Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:12084


This item is only available as the following downloads:


Full Text
'WI.'W"
>
C^l
atmiO XLI/I. NUMERO^ ur81 sb 'il(l/ u;,";aQUIfiTA REIR 7 DE ABRIL DE I870
PASA DEffTBO E fOSA DA PROvrvrTA

:v
A CAITAL H^UGARES ONDE IAO SE PASA FOBTE
Lada taumero avulso............... t--wn'- &iyikJ>, ,r.
L*tJ
, S

Pur tres mezes adiantados......
?or seia drtog dem.......
64750
Por nove aos dem .....['.'''''''' fij*
'Por amarino dem .......;......' fWgX
..... zqO


riiiffHFO
Propriedade de Manoel Figueira de Faria & Filhos. "!"
utaut
mi '

SAO AOETBS


------------
1
I------- "WP
w
Os Srs. Gerardo Antonio Alves A Filhos, no Para ; Connives A Pinto, no Maranho ; Jo*,uim Jos de Oliveira, no Cear ; Antonio de Lemos Braga, no AracKy Jlo Mara Jnlin rw, nn
1 Na;:areth : Franr.isrn T.ovpr^da-Ws. Pin- kU>* n- i^ iq^jru it n* n,k. T.. .j____ 6a'
m Na;:aretb '" FraDCisco Tav3re^a-Cfosta, em^agoas-.-Or. Jos* M Ata, na Baha ; e Jos Ribeiro Gaspanufeo no Rio de Janeiro.
.
PARTE OFHCIAL.
fioverno da provincia
US VACUOS DA PRESIDENCIA DA PROVINCIA DO DIA i
w Aima dk (870.
Autonio Joaquim di? Bello.Ao 6r. inspector da
liesouraria provincial, paia o lim de que irata a
penara d'esla data.
liento Joaquni Gimes.Dirija-se ao Sr. ios
pector Ha thes uraria provincial.
Fieldea Brothers.Dirija-a* ao Sr. inspector da
tbesenraria providcial.
Francisco Jos Pereira.Informe com urgencia
o Sr. corone! comrr.andattto. superior interino da
guarda nacional do municipio do Recite.
I'.eoriqae de Miranda. Conceda-se a permisso
pedida nos termos dalnfrmarao.
rmanlade doSantsimo Sacramento da fregu
zu d Smto Anto.it> d'esla cidade.Expeca-se
ordem.
Joao Francisco da Cunta. Expeca-se ordem
para ser aildido ao corpo provisorio de polica.
Jo Ignacio.A visia das informacoes e satisfei-
loos direitos liscaes, como requer, reraettende-se
estes papis ao Sr. inspector da thesouraria de
fazenia para os tos conveniente*.
Joao Olympio Hemeterio do Parla.Expecase
ordem para ser allido ao corpo provisorio de po-
lica.
Cpilo Miguel Ferroir Velloso.Ao Sr. inspec-
tor di thesouraria de fazenda, com a portara
desta da;a.
Alferes Silvno Antonio Ridrignes.Avista das
informacoes e do resultado da inspeccao de sali-
do, seja transferido para a lista da reserva e ag-
sregado ao primeiro batalhao do mesmo servido.
EXTERIOR.
VIH. A DO ROSA RO, 8 DK MARQ0 DE 1870.
Gloria a Deus no universo, paz aos homens na
torra I
A gaerra est terminada.
No dia 1 do correte a mao poderosa do gene-
ral Cmara vibrou o tremendo e derradeiro golpe
na caneca dessa hydra que se chamava Francisco
Solano Lpez. Terminou o sanguinolento e du-
turno drama, que abilava urna grande nacionali-
dad e extermina va outra, pela morle do homem
que d'entre todos os episodios da guerra se desta-
cou, perionificado pelo terror e tyrannia e termi-
uoa como con vi ola dignidade do Brasil e a gran-
aba de seas esforcos.
Os prjmenores ainda sao escassos. O general
J.iic Antonio Correa da Caraara, om data de 1 do
correte? e da raargem esquerda do rio Aquida-
ban, ofOciou a lapis que acabava de destrocar os
ltimos restos da forca de Lpez, o qual sua vis-
ta fra inorto por nao querer entregar-se a repe-
lidas intinafoes. Tinham cahidfl prisioneiros o
^acral Uesquin, muitos chefes, e todo qoanto
acorapanhava as marchas da dictador.
Isto offlcial. Agora digamos o qne relatado
pelo offlcial que tronxa a notisia magna, o capitao
Pedm Rodrigaes, promovido a major por Sua Al-
teza, era honra importancia de sua commissao.
A Lynch foi presa, bem como os seus Qlhos me-
ncres, por isso que o mais velho, o coronel Pan-
cho Tora raorto ao lado do pai com a espada de-
sembainhada, e fazendo f as sais divisas.
A mai de Lpez exalta de prazer, e mostra aos
Jv>?Tnaravilhado le todos os vergSes jas chica-
tadas que Ihc eram diariamente administradas
vista do ti Ibo- tigre.
Resauin porta-se com urna covardia indigna,
i'omprimentando com humildade a todos os sida-
d is cambahys que se approxiraa delle.
Lpez achon-se cercado, nos ltimos tostantes,
s de ollljiaes. Os soldados haviara desertado to-
dis. Ainda Iho restavarn peca. Urna dolas, de
calibre i e raiaia, e-!ava assestada ao lado da bar-
raca.
!\ireco
|ue o tyranno portou-se com certa bra-
vura. Viram no de espada em punho procurar
ilor-so, fiejr forido gravemente e arrojar-se
em procura da m.rto, frente do 10 ou 12 fiis
qae se negaram enJiabradamente a render-se.
Q inm llie levou a mortal lan;ada foi o cabo Chi-
co Diabo ou Louco, appellidos que ha milito dis-
lingaea aquella praca e llzerara esquecer o pairo-
-j\ .;ico por causa de suas repelidas facanha?, quer
d valor, quer de falta de juizo. A pona da lanca
p>gou Lpez pir Irs, entre as ultimas costella's,
qaando elle tentava ganhar um capao de mato,
montado n'um cavallo baio. Morreu immediata
mente. A agona que Ihe reservava a ProviJen-
a foram aquellos longo* seis mezes, depois da
oimpanha de agosto, mezes em que elle andou er-
raata, faminto, perdido, aniquilado.
O sea cadver foi motivo de grande e natural
" A'iosidade. 03 soldados o rodeavara, contemplan-
do aquella fra, caja cacada tanto Ihes castra.
A sua phvs momia, bem coahacida, estava pou-
.c alterada : tinha raros cabellos brancas na bar-
ba e cabeca. Trajiva com rauiti simplioidade, tra-
zendo sobre si urna Masa sem disttoctivos maU do
que bo'ies'de euro. Outros offlciaes mostravam-
x vestidos com muito mais cuidado.
A accao dea-se em lagar apartado, e foi dirigi-
da '-lo general Cmara, que tomara no dia 28
disoosicoes para que o moviruento dsse em resul-
tado a morte ou o aprisionamanto do tyranno.
Tanta le tinha Cmara ne-se final, que a 23 es-
crevia elle ao principe annuocianlo-lhe que no dia
2^ de Jevereiro o'i 1 de marco Lope! se entrega-
ra on deitaria de existir, fio bom general nao
:wdia faltar ao desempenho de sua palavra.
Urna ala do batalhao 9 de infantaria ao mando
do major Floriano Vieira Peixoto atacou o acam-
pamento de frente, ao passo que das fraccoes de
"ivallara desmontada tomivam a retaguarda, fa-
zoado calar as duas penas que defendan) a entra-
da de urna picada. O major Rodrigues assevera
ter visto, pouco mais oa menos, 100 offlciaes es-
tendidos morios, 20 soldados qaando muito.
Sua Alteza recebeu estas noticias em viagem
para a villa da Conceico. Par conselhos de seu
medico particular dirigase qaaile ponto em pro-
cura de ares mais salutares do que os do Rosario,
e embarcara s 7 hora3 da manilla de 4, no vapor
Conde d'Eu, acompanhado de grande parte de sea
ejtado-maior.
Pouco depois do meio-dia cruzamos com o Da-
vison, vapor do forneclmento, que descia cora a
bandeira brasileira proa, o que causn logo sen-
saco, augmentada polo prolongado apilo, parada,
e aflnal volta em busca nossa. O Conde d'Eu pa-
na tambora, e instinetivamente esperaram-se por
grandes noticias.
Da bordo de ara navio a outro troearam-se por
algara temp gritos indistinclos, e finalmente ou-
vio-se a palavra morrea >. Ento nao houve um
s qae se eximiste de um estremecimento de ale-
gra frentico : corria-se de todos os lados; a mu-
sica rompeu logo com o hymno nacional, e, quan-
do o principe lea en vox alta e conmovida o ofi-
cio do general Cmara, da todos os paitos sahio
um viva estrondoM ao Brasil. Appareceo logo o
champagne, a levantaram-se os brindes de obriga-
<;ao ao Imperador D. Pedro n, o grande bere da
guerra do Paraguay ; ao principe Gasto de Or-
leans, que levou a flm glorioso a carapanha; ao
general Cmara, qae foi sempre coroado pela ne-
toria, brindes acompanhados com enthasiasmo im-
measo. A' tarde desembarcava Sua Alteza na Con-
ceicao, de onde voltoa no d\a 6. D'aqaella linda
localidad?, dos festejos que la se fizeram, daremos
depois decripcao4iiinucosa.
Ao Rosario o Daomn. enegou no da i s 7 ho-
tas da uoite. O que s pajsaa all indescripti-
re, a mpnos que nao sa-|enten> narrar esses mo-
viiiiciitos sinceros, rresistiveis a que se entregara
as massas.
A soldadesca foi quem fez a festa. Ficou deli
raote, e toda a noite os ares esturgirara com vivas
inteniiinaveis.
9-
Recebeti se hornera una carta do general Cma-
ra, datada de 3, do arrojo Guaca.
Confirma a noticia da morte do dictador, a de
Caminos e de Sanches, o qual nao foi em tempo
nconhecido. O coronel Aguiar morreu na peleja,
bem como os majores Vargas, Ascurra, Estigar-
ribia, Cardosq, losfran o Solis. Ti vemos o insig-
nificante jrojuizo de 3 homens feridos.
Os principaes pnsioneiros .5o 2 generaes, Res-
quin e Delgado, 3 coronis, 3 tonenles-coroncis,
8 majores, 11 capitaes, i\ twontes, 21 alferes, 8
padres, 1 medico, a Lvnch com seus filhos meno-
ros.
Escaparam Caballero, que linha sahido para a
colonia de Miranda e tora balido no dia 28 de fo
verciro pelo coronel 8ento Martina ; Delvalle e
bouza, que ainda se acharara com carretas na pi-
cada de Chingelo ; Rda qae fazia a vanguarda,
e Areiro que fugio. Foram tomadas 18 boceas de
f ogo.
As irmaas e mai de \,ipm estilo em nosso poder.
Esta ultima ia ser executada por ordem do pro-
prio filho. As familias Jda Caballero, Caninos, de
Gil, G,raes e oatras estao de marcha para a Con-
ce i (ao.
O coronel Bento Marlins ainaa juslificou a sua
nomeada fazendo de M-raada para Cbiriguelo
marc a apressadissima, pois qne, a 2 se unir ao
Cmara. O mnjor Va^co segua a bater as ulti-
mas e debandadas partidas. As carretes de Lpez
forara saqueadas pelas raalhores paraguayas e al-
guna soldados.
10
Os sentimentos cora que a populacao paraguaya
recebeu a noticia da morte de Lpez foram mu
diversos e curiosos. Uns exultaram de prazer : a
maior parte conservou-se indilT-rente; outros ma-
nifestaran) grande desgosto, e cm publico derra-
ma r^m lagrimas.
lima mulher, que coliabitava cora um offlcial
brasileiro, abandonou o, apenas soube da noticia
e mandou-lhe dizer que o filho que ella tinha no
ventre nao havia de viver. Outra, pelo contrario,
exclamou :eu quzera ver estendido esseraons-
tro !
Mulheres correram a igreja, e de joelho3 3olu-
cavam, ao passo que outras segaiam as bandas.de
msica e davam gritos dt prazer.
O povo baixo possuira-se da idea de que L-
pez representava a vitalidade do Paraguay : cria-
do na ma3 completa ignorancia do que farrilia,
nunca sentio as anomals que urna guerra, como
a que flndou, trazia moralidade, j bem escassa,
na repblica, c se soffreu de forae e de nudez, at-
tribaio todos os males aornimigo, e nunca ao ver-
dadeiro causador.
Soja como (ftr, est rudo termnalo : todos o
sequazes de Lpez que tguraram mais ou menos
no lustro ultimo, acharam o seu destino e ajus-
tan) hoje as suas contas morios, ante a juslica su-
prema, vivos, as maos dos brasileiro?, e tortura-
dos pela hmbranca de tanto que abusarara.
Agora vai apparecer madama Linch em As-
sumpcao, no theatro de sen iresloucado orgulho,
do sua insensatez e despotismo, trocada ella tam-
ben), a altaneira ingleza, do dedo do deslino e
c urvada s vicissiludes da sorte.
No da 15 segu de Himayt, no vapor Leopol-
dina, o batalhao n. 26, commanlado pelo coronel
Antonio Tiburcio Ferreira de Souza, batalhao de
yalentes filhos do Cear, guiado em sea regresse
provincia natal por um dos mais salientes typos
da guerra do Paraguay, Cearense tambera, e cujo
nome anda sempre brillantemente ligado a quan-
lo episodio de combates se conta daquella longa
camp nba'.
Os bravos eslao dobraudo as barracas. Ahi che-
ga a paz : a branca pomba de No. Hoje a nos s
nos falla uraa cousa, tornar a ver a querida pa-
tria. A Providencia lal permitta, e no ma3 breve
tempo pofsivel.
Sua Alteza no dia 13 vai a Conceioao, d'onde
voltar depois de dous ou tres das de demora,
drigindo-se logo a Assumpcao.
l
Era additamento s noticias dadas anteriormen-
te, trancrevemos a segrate carta do major Flo-
riano Vieira Peixoto, commandanto do 9o batalhao
de infantaria. dirigida ac coronel Tiburcio :
Acampamento junto ao arroio Guaca, 4 de marco
de 1870.
Tiburcio.J de ves saber, meu amigo, que a
guerra est acabada e que Lpez .foi morto em
seu covil.
Em tua carta tu me reeommondavas que pro-
enrasse faz r algurna cousa, e como as partes of-
flciaes milita cousa pode escapar, vou massar-te
a paciencia com a narraco do que fez o batalhao
9o. Qoando o Cmara unio-se ao Paranhos no ar-
roio Niogle, oscolbeu-me para fazer a vanguarda
com a cavallaria ao mando do coronel Juca Ta-
vare.
Chegados nos ao lugar de onde te escrevo, na
manha de 28 de fevereiro ultimo, fizemos alio,
por ordem do general, que determinoa-me fzesse
apresenlar urna ala do batalhao, para que, com
100 clavineiros do tenente-eoronel Martins, fosse
tomar de sorpreza duas boceas de fogo que puar-
davam o passo"Taenaras. a urna legua do Aqi-
daban.
O general recommendou especialmente que lo-
massemos essa artilharia sem que ella dsse um
s tiro, afim de que Lpez nao fosse avisado de
nossa approxiraacao.
Eu segu com a ala e'querda e de corabinacao
com o distncto Martins, cumpri exactamente as
orden* do general. Do passo Tacuaras fomos, sem
perda de tempo, a reconhecer a picada do passo
Aquidaban, e ahi collocamos nma emboscada.
Lpez, vendo que lrdava a parte diaria de Ta-
cuaras, mandou um seu ajudante de ordens sa-
ber das novidades. Foi e3te, em caminho, preso
pela emboscada. Nova demora de noticias. O dic-
tador mandou ento um piquete de dez homens,
dos quaes s escapou um, que entrou gritando no
acampamentoOs negros esto ahi.
Nesse interim j o general nos e3perava junto
da picada, e temi colhiilo as mais exactas infor-
macoes do ajudante de ordens, ordenou a mim e
ao Martins qne nos apreeentaasemos ao Joca para
incoa ti aen te irmos tomar as 4 boceas de fogo do
passo Aquidaban e accoaometter o acampamento.
Reun o batalhao, e tive instrueces para da
barranca direita da picada carregar fogos com os
clavineiros do Marlins, arrojando-nos em seguida
sobre a artilharia.
A questo foi de poucos minutos, pois cada pe-
ca s pode dar dous titos. O Joca ento transpoz
o passo e cabio a galop* sobre o campo inimigo ;
a infantaria segua n'uri marche-marche de por a
alma pela bocea fra.
Apezar de estar de chinelas, por causa de nm
furioso callo, eu dava palos de ganso, araaldi-
coando o mea corneta, que devia vir puxando o
mea cavallo, e nunca ne me apresentou. L iamos
assim em segaimento Je Lpez.
O Cmara de valor inexcedivel, comprehen-
dea qae a qaastlo estuva ganha, e que s depen-
da do vigor de iniciativa, e mandando dar signal
de carga, arrojou-se pira a frente a todo dar de
cavallo. Lpez foi envolvido por um tnrbilhao.
Quando chegnei, elle j estava estendido.
Estou satisfeitissimo com o comportamfflto de
batalhao : nunca vi tanto enthasiasmo, e ao arro-
jo de toda a nossa gente se deve o nenhnm pre-
juizo de nossa parte. Fi urna verdadeira airpre-
za. Conseguimos tanto porque nao faziamos to-
ques e fleavamos emboscados, escapando aos es-
pas, qae noute e dia passavam por perto de nos.
Que espectculo, mea clnro amigo ? I Nao
possivel descrevera alegra qna causou o cadver
de Lpez, esse malvado, que snrrava todos os dias
a sua mi.
A presenta de Resqain, Linch com a sua ni-
nhada, e mais personagens de gloriosa memoria,
causou grande sensacS-i enlre nos. Das cousas de
Lpez obiive urna manta singela para cavallo.
Dispensa a redaccao. O calor est abrasador, e
nao em taes circamstancias que se pode limar
o estylo.
Adcus, um abraco de cora gao.
-Mfai dentro de poneos das naqnelle vapor,
nao mais ministro "
MOXTEVIDO, 18 DE MARQ0 DE 1870.
Na revista dos factos mais saiunios da quinzana
pouco ha digno de interesse. As noticias da gnerr
ra, que se esperavam; sempre eom anciedade, e
que causavam desencohthadas emoces, tiveram
poder de embotar o sentiraenro e de tornar palu-
das todas as que nao tm o mesmo cunho palpi-
tante. Entretanto, fossem ellas de urna victoria ou
de nm revs, eram sempre dolorosos para a buma-
nidade,que anda nao conseguio extinguirs bar-
reiras qae a dividem.
Hoje nm campo de batalhamais fecundo se pre-
para na regiao mais central do Rio da Prata, e
convida aos industriosos de todos os paizes para
o turneio civilisador que nelle deve ter lagar. Cor-
dova, que a Alhenas da Confederacio Argenti-
na, o foco donde se irradiou a illnstracio da pa-
tria de Belgrano, e qae tem produzido tantos ho-
mens distlnctos as sciencias, as lettras e as ar-
tes, se prepara para rCeber dignamente os pala-
dinos do progresso.
A rainha das montangas, ligando-se ao porto
rei do Paran, inaugura sea consorcio com ama
festa brilhante, urna festa prediUcta do nosso se-
cuto, j tao esplendido por suas maravilhas.
O primeiro vapor qne, sahido da Europa ou da
America, fundeoa no Rosario, assentoa a prima-
ra pedra da grandeza deste emporio commereial,
que ora. tanto desenvolvlmento apresenta. Era j
um triumpho cencebido e realisado a animar no-
vas tentativas e aspiraeftes.
Supprimir o cabo de Hornos, este phantasma
horrivel los navegadores, redazir as distancias en
tre o Atlntico e o Pacifico, conrerter esle mar e
todos os seus pnncipae3 portos em tribatarios do
Rio da Prata, tornar saave e enrta urna viagem
to demorada e to cheia de accidentes e perigos,
eis o problema que desde logo se offereceu con-
sideracao dos habis estadistas da confederacao.
Aassim nasceu a idea do caminho de ferro a
Cordova que se entroncar na outra arteria, que
parte de Valparaizo, em um curto espaco de tem-
po... E para que o mando industrial conheca a pra-
licabilidade deste caminho, eo preftra, cog toa e
Ilustrado presidente da confederacao nma expo-
sieao uniTrsItl em Cordova, ponto terminal da es-
trada de ferro argentina. Os comboios de produc-
tos raandado's pelo expositores em breve princi-
piarlo a percorrela, ea animar, com o seu movi-
mtnto incessante, paisagens at agora montonas.
O Brasil, que tem fignrado com tanta honra as
exposices universaes de Pars, Londres e Ham-
burgo, nao pode agora escasar-se ao convite para
a festa de sua visinha e alliada. Nao s o de-
ver de cortea ou de araisade que Ihe obriga a
apresentar-se era scena com brilho. Sua gloria e
seu interesso se reunem para que ahi reprsenle
ura papel saliente. Os mercados do Prata sao
grande sconsumidores de assucar e de cafe,|princi-
palraente do primeiro artigo, e, nao obstante achar
se tao prximos do Rio de Janeiro, preferera os
assucares de belerraba, que veem da Europa, e os
da Havana.
Nao ba capricho nesta preferencia, que casta
mais caro ; ha juslica. Os nossos assucares, refi-
nados ou nao, leera sempre nma apparencia infe-
rior e melara com muita facilidade. Os das proce-
dencia que apontei, ao contrario, sao bellos de
verse, e resistem a todas as variocoss da tempe
ratura. Adquirem a consistencia de pedra e pa-
recen) verdadeiros crystaes. Entretanto 03 nossos
possuom urna quantidade dada, maior somma de
materia scharina.
Desta preferencia, fundada as razos que deixo
consignadas, resulta grande preiuizo ao commercio
brasileiro, que perde um excelleote freguez, to
prximo e to fcil, para um dos mais importan-
tes productos dopaiz. Ora, com um pequeo es-
forco da noisa parte, seguido depois com perseve
ranea, se poderia fazer desapparecer a prevencao
que existe, exhibindo agora assucares que suppor-
tassem toda a comparaco e merecessem o premio
de honra. Chamo a attencao de nossos agriculto-
res para esse assumpto de tanto interesse para
elfes.
Se os^seus productos figuraren) dignamente na
exposicao de Cordova, podem conquistar irame-
datameate ura mercado importante. Os refinado-
res tanibem devera estudar um processo mais effl-
caz para o aperfeicoamenlo dos assucares, que os
torne iguaes aos que nos veem da Europa, se nao
superiores. Ha immensa vantagem para nos em
chegar a esse resallado, alera do crdito que elle
nos deve granjear.
A terrainacao gloriosa da guerra nos permitte
agora coBVergir todos os eeforcos para as victo-
rias menos esplendidas, porm mais solidas da paz.
A provincia de Matto-Grosso recia irii disveles para
oceupar a posigo que Ihe compete entre suas ir-
maas. O desfecho da lata do Paraguay vai ter
ama influencia incalculavel era seu futuro. Ha
all nqussiraas regides a explorar, magnificos the-
souros a extrahir. Corumb por sua feliz posieo,
ser o emporio de um movimento commereial ex-
traordinario que ainda hoje mal se sent.
Bolivia e todo o centro de Matto-Grosso ahi
eonstituiro seus deposites, e ponto de partida
para todas as suas oparaces, quer para o inte-
rior, quer para o exterior.
A primeira necessidade a satisfazer o restabe-
lecimento da linha de paquetes a vapor queja
possuio, nao pelo mesmo systema, porque, sendo
os fretes carissimos, e nao esperando os vapores
em Corumb pela resposta da correspondencia ex-
pedida para Cuyab, pouco servico preslavam
agricultura e ao commercio.
Fallase qae a casa de Conceioao & C. acaba de
contratar com o governo este servico, mediante
bases de muita utilidade para o dcsenvolvimento
de Matto-Grosso.
Estimo que seja exacta a noticia ; porque esta
respeitavel casa brasileira est perfeitameeta ha-
bilitada a desempenhar seus compromissos.
Actualraeuto o servico feito pelos navios de
guerra da esquadra. Nao convm que esta orti-
ca prosiga. Os offlciaes e commaudantes, solicita-
dos pelo commercio para receberera carga a frefe,
e autorisados a isto pelo estado excepcional da pro-
vincia, contrabem hbitos oppostos disciplina e
dignidade da marinba nacional.
Agora oceupar-me-hei dos assumptos puramen-
te locaes.
O transporte Presidente chegou hootem a este
porto com procedenci? de AsmmpcSo, faaendo es-
cala por Bjenes-Ayres. Veio mandado pelo Sr.
consetheiro Paronhos s ordens dos ministros V-
rela, argentino, e Adolpho Rodrigues, oriental, para
condnzi-los ao Paraguay, afim ae cooeluirera tai-
vez as uegoeiaedes relativas aj> tratado de p*& O
3.
.- de relacSes exteriores
oa repiionea, mas conserva o sen carcter de en-
xiaao extraordinnrio. Aqnella pasta anda nao foi
provraa ; entretanto j apresentou-se o coronel
possollo, e reassomio a da guerra.
t\a minha caria anterior refer o brbaro assas-
una commeitkto por-Fert(moto Ftores e seucom-
pantieiro de deboche Manoel Mendes, na pessoa do
iflven oriwtal Miranda, que foi levado ao ultimo
jatigo por um im.neno acompanhamento. Nos
primeiros ias desse desgranado acontecimento as
autoridades? mstraram grande interesse para
prender e castigar os assassinos, porra hoje, en-
treges somonte impedir que a inva^o do Ap-
panno e Bemtez tome vulto, deixaram completa-
mente de persegu-los. Desta sorte estao elles ho-
misiados tranquillamonte em casas ppoximas nos
arrabaldas desta idade, que todos designara.
Appaneio e Bnitez depois qne saltarara no
Arapoy, entre Pawand e Salto, dirigiram-se para
o norte, e nao se st*e ao certo onde parara hijo.
a tizeram seo minifesto, que circula impresso
em todos os jornaet, e qne nao se recommenda
nem pelo estylo, ne|i pelos principios. Ha dife-
rentes noticias sobros dons, mis nenhuma dig-
na de crdito. Dizen uns qne os invasores apri-
sionaran) e mataram a Atanagildo Saldanha e a
eme, chees railitaios ; qae correram a Goyo
suareze a torca de sei mando; outros negam tndo
isso, e olncialmenle stonsta a invasao e nada mais.
O que infelizmente real que este desgrarado
paz esta outra vez com nma luta civil em sea seio,
a qual perturbara a sua organisaco, e constmr
seus tenues_ recursos flaanceiros.
A questo com a junta econmica ainda nao
termraoa. O governo oirigio-lhe outra nota m-
sisundo pela deoiisso lo secretario Ramrez, e
nao contorne com Isso dei ordem thesouraria ge-
ral para que desde a data da primeira determina-
rao nao se pague vencim?nto algutx ao dito se-
cretario. Ramrez, vista desta disposico firme
da auturidade, en sua dmissio, porm a junta
continua a dizer offlcialmeite que nao obedece,
motivo porque espera-se hoje que todos os seas
membros sejam suspensos, nomeando-se ama
commissao extraordinaria ara encarregar-se de
snas obrigaces.
Da passagem direi qae hoje publico e desfal-
que de 12,000 pesos na respectiva caixa, segundo
a propria junta confessou em offlcio dirigido ao
governo. Todos o* departamentos de3ta repblica
estao rounindo gente para as armas, e Mximo
Per z tem j prompta sua divlsao para correr
sobre os blancos. '
Alguns correspondentes de Assumpcao para
caries diarios de Buenos-Ayres, nao pudendo ne-
gar a utilidade da morte de Lpez, mas querendo
desfazer quanto pessivel a gloria que s os brasi
leiio? alcancaram em Aquidabam, dizem que o
general Cmara, guiado por chefes daquelle ty-
'nof, que haviam passado e acompanhado por
z,Oa homens, cercoa a insignificante torca Ini-
niga,jtroDaodo-a prisioneira, e matoado a Lpez
quandb ae dispunha a capitular. At ba poucos
dias antes de inorrer asta malvado davam-lhe de
1,000 a 4,000 bornes, 60 canhoes, etc; agora,
porm.que convm marcar a nossa gloria, j o
mimigoera insignificante, estava a pe e sem re-
cursos I
capital do Paraguay as negociaces de paz.
11a
RIO di :j i mi ao
27 DK MARCO DE 1870.
Do Rio da Prata recobemos pelo paquete inglez
City of Rio de Janeiro, entrado hontem, folhas de
Buenos Ayres 19 e Montevideo 20 do corrente.
No mesmo da devia embarcar nesta ultima cidade
o plenipotenciario oriental Dr. Rodrigues para ir
tratar na Assumpcao com os ministros do Brasil e
repblica Argentina, sobre os ajustes de paz com
o Paraguay. Nenhum facto de importancia havia
occorrido.
EntretaiXo o Standard havia at annunciado que
o geaeral Caraara linha sido sorprehendido em
pleno meiodia, e que chegara corrido ao Rosario,
lendo perdido um de seus melhores regimentos.
Este mesmo Standard acaba de fazer uma deseo-
berta maravilhosa, a-segurando com toda a fleug-
ma britannica que aquelle intrpido general nao
d brasileiro ; -porque descende de ama familia es-
cosseza, de apellido Camero. E que tal ?
O Courrier de la Plata, sentindo que se tenha
anotado o raanancial das onoas paraguayas que
a alimenta a, lamenta a morte de Lpez e a cas
siflea como desleal, chamando de assassinos aos
que em legtima defesa o inmolaran). E em seo
arroubo charaa-oCambrone Paraguayo I Quanta
miseria e infamia 1 Nao achou, entretanto, uma
palavra para estigmatisar o procedimento que o
mesmo Lpez leve com Mine. Laterre, e>ta pobre
franceza que tanto soUrcu. O tal Courrier de la
Plata 6 pai do Ba-ta-clun que se publica nessa
corte. O redactor deste peridico vio all nasce-
rem-lhe o denles cora que nos morde indigna-
mente.
Os prejuizos do ultimo temporal em Bueno.--
Ayres sao oreados em ti milhoes de patacos}.
A assemblea geral da provincia mandou reunir
um congresso constitnrate para reformar a consti-
luico. As eleicoes devem lazer-se prximamente,
e oceupam tauto os espiritas que ninguem se lem-
bra que no dia 27 deste lambem tero lagar as
de deputaaos legislatura. As diversas redac-
coes dos jornaes concordaran) em reunir-se na
casa do general Mitre, para comboarem nos meios
de proceder-se a este trabalha popular cora
ordem.
Morreu em Cordova o Ilustre argentino Dr.
D. l'astol Obligado, a quem a provincia de Buenos-
Ayres deve sua primeira carta constitucional.
O club do Parque deu no dia 12 ura esplendido
banquete em festejo da eoncluco da guerra, ao
qual assistirm varias personagens polticas e mi-
litares, e a mocidade mais disimcia de Buenos-
Ayres. Houve miiitus brindes, iniciados peto ge-
neral Mitre. Alm deste fallou Rawsen, que en-
thusiasmou o auditorio com um discarao r-ags-
tra>.
Segaio-se-lhe Qaintino Bocavuva e o Dr. Canha,
brasileiros habis, que fallarani no sentido demo-
crtico, coDfessando-se francamente republica-
nos, pelo que foram vivamente applaudidos.
Hctor Varell tambem fez um discurso inters
sanie. Depois os rapazes toraaram a palavra e
ninguem mais pode com elles.
O governo argentino prosegae no sea louvavel
empenho de acreditar seu paz ao exterior, e de
attrabir por este meio uma forte corrente de ira-
raigraeo. O ministerio de relacoes exteriores
para este fim foi incumbido de enviar mensalman-
te aos consales da confederacao, no exterior, uma
circular minuciosa, referindo os progressos mo-
raes e raaleriaes i causados duranlo o inez. E'
um pensamento til, que deve produzir boas re-
sultados, se fr levado a effeito com boa f e pe>
severanca. ,
O supremo tribunal de juslica, com o flm de
raorasar a magistratura, to aceusada ultima-
mente, acaba de apresentar um projocto estabo-
lecendo as panas e a jurisdicao a qae elle deve
ficar sugeito.
O capitao Peal, commaodante do licho Brahe,
apostou em Buenos Ayres que elle chegaria pri-
meiro ao Rio de Janeiro de:que q Wtrneck, e que
assim seria lambem o primeiro a dar a noticia da
gloriosa lerminaco da guerra. O Standard as-
pen que o seu compatriota cumpra a palavra, e
3ue na sua volta, na seguate viagem, seja sam-
ado como barao Peel. Se elle realisar o sea in-
tento, merece eom effeito alguma remuneracao do
governo imperial. <
Todo o corpo diplimaiico estrangeiro residente
n"vTsnha capitaTsaudou o general argentino pela
feliz termiuacao da gera.
Chegou a este perto a corveta Vital de Oliveira.
Ficou de quarentena.
Acabo de saber positivamente que o Sr. Marian-
ao Varella segu para AssumpQa Nao parti
j por ter pessoa da sua familia bastante do-nte,
tanto qne pensoa-se em mandar o general D.
Emilio MUte em sea lugar. Esta d acha 38
Entrado dos partos do sultrouxeo vapor Sania
Cruz datas do Porlo-Alegre al 16, Ro-Gradde 19
e Desterro 21 do corrente.
A grata noticia da lerminaco da guerra era en-
tusisticamente festejada na provincia de S. Pe-
dro do Sul, como j o linha sido em Santa Catha-
nna. Nesta provincia foi ella recebida, como sa-
ben) os leitores, pelo transporte Ventele, ero Por-
to-Alegre por cofnmanieaco telegraphca do Des-
terro, e no Rio-Grande por ignal comraunicacao
de Pelotas, para onde fra enviada nina folha'de
Buenos Ayres com os telegramas ah recebidos.
O Rio-Grandense diz:
a Com a noticia dos brilhantes resultados obti-
dos petas torcas brasileiras, que eram destinadas
a perseguicao de Lpez e dos restos do sea exer-
cito, sabiram a percorrer as ras da cidade a m-
sica do Io batalhao da guarda nacional a a do 4
corpo de caradores.
Grande concurso de povo se dirigi a palacio,
onde vivas entusisticos foram dados por S. Exc.
o Sr. presidente da provincia, seguindo depois a
compriraentar a familia do general que ligou seu
nome a tao importante successo.
< Em frente casa da residencia da familia do
general Cmara, foram proferidas algumas pala-
vras pelo Dr. Benevides, acompanhadas de estron-
dosos vivas provincia do Rio Grande aos ven-
cedores do Aquidaban. >
Faltavam anda tres deputados para poder ins-
tallar-se a assembla legislativa da provincia de
S. Pedro do Sul.
Tinham fallecido o chele de scelo da secreta-
ria do governo da mesraa provincia Francisco
Coelho Brrelo, e o contador aposentado da the-
souraria de fazenda de Santa Catharina. Alexan-
dre Ignacio da Silveira.
S. M. o Imperador acompanhado de sens sema-
narios chegou hontem s 10 horas da manha ao
arsenal de marinha, e visitn as offleinas de ma-
chinas ; em seguida embarcou na galeota impe-
rial, foi armacio e passoa revista aos voluntarios
ah aquartelados, e desembarcou a 1 hora da tar-
da ao arsenal de guerra.
dio da s, ya, Perpetuo Felicito Martins, Manee!
rorreara Lras, andante Antonio Jos da Iva.
nufel-mestre Joaqun) Cordeiro Palcio.'
: i fe^ei *09 a,fcre9 d0 *>" eonw **>. Jn<*r.-
*"? fd*eo. Andr Rodrigues Ferreira, Joa-
quim Pinto Bibeiro, Angelo Corneiio BevUlaeqaa,
Jos Almondes de Barros Barbosa, Joao L.wes la
ai va Gos, Enailio Wan Angina, Eduardo Josd^
Alvaro^,, Antonio Jorge Biaruos, /oaquim di
Castro Souza Jnior, Alexandre Ksefrnie>da Cm?,
Benedicto Jos Gomes de Oliveira, Manoel Jpsd .
Loulo, Bernardmo do Xascimento Moura, Joio d^
souza Ribeiro, Firmlno Antonio da Fonsetra Le-
mos e quartel-mestre Jacintho Pereira Goimarie?.
Aos alferes do 30- corpo dito Laurentino Flix
ferreira Par, Joaquim Coelho de Lima, ipi
Tbeotonio da Silva Crespo, Martinho Bivillo fczer-
ra e Mello, Candido de Souza Mello, Leopoldin-.
Antonio do Reg, Thomaz Luiz de Jesns, Tbowa'.
ferreira de Castro, Manoel Antonio Camello, Jos
Pires Ferreira, Fredenoo Augusto Paes Brrelo.
Joao Marlins Goncalves Rogo, Pedro Baptista Cat-
neiro, Francisco Xavier Navarro Lns, Manoei
Raymundo Caralnhas.
ol'1*8!? do Rio de Janeiro, em 21 de marco dv
1870. Baro de Munttba
Por decretos de 23 do corrente foram condeco-
rados pelos relevantes servlcos prestados na guer-
ra do Paraguay os seguintes offlciaes do 3 e do
30 batalhoes de volantarios da patria.
23 batalhao.Ordem imperial do CruzeiroOf-
licial : o major fiscal Augusto Rodrigues Chaves.
Ordem de Christo.Cayalhoiros; Os capiles
Manoel Marques Guimares Jnior e Aristides
Jos de MeireUes.
O lente ajudante Eleuterio Borges do Azeve-
do Laga.
Os lenles Joaquim Bonifacio Ferreira da Sil-
va, Joo Antonio Fabricio e Joao Eduardo Alves
Vieira.
30* batalliao.Ordem de Christo.Commenda-
dor : 0 tenente-eoronel Apollnario Florentino de
Albtiquerque Maranho Sobrinho.
Cavulheiro : o capitao Joaqnira Agripino Furia-
do de Mendonca.
Ordem da Rosa.Olfleal: o major Custodio
Floro da SHva Fragoso.
Cavalheiro3: os capitaes Leandro Francisco No-
gueira e Manoel Lourencj da Silva.
Os tenentes Henrique Cecilio Barreto do Almei-
da e Perpetuo Felicito Martios.
Ordem da Rosa.Quicial : o major comraan-
dante Joo Pinto Homem.
Cavalheiros: os capitaes Jos Luiz Fagundes
lirio, Domingos Francisco da Silva e Joaquim
Nardos Muniz.
O teneute secretario Luiz da Costa Firme.
Os tenentes Agostinho Lopes do Oliveiro, Jos
Correa de Moraes, Pedro Ayres de Oliveira Pas-
sos, Manoel Caetano de Moraes Leite, Francisco
Pereira da Silva Barbosa e Antonio Jos de Pai-
va e Silva.
Os alferes Juvenclo Luiz Pacheco, Joaquim Pin-
to Ribeiro, Angelo Corneiio Bevlacqua, Jo3 Al-
monde de Barros Barbosa, Joo Lopes da Silva
Couto, Eduardo Jos do Alvarenga, Antonio Jorge
Martins, Benedicto Jos Gomes de Oliveira e Ber-
nardino do Nascraento Moura.
Por decretos de 23 do corrente foram noraea-
dos:
Inspector era commissao da atfandega do Ara-
caj na provincia de Sergipe, o 2o escripturario
da de Pernambuco Henrique Gomes de Oliveira.
Porteiro da alfandega de Santa Catharina, An-
tonio Joaquim de Vargas.
Attendendo aos releyantes servicos prestados na
guerra contra o Paraguay petos individuas men-
cionadoe na relaco que com este balxa, assigna-
da pelo bario da Muritiba, conselheiro de estado,
senador do imperio, ministro e secretario de esta-
do dos negocios da g'.ierra, hi por bem conceder-
Ihes as honras dos postos militares do exercito
constantes da referida relaco. O mesmo minis-
tro e secretario de estado dos negocios da gaerra,
assim o tenha entendido e faca executar.
Palacio do Rio de Janeiro, em 21 de Marco de
1870, 49 da independencia e do imperio.Com a
rubrica de S. M. o 1 mperador.Bariio de Muri-
tiba.
Relaco dos individuos aos quaes sao concedidas
as honras dos posto* militares do exercito, a
que se refere o decreto desta data.
De tenente-eoronel, ao tenente-eoronel do 30*
corpo de volantarios da patria Apollinario Floren-
tino de Albuquerque Maranho Sobrinho.
De major, ao major do dito corpo Custodio Flo-
ro da Silva Fragoso.
De capitao, aos capitaes do 23* corpo dito Tho-
maz Velloso Tavares, Manoel Marques Guimares
Jnior, Jos Luiz Fagundes de Brito, Aristides
Jos de Meirelles, Domingos Francisco da Silva e
Joaquim Nardes Muniz.
Aos capiles do 30* corpo dito, Joaquim Agri-
pino Faado de fMendonca, Manoel Accioli de
Moura Gondin, Lizandro Francisco Nogueira, Ma-
noel Lourenco da Silva, Asaras Pinto da Silva
Leito e JoSo Carolino do Nascraento.
De teneme, aos tenentes do 23 corpo dito Agos-
tinho Lopes de Oliveira, Jos Corra de Moraes,
Pedro Ayres de Oliveira Passos, Manoel Caetano
de Moraes Leite, Francisco Pereira da Silva Bar-
bosa, Joao Antonio Fabricio, Joao Eduardo, Alves
Vianna,. ajudante Eleuterio Borges de Azevedo La-
ga e secretario Luis da Costa Firme.
Aos tenentes, do 30* corpo dito Jos Francisco
da Paul Vellex, Francisco de Paula Carneijo
Wcha, Jos de Barros Pires Faleio, Jos Francis-
co Paes Barreto, Henrique Cecilio Barreto de Al-
ipoida, GastavftLMtosi Quinaquina, Joaquim Izi-
A toja maconiea do Oriente do Brasil aos Bene-
dictinos sob o distioctivo Segredo, solemnisou Den-
tera o acto da posse de sua-- dignidades libertand
20 enancas coja ednracao fica sob a vigilancia da
mesraa toja, como j se aehaui sete outras enan-
cas anteriormente libertadas.
A instituco da maconaria, cujo flm oestes lem-
pos e quasi exclusivamente a beneficencia, nao
pode melhor desemj enhar a sua misso do qu*
acompan bando o nobre exemplo da toja Segredo.
28
SS. MM. e A. Iraperiaes, partirara hontem >
manha para Petropolis.ondechegnram pouco de-
pois das 11 horas. A este respeito eis os tele-
grammas qne dalli recebemos:
a Raz da Serra, 9 oras e 30 minutos.SS. MM.
e A. Iraperiaes aqu chegaram com sua comitiva,
sendo recebidos com enthusiastcos vivas dos ha-
bitantes. Partirara logo, o qae foi communuad
para Petropolis pelo telegrapho.
Petropolis, 11 horas c 10 minutos.SS.MM.
e A. lmperiaes, chegaram Barreira, onde foram
recebidos pela llr da socielade, assim comr
por grande parte da populacao, qne foi ao en
contro dos augustos hospedes. Suas Magestades
e Alteza seguiram lentamente, passando sob os
numerosos e esplendidos arcos de triumpho er-
guidos na vspera sem embargo da ebuva torren-
cial. Toda a cidade est embandeirada. Por ond"
Suas Magestades e Alteza passam ouvem-se os
mais calorosos vivas.
a 11 horas e 23 minutos.O tempo est mag-
nifico, S. M. o Imperador entra agora mesmo no
pateo do sen palacio, e recebe uma noticia do
Santa Catharina, vnda pelo telegrapho, aenun-
cando a chegada do transporte Leopoldina, ao por-
to do Desterro com o batalhao 26 de voluntario-
da patria, e dando noticias do Paraguay. Sua
Magestade leu immediatamente em alta vez as in
teressantes noticias, acotfcidas com os vivas de to-
dos qae o rodeavam.
O Sr. ministro da guerra receben hontem d
manha do presidente da provincia de Santa Ca-
tharina o telegrama seguinte :
Acaba de chegar o transporte Leopoldina, con-
duzindo o 26corpo de voluntarios da patria, com-
mandado pela coronel Antonio Tibarcio Ferreira
de Souza, o qnal communica-me o seguinte: que.
alm das noticias comidas no telegramma do con-
selheiro Prannos, qne sao confirmadas, confirma-
se mais a do aprisionamento da Mine Linch, qna-
iro filhos e cento e tantos offlciaes, sendo dous ge-
neraes.
c O general Cmara devia chegar a Concec
no dia lo ou 16 deste raez. Alm dos prisioneiros
que conduz, mandou uma lisia de cento e tantos
offlciaes paraguayos mortos no comhate do dia I
do marco, entre os quaes figura o coronel Solan
Lpez, lilho do ex-dctador.
c Caballero foi batido no da 28 de fevo-
reiro em Cliiriguello, sendo suas torcas com-
pletamente derrotadas pela columna de Bou;
Martins, consogaindo, porm escaparse.
i S. A. Real gosava saii le, c no dia 15 diriga-
se para a Conceco. >
29
Escrevem-nos da Raiz da Serra : '
< As 9 horas da manha de hontem 27 do cor-
rsnte, chegaram Suas Magestades c Alteza Imoe-
riaos a elaco da Raiz da Serra, onde foram reci-
bidos e calorosamente saudados com enthusiast-
cos vivas pelos habitantes deste lagar e empega-
dos da fabricada plvora, que era grande nume-
ro all se apresentarara.
< O recinto da estaco estava primorosamente
enfeitado com arcos e ooqueiros, com o maior
Sosto possivel, fluctuando grande eumeno de ban-
eras das diversas nacoes, e vondo-se no ceralro
de primeiro arco ama cora de ramos e flores
preparada cora esmero pela nossa patricia D. So-
phi.i de Almeda, esposa do agente daquella esta-
co Manoel Leandro de Almeida, qne nao se pou-
pou a esforcos para adornar o dito recinto da es-
taco. O ex-administrador daquella estaco Vi-
cente Athanasio Nunes Pinto, muito contribu
para o completo aformoseameoto da mesraa loca-
lidade, e mandando vir uma banda de msica da
Estrella para abrilhantar a reeepco dos augustos
viajantes.
director da labrica da plvora major Frede-
rico Cavalcanli de Albuquerque, com os offlciao.-
alli erapregados coneorrerara a este brilhante acto,
sendo postada nma guarda de honra, composta da
companhia de operarios militares, para fazer a
continencia do estylo. O professor c professora
publica all se achavam com grande numero de
alumnos de ambos os sexos, assim como muitas
familias do lugar. Foi ama festa que se pode con-
siderar a primeira desde que SS, MM. lmperiaes
freqaentam Petropolis.
Na mesma data eserevera-nos de Petropolis.*
< Hontem, as 11 >/t horas, ama girndola an-
nunciou populacao de Petropolis a chegada
do Imperador e familia imperial ao alto da serra.
< Para all j se tinha dirigido a encontrar
Sua Magestade um grupo de 60 cavalleiros, en-
tre os quaes o Sr. ministro da marinba e o Sr.
Paunero.
A's 11 horas e 20 minutos chegaram Snas
Magestades Barreira. A commissao dos feste-
jos, composla dos Srs. conde de Hagnany, Drs.
Garca, Martins, Araojo e Bonjean, mandara le-
vantar ahi nm lindisstmo arco de folhas e flores,
onde a cora imperial era f"iM de diversas flores
naturaes e cercada de qoatro palmeiras, eolloca-
das no alto de cada ama das faces. O effeito era
magnifico, n cabe ao Dr. Bonjean o mrito do pla-
no e direceo Debaixo deste arco estavam a com-
missao, a cmara muid
das e distincias, e bem
Bento Jos Marlins. a
e formando alas, existiam
familias naoionaes e
chegada de Suas M
Todo o caminho
quarto de legua acMw*
folhas e flores at a ra do
frente a de D. ^L^H
em forma triai
ticos ornados
toes. AHi, en

s pessoasgru-
a do Sr. Dr.
da estrada.
cemearroscom
ardando a
parto de nm
\ bandeiras.
de em
grrade arco
odeeper-
ias e
se gran/U

-I


...

I?
f

.1
-. .-V-------------
amero de meninas vestidas de braneo e a msica
dos menores do arsenal de guerra.
c Na porta o paco Imperial que deita para a
roa do MjttH- ergua-se na arco simples, as
de magriunoclcilo mandado coastruir pelo sope
riolendenle da colonia. ,
A eamar municipal, alm d ornar frente
do edifica de-euas seswfcs, mandn levantar uu
crelo, e outro tatito fee tanibem a s*
baile Gmitio Familiar.
achavnm-se ricaaSte ornada, msauguinad-se
na roa do Impera** o hotl-Braganen-e a casa
da resdsnea do Sr. commendudor los Carrea
/io'chegar S. M. o Imperador a alto da ser-
tm, os cavalloros que all te ahavam lewntnran
vivas a familia imperial.
ttiabarreiraS.il. o Imperador (ai recebidj
tom enliiusiaitteos vivas levantados pelo presiden-
te da cmara.
O cortejo eguio no meio de vacoes e grande
qnantidade de flores (aneadas pelas senhoras. Ao
passar pela ra de D. anuaria o coche imperial
'leve de parar, aflm de Sua Alteza receber ara lin-
-dfesnvro ramo de fl >res de penas; offertado por urna
metiraa, Mida do Sr. Dr. Souza Alves.
anegando o-cortejo a ra do Imperador, o
entusiasmo cresceu aindo. Repetidos vivas e
nma c uva de toros, laucadas pelas meninas, m
nKestaram ao Imperador a estima e respeile que a
pcpulacio inieira Ihe consagra. Ao meto-dla o
prestito chegeu ao paco imperial, e abi disper
sou-se pelas roas da cidade.
A' i hora da tarde i Sua Magestade pereor
ra a p as ras da cidade, visitando os arcos,
aswnpanhado pelu camarista d sem** a i
mete.
A* 5*oras leve lugar aa igreja matriz um so-
leum.- Te-Deum mandado celebrar ola cmara
inunieipol. O templo esta va nter al mi nte cheio,
ootando-se o corpo diplomtico, innnmeras senho
ras o o*veras pessoas gradas. Findo o acto rali
gioho, Suas Magesudes voltaram ao paco imperial
sendo acompaabadas par diverso* membroe do
carpo diplomtico e pessoas distinctas, que se de-
moraram al as 8 horas. No prtico do palacio
loca va a msica dos menores.
A' noute os festejo- tiveram oatra forma A
cidade do Petropolis pareca nma habitarlo de fa>
das. as casas t>.d..-s Iluminadas, os coritos, o
grande arco da ra do Imperador, fogos de Ben
gala, lutos de diversas cures ao Icnge do canal,
a iannensidade de logeles, as diversas msicas e
urna poeulacao inmensa espalhada pelos pontos
em qae os foslejos se faeiam, davara cidade um
a p vio sorprendente, magnfico, que fez recordar
as fastas da inauguracuo da est'ada Unlo e In-
dustria.
Os Alleaies, acempanhados de msica, archo-
tes, transparentes e laolernas de diversas cores,
que se taoviam a cada momento, alterando assim
a forma e effeito, o exeoulando coros a aereo al-
trahiam especial m-nto attencao. Foi urna fesia
esplendida, magnifica, do que i'etroplis ha de eon-
si'i v.ir recordacoes por nmito lempo.
Nao sa po Je faaer seleceoes em urna festa, na
i u il a alegra eslava em todos os semblantes e i>
onthusi.iMno em todos os pellos mas impossiveL,
sem injustca, esqneeer os servicos que pre.-taram
os cavalleiros que compuzeram a commissao de
MtnhM
< As fes tas continan) hnje.
i As 7 horas a mnnha S. M. o Imperador f*i
visitar o hospital publico de PetrupolK As l
karaa e 30 minutos SS. MM. e Alteza Imperiaesde-
rain um patsem a no pela eidade, e newa oceasiao
vistt.iram a estaco teiegiapluca das inhas do in-
terior.
Em seguida S. M. o imperador montn a ca-
vallo e dingio-je aos arrabaldes de Peimpolis,
aoompanuadu dos Srs. Ors. Guimares e Bonjeau e
ovitras pessoas de sua comitiva, atn de visitar os
numerosos trabamos que teem sido feitoe oestes
aitones anuos.
As 5 boras e 5o minntos SS. MM. e Alteza
Impcriars, ai inpanhados de seus semanarios, per-
i-oiPia;n a cidade pe.
Hfepai -se para hoje urna brtmante illumma-
cao, cuino a de lionlem.
a comrassao rasolvuti raoelter pelo biigue Inven-
tal, que par io hornera pan lncete, 400 saceos
com farnha, 400 arrobas de carne secco, 100
saceos com feijao, c 82 barricas com roteas e bo-
lachas. J anteriormente, no" dia 1$ do corrento,
foram remedidos pelo Tecanlins 200 saceos com
farnha e 200 arrobas de carne seca.
Ao thesour i^regnu a qiuntia de i^WA, producto de urna snb-
Todas as mas par odo o cortejo davia passar eripcao promevidaeatre o grande Oriente do tes
sil, ao ralle dos Beaedinnos, e a lojas de
INr -derrroto tift'i do correte le nomeado otB-
ciii da ;. i-:n da Kosa o raajor Maneel da Concei-
cao taestii. i-ultiiit; na freguezia do Pilar, na
lii'.u: i, do Rio de Janeiro.
DIARIO DE PERNAMBUCO
REDr-B. 7 de ABMl. DI 1870.
Chegada e leseatbarqiic dos *
lnatarUs.
Sem sr e.-perado cum tanta brevidode, eoirou
bontem em o uosso porto o transporta de guerra
U0piem-, eendtttmdo em sen bordo o batalhSo
30 de voluntarles da patria d'esta provincia.
O transporte desde ante-hontem s 8 horas da
noite inolhou aguas da nosia costa, mas o nevoeiro
impedio-o de m appfoximar de torra.
Ao avista-lc annunciou-o o tdegrapho cando o
pavilhao naciciMl e soltando fogo do ar ; e imme
^a.lpm?,,eJ',Jliversos pants da/^eergtteu-**> campanha do Paraguay, era jartode
".r docr.it >? .le ti do correte M reconduaido
o li.ir-h.tel Luic iacinthoWeryue d'Abreuno bagar
c>: n municipal e do orphaos do termo de Mura-
ev na piMviiu-ia da Babia,
l-'oraiii Boaaada :
< un de direito Manoel Jos Espinla Jnior
i.v;- i|(! n. ci da provincia do Piauhy.
O bacbarcl Jos Pedan de Paiva Buracho ju
Btunieipal e de orphaos do termo de S. Jos do
Paralivoa na provincia de S. Paulo.
O bacuarel ilenriqne Joao Dodsworlh iuiz muni
-...'i e de orphos dos termos de S. Miguel S.
Setostiio da Fo7. de Tijuca?, na provincia do Santa
ijinarina.
O bacbarel AlfreJo Leite Ribeiro juiz municipal
t de orphaos do termo da Leopoldina, na provin
ti de Mina i-(Jera es.
O liacharel Eduardo Hasielli juiz municipal do
termo de Santo Amaro, na provincia da Baha.
O bacbarel Pedro da Costa e Abreu joia atunci-
l>al o de orphaos do termo de I^eaces, na roesma
provincia
O bacharel Jos Ignacio Fernandes Barros juiz
i/iunicipal e di' orphaos dos termos reunidos du
Oarmirra e ouros, na provincia do Rio-firande
do .V.Tte.
tMbaao du Paula de Albuquerque Maranho
R.ajur commandante da 1J seeco de batalhao da
reserva da guarda nacional da me^ma provio-
ria.
Foi exonerado, a sen pedido, o badin 1 Man-
niano de Souza Lintz do lugar de juiz municipal e
do <>rphaos do termo da Leopoldina, na provincia
de Miuas-Geraes.
Foram declarados vagos os officios de partidor,
contador e disiribaidor do termo da capital da
proviii.ia de S. Pedro do Rio-Grande do Sol, sobre
roprestiitacao do respectivo servemuario vitalieio
Antonio Jos de Miranda Falcao: ficando obrigado
o aao successor a prestar-lhe a terca parte 3os
r.indiiiientos, segundo a loUcao.
Na publcaco da relacao dos individuos, aos
tuses se coneederam.por decret) de 21 do corren-
te. as honras dos postos militares do exercilo, de-
rm-so as seguinlos oroissa.
be capito aos capitaes do corpo policial da pro-
\iiriA do Rio de Janeiro, Beruardino Antonio da
Paiva c do corpo policial da corle Juaquim Rodiir-
guts do Valle.
Do lente aos teneoles do corpo policial dt* Mi-
nas-Geraes, Joaquiui Uouifacio Ferreira da Silva
' d.i corpo policial da provincia do Rio de Janeiro,
Antonio Jos de Paiva e Silva.
t-iii dos lenles do 30* cerpo de voluntarios da
j. una aos quaes se cjncoderam honras do mesmo
po>to no exercito Jos Francisco de Paula Tollos
<. n> Paula Yeitos, como sanio.
O Sr. commendador Joao Fevreira Pir.'. Filgnei-
ra, desciando aesignalar por urna boa aasau o pra-
ser que senta ao ebegar a noticia da lermna;o
da guerra, deu liberdade sua escrava do ostiuu-
ejo, d<5 nomo Thereaa.
-36-
i.iiirui hoatem nouie o. transporte LeapoU-
n-r, saludo da Assumpcio a IV Trax a sea bor-
do o batalhao de voluntarios da patria n. 96 fflaa
r.i), do commando do Sr. ocronel Tiburcio. K.n
ouiao lugar publicaiDoa ama intercrsanle carta
se sem intetrnpcXo urna nnvem de fogurttes, e o
habitantes do Recife, sorpreao* por e*pa chegada,
comecarara apressadamente a vestir as ras do
trajelo, para o desembaraue, com as mals loiidas
gallas.
Essas raas uio ostettUvaai o brilbanlismo com
3ue e adwnaram para a recepcio do 53 corpo
a voluntarios, mal estavam ornamentadas com
bandeiras imperaei e bandeirolas e galhardetos
uiversoft, offi eoleaas vistosas e flores odorantes,
e seo aspecto era risonho.
Ao deseer do 7fapicr o 30 de voluntarios, as
4 horas da tarde, nma s- I va de artilharia das for-
talezas e navios de guerra surtos no porto deu
signa! da Testa, o do seio do ocano de povo, que
MaMa es caes do halrro de S. Fre Pedro Gonealves,
a onda do onmasiastno popular, essa nobre onda
qne assoborha empro todos os diques da ratao,
orRueu-se altiva e imponente para despejar-s
agradecida aos ps dos bravos do SO de ?olun-
tarios.
Essa parte dos festejos, em que ? o eoraco
toma parte, foi to galhardamenls satisferta como
o Toi na rece 7I0 do 53 ; e isso attestam essas de-
aenas de mil vozes qne, cheias de umeao, atroa-
ram os ares com os mais expressivos vivas entoa-
dos e snerguidos as uossas glorias Hitares con-
quistadas no Paraguav.
Dma guards de honra de nossa guarda nacional
postada no Arsenal de Marinha fer as continencias
oestyllo.
'alli seguo o prestito na ordein segunte : o
oorpo patritico de lanceiros do P090, urna banda
de msica marcial seguida dos empregados da al
faudega hasteando a bandeira naeonal, urna ou-
tra precedende as bandeiras da attianca, que eram
conduxdas por nm respeitavel grupo do nego-
ciantes cont albina monbros da Associaeo Com-
merrial a frenle, e finalmente o heroico 30 de vo-
luntarios-, ebaduzindo o sen roto e despedacado
pavillo, que tso denodada a.uao valenleraente foi
defendido das garras do inimigo por esse punhado
de heme*.
No arsenal de marinha S. Ese. o Sr. presidente
da provincia, i-credo do mondo o racial, pronuocioo
o seu discurso congratulatorio; na asocincio
commercal fallaram o presidente dessu corpora^ao
e varias mitras pessoas, e repetram-se en-
thnsiasttcos vivas, que furam soberbamente com-
partirhade, pela muHidao compacta que por todos
os lados eircnlava o prestito.
Em seu trajelo foi o pteslito constantemente
obrigado delor-se para dar lagr qne innu
meres discursos e poesas fossem recitadas e pro-
feridas cntiiusi.isticas palavras de hoiwnagem ao
dehodaln cornr' de voluntarios, me vera descancar
nongaco da paz e no co das (amulas dos pesa-
dos encargos da guerra.
Dnrant-* todo esse longo trajelo at a fortaleza
das Cinco Pontas, o povo ebrio de regoljo e in-
cendiado no amor patrio at o delirio, escreveu
mais um pi orna s gtorus dos fllhos do Brasil; e
as estropnes d'usse aloquente poema foram banh i
das cora lagrimes de atn. r e ornadas eom tridas as
flores de CTacoes ardentemonte aspirados a so-
beranamente amigos do grande a do bello.
Be todas as janelUs e varandas da* roas dr
trajelo eaiam flores ans borbotoes sobre os vo-
luntarios, e em todas eltas se agitavam |pncos e
brilhavarn olhos vidos de contemplar essa valen-
te eeborlc que volteado Paraguay.
O trajelo foi um pouco alterado, porqne o
prestito se dirigi pela ra do,Imperadr al o pa-
lacio da presidencia e regressou por ah mesmo
at a roa do Crespo, por onde seguio, acorando na
ra do Queimado, at ,1 fortaleza das Chico Ponas,
seeuindo pelas ras Direita e das Cinco Ponas.
Repetimos que o enthusiasmo tocou o mesmo
ponto at onde se elleVt.u por oceasiao do desem-
barque doo3.
A' noute a cJade illnminou-se. e percorreram
suas rua varios grupos precedidos de mn:ica.
Repel ram-se as mesinas scenas de entbusiasmo,
feram recitidas poesas e discursos, e o povo mos-
trou-se sempre salisfeito.
eontendo GonsierairSes geraet sobrr a emancipa-
gao ios eteravot no tmptrio Brasil e a indtca-
gao dos meios proprios para reatisa-la. B' um
trabalho importante, nao t pelas batea en qua
astela, tomo pela forma porque encarou elle a
quettao do presente to em vga no 1 nperio.,
Aquellos qua promover esse melhor'a ment avem
apreciar quant > all se diz, e aproveitar para a
pratica os meios que elle propde.
COafPANHlA PKILN AMBUCAlf A.-0 vapor M*n
dah, desU eotnparia segnir para Maeei em
diretura a Penedo, nodia do eorrente, sendo boj*
o ultimo dia em ana recoba carga, conforme o
annunce da mesma eompanbta.
ACCIBEaiTE.-. Ame-bontana, as o horas da Ur-
dd, em trente ao sitio do Dr. Augusto d'OUveira,
em Panto de Uoba, virau o carro do Sr. Praneis-
oo Ferraira Borges, gerente da Companhia Per-
oambneana de paquelai a rapar, flenado esse Sr.
e o Sr. Dr. Carneiro da Bocha, que a em sua
eompanbia, por baxo do carro, o ambos maltrata
dos. O carro dennanteloa-se, e as eavalloa qn<
j iam desparados, contnuaram sua earrelRi na
senfreada.
VOLUNTARIOS DO CEAR.Achava-se na
corte o batalhao n. 26 de voluntarios da patria da
provincia do Cear, commandado pelo coronel An-
loaio TilinrciaferreradoBonan.
A Reforma faz a segunte resenha dos servicos
d'esto baulhao:
Embarcou nesta corte para Montevideo, com
1865.Acampou na Repblica Argentina, junto an>
arroio luunery, ew jullio do mesmo aano.
< Em agosto marebou com o exercilo, atra-
vessando as provincias Je Entre- Rios e Corrientes,
indo acampar na Lagoa-Brava, e succecsivamoate
em Tala-Cora.
< Fez parte da dvisao que prmeiro pisn o lar
ritorio paraguayo e prmeiro baten as forcat ial-
mgas, sendo mencionado de modo muito honroso
pelos servicos prestados nos combates de 16 17
de abril, aos quaes guicu-o o seu distinctoom-
111 a rula nte, en tao raajor Francisco Frederieo F-
gueira do Mello, de saudosa memoria.
a Conqoiskiu glorioso nome aos ataooes de t e
ti de maiu, de 16 e 18 de julho de 1866, sendo
coucordet lodos os cheles de divisjai e brigadas
em considera-lo nm dos corpos mais disciplinados
e intrpidos.
A 2 de maio a este distinrto batalhao sendo
vctima de san admiravel valor. Avancando at
muito perto do entrincheiramaoto- inimigo. vio-se
inesperadamente cora a retirada orlada por fercas
de nanuria e de cavallara en numero superior
a quaado lodo o exercKo consUerava o perdido, o
26 de voluntarios, leudo abetto caminbo bayo
netas, volieu ao nosso camp% com perda de nos
80 homens Ulvez. irazendo, porm, a bandeira
gloriosa que recebra das ms da* cearenses.
A 24 de maio e a 16 e l de julho do mesmo
oodoo susteoleu elle o erodio, que j conquistara
nos fetos anteriores.
1 Fazendo parle da priocira dvisao de infan-
taria, ao mando do general Argollo, esteve durante
seis uiexes acampado junio mata de Potreto Piris
sujeito toda cas la de fatigas inherentes ao ser-
vido de vanguarda.
< Pez com o prmeiro 'orpo da exercilo, a que
perlancia, em julho de 1817, a marcha de flanco
sobre Toyu-Cu, onda aetmpou a 31 do dito mea.
Fazendo parte da torca ano oocapou Tayi, all es-
teve destacado desde 3de noaembre de 1867 at
17 de agosto de 1868, era qua marebou cora o
exercilo em perseguieaodo inimigo para Tebiqua-
ry, segnndo at Surubi-hy.
x 'J de outubro einbarceu para o iaco,
indo all reunir-se ao egundo corpo de exererto,
acoaip,iihando-o nos pasosos tranalbos comecados
pelo bravo coronel Tisurcio, que se relirou grave-
UHite doenle, e lermbados pelo d'wtinclo general
Argollo, qne jamis cess ai d fazer os mais signi-
Qcativos elogios ao 2g de voluntarios.
a A' 4 de dezerakro embarcou com destino ao
territorio paraguayo, desembarcando na manhaa
de 5 na barranca denominada Santo Antonio.
1 Tomou parta muito activa no ataque de 6
ponte de lioror, onde bem mereceu de seus che-
feo. Ahi leve fura de combata cento e tantos bo-
inem, entre os quaes o sen commandant, feridoe
varios offleacs, e morios oulroS, cuja bravora aao
desmentir o nome tradicional de seu batalhao.
< Entrn anda na batalh de II, em Avaby,
conquistando mais urna vez merecidos louvore*
pm so a disciplina bravora.
* ii-w por eominandaote* quateo ofllciaes dis-
tinctoa: Tenante -coronel Francisco Fredencp Fi-
goeira de Helio, major Sebasio Tamborn, da
)io>inci.i do Cear ; teiiente-coronal Gabriel de
S>)uza Guodcs da de Pernaiabuco ; e major Be-
ungos Alves 13arroto Lei e, da do Rio Grande do
Su!, das quaes smeote existo o ultimo.
P..'lo se tal voz dizor sem rece o de errar, que
o 26 na 1 oonta em seu seio cincoenla homens que
nao huuvesscm sido tocados pela bala ou ferro
iambio.
1 Depois do lao nobres servicos foi a 26 de vo-
luntarios dissolvido em Villeta, per'ordein do ge-
neral nm 'hele o Sr. duque, aatao marquez de
Caxas, que alias Ibo dispensara elogios na pona
del torero.
Felizmenls o Sr. conde d'Eu, correspoudendo
PEBNAMBUCO.
REVISTA DIARIA.
ASSEMBLEA PROVINClAL.-Hontem a assem-
bla rrgeitou, em i' diseusso, o prqjeclo n. 48
de 1868, que autorisa o govemo a instituir dous
asylos, um para meninos cgos e surdos-mudos,
e onlro para meninas as mesrnas condeses,
erando n Srs. Gusmao Lobo e Gaspar Drummond.
Approvou, em 3a discuso, o projecto n. 12 de
1868, mandando crear urna cadeira de instrueco
elementar para os presos da casa de detenao
desta cidade; depois de orarem os Srs. Cunba Fi-
guciredoe Rutina de Almeida.
Approvnu, em di-cnssao, o prejeeto n. 3S de
1869, sentando Jos.direitos de exportacao o oleo
de ricino fabricado na provincia.
Approvou, em I1 dfsausso, o projecto n. 24 de
186'J, mandando admittir a concurso para o ma-
gisterio publico, independente de folba corrida, as
educandas do collezio das orphaas cargo da
Santa Casa.
Addiou, em 1' dscussao, o proieclo n. 82 de
1869, que autorisa a cmara de Olinda a aforar
15 palmos de terreno no hecco do Cardim, da-
quella cidade.
Approvou, em 1" dscussio, o projecto 0.86
de 1869, que auhrisa o goverao a conceder pri-
vilegio para construeeao de urna ponte sobre o
ro Ipojuca, na cidade deCaraani; depois de ora-
rarem os Srs. Pinto Jnior, Paes Barrete, Vieira
de Mello, Cunha Figueiredo e Gaspar Drummond.
Ficou empalada na voiaco o projecto n. li do
anno pas9ar(o, que autorisa a construcea de urna
bomba sobre o riacho Agaa Fra, depois de ora-
rem os Srs. Gocs Cavalcanie, Vieira, Nicolao To-
tentino, Cavalcante de Albuiueque, e Pellipe de
Figueira.
A ordem do da para hoje e : |" discussii dos
projeetos ns. 68 >i 91 de 1868, 45 de 1869, V dis-
cusso dos projeetos ns. 60, 67 e 58 de 1869, e
materias addindas.
AS8AS8IVAT0S.No dia 27 do nz passado,
no lugar Rbeim Fundo, daTrcguezia da Gloria do
cjoj alguns perinaaores das ltimos saacsjsoa que 1 ft^i, f0 asesinado Alexaadra de tal por Joao
om a morte de Lpez pu2*raai termo :. guerra, arwel, o no lugar Rilwirao da meam> districio
Do Rio da Piala temos foHw f0 assassiaado Jos Gomes dos Santos por Jos
U vapor Ouardia Nacional lovon a Buenos Ay
r> a artilharia argentina retirada do Paraguay o
'.laUibao S. Manta No Rosario de- Santa P'
houve serios tumultos e mutos feriments por
?ausa de urna elekjo provincial. O miastre Ja
ira Gaiuza para l parti, mas as ulamas no-
ii>.'3^ .lavara a cidade oUra voz em saego.
Sc-guodo as folias de Mozlevdco o grusso das
f.)ic. invasoras raoba^adas Ja Florida tomavam
a Jiruccao do Minas, dcixaodo aiguroas partidas
eji varios ponto do beu trajelo. .Vppirkio, pw-
t-yaido por Freaeeoso, buc*va. o )a*so i'oianco
o Vi.
I or cartas imperiae
o uiralisades os
Ceiba o Cusloi
1'jv deerete di
liiil da oroui
de id do conooie foram
rtugt-*;.'.- M^onel h)s
Bsrby^ Cameifl-
.oalaoi.promovido a of-
0 ei.genli.ai ThTOiloro
< 1 uuiue do a
p u. .iu dJJ bw
I .:. 1
a i
i 'v falla
idNeneV.v. o.. { :ow.
guarda iia,:'0aala :0r-
H^^^Bv'^ E>#<*!'r' p- 1~U) Joao.
(ttkAsoaoi, como b.Hten> so
wiro do Siil,
Francisco de Lima. Pelo respectivo sutdleaado
foi capturado o segundo dos criminosas, pondonie
'J, o prmeiro em fuga.
PROCJSSAO BE TRICMPHO.Amanba os ter-
eiros cartnelitaiios exjoem a vista dos flers, sn o
tempe permrttir, a proeissao do triumpho dos pat-
os da Betmor, com a ma^nlficeafkt e brtHiants-
mo du i-osuiine. Se houver cbuva copiosa Acara
ella transferida para sexta-feira prxima.
CORI'O DE VOLUNTAfllOS.-O corpo 30 de
voluntarios da patria, horftem cliegado, foi aquar
tellar na fortaleza das Ciuco Pontas. 0 seu dis-
tiocto eornmandante o coronal hmWario do ex-
ordio Apoim.win Florentino (TAIbuqoereiie Ma-
ranho, membru de urna importante familia da
oomarea de Garanbuns, e o seu major o Sr.
Castodio Flora da Silva Fragojo, hqje .najor ha
nortrio do exercilo, natural (festa cidade. labo-
rioso e hoaostj einpregado typographo. ijae foi
de nossa bflicrna.
MINERVA PER VAMBIHIA^A. *, llavera uoja
easao desta sociedade. Sera discutida aisa
() titkiiio sutintur-se-lu ptivp o inUUim:ia
pu- HtMana.-do Sr. Oitieica.
SMAlCIPA^O DOS ESCRAVOS.-Pelo Sr. Dr.
, fielut Peixolo de E-rito, cnsul geni do Brasil em
Madrid, recebemos Um folheto, por cJIe escripto,

aos votos da i.nprensa da provincia a de lodos os
cearenses, reorganison o nico batalhao que os
represeotajfa d'eutre tantos militares de cidadaos
que m'bruiente inarciiaram para a guerra, o deu
Ihe por eornmandante um dos mais illu6tres mili-
lares, digna, por sua ntelligencia e bravura, da
prova de nsaaidfigii que aeaba de receber do
principe eommandante ora chafe.
PHOTGGRAPHrA IMPERIALEste eslabeleci
ment, simado no ngulo direto da ra do Gabn
g eom o largo da matriz de Santo Antonio, e que
tem o numero 18, abre-se boje, completamente re
novado, ao pnblco, tendo costado o seu arranjo <
preparos internos crescida somma ao seu proprie-
urio-o Sr. Villela.
As modlficacoes feitas no edificio da photogra-
phia. das quaes resultaram maior e melhor situa-
cao a sala da fetura dos retratos photographico;
as bellas accommoda^ijes para as oficinas de ha-
pressao dos elieks e da pintura oleo, pastel,
aquarella etc. ele.; o sali de espera, e rodas
as mais pecas accessorias ao cmmodo dos visi-
tantes do eslabelecimento tudo isto. e mals a p-
tima qualidade dos productos empregados qnr na
photograpliia'qur na pintura, garante 3 photogra-
phia imperial do Sr. ViHela, aao s o bem acaba-
de dos seus trahalhos, como tambem a presteza
na entrega, mxime achando-se o eslabelecimento
munido de artistas peritos em ledas os gneros de
pintura e na photographia.
A phstographia imperial nao nova entrenes, e
wus productos goza ram sempre de bem merecido
renome. Hoje que eHa se acna em mais elevada al-
iara aps as reformas por qne passon. justo que
eontinue a merecer o apoio publico, sobretodo s
Undo, eonio est, preparada eom apurado bem
gosto e riqueza de ornamentacao, indispensavel
esse genero de estabeleeimentos.
LEILAO.Conforme ct annunciado deve hoja
ter lugar, o lelao de louca, crystaes do bacaral.
obiectos do chrristo" e movis : no 1 andar ao
sobrado da ra da Imperalrz n. 17, por interven-
cao do agente Pinto.
LOTERA.A que sj acha a venda a 14* a
lienelico da greja de Santo Amaro de Serinhaem,
a qual corre no dia 12.
PASSAGEIMOS.Sabidos para o Porto, na bar-
ca portogueta JVoio Silencio :
Jos Martins Ribeiro, Manoel Pereira da Silva
Ferreira o sua senhora, Jos M. Zeferiao, J0S0
Ferreira.
Sahidos para e Ara *atv, no blata heva Espe-
ranza :
Bonifacio Franewco da Hocba e Valentim Fran-
cisco da Roe lia.
Vindo do Rio Grande do Sal na barca brasi-
leira Nova Carolina :
Antonia A4*w Barbosa de Ollveira.
CKJnTTKKIO PUBLICO -Obtoario do dia 6 de
abril de 1870.
Lucrecia Mara do Rosara, Pcroaaabuco, 36 an-
uos, solteira, Recife ; tnberculog pulmonares. !
Lmza, Pernaaibueo, 65 annos, solteira. Boa-vista;
apoplexia fn'minante.
Auna Julia, Portugal, K annoa, toKeira, Bea-via-
la; tobercutopaanonaras.
Mana Rom Nery da Suva Pfrnaaanooo, #8 annes,
solteira, Poco ; phtysiea pnimonar.
Dorstboa Virginia de Jesni, Pernambaen, 20 an-
aos, solteira, S. Jos ; dem.
Candida Rosa da Coneecio, Pevnamboco, 16 an-
nos, solteira, Poco; memego encepbattte.
O
Mesquita Jjutor,
SeerftariOt
ENGLISH BANK
jRio de /aneiro Limited
Cdscoata lettras da praga taxa a con-
'Wcioaar.
Recobt dinheiro em conU correte bu
Iraso flxo.
Saca i vista ou a praso aobrO aa cidada
Brtocipae da Europ.i. tem correspondentet
aa Babia, Buenos-Ayres, Montevideo, Neir-
a New-Orieans, e etuitte cartas de crdito
para os mesmos lugares.
RA DO COMMERCIO N. 36-
H1CEBEDOIUA DE RENDAS INTERNAS GE-
RAES DE PERNAMBUCO.
ftendiraento do dia a 5 9:296*731
dem do dia 6......' 7931523
e '
10:090254
MOVIMENT DO PORTO.
Navios entrados no dia d.
Rio de Janeiro6 das, vapor braseiro Ilapicur,
eommandante primeiro teaente Carlos Gomes,
traz o batalhao 30 de voluntarios da patria.
Baha7 dias, brgue ingloz Bertka, de 328 to-
neladas, capilao Johu Urie, equipagem 10 em
lastro ; Johnston Pater A C.
Rio Grande do Sul 24 das, barca portugueza
Noca Carolina, de 273 toneladas, eapto Vir-
gilio G. de Mallos, eqaipagem 11, carga 12,000
arrobas de carne ; David Ferreira Balsar.
Para22 dias, patacho braseiro Protector, de
347 toneladas, capilao Joaquim da Silva Perei-
ra, equipagem 11, carga 50 barris de vinho, e
ouiros ganaros; J. J. G. Beltrio.
Navios sakidos no mesmo dia.
PortoBarca portugueza Novo Silencio, capital
Francisco Martins de Carvalho, carga assuear e
outros gneros.
Ro-Grande do SulPatacho braseiro S. Barlho-
lomeu, capilao Jos Gonealves Pedro, carga as-
suear e agurdente,
MarseilleBarca ingleza Capella. capilao Hughs,
carga assuear.
EDITAES.
0 Dr. Francisco de Carvalho Seares Brandad jiz
de orphaos e ausente do termo do Recife, por
S. M. o Imperador o Sr. D. Pedro II, quem
Deus guarde etc.
Faco saber a quem o presente edita! v* e delle
noticia Uver que liadas tres audiencias deste juizo,
do dia 7 de abril prximo, rao praea e venda a
requeriment da viuva roeeira o inventarame D.
Senhorioha Emilia Jorge, para pagamento dos ere-
nres do seu caal por falleciinento de seu man-
do Henrique Jorge, as seguintes propriedades, a
saber :
O terreno devoluto, forctro, sito na ra do Bar-
tholomeu freguezia de Santo Antonio, eom 153
palmos de Frente para a mencionada ra e 183 de
fundo faz-ndo esquina para o ra do Caes da Casa
de Detenca-i, avahado por 2:29o000, dividido em
o lates,4 de 30 palmos e 1 de 33.
Ontro terreno devoluto f rero, com a frente
para a ra do Caos daDetencao, com ll paknos
de frente e 260 de fundo, nao compreh>-ndendo o
tetUMiro que nelle exisie, avahado o dte terreno por
2:oOO000, dividido em 4 lotes, sendo 3 de 30 pal-
mos e i de 31 pemos.
Outros dous terrenos foreirs no lugar denomi-
nada Caboc no Monteiro, na freguezia do Poco da
Panella, com as frentes para o rio do Capiharibo,
com 146 palmos de trente o 137 de fundo, existin-
do nos mesmos terrenos urnas meia aguas em mo
estado, avallados ditos terrenos em IfOOjOO ca-
da un, divididos em 4 lotes de 73 palmas cada
um.
E mais o sitio de trras forairas em aborto na
iravessa da estrada do Monteiro lugar denominado
l/marao, com 295 palmos de frente : acontar do
otio da casa de Manoel Anastaeio da Costa e 331
de fundo com om grande caixao de casa de nedra
t cal em forma de palacete em altura de respaldo
avalido por 5:000i000.
E nar.i que chegue ao conhecimento de todos
nanJei passar o prosuntc que ser aflixado no lu-
gar do coslume e publicada pela imprensa.
Dado e passado tiesta cidade do Recite, aos i
do marco de 1870.
Cu Joao Facundo da Silva Guimares, escrivio
o subscrevi.
Francisco de Carvalho Soares Bcando.
fcrnecimenlo da ouantia de trinta contot e Un-
tos mil res annnalmente, e que pago mensal-
men:e com dinheiro vista.
Recebe, portante, a mesma junta propostas para
o fornecimento indicado na sala de suas sesBoes
pelas 3 horas d tarde do dia 7 do correte.
Assuear reaado, kilogrammo.
Dito 2' sorte idem.
Dito torrao dem.
Aletria idea.
Arroz do manota dem.
Azeite doe, ptro.
Agurdente dem.
Azeite de arrpalo dem.
Bacal h .kilogrammo.
Batatas dem.
Cha verde idem.
Cha preto idem.
Dito hysson idem. -
Ceblas, cento.
Carne secca, kilogramo o.
Farnha de mandioca, litro.
Fumo do Rio, kilogrammo.
Feijao mujatnho, litro.
*^~-" -- -,
ramTO, mwOO *.
Manteiga franceza, kilogrammo.
Peixe fresco idem.
Sabao idem.
Sal, litro.
Velas de carnauba, kilogrammo.
Ditas tearias idem.
Vinagre, litro.
Vinho tinto dem.
Dte braneo dem.
Toucnho, kilogrammo.
Os concurrentes apreseotarao suas propoetas
em cartas fechadas, as quaes devero ter a ordem
establecida ao presente annuneio.
Secretaria da Santa Casa de Misericordia do
Recife, 2 de abrH de 1870.
O escrivio,
Pedro RodriQues de Sonta.
Pela recebedoria de rendas internas se faz
publico que neste correte mez e no de abril
prximo futuro, que os coniribnintes do imposto
sobre industrias e proflssoes teem de paga-lo, li-
vre de multa, e que Ando o referido praso ser
cobpado com a multa de 6 0|0.
Recebedoria da Pernambuco, 3 de marco de
1870.
O administrador,
Manoel Carneiro de Souza Lacerda.
Relacao das carias registradas procedentes do su
e norte do imperio, existentes na repartico do
crrelo, em 22, 29 e 31 de marco de 1870.
Arestides Jos de Leo (2), Antonio Domingos
Pinto, Abreu Caminha Tavares da Silva, Alcoforado
& Irmo, Adeiao Luiz Pereira da Silva, Augusto
Gomes Netto, Arlindo Francisco Nogueira, Bario
do Lvramento, Candido Jos da Silva Liberal, Do
mingos Alfonso Forrara, Domingos Antunes Villa-
ca, Eulhymio Poreira de Albuquerque, Francisco
Lucas de Sonta Rangel, Francisco Carneiro Ma-
chado Ros, Flix Antonio Pinto Serodio, lonocen-
cio Paes Mendonca, Joaquim Jos Godinho Jnior,
Jos Rodrigues de Souza, Jos Leandro de Almei-
da Dantas, Joto Miguel Bastos Ramos, Jos Ayros
do Nascimento ou Mendo de S Brrelo Sampaio,
Jos Vieente de Lima, Jos Clementino H. da Si -
va. Jo-e Domingues do Carmo Silva. Joao Vi inna
de Mello, Joo Gabriel Baptista, Joito Feroandes
Cavalcanti de Albuquerque, Luiz Ferreira N. Pa-
lmea, Leandro Francisco Nogneira, Luiz Ferreira
Maciel Pinhciro, Leopoldo B. Galvao Ucha, Ma-
noel Jos Mereira, Manoel Alves Ferreira A C,
Manoel Francisco de Mallos, Manoel Joaquim Sil
veira,Pedro MartvrMaury, Viccncia Alexandriaa
Pereira Dutra, Tobas Barrete de Menezes. Xsto
de Paula Baha.
O encarregado do registro,
Manoel d is Passos Mirana.
O inspector uterino da alCandega faz pubhce
jue no dia 8 do correle, depois do meio dia, e a
roqiiertmeoto de Mills Lalham & C, ser levado
basta publica, liara de direitos ao arrematante, na
porta desta reuarlicao, um fardo da marca IL n.
3T6, vindo de Liverpool no vapor inglez Satmire,
entrado em 28 do mez prximo passado, ciiendo
100 pecas de roadapolo at 13 fus de urdidora,
eom avaria de agua do mar. com o peso real de
145 kilogrammo*, no valor de 132.592(1.
Allandega do Pernambuco 6 de abril de 1870.
O inspector interino,
j Luiz de Carvalho Paes de Andrade
O Dr. Abilio Jos Ta vares da Silva, juiz privativo
dos fetos da fazenda nacional.
Faco saber aos que este virem, que a requer-
ment do tenente-coronel Justino Pereira de Fa-
ria e Bario do Livramento, se vender em praea
publica deste juizo no dia 5 de maio futuro, o di-
reilo creditorio no valor de 10:787^116 res, que
tem Joaquim Jos de Miranda no sobrado de 3 an-
dares e loja na ra do Livramento n. 20, do ca-
sal do Aado Joaquim Leocadio de Oliveira Gui-
mares, onde fez penhora o dito Miranda, e que
ora foi penhorado pelos ditos tenente-coronel e
Bario para pagamento do resto da execucao da
fazenda nacional conira o mencionado Miranda, e
pago por aqueltes como fiadores; o qual direto
foi avahado por 7:230*000 res.
E para que chegue ao conhecimento de todos,
mandei passar o presente, que ser publicado pela
imorensa e afJBxado nos lugares do cos'ume.
Dadoe passado nesta cidade do Recite, aos 26 de
marco de 1870.
En Luiz Francisco Barrete de Almeida, escri-
vo subscrevi.
Abilio Jos Taares.
DECLARACOES.
H
tala Filial do Baura alo Branil
en Peruana'>nco. en l'qnida-
co. SO de nraco de 1890.
A Caixa Filial do ilaoco do Braril, tendo
de proceder >aa lipuidaco, vende por com-
modo-preco o sobrado sito a ra Imperial
n. 6, com grandes e cxcellentes acomo-
tlaroes, assim como vende a casa terrea
contigua, o. 66, a tratar na mesma caixa a
ra do Gommercio n. 34,
Inmeriele e regio cbnsulato
'Austria engbeiia, in
Peraambuco.
Con decreto dd.a 14 Dieembre 18(> veone ordi-
nata un'anagrafe dei sudditi Austro-Uagariohi si
tro vano ali'estero.
OBB
COMMEROp.
* rtA^A DO hfiCIFE G DE ABRIL.
DE 1870.
aa 3 1/2 HOHAS UA TARDR
'Cambio totora ,ondres90 d|v. 2i ;joncallo Jos Afonso,
Presidenta.
doctHoautl oomprovanti.
La ncriiione ha luego libera d"ogni spesa, ed
aicura agli interessati I diritte di aazionaliui
presso II. e fl. llfflei Consol a ri nel Brasile.
. Imperiate e Regio Gonsolato d'Austria-ngaria.
in Pereamhoeo, t Mano IMO.
t'L e R. Conaole,
Barone do J.ivramenio.
Santa Casa la ffiseHeordia
do Recife.
Oiuhelio a vlMta.
A Uuua. junta administrativa da sarda cana de
misericordia do Recife no intuito de alargar o dj-
culo du pessoa* quo concorrom a arramatacao
Julo do gneros que tem de coosuaiir
? SANTA X:*SA DA .MISERICORDIA DO
RECIFE.
A lllm.a. junta administrativa da Santa Casa de
Misericordia do Itecife manda fazer publico que
na sala de suas sessoes, no da 7 de abrii, pelas
4 horas da tarde, tem de >er arrematadas a quem
mais vautagoin olTtrewr, pelo lempo de uro a tres
annos, as rendas dos predios em seguida declara-
dos :
ESTABELECIMEMTO DE CARIDADE.
itua da Alegra.
Casa terrea n. 7, por anno. 360*000
Ba de Mathias Ferreira tOlnda)
Casa terrea n. 14.......96*000
Ra da Viraco.
Casa terrea n. 7.......1924000
Ra do Padre Florianc.
Casa terrea n, 4-1......i7l000
dem idem n, 65.......247*000
Ra de Hortas.
Loja do sorivido n. 41.....lfOOO
PATRIMG.N'IO DOS ORPHAOS.
Ra do Vigaro.
Primeiro andar do sobrado n. 27 OdOO
Ra do Rangel.
Casa terrea n. 08....... 160000
Ra do Pilar.
Casa terrea n. 102. .... 8 202ITO00
Ra da Lapa.
Casa terrea n. 2.......240JOOO
Os preteudentes deverao apresentar 110 acto da
arrematacao das suas (angas ou oomparecercm
acompanhados dos respectivos fiadores.
Secrataria da Santa Casa da Misericordia do Re-
cife, 6 de abril de 1870.
O escrivio,
______________Pedro Rodrigues de Soasa,
Santa casa da misericordia
do Recife
A lllma. junta administrativa da santa asa de
misericordia do Recife, na sala de suas sessdes,
as 3 horas da tarde do dia 7 de abril contina
a receber propostas para a arrematacao da ronda
do arma?. >m reedificado ra Direita n. 33, per-
teneente aos estabeleeimentos de caridade, ?-?rvin-
do de base o preco de 000* ananaes, dando-se
preferencia quolie que, alem desta, outras vanta-
gens oflerecer.
Secretara da santa casa de misericordia do
Recife 6 de abril de 1870.
O escrivio,
Pedro Rodrigaesde Souza.
AVISOS MARTIMOS.
mam mam
DE
Paquetes a vapor.
Dos portes do sul esperado
ate o dia 7 do crrente o vapor
Crnzeiiv do Sul, eornmaodairle J
P. Guedes Alcoforado, o qual
depois da dem ira do costume se-
guir para os portee do norte.
Desde j recebero-se passageiros e engaja-se a
carga que o vapor poder coaduiir, a qual devera
ser embarcada no dia de sua chegada. Encommen
das e dinheiro a frote at as 2 boras do dia da sua
sahna.
Nao se recebein como encommendas sena o ob
lectes de pequeo valor e que nao excedan) a dnat
arrobas de peso ou 8 palmos cbicos de medioo
ludo que passar destes limites devera ser embar
a Jo como carga.
Previne-so aos senhores passageires qun taas
passagens s se receban na agencia, roa da Cruz
n. 47, Io andar, escriptono de Antonio Lua de
Oliveira Azevedo de C
COITANHa^MNAJn^aNA
arel lo eoatetra p*r
Parahyba, NstaK.Hiio, lotwor,
caty, Goari, Mandah, Acarac e
Grioja.
TapoT Pira
no II 13a anrrento as I
mondas, e passtgeft-qt-e dlnaniro a freto at a*
2 horas da tarde dd O da aala no fuerian
rio-do Forte do Maltas n, II
COJIPAMnfflil
DAS
lessageries impfriarfes.
At o da 13 do eorrente mez espera-se da Ka-
ropa o vapor francez Amazone, o demora do costume seguir para Buenoi-Avm
tocanco na Babia, Rio de Janeiro e Montenaco.
Para condicoes, fretes e passagens trata-se na>
agencia ra do Commercio n. 9.
Al o da 14 de eorrente mez espera-so dos
portes do sul o vapor francer Girvnat, eonuaan-
dante de Bomer, o qual depois da demora db
turne seguir para Bordaos tocando en*
(Gore) e Lisboa.
Para condicoes, fretes e passagens traav-sc a*
agencia ra do Commercio n. 9.
RI de jiataefra
Esperase a todo o momento o brigue nacio-
nal Isabel, ca pitad Jos Marques Tantta, e segu
r logo para o porte cima por ter a maior par.
"1 roe atan (ra-
da carga engajada, para o resto qu
ta-se con os consignatarios Antonio Luir
veira Azevedo & C. ra da Cruz n. 57.
de OH
COMPAffflIA
Paquetes a vapor.
BMSILEIiV
DE
Dos portes do norte
at'; odia "i do correte o vana
Tocantins, eommandante J. u. 9.
Franco, o qual depois da anaav
ra do costume seguir para a
gira para os portes do sal.
Desde j recebem-se passageiros a enaajana a
jarga que o vapor poder eondnzir, a qual daara
ser embarcada no dia de sua chegada. Enconaaaan
das e dinheiro afrete at as duas horas i aada
Nao se recebem como encommendas sanan ma-
lelos de pequeuo valor e que nao excedan a 5
arrobas de peso ou 8 palmos cbicos 4a anaaV
cao.
Tudo que passar destes limite den* oar
embarcado como carga.
Previne-se aos Srs. passageiros qne sos aaaan
Ps so se recebem na agencia ra da Gnu a. ST
indar, escriptorio de Antonio Lua da am*.
Azevedo A C.
COMPANHIA PKRNAMBIICANA
DE
Navegando costeir por vapor.
Macei em direitura e Penedo.
0 vapor Mandah, eommandante Julio, aafnira
para os portes cima no dia 8 do corrala aa A
horas da tarde. Recobo carga at o dia 7, en-
commendas, passageiros c dinheiro a frea at a
2 horas da tarde do da da sabida, escrinlorW>
no Forte do Mallos n. 12.
Na'aahi~
Segu com br^vidade para o porto acia o a
Ihahoto Joven Arthur, p ira o resto da carga aja
ihe falta tratase com os con>ignatario* atoa
Luiz de Oliveira Axev&io A C. roa da Cmt a .~
PORTO POR SBOi
Seguir em poneos dias a barca peatnanrr*
fiooa Sympatkia de 1- clase e marcha por ja m
prompto quasi toda sua carga : para a tonca aja
Ihe falta, assim como para passagairo* aas nos*-
offerece ricos e excelentes commodos, nal n
com Rallar, Oliveira A C, a ra do fgano a. 4.
primeiro andar.
A
Lisboa e Porto
A barca Flor de S. Srnao sane impretatianiijm
le para os pono* cima at o din ti de ata a-
rente : para o resto da carga e passageun, im*a-
se com os consignatarios Carvalho A Xognetm, ..
ra do Apollo n. 20.
LEILOES.
Continuaqao do lcilao de
poccelatias, finos cryatae
ricos ohjectos de electro
pate.
.HOJE
Quinta-reir- 7 de abril as 10 boras
poni.
O agente Pinto levar a lelao por roan a ar-
den dos Srs. A. Millicl Filho AC do Um da Ja-
neiro, um variado e complelu soUmmemt
tigos cima mencionados, existnah ao-
eslabelecimento da ra da Imperaaiz a.
andar, os quaes nao poiloram ser ai
leilao do dia 2 do correato por falu da
por seren mutos os lotes.
Para qne possam ser vendidos tedas aa
do gesto n aqueile da. vra preciso
referido leilao as 10 horas aaa p
arrematante apena* '1 horas para
lotes, visto serem taes arbgos vend dm
quidacao da casa aqut esiabeteeida hi
mezes.
J-
SRi
ir
-
aara -
coc.-
de fazeudas geraet
A 7 do correte.
CfUeory Wllmer (ara leilao pan
agente Oliveira, do mais complete
fazendas de tedas a* qasiidadea.
Qotn(<-f ira
as 10 heras da manlia em sen
Cruz do Recife.
Grande exposiqao ib
Um rico apparelho para can. I
handeijas, canieae. *aHnsv
facas eetheres, inda da atacan
Appararaoe de Una porcataaa pata
guaroicoes para loileu, garraaav
ceiapetairas, (TiMCtraa. lad m l


Por iotarveoeio da apeala Han aa
sobrado da roa da hiiperatrix n nT.
da
COMPANHIA PERiNAMBUCANA
DE *
ViTegaco eostelra p>r vapor.
Porto de Gallina, Bio Foroioso e
Tamanilar.
0 vapor ParaAyoa, seguir para os porlos ci-
ma no dia 10 do correte 4 meia noite. Receb
carga, encornmendas,Masanairos o dinheiro a re-
te no eseriptorio do Forte de Matto n. 12.
COMPANHIA PERNAMBUCANA
ajanegaco contefra por vapor
Mamanguape.
O vapor GurHiipe, eommandante
Julio, seguir para o porto ac mano
_ dia 12 do eorrente a 0' ora da
tarde. Recebo earga, eneommendaa,
r se dinheiro a froto at s 3 horas
do d a da sabida cscrmtorio Ferto
n. 12.
passaget-
a larda
da Mates
Maranho.
Para o referido porto segu om poneos. dias o
hiato otila por ter a maior parte da carga angaoi
jada; o pira o resto que Ihe falta tratare- qgm
os ostabelecimentes pos seu cargo nos metes de I consignatario Joaquim Je-s Gonealves. ReUrao
abril a junho, manda fazer pblico qne o mesmo l rua^> Commercio n. 17.
LEILAO
De duas grandes n sas de
mages, i sotas de amareilo, t I
ras de tona.
Hoie.
Quima feira 7 de abril a i hora da 1
Por iQterveacao do ai te PnaWv ra
peratriz n. 47. mde hovera
de tenca, vidros, crTstaea, a <
plata tudo por liquM
Be lataaccoa
19 (Mi fV *
etn fcrtla:
Sflatrfcira 8 4o
0 agente Patlana far iaifio par
do quem perteacer de 1C saceos ._.
quaos terao vendidot seiu-aira i dn
U horas da manlia no irapicae do'J
\Tam^nlo Forte do Matos.

*


ji, )' ----------
a-sii do
e tMa. afcrad<> de
. >.
O afale Puntual comnei aaterisado
Mfder era leila o sobrado 4a i atipes e so
*, ftiiotal, cacimba etc., sito ra do ftangel d.
j\ 9dtflcack* ea wto proario.
Saobado 9. do.orjiote.
Wo f anda do labrad p, fij, > rua 4a Opa*.
do correnle o eaeravo Francis-
90 annos, eotri os signaes se-
inhw, ratla descarnda,
as, intitala-ss se livre,
~ alpaca de car, cha,
}a s. protesta centsa a pe-
ultado .ega-s-o aoi saohores
qil<) iTlfam roa Jlireita
huras da ,s> 4ae er5 generosamente gratiOcaoos, assio
< wfcd*fttwHdha. _________
O proprieiarto to enettrtcado de Oiinda
previne ana films. Srs. assigeame o passagoifos
que do dia do cerreute en* diaale deiur da
10T < ambas s 6 hars da larde.
r-.
Ht Ires i^rteg dosQbrdo.ds.i .ari
s)tt) da ra da Bankaana P^Mj qu*i
parles correspondiM wnuffJtietai^
cuacado a^.* #r,>pr#pft.
Terra-feira 13 ie abril as 11 Hora-
l'ijr iiUerrepco do agento Pinto, em sen escrip-
ario ruada Crin o. 3-
flSOS DIVERSOS.
Alaga-so o) compra-se ue esfiravo com
yalirsi Jj serpeo domestico ana mona de 15 a 20
ns de dad. : ta- ra de s Francisco n. 71.
Ama.
*r
,df ufia fwrhet .piarso vcarruv^
% csjsa e m lumen uiita con
har i c fj#ej wloai na sariga ai
ruada Crazos u. ., gando n
AMA
Procifi-se para comprar e eozinhsr para tres
4e>3stas : a ra da t'adeia n, 4o, toja.'__________
frca-se du rlquisslmas imagens vindas
* tisete, e vende-so dua; raactiiins dos melho-
ce? autores, tendo quetn easino a cozer, com to-
das os-ferros e por preco mail em sonta, na mes-
-na casa cezc-se rostidos para casaniontosds.nl-
liasa moda e particulares ; tamhem se vende nm
caar:-. vindo do serto para Ciirar melestia do
.jierto o haoba de criar cabellos : a rua do Corre-
sor (i abaixo assignndo, por oceasio de ter sido
4iesv(Yida a sociedad. commer?ial, que gyrava
di a tana J.iqum Antonio Pereira c Sobrinho
no anuazein de kuioa n. 2S, sito i rua larga do
asarto, fa publico que nada dove a pes?oa al-
^m^, hit ijoaliiupr proveniencia que seja, se,
florrn. alguem se julgar sen .'redor, tenha a bon
dad? de apresentai o seu titulo na conta ao aani
\r sigwado, qu ser iiamel^aatajiie na^o \w;
o q: poda sor procurad nu niesui > arwazem ou
priiwirB andar do -^obrado n. z^ sito a rua da-
r.rwvs.
H*nl da i*70.
ManoH JoaqptfiH, ftrjtra.
Precisarle de uma ama para co/.inliar, ua
taa da rioreniiua u. O.
Torquato Augusto de Qliveira, natural de
Pertigal, (vi^da Wftjeira) eRsjdente na Baha,
precisa sabar n<.tieias de sea irmo Rogerio
Angosto de OJiv.jjra, que IKe coasta rjaside
na provincia de Pernambuao : no pateo da S. Pe.
dro n. 17, sobrado, de i andar, exute ama carta
qoe Ihe dever tatoressar.
---------------------1T-.------;">'------rn-----------------1
Ama elejte.
Precisa-sa.da w*: tfaur aa fna do Auwf/ai
ti*J___.________, ,. ,
0 abaixp a>sij especialmente ao oreo do oomuiercio, que teai
Juito a conlratado.com os Srs. Azovadot Mello
npfBsfelfiDa | la na roa da Guia n. 36, li
tre s (tspfflistead}. Se alguem se julgar com
direito Amosma qu.eira apresentar.-se no prazo de.
tresdias, contaie^dA'dat de^se : porqnanto Ando
p rafeada jp-azo nao ser mais attendido, em vista
4o presente annuncio.
necife de Pernambaeo, S de abril de 1870.

letuino Cameiro da Cunha.
Atttiiciio
, No pateo dp ter^o n. 31. |o(a, coze-se com as-
seio pi'omplidao todas as costaras pertencentes a
senhora majs em conta do que era outra qualqucr
parie.
Pee>-M aa t, ftipL-isca )v'Taj e m qsjei-
f&*H*tJ f*'S! Biza
a fova a. 30.
Ama
Precisase de uma amS de leite
na rua Velha

Na traversa d J
cisa so da a w aae a^tiphe.
Cosinhetm.
Precisa se d| ana bow eotinhei
a tratar na rof do AioHo f^
as 10 horas da raa|bja a das vi
da r U> prc
paga-se bem:
andar, das 0
di tarde em
d N. S. Ua ?da-
d sni -l#dd-
Pero presente slraeinidadea seabore es*
tres de carpjua e pedreiros que quizerem con-
tratar, as obra de dous altares, arcos e forro da
igreja da Soledade, a aprentarem saas pro-
postas em eart* techad, em mtza de qainta-feira
7 do corronte; podenjf) para feto consultar as
plantas que se aakan na saarestia da mesma
igreja. ^MdJH
I
Bujs-(* un mude obrado por acaba/, tra-1
*em assaalbo, com pona de nmaniw,
para qualqner otki-ia, sito no Coelho*
e ao ftospttal PJro H tratar a roa 4
Sfo oftran, 13; ramae serve para nao-.
radia
MI M SaTHWBl
A^SO
Tiitoraria Franceza
rrriLin
Veeisa se de um caixeiro de 18 a 20 annos,
que tenha pralica de taberna : no pateo da Santa
Craz n. 2.,
Precisarse de uma ama escrava que saiba
cozhaj e la'ar bem : na rxia da Cadeia de Re-
cie n. 51, 1 andar.
Aviso
Antonio Jos Ferreira AJves depedio o seu.
criado e cobrador Candido Jos da ounh% no dia
1 do corrate, e Ikou o lugar o Sr. Braz Feruan-
des de Feij. sub lito hcsnannul. ___________
Alua-se um mulato coptiro, urna escrava
para o serViro domestico, e nm moleque de H an-
nos : na rua' da Imperatriz n. 34, 2* andxr.
Precisase de nm caixeiro ijne tenha pratica
de taberna, na rua da Aurora n. 56 : a tratar na
mesilla.
Pivcisa-se ilti urna ama pira comprar e co-
nt,;.- : no pateo do Terco n. C3, nadara.
1 -- iidd e do Seiikor Bom
.1 ms 4as PorfciS na gTe-
.d.iM-dredeeus.
1 > irdm do iiii-o digm irmao provedor e em
orne (a mesa ad'ninistratix'a, convido aos nossos
uharis^mos irmo- para que so dignem de compa-
reeer nosta igreja, sexta-foiva 8 do correte, pelas
daas boraa da tarde, slim de oncorporados acom-
,ii:il;.in;j a procissao do Triumpho dos Passos
de Sciihor que tcm ele saltir da igreja da Vooe-
ra.T,l Oseta Tereeira Carmelitana, para a qual
a dignon convidar-nos a respectiva Ordera.
itarii em 6 de abril de 1870.
O secretario.
AUxtndre Amerito iU: Calilas Padilhn.
3aa:ila!c do S>Jv3ao Espirito
*v;iiid. % Igreja do colleglo.
i): i*rilam 11 ri'ws) innio'juiz, convido a tolos 03
IM .-> '. iraSos, a comparcccrem sexta-feira 8, pe-
1as"3 liiras datarde, para encorparados. acompa-
asremos a procissSode triumplio, que az a ve-
ticn. v! qrdem tereeira de Nossa Seahura duCar-
tfiO,
O escrivii
Lit Ama
' Precisa-se do ama ama que aaiba cozinhar :
na rua nava de Saiiu Rita n. 51, serrara a vnpor.
Josfl Dativo do? Passos Baetoii faz slente ao
rospeiiave) corpo do cominereto que tem jnsto 8
contratado com o Sr. Aatimio Victorino da Rocha
sua taberna sita a rua daSer.zala nova n. 6; quem
julgar-se ewJor de dita taberna dirija-se no praso
de ti es das a rua do lirmn n. 61, ou rua da
Seuzala-nova p> ii ; liado os qitaes nao a(tende:
se reclamac3) alguma.
(Tensa ge de ua ama para adatar: na
rua do Caldeireiro o. 68.
celr- te>.wmm be-
nhoa'do Gurmodit
PROCISSAO DE TIHUMfHO.
Tendo a venera ve I orq/m ter-
caira da Noasa Senfaoia do Carato
desta cidade de apresentar vista
dos fleis a soleamissitBa procisslo
de Triunapho dos Passos do Senlior,
no dia 8 do correte mez (sexta-
feira) s 3 horas da larde, e dese-
cando a mesa regedora que este
acto seia revestido de toda a pompa
o inagoiticciicia, manda convidar
lodos es'chariMiwo* irtnios, para
qne, paramentados com seos hbi-
tos, comparecafB na igreja da nossa
ordem no referkfe ra, s e meia
horas da tarde, afim de encorpora-
dos acompanbarem a mencionada
procissao, cooperando por esta for-
ma para o sea maiur expleoder &
briHtsntiSBio.
Secretaria da yeneravel ordem
tereeira do Carmo, em 4 de abril
de 1870.
0 secrecario,
Jeronymi) da Costa Lima.

COMPANHIA
~ COZl.\HEIRA.
Precisase do nina ama sraente para cozinhar :
aa rua da Cadeia d" Rerife n. 57 oa 59.
Perguuta se iios encarirgados dos festejos
da raa da Cruz da fregueaia de itecite se fazem od
nao os festejos, se nao fazem eato digam o lira
que deratn ao dinlieiro.
Um que entro cm o cobre
Ja ira ves sa do C impeli n. 4,
offerecc uma mulher para ama
sabendo fozmhar.
i" andar, so
de oouca familia,
D. Francisca Mara de Jezus.tenhnra da pro-
priedade Duas Barr-.s'da fregoezia de Gimelieira,
fa s iente aos en?phytentos Gnilhermo Jorco da
iiotta e D. (iracinda da Motta, para que venham
oa mandem eutender-se sobra os foros vencidos,
no praso de 15 dias, p:r j te*em cabido e n co n-
rrisso os seas terrenos.
4DV0GACH
(. i.acharel Augusto Carlos Vaz de ("liveira
ti o > sen ercrirtorin rua do Imperador
n. f!", rimeiro andar.
Xarope peitorai
DE
IllBOiETITl
contra a phttsica
Usu deposito na phamacia do Piolo, rua
t jf.i (Jo Rosario n. 10, jonto ao quartel do,
enrpo de polica, (oulr'ora rua dos quar-
tm). _____i_________________________l
Precisa se de um criado para eenaras
jai; servico interno de ama casa : na roa do loj
tirador d. 73, S' andar._________________^_^
Manotl Barbosa Wi jeiro, subdito portucuei
'tr.-.-so para Portugal, deixando por pToearado-
es 8a *eus negocios nesta nMade aos Sw. Fran-
Bien GonciKesBastes e S e Miguel Joaqmm Car,
-lis ( rdoso.
l-re;isa-se de um boiieiro : na roa estrai
o husario n 2, i' andar, das 10 luirs da
Mi s ?, da tirfle,ac1irom quem tratar.
s
Amassador.
Pri"'iia-se de nm amassador : naxtiA dos
^i,50.
Piras
AT-TEHCAO
Avisa-se aos prelendentes que do dia
7 de abril correnle ( quinta feira proxi- I
mai vq ser veofidas em praca, (erante Sg
c l>r. juiz da orphaos, na sala publica ,_
das audiencias, do meio dia a urna hora 9
da tarde, excelentes terrenos deixados M
pelo finado Henrique Jorge, tanto nesta 5
cidade raa do Bartholomeu e caes da jal
t-i^nrat-, como no arrebakle d-> Moiitei- |
ro. segundo os editaos publicados ne-le
Diur e no Jornal do lleaf?, saccessiva
mente desde o dia 31 do mez prximo
passado.
Ama
DOS
TSILHOS DBBMOS
DO
JtECIFE A* OIiUVIIA.
Por ordem ea directora sao convidados
os Si. Mcioni8t8 10 dias
uteis, contados do dia 29 do correnle. a
terminar oa 8 de abril, effecttiarem a 8.a
[irestato desuas ac^es aimo de 40 0/0
Pava esse (im sera encobado o Sr. tbe-
soureiro, das -i I horas ta manha s 2 da
tarde de todos os dias, no escriptorio da
companhia roa Nova ti. 1 andar, entra-
da pola ida das Mores n. Aa>
Ueoife 2G de man;* de 1870.
Joao Joaqun Alves,
Ia seu-eiaj-io.
a-Haj 4a twPrrrli -**J
o proprieurio desfe eetabeleclraeDte
Bravine as Ressoas quo di'poBitarara
n elle algons objectp* antes do arimeirro
de Janeiro do anno correte, qde o vao
boM r^pmer i vcente ao nmoda
ora metAtafa da presente nuMi-a-
cao, do contraii|eMaWf tos objectos
considerados t^nadmiAiNados para pa-
Sgamenifl-dq nrgballK,, | eu danos wl
lera.-, direito nenaara ejH.reclaina-los era
m lempo ateom.
Anjit.
* faaa da Weaaaiieaata n, l e 3, preeiM
se oe una ama para cgommar.
A QfV Com esta deqSmriniijo dipfaraova loja do Pus-:
so pelo ultimo'paqaete o inais'rwos chapeos de
aaiolia preiaf tra aifeitei de cres a|tcti> oa-
le o mais moderno da farisr cheguem antes que
le acaben) : a roa do Cresjio h. 7 A- _______
Aos 3 .A casa fefa dd em> da Cuoaicao tomn a en- *
der nos sous multo feliz.! ltiituos da lotera- a.'
?35, em l)iaw(icio d^'s c*>as de doteocao, as surtes''
seguinles :
fMMQMPP
R'ESTl ARTIGA E CREDITAT
FAUICA
mmU II CMITlITIIIIfl III ctVLITI MI
ta^as aa->%M I
Da
Da toda
MV1
miJt DO CRESPO r 4
*
OFFRIMEMTOS DF.ST0MAGO. COMSTIPACAO-
n em poueu da prlo CRVA0 M acLLOC em fi u em pinitos.
ENXMUECAt; EVRALGIAS. tara _
apadas rp*iaiai,(t p*f pcnaus D-CTHcr SI'00.V
ANEMIA, A PAUIDEJ e ^tnraeniose.
enfreno dps femigiiiosai Je Mnpre combatidos cora BMllur K'dU*
petas PlLuiAi oe vU.CT. Cada Pilla Usm iocrando ntmefUlT.
P DE WG". Baca disolver um frss terttataa -ak
ffrta/* d'atu w w ol>tr uioa timoaada agradaTel qm purj w >
100*000
100^000
100*000
lO^OOO
VINHO PE QUWiUM -
poueos cuja coffposicao garantida conjunte, anu du
paratoi de quiiino, sein accio noUid totirt a* con va lacen tes, i
Ihrs larcas opressasda A volu a
Aba de leite
Precisa-so de uma ama de lelle sem
traiarna rua Diavian. S'tj padasia.
fllho:
i' aliaixo asrjnaj(l > teai i fcst
a venda $ sajoq|fl rejfo Awniercn n.
o
coar atado
t A
coi o Sr. Alfredo SGaf^rtf, i.g a quem sojol-
ircredurapreaEiit\r suata c o olas uo praso de|8
dias, a cantar, da data desie, para seren pagas ;
assim como roga otados qo Ihe estaodevendo a
virem pa^ar no inesnvi praso, visto o mesmo abai-
X0 asignaJo se retirar (iva -a Franca. Recife 1*
de ahrll (te 1870.
AMerio Arnout.
GOi a 700m
Uij-se 600 M7OO5O0O por uto sitm perto da
orara : na ruadeSaiilo Auutr.i, lalierna nova jan-
.ta MacftamlioMlia. "'' '
Precisa->e de um iwtWqun de lo a 41 annos
para servico ik* uma rellnicjk entregar caf a as-
sacar : na'ima Imperial n. 201.
dunas aatre antiga aat n-
aiatio ao tuUato d quinino.
MOLESTIAS OA BXlGA. A sier parle Smm m*m-
t.^t, u* as swatKas, lumbagos, atarrat, iedat es dAra mtamqt esa
c feral alo curadas putos perol oc esscncu bc TwecacsieiaM 4
Dr. Ceitan. 0 prolcssor Trousseau em sen Tratis ii ttitrtptwtic* aaea-
*ellja 5 para ECtem tonuda na occaaiio de jantar, na dea* *4 A II.
SLEO DE FIGAO DE BACALHAO DE BERTH.-
nido puro e de piimeira cpuKdade, ara des paocaa aprvrarin pea
Acadeu.ia de medicina.
AvlSO. Todvs estes medicamentos fortn aprovsdti peta
imperial de medicina de Parts.
U>-lanetr.
llfHi-.
Km arU.
Dcnr Tesdobmi.
H .>- t>.
DEPOSITO
t rutar, la, rata Ja
Hny.si i Pernimbuc. laraam I O.
Ctttrt.
Iubii e>

XAROPE
Prei-isaso alng.nr nm eserirwi de boa eou-
ducla paw o servii;n da urna i j-i do [azendas: na
roa dbv-respo .
90 A.
Aluga-sc ama cama nova de amare com 40
palmos de ciuswrido : na piuca da Independencia
o. tt.
--------------------------------------------------------i-------------------------------------------------------------------
VEGETAL AMERICANO
r>
tSALibMDL

MA.
i
TINTINARA fraxceza
55-Hua da Imperatriz-55
l'inge, lava, limpa, Inslra e aebamalo-
ta-se, com a roaier parfaicjpa, tazeodas em
pecas e em obras ue todas as quali JaOes;
como sejaia : seda,' iaa, algodao. linho,
chapeos do fekro e da palha etc. etc.
Tira-se noloas o limpa se a seocosem
moiar os teci4os, euasej-vando assim to-
do o brilho da fasenda.
Tintara preta as fercas e sextas let-
ras.
Pugio 4a e*s da r. le Santo Amsro a 22,
io dia 30 de maroo .<> corronte anno o prCo cr-
enlo de nome Joao, jdado de 30 anuos pnuco .mais
oU menos cornos si*naes spguhnfs : baixo, enrne
do corpo, pouca Darba, ryslo cem marcas de be-
xigs, um dedo de menos i:a mi dimita. Ro-
tarse pois M nutoridiides eompeteiites e particu-
lares, o obsequio de o aprehende lo e leva-lo a
raa do r.resno n. 5 que genero-amente se recom-
pensar.____________________
Precisa-se de ama ama para comprar e rost-
nhar e faxer o mais servico de casa, s para nm
homeni e meninos : na rua de Hurlas n. 120, ou
a rua do Vigario n. 33.
Os abaixo assignados, ofliciaes do corpo de
polica., pedem ao autor do annuncio publicado no
Diario de hontem, com relacao (aura official do
mesmo corpo) qne declare se o mencionado an-
nuncio entende-se com os .abaixo assigpados.
Quartel do corpo de potioia 6 de abril de 1870.
O major,
Antonio Feitosa de MeHo. -
Gamillo Augusto Ferreira da Silva;
Capilao da 6' companhia.
Miguel Nunes de Freilas,
Tenente-ajudante.
Antonio Jos de Bouza Silva,
Teuente-quartel- mestre.
Joo tliboiro Montarroyos,
^_________ Alferes.
Precisa-se alujar um escravo qae seja mogo
e sadio, paga 89 bem : a tratar na rua da Coocor-
dia n. 430.
Co-tureira*.
Na fabrica de chapeos da rua larga do Rosario
n. 24, 1 andar, precisa-se de costureiras.
Irinaadaiie d* aatiao aUspdrito
Mantaa ereeda a o tauveno de
S. l-'rastclsco ala cHa<|e lu Ro-
elfe
Autorisado pela mesa regedora convido a to-
dos os nossos charisaimos irmaos para que se dig-
nem comparecer sexta-feira 8 do correte, pelas
3 horas da tarde, no consistorio de nossa irmaada-
de, aflm de oncorporados acoinpanhannos a pro-
cissao de Triiinipuo que tem de sabir da ordem
tereeira de N. S. de Carme do Rer.fe, para cajo
acto lomos coavidado pela respectiva ordem.
Consisto'lo da irmandade do Divino Espirito
Santo de S. Fragcisco 5 de abril de 1870.
Claaiaio ideborque Cameiro L?al,
Secretario
Precisa-ce
na roa do Rangel n.'O de um caixeiro que tenha
pratica de taberna, dando pro vas de boa cond ca.
- Hanoel Fedro de Noronha relira se para
Portugal com sua senbota.-e dexa como procu-
rador encarregado de velar pelos destinos do sua
ea commrclal aos Srs. Antonio Francisco dos
Santoi, Jos Pinto Ribeiro e Manoel Pereira de
Carvalhb. Recife 4 de ?hril de 1870.
__-----p------------------------------
Convite.
Pelo presento convilam-ie aos senhores nego-
ciantes ejraojpodores da rua do Ltvramcnte para
comparecerem hoje 7 do correnle. as 4 oras da
tarde, no sobnajlo o,M d> mesma ra, alim de
tratar-se' dos festejos que. se deyem fazer pala fe-
liz tcrndn3c3o da^gherra.
l'recisa-se de urna aa para casa de pouca
lamilia : a tratar na rea do Agoas-verdes n, 22,
Io andar.
INSTANTNEOS
Travessa do C#rpo Santo n. 25
ARMAZlvM
Hua Nova n. 28, o^a Antonio
Pedo ie Souza Soarea. .
Bandeira, alachado & ('.. visam ao respeitave
publico que nos Lugares ae.ima encontrara no mes-
mo serapre grande qqantidad de ditos puijos, e
que se acham habilitados para vender por menos
qae eutro qaslqoer. por isso quo os reeehem di-
rectamente do fabricante N-rion, de Londres.
As vantagenstjue ofTer.'cem os pocos instant-
neos sao : primeiro, poderem ser cotlocados den-
tro de casa ou fra, com o trabaltio de uma a duas
horas; segundo; fornererem os mesraos agua pu-
ra e abundante, podendo seren removidos de nm
para,outro Ingar, quando assim convier.
OS ar.nunciantes s receb-rao a importancia dos
referidos picos depois decollocados, satistatendo
espoctativii do comprador.
Ihc, pois os otaos agrdeci
tAo horrifl aal. Coa a
sobscravo- da Vasca, aftact
- SnariM Dmrf.-U* C 14 *
BA Jt 1 H O L J *i LO & C
fara a cura certa dn tssKi Hlifu e reeeatts, ettarrisM snlmanar, ulhiua;
j Veakia. t em aanl eoafra teda n toftimealos 4u va reifinsirais.
DEPOSITO .IBAI
OTIOA m OJROOiaVIil,
34, ROA UMA 00 I0Z1U0,14
. i* PERNAMBUCO
A tbcrapaatiea das disarsas ntolestias do peito.desde
i pbarrngite ou mal da gargaota at a tuLerculaclo
inlmoiur,passando pelas diversas bronchites catairbaes
? o emphysema acaba da ser enrequecid ca Baia
"te mclicameoto, qne teaar a primeira orden entre
.odos at hoje eoobepidos. O jarope Vegetal Americano,
jarantindo paramen! vegetal, oto conten em ana
;omposi(Ao flm si tomo de opio, a sin someote soc-
ios de plantas indgenas, cojas propriedades beaefleas
u enra da molestias qae parteocem aos orgos de res-
airacio foram por nos observadas par longo tenpo,
:om ptimos resaltados oada vas nai ensecles; pelo
que nos jutgamo autorisado a compor o urope qua
sgora apreseotaaMa, e a olareee lo aos mdicos e ao
puWico, rVovaaes con os attastados abaixo o qne le-
amos dito, e contamos qne o conceito de qoe ji gosa
9 tarop Vegetal Americano crescera de da a dia,
-ieiiaado lam apda da ai todoa os pailones en voga.
Illm. Sr. Barthalomeo C, tarop Vegetal Ama-
.icaoo, preparad en sna cooceituadissima pbarmacia,
* nn til remedio para combater A terrivel aslhma.
Sofra en aqaaUa aoUstia ha qaatr meses, san anda
ir eonibatid oa ataques menes qoe tinba; este aluno
qae tire foi fortissino que ne prosloa por 8 dias, nsei,
poren a sen ntilagroso xarope, temando apenaa trae
loses, e at o presante oio fui de novo atacado. Pas
i reelabelacido por uta vez. Rendo-
,i*>
Ulna Srs Barislonss C.
mesaa da sonrimeato con nata Mas
extraordinario. expactoracA da
d, a parda letal das breas, aja
asa fagava coaiplilananaa, canaada da 1
tros remedios sea resaludo ti* a fetteaW* m> aaWa
Vracs. preparavaa tarot* Vaestsl
elle, gracas a Deas, ne ac rt*ua*fcci4
doia aaaaas, rabasta caaa aa nal tw
Elidi ae larca a esta dttaraua. aaa
ir o aso qae qaizeren. Sm can
nniloa respeitador a aliada.
Costra a 5laa. Recita 8
Atiesto qoe asei de tarap Vaamaal.
composicio do Srs BarlboUaae At C para aana aa>
forte deflat eme ne troaie i
fazia adteadar, ialanna^i a i
grande falta de raspiraci. a Sn
tabeleeido cam an a vidra *
qae Ibes protesta eterna i
eterna trat
asir da '1868. Jtfmm I
Eauo raconaacidaa.
'i
I
i
Candido Valeriano da Silva Freir
ADVGGADO.
escriptorio rua de iniperatlor o. i)!*,
das 10 horas as 3 da larde ; rost o acia
00 lar-io do Caiiio'n. 18.
Precisa-so de um caixeiro que tenha pratioa
de taberna : na rea do Sebo n,.o.
Amn.
Precisa-so de uma ama que saiba bem oazinlir
e comprar, forra ou escrava, para casa de fami-^
a tratar na loja d J rua Nova u. i I.
0PPRE3S0 SOFFOCQO
AVa remiaa ai'ribor do uouTO GLurTAH approvadas pela Acar!n>a iaanj
di' medicina de Pariz acalmam qtiasi sempre butantautamenle os ataque Ta
oppressao, solTocacao, assim como as dores de cabera n etuiq teja, t
cente na occasiilo em que appareeer o mal, o engolir-se tima ou duas pe
com nata puuca d'agoa. t com certeza o roedicamealo mais fat V teanar
o.-le genero de doenras.
Aa Peroltaa le terehaartatlan DO BOOfOa CMXUt* 0 iaTjare^'arfas dnanTaal
com grande exito-para a cora das nevralgiw, rhewrmrtismes sciacn
da bexiga, Estas seroja foram sempie cucoqiniendadas pox am i;rii3le i
de mdicos e especialmente pelo Doutor Trousseau, que iclici esAai
ment como o mais pfficaz. conveniente tomar de 4 at na ees*
'
pva?o da Academia imperial da a # ili mi* duvida
be* nreparaca afstes luadicaatento a da ana eficacia.
,*t* 1-mlUi-J.iNiiBo. btpim.viele; Chtwlei. Can twv>\-mm. fm-ti
ac-

HI da raa lar;
m Rosario.
A
n
! "ai
rtante wtabeleeimento no sen genero, tem sempre iun' tw&ae&to tonL ^stmkmm
^9 qne nenhiwyi (mtra asa pode vender. c: r-g-- ^m*t^L\\\\\\\\\\\\\m
-da qnalidade e do pre?o da pas cada am pter-**-ha mtkwtkter 4a wat* m^L\\\\\\\\^m
ser tudo de iel Compran ouro, pnrta e peras finjas wr fkTMtt maS&
^a"d aaAWwr.ililalT. ofli
irTisai. a^



iBt fe Htiin&nto (Itti^ feira ^lWiffiiS '& MflM

PmSSSM
i
MHHM
D, Mara Augena Pilguas Machado,
viuva do QuaJo Na* riso 1
".proceder lovealarift^

dundu-se. proceder inveutanu
c*rp.F1PW>*V 'da.seu mitido;.
tabclecido que fot com padana a ra
anta, Cru ja. G da, ir
avisa a tptm -
da casa como,
com seu trtuip lortradlf) fO praso
das da data
poder mais ser alteido no jalao do n
CA?,
Aos
sentando
rar s'eusdeSf
pagar eus osunos aenrroTlo
raso de 13 das, serio rcnstrau-
_ ze-lo pelos rueios judiciaes. Re-
Sie4deibril.de 1870.
raesuio pr
gidos a faz
Bilifitai do Rio renda
oficie Yleira &R(>dfigp#f.
looo.
roa do Cabng o. 1
fig=
ti i
Podo nn encarecidamente aos Srs. Domingos
TlTOrBigfi'r- fArUtida* Ptoa*a>Lavt
cauti de AlboptUnr tflrtE"'rt> que venliam
aja* ft.Vtfaio a. lfc, negoci que se precisa
uUiniar ___________ ..____.
Criado.
01>reeisase de um criado de boa conducta na
roa nova de Sania "Rita n. 59.
IM DE
]- Na praca d*. Independencia o. 33 se da di
ibeirosubre peahoros de ouro, puta pedra
praefceaa, teja qoal tor amiatia;e na mesn
asa se compra e vende objctos de ouro e prata.
t igualmente se faz toda e qualquer obra de en
jomroenda, e todo e qualquer concert tendent*
i mesma arte.
11GU5TAVE
BELLEREIRO M
51-Boa da Cadeia do Recife51
Chama a atiendo do seus innmeros fregaezes, e do respeitavd paMc
geral, para a seguate tabella dos precos de sua casa, os qtues sao jal* per
mais barato do que em outra qualquer parte:
Cabelleiras para senhoras a 250, Cadeias para relogio i 5f, #,
Este antigo estabelecimento", compfete-
te reformado de nove, est as condi-
de servir vantajosaraente os sens^fre-
ezes, visto que acha-se prvido com nm
plendido sortimento de obras de ouro e
,ta de lei, assim como brilliantes er ou*
pedras preciosas, cujos presos sao os
is mdicos que se pode encontrar. ;
As joias compradas nesta casa recebem-
em troca ou compram-se com pequeo
\ 5 RA DO CABUG N. 5
0 MARAVILHOSO REMEDIO DO
DE. CHAS. DE GEATH.
OLEO ELCTRICO
KING OF PAIN
o re da por
IMHl US INTERNO K EXTERNO.
Cura cholera e cholera morbus.
Diarrhea, Iluso"do sangoe, em um-dia. Dr n*8 costas" no Itos, em dez mi-
Dores de cabeca, e dores do ouvido em utos.
roa das Crnzes
n. 11.
O artista Gamiito acha-se estabeleeido na caca
cima, onde yode ser procurado iwsra todos os
roisteres de s*"-1
s
O bacharel Francifco Angust da Costa
mndou o ?en escriptoro da casa n. 69
para o de n. 3i na ra do operador,
onde ser encontrado das 9 horas da ma-
nhaa as 3 da tarde.
Nesta mesma casa se encontrar urna
pessoa que se propoe a fazer cobrancas,
e que se encarrega de quesfes no inte-
rior da provincia.
tres minutos.
Dor de denles, em um minuto.
Neuvralgia, em cinco minutos.
Desiocaces, em vinte minutos.
Gargantas indiadas, em dez minutos.
Clica e colvulsoes, em cinco minutos.
Rheumajisrao, em um dia.
Febre e febre intermitenie, em um dia.
Tosses perigosas e refriados em um dia.
Plueresia, em tira dia.
Surdez e astbnia.
Hemorrhoidas e bronebites,
Imflamacao nos. rins.
Dyspepsia, erysipelas.
Molestia do ligado.
Palpitaco de coraco.
Reserve sempre este remedio na sua familia
AS DOENCAS SE APRESENTAM, QUANDO MENOS SE ESPERAM.
OLEO ELCTRICO O Kng of Pain (O Rei da dor) aquieta e positivamente dis
^ip mais de dillerentes molestias e dores, e allvia mais os soffrimentos e produz um
mais perfeito equilibrio no systema humano, o que nao se pode effeitearno mesmo tem
po, com qualquer outro remedio medicinal.
Este nmito popular remedio est agora osando-se feralmente, pela raz5o que
s&ilhares de pessoas se tem curado gratis com o dito remedio pelo Dr. Gratb e outros
mais.
Este importante remedio nao se offerece para curar todas as doencas, porm
tao somente para aquellas estipuladas as nossas direcces.
Est operando nos principios da chimica e da eletricidade e por isso, esta
applhavel para o curamento e. para a restaurado da accao natural dos orgSos qne so-
B'rem da irregular circularlo dos fluxos dos principaes ervos. Oleo elctrico O ^King
o Pain opera directamente nos absorventes, fazendo desaparecer as incbacSes das
glndulas etc. em um tempo incrivel, breve sem perigo do seo uso debaixo de qualquer
circumstanoia.
O remedio urna medecina para o uso externo e interno, composto dos ele-
mentos curativos, raizes, bervas e cascas, taes como se tem usado dos nossos antepas-
ados, e das quaes tem grandes existencias no mundo, para curar todas as molestias
oloenle sjhixido-se quaes ellas sao.
Fui um grande e especial desejo da faculdade de medicina durante muitos an-
nos de experiencia para aprender os melhores modos que se deviam adoptar para curar
as ff guintes doencas, eque propor^Ses de medicina se devia usar.
NICO DEPOSITO EM PERN&IHBUCO
NA PHARMACIA E DROGARA DE
Bartholomeu & C.
34Ra Larga do Rosario34 *
VESTIDOS PRETOS
Superiores cortea de gorgurlo de seda prela bordada*, o que ha de melbor e de
aiaior gosto em Pernambnco.
Bons grosdenaples pretos 4e seda, de 2JOOO a 7)5000 is. o covado, na loja das
mnas ra do Crespo o. 13, de Antjoio Correia de Vascellos.
Na Iravcssa da ra'
das tees n, % pri-
meiro andar, da-se di-
nhelro sobre penhores
de ouro, prata e brilhan-
tes, seja goal for a qnan-
tia. Na nicsma casa com-
pram-se os mesmos me-
taes e pedras.
AMA
Precisa-se do uma ama para, comprar e
nhar para duas pessoas : a tratar na ra
n. 52.
cozi
Nov,
2
Cabelleireiro
Ra da Cruz n. 21, Io andar, por cima da
botica.
AntonioRodriguas Ilamalho acaba de abrir
concorrencia publica nm espacoso c asseiad > salo
para barbear e cortar cabellos, e aflanca que nelle
eneontraro seus amigos, amigos fiegaezes, f em
geral todos os que quizerem frequenta-lo, agrado,
actividade e bom desempenho do trabalho.
'TOW': ?3
le ebegar petos ltimos vapores novas re-
do sguietes: i
Calcado francez.
K> seqhora.Botinas brancas, pretas, e de ou-
tras moitas dluerentes cores ultima
raeda.
Fara meninas.Botina das mesmas cores e qua-
/ lidadis cima.
Para homens.Botinas de cordavao. bezerro, ver-
niz, peJIica, o melhor sortimento que te
pode desejar.
Para menino?.Botinas das mesmas qualidades
mencionadas para homens.
Para homens.Botas rucianas, meias-botas e per-
neiras.
Tara toomens, senhoras e meninos.Snalos de
tapete, aveladadoa, charlte, caseoaira
preta, 11*09* de Lisboa etc. etc.
Para meninos e meninas. Abotinados fortes de
moitas qualidades.
Quinquilliarias
Pinos artigos de Paris, de gosto e phantaiia,
como sejam :
Leques para senhoras e meninas.
Luvas de pellica (do fabricante Jouvin.
Espelhos de diferentes tamanhos.
Perfumaras fluas da fabricante Coudray.
Caixiuha de costura com msicas.
Alliuns e caixilhos para retratos.
Pulceiras de ouro bom de lei.
Brincos e trancellns.
Correnles e chaves para relogios.
Botoes de punhos e de abertura.
Correnles e brincos de plaqu.
Boicinhas e cofres de seda e velludo.
Caivetes e thesourinhas finas.
Lunetas, oculos e grvalas.
Chicotes il balcia e de outros, sortimento.
Bengallas de cannaj baleia e junco.
Ponteiras de espuma para cigarros e charutos.
Uscovas para fato e para cabello.
Escovas para dentes e para unhas.
Pentes finos de marflm para tirar caspas.
Pentes de tai taruga para desembarazar.
Malas e boleas de viagens. -
Eslojos com navalhas [paraviagens.
Carleirinhas para notas. ..r _
Gaiolas de rame para pasaarinho?.
Abaurt-jo transparente para candieiros.
Oleados para mezas.
Molduras douradas e quadros.
Estampas de santos e cidades.
Bercos de vimes para criancas.
Cestinbas de vimes para braco de meninas.
C.axmlias de msicas e realejos.
Cosmoramas e Iantcrnas mgicas.
Esteriocopos com inieressantes vistas.
Objctos de mgicas e cordas de violao.
Jarros e flores de porcelana para santuarios.
Velas a gaz para (anternas de piaunos.
Accordions e concertinas.
Diversos jogos francezes e allemaes.
E nu'ras quinquilleras semelhantes.
Brinquedos pata crianpas
Carrinhos de 3 e de 4 rodas para passeic?, bo-
ecas de todos os gosto* e precos desde 160 rs.
a' 20000, e um sem numero de brinqucd.s de
diHerentes presos para intretimento.
Para evitar a massantc leitara de tantos artig03
expostos venda neste estabelecmento, o dono
pede ao publico em geral que se digne entrar de
passeio afim de verincarem nao s a grande va-
ridade como os precos baratsimos por serem
odos chegados de conia propria.
304, 354 e. *. 40,5000
Ditas parabomam a 35, 405e $00000
Coques a IH. 15& W, 200,
m, me.....
Crescentes a iM, 15*5,180,200,
250,' 300' e .
Cachos ou crespos a 30, 40, 50,
60, 70, W, 90 e. .
Tranca de 'cabello para annel a
500 e. ..... .
Traeca para braceletes a 100,
150, 200, 25 e
70, 80, 90, m o.
fca
Corte de cabello,
50000jCrte Bb cabello con friccio.
320000 Corte de cabello coa lavageai a
champoa......
Corto de cabello com limpexi da
cabeca pola mackiaa etecUi-
ca, uniea era Peraaaboco. .
Frisado ingllza oa i 1
Barba. ,
100000
10000
300000
IfOU
ASSIGNATURAS MENSAES
Especialidade de penteados para casamento
Bailes e solrca
e
O dono do estabelecimento previne s
Exmas. Sras. e aos cavalheiros que ha um
sallo para tintura dos ckBellos e barba, as-
sim como um [empregado smente occu;a-
do nesse servico.
Recommenda-M a saperior TINTURA AV
PONEZA para enegreeer os itltWm tan
ba, nica admittida na Kxpo(ie siverui
como nSo prejudicial saude, por wr x
lalil, analysada e approvada pebsjcay
mias de sciencia de PARS I
11111 11
Imperio do Brasil.
Grande exposiqiio na cidadede
Cordova,
REPBLICA ARGENTINA.
No dia 15 do outobro de 1870 ter lu-
gar a abertura da exposico nacional em
Cordova.
Prcvine-se. portante, a todos-os produc-
tores, agricultoes, fabricantes, artistas e a
todos aquelies que exercam qualquer indus
tria, que na dita exp sigao se recebera todf s
os productos da industria e agricultura
brasileira, assim como- todas as machinas e
utensilios que quizerem remelter.
Estes productos estao isentos dos direitos
da alfandega na Repblica Argentina e po-
derao ser dirigidos cidado do Rosario, de
onde serio tranportados pelo caminho de
ferro central.
Para mais explicares dirijam-se em Per-
nambuco, ra da Cruz n. 3, ao consulado
argentino.
Em casa de THEODORO CHRIST1
AJSEN, ra da Cruz o. IS, encontram-st
sfiectivamente todas as qualidades de vinh
Bordeox, Rourgogne e do Rheno.
O abaixo assiirnado avisa ao publico que tende
obtido licenca de Exm. Sr. ceoeelheiro inspector
da thesouram da tazenda geral, para vender es-
tampidas em se estabelecmento a rna do Crespo
n. 23. pelos mesmos precos que se vendem aa re-
cebedoria geral; assim, pois, podem as pessoas
residentes nesu^idade^e fra dHIa dingirem ao
abaixo assfgnado, ecas eflcommendas em qualqner
quantidade que sera promptamante satisffeitas.
______Menoel Martins Fuza.
IMame Theard, ra xNova n. 3, preeteTse
de costureiras.
ropeVe?ebl Americano Ypechidaricdi !farthok jo
34.RUA LARCA DS ROSTI..U.
preeonr iNoIAiIm m J^rediur
. MiMi m M* aJinU pelHDMsoKqa* M di|orMi(CcciU-
ctondtnot (ntiilos, 4 4cUm m la
fte que deltrt Mr
caeilrtordiMr, a|
t fot 10 MMdi BHMMUmlir
IrMM; grtjo po> a <
Ue
Aj llivl
com o oto Mnta d*
grito pois i wi fCMhado, nifeiu m
^^^iatCBU. O,. S,. Digo, v.
AdIob* Viegu
r
VeUl AmencMo. de iu coapoeict, quid* <
ebew Melinle doente de ame C0Dslipi. me
loraou completimeau renco e qu.troaie u fettt
lotee, e me mpoiiibilito 1 de cnuprir o* iMisleTtrM
Inuaeatof. Deiejerei que oatrot como eo raeorna
o *m um per* te reren ilTiadoi de tio terreej
MCMBMdo, Uo bUI Mirto paii. Coa lor con ido-
{HglWSKn:
o carOte Ahim, tuhH obeerref p.
l0:.* "'"o Joeqoim, aonor do metro
eo; ricuae d'etM Bt,|elk>. que U osito por onow
exeedesu Vmt idooo k..U reeistido Mmiaropof
do rtode noamit. Ojuina poii Vt. Se. Tullnir
preuto tlumeBU finoira de mea r-memau m
* .U* sroauria 00H o Uaa
BBBVaaBBBBBBBBBBBl BBBH
de*
USA DA rORTDSA
Aob 5:0001
Bilhetes garantidos.
A roa do Crespo a. 23 e casas do costume
O abano assijpudo, teado vendido alm de ou
tras sortee, no hkeiro 3260 coa 'JOOjOOO da
lotera qae aeabou de ettraair a beneficio d
igreja de Amaro das galio as (i42), convida
aos poaaudoree vire aceber na coatormi.
dade do costume sem descoll algnm
Acham-te a venda os feiiaes bilhetes taran-
tidos da i' parte da lotera beneficio da igreja
(Je Santo Amaro de Serinhaem (143"), que ae ei-
Irahlr terea-foira 12 do corrate mea.
Probos.
Bilhele 6*000
Meio 3/000
Quinto 11200 -^v mm
1' Em porco de 100/ para cima.
A Bilhete 3*500
Meio 2*7
Quinto 1/100
r______Manoel Martina Finta.
ESCRAVA.
Na ra da Cadai n. j, f recsa-se alugar
orna escrava que czinhe e engomme para
pouc* '
35RA ESTREITA DO ROSARIO3o
Fornece-se comidas para fora com asseio
e promptidao e manda se levar em suas
casas na ra estreita do Rosario n. 35, ca-
sa particular confronte a casa do oarbeiro.
Na mesma casa faz.-m-se flores para en-
feites de anjos para procisses, sipos de
flores, rosas, capacetes enfeitados, e todas
as llores de panno o papel, para ornamen-
to de igrejas e andores ludo por barato
preco, boqaets para noivas com litas bor-
dadas a ouro, bandejas de bollos nos com
armaco para casamentos e bailes, pudins,
p5o de l enleitado para presentes toda
a qualidade de doces de ovos tambera en-
feitados, vellas ricas para baplisados por
barato prco, bouquets de flores de cera
para c nfeites de bollos e para offertas.
CHA TON! PURGATIVO E DEPL'RAtlVO
DE
CHA9IBARD.
Composto das planta) as mais odorferas e as
mais virtuosas dos montes os mais elevados, o eh
toni-purgattro de Chambard, possue um gosto sa-
boroso e um aroma suavissmo, e as propriedades
as mais nota veis sobre os embaracos do estomago,
dos intestino? e du ligado o desobstruente por
excellencia na constipacao do ventre e nao tem
resguardo nenhuin.
Depurativo especial e directo da bilis e dos hu
mores, refresca o sangue depurando-0.
O uso do ch-Chimbard pode ser continuado
por muito tempo sem o menor recelo e sem m
commodo nem mudanza no modo de viver.
NICO DEPOSITO EM PERNAMBUCO
IfA
[PHARMACIA B DROGARA
M
Bartholomeu l C.
34RA LARGA CO ROSARIO34.
Ama.
Precisa-se de urna ama de leite : a tratar na
roa do Imperador n. 63, 2 andar, ou Passele Pu-
blico n. 60.
PHENIX PERNAMBBC\NA.
Compamhia de ttfurot martimos e tetrettres
Ra do Commereio n. 34.
CapUSl Rea 1,500:000/000
SeguraMovis.
Mercaduras.
Natos de valla.
YSpores.
Predios.
Ea vapores-at ris 100:000/000
Em navios de vella at rls 75:000*000
Em eada predio at reis 100:000/000
Pemamboeo, 7 de marco de 1870.
Pela companhia Pheaii ernambucana
J. J. Tasso.
No armazem da travessa do Corpo Santo 0. 25, ha sempre m csatpkls
sortimento de objctos para carros, e que se vendem por precos muito rasoaveiJ,
sejam:
Vaquetas de lustros, grandes e muito boas.
Solas dem dito.
Oleado preto e de cores.
Coeiras (he lustro o que ba de melbor.
Gnarnicoes de finolato para arreios, completos.
Lanternas e vellas para as mesmas
Eixos patentes para sebo.
Joaquim Lopes Machado & C.
A LOJA D )S ARGOS DE ALVARO AUGUSTO T)E AUIEIDA d C, roa do
Crespo n. 20 A, alm da grande variedade de fazendas de phantasia de que sempre se
acba provida, tem actualmente um completo sortimento de fazendas pretas, proprias para
os actos da quaresma, como sejam :
Ricos corles de seda preta de superior qualidade.
Gorgurao de seda pretos de diversas qualidades.
Girosdenaples pretos de dillerentes qualidades.
Sedas lanadas.
Basquinas de seda preta de modello inteiraraenle novos.
itas de guipure ricamente enfeitadas.
Pelerinas. *
Fichas e mantas de fil para a cabera.
Mantilbas brasileiras ou mantas de fil para cabeca, de modelo intensLiv.t
novo.
Eil de seda branco e preto.
Guipure branco e preto.
Cales a vicoriense modello inteiramente novo.
Chapelinas enfeitadas de preto.
Luvas de pellica preta para homens e senhoras, e outros muitos artiga .e
bons gostos e qualidades o que ludo se vender por precos rasoaveis
Tambem contina a ter um grande sortimento de tapetess, alcatifas e as r*r-
adeiras estea dirasjlparandia forrar salas.
HENRIQUE PFLAEGING
ESPECIAL AFINADOR DE PIANOS
recem ebegado do Rio offerece seus pre timos ao Illm. publico tanto na cidade eoao t 1
matlo ou nos engeahos, pode ser procurado no salo de pianos e de msicas sa na
va n. 08 lo andar.
BAZAR
13
- Ba da Imperatriz 13
L'lysses limaos proprietarios deste bem conhecido e acreditado estabeItciaKL..
tem a honra de participar ao Ilustrado corpo ACADMICO e aos seos dobWMm fre-
guezes, tanto desta praca, como de fra, que tendo sido elegantemente reforando t>
estabelecimento acba-se completamente sortido e em condieoes de bna servi-k im
seguintes artigos
CHARUTOS.
Superiores de Havana, Hamburgo, Babia
Rio ci Janeiro etc.
CIGARROS
de palha de S. Paulo, de 3*500 a 7500,
o milbeiro, Daniel do Rio Novo, Maurity.
Imperiaes, Tenenles do Diabo, Duque de
Casias, Gandoor etc.; de papel, de fumo
de Daniel, General Osorio, Conde d'Eu,
Rocambole, radicaes, Acadmicos, Macham-
bomba, Montevideo, Orientaos, Baependy e
muilas outras qualieades.
FUMOS
Afamados de Baependy em caixes de
20 libras 16400 rs. a libra, em pacoles
a 2*, de 20 para cima a 14800 em maior
porcSo 10500 o pacote de I libra, dito
em lates dequarta a 640 a 500 rs., e outras
muilas qualidades como sejam : Daniel do
Rio Novo, do Para, de S, Paolo, Caporal,
etc. etc. F
e agarres U
VARIEDADES
PONTEtnAs para charutos
todas as qualidades gostos e
Caxuibos de superior espuma, da audai-
ra (raz; de 3 al 65, a duzia a atrs
qualidades a retalbo. Ditos p4 pata
dos melhores que ha oeste sasrca a 3
e 30OO rs. a duzia, e cosa graade ateti-
mento em maior porcao, ditos da toaca,
gesso, barro, etc.
Bou;. ? de borraebt a coaro de diversos
gostos < precos, para guardar fasao.
C.vbti iras para cigarros de todos os aya-
temas.
PhosAioros de cera, esa caoaa de tod5
os tamaabos, de segurancaa baiao etc.
Papei
pintado,
Fernandb
milbo, de ai ros,
ce linbo etc. palha aa
a melhor poshel.
Alm dos artigos mencionidos encontrarlo noss os frajuezes ootroa
ero de nosso negocio, qne se vende em grosso e a
serao satisfactoriamente bem servidos: bem como
commendas de nessos cigarros de seda e linho, etc.
l-Ra da Im:
F. F. Borees,
J. H. Trodi
ade.
'obran^ de alugueis.
Ha quea se encarregue da a branca dos alia-
gaeis de redios desta cidade por mdica porcen-
tagem BelaMdo es servicos de solicitador nos ca-
sos de despejos judiciaes, podem procurar na ra
da Gloria n. 4 das 6 s 9 da manhaa.
Preci-sa de ama escrava que sai ba cozihar
a faier compraa e o mais lervioo de casa : na ra
da Cadeia do Recite d. 1.
TStor.
. iVi'^ji..,-
i lar na rol
iflf JMXa tratar de um
para morar, e
casado : a tra-
retalho e que
encarregasnos de
iz13
SaaVaaaafaaaafaViaVaV
Os abaixo assignados proprielarios ueste *""W"'**0'1-
continuam a vender muiti^Ofj^^lkn vil ta ao grande i
miudezas da melhor qualidade chamara a attem lo dos Srs- eosm
irea
10 Co, PfttiHantft realisado no da comof
T
_
i,
t
_


D^'de!'PetUbco Quinta'tetra 1 mM\\l A%h\m(i
Ra to Qaeiaiado7
DE
E7I
ziam
3 MUlii A BASTOS
v.ikChegoi4)614u!limo vapor, da Earopaomai? bailo wrtimeato
mcoo sejam: ., i
Grosienaples pretos de todas as larguras e qualidades.
Gorguro prelo para vestidos, o-que tem vindo de mais superior nesta fazendj.
Piqun da Cbina, de seda pura preto com listras de sctim o que ba de mais moderno
em Iteenda preta para vestidos.
Mantilhas brasileiras de renda de sed preta o que tem viaffe-.^e ma:s moderno a
este mercado. M
Meterniques de croch preto cora ricos lacos de setiia e do modetw completamonte
noy. |'l ; fki^l v
Gasacos sato fiebre o testido. / n
Ricas mantas p'retas para cabes* de senhoras^,
Um grande sortimento de fil preto'de seda oom flores, ueste mesmo estabeleci-
mento tambeni ha um grande sortimento de poupeti&as da ricos gastos, sedas lisas de
1 ndas cores, saias bordadas, finas para senhoras, lavas de Jouvin de todas as cures
para bornees e senhoras., grande sortimento de cortinados hordidS'para cama e janellas,
tape'es para sof, camas, pianos, janellas, e grande sortimento das afamadas csteiras
da India para forrar salas, s existe na roa do Queimado n. 7.
Loja do Triumpho. mJLi
i
m
2 l-r O
B (Soco*
V 3
3 ~ 5 D 3. g
o r s 2* o g
o b JLM .-
6:3 | ff I. |
aaoo u
SC-'O o x. 5 3
?e22
" n
M

C "- rt> -J o
3 65 _f
o-te
3 3
-> -. s
3
C
O o
P S. o
_, B.B 2? "9
>2 2.S5
*^S x a. 5
2 K
CD &9 _, C _,
re a." "
2.5? 3 8-
n as o
I
"3.
H

i
H
w
e
i
c
P
5
5



o
s
A
o
_-
rt-
33
ja-

s
0 COLLAR BE Ol
i
\:AIII i DO GAM'U i \ 3.
I
C3
O
o
er-
es
le?
O
Com este titulo acba-se aberto e inteiramente transformado ^ste antigo
estabelecimeuto de joias, onde os freguezes e amigos encontrarn todo qnanlo __
a moda e o bom gosto tem inventado na arte de ourivesnria, o Collar de uro *
observar delicadeza no trato e senciridade e modecidade nos pregos.
Espera que v respeilavel publico venha ver o que existe de melhor em
ader.;os de brilhantes, esmeraldas, robins e pcrolas, meios aderecos, pul-
eeiras, brincos, alm-us e anneis de todas as qualidades, prata de lei faquei-
ros, colheres, palilciros salvas e outros muitos objectos que seria enfadonho
mencionar.
C >:npra-se ouro, prata, brilhantes e pedras finas, pormaior preco do
te era ontra qualquer parle, treca-se e conceria-se, todo e qualquer objecto
pe lncente a esta ai te.
mi
'MMl
mn
BAGUE
LLECTRIQUE
ROYER
VERITABLES s

LECTI

/? ...TlFV BVJ

Of MrdadeitM OOIUKH KOTn, w maleo* approrado* peta
AcadmU de Medicina, tem attlai como os aaeos ootros producto*
ttrakido i cupidn do* faWacadores, que para facilitar loa criminon
iadaatria nao tepjaA, aem receia annnnciar reeder MsoiCoil
un iomi. El prerino u fimiliu para LiteresM de teui filao*
ic, para evitar bliificacoe*, derem exigir, que meut Ooxxamas Ibct
teja* Tinldo rm caixa* de tambu de eaealxe e corredi cobert**
par 4 ttiqaata* coa a ataba Barca de fabriea e encerrando na
pratfirt* irettauaeiada, e idlada* per anu amlilaa coa o lettrera.
C0LL1B ROTEB. Rm St-Iirtii, 225. Paria.
.....
MDALHA A EXPOSIQAO UNIVERSAL DE 1867
Para, a Superioridade d'a
Infentada por LE GR AND, PeriujaisU da Imperador dos FrUGUM.
PABIS. 07, Han Snlat-HoBor, OS. PAR*.
ORIZA. LAOT
OIIMJE ORIZA
DE NUiON DE UENCL08
Ptrt V frtiturt i ptUt, dtilruir u rvgti it cara,,
Mtaraar Htmtmmt* m MUeca da jutntvdt.
LEITK *KTi:PHEUCO
Ptrt r$frt$car, truni/uiar t aiuftr pelU, (ntni
impffirH*r ai nodi l i *r4al.
8ABA3 OnrZA.......D'ertna una eteeMivameate inare e (Tum perfome doi mait delicado*.
ORlZA-C;iEAa'*wme. Maasa caaeeHlraente preparada par o* Hait** e a sarfea.
OBIZ.l-Fl.nD........ Pomada rorli(icanteenulritiparcDrvara*cbeUoseaadilo(Je quebraaaaaA
ORlZ/iPHILOCME.. Tetuno de boi eOleo de arela coen bate de quina para < cabellos.
QBIZA-OH...........Olea buido perfumado para lunrar os cabellos c etnptxliloii de quebrarem.
OIUZ'.-BRILLANTITiE. CrlsUlIlsado conj vloleU. para dar brlllio o abeHos barba.
OWZA LOWf.tS.... Afla ioromparatel de am pcrfuinc *ua e delicado, pura forlificardo la pell*. i
CHIIZa-AUIUUNE.. Vinaare do loucador, aronu e antepUMro.
ESSfJrlCK-OBLZA..... Peraao coaceotrado para w lencos proejado mullo delii
OBIZ>,.LTS.......... Perfaae do bom toen e da alta, socledae para os lenco.
ORIZ -UMVKIS. .. rtaf j artpi da Carolina, para i cara c bellera da pHle.
ORIZi.-0BrJTm5:.. r%"ve5fo denles e nlerar aj (pejigava. : -.
eBiZi.-BIWrAlIW.,.. Jknlutx f*'ataejar,o denla* tea destruir o alte,
AGUATOMGA OE QUUi* EM3MADA DE BALSAMO DTAjNNtNO
hn Itaau uUriiai. k caite., .rt*avi. H ^%Jf *** ''t* ^ff W'S'kj ^
tDMiSm mM. na Caza di Qlifafi D ^Hl
S em Caza ie Udm Ptrfm**tta$ de Braz.
Sublime
sob o
B*>Bi
Braga
Acha-ae venda na loja da roa do Cres;
po n. 25tP,' esquina da do Queimado a
morosa Memoria do Bom
Braga, ornada
edii;5o, fera d\_
Irado lente da un
Exm. Srx_conseihtB|
Forjaz dv Sampaio W
noticia da extraordinaria "PGao
te em Portugal para com aquella
sissima Imagem, affluindo sempre para o
sea mageatoso templo em romana o nume-
roso pow de todas as partes dsse reino;
qaem soober avahar as brilhantes desenp-
c5es, e o bello estud dajraella cpnsomina-
do jurisconsulto e eiifio l^lyrari^wribgDaz
n2 deixar de procurar, quanto afts pro
ver-st de um ejemplar da dita memoria,
pelo diminuto preco de H, na loja indica'
(la, onde ha pequeo numero dellas.
Na mesma loja cima ha ontras estampa,
muito perfeitas e grandes do dito Senhor
Bom Jess de Braga, por preco commodo
Os abaixo afsignados daclaram a quem pos
sa interessar, que sao os aicos habilitados a li-
quidar as transacroes perieucentes a extiaeta lir-
ma de Mala Monliro a C.
Itecife, 5 de abril do 1870.
Joan Rm-
JoSo Fetmndes Jj>pa.
Manoel Joi da Stlva Mata.
Quem precisar de um moco habilitado para
ensinar as primeiras letras lora da capital: pro-
cure na na da Saudade, casa n. 1.
Faim-se capas, batinas, chamarras e capas
viatorhs : na ra do Rangel n. 58. Sendo o mes-
mo atraate que resida no Recite.
Jos Ta'ares Pinheiro, subdito de S. M. Fi-
delissima, vai a Kuropa, e durante sua ausencia
deixa por seus procuradores os S -s. Joaqnim da
Costa Pinto, Joaquim de Azeredo Cardial e Ma-
noel Jjs de Miranda.
de Bristol.
O CIRl'RGIA DENTISTA
Frederico Haya
Tem a honra de scientiQcar ao respeita-
vei publico esk geral, e aos seus clientes
em parficnlar que elle mudou o seu gabi
netede consultas da roa Direita n. 42 para
a do Queimado n. 3i priroeiro andar, com
a entrada pelo pateo de Pedro II, onde po-
de ser procurado para os misteres de sua
profissao, todos os da* uteis das 9 borai
da manha s 3 da tarde.
Tambem previne, que contina a prestar-
se a vonb'le dos clientes nao s na cidade
como nos seus suburbios, para onde as
idas ser5o precedidas de ajuste. Elle ga-
rante o bom desempenho e a perfeicao de
seus trabalhos, o que j bem conhecido,
assim como as commodidades dos precos.
Preciosa ublicapao
jurdica,
Comraenlario do Cdigo Commercial Portu
guez e Brasileiro.
Vende-se nsr loja da ra do Crespo n.
2o A esquina da do Queimado, a impor-
tante e moderna obra sob o titulo de an-
nota^Oes ao cdigo do commercio porluguez
em 6 volumes pelo Exm. Sr. conselheiro
Dr. Diogo Pereira Farjaz de Sampaio Pi-
nientel, lente; cathedratico na universidade
de (timbra. Os]|subidos crditos de que
goza muito merecidamente aquella eximio
commercialista por si s baslariam para re-
commendar t5o importante obra, quando
nao concorresse mais para isso a grande
vantagem de ser um ptimo commentario
ao cdigo commercial brasileiro (na falta
absoluta que ha de qualqper outro) pelamo-
xima homogoneidade de entre rauitas das
fus dsposCes, e as do mencionado cdi-
go portuguez, que lhe servio de texto.
Cotrti pressurosos, distincta mocidade
do 4. anno da Facoldade de Direito desta
cidade e nota veis jurisconsultos, a prover-
vos desse poderoso auxiliar para vossos
trabalhos da sciencia, e pelo prego commodo
de 205, toda a obra em 6 vol.
NEM CALOMELANOS NEM NENHUM
OUTRO MINERAL. :
A grande necessidade e falta de um ca-
thartico ou de urna medicina purgativa, ha
maitf flue temsidjO'SBitida, tanto pelo po-
fq, jBftmo -riearao pin fceio da faculdade
medica; e por isso, infinito, o gosto e
prazer que sentimos, ein pdennos com
toda a confiancaesegurdade, recommendar
as ptlulas vegetaes assycaradas de Bristol,
como uma excellente medicina purgativa, a
qual encerra em si todas as partes e mais
ingredientes essenciaes, tornaudo-se em um,
perfeito, seguro e agradavel cattrtico de
familia. Este remedio nao composto
dessas drogas ordinariamente usadas na
romposicao dessas pululas, que por ahi se
vendem, mas sim, s3o preparadas cora as
mais finas e superiores qualidades de raizes
medicinaes, hervas e plantas, depois de se
haver hmicamente extrahido e separado,
os principios activos, ou aquellas partes
que coatfcm o verdadeiro valor medicinal,
daquellas porcoes fibrosas inertes e agres-
tes inteiramente destituidas da menor virtu-
de. Entre esjes agentes activos ot ingre-
dientes especleos, podemos nomear a po-
dophgtiin, a qual segundo a 'experiencia
mm demonstrado, possue um poder o mais
jaravilhoso po$sivel sobro as regioes do
figado, assim como sobre todas as secre-
coes biliosas. Isto de combinacJo com o
leptandrin, e mais alguns extractos vege-
taes e drogas altamente valiosas, consti-
tuem e formara uma piluia purgativa, tor-
nando-se por isso mtisslmo superior,
.qualquer uma outr medicina da mesma
natureza, que jamis." fora apresentado, ao
publico. As pilulas vegetaes assucaradas
de Bristol, achar-se-hao sempre um reme-
dio prompto, seguro e eminentemente efi-
caz, para a cura de molestias, taes como
sejam as seguintes.
Hydropesia dos mem
bros ou do corpo,
Affecces do figado,
Ictericia,
Hemorrodias,
Mau hlito, e irregu-
laridades do sexo
femenino,
Dores de cabera.
[ORDEM .TBIWJEIRA Da PEiNTENCIA
PATBIARCHA s francisco
CIDADfc ^0 RECIFR-
A mesa administrativa manda por esla
secretaria avilar a lodos os seos enan-
simos irruio-, que lhe foi presente e aceito
o convite feto.pelos nos.cos charitsimos
1 irmlos tereciros oarraelitns, para acom-
anharmos a procissao de Triumpho dos
#*cs do Sphor, que Hm de tahir %.
igreja daquelta veneravei ordem, na lar -
de oo dia 8 do correle mez, para cuio
tamos e acuantamos no telo de
no, que jrtrais deixariffUe'
comparecer pararoedtados cotn seas ha-
bito.', na igreja de no* sa ordem., pelas 2
horas da tarde do dia atipia mencionado,
paraencorp rados actmpanharraos a re-
ferid procissS; dandp por tal moda pu-
blica dettonstipo de-que etilre nos rei-
na os mesmos lacos de reciproca e fra-
ternal Uniao que em seu offlcio confessa- |*k
ram existir para comnosco. S
SOretaria 2 de abril da 1870 0
O secretario, fi
los Rufino Climaco da Silva.
Alm
ivarias,
oja do
receber
lotavel
lade, q
;os; as
I
I
Irmandade.
do scuhor dos Passos na matriz
do Corpo Danto.
Em nome da mesa rogedora convido a todos os
innos a comparecer no dia 8 do presente me-
is 3 horas da tarde, em nosso consistorio para
encorporados acompanharmos a procissao de
Trinmpho quo tem ile sabir da Ordem Teroen
do Carme para a qual se digdoU convidar-aos a
respectiva Ordem.
O ercrivd,
J. 1, Lima Barra o.

AMA.
oDspepsia, ou indi-
gestao,
dAstringencia, ou..
priso do ventre
habitual,
Azia do estomago e
flatulencia,
Perda do apetite,
Edtomago sujo,
Em todas as molestias que derivam ?
sua origem da massa do sangue: a salsa
parrilha de Bristol esse melhor de todos
os purifleadores deve ser tomado conjun
tamente com as pilulas, pois que estas
suas medicinas, tendo sido expressamente
preparadas para obraran de harraonia uma
com a outra, quando fielmente assim se faz,
n5o nos resta a menor duvida era dizer,
que nomaior numero dos casos, podemos
aflialncar nao s um grande alivio, como
tambem uma cura prompta e radical, isto
estj bem -\isto, qujjndo jo doente nao se
aclie n'um estado muito alm dos recursos
humanos.
XAROPE de HYPPHDSPHITO de SODA
XARGPE de HYPOPHOSPHITO de CAL
FILULAS de HYPOPHOSPHITO deQUININD
MRKSNI
XAROPE deHYPOPHOSPHITO deFERRQ
PILULAS c!e HYPOPHOSPfflTOrJe MAN6AHES1A
TOSSE:- BRONCMITIS
OBflUXOS '-ASTHMA
Oonfrarfa do -atrlarclia *a. fute
de Agonfa, erecta no conven-
t do Caruio.
Por ordem da mesa regedora, convida-se a to-
dos os nossos irraaos a comparecerem em nosso
consistorio, sexta-feira 8 do crreme as duas e
meia horas da tarde, alim de incorporados acom-
panharmos a procissao de Triumpho que sahir
da Ordem Tereeira do Carino, para o que tomos
convidados.
Secretaria, 5 de abril de 1870.
O secretario,
Francisco de Medeuos Raposo.
Fugio do engenho Brm-vista, na comarca de
Camaragibe e provincia das Alaga?, o escravo
Nicolao, idade 3i annos, altura regular, grosso do
corpo, andar banzeiro, tem falla de denles na
frente, rosto largo, barbado, costuma as vezes fa-
tec toda a barba, e lem uma cicatriz na testa, e
stps grossos ; este escra>o anda fgido desde e
dia 16 de Janeiro do crreme anno : roga-se por
tanto as autoridades pohciaes e aos capilaos de
campo a prisao desle escrav > e o entregar no en-
genho cima mencioqado*, ou nesta praca a roa
do Vigario n. 12, ou travessa do Corpo Santo n.
2o, primeiro andar, que se gratificar generosa-
mente.
Precisa-se alujar uma eserava que cozinheeen-
gomme, uma ngrinba e ura moleque, paga-se
bem ; na ra do caes de Capiba ilie, casa nova
com portao de ferio ao laio.
D-se I0:000| a premio sobre hypotheca em
predios nesta :idade : a ra do Crespo n. 12, loja,
se dir quem d.
ATTENCAO"
As novidades do Fasso
' PARA a QARESMA.
Chegararo pelo ultimo paquete os ricos posti
Ihdes de gorgoro pretof, basquinas pretas coro
ricos lacos de selim, neste arligd*ha duas especies,
de gorgoro e croxe, e mantilhas brasileira, diUe
compridas para cabera, chales do lonqnim e me-
rino pretos e bordados, gorgorees pretos lisos,
de cordao de li.-tas asselinartos, de flores, 6 tanto
o sortimento neste artigo qne o comprador pode-
r escolher a vontade. Sctim preto macau muito
superior, sabidas de baile de merino infeitadas de
setim.
PffqBEinnRSt flEf JE. oKtflntSaalHwpK uRtM
O DR. SANTOS MELLO
S& .Medico homeopatha, recem ebegado da
corte, flxou a ua residencia nesta
capital, ra estrella do
8 Rosario n. 32, l"
andar.
D consullas todos os dias das 9 s 10
| horas da manhaa, e recebe recados por
2g escripto qualquer hora do dia ou da
gjj noute.
Aos pobres d eonsultas s mesmas
S horas e medicamentos gratis.
COMPRAS.
Casa terrea.
Compra-se uma C3sa terrea
da Madre de Deus n. 16, loja.
tratar na ra
Comp-ram-se inoedas de ouro e prata de to-
los os valores, ouro e prata em obras inutilizadas,
aniantes e mais 'podras preciosas: na loja te
lumes do arco da Conceicao, no Recite.
m wmi i
Ama
Precisa-se de uma ama captiva ou forra :
ra de S. Francisco n, 54. ________________
Precisa-se de um homem hbil para dirigir
os trabalhos de uma padaria a vapor e que en
tenda de maceira, e dous trabalhodores para a
mesma, fallar com Nicomedes Maria Freir, no
caes do Apollo, assim tambem um caixeiro, na
ra da Cadeia do Recife o. 40, i andar.
Compram-se e vendom-se diariamente para fra
t dentro da provincia escravos de todas as idades,
ores o sexos, com tanto que sejam sadios: no
rceiro andar do sobrado n. 36, ra das Cruzes,
fregneria de Santo Antonio._________________
Com muito aiaior vantagem coinpram-se
noedas dJ ovjo e pi ata : na loja de joias do Co-
racao de Ouro n. i D, ra do Cabug.
O muzeo de joias
Na ra do Cabug n. 4 compra-se ouro, prats
% pedras preciosas por precos mais vaulajosos de
me em outra qualquer parte.
cq -mt previdetfti
Rna do <|nelMMlo ir.
novo e v triado lortimenio de wrfojasiia.
finas, ouuos 6bjcM.
do Completo SaVtaatkmt* di perfr
epa egf eiro Providente, ea acatM o
outro sortimeato qn* m terav
la variedade de dbjv.i, tvperiar.
dades e commiim fn
pois, o (^roeirePrevideote f+
iesperaicontiDuar a merecer a aprecia^.
lo respeitavel publico en feral e k
KM fr^toezia em particalar, b2o m atas
lando efle de sua bem ronhrida wiV
i bartela. Em dita loja encontrarlo y
tpreciadores do bom:
Agua divina de E. Coodray.
Dita verdadeira de Murraj
Dita de Cologne ingiau,
asa, todas dos melboras a i
'abricantes.
Dita de flor de larangeiraa.
Dita dos Alpes, a vilele nata toilet.
Elixir odontalgko para unaeitataa t
isseio da bocea.
Cosme tiques de superior quitadas a coa.
ros arradaveis.
Copos e latas, maiores e aeaeraa, tm
pomada fina para cabello.
Frascos com dita japonesa, irinajpnunu
i outras qualidades.
Finos extractos ingleses, aesencssiee
'rancezes em frascos simples e mlnitaos.
Essencia imperial do neo e agrsdavnl cba>
o de violeta.
Ontras concentradas e da ebeiros ifoti-
aente finas e agradaveis.
Oleo philocome verdadeiro.
Extracto d'oleo de superior
xini escolhidos ebeiros, em irascos
'entes tamanbos.
Sa bonetes em barras, maiorea a
para maos.
Ditos transparentes; redondea e eaa fig.
ras de meninos.
Ditos muito finos em caixinba para kart.
Cahiohas com bonitos sabonetas ualan-
fructas.
Ditas de madeira invenstsada *t Msndo f
las perfumaras, muito propras pan pr
wntes.
Ditas de papelio gnalmenk bonitas, u
iem de perfumaras fina?.
Bonitos vasos de ruJu colorido*, i
moldes novos e elegantes, com po ie am
i boneca.
Opiata inglesa e franceza para dentec.
Pos de campbora e ostras di Cera., .i
nulidades tambem para denles.
Tnico oriental de Kemp.
Anda waiM coejnca.
Um outro sortimento de coooaa da i
fos e bonitos moldes com fiiets'de vidri'-f
3 algnns d'elles ornados de f ore C;-
sto todos expostos i apreciacao it ajott
os pretenda comprar.
GOLLINHAS E PUNHOS BORDADOf.
Obras de muito gosto e perfeicao.
Flrellaa c fitas para el atoa.
Bello e variado sortimento de taes oi*}t
'.os, ficando a boa escoiba ao gosto doi
pndor.
CEMENTO
PORTLASD.
Vende-se no annazem amarelc de Vxe&te ft:~
reir da Cosu & Filho, defrtote co arce Ck-
ceicao, em barricas grandes._____
Milho e arroz de csea
Vende-se milho e arroz de rasca nvo cam sac-
eos, no trapicho da companhu : a ti..;ar a* ru-
da Cadeia-vellia, casa n. I, 5* anlar.
No armazetn do caes da alfatadeta o. 7 Teahier.:-
-c saceos grandes com farinha de r.>andi->ca d.
trra muito superior e por preco cor.modo.
"
PASTILHAS PECTORAES.i>'CHHCHIU
Eligir para os marapa o frano quadrado t em
ttdoi o prtuetot a assignitura do D" CHUH-
CIUXX,, e o letreiro con Barca de faJirica da
Humada S WAMaT. i S. ma Cas (jom. P ARIP
XAROPE DBFfiDSGOSO,BO PINTO
E' de U!i.;ii'i'licaciaverda vilhnsacomo caln.anle dosystcrrm nervosoe
applicado <-onlrn a parnlisia, nslhma, losse
convulsa otl coqueluche, losse recentes ou an-
tigs sufToc a nal contra lodos os soffrimenlos das viaa
respiratorias, e naphlisica pulmonar,suavir-
tude conlrao ttano ou espasmos, e convulces
incon'.eslavel cningem naqueodrsconheo.
nico deposito, ru larga do Rosario, n.JO,
junto ao qnartel de polica. Pernambuco. i
Coolimiadan;ente s<'nosnpresentamnovoa
tefitemurihos daefficacia do fedegosoPernam-
buco.
PILLAS, VNHO E XAROPE
M JliRUBGB.4
PBEP10S ELO MllBlCRJTICO
J04Q1IM E AI.MEIII4 PINT>
As preporaees de jurubeba ea hoje venta-
josamente conhecidaff e prconibadas pelos
mais habis mdicos, tanto da Europa como
do paiz, pela sua efficacia nos casos de anemia,
. chloroze, hydropesia, obstruegao do abdomen,
e tambem nos de menstruaoeo difflc, catharro
na bexigo etc. ele.
Vendem-se en) noreao e a retalho na cidade
do Recife, pharmcia do seu compositor, rus
larga do Rosario, n. 10, Junto ao quartel ds
polica.
#INTO PHARMACBUTICO
mam m salsa' p aisulsa m?m
m
QEPMTLVDO S^tfCT
fi MAtm dAeii tta^asane
riioumaticaSjC leers venrea.
BA LAMA BOSARIO, Tt. f.
^Pedido
Gompra-se
duas casas terreas as ras Concordia, Palma,
Caldeireiro, Santa Thereza e S na Rita : a tratar
na roa estreita do Rosario n. 3o, cartorio.
Compra-se um escravo de 15 a 20 anuos de
dade : na ra de S. Francisco n. 72.
VNDS.
Vende se a armario da taberna do paleo da
Penha n. 8 : tratar junio n. 10. ^^
Arroz de casca e milho novo ; vende-se em
saccoe, no trapiche da Cod panhia : a tratar na
Pelo presente sao rogados todos os Srs. credo-
res da massa fallida de Antonio Maria O'Connetl
Jersey, a apresentarem aos curadores scaes, es
seu9 crditos no praso de pito dias para srrem) rna d Cadeia" veina n. 1, V andar,
dtvidamente cualificados : ra da Cruz n. 18.
~~ AZ
Precisa-se de uma ama : na na do Pires n. 3.
Bartholomeu & C,
Vnho, PiLULAa, Xaropb s Tintura
db Jurubeba simples b FEFiRLOiNoao;
Oleo, PomaOab Emplabtbo da mbsma
planta preparados por
8MTHOLOME0 & C
PHARMACKUTIC08-DR00in8TAS
PERMAMBL'CO
A Jnrnbeb : et pliau kojt recoDbeeia
coma o nui paderoso tnico, como o maloat
desobUnaUe.ceonioUlapplicaaift>sp>'ieciBianioi
do (Igidoe taco, hepatite, dures*, tamores inter-
no especulnente do ulero, hvdrop;M, erjfi-
SelU, etc.; e tsocuda o ferro e nli) ras paluda
are, chloroie. e falta de meno, desarran-
tea V> eetomato, ic, o qoe diaemoa ttuta
inuuiaera cara importania obuda oaa aoiaoa
. preparado J ben conbacido asadoi pilo tan
OM
mlhor faae coaheear Jora baba mm retnludof
tappliotfte.
Vende-se uma calache nova, anda nao ser-
vida, com arreios tambem novos com forragens de
metal branco : na cocheira de Vi, ira & C. na roa
Nova n. 59._____________________________
_Vj*ifde-se a armacao e seus utencilios da ta-
berna do pateo da Penha n. 8, toda envidracada,
proprla para, qualquer negocio, ou para flear ou
para arrancar, garaote-se o aluguel, o lugar
magnifico : a tratar junto n. 10^______________
Cal nova de Lisboa
riescarregada hijo do patacho Mora ; e ~me>
Joariuin Jos Ramos, na ra da Croi a. a, ar-
meiro andar^_______________
Bilhard.
Vendv->e u:n eom pt>n>'o mo aveit'
bom esla o : a ra do lm|H-raoVir n. -i.
Aproveitem a ocasiao
Vende-se a taberna da roa k ignsta a. I, e i
annac) da bbriea de sWoeM no beeeo do B-
que n. 7, ambas livres e de*etBlar^c4fcv, faie\ -
se todo o negocio a (tuso n .. dieavire, enetor-
me se convencionar : a tratar na i.-ioa uJteri
Io Maria Palnicrra lem yur* ff-isr f i
eu escriptorio no largo do Orr"> Sasto n. \. '.'
andar.
Vinho Dordeaux lino, caixa de l garra, i.
Aze te doce, idem dem.
Lona de 1* qualidade, da Rus-a.
Brinzoe*, idem idem.
Ilrins, idem idem.
listampas de Santos em quariubo.
Pianos de excellentes vores.
Fio dj vella.
Enxofre.
Salitre.
Cemento Porlland. ^
Dito Rumano. ^
Vellas starinas (spermacet-).
Pelles de carneir .
Estopa pi ra fardos de algodo.
Cha Hyss m I' qoalidade.
Oleo de I nbaca.
L8a barr roda.
Canella < i India.
Fardos d fumo em fotha, (s se ene de Su Ur-
do! pai a cima.
Vende se a taberna bem afreguezada da roa
do Hospicio n. 2o por rcu dono ler de ir tratar de
sua saude. Na mesma se precisa de um caixeiro
que d lUH$a a sua conducta.________________
SEMNA SANTA
Madame R. Adour
receben pelo nltinio vapor caaqofpn dp filo pre-
to de seda Tnmfrou ricamente efeiado?, e
mantilhas da mesma fazetula : vendse na ra
do Imperador n. 2:t, Io andar.
Mez de Maria
Caticos e bymnos devotos para o mez
de Marta.
.Um ntido Tolam* encaderaado de couro
I 000.
De marroquim dourado
L1YRARIA ttRANGEfAf*
CoBsIderaifea gerars aoVSre a
EMANCIPACiO DOS ESCBAVOS
No imperio do Brasil e indicacao dos meios para
realisa-lo
Por Pejxo(o de Brito.
1 volnme brochura 800 rs.
LIVRARIA PRASCEZA.
Veude-e tres' veheflanas em bom estado,
ni ra do Queimado o. to\ -tica. ._______
Veode-se in wenrm que um de para toloVo serrico, e da moito pant^rozinha : no
caes de Ramos, srmaiem n. I.
Ve ada de lampeoes
paraillumina^io.
Na loji de funileiro de Anlama 1"
na travo! la da ra do Vigario 3, i
rter 300 400 lampeoes proOMM,
micos po serem para gaz Hqo, e
te lu: elles sotes qne ss sestea*,
carregados Vende-se a casa da roa o Lirrisflr s
a tratar com Jo? Henrique da Silva, se ~ms-
treila do Rosario n. S, i*aadar.
Vende-se ou negociaras e
moente e correte, silo na "
prximo a estrada B ferro,
cado, matas e as nteBtres a
Este engenho, aleas de mtu
dores, tem. des graoot psiAM *e
len nal__________j
um dos quaes leva'___
te, sendo oito desses pan dos exrBsj-i
_t__ns*. me asas a Be
Pfjl des |
k rna ca &t_^_^_K




6
Dlmo de Pcwm^wca Quiutu (eir di Abril de 18^0,
A VERDADE
55--B.ua do Oueimado5
A. VEJAD ADE tendo em deposito grand-
quantidade de n.iudezase perfumaras, e de
sajando aparar dinheiro e adquerir boa fie*
guesia est rssolvida a vender muitissiDH
barato, ; por essa razio convida ao respe
tavel publico a vir competentemente mun
do a sortir-se do bom e barato. Pois qoar
do Verdado apparece, tudo mais de?
apparece------
Grande sortimento de bonecos de cera i
massa a mais lindas possi veis vestidas a ca-
rcter.
Abotoaduras modernas para col-
leja ....... 2(
t Espelbos donrados pepnenos. 96(
' Agulhas de oeo para ros a 90(
Pautes para regato eoni esotas a 3
Ricos globos para candieiro de gaz a 4 #91
Gbaniins a....... 32(
Grande sortimento de objetos de
loaca para bmquedo de menino 10(
Garrafa com tinta a..... 80.
Dita com agua florida verdadeira a liSQOt
Dita com dita dita a ... 16'Xk
Prx. ",orao'ei"lo babosa a 500 e 72(
Dito com agua de Colonia a 300 e 50(
Gii rafa com agua divina a. i SO1
Frasco com extractos fiaos a #d00(
Latae pequeas com bauha muito
fina a 120 e 16t
Sabonetes de diversas quali iades a
80. 160,240 e...... 3*
Finas eacovas pera dente de 120a 60(
iMn coques modernos a. 20OO(
Pavios para gas, duna a 240 e 32(
Eseovas para facto a 600, 600 e 70i
Ditas para cabello a..... BOX
Pentes para tirar piolho a 160 e. 24(
Brincos* de cores, bonitos a 160 e 20(
Pecas de tranca de la com 8
varas por. ..'.... SI
Oleo [ frasco a........ 60(
rwnn d'aco finas caixas a 800 e IdOO
Dita d'aco Perry, caixa a. 104O(
Galo de algodao peca .... 40(
fiados babadinhos e entremeios
peca de 500 a...... 1050.'
Ditos de louga muito fino a 120 e 201
Ditos para calca a 100 e. 24i
Caxa com papel amizado a. 70
Ditas com envelopes a. 48(
Ditas com obreias a..... 4(
Caiu com agulhas fundo dourado 28(
Ditas de ditas ditas a..... lo<
Thesoura para costura a 240 e 50(
Caixa com liaba de marca a 28(
Liana de cores em novel los (li-
bra) a........ 50(
Carroteis de linha Alexandre de 70 *
at 200. ,..... 10(
Grumpos muito finos com passa-
ros, duzia a...... 20(
Oiras portuguezs, duzia a 1540(
Ditas francesas a 2^200 o 3^00
PtDolalmaco e d6 peso, resma a
3*400, 30300 e 4350;
fjSa ranito fina para bordar, libra 6*50:
Fita de algodao para debrum de
sapatos, peca a..... 16(
Ditas de 12a para debram de ves-
tido, peca a...... 48(
RAP J
Pentes finos pan segurar ca-
bello a .......
Ditos ditos de bfalo para alisar
I 240, 320 6......
Ditos para aparar peona a .
Rosetas pretas, par a .
Tranca de lia decaracol peca a 40 e
Fita de coz peca i 480 e .
Alfinetes de latSo a
Sapatos de 13a pa ra crianca a 400 e
Grvala de sedas le cores a .
Galcadeiras a. .
Grande sortrmentc de rendas das Htaas.
Um par de suspensorio de borracha par
100 ris 11II111
Xa Verdad i
IB. 5*.
nnn ummuum
m
Teti/etra U'dvrwo $ C
Acha-s venda pdc sappnr taha do prim-.rra de Lisboa,, pora*
de mu agrada vel iierfume, viajado, e a preso <
ois mdico poesivel; e por iaso ir sw* ana
acolhidu as pravas da Baha, do Rio de Janeire <
em o u iras do imperio : do esc ripiar io de Joaqrtfl
Joa GonsaWes Bellrilo, ra do Commercio ai
mero 17.
Idmentn que teye-em seos annnn-
Travessa do Corpo Santo a 26.
Os acreditados cylindros americanos para padaria, por doos differentr-s
Machinas para desenfocar aigodio pelos melberes aricantes de New
Machinas de vapor systema de locomotiva e polias para as mesaaas.
Carrinhos americanos para transportar volumes em armazens. Todo per pra-
vos razoaveis.
TRAVESSA DO CORPO SANTO N. 25
Joaquim Kopes Mochado Jt C.
aos, vem novo participar a seos freguis mo, .tul* de receber rti-
~isto os tpvaes sero vendidos por
9em0.de objeetbs d
mando fez os seqs pri
Bichas hamburgnezas
Nteste novo deposito rec(*be-?e por todos'os'pa-
quetes iranslantfoos Mchas de oxinUdade superior
o veridem -se em caita 00 potreo mais pequea,
e mais barato do quo em ouira qnalquer parte :
na ra da Gadea do Seeifr n. Ht, t* andar.
Cigarros da imperial
fabrica de S. Joao
fre Ntptheroy.
nico deposito etu Pernamlmeo caes da alfan-
depa velha n. 2, 1 inda. ______ ^
prec,os muito razoaveis, pois
piros anmelos, foi o ^sseguroii, e semmodo de errar,
oruue amo j fase oStS tnteresse Orada a ta casa importadora dpsta praja, e
porMsso poder ter tudo esgideM1 e veuder per fW/ff adolnveis.Chama pois atteo-
*4ki d seas freguezes para o* arttgjs pessa d*M*e*ei': u
Litros com o tampo il>* martbn,-madre Wm yariado sortimeots ,de oharotetras^e
ero e tartaruga, proprios para mtssa. 'palliteirosda pareelaoa,
iJarafhihas vaz'as pt^ipria i pan presentes I jentos para voltarete.
^'sa de gpsto.
Indispensav.ef; le pafi;i!^ e de muto pro-!
,>rios para serrtioris e in.rrtw.is irazer nos
>racos
B>'iigais eora martlm, cousa especial.
A ra Nova n. < vendera-se botinas
para senbora a 3,9000 o par : a ellas em
quanio n9o se acabem.
Cairtarta e Lisboa
Suluiras, hombreiras.-e capieis, o que ba de
melhor para .'rentes de predios: ven Ja ao ar-
mazn da travessa d Coruo' Santo, ido jloaquim
Lopes Machado & C.
Sal do Assu'
-
Abordo do palhabote Gnrilmldi ancorado na
volta do Forte de MaUos: tratar eom Tasse Ir-
mao & C.
Bmoco!!> d; njartropt-rtrfi. m.itilm e iar-
'jiru^a todos esinaHaJof-
Qinfos largos Je selijn- >:'---< oitefrasoeu-
4 ama.
PHa de sasja 1*tom*m-9.iiW-\
as para jacos, j,|
louos. sapaliROQi.meif&de S'> )ectencea para ,bapyjo$y Perftimartas de todua os autores os ma

Vende-w h pane *o
4 frande proneaio pan
freguezia de IguaraaMi. **m mmm m
tra parte 4 engeo>o Curie > Qaaa,
pnrgalorio, que mnito conven em
tratar no Remedio com o Sr. Ai 1
deirodeJ
Sabonetes .de alcatrio.
Cofres de (pibas para dinheiro.
Lindas caixas para costura.
l,fm completo sortiraenlo de linas de pe- j
.'.3.'
I
Taimpm: |wra?bor C compJeto soriifB.to de enfertes de ^**".
MACHINAS PARA
COSTURA
Acabara de chegar ao GRANDE BAZAR
a roa Nova n. 22cabnkiro
viANNA--ajB completo sortimento dp ma-
chinas para- costura, dos autores mais co-
nttecidos, m quaes eslo em expsito no
Ftm com njsaipi^e*#np-iaii .para, bou- acred1tad9S em oxtraqtps, pomadas e leos esmo Baear, garantindo-se a suabaqua-
mat de noiva, e finalmente outroi muitos objectos que n5o
Btos vasos oon -p du irro*. possjvoi jaenejona/ ; mas cora 2 aisla se
Um *rado sortjraeate 4a jav-rt da por- certificarlo de sortfmerto deste estabele-
A\ftm, ciaiento.
Aguia JSegrfy raa do Cabug n. 8.
PARA A FESTA
3 portas, loja de ton
53-Eua Direita~63
Neo* nae nutiliaamnio, aa
um completo sortimento de
finas e tjossas, como tejan
quadradu e ovan, bna asriba da If I
toes, balance inteiro e 1/Sbalaafe;
Uieiraa, cacarolia*, rifieiw,
de ferro como e porcelana, m
diversos tamatmoa do fabricana
gratimos. tao de ferro con 4e I
para medir faxeoda taato da Ierre i
salitre, breo, barbate, enxefre.
do, do veraadeiro Pfeardo,
rocar algen; alen de
geni, miadnn cutarias toas, M n een a <
la se vernnjna roadirerta a.SS)eia4*3j
tas de Manoal B#nto de Otrmra Wranl C.
Farinha de mandioca
Venciese de superior qualidade, no escritorio
de Joaquim Rodrigues Tavan de Mello, largo do
r.ui'iio Santo u. 17 ou no trapeas o Gunha, I'or-
te do Mattos.
Grande pechinha
Basquinas de croch com enfeites A" vidrilhos,
do ultimo gosto, que seu pn 50 fui de i8, e hoje
se veodem peio barato preco do 8t : na loja de
Figueiredo & C, r^a da Imperatriz n. 40, usquina
do hecco dos Perreiro?.
r
Vendo-se o engenho'Ma=sayha, fivro e. dejem-
baraeado, c bem como a propriedade POfo-preb
separada do me-nio engenlm : a tratar cora o seu
prop ietario na ra do Apollo d. 47,1" andar.
Chegou a loja de Paredes Porto, .a ra da Imperatriz n. S2, (Port Larga) um bo-
nito 'sortimento de toallns fe linho.para mesa, assiro como os competentes guardanapo?
qne se vendera a-peeootatao.
PAREW38 PORT vende laasinlies a 240 o covado, fazenda de 300 rs, para acabar
rrn ra da Imperalriz n. 52. .
PAREDES PORTO tonde algodSo com pequeo toque de ava ta a -3*500 e 1*000,
a pe?a. rna da Imperatriz n. 52.
PAREDES PORTO vende chita prcta para luto a 100 rs. o covado na ra da Im
peratriz n. St. Porta larga.
CHALKS
Vende-se chales preto de MUfiDES PORTO Vote antas para senhorasa ioOO a duzia p r ter utn peque-
no mofo, na ra da Imp^iwrtr. n. 52 porta larga.
PAREDES PORTO vende cortes de ealca.de -caaeioira prela a 30O a iOO.
PAREDES PORTO lem pnra vnnder panno preto superior -e casemiras de cores c
pretas que vende por pifos commodos.
CHALES. GRANDE PECH1NU1A.
Chegou a loja da rwalmperaliiz n. 52 doP^rodesPoita um bonito aorlitncnlo de
chales cliinezes fav.endasnoHo'boas p:ira senhorai trazwrem em casa, e? vendertdo
por fi;9000, esto acalwndo^e H
lidade, e tambem ensina-se com perfeico
a todos os compradores. Estas machinas
sao iguaes .no seu trabalbo ao de 30 costu-
reras diariamente, e a soa perfeifSo ta!
como damelhor costureira de Paris. Apre
sentam-se trabamos executados pelas mes-
mas, que muito devem agradar aos preten-
dentes.
Candido Alberto So-
dr da Motta A G.
com escriptorio e nrmazem na travesa da Madre
do lieos n. 14, I.-ni para vender o -camote :
Cemento I'urlU.nd de 1' qualidade, o melhor que
tem vindo ao mercado, barricas de 12 a 14 arro-
bas por !0/ooo.
Vinhos Bordeanx das seguales qualidades :
St. Julias.
Fronsac.
Lormant.
fit. Emtlion.
Margaus.
Cliateaa do Boycherello.
St. Lai.ibert.
Laloiiuere.
Dnplessi.
Cauor.
Dearsesai.
Vinln do Torio de qualid ido muito especial.
Az;ite doce refinado em caixas de 12 garrafas.
Fumos de todas as qualidades, so encontrar
neste cstabeleciment em latas, rolos e fardos.
Papel de tudas as (juaiidades proprios para ci-
garros.
Engenlio j venda
Vende-sc o engentas 8. Manen
rente, com boas obras e em peffcn 1
com agua eest a um qaafto #e le#*aa
via-ferrea de Oaii.eileira. VenaV ae na*
sendo 8 OOOiOOo vista e UTO* en
tos de 2:000 annnao*. t>*
dirigir-se a ra do Limiaerto m. W, a
Laurenlino Jos Miranda.
Xarope.de fedegoao de Fi
Sem contestarn o prmeiro aaroye
tosso ch roica e recente, mico desos l
i ra de seo autor, na na antaja dV Quarn, lafc
I jana larga do Ko-.-aro n. 10 jauto ao amari ac
pofcia.
GAZ
Vende Joaquim Jrs fta
n. 8, 1* andar.
l
Vende Joaquim Jos
n. 8, 1 andar.
CAFE
llamo- na ra da
AVISO
Em casa de MilU Lalham a C. rea L C
38. vendem-se folhw de brr aylnni-^lan.___
gaz m w
Menr; FoMaT
Loga) do Leao.
i Veendcse ama negra peca
Dirsita n. 77.
Chegou ao antigo deponto de
C, roa do Imperador, n
de primeira qualidade; o qoaJ m
a tratar na ra e a retalho por meaos pree e qa
qner parto.
DO PAVAO
6 0RA DA IMPERATRIZ6 0
DE
Neste grande estabeleciment encontrar o raspeit-ivel publico, um grande
em oiii.-a qnajqttflr parle, viato que os novos s >cis deata Qr e armazn poderlo fazer os seas sorlimontos pelos mesmos precos que compram as casas estrangeiras.
tleretii escolher.
_ W&M. tsmUWM. efe .
soi limento de Cuendas, do mais apurado gosto assim como de todas as de primeira necessidade que se ihes prom*tte vender por precos muito mais aaraV>9 da ant
le.rp.in :i DI^'MascaO : para poderem vender pelo custo. li-i itanrlo-se apenas a ganbarem o descont. As pessoas que negocian em menor escalfa, ar-ta nja
Para romor commodidade das Esmas. familias, de todas as fazendas se dio os litros das amostras, ou se mandam levar em.scas casas, para nebor n>
ranibraia st?ssa
COM 8 PALMUS DE LAIt-URA- A 1:600,
!:000 e 2.S00 RS.
Caegaram as finissimas cambtaias soissas
tran trenles, sendo o que ha de mais Ono
para w.stidose vendo-su pelo barato preco
dn l'\ imn b 2;S500 o metro, tendo
tambem das mostBas, porm ingiezas com
a mesma largura que se vendem a 1^0(0,
e 13280o metro, sendo apenas precisos ties-
ta ijrga faienda para so fazer um vestido
4 ou i 1/2 metros, pechincha,
SAAS CORDADAS
Vende se um bonito sortimento de satas
bordadas rom % pannos, assim como ditas
j promptas, de lasinha, enesgadas com
bolitas barras bordadas a 13a por presos
mnito cm conla.
PANN > PARA SAIAS A I ,$000, 15280 e
I di 00 RS.
Vndame bonitas fazendas Jproprias para
aaias sendi) com bordados e pregas a um
la lo, dando ;i largura da fazenda o compri-
m nto da sala e vende-se pelo barato preco
de. I#000, BSO o I480, cada metro sen>-
do preciso apenas 3 ou 3 1/2 metros para
aada saia pechincha.
Cfflarizihoe.
Vende-se tun bonito sortimento fie cola-
riohos tanto de linho coino do algodo pro
pri s para Itom.m. assim como tambem. um
b mito sortimento dos mesmos para meninos
o -niinras e todos vendem-ee por prefo
wi lo barato.
GM LES OE IMOQWBIQUE A 1:280 RS.
\V,ude-se nina grande quaolidade de cha-
le- >le tBocameiqia, com padrees escossezes,
11 mnito grandes e levesinbos pelo ba-
ka (H^co d. 1 ->28i, cada am grande
p linclia por se ter feito urna grande
eo-inna.
as e ceaiiras pretas.
> Prvio vead grande porcJo de pannos
i; de mm iuixa a|c mais fino, por
ip/e ; tTiira, -assim como um grande
t inte de casenr pr-tis para calcas
vend; porpreoo maisuaratodoqtie
[Ira t|ui joei val*.
tOnGlTnXC PRETO. .,
-e o mafhor ffmgurio de seda
.ri.co!l?U& e vestidos, sendo nesfe
auUw queiem viada ao mercado,
'todo qanaa^itraa|agi|ner parte.
I |t>a hrmmtm* illaa ra.
pjfo vonte flatssiraos cortes de ves
a >rsja jraacj, ricamente aord-
,n ometa fnaaifci pen barato preca
*.
|N
ti
da
de 12.4000 rs. cadi um. pechincha.
CASEMIRAS ESC03SEZAS.
0 Pavo tem boni as ca^emiras es-'.osse-
zas com quadros grados e milos e otitraS
lisas com listras ao lado, sondo fazendo
muito fina que se vende mais barato, por
haver grande porfo.
GANGAS D3 LINIIO.
Vende-se ganga de linho com quadrinhos
muito boa fozandi para roupas de homens
6 meninos pelo barat) preQO do G00 r-s. o
covr.lo.
PECHINCHA EM PANNO PRETO A 25400,
' O Pa o vende superior pmnoprex fino
para palilots, calcas cohetes eto., pelo ba-
ratissimo proco de 2to0 o covado.
CORTES DE CASE\!IR\ PRETA A 4:300,
0 Pavo tem os superiores cortes de ca-
semiraspretasenfeitlas pelo barato preco
de 4^500 rs. o cort,
PECAS DE MADAPOLO A 3,50O.
0 Pavo vende pessas de muito bom
madapolo, tendo 12 jardas cada urna, pelo
barato preco de 3-,500.
PECHINCtIA EM ALGODAO A i000 US.
_ OPavio est veadeado p^;as de algodo-
sinho francez, tendo 4 pa'raos de largura e
com II metros cada-peca, palo barato pre
de 4->00 rs. '
CAMBIUIAS BRANCAS A 45OOO, A PRCA.
So o avao ven Je pecas de cambraia
branca transparente, tendo mais do vara de
largura, com 10 jardas cada peca, fazenda
que sempre se vendeua7r>e8:>i)00, liqui-
da-se pelo barato preco do 46000^
ALPAGAS BRILIIAKTES A l|000 E 800 RS.
O Pavo tem o mais bello sortimento de
alpacas la.radas, com as'cores mais deli-
cadas que tem vindo ao mere ido e tendo
bastante largura, ve.idem-se pe) barato
pn co de 1^000 e 800 rs. o covado.
Com pajunas de ed a f .
Para o Pavo chegon um rico sortiraeh-
.0 das mais bonita Yjasinlns com palmas
de seda teado de toda as cores e p^droes,
sendo fazenda bastante larga e vende-sel a
l-$000o covado.
ltou|*a para eraros.
O Pa\) VBtkire 4im bonitj surii*wik) de
roupas para escravos.
AS POVPELIMAS DI) PAVA A 800 ?.
Gbcgaram as mafs lindas poupelinas de
15a com iinilaclo de poupelirias dp seda, unta
fazenda muito Itine, com as mai 1 lindas co-
res, seodo : verde, Bigmarrk, rxa, azul,
lyrio, cinzento, frola etc. ele., e veadtMC
peta baratissimo preco da 500 re. o covado.
CROCH- PARA CADEIRA3 E SOFA'S., t ALTAS NOVIDADES EM SEDAS
O Pavo tem um grande sortimento dos' Cbegou nm grande sortimento das mais^
mais bonitos crocites para caderas, sofs ,, modernas poupelinas ou gorguro de seda i
mesas, almofadas etc., proprios para co-% linho, cem os mais elegantes padroesque1
br ir presntese vende-se mais barato do tem vindo a esto mercado: sendo milas
que em outra qualqucr parte. j e gradas, tanto cm corles para vestidos
Algodao entfcstatlo. como para vender em cavados, assim como
Vende-se urna graBde porcTto de algodao \ " sinho americano com 8 palmos de largura, das listradas, que so venda tudo muito
propro para lences e toalhas, tendo liso e (am conta.
trancado, que so vende por preco mallo em j Kerla de cortina.
Vende-se merino preto de cordo, pro-
PA.NNO DE LINHO.
Chegou um sortimento de pecas de pan-
no de linho do Porto, que se veodem de
700 rs. at 100O a vara, garantindo-so
que em fazenda da UnnoaSo ha nada melhor
nem mais proprio para lences e toalhas.
PECHINCHA EM CHAPEOS DE SOL.
Cbegou um grande sortimento dos me-
Ihores chapeos de sol de seda, ing'ezes
sendo neste artigo o meloor que tem vindo
ao mercado, assim como urna grande por-
Co de ditos de alpacas de todas as cores
e todos se vendem por presos moito ra-
zoaveis per haver graade poreao,
OS BALOES DO PAVO A 2,>00<,
Chegou um grande sortimento d bales
ou crinolinas do feilio mais moderno, muito
proprios para vestidos enejados, que se
vende pelo baratissimo preco de 2/J000 rs.
cada um, grande pecnincba.
prios para calcas, pditois e cohetes, pelo
baratisslma preco ds 1^000 o covado.
CRETOXES COM 10 PALMOS DE LARGURA A
51000 RS.
0 Pa^o tom urna niva remessa da mui-
to acreditad! cretone, -propria para lences
tendo 10 palmos de largara, dando na lar-
gura o comprimento do lencol e vonde-se
pelo barato prero de 20000 o metro, sendo
preciso apenas pnra um lencol am wetro e
urna quarta ou metro e meio.
Chapeos a 1S0OO.
Chapeos a 1/000,
Chapeos a 1)5000.
S o Pavo vende bonitos chapeos de
todas as cores p a forma mais moderna que oliimamentc
tem chegado, pelo barato prf co de 1)J000,
cada u, por terem ebegado com um po-
r.RETONES matizados para VESTrooS A GiO gueno toque de avaria, grande pechincha.
Para o Pavio chegarara' os mais bonitos., jPECHIHCHA.
cretqnes oscuros matizados, proprios para M CAMISAS DO PAVAO A 300 S.
vestilos, roaaao, chambres ete. que se Vende-se um bonito sortimento de muito
vendtm 80O rs. o covado. assim como o QDaaemedvToes'eamfsis iagletas eom pei
mestiu fazenda com padrees clarea proprios 10 4'Colifriahos di-ltnlio a punhes, pelo
para vestidos e roapas de meninos a 640 baaatjssimb pre;a de 4500 rs. cada urna
rs. o covado, sendo os padres mais me- e aos fregueses, (jue comprarem duzias se
dernos que tem viada 10 mercado. nataritu#nababeieoto. garanUfldo-se qne!
OS SEClNS^OPA"VO -Xaaond fluo vaid muito mais dinheiro,
Vende-se es mais bonitos setins'de cores lafulda-ea por tte prego por se ter feito
e mala encorpados, proprios para vestido* moa gpanWxjmpra : assim coa se vende
tendo de diversas amfeMMMWrtiflienu de ditas tambem com
FAZE.SD-VS PAR4 LltO N i 4.0H PAVAO' 1^0 de-W^bUadaS e d*aa de algodJO
Enc.intra o re.-spekavel publico ne^te Q-''p*n todos 0$ prcns.
tabalecimen o mi graada aortimento de a-3
zctulas pelas, como sajara ossaa frandeT
zas e ingiezas, .chins -pwta* de todas a
qualidades, fazendas de m de toda que
BiUiAm PllA LPQOES A 000, G0M 10
PALMpS DE I.ARGRA.
0 Pv3f vende anueriar Uaaiaata da al-
godao tendo 10 palmos de tergora, cuja lar
A lega do PavSo est constantemente
tem vuido, proprias para lato, sendo laaai- gura-di para /o aojaacuta 4aencoI.
tthas alpacas lavradase Usas, caotte, bom MAl|tffJMpUI^I tat, mt* CWP de
basiaas, merina, etc. que lado ae vea^a solteiro, 1 l/i aaa asa! 1 1/i metro,
por preco barato. 1fffMtL uT
Grosdenaples.
Sedas pretas Iavradas.
Fazendas pretas de la.
Para o Pavo chegou um grande sorti-
mento de grosdenaples pretos de pura seda
que se vendem de 1#500 rs. o covado a'
55 e 60000 ; sedas pretas Iavradas de dif-
ferentes precos e qualidades, l isiohas pre-
tas, alpacas bombasinas, cantes etc. etc.
assim como um grande sortimento de pan-
nos pretos Bgos e (-asentirs pretas de todos
os prec.os e qualidades ooe se vende mnito
mais barato do que em outra qaalqner
parle.
NOVAS POUPELINAS A 400 RS, O COVADO
0 Pav5o vende om grande sortimeoto
das mais bonitas poupelinas com lislrinhas
de todas as cores e eom Instre a imitacao
de seda, facilitando esta bonita fazenda a
fazer-se ora bom vestido de emita fantasa
por pooco dinieiro, ialo por ter-se feito
urna grande compra e vende-se a 400 ra.
o covado.
ROUPAS PARA nOMENS PARA TODOS
OS PRECS.
Vate grande estabelicimetitu eicmU-ax
o respeilavei publico um grande soriimonlo
de roupas, seodo palitos a sobreeasacos $
panno preio e cazemira, calcas e coletea d
brim hranco e de cores, que tudo se vende
mais barato do que em oulra qtialqoer parte ;
aim como um grande sormento de ca-
rnizas frincezas e ingiezas, e ceroulas tanto
de linho como de algodao e abundante sor-
timento de metas cruas.
Roupa por medida.
Na frjh do Pavo manda-se fazer qnalquer
paca de obra a veatede do fregoee, para o
qae leu lia potito aHaiafc, rasponaabelisan-
do-se os donos do es*a*Jelfment porqual-
qaer falta qu possa haver, mjer por de-
mora, quer por qnalquer defeito na obra;
e para isto en contra o respailavel publico
MVatiuto de todas as fazendas
deseiar.
( BRAMANTE A 1800.
VenJe-se superior bramante com 10 pal-I
ts de largura, propft para featoes, dan-
a largura d'esta ba fazeoda o compri-
mento do lencol, .sendo preciao para oda
ott apeoas 1 a 1/f Rfos m e 1/1* p
catncha-pmjrrece.
da mttnha s 9 da nonte
ALPACAS
LAVRADAS A
1,000 RES.
C'0.
Chegou para este grande estaMh
o mais bonito sortimento daa
as alpacas Iavradas de todas
se vendem a 1, 800 e 640 reta a
assim como nm grande sortiaacata de
cas lizas de todas as cores
CELEZ1AS E BRETANHA5.
Vendem-ia as mu fioaa
linho puro o peana caaa 1
como, Gnissinas bretaaaaa de
85 varas, por precos ajee
em relcese i aaaMdaaV.
Basquinas.
Chegario as nais taoderaai
ou jaquetinhas de seda prela,
enfeitadas a vidrilbo, traaea a
nada da todos ea andalas, aa
^ae tem chegado e vendem-:e por preces
wuto razoaveis.
ORGAND' COM SALPICO.
Cbegaxam oa mata ricas orgaady da ca
ros eom salpkos o nais ksano fea ten)
viimIo fiara.vealldo, ajee se sana a
o metro, dttoe arsacos anua naos
Hstris largas a 14000.
Cambraias brancas
Vende-se um grande:
Ihores cambraias tanto victorias i
prenles tendo de 34500
fina que vem ao mercada.
ESPART1LBOS A 5,
Vende-se nm bonito sorta
Ihores e mats moderaos
do barato preco de ">;>0001
CHITAS FINAS HE MI !>-
Vende se o mais ekgante inananta^e
mawmoderaae e boan alnas nasa anp-
aataann
iri
das como graanv com cosas aiaaaa de-
cora*, daado-ae de lana aaaaanaa.
FUatES BaUSCOS A *40. HX
Y-se
BuoAaxivel propnos
sOTniai e rosealaa
a 810, 806 e l|b rs.
I
I
J
l
lUGMl


I

Diario de Peruamibuoo Quinta eira 7 de Abril de
1870.
i '
I !
DI
,'. :,UHIt l'll II >*
\ r'-s.t "'
familias tudo
A III^A 1) 1 III li:it %TIIUZ tf, *
Esquinad rumia Aurora, em Irentedo osf Imperttfiji.
S.^t. cms^ial)lUS0l!;i^'-1lecmeflt., de- fazeiidns encontrarlo as Exmas.
4 mais qnalif^
r todos osAm m'i' St.l3/^reni IVuvi,'os * mercado,
rar aDarSo 2ta ?l?P?' reC em ^* ^ m artigo de oda o
* mSlSXSttSJSS^S^de *?* cota,stras <^eda e flre8azen-
quadades que costana Vtr ao mer- da inteiraraente nova para vestidos de baile.
Gravatas para sentaora e homens, o mais
completo sortimento que se pode desejar.
Gaipuj-e preto e branco, diversas larga-
cada.
Alpaca* de todo o padrites e qualida-
es Lio variadas que se nSo podem desetever.
Amns com msicas pira ooiteca retratos,
delicado presente para qualqaer pessoa de
auma.
Aloalhado de linho e algodio, braneo e
4a cures proprios .para toalbas.
Bis^ukias de seda pretal e muilo moder-
mb, bem como de crochet, tudo de apurado
fosto e feio.

ras e dflterentes gustos.
Gollas e pnnhos bordados para sefthoras.
Guardanapos e linho pequeos e gran-
des.
GorgurSo de seda preto e de cores.
Grosdenaples preto- ede coras, bavea-
do diversas quali dades e goefoS.
Japoftezes pan leauoris, o melhor
Balitea de musselina, madapoiao, brancos to.'wftfcnta K>ria"pM a^fesTaTnos^r-
do adres, para senhora e meninas, rabaldeS o pasieios a tarde.
Bareges de cores vanado sortimento. if,
Bauadiohoa ou liras bordadas em todas as L3azinhas de todas as finalidades, cores
e gostos, nRo Ocando nada a 'desejar, tal
a sorumento que existe paro escolher.
Lencos, tudo tjuanlo pode haver desde
esguio ao algodao commum. .
Leques de madrepcrola e osso, o mais va-
Btibutina e todas as cores.
Bolsas de tapete para \iagem, grande
variadade de tamanhos e gostos.
Bombazina preta de todas as quaiidades.
Bramante de linho de H paliaos de lar- riado'sortimenlo.
fura, e tedas as mais quaiidades. Ligas d seda, bordadas, para senhora.
Bretannas de linho e algodao, grande sor- Lnvaft de Joavin, chegadas por todos os va-
u^j r u ., Pres' semP'e novo sortimento, quer m
Bnns ao bobo branco a de cores, do mais pellica para homens e senhoras, quer emrfio
commoaoao mais caro emqualidade, affian- d'Escocia, brancas e de cores,
tando o que ba de melhor na especie. \ ^T
Brins d'algodo completo sortimento e Madapoiao; iiidescriptivel o grande sor-
venedade de prejos. mento que4ta nos te genero, desde o mais
_ <^. elevado preco ao menor, qoe se vende em
Cusas de cores, o maior sortimento, pri- pecae retaiho por menos do que era ou-
saando pelo bom gosto e barateza, attentas tra qualquer parto,
ai cualidades. Manas de blonde para hoivw: o apurado
fembraias brancas .tapadas, e transpiren- gosto dos nossos correspondentes em Pars
tas de todas as quaiidades e precos. habilita-nos a dizer que temos ero nosso
Camisinhasde cambraia de linho e cassa estabelecimenlo o que de melhor se dse-
bordadas ricamente enfeitados para Sras. ja para vestfcve ornar orna aofva
up mmm
Quaado a AGA BrlRNCA, mais pteoisa scientifioar ao respeitavel publico em
geral, e em particular a sua boa rreguezia, da uroeosidade da obiectoe que ltimamen-
te tom recebido, .tuatamente'quamio ella menos o pode fazer "e porque essa falta invo-
luntaria ella confia o espera na benevolencia de todos qu Ih'a attenderio e relevir3o,
continuando portante a dirigirem-se a bem conhecida Ir ja da AGUIA BRANCA ra do
Queimado n. 8, onde sompre acharo abunJaicia eta sortimento .do superioridade em
quaiidades, modicidade em proco* e o scu nunca uesracnttido AGRAD E SNGERIDADE.
Be que acitaa boa dito se conheceq^ o .lampo- 4a- qw a AGUIA BMNC V pode
dispr, empregado apezarde setwcastos eodeserapenho de bem servir a aquellas qoe a
hooram procurando prover-se em'dHi.Ioja do qoe Becessftam, entretanto sem ennnme-
rar os objectos qoe por sua natureza sao mais corinecidos ali, ella resumidamente indi-
car aquclles cuja importancia, elegancia e aovidade os temam rccommend3veis, como
btm seja :
Camisas para homens c meninos, to va-
riado sortimento que vai do mais ordinario
taadapolio ao mais perfeito bordado de li-
Camisas de meia, de flaneila, brancas e
de cores para homem. i
Caserairas pelas e de cores, o melhor
Corpinhos de cambraia, primare smente
enfeitados com fitas de setime obras essas
cuja novidade de molde e perieic2o de ador-
nos os tornam apreciados.
Fitas mni largas de diversas cores e qua-
iidades para cintos.
Leques uesse objecto muito se poeria
dizer querendo descreve-los minuciosamente
por suas quaiidades, coree e desenhos, tal
o grande e variado sortimento que acaba
de chegar, mas para nao masstr proten-1
dente se Ihe presentar o que poder de
melhor.
ntremelos em peca* de i tiros,
Gnipure branco e preto de diversas qiia- \
lidades e desenhos.
Capellas brancas para meninas.
Grandes sortimento de flores finas.
Fil de seda, preto.
PERFUMARA
Grande e constante sortimento de dita,
sempre melhor qnajidade.
Lindos vasos com p de arroz e pinsel,
Cakrinhas com ditos aromticos.
Bonitos e modernos pentes doftrados
para circular o coque.
Bonitos brincos de plaquee.
Aderecos e biincos de madreperolr.
Caivetes Anos para abrir latas.
Thesouras para frisar babadinbos.
Aspas para balo.
No vos stereoscopos com 48 vistas, as
quaes sao movidas por um machinismo
Ditos de algodSo com flores e lisos.
Veos de seda para chapetonas e monta- |UBS subsuwera a8 outras.
ra
Meias de seda pora noivaa.
Ditas abertu de fio d. Bsccyssia.
Costumes ou uniformes para meninos.
Vistas para sk-reoscopos.
Bonitas caumlias devidro enfeitados com
pedras.
Ditas de madeira envernisada com vispo-
!rs e com domina,
Mantas pretas de blond.
Mantas para carros, com lindas pinturas.
Merinos pretos, trancados eisos.
Mosselina branca e de cores, lindos e va-
riados padres.
O
Pannos pretos e do cores, desde o mais
que se pode imaginar, sendo d'isso a me- j barato ao mais superior, por preco muito
lbor prova o grande consmalo dolas na camodo.
efficina da casa. Pannos de crochet, para eadoiras e sofs.
Gapellas de flores, para noivas e bailes,! ^',as de casemira muito finos para
desde a mais candida flor de larangeira at i niesa.
a mais imeressante grinalda. J Peitos bordados e linho, lisos e de al-
Cb*pelinlias no melhorosto.de todas as godao para camisa.
cores boje preferidas pelas senhoras de | Princetas pratas c ^e cores,
mais apurado rigor na moda. Popelina do seda e linho, com lisfrase
Ch.pos pretos de velludo, para senhoras,
altimo gosto de Pars.
Chapeos de sol, para senhoras e boraeos,
de lodos os pre;os e variados gostos.
Chaly com ricos padres para vestidos.
flores j fazenda. hndissima.
PlherBas para senhoras, do ultimo
gosto.
Perfumaras ; os mais fiaed extractos o
qoe de melhor e mais agradavel se podo
Enxovaes completos para baptisados. Bollas de borracha para brinquedo de
Touquinhas de fil, sapatinnos bordados crianoas.
e meis para ditos. Diversos objectos de porcelana, propri03
Cimisiuhas bordadas para ditos. para eBeites de mesa e de lapmbas
mimm coihpleto
NOS GRANDES
Alt?11KIi\S 1IE SUCCOS E 11(11 IIUlOS
Chales de todas as qiiahdades, avultado j encontrar neste genero, e de mais fragante
aome-o e u5o menos variedade de gostos,! e suave ao olpbato, tem e PAILHO DA
Ch. s, impossivel descrever o sortimen-1 AURORA, desde a verdadeira agua Fmri-
to e vaiiedade do padres a novos gostos, da at o mais fino Bouquet d'Amour, final-
ha neste artigo tudo quanto se pode desejar. rineale tado quanto dsve oceupar e touca-
Ciatos para senhoras o que se pode ima-
iaar de melhor.
Croes. o melhor no gosto e nos enlej-
es, varios tamanhos.
Colchas de seda com borlas, o mais apu-
rado gosto e lavor.
Ditas de fusto branco e de cores por
procos commodos.
Corpinhos de cambraia, ricamente borda-
dos para senhoras.
Cortinados de cambraia bordados e do
fil.o que do mcihor se pode desejar.
Colarinhos de linho bordados e lisos, o
maior sortimento.
Damasco de 13a de 9 palmosjde largura
lindas cores e ricos padres.
Esparlilhos bramos e de cores, para se-
nhoras e meninas, o melhor neste genero ;
nenboma Sra. deixar por certo de muir
e de lio precioso auxiliar perfeiclo de
nm corpo delicado.
Entremeios bordados.
Escomilha preta.
Enfeites para eabeca, ultima moda de
Pars, recebida no ultimo paquete.
Esguio de linho, completo sortimento de
todos os nmeros.
O*
fitas largas escocesas para cintos, varie-
dade de gostos e lindos padres,
Fihs de crochet, modernos com ciatos
a capas, o que ha de melhor.
Fri de seda, linho e algodao, de todos
costos e padrees.
Fasiao de todas as cores e quaiidades
f rinde sortimento. *
Flaneila branca e de cores.
dor de urna senliora de gosto.
Saias bordadas, brancas, lisas e de cores
com foilios e sera elles, o melhor possivel,
Sabidas de baile, de todas u cores.
Sedas pretas, de quadros, lavradas, lisas,
de lisiras de todas as cores e quaiidades e
o mais barato possive!.
Sarcelim de todas as cores e quaiidades.
Tapetes gravite, lindas pinturas para 8
cadeiras, mais pequeos e de todos os ta-
manhos dosejaveii;, e om peca nara co-
vados.
Toalhas de labyrintho, do maror e mais
fino trabalho ao mais baralo.
Toalhas de linho e algodao de todos os
tamanhos, lisas e felpudas.
Tarlatana branca com palmas e de cores,
fasenda muito nova, e gostos delicados pro-
pria para baile.
Yistuarios bordados de fuslo brancos e
de cores para meninos, de cambraia para
baptisados, o que de melhor tem vindo a
este mercado.
Vestidos do 18a escoceza de 2 saias,
novidade pclonadjo, gosto eforma; ditos
de linho com barras de cores, e de cam-
braia de cores com 2 saias, tudo inteira
novidade, trazem os modeflos juntos para
mostrar a forma de os fazer.
Veos de blond para noivas e pretos para
tuto.
Vestidos de blond para noivas: podemos
asseverar as nossas sraas. (recuezas, que
somos os nicos em Pernambuco que pode-
mos offerecer ao Ilustrado pubtico, o mais
apurado gosto em semelhante materia, gra-
Cas -
N. 23largo do Tereo,N. 23.
^ac.
:!

U\..

IfO PaifOi-tla Penha
' -DE
10
SAMTftS t FERBEIRA.
Os preprietarios destcs.bBm sortidwarmatensparticipjrm aos s^us innmeros
freguezes tanto desta praca cbmo d matto qhe tendo fett grande diminuigo de pre-
cos as suas mercadorias estao p^risso resotvidos a vender por menos de '40 e 20 "j,,,
do que eL outra qualquer parte, -{arantrndo-se portatito a s "prior qua'idade de qual-
qaer genero comprado .est-is dous est:.liek:cimentos. Mencionamos alguns dos nossos
gneros e a vista destes Sao cumprehendldos os outros, porque enfadonho seria men-
cina-los.
Se aiguem duvidar venha ver.
Wi7. amerioano marca Deves a 80800 a
JLOJA
GALLO VIGILANTE
Ra do creas a. 1
Ob propnetarios desta bom oonheeido aMabelo-
cimeui, alm du muito obyectos que tinbam ex-
postos a apreciacao do respeitavel publico, man-
daram vir e acabaui de receber pelo ultimo vapor
da Europa um completo e vanado sortimento de
nnas mui delicadas especialidades, as quaes es-
li rlsolvido a vender, con de sen costme,
por procos muito baratinhes e commodos para lo-
os, cin tanto que o Gallo....
Marto superiores luvas de pellica, pretas, brau-
eas e i mui lindas cores.
Mui boas e bonitas gollinhas e punhos para se-
nhorjj neste genero o que ba de mais moderno.
Superiores pntes de tartaruga para coques.
Lmos e riqusimos enfeites para canecas da?
Bxnja. senhoras.
Superiores traueas pretas e de cores com vidri-
inos e sem lies esta fazeoda o que pode baver
de melhor e mais boolto.
Superiores e bonitos leques de madreperola.
marnm an.lalo e osso -sendo aquenes brancw
com lindos desenhos, e estes pretos.
Muito superiore meias lio da Escossia para se-
nnpras, as qu.ies sempre se venderam por 30f00ti
a eni, entretanto que nos as vendemos por JOS
atra (testas, temos tambera grande sortimento de
mtt-48 quaiidades, entre as quaes algumas muito
-Hlvn8>
Boas bengalas de superior canoa da tedia, t
eaatao.iia marftm com liadas e encantadoras figu-
ras do mesmo, neste genero o qne de melhor s
po djssajar ; alm destas temos tambem grand.
quaoudado de outras quaiidades, como sejaro, ma
aeira, balea, osso, borracha, etc. etc. etc.
Fios, bonitos e airosos chicotinhos de cadeia e
de outras quaiidades.
Lindas e superiores ligas de seda e borracha
para segurar as meias.
Boas meias de seda para senhora e oara meni-
nas de 1 a 12 annos de idade.
Navalhas cabo de marflm e tartaruga para farer
barba ; sao muito boas,e de mais a mais sio ga-
raudas pelo fabricante, e nos por nossa vei tara
bem asseguram8 sua qualidade e delicadeza.
Lindas e bellas capellas para noiva.
Superiores agulhas para machina e para crox
Lmha muito boa de peso, frouxai, para encher
labyrintho.
Bons baralhof de cartas para voltarete, assim
como os tentos para o mesmo fim.
Grande e taad sortimento das melhores per-
rumanas e dos melbores e mais conhecidos per-
fumistas.
. COLARES DE ROER.
Hectncos magnticos contra as convulsoes, e
a/'intam a denticao das Innocentes enancas. So-
mos desde muito recebeares destes prodigiosos
coiJafes, e continuamos a recebe-loa por todos o*
vapores, aftm de que nunca fallera no mercado.
como ja tem acontecido, assim pois poderao aquel-
les que detles precisarem, vir ao deposito do gali<
vigilante, aonde sempre encontraro destes verda-
deros colares, e os quaes attendendo-se ao fin!
para que sao applicados, se venderao com um mn<
diminuto lucro.
Rogamos, pois, avista dos objectos que deixamos
declarados, los nossos fregtieze3 e amigos a virem
comprar por preces muito razoaveis i loja do gall<
vigilante, rna do Ciespo n. 7.
T~0GM
De saperior qnalidade da mui accredit*
da fabrica de Bisqut Dubonch 4 C. en
cognac urna das que mais agurdente d.
cognac, fornece para o consummo d<
Reino da hrglatrra.
Vende-se em casa de Tb. Just. rna d<
commercio n. 32.
Grande
O Campos da roa-4
respeilavel publico e e.
merosos f rpnm qwe V te
petxe fraseo no errad data
guio fazer em su trmtnm mi
ile peixes de diversas suaWadw .
diferentes m.ineir* a abr : n a
inolbo e em ;i/eie, da- cga
diuhas, cavallinba*, lurrMOi
cherues, savel, oesrada bmmf*,
congro, salmn. Iifosta, etc., el-- rx.
Adbfj
Adte'l
No arniaz> m 4o
escravos macos.
toMca
Acha-se fra da casa V i
da 3 de feverein. proxhm poraado. ^ ras* Kr-
tonsto. eom *t mh de Mr, r k^as sMm
regular, coifjD reforcadu, e a!?
berhigas um ponen apofada* ron,
bons. dedos grostos e rumbado*. :rm rrrts
no fallar qnc bnxt se nao pnde d finir
parece, rom fahas 4e calHto ratera
barba algnma. Indo com carpe de a_
engenh > finwiyb de Mmm ra aara
apartou-se do conib<-> para ir a r -a
padrioho, Jiao de Barro; Srltu. e.m
memo de conrrrtar e sanar |n -. u tmt ta >
peratriz n. 47, de .pparecendo .?sd tatln: rr-
commenda-se a sna ranura, r nrntamr-M lw>
ronsupensa aquem kw> n*ir minnn CjV
veir on rtrll dr noliciaian. Sr. lacH BmIV
ten do Rrgo Barrss, m mt do V.-rrim m.9
prolesl.indo-se qie te |iisindil
centra Anda iugido drsdc i6 du levrrar r,.x*-
mo passado o esrravo Joao, piel.,, cutara atea,
(do pirado de bexigas i.p|> i i r blu d> dn>>
tes : IcWfO vestido ramisa l.ranrn,
outra de riscado de listas, fjorn o |
praca da independencia l< jn da FteinAl
qne ser rerompefi-ada
AuseiKu->e a nrrto de~dnas m
de seu senhor a e? era va preta fnla de
com perto de 50 annos de idadr, alla.|
toreprisia, fui esorava doSr 0r. Aatem,
que anda nesta ridade e ten ste v* mt I
da Boa-vista e em S. Jo- com tamirar nn o-
b* ca : qnera a apprehrnder e driu 4rr dar nn-
tiria exart-, dirija se ao paleo de S rrdre n If,
qne fera gratificad".
BMCO
Flores, o que ha de mais rico, quer
aoUas, aner em ramos, lera o PAVILHaO,'Pars
DA AURORA am permanente jardira a'genero
disposc5o das Exmas. familias. Iconta.
,.. p' dispondo d t3o grande e variado fortimemo que os proprietarios do PA-
VILHAO DA AURORA se apresentam ao pubiieo dedarando desde j que a sincrida-
ie e o bom gostoo movel gnico de seus negocios.
Prvidos de tudo e promptos sempre a prover-se do que por ventora Ihel
neja rkecessano, os proprietarios deste sumptuoso estabelecimenlo recommepdapi.se
;jem rciceto de sercm contradictos e protestara esforcar-se por continuar a merecer
protec,Io que se Ibes tem dispensado ; certas de qne do sea estabelecimento nao sahira
o fregnez descontente.
Contina sempre a oficina de alfaiate dirigida por um dos mais babeis artis-
tn, pipmpto executar com promptidSo e bom gosto qualquer trapaibo qne lbe seja
iado. Urna modista especialmente oceupada nos .^ifa^s do PAVtBO DV AU-
dinge os qoe Ihe s3o concernentes, garante norse apurado gosto e promptidSo
CUCao e a mais comn eta DerfeirSn rm m trKihn.
Vinagre branco mandado vir por corita
propria^indo de Lisboa, a 320 a garrafa e
480 o litro.
dem tinto Figueira, Lisboa e Porto a
320,280, 210 e 200 rs. a garrafa e 480-300,
ts. o litro.
Vinho Figueira, Lisboa, Porto c Estrello
a 560, 500 480 e 400
760, 720 e 600.
Vinho branco puro de Lisboa a 640 360
Inte, 380 rs. a garrafa o 560 o litro.
A/reite doce de Lisboa a 900 e i f>'KK) a
garrafa em porco mz-93 grande abatimen-
to.
'Caf em carneo a 220, 240 e 2-0, a li-
, bra o -kilogrommo a 480, 540 e 000, e
Milho alpista 200 rs. a libra e 4i0 oki
ag.urafa, em porco lia abatiraento. lograanna e 8800 a arroba, emporc3o ha
Vinho do Porto, engarrafado das melho- abatlmento.
res e maisacrc:a I >500e U a garrafa. ^ (e 35400 cada um.
dem Bordeaux, Medoc e SL iuJion fl Aletr macarro tall.arim a 800 re. a
7500 e OSQO.a duzia e 610 ts. a garafa.. !'brB mm l^grammoem caixaobl
Genebra de Hall oda e laranja idoce aro-'3 nto-
maticaa 6^500. 75, 11*500, a basqueira.
Serveja Bass. Illers Bell 980adu-
zia em porcao ha grande abalimento.
dem marca M e-f e outras marcas a
55500 e 5, a dur.ia e 500 rs. r garrafa.
Assim como %a eutros iwjmos
Sabo massa de Ia e 2-1 qualidade a 220
e 240 rs. a Jibra eui caixa ha batimento
Toucinho.de Lisboa muito alto a 400 rs.
a libra e 880 o ki'ogrammo, om arroba ba
grande dilerenfta.
gneros, vinho em ancorebis, azeitonas,
passas e figos, charutos finos de diversas marcas, jiaaKoeUda, bolachinhas de todas_as
quaiidades, perola, Francy-cracynel, a, b, c, Mdium, mixed, soda Fajacy-mc-nac, pa-
lacd de Vanete.eombination, t-itania, doce do goiaba lina, chouricas, maoleigas finas
franoeza e ingle, barba de-Batimer, phosphoros de Svcurvt, Cognac, cha de diver-
2 u'-S ^*lla:.ff;ntdVeT,0'ervadore> pomada, eaxofre. bren, peixe
ao bom gosto do nosso fornecedor em f ,8t! de,lu'9 s q*dadee, rtnha de milho americana, graades memos de sebol-
is, podernos garantir que ninguem neste f,? i.US annazen8 ***? tanihew ?rQd<> s^'eflio.d lencas propr.as para ae-
eroV ossae raelhor. nemmais m WP'W* 9&* w commode* pieo faz vantagem aos compradores.
ORA,
ai execucSo e a mais completa perfec5o os seus trsbahos.
A numerosa freguezia qoe nos honra, urna prova da que merecemos o con-*
oatoqiie se dispensa ao^ nosso estabelecimento, concert, que procuraremos firmar cada
vez mais. Para facilitar anda a concecucSo do fim qwWratmoBos, temosbq nosso
estabelecimento os ltimos figunnos de Pars, qoe recebemos por lodos os paquetes, os
quaes enviaremos para sercm vistos as familias nossas freguezas, aflm de escolherem,
coa o padrao da faenda o gesto na forma.
Na offlena de alfaate, junto ao etabelecmiento, ha iguatmenle es ficuros'
pira bomens que por todos os vappres se recebet.
E' esto o modo porque nos apresontamos, pediBd,d a proteccSo do illastrado
niico e com o mais profundo respeito convidamos $s excolfentssimas Sras. a visi-
tarem o posso estabelecimento, certas de encolfafam nete pelo menor preco possive-
6 qn e^iodem desejar.
lo
Mandaremos ca/xetros levar as fazea,j?$ e amostras onde forem pedidas, visto
pdennos especificar tudo quanto temos.
Ao Luiz, Sohtuho d> C,
Abarte das 6 As V hora a mita.
9 PRODUCTOS de J,-Pf LAROZE v
PBAWucatmco, i, m Mt uiisMir^Nt, npt.
XAROPE DEPURATIVO
( WCAjr^DEunAroaSAjaWA
ioaiBTa nto riTASiia
0 Udmu dii notado* sercUdeiro alterante, W 4M*ntoM inaonteHn!-
eo; eombinU eom o icarop dn oaaoan d laxan]an amargan, atando
Mn ntrtarbtcao alfnma peto* teMperameDtps os mais freos, sem alterar as fanecoes
do estomago. As dotes matheoutiew sjaeeUe cont permittemaosmins e rnecitaU
pew temperamentos os mais racos,
ithr-
pra te#s as eompMoles
roa no aooldes
agente o mais poderoso catira as doen^
rhe
"rlSiuU
mm TORtCO IITI-NERVOSO
i mmm lenj naaarsaa. .
IS tonos te sueentsos stesUo a iva *ffi-
ensja para enrar: i 4o*n? mtvom.
IIROPI FERRI9IR0S0
*-----------m.,-------)-----ti a sata naaaaa
'soaalbrmaUquidaqaeraaiabeiliMn-
te se assinula o ferro; n'esta forma profa-
W>R ?elB,A, PTIBTBIO I CAUCO
Roa do Imperador n. 26
Neatanovo estabelecimento encontra-s
diariamente nm variado sortimeuto de bo
linhos para cha, pastis, podios bollos in-
glezcvpaes^ie 16. presuntos, ditos na fiam-
bre, superior cha Hysson, preto, e miudi-
nho. Vinhos finos de todas as qualidade^
conage, licores, conservas, champagne, cer
veja iqgleza, fructas muito boas, por-
tuguezas e francezas.
Um completo e variado sortimento dr
caixiohas de todas os gostos e preces pan
mimosear senhoras, estas caixinnas recn-
temele chegadas de Pars s5o de primora-
do gosto, offeresse-mo-las aos galanteadme}
do berlo sexo pois nellas acharSo nm dignt
e serio presente para as donas dos sern
pensamentos. Tambem os apreciadores di
boa fumaca encontrarlo charutos dos me-
lhores fabricantes da Bahia e de Havam
sigarros do Rio de Janeiro etc. etc.
Doces d'ovos seceos, christalisados e dt
calda, ditos de caj e de outras quaiidades
Nesta easa recebem-se encommendas pan
bailes, easamentos e baptisados e qualquer
encommendas avalss, como seja p3o d l
e lelos enfeitados e outros muitas couza
que enfadonho mencionar.
CEMENTO""
0 verdadeiro portland. S se vende n
ra da Madre de Deus n. 22,. armazem d
Joto Martins d Barros.
Fisstiu do eogruh.1 CanwmrV n i
de Serinharm nertenrrate a Cwnnr
WaDoVrley os escravos vfnintn : aannnnl
lo baixo. grorn, nariz chalo, da .*er da Ca-u
ter ?ido comprado pfqnnm. Julo Canncal > |
de irinia e tantos annoj, prs enaks. m> u
l>iud;.s, estelara baixa, dr Mala,
e v-u na pona do queixo, Fennne i
de de 16 annos ponco mais on men #, baixn.
so. sem ddi-o algnm, leve bixm i
rom ponco apparece; |mr Hso nrdr se j
dades policiaes e capiae* dr eansnj a
me-nxis o lvalos no mesano rn|iiha *m .
da Ma.ila n. 5, 2* andar eseriploho > Mana! JU-
ps Ferroira (t i., qnp i^So araiUrmaft.
Fugio no da 16 ik k\trtir, pt-a t !, a
ppcrava rrionla de nome BXtzara ipT ran
ter 10 annns, esUtnra batea, esa trete bisa d
dentes e com waa steatrte do fneimadnra na ara
co direiin, leudo Invado dons rale*, .-rn.1 > wn
verde e oulro listado de aml t- l-r;..-: <*>
a capturar sirra-se (va te a P.te de rrfcte
sitio de Juo Jos Rodrigues Mandes, a a ma
da aladre de Deus u. 28, que era
recompensado.
Fogio do enpeidio Minia cas ** rnsanrra da
Santo Aman, no da 90 de joa do annn lan^adn.
o escravo de nome Franerlin. repmmt.-i er JC
annos de idade, cem os signan irgnintrs rae
preta, baixo, corpo reforradn, cara Urg-. I^fcna
larbado, olhos |*queos, nar mate) an ada, ae-
ra regular, denles cortos e limad*, anusto i
la e andar aprestado ; coasu andar p>>*
bio da nilado de Olinda, ingrnli- FTg>-
ra, Beberibe on Apipos, aeeoiaite |*r .
Jos.- de Sart'Anna, sen irado liberto, o ,joai Mn
em sua ompanliia urna cab. eilu e fJa<*i na mea-
ma, e por oulro rmao de nome I s B e>4
o rondo ara pora os logares arana mu!
alein de um oulro sudo de Dome J>
da Silva, conherido grr kh Pajert, a> |rf vtaV
flaqucila comarca. Moga pitaes de campo que o apprrhendam e n Umm a
rna do langei n. 17, on no cagfau Mmnnn, a
entregar a >eu enner Jno Corrna V Qn*u
Monteirn. qoe ser*o generosamendr granar* a
Il.ne.iicu), innlato, cuan teanV dr i
tantos aonos, j ai pintando, tem a cab- c>
na, cabellos quasi bans, altara regular
bem barbado, tem faltas de denle'. Ira
uns panos prelos e no bracn direitii ana rir-irfc.
consta que este mualo ate com o nav .ibd>.
para Joo, e tem andado entre ierras d Frac-se e
cidade de Olinaa trabiibandoe basu*and<> %aA* .
roga-.ea> autoridades on partu-alam a capta a
(t.>Me escravo ; fazeado entrega ao Sr. Man-rl Ca-
vnlcanii de Albuqu-rqnr 6adina, n^mU.i rna
Nova Cruz i'antiga Marte Fahnba), le nm d> lana
rass.qiie ser bem rernmnansad.) >^0 IraaaaVi.
de
a
Estampilhas.
Vendo Hiena ra da Cruz n 8, Io andar.
Sementes de hortali-
ces.
" '' I^peratrl
Na botica de C CatodtC.
f
leJhas de faroT

Na ra do Crespa n, 6, ha para vender; jwr
prei;o muito rasoavr], um grande sortimento de
lelhas de ferro galtanisado de diversos tamanlios.
para eotrir easas e tettieiros, qne alin de ser
maia baratudo ^m as telbas de barro, muilo
mais limpo e afoi'ino.-eia muito mai-, etc.
Bixas de Hamburgo
Por menos do que om outra qualquer parte
vende-;e e alugam-se : na ra do Imperador n.
t8, armazem do Campos.
II
No da 3 da crlente or vuha da- 2 I
tarde, fugio o mulato de nome Manor
estrada de Santo Amaro de Jaboat m
ao serian de Papacara aonde veio n nW
1865 pelo Sr. Jio Caeatean de A;
<>nde diz tem pai Itere, tem os signar >.
tes: baixo, grosso, com bastante b rna, r UK>
muitos dentes, rosto eomnridn, p* p* piraM
muito esp-rto, idade de an, ha m***._
que comnrou roupas novas a sapaj*, ..- *u m*
em dirihelro, pouc mais on menr", qne >
recebid < de diversos fregoezes ande y '.du pon. e
leva va bolachas, 9upnoe- yolunlai ios da patria daquellas paragms r..m jenn
tinlia rei. cues todos o das quand ia vprttle ,*
no lugar das unja? do4k.pia j pnir re a* ana*i
dades policiie.*-* catitees da aam, r iajm lli t
AlhoquenrM d Peamwca a eae*n> a> *
cravo, e remetie-lo a sea aenbor na n a Dii rte
dos Afugados n. 6>, que se recomprn ara
Ni da 23 do airreale Jogiram d iaei *
Olifornia da fregaezia de Serrnhiem srgi.nl>
escravos :
Germanu, crioulo.com 17 para 18 aa*> V wm-
d", bem preto, eabeca pequea e afum ada n -
tena sempre a 9emwntefristonh.iP ftj>m*m,
nemas comphqas, teta asa pnjW r alte u-
ibo na teste, na* aadcfa aafeas da rmitr- *m
recentes, sinio c m urna coma p. que nnluralmearete nao a d ve enervar r
vestido calca de algodi > acal e randw > H r
maite usada, ate aaer*niho do Pr-J.. a>-
nwras na nrorineia da Parand-a, r a
ao Sr. Joaqun) Maariein Wanaeri \. re
"ylfcNDE S5 ou arrenda-se o enaen'
S. Gaspar, sito na freguezia de SerinEsem
comarca do Rio Formoso, prximo do em
barque, com grandes partidos de paui
massap i roda da moenda, mattos manguei
para aadeira necssarfa, bom pasto, etc.
a tratar na.ra d'Aurora n. 26, ou na o\
Imperador n. 20.
*^-------------
Ba
ueimadou.ai
engenhe S. Francisco aa ridade da V- :.-r.
Gregorio Urrmem erredlo, cor In "i* ti ^n
nos de d>de, tltoe bemthree, j riM -r
queos, nonita g4Ka, wa ana mira -.m m
ama das cochas, preyeaiente de mu. asteen te,
muitos signaes de qoein adora p. \, rwrrifa i
bem tem marcas de castigo petes a:> *?
bem sen eom crrante a Jte4jK que leabam seajoteo para o ante > M>r>naw e
ou Guabira na Paraljlte ; anean as e-ptum >~-
ve-os ao referido eiajenaa t^Ubni' a -n> i. r
Dr. Antonte riorenbno CavafcaWt # A naja iiane.
ou no rWeife ao Sr. Mu- fotaanan* r.aw mi
Jnior, que ser pntr laaaaaanj r.'MSs i
Pre*UM-5e aos senbat)i iV-. -,. -
tenbam toda vigilancia na ocearii .' ajli-r m
os ditos eseravpa, ^aai|at tt *if rtri ven. -
ram prwos tenterain mmm*h*r f> v a
protesta com todo o rajar da le cmmm
*CQUar- .em-si'r-.
ExcdJI entes chapeos de castor,
braaeos e w-eto, pelo Barathsim
ptofoda^MICO.
Loja, de Auluui da Mour; IViliV
4 C.
Ra do Queimado n. 31
i
Vono-so peto sen in__
data do Recifen. 88, loja do Azulejo.
autorldaaleM
rltaah paaUct
ate -mmim m
NO cneanio de,
H grande, m ios
altertos; Hn
naaae renavoaM w^-^-^m
d.tJi&/
m

i______^" ^"
n. K, qoe ser bem


<
8
9Mnrras.
- Ha nos sorrsos leus tanta poesa,e UaU
spiracio aos teus ornares, qua naocroio t
liamana! Es forraos d'anjo, d'algara tmju
iftie Deus no empyreo mar e, tentndo
.naso amor, baixara i Ierra!
>
Quando vejo te tari; na janeiia, pAtja*
.va, miran Jo as loiras nuv us, que, lig'ir.4
}terp3ssam pelo empaco, e d; noute do cia:*
o da branca la contemplando o fulgor do
Jjjil estrtfU qu,
smte n mitra*
sedetor?9
.lwjs us
ctiuh'aj)*ji
, o era me
.1.
api
da
m
2
3 OIOS
Ico que
l*Jtt
mea-pello uro
tan devora o coraclardente!
.Al) I guantas vezes nao suspiro de
i. js mous sonhares, sollo o cabello, ent ves-
i. 'S de innocencia, como vejo le sempre na
intitule de um xtasis divino! E quintos
tarantos nSo derramo por ti, quando medito
i a p .reza que nvolve o leu semblante, tea
.-eio virginal I...
L)uco, divago pelos campos do lar, sol-
lo sempre parases futeU, que esc'utam.
os desertes, e, prece-me ver-te no raau
i ido me fallando de amor, com teus sari1-
8 iJ que aos poetas inspiram. Frad amante,
c a segredo comtigo ardentemente os poo.nas
(i e amor e de inuoceacia, que as |yrw d i
i desferem anjos I Como um ai um sus
1 io confundido, nossasvozes soltadas vio
s.imir-se do bosque na espessura.
A briza passa e, parece leval-as cuida
liosa, s solidoes do almt Mas quindo
penso'que nlo passa de mera phantasia, o
(\ le ver-rae parece na soedade, desesporo
a.inal, e, solt 'sempre pela raiva ferido e
pel engao, vozes, gritos de dor, que os
ares ferem!
Outras vezes, scisinamio nos meus so-
nos, no silencio envolvido, sobre o leito,
eu converso comtigo, e beijo em ancia tuas
lacea morenas! Nj teu eolio, durmo o
.samno da paz e da alegra, o respirar sen-
t mo do teu seo 1
li! destino.atal! Obi queeu nio possa
t abrir meo coracSo, contar-te as magoas
e as saadades que gemo compassivo, sob o
pazo da dor sempre curvado I Euquzera te
amar, nao como Paulo e Virgina se ama-
ran), nem Torquato e Leonor gentil!
E' grande o nobre o nosso amor priraei-
fo Os proprios anjos, sobre o throno de
Deus'alli sentados, invejam nosso amor!..
Quanlos prazeres offerece este mundo en-
\ olvido sempre nos mares da opulencia e da
mentira, aos humanos que vivera inooceutes,
.-. n conbecer o mal!
E eu entretanto t desejo vver longe do
mundo, aquecido em tea seio avelludado,
recebendo o jerfome dos teus labios, e
morrer de volopia em leu regaco i
Oh I nao podes sondar as alegras, que
me elevam, se vejo-te rsonha, apoiada na
miio a face pura da cor do jambo loiro !
Quando solas ura sorriso ligeiro, me arre-
batas no leve adejo de tu'alma santa, as
regios do co I As vezes pens em unir-
me comtig) no mais doce amplexo divinal
e vver sempre rodeado de rizo e de affec-
tos, esquecendo da sorte o golpe duro I
Vas debalde tudo I Vite e amei-te te
elevando em meus cantos desferidos na lyra
da paixio I Oh! como te amo nao sei di-
zer talvez i De ti bem parto ea delyro de
amor, vacillo sempre a&te a idea de ser
ou nlo amado!
Urna noute te vi de Deus no templo I
cercada de doozellas parecas um archanjo
de Deus entre os humanos 1 Ajoelhas-le entio
perante a imagem do Consto sobre a cruz I
Dos labios puros soltaste urna oracio mais
pura anda com tu'alma de aojo, e, a prece
solta, as azas na innocencia foi contricta
cahir de Deus aos ps I Elle sorrindo, do
seu throno de anjinhos rodeado, como um
poeta crente e cubicoso, guardou tua ora-
rlo na urna santa do seu ptilo divino I E
sobre nveos os loiros seraphins, rose js
archanjo, as cytharas do ceo soltaram
i ?doso canto da porezal Findo o canto,
Deus sorriose, e beijoo to, alma pura que
ao co se remontara !
Eis como vi-te e, ?rrebatei-me, em doces
devaneios para amarte, inspirado por teas
olhos e teu seio gentil! triste e bem
iraca a minba iinguagem para agora te
oonfessar o amor que por ti sinto no meu
vver de dores!
Quando alegre, eu te vejo sorrindo-me
iie amores, parece-me que o anjo da espe-
ranza vera abrir-me do cu as aoreas portas.
E to, anjo do co, pomba innocente, que
pwndttviii-mo ag >ra nos leas raos, e-em teu
ullrres ii-inqjj* puros. nao desproses rali-
nh'alrai apaixonada qae suspira por ti! Veja
C nsolar-ms na triste solidlo era que me
viste, e trazei$-m$ o amor, a paz, a fida ios
qaetcs beijai dos: te* labios rseos, contacto de kio Avine seio t fia preciso d i
amor, precise m peilo (pie me escute os ge-
midos do'onjanfflMAHrie comigo os-seus
p''Zi: roa vera diexisl?hcia.
i'oife4"i. m w0T* de encantos, deste
corromp lo, eu nao posso
vivo na soledad'e ena qae
Hj, seni umanjo que traga-me
iium no son- arden te amor' Oulr'oi'a
i, e i i cria nos risos nem nos b ijos
l.s mnlheres de ento. Indiffercnt'i, coii-
t^mplei muitas vejjps ora semblante, jaein
v pirjvj pilxo, e. ue affastava dos requebros
ungidos dos seos olhos I Porm hojn, eo t
amo, e juro amar-te por toda a eternidad !
}W*, na vida e ten meo coraco!
llanos teas olhos a insprac5o que eleva,
rae na iyra e nos sorrisos teos tanta poesa,
qoe deslumhra razo!
Vera, pois, morena, inspirar-me na luz dos
tousolhares, e, esqaccendo os prazeres deste
mundo, en que sempre te ara >i, qoe te amo
ainda, to erabilarei no leito perfamadn, na
lyra desferinlo os ternas hymnos, inspira-
dos por ti!
Deixa queomuado engolphado na onda
dos seos vicio?, nos atiro invejoso so'ire as
frontes o anathon cruel! Deixa qoe os ho-
mens inimigosdoamor, filhosdo crime.nos
tome por uns loocos!
Nesla vida o teu amor diviso me conforta
e reviver-me vem na mocidade as rosas do
prizer qoe hiani morchandosem os raiosdo
sol da crenca eterna!
Hoje, eu vivo feliz, e, crente, espero acom-
panhar-te sempre no caminho que o destino
feroz ha de apontar-nos! Hoje, almejo so-
mente adiar comtigo na existencia do nosso
amor primeiro, a gloria e o pirvir I Oh!
vem, nao tardes, pressoroza e gentil, traz-
me a cordadas flores do hymenea Quero
cstreitar-le como em sonho, do abraco mais
constante, e receber n'om sculo soave, a
immortalidade Ah! n3o descreas na m-
gico transporte de tu'alma, do nosso amor
tifo poro e tSo brilhante, como o brilho dos
astros qoe fulgura na abobada do co!
Eiaf vivamos corao as flores as lagrima
do orvalho, oo como os astros mil!
Dorante a noote eu relerabro-le sampre
em miabas preces, e, elevando ao Senhor
meu hymno sacro, peco a n ssa oniSo sobro
esta trra, onde soffro por ti! Em toa fronte
fulge ora raio do sol da intelligencia, qoe pe-
netra-me n'alraa afogentando as trevas do
meu corpo I Em tuas fallas cheias semp'-
de amore le pureza, eo soletro de jobito re-
pleto, meo ce:i6o futuro I
Ah I .niea o pranto venhi ura da man-
char o doce brilho qoe tens nos olhos teus!
Longe a tristeza, que por vezes nos vem to-
car no rosto, dosligurando a cor 1
Quando a desgraca irapiedozao cr.el sen-
tirmos n'alraa, eu saberei impvido seus
golpes de perto resistir.
Mas desterremos essas ideas lgubres e
tristes, para agora somente relembrarmos
do nosso amor fiel!
Oh I vera, nao tardes, eo desejo apagar o
fogo vivo desse vulco qoe encerr no meu
peito, desde a prmeira vez qoe vi-te bella,
e te julguei ura anjo e amei-te louco!
E quandooni los formos nestatewa.e fe-
lizes vivermos e contentes, invojados por te
dos os humanos as nossas oracoes santas
e poras,.loovemos sempre aqoelle que es-
treitoo-nos nos laros desse amor.Deas 15o
somente.'
Janeiro tle 1870.
Eduardo de Carvalho
vida popolar, os #Wd9 da nwriiijSo,..
ros dos mercadores, a3 vocifer5ces
aquayo'.i, formavara om estranho
com a severa tranquihaoMotfflou
ao lado dos de mocid &XufHofF
plantas. Deroncos
gar-se dftempesta:
lares.
Tem de d
lempo do que
para a roa pela j
E vollou paia o
Algons m.
qoando umlilHc
se para ella tilo dev!
quer levantou a cabera
seo lado sem ser visto.
So algom tempqdpDois foi aaeella
e deu um grito de rapdt huoluntrio deix'an-
do cahir a costura Irekre as cosas do man-
cebo. uu l "'
Ah! Pietro.'dhse ella reprehenden-
do-o, fwes mal em sorprender-me assra;
metteste-me medo (
Em resposta Pietro, levantou-se e indi-
nando-se par ella, deu-lhe mn beijo.
As toces de Gelsomina enrube eram, e re
pellio-ocoma raao.
Pietrb^raiou dessa m5o, e disse com urna
voz que so a lingoa do coracao sabe faltar.
-*- Nao s o meo bem amado, mioha cara
Gelsomina?
A joven napolitana olhoo para elle sor-
riudo.
Porqin vieste tio tarde?
Fui obrigadoa demorar-me.
Devoras? Na foste passeiar em Pao-"]
silippe para admirar as mocis?
Nilo conheco e nao vejo se nao a mi-
nha Gelsomina.
A joven italiana, com om rpido movi-
ment i pendaroo-se ao pesclo de Pietro e
deu-f >e um beijo dizendo-lhe com voz ar-
dente :
E faze? bem, porque ninguem te ama-
ra tanto como a taa Gelsomina.
Pietro levantoo-se, e mudando de repente
de tom disse:
Meo Deus! quanto dinheiro! quanto
ooro ha alli!
Gelsomina p6z-se a rir, e disse:
Sempre ha de haver mais do qoe aqni.
Elle vol'ou ? perguntou o mancebo.
Elle, qoem?
Esse maldito Giacomo.
Nao.
tudo, disse Pietro, cojo rosto tioha-
sc revestido de orna expresso sombra ao
FOLHETIM
OS DRAMAS DA ALDEIA
POR
Ponson du Terrail
(Connoacao do n. 77.)
-III
O interlocutor deu um passo retaguar-
da e Qxoo^bre o cura um olhar meio de
admiracao, meio de desdem.
Moitos padres insultara elle por certo
dorante a soa vida, mas nenhom o tinha
encarado ainda como este.
Aqoelle homem tinha seguramente ses-
enta annos. Os cabellos grizalhos eram
cortados escovinha, os bigodes cortos,
mas deosos, como os velhos veteranos do
imperio, e ama grande cicatriz, que Ihe
cortava diagonalmente o rosto em doas fa-
ces, dava-lhe om aspecto feio, mas nao an-
tiptico.
Trajava ama especie de avental de cou-
ro, qoe, cingiado-lhe as pernas, descahia
sobre grossas botas manidas de esporas;
cobria-lhe as costas e o peito urna pe le de
cabra, e a cabeca um chapeo redondo de
grandes abas.
O olhar do padre fixado sobre este ho-
mem, mais grosseirodo.quemo, produzio
n'elle t3o viva impressSo, que, tirando o
chapeo, disse :
Desculpe-rae, senhor ; usei de orna
ruim palavra, mas que l na Rapozeira os
padres tem pottea accdltacao. )z o com-
mandante qoe ellas sao urna gambada qoe
nanea olbam a gente 'flde'rac^ mas o se-
nhor... 'l<< Maaea, sin. ..|a versado ?
E verdade I naptfio homem
pena qoe o seoaor mj padre t Deveria
serumvaleote mrlttr^ tilo eitaria de
ter algoma cousa co^/'Wta...
E, fallando assira, affastava do peito a
-li de cabra emoatrava m abotoadora
farda verde ama ^H '?ermelba.
O cora sorrio-ie indlgentemente, e,
CSelsomlna.
PELO BARA'O DE BAZANCOURT.
(Continnagao).
Seu rosto estava calmo e tranquillo. Quem
a visse assim attenta e ancosa, adevinharia
quejesperava alguem; mas na sna expectacao
nada havia de inquieto nem de triste, e nem
tambem transluzia essa duvida dol rosa, que
faz contar um a um cada minuto pelas pulsa-
res de um coracao agitado.
Gelsomina esperava, como espera-se em
Deus, com alegra e conflanca, com f e tran-
quilidade. Seu bello rosto, cuja digndade,
seu trajar grossero nao fazia desmerecer,
pareca estranho s dolorosas agtacoes da
vida, como a agua pura de um lago, cujo es-
pelho transparente nao reflecte seno o azul
de ura bello co'. O tumultuar externo da
abrindo tambem a sotaina, fez com qoe- o
seo ioterlocolor recoasse espantado.
Acabava de ver pendente do collete preto
do sacerdote a cruz da Legfto de Honra.
J v que meo inferior, disse e
cora visto ser simples cavalleiro da Or-
dena.
O recemebegado ficou boqoiaberto, e,
encarando attentamente o padre com o olhar
ard.ntede qoem busca ancioso ama recor-
dacab remota, exclamoo :
O meo capillo !... O Sr. marqoez
Doval de Champerret!...
Agora o cara Doval accrescentoo o
padre rpidamente. E ta, meu parvo,
creio estar-te. conhecendo, posto qoe n5o
fosses do meo esqoadrio.
Eu era furriel do segando...
' -r- E chamas-te Saorin ?
verdade, meu capito.
Nao mechamos capitSo, meo patela...
Mas acabamos com essas mezuras; diz-me
d'onde veos e qoe destino levas atalhoo o
cora com aquella concisao de phrase pro-
pria da soa antiga proflssao.
Veohoda Rapozeira.
Bom.
E vou ao lugar das Tilias procurar
o medi;o.
Para quem ?
Para meo amo, o Sr. da Rapozeira,
o qoal, ao saltar urna sebe esta tarde, met-
tea no proprio corpo a carga da sua espin-
garda de doas canos.
E, fallando assim, limpava com as cos-
tas da mo urna lagrima de sentimento.
- Diz elle que tem visto' moitas e que
aqoillo nlo vale nada, mas ea creio que o
mea bom commaodante nlo se salva d'esta.
E quem o leu commandanle ?
Ora essa 1 O meo antigo commao
danta, o coronel Ricardo.
Ricardo texclamoo o cura O mea
velno amigo I... Fomos ambos capitles i
^Exactamente, meu cap... Deacul-
pe, senhor cora.
Fomos promovidos na mesma data...
Por Deusp/osetuio o cura oao morrer
sem qoe eo p veja (.. Bigorne, pQe a
sella ao cavallo !
pronxinciar o norae de Giacomo, qoanlopude
obter.
E apresentou doas pecas em moeda moca.
Obrigado, P etro; para conservar em
paz o ultimo asylo desses pobres velhos qoe
dormem all.
E apontoo para a caima, meia despjdaca-
da,.sobre a qoal estavam deitados seu velno
pai e sua veltia mii.
Deus jaito, disse amargamente Pietro,
porque dais a uns a mais extrema pobreza
e a outros o mais esplendida riqueza ?
Mas a Mi de Deas boa pgra todos
replicoo Gelsomina e protege os desgra-
nad os.
E queira ella proteger-nos, porqoe
nlo tenho mais com qu comprar velas
para S3o Pietro, meu padroeiro.
Animo, Pietro!
Nlo me faltar, se me amares. Ora
pois, adeus, minha Gelsomina t
Como ? Partes j, vida da mmha
vida ?
Sim, vou trabalhar no caes.
E depois de ter abracado Gelsomina,
Pietro retiroo-se.
Ao voltar a praca do Pennino para a roa
Sao Anniello dei Grassi, elle esbarrou-se
com um hornera cuo barrete enterrado at
os olhos escondia-the metade do rosto, e
que estava envolvido no seo caban. O
desconbecido soltoo ama praga de arrancar
cooro cabello.
as Pietro no'lhe deu attenclo e pas-
sou para diante.
E fez bem em nlo olnar para esse ho-
mem, porque tera reconhecido nelle*esse
maldito Giacomo, como o chamara. Mas
este reconheceu Pietro, e vendo-o afastar-se
dirigio-se com pasK) rpido para casa de
Gelsomina.
Giacomo era o proprietario da casa em
qoe Gelsomina occopava um modesto quar-
to ; como ella Ihe devia alguns annos de
aluguel, esperava, por meio de ameacas,
apoderar-se da soa sorte e ohriga-la a ceder
ao seo amor: porqoe Gelsomraa era a pe-
E dirigindo-se a Rosa :
Deite-se, minha lilha ; tome esta bebi-
da. Na volta fallaremos e espero encontra-
la melhor.
O bom do cura estava visivelmente com-
movido.
Ha de perdoar, disse Saorinmas
nlo sei como Ihe hei de dizer isto.
Isto o que ?
Nlo v Rapozeira, senhor cura.
Porque ?
Porqoe o commaodante professa, co-
mo eu,certas ideas...
Desagradar-lhe-ha "o aspecto da mi-
nha sotaina ?
Receio-o bem. *
Pois, ainda assim, nlo se dir qae
deixei morrer o mea amigo Ricardo sem
Ihe aportar a mo.
Saui iu do ticou tranquillo.
Mls'o genhof nao Ibe "Rilar em se
confeW ? lsso que serta ana bella
obra ;JBu e "Miguel m^Fani^jjji'.t.a l
era o Miguel ?
ora antiaffctydl fcfcunaodinta,
om a^rtino como eu, como o commandan-
le e tojdos os moradores da Rapozeira, qoe
nlo cajern era Deus neta no dlabo i Se
ao majos a menhla Pamella ainda l mo-
rassefl..."
Qoem essa menina ?
i sobrinha do conwMndtnie... mas
ella j* ffb est... nem sei onde para. A
Martin* foi a autora de todo o pequeo
Augusto... a meaioa Pamella foMeembo-
ra, pobre rapariga. \
E Ssunn enxugou ainda ama lagrima,
dizen^!:-**^*"-
posto qae o commandante tenha
n'ella. '"
ie, que sahlra,
o Cc esflrf^rmptd.
os Idisse o cora Dttval,
Gom que ento, mea capillo, sempre
quer ir* Rapozeira ? t^
Pois quevdavida?
Mas o Miguel nio o daixar entrar,
salvo se tirar a soa, sotaina,..
ftler2T disse cura Tiraras
ta o u
aqac
vira dissera de si para s
necria.
julianos, Giscomo tinh
io emprego
seiava dii
sua^toH), trouxe-lh
r e iraagens bentas,
nos dias de festa
defronte da casa.
O sempre com sor-
nos bracos de
vingar
mmetter o seu
ncia mezes inleiroi,
"imava-se a poca que ha muito tera-
po marcara no seo pensaraento para pdr
termo ao estado de duvida em qoe viva.
Qapnda ele to Ijttro desapparecer no
ariiav di ra, apieaou o passo e dirigio-
sVT>lra i casaflt ftfflsomina.
Era quasi note qoando chegou sua
porta.
Bo8S noites, graciosa mia, dliso elle
com orna voz melliflua, encostando se i ja,-
nella,sempre trabalhando I
Gelsomina tinha levantado acbela; mas
quando oovo a voz do recem-chegado, sua
physionomia tomoa ama expresso de
aspereza que nlo Ihe era commum. E ca-
loo-se.
Gaeomo franzi a o sobr'olho, e fazendo
um acceno que indicava urna rpida resolu-
clo, enlrou oessa casa. A moca adevinhou
suas intenc3s, e largando a costura que fa-
zia, disse-lha* com ama voz trmula pela
emoclo :
Que quere3, signor? Giacomo apro-
ximou-se della, e procurando dar ao seu
rosto truueiro urna expresslo de bondade,
quiz pegar na mo da joven italiana ; mas
esta retir u-a como se sentisso o toqvie de
urna vbora.
Porque me repellireis sempre assim ?
Porque nlo vos amo, e sim a outro.
Pietro, nlo ?
Sim, a Pietro.
E porqoe has de amar a Pietro, e nlo
a mira ? exclamou Giacomo levantando a
voz.
Wes acordar meo velno pai \ae dor-
rae, disse a, enas Gelsomina.
Mas porque te merece elle tanto? eon-
linuou o italiano com voz estridente, incli-
nan Jo-se para a moca e fixando sobre ella
um olhar abrasador. Porque ? Responde.
Pietro pobre, e en tenho ouro !. Alm
disso trata te como se fosses a criada de
um lazcorone.
Mas eu amo-o, mormoroa Gelsomina.
Pois bem! Ea amo t- tambem! res-
pondeu Giacomo, e quero que me ames :
jorei-o por Deas! .
Gelsomina, mais ligeira do qoe ama gar-
ca, desviouse delle, e exclamou com des-
prezo, serviodo-so de urna dessas exprs-
s6es napolitanas que a lingoa nlo pode tra-
duzir :.
Faxes mal, porque ea odeio-te !
Giacomo nlo pode pronunciar urna s
palavra, nem (azer o menor movimento du-
rante algom tetnpo; mas depois, apontan-
do para a faca qoe trazia na cintura, disse:
Matarei Pietro.
Seria elle qoem le matara, se eo Ihe
dissesse ama nica palavra, respondeo Gel-
somina, sempre com o mesmo desprezo;
porque elle intrpido, e tu ora cobarde I
O italiano impertigoo se, e fazendo um
movimento metteo ambas as mos nos seus
compridos cabellos pretos; depois, abas-
tando a camisa qoe cobria-lhe o peito, como
se a prsalo da roupa Ihe constrangesse a
respiraclo, exclamoo:
Gelsomina I Veoho bascar o qae rae
deves. Podes pagar-me ?
A moca sentio om calafrio percorrer-Ihe o
corpo.
Mas vos bem sabis, signor Giacomo,
que cu nao tenho dinheiro.
Dze-lhe qae i'o d.
Gelsomina correu para um pequeo cofre
de madeira preta que havia em um canto do
quarto, e tirando de.le algumas moedas,
juntou-lhes as que Pietro acabava de trazer;
e apresentando-as com mo trmula ao ita-
liano, disse:
E' quanto posso. Giacomo apode-
rou-se da nica cadeira que compunba a
mobilia dessa triste morada, e na qual cos-
tumava sentar-se Gelsomina para trabalhar;
e installando-se nella com a insolencia e a
brulalidade do proprielario credor, respon-
ded :
Nlo sahirei d'aqui em quanto nlo me
.Esta resposta fez estremecer o soldado.
" Perdoe-medisse Saurn. Eu sou
um bruto, mas desejava ve-lo ati, e pare
ce-me... Ora ouca, senhor cura : o meu
cavallo bom ; n'om galope vou buscar o
medico, virei por aqui acompanha-lo, fal-
larei a Miguel e..,
Amigo, aqoi para nos, vaes chamar
o medico debalde. Sem desdenhar da
sciencia, digo-te que, no caso presente, sei
tanto como elle e trago comigo um estojo
que far o seu oulcio ; farei a extracelo
das balas e nos vecemos...
Caramba, meu capitlo I exclamou
SaurnSe tal succede...
Chamas-me cura oa nlo ? replicou
speramente Doval.
Desculpe-me ; tem razio, senhor
cora... Ura pois, a cavallo! Sao cinco
boas legaasd*aqB 4 Rapozeira.
Ora tdjsse o cara Cc l
dado por dia.quinze e vinto" muitas
* E, difg'indo-se a Rosa, animoo
paavras SloOlflDras, proettendo-
na sua vlla escrevenTa joo.
Ah exclamou a viuva O
ctra e ora eo^d Elle apertdn-lhe a mao docement.
xando-lhe escorregar ao mesmo lempo um
luiz de ouro. ,.
t- Gaardedisse elle. E o obol
padre. '
A viuva nlo pode conter as lagnMs e
cbamou os dona filhos, qoe se ajoelbaram
diante do sacerdote e Ihe baijaram liao.
At volta, at volta l die o
cora, engrossando a voz para occultir a
commoclo Bicorne Ola, Bigome| -n
gritou estando j de portas a fra.
voltpn annoncpin- Sephor cora t
]t Vlla para casa ou espera-me a
Ea acompanho o, senhor cora.
Olha qoe slo cinco leguas d'atjni
Rapozaira. ^ [
$ si c- ;i^ E o meano. *
E cinco da volta sao dea.
Aqoi o ;ez-maoaar ama raalga
de sopas; cosa o estomago cheio vanas
esses
dorm
io a
suas
f Quiz
spitoo-se^lhe, e a respiraca
-I I'tfntre J6ofl*ff|e^pdJB. J|
Oiralianofoltoo ama risada grosseira e
cruzou os braco*, .filie compreheadia e
pasmo e a cf da pobre moca, e compra-
zii-se com isso. Seu espirito, vergonhosa-
mente egosta, saboreava essa ignobil vin-
ganca.
Ah ah i ah admirai-vos, minha bel-
la, disse elle emSm. Vos ainda nao conhe-
ceis Giacomo I
E como Gelsomina immovel, gelada, oa-
va o rumor de suas paavras, como se ouve
o estampido do raio; elle levantou-se e en-
enminhou-se para ella.
Onve, disse elle ajoclhando-se de re-
pente adiante da italiana, cojo rosto paludo
assemelhava-se ao de om defonto ; perdoa-
me, mas ama-me Ooves, mulher bella e
adoravel, smo-te como nunca amei! Serei
teo escravo, teo co Mas nlo me repulas
com esse fri desprezo, nlo me digas que
me odeias! porque quando ha pouco me
fallaste assim, nao sei porque nao tematei!
Cuidado!... Queres enloqoecer-mc, a a
loocora c muitas vezes cruel!
Gelsomina nao respondeu; mas seus
olhos abaixaram-se na presenca desse ho-
mem que se conservava mudo e de joelhos.
Suas feices contrahiram-se, e ella recuou
um passo.
Giacomo quiz conte-la pola fimbria do
seu vestido. Masoste simples contacto,
que se Ibe coramunicou como urna faisca
elctrica, ella pode dar um passo para ira/
e exclamar:
Miseravel! qua insultis ama mulher
e dous velhos, largai-me I
Mereca vr-se como essa scena raudava
de face de instante a instante; a supplica,
por assim dizer, confundia-se com a
ameaca.
Oove ainda, accrescenlou elle, racli-
nando-se para ella, ajoelhei-me na toa pre-
s*n?a ha pouco, un as mos e disse-te :
Pordoa-rae Passei noites inteiras defroote
da imagem do meu padroeiro para Ihe pe-
dir que me aconselhasse... Mas nada !...
nem se quer olhas para mim I... disse
Giacomo travando violentamente de urna
das mos de Gelsomina e dando voz orna
expresslo aindamis ardente, compreheo-
des o que te acabei de dizer, e o qoe ainda
qoero dizer-te ?
Gelsomina conservava ama tranquilhdade
fra que espantoo o italiano, qoe se caloo
para esperar o effeilo das suas paavras.
Foi entlo qae a moca, pregando sobre elle
seos doos grandes olhos, dos qoaos corran
lagrimas, que debald procurou oceultar,
esteodeo o braco para a cama era qoe des-
cancavam o velho ceg e a velha enferma.
Dirigi-vos, disse ella com voz tremo-
la, aquella cama, e agarrai naquelle velho,
que nlo vos poder ver, abri aquella porta
e enchotai-o d'aqui. Estis em vossa casa;
eo nlo vos posso pagar.
Com orna s palavra, Gelsomioa, se-
rs mais rica, mais feliz e leras mais enfei-
tes do que as mais ricas I Basta ama s pa-
lavra, e esta casa ser toa, e sers a molher
de Giacomo t
Amo Pietro e prefina a miseria com
elle, todas essas riqoezas, de qoe me fal-
lis. Expolsai-me desta miseravel morada,
onde o vento engolfa-se, onde a chova cae,
e terei sempre o qae Deas concede mesmo
aos mais pobres, o co e sol.
Pois bem, seja assim, retorquio o ita-
liano com um rosto terrivel, repelles-me
com desprezo, quando en te supplico ; se-
rei para ti o genio do odio t... Entre t e
a felicidade, rae vers sempre !... eu teu
inimigo! teu amaldicoado! E qoe inimi-
go!... quizra fazer-te comprehender todo
qoe sinto as rainhas entranhas. Sim, tens
razio... amar loocora!... Odiar...
...
E calou-se.
Quem observasse attentamente para a es-
candio do qoarto, veria urna cabca bran-
ca destacar-se na sombra e inclinar-se para
fra da cama afina de ouvir attentamente.
Dir se-bia que os olhos do pobre velho,
cheos de ternura e privados de luz, procu-
ravam penetrar o veo sanguinolento que os
cobria. porque nlo searrelavam do mes-
mo ponto : porqoe elles v3m pelos
olhos Jo pensamento e do coracao.
O italiano continuou :O teu Pietro um
ir*

obra *
I
do
E, assim fallando, collocava-se ao lado
do cavallo.
Saurn j estava montado.
O cura saltn lesto sobre a sella e met-
teu esporas ao cavallo.
Ora poisdisse a Saurn, que caval-
gava a par d'elle..Temos terapo de conver-
sar d'aqui at Rapozeira ; d-me expl
cacSes.
Estou ao seu dspor.
Bigorne corra na retaguarda, justifican-
do amplamente a aotooomazia de Expedito.
IV
O antigo forriel-mr, inclnando-se sobre
a sella, dizia;
Saba, senhor cora, que o comman-
dante onaplico bem a soa velbice: bom
seria qoe escapasse d'esta catastrophe, pois
bem deve receiar a sua ultima hora.
Explica-teprosegoio o cora, preven-
do j urna existencia ebeia de erros.
Como sabe,prosegoio o furriel o
commandante nlo era para gracas ; poucas
vezes estava de accordo com os camaradas
e meos ainda cora os chefes. Depois do
Sr. -de Beaulieu, tivemos por commandante
do regiment um coronel de rgidos cos-
tumes. R cardo teve com elle certas des*
avengas e pedio a demsslo.
Tolice! m official esperanzoso..,
O commandante estava rico prose-
goio Saurn.Por morle da mli berdou
uns trinta mil francos de renda. Para um
militar urna California I Certa manbla,
dsse-me elle : Gostas de cacar, Saurn?
Que pergunla !respond euMeu pai foi
mestre de caca, e eo, quando rapaz, nlo z
outra coosa.Queres enterrar o uniforme ?
Vem comigo ; sers o meu mordomo, cou-
teiro ou o que quizeres. Acabo de com-
prar orna boa propriedade no Loiret, qui-
nbentos a seiscentos hectares de terreno e
matUs, qoe fica muito perto da floresta
real. Faremos o nosso boste'.lo, cacare-
mos e ali poderemos vociferar vontade
contra o coronel.Qoadron-me a proposta
a acompanhei o commandante. Vai em dez
annos qoe ebegamos Rapozeira. O com
mandante eslava novo : trouxe comsigo soa
irmla, a Sra. Pamella, riava de um capillo
olhos rasos de lagrimas.
Soffrers entao!... eborario'
lo-has sem qoe elle acoda ao lea
Conheco-o melhor do qoe ta.
Ninguem sabe com au palavra a
vida ou de abandono lanca a
e o desanimo em om coracSo
crdulo. E' a primeira ferida fot
alma que ella pode sangrar, a
grima qoe enslna aos olhos que elles
chorar.
Ohf alo!... nao!...
mu roo Gelsonjina, cojo paia
grimas, qoe a costo continha ;
lio mo e tio postor, eoase
O velho tinha conseguid*
Seos oraos* extinctos nao
qoe corriam pelas faces de
seo coracao sentia-as, por assim
rer gota a gota.
Pobre a querida filha 14hsse
essa voz consoladora qoe orna
saia do peito de om homem a ejnea
dea forcas e energa, qoer do eorarjo
lado de om velho cgo e enlamo.
E accresceotou:
Retrate Retira-te. boaaaal rai
Mas Giacomo continooo :
Entlo, perdida, deaeagaaaaa,
como as molheres perdidas para a aorta
Capuana, oo le >tirars so asar para are*
cabo de ti.
Pietro !... Pietro !... Este
mente, sol oca va Gelsomina ; afle i
verdade ?
Oh I o homem qoe falla
infame, exclamoo o vefbo
desesperado a molber velha qqe
mesma cama e cojos olhos al!1
seos.
Vamos! vamos! disse-Nw
voz abafada.
Mas eu nao posso andar,
(racamento a velha, percorreodo
com seus grandes olbos espantados.
Arrasta-te... arrasta-le
teos joelhos, sobre tuas aaaoa... atrj
a minha faca, mnlbcr.
Fallando assim, o velho cojo roata ]
contrastara com os seos cbenos "
deixra-se escorregar da cama.
comsigo a velha, cojos meosbroa
de febre e de espanto.
Pobre mli! onia as msos e olatra pan
a imagem.
Mmha faca !... mioha faca!.... repe-
ta o cgo; est alli em o
parede, d-m'a.
E agarrando a enferma dos i
qoe o amor paterno robustecer,
para o logar qoe tinha indicado.
Elle i-aminhava por e'Ia, a Hla aaaaor-
gava por elle. Era o sublime aa Mi r
infame.
Aqoi est ella, disse sao
pendurando da parede orna faca
qoe della penda.
Agora leva-me; porque la ato, a
elle... qoe est matando aosaa Ha com
soas paavras insnltoosaa.
Acompanba-me f disse a vaaaa coa
viz rooca.
Um sorriso de serpete framia oo aaias
de Giacomo, qoe se conservara ddraaao a
Gelsomina, cajas roaos occcoltavaa roo*.
innundado de lagrimas e da seas balso ca-
bellos negros.
Ouvistc-me ?... Coaprebendesto-me
nlo verdade ? Ibe disse elle
brutalmente pelo braco, arnaabaa os I
da le te en chota rio para a ro.
amas Pietro!... At logo, boBa Ge
at logo I
Depois, repellindo com om
rpido o velho, qoe se enciromfma
elle com os bracos erguidos, fe-lo
fundo do qoarto; e abrindo a porta,
para a praca com om desses risos
qoe Migoel Angelo poz na boca dos
nios qae tortoram os condeaaados.
Um grande silencio reinoo depois
qoarto, ha pouco tao turbulento.
Silencio sinistro que se assemefbaaa ac
de om tomlo-----.
Qoem visse Gelsomina, acreditaria aae ,
tinha perdido o uso da raza).
(CmUnumr-wJm.)

3

5
morto em campar.ha, e bea ase
filha della, de sete a oito aonoo do
Eis-aqui a minba herdeira
commandanteSeo pai,Deas
esbanjoo o dote de minha in
Ihe arranjarei o da filha, qoa bei de
com um marechal de Franca,
Assim correram as coasas
annos. O commandante tomara ie
para si s um talhao da floresta, oaaa m
poda cacar moitos aniaaes, aras as|a-
vaiis; isso negoci mais serio. Ca B
encontroo l om cacador (ortivo aaahe
matou om ja val femea e qaasi aae oaaaa
s cronhadas. A Sra. Pamella foserawa a
casa, a pequenita ia creicaaao eas
vamos desde pela manhia at
havia vi la melhor. De lempos i
o commaodante dava largas aa saai
minaces contra o corone), qqe ao
vara a demsslo, e as horas apa
Monitor do Exercito, de qoe ara
Quando va promoces, eiofm
censurava outras. O boa
qae o tal coronel tinha
dade : Agoradisse eUe
remos a dizer mal do bornea ; doro
tar-se a nfelicidade. E de faci aaa
mais n'elle, mas declaran
s cousas religiosa. O cara da
oossa parochia, vei reclamar a ti
qoe fosse. O commandante
eom elle a d'abi em diante o
tuio o coronel. Aquella
em geral a classe clerical
alvo da irascibilidade de
Com sua irmla, qoe era
a filha as mesraas ideas,
isso algumas altercac>to aaam
dizer-lbe qoe lano en coa
esse tempo nos libertioos,
rancores de noaao
nio foi nada
rando.
!

E faz orna peqoeoa paosa, fi
foi encuendo de taba
chimbo que lirn dob
E depois fL
iftp. DO DtABJO


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EY14GMDS2_1NWIHR INGEST_TIME 2013-09-14T02:48:30Z PACKAGE AA00011611_12084
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES