Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:12092


This item is only available as the following downloads:


Full Text
MI XLVI. NUMERO 86
.OTK;'
i/ t et

11 i lfllltir* CANTAL E lfiABES OIDE 1M FACA POITS.
wwmBLcH..........
i'or *)3 *los (km..............1.....
Por um 10 dem.......i.....:.......
Cadt Muaero avulso. .. ..............
6000
12,5000
ayooo
320

'?h d i
---------------,-----r
\?\TTY
..SI (
*\W\ -,f,
TERCA FEIRA 19 DE ABRIL DE MI.
PJA DtmO E FURA DA PBOTDICU.
Por tres jpezea adlaitados............'^,
Por seis ditos dem. .
Por do ve ditos idem .
Por ora anno idma .

6rf7W
13*500
aoja
471000
Propriedade de Manoel Figteira de FaMa & Fhos.

AO Ai
CS:
Os Srs. Gerardo Antonio Alves 4 Filhos, no Para ; Goncalves d- Pinto, no Maranhao ; Joaqnim Jos de Oliveira, no Cear ; Aflfcnto de Lemos Braga, no Aracaty ; Jlo Mara Julio Chaves, no Ass ; Antonio Marques da Silva, no Natal; Jos Just
Pereira d'Almeida, em Mamanguape; Antonio lexandrino de Lima, na Parabyba ; Antonio Jos Gomesjpa Villa da Penha; Belarmino dos Santos BulcJo, em Santo AnHo; Domingos Jos da Costa Braga,
em Nazaretb ; Francisco Tavares da Costa, em Alagoas; Dr. Jos Martins Aires, na Babia ; e Jos Bibeiro Gasparmbo no Bio de Janeiro.
PAITE OITICIAL.
--------m ,--------- ------------------------------------------------------
overno da provincia.
HELATOBIO i.ido pelo rxm. sh. senador
UlEDjaUCO DE AI.MEIH.V R ALBUQUERQUE,
NA ABERTURA DA PRIMEIRA SESSAO DA AS-
SEMBLA LSSMLATIVA PR0VPW31AL, NO DA
Io DE ABRIL DK 4870.
(Continnac).
CEMITERIO PUBLICO,
Em 5 de fevereiro conced ao padre Leonardo
Joio Grego, a exoneraeio que pedio do cargo
de capellao deste esubelecimento ; e, informando
0 govoraador de bispado qne era saniamente dif-
icultoso achar um sacerdote para aqaelle lugar
com o oous, de residir dentro dos muros domes-
mo estabeleclmento das 6 horas da manilla s 6
da tarde como determina o Io do art. 8 do reg.
de 4 de jnnho de 1851, havia eu autorizado a c-
mara municipal esta cidade a contratar o servico
de capellao."com ahrum sacerdote que se obrigasse
a residir bvda* 6 as 9 horas da m; nhia e das 4
s 6 da tarde, quando o Revd. conego governador
do bispado propoz e eu nomeei o padre Antonio
des Santos Oliveira em 21 de marro para capellao.
Julgo conveniente alteral o citado regulamento
nesu parte, e a cmara municipal em sen relato-
rio pede a reforma do mesmo regulamento.
A receita deste-estabeleciinento no ejercicio de
1868 a 1869 fol de 15:201UM) rs. e a despeza de
1 i:443t37 rs., resultando un sal lo de 960*963
rs. O numero das inhumaroes n elle feitas foi de
.Wi, sendo 2,1 de pessoas lvres e :ti8 de lies-
cravas. Destes; 18 ertm do sexo mascolino e
A%i do femenino, e daqaellas 1090 eram do masco-
lino e 1034 do femenino, a saber: 4175 brasileiros,
9i portuguezes, 3 argentinos, 9 italinos; 5 espa-
nhoes, 1 austriaco, 3 paraguayos, 3 inglezes, 193
africanos, e 10 sem declararlo do nacionalidade.
As receitas dos cemiterios das freguezias do
Poco da Panella, Vanea, S. Loureneo Ja Malta, e
Jaboatio nao chegam para o sea coste. A do
i. foi de 05, a do 2.a de 3461, a do 3 de 2904,
e a do 4.* de 2714, ao'passo que as despszas mon-
taran) : a do 1. em 9644, a do 1* em 7304, a do
3.* em 9314688. e a do 4* em 7304000.
ESTABELECIMENTOS DE CARIDADB.
E-io cargo da Santa Casa de Misericordia:
o collegio das orphias, o de orphios, a casa dos
expostos, hospital dos lasaros, o hospicio de
alienados, o hospital Pedro II, e o asylo de roen-
dicidade.
Collegio das o piulas.Tem ama superiora, 8
irmaas de earidade, 1 director espiritual, 1 medi-
co, l porteir e 4 serventes. Existiam nelle a 20
de Janeiro 124 educandas, enlraram 22, sahiram
11, fallecern! 2, restavam 133. Insiste o respec-
tiva provedor em pedir que se canalise agua po-
toval para este estabelecimento.
Collegio de orphdos.Hi 1 director, 1 vice-di-
rector, 1 medico, que o mesmo da casa dos ex-
pestos, i pedagogo, 1 merdomo, 1 enfermeiro, 1
protessor de primeiras ledras, oatro de msica,
i porteiro, 1 relectoriro, 1 barbeiro, 1 cosinhei-
ra, e 3 serventes. Existiam n'aquella racima po*
ea, em que me oram ministrados estes esclarec-
mantos, 74 educandos, enlraram- 14, sahiram 17,
falleceu 1, restavam 70.
Reconhecendo que nao convm em casos extre-
mos de completo abandono deixar a orphandade
merc des funestos efeitos da miseria, por ex-
ceder da idade marcada nos arts. 2 e 36 dos re-
glamentos de 22 de junho de 185o, e 28 de Janei-
ro de 1861, o que, alm de ama deshumanidade
inqualiflcavel, seria expo-la em taes condices
prostituido e ao crime, tomei etn 2 de marro a
deliberacao de fazer urna excepro ao disposto
n'aquelles artigos, determinando que, na hypothe
se de que fallo, pro rada ante a presidencia possa
esta mandar admittir educandos nos collegius de
um o outro sexo al a idade de li annos, subsis-
tindo todava em regra geral para os casos ordi-
narios a dsposicio do mesmo artigo.
Edificio em 'que esliio os expostos.Cada vez
oais insullciente se torna para reeeber os meno-
res que se recolhem da criacio. Existiam alli 1
educando e 96educandas, sahiram 8, enlraram 3,
falleceram 5, restavam 1 menino e S6 meninas.
Em criago existiam 74, foram expostos 53, falle-
ceram 47, sanio 1, existiam 79. Ao servico deste
stabeleeimento estao 1 superiora, 7 irmaas de
earidade, 1 ajudante, 1 regente externo, urna ser-
vente, 83 amas externas e 1 interna, 1 director es-
piritual e capelie da igreja de Nossa Scnhora do
Paraso.
Hospicio de,alienados.J nao lera aceommoda-
Coas nara reeeber o crescido numero de enfermos
-que' ltimamente tem adluido, o qual era de 60 ;
enlraram porm 39, sahiram 18, e restavam 81.
H\ neste hospicio 1 regente, 1 medico, que o
mesmo do hospital dos lazaros, 1 capellao, 1 bar-
beiro, t enfermeiros, 1 porteiro e 1 cosinheira.
Hospital dos lazaros.Tem 1 regente. ..nma re-
gente, 1 capellao, 1 cosinheira, e i serventes, e o
barbeiro o mesmo d > hospital Pedro II. Existiam
22 enfermos, entraram 13, falleceram 5, resta-
vam 30.
Hospital Pedro //.Tem urna superiora e 9 ir-
maas de earidade, 1 capellao, i medico, 1 cirur-
giao, 1 boticario, 1 praticante de botica, 1 barbei-
ro, 11 serventes, 5 laradeiras, c mais 7 filhos de
enfermos, que alli fallecendo os deixaram ao des-
amparo.
Enfermos existiam 187, entraram 1391, sahiram
curados 1078, falleceram 291, e haviam licado
209.
Mendigos haviam <3, entraram 14, sahiram
II, falleceram o, restavam 15.
Asylo de Mtndiadade.Para director deste esta-
belecimento, de eoaformidade com o disposto no
art 18 do regulamento dado por mm antecessor
em SI de ootubro do anno passado, nomeei a Joa-
quim. Pedro Brrelo de Mello Reg, por ter o te-
nente-coronel Theodoro Machado Freir Pereira
da Silva pedido dispensa desse cargo, e no
ata 25 de mareo tere lugar no edificio para esse
tira comprado pelo mesmo mea antecessor, a so-
leraaidade da inauguracao do asylo, realisando-se
assim essa idea grandiosa que tantos beneficios
tem de proporcionar humanidade.
Em 8 de novembro conced a autorisacao que o
Sravedor pedio para despender at a quantia de
oze contos de ris pela verbaAnnos findospor
nao se haver consignado qaota no orcamento do
exorcieio crrante para ta s despezas do patrimo-
nio dos eslabeleci raen tos de earidade.
0 mesmo provelor, no relatorio ose vos ser
presente, pondera que o patrimonio dos orphaos,
coa i so>Teo$ao. qne annaalmente votaes, pode
d aecorrando s sais despezas; mas o da earida-
de, nao tem reearsos para o faser, e menos anda
para amortisar a divida que peza sobre o seu
cofre, divida que data desde a extincia administra-
cio, e augmenta diariamente por continuar pra-
so o tarneeimeme da carne verde para o hospital
Pedro U, eaaa de expostos e hospital dos lauros, o
que daris taar na devida consideracao, assim
como tfHb o nvilbio ltimamente construido no
hMpkai Padiro II precisa de latrinas, canalisacao
para agna a faz, camas, mesas, eolxoes e travs-
seiros para poder ser oceupado, como se faz indis-
peasavel por insanlciancia das outras enferma-
ras.
A' Manoel Antonio da Jesaa de ve a Santa Casa
da MisericoAlia, sm Tirtuda* *B fornecimento de
pao cares da 13:0004, drrfi j mui antiga, qne
nio obstante banjr sido a pfeescia aaiorisada
pela le vigente do orcamento, a mandar pagar,
todava nao o foi por falta de crdito. Convm que
terminis samelhantc questio, consignando o ne-
eessario crdito para dito pagamento. Nao lici-
to praticar actos de earidade com manifest pre-
juizo dos que contratam fornecimentos com a Santa
Casa.
OBRAS PUBLICAS PROVINCIA ES.
Fallecendo na corte, onde eslava no goso de
licenca, o. engenlieiro Pedro Barballio UchOa Ca-
vateante, nfcrreei, por deliberacao de 10 de Janeiro,
para ehefe da reparli^o das obras publicas o Io
lente do corno de engenbeiros Jos Tiburcio Pe-
reira de Magalhaes, que entna em exercicio no
dm seguinie e tem desempenhado com intelligen-
cia e dedicajao os devores do sen cargo. Tam-
bera nomeei a Joio Osario de Mello para escre-
vente, e a Henrique de Miranda para praticante da
raesma reparticio, e exonerei a Henrique Augusto
Milet do lugar de engenheiro do 2 districto. Eis
o quadro do seu pessoal:
/. districto.
Engenheiro che/e. Jos Tiburcio Pereira de
Magalhaes.
dem ajudante.Manoel Leureaco de Matlos.
Conductor secretario. Feliciano Rodrigues da
Silva.
Thesoureiro.Raimundo da Silva Maia.
Agente pagador.Periandro Augusto Ucha de
Gusrao.
dem.Julio Pires Ferreirs.'
Praticante.Ceciliano Mamede Alves Ferreira.
Escrevente.Joa > Joaqaim de SiqaeiraVarejo.
dem.Daro Casslcanie do Reg Albuquerqae.
dem.Jlo Cesaro de Mello.
dem.Octavio Afi >nso de Mello.
Uesenhista.-Bernardino de Olveira Coragam.
dem. Francelino Americo de Albuquerque
MeHo.
Porteiro.Alvaro Ucha Cavalcante Campello.
Continuo.Lydio Purpurario S. de Oliveira.
Servente.Vicente Ferreira de Paiva Simdes.
dem.Amaro Galdino de Barros Dutra.
2. districto.
Engenheiro.Vago.
Conductor interino.Joao Pinto da Silva.
Praticante.Vago.
3.' districto.
Engenheiro.Jacintho Paes de Mendonca Ja-
ragua.
Conductor interino.Joio Bezerra de Mello.
Praticante.Francisco Americo A. Rabello.
4.' districto.
Engenheiro.Joaquim Galeno Coelho.
Conductor.Flix Ramos Leutier.
Praticante.Manoel da Costa Pereira.
5.* districto.
, Engenheiro.Francisco Apoligorio Leal.
Conduclor.Jo Barbosa Ucha Cavalcante.
Praticante.Jos Lacio de Albuquerque Mello.
OBRAS A CARGO DO Io DISTRICTO.
Calcamento da cidade.Calcaram-se durante o
anno:
No Recife.Ruas do Encantamento, Cacimba,
Amorim, Vigario conclasao), Moeda. Torres, Lapat
larga da Assembln boceo das Boias, e travessa
do Bom-Jesus.
Em Santo Antonio.-Anas da Florentina, Bella,
Santo Amaro, S. Francisco. Roda (parte), caes
Vinte e dds le Novembro (parte), ruas do Cala-
bouco-Velho, do Bom Jess das Criealas, e dos
Patos, travessas do Paraso, do Calsbouco, dos Pa-
tos e da Roda.
Em S. Jos.Beccos dos Acougurabos (concia-
sao), e do Sengado (conclusao), ruas de Santa
Cecilia (parte), d'AssumpcSo (conclusao), das Cal-
cadas e dos Pescadores (parte).
OBRA EMPRESTADA EM EXECtgAO.
Embarrearaento da estrada de Beberibe.
OBRA ARREMATADA.
Ponte em substituirlo do Riachuelo na raa da
Aurora.
OBRAS RKCEBIDAS DEFINITIVAMENTE.
Lastro da ponte de Santa Isabel e pavilhao do
sul do hospital Pedro II.
OBRAS RECEBIDAS PROVISORIAMENTE.
As do pontilho da estrada dos Remedios e as da
b omba das Ubaias.
OBRAS FEITAS POR ADMI.NISTRAQAO.
Gymnasio^ Concluirara-se as obras internas
com excepcao dos forros das salas e corredores,
collocou-se porto de ferro no muro do lado da
ra do Seve, effectuaram-se alguns reparos e a
limpeza das fachadas princpaes.
Casi de detencao. Hepararam-se os telhados, e
subslituiram-se o fogao de ferro por oatro de
alvenara e chapas de ferro, os cachorros de ma-
deira porm que sustentan) as galeras dos corre-
dores dos raos do norte e sul estao muito estraga-
dos pelo cupim e precisam ser substituidos por
outros de ferro, despeza que est calculada em
cerca de 12:0004.
Ponte da Boa-Vista.Os reparos deque precisa
continuadamente.
Ponte da ra "Aurora.Foi pintada e alcatroa-
da, depois de feitos os reparos de que precisavam
o soalho, passeios e urna das pilastras.
Ponte daPassagem.Vm passadico para transito
na extensao dos tres leos levados pela ultima
cheia.
Ponte dos Affxjados.Substituio-se grande nu-
mero de estivas, alguraas vasas, lancoi de varanda
e contralinhas.
Ponte do Motocolomb.Subsltuiram-se algumas
vasas e taboas no soalho.
Pontilho do Cacao Gomes. Substituirn)-se
algumas estivas e repararam-se os muros de en-
cost e ramae.
Ponte dos Remedios.O mesmo se fez nesta
ponte.
Pontes de Santo Amaro e Tacartma. Substitui-
rn!-se algumas estivas.
Ponte dos Arrombaios. Substllarara-se algu-
mas estivas e mos de forca, e repararam-se as
pilastras da entrada.
Ponte de Beberibe. Estao em andamento os
seos reparos.
Estrada do Caxang.Fzeram-se os reparos
precisos nos arrombamentos causados pelas
ebeias.
Estrada do Manyuinho e ra do Sefco.Fize-
ram-se algans repms, assim como o levantamento
do empedramento, alm da ponte da Passagem at
quasi o largo do Viveiro, e do Sobrado-Grande at
alm da entrada dos Remedios.
Estrada dos Afflictos e Ponte do Ucha.Ropa-
raram-se os estrago-, causados pelas cheias.
Estradas de Joao de Barros, Afflictot, Arraial t
Beberibe.Fizeram-se os reparos urgentes.
Estrada de Olinda. E' man o seo estado;
esta oreado em 45:5194000 o empedramento de
que precisa.
Estrada do Campo Grande.Precisa ser levan-
tada, as-im como de ama bomba para fcil asgoto
das aguas, no lugar por ende paisa um dos bracos
da camba da Tacarnna.
Reparos do caes da Ponte do Ucha. Esli se
fazendo por administracao por nio ter apparecido
licitantes para asta obra.
2 DISTRICTO.
Obras por adminutracao.O 7 termos i cano
deste districto estao ara bom estado. Conservacae
permanente da estrada do sal e saas raroificaeoes
de Boa-Viagem, Muribeca e Cabo.
Pontet.k' excepcao da de Parto d* Pedras
todas as outras pracisam de reparos; a do Anjo,
estando multo arrumada, foram os seos, ser vicos
postos em praca, e a do Gindahy taro ananas
concluida metade da obra.
!Tl?er58Lf /?".rto,.de 1u,rri'ni a
lia do (abo, bam eoo>i as seguimos
obras :desvo do rio Massangana no 16.a lauco
da estrada do sul ; os raparos da ponte Mamu-
cabnha; o tapamento de 3 rombos nos aterres
do Rio Forraoso; os reparos da pootazioha da es-
trada de Tamandar Piabas ; o levantamento
dos esteos do passadico da Junqueira ; os reparos
dos aterres da ponte* dos Carvalhos; os do 3.*
lauco da ramiflcacao do Cabo ; os do passadico da
Junqaeira ; os da ponte do Guerra; os das p mies
dos Carvalbos e do Trapiche; a limpeza de algans
lances da estrada do sal; es reparos da ponte dos*
Prazeres ; os de diversas bombas; os4o 7* lauco
da estrada do sul; o levantamento da estrada do
porto de Gallinhas.
06/-W recibidas definitivamente.A ponte da
Escada : a obra da estrada do porto de Gallinhas;
o empedramento de 168 metros na raaincacao da
villa do Cabo ; o 16.* lauco da estrada do sul; as
obras da ponte do ro Serinhiem no lugar deno-
minado Porto de Pedras.
Foi provisoriamente recebiJo o 1* Unco da es-
trada de Una ao Riachaozinho.
E' de grande necessidade a construccao de u ma
ponte sobre o rio Una, qne ligue esta estrada
10 povoado dos Montes, para facilitar o transporte
das mercadoras viadas. pela margara opposla.
Obras arrematadas. A ponle da roaBella
na cidade do Rio Forraoso, a reconslruccao :
tima oalra ponte e do aterro na estrada d'aquella
cidade, o aterro da Vanea do eogenho Rosario, o
5 lango da estrada do sul que anda nio foi con-
cluido, e o da estrada da Boa-Viagera que deixoa
de ser reeebido por Ihe faltarem algans reparos.
Foi contratada a reconslruccao da bomba do
riachoMel do Cavallo.
3' DISTRICTO.
Estradas de Nazareth e Ltmoeirj.X primera
est concluida, faltando apenas a ponte do TahiDa
sobre o rio Capibaribe ; e exrepcao de algans
pontos em lagares de empedramento, aeha-se em
bom estado de conservacao. Da segunda foram
receidas definitivamente os 5 primeros leos
com 3 kilmetros de extensao, e previsoriamente
o 6* eom 6 kilmetros.
Otras darte da estrada de Nazareth. Alem
das bombas ex itera as segaintes :a ponte do
Bruraziobo, cajos reparos se achara em execucao;
a ponte do Pambi qne est em bom astado ; a
da S. Joio, cajo assoalho est sendo reparado ; e
as de Bieupeba, Tapim Ass e Nazareth que
estao em bom estado.
Obras urgentes.Urna ponte que ligue o lugar
denominado Tahiba, s duas margens do rio Capi-
baribe, e commnniqae a estrada de Pao d'Alho
com a villa do mesmo norae, indispensavel.
E' necessario rebalxar a ladeira da Vicencia, o
construir ama ontra ponte sobre o riacho Pagi
na estrada de Nazareth Vicencia.
Ooroi recibidas provisoriamente.O 6 lanco da
estrada do Limoeiro; os reparos da matriz de S.
Loureneo da Malta. *
Obras recibidas definitivamente.O rebaixamen-
to da ladeira do Livramenlo; o ultimo lanco da
estrada da cidade de Nazareth ; um pequeo Un-
co entre o 18* e 19* da de Nazareth; e a bomba no
8o lanco da mesroa entrada.
4." nESTRICTO.
Fez-se a estrada do Norte at as margens do rio
Bii, a parte entre Goyanna al o povoado das Fon-
tainhas, a parte do 1 Unco de Goyanna Pedras
de Fogo, e at Pasmado o ramal da outra de ita-
pissnma Nazareth, bera como alguns reparos
urgentes.
Obras feitas por administracao ou pequeas
empreitaas.ConseTvzco permanente, reparos
e pintora das pontes de Fragoso, Paulista, Timb,
Desterro, Ignarass, Tabatinga, Caga-Fogo, Ara-
ripe e Pontal.
Obras arrematadas.A conclusao da estradado
norte, cujos empreiteiros obtiveram prorogacao ;
a ponte do Bujary sobre o rio Tracunhiem, e em-
edramento das entradas da mesma ; o Unco de
lapissuma Pasmado que foi provisoriamente
recebidos; e as obras da vanea do engenho Caga
Fogo, que o foram definitivamente.
5 DESTRICTO.
Obras executadas por administracao.A con-
servaco da estrada da Victoria e sua ramiicacao
para aEseada, os reparos de obras da arte, e das
pontezinhas do Serafira, Pinto e Ribeiro Sujo; a
ponte sebre o rio Jaboatio;. os reparos da cada
da cidade da Victoria ; a ponte sobre o rio Tapa-
cura, e a conclusao do lanco da Victoria Gr-
vala.
Obras por arrematorao.Os Uncos 9*, 10, 11" e
12 da estrada da Escada, cujo contrato fol rescin-
dido, e o aQude da Victoria, cujos trabalhos esli-
veram parados era vlrlude de embargo dos conse-
nhores da propriedade Natuba.
Obras recbebidas definitivamente.O empedra-
mento do 1-, 2, 3 e 4 Uncos da estrada da Vic-
toria
OBRAS DO INTERIOR.
Foi destruida pelas endientes do Ipojuca a bar-
ragem do acude da Bezerros, de tal modo que
necessario construir oatro; no arraial de Santo
Antonio mister fazer um agude para o abasteci-
mento dos habitantes do povoado desse nome e dos
que viajara de Correales e Buique para Gara-
nhuns; e o de Caruar carece de reparos.
Foram provisoriamente recebidos os reparos do
de Flores.
O de S. Bento foi completamente destruido
ultima enchente do rio Una.
ESTUDOS HVDROGRAPHICOS 00 CAPIBARIBE.
Estao feitos os de parle do seu curso e
confluentes Goil e Tapacur, despendea-se.
1:6664000 com esse traba!lio, que est se passando
limpo.
ESTUDOS GRAPHICOS.
E' insufflciente a verba de 5:0004000 para ese
destinada, mxime querendo-se levar adame os
des hydrographicos o os trabalhos de plantas das
cidades, villas e povoa$es da provincia.
ESTRADA DESTA CIDADE AO PAO D ALHO E -IUZASJTH
PELA MATTA DO BBZOUBO.
Fizeram-se os necessarios estudos, e j se tran-
sita p'la picada effecluada. A conveniencia dessa
estrada de grande alcance, por nio atravessar
ella o rio Capibaribe e dar por isso lvre transito
ainda as occasies de cheias.
O ebefe da repartido de qne venho de fallar
aprsenla o segaiate orcamento para o auno de
1870 1871; .
Pessoal da reparticio........... 45:0004000
expediente e aceio da casa....... 3:0004000
Conservacao e reparos de pontes,
estradas e enea.............. 120:0004000
Calcamento das estradas........ 50:0004000
Gyranasio provincial............ 20:0004000
Calcamento da cidade........... 130:0004000
Ponas (contratadas)............ 100:0004000
Theatro....................... 480:0004000
Carta chorograpbiea da provincia. 30:0004000
Estrada do norte............... 40:0004000
Dita do Limoeiro........ ...... 20:0004000
Dita daLuz.............;...... 15:0004000
Diu de Pasmado Nazareth..... 45:0004000
Dita dosul.................... 40:0004000
Dita da Victoria Grava....... 20:0004000
DiUdaEscada................. 20:0004000
Ponte de Afogados.............. 10:0004000
Dita de Una................... 8k\:0009t6
Dka de Gindahy............... 14:0004000
DiUdaTahiba................ tg.OOOAOO
Dita da IIha................... 15:0004000
Dita de Jaboatio............... 10:0004080
Reparos da ponte Ha Boavisu.... 5KWO4OOO
dem da Magdalena............. 5:000*000
Reparo dn panto do. Anjp......... fct:0004eoo
pela
seas
Ei
e matrzes..........
griphicoi'.'.'.'.'.'.'.','.'..
30:0004003
20:0005000
15:0005000
982:0005000
este orcamento vera contemplada a quanlia
e ):00f)5 dos trabalhos le ama carta chorogra-
da provincia. Cora essa consignacao annuil
'-sena obier ero doos ou tres annos, diz o
genhiro chefe da rpartigao das obras pubU-
ca s*realsacio de tio imporunte quanto neces-
sa i obra ; e para lastimar que Pernambneo
aii a nio a possua. Suas vantagens sao de pri-
m rs intuifao, e nio precisam de demonstracao ;
asso que apresenrar eom exac klo todos os
s da provincia, servir de grande auxilio ao
trabado de qualquer estrada oa empreza. Para
levn-laeffeito mister o oonheciraento de urna
serie de pontos astrensjnlcos. cuja determinacio
deve ser taita por pessoal habilitado ; porm, dr-
terminades esses pontos, e feitos os ostudos de
jilngulaQo'es, o mais que de ordem inferior, se
fasn cura faciliiU'le e sem grande dispendio. O
que neste'sentido a z em l8i5 foi determinar
as posices das villas do Limoeiro, Brejo, Bonito o
Rio Forraoso. Do esboco da cana que existe, s
poda inspirar eonfianea e trabalho hydrographico
d*o littora], qne extnhido da carta do capto de
fragata Manoel Antonio Vital de Oliveira ; o resto
na ekleusao de 20 leguas da cista para o interior
iniperfeito, excepcio de urna ou outra direceo
das estradas existentes. Assumplo de tanta mag-
nitu Je nio pode dexar de merecer a vossa mais
seria attencao.
A' vista do que expon o engenheiro chefe da
reparticio das obras publicas era seu relatorio,
v se que os tranaftos, executados nos quatro dis
Isletos do interior da provincia, nio esli em rela-
eao eom ps do primoiro districto, porque estes sao
superiores aos dos quatro districtos reunidos.
No primeiro districto ha apenas 4 engenbeiros,
sendo o chefe, qae tem a seu cargo a directa a o
expsdiente da reparticio, e a tlscalisacao de todos
os planos e trabalhos dqs outros engenhelros, e
o Mganoeira ajudante, que o auxilia em tolos os
trabalhos em exeenclo ; em quanto que ha 4 en-
gsnheiros para os outros districtos, sem qae luja
ser vi 50 correspondente no pessoal.
Parece-me, pois, que a concentracao dos enge-
nbeiros nesta capital, reduzindo-se o pessoal a 4,
pode muito bem atisfazer as necessidades do ser-
vico actual da reparticio; resultando de seme-
Ihsnte medida ama economa de 6:0004 annaal-
mente.
O pessoal poder ear rednzido ao engenheiro
ehefe da reparticio, 1 ajudante e mais 2 enge-
nbeiros, 5 conductores e 5 praticantes. O enge-
nheiro chefe Acara encarregado da direceio a ex-
pediente da reparticio, e do exame de todos os
planos, plantas e ornamentos qae tiverem de ser
sabmettidos i approvacao da presidencia.
O ajudante ficar encarregado de todas as obras
d) primeiro districto.
Os outros 4 engenbeiros, que resid rao na capi-
tal, serio obrigados a comparecer em todos os das
Blrjs a reparticio, sendo empregades em quaes-
onjr trabalhos oa coram3Joes em qaalquer ponto
dPbrovmcia, conforme as necessidades do servico.
Continoarie as ooodactoms a permanecer nos
respectivos districtos, am de acompanhar os tra-
balhos. fleando a sua residencia dependente da lo-
calidade dos rnosmos trabalhos ou execucao,
Neste pemamento, tendo demittido o engenhei-
ro Milet do segundo districto, nio provi o lagar.
(Con/mnar-M-Ao.)
EXPEDIENTS ASSIGHADO PELO EXM. SR. SENADOR FRE-
DERICO DE ALME1DA I ALBUQUERQUE, PRESIDENTE
DA PROVINCIA, EM 21 DE EVEREIRO DE 1870.
RO DE 1870
1" seccio.
N. Gil.Portara ao director do arsenal de
guerra-A vista da sua informacao de 18 do cor-
rente sob n. 22, autoriso V. S. a mandar admittir
na companhia de aprendizes desse arsenal, os me-
nores de nomes Antonio, Joio e Manoel, de que
trata o requerimento de Mara Jos da Conceicio,,
mai dos referidos menores, urna vez que ella sa-
tisfaca o disposto do regulamento de 3 de Janeiro
de 1842.
N. 645.Dito ao mesmo.Pode V. S. conceder
a Antonio Eugenio Alvos Ferreira, a demissio
que pede do lagar do apontador interino desse
arsenal, no requerimento que veio annexo ao seu
officio de 19 do corrente sob n. 23, que assim res-
pondo.
N. 646.Dita ao mesmo.Inteirado do que V.
S. expoz era seu oflJcio de 18 do corrente, sob n,
21 tenho a declarar-lhe em resposta que o auto-
riso a mandar comprar os 4 livros em branco de
150 folhas ada uro para o Deposito de roern-
os nao excedendo a sua importancia de 244000.
N. 647.Dita ao capitio do porto.De confor-
midade com o que solicitou o inspector da sade
do porto desta cidade, em officio de 18 do cor-
rete, providencie V. S. afina de que nio haja
communieacao alguma com as embareaces que
chegarem da Corte, antes da respectiva visita
de saude. Igaai ao commandanle do origue bar-
ca Itamarar.
N. 648.Dita ao conselho de compras do arse-
nal de guerra.Autoriso o conselho de compras
do arsenal de guerra, promover a compra dos
objectos, coustantes do pedido junio, e que se fa-
zera precisos para a seccio desapadores e bom-
bearos do dito arsenal, prevenindo o mesmo con-
selho, de que segundo as informales da thesou-
raria de fazenda por copia annexas, s h credt-
rra a quantia de 7004.
4* seccio.
N. 652.Dito ao presidente do supremo tribu-
nal de juslica.Transmuto a V. Exc. o incluso
officio que a V. Exc. dirige o juiz de direiio da co-
marca da Itamb relativamente ao exercicio do
mesmo na respectiva comarca.
N. 653.Portara ao Dr. chefe de polica =*De
conformidade eom o que solicitou o inspector da
saude do porto desta cidade em officio de 18 do
corrate providencie V. S., afim da que por parte
daasa reparticio nio baja communieacao alguma
eom as embareaces qne chegarem da corte,
antes da respectiva visita da saude.
N. 65>.Dita ao mesmo. Em vista do qae
expoz o desembargador provedor da Santa Casa
de Misericordir em officio de 18 do corrente sob
a. 4477, jamo por copia providencie V. S., aftm da
qae nao coalinne a ierem remettidos loncos pira
o hospital de alienados.
N. 655.Diu so juiz de dimito da eomarca de
Garantios.Nesta data ordeno ao bacharel An-
tonio Paulino Cavalcante de Albbupuerque, no-
asando por deertw de 49 de Janeiro ultimo, para o
n> de joiz municipal e de orphios do termo
ique, qne tome pos e assuma independen-
te da litlo, o exercicio do dito cargo o qne cora-
manieo a V. S. para o sea conhecimento e Ana
conveniente.
N. 654.Dita ao juiz muateipal e de orphios
do termo de S. Beoto.Preste Vme. as (nfor-
maoes solicitadu pelo consol de Portugal no
oficio incluso por copla, datado de 19 de feve-
reiro coas rafsrencU ao expolio do subdito por
tugues Faustino Ferreira Simos, que (ora astas*
sinadoera Quipap.
N. 57.-Diu ao baeharei AnUft Paulino Ca-
valcante da A Ibuquarque-.Constando do Diario
Olficial n. 34 de 11 desta- met lar sido Vmc. no-
nsendo par decreto-no tft janarVo ultimo para o
esrgo da istia, mnjiimpal s- da>e*ptaaos do termo da
Buique, assim Ih'o eommunco para os flus con-
venientes, ordenando-I he que independen le de ti-
tulo, que apresentar no prao do decreto n.
4302 do 23 de dezembro de 1868 tome posse e
ontre em exercicio da dito lugar, por assim convir
ao servico publico.
N. 658.Dita ao cornmandante do coree pro.
visorio de polica.Pode Vmc. desligar o eorpo
sob seu commando o cabo Vicente Francisco do
Reg, o soldado Manoel Francisco, visto soffter
este molestia que inhibe de servir, e aquelle U-
completado o lempo d sea engajamento e nio
quer.r continuar no servido como informa Vmc.
em seos ofBcis o. 74 e n. 73 de i 8 do correnler
3* seccio.
N. 659.Portara ao inspector da thesour.Ta
da fazenda. Tendo n'esta dala anlorisado o
director do arsenal de gnerra a conceder a
demissio que pedio Antonio Eugenio Alves Fer*
reir do lugar de apontador interino daquello
arsenal, assim o communieo a V. S. para seu
conhecimento.
N. 660. DU ao'mesmo.Inteirado de quanto
V. S. expoz em seu officio de 18 do corrente n.
127, temi a dizer em re-posta, que o autoriso a
mandar pagar sob minha responsabilidade nos
termos do decreto n. 2884, do 1 de fevereiro de
1862. os vencimenios na importancia de 4544400
e relativo* a quinzena deste mez, dos pri-
sioneros de guerra paraguayos, visto nio baver
crdito para esse Ara, segundo consU do citado
officio.
N. 66!.Diuao mesmo.De conformidade cora
o que solicitou o inspector da saude do porto desU
cidade, era officio de 18 do corrente expeca,
v. S. suas ordons ao inspector da alfandega
desta capital, adra de que por parte daqaella re-
particio nio naja coromunioacio alguma comas
embarcares chegadas da corte antes da respec-
tiva visita da saude.
N. 662.Dita ao mesmo.Nao tendo appareci-
do na sesso do conselho de compras do arsenal
de guerra, segundo declarou-me o respectivo di-
rector em officio de 18 do corrente sobre n. 41,
concn-rentes ao fornecimento de doos livros em
branco com 150 folhas cala um para o deposito
de recrutas, autorisei ao mesmo director a man-
dar comprar os ditos livros, nio excedendo a sua
importancia de 444000, a vista da urgente neces-
sidade que ha d'elies, o que eommunco a V. S.
para seu conhecimento.
N. 663.Dita ao mesmo.Tendo nesU data, e
de conformidade com as informaces da 4 seccio
e da contadora d'essa thesouraria, e a qae se re-
fere o officio de V. S. de 19 do corrate sob n. 129.
aatorisado ao conselho da compras do arsenal de
guerra, a promover a compra dos objectos que se
flzer precisos para a sec?ao de sapadores e boro-
beiros do mesmo arsenal constantes do pedido
jauto por copia, assim o eommunco a V. S. para
seu conhecimento.
N. 664.Dita ao mesmo.Deyolvendo a V. S.
as folhas a prets juntos em duplieala, tirando
encimemos para o offlcial e pracas da guarda na-
cional destacados na villa de Salgoairo a contar da
10 do setembro a 15 da novembro do anno prxi-
mo passado e na importancia de 1:7014850, tenho
a dizer que mande effectuar esse pagamento, nio
na quantia cima mencionada e sim a que jau-
tamente se dever depois de feita a deduccao dos
veocimentos dos das, qne segundo o parecer da
contadoria dessa thesouraria, a que so refero a
sua informacao de 18 do corrente, sob n. 129,
foram calculad de mais n'aquelles documentos.
O pagamento de que se trata deve ser realisado
a Francisco Canuto da Bea-viagom conforme in-
dica o' commandanle superior do municipio de
Cabrob em officio de 6 ae dezembro do supraci-
tado anno.
N. 66o.Diu ao mesmo.-Nesta data e a bem
do servico, ordeno ao bacharel Antonio Paulino
Cavalcante do Albuquerque, que independente de
titulo tome posse e assuma o exercicio do cargo
de juiz municipal e de orphios do termo do Bui-
que, para o qual foi nomeado por decreto de 29
de Janeiro ultino, como consta do Diario Official
n. 34 de II do corrente, oque communieo a V.
S. pera seu cochecimento e llns convenientes.
N. 666.Dita ao inspector da thesouraria pro-
vincial. Transmuto, por copia, a V. S. para o seu
conhecimento e devida execucao, na parto que
tocar-lhe, o termo de rescisao do contrato cele-
brado entre a presidencia e E luardo Mornay em
23 de maio de 1866 e alterado em 6 de novembro
de 1867 para um ramal de traraways nesta pro-
vincia.
N. 667.Dita ao mesmo.Depois de liquidada,
era vista da cunta junta em duplicada, a despeza
felta, durante os metes de setembro a novembro
do anno prximo passado, com o fornecimento de
luz e agua para o quartel do destacamento da ci-
dade do Rio Formoso, mande V. S. pagar a sua
importancia a Manoel Hilarino de Gouveia ou ao-
seu procurador, conforme solicitou o chefe de po-
lica em officio de 18 do corrente sob n. 240.
N. 668.Dita ao mesmo. Inteirado, pel seu
officio de 19 do corrente, sob n. 44, de haver Vm.
mandado passar o certificado da quantia de dez
contos de reis, que na forma do respectivo con-
trato, teem direito os contratantes da estrada da
Chaa da Mangabera ai engenho Bujary na estra-
da do norte ; tenho a dizer era resposU, que aca-
bo d dar sciencia desse officio a thesouraria pre-
vi ncUl para os os convenientes.
N. 669.Dita ao mesmo.Declaro a V. S. para
sea conhecimento, e fias convenientes, que o chefe
da reparticio das obras publicas participou-mo
em officio de 19 do corrente, sob n. 44, baver
mandado passar o competente certificado da quan-
tia de 10:0004000 de reis, que na forma do res-
pectivo contracto, teem direito os contraUntes da
estrada da Chaa da Mangabeira ao engenho Buja-
ry >a estrada do norte.
N. 670.DiU ao mesmo.Em visU dos prets
nominaos juntos em duplcala, mande V. S. liqui-
dar os veocimentos relativos aos mezes de dezem-
bro do anno prximo passado e Janeiro ultimo,
dos guardas naclonaes destacados na villa de Bar-
reros, e pagar a sua importancia a Alfredo & Cu-
nta, conforme solicitou o commandanle superior
do municipio d'Agua Preta em officio de 13 do
corrente.
N. 671.Dita ao mesmo.A Moreira & Braga,
mande V. S. pagar, depois de liquidado, era vista
da eonta e relacoes juntas, que me remellen o
chefe de polica com officio de 18 do corrente, sob
n. 241, o que jnsumenie se dever das despezas
feitas com o sustento dos presos pobres da cadea
do termo de Cimbres, durante os mezes de outu-
bro do anno prximo passado a Janeiro ultimo.
N. 674 Diu ao chefe das obras publicas.Em
resposla ao officio que Vm. me dirigi em 19 do
corrente, sob n. 46, tenho a dizer que approvo a
deltberaeio, qae toraou de suspender por 15 das,
de conformidade com o disposto no artigo 16 11
do respectivo regulamento o continuo dessa re-
particio Lydio Porpurario Santiago de Oliveira.
N. 673.Diu ao engenheiro fiscal da estrada
de ferro do Recife a S. Francisco.Tendo nomea-
do Vme. para com o perito qae foi nomeado por
Eduardo Mornay, arbitrar o valor da indemnisa-
S~>, que ao nesme Mernay tem de ser paga pe-
estudoe graptricos. projectos e orcamentos fei-
tos para um ramal de tramways, em eonseqaen-
eia da rescisao do contrete de 3 de maio de
1866. reraetto-lhe copia da todos os papis, rela-
tivos ao assumplo para ter lugar o arbitramento.
N. 674.Biu ao mesmo. Tendo nomeado a
Vm. para com Francisco Ferreira Borges nomea-
do por Eduardo Momny arbitrar o valor da m-

demnisacao que ao mesmo Mornay tem de ser pa-
ga pela recisao do contrato de 43 de maio de 1866,
remeti-Ihe copia do mesmo contracto e do termo
de reseisSo para ter lugar o respectivo arbitra-
mento. Tendo Vm feito parte da commissio de nm
de meus antecessora, seu parecer sobre diversos
contratos, inclusivo o de que se trata, julgo-o suf-
ncientemente habilitado para dar o seu laudo
acerca do assumplo. Todava se necesitar de
qualjuer esclarijcimento ser-lhe-ha ministrado.
N. 675.Dita a Francisco Ferreira Borges.
Tendo V. S. sido nomeado por Eduardo Mornay
para com o engenheiro Manoel Buarque de Ma-
cean nomeado por esU presidencia arbitrar o>
valor da indemnisacio que ao mesmo Mornay tem,
de ser paga pela rescisao do contracto para un
ramal de tramways, communtco-lhe que nesU da-
ta rametto aqaelle engenheiro copias do eontralo e
do termo de rescisi para ter lugar o respectiva
arbitramento. >
N. 676.Deliberacao.O presidente da provin-
cia em execucao do artigo Ia do termo de 19 de
corrente para rescisao do contracto celebrado com
Eduardo Mornay resolve nomear o engenheiro Ka-
noel Buarque de Mando, para Com Francisco
Ferreira Borges nomeado pelo referido Monuy
arbitrar o valor da indemnisacio que a este deve
ser paga pela rescisao do contrato ae 23 da man.
de 1866.
N. 677.Dita.O presidente da provincia re-
solve nomear o engenheiro Manoel Buarque de
Maeedo, para por parte do governo, e con) o pe-
rito qne for nomeado por Eduardo Mornay, arbi-
trar a indemnisacio a ooe tem direito o roe*mo>_
Mornay pelos oslados graphicos, projectos a or-
camentos feitos para nm ramal de trrmways, em
consequencia da resrisio do contracto de 43 de
maio de 1866.
DESPACHOS DA PRESIDENCIA DA PROVINCIA DO DA 11
DR ABRIL DE 1870.
Antonio Marques Correa.Informe o Sr. Dr. juiz
de direito da comarca de Olinda, oavindo* o juiz
municipal respectivo.
Bario do Livramenlo.Ao Sr. inspector da the-
souraria provincial com a portara desta dala.
Belarmino Alves Arouxa.Informe a cmara
municipal desta cidade.
Jos Xavier FaustiBO Ramcs.-Cerliflque-se o
qae constar.
Joio Manoel Roma Jnior.Passando recibo,
entregue se os documentos.
Manoel Thomaz de Souza Nio pode ser aceita
a planta qae offereceu por se achar trcala na
escala exigida pelo 2 do art 2 do decreto n. 4105
de 22 de fevereiro de 1868. %
Manoel Raynero de Barros.Informe o Sr.i(
tenente coronel commandanle do eorpo provisorio
de polica.
Alferes Manoel Raymundo Caminha.Informe o
Sr. tenente-coronel commandanle do eorpo provi-
sorio de polica.
Manoel Ferreira de Andrade.A visU das infor-
ntacoes, nio tendo o supplicante requerido em tem-
pe o raor da le, indeterido.
Macario de Luna Freir.Encaminhe-se.
Joio Pedro Blanchin.Informe o Sr. desembar-
Bier provedor da Santa Casa de Misericor-
la.
Polycarpo Pereira da Luz Sveira. Informe
Sr. Dr. chefe de polica.
Raymundo Gomes da Silva.D-se a certidao
requerida.
rsula Maria das Virgens.Dirija-so ao Sr.
desembargador provedor da Santa Casa de Mise-
ricordia em sesso da junta.
Companhia de seguros martimos.Yolte ao Sr.
desembargador presidente do tribunal do commer-
cio para oavir o parecer do desembargador fiscal
do mesmo tribunal.
Irmandade do Senhor Bom Jess do Bom Fim
da cidade de Olinda.xpeca-so ordem no sentido
requerida.
12 e13
Alfredo Alves Pacheco.Para que o supplicante
possa ser attendido necessario que aprsenle a
sua balxa.
Antonio Jos Pedro.Conceda-se a licencn re-
querida, com a metade do sold.
Anna Monteiro de Lima Reg Valenca.A vista
da informaejio conceda-se o praso requerido,
Padre Augusto Franklin Moreira da Silva.D-
se-lhe.
Abaixo assignados alumnos raestres habilitados
pela Escola Normal.Indeterido vista da infor-
macao.
Padre Antonio dos Santos Oliveira.Conceda-se
a exoneracao que requer.
Auna Felicia de Jess.Dirija-se ao Sr. inspec-
tor da thesouraria provincial.
Alferes Basilio Luiz Coelho.A viste das infor-
ma;cs indeferdo.
Eduvirgem Mara da Concegao.Dirija-se ao Sr.
desembargador provedor da Santa Casa de Mise-
ricordia em sesso da junta.
Flix de Valois Correa.D-sa-lhe, passando re-
cibo.
Dr. GusUvo Adolpho.O supplicante j est sa-
tsfeito, visto ter sido ministrada n informacao dt
chefe da reparticio das obras publicas.
Irmandade de Nossa Senhora da Soledade da
tregnezia da Boa-vista desta cidade.Fca a sup-
plicante aatorisado a despender at a quantia de
1:7234020 eom a continoacio das obras de que-
precisa a igreja, com a obngacio de prestar op-
portunaraente contas na thesouraria provincial,
3uando tiver de ser indemnisada pelos beneficios
as duas loteras j ext rbidas.
Irmandade de Nossa Senhora do Rosario da vil-
la de IguarassiLAguarde a supplicante a occasiio
opportuna.
Juvenci Anreliano ds Cunba Cesar.A vista
das informaces, nao tem logar o que requer.
Jos Joaquim Florencio.Ir forme o Sr. tenente-
coronel commandanle do eorpo provisorio de po-
lica.
Jos Pinto da Cunta.A visU da inforraacio.
conceda-se nos termos do estylo.
Coronel Jos Cavalcante Farras da Azareo.
Dirija-se ao Sr. inspector da tbesouraria provin-
cial.
Jos Pedro de Souza.A visU -da Informacao,
nio p Je ter lugar o que requer.
Leandro Joaquim de Sant Anua.Paseando re-
cibo, e atrege- se. .
Luiz Francisco de Paula Rajas! JtoU das
informaces expecase ordem para anf' pa a guia
da mudanca requerida.
Lnix de Albuquerque Maranhao.-^| vbU das
informaces, nio iem lugar o qae requer.
Manoel Martins de Siqueira.A visU da infor-
macao, nio tem lagar o que requer.
Martinho da Silva Costa Jnior.Indeferdo
Martiniano Jos Fernandas.O competente para
requerer a entrega dos documentos que alinde,
o negociante Jeto Jos de Carvalho Moraes eai
o supplicante.
Dr. Pedro Alfonso Ferreira.DWJa-se aoSr.
inspector da thesouraria provincial.
Pedro Jos da SI.va.Conceda-se.
Repart?** ala tllela*
4* seccao.-SacreUria da pcHta da Pernambn-
eo. 18 deabril de 1870.
N. 517.Ota. a Exm. S*.-Lvo ao conbeei-
oento da V. Exc. que, segundo eonsu dan partt-
eipacoes reeabidas hoja nesu reparticio, forana
rncolhidos casa de detencao, os safamtas indWi-
duos:
A-


J



.
fj.
i
.mw JIM
II rtjftlT -t Y, 'inrwin
1 I "''
?*
o dia 13 do Corrente, aVnr.lem qjt. satototogado {,
4aS. Jos, Firrnino Hercuffbo daWa, par ser
era cuitodia, e Jos Itolnaz Gome-,
da Bdft-Vtfla.Lnii, aseraro da Pe
_, por ter sido encontrado, depols de
Bov;ta|^a noute, sem bilhete de sua se-
llo da 17, minha ordem, Jos Gomes de Si
>
Difld de Pemanibuco Tr<*a Jeira ,9 d Atril de 1870. g t3$!J!
dfChaT pan
afeo Pe
ogfes Jo-
' woo ter-
crimino-
qunira teco, Ad
as Mandones
Ssir, Joao de
l8mPedl-
tae de Cimbres, o cinco primeiros
sos,n os tros uRtoJOs como recrutas.
fian data de U fovoteiro pronto psssado,
c. mmunieou-meo delepdo de SalgfttPO, qoe Tora
alli capturado rcco hiJo rvsiefiva cldeia o
criminoso de morte no termo fe Calfip, Jdf Ri-
heiro Gato. x^ _,
Por offlcie de 10 do correte, participou-me o
efcgadode "Camar, que no dia 29 de marco ul
limo, aa Sorra da Russia o termo dn Bonito, o
voluntaria da patria Jos Alexandre Gamboa, as-
asesino n reh a i ontrelle neme Lata Franeisee
4e Ar.njo, qae o delincuente j foi capturado, e
contra o roesroo ia ser instaurado o competente
sammario.
Et data de II defle roez, parfieinou-me o fufc-
detenado do distrieto de Calende, que %o da l
capturen alii e rematen para a cedeia do Bonito
o criminoso de mono Joo Baptista Fnracao.
Segundo partictpuu-oio o delegado de Seri-
aniemem cilicio fie 15 de.-temez, as 11 horas da
manhaa do dia tt), no primi-iro di*trictida fregnc-
sia de Gamalleim dauielie termo, fura encoalrado
rio Aioaragil, o cadver do subdito portuguez
Joaquim de Vasconcelos Pinto, morador ate nge
nho Duas Barras ; e lenoo-se procedido a compe-
tente vestoria.'veriicou se que a raorte tora o re-
sultado de aspihixJa por submerso.
Oeus guarde V. ExcIIIm. e Exea. Sr. des-
embargado!' 'Francisco de Assis Pereira Rocha,
vire pre (idente da provincia. O ene fe de po-
lica. m Antonio Fernaudes Pinkeiro.
j --------------- -"^ -------------
BMaMal% eawe illfmirio qW se bavia I Rom Serra de Urna, Penumbuco Mannos, ea-1 srm quer que 1 Exc. aliaste de palacio
"yjWe^Joaepba,Pernambnco, 38tonos,--------
CaBpireceu a cmara ^
presiiMbcia- do-8r.taplo Rdft
cante Vellec d Govr, o Shfc joiz interina Jos Rodrigues do Pasto, o to. Dh ato-
motor publico loie da Costa Ribeiro Maafctdo,
o Sr. delendo de poiKaa TdilbnAusti
BraynHr,o R\;m. proparoeho Joaquim
^JaX.Jte^
Uavnl-lfWsta ; bexigas.
ner, o Rj-m. pro-paroeho Joaquim Cvorjano
* bNMi~ o m major eafllmandaWo
iha* Jos Bonoratofiatcs pwnseus oiKs
oilei(B,Boa
Sof" Igndo, Pernambueo, 40 annoi, suhdn, Bo'
' vista {" Jalhere ourutente.
I Mara Uiza das Mercs flarro-, Perotnimeay
w nnos, solleiro, S. Jos ; dyarrha.
Amaro, Pernambueo. U metes. Boavi
Walha jne BboratofSatcs abo" seas
0 tttn namereso concuo de pdssas gradas o en>-
pregiidos, todos enthusiaamadoa de prazer, eemo
era um o espirito, para aplaudirn o triumpno c
a Ticiori obtida, assn como manifestaro os
seut vutos de zratldao obedienda Sua Eagrs-
tade o Ininera-ibr.
- 17!-*.
euiianr-seos aiscursos : oroi n pnmoirfciugar Marja Maximiua de Carno JPiaiec
o jniz de" dh-eito Interino, e jaUtudu nrzer namWleo, 32 ann*, casada, Boi-vfeta^ t
desen\"orteu o seu discurso, sendo por diversas '***
vezes geralmente correspondido
PERNAMBCO.
REVISTA DIARIA.
ASSRMBLEA PROVINGAL.-Hontem a assem-
Ws spiM-ovou, em i* discussao, o projecto n. 7
desle anuo, que manda pertencer fregnezia de
Jafanatio os terrenos dos sngenhos Suassuna, Pal-
wrintti Mncvg qne boje fazem parte da de Mun-
beca; o de n. 8, que annexa Mmunicipio de Ca-
limb a freguezia de Sam'Anna do Sacco, bem
camo outro territorio, sendo justilicado pelo Sr.
Ofcreira Fonseca ; o de n. 9, creando freguezia na
eapeMa do Kx. com a invoca^ao do Sen luir Bom
Jenas dos afilelos, mandando osvir o governadnr
do bispaJo requerimento do Sr. Hcnrique aia-
inede. >j
Addiou, em 1* di?cutio* remetiendo as eotnrais-
*0es de legislacao e cuustimicao, reqaerhneuto
de mu autor, o projeclo n. 12 des te anno, que
manda considerar vitalicios os empregos provin-
riaes, orando o Sr. Aatonio Paulino eManoel do
age.
Approvog, em 3* discussao. o pmjeclon. 17 desle
anno, aotorisando o presidente da provincia a in-
tratar a abertura do rio Goyanna.
A,iprovou, em 2* discussao, o projecto n. 16
vleste anno, qno revoga a iti n, 600 de 12 de maio
- *. 186, com uma emenda do Sr. Correa de Aran
jo, andando ub>istr o art. 3* dessa).
Approvou, em 2' dirussao o de n. il desle anno
que rev. ga a Jei de 3 de maio de 1868.
Regeiiou, cm V discussSu, o projecto n. 45 de
1866, que eleva os vencimenlos do continuo do
gymnasio provincial.
A ordem do da para h< je : 1' discussao dos
projecto* ns. 13, 16, 18, 19, 20, 21, o 23 deste
anno; projectos nao sancionados ns, 23 e 88 de
maio, n. 1, 3, 8, 7. 8, 9, 12, li, 15, e 16 defluaho
tudo do auno passado.
PRESIDENCIA DA PBOYi.\aA-wanoa-ein se-
goida oi'fllcio com que o Exm. Sr. senadorfrede
rico de Almeida e Albaquerqne passou a admi-
nistrado da provincia ao Exm. Sr. desembarga-
dor Fram-iso de Assiz Pereira Rooba, H> do
orrente:
Illiii e Exm. Sr.Tendo a heora de passar a
dininistraca desta provincia aS. Exc, .na quali
dade de scu primeirn viee-presideote, visto eu ter
do sen&ir para a corle afim do tomar parte nos
trabariosdi seuado, coafurme j communiquei a
V. Exc. em meu ullicio do 12 do corren^.; ac/>
votos para qoe V. Exc. soja tnui Tebt em sua
almini-tracao.
Em i-iiiiipriinenlo do aviso circular do-ntini-
terio do imperio, datado ile II de marro de 1848,
reporto-me inleirainente ao relatorio t/e.-etp d.ita
do l" desle ntei aprsenle! i a*semble legislativa
provincial. Nao havondo occorrido d'aquella data
iti Boje eircnd'iancia alguma digna de mensao
sonii a seguinte : No dia 4 desle mesmo mez
cliegou ao porto desta cidade o transporte fflapi-
rai, trazendo a seu bordo o eorpo n. 30 de vo-
luntarios da patria, oqital desembaroou A ho-
ras da tarde de';se dia,.,' tando rececebido as mani-
'estacoes rinhusiasticas dereifo-ijo dotoaaoo-
pulacao aquarlelon as Cinco Ponas.
a Em dala de 14 do renle vido. Expedi as necessarias ordi'ws afim de. que
a bandeira qne pertencia ao dito corpo osse de-
pi Miada na catbedral aaianhaa.
Deus guarde a V. ExcPalacio da presiden-
cia de Pernambnco, IC de abril de 1870.-Hlm. e
Exm. Sr desembargdor Francisco de Assiz He-
ir da Rocha, vice-pi -idente da provincia.
Fiederico de Almeida e A iMfuer^ue.
CAPTURA.Pelo delgado do lepmo defial-
giiciro foj pre abnib, Jos Ribeiro Gato.
P.do subdelegado do dNtrHo de Catende,
Toi preso o criminoso de morte Joao apii.-ia ipo^
racao.
MORTE CASUAL.-No dia 10 do oorrente'fnij
4irado.do rio Amaragi, do 1- dislhctoda freguezia
de Gamelleira. o cadver de eubdiio portuguez
- Joaquim do Vasconcellos Pinto, morador no enge-
nho IkuK-Barra, o qual faecea de aephixia por
kubmersao.
ASSASSVATO.-Ea serra da Bossia. do termo, l
lo Bonito, no dia 29 de mare/> nliimo, e volunta-
rio da patria Jos Alexandre Gamboa assassinou
sou comf anheiro Lbz Frann^eo de Areajo, mn-:
tianlo o em seguida. O crHiiwose'foi preso e esta
va sendo processado.
EMBAHQ03.Seguio hnntnm para a Pacahvba,1
a bordo do va3>nir Partjhijba, da companbia per-
aaiubacana, o Exm. Sr. senador Prederico de Al-
neida e Albunjierqne com su Ema. familia, sen-
do accnmpanhadnat bordo por diversos funocio-
narios pnrilicos.o alguns amigos seus
BANDRIltA 90 30* DE VOLXTA4W06.-Oe-
mingo f.i levado, do Recifo para a eathedral de
->01inda,_ este tronbo glorioso *da ohima campa-
Hiha, nao havendo alji grandes festejos por s te-
rem chgado, segundo uos informan), as comma
nicacoas do acia na c.spera nonie.
CCRVETA .MtHBROHY. Hnnteia pela ou-.
nba fundeou no laanarao a crvela Utkerolty,!
eommandanee o Sr. eapfio de mar qnwrra Ar
thurSilvtira da Motta.
Esto navio que anda ea viagem de iwHruecjao,
steve no Cabo da Boa.frperanca, ilhas de doou
4Ielena, Tenerife a Pardaado dn Norodna, trnaen-
do deste ultimo porto 4* horas. }<'
Segae hoje a tentepara Baha, tirando a anal
no mrreio as ft horasjda ntannia.
ESQUADRO PATBiOTICO. Este esfluadrio
--formara no din 21 do 'crtente js 3 heras da tar-
de, no largo dt> Hospicio, para neorporar ao rfit-
toda pasfeiata da Seicrnliro.
FRSTEJjOa EU BONITO.-Di viiU de Bauito dos
romcttni a scguinle deseripca dos festejos, raa-
']?a,;.3f*zef P-6*5" "maja, municipal respectiva, n
na rj do corrale :
A commlsao da caraara mimicipal desla vil-
!?' -omP>sta doa:8r|. vereadoros, adv ilvos da Crqt e Fraacic Tiburcio Paulino
acabando por candar com vivas a lliGg*sUda
o Imperador e sua augusta famrha, consttuico
poliiwa do imperio, snnaftezn- vmoerinf neonde-
im, ao exerrito e armada nraateira, 'e s naoes
aMiadas. endo correspondido por todos os cir-
cunstantes ; em segundo lugar svguie se a dis-
tarse do Sr. udvogndo Mimbro dn commlsso
Jos Cvpnapo, e en lerceiro do Sr. l>r. promo-
lor pnblieo; o os ntsmfts ttfas appIaasOs com
iguaLcorrespondenci. thaiuamos R ltenlo do/s
leitores para os discursos e poesa qa vio fran
criptos ua oitava sagina.
' Pind esse a braslleiro; houveram por essa oooasiao Ontros
vivas no mesmo sentido, dando-se por Ando den-
tro do paco i acqfco o festejo dS 0 horas e meia,
llcando a asa. anota e eom gnanlas para ser vi-
sitada, orne evTeotivameflte foi, por multas pes-
sas que alli comparecerara at larde da noute,
emquanto 9e sotlava o fogo de vista e se da va pas-
seiau- lelas ras que estm-am devfdanente illu-1
minadas, e de ajas casas sahiam vivas e demons-
trardes de prazer, lerminaBdo-se o fesiejn ao fe-
char de paco eorn nma inleira pac satifacao,
qoe mostravnm serem todos fUhos da pama e
amantes detw>so auqasto mnnarc.ha.
O Sr. adrogado Jof Cypnano oflfereeeo,
music!., oSoiaes e oraras, em sua casa, um copo
d'agna, que dfgnaram-se aceitar ; reinando a mais
completa barmonia entre tock, havendo diversos
brindA com rolario ao regosijo de que. se
vam spoderad'is.
t Prestou relevantes serricos em auxilio da
commissao, mostrando o sea verdndeiro pntrkrtis-
me o mu digno Sr. major Honorato Ch**e?, com-
mandante do batalhio, nao s com saa posst'a e
recursos de que dispon, como mesmo com a mere
'ida influencia de que goza ; o Sr. teoente Jostino
Engento Li venero, cidadio benemrito e presumo-
so, e igoalmenleo Sr. theotonio Jos de freifas,
joiz de pat e mais alguns outros senhores presta-
ram iguaes servicos; aqttem comprimen tamos
com agr lecimentos."
SERGIPE.-Pero vapor Maniah 4a cornpaohia
Pernaii bucana, recebemos jornaesdo Aracaj at
i do crreme.
Fui muito festejada nessa capital a terminacio
da guerra ; havendo, alm da* passeiatas iu-
minatOes, um solemne Ti-Detm na capella do
Salvador, e um sumptuoso baile dado pelo presi-
dente da provincia Dr. Cardos lonior.
A subscripejio para a bolsa do candado acba-
va-sa elevada a 3;4t5'|000, de roj imrrtaBcfao
presidente da provincia tinha tirado 4005para a
ciimpra de gneros para succorrer aos imuiigraa-
grantos indigentes.
Para essa destribuisSo de soccorrns foi nomea-
da uma commissao, composta dos'Srs. vicario J-
> Luiz de Azevedo, conejos 'Jos Alberto de
Sam'Anna, e Agosiiriho Rodrigues Braga e nego-
cianti Jacintho Martns do Almeida, Pigtleiredo.
O Sr. Manuel Moreira de'Souza Vaciara, da ci-
dade de Mar >irh, de gratuitmento tiberdad a
seis escravns seos, um de 13, om do lp, qnY'de
7, um do 3, um de 3 annos, e aro Sfil mzes.
HasPITAL PEDRO IIO movmenio'desse esi3
Iielecimento de li a 17 de marco do 1870, alm
do 220doeptes exisleqles, enlraram 29, sabir im
10. fall ceram 8, existem 2J|, "sendo 139 homen,
e 92 mulhtres.
Advertacia.Forara visitada? as enfermaras
nestes dias as il i/2, 6 i/, H 1/8, P 1% 6 l/i, 0
1/2, pelo Or. Ramos; as II t/% Il !/2, ii 1/2,12,
pelo Dr. Sarment.
Uuiz, Penambnco, 9 dina,. Santo An
pasmo.
Mara. Parnamb^cn, Recito; na n._
Pedro, Pemaiubuno, 20 dias, Boa-vfil
paspn,
Perrwmbnoo, 2 atetes Realfe ; eoavu
es-
LPer-
,.jlos
pulmonares.
aria, PdrAmbttco, W antes, S. Jote cmvuI-
cUk JiA vi
Maria, Pernamboco, 2 annos, S. Jos ; ente
rite.
Thcotonto, Pernambueo, 3 annos, Santo
nio; heuate enterrle.
Francisco, Pernambueo, 9 das, Boa-vi
pasmo.
Joo, Pernambueo, 3 meae?, Reoife;
p5os.
Bernardo Hanoet do Espirito Santo, Pi
buen, 54 armo, ohelro, BOa-vlsta ; hepatt
Hanoel, Pernambueo, 18 dias, Boa-vis:
pasmo.
Manol, Pernambueo, Santo Antonio' es
fos tfexeira de Uma\ Alagoas, 46 annw
sado, Santo Antonio; tubereules pulmonares.
r-----passa,em
bor prca o padre seu freguez.
Porm a queixa tem um ponto, dia ello anda
il saa modestia (sim I) fez calar auto o sacedo-'
IfTeompetenie para o ouvir, O'h*' o publico a
que vem agora diaer. Que zoi prosaico I
O ponto que, llie dissea uma mnlher nao
querer o yigarlo easara fon no Pla falta dr
haohos corridos, coran sabam todos, aMpolK-
rer roo opnrola-Casasse com oatra de al&im
de sOan nroprias enjraahas. Prodigio singoW I
QvJ* f'gario naa, rail tez nao 8o o
o padre nentio acaso era sea bojo os e(Telt03 de
nlga-N|an)jamser da corto a cxeepca> da seu
tWlagre de rs*os das.
No um Ul pheiomeno no paire, porm
i corto {Be Joas este ve tros dias no ventrn da
balea.
fSeWpw mal suecedido o padre ernauas concep-
ss I Olha seu mente pela lente myserosconjea
^neU ri*b!l "ai* ^ wicua Ndn MgtotW
nlla romo om tbbade, e qnando declina arazat;
do qae diz mostra-se qual donato sacrista asiente
das eousas mais trivlaes d sed mlhlsterio. Cub
funda-negrees com jubileo-falla em c Prouotan-
das 0 as trvas de san nci'a teto eheio de
si pergunte cora enfaze ao vigario : Entao o cap-
talar irapz Irte oa nio, para rae preitar os guita-
atentos f Que tal I...
Padre, toj/n hbemut. 0 snppcriot no impe,
ponsabi
PUBCACOES A PEDIDO.
MK'Si,^^^^^

juay, l"giduo'teve nitcia'
tima vietojpfpn acapond wdVEri. oBr"!
-la.Cnejra do fjua>
dr. veraeulaile da ul-
wf CjOI'
il, fez os neoestanoi cpv,tes a 'todaieiautori-
dades pan os trantniUUtM.sar!einB
-ili.n de que no da WdoSmnto, polatnKrai
mm da-aunpjiu
w -VquiiaBao
feda sfl^V.A
l com
Fallecidos.
Thereza Maria di Conceic$o ; bexigas.
Margarida ; gastr enterltc.
DavUl; febra typiwide.
I.ujiivioo : anacarca.
Mara do Espirito Santo ; Eitostose.
Rosa Trr de L-ma ; hibelreui- Bernardo Manocl do Espirito Santo ; hepaiite.
E-colasM.-a ; ttano.
PROCLAMASForam Hdos ante-hontem na ma-
triz da freguezia de Santo Antonio os proclamas
segulntes:
1.a denunciacao.
J')3qnim Jos de Oliveira, eom Anlonia Gomia
da Silva.
Modesto do Reg Baptisu, com Maria Adelina de
Siqueira.
Joaquim Custodio Duarie de Azevedo, com Ca-
liope Pires Falcao.
Jos Lucio da Rocha, com Francisca Maria da
Silva Tavares.
2.' denuwaro.
Augusto Annes da Silva, eom Laurinda Lepoidi-
na da Silva Cnrdeiro.
Antonio Jos de Almeida J'ernambaco, com Rila
Ameba de Parias Neves.
3.* denuaencao.
Joao Gualberto da Silva, com A felina Maria
Soares.
Francisco Ferreira do Mello, eom Landerina
Henriqueta das Neves Krans.
Joi Augusto Ferreira, coraWalfrida Idalia Pe-
reira Lobo.
Francisco da Costa Veiga.com Amalia Eufrozma
Cesar de Lima.
Galdino Jos Pedro, com Maria do Carmo An-
dreza da Conceico.
Diogo Augusto dos Revs, eom Prancelina Joa-
quina de Souzi Tavares.
Jos Simplicio de Castro, com Graciana Maria da
'Conceico.
HOSPITAL PORTUGUEZ.-JEst de semana nes-
te etabelecimento o Sr. mordomo Manee! Jos
Geedes Magalhes.
LE1LO.Hoje as 10 lunas elfcetua o agonte
Pinto, o leiio deroupa Vita para bnmem, e,ran-
ninos, e movis no primeiro andar do sobrado da
rua.do Imperador n. 17, indo da oonf rmidade
com o annuncio inserido no lugar competente deste
Diatw.
LOTERA.A qae so aba venda a VA; a
beneficio da igreja da, Caca Porto, a qual corre
quando se annunciar.
PASSAGEIR05 -Sabidos
va QFlPurah. ba :
Exm.-fir. Fredericode Aimeida Alfcunuarqua s
sua familia. '
"Vindos de Goyanna do vaporiftmJij/ba
.BcIIarmmo G. de Albuaoerque, Ao*wo Joao
Bezerra de Albuquerqua, roaiur Antonio P. de
Mendunca: Affonso de A Meti o Jos. Dias, da
Vindd* de Penado, poij Macoi uo vanor
Vandahu: *
D. Camelia. Sebastiana do tiantos a i fifeo mar
TU*, alferos Khgmaz do A. Loaro Cnudido O.
".COITKDTC) fUfiLICO.-Obitario do da 14 de
Francisco Paes Brrelo Lamenha Lins, Peroao-
buco.-ifi annos, easjido, Bua-vjsU ; anual>a\'ao do
Fra'ngtoo Solemo da. Silva, Brandan, Bmum
bico; K annos, aofieiro,, Stoto AntaiWw'toJHwar
los ulwt tare?. ,*w*wr
16
:iz, Peroambuco, 7 awzes, Santo Antonia, o
toooeio
Vor occasio da sftrtldksima morte do //% Sr.
Dr. Jof? -ancitco Correa de Aran jo, overeado
toda sua consterna&Sfima familia.
Nao era d'tato mondo I... Sem poda
A' trra pertencer tal creatara !...
Porque lauta oobreza, alma tao pura
Se milagre encontrar, neile se via I
A vaMnsa opulencia nao toiia,
Em carcter tao nobre a del brandar...
No sep peilo propendo mor ternura,
lamis pode onlranhar-se a liyp jerisia I
Esta vida, o qae pois f Nuvem qae gyra
Envolu em ondas de fatal procella
Qu'inda bem se nao f jr.ua logo expira I
Mas su'alma, mea Deus I lio pura e bella
Eoire as bencoa da Ierra ao :o subir,
F-oi no coo habitar que patria d'ella I
-V. Jos de Brito Barreiros.
S. Leurcnco da Malta, 16 de abril de 1870.
t
para a Parahyba no
''irtorit'qnnlj
ia|t3o

-J_
a'o DOsto mpri
dec;n!omenle em oni
vn ,
tfermelinda AineJja.dne Santo Awsdn,J?orum-
buco, 37 annos, casada, flpa.ista,;, gaslr* hepa-
Joaquim Jos Alves Lima, U nonos, mrt fto
vista ; gastro uepatite.
Anglica liodrgues Gomes, ?froani^ucof3 ai*.
no?, casada. Santo AntoniQ ;, tohra peopera|.
Margal ida .Mureira, Portog*/, & annos, soliera,
Sr Jos,; perilonjto.
Tharuza.de Jesa?, l'ernajnbuc'o, 79,anno% vinva,
rteiife; liepatile cbrcnjccv.
Aiandrioa, Pcrnamlrafiov W diaa, I}oa-viai;
cpnvjj.-oe?. .;.'**
Jnsii vrreira Mariias, Portugal, Sajjuaj, fnh
toV, Boa visia,: anena. .,. t t;-.
ps Banips jo P/az^res, Praap>bnco, L-ua>i
.....i^i^'.'toip ;J)*www>
ia, rnawburo,
Baarno.
_Eco!aslica,
vista; tttano
WP,
viBU.es-
Venho ao jornal dizer algamas paiavras ^ra
respoeta eorrespandencia do Sr. padre Antonio
G. da Silva, que se estampa no L. n. 8i, no intui-
to de restabelecer a ventado dos tocto, cavilosa
meuic deturpada. No venho pois olDcioso corte-
jar ao vigano, aera esgriiBir o padre, sim Cizer
am juizo critico acerca da qaestio a que fura o
vigaro provocado, e de que caridoso se retira.
Dizondo a verdade darei a cada um o que seu.
Suum caique tribuere.
Cooheeido o padre como um nomem das letras
gordas, e desde a escola, por moeda que nao co-
me, veio ao jornal dar de si tao triste copia.
Quem tal pensara t
E, neiu seu estado, soa idade a vaneada; nem a
candada que de ve alentar sen coraeao, o publico
a quera devenios acatar, desviaran) o padre de
rao>trar toda a fraqaeza de sea espirito, e de se
ostentar grosseiro at o insulto contra o sen irma-j
em habito, como se v do seu alludido escrpto
ora bolas, ora... i Como elle cynico.
Limpe a bocea Sr. padre, veja que a tem saja.
Certo o ditoaquila que da o berco s a tam
ba o tira.
Avisado andou o vigaro em se retirar em tempo.
conheendo um contendor tao fraco. Infulizraente
ha homens que gosiaia du cazar no Kxo : discutir
conestes lempo bardo, se nio dperizo emi-
nente, a
Si o padro versado na iinguagem das arrieirae,
pga tao bem os destos, quem poder com o peso tiperite anuas, foi
dn seu volume f -
Nao seja eu quem venha oom ello trocar paia-
vras, ea que ate coufesso impotente, nio : resli'ui-
reL apenas a veranda dos factos em justa deeza
ao vigaro.
| Principia a padre [wr dizer se muito orlendido
da. vigaro desde 1854, e nesto longo periodo ano-
nas acha scu martyrio dous soneto?, em borru
jubtrabidos da pasta do vigaro, nma historieta
de um foguele que alguem soltara em festejo da S.
Joao, e que fura ter ao logar onde se rapimpava
o padre. Como elle susceptivo! I
; Por este rnoidenta, filho somenle do acaso nao
pude responder o vigarioque alli nio estova ; nem
flnem soltara, o fognete, que assim o ttcera Im-
nansadamente, 60 panos distmta do lugar onde
e.'tava o padre, como virara o abura todos. Aco-
sas nenio prestat.
Nem uuibem pelos soaetoa- pode responder owi- i
.gano, subtraidos como focara de ana pasta por
aboso da conanca, e transcriptos sem sua snkm.
ivtadn entcetaoto sigwiicam, alm do juizo catteu
acerca da fallada fasta, a qa/i liga o padro tonto
lirnnostoncie, juiza que nu fura ooato-Udo. 9jg-
niiicain tambein moa lig, ira. satyra das sarneas
pn honras datcolxas o qne.talvez IUasseo tapa*
^aorogir. JHdtmk castigan* motes, diz Teren-
>*' Traoncrnvar. pois- taes sonetos dar-se o pa-
*te. a dabiqne, eomo ee da, quereodo raspn.'abi-
hsar o vigano, por sea juiza prftdo..
$2J* on^ntonit, le dnm % v*r es
aJMj^unas aa;saraas, et qHata causa MU**
Aqu tora o publico 03 grandes orimes do ica-
rio contra padra- desdn rttTo!X-cmo
Palla o,padro toenaalanwtoT^^Sll *,,
nr*flnvedado,na.fatuida4 P^SSS X
ip^miear de t nnlisorato. airado^ae do V
lado e joman, era os oananoto n t
ue de/a contra, o vigaro, i* mine gipK*
paralar transcripto no L. n. ij. 0 que Irnooria
wp*.oe#ffaao prelado.; vera totViStetoS
znndo que nao bra o wgirieieawgad*^oxiaoter
oX|reMo rncebidn"a JSS^SSZTtR
vigano podido ao reoabedor onti.npakrqMidb
MonOleia,' rom.) bem o ioArWpi
----------- _^_ .. -------'*> v "fj/w iui uivj iiiif*i;t:,
apenas celoso das aUxibuiroes de scus subditos,
fazendo-os enlfar no camioho do dever. J v
que nenhorea impostcao podja fazer o Rvm. capi-
tular ao vigaro ; mas anda nao sendo elle obri
gado a prestar gniumentos, sim a irmandado, de
quem o padre thesooxeiro. Si o vigano as pres-
ta por conta da fabrica, por querer, e nem fazer
disto esperte, como nunca izera ; ao contrario
nao adintaria de sen bolsicnlo a fabrica, tao exi-
gua como Oescance pois o padre, que Ihe afflr
rao continuar a escorrpichar as galbetas sem
interrnpcio, e at mesmo, si quizercopados-
pos/ mtssam.
Varaos festa, qae dora friso as iras do padre
contra o vigaro.
as solemnidades nJo dado ao sacerdote ia-
verter o rito, antos deverestricteobserva-lo,
como mandam a bulas de pi V, rb. VIII e Alex.
VIH : como diz o' mahda o Crac. Trd. Sess. 7.'
Cap. 13. 8r slguem disser, qae os ritos recebidos
pela grejs podem ser alterados oa desprendes
sem peecado, annfftrma ti. Esta pois a dontri-
na correte na Igreja ; e Bes te bispado em theze.
Em bypotheze, quando as solemnidades concorre
certas eircumstancias graves, o prelado d pre-
viamente hcenca, para ser o rito alterado, pezando
as causas oterecidas, jtrlgandoas taes, que eolio
qnefn as solera aidades as condicoes de r grave.
Jal a praxe deste bispado em harmona com
o direito sempre qoe ha tempo para se recorrer ao
bispo, sem caa bresenca nio se pode considerar
re graveavista da defllnicao da S. Gong. Bes
grams ea ert, per qnam conventt totas clerus cum
episcopo.
Quando rjorro nao ha tempo de recorrer ao
prelado por ser um caso extraordinario e de mo-
mento, o sacerdote presume a lieenca dada, e por
-i julga, inverte o rito por epicha. Frs deste
caso nada deve fazer.
O vigario claramente mostrou esta doutrina, em
que se fundara para nao se prestar a festa ; como
mostrou claramente que nio tinha eila a menor
sombra de r grane, e quando tiresse, fora pre-
meditada com muito lempo, assentada por um tal
thesoureiro em quem nao ?e presume ignorancia
de direito, nem de seus devores, IV et magister
111 itrati, et kmc ignoras f
O padre, para ser lgico devera mostrar, "flue s
ilera em sua festa este asa oxtraonlinario, visto
no noraentn ;. a que eslava Ha em oondiedes toes.
Porem assim no fez, apparta-se da questio e wm
cora urna tirada da citaoes capciosas, tlieorias das
mttan* votivas pro r grave, >\w n*.la ,ipproei
tam ao caso, pois qae a questao no saber, o
que sejam iiiis-i.as votivas, sim, si a snleraaMad 1
l. eslava as j:idicoe< de prnw : si hoave
Bella esto caso de momento, que dispensaste a
previ intelligeocia do prelado. E ate que nio
pode mostrar o ptdre, si o (izar lora por cario de-
cuberto a iiuadratura do circulo.
Nio podem approveitar ao padre os argumento-
trazidos da Proen .tanda o da falla de data n
2.a aviso, pelo vigario feilo, pois que, nem o viga-
rio estova a elles obligado, o nem a* fazendo, co-
mo fizera, era a data condicio une aun am. Avi-
sos nao sao recibos a crdito, nem letras de cam-
bio. A pronoiada que sa v na f dhintia de 1839
nao aufere direito ao sacerdote, e Unto nao aufere
que, as missas de S. Miguel e Pasos, fetta no
mesmo anno, preeedeu a ellas a lieenca do ordl
nano.
Esta a si intelligencia que dio apraenotanda
aquellos qa feram theologi; regularmente por
autores de nota, e nao por canhentias copiadas a
man. exlrahidas Jo diffuzo Penafiel.
Ai, ai, uma festa da saracas de ehjla com hon-
ras de Colxas : uma festa en quo se gasta a euur
me verba de loOOXW-e as vezes menos, tem fei-
to tarjto baru'ho no mundo!
E como quer que ?eja o padre tao ldo ulra-
viejure, e si mostr uo desojoso de ver o vigario
jugar as cristas corn seusvisdetractores, que
em baile ladram eontra elle no Liberal; a desta
genteinfamadase ostente o padre capelln, o
vigario Ihe d pr..curaca.) bastante para chmalos
a cuntas, c si naver cora elles, como si proprio
fora. O vigano nao desee at elles, c nem sabe
ir aos tribunats saculares. S3ba sim presar seu
estado, sua pessOa : sabe o que o'direito determi-
na a respeite, e a mancidao que reeorarnenda ao
sacerdote o evangelho.
Fique este papel quem feva a mana das de-
nuncias at a vileza de qneixar se em correicio
do juiz municipal do termo por excesso de cusas
injustamentee l fiear roxo de vergonha.
No devo lindar, deixaodo sera rep ro a injus-
tica do padre em depreciar os servir do vigari)
no cholera prestados.
. Sino, verdade que, aoles da inva'.ao da peste,
viraos o padre na matriz, coBfessando juntamente
com os demais sacerdote*, livido que fazia d :
porn logo que, nesto povoado bateo o bicho,
mostroa o padre ao mu ido inteiro, como se esta-
beiece ) mais perfeito cordio sanitario, de que fo-
ra elle ara exemplo raro. Nunca mais vio o reo I
Dias depois que nos deixou o mal, e que 1* si-
nos em festivos repiques diziam : Consmalas est:
-, foi o padre o ultimo que surrexit
ex faina, jinda sob asmis severas ritrcces, o
medidas hygienicas I
Depnis qua pz o n riz fra, seas innocentes
olhos virara os ps do vigario com tres capas, sili-
eet meias ; a seue labios entio se abriram, para
peruuntar, porque nio confessou A. Marques?
Foi prompta a resposta do vigario, en a oavi;
foi a seguinte : Porque nesto momento ungfa a D.
An... bem junto de sua casa mea padre.
Conheceu e do ?... pois bem nada mais dir.
Tracnnhiem, 24 de marco de 1870
0 Conceico.
Sprocaravam occnJur res
ndo-se assim accao da jus-
'Qaindo for tonpo esset misorave! que vpnliam
com seus nom'es provar com documentos qitanto
disseram.
Nio sabemos -o que qoer dizer Massa;ana.
ai, porm Sr. Carlos Lenidas existia uma relha
louceira quMMm ^hara- e jua^taiait ser
sua lia M Ara q(T revivej-^ctol^lites ?
Inimigos-meimGaiitelieira sao V. % %i to
s trazja tudo enredado, aconattotudo
!.o pAgaeiii 9qae devem, e qae rallara
r Jas familias. Sao voces qoe des-
J_os| Patriclp a Almeida Portes.
vcsse
lodos c
at do
gracar
Quanfo a Ga-ttltstraia se"o'"Sr. Carlos
sentimetooe no fallarla em lal eousa.
Quando major ehegou aGanKlleira j a achon
bem mamada pM V., o san lio Berte carador
amamenlador de Cirios Letao. O major nunca
lrCi,V quer um palit0 com os Iwrdeircs de
UW entretanto que V. e sea tio Berte estio
rCos: *
Cbegar a sua loucara para provar o contrario t
vejamos o que possue o major :
Uma compra t i la ao Sr. Pelagio da qual anda
ueve restos de dinheiro, a casa em que mora, e
as torras que fqrara de Jos Henrqae, as quaes
seu irmao e padrinho, o coronel Corolano o aju-
4ou a pagar, e finalmente as tiras de torra que o
coronel Jos Pedro trocou eom Carlos Leitio de
A tiuiiuerque e jue deu ao referido m .jor romo
hn nte,nt0 de,le8iti1ma- V. e o tio Berto tubera
bem quanto rendara ellas; porqueesliveram n'ad-
miuisiracao d essas Ierras por ires largos e gordos
annos, e quanto rendeu o gado qae o coronel ah
ona, que quasi todo se exiravtou em proveite
p^opm e araeio, de que at boje nao se prestou
Ladrfes, Sr. Lenidas, gao eqaeiles que aiqda
noje possuem escravos e outros objactos de Leiio
que com elle o seus bardeiros lizeram contractos
lesivos. Quera, Sr. Lenidas, a nao ser V., j
vendeu e voto por 200JO00. qoando na eleicio do
conselheiro aa e Albuquerque, tiuha prometiido
aar a elle o seu voto fForte miseria vendar o
voto por 0O/OO0 II
Mexeriqueiros tambera sao V. e lio Beto.
E dever da opposicio sensata e honesto censu-
rar pela irapronsa as faltas coinrnetiidas jjelos
agentes do governoa toas censuras porm,'res-
ponde V.com descomposturas, s proprias de mes-
salinas.
Sr. Carlos, quem sari mais devaneo que V., qae
o diga a Feliciana e Felismina, tonda sido a pri-
meira tirada forca da casa de seas pas.
Vamos ao falla lo proveito da subdelegaeia
Ahi temos dous dilemmas : ou o subdelegado
Lenidas um relachado 00 nada se deu de que
elle diz.Na primen-a liypotbee, porque nao pro-
ceden conlra o major durante o tempo qie estove
na subdelegaba? Sn segunda para qae ha-de
empresiar au& outros aqallio que m^ pertnee ?
Sr. Lenidas, quem tem ama cauda lio eoeipn-
da no se assenta.
Diz sse calunga que o major leve o cargo como
maio de vida, eMretaeto o que elle lera est a
villa.-Sen pai poesne fontana, seu sagro que
tambera possue (as Hopas do qual disse nm mise-
ravel nue elle vive) e tem dous irmaos abastados
agficnltores e que sao estreitamente unidos, aos
quaes pode elle recorrer om suas preeisds; at
rae Lenidas. Comtudo nio tem o major casa de
hospedagem, 10 passo que V tem doas senhoras,
casa de moradia, luja, cocheira, aeougue, e esl
levantando am engenho no B-mite, sem se saber
d'onde Ihe tem vindo tanto felicidade. Nao se
iembra nuil das fazendas da negra Luisa ? E.o
eavaHo deposilad que V. emprega em seu serv
co ? E a vitella que tio Berto reeeheu de Diog
para no dar conta do deposito ? Mande tirar da
tliesourana copia dos prets da marcha da Pao
d'Alhn, eso enio V. ser acreditado emanas de
clamaeoes. Prev cerno 03 cofias pblicos foram
le-ados, e eaiao aecuse ao seu tasador.
B mania amiga desses grilleiros, fallarem em
grillo .
Felizmente, Sr. Carlos, nao voltario mais os
tempes do li.icamarie, porqne do contrario raa
i >r Jos Pedro, o outros que tlzessem sombra a
V. teriara pgo caro a sua on-adia, assim corno
pagiram aLima, consenhir da. engenho. Dous
bn<$, morte no sitio Giqui, ,un ontro quem
assassinaram depnis do fartar-me e cavallo, a
Thereza atpracala mora ccete no lugar das
duas ladeiras, e Francisco Pequeo morte tambera
M* foram V. a tio B rio que nzeram esses as-
sassinatos f
Sr. Lenidasj que falla no Casapretaa, vou
mostrar-lhe a procedencia dalles.
Quando o engenho Laga era infelumenlo ponte
de manilo de conservadores foragidos, os invaso-
res de Panellas trouxiirain esses homens. Se eram
criminosos como diz V.,esiivdram ao servic dos
conservadoras daquella freguezia, do iuem V.
espiio, nada liveram de commum coiri. o major
Josa Pe iro, qua desdo a idtda do 18 annos (V. po-
der diwr outro tanto ?) quo se doclarou liberal
na eleigao dtis Atligados era 18a2, d.moopde
dizer o Sr. tenonta-coronol Manuel Joaquim.
Esperamos rosposta sua para poder por-lhe a
calva ao sol, a saber o mundo iniairo quem
sse eneignineno. que para vergonha do Brasil
i supplenlo da sundelegacia do Gamelleira.
Nao pretendamos disentir pisando em terreno
too pessimo, purera o Sr. Lenidas assim o qner.
E forcosu pois, declarar-lhe jue uo reentremos,
Venha a discussao, nos a aceitaremos seja qual
r o terreno, porque no temos ruccio que nos
chama a responsabilidad.
Gamelleira, 10 de abril de IH70
Rotambole.
tfiMism
b^to^pfOO n. por 1510.
(sentado).
LACA 00 RJtCWB 4 I* ABRIL.
BJs-Mfc
r-, .** 3,i/t WMt 1MM ^
Atoncar mascavado purgado regular2*900 por
13 til.
K
flBQCAr
Alfodo rparte ,
arabio sobre UnS 901 I t M por 1*00.
Aftbaso,
___idente
Mosquita Jnior,
Secretario-
ENGLISH BAPt
)f Rio de Janeiro Limited
Deseo ata lettras da praca i laf i eeo-
'eacionar.
Recebe 4inheiro em conta corrente hia
I raso fixo.
Saca i vista oa a praso sobre as cidafea
jrincipaes da Europa, tem correspondentes
ia Baha, Buenos-Ayres, Montevideo, New-
i New-Orleaiis, e emitte artas de radito,
jara 03 mesmos lugares.
RA DO COMMCI0 N. 36-
. M ALFAjNDBOa.
HeodineM* do ira I a M. ...
dem do dii t. .
M8:0ISb37
sw
677
MOVIMESTO DA ALFANBlftA
'olumes entraus cora fazendas i
dem idem oom gneros 215
'olamos sabidos com fazendas 155
(dem idem cero genero SH
Desear regazo boje 19 de abril
Barca ingleza- Oindomerendonas.
Baroa inglezaZedoraidaoy
Barca inglezaTa/imanfariohade trigo.
Patacho io lezCliiemercadorias.
Bngue norte-alleinoIiisei faxinha de trigo-.
Galera inglezaHennione mercadorias.
Barca inglezaImogeneferro e carvix
Escuna austracaIdafarinha de trigo.
Brigue norte allrmioArgomerca doria*
E>cuna inglezaHary Aunefarraba de trigo.
Patacho noruegunseFavorita idem.
Patacho portuguezSeiawsruioe neaerot.
.EGEBEDUlllA DE HE.NDAS LNTKKftAS GE
RAES DE PERNAMBCO.
tendiraento do dia 2 a 16. 3t:7tt|io4
l-lem do du 18....., \:SP5#5.I*
tf:29943t:
CONSULADO PROVINCAL
tondimento de dia 2 a
dem do dia 18. .
16.
47:T57#17f
5:238*7*
5fi9aW950
MOVIMENTO DO PORTO.
Pacata epfeo.
-No havera era todo Brasil um poeta de precisas
jorgas para cantar n'am poema pico a-victuri do
Br.isil contra o Paraguay, too rica de episodios,
o sublime e maravilhosa ?
O assampto digno de nma epopeia, mais no-
edp que aquello qae le vira-no ioteliz Cam8es a
mntiirlalrzar sea oorae : bom seria que o Instlate
Histrico e Geographico aqimas>e semelbanta i.bra;
nem conhecemjs, que est se no faz por prego ,
orota como esplpzno do genio inflamado pelo
or 4a patria. Todava o convhe servir d'm
,aespertanrento: quera ror de tamanha empreza
capaz meta raaos a obra ; seja seu titulo
X orida.
oa".,.
dopalaeio
Btofi*
rguatei
e li... w
iov as p
aneo soaeto. '
Peaatnhue^AOannosaoJtoir^Bog* ito.qaKSaW^ait^^
traaraauw.- T fgir o nortelro, satp>TnV>nirild>oadl?l
lories de que o maior Jos Pedm" chartar a
MtpohaalidUde o arrieiro- que no iart de H' de
aJlllrM insullou-o torpemente, vamos dar aw o-
obecnnento ao putMc* de fueradCarlos Lenidas
*! Barro*,, signatario-da pnhMeacio {Moldo
Ul Raquel la Diaria.
*P* elle de um ospiio-do partido eonser-
naarde dalmelleira, immoral, detractor da repu-
y*|^. mo filb, ingrato, e nnalmente-
'A*S*',3Se flc*ma, vamos entrar aaanMyee
Si^r"'*3f*te|rices; oomeea eJIe por tallar ea
m ?y1C0. nao le esse calonga as pernas
T* **f (lue conhecen por zarabeta f'
'' 'SS.8'* faculdaoeMitoii6 I
WJ;5** o remorso !..... .
J***1 *haa*a-sn o intoiiz que asee'no*
S^^S?0 lio Btrt0 aoonnlh*r4pta ieat
g^J assassinasse, con/orme dectoron VI-
^flS?0.* (icto Io* ainda peda ; atoga**
*L. **, imawr Jo* Pedro den a trlfanj
tmmKr'K^Jl 12? M bafaro**w que Ihe adera apWi
I
0 a]feres Francisco Jos do
0' e os liberaos interinos
da eomaroa do Bonita.
Deparando, no Liberal de I i do andantwmez,
n. 129, sob a epig apbeBonitocom o meu hu-
milde nome para um dos membros do pasudo liberal desta comarca, nao posso deixir
pasur semelhante infamia, propria do carcter
desses interinos lber-es, sera que do alto da im-
prensa proteste soloraneraonte coutra a indevida
incluso qua de minha uessoa fizaran), na synigoga
de 3 do corrente abril.
Mas, como a mentira e a traigo sao as anica<
devisas des-a p.)litrci(lgueira).iiuaboje apregoa-se
liberaLinrariando assim aos verdadeiros beraesque
aliuejain de corago o bain-estar de sua patria, per
lso bstenho- ma de fazer, segundo minhas forca*
largo comentario cora rolagio esse lacio, caben-
do o declarar somante: que no bei directo nem
indirectamente ant risado a pessoa algaraa marear
minha reputaco, que tanto prozo, incluindo meu
nome era urna lista dos empegados da referida
synaguga, como que se eu presenta l me achas.-el
Isla e tocar ao ullirao grao de degradad I..
Quem infame o- miseravelmenle assim pro-
cede, pode crear proselyios para sua potinca?
por certo que nio. E nunca fui. o nem bei
.de ser liberal debaixo das ordena re inculcados
chefes que hoje apparecem; porque ligueiros qae'
juravara ao Sr. de Villa Bella oxierminio aos Hhe-
,raes genumos da comarca do Bonito; ligueiro*
que na queda de sua poltica propnilavam as pra-
cas publicas, tabernas e boticas serem oshomens
das ires bandeirinhas da estrada de ferro.... i
mais nenbura hornera honesto- pjjdn. albar-sa
essas hboraes-oVpo/f d derroto de 16 de iulbo
deixando seus sinceros amigos.
Smro,. pois, estos, poucaa paiavras-'aos toes
maraes mennos do Bonita de nnvproresto ae in-
^lito;pro(Mdiraento que liveram, para enana na
reuntoo de 3 (tost mez.
Bonito, 17 de abril de 1870.
lvan Navios entrmtns no Ufa 7
Montevideo32 dias, esenna norueritense Faco-
rile, de 183 toneladas, caajtao BageSrechtsen,
equipagem 8, carga MGO saceos com farinha
de trigo; a Marques Barro* C.
Trieste., dias, patacho austraco Selak, da 3O
toneladas, capilio N. MeaegheMo, eqalpagcm
10, carga J.3 0 barricas com farinha da trigo ;
a Johnslon l'atar & C
Goianna-6 horas, vnpor brasitoim PnrnAyaa, de
H'4 toneladas, commandnntd Oliwira, eqoipa-
gem 14, em lastro ; a eorripanMa Pernamhu-
cani.
Penedo por Maceid^ 18 horas, vapor brasiteiru
Mandah de 221 toneladas, enmmandaal Ju-
lio G. da Silva, equipagem em lastre ; a-
companbia Pernambacana.
_ Navio taludo no menno dio.
MaranhioHiate brasileiro iooe Arthur, capilio
Trajaoo Antones da Cesto, carga varios te-
neros.
Nacos entrados n da JS
Rio Grande doRulM das, blie amerietne Ha, -
reet Braester, do 293 toneladas, capillo- Goodall.
equipagem 8, em lastro ; a ordem. Begnid para
S. Th .maz.
Swansea44 das, patacho ingle* Emprest, de
272 toneladas, captio Weleh, equipagem 9, ca -
ga carvo ; a A. I. de O. AzSvea k C.
Santos-21 dias hri?ue norte alfrnab Commnn-
deur, de 272 toneladas, earrltio Peter Slehr,
eqnipatem 7, em lastro ; a ordem.
Lisboa-37 dias, hngue portuguez JudHn, d 2i
toneladas, eapiao Joaquim Pinto da Cnsto,eqni-
pagem 15, carga varios gneros; a Thomaz de
A. Ponseca & fi.
Rio de JaneiroII das, ps lacho hollandez Tri-
fhyofona, do 170 teneladar, eapltao P. J. C. von
Dara Ham,equipagem 7, em lastro ; a Bdnard
Fento.
Ilha de Fernando48 horas, crvela naekratl Ni-
therohy, eommandanto capitb de mar e guerra
Silveira da Motta.
Navio aullido no mesmo dio.
M iceki Logar inglez Cttharints, capillo LeeiS,
era lastro.
EDiTAfS.
A cmara municipal deste municipio
tendo de mandar celebrar an Te-Daom
Laudamus no da 21 do correle mee m
meio dia na igreja matrii d\j Santo Antonio
desta cidade., em acc3o de gracas ao Todo
Poderoso pela feliz lermioacao da guerra
1I0 Paraguay, convida a lodo os seos m9-
nicipes para camparecerem a este acto.
Paco da cmara municipal do Recre T3
de abril do 1870.
Manoel de Barros fttrreto,
Pro presidenle.
Dr. Joo Mtia Save.
Bento Jos da Costa Jnior.
Ignacio Pessoa da Silva.
Caetano Crriaco Costa Moreira.
Dr. P. de Aihayde L. Maac
0 Dr Tristo de Alencar Arary, oflftrJrl
da imperial ordem da Rosa ejuiz especial
do commercio nesto cidade aVItoanada
Paroambuco por S. Mi laavaani t *ws
lituicional o Sr. D. Podra M/ a* ojetn
Dens guarde, etc.
Faco saber pelo presentoi qaandaaitre da
de trmta diaa caatodeada patlitaqlu'd^ata
Agua Florida de Mu
ray e Lanman.
N2fo dimrutte cTfslinguir-so a senhora de de
lica'dh retinado gosto, pea qualldadj dos pe fu
rbwi^T^^atoTrkiiSbTila^ a- han que duvidaraoi 'qtte ell
JjSmmt !ffi**lfm,**a *IJ2f**5*'banie calnagi-G deawr -edtt i
'eaaW,
hetaas-
il^SSlfS*?8 aaoiHmiMa>iMhi|tor aaw;-ftlto
le eqmaajto, valent tanto eoma-alle, desde que
uro outro perfume para o ftico", o teern-so afer-
rado ae mesmo parfi rriais de vinto'ahitos es|a
parte, casta do foteiro d >oJtiolote abandono do
extracto de Labio, .nssira coftlfj dp muji^s ouiros
perfume?.; esent?|as1cii'6pea=; rriais or ieats
Sve%,tnsm nepflarfi'aasoiao aromticos o
dpTietfdes tito- snaiol? c rnt"*-
*sai prirlas rfcWad-
fiSl,iustHle.vair]rilida n!.<
pnblieo da Ainerica dpSo!, e
tu^Miat osseaitia loral, a qual
fta peto Kiedo ftiro altivi s
rindo conafladNtoBlo uovjs

[erantes. As
! primer:
iada pe/o
lesia fe-
propa-
ttdqtii-
editiil reeefteresteJotto pnptWto por car-
tas fechadas para arrentatacJi) por venda
a quem maisoflerecer dos escravoa seguintes:
Lurrenoo, crionln cor aatjatax'Matla 40 an-
nos, achaeadoe do servffOtJbnlsiM, ar-
liad em 280,9000.
Valentinacrioula cor prota idade 2Maan
doenie d'astrttna do servico domaaitoo av-.
Hada em 800^000.
Domingos crlpWo cor
nos doente de hydropea...
o* quaes escravoa coimiiwilir*
massa fallida de Luiz de Orfverra Lirta/Jt1
nloi*. e sao A-endidos reqoaritoento da da-
positario da dita massa fajlid a sa aatoam
na ra das Trinebeiras n. 30, davatUlaa
proposias seren entregues- toj^fjpfti ;da
lellSo, Francisco rgpacio Pinto, woirrttoJa
por este jora da venda Ina nniMMindw ni
cravos.
E para que chegoe ao- eoBfaeeitoetito u>
do COSlKMM. -J
ment e>riv5a, o subscrivi.
fc^
I
MF!
h.J
V9


*
I
I
..-;

7
<*-%!**> -Py|p*U fhvrtt***^ \xm <*f70
exami
annexe 96 WcreMte.'BH1.
*/ da cmpahhni Petnamocan de rnr-
vetado coiteira, acbou todos esses objectos aro4
esta4de podaW vafee my,
co
i abril'da I8?0.
0 inspector,
II. A.: Barbosa da Ataida,
Sr.
ue, era virtud* *Maa)ac> do caatoU fretter if5113 ^m reeeMw.r.aenainr-a-da'CW 9T>
tn-wi..mt "^i^'l-M^escriptorjode AjitoaiobriiioafcOUNte
esa repacticaa. qg -,1^ ^ ^^
beiro directo^^ra' interino e-faz
em seesao de 20"de avembfB, d*
interno de 30 .**) de, ,,
aereia_kL,
Auretiano Augusto Pereira de Camina.
Olotrde,
andar; coxeira etc.
Nao se reeebem como aanoauneada* m* oJh L a*?me '>on|u-l competentemente autorisado
ieoa-a pequeo valor e que nao exMam. T' *adcra em '"lao Dublicd o graadu sio intitul-
is" curtcoTT A 0lhl) dpe Vidr^V M-eigag da Cruz da*
- -.a di Iiegaa. ScomraoD
ab d'a-ilBir* t>trataste as duna borts do d-#
tn* patada.
Toba 'depesb du palnTos:
pBfj
Tudo
limite devei. sai
que piusa- deates
como carga.
se aos Sfs. passageir.os.fpje snas passa
%dmlalfttra?ao
.*"*;%t:
Per na tabuco
Mala, p^la clvela de guerra brasilira Nklluiyu.
A correspondencia que lem de ser eftpedloV
li*pl** i a*m> aerau iMoatonala
paja a Bajiiar sr, recebida tanto os jornale como
am a rejfrfrsr, como ai erdidarias at as 9-lw-
ra* 4aiw)ba.
. O .vbnimstradr.
Affbnsodo ntgn Burros.
Ddit) iiporornte 5-fthy' irUHattio Oto
vdro cotn om magnfncf predio ta
D segunda feira !82a
*~-
Jfl
-hroW*'
JorR Ti
Varfa.aawW
urae seguir i
espwado de JVew-
vapor americano
!'Torfc |tor& Tbomat-.e .ai*'o
A'qrffc AnuiM, o qual depoi da demora do cos-
ta rae seguir para ospori04 do sul, para [retes
e passagem. trata se eom o agentes Henrv Por- I
"a&C-. roa, doCoprnarcjo a. 8. '____ L
Almas e ParnuMJUp^kqaa! tenunm magnifico
predio de mu andar, coxeifa, cacimba e uilas
'ores fructuaria, um essaMt. tauxa para
oapim, deitanJl > predio a Crete paca a tstraih
; >e tendo o silio douua* ta*tfH6 de frnt
Qonco mais on mcy^ /q^ a\, a bomba em
IreffBa '8^5 erteananiento das
aguas deBeheribfcdividirlilili 0 dito silki com o
araaestradafdiSit'llilMiso f -frSto para a
M mm oo fnntK) d terreno da. sino. AMbr
de o sitio ser un dos rnelhoras dbarrbalde d
aidade, acresoajiuo nraitd saudwl^ ameno e
(lea entre as estacara de-Sanf Amia- e Parnaraci-
ritm-
O* 8w. retedempo4oro o eitamisar o con
sorrerem ao leilo.
BOJE
i< --
iado 23 do corren-
te .20 e. 9 boras
B"f JpprlJlSc i^l(Ks,Trmntes mm*",
o Recife 7i:)0 8.30 !).W 10.30
b n^'f,"**? 73 8'3!l ''W >-35
Knos das do re*re o St,1J e tt bat-erSi tren
i n. hora dan ft %raf ft iKibM a eS
idf eon de
M
o JMari| Atffmto de i
&% em jida Ame
B.'e a noliticiGa
Maa'aalio.
M^aBif.4*aolMp3p'iu G2,iriu.da Cruzas
________U____________________________ ,4m'T-
u^,\ari4s r^iWaqa_ procedentes do sul.
entorte do 'iipro, existentes na reparticSo do
cerreio ^m 7, 10 e 12 de abril de 1670..
Ana* linif.oi de Qneirag*, Anua Vrnii-a dos rat3_daCQai__tcQ n. 17.
Mulo Bulgir. Annaf yajJuMim BmelaMni i
tonio Buar ,u>> do G_#b, Mk>m<, J K.klngti. ,
de.Souis, Alvaro IteMk Viira, Ora.*il, KBde
Gwarapss, !.au.1iwd Apanj* uimarfes, Cy-
ririaao E-GimIis Al'iof^pyjp. lpamcrico Augusto
A___ tp__lw Bn-nv Mippe-do-S. u'n Paira,
. raacisco Maniz da Silva Ferrar, Francisco Fer-
rara Borges, Fortunato Wb$o Bftpj Emirisc^
li^Dakrlel Affi

Par o referid^,ptwto segu em, poucos. das o
niate Rosita por ter a maior parte da carga engao
jada ; e para o resto que Ihe fan traa-em -
consignatario loaquim Jos Goncalves Beltrao
4o P. Beierra Cvalcantii
falso UtfgueC
ra,,G,uhern.e Cesta, &, C., Genji) AujWto de Mo-
Taes Bilauccur, Hermenegildo Aotoaio B. de Al-
nteMa, Joaqur Fentiradoi Santos, Joaquina Ma-
rta do Sacramento, Jse A. S. GalvSo, Jos Anto-
nio de Figu'-itedo, Jos Augusto de Ai'aujo, Jes
Jeronymo M inteiro, Jos Joaquim Perira de tfli-
veira, los Alfonso Minieiro, Jeao Gabriel Baplis-
ta, Joao Chrisoslonxi G. liosa, Joo da Silva lia-
nid?. JiSn Jos d> Espirito Santo. Joao Fraicisco
de Barros, Luiz Jjs de OlfVeira Diniz. Lata Fer
reir laeiel I'utheiro, Lniza Maria do Rosario,
LnuUCarvalln Paes de Andrade, Luiz Antonio
de Seaju---ir.-. Utaoel G. do A. Aunan, Mano-I
FraniCi) d" Mios, Maria Joaquina da Silva Mel-
lo, Vanocl Jos Domingues Code.eira, Minoel Al-
ves Barbosa. Manoel G. de Mello, Mauol Mximo
los Santos Torres, Narciso Francisco Vidal, Octa-
vio deSoar. L'ila). Placido de Pinho Pessoa, Pe
pro Manoel el i Trindade, Raymund.i B. Peres Li-
ma, Samuel de S Montenegro, Seixas c. B.rge-,
Tibias Brrelo de Menezes, Trajano de Figueiredo
Lima, Visun \ Guimaraea, Vieenle F. Barros,
W. L_ii c Arjuj i. X'slo de Paula Baoia.
encrregado do registro,
Manoel dos Pa-sos Miranda.
IlWtJIIJB".
Paquete:
DE
a
vapor
Los p rt.3 do norte esperadi
ate'' o da ilo cemento o> vm>
Ikuaeim. M StU, o.mmtniaiite- "
P. Guedes Alcoforado, o qoal
d^iois daj^iora do costume se-
-jleVdo sui.
* Desde j recebem-se passaaejros e engaiar-a *
:argq_eo vapor poder condiuir, a qual devera
ser embarcada no dia.de suachMda. Encommen-
las e dmheiro a frete at as 2 aoraa do dia da sua
>aluda.
Nao se reeebem cno eneommendas sanio ofc
,ectos de pequeo valor e qu nao excedam a dua>
irrobas de peso ou 8 palmos cubico de niedicio
rudo que passar destes Lmites devex ser e_ow.
ado como carga.
Previue-se aossenhores passagajros que sua,
passagens s se reeebem na agencia, ra da Cruz
n. o7, 1 audar, escriplorm de Antonio Luiz de
Oliveira Azoredo & C.
D^mo tiaVerrta3'coarpftUis de casera#_t panno,
briaL4e oho para r^mens e nrDinos,
obra franoeza e c goato- moderoOb
Djjaft gsandes "aw$3!j ?, fowro, % jpft* *
cacrerhs, mesas pequeas e ouiros ob-
jecios qiiD aarSj Wididog.paqa
Liquidafpo.
Tr^a-fcira f9/tfl4pV_|
Jj^-Vatides
--^anaj-l)
* mor^ i _..
Anda paseando por es^^idade w
*TSiSzWi iW
VI
, ~ rt"_a Pa*aDdo por es a'cioade aja oaidinh

Por interven^ao dpy
COMPANHIA Pl?nNAMBUCANA
THEATRO
fiTIHiSIO DRAMTICO
(No Monteiro)
oJ_ A DIRKCtAO 00 ARTISTA
Especia:>i!g en regosijo cliegada do beroico-
fritallmo 30
Honrado con. as presentas do benemrito com-
ni.iaiite i-briosos atteiaes do referido batalhao.
n.pois da or:heira oxecutar o
Hymuo nacional
Bepresn!nr-3ha pela 1 ve;, o magnifico dr_-
a cm.Lactos, intitulado :
o c. .9 e o coaeWDA
0 princip.iei.pipeis seao desemponhados pjla
Sra. D. Mari;, i Heeni.i Babia, 1). olvmpia c os
Srs Xist Babia, Paregriao, '.raga, liiuardo e De-
GiorannL
Termioanjr* espectculo com a liada cansoneta
0 CAFE CANTANTE
!!sempenhada pela Sra. D. Jesuina.
<) espectculo principiar s 7. 3/i em pona.
Os bilhetc? achara-sn na estacao do Recife e
iheatro. r?ts presos seguintes:
Camarotf, com 6 ingresso?, inclaindo passagem
*.n wagn, ante? e depeis do espectculo, 15|. '
('.dar, com passagem antes o depois do
spectacnb, 2'0G.
Pa':'-', ejin pDssagem para antis e depois do
^wtaculo, t9W0.
''.(invitle, nao incluindo passagem, li.
Cadeira, sem passagem, 2*.
'lan, sem passagem, U.
HB_BB___M
DB
Navegagdo costura por vapor,
Macei em direiturn e Penedo. .
0 vapor Manduh, commandante Julio, seguir
para os portos cima no dia 22 do correte as 4
horas da tarde. Recebe carga at o dia 21, en-
eommendas, passageiros e dfnheiro a frote at as
2 horas da tarde do da da sahida, escriptorio
do Forte de Mallos n. 12.
COMPANHIA PERNAMBUCAN
DE
.\'avea^o casteira por vapor
Porto de Galnbas, Rio Farinoso e
Tama n dar.
. O vapor ParuhyLa, se? oir para os portos ci-
ma no dia 2) do correte meia noite. Recebt
carga, eneommendas, passageiros edinheiro a fre-
te no escriptorio do Forle do Mallos n. 12.
COAIPANHA PBRNA.MBUCANA "
DE
\avcgat.o costclra por vapor.
Goianoa.
O vaprr Parakyba, seguir para e
porto cima no dia 26 do corrate.
_ as 9 horas da noite.
R cebe carga, encommeiidas, passageiros e di-
nheiro a frete no escriptorio do Forte do Mallos
n. 11
COMPANHIA PERNAMBUGANA
DE
.%avega^o costelra por vapor
Mamanguape.
O vapor Guniripe, conuriandante
Silva, seguir para o porto ac mano
__i dia 28 do correte ai 5 horas da
tarde. Recebe carga, eneommendas, passagei-
rse dinneiro a frote at s t horas da tarde
do da.da sabida : escriptorio co Forte do Malo=
ii. 12.
as n
jtalvino primeiro
mperatriz n. 47.

Todas as posmas anXadWpM azer parte des-
te a>r\i<> d.tvem cmpacwer na aaiiill fiii i 21 do
corrate a* 3 horas da tarda en* ponto, pica se
incorporar diviso que nesse dia tem de mar-
char acompanhnnde qm carro tflamptrat
A reumao ter'ftpar ama do lnperador em
frente a ca =fe---------- '--------------1-------------------......
_
Llif
Uc l.OOO s;ucoAazo t.aia as-
sucar (avariadoK.)
Ouarta-feira _0 de abril ao roeto fita-.
Por iniervenfio la-agumBPiatn a, par conla e
risc da Cruz u, 3s. v
De #* caf_!s com brlnqedos
Quarta-feiqa. 20 de abrila. nieiQ dia.
Por nterveofo-do agente Pnita e por conta e
risco dequem pfrtencer eni- o oscripterio do re-
ferido agent, ra da Cruz n. 38. -
-----r-
3,
LILAO
De tres partes do sobrado da 2 andares e
sotila tta ra da Penli.i rt. tO fas rjuaes
paries correspoodem a mais de melare)
edificado em sola pro|wio.
Quarta oim 20 de abril.
Por intervencao da agen:e Pinto, ao neio dia e
em sen escritorio ra da Cruz n. 38.
Engento para arren-
da'.
Arrenda-se ou veade-so o engeal) Concejeao.
outr'ora Caaaodtda, na freguezia de J.bqalio, djs-
mntedapovoaco tres quarlos de legua, inoendo
eom a;ma a cupire onm, abiH_fcnt*s ierras na
exleneao de lgut e recia en, ciitua/eTncia : a
tratar ny jua.da, QadHia rt 1, ou n niesmo efge-
nho coiii) sea proprieurij Jis Jo Rogo Dalias
Coufinhg. ^^
'^'Jon'ypraneisot da Sirva Novna/ retira -se dv
ti provincia por alspm u.iyo, lk;fiii seus procu-
radores os Srs. Perela vinm & C, Manoel Fer-
nandes da Cosa 4 e Jai. O aununcjanle julga nada, datar -. esta praca, nem
sua. firma osla compro.neliid em titulo algum ;
se, porm, tirer cscjneeide pagar qtralqncr con-
ta miuta, pedei|ue seja apiesentadaaos seus pro-
curadores ,qaa tina ordeni de ).sfze.em>
Fno da i I do. maree do curente aneo
o eseravo Francisco, caba, do idade 30 annos
com os signaes seguintes : cabellos carapinbos,
rosto descarnado o com marcas de be:.ign>>, inti-
tula se ser hvre.levou cal.its hwneas, paitot de
alpaca do cor e chopeo do .Chile, natural da
Rarahyba, e foj comprad ao Sr. DW.iiiio Alvo*
Maia, morador na Parabyba e julgh-se ler. ido
para o raesrao logar ; desde j protesta-se contra
a_ pessoa roo o tiver orulUda. Rnga-xe aos eapi-
taes de campo, assim como as auti ridados poli-
ciaos que o Iragan ra Direita n. 16, que serio
generosamente gratiflcad-is.
A pessoa que no sailt.uio d aleluia Jcvuu
perengano um kVifSa de sol da casa no Si. Cha-
ves, nos Affliclos, tjurir'a mandar entregar na rna
da Malre de Ocus n. 22.
3L
L
AVISOS MARTIMOS.
'i.lv.-rpoo. Brazil d Hlvcr Pate
HaH W.eamers.
\l 2* de c irreOM esoera-se de Liverpool por
Ijsbao vainr inglez A>p/r, de 14. toneladas,
'i qual se ."tapadura _im toda bieviiade parn
Baha, Rio de Janeiro e Santos.
Uecebe-se dinhelro e, eaeommendas a frete na
agencia, >
K-te vapor tem excellentos acconmiodac_es rapassagoiroi; os agentes Saunders Brotbers
4 C, largo do Corpo Santo n. 11.
COMPANHIA PERNAMBUCANA
M
%avegaco costelra por vapor.
Parahyba, Nata', Mao, Mossor, Ara-
caty, Cear, Maadah, Acarac e
Granja.
O vapor- pojuca, eommandantt
Moura, seguir para os portos
_ cima no dia 30 do corrente as 5 hora.'
ia tarde. Recebe carga at o dia 29, encom-
rnendas, e passageiros o dlnheiro a frete at ai
2 horas da tarde do dia da sahida no escripto-
rio do Forte do Matts n. 1SL
P88TftroR~LHA~
Seguir em poneos das a barca portugueza
Soca Sympulhia de 1* ca ase e marcha por j ter
ororupto quasi tod\ua carga : para a pouca que
Ihe falla, assim como para passagei ros-aos quaos
offerece ricos e excpllents commodos, trala-se
com Bailar, Oliveira c. C, ru do Vigario n. 1,
primeiro andar.
Rio de Janeiro
Pretendo sahir em poucos das para o referido
porto o velairo. patacho brasileiro Protector, por
tr ^ maior, parle de seu carregaraento engajado; e
para o pouco que Ihe falta e cscravos frete
irata-se eom o consignatario Joaquim Jos Gon
gplves Belirao ra do Commercio n. 17.
c farinha Quarta-feira 20 do abril as 10 .ras.
Tasso Irmaos & C. farao ieilao por intrTenca
do agente Pinto e por contaro risco de quom pr-
tencer, de cerca de 130 barricas com farinha de
ingo avariadaa bordo do navio Peleijhm, nt sua
ultima viagem.de New-York a este porto, o leila
sera efctuada no da e hora cima ditos no ar
mazem dos mesmos senhof.es. u i caes do .mllo
n, 7.
Pr-jeisa-se d umaama p_r;\ cos aliar o eam-
prarrjiara urna pesso : na rna e-neita da. Rana-
rio n. 27, 1 andar.
.Nrsegund aud'ir do obrado oT-.l ra
esireila do Rosario preel.-a-se de urna ama forra
o_ escrava.
AMA
&1
Ce antig-o estabelecimento, completar
rrfmnado cte nove^ est as eondi-
es de servir vantajosaraente os sena fre-
rnezes. visto qne acha-se prvido com um
plendido sortimento de obras de ovo a
rata de le, assim como brilhantes a
ras pedras preciosas, cujos prepos i
is mdicos qne se pode encontrar.
As joias compradas nesta casa reeebem
e em troca ero compram-se com neq
hora
j S BA DO CAHlfiA >. S
* MARAVLHOSO REMEDIO DO
DE. CHAS. DE GRATH.
KING OF PAIN
o re da dor
Cura cholera e cholera morbos.
i
De ilua> casas terreas ns lie 13 na Bii-
xa Verde o dous terrenos anuuius as
mesmas, e tima quarla parta da casa n.
0 da rna d Esperanca.
O agente Marlins era consequencia do que fi
deliberado pelo Illm. Sr. Dr. miz da orphaos a
requerimento da viuva do Didoro dos Anjos da
Pjrciiincula aos antgsdo inventario d >s baos do
Oefln hn novamente leilao das casas e terrenos
perlencentes a dito, finado para pagmeMo de di
vidas, sob a base nica que appareceu para tac*
bens no valor du 2:C0OS adiando se elles avalia-
dos em 3:5703.
Quarta-faira 20 do corrente.
No armazem da rna do Imperador n. 16," as 11
boras do dia.
Na rna Nova n. 1., primeiro aadar, precisa se
de urna ama forra ou escrava, mas que saiba bem
cosinhar e engommar; na mesma casa, compra-
se urna escrava com as mesmas abilidades cima:
quem tiver aprsente a.
OITerece-S" um rapaz de 16 a 18 annos para
caixeiropara fra da privinoia, com pratica de
qoalqner negocio, que jpj* Inpar sadio. dando fia-
dor do sua onlucM : qnem qnizer utilisar-se es-
erevaciiii as ni taes G. S. nesta tvji'-.graphia.
lUJStV
Precisa se de um naixmro, prefere se portnguez,
que tenha alguraa pratica d liberna, de 13 a 14
annos: na ra do Cosa n. 8.
Ama..
Precisa se de urna ama d
n. 36.
leit : na ra Bella
Maramh
Segu com hrevidade para o porto cima frpa-.
Ihabote Joven ArlKur, p.ira o resto da eapga que
Ihe falta trala-se com os consignatarios Antonio
Luiz de Oliveira Azevdo & C. ra da Cruz n. 57
De urna armac3o eo.vidrac>la. gaz, balanca
e canteiros propria para qiialqaer esla-
belecimento, garantindo-se a casa ao
comprador da armaco, no largo da Pe-
rda n. 8.
O agente Marlins tara leilao da armaco e uten-
cilios aclraa no largo da Penha n. 8, sem limite..
Qaarti-ieira 20 do crrente.
Ao meie dia na mesma casa.
Atnga-se ama es-npa para todo servieo de
na ra do Imperador n. 50,3 andar-
U. Ur-ula Cordulina ih Ito la Almejda pelo
presento declara que retira o? pedires-da procu-
raca) que foi substabelerida por J.i- do R>go Bor-
#e*, na pessoa de M-tnent Aveno de Brrros Lima.
Ilccife 14 de abril de 1S70.
Diarrhea, iluso do sangue, em tim dia.
Dore, de cab.ar e dores do oavdo em
res minutos.
Dor, de dentes, em um minuto.
Neuvralgia, em cinco minutos.
Deslocaces-, era viute minutos.
Gargantas incjiadas, em dez minutos.
Gobca e colvulsoes, em cinco minutos.
Rbeumap'smo, em um dia.
Febje e febre intermitente, em um dia.
Dor as costas e nos I?dos, em dei
utos.
Tosses perigosas e refriados em um dia.
Plueresia, em um- dia.
Surdez e asthma.
Hemorrhoidas e bronclu'tes,
Imflam.cSo nos rins.
Dyspepsia, erisipelas.
Molestia do ligado.
Paipitacao de
._,-------coracao.
Reserve sempre esle remedio na sna familia
AS DOENCAS SE APRESENTAM, QUANDO MENOS SE ESPER4U
,na m9" ?LJS ELECTRICI0 W" of Wn (0 R-' ^ dor) aquieta e posiiiumente dis-
ipa ma.s de drenles molestias e dores, e allivia mais os soffrimeotos e nroduz i
uais perfoito equilibrio no systema humano, o que nao se podo effeituaroo mesmo htm-
)0, com qualqusr oulro remedio medicinal. *w waa-
-.h no StB nui, popu,ar rcm'd0 est afiora usan^-se geralmente, pela razo m
niibares de pessoas se tem curado gratis com o dito remedio pelo Dr. Gratb e outrw
Est6 importante remedio n5o se offerece para curar todas as deeacas. wrm
;ao somente para aquellas estipuladas as nossas direccoos.
Est operando nos principios da cluraica e da eletricidade e oor isso es4
.ppl.cavel para o curamento e para a restauraco da acCao natural dos orgaos qtle so-
Irem da irregular circulacao dos fluxos dos principaes ervos. Oleo elctrico O Kina
rf Pain, opera directamente nos absorventes, fazendo desaparecer as incbacoes das
glndulas etc. em um tempo incrivel* breve sem perigo do seu uso debaixo de qoataaer
ircumstancia. iia
0 remedio urna rnedecina para o uso externo e interno, composlo dos l-
enlos curativos, raizes, bervas e cascas, taes como se km usado dos nonos antaaas-
lados, o das ames tem grandes existencias no mundo, para curar (odas as _Mtesta
lmenle sabendo-6e quaes ellas sao.
Foi um grande e especial desejo da faculdade de medicina durante muMos an-
- Joaquim Rodrigues lavares de Mello, praaW TjL-^T.Z^V^^" ^.^^ 0.dS qUe Se dcVam ^^ar parSCUTar
> Corpo Samo n. 17. i<- andar, tem para venda? a ."nas doeBcas, eque proporcoes de medicina se devia usar.
JNr.0 DEPOSITO EM PERNAIHBUCO
NA PHAFLUVCIA E DROGARA DE "^M
Bartholomeu & C.
34Ra Larga ti o Rosario34
Anu de eit.
Paga se 20 inensaes por una boa ama de le
te sem filho: na ra da lmieratrft n. 3!>, segua
do andar.
do._
cal de Lisboa, pota'sa da llussia da mais nova,
vinho Bordeaux superior qualidade, c farinha de
mandioca.
ADVOGADO
O advogda Antonio Pedro Ferreira Li-
ma, d volu dti sua vi igeui ao Hio do
Janeiro, contina em seu escriptorio de
advocacia ra do Impc -ador n. 32, 1*
g andar, onde pode ser procurado paran.
| exercicio de sua prolisso, das 10 horas
da manbaa ia-3 Ja larda.
- "_.___ a ^^ exerciciodosoa profissao, das 10 horas R
avisos mims.._. j^^^,^,,
Faweisa-se de urna ama que compre e cosi-
ahe para dea pessoa*: na ra Augusta n. 74,
INJEtTTinWlaRn
_ a uica i-7Sv*m_i__Eu_h
).( mi i n j^ft;^
f -.
esquina
ate importante estabelecimento ^10 seu genero, tem sempre mu sortimanto sem imial.
wwe por pregos que nenhirai* outra oasa pede Tender. '
^t ^ cnaWbidft e *>wm asjaiascada nm podern^lia convencer da 7erdade.,da "* ^^
loia *m dttMa.aM s 9 Itora*A.


(U;#i*P ;^/l#i#W Tfrca MVaVuMiufclAlffM ,4* #70

=
=
de ara brasiler
o to : tu la
jaero 43.
Beeommeoda se a certa mal dizente qae se evi-
le-lla andar eammniano a familias honesta*, viito
que lie nio encfesjnja as nodoas negras qae tero
m saa, v anillo que nao ba na dos ontros, ca-
baaftp-DOS aunsponoer-ltve com a doctrina de
-Jdajp Cralo ; que, com a medida que medir-
<>ett*rti iWw, com o juno que julgardes sere
(Basta por agora.)
itefe
*&o
Qotr-w alocar cis otf
nha de 12 a lo annos, poaoo g
andar com ama crianza : no
Ha*
- Precisa-se de un criado
i eacrav-
menos, para
do Corno San
forro *u
sede un
tratallar
Amaro.
tro e de ura amassa'
na padaria allema, em
PERFUME INEXTINGUIVEL. T
Pama o Lenco, Touoajm, e B.vmio.
Mtmo : na Cambda do Cartooiytt, andar.
Pree*awe de urna ana pn* cozinhar e
comprar para casa de homeh solteiro : na ra de
Moto Amaro n. 30. ,. ________'_
Preeisa-sc para casadle boroam solteiro le
una* ama para o servico tatefior a cozjafcar e
engoBimar : na ra ele Santo Amaro a. 30.
ia *&
0 DR. SANTOS^USU*)
Medico bomeopalha, recen .$hegado da
corte, fixou a roa. residencia nesta
capital, ru* estreiu do
Roairkm. 3, 2
andar.
D consultas todo os dias das 9 as 10
horas da manhaa, recebe recados por
escripto qualquer hora lo dia ou da
norte.
Aos pobres d eocsultas s mesmas
horas e medicamentos gratis.
A MU AFAMADA
AGUA DE FLORIDA,
DE
innAY o* i,wiw.
He o sjp delicado e mimoso e ao mes-
rao lempo ornis estavel de todos os per-
fumes, e encerra em si, no seu maior auge
le excellencia, o- proprio aroma das verda-
deiras flores, quando ainda na sua flores-
cencia e fragancia natural. Como um meio
segure e rpido allivio contra as dores de
cabeca, nervosidade, debilidade, desnudos,
flatos, assim como contra todas as formas
ordinarias de accidentes hystericos; de
soaima efficaeia e n5o tem outro que o
iguale. Igualmente* quando destemperada
tom agua, torna-se um dehtifricio o mais
agrada ve 1 e excellente, dando aos dentes,
aquella alvura e aperolada apparencia to
altamente apreciada e desejada pelas Se-
nhoras.
Como um remedio contra o mau hlito
da boca, depois de diluida em agua,
summamente excellente, faz remover neu-
tralizar todas as materias impuras que se
criam roda dos dentes e das gengivas,
tornando-as duras, sadias e d'uma linda cor
carnada. Quanto a delicadeza, riqueza
permanencia do seu fragrant aroma, ella
por certo nao tem igual: e a sua supe-
rioridade sem rival. Ella igualmente tor-
na-se um meio mu excellente, para fazer
remover de sobre a pelle do rosto, toda a
qualidade de brotoejas, ebulices, sardas,
pannos, manchas, impigens e espinhas.
Quando se queira servir della como reme-
dio para fazer desaparecer qualquer um
destes disfiguramentos, e que tanto desfei-
am asndas feices do bello sexo; devera-
se usal-a n'um estado de dilluic3o, destem-
perando-a n'uma pouca d'agua ; porm nc
tratamento de qualquer espinha, usar-se-ha
della pura em toda a sua torca. Final-
mente como um admiravel meio de com-
municar as feices trigueiras e paludas,
urna pelle macia e d'uma transparente al-
vura, dando-I lie urna linda cor de rosa :
para um tal lim, ella leva a palma a todos
os perfumes que se teem inventado at ho-
je, e existe em plena soberana sem rival.
Bem entendido tudo isto" se refere unica-
- mente a Ac-iv, de Florida de Miriay
Lansian.
As imitaces que se tem feito na Franca,
Allemanha, assim como em oulras partes ;
sao inteiramente inuteis e invaliosas ; por-
tauto recommenda-se mui especialmente
s senhoras, que tenham toda a precauco
e cuidado, de quando comprarem, cstejam
certas que compram.
A Genuina
AGUA DE FLORIDA
DE
MURRAY & LANMAN,
A qual preparada smente pelos nicos
Proprietarios,
LANMANN d KEMP, DE OVA YORK.
Acha-se a venda nos estabelecimentos de
A. Caors, J. da C. Bravo, & C. P. Mau-
rer & C. A. A. Barboza Bartholomeu, 4 C.
Na praja da
ahetro sobre penho
preciosas, seja qual
jasa se compra e v
i igualmente se fat i
omraenda, e todo | qualquer
i mesma arte..
33 se da di
e pedra;
-, e na mesma
ouro e prata.
obra de en
certo
HHM -a
de marmore. rrna da Cruzes
B. ti.
O artista Gamitto acha-se estabelecido na casa
cima, onde pod ser procurado para todos oa
misteres de sua prociss. -
AMA
Na na do Amorim n. 33, 1 andar, prescisa o
Domingos Taso de urna ana para cozer e engo-
mar.
Bartholomeu & C,
Vinho, Pillas, Xarope e Tintura
de jurubeba simples e ferruginoso;
Uleo, Pomadas Emplastro da mesma
planta preparados por
BARTHOLOMEO & C
Pharmaceuticos- Droguistas
!< HYAWBI 4 O
A Jorabeba : asta plnl boje reconbecid
cono o mi poderosa tnico, como o melhoi
feMbsiruenle.e costa tal pplicada ms ptdecimenloi
o lgalo e bico, sMSStJhM, daresas, tumores nter-
mot e epeciauienu d nUro, hjdropesii, erj-
-pellas, etc.; o associsda o ferro i alil as pailita
caras, cblaroaes falta da ssanslraacio, desairan-
jos do eMoDugo, etc., a o que djtemos silesias
lanuBien.,- ciirss importeates ottiass som losaos
preparado, ji bem couheckloa a ssdos palee aun
4iaUactos uiadieos do pait a FofUfal. Em todos os
oeaos dtposiiea distribaiaos antis folhatea aat
Mlfcor hseat ceohacar a lankale aeae resaltados
POS DE ROG
J^provadot pda Academia imperial
d medicina de Puta
Umft-arador4toeblt*(,duK>Wido
en orna garrafa d'agva, di iwaw.KmoBada
ayradavel, que porfa rpidamente da
oni modo certo, sem causar a menor
^Htocao com* acontece com a
fatte dos outres purgantes.
g, (So nallemeia par Isw
fam-se facmente em Tiagem.
esa Rw4iaao, laaaanasffi, ClunltL
aa> rsiiisaaeri, Mnm C. A
XarJ>e peitoral
iaboiiktatCj
contra a phtisica
nico deposito na pharmacia doPiato, ra
larga do Rosario n. 40, junto ao qnartel do
corpo de polica, (outr'ora ra dfi qoar-
teis). wjc*
wamm m%m
53-Kua da Imperatriz-55
Tinge, lava, limpa, lustra e achamalo-
8ta-se, com a maior perfeioao, fazeadas em
pecas e em obras de todas as qualtades;
como sejam : seda, lila, algodao, linho,
m* chapeos de feltro e de palha etc. etc.
Tira-se nodoas e limpa-se a seeco sem
I raolhar os tecidos, conservando assim to-
af do o brilho da fazenda.
Tintara preta as tercas e sextas fei-
CUBA RPIDA E INFALIVtL DOS CALOS
pelA
POMADA GALOPEAU.
Deposito especial
Pharmact'a de Bartholumeu $* C.
34Ra larga do Rosario34.
AMA. .
Precisa-se de urna ama : na ra do Pires n. 5.
4B Q &?
* ADV0G4CIA s
O barharel Augusto Carlos Vaz de Oliveira
^ lem o sea escris torio ra do Imperador
& n. 67, primeiro andar.
0 $&&&$ <& i &**##
Protectora das Familias.
Era cumprimento do prevenido no art. 39 do
regulamento, se convida aos Srs. contribuimos
dessa associacao que nio liverem apresentado as
certidoes de oade dus seguros, para que mandem
fozer entrepa d'ellas na ra do Livramento n. 19,
1 andar, alim de ser expedidas o mais breve pos-
svel para a inspectora geral do Rio de Janeiro
As certidoes devem ser selladas e reconhecidas
por tabeiiao.
Recife, 30 de marijo de 1870.
Narciso Francisce de Vidal.
PO TUBULARES
INSTANTNEOS
Travessa do Corpo Santo n. 25
ARMAZEM
Ra Nova n. 28, foja Antonio
Pedro de Souza Soares.
Bandeira, Machado & Cavisam ao respeitave
publico qu nos lugares cima encontrara no mes-
mo sempre grande quantidade de ditos pocos, e
que se acham habilitados para vender por menos
que outro qualqoer, por isso que os recebem di-
rectamente do fabricante Norton, de Londres.
As vantagens que offerecem os. pocos instant-
neos sao : primeiro, poderem ser collocados den-
tro de casa ou Tora, com o trabalho de ama a daas
horas; segando, fornecerem os mesmos agua pa-
ra e abuLdante, podendo serem removidos de um
para outro lugar, quando assim convier.
Os annaneiantes s reeebrro a importancia dos
referidos pocos depois de collocados, satistazendo
espectativa do comprador.
0 CIRLBGIAO DENTISTA
Frederico Maya
Tem a honra de seientincar ao respeita-
ve i publico e.-n geral, e aos seus clientes
em particular que elle mudou o seu gabi
netede consultas da roa Direita n. 12 para
a do Queimado n. 31 primeiro andar, com
a entrada pelo pateo de Pedro II, onde po-
do ser procurado para os misteres de sua
profisso, todos os dias uteis das 9 horas
da manhaa s 3 da tarde.
Tambem previne, que contina a prestar-
se a vontade dos clientes nSo s na cidade
como nos seus suburbios, para onde as
idas serao precedidas de ajuste. Elle ga-
rante o bom desempenho e a perfeicSo de
seus trabalhos, o que j bem eonhecido,
assim como as commodidades dos precos.
SEGUROS
MARTIMOS
COMTRA FOGO.
A Companhia Inflemnisadora, estabelecids
testa praca, toma seguros martimos sobre
aavios e seus carregameotos e contra fog(
m edificios, mercadoras e mobilias: i
ra do Vigarion. 4, pavimento Ver eo.
avessa da mal
Crues i, % pri-
meiro andar, da-se di-
nhelro sobre penhores
de ouro, peala e brilhan-
tes, seja qoal for a qnan-
tia. Na mesma casa con-
pram-se os mesmos me-
laes e peseras.
JaaaWWMaaWaaaBaaal M|ggM| MWM1
""ama
Precisa-se do urna ama para comprar e coii-
nhar para duas pessoas : a tratar na ra Nova
o. 52.
Aos 20EOO(WOOO.
Bill
do Rio venida : ra do Cabofi a. t,

P
Pede-se encareid*eiiej aoi n. Domingos
Theodoro RigueimJoHraHdH, Florentino Caval-
canti de Albuquerqae (de Sennhem), que venham
ra do Yigario n. 14, a negocio que se precisa
ultimar
51Eua da Cadeia do Recife61
Chama a attenclo dos seus innmeros fregoezes, e do
geral, para a seguale tabella dos procos de sua casa; os quaes
mais barato do que em outra qualquer parte:
Aluga-se ou compra-pe um escravo com
praiica de servico domestico que toaba de 18 a
annos de idade : na roa de S. Francisco n. 71.
D-se algum dinheiro a premio sobre hypo-
theca em pedrios n'esta cidade : a ra do Crespo
d. 12, loja, se dir quem d.
Caixeiro
Precisa-se de um caixeiro qae tenha pratica d
taberna, de idade de 15 a 19 annos i tratar na
Passagem da Magdalena junto das garapeiras.
'rmandade do SS. Sacramento da freguezia
ila Boa-vista.
Eoi consequencla da copioa chava que ince-
santemente cabio r,o dia 13 do crrante, uo pode
ter lngar sabir nesse dia, como eetava determina-
do, a proussao do Senhor aos enfermos, a qual
coa transferida para o i a 24 do correte, pelas
i manhaa, o qae se fax publico para co-
tillee i memo de todas os nossos rmios e mais pes-
soas que quiterem icompanhar dita procis?5o.
b fionaUatrio da matriz da Boa-visU 18 de aliril
plicio Ja Cruz Ribeiro.
Cabelleireiro
Ra da Cruz n. 24, Io andar, por cima da
botica.
Antonio Rodrigoas Ramalho acaba de abril *
concorrencia publica um espacoso e asseiad > sali
para barbear e cortar cabellas, e afianca que nelle
encontrarao seus amigos, antigos fieguezes, e em
geral iodos os qae qaizerem frequenta-lo, agrado,
actividade e bom desempenho do trabalho.______
m ilii do
Imperio do Brasil.
Grande exposigao na cidade de
Cordova,
REPBLICA ARGENTINA.
No dia 15 do ootubro de 1870 ter la-
gar a abertura da exposico nacional em
Cordova.
Previne-se, portante a todos os produc-
tores, agricultores, fabricantes, artistas e a
todos aquelles que exercam qualquer indos
tria, que na dita expsito se recebem todcs
os productos da industria e agricultura
brasileira, assim como todas as machinas e
utensilios que quizercm remetter.
Estes productos estao isentos dos direitos
da alfandega na Repblica Argentina e po-
derlo ser dirigidos cidade do Rosario, de
onde serlo tranportados pelo caminho de
ferro central.
Para mais explicacoes dirijam-se em Per-
nambuco, ra da Cruz n. 3, ao consulado
argentino.
0 abaixo assignado avisa ao publico qae tendo
obtido licenca do Exm. Sr. conselheiro inspector
da thesouraria da lazenda geral, para vender es-
tampillas em seu estabelecimento a roa do Crespo
n. 23. pelos mesmos precos que se vendem aa re-
cebedoria geral; assim pois, podem as pessoas
residentes nesta cidade e fra della dirrgirem ao
abaixo assignado, suas encommendas em qualquer
quantidade que sera promptamente satisfTeitas.
Manoel Martins Fiuza.
AO ARMAZEM
DO
RM Iot o. 9,
acaba de ebegar pelos ltimos vaporea novas re-
messas dos seguintej :
C&lcadofrancez
Para senhoras.Botinas brancas, pretas, e de oa-
tras maltas differemes cores i ultima
moda.
Para meninas.Botinas das mesmas cores e qua-
lidad cima.
Para homens Botinas de cordavao, bezerro, rer-
niz, pellica, o melhor sortimento que se
pode desojar.
Para meninos.Bolinas das mesmas qualidades
mencionadas para homens.
Para homens.Botas rufianas, meias-botas e per-
neiras. "
Para homens, senhoras e meninos.Sapatos de
tapete, aveludados, charlte, casemira
preta, tranca de Lisboa etc. etc.
Para meninos e meninas. Abotinados fortes de
niuitas qualidades.
Quinquilharias e Brinquedos
para crianzas.
GLOBOS
GLOBOS
GLOBOS
De papel de cor para as grandes illuminacoes
geraes que devem ter lugar nos tres dias dos
festejos ; vendem-se baratos no armazem do
Vapor Franoez roa nova i. 7.
I.uvas de Pellica
Luyas de Pellica
Lavas de Pellica
Do vordadeiro fabricante Jouvio, brancas, pretas
e de outras omitas cores, bonitas ao ultimo gostu
e chegada* de novo ao armarem de Vapor Fran-
cez ra Nova n 7.
Cabelleiras para senhoras a 25,51,
M,'M e. ; 40.JO0O
Ditas para homem a 354, 40(9 e 504000
Coques a li*. W, IW, 204,
254, 304 e.....304000
Crescentes a 124,154.184.204.
254, 304 e.....324000
Cachos ou crespos a 34, 44* 54,
"64, 74, 84, 9# e. 104000
Tranca de 'cabello Sara annel a
500 e....... 14000
Tranca para braceletes a 104,
154.264, 25 e ... 304000
Cadeias para relogio a
74, 84, 94, 124 e.
lio Tin* per cea*)
Corte de cabello......
Corte de cabello com frcelo. .
Corte de cabello com lavagaai a
champ......
Corte de cabello com limpezi da
cabeca pela machina aiietil-
ca, nica em Pernamboeo. .
Frisado inglea oa i franeexa.
Urgencia.
Pede-se ao Sr. Francisco de Salles e Silva quei-
ra appjrece- a negocio que Ibe diz/espeito, no
Bazar da Moda, ra Nova b. 50.
Manoel Pedro de Noroaha retirase' para
Portugal com sua senhora, e deixa como procu-
rador encarregado de velar pelos destinos de sua
cana commercial aos Srs. Antonio Francisco dos
Santo, os Pinto Ribeiro e Manoel Pereira de
Carvalho. Recife 4 de abril de 1870.
AVISO
DA
Tinturara Franceza
[&&--Una da ImperatrIz-&&9
5 0 proprielario deste estabelecimenle "
, previne as pessoas qu dep09itaram
I n'clle alguns objectos antes do primeirro
de Janeiro do anno correte, que os vo
, buscar impreterivelmente no praso de
| um mez da data da presente publica-
| c5o, -do contrario serao os ditos objectos
! considerados como abandonados para pa-
I gamento do trabalho, e seus donos nao
i tee dlreito nenham em reclama- los em
J lempo algum.
Recife, 29 de margo de 1870.
A imperalriz regente.
Com esta denominacao chegaram a loja do Pas
so pelo ultimo paquete os mais ricos chapeos de
palhinba pretos com enfeites de cores, objecto es
4e o mais moderno de Pars, cheguem antes qae
se acabem : a roa do Crespo h. 7 A.
Alngnel
Alaga-se um grande sobrado por acabar, tra-
vejado sem assaalho, com porto de embarque,
proprio para qualqoer offlcia, sito nos Coelhos
defronte ao hospital Pedro II a tratar a ra do
Mondego, olaria n. 13 ; arabero serve para mo
radia. *
Irroandade acadmica de N. S. do Bom
Conselbo.
" De ordem de nosso irraao juiz convido a todos
os irmaos desta corporacao para assistirem a mis
sa a memento que se deve celebrar as 9 liaras da
manhaa do dia 20 do corrente, em a igreja de S.
Francisco, pelo eterno repouso de nosso irmao o
Exm. Sr. Dr. Braz Florentino Henriques de Souza,
fallecido aos 29 do mez passado, aa cidade de S
Luix do Maraoliio.
De ordem do mesmo jeiz convido a todos os
de li
amigos do mesmo fallecido i asetetlrem esse acto
de religiao.
Consistorio da irmandade acadmica tos 18 de
abril da 1870.
f Servindo de secretario,
Francisco Jos Mei
Fscrara
Precisa-se alugar urna escrava para o servico
de pouca fam.lia, agradando paga-se bom ; j trac
terna roa da CadeiVn.:!*,'loja. _______
Algumas pe?soas que precisarem dar roupa
pan Hnr e emommar.arilanvse a I travessa da
ao da Aurora n. 18
CHA Tul PURGATIVO E DEPURAtlVO
DE
CUiJIBARI.
Composto das plantas as mais odorferas e as
mais virtuosas dos montes os mais elevados, o eh
toni-purgativo de Chambard, possue um gosto sa-
boroso e um aroma suavissimo, e as propriedades
as mais notaveis sobre os embarazos do estomago,
dos intestinos e do ligado o desobstruente por
excellencia na constipacao do ventre e nao tem
resguardo nenham.
Depurativo especial e directo "da bilis e dos hu-
mores, refresca o sangae depurando-o.
0 uso do ch-Chzmbard pode ser continuado
por muilo tempo sem o menor receio e sem m-
commodo nem madanea no modo de viver.
NICO DEPOSITO EM PERNAMBUCO
NA
.PHARMACIA E DROGARA
DB
Bartholomeu k C.
34RA LARGA CO ROSARIO34.
Ama.
Precisa-se de ama ama de leite : a tratar na
ra do Imperador n. 65, 2o andar, oa Passeio Pu-
blico n. 60.
Feitor.
Precisase de um trabalhador para tratar de um
sitio pequeo ; d-se casa propria para morar, e
pagase a secco, preferindo homem casado : a ira
tar na ra Nova n. 19, 1 andar.
Panno de algodao da fabrica Todos os
Santos do Illm. Sr. commendador Pcdrose, j
chegou ao escriptorio de Joaquim Jos Goncalves
Bellro : ra do Coramercio n. 17.
Precisa se de urna ama para cozinhar :
ra do Caldeireiro n. 68.
na
Atten Candida Thereza de Jezus declara a sea marido
Fraucisco Goncalves Fortes, que o relogio e a cor
rente qae ficoa em sea poder quando fngira de
casa, vender para dar de comer a seus fi hos.
Cosinheiro.
Precisa se de um bom cozinbeii o
pouca familia, e paga-se bem
Cadeia n. 20.
para casa de
a tratar na ra da
Ama
Precisa se ae ama ama para servico de ama
casa de pouca familia, que saiba cozinhar : diri-
ja se aj^uadoCrespOivraria^om^n^
Prei^a-se de urna criada que seja perfeita
engommadeira, para casa de pouca familia : na
ra do Imperador n. 51, 2o andar, ou do Crespe
n. 8, loja de 4 portas.
Manoel Pedro de Noronha e sua senhora
tendo se retirado para Europa, e nao podendo
pessoalmente despedir se de todos os seas amigos
pela rapidez de saa viagem, pode desculpa por
meio deste, e oflerece os seus diminutos prestimos
aonde o destine o conduzir.
Assassinato
. 0 abaixo assignado, senbor'do epgenho,
Malary, do termo de Goyanna, racemmen
da a todas as autoridades policiaes desta e
outras provincias, a captura de um escravo.
que lbe servia de criado, de no me Relarmi-
no, de idade de 24 annos pouc > mais oa
menos, cabra escuro, de cabellos carapi-
nhos, pouca barba, ollios empapussados e
amortecidos, falto de um dente na frente do
queixo superior, tem urna sicatriz no rosto,
de estatura ordinaria, ebeio do corpo, o
qual na madrugada de 7 do corrente mez,
assassinou no referido engeobo a um par-
ceiro de nome Francisco, e 6e evadi, nio
tem sido possivel a sua captura, mesmo a
despaito d >s meios empregados pelo abaixo
assignado e pelo sob-delegado de polica de
Goyanninha, i cujo districto pertence o lu.
gardo delicio. Engenho Malary II de abril
de 1870.
Serajim Vetko Camello Pessade AlbH-
quergne.
Aluga-se' ama excedente loja na ra
Nova, propria para um grande estabeleci-
mento de razendas, tratar na roa da Cruz
n. 18, Io andar.
Aeha se fgida desde a noite de 15 do cor-
rente ama malatinha de nome Laia, de idade de
14 annos, tem cabellos um pouco corridos, ama
pequea cicatriz de talbo na lace, nariz alilado,
oibWf randa vivos, topo. aa^a^aBaaMM
loemo apprehen
m la roa da A
nio M ornes do_______ __________
peoiafe.'
Barba......... t$
ASSIGNATURAS MENSAES
Especialidade de penteados para casamento
Bailes e lrea ___^
0 dono do estabelecimento previne s j Recommenda-se a superior TBfTClA JA
Exmas. Sras. e aos cavalbeiros que ba um PONEZA para enegrecer os caMIae a bar
salao para tintara dos cabellos e barba, as- ba onic hnlttida na Ex^poticio amr)
r como nio prejudicial i saode, per aar vaa
sim como um empregado smente oceupa- uiii, analysada e approvada paha
do nesse servico. i mas de ciencias de PARS E
DOMO. 17 DE ABRIL
GRANDE COSMORAMA
28--Camba do Crmo-28
Paraguav.Vista da passagem de Curnpaity, bombardeio e tomada de Curua, paenfrai a
mayt, abordagem dos encouracados, passagem de Mercedes, abordaceai do eaerarac*-
do Alagos, combate de Riachuelo e passagem de Cuevas. Todo ser virio tmwm **
vidro.
Paraguay.Glorias do exerciio brasileiro e tomada te Lombas Valentinas.
Rio de Janeiro.Visja do Castello.
Portugal.Vista do Porto.
Italia.Presa de Palermo por Gribaldi.
Iiatia.Vista de Milao.
Hespanha.Visia de Madrid.
Franca.Scena da opera de Pariz.
Inglaterra.Vista geral de Londres.
Todas as vistas serao modadas aos sabbados e seguodas-feiras.
OPPRESSO SOFFOCQO
a PerotBa dXher do doctor Clertar approvadas pela Academia imperial
de medicina de Pariz acalmam quasi sempre instantneamente os ataques aVaszaa,
oppressSo, soffocacSo, assim como as dores de caneca e eniaqoecas. % vaOt-
ciente na occasiao em que apparecer o mal, o engolir-se urna oa duas perolas
com urna pouca d'agoa. com certeza o medicamento mais fcil de tonar para
este gtnero de doencas.
Mm reroias de terebentbiaai do bodtor Clbrtah sao impregadas diariamente
com grande xito para a cura das nevralgias, rheumatismo, sciatico e eatarrhes
da bexiga, Estas perolas foram sempre recommendadas por um grande numaro
de mdicos e especialmente pelo Doutor Trousseau, que indica este medica-
mento como o mais eficaz. conveniente tomar de 4 at 8 na occasiao as
comidas.
A approvacdo da Academia imperial de medicina tem duvida a mrihr
garanta da boa preparaco d'stes medicamentos e de sua efficacia.
Depotito em Rto-JxsEiiio, Duponchelle; Cherolot. Em PEmiaiTo, asuro I O*.
ZAR ACiDEMICQ
Ba da Imperatrz 13
Ulysses d- limaos proprietarios deste bem conbecido e acreditado label
tem a honra de participar ao Ilustrado corpo ACADMICO e aos seos aa
guezes, tatito de.-ta praca, como de fra, que tendo sido elegantemente re
estabelecimento acha-se completamente sortido e em condiefes de b*m servi-los
seguintes artigos:
LU.
CHARUTOS
superiores de Havana, Hamburgo, Babia e
Rio de Janeiro etc.
Cigarros
de palha de S. Paulo, de 3)9500 a 7500,
o milheiro, Daniel do Rio Novo, Maurily,
Imperiaes, Tenenles do Diabo, Duque de
Caxias, Gandou etc.; de papel, de fumo
de Daniel, General Osorio, Conde d'Eu,
Rocambola, Radicaes, Acadmicos, Macham-
bomba, Montevideo, Orientaes, Baependy e
muilas outras qualidades.
Fumos
Afamados de BAEPENDY em caixoes de
20 libras 10400 rs. a libra, empacles
a 25, de 20 para cima a 1*800 e em maior
porcSo 10500 o pacote de 1 libra, dito
em latas dequarta a 640 e 500 rs., e outras
muilas qualidades como sejam: Daniel do
Rio Novo, do Para, de S, Paulo, Caporal,
etc. etc.
Alm dos artigos mencionados encontrarSo nossos fregueies ootroe
ero de nosso negocio; que se vende em grosso e a retalbo e que coas i
serlo satisfactoriamente bem servidos: bem como nos encarregaasea de
commendas de nessos cigarros de seda e linho, etc.
13Ra da Imperatriz13
Variedades
PONTEIRAS para charutos e Cagarroa ae
todas as qualidades gostos e precos.
CACHIMBOS de superior esaaau. et w*
deira (rarzy de 30 at 64, a daa a o v%
Iras qualidades a retalbo.
DITOS pe de gallinbados Oaaoraa ajae
ha neste mercado a 30 e 30900 a daa, e
com grande abalimenlo esa Baaor aor$ao,
ditos de louca, gesso, barro ole.
BOLSAS de borracha e coaro de dKersos
goslos e presos, para guardar naso.
CARTEIRAS para cigarros de lodos s
systemas.
PHOSPHOROS de cera, em oixaa dote-
dos os lamanhos, de segoraaca a aaaa> etc.
PAPEL de milbo, de arroz, laa osa. Par-
san, pintado, ce linho etc. palha Sssaao do
Fernando a melhor pooshel.
BAZAR DA N01A
50--IBA MA-
Os abaixo assignados proprietarios deste estobileiciaiele,
que, continuam a vender muito barato e em vista ao graada
miudezas da melhor qualidade chamara a attenclo dos Srs*
de retalbo afim de comprarem o que Ihe for conveniente ; cu
10 0\q, pagamento realisado no mez da compra.
Jot de Soyza Soam___
VESTIDOS
S es de gorgoro de seda
naior gosto em Fernn"
denaples
HaaaaaaaaaT


11?
Diario de Pernambuco tfeja eira 19 de Abril de $70.
OUARESMA
o
7=Ra do
(SA DA
Aos 6:000*
Bifietes garantidos.
A ra do Crespo n.23 e castado costme.
O abaixo asignado, tendo vendido al-*-
iras sorles, dous quinto? n. 660 cora 901-
, lotera qne se acabon de extrahir a
Queimado7
DE
CtimHom vapor da Europa o mai bello soitmooto s. i-tena* prcta aos pos^m kjkm***t __*""
mcoo sejam:
Grosienaples pretos de todas as larguras e qualidades.
GorgorSo preto para vestidos, o que tem, vindo de mais superior nesta lazenai
Pequia da Chica, de seda pura preto com listras de setim o que ba de mais moderno
em faieoda areta para vestidos. I3..
Mantilhas brasileiras 4e rend de sedi preta o que tem vindo de mais moderno a
este mercado. r r\ i
MeJroiqbe dt croch preto com ricos lacos de setim e de modello mpletamonte
Casacos de troch preto, compridosoom granie roda e de regaco que finge segunda
saia sobre o vestido.
Ricas mantas pretas para oabeca de senhoras. .
m grande sortimento de fil preto de seda com flores, oeste mesmo estabeieci-
mento tambera ha nm grande sortimento de poupelioas de ricos gostos, sedas m i ae
lindas cores, aaias bordadas, finas para senhoras, luyas de Jouvn de todas as cores,
para borneo* e senhoras, grande sortimento de cortinados bordados para cama e J Q '
tapeles para sof, camas, pianos. Befas, e grande sortimento das afamadas esleirs
da Indiawra forrar, salas, s existe na roa do Queimado o. 7. f I
Presisa-se de
do* arranjos de
prar e cozinhar j
seo cargo : a, raa
dar.
-__!e dignaram
ta guffraiios na
esposa* filha
novo aa___B para
^eaer*._____
hora da manhaa
e Jos Vicente Go-
todas a pessoas
isislir aos ulli-
Hsco, por su a
Gomes, e de
miM que por
dia II So cor-
na igreja cima
dade'do costme sem descont algum.
Acham-sa a venda os felizes bilhetes garan-
tidos da 2- parte da lotera beneficio da Igrea
Bilhet Prt<*' 61000
Meio 3*000
Quinto 1**80
En torci do I0W para eimi.
Bilhete m
Meio 730
Quinto I
Manoel Martin Frua.____
Nao se descuiden!
>qukn Corteia de $anjo eordialorente
agradece a todas as pessoas, que se dignaram
acompanhar ao ultimo ltigo os restos morlaes de
et nwo preudo euohado Dr. Jos Ftaebco de
Pauta Correia de Araujo, e pede aos eens paren
tes o unaos o caridos* obsequio de assistirem a
missa do stimo dia, qne ser celebrada na igreja
matrtx da Boa-vista, segunda-feira 18 do corrente,
a T horas da" manhaa. ''
Gompramse oitojanellas promptas cam seas
competente* caixifhos.assim como portas partidas :
no cartoro do Sr. Potocarreiro, ra do Impera-
da_________:_____________________
0 muzeo de joias
Na roa do Cabngi n. i compra-se ouro,
i pefrasprttewfepbr preeos mais vantajoso: do
ine em ontra qnalqner parte.
Compra-se urna liteira
Crespo n. 18.
a tratar na ra do
MAS.
Biincos alflnetes de papel, oiira delicada e
vista pela prineira vez nesta eidade, feUo por um
carioso : vende-se a U50O a peca : na loja da
Aguia Negra, raa do Cabngi n. 8.
Vende-se na cas/ terrea na ra da Espe-
rance-: quem pretender dirjale a esta typogra-
phia, qne *e indicar qaeiv vende.
Farinha Ma
;"
loja do Triumpho.
MBBaMHmMBB'
o-
a
K I B ~ 5 a'
SsfS'S -"s5
p s Z FSfi'SS
*BM
s
&o
ff d O 2 o O
5 o H tu 2 t1 i
5 S. 2-B B sr B
S-' O 2.a
5 5= -
2.a So B --
I sita
Mgs 5,
O-O O 0 09
ti S*D a>
* ?-; ft o w
3
|
o
ft.3
82
!
o
9
6
00
2.

fD
a
1
i65!2.?
D O -J 69 O
E t3 D =5
& g.-a 0
Vw ..Q (6 CD w
>S .1 g g
*^N X Q.00
o a,- ?;
S. E?M det
65- N 69 09 C M
Como at hoje que muitos socios pedem di-
rectora do Monte Pi Portugus em relacao a coa-
vocacao da assembla geraj, mais cuidado e acli-
vidade, cesse a indifTerenca e cumpra o Sr. se-
cretario o art. 49.
1TTENCA0
Precisase alagar um moleuue de 12 a 14 annos,
pouco mais ou menos, de idade, para mandados e
alguns servicos de casa, que tenha boa conducta :
na ra da Roda n. 48, sobraco.
________-______ ^ *
lictfio de francez.
Urna pessoa bastante habilitada ofTerecese para
ensinar a lingna franceza. Unto nesu iraca como
fra delta : procure se na praia do Caldeiro o. Jl
junio a urna tenda de marcineiro.______________
Attentflo'
Na ra da Praia n. 34 ha para vender grande
quantidade de saceos de farinha de mandioca da
trra oor menos prego do que em outra parte.
Irmandane de Nossa Senhora da Conceiclo
dos Militares.
A mesa regedora desta irmandade recebe no-
vamente propostas at o dia SI do correte para a
pioinra e douraoiento dos dona altares latones e
arco da capella-iur da igreja de sua excelsa pa-
droeira. Os proponentes deverao apresentar suas
proposias acompanhadas da competente flanea.
Consistorio da irmandade 13 de abril de 1870.
0 secretario,
Emiliano Tamborn).
COZI.NHEIHO F.ICOPEIRO.
No collegio da Concedi precisa-se de
inheiro e de nm copeiro.__________________
Cuti'eiro e armeiro
0 abaixo assignado proprietario da offlcioa
cutilaria da ra Nova n. 34, avisa'aos seus fre-
gueies e as demais pessoas que quizerem se uuli-
sar do* seus servicos, que mudou a dita officina
da ra Nova para a da Camboa do Carmo n. Jo.
Joao Francisco de Oliveira Santos.
um co-
de
Attenco
Ao Sr. Antonio Pires da Silva Jnior, portuguez,
de Villa Franca, deseja-se entregar urna carta
chegada de Poitugal pelo annunciante : na ra
das Crutes n. 9, 8 andar.__________________
Na noite de 15 do corrente, pelas 11 horas'
appareceu na casa n. 24, da estrada de Joao de
Barros, urna mulatiua que diz ser captiva, nao
sabendo o nome de seu senhor : quem for seu
senhor appareca, que dando os competentes sig-
naes e testemunha, ser entregue.
:00()4000
Precisase a juro? da quantia supra, dando-se
urna hypotheca em escravos : a quem convier an-
nuncie por este jornal indicando a morada._____
S
0 CBLU1 BE Da
i\.3ARI]AD0CABUGAN.3A.I
linios ll
^^ Com este titulo ncha-se aberto e inteiramente transformado este antigo
estabclficiraenlo de joias. onde os freguezes e amigos encontraro ludo qnanto
a moda e o bom gosto tem inventado na arte de ounvesaria, o Collar de uoro
observar delicadeza no trato e senciridade e modecidade nos pregos.
Esp-ra que o respeitavel publico venha verNo que existe de melhor era
aderaos de brilhantes, esmeralda?, robins e perolas, meios aderecos pul- Jfl
coiras* brincos, alfinetes e anneis de todas as qualidades, prata de le faquei- m
ros, eolhere, paleiros salvas e outros muitos objectos que sena enfadonho g
1060 Compra-sc onro, prata, brilhantes e pedras finas, porraaior prego do 1
que em ontra qualqacr parte, treca-se e concerta-se todo e qualquer objecto
pertcncente a esta arte. M
yummm*
'aixeiro
Precisa-se de um caixeiro que tenha pratica de
taberna : i tratar na ra Nova n. 53.
FIJA.
No dia 5 de abril de 1870, do sitio do Arco da
travessa da Ponte de Ucha, f gio o preto Izldoro,
de afio Angola, de idade 42 annos, pouco mais
ou menos, baixo, corno regalar, cabeca pequea,
rosto redondo, com alguina barba no buco e no
queixo, maos e ps pegenos, canellas finas, anda
apressado, porm com os pessos cortos, levou
vestido Masa corta de algodaozinho, calca de es-
topa e chapeo de palla de carnauba com abas
largas, porm consti que anda cem camisa de
madapolao ordinario, caiga de brim trgueiro, e
chapeo de feltro : roga-se a? autoridades pliciaes,
capilaes de campo ou qualquer pessoa, que o
prenda ou mandem prender, que levando ao mes-
mo sitio on na roa das Crozes n. 32, serao bem
recompensados.
de mandioca ltimamente chegada, vende-sea bor-
do do brigqe escuna Mentor fundiado entre o caes
do Ramos e trapiche Barao d j Uvramento : a ira
ter com o capilao a bordo e com Bernardo Jos
de Araujo, no armazem do Annes deronte da al
fandega.
Milho e arroz de casca
Vende-se milho e arroi de casca novo em sac-
eos, no trapiche da companbia: a tratar na roa
da Cadeia-velba, casa n. 1, 2* andar.
GRADE AQTDAK
M
DO
m
Ama.
Na rna da Cadeia do Recite n. 50 precisa-se de
urna ama para cozinhar.___________________
Atten Tamncos do Porto.
Vende-se tamncos do Porto para homem e se-
nhora, comerlas ditas, tudo de superior qualidade,
cnegados nltlmamente ra da Senzalla Nova
o. 1.
COGNAC
da muito acreditada marca Rouyer Guillet 4 C. de
cognac. nico deposito em Pernambuco, em casa
de Carlos P. de temos C, rna do Vigario nu-
mero 10. ______________
Vendem-se duas barcacas de lote do 30 cai-
xas cada urna : na roa do Passeio n. 56, loja.
Vende-se om preto crioulo proprio para o
servido de orna casa : na roa do Crespo n. 12.
Brincos e enfeites
de papel, obra delicada e vista pela primeira vez
nesu eidade; feitos por um curioso, vende-se a
U500 a pea, na loja da agnia negra, ra do Ca-
bag n. 8.____________;_______________________
Vende-se nm sobrado na rna Direila dos Af
togados n. 7. Vende-se mais ua, sitio na traves-
sa do Motocolomb n. 9, com boa casa de rvenda,
muitos coqueiros e muitos arvoredos ce fructo,
e cora grande viveiro no fundo : tratar na ra
Imperial n. 121.
A pessoa que annnnciou por este jornal preci
sar de ama escravinha para andar com enanca,
pode dirigr-se ra das Nymphas n 17, Sol
dade.________________________________________
Trpicheiros
Alerta,
Olho vivo com o armazem que nlo Indepen
dencia.
O inimigo dos tralieante?.
Quem pracisar de um moco apto e habilita-
do para ensinar o francez e as primeira s letras
fra da eidade, dirija se a freguezia doRecife.rua
do Vigario n. K>. _______________
Ama
Precisase de urna a-na para o servico interior
de pequea Emilia : na ra da Amizade n. 21
Ca punga. ________.______________
OSr. Miguel Caadido de M-sdeiros Pinto, dono
do pavilho de Santa Isabel queira mandar ou
vir a esta typographia a negocio de seu interesse.
luga-se o primeiro andar do sobrado da ra
da Senzalla velha n. 50 : a tratar na loja de mes-
mo.
Em casa de THE0D0R0 CHRISTI-
INSEN, roa da Cruz n. 48, encontram-gt
ifiectivamente todas as qualidades d6 vinht
bordead, Bonrgogne e do Rheno.________
Pars, ae.RuaViTleom, B
Vende-se uina carroca de molla para cavallo
com os pertencente} arreios : ra do Brura nu-
mero 79.
Un S88OO nm
Grande factura de chapeos de palbinha ame/el-
la, propria para os corpos de voluntarios da pa-
tra, pelo diminuto preco de 3*800 : na ra Direi-
ta n. 61.________________________________
Para assistir aos actos da semana santa.
Chegaram para a loja de tniudezas denominada ,
o Mercurio, rna da Imperatriz n. 86, defronte da !
matriz, as moi procuradas luvas duqueza para
senhora, ditas para homem, e garante se serem
das mui frescas por terem vindo no vapor francez
ulitmamente chegado a este porto.
(
CH&BlEMtDEClN
Atten^ao
Precisa se na ra da Praia n. 53, 2o andar, de
urna ama que saina be n cozinhar rnente, que se
pagar bem, podendo ser procurada na mesma
ra e sobrado.
Esquadro patritico 12 de selembro.
A lormatura desto esquadro ter lugar no dia
21 do corrente as 3 hjras da tarde, no largo do
Hospicio.
Lniz Goncalves da Silva,
Sscretario.
Ama
Precisase de urna ama que cozinhe perfeita-
menle para casa de he mem solteiro, e paga-se
bem : na ra da Cadeia n. 59.
Ama
No armazem da travessa do Corpo Santo n. 25, ha sempre um completo
sortimento de objectos para carros, e que se vendempor pregos muito rasoavas, como
sejam: _| .
Vaquetas de lustros, grandes e muito boas.
Solas idem dito.
Oleado preto e de cores.
Colleira8 de lustro o que ha de melhor.
Guarnieses de fino lati para arreios, completos.
Lanternas e vell;s para as mesmas
Eixos patentes para sebo. _,._._._. r
Joaqium Lopes Machado & C.
Precisase de urna ama : na ra da Praia nu
mero il.________________________________
O abaixo assignado tendo j lia tempe res-
pondido pelo ;orna/ do Becsfe nm annuncio que
chamava a seu (litio Thomaz Barreto Lins de Bar-
ros para fallar a negocio na ra das Cruzes n 9,
v com pesar de novo no Diario de Pernambuco de
13 do corrente se o chamar, nao (bstantetero
abaixo assignado convidado o nnnnciante a en-
tender-se com elle sobro qualquer negocio de seu
filbo, vi>to que esle se aeba fra da provincia, ou
se assim entender o annunciante, declarar qual
o negocio que tanto se refere.
Jos Candido de Barros
Ao corpo aead_a_lea.
0 abaixo assignado pede aos senhores acadmi-
cos que no dia II do mez prximo passado aluga-
ram a casa n. o, sita na Capunga ra da Amiza-
de, e que tendo pago um mez adiantado, nao ap-
pareceu mais, o favor de apparecerem com sua
carta de fianraon a chave da iita casa, na mssma
ra n. 9, um vez que o mez est j findo ; e se
no praso ds tres das, a contar de hoje, os respec-
tivos senhores nao o flzerrm perdern o direito
dita casa, mandaudo o abaixo assignado arrancar
a fechadura dehaixo das formalidades da lei.
Manee! Jos Soare Guimaraes.
DEPURATIF
in SANO
PLUS DE
6PAHU
- r riLin
N'ESTA ANTIGA E CRED1TATA
FABRICA
>
[2
IICIITIl II CIIIIilTIIIITI I CtlFLIII lOlTlIHTI M
CIAPItl !
i RU
De todu u quaridade* 1
d tedoi os eio 1
Da todas m preto I
A DO CRESPO
N' 4 1
0 DR. ttSiOt-
nico homeopatha, pode ser procurado no seu
consultorio especial homeopelhieo no largo da ma-
triz de Santo Antonio n. 2, f andar.
No mesmo consultorio tem sempre grande sor-
timento de medicamentos de meopathia, lano em
globos como em tintura.
BASKH r.KHIl) ADAS ur.SSEXUAES, AS ATTM
S CUTNEAS, E AI.TERAgOESDO SAHOUl
110 OOOcurAidtitptNfM
fnuiu(. htrot, iar%
omixoct,e*rimomiaai
\ler(oet, vicilas de nm
-------mJgut; viiiu, i lUr*4t
4o tongtn. (Xtrope vegeUl un -ireiriojJM
lomao-sc dous por semana, tguind traeU*bSJ
"n ii'-rtd'i--'.- ; i em 'regado as mesa ai aiolseUa*
Este Xiwn Citneto a
ferro de CEL-BLB. mn
iBiediata_ienUqiAltW
purgoeflo, rtiuMce*.
$ debilidad, Ifai
cente os fluxot t flor* braneat das mnlherei._
st3 injeeeaa benign eprega-ee com o Xtrepe a
Cilroclo de Fs-vro.
-.rreid-.. Pomada <(* u car m ir* -s*
POMADA ANTIHERPETICA
Costra i su *teccoei exUanee e umirneu
PILULA8 VEGETAES DEPURATIVA!
( V ChaMa. aia frasee vi aea-|Uus
liSSA e XAROPE
DE CODEINA DE BERTH l
Preconisados por todos o medico* contra os I
DEFXUXOS. CATHARROS, E TODAS A8|
1RRITACOES DO PE1TO.
N.B. O Xarope de Codcina que mereci I
honra, artas rara enlrt os Uedicamentoi\
novot, i ter regittrado como um iot medir-1
meatos ofpciae do Imperio Francet diipema
qualquer elogio.
AVISO. Por causa da reprehensivel falsi-J
ficarioque tem suscitado o feliz resultado oI
Xarope e massa de Bcrlb somos forcado a.
Icmbrar queesiesmedicamcutos lajiumenle
conceitaados fi> se
eendem em caixin-
hasefrascos lerando
asignatura em
frente.
aS Uue del cola, e na I'liannacia Ccslral I
de Franca, 7, Huc de Jouy, m l'aiii, e em|
todas as l'hannacias prioeipues do Bi jz.
Cortes de vestidos de
blond.
Acaba de chegar loja dos arcos ra do
Crespo n. 20 A. de Alvaro Augusto de Almeida
t C., os mais ricos cortes de vestidos de blr nd
que tem vindo a este mercado para csamentos,
assim como corles de vestidos de seda de cor de
gostos inteiramente novo?, e tambem um grande
sortimento de chapeos de velludo para senhsras
vende-se ou troca-se por casas .nesta praca
o sitio denominado dos Boritiz, antiga casa da la-
vagem de roupa, com grande casa de vivenda,
senzala para preto?, estribara, banheiro de pedra
e cal com agua corrente, baixa psra capim e
grande terreno para plantacoes : quem o preten-
der dirija se praca da Independencia n. 33.
E. R. Ibbello & G tem para venderem em
seu escriptorlo, ra do Commercio n. 48, os se-
gumtes artigos : cera em velas e bugias, dita an
grumo e pies, retroz preto superior.
Cintos modernos.
A' loja de fazendas de Paes Mello & C. acaba de
chegar um completo sortimento de cintos pretos e
de cores, que se vendem por pregos commodos, a
RA DUQUE DE CAXIAS N. 13
(antiga do Queimado).
VERDA0E1R0 LE ROY
deSICXanET, Docteur-Mderln
Rue> do Seine, 51, ** PARS.
CADET
CU RA
em TRES DAS
Denain7
t%'.
PILULES
DE VALLET
AsPOs_aaaW-el^,approTdaspela
Academia imperial de medicina de Par,
ufi ampregado com o maior
xito para enrar a chlorcaas,
i fortificar at constiluicoes
iracas. Nunca este ferrugi-
noso ennegrece os dentes."
Para a garant da sua authenticidade,
-orne do inventor vsi gravado era coi*
pula come i margera.
em Rto-Jn, 0*ftnekeUe; CJuvIol.
ina de Pars,
Depias
I em PiaxinHco, aTenrer 4 O.
COMPRAS.
Gasa terrea.
Compra-se ama casa terrea
da Madre de Deas a. 16, loja.
tratar na ra
Compram-se moedas de ouro e prata de to-
los os valores, onro e prata em obras inutilisadas,
irilhantes e mais pedras jtreciosas: na loja de
mrives do arco da Conceicao, no Recite.
GOf R.M E W-SE
ESCEAYOS
Compram-se e vendem -se diariamente para fra
dentro da provincia escravos de todas as rdades,
ores e sexos, coa tanto qne sejam sadios : no
rceiro andar do sobrado n. 36, rna das Cruzes,
Te^ejJadeSay^onio., ; |
Loan m_U'aas_ir vaorafera
ooedas de oaro e praia.: na loja de
acao de Oaro n. J D, raa do Cabuga
ioias do Co-
tm cada garrafa, ral, catre a ralba e o papel ara)
que Kra o aeu'sluete, um rtulo imprnao ra ama-
rcUocom Scua lar mu al m Covaano rsUM
rf rV.aT.-l'emet-
/^>/V,______________ tenao-senmalettra
JL*SJ'Of^Z-'teV"? de $00 fraoroi so-
keararis.ateilavel
60 iliis dr i't't.
aomtxiinn, cu-te
4o aUatiairiibi e aler dticuuto.
XAROPE de HYPOPHDSPHITQ de SODA
XAROPE de HYPOPHOSPHITO de CAL
PILULASderIYPOPHOSPHITOde QUININO
CHLOROSE ANEMIA
GOReS-PLIDAS
XARDPE de HYPOPHOSPHITO de FEfiRO
PIULAS de HYPOPHOSPHrrOrJeMAN-ANESI
BRONf
Fl
Pismius PECTirtiEs^aB
Eii_;r pa- ot corjoaat i
iee* o predi
OBU,
PiHfjsjis IWx %". 11, maCostijHm. I
BRACO DE OURO,
Ra do Imperador _ul
Os dono dssle etUbcci-MM~
do por em pratica nesta capit.l
mes das cooeilarias das
da Eoropa e Brasil (Rio dt
sciente ao Ilustrado pobiieo
que na prxima semana
estabelecimento primorosaastBlt
e enfeitado com na completo i
lortimento de calimbas de
lidades e gosto, na comptet >
de amendoas confeitadas de toda
dados, confeitos e paslilhas as
vem para encliimenio das a
advertindo ao llostrado pa bisco
des, cima mencionadas esr I
om ozo brindar senhoras coa esa*
present e vendo nos qoe al a poca p-
sente anda nlo bouve alguean qoe ti~sTs
a lembranca de proponjonar aos amon?*
suas demonMratoes de estima, frauda* *
amisade com om bello premie. msImu
mos a nosso cargo tao ardua tafett aUna-
dendo as duvidas do boa oo aa reaaa-
do, que podermos colber.
O publico cncootrar lodo aas aa r-
latava o anligo annoncio oeste />rrr, <
Exmas. familias na occasiao de sieitor ot
templos podero vir fortalecer-so coa boao
lanches, \inbos, licores, Gbaaosfne, sorto-
ja e refrescos todo do meaor fot ooa*-
vel. Esperamos pois da aatateotia do
respeitavel publico em geral._____________
l m\ BPtHi
A ra do Duque de Casias n 21.
(ANTIGA RA DO QUIMA* >
Nao foi sem fundamento que a TIOVA
GS'BS'KAN(;.\ tem deixado de faier as ats
annoncios, a razio simples ella est*sk
que tudo em demasa aborrece. por isso-
como j tinba dito e scientilicado a sos boa
freguezia, o que cooslanleaetile i recebea-
do, ou tivesse felo moita vezes, r?cei i
lornar-se massante, assim pois recobeo e
um poseo ao silencio, mas nooca dtsando
d'eospregar os verdadeiros esmeos, ji cor-
tratando maior numero de corrrapoob>> >
na Europa, j descobrindo objecUss do asm
apurado gosto e finalmente Jiipan a
Jornal das Familias, o jual vea fraprc
ornado com figurinos, modera' mo^drs para
vestidos ele,, etc. para de>ia forma aethrr
servir a sua constante freguezia ; e coa es-
pecialidade ao bello sexo, a quem a .NOY*.
ESPEHANCA ufanase em oflVreeer-ife
seus servicos, apressando-sc desde j4 en
declarar o que tem reccl.ido uliimaarr.e
enlremeio e babaio bordado iranspauate*
e tapados, cbaposinhos de selia para bap-
lsados.
Finas trancas de cambraia bordada para
o mesmo fito.
Meiade seda e fio de aaai pata oaa*
Cas.
Didais dosso, marfim ac/> e madret -
rola.
ptimas navalhas, afiailorcs e m;5*a fs:
as mesmas.
Finas esponjas para o rosto e para ta-
nhos.
Bonitos sapalinhos com biqueira, .<
com sallo, para meninos e awuiuaa i J.
a dnzt: annos.
Boas lentas com cinco n;elim.',.ros ,
conlar-se os fios de qualquer fazenda.
Thesouras para frisar u*slidos.
Carretas para tirar rroMe de vesl
GgMollas para segurar esloras.
Bonitos tintoiros d<' novoe e oaaa t
moldes.
Meias de la para homens e eaborao.
Finas e bonitas ligas para atias.
Fil de linho e tle >eda, sendo pret; t
branco, liso e de salpYo?, e outros mol;
objefitos es postas a vrnila rna Ioqje
de Casias n. 21, na NOVA ESPER.UICA.
MLITA PERFL.MAl.IA-
A NOVA ESPERANZA a ra Roque .fe
Gaxias n. 21, acaba de receber muiu per-
fumaria dos mclbores e maia bouos fa-
bricantes, como sejam fino e_ttacfc*par<
lenco, escencias conselrada* tic muiua t:a
liaddes olbos de agrnavets ebeiroa paia s
cabcllos,.bonitos vasos com boa bnha, L:-
dissimos vasos com pos de airoa, loaaet-;
de differentes qualidades ele., etc., assra
pois os apreciadores do boa, veisbam i i -
fazersuas preetsoes na NOVA ESPERAN "A.
PARA ALVE1AR E CONSERVAR OS DETl-l
P de carvJo de rosas: Teadea-aerus
Duque de Caxias n. 21 na !WVA ISfE-
RANCA.
Para acabar com as sardas, oa pam.c?
reeebeu a NOVA ESPERANZA i roa >u-
quo de Caxias n, 21, o veriadeiro Itai de
rosas brancas.
al5o d'aleatria.
Vende-se na roa Duque de Caxiaa. SI.
PARA LUTO.
Briocos, broches, vollas, palceiras, !!-
las, pentes, botoes para piamos e c_sV as
para relogios.
A NOVA ESPERANCA qoerendo salsta_r
sua freguezia, nao smenlo ea objeceo
.'alegra, ou de luxo, qoar tambe a aeaa-
panhar aquelles, qoe iufebaaente perdenoo
alguem de sua familia, coa'gura de a
amizaQe, pn cisam de laos objectos, asa.
pois a NOVA ESPEBANCA, nunJoo ver d
que lia de mellior neste genero, aorgoe
lendo tars objectos de cor aegra, sea
de na qualidade. nao-loaenfe loraaav
tristes como at repugnantes, o oa ale
acontesse. aos da NOTA ESPERAIfTA. y r
que apenas exprime o senliaeato pella ci"r
porem como que traz oa liaivopel > g-
o pcrfeic5o com que taes, objectos sis tra-
ba lliados. _f
Bro^gains pretos faBUsa para ?seabora
3 4,5000.
senhoras a 40000 (lodos ea pi______
do).
. ii,. e "i
__^lvrai
1 Bit
___U 18 aoaOS por l:Hft:
al


?
o
'
Btiarj. ** Pe^aco Te^a ..feiftjftj^ ^bril de$70.
55Ra do A YLrtDADE tendo em deposito grtna
fB^iiiade de miadeaas e perferaaries, 0 de
sajando apurar dinheiro e adquerir boa tni
fwzia est aolvida a vender muitissim
sssstp, ; per essa rolo couda ao respe-
?el publico a vir tnpotentemecte mimi
& a sortir-se do bom c barato. Pois quai
> Verne apparece, lado mais dee-
ajparsee....
Grande sortimento de bonecos de cera
ssassa as mais lidas possi veis vestidas a fia
Meter.
Abusadoras modernas para col-
letoa.......
fcp'bos donrados pepneuos4 .
Age!has de osso para crox a .
Ite:e3 para regato com sotas a
Kab globos para candieiro de gaz a
Cbaiiwus a.......
Grande sorUmeato de objetos de
touca para brinqueo de menino
6xafa com tinta a.....
B*j com agua florida verdadeira a
Ifc-.a com liita dita a .
T&X com ole:> de babosa a 500 e
Dtto com agua de Colonia a 300 e
Garrafa com a?ua divina a. .
Fnwco com extractos finos a .
Latas pequeas com banha multo
ana a 140e ......
Saboiidtes de diversas quali lades a
80, 160, 240 e......
Finas escovas para denles de 420 a
Lindos roques modernos a. .
Pa\ ios para gaz, duzia a 210 e .
Escenas para facto a 500, 600 e
Dtas para cabello a.....
Pentes para tirar piolho a 160 e.
Frmeos de cores, bonitos a 160 e
Pecas de tranca de lia com 8
varas por.......
Oleo para machina de costura,
fiasco a........
Peanas d'aco finas caixas a 800 e
Ba d'aco Perry, caixa a. .
G*ao de algodo peca ....
liados babadyahos e entremeio3
poca de 500 a......
Ditos de louca muito fino a 120 e
Hitos para calca a 160 e. .
Caixa com papel amizade a. .
Ditas com envelopes a. .
Ditas com obreias a.....
Gatea comagulhas fundo dourado
Ditas de ditas ditas a.....
Thesoura para costura a 240 e
Caa com linha de marca a .
Lioha de cores em novallos (li-
bra) a........
Carreteis de linha Alexandre de 70
at 200. .......
*3n.mpos muito Caos com passa-
os, duzia a......
L: as portuguezas, duzia a .
Ditas francezas a 2,5200 e .
m
W
SO
32.
32t
lOr
80(
m
1^50
iJOOt
16
32v
60
32(
701
501
24(
M
8(
eoc
1500;
1440
40(
l*s de coqplr*>s
a3rs.,oot?ni a2o o aql^ te| W-
sivel para plantar : d> ra* fllwfti n. 4& _
Vende-s farello rtiuito novo, saccas grande;
gaz le prhrdra qualidade, barr com vinta de
poreode BaWsw, Uto par *?* (rtsUves e
Pprfl|| vodUde dos compradores ; ao *rmaze
Wd Awto* C* rua d*'8""** V**
-
Era casa de Mills Ufen & C, rua da Cruz n
38. vendera-se foihtt de frito {talvaniaaiiaa,.
Estampilhas.
Vendo-se na rna da Cruz a. 8, | andar.
RAP piipuah
DA
FABRIfA KMKlUINttm
Dfi
Teixtira Ulchtnoo^C.
Acha-ae venda-este ptimo rap, onieo qt
pdc suppnr falta do pri acera de Uro, po w
de mal agradavel perfume, rifado; e a proco i
mais mdico posaivel; e por isso tem sido asta
acolhido as pravas dafnia, do Rio de JaMiro t
em outras do. imperio : ao asariptoite t6*q
Jos Goncalves Beltrao, rua do Commercio n
ero 17.
Bichas hambrgnezas
Neste novo deposito recebe-se por todos os pa
quetes translantioos bichas de qualidade superior
o vender-se em caixa ou porcao mate pequea,
e mais barato do que em outra quaiquer pae :
na rua da Cadea do Recife n. 51, t andar.
Cigarros da imperial
fabrica de S Jofio
de Nictheroy.
nico deposito em Pernarabuco caes da alian,
dega vejha o. 2, f anda,
------------------------------------------------' *-^=-------------- -
beto _____,
A AGIA NEGRA animada com o bom accolhimentu qtic teve em sens annun-
?os, vem no participar a um freguezes que, acaba da-reeeber um variado sorti-
neato de objectosdt igetto os qwer serlo vendidos por pneeos muito razoaveis, pois
joando fez os seas prneiros aunocioi, foi o que assegurou, e-sam dd de erran,
jorque coifioj disseost* mteresses ligada a urna casa importadoradesta praca, e
?or isso poder ter tudo especial e vender .por precos admtaveis.Chama pois a atten-
^a-^-------^.^-n------T n -p-,!^, vmm descrever<
Livros com o tampo de marfim, madre- Um vardo sormenta do charuteiras e
>ero!a e tartaruga, prOprios para missa. palteirostfe1 porcelana,
_ij^
Garafinbas vaziaa proprias para presentes
;ousa do goetovh
IrMispeosaveis d palinba deooropro-
)rios para senboras e meninas trazer nos
>racos.
Binculos dj madreperoia, marfim a UN
truja todos esmaltados.
Cintos largos de aefim, cousa inteiramen-
i nova. a
FiUs de sarja de atajas-tures e largu-
as para lacos.*
Tent para voltrete.
Bhgallas com marfim, cona especial.
Sabonetes de alcatr5o.
Cofres de/(oleas papa, dinbeire.
Lindas cafsa-pat* costura.
Um compeio sortiaaeuto de luvas depe-
lica,
^^ ^a I^bv^^W Vw>* -- h^h^ __ w -^--------
Os acreditados cylindros americanos para padaria, por doos diflerentrt
Machinas para destrocar algodo pelos nwlhof*8 fabrtcaotes de New
Machinas de vapor systema de locomeilva e polias para as mesmas.
es razoaS amw",cano'^ iWMfortar volme em amaren..- Tmlo por prt-
TRAVESStf tf CQRPff SMTQ M. 25
Joaquim Kopes Machado db C.
iUIIVlS PAM
COSTURA
Acabam de ebegar ao GRANDE BAZAIi
UNIVERSAL, rea Nova n. 22cabnkiw,
vunnaum completo sortimento de ma-
chotas para costura, dos autores maja co-
U5CK
20(
24(
7(K
48(
4<
28(
50(
28
50
10
A rua Nova n.' 60 vendem-se botinas
para senhora a 3|00O o par : a ellas em
quanto nao se acabam.
Cantara de Lisboa1
Soleiras, hombreiras, e capftRis,^o que ba de
melhor para frentes de predios: i venia no ar-
mazem da travesa do Coruo Sanio, de Joaquim
Lopes Machada 4 C.
Vende-se pelo sen justo valor na rna da Ca-
-J pt.. .. ,. ... ,
Jeia du Reciten. 58, loja do Azulejo.
2IX
1540
3A00t
Pa.ielalraaco o de paso, resma a
l'.OO, 3^500 o 4(55(X
L"a imiito fina para bordar, libra 6050
Ri lo algodo para debrum de
sapatos, peca a..... 16(
Ma i"ejv"a Pi. 6.
Farinha de mandioca
Vndese de superior qualidade, no escriptorio
de Joaquim Rodrigues Tavare* de Mello, largo do
Corpo Santo n. i7cu no trapiche do Gonlta, For-
te do Mattos.
C oBsrteiaccs gerttp sobre a
EMAKCIPACXO DOS ESCRATOS
ISo imperio do firasil e indica<;ao dos meios para
realisa-lo
Por Peixato de Brim.
1 volme 8o brochura 300 rs
. LIVRARIA FRASCEZA.
T3lagorce para bordar.
Um completo sortimento de enfeites de
Toacas, sapatinhos meias de seda e mais seda para vestido,
jertences oara bautizados i rv L j_ > a. uioo {mu uiuia, mis autores maja co
I^fa.iSSfp^ onecidos as quaes est^o em expsito nc
Rices vasos com p do arroz. possivel mencionar ; mas com a vista se lambem enS,na"se-cora perfe'ao
Um variado sortiment de jarros de por- certidcarO'do sortimento deste estabele-
*' cimento.
Aguia Negya, raa do Cbug n. 8.
Vende-M um hoi e carra prMTM p
regar assorar on cunero : i traMr m
Ramos n. 2i, com Aomm Ut fiHii.
ur para rMirar-ae para "
Liabo
lesea rrcjrada boje do patacho .
Joaquim Jos Ramea, na roa da Craa
neiro andar.
M*-
Vende-t nina aA0
e grande produeeao para agricuHara, m*>
rreguezia de Iguarasti. assim eonw se
tra parte do enrenho (V,rte de Chn, a
purgatorio, que muito conven ewaarar
tratar ao Remedio con o 8r. Ai Me
deiro de Gwno.
a todos os compr: sao iguaes no seu-trabalho ao de 30 costu-
reiras diwiwnento, e a sua perfeicao 4 tai
como da memor costureirade Paris. Apre
sentam-se trabalhos executados pelas mes-
mas, que muito devem agradar aos preten-
dentes..
ATTENCAO
Vende-se o engenlio Mussarb? Vme c deem-
harneado, e bem como a pro'prcdade Poco pretu
separada do iue?mo enfrenho : a tratar com o scu !
proprietario na rua do Apollo n. 47,1- andar
Cliegos a loja de Paredes Porto, a rua da Imperatriz n. 52, (Porta Larga) um bo-
nito sortimento de loalhas de linho para mesa, assim como os competentes guardanapos
que se vendenva preco baixo.
PAREDES PORTO vende tasinlias a 240 o covado, fazenda de 500 rs, para acabar
na rua da Imperairiz n. 52.
PAREDES PORTO vende algodo' com pequeo toque de avada a 3)5500 e 4#000,
a peca rua da Imperatriz n. 52.
PAREDES PORTO vende chita preta para luto a ICO rs. o covado na rua da Im.
peratriz n. 52. Porta larga.
CHALES
Vende-se chales preto de merino a 30000 fazenda superior, na rua da Imperatriz.
- PAR&DES PORTO vede meias para senhoras a 2j00 a duzia p- r ter um peque-
no mofo, na rua da Imperatriz n. 52 porta larga.
PAREDES PORTO vende cortes decalca de casemira preta a 3^300 e 43000.
PAREDES PORTO tem para vender panno preto superior e casemiras de cores e
I pretas que vende por prcos commodos. ,
CHALES. GRANDE PECHI.NCHA.
i Che?oa a loja da rua Imperatriz n. 52 de Paredes Porto um bonito sortimento de
IcaU?mezes fazendas muit0 bas Para senhoras trazerem em casa, est vendeado
por 5A000, cslo acabando-se na
Loja do Leao
Vende-se a armario da taberna do pateo da
Penba n. 8 : tra lar jntito n. 10.
Candido Alberto So
dr da Motta & C.
com escriptorio e nrmazem na traressa da Madre
de Dos n 11, tem para vender o seguintc:
Cemento Portlind de quajidade, o melhor qn
tem vindo ao mercado, barricas de 12 a H arro-
bas por 101000.
Vinhos Bordeanx das seguinles qualidades :
St. Julin.
Fronsac.
Lormant.
St. Emilion.
Margan.
Chatean de Boycherelle.
St. Lambert.
I-alonbere.
Duplessis.
Cauor. |
Dearsesai.
Vinho do Porto de qualidade muito especial. j
Auile doce refinado em caixas de 12 garrafas.
Fumos de todas as qualidades, se encontrar
neste estabeleciment em latas, rolos e fardos.
Papel de todas as qualidades proprios para ci-
garros, i

PARA A FFKT 4
partas,.hjft de fert&gem
53-Eua Direita-63
Neate pande ritrtriiniiBii, ha (
ora completo rortlnwiB de fcrraui, i
unas e proaeas, como tejan baadai
quadradas e otaes, facas gahoa de I 91
toes, balancp inleiro e 1/2 baba; piarlas, e
Iheiras, cacaeras, frtgideira.v avadara,
ac ierre come de porcelaaa, moinlK,|
diversos tamaos do fabricante Jai
graxiraos. tamto de ferro cene de.
para medir faxenda tano de ferr cea de I
salitre, bren, barbante, emofra, papei nena
do, do verdadeiio Picardo, macaiaaa pera dnea-
rocar algodo; alm de outros arana de kn-
gem, miudenj entilaras finar, que s con a ea>
ta se verilica: na rua dirata a. 83 leja da J aer-
tas de Maioal Bento de CKimn Rraoft C
Jo-,- Hara Palta-ira tem para vender en
seo escri|itorio no largo do Corpo Snle a. L I
andar. *
Vinho Bordeanx fine, caixa de I* garrafa.
Ai, te doce, idem idem.
I.oaa de qualiJade, da Rnssia.
Braaoe.s idem idem.
Rrie, idem dem.
Kstampas de Santos em qnadnahos.
Pianos de excedentes votes.
Fio d s vella.
Enxofre.
Salitre.
Cemento Portland.
Dito Komano.
Vellas steariaas (spermacelei.
Pilles de carneir .
EstOpa paa fardos de algodo.
Cha ByiaM 1* qualidade.
Oleo do Hafean.
I.aa barriguda.
Canda da India.
Fardos de fumo em foiha, (,< e vcade de V) hr-
dos para eima.
GAZ MZ UZ
Chegon ao amigo deposito de Heary Po__
C., rua do Imperador, am earrenneato de nr
de pnmeira qualidade; o qual se vende em parlan
e a retalho por menos preco do qne em on nv
quer parte.
Noste grande
6 0RUA DA IMPERATRIZ
- j. DE _______________________
respeiuvel ni:biici u^r.m l,."^im,T?f:*T" Sn.T^ JR-^-P nlrll^di.-l U". IA
3i otitra qaaJauer parte". viJtTqufos noro?JlSis^lfa Ora! aS'ra'm orntSi ^"^^S^SSSSSt d maS apor2do g0, assim corao deTdas'as de primeira Z ^sidade qu71ThS pro^ Ser or arren.
l:60,
derem escoher.
CAiniii'if^ suissa
COM 8 PALVOS DE LARGURA A
2:000 e 2:500 RS.
Chegiram as fioissimas cambraias suissas
&-anpnMrtes, sendo o que ha de mais fino
nH8j1n!%S^ hT Ey!?*""-?- veade mais barato,
^JS^i' 2*? 00 e **m, metro' ton(1 haver grande porclo.
tarabm das mesmas, porm ingiezascom; GANG4S D? LIMIO
"irisan sjs.m vos,ido >a$> >?> *z t^i
de 12-5)00 rs. cada um, pecbincha.
CASEMIRVS ESCOSSEZVS.
0 Pavao tem boni as casemira oscosse-
MS com quadros grados e miiios e outras
la-Jo, sendo fazendo
por
4 ou 4 1/2 metros, pechincha,
S.UAS HOIID.VDAS
Vende-se um bonito sortimento de saias
bordadas com 4 pannos, assim como ditas
y. promotas, de lisinha,
bonitas barras bordadas a
m.iit) em conta.
PANNO PARA SAIAS A I1000, if?280 e
iSjO ItS.
Vende-se bonitas fazendas Jproprias para
saias sendo com bordados e pregas a um
lado dando a largura di fazenda o compr-
manlo da saia e vaade-se palo barato preco
de r*X; 15250 e 1^600, cada metro sen-
do preciso apenas n ou 3 \/> metros para
ca.ii saia peehfii-jha.
Cnlarinhos.
Vende-se mn bonito sorlimento de cola-
rinhos tanto do linho como de algodo pro
pr!r>3para hom:m, ss.a como tambera um
bonito sortimanto dos taesmos para meninos
e ser.boras e todos vendem-se por prego
rmi'to barato.
CHALES OE ;MOC\MHQE A 1:280 RS.
Vende-se urna grande quantidade de cha-
les do mocambiqoe, com padres escossezes,
sendo imito grandes e levesinhos pelo ba-
rat. preco de t$$k cala u ai grande
pecbmcha por se ter feito urna gFando(
compra.
laaos e caeemlras pretas.
O Prvao vende grande porcao de pannos
pretos do mais baixo"at o mais fino, por
preco que admira, assim como um a de
sortimento de ceseminas p.vtaa para calcas
noc se venda por preco mtis fcSo do que
em outra quaiquer larte
. GOHGURAO preto
Vende-se o melhor gotgufao de seda
preta para colletes e vestidos, sendo nesfe
genero o melhor que tem vindo o mercado
mais Jnralo do que em outra quaiquer parte'
vestidos braucos a tS&ooo ra.
0 Pavlo veade flowsimos cortes de vea"
ti dos de cambraia aranca, ricamente bord -
covado.
PECIIINCIIA EM PANNO PRETO A 2.-H00.
O Pa lo vende superior pinnoprco fino
para palitots, calcas colletes etc., pelo ba-
enesgadas com; ralissimo proco de 2$'nO o covado
15a por precos(CORTES DE CASEVHRV PRETA A 4:800,
O Pavlo lera os superiores curtas de ca-
semiras pretas enfeita las pelo barato preco
de 4??500rs. o cort,
PEQAS DE MADAPOLAO A 3*5500.
O Pavao vendo pessas do muito bom
madapolio, tendo 12 jardas cada-urna, pelo
barato preco de 3-5500.
PiGHlXCHA EM ALGODO A U9DQ RS.
OPavSo est vendando pacas-de algodao-
smha fraocez, tendo 4 palmos da largura e
Srailletros cada P-'a' P)l0 oarata pre
da 4^000 rs.
CAMBRAIAS BRANCAS A 4*000, A PEf.A
SO o Pavao venia pecas de camb-aiaj
brana transpareata, tendo mais dfe vara de
largura, com 10 jardas cada peca, fazenda
que sempre se vendeua7^e8)00, liqui-
da-so pelo birato proco de 4$00.
ALPACAS BRILHAXTBS A i 50JO K 800 RS
O Pavao tem o mais bello s-jrtimeoto de
alpacas la.radas, cora as cores mais deli-
cadas que tem vindo ao mere ido e tondo
bastante largura, veadem-se pal) barato
pr*co de 1^000 e 800 rs. o covado.
Com palmas de seda a f $000.
Para o Pavao chegou om rio sortimen
lo das mais bonitas iSasinhas com palmas
de seda teado do todas as curas e padrSes,
sendo fazenda bastante larga e vende-se a'
I $00/3 o covado.
Lio upa para escravas.
0 Pava) vende um bonito si>riinento de
roupas para escravos.
AS BOTJPLUAS DO PAVAO A*93 ItS.
Chegaram as mai> limlas (i malinas de
ISacorn imitac^ode poup^lmas de*eda, nma
azenda muito leve, com as mai-i lia las co-
rles, sendo : verde, Bismarck, p6m, aial,
lyrio, clnzento, perola etc. etc., e wod-ae
CROCHE-S PABA CADENAS E SOFAS. I ALTAS NOVIDADES EM SEDAS I
ma?s bZTcSJZt ,8atHeDt0 ti C,ie^ou nm ?raQde sorme^o das mais'
mi ? SlrnftiT J5 P ^a8' SfSPiernas poupelioas ou gorgurao de seda :
Sr^r!SSe^^^^rhPa? T e linh0' Com osmais c,e8tei padrees que
qu in ,tnl at d0tera vind0 a esle mercado: seSdo milas'
qua em outra ^ajqaejfparle graudaS) u em crtes para ^,
tacado, que se vende por preco muito em Mcrlne de copdao.
Vende-se merino preto
pasa a paiaassaa
Grosdenaples.
Sedas pretas Iavradas.
Fazendas pretas de !aa.
Para o Pavo chegou um grande sorti-
lOf.
pe-
ALPACAS
LAVRADAS A
1,000 RES.
610,
PANNO DE LINJIO.
Chegou um sortimento de pecas de pan-
no de linho do Porto, qne se vendem de
700 ra. ate 1.^000 a vara, garantindo-so
queem Tazenda de lindo aaj ha nada melhor
nem mais proprio para lences e toalhas.
PECHINCIIA EM CHAPEOS DE SOL
Chegou um grande sortimento dos me-
mores chapeos de sol de seda, inglozes
sendo neste artigo o melnor que tem vindo
ao mercada.. asim como, urna graad* por-
Cao de ditos de alpacas de" todas as edres
e todos se vendem por precos muito- ra-
zoaveisi por -haver ^raoe porcao.
OS. BALOES DO PAVO A 2JRSTX,
Chegou um grande'sortimento dabaKes
ou ci-inolmaido feiUo mas modefno, muito
proprn para vestid as enasgados, qiM.sc
vende pelo baratiSsimo preco de 2^000 rs
cada um, grande jaecnincha.
CRETO.>92S MATIZADOS PARA VESTIDOS A60
E 800 RS,
Para o Pavlo chegaram os mais bonitos
ere onea escuras matizados, proprios para
vestido* roupio, chambres ele. que se
vendem800 rs. ^m,4^-mm^n9 o
meeratazeoda eom padrees claros proprios
Rara vestidos e roupas de meninos a 610
rs. o covado, sendo os padrees mais mo-
dernos que tem vindo jo mercado.
OSSETINSPOPAVO-
Vende-se es mais bonitos setinade cores
?omai3/^0rpad03* Wprios para vestidos
tendo de diversas cores.
FtAZENDAS PARA LUTO NA LOJA.PAVAO
.Encentra o respeiuvel publico neste es
de cordo, pro-
prios para calcas, palitots e colletes, pelo
baratissima preco da I#000 o covado.
CRETO.XES COM 10 PALMOS DE LARGURA A
2J000 I1S.
O Pavoo tem urna nava remessa aa mui-
to acreditad! cretone, propria para lences
tendo 10 palmos da largura, dando na lar-
gura o comprimento do Icncol e vende-se
pelo barato preco de 25O0O o metro, sendo
preciso apenas para um lencol um metro e
urna quarta ou metro e meio.
Chapeos a 1,5000.
Chapeos a jJOOO,
Chapeos a 10000.
S OjPavJq vende bonitos chapeos de
todas a cores p.ra homens caeoioos com
a forma mais moderna que ti!u'mamanto
tem chegado, pelo barato, prreo de 1^000,
cada um, por terem chegado com um pe-
queo loque de avaria, grande pecbincha.
EriIIVCIlA
EM CAMISAS DO PAVO A 4,5500 RS.
Vende-se um bonito sortimento de muito
finas e modernas caraisaaviiglezas com pei I
to e coliarinhos da lmho, e punhos, pelo
baratissim preco de 4#500 rs. cada urna1
e aos freguezes qne compwrem duzias se1
Ihe far umabaniMto. gfrfBmde ferentes precos e qualidades, 13 isinhas pfe-
tas, alpacas bombasinas, cantees etc. etc
assim como um grande sortimento de pan-
nos pretos finos, e casemiras pretas de todos
os precos e qualidades que se vende muito
mais barato do que em outra qaalquer
parte.
NOVAS POOPELINAS A100 RS, O COVADO
O Pavao vende um grande sortimento
das mais bonitas poupelinas com listrinhas
de todas as cores e com lustre imitac3o
de seda, facilitando esta bonita fazenda a
fazer-se um bom vestida de m-iita fantasa
por pouco dinheiro, islo por ter-se feito
urna grande compra e vende-se a 100 rs.
o covado.
ROUPAS PARA HOMENS PARA TODOS
OS PRECOS.
N'este grande cstabelcimento encontrar
o respeilavel publico um grande sortimento
de roupas. sendo palitos e sobrecas'acos de
panno preto e cazemira, calcas e coletes'de
brim branco e de cores, que tudo se vende
mais baf alo doqae emootraqealquer partet
assim como um grande sortimento da ca-
rnizas francezas e Dglezas, e ceroolis tanta
de Imho como de algodo e abundante sor-
timento de meias enns.
Chegou para este grande esteBek^
o mais bonito sortimento das atis moder-
nas alpacas Iavradas de todas as cores ftm
se vendem a 1-5. 800 e 610 res o coVado,
assim como om grande sortimento de atas>
cas lizas d i todas as cores
CELEZIAS E BRETANHAS.
Vendem-se as mais finas celes t
linbo puro ou pessas com 8 meti?.
como, Dnissimas bretanhas de linl)o
25 varas, por precos que f izei
em relaccao qualidade.
Basquinas.
Chegario as mais modernas
ou jaquetinhas de seda preta,
enfeitadas a vidrilbo, tranca e setim
tendo de todos os modellos, os mais i_
que tem claegado e vendem-se por preros
muito razoaveis.
ORGANDY COM SALPICO.
Claegaram os mais ricos organdys de co
res com salpicos o mais besito qm Isa
vindo para vestido, qoe se vende a 14280.
o metro, ditos brancos muito toos coa
liseras largas a tpOOO.
Cambraias brancas
Vende-se um grande sorlimento das as-
moasjs caisJftraiBSjSajsio victo
Mi
.7-^-;i.fc.,<.,i.-.a T .--"'- ijnu,cmzeni-), penna etc. etc., e ycid.i-se
da, e com mtiiUffazenda peto barato preco telo barsssias preco dsors. covada
A loja do Pavo est eoastaat
zendas? piatas, come sejam- causis t\
zis e ieglezw, cliius oretas de todas as
qmhdades, fazendas de lia d toda* que
tem vindo, proprias par luto, sendo laaai.
nhas alpacas Iavradas lisas, cantSo, bom
husmas, merinos, etc. qne tudo se veade"
por preco barato.
fazenda que val m*to mis dinero',
iquida-.*e por este prco por se ter feito
urna grande compra : assim como se vende
um bonito sortimento de ditas tambera rom
paito de liabo bordadas e ditas de algodo
Pira todof-esipweos.
SSassisr: ^rEs^^^sS- *m
PALMOS DE LARGURA.
O Pava* veade superior bramante de al-
godSo tendero-palmos de largura, cuja lar-
gara di gara; o comprimento do leseo!,
sendo preotao-para-cada um, sen lo carne de
medida.
iNa loja do PavBo manda-se f^zer quaiquer
Ca de obra a fontade do freguez, atraca;
que (em um perito alfaiate, responsabelisan-
do se os donos do estabelicimento por quai-
quer falta que possaKhaver, quer n^. de.
mora, quer por quaiquer defc'fo na OBra;
e pari.isu eoeontr o respsitaiI publico
um grande sorlimento de todas as fazendas
que desejar.
BRAMANTE A 1800.
Vende-se superior bramante com 10 pal-
mos de largura, proprio para lences dan-
-dp a largura d'eata boa fazenda o coraori-
niento o lenco| sendo preciso para cadl
parea tes tondo dH >(() a pepai a
fina que vem ao merca<)
ESPARTILHOS A flOOfc *
Vendeja, una bpwto aortjmenA dos
Ihores e mais modernos csparAos
dfU^yato pijeco de 5000 at 80|o7
CHITAS FINAS DE 320 A 9M RS.
Vende se o mais elegante sortmWBto
Ws modernas-e bepteM
dftsccomtt grda* com
caras, dsndo-ee de m)
mtISIQES.BBWpS.A k&
Vende-se muito bonitos
tnuMo ftaxtre* proprios
senhoras e rouna para i
ai 6*8, 800'o 200 rs.
samas a
I
aas* r-ir^s^" S F^=-- ^^>. sziz
'*'* ip
"' I chincha "pelo prco.'
lan A manhaa s
eewe-M a 210, 280 e 300.


:< rf
Difiri de Pernambuco. Ter I
111 II H i A
p fl 1 111
1 {11 11*11 1 II
" ..' !( II l
^=
T"
A HIJA DlliPERAtimV 1
Ej!udaridaAropa, em frentedo caf Imperatriz.
ksuM i-N'e4e,,oovo e s,Pt>08oostabeleomento de fazendas encontrado as Exmas.
muas ludo Matepossam desejar,4anto em artigos do mais rigoroso laxo, como em todas
s mais gaaMiirtei de faaendas,
m 44- to **.* prvidos do que de melhor so encontra neste mercado,
E\v~Z *VMs ^ Europa, reoebem directamente -o que em artigos de moda e
A?.!!rU0St) ** T*1" *" l'aris' 1ae wm cad;1 dia aumentar as papor-
etas <* que ABpoe esteestabetecaaeriio para bem servir sua numerosa freguezia.
Algodo largo para lences e toalhas de Gase cora listras de seda e flores, fazen-
tma vir ao mer- da inteiramente nova para vestidas de baile.
Gnvatas para seoaoras e homens, o mais
completo sor timen t o que se pode desejar.
Guipure preto e branco, diversas largo-
ras e diferentes gostos.
Gollas e ponbos bordados para senhoras.
Guardanapos de lindo pequeos e gran-
des.
Gorgorode seda preto e de cores.
Grosdenaples preto ee cores, aaven-
cado.
Alpacas de todos oj padroes e qualkla-
s Uo variadas que se nao podem desorever.
Albuns com msicas para cUocar retratos,
delicado presente para qualquer pessoa de
sima.
Atoalbado de linho e algodSo, brinco e
le cores proprios para toalhas.
r t i^"^ a \*i vouciiico i/i ecu t COT
Basqu.nas de seda pretas e ttfuito raoder- ^ diversas qoaliaes a gestos,
as, bem como de crochet, tudo de apurado y -
^diji8 f*ti0* i- i. Japonezes para seoh .ras, o melhor gos-
BalSes de musselma, madapl3o, brancos to, e fazenda uropria para as festas nos ar-
rabaldes e passeos a tartle.
a,
LSazinbas do todas as qualidades, cores
e gostos, nao Gcatido nada a desejar, tal
o sortimento que existe para escolher.
Lencos, ludo quanto pode baver desde
esguiao ao algodocommom.
Leques de madreperola e osso, o mais va-
de cores, para senhora e meninas,
Bareges de cores variado sorfimento.
Babadinhos ou tiras bordadas em todas as
larguras.
Belbutina de todas as cores. .
Bolsas de tapete para viagem, grande
variadade de tamanhos e gostos.
Bombazina preta de todas as qualidades.
Bramante de linho de II palmos de lar- riado sortimento.
gura, e todas ?s mais qualidades. Ligas d seda, bordadas, para senhora.
Bretanhas de linao e algodio, grande sor- Luvas de Jopvfo, chegadas por todos os va-
Umento. pores, sempre novo sormento, qaer em
Bnns de linho branco e de cores, do mais pellica para homens e senhoras, quer em^fio
commodo ao mais caro em qualidade, affian- d'Escocia, brancas e de cores.
(ando o que ha de melhor na especie. i ya
Brins d'algodao completo sortiraento e Madapolao; indescriptivel o grande sor-
variedade de pre;os. mento que ba neste genero, desde o mais
QB elevado preco ao menor, que se vende em
Cassas de cores, o maior sonimento, pri- peca e retalho por menos do que em ou-
mando pelo bom gosto e barateza, ltenlas tra qualquer parte,
i qualidades. Manas de blonde para noivas: o apurado
Umbraias brancas, tapadas, e transparen- gosto dos nossos correspondentes em Paris
es de todas as qualidades e precos. habilita-nos a dizer que temos em nosso
Camisinaasde cmbraia de linho e cassa eslabelecimento o que de melhor se dse-
bordadas ricamente enfei lados para Sras. ja para vestir e ornar urna noiva.
Camisas para brreos e meninos, t3o va- Mantas pelas de blond.
......i* ^j
t i i rae
IOJA
no
Qaaado a AGUIA BRRNCA, mais precisa scieotlficar ao respeitave! publico em
geral, e em particular a sua boa freguezia, da immensidade de objectos que ltimamen-
te tem recebido, ju9tamentefqoando ella menofo pode fazer e porque essa falla invo-
luntaria ella confia e espera na benevolencia de todos que ih'a attenderao e relevarlo,
continuando portanfo a dirigirra-se a bem conhecida k ja da AGUIA BRANCA roa do
Queimado n. 8, Onde sempre acharSo abundancia em sortimento de superioridado em
qualidades, modieldade em precos e o seu nunca desmenllido AGRADO E StNCERIDADE.
Do que cima ficaditose conhece que o lempo le que a AGUIA BRANCVpde
dispar, empregaflo apezaf de seas cusios no desempenho de bem servir a aquells que a
honram procurando prover-se em dita loja do qoe necessilam, ehtretanto sem ennuine-
rar os objectos que por sua natureza slo mais conhecidos ali, ella reumidamente indi-
car aquells coja Importancia, elegancia e novidade os tornara rocomtnemlaveis, como
bem Seja
riado sortimento que vai do mais ordinario
nadapolSo ao mais perfeito bordado de li-
< e cambra a
Camisas de meia, de flanella, brancas e
de cores pura homem.
Casemiras pretas e de cores, o melaor
que se pode imaginar, sendo d'isso a me-
lhor prova o grande consummo dellas na
officina da casa.
Gapellas de flores, para noivas e bailes,
iesde a mais candida flor de larangeira at
i mais imeressante griualda.
Chapelinhas no melhor gosto.de todas as
cores boje preferidas pelas senhoras de
mais apurado rigor na moda.
Chapeos pretos de velludo, para senhoras,
ultimo gosto de Paris.
Mantas para carros, com lindas pinturas.
Merinos pretos, trancados e Ksos.
Musselina brauca e de cores, lindos e va-
riados padroes.
Pannos pretos e de cores, desde o mais
barato ao mais superior, por preco muito
Commodo.
Pannos de crochet, para cadeiras e sofs.
Ditas de casemira muito finos para
mesa.
Peitos bordados de linho, lisos e de al-
godSo para camisa.
Princetas pretas r e c&res.
Popelina do seda e linho, com listras e
flores; fazenda lindissima.
Pelherinas para senhoras, do ultimo
Corpinhos de cmbraia, primorosamente
enfeitados com fitas de setira e obras essas
cuja novidade de molde e perfeic3o de ador-
nos os tornara apreciados.
Fitas mni largas do diversas cores e qua-
lidades para cintos.
Leques uesse objecto muito se poderia
dizer querendo descreve-los minuciosamente
por suas qualidades, coree e desenos, tal
e o grande e variado sortimento que acaba
de chegar, mas para nao massar o pretn-
dante se Ihe apresentar O que poder de
melhor.
Enlremeios cm pecas de 12 tiras.
Guipure branco e preto de diversas qua-
lidades e desenhos.
Ditos de algodio com flores e lisos.
Capellas brancas para meninas.
Grandes sortimento de flores finas.
Fil do seda, preto.
PERFUMARLA
Grande e constante sortimento de dita,
sempre melhor quajidade.
Lmdos vasos com p de arroz e pinsel,
Caixinhas com ditos aromticos.
Bonitos e modernos pentes dourados
para circular o coque.
Bonitos brincos de plaquee.
Aderecos e brincos de madreperolr.
Caivetes finos para abrir latas.
Tbesouras para frisar babadinhos.
Aspas para balio.
Novos stereoscopos com 48 vistas, as
quaes sao movidas por ura machinismo
Veos de seda para cbapelinas e mont-'umas ubstitnem as outras.
i. Vistas para stereoscopos.
Bonitas caixinhas de vidro enfeitados com
na.
Meias de seda para noivas.
Ditas aberts de fio de Escos-sia.
Costumes ou uniformes para meninos.
Enxovaes completos para baptisados.
pedras.
Ditas de madeira envernisada com vspe-
ras e com dminos,
Bollas de borracha para brinquedo de
Touquinhas de fil, sapatinhos bordados, enancas,
e meis para ditos. Diversos objectos de porcelana, proprios
Camisinhas bordada para ditos. para enfeites de mesa e de lapinhas.
sortjhto comino
Chapos de sol, para senhora6e homens, gosto.
de todos os pre;os fl variados gostos. Perfumaras ; os mais finos extractos o
Chaly com ricos padroes para vestidos, que de melhor e mais agradavel se pode
Chales de todas as qualidades, avultado encontrar neste genero, e de mais fragante
camero e aio menos variedade de gostos, e suave no olphato, tem o PAVILHO DA
Chitas, impossivcl descrevero sortiraen-. AURORA, desde a verdadeira agua Flori
lo e variedade de padroes e novos gostos,
ha neste artigo tudo quanto se pode desejar.
Cintos para senhoras o que se pede ima-
ginar de melhor.
Coqoes. o melhor no gosto e nos entei-
;es, varios tamanhos.
Colchas de seda com borlas, o mais apa-
rado gosto elavor.
Ditas de fustao branco e de cores por
precos commodos.
Corpinhos de cmbraia, ricamente borda-
dos para senhoras.
Cortinados de cmbraia bordados e de
fll.o qoe de melhor se pode desejar.
Colarinhos de linho bordados e lisos, o
aaior sortimento.
CE
Damasco de lia de 9 palmos de largura
iradas cores e ricos padroes.
Espartilhos bran:os e de cores, para se-
nhoras e meninas, o melhor neste genero ;
aenhuma Sra. deixar por certo de muir
se de tio precioso auxiliar perfecto de
am corpo delicado.
Entremeios bordados.
Escomilha prvta.
Enfeites para cabeca, ultima moda de
Paris, recebida no ultimo paquete.
Esguio de linho, completo sortimento de
todos os nmeros.
Fitas largas escocesas para cintos, varie-
dade de gostos e lindos padroes,
Fiihs de crochet, modernos com cintos
e capas, oque ha.de melhor.
Fil de seda, linho e algodSo, de todos
os gostos e padroes.
Fustao de todas as cores e qualidades
grande sortimento.
Flanella branca e de cores.
Flores, o que ha de mais rico, quer
da at o mais fino Bouquet i'Amour, final-
"mente todo qaanto deve eccopar o tOuca-
dor de urna senhora de gosto.
9
Saias bordadas, brancas, lisas e de cores
com folhos e sem elles, o melhor possivel,
Sabidas de baile, de todas as cores.
Sedas pretas, de quadros, lavradas, lisas,
do listras de todas as cores e qualidades e
o mais barato possivel.
Sarcelim de todas as odres e qualidades.
O
Tapetes grandes, lindas pintaras para 8
cadeiras, mais pequeos e de todos os ta-
manhos desejaveis, e em peca para co-
vados.
Toalhas de labyrintho, do maior e mais
fino trabalho ao mais barato.
Toalhas de linho e algodio de todos os
tamanhos, li-as e felpudas.
Tarlatana branca com palmas e de cores,
fasenda muito nova, e gostos delicados pro-
pria para bailo.
Vistuarios bordados de fuslao brancos e
de cores para meninos, de cmbraia para
baptisados, o que d melhor tem vindo a
este mercado.
Vestidos de lia escoceza de 2 saias,
novidade pelopadtio, gosto eforma; ditos
de linho cora barras de cores, e de cm-
braia de cores com 2.saias, tudo inleira
novidade, trazem os modellos juntos para
mostrar a forma de os fazer.
Veos de blond para noivas e pretos para
luto.
Vestidos de blond para noivas: podemos
asseverar as nossas Exmas. freguesas, que
somos os nicos em Pernambuco que pode-
mos offerecer ao Ilustrado publico, o mais
aparado gosto em eeraeihante materia, gra-
cas ao bom gosto do nosso fornecedor t.(a
NOS GRANDES
lltHAZEVS DE seceos
e Hoi ii utos
CONSERVATIVO
N. 23Largo do Ter^o.N. 23.
DE
SIMO DOS SANTOS a C.
PROGRESSO
lid Pateo da Petha 10
DE *
SANTOS & FERR ISA.
Os proprietarios desles bem surtidos artaazens partcijtara s seas innmeros
fregaezes tanto dst ptaca como do raatto que tendo feito grande dminucb de pre-
cos as suas mercaduras estio p"r sso resolvaos a vender por meno* de tO'e 20 \,
do que eo. oura qualquer parle, garatindo-se pbrtanto a s p^rlor qa idade de qual-
quer genero comprado restes gneros ea vista dests sao comprehendids os outros, porque enfadotiho seria men-;
eina-los.
Se alguem uvidar venha ver.
Gaz amenc-no marca Deves a 85800 a
Vinagre branco mandado vir por cont
propria vindo de Lisboa, a 320 a garrafa e
480 o litro.
dem tinto Figueira, Lisboa e Porto a
1 t, 380 rs. a garrafa e 860 o Uro.
Azeite doce de Lisboa a KX) e Ifl'XX) a
Hm do Crespo 9
Os proprietarios deste bem conhecido etubele-
amenlo, alm dos inuitos objectos que tinham ex-
poslos a apreciacSo do tespeitavel publico man-
oararn vir e acabam de receber pelo ultimo vapor
da Europa iira completo e vanado sortimento de
finas e mu delicadas especialidades, as qnaes es-
to resolvidos a vender, como de seu costume
por precos muito baratinnes e commodos para to-'
dos, com tanto qtte o Gallo....
Muito superiores luvas do pellica, pfetas, brau-
cas e de mui liadas cores.
Mu boas bonitas gollinhas e punhoe para se-
nhora, neste genero o que ba de mais moderno.
Superiores pentes de tartaruga para coques.
Lindos e riqusimos enfeites para cabecas da>
c.xmas. senhoras.
Superiores trancas pretas e de cores com vidri-
inos e sem elles; esta fazenda o que pode haver
de melhor e mais bonito.
Superiores e bonitos leques de madreperola,
marlim, sndalo e osso, sendo aquells brancof
com lindos desenhos, e estes pretos.
Muito superiores meias fio de Escossia para se-
nnoras, as quaes sempre se venderam por 30*000
a tiuza, entretanto que nos as vendemos por 20*
aicra destas, temos tambem grande sortimento de
outras qualidades, entre as quaes algumas muta.
Boas bengalas de superior canna da India t
castao de marm com lindas e encantadoras figu-
ras do mesmo, neste genero o que de melhor s >
pode desejar ; alm destas temos tambem grandi
quantidade de outras qnalldades, como sejamj ma-
deira, baleia, osso, borracha, etc. etc. etc.
Finos, bonitos e airosos chicotinhos de cadeia e
de outras qualidades.
Lindas e superiores ligas de seda e borracha
para segurar as meias.
Boas metas de seda para senhora e para meni-
nas de i a 13 anuos de idade.
Navalhas cabo de marfim e tartaruga para fazer
barba; sao multo boas,e de mais a mais sao ga
rantidas pelo fabricante, e nos por nossa vez tam-
bem assegurams sua qualidade e delicadeza.
Lindas e bellas capellas para noiva.
Superiores agulhas para machina e para crox
Linha muito boa de peso, frouxa, para encher
labyrintho.
Bons naralhof de cartas para voltarete, assim
como os tent* para o mesmo Bm.
Grande e variado sortimento das melhores per-
fumarias e dos melhores e mais conhecidos per-
fumistas.
COLARES DE ROER.
Elctricos magnticos contra as convulsSes, e
fadlitam a donticao das innocentes criancas. So-
mos desde muito reeebedores destes prodigiosos
collares, e continuamos a recebe-los por todos os
vapores, aflrn de- que nunca faltem no mercado,
wmo j tem aconteleido, assim pois poderao aquel-
es que delles preeisarem, vir ao deposito do gallo
vigilante, aonde sempre encontrarao destes verda-
deros collares, e os quaes attendendo-se ao flm
para que sao applicados, se vendero com um mui
diminuto lucro.
Rogamos, pois, avista dos cbjectos que deixamos
declarados, aos nossos freguezes e amigos a virem
Bizas de Hambnrgo
fNJItos otjw! rm i otn eMtawr nm
MidcMHr ariBgwm r a >ulM^;4ra.
Grande rrtmino!!!.M
O C;impiis da ra do Imi-rrador n. SU
resopitavrt publico e.-pceialnvni* a*M
nifr.'si f ppn. zps qtw na mi da mtmtu
peixe lit-sro no merrado drsla provmrb, c mm-
guio fazer em st-u araiezrm ooij fraude naMfc
de P--IXF* de diversas qnaMades c pn panitut
dilT. rentes manfiras a satk r : era Mfaaan, m
niiiliu, e em areite, da- sgiiHw fnlW : *r-
dinhas, cavallinhas, bareMpk, tara.br. fML
chernes, savel, pwrada besngo, rbidurm, Uama
congro, salmn, lagosta, r^ et:., ele.
A elle I I
Artlelt
_________No armazpin d. Caoirn.
Ra do Queimado n. S
o
o
o
*^
Expelientes cl.ap.-Di de caj*v,
brancos e prr tos, pelo baratMaw
pre^o de lOjOTO.
1.' ja de Antonio de Moora Kuiat
& C.
Ra do Queimado n. 31
nnila adraca
O Piwkao da Aurora roa da Imr>ratrix
2, acaba de rxvber pelo nltimo |..n|uri. mw
riado sonimento de fazenda- pmprias do
assim como luvas de pelu-a preuw e de cora
liiuiii iis, nliciras c meninas.
.rancie nrnascM c I m*-n mi
ra da impe afrza.
Neste grande armazmi v<-ndr-se lm;a .Vaa
finas e ordinarias apparelli-s de poreHana pan
janlar e para cha, Jarros para IW.-s os mais rnat-
tos e de gestos modrrmrs ; assim com praaia
m rlinii-ntn de vidros linos e ordinario, que Mi
-i' vender lanto a retalbo como pur alar*; i aft
mais barato pre^o que em ouira piialqocr prrtt :
etiamamos a aitenrao dos frepuez,, n ^V
convenientemente -('rvido-< tanM nos r ti id
precos corno na b-'a Vende-sc. orna casa terrea emenios pro^tiea
na freguezia de S. Jos : na ra de Huelas a 3
sedi quera vende.
ESCRAVOS FGIDOS.
comprar por precos muito razoaveis loja do gallo menie.
vigilante, ra do Crespo n. 7.
Fugio do engenlio Boa-citta, na eaaam 4b
famaragibe e provincia das Alago;., > ex-r
Nicolao, idade 34 annos, aliara regatar, gr -<> do
rorpo, andar banzeiro, tem falla de denles aa
frente, ro-lo largo, barbado, costana a- imm a
' it toda a bar ba, e tem urna cir.iriz a u>t.\
os ps grossos; este osera o anda fogido oVMe e
dia 16 de Janeiro do correrte anno : rnga-e pm
ta as autoridades noticiaes o aos capilar*
campo a priso deste escrav e o entregar n-> m-
genho cima mencionado, ou nesla praca a roa
l' no Vigario n. 12. on Iravessa do Corpo ftaaa .
2o. piimciro andar, que se gralilicara gecerna-
COGNAC.
Aust'iitou-se a ptrto de doos mere< de eaai
de seu senhor a e;crava prea fula de m;iv .Varia.
eom perto de 50 annos de idade, alia, gi rda, laai-
to reprista, foi escrava doSr. r. Amaro, g
da fabrica fte Bisquit Dnboncb & C, en
cognac ama das que mais agurdente di
cognac, fornecem para o consummo d<
Reino da Inglaterra.
Vende-se m casa de Th. Jost. roa d<
commercio n. 32.
CEMENTO
0 verdadeiro portland. S se vende n
ra da Madre de Deus n. 22, armazem d
Joo Martins dfl Barros.
30,280, 2 W e 200 rs. a garrafa e 480 300 8tirrafa em Por3 faz'se 8rando abatimen-
rs. o litro.
Vinho Figueira, Lisboa, Porto e Estreito
to.
Caf em caroco a 220, 240 e 2 O, a li
600, !e
a 560, 500 480 e 400 a garrafa litro a 840 S^^i^'j^S,* i80'. 40 e
760, 720 e 600. : 7*W0. 70500 e 8*800 arroba.
Vinho branco puro d Lisboa a 610 560 i Milho a|Pisla 20 a libra e 440 o ki
a garrafa, em porclo ha abathrftento. logramma e 5^800 a arroba, em porco ha
Vinbo do Porto, engarrafado das metno- batimento. v
res mais acatadas marcas a!#)00eW. ftHf fr.esc<,s do nltimo vapor a 3200
i mi e U a garrafa. |e 340 Mda um-
Mera Bprdeaux, Medoc e St. Julien Aletria, macarrJo, talharim a 500
a
citas, qwer em *amo3, tem oPAVILHaO Paris, podemos garantir que ninguem neste
DA AURORA am permanente jardim a genero o possue melhor, nem mais em
disposicao das Exmas. familias. coota.
_ E' dispondo d k> grande e variado sortimento qoe os proprietarios do PA-
VILrlAO DA AURORA se apresentam ao publico declarando desde j qoe a sncerida-
Prvidos de todo e promptos sempre a prover-se do que por ventura lhe
eja necessario, os proprietarios deste sumptuoso estabeleoimento recommendam-se
em receto de serem con ir adicto prolestam esforcar-se por continuar a merecer
protec>>i|QftM Ibes tem dispeane; ee'rtos de que do seu estabeecimento nao satura
e freguez descontente.
Contina sempre a officina de alfaiate dirigida por um dos mais Wbeis artis-
ue, promolo execular com promethlao e bom gosto qualquer trabalho me he eeia
vahado. Urna modista especiaImeota octupada nos trabalhos do PAVLHaO DA AU-
RORA, rige es que lhe sio conceroetrtes, garante por seu apurado gosto e promntidao
sa eiecucao e a mais completa perfeloSo nos seus trabalhos.
A oumerosa fregoezis qoe nos honra urna prova de que merecemos ocoa-
ttiteqoe se dispeasa ao nosso estabelecmenlo, conceito que procuraremos armar eada1
i* mais. Pan facilitar anda a oonceeaeid do fim 4 que nos i opomos, temos no nosaq
sUbelecimeotoos timos figurinoi de Paris, que recebemog por todos os paquetes, os
quaes enviaremos para serem vistos as familias : nossas freguesas, afim de eicSberem,
com o padro da fezendae geste na forma.
Na offiewa de ailsite, joato m stabTcimeht," ha iguminte os feguriaos
para homens qa par todos os rapares se recebem.
engenut
S. Gaspar, sito na freguezia de Serinnem
coBrrca 8b Ri Formse, prximo do em
barque, com grandes partidos de pal t
massap i roda da moenda, mattos mangue*
E" este o leodo porque aos apresentamos pedindo a aroieccJo, do nustrado
JiWico 9 tomtftffmtiprqaao respeio convidamos s exctiueatissimas Sras. a visi-
uwm o nosso estnbefteimeato, certa* detftdhtfarem nelte' pelo menor pi^o'ndssive-
twWq^rx^radeaajar-, ^
xa ^.4 *daremo8 caMiro# levar as fezen&s esmostras onde forem pedidas, wstc|
aw podernos especiflear todtf-fttato teos.

Aberto das $ s 9 hort U floite.
fibra e 1^100 o kilogrammo em caix0 ha|
abumento.
Sab5o masSa de i* e 2a qualidade a 220
e 240 rs. a libra em caixa ha abatfmento
Toucinho de Lisboa raiito alt a 400 rs.
a libra e 880 o ki ogrammo, em arroba ha
grande drfferenca.
gneros, vinho em ancoretas, azeitonaa,
7)5500 e 65500, a dueia e 640 rs. a garafa.
Genehra de Hoil inda e laranja doce aro-
mtica a 6J500, 75, 110500, a frasqueira.
Serveja Bass. flters A Bell a i!ft00 du-
zia em porclo ha grande batimento.
dem nwca H e T e outras marcas a
5#00 e 60, a dHzia e 500 rs. a garrafa.
Assim como ha outros muitos
passas e figos, charntos finos de diversas manas, mirmelada, bolacbinhas de todas as
qualidades. perola, Prancy-cracynel, a, b, c, Mdium, raixed, soda Fancy-nio-nac, pa-'
lace de Variete9,combiaatioa, Brifania, doce de goiaba fina, chouricas, manteigas finas
franceza e inglesa, btmba de Baltfmor, phospaoros de Sycarrt, Oogoac, cha de diver-
sas qualidades, Canella, pimenta do reino, erradoce, pomada, enxofre, trev, -peixe
em latas de todas as qualidades, fariaha de mima americaDa, grandes^moltm t sebol-
las nestes dous armazens existe tambem grande sortimento de loucas proprias para ae-
gocto, que pelos seos Commodos preco faz wiUgem aos compradores.
VENDE-SE ou arrenda-se o
Venda de lampeoes
p ra illumiua^ao.
Na loja do funilpiro de Aatonio Moreka Pinto,
na travessa da ra do vigario n. 3, tem para yao
para madeira necessana, bom pasto, etc.: der 300 a ioo lampeSes promptog, muia eenno-
a tratar na ru d'Aarr n. 26, o n d* nico8 Pr ?erem Pra gaz liqmdo, dio-exTellen-
Imperador n. 20. t S las: i *lles antea qoe m acabeiw, bore en-
earregads de rtlumioagoes', aue rti baratos.
AT
Vende-se o ncgwjta-Ee o eofriibo eomrwrta
moeaie e oorru% rito, na fttgiaezia de onrica'
prximo a dsiraa Se erro, .leudo excellente cer-
cado; matos e-airtVeJhors trras he p!ntac3o
Este engepho, OitU d nitrito* it^&Yirvra-
dores, ten dea (fruidas partidna de ft enda, ^
um dos quaes leva mais de 150 carros feMum-
^tWssIma* Vtea rWe corr um dos K,re3
fvarjows, Mfemaa*3l4abr* tem o aeSBS!
preparos para moer com.aimaes ; atfobns'sltaU
em bom estado o a#sadio '
fier-so boris coffajr
destilacao com um dos
3IezdMaria
Caallcaa e ayrwo devoto* par o, toes
de Mara.
Um ntido volme icaderhid de corb
Demarronoiai'doarado
LV
am>
na roa da Cadeia
IWfd
& St. Julien
c
itii'i* ^fr.'^ ""^''"
liMrs-wmUna
roa Direila d. is.
fla-CoricrJrdiarri
Jcr, dia.
tt^al* M : i
tendo do pavimento terreo
totas* ftMaJHVd
. imai mnanu pira orto, narnT da
Poote o. 20 da cidtttiaaMittia4 .tir
KSffi^p^ 'Pilr*>il4riins
Femandes .Nocaeira. .
Nogueira.
Vende-s!
luada na roa u
manguspe : a tratar na mesma coi____
uno Jos Maruns femandes Jogusira
i Ha-
prprie-
Jcordeiro previdenti
Una do Queimado n. i.
("ovo e variado sortimento de perfnmarii
finas, e outros objectos. -
Alm do completo sortimento de perft
marias, de que effectivamente est provida
toja' do Cordeiro Prndente, ella acaba
rece"ber um outro sortimento que se ton
avel pela variedade de objectos, superior
lade, qualidades e commodidades de pr<
ios; assim, pois, o Cordeiro Previdente pee
e espera continuar a merecer a apreciac
do rspitavel publico em geral e de se
boa freguezia em particular, nao se afai
tando ee de sua bem conhecida mansid'a
a brteza. Em dita loja encontrarao c
preciadores do bom:
Agua divina de E. Coudray.
Dita verdadeira de Murray 4 Lamman.
Dita de Cologhe ingteza, americana, frao
:eza, todas dos melhores e mais acreditad!
fabricantes.
Dita de flor de larangeiraa.
Dita dos Alpes, e vilete para toilet.
Elixir odontalgico para conservadlo 4
isseio da bocea.
CosmetiqueS de superior qualidade e cha
ros agradaveis.
Copos e latas, maiores e menores, coi
pomada fina para cabello.
Frascos com dita japoneza, trahsparem
s outras qualidades.
Finos extractos inglezes, americanos
francezes em frascos simples e enfeitados.
Essencia imperial do fino e agradavel che
ro de violeta.
Outras concentradas e de cheiros igu.
anente finas e agradaveis.
Oleo ptiilocome verdadeiro.
Extracto d'oieo de superior qualidad
iom escolhidos cheiros, em frascos de dif
-entes tamanhos.
Sabonetas em barras, maiores e meoori
para mios.
Ditos transparentes, redondos e em fifi
ras de meninos.
Ditos muito finos em caixinha para barb.
Caixinhas com bonitos sabonetas imitano
fructas.
Ditas de madeira invernisada conlendo I
aas perfumaras, muito proprias pira pr<
lentes.
Ditas de papelo igualmente bonitas, tai
>em de perfumarias finas.
Bonitos vasos de metal coloridos, e
moldes aovas e elegantes, com p de arre
boneca.
Opiata inglesa e franceza para deltas.
Pos de camphora e outras differeati
fuaJidades tamaem para, denles.
Tnico rioatal de Jemp.
Alada u*J* cMc.
Lm outro sormento de coques da ai
vos a boaitoa moldes con fileu de vidriih'
f alguns d'elle ornados de lores e fita
JiQ todas Mfostw 4 apreatacao da qoai
oa pretenda, *ojaarsr.
GOLLlfe:jjB#IoS,MW)ADOS.
Oir(teiinitogoMoe.perreicao.
Fivdl, itas-aara elsatoc.
BUo e varuat) sortiraento detae objai
tos, acando a oa aseolha aa gesto do coa
sdor. ast^M
Venda-se
De superior qualidade da mui accrediU I fabrica fte Bismiit TrnhnnrhA A f. on Boa-vista e em S. to rom labolrtr no ra-
b i;h : quem a apprebender e delta p< der dar re-
tida exacu, dirija se ao pateo ic S. Pedro o. If,
quefei gratifiradi.
Fiioio do engi-nhu Camarayibv na nrgn^o
de Serinhiem perteoeentes a (aspar Maonca
Wandrrlcy os escravos segoinles : Samuet rrioa-
lo baixo. groro, narii chato, diz ser da O-ta im
ter sido comprado pequeo. Joao Caboeukt de rdav
de irinla e tantos aanos, ps chatio, ventas arro-
biladas, estatura bnixa, rSr fricada, poora oaraa
e esta na p< na do qoeiio, Felipoe nula? dn ida-
de de 16 annos puco mais n men >s, tiaix, ji.*-
se. sem defeito algnm, teve bix< em peiiuoob ao-
ri'in pnm-o apparere; por isso pr>se as au.-
dades policiaes e capiles de amp > a rapliira m
mesmos e lvalos no mesmo entienbn ou to. raa
da Moeila o. 5, 2 andar eserptori de Manoei .U-
ves Ferreira & c. que serio gratiflrados.
Fugio do engeulw Mintv e.s, da comana do
Santo Ainao, no d'a 20 de jonbo do aooo'p
o escravo de neme Francelino, reprewwU er
annos do idade, com os signaes gegniofcs i
preta, baixo, corpo reforjad, cara larga, bar
barbado, olhos pequeos, nariz muito afl^d, bre-
ca regular, dentes curtos e rimado, moaa prruaa-
ta e andar apressado ; coosta andar pelo sober-
bios da cidade de Olinda, eagenho Fragoso, Caat-
e|, Beberibe ou Apipaeos, acontado por io^m
Jos de SarfAnna, sen irmao liber:. n qaa l

em sua c mipanhia urna cabiclfc e filbf* owa-
ma, e por outro irmao de neme Ji s Bar?, qa
o ronduztra para os logares cima iondifioM,
alem de um outro seio de oome Jo? Zeh.-ira
da Silva, conhecido por Jos Paje, p< r ter viaaa
daquella comarca. Rogase s aolordades ea-
pitaes de campo qne o apprrhendam e o te<*oi
ra do Rangel n. 17, ou no eogenho llmbora*, a
entregar a seo senhor Juo Crrela de Qai-irai
Montciro, que sepo generosamente gratirVad-i*.
Pbgio do engenbo Jardim da freguez da
Serinhem o escravo Crioulo de norre gaario, a
com os ^gmas -egirintps: cor fula, alturae *
regulares, olhos peqrenos, nariz chato, borra
de, e o beico superior um poueo lino, desdrsuaa
na fr nte, barbado, e tem marras de feridas oab
canellas, ps enchados, os dedos dos re- can,
deve ter signaes de castigos, natural da fregn^xia
de Bezerros, onde tem prenles, leudo asfalto cona
os naturats desse lugar, canboto, e traL..a da
bani|aeiro on mesmo mestre de assucar : uaem a
prender ser recompensado generosamente aa d-
eade do Keeife pelos Srs. Leal A Irma, o oaea-
penlio Jardim por Mariano JUvi r Caroairo da
Canha.
OO^ de gratifieaoao
Furlaram do en gen lio Arandii de wm, dn ter-
mo de Santo Anillo. :l eavtllos, na noote de r pa-
ra 7 do correte os quaes tem os signis sefoai-
tes :
1.a Castanho claro, grande, nutrido, i-aurado,
com urna esirellinha na testa e com a letra C eaa
eada una das ancas.
2. Preto andrino, castrado, bom rao, nutrida,
com igual ferro, tarrbem sobre as aeras.
3." Anda poldo, in tiro, cardao vermrlno, gor-
do, crinas pretas, enro bom rorpo, com o aca-
mo ferro dos outros, tu s*bre os doas anartay
em vez do ser nss anca*, andador baixo.
Quem os pegar e trouxer ao abaixn assgn4
no referido eiif eubp. T a gratifloi d Xif
por lada um, e se prender o ladrao e o eobeirar
a autoridade eompcteole ter mais graiiliea aa
de cem mil reL.
Arand de baixo, 7 de abril de 1870.
Ambrosio Machido da C Cavaleanri.
Fugio da casa da'roa do, Sapto.. Amaro,
n. 22, no da 3" de, marco do corrpn'e aoao
o preto crioulo de pome Joiu idade de 3$)
aun s pouco mais ou n euos, com os sigoaes
>egunies: baixo, cbi di) corpo, piara
barba, rosto coa>,marc| ^bexjgas, ra
tfaauMmr-..
ceiio,aml>*rncai grandes.
dedo de menos naj
escrevo d Sr. XA
Temporal. ,,e ul,
quatro freggczif
s autoridades co
obsequio d ppre
do Crepo n. 5 que
pensar.
. .
oqoal f.ji
ac .Moreira
r n'tuna dae
Roga,-se p.
. oparticolarwe
'em elew-lo ansa
rosamente se coaa-
oaairaaaM a
^rMaSt
i stcamaaniB-
dad^aaSK?
sudo e com urna i
do do nariz, sabio rnm Yal|i SiS<>, uaia jo
twfe braocs ai chjp isiafai ilna*btHe^o iba
tjtwr parbcCSi ufava j
casa uevaiama as-HSataTdm a*btsi__
d.< Apipncos.^a a- ru*. da -Sflfifl a* m.
escriptorio, onde A dkr V |ImRPo de
coeau mil res.



8
. ot
Diario de Pernambuco Ter<;a eira 19 de 4AT>ril de 1870.

J
UTORATRA.
Iileesiraaa poesas recltados-
a villa do Baalte, par oeca,
alio di-a featejaa pela terml-
aeoa guerra.
Discurso do juiz de di reli da comarca
Dr. Josii Rodrigues do Pasto.
VICTORIA, VICTORIA, BO.NITENSKS
Ja o sybilar balas, o trovojar dos
caahoes e o clangor das trombetas nao
renoam nos campos do Paraguay.
Brasileiros,'parabens, parabens.
Qual ser o bras leiro, que possuido de
t3) fausta noticia nao le estremega o co-
ragio de jubilo e alegra ?! O Brasil vic-
torioso e jamis vencido fulgurando entre
as nages cultas?!
O despota selvagem, tyranno e mais que
tyranno suecunrbio, pagando com a vida
as atrocidades e crimes commettido contra
ama nagio rica de glorias e heroicidades
O valor nos combates o o pelejar dos seos
- filhos altestam grandiosos feitos. Paysand,
Passo da Patria, Riachuelo, Itoror, Lomas
Valentinas, Ascurras e outros lugaros s5o
. brazoes que ennobrecem e enchem de de-
oodo e ufana o exercito e armada brasile-
ros. Nao causa oveja, senbores, ao Bra-
sil, nem ejsa altiva e soberba Albion, nem
mesmo as batalbas dos bravos do Meren-
go e Austerlilz. O soldado brasileiro so-
brepuja em valor e byzara, quando [Hjgna
pela liberdade. e soberana de sua patria
uilrajada. N3o serei eu, senhores, que vos
veniia p rsoinicar tantos bravos e hroes. A
historia, sem duvida, ter de burri, seus
nomos, com vivos relevos, em laminas de
ouro. O fraco orador, porm, considera,
senbores. cada soldado um bravo, cada gene-
ral, um here. Honras, glorias e louvore*
aquelles que de glorias engrinaldam seus
nomos na historia da mi patria. Honras,
gloras e iouvores ao magnnimo monarcha
brasileiro, que soube sustentar a dignidade
e foros de sua nago, a despeito de subdi-
tos vis e degenerados que a todo o transe
pretendiam marear o diadema imperial.
Nem o batalhar de urna guerra cruel en-
carnizada e devastadora, nem o periodo de
cinco annos era que as phalanges dos bra-
.sileiros deixavam largos espacos em snas
fileiras poderam arrefecer aquello magnni-
mo corag5o na perseveranga, constai cia e
tenacidade. Honras, glorias e Iouvores a
S. A. Conde d*Eu, que expontaneamente,
offerecendo-se para parlilhar da sorle dos
brasileiros, va e corre aos campos do Pa[
raguay, deixand) ficraprecosidadea mais
sublime do seu coragio para mostrar ao
Brasil, e ao mundo inteiro que sabia sr
general. Senhores, emqoanto estiver colloca-
do no throno imperial Pedro II, monarcha,
virtuoso, sabio e Ilustrado, o Brasil sempre
ser 'dos brasileiros, mesmo porque os bra-
sileiros nao desmentido sua ndole, e re-
r.ome, e jamis perjuraro daquelle jura-
mento dado nos campos do Ipiranga de
morrer pelo brasil, ou ficar a patria livre.
Senhores, o brasil venceu, o brasil vic-
torioso. Palmas gratid5o e vivas.
Viva a nagio brasileira.
Viva S. M. I. e sua augusta familia.
Viva a constituido do imperio.
VivaS. A.Conded'Eu.
Viva o exercito e armada brasileira.
Vivam as nagoes alliadas.
DISCURSO DO SR. CYPRIANO BEZERRA DE MELLO.
Senhores.Quanao o Brasil inteiro se en-
trega ao mais justo contentamento, entendo,
que tambero, esta pequea parte do grande
imperio dove possuir-se do mesmo jubilo,
pola terminaciodessa luta homrica provoca-
da injustamente por om moderno canny-
bal.
Lembrar vos os rasgos de inexcedivel
bravura praticadas pelos nossos irmiosnes
sas explendidas victorias seria impossivel.
Riachuello, 24 de mato, Angustura, Ito-
ror, Lombas Valentinas e Aquidabam, fal-
lam mais alto do que qualquer elogioe
todos elles constituem a aureola gloriosa
que cinge a fronte r*e cada bravo, e assig-
nala o brasileiro cada batalha, foi sempre
urna victoria triumphos aps trium-
phos I!
O mondo que at hontem desconhecia o
soldado brasi eiro, boje ha-de, bem mere-
cidamente, admirar os rivaes dos hroes
d'Arcolee das piramydes reproduzdosnos
inhspitos campos do Paraguay, sob o
mando dos invictos generaes,Caas, Oso-
rio, Argollo conde d'Eu e Cmara.
Seria incompleto o triumpho da nossa
causa, se o tyranno que procurou nossa
patria a mais desastrosa situacSo, n5o rece-
besse a sua justa punigio. Lpez, o san-
guinario, aquello que o anathema misera-
\el de ve pesar sobre elle... j nio existe !
O mmortal Cmara alcangou a fra antes
que ella podesse abrgar-se em seu covil, e
um dos valentes lidadores a fez morrer!
O soja recado ppr tanto sangue precio-
so... hoj* tambera molhado por esse
sangue imparo !!
iu, brasileiro de nascimento e de cora-
Pe, bem como vos, convido-vos para que
onisonos thusasticamente bridemos:
Viva t amstitoic5o potitica do impe-
rio!
Viva S. .M. o imperador!
Viva a nagio brasileira!
Viva S. A. o Sr. conde d'Eu !
Vivara o ?xercito e armada brasileira !
Vivam os hroes do Aquidabam!
POESI4 DO S!. F. TIBURCIO P. DE M. SILVA.
Entre as mais fortes batalhas,
Em mil combates demorte, J
O tyranno tinha a sorte
Do n3o perder sua vida;
Via mortos seus soldados
Palas laucas dos guerreiros,
Dos soldados altaneiros
Que tem mostrado na lida.
Surgi as margem do Aquidabam
De rojo se fez em p,
A langa tremilou s
No peito do vil tyranno.
A sella d'um dos bravos
Trepidou e nao tremen
Solano Lpez morreu
Est o Paraguay soberano.
Nos peitos dos nossos bravos
Esto escripias as victorias
Desle Brasil s de glorias;
Dessas phalanges guerreiras ;
as mil batalhas que deram
O Brasil fui vencedor,
Mostrando ao dictador
O valor dos heroicos Brasileiros.
em digna
a guerra
curi
L nos campos Paraguayos
Enrolndose nas dobras do estandarte
Ergneo-se o soldado baluarte
Da brasilicaNaco ;
Soltando mil brados de victoria
Ao imperio da Santa Cruz
Que guia com sua luz,
Aos distinctus filhos do brazio.
Mostramos ao velho mando
A's paginas de nossa historia
Escripias com tanta gloria
As campanhas do Brasil.
O inundo inteiro responde
E' um oui.ro Bonaparte
O auri-verde estandarte
Desta nagio varonil!
Na criado brasileira
Os bravos Osorio, Gurjo,
O Porto Alegre bario,
Inhama, e Casias,
Andrade Neves e Cmara,
Argollo, Victorino, Galvao,
Decendeem do Vidal e Carnario
Dos Vieiras e Henriques Diaa.
Sao estes, padro de gloria,
De nossa invicta Nagio,
Que junto com sea canillo!
Libertou o Paraguay;
Denodados Brasileiros
Vossas honras est3o vingadas
As fortes correntes quenadas
O povo livre... marenti!
Pernambacanos distnctos ?!
Hosanas ao novo mundo t
Viva D. Pedro Segundo
E a familia imperial,
Vivas aos bravos da patria
E a brasileiraNacao .
Viva a nossa religio
Viva o conde general.
lemnidade 6 bem
assentada entre
e a paz que surge, i
ra nacional, inco
tes tropl
A ib
artes,
raa, nio e sd'aenlMV-proraessa risonb
para os homens que vivera de conttapla-
ges; um protesto solemne das intelligen-
cias cultas e generosas, contra essas dotitri-
nas acanhadas e mercenarias, que t3o fcil-
mente cautiv os nimos embotados e re-J
trogados; ama brova'de que, tongo de
esgolar as fontes- das nessas riquezas, 'a
lucia de que saturnos coroada* cota a aitre-l
ola da gloria, n3o fez mais do quoffeleoTa'-
dear as torrentes da nossa a:tividade intel-
leclual, o mais ineihaurivel dequantos the-
souros possue a humanidade,
Esta nova creagio, senhores, de rfue j
existera honrosos commentaros nos peri-
dicos nropeus, devemo-la em primeiro lo-
gar a Sua Magestade o Imperador, cojo vas-
ftissimo ospTito ha muito a reconhecra ne-
cesaria ; em segundo logar a dous grandes
caracteres, dous cidadios Ilustres, que du-
rante alguns annos illuminrao esta institui-
gio com am raio de Ilimitada esperanca :
o estadista Luis Pedreira do Couto Ferrtz,
hoje bario do Bom Retiro, e o poeta e pin-
tor Manoel de Araujo Porto-Alegre.
A este ultimo cumpre-me, como sou dis-
cpulo e como profesor de esthetica, render
publica h meBagera ; porque foi elle o pri-
mairo que fallou, entre nos, a linguagem
do bello, procurando sempre espamar con
sua palavra auctorisada e eloquente, as ver-
dades immutaveis, sobre as quaes se devem
firmar as convieces do artista e do poeta.
Receba, pois, este mesquinho tribato de gra-
tiiiao, aquello que, no intuito de servir a seu
paiz, soube formar urna academia verdadei-
devi; porque, I thar;din*uso das constellacSes humanas,
que desapparece, I corad estrellas do desmesurada grandeza!
DISCURSO ACADMICO PROFERIDO EM PRESEXCA
DE S. M. O IMPERADOR NO DA ti DE MARCO
ULTIMO POR OCCASIO DA ABERTURA DO
CURCO DE ESTBCTfCA PROFESSADO PELA
PRIMEIRA VEZ NO BRASIL, DO DR. PEDRO
AMERICO DE FJGl'EIREDO E MELLO, I'HOIES-
SOR DE ESTHETICA E AIICIIKOI.OI.IA NA ACA-
DEMIA DAS BELLAS ARTES DO RIO DE JANEIRO.
Imperial Senhor! sempre que 0 templo
das musas abre as suas portas ao publico,
para annunciar-lhe novas conquistas da
intelligencia; sempre que o publico afllue
para os espectculos das artes, leva-o a con
viefao de encontrar nelles noves deleites
para a alma, afl'adigida das la tas, militas
vezes infructi.'er.is, da vida osiliva. qje
as sociedides reconhecem nos cultores do
bello os verdadeiros prophetas da civilisa-
co, os sacerdotes da concordia, que s
galgam a pyra do sa. rificio, para queimar o
incens da immortalidade, e eolacar fronte
dos seculos os louros das victorias ganhas
nas batalhas do progresso.
Eu vos agracleco, pois, senhores, a honra
que me outorgais, dignando-vos de ouvir a
um orador obscuro, cuja inculta palavra mal
ves poder assegorar que esta modesta o-s
' FOLHETIW
OS DRAMAS DA ALDEIA
POR
Ponson du Terrail
VIH
lContinuag3o do u. 84.)
Qae se passava entre o padre e o mori-
bundo em quanlo Saurn monlava a cavallo
para levar o testamento ao tabellio de Lor-
ris ?
O cura nunca o disse, mas urna hora de-
pois veio a Martina bater i porta do quarto,
a qual elle lhe abri.
Pode entrardisse o commandanie
com voz agradavel.
Operra-se naquelle aspecto grande trans-
tjgaraco. J nio era o mesmo olhar tor-
vo, gesto impaciente e phrase spera qae de
ha muito adoptara.
Naquelles tobios descerados entrevia-se
um sorrso ameno, que evidenciava a beati-
tlcacao da alma.
A Martina parou entrada da porta, de-
uda por um impulso de sorpreza.
Aquella transfiguracio do hornero, cujos
sentimento3 anti-religiosos tanto lisongera
nio poda deixar de a impressionar.
Entredase o moribundo.
O pequeo Augusto, que ella levava pela
mo, correado para o ledo, tomou a m3o
do commandante, dizendo:
Mea padrinho I
A Martina aeguio-o, mas ao aproxi-
mar-se do toito saspendeu o paseo.
Aperar da sua audacia natural, nao pode
vencer um certo receio respeitoso que a
presenca do sacerdote Ote inspirou
O commandante proseguio:
Minha filha, em o numero das faltas
que tenbo commettido algumas lhe dizem
respeito: acabo agora mesmo de reparar
urna nao pequea e de assegurar a seu filho
um bom futuro.
Estas palavras foram como o rastilho que
produz a exploso da mina.
A Martina encaroo cora aquello horaem
que ella tantas vezes fizra varillar e que
agora no seu leito de morte a olhava sem
empallidecer.
Ah I simexclamoa ella furiosa
Bem se i o qae fez!
Fiz o mea deverredarguio o en-
fermo.
Desherdou o seu filho t replicou
ella.
E, cedendo sua ndole arrebatada, aper-
tando as roaos, espumante de raiva e es-
quecendo finalmente os conselhos do irm3o,
lancou um olhar provocador ao cura Duval,
dizendo-lhe:
E' a vos, padre nefasto, que eu de vo
ludo isto!
Desgranada,exclamau o moribundo
que assim insulta o meu nwlhor amigo !
Sois am monstro Iproseguio a Mar*
tina.
O cura Duval deteve-a por om braco.
Minha filha, disse-lhe elleao bomem
qne esta ultrajando nao restam mais do que
algumas horas de vida; na quena p?rtur-
bar-lhe os derradeiros moraeaeos.
Importa-nie pouco a vida dalle, assim
como a soareplicou a Martina arrebatada-
mente.Bem pode elle morrer como um
ci, qae Dio lerei eu que lhe acuda I
Anda urna hora antes talvez o comman-
dante, reunindo o que lbe reitasse de for-
cas, fizesso d'al i expulsar aquella miseravel,
que nem ao* meaos respaitava a bora da
agona, porm 3lle j nao era o mesmo.
Limitou-se, pois, a abracar o pequeo
o seu verdadeiro aspea
aturaes, e por assin
ultid3o de ci#
rte materiaef,
_ da liberdade
lomera; em ama palavra, a conclus3o
evidente de |>ermissaj claramente estabele-
cidas, por concurso ombinado de aconteci-
oientos e fados, de-ins itnirijes e doctrinas,
que n3o podiio gerar outros fructos. qual-
quer que fosse o paiz ou a poca onde se
tivessem encontrado.
Esquecamos de qaM vez essas opinies
suparlfciacSi que pretendem oxplicar a his-
tori*pelos caprichos de usna potencia occul-
ta, cujos mysterisos decretos, se por ven
tura existissem, tornariam impossivel a phi-
losophia dos factos soclaes ; o lembremo-
nos sempre di inaCco que condemnam o
homem, todas ssas doutrinas que nos levam
a esperar da v.miado divina os beneficios
de um cabedil, que s so ajunta com tra
balho, o qae s se conserva com os labo-
res da nossa aclividade.
Illuminando o meu camnho com o arebote
dos mestres abalisados, entrarei n'araa r-
pida viagem pelos dominios da historia plii-
losophica. Aqai o campo e vasto. A con-
scienria collectiva da especie, atestando a
cada indivividuo a existencia do um Ser
omnipotente e creador, a quem deve o Uni-
verso sua origem e suas perpetuas trans-
formares ; o seniimento religioso diversi-
ficado segundo o clima e a ndole dos pavo
o assignando variadsimas formas idi
primognita da universal theogooia ; a po-
ltica Janeando mo dessas diversas alavan-
cas moraes do mando, e assestando as
um interesse determinado, muitas vezes em
discordancia com o espirito di poca, mul-
tas mais, porm, accordes com as aspira-
abstracta, e subtil, exij
IgminioCda sci(
ramente nacional, com os fragmentos mal coes legitimas da humanidaio a supersti-
acepilhados de urna instituicao bastarda,
que, crendo abaladas as bases desse pri-
meiro monumento elevado s arles patrias,
edificou um outro em honra das letras;
porm, t5o vasto, t3 colossal qae, assenta-
do na soberba Italia, domina o noss> bori-
sonte intellectua!, projectando sobre o Brazil
inteiro a maior parte dos raios de soa glo-
ria.
Sei que me falta a illustracao necessaria
ao pleno desempenho do mea novo magis-
terio ; e de certo teria desistido de ensinar
a 8ciencia do bello, se o desejo de servir nio
gerasse era mea animo, assim o esqaecimen-
to de minha insaDciencra, como a conviccao
de que nao deverei jamis retrahir-me acejfo
do progresso, deixando de concorrer com o
meu pequeo "contingente de aclividade in-
tellectual e moral para o bem de minha pi-
tria. >
E porque, senhores, nada farei acertado
fra dos preciosos juizos da opiniao publi-
ca, vou desenhar succiotamente os traeos
caractersticos do meu corso, sem procurar
convencer de sua utilidade a ora audctorio
to Ilustrado, que de certo considera a his-
toria, a esthetica e a arcueologra como tres
lacos que devem preoder uns aos outros o
diversos elementos da instruccio do artista.
Essencialmente complexo, variado, e cons-
tando de objeelos por vezes to transcen-
dentes, que poea em jogo todas as facolda-
des da auna, nao peder este eurso entrar
no rao de dos que se professio nas outra
escolas do Imperio, muitos dos quaes-,
apezar de primorosamente lioeados.j sof-
frrlo as correcces com que a experiencia
aperfeica todos os projectos humano.
Obrigado a adequar intelligencias jo-,
vens, e pela maior parte pouco- afeitas in-
vestigado scieotifica, materias- to vastas,
que nas academias de Franca e d'Allemanba
fazem o objecto de muilas cadeiras espe-
ciaos, terei de encontrar, necessariamente-,
grandes diflkuldades quanto systemalisa
(3o do eosiiKK Divdirei entretrnto o meu
corso em tres grandes partes, as quaes e.v
porei oportunamente, constando a primei
ra de historia das artes, em relacao com os
diversos facto da historia gem, e as eve-
luces capitaes da philosophia e das crencas.
o ponto de partida, a base ou chave
do systema de instrueco que mais convem
ao artista, aa poca nacional presente, em
que o facto das bellas artes,, bem como o
da religio ou da philosophia,. nio pode ser
desligado, sem violencia, dos.mais pheno-
menos sociaes.
Para desenvolver e explicar esta idea que
tenbo constantemente sustentado, evocarei
as civilisaces, as theogooias e os systemas
que na antiguidade reinrio conjunctamente
com as artes do desenho, cujos archivos
bastario para reedificar a historia da huma-
nidade, na falta dos monumentos escriptos.
Os maravillosos phenraenos das pocas
contemporneas de Pnicas, Protogenes, Mi-
guel-Angelo e RaphaeU desses grandes es-
piritos, que nos appawcem por entre o bri-
q3o vindo toldar a nitidez das credas e
desfigurar o Evangelho das eternas esperan
cas; a pWlosopha apparecendo por mo-
mentos, cora seu ficho elctrico, alluind > a
babel intellectual, que elevaram as tradices
eos tempos para sal vare m o homem dos
diluvios da consciencia, e reapparecendo
emfim coroada de luz e de sciencia para re-
edificar sobre solidissimjs bases o grandio-
so monumento da verdade ; a astronoma
computando os mundos que povoara os es-
pa;os sideraes; aniquilando os empyreos, e
alargando prudlg. osimeote as concepces
cosmolgicas dos p'iilosophos ; todas essas
grandes manifestares da intelligencia e da
vontad*, bio de concorrer, na justa propon-
ci de suas respectivas affinidades, com a
poesa e artes plsticas, per servirem de li1-
go ao artista creador, e guia-lo em seus
sublimes arroubos atravez ds v-siisimos
olyiapos di imaginaeo,. p r onda elle va-
gueia desligado da trra, era busca d > m-
ximo thesouro da arte : a deternvnacjio
sensivel do que chamamos beo ideal.
Denando os lompos antigos, cujos suces-
seres farei melhor cemprehender, empre-
gando na' sua exposi?o um aystema espe-
|-cial de s-ynchronismo-,. tratare de expor os
aeonlecimenlos modernos- qae Uverem relat-
i;3o com as bellas artes, demonstrando,
pela analyse delles, o- quanlo importa ae
progresso da arte, o nio fgir O' artista de
seu secuto,, deixando de trabeihar, com o
estadista e o soldado,, para o engrandece
ment da pnopria patria.
Esforcar-rae-hei por mostrar que a civH
lisaco nio- como o penswa Bossuet,
obra de urna forc-a sobrenatural, cujo
impulso cede machinolmento a humanidade;
mas a coaelusao, natnral e neoessaria, dos
actos efectuados livremeute pelos homens
superiores e pelas gerages moralisadas ; e
que, do mesmo modo-que, a cada grande
feito da virtude corresponde ura estado par--)
ticalar de satisfag3o para a coosciencia,
cada injostiga porventura praticada para
com um homem, ou urna classo, correspor>
de na historia urna serie mais ou menos
longa de consequencias funestas para o pro-
gresso.
A historia das artes, de cotfrauo eolag?-
da historia geral, esthetica e moral,
(ara, pois,. o objecto da primeira parte de
meu curso.
Na segunda, partindo do estado da lgi-
ca elementar e da psychologia, e Ilustrando
as proposiges pae o exgirem, com de-
monstra^oes graphicas, e com desenvc4vi-
mentos-acerca da anatoma descriptiva e da
physiobgia, tratarei de expor sucessiva-
mente as diversas partes da esthetica ra-
cional,, desde a mais simples e intuitiva,
at a mais complexa e traascedente, ronde
partirei considerar os principaes systemas
relativos sciencia do bello, que se tem
succedido, desde o poeta Hesiodo, at aos
nossos das.
E* a parte mais laboriosa, por ser a mais
dificultosa o curso, e porque, demasiado
Augusto, derramando sobre elle algumas la-
grimas.
A Martina, puchando o pequeo por am
braco, grita va:
Este o meu fiiho ; nio Yo cederei!
E quiz retira-le d'alli, mas o cura Duval
segurou-a, disendo-lhe cora brandura :
A sua conducta, minha' filha, bas-
tante repreheasivel I
Importosme pouco os seos conse-
lhos I
Os olhos do commandante scintillaram
de indignacio, mas um olhar do cura o apa-
ziguou. Em seguida, fazendo om esforgo
superior sua situacio, estendea o braco
par o lado da porta, e com urna voz qae
anda dava idea do que fra, disse i Mar-
tina : 4
Saia d'aqui!
E imprimi no gesto e ne olhar urna tal
autoridade, que a Martina, sentindo-se anda
urna vez dominada, encarainhou-se a passos
vagarosos para a porta, mas quando ella ia
a abr-la o pequeo resvalou-lbe dos bracos
e disse chorando :
Qaero flear com o padrinho!
Entio a furia, deixando-o, 1 retiroa-se e
fechou sbitamente a porta.
A' medida qae ia descendo a escada, ou-
via-se urna serie de improperios proferidos
por ella.
' Perdoemos-lhe Idisse o sacerdote.
O commandante Ricardo pt a mi sobre
a cabega da crianga.
. Duval,disse ellequanto tempojul-
gat que eu terei de vida ?
Quem sabe!balbuciou o padre.
Falla-me com franqueza: nio estou
eu disposto para a mor te ?
E sorrio-se como quem esteva reconcilia-
do com Deus. <
Qoeres saber a verdad? ?
Quero,
* Podess vi ver aiada sete ou oito bor
ras, mas tambera podes suecumbir de um
momento para o outro, porquanto a bala
penetroa no pulmo. direito.
O commandante soltou ura profundo sus-
piro, e momentos depois proseguio :
Bem desejra vi ver al ao regresso
de Saurn. S raorrerei traaqoillo saben do
qae o meu testamento ficoa em poder do
tabeUiio.
Saorin creio que possoa de verdadei-
ra fidelidadeacudi o cura.
Sim, mas quizra v-lo de volta.
Ricardo proseguio :
Nio queres rezar por mira as preces
dos agonisantes ?
Esperava qae m'o pedissesrespon-
den o sacerdote.
E, ajoelhando-se, comecou a rezar no
livro.
O moribundo ergoeu as mios.
A enanca, que apeaas confesamente per-
cebia o que se est"* passando, ajoelbou-se
tambem, e flcou silenciosa.
Dorante dras horas nio se ouvio no quar-
to senio o arfar do moribundo, cada vez
mais afflictivo, e a voz sonora e grave do sa-
cerdote leodo as orages pelos mortos.
Mais tarde ouvio-se ruido.
Abrio-se a porta e a Martina entrn no
quarto.
Agora caminhava com precaugio ; traza
o rosto banhado de lagrimas e pareca pro-
fundamente contricta.
O padre deixou-a aproximar. Ella ebe-
gou-se junto ao leito e ajoelbou-se.
Entio o moribundo estendea ambas as
mios sobre a cabega dalla, em signal de
perdi, e o padre continoou a orar.
>xige
M_
objacto a malaria, pan ser
pata intelligencia ossejcialoi
ra do artista,
'irepois df mostrar, que, a cada concep-
gio fundamental da sociedade e do drfm
corresponde na historlav'das artes*umj
concep 3o esthetica determinada, am idea
diverso dos que o antecederam, e dos que
o seguiram, passa ei a analysar as applica
g5es,qu em todos os tempos foi recebendo
das necessidades e do gosto o ideal de
cada arte, e particularmente o da pintura,
da arebitedura e da esculptura, e tambem
o da msica, cuja formosa e profunda theo
ra, formulada pelos me.-tres allemies, se
vai cada dia confirmando mais cora os re-
petidos descobriraeatos das sciencias exac-
tas, principalmente das mathematicas e da
acstica.
Se para tanto hou\er lugar, exporei bre-
vemente os systemas de Linno e de Tour-
nefort, assim como os metbodos do Jus-
sieu, Brown, e de De Candle, a fim de
que possa o paysagista imprimir nas suas
obras o cunho di observagio, dando aos
vegetagio adequad, e a cada regiio do
globo a flora que resultar das circumstan-
cias locaes. Assim instruido, nao vestir
de flores das nossas eampinas as paysagens
da Polynesia, nem incorrer na singular
inadvertencia de certo romancista qae,
desorevendo as sumidades do Caucaso,
povoou-as de plantas caractersticas dos
desertes da Lybia.
O corpo humano, esse admravel orga-
nismo, onde exhibi o Creador todos os
thesooros das visiveis harmonas, esse es-
pelho, cujas deliciosas miragens voivem os
olhos do artista douto para o muno das
existencia puramente ideaos, far o as-
sumpto de um capitulo especial, no qual
se b5o de encontrar todas as sciencia ao
meu alcance.
Definidos e explicados os diversos typos
da arte, cornwentados os diversos systemas,
analysadas e devidameate apreciadas as
principaes escolas, historiadas as mais pro-
Fundas theorias, e o geniedos seas immor-
taes faodadores,. transportar-me-hei, pela
inviginago, aos remotos paizes, que viro-
balbuciar a arte, quando anda embalada
nas auras da lithurgia, e delles virei gradu-
almente at quelfes, que assistiram aos
seus maiores triunphos.
N minha looga viagem do* Oriente para
o Occidente, passarei em revista os grandes
monumentos da architectura e da esculptura,
nio destruidos pela rasoura doe- seculos, e
muitos daqaelles de que sotemos noticia
pelos aaligos poetas e historiad eres.
A arebitectura, a arte por excellencia
symbolica, a immortal edificadora dos sa-
grados jazigos, merecer, como a arte de
Phidias, um estudo especial e completo. A
cabana primitiva, como- o hyeroglypho e as
antigs inscripgoes de Paros ; a estatua de
Jpiter Oiympico, como o Pantheon; to-
dos os adtniraveis prodbetes da iaspiragio
artstica, revelada na formusura sobrehu-
mana das estatuas gregas, na viJ e raovi-
meato das-florentinas, na amplidao dascu-
poUs do Pantheon e S~ Pedro, no elegan-
te rendilbado dos altos corucheos^de Bru-
ges e Strasburgo, na grandeza monumental
dos ampbitbeatros de Aries e de Roma, na
simplicidade heroica das antigs- nauma-
chas do Tibre, na sumptuosidade des Ihea-
tros da Aliemanha e da Itaia, e fiaalmeote
na mmeneidade dos palacios reaes de Ni-
nive e Kborsabad, bao de servir de confir-
macio s complexissinMs theses, qpa sus-
tertarei nas duas primeiras partes.
Na proseeueo dessa meiras estantas pedil-as tiei geologa; to-
das as idads do mundo histrico- hio de
passar successivamente ante os meas olhos:
a idade de slex, eom a langa o a choca ;
a de bronze com os dohnens e as-grandes
muralhaa; a de prpbydo, com os-colossos
e as necrpolis; a de marmore, com as
estatuase os templos do paganismo ; a de
calcreo- e de greda, com as crypias e as
cathedracs; a do granito e de ferro, emfim,
com os palacios de srystal, os luaaeis e as
grandes fabricas, d'oude saliera todos os
das a aiavanca e o ylindro, que movidos
polas forgas pr digosas que engeodraa os
ventoso as tempestades, encurti os ma-
res, cortio os continentes, e supprimem as
grandes distaccias, inimigas irrecoDcilaveis
da universal alliar.ga dos povos.
A India primitUva, coja iramulavel civili-
saco tanto se nos revela no grande livro
das Vedas, no Mababharata e no Ramayana,
quanto nos intermnaveis poemas esculptu-
raes das grutas sagradas de-CaGhemyra ; a
Persia, cuja aniiga preponderancia ainda
atestam as vastissimas muralhas das suas
cidades, e as ruinas das suas fortalezas; os
dous grandes imperios da soberba Ninive,
cajos esboroados palacios sao como as rui-
Quera aplacara Uto sabitamente aquella
ftiria ? O qae teria snecedido ?
Nada qae se soobesse; non ella taba
fallado com pessoa alguma que lhe censo
rasse a sua reprebensivel conducta.
Eis o que acontecer :
Quando.ehegou cosinha, soltando gritos
nivosos, encontrou alli Bigorne e Miguel.
Miguel ignora va o plano de Saurn.
Este chegra cavalhariga quando Miguel
e Bgorae intavaai de deitar a palha aos ca-
vallos.
Nio preciso.disse elle.Vamos,
meu velho, teas- que andar algumas legua-
zitas.,
E, em quanto assim fallava, bata urna
palmada na anca do cavallo, que aiada esta-
va com a se+la.
Ola!disse o velho soldadoo que
que vais fazer ?
Urna boa trotada.
En que direegio 1
Saurn Bio costumava assoalhar os seus
segredos e muito menos es alheios ; por
isso responden:
To o saberes.
E, saltando para cima do cavallo, largou
a toda a brida.
Miguel nada sabia do qae fizra o com-
mandante, bem como ignora va qne Sanrin
tlvesse na algibeira um segando testamento.
Em quanto o antigo furriel-mr se alfas-
tava, Miguel iraaia comsigo Bigorne para a
cosinba, ainda convencido de qae era aquello
o criado do medico, e disse-lhe :
Nio teve provavelmente lempo de
ceiar ?
At certo ponto verdadedisse Bi-
gorne, dando um ai de consolagio.
Miguel abri am armario, tirou d'alli pi,
carne assada e vinho, e pz todo sobre a
mesa.
Bigorne prestara toda a atteaeio ar> dia-
logo havido pelo caminho entre Swfa 6 o
cura Duval.
Por todo 9 diheiro do mundo nio seria
inteir, on-
e o tres
, Afrka eEu-
aras vio lavar
_ acerca das antigs
escripia em tres lingoagens diver-
s damdestncMb Monumentos;
a Grecia, sempre esplendente de gloria e de
belleza, o barco da philosophia racional e
da verda Jeira liberdade; a truria, duas
vezes joven, e sempra beroca ; a Roma re-
publicana, rica de coostraeges de utilidade
gcral; a Roma mperial.obaia de magesta-
de por toda a parte onde grtvou seu nome;
a Italia moderna, a Franca, a Aliemanha, a
Inglaterra, a Blgica, a HoliaDda, o Mxico
e a America do Norte ; dos os paites.
emfim, onde aliravam as masas os seas sa-
grados talismans, bio de entrar successiva-
mente no quadro qae pretendo bosquejar,
para servir de norma a meus discpulos, e
Ilustrar aquelles em cujos peitos ehamme-
jar o fogo da verdade, oa arder a fragoa,
onde ferve a inspiracio.
Eis, senhores, alguns tragos genes do
vasto plano que pretendo desenvolver pa-
rante os meus novos alumnos, e para enja
execugio -me permittido contar cora a be-
nevolencia publica, e cora as luzes dos meus
Ilustrados collegas.
A tbeoria geral das bellas artes est en-
cerrada n'oma como inmensa fabrica intel*
lectoal, em que cada pedra est ligada s
outras, pelas razes complexas de elegancia
e sondez, c cujas massas principaes niopo-
denf ser removidas, sem risco de se trans-
formar o monumento n'uma verdadeira ba-
bel. O mesmo espirito, pois, que presidir
exposigao de qualquer das scieadas qae
tenho qne ensinar, dever presidir a todas,
para nio ser desta hoje, atheu anaanhia,
sceptico, rente o positivista a oa lempo,
a exemplo do muitos que vivera no atejo das
estatuas e dos livros, como os- publcanos
no templo o> JerosMem, ou como o Faosto
de Goethe no-meio das maravHhas da scien-
cia humana.
Bem sei que a voz da arta* *ainda im
dbil vagido, pesa s por sobretovar ao tu-
multo dos grandes successos naeionae* da
actualidade; mas como as victorias das
nossas armas nos-dio a certeza de que es-
tamos prestes a entrar n'uma era d pros-
peridade, era env que o genio nacional, es-
tendendo suas azas- senphicas por sobre o
immenso imperio, desprezar as questoes-
d> myope interesse-, e tancar-sa-ha arreba-
tado a conquistar o> grande utaro, neces-
sario desde j desenvolver aa aptdaes feli-
zes-, fortificar o talento, e guiar a imagina-
go'do artista, cujas-prodceles hio-de ser
o sycabolo dos nossos tempos, quando os
scalos vindouros interrogarem anhelantes
os cdices do passado, e lancarem -oham-
ma do esqueciment os nomos e os ttulos,
entio-obscuros, de centenares de jograes a
raanimlos, disfargadee* em operarios da vilisaeio.
Para educar nas creneas vivas do evange-
lho da jnstiga esse povo intelligente e Hvre,
cuja avidez de sciencia tema facis todos os
triumpbos do progresen,, abi esto as dou-
trinas- sociaes, com o patriotismo e llustra-
go do estadista ; pan-perpetuar os cernes
dos qpe trabaIham naedincagio da patria,
ah est a historia, ah est a epopa; e
para eternisar os grandes pensamientos, di-
vinisar a materia, e aectarar a razio do poe-
ta e da artista, na escolas dos typos ideaes
condignos da generosidad, do herosmo, e
da virtude, abi esto as bellas artes, qae
tanto- caniam e civrsam, com Homero,
Virgilio, Camoes e Taesoy ou deleilam e ex-
tasiara, eom Palestrna, Mosart, Bothoven
e Pergoiese, como iaatruen e immortali-
sam, oem Phidias, Apelles, Leonardo e
Miguel Angelo ; abi est finalmente a es-
tliettca, a philosophia a um lempo da Fma
e d idea, da razio e- do seniimento, o ca-
dinho maravilboso onde sedecompoemas
leis da genio, analsaaase os processosdo
invento, e pesam-se,. como as substancias
materiees nos laboratorios rbimicos, os-ele-
mentos irreductiveis da- inspirag3o.
A. es toe tic a o cerapaeso de progressio,
com q asseato no templo da perfeetibilidada. Sem
ella a phantasia se arilla, o gosto falsea, a
a razio mpallideee, sempra qae encontrar
diante de si os monumentos sopbitmados
cora que a ignorancia em materia de arte
ccstuma a zombar das multiddes. Com
ella a > contrario, a tmaginagio multiplica
os seus inventos, os sentidos ganham a m-
xima energa, a sensibilidade moral a m-
xima intensidade, o a alma como que ad-
quire novas facaldades, que lhe abre um
mundo de percspgOes inelaveis^
(C capaz de diier a Miguel qne seu amo era o
cura de S. Florentino, e nio o medico do>
lugar das Tilias.
Bigorne nao coma, devorav.
Miguel retorca os bigodes griaalhos, e-de
vez em quando enebugava ama lagrima
Tomara jdizia ellaque o medico
descessa para nos desengaamos sobre o
estado do commandante.
Foi neste momento qaa a Martina voltoa
furibunda.
Miguel tinha por habito deixa-Ia gritar
sera lbe responder. Etta por sua parte era
pouco expansiva ; mesara nos seas maiores
ataques de colera, ramea confiara a Miguel
o motivo do seu arrebtamelo. Portento
\ftgoel nao tratou de a interrogar.
Bigorne qae fkou por tal modo attonito
com as maneiras delta, que logo pardeo a
appetite e eessou de comer.
Entio Miguel, piseando-lbe o oto, levou-
0 para fra da cosinba.
Fieou. pois, a Maruaa s, gritando e
blasphemaado sempre.
Assim decorreram duas horas.
De repente um ruido singular ehegou aos
ouvdos da megera, a qual, cessanda de gri-
tar, correo abrir a janella.
Este ruido era nada mensa do que o gri-
to alegre da cagador quando anaancia a
morte do veado.
E a Martina para logo se apaziguoo, one-
rando-se nella urna mudatoea to radical e
completa, que nio lardeo em yoltar ao
quarto do commandante, onde a vimos en-
trar contricla e lacrimoso aajoelhar-se junto
do leito, em qoantoo bom do padre reeti-
va a oragio dos agonisantes.
Quem seria, pois", que a tal hora fazta
echoar na reata o alegre grito de caca ?
Mysterto!
(Continursela.
TYP, PC tUW UA DUQt'E DC GAXIAS
v i
* u. *-
SI


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EJXWF2W17_6Z0GB1 INGEST_TIME 2013-09-14T02:23:09Z PACKAGE AA00011611_12092
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES