Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:12094


This item is only available as the following downloads:


Full Text
MMXLII. NUMERO 88. .<**

PARA A CAPITAL E LUGARES ONDE IAO SE FAGA POSTE.

y
'
#or fres'Aos adiantdrfs................. 6000
Por se*.-dils ictem '................... |?000
Por un anno idea..................... 240000
Cada 'mtraaro atulso...............'...". 320
'Lf*
. QUINTA FEIRA 21 DE ABRIL DE 1870.

Por tres metes adiantados
Por seis ditos dem. .
Por nove ditos idem .
Por um anno idem .
PARA DEITRO E TOBA DA PROVECA.
6J75&
13*500
20*250
270000
PERNAMBUCO.
Fropriedade de Manoel Figueira de Faria & Filhos.
SAO AGENTES:
Os Srs. Gerardo Antonio Alves & Filhos, no Para ; Goncalves & Pinto, no Maranhao ; Joaquim Jos de Oliveira, no Cear ; Antonio da Lemos Draga, no Araeaty ; Joao Mara Julio Chaves, no Ass ; Antonio Margnes da Silva, no Natal; Jos Justino
Pereira d'Almeida, em Mamanguape; Antonio Alejandrino de Lima, na Parahyba ; Antonio Jos Gomes, na Villa da Penha; Belarmino dos Santos BuIc3o, em Santo Ant3o; Domingos Jos da Costa Braga,
em Nazareth ; Francisco Tavares da Costa, em Alagoas; Dr. Jos Martins Alves, na Baha ; e Jos Bibeiro Gasparinho no Ro de Janeiro.
DIARIO DE PERNAMBUCO
" ----------------
RECIPE,'21 DE ABRIL de 1870.
rUSTKJOS PBLICOS.
A cireamstanela especialissima de ter aqui che-
gado a noticia do acabamento da guerra cm occa-
sSj em que a igreja traja* lulo e aprestava-
se para curaraeinorar os actos da semana santa,
junii ao recolhimsato religioso que n'cssas occa-
som revest o oipiio publico n'eta provincia, loi
a causa porque os festejo*, pelo desfecho da sangui-
nolenta guerra com o Paraguay uas margens do
A ndiban, nao tocaran) o seu limite rasoavel,
ax> tiveram aquello desenvolvimento que forma
urna face brilhante d > interesse patritico que o
nosso povo liga tudo que concorre para o brilho
da patria.
Agora que, passados esses das de lulo da igreja,
o rejosijo pode romper de todos os paitos sem
onevoar o espirito de recolhimento, vo ter lugar
os festejos pblicos por tao feliz quao almejado
desfecho ; vao-se abrir urna nova campanha em
que pelejarao pbalanges prasenteiras, tendo
como armas a mvstica trindade msica, floreare
luzpresidida pelo santo espirito do patriotism .
Hoje o primeiro dia da festa, que do ve pro-
longar-so at sabbado. Hoje a cmara municipal
faz celebrar am solemne Te-Deum laudamos em
accao de gragas ;io deus dos exerctos, pelo
xito sempre feliz de nossas armas, pelo acaba-
mento glorioso da campanha do Paraguay. Hoje
anda ter lugar a primeira passeiata da patri-
tica divisao organisada pela sociedade 12 de se -
tembro, havendo illuminago geral, e especial em
diversas mas e pravas.
Essa festa de tres das annunea-se mage-tosa-
mente bella. Por toda a parte reina a anciedade
pelo instante em que d ve ella comegar, todos os
coragoes batem apressadamente ao sentirem apro-
ximar se esse momento, e todos os rostos se es-
pandcm alegres ao sentirem o doce contacto das
brisas impregnadas do odores que sopram dos
quatro cantos da rosa dos ventos patriticos.
E' qne essa festa nocommemora sement o ac-
bamento de urna guerra ; significa tambem o re-
nascimento de um povo, libertado da tyrannia pelo
braco de um povo irmo ; que essa festa sig-
nifica anida urna aurora brilhante que resurge
das sombras amortecidas de um crepsculo que ja
la vae t E' que essa aurora traz em si o germen
de tudo que e grande e bello ; o Brasil, illumi-
nado pela luz que ella Ihe derrama, marchar de
fronte erguida e com pasaos llrmes pelas floridas
estradas da libcrdade, sempre rasgando novos e
magestosos horisontes, at tocar o apogeo do en-
grandecimento, que no futuro Ihe reserva essa
iemaventurada mo que o conduza Providen-
cia.
Folgae; eidadaos, folgae; e que os vossos folga-
res, e que os vossos regosijos sejam acceitos por
aqnelle que guou o i destinos do nosso paiz aira-
vez dos campos do Paraguay como urna homrae-
nigem glorificado era da paz, que com todas
as suas abundancias nos trouxe o sol do 1 de
margo ; que elles, eomo a myrrha e o incen-
s que oftornceram os magos no berco do Re-
demptor dos homens, sejam acceitos pelo Deus das
victorias como as premissas das victorias que o
Brasil espera ganhar na nova campanha que Ihe
abre esse outro redemptor do homem, que se cha
matiabalho livre.
festa I E vivam todos aquelles que se esfor-
parara pelo acabamento da guerra com honra para
o paiz I E vivam todos aquelles que se atiram
em busca de novos louros nos bracos do trabalho
intclligente I
PERNAMBUCO.
ASSEMBLA PROVINCIAL.
SESSAO ORDINARIA EM 8 DE ABRIL DE 1870.
PRESIDENCIA DO SR. DR. AGUIA.R.
{Continuar ao)
SI) julgado3 objecto de dehberaeao e manda-
dos imprimir os seguintes projectos':
' Art. 1." Fica o presidente da provincia auto-
rizado a contratar, dentro da quantia de 5:000,
e com quem melhores vantagens offerecer, a cons-
truego de urna calcada, de accordo com a planta
fornecida pelo chefe da reparticao das obras pu-
blicas, em terreno da cadeia da villa do Brejo da
Madre de Deus.
< Art. 2. Ficam revogadas as disposigoes em
contrario.
< Paco da assembla legislativa provincial de
Pernambuco, 8 de abril de 1870. Ribeiro Vi-
anna.Vieira de Araujo.Oliveira Fonceca.F.
de Novaes.Antonio Paulino.
i Art. 1. A povoagao do Ex lica elevada
cathegoria de villa, tendo o municipio por limites
os mesmos da freguezia.
Art. 2." O municipio da villa do Granito ter
tambem por limites os da respectiva freguezia.
Paco da assembla legislativa provincial de
Pernambueo, 6 de abril de 1870. Alencar Ara-
ripe.Ribeiro Vianna.Firmino de Novaes. R.
de Almeida.Oliveira Fonceca.G. Lima.
< Artigo nico. Fica revogada a lei n. 732 de
6 de i unto i de 1867.
Revogadas as disposicoes em contrario. S.
R. Paco da assembla legislativa provincial de
Pernambuco, 8 de abril de 1870. G. Drum-
mond. >
< Artigo nico. Fica o presidente da provincia
autorisado contratar a construccao de urna pon-
te sobre o rio Una, na estagp terminal da estrada
de ferro, e bem assim o i.* lango da estrada de
['na a Pimenteiras comprehendido entre as refe-
ridas estacao e ponte. Revogadas as disoosgoes
era contrario.S. R.P. Affonso.G. Lobo.Goes
Cicateante.G. Drummond.Tavares di Vosean-
cellos.Cavaleanti de Albuquerque. Barres Re-
g?.Vieira de Araujo.Dr. Manoel do Reg. E-
duardo de Oliveira.Paes Brrelo.Antonio Pau-
lino.Augusto da Costa. Rufino de Almeida.
Felippt Figueira.Mello Reg.Henrique Mame-
di.Cunha Figueirdo.Pinto Jnior.C. Can-
dn.
t Artigo nico. Fica transferida da povoacao de
Nossa Senhora do Desterro a sede da freguezia
de Itamb para a villa deste nome, ficando ser-
rindo de matriz a igreja de Santo Antonio. Re-
vogadas as disposicoes em contrario. Paco da as-
sembla, 8 de abril de 1870.Correa Gondin.C.
ii Araujo.Barros Reg.
O SR. F. DE FIGUEIRA :Sr. presidente, de-
sajando offerecer um requerimento casa, aim
de que se peca intormages ao Exm. presidente
la provincia sobre a execuco que, porventora,
lenta tido a lei provincial qne autorisou-o a con-
tratar a illuminago gaz das cidades de Olinda e
< ivanna, e nao querendo, por forma algama, que
pareja que pretendo censurar a adminislragao da
provincia, pedi a palavra para dar esta simples
explieacao, aflm de que nao teja mal interpreta-
da a minha nlencao.
Val mesa e oia-se o seguinie requerimento :
Reqoe'ju qe S9 pega presidencia da pro-
vincia informaees acerca da execu?o qne teve a
!i< provincial que autorisou-a contratar as illu-
minacSes gaz das cidades de Olinda e Goyanna,
e no case da ter tido execuco peco que se exija
copia 4o respectivo contrato, bem. como dos pra-
89$ marcados para a concurrencia e tudo maU
que tiver occorrido respailo.F. de Figueira.
Posto a votos o requerimento, approvado.
/ ORDEM DO DIA.
2." discussao do projecto n. 70 de 1864, crean-
do freguezia sob a invocacSo de Santa Aguida na
villa de Pesqueira.
0 SR. RIBEIRO VIANXA justifica e manda
mesa o seguinie requerimontu, que appoiada e
entra em discussao :
t Itequeiro que o projecto em discussao e o de
n. 5 sejam remettidos commissao de estatistica
jara interpor o seu parecer. Ribeiro Vianna.
Posto a votos o requerimento 6 approvado.
1.* discussao do projecto n. 1 deste anno, que
revoga a lei n. 743 de 17 de junho de 1867.
O SR. CORREA DE ARAUJO :Nao estando
bem certo da conveniencia deste projecto, desejo
que os seus signatarios deem explicacoes res-
peito.
O SR. GASPAR DRUMMOND faz consideraos
explicando a conveniencia do projecto.
Encerrada a discussao, o projecto approvado
e dispensad) o intersticio a requerimento do mes-
m.> Sr. G. Drummond.
!. discussao do projecto n. 2 deste anno, fi-
xando o subsidio e ajuda de custo dos membros
da assembla na prxima futura legislatura.
E' approvado sem discussao.
1.a discussao do projecto n. 3 deste anno, que
transfere para a povoacao de Nossa Senhora do
O' a sede da villa de Ipojuca.
O SR. PAES BARRET justifica a ulilidade do
projecto.
Encerrada a discussao, o projecto posto a vo-
tos e approvado.
2." discussao do projecto n. 27 de 1864 autori-
sando a cmara municipal da villa de S. liento a
contratar a construejo de urna casa de marcado
com Joaquim Jos Pacheco do Amaral Reg.
Vai mesa o apoia-se a seguinie emenda :
< Dcpois de Joaquim Jos Pacheco do Amaral
Reg accrescentese ou com quem melhores
vantagens offerecer.Mello Reg.
O SR. OLIVEIRA pNSECA justifica o reque-
rimento que offerecd, pedindo que o projecto seja
novaraente remettido commissao respectiva.
Vai mesa e apoia-se o seguinte requerimento :
Requeiro que o projecto volte a commissao
respectiva para reconsidera-lo.Oliveira Fonseca.'
O SR. MELLO REG diz que achando conve-
niente a idea do requerimento retira asua emenda.
Consultada a casa consente na retirada da
emenda.
Encerra-se a discussao e approvado o reque-
rimento. V
1' discussao do projecto n. 79 de 1864, que des-
liga da freguezia de S. Bento e encorpora de
Garanhuns diversos territorios.
Vai mesa e apoia-se o seguinte requerimento:
Requeiro que sobre o projecto seja onvido o
Exm. Sr. governador do bispado.Cunta Figuei-
rdo. !
O SR. CUNHA FIGUEIRDO :Sr. presidente,
nao tendo eu ouvido alguma voz se levantar em
favor do projecto que se discute, nao ouvindo eu
urna s palavra que demonstre a ulilidade de des-
membrajao de termos pertencentes urna fregue-
zia para serem annexados a .mira, e recejando
que elle pa3se como que desapercebido, mandei a
mesa um requerimento propondo que seja ouvido
o Exm. governador do bispado, visto como pela
sua infirmar.!) nao s Rearemos conhecendo a
conveniencia e ulilidade da medida, mas porque
principio de direito reconhecido e acceito nesta
casa, nao se votar sobre alteracoes de territorios
parochiaes sem ser ouvido o ordinario.
Alguks Srs. Deputados :Apoiados.
Vozes :O projecto nao traz ulilidade alguma.
O Sn. Cunha Figueirdo : Nao necessario
que eu desenvolva agora esta doutrina porque a
casa a conhece perfeitamente e parece que todos,
ou ao menos a maioria a adopta.
Entretanto se os meus cobres collegas entendem
que o projecto deve cahir nesta discussao, ficando
as cou3as no seu antigo estado, eu retirarei o meu
requerimento.
Um Sr. Deputado :E' melhor cahir.
O Sn. Cunha Figueirdo : Ento peco a V.
Exc, Sr presidente, que submetta primeramente
_votacao o projecto, porque se elle cahir, fica-
r prejudicado o meu requerimento, e se passar
votar-se-ha depois sobre o meu requerimento por-
que repeto, de necessidade emesmodever nosso
ouvir o ordinario, para que informe so essa alte-
raco convm boa administracao do pasto espi-
ritual.
Um Sr. Deputado :Sem prejuizo desta dis-
cussao.
_0 Sr. Criba Figueirdo : Sim. Eu o que
nao quero que o projecto passe sem ser ouvido o
ordinario, porque alterando-se a divisao de urna
freguezia, altera-se necessariamente as convenien-
cias, a comodidade do pasto espiritual, o rgimen
da freguezia, e toda a vez que se faz urna seme-
Ihante alieracao sem audiencia do ordinario ha
invaso de poderes. PorlantO, pe se nao houver algum inconveniente, quando tiver
de encerrar a discussao, ponha em primeiro lu-
gar a votacao do projecto.
O Sn. Presidente :Eu direi ao nobre depu-
tado que as emendas devera ser submettidas vo-
tacao antes do projecto, mas o remedio seria ues-
te caso accrescentar a emenda salvo a segunda
discussao, isio nao interrompendo a votacao,
porque neste caso poder ser votado o projecto em
primeiro lugar.
O Sr. Cunha Figueirdo Accrescenlarei esta
clausula ao meu requerimento.
O Sn. GOES CAVALCANTE : Sr. presidente,
sendo promotor da comarca de Garanhuns, conheco
perfeitamente o termo deste nome, e sendo assim,
me acho perfeitamente habilitado para dizer casa
que o projecto que se discute nao tem ntilidade
alguma.
O Sr. Cunha Figueirdo :Tanto melhor.
O Sr. Goes Cavvlcante : A linha divisoria
que separa osdousternrs de Garanhuns e S. Ben-
to formada pelo rio Canhoto, divislo muito na-
tural, porque separa os dous termos quasi em urna
linha recta, pelo que nao ha ulilidade alguma na
adopcao'do projecto.
Um Sr. Deputado :Mas a mesma da fre-
guezia ?
O Sn. Goes Cavalcante :Sim, senhor.Ac-
eresce alm disto que a freguezia de Garanhuns
muito extensa e d ao respectivo parodio rendi-
menios sufflcientes para sustentar-se com toda a
decencia e seja-me at permittido dizer que elle
querendo poder ajuntar bastante dinheiro.
Por cOnseguinte, parece-rne que nao ba neces-
sidade alguma de seraelhante divisao. Talvez con-
viesse mais annexar-se o termo de S. Rento ao de
Garanhuns, do que jepararse parle daquella fre-
guezia para esta ; porra isso questao separada,
e nao vera ao caso.
E quanto divisao da freguezia, entendo, pois
que nao ha a menor conveniencia.
Encerrada a discussao o projecto regeitado,
ficando prejudicado o requerimento.
O SR. RIBEIRO VIANNA (pela ordem) pondera
rae no projecto n. 4, que acaba de ser distribu-
lo, se deu um notavel erro de impressao, que al-
tera essenbialmer.ie a idea do mes.no projecto,
pelo que pede, que se corrija, tendo-se em vista
oaungrapho; e bem assim requer que seja o
mesmo provecto incluido na ordem do da.
O Sr. Presidente .Quanto ao erro de impres-
sao, p^,de ser remediado na segunda discussSo por
meio de urna emenda, e eiuanto ao pedido do no-
br e depuladu paja ser a projecto dado para or-
dem do dja, toma-10:he| era consJdprajao.
Tendo dado a hora, o Sr. presidente designa a
ordem do dia e levanta a sessao.
SESSO ORDINARIA EM 9 DE ABRIL DE 1870.
PRESIDENCIA do SR. AGUIAR.
As onze e meia oras da manhaa, feita a chama-
da acham-se presentes os Srs : Vieira de Araujo,
Ribeiro Vianna, Cunha e Albuquerque, Gualter,
Firmino, Antonio Paulino, Rufino de Almeida, An-
tonio Luiz, Hermogenes, Paes BarrcD, Texeira de
S, Ferreira de Aguiar, Felippo de Figueira, Cor-
rea de Araujo, Eduardo da Oliveira, Vieira de
Mello, Tolentino de Carvalho, Oliveira Fonseca,
Henrique Mamede, Gusmio Lobo, Barros Leao,
Reg Barros, Miguel Pernambuco, Alfonso Ferrei-
ra. Manoel Arthur, Mello Reg, Amaral, Barros
Wanderley, Goes Cavalcante, Augusto Costa, Pin-
to Jnior, Ignacio Lelo, Cavalcante de Albuquer-
que.
Abre-se a sessao, sendo lida e aprovada a acta
da anterior.
O Sr. 1. secretario d conta do seguinie
EXPEDIENTE
Um offlcio do secretario do governo, remetiendo
a copia do ofiicio da thesouraria provincial, pedin-
do um crdito supplementar na importancia de...
41:529X216.A' commissao de orcamento provin-
cial.
Uraa peticao de Manoel Bizerra dos Santos J-
nior, arrematante do anule de Bezerros, oedindo
que Ihe mande pagar a quantia de 482284,
que o titulo de deposito se acha na thesoura-
ria provincial.A' commissao de erQamento pro
vincial.
Outrade Luiz Jos da Silva Ramos, arrematante
das passagens de jangadas dos montes, pedindo
um abate de 1:0001, visto como tendo o rio bai-
xado considoravelmente, tem dado lugar a ser
vadeado pelos viandantes, isto no verojpassado.
A' esmmissao de orcamento provincial.
Outra de Jos Candido da Silva Braga, profes
sor jubilado, requerendo o pagamento da g atifica-
co por mais de 12 annos.A'commissao de orna-
mento provincial
Outra de Joo Gualberto Correa, sargento que
foi do corpo de polica, era cujo carcter marchou
para o Paraguay, d'onde volUu alteres honorario,
pedindo para ser addido ao referido corpo.- A'
commissao de torca policial.
Outra de Jos Francisco Pires, Jos Domingues
Codicera e Francisco Jos Alves Guimaraes, en-
carregados da redificacao da'capella da Casa Forte
pedindo urna quota de 2:000 JA" commissao de
orcamento provincial.
Outra de Joao Jos Rodrigues, professor publico
da freguezia de Santo Antonio, pedindo um anno
de licenca com todos os seus venoimentos, para
tratar de sua saude onde he convier.A' com-
missao de petiedes.
Outra de Olavo Antonio Ferreira, altores que
foi do corpo de polica, em cujo carcter marchou
para o Paraguay, d'onde voltou tenante honorario,
pedindo para ser addido a.) referido corpo.A'
commissao de torca policial.
Ontra da mesa "regedora da irmandade do SS.
Sacramento da freguezia de Santo Amaro de Ja-
boatao, pedindo a esta assembla urna quota
de 2:0004, para as obras de sua igreja.A' com-
missao de orcamento provincial.
Outra da mesma, pedindo a esta assembla^ a
approva^o do seu comproraisso.A commissao'
de negocios ecclesiasticos.
Sao julgados objecto de deliberado, e mandados
imprimir os seguintes projectos:
t Art. nico. O producto de lotera concedida
em favor da igreja do Carmo de Olinda, pela lei
n. 867 de 12 de junho do anno pasaads, ser en-
tregue urna commissao de pessoas d'aquelle
lugar, nomeada pala presidencia da provincia,
t Revogadas as disposicoes em contrario,
t Pago da assembla, 8 do abril de 1870.Ta-
rares de Vascencellos.
Art. 1." Fica o presidente da provincia auto-
risado a alterar com urgencia o contrato celebra-
do com a companhia de illuminacao gaz, de
modo que fique ella obrigada a Iluminar est ci-
dade, mesmo as noites de luar.
Art. 2." Em consequencia desta nova obriga-
cao, ter a dita companhia direito a urna indem-
nisacao, que nao poder exceder quantia arbi-
trada pela direcco das obras publicas.
Art. 3.' Ficam revogadas as disposicoes em
contrario.
Pago da assembla, 9 de abril de 1870.Dr.
Manoel do Reg.
t Art. nico. Ficam revogadas as leis n. 739 e
744 de 17 de junho de 1867.
Pago da assembla 8 de abril de 1870.J. M.
ae B. Wanderley.Henrique Mamede.Cunha Fi-
gueirdo.Vieira de Araujo.
Art. nico. Fica approvado o contrat o cele
brado pela presidencia da provincia com J. Henri-
que da Trindade, em 19 de margo de 1870. Re-
vogadas as disposicoes em contrario.
Paco da assembla 9 de abril de 1870.
Gusmao Lobo.Henrique Mamede.B. Wander-
ley.
ordem do da.
Entra em discussao e approvado o parecer da
commissao de nogocios de cmaras, adiado da
sessao anterior, opinando para que sejam sub-
mettidas deliberacao da casa as posturas da c-
mara muniiipal da villa de Cabrobo.
E' igualmente approvado o parecer da mesma
commissao, adiado da sessao anterior, propondo
que se adoptem as medidas solicitadas pela cma-
ra municipal de Garanhuns em seu relatorio.
Primeira discussao do projecto n. 4 deste anuo,
creando na povoacao de Baixa-verde do termo e
freguezia de Flores, urna freguezia que se deno-
minar Nossa Senhora das Dores, e elevando a ca-
thegoria da villa a mesma povoacao.
O SR. RIBEIRO VIANNA.Sr. presidente, nao
a primeira vez que se tem apresentado nesta
casa a idea grandiosa, nobre, generosa em seus
elleitos. o altamente reclamada pela satisfacao das
mais urgentes necessidades e conveniencias do
bem publico de ser decretada por esta assenblea
qualquer medida no sentido de crear-se on urna
freguezia e eleva-la termo, ou de transferir
sede da freguezia, termo- e caneca de comarca de
Paje de Flores para a importante povoacao da
Baixa-Verde. Nao a primeira vez, Sr. presiden-
te, porque tenho idea que em 18-50 ou 1852 esse
pensamento foi aqui trazido ; em 186& tambem
por urna representarlo dos habitantes daquella
iocalidade chegon a esta casa o mesmo pedido,
dando em resultado a sua aceitaco no anno de
1865 por parte da commissao de estatistica, era
um parecer que consta das annaes da assembla
que submettido discussao em 1868 teve a in-
felicidade de nao obter, nem ao menos o apoio
dos seus signatarios.
A ntilidade e conveniencia da medida que re-
clamada pelo projecto em discussao tao man-
festa e tao conhecida, senao por todos os mem-
bros desta casa, ao menos pela sua maioria, que
eu me dispensara de fazer algunas consideraces
no sentido de mostra-la, se por ventura nao me
julgasse tambem por outro lado abrigado a his-
toriar tudo o que se tem dado sobre esse faoto
para melhormente apoialo, nao s pp.rante esta
casa, como principalmente perante o poder ecle-
sistico.
Como dtsse, em 1880 ou 185 foi iniciada aqui
pela primeira vez a idea da creago da freguezia
de Baixa- Verde, e nessa epoch, tendo assento
nesta assembla o muUo Ilustrado e digno Sr.
conego Pta,to de Campos, sustenten, elle com a il-
lustfj^o que todos Ihe wwtt,eeeag de que
tem dado tantas pravas, a conveniencia dessa me-
dida, que teve da ser preferida, j em segunda
discussao, pela da transferencia da sede do termo
o cabera de comarca para a Villa Bella.
Em 1865 tocando em Baixa-Verde, donde seu
natural, e residindo ahi a esse tempo o iuiz de di-
reito da comarca o actual juiz direito do Bonito,
de accordo com o espirito publico, manifestado
por toda populacao do termo, especialmente no
abaixo assignado de que j fallei, asssti a con-
toccao de urna representajao, que tinha em seu
apoio, alm da primeira autoridade da-comarca, e
do demais referido, o facto de ter sido esse po-
voado elevado a districto de delegacia, ndepen-
dente do de Flores. Ne-sa rejresentaco peda-
se a eta assembla a creagao da freguezia de
B)ixa-Verde cem os mesmos limites do projecto,
e mais a transferencia da sede do termo, cabeca
de comarca etc.
O vigario da freguezia, o nico a quem nao
convinha a realisago dessa idea, em desacord
com o juiz de direito, que dspunha de influencia
nesta capital e que conseguintemenle poderia com
os dados q>ie Ine eram ministrados, e cora a ra
zo e justiga, que assistia essa pretengao favore-
ce la perante a assorabla provincial, resol ven
servir-se de meios indirectos para chegar ao seu
fim. E' assim que por interposta pessoa fez sen-
tir a cmara municipal que melhormente aconse-
hado e querendo evitar q talquer desgosto de seus
[reguezei para com sua pessoa eslava disposto a
convir na transferencia da sede da freguezia para
Baixa Verde.
Neste sentido foi redigida nova representagao
de accordo com o vigario que, para fazer con-
vencor aos habitantes de Baixa-Verde da lealda-
da dos seus sentimentos, declarou que, niio po-
dendo vir a assembla e para que nao houvesse
perda de mais um anno, estava prompto a infor-
mar cmara municipal sobre a conveniencia e
sua annuencia ao pedido. E com effeito, ouvido
o vigario pela cmara, ministran urna informago,
que fundamentou urna r-presentagao ao Exm, go
venador do bispado, e que deve parar no archi
vo da secretaria episcopal, na qual, como disse,
informara faveravelraente sobre a transterncla
da freguezia.
Satisfeltos por momentos os habitantes de Baixa-
Verde, confiaran) a realisaeao do seu pedido,
enao directamente ao mesmo Vigario, ao vigario
do Oricury Francisco Pedro da Silva, que tendo
assento nesta casa, por ali passara na occaso.
Daqui p)r diante, Sr. presidente, a casa conhe-
ce o resto. Talvez possa avangar que nem urna.
nem outra representagao f o rain apresentadas, sendo
corto que para dar-se urna satisfagan, ou prova
de rpeonciliagao, foi elaborado o parecer da com-
missao que deveria morrer mais tarde, como
sueoedeu em 1868.
Isto posto, Sr. presidente, qne serve para mos-
trar desde que tempo o por que modos, os ha-
bitantes de Baixa-Verde pedem, e tem incontesta-
val direito ao melhoramente que hoje iniciado
pelo projecto n. 4 deste anno. e qn o proprio t-
f ario nao se Ih poda oppor cora vantagem, desde
que s> servia desses recursos pouco decente para
chegar a seus fins, en passarei a mostrar as con-
veniencias que existen* em favor da creaglo da
nova freguezia, assim como em favor da elevago
desse importante povoado cathegoria de villa
com a denominagao de Villa do Triumpho, segundo
o pedido do projecto.
A freguezia de Paje de Flores contando mais
de vinte leguas em sua exlensao de nascente ao
poente e pouco mais ou menos quinze de lar-
gura de sul norte, por demais extensa, sendo
como todos sabem um ponto importante, um
dos mais amigos do alto serto desla_ provincia.
Desenvolvida em larga escala a criago do gado,
a agricultura do algodao e de outros productos
necessarios vida, tem para ahi sido atrahida po-
pulago de pontos estranhos, principalmente para
as ssrras de Colonia e Baixa Verde, o que tudo d
em resultado um augmento consideravel da po-
pulagao para Inda freguezia. Em suas extremi-
dades, ou pontos de nascente e poente estao as
duas serras do que fallei ha pouco ; das quaes, a
de Baixa-Verde, abrangendo a extencao de sete
leguas sobre cinco de largura, por si s re-
conhecida como tendo populagao quasi igual ao
restante da freguezi*, e as condgoes coraparati
varaento cora a outra parte, d constituir urna
freguezia desmembrada da de Flores.
E nem se diga que a frcgueiia de Flore? vira
a fiear demasiadamente pequea, desde que j
acabei de mostrar que ella bastante extensa, e
bastante populosa era todo esse terreno, podendo-
se calcular em dous tergos a sua extenso total
em relago freguezia projectada.
A serra da Baixa-Verde exclusivamente desti-
nada agricultura, de canna (raon'ando a 163 o
numero de engenhocas do fazer raspaduras) de
caf, algodao, milho, feijo e farinha, favorecida
de mais mais com grande quantidade de olhos
d'agua, e terrenos proprio3 para ainda nos annos
escassos. obter-se gneros, conslitue esse ponto,
3uanto satisfagao das principaes necesidades
a vida, seno superior, igual ao Brejo da Madre
de Deus, e Cimbres, nicos pontos dos que conhe-
go no serto que se Ibes asseraelham. Estabele
ctdas estas bases eu passo a mostrar mais parti
cularmente as razoes, com que fundamente o pro-
jecto.
Em primeiro lugar, Sr. presidente, deremos exa-
minar se a freguezia projectada reclamada pela
satisfagao das necessidades espirituaes. Desda
que souber a casa que a povoagao de Baixa Verde
e collocada no alto de urna serra, d'onde para
qualquer de seus lados que tenha de descer-se
para o terreno do serto, onde est a matriz, as
distancias de tres legoas,. ha necessidade de per-
correr caminhos, que especialmente na estaga do
invern, por sua natureaa ladeirosa, na distancia
de urna e duas legoas, torna impossivel com-
municacio com o paroeho, est tambem sabido
que a freguezia projectada tem como base a promp-
ta satisfacao das necessidades espirituaes daquelles
em favor de quem decretada. Em segundo lu-
gar passando oatta razao que deve merecer a
atteneao da casa, e i a da certaza dos limites que
se devam tragar para a nova treguezia, em direito
que os pontos eapitaes declarados no proiecto, sao
tao claros e naturaes que cortam toda e qualqur
duvida que se- possa apresentar na administracao
do ministerio parochial.
Em seguida examlnarei, na creacao da nova
freguezia, se ella offereoe meios de subsistencia
decente para o paroeho, assim como para a sus-
tentagao. do culto e asseio do templo.... .
O SVGusmXo Lobi :A esse respeilo dura o go-
vernador do bispado: quanto ao mais o nobre de-
putado tem justificado a conveniencia do projecto
perteitamenle.
O Sb. Ribeiro Vianna ;-Muito obngado, O
meu flm, collocanlo a discussao neste terreno in-
dicica que, recelando opposicsio por parte do vi-
gario, pretenda fazer conheoer ao mesmo alustra-
do e digno governador do bispado, seno na Jingoa-
gem do offlcio que daqui fosse dirigido ao Exm. pre-
sidente, o que nao sei se ser permittido, ao menos
pelo resultado da discissao, que julgo dwpensavel
a audiencia do vigario, principalmente pela razao
da informago dada era 1865, de que fallei prin-
cipio e que deve existir na secretaria episcopal.
O Sr. Gusmao Lobo : Pareoe-rae que isto seria
impratlcavel; porm a casa cora todo o criterio
reconheceri se a informago do vigario dada
caprichosamente. ....
O Sr. Ribeiro Vianna :-0 pode' eccleslastico,
ou melhor o ordinario pode discordar da informa,
cao do vigario, ma? Rem sempre ter dados bS?-
tantes para conhecer dessa intoramago, confio
muito no actual governador do bispado, porm em
regra....
O Sr. Gusmao Lobo Eu em regra confio era
todos os governadores. .
O Sn. Ribeiro Vianna :Em rgra sei que o or-
dinario atiende muito a informago do vigario.
Em todo caso, Sr. presidente, o meu flm princi-
pal que seja conhecida c comparada a informa-
g5o que tiver de dar novamente o vigario com a
que j prestou em 1865.
Depois dessas razoes, voltando ao fio de minhas
ideas, asseguro casa cora os dados que j co-
nhece esta assembla, que a nrva freguezia offe-
rece todas as vantagens quer para a sustentago
do paroeho quer do culto e asseio da matriz, prin-
cipalmente pela razo de ser ella apoiada no con-
senso unnime de todos os individuos comprehen-
didos na rea do terreno da freguezia projectada,
segundo se observou na representagao de seiscen-
tas assignaturas, que para na secretaria desta as-
sembla.
A' vista destas consideragSes e de mnitas on-
tras que supprir a illustrago da assembla, as
quaes todas justifican) a necessidade e convenien-
cias da creagao da freguezia, pouco se me offere-
cera a dizer para justificar a necessidade e ulili-
dade da elevago da nova freguezia cathegoria
de villa ; visto como as razdes que mililam fa-
vor do art. Io do projecto, servera para justificar
o art. 2o.
Como j tive occasiao de dizer, em 1864, o pre
3idente da provincia attendendo populagao, ri-
queza a importancia da Baixa Verde, elevou o dis-
tricto de subdelegada ahi existente districto de
delegacia independente do de Flores, medida que
quando comegava a prestar utilidade, teve do ser
supprimida, por-considerag'Vs que o espirito da
casa pode apanhar.
Mesmo nesta capital muit03 individuos ha, que
atlrahidos pelos lagos da vida commercial, confie-
cera a Baixa Verde, com sua edificagao florescen-
te, que se eleva porto de trezentas casas, dez
das quaes sao sobrados elegantes, com um excel-
lente acude ; e muitos outros que sabem que o
commefcio importador de fazendas, conduz an-
nualmente desta capital para melhor de quatro-
centos contos de res de fazendas, gyrando sorama
quasi igual em compras de algodao, cuja exporta-
gao aqui bem conhecida.
A' vista destas razdes entendo que est provada
a necessidade ou utilidade do projecto, nao s
quanto creacao da freguezia, como tambem
quanto sua elevago cathegoria de villa, para
que por este modo possam mais fcilmente ser os
seus habitantes satisfeilos em suas necessidades,
quer de urna, querito ontra especie.
(Muito bem, muito bem.)
Vai mesa e apoia-se o seguinte requerimento :
Requeiro que sej ouvido rabre a primeira
parte do projecto o governador do bispado sem
prejuizo da 1* e 2' discusses. Rufino de Al-
meida.
O 3R. HHIF.inO VIANNA :Fce tundo l((umo
consideragSes no sentido de consultar ao Exm.
presidente da assembla, sobre o modo, porque por
parte desta assembla, era onvido o Exm. gover
nador do bispado.
0 SR. PRESIDENTE:Devo dizer ao nobre de-
putado que a mesa nao pode fazer outra cousa mais
do que remetter ao governador do bispado o pro-
jecto para informar, sem indicar os meios porque
elle deve proceder.
Encerrada a discussao approvado o projecto
bem como o requerimento, e dispensado do inters-
ticio a requerimento do Sr. Ribeiro Vianna.
1* discussao do projecto n 6 deste anno, que
transiere a sede da matriz de Nossa Senhora das
Montanhas de Cimbres para a capella de Nossa
Senhora Mai dos Homen3 da villa de Pesqueira.
O SR. VIEIRA DE ARAUJO :-Sr. presidente,
ainda que nao me caiba a honra de ter sido eleito
pelo 5.* districto, o nao ter assignado o projecto
em disenstao, sendo representante da provincia, e
erapregado no termo que pertence a freguezia
cuja sede se quer transferir, posso dar casa al-
guns esclarecimentos em relago a utilidade do
projecto, dizendo algnmas palavrs a respeito.
O Sr. Ribeiro Vmxna :03 signatarios do pro-
jecto muito Ihe agradecen).
O Sr. Vieira de Araujo .Desde 1836 que foi
transferida a sede civil do termo de Cimbres da
povoacao de Cimbres para a villa de Pesqueira,
desde "1836 at hoje que pequeos interesses de
Iocalidade tem obstado que a sede ecclesiastica
seja removida para Pesqueira.
Cimbres j floresceu, j se prastou muito bem
as necessidades, nao s da freguezia, como tambem
do termo, hoje Cmbrese decadente.est n'uma po-
siga> tal que nao convm de modo algum as ne-
cessidades locaes, que podem ser saptisfeitas com
mais vantagens na villa de Pesqueira.
Nao sei se no relatorio com que o Exm. presi-
dente da provincia abri este anno a assembla, se
consigna a idea comida no projectov parece-rae
que a cmara municipal de Cimbres disse alguma
cousa nesse sentido quando represenou acerca
das necessidades do municipio; mas tenho lem-
branca de haver lido no relatorio do Sr. Baependy
alguma cousa no sentido de transferir as sedes de
algumas freguezias para sedes do termo, por ser
mesmo mais conveniente sempre que for possivel
que a sede ecctesiastica coincida com a sede civil.
A sede ecclnsiastica d5o importa somente sa-
tisfacao dos deveres do paroeho, importa tambem
a execuco d certos actos civis como eleigoes,
qualificagoes etc., d'onde se cowprohende a con-
veniencia de estar a sede da freguozia na sede do
termo. Cimbres est situado n'um lugar pessimo,
ba muita distancia da villa, tendo estradas que em
tempo de invern se tornara perigoeas, porque
atravessan* multas ladeiras, por isto entendo que
ser de toda conveniencia a remogao da sede ou
freguezia de Cimbres para a povoacao de Pesquei-
ra, que aoje villa.
A edificagao era. Pesqueira augmenta conside-
ra velmente, mesmo regular, tem boas casa, e
a capella para a qual se pede a transferencia
provisoria da matriz urna capella de boa cons-
truccao, e decente, est em maitos boas condtecoes
de conservagVo, e se nao tem utensilios, como
seria para desejar eu urna matriz, comtudo pres-
ta-se, ao menos temporariamente ao exercicio do
coito religioso. Ha principios de obras de urna
matriz em Pesqueira, foram toitos os aficercs, e
parte mesmo das paredes estao construidas; com
qualquer esfcrco da parte dos habitantes da loca-
hdadade, por meio de esmolas, se ali houver al-
guma raisso, ou mesmo pequeo auxilio desta
casa, se poder ter urna boa matriz em Pesqueira,
e emquanto nao houver matriz poder servir a ca-
pella a que alindo.
Entendo pois que sempre conveniente que a
sede das freguezias seja no mesmo local da sede
dos termos, a vista das razies que apresentei.
Tratando se da tranferencia da sede de urna
fregueiia, vou requerer que seja ouvido o Sr. go-
vernador do bispado, sem prejuso da 1.* e 2.* dis-
cussdes do projecto.
Val a meza e apoia-se o seguinte requerimento:
Requeiro que seja ouvido o prelado diocesano
ou quem suas vezes flzer sobre a conveniencia do
projecto. sem prejnio da i.* e 2." disoussoes.
Vieira de Araujo. >
0 SR. A. CAVALCANTI manifesW algumas da-
vidas sobre |a necessidade da disposigao consig-
nada no projecto.
O SR. VIEIRA DE ARAUJO: $U\ presidente,
nao tenho a pretep,cao, de poder escbjrejoer o nobr.e
deputado sobre as duvidas quA >presenpum
relago ao projecto que se discute, mas parec-me
que essas duvidas nao tem muta procedencia.
Eu comprehendo perteitamenle a distinecao aue
o nobre deputado nao comprehende, de sede civil
e sede ecclesiastica, nao coincidndo um eonr
outra em um lugar dado.
Quando se trata de freguezia, na freguezia mes-
ma se praticam actos puramente ecclesiasticos e
actos que sao civis, mas quando se trata do mu-
nicipio, do termo, a sede pode nao coincindlr cem
a da freguezia. justamente isto o que se deu
com relago ao caso presente, isto a sede da.
villa em Pesqueira, entretanto que a sede da fre-
guezia em Cimbres, as autbondades passaram
a residir em Pesqueira e ajli residen) at hoje.
O Sr. A. Cavalcante : -Que alias nao asede.
O Sr. Vieira dk Araujo :Nio a %ie da fre-
guezia. Creio mesmo que nao ha absurdo no toc-
to, absurdo se existe na lei, as razoes que po-
dan) ter feito volar essa lei estabelecend) asede
do termo em povoagao difireme daquella em que
era a sede da freguezia.
Entretanto, Sr. presidente, o que acho mais
absurdo conservar-se a sede ecclesiastica em
ua poroagao decadente, em um recamo do ter-
mo, onde nao ha nenhumas condiges de prope-
ridade, e nao estar na sede da villa que tem todos
os elementos de prosperides, que est florescendc,
e que sem duvida nenhuma oirerece mais vanta-
gens mesmo para a administrago do pasto epiri-
ritual, e de conveniencia para o exercieio dos
actos civis, cumo eleigoes, qualificagoes, ote, que.
hoje se fazem em Cimbres, cuias estradas sao ps-
simas, porque Cimbres est collocado no centro da
serra do mesmo nome.
Entendo por con;egulnte que ha toda vantagem
em translenr-se a sede da freguezia para a do ter-
mo. E' o que tenho a dizer.
O SR. A. CAVALCANTE declara que, indepen-
dente da explicago do Sr. deputado que o prece-
deu, tendo lido a le, acha que tem cabimento a
apresentago do projecto, e, achando-se convenci-
do de sua utilidade, presta-lhe o seu voto.
Vai mesa e apoia-se o seguinte requerimento :
> Requeiro que seja ouvido o Exm. governador
do bispado, sem prejuso da 1" e 2* discuss5es.
Gusmao Lobo, t
Encerrada a discussao, approvado o projecto
e o requerimento.
O SR. GUSMAO LOBO pede dispensa do inters-
ticio para o projecto n. 17 deste anno, o que
concedido pela casa.
2* discussao do projecto n. 1 deste anno, que
revoga a lei n. 743 de 7 de junbo de 1867. E' ap-
provado sem debate.
1" discussao do projecto n. 45 de 1869, que con-
cede um abate a Fia vio Ferreira .Clao, arrema-
tante da barreira da Passagem da-Magdalena. E*
regeitado.
2.' discussao do projecto n. 46 de 1565, anto-
risando a abertura de escolas de instruego pri-
(-maria, independente de provas de capacidade ou
licenga de qualquer autorldade.
o sn. otjssiAxj Luho aectaranao se aesoe ]a
pelo generoso principio da liberdade do ensino,
dea capital que o projecto desenvolve incomple-
tamente, renova a proposta que fez em urna das
ultimas sesses com respeito ontro projecto, que
a casa consentio em mandar cemmissao de ins-
truego publica.
O orador faz votos para que esta commissao,
tao cuidadosamente escolhida, consagre tempo e
reflexao aos graves interesses da instruego publi-
ca, dispondo um plano largo de reforma do ensi-
no. Elle o espera do zelo patrtotico da nobre com-
missao, e para este fim deseja ministrar-Ihe todos
os materiaes. Nada de pequeas roformas e na-
da de reformas impensadas e inacabadas, accres-
centa o orador ; elle quer, sim, a reforma do en-
sino mas assente em um estudo ampio, profundo
e meditado dos reclamos legtimos d'e3se grande
servico. A commissao proceda com a pausa e me-
dtago que o assumpto demanda ; combine todos
os projectos, nao desprese nenhum, e acabar
urna obra digna de si, digna da provincia. Por
isso est o orador.
Vai mesa, apoia-se o seguinte requerimento :
Requeiro que o projecto seja remettido com-
missao de iiistruccao publica.Gusmao Lobo.
O SR. OLIVEIRA FONCECA expoe como na as-
seutbla provincial foi tratada em 4 annos a refor-
ma do ensino primario, e o andamento, que da-,
rante esse tempo, tiveram alguns projoctos relati-
vos a mesma retoma.
Conclue requerendo, que os projectos n. 46 de
186o, e n. 76 de 1868, com o substitutivo offere-
cido em 2* discussao, sejam remettidos commis-
sao de instruego publica para considralos si-
multneamente com o projecto n. 58 de 1869.
Vai \ mesa e apoia-se o seguinte requerimento_:
a Requeiro que os projectos ns. 46 de 1865 e 76
1868> bem como o substitutivo oftorecido neste
ultimo anno sejara remettidos commissao deins-
truccao publica para te los em vista, juntamente
com o de n. SS de 1869.OJira'ra Fonceca.
O SR. GUSMAO LOBO diz que sendo mais am-
pliativo o requerimento que acaba de ser oftore-
cido, e tradiuindo o seu pensamento, requer a
retirada do requerimento que offereceu.
Encerrada a discussao approvado o requeri-
mento do Sr. Oliveira Fonseca, consentindo a casa
na retirada do do Sr. Gusmao Lobo.
2;* diseusso do projecto n. 43 de 1866, Nftt*
land) a forma da arrecadaco dos impostes pro-
vmciaes.
0 SR. GUSMAO LOBO applaude a idea que o
projecto consagra. Saba-se muito quanto ve-
xatoria e embaragosa a arrecadaco do imposto;
mais supportavel o jugo do imposto que a du-
reza de sua cobranga. Este o sentir de lodos ;
clama-se desde muito utilmente contra este es-
tado de cousas.
Eis ahi o que o projecto procura prover de re-
medio, estabelecendo regras e medidas medianto
as quaes o contribuinte vai ter todas as Jlesejayen
facilidades compativeis com a artecadago do im-
posto. .
Tratando-se,porm, de assumpto grave que devo
ser meditado, parece que cumpre addiar o projec-
to at que seja impresso e destribuido.
Vai mesa e apoia-se o seguinte reqnerimento :
Requeiro o addiamento da discussao do pro-
jecto ato que seja impresso.Gusm Lobo.
Posto votos o requerimento approvado.
Tendo dado a hora, o Sr. presidente designa a
ordena do da e levanta a sessao.
REVISTA DIARIA.
ASSEMBLA PROVINCIAL.-rHontem, na hora
do expediente, a assembla approvou um re-
querimento do Sr. Antonio Paulino, pedindo in-
formagdes sobre a execuco do contracto do
calgameto desta oidade, e outro do Sr. Rufino de
Almeida, st licitando a remessa do poreeer dado,
pela commissao nomeada o anno passado pela
presidencia para examinar os eslabelecimentos de
oarijdade cargo da Santa Casa de Misericordia.
0 Sr. presidente, em vista da delegago qne Iha
foi dada, nomeou para a commissao que em nome
da assembla tem de felicitar S. M. o imperador,
S. A. o Sr. conde d'Eu, o Exm. visconde de Pelo
tas, pela felii terminacao da guerra, aos Srs, se
nadores visconde de Caraaragibe, narao J**"
pama, e deputados Antonio Joaquim de no
Silva, Joaquim Pires Machado Portefla e Franene
do Bego Barros Barrete. ., .
Passando i ordem do dia, approvmvem 1 ms-
cussio, o projecto n. 13 Oeste ana, que eleva a



A


'Diario Yetnxmbvteo Quinta (eir SI de Abril de 1870.

e
Marea o temo do Buique, desmembrad* d
Garanhans, o de n. 19 deste anuo, que rea r
datos u tornalas de Granito e BezenTo, rallando
os Srs. ftM>e Mello feo ;" em' discosslo,
o de n. II tamilmente deste -amo, autorisaodo- o
toverno adJspewhr a quantia de 5:000* com a
coastruccfl*; detipia calcada n tomo da cadea
da vH do Breio da Madre de Deus, depois de
orarom oi Srs. GusroSo Lobo, Vieira de Araujo,
Wbeiro Vianna e Ohve*"*ceca,i 'de* 23, too
Tevoia a le n. 732 0>f dojunho de 187.
Approvou tambera em 3" di.'cussao, o projecio
a. I deste anno, que re-roga os arte. 8 da-lei
n. 600 de 13 de maro de 1864, e de d. 11, que re
voga o art.-l' da le d. 7&3 de 2 de mato do 18B3.
A ordera do da para hoja : i* diseoasio do
rojectos na li, 26,17, 28, M, 31, 32, 33, e 34
{este anno; 2* dos den-. 97 de 1867, e 60>de
1868; 3" do de a. 1 deste anno.
FEMADOS.Por dellberacao da prosidencia da-
provincia serio feriados as estacos publicas ge-
raes o proviiciaes, os das 21, 22 e 23 do cor-
Tente.
SOCIEDADE EMANCIPADORA.-Com o flm de
firoitio'ver, por Udos os meios legaes seu alcan-
ce, a emanciparlo do elementa servil em Pernam
liorn, foi organisada a Sociedade Emancipadora;
limianda-so por ora a libertar, com o auxilio da
mas rendas, dyAcocs e auxilio- de qualquer es
peeie, escravos do sexo femenino de 8 a 20 anuos.
Cada socio effectivo pagar urna joa seu ar-
ruino, nunca inferior a 54000, e mais una men-
saliilade em rolado daqnella entrada, comanlo
Aquellas pessnas que desejarom fazer parte des-
sa sociedade, devere prorurar as listas de ius-
crpeo em mao dos artoaes socios.
PROaiBiCO H \SOAVEL. Aflm de evitar atro-
ellos da populaco durante as noutes de 21, 22,
3 e 24 do corrent, em que devem ter lugar os
festejos pela terminado da guerra, o Sr. Dr. che
fe de polica resolveu prohibir o transito de caaros
e ontros vhieulos, das 6 s 10 horas da noute
dsses.das, as ras da eitade ; devendo os car-
ros me vieren da Boa-Vista estacionar na praca
do Conde d'Eu, os de S. Jos no largo do Carmo,
e os de Santo Amaro ou Olinda em frente do <5ym-
na-io.
NOVO ATHENE0.-lL.j6 s 10 horas da ma-
nhaa llavera sessao.
JUSTA RECLAMACO.A commisso de feste-
jos da ra Visconde de Pelotas pede ao Sr. coro-
nel cominandanto da diviso patriota que, ao sabir
ella da ra do Hospicio, d volta pela praca do
C ind i d'Eu, ras da Cooeeico, Rosario e Visean-
do do Pelotas em busca da ra da Iniperatnz.
Adiamos ju-to semelhante pedido, e esperamos
que ser atlenddo.
THEATQO DE SANTO ANTONIO.-Ton lugar
hoje nesse theatro, por occasio dos festejos naci-
me.', um Itmpiuow baile sem mascaras.
FESTEJOS POPULARES.-Nao tendo podido ser
adiada para o da 22 a passeiata da diviso patrio-
tica, f ii o pmgrammi dos festejos assim alterlo :
Dia 81-passeiata d;i diviso patritica, apsfa
Te Deum.
Da 22festejo* par iaes das ruis.
Dia 23segunda passeiata da diviso patrlo-
lica.
Da 24grande fogo de artificio e illumina?a>.
NOT.WKL C (INCIDENCIA. Les nos no Cea-
rense :
> No dia 6 de abril de 186: pelas 6 hora- da
tirde largnu de no-so porto o vapor Jaguar be,
d companhia Pcrnamborana, condiuindo a prl-
meira legiao de voluntario* da patria, que segui
em demanda do Par.iguy para desaggravar a hon-
ra'daar), que havia sido desc immunalmento
ultrajada .por dous desp tas do Rio da Prata,
Agurre e Lpez.
No dia 6 do \bril de 1870, 5 annos depois
permittio a provfdeoeia q'ie pelas 6 horas da ma
nlia ahicasse ao inesmo porto o Ipojuca, da com-
nanliia Pernambucan.i,, com a faustosa e grata no-
(icia da ronrlu-o d'essa guerra fatal e de eter
minio, onda tnto sanetiederramcHt se, lanas vida
saen(kara:ii-se ao furor selvageni d'is-es 2 despo-
tas, de ijrif felimonte nos achamos Imjp vre".
Sao d'esses fados que nao se explicam sena
pela le d.t faialidade.
?AUECIJENTO.-Em Villa-Bella fallece^ a 0
do marc i ultimo, victima de urna fehre perniciosa,
o Sr. l)r. Sainad G inaalves Ayres, formado uannu
pateadu na Pacaldade de ireilo dj Reciie, natu-
ral Jjquelle lugar.
__ p'.-'ir!.i>A!i-: .;!: uiaKira Snb awtooiia do
:i.\'.i. .Vi -niid'irn vil'" irrnu T/n'Bento 4 \itt,^*
<: Fi:.uiiio.io rcsolveu-a cnngreg'c> do< lenbM Ja
Ei.cuMadt de Direilo do Reeife dirigir -uas feliei-
iits a S. M. o Im llorador pa terminaca da
gaumcontra o Paragmy; e piraesso fnn qdumou
unta coniiti'Sao eumaosia mesmo sanad r, e
dos Bxms. Srs. senador visconde de Cnnaragibe e
iM.i-ivi :iim J ipi.-iraiio Ualoir.i di Mello.
DIVHErKOO vapor Ipojuca troute asseguin-
les quan.is para os Srs.:
Alfredo A C.
Monteiro. Gregorio & C.
Si Leilao & Iroios
J.i Rodrigues de Souza
J s Fenaiidei do? Sant >s
l.niz Qdncalves da Silva & Pinto
'.iinlia & Manta
CB"TELRAS.Com osle Ululo acaba de publi-
car o Sr. Victoriano Palhares mn mimosa livrinho
de bellas poesas patritica?, dedicado memoria
ia* Pernambucanos morios na campanha do PttM-
Como ludo que sae da penna do joven c distinc
ta litt rato sao as Centelh'is, um gentil cnnjunctn
de odorantes II-res artsticamente enlaeada?, e
praticamente depo-tasaos ps dos bravos i'ernam-
liuranos, que sncrumbiram nesa lula titnica, d.e
a- sanio o Brasil grande e imponente, como
rTnd<^ imponente a propria gloria.
a o prefacio do sen livrn (li o autor :
A guerra do Brasil com o Paraguay originon
e-tclivro, que se compe de versos, mais ou iup-
nos, improvisados nos uiomentos de enthasiasmn
patritico, ao rejubilar-se o povo saudando as vic-
t as do soldado brasileiro, tnuiiiphaiitc sempre.
sobre v* campos da repblica lyfanna
Vx, como nisceram, desalinhado, Ineofret
t is, talvi-z. E' que o enthu-iasmo, que os ditou,
uma verligein, e a vertigem nao conhece precei-
:os. Como para ser hiro-? basta o brio e a tarea,
para ser poeta basta o coraba.) e o senlimento.
Sen alte, pois, os meus versos aqni, diro sempre
alguma Cousa, assim como all, sem escola, os
i'.o-siissiildados tudo ftzrrara.
Ms ninguem se persuada que ha ressaibos de
verdade. nessas palavras que, com referencia si,
diz o |M>eti ; nao: alii fillou a modestia, essa sa-
crosanta ir.nica que veste as grandes alma'.
A* poesas patriticas de Palhares sao sempre
toiiiusi.isiica'ntnte b 'Has, e sna leitnra traz sem-
pre ao espirito invrsivefs volupias de amor pelo
Relio c pelo sublime.
Nenas a multidao habituada a aprrlaudir o poe-
la rom estupenda admiracio, so teto sempre re-
>ist i, ouviu lo cantar ai' glorias do >eus. E' para
a multidao, pira o poso, que tanto d quer e
."precia, que ce dirige o poeta offerecendd e seu
livrinho. E o povo leve iecorter ao seo chama-
do e testimunh.ir he agora a sua svmpathi, nm-
n.ndo so das Gentelhas em a livrari. fram-eza
roa do Crepa, oa na livraria Parisiense e luja de
cliapo de sol de madama Falqoe roa do Crespo.
IPOJUCA.Cbegou hontem do Acaraed e porio-
ialerineilios esta vapor. da eompauliia l'ci'namliu
cana, tratando dalas do Ce ir, al 13, do So
Grande at 17 da Parahylu 19 !o corrent.
Na capital do^ Geara houvuiam pompusas
feslaspela tenuinacao da guerra.
boWo^K'. s(^dcTW3Wd4 Alnelaa
e Albuquerque e4ua Exma. familia.
t" a petlr da Wri Impropria ao desemWque,
6. Exc. leve urna rocepcao condigna, e fci acn-
panhado por muitos amigos at saa, residen*.
i Felicito a S. Exc. por .sua boa viagem.
i A nossa assemtlea provincial cncerrou seus
irabelhos, no da 1.8 da correte concedendo
aTtmnfclrac>o as leii ndlMH, e todos os recur-
sos para bem governar no ptoaimo aano finan-
ceiro.
< Teve lugar na ia 17 do crrente o TeDeum
em tojao de gragas pela tetmnicao da guei ra.
A igreja do cotl*f|o qoe serve de matriz foi a
escomida para esse flm.
O Templo'estece priroerojamento ornado, ac-
cupando a tribuna sagrada o talentoso Rvrn. Dr.
Leonardo Antones Moira Jlenriques, com a profl-
cieneia do costme. -
< Nessa occasio sWorriaram 19 escraviubos do
sexo feminino.
A' noute queimou-se um grande, e magnifico
fogo de artificio, subwdo ao ar muitos balSes.
-TeamiBeB o festejo um tcllo soire nos seles-
da assembla provincial o qnal esleve bastante-
mente ncorrido, bem servido.
As chuvss no interior da provincia continuam
abundantes, o rki prosefuo rece endo aguas do
monte, que muitos estragos tem fcito s estradas,
e plantaedes adjcentes.
O coimnerclo continua parausado, e sem en
iradas do centro. Algumas saceas de algoiao,
que esta soiiaua vieram a esta praca obtiveram
o preco de ll^MlC por arroba.
- A carga existo, apenas, no porto a esenna
traba* do lovastaaneoto 8e flanu do povoado4
da Towe. Inteirada, omnaolque-se ao -
rty o- so pnoeurador.
Oatro do maamo, de 4 do crrente, concedendo
a aotorisacSo que pedio a cmara em offlcio do.
H d marco provimo lindo sob n. 16, para no-
mear um collaborador que coadjuve ao contador
no desempenho dos deveres que tem a seu car-
,go.luteirado.
\ O Sr: presdante deca amara qne o dda-
do Joquim Xavier da Fonceea Capjbaribe ja se
chava prestando esse frvico, em oansequencia
do que o propohha cono effectlvo. Foi approvadn
a proposta, votando contra o Sr. Dr. Moscoso.
Mandou-se enpedir as necessartacommoniiaoSee
ao oomeado, ao contador e ao pcocurader.
Um oficio do gerenta da crmpanhii dos irilhos
urbanos do Recifa Apipucos, cofcrindo oulro do
cheft da TCparti(aV) das obras publicas, e com des>-
paeho da presidencia, mandando vottar i cmara
para dar parecer vista das informac5e3.A com-
mlsso de difiaoa.
Outro de HoHtwwino Alves d'Aroacba com des-
pacha da presidencia, mandando informar na qual
o pcrrcnnrario oflerecB por cada um dos quatro llastos
8:4fit*V
2 000^000
2: 005 00
1:600*00:
2V8790
215*001
89.700
sueca Minia embarcando algodo para Liverpool
com muita morosdade, pela falta absoluta de
gneros que existe na praiga.
fispera-se tambem para carrejar neste porto
a barca portugneta S. Miguel de propriedade de
alguns negociantes desta praca. >
CARLOTA PATH.Esta notavel cantora, que
desde setembro do anno pass^do faz as delicias
da America do Norte, devepassar por aqui eni ja-
nho com destino ao Rio de Janeiro, onde vai dar
alguns concerlos.
Acorapanha-a o excellente pianista, mulo d*i
Listez e dos Thalberg, Theodoro Ritler.
Depois de cantar na corte, a rainha dos concer-
t?, como a denomina a imprensa dos Estados-
Unidos, ir Bahia, e em seguida vira dar alguns
concerlos em Pemambuco ; depois do que re-
gressar ao Rio, e d'ahi seguir para M intevido:
Se assiai acontecer, tr o nosso publico urna
excellente occasio de ouvir nina cantora de pri-
meira orden, e de jxlasiar-seouvmdoos sons ma
viosos que nroduz a sua voz meliflua doee.
SANTA CRUZ.Remcltem-nos as seguimos li-
nhas que publicamos com sati-faf,ao :
Oracas ao generosa concur-o de litteratos da
arte vjeal. algumas senhnras da nossa melhor so-
ciedade, tivein.'g a satfsf cao de ouvir na sexta-
feira passaJa, da Santa Paixo, melodas sublime?
como as das Sete Palavras por Mercadanle, o va-
rios versos do Stabut Mater deRjssini.
< Grande e bello e-ta mino da mais sagrada
das artes com o mais sagrado dos actos de nossa
vida, com a religio !
t Se estes grande maestros em momentos de
inspiraeao deram expre-so a senlmentjs ade
nidos coinmemocacao de facto? de suprema
importancia para o uosso culto, e por isso mere-
ceram a immortalieade, ganhun titulo sinceros
ag .d-cimeotos aqaellas almas inspiradas de amor
religioso que, cantando as glorias de D.-us, preds-
pem os e-piritos a receber r.s santas doutrinas
que, com au:irisada voz, o padre offerece aos deis
em b.'in pensados sermdes.
Por sso a sexta-feira da Paix'io na igreja da
Santa Cruz nos deixou suaves recordacoes.
Mis poderramos deixar escapar esta opportu-
nidade sem indignar, de quanta proveito nos seria
de alguma maneira regula risa resta unio de mu-
-ica com a igreja f
O sagrado cntico nos falla dos anjos com
qne nai oeswwn de cantar glorias.
O mosleiro da Montserrat imita um penco
esta nao in'.errompida devoeo. As cidade- prioci
paes tem varias sociedades dedicadas ao canto
ecele-iaslico.
E o aosso bellf Pernambucjj'no podia conler
pelo menos urna tal sociedade ?
Consta-nos que se faiera esforens para reaoir
um errto nu'oero de -enhivas em soci.fdade com
o (im todo especial de cultivar a msica sagrada.
Aquellas que na.) souberem mnsica ulTere'O so
psu '.oiioo gratuita uobio, certas condieoos
muTnr faruf?.
Foroiando assim um ncleo todo animado de
um mesmo |.en-.-ment, su militas as vantagen
que d'ollo se pode.m esperar, tanto social, como
rehgi isa e mtisticamente.
Nao podemos por isso deixar de louvar um
tal plano, o fazer voios pela reallsacao e pro-
gressos.
LOTERA.A que se acha venda a 144a,
beuelicio da igreja da Casa Forte, a qual carie
no da 26.
PASSAGEIROS.O vapor brasileiro Ipojuca en
irado da granja e partos intermedios, trouxe os sd-
guintes.
Biro de Mecejaaas e 1 criad, Francisco Anto
nju Lnu ada, J lio Lourenr,o Gomos, Joaqun) Ma
noel de M. Wanderluy, CusUdo de Pinito Simdes,
Juo Luiz Tavaicsda Silva e 2 e-cravos, Braz Fi-
ehein, Antonio Fo-hein, Vicente AnJr, Jacob An
dr, Mathiis Aar, Jacob Corles, tente coronel
Giulhernie Pereira de Atevedo e 1 llho, Jos Joa-
(.quun da Silva Ribeiro, capilo Manoel Jos Mar-
luis, Antonio Lueow, Domingos Toto, Camillo Bap-
tista de Menezes, Sabino Beuicio S. Leo e 1 cria-
dvi, Raymundo C. A. de Oliveira, Amaro Brrelo
de Albuquerque M.iranho, Thomaz Barrcto Los
de Barros. Dr. Angust) Carlee de Amorim Garca
e sua familia, Joaquim de Amorim Garca, Jos
Alves Vieira do Aratijo, Juo Luiz Velnn de Mello,
Manoel da Costa Va seo n ce I los, Joaquim Jo- de
Oliveira A., Dr. Jo- Tnoinaz e Arnaut, Dr. Fran-
cisca de Assis Pereira Rocha Jnior, Manoel B da
Silva, Dr. Bento Jos Al es Vianna, Francisco An
tonio da Cosa Lima, Silvestre Pereira da Silva G.,
Manoel Porra Aranh, capilo Francisco Fernn-
des Lima, Frci Alberio, Rento Augusto da Silveira,
Elviro S. ds Noves Leile, Leonicio Pereira do Aze-
vedo, Jos Domingos de Sampaio, Joaquim H. Oso-
rio, E. C. "de Souzi) e 5 escravos a entregar.
A barca port gueza Flor de S. Simao, sahida
para o Purto, levou o seguiute :
Joao Marros de Araujo.
Sabido para Liverpool no vaptr inglez Saa-
phire;
Charles Croone.
nei
ou
tras pes-soascotisaram-se e allbrriaram um es-
cravo de 8 anaes da 9r. 'Joa |nhn da F. S ares e
Salva.
O no Jagnarlbe Ja comcava alnikar, esneran-
do-'fi que dentro ent:niW vohc ao seu >t!t'Jo na-
tara!.
As chovas.eram geracs em toda a Hio'. iKa, ,
O diurna de.miungas do munjaipio de Saiu'An-
na fm arrematad*) .pela a.iaua .'Ij LWO.'o da
ii.i por S;86S# o djyiuixeramuliim or :!:II0* a
o da Granja por 1;7'V
.O vajwr ingl b^ a Red oiusj lio>,
qaiado sabia d) pjiiu Ja Portajuza. para a Em-
i. b.eu sobr o Imxa. do meio, fazendo logo 9.
T-ciil.) volta Jo parjjff?
r.5ua por
cjridouro, deiifccaB'.i e ii i! star
v. ftunai
mjnao
.-oucluao da ,g
Nada ocect
ar no
'.-,tfl/
CHARA SIUNICIFAL.
PRESTORNCIA 00 SR. DR. B\RR0S BARRET0.
Presentes os Srs. Dr. Seve, Dr. Costa Jnior, Dr.
Pitanga, Dr. Moscoso, Gameirb e Costa Moretra,
abrio-se a se-so, e foi lida e apirovada a acta da
antecedente.
l.eo-se o seguinte
i:XPFmENrB :
Um offlcio do E:(!n. presidente da provincia, de
23 de marco ultimo, rem<5tt3nao a cmara urna
copia do cntraci.: celebrado em 19 do mesmo,
co.n J.is limriquo Triidade para o estaheleci-
mento de um sysuma de carris de trro, ries ter
mqs da lej n. 879 de 23 de junha de 1869.In-
teirdo, remelU-se copia a cnmrassao de edilk'a-
Oatw i}o mesmti, de 33 de '103*00 prximo findo,
rccominehilando cmara, qae para dar cumpri-
men'o ao aviso du ministerio o imperio do 10 do
referido t'ez inXo'rme. com tod4 a urgencia qual
-------r 1 r 1 w.-Pri-iuca ae caoa verua, o nuai a somma aes-
apeo, ur*. i-wj"i"'."'' pendida durante e.mesmo perio3u, cxlreraando^e
Oa., Angosto B. de Ca tro e. Silva, Flix Jo-ed a for ,iuecillI a ...ada verba : ana i
So'iza, Jas Pompeo e JMpMi rew-io. a mais
a que for especjil a cada verba ; que inform*
tambem se oxistin neste inadicipio e quantos
tl)_tatros,typagr3R'jias, bibliotecas publica; e par
tic'unres, [jas de 'livros, bem c)rno qaantos jor-
nnes p.altlicoj, litteranos, scientlicos e religiosos
se habli'm, com que formato, eqoal a'sua circu-
JicJio.Quanto a.primeira parto, a ffonloJaria sa-
(thlaea quanlo a segunda, os fikcaes ioormem
convoEltDtemehte.
OclT) du mesran.'fte 0 de rairco prximo'Dn-
d ', remeli'.n.lo a. cimira, jjul U 'que de as41ro-
'videacas qaCtjoJgar conveniente*, a'reproscnlacao
. jpctf'a por copia, do fleielbarjalor provedur da
Saoia,Casa de Misericordia de 11 de Janeiro ulti-
mo sob n. 2381.-A cdamlssSo encarroada dos
' publico.
oatro do irieBm,', do r ramio.
nar.i qne rorrtodaastisncSo cUf pT'fna-
Jo a.jec.<}be-la a.uma hqra,da, lard do da 3 dv
di'o Mi, oWp 'a ntffla' 9e{etS 'e '>xprcs:i em
^ Wvmtly\h>imsIai qavm n^im rcspo.M-
iJff ^o.-rdoieirado.
'srtfj, do Io do corrent, conciylca-
f
'rtdtc : 'r'tter orarre oliim, sob n. 18, para ftotpWtB
' Cbegaa i eua capital, no dia 18 do correte | p"la vtrbaAEveniuaes a quanlia de 500#", com
,i,1o i citmara a antonsaca que pedio em offl'.'io de
'f&'tte-'otarrcr
Ihos do acougue da fregnezia de S. Jote, que nao
foram arrematados, a quantla de 300JO00 por an-
no, pede SvExc., que precedida a iuformacao
lhe mande entregar os dHos tamosA commisso
de polica.
Outro do me-mo, tambem com despacho da
presidencia, man lami informa., na qual requi r
o sopplicante S. Etc. que lhe mande arrendar
por tres annos a praea da farmba e imposto de
80 ris por cada carga do dito genero, mho e
feijao e outro qualquer legumo, offerecendo l:O0O|
por anno.Que o proenrdor informe quanto tem
rendido o Imposto desde o de outrfbro ultimo
at esta data.
Um offlcio doSr. Dr. Ignacio Joaquim de Sou-
za Leao, partiripardo que per ter de tomar assen-
to na asssembla provincial, deixa de comparecer
as sessSes municipaes.Inteirado.
Outro do administrador da recebedoria, rogando
a cmara qtte se digne, bem do sorvco publico,
eatiar-lhe urna relagao nominal do9 devedores do
imposto sobre industrias e proflssdes, suostituitivo
do de 30 0/0 sobre loja, casa de descont etc., que
no exercicii) de 1869 1870 e no mez de marco ul-
timo, tenbam pag > o imposto municipal, que sao
obliga do3, com declarado das ras em que esto
establecidos.Que o contador satisfaca.
Outro do juir de par, votado do Io districto
da freguezia da Boa-vista, reqaisilando alguns ob-
jectos necessaTHs para o expediente da junta revi-
iofo de qualiflcaco Inteirado por ter sido j sa-
tisfeita 3 requisco.
Outro do tenente coronel commandante io Io ba-
lami de animara da guarda nicional deste mu-
nicipio, declarando cmara qne o mesmo bala-
Ibao nao podendo ser indifferente ao regocijo pelo
jeabamenlo honroso da guerra contra o Paraguay,
e querendo concorrer para os.festejo9 que a me-
ma cmara tem de fazer, offerece gratuitamente
as I-andas de mu-iea para locar, nao s no Te-
Dtum, como tambem por occasio do fogo'de ar-
tllelo que tem de ser quemado. Aceitou se e
manlou-se agradecer.
Outro do juiz de paz, 1" votado da freguezia
de Sa Jos, remetiendo o'livro da qualifleayo dos
votantes, procedida ltimamente na dita freguezia.
Ao archivo.
Outro do escrivo da irmandade do Senhor Bom
Jess dos l'assos da igr ja matriz do Corpo Santo,
declarando qne tendo no dia 31 de mareo ultimo,
pelas 6 har is da tarde, de ser traslada la a vene-
randa imagem do mesm Senhor, daquella igreja
para a du Rrmo, e"no dia seguinte s tres horas
da tarde ahir em procbsaodo dito Uonvonto par*
a referida matriz, convida a cmara em nomo di
mesa regedora, atlm de acompanhar a mesma sa-
cro-santa imagem tanto no da 31, como no dia se-
guinte em solemne procsso.Inteirado.
Outro do alndnrsMMor do cemiteno publico.
'coiniminicando que no da 2 do presente mez, to
mou nosse. e entrn em exereicio o respectivo
capellao,.padre-Antonio dos Santos Oliveira.In
teirado.
Ouiro dome*mo, solicitando diversos melhora-
mentos necessarios ao estihelecimenlo, tes como
a sub.-tituico das arvores existentes, nivellamento
le alguns lugares, e mainr numero de serventes.
- k CAiinmissa 1 respectiva.
Outro do enganheiro cordeador, informando o
requermento de Vicente Ferreira Pinto, declara
que a parte do terreno que o supplicante quer
murar, assim coma a casa acham se marcadas na
planta para seren des.-.ppropriadas para anortara
c ilongnmMito da Iravcjna aa Vpntnra, por i-so
nao se pude conceder a c> nstruccao do muru na
lugar que reqiierConcedeu se, assignandn (ee-
imo de nada receber pelo muro em construc-o
no terreno qne'for orcupadn pela ra.
Outro de mes-mu, rffbrmandoo requenmenio
Joao di Cunta Magalhes, diz que nao ha Incon-
veniente no que pede o sopplicante. Gonce
deu->e.
Oulro do mcjino, informando o requeri)en
do bario do Livramento, declara que nada tem 1
op'iior sobre a construc-o das doas rasas de 30
palmos cada urna, mas quanto as 14 qne quer
construir na travessa do Occidente, nao tem lugar
por quanto as posturas nao permiitem com men is
de 3o palmos.Mandon-se dar cordaaco para as
dtias casas de 30 palmos, e quanto as outras
nao tem lugar.
Outro do mfsmo, informando sobre o requer-
memo de Manoel Ferreira Pinto, declara que ni
dii tem a oppor, devendo dar se lhe cordea^o.
Outro do fiscal da fieguezia da Ba-Vi.-tn, rom-
munCundo que o Dr. Jnaquim Antonio Carnero
da (ainha Miranda achava-se ennstruindo um oi
to do casa na ra da Attracco sem licenca, e
alm disto a dita casa est frs das postura, pelo
que o consideren ineurso no que dispoem os arli-
gos 2 e 3." combinados com o art 17 das ctalas
posturas de 2 de majo de 1868, cujo termo de in-
.fraego remettia.Inteirada visto haver o secre-
tario declarado ter remettido o dito termo para o
procurador.
Outro do mesmo. participando haver Jos Alves
da Silva Gulraaraes obiido licenca para edificar
quatro casas na ra Formosa, constroio os alicer
ees das mesroas fora do alinliamento que lhe foi
marcado pelo engenheiro, em vista do qne deter-
mnon que nlu eontinuasse com a obra, sem que
a cmara resolvere a respeito.Que proceda de
cooformldade com as po-turas, e r-metta com nr
gencia o termo ao protnrador para re^nerer o
emhirgo.O Sr. Dr. Pitanga fez o seguinte reque-
riinento :
Itequeiro que esta cmara -nomeie urna com-
mis-ao na d)He do Rio de Janeiro composta dos
pernambucanos mais distinctos para felicitar em
nome della e dos seus munrclpes a S. M. I. pelo
feliz acabamento da guerra qne tinha o Brastl com
o goVerno do Paraguay, o cuju fdiz xito gaTante
a paz e tranquillidade nao so ao imperio como as
repblicas alijadas.Paco da cmara municipal, 6
de abril de 1870.Dr. Pitanga. >
Posto em dlscnsso foi approvado com o addi-
tamenlo feito pela Sr. Or. Barros Barreto de ser
felicitado tambem Sua Alteza o Sr. conde d'Eu.
Em seguida traa-se da nomeajo da commis que se deliberou fosse de cinco membros.0 Sr.
presidente declama aos seus companherros la pro-
ceder a vot {5o de, quas os pernambucanos que
deviain cempor a colmlssSo,Os Srs. Drs. Seve e
Pitanga votaram nos Exms. Srs. marqaez de Olin-
, baro de Pirapama, Or. Joaquim d Souza
Res, Dr. Tfaeodord Machado Prelre Pereira da
Silva e Dr, urbano sabino Pedida d Mello.Os
Srs. Drs. tarros Barreta e Boto Cosu Votaratn
nos Exms.' Srs. visconde de Camaragibe, Conse-
Iheiro Jos Bento. da Cnha e Pijjiieiiid. t rfio
Je Pir'paina, Dr. Tfteodoro Kachido Freir Perei-
ra da SiWa e Dr. Joaquim de SodZRis.Os Srs
Dr. Moscoso, Gatfefro te Costa Morelra votaram
oos Exms. Srs. viSebode de CaOiaraglbe. Dr. Fran-
cisco d) llego Barros Brrelo, barid do Pirapama,
Dr. Theodaro aahad Freir Pereira da Silva e
Dr. Jaquim Je Souza Bel.Em vista de seme
Ihante vot,i?So, commis Bxm. Srs. Visconde de Camaragibe, ftaro d Pi
rapama, Dr. Francisco do Hego Barros Barreta,
Dr. Theodoro Machado Freir Pereira da Silva e
Dr. Joaquim de Souza Befs.-4>eTfberoo.-se Ouc se
offlciasse a cada um dos nomeados.
O Sr. Gameiro r a segoidte proposta, que t
approvada. Proponho que d bryra em diante
se denomine a praca do Artesa! flh SjariBlia, ura-
^a dos Voluntarios da Pajria.^i*>'-la cmara
municipal do Reclfe, I olbril mkJmj.
reador utero.
Furam Juprovados dous parecer dao.immis-,r
sSp de wincaco o .primerro '1)80*0111111100 qup'
Hernardlho Jiw Leitio mure o seo terreno no7ln-:
ar1 da Saredade, nma tsi que nerinama-rmlemni-'
-sacio jirceba da eamara, quajatto es otiks
'aliertura da ra por SI tratatta yarespa
planta, para o qaa arfjhar om'termo fie t
ijco.
O segundo permitliado queJpsd'OnBphiwcMil
ir) fitlrmao edl/iqqem aa fnsra asas naTrajrassa
da ra do- Guararaps pAp a do Brom, derxan '
do 8 hrenr. n&tfr'fttA, mta'Hnm
mesma travessa j se acha aborta.
Foi tambem approvado um parecer da mesatt
camoitasaa, oocedendo a Adriano Aogusto de
Almeida lordao construir moro em sen terreno,
site a ra das Oficinas dos triihos rnanos de
de. Apipocos, com a condicao de nada exigir pela
porcio de maro que Pzer na laTfura drrua alli"
proeelada, quando a mesma fdr aberta.
Foi ldo e seguinte parecer d< referida com-
J roissao d edifica cao A commlsso de ejiica-
""cao de riiatao que esta camn municipal est
to obligada a fazer cumprir suas posturas quan-
to seus moafcipes a sogeitar-se ao que ellas de-
terminam, por quanto tem forca de lei, e por iato
nao deve deixar de exigir que ao curapra o que
dispde o art 3." da postura addtciona! de 27 de
agosto de 1869, que nao admiUe excepedes. Se,
quando, tratouse de couverter em po-turas o que
dispoe o aapracitado artigo, se tlvesse bem consi-
derado na hypotheses que poder-se-hiam apre-
sentar, exceptos se teriam nelle mencionado, e
neste caso serla comprehendida a de que trata o
bare do Livramento; por quanto este precisa da
depositar nos hogares, 000 indica enrona peileSn,
pedras destinadts ao calcamento de ras desta ci-
dade, e essa obra de ufiTidade publica. As pe
Iras, que tem de ser desearregadas, sao em to
grande quantidade, e tem de ser depositadas tan-
tas vezes nos lugares indicados, que nao parece
possivel observar o que dlspe o referido art. 3.a
c exigir-se o cumplimento de.-sa disposicao ser
um embaraco para a prompta ex rocao da obra,
a que qbhgeu-ie o peticionario ; mas esta com-
misso nao aeve dar seu voto para que abram ex-
eepedes as posturas municipaes que, para serem
respeitada, devem ser cumprdas fielmente.
t Avista do exposto esta eamara resolver co-
mo entender.
Sala das sec^dcs, 10 de marco de 1870. -Dr.
Jeaqutm de Aqnino Fonseea.fr. Prxedes Gomes
de Souza Pitanga O Sr, Dr. Barros Barreto,
dsu-se par suspeito nesta questao, o acadeira
passou a ser occapada pelo Sr. Dr. Costa Jnior
que p')z a materia em di-cusso, e fallando acerca
della diversos sonhores vereadores, por fim delibe-
ronse conceder a liceog requerida.
Mandou-se remelle r a com misso de sade urna
representar) do Sr. vereador Dr. Aquino, acerca
do de-pacho, concedendo a Manoel Femandes Si-
mas licenca para establecer na ra larga do Ro-
sario urna refinacao.
Teodo a sociadade Unio Commercial eslabele
cida aa roa da Praia, requerid > pura que esta
ra se denominasse -ra da Pedro Alfonsoat-
tendendo-se que este pernambucano deffendeu a
honra do imperio at morrer, pelo que seu nome
deve ser lembrado e nunca esquecido, pede a c-
mara se digne faz-.'r a sub'tiluico.Attendeu se,
e mandou offlciar a sociedaie que o nomo de-te
pernamliucano mui distinc u e-tva deurminad.'
para a ra do Apollo em um trabalho que tem de
ser publicado, mas que attendendo a peiico del-
la, vai mandar collocar na ra da Praia,'salisfa-
zendo assim o seu pedido.
Maudou-se remeiter commisso de edifiexeao
um reiuerimento do Dr. Joaqun Antonio Gamei-
ro da Cunha Miranda e Arsenio Antonio Carnero
da Conha Miranda, em que juntam o titulo de
posse do terreno que possuem na ra da Aurora,
e do qual pedem indemmsaeao.
O Sr._ Costa Morcira fui nomeado raembro da
commisso de arborisiQo.A esta commisso
mandou-se remetter urna petico de Manuel Alves
Guerra contratante do planto de arvores nesta
cidade.
Concedcu-se ao secretario nma licenca de ses-
senta dia- com todo3 os vencimentos para tratar
de sua sade.
Despacharara se as petir,oes de D. Anna Eduar-
da Alves Ferreira, Antonio Fraocw, Crra Cir-
ilo o, o reverendo D. ibbade do mosteiro de S
Bentia, Antonio Henrique Rodrigues, Albino Jos
Ferreira da Cunba, o coronel Agoslinlio Bezerra
la Silva i'.r.alMnte, Albino Jos da Silva (.>). An-
tonio Ai!r:-: 1 l is Santos Porto, Antonio Francis-
co Daarte, Augusto Be.trande, Antonio da Silva e
Mello, Antonio Valentim da Silva Barrica, baro
do Livramento, Bernardino Pinto Co h >,. Bento
Joaquim Gome-, Clemenlina Theodora da Silva,
Dimingos J is Ferreira (i), Franci-co Canuto da
Boa-Viagem, Francisco Garrido, F'orinda Jose-
plia Ferreira de Carvalho, Francisco J .s Goncal-
ves da Silva. Franco do Carina Rheiro, Francisco
Bargas das Chagas, Grenorio Thaumaiurgo de S
Leito e J. N. Ferreira, Innocericio Rodrigues Li-
ma, Jas Gnocalvos Beltio & Irmo, loao Evan-
gelista de S, Jeronymo do Sooza Leo. Joao Car-
los Ba Goncalves de Sunza Bairo, Joao da Cunha Maga-
blioii, l quim Fraaeisco Colares, J laquim Sevenno No-
(ruelra, Jo- l,niz Ferreira da Cosa, J io Jo de
Magalhes, J..s Cordeiro do Reg Puntos, Jubo
Lopes do Albuquerque, Jos da Silva c Nunes,
Jd-oo Francisco Junquero, Luiz Francisco Go-
mes. J,uiz Antonio de S mza, Luiz Eduardo do
K dlanda (2), Manoel Fernaniles de Sim.is, Manoel
Jo-'1 da Costa Reg, Miguel Archanjo da Cruz
Miinit, Miguel Candido de Mediaros Palo, Manoel
lavares de Lima, Mariana da R-cha Ba-tas,
Manoel Ferreira Pinto, M-.nnel Firrnmo Ferreira,
Manoel 'arlos de Alhuqucriue, a Ordem 3.a de S.
Francisco, Prxedes da Silva Gusmo, Prisoilla
Senliorinha '-'endes de Alliuquerqoe, Rufino Ma-
nuel da Cruz Cousseiro, Ricardo Francisco Cof
ri, Dr. Shfronio Ce-iar Coutinho, Tbpmazia Ma-
ra da Conccicao, Thomaz do Carvallio Soares
Brando, a viova de Joaquim da Cosa Moreira e
Vicente Joaq im Pereira Maia, e levanttiu-se a
sesso.
En, Augusto Genuino de FiguerJo, oficial-
UMinr servindo de secretario a escrevi.
Mano"! de Barros Barreto, pro-presidente
Dr. Pedro de Alhngde L060 MoscosoCaetano Cy-
riaco de Castro Moreira. Ignacio Pestoa da Sil-
va Dr. Joao Mara Ser.
toe**; lfc.de abril de 70.
Laurentine Jote do Silva Santos.
Vira a aaI Brasi eir!
QARTEL DOCOMMANDO-DAPlVISAe PATRITICA
DA CtDADK DO B.ECIFB.
Orden do dia n.l. .
0 coronel abaixo assignado, commandante da
diviso composta dosbstalhoes patroticjor|an-
sados, e que sehouvrem doorganisar nesatcMa-
de e subuibies, sob o inflnxo da briosa soddade
Doze de Setembro, para o flm de festejar cfaH e
glorioso desenlace da porfiosa guerra qne o Brasil
teve de pelejar contra o tyrannc chee da repbli-
ca do Paraguay em desagravo de sua honra e aUg
nidade, desojando dar memoa diviso urna orga-
uisafo conveniente, de modo a satisfazer os fins i
que se das lina e a preenrber as vistas da mesma
ciedade e ospectativa do povo pernaoibocano,
qne por mnitos valiosos ttulos se deve regosijar
com a terminaco da guerra, resolve:
1 Que a di vi-a o se companha deduas brigalas,
e esta* das batalhoes patriticos que estiverem or-
ganisados.
.Qoe ebatarhoes de Santo Antonio, dos arris
tas e do corpo de lanceiros, pertencam 1* briga-
da, sob o commando do Sr. con nel Alexandre de
Barros Albuquerque; e os batalhoes da Boa-Vista.
Henrique Dias, e corpo de cavaltaria do-ecife,
pertencam a 2* brigada, que ser commandada
pelo Sr. tenente-coronel Apolnario Florentino de
Albuquerque Maranh Sobnnho.
3.' A diviso formar em columnas cerradas e
contiguas no caesViote e dous de Novembro
(dando direita ao caes), s 4 horas da tarde do
dia 21 do crreme, e d'ahi segnr para a ra do
Imperador a recebar o carro, devendo paaa isto a
1* brigada collocar-se na frente do carro, e a 2*
roctaguarda.
4. Seguir a diviso em dreitnra ao palacio da
presidencia, e d'ahi pela ponte de Pedro IT, ras
da Aunra, Formosa, Hispicio. Imneratriz, N*eva,
Caoug, Larga do Rosario, Estrena do Rosario,
Duque de Caxias, Crespo, Imoerador Ponte sette
de setembro, ra da Cadeia, praca do Commercio,
ras da_ Cruz O Cadoia, ponte, a debandar.
5 Sao nomeados para servir junto este
commando:
Ajudantei de campo.
Os Srs.: mejor Luiz Augusto Colho Cintra,
capilo Jos Joaquim Colho.
Assistenle-ajuiante do quarlel mestre general.
Major Jos Luiz Pereira.
Assistenteajudante general.
Amaro de Barros Onda.
Cirurgiaomr da divtsao.
Dr. Joao Mana heve.
Ajudantes de ordens.
Manoel Menelio Pinto, Dr. Henriqne Manwde
Lins de Almeida, Joaquim Das dos Sautos, Anto-
nio da Silva Noves.
Paraoervirem junto ao commando da primeira
brigada.
Assislente d> ajndanle general.
Jos de S Leiii Junior.
Assistenle do quartel mestre general.
Major Mergulh 1, d > 53* d- vuluntorios.
Ajudantes de ordens.
Severino Duarie, Lourenco de Si e Albaquerqu-
que.
Junto a segunda brigada.
I Assistenle do ajudante general.
Jos Rodrigues de Oliveira Lima.
Assistente do quarlel mestre general.
Jos Guilherme (Juimire-.
Ajudantes de ordens.
Os Srs. Drs. Aut lo Domingos Pinto Junior, e
Manoel Januario d'Arruda.
O commandante da diviso aulre a esperanza de
que os s uhores c immandanus de brigadas o ba-
lalhoo- so e^for^arao para que os mesnins bata
Ihoos marchem com o mainr numero de praea-
po-sivel, guardando na mesma marcha a ordem e
regularidado precisas ao realce do* festejos.
Assignado. -tos Maa Ildefonso Jncomc da
Veiga Pessoa, coronel coaim indanto da dw-lo.
Cioforme.Jos Lniz Per ira, ajudanla do
quai'i-l mestre general.
PUBLICACOES A PEDIDO.
r
Quando toda a populaco soffregamente aguar-
da os dias 21, 22 e. 23 do corrent para queimar
o devido incens ao throno bra-ileiro, pela desa
frnnta conseguida lo gloriosamente do tyrano do
Paraguay ; quando todas as repartigdes, bancos e
mais pstabelecimentos da provincia manife lando
o seu jubito pela causa nacional to expomanea-
raenie dispensam os servigos de seus numerosos
erapregados nesses dias, para concorrerem ao fes-
.tim popular, nao justo qne nacionaes e estran
g-inis dedicados ao paiz qu-j to benignamente os
acolhe, sejam privados de concorrerem a esse ju-
bilo coramum, so porque sendo empregados de es-
criptorios nao gosam do indulto daquelles, pnrm
como felizmente o commercio brasileiro tem em
seu seto estrangeiros asss distinctos e patriticos,
que nao deixaro, de com algum sacrificio fazerem
aos sens empregados a< mesmas concossfies.
Solicitemos dos mui illastrcs Srs. negocia ites
das princpaes casas de3ta praca Amorim, Irmo
& C, Bailar, Oliveira & C, Oliveira, Filhos & C,
Joaquim Jo- Gong-ilvosB'luo. Taso & Ir ios,
Marques, Barros & C, Antonio Luiz do O. Azeve-
do & C, etc. etc., que se dignem de mandar fe-
char seus escriptorios nos referidos dias ; e quan
do de todo nao o possam fazer eecti va mente por
P*asa dos vapores esperado-, regalera seus traba-
Idos de modo a nao fecharem depois de 3 horas
da tarde cointento que partilhem d sle eos o geral.
Os caimetros dacriptcrtoe.
II
r-pr> nrtistico patritico
A renniSo deste corpo ter rogar ao Cam-
p das Priocezas ao lado do theatro de
Ssina Isabel, boje il do eorreirtds 4 ho-
ras da tarde.
Senhores redactores. A gratdo o primeiro
008 devores de um coraco agradecido; e o llu<
Ir cavalleirp que seus servicos rinerali.-a em prol
da pobreza e urna alma inais que oaridosa, que se
ensibilisa ante a desgraca do seu semelhante.
E' assim, sedhores redactores, nue venho das
paginas.ds seu coeceituado jornal dar um publico
tostemunQo do quanlo soa grato ao (Ilustre medi-
co o Illm. S>. b':. Pedro uAthayde Ldbo Moscoso.
Atcalo de urna enfernudade mortal, e j em,
estado de hwgem julgar quepodesae eu sobrevi-
ver aos continuado ataques d'uma pneumona
aguda, fui o Sr. Dr. Hoscoso o enviado dos ceos
pira -aliviar 03 OviUs males, e dar c-nsolo a minha
MgBWiUda familia, e tudo isto sera n mate leve
filterss'p, q'ue b de ser tftil ao pobre 1 Davina.mis
"id"!**! medico que se inspira nos diclauas da
^ritjadet Feliz daelle que objecto das heo.-
'iaos dos gtBietos 1 ITo Sr. Di*. .Moscoso mal
que digno riegas bgff$io9, qtiaOdo, fiao Olhandu
toras nem .cpmmod> pe#soao8reorre solicito a*.
fehatnadn d'am ppbre aae neriliama remuneraSao
temaoBerecr-ihe'senlo beijar-fhe a- mao pro-
dfj
Atei te portante, o Sr. Dr..atieoo o peqiltW I-
yT^Tfo ** *""etBrna r3u,Sn; #ndo-
Me'doaeOlpa s coma prsenle publicaCa a'nw-'
leato em aeu melindre.
Febres e sezoes. curas
admiraveis.
O Dr. Kgliert Simms, antigamente um dos mem-
bros do eollegio medico de Pniadelphia, e presen-
temente um dos mdicos o mais popular em Vin
mesla, escrovo a um a,ipo em N iva Yorlc, que
as Diluas a--Furar;idn* de Brictrol, esto produzin-
clo maravilhas naquella regio em casos d febres
e sezdes, e febres mliusas e ntermiitenies. O ex
tracto pguinte de suas observacoes foi publicado
quem "
com a devida permisso do tal amigo, quem fv '
ra dirigida .
t Como Vmc. sabp. eu sou mu ponco amigo
de remedios annunciados, e principalmente pllu
I as. A maior parte dellas para nada prestara e
umitas sao perigo-as. Purm as pillas assucara-
das de Bfmtol, formam urna honrosa excepeo.
Nao se poda desejar wielhures pilulas para o 'uso
das familia-'.
Nao ha, segundo nao me engao, em toda a
phnrmacopeia coua que com ellas se possa com-
parar ; nem isto Piada todo ; as quahdades an-
nbilio^as das pillas as tornan) um remedio posi-
livamenteioetimavel para a cura das febres bilio-
sas e inlermillentes e sezoes, tao communs nesta
lattimde. Eu as achei de urna efflcacia excellente
110 curativo de febres, calefnos e seseos. Ellas sao
tanto inicas como aperientes, e podem ser admi-
nistradas com grande vantgem, naquelles caso? arfri^^EaXrT
em que os purgativos drasiicos poderiam ser alta-1 rt .' '-. *'.,.,...una'
mente perigosos. Ellas se acham mettidas den- nprfl,' !ti,P a Ro
ir.l lio uiltrlnhua Blinriiu nn h ll**l;a fcaqttim B. dos Re.
8 ditas e 4 barricas drogas a Maaotl Alvae
Barboso. .
2 caixas ditas ; l4|Ba
i diu dius; a J. Jf. da ton Garre* a
370 barrts e'fflaflSioa manega" Bgigoa ba-
tatos, 15 caixas papel; Tssel frJa.
4 ditas ferrajaw; a jmm*h Santos O-
veir*.
7 dkas porceUoK ; .a- Matufil Barroso.
90 ditas sardmha- ,. a* Gefdo de Bastos.
200 ditas vinoo, 30 baffas a meios mantoiga;
a Carvalho Zetba & C.
900 gip>s batatas, 20 barris 90 meios manto
ga ; a J. J. G. Beltrie.
.4 fardos e 10 caixas lpulo, Vafeas, quioqnilba-
riaa e barras do ac ; a H. Ledas.
2 ditas pianos a H. Vogetev.
7 ditas ditos : a Antonio Jos do Azeveda
3 ditos e um dite chapeos; a Manoel Morsir
de Souza.
6 ditas vidros e rolhas ; a J. de Almeida Pinto-
2 ditas calcado; a J. P. Arantes.
4 ditas ditas ditos ; a Lyra de Vianna.
3 dius dito ; a Parto & Bastos.
5 ditas tecidos de linho e de algodo; a Joa
Fernandes Lopes.
10 ditas drogas ; a Joao da Silva Faria Ir-
mo.
2 ditas ditas; a Menron & C
9 ditas, i barris vinho ; a A. Caovs.
4 ditas dito, i caixa conservas ; a A. Begordt
2 ditas chapeos de sol; a Manoel k C
2 ditas vidros ; a Joaqun Alomo {feseica.
1 dita dhes ; a Bartholomeu k C
3 ditas charras; a A. C Moreira Temporal.
41 ditas tijolos para ladrilho, miudeas, mevsis,
ag ua de Vichy, bengalas ; a Vaa & Leal.
4 ditas chapeos, fumo, calgado camisas ; a L.
A. Squeira.
2 ditas perfumarlas ; a Guiraares St Fratana."
2 ditas e 16 barricas porcelana e vddM; a
Duarte Pereira & C. ,
200 ggos batatas, SO barris e 100 meios man-
teiga ; a Tasso- Irmaos.
50 barris e 30 meios dita ; Jrrereira, Carnero
& C.
200 gigos batatas ; a J. M. Palmeira.
13 barris e 30 meios manteiga ; a Gmrnares A
Alcofurado.
13 caixas miudezas e calcado ; a Rocha Sil-
va & C.
1 dita tecidos de lnho ; a Manoel AlcoforaNx
9 ditos papel, crystaes e miudezas, 2o barris- e
23 meios manteiga : a Isidoro, Bastos c C.
20 barris e 20 meios dito; a F. A. Monteiro Jav
nior.
2 gigos vidros ; a Th. Christiansen.
300 caixas vinho, loO barris e 175 meios man-
teiga : a C. A. Sodr da Molla C.
200 (Igo- batatas, SO barns e 20 meios mantei-
ga, 50 caixas sardinha* ; a Magalhes di Corva!.
11 dito miudezas, calcado, perfumaras, mo-
das ; a Jos Luiz Goncalves Fe/rera & C.
3 dias ditas e perfumaras ; ; madama Adow.
80 barris e 80 meios manieiga ; a H. Forstor
& C.
1 caixa miudezas ; a J. de Almeida C
1 dita cachimbos ; a J. de Almeida k C
1 dita cachimbos ; a J. L. Bourgard.
2 ditas calcado e tecidos de linho ;.a Ferroir**
Malheus.
4 ditas miudezas e calcado ; a Vianna k Gor-
ma raes.
23 ditts ferragens, miudezas, porcelana, marro-
quins, piano, cry>taes e calcado ; a Prente Vian-
na & C.
5 ditas papel : a Jos Cardoso Ayres.
7 ditas ehapos ; a Cunta k C.
3 'lilas di tus ; a Christiani Irmo.
1 dita ditos ; a Jeaquun de. Suiza Maia di C.
10 dlas agua de Vichy ; a A. Lopes Rodrigues.
4 ditas chapeos e tecidos de linho ; a Henriqne
A A'.evrdo,
2 ditos espoletas, 60 ditas sard nhas, 160 barris
e 100 meios manteiga ; a A. L. de Oliveira Azeve-
do & C.
300 gigos batatas; a Augusto F. de Oliveira
i C.
5 caixas inarrnqnins, tecidos de algodo; a
Mont'-irio Gregorio k C.
5 diu s miudezas, vfdros e chapeos ; a Bourgard-
& Farii.
4 dit: s marmores e tecidos de algodo c do l.i
a Maya hes & Irmo.
70 torrls e 140 meios manteiga ; a H. Oettry
&C.
40 b irris e 50 meios dita ; a Corga Irmos
& C.
2 taos,48 cestos e 1C caixas chapeos, chrys-
taes, pe -celaua, marroquins, espoletas e ctumpg-
DB ; a arlos Pinto de Lemos k C
16' di as miudezas, calcado e modas ; a Eduardo
de Mor es 4 C.
14 di as e 2 fardos fogo de artificio, obras ih-
ac, biri iculs, teeidds de linho, de algodo e d*
la ; a Linden Weydman & C.
20 caixas Baleado, 1005a, tecidos de linho c d
algodo ; a Mello, Lobo k C.
3 ditas diios Je dito e de la ; a Keller k C.
2 ditas arrios e niarroquios ; a Domingos Jos
Ferreira.
12 ditas chapos, tecidos de algodo o de kobo-,
a Cramer, Frey &.C
8 ditas machiuismo, oleo, chapeos e tecidos de
alg dio 30 gigos batatas; II. Leger.
o ditas realejo, brmquedos e movis : a A. D.
Carnero Vianna.
l caixas tecidos de linho e de la, chapaos ; a
tro de vidrinos, e por isso conservante perfei-
tas era todos os climas. Em todos os casos agra-
vad >s ou provenientes de um estado impuro'do
saugue, a salaparrlha de Bristol, deve de ser to-
mado conjunctamente com as pilulas.
COMMERCIO.
PRAGA DO K ECIFE 20 DE ABRIL.
DE 1870.
AS 3 1/2 HORAS OA TABDB
Assucar bruto americano 2*630 e 2|ift .'-.
por 15 fcil.
Algodo l sorte8)4 rs. por kil.
Mosiuiita Jnior,
Pelo presidente.
A- P. de Lemos,
Polo secretario,
ENGLISH BANK
Of Rio de Janeiro Limited
Deseo ata lettras da praca tasa a con
'encionar.
Recebe dinheiro em conta corrento tais
I raso fixo.
Saca vista oa a praso sobre as cidade ^
orlacipaes da Europa, teta correspondente
ia iahia, Boenos-Ayres, Montevideo, New
i New-Orleans, e eraitte cartas de crdito
para os mesmos lugares.
HUA DO COMMERCIO N, 36-
ALFANDBOA.
\eodimentodcdia2a 19. 522 292J48
dem do dia 20..... 67.776*801
.o9O:0*J8*9R;
MOVIMENTO DA ALFANDKGA
84
263
------347
1
rolamos entrados comfaiendas
dem idem com gneros
f otarnos sabidos cora fazendas
dem idem cora gneros
Descarregam hoje 23 de abril
Palaoho n?f(wGtide mercaduras.
Barca ingleeiora dem,
Brigue norteallemaoInselfarinha da trigo
Etfuna ingle71Marv Annefarmlia de trigo.
8cuoa austracaSeta idem.
'Patucho noruegiieaseFatatHaIdem.
Galera nglezaHermionemercaderas.
Bnigne norte altemajoArpomercaderas.
'Patacho portuguezftwT(widem.
Bnigue inglezJij/idVm.
Bscnna portugnezamasidem.
IHorta\S.
Barca franena jkan BAPTtTK. vim
ene, C0HsJt(ida a Tissei frxes. m
1 caixa rtiqgios ; a C. Walter.
;j dltis ctlj^oi c tecidos de ajgod i a.I. par-
IjTG.
WM:
>
,10ditas miuSezas, perfpmarias, c|ob,imbp!>, ,vi -,
droa e papel; a Esto^i da C. MedeTros, '
} ditas vidros ; a Anna de Meira H.
msicas, arreios, sedas, e
berto 4 Filhos.
28 ditas chapeo-, calcado, tecidos de seda, de
algodo o de la : a Silva & Cordoso.
12 ditas dilus de dita e de liono, miudeas, cha-
peos ; a Monhard, Mettler k C.
17 ditas ditos, calcado, tecidos de liuho, da la
e de ag.du ; a Carneiio & Nogueira.
7 ditas e 10 barris pregos, armamento e miu-
dezas ; a Costa Irmos k C
1 fardo, 9 barricas e 33 caixas calcado, mar-
roquins, stearmas, sellins, vidros, porcelana, ferra-
gons, drogas, rolhas, vinagre, e agua da Vichy-; a
Bernel.
16 ditas brmquedos, vidros, calcado, oouro de
lustre, miuttosas; a Joaquim A. de Araujo k C.
17 ditas perfumarias. armamento, marrwpiin? e
tecidos de algodo; i. A. Moreira Dias.
U ditas roupa, champagne, calcado, shapeos a
marro |uins ; a ordem.
33 ditas champagne c tecidos de lae de alge-
do; aSruafneiihi & C.
'.'< ditas ferraren, miudezas, chapeos, marro-
quins : a D. 1>. Wiid.
7 ditas perfumara e calcado ; 1. L. Machado
kC
5 ditas mu veis e tecidos de algodo ; a Pinto da
Silva & Casco.
14 ditas miudezas, calcado e cont de lastre ;
a Domingos F. La-u s.
17 ditas e 4 barricas ferr gene, quioquaharja ,
chapeos, miudezas, calcado, vidros, obras bor*-
cha; a Olto B ihre-.
32 fardoe e 11 caixas papel, bengalas, espoistos,
perfumarias, chapeo-j, marruqums, calcado, soicej
lana, iwudozas e tecid s de algodo ; a Alves 4 &,
rABELLA D06 PBBQUS BU6 0aVWB80$ SUilITOfi A ^1-
RBITO DH HXPORTAJGAO. SEMANA, OS 2> A 30 K
A11HJL I>K 1870.
Mereadwi: Unidadeo. Vaaan.
Abanos.........duata 3 Algodo em caroeo.....kilog.
i dem em rama- ou em la.
Carneiros vivos.....
Poroos idem. ......
Arroa com caaea. .
'dem descascado ou pilado
Assucar bronco ....
dem mascavado. .
dem renado.....
Galbanas......
Papafaioe.....
Azeite do ameuiioim ou nwn-
dobim.........Ii
dem do coco ....' >
Mea de mamona...... *
Batatas alioMMiticiao. kllos'-
Baunilha,.......
Bebidas espirituosas etorinentodas
-
um
kilf.


urna

Aguardeato cacbaca.
dem de caima......
dem nanobfa......
idem reculada......
Wem aicooL.......
dem cerveja.......
omvinagre.......
trieno vinho de caj..
.Bolacha flna, comprehend)dos os
bsooit s.........
dem ordiiiaria, ,Wff W*-
epaJjaro,ufe.......
-colba ou r09^|).Q .
m torraoo o moldo.
branca........
. litr.
kilog.
\


Dwo RftiuMbM* -r- %Pi tea >U 4* ,W,fed870.
8
H
-*7
IB

q^Mf de
^ffic5os

s ii, secaos segados,
i espichados. .
verdes ....
libras corttos .
Umb #<*.....
Sones eorcalda......kilog.
I4?m esa fefca ou massa. >
dem seceos ,...... .
ganadores de. peonas grude* dusia.
Mem pequeos......
tem da palha....... >
Esleirs de carnauba .' cento
Mera propria parafor*ocm eaWwa
de navio........
stopa nacional,.....kjlog.
Tariaba de ararata.....
" mandioca
da refoujo, e
Ipes para que
dando <-
|^MM que 90 I
^^^dnrawe os tres
do a

183
m
2*180
345000
OW
16l00t
12*000
681
91
272
3*>00
320
41090
dueia
um

*
duzia
cento

nra
.
kilog.
um
dwtu
6i:t
81
m
wwo
76
1*703
0*1*10
siooe
05*000
3*000
1**000
6*000
10*000
03
5|006
6IQM0
un 10JWO
d'izia
dem de._
vatjao de qualquer nalidade.
Pono charutos......eentvo
dem cigarros.......
dem em foiha bom. kilog,
dem em bina, ordinaria ou roe-
tolho ........
-dem em rolo e em latas bora
ddam, ordiiiarieon reatol ho.
Hap .........
Goinma de mandioca, -(porvitoo).
(pecaeuanha ( raiE ).....
Ana ico (toro*). .....
(laiBfos .......
UMB8........
Vwnaes........
-Jacaranda (oneoeicas) .
Lesna era adas. .....
W'-in em toros......
Lanas e estelos......
Lor s (prauehoes). ....
Pao BrasU........
Mein de jangada. .
Qoiris ,........
' Vinhatico rosudh e tt a 30
tniflme'Tos dejgrdssnra.
dem pranches de dou3 ros la-
dos al 50 inilliinetros de gros-
sitra.........
41 m tabeado de manos e 23
millimetios (le gcossura .
Taimado div*rso......
Taujuba........kilog.
Travs.........urna
Varas para pescar.....dutia
-dem para aguilhadas ...
Ideai para canoas......ama
4 avernas de sucnpira(em obra)
Eixos da cicupira para carro. par
Matoco.........kilog.
Mol de abelha.......
Milho..........
danos.........
Palia do carnauba.....molhos
Pechar?.........kilog.
Podras de amolar .....
dem de filtrar......
dem de rebollo
Peanas de eina. ......
i'iassava.........molhos
ft atas ou chifres de noviibo on
vanea.........ceiU'1
Sali.........kilog.
al. ... ,......
Saaparrilha.......
SapatDS.de couro branco.
Sebo un graxa em rama .
Idea em velas. .
Sola e vaqueta ....
Tapioca.......
(lonas do boi.....
Vassouras do carnauba .
dem de pinnan .
dem de timb ....
Alfandega de Pcrnarabco, 23 de abril de 1870.
O 1. e-mferente, Jooqum nreliono da Silva.
O 2. dito, /o'ir/u/m / de (.'. Mendoza.
Appnvn.'Alfandega di' Pernambuco,23 de a-
bnl de 1870 P C mf'irm.).JoiiquimT''ilul'mo de Medeiros.
EDOKIA DE ftgNDAS INTERNAS U-
a.\;:s de peu.vjibco.
aodinsuato doda 8 a !>. 39:7104.111
;..i 20 ...... 3;oj8I1
ar
ilog.
cento
duzia
20*000
H4S000
96*000
33
6*000
25400
6*000
4*000
3*500
16|000
SO
320
68
16
1*000
817
31
18
34
4*796
160
2*800
348
10
21043
00
340
476
1*200
204
380
708
1*200
960
43:27o*l4u
GOK&UUDO iv.VLNGAL
todlaa 19 57:008*639
, 20 5:150*363
62.1595201
Df. Mnno^l de %rfo* Brrelo.
Dr.Joi)>iria9tv.
Dr. Bento Jo? da Costa.
JosiijIla^Freire Gamein
CK-tnno Gyriado da osla Moreira.
Dr Prendes Pitaop. ______
Por esta secretaria e (U Ardan) do Exiu. Sr.'
conselheiro director geral inle^iao se fai publico
vara eonnaciment de que coovier, qna em vir-
tude dos festejes pela ierminaco da'guerra, fui o
Mpntrso as cadeiras vagas de- insiroegio prima !
ria .transferida para o da .30 do .crreme, palas
10 horas da manhaa.
Secretaria da iusiruccao publica de Pernamku-
ca8Q.deabril.de J870.
O secretario,
Aureliano Augusto peraira de Caryalho.
-------DECLARACOES.
---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------1----------------------
~f Pela reeabedoria de rendas internas se fax
publico que ne*te eorrente mez e no de abril
prximo futuro, ^ue os ccninbuintes do impasto
sobre industrias e prqlissoes leem de paga-|o, li-
vra.demulla, e cobrado oom a mulla de 6 00.
Recebedoria de Pernambuco, 3 de marco ^e
4870.
O administrador,
Manoel Carneiro de Souza Lacerda.
4a JPI
..OBUB
Pir ocaslo d< festejos em re-
gosto a rele** da guerra.
N03WA3
falsa feira 1.
empreaar>a desta thentiacce4nnao ao pedi-
do de alguos amigos, amantes aste divertimento,*
resolveu, dar ais estas dua noutes.
O programma 6 o mesmo **sfles tranzados.
O emprezaris previne a tods os Srs. que .ab-
solutamente prohibido fumar fenlro do salao, ten-
do para ssi flm a nwia rea existente entre o
mesmo mBo e e .hotenuim.
O baile acaba as 2 hora* da roaubaa.
Presos os do costume.
AVISOS MAfITIMOS.
Seguir em poneos mas s na rea pononesa
Nora $#tnp Bromlo quaei toda soa earga : paf a pouen qoe
Uie fajn, assiai como pora pasjigeiros sos fonas
(Terece ricos a exaelietes ttamo)!, trafc-se
aom Rallar, Olireira 4 C, rna do Vinario a I,
.prme**> a (Mar. ... *
~~ cHr
O palhauate Gaiibaidi segu em puueos as :
a Tnltr coa Tasso frwtoe &
Bie de Jnpeiro.
Para o porto cima sege ero pencos das ofcri-
gue-nxjoaaljni/, tem nrraupua a matar parte
do seu earregamenlo, para o resto que lh falla
trata-xa navas aanigoalanas Antonio Luis de
.Otivafr Azeveo & c. roa da Croz n. 87, primei-
ro andar.
Olui. Sr. inspector drt thesonraria defezeada .
Jesta provincia, em virlu.de das rdeos em vigor,.
manda fazer publico que. tem marcado o da t3' .~j^
de abril prximo vindouro ^ara o concurso qne : l,,rrP#*' Tr*"11 fr ""r rtrnv
se tem de abrir na mesma thesouraria para pre- Hall Wieaners.
enchimento das vagas nella existentes de prati- At 22 do crreme espera-se de Liverpool por
cantes da mesma, asshn coma da alfandega eda Lisboa o vapor ingiez A>pto-, de 1499 toneladas,
rec hnoria d rendas : vqrstr o exame sobre o qual se despachar com toda brevidade par
.as malarias de que trata o 1* do artigo 1 decreto n. 3114 do 27 de junho de 1863, a saber', i Recebe-sedinheiro e eneommendas a /rete na
leitnra, analvse grammatical e orthograpbia, ari- agenflia, -
mlica e sas.appJicaQdes ao cominercio, com Este vapor tem excedentes aecommodaQdes pa-
aapecialidade reduccao de inoedas, pesos e me- ra passageiros: os agentes Saunders Brothers
didas, catelo do descont, juros simples e casi- & C., largo do Corpo Santo n. 11.
postos, theeria de cambios e soas anplieacoes. Os
concurrentes deverao previamente apresentar seus
reqoeriiuentos instruidos de documentos que pro-
vem idade completa de 18 annos, isencao de 4-
na e culpa e bom comportamento na forma do
trl. do decreto o. 2349 de 14 de marco de
1860.
Secretaria da thesouraria de fezenda de Per-
aambuco, 4 de marco de 1870,
Servindo de oflicial-maior,
Manoel Jos Pint ?
COMPARA MHUBi
DE
Paquete a vapor.
Pela subdelegada de polica da freguezia de
S. Jos do Recifo, 5e faz publico que tai aprehen-
dido um carneiro em raao de um individuo que
deu snspeitas de o ler furlado : qtiem se julgar
com direito provando Ihe ser entregue.
Recife. 19 de abril de 1870.
Dos partos do sul esperado
at o da 81 do correbte n vapor
Arinos, commondante o primeiro
tstente .Jos C Duarte, o qual
_____ depois da demora do costume
girt pnra os portas do norte.
Desde j recebem-se passageiros e engaja-se ;
sarga que o vapor poder conuuzir, a qual deven
ser embarcada no dia desuachegada. Encommen
das e dinheiro a frete at as duas horas do dia d
sua sabida.
Nao se rcoebeni como eneommendas senao ob-
jactas de pequeo valor o que nao excedam a i
O subdelegado, arrobas de pqso ou 8 palmos cbicos de medi-
Antonio Moreira de Mendonca.'' cao. ......
. .--------1------;---------------3--------- Pudo que passar destos limites devera se<
subdelegada do Foeo da ra- abarcado como carga.
ella. Previne-se aos Srs. passageiros que suas passa
Por esta subdelegada foi apprehendido um ca- gens s se recebem na agencia ra da Cruz n. 8"
vallo, o qual se pefiava em p !er de Marcelino de l* andar, escriptorio de Antonio Luiz do Olivejr:
tal : quem se jnlgar com direito ao referido ca- Azevedo & C.___________________________
vallo, e provanio ser seu legitimo proprietano "'-% n \* n.
aprtsenie-se para Ihe ser entregue. I iSlRrallllttO.
------------------------- I Pra o referido porto segu o;n poucos dias o
'aiwaIIiu Ha AAinnt>4C n'iviaw hiate Jlosi/a por ter a matar parte da carga engao
tOnSClBO OC COIllpraS naiaCS jada ; o para o resto que lho falta trata- com
O conseiho no dia 23 do correnlc mez, vista de onsignalario J-.aquim Jos Goncalves iieltrao
propotairecebidisatas II horas da niantiiia e rna do Commercm n. 17.__________
sob as condijots do eslylo, contrata os sorvicos de
barbeiro enfermara de marinha no trimestre
crreme, e o fornecimsnlo no mesmo trimestre de
velas steannas de 8 em libra para completo do
de viures, dieias e outros objeetos de consumo .
aos navios da armada e estalelecimento do ma- l
rinba ; ;? velasproprias parajanternas, assim co-
mo promove a cotnora dos objeetos do material da
armada seguiutes : aiov>lottas de folha pura aiui-
le, 4 arrobas de agua ruz, 12 bandeiras naciimies
de 2 pannos. 8 bandeiras nacionaes de 4 pannos
12 bandeira* nacijnaei de a pannos, 10 barris de
Meatro, 100 broi.has s-irtidas, 8 barris de br
50 barris de coMHiA mmm
DE
Paquetes a vupoi'.
Dos portos do n^rte esperadi
at o dia 2o do ct-rrepte o vapor
Cruzeiro do Sul, commandante J
COMPAA VgmfflVCAM
ni
avegaeS eestelra ,or vapor
ft^ba,%ala.\r*7Mo8or, Ara-
ij,-Cerl, fUaoibhv, ftearnc* e
n^|yr O vapor Tpojunt, eomrasndaat
M K"ora, segulrs para os poftai
f aeima no dia 30 do correte as 5nra
u tarde. Meeetw cargs at o dit eoeam-
menas, e passsfeiros e dlntwrrf a frate at a?
LEIL0ES.
Ete um oip elegante, coto ttcas lanter-
Tias e arrew de metal prwcq.
Um cnbriolat aiuericaab le 4 rodas, co-j
tierto, cum U?a pira um o dojs caval*
los e vreios,
Qaarta-falra 97 de abril aa 11
horas cu poato.
Por iotervenca do agenle Pinto, uo largo do
Corpo Santo bdo da sombra.
irnos nwcntfls.
SOCIEDADE NIAO BENEFICENTS MA-
BITIMA
Pela directjria sao convidados todos os socios
para oempareoerem a assembfa geral no domingo
24 do cnente, ai 10 horas da manhaa, na sala
de suas sessoes, para se tratar dos inleresses da
msma.
Secrotaria da sociedade Dnid BcniHicente Ma-
rtima em Pernambiir.i 19 de ubril de 1870.
O I* secretario,
Jo i Llodrieues Dan oir
Contina agenciar-se a c mura e venda de
predios ou particular, na ra Direita n. 112, em
cuja casa lia para vender-se una grande ca:a na
freguezia de S Jos : pode ser procurado das 7
horas at as 9, e das 4 al as 8 ; no andar
terreo.
Na ra Vtllia da Boa vista n. 17 ha urna
ama com pratica de todo o .-ervico de casa do fa-
milia, o erava, p>ra slogr-w.
Sociedade p ivH ci J)ozo de
Seteinbro.
.t commissaj central desta soHedade faz publico
quo no dia tt do corrent-, as .1 huras da tarde,
lera logar o seu (b-tejo j annnnctnoo.
.Nao podendi o lx:ri Sr. general Foiites por
justos o valiosos motivos fammaniar a divisan,
ser substitnldo pelo Sr. coronel Jos Maris Ilde-
fonso lai'ome da Veiaa Bess ia, que de bom grado
acceden ao convite que a commis-ai^llie fez para
,iai flm.
A commhsao espera que A briosa popuL)Sl0
;ae.u:;s At'.ofuraiio,' o ipia:"*^!" etif.ie Liicurra c-c-u seu? esioroos para
depois da demira do cost'imr ^o
. guir para os portos do sur.
le Desde j recebcrn-se passasrehfos e engaja-se
n.' :arga que o vapor poder condurir, a qnal devera
MOViMEMTG DO PORTO.
Naviot tntoains no r i muissoBrigue escuna nacional de guerra
'i >/.(';(), commandaiv.e capitn lenle Joaqnim
\olasco da lontoata Parara da Cunha.
.-.:ia portos intermedios7 dias, vapor bra-i-
isiro fpt)JH&i,e -ij!) toneladas, c:tmandante
. |ujiagem 30, (earga dilferenles gneros
i cumxiui.i Pernambncana.
Pirabyba10 horas, vapor brasiloire Pttrahyba,
le Oi toneladas, comnandante Oliveira, equl-
lagam 14, em lastro, a companhla Pcrnamou-
cana.
Sraadd d Sul 2 dias, arigue brasileirc
ua, de 2lo toneladas, capitn Joaquim dos
santos Sonsa, eqnipagnm 11, carga 10-.8U ar-
tu de earne ; a AssorJrn Irmao & C.
Montevid}33 dias, liare i ingleza h'ate Smitlo,
le 109 toneladas, c.ipitao Halniton, e|inpagem
: '; i lastro, ordem. Saga! para S. Thomaz.
Havre !3 da-, barca franseza Jean Biptistn,
de ;i3J toneladas, capito Beijan, equipagem
14, earga dilTerenles gneros ; a Tisset Frere.
I Janean33 dias, brigoe allemo (erhnrd
Ail nph, de 328 toneladas, epita i W Albrandt,
;!l"'Vigum 10, em lastro a H. Otlle & C.
lii: :m- Ayres38 di^s, escufla norte allernaa Re-
'i', i'quipagem 0, em lastro, a ordem. Seguio
para S. Tnomaz.
Navios Siid'is no m.sino dia.
Liverpool vapor ingle! S'ip'ure, commandante
vVilins, carga algodo.
Canal -Brigoe in^ee Homtlf, capillo Nicholas L
ii.iin, carga assucar.
!?>rtoIJarca portugueza Flor de S. Simo, ra-
pilo Antonio S e Silva, carga aisucar e oulros
gneros.
lase dinheiro a frote a'. as 2 acras do dia da ^u
bida.
a.o se rtvobem com encomjaeadas seuio'ob
ectos de pequeo valor eque nao .:xccd:m a dua
arrobas de peso ou 8 palmos cudeos de meOicAo
rudo que passar denles limites dorcr ser embar
cado como carga.
Previnc-se aos senhores passageiros que sna
de 4 a 12 polegadas; oW eaibros de qualidade de
40 a 45 palmos do oompriinento, 6 cassarolas de
ferro estanbado, 12 carrinhos de mao, 1*0 alnqel-
res de cal branca, 120 bracas de correrle de ferro
de 1|2 polegada retornada, 2 pecas de enerado,
20 arrobas de estopa de algodao, 10 flmulas de
navio, 10 fecliaduras de ferro de broca para por-
ta, 2 arrobas de fi de algodo, 300 covados de
fileli encarnado, 300 covados de Alel azul, 100 passagens s se recebem na agencia, ra da Cruz
covados de fileli verde, 6 tales inglezes tendo cada n. 37, Io andar, escriptorio de Antonio Luiz de
um 8 ps de coaiori nento e 6 de largo, 4 jarras Qlivcira Azevedo & C. ,______________
de mideira de amarello, tendo 30 palmos de alta-
ra, 2o de dimetro no fundo e 19 na boeca, 50
livros de 50 folhfts, It) arrobas de liaha alealroada,
8 arrobas do linh. de barca, 8 arrobas de rhaMim,
8 arrobas de mialhar, 20 moiuies bb de 4 a 15 .
polegadas, 10 libras de obreias francezas, 2 ocu-1
los de alcance, 12 pedras de amolar de 3 ps_de
dimetro o 6 a 8 polegadas de
de plvora lina, 100 pratos tra
COMPANIHA PICIl.NAMlU'CvNA
di:
Navegagdo cosleira por capar.
Macer om tlireitura a Peaedo.
O vapor ilandnh, commandante Julio, seguir
"muran \ arrnhas P3l*a os portos cima no dia 22 do correlo as 4
Sssos de fuiha 6 oras da tarde. Hecebe carga al o dia 11, en-
nn____, a r 'in commendas, passageiros o diulioiro a lete alo as
2 horas da larde do dia da sahida, Cfitriptono
das 10 duzias de taboas de po-carga de 1 pole
gada, 1,200 libras de tinta verde mg eza, 1.600 li- j UMIPANMA PE1IN.\MBIMUN\
paneilas do ferro esUubado, 600 remos de faia, 10 c
dmias de laboas.de pmha.de resina de 3 polega- do porte tfp ^^ n_ f%
DE
EDITAES.
Acamara municipal desta cidade pela faus-
ta noticia do termo da guerra manda celebrar um
'.VD.'um em acc de graca, e nesta oecasiao
unvida todos os senhores commercianles para
4seconcorram para o mes.no festejo fechando os
liras de tinta branca de zinco, 800 libras de tinta
preta, 2 peis de tapete, 50 travs de qualidade, xaTe{ra do 42 a 45 palmos de compnmento e 10 polegadas v pnUmia
de arossura em quadr-, 1.000 lijlos de-fogo, 6 ___ n u ^ r___,=
vercomeas de pinho para paos de cutello, tendo de *W vaP( .r Parahyha, segra para r
comprimento 35 ps e grossura nomeio 7 polega- ,M Por ac""a no,dia 26 do correnle-
das de dimetro, 6 vergonteas de pinho para mas- *& as j oras aa nuit.
iros de escaieres, tendo de comorimento 23 ps c rcebe carga, eneommendas, passage-ro e d,.
,Bnf, m.., fi 1,9 nionartia rto dmtin nheiro a frele no osenptono do forte do Mallo.-
grossura no mcio 6 1|2 polegadas de dimetro.
Sala das sessoes do conseiho de compras navaes
18 do abril de 1870.
O secretario.
Alejandre Rodrigues dos Aojas.
n. 12.
COMPANHIA PERNAMBUCANA
DE
\*avegaeo costeira por vapor
Mamanguape.
O vapor Curjtripe, commandante
Silva, seguir para o porto ac roa no
dia 28 do correte as 5 h ras da
tarde. ecebe oarga, eneommendas, passagei-
horas da tarde
lirilhantNm.i desta festa palriotica, illamin^ii 'o a
frente de suas casas, e manir.'-lindo o sen entliii-
siasmo pela honrosa solnnao que leve a lucia glo-
riosa quo smteafamoj eaiu o govoroo do Para
goay.
geratasia da Soeiadada pntri'tica Doze de Se-
tembto 20 de abril de l70.
'A. Lair.erilia,
Secretorio.
Predsa-se de umaam.a naracnsinhar e com-
prar para una pessoa : na ra estrcila do Rosa-
rio n. 27, i aniar.
Porgiinta se ao lUro, ir. Ur. jidz municipal
do tormo de Agua Pccta. porque raza.) ainda nao
poz em concurso o. offli-i i de t.he'iai e sScrivao
do mesmo lefiHO, vago ha tfM\n metes por mer-
lo do Si-i'vi-iitiiari'i Jos Nabor i Casada Lima ; e
qnal o iiucrasse pnttliao, p rllsnfer ou local, que
prevalece ao cBinprin* ntu da !,i.
11 Curioso.
ATTENCAO
O ababa assign^do, tnonadoi no becco do lam-
ba do birro da Boavlisla, sondo freqnentemen-
te eneonmodado por atgnns de sens visinhos, qus
procuram manchar a mi.-i roprtacao, nianifestan-
do at aqnillo jpie :e pasa i" interior de s a
casa; pede as autoridades l rrsil. ras que re dig-
nem rio azer llie a jn.-lica de que precisar, para
o quo invoca a iia atteorSo.
Uecile, SOde abhil d-1870.
Manoel de liyrira Carvalho.
Precsa-sc de nma ama qus saiba fazer lodo
servico da casa de uica familia do 2 pessoas : na
travessa de S. Jur n. 3.
oaquin vTeira de'Helio i'io. roga aos^ a i-
gos do seu pre.-ado irmao o tinado Jos Gabriel
de Mello Pinto o ,iaridoso obsequio de ouvirem I
missa que pela alma do mesmo finado ser cele-
brada no convento do Careno s 7 horas da ma-
nhaa do dia 23 do correnle.
Tendoso entregado hoje $>, a um pretoga-
nlndor com um brinete para Pana A Gomes,da
luspeccSo do arsenal de
auariuha.
Faz-se publico que a commissSo do peritos
examinando na forma determinada no jegujamanto r.-se dinheiro a frete at *s 2
annexo ao decreto n. 1324 de 5 de
1354, o casco, machina, ealdeira
Sr^Sa^ Rio de Janeiro fy
navegacao eosleira, achou todos esses objeetos em \ Pretende sabir em poucos dias para o referido M"id 1r^ ^." JL-^ae se
estado o poder o vapor navegar. ; Porto o veleiro patacho brasileiro Prolector, por ^ f^S^ '^ .pnhT^Lh.do esto fa-
Inspec?ao do arsenal de marinha de Pernambn- ; ter a matar parle de seu carregamento engajado; e P" *caao algum \wk\a lenha r ^cebuo esto r.
i 20ido abril de 1870. para o poucb que Ihe falta e cscravo? fren- ^nda- aatiira Pr ^^m^ler na casa cima
O inspector, j iraia-se com o consignatario Joaquim Jos Gon- -Precisa-ae de urna ama que comer ei ei-
H. A. Barbosa de Almeida calves Bellro ra do Commercio a. 17. | nhe pa*a duasnssfpas: na .ra Angosta o. 74.
fevereiro de do da da sahida : escriptorio ..o Forte do Malos toXueunada 2o pecas de wad-poldo com a
i, apparelho, n. 12. marca na peca de M. 0. e onmo ate esto dala jao
woras cta va- '--------------fr-------1------i-----------------------apareja o proto e nein a fazenJa pede-e a quem
00
msSSSSsBSEESSSSSSEEBSSSBS SSSB SB
RA
|BO
CABUG
esquina
ra larga
Eosario.
LOJA HE JOIAS
DE
&
./I
Este antigo estabelecimento, completa-
nente reformado de novo, est as confi-
adas de servir vantajosauente &s seus ifre-
ruezes, visto que acha-se prvido com um
>x?lendido sortimento de obras de ouro e
>rata de le, assim como brilhantes e ot-
ras pedras preciosas, cujos presos sao os
aais mdicos que se pode encontrar.
s joias compradas nesta casa recebem-
e em troca ou compram-se com peqne&o
ibate.
PL 5 BU DO CABUGA \ S
/
/
Na ra do Imperador n. 7'j, primeiro andir,
deseja-?e fallar aos segnintes senhores negocio
de interesse : Jos Rodrigues Fernandes, Manoel
Luiz de Lima, Francisco Jos Correia Guimaritas,
Joaquim Speridiao da Silva Guimarao-, Joao do
Castro Oljvdra Guimares, Raymundo Nonato da
Costo, Jos J>aqnim Fernandes da Silva, Joaquim
Lopes Ferrara o Jos Ignacio do Val.
. Joaqpiqi Rodrigues Tavares de Mello, praca
Jo Corpo Santa n. 17, Io andar, tem para vender
cal de Liiboa, poto-sa da llussia da mais nova.
vinbo BordeauK superior qualidade, o farinha de
mandioca.
Na ra Nova n. 14, primeiro andar, preeiea-sn
de urna ama forra on escrava, mas que saiea bem
cosiohar e engommar ; na mesma casa, compra
se urna escrava com as mesruas abilidades cima:
quem liver apresento-a.
Jos Joaqnim dos Santos Jnior, desde 20
de abril eorrente deixou de ser raixeiro da taja
Fragata Amazona, onde estova ltimamente en-
carroado da cobranca.
RIJA
LfMitDI2 JSCBMA.S
Este importante ertabfllewaeirto noseugenwoa tem ftmp* w+ umtimmfa um; igual,
e vende por presos qu$ nenhuma outra casa pode VWfter. >$iva
pK^deiviaili oootwow da 7f-dade.
|ftarante-se ser tudo de lei. Comprarse ouro, prata e pedras finas por presos muto ele-
vados.
A toja astil rterta at ts, 9 ^oros M P0^ JLk.
m
EO
C4K]GA
esquina
a ra larga c
Eosario.

\[


i)
vD P*mtba< Qtnta fefet
A*#il 1/
V
'#
I
4
/

Pullas assucaradas de Brislol.
CONNO TEM NKM CALOMELANOS NEM NENHUM
OUTRO MINERAL.
A grande ncessidade e falta de um ca-
trtico ou de urna medicina purgativa, ha
TBuito que tem sido sentida, tanto pelo po-
vo, como mesmo, per meio da faculdade
medica; e por isso, infinito o gosto e
prazer que seamos, em podermos com
toda a confiancaeseguridae, reconimendar
s piltdas vegetaes assucawadas de Bristol,
como urna excedente medicina purgativa, a
qual encerra em si todas as partes e mais
ingredientes essenciaes, tornando-se em um
perfeito, seguro e agradavel cathartico de
familia. Este remedio nao composto
dessas drogas ordinariamente usadas na
composicSo dessas pululas, que por al se
vendem, mas sim, sao preparadas com as
mais finas e superares qualidades de raizes
medicinaes, hervas e plantas, depois de se
haver chimicamertlu extrahido e separado,
os principios activos, ou aquellas partes
que contem o verdadeiro valor medicinal,
daquellas porcSes fibrosas inertes e agres-
tes inteiramente destituidas da menor virtu-
de. Entre esses agentes activos ou ingre-
dientes especficos, podemos nomear a po-
dophgtiin, a qual segundo a experiencia
mm demonstrado, possue um poder o mais
iaravilhoso possivel sobre as regies do
Jigado, assim como sobre todas as secre-1
coes biliosas. Isto de combnac5o com o
leptanrin, e mais alguns extractos vege-
taes e drogas altamente valiosas, consti-
tuem e formam urna pilula purgativa, tor-
nando-se por isso muitissimo superior,
qualquer urna outra medicina da mesma
natureza, que jamis fora apresentado ao
publico. As pilulas vegetaes assucaradas
de Bristei, achar-se-hao sempre um reme-
dio prompto, seguro e eminentemente efi-
caz, para a cura de molestias, taes como
sejam as seguintes.
Dspepsia, ou indi-
gesta,
dAstringencia, ou.
priso do ventre
habitual,
Azia do estomago e
flatulencia,
Perda do apetite,
Edtomago sujo,
mmm-mwmmmwm
O DR. SANTOS MELLO
S Medico horaop.iiha, recra chegado da
corte, fixou a sua residencia nesta
capital, ra estrena do
Rosario a t* w
andijrf
D consulta; todos os das das 9 as 10
horas da manha, e recebe recados por
escripto qualquer^ hora do di* ou da
noHte.
Aos. pobres .d eoosultas s mesmas
horas e medicamentos gratis.
llIflMI-lllllli
Na praca da Inependeacts, n. 33 se da di
heiro sobre penhores de ouro, prata e podras
preciosas, seja qaal for quantia ; e na mesm
as* se compra e vende objectos de ouro ewata.
i igualmente se fai toda o tjnUquer obra de en
jommenda, e todo e qualquer concert teadentt
i mesma arte.
de mar more, ra 4 Crm
m. -M.
- O isu Gamillo aeha-se estaWecido aa casa
cima, onde pode ser Droctrrade para todos os
muteres de sua procissao.
Aluga-se orna excedente loja na ra
Nova, propria para um grande estobtlech-
mento de fazendis, tratar na ra da Cruz
n. 18, andar.
5
Aos
BUheses do Rio venda
rende Viet ftltodrignei
VE.
rua do Gabog n. 1
TimUAlIA FRANCEZA
55-Rua da Imperatiiz-55
Tinge, lava, llmpa, lustra e acbamalo-
tase, com a maior perfeicao, fazendas em
pecas e em obras de todas as qualidades;
como sejam : seda, lia, algodo, linho, g
chapeos de fel.ro e de pama etc. ele. em
Tira-se nodoas e limpa-se a secco sem Ig
molhar os tecidos, conservando assim to- |
do o brilho da fazenda. ene
Tintura pretil as tercas e sertas fei- m
AMA.
Precisa-se de orna ama: na roa do Pires n. 5.
I adtoacu *
*& O bacharel Augusto Carlos Vaz de Oliveira
2K tem o sen escrntorio rua do Imperador
n. 67, primeiro andar.
Na travessa da roa|,
Ciws n, 2, pri-
meiro andar, da-se di*
nhelro sobre penhores
de euro, prata e hrilhai-
tcs, seja qeal for a qnan-
ta. Na mesma casa com-
pram-se os mesaos me-
taes e pedras.
PEDIDO

Pede-se encarecidamente aos Srs. Domingos
Theodoro. Rigueira e Aristldes Florentino Caval-
canti d Ai*querqae (de Sennbem), que venham
rua 4o VIgario u. 1, a negocio que se precisa
ul
GUSTAVE
CABELLEIREIRO FRANCEZ
51Ba da Cadeia do Recife51
Chama a attenco dos seus innmeros freguezes, e do respeitavel publico e
geral, para a segrate tabella dos presos de sua casa, os quaes sao vinte por cent*
mais barato do que em outra qualquer parte:
M,
Hydropesia dos mem-
bros ou do corpo,
Affecces do figado,
Ictericia,
Hemorrodias,
Mau hlito, e irregu-
laridades do sexo
femenino,
Dores de cabera.
Em todas as molestias que derivam
sua origem da massa do sangue: a salsa
parrillta de Brislol esse melhor de todo
os purilicadores deve ser tomado conjun
lamente com as pilulas, pois que estas
suas medicinas, tendo sido expressamente
preparadas para obrarem de harmona urna
com a outra, quando fielmente assim se faz,
nao nos resta a menor duvida em dizer,
que no maior numero dos casos, podemos
affiancar nao s um grande alivio, como
tambera ama cura prompta e radical, isto
CSUJ i t.O-ll > tsto, ijllUlllIl i fu Uui^lltly iiHo oo
ache n'tira estado muito alm dos recursos
humanos.
George (. Starr, testamenleiro do tinado C.
S'arr, faz publico ao respeitavel corpo commercial
e a quem po< de undi^io lito na cidade nova de Santo Amaro,
continuar a ser da mesma Corma gerido pelo an-
nunciante sob a mesma firma C. Starr & C. em
liquidacao:e que para compras vendas e rece-
bimentos tanibem continuar o antigo caixeiro
Joaquim de Oliveira Mello.
COMPANHIA
DOS
TRILHOS URBANOS
DO
RECIFE A9 OLl\llA.
Por ordem da directora sao convidados
todos os Srs. accionistas para co dia 29 do
corrente, as 10 horas da maiiha, no sallo
do Club PernambucaDO, se reunirem em as-
sembla geral, segundo estabelece o art.
13 dos estatuto* da companhia.
Escriptorio da companhia, 1C de abril
de 1870.
Joo Joaquim Alies,
Io secretario.
A vluva, lima e genro do tinado l)r. Jeronymo
Vilella de Castro Tavares, mandam celebrar mis-
sas por sua alma no eonvento de N. Senhora do
Carato, as 7 horas da manha do dia 23 do cor-
rente, 1" anniversario do seu passamento, e con-
vidam a todos os prenles e amigos do dito fina-
do, para assisiireninas, confessando-se desde j
summamente agradecidos.
O N. (WOW
Medico Jiomeopatha, pode ser procurado no seu
consultorio especial homeopaiico no larg>i da ma-
triz de Santo Antonio n. i, 2 andar.
No mesmo consultorio tem sempre grande sor-
timenlo de medicamentos de honuepatbia, tanto em
globos como em tintara.
B'im negocio
Vende-se tuna taberna na fregaeiia de AIToga-
dos,_mesmo na praca do capim, ou sement a ar-
inacao, como convier ao comprador, ao qual se
dir o motivo da venda,
VERDADEIRO LE ROY
Dottur-Midn
la au garrafa, ni, rtrt a rolda o naol trnl
jm tt*a o m*u finel, um rotulo ImurrMO em ama-
*eUeio biLL I.iaiia* tun,0 rtuc i.
/^// .. ItnaWutrjl l!ra
brcI'ant.Mriiavt:
a 6C das df t'
fldnr, .per?
4oalMlim.-ntnf it
l
INSTANTNEOS
Travessa do Corpo Santo n. 23
ARMAZEM
Rua Nova a. 28, loja Antonio
Pedro de Souza Soares.
Bandeira, Machado & C, avisam ao respeitave
publico que nos lugares cima encontrar no raes-
ino sempre grande quantidade de ditos pocos, e
que se acham habilitados para vender por menos
que outro qualquer, por isso que os recebem di-
rectamente do fabricante Norton, de Londres.
As vantagens que offerecem os pocos instant-
neos sao : primeiro, poderem ser collocados den-
tro de casa ou fra, com o trabalho de urna a duas
horas; segundo, fornecerem os mesmos agua pu-
ra e abundante, podendo serem removidos de um
para outro lugar, quando assim convier.
Os annunciantes s reeeberao a importancia dos
referidos po$os depois de collocados, satistarendo
espectativa do comprador.
Cabelleireiro
Rua da Cruz t. 24, Io andar, por cima da
botica.
Antonio Rodriguas Ramalho acaba de abril
concurrencia publica um espaldeo e asseiad > salo
para barbear e cortar cabellos, e aGanca que nelle
encontraro seus amigos, amigos fieguezes, e em
geral todos os que quizerem frequenta-lo, agrado,
actividade e bom desempenho do trabalho.
40*000
50(J0OO
501000
O CIRIRGIAO DENTISTA
Frederico Maya
Tem a honra de scientificar ao respeita-
vei publico em geral, e aos seus clientes
em particular que elle mudou o seu gabi)
nete de consultas da rua Direita n. 12 para
a do Queimado n. 31 primeiro andar, com
a entrada pelo pateo de Pedro II, onde po-
de ser procurado para os misteres de sua
prosso, todos os das uteis das 9 horas
da manha s 3 da tarde.
Tambem previne, que contina a prestar-
se a vontade dos clientes nao s na cidade
como nos seus suburbios, para onde as
idas serlo precedidas de ajuste. Elle ga-
rante o bom desempenho e a perfeicao de
seus trabalhos, o que j bem conbecido,
assim como as commodidades dos presos.
Bartholomeu & C,
AOS HHMRB DO
Imperio do Brasil.
Grande exposiqao na cidade de
Cordova,
REPBLICA ARGENTINA.
No dia 15 do ontubro de 1870 ter lu-
gar a abertura da exposicao nacional em
Cordova.
Previne-se, portante a todos os produc-
tores, agricultores, fabricantes, artistas e a
todos aquelles que exer(am qualquer indus
tria, que na dita expsito se recebem todi s
os productos da industria e agricultura
brasileira, assim como todas as machinas e
utensilios que quizerem reme'.ter.
Estes productos esto isentos dos direitos
da alfandega na Repblica Argentina e po-
der3o ser dirigidos cidade ao Rosario, de
onde sero tranportados pelo caminho de
ferro central.
Para mais explicares dirijam-se em Per-
nambuco, rua da Cruz n. 3, ao consulado
argentino.____________
AO ARMAZEM
DO
Rua Nova n. 9,
acaba de chegar pelos ltimos vapores novas re-
raessas dos seguintes :
Calcado francez
Para senhoras.Botinas brancas, pretas, e de on-
tras muitas difieren les cores i ultima
moda.
Para meninas.Botinas das mesmas cores e qua-
lidadis cima.
Para homens.Botinas de cordavao, bezerro, ver-
niz, pellica, o melhor sortimento que se
pode desojar.
Para meninos.Botinas das mesmas qualidades
mencionadas para homens.
Para homens.Bolas rucianas, meias-botas e per-
neiras.
Para homens, senhoras e meninos.Sapatos de
tapete, aveludados, charlte, casemira
preta, tranca de Lisboa etc. etc.
Para meninos e meninas. Abotinados fortes de
rauitas qualidades.
Quinquilharias e Brinquedos
para crianzas.
GLOBOS
GLOBOS
GLOBOS
De papel de cor para as grandes illuralnacSes
!;eraes que devem ter lugar nos tres dias dos
estejos ; vendem-se baratos no armazem do
Vapor Franoez rua nova n. 7.
Luvas de Pellica
i 11 vas de Pellica
i.uvas de Pellica
Do vordadeiro fabricante Jouvfb, brancas, pretas
e de oulras muitas cores, bonitas ao ultimo gosto
e chegadas de novo ao armazem de Vapor Fran-
cez rua Nova ri. 7.
Cadeias para relogio a 5(5, 6,
70, 8 90, 120 e. .
Gabelleiras para senhoras a
300, 350 e.......
Ditas para homem a 350, 400 e
Coques a 120, 150, 180, 200,
250, 300 e .....
Crescentes a 120,150,180,200,
250, 300 e f 320000 Corte de cabello com lavagem a
champou. .
Corte de cabello.....
Corte de cabello com frcelo.
80,
Cachos ou crespos a 30, 40,
60, 70, 80, 90 6. .
Tranca de 'cabello para annel a
500 e.......
Tranca para braceletes a 100,
150, 200, 25 e
100000
10000
Corte de cabello com limpez da
cabeca pela machina elctri-
ca, nica em Pernambuco. .
Frisado ingleza ou franceza.
300000 Rarba. .......
ASIGNATURAS MENSAES
Kspecialidade de penteados para casamento
Bailes e soires
150001
501
501
10601
10OOO
501
25f
Urgencia.
Pede-se ao Sr. Francisco de Salles e Silva quei-
ra apparecet a negocio que Ihe diz respeito, no
Bazar da Moda, rua Nova n. oO.
O dono do estabelecimento previne s
Exmas. Sras. e aos cavalheiros que ha um
salo para tintura dos cabellos e barba, as-
sim como um empregado smnte oceupa-
do nesse servico.
Recommenda-se a superior TINTURA JA
PONEZA para enegreeer os cabellos e bar
ba, nica admittida na ExposicSo Universa)
como nao prejudicial sade, por ser vci
lat 1, analysada e approvada pelas acadet
mias de sciencias de PARS E LONDRES
DOMINGO, 17 DE ABBIL
GRANDE COSMORAMA
28--Camba do Crmo--28
Paraguay.Vista da passagem de Curupaily, borabardeio e tomada de Curns, passagem de Hu-
mayt, abordagem dos encoura^ados, passagem de Mercedes, abordagem do eneonraca-
do Alagos, combate de Riachuelo e passagem de Cuevas. Tudo ser visto em um s
vidro.
Paraguay.Glorias do exercito brasileiro e tomada te Lombas Valentinas.
Rio de Janeiro.Visia do Castello.
Portugal.Vista do Porto.
Italia.Presa de Palermo por Gribaldi.
Iiatia.Vista de Milao.
Hespanha.Vista de Madrid.
Franca.Scena da orjera de Pariz.
Inglaterra.Vista geral de Londres.
Todas as vistas sero mudadas aos sabbados e segundas- feiras.
AVISO
DA
Tinturara Franceza
|&5Rua da Imperatrlz&!
O proprieiarlo cslc c&Ubelooimonto I
previne as pessoas que depositaram !
n'elle alguns objectos antes do primeirro {
de Janeiro do anno corrente, que os va o 1
buscar impreterivelmeote no praso de !
um mez da data da presente publica- \
cao, do contrario serao os ditos objectos j
considerados como abandonados para pa-
gamento do trabalho, e seus donos nao ]
tere direito nenbum em reclama-los em i
tempo algum.
Recife, 29 de margo de 1876. |
A imperatriz regenle.
Com esta denominacao ebegaram a loja do Pas-
so pelo ultimo paquete os mais ricos chapeos de
palhinha pretos com enfeites de cores, objecto es
te o mais moderno de Paris, cheguem antes que
se acabem : a rua do Crespo n. 7 A.
Fscrava
Precisa-se alugar urna escrava para o servico
de pouca am.lia, agradando pag-se bem : a tra-
tar na rua da Cadeia n. 15, leja._____________
Algumas pe?soas que precisaren! dar roupa
para lavar e engommar.dirijam-se a l1 travessa da
fundicao da Aurora n. 18
Vinho, Pilulas, Xarope e Tintura
de jurubeba simples e ferruginoso;
Oleo, Pomadae Emplastro da mesma
planta preparados por
BARTHOLOMEO & C
PH A RMACEUTICOS-DR0QUI6TAB
l'tlIltHKKO
A Juruheba : asa plaa 4 hoja reconhecida
como o mais poderoso lomeo, como o melhor
desobstruente, e como Ul applicada nos padecimenloa
do ligado e baco, bepitiles, duresas, tumores inter-
nos e especulmente do tero, bydropesias, erysi-
pellaa, etc.; e associada ao farro til as paluda*
cores, chloroses e falla de menstruacio, desarran-
ioa do estomago, etc., e o que disenos altesto
innmeras curas importantes obtidas oom noaao*
preparados j bem con he cid os e usados pelas mm
distioctoe aDMicoa do paiz Ponopl. Ea todo* o*
notaos deposuoa diixribuimot gratis folkatM i
melhor [asean CAtkbeotr a Jurnbeb* i
*pplio*t*o.
Engenho para arren-
dar.
Arrenda-se ou vende-se o engenho Conceicao,
outr'ora Cananduba, na fregnezia de Jaboatao, dis-
tante da povoac.j tres quartos de legua, moendo
com agna e copeiro, com abundantes trras na
extencao de legua e raeia em circunferencia : a
tratar na rna da Cadeia n, 4, ou no mesmo enge-
nho com o seu proprietario Jos do Reg Dantas
Cuutioho.
OahatM un*
\tmmimm
Alnga-se ou compra-se um escravo com
pratica de servico domestico que tenlia de 15 a 90
annos de idade : na rua de S. Francisco n. 72.
D-se aigum dinheiro a premio sobre bypo-
the^a em pedrios n'esia cidade : i rua do Crespo
eca
.. 2,
loja, se dir cjuem d.
Joo Francisco da Silva Novaes retira-se de-
ta provincia por algum tempo, fcam seus procu-
radores os Srs. Pereira Vianna & C, Manoel Fer-
nandes da Costa & C. e Joaquim Ferreir Valente.
O annuneianle julga. nada dever a enta praca, nem
sua firma est couiprotnettida em titulo alguna ;
se, porm. ti ver esquecido pagar a qualquer eon-
la minia, pede que seja apresentada aes seus pro-
curadores que tem ordem de satisfazere.
Aluga-se urna es rava para todo servico de
casa : na rua do Imperador n. 30,3* anaar.
AVISO
tos eonvdeteentu e t pateas
frats a debilitadas
O OUINIUH LMRRAOUf I
peta Academia imperial da medido* eta
Pirii o tnico por wceatancta.
kpA
Jos Victor da Silva Hmentel, seus tenros filhos
e D. Bernardina Fraaeeitaa de Carvalho, pungi-
dos do mais doloroso sentimenlo, vem do intimo
d'almaagradecerem a toda&as pessoas, e com espe-
cialidade aos Rvms. Srs. Carmelitas e Francisca-
nos, e a irmandade de Nessa Senhora d Terco-a
pro va de ca cidade que deram,m assistirem ao fu
neral e aeompanharem aoeemiterio publico, os
restos mortaee de sua mu presada esposa, rali e
ilha, D. Mara Mxima de Carvaaho Pimentel, eno-
vamente os convida a todos oe -seus prenles e
aaigos para que se dignem comparecer sahbado
23 do corrente as 7 horas da maoba, na igreja
matriz da Boa-tsia, para assistirem a missa e
memento que mandam" celebrar par sua alma,
oelo que desde j anlecipam os seus agredecimen-
"tos. -
PALHAR]
Centelhas
CHA TOHI PURGATIVO EDPLl AWO
DE
1I1A1IIIAICII.
Composto das plantas as mais odorferas e as
mais virtuosas dos montes os mais elevados, o cha
toni-purgativo de Chambard, possue um gosto sa-
boroso e um aroma suavissimo, e as propriedades
as mais notaveis sobre os embaraces do estomago,
dos intestinos e do figado o desobstruente por
excedencia na constipado do ventre e nao tem
resguardo nenbum.
Depurativo especial e directo da bilis e dos hu-
mores, lefresca o sangue depurando o.
O uso do ch-Chumbard pode ser continuado
por muito tempo sem o menor receio e sem m-
commodo nem mudanca no modo de viver.
NICO DEPOSITO EM PERNAMBUCO
tPHARMAClAE DROGARA
DE
Bartholonien A C.
34RUA'LARGA CO ROSARIO34.
Ama.
. Precisa-se de urna ama de leite : a tratar na
rua do Imperador n. 65, 2o andar, ou Passeio Pu-
blico n. 60.
Feitor.
Precisa-se de um trabalhador para tratar de um
sitio pequeo ; d-se casa propria para morar, e
paga e a secco, preferindo homem casado : a tra
tar na rua Nova n. 19, Io andar._____________
Panno de algodo da tabrica Todos os
Santos do Illm. Sr. commendador Pedroso, j
chegou ao escriptorio de Joaquim Jos Goncalves
Beltrao : rua do Commercio n. 17,__________
Precisa-se de urna ama para cozinhar : na
rua do Caldeireiro n. 68.
Offerece-se urna senhora habilitada no ensi-
no primario, para leccionar em alguma casa par-
ticular, nesta cidade ou fra delta : quem prelen-
der dirija-se a esta typographia._____________
Ama
Precisa se ae urna ama para servico de urna
casa de pouca familia, que saiba cozinhar : diri-
ja se a rua do Crespo, livrana econmica.
Preisa-se de urna criada qne seja perfeita
engommadeira, para casa de pouca familia : na
rua do Imperador n. 51, 2o andar, ou do Crespe
n. 8, loja de 4 portas.
Assassinato
O abaixo assignado, senhor do engenho
Matary, do termo de Goyanna, recommen
da a todas as autoridades policiaes desta e
outras provincias, a captura de um escravo
que lhe servia de criado, de noaie Belarmi-
no, de idade de 24 annos pouc > mais ou
menos, cabra escuro, de cabellos carapi-
nhos, pouca barba, olhos empapussados e
amortecidos, falto de om, dente na frente do
querco superior, tem urna sicatriz no rosto,
de estatura ordinaria, ebeio do corpo, o
qual na madrugada de 7 do corrente mez,
assassinoa no referido engenho a um par-
ceiro de nomo Francisco, e se evadi, nao
tem sido possivel a sua captura, mesmo a
despeito dos meios empregados pelo abaixo
assignado e pelo sob-delegado de polica de
Goyanninha, i enjo districto pertence o lu.
gardo delicio. Engenho Matary II de abril
de 187.
Seraphim Telho Camello Pesa de Albu-
querque.
Colleogio de versos sobre a guerra do Paraguay,
i venda na livraria Franceza, na livrana Pari-
siense e na loja de madama Falque.
TRILHOS
no
URBANOS
esa JUe-Jaiaua, sf istisUr; Ca***
ea ('arascoo, enserar C".
mmmlkmkwmakwm
Na rua da Cadeia do Recife n. 22 precisare
de nina ama para cosinhar.
Um escravo.
Vende-se um escravo pardo' de idade de 25
30 annos, boa figura, bastante iotoiligente, pela
quaatia de 1:000*000 ; a razao de e vender por
esta quantia o esenvo ser intelligente de mais
para soa condiceio e oio servir para todos os
srs.. e tambem por ter de remetter-se a conta da
venda para u sea senhor m Cear : tratar na
raa do Crespo a. 17, lofa, o* rna da Penha o. 1,
3 andar._________
Cosihciro,
Precisa se de a bom caeMeH para casa de
(pones familia, e pagt-se bem n* na rua di
(Cadeia .20? "
Recife a Apipucos.
AVISO.
Da segunda-feira 18 at stbbado 23 do corren-
te sero supnrimidos os trens de 7.20 e 9 horas
da aoite do Recife e de 7.20 e 9.30 de Apipucos.
sendo suppridos peles seguintes :
DoBecie 7.30 8.30 9.30 10.30
Be Apipncos 7.35 8.35 9.35 10.35
E nos dias de festejo 21, 22 e 23 haverao tren?
de hora em hora das 6 horas ds manha a meia
noite tanto de ida como de volta._____________
No segundo andar do sobrado n. 25 da raa
esireita do Rosario precisa-se de ama ama forra
ou escrava.
O proprietario- do caf Santa Isabel, silo"
rua da Florentina n. 2, (eado tomado conta de um
outro estabolecimento, deseja 4esfazer-e d'aqaelle
al, por isso convida qoaiaaer prelendente a
dlrigir.se raa do Imperador fi. 1
BAZAR ACIDEMICO
13 Rua da Imperatriz 13
Ulysses & limaos proprietarios deste bem conhecido e acreditado estabelecimento
tem a honra de participar ao Ilustrado corpo ACADMICO e aos seus numerosos fre-
guezes, tanto desta praga, como de fra, que tendo sido elegantemente reformado dito
estabelecimento acba-se completamente sortido e em condices de bem servi-los dos
seguintes artigos:
CHARUTOS
superiores de Havana, Hamburgo, Baha e
Rio de Janeiro etc.
Cigarro s
de palha de S. Paulo, de 3,J500 a 75O0,
o milheiro, Daniel do Rio Novo, Maurity,
Imperiaes, Tenentes do Diabo, Dtiqoe de
Caxias, Gandou etc.: de papel, de fumo
de Daniel, General Osorio, Conde d'Eu,
Rocambole, Radicaes, Acadmicos, Machara-
bomba, Montevideo, Orientaes, Baependy e
muilas outras qualidades.
Fumos
Afamados de BAEPENDY em caixes de
20 libras 14400 rs. a libra, em pacotes
a 2(5, de 20 para cima a li5800e em maior
porro 10500 o pacote de 1 libra, dito
em latas dequarta a 040 e 500 rs., e outras
muilas qualidades como sejam: Daniel do
Rio Novo, do Para, de S, Paulo, Caporal,
etc. etc.
Variedades
PONTEIRAS para charutos e cigarros de
todas as qualidades gostos e precos.
CACHIMBOS de superior espuma, de raa-
deira (raizal de 3 at 60, a duzia e de ou
tras qualidades a retalho.
DITOS p de gallinhados melhores que
ha neste mercado 3 30 e 30300 a duzia, e
com grande abatimento em maior porejo,
ditos de louca, gesso, barro, etc.
BOLSAS de borracha e couro de diversos
gostos e precos, para guardar fumo.
CARTEIRAS para cigarros de todos os
systemas.
PH0SPH0R0S de cera, em caixas de to-
dos os tamaitos, do seguranca a balo etc.
PAPEL de milho, de a roz, san-com, Per-
san, pintado, te linho etc. palha de milho de
Fernando a melhor possivel.
Alm dos artigos mencionados encontrado nosos freguezes outros muitos no ge-
nero de nosso negocio, que se vende em grosso e a retalho e que com suas presentas
sero satisfactoriamente bem servidos: bem como nos encarregamos de qualquer en-
commendas de nessos cigarros de seda e linho, etc.
13Rua da Imperatriz13
um M IBA
53-RIJA NOVA-SS
Os abaixo assignados proprietarios deste eslabetecimento, participam
que, continuam a vender muito barato e em vista ao grande sortimento de
miudezas da melhor qualidade chamam a attengSo dos Srs- commerciantes
ce retalho afim de comprarem o que lhe for conveniente ; com descont de
10 Ojo, pagamento realisado no mez da compra.
Jos de Souza Son res & C. $
COtPO P ATMCQ TIC O
na
LANCEMOS.
Todas as pessoas alistadas para fazer parte des-
te corpo devem comparecer na quinta-feira 21 do
corrente as 3 horas da tarde em ponto, para se
encorporar diviso que nesse dia tem de mar-
char acompanhando um carro triumphal.
A reunio ter lugar rna do Imperador em
frente a casa n. 12.
Publicado na erte pelos Srs. Angelo Thimaz do
Amaral e Eduardo Augusto de Oliveira.
Esta folha em cada numero contm artigos de
fundo sobre a polticaGazelilbaEcho da cida-
de FolhetimVarieJadesRevista commercial
annuncios, etc.
Assigna-se por anno141000
Seis meies 7*000
Tres mezes laOOO
Nao se aceitara assignatura* sem previo paga-
ento.
LIVRARIA FRANCEZA.
Precisa-se
de um brasileiro de 13
ou nao : na taberna da
mero 43.
14 annos, com pratica-
rua dos Pescadoras nu*-
MENCO DE HONsU
Vende-i
BE FlfilDS FRESCOS DE BACALH10 *> *
Urea, hanuacia Hoe,
1, ro e> Cettiglloat,
em Pars.
.# *t>tr.Ve?, pesnloa. .1'un. cmim lorie, e tnaa comnoeleftes |Wta ewn oles j
da
c ,:ij* ( otvs tpewtt, iwm mu nads m\r; l.MIuir ae Verdaidelro* Iraei ele I
>. jn ivvu*. .- iiw f'V'''". t arrst, o f,k<-ra, a xa, oioUot den rmadort' pfcikior^.
ni 11IX4 nadn er: mlistitufr o veralsilelroe) de ejetelM|
i <* 4e M.^cail>n ale Torra-Movau Ehhb olcuai communa o eeo *<..rdeg e al*
i-!.. ft jii'i'a p^r un."CiB* vrdadeiroe leos o> flge'ie de kecalhio
rtt-, iV -eart. -nlc l.1i! tan,, vuu he par o>le-os frewm e sm mhlura, cuaea*
'rs-to Ti(3>h!s e ter os m^vo1* eaW*los ne proprio* locares das pesca, aaaim como masidi
: ii<- .' ." sor.- ie U4v> eMf* *" P*w Bawiailhaie eV TcwrmMa** mt I
r. .*!. a.- pyw pncioso D.^cMaSii w lama nni c;as 11, vipiutu. ai, a matji, "^ "** mminuf.mt,, por *,Yas ime mttiu e
o suave e dWlca. Vt**^? de. "^iSfli.nK
0 i.KI-MOr.lp fa.oravtt do cl^fe dos .^^^ . T.;? cf-i.-l; b r.eg^ Q tle0 cor de **** 4.* Hoggcottem urna
*< mu!' Jo que ot oltot per^"* ** V"**1.'* **F*
tes, /<, tui efcetro k< ._
1 Hiit-ae etu (uaUa ata pSisusamajiM^e a.^"'*
IKDICaTU
1 clif
L*
'



/
de Pemambuco
Quinta
feira 21 de A>r
4870.
No armazem da travessa do Corpo Sanio n. 2o, ha sempre um completo
sortimedte de objectos para carros, e que se vendem por precos muio rasoares, como
sejam:
Vaquetas de lustros, grandes e rau'ito boas.
Solas dem dito.
OJeado preto e de cores. m n.,..-.
Gofleiras de lastro oque ha de melhor. I L
Gaamiydes de fino lalSo para arrejos, completos. ":- .
Lantemas e vellas para as mesmas
Eixos patentes para sebo.
^^^ Joaquim Lopes Machado & C.
m bbb* mnin
f'
I
o
5

9 O a 3
?? -1 ^ S B 3a
fi lilil
^ o S ^ 2
en
mfiffos.
)
9
3*
o
I"
O."

So o'"" 2
b s? ~ a
OS
2j3 srp g -.
Igg" oB
So-g'B
T3
O


ga5S
- 2.8
S"-2 Sil I
33g
o3 B S s-
i
9
o
?
ce et>
I IIP I
s 3 a o
B g 9 O
Bg asi O.T3 _
-O (6
00 00
? aSl
f 8 C
ce os ^ e
M M *> CB OS
V roa do Crespo n.23 e casas do costme
0 abaixo assignado, tendo vendido alm dfl.u-
tras sorles, dous quintos n. I O eom y 00 000 da
lotera que se acabou de exlrahir a-beneficio da
igri'ja de S. Amar de Sertahaen (143'), o
aos pdssuidores i Virem rnceber na conformi-
dade do costume sena descont algum
Acham-se a venda ce fellzes bilhetes garan-
tidos da i* parle da lotera beneclo da igrejeJ
da Casa Forte (I44-), que se extrahir na terca-
feira 20 corren te mee.
Procos.
Bilbete 6J000
Heio 3*000
Quinto 200
Em poTcao de 100* para cima.
Manoel Martina Ftuza.
ATTENCAO
Precisase alagar nm moleque de 12, a U annos,
pouco mais ou mens, de idade, para 'mandados e
aguns servidos de casa, qae tenha boa conducta :
tn ra da Roda n. 48, sobraoo.
Lc^ao de francs
Urna pessoa bastante Habilitada otferece se para
ensinar a lingaa trance, tanto nesta praca cerno
fra della : procure-se va praia do Caldeiro a. 31
junta a orna tenda flesnarcineiro._
Att-encSo
Na ra da Praia-n. 3i ba psra vender grande,
quantidade de accos de faria de mandioca da
tflira cor menos proco do que em outra parte.
Joaquim Innocenolo Gomes e Jos-Vicente -Go-
Uciente a todas a. pessoas
ipanhai e assistir aos nlti-
snffra|toa na igra de K Francisco, por sua
esposa e mhr Aagelica Rodrigues (Jomes, e de
JUvidam par assistir a urna musa qae por
ser celebrada no dia 21 do cor-
i horas da manha na igreia cima
mmeionaia.
Em casa de THEODORO CHRIST1
^NSEN, roa da Cruz n. 18, Wcontram-
aflectivamente todas as qualidades de vinhf
Bordeara j Bourgogne e do Rheno.
" Offurece-se um rapaz de 16 a 18 annos para
caixeiro para fra da (Dvincia, cora ortica de
qialquer negocio, qae seja lugar dio, dando fia-
dor de sua conducta : quera quizer atiiisar-se es-
creva com as ini ;laes G. S. nesta typographia.
Anih.
Na roa da Cadeia do Recite n. 50 precisa-fe de
orna ama para cozinhar.
Attencao
Ao Sr. Antonio Pires da Mva Jnior, portugus,
de Villa Fraooa, deseja-se entregar urna carta
chegada de Portugal pelo annunciartte : na ra
das Crnzes n. 9, 2 andar__________________
Na noMe de 15 do corrente, pelas 11 horas
apparecen aa casa n. 24, da estrada de Joao g
Rarros, un mulatinha que diz ser captiva, na.
sabendo o come deseo senhor : qnem for sen
^enhor appareea, qae 'dando os competentes sig-
nae? e leslemanha, ser entregue.
Prec*sa-se a juros da quantia supra, dan'dtvse
urna bypotheca emscravos : a nuncoyor este joroal indicando a morada._
Sociedade
Unio Coonaercial da ra de Pedro Affonso
\outr'ora da Praia).
Tendo a mesma seciedade de formar a 8a com-
panhia do *atalho patritico da fregueria de San-
to Antonio do Recfe para os festejos da dia 21 do
corredte, onvida-e os fenbores socios, caixeiros
e mats pessoas que queiram tomr parte em se-
melhonie regosijo publico, dirigir-se mesma ra
as 3 horas da tarde do referido dia.
Gonuino Jos'' da Rosa,
1* secretario.
N ID c Wl
i icnuinim
JN.3ABIJAD0CABlfiAN.3il
3 AtMINHl mu i
Com este titulo acba-e aberto e internamente transformado este astigo
estabelecimenlo de joias, ende os fregueses-e amigos icontraro tudo qttanto
a moda e o bom gosto tem inventado na arte de ourives;iria, o Gotlar de Ouro
observar delicadeza no trato e snciridadee modecidade nos precos.
Espera que o respetUvel publico venba ver o qe existe de melbor em
aderecos de rilhantes, esmeraldas, robins perolas,-meios aderecos, pul-
cetras, brincos, alfinetes-e anneis oe todas uqualidaes, praia-de lei faquei-
ros,-colheres, paliteiros salvas e outros muits objecto6 mencionar.
Compra-se ouro, prata, brilhaates e pedras finas., pormawr preco do
que em ouira qualquer parte, trooa-se e couoerta-se todo e qualquer objecto
perteocente a esta arle.
"Caixeire
fteisa-se de um caixeiro qpe tenha prtica de
taheraa : > trata rm. ra Iftiva a. 53.
VQuem pracisar de um moco apto efedlita-
do pera ensiaaro'lrancez e as priineiras letras
ftwa^ia cidade, dirija-se fraguezia do Raerte, ra
do Vigario a. f5.
Ama
Precisa-sa de-nmaaraa para o servoo iterior
de pequea ftmilia : na rea da Amizade n. 21.
Gapunga.
Attemao
Precisa-semaTua da Praia n. 53, 2o andar, cfce
'pagar bem, podendo ser .procurada na mesma
ra e sobrado.
Esquadro patritico 12 de setembro.
A lormatura deste esquairao ter lugar no dia
21 do cocretite-as 3 oras da tarde, no largo 4o
lospicio.
Luk Goncalves da-Suva,
-Secretario.
Ama
Precisa-so de urna axna Que conupe perfeita-
reente para casa de liimem solteiro, -e paga-ae
:bem : na rua- 3.1
BatalMo patritico da
freguezia de Santo
Antonio,
Por ordem do commandante previno as
pessoas-que compite este batalbao que se
deverao forma boje 01 do correte s 3 lio-
ras da^tarde na praoa de Pedro H, unifor-
misados para marchar na conformidade das
ordeas.
O "tenente secretario.
__________Guimaraes PtcOto.
Roga-se aa.^r.S., rendeiro doeogenho B. S.,
na reguezla ta EscaJa e a outros -senhores que
costamam ma*arpor seus eseravos vender leite
todos o dias na-vSa da mesma 'freguezia, que
wndam o leita de saas vacas pelo preco que Ibes
couvier, porai nao mandem-garrafas chelas de
metade leite metade agaa, para serem vendidas
ao- povo, pociqoe"i9ijo depoe' contra o carcter dos
meamos sertores, e demajs, 'devem lembrar-se
que se at bije 'nio Gzeram fortuna, nao na de
ser com esta agua que botar Be leite que ho de
faaer, porque o qae agua da, agua tira, e o reste
que rica o^iafeomcumbe-ae deonduzir.
L'm dos que soffre.
Ao publico.
D. Carlota Tttarmho da Rocha Falcao, faz sciente
ae respeitavel pnblico, que nao facam transaccao
alguma com urna lettra da meema senhora, que
devedora aoSr. Firmino Alves Pacheco, da quan-
tia de 1154. Atmesma senhora faz scieate ao pu-
blico, porque tb con Us a encontrar com mes-
nw, o isse qualquer pessoa que faca alguma
transaceaj com a di Utra.-ser nulla. Recife, 18
de abril 4e 1870. '
Aitito, Ohveira&C.
Trapichearos
Olho riro com o araaazem que nao Indepen
ffieocia.
___________O inimigo dos tralcairte-5.
Pede-s ao Sr. Jos Alves Ferreira, morador]
ue-engento Matte Grosso, o avor de -apparecer
na ra do Sruoi i. Si.

ADVOCADO
Oadvogado Antoaio Pedro Ferreira Li-
ma, de volia de sn* viagem ao Hio de
Jaro, -contina ero--sea. escriptorio de
advaaa ra 4a Rape-ador n. 3,A
andar, ande pode aer pracurado para o
exercicio de sua prafisso, das W fcorae. ]
da aanbaa-s 3 da tarde
ATTENgAO
_____i, _____.. r.. .___
Deciara-se pelo presante
x.de
que o engenho Mu-
saiba n5o .pode ser vendido, por isso que o sea
proprietario tem diversas-execucoes contra si.
CURA RPIDA E INFALIVEL DOS CALOS
I'KJ.A
POMADA GALOPEAD".
Deposito especial
Pharmacia de Barlhofamen . 34Boa larga do Rosario94.
GOKFRARIA
110
do palriarcha S..'Jos da Agonia. erecta
convento de N. S. o.Carmo.
Pe'a secretaria da mesma contraria sao convi-
dados todos os nosos irmaos a compareoerem m
nosso eoneiotorio no domingo 24 do corrate, pe-
las 10 doras da nusisaa, aiim de retanlos em
mesa geral,.darmos^uinprimento -ao disposto no
artigo 48 do no>-o cempromisso.
Secretaria da confraria do patriarcha S. Jos da
Agonia 20 ie Jliril de 870.
43 secretario,
Francisco de Medeiros'Raposo.
0 Dr. Cardiino' Franci#oo de Lima^Saa
tos mudou -aaa residencia e cownltorio
para a jado Imperador a. 5?, 2 andar
do sobrado, oujn arroazem conserva ainda
hoje o Borne bem estanpaue o dito a. 57. Ahi, coati-
ouando oinesmo Dr. no exercicio de sua
proQsso de medico e de -operador, pode
ser procurado a qualquer hera do dia e
da noite.
m
,Aluga-se oprimeiro andar do-sobrado da-ra
da-Senzalla velha.c. -50 : a tratar ,aa loia de los-
mo.
1LLUMINAQA0
Lindos GLOBOS de vidro de cor, e brancos com flores, para iHuminaces a gaz carbODico e para gaz porttil asirn
M?AR\ffiM EXPOSICA^ CreS' Vandem"Se muit0 barat0 para liqui(iar : na rua da Cadeia d0 ftMfe n.
Irmanda4e des almas epoeta na matnz -4o
SS. Sacramento ^a Boa-vista.
.De ordem da lesa regedora convido a todas
uosos irmaos para compareeorem em nosse -cob-
sisiorio domingo i4 do corrente, pelas 6 horas da
nianhaa, afim de ncorporados irmos acampanhar
a procissao tem de sabir damesma matriz.
Consistorio dairmandade idas almas erecta na
matriz do SS. Sacramento dafiea-vista 20 de abr!
deil870.
0 escrwao,
Manoel D. da Silva Jnior.
BatafliM patritico da Boa-
vista 21 de abril de 1870.
De ordem to lllm. Sr. tenente-cdronel comman-
aante neo sciente para conhecimento dos eaho-
res offlciaes e mais praoas, que hoje as 2 horas da
tarde esteja o batalhao formado no paleo de S.
Goncal^ pata em seguida reunir-se a segunda
brigada, como se acha designado na ordem do dia
do Exin. Sr. coronel commandantu da divi.-o pa-
tritica ; e para que nao baja taita, o mesmo Sr.
tenente-coronel commandante espera que osSrs.
capltes de coinpannia, seus olliciaes e praris se
esforcem para em lude seren enmpridas as or-
dena determinadas pelo Exm. Sr. commandante
da divlsao.
Joaquim de Garcia Cordeiro,
Secretario.
----
Na taberna
do pateo do Carino n. 2 precisa de um caixeiro
para a mesma.
GABINETE MEDICO-CIRUKGICO
DO
Dr. Ignacio Alcibiades Velloso.
Pude ser procurado a qualquer hora do da ou
da noite, prestndose ais chamados fra da cida-
de, com toda a prompUdao. Pratica operares.
D consultas das 6 s 9 horas da manha, na
rua Nova n. 45, 1 andar.
O abaixo assignado constando-Ihe que al-
guem diz haver querer negociar com sua Arma,
vem pelo presente protestar contra qualquer do-
cumento Armad) pelo mosrao, que falso, visto
que nao tem firmado documento algum Recife
20 de abril de 1870.
Manoel Xavier Paes Brrelo.
COMPRAS.
Casa terrea.
Compra-se nma casa terrea : tratar na rua
da Madre de Deus n. 16, leja.
Gompram-se nioedas de ouro e prata de to-
los os valores, ouro e prata em obras inutilisadas,
arilhantes e mais pedras preciosas : na loja de
inrives do arco da Concelcao, no Recife.
GOMPItM l fflDI-1
ESCKJlYOS
Compram-se e vendem-se diariamente para fra
i dentro da provincia escravos de todas as idades,
tres e sexos, com tanto que sejam sadios : no
:erceiro andar do sobrado n. 36, rua das Cruzes,
'reguezia de Santo Antonio.
Lom muito maior vantagem comprara-se
noedas de ouro e prata : na loja de joias do Co-
racao de Ouro n. 2 D, roa do Cabug.
Compra-se urna canoa de carreira ou aberla.
Precisa-se comprar urna casinha com quia^
tal, e prefero-se as ras do Cotorello, Pires, S.
Goncaio ou em qualquer parte da Soledado : a
tratar Da rua do Livramento n. 10, loja.
0 niuzeo de joias
Na rua do Cabug n. 4 compra-se ouro, prata
pedras preciosas por precos mais vantajosos do
iue em outra qualquer parte.
Compra-se una liteira :
Crespo n. 18.
a tratar na rua do
Compram-se oito janellas promptas com seus
competentes caixilhos.assim como portas partidas :
no cartorio do Sr. Portocarreiro, rua do Impera-
dor.
Compra-se una casa terrea em algumas das
melhores ras da freguezia de S. Jos, ou mesmo
Santo Antonio : trata-se na rua Direita n. 32.
loja de calcados.
VINDAS.
Brincos e alinetes de papel, obra delicada e
vista pela primeira vez nesta cidade, feitos por um
curioso ; vendc->c a U500 a peca : na loja da
Aguia Negra, rua do Cabup n. 8.
Farinlia nova
de mandioca ltimamente chegada, vende-tea bor-
do do brigue escuna Mentor fundiado entre o caes
do Ramos e trapic'ic Barao do Livramento : a tra
tar com o capias a bordo e com Bernardo Jos
de Araujo, no armazem do Annes defronte da al
fandega.
isc
ELEPHANTE COM _
Grande armazem de pianos, msicas e instrumentos
ANTONIO JOS DE AZEVEDO
N. H-RA NVA-N. 11
PEDIDO.
Pede-se com toda reverencia ao Exm. Sr. rever*
nador -do bispado n a qualquer sacerdote illus-
trado, que a bem da.religio catholica apostlica
Romana, se sirva de querer indicar algum livroou
almanak, onde se poesam ver os nomes de todos
i..- santos-da nossa madre igreja, inclusive as onz
mil virgecs, todos os-marty res doJapo, e da Sy-
ria, e:c. etc., sendo que na falta desse almanak u
livro, prestar-se-hia nm grande servico se man-
dassem publicar os mesmos nomes porque assira
Ccar esclarecido o nosso clero, e nao serao -con-
trariados e torturados os pais e padrinhos fela
nica razo de ser ignorado pelos sacerdotes os
nomes com qae se pretende effecSnar algum faap-
tisado, isto lembranca do
Catbolico romano.
Milho e arroz de casca
Vende-se milho e arroz de casca novo em sac-
eos, no trapiche ia companhia: a tratar na rua
da Cadeia-velha, casa n. 1, 2* andar.
COGNAC
da muito acreditada marca Rouyer Guillet & C. de
cognac. Cnieo deposito em Perambuco, em casa
de Carlos P. de Lemos mero 10. .
Vendem-se deas barcaeas de lote de 30 cai
xas cada ama : na rua do Passeio n. 50, loja.
BRACO
Rua do Imperador ri. 26
Os donos desle estabelecimento desejan-
do por em pratica nesta capital os costu-
mes das confeitarias das primeiras capitae3
da Europa e Brasil (Rio de Janeiro) fazem
sciente ao Ilustrado publico desta capital
que na prxima semana sania terSo este
estabelecimento primorosamente decorado
e enfeitado com um completo e variado
soriimento de caixinhas de differentes dua-
lidades e gosto, um completi sottimento
de amendoas confeitadas de todas as qaali-
dades, confeitos e pastithas as (uars ser-
vem para enchimenio das mesmas caixirfliss
adverlndo ao Ilustrado publico qne na cida
iits, cima mencionadas est inteiramenle
em uzo brindar senhoras com este delicado
presente e vendo nos que al a poca pre-
sente ainda nSo honve alguem que tivesse
a lembranca de proporcionar aos amantes
do bello sexo nesta cidade o ensejo de dar
suas demonslrages de eslima, gralidSo e
amisade com nm bello presente, nos toma-
mos a nosso cargo tao ardua tarefa alten-
dendo as duvidas do b< m ou mo resulta-
do, que podermos colher.
0 publico encontrar ludo mais que re-
latava o antigo annuncio nesle Diario, as
Exmas. familias na occasio de t sitar os
templos poderlo vir fortalecer-se com bons
lanches, vinbos, licores, Ghampagne, serve-
ja e refrescos ludo do melt.cr qne pos?i-
vel. Esperamos pois da ccrictitreRcia do
respeitavel publico em geral."
"| AMA -
A ruado Duque de Caxiasit 21.
(ANTIGA RA DO QEIMADO) .
Nao foi sem fundamento que a NOVA
ESPERANCA tem deixado de fazer os seus
annuncios, a razo simples, ella entende
qne tudo em demasa aborrece... por isso
como j tinba dito e scicnitkado soa boa
freguezia o que constantemente ia recebe n-
do, ou tivesse feilo muias vezes, receiou
tornar-se massanle, assim pois rccolheu^o
um pocco ao silencio, mas nunca irisando
d'ea pregar averdMkiroi esturfuc, j con-
tratando maior numero de curi .spondent- s
na Europa, j descobrindo >-bjixUisdomis
pinado gosto e lioalneote ssaiOMdo >
Jornal das Familias, o qoal vem sempre
ornado com igurinos, modernoa moldes parn
vestidos ele,, etc. para denla fuma mem t
servir a sua constante freguezia ; e com is-
pecialidade ao bello sexo, quem a NOVA
ESPERANCA ufana-so em offerecer-lli^
seus servicos, apressando-se desde j t
declarar que tem recebido ltimamente
enlremeios e babailos bordados transparen-
tes e tapados, chaposinlios de setim pata
baplisados.
Finas toncas de cambraia bordada para
o mesmo fin.
Meiasde seda e fio de escocia pm caa-
cas.
Icdaes d'osao, mai lim. ic^i i; madret e-
rola.
ptimas navalba?, afiadorea I massa pau
as mesmas.
Finas esponjas para o rusio e para ba-
ndos.
' Bonitos sapatiabos com btqoeira, ifnda
meninas ie
nara
Panecipa ao respeitavel publico deeta cidade
si.Jacaba de hegar um grande e ex alenda o sortimento de
e das ais provincias visiohai. que o seu grande e be acreditado armazem de instrumentos 'para musw
Vade-se um preto crioulo proprio para o
aervico de una ea>a : na rua do Crespo n. 12.
Brincos e enfeites
de papel, obra delicada e vista pela primeira vez
nesta cidade ; fettoi pir um curioso, vende se a
1*SOO a peca, ua loja da aguia negra, rua do Ca-
bitfi o. 8.______
Vende-se um sobrado na rna Direita dos Af-
logados n. 7. Vende-se mais urt sitio na traves-
sa do Motocolomb n. 9, com boa casa de viveoda
moits coqueiros e muitos arvoredos de fructo'
e com grande viveiro no fundo : tratar na rua
Imperial n. 121_______
Vende se urna carroca de molla para cavallo
com os^iertencentes arreios : rua do Brum nu-
mero 73.
Bonito adorno para senhora de bom gosto
,para os bailes e festejos pelo acabamento
da guerra.
Vende-se na rua do Imperador n. 67. urna eran-
SiwH. c"? 7(W#. Tamltem podem-?e retalbar a 2< cada urna
e formar-ge tres vultas mais pequeas, qne anda
assim ehegam jjara o pe?eo^ de qnalquer senhora
7nde-e um bonito moleque de 16 a 18 an-1
nos, na rua do'Imperador n. 50, terceiro andar.
Di :ie de
niuita jht-
FMMOS
0 que ha de mais moderno, de teclado lixo e mobile, e eom transposicSo ou sem ella
afamados e bem cocheados pianos da fabrica do Sr.
deaatores os mais acreditados nesta %cidade,|fcomo sejam : os
IjdOO o chapeo.
Chapf de brira branco para os batalhoes na-
wticos: na prapa da Independencia ns. 23 23
,14 e 16. naloja de Jos Pequeo. '
AFFONSO BLONDEL
rranta nonti /irli.-r /mmn nr-Atii Ann\ n ... Tod? a8. P*90a8 qe comprarem pianos nesta casa, t>Io rogadas a exigirem o certificado de nr aotencidade do oumero de piano com o de certificado. f ceiuirvduu ue ongem assignado pelo Sr. Blondel, afim d provar a soa
ios imumii
PATRITICOS
Ferreira da Cuaba & Temporal tem em sua loia
na rua do fxique de Caifas n. 63, grvalas verde
vende a 1/008 cada nma. a ellas, ames que se
aeabem. ^
AO PUBLICO
Parts, 24 dejulbode 1869.(Asssignado) Alphoaae Blondel
0 mnnciaD.e tambem trota e aluga pianos, e tem o maior e mais explendido soriimento de novos niano
M10MCAS PARA PIAMOS
* Tambem tem gr1n^ %ZfS^1&^ ?L*tf & "'
aeoalhodesaUs.dicosespelbosdoDrados, oudrados e evaej, aiiinhas^ewsiuriwom onsicase sem,ill SK?IfflS fif! m6ns lifai"' 0,e?do8 P>ra
erpeiho. de todos os tamanbos, talaba, lU agu.bas p;i A, e moiSi IS&J& ^^^^^i t^T^Z* o"$JEi
Vende-se por um cont eseiscentosmil res,
um preto de 22 annos de idade, excellente para
roca: a tratar na ru da Imperalri; n. 13.
Vende-se nm cabriole! americano em per-
feto estado de deus e ^natro acentos, tendo quatro
rodas novas e mais quaro de sobrecalent com
lauca e arreios para nm dous cavallog : tra-
tar a rua do Imperador eoxelra n. 23.
eode-?e a loja de fumleiro da rua Direita
n. 38 : a tratar na mesma rua n 31.
-j*~-"- -- ~j v \"r"-"^' --e-v-t u,u" ^" i,,",' e mu puirosarwgps que o respe
aberto todos os das at as 9 horas da noute, afim das Exmas, familias poderem ir apreciar os rets pianos,
Vende-se urna burra pequea propria para
cabriolet nu sella : a tratar as Cinco Ponas nu-
mero 116.
Vende-se ou aluga-se nm cavallo bom an-
dador, proprio para os amantes dos festejos pa-
triticos ; portante qaem pretender, dirija-se ao
armazem n. 30 do caes do Ramos, que aihar
com qnem tratar.
Vende-se ama neg-rjnha de idade de II an-
nos, propria par andar com nanea, a Somte-
se nma negra de meia idade qae seib cozinhar e
engommar : na mi do SeneraJ Victorino ftntiga
rua do Sebr.) n. 29.
com salto, para meninos
a ddze annos.
Roas lentes com cinco melim tit,
contar-se os Qos de qualquer fazend a_
Tesouras para frisar vestidos.
Carrelas para tirar mobles de f^Mbl
Mollas para segurar cosiuras.
Bonitos linteiros de novos tten
Meias de la para homens e senbora.
Finas e bonitas ligas para n>ias.
Fil de linho e de #&, nrf, 'f)ret)1 ,
branco, liso e desalpiros, c oclros noii.-s
objectos expostos a vnda rua Diwuo
de Casias n. ti, na NOVA ESPErUSCA
, Mrt.WH,Ti PEhl L-w.Vi.IA.
A NOVA ESPERANCA, a ,
Caxias n. I, a--ba da receber
fumaria dos melbne> c mis ..i .madus n-
pncantes, como sejam i,:s eslraclM para.t
encu, essencias concentradas de mu.s ma
hdades, olhos do agradareis cl.eiroe para os
cabellos, e bonitos vasos rom ba banha. li.
diss.mos vasos com pos de arroz, MbaMhi
de differentesqualidades el-., etc., assira
pois os apreciadores dj bom, venbams-ts-
Sna T.av,P,a^5e Da X0VA ESPERAMlt.
PARA ALVLJAR E CONSERVAR OS DE.MES
Po de carvjo de rosas: vndeme ru.
Duque de Caxias n. 21 na NOVA ESP!:-
Para acabar com as arras on parmos
recelteu a NOVA ESPERANCA. roa Du-
que de Caxias n, 21, o verddeiro leite de
rosas brancas.
ftabSo I a lea Ir*
Vende-se na roa Duque de Caxias n "1
PARA LUTO.
I Brincos, broches, rollas, puleiras, I?tf-
las, pentes, boles para puchos e cadeia-
para relogios.
A NOVA ESPERANZA, querendo safcfo-
zer sua freguezia. naosmenle e
d'alegna ou de luxo, qoer Uabea
panhar aquelles, que infelizmente
alguem de soa familia, oo a'goem'de
amizafle, precisara de laes oftjecios aaoia
pois a NOVA ESPEBANCA, man*>o tiro
que ha de melbor neste genero oiemj
sendo taes objeclos de cor nerra *S
de m qualidade, nao aomeoie ttrmm-%s
tristes como al rnpognantes o ose
acoiitescn aos da NOVA ESPERANCA
que apenas exprime o senl**o &9 Sr
porem como que traz um lenitrao Mfo leal
UES? "" *"UM n-KK*
Vende-se um escrav
urna mulatinha de idade II
crava. um moleque de idade M
na travessa do Carao |.
naaaaCnBi.
Era casa de Mil* Lataaa *
38, vandem-ta .folias |
aa t
quatro libras, e meia e a arNtat, pie j
molto modieo; no ptm d
nileiro.
com habilidades, ootra eom 10 tara I
bonita, ecae bem e.pospona : aa rea Krrt
31, armarem.
1
f

M
mam


V
m
i
v
f
m
Oiiirlo AVI?
55finado Queimado56
A VERDAOE tendo em deposito grande
quantidade de miudezas e perfumaras, e de
tejando apurar dinhero o adquerir bfla fre
guezia est rssolvida a vender muitissim
barato, ; por essa razo convida ao respe
Uve) publico a ir competentemente mam
do i sortir-se do bom e barato. Pois quat
do a Ycrdade apparece, tudo mais des
apparece
Grande sortimento de bonecos de cera t
massa as mais lindas possiveis vestidas a c
racter.
Abotoat! iras modernas para col*
letea....... 32(
EL-iielhos doorados pepnenos. 2fH
Agu has de osso para crox a 20(
Pautes para regaco com esntas a 32'
Ricos globos para candieiro de gaz a 1380
Chamins a....... 321
Grande sortimento de objetos de
louca para brinquedo de menino i(
Garrafa com tinta a..... 80
Dita com agua florida verdadeira a 1$3(X
Dita com dita dita a I-50CX
Frasco com oleo ds babosa a 500 e 72(
Dito com agua de Colonia a 300 e rK
Garrafa com agua divina a. 1#50
Frasco com extractos anos a 10001
Latas pequeas com banba muito
fina a 120 e...... 16'
Sabonotes de diversas quali lades a
80, 160,2i0e...... 32v
Finas escovas para dentes de 120 a 60t
Lindos coques modernos a. 20(M
Pavios para gaz, dnzia a 240 e 32<
Esccvas para fado a 500, 600 e 70t
Ditas para cabello a..... 50(
Pentes para tirar piolbo a 160 e. 24(
Brincos de cores, bonitos a 160 e 20
Pecas de tranca de la com 8
varas por....... 8(
Oleo para machina de costura,
frasco a........ 6CK
Pennas d'aco finas caixas a 800 e ldOO
Dita d'aco Perry, caixa a. 4|J40<
-Galo de algodiio peca .... 40(
Lindos babadinhos e entremeios
peca de 500 a...... lfj(50
Ditos de louca muito fino a 120 e 20
Ditos para calca a 160 e. 24'
Caixa com papel amizade a. 70
Ditas com envelopes a. 48-
Ditas com obreias a..... 4*
Caixa com agurhas fundo dourado 28
Ditas de ditas ditas a..... 16
Thesoura para costura a 240 e 50
Caixa com linba de marca a 28t
Linha de cores em novellos (li-
bra) a........ 50
Carretois de linha Alexandre de 70
at 200. ,..... ICO
Graupos muito finos com passa-
ros, duzia a...... 20
Cartas portuguezas, duzia a 1540
Ditas francezas a 25200 e 3i50O
Papol alinaco e de peso, resma a
_400, *#300 e 4450
Li>a muito fina para bordar, libra 6-JoO
Fita de algodSo para debrum de
sapatos, peja a..... 16
Ufa Verdade rw do Quclmadt
o. &.
Estampilhas.
Vendo-sen rni da Cruz n:, 1 andar.
Pea de coquearos
a 300 r., a o eealo _3j, e melhor lempo fas-
3ivel para ptanfr : m ra Direita n. 45-
Veode-s farello muito novo, saeaajraad*,
gaz de prirreira quaHdade, barns cotiubntia de
porro de Daltimore, todo por pifaos razoaves e
poroSea a vonlade d compradores : no annaxem
de Matheos Atutio A C. na da Sanialla Yelba
n. 106.___________________________________
Vendo uro anu.Dcio do Sr. Jo.-i Gandid t do
Barros inserto nesle Diario, deaejando saber qual
i era o negocio que a ra das Cruzes n. 9 se cha-
raava o senhor seu IMho Tliomaz, e como nos cons-
ta que o Sr. Jos .andido reside na cidade d
Otada, e sendo penoeo l trinos, podimo? a -6. S.
mandar alguem tttetxer-se a raapeito
AG1A NEGRA
RAP POPCIi 1l
DA
FABRIf A NACIONAL DA BABIA
DE
Tei&etra UldurtcofrC.
Acha-se a venia sato ptimo rap, tnico qr-
odo suppnr falta do prineexa d Lisboa, por s
e mni agradavel perfume, viajado, e a
11(1 II US
MACHADO ft C,
\
.!
nos
A AGU1A NEGRA animada com o bora acooftwoento qoeteve em seus annun
vem novo participar a seus Iregoezes que, aeaba de receber um variado sorti-
nento de objectos de gosto os q_aes serSo vendidot per precos muito razoaveis, pois
ruando fez os S8B8 primeiros annucios, foi o que assegurou. e sera mdo de errar, i
wrqae como j dase osla intereeses ligada a ama casa iroporUdoradesta praca, e
Travessa do Corpo Santo n. 25.
Os acreditados cyliodros americanos para padaria. por dous diflerentrs
Machinas para deseerocar algod_o pelos memores fabricantes de He-
Machinas de vapor systema de locomotiva e polias para as mesaus.
Carrinbos americanos para tra_sportar volnmes em armazens. Todo por fn-
eos razoaveis.
TRAVESSA DO CORPO SANTO N. 25
Joaqun K>*pi Mtchii-y C.
Milho e fardo.
Vende-se tnflho e trelo mate "
ontra qualquer parte : ao ttm
largo do Paraizo n. II.
maiTn^odfMpoSivcrP SS'mfSffSk JorJaso poder ter tudo especiol vender por precos adlnrveis.-ChaiBapois a alten-
acolhido as praca* da Babia, do Rio de ianeiro
em outras do imperio : no escriptorio de Joaqan
Jos Guncalves Beltrao, ra do ConM-Nreio ni
mero 17.
Bichas harnburgnezas
Nete novo deposito reoebe-se por todos os pa-
quetes translaotieos bichas de qu.ilidade superior
e vendem se em caiKa on porcao mais pequea,
e mais barato do que em ontra qualqnrr parle :
na ra da Cadea do Recife n. 51, < andar.
Cigarros da imperial
fabrica de S. JcSo
de Niclheroy.
nico deposito em Pemambuco caes da alfan-
dega velba o. % 1* anda.
;o de seas.fregueaei paraos arttgos possa
Livros com o tarap -de arfim, madre-
dcscrever
Um variada sortiments ^de charuteiras e
5;000
A roa Nova n.' 60
para senhora a #000
quanto nao se acabara.
vendem-se botinas
o par : a ellas em
*rola tartaruga, propno para msaa.
Garafinha vaaiae proptias para presentes I
;onsa de gpsto.
Iudispensaveis de pafinha e de couro pro-
mos para seoboras e meuiuas trazer nos
mcoe.
Binculos demadrepola, marftm e tar-
:iru?a todos esmaltados.
Cintos .largos de setim, cousa inteiramen-
nova;
Fitea- de-sarja 4t toa* m*t*tt torgn-
u paca lacas.
Tomas, apatinboe meias de seda e mjis
jertences para baptistdos.
Fitas com inscripeftoa pfopm .para bonr
(aet'de noiva,
Ricos vasos com p do arroz.
Um variado sortimento de jarros depor-
-4tana.
' palliteiroe de porceana,
Tent para voltwete.
Bengallas com martto, eoosa especial.
Sabonetea de alcatrao.
Cofres de folhas para *H*eiro.
Liadas caixa para costara.
Um completo tortimenfo de lavas de pe-
iica,
T__.-n<_i.B_ra.f_'A_r Acabara e chegar ao
ll^JZrZ*L** a- MtPA* UWVERSAL, ra Nova n._3-cawEi_o
Uta completo sc-rtimento r enfertea ae VIAJWAum eempieto sortimeBte de ma-
sed para vestido. chiaas para costura, dos autores mais co-
P&rtomarias de torios os autora os mais nneerdos, as qoaes est3o em exposifio no
acreditados em oxtraclo?, pomadae e leos mesme Bazar, garantindo-se a suab&aqua-
eOaalmente outros moHos objectes que nao. lidade, e tambera enema-se com peifeicio
poseivel a_eoeionar ; mas com a vista e a todos- os compvad-av-!. Estas machinas
IAIMVLS HU
COSTURA
GRANDE BAZH
Cortes de vestidos de
blond.
Acaba de cnefar loja 4m
Crespo a. 20 A. de Airar A
& C, os mais ren cortes de
que tena vindo a arte merca*) para
assim como cortes de vattMos de asi
fostos inteiramente noiw, e tastos
sortimento de chapeos de *etlado para
4 tm*
certificar_o do eortimen deste
cimento.
Cantara de Lisboa
Soleiras, hombreiras, e capiteis, o que ba de
melhor para frente. de predios: venia no ar-
mazem da travessa do Corpo Santo, de Joaqnim
Lopes Hachado & C.
Veniese pelo sen justo valur na ra da Ca-
leia do Reciten. 58, loja do Azulejo.
Farinha de mandioca
Vende se de superior qualid.ide, no escriptorio
le Joaquim Rodrigues Tavarc- de Mello, largo do
Corpo Santo n. 17 ou no trapiche do Gtrnfia, For-
W do Mattos.
Brozeguins pretos fantasa para senhora
i 40000.
Ditos de duraque de cor enftitadr.s para
enhoras a 4IOOO (todos em perfeito esta-
do).
Brozeguins de lustre para homem a
U000, e vende-se na Pra<;a da Indepen -
l^neia n. 3!), loja de calcado de Porto d>
Bastos.
m
Ag^iia Negra, rna do Cabug n. 8.
co,tona-.daI.^>_JgWS!a
TO&LHAS E CMUIAIB
Cbegou a loja de Paredes Porto, a roa da Imperatriz n. 52, (Porta Barga) um bo-
nito sortimento de toabas de Hubo para mesa, assinreemo os competentes guardanapos
que se vendem a prego baixo.
PAREDES PORTO vende laasmhM a 20 o covado, fazeoda de 500 r, para acabar
m roa da Imperatriz r>. 52.
PAREDES PORTO vende algado com pequeo roque de avaria a 35500 e 4#000,
a peca ra da Imperatriz n. 52.
PAREDES PORTO vende chita=pret3 para luto a 60 rk o
peratriz n. 5_. Porta larga.
CHALES
Vende-se ehales pretende merm a 35000 fazenJa superior, na ra da= Imperatriy..
PAREDES PORTO vede meias para senhorasa S,$50O a dazia p'r ter om peque-
no mftfo. na ra da Imperatriz n. 52'porta larga.
PAREDES PORTO vende cortes de calca de casemira prela a 3#5O0 e 4^000.
PAREDES PORTO tero para vender paflm> proto aopenor e oascmiras de cores
pretas qne vende por pr? coiumodos.
CHALES. GRANDE PECHINfflIA.
Ghe?ou a lia da ruaTtnperalran. 52 de Paredes Porto
chales chinezes fezeodas moito boas para senioras traaerem
por 55000, esllt>acaband8-se na
Loja do Leao.
esiabeie- s5o iguaes no seu trauallio ao de 30 cosu-
reiras diariamente, e a sua perfeico ta!
como da melbor costureira de Pars. Apre
sentam-se trabalhos executados pelas mes-
mas, que muito de vera agradar aos pre ten-
dentes.
Ve'ndesea armario da taberna do pateo da
Penha n. 8 : traiar junto n. 10.
Candido Alberto So-
dr da Motta & C.
com escriptorio e armazem na travcfsa da Madre
de Eteos n. 14, tem para vender o segrete :
Cemento I'ortfc Bd de 1* quakdade, o oelhor qne
tem-viodo ao mercado, barrica de 12 a ii arro-
Vende-se on troca-s por
o sitio denominado dos Br.ritn,
ragem de roupa, coa Tamte
senzala para pretor, estribara,
e cal com agua correal*, baila
grande terreno para plantar oes
dar dirija se praca da I
Vende-se na boi carro pr> regar asracarou geaeros : a talar a ca v
Ramos n. 23, com Aafcimo Joa Arrao>f par -
lar para retirar tt para Eoroaa.
Cal nova de Lisboa
dcscarrapada heje Ao
Joaquim Jos Rampa, a
rreiro andar.
patacho Hrrim
i ma Aa Croe i
f
ura> bonito sortimento do-;
en> casa, est vendendo!
das seguintes qqalidades :
St. Julin.
Fronsac.
Lormant.
9t. Emilion.
Mbrgaos,
Guatean de BoycbeaHe.
St. Lambert.
Lalonbere.
DuplesSis.
Cauor.
Dearsesni.
Vinho do Porto de qoalidade mnitoespeeial.
Arsite doce refinado em caixa3 de 12 garrafas.
Famos-de todas as-qnalidades, se encontrar
neste estabelecimento em latas, roos e fardos.
Papel de tudas as qnadades proprios para
garros.
Vende-se nina parte do en^enho
de grande produerao pera aaricnllara,
freguezia de njuarassA. asim roao se
tra parte du engenbo Curte de Cima,
purgatorio, que muito coaren cnev^rar
tratar no Remedio com o ir. Aa oaio
ieiro de Gusmo.
PARA A FB8TA~
3 portas, b ja de ferragm
53-Sua Direita-^8
Neste grande estabelecioeolB, na
um completo sortimento de terragem,' e i
finas e grossas, como sejaa baadejaa cm__~
uadradas e ovaes,. facas e jarfos *e I I fce-
balancp inteiro e 12 bataneo; aaaeHan, efea-
Iheiras, cagarollas, frisideir?--, asaadWraa, MNP
de ferro como de porcelana, rmjnhcs para ea> At
diversos tamanhns do fi^rican Jr.py, pean kSa-
graomos, tanto de ferro como para medir fazenda tacto de Ierro pvrao Ae Mn
salitre, breo, baibante, enxofre, pipri aatcs ita-
do, do verdad; iro PicarAo, machuiaa par* ABatav
rocar alcodo; r.lem de ontros artigas Aa f
gem, mi.dezas entilaras finas, ~e s er^_ a i
la se teriaca; n? rna direita n.." loja 3 i |
tas de Manofl Rento de Otiveira Bra_a C

gaz m CAZ
Chegou ao antigo deposito de Uear? Fe
o., ra do Imperadsr, m caregaaeMo
' de primeira qoaiidade; o qaal se veiAe ea
ci- e a retamo por meaos pre^.. ii qae ea
quer parte. _-
60RA DA IMPERATRIZ
DE
&
iGiJiaiuBaia,, & .
Nesle grande estabelecimento etn-.ontrar o respeitavel poblieo, uT^ranIo sortimento le fawndas7do mais. apurado gosto ass'ira como de todas as de primeira nece^sidade que se Ibes promette vender nsr precns muito mais baratos do
em nutra qnalguer parte, vrtq que os novos socios fiesta fir'na ad->ptaram o .systema de s veunderem DI^JIKI.iO ; pata poderera vender pelo custo,.liaiitando-se apenas a ganbarem o- descont. A pessoas que negociam em menor escalfe, ne?i !ot
e armazem podero f:/.or os seus sorlimenlos pelos mesmos presos que com_.ra_ as casas estraageiras.
derem escolhor.
raiMbfa'a suSssa 1 de .2-5330 rs. cada um, pcbicclia. |
A 4:000, CASKMHUS ESC0SSE7AS. i
Paramaior comraodidad" das Eimas. familias, de todas as fazendas se do os livros das amostras, ou se mandara
CROCHF.'S PARA GADEIBAS E SOFA'<5.
t ALTAS N0V)ADES EM SEDAS
PALMOS DE LARGURA A 1:000,, CASKMHI AS ESCOSSEZJ.S. ( O Pavao tem um g.-aode sortioaento dos Chegou um grande sortimento das mais
2:000 e 2:j00 RS. j O Pavo tem bonitas casamiras escosse- mais bonitos crochs para cadeiras, sos motieraas poupelinas ou gwgnro de-sed
Cliegaram as rmissimas cambraias suissas, zas com qaadros grados e mitdos e outras m?sas, almoSadas ctc.^ proprios para ce- e linh>, com os mais elegantes padrees que
tranpar- ntes, sendo o qne ha de mais fino; lisas com listras ao lado, sendo fazende* br ir presentse vende-se mais Jarato do tem vindo a este mercado : sendo miias
para vstidoee veBde-se pelo barato preco muito (na qu so vende mais baralo, por
rio I(5'i0., 2#000 e 'ijjISOO o motro, tendo haver grande porcSo.
tatnhem dss mesmas, p:irm inglezas com GANGAS D2 UNBfifc
a mesma largura que se vendem a !50t0,'. Vende-se ganga de linhocom qoadrinhss
e 5280o metro, sendo apenas precisos des- i muito boa faz-md para roupas- d homesfr
ta larga faienda para se ftraer um vestido | e meninos pelo barato prcc> de G00 rs. o
4 ou 4 l/2mPtros, pechincha, 1 covado.
SAI VS BORDADAS PEGIIINGHA EM PANNO PRETO A 2400,.
Vende seum bonito sorlimenlo de saias! 0 Pa 3o vende superior panno preto fin
bordadas com 4 pannos, assim como ditas para patots, calcas colletas etc., peloba-
i oromptas, de llasinha, enesgadas com ralissimo preco de 2l.'->0. o covado.
bonitas barras bordadas a 15a por precos CORTES DE CASEvlIRA PRETA'A 4:.fiOO,
e gradas, tant* em corles para vestites
Grosdenaples.
Sedas pretas lavradas.
Fazendas pretas deia.
Para-o Pavo cbegou um grande sorti-
mniio era conta.
PANNO PARA SALVS A 1^000, 1,5280 e
t$,00 RS.
Vendase bonitas fazendas Jpr-oprias para
saias sendo cora borlados e pregas a um
lado, dando a largura da fazenda o corapri-
m.f nto da saia e veade--sa pelo barato preco
de ltOOO, L5^3 e 1-5'jO, cada metro sen-
do preciso apenas 3 ou 3 l/ metros para
cala saia pechadla.
CnJariahos.
Vende-se nm bonito sortimento de cola-
rinhos tanto de linho como de algodao pro
)rtos p.'ra homem, assim como tambera um
que em outra q-ialquer pane.
As 1* > afestito. como para vender em covados, assim,como' meato de grosdenaples pretos'de pura soda
Vnde-seuma grande porgo de-algodn nm bonito sortimento das mais bonitas se-1 que se .vendtm de 13500 rs. o covado al
smho americano c.n8 palmos de largwa, das listradas, que se vende tndo muito H e &$0O0 ; sedas-pretas lavradas de dif-
em conta. ferenics presos e qjtalidades, l-isinhas pre-
MeiSa de eocdSo las' a'Pacas bombasinas, cantees etc. etc.
Vende-se merino nreto de rordao oro-! assi,n'como um graB,,e sortimento de pan-
Dri ii eiSS outoU o te So inos Pretos finos e casemiras P^35 de todos
K;^^ .*w '2' P os _pre^ e uoalidades que se vende muito
O Pavao tem os superiores cortes de ca-
semiras pretas onfeita las. pelo barato .preco
de 4#500 rs. o cort,
PEGAS DE MADAPOLAO A 3;SKDO.
O Pavo vende pessas de muito, bom
madapolo, tendo 12 jardas cada urna, pelo
barato preco de 33500.
PSCHl.N'GHA ISM.ALGODO AtSOOORS.
OPav_o est vendeado pe,as de algod-
sinho francez, tendo 4 palmos da largura e
com i I metros cada pega, pslo barata pre
de 45000 rs.
CAMB1UIAS BRAMAS A V*000, A PECA.
S o PavSo ven le pecas de ca-ubraia
proprio para lences e oalhas,, tendo liso e
trancado,, que se venda por precomuito em
conta.
PANNO DE LINHD.
Chegou um sortimento d3 pecas de pan-
no de Itnho do Porto, que se vendem de
700 rs. at _>000 a vara garantindo-so,
que era fazenda de linho nSto.ha nada melhor !
nem mais proprio para lences e toalhas.
PEGII1NCII\ EM CHAPEOS DE SOL.
Cbegou ura grande sortiraenio dos m-
lhores chapeos de sol de seda.
baratissima. preco de ijlOOO o covado.
eRETOXES.COM 10 PALMOS DE LARGURA A
3-$00 RS.
O Pav3 tem urna nova remessa aa mui-
1 to acreditada crelone-, propria para lences
tendo tO- palmos de largura, dando.na lar-
gura o comprimento do leneol e vende-se
s pela barato preco de 20OG&O metro, sendo, e sed;i' facilitande
ao mercado, assim como urna grande por- < Ppeefe* aPcnas ?* ura lengo1 m metr0 9
sendo neste artigo o rnelor qae tero viado;
ortos pnra homem, iisiia como tambera um I ao o favao vente pecas e ca-ubraia
bonito orliuDi.todj'.iri'sinos para meninos branca transparente, tendo mais de vara de
e ser.h )ias e todos vendem-se por preeo
muito barato.
GULES E M0C.VMR1QUE A i:280 RS.
Vende-se urna grande quantidade de cha-
les de mocambique, com padroes escossezes,
sondo moito grandes e levesinhos pelo ba-
rat > preco de 1(5280, cada un grande
pechincha por se ter feito urna grande
compra.
Pannos e casemiras pretas.
O PrvSo vende grande porcab de pannos
pretos do mais baixo at o mais fino, por
preco que admira, assim como um grat.de
sortimento de casemiras pretas para calcas
que se vende por proco mais barato do que
em outra qualquer parte.
GORGURAO PRETO.
VenJe-W o Melhor goigurab de seda
preta para cnUetes e vestidos, sondo nesfe
genero o ttielher-qte tem^iodoao mercado,
mais barato do qne em outra qaalquer parte.
vestidos braneos a l t*QOO rs.
O PavJo ^ende flnissimos cortes de ves
tidos de cambraia fcraoca, ricamente bordi-
das e com maiUJfaxenda pelo barato preco
largura, com \0 jardas cada peca, fazenda
que sempre se vendeua7te^{5")00liijui-
da-se pelo barato preco de i?5000.
ALPAGASBRILHANTES A 13J0J E 800 RS.
O PavSo tem o mais bello sortimento de
alpacas lavradas, com as cores .mais deli-
cadas que tem vindo ao mercado e tendo
bastante largura, vendem-se poh' barato
prf co de 4 5000 e 800 rs. o covado.
Coin palma de oda a l^OOO,
Para o Pavo chegou um rico sortimen-
,o das mais bonitas laasinhas com palmas
de seda tendo de todas as cores e padroes,
sendo fazenda bastante larga e vende-se a
1<$000 o covado.
Honpa para esrravos.
O Pavao vonde um bonito swrtitaento de
roupas para escravos.
AS POUPELINAS DO PAVO A 50 RS.
Cbegaram as mais lindas poupi}linas"de
la com imitac8o.de poupolinas de soda.uma
fazenda muito leve, com as man fin las co-
res, sendo : vwde, Bismarck, ro.va, aiul,
lyrio, chizento, perolaetc. etc., & wnd_.se
polo barati8simo prejo de 500 rs. o covado.
C,ao de ditos de alpacas de toda3 as sores
& todos se vendem por precos miiko ra-
zoaveis per haver grande porco.
OS BALDES BO PAVAO A 2;000,
Chegou um grande sortimento da bales.
ou crinolinas do fe to mais moderno, multo
proprios para vestidos euesgados, que se
vende pelo baratissimo preco de 2;>000 rs.
cada um, grande pechincha.
GRETO^ES MATJiAiOS PARA VESTIDOS A 640
E 800 RS,
Para o Pavao chegarara os mais bonitos,
cretones oscuros matizados, proprios para
vestidos, roupo, chambres etc. que se
vendem 800 rs. o covado. assim como o
mesma fazenda com padroes claros proprios
para vestidos e roupas de meninos a 640
rs. o covado, sendo os .padres mais mo-
dernos que tem vindo ae mercado.
OS SETNS P PAVAO
Vende-se os mais bouitos setins da cores
e mais encorpados, proprios para vestidos
tendo de diversas cores.
FAZENDAS PARA LUTO NA LOJA PAVO
Encontra o respekavel publico neste es-
urna quarta ou metro e meto.
Chapeos a I000.
Chapos a 13000,
Chapeos a 10000.
S o Pavao vende bonitos chapeos de
m.-Ms barato do que em outra qualquer
parle.
NOVAS POUPELINAS A 40OBS, O COVADO.
O Pavo vende um grande sortimento
das mais bonitas poupelinas com lislrinha
de todas as cores e com lustre imitacISo
o esta bonita fazenda a
estid) de muita fautasia
por pouco duihciro, isto por ter-se feito
urna grande compra e vende-se a 400 rs.
o covado.
ROUPAS PARA UOMEN'S PARA TODOS
OS PRECOS.
N'este grande estabelicimento encontrar
Joi'i.s as cores pira bomens e n eninos com o respeilavel publico um grande sortimento
a forma" mais moderna que uhimammto de roupas. sendo palitos e sobrecasacos de
tem chegado, pelo barato prf ce do tiJlOOO, panno preto e cazemira, calcas c coletos de
cada um, por terem ohegado com um pe- brim branco e de cores, que tudo se vende
queno toque de varia, grande pechincha. mais baralo do que era outra qnalquer parte;
_P_R*I_nMC7H. assim como um grande sortimento de ca-
fm p_K_*nft PAvtn v k&na rs mMS francezas e inglezas, e oeroulas tanto
LM U\MISAS DO PAVAO A 4ifc>uu Kb. de lJnho eomo de algod3o e abundante sor-
Veode-se um bonito sortimento de muito tinento de meias cruas.
unas e modernas camisas inglezas com pei
levar emboas casas, p*ra melbor p-
ALPACAS LAVRADAS A 6i0. 80
1,000 RES.
Cbegou para este grande estahelieinwai*
o mais bonito sortimento das mais mater-
nas alpacas lavradas de todas as cores, qas
se vendem a 11, 800 e 640 nh o envaro,
assim como ura grande sortimento de arpa-
cas lizas d todas as cores
CELEZLAS E BRETAXIIAS.
Vendem-se as m;is finas celezia 4*
linho puro ou pessas com 8 ruelrot,
como, rmissimas bretanbas de
5 varas, por precos que fazea
em relaces quabdtde.
Basquinas.
lo e coliarinhos di luiho e piabos, pelo
baratissimo preco de 40300 rs. cada urna
e aos freguezes que comprarem duzias se
loe far um a bal i ment, garantindo-se que
fazenda que vale muito mais dinhero,
liquida-se por este preco por so ter feito
urna grande compra: assim como se vende
um bonito sortimento de ditas tambern com
peito de linho bordadas e ditas de algodSo
para todos os precos.
tabelecimeno um grande sortimento de(a-; bramante para lences a 2*)oo, com i
zendas pretas, como sejam cassas france- \ PALMOS DE largura.
zas e inglezas, chitas pretas de todas as' O Pavlo vende superior bramante da ai-
qnalidades, fazendas de I5a de toda" que godo tendo 10 palmos de largura, cuja lar-
tem vindo, proprias para luto; sendo lasi- gura d para o comprimento do leneol.
nhas alpacas lavradas e lisas, cantao, bom sendo preciso para cada wn, sen le cana ie
basinas, merinos, .te. que tudo se feode s^Heiro, i i/ie para casal i t/i metro,*
por preco barato- ,Iptpbioaka.
Ghegaro as mais modernas
ou jaquetiiihas de seda preta, i
enfeitadas a vidrho, tranca e
tendo de todos os modellos, os ass
que tem chegada e vendem-se por
muito razoaveis.
ORGANDY COM SALPICO.
Chgaram se mais ricos organdys 4a ee>
res com salpicos o mais bono qm tom
vindo para vestido, que se vende a 1100.
o metro, ditos braneos muito Caos ttm
listras largas a 1$000.
Cambraias brancas
Vende-se um grande sortneaU te sa-
ibores cambraias tanto victorias cobo traaa-
parentes tendo de 3^500 pera at a wtt
fina que vem ao mercado.
ESPARTILBOS A 5JM0.
Vende-se um bonito sortment dos mt-
lhores e mais modernos csaarMhas laaa
do barato preco de 5>00O at 8000.
CHITAS FINAS DE 310 A 900 BS.
Vende se o mais elegante
mais modernas e
das como gradas, com ceras
Boupa por medida.
Na loja do Pavo raanda-se fazer qualquer
peca de obra a vontade do freguez, para o
que tem um perito alfaiate, responsabelisan-
do-se os donos do estabelicimento por qual-
quer falta qne possa haver, quer per de-
mora, quer por qualquer defeito na obra;
e para isto encontra o respeilavel publico coras" dando-se de todas
Sue Cjar9-rt,nenl0 ldaS ^^ \ "* A "* '
BRAMANTE A 1800. Y"*^1 ^.Sfi
... muito flexivel propnos p
Vende-se superwr bramante com 10 nal- ^^m e roopa aira meamaa t
mos de largura, proprio para lences, dan- a 40 800 e IHOO rs. o es*ani
to a larjura d'esU boa fazenda o compri-. ____- n_im m.
manto lo leneol, sendo preciso para cada caaaaa a mmm
um apenas i e 1/2 metros ou I e /4 pe- 0 Pavao est maiaw
ohincha pelo preco. ceros fixas a 240,
craseos-
A loja do Pavao esta constantemente aberta, das 6 horas da manha s 9 da notite.
\

j
_L


\
>
r
1/

)
**&
Diario de Pernambuco Quinta
feira
21
de
1
Abril de 1870.
A BU 1 DA IMPITRATiriZ m *
ifcqwiidaraadaAweira,-eTO frente do caf Impetatria.
(ti^i^^Se^!!^^S0,ssta,wteciment0 defazendaseacontrarao as Exmas.
fS!S2ClST'um ""^ d0 "*,i80roso ,uro>*em lod"
na. tanc n.,A5m,n(^8V".are,*"provkl5 A rae,hor S3 contra neste mercado,
CASSstl 22?' ""*! d?rect5menle e arlaos de moda e
SfSfi^SnriiM.e?7n ra emParl8i a ^e vem cadadia augmentar s propor-
m **dapoeestoestabdecmeato para bem servir sua numerosafreguezia.
*mms s qualidades que costuma vit ao mer- da integramente nova para vesdos de baile.
/kW rio t/wi ,., j ..-. Gravatas pura suotioras e fiomens, o mais
J? E -i S 0S P^569 e que. se pode deseiar
4es no vanadas que se nao podemdoscrever. rl- B ,p(
-" ^fllif*-1
t*
b..
** $U*MAfi6
.
-Wbons com msicas para colmar retratos!
Arcado presente para qualquer nessoa de
rima.
Guipare preto e branco, diversas largo-
nas ediieruntes gustos.
Goliat e puobos bordados para senhoras.
Guardanapos de linbo pequeos e grau-
s.
des.
Gorguro de seda preto e de corea.
Grusiteuaptes preto e d cores, haven-
Atoalhado de linho e algodo, branco e
de cores proprios para toalhas.
Ba^inasde sedeas e omito noder- doTveSuthC e%ttt
nm, bem como de crochet, ludo depurado qaai.<*i^e goetos.
?n,i/!i,tl0' r a .- r. Japonezes ara seno .ras, o melhor iros-
. ?3i,de musse,,na madaPol5o( brancos t0, e fajeada propna para as festas nos ar-
frotas, para senhora e memnas, rabaldes e tiasseios a tarde
Bareges de cores vanado sortimento.
Babadinhos ou tiras bordadas cm todas as
larguras.
Belbutina de todas as cores.
Bolsas de tapete para viagem, grande
'ariadade de tamaniios e gestos.
Bombazina preta de todas as qualidades.
Bramante de linbo de 1 i palmos de lar-
fura, e todas ;is mais qualidades.
Bretanhas de linbo e aigodo, grande sor-
mento.
Brins de linho branco e de cores, do mais
comando ao mais caro em qualidade, affiaa-
?ando o que ha de mellior na especie.
Brins d'algod3o completo sorliraento e
variedade de pre;os.
Laazinhas de todas as quaiidades, cores
e gostos, nao ficando nada a desejar, tal
o sortimento que existe para escolber.
Lencos, tudo quinto pode haver desde
esgtiio ao algodo commum.
Leqaes do madreperola e osso, o mais va-
riado sortimento.
Ligas de seda, bordadas, para senhora.
Lavas de Jouvin, chegadas por todos os va-
pores, sempre novo sortimento, quer em
peilica para liomens e senhoras, quer enV,Go
d'Escocia, brancas e de cores.
Madapolao; ndoscriptivel o grande sor-
timento que ha nesto genero, desde o mais
Quando a AGUJA BRRNCA, mais precisa scieotificar ao respeitavel poblicoem
geral, e em particular a sua boa fregueria, da immensidade de objectos que ltimamen-
te tem recebido, justamerrte'quando ella menos o pode fater e porqae essa falta invo-
luntaria ella confia e espera na benevolencia de todos que lb'a attenderad e relevado,
continuando portento a drrlgiretn-se a bem conhecida Ir ja da AGUIA BRANCA roa do
Queimado n. 8, onde sempre acharlo abundancia em sortimento de superioridade em
qealidades, medreidade era pregse o sea nunca desmenttido AGRADO ESINCERIDADE.
Boque tonar fica dito se conheee que o lempo 1e que a AGUIA BftANC V pode
depor, wjpregado aperar de-ser eustas no desempenho de bem servir aquellos que a
honrara procurando prover-w em dltrtoja do que necossitam, entretanto seraenname-
rar os objectos que por sua natareza s5o mais conbecidos ati, ella resumidamente indi-
cara aquellos cuja importancia, elegencia e jiovidade os tornara recommendaveis, como
bem seja : ,
Corpmhos de cambraia, primoresamente | Capellas brancas para meninas.
r0,0 A>^ ,3*. elevado preco ao niuuor, que so vende em
J^Jl k ,ma,orK sorumento, pri- poga e retalho por menos do que em cu-
nando pelo bom gosto e barateza, altelas tra qualquer parte.
ttaf *: Mantas de Monde para noivas: o apurado
. f^S' janeas tapadas, e trar.sparen- gosto dos nossos correspondentes era Paris
rl-^K a,8 ,,,al,dades ? ?reC08. habilita-nos a dixer que temos em nosso
Camjsinhas de cambraia de l.nho e cassa estabolec.menlo o que de melhor se
bordadas ricamente enfeitados para Sras. ja para vestir e ornar urna noiva
Camisas para horren e meninos, lao va-
ado sortimento que vai do mais ordinario
madapolao ao mais periito bordado de li-
ie cambraia.
Camisas de meia, de flanella. braneas e
- de cores para hornera.
Caaemiras pelas e de cores, o melhor
que se pode imaginar, sendo d'issb a me-
lhor prova o grande coosummo dellas na
jflicina da casa.
Capellas de flores, para noivas e bailes,
desde a mais candida flor de Iarangeira at
mais inieressante grioalda.
Chapelinhas no melhorgosto.de todas 3
core hoje preferidas pelas senhoras de
mais apurado rigor na moda.
Chapos prctos de velludo, para senhoras,
nJtimo gosto de Paris.
Chapeos de sol, para snhoras e homess,
de todos os pre;os e variados gostos.
Cay com ricos padres para vestidos.
Chales de todas as qualidades, avultado
camero e nao menos varieda le de gostos,
Chitas, impossivel descrever o sortimen-
to e variedade de padres e novos sustos,
ba oeste artigo tudo quanto se pode desejar.
Cintos para senhoras o que se pode iraa-
giaar de melhor.
Coques, o melhor no gosto e nos entei-
tes, varios tamanhos.
Colchas de seda com borlas, o mais apu-
rado g<>sto e lavor.
Ditas de fuslao branco e de cores por
oreos commodos.
Corpinhos de cambraia, ricamente borda-
dos para senhoras.
Cortinados de cambraia bordados e de
filiO que de m iimr se pode desejar.
Colarinh-is de linho bordados e lisos, o
maior sortimento.
Damasco de la de 9 palmos de largura
lindas cores e ricos padres.
Espartilhos branjos e de coros, para se-
choras e meninas, o melhor nesie genero ;
cenboma Sea. datar por certo de muir
e de t5o precioso auxiliar perfeico de
amcorpo delicado.
ntremelos bordados.
Escomilha prta.
Eneites p?.ra cabpga, ultima moda de
Paris, recebida no ultimo paquete.
Esguilo de linho, completo sortimento de
todo9 os nmeros.
Fitas largas escocesas para cintos, varie-
dade de gostos e lindos padrSes,
Fi ;bns de crochet, modernos com cintos
e capas, o que ha de melhor.
Fil de seda, linho e algodo, de todos
os goatos e padroes.
Fuslao de todas as cores e qualijades
grande sortimento.
Flanella branca e de cores.
Flores, o que ha d mais rico, quer
Manas prelas de blond.
Mantas para carros, com lindas pintura.
Merinos presos, trancados e lisos.
Musselina branca I de cores, lindos e va-
riados padres.
Pannos pretos e de cores, desde o mais
barato ao mais superior, por prego muito
c.ramodo.
Pannos de crochet, para cadeiras e sofs.
Ditas de casemira muito fino9 para
mesa.
Poitos bordados de linho, lisos e de al-
godo para camisa.
Princetas pretas e e cores.
Popelina do seda e linho, com listras e
flores; fazenda lindissima.
P.lheriuas para senhoras, do ultimo
gosto.
Perfumaras ; o mai finos extractos o
que de melhor e mais agradavel se pode
encontrar neete genero, e de mais fragante
e suave no olphto, tem o PAVILIIO DA
AURORA, desde a \erdadeira agua Flori-
da at o mais fino Bosiqnet tfAmour, final-
mente tudo quanto deve oceupr o torea-
dor de urna senhora de gosto.
US
Saias bordadas, brancas, lisas e de cores
com folhos e sem ell?s, o melhor possivel,
Sahidas de baile, de todas as cores
Sedas pretas, de qoadros, lavradas, lisa.
.* listras de todas as core e qualidades e
o mais barato possivel.
Sareelim de todas as cores e qualidades.
Tapetes grandes, lindas pinturas para 8
cadeiras, mais pequeos e de todos os ta-
maitos desejaveis, e em pega para co-
vados.
Toalhas de bbyrintbo, do maior e mais
fino -trabailio ao mais barato.
Toalhas de linho e algodo de todos os
tamanhos, li-as e felpadas.
Tarlatana branca cora palmas e de cores, |
fasenda muito noi'a, e gostos delicados pro-
pria para baile.
Vistuarios bordados de fusto brancos e
do coros para meninos, de cambraia para
bapti>ados, o quede melbor tem vindo a
este mercado.
Vestidos de la escoceza de 2 saias,
novidade pelo padro, gosto e forma; ditos
de linho com barras de cores, e de cam-
braia de cores com 2 saias, tudo inteira
novidade, trazem os modellos juntos para
mostrar a forma de os fazer.
Veos de blond para noivas e pretos para
luto.
Vestidos de blond para noivas: podemos
asseverar as nossas Exraas. frejzuezas, que
somos os nicos em Pernambnco que pode-
mos offerecer ao Ilustrado publico,.o mai
apurado gosto em semelhante materia, gra-
gas ao bom gosto do nosso fornecedor em
enfeitados com fitas de setim c obras essas
coja novidade de molde e perfeico de ador-
nos os tornam apreciados.
Fitas ni largas de diversas cores e qoa-
lidades para cintos.
Leques uesse objecto muito se poderia
dizer querendo descreve-los minuciosamente
por suas qualidades, coree e desenhos, tal
o grande e variado sortimento que acaba
dechegar, mas para nao massar o pretn-
deme se lhe apresentar o que poder de
melhor.
Entremeios em pecas de 12-tiras.
Guipure branco e preto de diversas qua-
lidades e desenhos.
Ditos de algodo cora flores e lisos.
Veos de seda para-cbapelinas e monta-
ra.
Meias do seda para noivas.
Ditas abertas de fio de Escossia.
Costumes ou uniformes para meninos.
Enxovaes completos para baptisados.
Grandes sortimento de flores finas.
Fil de seda, preto.
PERFUMARLV
Grande e constante sortimento de dita,
sempre melhor quajidade.
Lindos vasos com p de arroz e pinsel,
Caixinhas com ditos, aromticos.
Bonitos e modernos pentes dourados
para circular o coque.
Bonitos brincos de plaquee.
Aderecos e brincos de madreperolr.
Caivetes finos para abrir latas.
Thesouras para frisar babadinhos.
Aspas para balb.
Novos stereoscopos com 48 vistas, as
quaes sao movidas por ura machinismo
urnas subslituem as outras.
Vistas para stereoscopos.
Bonitas caiziuhas de vidro enfeitados com
pedras.
Ditas de madeira 8nvernisada com vispo-
ras e com dminos,
Bollas de borracha para brinquedo de
Touquinhas de fil, sapatinhos bordados criangas.
e meis para ditos. Diversos objectos de porcelana, proprios
Camisinhas bordada para ditos. para enfeites de mesa e de lapinhas.
SORTIMENTO COMPLETO
DO
GALLO VIGILANTE
Ra do Crespo a. 9
OS propnetaris deste bem condecido esiabele-
eimente, aKn dos muiros objectos que tinham ex-
posto a apreciarlo do respeitarel publico, man-
earan vfcr e acabam de receber pelo ulrimo vapor
da Europa | um completo e vanado sortimento de
Boas e mu delicadas especialidades, as quaes efe-
fio resolvaos a vender, como de seu costume.
por preces mnito baratinnes e commodos para to-
dos, com tanto que o Gallo....
Motto superiores luvas de pellica, pretas, brau-
cas e de mu lindas cores.
_ Mu boas e bonas gollnhas e pannos para se-
anor, neste genero o que ha de rnak moderno.
Superiores pentes de tartaruga para coques.
Lindos e riquissimos enfeites para canecas da--
Rimas, sanhoras.
Superiores trancas preUs e de cores com vidri-
aos e sem ellos; esta faienda o que pode haver
de melhor emais bonito.
Superivre e bonitos loques do madreperola,
marm, sndalo e oaso,, sendo aquellos brancos
com lindos desennos, e estos pretos.
Mnito superiores meias fio de Escossia para se-
nnorag, as qnaes sempre se venderam por 301000
a duza, entretaato que nos as vendemos por 50*
aiem destas, temos tambem grande sortimento de
outras qualidades, entre as quaes alguma3 muito
finas.
Baa bengalas de superior canna da India t
casuade luarm com lindas e encantadoras Qgu-
ras do mesmo, neste genero o que de melhor si
pode desejar ; alm destas temos tambem grandi
Suantidade de oatras qualidades, como sejam, ma
aira, baleia, osso, borracha, etc. etc. etc.
Finos, bonitos e airosos chicotinbos de cadeia t
de outras qualidades.
Lindas e superiores ligas de seda e borracha
para^egurar as meias.
Boas meias de seda para senhora e para meni-
ma de i a 1 i anuos de idade.
Navalhaa cabo de marfim o tartaruga para fazer
baroa ; sao muito boas,e de mais a mais sao ga-
rantidas pelo fabricante, e nos por nossa vez tam-
bem asseguramws sua qualidade e delicadeza.
Lindas c bellas capellas para noiva.
Superiores agulhas para machina e para crox.
Linha muito boa de peso, frouxa, para encher
labyrintho.
Bons baralhof de cartas para voltarete, assim
como os tentos para o meemo fim.
Grande e variado sortimento das melhores per-
fumarias e dos melhores e mais conhecidos per-
fumistas.
COLARES DE ROER.
Elctricos magnticos contra as convnls5es, e
fanlitam a denticao das innocentes enancas. So-
mos desde muito recebedores destes prodigiosos
collares, e continuamos a recebe-los por todes o?
vapores, aim de que nunca faltem no mercado,
coma ja tem acontecido, assim pois poderlo aquel-
los que deiles predsarem, vir ao deposito do gaUi
vigilante, anude sempre encontraro destes verda-
deros collares, o os quaes attendendo-se ao fim
Sara que sao applicados, se venderlo com nm mu
iminuto lucro.
Rogamos, pois, avista dos objectos que deixamoi-
declarados, aos nossos freguezes e amigos a viren,
comprar por precos muito razoaveis loja do cali"
vigilante, nra do Oepn n. 7.
RuadoftuehnadoD.l
Exrellesiea et.*frfw
brni e firrtw, mm
preoa te t****.
^ L"ja de Anlov'o de lloara Mh
Ra do Queimadon.1
llWMi
Val.------
Grande factura de chapeos a>
la, propria para os corpus e
tiia, pelo diminuto prefo de
a n. 61
Cirande trama le I
rata Ja impe airli
Neste graade armazuu veaa>-t lm
Anas e ordinarias apparc-lbia V pntnitiB pan
j.inlar e para cha, jarro para Vn a* mam aaa-
tos e de gosto rnoderous ; asacas cata aaaaar
Mirlimento de vidms flm e ittaar, jaa tai
*e vend. r.i tanto a retalho ron nr i tifi
mais barato preci qne em na'ra ; nalitarr
i-lianianio a ailenrao A* trrcarir*, qm
ruiivi-ni-ntemente MrvMa* lant ana ni
precos coitki na b' a oDa'idadr das
Vende-$>- nina ra.-a teirea etacaaM
na fregueiia t>S.k-u ra ct
se ria qumi vende.
Cintos modernos.
A' li.ja de fazenda-- de Pa* Melln C .
chegar um e< inpleto sortimenir, V ntAw aiim j
de edrea, que se vcndfin |xir prero rniaiwiiaa, 4
HA DUQUE l;K AXlAJ
(anilla ric On.imado).
H
Vende -e una raai arma n. roa aa IVtja-
Mi>ca : quein pretender dirjale a s"j Qpcffa-
phia, que te injiera queui cade.
ESCRAVOS FGIDOS.
NOS GRANDES
HOLH4DOS
CONSERVATIVO
N. 23Largo do Ter DE
SIMAO DOS SANTOS 8- C.
PROGRESSO
10 FattO da Petiha
10
FattO da
N
S A UTOS & FERR IRA.
Os proprictarios deles bem sortides armazens participam aos sras innmeros
freguezes tanto desta prsca como do matto qne tendo ferto grande diminoico de pre-
Cos as soas mercadorias esto porisso resolvids'a vender por menos de tO e 20 iu,
do que en. ou ra qualquer parle, garantindo-se portanto a s p.-rior qua idade de qual-
quer genero comprado i estes dous PStabelt;ci/nentos. Mencionamos alguns dos nossos
gneros ea vista destes sao compreliendids os otrtros, porqae enfadonho seria men-
cma-los.
Se alguem durdar venha ver.
COGNAC.
De Superior qualidade da mu accredit*
da fabrica de Bisquit Dubouch C, en
ognac urna das que mais agurdente d-
cognac, fornecem para o consummo d
Reino da Inglaterra.
Vende-se em casa de Th. Just. roa di
oiumercio n. 32.
Fu fin d<> enp'iilm U*i-c,tla. aa coaaara i
Tamaragibe e i.mvinria das Alagi', i
Nicolao, idade 34 annns, altura retular, art
corpo, andar hiaielrn, tem fati V
frente, n>-1., largn, barbada ei*ian a a- rrv fa-
er toda a barba, e tem ama nratrz aa torta.
os ps rrosso ; este esrra o anda fh*:.!n t>*>
dia l de Janeiro do orrente armo : r>a-- pwf
Unto as aninndadi's aoariaai e ata raaires e
campo a prir-an desie escrav. e o rairet-ar no -
g-nho acuna in nm nado, ni a-sla rara a raa
do Viiario n. ti na travesea do Crrao Saa> a.
25. primeiru andar, que se graiiaVara
mente.
-- AustMitou-M'. a p> rio de *^is aarzrs e <
de scu fcnlior a eerrava prela fula de anta I
cum per lo de 50 annr.- de idaiie, atia.tvraa. i
torevrista, foi escrava d(.8r Dr. Anaro,
11ii anua nesla riaade c tem sido ti-ta no a*n
da Boa-vista c eui S. I -i- rom tabltiro aa ra-
ii'i.a : quem a apprrhtndere del:a pidraraa-
ticia exarl.., dirija se ao pateo de S. Pede a II,
que f era graiiradi.
O verdadeiro portland. S se vendo n
ra da Madre de Deus n. 22, armazem d
Juo Martitjs de Barros.
Vinagre branco mandado vir por coota
propna vindo de Lisbfta, a 320 a garrafa e
480 o litro.
dem tinto Figueira, Lisboa e Porto a
320,280, 2 e 200 rs. a garrafa e 480 300
r?. o litro.
Vinlio Figueira, Lisboa, Porto e Estreito Caf era caroC a 220' 240 e 2''^. a
a 560, 500 480- e400 a garrafa litro a 840 *** kogrammo a 480, 540 e 600,
760, 7*0 e 600. I 7*000, 7J50O e 8800 arroba.
Vinho brama puro de Lisboa a 6W 560c Milhoalpista 200 rs. a libra e 440 oki
a garrafa, em porco ha abatimeoto. ; 'ogramma e 55800 a arroba, em porco ha
Vinho do Porto, engarrafado das melho- J ^batimento,
res e mais acrefadas marcas af^OOO e 10200' ^'i^j?8 fr,escos do ullimo vaPr a 3d200
Gaz amcric-no marca Deves a 8^800 a
1-ts, 380 rs. a garrafa e 560 o 1 tro.
Azi'it doce de Lisboa a 900 e 10000 a
garrafa em porco faz-s3 grande abattmen-
to.
IPO0 e 2* a garrafa.
dem Bordeaux, Medoc e St. Julien a
7(5500 e 6,51500, a dozia e 640 re. a garafa.
Gnebra de Hll nda e laranja doce aro-
mtica a 60500, 70. i'!800, a frasqueira.
.Gaspar, sito na fregoezia dte' Serinhaem
n4UaS*,iilooem ramos> tem o PAVIUaO Paris, podemos garantir que ningum neste
DA AURORA am permanente jardim a genero o possue melhor, nem mair em
disposic5o das Exmas. familias. conta.
mnitn nF.S0 d grande e variado >orliaeDto qne 03 proprietarios daPA- -
/ilhau va AURORA se apresentam ao publico declarando desde j$ qua a sincerida- comarca do Rio Formse proxif o em
oe e o bom gostoo movel nico de seus negocios. hr/w.o ^- .jj.
Prvidos de todo e proraptos sempre a prover-se do qae por ventura Iba
eja necessario, os proprietarios deste suroptuoso estabelecimento recommendam-se
em receio de serem contradictos e protesiam esforcar-se por contimwr a merecer i
ff ^e se ,he8 n dispensado ; certos de ,que do seu estabekcimento nao aabira
o fregoez descontente.
e 30400 cada um.
Aletria, macarrio, talbarim a 500. rs. a
libra e llOO o kogrammo em caixo ba
abti ment.
Sabo raassa de 1* e 2* qualidade a 220
Serve]*-Bass, Jim t B*4I a 908Ofj fa- fi 240 r; a irbrrem caixa ha ahatimeoto
zia em porcao ha grande abaUmento. Toucinbo de Lisboa muito .alto a .400.rs.
&<500 e b0, a duza e 500 rs. agarrafa, gr^de dilTereoca.
^no /SSim ^m& *? ^fw^wtos gneros, viaha em aucoreU3, aaeitooas,
passas e figos, charutos fiaos.de diversas marcas, marmelada, bolachiaba de todas as
S? 1w ??la* fran9^afyne,; a> <. Mdium, med, soda Fancy-nic-oac, pa
acd deVar.eteoa.combmat.oo, BrUama, doce de gatb. fina, okouricas, manteas fjtws
franceza e mg^a b a de Bakimor, pl^phofos de S^uryt, Ca'c3d,w
SS^'a ^anella;.Pimenta do wnormadice, pSdi', eolofre,^S*'SfMrwK
,em latas detodas as tmal.dades, ar.nha de. milho americana, grandes. raoWs de aeool-
3 cordeiro previdenu
Ra do Queimado n. 10.
Novo e variado sortimento de perfuman
finas, e outros objectos.
A!m do completo sortimento de per;
ajaras, de que effectivamente est provida
oja do Cordeiro Previdente, ella acaba
receber um ontro sortimento que se ton
otavel pela variedade de objectos, superior
lade, qualidades e commodidades de pr.
X>s; assim, pois, o Cordeiro Previdente pee
i espera continuar a merecer a apreciaos
io respeitavel publieo em geral e de sr.
boa freguezia em particular, n3o se ala
laido elle de sua bem conhecida mansidi
a barateza. Em dita loja encontraran t
preciadores do bom:
Agua divina de E. Coudray.
Dita verdadeira de Murray & Lamman.
Dita de Cotogne ingleza, americana, frt
oeza, todas dos melhores einaisacreditadi
fabrioaDtes.
Dita de flor de larangeiraa.
Dita dos Alpes, e vilete para toilet.
Elixir odontalgico para conservacao
isseio da bocea.
Cosmetiques de superior qualidade e cot
os agradareis.
Copos e latas, maiores e menores, co
pomada fina para cabello.
Frascos com dita japoneza, transparem
i outras qualidades.
Finos extractos inglezes, americano
francezes em frascos simples e enfeitados.
Essencia imperial do fino e agradavel ch
o de violeta.
0utra3 concentradas e de cheiro ^tu
mente finas e agradaveis.
, Oleo philocome verdadeiro.
Extracto d'oleo de superior qualidad
om escolhidos cheiros, em frascos de di6
-entes tamanhos.
Sabonetes em barras, maiores e menor
FiiSio do enginhii Camaratil>e m wr$mm
de Sri nliSini |ierleni entes a li:i.*|.ar Haariri
Wanderli'y m aarrawa ,i(uiitl'> : Sanae4 rrwa-
lojiaixo. pruru. nariz rlialo, di/ ser I.- Tn>ta aor
ter sido o mprado |i.,u^no. Ji V. Cal.. >-n'i> d<> it-
de irintd e laaloa aaaoe, ps ehati. veafaa arra-
bitadas, estatura L.iixa, rrtViala. ,. in-ak.-rae
e eeta na p. na d queix. ppe mualo e tea
de de 16 annos punco mais tw awa a, haixo, frat-
se. sem defeilo algnm, leve ba em pe>meaa. po-
re"m pnin-n apparere ; por km rdr se as i inri
daes poUettcn e c.ipiiaes de ran>p> a aflata **
mesinus e lvalos no mesmo enperhn rn aa naa
da Mueda n. 5. 2" andar cscriplurio de Maaoef Al-
ves Ferreira A (.. qw sprao tr*ftr*iu+
r'ugm do iii(ndio Mmh r; >. i;i r.n arm ae
Santo Aman, no da 20 de jnnlm d >nnn pasaV
o escravo de noroe Praarrlhan, re|teiuia m
iiiius de idade. n m m sisnaes sruir.b-s rar
preta, baix", eorpo reforeaon, rara lara, lniliati
tarbado. nlhos pequeos, narl maMn ai adr, linc-
ea regular, denles curto- e lima.;.-, minio prneia-
ta e andar apresado ; i\.n-ia il*r pfk* stnr-
bius da cidade de Muida, ciipi iIh> Fracaso, Cai-
c, Beberibe ou Apipucos, aromado | r fniaiai
Jos de Sarr'Anna, sen irm?>o bLcr! > aaal k-aa
em sua c impaniua urna rb> rlh- e fiihm aa ta-
ma, e por outro irmao de nooie J se B $ ir aaw
o conduzlra para os lugares cima inrrfaaaaii
aliin de um mitro sofio de nome J> Zariana
da Silva, conherido por Jos Paj*n. por Irr via
daquella comarca. Bnfa e > aulnriitadm e ca-
pitaes de campo que o api^iiendam e n lavan a
ra do ngel u. 17, ou nn engenho Miahnra, a
entregar a scu senlur Joan Orreia dr Qa>irua
Monteirn, que ser?o generosamwtie graiifVa* s.
100$ de gratificado
Furtar.im do ergenh; A-nUi de a xo. *.
mu de Santo Antau. ') cav. II s, na muir de f i
ra 7 do crrenle M quaes tem os itmmt \
les :
1." Castanho claro, gramle, nutr '.o. rastra*,
com urna eslrellinba na te>la c rom a letra C ra
cari; un a das ancas.
i. Preln andrino, ,-asirado. bom r rpo. nutrid.,
com igual ferro, tan btm obre m an a*
3 Ainda (mido, in eiro. carda wrmeUio, *-
do, crinas pelas, cuito, bm rorp. t. m e aaaa-
ino ferro dos oulrns, mas bre t* *n aoana
em vez de ser n; s arcas, andad.>r aaix...
Quem os pegar e tmuxer ao aha.x asM*a4
no referido eng. i.h.., trr a grai.li>r- a> 3**
por ada nm, e se prender o ladra. e n etMraaar
a a mi..ridade competente lera mais iinhi ao
de cem mil reis.
Arand de baixo. 7 de abril oV I70.
_______Ambrosio Machado da C Cavalraaki.
FG4
las ne.tes dous armazens existo tambem grande sortimeoto de loabas prosnas mm
go.tot:que peU %6w cammodos preco z' vantagem aos m^JaoTes.
VENDE-* oo arrenda-seo engenm
Venda de lampeoes
p ra illumiua(ao.
promplo"-*"-?~ L.?ciLde altaiate din'gda VJ um os mais habis artis-
confi*Z^b?SSIi.C<,. pr?"fptidao e bora gost q^uer trahalbo. que lhe sej
Sa diriJ a ?,?.?! f Pec,a,menle oceupada nos trabalhos do 1'AVlLIlO DA A-
KUA, dirige os que lhe sSo conceroeutes, garante or seu i
na euenvb e a maus completa perfeicSo o seut trabalhos.
A numerosa frerroezia aaa nn* hn^ra ,,m, ..
RORA, dirige os que 1 be s5o" conceroeotes, gTrane' por seu apurado gosto e promptida*
ampiela perfeicSo nos aeua trabamos,
sa freguezia qqe nos honra uma prova de que merecemos o coiit LBy*'*j8*** y feo>-awifcttft eowraa
eetto
re
shbeiecmento os uiunnis ngunaos. ae Pars, que recebemos por 'todos osmoo
para
.-. aiI____ w------?. u"'a o uiud uiuvdu aue mereceiiios. o con ----------...rao
pese dispensa ao nosso estabelecimento, conceito oue Diocuraremos firmar cada 5^'b.feT' MwpW*.obea|wtfo..idoi1*
ftt^turinCosnder0 d ^T^^X^Znosa S^^^^tffi^
s. de Pars, que receben Dor todns n uniutaa,, os Hua larga do Rosario n^W
em, Jun( oo qvtrrttt do corpn re noiicl
m ________(OdtrorandoMrferitt)
T^J.^t?^K^^^^m vfivo a pro)^ofdo flto^flP'lCt^^
alpo*rnot
convidamos s excellntlssimas Sras. a visi-
deencontrarem nelle pe|o m^qr prego pqssive,
a-fanut* a^o^-.------- *_______Mx:
Aberto das 4 Aa hora da-noite. -' f t&^fSggS&!3S2SBBmWB&
* grumo e pies, rotroz preto loperir.
barqne, com grandes partidos- de pao! M AK raiuuflijaa^o.
para madeira necssana, bom pasto, etc:: del 0 a 400-lamprfle, Kf^, 2 ?cZ.
iratar na ra df Agrora Q. J6, oo na dx mieos por serem para gar liquido, e dio eMeUea-
Ditos transpareates, redondos e em flg
ras de meninos.
Ditos muito finos em caixinba para barb;
Caiiinbas com bonitos sabonetes imitanc
froctas.
Ditas de madura iisvernisada conteado {
aas perfumaras, muito proprias para pr.
jieits.
Ditas de papelao igualmente bonitas, tu
oem de perfumaras finas.
Bonitos vasos de metal coloridos, e 4
Imperador n. 2ft. "i t [*: ^>>iMaB^,tftreji ea- Boa
W*^*fmlmm <' fcwraehii~~i:c<,reado3;de'"flmtBat5es,guata hmtB. fOtds novos eelegantes, com p6 de ut{
A UOt.
ULULAS, VlNH^JABQrR.iiJaJftJJE.,
BA DESPINTO.
t*-.
Mez de Mara
Canucos edwaaos'dMte* para o nei
dtf^Mrak
Vm,oido vioote. eBeaderaado daaourt
Dernattojfllw'dourado
! ulien: na ra da Ca^ia, 4o|p8IlgiwSB^
Inoneca.
Opiata ingleza franceza para dente*.
Pos de camphora e outras differeaii
cualidades tambem para denles.
f Tnico oriental de Kemp.
Alada au o^ea.
Lm outro sortimento de coques de n
sai komm* moMis com filete de vidrUto
a arfaas d'eWei ornados de flores ito
eo todos expostos i aprecUcao de fou
Fugio da casadan-a de Sanio Aman,
n. -22, no dia 3> de marco do rmrvne aaa
o preto crioulc de nome J !> idde t 90
ann s pxioco mais oo en.., cs ripawj
seguintes: baixo, cbaio do r..rn-.. a>ra
barba, rosto com maree de braiaaa. aa
dedo de menos na mo direila. o qa>al ln
escrevo do Sr. Antonio Llimarn Maaia
Temporal, e jslga-ae asnistir ahMM 4aa
quatro freguezia da cidade. R iga-ae p>
s autoridades competentes e p-riiralarf a
obsequio de apprtutndfrem r leva-lo ira
do Grepo n. 5 que gemroMMente tt na-
pe osar.
i -K-atnt aa
rda. raaaaaaja-
r hiv.*>ala-
H tmtm l
H Hk >W
compHh
aguas de Vtcky come sejam :
.j&V^&ff^**^*m*i
^EnaleWofl"'eeT'etc.
Sa Vchj.para Untan.
as de VicbVi-
poWicp e om o mais profundo
t*nm Bosso estabelecimento.
tO O.podw,desfijar,. I W ^inaa da Yieb^^w.fcu. aor.axeeo^moi aT
B^emofcawerewasfazendaseaTiro asio' tt r%<^^* ^^f^^^^^rTrr^if^r^Wd^!^ P^te
r" W^W'?' "Kesmosteem^ para vender ,ta^ C^^SM ^
^m Luiz, Sobrtnhe & C. diswsi gojlBlpir.. imr '
_
I tentf no pavimento terreo us grandSarma
'j e commodos para familia dpbaiio do dito terra
aaqdo a entrada por um *onaaar- la 1
I o oda ipHk'otitii 'aa.'rb. *i
n ao da cidadailatb^ainaMf:i ajtmiat
GOLLNHAS E PUNHOS BORDADO.
jfP **m PWav dte*.
i& V*adttiWto3?eQ^ de Ue* **^
ahoaewohaaogoJtodocoa
e
j VM-s4to
tata a 06al
ceiyio, em barricas fraudes.
e Viceate Par-
arcodaCob-
E"t fngido eeravo PMien.on njae M
Dr. J..a. Honorw, parda ebro a M aaa
Ktede, estator recular, awrad crp.. a*
*udo e com urna peqoeaa aaliaa ^irairit i
do do nariz, saiio com caica parda, rar ~
quela l.ranra. e chapeo redondo r "
f a preta. Suppft-ae qae anda
Boa-vi>u e arrabalde, oade im m*
ga-.se pois as auih. rdada pakriar, aa i
quer particular o fa(\r da o prtaW r
casa nova junto as ornclaaa do* irtnV-
de Apipucos, nu roa da Smplb wna,
escriptoio. oaae sa d-a a gniaVaala a a-ai
cenia M res._______________
Aena w fugidadarda aiaartr dt ##**.-
reme una owauuOu daanato Loiu. daidadaaa
14 annos, tem cabellos nm ponen rorriaV.
pequea cicatriz de tama aa race, aant aaa*^a.
ii i i'iiiiaTiil7inta aiiaipT
quam o tafarpanitaidinji-a rjdad aa> a
pensado.
Pn-gf) no J
qne arra m*m-
* eseraaj
rom os signaea egoialM
ros(o
in,la ae ser livre,3
alpaca de eflr '
WraUyfca, fcHedi
f-Haia, BKuador rml
iadaoraeanlogar;
lie de camp
graaffaraeo
geuerokameaie
tUHHI


8
.o

fiarlo de Pernambu^ $gp<. feira ^fe^tfljl jJfe^O.

*4r
LITTERATIM
POTJCO DE TUDO.
PRINCIPE COUZA. Acaba este principe
de dirigir a seguate carta ao presidente da
samara dos depniados da Italia, o Sr. G.
Blsch :
Doebl'nif (prximo de Vienna") i de
map$o.
Sr. presidente :
Recebi o despicho de 1/13 do corqen-
te,.tpelo qual vos demases dme annnncer
que a cmara dos diputados da Ronmama
confirmou o vol do i" circulo do distrttn
de Meliedintz, que mo elegea para sen re-
1 recentante.
Esta particpaco cora roo veu-rae, Sr.
presidente, e peco-vos primeiro que ludo
qne testemtraheis cmara os meus senti-
mentos de reconheciraento e que recebis
vos mesm j, que sois o seo. orgio, os meus
vivos agradecimientos.
Fortissimas razes me impedem toJa-
vra- de accetar a honra que me fez o quarto
circulo de Mehedintz, comquanto me sinta
feliz por ver nesse voto e na sua .confirma-
cao pela cmara que o paiz, na sua inde-
pendencia, sabe fazer reagir a sua justica
contra o odio e cegueira das paixes.
E' mais urna prova de que se pude fa-
zer alguma cousa pelo paiz, elle nao o es-
queceu, e de continuar acreditando que, de
longe ou de perto, nenhuma circumstancia
1 -de abalar o mais profundo desejo do o
ver feliz e florescente.
Rosjo-vo?, Sr. presidente, que recebis
a seguranca da minha alta consideraco.
A. J. Cotiza.
TltADUCCO SINGULAR. Honve om
rato que intentando traduzir Les filk du
feu, do celebre escriptor francez Gerard de
Nerval, vertcu e titulo assim: As filhas do
defunto.
E fcou todo ancho!
VARIEDADE
hf.l.vtorio aphesentado AOsoraiNO boli-
viano-ron 880 ENGENHEIBO DA- C0M.UISS0
DE LIMITES E AO MESMO TEM* VEVADO AO
CONHECIMfiNTO DO Ut. SR. C0NSELI1EIR0
D. JOS MARA DA SILVA PARANHOS, ENVIADO
EXTRAORDINARIO E MINISTRO PLENIPOTEN-
CIARIO DE SLA MAGESTADE O IMPERADOR O
SR. DR. PEDRO'II, JU.TTO AO GOVEKSO DO PA-
RAGUAY.
Corumb situada sobre a margem occi-
dental do rio Paraguay, occupa o mesmo
sitio da antiga Albuquerque na lalitude
18 59' sul, e longitude 57 45' oes-
te do meridiano de Greenwich. Sua
fundado data de 1770. Assentada na pla-
nicie de urna escarpada e alta barranca do-
mina o rio e a entrada da baha de Cazeres,
assim como os terrenos baixos e pantanosos
da margem oriental.
Favorecida pela navegado a vapor, pnn-
cipiava a ter alguma importancia. Em 1859
j ex stiam ah algumas casas de commer-
cio, principalmente de nacionalidades italiana
e portugueza, e marchava rpidamente na
senda do progresa, quando por motivo da
espirante guerra, no seu brusco rompimien-
to em 2 de Janeiro de 1865, foi tomada
pelos paraguayos e recuperada pelas forcas
imperiaes em junho de I8C8. Abandonada
voluntariamente por ellas no mesmo mez e
a ano, tornou a ser definitivamente occupa-
da pelos Brasileiros em margo de 1869.
Neste intervallo de tres annos e meio em
que a cidade servio de theatro a dous san-
guinolentos combates, ficou seu commercio
paralysado, os edificios pblicos e casas
particulares destruidos e incendiados, seus
habitantes perseguidos, saqueados, degolla-
dos e sugeitos a todo o genero de vexames
humilhantes e crueldades sem exemplo.
Muitos delles levados ao Paraguay, foram
i presos, algeraados e por fim fuzilados,
indurado alguns cidadlos bolivianos.
O porto bom e formado pelo mesmo
rio na rpida volta que dde N. E. a S. dei-
xando urna grande enseada defendida ao
sul pelo morro da batera de Londres ou do
Lavradio; ao norte termina na baha de
Caceres, circumdada a seu turno pela cor-
dilheira que comeca em S. Fernando. O
camnho para Chiqu tos e para o interior da
Bolivia segu costeando a margem occiden-
tal da baha. O ancoradouro limpo ; o
fundo bastante consideravel compoe-se de
ara calcrea e quatzo: anda em tempo de
secca (como actualmente) atracam junto
praia canoas e al goeletas para carregar
ou descarregar.
Na poca das enchenles do rio podem su-
bir at all navios de qualqaer callado, mas
no tempo das baixas nao seria prudente su-
bir com embarcacoes que callem mais de 6
|8 ps. Estas podem continuar navegando
I at villa Mara e por 3. Lotrenco e Cuyab
al o porto distante 3/4 de Tegua da capital
do mesmo nome.
Um simples lance d'olhos obre o mappa
topograph co desta parte dos territorios brv
sileiro e boliviano, Tara" ver que, posic5o
central de Corumb sobre a margem de um
rio de primeira ordem e quasi navegavel
al sua origem, com afflaentes taes como o
\londego ou Miranda, Jaguary, S. Lourenco
e de seu ramal Cuyab, finalmente o Jaur,
todos clles tambem navegareis, atravessan-
do imnensos territorio forteis e de exube
rauta vegetarlo, a cbamam a ser o emporio
geral dessas comarcas.
Corumb pode ser considerada sob tres
pontos de vista: militar, commercial e in-
dustrial.
Militar. A levaclo de suas barrancas de
natureza escarpada, e a configurado de seo
ancoradouro dominando o curso do rio e os
terrenos baixos e pampanosos- que ficam em
frente, fazem com que, mediante pequea
despeza, possa ser elDcazmente fortificada e
sirva de baluarte contra qualquer flolilba
que intentar Torear o pa*so do rio.
Alm disso apresenta facilidade para o
estabelecimento de um arsenal de marinba:
a pouca distancia e sobre a mesara baha
encontram-se madeii is excellentes para este
tim. Aclualmente a cinco leguas de distan-
cia existe um estabeleciroento para serrar
madeiras.
Para a fabricacio de tijollos e telhas ba
superior trra argilo9a e bem assim para a
de lijollos refractarios. No Lavradio haar'
dosia de excedente granuiaclo e qpalidade
para eonrerter em laminas que sirvam para
cobrir os edificios. A pedra de cal abun-
dante e bera assim rochas calcreas e alu-
minosas para construcees.
Commcraalmenle. Declarado porto
franco e de deposito, ser a alfandega prin-
cipal para o abasteeimento dos povo de
Matto-Grosso, Mnas-fieraes e Goyaz, e-de-
partadamento de Santa Cruz na Bolivia qoe
conta urna popoiaclo de 280,000 indivi-
duos, acostumados a consumir manufaclo*-
ras ultramarinas, accresceotando a esse at-
girismo cerca de 70,000 brasileiros, sem
grande erro pde-so calcular em 350,00 concurrentes consumidores do mercado de-
Corumb.
Em troca esses povos coocorrero com
os productos de sua industria e os naturaes
de suas respectivas localidades quando sa-
bam que ha um mercado d'oode os expe-
cam com facilidade e vantagem, livres de
fastidiosas reslricQoes o embarazos fiscaes.
Nio tenho a menor duvda de que o com-
mercio de Santa Cruz abandonar a extensa
e custosa estrada de Cabij, transportando
seu commercio para Corumb-, podendo es-
tender suas transaccOes mercntis at as ca-
pitaes de Assumpco, Buenos-Ayres e Mon-
tevideo, livrandose da le que Ibes dicta
Sucre, que s lhes accela ouro e prata ;
entretanto que por Corumb exportaro to-
dos os productos de sua industria fabrd e
agrcola, podendo desenvolve-la sem limites.
A questio fica reduzida ao preco dos fretes,
distancias e tempo. A balanza pende a fa-
vor de Corumb, corno demonstrarei pelos
quadros seguintes :
Quadro demonstralivo e comparativo das
distancias entre os portos de Cabij e
Corumb a Santa Cruz.
Presos dos
fretes por
carga de
10 arro-
Disiancias b a s em
em legua?, costas de
animaes.
8
Nome dos lugares.
De Cabij a Calama.
dem a Potos......
dem a Sucre......
dem a Santa Cruz..
305
45
113
30
117
53
25
5
15
nhas que podem fornecer diariamente mais
de 300 trabajadores. Dado este pass*
preparar o camnho
ferro que penetra
das regides qui
seu lethargo i tiit a
Cabe aos gorernos daj
dar o impulso. A se
a que deve em prioafl por ,
obra como dona do 1 PKnidora de
orna grande parte da
mais poderosos afflucnles, que wrem pe-
las suas ricas prowincias de Mal KSrosso e
Minas, sendo-!lie ,dt) moho iideresse a res-
taurag3o de Corumb. Ella tem^ima ad-
ministracSo ntelligente e amiga dap/ogres-
so, dispoe de avultadas rendas e de muitos
recunos, que bem empregados conlribui-
riam para o adantamtato dessas longiquas
regies o para o desentolvimento do com-
mercio com os seus visinbos.
Como fica dito, Corumb em sua ora
organisacSo devera ser declarado porto
franco e de deposito, e livre de direitos de
traasilo, tanto para as mercadbrias estran-
geiras que por el!e transtarem com destino
a Bolivia, como para as nacionaes- exporta-
das por elle, devendo para isso haver ac-
oordj e propenso para w interesses com-
muns de seu commercio.
Conhec'rda como vulganaente a morosi-
dade desespradora da navegacao nos ros,
espewalmenfe no do Paraguay, pela pouca
correnteza d suas aguas e tortuosiddfes-de
seu corso, que at impede aw navio de
vella o*8 aproveiftrem-se de veatos fafora^
veis, torna-se dV urgente necessdade o es-
tabelecracnto de um linba de vapores re-
"bocadore, ou por"conta de ambos os go*-
vernos oi> pertencente urna eompanhia
privilegiada, que so' rondicSes equitativas
faija um servico regular e perodco<
Terminada, como est de fado, a actual
luta com o lyranno db' Paraguay, fieam ao
imperio urna quantdade Je pequeos- vapo-
res pertencenfss armada;- quasi senvem-
prego-oiil, o os qoaes; sem desfaras
forjas navaes, poderiam' mto bew ser
destinados para o servido- indicado. Bas-
tariam 6de forc-a de SO-ai'SS. cavallosv di-
vididos em 3 secgSes: 2"para o servito-en-
tre Montevideo oa Benos-Ayres e Asswap-
p3o ; ootros 2 enife este- uitmo porto e
Corumb';. e os dons restante destinados
bm ao servico de Cyab* e outro ao>de
Villa Marii
Inquestionaveis C3mo sao- o* importantes
servicos que presta o vapor;-poepando toto-
po '6 mirltipcando a rtransacaoes mercntis,
estas a seu turno trcenlo p*ogresso e dfee-
evolvimen';D da industria.
O Brasil regular a navegado de seos
nos, garantir o livre transite-aos navios-de
sik naco e-os pora a' caberte- das tribas
seNagens do Chaco.
Ostabelecido o servio d vapores rebo-
cadores, fixadas as datas- de- suas partidas
respectivas om o sello d* exactido,. os
povos de Santa Cruz, de Gi^ao, de .Nfcn*s
e de S. Pao)-virio ao- porte trazendo os
prottoetos de sua industria, fariio as suas
traasaeces pessoalmenef.6ear3ocom o es-
pirito socegado,. e se lbos-eonvier ir mais
longe, acharao abertos- os de Assumpcao,
Buenos-Ayres^ Montevideo e Rio de Janeiro,
e assim por-se-hSo em contacto com hooaens
novos, idase civilisacaodistinctas.
Corumb, antes de seas revezes, j as-
signalava seus progressos Por dados que,
me foram ministrados por pessoas fidedig-'
as, exportou 250000 pesos fortes esa 1862
e importou 400,000.
as exportares figurara :
25>500 couros de boi a. & 2,4... 580750
300 arrobas de poda {ipecacua-
nha) avahada 5 25 a arroba... 75^000
Especies diversas.............. 16)>000
/Santo Corazono 58 leguas
(Santiago...... 60
an Juan..... 85 >
*
Cues dos
_HL
iem os diamantes que en-
cerrara os leitos de seos ros, o que se de-
vem osear; de ve-se procui ir os meiosde
iler, fruetificar e pwduzir o^s ricos e
variados productos com que a natureza do-
tou essas regies fav5recidas-,.^ue alm dos
fructos tropicaes e outros qui? lhes sao pe-
culiares, podem retelier'cm seo seio e acli-
matar os di CWtia e India, corao o cha, e
ate os- dos climas temperados, potIJM a e\-
tenso de seus terrenos urnas vezes elevao-
do-se, e oatras maniendo se no seo nivel,
modifica o clima ; em certas partes ebegam
at mesmo- junto aos Andes, tornndose
aptos para receber toda a sorte de sementes.
So mesmo povo de Santiago se cultiva1 todo
o genero de liortalica, inclusive a batata. Os
resultados nada deixa a desejar.
Tambem exislem terrenos para o cultivo
de eereaes.
Para desenvolver tantos elementos de ri-
queza' necessario fomentar a immigraco-
voluntara, fazendo de tenfnos, e, sendo possvel, prestando-se
alguns prtmeiros auxilios. Nao- mister ir
busca-la^ todos os, grandes movimentos
revolucionarios na Europa mandan s nos-
.sas plagas- orna rafinidbde de Dragos uteis.
Como medida preliminar indlspeosavel
a nomeacao'de um cnsul em Cbramb, o
qoal representando o* ioleresse* do com-
mercio bolrvitoo e cultivando boas rtaces
icoin as autoridades locaes, venha siilncien-
temente autorisado para peder celebrar con-
tratos com os qoe vieren dispostos i' esla-
beleeer-se en Ghqutos.
Assompgo, 25ade jaieiro de 1870*:
Jb'o S. Vilam-iU
DrS'.ltrRSO ACADEJIieo PROFKRJO KV PESfi^tA
BE 9. M. O IMAmABOn NO BrA-2 DE MA0-
CI.TMO, POR eeCASIO DU- ARRTURA DO
CURSO DE ESTRC1K.\ PRSKt:S-S>ADO PSU
PIUSIEIBA VEZ N9RASII., DO DR. PEDRO'
AMERICO DE FIGUEKEDO E SERLO. PHOFES-
SOR DE ESTHETICA E ARCIIELO(JI.\ NA AC--
DCMAiOAS HEI.I.A9SWCTES DO HM JANEIRO
(Cmtuso)
Indignados da bootalidade, e nraitas ve-
zes da m t dos conquistadores,muitoe-j
dos quaee, divid ios-pelas nacionalidades a
a que-tinbrenegadevdisputavan>se o nove
imperio'as heroicas populafoes da trra
de Santa Cruz sangraram de dor, e depois
se foram retirando pasa o amago- delta, a
contaren* as florestas virgens a trwtissim
historia de sua dilatsda agoniat- (Jtaem os
onvio-?"Tbdos, menes a historia, qoe ness
poca anda nao tinlia lagrimas-para chorar
o ioortuoio. Engame: ouviraan Las
Casas o opadre Vieira, e dpoisv muto>
depois, Goaealves Das, Magaiies e Augus-
to de, Saint Hilaire.
Batidos da tribulsc.a, de varados de sau-
dade,, nao ouvinde ais oseos da soli-
da repetirem as estrophes dbs seus canti-
-em beber a nstrueco. A questo wi
s de lampe. A/orea das cousasfoi
rendo o verbo da p-rfect/bih'dade, p
a parta onde foi desappareendo a io
dencia estacionaria. Por muito temp
oeatacf pelas circomstanefas, a nst^So
te ia despedazando com os ps a cada teme-
rosa que'lhe taocavam no bergo os ioJn^gos
da gloria materna. Infaustos aconlecimen-
tos troux'eitmT s soas praias milhares de
guerreiros, que ouirSo dividir entre si o
slo hrasileiro; bataltifjbs aguerridos oppri-
mi3o suas cidades, emquanbo esquadras for-
rtidaveis senhoreav5o se de suas costas: era
urna vara de ferro que se a prolongando
do magestoso Amazonas epuienta Baha
A )ustR;a pretendeu fundar o seu dominio
sobre os alicorees erguidos no- crime; mas
foi debalde, porque o braco de Deus tnha
amarrado o nosso imperio ao carro do pro-
gresso universal, e era necessario camibar
com elfe-. O Le3o de Mtspanha retrocedeu
espavorido diante de nos, quando- nos vio
balancar o Liz da Franca, pendido triste-
mente no seu pednculo rea Hollanda pran>
teou amargamente suas atrevidas tegies,
cortadas do-ferro do valen te pernambacano.
E quando o velho e cansado'Portugal, ailui-
do pela guerra civil, quiz coner o vo clesta
'agoia soberba, que ameacava galgar o es-
paco e transpor de um surto as regies co-
lniaes, fui tarde tOs Sitios do-Brasil tinham
psr mais de urna- vez esgotado* o calix do
ostracismo ; expiaces cruentas baviam pre-
ludiado os successos gloriosos, que tres se*
culos esperavam-com extrema ancedade,
emqumto holocaustos espontneos- annunci-
avami a hora beradita-, que havia de marcar
a regenerado da patria. Era a santa liber-
dade, que marchava' nwge3tosa pelo orbe,
que arrebatava, que-aniqnilava os diques e
as represas que ?fe oppuobam sua' passa-
geml
Foi ento que o gigante do trpico* ergue-
se de todo, e empujando o diadena em
que se prendiam os destinos da sooiedade
brasileira/ Gingio a fronte- ilustre do-prin-
epe regente, cuja gloriosa memoria a de
fulgurar nos annaes da-hninanidade, at a
consnmmaco dos secnios.
O que mais se desdobroo ante mim>,. ah !
eemo o poderei eu celebrar, se minhapa-
lavra t5o nwie, e meo-labio8 se paralysSo
qaando to- augustas recordaces agitao
minha alma--? Impotente- em descreve-las
dignamente, coolentar-me-het enumerando
sinaplesmente a^uns suceessos, semelbantes
aos ingenuos- habitantes da-America primiti-
va, que atiravan ao rio as- amostras brutas
dos seus minsraes preciosos, para conveo?-
cerem aos estrangeiros doqoaoto lhes res-
tava anda.
T estremeeerem de jubilo as margens do
Ypiranga, quando nellas- retumbou o grite
magestoso de*independencia ou morte 1'
Vi e- nosso estandarte tremolar victorioso
por toda a parte onde foi pleiteada naoio-
naiidade braseira; vi o principe popular
jurando, peraoteaface do universo, a coas-
titwao politie do novo imperio; e celefcpa-
rm-se tratados-de commercio e de allianca
com os maores povos do- mundo; vi a rao--
cidade ntelligente do Brasil',, pela primeira
vez sentada as escolas da le*, qoe se haviaot
em sunpl
ciaes acclaraido
dando no corceo das masaas a
virtudes pacificu, que abririB os j
herolcidade; vi desapparecer* a i
sem que a violencia sal pin 4t i
sagrada siringe da lberdade ; vi a
repelmdo as glorias do pastado, ej
na face do seculos os noaass
hroes que trabalharam na i
tria ; vi as bellas artes elevando
para acolber as primicias do genio
ro, entre as quaes avultavan
UHimos Cantos, a Nebulosa, os Tu
o collossal Cbhmbo; e o PanHieoo de I
as nossas glorias, erguendo os asas
dos zmborios sobre a fronte pca Ai
princeza do vaUe, que banlia as-|
oceanor e repousa a cabeca no
montannas, junto do co.
Debalde procurei ver os monc
vados mediocridade audaz
implacavel tinha passado por cima i
tombados por trra ja os baria esqMcie a
consciencia Ilustrada da posteridade. 9
gloria, o immortalidade f jamis seras o>
patrimonio da ignorancia e do cnarlataait-
mo t N5o ciogjrs sua deprimida testa do
lo uros reservados virtede, aoberoMa
ao verdadeiro genio!
E vos, Sennor, que do alto de vosea glo-
ria velis sobre os destinos-dste povo vd
torioso, mandai qoe urna par daa par-
duravel, seja a recompensa e a corte de
tantos flsforcos ; e qoe, unaos oa ao* os-
tros petos vnculos adissolaveis do
c3o, possam os Brasileiros coc
meio da prosperidade, as ultimas
gees dssa sublime prophecia, qi
a Es pe ranea no seio ainda nao
de um pobre operario do belle-i
ROAD-STS*miS
O progresso cria necessidades.
que se aoode ama nscessidade
tra. Assim, os caminaos de ierro, i
dos para -facilitar as operaQoes
crearamya seo torno, Basas exigencia,
enorme peder de absorpejio e de
s3o torna imperioso om novo meio di
alimentar, por isso qpe a condocci
meio de-bastas de cargo- ja nao basta
lhes fornecer frete. Cearelereacia-
nhos de ferro tem tambem accrescida
facilidades-.
eos nas'-qaebradasde sas mantanaas, envj erguido em OKnda e em S> Paulo ; vi tn-
quaato o machado-e o arcabazvsoovab, dis- da-se na corte- o supremo- tribunal de jos-
cordes^. Bwsturanda-os estatos^dos troncos, tica ; n'uma palavra, vi constttair-se social
que pemam, e os gemidos dls-familias mu- e politicamente om grande-imperio, sera>que
De Corumb a Santiago.
dem a S. Jos.......
dem a Santa Cruz-----
194
111
60 8
40 4
94 22 10
31
Dfferenca por Corumb
As 194 leguas de camnho que actuah-
mente separam Santa Cruz de Corumb,
podem ficar quando muito reduzidas a 170,
fazendo-se nelle algumas rectificaces, es-
pecialmente entre Corumb e Santiago. Se-
gundo aopinio de varios transentes ioiel-
ligentes s nessa seceo pde-se poupar 15
leguas.
Belativamente ao preco dos fretes indu-
btavel que ha ver urna redueco notavel.
Organisar-se-ho tropas de muas e de bois
de carga. Da concurrencia resultar a ba-
rateza ; isto acceitando-se ainda o estado
actual das cousas, o que n5o possvel per-
manecer por muito tempo, sem que seja
substituido por urna estrada de rodagem,
to fcil de fazer-se em um pai plano, cheio
de recursos e de excellentes materiaes de
construccSo, contando com povoaces visi-
Valor da exportado......1480750-
Todos esses productos sao exclusivamen-
te da provincia de Matto-Grosso. Nessa
poca ainda nao estavam abertas as com-
municaces com a Bolivia.
Actualmente com o camnho e commer-
cio abertos vem negociantes desde a referi-
da capital de Santa Cruz, trazendo gado,
assucar, cigarros, caf, arroa, feijoK solas
e cera de Chiquitos; alguns teem ida at a
capital de Assumpco.
Industrialmente.k natureza calcrea o
secca de sea slo nao se presta ao. cultivo.
Ha, porm, a mu pouca distancia terrenos
com todas as boas condices para cultivar-
se grandes lavouras. Os povos de Chiqui-
tos serSo por muito tempo os tornecedores
que os supprirao mesmo as necessidades
mais urgeates.
Esta circumstancia excepcional contribui-
r em grande part* para o desenvolvimento
da agricultura chiquita tomando o governo
medidas efficazes para melhorar seus cami-
nhos. As distancias nao s5o t5o grandes
que os tornera insuperaveis.
lladas, s solemnas melodas- do deserto,
os castores do Amazonas, os poetas do
Cbimboraxo, peadaravam suas theorbas-
naspakmeiras qiie-bordavam-o pego da es-
cravidSo; e quando os homens que podiam
apreciar as suas.Barbaras endechas, quando
aquelles que sepodam deleitar com o per-
fume dos seus toaros agrestes, e a belleza
de suas incultas melopeas vierampedir-lhes
a reprodcelo desses seatidos poemas,.em
que o herosmo gema amarrado ao cadver
da bberdade, elles cobriram suas faces-hu-
midecidas do- pranto, e abandonaran! as-pe-
cas mudas e- despedacadas dos seos ins-
trumentos de-msica ao.sopro rijo da>tem-
pestade t
O faraco, porm afrousou pouco.apou-
co ; e a chova de lagrimas cora que os olhos
do gento regaram a slo brasileiro, deva
produzir seus fructes, quando chegasse a
estaco propicia ; porque a segure destrui-
dora tingio-se de sangoe, quando vibrou
pela primeira vez ao tronco venerando do
pao brasil.
Co effeito,. povoaces florantes foram
surgndo como por encanto, das margeos do
Oyapoc al s c-abeceras do Prata ;. o em
menos de um seculo muitas /lellas. se ha-
viam transformado em cidadns, cuja futura
importancia era impossivel calcular. Cada
arvore que tombava era para dar alicerce a
urna habitaco ; cada pedra. que se remova,
era para dar logar a um templo; cada fonte
que estancava era para dar assento a urna
escola publica, onde os filbos do paiz pu-
FOLHETIM
OS DRAMAS DA ALDEIA
PH
Ponson du Terrail
(Contnuac5o do n. 86.)
X
D'esta vez o cura Duval parti s. Cus-
tava-lhe obrigar o sacristSo a palmilhar de
novo tal distancia. Alm de que, sentia-se
to commovido, que reconhecea a necessi-
dade de estar s e projectar om plano de
conducta.
Saurn desapparecera.
Fra encontrado o cavallo morto no fun-
do de urna mina.
Commettera-se um crime.
Qaem era o autor d'elle e o principio
que o motivara ?
Eis as quesles que elle ia formulando.
Miguel e todos os mais que nSo sabiam
que elle fra portador de nm testamento
podiam atlribuir a morte aos cacadores for-
. tivos.
Nos arredores da floresta orleaneza ba
poucas pessoas que nio tenham espingarda,
oa nao vio i espera da caca oa anda ar-
mar-lhe Iacos.
Sob o pretexto de fazer pastar as vaccas,
o rendeiro manda o filuo todo o anuo para
a matta. ,,; .
O rapaz aos qaioze annos j e aodacioso,
traz debaixo di blusa om mlho de lacos
e tem escondida a'oto boatelio ama d'essas
espingardas qoe se desmanchara em bo-
cados.
Se lhe salta om cabrito montez entre o
ado, presa certa ; se percebe ao longe
ca?ada, o rapaz deita-se por trra, colla o
ouvido ao chao e logo sabe se a ca?a vem
em direcc5o quelle lugar e a dianteira que
traz aos caes.
Ent5o, abandonando as vaccas, va co-
locar se n'uma avenida ou n'uma pequea
encosta, pontos obrigatorios de passagem
para a caca.
O cabrito montez chega e os caes ainda
vem longe ; o rapazinho desfecha com elle,
mata-o e l o leva esperneando s costas.
Os ces tardarlo ainda sea quarto de
hora e os cacadores mais alguna, tempo.
Um cabrito morto levado s costas n3o
deixa rasto. Os ces no daro com elle,
os cacadores dar-se-ho a perros, e em
quanto qoe entram noute em casa tristes,
entoando a canriio da Sortida baldada, l
vai por outro lado chegando berdade a
peca de caca oceulta n'um mlho de
lenha.
O guarda que faz o seu dever e promp-
to em denunciar justiga no tem pouca
coragem em se conservar at tarde na flo-
resta.
Aquelle| que pago pelo Estado no
to rigoroso.
O cacador fartivo faz a diligencia por no
o encontrar, mas no desfecha com elle
seno em caso extremo.
Ao contrario, o guarda particular de^
testado.
O cacador per 3a ao governo o mandar-
ina guardar a floresta, mas nio descalpa o
proprietario que quer defender a sua caca.
Quem tem trras, guerras tem, diz Bal-
zac, e a verdade. Portante Saurn no
ramenos detestado que os outros da sua
classe, pelo contrario. O velbo soldado era
inexoravel para com os mtraos, sobte ludo
desde que certa vez ama caravana dos taes
sugeitos, encontrando-o adormecido no
gemesse a bamanidade- No meio, perem,
destes snecessos vi desbaldar o augusto
apostlo da lberdade, dixindoem sea-toro-
no abalado pela inconstancia e ingratido,
um innocente, que a naco abracou- com
amor, e que Deus protegea, uogrado-o com
um raio da toldo sal, d iotelligeacia e da
boodade.
Essa bella Guanabar-a, que eu oooheci
vestida simplesmente com as galas tropicaes,
vi-a depois aderecada dos mais beHos or-
namentos ela-.civilisacac, e coroada desump-
tuosos monumentos. Eram vastssimos hos-
pltaes, onde a pobreaaiacbava amparo: eram
immensas alfandegas, oode se encontravam
todos os productos do universo ; eram mag-
nficos dqpes, museus, estradas- de ferro,
com seos tunis e suas pontee laucadas
sobre os abysmos; eram esgotos monamen-
taes, jardins pblicos, a estatua- equestre do
fundador do Imperio, escolas primarias, fa-
culdades e academias; eram. associaces 1U
vres oode os filh06 do povo iam aprender os
primeiros rudimentos das artes; era emfim
o telegrapho elctrico que ?e estendia em
todas as direcces, commanicando ao paiz
urna sensibilidade instantnea. Vi o, reco-
nhecimento publico premiar com os. mais
estrondosos applausos os. vingadores- ovantes
da honra nacional; e o feliz ostensor dessa
vida to brilhante, recusar a estatua eques-
tre que lhe offereeja a patria agradecida,
para ensinar s naces, que a verdadeira
estatua aquella qoe esculpe a instrucclo
na intellgencia do povo.
Teem se edafcado vasta
tos solados, e o seu produca diana
o que a popolaco de orna
poderia- ter executado no i
anno sem trabalho crgaoisado
com a> intemeocao demadanisa
Coadov prodoaem ama riqoaxa qa S
sonhra .n'oatro tempe, a aa propala i
chinas- sao eonstrudas do aau larca a
raantao que a gerago paaaaaa Dio
sequer em tbeoria. tara levar esta
dancJa8-da soa origem .para os
ferro ou ao sea especial
contaado- obstculos
agentes, carros e cavalgadaras, a
e redo toda a pericia
tos aaoosv para teatar
graode ageate, o vapor, aat estnubw
narias. Duas difficaldades radica
torna vara- infructferos osesforcos da
empreheodedores e o zelo qoe so
naresolacio d'este probtaasa.
se machinas de traeca) aportaos te
ferentes systemas, sendo sempro a nmttr-
*). qoe os choqcts resoltantes- da tr
sobre camnbos resistentes,
continuadamente as machinan,
obstar a isto o mais possvel. so
o. peso das machinas, ento eram as
das que soffriara horrivelmenie.
ran>se dilerentes meios para
estragos: estabeleceram-se garras
para as machinas poderem sar tes
oa para emergirem de poeto
que se teriam entranhado aa
do seu proprio peso ; mas, no
tico, as garras estavam sojeitas a
passo que os estragos que cansa
trada eram.terriveis. Appticavaoi-se
as garras como necessarias para evitar aaa
a machina escorregasse as sabida. lias
rodas das machinas d'outro sy
leceram-se pranchas pasadas, qoe ci
com a. roda e offereciam urna
carril para nelle absentaren;
pode adoptar este systema p
'S= V
bosque, lhe roubra o falo, safando-se e
de'ixando-o quasi n.
Durante aquelles dez annos tinha entre-
gado um par d'elles 4 justica, e, depois,
a plvora era artigo to barato I
D'aqu, pois, a concluslo de que Sau-
rn poda bem ter sido victima de algum
cacador furtivo que he tivesse rancor.
Mas, sendo assim, porque motivo nio
apparecia o cadver ?
Nio seria mais rasoavel attribuir o facto
aos interessados na desapparico do testa-
mento ?
Mas o nico interessado n'isso era a Mar-
lina.
Entretanto esta no s se conservara em
casa durante aquella noute, mas at leste-
munbra a mais ardente
rependimento.
Todas estas reflexoes fazia o cura Duval,
dirigindo se Raposeira, e as mais que se
seguem :
Um cadver sempre apparece e o d'
Saurn acbar-se-ba por forca. Se elle, com
effeito, foi morto pelos cacadores, tera em
si o papel lacrado dirigido ao tabelliio de
Lorris, e, n'este caso, como ninguem sabe
do testamento novo, seria imprudente fallar
no objecto.
N'esta ultima dehberacio chegou o cara
i Raposeira.
Partir de S. Florentino por to alta
noute, que quando ebegoa ali j era da ba
muito.
Pamella bavia chegado.
A Martina, sempre chorosa e cheia de
arrependimento, receben o cora com todas
as demonstracoes de reipeito.
Nanea se apresentra to dcil.
Retirndose para a cosinha com o fllho,
Miguel desolava-se e attribuia a morte
de Saurin aos cacadores.
O chefe dos gendarmes, qne anda ali
se conservava, era da mesma opiniio.
Quando o cora chegou encontrou estes
ltimos, que enumeravam a serie de pro-
cessos promovidos por Saurin contra os
cacadores furtivos e os mais notaveis d'estes
ltimos.
O cora resolver ouvir e observar tudo
sem nada dizer.
Em certas occasies os acontecimentos
frustram todos -os calcu'os humanos.
O padre deixou, pois, Miguel e o chefe
dos gen larmes proseguirem as suas inves-
tgaces, a Martina chorar na cosinha e di-
rigi toda a attenco para a joven or-
mgoa e vivo ar- phia. _-_
Pamella achava-se j toda de luto]e cho-
rava seu tio como chorara a mii. -^ *%
Esquecera-se dos erros da sua velhice
para s se recordar de tempo em que elle
estimava como filha.
Nem ainda se lembrra de perguntar se
eHe lhe legara alguma coasa.
Se Pamella, orphla tio prematura e j
victima de intrigas de toda a especie, fosse
urna herona de romance, descreve-la-hiamos
de cabellos loaros, olhos grandes e lngui-
dos, corpo dbil, aspecto disuado e d orna
profunda tristeza innata ; mas, em aboao
da verdade, devemos dizer que nio tinha
nada d'isso.
Pamella era de talhe mediado, om pou-
co nutrida, form sa ao primeiro intuito,
olhos azues escaros, cuellos castanhos, pe
pequeo, e mos ?,flM e alvas.
D'antes fr, rigonha, a despeito da sai
pouca v^-iara<
-eada no campa, gosava d'ess
(CotUiuur ar-*a.)
I
deixra s na sal a joven Pamella, sobr1,., robusta que se adquire ao ar livre.
nba ea nica, parenta dodefaato, j o cara Dora] comecoa por lhe hilar da
sua antiga amizade com o tio e accrescen-
tou :
A menina mui nova, formosa, sem
parentes e a sua vida cheia de perigos.
Bem o sei,redarguio ellamas Deas
bom e eu confio naito n'elle.
Serei o sea protector proseguio o
cura.
Ella agarrou-lhe a mo e apertou-lh'a
commovida, dzendo :
esta a primeira vez que lhe fallo,
mas j presinto que o estimarei como a meu
pai t
E o velho padre conversou com a |Oven
por largo tempo : ella crente no fataro, elle
sem ousar fallar- lhe das ultimas disposi-
Ces do tio, tal era o receio que ia expe-
rimentando de que o testamento nio appa-
recesse.
De repente o dialogo foi interrompido
por grande ruido que se oovio fra da
porta. O cara sabio ver o qae se pas-
sava.
Na ra estavam om gendarme a cavallo
e dous goardas florestaes.
Estes haviam encontrado o cadver de
Saurin e a espingarda [com qoe fra com-
mettido o crime,
Toda a gente da casa se agrupara em
volta do gendarme: um dos guardas era o
pai da Martina.
Maurel encontrara o corpo d Saurin,
alo em um bostello de silvas ou n'um fosso,
mas em cima de urna arvore.
Havia na floresta, alias pobre de arvo-
do espesso, am ou outro carvalhQ $eca-
lar.
A cem passos da mina erj, qaecahira o
cavallo erguia-se um imrp^nso carvalho, cu-
jas bastes formavam urna ramada impene-
tra vel.
O chefe dos gendarmes vira am bando
Approximira-se e o seu olbar
conseguio descobrir por entre as
corpo de Saurin deitado honsootataaaata sa-
br um largo tronco.
Maurel prevenir logo o guarda. a"afjaaV
la di visa o, mas neahom d'elles se atera a
subir i arvore e dsseer o cadver.
A dek passos de distancia
espingarda de dons canos
Maurel tinha esta espingarte aa afioa
apenas Miguel a vio exclama:
-Ba espingarda de Rooiaatl I S ali
pode ter sido o autor do criaaf t
Rouxinol fra n'oatro tempe
charra na casa da Raposeira.
cacador furtivo e larapio.
ilira-o do servico e por essa razio
servara aquelle sempre grande ai
por diversos modos lhe manitaatra
Por ultimo, o qoe se lornava
portante era o ser Rouxinol boajam te i
dita agilidade e qoe trepava as
para colher ninbos de pegas com tal i
teza, qae lbe chamavam por
quilo.
Oh qae tratante t din
Nio ba duvda qae foi elle I
Meas amigos,disse o
darmes vamos a diaaraai
para seo lado. Maurel sai a
companheiro para junto da
chegue a justica para
d'ali e eu vou tratar te
Rouxinol, que o qo
O cura Duval sentio
amorta te Sj-*"
xinolecMsegomtaiteoltj^
do de ama vingaoca,^ W
ria no- cadver o w|iteate
teepUellanio caru;
b-
laacar a
T^TpTDTib-1



Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EAO63JPHG_BL7M6G INGEST_TIME 2013-09-14T03:45:10Z PACKAGE AA00011611_12094
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES