Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:12088


This item is only available as the following downloads:


Full Text
AUNO XLVI. NUMERO 82.
*
k
f
a
-
*
PASA A CAPITU LD6AJBS OtDi: IAO S PACA POETE.
Por tres mezes adiafitados.................. fl Por. me tos. idera................. IgfJOOO
Por um anno dem...................... 240000
Cada oro avoiso. ,....., 320
TERCA FEIRA 12 OE ABRIL DE 1870.

" *
PA1A DFMTRO E FOSA DA FXOVUCIA.
njmmyJ uu /.
Por tres mezas adiaatados
Por eis ditos dem. .
PftrwrVe ditos dem. .
Por nflj anno idem .

90
13*800
20*280
271000
niMi.l
Propriedade de Manoel Figneira de Faria & Filhos.
SAO ACiEXTES :
Os Srs. Gerardo Antonio Alves 4 Filhos, no Para ; GonCalves d Pinto, no Mannhlo ; Joaquim Jos de Oliveir., no Cear ; Antonio de Lemos Braga, no Aracaty ; Joio Mara Jolio Chavea, no Ass ; Antonio Marques da Silva, no Natal Jos tato
Pere.ra d'Almeida, em Mamanguape; Antonio Alejandrino de Lima, na Parabyba ; Antonio Jos Gomes, na Villa da Paria; Belamiino dos Santos Bulcao. em Santo Anto; Domingos Jos da Costa Braga,
_______________________ em Nazareth Francisco Tavares da Costa, em Alagoas; Dr. Jos Martins Alves, na Babia ; e Jos Bibeiro Gasparinhono Bio de Janeiro.

PAUTE OFFICIAL.
Repartido da polica.
2 scccio.Secretaria da polica de Pernambu-
co, 11 de abril de 1870.
N. 498.lllm. e Exm. Sr.Levo ao eonheei-
ment ile V. Exc que, segundo consta das part-,
Cipace- receidas buje nesta repartinao, feram
recomidos casa de detencao, os seguales indivi-
duos :
No da 9 do correte, ordem do subdelegado
de Santo Antonio, Guilbermna Mara da Concei-
rap e Josepha Epiphana Florinda dos Santo?, por
. olTensas moral publica.
A' ordem do do 1 districto de Jaboatio, Manoel
Puul do Nascimenlo, por crime de erimentos.
No dia 10, miaba ordem, Vicente Ferrelra dos
Santos e Joaqnim, escravo de Antonio Jos de Sou-
za, lodos da provincia das Alagas, o prmeiro
como indiciado em crime de morte, no termo de
Qaruar. e o segundo cora fgida.
A' ordem do subdelegado do Recife, Titerera
Marta do Jesu<, por disturbios.
A' ordem do de Santo Antonio, Romeo, escravo
de D. Rita da Costa Souza Leao, por disturbios.
Em data de 8 de correte, parlicipou-me o sub-
delegado do 3 districto da freguezia de Jaboatio,
(|ue pronunciara a Francisco Ferreira, como in-
curso as penas do arl. 237 do cdigo criminal.
Por oflicio dasta data communea-me o subde-
legado de Santo Antonio, que hnntem pelas sete
horas da noute, na ponte Sete de Setembro,
pr:xin o ao arco de Saato Antonio na occasiao
eai que regressava a guarda de honra que havia
acompan'iad) a procissao das Chagas, o moleque
Luiz, escravo de D. Marraba Amalia da Silva, fe-
rira gravemente cota ama Tacada a Luiz Jos Per-
Qandes. praca do 1* bata I bao de artilharia da
guarda nacional desta cidade, que o delinquente
sendo logo preso por um companhein do olfendi-
do, conseguo evadir-se, nao podendo ser da novo
preso, lito obstante os estorbos empregados por
elle subdelegado, que vai instaurar o competente
summarij contra o criminoso, caja captura dili-
gencia.
Deus guarde V. Exclllm. e Exm. Sr. se-
nador Frederco de Almeida e Albuqnerque, pre-
sidente da provincia. O chefe de polica, Lu
An'onio Fernandes Pinkeiro.
PERNAMBUCO.
REVISTA D1AEIA.
ASSEUBLEA PROVINCIAS.Hontem a assom
bta approvou, em 1" discussio, o projecto n. 10
deste anno, que revoga a lei n. 000 de 3 de maio
de 186't, alterando os lirahes das freguezias de
S. Louronco e Vanea, d;pois de orar o Sr. Hol-
landa C&valcaote.
Approvou, sem debate, em Ia discussao, o pro
edon. 11 deste anno, que revoga o art. 1* da
le n. 793 de 2 de maio de 1868.
Approvou, tamben) sem dbale, em 2' discussao
o projecto n. 17 deste anuo, que autorisa o go-
verno a mandar abrir o rio Goyanoa, e o de n.
. deste armo creando freguezia com a invocaco
de N. Senhora das Dores, na povoacio de Baixa-
Verde, e elevando a catliegoria de villa a mesraa
povoacio.
Regeitou, em 21 discussao, o projecto n. 19 de
1838 que altera os limites dos termos de Cimbres
e S. Bento.
Approvou, era I* di-cussao, o projecto n. 3
deste anno, que transfere a sede da freguezia do
Senhor Bom Jess da Cachoeira do Roberto
para a povoari) de Pelrolina, mandando-sj
ouvir o governador do hspalo.
Regeitou, era 2' discuti o projecto n. 41 de
I86"j, que erige em freguezia a capella de N.
Senhora de Belia do termo de Cabrob.
Regeitou aiada p de n. 40 de 1838, alterando
i- imites Jas freguezias de Srato Antoc Grvala,
'rando o Sr. Antonio Paulioo.
Regeitou igualmenle o de n. Vi .de 18'j8, que
ili-rou os limites das freguezias de Santo Anta e
Grvala.
Anda regeitou o de n. 4 de 18fi3, creando fre-
guezia na povoaei.) da Tiinbaba, oranJo os Srs.
'. ulim, e Rufino de Almeida.
A ordem Jodia para hoje : 1' dis.uissio dos
projecto n. 7,8, 9 e 12 deste anno, e 6 de 1866 ;
2- dos de n. 11 e 12 deste anno, e 4o de 186G, e
3' di n. 17 deste anno.
D'NHEIRO. O vapor Tocantiiis levou hontem
de nossa praca :
Para Micei
* a Babia
o Rio de Janeiro
20:000*000
1:100000
103:300*000
INSTRUCCAO PUBLICA. Tendo de seguir
pira a corte, afim de tomar assento na cmara
temporaria, o Sr. Dr. Jjaquira Pires Machado Por-
tella, director geral da nstruccio publica provin
cial, foi designado, pela presidencia da provincia,
para exercer esse carjo iaterinamente o Sr. con-
selhelro Francisco de Paula Baptista.
GUARDA NACIONAL. Por deliberares da
presidencia da provincia, de 7, 8 e9 do-correnle :
Foi mandado aggregar ao balalho n. 43 do
municipio de Serinhaem. o tenente, do 40 de Ipo-
juca, Andr Cordeiro Coelho Cintra.
Mandou-se dar guia de passagem para o
municipio de Caruar.,1 ao tenente do balalho n.
:6 "Antonio da Silva Barros, do municipio do
Hrejo.
Foram privados dos postos, por nao terem
solicitado suas patentes no prazo da lei os seguin-
tes offle aes:
Batalh&o n. 52 (do Granito).Alferes porta-es-
tandarte Antonio Raymundo Pereira Lima, e o te-
nente da 6* compaibia.
Hatatkit n. 10 (de Caruar).-----Tenente quar-
tel-mestre Joio Marlnho Umbelino de Miranda, al
feres secretarlo Francisco Cosario Florencio Jor-
dn, alferes da 6 companhia Antonio Thomaz de
Lima.
Foram nomeados, visto nao se acharem com-
pletamente organisados, para:
Balalho i. 10 (de Caruar).Tenente quartel-
raestre Ricardo da Fonceca Medeiros, tenente ci-
rurgo Agostinho Lecoadio Vieira, alferes secre-
tario Jos Cordeiro dos Santos, alferes da 6* com-
panhia Joio Guimares de Azevedo.
Batalhao n.62 (do Granito). Tenente cirur-
giio Agostinho da Rocha Leal, alferes porta-es-
tandarte Francisco Xavier Lope3, capitao da !
companhia Canuto Joaquina Pexto da Silva, te-.
nente da 6* companhia Urbano Jos Peixoto.
Companhia de reserva n. 6. (Ex). Capitao
Luiz nrroira Dantas, tenente Jesurao de Aranjo
Albaaoeraue, e alferes Manoel Alves da Costa.
BataAao n. 46 (de SerinhSem).Primeira com-
panhia ten?nte o alferes Jacintho Machado de Men-
donra, alferes Manoel Jos Victoriano de Borba;
segunda companhia tonente o alfews Jos Bazilio
Camello (Uvalcante. alferes Joaquim Raphael de
Souxa Gonzaga; qoarla companhia capitao o te-
nente Andr Cordeif Coelho Cintra; sexta com-
panhia capillo o tenaate Manoel Antonio Pereira.
Foi designado o pateo da ra da Alegra, ua
cidade da Victoria, para o lugar da parada da 2*
companhia do esquadro de cavallara n. 8 do
municipio de Santo Anto.
AUTORIDADES POLICIAES.-Por deliberacao
de 8 do coiteote foram nomeados : 2* a fl* sup-
, penles do subdelegado do 1 districto de S. Bento
Zacearas Soares da Rocha, Manoel Joaquim
Pacheco, Claudio Calumbv de Azevedo, Francisco
Paes de Mello, e Francisco Xavier Dutra.
FERIME.NTOGRAVE.-No domingo s 7 horas
da_noute, quando a guarda de honra do 1-bala-
lho de artilharia da guarda nacional voltava de
acompjnhar a procissao do Senbor Bom Jess das
CbagM, o moleque Luiz, escravo de D. Marraba
Amafia, prxima da ponte Sete de Setembro, deu
urna facada no guarda Luiz Jos Farnandes, que
Ihe produzio grave feriraento.
O delinqaente evadio-se; e, indigitando-se a casa
da respectiva senhora como lugar onde se achava
bomisiado, o Sr. Dr. subdelegado de Santo Anto-
nio cercou-a bem como as casas visinhas, e per-
correu-as com previa autorisacao de seus donos
sem achar o criminoso, que anda nao foi encon-
trado, pezar das activas deligcncia da polica
que as vae proseguindo.
E" esle mais um triste resultado dos partidos
de nraisica, em que os nossos capueiras tanto se
distinguem e nao tem encontrado as lindes que
fura para desejar ibes desse a polica.
PRONUNCIA.Pelo subdelegado do 2 districto
deJaboaiao fui pronunciado, como iacurso as
penas do arl. 157 do cdigo criminal, Francisco
Ferreira.
AGRADECIMENTO PATRITICO. Secretaria
do Instituto Arcbeologico e Geographico Pernam-
hucano, 7 de abril de 1870.lllm. Sr.Foi pre-
sente ao Instituto Archeologico e Geographico
Pernambucano emsua sessao do 1* docorren-
te a carta oficial que V. S. rae fez a honra diri-
gir em 20 de marco prximo passado, acom-
panhando dous Cirros preciosos, que ao Instituto
olfereceu o benemrito peruambueano Manoel da
Cunha Wanderlev Lios, coronel commandante de
urna das brigadas de infantaria do exercito bra-
sileiro no Paraguay :lbum de las Mistiones,
pelo abbade Pablo Jouhanoeaud, e La Repblica
del Paraguay, por A. M. du Graty, encontrados
por aquelle valcnte chele, quando frente da sua
brigada se arrojou pelos acampamentos para-
guayos, uas gloriosa jornadas de dezembro de
O Instituto recebeu com especial agrado os dous
livros que o Sr. coronel Wanaerley Ihe envin, o
primeiro dos qaaes um thesouro histrico ines-
timavel, e o segundo a santa reliquia d'um mar-
tyro cnsul portuguez Jos. Mana Lcite Pereira
suppliciado no Paraguay pelo dictador Lpez, |wr
baver soccorrdo os presloneiros do Brasil, que
morriam de Tome e de nudez n'aquellas solidSes
inhspita?.
Manda porlanto o Instituto manifesrao nosso de-
nado comprovinciano o Sr. coronel Manoel da
Cunha Wanderley Lins o seu extremo reconheci-
menlo pelo patritico presente que acaba de fa-
zer-lhe em memoria de saudade e a V. S. muito
em particular agradece o vivo interesse que to-
mou na direccao de semelhante acto, rogandolhe
se digne transmittir ao Sr. Wanderley os sent men-
tos do Instituto.
Deus guirde a V. S.lllm. Sr. Laurentino Jos
de Miranda.Jos Soares de Azevedo, secretario
perpetuo do Instituto.
FERIAS NO FORO.Come^am amanha as cha-
madas da paschoa e tenninam a 25 do corrente.
PROCISSAO DE RAMOSNo domingo tarde
expoz a irmandade do Senhor Bom Jess das Cha-
gas veneraco do3 liis a procissao de Ramos,
com o esplendor e raagnitude dignos de se-
un litante acto.
Os andores estavam bem preparados, sobretudo
o de S. Joao, em cujos hombros via-se um novo
manto de velludo carmezim ricamente bordado
ouro pelas meninas da ca:a dos Kxposjos, e que
foi mandado fazer peja irmandade, que cada ver.
se torna mais recomnendada^ pelo seu zelo e in-
teresse pelas cousas da religiao.
BORZEGUIM DOURADO.Acaba de ebegar
esle estabelecimento, sito ra Nova n. 30, um
grande e variado sortimento de borzeguins pretos
de pelica, e de seda de cores, proprios para os ac-
tos da presente semana.
HOSPITAL PORTUGUEZEst de semana nes-
te eslabolecimeuto, o Sr. inordomo Joaquim Anto-
nio Pereira.
COMPANHIA PERXAMBUCANA.-Hoje o ul-
timo da em qne recebem carga os vapores Jequiq
e Pircpama, da mesma companhia.
LEILO.Hoje s 11 horas efeta o agente
Pinto o leilo de fazendas, e em continuacao o de
brinquedos para criancas ; em seu escriptorio
ra da Cruz n. 38.
LOTERA.A que S3 aclia a venda a 143' a
beneficio da igreja de Santo Amaro de Serinhaem,
a qual corre hoje.
PASSAGEIRS.Viudos do Porto no patacho
portuguez Seixai I:
Joaquim F. Jnior, Francisco dos Santos Vian-
na, Francisco dos Santos Sottero, Francisco Fer-
nandos, Francisco R. da Costa, Joaquim Martins
Guedes, Jos de Souza Queiroz e Thomaz F. da
Costa.
CEMITERIO PUBLICO.Obtturio do dia 10 de
abril de 1870.
Benedicto, frica, 27 anno?. casado, Santo Anto-
nio ; tubrculos pulmonares.
Maria, Pernambuco, 17 mezes, S. Jos ; coque-
luche.
Maximiano Tacares Lins, Pernambuce, 29 annos,
solleiro, Santo Antonio ; paralysia.
Marcelina Maaia dj Sacramento, Pernambuco, 53
annos, viuva. Boa-vista ; migelite chronica.
Rita Maria da Penha, Pernambuco, 45 annos, ca-
sada, S. Jos ; phtysica pulmonar.
Joaquina Cordeiro de Jess, Pernambuco, 70 an-
nos, solteira, Boa vista ; tubrculos pulmo-
nares.
Antonio Das dos Santos Luz, Pernambuco, oo
annos, solleiro, Boa-vista ; apoplexia cerebral.
U ,
Gervasio, frica, 46 annos, 3olteiro, Boa-vista;
tubrculos pulmonares.
Damiana, Pernambuco, 40 annos, solteira, S, Jos ;
bronchite.
Luiza, Peruambucoo, 45 annos, solteira, Poco ;
phtysica pulmonar.
Maria dos Passos Franca Ramo?, Pernambuco, 63
annos, viuva, S. Jese hepatite chronica.
Thereza Maria da Cooceicio, Pernambaco, 40 an-
uos, solteira, Boa-vista ; bexigas.
Margarida, Pernambaco, 49 annos, solteira, Boa-
vista gastro interite.
de referir punha era discussao para cada um dos
Srs. vereadores indicar quaes deveriaiu ser os fes-
tejos.Fallando sobre a materia diversos Srs. ve-
readores, deliberou-ie por flm que se mandasse
cantar ura Te-Deum em acc) de (tracas ao Todo
Poderozo, o qual ter logar no dia 21 do corrate,
depois fazer um tego de artificio para ser qneima-
do a zioite, iHumioaado-e a cidade tres dias.Pa-
ra tratar do Te-Deum e do mais, o Sr. presidente,
nomeou urna commisso eomposta de tres mam-
bros os Srs. Dr. Moscoso, Dr. Seve e Dr. Costa J-
nior.
O Sr. Dr. Moscoso fez a seguinle proposta :
t Proponbo que, em commemoraco da termj-
t nacao da guerra e dos eitos praiicados ultima
mente pelos nosos generaos, se chame a Praca
da Boa-VistaPraca do Conde d'Eua roa do
Aragao, roa do Visconde de Pelotase a roa do
Sebo, ra do General Victorino.Paco da ca-
mar municipal em o 1.* de abril de 1870.Dr.
Lobo Moseoso. Posta em discussao o Sr. Dr.
Aquino requer o addiamento, o qail nio passou,
e a proposta foi approvada, votando cintra o Sr.
Dr. Aquino.
Em seguida o Sr. Dr. Moscoso ainda fez a pro-
posta que abaixo vai transcripta.> Proponho que
t em commemoraco dos feitos praticados duran-
c te a guerra do Paraguay se denomioe a roa do
t Queimadona do Duque de Caxias, e a ra do
a Sol e Concordiara do Mrquez do Horval.
c Paco da cmara municipal do Recife, em o 1.-
t de abril de 1870.Dr. Lobo Moscoso. .-Posta
em discussao o Sr. Dr. Aquino pede o addiamento,
o qual sendo posto votos tambera nao passou, e
a proposta foi apprevada.
Mandou-se expedir as ordens convenientes para
serem collocados es novos nomes dados as ruw.
Prestou juramento o capello nomeado para o
cemiterio publico padre Antonio dos Santos llvei-
ra ; e levantou-sc a sessao.
u, Fraoctsco Canuto da Boa-Viagem, secreta-
rio a subscrevi.
Declaro em tempo que o Sr. Dr. Aquino votou
contra smente quanto aos oomea das roas, con-
cordando com a aova denominacao dada a Praca
da Ba-VisU, bem como declaro que a denomina-
So dada a ra do Queimado compreheode-se des-
e a Pracinha do Livramento at o fim da ra das
Cruzes.^-Boa-Viagem, o declarei.Manoel de Bar-
ros Barrito, pr-presidento.De. Plro de Athay-
de Lobo Moseoto.Jos Maria Freir GameBo.
Caetano Cyriaco da Costa Moteira.Bento Jos da
Costa Jnior.Dr. Prxedes Gomes de Souza Pi-
tonga.Dr. Joao Harta Seve.
CAARA MUNICIPAL.
SESSAO EXTRAORDINARIA NO 1 DE ABRIL
DE 1870.
PRESIDENCIA 00 SB. DR. BARROS BABRKTO.
Presentes os Srs. Dr. Aquino Fonceca, Dr. Seve,
Dr. Moscoso, Dr. Costa Jnior, Dr. Pifanga, Ga>
meiro e Ignacio Pessa, abre-se a sessao, e lida
e approvada a acta da antecedente.
Comparece o Sr. vareador supplente Caetano
Cyriaco da Costa Moreira que fura convidado na
sessao ultima para vir tomai parte nos trabalhos
munleipaes, o qual prestando o juramento do es-
tylo toma assento.
0 Sr. presidente declara cmara que o motivo
de convoca-la extraordinariamente para hoje foi
a grata noticia ul'ntmente reeebida do sul de
achar-se terminada ., guerra por isso, devendo a
mesraa cmara tratar quanto antes dos festejos por
lio feliz successo a convocara, e isto que acabava
PUBLICARES A PEDIDO.
Analyse chlmlca da Imperial Fa-
brica de Cigarro de ra. Joio
de Xtctfhcroy. de Nonza. .no-
vaos & C.
Os productos desta fabrica attiugirara perfeicao
desconhecida no paiz at a data presento.
O eoruUHIo que dolloc CA fas om lod a n>r**rT>
e no estrangeiro, a sua procura activa e sempre
cresceute sao prova disso.
To prospero resultado devido ao emprego de
materias primas de superior qualidade, ao esme-
ro da manipulacao, ao ioeessante labor a que nos
entregamos, nao poda deixar de merecer-nos as
iras da inveja
Dahi as falsicacoes grosseiras, repellidas pelo
consumidor, que se nio recommendam os produc-
tos da nossa industria pela belleza da apparencia
e sim pelo que sao. Ser ou parecer nao e a mes-
ma cousa, distingue-se ; urna illude, a outra justi-
fica, provou-o o mallogro da fraudulenta tenta-
tiva.
Mas a inveja nao desisti do seu proposito. Fran-
zio o sobre-olho, agucou o dente, e nao podendo
ferir, tontou tisnar-uos a reputacao, justa e hooes-
tamente granjeada.
Vieram enlao as publicarles anonymas, essa
praga da imprensa I Nao sendo possivel contestar
a superioridade dos nossos cigarros, attribaia-se o
seu lino perfume e melhor sabor a um composi-
cao opiada empregada no fumo e papel.
Baldada pertinacia I '
Ao verificar da calumnia respondemos com o
parecer do Instituto Medico, ao qual requeremos
immediatamente minucioso exame em todos os pa-
pis e fumos existentes nos nossos depsitos.
Ei-lo :
PARECER.
A coiimissao deste Instituto encarregada de in-
terpor parecer sobre a materia do requerimento
de Lizaur, Novaos 4 C, no qual pedem a presi-
dencia da provincia que sejam submetlidos apre-
ciacao desta associatao os fumos e papis dos ci-
garros preparados em sua fabrica, acensados de
conterem opio, vena hoje apresenlar-vos o resulta-
do de seus trabalhos, que foram divididos em
duas partes : na pruneira occup-se a commissao
do exame da fabrica e seu material, pessoal, or -
ganisarfi) interna, distribuicao oo servicp, policia e
hygienne do estabelecimento, etc. ; na segunda,
expoe a analysc chimica a que se procedeu para a
pesquiza do opio, quer nos fumos, quer nos pa-
pis que se servem na fabrica.
A commissao, na falta de um laboratorio con-
veniente para este ultimo mister, e desejando fa-
zer acompanhar esto parecer de inaor auloridade
na especie, soccorreu-se da proficlencia e conhe-
cimentos peculiares do Sr. Dr. Theodoro Pekolt,
qae se eacarregou, com a melhor vontade, da ana-
lysc chimica em seu laboratorio, adoptando o
processo, cuja integra faz a segunda parte dtote
trabalho.
PRIMEIRA PARTE.
A fabrica de cigarros de que tratamos, perten-
ceote firma social de Lizaur, Novaos A C. hoje
substituida pela firma Souza, Novaes & C. est es-
tablecida oo vasto predio da ra da Praia, es-
quina da de S. Joio.
O pavimento inferior oceupado pelas offieinas
onde trabalham os offkiaes, e para cima de cem
meninos, pela raaior parte aiuda apreodizes, pelos
refeitorios, pela cozioha, e pelo deposito de fumo,
e tainbt m onde esti a offlciu de empacotilbar fn-
mo semelhanea do connecido por caporal, e
tambera pelo processo usado pelos hespaohes ;
por tres apparelhos, dos qaaes o primeiro, por um
simples machinismo, corta por hora 240,000 mor-
talbas para cigarros ; o segundo comprime de ca-
da Uragem 5 libras de fumo; o terceiro, finalmen-
te, muito mais complicado, e oceupando relativa
meato um espaeo grande, lera misteres comple-
xos, taei como cortar, picar, seccar e peoeirar o
fumo, preparando 5 arrobas por hora.
O primeiro destes apparelhos poupa o servico de
seis operarios diariamente, e o terceiro economisa
o trabalho de 25, no mesmo periodo.
Ha mais dous pateos, eos qaaes o roaior tem,
em um dos lados, o gazometro onde ae fabrica o
gaz para a illaminaflo do estabelecimento, e en
um canto as latrinas pelo processo commum, as
quaes sao diariamente desinfectadas. A casa dis
pde de urna penna d'agua.
No pavimento superior est a grande sala da
frente oceupada pela escola dos apreodizes. As ou-
tras salas servem de dormitorios cora camas de
ferro.
Nesse pavimento funeciona tambem a offkcina de
lithograpnia, e est o deposito de papel e linhas
para a fabricaco de cigarros.
Os proprieta ros, aim dos oSfettes que tem na
fabrica, admitteai menores paftaprendjzes comas
seguintes condicoes : obrigam-se por umeontra-
to a eosraar os diversos trabalhos que ss faxem no
estabelecimento, o a fornecer-lhes alimento, roupa
e '"'1 '*Ya8'*m, calcado, domicilio c tratamento
medic, bem como instruccao, dada por profes-
sor coaetenteraento habilitado, o qne consisto em
pnmeira loaras, caiigrapiia, eonlabilidade e pra-
tica religiosa.
O responsavel pelo menor obriga-se a deixa-lo
persistir no estabeleciraenio pelo tempo de-dous
annos, podendo sahir duas vezes em cada anno,
nao excedeodo de tres diai em cada vez, salvo o
caso de forca maior, tal como molestia, no qual
licito ao responsavel preferir tratar o menor em
sua casa, on onde melhor Ihe convenha.
Na hypotbese de abandonar o menino o estabe-
lecimento, por deliberaeio sua ou suggest5es de
outrem, o respoosavel obrigado a indemnisar os
proprietarios.
Terminado o prazo do contrato, o menor poder
continuar na fabrica ; masentai ser remunerado
segundo suas habilitacdes e actividade, sendo-
Ihe permittido continuar a frequentar gratuita-
mente a aula.
Nao obstante nao serem os proprietarios obriga-
dos a isso pelo seu contrato, elles abonara, cora-
tudo, urna gratificacao monsal deolOOO a lOOOO,
segundo o merecimento de cada um desse- apren-
dizes.
Os que j tenj enmprido o seu contrato perce-
bem moasalmeato de lo000 a 4o000, segundo o
sea merucimento.
Esta fabrica tarabem fornece trabalho am nu-
mero consideravel 9 famWiaa, que vivem de f-
zer cigarros : algumas ha que tem ganbado em
um mez at 400*000 ; e o mnimo, no mesmo pe-
riodo, pago a cada urna dessas familias, nao des-
ee de J'OOO.
Depois da celeuraa que se levantou oo uorte do
imperio, onde se acoimou de conterem opio o fu-
mo e os papis dos cigarros da fabrica, de qae aos
occapamos, diminuindo por isso o consumo dos
seus productos, de 101 familias que viviam do ser-
vico da fabrica, os proprietarios virara-se torea-
dos a suspender o trabalho a 73, continuando to
somenle a 28.
Esle estabelecimento funeciona desde as 6 ho-
ras da manlia at s 6 da tarde, bavendo 3 lo-
ras 4e interrupcao, das 8 s 9 da maobaa, e de 1
s i para a releiciio do almoco e janlar : o pri-
meiro composto de caf cora leile e pao com man
teiga, c o segundo do fejao, carne secca, arroz e
verduras, s segundas, quartas e sabbados ; carne
fresca, batatas, arroz e verduras, s tercas e quin-
tas-feiras e domingos ; peixe salgado, fejao e ba-
tatas s sextas-feiras ; fariuha era todos os dias,
di3crii;w. No jantar bebem vinbo os .que pedem.
A' ceta tomara cha ou caf e pao.
Titemos occasiao de visitar a cosinha inespera-
damanto, o verificamos nao so a abundancia de
alimentos, como a bda qnnlidade dos gneros, o
asseio as preparacoes culinarias. Os proprietarios
nao limitara as quanlidades para consumo ; os
aprendizes comem tanto quanto Ibes parece as
horas de tenr nadas, de maneira qae ha considera-
veis sobras diariamente.
Sejdu a cada raeoor dada urna .tarefa, terminA-
UBT3SIR, elle uao ton) obrigacao de tiafialhar at
completar as horas que sao marcadas ; -lhe fa-
cultado, porm, continuar, vencendo ne?se caso
nova gratificacao por esse accrescimo de tra-
balho.
A policia interna do estabelecimento feita pe-
los mestres das offieinas e officiaes de conlianca ;
o dormitorio destes situado em compartimentos
completamente separados dos. dos menores, os
quaes >;i < Iluminados durante a ii; ule, para me-
lhor garantir a raoralidade. At agora esta fabrica
nao tem registrado crime algum ahi commettido.
A nica pena corporal imposta ao menor, e isto
s no caso de falla'grave, ou muita reincideocia
o castigo de ama a seis palmatoadas.
Estao eslabelccidos premios pecuniarios, que
sao distribuidos met*almente aos meninos que
tem bom compnrlamento.
Os meninos banham-se era geral no mar e mu-
dara roupa semanalmente. O servico medico fei-
to pela casa de saiide Niclherohyense, por contra-
to qae tem a fabrica com esso hospital. Durante
quatro annes o estabelecimento nao perdeu ne
ntaum dos seus domiciliados : este anno, porm,
teve algumas perdas, em pequeo numero, devi-
da > a febre typboide e varila. As epidemias
que ahi tem reinado sao geraes, taes como ophtal-
inias, catharraes, sarampo, etc. O estado sanita-
rio, ao vistsrraos a casa, era bom.
Alm das praticas religiosas fei tas na aula pelo
professor, que um sacerdote, sempre que pos-
sivel, os aprendizes sao levados, acnmpaahados pe-
los mestres e debaixo de forma, nos dias santifica-
dos a ouvir missa.
A aula funeciona das 6 s 9 horas da tarde dia-
riamente. Terminada a larefa, os meninos tem di-
reito ao recreio aos pateos da casa, e os de bom
comprtamelo tem licenca para ver as familias,
se nao moram longe da fbrica-
Desde a sua fundara), que data de mais de 5 an-
nos, o estabelecimento tem dado por promptos era
seu offlcio para mais de 300 meninos, dos quaes
a pluralidado ou trabalha agora sobre si, ou est
empregada em outras fabricas.
Actualmente g numero de aprendizes sobe de
101
O dinheiro que vencem os aprendizess aecu-
mulado para render na Caixa Econmica, de ma-
neira que, ao deixar o estabelecimeato. elles dis-
poem de um peculio, proporcional ao seu traba-
lho, e em relacao economa das pessoas que sao
seu3*responsaveis, se os tem, porqaanto, muitos
sao orphaos, e era grande parle remetlidos pela
secretaria de polica da provincia.
Os geoerosos proprietarios, nio se esqaecendo
do soldado brasileiro, que pleitea a honra nacional
oes inhspitos campos do Paraguay, por mais de
ama vez tem remettido, para serem destribuidos
pela tropa, varias partidas de cigarros, cujo nu-
mero total j excede de 50,000.
Os Srs. Souza, Novaes & C nutrera os melbores
desejos de augmentar o ed'ficio em que funeciona
a sua fabrica, nao s para melhorar ainda os com-
modos dos aprendizes qu j estao na casa, como
para poder reeber maior numero, sem pftfizo
dos preexistentes.
Descrevendo i6i, ainda que a traeos rpidos^
incompletaaente, a fabrica de cigarros de S. Joio
de Niclhoray, a commissao tere ea vista, prestan-
do no estreito limite de suas attribuicoes, homeaa-
gem de reconhecimento aos Srs. Lizaur, Novaes
& C. pelos importantes servicos que tem feito
esta cidade, proporciouaado meios de subsistencia
honrosa a mais de cem familias, dando educa-
cao a 400 meniuos qae tenj aprendido, com a ins-
trucoio elementar e religiosa, a tomar amor ao
trabalho e economa, faze-los conheeidos em lio
vantajoso estabelecimento, digno de figurar entre
os orimelros d'esta provincia
p SEGUNDA PARTE.
ANALYSE CHHIICA FEITA PELO SR. DR. THEODORO
PEKOLT (I).
Propondo-me a analysar sms diHorentes qualida-
des de cigarros, com flm de saber se continham
ou nio opio, proced do modo seguinle .
(1) O exame chimico' foi feito tros mezes depois
de se a presentare m as amostras, de forma que
com esta demora os fumos ser.caram alguma cou-
sa, perdendo assim a frescr.ra e o perfume que
tem quando sao manipulados os cigarros, apezar
disso o Sr. Dr. Pokolt en^outrou nessas amostras
a melhor qualidade, m/,s qae teria de a exaltar
mais se ellas tivessem a sua frescura primitiva.
Das substancias activas do opio, a morphina a
qne melhor se caracterisa pelas reaccoes que Ihe
sao proprias; proeedi, pois, a analyse em busca
desse alcaloide.
Tomei de cada qualidade a metade do fumo, e
exlrahi completamente pela agua acidulada com
acido actico ; depois de filtrar tratei o liquido
com acetato de chumbo bsico, afim de precipitar
as materias corante*, acidas extractivas, etc.
Filtrei de novo, e separei o chumbo'por meio
do gaz hydrosulfunco; filirei e (lz ferver o liqui-
do para livra-lo d'aquelle gaz ; misturei este li-
quido com carvao animal purissimo em peso igual
ao do fumo empregad e deixei digerir por 29
horas ; Olirei, tratei o carvio duas vezes com sufll-
cieute quantidade de alcool fervente e filtrar este
liquido ainda queme.
Distillci a slucao alcoolica em banho-maria at
apresentar am residuo secco ; este foi lavado
com ether ainmoniacal afim de isolar toda a nlco
tina (no caso que coulivesse) ; tratei depois pelo
alcool, evaporei a solncio at a cousistoncia de
extracto raolle, onde devia existir a morphina, para
cuja demonstracao dividi-o em quatro partos, e
proced s reaccoes abaixo mencionadas.
O liquido separado do carvio animal foi tambem
examinado pela morphina (que se devia precipitar
no carvio) pela nicotina e outras substancias or-
gnicas.
Procurei isolar a nicotina dos productos da dis-
tillacao, e triture! a nicotina impura com acido
sulfrico purissimo, diluido em duas partes d'agua
distillada : 0,158 gramolas d'eate acido diluido
exigem 0,2132 grammas de nicotina para saturar.
Tratei a outra metade do fumo com urna mistura
de 32 partes d'agua distillada e urna de acido hy-
drochlorico ; depois de filtrar, ajuntei ao liquido
urna quantidade de cblorureto de sodio quarla
parte do fumo empregado ; deixei depositar, 01-
trei, misturei o liquido com ether anhydrico e ara-
moniaco, vascolejando repetidas vezes, e separei o
fluido ethereo; a nicotina devia achar-se dissolv-
da no ether, e a morphina formar i \ am precipita-
do ; o precipitado que obtive foi muito insignifi-
cante); o dito precipitado foi lavado com agua
fra, dissolvdo em alcool fervente e evaporado ;
proced entio s reaccoes de morphina, as qaaes
foram negativas.
Tratei o residuo do fume das analyses antece-
dentes repetidas vezes com alcool, afim de ver se
encontrava alguma outra substancia estranba ao
opio e ao fumo.
As reacco >s a que subraett as preparacoes de
que cima fallei com o fim de reeoohecer se era
morphina, foram as seguintes :
I" Misturei o residuo com um pouco de proxi-
do de manganez, e ajuntei urna golta de acido
sulfrico ; se houvesse morphina, a substancia
bem misturada com os reagentes tomara a cor de
violeta, semelhante da strychinina em iguaes
coodiedes.
2." Reunindorse urna aolucao neutra de um
sal de morphina ou chlorurcto de ferro neutro tem
lugar o apparecimento de urna cor azul, que des-
apparece com qaatqner acido.
3.* Urna solacio de actalo de morffe* --*
da a algumas eolias de nitrato do iirata reduz a
praia ; T5e depois ae ffflrar, ajuntar-se um pouco
de acido ntrico, manifestar-se-na urna cor de san-
gue ; para que esta reaccao tivesse lugar bastara
que o liquido cootivesse 1/200 de grio de mor-
phina.
4. A mistara de urna solucio de morphina com
ferri-cyanareto de potasseo, toma no espaeo de
urna ou duas horas, urna cor de cereja.
Os resultados das reaccoes sobre a morphina
foram todos negativos; concluo, pois,que es subs-
tancias que analysei nao continham opio.
QUALIDADES DOS* CIGARBOS QUE RECEBI PARA ANA-
LVSAB.
N. i. Cigarros feitos com papel pardo (que pa-
rece papel de fumo), envoltorio de chumbo, sem
marca; feitos com bom fumo, que contioha 1,038
0 o de nicotina, e nio continham substancia alguma
estranba ao fumo. _
N. 2. Cigarros de papel pardo, como os de n. 1,
envoltorio de estanto com o lelreiro :ciGAnaos
de garibaldi.O fumo parece ainda superior ao
de n. 1 ; continha 1,002% de nicotn, c no-
nhuraa substancia estranba.
N. 3 Cigarros de papel branco, envoltorio de
chumbo com a marca vkhdadeiros ciuarbos
obientaes e argentinos.O fumo, inferior aos dos
ns. 1 o 2, continha 2,056 /0 de nicotina, e nenbu
raa substancia estranha.
N. 4. Cigarros de papel pardo claro, sera chum-
bo, com a marcacigabbos premiados na exposi-
cao de 1867.O fumo, de boa qualidade como o
dos ns. i e 2, continha 1,090 /. de nicotina, e ne-
n buma substancia estranha.
N. 5. Cigarros de papel pardo, envoltorio de
chumbo com lelreiro cigarros peitobaes.Con-
tinua apenas o fumo d'estes 0.610 /> de nicotina,
apezar de ter carcter de bom fumo, e conter pe-
quena quantidade de nicotina, nio podemos dei-
xar de clissificar como mo o dos cigarros n. 5 ;
falta va-Ibes o aroma e s maior parle das substan-
cias extractivas ; paresia um fumo queja traba
sido tratado pela agua quente. Nio continha ne-
nhuraa substancia estranha.
N. 6. Cigarros de papel pardo claro, sem chum-
bo, nem lelreiro; o sea fumo continha 1,930 /* de
nicotina, resina, e materia extractiva estranha ao
fumo. Estes cigarros continham muito ruis subs-
tancia resinosa do que o fumo possue ordinaria-
mente.
Pelas tnalyses de fumo publicadas tera-se che-
gado conclsio de que este vegetal contera era
termo medio de 0,270 a 0,400 */. (de resina ; po-
rm aehei em nossos fumos de 0,350 a i % de re-
sina.
Como a resina de fumo soinvel no ammoniaco
liquido, extrahi por esse. modo, destes cigarros
3,480 /o de resina, da qual 1,083 % julgo ser re-
sina do fumo; a parte insoiuvel em ammoniaco
importa va era 2,380% jul gando esta resina estra-
nha ao fumo.
As reaccoes que obtive com esta resina asseme-
Iham-se s da resina'de urna planta cultvala en-
tre nos, e conhecida vulgarmente pelo nome de
Pango ; mas as reaeces das substancias activas
dessa planta nio sendo ainda bem caractersticas,
abstenho-me de tirar qualquer conclsio. Tambera
contioha o fumo destes cigarros quasi o dobro da
quantidade das materias extractivas que, em geral,
se encontra nesta plaa; mas nao posso afflrmar
se o fumo destes cigarros um tumo, especial, ou
se tem mistura com folhas de outras plantas. Opio
NAO CONTIXHA.
Em cooclasio : as dh-ebentes qualidades de.
FUMO QUE ANALYSEI NAOr.ONTLNtt.AM ABSOLUTAMENTE
OPIO ALGUM.
PAPEL PARA CIGARROS.
Proced a doas analyses, urna smente para des-
cubrir a morphina, no caso que o papel cootivesse
opio; mas nao pudedescobrir as reaccoes da mor
phina, apezar do obter da extraccio com agua aci-
dulada e por meio da ammonis um precipitado,
que se obtem nes fluidos extrahidos. do opio.
A segunda analyse foroeceu-roe un substancia
oleosa-resinosa, que parece ser balsamo peruviano
sendo empregada para aromalisar o papel ; urna
substancia idntica a chlorophyll, sendo talvez de
origom de um sueco de planta que se empregou
para ungir o papel pardo, porque existi smente
oeste, e vestigios de acido benzoico, o qual pode
ser originado do balsamo peruviano.
100 grammas de papel continham :
Resina oleosa-aromtica, e acido-benzoico, 2.027
gramotas.
semelhante chlorophylla, O.'Ofr
Substancia
grammas.
Extracto, mucillagem, substancia* inoriramcas1
fibras, etc. 97,279 grammas?
Rio, 13 de novembro de 1869.
Dr. Theodoro Pekoit.
CONCLUSAO.
A COMMISSAO, TERMINANDO, B DE PARECER f
!- Que a fabrica de cigarros de S. Joao de Kic-
theroy, de propriedade dos Srs. Lizaur, Novaes
*C, boje Souza, Novaes de C, um estabeleci-
mento dos mais importantes desta provincia, bem
montado, e que presta vantajosos servicos a esta
cidade, sera que receba subvencao dos poderes
pblicos.
2. A analyse chimica, a mais rigorosa, nio de-
nunciou a presenea de opio nos fumos dos agar-
res de todas as especies, da fabrica de Lizaur, No-
vaes A C, hoje substituida pela firmaSouza, .No-
vaes & C.
Atsignados ot membros da rommistiio.
Esta fabrica nio smente nm esiabelectoraro
industrioso. Alliando ao nosso interesse, flm a
que tende todo aquelle que trabalhando arrisca
grandes capilaes, creamos all urna anla nocturna
onde a infancia desprotegida da fortuna encontra
o pao do espirito n hora do repouso.
Durante o dia aprender esses meninos, que a
familia, as suas condiedes de pobrezatalvez mi-
serianio poderia aumentar e vestir, a fazer ci-
garros, adquirindo hbitos de ordem e trbala ;
noite recebem lir-es de educacao primaria e mu-
sica.
Durante dous annos sao essas creancas ensilla-
das, vestidas e alimentadas a casta do estabeled-
meoto; no tlm delles podem deixalo ou ficar aa-
nhando de 20 a 303 mensaes, segando a dado,
desenvolvimento ou aptidio de cada um.
A assembla provincial nao foi indifTerao
idea humanilaria que inspirou a crearlo (testa es-
cola. .
Aqu reprodiizimos o que se passou aa sessao
daquella cmara, o requerimento do mostrado
Exm. Sr. general Castrioto, pedindo um voto de
agradecimento aos chefes desta facrica, o que nao
sendo permittido pelo regiment, ofliciou a assem-
bla ao Exm. Sr. presidentrda provincia pranos
agradecer tio importante servieo prestado ao pu-
blico sem onerar os cofres provraciaes era termos
em mira qualquer distraccao honorfica. Bis aqm
o que se disse na assembla provincial.
Siipplemato n 3. dofor-
na I do (ommcrcio de 99 de
dezembro de lHU.
ASSEMBLA LEGISLATIVA PROVINCIAL.
SESSAO EU 16 DE DEZEMMO DE 1867.
O Sb. Castrioto :Sr. prndenle, sob a in-
fluencia a mais agradavel possivel que tomo apa-
lavra para relatar assembla um faci de que fui
testemunha.
Hontem, por occasiao de ouvir ofssa na matriz,
desta cidade, presenciei que ntrava na igreja ora
ta STOipcTSaae, roTcomodaA aWtw&fyfihfllS*?
marcha vara na melhor ordem e silencio, e se com-
portaran! com todo o respeito devido ao lagar em
qu'i se achavam, e assim assistiram missa, con-
servando sempre o respeito proprio di semelhante
sacramento.
Este acto tocou-me, e tocou-me o mais que 6
possivel. Vollandome para um dos assislentes da
missa, disse en : pois ainda ha 'professores que
tragam os seus discpulos a igreja ?
Respcndeu-me esta pessea : Nio, senhor, este.
meninos nao pertcncem u nenhum collegio, mas
sim a um_estabelecimento creado nesta cidade por
um cidadio portuguez.
Hoje, Sr. presidente, dirigindo-me a esle estabe-
lecimento, fui all recebido pe.o cidado portuguez
o Sr. Bernardino Gomes Novaes, o qual fez-rae o
favor de mostrar toda a casa com as competentes
offieinas e objectos a ella relativos.
Xa realidade, nm estabelecimeato muito im-
portante ; o que, porm, sobretodo me maraviihou
foi observar com prazer que trabalham as offiei-
nas mais de duientas pessoas, entre ellas cento c
dez raeaaaos brasileiros, pertencenies classes me-
nos favorecidas da fortuna.
Yisitei a sala do refeitorio, os dormitorios, a sai.
onde o professor d aula, a enfermara provisoria,
tudo 11 nenio tem relaco cora os menints pobres,
encontrando tudo, Sr. presidente, na melhor or-
dem e asseio possivel, o que prova exuberante-
mente a huraanidade interesse com que all si
tratados SSStt meninos.
Fui informado de que muitos delles j perce-
bem ura jornal de 20 por mez, oulros teera me-
nor jornal, lodos porm percebem um jornal cor-
respondente ao grao de adiadamente que teem no
oflicio ; fui mais informado qae o jornal daquelles
meninos que teera familias entregue a estas, e c
daquelles que sao orphaos de pai e mii sao depo-
sitados na caita econmica com audiencia do mui-
to distiocto magistrado, que felizmente para esu
cidade o seu digno juiz de orphios. Ainda fu:
informado do que os proprietarios do esiabeleci-
mento contrataram com os dignos proprietarios da
casa de sade desta cidade o Iratameuto dos me-
ninos que adoecerem de molestias graves, send--
porm curados na enfermara provisoria os de en- >
fermidades menos graves.
O professor encarregado da educacao desse-
meninos, em todos os sentidos, isto da educacao
moral e religiosa, e de ensinar-lhes as materias,
que constituem instruccao primaria, o Rvd. Sr.
padre Miguel Joaquim de Araujo, um dos sacer-
dotes mais Ilustrados do nosso paiz (apoiaios), e
que j teve assento na cmara dos Srs. depntados:
a escolha de tio respeilavel sacerdote para o cargo
que exerce e no qual se esmera, enrapriado reli-
giosamente seas devores, urna garamia de raora-
lidade e da aproveitamente.
Tera por seu adjunto urna pessoa conveniente-
mente habilitada, de quera me nio record agora
o nome.
Fui finalmente, informado pelo socio presente.
3ne os meninos pobres de que trato sao alimenta-
os e vestidos expensas do estabeieeimento, de
qual sao proprietarios a firma commwcial Lizaur.
Novaes 4 C. como me informou o Se. Bernardina
Gomes Novaes.
Sr. presidente, o procedimeoto dos donos diqnel
le estabelecimento por seta duvida digno
de apreso e touvor de todos os bornens que teem
um cora cao bem formado, que respeiiara a rs-
gio e a moral, e prezam os hons costuraos. As-
sim pensando, Sr. presidente, nao poda deixai du
transuillir o que presencie* assembla provin-
cial do Rio de Janeiro, competa de tantas lns-
traedes, e em sua grande parte de moc >s talento-
sos e Ilustrados era quem o paia tem bem funda-
das esperanzas, e para quem actos da aaureza.
dos que venho de expender nao podem se-z indilf-
rentes, e antes devera merecer o maior apreco
tanto mais quanto sao praticados com a maior mo-
destia e desiuteressc, visto como sena autores nem
exigem, nem pensam no oenor auxilio dos cofres
pblicos.
Sr. presidente, tudo quanto observe i naquell*
estabelecimento me sorprenden, e com effeto, Sr.
presidente, para admirar que esta poca, em
que o egosmo e o indifferentismo invade qpasi
todas as elasses e carnadas da socledade, sppare^
cam bornens qae pratiqaem actos de veraadeira.
virtude, taes como aquelles de que teuho tratado,
em favor de meninos brasileiros pertencentes ;i
classe pobre, a essa.classe cora a qual por mais ae
urna vez lenhp declarado

'
*
f


01 ju J
j.1 ft
Diario de Pernambuco Terqa feir 12 de Abril de 1870.

ja
x-

ds Soax: Too&HivtWV*- meninos pobre que adrorttiarnaa saa fabrica,
como para com as familias a quem distribuan)
trabalbo tac e lucrativo. Sao apenas fccarridw
menos 4o dous annos e tivemos o prazer 'ver
O Sr. Mcsr eiro
taimamos. J))
O Sn. QtnBlTO :Gerto dessi verja lo, meu
codega, t aft pnsei occupar por momentos a al-
tjnrso da.casa, contando que V. "Exc". o toda a
assemljItmj^lCsi'npaQharao nosentimenlo de que
sa acha fteidbia meu carneio ao contemplar actos
lo meritorios, aiendo com que desta a?sembla
l*rU um testeraunho de apceO) yj^nemeritos
autores desscs acUis^w queMo sove coer
oflm dogalardoar a> mrito coo da animar a
seus antjres, e ciaawfmalaijaie de orear un in-
coativo e estimulo* que tros os taattm, pra-
ucando netos do idntica natarezi. l'araasse flm,
Sr. !irostAe.ile, apranaio assembla ataquen-
mete.
E' rifl'i, apoiado atra en dscus ae o segrale
reaueriinento :
* equeiro que na acia dassessees cela assen)-
tila soja consignado o ueme diciinrian portugttu
flcrfiardino Gomes Novaes, como digno de louvor
pelos importantes servicos que esta prestando
liamanidade e a esta provincia reo beodo em seu
'< tala nonta eidade, t-fiee o~ meninos brasileros pie
elle recorren), aos quaes alimenta, d vestuario,
trata-os em saas oufermidides, educa-os no- prin-
cipios da saa moral e religio, manda-lhe ensinar
as matera* que cmsiituem a iurtruecad primaria,
e um ollcio pelo qual mus tarde es>es meniups
podem haver os meios de subsistencia, pagan-
do-llies logo um Jornal na proporciio de seus ui"-
reciiuenlos sem que par tudo laso perceba nem
lija o menor auxilio los cofres proviociaes.S.
fl.Cnstrioto.
O Su. Vieuu Souto :0 que o b< orado membro
propoe neste requenminto caso novo na asseea-
ula (apoiadus)..... E dasUo que se trata de es-
taMeeer um precedente ile*tos, sou sempre inuilo
escrupuloso, pjrque sei qual catre nos aforen
dos precedentes.
O nosso regiment ni) aalorsa estas mencoes
na acta.
0 Cassaioto : Mas tambera nao prohibe.
O Sr. Vikjra SatiTO: O cidadao pode fazer ludo
manto a lei nao lhe probibe: a auioridade nao faz
senao o que a que a lei Ibe manda fazer (apoia
dos). O regiment da assembla nioo auturua a
fazer o que o requerimento quer que so faca; im
uguo, portasto, o requorimenlo do bonrado
axubro
So que ha exemplos da assembla votar agra-
decimentos, em lei, por servicos relevantes feitos
provincia como a couslruccij e offerecimeotos de
urna igreja matriz : ou de passar u:n requerimeu-
to para que o presidente da proviacia agradec o
donativo do urna estrada ou oulro servieo de-la
ordem.
O que anda nao vi fui consonar-so na acta um
elogio de-tes; 6 caso novo; nao se enconlra nos
i.ossos precedentes de 30 annos (apoiadosj; por
Unto convem que i2ste requormeulo soja madu-
ramente examinado. Como est redigido, nao voto
ji.ir elle.
O'jB. JossJIkredi.v:Sr. presidente, voto peh
regneriincoto, porque comprehendo que tactos
cuno este aprestado pel uobre general, sao un
seculo XIX extraordinarios, e com especialidad.-
j^raticailos o,uio S. Exc. acaboa ce fazer ver, por
un cstraiig.-iro que nao tem a-piraties poli-
tn:as.
O Sn. Castrioto :Que nio exige a menor re-
m uera cao.
i) Sa. Fbu\.\oes:Ha muos fcrvic.os relevaa
tes que alo sao c msiguado* na acta da assembla,
raais jvlevan < do que esse.
f) Sa. Jos 1:-;hsdia :M.iis relevante do que
Cse, meu collega,V.Exc.lera muia dilfii'.uldad,eem
provar me. O liomem que, como o u<>bre general
diz, abre a sua bolsa, franquea a sua fortuna para
favorecer a classe pobre, aos incuinos ulbos de
familias desamparadas ola fortuna, o hninoiu que
trata de Jar a me.uuo.s pobres o pao para o futuro,
que os trata cam Ucdicaeao, decencia e desvelo,
como ac bou de mo-irar o uobre general, o bomeai
que ainda nao pedio cousa alguma, o que la!vez
apenas' espire do ceo tima recompensa, pratica de
certa hu >erv:.x) rejeyaniii#in, qii seg4 oo
suk';ai- extraor'jmano uo seculo XIX, oes-e secu-
l,j de dosrrenca eaturucauT
O Su Sir.LNO'vaftjMRNsoRo: A qaeslio de
ouvir.i o lestemnnho da consideracao e respeito
que tao merecidamente todos lhe votara.
tteetto, ti de abril de 1870.
H
tue o'digho deputado provincial o Sr. general A* llIVl. *". Antalo Kvvrts*
Gaetrieto em eloqnentei e tocantes pal3vras mo- a mmt-ha rtrlrmiiln iin Iitmi
vara um reqerimento que prasentou m- ShZSfSL'-f
sembla provincial para que o governo da pro-
vincia mandasso louvar os importantes serv
pautados pr aqinW cJaMkciidHrsem
los -cofres puliMcos e san ^reiinfoas a favtra
oa disti necees.
E oom effeitc, so lempo decorrido da anesa
priaaeira noticia al hi.je, a Imperial Fabrica de
(Agarros da S. :'olo .de Nictheroy tem bastante
progradido (puis qn achuimente cmta mais de
100 memnos, como aflrmou o hoorwb>Sr. (pnoeral
Gneafioto), gracas qncanavel aetvidjaJe, aelo c
tino d ninistrativo do socio prtaoipal e MCente
do <*stabelerimeirto o 8r. fei Wgu^'de-ljiCTW.
O governo provincial, segundo a dellberacao da
Admlnvel nano Ga#b btanTco t
Santelmo ao-aaondo par4eu Deus mandada
O que es aa |err4?-*o nio eabei nalla
Portanto Uniet^ era .nfor cMnaado ?
Saca vista ou a praso sobre as cidadei
prlndpaes da Europa, tem correspondente
m Bihia, Bueoos-Ayres, Montevideo, New
Herw-Orleans, e emitte carta de crdito
?trra os mesmos lugares.
RA DO COMMERa N. 36-
ALPUfDBta.
dimaoki do da S a 9 .
m do a 11 ... .

Nao catan: sim : Oh I non Baos que'ftgo?
Para que assim orj.'ulhar-me laatofl
.Nao perturba a siento; aias t^aa ;i a|ma
lio.
Esse bonan rei, que a* lyra
Policial bem gravo : oh 1 patria v*ie
Deveras de flores saa fronte ornar,
apreciados o* actos meritorios de edsdos toane'
mentes.
Gonliuuora o; Srs. Lizaur, Novaes & C., a bem
merecer do p.m, e creiam que nos ser sempre
gt) regisirannos nesta folha todos os encomios
de que se i rnain 'lignos.>
O panado desie grande estabelecitneoto hon-
roso e promettedor.
Desment lo-ha o futuro? 5o.
Os successores de Lizaur, .Novaes A C., eatao
habilitados com maiores capitaes e mais atiplas
relacas a afiancar o contrario.
Ititd. i brando do zeio na escolha dos fumes, la-
vando al a inperlinencia a indagacao ara des-
cobrir o meio de obter melbor papel, esfnerando>se
por dar o iilinnu apuro, o inai.ir mimo, a extn raa
pTeicao .\manipnlarao, temos certeza de eon-
>eguir a coiitinuaeao do bom no me conquistado,
com proveito pira o consumidor, intero para
nos e proteccao aos meninos necesitado', que
na nossa fabrica encontram trabalho, pao, ensino
i e<(n'ram;a de mais risonlio porvir.
Nao recomraendamos aos nossos freguezee ai-
dado com as t'al-ilioaeoes ; ellas denunciam-e
por si. Quem, conliecendo os nossos fumos, fumar
una vez taes cigarrosdir com segura;.*: estes
nao sao da Imperial Fabrica de Cigarros de S.
Juai de Nctherov,tal a "
e sabor,
dilerooa de perfume
consiguar o agraJec^meuto ua acta.
O Sw. Jos Hj;aECA: Nao vejo ineonventenle
al.ium em ser csu- acto cor.siguuo na acia.
O Sn. ShcuNDixo Gome.ssobo :tt _o que se
qi.er saber, se o regiineuti permilto ou nao.
O Sn. Jos Hkoii.v : Se 'o regiment nao facul-
ta, tanibem nao prolube. Nao sei qual seja o in
conwnunto em s;r consignado na acta o
1)3
sei qual a
nome
razio porque
.i*i>di,ntri. a AJU.
oVssc benemrito; na
que elle uos possa ser prejudicial.
Por todas essas razos declaro que voto pelo
requeri).'Dto do nobre general, porque o acho
muilo judicineo.
O Su. GASTmoTo faz algmnas considerdeoes em
re>post;i as observafes feitas pelo Sr. depatado
Vteira $oal>, acerca da forma porque deve ser
redigi lo o requvimento que offereceu, concluindo
P r aceitar a forma indicada pelo mesmo senhor
deputado, visto como nio altera ella seu fim, que
> fazer partir da assembla um vuto, pelo qual se
manifest o apreyo em que ella tem o servicos
prestados huinaniJade e a esta provincia, pelos
Sr*. Lizaur, Novaes 4 G.
A diseus>o do requerimento iea adiada pela
bora.
O Sn. RoMiGiiKS laatnn faz algumas observa-
fSat.
furaal do Commercio de 98 de
dezembro de 1SS
ASSEMBLA LEGISLATIVA PROVIXUAL.
Sfssao em 17 de dtzembro de 1867.
1'rosegue-so a discussao do requerimento do Sr.
Gaarioto qne hontem (reara adiada pela hora. E'
ld> e ap i.-'.do o seguate substitutivo.
RKQUtmMENTO DO SR. CASTHtOlO.
Reqa^iro qne por intermedio do governo da
provincia se dirija nm voto de Hwuor firma so-
cial Lizaur, Novaes A C., proprietarios do estabe-
l-ciment.) sito nesta cidade,mpenai Fabrica de
Cigarros, pelos importantes servicos que pres-
tatn humanida le e a esta provincia, reeebeudo
n i mesmo esiabelecimento, todos es meninos po-
bres brasileiros que a elles recorrem, aos quaes
alimenta, d vestuario, trata-os era suas enfwini-
dades, etuca-os nos principios de saa moral e reli-
eio, mandara Ibes ensinar as materias que consii-
warn a intrnecao primaria, e nm ofllcio mecbani
a, pelo qual venham a gauliar os meios de snb-
-isiench, pagando-Ibes desde logo que sao admit-
Udos um jornal qu vai augmentando medida
que se vio adiantanda no oficio, sera que por
sso percebam, e nem xijara o menor auxilio dos
cofres pblicos.CaHiiuio.
Encerrada a discusso, approvado o requer-
m-nto snbslitutivo.
Bn seguida damos copiado honroso oflicio do
Exm. Sr. presidente da provincia e do qoe lhe di-
cafio a assembla.
N. i i8t.Secretaria do govorno da provincia
do Rio de Janeiro. -1 seccao.fctheroy, i de
derembro de 1867.
I liras. Srs -S. Exc. o Sr. presienle da provin-
cia crdena-me que transmita a Vv. Ss. para- os
devidos effeitos a inclusa copia do oiBcio pelo qual,
a assembla legislativa provincial, resoiven man-
dar mva-los por intermedio da mesm-i presid-in-
cia. Daos guarde a Vv. Ss. Ilhn-. Sr. Lizaur.
Novaes & C.O sacreurio, .Vuno Aloare iVira:
Sonsa.
Copi..Secretaria da assembla tegis'atva pro-
vincial do Rio de Janeiro, 26 de dezembro de
1887.-N. 36.lllru. 8r.A ssetritilr teglshtiva
provincial resotveu que por intermedio do gover-
no, se louve a Lizaur, Novaes 4 C., aroprietrro
da Imperial Fabrica de Cigarros dj Ni los aervif.is que prestam, recebendft'ao neu iestabe
le rmenlo todos os meninos pobres trasHoiros, qne
a files recorrem, aos quaes alimentara rj vestem,:
tratara as enfermidade?, edacara, mand.tm dar
mstruecao primaria o ensinar nm offlio que Iho*
venha a proporcionar minios 4c subsistencia, p-
gatido-lhas desde ooe os admittem um jo ni 11 qne
nngmenta medida que so a'Hantarn no olDct O
qu V. S. se dignara de levar ao eonheeimonto de=
S Kxc. o 8r. aro pn.irle a V. 8.Sr. Mcrenrio de governo da pro-t
.iiici.i.Anttmi P. fjhipa dt-Abrc-.'.
Ajmprensa tambera'nos ,M1) palavias Je ani
raa^io e toa%r, o pan nio cancar oe';j!ri'.o doi
no-sos fregueies a mlg*s s damos *,opia J) rti-
co do Correio Mercantil, do *) d; dce:iibro d?
isocsraiA vv'rovvi..lin tefrfelro i; 186(5,
. )s nesta foTna utua aa-aliju nni :1 h fStrt
lo Imperial Fabrica de Cltprros !; S, fotio tic
Nicthr^y, o pertoncenta so-: Sr. Lizaur, No/ada
4 C, Nossa oecaafa. :nmirtu4.o a mhS-i do1
(rmpuqfnadores das iJjftn u'l !3 o provoitos:.; xi
irigirae aos proajrietar.'j3 Jaqaello esta:
nto palavr.19 da-aniraa?J, laucando -?,s pel
niueiri porqus pnsedlun o sopara ora os
A melhor administraco nem sempre aquella
que mais recommenda-se pela dispensa de maior
siimina de f-vores,"e procura o fundamento de
seus acto- smente n'aquillo que pJe agradar as
convoDicncias dos partidos : mas a que allende
aos legtimos raleresses, estabelece verdadeiras ga-
rantas, e inspira-se antes de tudo na moralida le,
d'onde deve principalmente tirar sua forca e pres-
tigio.
Para que, porm, possa ella a sto atlingir,
oumpre-lhi! paitar compre os seus actos pelaei,
autepor a tudo o cumprimento do d ver e nanea
drtve rellertir cm tudas as suas acues.
Bem ad ninisirar, pois, nao contentar sempre
a tudos, cu jos inieressei muita vez se contrapoem "
antes ouvi-los, estimar as suas aspirarles, t at-
tendelas segundo a juslica de cada urna dellas.
Sim, segundo a juslica ; por qne e*4a a sei va
do direito ; e quando ella reina, a paz e a Itberda-
do sao as suas legitimas conse (ucncias.
Km urna socieddo regular, como alguem j O
di-sc. a juslica consignada como a melhor das
virtudes.
E, pois, aquelle que, revestiJo do poder, tentar
a pralica de consclho ro sabio, cumprir ao mes-
mo lempo a dupla inis-ao de babii poltico, e ati-
ladj administra Jim* :
De ad.iiinistrador, pelo' respeito quo consagra
as instituices, o cxemplo com quo insti ao o quo,
como elle, eatad igualmente incumbidos de jnigar
e destribur juslica peles seus eoncidds ; de po-
ltico sensato, porque d forca e prestigio ao san
partido, iuiciaqdo ns bons priucipios cora a (irati-
ca conslaute da alta virtudes ; e engrandece o
seu tystema pela moralidade de sua douwina, fa-
zeado assim com que esta se a van taje, inspire a
mais piona eonliaaca, e lorne-se linabaente digno
da preferencia do todos.
Dentarle desarma-so os adversarios, enfraque
ce-se a opposica, tolhe se-lhc os rnoos de aggres-
sao, frustra se a opportundado para justas ceu*a-
ras, imiwe-se-llie alinal o silencio; e o podar,
pelo coutrario, mais sa engrandece, cercado do
maior respeito, acabando por merecer o poio de
todrts n suas sinceras adhe-oes.
ura ieioria (|ua o Bu). Sr. taanfer Fre
oenco la aimaida o iihuaooron.-. um iirudaolfl-
mento procurado conquistar para a causa ao seu
partido.
Como administrador, con^uinindo U do o lampo
da que dispde, <: i as horas de repous'\ cora o
esluio e a ratlexo dos negocios pblicos, tem
deste modo conquistado a conlianca de toJos, pelo
aoerlo do suas decides, imparcialida le de seus
julgamentos, proferidos sempre segundo as inspi-
nqawt de sua consciencia, a nunca dictados por
co jsideracoes pessoaes, odios e despeno partida-
rios.
Cora o mesmo rigor cora que fulmina os exees-
sos d'a |uelles que o accompanham, destituindo a
auioridade que se desvia do cuinprimento de *eus
deven, destribao justica aos adversarios altan-
dando suas reclamacoes, quando jusiHcaila<, ao
oasso quo nao cede muita vez exigencias de
amigos.
Gomo poltico, dotado d'aquella discripcao que
todos neile reconneeem, ouve os seus cerrehgio-
narios, presta-Ibes apoio, mas somanto aquella que
com) digoidade pode dispensar a autoridade, con
eede-lhee favores compativais com a moralidade
d'uma b.ia administracao; e assm coacorra para
o enjrndecimento da causa que representa, pa-
ra a viel ira da idea que defende ; posto que nem
sempre veja, em seus actos, traducida por todos,
a ntencao que os presidio. Mas suoceJera a po-
ca da calma e da medita cao, e entao aquellos raas-
rnos que ni) reeuarara perante um juizo temera-
rio, serio os primeins a applaudir o aeerto de
suas dcisGes, a severidado de seu prceler, nao
sacriticando exigencias de momento as conve-
niencias do nm partido.
Percorram o estadio da actual adminisiracio, e
todos nao de convencer ss de que S. Exe. tem jer-
respondido ao alto conceito, em qne sempr le-
ve esta provipcia.
Assumind.) a administracao pnblica em urna
rxica de eteiees, absieve-se da lula, nie iator-
veio directa, uera indirectamente no pleito, e per
minio qne .riumplia-sem a jnelles qne legitima-
mente deviam vencer.
Sem forca pnblica de que disponha, e com que
podes-e contar, tem mantido sempre a ordem e
tranquillidade era qaasi joda a provinci i, onde^
dorante o perodo de saa administracao, nio leve'
anda alguem da lamentar aceas da natureza
d'a |uellas de que nos deu noticia a imprensa em
pocas anterioras.
Respeitando a in dependencia dos poderes, na i
tem querido intervir as questSes judijiaes, nio
permiitiudo mesmo entrever sua opiaiao sobre as
cansas pendentes, posto que de amigos.
Se algumas norneaedes tem fe&vi, sao ellas sem-
pre precedidas de escrupuloso exarae, e exactas!
informat-des sobre a aptido e moralidade das pea i
suas, a quem procura confiar os cargo* pblicos.
As rendas da provincia team encontrado no ac-
tual adnmii-trador ama verdadetra garants, e ne->
nauma despeo autorizada sem previa justiflea-
co. E se algam contrato tem celebrado, ano
sempre nlle attendidos os interessos pnblicoa, a
soliotao)eoto guardadas as Cormalidadas prosorm-i
tas por lei. .
Finalmente, ehegam ao sea eonheeimento re-
clamaeens dos altos sendos, onde a fome e a raja
ca todo devastara, e ostentan) mizaria e horror,
nao se fazem e-perar medidas enjrgicas, prome-
tas prowdeneia para remediar males tao graves.
Ef em resumo e em iigeiros traco; a adnlnls-1
tracio Je S. Exc. nesta provincia, que hoje se
congratula cora o governo de S. M. I. pola acerla-
Ida eScoifra, qu 1t de tao distmelo cidadio para
o desotnpenlio'ldo- cargo de to alta importancia.
Ou;am a oaposco, atteiidara ap que diaria-
mente pabllca a sua imprens3, e drgam so exa
gerada a unaJyse que se resume neste escripto.
Em falta de motivos para um Capitulo de acca-
3aco>s recorro decla-njc^o, ftnge ignorar o-!
ac ratecimertos, turto rnystrfca; mas sempre ras-
ela da Inimoralidade dos tneios de que serve-ss
para aconimetter a actual administracao.
Abm rte'argbf'jss burlescas, safados motetes,
'a que d:i) c.-paeo as cofamnas do ens jornaes
IM:o7MIl
6t:867m
For!~W,d,?,s paUe-ho Prtni- 178 toneladas eap.tio Antonio Jos Rodrigues, doMimepli conaroyaan.
cqulpagem 16, carga v.nhos- e-antros -gneros; La iscrione ha (usgo libera, dogni spesa, ed
aThomaz de Aquino Fonceca & C.
IfaviQS saludos no inesmo d{,
PortoBarca portugneza Flix caprtao Antonio
Prnto Gulmafies carga asucar outros g-
neros.
MOVIMENTO DA ALFANDEGA
assembla. acaba de dirigir aos Srs, Lizaur. NK f,0'3^" diMr? danrtnrhanrau
vaes&G.. os .aurores de que se tornara dignes' Umflwoie. so nao Ju qde peupar.
pelo- seus bons servicos, e roigamos de ver assim
7oIumaa entrados cora fatendas
(den 'dem com generes
rolnmessnMdcs com fazendas
dem dem cora gneros
113
M
------661
69
jo atw
*7\
Deum sol rdante exper- se nm raas
Em hars raudas de humanal repouso,
Ti libar veredas em meia coite escara,
Moa.anhas ingremes que sber nao o uso :
Esse horasm taz com gigantesco genio,
Com as brandara de serenado ar
Gom gravidades de um clufe donlo,
Comas docaras de soberano ornar;
Pra impr a ordem, salvar a victima
De lupia garras, de brutel raaoor
Ha i vtngaaca norrivel de aogiabos mus,
(Jaese bmentam de perennal faror.
Towai as armas dease grupo ingraao,
Nio os consintis imperar na orgia -
Em alfroota a Jai, a ineral, a vos
Incautos homens em condieco bravia.
Tomai-as, sim, quebrai as ponas,
Depois do que lancai ao cbao ;
Qoe a easa gente em perpetrar maldades
Nao se deve dar o menor perdi.
Mas que imperte ? se linguagem dora
Supporlar uo pode o coracio ten t!
Pois unir bem sabes a juslica paz
A ompaixao dor... a que vejo eu !
No presento um grande, no porvir um santo,
Gantarei bem alio, mu eanbora eu cale:
Vibrar, i a lyra, acoutarei com impeto,
Krabora a lyra as ininhas raaos estala.
Em cantar teus Albos em roeus pobres versos
Que me importa a mim t si nao sou poeta;
Mae p'ra impor a ordem, castigar o crime
A ti s perteoee : agacai a sella.
Providencia 2 de fevereiro de 1870.
A. i. H. FUko.
oje4S de abril
Rarca ioglcza Olinia mercadorias.
ttarca iagN?ia nto/f^ne merca-donas.
Patacho injezlidemercadorias.
rWigur mglezUantebacalho.
Escuna inglezaKstephaniadem.
Pancho mgteiMicuelememercadorras.
Brigue norte alleinaoArpoplvora.
Rarca ngleza Tul/untan farinbade trigo.
Barca inglezaImperador farnba de trigo.
Patacho bespanholPvrttttm-Tmbos.
T.ABELLA nos pdeqos nos gneros sujeitos a di-
RUTO DC BXnmTACO. SIMANA BC 11 A 16 DE
AMJL BB 1870.
Uereadorias: Unidades. Valeres.
Acrstico
A
w.n toa todo gentil a natureza
fiberal mais qne a* flores ser procura
-nvencivel tornando-ie em belteaa
vjc em teu lodo so ostenta n formosura
>o tem nome se liga a sogeleza.
Olinda, 15 de marco de 1876.
Luiz de M. V. de Dnunmond.
Sn. redactte*: Assim como todo cidado so
julga cora direito a exigir do -eu paiz os soecr
ros e benelicios as boas estrdas e mais cummodi
dadas, juico que tambera tem ellos o dever de
pugnar pala boa cobranca dos direitos a rapos
los e^tabeados. Nos pernambuca gastamos
que a B09sa bella provincia nos dd as commodi-
dades de que precisamos queremos djs esira-
das, boa itlaminacio, boas ponas, bons thaatro*
ete.; e porque nao devemos lerobrar o me da
ubter-ss vnte e muilos contos de reis de direite-
estabelcidos, que a provincia perde aunualmenu?
Fecu portatuo a Vs. Ss. que ce dignem attender
ao seguale, e com o devido respet > aos Exms.
Srs. dnputados proviociaef: tomo a liberdade e
tembrar o pedir a Ss. Excs. se dignem providen-
ciar de raudo a que a provincia de Alagoaa nao
receba annual ente os direitos de mu tos milha
res Jo arrobas da Uta, de mitnares de couros e
soila qne do alte serto desta aossa provincia pro-
caram us mercados a mnrgem da no S. Francis-
co, como Prauhas, Pao do as-ucar, Traip ,e F-
no.lo. jII eA uonjli/ioa an ainh%re.A)/L rara a
provincia da Babia, ou mesmo para aqu; da qual
quer mi Jo (o taes generas qaalncados como
producto da provincia de Alagoas a tor da pagar
all a competente exporta cao ou tomaran caru
de ,' ,ia para pagarcm aijui ou na Babia os di
rcitos prosinciaes a provincia de Alagoaa sondo
taes gneros de producis parnambucana ; por-
que succede isso? Porque nio ha aaquelles pon-
tos um agente fiscal com > temos aqu, ot da pro
vincia do Rio- raudo do Noria e mesmo a de Ala-
goas qne nao deixara pas&ar um sacco de assucar
sem que pague os direitos as respectivas provin-
cia.-.
Sou filho desta nossa bella provincia, amo-a e
desejo seu engrandeeimeoto, a esse amor que
me faz lembrar o que deixo dito ; moro no alto
serto, vejo a qnantldada da algodao e couros
que d'alli sai, e presumo que monta a mu i tos
contos de reis o direitos de taes g-meros; j fiz
urna igual exposicao ha cinco annos ne-te seu rea-
peitavel Diario de que sou um dos mais velbos
assignautes, a Exmj. assembla d'entao reconhe-
ceu a verdade e autborisou ao Exm. presidente
a criar agente alli, purm onde 1 Em Peaedo qoe
pouco adiauia. o mesmo assim, at boje nao ha
la. agencia. Come tenha iatoiro conbecimenle
ilaquelies lugares ouao lembrar qne tal agencia
deve -er em PiranUas ou mesmo em Penedo, po-
icn no se' pode prescindir de ter-se vigas aro
Piran has. Pao da assucar a Traip, pois sao os
ponto < onde ebegam m nosses sertanejos com sena
generes ; alem de boa e vigorosa recommandacae
a* nosaas autoridades provaBCiaes para nao dei-
xarem sair taes gneros sera a respectiva gaia e
legenda.
Abano......... anana
Algodao em carneo..... kdog.
ideraetn rama ou era lia. >
Caraneros vivos........
Porcos idem.........
Arroz cora naca...... '-kilog.
idem descascado ou pilado
Assucar braneo.......
Idem mascavado...... >
dem retinado......
Gallinhas........ orna
Papagaos....... >
.\ieiie de amendoim ou men-
dobim......... litro
idem de coco ....*.
idem de mamona...... >
Batatas alimenticias. .... kilog.
BaunUha...... *
Bebidas espirituosas "efermentadas:
Agurdente cachaca..... litr.
dem de canna...... >
dem genebra......
dem resillada......
dem alcool........
dem carreja.......
envinagre.......
dem vaho de caj.. ....
Bolacha tina, comprebendidos os
bseoit s.........
dem ordinaria, propria para
embarque........ >
Caf bom....... >
dem esoolba ou restoino ...
dem torrado ou moide. ... <
Cal branca........
dem prela........
Carne secca (xarque ).
Garvio vegetal....... >
Cera amarella....... '
idem de carnauba em bruto.
dem ideiu em velas, .... >
Cita..........
Cocos 9eccca....... cento
Coila......... kilog.
Couros de hoL seceos salgados.
dem idem espumados. ... >
idem ideai verdes..... >
idom de cabras wrtides um
dem de coca......>
Doeos en calda...... kilog.
dem em gela ou massa.
'aleju seceos.......
B9QBSSOOrC3 'le 1/^^31*33 kk 90-^3 uQZfB*
dem- pequeo......
lera de palta....... >
Esleirs de carnauba .... cento
Idem propia.tfira buvouesiiva
de navio........
Estopa nacional...... kilog.
Parblia de araran .....
dem ce mandioca.....
Feijao dequalquer quaiidade. >
Fumo charutos .,..,. centro
dem cigarros......
M*aa> ou. i'.lbu I. ..r. llog,
dem em Colba, ordinario ou res-
tolho ......,
dem em rolo e em latas bom *
dem, ordinario ourestolbu, >
(tap .........
Jjriima da mandioca, (polvilho). >
(pecacuanha ( raz ).....
nngico (toros)...... dm
Gaibroa ........ um
Etixaius........
Frechaca,........ >
lacaraad (couejociras) duzia
Leulu eat achaa...... cento
Protectora das Fainilias,
Associar;3o bra^ileira Sobre a vida, approvada por decreto do
govorno imperial de 13 de junbo de
1864.
Gerida pelo banco rural e bypotnecario do Rio de
Janeiro.
Essa associacao caminha as vas de prosperi-
dale, nao sem os entrares Inherentes emprecas
novas.
Era 31 de dezembro Ai 1866 linha effeetuado
ea associacao 5348 contrates.
Inscripto um optlal de 8 04:10i*890.
Cipital realisado a convertido em apolic? da
divida publica nacional de 6 Q/% l,35k 700*000.
At 31 de dezembro de 1860 linha effoctoado
esos associacao 77S2 cuntratas.
Inscripto m captol de M,>37:3ott*SO.
Capital realisado e convertido em apolces da
divida publica nacional de 6 0/0 3,774:700|d00i
Para mais eaelarecimeniee dirlglr-se-hao ao
escriptorio dessa associacao, roa M Livramenlo
n. 19, 1 andar.
Oagwnte.
Narcizo Frnneitto Vidal.
-. i .....i mmaemam
300
85
8H
4*000
2i0tXI
68
177
300
178
436
1*000
5*800
837
673
626
103
5*430
195
390
330
300
337
600
300
660
kilog. 476
id'i
476
412
958
39
J7
258
168
442
436
763
4*360
44000
1*438
566
640
340
350
10*000
1*133
784
2*180
48880
3440QO
12*000
16*000
l/KW
136
681
92
272
3*000
320
1*090
813
681
545
2*180
170
U703
0*000
360
1*500
3*000
93*000
3000
12*000
6*000
10*000
. 103
3*000
6*000
COMMERCIO.
]^tW'a^t-W^^Wnvy^"aw->n.|aT^a'w^nw n
kil.
nada de serio e grave publica a imprensa oorm-
s&ftta. ^'
1? lpiaiK.o recorre a opposicJo a meios desta or-
dsra, cm vrzde detarpar nm govr-rn?, coirfestaJ
s#m qrft f sinla, a marcha regalar das suas in-t.1-'
lulccs, mo3trarrlo-s3 ao mesmo tempo pibre,
verdade, mas sedenta do factos que ppjssa articu-
lar como outras tintas aecsaces
NSo permita pois S. Exc. quo apague ib a hxi
que a'A boje o tem Iluminadoa justica ; o cJo
AC DO RECIPE 11OE ABRIL.
nfcfn
as 3 1/2 Hoaas a* raana
Assucfr amenoano purgado2*760 por li>
(sabbado). *^
Uite dito ditoiioo per 151.il. (sabbado).
Assucar Ganal-*400 p 15 kil. (sabbido).
Cambio sobra Londres 06 d/v U 4*4 por 800
Cambio sobre Varis 3 d|v. 440 n. per iraamo.
iMtuo sobre Baanburgo 3drv.8i7 rs. U. B.
n s)brc Portugal 3 aiv. 145 OrO de pre-
Garabo
mi.
Meae^ittiJnaior,
Pelo presidente.
A. P. de Lemos,
Heto secsetario,
O Uto de Janeiro Limited
Dessoota le*Hraft da praja tau con-
'ecoa.v.
Becebt 4jjijeiro ow eonta orwato hii
I raso fixo.. ,
dem em toros...... >
Lionas e esteios. ..... um
Lour s (pranchoes)..... >
Pao Brasil........kilog.
Idem de jangada......uiu
Quiris.........duzia
Vinhatico costadinho de 23 a 30
miliimetros de grossura. um 16*008
Idem pranchoes de dous costa-
dos at 50 miliimetros da gros-
sura......... 20*000
(den tabeado de menos de 23
miliimetros do grossura duzia 1444000
Taboado divarso....... 96*000
ratajuba........kilog. 33
rraves.........urna 6*000
Varas para pescar. .... duzia 2*400
dem para aguihadas 6*800
dem para canoas.....uiaa l*O00
"Cavernas de sucupira(em obra) > 3*500
Eixs de cicupira para carro. par 16*808
Waco.........kilog. 58
Mel deabetha....... 320
Mimo.......... 68
Ossos...... 18
falla de carnauba.....molla 1*000
Pechury.........**. 817
Pedran de amolar ..... 31
dem de filtrar...... > 18
Idom de rebollo 34
Peanas deenia. ...' 4*796
Prassava.........nolboe 160
Ponas ou chifires de novilbo ou
vasca.........cerno 2*800
Sabio.........kitof- 348
Sal. ...,...., 10
Salsaparrima....... 1 #843
Snalos de couro braneo ... par 880
Sebo ou graxa en rana. kilog. 340
dem era vetos. .*.... > 476
Sola e vaqueta...... 1*200
Tapioca......... 204
Gnlias de boi.......cento 380
Vassouras de carnauba duzia 768
dem de piaaaava ... > 1*200
dem de timb...... > 960
Alfandega de Pernambuco, 0 da abril de 1870. ,
O 1. eonterente, ilawml *>. da Silva.
O 2. dito, CnWo A. uit Souza.
Apprew. Alfandega de Pernambuco,, 9 de a-
bril de 1870.Paes dt Andrad.
Confarme. Joaqu mTtriuliano de Medtiros.
-ABCBntBOOfkU 118 HBDAS iNltHft UA&
RAESbE PERNAMBUCO.
tUadiraento do da 2 a 9 18:8794633
Idtm do dia 11....... 3:078*948
O Dr. rranelaco tte Grvalbo Soares Brandio, juiz
de orpbaos do termo do Recite, por S. H. Impe-
rador, etc. etc.
Faco saber aos que o presente edtal virara e
d'elle noticia flverem, que da data do mesmo a 30
das, serio recibidas propostas em cartas fecha-
das, qne aerad entregues no cartono do escrivao
que este snbscreveu, para serem abertas em au-
diencia Ando o dito prazo, pra a arrematacao do
escravo Fernando, de nacao, em melado de seu
valor de 600* pertencente'aos bens da flnada D.
Angela, Rosa de Miranda, a requerimento do in-
ventarame Joao Jos da Silvetra.
E para que chogiie ao eonheeimento de todos,
mande, pascar o presente, qne ser afllxadO no lu-
gar do cstume o publi ;ado pela imprensa.
Dado e passado nesta cidade doRecife, aos 6 de
abril de 1870.
Eu, Joo Facundo da Silva Gaimaries, escrev e
subscrev.
Francisco de Carvalho Soarrs Brandao.
4." SKCCAO. SECRETARIA UA PHBSIDKNC.A DE PER-
KAMWJCO, 8 DE ARRU. 0E 1870. '
Edilal.
Dr crdem de S. Exc. n Sr. presidente da pro-
vincia, e em cumprimento de aviso circular do
ministerio da agricultura, cnmmercio e obras pu-
blicas de 10 de marco prximo Ando, se faz pu-
blico para eonheeimento de quera ioteressar pos-*
sa, o annuncio que vem inserto no Diario O/ficial
daquella dala, e qne abaixo se tran-crevp convi
dando os expositores brasileiros a apreseniarem
productos agrcolas e manufacturados para a ex-
posicio, que tem de effectuar-se na cidade de Cor
dova, na repblica Argentina, em 15 de outubro
do crreme auno.
O secretario interino Elias Prederico de Alet-
ela e Albuqtterque.
MINISTERIO DA AGRIGULTURA, COMMERCIO E
OBRAS PUBLICAS.
EXPOSrCAO EM COROOVA.
Devendo eITecluar-se na cidade de Cordova, na
repblica Argentina, em 13 de outubro do corren-
te anno, a inauguraban de urna exposicao de pro-
ductos agriculas e manufacturados, para a qual
sao convidad!* os .igriculture>< e fabricantes bra-
sileros, cujos productos adinittidos as mesmas
condiees dos naeionaes o enviados at o Rosririo,
sern dalli remettidos gratuitamente esem diroitns
de alfandega, pelo camiubo de ferro central, ate
a inenccioiada cidade de Cordova; de nraem de
S. Exc o Sr. conseiheiro, ministro e secretario de
estado dos negocios da agricultura, eoruraercio e
obras publicas, assim o tafo publico declarando,
para eonheeimento dos intere>sadus, que o govtr-
uo imperial est no proposito de auxiliar no trans-
porte dos productos at a cidade do Rosarnos
expositores bra-ileiros que concorrer'n esse
certamen industrial, no qual sent qne as actuaes
circunstancias iinanceiras do paiz Ibe nao per-
mitan) tonai- paite directa.
Confia entretanto o mesmo governo em que os
eapositures brasileiros, aquilatando as vantagens
reaes que devem provir ao paiz de sua co-parti-
cipaeao nesaa fe-ta de trabalbo, nao r>aparo es-
forcoa para que, na expostpo de Cordova, seja o
Brasil condignamente representado.
Secretaria de estado dos negocios da agricul-
tura, commercio o obras publicas em 9 de man; i
de 1870.-0 director geral, Jos Afoslinho Mora-
ra Gunaraes.
DECLARACOES.
SVNU C\SA DA MISERICORDIA DO
RECIFE.
A lllm a. junta administrativa da Santa Casa oV
Vlisericordia do Recife m/nda fazer publico que
na sala de suas sessoes, no da 11 de abril, pelas
4 horas da tarde, tem de ser arrematadas a quem
mais vantagens oQVrecar, pala lempo de Um a tres
annos, as rendas dos predios em seguida declara-
dos :
ESTABELEC1MEMT0 BE CARIDADEJ
Ra do Maullas Ferreira .Olinda)
Casa terrea n. li.......96*000
Ra da Vira;o.
Casa terrea n. 7.......192*000
Ra do Padre Floriano.
Gasa terrea n, 43......171*000
dem idem n, 65.......i7j000
Ra de Hurtas.
Lnja do socrado n. 41.....121*000
PATRMGNIO DOS ORPHOS.
Ra do Vigaro.
Pritneiro andar do sobrado n. 27 240*000
Ra do Rangel.
Casa terrea n. 58.......360*000
Ra do Pilar.
Casa terrea n. 102.....8 202fIOOO
Ra da Lapa.
Casa terrea n. 2.......240*000
Os preteudentcs deverao aprsente r no acto da
arrematacao das suas (janeas cu comparecerem
ac ;npan lia dos dos respectivos Madores.
Secralaria da Santa Casa da Misericordia do Re-
cife, 6 do abril de 1870.
O escriyao,
Pedro Rodrigues de Souza,
aicura agli nteressati U dlrftto di nazionalita
presso TI e R. UnfrCmMarf tol Brasile.
(mperiale e RtoCintnhiBVti'Autria-ngaria,
in Pernambuco, 11 Mano 1870.
L'l. e R. Consol,
v -.r" i
SE
A lllma. junta a.
misericordia do H .
as 3 horas da tarde 'i
a receber propostes para
do armazem reeSficadoa ra Sreita
da santa casa de
_|do snas sessoes,
dia 14 de abril contina
a arrematacao da renda
n. 33, per-
tencente aos estabelecimentos e earidaJe, servin-
do do base o preco de 600* annuaes, dando-se
preferencia quelle que, alem desta, oulras vanta-
gens offerecer. .
Secretara da santa casa de misericordia do
Recife 6 de abril do 87D
O escrivao,
____________Pedro Rodrigaes de Souza.________
Santa Casa de Misericordia
do Recife
Devendo ter lugar no da 14 doorrente, na-
greja de N. S. rio Paraizo, pelas 10 horas da ma-
nha, impreb riveltneate a n-issa sojemne que ha
de preceder a CMinjti^o 86. Saenmeato, con-
vide, de rdsm Yj^ *lmtolranva, 4 todos os
irmaea para qaa oaocparacam nesse dia e hora
afim de asistirem a semerhante acto.
Secretaria da Santa Casa de Misericordia do
Recife, II de abril de 1870.
Pedro Rodrigue* de Souza,
_________________________Escrivao. ______
Olllm. Sr. inspector da thesouraria defazenda
desta provincia, em virtnde das ordens em vigor,
manda fazer publico que tem marcado o dia S5
de abril prximo vindouro para o concurso qoe
se tem de abrir na mesma thesouraria para pre-
enchimento das vagas neita existentes de plati-
cantes da mesma, assim como da alfandega e da
rec bedoria de rendas : versar o exame sobre
as materias de que trata o do artigo 1 de-
decreto n. 3114 de 27 de junho de 1863, a saber:
letura, analyse grammaWcal e orthographit, ari-
thmetica e suas applieaeSes ao commercio, com
especalidade rednecSo de moedas, pesos e me-
didas, calculo de descont, juros simples e cm-
aoslos, theoria de cambios e snas applieacdes. Os
concurrentes deverao previamente apresentar WnS
requerimenlos instruidos de documentos que pro-
ven) idade completa de 18 annos, isencSo de pe-
na culpa e bom compnrtamento na forma do
art do decreto n. 2549 de 14 de marco d
1860.
Secretaria da thesouraria de fazenda de Per-
aambuco, 4 de marco de 1870,
Servindo de Ifflcfal-maiot,
Manoel Jos Pinto.
Adaiiustrar>) dos corntios de rroauibuco
12 de abril de 1870.
Mala pelo transporte ttapiruru'.
A correspondencia que tem de ser expedida hoje
pelo vapor cima mencionado, para o Rio de Ji-
neiroi ser reeebida pela forma seguinie :
Massos de jornaes, mpressos de eualfaer natu-
reza, cartas a registrar e cartas ordinarias at as
horas da mantisa.
O administrador,
_________ Afonsii do wro tarrea
THEATRj
DE
SANTO AMONIO.
(Ra da Florentina)
iiums mm m
ISOSDIAS
16. 17 e 18
Sabbado de Aieluia.
Domingo de Pascb^a.
Segunda-feira.
0 emprezario deste theatm, antorisado pelo
lllm. Sr Dr chefe de polica, d tres dias de di-
verlimento no genero
li
Pela secretaria da cmara mauieipal desta
cidade se faz publico que continuam nm praca no
dia 13 do corrente para serera arrematadas por
quera pienor preco onerecer nao s a obra do con
tterto da ponte do Maduro, oreada em 517*, como
a do pedestal na frente das catacumbas ultima-
mente teitas noeemiterio pdico, re ida em 242*.
Secretara da cama:.i municipal do Recife 9 de
abril de 1870.No impedimento do secretario,
O ofliciai- maior,
Augusto O. de Figoeiredo-
0 saino acbar-se-ha couvenientementc deco;a-
do, e luminado a piorno.
A ordem e mordidade serlo maalidas como
costuma fazer o empresario em todos os seus es-
pectculos e divertmicotos.
Haver lugar destinado e garantido para fami-
lias.-
Tocar n estes tres noutes a banda marcial do
2* batalho de infaniaria, da qn; I director e
mestre o Sr. Meudunca.
As 9 I2 horas ser dado o signal para comeen
do baile, tocando a msica urna escoltada pe<;a,
como preludio ao divertim nto.
As 10 horas a socieaade
Garibal lina
far a sua entrada magestosa, ao son de urna
marcha
Triumphal
Em seguida coniecar
21:atia*581
GOSSULABO PROVIfCAL
aondimeato do dia 2- a 9
dem do dia 11. .
18 1il*83l
7:882*606
*i:034*i0
MOVIMENTO 00 PORTO.
iVorfit entrados no dia 19.
MewTYork32 dias, barca inglea Jblimmn, de
36 toneladas, ertrSo' pegem 15,-entga 3744 'barricas com farttiba de
'tnfn% Pbipp Bruthers* C.
Trieste100 das, brguo norte allemao Insel, de
1TO tnaeladtty''oapiar>'LtcbiHte, equipagem 8,
carga 8300 barricas com farlnlia de trigo ; a
ordem.
to'We Jineirn47 dia^lngar norte allemao Qep-
*n, de 36 teoeiadas, eapltlo P. Claassen.
egutpagem 9, em lastro; a ordem.
Pela recebedoria de rendas miomas se fa
publico que ne-te con ente mez e no de abni
prximo futuro, que os conlnbuintes do imposte
sobre industrias o prosses teem de paga-Jo, li
vre de multa, e que lindo o^referido praso sers
cobrado com a multa de 6 0|0.
Recebedoria de Pernambuco, 3 de marco de
1870.
O administrador,
____________Manoel Carneiro do S.uza Lacerda.
\auta casa da misericordia do
Reeife.
Pila secretaria da santa casa de misericordia do
Recife, de ordem da lllma. junta administrativa,
sao convidados os pareles das c ucandas do cola
lego das orphaas em seguida declaradas, para
que venham requerer a sua retirada daquelle esl
tabelecmento, visto que j tendo mais de 21 an-
nos de idade, devem ter o destino recommendado
pele artigo 48 3 e 4 do respective regla-
mento :
i ilaria da Cooceico Azsvedo.
2 Anna Rezerra Cavalcanli.
3 Amelia Joaquina de Oliveira.
.4 Emilia de Mello.
5 Cordolina de Castro Cirne.
6 Sophia Mara da Conccigo.
7 Fraocelina Rodrigues da Conceifao.
Secretaria da santa casa de misericordia do Re-
cife 12 de marro de 1870.
JO escrivao,
Pedio Rodrigues da Souza.
0 BAILE
Cali. Filial lo Baen do aira -II
em Pernam utua, en 1 quhl .-
eio. 89 ale taraco le 1*3
A Caixa Filial do Banco ao Braril, tendo
de proceder sua lipuidaco, venda por cora-
modo preco o sobrado sito a rita Imperial
n. 6i, oom grandes e excelJeates acoiuo-
dagQS, assiai cerno venda a casa tarrea
contigua, n. 66, a tral ir na mesma caixa a
ra do Gommercio n. 84,
ImpiBle e regio coisulato
a Austria engh^a, in
Pernambuco.
Con decreto dd.a 14 Dtccmbra 1869 venne rdi-
nata uu'anagrafe dei suddi Austro-Ungaricli si
trovanu al I 'estero.
I medesimi vengono qunJi nviteti col presente,
di anncuuiarsi, nol terniae di tro mesi dal gioroo
A fociedt.de Garibaldina vem vestida a carac -
ter, sendo 8 Riierreiros e 8 vivandetras, e execu-
taro a.s seguintes quadrilhas :
l>
A linda quadrilhaGartbaldi.
S.
A qualrili.a I.i-Ralne.
3/
A quadrilha Sympalhia.
O emprezario paricip. aos seus amigos c ,v#-
tectores que nos nter vanos a sociedade Garibaldi-
na execut.ua as quadrilhas annunciadas em um
quadro sea, v&o sendo preterido aos'dancarte*
fennarem ouros em que possaui divertir se.
G Sr. Ferreira dos Santos tem nina bella id-:.;,
que servir de iniciativa para oulras s'ocidades
neste genero que serio o garante dos diver.imen-
tos pblicos carnavalesco.
O emprezario Coimbra, desde j agradece aos
seus numerosos amigos c irequentadores dos seus
e-pecUculos a sua assiduidade, e moralidade cora
que se portara durante os seus divermenlos, di;r-
na de toda a consideracao.
0 baile acabar s dona .horas.
PRECOS.
As senhoras mascaradas gratis.
As senhoras uo mascaradas aUodU
Cavalleiros 2JW0D
Cavalheiros vestidos de dama I4QO0
AVISOS
UTerpool Brazll cV Itlver Plae
Hall le.iniers.
At 22 do correte esperase' de Ijverpool ..t
Lisboa,0 va:-,r nglcz Scfltr, de Ii09 ttfnelaffas
o qual se lilespacnar Com toda brevidafle par.-.
Babja, Rio de Janeiro e Santos.
Rncbe-se dinhciro c.,ncomraendas aJretopa
agencia,
E*tc .vapor em rxcellentqs accarrjimdacea y>-
ra passagoiMs. os agentas Saupaers Jtuorocis
>Jt C., Jjirgo do Gorpo Santo n. 11.
1 GUiWANMiA PEtuN.lMUGAfilA
DE
Navcyacdo costeira por popot
Macei, escalas, Penodo eo^racaid.
O vapor Oiquh. commandante oida;f segui-
r para os portos acrria no dia 13 do'crranle,
s 5 horas ca tarde. Hocetoe carga al o dia 12.
encomraendas, passagaigetros o dinJVub Sf'|-tH
at s horw da tardo do dia da &MI, no
criptorio do Forte do Mallos u. 12.
I
i
m
f I
i




Abarca
atente para
crreme, p
U-se cont o
unudo
com um raraq
ocas. 20 metq
nte mez, rti
?## !k*w&m- If^ % }Lfe % up
*

Urte. ttesebe caiga, qoommend**, pa#*age^
rje dinheim a frete alo as 3 horas da "
4o d
. l.
IH de JMeNV
ai as;
yy~.
Espera se a todo o momento o briguc naci
Mi sibel, capitn Jos Mari]* Vlanna, c sagra -
ra logo para o porto cima por ter a oaior parte
car:za enjajaaa,.parao reforje llie lai*> ira-
ta-se ron o? consignatarios Antonio Lu do Oti
eira Atevedolk eTrtw di emtf; 7. '
COHPASH1.1
fissagcries inferales.
Al o da (1 do corrate mi'..-, apalage, dos
porto do *u o vapor, (raocez CWidL couunnn-
dante fl-i Smner, o qast rfcrtors da dVrrrora oVreos-
tonia -.e/nira pira, Uordeoa tiendo era Dakar
(floree) e IJsboa.
Para cmdip*, frete* e painagens trata-se na
afinara rea da Commereio n, 0.
Maraniao.
Do m iragow^riti s\\o aWUlado Olbo (fe
Vidro cin a tnigrBco pwdio de om
aaifer, coxeira etc.
O agente Ponina! eoiopecaeiBcnte autorizado
vender em leilto publico o grande ilio intituli-
*> Orne de Vidro, sito :'n esirtida da CfBfrdas
Alinas e Parnametrim, o qual lem uin laagMiflcn
pwtlw de um andar, coxeira, cacimba e umita*
ardores frucliGeras, urna escarenle baixa para
apim, deitand e f>redo,a fren*e para a estrada
teno o sitio doui mil e tantos palcos da- fom->
pouco mais au-meno- o fundo ale a. bomba em
juu passa a Hntla frrea e o eocanamento das
niuas de Rtueribe, dirklindo o dito sitio eom o
sitio da laaHltt, tas IP quizerem os pretendemos
va&ti4rs>IM *&( terreno que deit o funda
para a.tetrada de. fcuit Auna e a frente para a
Irada frrea ou rtmdo do terreno do sitio. Alera
ileaiiUoirr um dus molhorcs dosarrabaldes da
ridade. acresce que C milito saudavel, ameao o
flea entre as eslaoes de Sant'Anna e Parnamei-
Os Srs. pretendente?poterao o examinar e con-
eorreron a* leila.
Terca feira 10 do corrente.
No i" (dar di soerado a. 62, ra da Crua as
II horas.
Para o referido porto segu em poucos dias o
hute RmU por ter a maior parto da carga engao
jada ; o pira o resto que llie falta :rita-*e com
rua-dne.itirci n. 4uif*NftiX Va.p'jc|ni"'
KaTegn^o costelra por vapor.
Parahyba, Nata', Maco, Mossqt, Ara-
caty, Cear, Mandabi, Acamo
Granja.
O vapor 'iraj.nmi, '.'om mandan tt
Azevedo, seguir pi'a os porto:
_ cima no da <; 9o corcnt as .fhoras
da tarde. Recebe car:;- a'.6 o da 12, encom
mendas, e passageiros b dinheii'o a frete an a?
2 hora* da tarde do dia da ^b;i"a ao escripto-
to d> Porte do Mai.'v* n. 11
Compaaihla amcrleaca e brasi-
Ictra ale paquciic^ a vapor.
Al o dia 15 do crrente. 6 cpfrado de Vow-
York por S. Timbal e Para e vapor amenenn
Surlk Amfrieu, qual dpoila dkeori do eos-
i:ie se.Truira para os portoj do ful, para fu-tes
passwens trara-so com os Jarates lleory Pcrs-
wr & C, roa dodoramerci. n. .
;a. r.::.i .
Segu com bn-vidale para o Mrto cima o pa-
Jliab-ito fw Srthur, pira o resto da carga que
llie falta trata-so com os eoatigattaital Antonio
han de Oveira Azevdo & C. roa da Groz n. 57
cavallos. e ar-i
Roa-! pela se^inda ao Sr. TaomwBr-
relo Lias de Uirro*v auMw emomgado n.
caa do Sr. Tyqo: %4%X>iii>BMer no l* alar
da ra das Cnaf 1 IffBfivu nao ignora,
fleando certoljp^)a9KK a> publicara qna|
f-seja o negocidl ^_^__
Ptidfl
nbjfi.
P* MM4ttD doajhmte Pinto'em frente
sa eseniptoilo.uk da Cmr n. 38.
P^fden-e.ltofR dft|)iMto.l ItotiBl'de Pranee, r\ni *o OoawrtMto, arp*1Ma
embrallM eonwwd am anqeC M wer ewmbrt-
ao 1h*W :- a pessoa qie HracMto' toA htrnn-
cotnaeojada, na imperial fabrica de eervaja, rm
do Sebo.
Juatro Cantus em Olinc
Cuta dita do sobrado ti. 21 di mesta fita.
O agente Marlius fara leilao a requenmento dos
admsttadores da massa la'lida de Manoel de
SzsCifneiro Pimpa) e por mandado do Esra.
Sr. Dr. juiz especial do commereio das partes dos
sobrados cima pertencentes a- mesma massa.
Qaarla -feira 13 do correnle.
!?o armazn) da rna do Imperador n. 16, as II
horas do- dito.
AViSOS DIVERSOS.
Irtuandade acadmica de N. S. do Bom
Co seibo.
De orJem da faosso irrpao juiz convido a lodos
os irmSos desta eorporacao para assistirem a mis
sa da stimo dia que sa deva celebrar as !) liaras
da inanhaa do dia 2(i do corrente, em a igreja de
S. Francisco, pelo eterno repouso do nosso irmao
o Esni. Sr. r. raz Florentino Haariques de Sou-
za, faliecidc aos S9 do raei passado, na cidadede
S. Luii do Maianli'i i.
Goosistorio di irmaQdade acadmica aos 10 de
abril de 1870.
Sarvindu de secreiarie,
Ffanseo Jos Mftra Sohrinho.
^ogucira, na
Lisboa e Porto
A barca Flor rf le pira os porto* cima at o dia 12 de abril cr-
vente :-fiara o resto da carga a passaceos, trata-
:<. eam os consignatarios Camino Xoguei
i jado Apollo n. 2o.
Rio de Janeiro
Prctei.ii'' sabir em poucof dias para o referid"-
p.jrto o retelro palaebo brasilelro Protector, por
ter a maior parle de seu eam jami-mo engajado; e
iara o pouco qce llie falla c escravos frele
trata-se rom o consignatario Joaqnim Jof Gon-
oalv-?.s rua do Gon;mercio n. 17.
llTOPORllBOr
Segcir en poneos dias a barca portugueza
Kwm 'i;/"5."1''*"1 de 1' classe o-marcha por j ler
promplo quasi toda sua carg : para a pouca que
he falta, assim eomo para passageiros aos quaes
cerece neos e excelleDtes commodo?, trata-se
com ltilur, Oveira es C, rua do Vigano n. 1,
prinaeica andar.
LEILOES.
LEIL40
l>e lr?s partes do6brado de 2 andares e
soo da rua da Penha n. 19 (as quaes
liarles corresponden) a mus de melade)
educado era ch5os iroprios.
1IOJR
l'jr atervenelo do agente Pinto, cm teu escrip-
tori.i rua da Gruz n. 38.
de fazendas avariadas
.WOJE
Terrn-feira I i de abril as II horas,
O apeie Pinto far lerfio por conta e risco de
nuem periencer de um fardo marcaXXP n. 1716
on-, uadapo'.ao avariado a bordo do vapor inglez
Onetd i. e: ci r.tiaaaeao vender tambem algunws
pefM de auttHn de cores e pannos tinos cqm
pe^acoo toque do avera, as 11 horas do dia ci-
ma d'tu em seu escriptorio rua da Cruz n. :t8.
Ataga-sc ou cininra-se um escravo ci.ui
pralica de servico domestico que tenha de 13 a 20
annos de idade : n-i rua de S. Francisco n. 72T
FUGA
Fugio da casadaraa de Santo Amaro,
n. 22, no dia 30 de marco do crreme atino
o preto crioulo de norae Joo idade de 30
aun s pouco mais ou n enos, cornos signaos
segniotes: baixo, cheio do corpo, pouca
barba, rosto com marca de bexigas, um
dedo de menos na mo direila, o qual foi
escrevo do Sr. Antonio Cmaco Moreira
Temporal, e julgas assistir n'uma das
quatro freguezia da cidade. Roga-se poli
s autoridades competentes e particulares o
obsequio de apprebenderem o leva-lo rua
do Crepo D..i que generosamente se com-
pensar.
mu i mu ii i mu ni mu m
D. Anna Franci^ca Acrinly Lin?, muito agrade-
ce a todas as pe.-soa- que assistiram ao enterro
de feu filho Framisco Cantidio Correia Lins, e
acorapanharatu o corpo al ao ceraiterio, rogando
anda a gran, tanto aos que assistiram ao enter-
ro eomo a todos os prenles e amigos, para que
se dignem asistir a missa do stimo dia, a qual
lera lagar no convento do S. Francisco, quarla-
feira 13 do corrente pelas 8 horas da maub"
pelo que ainda man grata ser.
Precisa-se de urna ama que compre e cosi-
nhe para duas pescas: na roa Augusta n 7i.
Precisase d) um caixeiro que d Bador a
sua conducta, preferindo-se com praiica: na pa-
daria da rua Direila n. 21.
Na fabrica de cateado da rua do Jardim n.
19 preeisa-se de um homem que corle calcado.
e 11 cala eoa hriuquedo
MOJE.
Tarca-fia 12 de abril ao meio da.
O agenlc Tinto fara Jo por conta e risco de
Ao commereio
Os abanos assignades declaram ao publico e
com especialidad ao corpo do commereio que
dissolveram amigavelmenle n'esta data a socieda-
de que tinham na taberna sita a rua larga do
Rosario n. 23, que gyrava sob a firma de Justi-
no & Delphun, retirndo-se della o ex-socio Jas-
tino pago e salisfeito de seu capital e lucros,
e completamente desoaorado das exlinctas firmas
de Ferrar & Henriques e de Justino <& Dclphim,
licando o exrsocio Delphim responsavel pelo ac-
tivo e passivG e a liquidacao das extinctas firmas
cima mencionadas.
Recife, 9 de abril de 1870.
Juslino Francisco Henriques.
lMphim Lopes da Gruz.
------i------
AtteucFlo
r Antonio Goncalriy G-wta retira-se para Ka-
ropa, e deixa per. 8euAurocoradnr:,> '* Domingos.
A. da Silva HLJl? Eanoel as tuedes Maga-
Ihaes e ') ImI BBmHjSiov
paem tr o tojo de u i pr-jaenq sitio na ti-
, 'f0 ATaial, quo ha mni hand-mado,
seijcaa^egap slDz ser de orpnSos, e foreiro
aq myfm *' 5.DU tfe On**". de (Jeclanr o
lugar qo *f *uajfc.MuDi}ego, otaria n, !3, de Sarill-
no Jos Jjoiies.
r-
.-feAulMfe
irVPdi
??*-
ai*
til
fieflnacio
fOa dA SeiuaH Xova n.
Precisase alouf vm< nwtequ de li a 14 annos,
pouco mais oq meaos, alguns servicos de ca-a, que toaba >>& conducta :
do cm menino brasIMKe de W n Aanno deMhute,
que tenha ou nao prafica de tabefwi: h raa do
Pescadores Qfforocerso mua. enlnra para Wfter e o-
goromai}; na rua da Concordia n- 9. ______
ILAW
No dia 3- correnle p >r Molla dao i horas da
tarde, fugio o mulato ManoaV aegiiada a estrada
de Santo Amaro do Jdk).riaor mu MR t.ii de Papacara, dfoad vate, imi* em I8C3
pelo Se. Joao Gavaican >le AAuqatrque, onde
diz tem pai livre, e tem os signaes seguites : bai
so g*aao, eam bastante barbav caette oirrido,
rata cempiidn, talta de moitoa demias,, maos e p>
pequeos idade d zi nao*, i muito esparto e
al'igr, consta qae eomprau caiga de bm braoco
e pactot de brim pardo, sapa*, t-iavou chap*
de sol de alpaca usade o cnpdb.d*iabei;a do meia
manilba j usado-, lewu para ibb de () em di-
huiro que tinh Mcebidw d di 'eisoa fregoezes
onde venda pao o levava bolacha, ha noticias
que seguio cora afeites voioniHiea aa patna da
qu"Ilas paragan ooa anea tialnt aolaee* lodos
os dias quandu m vender pao na& a .is do Gi-
qui, nos A/ogSdos : pede-se s autoridades poli-
caos, capillas de oampj, quelle Sr. Albuquer-
que de Papacaga, a captuia de dita escravo, e re-
mettc-lo a son senoor na raa dtteita dos Afoga-
dos n. GG A, que ser bem rtcotwpaBBado._____
O abaixo ssignado previne "ao piiblic-j qiw
nao facsm traasacca) afguma ciim urna rasa na
Hita, povoac^o noaonteiro, pertncenteD. Gar-
lla Rosa de Lima, mai de Antonio Jacintho Perei-
ra Jnior, que a mesma casa me cita hynotheeadn.
Maseimino da Silva fttjsniao.
Liedlo de rancez.
Urna pessna bastante habilitada olTerece-s-; para
ensinar a lingua franceza, tanto in-sta praoa como
fra della : procure se na praia do Galdeiro o. 31
junto a urna tem* de inareineiro.
Ama
Precisase de ama ama para cozinlur e com-
prar, e faier o mais servico da casa de um homem
vinvo e um filho : na rua de Hortis n. 120.
Ama
Precisa-se do urna boa ama para comprar e co-
zinhar : na rua do Crespo n 7 A, 1 andar.
Caixeiro
Precisase de nm caixeiro que tenba pralica de
molhados e que d fiador a sua conduela : na rua
da Florentina a. 33. _________
AVlW
100^! de gratificapao
Fnrtaram doengcnho Arand de babeo, do ter-
mo de Santo Anlio, 3 cavallos, na noute de 6pa-
ra 7 do corrento os quaes lem os signaos segin
tes :
1.a Ga-tanho *laro, grande, nutrido, cabrado,
com nma estrellinha na testa c <:om a letra G em
cada ma das ancas.
2." Preto andrino, castrado, bom carpo, nuiriio,
com igual ferro, tambem sobre as ancas.
3." Ainda pokto, inleirc, cardo vermelho, gor-
do, crinas pretas, curto, bom corpo, com o mes-
mo ferro dos outros, njas sobre os dons quartos,
cm ve de sernas ancas, andador baixo.
Quem os pegar e trouxer ao abaixo assignado
no referido engenho, tora a gratifieaclo de Si
por cada um, e se prender o ladrao e o entregar
a aul o idade competen! ter mais i gratica^ao
de com mil reis.
Afbnd de baixo, 7 de abril de 1870.
Ambrosio Machado da C. Cavalcanti.
Est fgido u escravo Philemon que foi do
Dr. Joo Honorio, pardo claro de 18 anu s de
idade, cstatnra regular, secco do corp, rosto cs-
sudo c com urna pequea e antiga sicatriz partin-
do do nariz, sabio com calca parda, camisa e ja-
quela branca, e chapeo redondo e baixo de alpa-
ca preta. Sappot-se que anda pelo bsirro da
Boa-vi>ta e arrabaldes, onde lem sido visto, llo-
ga-sc pois as aulhnridades policiaes, ou a qual-
quer particular o favor de o prender e lova-lo a
casa nova junto as offlcinas dos trunos urbanos
de Apipucos, ou rua da Senzalla-nova n. 38,
escriptorio, onde se dar a gratficacao de cin-
cuenta mil res.
0.7DE
gmrm em
j 28-Camba 4p Crmo
| passagem de Curupay, botobawteio o lomada de
aborda gem dos agdenrat**,' paMgeta, de Mereedes.
. combate de ^acbuato q pasugen de Cuevas.
pifo b^aaileiro a todfl.iB Lombia falenlinas. .
Welki.
per tiaribald,.
4rl^
T l'Ml
K&feSi
" sar--
. .Scerra d% opera de Parii.
mQ'laierra.Visla geral de Londres. .
_____ Todas as vistas se rao nuidadat aos sabfcadys a segundas-fi
ii

He o rkm d(?liak emiiW)Sfl ao nwt
mo tempo uiaau estuve I de todos os per-
ftimes'. %iimmom*,ao mwmmor mu [
de exceflfenri, ?> ynaA amme da& verwS-'
deiras ffores-, miaSno rola na sua flore
ceucla c fragancia nattirat. Con um meio *
seguro c rapidb Hmo contra as dores de i
cabeca, nervos+rtade, flatos, assim'como :contra todas as formas v
ordfnarfafr de aoewwits- h)-9ler4c9^ fe f
summa eficacia n9o tem outro que o.
iguale. IgHauTientev piando tlestemprada
com ajiw, Iuiikh; ih dentifricii o mais
agradavel e e^tceitente,. iluinlo aos denles.
aquella- alvue' aperimda ^ppareneia tao
altamente apreciad e tpsejada pelas 9e-
nlioras. yj.(
Como' um romil contri o mau hlito
da Iock dopoi* ib tb^tUl wi> afiia,
ummameiite- erotlctile, far remover neu-f-
tratizar ftxlas- mtria* ijnpuras q#se
criam poda> dos- eiitos e das gengivas,
tornando-as dttra, sad1a> < d una linda cor
encarnada. Qwmlo a dolcadoza, riqueza
e permanencia- *to- seo fraguante aroma, ella
por corto nao tem igual r e a sua supe-
rioridade sem rival. Ella igualmente tor-
na-se um meio nwi encllente, para fazer
remover de sobre ai peHe do rosto, toda a
qualidade de- brotuejas, obuices, sardas,
pannos, manchas impiaons e espinhas.
Quando se queira Mpvir eUt como reme-
dio para faer desiiparecor qualquer um
destee dflgaamla^ e que tanto desfei-
am as*Tinda.4 feices do helio soso; devera-
se usal-a n'tnn hMM do dilluico, destera-
perando-a a'nma. pouca d'ag ; porm no
tratamento de quakpwr espinha, usar-se-ha
della pura em toda a sua torca. Final-
monte como um admiravel meio de com-
municar as feicoes trigueiras o paludas,
urna pello macia e d'uma transparent al-
vina, dando-lhe na linda cor de rosa :
jmra um tal tira, ella leva a palma a todos
u perfumes (gue-se teem inventado at bo-
je, e existe em plena soberana sem rival.
Bom entendido Utdo isto se refere nica-
menlo a 1*ja t ri.otunA de Murh.vy &
As imita?os que se tem fe i lo na Franca,
Allemanha, assint como em ontras partes ;
sio inteiramente- imitis e invaliosas ; por-
tanto rccommfiBdasc mui especialmente
s- senhoras, que tcnliam toda .i precauc3o
e cuidado, de (piando comprarem, estejam
certas qne comprara.
A. (!l.M INA
AGUA DE FLUJWDA
DE
. MURRAY & LAMLvN,
A qual preparada smente pelos nicos
Proprietarios,
L\NMAN!f A KEMP, DE OVA YORK.
Acha-se a venda nos eslabelecimentos de
4. Caors, J. da C. Bravo, & C. P. Mau-
rer & C. A. A. Barboza Bartholoraeu, 4 C.
" T fiL
VSfA ANW E <** ATA
rinrFJiaitiiifj
aa
(jaaipacDQ a
ti
ldadea!
tA
D. Mariana Mara d Figneiredo Rocha, e sua
familia, muito agradecem a todas as pessoas da
sua ailado e de seu finado marido o capitao lora
Antonio da Rocha, as provas de amizade. assis-
tindo ao seu enterro e acompanhaado ao cemilerio
pablico desta cidade, ainda .os convida para* a
missa do stimo dia o memento, no dia 13 do cor
rente, quarta-feira pelas 7 horas da manhaa no
oonvento da 8. Francisco, pelo que serio elerna-
mente gratns^__________
Na roa da Praia n. 3i ha para vendor grande
quandade do saceos de farinha de mandioca da
trra por mecos p/eoo do qne em outra parte.
Ama
Precisa-se.de urna 'ama que saiba bem cosi-
nhar e comprar, forra ou escrava .para casa de
familia : a tratar na loja da rita-Nava u. 11
GADET
CURA
em TRES DIAS
BDtei
P-A-R 1 C

Este importante tabeledmento no seu genero, tem sempw
vende por presos me nwdimna ontra casa pode vendar,
i vtft* d* fflrf&ade e dopmo dajokseada um porier-t*-]
de lei. ompra-se on# prata e peras
A -taja em abertAt fts 9 ha* Af noiite.
I
9
as qua
B todM oa fcidt I
9% toda m precw l
?
COIlIilTIlUIl UI C01ILIII I01T1IIIII l
CHAPEAN >1 niz

DO CRESPO N- 4 **
^ Siax f
m

VEGETAL AMERICAfJU
C G A LID|
BA R THOLOM E O & C
Carta tora carta das lusti talif e reecatrs, catarrhos pulmonar, iithnia; tosst toeralu, tilurW
Viocbi, a em geral contra lotos os suflVimenlos du t respirslorir
DEPOSITO GERAL
OOTIC3A E3 SROQABIA
Jl, ROA LARGA DO I0ZARI0, 34
, PERNAMBUGO
A thtrspeulit du diTerm molestias do peilo,desde
i pharyngiie oa mil da garginla ale a tuberculafio
ffttlmonar.passando pelas diwsas bronchites caUrrhaes
t eaphfaemi acaba de ler enreqnecid com mais
este medicemealo, que tomar a priraeira orden entre
'udos al bejeeouheeidos. O tarop Vegelal Americano,
.jaranliiilo paramente vegetal, nao coatm em iaa
compo 11,1o um fo tomo de pi, e tio somente sac-
eos de plantas indigenas, cujas propriedades benficas
o cora da molestias ue periencem ios orgios de res-
.piracao foram por its observadas por longo tempe,
com ptimos resultados cada ves mais creso?mis; pelo
que nos julgamos antorisados a compor o larope qaa
agora apresentamos, e a oflerece lo ao* medico e ao
.publico, l'rovimos com os aitestados abaixo o qne le
amos dito, e contamos que o coaceito de que ji gas*
o i.irope Vegetal Americano cretcera de di* a dia,
drizando muito apds di si todos os peitoraes em roga.
Illa. Sr. Birtbalomeo t C.-u nrope Yegetal Ame-
.lioano, preparado em sua conceitaadissima pharmacia,
i om til remedio para combater t terrivel asthma.
Sofra ea aquella molestia ba qualro mezes, sem lindi
iter combalido os ataques mensaes que linha; este ultimo
que tiie foi foriissimo que me prostou por 8 dias, usci,
i porm o sea milagroso xirope, tomando apenas tres
.iose.--, e at o presente oio fui de novo atacado. Piasa
Oeus, que iu tlqna restablecido por urna tez. Rendo*
lhe, pois os tneus agrdecimenios por me ler simado #
Uo borrTel mal. Gom i mais significativa grai.d*,
sabscr*o-me deVmcs. itToctuoso e recouheciJo cr:iiiu.
Uterino Dutrte.-Sai Casa 14 de fiteniro da t8ta
Illms Srs Birtholomeo ft C. Depois da qnasi s*u
mezes de soflrimenlo com ama tosse incesHnte. fs*i
eiUaordinario, eipeclora^o di um calarrho aiuaretla-
do, e perda total das fercas, qne o menor pas**>
m faligata complitimcnte, cansado de tomar inn
tros remedios sem resultado liveafelicidadedesalKrq^-.
?mcs. preparataa a jarope Vegelal Americano- e cea
efle, graeas i Dens, me acbo reslabelecido I.--. iul4
dois mezes, e robusto como se nada tiresse solTriio. a
gratidao me forca a esli declara;Jo, que poderlo Vosea-.
fazer o uso que quizerem.- Sou com eslima d* Vacsv.
mvitos respeitsdor e criado. Antonio -.e*.* *
Culro Si|ca. Becde 8 de feveeiro de 18G8.
Atiesto qne nsei do larope Vegetal Amctiooo, eW
composiflo dos Srs Barlbolomco t C. para cura o as
forte defluio qne melrnuie oaiarouquidio.qaeae ni*
fazia edtender, inflamma(ao e dor di gargan1.*, nam.
grande falla derespiracio, e Imuei complelamene ro
tabclecido com nm sO tidro do mesmo xaropo; pcl.
que Ibes protesto etern* gratidao. Kecie 16 da Ja-
neiro da 1868. Joajuim I'ereirt Art*Iu*}aiuat
Eato reconbecidoi.

OPPRESS5 SOFFOCAQO
A Pereiiu i'Mlicr do nooTOR Ci.frtah approvad.ts pela Academia impenar
medicina do l'ariz acalman, (juasi sempre insla>iUineawentc os ataques (i'asma,
opprcsso, soffocaco, nssim como as ddres de cabeca e enxanuecas. irlfi-
cienle na Main rilo em que appareccr o mal, o engolir-se una o duas peroiiis
cora urna pouca-d'agoa. com certeza o medicamento mais fcil de tomar para
este genero de doeucas.
a* rroa ele lerebeuthia* do doctob Clktaxi sao Hflprcgadas diariamente
cora grande xito para a cura das nevralgi.-rc, rheumatnio, sciatieo e catan*os
da bexiga, Estas petlas i'uram sempre recomniendada9 poy um grande numero
de mdicos e especialmente pelo Uoutor Trousseau, que indica este medica-
mento como o mais cilicaz. conveniente temar de 4 at 8 na occasiao da
comidas.
A approvacao da Academia imperial de medicina sem duvida a molkor
garanta da boa preparaQao d'stes medicamentos e de sua efficaciu.
BepoiHo em lio-fc-Mtiao, Bwpmchgle; Chcvolot. Km Pef.nakecco, faure* 4C".
:

CARVO DE BELLOC
PARS
ApprorarJo recoremendado pela academia imperial de medicina de Pariz pan a
cura da gastralgia e em geral de todas as doencas nervoBas do estomago e dos '"'^im
gualraent* o reroedio por excellincia contra a relancao de veatre-Falnieolt em
ato d ma* propriedades absorrentts, recommendado como verdadetro remaelia) nos
uos de dwrbea e eholerina. mua da Bella toma-sa na occasiao dasaamitlas
ob a forma de pos ou de pastilhas.
ajinfai ml*hm+.t,bvp*ukli4- CAmlot. Em Punncco, Maurer 11
,
m* j
10 M OHMil/ bo
.01X38 Af
sortantato sem igual,' Mpina
^HTH38 30 OAHJA3A8 210 004M 30 03JO ,
!aa ra larga to I
convencer da rerdade.
pw presos muito d8
Rosario.
4 'l ,
'**

m



I
Diario de Perntmtmco Terqa {eir 12 de Abril de 1870

MOilM ODABTE
'.
Este antigo estabelecimento, completa-
mente reformado de novo, est as condi-
mes de servir vantajosaraente os sens fre-
gueses, visto qne acha-se prvido com um
explendido sortimento de obras de onro e
prata de lei, assim como brhaates e ou-
tras podras preciosas, eujos presos sao os
ais mdicos qne se pode encontrar.
As joias compradas nesta casa recebem-
e em troca ou compram-se com peqneno
tbate
. S RUA DO CABUGA N. 5 .
- Na pracaOj la^alfleW a. 33 se da dt
iheiro sobre penhores de 090. prata e
preciosas, seja qaal fox a quana; e na
sasa se compra e vende objectos de ouro e prata.
i igualmente se flittoda e qualquer pbra de n
winmeuda, e todo e qualquer concert tendenu
i mesma arte.
de inarmore,
rna das Cruzea
11.
O artista Gjjntiu aciusf estabeiecido na casa
cima, onde M* jar pNcnrjn;. para todos os
misteres de sua prociasao.
0 MARAVILHOSO REMEDIO DO
DE. CHAS. DE GRATH.
OLEO ELCTRICO
KING OF PAIN
0 RE \ 111(1!
I'AU V USO IS1EHXO E E\TER.\0.
Cura cholera e cholera morbus.
Diarrhea, iluso do sangue, em um dia.
Dores e cabeca, c dores do ouvido em
tres minutos.
Dar de denles, em um minuto.
Neuvralgia, em cinco minutos.
Deslocacoes, em vinte minutos'.
Gargantas indiadas, em dez minutos.
Clica e colvulses, em cinco minutos.
Rbeuaa^ismo, em um dia.
Pebre e febre intermitente, em um dia.
Dor as costas e nos lados, em dez mi-
nutos.
Tosses,pergosas e refriados em um dia.
Plueresia, em um dia.
Surdez e asthma.
lemorrhoidas e broncliites,
Imflamaco nos rins.
Dyspepsia, erysipelas.
Molestia do figado.
Palpitaco de coracSo. j.
Reserve sempre este remedio na sua familia
AS DOENQAS SE APRESBNTAM, QUANDO MENOS SE ESPERAM.
OLEO ELCTRICO O King of Paint (O Rei da dor) aquieta e positivamente dis-
ipa mais de dilTerentes molestias e dores, e allivia mais os soffrimentos e produz um
.ais perferto equilibrio no systema humarlo, o que nao se pode efleituar no mesmo tem-
po, com qualquer nutro remedio medicinal.
Este muito popular remedio est agora usando-se geralmente, pela razao que
enilhares de pessoas se lera curado gratis com o dito remedio pelo Dr. Srath e outros
ais.
Este importante remedio nSo se oferece para curar todas as doencas, porm
tSo somenle para aquellas estipuladas as nossas direcces,
Est operando nos principios da chimica e da eletricidade e por isso, est
npplicavel para o curamento e para a restaurado da aeco natural dos orgaos que so-
lTrem da irregular circulacao dos ilusos dos principaes ervos. Oleo elctrico O King
of Pin opera directamente nos absorventes, fazendo desaparecer as inchacoes das
glndulas etc. em um tempo incrivel, breve sem perigo do seu uso debaixo de qualquer
cireamstancia.
O remedio urna medecina para o uso externo e interno, composto dos ele-
acentos curativos, raizes, bervas e cascas, taes como se tem usado dos nossos antepas-
oados, e das quaes tem grandes existencias no mundo, para curar todas as molestias
ornete sabendo-se quaes ellas sao.
Foi um grande e especial desejo da faculdade de medicina durante muitos an-
uos de experiencia para aprender os melhores modos que se deviam adoptar para curar
m seguintes doencas, e que proporces de medicina se devia usar.
NICO DEPOSITO EM PERNAMBUCO
NA PHARMACIA E DROGARA DE
Bartholomeu & C.
34Ra Larga do Rosario34
Na Iravessa da m%\
das Crucs n, 2, pt
eiro tito, da-se di-
nhelre sobre peahores
de ovo, prata e brilhu-
les,seja qaal foraqiai-
lia. Na mesma casa eou-
pram-se os niesmos me-
_ taes e pedras.
AMA
Preeisa-se do una ama para comprar e cozi-
nhar para duas pessoas : a tratar na ra Nova
B. S
Mmssm.
Bilhetes do Rio i venda :
ende Vieira & Rodrisjaes.
ra do Cabug a.1
PEDIDO
Pede-se eacarecidawwnte aos Srs. Domingos
Tbeodore Rigueita e Aristides Florentino Gaval-
ean de Alboquerque (de Sennbaem), que venbam
nu do Vifarie n. 14, a negocio qne se precisa
GUSTAYE
Chama a attencao dos seos innmeros fregueres, e do respeitavel
geral, para a seguinte tabella dos precos de sua casa, os quaes sao vinte por cesto
mais barato do que em outa qnalqner parte:
Cabellaras par* senhoras a 15)91,
300, 35,5 e......40OO0
Cabelle i re iro
Ra da Cruz n. 24, Io andar, por cima da
botica.
Antonio Rodriguas Ramalho acaba de abrir
concorrencia publica um espacoso e asseiad > sallo
para barbear e cortar cabellos, e aflanca qne nelie
encontrarlo seus amigos, antigos fi eguezes, e em
geral todos os que quierem (requenta-lo, agrado,
aclividade e bom desempenho do trabalho.
AOS HABITANTES DO
Imperio do Brasil.
Grande exposiqao na cidadede
Cordova,
REPBLICA ARGENTINA.
No dia 15 do uutubro de 1870 ter lu-
gar a abertura da exposiclo nacional em
Cordova.
Previne-se, portanto, a todos os produc-
tores, agricultores, fabricantes, artistas e a
todos aquelles que exergam qualquer indus
tria, que na dita expi sicao se recebem todcs
os productos da industria e agricultura
brasileira, assim como todas as machinas e
utensilios que quizerem remeter.
Estes productos esto isentos dos direitos
da alfandega na Repblica Argentina e po-
derlo ser dirigidos cidade do Rosario, de
onde serao tranportados pelo cammho de
ferro central.
Para mais explicacQes dirijam-se em Per-
aambuco, ra da Cruz n. 3, ao consulado
argentino._____________________________
Em casa de THEODORO CHRJST1
VNSEN, ra da Cruz n. 18, encontranMt
sffectivamente todas as qualidades de vmh(
Bordeara, Bourgogne e do Rheno.
1 "''AO ARMAZM
Reta \eva ,
acaba de ebegar petos al limos vapores novas re-
messas tos seguintes:
Calcado franeez
Para senhoras.Botinas brancas, pretas, e de ou-
tras moitas differenles cores i ultima
moda-
Para meninas.Botinas daa mesaas coras e qua-
Udad cima.
Para homens.Botinas d cordavo. beserro, ver-
niz, pellica, o melhor sorlimento que se
pode desojar.
Para moninos.Botinas das sesmas qualidades
mencionadas para homens.
Para homens.Botas rucianas, meias-botas e per-
neiras.
Para homens, senhoras e meninos.Sapatos de
tapete, avelndados, charlte, casemira
preta, tranca de Lisboa ote. ete.
Para meninos e meninas. Abotinados fortes de
rnuitas qualidades.
Quinquilharias
Finos artigos de Paris, de gosto e pnantaaia,
como sejam :
Leques para senhoras e meninas.
Luvas de pellica (do fabricante Jouvin.
Espelhos de differentes lmannos.
Perfumaras linas do fabricante Condray.
Caixinha de costura com msicas.
Albuns e caixilbos para retratos.
Pulceiras de ouro bom de lei.
Brincos e traieeUins.
Correntes e chaves para relogios.
Boles de punhos e de abertura.
Crrenles e brincos de plaqu.
Bolcinhas e cofres de seda e velrado.
Caivetes e tbesourinhas finas.
Lunetas, oculos e gravatas.
Chicotes do baleia c de outros, sortimento.
Rengadas de canna, baleia e juneo.
Ponteiras de espuma para cigarros e charutos.
Escovas para fato e para cabello.
Escovas para denles e para unhas.
Pentes finos de marfil para tirar caspas.
Puntes de tartaruga para desembarazar.
Halas e boleas de viagens.
Estojos com navalhas fparaviagens.
Carteirinhas para olas.'
Gaiolas de rame para passarinho?.
Abaurt-jo transparente para candieiros.
Oleados para mezis.
Molduras douradas e quadros.
Estampas de santos e cidades.
ercos de vimes para enancas.
Cestinbas de vimes para braco de meninas.
Cakinhas de msicas e realejos.
Cosmoramas e lanternas mgicas.
Esteriocopos com interessantes vista?.
Objectos de mgicas e eordas de viotao.
Jarros e flores de porcelana para santuarios.
Velas a gaz para lanternas de piannos.
Accordions e concertinas.
Diversos jogos fraueezes.e allemes. -
E outras quinquilharias semelhantes.
Bringuedos para crian(^is
Carrinhos de 3 e de 4 rodas para passeios, bo-
ecas de todos os gostos e precos desde 160 rs.
at 20*000, e um sem numero de brinquedos de
dilTerentes precos para iulretimento.
Para evitar massante leitura de tantos artigos
exjwslos venda neste estabelecimento, o dono
pede ao publico em geral que se digne entrar de
passeio alim de verihearem nao s a grande va-
ridade como os precos baratissimos por serem
odos chegados de conia propria.
Ditas para homem a 35*, WJe SOiftOOO
Coques a I?#, M, W, 20*,
35*, 30* e ...... 50K)C0
Crescentes a i?.*, 15*. 18*, 30*.
35*, 30* e .... 33,fOOO
Cachos ou crespos a 3*, 4*, 5*,
(5*. 7*, 8*. 9* e. 10*000
Tranca de 'cabello para annel a
500 e. .... 1*000
Tranca para braceletes a 10*,
15*. 30*. 35 e.....30*000
Cadeias para relogio a 5*, 6*,
7*, 8*, 9*, 13* e. .
15*001
Corte de cabello,.....
Corte de cabello com rriecio. .
Corte de cabello com lavagem a
champoo......
Corte de cabello com limpez da
caneca pela machina elctri-
ca, nica em Pernamboco. .
Frisado inglesa ou a franceza.
Barba.........
1*001
1*001
501
0 abaixo assignado avisa ao publico que tendt
obtido licenca do Exro. Sr. conselheiro inspector
da thesouraria da lazenda geral, para vender es-
tampidas em seu estabelecimento a rna do Crespo
n. 23. pelos niesmos precos que se vendem na re-
cebedoria geral; assim. pois, podem as pessoas
residentes nesta cidade e fra della dingirem ao
abaixo assignado, suas encdnimendas em qualquer
quantidade que sera premptaimnte satisffeitas.
_______________Manoel Martins Fiuza._____
Peixe de prlmelra qualfdade.
Curimas, camorins e carapebas : no Alterrhho
do Giqui, freguezia dos Affogados, viveiro de Jos
Ruarque Lisboa ; de segunda-feira Santa a sabba-
do de Alleluia.
Urgencia.
Pede-se ao'Sr. Francisco de Salles e Silva quei-
ra apparecer a negocio que Ihe diz respeito, no
Bazar da Moda, rna Nova b. 'O.
Precisase de um caixeiro que tenha pratica
de taberna : na rna do Sebo n. 54._________
Precisa-se de um moleque de 15 a 30 annos
para servicp de urna refinavao, entregar caf e as-
sucar : na rna Imperial n. 201.
;s


fy
SOFFRIMENTOS D'ESTOMAGO, COHSTIPAQAa--
Cura em poucos diat pelo canuto oc klloc o* m om pmUmi.
ENXAQUECAS; NEVRALGIAS. e, necss- *> *-
ufads rapulamanu pelas KMM.M d-ethc SI'OUI!(.
ANEMIA, A PALLIDEZ e ~ rfrimentot que necessiUm de
emprego dos ler ruginoso s o sempre combatidos como nelhor n iiillufr
petas PM.UIA K vllit. Cada Pula tem iacravado o orna UUIT.
PO DE ROG. Basta dissolver um frasco d'esle p em molo
gamaY d'a'gua para se obter ama limonada asjndaTel que purga sem aV
ser clicas.
VINHO Off QUINIUM U Uborr^u*. E*. ,infco, um dot
poutos cuja osarposiclo i garantida constante, i urna daa mejberea pro-
paracoea de quinino, sem s*c*o utsmi sofero os cotmlascenlts, dando-
Ibes orca* e apresando i oHa a saude.
sistie ao aulato de qinino.
'MOLESTIAS OA BEXIGA. i maior parte d'eotat
U, como u sciaticas, lombagoi, catarros, o todas os dores norvosu
(ral fio curadas pelas PCHOLAO OC esoencu OC THCUnCMTMA s>

u para serem tomadas na tecasiao do jantar,
OLEO K HQADO DE BACALHAO DE BERTM.-
fiarsiMsai foro o do primeira qualidade, um des oeaoos aprorados fosa
Academia de medicina. -, h Wa^AoMATI
t60J56VI0
ifISO. ruto*
fV medicamento* for*- aproMin peto cattm
imperial de medicina de Pmis.
L.
k
aisJaWsri.
Labia
DEPOSITO
a* rU, U rmi, i, ra. Jao.k
IWnipioaii; Eusui 1 Pmamiuc*.. lUm ot O.
CASA DA FORTUNA
Aos 5:000|1
Bilhetes garantidos.
k rna do Crespo n. 23 e casas do costme.
O abaixo assignado, tendo vendido alm de ou-
tras sortea, um inteiro n. 3260 com 900000 da
lotera que se ac bou de extrahir a beneficio da
igreja de S. Amaro das Salinas (142*), convida
aos possmdores, i virem receber na conformi-
dade do eostume sem descont algum.
Acham-se a venda os elizes bilhetes garan-
tidos da I* parte da lotera beneficio da igreja
de Santo Amaro de Serinhaem (143'), que se ex-
trahir terca-feira 12 do crreme mea.
Procos.
Bhete 6*000
Meio 3*000
Quinto 1,1200
Era porcao de 100* para cima.
Bilhete o300
Meio *7SO
Quinto 1*100
Manoel Martms Pinza.
Manoel Pedro de or o ana retira se para
Porlugal com sua seonora, e deixa como procu-
rador encarregado 4e velar pelos destinos de sua
ca coramorcial aos St*. Antonio. Francisco dos
Santos, Jos Pinto Hibeiro e Manoel Pereira de
Carvalho. Recife 4 de abril de 1870
imWafrMHUMI
AVISO
35RUA ESTREITA. DO ROSARIO35
Fornece-se comidos para Tora com asseio
e promptidlo e manda se levar em suas
casas na ra estreita do Rosario n. 35, ca-
sa particular confronte a casa do oa^beiro.
Na msma casa fazm-se flores para en-
feites de anjos para procissSes, sipos de
flores, rosas, capacetes enfeitados, e todas
as flores de panno e papel, para ornamen-
to de igrejas e andores ludo por barato
preco, boquels para noivas com Atas bor-
dadas a ouro, bandejas de bollos finos com
armaco para casamentas e bailes, pudins,
pao de l enfeitado para presentes e toda
a qualidade de doces de ovos tambero en-
feitados, vellas ricas para baplisados por
barato preco, bouquets de flores de cera
para c nfeites de bollos e para offertas.
COA TOMI PURGATIVO E DEPLRAtIVO
DE
< ilVMHAICI.
Composto das plantas as mais odorferas e as
mais virtuosas dos montes os mais elevados, o eh
toni-purgatifo de Chumbar, possue um gosto sa-
boroso e um aroma suavissimo, e as propriedades
as mais nota veis sobre os embaracos do estomago,
dos intestinos e do ligado o desobstruente por
excellencia na constipaeao do ventre e nio tem
/esguardo nenhum.
Depurativo especial e directo da bilis e dos hu-
mores, lefresca o sangne depurando-o.
O oso do ch-Chmbar pode ser continuado
por muito tempo sem o menor receio e sem n-
commodo nem mudanca no modo de vi ver.
UiNICO DEPOSITO EM PERNAMBUCO
NA
PHARMACIA E DROGARA
DE
Kartholonen cft C.
34RUA LARGA *CO ROSARIO34.
ASSIGNATURAS MENSAES
Especialidade Je penteados para casamento
Bailes e soircs
O dono do estabelecimento previne s I Recommenda-se a superior TINTURA 2k-
Exmas. Sras. e aos cavalbeiros que ba nm
sallo para tintara dos cabellos e barba, as-
sim como um [empregado smnte oceupa-
do nesse servico.
PONEZA para enegrecer os cabellos e ban
ba, nica admiUida na Eiposicao Univertaf
como nio prejudicial i sade, por ser ki
latil, analysada e approvada pelas acadt
mias de sciencias de PARS I LONDRES
No armazem da travessa do Corpo Santo o. 25, ha sempre um completo
sortimento de objectos para carros, e que se vendem por precos muito rasoavei, como
sajam:
Vaquetas de lustros, grandes e muito boas.
Solas idem dito.
Oleado preto e de cores.
Colteiras de lustro o que ba de melhor.
Guarnieses de fino lati para arreios, completos.
Lanternas e vellas para as mesmas
Eixos patentes para sebo.
Joaqun Lopes Machado & C.
l A LOJA D)S ARC03 DE ALVARO AUGUSTO T)E ALMEIDA AC, ruad.
Crespo n. 20 A, alm da grande variedade de fazendas de phantasia de que esspro s
acha provida, tem actualmente um completo sortimento de fazendas pretas, proprias para
os actos da quaresma, como sejam :
Ricos cortes de seda preta de superior qualidade.
Gorgurio de seda pretos de diversas qualidades.
Grosdenaples pretos de dilTerentes qualidades.
Sedas lavradas.
Basquinas de seda preta de modello inteiramente notos.
Ditas de guipure ricamente enfeitadas.
x Pelerinas.
Fichs e mantas de fil para a cabeca.
Mantilhas brasileiras ou mantas de fil para cabeca, de modelo mle'imcie-
novo.
Eil de seda branco e preto.
Guipure branco e preto.
Baloes a vicoriense modello inteiramente novo.
Chapelinas enfeitadas de preto.
Luvas de pellica preta para homens e senhoras, e outros muitos artigos e
bons gostos e qualidades o que ludo se vender por precos rasoaveis
Tambem contina a ter um grande sortimento de tapetes?, alcatifas e as ver-
adeiras estea dirs Iparandia forrar salas.
ZAR ACIDEMICO
Ra da Imperatrz 13
Ulysses limaos proprietarios deste bem conhecido e acreditado eslabelecinMUo
tem a honra de participar ao illuslrado corpo ACADMICO e aos seos numerosos .'re-
guezes, tanto desta praca, como de fra, que tendo sido elegantemente reformado dho
estabelecimento acba-se completamente sonido e em condices de !*> servi-loc c9
seguintes artigos:
TutOBM
et O.
Ceera.....aTirr w et.
*
-A
estabeiecim
e J*>o<
do prunerro
DA
Timuraria Franceza,
[A* Rna da lnperatrlz-5
proprwt. '
n elle alguns o.
de Janeiro di
buscar impri
um roez da data
considerados orno aband
I tempo algum.
.Preajaj
*arajar
Ama.
Precisa-e de ama ama de leite : a tratar na
ra do Imperador n. 65, 3* andar, ou Passeio Pu
blieo n. 6ft ________
' PtlENIX PERNAMBOCANA.
Cotnpanhia de tegutos martimos e terrettret
Ra do Commercio a. 34.
Capital Reis 1,500:0004000
SeguraMovis.
Mercadorias.
Navios de valla.
Vapores.
Predios.
"Em vapores at rfs "^ M:0O0#000
Em navios de vella at ris ^:000*()00
Em teda aftdio al reis 100:000*000
PernanAico, 7 de mareo de 1870.
"Mi ebmpanhia Pheii Pernambucana
JJ. Tasso.
}O0 ''"
CHARUTOS
saperiores de Havana, Hamburgo, Baha e
Rio de Janeiro etc.
Ciganos
de palha de S. Paulo., de 30500 a 7o500,
o milheiro, Daniel do Rio Novo, Mauriiy,
Imperiaes, Tenentes do Diabo, Duque de
Caxias, Gandou etc.; de papel, de fumo
de Daniel, General Osorio, Conde d'Eu,
Rocambole, Radicaes, Acadmicos, Macham-
bomba, Montevideo, Orientaes, Raependy e
rnuitas outras qualidades.
Pumos
Afamados de BAEPENDY em caixoes de
20 libras 10400 rs. a libra, em pacotes
a 2(J, de 20 para cima a IiJ800e em maior
porcao lo.")00 o pacote de 1 libra, dito
em latas dequaria a 640 e 500 rs.. e outras
rnuitas qualidades como sejam : Daniel do
Rio Novo, do Para, de S, Paulo, Caporal,
etc. etc.
Alm dos artigos mencionados encontrarlo nossos fregoezes outros
ero de nosso negocio, que se vende em grosso e a retalbo e que coa i
serio satifactoriamente lem servidos: bem como nos encarregaaos de
commendas de nessos cigarros de seda e linho, etc.
13Ra da Imperatrz13
Variedades
PONTEIRAS para charutos e cigarros de
todas as qualidades gostos e precos.
CACHIMBOS desoperior espuma, de r.j-
deira (raz; de H al ft|, a don de >
tras qualidades a relaLo.
DITOS pe de gaUinoados mmtmn e
ha neste mercado a 3d e 3-5500 a dar,
com grande abatimeoto esa maior porrio,
ditos de louca, gesto, barro, ele.
BOLSAS de borradla e eouro de
gostos e precos, para guardar
CARTEIRAS para cigarros de
systemas.
PHOSPHOROS de cera, caan dt In-
dos os lmannos, de segur jara a Mate !:.
PAPEL de milho, de a roa, sanv: nsn. Per-
san, pintado, de linho ete. paltu de mirto >
Fernando a melhor

-s
i
f. r. Bortes,
.9. Trindade.
a raxer com
nanaaescravtaiaeoaiba oainha*
e o mais servleo de esa
na ra
feo. i-
~T~-
-*
;'i.Peci*M** traWttedjr para tratar a nm
sjuo pequeo ; da-so casa propria para morar, e
aaga-fe & seceo, preferindo homem casado : a ira
tar na rna Nova n. 19. 1 andar._____________
de.-alfdio da fabrica Todos os
Wm.'aVtommeadadof Pedrose, j
escriptoro de Joaquim"Jos Goncalves
atf>
coiinhar: m
BAZAR M MOBA
59-HA NOVA 50
Os abaixo assignados proprieUrios destn eaobettxneato,
que, continuam a vender muito barato e em vista ao grande
miudezae da melhur qualidade chamam a attencao dgs- Srs-
de retalho aflm de comprarem o que Iba for conveniente ; cal
iOOjo, pagamento recusado do j^e dacfmpra.
Superiore corles de gorgurlo de seda preta bordada?, o qne m do
naior fitli^SiB___1M_iam_
Bons grondinapien pretos de
mnts: ru #^*e*po n 19,
I


'

r


,,Ilrial'd i^ernumjuco Ter<
7=Rua

do Queimado7
DE
u JOBEIBA i JUSTOS.
dejaaendas prcta
HA
.contra a phtisica
cq deposito na pharmacia do Pialo, m
larga dlosario n. O, JHWHjuartell
rraar-
bre bypotheca em
Crespo n. 1% loja,
Udcq deposito na pliarcnacia do Pinto, upa
corpo de polici
c
U.Sh Cbegata pefaWiy vapor da Europa o mais bello aortinaento
incoo sejarn : -^w
Grosienaples pretos de todas as larguras e qualidades.
GorgorSo preto para vestidos, o qoe tem vindo de mais superior nesta faiend*.
Pequm da China, de seda pura preto com listras desetim o que ba de mais moderno
em fazenda preta para vestidos.
Manjilhas brasileiras de renda de seda preta o que tem viudo de mais moderno a
esto marcado.
MtWft jues de croch preto com rteoa Iacos de selim e de modello completaraonte
novo.
Casacos de croch pretos, compridoscom grande roda e de regaco qoe finge secunda
sata sobre o vestido.
Ricas mantas pretas para cabeca de senhoras.
Um grande sortimento de fil preto de seda com flores, neste mesmo estabeleci-
meiito tambem ha nm grande sortimento de poupelinas de ricos gostos, sedas lisas de
lmdas cores, saias bordadas, finas para senhora* lavas de Jornia de toda as cores
para nomens e senhoras, grande sortimento de cortinados bordados para cama e janellas,
tapetes para sof, camas, pianos, janellas, e, grande sortimento das afamadas c
da India para forrar, salas, s existe na roa do Queimado n. 7.
Loja do Triumpho.
uniMniM niiiiiiii mn^ii
esleirs
*S
* B
a* a
i i
2"^ a
ce e
J
B >_
S .. T o ~
,
a a a o
^ -
a B *
1 S 1 =

w
sffl
S. B B o- g
*3
r
teis).
MHunn
tinturara aceza g
55-Rua da Imperatriz-55"i
Tinge, Ijvi, limpa, lustra e aehamalo-
ta-si, com a maior perfeicio, fazendas em
peca e em obras de toda as qualidades;
conto_ejam : seda, lia, algodao. Nabo,
chapeos de fellro, e de palha etc. etc.
Tira-? e no loas a limpa-se a steco sea
molhar os tecidos, onse ran jo asan tor
| do o brilbo da fezeuda.
Timara preta as tercas e sextas fei-
MWt BBDBMMI WBf WI
AVISO.
O abaixo assianado fu seiente ao respeilavel
publico e especialmente ao corpo do commercio,
que tem justo e contratado para comprar a taber-
na sita ra da Senzala-nova n. 6, pertencente ao
Sr. J>s Dativo dos Pasaos Bastos : quem se jnl-
gar com direlto a mesma aprsente suas contas
no praso de tres da?, contar desta data em
diante, na mesma rna a. 12. Recife-9 de abril de
1870. -
._____ Antonio Victorino da Rocha.
Mua
o paquete os ricos posti
Jk basquinas pretas com
>. ^S~ *rlt? ha especies.
eraa, "mantilhas brasHeira, dita?
a para cabeca, chales de touquim e me-
i?.; Irl bordados. relos liso.
o StaE.,fc lis!*s a8erfnad0!'. ^ Itfes, tanto
r 11 Tn Deste "u* 1ue "morador pode-
1S, mJ01",1^ Stim Preto fliaean muito
SKi ** e baile de merin-fe'tadas de
Engenho S. Manoel
a' venda.
Yeode-se o engenho S Manoel, junto'a csUcao
de Una, tendo este tirado ovo sfn, e com m^
to boayerras, inoenle e eorrent de anZe
^T)rt aprendo bota-lo do agua o podo faii oT'iw
O r aSSO "Bcleiile do centro e cZ outr" iSJZ
mallo convleolB dt sec ju.to a povoacao de
Trombeta qt quafewlo .er vifecas eiieira? n-
por 2i0 e 2* lawala ; alen disto, a l
preca, vfndendo-e este
alen disto, a lenha que
co-
O w
3.P-,
B s ST S. 5.
2 ^i sr o g .
EB cr* a
9 -S
a 2.1 Bill
5-2 o o
lie|fi
o 2 a
s 5 Ii
ll;il
b 3
o, g b s
BU til CT3
. O

03 o
ce *
i
O
e
S
9
o
De casa de sen senbor ra Dtreita n. 91
fugiram os esoravos seguintes : no dia 28 de mar-
go prximo pasado o escravo de nome Vctor, 1
mulato escuro, cabellos estirados, idade 17 annos,
rosto redondo e com alguns pannos, baixo, cheio
do coro bons dentes, ps e mios pequeos. No
dia 6 do corrente, a escrava de nome Dau'a, negra
fula, idade 20 annos, b wca pequea, com os la-
bios grossos e arrebitados, estatura carpo regu-
lares, setos grandes, mos tiradas e bem feitas, e
cabellos carapiobos : quem os apprebender e le-
va-los cata cima dita ser recompensado.
O. SAMTdS MELLO
flieaioo homeopaiha, recem ebegado
corte, fixou.a u residencia uesta
capital, 4 roa estreila do
Rosario 32, 2
.. *ir.
ua consultas todos os das das 9 s 16
opras da mauhaa, e recebe recados por
escripto a qualquer hora do dia on da
uoute.
I Aoa pobres d eonsaltas is roesmas
S oras e medicamentos gratis.
-iin-aunil
6001 a 700|>000.
D-se 600 700*000 por um sitio perto da
orara : na ra de Santo Amaro, Uberna nova jun-
t a Machambomba.
se ada pelo rocados j vellia, rende-se por bm
proco. O proprietarw roga as pessoas que pre-
tenderem o referido engenho de se djfjgir ao mes-
mo, cujo preeo-ftrip avista da -propriedade, que
alianga agradar aos pretendentes, e rende-se pelo
motivo de seu proprietano deeiar retirar-se uara
esu prara a bem desu a saude.
Aos foftadors de tarros, e donos de
eheiras.
Na fOcheira de Vetra C, ra Nova n. 59,
tem para vender o segninte: pedes de vaqueta
muito grandes, encerado grosso para guarda chu-
va de carros, dito no preto, e cor de rap para
;/lrdiOSCarros' sedaa*"le panno para forro,
*iao largo e estreito azul e cor de rap, boioes
Krnnf "nes pa!:a lco*oar, pregos de cabera
de marfim, escoras de palha para lavar os cX-
galios, lanternas para carros e velias proprias para
as mesma?, bonitos chicoies para carros e para
cabriotet, pelles de camurca, tapete pintado azul
para o fundo dos carros, encerado grosso pintado
para o mesmo Jim, latas com graia para limpar
m. J\ SlUa pafa carro5' fe"-gens comple-
tas para arreos branca o amarelta, e muitos ou-
tros ohjectus proprios de taes estaoelecimentoe.
CEMENTO
PORTLAND
Vende-se no armaua anafelk. 4 Tttmm t :-
reir da Costa & FHho, defrente are Ca-
ceicio, ea uarncas gntm._______
Milho e arroz de
Von4e.se milho e irro 4c rawa i
os, otrapiebe daR)Ml4a.: a ir
da Cadeia-velha, casa h. 1, 1 a*4ar.
Venda de lampedes
|nra Iluminara-.
Na loja de roaeir* o> Aalaa kV-nra r^ar .
na travessa da ra 4 Vitan n. X tratHra)
der 300 a iOO lamproes Jtvmp,*. mmmnm-
micos por serem para faz U.|tiu!.., e 4a nraVr-
te inz a elles antes <\w. se acaban,
earregadu? de illumina-e*. im -i
Ama.
CURA BAPIDA E INFALIVEL DOS CALOS
pelA
POMADA GALOP^A.
Deposito especial
Pharmacm de Bartholomeu $ C.
34Ra larga do Rosario-34.
Precisa-se de urna mulher que se encarregue
dos arranjos de casa de um homem (menos com-
prar e cozmhar ) e que seja zelosa no servico
seu cargo "-----
dar.
a ra das Cruzes n. 9., segundo an-
Antonio Jos de Medeiros retirase para Eu-
ropa a tratar de seus negocios, e deixa como seus
procuradores, em 1 logar Felisberto de Medeiros
Barbosa em 2 Joao Martins da Silva Ville, e em
j Joao Amaral Raposo.
Farinha de mandioca
Vendem Pocas 4 C, na roa estrella do Rosario
o- 9 junto a igreja.
n .TT--N!fnde'^ ? lroca-se Por caas ne.-ta praca
o lio denominado dos BcritU, anliga casada la-
I vagera de roupa, com grande casa de vivenda
senzala para pretos, estribara, banheiro de pedra
e cal com agua corrate, baixa para eapim e
grande terreno para planUcdes : quem o preten-
der Arija se a praca da Independencia n. 33.
Superior viuho Bordeaux
St. Estephe & Su Julien : o ra da Cadeia do
Recite numero 5.
rr-
Rio para fetor de algum sitio, ou para tratar de
jardnn, dirija-sc ra da moda n. 33 ; ou se al-
gum senhor de engenho precisar de um adminis-
trador, dirija-se a mesma casa n. 33.
AMA
Vinte mil ris.
Precisa-se de urna ama que cozmhe bem o or-
dinario de urna casa de familia; as'sim como outra
- Quem precisar de um nociera ckegado do fa,rai2^B?r,orra ou eserova: M raa do p!'
io nrD fpnr Ao ntim oin ~, -. .-..._ j. re!l' oraao n. 27.
(X>
IB
? a =
VS
1-9
9.S B *
OJ o B ..
- 6s 3 ai V
>- n tu a a
I
(O
igras cms^aiassaial
m
Paj*a o commercio.
Offerece-se urna pessoa eom as habiliUoes nc-
cessarias por ter a devida pratica do commercio
tanto de armazens de estiva como de cobranras
e despachar ; tem soffrivel letra e d conhecime'n-
to de sua conducta, lambem tem o mesmo pra-
tica de gneros a' retalho ; quem de seu
servico precisar queira procurar na ra da Glo
na n. 116, das C as 9 da manhaa e das 4 as 6 da
tarde ou annuncie por este Diario para ser pro-
curado.
Luiz da Silva Ferreira, portnguez, vai a
Portugal e deixa por seus procuradores Joao da
Silva Ferreira. Joaquim Jos da Silva e Antonio
de Azeveda Maia.
Caixeiro
Precisa se de um caixeiro que tenha bastante
pratica de taberna : na ra da Senzala-nova nu-
mero 22.
A
,e^~^sencaminDon"se uma ,elra da qnantia de
760<000 aceita por Elviro da Silva Caldas, per-
tencente aos Srs. Jos Luiz Gonralves Ferreira &
C. desta prara, sacada em 16 do dezembro de 1869,
cuja letra nao estava firmada pelos sacadores, pelo
presente declaro que dita letra dea sem validade.
Recife 2 de abril de 1870. P. p. de Elv iro da
Silva CaldasViviaao da Silva Caldas.
inrtJl UUIMtli
A ra do Duque de Caxias n 21.
(AKTIGA RA DO QUEIMADO)
Nao foi sera fundamento que a NOVA
ESPERANZA lem deixado de fazer os seos
annuncios, a rz5o simples ella entende
que ludo em demasa aborrece... por isso
como j liaba dito e scienlitcado a sua boa
freguezia, oque constantemeote iareceben
do, ou livesse feito moitas vezes, receiou
tornar-se massanle-, assim pois recolbeu-se
um pobco ao silencio, mas nunca deixando
d'eoppregar os verdadeiros esforcos, j con-
tratando maior numero de correspondentes
oa Europa, j descobrindo ubjectus do mais
apurado gosto e finalmente assignando o
Jornal das Familias, o qual vena semprc
ornado com figurinos, modernos moldes para
Vende-se ou Dfgocia-s
moente e corrente, Mu aa Ir
prximo a estrada de ferro, .
cado, matas e as mdaorrs ierra t
Este engenho, alem de msiiaa aao bra-
dores, tem dez grandes partidos de fa eatas. cax..*
um dos qoaes leva mais de 150 -rm li"'raEi,
te, sendo oilo desees par 4m nraaavaaaatan #
feriil.ssimas vanea-, mi-e eaaa tm 4aa i B .--
vapores, absentado ete aaa. e Seta M ii m
prepares para moer eom aaaatan ; as .*ra>
jm born^ estado, o pa<*a4to I maim loa .-.'..
razer-se bons corraes ao rio Jaawaia*. mu a-
destilarao com nm dos icelk.rc -hitiajau t i
engenho pode tarrojar anonalaaente ara^aa -
i),000 paes de assncar, depob dos craodrs metr -
ramentos feitos em sbjs trra.
Quem pretender dirijan a na i
23,4a 8 horas da ouwkaa a aaaa 4n
Aviso
Antonio Jos Ferreira Alves despedio o sen
criado e cobrador Candido Jos da >;unha no dia
! do corrente, o ficou no lugar o Sr. Braz Fernan-
des de Feij, subdito hespanhol.
O
iciuAinim
y;aihih)cb1'(.\Y3\.
i
P
1=u
O
O
v$
l
Com este titulo acha-se aberto e inteiramentc transfonnado esle ,anligo
estabelecimento de joias, onde os freguezes e amigos encontrai ao ludo quanlo
a moda e o bom gosto tem inventado na arte de ourivesaria, o Collar de Ouro
observar delicadeza no trato e senciridade e modecidade nos presos.
Espera que o respeilavel publico venba ver o que existe de melhor em
ader.ii.M3 de orilhanles, esmeraldas, robins e pcrolas, meios aderemos, pul-
ceira, brincos, allinei-.s e unneis de todas as qualidades, prata de lei faquei-
ros, collicres, palitelros salvas c outros muitos objectos que seria enfadonbo
tnenchnah
Cmnpra-se ouro. prata, hrilhantes e pedras finas, pormaior preco do
que un oira qunlqnei parte, lrcca-se e concerta-se todo e qualquer ohjecto
perioncente a esta arte.
Protectora das Familias.
Em cumprimento do prevenido no art. 29 do
regulamento, se convida aos Srs. contribuiotes
aessa assuciarao que nao tiverera apresentado -as
certidoes de idade dos seguros, para que mandem
fozer entrega d'ellas na ra do Livramsnto n. 19,
1" andar, alim de ser expedidas o mais breve pos-
sivel para a inspectora geral do Rio de. Janeiro
As certidoes devem ser salladas e reconhecidas
por labeliio.
Recife, 30 de marco de 1870. '
._______ Narciso Francisca de Vidal.
Cutileiro e armeiro
O abaixo assignado proprielario da offleina de xestl.dos e,c- etc. para desta forma mellior
servir a sua constante freguezia ; e com es-
pecialidade ao bello sexo, a quem a NOVA
ESPEItANCA ufana-se em offerecer-lb
seus servicos, apressando-se desde j em
declarar o que tom recebido ltimamente
eniremcio e babado bordado transparentes
e tapados, cbaposinbos de setim para bap-
Bixas de Ham burgo
Por menos do qoe em outra ntMqaer pa-
vendem se e alogam-aa : ca ina do Impera** -'
zo, armazem do Camprs.
~ VENDE-SE on arreoda-j o rootiu
S. Gaspar, tito na regwzia e Scrnifcaee
comarca do Rio Formcso, p.-ixiaM t aa
barqne, com grandes partir s de par
massap i roda da noceda, Bbm na&pv,
para madeira necssaria, bou pasto, r.
a traUr na roa d'Aurora n. 26, oo aa *
Imperador n. 20.
Vende-se nma marbioa |n de vr
aguas gazosas com lodos os seus ppare'.'
pouco comprada as kbrea .BK-ii;.? 4 *'x. -
theus de Xoa-York. A mackiaa f-rr.ii
porcelana enm nma rapacidad m iir.kc"
mas que surt ricnte para prodnzir 100 dt:i> -
garrafas por dia. Esta actnalnvrae irab.>lhBr.'v
na corle, na ra do Lavrsdio o. ti, rade
caminar : para inonraroes 4r.j..m e a raa
Pedro n. *. no Rio < Janeiro
mutilara da ra Nova n. 34, avisa aos seus fre-
guezes e as demals pessoas que quizerem so ulili-
sar dos seus servicos, que mudou a dita offleina
da ra Nova para a da Camba do Carmo n. 36.
Joo Francisco de Oliveira Santos.
COMPRAS.
Casa terrea.
AMA
Precisa-se de uma ama, forra ou escrava : no
pateodo Paraizo, n. 29, primeiro andar, defronte
da igreja, esquina.
AMA
Na ra do Amorim n. 33, 1* andar, prescisa o
Domingos Tasso de urna ama para cozer e engo-
mar.
COMBERCJO.
Os abaixo assignados declaran) ao publico e es-
pecialmente ao commercio d'esta praca, que em
31 de marco nliimo dissolveram amigvelmen'c a
sociedade que tinbaui na luja de fazendas e ron-
pas pretas Sita ra Nova n. 10, e que gyrava sb
a razio soci.il de Gomes & Silva, retirando se
d'ella o soeio Silva Cardoso pago e satiseito da im-
portancia de sen capital e lucros, completamente
pela mesma sociedade, litando cargo do soeio Go-
mes todo o activo e passlvo d'ella.
Pernambuco, 3 de abril de 1870.
Francisco da Silva Cardozo.
Antonio Gomes de Oleceira Silva
Ama
Precisa-se de uma ama captiva ou forra :
roa de S. Francisco n, 34.
Aluga-se um sitio na eslrada nova do Ca-
xang, com casa de pedra e cal, qwatro quartos,
duas salas, cacimba, frucleiras e cerca nativa : a
tratar no sitio da viuva Vllh-Sec:a, no mesmo
lugar.
CASA FELIZ
Aos 20:O00S0O0
A casa felii do arco da Conceico vendeu nos
seus muito felizes bilbetes da lotera 314 em be-
neficio da santa casa de misericordia da norte,
as sortes segninte :
3028 4:000*000
1043 8004000
9N0 20O0O0
______ 684 100*000
Troca-se duas riquissimas imagens vindas
de Lisboa, e vende-se duai machinas dos melho-
re- autores, tendo quem ensine a cozer, com to-
dos os ferros e por preco mtn't em conta, na mes-
ma casa coze-so vestidos para casamentos da ul-
tima moda e particulares ; tambem se vende um
charope vindo do sertao para curar melestia d^
peito e hanha de criar cabellos : ra do Corre-
dor do Rispo casa do Sr. J ao Valentim Villela.
f
Compra-so uma casa terrea
a Madre de Deus n. 16, loja.
a tratar na ra
Compram-se moedas de ouro e prata de lo-
tos os valores, ouro e prata em obras inntilisadas,
onlhantes e mais pedras preciosas : na loja de
)unves do arco da Conceico, no Recife.
E
ESCIAYOS
Compram-se e vendem-se diariamente para fra
t deniro da provincia escravos de todas as idades,
oores e sexos, com tanto que sejarn sadios : n
erceiro andar do sobrado n. 36, ra das Cruzes
reguezia de Santo Antonio.
Precisa-se do um a a
de uma casa de lamilla : a
gario n. 18, 3 andar.
II
para o servio,) ialerno
tratar ni ra do Vi-
ANA.
Precisa-se de nma ama: na ra do Pirs n. S.
A imperatriz regente.
Com esta denominarlo chegarm a loja do Pas-
so pelo ultimo paquete os mais ricos chapeos de
palmnna pretos eom enfeites de cores, obieeto ea-
te o mas moderno de Pars, cheguem antes que
se aeab. : a ra "o Crespo a. 7 A.
Aluguel
Alaga se um grande sobrado por acabar ira-
vejado, sem as^nalho, com pono de embarque
proprio para qualquer offlcia, sito nos Coelhos'
4efronte ao hoapirnl Pedro II tratar a ra do
Mondego., otarra n. 13 ; tambem serve para mo-
radia.
Precisa- se alugar um escravo de boa cou-
4eta; para o servjo de urna toja de fazendas : na
ra 4o Cretpo n. 20 A.
liespdula.
Fraaeitco da Silva Cardoso, retirndose para
a Europa niM*iam*atsM* podendo peta
r-se e todos as
para offerecer-
fualquer parte
em que a ache,
Pre:isa-se de uma ama *sorara que saiba
eoanuaj e laar bm ; na ra da i*>a s fe
01$ & n, i* andar.
Precis-se.
alugar.para uma famila pequea um andar de um
s>brado em. bom estado, em urna das memores
rnas de Santo Antonio ou Boa vista : a tratar na
pholographia alleinaa.
O bacharel Angustp Carlos Vaz de Oliveira
tem o seu cscmtorio roa do Imperador
n. 87, primeiro andar.
rmandade dasalnaasi crela da
matriz do Sacramento da
Boa-Tlsta.
De ordem da mesa regedora desU rmatldde
^rV!>Vi~ es nW^ raspara compare-
eerem em no*so eonsliiorio qoaru feira 13 do
^t^JU h^-'J manh5a afl d eneprpo-
radot, aeompaoharmos a prockao do SS tr-
menlo aos ear<*aios, para qsal veioTconvl%
dairmaftdadado SS. WwV t ""^ La*t"
JS?TT ^Jr'n"'da4e das almas, erecta na
O eia-iviq,
IJ
INSTANTNEOS
Travessa do Corpo Sanio n. 25
ARMAZEM
Ra Nova n. 28, loja Antonio
Pedro de Souza Soares.
Oandeira, Machado & C, avisam ao respeitave
publico que nos lugares cima encontrar no mes-
mo sempre grande qnantidade de ditos pocos, e
que se acham habilitados para vender por menos
que outro qualquer, por isso que os recebera di-
rectamente do fabricante Nerton, de Londres.
As vantagens que offerecem os po$os instant-
neos sao : primeiro, podrem ser eollocados den-
tro de casa ou fra, com o trabalho de uma a duas
horas; segundo, fornecerem os mesmos agua pu-
ra e abundante, podeudo serem removidos de un;
para outro lugar, quaudo assim convier.
Os annunciantes so reaetk-rao a importancia dos
referidos pocos depois de eollocados, satistaiendo
espectaliva do comprador.
0 C1RUBGIA0 MISTA
Frederico Maya
Tem a honra de scientificar ao respeita-
vei publico e.j geral, e aos seus clientes
em particular que elle mudou o seu gabi"
netede consultas da ra Direita n. 12 para
a do Queimado n. 31 primeiro andar, com
a entrada peto pateo de Pedro II, onde po-
de ser procurado para os misteres de sua
profissio, todos os dtat uteis das 9 boraf
da manhaa s 3 da tarde.
Tambem previne, que contina a prestar-
se a rontade dos clientes n5o s na cidade
como nos sens suburbios, para onde at
idas serlo precedidas de ajuste. Elle ga-
ranto o bom desempenho e a pereic3o de
seus trabalhos, o queja bem connecido,
assim como as commodidades dos presos,
Cora muito maior vaniagem compram-se
noedas de oaro e prata : na loja de joias do Co-
aiode Puro n. 2 D, ra do Cahng.
0 muzeo de joias
Na roa do Cabug n. 4 corapra-se ouro, prata
pedras preciosas por preces mais vanlajosos do
jue em outra qualquer par:.
Compra-se
duas casas terreas as ras Concordia Palma
Caldeireiro, Santa Thereza e Snta Rila : a tratar
na ra estreila do Hosario n. 33, cartorio.
~ Compra-se um escravo de 15 a 20 annos de
aade : na roa de S. Francisco n. 72.
C.mpra-se uma escrava de meia idade que
sa:ba cozmbar e lavar bem : a tratar na ra de
Hurtas-n. 30, sobrado.
VrNDAS.
Peixe de viveiro.
Nosdias 11,12, 13, lie.13 docorrenle
vender-se-ba excellente fpeixe dos viveiros
da capella dos Remedios emAIogados.
Usados.
Finas trancas de cambraia bordada para
o mesmo fim.
Meia de seda e fio de escocia para crian-
gas.
Didais d'osso, marfim ac e madrepc-
rola.
ptimas navalhas, afiadores e massa para
as mesmas.
Finas esponjas para o rosto e para ba-
cilos.
Bonitos sapalinlios com biqueira, sendo
com salto, para meninos e meninas de dois
a doze annos.
Boas lentas com cinco melimetros para
contar-se os fios de-qualquer fazenda.
Thesouras para frisar vestidos.
Cairelas para tirar muldes de vertidos.
"ollas para segurar costuras.
Bonitos Hnteiros
moldes.
Meias de la para homens e senhoras.
Finas e bonitas ligas para meias.
Fil de linho e di seda, sendo preto e
branco, liso e de salpicos, e outros muitos
objectos exposlas a venda na Duque
de Caxias n. 21, na NOVA ESPERANZA.
MlTA PERFUMARA.
A NOVA ESPERANCa a ra Duque de
Caxias d. 21, acaba de receber muita per-
fumaria dos melliores e mais afamados fa-
bricantes, como sejam finos extraclospara o
lenco, escencias consentradas de muitas qua
GRAJfDE
BRACO DE OliRO.
Ra do Imperador n. 26
Os donos desle estabelecimento desti.,
do por em pratica nesta afal m c^Ud-
mes das conffilarias d.-.s pnu. rus eaaat
da Europa c Brasil (R;,t ('e laaeP) bz.
seiente ao Ilustrado publico disa cap:'
que na prxima semana >ar.:.i uri es:
istabelecimeiito prirnoro c enfeitado com um ri4P|rfetn e
sortimento de caixinhas
lidades c gito, um CxBMaMi m I
de amendoas confeitadas de bjalaa s
dade, confeitos e pasltlhas j.* .jo s ....-
i.
vartac
de lila" rcii!* i
! ,.
vem para encliiine'o (!.u mennascaijii
adverlindoaoillustradn jiobiao <)*''
les, cima nieii(.i.:fiadas tala imnm
em uzo brindar senhoras ...m
preseU c \u\o nos fM atea tftm
de novse e ominados! sent anda nao louve aiguun '|ue ti
a It-mbranra de ftaporunu ai.s -u..
ilo bello aexo nesta cidade o ensejn suas demonstrafos de MM*|MHbW-
ainisade c.m nm Lh ii- pivsinl.r. Mski:
nios a mai cargo l;. arJw larrfe at
dendo as dnviJasdo bt:i n.i t..i i r^tiiu-
do, que (> O publico encontrar ;!;!.> ir.*< qu
lalava o anligo annoncio nesic tuarm. ;
Exmas. familias na oceaiio de i*it3i
teinplus |i(ulirao \ir 'ifJci :-.- com U>
lanches, violtos, licores, (ihampajrne. *r\*
ja e refrescos ludo do meltor qiie
Apipucos
No collegio da Conceico precisa-se de un)
1 zinhero e de um eopeiro.
<*-
A pessoa que annuneiou querer permutar
por uma* negrinha sJo 8 annos pouco mais ou me-
nos, nma outra escrava com urna cria, dirija-se
ra do Imperador n. 45, 'orceiro andar, que acha-
ra o que pretende.
-----------m;-----~'-----
No paleo do terco n. 31, loja, coze-sa coa as-I
seio e promptiJao todas as costaras periencentcs a
snhora mais em conta do que. em oulra qualquer
parte. "- '
--------------------------------1______-
Vndese um sitio i margam do rio Capibaribe
e Camaragibe onde a cheia nao chega, com oa a
excellente casa pouco acabada de podra e cal,
a qual tem muitos coa modos.
sitio est bem plantado, tem 50 ps de liran-
geiras e muitos outros arvoreos fructferos, en-
tre elles um grande sapolizeiro, pelo que de-
nominado Sitio do Sapolizeiro, o qual 6ca na fren-
te da estrada que vai para o eugeobo Dous Ir-
mos o qual pode ser visto a qualquer hora : i
tratar em Apipucos, ou no caes ii de" novemhro
n.3i.
Venda
Alguns rolos de sienpira para obras de carro-
cas, mandando-se entregar ao comprador : a tra-
tar na estrada do Arr ial, sitio de Marcelino Jos
Lopes no principio da estrada.
Multa aftenca.
O Paviiko da Aunra ra da Imperatriz n.
2, acaba do receber pelo ultimo paquete um va
riado sortimento de azendas proprias do lempo,
assim como luvas de pelica pretas e de cores para
Iwmens. senhoras e menina?,
Brincus e alfinetes de pape!, obra delicada
vista pela prinsrira vea nesta cidade, feitos por um
curioso : vende-se a U5O0 a peca ; na loja d
Aguia NepA. nw do Catinga o,.8. .
Pft'aar semana santa.
Minias Dianas, encorj
Kermla-se
por urna escravinha crlonla, de 8 annos do idade;
Bina oa menos, ama entra tanbem crlohla de
a 13 anuos, com um ilito de um anno, aabendo
Uvar, vender hero na roa, e eqlnde,al|{uma, cpp-a
de eosmha; 4 qudm. convior Iniiqae por esto'
DMto sua morada parttse'1'rWar, '-aitf oect-'

wiolaaniii- mot-aa^parrngq.
rWelsa-se de ti aizlA b__
da 19 U annos. que lenha pratica de uberna
oa roa das Calcadas n. S.
de i
A rna'Nova 60, nsDuas Dianas, nooti'aty,-
se as verdadeiras mantilhas brasileiras que se
lyeBdeqi apn barato que, an ontr quatfger parle.
Cwaquinhos r, teda para mm santa
As Dnas Dianas, ra Nova n. 80, veo lem ca-
saqwinfcps de seda prtta eemeinto, para senhora,
dos mais moderaos, per menor preco que em cu-
** qualquer per*.
Luvm -prto"de Jouvin.
?nfcit.H a mVoH n 0, as Dnas Dianas,
Javas linas de Jouvin para harnem e senhora
ao i,ooo, prompta para trabalho : na roa Impe
nal n. ao.
hadde8 olhos de agradaveis cheiros para os I v-cl. Esperamos pois da concurra
cabellos, bonitos vasos com boa banha, lin- respeilavel publico cm aurt.
dissimos vasos com pos de arroz, sabonetes
de differentes qualidades etc., etc., assim
pois os apreciadores do bom, venhamsats-
ftzersuas precisoes na NOVA ESPERANCA.
PARA ALVEJAR E CONSERVAR OS DENTES
P de carvio de rosas: vendera-se rui
Duque de Caxias n. 21 na NOVA ESPE-
RANCA.
Para acabar cora as sardas, pu pannos
receben a NOVA ESPERANCA ra Du-
que de Caxias n, 21, o verddeiro leite de
rosas brancas.
Saltlo TalcatrSo.
Vtude-sc n ra Duque de Caxias o. 21.
PARA LUTO.
Brincos, broches, voltas, pulceiras, fivel-
las, (entes, botes para punbos e cadeias
para relogios.
A NOVA ESPERANZA querendo satisfazer
sua fregoezia, nao smente em objectos
d'alegria, ou de luxo, quer lambe m acom-
panhar aquelles. que infelizmente perdendo
algucm de sua familia, ou a'guem de sua
amizaQe, precisara de taes objectos, assim
pois a NOVA ESPEBANCA, man que ba de melhor nesle genero, porque
sendo taes objectos de cor negra, sendo
de m quilidadc, nao somonte torflem-se
tiistes como at repugnantes, o que o3o
acontesse aos da NOVA ESPERANCA, por
que apenas exprime o seutimento pella cor
porem como que traz um unitivo pelo gosto
o pcrfefc5o com que taes objectos sao tra-
bajados.
Brozeguins pretos fantasa para senitf>r,
a 4*000.
Ditos de duraqoe de cor enfrado* pata
senhoras a l0OO (todos cm rcreito esu
do).
Brozeguins de lastre pira hoaaem a
i^OOO, e vende-so na Pra<;a da Indat p
dencia n. 39, loja de calcado de Furto
Bastos._______________
Cortes de vestidos de
blond.
Acaba de chegar i loja dos reos rao do
Crespo n. SO A. de Alvar> Aofnsto de llawiJ
t C, os-mais reos cortes de vestidos da Mm
que lem viudo a este mercado para atimtm: .
assim como cortes de vestidos de seda de cae de
gostos inleiramenie novo?, e tamben ba gnm
sortimento de chapeos de velludo para
Vende-se uma caa terrea em chaos proprios
na fri'guezia de S. Jos : na ra do Hurtas n. 30
se dir qtiem vende.
Farinha nova
de mandioca ltimamente chocada, vende-fe a bor-
do do brtgue escuna Ventor fuodiado entre o caes
do Ramos e trapiche Bario do Livrainenlo a ira
tar com q capito aJwrdj e com Bernardo Joe
de Araujo, no armazem do Annes defroule da al-
fandega.'
Vende-se
na ma da Concordia-' I 107 orna estrave deJPS6
anaad do idade.boaita Ugura.em n nhum achaque
e vtelo, engomma e eozlnha bem. e a campraaor
se dir o motivo por que se vende.
SEMANA SANTA.
Madame R Adonr
recebeu ptlo ultimo vapor, casaqnioak> VHt, ace-
to de seda Fronfron rkaavute tae>lfaae,
mantilhas da mesma basada : veede-se a iu
do Imperador n. 21, i* andar.
Mez de Mara
Canticos-e bynnos da val o aera e i
de Hara.
Um ntido volme eteaVnaae de eeavo
IJfcO.
De marroflaim doan
UoOO
UVRABU FRAACtiA
\eadarM ilho.mus barato de sjaoeaa oeSra
qualquer p
caes t* de Novemhro por baiie de Gaadacte
tninez.
Veade-seaou; aaa edkC
tem 3 onirtoa, 1 seaaa, orreiaeavMav leas.

cada,
quinal, cacimba, etc., aitoaia iu raa de S. Jai .
freguezia de S. Jos : a Indar na rea da r
dia n. 113.


MJ^ ele l'e..mbMCO Too* WrUlUfn^H.^Ml0-


A VERMDE
55Rua do Queimado 51
A VERDADE tendo em deposito grand-
jov.itidade demiudezase perfumariM, de
aejando aparar dinhetroe adqtierir boa fm
,guezia est rssolvida a vender morttwuw
baralo, por essa razab convida ao respei
tavcl pabiieo a vir competentemente man)
do a sortir-se do bom e barato, Pois quap
do a verilade apparece, todo mai de*
apparece..
(irande sortimento de baneeos de cera
ma'-;t as mais lindas possiveis vestidas ac
racter.
Abotoaduras modernas para col-
letea.......
Esp-llu donrados pepnimos. .
Agltws de osso par crex a .
Pentos para regatf con csitas a
Ricos globos para candteiro da gaz a
Chvuos a.......
Grande sorlimento de objeto de
loeca para brinqoedo do menino
Garrafa com tinta a.
Dita com agua florida verdadeira a
Dita com dita dita a ... .
Fr-cocooioiea do babosa a 800 e
Dito com agaa de Colonia a 300 e
Garrafa com agua divina a. .
Frasco com extractos unos a .
Latas pequeas com bantaa muito
fina a iOe......
Sabonetes de diversas quali iades a
80,160,240e.....
Finas escovas para deotes de 1201
Lindos foques modernos a. .
Pavios para paz, dalia a 240 o .
Escovas para faeto a 500, 000 e
Ditas para cabello a.....
Pantos para tirar piolho a 160 e.
Brincos de cores, bonitos a 160 e
Pecas de tranca de 15a com 8
varas por.......
Oleo para machina de costara,
frasco a........
Pemias d'aco finas caixas a 800 e
Dita d'aco Perry, caixa a. .
Galio de algodo peca -
Linios babadichos c entremeios
p*ca de 500 a. ... t^SOT
DUos de loaca muito fino a 120 e
Diius para calca ?, ffi'j e. .
Gnixdc.iin papel amiz?i!e a. .
Ditas om envelepes a. .
Ditas cte obreias a.....
Gaa comagulhas fondodourado
Ditas d'; ditas ditas a.....
Thesnura para costura a 240 e
Caixa com linha de ruanca a .
L'h'ja de cores em novellos (li-
bra) a........
Carreteis de linha Alexandrede 70
r>(5 200. .,,....
Granqxis muito finos com passa-
ros, dazia a .
Cartas portuguezas, duzia a .
Ditas francesas a 2&20O e .
Pawlal'naco e da paso, resma a
31490, 35500 c .
La muito fina para bordar, libra
Fid de algodo para ebrum de
sanaos, peca a.....
Na Verdad rrs do Quelroadt
n. k.f.
Eagenlio it veadfc
Vend- <* engentie S. Matteos, nuHW veo*-
recle, com boas obras e em parfeito < sudo, fns
com agua e esta am ijuurto de Hg-) da e-stacSo de
Tia frrea de Gamelleira. Venrle se por S0:000A,
sendo 8-0001000 4 vfsl c 15:0*05 cm pagamen-
tos de 2:000* annn>*. Os pretndeme? podtem
dirigir-se a ra do Lrmmento n. fl, a tratar eom
Lanrentlm Joe* Wraiilft.
Em casa de Mills Ltham 4 C ra da Gru a.
38, veadetn-sa tornas* de ferro gahrartteadao.
Estampflhas.
Vendo-* ta roa da Crua .*,! andar.
32(
26(
20t
32<
1^80
321
lOt
801
I 1301
1.50TK
72
50(
im
um
32i
G0<
2#BO,
3*
70f
50(
24(
201

60i
150O
2K
70(
48
4(
28(
16
50!
28(
5(X
10(
20(
U4tX
3^001
4:0
6,550'
16(
RAPE POPUIJL
DA
FABMfA MMM DA BAIIA
DE
7*ee*t UlduncofyG.
Acha-se venda este optoo rap, nico q
pode suppnr falta do princeza de Lisboa por M
de mu agradavel cerfuuie, viajado, e a pre^c <
mais mdico possive; e por isso tem sido iw
acolhido as pravas da Baha, do Rio de Janeiro <
em outras do imperio : no escriptorio de Joaqnii
Jos Goncalves Beltrao, & ra do*Comaercio ni
mero 17.
- wette Af fioipo WUP 9-
Os acreditados cylindros americanos para padaria, por dous dierentfs *y
Machinas para descaroca (Hgeo pelos m^lhore fabricantes de New York.
Machinas de vapor systema do locomoiiva e polias para as mesaus.
Carrinhos araericaao par transpoitar aolwf tm ansaaets. Todo por fm-
eos razoaveis.
TRAVESSA DO CORTO SANTO M. 25
Joaqun Kopet Machado wm machado a- c,
li ntf.Rtt\ animada com n Junta accibianto OJie Uve
urn teas anirun '
um variado sorti-!
Bichas hamburgnezas
Neste novo deposito recebe-se por toaos os pa-
quetes tfanslioticos bichas de quahd* superior
o vendem-9e em caixa ou porcao ruis pequea,
mais barato do qno em outra qo.irquer parte :
na ra da Cadea do Recife n. Si, l* andar.
Cigarros da imperial
fabrica de S. Joo
de Niclheroy.
nico deposito em Pernamtmco caes da alfao-
degaTellu b. 3, i' a4(M.
k AGWA NBGtA animada) com o.*D gcBUMawnlu *ie
nos, vea novo1 parttopar a ser -fregBaes#ic. acaba de receber
nenio de objficU d gost os qtvaes serio *aM**or prefloa awrto nzoveit, (Jis;
loando fezos seuiwneiros annuciotv fai o qu assegttroo. e sem mdo de errar,
MU cerno j* \m ast* interesas tkada a nma talar fnprWdofedesta_ praca, e
Jor isso poder ter Codo tlsptmt e veaer por precos fdti*Wves.-Cl*ma pc.s a atten-
>o de seos fregoezes para os artigo a^ssa descremar': *
Lwra com o taaaao de arfia, .nadra- a variado tortiOMata > cbarutoiras e
rola e tartartga, profriot pof missa. 'paftlteiros de rwrcetana,
Garafiahas vatias proprias para presentes i
ousa de gasto.
In^vtjon-saveia Ja paliuhae deaouro pro-i
)rit ^ara traeos.
Binculos d i madreperola* marfiai e tar-
Tent^s para voitarete.
R^ngallas coao rnarfim, coasa especia!.
Sabonetes de ateatrJfo.
Cofres Je foltas para dinheiro.
l>ndas caixas para coatara.
Utn complot sortiraento de lovaa de pe-1
t ->- Vende-se om bai e carra
regar assucar oh geaeroa : a
Ramos n. Si, eom Aatoata Jas
tar para ratinr M par
Cal nova de Lwboa
dascarregada hoje do patacho Jfcra ; t val
Joaquim Jos RanMa, m ra* 4a Cra a a\ pal
meiro andar.
5;000
A roa Nova n.' 60 vendem-se botinas
para senhora a jlOOO d par : a ellas em
qoanto nao se aoabani.
Cantara de Lisboa
Soleiras, hombreiras, e capiteis, o tfoe ba do
raelhor para .frentes de predios : venia no ar-
mazem da travessa do Corpo Sanio, de Joaquim
Lopes Machado & C._______ _______
Vende-se pelo seu Inst valer na ra da Ca-
deia do Recifen. 58, loja do Ailejo.
Farinha de mandioca
Vende-se de superior qualidade. to escriptorio
de Joaqoim Rodrifres Tsvare< de Mello, largo do
Corpo Santo n. 17 ou no trapicho do Gtinlia, For-
te do Mallos.
;iru?a todos esmaltados.
Cintos largos de satia, cousa iateiramen-' ^
i nova. I
J^tS? m** "** ****! SS^1 ""*nt de enfeitcs de
Toucas, sapalinhos meias de seda o nis seda para vestido.
>ert8Bces para baptizados. | Perfumarias da todos os autores os mais nnccido, as quaes est5o em exposicao no _
Filas com inscripcoos propris para bou- acreditados em oxtracts, pomadas e leos meslo Bazar, arantindo-se a sufbaqua- !deferrcmo detareriaaa,
t de noiva, e flnaffflerrte outros moitos objectos que rilo dade.e tombem ensina-se cora ppleicao diversos tamanhos totabriai
lAtmvvs nu
COSTURA
Acabam de ebegar ao GRANDE B-VZAft
UNIVERSAL, ra Nova n. 22*rneiro
vu.nna- utn completo sortimento de ma-
drinas pan costura, dos autore aais co-
Venda-aon parlad
ae fraaaa prtuceo para i
freguesa 4e Iguarasa, aiim eoaao m
tra parte do eageoho Crt de Om,
purgatorio, que muito eooYem roaapn
tratar na ftaaaao coma Ir. Aaoato
deiro da Cnaaiia.
m* m
PIBA APESTA
3 portas, loja de ferragem
53-Ena Direita-^1
Neste ana*- taatdtmmK, fea
um compMa sortimento de fuiafiai,
finas e fi, carao sejara aadei
quadradaa aovaes, faca a garfea el
toes, bataneo inteiro a 1/f bata
Iheiras, eacarollas, frljiaarn.
Ricos vasos com p de arroz.
CabrieaaJa
'-BossivelmeDcionar ; mas com a vista se a todos os compradores. Estas machinas gra^imaa, unto oe ierro raa_a
SrSSiS,"JeIodepor-ffi^doSdr(imo te M*- ,o ^ no seu trbo ao de 30 m %itfESSSr
,9iana cimento. reirs diariamente, e a ua perfei$ao e tal d0j do vprtadeiro Pteanto,
- Q como da me-Ihor costureira de Paris. Apre- rogar algodio; alea de
n. o.
Aguia Negra, ra do
E
sentam-se trabalhos ejecutados pelas mes
m:is,^ac muito devem agradar aos preten-
dentes.
gem, miodezas cutaria faaa, ajw aacaa s *-
Ja se veriflci: ni roa diwta 13 tojn da 3 pa-
tas de Marine! Tinto > Ot'mwra trara* C
i lo>6 Maria Palneira tem por
Vende se a armario da taberna do pal da' seu escrtploric no largo do Corpa S
Pcnhan.8 : trattr junio n. 10.
aaaa I f-
andar.
|-afano Rordeanx fine, caixa de 12 garraan*.
le te doce, tdem idem.
na de i' qaali Jade, da Rnssia.
Brinroe, idetn idem.
Brins, iVm dem.
PAREDES PORTO veniie lasinbas a 240 o covado, fazenda de 500 rs, para acabar com cscriplorio e ,mmzem na travessa da "*-' n a. i it 11 iiBirtiT r~
Coi
a
slderar^des pvracs obro
EMANGiPA^AO DOS KSCBAV0S
No imperio do Brasil e isdicarau dos meios para
realisa-l.) _
Por Peixoto do P.riin.
1 volnme 8 b"ochnra 500 rs.
LIVRAHIA FBAvf.EZA.
ATTENCAO
Yende-se o engeolio Mu?soyba, tivre e dasem-
liaraeado, e bnin como a propriedado Propiutn
separada do mesmo engenho : a falar com o seu
proprielario na ra do Apollo n. 47, l" andar.
Chegou a loja de Paredes Porto, a rita da Imperatriz n. 52, (Porta Larga) um bo-
nito sortimento de toalhas de linho para mesa, ossim como competentes goardanapos
que se vendem a pnco baiso.
PAREDES PORTO vendr '
na roa da Imperalri n. 02.
PAREDES PORTO vendo algodo com pcqnefio tuque de avana a IdOOO e *#*.
a peca ra da tmperalriz n. 52.
PAREDES PORTO vende chita preta para luto a 100 rs. o covado na ra da lm
peratriz n. 5. Porta larga.
CHALES
Vende-se chales pfto de merino a 35000 fazenda superior, na ra da Imperatriz.
PAREDES PORTO vende meias para yenborasa 25300 a duzia p r ter MU peque-
no mofo, na ra da Imperatriz n. hi porta larga.
PAREDES PORTO vende cortes de Cateo de casemira preta a 3*500 e 4>().
PAREDES PORTO tem para vender pann*-. prelo superior e casemiras de cores e
orctas que vende por prcos commodos.
CHALES. GRANDE PECtlINCDA.
Che^ou a loja da roa liperatriz n. 52 de Paredes Porto
chales chinezes fazendas muito boas para senhoras trazerem
por 5^000, eslo acabsndo-se na
Loja do Leo.
Candido Alberto So-'s
dr da Motta & C.
um bonito sortimento de
em casa, est vendendo
de Dos n 11, lem pnra tender o ^c^uinte : j pl0 d^ vella.
Comento Porilnd de 1" a,ualidaJe, o melhor que Enxofre.
tem vtndo ao mercado, barricas de 12 a 11 arro- Salitre.
has por 10*000.
Vinhos Bordeanx das segnintes qualidade! :
St. Julin.
Kronsac.
I.nrmant.
st. Emilion.
Margaus.
Chateau de Boycherelie.
St. Lambert.
Lalonberc.
Duptessis. _, .
C>auor.
Dearscsai.
Vinho do Porto de qualidade muito. especial.
Azite doce refinado em caixas de 12 garrafas.
Fumos de todas as qnalidadc?, se encontrar
nesle estabelecimento era latas, rolos e fardos.
Papel de todas as qualidades proprios para ci-
garros.
Omento Portland.
Dito l'.i-mano.
Vellas sicarinas (spermaecte).
Pe les de carncir .
Estopa pa-a fard >s d algodao.
Cha Hxsson l1 qualidade.
I Oleo de ntaca.
I Lia harrigndn.
' Caneila da India.
Fardos de faino tn folba, i,* se tend* *;
i dos para cima.____________________
r JiZ AZ HAZ
Chegon ao antigo deposito de Hesry Fa
C, roa do Imperador, nm earragaoM
de prioieira qualidade; o qnal setmisa
e a retalhopw menos preso do ana aan
quer parte. ^^.
A0
RA DA IMPERATRIZ
Dfi '
PAVAO
-L-BMai -^ -L V .^BB.. a^-^mL-^^ ..j, Ao nrimpira nACP.iitarlfi m\p so \hp< nrnmRltP. vpnrip
-9
Neste graade estabelecimento encontrar o respeitavel publico, u.u grande
om outra qualquer parte, visto que os novos socios desta Orma adoptaram 0 systema de s vennderem
e armazeni poderli-n f;r/,er os seus sorlimentos pelos mesmos precos que compram as casas estrangeiras.
derem escolher.
C'ambrala suissa de 12-5OOO rs. cada um, pechincba.
COM 8 PALMOS DE LARGURA A 1:600,; CASEMIRAS KSCOSSEZAS.
2:000 e 2AB0 RS. O Pavo tem boni as casemiras escosse-
Ciiejiaram as f nissimas ca:nbraias suissas zas com quadros grfidos e miados e outras
oTtimenTde" falencias; do mais apurado gosto assim como de todas as de primeira nece.sidade que se Ibes promette vender por precos
VlVlIEItt para poderem vender pe4o custo, lmtando-se apenas a ganbarem o descont. As pessoas que negocam em
Para matar commodidade das Esmas. familias, de todas as fazendas se do ts livros das amostras, ou se mandam
muito mala baratos dn y
menor eeafta, aneja \f/t
levar em suas casas, para aaafter 1>
trattpaWlitOfl, sendo o (j'ie lia de mais fino lisas com Ultras ao lado, sendo fazendo
para vestidos e vende-se pelo barato preco muito fina que se vende mais barato, por
de IdOO"), 2>000 e 24300 o metro, tendo baver grande porcSo.
lamben d:is mesmas, porra inglezas com GANGAS DS LINHO.
a inesma largura qne so vendem a IflOCO, Vende-se ganga de linho com qnadrinhos
e !)5280o metro, sen do apenas precisos des-! muito boa fazendi para roupas da bomens
ta larga far.enda para se fazer um vestido e meninos p;b baratJ preco de 609 rs. o
4 ou 4 1/ metros, pediincha,
SAIAS BORDADAS
Vende se om bonito sortimento de saias
borda Jas com 4 pannos, assim como ditas
j promptas, de (lastima,
bonitas barras bordada; a
muit'i em conta.
PANNO PARA SATAS A l$000,'10280 e
IJ900 RS.
Ven-le-so bonita-; fazendas proprias para
saias send.i cora bordados e pregas a um
lado, dando a largura da fazenda o compri-
melo da sain e vaade-ae nelo baralo preco
do ISO.K),AHitiO e' H)."), cada metro sen-
do preciso apena!? :j ou 3 1/2 metros para
cai aia pechjdia.
CIarfTJos.
Vende-se um bonito sortimoato de cola-
rjnhoa tanto de linlio como de algod i pro
prioa para bomem, assim comolamljem um
bonito sr>rtiminto fa* mismos para meninos:
e senlioras e todos vendem-se por preco
muito barato.
Cl\LTiS O!! .MOCAiWrQUE A 1:280 RS.
V'J,ide^e tinta-grlndb qnaraidade de cha-
fts de mocarrJti jue, com padroeescossezes,
s ndodfeito grandes, c Icveyinlios pelo ba-
r.i preco de 1#280, cada am grande
p "hincha por se ter feito urna grande
irripra.
Pannos c camiratH prctas.
O Prvao vende gnmd.V porcao de pannos
prVtos do mais baixo ate o mais fino, por
p-coque admira, a*s;m coma nm grande
&)i tmenlo (Te casemiras prtas para calcas
se venda por pre*?o mar barato do que
en outra qualqoer wrie.
GORGRAO PRETO.
'.nde-se ft seiba/fg|?ar3o 3e seda
preta [tari {ffOl TFvf"' sent, nesf
enero o MlrmnaocjjtifaW^o ad mercado,
mais baratodqlrefcurra r^alqnerparte.
Vestidlos TWWiaieo a * 6i PavSo vende -fiojasiM cortee de ves
tilos de cambraia ranea, ricamente bordj-
dis e oom*aBalT^'*to proco
CROCHE'S PARA CADEIRAS E SOFA'S.
ALTAS NOVIDADES EM SEDAS
O Pavao tem nm g-ande sortimento dos' Chegod nm grande sortimento das mais
mais bonitos crochs para cadeiras, solas i modernas poupelinis ou gorguro de seda |
m3sas, almofadas etc., proprios para eo-je linho, com os mais elegantes padres qne
do
covado.
PECHINCHA EM PANNO PRETO A 2i00,
O Pa ao vende superior pannopreto fino
para palitots, calcas cohetes etc., pelo la-
ene3gadas com ratissimo preco de 2IViO o covado.
13a por precos CORTES DE CASE HURA PRETA A 4:300,
OPavSo tem os superiores cortes deca-
semira?pretasenfeitaias pelo barato preco
de W59&ra. o cort,
PECAS DE MADAPOLXO A 35300.
O Pav5) vende pessas de moito bom
madapolo, tendo 12 jardas cada- ama, pelo
barato preco de 3.3500.
PSCHINCHA EM ALGODO A #>0() RS.
O Pav3o est vendeado pecas de algodo-
sinho francez, tendo 4 palmos de largura e
com 11 metros cada psea, palo barato pre
de 4#000 rs.
CAMBIUIAS RRANGAS A 4*0O(\ A PE(f A. ,
S.o Pavo veuie pecas de .cambraia
branca transparente, tendo mais de vara de
largura, com 10 jardas cada peca, azeada
que sempre so vendeua7r> e HftOQO, liqui-
dare pelo barato preco de 4->000.
ALPACAS BBILIIAXTBS A OOO'It'800 RS.
O Pavo tem o mais bello sortimento de
alpacas lavradas, com as cores mais deli-
cadas que tem viudo ao mercado e tendo
bastante largura, veadem-se pe) barato
preco de lr)000;e 800 rs. o covado.
Com |>aliui de seda a l^OOO,
Para o Pavao chegou um rico sorlimen-
;o das mais bonitas liasiahas com palmas
do seda tendo de todas as cores e .padroes,
sendo fazenda bastante larga,e vende-se a
1-5000 o Covado.
Koiip' para escravoft.
0 Pav3o vende am bonito sortimento de
roupas par tiseravM. '
AS POPEUWASDp PAVAO A m R5.
Crjegaram as taaif lindas piiojastinas de
laacomimitai^bde poopelma* de seda, urna
fazenda muit leve, com a3 mal i Ra tas !co-
res, sendo : vetdB, Bismarck, rtrtt, azol,
lyrio,erofnto, pe rota etc. etc., e vehuC'se
pelo baratissiUr0iWat*l*le4i0O rs. o covado.
brir presentes o vende-se mais barato
que em outra qualquer parte.
a'S'hIS enfestado.
Vende-se urna grande poreo de algodo
smho americano c >m 8 palmos de largura,
tem vindo a este mercado: sendo milas
e gradas, lanto em cortes para vestidos!
Grosdenaples.
Sedas pretas lavradas.
Fazendas pretas de la.
Para o Pavo chegou ora grande sorti-
proprio para lenfes e toalhas, tendo lis.) e'em conta.
trancado, que se vende por prcro muito emi Merino de corita.
coala- Vende-se merino preto de cordo, pro-
como para vender em covados, assim como ment de grosdenaples pretas de pnra seda
um bonito sorlimento das mais bonitas se- j que se vendem de 1?300 rs. o covado at
das lislradas, aue te vende lado muito 15^ e 6,^000 ; sedas pretas lavradas de dif-
que
PANNO DE LINHO.
Cliegou um sortimento de pecas de pan-
no de linho do Porto, que se vendem de
700 rs. at 1)9000 a vara, garantindo-sa
quo em fazenda de linbo n3oha nada melhor
nem mais proprio para lnces e toaihas.
PECHINCHA fiM CHAPEOS DE SOL.
Cnegoo um grande sortimento dos me-
Ihores chapeos de sol de seda, ftigtozes
sendo neste artigo o melhor que tem vindo
ao mercado, assim como urna grande por-
cao de ditos de alpacas de todas as cores
e todos se vendem por precos mnito ra-
zoaveis por haver grande porc3o.
OS BALES DO PAVO A WMi ,
Chegou um grande sortimento do baloes
ou crinolinas do feitio mais moderno, muito
proprios para vestidos enesgados, qe se
vende pelo baratissimo preco de 2>0f)0 rE.
cada nm, grande pecnincba.
CRETOXES MATIZADOS PARA VESTIDOS A 60
E 81 itS.
Para o Pavao chegaram os mais bonitos
oretones escoros matizados, proprios para
vestidos, roapio, cbatrib/es etc. que se
vendem 800 rs. o covado. assim como o
mesma fazenda com padres claros proprios
para vestidos e roupas de nenios a 640
rs. o covado, sendo os padrSes mais mo-
dernos que tem vfeo a mercado.
03 SET4NS K) PAVAO
Vnde-se os rp;:is bonitas setinade cores
o raatf WcoVparM, .pftpjlos $m vestidos
tendo de "diversas cores.
FAZEHDAS PARA LUTO Hh iSM. AVO
Encostra o ropei-uM >plto *wt 4*
tabelecimen'o um grande sortimento de fa-
zendas pretas, como sejam caesas france-
zas e inglez-ts, chitas pealas de todas as
qualidades, fazendas de la de toda* tem vindo, proprias para fWo seada IHb-
nhas alpacas lavradaae' Haas, a^rtle, |on-
basiaas, merino*, ele. n* tai sa avade
por preco barato.
prios para calcas, pditols e cohetes, pelo
baratissima preco de i000 o covado.
CRETOXES COM 10 PALMOS DE LARGURA A
23000 RS.
O Pavoo tem urna nova remsssa aa mui-
to acreditad* -cretone, propria para lences
tendo 10 palmos dd largara, dabdo na lar-
gura .o comprimealo do le.nool e vende-se
pelo%af'ataprco:da'^Ot) o met, sendo
preciso apenas para um lencol un* metro e
urna quarta ou metro e meio.
Qiapos a 1*5000.
Cliapt)s a 1^000,
Chapeos a 10000.
S o Pavo vende, bonitos chapaos de
todas-as core pira bomens e sentaos com o respeitavel publico um grande sortimento
de roupas, sendo palitos e sobrecasacos de
calcas e coletes de
ferenles presos e qualidades, Iisinhas pre-
tas, alpacas bombasinas, cantos etc. etc.
assim como um grande sortimento de pan-
nos pretos fiaos e casemiras pretas de todos
os precos e qualidades que se vende muito
mais barato do que em ootra qaalqaer
parte.
NOVAS POUPEL1NAS A 400 RS, 0 COVADO
O Pavo vende um grande sortimento
das mais bonitas poupelinas com listrinh;is
de todas as enres e com lustre imitacao
de seda, facultando esta bonita fazenda a
fazer-se um bom vestid) de multa fantasa
por pouco dinheiro, isto por ter-se feito
nma grande ornara e vende-se a 400 rs.
o covado.
ROUPAS PARA IIOMSNS PARA TODOS
OS PRECOS.
N'este grande estabelicimento encontrar
panno preto e cazemira,
brim branco e de cores, que tudo se vende
mais barato dte qtre em outra qualquer parte ;
assim como am grande sorlimento de ca-
rnizas francezas e nglezas, e ceroulas tanto
de-linho coato de algodo a ahondante aor-
timento de meias cruas.
Ronpa por medida.
Na loja do Pavo manda-se fazer qualqrier
60.
ALPACAS LAVRAD.\S A
1,000 REf.
Chegou para este grande
o mais bonito sortimento das nui*
as alpacas lavradas de tudas as edrw,
se vendem a II, 800 e 640 res ca
assim como nm grande sortimento de
cas lizas d^ todas as cores
CELEZIAS E BRETA.MU3.
Vendem-se as mais finas
linbo paro ou pessas com V
como, linissimas bretanhas da
5 varas, por procos qne
em re!acc3o ajaaKdade.

Basquinas.
a forma mais moderna que ukimampnle
tem chegado, felo barato nre^o de 1)9000,
cada nm, por terem chegado com um pe-
queo loque de a varia, grande pechincha.
rjECIIlKHA
EM CAMISAS DO PA*AO A 4^500 RS.
Vende-s om bonito sortimento de muito
finas e modernas camisas inglezas com pei
to e coharinhos d. Un e puBbos, pelo
baratissimo preco de 45500 rs. cada urna
fazenda que vale muito mais dtahriro" tZES2S^^
liqaida.se por at>eoo por se ter feito ^ ^u^SlSk^SSTSSr9^?!^
aia grande compra: assi como se vende ff* ^MSSK SlK JFJ
om W^srtiiSento de ditas tambemeom J0?- $** feS^EJ3Jw
para todos os .precos. deseiar.
""""fiWBiWr m BRAM*m A .800.
O Pavao vaade asfariar braaonte da Veade-se supwior bramante com 10 jal-
grrrile tendo 10 fK\mn da largara, caja lar- mos de largura, proprio para ieeees, dan-
gara di para o fcfmnrimetrto do rengoL do a largura d*ista Me fazeada o eowsri-
sondo preciso para.cada ata.aalo casaa de manto do lencol, sendo preciso para cada'
soltero, 1 1/ie fiaa caed 4 t/aYwtrd, 6 om apenas e tfi metros po I e 1/5 pe-
pechracba. chincha pak) preco.
Cbegaro as aais asoderaas
ou jaquetinhas de seda preta,
enfeitadas a vidrilho, trasca e atsi
tendo de todos o* adellaa, oa saa
que tem chegado e vendoaa-sa par
muito razoaveis.
ORGANDY CAN SALPICO.
Cbtgaram os maas-rieo
res com salpicos o saais
vindo para vestido qpa ai
o metro, ditos braacos
listi as largas a idOW.
Cambras
Veade-se am graade
Iboras cambraias
prenles toad* de
fina que vem ao
ESPASnUsOSA
Vcnde-se nm
loores e mais
do barato preco de 50000
CHITAS tifos IJR
Vende se o
mais modernas.*
das tomo grandes, cas
cora, asada sa do a*
pustoesBaawrw di
Veade-aa
muito flexivel
senhoras a raowjf*
a 640, 80 a ftW
Am cas
peio DiraiissiDrOTTreaBoiouurs. o covauo. por .preco uaraw* jw-mwna. vu.uvuajw ^vyu.
A loja do Pava Mt& coristMtmt aberta, das VVoras da manMlt V la mrate*
O Palo
oaraafcaa
IW.


Diario de Pernambuco Tenja feira 12 de Abril de 1870.
fl



ate
r,'fft>:if,f
rry, ',-, 'r,
=c
lina da ra ta Aurora, m frente do caf emperatriz,
flriniir.. fciw^SSi sumptuosp cstabelecirnento de faldasencontrn-o as Exmas.
*ffi SffiT SjSSr-tant0art*os d0 -' ^oroso ^como flm *
KA. tt. su S3J se,a^a.rem Prvidos do que fie mclher se encontr ueste mercado,
'-!?J5aniirfi? ? EQr0R?' r ceem direct->*'e o quo ein arltgos de moda e
oes de que dispoe este estaBeleuhuento para beav servir ti
'^
sua numerosa freguez.
Jfl,!SSf lM?!8 e tnalhs de Ga*e com lf8trts ^^ e flores- **
wras as quaiidadesqaecostama vir ao mer- da inteiraraentc nova para vestidos de ballet
V *-------Aa t~a j ... Grtalas p.-ra sentaras e homens,o'mai
'2IJ2.K? LpadJSL "1"13- comP,eto soTtfmento qtae'se pode desetr.
*H*o tarradas que setopddern'tfescrever. Guipure preto e branco,
=
iU'
baos com msicas r coltot-ar-relrats, ras edifferen.
eiretdo presente para quatooer pwsoade
es;ima.
Alealbad-o 3e HahD e algodo,
detftres proprios para toalhts.
diversas laxgu-
gostos.
Collas e punlios bordados para senhoras.
Gtfardanaps de linho pequeos' e gran-
branco e des.
j GorgnrSo de seda preto. e de cores.
Grosdenaples preto e de cores, haven-
Jm jmnas de seda petas enw.to moder- do divewas quajidades e gestos,
oas, bem como decrotbet, taiode aparado ^oro.
f02J, f^tl0- .. ; aponeespara'Senh.ra^.omelhor gos-.
Balites de muselina, mailepotfo, brancos to. e fazenda prepria'paraas testas nos ar-
rabales e pretews a tarde.
La7.inhas de todas as quadades, cores
e gostos, nao fkando nada a dsejar, tal
o sortimento que existe para escollier.
Lencos, tudo qnanto pode haver desde
esguiao ao algodiiocomnrem.
Leques de madreperola e osso, o mis va-
* de cres, para senhora e ninas,
Bartges de edres variado sortimento.
Bebadinboa ou tiras bordadas em todas as
largoras.
Belbutina de todas as cores.
Bateas de tapete para viagem, grande
varradade de tamanhos e gostos.
Bombazina preta de tedas as quadades.
Bramante de linho de H palmos de lar- rindo'sortimenlo.
- fwa, e todas as mais quadades. Ligas de seda, bordadas, para senhora.
Bretanhas de linho e algodo, grande sor- -tovas de Jouv'm, chegadas por todos os va-
urins de linho branco e decores, domis perica para homens e senhoras, quer em'fio
waanodoao mais caro emquaHdade, afilan- (TEscocia, brancas e de cores,
saiidq o que ha de'aethor na especie. rr|
Brins d'afgodo completo sorWmentoe Madapolo: indescriptivel o grande sor-
variedade de presos. timento que ha neste genero, desde o-mais
_ <3S. elevado preco ao menor, que se vendeem
Ganas de cores, o maior sortmiento, pri- peca e retalho por menos do que em ou-
aado pelo bom gosto e barateza, atientas tra qualquer parte.
as qualidades. Manas de blonde para noivas : o apurado
Lambraa brancas, tapadas, e transparen- gosto dos nossos correspondentes em Pars
tes de todas as quadades e precos. habrtita-nos a dizer que temos m nosso
Gamisinhas de cambran de linho e cassa eitabelecimento o que de melhor se dese-
feordadas ricamente enfeitados para Sras. ja para vestir e ornar urna uoiva.
Camisas para hmeos e meninos, no-va- -Mantas pretas de blond.
iado sortimento qne vai do mais ordinario Mantas para carros, com lindas pinturas.
GIANK KOTMDE
Quaado a AGUlA PRRNCvV, mais precisa scienfioa/o respeitavel publico m
geral, e em particular a sua; boa frguezia; da immensiade de objectos que ultimaraen-
MjGJA
DO .
M VMLAJNTE
Jllua do teape b. 9
Os pjopriatarios dcsto bem couhecido eaubele-
ctoeBte, alem dos muilos objectos que tinhaiu ex-
potos a apreciacao do respeitavel publico man-
" vir e acabam de reeeber pelo ultimo' vapoi
luropa em completo e vanado sortimento di
Vas e inui delicadas especialidades, as quacs es-
to resolv dos a vender, como de seu cos.ume
por presos muito barnlinhos e commodos pata to-'
dos, com tanto que o Gallo....
Muito superiores luvts de pellica, pretas, bran-
cas e de mu liadas cores.
Hui boas o bonitas gollahas e punhos para se-
nhora, neste .genero o que ba .de mais moderno.
Superiores pentcs de tartaruga para coques.
Lindos e riquissimos enfeitea para eabecas da-
Exmas. >senhoras.
Superiores trascas pretas e de tres com vidri-
Inos e sem elles; esta faienda o que pode taver
de melhor e mais bonito.
Buperteres e bonitos leques 4a madreperola,
rnm, sndalo e osso, sendo aquelles brancos
Grande rrtmiloSL
respeitavel potNifo r r i riiia i
nn-roMB f-egaxf% fM mis
peno fresco no iiM-rndo dcHa
izuio fuern sro utamm m
de fx-ixn de di>rris gaiM^Ju e
dillrreales nuneus* a Mftr
iiM)lboe era irn; a> rffilti
dinlia?, ranliakw, fatanm, r
cliiines, savel, |M*4da be _
i'ougro, salmn, lip-*U, ete^ete, e.
AHIelf
4etttt
No armara do
Ra do Queimado il 31
o
*^
o
Ex-ellcntcs chapM
branciis r prum, pal
preco de tOjOTO.
j.oja de Aiumi de lkaxa
o C
Queimado n. 8, onde sempre charo abundaBcia em sorriraento de seperioridade em
quadades, modicidade em precos e o seu tmnea desmenttido AGRADO fioqee aetma-fiea dtaae cenheceqoeo tempo Je que a AGIA BHANCV pode
dispor, etaprgado apezar de eos custos no desemperno de bem servir a aquelles que a
honram procurando prover-se ora dita loja'do-true neceseitam, entretanto sem eowtme-
rar os objectos que por sua natarexa sao mais conhecidos car aquelles cuja knportaDoia, elefanca o*hovdade os tornam recontmendaveis, como
bm seja
Capellas brancas paraeieninas.
Grandes sortimento de flores finas.
Fil de seda, preto.
PERFUMARA
Grande e constante sortimento de dita,
sempre melhor quajidade.
Lindos vasos com p de arroz e pinsel,
Caixinhas coni ditos aromticos.
Bonitos e modernos pentes dourados
para circular o coque.
Bonitos brincos de plaquee.
Aderecos e brincos de madreperolr.
Ganivetes finos para abrir latas.
Thesouras para frisar babadinhos.
Ai*pas para baiao.
'Novos stereoscopos com 48 vistas, as
quaes sao movidas por uta machinismo
Merinos pretos, trancados e Hsos.
Musselina branca e de cores, lindos e va-
riados padres.
Pannos pretos e de cores, desde o-mais
muito
iadapol8o ao mais perfeito bordado de -
Gamisas de meia, de flanella, braneas e
de cores para nomem.
Gasemiras pretas e de cores, o melhor
'Cjoo-se pode imaginar, sendo d'isso a me- barato ao mais superior, por preco
Iborprova o grande consommo dellaena cmmo^-
ofBcina da casa. j Pannos de crochet, para eadeiras e'sofs.
^apellas de llores, para noivas e bailes, I Ditas de casemira muito finos para
desde a mais candida flor de larangeira at mesa-
* eressante griaaWa. I Peitos bordados de linho, lisos e de al-
Gnapelinhas no melhor goato,de todas as god5o para camisa,
cores hoje preferidas pelas# senhoras de I Princotas pretas c ..e cores,
ais apurado rigor na moda. Popelina do seda e linho, com stras e
Ghapos pretos de velludo* para senhoras, flores ; fazenda ndissima.
n!timo gosto .Je Paris. Pelheritfas para senhoras, do ultimo
Chapeo de so!, para Sfnhorase homens,' gostn.
de todos os prejos o variados gostos. I Perfumaras ; os mais finos extractos o
Chaly com noos padres para vestidos.'que de melhor e mais agradavel se pode
Chales de todas as quadades, avultado eacontntr neste genero, e de mais dragante
numero e ao menos variedade de gostos, e suave no olphaio, tem o PAVILUAO DA
Chitas, impossivel descreverosorlimen- AURORA, desde a verdadeira agua Flori-
;oe variedade de padres e novos ijostos, da at o mais fino Douquet d'AwoMr.fwal-
ca neste artig tudo quanto se pede dwiar. mente tudo quanto deve oceupar o touc-
Ciatos para senhoras o que se pede tina- dor de utr.a seouera de gosto.
Coipinhos de cambraia, primoresamente
enfeitados cora fitas de setim e obras essas
cuja novidade de molde e perfeico de ador-
nos fis tornam apreciados.
Fitas rani largas de diversas cores e qua-
dades para cintos.
Leques uesse objecto muito se poderla
dizer querendo descreve-los minuciosamente
por suas quadades, coree e desenhos, tal
o grande e variado sortimento que acaba
de chegar, mas para uo massar o preten-
dente se le apresentara o que poder de
melhor.
Entremeios em peca? de 4 2 tiras.
Guipure branco e preto de diversas qua-
dades e desenhos.
Ditos de algodo com flores e fisos. '
Veos *de seda para cbapelmas e monta-'** suhstittiem-as outras.
rja> Vistas para stereoscopos.
'Meias de seda par norfs.
' Ditas abertas de fio de Escosia'.
Costumes ou uniformes pai a meninos.
Enxovaes completos para bapttsados.
Bonitas caixinlias de vidro enfeitados com
pedras.
Dttas de madeira enveruisada com vispo-
raa e com dminos,
Bollas de borracha para brinquedo de
Touquinbas de fil, sapatinhos bordados criancas.
e meis para ditos. Diversos objectos de porcelana, proprios
Camisinhas bordada* para ditos. para enfeitos de mesa e de lapinhas.
gosto e nos enfei-
apu-
. giaar de melhor.
Goquesy o melhor no
.es, varios tamanhos.
Colchas de seda com borlas, o mais
rado gusto e lavor.
Ditas de fust5o branco e de cores por
precos. commodos.
Corpinhos de cambraia, ricamente borda-
dos para senhoras.
Cortinados de cambraia bordados e de
fil,o que de melhor se podo desejar.
Colarinhos de linho bordados fle lisos, o
. caior surtimeato.
Damasco de la de 9 palmosjde largura
indas cores e ricos padres.
3
Espartilhos bramos e de coros, para se-
Saias bordadas, brancas, usas e de cores
com folbos e sem elles, o melhor possivel,
Sahidas do baile, de todas as cores.
Sedas pretas, de quadros, lavradas, lisas,
de listras de todas as cores e quadades e
o mais barato possivel.
Sanrem de todas as cores e quadades.
Tapetes grandes, ndas;pinturas para 8
eadeiras, mais pequeos e de todos os ta-
maitos desejaveis, e em pe?a para co-
vados.
Toallias de labyriotho, do maior e mais
fino trabalbo ao mais barato.
Toalhas de linho e algodo de todos os
tamanhos, li-as e felpudas.
Tatiatana branca com palmas e de cores,
AlUI.-tJKF.YS
NOS GRANDES
DE Kf'CJOS
li UOI I1AOS
CONSERVATIVO
N. 23Largo do Terpo.~S. 23.
DE
SfflAO DOS SANTOS ft C.
PROGRESSO
10 t- Pa o da/Petvlia 10
HE
SAN T f t S i FERR IRA
scossia para se-
venderam por 304000
a ta, entretanto qae nos a? vendemos por 20,
aiemdestasvemostambem grande sortimenio de
outras quadades, entre as quaes algumas omito
Onas.
Boas bengalas de superior canna da India *
casta de oartlm com lindas e encantadoras tlgu-
ras do rneemo, neote genero o que de melbcr
pw dmejar ; alm destas tensos tambem grandi
auuUldade de oatras qdalidades, como sejam.ma
eir, baleia, osso, borracha, etc. etc. etc.
Fines, feonitos" e airosos chicotinhos de cadeia e
de outras natalidades.
Lindas e superiores ligas de seda e borracha
para segurar as meias.
fioas meias de seda para senhora e para meni-
nas de i 14-annos de idade.
Navallias cabo de marlim e tartaruga para ftier
arba; sio muito boas, e de mais a mais sao ga-
rantidas pelo fabricante, e nos por nossa vex tam-
bem asseguramts sua qualidade e delicadeza.
Lindas 6 bollas capellas para noiva.
Superiores agu has para machina e para crox
Liona muito boa de peso, frouxa, para encher
labyriotho.
Bons barathof de cartas para voltarete, assim
como os tentos'para o mesmo flm.
Grande e variado sortimento das melhores per-
fumarias e dos melhores e mais conhecidos per-
fumistas.
COLARES DE ROER.
Elctricos magnticos contra as convuisdes, e
facilitara a donticao das innocentes crancas. So-
mos desde muito recebedores destes prodigiosos
collares, e continuamos a recebe-los por todos os
vapores, aiim de que nunca fa I tem no mercado,
tomo j tem acontecido, assim pois poderlo aquel-
les que delles preoisarem, vir ao deposito do gakY
vigilante, aonde sempre encontrarao destes venia-
deiros collares, o os quaes attendendo-se ao flm
Sara que sao applicados, se venderao com um mui
iminnto lucro.
Rogamos, pois. avisU dos objectos que deixamof
deolaradee, ao&aossos fregueres e amigos a virem
comprar por precos muito razoaveis toja do callo
vigilante, roa do Crespo n. 7.
Ba do Queimado n. i
Para assistir aos actos da aeaana
niegaram para a lja de minora*
o Mercurio, ra da Imperatriz i. >.
mairiz, s mni proeoiaM torae
senhora, diis p ra kenmt, i f
das mui bCKIH por terrro viad to vafar
nlmamrnle chegado a este patt.
ESCRAVOS
COGNAC.
Aclia-*e fra da rasa e na -enkura i
da 3 de feverciro pri.ximo pagado, o t.-ra. I
innato, o-mtf arnoa deidad^, el
regular, roiporef-rrad, c m aigWR^ marrm *
liertngas um nouco ap&^'hs no mtn.
bons. dedos itrosxj e r'i!il>od'<. .T.m em <
no f.Itar qnc bfin se na. \m-U- if fio r e r*%
parece, com fallas de cabrito na cabe a e
barba lignina. Indo em earfas de engenh i Conc ira de Mnhb< ra para o Itorifc,
apartou-se do cornil y ara ir a can mmtm
padnnho, l fio d<- Barro' .Vil, r. at r-taoem-
menio de concertar aliar Man-.na ro ea fcnv
lieratriz n. 47, des--ppareeendo de te eriin m-
ronniimda-fc a Ma rapia, e pri-nw>>-^ non.
recompensa a qncm o levar a du nynte C a-
dirao ou di-llfiUr noticia ao Sr. M^bH EieM-
lenodo Urgo Barros, na roa do A' rm m 3.
protestando-se q>e ^e proeedrra rrii
ceir unem n livrr amatad*.

SSE TaaAS imelhorneSl'genero ; fagenda muito nova, egostos delicados pro-
aeahuma Sra. detxari por certo de muir pria para baile
e de t3o precioso auxiliar perfeico de
omcorpo delicado.
Eatremeios bordados.
Escorailha preta.
Enfeites para cabeca, ultima moda de
Paris, recebida no lmo paquete.
Esguiao de linho, completo sortimento de
todo os nmeros.
Os proprietarios destes bem sortitjc s armazens participam aos spus inoumeres
freguezes tanto desia praca como-do matto que tendo fcito grande diroinuieao de pre-
sos as suas mercadorias est5o por isso resolvidos a vende' por renos-de 0 e 20 [-,
do que-c l ou ra qualquer parle, garanlindo-se poiiaulo a s p-rior qua idade de qual-
quer genero comprado lest*- dous estahek'cimentos. Mencionamos alguns dos nossoS
gneros e a vista destes sao cotnpreuendidos os outros, porque enfadonho seria men*
cina-tos.
Se aJguem duvidar veha ver.
Gas americano marca Deves a S800 a
De geperior qualidade da mui accrediu
la fabrica de Bisquit Dubouch 4 C, en
cognac urna das que mais agurdente di
cognac, fornecem para o consummo <
Reino da Inglaterra.
Vende-se em casa de Th. Just. ra di
commercio n. 32.
CEMENTO
O wdadeiro portland. S se vende n
ra da Madre de Dos n. 22, armazem d
Joo Martins d Barros.
Sementes de hortali-
ces.
?5 Rii da Imperatriz99
N botica do C Clao & C.
- Aosrnl-o-re a pno de de > m
de sea senhor a e-rrata pela fute de boom ILim,
cun perto di- "O anno de idade, a.ia. &. U. om-
toregrisla, 1.1 csrrava doSr. Dr. Auarn, ornte
!' anda ne.-ta ridade e ten i-L. m-u .<> kHrra
da Boa-vista e .'tn 5. Jo rom tah-bto ca ra-
icea : qoem a apprrfceader e drita pixt^r dar ac-
ucia exarb, dirija se ao paleo de &. :'<-dn> II,
quesera grmilirad >.
Fugio do engriibo Camar>*U' na
de Serinhaem |iei trnrrnti-s a G:.-inr Ba
Wanderley os esrravus srgninf s : Saitmef
lo bano. gioeo, nariz chalo, diz ser da Ota par
ter sido o mprado ix^nran, Ut rabnrn>i V Mi-
de irinl.'i c lanb s annos, pes club s. rata* arre-
bitadas, eslatnra baixa, cor Irsala. p.-o harta
e esla na pr.nta do qnaxo, F<-!if>|if> rra'.it-* 4 rde-
de de 16 annos prwco mais .-n men taix->. froe-
M, se ni k-feilo algum, leve btio em peapeaei pe>
rm pouro apparece ; per isso pdr ?r as aatert-
dades poliriaes e cipiiaen de rao*) a r.plara dw
mesmns e lvalos no mesmo en-rnh- in ca tan
da Mw-da n. 5, S* andar psniplori. i!.> Vmil Ai-
ves Ferrcira 4 u que ser praldlcarfi*.
FugM no da 26 de (evrrnr,.|ir'a a
escrava crioula de nome Bdiuiia i,iw rranun
ler 40 annos, estatura bai\a, enm Lr-iPd> bMa de
denles e com nina sicatriz de jnflMaan bra-
co direito. lendo levad d<>us chales, ende xm
verde e ouiro lisiado de azul e br>nc>: xorm
i capturar srvase leva la a tfuttte bi I"V
silio de Joo Jos Rodrigue en.. f\ a 'ua
da Madre de Dvus n. tt, qnc *;ra p r T.*ainpate
recompensado.
1 la, a80 rs. a garrafa e 5(30 o l:tro.
mete iJm-.cdv* UsiKia a 900. e irr'HK) a
garrafa em pereu faz-sa grande abaUmen
lo. i
Caf em caroco a 220, 240 e 2
Vistuarios bordados de fusto brancos e
de cores para meninos, de cambraia para
bapti.-ados, o que de melhor tem vindo a
este mercado.
Vestidos de la escoceza de 2 saias,
novidade pelopadro, gosto eforma; ditos
de linho com barras de cores, e de cam-
braia de cores com 2 saias, tudo inteira
Fitas largas escocesas para/intos, vari- novidade, trazem os modellos juntos para
dade de gostos e lindos Radjrges, I mostrar a forma de os fazer.
Pi;hs de crochet, modernos com cintos! Vosde Llond para noivas e pretos para
capas, oque ba de melhor.
Fil de seda, linho e algodo, de todos
os gostos e padrSes.
luto.
Vestidos de blond para noivas: podemos
asseveraras nossas Exmas. ieguezas, que
t ustao de todas as cores e quadades somos os nicos em Pernambuco que pode-
*jrande sortiraento. i mos offerecer ao Ilustrado publico, o mais
Flanella branca e de cores. laporadogosto em semelhante materia, gra-
Flores, o que ha de mais rico, quer Cas ao bom gosto do nosso fornecedor em
,0USi',nnr4ein Tmoi' ^B PAVILHaO Paris, podemos garantir que ninguem neste
DK AURORA um permanente ja,rd,tni a genero o possue melhor, nem mais em
disposn;5o das Exmas. familias. conta.
r rvF *sP0J^i^ r^.lfne e variado sortimento que os proprietarios do PA-
yILHAO DA AURQJU se apresentam ao publico declarando desdo j que a sincerida-
Vinagro branco mandado vir por conta
propna vindo de Lisboa, a 320 a garrafa e
480 o litro.
dem' tinto Figueira, Lisboa e Porto a
320,280, 240 e 200 rs. a garrafa e 4b0 300
rs. o litro.
Vinho Figueira, Lisboa,, Porto .e Esirejto .
a uGO, 500 480 q W a jairafalitro a 8i0;bn taiRniio a *>. f40 e
700, 70 o GOO. "7^000; 75GO e 8i00 arroba.
Vipho brqaco puro .de. Lisboa a $ 10 q(J0 ] Milho ali-ista .200 rs. a libra e 440 o ki
agarrafa,, im poroso lia ab.itflaijto. jbgramma e 580O a arroba, em porco h
Vinho do Porto, eogarrafiido das meto- i abatimento.
res etnaisacretadas marcas al,J0OQei200 "^?8 K** do u,limo V3l)0r a m
ie 0)9400 caua um.
0, a li;-
000,
j&DO e 24 a garcafa.
dem Borrieaux, Medoc e St. Julien a
745O0 e 500, a duz'i e 040 rs. a'garal'a.
Genebra de Holl oda e l.iranja'doro aro-
macaa W300', w 115500,"ii 'Ira -q ti eir.
Serveja' Bass, Itters A Bell a 9^800 a-
zia em porco ba grande abaiimento.
dem mdrea HfT e entras marcas a
5^500 e (8, a dttzia e 500,rs. a garrafa.
As^m'-como ha" outros muitos
passas e gos, charutos linos de (Jversas jnarcas, marmolada, bolachiohs do todas
mialKlnlPs, perola, Francy-cracynel, a, b, c, Mdium, mixed, soda Fancv-nic-nac, pa'-
la.ee ueyar.etes.combination. Untania, doce do goba fina, chouricas, manteiges finas
ranceza e ingteza,.j>apha de allimcor, pbosphorps de' S'vcpryt, Cognac, cha de diver-
sas qua.iclades canella, pimenta do reino, ervadoce, pomada, enxofre, breu, peixiiJ
em latas de todas .as qpalidades, farinha de ralhoanWca'na. grandes moJhos de sebol-
las,_neites dousarmazens.xjste jml.em grande sortimento d loucas propr,as"p'ra"ne-
gocio, que pplos p K cnlfaiBAitns pie;o fa2 vanlaprn aos phnmr^ris. '
.Aletria, macarrci, talharim. a ,500 rs, a
libra e lz?i00 o kilogrammoem caixoha
ab timento.
Sabo- m.'issa de Ia e 23 qualidade a 220
c 240 rs. a dura em caixa ba abalimeoto
Toucinlio de Lisboa muito alto a 4;00 rs:
a libra e, 880 o k ogrammo, em arroba ha
grande diffprcnca.
gneros, vnho um ancoretas, azeitonas,
as
4e e o bom gosto^o movel nico de se .negocios.
eja
j que
Prvidos ae tuoo e promptos sempre a prover-se do que por ventara lbe
necessario, os propietarios deste suntuoso estabelecimento recommendam-se
em receio de ser^m coutradjetos e proesiam esforfir-se por continuar a merecer
protecao que se JJies tem dispensado ; certos1 de que do sea estabelecimento h5o sahira
o freguez descontente.
Continua sempre a oficina de alfaiate dirigida por um dos mais habis artis-
.as, promnto execpUr ecm premptido e bom gosto qualquer trabalho qae Ihe seia
conttaao. Urna modisU especialmente oceupada nos tratatbos do PAVILHAO D i AU-
kuka, dirige os que lhe sao coqcernentes, garante porsett apurado gosto e Drompdo
aa execucao e a mais' complet prfecao nos seus trabalhos.
,^ oa\^?f !a fre&2ia 1?? '58* n9nra nm provade qae merecemos o con-
ff Mpd"i^^?Wi*ntn. conelto rquo proedraretoos firmar cada
1?^? ;-m^e5^^?i-'c*,a*d estabelecimento 08 Yernos Bgtffmos de fris, que recebemos por todos os paquetes, os
quaes enviaremos para serem vistosas familias nossas freguezas, afim de eoffierem,
como padrp, dj fazenda o gesto jp forma. -T
J o/Duna de a^ute^ juato ao estabelecimento, ha igualmente os figarioos-
para homens que por todos os vapore* se recebem.
E' wtt? o modo noraue aos apresonUmos pedindo a proteccio do illastrade
publico e com o mais profundo respettp convidamos s excelUjtrtisstaas Sras. a visi-
taren! o nosso estabelecinieoto, cettas (JeencotUrarm nelle pelo meor procoDossive-
lOdO me nrwtflm dp.sp.iar. r ~* r
todo que podem desejar.
Handrents aixeiros levar s fazeadas e amostras onde forem pedidas, visto
alo podemos especificar todo -quanto temos. F>, viu
Mo Luiz, Sobrinho 4 .
Aborto das 6 s 9 horas da noite.
PRODUCTOS de J.-P. LAROZE
FHaUUCKJTKO, I, ||| || UUU4U14UH, tUlM.
XAROPE DEPURATIVO
Mp pertnrUclo algnma pelu temperameiSto. o mais raena, afa aliar u AumiBm
S5?,g0, h d0?* ^Mwmptiflp, qe lia.nWm mm^&W&f 1*rM*H*h*
para toda* as comp]|fa^^Das_affec(r>s escrofiloBas, tuberouloaaa,
tto>
Hnu o mafa poderoso
UROPE TNICO MTI-NERVOSO
* ***** larMlM narcu.
SI annos de successos attestio a sua effi-
'ffltt "fafaar'dVoW. '1fr-
eMoes escrofulosas, tuberoulosaa, owum-
!ntermittetes urovb*; alm d'iaao, 4
XAROPE FERflUfil040
f omm d Urnjss o &' titt? ii firai litinids ar
te se assimila o ferro; n esta I
'i+ffgr
rivel as pjlulase pasjhas en todo* os case
em que Ao prs^ptM-ofTerr^oMa,
DEMTI-RICIOS LAROZE
COM QDIia. >Tle I CAIACe "
"*-u^r*raaalvuraeeon-i M d.^if,Wo, com base da sMMessa
serracio aos dentes, corando u dores tara a alvnra e coflaemeto das deatea.
*Tfi*?!!Lcte,a", f*"* pelo nromiado mmau^fifnmJmi
lado dp alar ou do r* l fxmM^ IWr** 1'ITlfatH
CiK*i.mii.
sjsjMsa >iMSt iyrw, aiifcsf taimas,
I
J cordeiro previdenn
Ba do Queimado n. 1.
Jovo e. variado, sortimento de perfomaria
finas, e outros objectos.
Alm do completo sortimento de perfi
marias, de que efectivamente est provida
loja do Cordeiro Previdente, ella acaba c
raceber um outro sortimento que se toril
lotavel pela variedade de objectos, superior
iade, quadades' e coramodidades de pn
SOS ;assim, poja, o Cordeiro Previdente ped
e espera continuar a merecer a aprecia?
do respeitav.;l publico em geral e de st
boa freguezia em particular, nao se afa-
tando elle de sua bem conhecidamansid*
i barateza. Em dita loja encontrarao c
ipreciadores do bom:
Agoa.divjmt.de E. Coadray.
UU verdadeira de Murray & Lamman.
Dita de Cologne ingteza, americana, frai
ceza, .todas dos melhores e mais acreditad,
fabricantes.
Djta ,de flor de laxangeiraa.
Dita dos Alpes, e violeto para totlet.
Elixir odontalgico para conservaclo
gseio da bocea.
Gosmetiques de superior qualidade e cha
ros agradaveis.
Copos e latas, maiores e menores, coi
pomada fina para cabello.
Frascos gom dita apoueza, transpareat
d oatras quadades.
Finos extractos inglezes, americanos
franceses em frascos simples e enfeitados.
E^seacia imperial do. fino e agradavel ch
ro de violeta.
Outras concentradas e de cheiroa .igot)
aieote finas e ageadaveis.
Oleo philocome verdadeiro.
Extracto d'#leo de superior qualidaa.
com escomidos cheiros, em frascos dediflt
renteSjtamanbos.
Sabonetes em barras, maiores e menor
para mfls.
jattea transparentes, redondos e em fifi
ras de meninos.
Ditos muito finos em caixinha para barb
gaiiji^^nibojtos saboaeies uaiUno
froptas.
Ditas de,madeira mverm'aada contende i
aas perfumaras, muito proprias para pr<
Ditas de papelSo igualmente bonitas, tas
i Oem de p^rfuflwrias finas.
Bonitos vasos de metal coloridos, a
moldes novos eelegantes, com pode arre
iaJa Hijeae fraucezapara dental,
de caiMbora e outras djfferaoU
^tambem paca destes.
onico oriental de Kemp.
^As^jfriffwia^ffrgTrtt
.Um MttGQ.sofUioeato de coques de st
tos a onito aioldeaxm filet \e vidrilh*
algans d'elles ornados de flores e fita
asteo tedies axpostos apreciaco de qaei
>e pretenda comprar.
G0W4NHAS &PUNHOS8QRDAD0.
Obras de muito fosto e perfeioio.
Bello e variado sortisaento de taea tlfcjei
tos, ficando a boa escolba ao gosto do cea
prdor. '
Fogi.) di ciijff-Mu Mnr;5. rtxnam ie
Santu Aman, no da 90 dr nsti>> do ?r.nr> p "seVi.
0 i sera va re nome Franrrlin. rt-ptf-vntn rr X
aunos de idade, com u* signan r-fru-Xr* tnr
pret;i, baixn, cerpo reforjado, cara bis*, 'iirs
rarbailo, olhs pequeos, naru moili. >;i ido. boc-
ea regnlar, denk- corto* e linndix. snnis pr mt-
ta e andar aprestado ; con>U asdar prln rtsr
bius da cidade so Odnda, esgesho Vrwn*. Cata
r, Beberbe oa Apipocos, acontado i** Jsjsjsk
Juf de Sart'Anna, sen irmio lber; >. anal h-m
em sua cimpanhia ma raix cibs r li;.w da enra-
ma, e por outro irmaa s avuie J- t H'geii, sas
o couduztra para os logare* arima MMsJsea*.
alem de um oolro so-io d* aosae hmt Tirhsns
da Silva, conherido p->r Jar Pajo. p- r u-r -meo
daquella comarca. Rfa-e a> aat> ndadn ea-
pilaes de rampo qtn o aporrli. rviam e |*vrw
roa do Raligel n. 17, ou ao esgrnli Uttmn*. s
entregar a sea -enhor Joo Conru de Qarirsc
Mouteiro, que serio geaerefamente graliaraeV-.
s
AVISO
natoridaie pliriar
c le aapi e a
sala eaaapct .
No da 29 de marco ultimo, ugio i> < s-ravn Im,
creoulo. de 3" annos de idade pnoro n na me-
no?, baixe, reforcado, cor on pooo> fnb. eaefs,
grande, raaos rurtaa o* dedos V pea na* taas
iberios; calua estar faafcaad ped trafirkes,
arn azens e ras, onda troja o sen vrrdaoVsr sn-
me pelo de Jos Joaqun), e aada de erata-rv- casa
roupa de alirodo oa a reasHhsaea de rMftaa :
quem o aprehender, leraado o i roa da Aar>a
n. 26, que .era bem i
Fuiio de eMeako Bom-ntlm, s
Cmara gibe e provincia das Alsjp*4. .
Nicolao, idado 24 anees, altara revafcr, fr-~m de
corpo, andar banzeiro, leio hit i: drrie aa
Trente, rosto largo, barbado, co*ta a a- svam b-
icr toda a barba, e lesaosaa csrairt aa Ma, e
os ps grossos ; este eaera-o anda regid d***e
dia 16 de Janeiro do corrate aas :
tanto as autoridades pobciaes e ao
campo a prisio deste eserari e o ratregar en re-
genlio acuna mencionado, oa ae>ia avara a rea
do Vi gano a li, ou-sraversa do Oro
28. pnmoiro insar^jfsn aa
mente.
Fugio do p.nsjeabo Jardas da
Serinhaem > esrravo erkmlo otsme
com os .-ignjos -eguintes : cor (ala. a!t> ra* i
regulares, esbow peeneesa, ostia aaato. berra pte
do, c o baicn tneaher os* aturo ano, d- Iraiss
na fr ate, bubtio, a Uta swraj de ft-rd* eaa
canellas, nenetiados, os dedos d- ;>- rwtmt,
deve ter sigoaas de eastigos, aarar-l da ttgarita
de Bezeeros,ade tras puotiu, tredo a bNe eMe
os na tu raes desse I ufar, eaabubv Ira
bauqueiro on mesmo mesure de avocar
prender sera recompeasado g qirn m sais as -
cade do Heeife peto fln. lea A Irnr. e ra-
genbo JtrdD aur Miise Xaotr aaraelea du
Caoba.
ATTENCUI*
Fugio no da' II do correaje e erravo rraarie-
ceeaabra, idadeaaHuabii, can m 4eee--e-
guintes: cabellos canutaba*, rosto d<>srseaedav
e com marcas de becbigat, intitula se s*r ae>,
levou calca branca. Beiefet dt aJpa<-j de r.*. rha-
po do Chile ; dedejl se protesta carra > ees-
soa que e ti ver eecaaala : reea-sr ,# **
eapitaes dsaataae ajuaaarapta a *raa
a.iiu,que como as soloriaai uaitciaai.
No da
arsenal de
do o carne
quina do reti
iy'p^*^!^1^^ l*""^ r*"
mu Mtjaaaiaaia
dar juna mala cooteada napa e cen.^
impertsacia para levar a asarte) da Oae IVa-
las, leentee oamirada parele *
zao do graade eusaae da paweas qoc a l
o e geehador por se cea naga,
erbuonaa-te,'
allcucao, e asj
ram fazer o
43, qne ser |_
(Rufeta i
Ir


8
Diario de Peritambuco
Terqa
____
feira 12 de

Abril de 1870.
UTTERATRA,
POUCO DELUDO.
APONTAMBNTOS DE UM MESTRE ES-
COLA.A philosophia, esla sciencia que
esl no homem, qae o hornern, porque
se enarrega de o estucar subjecvamente,
tem sido denominada de differentes ma-
ueiras.
A antiguidade chamou-lhe sabedoria, de
pata acaaram mais acertado o dizeramor
Ja sabtdoria. Outros denominam-a a scien-
cia dos primeiros principios, a mi das
sciencias; e nao falta quem a tome por ah
r.i conta de systema de vida peculiar cada
i-idiviJuo, nao parece, pois, desarrosoada
esla accepgao visto que a maneira de viver
de cada horaem depende da direccao, boa
ou in. das taculdades pensantes.
Conhecmosom bom de um mestre es-
cola que era o typo primitivo da ciaste, e
tinlia na sus aldea comeada de philosopho
em raziio de certa inaneira especial do ver
as cousas, sugeitando-as aosprincipios toba-
la veis* da grammatica.
O mestre escola usava oculos verdes, ca-
saco comprido, bengala de caona da India,
chapeo anti-diluWano, e revolava no sem-
blante urna alegra habitual, que nio chega*
va s gargalhadas de Democrito, mas que
verdaderamente contrastava cotn o genio
choro do seu collega Nicolao Tolenlino.
O mestre escola aldio era um philoso-
pho I
Passou.o desventuroso sugeito sem as
honras fnebres de um necrologio, porque
a patria dos mais notaveis raestre-escolas
tao ingrata orno a patria do general ro-
mano.
Esmiuncando na gaveta dos seas papis,
respigamos os seguintes apontamentos, que
damos fume com a venia devida memo-
ria de tio prestadio varo :
A vida urna grammatica.
O homem o sugeito, a mulher o verbo,
palavra por excedencia,e os filhos sio
o complemento objectivo.
D'aqui se concle que o casamento urna
craco, qne bem se pode chamar elliptica,
quando um dos conjuges po'ire.
Neste caso falta proposito ama parte
essencialo dtoheiro.
A morte o complemento circumstancial
do fimpara qne... vivemos.
O nascimento o complemento de musa
eficiente. Vimemos por ter nascido.
A p breza e a riqaezi, a alegra e a tris-
taza, sao complementos circumstanciaes do
modo como... vivemos.
Declarar a posiejo social de nm indivi-
duo 6 exprimir syntheticamente um comple-
mento circumstancial do instrumento com
que a aeco se pratica.
Dizer que um sugeito escriptor equi -
vale isto : Fulano ganha o pao pela penna
on com a penna.
As fei,oes caractersticas do individuo sao
outros tantos adjectivos qualificativos... da
sua personalidade physiologica.
As circumstancias pecuniarias sio, na so-
ciedade, o complemento restrictivo... das
aspirares de cada um.
Ser ministro o superlativo dos cargos
sociaos; ser abbade o comparativo ; preci-
sar de trabaihar para viver ,.. o positivo.
Um deputado opposionisla um substan-
tivo proprio; aproveita simplesmente sua
faccio.
Um deputado governamental um subs-
tjntivo appellativo: convm todos os
mtmuros do gabinete.
Um deputado eclctico um substantivo
collectivo: resume em si ama infinidade de
prelenges.
Um homem de contas direitas equivale ao
que era syntaxe se chama ordem directa.
Outro, qu.; prevarica algumas vezes, cor-
responde ordem inversa.
6 que prevarica sempre urna especie de
ordem transposta.
Visto que a vida urna grammatica, divi-
de-se em quatro partes: infancia, mocida-
de, virilidade e velhice.
Concluo servindo-me de smiles orthogra-
pniCQS :
As diversas pocas da vida sio outras
tantas virgulas que indicam certas e deter-
minadas pautas.
0 casamento o ponto e virgula : talvez
o poca mais ponderosa da existencia.
A vuvez corresponde aos dotts pontos :
indica que se vai seguir o necrologio do...
conjugo fallecido.
A morte ... o ponto final.
Seja-nos licito, ao fechar estes aponta-
mentos, render sincera admiracSo ao Ilus-
tre successor do Madureira, que tinha jas
aos respeitos dos seus concidados.
SUMMIDADES APOSTLICAS.Eis urna
cariosa e exacta noticia da hierarchia actual
do calholicismo:
Pi IX (Joo Mara Mastai-Ferretti) nas-
cido em Sinigaglia en) 13 demarco de 1792
e elevado ao soberano pontificado a 16 de
junho de 1846. Tem 78 annos de idade e
21 de reinado.
Ttulos cardinalicios: 70, dos quaes 15
estio vagos.
Seguem-se: patriarchas do rito latino e
oriental 12, cajas sedes soConstantinopla,
Alexandria, Antiochia, Jerusam, Babylo-
nia, Cilicia, Indias Occidentaes, Lisboa e
Venosa.
Todas as sedes esto oceupadas, menos
a de Lisboa, cajo ultimo patriarcha Rodri-
gues morrea em 26 desetembrq.de 1869.
Cento e trala e doos arcebispos do rito
latino e 661 bispos com residencia, do mes-
mo rito.
O rito oriental, que se subdivide em ar-
menio, greco-roraaao, greco-rulheno, greco-
me le bita, greco-bulgaro, syrio, syrio-chaldeo
e syrio-maronita, tem 158 arcebispos e 709
bispos com residencia,
ta 41 arcebispos e 190 bispos in parti-
bus infidelium.
As vagas sao numerosas: 1 patriarcha,
26 arcebispos e 130 bispos com resi-
dencia.
, Em resumo :
Sedes oceupadas: patriarchas, arce-
bispos e bispos residentes....... 722
Arcebispos e bispos in partibus infi-
delium....................... 231
Total dos prelados com sede....... 953
Juntando os bispos demissionarios e
sem sede, qae sio.............. 18
-
temos um total de............... 971
prelados, que, com.............. 70
cardfties, prefaz..............
altos dignatarios do calholicismo.
1040
NOVO INVENTO.Um engenheiro me-
chaoico de Gano*, o Sr, Cavanna, chegou
ha alguns das 1 Paria, onde foi na intenc0
de submetter ao exame de homens compe-
tentes urna das mais importantes deicober-
tas, devida a quinze annos de reiteradas in-
vesligar.as o estados. '
OSr. Cavanna trata nada menos de que
substituir o vapor como forca motriz, pelo
emprego da agua pura e simples. ,Appare-
lints hydraulicos, tirando partido do peso,
da presso, o do movimento da agna.de-
vem substituir a machina de vapor, e poa-
par despezas consideraveis para nstallacjo,
o respectivas fuocc5es.
As vantagans desta invencio devem ser
apreciaveis sobretodo na navegaco, que
nio ter que encarregarse de transportar o
enorme peso de combustivel.
A silencio dos mechanicos e dos indus-
triaes vai, sem duvida algama, applicar-se
aos trabalhos do Sr. .Cavanna, que traz
comsigo os modelos dos seus engenbosos
apparolbos.
Se tal invento corresponder s vantgens
qne se esperan^ deve elle fazer urna grande
revolucao econmica no mundo, dando a
enormissimos capitaes urna applicacjk) mui
diversa da que leem tido at hoje.
PASSAGEM DO PASSO DE CALAIS.
A sociedade dos engenheiros civis de Lon-
dres a aba de pronunciar-se unnimemente
favor do plano proposto pelo Sr. Fowler,
hbil engenheiro inglez, para diminuir as
perdas de lempo proveniente da passagem
do Passo de Calais, por meio ^a construc-
c5o de um porto em Andresselles, e de
magnficos barcos a vapor de 7,000 tonela-
das, destinados a transportar os viajantes
sem que elles tenham necessidade de sabir
dos wagons.
Adoptado o plano, far-so-ha passar para a
Inglaterra trens completos; viajantes, car-
ruagens, bagagens e mercadorias.
As cidades de Bolonha e de Calais ha
muito tempo que fazem enrgica opposico
ao projecto.
DELIRIUM POETICUM TREMENS.Ha
ile c rio muilas pessoas, que forca de
lerem jornaes cheos de prosa chata, e re-
pletos de grandes massadas escripias em
bando vasconco, imagnam que a poesa
morreu.
Pois engaoam-se redondamente; eis o
resumo de urna estatistica que vai carados
desse erro.
A academia dos Jogos Floraes, de Franca,
acaba de receber j para o concurso de 1870,
104 odes, 52 poemas, 41 epstolas, 6 dis-
cursos em verso, 4 glogas, 42 idyllios, 118
elegas, 20 bailadas, 70 fbulas, 77 sonetos,
e 18 hymnos.
Afflrmam-nos que o aprimorado traductor
da Bella, Helena vai p la em redondilhas e
manda-la exposigo.
UMA FAMILIA PATRIARCIIAL.Uns ca-
sados de Gilly (Blgica), de appellidu IV
lise, festejaram ha pouco o66annversario
da sua 11111,10 no meio de ama prole que faz
recordar os lempos* patriarchaes. Imagne-
se que nada menos de 80 rebeatos do di-
loso par assisram esta (esla conjugal.
O marido, Joo Pedro Falise, nasceu em
1784 e casou em 1804 com Mara Slordeur,
nascida em 1785. Desta uniao nasceram
15 filhos, dos quaes 9, ainda vivos, liveram
53. Dez destes, j casados, sio tambem
pais de 27, o que faz ao todo urna descen-
dencia de 95 filhos, netos e bisnetos. O-
tenta, como dissemos, tomaram parte na
festa.
No meio desta numerosa tribu e entre os
mais vivos applausos, Joio Pedro Falise e
Mara Slordeur, elle* com 76 annos, ella
com 75, acompanhados na rabeca por um
dos seus descendentes, dansaram a g'avta
com tanto primor e alegra, como se est-
vessem nos seus vinte.
A VIDA UM 30PRO.-Um paciente e
sabio calculista formou a seguinte tabella
acerca da vitalidad humana :
Morrem por anno 33,333,333 individuos
por dia 91,321, por hora 3,803, por minu-
to 65, por segundo 1.
Nascem annualmente 37,037,037 indivi-
duos, por dia 101,471, por hora 4,288, por
minuto 70, por segundo 1.
De cada 1,000 nascidos, ao fim de um
anno esto vivos 740, aos tres 600, aos
cinco 584, aos dez 540, aos trinta 446, aos
sessenta 226, aos oitenta 9, aos noventa e
sete i.
A* metade dos homens raorre antes de
chegar aos 19 annos.
De cada 10,000 s om chega a contar um
secuto.
SETE NAUFRAGIOS. O temporal de
quarta feira do cinza caasou diversos nau-
fragios. Diz o Daily-Telegraph, que vista
de Yarmonth, naufragou um navio com toda
a tripulago.
No banco de Scrathy perdeu-se o Hyppo-
gripho e todos os seus tripulantes.
Na praia prxima deu costa o Mary ;
salvou-se a tripulaco.
Em Middlcsborough perdeu-se o Emolus,
e salvaram-se os tripulantes.
Em Sherringhm naufragou ama chalupa.
Em Shorehem perdeo-se o brigae Onto-
rio.
Na baha de Barnstaple naufragou o Sea-
flawer.
. O vapor Richard Cobden, que ia de Li-
verpool para Montevideo, perdeji-se no mes-
mo dia, salvndose dez borneas e raorrendo
o capitio e o segundo, qae alo quizeram
abandonar o navio.
O GRAO DUQUE ALEXIS.Prestou ju-
ramento em S. Pelersborgo o terceiro fi-
Ibo do imperador Alexandre. o grao duque
Alexis.
A ceremonia verificou-se com desosada
pompa.
O principe conta actualmente vinte e om
annos de idade.
POPULAgAO DA INGLATERRA.O re-
gisto geral da populaco de Londres, pu-
blicado no principio do corrrnte anno, d a
saber que a populacho de Londres d
3.214:707 habitantes.
Comprehendem estas Cifras a popula-
Cao da cidade e dos arrebaldes de Hamps-
tead a Strrathum e de Woolwichia a Ham-
mersmith.
A populacio de Liverpool de 517,567
habitantes.
A de Manebestor de 374,993 almas. ^
AdeSalford de 143,197.
A de Birmingbam de 369,604.
A de Leeds de 259,527.
A de Scheffield de 247,378.
AdeBrtstoUde-171,382.
A de Portsmoulh de 122.084.
A de Bradford de 143.197.
A de New Caslle Uooj*i
133,367.
AdeH
A de LJftfler
A de Sunderlan
A de Nottingb
A de Norwick
A de Wolverb
Exceptuando
cifras s dizein^espc
tente dentro
30,869.
"1 convide m pessoas das suas relacoes parak-arl^o de florista, ama joven, linda como oafreoientes, os emprexarios ii
'um espectculo de preslidi^itaco, amores, prendeu com o.auxilia dajorreiaj
(dto, apoiou oSr. Gueneret. tirada do cartJo os seus vestid! *. volUj
ros cupviies e enchoram-se as idasjfcrnas, e lotes que.os passeaotes id
[ aeus i vida, desappareceu no Sena.
exu
municipal
de cada cidade/ *fS^*
A populacho de Edid!bti^C| ^sUjaBB
em 178,970 almas; em 4687f8&*fA Glasgow, em 321,540 a de Dublin, indura-
do alguds arrabakles.
A popnlaco total destas vhte cidades
eleva-se a 7,209:603.
Vem proposito tfizer se que a' popula-
Co de Pars 6 de 1.889:842 almas; a de
Vienna dff 605:200, e a de Berlim e de
702:4 i7 almas.
IMPRENC* IN5LEZAO numero de
peridicos na Inglaterra e Reino Unido em
1846, era de 551. Desde ento, com a di-
minuico dos drreitos sobre o papel, sello
e outras franqaias, ascendem a 1390, que
se publicara por esta forma: na Inglaterra
1059, Galles 55, Escocia 131, Irlanda 129,
e ilhas 16.
RARIDADE.Refere um jornal hespan*
hol; o Diario de ViUamteta y Geltru, que
ha poucos dias. ao verificar-se n'aquella po-
voago a autopsia do cadver d'uma senho-
ra, que fallecer repentinamente, encon-
traran os facultativos nelle, segundo se diz,
urna particularidade, que chamou bastante
a sua atienco,. particularidade qne cons'ste
em ter no coraco urnas callosidades como
ossos, e ser aquello vaso de um peso ex-
traordinario, que se faz subir a 23 oncas.
ORIENTE.Tudo quanto na poltica es-
traogeira toca directa ou indirectamente ao
Oriente, toca ai mesmo tempo aos inters
res das grandes potencias occidentaes e ao
equilibrio europeu.
Por isso se comprehende o interesse qae
se liga ao bom xito do importante projec-
to, que consiste em dotar com urna rede de
caminhos de ferrj a Turqua da Europa,
vaslo imperio at ao preentc, privado dessa
maneira de locomoc i que na sua passagem
semeia a civilisacjio e a riqueza.
A imitaco da* Russia, que ha annos a
esta parte faz prodigios no que respaila a
estabelecimentos de vas frreas, a Turqua
conceden 2:000 kilmetros de camihos de
ferro, que a ligaro com a rede europea,
sahindo de Conslanlinopola, atravessando
todo o imperio, e indo acabar na fronteira
austraca.
O estabelecimento de caminos de ferro
em toda a Turqua da Europa a soluco
da questo do Oriente, pela civilisaco sem
o emprego da forca.
A experticia da Crimea em 1854 custou
Franca cea mil homens e mil e quinien-
tos milhoes de francos ; se n'aqueUa poca
os caminos de ferro que se trata agora
de estabelecer j estivessem feitos, da paz
resultara a economa dessa eipedicj) to
desastrosa, embora gloriosa para as armas
das naces alliadas contra a Russia.
ReeebtMMi
chap
rjlo dir-
passaraM
tronos. .
iSoprd
yesse
de
dei too-as
na
ipplaudiram.
idade de me
le francos,
copa de um
Henhoras fechem a
mk cavalheiros a mao
*a p iuco estas moedas
reo paca S mos deseas
BWe retCommendou immobili-
dade absoluta por alguns momentos.
Os espectadores cumpriram risca as
reco.mmendacdes de Pedro Demichaud e
conservaram se iramoveis e silenciosos. De-
correram cinco, dez, quinze minutos. Des-
conSou-se de tamanho silencio ; acenderara-
se as velas.
O prestigiador tinha desapparecido e com
elle a quaotia de... mil francos.
Ni ha duvida, disse um dos mais
galhofeiros espectadores ; o Sr. Pedro De-
michaud um grande empalmador !
eleL
lavaderas que ouviram cabir um cor-
po na^igua. corae^ram .atriUr e acadi-
ram algomas pessoas, ] -i de dous
00 tres municipaes.
Um joven nfarinhero, fio' escutand > se
nao a sua eoragem, precipitou-Se nos barcos
que all havia amarrados no caes, e alguns
segundos depois, com o applauso da muIlF-
do, pousava no caes a desgranada florista
ainda com alguns signaos de vida.
Mas, e isto o mais picante da aventnra,
no momento em que o valent rapaz trans-
portava a joven sobre um colxo, qual nio
foi a sua alegra ao reconbecer n'ella a sua
desposada I
O motivo d'esta tentativa de suicidio foi
urna simples questo de amor I
PAIZ FRI. O averno actual maito
duro no Canad.
N'aquelle paz coberto de neves durante
5 oa 6 mozes no se pode transitar pelas
O NASCIMENTO E O HOMEM. Con
versa vam dous sujeitos, diz um jornal \o
Porto.
O berco, dizia um parece influir
consideravelmente sobre os d;straos do ho-
mem. O filho de um lenhador das flores-
tas nasce fadado para brandir o machado,
quando succeder ao pai.
Esl engaado, replicava o outro. O
berco o primeiro leito, nada mais. As
tendencias naturaes nascem comnosco. Esla
a verdade.
Sim f Plante urna roseira sombra,
em chao rido, e ver como nasce enfesa-
dinha e desmedrada.
Absolutamente dfferente O mea
amigo confunde o berco com a educaco.
Nascea a roseira de mo torrio e promet-
iendo poaco. Mande, porm, mondar o
muito arvoredo, que a affronta e deixe ba-
ter-lhe na hastea um.s raio de sol que seja
Veri como toda se desata em opulencias
de vegetacio explendida, Suppontia agora
p contrario, urna planta de m casta que
nasce em ptimo terreno. Amime-a, re-
goe-a, caide d'ella, que nunca chegar a
dar flores que coroem os cuidados do jar-
dinero sollicito.
Tenho por mim o ditado, replica o
outro,quem lorto nasce tarde ou nunca
se endireita.
Isso um preconceito que prova o
marasmo de certos homens. Nasceu a
creanca com mos instinclos. Espreile-lhe
a ndole. Ponha cuidado em dul:ificar-lh'a.
Se a brandura nao vencer, lance mo da
rispidez e ver como ha de fazer da crean-
ca um homem digna de respeitos. Mea
amigo, desengane-se, o berco no faz o
homem.
Exemplifique o caso.
Muitos exemplos. se qoizer. Epicuro,
o philosopho, era filho de um jstor ;
Lutbero de um mineiro ; Demosthenes de
um ferreiro ; .Scrates de um esculptor ;
Schakspeare d um carniceiro. Aindamis
Viriato era pastor, Vlahomet arrieiro, Cook
criado do ama quinta, Esopo escravo, Mo-
liere aMarate...
Hasta, basta, eetoq plenamente con
vencijfrr concluio o outro por se urtar ao
enfadUe oovir toda taJanga-]enga. .,
AV^TURAS DE UM PRESTIGIADOR.
O Sr.'XJueneret, de Tresnes, recebeu em
sua casa, como criado de quarlo, Pedro
Demichaud.
O paste ara gil e perspicaz e no
deixava nada a desejar no cumprimento de
suas hmccSes.
Unf-'-dia reparou no Ihermometro do
quarto do Sr. Gueneret e disse assim
Hosto maito destas coasas t A
sica
VIAGEM RODA DO MUNDO. pro-
posito de urna que se projecta em Paris,
escrevem o seguate a um peridico fran-
cez :
t O baro X... opulento americano que
ha alguns annos estava eslabelecido em
Paris, era um dos maisenthusiastas tourista
que se dispunham a fazer a viagera roda
do mundo ; oppoz-se porem aos seus dese-
jos por alguns dias urna singular coinci-
dencia.
c X... assisto ao ultimo baile de masca-
ras da opera.
Mas nem o balico da concurrencia,
nem os chos da msica Ihe afastam um
instante da mente a idea da sua propria ex-
curso.
< Antes pelo contrario ; cada mascara
Ihe pareca um indio, e confunda o joven
Pierrot com um habitante da ilha de Sand-
wich.
todos fallava do seo projecto, de
todos se despeda, e meia hora mais tarde
eram publicas na sala as suas inteoces cos-
mopolitas, g
c Mas, oh ddr I ao entrar no buffet, um
objecto pequenooe suave Ihe toma o passo ;
trupega n'elle, e apanha-o.
t O tourista cuidou que estava no carne
do Corcovado, e que a 'causa do seu trope-
ejo fora algum briihante em bruto.
c Mas o bario enganara-se ; o Corcovado
era o sali da opera, e o briihante um
d'esses objectos adoraveis, cuja histoja
s vezes om poema de amor, e que os in-
gleses elevaram a cathegoria de gri-cordio
da jarreteira : era urna liga.
< O bario esqueceu-se de todo ; aquello
circulo, composto de gomma e seda azul,
prodazio n'elle mais effeito que os jardins
de Lahena.
c Tres dias passoa e bario com a liga na
mo; tres dias, durante os quaes s pensou
no elstico instrumento, cuja dimeoso lon-
gitudinal o havia enloaquecido.
c No dia 7 noute assistio no theatro da
opera primvira represenlaco do Roberto
d-} Diabo.
Ao entrar no camarote, tropeca com
um pequeo objecto ; ve-o, reconhece-o
era a irma do seu acbado.
c Nao havia duvida : as mesmas dimen-
sSes extraordinarias, a mesma fivella ; o
molde havia de estar na opera, e o bario
talvez j visse a deusa dos seus sonhos,
que havia de ser urna deusa muito gorda,
sem a ter podi lo reconhecer.
c O que n'elle se passou ninguem pode
explica-lo ; mas a verdade que o bario
nio viaja, e passa a vida diante do seu ado-
rado couple assorti.
c Diz-se ultima hora que X... esl re-
volvido a viajar roda do mundo.
< Sua esposa confessou-lbe que estivera
disfamada no baile da opera, e entre os in-
cidentes que Ihe referi, nio se esqueceu
da perda de urna liga.
t E o mais raro, accrescentoa a es-
posa, que depois perd a outra, e sem
duvida alguma foi tambem na opera.
< O bario sospirou, e cinco minutos de-
pois prncipiou a por nos seus bilhetes de
visita :A depedir-se.
c Honni soit qui mal y pense. 1
estradas sem se obstruir constantemente
va por meio de urna especie de arado, qae
urna grande relha, de Ires ou quatro me-
tros de altura collocada sobre urnas rodas
e arrastada por urna ou mais locomotivas.
A nev arrojada para os lados, de forma
qae o trem passa por entre um fosso, cujas
paredes sao da altura do wagn.
O capitio Grand descreve assim ama
viagem atravez da nev.
aadn>uytra|^|iyff":
qoe pafl o**o w***
para fazer a cobraoca reste m-
e intimaram 1
blicos par
empregado para
posto como antes so fasta. A1
requereu ao tribunal do Sena aolbonaa(fc
para fazer em cada noite de eapectacato
cuco na receita dos tbeatros par mnt
imposto dos pobres, podendo Terifc-
dilligencia em dia feriado, e ra da
legal, como permitte o cdigo do
fraocez quando ha perigo na demora.
Os emprezarios dos theatro
se a este pro-elmenlo; o tribunal jalfM-o
legal. Os emprezarios appellaraa cesta
decisio, a qual foi confirmada peto
nal da 2/ instancia
te o
quarto.
meo elemento.
qae dizes ? perguntou ingenuamen-
Gnedertt.
go que nao nasci para criado de
A minba vocacio a pbysica. Quer
o sentar ver, disse Pedro Demichaud lan-
Cando mo de um prisma de crystal ? Quer
o senhor ver um bonito phenomeno de p-
tica ?r
fecnoua janella, deixaodo entrar
raio de sol e mostroa a decom-
da loz solar. OSr.Gueneret,qae
nada daqaellas cousas, flcoa ad-
S o senhor quizer, disse o criado,
PROTECTOR DOS ANIMAES. Passava
por urna raajamcarreiroque maltratavaum
pobre boi.
Deixe o animal disse am tran-
seumla.
E que tem voc com isso ? Hei de
fazer o que quizer, porque meu.
E o brutal carreiro continuou a desancar
o boi.
O transente perde a paciencia e salta
em cima d'elle s bengaladas.
Esteja quieto com a bengala grita o
carreiro.
Eue tem voc com isso? replica o ho-
mem batendo sempre. Hei de fazer o qae
quizer porque minha I
MR. PEABODY.As ultimas noticias dos
Estados-Unidos conteem novos pormenores
acerca das exequias do Sr. Peabody. A fra-
gata ingleza Monarch, que levava a seu bor-
do os restos mortaes do filustre pbilantropi-
co, chegra bahia de Portland a 25 de Ja-
neiro, seguida pela corveta dos Estados-Uni-
dos Plymouth. No dia 1. de fevereiro foi
o corpo transportado ao caminho de ferro
para ser conduzido a Peabody, cidade natal
do defunto.
Os principaes funcionarios do estado do
M iine, de Maryland e do M machusels, fa-
ziam parte do cortejo aoqual se ha viam jun-
tado os juizes do tribunal supremo dos Es-
tados-Unidos, os cnsules, os officiaes da
marinha ingleza e da marinha americana, os
membros da legislatura e alguns officiaes do
exercito.
As exequias verificaram-se no da 8 de fe-
vereiro. O principe Arlhur, filtro da rainha
Victoria, tinha ido de Boston n'um comboio
especial para assistir aquella ceremonia. O
Sr. Thornton, ministro de sua magestade
britannica em Washington, acompanha a sua
alteza.
7 <
FROS RIGOROSOS. Agora que o tem-
po aqueceu at de mais j se Ihe pode fal-
lar em fri sem receio da gente gelar. A
proposito enumera urna folba estrangeira
os maiores fros que tem havido desde 1234
a 1870.
Os maiores de que ha memoria so os
seguintes:
Em 1234 gelou o Adritico, em Veneza,
e era fcil passeiar de carruagem por cima
do gelo.
Em 1305 gelaram todos os rios de Fran-
ca.
No anno de 1544 te ve que se cortar o
vinbo em Franca, tio gelado elle eslava,.
Em 1658 alravessou Carlos-X da Suecia,
com todo o seu exercito, o Bell, que estava
gelado. O exercito compunha-se de infan-
tera, o vallara e art Iberia.
No anno de 1709 permanecen gelado o
o Sena por espaco de 35 das.
De 1860 a 1870 o fri caasou muilas
victimas as glaciaes regios do norte.
Gelou o rio de Ostende e deseen a tem-
peratura em Mascow, no dtt 1 de ferreiro
ultimo, a 35 graos, do termmetro cent-
grado, abaixo de zero.
0 MAEJT$0 WAGNER. Nem
gente saber que a memoria do
Wagner digna de comparar-se p
muito alcance de Gbunod,. Saint
Bottesini. Wagner e Gounod sabem
tudo o que escrevem e podem regeraisuas
partituras sem o auxilio de original.
Saint-Saens retem de memoria trezeatas
paginas de Bacb, sem se engaar n'uraa
nica nota.
Bottesini escreve com ama facilidade in-
crivel toda a msica qae tonta oavido ama
vez
O maestro Wagner, porm, alm de orna
grande memoria quer passar por ter am
finissimo oavido.
Ea, dizia elle am dia, quando as
moscas fecham as azas, oaco-as moverera as
pernal.
SCENA DRAMTICA. Ha dias ai pes-
soas qae passavam pelo caes Loavre em Pa-
rs, a algons passos doe banbos da Sama-
ritana, presencearam ama scena dramtica
qae maito as commoveu.
Depois de ter poosado na encosta o sea
JACOH-BEY. A West publica noticias in-
teressaotes acerca da caravana do negocente
russo Kouzaetzow, expedida do Turkestan,
no khanato de Hackgar.
Essa caravana chegou primeiro pequea
fortaleza kachgara de Toi-Tub, onde se Ihe
recusou a entrada. Vollou para trazeten-
tou passar a fron-ora ao p da passagem de
Terekta, onde est um forte com urna guar-
nico de 150 homens.
Depois de ter esperado dezeceis dias, a ca-
ravana recebeu lcenca para ir a Kachgar com
urna guarda de.quatro cpayos.
Em Kachgar, foi installada a caravana n'um
sitio para esse fim destinado, e guardada por
soldados que nio. deixaram sair os tres tr-
taros e os tres khirghisos da.caravana.eque
s deixaram entrar criados do soberano do
paz, .Jacoh-bey, que reserva para si o mo-
nopolio do commercio orno estrangero.
Depois de urna demora de dois mezes, o
Sr. Kouzaetzow leve de ceder ao amavel des-
pota Jacouh-bey o seu cha, que Ihe cuslra
55 rublos cada* pocote de 30 kilogrammas,
por 109 rublos e 80 copecks, e ce mprar a
J 29 tilles (moda em oiro do paz,) 300 cham-
bres de algodio a 1 tille, 200 pecas de seda,
200 cintos e outras mercadorias do Kachgar,
todas pelos precos determinados pelo pro-
prio khan. S na seda que o Sr. Kouznet
zow pde^anhar; os outros arligos no po-
dem ser vendidos sem perda.
Dos 21 camelos da caravana, 10 morre-
ram pelo caminho. Os russos sio tratados
com muitos respeitos pelo brbaro, compa-
rativamente aos kbokans, que Jacouh-bey
conserva para soldados, depois de Ibes haver
confiscado as mercadorias.
Em taes circumstancias, torna-se impossi-
vel o commercio com o Kjchgar. Os habi-
tantes d'aquelle paiz soffrem a mais terrivel
lyrannia, exercida pelo seu khan, que nio
faz o mnimo caso do choriate (direito mu-
solmano). Durante os dois mezes que o Sr.
Kouzaetzow estove em Kachgar, Jacouh-bey
mand u decapitar mais de dez pessoas.
Os vassallos do Khan tem direito a exer-
cer livremenle o commercio no territorio
russo.
O governsdor geral do Turkestan, gene-
ral de Kaolmann, enviou o capitio de Rein-
wall a Jacoub-bey, que pela sua parte expe-
dio para Petersburgo um dos seas fidalgos,
Schad-Mirza; mas poaco provavel que
possa inocolar-se melhores ideas no lyranno
do Kachgar; os soberanos da Asia s reco-
nhecem a ultima ratio regis.
Todava, orna expedijio contra o Kachgar,
alraves das montanhas do Kachgar-Daven,
difficilima.
FRANCA. Agitou-se ltimamente em
Franca urna qaestao entre os directores dos
diversos theatros de Paris e a administraco
de soccorros pblicos, por causa da cobrau-
ca do imposto dos pobres.
Este imposto consiste em 10 por cento
sobre a receita total do theatro. Amiga-
mente havia i porta dos espectculos dois
postigos, em um se vendiam os bilhetes de
entrada coma designado do lugar, em outro
estava om recebedor encarregado de cobrar
10 porcada lOOdo preco dos lugares. Como
esta forma, de cobraoca taha muitos iacon-
HESPANHA. O qae dea logar
do duque de Montpensier e o
Henrique de Bourbon foi o legntoie
publicado nos jornaes de Madrid:
c Aos montpensier islas. Coupre
honra romper o silencio quando.
chegada a Madrid do duque de "
se faz correr o boato de me ad*
dado, ou em coodic5es sol
aquello senhor, como se (ora om tare qse
a todos traz atados ao sea carro. ^^
c O boato to malev lamente cataastoao
e to iniquo, como o que faz depender a co-
roacio de Antonio I, pelo destnelo geaeral
Prim, d'um deposito de milhoes, eos pa-
gamento do sea servico.
c Do Ilustre presidente do consalta sio
necessario proclamar o qoe, em honra
ninguem ignora, e provam ai suas
tes palavras, assim como nio necea
petir, a nao haver intresse moni
em occalta-lo: !.tqpe toa e
quanto vivo fr o mais decidido
politico do duque fraocez; 2.*
causa, difficuldade, intriga, nem
qoe entibie o profundo deaprszo qoe
inspira a sua pessoa, sentimesto
que, pela sua traicoeira poltica, sxprri-
menta todo o hornera digno, esa geral, e
todo o bom hespanbol em particular.
< Nada me importa provocar iras e
propsitos vingalivos dos qoe se
beijando, ao sopera-lo, o dinbeiro ssosApes
sierista.
. c Emigrado ea, e trabalhador
em Pars, na poca de Narvaez e de
lez Bravo, fallo com conhecimento de
no qne respeita i questo Montpensier.
c Este prncipe to teimoso, coa je
suitismo de seas avs, cojo procedsaenio
infame to claramente descreve a historia ds
Franca, teria sido proclamado re das
de Cdiz, se am Ilustre collega aseo di l
rnba se nio negasse a manchar o
forme, indisciplinando-se por
e nio regeitasse com tanta energa
nidade a maior traicio qae cobecem os
pos modernos.
Dizem os mercenarios qoe
am ser perfeito, o ires da paz, t o
de bondades-.. Por isso, quanto
derramou, e talvez se derrame ainda
da sua completa desapparicio. caa
sua cabega de prelendeote. M
levantar ama corda cabida por trra.
O liberalismo de Montpensier,
do pela febre de se fazer rei, lio
sado, qae merece a terrivel lico qoe de
quando em quando impoe a josUca das
nacoes indignadas.
Son hespanbol, e experimento asnobres
impresses do mea pais.
Sempre que navegando passava ea fren-
te de Gibraltar, exclamei: Quando sere-
mos completamente bespanhoes! E ssso-
pre que passo era frente do augotn monu-
mento de 2 de mao, repilo : o jando se-
remos de todo hespanboes!
Em 1808, quando minha mii provoca-
va o levantamento do valente povo de Ma-
drid, existia a invaso armada contra a oossa
patria ; hoje a invaso hypocrita, jeaaKica
e subornadora dos orleanistas contra o nosso
paiz, to desilludido'"e tio m?lralbado pelas
suas guerras.
Po: fortuna as sombras gloriosas de
Daoiz e Velarde, e dos martyres de Carral
nio desappareceram e ainda esto presentes
para todo o bom hespanbol.
c Montpensier representa o n da conspi-
raco orieanista contra o imperad r Napoieio
III, conspiraco em que ntranos algons
bespanhoes de classe distiocta. Mas sainan
esses conspiradores de Franca e Hespaeta,
que, cada a dynastia imperial, nio a ner-
dariam os Orlens, mas Rockefort, 00 o qoe
o mesmo, a repblica franceza !
Saibam tambem que em Hespanha, o
esclarec do Espartero o homem de pres-
tigio, e o objecto da veneracio na ional. e
de maneira algama o ochado pasteleiro fran-
cez.
Madrid. 2 de marco de 1870. Henri-
que de Bourbon. >
LIVINGSTONE. Diz a Gazeta de Bom-
bay que segundo commnnicaces eitas pelo
governo aos peridicos se sabia qoe a 9 de
julho de 1869 o audaz Lirngstone esleta
prximo ao lago Bangircolo. O doctor rei-
tera a sua afiirmacio de ter encontrado as
fontes do Nilo entre os graos 10 e 12 da
latitude sal, isto na posicio assignada por
To lomen.
CONCLUSO LGICA Um dos nossos
mais chistosos dialcticos estando lesdo os
Miserareis de Vctor Hago ctagoa a esta
phrase do escriptor:
Os teimosos sio sublimes.
O homem estaca e com a sua mama de
tirar corollario fez logo o segainle raciocinio:
O animal mais teimoso o borro.
Ora os borro sio teimosos.
Logo os borros sio sublimes !
NO LO CREO. Um peridico
publica o seguinte telsgrassma
Bright assegura que a infUuerra nel*
ver Gibraltar Hespanha.
Quem quizar qoe acredite.
BELLAS PHRASES. Dizia
O chew do estado nio deve ser ctafe
partido.
Sim, senhor, bem dito e
feito.
Blanchart dizia:
Para ser
ser bom filho
bem. >
pai, basta ser bornea;
necessario ser"


pan
TYP. DO D1ABJO RA DUQBo?IM CAXUS


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID ENQ2TPVIZ_FJSCZL INGEST_TIME 2013-09-14T00:52:40Z PACKAGE AA00011611_12088
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES