindo de Lisboa, a 320 a garrafa e
480 o litro.
dem tinto Figueira, Lisboa e Porto a
320,280, 240 e 200 rs. a garrafa e 480 300
rs. o litro.
KEFLVAC O.
Vende-se urna reflnafrio'na roa da Esperanza
o. 7 : a tratar na roesma.
Vende-*; o rendiraeato annual do pedagio da
ponte da trav6sa da ponte de Uchoa Sant'Anna.
i tratar no sitio do arco.
Uta, 380 rs. a garrafa e -idO o litro.
Azeite doce de Lisboa a -900 e -i #000 a
garrafa em por<;o faz-se grande abatimen-
110;
J Caf em caroCo a 220, 240 e 2-0, a li-
en fin son r.m\, n,^rut^ .otnibrao kilogrammo a 480, 540 e .600, e
70000, 7#>G0 e 8S00 arroba.
Milho alpista 200 rs. a libra e 440 o ki -
logramma e 55800 a ai roba, emporco ha
abatimento.
Qoeijos frescos de ultimo vapor a 3$200
e 3^400 cada um.
a 560, 500 480 e 400 a garrafa litro a 840
760, 720 e 600.
Vinbo branco puro de Lisboa a 640 560
a garrafa, em porco ha abatimento.
Vinbo do Porto, engarrafado das melho-
res e mais acretadas marcas a l ->0O0 e 15200
I 500 e 20 a garrafa.
dem Rordeaux, Medoc e St. .lulien a
7)i500 e 60500, a'duzia e 640 rs. a garafa.
Genebra de Hollanda e laranja doce aro-
mtica a 60500, 70, 110500, a frasqueira.
Serveja Bass, Hiera Bell a 90800 du-
zia em porco ba grande abatimento.
idem marca H e T e outras marcas a
50500 e 60, a duzia e 500 rs. a garrafa.
Assim como ba outros muelos
. Aletria, nucarrio, taibarim a 500 rs. a
I libra e 10100 o krlogrammo em caixoha
abtimento.
Sabo massa de I1 e 2a qualidade a2(?|
e 240 rs. a libra em caixa ha abatimento
Toucinho de Lisboa muito alto a 400 rs.
a libra e 880 o kogrammo, em arroba ha
grande differenQa.
gneros, vinho em aa:oretas, apitonas,
Pei primeira vez e expde venda nesta pro-
vincia um magnifico t primor** sortimento de s-
perior papel o mais luido possivel, desde o raii
simple e modesto at o mais rico possivel, e pro-
pro para forro e guarmeao de alas, gabinetes,
capellas e santuarios. B preciso ver para admi-
rar-se a lindeza de algumae pecas desse artificio.
A novidade e esquesiiisse dee -arabeteos, o mimo
dos desenhos, e o capricho do doirado, eneafta os
oihos e convida a compra lo. O modioo preco
por que se vende sorprende ao settbor compra-
dor, que apenas ser obligado a dor nma peque-
a commissio alM d pnotato eutto da fabrica,
donado com a importancia dos tratas ete
iralea a modicidade do prece estove tio jutjto da
lea e bem acipado de nm objecto de laxe. O
wjpwtavel pubHco convidado a certiftear-se de I
todo o expendido no escriptorio Ae Candi lo Albur- J
t Sedr da Mutta 4 e., a roa da twem da Ma-
dre de Dos n. 14.
E' dtspoado d to grande e vanado sortimento que os proprietarios do PA-
7ILHO DA AUB.fl|fcA se apresentam ao paWico declarando desde j que a sincerida-
te e o bom gosto-o movel uoico de sess negocios.
Prvidos de todo e promptos sempre a prover-e do que por verdura lhe
teja neeessario, os proprietarios deste sumptuoso estabelecimento reoommendam-*e
em receto de serem contradicto* e protesUm esforcar-se por conti&uar a merecer i
roteco^e se Ibes tem dispensado ; certos de qae do sea estabelecimento nao sahira
> freguezulesconteoe.
Contina sempre a officina de alfaiate dirigida por um dos mais habis artis-J
:m. prompto executar com prompido e bem gosto qualquer trabaiho que lhe seja
xiafiado. lina modista especialmeate Oocopada nos trabalhos do PAVILUm) Di AlP
\OKK, dirige os que me sao conceroentes, garante por seu apurado gosto epromptidSo
ia execuco e a mais completa perfeico nos seus trabalhos.
A numerosa fregoezia qne nos h(iora urna prova de qge merecemos o con-
cito que se dispensa ao nosso estabelecimento, eonceito que procuraremos firmar cada
ez mais. Para facilitar anda a concecuco do to qne nos propomos, temos no nosso
stabelecimento os ltimos figulinos de Paris, que recebemos por todos os paquetee*, os
niaes enviaremos para serem vistos as familias nossas freguezas, afim de escolherem,
Na oficina de alfaiate, junto ao estabetacigiento, ha igualmente os figurioos
t.ara homens qae por todos os vapores se recebem.
E' este o modo porque nos apresentamos pedindo a protecelo do llqsjrado
Milico e com o mais profundo respeito convidamos 4s exceUentissimas Sris. a'-vfsi*
aiwmo nosso estabelecimento; certas de encontraren "nelle pelo menor preco oowe-
mdo que podem desejar.
Maridaremos caixeiros levar as fazendas eawostrae onde foreot pediit. vi
Venda de lampeoes
passas e figos, charutos finos de diversas marcas, marmelada, bolachinhas de todas as
qualidades, perola, Francy-cracynel, a, b, c, Mdium, mixed, soda Fancy-nic-nac, pa-
lace de Varietes, combiaation, Britania, doce de goiaba fina, chouri'as, manteigas finas
franceza e ingleza, banba de Baltimor, phosphoros de Sycui7t, Cognac, cha de diver-
sas qualidades, Oanella, pimenta do reino, ervadoce, pomada, enxofre, breu, peixe
em latas de todas as qaalidades, fariwha de milho americana, granffes molhos de sebol-
las, nestes dons armazens existe tambem grande sortimento de loucas propnas para ae-
gocio, que pelos seus commodos preco faz vantagem aos compradores. -
VENDE-SE ou arrenda-se o engenno
S. Gaspar, sito na freguezia de Serinhem
comarca do Rio Formoso, prximo do em i pira j laco
SS al,8^n5!rtd? ^ ^ l Na 'ia **>it dAto Morir Pinto,
massape i roda da moenda, raattos manguei na travesa da ra do Vigario n. 3, tem para ven-
para madeira aecessaria, bom pasto, etc.: der 300 a 400 lampeos promptos, muilo econo-
a tratar na ra d'Aurora n. 28, ou na oV I m' Vr ?,ereiu Para *z 'quido, e dao exceiien-
Imperador n. 20. te luz: a elles antes .jo? se acabem, senhores en-
P1LULAS, VINHO, XAROPE Dg JURBE-
BA DE PINTO.
Superior todos os tnicos conhecidos contra a
anemia, colorse, bydropisia, obstrueco do ab-
domen. E tambem empregado nos casos de mens-
troacao difBcil ; ns eatbarros da bexiga, etc.
Ra larga do Rosario n. 10
Junto ao quartel de corpo de polic
(Outr ora ra dos Quarteis.)
Deposita effeclivo ios produtot da conpanhia dan
aguas de Vichy cono sejam :
Agua Sonree Celestina. '
Dita dito Hanterive.
Dita Chatoldon ete. etc.
Saes de Vicbv para banhos.
Pasthas de Vicby etc. etc., tudo por precos mui-
to em conta, em cu de Tisset freres, ra do Com-
MHoa-.t.
DO
GALLO VIGILANTE
Rna do Crespo o. S
Os proprietarios deste bem conhecido estabeu-
cimeiuo, alm dosjnuitos objectos'que tinhain ex-
postos a apreciaro do respeitavel publico, mait-
daram vire acanam de recebe/ pelo ultimo vapor
da Europa um completo e vanado sortimento finas e mui delicadas especialidades, as quac.-
tao resolvidos a vender, como de seu costun*.
Sor presos mui^o baratinhos e conftnodos para t-
os, com tanto que o Gallo....
Muito superiores luvas de pellica, pretas, l>r.ii-
cas e de mui lindas cores.
Mui boas e bonitas goilinhas e punhos para se-
niora, neste genero o que ha de mais modera-
Superiores pentes de tartaruga para coqof
Lindos e riqnissimos enfeites para tabeca* uas ,
Exmas. senhoras.
Superiores trancas pretas e de cores com vidri-
Ihos e sem clles; esta fazenda c que pode ba
de melhor e mais bonito.
Superiores e bonitos leqnes de madrepwoia,
marfim, sndalo e osso, sendo aqnelles brain com lindos desenhos, e estes pretos.
Muito superiores meias o de Escossia para
nhora?, as quaes sempre se venderam por 30(HO
a duzia, entretanto que nos as vendemos por 20,
aim destas, temos tambem grande sortimenti de
outras qualidades, eutre as quaes algumas muito
finas.
Boas bongalas de superior canna da Indi." e
castao de marflm com lindas e encantadoras figu-
ras do mesmo, neste genero o d\ie de meifioi
pode desejar ; alm destas temos tambem gramn
quantidade de outras quadades, como sejauj, ma-
deira, baleia, osso, borracha, etc. etc. ete.
Finos, bonitos e airosos chicotinhos de cadeia e
de outras qualidades,
Lindas e superiores ligas de seda e borr, .
para segurar as meias.
Boas meias de seda para senhora e para DM -
as de 1 a 12 annos de idade.
Navalhas cabo de marQm e tartaruga para faser
barba; sao muito boas,e de mais a mais Bit r..-.-
rantidas pelo fabricante, e nos por nossa vez .
bem asseguramus sua qualidade e delicadez...
Lindas e bellas capellas para noiva.
Superiores agulhas para machina e par::
Linha muito boa de peso, frouxa, para eotwr
labyrintho.
Bons baralhof de cartas para voltarete, a?s:m
como os tentos para o mesmo fim.
Grande e variado sortimento das tnelhores per-
fumarias e dos melhores e mais conheci'ios per-
fumistas.
COLARES DE ROER.
Elctricos magnticos contra as convn!>?'- s
faflilitam a denticao das innocentes eriancas. Se-
rnos desde muito recebedores destes prodigiosi*
collares, e continuamos a recebo-Ios por todos s
vapores, afm de que nunca f.iltem no mercaai..
eomo j tem acontecido, assim pOls podero aqnol-
les que delies precisarem, vir ao deposito do galio
vigilante, aonde sempre enconlraro destes ve;.-
deiros collares, e os quaes atteudendo-se ao im
para que sao applicados, se venderao com um mui
diminuto lucro.
Rogamos, pois, avista dosebjectos que Miamos
declarados, aos nossos freguezes e amigos a virem
comprar por precos muito razuaveis loja do gafto
vigilante, na do Crespo n. 7.______________
De superior qualidade da muiaccred'r
da fabrica de Bisquit Dubcich AC, en
cognac urna das que mais agurdente c*
cognac, fornecem para o consummo d<
Reino da Inglaterra.
Vende-se em casa de Th. Just. ra df
commercio n. 32.
0 verdadeiro oortland. S se vende r
ra da Madre de Deus n. 22, armazem t
Joo Martins de Barros.
carregados de Iluminare-, iue sao baratos.
^ez de Mara
Cnticos e hymnos devotos para o mez
de. Mara.
Um ntido volnme encaderndo de couro
1*600.
De marroquim doarado
2*300
._____. L'VRARIA FRANCEZA.
Superior vinho Bordeaox
da Cadeia do
St. Estephe A St. Julin : na ra
Recife numero 5.
Vende-se nma casa de sobrado com terraco,
leude no pavimento terreo dous grandes armazens
e eotqmoaos para familia Jebaixo do dito tern.co,
sendo a entrada por um corredor de 80 palmos
de fondo, e independente dos referidos
. armarnos;
nu6mee teem pana vender cogaae superior, e cozkiba fra. quarto para banho, cacimba, estriba-
vinhos de diversas qualiades.
Ufo podermoi specicar todo quanto temos
JmcMi
Aborto das 6 s 9 horas
na e quintal com sabida para o rio, na ra da
Ponte n. 20 da cidade de Mamugoape : a tr; tar
na mesma casa com seu propriet^rio Jos Martins
noitot
Em casa de V k C., roa da Cruz n
vaneonse folhas de torro galvanisadao. ,
sea
guinte* ai
gromo pi "
para. venderem em
3 cordeiro previdenti
Ra fio encimado n. 1^
Novo e variado sortimento. de perfumari*
as, e outros objeofos.
Am do completo sortimento depe;.u
alarias, de que efectivamente est provj
loja do Cordeiro Previdente, eiia acoi
receber um outro sortimento que
abtavel pela variedade de objectos, su
lade, qualidades e conimodidades
ios; assim, pois, o Cordel.oPrcv;
e espera continuar a merecer a a;.. .
do respeitavel publico em gerai :
boa freguezia em particular, nao se .
tanuo elle de sua bem conhieda-mansk
8 barateza. Em dita loja encontra. -'j i
tpreciadores do bom:
Agua divina de E. Cuidray.
Dita ve .ladeira de Xiorrjy.&luBan^a-
Dita do Cologne ingl :za, anericiaa, rr
ceza, torks 'ios melhorcj e rmif acreditede
fabricantes.
Dila de Dor de Iarangeirtf.
Dita dos Alpes, e vi I i toi'.et.
Ehxir odontalge. para conservadlo o
sseio da bocea.
Cosmetiques de superior q
ros agradaveis. %
Copos e latas, raa.'ores e msuorj, cc -
pomada, fina para cabello.
Frascos com dita japoneza, transpj.-cnt*-
a outras qualidades.
Finos extractos inglezes, arasriesno
frareczes em frascos simples e enfeitados.
Essencia imperial do fino e agradavel ch
rq de violeta.
Outras concentradas e de cheiros igna.
mente finas e agradaveis.
Oleo pliilocome verdadeiro.1'
Extracto d'oleo de superior quaiiJa*
com escolhidos cheiros, em frascos de difii
rentes tamanhos.
Sabonetas em berras, maiores e menor -
para maos.
Ditos transparentes, redondos e em fif ti
ras de meninos.
Ditos muito finos em caixinha para barb?
Caixinhas com bonitos sabonetes imitini'
fructas.
Ditas de madeira invernisada coaiendo I
aas perfumarias, muito proprias para pv
sentes.
Ditas de papelao igualmente bonitas, tas
bem de perfumarias finas.
Bonitos vasos de metal coloridos, e &
noldes novos e elegantes, com p de arre:
a boneca.
Opiata ingleza e francesa para dente.
Pos de camphora e outras differaat*
cualidades tambem para dentes.
Tnico oriental de Kemp.
Anda niaia eoqaes.
Um outro sortimento de coques da &- '
vos e bonitos moldes com filete de vidriM
e alguns d'elles ornados de flores e fita;
esto todos expostos i apreciadlo de qaat
as pretenda comprar.
GOLLJNHAS E PUNHOS BORDADOS.
Obras, de muito gosto e perft
FlvellM e ntaua paira eint*4.
Bellote vanado sortimento de n
tos, fica'ndo a boa escolha ao ( '
prado;
Vend
reir da Coett
ceico, em bi
jarncM fraades.
'!


Diario de Pernantbuco Quarta feka 27 Je Abril de 1870.

a 200 rs.
cabello, a
I.JCO0.
A VERDADE
Rna Ourjue de Caxiasn. 55
Na loja da VERDADE continna-se a ven-
der por baralissinios precos todos os arli-
gos de miudezas e perfumaras do sea
grande e variado sortimtnto, garautindo aos
compradores toda a sinceridade.
Liadas bonecas de cera e massa por ba-
ratissimo preco.
Espelhos durados para peadurar a
(60 rs.
Aguihas de osso para crox
Pestes finos para segurar
320 rs.
Ca aias para gaz a 320 rs.
Garrafa coin tinta a!zarina a
Dita com agua florida a4#5C0.
Dita com dita dita a 1)50. 0.
Frasco comoleo expresso de babosa, de
40 a 610 rs.
Dito com agua de Colonia de 300a 1)5000
Dito com extractos finos a 10OCO
Dito com sndalo verdadeiro a i#00.
Latas com banhi mu tu tina de 1-20 a
240 rs.
Sabonetes muito finos e diversas quali-
da.Jvo a 80, 1G0, 10 o 320 rs.
Finas eseovas para denles de320 e 509 rs.
Dhas para facto de 5uO, e 600 rs.
Ditas para cabello a SCO rs.
Peales para alisar com costa de melal a
320 rs.
Ditos ditos ditos de barato de 210 e
320.
Peales para tirar piulho de 160 e 240 rs.
Pavios para gaz, dszia a 240 e 320 rs.
Brincos de cores, toteiramente modernos
de 160 e 40 rs.
Peonas c.digraphicas muito finas a 15109.
Ditas de langa e mosinha a 800 rs.
Lindos babadinhos e entremeios de 500
e 15300.
Grosas de botas de loufa do ICO e
200 rs.
Ditos ditos para calca a 240 rs.
Caixa com pap1 aniizado a 700 rs.
Ditas com envelopos a 480 rs.
Ditas com obraias a 40 rs.
Ditas com aguihas fundo dourado a
280 rs.
Thesutira para costara a 240 rs.
Liaba de marca eaixa a 280 rs.
C2rrite3 de ranas de. Alexaodre de n. 70
a 200 a 10 rs.fj
.Gr ampos mudo finos, com passarinhos du-
ziaa 200 rs.
Cartas rancezas para jogar dazia 3-S0O0
Ditas portuguesas, duza i5-100
Papel almaco superior qualidade resma
4;>000.
Lam muito fina para bordar libra 63500
Fitas para debruio de sapato, pessa 160 rs
Ditas de hin para debrum de vestido peca
400 rs.
Canives grmdes cora molla a 400 rs.
Ditos grandes cora 2 folhas por 320 rs.
ftwwtorde sed prrtrde*400 e80r>f*.
Dita* de croxe, brancas e de torea 300 rs.
Dita do gorgurao de cores a 80*1 rs.
Ma Verdad irm Baque de
xlatv n.
Cantara e Lisboa
Soleiras, hombniiras, e espitis, o pn b?a de
melhor para frentes Ae predios: venia no ar-
mazem da travess. do Corpo Saato, da Joaqun
Lopes Machado & C.
Vende se um* carro^anle moMa par cavailu
com os pertenceates arwtoa: rota difirara ou-
mero 79.
Estampilhas.
Vendo-se na rus. da Cruz a. 8. t andar-
COGNAC
da muito acreditada marca Ruuycr Guillet &.G. de
cognac. nico deposito em Pernaiabuco, era casa
de Garlos P. de Lemoa C, ra do Vigarioan-
mero 10..
Milho e arroz de casca
Vndese milho e arroz de casca novo em sac-1
eos, no trapiche da compantiia : a tratar na roa]
da Cadeia-velha, rasa n. 1, 2 andar.
BAPfi POPUXJB
DA
FABRICA NACIONAL DA BARIA
DE
Teixeira Uldurico & C ,
Acha-se venda este ptimo rap, uniso o*
pode suppnr falta do princesa de Lisboa, por m
de mui agrada vel perfume, viajado, e a proco i
mais mdico possivel; e por isso tem sido asii'
acolhido as uracas da Babia, do Rio de Janeuo
em outras do imperio : no escriptorio de Jovraii
Jos Gonalvcs Beltrao, ra do Conimercio vm
mero 17.
BENTO MAGHADO ft C,
A A GUIA NEGRA.animada com,. o bora,aecolhimeoto que tove em seus annun-
ios, vem.novo participar a seus freguazes que, acaba de receber om variado sorti-
neuto de objectos de gosto os qcaes. sero vendidos.por presos muito razoaveis, pois
piando fez os seas primaros: aaoucios, foj o que asseguro, e sem mdo de errar,
jorque como j disse osla interesses ligada a urna casa importadoradosla praca, e
por isso poder ter ludo especial, e vender por precos admiraveis.Chama pois a atten-
a de seos ffeguezes para os, arttgos possa descrever:
Livros com o tempe, de marflm, madre- Un variado sortiments ..de charuteiras e
trela e tartaruga, proprios para missa. palliteiros de porcelana,
Garafinhas. vazias propriai para presentes Tentos para voltarete.
Tdisenmeis ie paKuht efe couro pro- B8QSallas maurtm. cousa especial.
Sabouetes de alcatrao.
Cufres de folhas para dinheiro.
Lindas caixas para costara.
Um completo sortimento de luvas de pe-
Bichas hamburgnezas
Nsle novo deposito recohe-se por todos os pa-
quetes translanco9 bichas de qualidade superior
e vendem se em caixa oa porCM mais pequea,
e mais barato do que em oatra qaalquer parte :
na ra da Cadea do Recife n. M, 1 andar.
Cigarros da imperial
fabrica de S. Joo
de Niciheroy.
nico deposito em Permmbuco caes da alfao-
dega velha o. 2, Io anda.
nos para senboras e meniaas trazer nos
irados.
Binculos d'i madreperoia, mar&n e tar-
:*ruga todos esmaltado?.
Cintos largos de setim, cousa iuteiramen-!j "'
. nova. i
Fitas de sarja, de todas as.corea e largu- Tabgorce para-bordar.
as para la?os. Um completo sortimento de eweites de
Toncas, sapatinlios metas de sad e mais seda para vestido,
jertences para baptisados. Perfumaras de todos os autores os mais
Fitas cora inscripcoes propriaa para bou- acreditados em oxtractos^ pomadas e leos
(uet de noiva, e finalmente outros muitos objectos que nao
flicos vasos com p do arroz. possivef mencionar ; mas com a vista se
Um variado soj tmente de jarro de por- certifica rao do sortimento deste estabele-
-.alana. cimento.
5;000
A ra Nova n.' 60
para senbora a 33000
quinto nao se acabam.
veridem-se botinas
o par : a ellas em
Atteneo.
Trancas de lam de caracol brsnca e de
cn-s de ':0 a 100 rs.
Fi'as para cs, pee? 480 rs.
Aldeles de laio. carta 100 rs.
Sapanhos de lam para cranla de 400
a 800 rs.
Cai^adeiras a 40 rs.
Vndese a taberna da rna imperial n. 216. bun
acre.litada, cem garapeira, ha poucos fundos :
quem pretender dirlja-sp me*ma taberna.
Nao mais cabellos brancos.
A tintura japoniza para (ingia os cabellos
da c?.bcca e da barba, fe a nica admittida
Travessa do Crpo Santo n. 25.
Os acreditados cylindros americanos para padaria, por don* dlercotes mImus.
Macbtnas para descarocar algod5o pelos melhores fabricantes de Nevrork.-
Machinas de vapor systema de locomotiva e pollas para as mesmas.
CarriBho* americanos para transportar volumes em armazens. Todo por pre-
{os razoaveis. ? r r-
TRAVESSA DO CORPO SANTO i 25
Cortes de vestidos de
blond.
Acaba de chegar i loj.i dos arcos roa do
Crespo n. 20 A. de Alvaro Augusto de -Aknaida
4 C, os mais ricos cortes de vestidos da, bknd
que tem vindo a este mercado para casrnoslos,
assim romo portes de vertidos de seda de eor de
gostos ioteiramente novos, e tambem om grande
sortimento de chapeos de velludo para seohirajj
Vende-se ou trnca-se por caas nest prac
o sitio denominado dos Uortiz, antiga casada l-
vagemde roupa, com grande easa davivenda,
senzala para pelo-, estribarla, banheiro.e pedra
e cal com agua corrente, balsa para flaaan a
Srandn terreno para plantacoe* : quem o preten-
er dirija se praca da Independencia .3.1.
Veude-fe um boi e car/o proprio para car
rpgar assucar ou gneros : a tratar no caes-do
| Ramos n. 22, com Antonio Jos Farruco, por es-
i tar para retirar-ge para Europa._________
,*m?e ?egar ,2 GRADE BAZM Vende-se urna casa terrea em cbifc* pwprio;
UNIVERSAL, ra Nova n. 22carnewo ni freguezia de S. Jos : na ra de Hnrtas 30
viA.N.NAum completo sortimento de ma-. se dir quem vende.
chinas para costura, dos autores mais co- \
mecidos, as quaes esto em expsito no jn
mesmo Bazar, garantindo-se a suaba qua-1 p_| -,rt_ J- ?
lidade, e tambem ensina-se com perfeico i Val HOVa. Ce JulSOOa
a todos os compradores. Estas machinas dcscarrepada hoje do patacho Mara ; e vende
sao iguaes no seu trabalho ao de 30 costu- Joaqun Jos Hamos, na ra da Cruz n. 8, pri-
reiras diariamente, e a sua perfeico tal {n"eiro andar-____________________.
como da melhor COStureira de Paris. Apre- I Vepde-se umaparte do engenho Purgaterio,
IHA4S PARA
COSTURA
Vecde-se a lji di funileiro da roa Direita
38 : a tratar na mesma ra n. 31.
A Q como da melhor costureira de Pns. Apre-i vende-se umaparte do engenho n
AgUia i3legra, rUa aO baOUga ll. O. Sentam-se trabamos ejecutados pelas mes-: JJ^de^S ^"^'S^
....... i --------,, -_----,. i i !* ^ ---- me fina mniln lvom arrri.Hnr in: nrtan. fc i *- .
Rosetas prelas para luto, o par 100 rs. Exposigo Universal, or ter sido reeo-
nbecida superior todas as preparaces at
hoje exis'cntes, sem alterar a sade.
Vende-se a 1*5000 cada fraseo na
da Cada u. 51.
1. andar.
TOMS E EMIUIAK
Chegou a loja de Paredes Porto, a ra da Imperatriz n. 52, (Porta Larga) um bo-
nito sorlimento de toalhas ce linho para mesa, assim como os competentes guardanapos
que se vendem a proco baixo.
PAREDES PORTO vende laasinhas a 240 o covado, fazenda de 500 rs, para aesbar
na na da imperatriz n. 52.
PAREDES PORTO vende 'algodao com pequeo toque de avaria a 35500 e 43000,
a peca ra da Imperairiz n. 52.
PAREDES PORTO vende chita preta para luto a 160 rs. o covado na roa da Im-
peratriz n. 52. Parta larga.
CHALES
Vende-se chales preto de merino a 35000 fazenda superior, na ra da Imperatriz.
PARDES PORTO vende meias para senhoras a 2.-5300 a duzia prr ter um peque-
no mofo, na ra da Imperatriz n. 52 porta larga.
PAREDES PORTO vende cortes de calca de casemira preta a 3500 e 43000.
PAREDES PORTO tem para vender panno pret superior e casemiras de cores e
prctas que vende por prcos commodos.
CHALES. GRANDE PECIIINGIIA.
Ghejou a loja da ra Imperatriz n. 52 de Paredes Porto um bonito sortimento de
i chales chinezes fazendas muito boas para senhoras trazerem em casa, est vendendo
por 5000, esto acabando-se r.a
I Loja do Leao.
mas, que muito devem agradar aos preten-
dentes.
.,OUCi
o
Grande armazem na rna da
Imperatriz n. 6
Ncste grande armazem vende-se louca mgleza
finas e ordinarias, apparelhos de porcelana para
jautar e para cha, jarros para flores os mais boci-
sito oa
vende ou-
tra parte do engenho Corte de Cima, anoexo ao
! purgatorio, que muiio convem comprar ambos: a
tratar no Remedio com o Sr. An ouio Menelio Cor-
deiro de Gnsmao.
PARA A FESTA
3 portas, loja de ferragem
53-Rua Direita53
Neste grande estabelecimento, ha para veader
um completo sortimento de ferragem, e miudezas
tos e de gostos modernos; assim como grande!finas e grossas, como sejam bandejas cbinezas
sortimento de vidros finos c ordinarios, que ludo quadradas e ovaes, facas e garfos de I 2 be-
se vender tanto a retalho como por atacado pelo i toes, balanco rnteiro e 1/2 balanco; paneas, cha-
mis barato preco que em outra pualquer parte : | Iheiras, cacarollas, frigideiras, assadeiras, tantc
ctiamainos a attencao dos freguezes, que sera\> \ de ferro como de porcelana, moinhos para caf de
convenientemente servidos tanto nos commodos diversos tamanhos do fabricante Japy, pesos kilo-
precns como na boa nnalidade das fazenda. grasimos, tanto de ferro como de iatao, metros
dedicar e? s/lile- breu' barban!e> enxofre- PaPeI mrca viv
sem molestia Yer^eiro. l''cardo> machinas para desca-
de fra, proprios para armazem
vico de campo, mocos e robustos,
na ra da Cadeia-velha, casa n. i, 1
da res.
e 2
? an' iro?ar alScao; altm de outros artigds de ferra-
gem, miudezas cutarias finas, que s com a vis-
I la se verifica; na ra direiU n. 53 leja de 3 por-
Rap Paulo Cordeiro..tas de Mapn9' !p;r ^'H fT*r"
Abatimento no preco. A bA hA
Vende-se rap Paulo Cordeiro fino, viajado,1 Chegou ao antigo deposito de Henry Porster *.
meio grosso evinagrinho : no deposito, ra do Vi- ti, ra do Imperattor, um carregamento de g
gario n. II, sobrado. Faz-se vantagem a quem de primeiraqu.ilidade; o qual se vende em partid*
comprar porcao, e troca se. o rap que nao servir e a retalho por menos preco do que em outra qual-
ao agrado do comprador. quer parte.
m.
t i ;i
60RUA DA IMPERATRIZ
N te
,,;_______^A. M^MSJffi]MMSK]ffiB fe TJ.
gnmae estaneiecunaato eaeoatrara u respeitavel publico, u u grande sortimento de fasendas, do mais apurado gosto assim como de todas as de primeira nece.-sidade que se Ibes promette vender por precos muito mais baratos do que
em ootri qaa q-wr parte, visto que os aovos socios tiesta ir^aa adoptaram o systema de s vennderem DI.'Vll^IAO : para poderera vender pelo custo, liaitando-se apenas a ganharem o descont. As pessoas que negociam em menor escalla, neia
e armazem podero tizer os seis sortimentos polos mesmos precos qc compram as casas estrangeiras.. Para maior commodidade das Esmas. familias, de todas as fazendas se dao os livros das amostras, ou se mandam
dareo escolber.
oja
Oanab-aFa snlauia Lde 12:$-000 rs. cada um. nchinclia.
C0M8felLM0.SDE LARGURA A 1:600, CASEMIIUS ESCSSEZAS.
2:000 e :.'0J RS. O Pavo tem honras cisemiras escose-
Chegarara as Bnissiraas camhraias suissas' zas com qnadros grados e miados e outras
tranpar'-Btes, sendo o que ha de mais fino lisas cora listras ao lado, sonda fazendo
pan vestidos e vende-so pelo barato preco muito lina que se vende mais barato, por
de 1060 2^000 e 2,-5500 o metro, tendo haver grande porcao.
tambem das mesma, porm inglezas com
a mesma largura (no S6 vendem a \$Ni),
e 15280o metro, seodoapenas precisos des-
ia l.irga farenda pira se fazer um vestido
i ou 4 1/2 metros, pechincha,
SAIAS BORDADAS
Vende-so um bonito sortimento de saias
bo/iiadis com 4 pannos, assim como d'tas
j promplas, de ISasinha. enesgadas cora
bonitas barras bordadas a 13a por precos
muito em conta.
PANNO PARA SAIAS A 10000, 10280 e
10iOO RS.
Vende-se bonitas fazendas proprias para
saias sendo com bordados e pregas a um
lado, dando a largura da (aseada o compri-
ment da saia e vende-so neto barato preco
de 10000, 10230 o 10300, cada metro sen-
do preciso apenas 3 ou -i 1/2 metros para
cada saia pachmcba.
Colar ahos.
Vende-se nm bonito sortimento de cpla-
ririhos tanto de linho como de algodn pro
prios para bomem, assim como tambem um
bonito sorlimento dos mesmos para meninos
e sei-ihoras e todos vendem-se por preco
muito barato.
CII\LES OE MOZAMBIQUE A 1:280 RS.
V^ode-se urna grande quantidade de cha-
les do mocambique, com patlroes escossezes,
seodo muito grandes e levesinhos pelo ba-
rat i preco de 10280, cada nm grande
pecnincha por se ter feito urna grande
compra. 4
i tnnos e easemlras preta.
O PrvSo veode grande porcao de panoos
pretos do mais baixo at o mais fino, por
preoque admira, assim como um graiide
sortimento de casemiras pretas para calcas
que se vende por preco mais barato do que
em outra qnalqner oarte.
GORGURto PRETO.
Vende-se o melhor gotajorio de seda
preta para eoWeleB e vestidos, sendo nesfe
genero melhor que tem vindo ao mercado,
mais bawtodo que em outra qualquer parte
vestaos braaeos a H|m M.
O Pavao vende floissnos coste de vee
tidos de mabum araoca, ricamente brda-
dai e com amtafaaMda pelo barato pmco
grande porfi
GANGAS D2 LINHO.
Vende-se ganga de linho cora quadrinhos
muito boa fazenda para roup.as de homens
o manaos pelo barato proco de 600 rs. o
covado.
PECHINCHA EM PANNO PRETO A 20400,
O Pa>o vende superior pannopre.o fino
para palitos, calcas colletes etc., pelo ba-
ratissimo preco de 20i<>O o covado.
CORTES DE CASEVHRA PRETA A 4:500,
O Pavo tem os superiores cortes de ca-
semiras pretas enfeita las pelo barato preco
de 43300 rs. o cort,
PEQAS DE MADAPOLAO A30500.
0 Pavo vende pessas de muito bom
madapolo, tendo 12 jardas cada urna, pelo
barato preco de 3,5300.
PSCHINCIIA EM ALGODAO A 13000 RS.
O Pavo est vendeado pegas de algodo-
sinho francez, tendo 4 palmos de largura e
com 11 metros cada peca, pelo barato pre-
de 4-5000 rs.
CAMBRAIAS BRANCAS A 43000, A PECA.
S o Pavo ven le pegas de cambraia
branca transparente, tendo mais de vara de
largura, com 10 jardas cada peca, fazenda
que sempre se vendeu a 73 e 80000, liqui-
da-se pelo barato preco de 40000.
ALPACAS BRILHANTES A 1,5000 E 800 RS.
O Pavo tem o mais bello sortimento de
alpacas lavradas, com as cores mais deli-
cadas que tem vindo ao mercado e tendo
bastante largura, vendem-so pe) barato
preco de 10000 e 800 rs. o covado.
Com palmas de seda a 1$090.
Para o Pavo ebegon pm rico sortimen-
to das mais bonitas laasinhas com palmas
de seda teado de todas as cores e padr5es,
sendo fazenda bastante larga e-icende-se a
10000 o covado.
Roupa para eseravas.
0 Pavo vende um bonito suriiaaeai de
roupas para escravos.
AS FOUPELINAS DO PAVAO A HS.
CROCHS PARA CADE1RAS E SOFA'S. I ALTAS NOVIDADES EM SEDAS
O Pavo tem ura grande sortimento dos I Chegou um grande sortimento das mais1
raaisboaitqs crochs para cadeiras, sofs j modernas poupelinas ou gorgurao de seda
mesas, almofadis etc., proprios para co-je linho, com os mais elegantes padresque'
br ir presentse vende-se mais barato do I tem vindo a este mercado: sendo miadas
que em outra qoaiqner pane. je gradas, tanto era cortes para vestidas
AigoiS cafest4do. Jcomo para vender em covados, assim como
Vende-se urna grande porcao de algodao f om bonito sortimento das mais bonitas se-
smho americano com8 palmos de largura, das listradas, que se vende tudo muiio
proprio para lences e loalhas, tendo liso e \ em conta.
Cbegaram as maie lindas potipeimas de
13a com imitago de poupelmas do'taa, urna
fazenda muito le\e, com as maitdioias eo-
ns, sendo : urde, Bismarck, Ana, azul, nhas alpacas tavradas'e Usa,
lyrio, emaento, porojaetc. etc., e yande-se basinas, merinos, etc.
pelo baratissimo prego de 500 rs.e. *o.vado. [ por preco baralo.
trangado, que se vende por preco muito em
conta.
PANNO DE LINHO.
Chegou um sortimento de pecas de pan-
no de linho do Porto, que se vendem de
700 rs. at 10000 a vara, garantindo-so
que em fazenda de linbo nao ha nada melhor
nem mais proprio para lences e toaihas.
PECHINCHA EM CHAPEOS DE SOL.
Cbegou um grande sortimento dos me-
lhores chapeos de sol de seda, inglezes
sendo neste artigo o melhor que tem vindo
ao mercado, assim como urna grande por-
Co de ditos de alpacas de todas as cores
e todos se vendem por precos muito ra-
zoaveis per haver grande porcao.
OS BALOES DO PAVAO A 20000,
Chegou om grande sortimento de bales
ou crinolinas do feitio mais moderno, muito
proprios para vestidos enesgados, que se
vende pelo baratissimo preco de 20000 rs.
cada um, grande pechincha.
CRETONES MATIZADOS PARA VESTIDOS A 640
E 800 HS,
Para o Pavo chegaram os mais bonitos
cretones oscuros matizados, proprios para
vestidos, roupo, chambres- etc. que se
vendem 800 rs. o covado. assim como o
mesma fazenda com padroes claros proprios
para vestidos e reupas de meninos a 640
rs. o covado, sendo os padroes mais mo-
dernos qua tem vindo ae mercado.
OS SETINS DKPaMO
Vende-se os mais bonitos setios de cores
e mais eocorpados, proprios para vestidos
tendo de diversas cores.
FAZENDAS PARA LUTO NA LOJA BaVVAO
Encontra o respekavel publico ne^te es-
tabelecimento nm grande sortimento de fa-
zendas pretas, como sejam cassas france-
zas e inglezas, caitas pretas de todas as
qualidades, fazendas de la de toda* que
tem viudo, proprias para loto, sendo l;
Merino de cordo.
Vende-se merino preto de cordo, pro-
prios para calcas, pjlitots e colletes, pelo
baratissima prego de 10000 o covado.
CRETONES COM 10 PALMOS DE LARGURA A
2*000 RS.
Q Pavoo tem urna nova remessa da mui-
to acreditada cretone, propria para lences
tendo 10 palmos do largura, dando na lar-
gura o comprimento do leogol e vende-se
pelo barato prego*de 20000 o metro, sendo
preciso apenas para um lencol um metro e
urna quarta ou metro e meio.
Chapeos a 10000.
Chapeos a 10000,
Chapeos a 10000.
S o Pavo vende bonitos chapeos de
toi'^s as cores pira homens e neninos com
a forma mais moderna que ltimamente
tem chegado, pelo barato prf co de 10OQO,
cada um, por terem chegado com um pe-
quero loque de avaria, grande pechincha.
rEt'lIlYCIIA
EM CAMISAS DO PAVO A 40300 RS.
Vende-se um bonito sortimento de muito
Boas emodernas camisas inglezas com pe-
lo e coliariahos de linho e puahos, pelo
baratissimo preco de 40300 rs. cada urna
e aos freguezes que compraren dozias se
Ibe far um abatimento. garantindo-se quejP6?3 de 0Dra a vonta#d3 do freguez, para o
fazenda que vale muito mais dinheiro, 1.a0 len imperito alfaiate, responsabelisan-
Jiquida-se por este preco por se ter feito
Crosdenaples.
Sedas pretas lavradas.
Fazendas pretas de la.
Para o Pavo chegou um grande sorti-
mento de gros^enapes pretos de pura seda
que so vendem de 10500 rs. o covado at
50 e G0OOO ; sedas prctas lavradas de de-
ferentes pregos e qualidades, lisinhas pre-
tas, aipacas bombasinas, canloes etc. etc.
assim como um grande sortimento de pan-
nos pretos finos e casemiras pretas de todos
os precos e qualidades que se vende muito
mais barato do que em outra qaalquer
parte.
NOVAS POUPELINAS A 400 RS, 0 COVADO
O Pavo vende um grande sortimento
das mais bonitas poupelinas'com listrinhas
de todas as cores e com lastre i imitaco
de seda, facilitando esta bonita fazenda a
fazer-se ura bom vertida de muita fantasa
por pouco dinheiro, isto por ter-se feito
urna grande compra e vende-se a 400 rs.
o covado.
ROUPAS PARA HOMENS PARA
OS PRECOS.
N'este grande estabelicimento encontrar
o respeilavel publico wq grande sortimento
de roupas, sendo palitos e sobrecasacos de
panno preto e cazenfjra, caigas e coletes de
brim branco e de cores, que indo se vende
mais barato do que em outra qualqoer parte;
assim como um grande sorlimento de ca-
rnizas francezas e inglezas, e ceroulas tanto
de linho como de algodo e abundante sor-
timento de meias croas.
Roupa por medida.
Na loja do Pavo manda-se fazer qualquer
ama grande compra: assim como se vende
um bonito sortimento de ditas tambem rom
peito da linho bordadas e ditas de algodao
para todos os precos.
BRAMANTE PARA LENCES A tyQOQ, OM 10
PALMOS DE LARGURA.
Pa.vao vende superior bramante de al-
io-fendo 10 palmos de largura, cuja lar-
,/bom Tiendojweiso nara cada om, sendo cama de
qoe todo se veqdaJaolt U/3mmu casal i 1/2 metra,
do-se os donos do estabelicimento por qual-
quer falta que possa haver, quer por de-
mora, quer por qualquer defeito na obra;
e para isto encontra o respeitavel publico
um grande sortimento de todas as fazendas
que desejar.
BRAMANTE A 1800.
Vende-se superior rbramante com 10 pal-
mos de largera, proprio para lences,,dan-
do a largura^d'esta ba fezenda o compri-
mento a\lencol, sendo precian para ca#
-----------i e / meteos ou i el'i'pe-.
A leja do FavSo esta coeatentemente .rt borne da man
levar emsuas casas, para melbor po-
ALPACAS LAVRADAS A 640, 800
1,000 RES.
Chegou para este grande estabelicimento
o mais bonito sorlimento das mais moder-
nas alpacas lavradas de todas as cores, qo*
se vendem a 10, 800 e 640 reis o covado.
assim como um grande sortimento de alpa-
cas lizas d.j todas as cores
CELEZIAS E BRETANHAS.
Vendem-se as mais finas celeras de
liuho puro ou pessas com 28 metros, assha
como, Ilnissimas bretanhas de linho coa
25 varas, por pregos que azera admirar
em relacgo qualidade.
Basquinas.
' Chegaro as mais modernas
ou jaquetinhas de seda preta,
enfeitadas a vidrilbo, tranca sean preto
tendo de todos os modellos, os maia novo
que tem chegado e vendem-se por preco
muito razoaveis.
ORGANDY COM SALPICO.
Chegaram os mais ricos orgaadvs le ce
res com salpicos o mais benito que lea
viudo para vestido, que se vende a IJ38u.
o metro, ditos brancos muito frece cea
listras largas a 10000.
Cambraias brancas
Vende-se um grande sortimento aaaaa-
lhores cambraias tanto victorias
prenles tendo de 30500 i peca at a
fina que vem ao mercado.
* ESPART1LHOS A
Vende-se um bonito sortimento
Ihores e mais modernos capa
do barato preco de 50000 ate 8000.
CHITAS FINAS DE 310 A
Vende-se o mais elegante
mais modernas e bonitas
das como gradas, coa
curas, dando-se de todas
FUSTES BRAMOS A 40, i
Vende-ae muito bonito*
maitoflexivel propries pan
senboras e roup* pare mm
a 640, 80 e 1**00 re. o ovadev


Diario de Pernambuco Quarla feia 27 de Abril de 1870.
mmmmmmmmm mwmmmwwmwm
~-~~......."' """""I.....F'l |il|l lll Vf
>
A commissiw central esta sociedade convida lodos os acuciados para
. reonirem-se no salio do Club Pecnambacano no da 7 do corrunte a* 0 boras
da tarda para tratar-se de negocio mportaotissimo.
A commissao considera como associadus da Socsdade'Pdtriotica Dose de
Sotembro a todos aquell.es que tomaram parte nos festejos eme piomoveu e rea-
lisou.
A uniao publica e roga-se a todos aquellos que quiserem concorrer para
realismo do mais nob; a ^importante fim desta associacaoo obsequio de compa-
recer a esta reuniao.
Secretaria da Sociedade Patritica Dose de Setembro 25 de^bril de 187*
A. Lamente,
Io secretario.
oecreai
Wmtii
i ja a> a
fa. --g B
9 O ? o 3- <
3a 5? 3 Sa O
- |2 = _
1 S.T3
|S*S 5' "3
s o o sr -. a
cu w> ^_
3 ja STo 3
O 2. 5? o
X O 5 6 5"
o-? SSS-5S.
o n 2
= 3 5
? =
M
a O
S S
o a
ai
sass
S BM O.T3 -,
w a _
:>3 > 2 g g
2. a ~ _. 2
SO.. a
->< = o.
*n v ai d B
No armazem da travessa d Santo n. ;j, i,a Slirnpre am completo
ortimanto do objectos para carros, e que se nendampor presos omito rasoaveis, como
iejam:
Vaquetas de lustros, grandes*maito boas.
Solas nlem dito.
Oleado jirel o e de cores. '
Colleiras de lustro o que ha di- melbor.
Guarnicoes de tino lati pai a a; reos, completos.
Lanternas e vellas para as inosmjs
Eixos patentes para sebo.
Joaquim lapes Machado & C.
ublicapSo
A
las. perrtes, bolCes para punbos o cadeias
para relogios.
A NOVA ESPERANCA, querendo satisfa-
zer sua Tregoezia, naosmente em objecio?
a alegra ou de luxo, quer lambem arom-
i do
GEAHDE HOVIDADE
N. 3 A BL'A DA CAHiGA HL
mmk mus
si.
o*
o
O
es
o-
te
A ra do Duque de Caxias n 21
CANTIGA RA DO QUEIMADO)
Nao foi sem fundamento que a NOVA pJH>har aqoeUes ?inl2nMo .
ESPERANCA tem deixado de fazer os seus algoem d?sua fafflk ou S/ lt
annonoos. a raz3o simples, ella entnde amJWde, precisara el es obiectosassmi
que todo em demasa aborrece... por isso pois a NOVA ESPEBAN?\ m ndo ir o
como ja traba d.to e scientiticado sua boa Ique l,a de melhor Sste genera, no
fregu oque constantemente^ receben-1 sendo taes obieclos de cor nSra sen lo
do, ou .vesse feito muitas vezes. receiou de m qualidade 3o soraente^ orn ral"
tomar-se inassante, assim pois recolbeu-se tristes como al repinantes o uue n
ira poeco ao s.lenc.c), mas nunca deixando acontesce aos KTv ESPERANCA m
d e pregar os verdaderos esforCos, j con- que apenas exprime, o senmento Sla S
tratando marar numero de correspondeotes porem como w^mJSXiX
na Europa, ja descobr.ndo ..bjectos do mais e perfeico com q..e laes ob ctos slftra"
purado gosto e finalmente assignando o balbados. Q J
Jornal das Familias, o qual vem sqmpre
ornado com igurinos, modernos moldes para
vestidos etc. etc. para desta forma melhor
servir a sua constante freguezia ; e com es-
pecialidade ao bollo sexo, quem a NOVA
ESPERANCA ufana-se em pfferecer-lhe
seus servicos, apressando-se desde ja em
declarar que tem recebido ltimamente
enir- meios e babanos bordados transparen-
tes e tapados, cbaposinlios'do setim para
baptisados.
Finas toncas de cambraia bordada para
0 mesmo fim.
1 Meias de seda e fio de escocia para crian-
Cas.
Dcdaes d'osso, inarfim, ac e madrepe-
rola.
ptimas navalhas, afiadores e massa para
as mesmas.
Finas esponjas para o rosto e para ba-
ndos.
Bonitos sapatinbos com biqueira, sendo
com sal, para meninos e meninas dedois
a dnze annos.
Boas lentes com cinco meimetros, para
coniar-se os lios de qualquer fazenda.
Tesouras para frisar vestidos.
Carretas para tirar iroldes de vestidos.
Mullas para spgurar costuras.
Bonitas tinteiros de novos moldes,
Meias de I ja para homens e seBboras.
Finas e bonitas ligas para meias.
Fil de linbo e de seda, sendo preto e
branco, liso e de salpicos, e oulros muitos
objectos expostos a venda ra Duque
de Caxias n. 21, na NOVA ESPERANCA.
jurdica,
Gomwentario do Cdigo Comtnercial Portu
r/nez e Drasileiro.
Vende-se a loja da ra do Crespo n.
25 A esquina da do Queimado, a impor-
tante f moderna obra sob o titulo de an
notar.oes ao cdigo do commercio portugue2
em (V yolumes pelo Exea. Sr. conselheirc
Dr. Diogo Pereira Forjaz de Sampaio P
meniel, lente cathedratico na aniversidadf
de Coimbri. Os j;subidos crditos de qut
goza muito .merecidamente aquelle eximii
commercialista por si s bastara para re
commendar tao importante obra, quamk
nao concorresse mais para isso a grandt
vantagem ao codi|o commercial brasileiro (na falt,
absoluta que ba de quaquer outro) pela mo-
xima homog^neidade de entre muitas das
suas disposicoes, e as do mencionado cdi-
go portugez, que lbe servio de texto.
t-orrei pressurosos, distincta moridade
do 4. anno da Faculdade de Direito desta
cidade e notareis jurisconsultos, a provee
vos desse poderoso auxiliar para vosso
trabadlos da sciencia, e pelo preco commodn
de 20. toda a obra em 6 vol."
Farinha non
de mandiocaullfrismwiie ehwada. tcbJc :aal
<1u do brijrae wrnr.a Mentor landdo mtr* a
dn Ramo eirajikbe Bario4o I iiiwii ,|
lar com o capita a burdo e com
rte Aranj i, do armazem do Iones
fdiidepa.
B'inc s e. allineies d ua|M-l, cbn _
i-i;i pela primeira vez nwta ciiad, tthftmvr
| rorinan vena>-e a I#.i00 a aea : na
Ayma Negra, roa do Caboit A
Vendn-e lima mnl-ra pre* rtmnOS
nnos, iiropria (tara casa de f milia : m "
(jnco P.inu. n. 8:.
-- Vender urna r- uIm-tn baa ubi
rnm muiros cumnrdn?, sita roa das Lara-
gfira o. 16 : a i alar na roa <1a^ Croa a. A
ESGRAVOS FGIDOS.
a
co
>-
Com este titulo acha-se aberto e inteiramente transformado este antigo
estabelecimeoto de joias, onde os freguezes e amigos encontraro tudo qnanto
a jnoda e o bom gosto tem inventado na arte de ourivesaria, o Collar de Uuro
observar delicadeza no trato o senciridade e modecidade nos precos.
Espera quo o respeilavel publico venha ver o que existe de raelbor em
aderacos de brilbantes, esmeraldas, robins e pendas, meios aderecos, pul-
eeiras, brincos, alfinetes e anneis de todas as qualidades, prata de ei faquei-
ros, colheres, paliteiros salvas e outros muitos objectos que seria enladonho
mencionar.
Corapra-se ouro, prata, brilhantes e pedras finas, pormaior preco do
que em outra qualquer parte, treca-se e concerta-se todo e qualquer objecto
pertencente a esta arte.
MfJITA PERFUMARA.
A NOVA ESPERANZA, a ra Duque de
'"axias n-. 21, acaba de receber muita per
fumaria dos melhores e mais afamados fa
aricantes, como sejam finos extractos para o
lenco, essencias concentradas de muitas qua
lidades, olhos de agradaveis cheiros para os
abellos, e bonitos vasos com boa banba, lin-
dissimos vasos com pos de arroz, sabonetes
de-diflerentes qualidades et-., etc., assim
pois os apreciadores do bom, venhamsj-ts-
fazer suas paixoes na NOVA ESPERANCE
PARA ALVEJAR E CONSERVAR OS DENTES.
P de carvo de rosas : vendem-se ra
Duque de Caxias n. 21 na NOVA ESPE-
RANCA.
Para acabar com as sardas ou pannos
receben a NOVA ESPERANZA, ra Du-
quo de Caxias a, 21, o verdadeiro leite de
osas brancas.
abo d'aleatrfio.
V>nde-se na rna Duque de Caxias n. 21.
PARA LUTO.
Brincos, broclies, voltas, pebeiras, fivel-
BRACO DE OURO,
Ra do Imperador n. 26
Osdonos desle estabelecimeoto desojan-
do por em pratica oesta capital os costu-
mes das conletarias das priraeiras cap taes
da Europa e Brasil (Rio de Janeiro) fazem
sciente ao Ilustrado publico desta capital-
que Da prxima semana sania terSo este
estabelecimento primorosamente decorado
e enfeitado com um completo e variado
jortimento de caixinhas de di.Terentes qua-
lidades e gosto, um eiiaapwt so timento
.de amen Joas confeitadas do todas as quali-
dades, co.'ifeit e pastilhas as qua s ser-
*em para endiimento da< mesmas caixinhas
advertindoao Ilustrado publico que na eida
'Jes, cima meaonadas ean inteiramente
fim azo brindar senhoras com este delirado
preseotf o vendo nos que at a poca pre
sent anda oo boovo a!uem que ti vesse
a lembranca de proporcionar aos amantes
do bello sexo nesta cidade o ensejo de dar
snas demonsaces de estima, gralido e
amisade cora ura bello presente, nos urna
m- s a nosso cargo tao ardua tarefa atten-
dendo as duvkjas do b m ou mo resulta-
do, que pdennos colher.
O publico encontrar ludo mais que re
latavajp 3ntigo annoncio teste Diario, as
Exmas. familias na occasio de visitar os
temples pnoVo vir foital'ecer-se com bons
lanebes, vinbos, licores, Champagne, serve-
ja e refrescos tudo.do meloor que possi-
vel. Esperamo pois da concurrencia do
respeilavel publico em geral.
Rna do Queimado n. 31
Excoilentes chapeos da rastor, o
brancas e pretos, pelo baratisfico O
preco de lOOOO. >^
Loja Je Antonio de Moura Roiim
-C. ^^
t
Ana do Queimado n. 31
abliinc |iubiica?o iteraTa
sob o titulo de liemos i, do
loiu .Itsus do Monte, em
Braga.
Acha-ne venda na loja da ra do Cres-
po n. 25 A, esquina da do Queimado a pri-
morosa Memoria do Bom Jess do Monte en,
Braga, ornada de gravuras finas, segundi
edic5o, abra da penna de ouro domui Ilus-
trado lente da universidade de Coimbra, c
Exm. Sr. conselheiro Dr. Diogo Pereir
Forjaz de Sampaio Pimentel. Quem tive
noticia da extraordinaria devogo que exis
te em Portugal para com aquella milagro-
sissima magem, aflluindo -enipre para r
seu magestoso templo em romana o nume
roso povo de todas as panes desse reino
quem souber avaliar as brilhantes descrip-
coes, e o bello estudo daquelle consumma
do jurisconsulto e eximo Iliterario portugus
nao Amura* de procurar, quanto artes pro
ver-se de ura exemplar da dita memoria
pelo diminuto prego de 3-5, na loja indica
da, onde ha pequeo numero dellas.
Na mesraa loja cima ha ontras estampa,
muito perfeitas e grandes do dito fiMam
Bom Jess de Braga, por prego comraodo
Fafn d.. prt-Mrtio lloa-tiita. na raniaragibe e | rnvincia da Alac&t* o nenm
Nicolao, idade 34 anno*. altnra riS.-.r, ai*a> >
orpn. andar bantrirn, tem fa r: V depaaaa
rroof*. rn-in largo, barbado, nluna a- rara b-
>er b'da a barba, e lem orna nratriz na tMa,
'i* pn prosos ; eMe esrra o anda lupn *>le t
dia Hi de Janeiro do torrente asno : roca--* par
taot' as aninridadM nnhtiaeK c >h -ijtiii V
c.'iinpi),-. |in.-r" m-
i' :iIm cima nunrunado, ou nr->ia nrra a rao
d.. Vigariii o. J2. ou travwa .lo O'rpo "
25. primeiro andar, qne 5e/gr.itifirara
mente.
CUBA RPIDA E 1NFAL1VEL DOS CALOS
pelA
POMADA GALOPEAU.
De|ioito especial
Pharmncv de BarthoJ>rneu r C.
_______3iRa larga do Rosario34.
Bartholomeu & C.
o
o
o
Vende-se
urna vaeca do leite e urna novilha : na estrada
dos Aflctos n. 17.
VlNHO, PlLULAS, XaROPE E TlNTURA
de .unudeba simples e ferruginoso;
Oleo, Pomadas- Emplastro da mesma
plaa preparados por
8ARTH0L0ME0 & CA
Pe arma ce uticos-Droguistas
II\HBI(<)
A Jurabeb : asa plaou hoje recuabeeid
culo o mais poderoso tnico, como o malhor
desobs:.-uanu:, c como tal ap|ihcada uos padecimenloi
do !igJo e ba^o, bvpatiiei, duresas, lualores inter-
nos e eipecialuieute do ero. bfdropesias, errai-
pellas, etc.; e associada ao ferro e mil cas pailita
cores, chloroses e falu de menstruacao, deaarrao-
joi do estomago, etc., o que disemos atlestio
DDOmeras curas importaates obtid^s oom qjssoi
Sreparidot j bem conkecidoa e osados pelos auit
istinelos mdicos do pan o Portugal. ta todo* o
oosso depsitos distribuimos gratis folbetos qoe
aielbor ftsem ceshecer a Jurubeba eos resiludo*
e ajpcaeio.
Pnsio do eng.-nh- Cantai: n fmwali
de Seniihiem fteTHwmtt* a Gamr 'M
Wanderley os escravo -i-'iiini- : Sa*oi
lo baixo. groi-n, n.iriz rhaio, >',. ser .la lUx-ta
ir sido comprad prt|onk>. i.w Caa*raaa de iv
de triiiia e lantn anaoa, ars -ha! -. trafeM atr*-
biladas, eslniura k.ixa, rr feixaic, r->ora Ivra*
e esta na p ,nla do queixo, F.iipne mulato de ida-
de de tC amos pnnro mU n n^i*, laixr., tro-
o, sem drfeilo algum. lew bi\. s mi p' it^in **
rm pooi-o apparec; rx-r iaro r"\- a airwrt-
dades pociaes e capilae de .an.p. a ra^on do
mesmos e lvalos no mesmo engenbo ou so raa
da atoada n. :. f andar wnriaeatfca m* M^anel A-
ves Ferreira A i., qne ser.'io pr.nili-a.lfK.
Fugio do eiiyenho Minh> r>>, da r.^i.arr a
Sanio Anto, no da 20 de jnnho do ann^ panMk
o f seravo de nome Francolino, repr.'. ota ex 3Z
anuos de idade, com os gignaes z-.r.u* cor
preta, banco, rorpo refcrradn, rara brr. rusta mi
barbado, olhos pequeos, n.irii: moito rfi aa, lac-
ra regular, denles rurtos e lunado-, mnn.> iriaaa
ta e andar apress.ido ; consta andar \*l>* nhaar-
bios da cidade de Olinda, enpenho Frgil, fj-'
c, Beberibe nn Apipacos, amolado p.,r "
Jos de Ssrt'Anna. seu irniao libcrt'. i ^
em sua cimpanhia urna cal. rlh e filh. |
ma, e por ouir<> ir mo de nome Jos Mfaia, ~om
o rnndoztra t>ara os lugares cima inriaViaai,
alem de um nutro so;io de onme J'^ Limsrat-
'la Silva, conheeido pnr Jos Pajo. pr u-t *ado
daquella comarca, lafana > aDb.rir:adrt e ea-
pitaes de campo que. o appreheodam r o Ipvno a.
ra do Rangel n. 17, ou no apante .Minlwas a
eniregar a seu esbur JMTeia d> 0m%
Monteiro. que seo generosamente gratiSca**.
FUGA
Fngio da casa da na de Santi A atare,
n 2, no dia 3" de marr do enmw arm
o preto crioulo de nome Joao id.de >) 3<
arm s poueo mais ou en?, cornos si
seguintes: baixo. clieio do rurp--, t>.
barba, rosto cura marca de I.; sigas, m
dedo de menos na mo dir. ila. o rjnal fct
escivvo do Sr. Anlcnio tJcaj Mor ira
Teiripir.l. e julga se as-i>lu nun-a da#
quatro fregoraia da cidatle. Ipaj pn
a autoridades ama etentes a p-i tn-ubresa
obsequio de appn benderetn e Irva-aa i ra
do Ciepo n. i que generosamente se o m-
censarA.
. Pogio do pngeiilHi Uri.meiar... cenan da
Esrada, no alia SO do rom-ole, o e crav. > r ao
me Antonio, co^i os aigaaea sesninies : enr raJai.
alto, as peroas um punco arqueadas, la ka V aso
ente na frente do lado de ckm, e h-aa Masa aa
juntas dos |n- um i'..u,-.-, mais gro-*a aWawm
ira, representa ler 20 e lantos annrai, gneis V as-
dar limpo, e nrn p ueo c>nversad"r. aiadb n
lem barba, mal se iivolg.i algons rabean' na p*a>
ta do quei\' : pede-se a* anioridades uHka
capn-es de campo a captora d>. inen.av l
ao memo engeolio no do l'.eci.V na raa da i
n. .'i, 2 andar, e rriptorio de Mar..n-| aik
reir & C, qoe serio bem r.-compei
-
Fugi > iso dia II de marro do r*L
o escravo Francisco, cabra, de idade
com os signaos seguintes. : cabellos .
rosto descarnado e eem marras de beii
ma se ser hvre, leve u rakaa branvaei. paflai aV
alpaca de cor e chapeo do Otile, nanal aV
P..rahyba, e foi comprad ao Sr Delator*
Vlaia, morador na Parahyba r jni>a- e a
para o mesmo lugar : de-de j prutenta-aa i
a_ pessoa que o ti ver ocultado, linca-ve ana
taes de campo, assim como as and i__
ciaes qoe o iragam na Direita a. IC i
generosamente gratificado?.
2.
GERAL
144.
a
DOS PREMIOS DA at, P.lhiE M 1,011^ CONCEDIDA POB LE PROVINaAL N. 745, A BENEFICIO DA IGREJA DA CASA FORTE, EXTB1HIDA
EM 26 DE ABRIL DE 1870.
CS. PP.EMS. >S. PHE3IS. SN. PREMS. XS. PREMS.
1 * IS2 61 306 6*V 508 J
3 56 13 11
% _ 57 19 H>* 18
7 59 24 6* 20
M 1 25 _ 29 _
It 6o 36 32
3 f- 66 * 40 mmt 33
66 104 43 3> J
69 6* 44 --- 39 ^_
X 74 45 --- 40
30 82 53 --- 41
' 88 _l 57 _J 44 J
33 89 1 58 m 46 ---
t7 9t _J 59 u 48
39 _ -J 69 51 _
41 _j 95 - 5 62 _-
* iH 96 ~a 78 i 67 ---
4t # VI -A 80 _ 70
58 * -99 m 83 , 77 ---
w 1 4 206 25 4A t 88 89 -95 1 79 82 84
* 6# 39 03 i 94 .
a* 46 1,6 95 _^
w 10* 49 26 i 96 ,
.96 6i 50 ' 27 _ 98 _
m _I 54 _J 31 603
m _l 55 _[ 40 ^_ 4
96 : 57 . 44 m 5
* 59 54 6> 8 .
m . 60 -i 59 - 9 _
i 4 .63 -4 00 ^ . 10 _
4 ti J 68 i H _
7 68 _j 70 15 aia]
14 _l 69 J 78 mm\ 21 , -'
fi ~T 77 80 -r 23 _
T 1 i 84 _1 34 i'
* -* * -i 8 t-
n V * mi 89 34" _*
u # n . * l 003 - 54 20*
m l * J - 58 <*
m -4 ; ..A i! $ ""i -3
?S. PRBMS. NS. F'REMS. NS. PP.EMS.lNS. PP.EMS. NS. PREMS. NS.
662
70
71
73
77
83
93
95
9G
703
4
a
12
18
19
27 .
29
31
^33 -
38
42
44
46
55
7
61
69
72
73
77
82
88
80
93
95
96
97
"
610
3
8
i .8
II
PREMS. INS. PREMS. NS. PREMS. NS. PREMS. NS. PREMS. \S. PREMS. NS. PREMS. NS.
6*
40*
0<
:
2168
70
72
73
74
75
76
79
81
84
86
87
89
91
96
n
6
40*
6*
m
a*
_| 99
-1M08
10
t
15
16
U
26
29
31
49
66
-.6.
70
d 93
-75
77
84
5
87
90
n
91
-2302 -
2304
11
14
18
27
34
40
43
48
51
55
58
59
64
65
69
71
73
75
79
85
92
2402
5
9
44
17
18
23
32
nU
m
64
-4 0
48
0
8
60
;'
!' 71
73
6| 2477
89
92
91
96
150-5
24
27
29
38
39
40
44
49
52
53
60
65
,79
84
95
96
-S4M7
8
16
23
25
30
34
i3f
40
42
46
50
56
59
64
I
9
743
74
i
8f
6*
iA
*

20f
2686
90
96
98
99
2708
9
10
16
19
22
26
42
43
52
58
63
75
79
82
86
87
88
91
95
2800
2
4
10
19
32
34
39
43
61
"ti

03.
.74
71
84
M
et
6*
2890
91
95
1902
6
10
11
12
14
20
35
42
44
49
52
65
69
73
79
80 o:0004
cH
75
1004
64
104
64
64
87
89
95
3000
4
13
18
19
20
31
22
32
38
42
43

57
60 -,
403
64
-
30.7
80
81
84
86
89
98
3100
8
14
16
17 .
19
21
23
28
31
35
36
39
41
47
51
55
64
69
72
74
75
90
92
93
95
3303

7

31
43
i*.
I
3
37
64
3257
58
59
63
6o
67
72
80
82
85
87
92
97
99
3304
12
16
17
13
17
31
37
41
45
0
56
83
37
73
aaV
m
83
PREMS.
64
- 33
-4 3
4 -
104
NS. PREMS.
3.37 4
42
44
51
m
3*
59
61
aaa
71
74 29*
78 3*
93 29*
.
9
19
13
16
39
3
42 -
II -
a*
91
98
i
ii iai i


8
Diario de Pefnambuco Quarta
eira 27
de Abril de 1870.
r
VAWEDAE
Praeeaae
(Continuaco
de Pedro Be apar te
da audiencia do dia 21 de
marco).
O procarador gefol diz que das diligen-
cias feitas 'e da instrueco se colliem os se-
grales factos:
No dia 10 de Janeiro ultimo por volta d.e
! i/2 hora da larde, os Srs. han Salmn,
chamado Vctor Noir, e Ulrico de Fouvielle,
redactores da Marselheza, dirigiam-se pira
Auteuil, a casa do principe Pedro BonaparteJ
lam incumbidos de Ihe entregar, em nnmeJ
do Sr. Pasqnal Groussat, um cartel do des-
afio, motivado por urna carta do principe
inserta no peridico. O Porvir da Cor-
ita. O Sr. Pasqoal Grousset julgava-se
otl'endido n'aquella carta, apezar de qao ser
alfi nnmeado, e pedia salisfaefio por meio
das armas. compnhou os seus dois pa-
rinbos at Auteuil.
0 principe Pedro tambem na vespera, 9
de Janeiro, dirgN urna provocaco ao Sr.
Itocbefort, director da Marselheza, por causa
de um artigo assignado Lavigne, e onde
elle era insultado.
Em quanto o Sr. Pasqual Grousset espe
ravj na ra com outras pessoas, quera
segundo, diz, encontrara no caminho e le-
ara em sua companhia, os Srs. Noir e
Fouvielle foram admittidos r/resenga do
principe.
Instantes depois, o Sr. Noir sabio cam-
1 Jieando, e f. i cair no passeio, e em se-
guida precpitou-se o Sr. Foavielle tora da
casa, sem nada- na cabeca, erapunbando ua
meo direita um rewolver de seis tiros, e
gritando contra o assassino!
O Sr. Noir foi immedialamente levado
para urna pbarmacia vizinba, onde exhalou
c ultimo suspiro, sem ha ver pronuncia lo
una s palavra. Recebera um tiro na re-
' giau do corago, que determinou urna he-
niorrhagia quasi instantnea.
O paletot do Sr. Fouvielle tinba tambem
0 buraco de urna baila.
Que succedera na casa do principe? Quaes
foram as circumstancias da scena que lo
(iolorosamente concluir ?
Temos duas veranes opposlas : a do Sr.
Fouvielle e a do principe.
Eis a primeira, tal qual a formulou o Sr.
Fouvielle na instrueco :
Fui encarregido, e mais o meu col-
i Victor Noir. por Pasqual Grousset, jor-
ialista, do-so commura amigo, de fazer
presente ao principe Pedro Bonaparle que
aramos incumbidos de lhe pedir una sa-
t:sfago por meio das armas, pois Grousset
se julgava grosseiramente insultado por
elle.
Esta manliSa, estavamos reunidos, Noir,
Grousset e eu, na redaego da Marselheza.
Noir tinba porta um trem de praga, cujo
:4umero me nao lembra. Por volta de urna
1 ra fomos directamente a Auteuil. Tam-
bem nao me lerabro do caminho que leva-
vamos ; parece-me todava, que passamos
ao longo do Sena e por diante do Troca*
dero.
Pouco tempo antes de chegar a Autenii,
luid sitio que nao posso indicar ao certo,
Noir chamou Santn, que subi para o
nosso trem.
Ao chegar diante da casa do principe,
peamo-nos os quatro, esperando-nos o
trem. Grosset e Santn Qcaram a passeiar
uefronte da casa ; Noir e eu entramos ; fal-
lamos a dois criados, perguntando se o prin-
cipe eslava em casa ; responderam-nos que
sim' depois de nos perguntarem os nomes:
entregamos os bilhetes de visita. Instantes
depois mandaram-nos entrar para urna casa,
no primeiro andar, que segundo creo, |
in grande salo. Sentmo-nos, esperando.
I'oucos momentos depoisuns seis minutos
sabia o principe do quarto pegado ; ves-
ta calca larga e fato de casa.
Senhor, disse-lhe eu, o meu amigo
Vctor Noir e eu vimos da parte do Sr.
pial Grousset cumprir um encargo que
e-ta caria lhe explicar. Ao mesmo tempo
entregui-Ihe a carta, que me apresentaes e
que eu consinto em asfignar ne cartelur,
O principe toraou a carta e respondeu-
me :
Ento nao vem da parte do Sr. Ro-
ciiefort ? Nao sois dos seus maridas ?
Dignai-vos de 1er essa carta, senhor, e
\ reis que se nao trata do Sr. Rocbefort.
Pegn na carta, appruximou se de urna
janella e leu :
Provojuei o Sr. Rochefort, disse elle,
porque o Sr. Rochefort a bandera da
crpula. Emquanto ao Sr. Grousset nada
tenho que responder. Sois solidarios d'es-
ses miseros ?
Senhor, respond eu. nos vimos leal
e cortezmente pedir-vos urna resposta.
Sois solidarios d'essa gentalha ? inter-
rompeu elle.
E Victor Noir respondeu :
Somos solidarios dos nossos amigos.
O principo deu uma^ bofetada em Victor
Noir, recuou um ou dous passos, tirou
bruscamente um rewolver da algibeira,
onde se conservara com a mo mettida, e
fez fugo sobre Noir.
Este ultimo levou as mos ao pcito, e
shio pela porta por onde haviamos en-
trado.
O principe apontou em seguida para
rira, e fez fogo segunda vez, em quanto en
tratava de tirar o meu rewolver, qae estava
- -m estojo, na algbeira do palett.
O princioe callocou-se diante da porta
apontando-me, e descarregou pela terceira
vez a arma, e sabi gritando contra o ossas-
o.iio Atravessei algumas casas, desda
escada por onde haviamos sabido e encon-
tr! Noir na ra j moribundo
A relago do principe difiere essencial-
mente da do Sr. Fouvielle. Eis aqu as
suas declaraces :
< Escrevi a Rochefoat ama carta qae os
peridicos ho de publicar esta tarde. Pro-
punha-me o bater-me com elle em duello.
Koje, por.volta das duas e meia, estava^m
miaba casa. Acabava de me levantar, de-
pois do medico me haver visitado, qae ha
das me assiste, por cansa de orna forte
grippe. Veio urna criada dizer-me qae me
tiesejavam fallar doos sugeitos. Entregou-
me os seas bilhetes de* visita. Guidei qae
essas pessoas vinham da parte de Rochefort
e disse qae entrassem, sem 1er os nomes,
que contioham os bilhetes.
Fi-los esperar apenas um minuto. Quan-
do entrei no salo, encontrei-me diante de
doos individuos, qne tinbam as mos as
aigibeiras e se apresentavam de maneira
provocante. Parecerse qne tinham postos
es coapos sobre cadeiras.
Nao conhecia aqaelles sugeitos nanea os
tinba visto.
Disseranrime' ai raesmo tempo : somos
porJfcres d'tsta carta: e um aellas, crio
que*o mais baixo, estendea-me a carta qu^
me apresentaes, e que est assignada por
Pasqual Grousset. x
Olhei superficialmente para a cartr. Vi
a assigoatura e disse : Com Rochefort, gos-
tosamente ; com um dos seus mariolas, nao!
O mais alto disse-rae entao imperiosamente:
Le pois carta !
Eu repliqnei : J a li toda. Sois soli-
darios d'ell ? A estas palavras, o mais
alto, Noir, den me vivamente na face es-
querda um murro.
Vi o mais baix? armar-se de um rewolver
que tirou da algibeira ; engatijhou-o, rir-
mando-se na m > esqnerda, onde tinha o
estojo de urna pistola. Retroced dous pas-
sos ; tirei da minh algbeira' do lado di-
relo um rewolver de cinco tiros, que trago
habitualmente comigo: disparei sabr o
mais alto ; estava dous ou tres metros
d'elle.
Voltou-se immediatamente e sahio do sa-
lo pela porta da sala de armas, a mesma
por onde entrara, ludo istodurou apenas
instantes ; o mais baixo puzera-se por traz
de urna poltrona, e d'all tentava disparar
sobre mim. Atirei-lhe ento, mas nao
acertei. Sahio do escondrijo, e foi aga-
cliando-sc, at entra porta do salo que
d para o buhar. Passou muto perto de
mim, mas a sua atlitude j nao era amea
gadora, e as fiz fogo sobre elle. Te lo-hia
matado quasi a queima roupa. Seguio-o
distancia.
Quando chegou ao buhar, altura da
porta da caa de jantar, voltou-se e apontou
para mim o rewulver. Disparei-lhe ento
outro tiro, que nao lhe tocn, e o segundo
sugeito desappareceu tambem.
Tal a verso apresentada pelo reo. Est
em oppsigo completa com a do Sr. de
Fouvielle na importante questo de saber
qnem commetteu o primeiro acto de violen-
cia qo drama de 10 de Janeiro.
A informaco colheu neste ponto os se-
gantes dados:
Varas pessoas observaram na cara do
reo o signal exacto de urna bofetada. O
Dr. Morel, que vio o principe por volta de
duas e meia, declara que tinha na face-es-
querda urna nodoa roxa, com apparencia de
echiraose e de inchaglio.
A mesma observac fizeram o t)r. Pi-
nel e varias outras testemunhas.
Por outro lado, algumas palavras ouvi-
das ao Sr. Fouvielle, tendem a estabelecer
que o Sr. Vicfor Noir deu realmente urna
bofetada na cara do principe.
O Sr. Lechantre, carniceiro em Auteuil,
ouvio, emquanto ajudava a trasladar o corpo
de Victor Noir para a botica, que urna
pessoa dissera ao p delle : Matou o meu
amigo, mas receben urna bofetada.
Immediataraente depois, ouvindo fallar o
Sr. Fouvielle na pharmacia, LecbatUre re-
conheceii perfeitamente, diz elle, a voz que
pronunciara as citadas palavras.
Outra testemunha, o Sr. Vinvolet, ;fr-
cliitecto, presente no momento de morrer o
Sr. Vctor Noir, e que ouvio referir o Sr
de Fouvielle a scena aflirma qu este de-
clarou, que em consequencia de respostas
trocadas com o principe, Victor Noir se
adiantou e o esboteteou. No mesmo da, o
Sr. Vinvolet referi isto mesmo outras
pessoas e conhrmaram a sua declarado.
O Sr. de Margouin, archilecto, ouvio ao
propro Sr, Fouvielle urna phrase que, sem
ser to clara, todava muto significativa :
t Victor Noir deu ou esteve para dar urna
bofetada no principe. A testemunha aflir-
ma que o Sr. Fonvelle empregou ujaa ou
outra destas duas locuces.
Emim, no posto de polica aonde foi con-
duzido para declarar o Sr. de Fouvielle, refe-
rindo aos agentes tolas as circumstancias
da.sua ida junto do principe e as palavras
que mediaram, acereseentou que o seu
amigo, vendo-se injuriado, adiantou-se...
e o resto pereebe-se !... Os agentes ac-
crescentam que ao pronunciar estas pala-
vras, levantou a mo com o gesto de um
homem que vai bater ; declarara que se o
Sr. de Fovuiellc nao disse que Noir bateu
no principe, fez pelo menos* um gesto, s-
gniclicando que Noir dera urna bofetada.
A" estas dilerentes declaraces devem
oppor-se outras, segundo as quaes, o Sr.
de Fouvielle, ein seguida ao drama de Au-
teuil, fez urna relago. e as suas declarages
ante o magistrado instructor foram urna
exacta reproduego,
Devem citar-se, prncipemente, os Srs.
Grousset, Mortreux, a pharmacia de quem
foi conduzida a victima, e o Dr. Janaraa-
zeuil, que presenceou a morte de'Noir. Os
tres ouviram o Sr. de Fouvielle referir que
o reo dera no rosto da victima antes de
fazer fogo,
Da qualquer feito, e mesmo acceitando
a verso do reo, fica sempre estabelecido
que deu voluntariamente a morte ao Sr.
Victor Noir. A justiga nao pode consentir
que este, crime se justifique pelo acto de
violencia a que a victima se deixou ar-
rastar.
E' igualmente certo qua o reo descarre-
gou duas vezes o rewolver sobre o Sr. de
Fouvielle.
Por consequencia:
E' aecusado o principe Pedro Napoleo
Bonaparte.
1.De haver commettido o crime de
homicidio voluntario na pessoa de Vvan Sa-
lamo, chamado Victor Noir, no dia 10 de
Janeiro ultimo, em Pa,ris, Auteuil, com a
circumstancia de que a esse crime se se-
guio o abaixo citado.
2.De ter no mesmo dia, mesma
hora e no mesmo sitio, commettido na pes-
soa do Sr. Ulnco de Fonvelle urna tentati-
va de homicidio voluntario, tentiva que,
manifestada por um principio de execugo,
nao leve effeito seno por circumstancias
indepedentes da vontade do seu author, e
com a circumstancia de que este crime foi
precedido pelo cima citado.
Crimes previstos e castigados pelos arti-
gos 2295 e 302 do cdigo penal.
28 de fevereiro de 187o.O procura-
dor geral, Grandperret.
Durante- a. letura do auto de aecusaro,
esteve o ro*sereoo e impassivel. O escri-
vo fez a chamada das testemunhas citadas
a requisigao do ministerio publico, e de
dnas citadas pela parte civil e pela de-
fensa.
O Sr. Laurier.Senhores do tribunal,
pego para fazer urna observado em nome
do Sr. Buiz Noir, parle civil. Fizemos
citar a requisicio delle o Sr. Henriqoe Ro-
chefort, e se estamos bem informado, o
Sr. Rochefort, apezar de directamente cita-
do, nao poude ou nao qniz vir ; poaco im-
porta o motivo 3a sua ausencia; mas a
^F
nji-
verdade qae. nos ver, se torna mdis-
peasavel pira a m.inifetagSo da veda
que o Sr" Rochefort seja euvidp, e t
(dimos que o Sr. presidente ose d
poder dScrrcionario para que "tesra
seja chamada audiencia.
O presidente.Efectivamente, o Sr Ro-
chefort nao respondeu chamada! do sea
nome ; ordenamos que seja jame liatamente
conduzido para aqu.
Retiraram-se as testemunhas as suas sa-
las respectivas.
Sao quarenta e cinco citadas a requer-
melo do ministerio publico, vinte e dgas
a requerimento da defensa e deze|ovea re-
querimento das partes* civis.
O presidente passou a interrogar o
reo.
Interrogatorio do reo.
Presidente.O senhor i veio Franca
emt8i8?
Reo.J eu c tinha vindo antes, com
cenca do governo, de julho.
P.Em summa, s naquella poca que
veio residir para Franca, e foi nAneado
membro da assembla constiiuinte.
Ha, nos annos que precedem essa poca,
factos que foram lembrados pelos peridi-
cos ; tiraram-nos, porm, de origens mfito
incertas e sao por isso mesmo #bem diffi-
ceis de verificar. D'ahi, sao completamente
cstranhos aecusago e por isso os deixa-
remos de parte. Atina!, em se repetktdo
cssas narrativas, o senhor se explicar e
dir tudo o que lhe parecer utl sua defe-
za. Por agora, s recordaremos um facto
que se passou em Franca, em 18i9. O
senhor era membro da assembla nacional,
e deu urna bqfetada n'um dos leus collegas
em plena assembla.
Tem algumas explicages a dar ?
R.Dei ento todas as explicages pos-
siveis ; o que posso dizer, que nada oftis
iz do que responder a ultrages; e para
isto, recorro ao testemunho do Sr. guarda-
sellos desse tempo, o Sr. Odilon Barrot,
com quem eu estava ento em boas rela-
ges.
O presidente leu o julgamento, que con-
demnou, em 1849, o reo a 200 francos de
multa e que as circumstancias attennantes
contm a de resultar o facto de ultrages di-
rigidos familia do reo.
P.Emfim, o acto era muto lament'avel,
especialmente no seio (Turna assembla na-
cional, e o senhor deveria ter fesistdo a
esse movimento que o arrebatoO.
R.Por essa occasio, na tribuna da as-
sembla nacional, proteste! contra a idea de
ultrajar a representago nacional.
P.Em 1851 voltou vida privada, e
depois residi ora na Corsega, ora em Au-
teuil ?
R.E' verdade, em consequencia da me-
dida qne dissolveu a assembla nacional.
P.Que relaces eram as suas com o
jornal Porrir da Corsega, com o seu direc-
tor o Sr. Delta Rocca ?
R.As mnhas relaces com o Sr. Della
Re cea eram excellentes, como as qae pode
haver com um homem por quem se tem
profunda estima.
P.O senh r escreveu aoSr. Della Rocca
urna carta, cuja primeira parte completa-
mente inoffensiva ; mas na ultima parte ha
phrases verdaderamente offensivas, taes
como esta :
Eu poderia multiplicar os factos que
fazem bater o corceo a todos os filho da
velha Cirnos, esse ,wiiio d'ailori, ninho de
lauros, como justamente lhe chamaram,;
mas por alguns desgranados furdani de
Basta, a quem os niolini do mercado deve-
riam encarregar-se do applicar*uma ligo to-
cante, por alguns cobardes, judas traidores
ao sen pa z, etc.
Este jornal estava em violenta polmica
com a llevanche, e o seu artigo te ve conse-
quencias deploraveis. O senhor mesmo,
com o nome que tem, ha de sentir o ter-se
deixado levar a urna polmica to ardente,
sentimentos to violentos. Por isso a
Rcranche respondeu com um artigo to vio-
lento como o seu, devemos dze-lo. D'ahi
provieram os ataques de que o senhor tem
lamentar-se na Marselheza e que trouxe-
ram urna provocaco da sua parte dirigida
a Rochefort.
R.Quiz defender-me contra os insulta-
dores. Nao me decid a consentir que na
Corsega, onde o culto de Napoleo uni-
versal, se deixassem levar pof aquelles ata-
ques, que alinal partem de rhinoria muito
influa.
P.Poder-se-hia talvez ter abatido, repi-
to, e o seu arrebatamento originou a des-
gragada scena do dia 10 de Janeiro. Queira
dzer-nos o que se passou quando esses se-
nhores se apresentaram em sua casa.
R.Por volta das duas horas depois do
meio dia, estava eu no meu salo quando
urna criada me levoa os bilhetes de visita
de duas pessoas que me desejavaai fallar.
Como na vespera tinha mandado ama provo-
cago ao Sr. Rochefort, suppuz naturalmen-
te que vinham da sua parte, e disse : Man-
de subir 1 Fui ao meu quarto para .vestir
urna sobrecasaca, quando vejo na casa que
atravessava duas pessoas, que ao depois su-
be serem os Srs. Victor Noir e de Fouvielle.
Estavam de mos as aigibeiras e tinbam ar
ameacador. Apresentaram-me urna folha
de papel, dzendo-me ambos: Lea! Li a
carta, que era do Sr. Grousset, e respond:
Nao veem ento da parte do Sr. Rochefort ?
Bater-me com o Sr. Rochefort, de boa von-
tade ( mas com um dos seus mariolas, isso
nao I
Ento, o mais alto disse-me com impa-
ciencia : Mas cia esta carta 1 Respond: J
a li; sao solidarios della ?
Neste cmenos que elle me esbfeteou,
era quanto o mais pequeo tirava da alg-
beira umwwolver, com que me ameacon'.
No mesmo instante disparei contra o que
me batra; o outro foi esconder-se atraz
d'uma poltrona, d'onde apontava a arma
para mim; marchei, porm, sobre elle, e
disparei o segando tiro do mea rewolver.
Atravessoa a casa agachando-se para chegar
porta- do bilbar.
Ea poda mata-lo legtimamente, qnando
passava por diante de mim, porque elle
continua va agitando a arma. Quando che-
gou porta do Jlbar e da casa de jantar j
apontou anda para mim, e atirei-lhe terceM
ro tiro. Pergtnto a todos os bomens de
corago aqui presentes, como em semelhan-
tes circumstancias ea poderia ter procekVR)
de outro feitio ?
P.Eis como se passaram os factos.
Vamos agora por midos. A sua decln-
elo nao est de accordo com certos dapoi-
raentos; o senhor sahio do sen quarto de
dormir e entrou no sea sallo oo.de o espe-
ravam duas pessoas ?
R Sim, sena^r,.
-^k-tr*ft--------------------------------
P.Porque motivle prevenio com o re-
L |.Eu tinha-o comido. [ JL /]
f |.-*Mas nao o poderia tr Jargado ? Urna
vef'qiife jnlgava srem' as testemunbas do
Sr. Rochefort que o esperavam'no- salo, era
isso motivo'pa/a nao ir armado ; o senhor
fgosta das armas, isso verdade : Vxercita-
sa no seu jardim. Pergunto-lhe, Djprqoe
Pando lhe annunciaram pessoas que julgava
testemunhas de Rochefort, nao largo o re-
wolver qne tinha comsigo ?
R.>Uo me lembrou.
P.lolavia, ha nisso bastante gravida-
de ; por conseguinte, nao s levava na alg-
beira m rewblver, mas at o segurava com
a mo. A arma nao fra, pois, nicamente
esquecida na algibe-ra ?
R.Eu tinha a mo. na algibeira, certo,
e tambem l tinha o rewolver.
P.Por consequencia, nenhuma impor-
tancia liga essa circumstancia. Eis a sua
resposto,- oesse ponto. O senhor chegou
ao salo, onde encorrtrou as duas pessoas
qu#oesperavam. Que Ihes disse ?
R.Bato-me com Rochefort, isso sim,
mas nao com um dos sens mariolas."
P.O Sr. Fonvielle diz que o senhor se
servir d'ontra expresso de que se fallou
no auto de aecusago.
R.Nao falla verdade. Nao me serv
dessa expresso, que nao da minha lin-
guagem habitual.
P.O senhor approximou se ento, e nes-
se momento que Noir se approximou
tambem e lhe bateu na ara ?
R, verdade, quando eu disse : Sois
solidarios delle ? Bateu-me ento, e Fou-
vielle ameagou-me ; certo que a pistolla
delle sahio da sua algibeira antes de eu ter
puchado pela minha arma.
I.Ra todava urna observaco fazer.
O'senhor vio Fouvielle tirar a pistola da al-
gibeira ?
R.Quando olhei, j a tinha na mo.
I'.Mas havia um estojo da pistola ?
R.O-estojo nao era obstculo; d'ahi
poiava a pistolla no estojo, que estava na
mo esqierda.
P.Nao vio o movimento quando a tirou
da algibeira?
.R.Nao, senhor.
P.Quando atirou sobre Victor Noir, nao
vio que estava ferido ?
R.Nao, nao tratei de Salmn; tratei-de
FOuvielle, que me ameacava.
P.Todava, o senhor acabava de atrar
a tres ou quatro passos sobre um homem ;
deva pensar, com o habito das armas que
tem, que talvez o tivesse ferido. Noir era
um homem muto mogo, muito forte, se nao
estvesse ferido havia de atirar-se ao senhor,
deva prev-lo. Pois bem fica immovel;
como que isto'lhe nao fez presentir que
Noir estara ferido ?
R.Elle sahio.
P.Sahio silencioso, sem proferir urna
palavra, sem lhe dirigir a mnima recrmi-
nago; era summa, nao reparn envque elle
ia ferido f
R.Eu s reparava em Fouviello.
P.Se oseihor notasse que elle estava
(erido, provavel que diminuisse a sua co-
lera, porque nada ha que serene a colera de
um homem, como ver o seu adversario fe-
rido. O senhor nao o vio ; a scena passou-
se com grande rapidez, devemo-h) reconhe-
cer, e o senbor nao deu j/ela sabida de
Noir ?
R.Fouvjalle procurava armar a pis-
tolla.
P.E nao o poda conseguir ?
R.Tinha-se esquecido de tirar a-vareta,
m* nao falta de esforgos para o. conse-
guir. .
P. verdade que nessa occasio atirou
sobre elle do lugar onde estava ? Elle, Fou-
vielle. diz que o senhor atravessou o salo,
que se collocou diante di porta de entrada
para l'ne tomar a passagem e mp8di-lo de
sabir ?
. R.Mas a porta nem sequer tem chave.
P.Isso nao quer dizer nada. Nao era
precisa a chave. Diz elle que o senhor se
collocou diante de urna porta para lhe to-
mar o passo, e assim explica a sua sabida
por outra porta, pela porta do bilhar.
R.Elle estava atraz da poltrona, e pro-
curava sempre atirar.
P.O Sr. Foavielle dirigi se para a casa
de jantar ?
R.Para a sala do bilhar.
P.Isso, do bilhar. Porque motivo o
seguio salado bilhar?
R.En estava porta.
P.Em summa, seguio-o; elle estava
muito coramovido, tentava engatilhar o re-
wolver, escondra-se atraz d'uma caleira,
quiz entrar na sala do bilhar; provou-se
que tinham sido deitadas ao chao algumas
poltronas ; a verdade que aquelle homem
s tinha um fito, sahr de sua casa. O se-
nhor disparou o terceiro tiro, que era bem
intil.
R.Atirei sobre elle, quando se voltou.
P.Mas o senhor persegaio-o ?
R.Nao, nao o persegu.
P.Perseguio-o de certo, porque elle-fu-
gia ; deixava all o chapeo, a bengala, oes-
tojo do rewolver ?
R.Salmn que tinha a bengala.
P.Afinal, j elle estava na sala do bi-
lhar quando o senhor disparou o terceiro
tiro?
R.E' que se voltou e apontou. N5o
entrei na sala do bilbar.
P.Alas.estava porta dessa casa.
H.Agita va sempre a arma contra mim.
P.Em summa, Fouvielle deixou o cha-
peo ; deixou o estojo; nao tinba attitude
offensiva ?
R.Perfeitamente offensiva; ver que as
suas declaraces sao contradictorias.
P.Em segaida, depois da partida de
Noir e de Fouvielle, qae fez o senhor ?
Voltou para o salo ?
R.-*Voltei.
P.Nao se fechou ?
R.N5o me lembro.
P.Mandn chamar um agente ?
R. Mandei, para que elle prevenisse o
commissario de polica. O agente veio, mas
o commissario de polica s moito tempo
depois que chegou. Veio outro, at de
outro bairro.
P.O senhor tinba redigido um escripto
onde conlava os factos ?
R.Exacto, era para o commissario.
P.O senhor tinha na cara um signal de
bofetada. Onde era esse signal ?
0 principe mostrou a face esquerda, ao
p da orelha. m
P.Quando mostrou essa contuso?
Mostrou-a ao agente que chegou primeiro T
R.-Nlo
P.Mostrou-a ao commissario ?
-N5o, senhor
h.Pbrjconsegoinfe nao cnldon ejn mov-
tra-ki ao commissario ? ^^^^
RNao, senbor.
P.Nao falln della ao agente ?
*.S a mostrei ao Dr. Morel. Nao >
muilo agradavel mostrar signal d'ajp bo-
fetada, especialmente de tafmSo.
(Neste momento levaram para cima da
mesa os documentos compr&vatiTos, algum
fato, um* bengala, e pstollas).
P.O senhor constitoio-se preso?
R. o que en deva fazer,
P.Aseente-se.
O procurador geral.O Sr. presidente
julgaria conveniente man'dar destribiiir pelos
Srs. jurados os planos ?
P.Sim, Sr. procurador geral.
Os ofliciaes de diligencias destribuiram os
planos pelos Srs. jurados, e o-presidente
dea explicages necessarias inteligencia
das posices e camjoho9 seguidos pelo reo,
por Victor Noir e Fonvelle.
O Sr. Floquet.O Sr. presidente quere-
rla perguntar ao reo como que elle expli-
ca que o rewolver de que se disparaVam
tres tiros estava completamente carregado
aoser appfehendido ?
R.Em primeiro lugar nao o appreben-
deram ; cu mesmo que o dei ao commis-
sario.
O'Sr. Flquet.Foi erro nao o appre-
hender.
R. Tinha-o tornado a carregar quando
ouvi o tumulto que um ajtMitamento fazia
minha porta.
O Sr. Laurier.O reo modou de caiga
no espago de tempo que separa o momento
em'que lhe-annunciaram as visitas e o mo-
mento em que se Ihes apresenlou ?
R.Nao madei de calca.
O Sr. Laurier.Nao tinha' vestida urna
caiga com presilhas ?.
R.Nunca ti ve caigas com presilhas.
O Sr. Laurier.Isto est na- instrueco ;
o reo disse propriamente que despira urna
calca com presilhas. .
O Sr. Floqaet.Ha duas verss : o reo
disse primeiro que estava junto da princeza,
que tinha calca de presilhas, que estava
n'um trajo pouco conveniente para receber
estranhos, e que fra ao quarto para mudar
de caiga; na segunda verso, deolarou que
estava no seu quarto quando lito annuncia-
ram a chegada das duas pessoas.
RNunca, tivemalga de presilhas ; s ti-
rei o chambre para vestir urna sonrecasaca.
Suspendeu-se a audiencia por meia hora.
Passadas duas horas e quarenta e cinco
minutos, aBriu-se de novo a audiencia.
Presidente:Fazei entrar o aecusado, e
charaae a primeira testemunha.
Mr. Roidot, cincoenta annos, commissario
de polica da cidade de Pars.
Presidente :Ten des sido vos qae izes-
tes as primeiras indagages na casa d'Aute-
uil, lembrae-vos de todos os detalhes ?
-Testemunha:No dia 10 de Janeiro, na
hora em que tinba logar o acontecimento.
estava eu na prefeitura de polica. Dirigi-
me a Autenii a toda'a pressa, e encontrei
o 'principe Pedro Bonaparte com o doutor
Morel; pedi ao principe que me explicasse
como so linham passadoros factos.
Eis-aqui o que me disse : Estava no meu
quarto, quando ura creado me entregou a
carta de duas pessoas ; fui ter com ellas.
Apresentaram*me jnntos urna carta dizendo:
L6de-a. Estava assignada por Pasqual' Gro-
usset, e era umd provocago. Respond:
com Rochefort, voluntariamente, com tiro
dos seus mariolas, nunca Victor Noir dis-
se me ento: Lde pois a carta. J a li
to la, respond eu, sois vos solidarios d'essa
gente ? Elle respondeu-me: somos solida-
rios dos dossos amigos, e ao mesmo tempo
deu-me urna bofetada na cara. N'essa oc-
casio o mais baixo tirou urna pistola da
algibeira. Ento disparei coi;ra o mais alto.
O mais baixo escondeu-se atraz de urna
cadeira de bracos, appntando a sua pistola
para mim ; avaocei sobre elle e disparei;
nao o feri, e elle fugiu pela sala do bilhar.
De repente parou e apontou de novo a sua
arma sobre mira; disparei segunda vez,
mas anda ento nao lhe acertei.
O principe entregou-me urna bengala de
estoque, um chapeu, um rewolver e dois
bilhetes de visita.
Exig do principe a sua palavra de honra
de que nao sairia da sua residencia, c deu-
m'a sem hesitacao. D'all dirig-mo phar-
macia onde sabia que o corpo de Victor
Noir acabava de ser conduzido em urna pa-
diola, e levado d'alli para Passy. Voltei
casa do principe, e como lhe fizesse novas
perguntas, elle disse-me; acabo de escre-' ir, aberto, c um pequeo frique pralo. i
ver n'esta folha de papel o qua se pasa*u: finalmente um paletot de panno escara.
Ulrico Fouvielle, qne
dado unte bofetada I
Testemnoba
mente; a primeira verso qnt
meo coohecinwto foi por
cart de um dos
rio d'este
me qae o Sr. de fonvielle
O principe aalon O
recebeu nma famosa hMtn
Mo urna tsteme
Presidente :E assim qne
primeira teslemuuha aarienbr ; ni
ouvido dizer qne se bavian bu
no interior da casa, e qne nena
cessidade ds fazer eonriuar a
para um aposento isola-lo 1
Testemunha rInterrogan si
o coebeiro, o bolieiro e a creada
Os dois primeiro? deelararam-a* qm
do Victor Noir eain i porta,
interior da casa oa wio
ruviam aneacado e chamado
Jnlgaram dever fechar a porta, a aa
mores tornram-se mais ni ii/tdasm. I
que o corpo Jbi condolido para a |
Teodo a criada do quarto
creancas outro aposento para
rangi. a gente de, fra qner
ra Krlanger. arrombaoo aa
chegarara a penetrar no pama
do as janellas: a creada do i
luz, e tinha-se deitado para nao
posta.
Mr. Hoqnet: O commamm
lembra-se a que horas receben a
gao do pr-.ipe ?
Testemanha: Chegnei a cana ia
pe s quatro horas e nwta: evo Mr I
bido a sua declara ;5o as neo
meia.
Mr. Floquet:O coramissam ia
copioa a declmelo escripia pelo
oo levou-a consigo ?
Testemunha :Copiei-a s, na
mente.
Mr. Floquet:Mr. de Grave
mo a declarago escripia pelo
aecusado. Ha entre esta e a
cesso verbal, differencas notave.
Testemanha : Copiei-a te?
cora a mais escrupulosa fulrtidade : *
prio principe o reconbecen.
Presidente:O acensado sabe o qae
fez dessa declaracao ?
Aecusado:Naosei MMM^M aad
Presidente : Tendea notad na aee
principe algum vestigio de jontosr ?
Testemuoha : Senhor prusiana te, ar
quatro horas e meia ; o tempo
bro porque se approximava a noa
cipe deu-me a entender que havia
de contnso, mas nao vi contanaa
nao podia ver, j era escoro a';
caso.
Mr. Anselmo Salmand, voto e en J
nos, secretario do commissariad) a ai
cia.
No dia 10 de Janeiro do correnM aa
s duas horas e om quarto di iartoT
prevenido por mr. Delannej, meaecMr
districto d'Auteuil, que cheque) de
gemao commissariado para
commissario de polica que a
Pedro -Bonaparte acabava de Matar aa fen-
mem em sua casa com ura tiro de piMaia a
que o cadver havia .ido transpartada para
casa de mr. Mortreus, phanaaeantic > da
Auteuil.
Sabendo qne o commissario da ptida
havia sido chamado i prefeitura aa aaeio
dia, fil-o, prevenir por um embragada di
escriptorio, e dirigi-me a casa dopinrMa
cetico.
Encontrei. collocado ao lado e*|uuined>
botica, o corpo de ura homem aiada
que pareca ter vinie e um annos.
paludo e com pequeos bigotes pretal.
Estava vestido com caica *scnr, *
misa aberta at ao paito, tinta de
do lado esquerdo ; t.nha .unda
uvas BjaMa.
Notei no pcito do !adn esquerdo. a
co MMM da mamma. om peqaeoa
negro, d'onde sabiam algumas
sangue e pareca ter sido prodozlo |
bala iie pistola.
O' doutor Pioel, que me
foi encarrjgado de examinar o cadver, e
de proceder as coctesiaoies medko Mfaaa
Redigio o seu processo verba! qaa fai en-
viado : ara a prefeitura.
Fiz com qu me apresenlasscM as
da victima-
Entregaram-me am colete, de
nao tenho nada a accrescentar, nem coisa
alguma a cortar. Podis !or.
Tirei copia muito exacta e muito el
d'aquelle escrjpto. Era seguida o principe
disse-me que desejava ser julgado o mais
promptamente possivel, eque estava promp-
to a seguir-me para toda a parte qae ea
quizesse leva-lo. Fiz aproximar um tacre,
em que elle entrou comigo, e o doutor More!.
Dirigimo-nos prefeitura, onde chegmos
pelas- sete horas da noite. Voltei immedia-
tamente a Auteuil, jujgando dever continu-
ar as isinlias indagaces ; mas a preseoga
do juiz de' instrueco j me nao deixou en-
cerrar o meu processo /erbal. Encontrei
depois o meu secretario, que me referi os
fa.tos tal como os ouvi explicar a outras
testemunhas.
Presidente:Dissestes que tinhes copia-
do o que o principe vos mostrou ?
Testemunha Textualmente, Sr. presi-
dente, no meu processo verbal do dia 10
de Janeiro.
Presidente:O principe tambem vos disse
que tinha visto a pistola as mos de Fou-
vielle antes de elle atirar ?
Testemunha:Julgo lembrar-me que o
principe me disse isso : no momento em
que elle acbava de ser ferido na cara, e em
que mettia a mo na sua algibeira, viu qae
Foavielle tirava da algibeira urna aixa de
rewolver.
Presidente :**Tivestes occasio de exami-
nar a passagem das balas na almofada da
porta ? Apresentae s testemunhas os do-
cumentos de convicc&o.
A testemuoha designa urna almofada de
porta, em que a bala deixou vestigios; d'alli
recocheteou obliquamente da direcgo da
porta de saida para a porta do salo.
Presidenta:A primeira bala atirada
sobre Mr, de Fouvielle no salo atravessou-
Ihe o seu paletot: nao foi mais encontrada,
e o que ba de mais provavel, que ella fl-
casse no paletot e que se perdesse depois.
Alem d'isso sao balas de um calibre muilo
pequeo:
Agora, Sr. commissario de polica, nao
chegou ao vosso conhecimento a declaracjo, -----------
da testemunhas que oatfram fa boca da!W. do marIu
lado esqui-rdo do qual note i om buraco, q
atravessava o forro.
Vendo murtas pessoas na pharmacia,
rigi-me um individuo que escrev e
urna mesa na pbarmacia, e qne Ha di
ser o Sr. Pasqual Trousset, dait ainM
cinco annos, redactor do jornal L
laisc e de La Recanrhe, jornal
da Corsega.
Deu-me elle conhecimento do qae aa
sra n'estes termos:
< Tinha ea enearregadj os
Ulrico de Foavielle e Victor Soir
a presenta rem em casa do principe
Bonaparte, de lhe pedirea ea
urna reparago, por ama carta
blicada por elle no jornal L'A
Cors.
f Chegmos a casa do principa
dous seubres entraran) para
principe urna carta em que en
cer qaa! era o objecto d'aquella
c Passadosuns viole MinMai,
os qoaes passaei eu em (reala di
sabir estrebocbando o Man anap
Noir, qae recebi nos meas bracea.
Conbeci entao qpe eslava ferino na |
to, e pedi i algumas pessoas qaa
que me ajudassem a transportarlo pan cana
do pharmaceulico.
f N'este momento sabio
de Fouvielle, e acompinhon ana
pbarmaceutko, clamando ao
Eslava anda outra pessoa oa
approxbaei-me d'ella, a
Ulrico de Fouvielle, redactor do
Marseillaise.
Perguntei-lbe como ca
passado, e elle disse ms :
Chegmos boje, Pasqnal
tor Noir e eu, a casa do principa rji
aparte, seriam dnas horas Mana Mi qM>
t EsUvaana aacarrngadoa, 1
eu, de pedir ce{>at^ci<>nMjnMpnj
me de Pasqual C^onasat, <
de ama carta lojonosa punacaaa ^mjm-
nal hkvtmr dr te O**.
"nr


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EBLKUZBIJ_P7008J INGEST_TIME 2013-09-14T01:04:22Z PACKAGE AA00011611_12099
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES