Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:12085


This item is only available as the following downloads:


Full Text

\
I
V*

I
I

1
IV

AUNO XLVI. NUMERO 79.
.0T81 s!i Vni *b
-.**-------------------------------A--------TT-----------:----------i------------
UU A CAfUAi LMABU OXD.E IAO SE fifia POBTE.
Por $jfi^#f^,(,os .............. 60000
Por sK^Hhi ................'..-.. !$000
Por m anno i4em.................., 24,5000
Uda aumaro avulso................... 320
a

QtiU
fc;. //I
-L OiU.f
a SEXTA FEIM 8 PE ROE 1870.
I > ObUSJJf ,' 1;
Por eres mezes adiantado .
Por seis ditos Mem. .....
Por Dove ditos dem .
PA,.I)mO FWLA DA PBftvT?0^
C
la.



_____
Propredade de Manoel Figfceira de Fara & Filhos.


- <
SAO AC
IBJMTIS9:
Os Srs. Gerardo Amonio Alvos & Filhos, no Para ; Goncalves A Pinto, no Maranhao ; Joaquim Jos de Oliveira, no Ceara ; Antonio de Lemos Braga, no Aracatv ; Joao ** Julio Chaves, no Ass ; Antonio Marones da Silva no Natal Joa* J-h.
Pereira d'Almeida, em Mamanguape; Antonio Alejandrino de Lima, na Parahyba ; Antonio Jos Gomes, na Villa da Penha; Belarmino dos Santos Buido, em Santo AntSo; Domingos Jos da Costa Braga,
______________^_^_ *m Nazare,h Francisc(> Tavares da Costa, em Alagoas Dr. Jos Martins lves, na Baha; e Jos Ribeiro Gasparinho no Rio de Janeiro.

PAUTE OFFKIAL.
Ministerio da guerra.
NOTICIAS DO PARAGUAY.
Coinuando em chefe de toda; as forja brasilei-
ras em operantes na repblica dj Paraguav. Quar-
tel general ni villa d) Rosario, 13 do marco do
-70. *
Illm. e Exra.Sr.A estas horas j ser conhe-
cido d V. Exc. o brillante destecho que teve a lula
que su (tentamos gragas sorpresa feta ao acam-
pammt) de Lpez p:\> ad niraval gane-ral Cmara
11) dia I do correte.
At esta data fattam particpacdos circumstan-
ciadas 'erca defte importantssimo acontecimento.
Jauto aqu por copia os nicos documentos offi-
ciaes que a esse respcito chegaram a minhas maos,
- sao : o oRleio dirigido pe> general Cmara ao
mareen l Victorino, logodepoisda acco, ajrelago
doj prisioneiros que vera conduzidos por nossas
forjas para a Conceigo, e um offlcio do coronel
Sent Martins de Meczes, danloconta de urna
operacau aeeessorla em que foi derrotada urna po
quena torga commandada pelo general Cavalleiro.
Por communicagdes verbaes e outras sem carc-
ter offlcial, sujeitas, portante, a serem errneas,
constam mais os aeguintes pormenores, que aqui
conJignare para satisfazer a curiosidade, e, que,
orar. 6 natural, ha de dominar nestes momentos'
os anjmos de todos.
Lpez achava-se acampado na margem esquer-
da do rio Aquidaban, no lugar denominado Cerro-
Cora, com o resto de sua torga, reluzi la a uns qui-
ndenios homens, tendo sido obrigado por falta de
raeios de condumio a deixar atraz de si, na pica-
da de Ctiiriguello, grande numero de suas car-
rets.
fo dia 28 de feverero chegoujao arnio Guassii
a vanguarda do general Cmara e fez este seguir
immediatamente nina ala do 9 batalhl) de infan-
ari a ao mando do major Floriano Vieira Peixoto,
para que, com clavineiros ao mando do tenente
coronel Francisco Antonio Martins, fossem tomar
de sorpreza duas boceas de fogo que guardavam o
passo Taqoras, qua dista do Aquidaban urna le-
gua : o que foi eumprido sem que essa arlilbaria
pudesse nem se quer dar um tiro para avi-ar a
Lpez da pre 0 passo Taquras segnio a nossa diminuta for-
ra sem terda de lempo a reconhecer a picada do
?asso Aquidaban e ah collocoa-se urna embos-
ada.
. Lpez, vendo qne j tardava a parte diaria de
Taqalras, raoodou um seu ajulante de ordens
sabir das novidades : fei este preso por nossa
gente.
Desconfiado da demora de su offl.;ial, mandn
mto um piquete de dez homens, dos quaes s
f^de escapar-se um, qne foi preveni-Io.
Neste interim J o general Cmara tinha chega-
do junto a picada, e, tendo eolhido as mais exac-
tas informagoes aesse ajndante, ordenon ao eoro-
tiel Joca qne, com a refer la torca da vanguarda,
fosse sem perda de tempo tomar o passo do Aqui-
daban, guardado pir quatro boceas de togo, e des-
trocar a torca do lyranno, que estava a poucas
quadras de distancia.
O batalliao 9o da barranca direita da picada cru-
zou os fogos com os clavineiros de Martins, sobre
a arlilharia inimiga, e logo que se mostraram fra-
cos os seas defensores, se arrojou sobre ella.
Foi isso questao de poneos minutos ; o inimigo
nai podo dar mais de dons tiros por cada canhao.
O proprio general Cmara arrojou-se larabem
ao soar o toque de carga.
Os nossos passarsm a vo o rio, que dava agua
pilos peitos dos cavados.
Tomado assim o passo, segaio o coronel Joca
com os lanceiros cm perseguico do inimigo, sem
que a nfantam o pudesse acompinhar.
Nesta oceasio que o ex dictador, nao queren-
do attender ordem de render-se, foi morto por
nm cabo do carpo 19" de cavallaria, conheci-lo
pelo nome de Chico Diabo.
Caminos tambem foi morto ao querer seguido
na fug^, e bem assim dous dos tilhos do tyranno,
e o vetho Sanche?, antes de ser reconhecido.
Pioa foi tambem derrotado por urna torea de ca-
vallaria que sahio ao seu encontr, quando elle
teatava com mais 8 boceas de fogo, mas j tarde,
reunirse a Lpez, qie por prevenejb o linlia mau-
lado chamar ao mesmo dia da derrota.
ludo conseguimos sem ou'ro prejuizo qua o de
cinco homens feridos, dons do3 quaes levemente,
e f em que entrassem era aegao outras torgas que
o hatalhao 9' de infantaria e alguma cavallaria.
A nossa arlilharia chegou ao Aquidaban j de-
pois de estar tudo concluido.
Em nosso poder cahiram prisioneiros todos os
cuetos que restavam a Lpez, excepgao do refe-
rido R6a, de Cavalleiro, que tinha sabido para os
ladas de Dourados com quarenta e tantos homens,
quasi todos oBeiaos, com o fin de arrebanhar ga-
d), de Del valle e Smza, que esta vam encarrega-
dos do transporte de algumas carretas, e de A-
veiro, que lagrou evadir-se do acampamento no
meio da derrota.
Tomamos ao inimigo 14 boceas de fego.
Em nosso poder acham-se a mi e as inultas de
Lpez, que anda moslram sgnaos das sevicias que
llies erara iullingi Jas por ordem d'aquelle tyranno,
e iam ser todas executadas no mesmo dia em que
a morte do seu feroz prente as veio libertar.
Linch vem prisioneira cem seus lilhos, e seguem
tambem as nossas torgas para a Conceigo as fa-
milias de Cavalleiro, Caminos, Gil, Genes, e mul-
ta8 outras.
XIo foi possiyel salvar o archivo e oulros objec-
10< de propredade de Lpez, pois s suas carretas
langaram-se raulheres e soldados n'aquelles mo-
mentos de confuso irremediavel.
Exultando de prazer, felicito-mec om V. Eic,
com S. M. o Imperador e com a nagao por tao com-
pleto resultado de nossos longos esforcM.
O general Jos Antonio Correa da Cmara, alm
de saa dedicacio sera limites ao servico, revelon
nestas ultimas operagdes dotes excepcionaes que o
devem callocar rauto alio na estima da nagao.
A mirte de Lpez e o aprisionamento dos seas
ltimos sequazes constituem nm triampho sem par
que devida nicamente previdencia, audacia e
actividade d'aquelle general, e ao zelo com que os
necessarios meios de mobilidade Ihe foram inces-
sautemente subministrados pelos esforcos do Exm.
Sr. marechal de campo Victorino Jos Carnero
Montero.
Parte das torcas do coramando do general C-
mara j se acham de volta na Conceigo, a cojo
ponto devia chegar por estes dias o comboi dos
prisioneiros para d'ahi seguirem para Assumpco.
O general Cmara ficava anda no passo Brre-
lo, providenciando sobre meios de mobilidade para
o regresso da torga que se acbava observando as
margen* do Apa.
Em consequencia do triumpho definitivo de Cer-
ro-Cora, dei ordem para se retiraren) para o lito-
ral do rio Paraguay as torcas que gaarneciam nao
s Curuguaty e pontos intermedios, como tambem
. Pedro.
Mas os moradores deste ultimo ponto, scientes
desta deliberago, me dirigiram nma snpplica, ex-
pondo qne se ficassem sem urna guarn gao brasi-
leira se veriam saqueados e assassinados pelos
bandidos, que 4>or ah vagam era numero de 50 ao
mando de um tal Ajumo, visto qne o governo pre-
visorio oda sao tem os meios de garantir o bem-
estar e a vida dos seus coucidadlos. Attendendo
a este j>edido, resolv deixar por ora ahi nm meio
batalhao. ~
Dms guardo a V. Exc Illm. e Exm. Sr. con-
selh.'iro de estado baro de Karitiba, ministro o
secretario de estado dos negocios da guerra.
Gastao de Orleans, cornmandanie em Cheto.
Acampamento esquerda do Aquidaban, l de
margo de 1870.
Illm. e Exm. Sr.Escrevo> a V. Exc. do acam-
pamento de Lpez no uni da serra. O tvranno
foi derrotado, e naa quorcnlo entregar se fi'i mor-
to a minha vista. Intmei-lhe ordem de render-se,
quando ja estava completamente derrotado e gra-
vera ?nte torido, o nao o querendo foi morto. Dou
os parabens a V. Exc. pela terminagai da guerra,
pelo inteiro desforgo qu tom>u o Brasil do tvran
no do Paraguay. O general R#squra e outros che-
fes estao presos.
Deas guarde a V. ExcIllm. e Etna. Sr. mare-
chal de campo Victorino Jo3 Carneiro Montiro,
commanlaate das torcas ao norte do Manluvir.
O brgadeiro Jos Antonio Corra da Ctua ira.
da Ventnra das Pernambucanas napoyoagao da
Capunga, bem como na que tosse necessaria s
despezas com escriptnra e dreilos respectivos.
Pede esta cmara a coosiga^cao d" fundos
para outas desappropriaoSes importante, e indis-
pensaves, reclamadas pela planta da cidade, e
para mel hora memos que exeedem s suas torgas,
como sejam a consorvacao e aceio do matadouro
publico, ura deposito dag.ua palavel najLemp, a
acquiscao de terrenos par logradouros onde o
gado encontr agua o pasto, a eonstruego de
urna nova casa de mercado publico no bairro de S.
Jos para onde seja removido "que existe no de
Commando das torgas em op'eragSes na margem
direita do .ipa. Acampamento junto serra de
Maraeajii, 26 de feverero de 1870.
Illm. e Exm. Sr.Tonho a honra de communi-
car a V. Exo. qu hontera, distancia de dua3 le-
guas da colonia de Miranda, na estancia do finado
Oliveira, foi sorprendido as matas que prximas
Ihe ficam o general Cavalleiro, 3 chafes, 11 offl-
ciais e 9 pragas do pret, conseguindo aprisionar-
se 4 capitaes, | tenenV), 1 altores, 3 sargentos, 1
cabo e 2 soldados, escapaado-se os mais por ser a
mata rauito espessa.
Cavalleiro perdeu toda a sua bagagem. inclusive
a sua espada, e taes foram os apuros em que se
vio que nem tempo teve de a tomar, tendo ella
prxima a si.
Os prisioneiros intormam que sahiram do acam
pamento no dia 14 do correte com destino Es-
tancia do Ferreira, a fazer junegao com o major
>lva, que por all se aclia empregado em agarrar
gado, mas que nenhuma reraessa tem feito at
agora, e por esse motivo sahia o proprio general.
Este, tendo chegadi? at duas leguas mais ou
menos adianto da colonia, nao send > visivel a es-
trada, por estar cobarta de pastos mui altos, e,
nao tendo vaqaeano, voltou para a -colonia a espe-
rar all um vaqueano que silva tinha de mandar,
e que com eltoito o encontrou em seu regresso na
mencionada colonia.
Chegaram na tarde de 23, e tendo presentido a
nossa torga na manhaa de 24 retirarara-se para o
lugar em que foram sorprendidos na manhaa de
Intormam mais que Lpez j nao tem urna s
rez para matar paia a sua tropa, que as ultimas
que se matarara era nma para 800 homens.
Que_ a gente que ainla Ihe reata nao pode bri-
gar, nao s pela grande desmoraltsaco que reina
na pouca gente que o acorapaaha, como pelo es-
tado de debilitago em que ella se acha.
Lpez est ha doas dias de marcha do arroto
Guaaa; tem 5 pegas era sea acampamento, e
tem na sua vanguarda o coronel Moreno com 2
ofltoiaes e 12 pragas, toda a guarnigio que tem
3 boceas de fogo que tem assestadas junto a nm
arroto que tem em sua frente e que ignorara o seu
nome, mas que ouviram dizer ser o Aquidaban.
Sao concordes era informar que Lpez nao tem
400 homens que possam brigar, e que mesmo nes-
te numero entram mui tos enfermos.
Diariamente manda Lpez matar todos aquelles
que por seu estado de fraqueza nao podem ir pro-
curar recursos de alini9ntago as matas: assim
que em pouco tempo elle mesmo concluir cora
aquelles que Ihe restara ; igual procedimento teve
Cavalleiro com aquelles que por fracos nao po-
diam acompanha-Io.
Tendo sabido do acampamento com 40 homens
dos melhores que Lpez tintia, s Ihe restavam
23, 03 mais foram monos no'caminho.
De novo ordenei ao coronel Chanaaeco que pro-
cure bater o major Silva, que se conserva nos
campos do Ferreira com 40 homens. Informa o
vaqueano que elle s tem duas rezes pegadas.
a colonia deixei licar o capito Candido Anto-
nio Leite cora 39 homens do 1. corpo, e 32 enfer-
mo, inclusive um official, que nao poliam acom-
panhar a fofya, o qual. depois de quatro ou cinco
dias de descauso, deve reunir-se ao coronel Cha-
naneco.
Pelo3 obstculos que tenho encontrado em mi-
nha marcha, presumo nao estar no lugar indicado
por V. Exc. no dia designado ; eu empregarei to-
dos os jneus esforgos para all chegar ; se nao
puder nao ser oor*des:uido e sim por accidentes
do terreno.
Amanha pretendo chegar a Dourados ou suas
immediagoes.
Deas guarde a V. Exc. -Illm. e Exm." Sr. brga-
deiro Jos Antonio Corre) da Cmara, digno com-
mandante das torgas em op9ragoes ao norte da re-
pblica do Paraguay.Bmto Martin? de Menezes,
coronel.
na
Relagao dos officiaes prisioneiros existentes
guarda do O' batalhao de infantaria.
Generaes : Resquin e Delgado.
Coronis: Cabrita, Clirysostomo Centuriam e Pa-
tricio Escobar.
Tenentes-coroneis: Cyriaco Gomes, Antonio Ma
ciel e Angelo Ribeiro.
Majores: Francisco Adornos, Francisco Barbo-
sa, Joao Antonio Jans, Martin Urbieta, Pedro
Avellar, Jo5o Meza, Andr Baime e Fidelis Maz.
Capitaes : Alexandre Raviga, Joseph Falcao, Mi-
guel Gongalves, Fellippe Amarillo, Jos Salava-
riela, Manas Lucas, Ignacio Chimenes, Gregorio
Ramres, Francisco Martins, Raymundo Alvaro e
Delacruz Amarilla
Tenentes Eliseu Maz, Ignacio Costa, Manoel
Meirelles, Severiano Arruda, Vicente Xunes, Fran-
cisco Benites, Pascoal Ribeiro, Angelo Romero;
Gregorio Ramres, Lzaro Muoz, Florencio Bo-
ln, Ignacio Viva, Jos da Cruz, Simiia Netuno,
i.l" tenente de marrana).
Altores : Ago3lnho Orizuelo, Paulo Palacios,
Leandro Rotulo, Camllo Zoloaga, Adriano Cabral,
Fernandos Estanislao, Elias Maldonado, Romo
Chmenos, Dorotheo Benites, Ventura Brito, Ma
gine Arruda, Manoel Saliano, Benjamim Jovilano,
Ambrozio Alincoo, Jeronymo Godoy, Hermenegil-
do Salinio, Nicacio Moreno, Jacintho Caceres, Pe-
dro Dinaz, Jos Merinlia e Ernesto Arana.
Escrivo, Mariano lrasabral.
Altores 1, Galdino Freitas.
Altores 2*. Jos Ortigoso.
Padres : Rufino Cara nio (dem), Domingos Canda, Eleuterio Benitez,
Manoel Carvalho, Nolasco Aquiuo, Francisco So-
lano Rosas e Francisco Xavier.
Medico, Lonrengo Aquino.
Acampamento em Cerro-Cora. 2 de margo de
1870.Floriano Vieira Peixoto, major cornman-
danie interino.
RELATORIO lido pelo exm. sr. senador
FREDERICO DE AI.MEIDA E ALBl'QUEBQUE,
NA ABERTURA DA PRIICE1RA 8ESSO DA A8-
SEMBLA LEGISLATIVA PROVINCIAL, NO DIA
1 DE ABRIL DE 1870.
(Continua gao).
CMARAS MUNICIPAES.
Rbcif.Conced a esta cmara a autorsacao
qne pedio para exceder mais na quantia de
400X000 a verba do 4* do art. 2- da lei do or-
Sment vigente, par, desapropriagode 60 palmos
terreno para a coatnuago da travessa di roa
Santo Antonio, a creagao de um lugar de cola-
borador para a contadura, e o augmento de or-
denado para es respectivos emprega los.
Gotanna.O bataneo de sua recoita e- despeza
dn anno de I86S a 1869, bem como o orga nento
da receita e despeza do exercicio de 1870 a 1871
vos serao apresentaos com os das dsraais c-
maras municpaes.
Allega esla cmara que, sendo a cidade de
Goyanna por suas dimensdes, populagao e com-
mercio, a segunda da provincia, nao pode pres-
cindir de ceos melhoramentos. Pede augmento
de vencwientos para o fiscal da cidade e para o
seu secretario, a creagao do lugar do advogado,
e a restaurago do de cirurgio, atienta a indecl-
navel necessidade deste lugar principalmente na
cadeia, onde sempre se acham mu tos presos
pobres e sao recolhidos umitas vezes individuos
que precisam de prompto soccorro. Faz sentir
a conveniencia de urna casa para o mercado
do peixe que afllue cidade, assim carao de
urna outra para o de farinha om cada urna das
importantes povoagSes de N. Senhora do O' e
l'onta de Podras, podando sera inconveniente ser
reduisdos os ordenados dos fiscaes destas
ultimas localidades.
Pede a consgnagio de urna quantia que unida
de 1:0001000 doada por S. M. o Imperador para
o ceraiterio da cidade, possa este ser murado- e
convenientemente preparado para o Ara i que se
destina, e bem assim a continuago da estrada
para a villa de Ptdras de Fogo, a creagao de nm
imposto sobre peixe fresco e salgado por s
haver sobre o secco, e a creagao de urna ca-
deira de latim e outra de francez n aquella cidade.
iTAMiik.N'a freguezia deste municipio nao ha
um templo para servil'de matriz, e a casa que
provisoriamente serve para sessdes da cmara
pessima. Os povoados de Camatanga e Pororoca
precisam de aulas de iostruccio primaria.
BarreirosA cmara desta villa pede a aber-
tura da barra que d entrada para o rio Una,
onde existe urna grande corda, qne veda todo o
transito da aavegacao costeira, bem como a coos-
truccio de ama casa para cadeia.
Brujo.A casa anttga, qu* servie de cadeia e
para sessdes da cmara deste municipio, est a do-
sabar, se em tempo nao for reparada; e nao
tendo a mesma cmara rendas suiucientes para
repara-la, pede que aulonseis a venda d'aqaelle
predio, que consignis fundos para o* reparos de
qne precisa a fonte d'agaa potavel quo existe
na villa, e finalmente lembra a necessidade de
augmentar os vencimenlos dos seas empregados.
Cimbres.Solicita a respectiva cmara a con-
cesso de meios para construccao de ama casa
para mercado na villa em substitu cao do immundo
telheiro que all existe em lugar improprio, a
construccao de um agude para abastecimento dos
concorrentes ao mesmo mercado, a snppressio
dos tres distrctos de paz creados na freguezia
de Cimbres pelo art. 6" da lei provincial n. 658
de 16 de maio de 1865, subsistindo os dous que
ento exsliam da villa e freguezia de Cimbres ;
o Io denominado da matriz, e o 2o d'Olho d'Agua
dos Bredos, a concesso de urna lotera para ]as
obras da igreja de Santa gueda principiada em
18oi, a consgnagao de fundos para os reparos in-
dspensaveis s salas do edificio em que se fazem
as sessoes do jury, da cmara, as audiencias dos
juzes de direto e municipal, e autoridades po-
liciaes.
Ro Formoso. Esta cmara participou em
olHco de 19 de Janeiro prximo find), que o ba
lango de sua receila e despeza do anno de 1868 a
1869 veio incompleto por haver ella entrado ^em
exercicio a 3 de feverero do anno frado, e
nao ter a cmara transacta ou seu procurador
prestado conta alguma, e que, sendo por demais
acanhada e sem a desceoca precisa a casa que
serve para as suas sessoes, trabalhos do jury
e audiencias publicas, tomara urna outra com
melhores accommidagoes no centro da cidade
pela quantia de 400000 annuaes, fazendo os re-
paros precisos por conta do respectivo proprieta-
rio, com os quaes despendeu a quantia de
560^000. Pede quota para urna casa apropriada
ao mercado publico, e propoe as alteragSes se-
gu ntes nos vencimentos de seus empregados:
secretario 4004000, fiscal da cidade 300000,
fiscal de Una OOjOOO, procurador 300000
guarda correio 150*000, porteiro 150*000,
Buique.As neeessidades deste municipio, se-
gundo a respectiva cmara, sao: construir um
agude d'agua potavel por ser insuficiente o qne
actualmente existe, reparar o cemiterio publico
que se acha arruinado, o que segundo a mesma
pode effectuar-se cora a quantia de 300*, fazer
urna escavacao na lagda da villa onde os aniraaes
possam abastecer-se d'agaa, concluir a eonstrue-
go da capclla de S, Sebastao principiada na
villa por meio de e3molas, e comprar alguns movis
para a casa das sessdes da mesma cmara.
Villa-bblla.Segaudo a respectiva cmara, a
necessidade mais urgente deste municipio a con-
sgnagio de urna quota para o concert do agude
publico da villa, que se acha em estado de nao po-
der resistir ao invern do correnle anno.
Iguarass.Reclama a cmara desta villa que
sejam providas as neeessidades j indicadas em
seas relatnos anteriores, taes como a abertura
do rio que atravessa a mesma villa, a eonstruego
de urna ponte que ligue a importante illia de Ita-
marac ao continente no Ingar de Itapissnma, a
de mais duas pequeas a) rio que passa pelos en-
genhos Mussupe e d'Agua, e a extraeco de prefe-
rencia da lotera concedida pela lei provincial
n. 402 de 6 de abril de 1857, favor das obras do
respectivo cemiterio publico.
Olinda.A cmara municipal pede a creagao
de um lagar de ajudante do porteiro, para servir
ao mesmo tempo de escrivo dos fiscaes da cidade
servindo coma taes nos outros dislrietos de paz os
escrivies dos respectivos juizes de paz, mediante
urna quantia paga pelos infractores, por cada termo
de infraeco que lavrarem, o ordenado de 300*
para os dous ttscaes da cidade, a consignado do
fundos para compra de pesos e. medidas pelo sys-
tema mtrico, para os melhoramenlos de que pre-
cisam o matadouro [e cemiterio, dando-se prefe-
rencia lotera concedida para as obras deste a
factura de urna ponte na passagem do ro Doce
a creagao ahi de urna cadeira de instruccio pri-
maria para o sexo mascelino, supprimindo-se a
do sexo femenino dos Arrombados, e subvengo
para um medico da manicipaldade.
Escada.A constraccao de nma nova casa para
agongue e outra para cadeia, empedramento e ele-
vacio da estrada da villa para a va torrea, e a
reconstrueco da ponte sobre o rio loojaca, sao
as neeessidades deste municipio, segundo informo!
a respectiva cmara.
Bom-consblho Precisa de urna casa para
as sessdes da cmara, outra para casa de merca-
do e de urna ponte .sobro o rio Tapa-cacimba, que
communique a vj'iU com o collegio do Rom-Cor
seibo.
CABo.Lonsignagao de fundos para edficago
da capella do cemiterio e elevago dos vencimen-
los do fiscal da villa 200*. foram as neeessida-
des indcalas pela cmara desie municipio.
Agua-pheta.A factura de urna estrada da es-
tagao da va torrea margem esquerda to rio
Jaeuipe, a de urna casa para as sessoes da cmara,
feita com os exce-sos das rendas destinadas suas
despezas ocdiauuu.; nma casa pira morcado na
povoagao d'Agua-Preta, e outra na dos Montes,
urna pequea ponte sobre o rio Lama prximo
desembocadura do Una, urna bomba no riacho
que atravessa a ra denominada -Giqui, euma
casa para priso ; pondo-se sua disposlco para
essas obras o saldo que apresenlou em seu orea-
ment, e a concessio de loteras em favor das
obras da igreja matriz.
E' o qp. posso refer quanto s municipalida-
des, segundo as inormagoe3 que recebi, accrescen-
lando que, de contormidade com o que foi deter-
minado por aviso circular do ministerio da agri-
cultura, eommerco'e obras publicas de 6 de julho
do anno pretrito, recommendou o meu antecessor
todas as cmaras municpaes em 28 do mesmo
mez, que em seos orgaraentos consignassem a
quantia peces>aria para acqui3cao de um jogo de
petos e medidas d) ivo systema mtrico fran-
cez; e chamo vos altuncoj para a realisaco
dessa providencia, tanto mais urgente quanto
| cados pela lei n. li:>7 de 26de jiinho de 1862,
para a substituigao do actual syslama, e convm
evitar o seu espassamenlo. Para mais fcilmente
conseguir-se o desidertum da lei citada, podis,
como ensina o referido aviso, autorisar esla pre-
denca a a*liantar s diversas municipalidades as
quantias que iiverem de despender com aquella
dua, acquisgao, sob a clausula de indemnisarem oppor-
lunamente o cofre provincial, habilitando ao mes-
mo tempo a presidencia com os fundos precisos
para a compra de ura jogo das referidas medidas
e pesos, allm de serem com elias comparadas e
atondas as das municipalidades nos casos de du
vidas.
fCon/inuar-s-Ao.^
O cambio regulava sobre Londres 21112 d.
e sobre Pars 453 r*.
1.T..5? 80erar>os () vendiam-se de 11*500 a
tl*ooO cada ura.
Sahiram para Pernarabuco : a 26, o brigue
liespannol Amable Terna ; e a 27, o brigue
norte-allemio Gerhard A Adolphe.
Commando das armas.
QCAnTEL-CENERAt, DO COMMANDO DAS ARMAS KA
PROVINCIA BE PERNAMBCO, 7 DE ABRU.
DE 1870.
Orion do dia n. 466.
O brgadeiro eomraandante das armas fu pu-
blico a guarnigio, qne bontem s 4 horas 4a Ur-
de desemhareou nesta provincia o corpo n. 30
de voluntarios da patria, coramandado pele Sr.
tenente-coronel honorario do exercilo Apoliuario
Florentino de Albnquerquc Maranhao Sobrinho.
Duplo motivo tem o commandaole das armas para
feliciur osle corpo de cidadaos soldados, ao seo
regf*.*o da campanha do Paraguay, para onde
marcliou em julho de 1865 ; primeiro porque
esses cidadaos benemritos iro repousar no re-
gago de suas familias do incessantt (dar de quasi
cinco annos em que esliverara expostos aos raaio-
res perigos e privaedes de toda a especie ; se-
gundo pela eessacao da guerra em que o exercilo
e armada tanto primaran) por seus gloriosos toi-
tos, marcados na caria do Paraguay com tragos
de sangue, desde a ilha do Carvalho, no ro Para-
n, a Cerro-Cora na margem esquerda do Aquida-
ban, em que os restos das cohortes do ero do
scalo XIV foram completamente destrogados pelas
torcas do commando do invicto general visconde
de Pelotas.
O lyranno pagou nessa occasiao com a vida s
atrocidades que commettera, e dest'arte se poz ter-
mo gigantesca lula que tantas e to preciosas
vidas, e innmeros sacrificios custou ao imperio
do Brrsil.
Honra e gloria aos hroes, que firmarara no ve-
lho e novo mundo os foros e crditos de que j
gosava o Brasil, e abriram ao povo paraguayo
novos horisontes e um melhor porvir, sob o rgi-
men da liberdade. Urna lagrima de saudade so-
bre a campa dos que perecern) nessa sania cru-
zada
Quando cidadaos corno os do corpo n. 30 se ira-
pozeram misso gloriosa de desaffrontar o sym-
bolo de sua nacioualidade, vilipendiada pelo che-
fe de urna nagao quo se dizia amiga, e que perfei-
tameale a desempenharam, devera estar repletos
de nobre orgulho, orgulho de que se ufana a pro-
vincia que bem diz dos libertadores de sua patria,
possuida de reconheciraento o mais profundo, ren-
dendo-lbcs'pleito e bomenagem.
O brgadeiro commandante das armas soccorre-
M da opportundade para, de sua parte, felicitar
tambem a provincia pela victoria esplendida que
alcangou o imperio da Santa Cruz no dia 1 de
margo ultimo, e faz votos para que os beneficios
que se possam colher d'essa victoria estojara na
altura dos sacrificios despendidos, em to longo
tempo, para oble-la.
AssignadoJoaquim Jos Gongalves Fontes.
Conforme Emiliano Ernesto de Mello Tambo-
rim, tenente ajudante de ordens encarregado do
delalhe.
DIARIO DE PERNAMBCO
Noticias do sul do Imperio
RECIPE. 8 de ABRIL DE 1870.
Ante-hontem s 10 horas da manhaa fundeou no
nosso porto o transporte de guerra Itapicur,
que bordejava no lamario desde s 8 horas da
noute do da antecedente por causa do grande
nevoeiro e continuados aguaceiros, trazendo datas
da corte, de onde veio directamente, al 30 do
passa do.
MINAS GERAES.
Era condecido o resultado de ",)0 collegios
eleitoraes, sendo mais votados para senadores
I.uiz Carlos
Cruz Machado
Joaquim Delphino
Anuo
Brtas
Penido
Ferreira Lage
votos.
1,634
1,577
1,426 i
1,353
1,255 1,138
1,104 t
PAULO.
Alcangam 25 do passado as ultimas datas.
A noticia da lerminago da guerra tora em
ambas as cidades muito festejada com denwns-
traegoes ofcaes e populares*.
A assembla provincial, por indicago do
Dr. Magalbies Castro Sobrinho, resolveu envasse urna mensagem de felicitago a S. M. o
Imperador, como chefo da nagao, pela terminacao
lorise da guerra contra o dictador da repblica
o Paraguay. >
niO DE JANEIRO.
Por aviso do ministerio da jastica, de 26
do paasado, foram marcados o prazo de 4 mezes
e a ajuda de costo de 8004000 ao Dr. Domingos
Montiro Peixoto, removido de chafe de polica
do Piauhv para o Maranhio.
Em vivtude do art, 177 do regulamenlo da
Escola Central, foi considerado engenheiro geo-
graphe 0 Sr. Joaquim Duarte Murtioho.
A alfandeaa da corte readeu de 1 a 29 do
Pesiado 1,006:502*047.
Fi avam carga para Pernambuco: a galera
I portugueaa 7>na I CartHm,
Hmtera chegou o Cruzeiro do Sul, trazando jor-
naes do Rio do Janeiro de 31 do passado e do
correte, da Baha at 4 o de Aragdas al 6 do
crreme.
THEATRO DA GUERRA.
Alein da parte official de S. A. o Sr. conde d'Eu,
sobre o ultimo combate, que publicamos sob a ru-
brica Parte Oficial, encontramos mais no Joi-mJ
do Commei ci a seguinte carta de Assumpgo em
lo de margo :
O Sr. conselhero Prannos, quo to podero-
samente concorreu para o brlhante e completo
desfecho desta guerra, recebeu s 4 i/2 horas da
madrugada a fausta noticia, inmediatamente man-
d)u anouncia-la ao som de msicas, e da jaoella
da casa de saa residencia proclamoua dando vi-
vas enthusiaslicamenle respondidos pelo povo ag-
lomerado as ras, a Sua Magestade o Impera-
dor, a S. A. o Sr. condo d'u, ao general Cmara,
aos nosso generaes, officiaes e soldados, e es-
quadra imperial, qne-tantos servicos prestaram
nesta campanha.
Desde as 6 horas da manhaa eneheu-sc a ca-
sa da legagio de pessdas gradas, brasileiros, pa-
raguayos e estrangeiros, que vlnbam cumprimen-
lar o nosso ministro, contando-se nesse numero o
Sr. Loisaga, nico raembro do governo paraguayo
que se achava presente, o general argentino vedia,
cora a sua oflicialdade e acornpanhado de duas
msicas, e muitos outros cavalheiros.
Notava-se a alegra em quasi todos os semblan-
tes ; as excepgdes eram as sanguesugas do ouro
brasileiro, que nao podiam occullar o desgosto
que Ihes causava a eessacao do lacro torpe que
praviana das desgragas do grande e nobre povo
brasileiro.
A' tarde sahiram bandas de msica a percor-
rer a cidade, que i noute illurainou-se, tendo lu-
gar urna grande reuno em casa de Sr. conselhero
Parauh em que se pronunciaran) brilbantes dis-
cursos e urna bella poesa do Sr. Dr. Symphronio.
Entre os discursos sobresabiram os dos Srs. P-
rannos e Dr. Luiz Alvares dos Santos.
No dia 6, tere lugar um Te-Denm em aegao de
gragas pelo nosso completo triumpho. Este acto re-
ligioso foi extraordinariamente concurrido, actun-
do-se presemos o nosso mibistro, o Sr. Loisaga e
diveras antoridades paraguayas, o Sr. general
Salustiano com a officialidade brasileira, o nosso
commandante da esqnadra Lomba com os offic'aes
da armada, o general Vedia com o seu estado-
raaior, etc., etc.
A larde den Sr. Prannos un banquete que,
como era de esperar, foi animado pela alegra que
domioava todos ot convivas.
< O governo provisorio aapalhou a seguinte pro-
clamado, que transcrevo por parecer-me a ex-
presso dos sentimenlos dos bons paraguayos :
O governo provisorio da repblica.
< Cidadaos I A morte do ultimo tyranuo de nos-
sa patria hmpa por fim seas horisontes, por tan-
tos annos encoberlos por nuvens fatdicas.
< A liberdade a e mais completa fraternidade
presdiro d'ora em diante nossos passos na vida
publica e no lar domestico, substituindo o syste-
ma de odios e pesquizas inoculado pelas lyrannias
passadas. Fica-nos escripia cora o sangue e as la-
grimas dos morios ama terrivel e amarga ligio,
flosso martyno nos turnar para sempre zelosos
de nossos direitos e dignidade, e sua lembranga
nos far conliecer quo pequeos sao os sacrifi-
cios individuaos as lutas contra as invasdes do
poder quando ellas se oceuparam com nossa si-
tuago actual.
Cidadaos I Os povos formam seus lyrannos
por sua negligencia e falta de civismo. Porem essa
renuncia criminosa dos direitos e da dignidade
humana sempre castigada pelo raartyrio, a
como o marlyrio, ao mesmo tempo que satisfaz a
vindicta divina, purifica e regenera, longe de
abster-nos e de amesqurahar-no?, levantemos
bem alto nossa fronte, encaremos o futuro com
enrgica tranquil I idade, e fundemos urna nagao
para nos e para lodos os homens do globo que
queiram habita-la.
c O livre exerciejo de nossos direitos polticos
que os alliados, grandes e generosos,nas garanlem,
nos elevar em breve tempo altura dos demais
povos civilisados do mondo.
O trabalho nos dar mu promptamente ri-
quezas facis de obter nesta trra, favorecida co-
mo nenhuma outra pelo Creador. Ao mesmo lem-
po, as instiiuicoes lvres, a proteegao ao commer-
cio e a todo genero de industrias, a fraternidade
com lodos os homens honrados que escolhara nos-
so paiz para seo trabalho oo residencia, o fomento
da immigragao e a mais severa repressio de to-
dos os criraes, nos pora etn breve ao nivel dos
outros povos civilisados da America.
_ i Apprexima-se o momento em que, por elei-
gio livre de mandatarios dignos e inspirados em
nossas desgragas passadas, nos daremos urna
cocstugao. O governo provisorio cumplir en-
to estrictamente o seu dever de garantir o livre
exercicio da eleigao, depondo logo aps em vos-
sas raaos o mndalo com que o honrastes em mo-
mentos solemnes.
f Entretanto permittl-me que, era vosso nome,
tribute os mais ardentes votos de gratidio 3 na-
gdes alijadas, qne tantocooperaram para collocar-
nos nocas de aspirar a tao grandes fine.
Assumpco, 6 de margo de I8TO.Carlos
Loisaga. >
a O Brasileiros e o comraercio eslrangeiro da
Assumpgo vio offerecer no da 16 d> correnle
um esplendido baile ao Sr. conselhero Prannos,
como prava de gratido, pelos relevantsimos ser-
vigos que tem prestado na sua ardua e gloriosa
missio.
c Sua Alteza est organisando com vigor a re-
tirada de nossas torcas. Ja est preparada urna
diviso de cavallaria, que deve seguir por trra
para o Rio-Grande do Sul. Para Humayt tem
ido muitos cornos de voluntarios, que all espe-
rara transportes para o Braiil. No paquete que
leva esta, segu um batalhao. E' s nisso e no
corte de omitas despezas inuteis, como os grandes
estados-maiores, loxo de reparligoes e do respec-
tivo pessoal, mdicos e estudantes de (medicina
contratados por sabidos honorarios, junta de fus-
tiga e grande numero de auditores de guerra,
transportes frotados que s navegara no rio, etc.,
que se deve agora cuidar, pelo que respeita ao
exercito. C
O dia de honlem, tao grato ao coragao de to-
dos os Brasileiros, foi solemnisado nesta cidade
por (ura Te-Devm em aegao de gragas pelo feliz
anniversaro natalicio de S. M. a Imperatrz, ao
3nal comparaceram o nosso ministro, o governo
o Paraguy, general Jos Aoto (actual comman-
dante da praga), general Vedia e mulas outras
pessoas disUncas, orasileiros e estrangeiros.
i A's 6 horas den o Sr. Prannos nm esplendi-
do banquete na casa da legagio, brillantemente
[Iluminada,
f Ao fechar, esta recebi as segrales noticias:
t O general Cmara chegoa ao Passo Brrelo do
Aquidaban no dia 10. As torcas do coronel Mes-
quita com os pristonerros chegaram ao mesmo
ponto no dia 11. O coronel Paranhos cora seu
estado-maior tere ordem para adiantar-se e ir as-
sumir o commando da Concepcin, ondr ria&a rfc -
gado no dia 11. Tambem j lavan aqn-.
acampamento as (-avallaras do cotoikI Suva 1..-
vares, a ala do 13 o om contingenre doSlVa-
famana. As torgas do eoroae| B.-a*> *n'.
achavam-se era marcha, aiaia atem *> arr
>egla.
O general Cmara
nmm i
art*i tirifi
PresBaa-sa 9. -
H>^a>
desva-
as torgas do dito coronel Beoto Marti
trar com ellas na Concepeio*
hoje estaran) todos alli.
Caballero e os ootros ires ebefes ,
ram eram perseguidos por na piquef.'
man. Ou serio alcancadoa, ou M 1 miii'
batidos pela tome. >
R'O A PUTA.
ISo da 24 parlia para Assompri > Sr. f)
Mariano Varella, ministro das retaco^ exlrrvr.
da confederagao a gemina, atn dV reoaar-sc a> -
plempotencarios brasileiro e oriental
O ex-consnl italiano 00 Paraguay. Chaparos, i
assassmado na roa, em Buen.*-Ajre\ a
ras e meia da noile de 13, com bou nnahaen'.
no coragao.
Nessa mesma noite honre grande eonArte en-
tre muitos italianos, e alguns polieiae* ; toraaa %
ndos .) e morto nm dos de-ordeirop.
i\o se sba onde eslava Aparicio.
O coronel Mximo Prez aebava-serm Duranz
cem 200 homens de cavallaria e 100 ov abalar .
tendo deixsdo 800 homens em aran* ao sea 4V-
partamento.
s. PAULO.
Alcangam a 30 do passado as Maaa* Va-
Em S. Roque dera-se um fumn ejua
Diario de S. Paulo conta do irgnialr mu:
< Estando o Sr. Joaqnkn Aawaate a MeaV> caer
nm revolwer que hara eotapra, rawnu ur
seu visinhoe amigo, para mosira-lo E*a, mvf
bendo-o para ver, quinao fcaaia e areita a
bala no Sr. Toledo, qDe d*aW a M koras m.a ec
menos fallecen.
> lnformam-nos que antes de morrer mmi*r.
chamar a autoridad* compHenle e Awfa 1*
moma por efleiio de una fatalidaeV, po ejav .
pessoa que easnalmenle o ferira era o sea paa
amigo, e qne por isso nao proeedessem maSra *
que foi, como elle, victima do destino.
L-se no Pmdammnkanfttttmm :
O Sr..Juio Lniz de Barro*, par aanral pM>-
tropia, acaba de libertar a aaaa ejaaara aV sra-
escravos, sendo : Mara, parda :
cisca e Benedicta, erioolas. Rio :
nem serio os ltimos escravos deste sfafcar ja-
len) de ver quebrados os daros e fmim ten
do captiveiro ; as respectivas cartas aV ikvn.
acham-se registradas no cartorio do r* tattl8e aV
notas.
riodx jAlinao.
S. S. M. M. e A. imperaes votiarai a P>-
tropolis no dia 30, assistindo ao deseataatfBe >-
Tiluniarios do Cear.
S. A. o Sr. conde d'Eu dera partir > <--
surapcio de 15 a JO do corrale, seas epm
na corte de 25 a 28.
Por decretos de 26 do passado. do aMaMr-
noda jastica, non ve por bem S. M. o Impera* :
perdoar ao Dr. Cato Guerreiro de Cartra Wa-
risto Jos de Sant'Anna Gomes a pea aV aW.
mezes de priso e multa eorresaoaeaa a mrnad-
do tempo imposta ao primeiro, e de aaatn ma' -
de priso e igual molla a que foi ed>rasmia
segundo, em grao de appeHagSo, peto jam a #-
reito da i* vara enme da capital da proviarm 4.
Baha.
No dia 31 do passado reoniram ai--
sembla geral os accionistas da compnnhia Btm-
jeira de Paquetes a vapor, sob a paaaarm *'
veador Jos Joaquim de Lima e Silva Sofcrori.
Procedendj-se a elcigio da non mesa, hvam
reeleitos : veador Jos Joaquim de Lima tttii
Sobrinho, presidente: Dr. Joaquim Pinto 5ett
Machado, secretario; Jos MarceUiao Perrsd
Moraes, escrutador.
Foram presentes assembla o relalor i .-
lango da companhia relativos ao anno finli 1
de dczrmbrn de 1869, cuja leitura foi di-pen
por lerem sido mpressos e destrbuidos ei>ra ar-
tecedencia.
Em seguida procedeu se eleicao dar>mmi-
so de exarae de contas qoe tem ifo dar p. rrr*
sobre o mesmo relatorio, flcaado competa A-
Antonio Jos de Lemos, Joao Nepomurroo > *i
e Deocleciano Bruce.
A allandega da corte renden ao rrvz fo mar-
go 2,025:7344364.
Fallecen, na cune, o Dr. Gonc .lv ?
redactor do Dezeseis de Jnlko.
O cambio sobre Londres regulava I
Os soberanos () vendase a ltVSr>rs
cada um.
As apolices de 6 % colavam-se a 57
Sabio para Pernambueo, no dia 30 3 r.
ragleza Abbats Rendng.
BAHA.
Continava a funecionar aa*se.T.Wca f -
vncial.
A cmara municipal da capital efe^a u:
coromissio, conposta dos Srs. coaseiKi: '
de Monte-serrai, Bemvenuto A. de M. lap -.
Augusto T. do Freitas. Amonio Pereira Rebi-ar>
e Manoel Messia de Leio, para felicitar sal
Imperador e ao general conde d'Eutta leruui .-
gao da guerra.
No da 31 do passado segaio panS. Ti>rau:
a fragata norneguense Nonmitrmeu.
an de marrn......


A alfandegarendeu
717:724*895 rs.
Falleeeo, a 30, o ad
do Diario da Baha,
renhas.
Houve, no dia 29, am mrdii m% bja '
(azendas de Antonio Lopes Machado, a r%* '.+
Louga, queimando apenas a eserpta a rae B*-
za-se qne o togo lora posto pelo oaa ao ntaV-
lecimento, motivo porque foi eaa preso.
Lemos no Jernal :
* Na estago de iligaiamM fea preso am ia*-
viduo com o nome de Jota Aataa : ttao a Va-
gado de Inhambupe, suspeita 1
lou a sua ida para esse termo, t s l
cou e reconbeeeu a ideabas a Bernia Corr
Ramos, que sele annos aasaaamara am m Pi-
ro Eliziario Bispo, e com meneas a aaa psaarta
muiber Amnela Mara. >
O cambio regalara : sabr Landres Bit
a 21 1/2 d., e testa Parit 443 n.
Estava carga para Piraimbain a patar'i
brasileiro Montiro.
ALAflAS.
Foi mnito festejada 1
da guerra ; bovendo ;
sias, discursos etc.
Prosegua em seus
provincial.
No dia 23 o Sr.
apretentou um projeeto *
da provincia a naiptaat 1
de reis com a libertacao
menino.
Tambem foi apnatassa a 1
a presidencia da proviacia a
maiores vantageos of
eos instantneos nos
Matta-Grande e Palmaira, sab ai faaaen
ven
o
cao,
VSSfflK
< l.'-O governo nao a
engio alguma paga)-----------
costo dos apptialBat 9 as amenas a etBjra-
contc^ 1 ititpafi, Paataam refoLj*
W
mm




Or
no
PfamLuco Sexta feira 8 de Abril d 1870.
!VJ
IV

por nma tabella, que ser annexa
l'O contractaole ser o*"'
aito .iuup> oollocar os f

^Undo. Tenlro de
.,ierUo pufos Onde o
.. obHado 3i ter uin depsito dos
""tos para a' sattsfaieo da exigen-
___fs, devendo esr-os nreoos 411er de
"tasto do apparelho, quer da coltocaio conforme
a distancia : sendo regalad por urna tabeltopre-
ferida e as mesma *Sa4ic8es Me contrato Wm. o
xiverho.
t .*-0 pagadNato qoer do custo dos atoare-
ftos, quer das deapeaas da coMocacao s tora ra-
yar qnndo o poja eetiver fonecionaado regular-
mente. 1
3.*Na cofeaeaeao dos poaos so se emflrega-
ano pessoal hAilaaao e miiteriaes da boa qnaii-
tdade e duraflao
Art 2 governo aaterisado a despender
era cada anno durante o contrato at a quaotia
de 12:000*00<) ,
Art.^'Alem dos nranicipos designados no
3 9 governo esteoder a collocaco de posaos
Mitres lugares, se hower reconhecida utilidade
Art 4.A conservado e administrarlo dos
.pocos fica seb a vigilancia das respectivas cama-
ras tnsoicipaes, que organisaro posturas neces-
saria-i para ees* ni.
' t Art. 5.O goaerno expedir as instruccoes
coavenientes para* exeeucao da pr&*enie le, fl-
-omdo revogadas uatfcquer dispo3icpes em con-
arto.
Lemos m:9itmo :
Partkapwto delegado de polica do termo de
'Porto da FolUa, em offlcio de 17 do corrate, que
00 dia 8 Patrio da Costa Ollvelra e-seu pai Frao-
seo Manoei do Bonitlm travaram urna I neta coni
Pedro oe Atoa niara, que saino com urna tacada
na caneca c urna punhalala no baixo ventre;
achando-w erfi perigo de vida. Foi capturado
Francisco Manoei.
Parnoipou o delegado da cidade de S. Miguel
que pelase horas da noute do dia 13 do corren
le na poveaco do Mosquito daquelle termo Ter
iitJi:rn 1 a Silva Vtente e Jacmtho Brazilino di
Silva e.-aquearam a Lulz Marlnho Faino e An
Ionio 'Saares da Silva, que se acham em perigo
de vida, tomando parte no conflicto e commelttn-
do tambera ferimente Belofla Escolstica de Jess,
Anglica Fezarda da Silva ralas dos defiquen-
tes, e Antonio da Silva Valcute pai dos mesmes.
Lego que o delegado teve sciencia deste acn-
tecimento parti para a povoacao do Mosquito,
proceden a corpo de delicto, captarou Aniouio
Vaieole e as daas souredita; Albas, deixando po-
Ttale prender a Tertuliano e a Jaciutho por se
tereui evadido anteriormente.!
Particip-m o subdelegado de polica du Mnfi-
eywa offlcio de 26 do corrate que no dia If Tal
assassinado o inspector da Serra do Tronco, Lean
aro da Cusa por Julio de tal; e no dia 80 Joas
de tal por Manoei de tal no lugar Queiraadas
Acuello dislricto, conieguiado os assassinos eva-
>dir-se. .
O Dr. chefe de polica delerminou ao referi-
*Jo subdelegado que instiurasse os processos e
-remettesse os signa es caractersticos dos crimina-
ros para se recommendar sua captura. >
Pila mal
apun _
So que
e havr d-
;r maatofi
a mesma con
PEllNAfflBUCO.
ASSE1BIIA PROVINCIAL
SESSO DE 4 E ABRIL.
(ConlinuaSo)
L se o seguinte parecer :
A' commissao de censtiuufip e podares foram
prsenlos todo3 os papis relativos a elecn do i'
e 2* dislricto eleitoraes desla provincia, aflu de
dar o sen parecer acerca do* diploma* de depa-
tados dos Srs. Dra. Miguel Jos de Ahneida Per-
nan-buco Filbo, eleito pelo l di*trioto 'Dr. Jo.-
Mara Mocoso da Veiga Pessea pelo 2; o que a
a couimis;o passa a larer do modo seguifte :
1* dislricto.
Examinaado attenumeule o diploma e mais
papis relativo* a tlecio do Sr. Df. Miguel Jot
de Almeida Pernambuco Filbo, e bem assim os
documentos que deram lugar a duvida mencioDa-
da no parecer da commisso de verificado de p-,
deres a rispeito do sua i|lngailade, finalmente
os documentos ministrado pela #crUria da pre-
sidencia para o esclarecimento da raelU du-vida, a
comraissao veriticou que o caudidato eleo oaa es-
leve no ejercicio da 1" vara iKiwicjpal desla cida-
de. de que suppleate. durante os qualro mezes
anteriores sua e-leic.2 como ,*o verifica de um
dos documentos que servio da base ao parecer da
commis>ae de veriticacio de poderes, senda cora
ludo ceno, e consta dos ltimos esclarecimenfos
extiibiJos, ter elle funecionado como juiz em ieto
ispwiil por suspeico ou impediraenlo do respee-
liso pi opnetario, durante o mencionado praso.
< A coiiiiiii.-saj nao desconhece a gravidade da
ftatvtaoda 1 -i .ompatibilil.ide, <|uanJo o juiz sup-
ploMe^xoree apenas algum acto de jurisdic^ao
iiiti osaecia), como no caso de quo se trata,
mas oeodo ubrigado a emiilir o seu juizo, julga
ilever l'.iniiiiL'iar-so, como se pronuncia pela nao
oeumpalibilidadedo candidato eleito pelos seguin-
tes fnn>la:neiito: 1" porque a incoaipalibilidade no
ra*i vvrteuto importa a snspensao do exerciclo de
um dir.to poLUco importantissimoo de sor yo-
'.ad, de que nenhum cidaJo pode ser privado se-
io por expresa disposicao (k lei; 2o porque a
le que regula as incompatibilidades nao ex-
ji.-'-aa respeito da hypoihese em questo. De-
cnla, e verilaJ", a ncmpatilidade do juiz que ti-
ver e-tado uo exercicio do seu cargo quatrO me-
1. anteriores eleicao, mas como as leis sao fin-
tas pira regular casos oidinarios, calende a
^immis.-ao que o legislador falla do exercicio or-
dinario do cargo, com jurisdieco plena, e uao da
su:.--!i uirao extraordinaria para o simples exerci-
cio de algum acto de jmisJiccao cj-pecial. 'Nem
seria justo que, por urna interpretn^o pjuco cen-
fonm regras de Direito e s leis da equidade,
se fose ferir direitos, quo o silencio do legislador
parece IW querido resguardar; 3parque ja lendo
si lo reconhecida a dilficuldade desla duvida pelos
illuslrados-miiibros do copyelbo de estado, e pelo
-governo imperial quo negddo-se a dar-lbe solu-
cao, iihinelleu-aa aa&embla geral lenislativa, co
un se ? do Av. de li de Janeiro de 1864, nao so
ria a cnminissao que fuvia de dar o exemplo de
bUerpretar a lei no sentido de esbulhar cidadao
do iinpiirtantissiiiio direito de ser volado, do qual
a Isi o bao privou expiessamente ; 4* porq'ie a loi
x\ is incompatibilidades, por isso mesiiio res-
trictiva do dirorfo poltico dos eidada^, quo at
eerto ponto odiosa, ecumo tal nao pode reeeber
intcrpreacao ampleativa, para compretiender ca-
sos nao exoresHosemsuas palavras'idiosa rmUrt-
qvidi ; ">" linalmente pro que a nossa lei bem re-
11-clidi i,es|pse a esta intelligensia; pols as pala-
vr.,s d.) )ec. n. 1082, art. 1* S 13, qu tiverem es-
tado em ex^rcicio dos re^p^tivos ca'gos, deixam
rl.naniente ver que o legislador nao cogitou da
especio m iju^tao nem teve em mente fallar de
uui acto solado do juiz, mas do excrcieio de Ju-
risdieco plena do carjro. a< or'nos 'st* a in-
telligenria que a conamssan, fundada nos prcef-
-tos da Hermeix utica, d nossa le.
Em vista do .exposto a mesma commireao
de parecer que neja reconheeldo deputado pelo Io
dislricto eleitiral da provincia o Sr. Dr. Miguelj
Jo; de Almeida Pernambueo Pilho.
. *:dhtrlet.
Pa-sando a examinar o diplotja e mai?pa-
peis relativos a eieielo do 8r. Dt- ** Mria Mos-
coso da Veiga Pesso*. pelo 2a islrieto eleitoral da
jirovincia, conhecen a cominieso que cmara
.apuradoia de Nazarelh. annaHando os vetos que
nos collegios eleitoraes de Nazarelh e Llrinlrp
btivera o Sr. Or. Antonio Praeistfo Crrela de
Araujo, e crlaindo-o por cons^garnte do numero
/los nove candidatos elerta* petes eollegloa do 2
dislricto, cxpedlo diploma: ao fir. Moscow que com
mds dous compaeros s e^ermn ao Ia vota-
do a ordem da voarJo, com figal numei-o de vo-
tos, depois de haver procedido o sorteio eom a*
formalidadees exigidas' jwr'lei
< CotiiOa daranas dos colleg)os elettorae, c da
jiroprio arfa da purtel*,. qae o candidato ox-
lnido obiivera noscjll.'gn do limociro e de
Nazareth W8 votos que ftr;m afinollados toma-
dos em separado pe amara apuradora, j nos de
mniscollcglos do segarid<-dltri''i:. 1*1 vitos, qus
loe firam eon^dVKna 3jiara5", oque perfs a
snrr.ma de 23t voftw, htjm.*ro goe, 1 na) kr nav|-
lao IneiciderM qnlicamencionad, .-a:lo no seguudo lugar entre os aove dt
lelo 2 distrlcto.
< Alud* WWdo liulH) Um 4&o ease mo-
tivo, emettae & oommieso qu a cmara apura-
dora.exorbiton do suas attribulda. Era doe
rigoroso daver limiiar-se ao qpe |he prenejHem
o art. 87 da lei de 19 de agosto de 1846,ej,viMs de,
9de teVerefro d do de mar? d 1848, imfi6*
arrogar-w, como searrogou, o direito deapwew e
mrito da eleicao e doa candidatos, que attnbui-
co privativa dati atavnbjao, a quein compete a
topreraa ioapecfHo do ittmeii*-
Em assumptos diistt ordM a c
n*o pode exercer ootro arWtri'
da 12- parte do art. 87, de, no
ellcau, apurar a acta que me .
ma; caso que tte nao deu,eonto
fosea na acia da apararlo.
Cumpre, pols apreciar a duvida que mowrou
o procedlmento da enmara apuradoia, e de euja
tolutao depende a tegitimldado do dlplaratOTc a
eommissSo tem # vista. A duvWa a svfHmto :
So b exercicio do juit substituto, as cjndicdes
cima mencionadas, incompatibilisa o BO.dittM>
eltitoral a que pertenee a comarca ea qeeaa ai a
substHuicao. _____ ______
A imrtfria -grave-, e talve -nova, porque a
commissao nao tuconirou caso idntico na historia
eleiloral do paiz. Duendo, porm, pronuneiar-se
por algum dos lados da gueslao prefore a opmio
que eoasidera nao iBcompalivel o jnht que exerteo
acto de jurisdicao como substituto do juiz praprie-
tario de comarca estranha, e funda a ana persifa-
sao nos seguintes motivos:
Primeiro, as mesmas rtzOes expostas na prl-
meira parte d& to parecer, que sao pela maior
parte applicaveis ao presente caso.
Segunda, em que senda esta especie de subsli-
uifao nova e extraordinaria, della nio pedia ter
cogitado o leglsliieor na confeet;ao da lei dt Inoom-
paimitdade. E' nova porque e deeroto que a-r*
gnla de 7 de Janeiro de f86$. de icompatDilidade de I83S e 1860, lempo em
que o legislador irlo podie prever as dieflMtati-
cias que mais tarde aconselharam a altcracao
feita na ordem das sub-tituirocs. E' extraordina-
ria porque alterou a marcha regular e ordinaria
das sobstituic8e> estsfbelecidas de longa dala pela
lei de 3 de dezernbro de 1841 t regulanleato de
3! de janiro de 1842, conforme os quacs os ma-
gistrados erara substituidos por funcionarios da
mesma comarca. Paree commissio que quan-
do o leuislador na lei de 18 de agosto de 1*60, in-
compatibilisa os substitutos que liverert estado
no exercicio do respectivos cargos, refere-se a
substituios ordinario, isto e, os da mesma comar-
ca que eram os nicos que entao exisnara.
Terceiro, em que nesta ordem de snbstllulcao.
3ue a eotr.missio continua a denominar exlraor-
inaria, o juiz substituto que vem de outra comar
ca nunca a'sume a jurisdieco plena do cargo,
nio y porque chamad para um acto ou
nefcio etpeeial, que limita sua jerisdiecaq, cemo
porque na propria comarca, onde elle vai ftmecio-
nar encontra outro juiz de igual carbegeria na
mesma vara cem jurtSdiccSo pieria, e so limitada
quanto ao acto submettido ao sen conhecimento,
e para o qnal fra chamado. D"Onde se v jue
este substituto com jurisdieco restricta a certos
e determinados actos, est as mesmas eondiccoes
daquelle de que a commissao la Iratou na primelfa
parte deste parfeer. Em toa caso a questao fe
reduz aos mesmes termos da que ful apreciada
em pi inifiro logar.
Qarto, finalmente, em qne o decreto de 7 de
Janeiro de 1863, que adterou em parte a ordem das
substituiros, qu den lugar a esta duviila, um
acto dp poder exseativo, que por si s nao pode
atte -ar o eeprito que ores .'Indio A codfeccao da
fe de incompatibilidades. Anda que o grfverno
imperial e.-teja autorisado pela Ifci ae 3 de dezern-
bro de l*il "regular a substitnifao dos magis-
trados, elle nao pode no exerciejo dessa atrfbtri-
eio, ooerar ais eond!e$oes de elegbilidade, exis
tentes ao tempo da' promubacSo da le de 19 de
agosto de 1860, nem se pode presumir |e o pre-
te.idesie fazer com o novo decreto d.ei'sobstttnlcVlles.
Taso importarla a alteracio da letra "espirito da
propria lei sem intervengo do poder egisla
tivo, o que absurdo. ,
Pareeesnt' pis commssSo vafrosa* las
zpe?. prope:
* Primeiro quo seam apptevados os 232 votos,
que nos diversos megios etettraes do 2.* distrie-
to feram dados ao Sr. Dr. Antonio F. Correa de
Araujo; 2. qne em logar da Dr. Jqj'6 Mara
Moseoso da Veiga Pesso, sja.reeottheetdo depu-
tado pelo dito dislricto o mesdid ST.' Dr. Antonio
Francisco Correa de Araujo.
8ala das eetomissiSes 4 de >brtl d l9ft).Joa-
qiiim fonwtvis UnU.Anlott- CutakattL
Hci-moqene's Scrates Tatdres de Vatcneels. *
O SK. 6USM0 LOBO :Sr. preldeHe : no
eotrer da grande.epopa de sangne que acaW de
ter o mais esplendoroso desenlace pela victoria que
nos coube, como premio a poltica dc^interessda
do Drasil, constancia dos nossos esf'jrcos, ao va-
lor dos nossos soldados e iastica, mais que rudo,
de nossa causa que era tambem'a causa da civili-
saco e da liumanidade, vimos levantar-se de to-
dos c s ngulos do imperio aos gritos angustiados
da patria urna somma enorme de sacrificios. Pha-
langes voluntarias; contribuicoes de dinheiro;
urna convencida e resignada sulimis-o aos novos
impostes que exiga o estado do guerra; ludo
quanto a naco poda dar tudo a nacao deu para
o desaggrav de sua honra, vilmente maculada
por um despota, continuador de despotas.
Em qnant) os nossos bravos soldados petejavam
s margeos do Pista a maisensanguentada |leja,
de que os Andes podem dar testemunho, as nossas
industrias, desfallecidas, privadas de brar.19, can-
cadas e olTegantes, iam obseuramente o seu cami-
nho ao pezo dos enormes sacrifieros que Ihes im-
punha a mais nobre das causas.
La o herosmo militar; aqui o herosmo cvico.
Um o outro sao diga de nossa admiraco e gra-
lid).
esta, Sr. presidente, a mo?o que offerejo :
t Proponho que se indereee s cmaras muuici-
paes um duplo voto de congratularle pela termi-
uaco da guerra em qae'slava empanhado o imperio,
e de gr.itido aos seus muaicipes, de todas as
classes, pela efflcaz e patrioiica coadjuvaco com
que concorreram para a sustentaQo da prolonga-
da lula que os nossos soldados acabam de pelejar
as maigens do l'nta.
-O Sn. Presidente : Para que possa ser snb-
mt-ttido discusso o re jueriinuto do nobre de-
putado, preciso que aeasa vote urgencia.
Vai mesa o apoia-Se o seguinte requeri-
mento:
Requeiro urgenrM para difcutir-se orequeri-
mento.Gntmao Lobo,'
Posto votos o requerjmento de urgencia ap-
provado.
O Sn. Mello Rugo observa que nao podendo a
assembla dirigirse directamente cmaras mu-
tiicrpaes, sera conveniente qne a mogo indique
que isso se faca por intermedio do presidente da
provincia, e nesie sentido offerece Urna emenda.
Vai a mesa, l-se e apoia-se a seguinte emenda :
Depois decmaras munic>ae3diga-se
por intermedio da presidencia.JfeftoReg.*
Encerrada a discussao, approvado o requeri-
mento e emenda.
Continua a discussao do parecer da commissao
de constituirlo e poderes.
O Sn.-lBitttia* r Sk propfe que na forro*do
requerimeato, seu convidado a assislir discus-
sio o candidato do 2 dislricto, que se acha na an-
te-sala.
Val mesa e apok'se o segamle requer'
ment :
^eqneiro'qflo *a convidado a assislir
pirado polas maricas vibracOea de ioierWsB qat de agosto de ij (que altern esta lei, e a tenho na qneatio, quando t aperiosWade de ou- de aato de 1846 eaUbeieee em seu art. 1" 13
.. qw
troa naxlvos me levam a asaim proced r, e aobre-
ma desanimando a dedeiencia de recursos
ecluacs de que dlsponko (oo apoiado.7 para
encontr oplnlo dos honrados slgaattrioj
arcer, em cada um dos quaes descubro lia
vivo'penhor de illusU-acao e intelligoucia, que ami-
to ajuscioArfttflwfr- -~ 1 .
E. no eatrafito, JfcPfaWpfe no toel dos
embates desta meriWosa-lM^ao em qat me
acho collooado, unmeonsideraalo maicr da toda
a exiepelo acta ofllateu sapirao le nodo a tor-
mo farc* e vigor par entrar aesta diseussio com
toda a calma e conuaaea ; parquante tenho de
obedecer aos preceifct de miaba cooselenela, que
me dicta,qae marche na saaat di jastieja,are?-
to homenagem a lei e as iatatuifSes que Agu-
lam a tspe.-e, uanaes todas lirroam a aon-
tlecao de que a ineempatmWldafle maulfesta, e
incontestavel da parte desse canlidato meu com-
ffftcil de compreJiender-se, Sr. presidente, que
quando a conviccao impera, sobre lao solidos fun-
damentos, parece-mo que devem desapparecer te-
das e quasquer outras circunstancias;dev* cenar
a indebita influenza de outro qualqner sfeinlmcnto-
e enlevos de offlciosidadc ; e jamis quererei que
* meo coracJo os ampare de preferencia, fazendo
rasgar as paginas da razo ea que est escrpto
um syhqpsmo, nma venlafle, pos, que emend,
que antes destas daffereucas sociaes, antes deaer-
?e poltico, deve-se ser cid dio, amante do sen es-
tado e de mas iue-tuiooes.
Ti v, po. V Exc, Sr. presidente, quo entran-
do na materia do parecer eu careco de toda a at-
teftoao e complacencra, e espiro qne V. Exc. e a
eaea tn'as preem de moito bom grado; tinto
mais pern trata-sede ama qaestio e venes
adquiridos; trata-se de nullificar um titulo confe-
rido fkr um poder competente, jamis a casa dte
esperdear nma s iaformaeio, an s esclarec-
memo a ser decidida com justica e i Hipareis lidade.
Ha um aparte.)
ir
dis-
Sr. Dr. Antonio Francisco Correa de
requer ment,
regiment ea
0 motirff' qu'e'ievoa \ cam:;n aparadora
raibra.sogwHIo elhmesmo o l'r'rrn n> r^peeti-
xt Seta, a fazV citk ftttgi fts^tjo d>.ro-
rio* colfegtoi Ms rfft rnicisnada em-
cari, foi o /avW de ter o candida; > excluido, na
jualidado de izli municipal do Pao d Albo, hubs.
rituido em seas i'mpedhii'-mr'S M jmws de direi-
ambs as (da-awas ern trabalhos ,i5 juiz,
dentro dot rreattn mc.'* aaWiolw eloicSii*
vi Jo deereeo de 7 de JaJiN-W m:'-
iro i[ne
Sr. l)r.
Aranjo.Tt'xetra de Sj.
O Sr. G. ri'mmomd eppoe-se ao
por ser contrario as dispsieoes do
pratea adoptada.
Posto a votos o requerimento rejeitada.
(Prosegie a discussao.)
O SB. VERA PESBOAPeco a palavra.
OSn. PnESTDtiTB : Na rma ao-regiment, fi-
ca o |recer addiado.
Vai mesa apoa-se o sjnfbtb reqoerimento.
Heqnelru urncla para discoSo do pare
cer.G. fntmmmti. >
Posto a votos o rqderimente approvado.
O Sn."Vitoa Pesse* : Br. presidente, neo-
taiido a discu3sao do parecer da commlsSo de
con;tituic3o e poderes, que ppltta pera illegibili-
dade to Pr. Antocio Francisco Cornea de Aranjo
bb Hejgdmto dliirtste, *speito de acoar-se m
tteompatlbilidade, vis Wr eferldo jotlsdii'cio,
de aftforidade nos rol lefios ele^foftes d Xirhoelr
e Nataretli, peneiieates quefl dislricto, eii sin-
to-me em extremo embalado ea ernocSes bem cn-
contrads ; porqunnto, vejo por om fado, qttt Im-
pugnando as razese re oda men os do parecer,
deixO de prestar o mett a desso honrado colloga nuem duvo e nisideraeoes
Ap estima sfrapathia, afetri de 'qtw vejo qere esta
a-Jsje'mW^a tem delcar privada dena illustrnrai
e patriotismo, dos iruaes muito espera a provincia
qae nos vio naser, e espeeralmenle o dislricto
que nos elcgeo.
Por outroldo, 8r. prsWaW.'Info-rrie aenha-
do, porque tajvej ote julguem net?a discussao ins>
I
Sr. Vbig\ Pesssoa :-E, nem de mintias ex-
pressSes se eollrge ae lia o menor vislumbre de
offerrsa ; eston expondo com toda a franqo1 e
lealdade s meu pensamento, que est em perfeito
consorcio com minlia conviccao, e o nonre de-
putado devefazer-me jnsiica, porqua estoa em
meu direito.
0 S. OLtventA Fonseca :Faep jushca ao no-
bre deputado e faep justica 2 casa.
O Sn. VeigV Pbssoa : -O parecer da commissio
em seu ennunciado aprsenla, qoatro consideran-
dos sobre os quaes frrma a opIniSo de itlegibilida-
de do candidato Dr. Correa de Araujo, pelo segon-
do dlstricto, isV> que sendo eHe chamado na
qualidade de juiz municipal de Pao d'Altae ore-
si d ir as sessoes do jury nos termos de Limoeiro e
lazareto, nio tornava-o a ortica desse exer-
eieio mcompativet para a illegibiHdade.
O Sn. Gncalvks Ltma :-Esta a questao.
O Sr. VAga Pessa :Sa o^monstncio que a
commissao fez dos fOBdameoto ae ti ve para chegar
este flm procurott desenvolver os principios da
selencia hermenutica, tfcve de por em jogo i Ifl-
terpretacao da lei que regala a especie, como se
existissem motivos de duvida, como se existissem
casos accidentaes de obscorrdafle e seoco da parte
deila quando ella clara e explcita, em snas dis-
poicfies; e paramente de carcter prohibitivo, e
de modo algum podem admitlir interpretacio pos-
sivel, 110 intuito de poder-se usar das regras, e
principios da sciencia.
Recordo-me de um axioma de direitonter-
pretatio ceHdt n etnru, qnnndo verbt a' ciara
non admiltitiu mutis inUrpretatio.
E' verdde, Sr. presidente, que a s>Iueo de
qualquer questo de direito, que tem de s r enca-
rada pelo lado seieniilieo, e pela materia que traU
na 1 ctmsa tae fcil queao.uMI* Ijoaibros sem
muda reflexo e estudo da IegislacSo.
E' vcrda.te aioda, que, para se applicar urna
lei, como pceceito da razo eminentemente sociil,
deve-se procurar a declaracSoJe seu verdfcdeiro
sentidodeve-se indagar a natureza, Bm t a razo
philosopbica de ser, deve-se apreciar a recons-
trceo do pensamento n legislador com atlinen-
dm ao easo para o qnal foi establecida, ouando
Sor defeltos de saa redaeeao oonotai ella terna-se
uvidosa ou ebcura, benigna ou'odiosa.
Ma?, Sr. presidente, quando urna ll elafa e
peiliva. quando pela sua purea, motivos e ex-
tensa esto os rictos sajeuos so seu dominio,
quando o caso on especie estiver em perfeita har-
mona e confornildade coro as disposKes qne
ti*m de ser applicadaf?, sem jamis poder-se ampliar
ou restringir, devenios nste caso snjettar-aos aps
preceitos de sua littcr.nl, e expressa sposl^ao de
le; porque, S pr sdente, da ndole e phisio-
oomia das leis prohibitivas nao dar ao infractor a
menur rsrieranca de faga, o menor indulto de po-
der-se alTastar "da applicajo probiliva, por mais
qtte as circunstancias do facto illuda com app.i-
rencias de direito, por mais que regras mats ou
menos benignas do direito commum o aoeiram
favorecer. Igualmente, Sr. presidente, a3stm sao
as leis odiosas, e*mj protbitivas, nao pede jamis
a saa toterprttagao ser extensiva de modo a tor-
na-las benignas, sendo odiosas ou prohibidas por
isso que se o acto interpretativo contemporneo,
e faz parte do acto interpretado e tara de ser p-
pli.'a lo por ama vigorosa e necessaria consequen -
ca, a interpretaclo devd sor igualmente prohibitiva
e odios-a : assim as leis do fisco, as da orphanolo
gia, as lei penaes etc., jmala pJc dar-se fug.
aos seus infractores.
Ora, Sr. presidente, aceitando eomo verdadeirps
estes principio' da sciencia, que jamis podem ser
contstalo; ortifl vantagem, como cogitir se moti-
vos de duvida no sentido simples e eoncreto de
urna lei, cuino a qne tem de ser applicada ao caso,
as palavrasexercicio de junsdicao dentro do
prazo prohibitivo?
Como em nina le estabelecida por motivos do
ordem e interese publico, como a da ineompatihi-
lidade sujeita-la ao principiooiOt* restngenda,
benigna amplianda para salvar interesses indi-
viduaes ? Como ehssifiear os substitutos em or-
dinarios e extraordinarios, sem que haja lei algunia
que d idea dalles ?Como concebir a idea de ju-
riesdico plena e semi-plena, exercicio sem autori-
dade, eomo a commissao procurou desenvolver nos
seas cen>iderandos t
A lei e as respectivas nstruecOes sao claras, e
de carcter prohibitivo; por consequencia Sr.
presidente, illogea e exagerada toda a operaeo
intelectual que se queira fazer nesto entido, cora
referencia ao seu espirito, e motivos sem jamis
poderse aproveitar da salular influencia dos prin-
cipios da sciencia para sua applicaeo ; o que
cumpre ver se o caso est dentro da comprehen-
sao da lei prohibitiva e se eflelvamente o esti-
ver, a ningnein dado tornar a sua disposicSo am-
pluliva. ..
Estes principios com que a commissao quii jo-
far nao tem cerumenta applicaeo para o caso
vrteme, porqu m W 'clara e de eondicoee mu
positivas, e, como diz um escriptor de nota, a in-
terpretaba; aste ate, is quando dar, pre-
cisa e uniforme nao faz mais do que corrompe-la.
A nica interpretajo possivel neste caso a in-
terpreta cilo declarativa; e a casa comprehende
perfeitamente que a interpetracio declarativa nao
pede jamis ter effeito retroactivo, eonsegante-
mento o facto sojeito apeclaco desta asseinrlfa,
apenas eomo precedente podera regular no futuro,
lleando neste caso revogada a lei; no entretanto,
devo ainda considerar o caso: que a le ex-
presa e de carcter prohibitivo, e. una vez roa-
lisada a condi^io do exercicio nw pode jamis
dar foga em |>roveito daqeWes qae, aceitando o
favor nao pern>et|l*) torna-se infraetor.
Esta verdade, S>. presidente, perceWda por
todos os espirites esclarecidos, ao .emretanto a
commissao em seo ehunciado faz jogo^im elfa,
appbcando-a a especie, fazendo em laffa escala
cousideraroes que junis deviam ter sidp applica-
das, por isso quo o sentido da lei elaro, claras
sao todas as sqas epressoe?, pejas quaes se co' i
ahe- otea verdadeiro sentido e a rofea de seu
espirito.
Nao querendo, Sr..pre8deme.caHr j mesmo
defeito em qu^ cahio a noare conrmlsso de entrar
em largas oomlderacSes sobr os principios coalesi
aboa da scienea, que multas retes ostentan* em
sed desenvolvimento sbelas vmdadtes Iliterarias, es
oMea,nnaaTialjseeapplicae5o,flfoaevesropontn
m
decreto da Janeiro de 1865 q. 3379, assim so
exprime: ldfa^
Best dsposicio, Sf.. presidfnle, tftcem tres
argumentos com rela.r^e i questao que nos oceu-
p;, para os quaes conVergem todas e quaesqner
illac^ea que 4 queiram tirar, quer se amplieni.
aaer saafttrinjam, oaatenlaaeos os principioAt
direito.. Sues tres araomentos foram jnstaaMaae
aauolla) ate a ocomnassao esubeleeea ao sea pa-
recer ; dah igualmente formulo os segtntes pon-
tos ;
4*aat an nao substitutos do jufa de direito,
quanda diamados presidir o jury, os do urna
eomaree finua ?
2* paaK pelo facto da nresidaatia do Jury exer*
ce o juta aatoridade e jurisdicio 1
O SaPnrro Juniob : Mas nio exerce JuTlsdlc-
rio plena.
0 Sr. Vcau Piaaa.:Tceairo peale, e&ae tacto
do exereielo de jarisdtejo e aatoridade aoba-ae
compreheudido na le das incompatibilidades?
Sao estes os tres pomos, de confu midade com o
Incontestavel me parece, Sr. presidenta, que
a affirmativa resalla aos olhos de todo3 os espirites
esdaretiidoj e despidos de preTenc^o.
Un Sa. Deputado :Todos nos estamos despidos
de pretethjo.
0 Sn. Veiga 1'essOa :E para o qu passo a
prova-lo.
O decreto de 7 de Janeiro de 1865 em sua litio
ral disposicao, pelos motivos porque foi formulado,
nao fez mais do que ampliar o circulo das substl-
tuicoes, consegoiatementc das racempalibilidades,
como ja o havia feito o decreto n. 1083 de 18 de
agosto de I8W, quanlo aos Juizes de orpnaos e
seas substitetos, e bem assim todas os subtltntos
das funecionario, e eomo muito bem se poder
estender i qualquer ontro empregado, todas as
vexes qne motivos de ordem e interesse publico
declarados na le de 1865 o exigir.
O decreto de 7 de Janeiro foi baixado por forca
da N de 3 de dezernbro, em conseqneneia da *t-
tribuicae conferida nessa le no rt. 17 1 7"; por-
au6 o governo entendeu em saa sabedoria nio
ever permittir mais que a presidencia do jury
eontinuasso a ser exercida por juizes leigos, man-
dn que o juia de dirtlto da comarca vislnha fosse
snbslitdh* o juiz de direito quando impedido^
sta a verdadeira intelligencia.....
O Sa. FHRiEiRA :A lei nio diz SKbsifwrdiz
presidir.
O Sa. Vbiga Pbssoa :A forca das palavras a
presidencia o jury pertencer?
O Sr. Hermoceses :Pode mesmo dizer snbs-
titnir.
O 9r. Varc.V Pkssoa :Tenho nra argumento
poderoso para destruir o argumenta do nobre de-
putado que nos da o aparte, tenho nm aviso do
Ilustrado conselheiro, ex-ministro da justica, ex-
pedido i 29 de dezernbro do armo pastado, que
considera como substtiuto dos juizes de di reto os
das comarcas vislnhas ; sebMituem-se reciproca-
mente que esse pioio mnilo autorizada, e qite
me parece, que e nobre deputado dte aceita-la
para fazer desapparecer a duvia em que esta.
Qner que lea o aviso 1
Elle aqu est:
Un SR.D*n;rAD0 :Nao preciso.
O Sa. Gon?ai,vib Ltma .A aaeslio se on
nao jurisdieco plena.
O 8a. Vkiga Pbssoa : Por tanto nao ha a me-
nor duvida, e mesmo o aparte que me dea o hon-
rado signatario do parecer, autorisa-me a dizer
que -substituto. Por tonto passarei adiante.
Paseando ao 2 argumente da jurisdieco dir,
qae a jariidlcrao qae exeroe um juia de direito
na presidencia do jury, nao pae eertamente ser
de maior importancia, de mais elevados effeitoB,
porque o tribunal do jury a mais sublim insti-
tnivio, que as nossas leis eonsatrrain como o salva-
guarda do todas as libertades publica, e indivi-
daaaas cuja saaaMada tem sido acatada por todoi
os cdigos das naees civilisadas. E, ninguem di-
r, senbor presideote, qae o exercicio por actos
accidentaes ou especian*, quer eomo Hiteriao,<}oer
eomo anbsiitnto, nao cunfere o poder ou jaris-
diorao extensiva paraos effeaos de iaeoiapatioili-
aar dentro di distrie em que for o exercicio;
por isso que e suppor-se arquillo que a lei nao ten
destinguido, menos que se nao quoira marcar
ma Inte da.
O Sr. G. ri'mmoxd f&ik um aparts).
O Sr. Veiga Pesma :Nao so pede oaaroar ama
hiioila para jorisdie.o, como se fas para ea os
remedios que a maior ou atener oVise, pode m-
llair para os seus resultados e effeilos. O qne *c
ijuer saber se o juiz exerce actos de jurisdie-
co ; porque aoud'o a lei nao distingue, aa nao
dovelaos distinguir : le falla era exercieiQ, nao
falla em exercicio pleno, urna vez pratieado est
ipto faci, na comprenenso do exercicio de que
lall a lei.
O Sr. Herjioenks 'Sim, um aigumooto po-
deroso contra um nobre deputa loonde a lei nao
distingue, nao podemos distinguir.
O Sr. Veiga Psssoa :Desojo muito ouvir o
nobre deputado ueste ponto.
E' claro, Sr. presidente, que peni por momen-
tos pdese adimilr a hypoihese de cooceder-se
que baja juiz sem jurisdicca), sem competencia e
sem autoridad.'.
Um Su. Dkutado : Jurisdieco tem, a questao
a latitud*) della.
O Sr. Veiga Pkss.>a :Eis como os escritores
delinalas palavras: juiz, jurisdieco e competen-
ciajuiz a pessoa investida da autoridade para
adonuistrar justica,jurisdieco 6 o poder que
a ei confere para este lim e competencia a me-
dida deste poder.
O Sr. He8mot.e.xes :Nio ha juiz sem jurisdi-
co.
O Sr. Veiga Pessoa '.Entao jurisdieco car-
ta ? Mas quoro que me digam em que le encon-
ti'ou essa limilauo ?
OSr. HfatMayEs:Asgidl como o juiz muni-
cipal tem jurisdieco mais curto do que o juiz de
direito.
O Sr. Pinto Jnior :0 juiz que vai presidir ao
jury de urna comarca vi.-intia, s pode ir para
aquelle acto, e nao para nenhum outro.
(Ha outros apartes).
OSn. Presidei.tr : Altcnco Quera tem a
palavra o Sr. Moseoso da Veiga.
OSr. Veiga Pessoa :Estou deixando passar a
onda.
Como ia dizendo, Sr. presidente, no_ se pude
conceber que exista juiz sem jurisdieco e sem
competencia. Ora, praticando o juiz nestes casos
accidentaes, todos os actos de juiz de direito, de-
ediudo todas as questoes, o incidentes de direito
issistnlo em lim a todo o movimento judiciario,
como se conceber a idea de que elle nao exerce
jurisdieco? Ento nao passar de urna estatua
jurdica....
. ^0 Sr. GosgALVES Lima :Ninguem dsse que
nao exerca jurisdicga, disse-so quo exercia ju-
rudicQio iimitaia.
O Sr. Veiga Pessoa :No parecer nao est ci-
tada a le que ralla dessa mitacao, jusumenie
ah que est o falsearaeato da argumenta^o.
O Sr. Mello Rkoo :Ha o decreto do 1860.
0 Sr. Veiga Pbssoa :lsto quanto aos effec-
tivo, mis estamos as subsiituiodes.
Nao podem, Sr. presidente, as armas da inlelli-
gencia', por mais bem jogadas quo eejam, fazer
desapparecer a forca desta argomentaco ; naa
se pode eertamente dizer-se jaz sem jurisdieco e
dem competencia, assim como tambem nao se po-
sr conceber qae hija jurisdieco limitada, porque
o poder um s.
U Sa. DaruTAoo :laso -que onobre depu-
tado nao justifica.
O Sr. Hermogenes :O ebefa de polica tem
jurisdieco mais do que o juia da direito.
fTrocin-se-mais apartes).
O Sr, Presibehtk :Aiteaoo I 0 nobre oepti-
todo deve dirigir-se meca ou a, asscmbla em
geral, e nao eulreter dilogos.
OSr. VwcX pESo\ :-cofl 366 rm Jcftr a
dbw'rvMjto d V. Exc, mas rij stt cu querfi per-
tuba; continuaudo, direi de e^ argumento de
jurisdipeo restrictiva, desappareee nteifamehte
em vista da disposicao cfara e termirante da re ;
a lei stabelece o facto de exejrcicro para dar lo-
gar incompaiibllldadr, log tedas .as veies que
1 tlaSa. DaMrrAatf:-iaa apoMe; JaaMlc-te
plana, nio.
O Sr. Veiga Pbssoa :Quand|o impedimento
do juiz de direito (or prolongado, e que elle tiv.jr
de presidir urna sessao inleira, nessas condicdi
exarca meia Jarisdlcio ?
' O Se. Berhocebs t Plena, nao; pletia
exercesse todas as funcedes de juii de direito dea-
tro da contares '^mw* .^r-~aaaar"
O Sr. VaaU P1*oa .-*? lacia deu-ae aesta
Srovincia,aa contarta da Pao 'Afta, quaado son-
o remotafa o juila* diMMa Dr. Sebastiio Lacer-
da para a capital do Jtio-Orlide do Norte, foi cha-
mado o iuia de direito da ceaiarca da Limoeiro o
Dr. Adeaa de Ltau Fraile, para presidir o jury
e assistie a 13 dtas de seaaao. Reate easo nao
exerce todas as atlribnicoes, eonsegumtemente
jurisdico plena?
Um Sr. Dsrt
.jutabo :Plena nao, s poda conhe-
cer das causas sabmettidas ao jury, nao poda co-
nhecer de um aggravo, de um recurso, etc.
O Sa. Veiga Pessoa :Aslm sao os substitutos.
OSr. Hermogenes :Nao apelado, os juizes
municipaes, quando exercem a vara de direito,
tem JurlsdiSo plena.
O Sr. Presidente:Atlenco.
O Sr. Hermogenes :Se o nobre deputado so
encommoda...
O S. Veiga Pessoa ;--Eu nao, mas sou muito
dcil e obedeco ao Sr. presidente. |
Ja se v, pos, que clara a conclu5o de que
ha maniftsu iaeompatibilidade da parte do jme,
ou funecionario que exerce a jurisdico de juit de
direito, quer seja interino quer seja accidenta 1-
Kicnte, e nem se diga, como j se dissa, que aoode
a lei nao dlstingup nos nio podemos distinguir
qnando este principio s deve laproveilar a minha
argumentaco'pnr isso que nio se deve jogar com;
os Dreceitos da hermenutica, e nono menos
ageita-los a especie que tem de ser decidida.
Sao estas, Sr. presidente, as consideracSes, que
tenho de apresentar em opposico ao parecer;
eu as expend com toda franqueza em curapri-
mento e satisfaco aos principios de direito e Jus-
tica em qae me fundo.
Em conclusio tenho de fazer casa urna consi-
deraran qae deve sem duvida, influir muito no
se 1 espirito, porqoanto existindo dous candidatos
eleitos pelo mesmo districto, um jogando com todos
os elementos de suas relacoes de parentesco, de
amisade, affeicSes* e servieps, e o outro erabora
concedido de bom grado jogando com os mesmos
elemento?, mas que exorceu anda mais o princi-
pio da autoridade, ainda mesmo accidental e res-
trictamente, pergunto eu; qual ser a votacao
mais Innocente, e a mais para f Qual desses dous
candidatos ser o mais puro?
Sem duvida o mais puro deve ser o vencedor.
Tenho dito.
O Sa. Presidente :A discussao Oca addiada
pela hora.
Vai 4 mesa e apoia-se o soga inte requerimento:
Requeiro a prorogaco da hora' at obter-joo
parecer.Gaspar Diummond.
Posto a votos o requerimento 6 approvado.
('ConJinnor *.,)
REVISTA DIARIA.
ASSEMBLEA PROVINCIAL.Hontem a assem-
bla regeitou, em primtra diseussio, o projecto
n. 14 de 1868, que manda construir urna bomba
sobre o riacho Agna Fra, orando o Sr. Fellppe de
Figueira.
Approvon, em primeira diseussio, o projecto
n. 97 de 1867, que ihterpreta o art. 24 da le n.
593, qae manda abonar ans professores que tive-
rem completado o seu tempo de servico mais me-
tade dos veocimenlOs.
Depois de orarem os Srs. Gondim, Corred de
Aranjo, Mello Reg e WaBderley, approvon, em
primeira discussao, o projecto n. 110 de 1867, qne
eleva villas as poveardes de Bom hrdlm e Ver-
ten tes.
Foi regeilado, era segunda diseasso, o projesto
n. 6 de 1867, creando nesta comarca urna repar-
tilo de archivo publico.
Etrando em su*da discuwio o projerto n. 70
de 1867, que autorisa o governo a mandar faser
as obras nesesarias no! hospicio de alienados de
Olinda. de modo a poder reeeber maior numero
de pacientes, foi approvado.
Foi adiado, a requerimento do Sr. Gusmio Lobo,
e depois de orar *te, o projecto n. 58 de 1869, (fea
stabelece o onsn* tlvre aa provincia.
Foi approvado, mandando-se ouvir o director
da instrnecio pnblica. e arpla dd orarem os Srs.
Wanderley e Gusmo Lobo, o projecto n; 68 de
1868, que supprime a cadeira de instrocoao pri-
maria para sexo femenino da vilia do Buiqoe.
Entrando em primeira discussao 6 projecto n.
85 de 1868, qae aatorisa a reforma na casa de
deleneao, oraram os Srs. Oliveira Fonseca, G.
Drammond, Rufloo de Almeida, sendo o mesmo
adiado para ser ouvida a commissao d3 legiflac.o,
apreciando conjunciamente o projecto n. W de
Id8 sobre idntico objeeto.
A ordem do dia para hoje :primeira de-
eaaafo dos projectos ns. 1, e :l d'este anno, se-
gunda dos de ns. 46 de 1865, 46 e ol de 1860. e
76 do 1868.
DINHEIRO.O vapor Cruzeiro do Sul tronxe
as seguimos quantiaspara :
Ilank of Rio de Janeiro 200.0001000
Jos da Silva Loyo &Filho 52lOOOOOO
Saunders Brothers & & 49:2753000
D. Pedro Maury 30:0001000
1. Carrre 21:500*000
London and Brasilian Bank 20:0003000
Manoei Francisco Marques 2:0003000
Prente Vianna & C. 5003000
Jos da CostalMaia iOOjOOO
Antonio da Silva Ponte? GuimarHcs 200J008
Cunta Irmos A C 20040*0
Jos Augusto B. Coelho 120i000
principal a que se mire-, basta -me tomfrontar a lei I for praticada es?a condicSo anteclpadamnre im-
e lurfrurgow, que regulam a especie, edmod'easo pos'fa om restricta obrignco, nrj srf pode arpu
oceurrente, para levar coavieo de quea af- meutar em ser o exercicio mais curto ou mais ex-
tirmauva, clara, e ineontesfavermeae maafesu
a incompatibildade do caftiHdat'SrguidO, parecen
do-me que a solaco em cttotrarib reaA nV frente
todas as consideracSos', para o-qOe efeiaTos.
O Sr. PimsiDENTE :Son Mirtgaae a fmbVar ao
nobre depotado qne } paseada a aift do e*pe-
dieato, e que. segundo o ratimentb, devenid en-
trar na ordem do dia.
O S. VmeA PasofiA :^Voa coaelar.
Sr. presidente, o decreto de ftdweetembro itf
1855 assim se etpTimoAoiS *doaf1. 1: li)
O Sn. Pitto Jtmiot:E* prealao proaar qae o
candido tinha exercido jarisdlegao.
0 Sr. Veiga Pessoa :O decreto n. 08J de J8
feao, nSo vejo dispolcd afgam de lei to sen-
tido de argurpentarp d'noore flpatatlb, o eston
dwgotJ de oxrvilo a et(e respeito.
I^to. n3o 6 tra lc,lo. o fomento viro aNrum
vorda.de legal, de ppllcaeao absoluta do enlaMef
a le pela fal.
" ? rgnm'enlo, Sr. presdfltt, bdsda-s sVftf
a incompatibilidade.
Hfeguem poer zer qt nao se d incompa-
timlidade na preSIdeoeM do jary; mofivo mais
*i poderoso para eWr'se soder, nfloenria,
emagitude da pratlca de tic- clavadas attrlbui -
edes dessa parte da magistrtara /me a^sira ejer-
ce todas as funcedes.., de jurisdigacr.
P^ara as provincias do norte trouxe ainda
esse vapor :
Parahyba 700*000
Cear i:!M0320
Maranho .-'iMOSOOO
Para 14:4003000
P.H0CIS50 DE TRIUMPHO.-Os terceiros car-
melitanos exp5ein hoje, pelas 3 horas da larde, se
o tempo peruiittir, a solemne procise de Vrium-
'li 1 dos PassM do Seahor, a ipjal percorrei as
seguintes ras : ao sabir, pateo do v'.rmo, Gam-
boa, Flores, Nova, Cabug, larga c estreita do Bo-
sirio, Duque do Cax'ias, traversa do Ouvidor,
Imperador, ponte dc.Recife, Cadea, Cruz. Lingo-
ta. Commerciu, Corpo Santo, Vigario, Encanta-
mento, Cadeia, ponte. Crespo, Imperador, Praca
de Pedro II, Duque de Caxias, Livramento, Direita,
Ter<;o, Marisco, Marlyro, Hurtas a recolher.
ASSASSIXATO.o dia 6 do correnle i 8 ho-
ras da noite, na estrada de Joo de Barros, laa-
vjndo-se de razos' Manoei Jos da Poreiuncula e
Pedro Soares liezerra, guarda nacional do 2." la-
lalho do infamara, aquella assassinou esto com
urna facada, pondo-se em seguida em fuga.
NAVIO E.VGOXTBADO.-O brigne inglez Dante.
chegado hontem de Terra Nova, encontrn a 26
e> mareo, oa lat. S. 43' e long. 0. de Green-
wieh 27 30', com o brigne portngnej Miclutetefie,
capito J. T. da Costa, em vagnn da ilna de 3.
Miguel com um carregamento de miltro, tendea
sen bordo 22 irnmlgrantes.
PIAUHY.Veio hontem da corte, boTdo do
Cruzeiro do Sul. com destino a provincia do Plan
hy, o Exm. Sr. Dr. Marroel Jos Espinla Jnior
rhofe do polica e primero vlcc-presidente, qde
all deve assumir as fedea's da administracao em-
qaanto estiver com assento na cmara temporaria
o Exm. Sr, Dr. Luiz Antonio < ielfa da Silva.
O Exm. Sr. Dr. Espinla, spezar de joven,
! Bastante lllustrado, e recommndasepelo sen tino
e prudencia, devendo bem desempcrfr.ar o honroso
eargn que Ihe acaba de ser cbnlhdo.
CRUZEIRO DO SUL.-Este va'ppr tira a mala
hojo, s 3 horas da tard, no edttvrby pifa os par-
tos do n rte do imperio.
AXXIVERSARIOS.ttoBtem toi o da aaaivrr-
sano da acclamaca da S. il. o Sr B. Pedro II
Como imperador do Brasil. Por esse motivo esti-
verain embandeiralos os navios do guerra o e.-to-
coes publicas, tiavcndo 1 liora d tarde a salva
do estyllo. '. .'.uil.
Amanha faz 3o aonos S. M. LepeM II, rei
d Blgica. *
OBRAS CONDEMXADA&A sagrada congro-
eajo do Index condemnou e prohihia a Icitura
das obras seguintes:
MHWN rrilira 4a ajMIvt/i^!^ por Loigi 9Ufa-
Reai (em lingin itolianal, sopiiida edteo MUo,
1860-
O papa e o concilio, p/n* fcnj.-, em nigua alie-
ma (id es papa et ctncium., auclbre Jano),
Leipsiik, 1869 (em WWJs'W'Idomas).
O direito do fHrnMstitfpttybs lingua alie-
mi, por r. Frosehammer (M <*t Jm+nurm per-
mitiott) publicado pelo livrerro Prje, em Lelpsteft
180.
ktmi \mtmt en tmi, em lintna fratanza; ara-
rtWli' tradotMa em .MaHtinu por TWi saceratat
lombardo,e publicada pela typographia arebiepisco-
pal avMIo, IS7. i
vetateote rapwroo a saaalfa).
8ADA fiB U9XL
passado,*c mator!
do vapor ingfez
imperial,
morreo.
CU
llura,
bia as aagar
ituurmu*
mbaco, <
qaalqner dos 1
eomo (ando de garaaaa.
NOTAVEL aXNCaMNCia*-ate 1* tai
em qne as notan ti
vaaoria que veto pr termo i \
te do Paragaajr com a 1
maaca al.11 disso urna outra 1
paginas da nossa historia.
O dia 1* de marea Utabeea a 1
pacitlcarao da provincia de S. Pedro 1
em que os partidos itiiiideatai, o
pensavam vingar a honra nactoaal
lyranno Rosas, e pelo sea logar-te
que entao sitiava Montevideo.
VOLUNTAMOS DO CEAMV
na corte, no dia 30 do paseado, o
de velaatartos da patria, ab a 1
toael Antonio Tibnrcto Ferreira de!
Jornal do Commercio diz o
d'esse acto.
< Oficialmente e da parta do poyo trranaa ateas
bravas acaiMmeato
encontra* os con tingamos ana aa |
-a parte dos Cearenses 1
ceberam urna grata e
Vinte e dnajsenhoras e 1
brancos enfeitados com atas ae
levando tiracollo ama la ga ata verde 1
tico em letras douradasa patria
airando baadeiras brasileirs, toma, 1
das de grande numera de seos
e dos estudantes da escola central a l
urna banda da msica, recebar o batali 1
lmanos da patria no artsaal ae nurlaaa,
< All se acha va j S. M. o Imperador, al
nhadojde seus semanarios, os nwu'lrw 4
gradde numero de officiaes do exercito,
e da guarda nacional, extraordinario
de povo.
S. M. o Imperador, abraeoodo o Sr.
Tiburcio. dirigto-lhe as seguales palma* :
Sr. commandante do batalhio de aa'
t Aceitai esto abrace para ros e ate
radas O mea jubilo, o de Cedas ea li
cresee medida que ventos reeatnidos. a
numero, ao seio da patria, ae deaeda
res da sua h nra, lio itoriosaneeaai
tada.
> Vvam os voluntarios da patria '
1 Vivara o exercito e a armada mina mi
O Sr, coronel Tiburcio agradecea e I
levantando vivas, que l>ram entbo
correspondidos.
Alem desse, outros muitos diacarsoo pee
sias foram recitados at o momento de oaarartai
no quartel.
COXVERSAO.Escrevem de Taubat, aa pr
vincia de S. Paulo, ao jornal Apo$tth do Rio d
Janeiro :
a o dia 5 do marco, nesta cidade de Taaaaa
o Sr. Germano Landesman baptison-se o ral se-
guida casoa-se. notes de reeeber estes urraaw
tos, preparoo-se com muita dedicagio tetade
nos rudimentos da f, esiudando o >-atbaeisao da
doittrna ehrista. O Sr. Germano tem so vbi-
taib, nao s pelo clero d'esta cidade, ceno pat
mnitas pessoas de sna amizade.
K' mais nma prova que nos enehe aa praarr
por contar na commnnhio da igreja cadtfNca 1
toliea romana maiscm irtho.
" O Sr. Germano era Israelita.
CAIU AUU'.-Escrevem-nos desta daae,
Io do corrente:
Hontem, ao aoeiteeer, correo par aaoi a a-
tica de que se acnavam muito prximos desta
cidade alguns volunteries da patria, aiboo 4'Ma,
que, depois ae quairo anuos de verdadeiro* aacri-
licios. voltavam aos patrios lares careados de tea-
ros, immediatamente aflluio o povo o nma mu-
sica de partieulares existente neste logar, ia*>
todos eucorporados ao encontr desses bravor
que tanto brilhe deram ae Braeil, laoalraoao ao
mundo inteiro quanto podo o paaienaaw da aen>
lhos.
lui'olizmente s vinha um d'essaa Tiatorir
0 ex-sargento Guedes que, por ai eooa rapraien-
taate de seus corapanheiros, receben eolbaiiaoii-
cas ovacoes, lano mais apreciaveis por sama
promovidas de momento, e Ulnas da idea gi aadatei
que g Talmente se faz d'esses cidadaos diotmef'
que, soldados bisonhos na vespera, soaberaaa mos-
trar-se urna cohvrto de bravos nos das de prova-
coes, quando em frente Uo inimigo audn a feror
que tantos males aos tem causado. a veraaae.
era sublime vdr todas as classes confundidas, ja
victorando aos voluntarios, j ao exercito a i ar-
mada nacionaes, o j finalmente aos sena aiattea
tos ebefes.
Depois de ter percorrido as ras d'esta ctea-
dc, de que algumas casas se iilimiinaran, pareado
na do d j|egado, majen Vctor, na do juiz de direito,
Dr. Buarque, onde (em ambas) bouve muioenihu-
siasmo c saudaedes calorosas, acompaabidas da
hyuno nacional e de logeles, recohVa-ae aqaellr
voluntario ao lar domestico, no ineio do priooiaaea
cidadaos. Eoto presenciamos um qnadro ealer-
necedor ; porque, sendo Guedes casado, ao Irans-
por o limiar de sua habitaco, vio se Ion laneareni
nos bracos sua esposa c urna lilninna qne deixara
ainda no oerco. Era um grupo interessanlissimo e
que muito sensibilisou a lodos, tanto mais porque
foram ternas lagrimas que exprimir?m a sopre-
ma alegra de que estavam elles possuidos !
Cumpre anda accrescentar que a moca,
pela conducta exemplar quo teve, nao obstante ter
luctado com privacoes por ser pobre e pone Ihe
ter podido mandar seu marido, que alias dVIta ni
se es.|u'eia ; digna do todos os encomio, do
respeito c da eslima publica.
LOTERA.A que sj acha a venda a 143' a
beneficio da igreja de Santo Amaro de Serinbem,
a qual corre no dia 12.
PASSAflEROS Entrado? dos portes do sul no
vapor Cruzeiro do Sil.
Antonio Pinto Leite, Rcmo Pires Saeiel, Joo
Raptla Paes Barrete, Francisco Lieeriro da Costa,
Francisco Joaqoim Pimeniei, Faustino Lniz Viaa-
na, Joo de Oliveira Prado, alferes Joao Jos
Fernandes da Cunha, A. Ribeiro Pessoa, Antonio
E. da Silveira, Aprigio Jos da Silva e 1 eseraee,
Francisco Ferreira Maia, E. Wagen Roerht, aua
sen hora, 2 filaos menores e 1 criada, Emrfiabo
Alvs da Silva, Manoei de Seoza Lrt) Ribo, Jos
Clrmentino da Coneeieao, capitn Kramer Candido
Valfrido Madeira, Francelino B. Prgueiredo, A.
L. de Mello, L. T. de Albnquerque, Luiz M. e ?oa
senhora, B. J. Ferreira, Joao de Dens Guimaros,
J. Josino Brasileiro, Francisco de Pauta Rocha.
M. B. S. Lobo, J. Lopes do Aguar SHv Moritita.
Jos Mauoel Baptsla, M. F. S. Bastos. A. A. Braga.
A. C. O. Maia, A. L. de Sonza Lins, B Leal Rema-
no, Manoei Andr de Lima e 6 pracas do eter-
clto.
Seciiiim para o norte no mesmo vapor :
Riendo Joaquim Pinto, teneate Raymnndo P.
de OlrrHro, engenbeiro Francisco A P. Bnean,
Dr. Manoei J. E. Jnior, e 1 ertado, B. 8. Raposo.
A. J. da Silva Gaiferes, Dr. A. D. Carneiro, eapi-
toRaymundo J. Hnheiro Hornera. Maneel Pran-
HseM de Azevedo Jnior, P. C Rorlamsqne, De-
miugos Amanes d Oliveira, 17 pracas do ejer-
cito, 2 ex-imperiaes marinheiros o 1 escravo a
entregar.
naa
BO
PBLICACOES
-
gradecimento
Os abaixo aasignados ofikiies addidos aa l. ba-
lalho de aralaana da guaHa nacional testo an-
nieipio. odtr'ora aquartollado. apradeooao *-m
todaa oonsideracao o proceaimeolo benvolo e aa-
vaileiro lio lllm. Sr. lente coronel. Docto dw
Aqurnii Poneeca o mais uflioiaes pertencenter a
dito corpo, assim como aos Srs. oapifes adetdoo
peto delicadeza e allnelo para o* abaixo inscrip-
tos, e Hw piodigahsara a maior coosideratao
d'ora avante alera das j arodigalisadas.
. ROeif, f do abra" de W7ft
Teneate, Joaquim Jorge de Mello.
> JoanaimfteuBdos de Castro e Silva.
Flix d,Araojo Arbuqnerana.
Vicente Ferreira Pinto.
Atiere, lAatoni Fraricisoo o Moraeo.
Joaquim Igaaoio da uneeca.
fabino o Bapta.
Joao Joaquim Alvos de Albaabaraae.
Joo Leopoldo do Reg Villar.
Joao da Castro Oliveira Gminuraei. '
Belroiro Jos Forreira.
Jos Ferreira da Sirva.

i





-
dtXvnmhv* :7r Jffffr M'k&ifa^sfcl*.

Wm tL*miu
corno r, o elemento
o uno pens a este respailo, ojiara qownio jeja
inal interpretado o mea pcnsamento, cumpre-oss
dizer que a asriedele temyr Mm abolir Wat
eW servil gradualraoqu,; prnaovendo ~T
Aouver urna dedida legislativa a este raspea).
aa miaba nial elaborada axaosicao Va*w de
detwBstrar os inconvenientes da esravido, o
Masa da mdualtU oanaado por lia. a risco
dos capaes empregades em (bou to .ontiogen-
em vez df eeftn empre^aS* en madrinas
HCJiUeai e meliiorem jLi<.. Mostr! os i
centre,
as IndeMnas.
.daasMtfo* toaste
o malas que aor e*u medida eltap sof-
Judo os B'ttMfttB*, ffflei nl^FulteWoades,
ejoeenvenieoles da eMMelpb^b dw adula*, e
EL. LM" Sf*. ** *
uoa medida legislativa, deviamos tratar de ex-
eafuir o mal, prerawendo a etiuacipaeio das
receii.-iaseidos, que assIerMnsedaad aalmi
aooos mito menos sa jfapoo da capltruf,
R.,ma,sJJCi1 *W"V lauU escrvipo,
Kstas ti< DnrnAttrttos por t** os eaagw-
xaiijj, a <|uem por carta eu liavi wMHMMatlo
* ** *fBOMK era adMitanas pelas meus
collegas formados em dreito, dos ntiaes flons
Iterara riihaaies dseuiMw aboadioio 'estas
idea?.
Itaeja&Ao gue nao seja mil interpretado o
mcu pronedmienlo, rogo-Ins o absuiufc de pa-
rtear esta deelaraiio.
Pad'Alho o de" abril di: 1870.
Vtcente remira Gome.

que no da 8 do entreoa, dars do meio da, e a
xoonerimento de Mills Liham'& C, ser evado
tiasta publica, livre de direitos ad- arrematante, na
****** jmt'fa u larde de marca tt. o.
5. o, vmdo da Liverpool noreapor alarles So*feW
irado em i) mez prximo paseado, comando
lOOpeeas de-padapelo at 13 los V urdidura,
rom avaria de anua de mar. cea o peso nal de
Mi fctiogrammos, un valor de 43SJ9M.
Alfandeg* dt> Peraambaco 6 de abril de 187a
O Inspector interino,
Luiz de Gamito Paas de Auddi>,

MCUBACOES.
Iriralidos raccionaes.
ota auaia tinaja e jpa)avra8[t;impls* akftw dent* ai sueros qoe sol
**Uu, e san aeostumedi co-nanueira fl*ie
unn cura rpida sem dre<. O mjio
de aloancardes aquelle allivio, o de conseguirdes
-aiuella cura, vos offeresido dobaixQola frma.
das pulas assucaradas deBrist.il; o nico ca-
thartico e aherativo existente, o rural abre as
4>aesageus obstruidas dus intestinos sem causar
o menor desmaio on anciis, e oth;i rc.Jt twir ao
stomag-i a ao ligado, a viger (juo e> bavia
-sido roubado pala rnoletia. Este dtsobstruente
natural nunca cHfra>|uece orgai algum ouabale
as lor.ja-i garaes, ao contrario ei!e of.illivfmente
renova a saude oatur.il. do apparelbo digestivo
dos v;hoj secrcterio. itaranieutu sari preciso
samarse u:n medica na casa em .jue esto se-
guro e ido poderoso remedio de familias existir,
* j.ii sr que todo o bom pai o inae de familia
< leohiim sempro mao. As plalas vio mellidas
deatra de riarjahoe, e por i.so a saa eooservaeao
duradoara em lodos os cli'as. |Sm lodos
os jaoi d.' impurezas do sangue, n Silsaparri-
4na de Ir-i il deve do sor administrada juntamente
com as piiulas.
Raneo o Itrasil
..ico, esa Ifqnlda-
A ftaii4 Filial do Banco1 do Braril, tendo
de proceder sua lipuidflco, vende por cpm-
modo preco o srJtrtTid sito a ra Imperial
b. 64, eom grandes e eacslentes acamo-
dac5e&, assiai como vende a casa terrea
contigua, n. 66, a tratar na mesma caixa a
roa do (kHwrjgrcio w. j4,
Imperiuie e re^o consulato
d'Astfia ^J^eft, 4
Peraarabiico.
Cm deerato Id.* 15 Dicambw *#69 vieK)di-
Mia un'aaafpafe d*i suddiii Austro-UngarlcK si
irevaB# aUtseieM.
I medesimi vengono quindi invitali col presente,
ui awMMUiarsi, nel termine di tre mesi dal giorno
doenmeati comproyanti.
La tecrizione ha luogo libera d'ogni spesa, ed
a>icura agli inlaressati il dirilto di nazionalili
presso VI e R. fflci Cosolari nel Brasile.
faiperiale e Regio Consolato d'Austria-ngaria,
m Pernambuco, 12 Mano 1870.
L'l. e R. Consol,
Barone do Livramento.
Repfesrjtar-se.h3 pxda sa)Hkli tas u tolere
di a ro^u af toitdato aVajn* a ;< ats, iu
ululada :
a ^faaW'W- fcphad Fla
aacua-ae a axibifs') da ti a 4a cwnedla ff i *cio
OTMJTMOITfl
desempenhando os prneipaes papis a 8ra. B.
afana de Lacerda Bahia>e os Srs.3stoBahia e Pb-
regriao.
Depois raarmapUf ladra a graciosa comein
em 1 actor -,
ii fZ
Executando os5 pffnttpaf s payis os Srs. Baha
e Peregrino.
0 sal* e finase *J
Cujo terminar cora um eafweado
iSLBSSm
cao
El M

Bancado pelos Srs. Babia e Peregrino.
WMeAo aMMtfende a atuneros pedales de
pessoas que desejam assislir aes esstsMculos des
le tbeatro, reoiven modilicar o9 pasaos dos-M-j
Ihees, vgwaodo d'ora avante a tabella abaixo
mencionada :
tltmamU, eom 6 iagress, tnchimdo paesaaen
em wagn, antee e dopow do eapeetaaaf, 13i.
Cadetra, *om paesagem antes e depui do
espectculo, 24500.
Wofcto, com passagem para antes e desos do
espectculo, 1*000.
Os bjfheiee nata-s na estaede a Reeifc e
no teatro.
Primipiars 8 iberas.
111 ji'mi,
Domingo 10 e ab.
4' e ultima represenlacao do exceliaate e
applaudido drama em i actos, titulado :
*a o ataa ciaja puf ter
0E
Faqwte* a vapor*
JtoArfWfWsdo nortea speasde
at vd ffy no/reato vaam
WM1, camisaadane X Jf
?ranfio, o jias oapois ta deaps-
m do CMtaavusefuv para
as paaioe do tul.
no dt de sua chegadx Encomias
w*ss oapew ouf paamos attacoa da ano>
' IjJW.Mbsajr estas lunljes dew
i.passagairoaquesuas
tSWSfftt'
Alaga-so. dp
praiica de serm) il
anuos de idadf^W
metam*
frocisa-se de
Sos arranjos d
prar e cozinba
S cargo :
dar.
que se encarregua
homem (menos cn-
seja iclosa no seevjjo a,
:es n. fl., sogundii aa
W*
Ven^avil orjfci ter-
?aSe-
io do
sei
Seguir emjj
Noi'o Sgtnpalh
flfajBj(< yoasl -toda ^
nfernlni, assim eom para pasa:
ollerecc neos e excallantes commodo?, traa-sd
oti Bailar.elimina A (1, ra do Vicario a I.
armieiro andar.
4
a portuguezar
" par j ten
a pouca que
- aa (inaos
eoernjr #aca (ras
o, lOJH/
Spk^Tmas imdjgels^'
at machinas-'das |
res, tendaapoem ensioe a coai
os ferro e por preco muiti em col_
| casa co-se resitdos para casamei
~ moda e panieulares ; larnbem
ope vindo do serlaadpJBbcurar m>
i e hahte de criacj pas ': ra
jto Bispo rasa dojR U Jfalentim VilFeta."
mandadedo Sf^phor R_
Jesin das bj*t8 na igre-
ja da M^idre 4je Itojaiv
De ordem do nosso digo* rrasao arovador e aoj
nome da mesa admmi.-traffv, eoavido sos iiomS
cnarisimos irmaos para gire e e%m>m compa-
.reeer-nesta igroja.^cita-feira 8 do correte, pelas
' jlhn d%.fifcpnor_dos acom
de
iSfffiH do
Kecife.
PROCISSAO
Tendo a tener
Silo Nossa
-^idade de a
fas a sol
^'^Iswmplio do
ny da 8 do cor^
4>ir> s 3 fcorai
jando a mesa t
lelo teja revestido1
e ni6ceTjia, m
IL'MPMO.
tdem ter-
Caima
r vista
rocid
enhory
:|(se#i-
k dese-
que Arte
poaifSa
convidar
rmaVts, para'
pm seos habi-
ija da nossa
s 2 e meia
encorpora-^
mencionad
por esta fr-
Wfor explendor e
ios
LEILOES.
sa*
COMMERCIfl.
rilifA DO REC3FB 7 DB ABML.
DE 1870.
AS 5 1/1 HORAS DA TAF.DK
Algodan 1' sorte88a rs. por kil. (honlem).
uoncallo u* Alonso,
Presidente.
Mesqnita Jun.i.r,
Secretarte.
ENGLISH BANK
Of Rio de Janeiro Limited
Deseo ata lettras da prags laxa a con-
aaooar.
ReoHM dinheiro em conta corrente hia
I raso 2xo.
Saca vista ou a praso sobre as cidades
prlodpaes da Europa, tem correspondentes
ua laiiia, Duenos-Ayres, Montevideo, New-
e New-Orieans, e emitte carias de crdito,
para 04 tnesmos logares.
&K DO COMMERGO N. 36-
ALPANDEG.1.
ftMdlesstododiaf a5. 115:0204950
Mam -J lia G t 36:2624811
f lem do dia 7....... 31 7134309
Pela reeebedoria de rendas internas se fai
publico que neste corrente mez e no de abril
prximo futuro, que os cortfrlbuintes do imposto
sobre industrias e proiissoes teein de paga-lo, li-
vre de multa, e que lindo o referido praso sera
cobrado com a multa de ti Q|0.
Reccbedbria de Pernambuco, 3 de margo de
1870.
O administrador,
Manoel Carneiro de Sooza Lacerda.
18:9974W3
.OVIMENTO DA ALFANDEGA
Toiume:1 3ntrados cont raiendas
i ':s. idem com generes
V;iti'.:ej, saitidos com fazendas
(den: idem eom gneros
380
1165
----- 1545
208
1066
1274
Desearregaro boje 7 de abril
4!arca tngiezjImogenemercadorias,
Ihtca fr.mcezi.Woassr (fe;Wtn!e,.-^dem.
Iljrca ingk-za Imperadorfariaha de trigo.
Patacho ln'.indezGeraldinefaiiob' de trigo.
Saman hupaoholaDucu UmUUnas armba
d trigo.
I'aiaelio h.ollaudezHelaidem.
ImiicI.5 iuglezJulio Iiluckdive/=.cs gneros,
barca inglMaAris (arribado)sebo e aseos,
ilngue nGrie-allemaoAu&isto (dito^idem.
liarca iiertuguezaS. Migueldiversos gneros.
BGEBEDOR1A DE UENAS INTERNAS UB-
RAES DE PERNAMFiGO.
RSBrfiBMDCo do dia I a 6 10:0904254
1 isa do dia 7....... 2:3264916
Uelarao das carias registradas procedentes do sul
e norte do imperio, existentes na pepaHicao do
correio, em 12, 29 e 81 de margo de 1870.
Areslidej Jo- do Leao (2), Antonio Domingos
Pinto, Ahrea Camiaha Tavsres da Silva, Alooforado
A Irmao, Adtio Luiz Pereira da Silva, Anguslo
Gomes SetJo, Arlindo Francisco Nogueira, Bario
do Livramento, Candido Jos da Silva Liberal, Do
mingos AITonso Fcrreira, Domingos Anlunes Villa-
ga, Eulhymio Pereira de Albuquerque, Francisco
Lucas de Sou;a Rangei, Francisco Cameiro Ma-
chado Ros, Flix Antonio Pinto Serodio, Innncen-
cio Paes Mendonra, Joajuim Jos Godinho Jnior.
Jos Rodrigues de Souza. Jos Leandro de Almeir
da DanUs, Jos Miguel Bastos Ramos, Jos Ayres
do Nascimento on Meada de S Bando Sampaio,
Jos Vicente de Lima, Jos Cleraentino H. da Si.-
va, Jos Domingoes do Carmo Silva. Joao Vi inna
de Mallo, Joo Gabriel Bap'sta, Jeio Feruandes
Cavalcanti de Albuquerque, Luiz Ferreira N. Pe
linca, Leandro Francisco Jfogneira, Lniz Ferreira
Macie! Pmheiro, Leopoldo B. Galvao Ucha, Ma-
noel Jes Moreira, Mauoel Al ves Ferreira & C,
Manoel Francisco de Mat'.os, Manoel Joaquim Sil
veira, Pedro Marlyr Maury, Vicencia Alcxandrina
Pereira Dutra, Tobas Barreta de Menezes, Xisto
de Paula Baha.
O encarrogado do registro,
_______________Manoel d .s Passos Miranda.
Adotlolstra^o des crrelos de
Peraanouee 8 de abril de
*?.
Malas pelo vapor Mandaba da companhia Per-
nambncana.
A correspondencia que tem de ser expedida
pelo vapor cima mencionado, para es portes
do sul at Pencdo, ser recebida pela maneira
seguinte :
Massos de jornae>, impressos de qualquer natu-
reza e eartas a registrar, at|as 2 horas da urde,
cartas ordinar,as at as 3 horas, e estas at 3 Ii2
pagando porte duplo.
O administrador.
Afonso do Reg Barros.
MEDICO DAS CRIAHCAS
Terminar c espectculo com a MpustaUfo
da graciosa comedia em 1 acto denominada :
O marH victima fias modas
Tanto no drama como na comedia, os princi-
paes papis sarao deempenbdos pela, Sra, D.
Mana Baha e os Srs. Balua e Peregrino, loman-
do igualmente parte as Sras. D niympla, D. Joa-
quina e os Srs. Braga, Eduardo, Freltas etc. etc.
Os bilhetes acbam-se ua estacio do Recife e no
tlieaico, pelos precos estabelecidos, havendo tram
depois do espectaenfe, cujo tocar em todos as
pontos do estylo.
O espectculo principiar s 7 3/i em ponto,
para terminar s H.
Be 1 tt saceos eosst felJS sendo
lleosaa (oqaie de asarla e 4
Hffalf.
O ageste Panana Cara feilia pqr conta a risco
de quem perte^cer de 10 saco eom fcio os
Utiaes serao vendidos sxla-faira 8 do corrta ai
II pora* da nunhaa no ifapicue do parau do Li-
wanynto Forte do llpos.
AVISOS MARTIMOS.
COMP.VNHIA PERNAMBUCANi
DE
Vavegaeo cosielra por vapor.
Porto de Gnlfinbas, Kio Formoso e
Tamandar.
O vapor Parahyba, seguir para os portos ci-
ma no dia 10 do corrento meia noite. Recent
carga, encommeudas, passageiros e dinheiro a fre
te no eseriptorio do Forte do Matos n. 12.
da fazenas geraes
A 8 do cor-rante.
Henry WiUme. continuar o sau teifio por in-
tervengo do agente liveira. do mai completo
sortiinonio de fazend;is delodas as qsaldades.
RW
as 10 horas da nlanhai, em seu armazam i ra
da Grps
duas hor;
panharm
db Seahor
ravel Ordo
se di
9ec
a tard
procisdfe do ateto do* Falsos
* tenrde sable aSTfreja d:. Veoe-
Terclw LarmeIRans, |iara a qual
vidaorBo a refdfctifl Ordem.
e abril e I89D. --J
O sacreta rk>,
^tianckf .iyterica ir Calas Padilhg.
I iqdos os
; joe, pa
! fes, coi
ordem n
horas da
do ac
proeissao,""
ma para o
brilliaigisBij.
Sdtretaril #t venenvel ordem
ter#in|id Caimo, cm 4 de abril
de 187.
.aJ^damd^M^oiWoo'jtu>, soqyido a lodo* os
** ,r*. a ompartcereat siita-fetra 8, pe-
las J horas da tarde, par encorporados, acompa-
itaremoe a proeissao rh> tninaipio, que (ai a ve*
ftcravel ortfem terceira d> nossa Sfrrhora do Car-
jno. __ _x
O esssir > OJli.
Lifi: Rpipfuitio Maprita.
O bacharel Augusio Carlos Taz de Oliveira!
lem o seu eacriitorio < ra do liupeador
. 07, ppimeiso andar.
COMP.ANHIA PEHNAMBUCANA
DB
.\'avegaco eostelra por vapor
Mamanguape.
*T?iy O vapor Cmruripe, commandante
sflAk ^ Jlio, seguir para o porto ac ma no
3Uam oa t2 do correte as 6 horas da
tardo. Recebe carga, encommendas, passagoi-
r s e dinheiro a frete at *s 3 horas da tarde
do dia da saluda : eseriptorio lo Forte do Matos
n. 12.
JiUJ/
De 23 barris com manteiga inglesa a sabir
da alfandega.
HOiE.'
O agente Pestaa far;i leilo por conta e ajano
da queui pertencer de 25 barris com manleiga
sendo IfJ marea triangulo J M P dentro e P ao
lado n. I a 15 e 10 marca T e J M P por baixo ns.
1 a 10 vindos pelo vamr Sapkire, o serio vendi-
dos scxra-feira 8 do crreme as 10 1(2 horas da
manba ua porta da alfandega.
Xarope peitoral
DE
IIIBOPETIT
contra a phltsioa
nico deposito na pharmacia do Pinto, roa
larga do Rosario n. 10, junto ao guarid do
corpo de polica, (outr'ora iota dos fioar-
teis).
Precisa se de um criado par comwrg e
mais servico interno de unta casa : aa ra do Im
perador d. 73, 2J andnr. ______
Manat Barbosa Rimiro, subdito iiortugoez-
retira-se para florlug.il, deixando por procurado-
res de seu negocios nesta cidade aqs Sps. Fran-
cisco Goncalves Bastos e S e Miguel Aiaquim Car,
los Cardoso.
CdflkPstlWflA
sos
THLHOS &BAIOS
DO-
amemm a9 m* Por ordem ea direcloria sito convidados
os Srs. accionistas para, no pwio de HXltas
uteis, contados do dia WAo corrente, a
terminar em 8 de abrjl, effectua* a %.*
prestarlo ae anas acgoe.s a raza de Ift 0/0.
Para esse fio ser enenetrado o Sr. ffie-
soureiro, das i I horas da manhSa 2 da
tarde de todos os dia?, no esertptorie da
companhia na Nova n. 33 4 3ndar, estra-
da pela ra das Flores n.14.
Uecife 26 de marco de l*7f)>
Joan JoaquimAlix*,
Io secretario.
Preisa-se de um boloiro : na roa eshteit
doRosaro n. 2, l3 andar, das 10 horas da pa-
nhi as 3 da tsrde, achara com quem tratar.
Amassador.
Precisa-se de um amassador : na ra dos Pires
n, 50.
JO.
DAS
III.1
13:338d957
CONSULADO PROVINCAL
ssmanto o da I a 6 18:298*930
t-iem d-.- dia 7....... 6:353*055
20:625*876
MOVIMENTO DO PORTO.
Alucio aaido no uta 6.
-;anal Patacbo inglez Enuna Mcaern, capilao
BfOira, carga assucar.
Savos entrados tu dia 7.
Bu de Janeiro e portos istermedios(J das, \f-
Administraco dos correios de Pernambuce
8 de abril de 1870.
Mala pelo vapor Cruzeiro do Sul da com-
psnfaia brasiieira.
A correspondencia que tem de ser expedida hoje
pelo vapor cima mencionado, para os portos do
norte, ser recebida pela forma seguinte :
Macos de jornaes, impressos de qualquer natu-
reza, e cartas a registrar, at as 2 horas da tarde,
cartas ordinarias at as 3 horas, a estas at as 3
1|2 pagando norte duplo.
O administrador,
Alfonso do Reg Barros
THEATRO
GIMNASIO DRAMTICO
(No Monteiro)
SOS A DlRBCCAO DO ARTISTA
Messageries imperiales.
At o da 13 do corrente mez espera-se da Eu-
ropa o vapor francez Aawiotte, o qual depois da
demora do costunte seguir para Buenos-Ayres
tocanco na Babia, Rio de Janeirv e Montevideo.
Para condices, fretes e passageus trata-so na
agencia roa do Commercio n. 0.
11
Mibbailo 9 de abril de 4890.
Espectculo em regosjo chegada do
fiutdhfto 30
Sendo convidadas o digno commandante do re-
ferido batalhat e offiejaes, afhn de receberem as
ovacons qoe Ihes sJo devida.
Depois da erchastra sieentar o
At o da li do correle mez espera-se dos
(jwrtos do sul o vapor francaz Gironde, comman-
dante de Somer, o qual depois da demora do cos-
ame seguir para Brdeos t cando em Dakar
(Gore) e Lisboa.
Para cpuJites, fretes e passagens trala-se na
agencia ra do Commercio n. 9.
Maranhao.
Bara o referido porto segu em poucos das o
hiato Rosta por tor k maior parte da carga engao
jada ; e para o resto qqe lite Taita trata-je com -
consignatario Joaqnim Jos Goncalves Beltrlo
ra do Commercio n. 17.
A commissao encarregada do festejos da ma
da Imperalriz, que deviam ter lugar depois da
lerminacao da guerra, julga de seu dever decla-
rar a todos os senhores que concorreram com
suas assignaturas para esse tim, que apenas
se receben 1:400*, quantia essa que evidentemen-
te nao chega para sokmnisar urna noticia de tama
magnitndo e ha tanto esperada por todos 03 brasi-
leros. Nessa conjectura nada podendo resolver a
commissao sem consultar a todos aquelle3 que
concorreram para esse festejo, enfunde de sua vi-
gorosa obrgaco mauifestar a sua opiniao a res-
peito, e se resume no3 dons pontos seguintes :*
Todas aquellas pessoas que desejam se realise
esses festejos, tenham a bondade de entregar na
roa da Imperalriz n. 36 a quantia que quizerem
al segunda-feira da semana pruxtmi, afim de que
se possa satijfazer a vontade geral, pirque do con-
De tira sobrad < de 9 audares c
tvolo.
O agente Punta', competentemente autorisado
vender em leilo um sobrado de 2 andares e so-
to, quintal, cacimba ele, (u ra do Raagel u.
36, edllicado em solo pr>prio.
Sabbado !i do corrente.
No 1' andar do sclrado 11. 62. roa da Cruz.
LEILat)
Da rcfiaaeao da ra de Hurtas
r.si.tiero 9.
O agente Martios far.i leilo por ordem c Bar-' 'rario nao Peder ter isso lugar : se pirm nao
ros i Santos Pinto da rolinaco da roa de H irlas f(T PiMSvel e^e resultado, resolve a mesma eom-
n. 7, constando do caotes, balancas com pesos, raissao, caso seja approvada a sua idea, mandar
molnho para n!. tsixo o m.iis ntencilios, cuja cator <*" roissa e libertar algumas crias, airto
relinago se acha rnu;to uem collocada e afre- ^ 1ue *m envida alguma ser bem aceito por
mt
55-Rua da Imperatrig-
Tinge, lava, limpa, lu-tia e achamalo-
tase, cora a uiaior perfdjcao, fazendas em
pecas e em obras de todas as quatidadt's;
como sejam : soda, lia, aigodo, bntn,
chapeos de fellro e do pallia etc.etJT
Tira-so nojoas o limpa-se- a seecauom
I molhar os tecidos, canseivaado assim-te-
do o brilho da fuyenda.
Tmtura preta pas tercas c sextas fel-
fas.
guezada.
Segunda-feira 11 do corrente.
Na aesina refinoc) ao nu-io dia.
COMPANHIA PERNAMBUCANA
DK
VaTegaeio eostelra por vapor
Parahyba, Nata', Maco, Mossor, Ara-
caty, Ceart, Maodah, Acarac e
Granja.
O vapor Pirapuma, commandaatt
Azevedo, seguir para os porto;
_ cima ao dia 13 do corrate as S hora.'
Ja tarde. Recabe carga at o dia 12, encom
meadas, a passageiros e dinheiro a frete at a.'
2 horas da tarde do dia da sabida no eseripto-
rio do Forte do Maitas-n. t%
2L
Haranho
Segu com brevidade para o porto cima o pa-
Ihabote Joveii Arthurx para o resto da carga que
lite falta trata-so eo os ceMipiatorios Antonio
Lotz da OKretra Aiawdo *C Bits da Cruz n. 37.
LEILO
De cha da India, nianteig in-
gleza em latas, e vlnho chara-
panha.
A 11 do crreme.
O agente Oveira far leilo de 90 caixas de
cha reiTle da India, ditas de 67 libras cada urna, '.i latas de 6 libras
cada urna de superior uuntoiga ingleza e de 6 cai-
xas de 12 garrafas d; ptimo vioho cbampana,
ludo para fechar contas.
Segunda-feira
as 11 horas da manhia em pento, no sea eseripto-
rio ra da Cruz a. 53, 1 andar.
todos aquellos que almejam plantar no nosso pii
a arvore da liberdade.
Bataliifto p triotico di Boa
Vista.
Sao convidadas todas as pessoas que quizerem
azer parte desse oatalho para comparecerem ao
pateo da Santa Cruz n. 21, 1 andar, e roa de S.
Gonealo n. 12, afim de se alistaren!, e tomar o-
nhecimento do uniforme.
AVISO
De tres partes do sobrado de 2 andares e
soto da ra da Pciiba n. 19 (as quaes
parles correspondetn a mis de naetade)
editicado em chos proprios.
Tefra-feira 13 i abril as 11 horas.
Por iatervenco do agente Pmto, em seu eserip-
torio raa da Cruz n. 38.
DA .
Tinturara Franceza
rr, Una da lJnperatrlz-JJUi
O proarietario deste esiabeJecimonte
previne as pessoas que depasitanro
n'elle algtins onjectos antes do primelrro
de Janeiro do anno corrente, qne os vao
buscar impreterivelmedle no praso-de
um mez da data da presente publiea-
cao, do contrario sarao os ditos onjectos
considerados como abandonados para pa-
gamento do traballio, e seus donos nao
~~ dreito nenhum em reclmalos em
Co?tuivii\is.
Na fabrica de chapeos da ra larga di Rosar
n. 24, 1* andar, precisa -;e de costnreira^.
Iriaauitadc do I i 110 ils^rlim
Manto erecta nn> eoaTeuto de;
. Francisco da eidade do- Re-
cife.
Autorisado pela mesa regedora convido- a to-
dos os nossosenarissimos irmos para q'uo se dig-
nem comparecer sexta-fera 8 do corrento; pelas
3 horas da tarde, no consistorio de nossa irmaada-
de, afim de encorporados aeompanharmos- a pro-
cssJo de Triurapho que tem desahir da- ardem
terceira de N. S. do Carmo do Recife, para eu<>
acto fomos convidadoi pela respectiva ordem.
Consistorio da irmandade du Divino Kspirito
Santo de S. Francisco 5 de abril'de 870.
Claudio Ideburque Garneiro Leal,
Secretario.
s raaroo de 187
ra do Crepo n.
ni escravo da boa ton-
a loja de Sasndas : sa
INSTAOTAEEOB
Travessa do Corpo Santo n. 25
'ARMAZEM
Ra Nova n. 28, lea Antonio
Petiro de Souza- Soarea.
Bandcira, Machado & C, avisara ao respeitave
publico que nos lugares cima encontrar no mes-
mo sempre grande qnantidade de ditos poeos, e
que se achara habilitados para Tender por menos
que oulro qualquer, por isso que os recebem di-
rectamente do fabricante fcrtont de Londres.
As vantagens que offereeem os pocos hutanta-
neos sao : primeiro, poderem ser eoltoeados den-
tro de casa ou fra, eom o trabatno de urna a duas
horas: segundo, foruecerem os mesmos agua pu-
ra e aboulantc, podeudo serem removidos de um
para nutro lugar, quando assim coovier.
Os annunciantes s reeeb>-rao a importancia dos
referidas pocos du^.is de i'^docados, satistazendo
espectativa do comprados..
Preia-se de um cauin>que tenha pralica
de taborga : oa^pa do Sebo n. 54.
0 abaixo assgnado temi justo e contratado
a venda de seu hotel roa do Commercio n. 2 A
eom a Sr. Alfredo Gasor, roga a quem se jnt-
gar credor apresentar suas cootas no praso de;8
das, a contar da dala a>*le. para seren pagas ;
assim cojuo roga u tpdcs ijuh Ibe esto de vendo a
virs pagar no mrsmo- preso, vitf o ma#no abai-
xo aasignado se wtirar-para a Piranas. Becifo i*
de abril de 1870.
_______ Medaria A
Pracisa-aa. da nina ama para
ra do Caldeireii o n. t*.
m
cnl
Inhar
V.
l*fc

-;
na.
i
RJL
DO
CAB6
esquina
a ra larga
Rosario.
'$-$.?81

w
U^
10

Este importante estabolecimento no seu genero, tem sempre um aortmento sem ianaL'
veald pw precos que nenhnma entra asa pode Tender. .dBSt L
A data da qnalidade e do preco das jeias cada um peder-se-ha miniaismii da wutolv9**tm'
^^ de ser tndo & le > Oompra-ae mro, prata e pedrea flaa. m pe. ft Eoaario.
A loja este atierta ase as 9 aarn a' noeto.
T


iSM&^&tDtoJevL && -feii''&'*rtlnpt*1lto

\,
,m
VW^VVVI
Bailetes do Rio i venda : roa do Cabng n. X
vende Yieira 4 Rodrigues.

Pbde-ae encarecdaipent aos Sr. Domingos
Theodoro Rigueba Arstldes Plbrentino Catal-
(deSennhlem), que renharo
raa*d^l2pWff' I*; negocio que se precisa
ggflTlUQiiO Ol 0
mi
'l'M'.iDIU

LOJA DE

I
D.-Mara Angelina filgwiras alachado, I
vinva do aa* Nardta* ** Maebado, i
achande-se '4 proceder roartarto de aeu i
casal por falleeime* e san maMo, es. i
tabeleoido ave |iPlH J9 *.d*
avisa anquera quer que se julgue credor
la casa como "o casal, queje apreses!
das a dala do
[poder mais ser aOwWM no juizo. do iq
[.venttrio, oda I vara raunkipaljj
doria dos residuos. Ignalr,
te a seus devedores, que
sentando i pagar seus de
mesmo praso de 15 das, serlo fonstran- !
dos a faze-lo pelos meios judieiaes. Re- 1
T fe 4 de abril de 1870.
m~m W^mmim'WSKKmwlW
Criado.
g,Precisa-se de um criado de boa epodueu : a*
roa nova de Santa Rita n. 59. ______________
NapVacada Indpe&deikea n. 31 se da-di
aheiro sobre penhores de ourt, pratt e petfu
preciosas, seja qflal for a quanua; e na meama
asa compra e vende objiwtos d onro epratt, me8sag dO tgnjaMi:
i igualmente se faz toda e qualqner obra de en Palraarln
jommenda, e todo e qualquer concert tendeUW yalveMJU
./!(
GUSTA
CABELLEIREIRO ., si
-51- Rii da Oadeia do Recife51
Cham*v*3XB^'o7seog innmeros reguezes, o do respettavel pubteo es
geni, para a segrate tabella dos presos de sua casa, os quaes sao vinte por cenu
mais barato c- que em ontra qualquer parte:
Cabelleiraspara senhoras a 25*. Cadea para relog i W, 6#,
acaba de'

novas re-
i meses arte.
___ IC.
Este antigo estabelecimento, completa
mente reformado de ovo, est nas condf-
foes de servir vantajosaraente os sens fre-
fuexes, visto que acha-se prvido com un
esplendido sortimento de obras de onro e
pirata de lei, assim como brilhantes e ou*
tras pedras preciosas, enjos presos so os
mais mdicos que se pode encontrar.
As joias compradas nesta casa recebem-
os em troca ou compram-se com pequeo
bate.
15 RA DO CABUGA15
0 MARAVILHOSO REMEDIO DO
DR. CHAS. DE GRATH.
OLEO ELCTRICO
KINGOF PAIN
0 RE DA DOR
I'AUl USO INTERNO E EXTERNO.
Cura cholera e cholera morbus.
Mftt-
de
ariuore.
roa das Crnzee
D. 11.
O artista Gamillo aefaa-se Mtabelecido na casa
cima, onde pode ser procurado para todos es
ciittirM *1fl c"a Pf"'*'8^ajii m, ,m _i_mj_u___
O bachsfl tanm) Jugsto da Costa
mudou o sel escritorio da, casa n. 69
para o de n. 34 na ra do Imperador, .
onde ser encontrado das 9 lloras da roa- |
nhla as 3 da tarde. S
Masa mesma casa se encontrara urna fl
pessoa que se propoe a fazer cobraacas, 1
e que se encarrega de questoes no inte- j
rior da provincia.
8
Diarrhea, laxo do sangue, em um dia.
Dores de cabera, o dores do ouvido em
tres minutos.
Dor de denles, em um minnto.
Neuvralgia, em cinco minutos.
Deslocacoes, era vinlo minutos.
Gargantas inchadas, em dez minutos.
Clica c eolvulses, em cinco minutos.
Rbeumavsmo, em um dia.
Febre e febre intermitente, em um dia.
Na travessa da rua
das Cruzes n, !, pri-
meiro andar, da-sc di-
nhelro sobre penhores
de onro, prata e brilhan-
tes, seja qual for a quan- i
tia. Na mesma casi com
pram-se os mesmos me
taes e pedras.
ans
AMA
Precisa-se do urna ama para comprar e cozi-
nhar para duas pessoas : a tratar na ra Nova
n. 52.
Dor nas costas e nos lados, em dez mi-
nutos.
Tosses perigosas e refriados em um dia.
Plueresia, em um dia.
Surdez e astuma.
Hemorihoidas e bronchites,
Imllamacao nos rins.
Dyspepsia, erysipelas.
Molestia do figado.
?Palpitago de coracao.
Reserve sempre este remedio na sua familia
AS DOENgAS SE APRESENTAM, QUANDO MENOS SE ESPERAN.
OLEO ELCTRICO O King of Pain (0 Re da dor) aquieta e positivamente dis-
ipa reais de dillerentes molestias e dores, e allivia mais os soffrimentos e produz um
ais perfeito equilibrio no systema humano, o quanose pode effeituarno mesmo tem
vo, cena qmlquer outro remedio medicinal.
Este muito popular remedio est "agora usando-so geralmente, pela razo que
jBHlharcs de pessoas se tem curado gratis com o dito remedio pelo Dr. Grath e ontros
wats. ,
Este importante remedio nSo se offerece para curar todas as doencas, porem
tio somenle para aquellas estipuladas nas nossas direcces.
Est operando nos principios da chimica e da eletricidade e por isso, esta
applicavel para o curamento e para a restauragao da acc5o natural dos org5os que so-
ffrem da irregular circulaco dos flnxos dos principaes ervos. Oleo elctrico O King
of Pain opera directamente nos absorventes, fazendo desaparecer as inchac5es das
glndulas -etc. em um tempo incrivel, breve sem perigo do seu uso debaixo de qualquer
-cireumstancia.
O remedio urna medecina para o uso xterno e interno, oomposto dos ele-
mentos curativos, raizes, hervas e cascas, taes como se tem usado dos nossos antepas-
ados, e das quaes tem grandes existencias no mundo, par* curar rnente abendo-se quaes ellas sao.
Foi um grande e especial desejo da faculdade de medicina durante muitos an-
aos de experiencia para aprender os melhores modos que se devm adoptar para curar
a aeguintcs doengas, e que proporctes de medfciaa se Uevia usar.
NICO DEPOSITO EM PERNAMBUCO
TSA PHARMACIA E DROGARA DE
Bartholomen & C.
34Ra Larga do Rosario34
VESTIDOS PRETOS
Superiores cortes de gorgurlo de .seda preta bordadas, o que ba de melhor e d
aior gosto emiPernambuco.
Bons grosdenaples pretos de seda, de z#)OQ a 7*000 rs. o covad, aa loja das
mnas, ra do Crespo n. 13, de Antonio Correia de Vascellos. *
-------------------- -' *----------------------------------------------------------*
Ooxarope Vegetal Americano espe^ i; lartho c,
34.RA LARCA DO ROSARIO,i4.
?Ho coOibiim* prociinr UmUo pira crediUr
mn wttptniM, enmoi qsc mi ipplictfio a o*
' aalUM*ki4o p - tfat, Um* tea cradm ?efa ; potma Uo Mmpn o
nuii a imiutnMtm,* 4 it\\a qM Uafa
! t*iriitirissii;sM mwnit ifiaiir>-
ii H MBUlimts nt ofirnnri. m om Imx*
totnaaenfUf. m Imhm mUch sstaitotate-UMt
111 mUA ftU aitMcio, tnruli a* *
**m imusjMM ewwaiu. locwtitii m w
i fowe lusts. tvthtkm I C.
Elau. St.
intmMt.
Sn. BanboUM*CeHia
m dadara *ar a xanta Aowii
aitraotJtarli. p^a MaaftaM
ataia tabia
Aeaacicaae a> aaa
otraao ka a*irt aa
i poau a aso podar domir a aoiu a
_aaM oa atadicaaMBloa oaa toaua, a alia
i a aa tertaira eoiaer fai aliviado, a ie aoaaa
aja retukeleciao com o aso samanta da qaaai
raco: (tato poia A assa reaaltado mialfaa>a a
- Da V. Sa. aaaiao, e-
10 Viajas iaaiat
Penboriiiioio.ca ]
isro otd do sirope",
i*aaa'
ar que tu mata di f
loaae, a ata mponililiion da campriraa saaaa
Vegetal Americano, de iua composifAo, qaaada ata
acbera basunle doeata da ama coaataa E ma
tornoa completamania roueo a qaa
iprirajjaaaa dararas
-------------ni*
4a bmbm xarope. dopoia da havar raeorrido a aiaitaa
irauajentoa. Oaaajarii qaa oatroa eoaio aa raeorraai
ao tea xaropa pan aa tana aUaiadoa da tAo taniral
taa (Uil naata ms. Cata awlor eoaaiaa-
dalWew
Masa taa ta*ol*M *C.-6 aropa Tful Aa*.
rkM* aa ?. a. \m stpaate i aaada e da tada afli.
cacii pa o cacattio d'astasu, taaforaM obaanai aa-
plieaado-o a asaa alba Joaqaiai. ataer da qaalra
iDMa; Ticuna "asta flatalle, qaa at aatlo par taa tai
excedente a doai uaoa aria Naiatide a aatroa xereaea
da grande aoBMadi. Qo*inm poia Y. Sa. aceaitar a
aapreaaao aluaiaau aiaeara da atea racoaaaaaaeta aa
iliaaj^taaii qaa iba taasaraai aaao a^aaSatda
date paoatatMa da*. Sa. ciada,
. AaterieoTaiU tadaaaj. -
Cabelleireiro,
Ra da Cruz n. 24, 1 indar, por cima da
botica.
AntonioRodrignas Ramalho acaba do abrir
concorrencia publica um espagoso c asseiad) salao
para barbear e cortar cabellos, e afianca que nelle
encontrarao seus amigo?, antigos ft eguezes, e em
geral todos os que quizerem frequenta-lo, agrado,
activid'ade e bom desempenho do trabalho.
Para senhots.*-BaiaWsj
tris auttaWu
moda.
Par* snestinas.Bolitas das mesmas cores e *ua-
lidadia cima.
Pira bomensuBotinas de cordavao. beierro, ver-
niz, pellica, meibor sortiaiento que se
pode dsejar.
Para meninos.Botinas das mesmas quaudades
meacioiadas para borneas.
Para horoens.Bous rucianas, meias-boU e per-
neiras.
Para bomens, senhoras e meninos.Sapatos de
tapete, aveludados, charlte, casemira
preu, tranca de Lisboa etc. etc.
Para meninos e meninas. Abotinados fortes de
muitas quaudades.
Qtunquilharias -
Finos artigos de Pars, de gosto e phantazia,
como sejam :
Leques para senhoras e meninas.
Luvas de pellica (do fabricante Jouvin.
Espelhos de differentl-tamaitos.
Porfanasrias ttoas do bbricaate Coudray.
CaEiiaha de costura com msicas.
Albuns e CaixHho para retratos.
Pulceiras de onro bom de lei.
Brincos e traneellins.
Crtenles e chaves para relogios. (1
Botoes de punhos e de abertura.
Correles e brincos de plaqn.
Bolcinhas e cofres de seda e velludo.
Caivetes e iheseurinhas fina?.
Lunetas, oculos e grvalas.
Chicles do baleia e de outros, sortimento.
Bengallas de canna, baleia e junco.
Ponteiras de espuma para cigarros e charntos.
Escovas para fato e para cabello.
Escovaa para Juntes e para unhas.
Pentes finos de raarlim para tirar caspas.
Pentes de Ut taruga para desembarazar.
Malas e boleante ruaena
Es tojos com navalltasparaviagens.
Carlett-inhai para noUs.
Gaiolas de rame para passarmho.
Abaurt-jo transparente para candieiros.
Oleados para mezas.
Molduras douradas e qnsdros.
Estampas de santos e cidades.
Bercos de vimes para crianas.
Cestinhas de vimes para braco de meaina.
Caixinhas de msicas e realejo?.
Cosmoramas e lanternas mgicas.
Esteriocopos com interessantes vistas.^
Objectos de mgicas e cordas de violao.
Jarros e flores de porcelana para santuarios.
Velas a gaz para lanternas de piannos.
Accordions e concertina?.
Diversos jogos francezes e allemaes.
E outras quinquilharias semelhantes.
Brinquedos para crianzas
Carrinhos de 3 o de 4 rodas para paaseios, bo-
nocas de todos os gostos e precos desde 160 rs.
at 20*000, e um sem numero de brinquedos de
differentes precos psra intretimento.
Para evitar massante leitura de Untos artigos
exDOstos venda neste estabelecimento, o dono
pede ao publico em geral que se digne entrar de
passeio afim de verihearem nao s a grande va-
ridade como os precos baralissimos por serem
odos chegados de conta propria._________^^^
M, m e......40000
Ditas para homem a 3W, 40* 80)1000
Coques a W, W, W, W,
w, m
Cresceutea a iU, *5|, 180,20*,
250, 30* e .....
Cachos ou crespos a 3*, 4*, o"0,
tk-H. W, *# e. .
TlUBT Aa >aliAllA11pr nnatl a
Tranca para braceletes a 40*.
, m, m, 23 e .'
-(Mdh ni'
n, si 99, m v.
15*001
Corte de cabello, .
80^0001 Corte de cabello com friocio. .
oaQoo' Corte do cabell com lavagem a
champou...... I
501
561
10A000 Corte de cabello com limpez da
*^ cabeta pela machina electri-
1*000 ca, nica em Pernambuco. .
Frisado inglea ou fraoceza.
30*000 Barba.........
______TURAS HEUSAES
* Especiafdadr" de penteados para casamento
1 Balice e wUrr.
0 dono do estabelecimento previne s Recommenda-ee a superior TINTURA JA
.o
501
254
Eimas. Sras. e aos cavalheiros que ha um
sallo para tintura dos cabellos e barba, as-
sim como um [empreado smfente ocenpa-
do nesse servico.
PONEZA para enegrecer os cabellos e ban
ba, nica admittida na ExposicSo Universa)
como nao prejudicial sade, por ser ve
latil, analysada e approvada pelas acadai
mas de sciencias de PARS E LONDRES
No armazem da travessa do Corpo Santo n. 25, ha sempre um completo
sortimento de objectos para carros, e que se vendempor precos muito rasoaveis, como
sejam: ...
Vaquetas de lustros, grandes e muito boas.
Solas idem dito.
Oleado preto e de cores.
Colleiras de lustro o que ha de melhor.
Guarnieses de fino lati para arreios, completos.
Lanternas e vellas para as mesmas
Eixos patentes para sebo.
Joaquim Lopes Machado & C.

Imperio do Brasil.
Grande expsiqao na cidadede
Cordova,
REPBLICA ARGENTINA.
No dia 15 do outubro de 1870 ter lu-
gar a abertura da cxposic2o nacional em
Cordova.
Provine-se, portanto, a todos os produc-
tores, agricultores, fabricantes, artistas e a
todos aquelles que exercam qualquer indus
tria, que na dita exposiejo se recebem todt s
os productos da industria e agricultura
brasileira, assim como todas as machinas e
utensilios que quizerem remetter.
Estes productos esto isentos dos direitos
da alfandega na Repblica Argentina e po-
der5o ser dirigidos cidade do Rosario, de
onde serio tranportados pelo caminfao de
ferro central.
Para mais explicacesdirijam-se em Per-
nambuco, ra da Cruz a. 3, ao consulado
argentino. ^^^^^
A LOJA D )S ARCOS DE ALVARO AUGUSTO ~DE ALME1DA & C, ra do
Crespo n. 20 A, alm da grande variedade de fazendas de pbantasia de que sempre se
acha provida, tem actualmente um completo soitimento de fazendas pretas, proprias para
os actos da quaresma, como sejam :
Ricos cortes de seda preta de superior qualidade.
GorgurSo de seda pretos de diversas qualidades.
Grosdenaples pretos de differentes qualidades.
Sedas lavradas.
Basquinas de seda preta de modello inteiramente novos.
Ditas de guipure ricamente enfeitadas.
Pelerinas^
Fichs e mantas de l para a cabera.
Mantilhas -brasileiras ou mantas de fll para cabera, de modelo inte;ramente
novo.
Eil de seda branvo e preto.
Guipure branco e preto.
Balees a victoriense modello inteiramente novo.
Chapelinas enfeitadas de preto.
Luvas de pellica preta para homens e senhoras, e outros muitos artigos de
bons gostos e qualidades o que ludo se vender por precos rasoaveis
Tambem contina a ter um grande sortimento de tapetes?, alcatifas e as ver-
adeiras estea diras^Iparandia forrar salas.
Em casa de THEODORO CHRIST1
ANSEN, ra da Cruz n. 18, encontram-<
^Electivamente todas as qualidades de vinhr
Bordeara, Bourgogne e do Rheno.
O abaixo assignado avisa ao publico que tende
owido licenea do Exm. Sr. eonselbeiro inspector
4a thesouraria da tazenda feral, para vender es-
tampilhas em aeu estabelecimento a roa do Crespo
a. -3. pelos mesmos precos que se vendem na re
cebedoria geral; assim. pois, podem as pessoas
residentes nesta cidade e Ara delta dingirem ao
abaixo assignado, anas enconmendas em qualquer
qwUdatle que aera promptoaradote satisfeiUs.
Manoei Martins Finia.
Precisa-se
na roa do Rangel n. 6 de ra caixeiro que leoha
pratica da taberna, dando- proras-de boa cond ca.
GASA DA FORTUNA
Aos 5:000$^
Bilhetes garantdos.
A ra 4o Crespo n.23 e catae do costme.
O abafco assifDtdo, tendo vemdio alm da ou-
tras sortee, um inteiro n. 3240 con 900J000 da
lotera que se acabou de exlrahir a beaeflclo da
igreja de 6. Amaro da ^Salinas (144*), f em '
pouniires i virem rg)er na anft
To ec
aos
datfe
virem recaser
cosime sem descont algum.
-se a venda os falizes bilhetes garan-
! parte da latera' J beolo la reja
. Amaro de Serinhaem (143*), <]ne ae ex-
U-ahiri lerga-feira i do oorrenf ms.
jinete 6aV0| _,_
tnto- 14x00
35RA ESTRE1TA DO ROSARIO 35
Fornece-se comidas para fora com asseio
e promptidao e manda se levar em suas
casas na ra estreita do Rosario ji. 35, ca-
sa particular confronte a casa do Darbeiro.
Na mesma casa faz-:m-se flores para en-
feites de anjos para procissSes, sipos de
flores, rosas, capacetes enfeitados, e todas
as flores de panno e papel, para ornamen-
to de igrejas e andores ludo por barato
preco, boquets para noivas com fitas bar-
dadas a ouro, bandejas de bollos finos com
arraacao para casamentos e bailes, pudins,
pao de l enfeitado para presentes e toda
a qualidade de doces de ovos' tambem en-
feitados, vellas ricas para baplisados por
barato prego, bouquets de flores de cera
para c nfeites de bollos e para offertas.
CHATN! MGATIYO E DEPLlAtlVO
DE
(I1AUB1KI).
Composto das plantas as mais odorferas e as
mais virtuosas dos montes os mais elevados, o Ww
tmi-purgKlwo de Chumbar*, possue um gosto sa-
boroso e um aroma suavissimo, e as propnedaaes
as mais aotaveis sobre os embaracos do estomago,
dos intestinos e do figado o desobstruente por
excedencia na constipacio do ventre e nao tem
resguardo oenbum. ..... u
DeporatiTO especial e directo da bilis e dos hu-
mores, refresca o sangue depurando-o.
O uso 6o ch-Chambard pode ser continuado
por muito tempo sem o menor receto e sem m-
eommode nem mudanca no modo de vi ver.
NICO DEPOSITO EM PBRNAMBDCO
A
^PUARMAOA E DROGARA
DE
aVartholomeu 4k C.
34RA LARGA CO ROSARIO34.
- -^^aua Ama.
Precisa-se de urna ama de leile : a tratar na
roa do Imperador n. 63, V andar, oa Passeio Pn
Waaaa.iO. ^^_^___

Em aereao 4a M04 para cii
Bllhete
Meio 21750
Quinto 14100
Manoei Martins Pinza.
#\*q
lofaTcoa ana;snbora,Ti dSxa cmo
|ada\all|ar N'
, An
b e'_
Becife 1 di abriJ de 3.
KIENIX PERNAMBUCANA.
Caaapoatkn 4$egwos mentimos e terrestres
Ra ato Commerck) 0- 34.
Ctaital Reis l,500:e00#000
SeguraMoris.
Merca dorias.
Navios de relia
Vapores.
Predios.
Era vaporee at ris 100:*2X
Em navios de vella ato ris 75:000*000
Em eada predio at reis I00:000#0e0
Pernaaabueo, 7 de maceo de 1870.
Pela aempanhia Pliaalv Pernambueana
J. J. Tasso.
rroa / f-F- Bn
__^______________i. H. fri
. ..CViaVntti^L de aguei.
IMto se encarregue da cebranca dos alia-
jjfatlta-tiade por modtea porcen-
dn oa aarvicos de solicitador nos ca-
procurar na ra
ibla.
orges,
in4ade.
ot ervias de solicitado
Preci-sa de urna eserava queaaiba cozinhar
a fager compras e o mais servico de asa : na roa
da Caaleia do Redfe n. i. .
JWtor.
Uabaibader para iraiar-4 um
>ur nanu .Nova*. 19,1* andar.
HENRKIlIE rFLAEGING
ESPEM AFINADOR DE PIANOS
recem chegado do Rio offerece seus prejiimosao Illm. publico tanto na cidade como ou
matto ou nos engeahos, pode ser procurado no sal3o de pianos e de msicas na tea
yi n. 58 lo andar.
BAZAR AEA11IC0
13 Ra da Imperatrz
13
Ulysses A- Irm3os proprietarios deste bem conhecifo e acreditado estabelecimento
tem a honra de participar ao Ilustrado corpo ACADMICO e aos seus numerosos fre-
goezes, tanto desta praca, como de fon; que tendo sido elegantemente reformado dito
estabelecimento acha-se completamente sortido e em condic5es de bem servi-Ios dos
segnintes artigos:
CHARUTOS.
Superiores de Havana, Hamburgo, Baha
Rio de Janeiro etc.
CIGARROS
de palha de S. Paulo, de 30500 a 74500,
o milheiro, Daniel do Rio Novo, Maurity,
Imperiaes, Tenenies do Diabo, Dnqfle de
Caxias, Gandoor etc.; ie papel, de fumo
de Daniel, General Osorio, Conde d'Eu.Jaj 3jr3O0 rs. a duzia, e com grande abali-
Rocambole, radicaes, Acadmicos, Macham-
bomba, Montevideo, Orientaes, Baependy e
muitas outras (jualieades.
FUMOS
Afamados de Baependy' em caixSes de
20 libras I 400 rs. a libra, em pceles
a U, de 20 para cima a l))O0e em naaior
porcSo 1*500 o pacote de 1 libra, dito
em Matas dequatta a 640-ar300 rs.. e ostras
muitafc qualidades como sejam: Daniel de
Rid Noa-o, do Para, de S, Pallo, Capttfal,
etc. etc.
VARIEDADES
hoteiras para charutos e cigarros de
todas as qualidades gostos e precos.
Caximros de superior espuma, de madei-
ra (raz; de 3 al (>5. a duzia e de outras
qualidades a relalho. Ditos pe de gallinl.a
dos melhores que ha neste mercado a 0-5
mentoem tnaior porc^o, ditos de louca,
gesso, barro, etc.
Bolcas de borracha e couro de diversos
gostos e prefos, para gutrdar fumo.
CAtiTEinAS para cigarros de todos os sys-
temas*.
Phospiioros de era, em cai.xas de todos-
os tamanhos, de segurancaa balo eto.
Papel milho, de airoz; an-non, Persan.
pintado, de linbo etc. palha de milbo de-
Fernando a melhor possivel.
f
Alm dos artigoe menciootdos eneentrarSo nossos freguezea outros muitos no ge-
nero de nosso negocio, que se vende em grosso e a retalho e que com soas preeencas
serio satisfactoriamente bem servidos: beja como nos encarregamos de quakjwr en-
commendas de nesso* cigarros de seda e linho, etc.
13Ra da Mperatr2H-^a3

"fO
mam m
Os abaixo assignados proprifarios teste estabateCimento, P'PJ
que, continuam a vender miiilfWOTl a0, f** SSS^t
miudezas da melbur qualidade chamara a attenco dos Srs- coran
de retalho afim de compraren, o que Ihe for conveniente ; com descont j
10(:o, pagamento realisado no mez da compra.
foS t/e Sour


1%
\\
V
"1
\

*
h
)
Diario de Pernambuco Sexta felra 8 f&e Abril rf XH&
s

ClCfcMilpe
Queimado7
DE
i ?
de fazendas prcta
mcoo sejam
Grosienaples pretos de todas as larguras e qualidades.
GorgorSQ preto para vestidos,* o me tem vindo de mais superior nesta faiend.
Pn di Cbjll, em fazenda preta para vestidos.
Mantilhas brasileiras de renda de sed preta o que tem vindo.de mas moderno a
este mercado.
Meterniques de croch preto com ricos lacos de setim e ds todello completamonte
BOTO,
Casacos de croch pretos, couipridosoom grande roda e di regato que finge segunda
saia sobre o vestido-.
Ricas mantas pretas para cabeca de senhoras.
Um grande sortimento de fil preto de seda com flores, neste mesmo estabeleci-
mentojajabem.ha um grande sortynento da poupelinas de ricos gostos, sedas lisas de
lndaswes, saias tordads, finas para senhoras, luvas de Jonvta de todas as cores
pare tmense senhoras, grande ortimeato de cortinados bordados para cama e janellas,
tape'es para sof, camas, pianos, janeas, e graade lortimento das afamadas csteiras
da ladra para forrar salas, s existe na ra do Queimado n. 7.
do Trim
, as
a w& -I ?.
" u H 3
S?
3 o __ os B
3 3 '2i.B 3 *l
i 5'

3 i'Sr^|
e.2-Sl
B 5 T =r. S-
, OS J_ CB
2 ja To B -.
Seo-" o B
3
* s a
Sel
CS-P
_ O o a
. a. s, ro ^
d o s o
3 Z. K w "
illl-So
"9
> 2. es
f bI-q
o." g
B5- N
3T* *



nblimc
sol o
BOU
Braga
Acba-na venda na loja da roa do Cres-
po n. 2{FF; esquina da do Queimado a
morosa Memoria do Bom
Braga, ornada
edicSo, Obra
trado lente da
Exm. Si consol
Forjaz de Sampaio
noticia da extraordinaria
te em Portugal para com aquella
sissima roagem, afuindo sempre para o
seo magestoso templo em romana o nume-
roso povo de todas as partes desse reino;
quem soober avaliar as brhantes descrip-
coes, e o bello estado dacuelle coBsumma-
do jurisconsulto e eximo BqBrarkjportuguei
oto deixari de procurar, quanto altes pro
ver-se de om exemplar da dita memoria,
pelo diminuto preco de U, na loja indica-
da, onde ha pequeo numero deltas.
Na raesma toja cima ha ontras estampa,
muito perfeitas e grandes do dito Senhor
Bom Jess de Braga, por prego commodo
IHIai.

%
O abaixo signado* declarara a quem pos
sa interessar, que sao os aicos habilitados a li-
quidar as transacedes pertenceaws a extineta nr-
ma de Mala Monteiro k C
Recife, o de abril do }870.
Joo naniet Lopt*.
Manort Jos da Silva Maia.
Quem precisar de um moco habilitado para
ensinar as primelras letras fra da capital: pro-
cure na ra da Saudade, casa n. % _______
Faxcin-se capas, balinas, chamarras e capas
viatoris : na ra do Rangel n. 58. Sendo o mes-
mo alfaiate que residia no Recife.__________
Jos Tarares Pinhelro, subdito de S. al Fi-
delissima, vai a Europa, e durante sua ausencia
deixa por seus procuradores os S"s. Joaquimda
Costa Pinto, Joaquim de Azevedo Cardial e Ma-
noel Jos de Miranda.
O CIRLRGI DENTISTA
FredericQ Maya
Tem a honra de scientificar ao respeita-
vei publico eaa geral, e aos seus clientes
em particular que elle mudoo o sen gabi,
nete de consultas da roa Direita n. 12 para
a do Queimado n. 31 primeiro andar, com
a entrada pelo pateo de Pedro II, onde po-
de ser procurado para os misteres de su*
profissao, todos os das uteis das 9 horas
da manha s 3 da tarde.
Tambem previne, que contina a prestar-
se a vontade dos clientes n2o s na cidade
como nos seus suburbios, para onde as
idas sero precedidas de ajuste. Elle ga-
rante o bom desempenho e a perfeico de
seus trabalhos, o que j bem conhecido,
assim como as commodidades dos presos.
N.3ARIM0CAIMM3A.
*?
este
antigo
Com este titulo acha-so aberto e inlciramente transformado
eslabelecimenlo de iotas, onde os freguezes e amigos encontrarn ludo quanto
a moda e o bom gosto tem inventado na arte de ounvesaria, o Lollar de uro
observar delicadeza no trato e senciridade e modccidade nos precos.
Espera que o respeilavel publico veuba ver o que existe de melhor em
aderos du brhantes, esmeraldas, robins e perolas, meios aderecos, pul-
ceira, hlincoe, allinetes e anneis de todas as qualidades, prala de le faquei-
ros, colbcr*, palikiros salvas c outros rauitos objectos que seria enfadonbo
mcin'i jiiar. ,
Comprar* ouru, preta, brilhantes e pedras finas, pormaior preco do
que em wtri qualquer parte, ucca-se e conccrla-se t^do e qualquer objecto
pcrlencenle a esta arle
mmmmmn
Preciosa ublica jurdica,
Gommentario do Cdigo Commercial Porta
guez e Brasileiro.
Vende-se na loja da ra do Crespo n.
25 A esquina da do Queimado, a impor-
tante e moderna obra sob o titulo de an-
notaedes ao cdigo do commercio portuguez
em 6 voluntes pelo Exm. Sr. conselheiro
Dr. Diogo Pereira Forjaz de Sampaio Pi-
mete!, lente, cathedratico na universidade
de Coimbra. Osjlsubidos crditos de que
goza tnuito merecidamente aquello eximio
commercialista por si s bastariam para re-
commendar to importante obra, quando
n3o concorresse mais para isso a grande
vantagem de ser um ptimo commentario
ao cdigo commercial brasileiro (na falta
absoluta que ha de qualquer outro) pelamo-
xima bomogeneidade de entre muitas das
suas disposices, e as do mencionado cdi-
go portuguei, que lbe servio de texto.
toirei pressurosos, distincta mocidade
do 4. anno da Faculdade de Direito desta
cidade e notatreis jurisconsultos, a prover-
vos desse poderoso auxiliar para vossos
trabalhos da setnete, e pelo preco commodo
de 20jJ, toda a obra em G vol.
topos modernos nenhum- descubri-
mento operou maior revoluc5o nQ_modo de
curar anteriormente em voga do qae o
PEITORVL DE ANACAWITA
l |/AIftfQ Ta\TJL\ffiNTO DA
hsBKl t \ f 3 i.OPO,
AIIa, THHICA,
MOQOIDAO, RBSrRIAMENTOS.
BR0NCH1TK8,
T0SSE CONVULSA,
DORES DE PEIT0, '
ExracnjRACO de sangue.
Como em (oda a grande serie de enfermi-
dades da gauganta, do peito e dos orgaos
da hespiracAo, que tanto atormentam e fa-
zem soffrer a humanidade. A maneira an-
tiga de curar consista geralmente na appli-
cacao de vesicatorios, sangras,sarjar ou ap-
pcar exteriormente ungentos fortissimos
compostos de substancias vesicantes, alm
de prodazir empomas; cujos differentesmo-
dos de curar, nao faziam seno enflaque-
cer e diminuir as forcas do pobre doente,
contribuindo por esta forma d'uma maneira
mais fcil e certa para a enfermidade a des-
truicSo inevitavel de sua victima 1 Quem dif-
erente pois o effeito admiravel do
PEITORAL, DE ANACAHUITA I
VM EEZ DE IRRITAR, MORTIFICAR E CAZAR
INAUDITOS SOFFRIMENTOS AO DOE.NTE,
CALMA, MODIFICA E SUAVIZA ADOR.
AI.LIVIA A IRRITACO
DESEMVOLVE 9 E>TrENDIMENTO, .
FORTIFICA O CORPO
e faz com que o systema
Desaloje, d'uma maneira prompt e rpida
at o ultimo vestigio da enfermidade.. Os
melhores votos em medicina da Europa (os
Lentes dos Collegios de Medicina de Berlim)
testificam serem exactas e verdadeiras estas
relactJes analgicas, ou alm disso"a experi-
encia de milhares de pessoas da America
Hespanhola, as quaes foram curadas com
este maravilhoso remedio, s3o mais que
sufficientes para sustentarem a opini3o do
PEITORAL DE ANACAHUITA I
Deve-se notar que este remedio se acha
inteiramente izento de venenos, tanto mine-
raes, como vegetaes, em quanto qiie porm,
alguns d'ests ltimos, e particularmente
aquelles que s5o dados sob a forma de Opio
e Acido Hydrocianico, ormam a base da
maior parte dos Xaropes, com os quaes t5o
fcilmente se engaa a credulidade do pu-
blico. A Composicao de Anacahuita Peito-
a acha-se linda e curiosamente engarrafadas
m frascos da medida de cerca de meios
quartilho cada um, e como a dose que se to-
ma s d'uma colher pequea: basta ge-
ralmente a applicacao d'um ou dous frascos
para a effectuaejo de qualquer cura.
Acha-se venda nos estabelecimentos de
P. Manrer & C, J. C Bravo & C. A.
Caors, B. M. Barboza e Bartholomeo & C.
ORDEM TERCfilRA Da PENITENCIA
PATRIARCfiA FBAHCECO
DA
CfDADE DOBECtFE.
A mesa administrativa manda por esta
secretaria avisar a lodos os seos coarte-
siranj irmos, foe lbe oi preseute e accitj
convite felo pelos npsos chari.-simos
irmaos terceiros carmelita?, para acnm~ '
panharmos a procisso de Tiumpbo dos
Patasca do 6eo*r, que Km de sabir da
igreia daquelta veneravel ordeui, na lar
ae do da 8 do corrnte mez, para cujo
aMo esperamos e descansarnos no teb de
1 osses irmIo, qtte jamis deixwao da
comparecer paramentados com seus ha-
bito, oa gruja de nos?a orden). Dlas i fia
horas da urde do dia cima mencionado, T
Siara encorp rados acompanharmos a re w
erMU prociss3; dando per lal modo pu- tt
blka damonslrafb de qae entre ni re- X
na a meamos laco* de reciproca e fia- I
tamal aniao que em seu ofjQcio confessa-
> ram existir para comnosco.
Secretaria i de abril de 1870
O secretario,
Jos Rufino Climaeo da Silva.
r
----------------------------------
PORTLAND.
Vendo-se no armaiem narello de Vleebte Pe>
reihi da Costa Fho, defrente do arco da Con
ctkkfiT$ barracas frrgndefc
Milhoe arroz de casca
Vende-ee milho e arroz da casca doto em sac-
eos, no trapiche da corapanliiA: arralar na ra
da Cadeia-velba, casan. U 2?; andar.
Venda de lampeoes
para illuminaqao.
Na loja de funileiro de Antonio Moreh-a Pinto,
na trates? da ra do Vigario n. 3, twn para ten-
der 300 a 400 lampeoes promptos, muito ecouo-
micos por serem. para gaz liquido, a to cxcellen-
te luz : elles antes que se aeanem, snhores erl-
carregailos de Ilnminac3es, due so baratos.
weuhor dos Pasaos na mairlz
Irmandade
do
do Corpo Santo.
Em nome da mesa regedora convido a todos os
irmaos a comparecer no dia 8 do presente mez
as 3 horas da larde, em nossa consistorio^ para
encorporados acompanharmos a procisso do
Trlumpho que tem deahir da Urdem Terceira
do Cafmo para a quaf se dignon convidar-aos a
respectiva Ordera. +
I O ercrivfo,
/. I Lima Bairao.
AMA.
Precisa-se alugar urna eser*a que cozinhe e en-
gomara, ama negrinha e um moleque, paga-se
bem ; na ma do caes de Capfcaribe, casa nova
coa poriao de ferro ao lado.
D-e 10:000* a premio sobre hypotbeea em
predios nesta idade : roa do Crespo n. 12, loja,
se dir quem da.
ATTENQA
As novidades do Fasso
PARA A QUARESMA.
Chegaram pelo ultimo paquete os ricos posti-
Ihoes de gorgoro pretos, basquinas pretas com
ricos lacos de setim, neste artigo ha duas especies,
de gorgoro e croxe, e mantilhas brasileira, ditas
compridas para cabeca, chales de touqnim e me-
rino pretos e bordados. gorgorSes pretos lisos,
de cordo de listas assetinados, de flores, 6 tanto
o sortimento neste artigo que o comprador pode-
T escolher a vontade. Setim preto macan muito
superior, sahidas de baile de merino infeitadas de
setim.
Vende-se ou negocia-se b engenbo Comportas,
moente e corrnte, sito na freguezta de Muribeci,
prximo a estrada de ferro, rendo exeellentc ccr-
caob, matas e as melhores trra de plintacao.
Esie engenbo, alera de muitos sitios de lavra-
dores, tem dez grandes partidos de fa enda, cada
um dos quaes leva mais de 130 carros de cerna-
te, sendo oito desses part dos exclusivamente de
fertilissinias vaneas, me com um dos melhores
vapores, assentado este aogo, e tem oe necesarios
preparos para moer com animaes ; as obras esio
em bom estado, o passadio muito bom e pode
fazer-se bous curraos w ri Jatioatio, tem boa
dettilacio com um dos melhores alambiques, e o
engenho pode safrejar aonualraento para mais de
5,000 pies de assucar, depois dos grandes melbu-
ramentos feitoS em suas ierras.
Quem pretender dirija-fe ma da Concordia n.
23, das 8 horas da manbaa ao meio da.______
Bixas de Hamburgo
Por menos do que em ouira qualquer parle
vendem-e e alugam-se : na ra do Imperador n.
28, armazem do Campes.
VENDE-SE ou arrenda-se o engenoo
S. Gaspar, silo na freguezia de Serinhaem.
comarca do Rio Formoso, prximo do em-
barque, com grandes partidos do pal t
massap i roda da moenda, roattos manguet
para madeira necssaria, bom pasto, etc.:
a tratar na ra d'Aurora n. 26, oa na do
Imperador n. 20.______________________
ATTEHQO
Vende-se urna machina completa de fabricar
aguas gazosas com todos os seus apparelhos, ha
pouco comprada as celebres ofDcioas do Sr. Ma-
' theus de Nota-York. A machina forrada de
porcelana com tima capacidade de 80 medidas,
mas que sulkiente para prodnzir -100 duzia9 de
garrafas por dia. Esta actualmente trabalhando
na corte, na ra do Lavradio n. 62, onde se pode
examinar : para informales dirijam-se ra S. Pedro n. 28, no Rio de Janeiro.
da
O DR. SANTOS MELLO
Medico homeopatha, recem chegado
corte, fixou a sua residencia nesta
capital, ma estreita do
Rosario n. 32, 2o
andar.
D consullas todos os dias das 9 10
horas da.manhaa, e recebe recados por
escripto qualquer. hora do dia ou da
noute.
Aos pobres d eonsultas s mesmas
horas e medicamentos gratis.
GRANDE
ROVIDADE
NA
BRACO
i-m
'(KSffifll
imsjh
contraria do patrlarcha *. Iu
le Agona, erecta no conven-
t do taimo.
Por ordem da mesa regedora, convida-se a to-
do.' os nossos irmos a comparecerem em nosso
consistorio, sexta-feira 8 do corrnte as duas e
meia horas da larde, aflm de incorporados acom-
panharmos a procisso de Triumpho que saldr
da Ordem Terceira do Carmo, para o que tomos
convidados.
Secretaria, 5 de abril de 1870.
O secretario,
Francisco de Medeiros Raposo.
Ama
Precisa-se de urna ama captiva ou
ra de S. Francisco n, 5t.
forra :
Al
^TPM
im
\MA
t
Precisa-se Je urna ama, forra ou escrava : no
pateotdo Paiaizo, n. 29, primeiro andar, defronte
da igreja, esquina.
AMA
Na ra do Amorim n. 35, Io andar, prescisa o
Domingos Tasso de urna ama para cozer e engo-
mar.
r
wmm wmwm
ITINERARIO DA PROCISSO DE
TRIUMPHO
A solemnissima procisso de
Triumpho dos Passos do Senhor,
que ha de sahir boje (se nao cbo-
ver) sexta-feira 8 do corrnte. as 3
horas da tarde da igreja da Venera-
vel Ordem Terceira de Nossa Se-
nhora do Cafmo desta cidade per-
correr conforme a pauta artiga
as seguintes ras: ao sahir, Pateo
do Carmo, Camba, Flores, Nova,
Cabug, Rosario Larga, Rosario Es-
treita, Duque de Caxias, Tmessa
do Ouvidor, Imperador, \)nte, Ca-
deia, Cruz, Lingota, Cemmercio,
Corpo Santo, Vigario, Encntame!?
to, Cadeia, Ponte, Crespo, Impera-
; dor, Prag de Pedro II, Duque
; de Cixias, Livramento, Direita,
i Terco, Marisco, Martirios, Hortas,
a recother-se.
Secretaria da Veneravel ordem
3 de Nossa Senhora do Carmo 8
de abril de 1870.
0 secretario.
Jcrooijnio da Costa Lima. .
"j niii
RTra stFu do^"Rosario n. 14, forneceae
comidas para tora, recebe-se assignalura, o mesmo
qualquer prato pernente a sua arte de paste-
reir" Continua no abbados a ter nrao de vacca
e sairabamo portcrgaoi e entras igaariaa; aasim
ISS"ontrir o'respei.avel pubi.co um vana-
4o sertimento de serveja e ootras muitas bebia*;
queijo e doce.
AVISO.
Ao commercio.
Castodio los de Oliveira & C. tem justo e con-
tratado a compra di armario e gneros existen
tes na taberna do largo de S. Pedro n. 1, da qual
propietario Manoel Jos Marques da Silva, roga
s pessoas que se julgarem credoras do mesmo
estabelecimento, e que niio tenham sido consulta-
das nesse sentido, de se apresentar no mesmo es-
tabelecimento com suas contas para serem alten-
didas, isto no prasode tres dias, Ando este praso
o comprador fecKff suas cantas com o vende
dor, e declara ni attender a reclaraa^oes. tteci-
to 8 de abril de 1870, .________
Venera! ordem tercei
ra de N. S. do Carmo
do Recife.
Proe'ssS* de Trtampii*.
De novo sao convidados todos os irmos novicos
da veneravel ordem para comparecerem hoje as
2 horas da tarde na igreja da mesma ordem, aflm
de reunidos acompanharmos a solemne procisso
de Triumpho dos Passos do Senhor.
Capella dos novicos 8 de abril de 1870.
O mestre de noTioos,
Jos Joaquim de Azevedo.
De casa de seu senhor ra Direita n. 91
fugiram o escravos seguintes : no dia 28 de mar-
co prximo pasado o escravo de nome Vctor,
mulato escuro, cabellos estirados, idade 17 annos,
rosto redondo e com alguns pannos, baixo, cheio
do corp bons denles, ps e raaos pequeos. No
dia 6 corrnte, a escrava de nome Dau a, negra
fula, idade 20 annos, b )cca pequea, com os la-
bios grossos e arrebitados, entura e carpo regu-
lares, setos grandes, rnos tralas e bem fcilas, e
cabellos carapinhos : quem os apprehender e le-
va-Ios ca cima dita ser recompensado____
Precisa-se de um homem hbil para dirigir
os trabalhos de urna padaria a vapor e que en-
tenda de maceira, e dous trabalhodores para a
mesma, fallar com Nicomedes Mara Freir, no
caes do Apollo, assim tambem um caixero, na
ra da Cadeia do Recife. n. iO, Io andar.
6 Pedido
Pede-se ao Exm. Sr. presidente da provin-
cia e ao Sr. Dr. chefe de polica as providencias
na freguezia de Bcberibe, termo de Olinda, poia,
deu-se nesta freguezia a 22 de margo, pela? onze
horas do dia, os faclos que passo a narrar : Indo
eu ao Recife comprar effeitos para a minha venda,
em minha anzencia tenlou o alteres de Olinda, da
gente do Mello a ir torear a minia senhora, nao
annuindo esta o seu bruto intento,espancou a de tal
maneira que deixoua proslada por trra ; che-
gando eu, vendo a minha senhora naquelle estado
e fabendo o que toi, corr a polica do lu ar, pois,
nao deram providencias algumas ; recorro a im-
prensa para narrai os Tactos das violencias que se
do neste lugar.
Recito, 8 de abril de 1870.
Galdino Pinto.
Aluga-te um sitio na eslrada nova do Ca-
xano, oom casa de peJra o cal, quslro quartos,
duas salas, cacimba, frueteir.is -e cerca nativa :
tratar no
logar.
sitio da viuva Villa-Seeca, no mesmo
Irmandade do SS. Sacramento da matriz
de Sonto Antonio.
De ordem da mesa regedora da irmandade do
SS. Sacramento da matriz de Santo Antonio, sao
convidados todos os nossos charissimos irmaos
para assislirem os actos da Semana Santa e acom-
panharem as procss5es o Stpbor aos enfermos,
eaterro c rcssurrcic,ao, nos dias e horai do eos-
turne.
Consistorio da irmandade do SS. Sacramento da
matriz de Santo Antonie 7 de abril de 1870.
O escrivo.
Modesto do Reg Baptisla.
Pelo presente sao rogados todos os Srs. credo-
res da massa fallida de Antonio Mara O'Connell
Jersey, a apresenurem aos curadores flseaes, es
seus crditos no praso de oito dias para serem
devidamente qualifleados: ra da Cruz n. 18.
O abaixo assignado reco:nmendi a apprehensao
do escravo Benedicto Sapucaia, cujos signaos sao
os segaintes : altura regular, mais ou menos
cheio do corpo, pernas finas e pouco gambetas,
pouca barba, cor prcta, o tem falta de um ou dous
denles na frente, levou camisa de madapolo, cal-
ca parda e chapeo preto. Esse escravo o pro-
prio que o anno passado esteve no Gynasio com o
nmade Joao, por cuja causa toi demitlido o mor
domo Joaquim Jos da Cosa, contra quem se ras-
taurou processo, que, tendo licado sem effeito,
Costa nao s ganhou nome e proieccao, como nao
obstante haver-so loeopletado com os servicos do
escravo dez meze?, cobrou anda 80 o lautes mil
ris de cusas. Agora torna a aesapparecer o
mesmo escravo, o segundo consta ha nislo um
novo conluio, novo 'rama, de que se dar pleno
conhecimento polica. Dito escravo desapparo -
ceu desde o dia 15 do mez Droximo passado : na
ra das Cruzes n. 37, Io andar.
Joaquim S. Pessoa deSiqoeira Cavalcanti.
Ama
A imperatriz regente.
Com esta denominacao chegaram a loja do Pas-
so pelo ultimo paquete os mais ricos chapeos de
palhinha pretos cora enfeites de cores, objecto es-
te o mais moderno de Pars, cheguem antes que
se acabem : a ra do Crespo n. 7 AJ__________
Aluguel
Alogase um grande sobrado por acabar, tra-
vejado sem assoalho, com porto de embarque,
proprio para qualquer offlena, sito nos Coelhos
derronte ao hospital Pedro II tratar a ra do
Moudego, olaria n. 13 ; tambem serve para mo-
radia. _____.
Ama de leite
Precisa-se de urna ama para comprar e ccsi-
nhar e fazer o mais servico de cas, s para um
homem e meninos : na ra de Hurtas n. 120, ou
a ma do Vigario n. 33.__________________
Precisa-se alugar ura escravo que seja moco
e sadio, paga sj bem : a tratar na ra da Concor-
dia n. 138.______________________________
' D. Francisca Mana de Jezus, senhora da pro-
priedade Duas Rarras da freguezia de Garrelleira,
faz s iente aos erophytentos Guilhcrme Jorge da
Molla e D. Gracinda da Motta, para que venham
ou mandera entender-se sobre os foros vencidos,
no prasode 15 dias, p:r j terem cahido en con-
rtisso os seus terrenos.
Ra to Imperador h. 26
Osdonos deste estabilecimento desojan-
do por em pratica nesta capital os costu-
mes das confeitarias das primeiras capitaes
da Europa e Brasil (Rio do Janeiro) fazem
sciente ao Ilustrado publico desta capital
que na prxima semana santa tero este
estabeleciuiento primorosaneote decorado
e enfeitado com um completo e variado
sortimento de caixinbas de differenies qua-
lidades e gosto, un c- mpleU so, tmenlo
de amendoas confuitadas de todas as quali-
dades, confeitos e p&stilhas as qoa-s ser-
vem para encbimenlo das mesmas caixinbas
advertindo ao Ilustrado publico que na cicla
des, cima mencionadas est inteirainento
em uzo brindar s* nhoras com este delicado
presente e vendo nos que at a poca pre-
sente anda nao houve lgaem que livesse
a rembranea de proporcionar aos amantes
do bello sexo nesta cidade o ensejo de dar
suas demonftraroes de csiima, gralidao e
amisade com um bello presente, nos toma
mos a nosso cargo to ardua larefa altcn-
dendo as din idas do b m ou m.io resulla-
do, que pdennos collier.
O pubii-o encontrara ludo mais que re-
latara o amigo annuncio neste Diario, as
Exmas. familias na occa'S30 de visitar os
templos poderao vir fuitalecei-se com bons
lanches, vinhos. licorts, Ghampagtie, serve-
ja e refrescos ludo do melor que posst-
vel. Esperamos pois da concurrencia do
respeilavel publico em geral/_____________
COMPRAS.
Precisa-se de urna ama de leite sem filho : a
tratar na ra Direita n. 8 V, padaria.

600$ a 700^000.
D-se 600 a 7004000 por um sitio perto da
oraca : na roa de Santo Amaro, taberna Bova jun-
.ta Haehambomba.
CASA FELIZ
:(XXM
-A casa felii do arco da ConceicSo venden
..... .,tn (aiiTM hiihPiM da lotera 31* em
Aos 20:000.1000
Precisa-se de nm caixero que tenha pratica de
taberna : na ra do Rangel n. 41.
Precisa-se de urna ama escrava que salba
engomar e ceznhar para urna casa de i pessoas:
as Cinco Ponas n. 136.
cabellos brancos.
Precisa-se de um moleque de 15 a 30 annos
para servicp de urna refinado, entregar caf e as-
sucar : na.rua Imperial n. OI-
Casa terrea.
Compra-se urna casa terrea : tratar na ra
da Madre de Deus n. 16, loja._______________
Corarram-se medas do ouco e prata de to-
los os valores, ouro e prata em obras nulilisadas,
Drlhantes e mais pedras preciosas : na loja de
)urivea do areo da Conceieao, no Recife.
Rrozeguis pretos fantasa para senhora
a 45000.
Ditos de duraqoe de cor enftitados para
senhoras a 4^000 (todos em perfeito esta-
do).
Rrozeguis de lustre para homem a
i/fOOO, e vende-se na Praca da Indepen -
dencia n. 39, loja de calcado de Porto *
Oastos.
EgCRAYOS ,
Compram-se e vendera-se diariamente para tora
< dectfo da provincia escravos de todas as idades,
res e sexos com tanto que sejam sadios : no
rceiro andar do sobrado n. 36, ra das uruxes,
'regnozia de Santo Antonio._________________
Xa roa Nova n. 43 ha, para alugar
icafleatM escravos pan iodo o servico.
quatro
seus muito felizes bilhetes
Delicio da santa casa de misericordia
as sortes segrate :
50W 4:000/000
1045 800*000
3820 200*000
684 100*600
nos
be-
orte,
Nao mais
A tintura japoneza para lingia os cabello*
da cabeca e da barba, fe a nica admiltida
Expoiico Universal, por ter sido reco-
Fogio no dia 11 do "corrnte o escravo Francis-
co cabra, dade de 30 annos, com os sgnaes se-
guintes: cabellos carapinhos, rosto descamado,
e cora marcas de bechigas, iiililula-se ser livrp,
levou calca branca, paletos de alpaca de cor, cha-
peo do Chile ; desde j se proteste contra a pos
soa que o liver oceultado : roga-se aos snhores
capitaes de campo que o tragam ra Direita
n. 16, que serio generosanvrote gratificados, assin
como' as autoridades policiaes.
__O proprietarlo do encouracado de Olinda
previne aos lllms. Srs. assiguantee e passageiros
que do dia 6 do carreute era diante deixara de
mecida superior todas"as preparacoes at ^""nbas9 e horts da t!
Lom muito maior vantagem compram-se
noedas de oiro e prate : na loja de joias do to-
acao de Ouro n. 2 D, roa do Cabug.
Cortes de vestidos de
blond.
Acaba de chegar loja dos arcos roa do
Crespo n. SO A. de Alvar,) Augusto de Almeida
* C., os mais ricos corles de vestidos de Mc-nd
que tem vindo a este mercado para casamentes,
assim como corlea de vestidos de seda de cor de
goslos inteiramente novos, e tambem ura granee
sortimento de chapeos de velludo para senhsras
Veadem-se tres pretos, sendo dous peritos
cozinheiros, estes de *5 annos cado um, o outro
de 30 annos todos bonitas figura : na ra e
Hortas n. 96.____________________
0 muzeo de joias
Na roa do Cabug n. 4 compra-se ouro, prata
i pedras preciosas por precos mala vantajosos do
me em outra qualquer parte. ^^____
Precisa-se dejimvama para o servico interno
rtvnmi easan*H nflka : -%arWaiar rWafy^ *f#
gario n. 18, 3* andar.
_~-
AMA.
Precisa-se de urna ama: oa ra do Pires a. o.
hoje existentes, sem alterar a sade.
Vende-se a 1000 cada frasco na
Rna da Cada n. 51,
1. andar.
Irgencia.
Pede-se ao Sr. FraoL-isco de Saltes e Slva quei-
raapparece; a>oecio qoe-lh diz reepeito, no
Bazar da Moda, ra Nova a. 50.
Precisa- de urna ama escrava que saiba
coznhaa e laar bem : na roa da Cadeia de He
cfe n. 51, 1 andar.
CURA RPIDA E INFALIVEL DOS CALOS
pelA
POMATU ^LOPEAU.
g|> W^ff1 *mQ*K ^%^CWId77SRHbtaa* "*" !* no Ma
PharmaCV (le Bartmlomeu Ct\>-W do crreme, e flcou no lugar o Sr. Braz Fernn
34-Raa larga do Rosario-34. I des de Feijo, subdito bespanhol
Oompra-se
duas casas terreas as roas Concordia, Palma,
Caldeireiro, Sanu Thereza e Santa Rila : a tratar
na ma estreita do Rosario n. 33, cartorio.
Gompra-^a um escravo de 15 a JO airaos de
dade : na roa de S. Francisco n. 71
VNOAS.
itoai
Aviso
m-A|vea despedjo o %
Vende-se a armacio da taberna do paleo da
Penhan. 8 : k tratar junto n- <0- _
Am de oaaca e milbo novo ;
saceos, no trapiche da Confaiihia
ra da Cadeia-velba n. 1, aadar.
vende-se em
a ti atar na
- Veud do hospicio n. d por seu dono ter de ir tra**de
sua saude. Na mesma se precisa de nm caixero
que d Ihnca a sua conducta.
SEMANA SANTA
Madame li Adour
receben pelo ultimo vapor, casaqeinbo de Ble pe-
te de seda- Fruufrou ricamente Deiiados, e
namilhas do Imperador n. 23, Andar.
Mee de Mara
Cnticos ehyrooes deyatos paM o miz
Um ntido votame eioeroado de couro
1*600.
De mam>wP dwndo
UVRAWA FRACEZA.
e'bre a
BMGlP*C**Otl 8WAV03
No rmpcrk) da Brasil.t:UaWr 4w tos.para
reaHsa-lo
coBldcr*M erae <
HAMGIM CfcO- DW 8WA>
Por Peixoto de Brilo.
1 volme 8 bmchura 800 rs.
LIVRAIUA FRA.SCEZA.








Diario de Peman&ueo Sexta eira 8 Je
de 1870.
A VEHDADE
55Ruado Queimado5
A VERDADE tendo em deposito grand<
quaalidade demiudezase perfumarias, e de
sejando parar dintwiro e adqoerir boa frs*
guezia est rssolvida a vender muitissimt
barato, ; por essa razio convida ao respe!
tavel publico a vir competentemente moni
do a sortir-se 4o bom e barato. Pois quaD
do a Veranis appareee, todo man de*
apparace....
Grande sortimento de bonecos de cera i
massa as mais lindas possi veis vestidas a ca
raetnr.
Abttondaras modernas para col-
lotea ...... 3&
Espetbos donrados pepnenos. 26<
Agulhas de osso-para orot a 2(K
Pentes pan regato com csntas a 32''
RirosgloboiparaearioUeiroidefaia liJSO
Chaminsa ....... 32(
Grande sortimento de objetos de
Louca para brinquedo de menino 101
Garrafa com tinta a..... 8(X
Dita com agua florida verdadeira a 4(530
Dita com dita dita a ... l&m
Fr~:oconiolco de babosa a 500 e 72(
Dito com agua de Colonia a 300 e KOf
Garrafa com agna divina a. Ij950
Frasco com extractos Anos a !0OO(
Latas pequeas com banba muito
una a 120 e...... 16
Sabonetes de diversa qualidades a
80,160,240 e...... 32\
Finas estovas para deotas -de.4 20 a 60(
Liados caques modsrnes a. SfMfc
Pasios para faz, Escovas para facto a 500, 600 e VO
Ditas para cabello a..... 60
Pentes para tirar piolbo a 160 e. 24'
Brincos de cores, bonitos a 460 e 2CK
Pegas de tranca de lia com 8
varas por....... 8(
Oleo para machina de costura,
frasco a........ 60<
Pennas d'aco finas caixas a 800 e 4i500<
DiUi d'aco Perry, caixa a. 4^40*
Gao de algodao peca .... 40f
Lindos babadinhos e ntremelos
peca de 500 a...... 450
. Dos de louca muito fino a 420 e 20(
Ditos p3ra calca a 100 e. 24(
Caixa com papel am izado a. 701
Ditas com envelopes a. 48(
Ditas com obreias a..... 4(
Caixa com agulbas fundo dourado 28(
Ditas de ditas ditas a..... 46(
IVsoura para costura a 240 e 50(
Caixa com Hnha de marca a 28(
Linha de cores em novollos (li-
bra) a........ 80(
Carreteis de linha Alejandre de 70
at 200. ....... 40(
Gratnpos muito finos com passa-
ros, dozia a...... i(K
Caitas portuguezas, duzia a 4^>40(
Ditas francezas a 20200 e 30OCK
Papel almaco e de peso, resma a
34O0, 35500 e 45(X
La muito fina para bordar, libra 6(J50
Fit de algodao para debrum de
sapatos, peca a..... 46(
Ditas do la para datan de ves-
tido, peca a...... 48;
Pentes finos para segurar ca-
ballo a ...... JK
DHos ditos de bfalo para alisar
a 240, 3* a...... 5ft
Ditos para aparar penna a m
Resetas pretas, par ... 4*
Trancadel5adecaracolpeeaa40e 40
Fita de coz pecaa 480 a 9K
Alfinetes de lati a..... 4tt
Sapatos de laa para crianea a 400e 80(
Grvala de sedas de cores a 2fl(
Calcadeirasa....... JR
Grande sortimento de rendas das Unas.
Uto par de suspensorio da borracha pet
100 res f 1111 f I
Na YerdaJe ra* do Qsselsaaia
RAPfi POPUJbJUtt
DA
FAlWA haomal da mha
DE
Tei'xera UlduncofrC.
Acha-se venda esto ptimo rap, aaico aa
pddc suppnr falte do priucea da Lisboa, por
de mui apradavel penme, viajado, e a j>reca <
mais mdico doshta) ; e por teso twn stso OS4
acolhido as pravas da Baha, do Rio de Janeiro <
em outras do iaiperio : no escrtoiorio de Joiqnb
Jos Goncalves Bel trio, roa do Commercio aa
mero 17.
BENTO
Travwsa do Oorpo lauto a. 36.
8M,<;rKedntad08 cyndros ^ricanos para padaria, por dm differentes systemss.
Macb as para descarocar ajodlo pelos melaores fabricantes de New York.
Machinas de vapor systema de locomotiva e polias para as mesmas.
eos razoave amencaD0g para aportar volusaes een armase. Tudo por pre-
TRAVESSfl DO COBPO SIHTO N. 25
Joaquim Kopes Machado & C.
Bichas hamburgnezas
leste novo deposito recebe-se or Rdos ospa-
qnetes trauslantleos hienas de quMMade superior
e vendem se em caixa ou poreio mais pequea,
e mais barato do que em outra' malquet pane :
na ra da Cadea do Recife n 51, andar.
Cigarros da inparial
fabrica de S. Joao
de Nictheroy.
nico deposito ees Pernambuco caes da alfan-
dega velha n. 2, 1* oda.
5;000
A roa Nova n.' 60 vendem-se botinas
para senhora a 3000 o par : a ellas em
quanto n3o se acabam.
A AGU4A NEGRA anuaria com o bom accolhitnento que t/ve em seos anrmn-
;ios, vem novo participar a^'^S'tafuezes que, acaba de receber um vrriado sorti-
neoto de objectos da gesto os qeaesser5o vendidos por prCjos moito razoavets, pois
piando fez os as ppiraetros annucios, foi o qu asseguron, e sem rado de errar,
wrque como ja dwsaosl >mteresses ligada a urna casa mportadoradwta prac. e
por i8so podar wr todo esneeial e vender ipor pj'ecos adaitraveis.-Cbamapois a atten-
So de seos fregoexes para os artigas :possa dascrever:
Livros com o tampo de osvfim, .uadre- Um variado sortiments ade cbsruteirss e
*!?tfW*i' proprios para mise, palliteiros de poreelaM,
Garaiohas vaziss propruBpara presantes
'-ousa de gosto.
Indispensaveis de palinba e de couro pro-
Mies para sentaras e meninas taer nos
wacos.
Knoculos i 'mad reparla, msrfima Ur-
ivuga lodos esrnattados.
Cidtos largos de setim, coosaintelrajiien- uT
Tentos para voltarete.
BengaUas com mirim, cousa especial.
Sabonetas de alcatr3o.
Cofres de follias para dinheiro.
Lindas caixas para coatara.
Um completo sortimento de I uvas de pe-
FttasdesarHdesedasss^ujiMarga-! ^*# bawaar.
aupara la?os. mcompo sortiaanto-da-enlates de
Toncas, sapatinbos meias de seda e-mais' seda para vestido.
jertnces para baptizos. j Perfumaras de todos os amores os ma
fitas com fnsenpeoes propri para bou- aCrediiadflS em oxtractos, pomadas e leos
va e lina i mente outros muitos objectos que n3o
Ricos vasos com p do irtnt.
possivel mencionar ; mas eom a vista se
Cantara de Lisboa
Soleiras, borabreira, e c pilis, o que ba de
raelhor para frentes de predios: Vens no ar-
masen da Iravesm o Corp fcnto, de Joaquina
Lopes Machado Ir C
Sal do Assu'
A bordo do nalbabote GttribaUi anmrado na
volta do Forte de Mattos : tratar con Tasso Ir-
DM0 A C.
Farinha de mandioca
Vndese de superior qualidade. no eacriptorio
de Joaquim Nodripues Tavarcs de Mette, lar^o do
Gorpo Sanio n. 17 ou no trapiche do Gunha. For-
te do Mattos.
Grande pechinha
Basquinas de croch com enfeites de vidn'lhos,
do ultimo gosto, que seu preco foi de i, e hoje
se veodem pet barato preco de 84 : na Joja de
Fipueiredo & d, ra da Imperalriz n. 40, osquma
do becco dos Ferrr iros.
ATTENCAO
Vende-se o engenho Mussavba, livre e desem-
barazado, e bem como a propriedade Pofo pietf.
separada do mesmo engenbo : a tratar com o sea
propnetario na ra do Apollo n. 57, Io andar.
Um variado soHimbte de jarros de por- certidcarSo do-sorrtmiWo deste estabele-
eisna. cimento.
Aguja Kegra, ra do Cabug n. 8.
TOlLlS IIlMliS
Chegou a leja de Paredes Porto, a roa da Imperalriz n. 52, (Porta Larga) um bo-
nito sortiaiento de talas* de Iinho para mesa, assim como os competentes goardanapos
que se voadem a pre$o baixo.
PAREDES PORTO vende lasinhas a 240 o covado, fazenda de 500 rs, para acabar
na ra da Imperarz n. 52.
PAREDES PORTO vende algodao com pequeo toque de avaria a 3/J500 e 4(000,
a pega ra da imperalriz n. 52.
PAREDES PORTO vende cuita preta para luto a 100 rs. o covado na roa da Im-
peratriz o. 52. Porta larga.'
CHALES
Vende-se diales preto de merino a 33000 fazand.i superior, na rna da Iraperariz.
PAREDES PORTO vende meias para senborasa 2^500 a dnzia p-r ter um peque-
o mofo, na ra da Imperatriz n. 52 porta larga.
PAREDES PORTO vende cortes de calca de casemira preta a Sk|50 o 40000.
PAREDES PORTO tem para vender panno preto superior e casomiras de cores e
pretas que vende por prcos commodos.
CHALES, GRANDE PECHINCHA.
Cbe?ou a loja da ra Imperatriz n. 52 de Paredes Porto um bonito sortimento de
chales clnezes azendas muito boas para senhoras trazerem em ca^a, est vendendo
por 54000, eslo acabando-se pa
Loja do Leao.
1.1CBLYS PARA
COSTURA
Acabara de ebegar ao GRANDE BAZAP.
UNIVERSAL, roa Nova n. 22carneiro
viannaum completo sortimento de ma-
chinas para costura, dos autores mais co-
nhecidos, as qoaes estn em expsito no
mesmo Bazar, garantindo-se a sua boa qua-
lidade, e tambera ensina-se eom peffeicio
a todos os compradores. Estas machinas
83o iguaes no seu trabalho ao de 30 costo-
reirs diariamente, e a sua perfeicSo tal
como da roelhor costureira de Paris. Apre-
sentam-se trabalhos executados pelas mes-
mas, que moito devem agradar aos preten-
dentes. ^
Cal nova de Lwboa
descarregada hoje do patatho Hkria ', rtefl*
**fmim Jos Ramos, m nt d Cmb b 5 pri.
neiro andar. ~ "
a*Z ve.8e amanarle d engenho; F^kjalart,
ae grande produccao para agrienltura, si|-> M
treguezia de Iguarass, assim como se vende ou-
tra parte do engenho Corte de Orna, anW*o ao
purgatorio, que muito convwn eompnr eatto#: a
fraur so Bejnaio eom o 8r. Atroa MsmMo Cor-
deiro de Gusaao.
* ------- r___________.
PIRAAFE8TA
optas, loja de ferrfigem
53~Rua Direita-53
Nesle paule etubelecimento, ba para vender
nm completo sortimento de ferragem, e miadeas
nasa e grossas, como aejam bandejas ssnssas
qaadrada e evaes, facas e garfos de 13*-
tea, balaaoo inieiro e aya. balaaco; panellas, aat-
Ihews, asesvaitaN fmideiraaeiras, 'tS
de ferro como de porcelana, moinhospara caf-de
diversos lmannos do fabricante Japy, pesos kflo-
ara-omo!l tanto de ferro como de felfeTmet*
para me fazenda tanto de ferro como de lati
salitre, bren barbante, enxofre, papel marca fa-
do, do verdadeiro Pieardo, machinas para desca-
rocar algodao; alm de outros arttgos de fenm-
gem, mwdezas cotiarias finas, que a son a fa-
ja se venca; na rna diiwta a. 83 loja de 3
tas de Manoel Rento de fjiTaira BraeaA fl
Engenho venda
Vender o engenho S. Malhens, moeato e eor-
rente, com boaa obras e em perfeilo com agua e est a um quarto de legoa da estaraode
w T, via-ferrea de Gamellera. Vende se por J0:fJ0a.
Candido Alberto So-.arftSSSS^a-aSS eJ?1St-Say3?3t-
dr-da Motta 4C. ]ftfera^a!^^IM^rw
com cscrTplorio e armazem na iravessa da fadre
de Dos n. 11, tem para Vender o saguinte :
Cemento Poilland de Ia qualidade, o melhor quo
tem vindo ao mercado, barricas de 12 a 14 arro-
bas por 10QO0.
Vinlios Bordeanx das segnintes qualidades :
St. Julin
Fronsac.
Lormant.
St. Bmilion.
Harpas.
Chateau de Boycherelle.
St. Lamber!.
Lalonbere.
Duplessis.
Cauor.
Dearsesai.
Vinho do Porto de qualidade muito especial.
Az;ite doce refinado em caixas de 12 garrafas.
Fumos de todas as qualidade?, se encontrar
neste estabelecimento em latas, rolos e fardos.
Papel de todas as qualidades proprios para ci-
garros.
GAZ
Vende Joaqoim Jrs Ramos: na ra da Crui
n. 8, 1 andar.
Vende Joaquim Jos
n. 8, Io andar.
CAF
Ramos:
na roa da Cruz
AVISO
Em casa de Mills Latham & C, ra da Crtz n.
38: vendem-se folhas de ferro galvanisadao.
gaz m m
Vende-se tres venezianas em bom estado,
na ra do Queimado n. 15, botica.
Chegon ao antigo deposito de Henry Forster &
(1, rna do Imperador, nm carregamento da ga;
de primeira qualidade; o qual se vende em partida
e a retaiho por menos preco do que em outra qoal-
quer parte.
60RA DA IMPERATRIZ60
DE
Nesle grande estabelecinieato encontrar o
cC
em outra nlqaer parle, visto q Km lam, 5 *Ja sortimento de faendas, do mais apurado gosto assim como de todas as de primeira necesstdade que se lhes promalte vender por precos muito mais baratos do ana
e armamy.rlo WVmJ^^ *^BKI0 ; para poderem vender pelo costo, lia itando-se apenas a ganharem o descont. As pessoas que negociara era menor escaa neMa Sa
derem escolher. sorumeotos pelo, me.mos precos que comprara as casas estraogeiras. Para mator commodtdade das Exmas. familias, de todas as fazendas se dio os livros das amostras, on se mandara levar em'saas casas para'mdbor- p
Cambra la siilssa
COM 8 PALMOS DK LARGURA A i:G00,
2:000 o 2:500 RS.
Ciegaram as finissimas cambraias suissas
traniiarpntes, sendo o que ba de mais fino
para vestidos e veadfrtia pelo barato preco
d M180D, 25000 e 2,?d00 o metro, tendo
lambsm das mesmas, porm inglezas com
am.i.sina largura que se vendem a 440(0,
e l?5280o mjtro, sondo apenas precisos des-
ta larga faienda para se fazer am vestido
i ou 4 1/2 metros, pee-bincha,
SAJAS BORDADAS
Vndese nm bonito sortimento de saias
bordadas com 4 pannos, assim como ditas
j promptas, de Baslnta, enesgadas com
bonitas barras bordadas a laa por prec-os
miitf' em r.onta.
PANNO PABA SAIAS A 1,0000, 1,^280 e
lK00 RS.
Vende-se bonitas fasendas Jproprias para
saia sendo com bordados e pregas a nm
lado, dando a largura da fazenda o compri-
meato da saia e vende-se pelo barato preco
de 1*000, ISiSQ e 1,0600, cada metro sen-
do preciso apenas % ou a 1/2 metros para
cad.t taia ^echiuoha.
Calarlahos.
Vende-se nm bonito sortimento de cola-
rinhos tanto do linho como de algodao pro
priiM para bomeai. assim como tambem um
bonio sortiment dos mesmos para meninos
e senhoras e todos vendem-se por preco
muito barato. .
CHALES OE MOTAMBIQUE A 1:280 RS.
Vende-se ama grande quandade de cha-
les de mocambiqoe, com padrees escossezes,
sendo muito grandes o levesinhos pelo ba-
rat preco de #R0, cada am grande
pecuincha por se tep feito urna grande
compra.
i* anos c aaeailras pretas.
O Prvio veo4e graade por^So de pannos
pro tos do mais frairo at o mais fino, por
preco que admira, assim como um gra&de
sortimento de casemiras pr^tas para calcas
ipie -q venas por preco mais barato do que
etn outra qaaquer par*.
GORGWUO PRETO.
Vende-se o albor goiguro c seda
preU para cohetes e vestidos, sendo nesfe
genero o melhor qoe tem todo ao mercado,
mais baratodo qtte emoalra qualquer parte
Veafiloa hraaeoa a lo O pavlo ao4a,fini*iiws cortas da vaB*
ti dos de csaabrat- araes, reaaaente bordi-
ai a e< nasaU aistiii polo barato proco,
de 12*000 rs. cada um, pechincha.
CASEMIRAS ESCOSSfiZIS.
O Pavo tem boni as casemiras escosse-
zas com quadros grados e miados e outras
lisas com listras ao lado, sendo fazeado
muito fina que se vende mais barato, por
haver grande porco.
GANGAS DS LINHO.
Vende-se ganga de l.inhocom quadrinhos
muito boa fazondi para roupas de homens
e meninos pelo barat) preco de 600 rs. o
covado.
PECHINCHA EM PANNO PRETO A 23100,
O Pa-ao vende superior pjnnopre:o fino
para palitos, caigas colletes etc., pelo ba-
ratsimo preco de 2jl'i0 o covado.
CORTES DE CASEWRA PRETA A 4:500,
0 Pavo tem os saperiores cortes de ca-
semiras pretasenfeita las pelo barato preco
de 4;>a00rs. o cort,
PECAS DE MADAPOLAO A 3*500.
0 Pavita vende pessas de muito bom
madapolo, tendo 12 jardas cada orna, pelo
barato prego'de 3;>500.
PECHINCHA EM ALGODAO A 4*000 RS.
OPavao est vendendo pecas ci abjodo-
sinho francez, tendo 4 palmos de largara e
com 11 metros cada pega, pelo barato pro
de 4*000 rs.
CAMBRAIAS BRANCAS A 4#000, A PECA.
S o Pavao ven le pegas de cambraia
branca transparente, tendo mais do vara de
largura, com 10 jardas cada peca, fazenda
qoe sempre se vendeaa7rie8$0OO, tiqui-
da-se pelo barato prego de 4,-JOOO.
ALPACAS BRILHANTES A OOO E 800 RS.
O Pavo tem o mais bello sortimento de
alpacas lavradas, com as cores mais deli-
cadas que tem vindo ao mercado e tendo
bastante largura, vendem-se pe) barato
prtco de 1,-jOOO e 800 rs. r> covado.
Com palmas de seda a i >090.
Para o Pavo chegou um rico sortiman-
o das mais bonitas lasiahas com palmas
de seda leado de todas as cores e padroes,
sendo fazenda bastante larga e vende-se a
I 000 o covado.
Roiipa para aeraros.
O Pavao vende nm bonito sortiaiento de
roupas pira eserav&s.
AS POUPELIMA3 DO PAVAO A 500 RS.
Cbegaram as mais lindas popelinas de
laa com imilagao de poupelmas de seda, urna
fazenda muito lave, con as man liadas co>
res, sendo : verde, Bismarck, rbM, azul,
rjrio, cinzooto, pwola etc. etc., e vende-se
pelo baratissiflK) prego de 600rs. o covado.
CROCHE'S PARA CADEIRAS E SOFA'S. r ALTAS NOVIDADES EM SEDAS
O Pavjjo tem omgrande sorthnonto dos] chegou nm grande sortimento das mais
mais bonitos crochs para cadeiras, sofs j modernas poupelinas ou gorgorao de seda
mesas, almofadas etc., proprios para co-Je Nnho, com o: mais elegantes padroes que
brirpresentase vende-se mais barato do?tem vindo a este mercado: sendo minias
que em ostra qualquer parte e graas, tanto em corles para vestidos
Ai;oit:ii cafestad. jcomo para vender em covados, assim como
Vende-se urna grande porgao de algodao fam bonito sortimento das mais bonitas se-
smho americano cora 8 palmos de largura, das listradas, que se vende tudo muito
proprio para lenguas e toalbas, tendo liso e
trancado, que se vende por preco muito em
conta.
PANNO DE LINHO.
Chegou um sortimento de pegas de pan-
no de linho do Porto, que se vendem de
700 rs. at 1*000 a vara, garantindo-so
que em fazenda de linho nao ha nada melhor
nem mais proprio para lences e toalbas.
PECHINCHA EM CHAPEOS DE SOL.
Chegou um grande sortimento dos me-
Ibores chapeos de sol de seda, nglezes
sendo neste artigo o melnor que tem vindb
ao mercado, assim como ama grande por-
Cao de ditos de alpacas de todas as cores
e todos se vendem por precos muito ra-
zoaveis por baver grande porgio.
03 BALOES DO PAVAO A 2500r,
Chegou um grande sortimento da bales
ou crinolinas do feitio mais moderno, muito
proprios para vestidos enesgados. que se
vende pelo baratiseimo prego de 2*000 rs.
cada um grande pecnincha.
CROTONES MATIZADOS PISA VESTIDOS A 6i0
E 800 l\%
Para a Pavao cbegaram os majs bonitos
eretones escuros matizados, proprios para
vestidos, roupao, chambres etc. que se
vendem 800 rs. o covado. assim como o
mesma fazenda com padroes claros-proprios
para vestidos e roopas de meninos a 640
rs. o covado, sendo os padrSes mais mo-
dernos que tem violo ae mercado.
OS SETINS DO PAVO ]
Vende-se os mais bonitos setios de cores
e mais encorpados, proprios para vestidos
tendo de dramas cores.
FAZENDAS PABA LUTO NA LOJA PAVO
Encentra o respekavel publico neste es-
tabelecimenio am grande sortimento de fa-
zendas pretas, como sajara caasas france
zas e inglezas, chitas prstas ds todas as
qualidades. fazendas de 15a de toda que
tem viado, propriaspara loto, sendo laasi-
nhas alpacas lavradas e lisas, watto, bom
em conta.
Hera*
de coruao.
Grosdenaples.
Sedas pretas lavradas.
Fazendas pretas de la.
Para o Pavfo chegou um grande sorti-
mento de grosdenaples pretos de pora seda
que se vendem de 1500 rs. o covado at
55 c 6)5000 ; sedas pretas lavradas de di-
ferentes pregos e qualidades, lisiohas pre-
tas, alpacas bombasinas, can toes etc. etc.
'suv uv mi u.nr, ---* -.r-w wvmm/.Wiibjj vuutuoo CIL-- C*L>,
Vende-se merino preto de cordo, pro- assim com'i ura 8ran(,e sortimento de pan-
prios para calcas, palitots e colletes, pelonos Prcl0&Br'0s e casemiras pretas de todos
baratissinla preco de i #000 o covado. ^ Pr?-os c qualidades que se vende muito
n do que em outra qualquer
preco
CRETONES COM 10 PALMOS DE LARGURA A
2J000 RS.
O Pavo tem urna nova remessa,aa mui-
to ajreditadi cretone, propria para lenges
tendo 10 palmos de largara, dando na lar-
gura o coraprimento do lengol e vende-se
pelo barato preco de 2^00 o metro, sendo
preciso apenas para um lengol um metro e
urna quarta ou metro e meio.
Chapeos a 1^000.
Chapeos a 1)9000,
'Chapeos a 1-5000.
S o Pavo vende bonitos chapeos de
todas as cores pira homens e neninos com
a forma mais moderna que ltimamente
tem chegado, pelo barato preco de lijlOOO,
cada um, por tetera chegado com um pe-
queo loque.de avaria, grande pechincha.
FBCHI1CHA
EM CAMISAS DO PAVO A 45500 RS.
Vende-se am bonito sortimento de muito
finas e modernas camisas agiotas com pei
to e eoltarinhos di linho e puBbos, pelo
baratissim prego de 4$500 rs. cada urna
e aos freguezes que compraren dozias se
Ibe far um abatimento, garantindo-se qae
fazenda que vale muito mais dinheiro,
liquida-se por este prego por se ter feito
urna grande compra : assim como se vende
um bonito sortimento de ditas tambem rom
peito de linho bordadas e ditas de algodio
para todos os pregos.
BRAMANTE PARA LEHCOES A J|000, COM 10
PALMOS DE LARGURA.
0 Ptfjo vende superior bramsnts se al-
godao tendo 10 palmos de largura, coja lar-
gara d .para o eomprimento do lengol.
sendo preciso para cada usa, sendo cama de
anWaisM I 1 / .____ j j t _. ..
basinas, mermes, etc. que tado se vende soHeirx>\4 ^aV-aara casdI|SSSi'
por preco barato. {pechincha. ^^ '
constantemente
mais barato
parte.
NOVAS POUPELINAS A 400 RS, 0 COVADO
O Pavao vende um grande sortimento
das mais bonitas poupelinas com lislrinhas
de todas as cores e com lastre imitagao
de seda, facilitando esta bonita fazenda a
fazer-se ura bom vestid? de mnita fantasa
por pouco dinlieiro, isto por ter-se feito
urna grande compra e vende-se a 400 rs.
o covado.
ROUPAS PABA HOMENS PARA TODOS
OS PRECOS.
Neste grande estabelicimento encontrar
o respeilavel publico nm grande sortimento
do roupas, endo palitos o sobrecasacos do
panno preto e cazemira, caigas c coletes de
brim braaco e de cores, que tudo se vende
mais barato do qoe em outra qualquer parte;
assim como um grande sortimento de ca-
rnizas francezas e inglezas, e ceroulas tanto
de linho como de algodao e abundante sor-
timento de meias cruas.
Roupa por medida.
Na loja do Pavao manda-se fazer qualquer
peca de obra a vaotade do fregaez, para o
quo lera um perito alfsiate, responsabelisan-
do-se os donoa o etasacimento por qual-
quer (alta qoe posea baver, quer por de-
mora, quer par qualquer defeito na obra;
e para isto encontra o respeitavel publico
am grande sortimento de tridas as fazendas
qae desejar.
BRAMANTE A 1800.
Vende-ae superior bramante com 10 pal-
mos de largara, proprio para leneoes, dan-
do a largura d'esU.feos fazenda o eompri-
mento do lengol, asada preciso para cala
um apenas I a 1/2 afros ou I e 1/4 pe-
I chincha pelo prego.
ALPACAS LAVRADAS A 640, 800 E
1,000 RES.
Chegou para este grande estabelicimento
o mais bonito sortimento das mais moder-
nas alpacas lavradas de todas as cores, que
se veodem a 1$, 800 e 640 reis o cotado,
assim como um grande sortimento de atoa-
cas lizas da todas as cores
CELEZIAS E BRETANHAS.
Vendem-se as mais finas celezias ce
linho puro ou pessas com 28 metros, assim
como, finissimas bretanhas da linho cora
25 varas, por pregos que fazem admirar
em relacgo qualidade.
Basquinas.
Cbegaro as mais modernas basquinas
ou jaquetinbas de seda preta, ricamente
enfeitadas a vidrilho, Iranga e setim preto
tendo de todos os modellos, os mais nevos
que tem chegado e vendem-se por precos
muito razoaveis.
OAGANDY COM SALPICO.
Cbegaram os mais ricos organdys de co
res .com salpicos o mais bonito qne sem
vindo para vestido, qoe se vende a-lj*HO,
o metro, ditos braoeos muito finos ecm
listras largas a 1000.
Cambraias4>rancas
Vende-se um grande sortimento daaaae-
Ihores cambraias tanto victorias como trans-
parentes tendo de 34500 peca at a st2is
fina que vem ao mercado.
ESPARTILHOS A 5J000.
Vende-se um bonito sortimento dos ase-
Ihores e mais modernos espartilhos leado
do barato prego de 5.3000 at 8000.
CHITAS FINAS DE 320 A 500 RS.
Vende-se o mais elegante sortiments as
mais modernas e bonitas chitas tanto ssi-
das como gradas, com cores dars t es-
curas, dando-se de todas amostras.
FUSTES BRaNCOS A 640, 800 E tSSSt,
Vende-se moito bonitos fustes braasos,
muito fleiivel proprios para vestidos da
senhoras e ronpa para meninos e i
a 640, 800 e 1(J200 rs. o covado.
OPavao est _
otras feas a 240, 2t0 MOrv
/
I
-

-
#
IB




IIII......I
m
Diario de Pernamhuco
Sexta
eira 8
de

\
k
Abril
de 1870.
z&=*
A BIJA V im^H %TIUIZ M *
Eajaioadruada Aurora^ en rente do caf Imperatriz.
flntitu i N'"16 LTP-0080 c^lecimento de fazndas encontrarSo as Exmas.
Sai? &2StKT'lanl ** arUgdS '^ rgr0M l' m *
Alm de se acharem prvido do que de rasUrar so encentra nest* mereaf,
iSf 3KSJ?? .CKC?n emParis' ^6 vem d^a menlar s propor-
ooes de que d.spoe este estabelecimento para bem servir sua numerosa freguesia.
Mgdto hrgo para lentes e tealbas de
todas as qaalidads qu'costana tir ao mer-
cado.
#-iff^5*5?&JS!& co^e, s<,HimM'? "rese j* **
'"'" i"
f M'wli^
'!
Gase com lhtras de seda e flores, fazen-
da inteiramente nova para vestidos de baile.
Gmatas para senhoras e homens, o mais
Albanscom msicas para coltoear retratos,
enoado presente para quataoer pessoa de
Butna. r
Guipure preto e branco, diversas largu-
ras e differentes gostos.
Gollas e puobes bordados para senhoras.
Guardanapos de linbo pequeos e gran-
des.
GorgurSo de seda preto e de cores.
Grosdenaples preto ede cores, havea-

a*
Atoalhado de linho e atgndio, bratrta e
cores proprios para toalhas.
Bas Tuinas de soda pretas e muUo moder- do^ffiTOrsas^iE *
as, ben orno de erociit. tu4o d apurado w^rsasqosMiOMere gustos.
liunLf0, t JPnes Para senhoras, o melhor gos-
Baldes de mussenna, madapolao, broncos to. e fazenda propria para as ffestas nos ar-
de cores, para senhora e meninas, rabaldes e passeros a tarde.
Bareges de cores variado sortimento.
Ifabadinhos ou tiras bordadas em tedas as
iarguras.
Belbutina de todas as cores.
Bolsas d tapete para Yiagem, grande
varradado de tamanhos e gostos.
Bombazina preta de todas as qualidades.
Bramante de linho de 11 palmos de lar-
gura, e todas as mais qualidades.
BretanhaS de linbo e algodao, grande sor-
ment.
w Quiimabu
(RINDE MIMDE
Quando a AGUIA BRRNCA, mus precisa scientificar ao respeivel publico em
geral, e em particular a sua boa freguezia, da immensdade de objectos que ltimamen-
te tem recebido, justaaente^quando ella meos apode faaere porque essa falla invo-
luntaria ella confia e espera na benevolencia de lodos que lb'a attendero relevarlo,
continuando portanto a dirigirea-se a bem conbecida k ja da AGUA BRANCA rae do
Queimado n. 8, onde sempre aoharao abaodancia em sortimento de superioridade em
LSaxinhas de todas as qualidades, cores
e gostos, n3o ftcaodo Rada a desejar, tal
o sortimento que existe para escolher.
Lencos, tudo quanlo pode haver desde
esgaiao ao algodao comraum.
Leques de tnadreperola e osso, e mais va-
riado sortimento.
i' Ligas de seda, bordadas, para senhora.
Lavas de Jou\ in, chegadas por lodos os va-
pores, sempre novo sortimento, quer em
Bnns de firmo branco e de cores, do mais pellica para bemol e senhoras, quer erario
eommodo ao mais caro em qnalidade, aflian. d'Eseoeia* brancas e de cores,
eando o que ha de melhor na especie. i arr^
Brins d'a*god5o completo sortimento e MadapolSo; indescriptivel o grande sor-
vanedade de prejos. timento que ha neste genero, desde o mais
_ (3. elevado preco ao menor, que se vende em
tanas de cores, o maior sortimento, pri- peca e retalho por menos do que em ou-
mando pelo bom gosto e baratera, atientas tra qualquer parte.
a* qualidades Mantas de Monde para notas: o apurado
umbralas brancas, tapadas, e traosparen- gosto dos nossos correspondentes em Paris
Mide todas as qualidades e procos. habilita-nos a dizer que temos em nsso
Camismhasde cambra dehnbo e cassa estabelecimento o que de melhor se dse-
bordadas mmente entelados para Sras. ja para vestir e ornar ama nota.
MaOJA
_ VIGILANTE
Kma do c reay* n. f
Os propnetariog deste bem conheoido esubde-
cimente, alm dos niuitos objectos que tinham ex-
postos a apreciacJo do respeitavel publico, man-
aran vir e acabam de receber pelo ultimo vapor
da Europa um completo e vanado sortimento de
flaw e uju delicadas especialidades, as quaes ev-
tio resolvidos a vendar, como de sen costnme
Sor precos muito baratinbes e commodos para to-'
os, com tanto qne o Gallo.... "
Maito superiores luvas de pellica, pretas, bran-
case de mai liadas cores.
Mu boas e bonitas gollinhas e punhos para se-
nhora, nesle genero o que La de mais moderno.
Superiores pentes de tartaruga para coques.
Liados e riquisslmos enfeites para canecas da1
Exmas. senhoras.
- Superiores tranca pretas e de coree eorn Tidri-
uios e seni ees; esU azenda o que pode haver
3e melhor e mais bonito.
Superiores e bonitos leques de madreperola,
marflm, ndalo e osso, sendo aqaelles brancos
lindos desenlws, e eetes pretos.
Muito superiores meias o de Bscossia uara se-
nnoras, as quaes sempre se venderam por 30#000
iiJt* BtpeUl,to Ia6 B0 s vendemos por 20#,
qualidades, modicidade em preCos e o seu nunca desmentlido AGRADO E'SNCERDDE. louttai^dS'eMe*^ nK**^'"81"0 S
Bo que cima Oca dito se conbece que o tempo de que a AGUIA BRANG V pode finas.
dispr, empregado apenar tleaeus costos no desempeiiho de bem servir a aquellos que a
honrara procuraDdo prover-sa em dita loja do que necessitam, entretanto seta enaume-
rsr os objectos qoe por sua natureza sao mais conbecidos aii, ella resumidamente mili-
cara aquellas caja olpertaacia, elegancia e novidade os tomara recoramendaveis, como
bt ni seja
Grande
WKsV
O Campos da roa, do
rcfpfitavpl pnMieo r
morosos egoties qae rm v
peixe fresco no mercado oVMa
(joio fazer em st-o armesas nou
le p-wi d diversas qoaiidadas t
(iifT. rentes manen as a saUr : em m
molho e em armic, da> segniaites
dinhas, cav.i||inbas, barea^M,
chernes. ave!, pescada basato,
coogro, -aimen, lig-^ta, etc., ets,
A elle I t
Aaielt
No armases* dn Canao*.
a. m avia m
ao na aa>
i r*wlarfc,
fraad
x.
Aproveitem a ocasio
Vende-e a taben.a dn rna Ama a I, a
armacao da fabrica de -karutot aalaaaa a> la-
que n. 7, ambas livres e
fe todo o negocio a pra a a di
me e convencionar: a tratar ea
io-e'
Mastas pretas de blond.
Mantas para carros, com Jindas pintaras.
Merinos pretos, trancados e lisos.
Musselina branca e de cores, lindos e va-
riados padroes.
5
nos pretes e de cores* desde o mais
muito
Camisas para homens e meninos, tSo va-
cado sortimento que vai do mais ordinario
madapolao ao mais perMo bordado de li-
Camisas de meia, de flanena, branease
de cores para homem.
Casemrras pietas e de cotes, o melhor
que se pode imaginar, sendo d'isso a me- bara<0 ao ais superior, por preoo
or prova o grande consoramo dellas na commodo.
)facina da casa.
Capellas de flores, para noivas e bailes,
desde a mais candida flor de tarangeira at
i mais interessante grioalda.
Chapeliohas no mefhor gosto.de todas as
*5res boje preferas pelas senhoras de
mtis apurado rigor na moda.
Pannos de crochet, para cadeiras e sofs.
Ditas de casemira muito finos para
mesa.
Peitos bordados de linho, lisos o de al-
godSo para camisa.
Princetas pretas ..e cores.
Popelina do seda e linbo, com ristras e
Corpiobos de cambraia, prtoorcsamtnte
enfeitados com fitas de setim o obras essas
cuja novidade de molde e perfeico de ador-
aos gs tornam apreciados.
Fitas mni largas de diversas cores e qua-
lidades para cintos.
Leques uesse objecto mullo se poderia
dizer querendo descreve-los minuciosamente
por suas qualidades, coree e desenhos, tal
c o grande e variado sortimento que acaba
de chegar, mas para nao massar o prcten-
dente se ibe apresentar o que poder de
melhor.
ntremelos em pecas de t liras.
Guipure branco e preto de diversas qua-
lidades e desenhos.
Ditos de algodio com floras e lisos.
Capellas brancas para meninas.
Grandes sortimento de flores tinas.
Fil de seda, preto.
PERFUMARA
Grande e constante sortimento de dita,
sempre melhor quajidade.
Lindos vasos com p de arroz e pinsel,
Cai&inbas com ditos aromticos.
Bonitos e modernos pentes dourados
para circular o coque.
Bonitos brincos de plaquee.
Aderecos e brincos de madreperoh*.
Caivetes finos para abrir latas.
Thesouras para frisar babadinhos. '
Aspas para balo.
No'vos stereoscopos com 48 vistas, as
quaes sao movidas por um machinismo
Veos de seda para chapetaas e monta-! UU11S substiluem as oulras.
ria.
Meias de seda para noivas.
Ditas abenas de fio de Escossia.
Coslumes ou uniformes para memoos.
Enxovaes completos para baptisadoe.
Touquinhas de fil, sapatinhos bordados
e meis para ditos.
Camisinbas bordadas para ditos.
Vistas para stereoscopos.
Bonitas caixinhas de vidro enfeitados com
pedras.
Ditas de inadeira evernisada com vispo-
ras e com dminos,
Bollas de borracha para brinquedo de
enancas.
Divorsos objectos de porcelana, proprios
para enfeites de mesa e de lapinhs.
SORTIWTO COMPLETO
NOS GRANDES
AISMAZE\S BE SCCOS K VIOIII1HOS
Chapeos pretos de velludo, para senhoras, flores ; fazenda Kndissma.
'llITil 0nsfn Hp Paric n,>n,..;..., .-. ___i..
cimo gosto de Paris.
Chapeoi de sol, para s?nhoras e homens,
de todos os pre;os e_ variados gostos.
Chafy com ricos padroes para vestidos.
Chales de todas as qiaRdades, avultado
Pelherinas para senhoras, do altimo
gosto.
Perfomarias ; os mais finos extractos o
qae de melhor e mais agradavet se pode
encontrar neste genero, e de mais fragante
rnmero e nlo menos variedade de gostos, e suave no olpnato, tem o PAVILHO DA
Chitas,- impossivel descrever o sortrmen- AURORA, desde a verdadeii a agaa Flori-
:o e variedade de padroes e novos gostos,' da at o mais fino Bouquet d'Amour, final-
rsa neste artigo tudo quanto se pede desejar mente tudoquanto deve oceupar o louca-
Ctntos para senhoras o que se pode ima- dor de urna senhora de gosto.
gisar de melhor. ^
Coques, o melhor no gosto e nos enfei- Saias bordadas, brancas, lisas e de cores
tes, varios tamanhos. com folhos e sem elles, o melhor possivel,
Colchas de seda com borlas, o mais apu- Sabidas de baile, de todas as cores.
.-ado gosto e lavor. Sedas preta?, de quadros, lavradas, lisas.
s de fusto branco e de cores por de listras de todas as cores e qualidades e
CONSERVATIVO
H. 23

Largo do Terijo.N. 23.
DE
Boas bengalas de superior canna da India e
castao de martim eom lindas e encantadoras figu-
las doi sossmo, neste genero o que de melhor s
poee staejat; alem dess temos tambem grand
quantidade de oulras qualidades, como sejam, ma-
aeira, balela, osso, borracha, etc. etc. etc.
Finos, bonitos e airosos chicotinhos de cadeia e
de ootras qualidades.
Lindas a sujMriores ligas de seda e borracha
para segurar as meias.
Boas meias de seda para senhora e para meni-
nas de I a 12 annos de idade.
Savalhas cabo de marm e tartaruga para faier
barba ; sao muito boas.e de mais a mais sao ga-
rantidas pelo abricante, e nos por nossa vez tam-
bem asseguramvs sua qualidade e delicadeza.
Lindas e bellas capellas para noiva.
Superiores agulhas para machina e para erox.
Liona muito boa de peso, rouxa, para encher
labyrintha.
Bons baralho de cartas para voltarete, assim
como os tentos para o mesmo fim.
Grande e variado sortimento das melbores per-
fumarias e dos memores e mais conbecidos per-
fumistas.
COLARES DE ROER.
Elctricos magnticos contra as convulsdes, e
fa^ihtam a denticao das innocentes enancas. So-
mos desde muito recebedores destes prodigioso?
collares, e continuamos a recebe-los por lodos o*
vapores, afun de que nunca faltem no mercado,
tomo ja jera acontecido, assim pois poderao aqnel-
les que dalles precisarem, vir ao deposito do gaHo
vigilante, acode sempre encontrario destes verda-
deros collares, e os quaes altendendo-se ao Ira
para que sao applicados, se venderao com um mui
diminuto lucro.
Rogamos, pois, arista dos objectos que deixamo
declarados, ios nossos freguezes e amigos a rirem
comprar por precos multe razoaveis loja do gallo
vigilante, ra do Crespo o. 7.
Man* Psluwin leas pan
seu escnpti.no no Uro du Curao
andar. ^
"robo Bordeaos fine, eaixa da
Az le doce, ideo ideas.
Lwia de i* qnalidade, da Sossia.
Brinze^, id> in idean.
Brins, idem ideo.
Estampa? de Sanios em Qoadrsaha*.
Pianos tc eicelkntes vosas.
Fio d vella.
Enxofre.
Salitre.
Omento l'ortlaad.
Dito Ilumino.
V*-.llas ieariuas Pelles de carneir .
E.-tpa pa a fardjs de algodao.
Cha IhMkMi i* qualidade.
Oleo de liahaca.
Lia barriyada.
Caucha da India.
Fardos de fumo em foJba, (so se veoda de X^fca-
do>- para cima.
Ba do Queimado n. 31
>
o
o
1
EzreUeotM casadas da
braceos e presas, pio bar
preco de 10a Loja de Antonio de fcToara
dt C.
eassar,
Sua do Queimado n. 31
COGNAC.
De saperior qualidade da mui accredit*
da fabrica de Bisquit Dubouch 4 C, en
cognac urna das que mais agurdente d<
cognac, fornecem para o consummo di
Reino da Inglaterra.
Vende-se em casa de Th. Jnst. roa di
ioaraercRf n. 38.
Venie-se pelo fea jat?a*r aa roa da Ca
Ipia do R.rifpB. S8, loja do Ansa.__________
\ Estampilhas.
Vendo-se na roa da Cruz n 8. I*
Vende-se a esMda ra du I ivinmal" a. O.
a tratar con les Ueariqoe da Silva, aa roa sa-
treita do Rosario n. ?, andar.
ESCRAVOS FUGWOS.
'
DOS SANTOS ft C.
10
ha !0
r
o mais barato possivel.
Sargelim de todas as cores e qualidades.
Tapetes grandes, lindas pinturas para 8
cadeiras, mais pequeos e de todos os ta-
desejaveis, e em peca para co-
lisos, o manhos
vados.
presos commodos.
Corpinhos de cambraia, ricamente borda-
ios para senhoras.
Cortinados de cambraia bordados e de
!,o qoe de melhor se podo desejar.
Colarinhos Je linho bordados Je
maior sortimento.
3
_ Damasco de 13a de 9 palmosjde largara
[indas cores e ricos padroes.
Q
Esparlilhos bramos o de cores, para se-
nhoras o meninas, o melhor neste genero ;
oenhuma Sra. deixar por certo de muir pra )ara|
se de tf. precioso auxiliar perfeico de
um corpo delicado.
Entremeios bordados.
Escomba preta.
Enfeites para cabera, ultima moda de
Paris, recebida no ultimo paquete.
Esguio de linho, completo sortimento de
todos os nmeros.
Fitas largas escocesas para cintos, varie-
dade de costos e lindos padrees,
Fi;hiis de crochet, modernos com cintos
e capas, o que ha de melhor.
Fil de seda, linho e algodao, de todos
os gostos e padroes.
Fustao de todas as cores e qualidades
grande sortimento.
Flanella branca e de cores.
Flores, o que ha de mais rico, qner
oltas, quer em ramos, tem o PAVILHaO
DA AURORA am permanente jardim a
disposico das Exmas. familias.
ntn vF.K0 d Srande e variado ^ortimento que os proprietarios do PA-
VILHAO DA AURORA se aptesentam ao publico declarando desda j que a sinoerida-
de e o bom gostoromovel nico de seus negocios.
Provttos de todo e promptos sempre a prwer-se do que por ventora Ibe
eja necessano, os proprietarios deste sumptuoso estabelecimento recommendam-se
em. receio de serem conlradictos e protestam esforear-se por continuar a merecer
proteco que se Ibes tem dispensado ; cortos de que do seu estabelecimento nao sabira
o freguez descontente.
Contina sempre a officina de alfaiate dirigida por um dos mais habis artis-
tas, prompto executar com promptido e bom gosto qualquer trabalho que Ibe seja
conhado. Lma modista especialmente oceupada nos trabalhos do PAVILHAO DA AU-
RORA, dirige os que lhe s3o concernentes, garante porsea apurado gosto eprorapdao
aa execaco e a mais completa perfeicjio nos seus trabalhos.
A numerosa Tregueiia gue nos honra uma prova de que merecemos ocon-
ceio que se dispensa ao nosso estabelecimento, concert que pro.:uraremos firmar cada
voz mais. Para fecilitar-awda a concecucao do flm 'que nos propomos, temos no nosso
estabelecimento os timos'figrinos de Paris, que recebemos por todos os paqueas, 'os
quaes eu*iarmos para aerem vistos as familias nos$n com o padr2o da faienda o gsto na forma.
Na officina de alTaiate, junto a,o ostabelecimeao, ha igualmente os figorioos
para homens que por todos os vapores se recebem.
E' este o modo porque nos apresentanWs pedindo a proteegao do Ulastrado
publico e com o mais profundo respeitp convidamos s excellentissimas Sras. a visi-
larem o nosso estabelecimento, certa de encontrarera nelle pe i menor preco ossive:
tado que podem desejar.
Mandaremos caixero* levar as fazendas e amostras or,de forem pedidas, ratb
alo pdennos especificar tudo quanto temos. '
JooJLm, Sobrmho & C. '
Aborto das 0 s 9 horas da noite.
Toalhas de iabyrintho, do maior e mais
fino trbilho ao mais barato.
ToaUm de linho e algodao de todos os
tamanhos, li-as e felpudas.
Tarlatana branca com palmas e de cores,
fasenda muito nova, e gostos delicados pro-
-rja.
Vistuartos bordados de fusto brancos e
decores para meninos, de cambraia para
baptizados, o que de melhor tem vindo a
este mercado.
Vestidos de la escoceza de 2 saias,
novidade pelo padro, gosto e.frma; ditos
de linho com barras de cores, e de cam-
braia de cores com 2 saias, tudo inteira
novidade, trazara os modellos juntos para
mostrar a' forma de os fazer.
Veos do bloud para noivas e pretos para
luto.
Vestidos de blond para noivas: podemos
asseverar as nossas Exmas. fregoezas, qoe
somos os nicos em Pernambuco qoe pode-
mos offerecer ao Ilustrado publico, o mais
apurado gosto em semelhante materia, gra-
cas ao bora gosto do nosso fornecedor em
Paris, podemos garantir que ninguem neste
genero o possue melhor, nem mais em
coala.
SANTOS & FERR IRA
Os proprietarios destes bem sortidos armaztirs participam aoe seus innmeros
freguezes tanto desta praca como do matto que tendo feito grande doinuicao de pre-
Cos as suas mercaduras estilo por isso resolvidos a vender por menos de tO e 20 *t
do que ex ouira qualquer parte, garantindo-se portanto a s p?rior qua'idade de qual-
qoer genero comprado restes dous stabelecimentos. Mencionamos algons dos nossos
gneros e a vista destes sSo comproheudidos os outros, porque onfadonbo seria men-
cina-los.
Se alguem uviar venlia ver.
Vinagre branco mnndalo vir por Cont Gaz ameneano marca Deves a 8^800 a
propria viudo de Lisboa, a 320 a garrafa e
480 o litro.
dem tinto Figueira, Lisboa e Porto a
320,280. 240 e 200rs. a garrafa e 4b0 300
rs. o litro.
Vinho Figueira, Lisboa, Porto e Estreito .
a SCO, 500 480 c 400 a garrafa iro a 840 bra kl!f'ammo a 480 54
760, 720 e 000. j 7 Vioho branco puro de Lisboa a iO 3(50 Milho alpista 200 rs. a libra e 440 oki
a garrafa, em porgao ha abatimento. logramma e 8*800 a arroba, em porco ha
Vinho do Porto, engarrafado das meiho- \ abalimenlo.
ros e maisacreadas maras a 1*000 e 1*200; -Q"Kios fresc0S do ultimo v^'or a ; 52O
1300 e 2* a garrafa.
l.ta, 380 rs. a garrafa e 5G0 o Uro.
Azeite dooe'de Lisboa a 000 o l*'K)0a
garrafa em porgao fdz-sa grande .batimen-
to.
Caf em caroco a 220, 240 e 2 O, a li-
e 000, e
CEMENTO
O verdadeiro portlnd.
ra da Madre de Deus n.
Joo Martins de Barros.
So se'vende n
22, .armazem d
Sementes de hortali-
ces.
J J Una da Imperatriz9 9
Na botica de C Cala.) & C.
Jcordeiro prevdenti
Ra slo 4| ii el otad o n. 1 tt.
Novo e variado sortimento de perfumaria
finas, e outros objectos.
Alm do completo sortimento de perh.
aaarias, de que effectivameLte est prvida
loja do Cordeiro Previdente, ella acaba c
receber um oulro sormento quo se ton.
aotavel pela variedade de objectos, superior
iade, qualidades e commodidades de pr
jos; assim,pois,oSwdeiroPrevidente pee
Acha-se ttra da cara le oa fes** s>^s a
da 3 de ftrerriro proxmm pa-o*>. o ntm* '..r-
tuualo, ctiiH 32 bdu de idadr, 'mm\ e-tatur*
regular, corpo reforcado, r m algama* ai arrj m
bechigas um pouco apagadas rwm, -
bons. dedo groxsos e raaslinds?. *mb errta
no tallar qae aesn se aWawde iajir e sesji
parece, com fallas de cabello oa cabe a a **m
barba algunia. Indo com ,-ur|a dr acarar 4c
engento> One i<> de urHwca aara n r^-ifc.
aparlua-se do comby para ir a casa de un sea
psdrinho, ioie de Barre .Viv.. na r-i.-dkr res-
nenlo de concertar e stinai pi.tao>. aa> rea *i ha>-
peratriz n. 47, de&pparerendo de-de e*t> re-
connnenda-se a na captor*, e pninrir-sc koa
recompensa a qaem o lerar a dii > eafeaf > r. a>
wi^ao ou di IW. dtr noticia a Sr. Haaiil n>a'a
ten do Ucgu Barros, na roa da Alerrit n B,
i riiU-sianduse q-ie -t proceder niwiaiiiiiiaa
centra quem n tirr sealada.
e 3*400 cada um.
dem Bordeaux, Medoc e S. Julien a
7*300 e G*500, a duzia e 040 rs. a garafa.
Genebra de Hollanda e laranja tbjce aro-
mtica a 0*300, 7*. 11*300, a frasqueira.
Aletria, macarro, talharim a 500 rs. a
libra e 1*100 o kilogrammoem caixaoba
abtiraerfto.
Sabio massa de I! e 2* quahdade a 220
Serveja Bass, Illers & Bol a 0*800 du- e 240 rs. a libra em caixa ba abatimenlo
zia em porgao lia grande abaiinwnto. Toucir.ho de Lisboa muito alto a 400 rs.
-nk"1 m;ica n 8 T e wlW3 marcas a a libra e 880 ki'ogrammo, em arroba ha
oaOO e *, a duzia e 500 rs. a garrafa, grande ditferenca.
Assim como ba outros mullos generostj vioho em ancoreUs, azeitonas,
passas e gos, charutos linos de diversas marcas, marmelada, bolachinhas de todas as
qualidadts, perola, Francy-cracynei, a, b, c, Mdium. med. soda Faucy-aic-nac,' pa-
lace de VarieteSCombination, Britaaia, doce de guiaba fina, chouricas, maeteigas finas
franceza e mgleza, banha de Baltimor, phosphoros de Sycuryt, Cognac, cha de diver-
sas qualtdades, aneila,. pimenta do reino, ervadoce, pomada, enxofre, bren, peixe
em latas de to lias as qualidades, farinha de milho americana, grandes molhoa de aebol-
las, aeatee dousarmazens existe tanahem grande sortimento de loucas propnas para ne-
gocio, que pelos se cnaimodos pieco fez vanlageJB ans eomp.-sflores.
PRODUCTOS d 5.-P. LAROZE
PBAJUUCBDT1C0, J, I DES USIS-SUIT-MUI, HMB.
XAROPE DEPURATIVO
, M CAfiCAS DE LARArUAS AMARGAS
C*am lOBUaKTO m POTASSJIO
doetVmuf o. As doses maiemaeas que elle cootam permiiteBS^ssaedieos de reaattal-s
1*odsa:eiaBas|ilira[lM pssaffeeceea^gcadjt^oaai^atflaar^
roaaa nos aooidentes Intermittaataa Uroalroa; alem d'isso, 4
agente o mais poderoso contra as doengaa rheumtioas.
MROPE TDUrCO MTI-RERV080
4a eaacaa da UraajM uarama.
38 annos de luccessoeeitestao a sua effi-
casis para arar: m domemt mtvotos,
affwds *h chronUot, as gulriUs, fattral-
fuu; fuiUtar. a iigetlio.
IIHOPE FERRUGINOSO
iiiimnfT ,-rr-ijni qshIb--a-rar*
anaw I im aqataa qwaia faalaa
iteras assimibeisero; n'esta {arma, press-
rivel as pUulasepasulbasso todos os cu
m q,ljl6 j>recritw os ferruginosos.
e espera continuar a merecer a apreciac
do respeitavel publico em geral e de se
boa freguezia em particular, nao se afai
tando elle de sua bem conbecida mansidi
a barateza. Em dita loja encontrarlo t-
jpreciadores do bom:
Agua divina de Coudray.
Dita verdadeira de Murray & Lamman.
Dita de Cologne ingleza, americana, fraj
ceza, todas dos melbores e mais acreditad)
fabricantes.
Dita de flor de larangeiraa.
Dita dos Alpes, e vilele para toilet.
Elixir odontaigico para conservacio t
isseio da bocea.
Cosmetiques de superior qualidade e cha
ros agradareis.
Cupos e latas, maiores e menores, cu
pomada fina para cabello.
Frascos com dita japoneza, transparenv
s oulras qualidades.
Finos extractos inglezes, americanos
(raacezes em frascos simples e enfeitados.
Essencia imperial do fino eagradavel cha
ro de violeta.
Outros concentradas e de cheiros igual
mente finas e agradaveis.
Oleo philocme verdadeiro.
Extracto d'oleo de superior qnaidan
cam escolhidos cheiros, em frascos de din*
rentes lmannos.
Sabonetas em barras, maiores e menor
para mos.
Ditos transparentes, redondos e tm fifi
ras de meninos.
Ditos muito fiaos em caixinha para barba
flaiamhaa com bonitos sabonetas imitand
fructaa.
Ditas de inadeira invaraiaada comando i
oas parfuaarias, muito proprias para pr
entea.
Ditas de papelao igminsante bonitas, tea I
bem de perfumaras finas.
Bonitos vasca de metal cotaridoa, a *
moldes novoa a elegantes, eom p de *m
e boneca.
Opiata inglesan francesa para dwtos.
Pos de campiora e outras diffsrenu
(aalidades tamben para dantas.
Tsnico oriental de Kemp.
DENTIFRICIOS LAROZE
" 0IA, PTaSTHJU) I GAUC0
M* OIAA-, JMSTMO
' JSP^* -^*j^^*'caa^aasa.-nkniiiiiii si n,i-a>aia c; i^, i
Asida ugido ded 16 4 feef**n> ar-xs-
mo aasjado o errao At3a, preto, talara h^nm.
(di' pirado de I*xisas ael nmoa tasta n aW-
ics : levoo vestido camisa branca, e arase veas
ouira de ritmado de lisias. Uu*w> o pfar Irse-* a
pra^-a da independencia loja de Porta A sWasa,
que sera recornaensado._______________
Ansentou^e a prto de don* mete* V nm
do seu senhor a ecrava preta fula de i
com perto de SO anaos de idade, aiu.|
to reiirista, fui cscrava do Sr. Dr. Aroarw, n *a
3ue anda nesla cidade e lena sido vista r.i h-irro
a Boa-vista e ero S. Je eom lab.4* aa ea-
b*ca : quem a apprebeader e s>lts p>-dr dar *-
tifia exacU, dirija se ao pateo de S. Pedro a. II,
que ser gratificado.
PiHtio do eafenbo Caasaraeiac bj a/^u.-ua
de Sennliacm pertencrotes a Gaspar .nrx-ic
Wanderley os escravos segniates : Samsie! rrsna>
lo baixo, groeo, nariz chato, diz ser da fVta par
ler sido ci nipradw peaiirDa, Jeio Calrale de ida-
de (rinta e tastos aaaof, ps chafa.-, vcataa arra-
bitadas, estatura baixa, cor Imada, poora taris
e esta na pinta do queixo, Pelippe mulato de irfa-
dc de 16 anuos punco mais a men >s, baixo, arra-
se, sem defeilo signas, tase bom esa manso, po-
rm pouco aupareoe; aar isso peiV se as aasari
dades podraos e capitaes de camp > a captan das
incsnms e lvalos no mesmo entenho rn aa ras
da Mueda n. o, 2a andar escriptori aV Manuel AJ-
res Ferreira A u ase aario gratificado
Fupio no da S de fcvcreiru, pas vn, s
cscrava rrioala de nome Bdizaria asa tipsiwaai
ter o annos, asUhira aaixa, ca grasde fa- da
denles c com orna sieatriz de ajaetaiadars a ars-
co direito. tendo levado don chalas, sead aaa
verde e outro lisiado de azal e hraac >; 'iivss
a capturar irva-se iea la s Ponte da LVh.
sino de Joao Jos Rodrigaes Maaian. aa a
da Madre de Deus n. 18, que i
recompensado.
Pugio do engeaho Mmhrcas, da caerr da
Santo Anio, no da tOs> jnnho do
o esclavo de nome Pranrehno, reprsenla er
annos de idade, com aa issnim ifgsinti j car
preta, baixo, corpo reforcado, cara latf, h*-t ase
harbado, olbos pequeos, nariz aaao al ada. bas-
ca regular, denles cortos a asando*, aan ameta-
la e andar apressadb ; consta aassr aetna saaaa-
bios da cidade da ONada, asnass Wtag> d, Beberibe oa Apisssns,
Jos de Ssit'Asna, sea irasfo anana
cm sua ouipanbia unta caA alv
ma, e por entro irmao le aosw Jos I
o eaadoftra pm .os logares cima
a;m de um mitro sotas da anana -Ave
Silva, coshacido par laai iftjaa, a.* tn
dquella comarca. Boga-sai ismidaasi as-
piles de campo que o ippraaeadaai e a leves
roado'Rangei a. 17,anas avajenfea
entregar a sea sessor sana Cotaaia
Mootelro, |ue saris gei
SU
autsM-ltfaalen
t* le
Um obAto eortimeat* e conven de n
tosa bontos aaaruos d'attes ornados da floras a ntm
sslao todos ipostos 4 ajjnocan de qnm
os prelnnsia soapnar.
GtiLLOilnfl fiPNH080M)AD0S,
Obtras d Knaito gosto e perecJo.
FlTelIas e flUa para nistinai.
non e aariado sor timento 4e taas atjai
os, ficando a boa escolas ao gosto do coi
prdor.
No da i9 de margo atosao,ajioo esesavo Jas,
creoulo, de 35 arraoS s idade pasca ans os ta-
nos, baisoi refofasfasalr as-
grasde, aos curas as ssssas a
abarlos i jsUMU arir.azens e ras, onda ttca o aa
m; peto do Jos* Joaaosa, ai "
ro* it aJgadao aa a* i
fuem a s)iiaaasda
n.*,m*mkm*jmm
--fu|ia do
Camaragibe e
SliwMo, idade
'flnrlpsV JrBar
frrtle, raato larfo,
m luda a ssrsa, -a
utioas ai:
entapa a.
do Vigario a, la, aoaraaaaavdT Caas*i
*, primeiro andar, qae sa gnm%Wwm
mate.
:**-
R


8
Diario
.or8i L
de Pernambuco

Sexta
i/yg
feira 8 de Atril, de. 1&7
u'Jitduiii'vrl db otiaiU
***-" -
\
JSE1OT&

botaste! porqae em teas

Gelsomfaa.
WfLO BAWO DE BAZANCODRT.
(Conciuso).
Eneostou-se parede por um insttncto ma-"
eliinal, c pausando atesta sobrea pedia nua.
alo fez um s movimento.
Alguns minutos passarara-se assim.
Emfim os gemidos do pai desperhram a
filha.
Met t;a I exclaroou ella, erguendo-se
com um movimento sbito, sois vos meu
pai.? J I J
Era noule cerrada, e, correado para urna
. veiha lampada, accendeu-a.
Um espectculo terrirel offereceu-sea seus
olhos.
O velho eslava esteodido no ch5o. A faca
que segurara Ihe tinlia feto, quando cahio
uflia larga ferida na cabera, e o saogue cor-
ra em borbotos. Ella ergueu nos seus
bracos esse doloroso fardo e o depositou
sobre a cama; depois encamiahou se para
sua m3i, que tinha perdido os sentidos; e
quando ambos acbaram-se sobre a cama, que
as gotas de sangue j tiaham Ungido, trouxe
agua* fres:a em um vaso, e eslancou a feriJa
que sangrava.
Nem urna lagrima correa,de seus albos
emquanto ella sustenlava essa cabera lvida;
e seus labios trmulos balbuciaram algnmas
palarr.s inmteligiveis.
Ajoelbada defronte da cama, ella espiava
senlimento da vida que se apossava len-
tamente das feices de seu pai, quando ella
curio urna voz longinqua repetir este eslre-
bilho lo conliecido.
Te voglio ben'as&aje
E ia non pieoa'a me.
Apezar disto, ella prestou ouvidos.
Era a caeta favorita de Pietro, e pare-
cia-lhe que a virado da tarde, trazendo os
ltimos sons desse estrebilho, era um emis-
sario de Deus, que lhe dizia: Espera, ni
ii-j fices s neste mnndo.
Assim, foi quasi com um movimento de
reconbecimento e de alegra, qm ella incli-
noti-sa para dar um b-ijo no rosto doTrido.
A voz approximawi-se e cantava.
Como te ll'aggio a dicere
Ca tu me fagi mor?
Nzu* nzu' me fi
Senza sap pecche?
Gelsoroina ouvia com o seu coraco.
E' ellef exclamou ella de repente: Sim!
E* elle mesmo... o meu Pietro... Mil gra-
tas, meu Deas!
E a voz de fra, que de instante a instante
tornava-se mais vibrante, cantava sempro.
Per te, nella ma
Muortome veden-aje;
Te voglio ben ssaje
E tu non pieoz'a me.
Ao passo que a voz se approximava, a
joven italiana senta seu coraco pulsar com
mais violencia.
Ob! disse ella comsigo, nao contarei a
Pietro a borrivel scena que acaba de ter lo-
gar, por que conheco-o, e antes de amanhe-
cer, enterrara sua faca no peito desse mi-
seravel Giacomo.
De repente, no meio das suas reflexes,
ella estremeceu.
Gelsomina, minha muito querida Gel-
somina, anda ests acordada ?
E ella encaminbou-se devagar para a por-
ta, e encostando a boca na fechadura res-
pondeu em meia voz:
Nao facas bulha, Pietro ; porque meu
pobre pae est doente e acaba de adormecer.
Nao me podes abrir a porta ?
Espera.
A joven napolitana, depois de olbar para
os veaeraveis rostos que oceupavam a cama,
d.rigiu-se porta e a entreabriu com muita
precaucSo.
A alegra que radiava no rosto de Pietro
contrastara singularmente com a dr que
empalledecia as feices de Giacomo.
Minha muito presada Gelsomina, disse
e le entrando e tomando-a nos bracos: tire
um sonho muito agradavel!
S um sonho !... murmuroa Gelso-
mina.
Um sonho de fortuna I
Acreditei muito lempo em sonhos,
mas, ah I nao acredito mais nelles.
Os sonhos veem de l de cima, a
voz de nosso padroeiro que falla no somno.
A luz da lampada dando de. cheio no ros-
to da joven napolitana, Pietro agarrou-lhe
em ambas as mos e atrabindo-a a si, dis-
se lhe com urna voz inquieta:
Como ests plida t Da -se-ia que choraste.
Eo.
Oh* i ir,
olhos veja U
Nao... n3o.
Parqini choraste, bella mil ? Dddtas
esperar-me, apertar-te-hia no meu Corpo,
e tantas ven te abracara que Icarias logo
consolada l
Gelsomina contenton-se em entrlacar
seus bracos lio pe'scocode seu amante, mur-
murando : j
Oh I sim, pede a Dos (Jue o teu sonho
se reaise, e late arder bastantes velas.
Trthrruftis'a-t?, elle se realisar.
7 Se assim nao fr, licaremos perdidos I
Que queros dizor, e o que foi que a-
conteceu ?
Gelsomina emmudcceu momentneamente
mas depois disse com urna voa que 'procu-
ro u suav sar :
Sim, tena, razio em crer no tea sonho.
A que horas o liveste 1 Conta-m'o depressa
Mas Pietro nao a ouvia.
J sei, disse elle com urna colera que
em vo procurava reprimir, Giacomo veio,
e o que te disse Giacomo.
Ello exige o seu dinheiro, e ameacou-
me de eocbotar-me deste miseravel quarto,
com meu pobre pae e minha velha mai, se
nao lhe pagasse j.
Enchuga toas lagrimas, minha Gelso-
mina ; esse homem ser pago; araanha tai-
vez tenhamps dmheiro, muito dinheiro.
Tem-o, Pietro, porque elle muito
mo.
Nao devemos leme-lo mais! repelu o
italiano esfregando as mos, com ar trium-
pbante.
Gelsomina Mnita encarou Pietro, e re-
pet u cm meia voz como se fallasse comsi-
go s :
Nao devemos teme-!o mais...
Digo te, repetu o joven napoltaao n-
clinando-se para ella a pregando seu olbar
cbammejante nos bellos olhos hmidos de
Gelsomina, que teremos rauilo dinheiro.
Mas como esperas bave-lo ?
Pela lotera.
A joven napolitana sacudiu a cabera.
Pietro sorriu com essa expresso de con-
vceab que os italianos possuem no mais alto
grao, quando trata-se de certas ideas sj-
perstieiosas sobre as quaes nio pdem ad-
mittir a menor duvida.
Na natureza italiana, essa superstcSo est
por tal forma entranbada, que ella torna-se,
por assim dizir, a meus olhos ama realida-
de papavel, evidente, ante a qual a menor
desconfianza "seria um acto de loucura ou
urna blasphemia para com a divindade que
tem entre suas mos todos os azares.
Foi por isso que Pietro respoadeu com a
maior tranquihdade, quando Gelsomina lhe
fallou em Giacomo. t Nao devemos teme-lo.
Ouve, disse elle encostando-se por-
ta ; como nao achei trabalh) em Santa Lu-
cia, esten-me sobre o caes e puz-me a
olhar para o co e a ouvir o rumor do mar.
Eu nao. conbeco, minha Gelsomina, nada,
senn a ti, que se possa comparar a isto !
O meu bello co to azul, e as vagas do
nosso mar to harmoniosas, que nao ha
canzona que possa ser-Ibes comparada.
Pouco a poucb meus olhos sa, cerraram,
pensei era ti e dorm. o sei se dorm
pouco ou muito ; mas lembro-me que du-
rante o meu somno, vi deslinctamente de-
fronte dos olhos estes tres nmeros : 22,
34 e 68. Lembrei-me logo da lotera, e no
mesmo instante, urna voz repeli aos meus
ouvidos: T ganhars I t ganhars
Bravo, exclamei, e acordei. Descansei de-
pois a cabeca sobre o meu caban, e tornei
trripy; yjflm:
de Ptetro jtt se enraizava no q Gelsomina!
Oh 1 sim, tena razao, continuou
Porque essa voz te repetira lanas
ouvido : T m
vem em n
Qoem
reconbecMrlIlla
paluda, to abatid
tinham-!he secc'a
canto; suas fac
brilhantismo, se
sua bocea o sen
Quanlo opderH
tou ella. "
Confor
lens ?
Gelsomina enlregou-lh o qie ti
E' muito pouco para um to bel'o so-
nho, disse o mancebo melando a cabeca,
mas na estrada dei .Nfcrcidi vehlerfi o mu
caban que quasi novo-.
E dizendo isto "gmMFbd o dfnfleiro que
Gelomina lhe entregara na sua cinta, depois
abracoa a dnzella e saho.
Gelsomina fechou a porta e ajoelhou-se
defronte da iraagem de Nossa Senhora.
Pouco lempo depois ouvio-se na praca o
estribilho favorito de Pietro :.
Te voglio ben assaje
< Ma tu non pienz' rae.
A voz a diminuindo. e depois extingui-
se de todo : nenhum ouro ramor veta per-
turbar as oraces da joven napolitana.
os do batilo- Lrebtg,
fazer urna prodigiosa descoberta chim
Hieres sil dos e alluminicos. Bal-
dos de champagne cen-
se produ-
Icas pedras
olhos, e um dedo que pertencia
invisivel m'os designava, toca
FOLHETIM
OS DRAMAS DA ALDEIA
POR
Ponson du Terrail
IV
(Conlinuaco do n. 78.)
Saurn proseguio :
A Sra. Pamella soffrera bastantes
desgostos ao tempo do marido, que, feliz-
mente, reparou urna vida dissoluta com
urna boa morte. Vio ella desperdicar o
seu patrimonio at ao fim, e algumas vezes
querendo obstar a isso, foi maltratada anda
pelo marido, denodado bebedor de absyn-
too. Quando veio pira a Raposeira com o
irmao, j a sua saude promettia pouco.
clima insalubre da localidade devia acabar
com ella. Ao terceiro anno, por fios
do esli, cahio de cama. Resisti anda os
mezes de setembro e ootubro, mas nos
primeiros gelos morrea. Enterrou-se no
di a dos finados. Apezar do que tem feito
e faz, um bom bomem o ommandante ;
cabeca exaltada, concordo, mas de coraco
magnnimo. Cboron a irma como se
fosse sua mulher. No dia do enterro cau-
sa va commocab v-lo com a sobrinha nos
bracos debulhado em lagrimas. Por mais
de um anno estere o homem inconsolavel.
Um dia, aconselhando-lbe Miguel que se
casasse, arou-lhe com ama garrafa ca-
beca. Eu era quem governava a casa. Mas
este estado Dio poda durar : um dia dis-
se-me o commaodwte : Isto aqai va i de
mal a petar; .forcoso tomar para casa
urna mulher.E difficil arranjar-se coasa
boarespond ea.Nlo me disse elle.
Descobri ama que aerve : a Martina,
filha do gurda florestal de Fontenay.
Nio era coasa fcil o dizer a verdade ao
coomandante, j porque a recepclo era m
e j porque o resultado era nullo. A mulher
qoe elle se referia era urna rapariga de
viole e cinco annos,que deve boje ter uns
dormir. Os mesmos nmeros vieram im-
medialamente collocar-se adianto dos meus
a urna mo
tocando ora em
um, ora nos ootros, em qaanto a mesma
voz me repeta sempre : a T ganhars.
E' realmente singular... murmurou
Gelsomina.
E' verdade, responden Pietro.
E continuou :
Lembro-me perfeitamente que disse a
essa voz. t Para onde devo ir ?Para a
estrada di Toledo, responden ella; tres
portas passando il Vib tre Re. E atten-
deste, minha Gelsomina, a esses tres nme-
ros :223468, e ao que elles desig-
nara ?
Nao, respondea a italiana depois de
reflectir um pouco.
22 a toa dade,3i a minha,e
OS a de minha rai se ainda vivesse.
E' verdade !... repetio Gelsomina
pensativa, murmurando : 22,34,68.
A convieco que dominava o pensamento
trinta e quatro. O pai, o sargento tfaurol,
e couteiro do lado de l da floresta, das
I immediaces de Lorris. Foi um martrr
que soffreu a mulher e a filha, duas furias
capazes de exasperar o proprio Deus. Mor-
a a mi, o commandante tomou para casa
a filha. Maurel agora est socegado e o
inferno mudou-se para nossa casa. E urna
bella moca a Martina ; tem uns olhos ne-
gros que fascinara, boa figura, faces rosa
das, denles brancos como os de urna rapo-
sa. Onde est, ella que impera. Ao
principio, quando ella veio para casa, tanto
eu como Miguel nao lhe davamos grande
importancia e correspondamos ssua dou-
toriess com outras iguaes. Porm o com-
mandante nao goslou d'isso, e chegou a
dizer-nos que, se nio estavamos contentes,
podamos procurar vida, Miguel menos pa-
ciente do que ec, quizirseembora,porm,
tinhamos pena do commandante e Acarnos.
A rapariga fina como urna aguia. Desde
o principio comprehendea qae a maneira
de fazer a vontade ao commandante era tra-
tar bem a sobrinha ; por isso, nos primei-
ros lempos, nao se lhe ouvia seno : A
minha querida menina para aqai, a minba
linda menina para acola, a parola fina, o
meu thesouro. Que sei eu ? O comman-
dante cahio oo laco como o tordo na buiz.
Chegou um dia em qoe as coasas mudaram.
As maneiras da Martina j eram outras. Eu
e Miguel comeeamos a manifestar o nosso
descontentamente. O commandante nao
gostou ; tiremos de calar-nos. Havia l
em casa urna cozinheira travessa qne via
com um olho o qoe se passava em Orleans
e com o outro o qoe ia em Nevers. Um
dia, ao janlar, dirigindo-se Martina, tra-
tou-a por minha senhora. O commandante
nio s se nao zaagou, ous at se aorrio.
Dous annos depois, aflpameu em casa um
pefMoo, qae cor ra, fcecnva e traquinara, e
cbamavam-lhe Augastinho. Entretanto Pa-
meHa ia crescendo. No mez passado de re
ter feito dezesete annos, mas ha apinze
mezes qoe sabio de casa.
" K como foi isso ?perfuotoa o cora
vivamente ioteressado.
POUCO DE TUDO.
MONUMENTO.Na talia trata-se de le-
vantar e consagrar um monumento memo-
ria dos mortos de Solferino e San-Martno.
O senador Torelli leu um discurso a este
respeito na reuniao dos associados para
aquelle fim. Tencionam erigir dnas capel-
las morluarias, e querem que a inaoguraco
possa effectuar-se no dia 24 de junho pr-
ximo. Urna dessas capellas ha de ser em
Solferino e a oiMra em San-Marino. Tem-se
quasi a certeza de realisar esta piedosa
obra, gracas ao concurso de differente3 ha-
bitantes e ecclesiasticos de Carriana, Medo-
la, Guidizzola, Solferino, Riroltella. Casli-
glione della Sliviere, San-Marino e Pozzo-
lengo.
"Pelas exhumarles feitas naquellas loca-
lidades, abriram-se 751 coras e encontra
ram se 8,177 esqueletos, dos quaes s res-
tavam os ossos. Todava, aquella somma
est longe de representar o numero legal
dos mortos que foi dada a sepultura em
1859 muitos dias depois da batalha. Oce-
mitero de Solferino receben numerosos
corpos; calcula-se que houve 10 a 11,000
mortos no campo de batalha. A despeza
dessas exhumares foi de 8,003 francos,
sem contar 1,000 francos de despezas ac-
cesorias. Os trabalhos dos grandes osso-
rios de Solferino e de San-Marino rao j
muito adiantados. Nao se' fez nenhuma
destineco entre os cadveres pertencentes
a differentes nacionalidades. Encontram-se
algumas moedas de diversas naces, cujo
total prefaz a quantia de 800 francos, pouco
mais ou menos.
PEDRO BONAPARTE--Os joriaes do
noticia de alguns trabalhos preparatorios
que se est procedendo em Tours para o
julgamento do principe Pedro Napoleio
Bonaparte, aecusado de ter assassinado
Vctor Noir, julgamento que ha de ter largar
no dia 21 de marco.
Diversas circumstancias indigitam a ne-
cessidade de algumas jmodificaedes na dis-
posico da salla dos assises de Tours, onde
ha de celebrar as suas sesses o Supremo
Tribunal. Entre outras as segrales: a
grande concorrencia do publico que desde
1849 nao lornou a presencear os debates
d'aquelle tribunal que s convocado em
casos excepcionaes; a necessidade de aug-
mentar os assentos dos jurados, que de
doze sobem quarenta ; o numero das tes-
temunhas que se eleva cncoenta; trinta
e cinco quarenta lugares com suas mezas,
que ho de ser destinados aos representan-
tes dos jornaes de Pars; lugar onde se
recolba um destacamento de 100 homens
commandados por um official e que. ha de
estar disposico do presidente do tribu-
nal ; e finalmente a quabdade do reo que
um descendente da familia imperial.
PEDRAS ARTIFICIAES.Descobrio-se o
meio de produzir instantneamente pedras
preciosas anificiaes.
Mr. Goltlebed Zehweskofski, um dos
Bem sabe osenhor cura que ascrian-
Cas habituadas a soffrer desde seus primei-
ros annos bem cedo comprehendem o bem
e o mal. A nossa querida Pamella, quando
chegou aos doze annos, apercebeu-se de
que o tio lhe nao consagrara a mesma af-
feigao. O pequeo Augusto eslava sempre
escarranchado nos joelhos do commandante,
puchando-lhe o bigode e chamando-lhe pa-
drinho, e a Martina, convertida e dona e
senhora da casa, fazia-se obedecer de to-
dos. A menina Pamella passava os dias
no quarto, apparecendo s s horas de co-
mida. Ainda ento a Martina nio coma
mesa ; smente o pequeo Augusto ali tinha
assento com meu amo. Porm, a menina,
assim reclusa no seu quarto, nio passara o
tempo ociosa : trabalbava, trabalbara sem-
pre, e tanto que um dia disse ao tio :
Porque me nio melte o'om collegio ?
Esta perguntt produzio certo affeito nol
commandante, que nunca se separara da
sobrinha e nem ainda attentra bem na m
ibinado com o oxi-
o produz o rubi;
5re, a saphira; com
25, a amantista; com os
Hffaldi. O ether sli-
s crolo^ produz diffe-
[o tooapfj
ethere eraoM/nMe, despedindo
ima*anetran*e que mnitas pessoas
_ ser agradavel. Os saes ciystal-
sam mu regularmente, mal que desappare-
ce o lquido. Os crysracs obtdos por est
meio Pao leer a dureza extrema que os na-
turios teem ; o seo brillio, porm, se a
operaelo fr feita tbm todo o cuidado,
admravel.
A slice e a allumina, que se formam as
trras e arzillas, sao principios mui abun-
dantes, e com quanto a preparaco dos no-
vos elheres seja delicada, todana poaco
dispendiosa.
VARIEDADE
O GENERAL D BARTHOLOMEU MITRE,
SUA C\RTA AO CAPITAO DE FRAGATA
SILVEIRA DA MOTTA, E SUA APT1DA0
MILITAR.
A carta que pela imprensa argentina jul-
gou dever dirigir o Sr. Mitre ao destincto
official da nossa marinha, o Sr. Silreira da
Molla, sobre as causas que determina ram a
passagem de Humarla, nao p5de deixar de
indignar todo o brasileiro : o procedimen-
lo do mais elevado representante da allianga
no Prata, daquelle que commandou em
chefe os sens exercitos, revela o decidido
proposito de roabar-nos os immarcessiveis
louros, que colhemos expensas de jorros
de nosso sangue, derramado com bravura
nio commum.
A carta do Sr. Mitre filha dos mesmos
motivos que bio levado o Standart, tam-
bem de Buenos-Ayres, a denegrir a reputa-
Cao dos chefes brasileiros, nomeadamente a
do invicto duque de Caxias. Suppunhamos
o Sr. Mitre, to altamente-collocado em sea
paiz, lo apregoado como consummado po-
ltico, como hbil estadista, cima dessas
ms paix5es que caracterisam o geral dos
hespanhes do Prata, quando se trata do
Brasil; acreditavamo-lo justiceiro em seus
juizos, e modesto; sobretodo,nunca admi-
timos a bypothese de que para cobrir-se de
gloria tentasse roaba-la a aquellos, qae com
tio pesados sacrificios a adquirirn), nunca
o julgamos capaz de vir imprensa de seu
paiz, sob. a responsabidade de seu nome,
avancar proposicoes desairosas e falsas con-
tra os generaos brasileiros de trra e mar.
A resposta digna, immediata e cabal do Sr.
Silveira da Motta, deve ter feito de noro
voltar ao silencio que impoz-se tbbre as oc-
currenoias da campante, que dirigi o Sr,
general Mitre ; e eremos que S. Exc. ja-
mis julgar chegada a opportonidade de
que falla.
Entretanto, o Ilustre alliado do imperio,
elle qoe com assombroso desembaraco diz-
seo nico bomem que salvou a honra das
armas alliadas e o xito da campanha, de-
monstrando, yrevendo e assegurando o -
fallibilidade da operaco na passagem de
fttmaytnQ. ba de levar mal que nos,
obscuro brasileiro, mas que temos acompa-
nhado com patritico inleresse as cousas
da campanha, tomemos a palavra para con-
trariar-lhe o vituperio. Estudemos, pois,
os servicos de S. Exc. no longo commando
que a allianca confiou-lhe; e vejamos se
seas actos durante tal commando do-lhe
js ser crido sob palavra, qaando no t-
mulo descansa laureado o nobre marinheiro
visconde de Inhama, cuja memoria offende,
to sem receio de contestado, o Sr. general
B. Mitre, apresenlando-o como timorato as
operaces de guerra, como myope nos pla-
nos, como submisso s suas ordens no qne
era puramente das atiribuicoes do almiran-
te commandante da esquadra.
Antes, porm, de passarmos era revista
os actos militares do general Mitre, diga-
mos algumas palavras em referencia aos
meios de accao das tres naces alliadas nos
comeos e fim da campanha.
O Brasil, offendido em sua dlgnidade, as-
signou um tratado com as duas repblicas
do Prata, para lerar a guerra ao territorio
apresentou-se furiosa e sentou-se mesa.
O commandante enfureceu-se e chegou a
ameacala com a bengalla. A mulher fez a
sua trouxa, e, tomando o pequeo pela
mi, foi-se caminho da casa paterna. O
commandante deixou-a ir, mas n'esse dia
nao tere appetite ao jantar; no immediato
estara desfigurado e nao quiz ir caca.
N'essa ooote fez chorar a menina, dizen-
do-lhe qae o pai tinha sido perdulario. No
dia segainte estara mais paludo aiada e ti-
nha os olhos lacrimosos. NSo faltara-da
Martina, mas senta a falta do Augustozi-
nho. Foi entioque a nossa boa Pamella
se conrencea qae era demais n'aquella casa,
onde vira perpassar a sua infancia. No
da segainte, ainda o commandante dorma,
e j ella se achara em Seury a ourir missa
e a orar sobre a sepultara de sua mii. Re-
gressando depois, disse ao tio : So nio
devo, meu tio, continuar a ser motivo de
desharmoni no interior "de Sua" casa i volto
para o meu collegio. O commandante
danca que ss operara sera suas maneiras triacipio respondea qae nio, mas a menina
o? fo*" UtofB
para cora ella. O 'commandante nio lhe
respotdeu, mas encarregon-se d'isso a
Martina, n'estes termos : Sem duvida
que doveria metter sua sobrinba no eolle-
gio ; orna menina d'esta qualidade nio po-
llera viver sempro no campo. Qaando
Martina falla como um advogado a dar
consenos. Pamella entrn n'om collegio
de Orleans. Ao que parece, poaco lhe
restara que aprender, porque no fim de
seis metes dizia ella em ama carta que
lhe tinbam dado o lagar de contra-mestra,
e que, em vez de pagar ao collegio, j ga
nha/ para si. O commandante comecou
por dizer que nio consenta em la!. A
Martina deitoa-ths os olhos e o eomman-
dante accomoiou-se. Pamella veto passar
as ferias casa. Depois que ella fra para
o collegio, coma a Martina i mesa. Qaando
a menina voltou, nio sei o qae houre, mas
o caso que a Martina estere dona dias
encerrada no quarto, sob pretexto de doen-
te, e o commandante jantava s com a so-
brinha. Ao terceiro dia appareceu a Mar-
tina, e qaando chegou hora do almoco,
Insisti. Para O resolver, mandaram-lhe o
pequeo Angosto. Entio o commiMante
enterneceu-se e o resoltado foi a nossa boa
Pamella ausentar-se. Nio tornamos mais
a re-la. No da segainte voltoa a Martina.
lias, em todo o caso,acudi o cura
a menina escreve algumas vezes, nio
assim ? fc *
Todos os mezes, mas a matar parte
das cartas a Martina qoem as abre.
E depois ?
Saurn hesilou.
Vamos, e depois ? repetio o cura.
Ora... tenho c mettido na caneca
que o commandante fez testamento, o que
todo ficar i daina e ao pequeo.
Qaando Saurn terrainava a narraci ,
ebegaram elles i extremidade da floresta,
ama planicie, no meio da qaal se a a
propriedade denominada Raposeira.
Gom a ausencia do vento cessra tambem
a chura, as nurens tinham-se disaipado e a
la ostentava-se brilhante no firmamento.
Mais ama tirada, senhor cara,disse
Saurne chegamos.
yo, cajo enere semr-barbaro o havta
ieu|bpiai de nacj. Jfdaas
c Alai talos los sufemflinte
uallaci*llades, le sil posi
pMs, m iptabililndeH seus
as lultiflicllas coanmof*Jls qae
as agitam internamente, das sympathias jue
inha 6 astjjti* abSI#0 cUBot-r
seio, da exiguidade de seus recursos pecu-
niarios, das acanhdas proporcSes de sua
forca armada; com* o territorio invadido,
ama capital importante da confederaco ar-
gentina oceupada pelo inimigo, as duas re-
publicas que se alliavam, dizemos, irham
as matares vantagens no tratado, que com-
sigo assignava a primeira potencia da Ame-
rica do Su!. Todos conhecem hojo a letlra
de tal tratado; dinheiro para occorror as
urgencias de seus alliados na grande crise
que motivava a allianca; urna esquadra im-
ponente, armada segundo os preceitos da
moderna arte da guerra naval; um exercito
numeroso, armado e equipado europea,
respeitavel por sua disciplina antes das jor-
nadas gloriosas que lhe deram lagar no meta
dos mais valenles das naces civilisadas, to-
do o Brasil barateou. E, nao satisfeito
ainda, levou sua condescendencia at ad-
mittir o chefe da confederaco argentina, e
commandante de seu exercito, na qualidade
de general em chefe dos exercitos alliados.
Quando o Brasil enlrara na contenda com
to poderosos elementos de que dispunham
seus alliados ? O braro, leal e mallogrado
general Flores, coraco de soldado, subir
sua virtuoia
vos principalmente se devo a
irarruel'a posieio e trtaehelras ? l 4e
a historia da campanha, se nao Cr
pelos nossos fiis a'Jiados os
li-lo-lia, como dizem os vaJootes
jornada, anniversario rToai desees
fjitos de herosmo do immortal
candado pele bravo exercito
da va.
Ni feitos mencionados s
poderia perteocer ao general
que commandara em chefe: haveria I
urna grande concepcio estratgica, qae at-
ender nos resultados conegeidoe? Um*
marcha para a frente, orna resol cao Inw
cm levar a invasao ao coracio 4o paria; tai-
migo, era approreitar as victorias ftn a
abre vi a cao da guerra ? A historia do cis-
mando em chefe do general.
dia em que, passando o
para Bueno3-.\yres, obrigado,
am'gos do dictador, qoe na
iniciavam a guerra civil como
plicacio, nio admitle a hypolJ
paity, a nica jornada verda
liz da tanga campanha, o feo Ta
mais importante do general BMre

apenas ao governo provisorio da repblica
Oriental, dividida, retalhada pela guerra ci- commandon-o, mostrando corag
vil : sua boa vontade nada trazia mesa da mais nada.
allianca, alm de urna divisio de volunta-
rios, e o braco forte, a alma grande, qnic
do nico amigo leal que ba tido o Brasil
naquellas paragens.
A confederaco, quanto tarcas de trra,
nunca, no correr dessa lo tanga campanha,
apresentou um effectivo superior i um
quarto do exercito brasileiro : quanto
tarca naval, o Guarda Nacional foi o nico
navio que fez tremolar o pavilhio argentino
as aguas do Paraguay. E' certo que em
falta de soldados para suas limitadas tarcas
de trra, pomposamente di viudas por seu
general em corpos de exercito, com nume-
rosos estados-maiores, tinha a superior in-
telligencia militar, o grande genio estrat-
gico e tctico do general D. B. Mitre. Es-
tudemos o soldado em S. Exc.
A invasio do Paraguay, pelo Passo da
Patria, sem conteslaco, foi urna operaco
gloriosa, considerada na arle da guerra, das
mais atrevidas e difficeis. O inimigo oceu-
pava a margem opposta; dispunha de um
exercito forte, fantico por seu chefe, em
quem personificava a ideia da patria; esta-
va senhor do terreno, que conhecia, das
posicoes, que escoihera : os alliados inva-
d am s apalpadelas o territorio inimigo;
urna carta, mesmo incompleta, nio tinham
d'aquelle paiz, em todos os tempos fechado
ao estrangeiro. Em taes circunstancias,
qual foi o general incumbido de realisar a
operaco, qaal o exercito escolhido para
pisar primeiro a trra Paraguaya ? Est na
historia da campanha o inexcedivel heros-
mo do general Osorio e dos bravos do im-
perta, que, sendo os primeiros pizar a
margem paraguaya do rio Paran, tiveram
de abrir caminho para o Sr. general Mitre o
sea pequeo exercito, lutando peito peito,
braco braco, com o inimigo; nio foi o
general B. Mitre, nem algum de seus lugar
lenles argentinos, quem, pondo p em
trra, de lanca em punho, conquistou para
sua naci o primeiro floro dessa corda
gloriosa, que l est recebendo o seu ultimo
tropho pela mo augasta de um .principe
ralente.Invadido o paiz inimigo, qaal foi
a aeco notavel, o feito de armas grandioso,
que deu lugar entre os grandes cabos de
guerra do general em chefe dos exercitos
alliados, qual o plano qne lhe autorisa o
viluperio de sua carta ao official da marinha
brasileira ?
Itapir, as trincheiras de Tuyaty, a bata-
Iba de de mata?... A luta rendida da
ilha, attestam os invasores, e o luto de tan-
tas familias nossas, tai conquista dos Ca-
britas e Sampaios, que l deixaram a vida,
inaugurando a victoria, ao lado de argenti-
nos e orientaes, morrendo como valenles,
na direceo da artilharia, arma principal
d'aquelles dias. As trincheiras de Tuyuty,
estas foram a conquista do velho e bravo Po-
lydoro, que cm conselho, no mesmo dia de
sua ascenco ao commando de nossas tar-
cas, ludo envidou para atacar-se o inimigo
no dia seguinte, o inimigo, quetarticava-se
em nossa presenca, gracas inaeco do Sr.
JZ
gcMral Fea-
ecanorta. O o-
Praza a Deus que eu chegue tempo I
disse comsigo o virtuoso padre.
V
A Raposeira era ama d'essas habitacoes
de construeco um pouco pesada ou mas-
sica, com dous torreos frente, que as
provincias, especialmente na orleaneza, se
denominara arbitrariamente castellos oo re-
sidencias senhoriaes.
Rodeada de arroredo, com algumas cen-
tenas de geiras de trra em circuito, como
que presidia mais tres berdades adyacen-
tes, orna das quaes lhe ficara mesmo an-
nexa.
Em frente da fachada havia am vergel
de arvores fructferas.
A estrada departamental passava qaa-
t roe en ios metros e entroncara comocas-
tellopara assim lhe chamarmospor ama
bella avenida de olmeiros seculares. Alm
d'aquella residencia e da herdade junta, nio
so vi ootra casa ali prximo.
Era, pois, a habitaco de am capador
perdida nos bosques.
Como houvesse out'ora sido pertenca de
um rico mosteiro, conservara aquella casa
ainda em volta profundos fossos de agua
estagnad.
Em frente da porta havia sobre o fosso
urna ponte.
A', noute a poete fecuava-se por meio de
um cadeado.
Seriam onze horas da noute qaando os
tres viandantes ebegaram aquella ponte.
Saurn, apeiando-se, disse baixinho :
Nio facamos ruido. Se podessemos
entrar sem que a Martina dss por isso,
bom seria, alias...
As lozes qae se viam atravez das vidra-
cas, a osclacio de sombras qae se projec-
tavam ci fra sobre a ramagem do arrore-
do, o rumor confuso de vozes e de passos,
attestavara tal hora que a casa nio eslava
em circumstancias normaos.
O cadeado por certo tinha segredo, por
quanto Saurn o abri sem chave.
O cara Dural apeira-se ; Bigorne tinha
os cavallos pela rodea.
O dictador Lpez, hbil
lando a morosidade de nosso
depois muilo da passagem dos
tincara Curupaity: era orna obra
importante. O ataque, lavado as
Ces paraguayas con a ma
las tarcas brasileira?, e, compre
por um punhado de bravos arfaooM
mettia a victoria, a menos qoe Sr
ordenando-o, tivesse ordeoaae o
possivel: os brasileiros
reno; as tarcas do bravo
tes avancavam victoriosas.
ral reqoisitava alguns batatines
plelar a victoria, quando ouvia o
retirar na extensa linda de
neral em chefe desistia da
donara sea plano lo promediado,
antes as difficuldades da grande
tra as formidaveis bateras 4o
depois de milbares de bravos
los, e quando a victoria, senao
ji em todos os pontos, aceomva
em mais de um. Elle, o graad
que demonstro*, previo, e amfmnm,
feliz do passo de Humayla, aso mor
antes de tentado e realisado, gratan i sota
mezes de incessante bombardeta. o i he-
roica deciso de nossos
especialidade, em trra, i
aguerridas, e qoe nada deiiavaon i
quanto bravura, em urna jomada
da, dirigida por si, dispondo Jo
recursos, recuou; dando i aflama
dia desraivoso nessas moMipiicadas
de guerra, qoe lhe bao Ilustrado a
nos campos paraguayos...
Conquistadas as postaoes de Tuvoty,
alliados, sem attender o
s condicoes de satnbridade,
inactivos, sem respeito t regras
trametacio ; do qoe sao proras as
les sorprezas no exercito argentino.
A fra Curupaity, jornada ltaos, a ta-
rasio dos alliados no Paraguay i
ento ama guerra defensiva ; a
os ataques parciaes, Irazidos peta
aos acampamentos alliados, tirarais <*" *
vantagem da iniciativa e, tarra dias lo.
desmoralisaram a invasio.
O general em em chefe conferenciara i
o brbaro dictador, mo grado, o
brasileiro, que se recusara assistir a
ferencia com o selragem e Irajoeiro taia
go, qae, em plena paz, abra despacaos
nosso governo, aprisionara nossos
dadios, roubava nosso dinheiro, s
aos golpes do mais grosseiro
um personagem Ilustre, mais anda por
qualidades passoaes, do qoe pola
posicio que oceupava no imperta, o desdt-
toso coronel F. Carneiro de Cimpas.
(Continuar tt-km.)
E J
Espere ahi disse-lbe Saorta
guel vira ajuda-lo a recolher as
E, voltando se para o padre,
Ouca o mea plano, senhor
corredor em que ramos entrar sai
conductor de ar ; em se abrtado a
terior ao mesmo tempo que a da rae
ba luz de caodieiro qoe lhe
E que quer isso dizer ?
Miguel am grolba muito
se vir a sua sotaina, poetado
Vira logo a Martina e teremos
em entrar no quarto do doente.
Mas indispensare! qae i
redarguio o cara resolutamente
I'or isso mesan, conoqoe-se
raim e ver.
Batea porta.
Saccedeu o qae Saurn prerira.
Miguel veio pressa abrir.
Saurn collocira o aveotal de
cabra em termos de tonar a
porta e oceultar o padre qoe o
Apenas a porta so abri, logo
precipitou no interior, gritando:
Aqu est am drargiSo !
E com tal violencia aeotov
que este deixoa cahir o
que trazia, e qae, entoroaado-se,
goa.
Desastrado Igritn
Isso nao vale nada
rin.Sei bem ocammbo ; o
dar-me a mi.
E, condozindo o cura,
da vez Miguel, qoe de
candieiro.
Ao fim do corredor,
orna porta, por baixo da oosl i
um raio de loz.
Era ali a costaba.
Antes de l chegar 4? ?*>
lava a escada, qoe eoodoai
Venba deprotsa da
calando qoe a Martina, aoj
caso nioestivease oo < ne aat asi
sabiria da costaba pai am
atrae 4a
fYP. DODUIO)-
L


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EW5F54XL9_RAUZ7Y INGEST_TIME 2013-09-14T04:27:04Z PACKAGE AA00011611_12085
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES