Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:12082


This item is only available as the following downloads:


Full Text

ANNO XLVI. NUMERO 76. 0T8 9b 1tR &b ^ *>udm*an i-----;i___"
PAA ACATAl "*A* TOE II* SZ PACA mil,
Por tres sanaos siVtorMtdos .
I'or seis-ditos
Por nm anw
Cada mumero
Wttto.. _.................. 120000
ero avulso ,............ zMOOO
ueroavutso................... 3S0
i,
TERp FEWA 5 DE ABRIL DE 1870.
PAJA DIITIO E FOHA DA PBOVIICU.
?oH6 Rieses adiantados.......
trseis- ditos idear.................. .
Uftraofep ditos fd^in.......... ;
fum uno don...........; ; ; ; ; ; ; :
.
____
Propriedade de Manoel Mgreira de Paria & Pilhos.
ty7W
13*600
20*250
274000
---------
-^.
V '"'
A AGESTE*:
Os Sr, Gerardo Antonio Alves* Fi.hos.no Par ;.GonCa.ves 4 Pinto. ^ Jlo Maris Julio Chaves no Assn An, iS m
Pereira d'Almeida, em Mamanguape; Antonio Alejandrino de Lima. M Parahrba : Antnnin i* r-mes. %a Vil. *, p.nK, ,_____I 1 _' M ASS Antomo Mw da ** >
n-

ih-h, Francisco ^ a to, A!.e,.., Dr. JM M. Ah B,M, ,! mMt0 Ga!parinho R0 ', j,,.^' D0mm8S d> B^-
Jos Jnstiao
PAUTE 0FFHM1.

Governo da provincia.
SXPED.F.NTB ASSIG.tADO PKLO EXM. SR. SENADOR FRR-
DERCO DE ALMEIDA B ALBUQLEROIE, PRBSIDBNTF.
DA PBOVTSCIA, EM 18 DE FEVEREIRO DS 1870.
1* seegao.
!. 57!).Portara ao director do arsenal de
guerraA vista da soa informacao de 13 do tor-
rente sob n. 20, autoriso V. S. a mandar admittir
na companhia de aprendizes desso arsenal o me-
nor Urbano Jos Carneiro de quo trata o requer-
racnto de Jos Chrispiniano da Silva, ama ve/, que
este satisfar o disposto no regularaento de 3 de
Janeiro de 1842.
N. 580 Dita ao espillo do porto.Mande V. S.
pot1 cu iberdade o recruta Vicente Pereira Pinto,
visto ter provado isengao legal.
N. 581.Dita ao commandante do brgue-barca
/.'amarar.Segundo consta de ofllcio do briga
deiro cornmandante das armas de 17 do correte,
Toram designados para servirem de vogaes no con-
selho de guerra que tera de jalgar as tres pravas
dosse brgue-barca, os offlciaes Herculano Geralde
do Souza Migalbies e Joao Monteiro de AndraJn
Malvina i, esle al/eres e aquelle capitn graduado,
ambo roformades, o que coramunico a Vine, para
-ti conhecimeoto.
3" seecao.
N. 53<"i. Dito ao presidente de supremo tribunal
da iustica.Levo ao ennheeimento de V. Exc. para
os devidos ins, qne segundo parlicipou o juiz de
direto da comarca do Itio-Formoso, bacharel Mar-
cos Corroa da Cmara Tamarindo em oficio de
10 deste mez nessa data reassumio elle o exercicio
das funeces do dito cargo.
N. 586.Portara ao juiz municipal do Boni-
to.Transmiti a Vine, para o seu conbeiimento
o aviso do ministerio da juslica, junto por copia
de l do correte, quanio ao conflicto havido entre
esse juizo e* coramissario das trras publicas
deste termo o dos de Agua-Preta e Serinhaem,
dectdindo o governo iraperil competir ao 2-
eonhecer dos enbargos oppostos pelos confinante,
comojoi decidido or esta presidencia.
N. 387.Deliberacao.O presidente da provincia
conforniando-se com a proposta dd ebefe de polica
em ofllcio n. 236 de 17 do corrente, resolve nomear
para o cargo de delegado do termo do Cabe o ci-
dadao Jos de Moraes Gomes Ferreira.
N. 588.Dita.O presidente da provincia, em
visto do ofllcio do ebefe do polica n. 229 de 15 do
correBte, resolve conceder ao bacharel Joao Joa-
qun, da Fonseea Aibuquerqoe a exoneracao que
pedio do cargo de subdelegado do districto da
trogueii;-. de Santo Antonio.
ft. 589.-rDifa.O presidente da provincia, em
vista do offloto do chele de polica n. 229 de 15 do
corrente, resolve exonerar por convir ao servico
publico o bacharel Joao Joaquim da Fonseea Al-
buqaerque de cargo de 5 supplente do delegado
do l" districto desta capital.
-Y 590.Portara o inspector aa itiesoarana ae
tazeadk.Providacie V. S., para que, depjis de
tiqnMadcf em Thta do pret, junto em dafl-cata,
que me remetteu e commaiidanie superior deste
municipio coro oflicio de homem sol) n. 37, sejam
pagos os venermentos relativos a 1' quinzena deste
raes, do> guardas nacionaes destacados na fortaleza
do Buraco.
N. 591.Dito ao mesmo.Depoi de liquidados,
em vista do pret nominal junto em duplicata que
me remetteu o commandante superior deste mu-
nicipio com offlco de hornero sob n. 33, mande V.
S. pagar os vencimentos relativos a 1* quinzena
deste mez dos guardas nacionaes do 6 batalho
de infamara aquartelados na fortaleza doBrum.
N. 592.Dita ao mesmo.Comraunico a V. S.
para seu conbecimento que attendendo ao que re
quereu o professor publico da cadeira'de Pedras
de Fogo, padre Antonio Generoso Badeira, espejo
nesta dala as convenientes ordeis a thesouraria
provincial para fazer suspender o descont de 10
por cento, que offereceu do seu ordenado o referi-
do professor para as despezas da guerra; visto ter
cossado semelhante offerta.
>'. 593.Dita ao mesmo.Ao tenente Pedro
Paulo dos Santos, mande V. S. pagar, depois de
lijuidndos, em vista da folha e pret nominal, Jun-
ios em duplcala, que me ronietteu o commandan-
le ,-uper >r do municipio do Brejo cora ofllcio de
<1 do correte sob n. 31, os vencimentos relativos
ao mez de Janeiro ultimo, do ofllcial e pracas da
guarda ncional acuartelados na villa de Cimbres
ou Pesqueira.
N. 59i.Dla ao mesmo.Communico a V. S.
para os devidos flns, que segnndo parlicipou o ba-
charel Marcos Correa da Cmara Tamarindo, juiz
de direto da comarca do Bio-Formoso em offlco
de 10 deste mez, nessa data reassumio elle o exer
ciclo das lnccoes do respectivo cargo.
K. 595.Dita ao inspector da thesouraria pro-
vincialEm vista do que me requeren o profes-
sor publico da cadeira de Pedras de Fogo, padre
Antonio Generoso Bandeira, recommendo a V. S.
que faca suspender o disconto de 10 por cento
que offereceu do seu ordenado o referido profes-
ar para as despezas da guerra, visto ler eessado
semelhante offerta.
N\ 396.Dita ao mesmo.Nos termos de sua
informacao de 16 do corrente sob n. 106, mande
V. S. entregar ao padre Augusto Franklim Morei
ra da Silva, vigariu da h-agataia de Gamelleira,
mediante llanca idnea, a quanta de 861*510, que
se acha reeolbida aes cofres desaa thesouraria,
proveniente do beneficio da 2'" parte da lotera
extrahida a favor das obras da igreja daquella
freijuezia.
>. 597.Dito ao mesmo.Nao havendo incon-
veniente, mande V. S. pagar a Manoel Francisco
de Arruda Fraga, como pede no incluso requer-
manto a quanta de 2.1124, a que tem elle direto,
sgundo o certificado annexo ao mencionado re-
querimento e proveniente da ultima _pelcao
das obras do i* laen da estrada da Victoria a
Gravat de qne era arrematante.
N. 598.Dita ao mesmo.Em visto do recibo
que Incluso devolvo, mande V. S. de conformidade
com o parecer da contadoria dessa thesouraria a
que se relere a sna informacao de 16 do corrente
sob n. 104, pagar a Joao Baptista de Sonta Montei-
ro para isso indicado pelo chefe de polica em offl-
co n. 147, de 31 de Janeiro ultimo^ smetrte a
quanta de 63X480, em que importo o aluguel,
vencido da 21 de agosto de 1868 a 18 de abril de
1869, da casa que serve de eadeia no termo de
Papacara
N. 599.Dita ao mesmo.Mediante flanea id-
nea, conforme indica em sua informacak) de 16 do
corrente, sob n. 107, mande V. S. entregar ao
thesoureiro da contraria de Nossa Seohora do Am-
iaro da eidade de Goianaa, Francolino Ferreira
irespo, a quanta de 861*510, qne segando o pe-
recear da contadoria dessa thesouraria acha-se
recolhido ao respectivo cofre, proveniente do be-
neficio da 4* parte da lotera extrahida a favor das
obras daquella igreja.
N. 600.Dito ao mesmo.Recommendo a Y. S.
que depois de liquidados, em vista dos preto jan-
tos em duplcala, que me remetteu o commandan-
te superior do municipio de Serinhaem com offlcio
de 11 do corrente sob n. 44, mande pagar os ven-
cimentos relativos aos meies de dezembro do auno
prximo passado e Janeiro ultimo, dos guardas na-
cionaes destacados naqneua villa. Juigo conve-
nientedwIararaV. S., qne segundo constado
citado 0M510 sob n. I do referido me* de Janeiro,
tere lagar a reduccae qne se maqdou faier, por
deliberado de 3 do citado mez de dezembro no
mencionado destacamento.
N. 601.Dita ao chefe da repartirio das obras
publicas.InfJnne Vmc. acerca das duas inclusas
propostas apresentadas pelo bacharel Zeferino de
Almeida Pinto, Andr de Abreu Porto, e Jos flen-
rique Tnndade, nara se contratar o estabeleci-
mento do um systeraa de carris 'de ferro, entre a
capital o seus arrabaldes.
4* seeeao.
S. 602.Portara ao director geral da instruc-
cao pubiea. Em vista do que requereu Luiz
Jaquea Brunet, mande V. S. admittir no gvmuasio
provincial como pensionista pagando as respectivas
mensalidades, o tilho do supplicanie Manoel de S
Brunet, at quo de conformidade com o meu ofll-
cio de 29 de Janeiro prximo dudo, possa elle ser
admttido como alumno interno gratuito.
N. 603. Dita ao mesmo.Em'solucao a duvida
proposta em seu ofOiiodo 16 do corrente, sob n.69,
declaro a V. S. que pode considerar o comeco da
licenca do 30 das concedidos pela delibeacao in-
clusa do professor publico da cadeira da povoacao
de Timbuba lizidoro Marnho Cezar, do da do
cumpra-se dessa directora.
N. 60i.Dita ao juiz commissario de medcalo
de trras publicas no municipio de Agua Preta.
Transmiti a Vmc. para o sea conheciraento o
aviso do ministerio da juslica, junto por copia do
1 do corrente, quanto ao comflicto bavido entre
esse juiz e o juiz municipal do termo do Bonito de-
cidindo o govoroo imperial, competir a Vmc. ce-
nhecer doi embargos oppostos pelos coBnanles
como foi decidido por esta presidencia.
XPEDIKNTK ASStGNADO PELO OFFICIAL-BAIOB 0 SR.
DR. ANTONIO AN.VES JACOME PIRES, NO IMPEDIMEN-
TO DO SECRETARIO DO GOVERNO, EM 18 DE FEVEREI-
RO DS 1870.
doaannoa:S;' C-nC4d,la9 D- ^^ I SSjfffi?.*."^ Para. W alegado
2* sec(ao.
N. 605.Offlco ao Dr. chefe de polica. De
arpen) do Exm. Sr. presidente da provincia trans-
miti a V. S. o titulo de nomeacao do cidadao Jos
de Moraes Gomes Ferreira para o cargo de delega-
do do termo do Cabo, de conformidade com a pro-
posta de V. S. em oficio n. 236 de 17 do eorrenle.
N. 606.Dito ao mesmo.Com a informacao
junta por copia da contadoria da thesouraria pro-
vincial, a que se refere o respectivo inspector em
offlcio n. 103 de 16 do correte, respondo ao de
V. S. n. 148 de 31 do mez flndo, quanto ao paga-
mento da despeza-com o sustento dos prsoes po-
bres da eadeia de Goianna.
N. 607.Dito ao mesmo.O Exm. Sr. presiden-
te da provincia, manda declarar a V. S. qne por
dehberacao disto data foi exonerado a pedido o
babharel Joao Joaqum da Fonceca e Albuquerque
o cargo de subdelegado da freguezia de Santo
Antonio.
N. 608.Dito ao mesmo.O Exm. Sr. presiden-
te da provincia, manda declarar a V. S. em offl-
cio de 13 do corrente sol) n. 219, que foi exonerado
por conveniencia do servico publieo o bacharel
Joao Joaquim da Fonceca e Albuquerque do car-
go do 5 supplente do delegado desta captol.
N. 609.JMio ao mesmo.S. Exc. o Sr. presi-
*~i. *. t^vinda, manda declarar a V. S m
resposia ao sea oflBciO iri ti !!,, ir ,ni
n. 147, que a thesouraria provincial tem ordem
para pagar a Joao Baptista de Souza Monteiro, nao
a quanta de 64* constante do citado offlcio e sim
a de 63*480.
N. 610. Dito ao commandante superior da
guarda nacional de Serinhaem.-O Exm. Sr. pre-
sidente da provincia, respondendo ao offlcio de V.
S. datado de 11 do corrente sob n. 44, manda de-
clarar que a thesouraria provincial tem ordem
para pagar os vencimentos constantes do citado
offlcio.
N. 611. Dito ao commandante superior da
guarda nacional do Brejo.Nesta data autorisou-
se a thesouraria de fazenda a pagar ao tenente
Pedro Paulo dos Santos os vencimentos constantes
do offlcio de V. S. datado de 11 do corrente e sob
n. 31 o qaal flea assim respondido de ordem do
Exm. Sr. presidenti da provincia.
N. 612.Dito ao juiz de direto da comarca do
Rio Formoso, bacharel Marcos Corroa da Cmara
Tamarindo.0 Exm. Sr. presidente da provincia
manda declarar a V. S. que flcou inteirado por seu
offlcio de 10 do cerrente, de ter nessa data reas-
sumido o exercicio das funecoes do seu cargo.
EXPEDIENTE ASSIGNADO PELO EXM. SR. SENADOR FRE-
DERICO DE AtMEIDA E ALBUQUERQUE, PRESIDENTE
D.V PROVINCIA, EM 19 DE FEVEREI RO DE 1870.
1'scelo.
;. 614.Portara ao capitoo do porto.Mande
V. S. por em lberdado o recruta Antonio Jos
Bernardo da Fonceca, visto ter sido julgado inca-
paz do servico em inspecao de sade, come consta
termo annexo ao seu offlcio de do orreente sob
n. 17.
2" sec?ao.
N. 615. Portara ao juiz municipal, e de orpbaos
do termo.de Flores.Em vista do que expoz o
provedor da Santa Casa de Misericordia no offlco
incluso por copia de 12 do corrente sob n.
2154, recommendo a Vmc. que faga o adminis-
trador di fazanda Carnauba, Joaquim Rodrigues
Florencio cumprir os deveres para com o admi-
nistrador da mesma Santo Casa, dando coma a
esta presidencia do resultado de suas dellgencias.
N. 616.Dita ao promotor publico da comarca
do Cabo.Recommendo a Vmc. que, em visto do
offlcio junto por copia do inspector da thesouraria
de fazenda, datado de bontem e sob n. 123 e da
certidao tambem junto por copia, a que elle se
refere, proceda na forma da le contra o escrivao
da collectoria de rendas geraes desse municipio
JoSo Rufino Ferreira, como cmplice com o
ex-collector Juliao Pereira Mattoso, j fallecido,
na defraudacao de 12:8363449, a fazenda nacio-
nal, durante os exercicios,de 1860 a 1866, como
se v d'aquelles documentos.
N. 617.Deliberacao. O presidente da pro-
vincia, em vista do offlcio do chefe de polica
n. 193 de 9 do corrente, resolve conceder ao
capitao CamiMo Augusto Ferreia da Silva a exo-
neracao' qne pedio do cargo de delegado do termo
do S. Beato.
N. 618.Dito.O presidente da provincia can-
formando-se com a proposta do Dr. chefe de polica
em offlcio n. 193 de 9 do corrente resolve no-
mear o alteres Manoel Aprigio de Moraes para o
cargo de delegado do termo de S. Bento.
N. 619.Dita.O presidente da provincia em
vista do ofllcio do chefe de polica de boje da-
tado, resolve exonerar dos cargos de 4, 5 e 6*
supplentes de delegado do term> de Ipojuca os
cdadaos Francisco Manoel de Siqueira, Manoel
Felippe da Souza Leao, e Felippe da Silva Albu-
querque.
N. 620.Dito.O presidente da provincia con-
formando-se com a proposta do chefe de polica
em offlcio de hoje datado, resolve nomear para os
lugares de 3*. 4* 5% e 6* supplentes do delegado
do termo de Ipojuca os cidadaos seguintes na
ordem em que vio collocados : Paulo F>'.
de Salles Abren, Alfonso d* Albuquerque Maranb
Joao Carlos Beserra Cavaleante, Feliciano do Reg
Barros Aranjo.
3* ieccao.
N. 621.Portarla ao inspector da thesouraria
de fazenda RemeUo a V. S. para sea eonheci-
mento o aviso incluso por copio expedido pela
reparticao da agricultura, commereio e obras
publicas em 3 do corrente sob n. 7, relativamente
ao recurso interposto lo gorerno impenal pelo
procurador fiscal dessa thesouraria acerca da
ordem desta presidencia autonsando o paga-
mento companhia da estrada de ferro do Recife
a S. Franciseo da quanta de 284*127, importan'
do anno anterior.
N. 622.Dita ao mesmo.Transmuto a V. S.
para os Has convenientes, as icluss ccufjylo-
enmentadas da enferraaxado presidio de Fernan-
do, relativaaos raezes de novumbro e dezembro do
anno prox+nro-passado e bem assim o parecer
kJU5ta de sau|e. que taes contas examinen,
achandj-as conformes e regulares.
N. 623.Dita ao aiesmo.^Communico a V. 3.
para seu eonheeimeno que segundo consta do
fflcio de engenhero encarregido das abras
geraes de 18 do corrente, acham-se terminados,
do eomfonnidade com as instrucedes do men-
cionado engenhsro, os reparos do caes do Apollo
em frente ao armasen, do negociante Tasso,
cor.tractados com Francisco Xavier Soares. nda
garanta de 50*000. ^^
N. 624.Dita ao mesmo. Providencie V. S.
para que, em vstada folha, relacao nominal e pret.
juntos em duplcala, que me remetteu o comtnan-
mle superior do municipio do Bonito cora o
offlcio de 9 do corrente sejam liquidados e pagos
a Antonio Jos de Arantes & C, os veneimemos
relativos ao mez de Janeiro ultimo do offlcial
e pracas da guarda nacional destacados na ei-
dade de Caruaru.
N- 625.Dita ao mesmo.Devolvendo a V. S.
os documentos que veram annexos a sua in-
rormagao de 9 do corrente sob n. 88, relativos
as despesas na importancia de 1:613*808, feitas
com rretes c passagens dadas por cont do mi 1
nisteno da guerra, a bordo do vapor Coruript
aa companhia Pernambucana, na vagem que
ueu ao presidio de Fernando, no mez de Janeiro
uiiuno, tenho a dzer-lhe que dessa quanta
mande pagar somonte a de 661*808 para que
existe crdito, sogundo consta do parecer da con-
tadoria dessa thesouraris, fleando o restante
para ser satisfeito quando o governo imperial
conceder o crdito preciso, certo de que n'esto
x cl? diri^ n e,te sen,iao ao mesmo governo.
v. 626.Dita ao mesmo.Inteirado de quanto
V. 6. expoz em seu ofllcio de hoatem sob n 125,
acerca da camplicflade do ex-escrivao da collec-
toru de rendas geraes do municipio do Cabo, Joao
i ac uftreira na defraudacao que se deu de
iao. ,ofi.a fazeda nacional nos exerccios de
looo a 1866. tenho a dizer em resposto ao citodo
offlcio que acabo de recommendar ao promotor
publico daquella comarca, que proceda na forma
da le contra e mencionado escrivao.
N. 617.Dita ao inspeetor da thesouraria pro
vincul.Pode V. S. conforme indica em sua in
ormacao de 16 do corrente sob n. 101, mandar
entregar ao thesoureiro da repartigao das obras
Publicas, como solicitou o respectivo chefe em of-
hcio de 25 de Janeiro ultimo sob n. 15, mals um
co"1? ae.reif Pf a eontinuacao dos reparos da
eadeia do Limoeiro, visto j aehar-se esgolada
igual quanta que se ha'via adamado para o uios-
ra(' m. segundo const do citado offlcio.
. V*8-Dita ao mesmo.Com a inclusa copia
da deliberagae de hoje, pela qual resolv abrir om
?r2d't0 "PP1*""***, na importancia de........
811*367, respondo ao offlcio qo V. S. me diri-
do termo de S. Bento, de conformidade cora a si
1 Ka em OIDcio ,93 de d0 crreme.
w. ojo Dito ao mesmo. Transmuto a V. S.
do ordem do Exm. Sr. presidente da provincia os
!ituios.untos de nomeacao dos terceiro, quarto,
quinto e sexlo sapplent-s do delegado do termo
ao ipojuca, de conformidade.com a proposta de V.
S. em offleio de hoje datado.
N. 619.Dito ao mesmo.S. Exc. o Sr. pres
dente da proyocia manda declarar a V. S em
resposto ao sea offlcio de 17 do crreme sob n.
0 honrado mmbro recebido com as
dades do estyfo, preste juramente
sento^
(Cmtinuar-se-ka)
fonnal-
toma as-
ano u------ "" "J VU..UIIII, uvu u.
zjb, que a tnesasrana provincial tem ordem para
pagar an bacharel Joaqum Jos Ferreira do Ro-
cha Jnior, a quartia de 4:1043341, CDnstonte do",
citado offlcio. ,
N. 640. Dito ao commandante superior da
goarda nacional do onito.Nesta data autorisou-
se a thesouraria de fizenda a pagar a Antonio Jo-
s ae Arantes A C, os vencimentos constantes do
offlcio de 4. S. datado de 9 do corrente, ojqual fica
assim respondido de otdem do Exm. Sr. presiden-
te da provincia
3 a s?cc3o
c .' 6il-7fflcio ao cfe das obras publicas.
a Exc. o Sr. presidente la provincia manda de-
corar a V. S. em resposta ao seu offlco de 25 de
Janeiro ultimo sob n. 15, que a thesouraria provin-
cial lera ordem para enirefcir ao thesoureiro des.
sa repartigao o 1:000* de que trata o citado of-
flcio.
v *' secC10-
w. 642.Offlcio ao engenltero enearregado das
obras geraes.- S,.Exc. o Sr. [residente da provin-
ca manda deelarar a V. S. que pelo seu offlco
de 18doeorr'nte,-ncoutfoteirido de acharem-se
terminados os reparos do caes lo Apollo cm fren-
te ao armazem do negociante Tjsso.
-Informe o Sr. Dr.
DESPACHOS DA PRESIDENCIA DA IROVINCIA DO MI 2
DE ABRIL DE 1879.
Antonio Francisco de Moura.-*ica expedida a
conveniente ordem.
Companhia PernambucanaDlrija-se ao Sr. ins-
pector da thesouraria de fazenda.
Deomedes Francisco das Castas, Guilherme
sum de Souza e outros.-Expecase ordem.
Manoel Jos de Souza Nunes.Informe o Sr. Dr.
chefe de polica.
Manoeel Baptsto Barbosa,
cfaefe de polica.
Raymundo Gomes da SilvaInforme o Sr. coro-
nel commandante superior da guarda nacional do
municipio do Recife.
Americo Olympio Je Macedo.Informe o Sr. ins-
pector da thesouraria de fiuenda.
Abaixo assignads moradores da circumvisl-
nbanca do beco das Almas, da freguezia de S.
Fre Pedro Gongaj ves.Declarando o empreiteiro
qae vai mandar calcar o beco das Almas, nada ha
que resolver.
Alexandre Gomes da SilvaInforme o Sr. te-
nenie-coronel commandante do corpo provisorio de
polica.
DU!l"? *' ** M*1 P^<"^"co, na sesso
aeju t0 marro, que repetido por ter sahido
com alguns effos essenciaes.
OSr. M. Pkrnambbco:Sr.presdete, noconhe-
ceiido os estylos das asserablas provinciaes, na v
niicagao de poderes, nao sabendo qual a norma de
proceder a seguir pela commifao, quando tem de
, >apr*ciar a legitimidade da eleigao de nm depuiado,
nao posso alflrmar que o procedmento da com-
mi>sao foi irregular, quando deixando de dar pare
cer so&re a legiiimidade do meu diploma, vem en-
treunto suscitar a questao de ncompatibilidade,
quando das actas que foram apreciadas pela com-
missao, e do meu diploma nao constava cousa al-
guma a esse respeito, me parecendo, porm, que
a commissao se devia limitar nicamente apre-
ciaoao das actas, das quaes nao consto que hoa-
vesse motivo algum de nullidade na mesma elei-
gao. O facto de um deputado ler presentado par-
ticularmente a commissao urna certidao, com a qual
pretende contestar a legtimdade de rainha eleigao,
nao me parece que possa autonsar a commissao a
dar o parecor sobro a legtimdade das eleigoes dos
olio deputados pelo primeiro districto, e pedir ao
mesmo lempo que fique adiada para a sessoes or-
ainanas, a deciso relativa i legtimdade do meo
diploma. Entendo, Sr. presidente, que a commis-
sao devia apreciar smplesmente o que constasse
das actas e do raen diploma, e deixar que o de-
putado, que enlendesse quo eu naotnha sido le-
gtimamente eleito, impugnasse a minha eleigao,
oiierecendo ento os documentos em que se fun-
nessa occasiao destruira eu essa impugna
!Srft ",,af0 C0I"Pfeane esdarecidoi, sa
adiamenTo ? ,Dfarrna*5e9 a ***"> flusTa razodo
Nao ha parilade entre a questao rme se agita
m ] f6'3?0 ao dePUIaa"o Pde ^distrielo ; por
que nesta, 1.a para apreciar o procedmento da
niara, que se julgon com direto de annnllar a
eleigao de um depatado para dar o diploma on-
a offensa do direto da
Degar-be
.J^OAsoy-OiaiqMaB Limited.-Bsto
. -, ny ou.vtfls\nii mepoftr.ia. mrtkitmcMi >
'n"W. -fclaVTr^Tfto^^rfr t. lWt^Td^W
mandar pagar em vista do parecer da contadoria
dessa thesouraria a que se refere a sua informa-
gao de 16 do corrente sob n. 105, a quantia de
325903, proveniente do ordenado da professora
romovida para a cadeira de Abreu de Una, Henri-
queto Amelia de Menezes Lyra, correspondentes
aos das 3 a 20 de outubro d anno prximo pas-
sado, em que deixou de dar aula por um inciden-
te que se denem sua vagem, considerando-se as-
sim abonadas as faltas dadas pela mencionada
professora.
N. 630.Dito ao mesmo.Transmuto a V. S. os
inclusos documentos comprobatorios da despeza
feit no mez de Janeiro ultimo, com o sustento
dos presos pobres da casa de detengao, alim de
que mande liquidar essa despeza e pagar a sua
importancia ao bacharel Joaqum Jos Ferreira da
Rocha Junir, conforme solicitou o chefe de polica
em offlcio de 17 do corrente sob n. 238.
N. 631.Deliberacao.O presidente da provin-
cia tendo era vista o que requeren o segundo es-
criturario da thesouraria de fazenda, Januarjo
Constancio Monteiro de Andrade, e bem assim a
infi rmago do respectivo inspector datada de non-
tem sob n. 124, resolve conceder-lhe dous mezes
de licenga com ordenado na forma da le para
tratar de sua sa Je dentro da mesma provincia.
N. W2.Dita. O presidente da provincia to-
mando em consideragao o que expoz o inspector
da thesouraria provincial em offlcio de hontem
sob d. 109, resolve abrir um crdito supplemen-
tar na importancia 1:811*367, para contouagao
dos pagamentos ateo fim do actual exercicio.de
despezas feitas por conta dos arts. 15 g 2, 38 g 4
e 39 2 da lei do orgaraento vigente, como abai-
xo se declara, visto terem sido insufflcientes os
crditos a elles votados, como se v das demons-
tragSes que veram annexas ao citado offlco.
dasse
gao provando exuberantemente que nao estve'era
exercicio da vara municipal, com as certidoes que
apresentei, e que nao deixam a menor duvida
esse respeito, sendo urna passada pela cmara mu-
nicipal e outra pela secretara da presidencia, af-
urm?nd0. a,nbM loe de 16 de junho at 11 de no-
vembro do anno passado, estove no exercicio da
PT'lpeira vara dojuizo municipal o Sr. Dr. Joaqum
Jos de Miranda, como sea primeiro substituto, e
desta data em dante o Sr. Dr. Paulino Chaves. -
Ora, se a cmara a competente para conhecer
quaes os juizes que esto em exercicio das varas
municipaes, se a cmara competente para dar
os atiestodos de exercicio aos juizes, tora de ques-
tao que sobre o que afflrma a eertdo por ella
passada, nao pode haver a menor duvida.
Se anda apresentei commissao urna outra
certidao da secretoria do governo, coafirmando
aquella porque diz tambera qae o Sr. Dr. Miranda
ro quemesteve era exercicio da vara de 16 de ju-
nno a 11 de novembro, edahi em diante o Dr.Pau-
a1 ??Sae""M aae> em vist do taes pravas, nao se
pode dixer qae ea estive ao exercicio da vara mu-
njwaatuoa quairo mezes anteriores eleigao, sob
^m m aia^at-ft s oSirhKfes passadav pela
&ai-,a,UUa a"eDsa do direto daquelle q
fora eleito, pela eamara, que nao poda neas '
o diploma como fez, segando est declarado aa le
a explicada por decisocs uniformes do goverao
Naquella questao preciso apreciar as raides mu,
^varara a cmara a proceder lio irregntonsseaiT
mas na questao presente, quando nao apresaata
alguem impugnando o meu diploma, MmlSm
so julgue com direto ofend.do, para qne a aotre
commissao quer adiar ama psS que j aera
estrdecidida? Para que o adiaroent? '
Limito-mo a islo, porque nao pretendo esetare-
cer a asserabla, pois que reeoaheco ae cada am
de seus membros tem mais habilitaroes do me ea
para apreciar esta questao; parecendo-me aae a
queslao e tao simples por -sua naturexa, qaasa-
losi documentos apreseutados a commissao, estoao
evidentemente demonstrado que nao estiva a
exercicio pleno da vara de jniz mancipa!, ai ka
razao nenhuma para se decidir esto questao s aa-
pois da assembla constituida.
E, mesmo no caso da commissao ler ae aemr
o adiamente desta queslao, me pareca man ream-
ar ter immediaiaraente dado o sea parecer, vi-
ta da certidao existente, eom relacao
incompatibilidade, declarando, se eu era
livel ou nao, pedindo, porm, que a qoesOo
adiada alim de ser decidida as sessoes ordiaar
e nao deixar de dar parecer sobre a i
a pretexto de qae nao tem esdareeimeafc
ja tem em sea poder todos os documei
sarios.
Art. 15
Art. 38
Art. 39
2
4
2"
542*566
742*768
526*033
1:811*367
4*sece2o.
N. 633Portara ao deserabargador provedor da
Sauto Casa de Misericordia.Respondendo ao seu
offlcio de 2 de Janeiro ultimo sob n. 2,411, tenho
a dizer-lhe que tendo o governo, em visto do art.
20 do contrato celebrado com a companhia dos
tnlhos urbanos do Recife a cd;.Je de Olinda em
22 de julho de 1868, conduegao gratuita para dous
assageiros em cada urna das viagens, solicite V.
xc. o|>portunamente s passagens de que trata o
seu cuido offlcio.
N. 634.Dtta ao mesmo. Deemro a V. Exc.
em resposta ao seu offlcio de 12 do corrente sob
n. 2,454, que nesta dat expego as necessaras or-
dens ao juiz municipal e de orpbaos do tormo de
Flores, aflm de fazer o administrador da fazenda
Carnauba, Joaquim Rodrigues Florencio, cumprir
os seus deveres para com a administracao dessa
Santa Casa. ^
N. 635.Dito ao Rvra. Fr. Venancio Mara de
Ferrara, vice-commissario geral dos missionarios
capucbinbos. Recibi com agrado as oformagoei
qae V. Rvma. se dignou dar-me em sua carta of-
flcial, datada de 14 do corrale, relativamente ao
collegio de meninas estobelecde na villa de Papa-
caga, cumprindo-me em resposto, asseverar a V.
Rvma. que serei solicito em procurar obter da as-
sembla legislativa providclal ha sua primera
sessao, os auxilios de que precisa o mesmo colle-
gio que vai prestando servigos muito reaes e im-
portantes aos habitantes daquella parte da pro-
vincia
N. 636.Deliberacao.O presidente da provin-
cia attendendo ao que requereu o presidente in-
terino da sociedade Emancipadora, instituida nes-
ta capital resolve usando da attribuigao que lhe
confere o 1 do art. 2* da lei n. 1,083 de 28 de
agosto de 1860 e o 1 do art. 27 do decreto n.
2,711 de 19 de dezembro do mesme anno, appnv-
var os seos estatutos e conceder-lhe auiorsacao
para poder funecionar.
EXPBMKNTE ASSIONADO PELO SR. OTHCIAI.-llAiOR DI.
ANTONIO ANNBS JACOME PIBES, NO IMPEDIMENTO
DO SECRETARIO INTERINO DO OOVEB.so, EM & DE
FEVEREIRO BE 1870.
2.a secgo.
N. 637.Offlcio ao Dr. ehete 9 poliosjar-De or-
dem do Exm. Sr. presidente da pmvrnSJsT trans-
mlo a V. S. o titk) de p-.omeaeafl, dp alteres Ma-
providenciar a sUfSalhante respeito;
Francisco Jos Pereira.Informe com urgencia
o Sr. coronel comraandnte superior interino da
guarda nacional do municipio do Recife.
Padre Lourengo de Albuquerque Lovola.Infor-
me o Sr. inspector da thesouraria de azonda.
Capitao Paalino Piras Falcao.Provando o sup-
plicanie que administrador e prestando fianea
ser atlendido.
Reparti?ao da polica
2* secgao.Secretaria da polica de Pernambu-
:o, 4 de abril de 1870.
N. .458.Illm. e Exm. Sr.Levo ao conheci
aiento de V. Exc. que, segundo const das parti-
fipaedes recebidas hoje nesta reparticao, foram
recomidos casa de detengao, os seguintes inchvi-
duog :
No da 2 do crvente, minha ordem, Lourengo
de Souza Ollveira, BalbinorBenjamim de Mello, Jo:
Fructaozo dos Santos e Joo Bezerra da Silva, vin
dos lo termo d'Agua Preta, osdois primeros como
reerntas, e os demais como criminosos.
A ordem do subdelegado do Recife,.\V. Johnson,
W. Shmiren e Samuel Mizn, americanos, re-
quisigao do respectivo cnsul.
A ordem do de Santo Antonio, Justina Mara da
Conceigao e Anna Maria da Conceigao, por offen-
sas a moral publica, Luz, escravo de Andrade Re-
g, por desobediencia e Domingos escravo de An-
tonio de tal, por andar fgido.
A ordem do da Boa Vista, Verissimo Jo? de
ant'Anna, por einbriaguez e offensas a moral pu-
blica.
A ordem do dos Afogados, Jos Baptista da Mal-
ta e Manoel dos Santos Farias, como indiciados em
crime de tentativa de morte.
No da 3 do corrente, a ordem do subdelegado
do Recife, Ludgera da Conceigao, por disturbios.
A ordem do de Santo Antonio, Vicente escravo
de Jas Antonio da Cunha Guimaraes, requer-
ment deste.
A ordem do da Boa-Vista, Joao Jos de Almeida
e Augusto escravo de Ignacio Jos dos Santos, por
briga e embriaguez.
Deus guarde V. ExcIllm. e Exm. Sr. se-
aador Frederico de Almeida e Albuquerque, pr-
ndente da provincia. O chefe de polica. Luii
intonio Fernanda Pinheiro.
PERNAMBUCO.
ASSEMBLA PROVINCIAL.
SESSO ORDINARIA EM 4 DE ABRIL DE 1870.
PRESIDENCIA DO SR. DR. AOUIAR.
As 11 e meto horas da mannaa, feita a chamada,
acham-se presentes os senhores:
Paos Barreto, Antonio Paulino, Texeira de S,
Hermogenes, Jo3o Cavalcanli, Gnalter, Rufino de
Almeida, Firmino, Viera de Araujo, Ges Caval-
canli, Ribeiro Vianna, Guedes Gondin, Cunha e
Albuquerque, Arthar, Goncalves Lima, Antonio
Luii, Miguel Pernambuco, Veiga Pessoa, Oliveira
Fonceca, Mello Reg, Pinto Jnior, Gasmo Lobo,
Gaspar Drummond, Felippe de Figaeira, Ferreira
de Agujar, Barros Leo Barros Regos, Alfonso Fer-
reira, Henrique Mamede, Vi eir de Mello, Barros
Wanderley, Eduardo de Oliveira, Augusto Costo,
Ignacio Leao, Cavalcantl de Albuquerque.
Abre-se a sessao, I ida e approvada acto da
anterior.
O Sr. 1 Secretario d conta do seguinte
EXPEDIENTE
Um offlco do secretarlo do governo, commumean-
do que o Exm. Sr. presidente da provincia, tica
sciente da eleigao da mesa desta assembla.'In-
tegrada. .
Outro do mesmo, remetiendo o relatorio em qae
cmara de Garanhuns, expoe as necessidades de
seajnanicip*e.A' aosamiseaa de negocios de ca-
rnadas.
Requerimento de Francisco Paes Barrete Lame-
nba Lins, segundo oaleal da secretaria da assem-
bla, pedindo tres mezes de lcenea com vencimen-
tos para tratar de sua sade.A' commissao de
polica.
O SR. PftB8IDENTE.Convido os Srs. supplentes
dos secretorios, irem receber na ante sala o Sr.
DT; Joa finvaleanti de Albuquerque. deputado
aleMo pele- 2* dislrieto eleitoral.
rotsso pelo Sr. Dr. Moscoso, nao se deduz nne*cu t** "existentes efe
fuoccionasse apenas em certas e determinadas
causas e que livesse sido smente juiz ai hoc,
em substituigau ao qae exercia o cargo em causa
na qual se averbra de suspelo por rallar o termo
de audiencia era nao apresentogo de leito?, nao
tem procedencia.
Nos sabemos que em todas as audiencias, quer
sejam presididas pelo juiz que exerce a vara, quer
por aquelle que o substitue em urna causa por
motivo de suspeigao, os termos contm palavras
tobelioas que sempre se empregam ; o escrivao
declara sempre se houve ou nao feitos: e mesmo
as audiencias dadas por juiz ai hoc, pode muito
hem este ter de fazer a publicagao do ferio em
quejuiz.
Nao se pode dzer, Sr. presidente, que, se o ada-
ment da questao que rae diz respeito, deixar de
ser approvado, ha contradgSo com o que j se de-
cidi aqu em relagao eleigao do 2 districto, nao;
porque hontem a commissao fundava o seu reque-
rimeRto no pedido de nforraago de tactos que
nao constavra de documento algum, e que entre-
tanto serviram de base ao procelimento da cma-
ra apurad ra, rna< aqu nao se precisa de mais in-
forniagoes, porque j exslem certdoes que pro-
vara que eu nao estive no exercicio do cargo de
juiz municipal no praso da ei ; e as informacoes
que quer a commissao que se pega ao presidente,
nao podem deixar de referir-se essas mesmas
certdoes queja temos, isto nao podem deixar
de dizer, que eu nao estive no exercicio pleno da
vara municipal.
Sobre a questao de ncompatibilidade, desde que
esl proyado que eu nao exerc plenamente o car-
go de juiz municipal, e que nao estiva portante em
exercicio do cargo durante o praso de que falla a
le, por isso que das ceidor consto qae o Dr.
Miranda, como primeiro substituto, foi quem es-
tove no exercicio dessa vara, fra de questao
que nao estova ncompatibilisado para ser eleito.
O decreto de 18 de agosto de 1860 no 13 do
art. 1 exprime-se deste modo : as incompatibi
lldades comprehenderSo os substitutos dos uizes
de orphos e munieipaes que tverem estado no
exercicio do cargo, quatro raeze3 antes da eleigao.s
O Sr. G. Drummond.Que exereerem autorida-
de ou jursdigao.
O Sr. M. Pernambuco.Nao, senhor; tratando
dos effecti vos, falla a lei era jursdigao, tratando dos
substitutos dizqae exereerem o cargo quatro
mezes antes da eleigao.
Sao estas as (ormaes palavras da lei.
OSr. G. Drummono.Tem razao.
O Sr. M. Pernambuco.Perpunte eu, poder-se-
ha dizer que estive no exercicio da vara munici-
pal, se offlcialmente consta que esteve no exercicio
desta vara desde 16 de junho at 11 de novem-
bro o 1* substituto Dr. Miranda ?
Se isto nao teve lugar, Sr. presidente, como
que se diz qae pode dar-se questao de ncompati-
bilidade em relagao minha eleigao?
Ainda quando a lei nao fosse expressa, e nao
estivesse clara a questao neste terreno, e mesmo
fosse duvidosa e susceptivel de inlerpretocao, sa-
be perfetaraeute a nobre commissao qne a le
que estabeleceu ncompatibilidade sendo restric-
tiva de direitos polticos, nao pode ser interpetra-
da no sentido ampliativo, mas sim no de restrin-
gir, por ser disposicio odiosa; eeste principio
mol condecido de mterpretago est inserido em
mais de ama resorogao aviso do governo res-
peito de leis de incompatibilidade.
Fallou a nobre eoo'mlssio no aviso de 1864 no
qual um presidente, suscitando a questao do saber
se o juiz qae julgavs um feito era ou nao incom-
pativel, mas nesse aviso disse o governo qne so o
peder legis ltiro poda decidir esto questao de
interpretado a respeito de incompatibilidades; j
v, portento, que nio ha nada decidido esto res-
peito qae me seja desfavoravel, e qae assim a pre-
sumpeso seria nataralraente raeu favor, isto ,
que nao existe incompatibilidsde quando podesse
haver davids i tal respeito.
O Sr. G. Drummond.A conclusao que o ne-
gocio Brava.
O Sr. M. Pbrnamsuco.Quando se trato de en-
tender urna disposicao odiosa, a interpretagao nio
pode deixar de ser reilrictiva, e se na interpreta-
gao forem applieadas as boas regras de herme-
nutica, nao podar ser interpretada a disposicao
da lei de 18 de agosto de 1860, senao em sentido
favoravel minha cao.
Se, pois, a questio clara, se todos os pobres
BE VISTA DIABIA
ASSEMBLA PROVINCIAL.-BoaSsai a amsa-
te approvou o parecer da commissao V mt-
ns, reconhecendo depntados pelo MSrfcat <>
Sr. Dr. Miguel Jos (te Almeida Peraaml
** Sr. Dr. Antonio Francisco Correa
Oraram sobre a materia os Srs. Tasa I
Hermogenes, Manoel'do Reg e
cante.
A ordem do dia para boje roatiaaacao aa aa-
tecedente, eleigao da commissao ae fora
e leitara de propostas e ladieacdes.
ACTO OFFICIAL.-Por deHberacio
corrente S. Exc. o Sr. presente aa
resol ven nomear o engenhero Dr
Beltrao de Arajo Pereira para i'
mente o lagar de ajudanie do em
estrada de ferro, durante o laspaL.
heiro Dr. Felippe de Figueiroa Farta, ana i
eom assento na irrarA pruiatiaL
CONSEUk e 1 fADO ftrtw a* ei
I C*vwfcius", |sua
Baraa
creto de 25 do passado os Exms. Srs. I
Tres Barras, senador Firaaao RoaVigaas
senador Francisco de Paula Regreiros Sarao la-
bato, senador Zacharias da Gees e Va
Christiano B. Ottooi, e senador Francisco J
todo.
NOTOS TITCLARES.-Anda cartas
dizem que, nes-a mesma dat, foram
cora ttulos honorficos, os prestdeaies ao"
e ministros da guerra e mariaaa dos diversos- ga-
binetes de estado desde o cemeco aa guerra a;- o
presente.
ILLUM1NACAO A GAZ.-S. Exc a Sr. atv-
dente da provincia, em vista do rnattieii aa expr-
rencia feit no sabbado, resol veo caatratar a illr-
minago das cidades de Olinda e Govanaa peto pz
hydro carbnico, com o Sr. eageaaairo Gastav)
Wurtffbain.
THESOURARIA PROVINCIAL Pelo MfJS
dado em 31 de margo nos eofres desta reaertcf,
veriflcoa-5e haver nelle um saldo de 707:257JW.
as segointes especiaes:
Em acgdes em deposito l47.MtttitN
Em ltalos a emiltir 7MaU*flOO
Em letras a vencerse 223:M7 Em dinhero 2aO-.7t7R*4
A" ILLUSTRISSIMA CMARA MtMCJPAL.-
Alguns assignanles nossos da ra da Alegra ae-
dem nos que lembrcmos essa eorpcraeo a saa>
veniencia de se dar aquella roa o nome de l
Alfonso, em honra memoria desse distiact i
provinciano. Outras pessoas lembram laasaeaa a
nome de outro comprovincianoVital de Otiaiea.
para ser dado roa Nova ou a oatra isa altan
A jljustrissima cmara dar sesa dovida csn
rasoaveis pedidos merecida altenra >.
DRAMAS DA ALDEIA.-E este o ululo ae osa
romence do Ilustre escriptor Sraam
Terrail, autor do Uocambok, aae r airimw a
publicar hoje em nossa oitava pagiaa, e para a
qaal chamamos a atiengo dos tetore. O i
lo do romance, sua naturalidad*, a
o bem delineado das scenas, devem i
mos convencidos, aos aprsriadsrai
de litleratura.
HOSPITAL POHTl"GI'EZ.-En de i
estabeleci ment o Sr. mordeaas
Pereira.
HOSPITAL PEDRO 11-0 i
belecimento de 28 de marco a i
de 234 doentes existales, eatraram K, i
32. falleceram 9, exslem 118, saaa* 129
e 93 molheres.
Advertencia.Foram vsiuda
nestesdias as 7, 7 UL C |A C i/% 1,7, jala I
Hamos; as 12 1/2, l/% t/% t V% iT%
1/1, pelo Dr. Sarment.
raneciQios.
Nicolao Bernaroo;
aorta.
Mara do Naseimeas*;
Alfredo Williatuon ; gastro i
Archanja Mana da Coaeeieao ;
nares.
Ignes; febre lyphoide.
Antonio Joaquim ; i
Joaquim; tubrculos
Isabel ; hepatite (
Isabel ; eongestaoi
LOTERAA que se acha a vaada a M> a
beneficio da igreja de Saato Amara da Sartaaaaaa,
a qual corre no da 12.
CBaUTERK) PHIUCO.-Oliimii da dta da
abril de 1870.
Miguel. Pernambuco, 90
sdes.
Pedro, Pernambuco, 3 i
mes.
Joaquim, Peraantaaco, 381
visto; lubereaios [
Maris, Pirsasjtam, t ama, S.
Antonio Joaqato, I
do.Boavista; a
Laiza Maria da
solteira, Santo.

NOVO BANCO DE
salascete do noto asmo m
dacao, sai W a*
Ulras pTt4esta>........I7T:



i
.ftlai -

im 63H3T
Diaflo de Pernambuco Terrea fera 5 de Abril de 1870.
naiMitm Ti IV r
Titulas depositados .......
Despezas geraes........ j
Caixa.'Fetos seguintes valores :
Kmouavnamedado. 04Q*12O
Km nwaaja Jhesonr
e da Calxa Filial dd
Bane*lffsil 35:468*080
Cmprttee cobre. 158/679
^_ Res. .
Patuvo.
Capital.............
Eussiio............
Contas correntes eom aros. .
Contas rorrentes simples. ....
fundo de reserva ........
rtalos em cauri)........
Massas fallidas a cargo 4o Hateo .
IHvidendos...........
Lucros e perdas. ......-
5.1981173
B:30f4JO
36:566*899
Mi:jl80437
34008
*000
488
*8i
4766
4172
4907
do de desamparo estavam e,
sen sexo, e paire mostr
agrado a reelamacao do Sr.
as, miserias de
_Firecebea com
jn de orphaos, e
uandou inscreve las comoIbas^iaiaa para "
rem urnas e outras educadas, spplicadae- a ira-
balbo; e atlal casadas, segundo os estatuios.
Em seguida pedio o Sr. Dr. Manoel da JS8*.
Xavier de Andrade licenca para fallar, e enmtxitt1 neto afl
que para abrillantar eslo^aeto to sublime
224:9804*37
U * MMMSntDBM D.V KMlSS*o
81 ditas
17 ditas
e
de

dttAfJUUi
1004000
504000
Mis. .
5:0004000
2:1004000
8504000
7:9504000!
S.E. e>.
O guara livros
Francisco Josqum Pereira Pimo
PU6CAC0ES A PEB1B0.
Gormando da tftuirta brigada de
infantaria na villa do Rosario,
repblica do Paraguay, 28 de
fooeretro de 1870.
Ol i>i:n DO DA W. t.
O coronel commaidanic da 4.a brigada de in-
UnUra, compre boje eom o grato dever de se des
pedir de seus bravos camaradas do 33.* corpa de
voluntarios da patria, para quem soou a hora de
rogressar ao Brasil.
Os soldados de urna na cao briosa s se retiram
du iheatro de Mas lulas como os do 33.* corpo de
voluntarios : cubarlos de gloria, deixando a fama
de seos feitos, levando em sua bandeira as provas
iacoutestaveis di sua bravura, depois de tereai
frito iriumplur compietainenle a causa sagrada da
-su* patria.
Par recompensa de to nobros cidados, nunca
serio exageradas as. manifestacees do reconheci-
meuto oacional e essas iue o 23.* corpo de vo-
luntarios vai recebar por matares que sejam, s
eslarao a par dos seus relevantes servidos, pela m-
lenco que as dictar.
A guerra que felizmente est tocando ao sen
termo, troiixe um proveitoso ensiao ao paiz, e
que apzar de reduzida a forra publica e de olh.v
los coin indifferenca o exercito e armada, ao mais
leve insulto feito nossa honrao patriotismo
rluz milagroscrea balallioes como por encan-
. inspira essas phalanges esperanzosas, conqnis-
a vic.'orias, eleva na consideracao universal o no-
mc do Brasil, o lirma gloriosa paz tnuito difireme
dessa cheia de ignominia que o inimigo lhe havia
querido impr.
O 23. corno de voluntarios a prova mais ca-
iial do que alii vai dito : comecou a sua organisa-
>.ao a 13-do feverefro lie 1885, fazouno delle part
ns patriotas do Rio de Janeiro que primeiro ha-
viam acudido ao enrgico appello do governo im-
perial ao povo brasitoin no decreto de 7 de Janei-
ro : menos de um mez depois, a 3 de marco, em-
barou para o Rio Grande do Sul e qnasi sem per-
der tempe foi depois de ah ehegado proteger a
;.mear.ida frouteira de S. Borja.
Anda nao linham ileeorrido 4 mezes depois de
ua creac.o, .i e reciba o mu baptlsmo de sangue, fazendo a es-
tica Jos vulunUrius da patria no campo da honra,
no dia (0 de junho >t'aqneUe anno.
Parante tuna luto de 4 anno* tornou-se nm ba-
4a!UJo allantado, entre os de ms nomeada no
exfrciio lira-r-ilelro, sem ter muito que inveiar aos
*a< mais experimentadas tropas do mundo :tes-
'eittnnna o tse arrojo, deeisao e ordem, com que
.i 12 pe acosp passadq aceommelteu as trtnehei-
ra* rtoiVribjbiii, 'Limando ah a sua bandeira ja
iaureadi com a conieeprecao do GruMJro, pep
gtrirt) frito Je 2 o maio de 1866, e transpor-
.os aohxlad qa oi -r***K*.j<- *'
siincio 83. corpo de voluntarias da patria, mos-
traratu ser os defensores de urna cau-a justa e os
representantes de rtia nacao civilisada; alm de
ua bravura, osteBraram outras qualidides apre-
ciareis do verdattero guerreiro, como a constan-
cia as privares e a humanidade para com os
vencidos : na memoria dos povus de Irirtimy, de
Villa-Hica e de Caaguass. Ira de ficar gravado o
- .ofoportamenro generoso c digno do 23 corpo de
voluntan,'s, quando fez sna providencial psssagem
por esses lugares mais como libertador amigo, do
?|ue como inimigo triumphante.
O coronel commandante orgulha se de ter com-
mandado to valentes benemritos e morigerados
soldados durante os oito mezes ultimo?, e sem ver-
laderro sentimento ao separar-se dilles, embora
gaita que os aguarda feliz e tranquillo destino, a
iie lien direito por un s litlos.
Vulvendo a ser cidados, os bravos do 33.* cor-
po de voluntarias da, patria, levarao as snas novas
retardes sosiaes o respeito as leis o o devotamento
is liberdades publicas: aquelles que se distingui-
r m pela sua sobordinacao sob as armas e pelo
denudo com que defenderam a causa da patria qu<
tambera era a causa da lber Jade, nao bao de des-
ieiitir o recente o glorioso passado.
O* bravos do 23.* corpo de voluntarios s re-
vrdacSes de sua vida de cantpanba, uotrelacarao
r duvida, a lemfjranea de seus companbetro3 de
1 linha, por quem foram acolhidos como velhos
.imaradas, e a cujo lalo ganharara os mesmos
loaros ; ser extremamente honroso ao coronel
comer andante e um pequeo Unitivo saudade
<; 'ie breve sentirsaber sempre que os bravos a
iiuem hnje diz triste,o adeus da despedida, nao se
fin esquecido de seu ultimo commandaut de
Jff-igida, companheiro de tantas fadigas e perlgos
+ an igo sincero e dedieado.
Viva a nossa santa religio !
Viva a naeio braslleira I
Viva Sua Magestade o Imperador e sua augusta
familia I
Viva Sua Arteza o Senhor principe marectal e
coinrnandante era chefe I
Viva o exercito e armada imperial t
Viiran os voluntarios da patria 1
Manoel da Canha Wanitrley Lint
Coronel commandante.
aa Casa de C^^tMi*encorcha, *MMj*
wnhora,darami^erl tu escratmlMe
8 annos, ha Itfttfcia > mus esoravos, efcia-
mavam sua adm&alo qa caridade, po"le gHf;
e, que ser dtrande|cawe em faror ? jiea
da lenta emanclpacio |aeacra?o doBqprfco
que ludo 6 mullo eoniBM com as idear seta
sublime instituido; o padre mertw Ib'4!1^
cebeu com aleria a proposta, nasu jgj*1*0
declarou, que almiltiria as casa* d cale de
sua instrtaicao i tedas aa meninas liberMUaj de o
9 annos d idade, e mandou o mesmo pdre
mestre tocar a msica em signal de regosupj tg
mando juramento dos empregados ne ,
diripr os destinos da casa, sao rt|tei,-Br.
Jos Paulino de Figueiredo, vice-regeote e zellador
Paulino da Cunta Sonto Bator, e thsGuTelro o
Dr. Manoel da Fouseca Xavier de AnJrade, assim
como da superiora da casa.
E continuando o Rovd. orader o sea discurso
debalxo do mestno teste, que repotio, ao Ondar a
primeira parle, deu orden a transpcrtar-*e os
doentes misera veis de snas casas para as enferma-
ras, e pessoas as mais dislinclas do lugar foram
encarregadas desta sublime commissa-i.
Foram os pnmeiros Srs.: t>r los Paulino
de Figueiredo, 'Or. Manoel da Fonseca Xavtor de
Andrade, Dr. Joaquim da Costa ftibeiro, Francis-
co Clemrntlno Baria Pires, Manoel Mara-de Sei-
xas Borges, los Olympio de Maria Seixas#orgee,
tenent Bcnm Correa de S, e outro eohores
igualmente distinctos; e jcompanhados da msi-
ca carregaram esse deposito sagrado, repassados
do mais terne sentimento de caridade, e fotam
portaolo abrigadas essas pessoas miseraveis que
eram 8 *
Alguos cavaheiros, subindo tribuna pediram
licenra para fallar, e em toeTtos disearsos flzeram
reslcar o alio merecimento da ceridade, eom o
que abriihantaram suramamente o acto da instal-
lacao : feram oradores oDr. Jos Paulino, o Dr.
Fonseca, o Dr. Costa 'Rfbeiro, o ftr. Fausto, o a%
feres Milito, e os Srs. Celestino. Augnslo de Sa
Brrelo, Antonio Maria Marques Man*, Francklm
de ego Rangel e Lniz fla Costa Gadelba. Non
intervallos de nm discurso ao outro a msica fa-
zia realzar o brffiantismo delles com a sua har-
mona.
Terminada e$la seena, juramenlou o padre mes
tre Ibiapina toilas as irmias da casa, prestando
ellas obediencia a superiora, quem- reconhece-
ram por sua mal espiritual, e de quem recebe-
ram a benco ; entre estas ligurava a bemfeitora
da casa D. Maria da Coneeico Gomes Maris, que
renunciando as pompas e viidades do mundo, lo-
mou o vestuario de irma da caridade consagran-
do-M inteiramente ao mu servlco.
Em seguida entraran) as orphaas, as mnlheros
do trabalno, a inspectora desle ostabelecimento
e as pencionistas, achaudo-se presente o capelln
do mesmo o Uvm. Ildefonso Lpez da Silva. O
Revd. padre Ibiapina ultimou o sen discurso, e m-
guiram-se as esmolas dos (Jis em beneficio da
casa, que renderam 4404 e algumas -obras de
ouro, tendo-M recebiJe no correr da obra em di-
nheiro 7:180*000.
Foram declarados bemfeitore3 do esiabeleci-
mento; I* o Rvm. Sr. vigario Jos Antonio Mar-
ques ira Silva Guimares, 2 e Sr. Manoel Maria
de Seixas Borges, 3* D. Baria daConcevcao Gomes
Mari*. Depois do que instaHcu-se casa, sguin-
do-M a visita della por todos os circumstarrtes.
De ojue para constar lavrou-M a presente acta,
que vai a-signada pelo mesmo Rvm. mtssionario,
empregados della, Revd. vigario desta freguezi,
e mais pessoas E da Bento Correa de S, nomeiado secretario
ai koe a ecrev.
O mtssionario Joai Antonio (fe Jlfnrio Ibiapina.
O Dr. Jos Paul nm da Figueiredo.
O Dr. Manee! *i F. Xnvier ti Andrade.
Paulino de Sonto Maior.
Bento Corre\i de S,
Manoel Mara Seixas.
Francisco Cternentino Baria Pires.
O vigario Jos Antonio S. da S. Gaimaraes.
te eom o nm de m apregcar de obreira a nova
mesa.
S o Sr. Dr. prevador podera salva/ a ir manda-
de daSoledado, pondo um termo a todo laso, pota
*at o seu rovtmento em vez de ser cumprido ral
sendo negUgeneiado. *
2' o qOto, por ora, e simples leirurt H su-
ido, sugerio a
Alguns limaos.
PaWi
Historia da gu<
Lile a guarra ectre
erara.
Paraguay a comeear da
4 repulkica ooUni-
Srs. redactores.A covardia sempre (oi no cam-
po da batallia o ultimo degro de degradarn do
soldado, e no' campo da dignidade e da honra a
oliima palavra da degradacao hatnaKi, assim pois
acasteile-i* par diw; g eipiritos verstel*
,-*! qm om eiM fci.Miu afft deve
cruzar suas armas sem as rlular e cobrir-se de'
opprobno, seja Sr Coriolano os seos tropnos, qae
utros sao os meus fins e nao combater cem ad-
versarios sem lealdade, que s proeuram cons-
purcar e denegrir acobertando-M eem a :apa do
anonymo : seja esta minha ultima palavra, eerto
de q>'e quando o Sr. Coriulano conhecer qae pode
homliiear com um cavalleiro appareca que me en-
contrar, quando nao, permanecer! firme no mea
intento de nao mais responder-lhe.
Recife, 2 de abrii de 1870.
Antonio Venancio Cavalcante de Albuqutrqut.
riuandaric de \os*;i Weahora U
Koleilade.
A leitura de nm anuancio inserto no Diario de
Pernambuco sob o tituloIrmandado de Nos a
Senhora da Soludaleconvidando carpiuas a em-
preitarem a obra de dous altares, arcos, ele. su-
gerio-nos o desejo de qaerermos saber se a mesa
regedora da referida irmandade j camprio o die-
posto no segainls
Provimtnto.
Verificando se das peticoes de fls. duas e tres,
a\ resposta de l<. sele, dos pareceres de fl. vinle
e um e vinle o nove, dos decumentos de fls. e do
mais que consta dos autos que as transactas me-
sas regedoris da irmandado de NoSa Senhora da
Soledadc nao tern gerido os negocios da mesma
irmandade com o devido zelo, deixando de fazer
observar rcsrieiament o respectivo compromisso,
de attender aos seus interesses nos contractos de
arrendamentos de sea? predios, nos qaaos se tMm
estabelecido condices onenslvas a esses interesM?,
e sendo necessarlo azer desapparecer esses abu-
sos e rregularididesrecommndo expressamen-
Sis. 4*daclores.Pe\3i primeira vez vou oceupar
uiaa parte do vosao jornal, e o motivo principal
'I- minha resolarao, fqi encontrar aqui em minha
trra, comarca da cidade Je Souza, de volts de
rr,i,1:a ida. a priga, do Recife, cheia de malhisadas
fiare*, ao ternpo que nos alTronlava: secca, e (oda a
casta de alarajdades, fome, peste, furto, assano,
deshoaostidades, soberba e pramiea, e assim .j
a subergir-nos 111___Mas nm homem 1.' I.....
i";u hoiuem s I nos sal vou de tantos males....
E em tico tempo...,. .pnacipiou a auxiliar-nos
no l do agosto^ viado oo Carirj Novo para Jeru-
Senhora das Sores, entre Cajaxeira e cidade de
Souza) e os eeus ructes llberaes bem sazonados,
foram-se desiribuindo e animando do molo <
ni ils prodigioso a eminencia do fina desejado pela
<-.' luc'.a santa)... E quem poderla fazer tanto I:
i predestinada de Ue..>. O Rvos missioiurjo
Jos Antonio de Varia tttaapina III A bencao V
Dos, e de nossa Mai Piisskaa, Hie gcalitajue tm>
nosso norae.
- Siriam-M Sea. radkBlores, publicar a inclusa
.?ruda msuuaejfo da Santa Cisa do Caridade
d ^te 4* tlill^i# da *****
^* lejP^rldade e Mlserleaar-
tlla daeMade 4e Hamza.
Vos 23dia| do *m de janoiro de IMtt, ao ron-
pe,- d aurora, reunido um povo nn moroso om frais?*i
ii- d* elegaota edtfiuto da Gata de Caridad para
a rio de saa ins tal lacio, a uiuswa atnava o
jw -o aueainusjasme. ponida psareoeu nepol-
o, \tmmzoHin naVo Dft Jos Aatoaio
te ira Ibiapina, e charaaada a attenco c*eaeeon
>4 *brM?Hfletes aprnu-nerunt inhtm nottta
-e traduzio--aieern: no ##*. 'toro, ao
> erao, e foi obligado a parar por attender o jnz
ilo orpbaoi da cidadd o Sr. FranciMa Gionentino
M.-.ria Pire, auo ftclamAva em favor da orpbaa-
didii a admissSo na Casa da Cuidado das orphaas
d sua jurisdicJo, nto soojente fts menores do 5 a
te mesa regedora elefa nwte anuo, a auet a
actual commisso dar posse com as formalidades
do estylo, que faca sob as penas da Iti oteervar
fielmente o compromisso pelo qualse rege a ir-
mandade, e prom )va sem peda de trapo o se-
|Binte: 1. a prestuSo de contas do oi prooura-
dor Hermino ggldio de Fignelrdo e do ex-fnesou-
reiro interino Gnilherm oaqdim d Silva Braga;
3.* a fiel executao do cotrtratb das obras da igre-
ja da irmandade; 3. a innvacSo do contrato de
arrenda monto do predio contiguo igreja d mo
do qae sejam atlendidos os interesses da irman la-
de, de que se acnam prejudicados pelas eondijoci
eswbelecids no mesmo contrato, oa a sua annul
la^o era vista da irregulanttade coln que foi ce-
lebrado, como se observa no parecer do Dr. pro-
meior do juiw a fls. oilenta e oito verco i.d r-
rendamento em hasta publica dos otitri prodios
da irmandade sob as candiles declaradas no pa-
recer referMq, ozando para "isso dos meios leges,
razendo ao conhuciment diste uizo o que occor-
rer com relaja aos negocios da irmandade, e re-
'tterttido as providencias gae entender oecessa-
rras ft execuco do que se lhe recommenda no pre-
sea(e provimento. Observo que irregular e in-
cwaf qne o iaiz da irmandade celebre contratos
tm a mesma irmandade, do que se dve abster o
rtfesmo Julz.Recift, 18 de dezembro do 4869.
Arytiuio Coriolano favores do Sanias.
E leudo a nova mesa tomado posso no dia 7 de
terero deste atin, pergunlamos. J cumprio
efla o pru vi ment cima Se anda o oin eumprio,
nem l* lotum, oem iu partibui, segundo se diz,
I corfio qae j procara eflectuar aovo contratos ?
. P. podera a mesa rogadora por si t effeeluar
sse novo contrato, oo no ter ella scienia do
rifle dispdo o S I." jo art. So combinado com o g
:* do art. n ao corapramisso ?
Qnalquer que seja a iotmraugo qae se qoei-
ra dar uStempotaaea, desdo que a referida me-
sa nSo promoveu sem parda q tempo, como lhe
fu djjtortrimado pao ixu, o qnesltos comidos oo
ciUdo '^ovitneillo, ./
O contrario disto ser entorpecer o progresso da
irmandade, como por exemplo deixarem de ir
brca s seus predio?-, como determino o-pro vi-
meatQ, cujo randimeat, estamos ceros aumen-
tara em mais de cinconta por cenlo, o de cuja
lamis sera liejto dunda:*, om.)ianto se
...f essa clausola. ,
mais. SeU dito depajsagew.
ser dflpodiuo o capalao *c.) qv so o
istitcMd, Dcanoo por cn*micia auj-
Ds os acrs raJigto'i o p-.'ivad o pokli-
d'aqella circumvBnljanja, do So espiritual,
guat, qae par ella servio epreteiM
Obra fereeida e dedicada a S. M. e Imperador,
como priaieiro representante da n ;ae l>iaaileira e
seu esnsor perpot*.
i'PAQTS
CAMPAMR DO HKH-Mr.
Estado das relaoes entre o Brasil e a repblica
do Uruguay. rtec|ajaacdes por parte do Brasil.
Mistlo de 8r. coaeelhefco Sarva. UUmitmm
apresentado uor'eflt aogrtverno de Boterideo.
ComeQO das hostilidades. Excessos do governo^
oriental contra d~BrasiI. Convenio com o general
Flores. Ataque e tomada de Paysaed. fnvasao
dos Orienues no Rio Grande do Sul. Missao ao
Sr- conee^Ueko Paraatae. Bloque e reudicao de
Montevideo, capital da repblica. Fira da guerra;
traUOodepaz. Reftexes. *
> PARTE.
c&waNH-v po PAnAaww.
Capitulo primeiro.
Comeco das hostilidades por parte dos Para-
guayos peta captara do vapor nacional Mrquez de
Olinda. Iavasao da provincia argentina de Cor-
rientes e das provincias brasileiras do Matlo-Grssso
e Rio Grande do Sul pelos njesroos. Tomad* oe-
cupa^ao d forte de Coimb c das povoacfles de
Coramb, Noiac e Miranda na primeira deslas duas
Bnvincias, e da cidade de Uruguayana na segunda.
iso do Sr. conselheiro Oelaviano Rosa. Trata-
do da trplice allianca. Resiaurarao de l'ru-
(uayana, derrota e apnsionameoto do exrcito
aimigo.
Capitulo seguirlo
Passagem do exercito impenal pira o territorio
argentino. Restaurarlo de Corrientes do poder
dos Paraguayos. OperacSes da esquadra nacional
as aguas do Paran. Conbale de Riachuelo.
Passag- m de Mercedes e de Cuevas. Passagera do
exercito brasileiro para o Urrilorio paraguayo.
Capitulo te-ceiro.
Tomada de Curuz. Cperaqes di esanadra
contra a fortaleza de Curusaity. Passagem oe par-
te da esquadra pela frente dessa fortaleza. Toma-
da de Cunipaity. Operacdes contra Humayt.
Passagem de parte da esquadra pela frente dessa
fortaleza. Tomada do Esiabeleciraento por forras
brasileiras. OccuparSo do Chaco por torcas do
exercito alliado. Atoie do monitor Alagos polos
Paraguayas. Ataque tos encouragados pelos mes-
mos. Turnada de Hunait.
Capitulo quarto.
Segunda missao 4o Sr. conselheiro Paranhos.
Combates de Itororq Ivohy e Lomas Valentinas.
Occupacao da cidadi de Asumpcro, capital do Pa-
raguay, pelas forras alliadas.
Cfpilulo quinto.
Estabeleciment do governo proviso, io na capital
do Paraguay. Cotinuacao das operac5es contra o
presidente Lpez. Combates de Perbebuy, Bar-
reiro Grande, Caragaatay, Nhugass e outros.
Morte do dictader no campo de batalha, lim da
guerra. Reflex&s.
Ese usado sera procurar encarecer a ulilidnde o
mesmo a necesadade de tal obra, pois qrae nenbum
Brasileiro a piile deseonhecer.
Diremos apenas que est escripto de modo con-
veniente, de aeerdo eom os documentos offlciaes
e com as diseass&es havidas na imprensa e ao >tMo
da representado nacional, e o que mais (ora
de todo o espirito de partido, como tem sido reco-
nhecido por differehtes pesseas a qnem o autor tem
lido varios trechos della, pois que saa opinfao
que a -gloria qu resulla dessa guerra, na qo-at lo-
ma rain parte Greges e Troyaanos, aao per-ence a
nenhuma parcialidade, mas ao corpo inleiro ds na-
cao que ni. reeuaado diante de nenbum snerifirio
nesessario para sua sns\entaeo, mostrou ao man
de que sob vingar ae offensas feita? saa honra
e sua dignidade. i
A irapressio ser lana com o maior esmero, em
pregando-so para este fira ypo evo, bem papel i
tinta superior, de encommenda especial, o trae ludo
j se cha recomido a respectiva typograpb.
Para maior imersese e brilhantismo aera a obra
enriquecida com o retrato de S. M. o Imperador
em ponto grande, com tWas eMmpas repeseote
(ivas das prmeinaes operacd da esquadra e do
exercito nacin aes, o bem acsim eom os tMirutq*
dos aifferente* generaee, atair#aies e enefes de
divlsio que dirigiram essas operacSes e com os dos
mini-tros plenipotenciarios qae representaran! o
Brasil as margeos do Prata durante o periodo Jas
mesmas.
Se o autor encontrar da parte do publico o
apoto que espera, ser obra ainda mais enriqae-
cida com os retratos dos differentes ministros de
estado que nesse periodo dirigiram os negocios do
paiz, com os de todos os presidentes e vicepresi-
dentes qae admiaistraraai as provincias do impe-
rio no mesmo tempo. e eom os de todos os eom-
mandantes de navios e comraaodantes de baiaihoes
que tizeram parte da esquadra e do exercito em-
penhados na nobre missao de desaggravar a honra
e dignidade do Brasil, to infamemente ultrajadas
Eelo goveruo do P? agu y, qaer esses batallioes
ertencessem torca ue linha, quer guarda na-
cional, quer aos chamados voluntarios da patria.
Finalmente sero nelia mencionados em lista
alphabelica os noroes de todos os officiaet gene-
raes, oflluiaes superiores o offlciaes sutalttraos,
assim de mar como de trra, qae servirn na
guerra, com.dchracao das recompensas qae Uve-
rain, dos (erimentos que receberam, etc. etc.
Nesta lista sero tambem mencionados ui noraes
dos differentes cidados, que sem terem marchado
para o theatro da guerra, foram, todava agracia-
dos, ou condecorados, pelo governo imperial por
servidos prestados de^ualquer modo cm sustenta-
cao da mesma guerra, para que a todo o tempo
conste quaes elles foram.
A obra constar de doas volamos em quarto
francez com tres columnas de impresso imita-
cao da lllustmco oa do Mundo lllustrado de
Pars.
A-signa se para ella na principa livrarias des-
ti cidade razio de 904000 pagos em duas prs-
tacos, a primeira a entrega e recepjao do pri-
meiro volumo, a segunda entrega e recepeao do
segundo.
Logo qae taja numero sufBciente de asignatu-
ras para eobrir metade das deepezaa que eom a
impresso desta monumental obra se prsame fa-
zer, entrar ella para o prelo pois que para uto j
se acha prontpta.
Os Brasiieiros que a tantos sacrificios se sojeita-
ram para a sustentacao da guerra aao podem re-
cusar-so a mais este sacrificio que tem por lim im-
pedir que seus e-forros e glorias caiam no esque-
clmeato, pois serla fsto privar nosos flihos e netos
da melhor parto da heranea que Jhes podemoj
deixar. r
Protectora das Familias,
Associao brasileira de segaros muta os
sobre a vida, approvada por decreto do
govorno imperial de tS e timbo de
1864.
Gerida pelo barjoo rora| e hypothocario do Ri de,
seos flihos como urna heranca maldita. Aa
toas de ambos os sexos encontraram em todo"
periodos da vida, qae este moomparavel remedio
vegetal, cura rpida e radicalmente as etupcoes,
caiga?, ulceras, mflammacoes glanlwares, rheu-
atismo, e quasi todas as inofesKa* Jncluinde s-
aecedes mereuriaes que desugaram oa coatra-
hem a forma exterior. Eacontra-se venda em
todas as principaes tojas de drogas e boticas.
Agit de Florida de Munay
e Lanman.
Que oa poetas embora faHem dos ras odorficos
dabafutmicaMrabia. porm apezar de todo pdese
muito bem por cm duvida, se jamis algum desses
floreseeates bosques ge canaeHeiras ou laraojacs
prodoiram ou derramaram Incens e perfume
mais refrigerante e delejta vel, di que aquello de-
licioso e delicado aroma que exhala e dimana
dosta admira vel esseocia, comida dos campos vir-
gleaes de ftdra.
A atmosphera, a qaal rouba e diveste a fragran-
cia A qaasi todas as mais aguas cboirosas, parece
produzir bem pouco effeito sobre a esqnisita rari-
dada d'este aroma, a qaal perteace por exceltencia
esta preparacao sublime e refrigerante.
Ella encerra em si, por assim dtoer, o coaden
sado respiro e vida das llores as mais esquijitas i
odarttaras do reine vegetal e sua fragrancia parece
inexhaurvel, inesgotavel, mesmo depois do ter
sido exposta ttma prolongada evaporacao ou dif-
faso.
Neste respeito ella se assemettia original agua
da Colonia de Faria, e preferida por toda a Ame-
rica do Sul e naj Antilhas, nao obstante o valer -
custo dobrado daquee outro perfume.
COMMERCIO.
ENGLISfl BANK
Of Rio de /aneiro Limited
Descoata lettras da praca laxa a con-
'eacionar.
Recebe dinheiro em corita correte bii
traso fito.
Saa i. vista ou a praso sobre as cidades
orlocipaes da Europa, tem correspondente*
aa Bahia, Buenos-Ayres, Montevideo, New-
3 New-Orleans, e emitte cartas de crdito
para os mesmos lugares.
RA DO COMMERCIO N. 36-
de fatenda de Par-
de
Serviado de offlcial-malor,
Manoel Jos Pinto.
<
ALFANDEGa.
ftendimonto dedia.....
dem do dia .... t .
2:7864904
i*:9U4173
47:7014077
MOVIMENTO DA ALPANDEGA
folumes entrados com fazendas
dem idem com gneros
folumes sabidos cem fazendas
dem dem cora gneros
341
653
----- 994
81
:38
m
Desearregam boje 3 de abril
Barca inglesaImogenemercadorias.
Vapor inglez Saphheidem.
Barca francezasolideidem.
Lugar inglezCatkarint fjiidearinha de trigo.
Barca rogleza-Imperadorfarinha de trigo.
Patacho inglezjrenlamercadorias.
Barca francez;Mousse de Saniesdem.
Patacho hnlhndezGeraliine farinht de tngo.
Patacho hollan-lczMetaidem.
Barca pertagoezaS. Miguelmercadorias.
Brigue inplez Pclgiinidem. _
\ECEBEDORIA DJ! RENDAS INTERNAS G-
RAS DE PERNAMBUCO.
Rendimento dr dia t..... r;*2*Sx
tlem do dia K....... 4:797*708
1 i --------------------------------
7:3254908
CONSULADO PROYINGAL
tendlmenio do da t .
fom do dia 4 ___
1.0354503
i:795|438
5:8174941
LJAina-
PR,VCA DO RECIFE
ev2db '"?;.,,ik Iffi" a.L'il/l^ir4-
C*.mios.Saceou-se sobre Londres de 80 3/4 a
Si 1/1 d. por U; e sobre Paris a 433 por fr.;
senda o valor dos saques efectuadoanesta semana
de 280,000.
Asrcut.Vendeu-sa o Canal a 2*500 por
lo hk., e o purgado a #8a0.
Ai-cono.Vendeo>se o de Macei, posto a bor-
do, a 885 r* por k. o de I* sorte, o da Parahy-
ha, tambera poslo a bordo, a i#06i por kil. a frele
de 3/8 d. 5 "/o, e o de Pernambuco de 1* sorte a
885 rs. por kil. nnn
Aiutoz.O pilado da India vendeu-se de 34800
a 44 a arroba.
Awite-boce.Vendeu-se o de Lisboa a 3*900
por galo. .
Bacalho.RetalhoD-se a 23* a barrica,ficando
em deposito 3,500 barricas;
Ba.nha ob ronco.V*-ndeu se a 610 rs. a libra
Batatas.Venderam-se a 24 a libra.
Bolachinhas.Regulou a 44 a barriquinha,
Cafs.Vendeu-se de 5*800 a 6J800 a arroba.
Cha.dem de,2* a 24900 a libra.
' Cbbveja.dem de 5*600 a 8#500 a duzia de
garrafas ou botijas. .
Kbhosexe.-Vendeu-se a 7*800 a lata de cinco
galdes.
Looqa.Vendeu-se a ingleza ordinaria com 440
rs. por cento de premio sobre a factura.
Mantbka.A ingleza vendeu-se a 1*200 a
libra e a franceza a 800 rs.
Massas.Venderam-se a 7*500 a cauta.
Outo de linhaca.dem a 2*400 por galao.
Passas.dem a 12* a caixa.
QoBuos.Os flamengos venderam-se de 2700
a 2*800 cada um.
SabIo.O inglez regaln a 170 rs. por libra.
- TouctNHo.Vendeu-se o de Lisboa a 12*000
a arroba. ,airtl
Vinagre.O de Portugal vendeu-se a 12odi a
Vinhos___Os de Portugal venderam-se a 220*
e os de outros paues a 203* a pipa.
Velas. As de eomposiclo negociaram-se a
620 rs. por paeote de 6 em libra.
Desconto.-O rebate de letm regulou a 10
por cento ao anno.
Prbtbs.Para Liverpool, earregando emnosso
porto, 3,'B d. por libra sem capa peto algodao em
navio de vela 1/1 d. por libra 5 % em vapor; e 17/6
por tonelada, m capa, em navio de vela, pelo
aasuear; e para o Canal 22/6 por libra 5 % em
navio de vela.
mas anda as mocas orpl, que prfo seu esta
Navit sonido ao dia S.
Canal.Patacho inglez Scotman, oapftio Brouwn
carga aisu sar.
Cawl-Brigue ioglz /tm*, eapltao Dyer,
assocar.
Rio da PrauVapor francez Aitdoi, capitao
vter, em hmra.
HavreBarca franceza Adeie, eapltao Arnoult, car
ga atgodio e coaros.
Oburvacao.
Nao honve entrados.
O Dr. Tris'tao de Alencar Araripe, offlcial da im-
!erial ordem da Rosa e iuiz de direito especial
o omroeseto nesta cidade" do Recife de Per-
nambuco, por Sua Magestade Imperial e Consti-
tucional, -S*. D. Pedro JJ, quem Qu* uar-
de, etc. -
Faco mdjer aos que 0 presente edita! vkem e
delle netieia tiverem, que por parte de Cfcrysto-
vao de tirros llego, me foi dirigida apetieio do
theor segataite :
Illm. o fecra. 8r. juizde direito especial do com-
mercio.Cbryslovao de Barros Reto, sendo ere-
dor do major Antonio dos Santos de Sonta Lcao,
pela quaaUa de 15^)60*000. principal de duas le-
tras vencidas, saecsdas pelo supplicante em 1 de
setembro de 486o, a primeira a t) meze3 de praso
aa importancia de 7:630*000, e a segunda a 19
meses ta importancia de 8:330*000, vem o sup-
Slleaate protestar para interromper a prescripcaO
sllas, tomando o escrivo a quem a presente for
destrrbutda por termo o sea protesto para ser in-
mitado ao supplicado que presentemente se acha
em lagar incerto o nao sabido, permettindo V.
Sic ao mesmo eoppJicante justificar a ansencia
do supplicado aflm de ter ingar a carta edital,
eom o praso que V. Exc. se digne de marear aa
forma da lei.
Pede V. Exc. eofermeolo. E R. M.O pro
curador Vicente Licinlo da Costa Campello.
Esteva sellada com urna estnpilha de dazentos
ris, que foi inutilisad peto assignalario da peti
co ; na qaal dei o despacho do theorsegainte :
Sim, justificada a ausencia no da 30 do corren
ie mez, as U horas da manha. |
Resifa, 8 de marco de 1870.Alencar Ara-
ripe.
Em virtude do qual fdra a mesma peticao des
tribaida ao esenvao deste juizo Manoel Maria Ro
drignes do Nasefmento, o qaal fez lavrar o termo
de protesto do theor segrate
Termo de protesto.Aos 29 de marco de 1870,
na cidade do Recife, em mea cartorio, apparecen
o supplicante Chrystovao de Barros Reg, por sea
procurador o solicitador Vicente Licinio da Costa
Campello e diste perante mim e as testemunhas
nfras assignadas, qae reduzia a protesto o con
tedo de saa peticao retro, a qual offerecia como
parte do presente qae fica sendo, e de como as-
sim o disse e protestou lavra x este termo, no qual
depois de lido se flrmoa com as ditas testemunhas:
eu Secnndino Heliodoro da Cunha escrevente ju-
ramentado o escrevi. Eu Manoel Mara Rodrigues
do Naseiraeot escrivJo o subscrevi, Vicente Li-
cinio da Costa Campello, Francisco Joaqaim Pe-
reira. FraneeHflo Olympio Pereira de Oltveira.
E tendo o supplicante produzido suas testemu-
nhas, sellados c preparados os autos, subiram
minha conclasao, e nelles dei a senten^a do theor
segrate :
Hei por jastificada a ausencia e mando que
supplicado seja citado por editos de 30 das na
forma requerida, folbas 2, pagas as costas ex-
ea as.
Recre, 28 de marro de I870.-Tristao de Alen-
car Araripe.
Por torca da qual o essrivao foz passar o pre-
sente edital, pelo qual chamo, cit e hei por inti
mado o dito snpplicado afim de comparecer ues-
te juizo dentro do dito prazo para allegar o que
forde jusliga.
E para que ehegae ao conhedmento de todo>'
mandei passar o.presente, que ser publicado pela
imprensa e afflxado nos lugares do cosume.
Recito 2 de abril de 1870.
Ea, Manoel Mara Rodrigues do Nasciraento,
escrivlo, o subscrevi.
Recife, 2 de abril de 1878.
Tristio de Alencar Araripe.
O Dr. Francisco de Larvalho Soares Brando juiz
de orptos o auseqte do termo do Recife, por
S. M. o Imperador e Sr. D. Pedro II, quem
Deus guarde etc.
Faco saber a qnem o presente edital vir e delle
noticia tiver que lindas tres audiencias desle juio,
no dia 7 de abril prximo, rao a praca e venda a
requerimento da viuva meeira e inventarianle D.
Sealiorinlia Emilia Jorge, para pagamento dos ea-
deces do $eu casal por fallecimiento de sea man-
do Henrique Jorge, as seguintes propriedaies, a
saber :
O terreadevoloto, foreiro, sito na ruada Bar-
tholomeu freguezia de Sanio Antonio, com 153
palmos de fronte para a mencionada ra e 183 de
fundo f&zehdo esquina para o ra do Caes da Casa
da Detenoio, avaJiado por 2:293*000, dividido em
5 lotes, 4 de 30 palmos e 1 do 33. -
Api.*. tnn.r i *m > iiutu fbrd*'o, com a frente
para a ra do Caos da Datenco, com iii palmos
de frente o 260 de fundo, nao compreheadendo o
telheiro que nelle existe, avallado o dito terreno por
2:500*000, dividido em 4 lote?, sendo 3 de 30 pal-
mos e 1 de 31 palmos.
Outros dous terrenos foreiros no lugar deaomi-
?ado Caboc no Monleiro, na freguezia do Poce da
anella, com aa frentes para o rio qo Capibaribe,
com 146 palmos de frente e 137 de fundo, existin-
do nos mesmos terrenos amas meia aguas em me
estado, avaliados ditos terrenos m i:-'00*000 ca-
da um, divididos em 4 totes de 73 palmas cada
um.
E mais o sito de trras foreiras em aberto aa
travessa da estrada do Moateiro lagar denominado
Lamaro, com 293 pa'mos de frente; acontar do
oao da casa de Manoei Anaslacio da Costa e 331
de fundo com um grande caixao de casa de pedra
e cal em forma de palacete em altura de respaldo
avalido por 5:000g000.
E Dan que ebegue ao conhecimento de todos
mandei passar o presente qao ser afflxado no la-
gar do costume e publicado pela imprensa.
Dado" e passado nesta eidade do Recife, aos 29
de marco do 1870.
Eu Joo Facundo da Silva Guimares. escrivo
o subscrevi.
Francisco de Canalho Soares Brando.
___^___
DECLARACOES.
Calxa Filial do Raneo do Bra.il
em Fernana'iuf o. en I quid a-
eSo. SO de taraco de tnto
A Caixa Filial do Banco do Braril, tendo
de proceder tua lipuidaco, vende por com-
raodo pree> o sobrado 8to a ra Imperial
n. 64, com grandes e excelferites acomo-
dacOes, assim como vende casa terrea
contigua, n. 66, a tratar na mesma caixa a
roa do Gommercio n. 3i,
ImoeriBe e r<
a'Austria e
Pernambuco.
io consulato
ngheiia, m
carga
Cn-
I H !
mmm
vesse autfiacao S< urna ma conjoneto, ssie-
'Janeiro.
Essa assfldiac^o camhiha as vas de pfspeTi-
dade, nao sem 'os entrares inherentes empreza1
novas.
Em 31 de dezaijAlro, de |8 taba eftectaadoj
essa assoclacif 58U Cotarttdi.
fneripto frm riiul de 8:&2:rj*|890
Capital reaJtssd convertido em apottees da
divida publica nacional de 0/0 2,3W:7rjp300.
At 31.4e AngdjMrB de 18 tlntia effeetnado
essa a-socla3o 772t contrrtji.
Inscripto ora capta! de lf!ry:$80<580.
Capiul realisado e convejBdo em apollce!' da
divida pubtfea nacional de 6 r#) 3,74:70fJ*0fJO.
Para mais eacJarementos dirigir-se-bao ao
escripterio dessa assoelacao, ra do Llvamen'to
n. 19, andar.
O-^getfle. '
Narcizo Francisca de Vidal.
As enfermidades ex-
terna.
Aeompanaadada teiriveis esUgaMevea, Pr^poateB. rSS& SS^tt ^SS&i'50^
vene io com o uso da salsa parraba deftriaido
detergento o mais ~
eemos doentes
mai sim tambera
O Illm. r. iaspeotorda tlwsouraria defazeoda
desta provincia, em virtude das ordena em vigor,
manda fazer publico que tem marcad > o da 15
de abril prximo vindouro para o concurso que
se tea de abrir na mesma ibesooraria para pre-
enchiraeato das vagai nelia eMantes de prati
oaaiea da mesma, assim coate da Ifaoddf* a da
ron bedaria de reodas : versar o ekne sobre
s fnateria de que trata a g f do Hugo l> o\
fwtop.aiUde a7daintnodel983,aDeT:
eitara, aoalyse granamaticai ertaofriphla. afl-
manea e suas anplicacdes o enrnOereio, com
wade roiaccie o> meeda, pesos me-
, fiakmio de deeeentovfores
Con decreto dd," H Dtcembre 1869 venne ordl-
nata "un'anagrafe dei snddiii Anstro-Uagariehi si
trovano all'estero.
I medesimi vrtgono quinii iavita col presente,
di annunziarsi, ncl termine, di tre mesi dal giorno
d'gfi, prfS30 questo I. e R. Consolato, muniti dei
Jocomenti comprovahti.
La Iscrizlone ha luogp libera .l'ogni spesa, ed
asicura, a'gtt IntereSaati J! 'olritto ai nazionalil
presso n. e H. Umcl Consolari nel Brasile.
Imperaie e Remo Consolato d'Austria-ngara,
in Pernambuco, ft Mano 870.
L'T. e R. Consol,
Barooe d.o LlYraroealp.
Santa Oasa.da Jsericoi-dia
do Recife.
Dlatfaelro ft vala.
A fina. jminVtdntln*rav da sana easa de
mlserfeordla do Reents-no httfrte1 de alarfr O afr-
ento das pessoas que concorrejn a arremaac|k>
do forneclmento de enerw que tem -etmnir
os estabelecimertts pos sha ctiolMe mete? de
abrlajuilro,mkBd***rpftbllc VA Yf|mn
torceeinnlo da qrmtla do rinta qois e fin-
tos rali rfis fW'r^f*' 71" 3?o nie'nsal-
men'e iota aflhBffd'5 Vlsll
RceV, pfianto, a ccnla ]d
o fofnjImelTl ibdietflo na sala
bela? 3 horas da tardado dia 7 do
Assucar refmadfl. kllfratni.
&t* i m Hm. ^R
Dito lortt (Ji.
Afolrja few^
A'rrP.$' femEao oem.
^ni
Azeii^
qca_
Rattas idem,
ChS verde dem.
Cha preto idflm.
^J.ider-
grammo.
rw
Ceblas,.
fnuu iftiit Mayaaaaia
Fariahada fl !,
Fumo do Rio, TdljpMB
Feijao mnlaneAo, M*.
Farello, saeOC
Manteiga fraaerta, UUfraaM
Bajae fresco adaa.
poideo.
faLHtro.
Veas de eanawba. Muga
Ditas steariaa taeta.
Vinagre, lro.
Vinho tinto idaaa.
Dito branca
Toneinno,
Os eoncatreates
era cartas (chalas, as
estabeleeida ao presea*
Secretaria da Santa Ca.a da
Recito, t de abril de 1870.
^^ Pedro
Arrematacio jiutiemi.
No dia 6 de abril Onda a
proveder da i
se proceder
lera a arreaaaiaeio por cada ca aaem
terrea n. 71 do largo de 8. itt acataaacaa a aa-
tameotaria da finada Clara alaria
dio, avahada en 1:1004408; a
testamentara dadivo, eooso
em poder do aortearo._____
LOBSflIll IC
O conselho contrata no dia
vista de proaoatas reeeaaiaa
manhaaeeea as esaaiflsi eV
melo de velas steariaaa de
pleto do de viverea, amia e aa
e nsurao aos naviaa da armada
de mariaaa ao trimestre da aarii a
rente, as velas proarias para
mo dia, por ignal forma,
vieos de barbeiro enfermara a
dito trimestre, assim como proaaaca a
seguintes objectot do material i
ea Tinhos de me, 100 alqneiras _
120 bracas de corrale de ferro da ajt
reforcau. SO arrobas e estopa
flmulas de navio, 10 fecBanrao
ca para porta, 8 arrobas de merNaa. I
mialhar, 10 libras de obreias
de alcance, 11 pedras da amolar e 2
metro e 6 a 8 polegadas de
de fago.
Sala das sessoes do eonselaade
1* de abril de 1870.
O aaer
Alexaodre R jdi
Pela reeebeder de raodaa aaiaraaa sa aw
publico que neste eorrenle mea a aa aa' afcr
prximo futuro, que os coniribeaaam
sobre industrias e pro*Jo>s tecaa
vre de multa, e ene fin Jo o
cobrado com a multa de 6 80.
Hecebedoria de Penumboeo, 3
1870.
O
____________BlaaamfrraeiroaTc
Relajan das cartas registrada*
c norte do imperio, exl
eorreto. em l. 19 e 31 de
A resudes Josd de Lelo if,
Pinto, Abren CamianaTavarea dal
Si Irmao, Adeiio I^iiz Pereira Ja
Gomes Xetto, Arliado Praneiaeo
do Uvramento, Candido fcadiaj
mingos Affbnso Ferreira, P
Ea, Euthymio Pereira de Xt
.ucas de Sonta Rangel,
chado Rio, Flix Antonio Pin I
ci Paes Memtooca, Ipaqmm lay
Jos Rodrigue? de Sottza, Jos "
da Dantas, Jos Migpel Bastos Rl
do Nasciraento on tasada de S'
fose Vicente d Lima, Jos Oenea*B H. ca 9r
va, Jos Domingues do Carma Sin. Jo Vlumw
de Mello, Joo Gabriel Bapti*a, Jai lineal
CavaTcaflfi de Albmjaerqne, Loa Partea 5 >*
linca, Leandro Francisco iigaain, Laac Pan r
Maclel Pinbeiro, Leopoldo B. Gasvio Ccfta, Ib-
noel Jos Mareira, Manoel Al vea rawaaia i:
Manoel Francisco de Mat!os,
veira, Pedro MarTyr Mann, Vk
Pereira Dotra, Tobas Barreo i
de Paula Bahia.
Maamtdn

THEATRO
GTMKASIO DRAIATiCO
(No Monteiro)
- ia a mrbc^.%0 ao AirmrrA
NHIIOfiW.
QUARTA F8WA 6 DO
Segnnda represeaUrao a i
applanaia drama eaa 3 artaa,
to
LUCIA MMB
Os principa-.-* papis saraV
Sra. D. Maria de Lcente Bahia, B.
Srs. Xisto Babia, Peicylaa a f
Segue-se a exib ?o da "
> can I vi
0 TIO'TORQUATO
desempenhando os principaes papaai a Sra. I.
Maria de Lacerda Babia e os Srs XtaaaaHaa e Pe-
regrino.
Depois representar-se-ba a grariaaa aaaa
em i acto :
POR UM TRIZ
u
Executando os principis
e Peregrina
Terminar n emactaeolo
lago funebre, oriimal a
bense Joaquim Serra,
0 salto k
Represcatao pelos Srs. Babia e
Os bilhetes acnam-se na cstaeio
theaico, pelos preeos esiilnliifsaaa,
depois do espectaeala.
Principiar a B
a a
AVISOS
COIPAIWIA
j ^i
H
DE
Paquetes a or.
Dos portoee sai a
at odia 7 dn<
Cruzeiro da Jad,
P. Gnrdvs Aba
depois adeaaorta
gira para oa partas o norte.
Desaoja recebetn-se laaawaBjaa a
arga que o vapor poer coaaaaar, a
ser embarcada ao iae aaa
las e dinheiro a frote al asi
sabida.
Nao se recefcem
(ectoe de peqoeno alar eneaaaKaaai
arrobas de peco oo 8 palmea ai
Todo que passar destes limites
"ada como arfa.
Prevloe-ae aos aanborcs
paisafeai t se recebem a
n. 57, (* andar, esermforio a
C3yiilM-Aiaaaa C-
d^A^u peni
^farefajeSa eaa GotaJioJ.
0 vincr F'iraiiK a
irto cima n dn
Segu qom
abte Joven Arxiar. para oj
lhe falla tratase eom os ni .
Lutz de OUveira Amdo C. na <


Dkffr d* Vwmmimo* -* Timp imn h <*t Ahrf d. l**.
-,
mmD.
.. ij".'";
-"a*
avfefi
iPoitd J
m. gu** par os por*
coiim f meie nolt
n.
O0PANHI^'njyAUCAlU
%*??*** Mlelra pr ?m>h'
Mattangaipe.
0 vapor Cururipe, commandante
Julio, M>nir.fiara o porto ac mano
s I (torrente s 6 horas da
oarga, HMiedas, passiget-
* at diaheira a freto at 3 horas da tarde
A> d a da sabida : escriptorio oo Forte do Hato
o. tt.
principiar o
tendo os
em son*
para li-
poacos
imtm.
. a-se o comae umese
pwrfiea a* se**? doaTwiilfle' feTia
anaps de idade : na, na de, S. Fraoiteeo n. 71
coni
a 20
COMPANHA
t>
lessageries imperiales.
ZSUttttlK^^
At o Bu 13 do corre
jia o vapor francez
demora i costme segur-* para Btroos-Avres
tocante na Bahii. Rio de Janeiro Minie video.
. Para condics, (rete- e passagens traase tra
gaei ru di. Gomnercio a. i).
Cwra) w&krtic^ te emito*
na akxiatidDEeeife,
Aspssoasque quiserem atteif parta d&s-
t* eorpo, que tea brigada da divislo patritica da-Sociedad*
dos de Setemhro, queiram dirigir-se
roa da Cideia do ftaci n. :), 4o aodac,
para veretn o figurino e darem me noaMS.
Lmz G. da Suva.
Secretario.
Club do Monteiro

Hoje ba reuuio familiar e trem. da via
ferroa a uma hora depois iWmoanoite.
Of.empfezaro,
J. Layme.

i"
At 8 dia !t do ofreW rtirt espera-so dos
aers-j-s d* sul o vapor* franca* Girowk, cotnman-
4aai' di) S).ner, nual depois da dennra do eos
im sejuir pita, Brdeos tuuidj em Dakar
'Jx-J eLfsk 'i
P*mijiJC'5<. Wb*h e iui?3|a3 trati-e na
aa*ii.:ia rm aV l- imraercio n. 9._______________
IxRa^AHK PKRNAMWGANA
!ik6ff*e<> costte p&r vtLpr,
liavti etl dtreura e Penedo.
O Tapo? aidm. eomftiindante Julio, seguir*
.nara os partos cima no dia 8 do corrente as 4
htm da tarde. Rcebe carga at o dia 7, en-
ommendas, pasaagiros e dinheiro a freJe at as
horas da tarde do dia da sahda, escriptorio
no Forte do Mal tos n. 11___________,_________
"COVlPAIVrUA PERNAHBUCANA
DK
It'aTCga^ao costelra por vapor.
Parahyba, Nata1, Maco, Mossor, Ara-
caty, Cear, Mandaba, Acarac e
Granja.
O vapor Pirapmna, eom mandante
Aceveda, egujr para os nortof
cima n> dia 13 do correntoMShora?
4a tarde. Recebe carga at o dia 12, encom-
nenias, e pasaasriro e dinheiro a frete at a?
a horas da larde do dia da sabida no escripto-
Ti.i i Forte i!,> Mau DE
Paquetes a vapor.
', ios portosfli norte esperadi
a' odia 9do corrente o vapoi
Txintim, commandante J. M.F
i'raneo, o qual depois da demo-
ra di i eosttune seguir para o
rr.ir p-.ra os purtos ib sal.
Hede ja recebem-se passageiros e engaja-se t
eatp que n raprr poder conunr, a qual deveri
sa abarcada so dia desnachegifia. Eacommen
d-.- dinheiro a frete at as du?.s horas do dia di
a luda.
Nao se recehom como encommenda? senao ob-
pMtos dt pcquor.r- raiof o qi?e nr40 excedam a 3
-irr-j:as ae peso ou 8 palmos cbicos de niedi-
Vi.do que pastar desles limites devera ser
-.ai :r:ado eonw caria."
Previne-se aos Srs.'passageiros quesnas passa
45d sse recobem ua agencia ra da Cruz n. 57
i' rndar, eserpt irte de Antonio Luiz de Oliveirs
Awvedo & C._______________________
;ii> de Janeiro
Sunera-ce a todo o momcnii o brigue nacio-
nal Itftl, capitao Jc.-t' Marques Vianna, c segui-
iof) para o po>-ii> cima por ter a oaior parle
Ja carga efigajaaa para o rotto jue llie falla tra
ia-* coa os Ciutsioatarios Antonio Luiz de OH-
Tetra Axereda & ti. ra da Cruz n. 37._________
Maraiihfio.
Segne nc-lv- oite das para a indicado porto o
inlhabee nicioni! Emilia : tem a quasi tota-
>lad'- da caria, o para o diminuto numero de vo-
tenes que puie anda receher: trata-se com Joa
H andar.
Antonio Leonarilo Menezes de Amorira, Emi-
lia da Fiedade AlbriqoeroWe Ramos, Joaqnfm
de Afbuquerque Mello, Aatojaio de Albnaner-
que Mello, Francisco de Albquerque Msllo -
Francisco de Paula Pira Ramos, pedem
seus amigos o onsequio de asstsTtrMinnna ralssa
de stimo dia que mandam.colebxar na matriz de
Saato Antonio, no ola (i t> correnle, as 7 tp*s
da tnaihla. por aHf.3 'de sua presa* malter, -
Iha, sotrinha a irmaa, Amelia Ubama Raaos de
AmorUn.______________\________
ATTENC&0
Desappareceu do sitio do abaixo assignado, nr.
estrada dos Afflictos, no da Tt do corrente mez,
para amanhecer notfia J3, nra eavalk) caslanho,
de cabriolet, com marcas no pello da coleira, i"
leiro, andador baixo, com um ierra na eerna di-
reita e mais alguns que ignora: qoem delle son-
ber noticia, queira arer o favor de dirigirle ao
me;mo sitio, ou na ra da Imperatriz a 19, que
ter una gratinoacao.
Frederico Chaves Jnior.
Mfllr IfcWetNj IW
Proctsa-s d iKWftr*i|* ^ "gt"1*
tos amajes dod&i $ m orna <* ">
prar e eozinhar ) e qtte mmmkm a *W
eu cargo : ra dH Cruzer a"-, seftwuvan-
dar. :7 miWTMn
loara swrfco de un w8H?r""
apBar : ama Imperialn. 101.
m
a tratar jia raa do
Jreefsavse.paM'coattrar o coalofcac para tres
peaaaao: ra da fitfelan, 4o> toja-
- Thofi-w duaw ilq^eanUM imagen ada
de Lisboa, e veude-se duas machinas dos melBo-
res autores, tendo quem ensine a corer, cora to-
"os os ferros e por preso muli ara conla, na roes-
ma casa eoze-so jeslidos para oasamentos da ul-
tima moda e partigafarja ; landbm se vende um
charopc vimjlb> wnlc^ para curar a
peilo efe '
dor do BispO"
Ja-Corre-
^Vlela.
arier sido
dissolvida a sociedade "commereral, que gyrava
sob a llrma Joaqu* Afctoato Mieira & Sobnnho
no armazem de louca u. U, silo ra larga do
porm, algneonpe jpjlgjgqarcaj#ia dade da apreaenur o aau UtuJ ou coaU ao aba
xo ?ssignado, que" ser immedliaitoeute pago para
o que pode ser nrqcuraip a* uresm* armazem ou
primeiroan&a^tdltafloti.B.Jfe'a ra das
>uxe.
Itafe.idaatrilaiWa
Manoel Joaqun Pm^ref.
fit- rrwsa-s e ama ama para cwteter, aa
rna da Florentina n. iO._________ .
Precisa-se de urna ama para cotuprar e Cd-
zinfiar : no pateo do Ter^o n. 93, pagatra.______
Cosiuhei/.
Preca-sc du la bqm cozinheiro pasarse bmt
e da \ liaras da lardo am
**m*
Aloga-se um grurdlr sSrad.o.'1 ftbaf tra-
sera a proprio para oMajasr oOcioa, ajto nos Coelaot
defronte ao boyUtrfO If. tratar a ra Jo
idego, olana f. 13 ; tambera serve para rao-
e ft N. m. #a
dedil B9*-rM*
Pelo prsame sao cefltddados os senbores mga-
tres de carpi e pedrefros qpe qiierem coja-
tratar, as ofanis de dvaj altare.'; reos e forro da
iffeja da Soleihde, a apreieafirem suas pro-
pesias era carta feehada, em n/& de qninia-fetaft
7 do crrante ; podwdo paf9 sio consultar aa
utaatas que se acbaw na racresti* da mesgjBi
.gfjn-
las Gimes Yrtlar, seu enaros fllfiW)!. soa*
cunhadas canaalos e corveroliado, enrido da
maior dr pelo falleciraeoto de sua cna espisa, |
mje, trmaa e cuoada D. Candida Amena an*a>
Vigar, agrateccm cordialmene a todas as pcaseae.
qfle honrararh assistind> ao seu enterro e no aov
iwdein todas oa scus pArealfri e amigos, e a
todas as qessoas i qoa )OJapraa a^er o car'idOso
obsequio, para atsisfifnM riJM jo stimo dra
pelo repouso etefao d su* alia, Jup se celebra-
rao na matriz de SS. d* 9a4.>AtSeio, na terca-
a do tormlf tana, as 7 noraa a iaaa*aa.
[SO
alrl.
^ eslabelecfci
W: oae que deposgi
b'dto alguna olJ*etos antes do priraa:
dejaneiro do amo corrente, que o*
osear impreterivelmeole no praal
m mez da data da presente puWl%
do contraro seraoji| ditos objecta
onsiderados como aMi Bwos para pa-
gamento do traba!
'terae direito nen
lempo algum.
Reeife, 39 de
dooos nao
em rtjfcrne-los era
Prooisa-se de um anusador na padaria Oo
pateo do Terco a. 63, _________^^
'-? o proprieiario do eocouraeado de 01 inda
previne aos lllms, Srs. assignantes e passageiros
que do- i ^ eerwute a diinte deixaf 4
e 'te^moibus s % horas" da tarde.______
Torquato Augusto de Olvejra.-namial dd
Portugal, (villa d Fgueira) e residente na Bhia,
precisa saber noticias de seo irmo Rogerio
Augusto d Ovuira, qne le cdnsta reside
na provincia de Peruambiico : no paleo de S, Pe-
dro n. f7, sobrado de 1 andar, existe urna caria
que Ihe dever interesar. .'
Maranho.
i'.ra o referido porto segu em poucos dias o
al Rosita por ter u maior parte da carga engao
jada ; e para o rosto que llie falla trata-se com
i-.jn.^gnatario Juaquim Jos Gonjalves Beltrao
ra do Ccmmercio e. 17.
PORTO POR LISBOA
Seguir em poneos dias a barca portugueza
Nora Sqmpath'a de 1' elaase e maccha por j ter
apto quasi teda sua carga : para a pouea que
lite falta, asaim cerno para passageiros aos quaes
ifl"er-cce ricos o excellentes. commodos, trala-se
com Rallar, Oveirn & C, ra do Vigario n. I,
ermeiro andar._________________________^
Lisboa e Porto
A aarea Pfer d- S. Smfn saho impreteriveimen-
\>. | ara os porto* cima at o dia 12 de abril cor-
r#to para o resto da carga passagens, trata-
m cora os consignatarios Carvalho & Nogueira, na
r\\\ do Apollo Q. 2<.
MULATO FGIDO
No dia 3 do corrente por volta das 2 horas da
tarde, fugio o mulato de nome Manoel, segurado a
sstrada de Santo Amara de JaboalSo em seguida
ao senao de Papacaca, uondo veio vendido em
18C*.pfllo Si*. Joao Cavalcanii de Alfcuquprque,
onde diz tem pal livre, e tem os signaes seguin-
tes: baixo, grosso, cora bastante barba, e falto de
muilos deules, rosto comprido, ps pe (uenos,
muito esperto, idade de 22 annos, ha informac5es
que comprou roupas novas e sapatos, e levou 60
era dinheiro, pauc mais ou menos, que linha
recebid i de diverso; freguezes onde vndia pao, e
levava bolachas, suppe-se que seguio com alguns
voluntarios da patria daquellas paragens com quem
linha relac5es lodos oj dias quando ia vender pao
no lugar das aras do Giquia : pele se s autori-
dades polichese capilaes decampo, equelleSr.
Albquerque de Papacara a captura de ditoes-
cravo, e remettc-Io a seu" senlior na ra Direita
dos Afogados n. 0 >, cpje se recompensar_______
fo da 25 do correlo fugiram lo engenlio
California da freguezia de Scrinbeem os seguintcs
escravoS : ..
Germano, crioulo, com 17 para 18 annos de ida-
de, bem preto, cabera pequea c afunilada, ca
serva sempre o semblante tristonlio, ps grandes,
pernas corapriqas, tem um pequeo e amigo ta-
Iho na testa, as nadegas marcas de castigo mudo
recentes, sabio cm urna corrente ao pescoeo, o
que naturalmeataja nao a deve conservar, levou
vestido calcha de algodaj azul o camisa de lista
muilo usada, este escravo veio do Brejo de Bana-
neras na provincia da Parahiba, e foi comprado
ao Sr. Joaquim Mauricio Wanderley, residente no
engonho S. Francisco na cidade da Victoria.
Gregorio tambera crioulo, cor fula, com 10 an
nos de idade, clhos Lern vivos, ps curtos c pe-
queos, bonita figura, te n urna marca antiga em
urna das cochas, proveniente de urna estrepada,
muitos signaes do queimadura pela barriga, tam-
bera tem marcas de castigo pelas nadegas, e lam-
bona sabio com corrente no pescoeo. Suppoe se
quetenhamseguid" para os lados do Maraoguape
ou Guabira na Parahyba : quem os capturar le-
ve- os ao referido eng'cnho California a seu senhor
Dr. Antonio Florentino Cavalcanli de Albquerque,
ou no Kecife ao Sr. Jo > Florentino Cavalcanti
Jnior, que ser generosamente recompensado.
Previne-se aos senbores capitaes de campo que
tenham toda vigilancia na occasio de condnzirem
os ditos escravos, visto que j por duas vezes fu
rara presos e tentaram suteidar-se. Desde j se
protesta com todo o rigor da lei contra quem os
aconfar. _____.
Atibado
A Pessoa que perdeu uma pulsejra de ooto,
pequea, na sexta-felra de Passos, dando n$ sig-
naes e pagando a despeza des Ihi ser eniresue,
na ra de Hurtas n. 120, on ra d) Vigario nu-
mero 33.
Ama de leite.
Preci?a-se de urna : tratar ua roa do Aworim
n. 43.
O abaixo assignado faz sclcnte ao publico,
especialmente o corpo do commercio, que tem
justo o contratado com os Srs. Azevedo t Mello
comprar a taberna sRa na ra da Guia n. 36, li-
vre o desembarazada. Se alguom se jalgar com
direito raosma qneira apresentarse no praz de
tres dias, contados da data deste: porquanto Ando
o referido prazo nio ser mafa attendio, era vista
do prsenle annuncio.
Recite de Pernambneo, 5 de abril de 1870.
Jesuino CiirHfiro da Cn*ha.
Attea#o
No pateo do torco n. 31, loja, coze-se com as-
seio c promptido todas as costuras periencenles
senhora mais em conta do qu em outra qualquer
parte.______________________________________
Irgencia.
Pede-se ao Sr. F.-an-isco de Salles e Silva quei-
ra appirece" a negocio que Ihe diz respeito, no
Bazar da Moda, ra Nova o. 50.
Pergunta innocente
Perfiinta-.'e aos logistas da ra do Queiraado se
ha muito tamao |sstapara|n upta fuksgiipfao para
festejaren! ng mgh>a ra, a eonolus|a da guerra
do Pdraawy, e ^taores ertos qe ses legislas
nao trepidara) era dizer quo sim, e que esto
promploa cumplir equino que assignaram, mes-
mo porque leaooiaates da ra do Queimado nao
desmenlem a conftanca que o publico desta cidade
os ooncidera, e V'f^ou luesnio a guerra acdfcoo-te
com dignidad, (ja. rtia da (Wwrtwclo pa dte ter
partida de lean e sabida da sepdjejfo, ^
Custodio A|ve* llwjFgue dnosla faz sci-
eule ao respelfaVe public", c com esprcialiade
ao corpo do corasiercio, que teiq contratado ven-
der aos Srs. Manoel Martin* Ginvs & Irmao a sua
taberna da ra da Concordia n. !5, livre e desem-
baracada de dbitos c de qualquer onus : se al-
guen so julgar cora direito a qualquer redama-
ste, dirjase mesada no prat da iros dias. Re-
eife 31 de marco de 701 ^_^__ ^___^^
.inri-
Precisa-se de um trainlliaildr para tratar de um
sitio pequeo : d-se &a pmpria para morir, e
paga se a seceo, prcferailo homcut casado : a tra-
'tar na ru Nova n. 19; landar._______________
Precisa se de urna ama para eozinhar : na
ra do Caldeirciro n. R8.
Na raa do
uma ama que sai I
de em diante.
> Apollo n. M, 2* adftr, pvmimvsad
ll>a engommar WttM, poca rwm
Precita-se alugar nmaiaWv da maa >
dsvta para o serrico de uma Mp te fmamtes: l
fB. do Cretpo a. 20 A.
Wecisa-?e de am
pler e e*crever pan d
no.
---------^T-ar
Alaga so ama can >a mita te
-jeto te coaiprdo : na, paa^
----------------------- "i
FUGA.
Aos Srs:
Francisco de Salles, e Silva.
Eustaquio Jos (Jas Chagas.
o obsequif de app(r?cerem, tegecio da
seus ioterefee, noTpzar da Moda, na ra
Nova n. ft _________
Ama.
Ka orase da Independencia ns. 1 e 3, precisa-
se 4a urna ama para engommar._______________
Hfljitfirfriz Ttjfit.
Coro esta denomgac^o chegaram a toja do Pas-
so pelo ultimo paqaete os mais ricos chapeos de
pateaba pfatea cun en railes de cores, objeelo es
la o mais modsraa de Par, rheguem antes que
se aeabem : a ra do Crespo n. 7 A.
Fagio da casa dg M* te
menos com a ajgaaea aegtalmVs : >>. ftete
, eorpo, poaca angla, teteom
gigas, um dedo te teosa aa
fa-se pois as anloffte f n.....a
lares, o obsequio de a agaelimia I a
raa do Crespo n. 5 qoe
peaaar._________________
Precte-ee te urna ama para rasa da pamam
tarailia : a tratar oa raa de Aguas-ve* %9.
! andar.________,
Precisase de uma ama para tote
de oasa de paqmma fomim aataat 4
numero 4.
Prensa-se atacar mu MMf iMa mm m
rabajdes da eidate : aa raa te Gres S* f
Prtcisa se de uiaa anta que
e engommar paraca te baimu.n
da Cruz n 55, andar.
*
Ama
na ra Velha
Prensa se de uma ama de leite
n. 62.______________________________________
Precisa se de nm caixeiro d 15 a iQ anns,
que tenha pratica de taberna : no pateo da Santa
Cruz n. 2.
Precisa-se do uma ama escrava que
cozmhaj e la-ar bem : na raa da CaJtia de R
cife n. 51, Io andar.
Aviso
Anloiii-) Jase Ferreira Alvos despedio o seu
criado e cobrador Candido Jos da baabt no dia
1" do cjrrente, o ficou ni lugar o Sr. Braz Fernan-
das di; Fcij, sub lito hespanho!.
Aluga-se um mualo cuptiro, uma escrava
para o servieo domestico, o um moleqae de li an-
nos : na ra da Imperatriz n. 34, 2 andtr.
; \TLll 9UAJ4Ua:
Precisa-sc de nma ama : na.rna do Pires n. 5.
CASA FELIZ
A casa feliz do arco da Concoicao lornou a ven-
der nos seus mdlto felizes bilhetes da lotera n.
l'-, eui Unecw das casas de delenrao, as sortos
1017 2:0005000
4ti0 8300O 2001000
- 3598
5192 2612 1001000
100^000 s
2021 lo: i 000
675 1003000
LILOES.
AVISO
as
aiitoiiriades policiaca, eapi-
mais competir. .
No dia 29 de marco ultimo, fugio o escravo Ivo,
creoulo, de 3o annos' de ida-Je pouco mais on me-
nos, baixo, reforjado, cor um pouco fula, cabeca
grande, mos curtas e os dedos dos ps um tanto
abertos ; coi-toma estar ganbando pelos trapiches,
armazens e ras,onde troca o seu verdadeiro no-
me pelo de Jos Joaqun, e anda de ordinario com
roupade algodao ou a >emelhanca de estopa :
quem o aprehender, levando o ra da Aurora
n 26, que ser bem recompensado.
Precisa se de um caixeiro que leulu pratica
de taberna, na ra da Aurora n. 56 : a tratar na
mesraa.____________________________________
Ama
Precisase de uma ama que saiba eozinhar r j
na ru nova de Santa Rita n. SI, serrara a vopor.
Contrata-se com quem por meno< fizer a
descarga do hrigne norle-allemao A?ij/o, che
gado de Bunos-Ayres com agua aborta com porte
de 8G pipas. 51 nfeias pipa3, e 209 barricas,
cora cebo, 5,30) chifre3 de boi, e II i|2 toneladas
de ossos, de bordo do mesim navio para um ar-
mazem alfandegado, armara) e c-ras&rvaca> d,\
mesiiia carga ou parte della para )urdo do mesmo
ouqualjuer outro navio. Propostas em cartas
fechadas sero recebidas hoje (o de abril) at 1
hora da tarde no consulado de con federa co da
Allemanha do Norte.
Jos Dativo dos Passos Bastos taz setente ao
respeitatel corpo do commercio que tem justo e
contrado cora o Sr. Victorino Antonio da Rocha
sua taberna sita ra da Senzala nova o. 6; qnem
julgar-se credor de dita taberna dirija-se no praso
de tres dias raa do Bram n. 64, ou ra da
Senzala-nova n. 22 ; fiado os quaes nao attende-
se reclamaca-) alguma.
I) armsco, gneros e mais ulencilios
existentes na taberna cila na ra
Imperial n. 27.
IIOJM
A requermr !( dos curadores liscaes da roas-
s-a fallida de Maooe! de Miranda Pedra e despa-
cho do Ilim. Sr. Dr. juiz especial do couuoercio
| i'.te Pestaa far leilo da armacao, gneros
- mais uienciiios existentes na taberna da ra
*.-in-.ia n. 27, clijo^ lazera parle da mesma mas-
sa, e serio vendidos terca-feira 5 do corrente s
Hoje do corrente.
'.arlos P. de Lentos 4 Q, continuarao por inter-
nco do agente Oliveira, o sen leilo da oom-
p :li sofimenio do fazeodas as raals proprias do
creado da esla fare>eira
. > JO hjras da manir, em seu armazem sito a
r;.a do Vigario. _____________J
^atinufl-HO a-o Uso de boa
porcelanas, fiaos orjitaes e
vicos ohjectos de electro-
ATTEHCAO.
Avisase aos pretondenles que no dia
7 de abril corrente ( quidta-frra prxi-
ma) vo ser venaidos em praca, perante
o Dr. juiz de orphos, na sala publica j
das audiencias, do meio dia a uma hora
da tarde, excelentes terrenos deixados
pelo Ruado Henrique Jorge, tanto uesta
cidade ra do Battkolomau e caes da
Deten?5o, como no arrebalde do Montei-
ro, segnodo os editaes publicados neste ,
Diario e no Jornal do Reeift, saeceesiva
monte desde o dia 31 do mez proxim)
passado.
IMUWttM
S0di!E PATHOTiei
DO
POCO DA PANELLA
todos os I Ilustres moradores dejta freguezia, a se
raaairem tefe ti de eorrenle, s 6 horas da tarde
na casa te residvr.cia do Hlm. Sr. Albino, no Moa-
taire.
O'secretario,
Saverlao Duarle.
Precis i-se de um menino que tenha pratica
de taberna, de 14 a 15 annos, para uma laberna
na ra da Seozala-uova u. 22 : a tratar na
mesma.____________________________________
COZINHEIRA.
Precisase de nma ama somonte para eozinhar :
na ra da Cadera do Reeife n. 57 ou 50.
Antonio Alves tic Soirea e Antonio Dia* d
Almeida Costa compraram ao Sr. Francisco Jos
Alberto Braga sua loja de funileo sita ra d
Cruz n. 30, Tivre e desembaracada do qualquer
onus ; por Uso se alguem se julgar com direito a
algum deaito, aprsenle se no praso de'tres dias, a
contar desUidala. Reeife 5 de abril de 1870.
Pede-se.aordem tercero de 3. S. do Carato
que traga a pvocisso de Triurnpho ao Reeife, pois
com grande anciedade devocao esperam os
______________Moradores desse bairro.
Pergunta se os enearregadjs dos festejos
da ra da" Cruz da freguezia do Reeife se fazem ou
nao os festejos, se nao fazem ento digam o nm
que deram ao dinheiro.
Um que entrou cam o cobre.
Veueravel ordem ter-
ceira de Nossa 8e-
nlio a do Oarmo do
Kecife.
PROCISSAO D TIUMPUO.
Temi a veneravcl ordem ter-
Ceira d.! Nossa Senhora do Carmo
dela cidade de apreseiitar vista
dos fiis a solemnissima piocisso
de 'J'rumpho dos Passos do Senhor,
no dia 8 do correnle mez (eexta-
feira) s 3 horas da larde, e dese-
janilo a mesa repedora que este
aclo seia roveslido de toda a pompa
e magnificencia, manda convidar
todos os cliarissiuios irmaos, para
que, paramentados com seus hbi-
tos, comparecam na grejada nossa
ordem no referido dia. is 2 emeia
W)r3 da tarde, afim de encocora-
dos acompanharem a mencionada
proiiso. cooperando por esla fr-
[ ma para o sen maior explendor e
W bilianlismo.
^! Secretaria da veneravel ordem
ttf terceira do Carino, cm i de abril
K de 1870.
3 0 secrelario.
Jeronijiun c/a- Costa Lima.
AO PUBLICO
O abaixo assignado anda urna vez vem m-
preusn para fazer publicj que no dia 2P do corren-
le, em consecuencia de accordo da mesma dala
havido cnlre elle e os Sr. Bernardino Uuartc Cam-
pos c Joaquim Fernan^'s da Silva Campos, em o
qual oram risoavelmeote auendidos os legtimos
interesses d > abaixo assrgiado, foi pago da parte
que por direito Ihe counc na sociedade, que gyra-
va sob a lirma Buarie Pereira & C. no armazem
de lonja n. 1C, silo ra do Crespo; ficando as-
sim ateiramonte desligado do Ata sociedade e des-
cuerado de toda o qualquer responsabildade della,
cujo activo e passivo florara cargo dos referidos
.senbores. .
Outrosim, o abaixo Mdgnate esta convencido de
que nada deve pessoa alguma ; se, porin, al-
guem se julgar seu credor, por qualquer titulo,
tenha a bondade de aprsenla lo ao abaixo assig
nado, i ra das Cruzes n. 28, ou ra larga do
Rosario n. 21, que ser inmediatamente pago.
Reeife, 2 d abril de 1870.
Manoel Jos- da Co slaPereira.
(M do Honleiro
Hoje haver rennio familiar o trem a
i hora da manhaa
P. J. Layme,
Empresario.
i) mm
Candido Valern*o 4a SiIm
ADVOCADO.
Escriptorio i ra das 10 oras as 3 da tarde : resete
B uj largo no (jrmo n. !ft. ^
Precisam de um caiaetro w lente
de uberaa : aa rna d-> Sean n. *.
Caiveiro
Precisa-se de'um caixeiro pratico do taberna
na ra do IJvramenlo n. 34, deposito.
TRILHOS
DO
URBANOS
Reeife a Apipucos.
Tendo principiado o novo systema de
venda de bilhetes as estafes, cessando
assim a venda nos trens, roga-se aos Srs.
passageiros o obsequio de coadjuvarcm a
eropreza em levar a eteilo este systema.,
comprando seas bilhetes com a precisa an-
tecedencia", para assim evitarem a demora que
pode apparecer no caso de n3o eslarem del-
les muBidos.
As pessoas que tiverem de tomar o trem
nos ponlos de paradaRa Formosae Por-
ta d'Agua le o a bondade de levar comsigo
seus bilheies, visto que nestes lugares n5o
ha eslacao para venda dclles.
Escriptorio da companhia, 2 i d marco
do 1870.
W. Raivnson,
Gerente.
INSTANTNEA
Travessa do Corpo Saili i. S
ARMAZEM
Ra Nova n. 28, loja AntoDo
Pedro de Souza Soares.
Bandeira, Machado & C avUva aa naatiunal
publico que nos lugares cima encontrar.'. mmm-
mo sempre grande qnanlidade de ditos po?>*, *
que se achara habilitados para vender por naaa
que ontro qualqocr; p;ir iss qn? is rtfbmm eV-
rectamente do fabricanJe X rtt.n, ile Londrn.
As vanlagens que oflerecem os |xr> m-la
neos sao : primeiro, podcw ser caicaaV* i
iro de casa ou fra, com o trabalh. te aaaaa i
horas; segundo, forr*eereta os mamana afea po-
ra e abubdanti-, nodene>> sercm retan'im*te am
para ontro lugar, quando a sim roavier.
Oa annunciaiivs s reoet^rao a i
referidi pocos djn-ia de r4lneatea,
espeetativa do coniprai!->r.
tea
Precisa-sc de uma ama para engon mar e
eozinhar para duas pessoaa : ra do Queiraado
n. i8, preferindo-se escrava._________________
Attei$to
Preclsa-se alugar uma escrava para o servieo de
casa de pequea familia : n ra das Cruzes nu-
mero 4. ,______________
SEGUROS
MARTIMOS
E
covrit i FOco
A Companhia totfciiimii dm i.eeteteiiate)
testa praca, toma seguros maritsoa sdkrt
aa\ios e sens carregaracntos e **iior bfr
im edificios, mercadorias e mobvias: a
ua do Vi^arion. 4, pavimento ter eo.
Nao mais cabella tirano*
A tintura japoneza para tingia os cabo!o>
da cabeca e da barba, fot a onka atiuuida
i Exposifo Unirersal, por ter sido reif>-
ahecida superior toda3 as prepance ai
hoje existentes, sem alterar a sade.
Vende-so a i 000 cada frasco aa
Rna da Cada n. 51.
1. andar*


Na trawssa doCampello n. 4, f andar, se
offereoe nma raoJber para ama de uouca familia,
sabendo eozinhar.
COMPANHIA
DOS
TRILHOS URBANOS
DO
ECIFK A9 Olal^DAa
Por ordem ea directora 6ao convidados
os Srs. accionistas para, no praso de 10 dias
uteis, contados do dia 29 do corrente, a
terminar era 8 de abril, eflectuarcm a 8.a
prestaco de anas aceces a ra*|o de 10 0/0.
Para esse ftm ser encontrtdo o Sr. tfae-
soureiro, das. 1-1 boras da manha s 2 da
tarde de todos os dia', no escriptorio da
companhia raa Nova n. 35 Io andar, entra-
Ama de leite
Precisa-sc de orna ama de leite sem filho: a
tratar na ra Direita n. 84, padaria.____________
O abaixo assignado tendo justo e contratado
a venda de seu hotel ra do Commereio n. 2 A
com o Sr. Alfredo Gasser, roga a quem se jul-
gar credor apresentar suas coalas no praso de|
dias, a conlar da dala deste, para serem pagas ;
assim como roga o lodos que Ihe esto devendo a
virem pagar no mesmo praso, visto o mesmo abai-
xo a3Signaio se retirar para a Franca. Itecie 1"
de abril de 1870.
Medene Arnont.
Solicitador.
Manoel Luiz da Wqra s.diciador pro
aoceita partido das casas riMnneretar*, I
que disser respeit i ao sen emprea. e iaea _
mdico prec : podi ser prc-arado ea sa aaaa
ra da Gloria n. 94, todos o* da* das S a 9 Ite-
ras da manhaa. ou ao mata da aa sata daa au-
diencias nu> dia- uteis.
s
Praneisco Jos Alberto Braga tendo justo e
contratado cora os Srs. Antonio Alves de Souza e da pela ra lias Fkacs n* 44.
Antjnio Dias de Almeida' Costa, sua loja de funi
leiro sita ra da Cruz n. 30, pede a quera ae
julgar com direito a algum debito, que compareca
no praso de tres das, a contar desta dala Reei-
fe 5 de abril de 1870.
piale.
a.v.tiaU-tira 7 Je abrH as 10 fcoras sra
poni.
i agente Pelo levar a leflao por eonta e or-^
!,- dos Sr*. A- Muhet 5r*D &.* to ?e J"
i, uta aciiidd e ooflapielo spriHaepto dos ar-
i ;*iaciai neaciopados, cxisWnles no grande
li-sleeim-nto da rna r Imperatriz n. 47, i
tmmr, os qaaes n^o poderam aer potase i
tupo de da 2 do currte-per falla
seren muilos
de teropo e
Ama
Prefjia-e (de ama ama para comprar e cosi-
nhar e fazer o rr ais servieo de casa, s para nm
hornera a manios na ra de Hortas n. 120, oa
n rna doVIgarhn. 33._______________________
Hdame Tiiafd. ra Nova n. 32, precisa-a
de eostureiras.
AMA

Na, travessa o j Concprdia. sfibrado o. 13, att-
ATTENCaO
O abaiso assignado pode so Sr... que en prin-
cipios des te mez, na aifandt-ga desta cidade, t-
mou emprestada a quantla.de tinte rail res, dei
itando depositada em rolo do mesmo, urna redula
d eineoenia mil res, qneira fater o ftivor de r
pessoalmeute receber o trocte dlta.qnantla, vis-
to como, jolgO'se esteja esrprecido e nao saber-se
onde i* seu domicilio para tur se desmanchar o
pemitfa.
Reeife, 31 de marco de 1870.
Antonio torrarte Cordeiro Vianna.
.AWj)teWt
Fec*aae te nasa ama quaianha bom aaboO'
, tente leite: na roa-te Seo o.te.
Reeife 26 de mire de 187.
Joao Jotiqmm Altes,
t secretario.
wmmmm-mmnwmm
timma nmm
55-Raa da Impeatriz-55
Tinge, late, limpa, lustra e aebamalo-
i ta-se, com a maior-perfica, faeaodas om ;
pecas o em obreade ld^ as qualklades ; |
como sejam : sea, Ua, algooao. linlio,
chapeos do fehro e de palha etc. etc.
Tira-se no1o\s e llmpa-se a soecosera]
[molhar os tecldos, conservando assim. >-
'te o brlmo di fenda.
Tintura preta as tercas o sexta* fei-
rra.
Ao commercio.
Os abaixo assignados faaem ver ao respeitavel
publico, e especialmente ao corpa do commercio,
que dissolveram amigavelmcnte a sociedade que
girava sob a Arma social Joaquim Antonio Perei-
ra & Sobrioao, em a leja de louca n. i$ a ra
Carga do Rosario, linalisada era 31 te dezembro
do anno proairaO pwsado, fleando a casa a cargo
do sodo JoaaoJm Aarnio PMeira. o por isso res-
ponsatel pelo activo e nasalvo da mesma, tendo
sido emtotsa*) o sodo enoel Joaquim Pereira
de seu eaplud e lucros, e desonorado de toda e
qualquer responsablidade.
Recite, 2 de abril de 1870.
Joaquim Antonio Pereira.
Manoel Joaquim Pereira.
D-se 600 a 700*000 por um sitio perto da
tv a : na ra de Saato Amaro, taberna nova jun-
a' Machamboraba._______________________
CASA DA IMTim
Aos 5:000
Billietes garantidos.
A roa do Crespo n.23 e casis do coHome.
O abaixo asaifnado, tendo vendido alera de ou-
tras soTtes, umlnteiro n. 3260 com 900JWJ0 da
loteri 4 seaeaboo te **^ ,******
lgreja.te6. Amaro tes Sahoas (**), a***
a -i ...*.. na coorbrmi-
ODIt. SANTOi KEIJ.n
Medico homfopalba, n.-rea chapad.*
corte, llxon >ua resideaeia a* capital, rna eslreka e\>
Rosarte n M, 1*
aii':ir.
D consultas t d m das dj 9 < W
horas da manhaa. c rec^w rrailis ar
escripto quatqaer horj do 4k* ear te
noute.
Aos pobres d eoaenltas a* a1 mee
horas o medicarat-nto; gra-i*.
CURA RPIDA E 1NFAUVEL D*4 CALO
rrxA
POMADA AALi>PEal'.
nep!l rafete I
Pharmacm e BmthJtmt* & C.
3 na Urea do Reaertn H.
"ATTENCAO
As novidades do
PARA A QU.
Chegaram peso aJtiaw
ladea de gorgoro preea,
ricos lacos de setka, nesie
de gortorae e eroxe. a
eomprioas para eahea
rite prea e barda*
te cordao de l>Hs eatiianda, te
o sortimento aaate arM|aj|ae a
ri esceWwr a twaeaw. Seta*
8 nporior, sabida* te baile te
?ew- .

sos peaawteros virem receber
dade do' eosrame sem descont aljjuin. Precita-se te
Actaui-sa a venda os feHaes bilhetes garan- "Sar &rn fl
tidos dTl- Rictte da lotria beneficio da Igraja 1Y**
je Saato AoXro,te teiwhtem-(**). qoeatvea- Mj
trabiiiija-AiaB.'te. aaar
upa.
fnffv
"Mn tan
Em-tercte^ l jW para cin^^
ttm
*m.
NaXabcioa teohapeos da re bwsja- te- Rosajrto/f
; ia. 24, 1* andar, precisa-sate
jtmaoftva dac cozinbe e erjgawM pafi
. "awca familia.
*


k
UUri dt P*Amfchcd ^.jTf^ifei ft .4fniAWl 4 URUa
LOJA DE JOlAf
. ,.- n- M
If''
&

Este antigo estabelecimento, completa-
mente reformado de novo, est, as condi-
foes de servir vanidosamente os sens fre-
fnezes, visto que aoha-se prvido com um
tzplendido sortimento de obras de onro e
prata de le, assim como brilhantes e on-
tras pedras preciosas, etyos presos sao os
mais mdicos que se pode encontrar.
As joias compradas nesta casa recebem-
te em troca on compram-se com nequeno
bate.
N. 5 RA DO CABIJG 11 S
O MARAVILHOSO REMEDIO DO
DE. CHAS. DE GRATH.
OLEO ELCTRICO
KINGOF PAIN
O RE da dor
PAHA USO IVIlKMt E EXTERNO.
Cura cholera e cholera morbus.
D. alaria Angelina fllgueiras Machado,
viuva do finado tyatcpp Ios Hachado,
[ acliand-se proced r ;.urio de sea
'casal por falleelmento de sen marido, es-
[ tabelecido que fui con padaria i ra da
Santa Cruz n. 6 da fregaeria 4a Boa-vista
t_yisa a quem qoer que se juJgue credor
" l^e(M;dMak(nAs,riMQHr
poJt-r mais ser attendido no juizo do in-
yenUrio, o da r vara municipal e prove-
E Oria das residuos, toilmenle faz scien-
Je a seus de^Mpres, que em se nlo apre-
iitando i pagar seus dbitos dentro do
! mesmo praso de 15 das, serio ronstran-
TgWos a razc-lo pelos meios judiciaes
cife 4 de abril de 1870.
^if^dea
Mil
nmm
Or
& Precisa-se de
ra nova de Sai
conducta
D*
Na nraca da Independencia, n. 33 se da di
ahelro sonre penjiores de puro, prata e pedra*
preciosas, seja qnal for a quantia; e na mesma
usa se compra e vende objectos de ouro e prata,
i Igualmente se faz toda e qualquer obra de en
sommenda, e todo e qualquer concert tendenk
i mesma arte. ______________
de marnore
CAS
Aos2
Bilhet**dalttoi teoda
ene VMrt odgoee.
ro do Cabugi n. 1,
FEpl
icareeWaownt aos Sr
Pede-se eneanaAdHBf^aN Srs. Domingos
Theodore Rigneira e ArUdea Florentina Caval-
canti de Alboqaerque (de*Sennblen>), que venbam
ra do Vigario n. 14, a,iugocio que se precisa
ultimar
AO ARMAZEM
no

0,.artisJa GanuitoJacJw-se.,esMbfil&cido na casa
acida, onde pode se procurado para todos os
mistcres de sna procissao.
SEMANA SANTA
Grande sortimento de livros para os oBcgs da
Semana Sania
Encardenados de couro, marroquim e velludo-
Livraria franceza.
49-
PTEME I\GLEZ P^fiA PAREDE
RA DA CADEIA DO RECIPE49
12. A. Deloucbe.
Acaba de cbegar urna porcio (e relogios paten-
te inglez proprios para sala ou escriplorio, dos me-
mores gostos, tem tambem grande sortimento de
relogios americanos para cima de mesa e parede,
por prego razoavel.
ttLMMMM
Advogado.
! O bacharel Francirro Augusto da Costa
Tnudon o seo escripurio da casa n. 69
para o de n. 34 na ra do Imperador,
onde ser encontrado das 9 boras da ma-
nbaa as 3 da tarde.
Nesta mesma cata se encontrar urna
pessoa que se propoe a fazer cobrancas,
e qne se encarrega de qttestdes no inte-
rior da provincia.
IttSttK-
sangue, em um dia.
dores do ouvido em
Diarrhea, fluxo do
Dores de cabera, o
tres minutos.
Dor de denles, em um minuto.
Neavrjtfg3, em cdco minutos.
Deslocacoes, em vinte jninutos.
Gargantas inchadas, em dez minutos.
Clica e colvulsoes, em cinco minutos.
Rheumaiismo, em um dia.
Pebre e febre intermitente, em um dia.
Dor as costas e nos lados, em dez mi-
nutos.
Tosses perigosas e refriados em um dia.
Plueresia, em um dia.
Surdez e astnma.
Ilemorrhoidas e bronchites,
Imflamacao nos rins.
Dyspepsia, erysipelas.
Molestia do figado. 0
Palpitaco de coracao.
Reserve sempre este remedio na sua familia
AS DOENCAS SE APRESENTAM, QUANDO MENOS SE ESPERAM.
OLEO ELCTRICO O King of Paint (O Rei da dor) aquieta e positivamente dis-
ipa mais de differentes molestias e dores, e allivia mais os soffrimentos e produE um
mais perfeito equilibrio no systema humano, o que nao se pode effeituar no mesmo'tem
po, cem qualquer outro remedio medicinal.
Este muito popular remedio est agora usando-se geralmente, pela razio que
silbares de pessoas se tem curado gratis com o dito remedio pelo Dr. Gratb e outros
ais.
Este importante remedio nao se offerece para curar todas as doencas, porm
t5o somente para aquellas estipuladas as nossas direcc5es.
Est operando nos principios da cbimica e da eletricidade e por isso, est
applicavol para o curamento o para a restaurado da aeco natural dos orgos que so-
fren da irregular circulaco dos fluxos dos priucipaes ervos. Oleo elctrico O King
of Paip. opera directamente nos absorventes, fazendo desaparecer as inchaces das
f iandulas etc. em um tempo incrivel, breve sem perigo do seu uso debaixo de qualquer
circamslancia.
O remedio urna raedecina para o use externo e interno, composto dos ele-
mentos curativos, raizes, bervas e cascas, taes como se tem usado dos nossos antepas-
tados, o das quaes tem grandes existencias no mundo, par* curar todas as molestia'
rnente sabendo-se qaaes ellas sao.
Foi um grande e especial desejo da acaldade de medicina durante muitos aa-
aos de experiencia para aprender os memores modos que se de\iam adoptar para cura/
8 seguimos doencas, e que proporcoes de medicina se devia usar.
Na Iravessa da roa
das Crozes n, 2, pri-
meiro andar, da-se di-
nhelro sobre penhores
de onro, prata e brilhan-
tes, seja qnal for a qnan-
tia. Na mesma casa com-
pram-se os mesmos me-
taos e pedras.
AMA
Rna !?. j,
acaba de chegar pelos uliimos vapores novas re-
messas dos segamtoj:
Calcado francez
Para senhoras Botinas brancas,pretas, e deou-
tras muitas differentes cores i ultima
* moda
Para meninas.Bolinas das mesmas eores e ana-
iidadjs cima. *
(ruzea Pwa bomens.Botinas de cordavo, bezefro, ver-
niz, pellica, o melbor sortimento que se
pode desejar.
Para meninos.Botinas das mesmas qnalidades
mencionadas para bomens.
Para bomens.Botas racianas, meias-botai e per-
neiras.
Para bomens, senhoras a meninos.Snalos de
tapete, aveludados, barlote, casemira
preu, tranca de Lisboa etc. ele.
Para meninos e meninas. Abotinados fortes de
muitas qualidades.
Quinquilharias
Finos artigos de Pars, de gosto e pbanUzia,
como sejam:
Leques para senhoras e meninas.
Luvas de pellica (do fabricante Jouvin.
Espelhos de dTerentes umaahoe.
Perfumaras fiuas do fabricante Goudray.
Caixinha de costura com msicas.
Albuns e caixilhos para retratos.
Pulcelras de ouro bom de lei.
Brincos e traneellins.
Cprrentes e chaves para relogios.
Botoes de punhos e de abertura.
Correles e brincos de plaqu.
Bolcinbas e cofres de seda e velludo.
.Caivetes e thesourinhas finas.
Luneta, oculos e grvalas.
Chicotes d baleia e de outros, sortimento.
Bengallas de canna, baleia e junco.
Ponteiras de espuma para cigarros e charutos.
Escovas para fato e para cabello.
Escovas para denles e para unbas.
Pentes Anos de marflm para tirar caspas.
Penles de tai taruga para desembarazar.
Malas e boleas de viagens.
Eslojos com' navalhas f paraviagens.
Carteirinhas para notas.
Gaioias de rame para passarinhos.
Abaurt-jo transparente para candieiros.
Oleados para mezas. *
Molduras douradas e quadros.
Estampas de santos e cidades.
Berros de vimes para enancas.
Cestinhas de vimes para braco de meninas.
Caixinhas de msicas e realejos.
Cosmoramas e lanternas mgicas.
Esteriocopos cem interessantes vistas.
Objectos de mgicas e cordas de violao.
Jarros e flores de porcelana para santuarios.
Velas a gaz para lanternas de piannos.
Accordioos e concertinas.
Diversos jogos francezes e allemaes.
E nutras quinquilharias semelhanles.
Brinquedos para crianzas
Carrinhos de 3 e de 4 rodas para passeios, bo-
necas de todos os gostos e precos desdo 160 rs.
at 20000, e um sera numero de brinquedos de
dTerentes precos para intretimento.
Para evitar massante leitnra de tantos artigos
ex postes venda nesie estabelecimento, o dono
pede ao publico em geral que se digne entrar de
passeio afim de verilicarem nao s a grande va-
ridade como os precos baratissimos por serem
odos chegados de conu propria.
ammmm
51Bua da Cadeia do Eecife51
Chama a attencJo dos seos innmeros fregu, e 4o rcip geral. para a seguate tbf te dw precos de sua casa, os qaact sao vista por ca*
mais barato do que em outra qualquer parte:
Cadeias para relogio a
7#, &fi, 9*, 131 e.
8a\U
Gabelleiras para senhora* a 2SJ,
m, m e. 404000
Ditas parahomem a iU, 40,5 e 500000
Coques a m, m, W, SOjJ,
260, 30* e .' tHWOO .^ ...
Crescents a m, 15.J, m, m, I ^^ de cabeHo com ixK^-
2W, 30* e ; i 32*000 r
15*001
Cort de cabello,
Corte de cabello coa
Cachos ou crespos a 3*, 4*,
6*, 7*. 8*. Me:', 10*000
Tranca para braceletes a 10*,
18*. 20*, as e
30*000
*00l
i*00t
champou. .
Corte de cabelloom,
cabeca pela
ca, #e]fC8NMo. .
Frisado i inglexa on franceza.
Barba. ,....... t9*
ASSIGNATURAS MENSAES
Especialidade de penteados para casamento
ofres ____
Recommenda-se a soptrior TINTURA U
PONEZA para enegrecer oa cabello* e kan
ba, nica admittida na Expoaicao Unnwsal
como nlo prejudicial trida, por ser tci
latil, analysada e approvada Daba acad#
mas de sciencias de PARS E LONDRES
Bailes e
O dono do estabeleckaento previne s
Exmas. Sras. e tos cavalheiros qne ba um
sallo para tintura dos cabellos e barba, as-
sim como um [empregado smente occapa-
dones8e servico.
4
No armazem da travessa do Corpo Santo o. 29, ba sempre nm coaspieto
sortimento de objectos para carros, e que se vendem por precos muito rasoaveis, como
sejam:
Vaquetas de lustros, grandes e muito boas.
Solas idem dito.
Oleado preto.e de cores.
Colleiras de lustro oque ha de melbor.
Gudrnicoes de fino lati para arreios, completos.
Lanternas e vellas para as mesmas
Eixos patentes para sebo.
Joaquim Lopes Machado & C.
Precisa-se do urna ama para comprar e cozi-
Dsar para duas pessoas : a tratar na ra Nova
n. oz.
Cabelleireiro
Ra da Cruz n. 24, Io andar, por cima da
botica.
Antonio Rodriguas Ramalho acaba de abrir a
concurrencia publica um espacoso e asseiad) salao
para barbear e cortar cabellos, e aflanca que netle
encontrarao seus amigos, antigos fieguezes, e em
geral todos os que quizerem frequenta-lo, agrado,
actividade e bom desempenho do trabaiho.
Imperio do Brasil.
Grande expsito na cidadede
Cordova,
NICO DEPOSITO EM PERNAMBUCO
NA PHARMACIA E DROGARA DE
Bartholomeu & C.
34Ra Larga do Rosario84
VESTIDOS PRETOS
Superiores cortes de gorguro de seda preta
anator gosto m Pernambuco.
Bons gresdenaples pretae de seda, de 20000 a 7*000 rs. o covado
mnas. ra do Crespa n. 13, de Antioio Co reia de Vascello*.
bordadas, o qne ha de melhor e d
na toja das
li'j'l
REPBLICA ARGENTINA.
No da 15 do outobro de 1870 ter lu-
gar a abertura da exposiclo nacional em
Cordova.
Previne-se, portante a todos os produc-
tores, agricultores, fabricantes, artistas e a
todos aquelles'que exercam qualquer indos
tria, que na dita exposiclo se recebem todos
os productos da industria e agricultura
brasileira, assim como todas as machinas e
utensilios que quizerem remetter.
Estes productos esto isentos dos direitos
da alfandega na Repblica Argentina e po-
derlo ser dirigidos cidade do Rosario, de.
onde serlo tranportados pelo caminho de
ferro central.
Para mais explicares diriiam-se em Per-
nambuco, ra da Cruz n. 3, ao consulado
argentino.
Em casa de THEODORO CHRIST1
ANSEN, ra da Cruz n. 18, encontram-s
sflectivamente todas as qualidades de vinhc
Bordeara, Bourgogne e do Rheno.
35RA ESTREITA DO ROSARIO35
Fornece-se comidas para fora com asseio
e promptidlo e manda se levar em suas
casas na ra estreila do Rosario n. 35, ca-
sa particular confronte a casa do Darbeiro.
Na mesma caa fazim-se flores para en-
feites de anjos para procisses, sipos de
flores, rosas, capacetes enfeitados, e todas
as-flores de panno e papel, para ornamen-
to de igrejas e andores *udo por barato
preco, soquis para noivas com fitas bor-
dadas a ouro, bandejas de bollos finos com
armaco para casamentos e bailes, pudins,
pao de I enfeitado para presentes e toda
a qualidade de doces de ovos tambem en-
feitados, vellas ricas para baptisados por
barato preco, bouquets de flores de cera
para t afeites de bollos e para offertas.
A LOJA D )S ARCOS DE ALVARO AUGUSTO ""DE ALMEIDA d C, i roa do
Crespn. 20 A, alm da grande variedade de fazendas de pbantasia de que sempre se
acha provida, tem actualmente om cmplelo sortimento de fazendas pretas, proprias para
os actos da quaresma, como sejam :
Ricos cortes de seda preta de superior qualidade.
Gorgurlo de seda pretos de diversas qualidades.
Grosdenaples pretos de differentes qualidades.
Sedas lavradas.
Basquinas de seda preta de modello inteiramente novos.
Ditas de guipure ricamente enfeitadas.
Pelerinas.
Fichs e mantas de fil para a cabeca.
.Mantilhas brasileiras ou mantas de fil para cabeca, de modelo inteiramente
novo.
novo.
Eil de seda branco e preto.
Guipure branco e preto.
BalSes a victoriense modello inteiramente
Cbapelinas enfeitadas de preto.
hnrw a^!flai de P6.11'08 Preta P3/8 ,10mens e senhoras, e outros muitos artigos de
bons gostos e qualidades o que ludo se vender por precos rasoaveis
9H0ir JimbAm cntjnuaJ.a 1er nm ffranc,e sortimento de tapetess, alcatifas e as ver-
adeiras estea dirasjlparandia forrar salas.
HENRIQIIE PFLAEGING
ESPECM AFINADOR DE PA VOS
Sfin??* ?!? 0ffr,ece Seus prei,imos ao Illm' Pub!ico ,anl na cidade como ou
T n." 8 ioeSf. P SCr prCUrad n Sal"a de pianos e de "*-
BAZAS ACADMICO
13 Ba da
CO TONI PL'RGATIVO E DEPL'RAtlVO
DE
r HAHBARD.
Composto das plaas as mais odorferas e as
mais virtuosas dos montes os mais elevados, o eh
toni-purgativo de Chambard, possae um gosto sa-
boroso e um aroma suavissimo, e as propiedades
as mais notaveis sobre os embaracos do estomago,
dos intestinos e do figado o desobstrnente por
exeellencia na constipagao do ventre e nlo lem
resguardo nenhum.
Depurativo especial e directo da bilis e dos hu-
mores, lefresca o sangue depurandoo.
O uso do ck-Ckmbard pode ser continuado
por muito tempo sem o menor recelo e sem in-
commodo nem mudanca no modo de viver
NICO DEPOSITO EM PERNAMBUCO
NA
LPHARMAGIA E DROGARA
DE
'' llartholouieii & c.
34-RUA LARGA CO ROSARIO34.
' Imperatriz 13
Ulysses A Irmos proprleUrios deste bem conhecido e acrediudo estabelecimenlo
tem a honra de participar ao Ilustrado corpo ACADMICO e aos seus numerosos fre-
guezes, tanto desta praCa, como de fra, que tendo sido elegantemente reformado dito
estabelecimento acha-se completamente sortido e em condiebes de bem servi-Ios dos
seguintes artigos:
AVISO
34.RA LARCA DO ROSAR 0.34
aMM
_, atea dem crediu tm* ; Ipenai Oa Z *.
lanpa.
*>%tU q- declara aar uropa laarkuM da i
euraordioarw. aoia qua (aCraada ha diai da
Ja m tereeirt colher fni altiviado, e de ttomt
1 oit.reaubeUcid con o ato aramia da jntai
*j*bMca, wu> poU i cata, ratultado m*airato a
**, k a en reeonhecimenle. De V. S*. tunen.
"P'J1 o! -li*-0- ***^ tap
_55r finhol afjr VeteUl iBene.no, da aaa uoaapwcao. mod* *
acber. bMUnia doeate da MuoUpKTt7 m
tornoa eompleuaeoia rom t qaa troSxaaafart.
loaie. a me impouibilitoo da < aajphr oa meo. darna
completo resubelecimeaio, qne oblire eom nm TrUr.
da ama xarope, depoi. da Kiter reenrrido a u.lo.
tniMMBtoi. Degajarei qoa oa;roa eaao a mwrra
M aen larope pan aa taraaa .kviadee da Uo tarriral
MOBModo, tao bul aaala aaia. Coa nulor eoaud*-
rjclo cmbo aar da Vt. .'ja. itleaio, TaMndbr a
Jngdo. Uii Crraon.. Rada 'ZZS
iltai Sr Bartholoma* iC.-O xana* Caaeul Abm,
? Sa. Um opott> 4 T.nd. 4 da tad. afl.
Agostmho Albino Bezerra declara a seus ami-
gos rregoejes, que se acha trabalbando na ra
do Imperador n. 69, loja do Sr. Ribeiro Vianna.
Ama.
Precisa-se de nma ama de leiie : a tratar na
rna do Imperador n. 63, 2 andar, oa Passeio Pu-
blico n. 60.
laiua a ---------- ------------------------
MDot; Tieiim. d'eaaa fl.tello. qoe atd Mh>w|Z
fO abano asaignado avisa ao publico que teodc
do licen(ja do Exra. Sr. conselheiro inspector
thesouraria da larenda geraJ, para vendVr es^
tamDithas em seu esUbelecimento rna do Crespo
n. 23 pelos mesmos presos que se vendem Ba re-
eebedona geral; assim, pois, podem as posoas
rejWentes nesta cidade e fra della dingirem ao
abaixo assignado, anas encommendas em qualquer
qnautidade que seri promptamente satisffeitas.
______________Manoel Martins Fioza. W
-r -No da 19 de abril do crreme auno deve-
ro ser arrematados perante o Exm. Sr. Dr.ioi
ae aireitoespecial do commercio.os escravos Loo-
renco, pardo escuro, do pouco mais de 30 anuos.
Mfentina, crlonla, de 2 annos, ambos de boni-
^^Kfa^MU ultima mnito prendada : quem
SRRLtVSfia^'Mes excellenl" Mcra*o,
queira QiWCr snas propostas razoiveis pranteo
"mesmo Exm. Sr. Dr. fuh de direto especial do
Iff.^maierelo.Tiaconformidada do decreto n. 1699
, de 15 de sewnbro de 1869.
PHENIX PERNAMBUCANA.
Companhia de seguros martimos e terrestres
Ra do Commereio a. 34.
Capital Reta 1,500:000*000
SeguraMovis.
Wercadorias.
Navios de vella.
Vapores.
Predios. \
Em vapores al ris 100:000*000
Eornavios de relia at ris 75:0001000
Em cada predio at reis i00:O0OJO0O
Pernambuco, 7 de marco de 1870.
Pela companhia Plienik Pernambucana
J. J. Tasso.
F. V. Borges,
- J-. H. Traidade.
CV>bran Ha quem se encarregue da ecbranca dos allu-
gues,de predios desia cidade por mdica porcen-
tagem inciojndo os sarvicos de oliciudor nos ca-
sos de despejos judiciaes, podem procurar na ra
da Glona n. 94 das 6 s 9 da manhia.
Preci-sa de ama ererava que saiba cozinhar
a fazer compras e o mais servico de casa : na roa
da Cadeia do Recife n. I
CHARUTOS.
Superiores de Havana, Hamburgo, Babia
Rio de Janeiro etc.
CIGARROS
de palha de S. Paulo, de 3,5600 a 7A5O0,
o milheiro, Daniel do Rio Novo, Maurity,
Imperiaes, Tenentes do Diabo, Duque de
Caxias, Gandoor etc.; de papel, de fumo
de Daniel, General Osorio, Conde d'Eu,
Rocambole, radicaes, Acadmicos, Macham-
bomba, .Montevideo, Orientaes, Baependy e
muitas outras qualieades.
PUMOS
Afamados de Baependy cm caixoes de
20 libras I)400 rs. a libra, em pacotes
a 24, de 20 para cima a lASOOe em maior
porcao lSOO o pacote de ^ libra, dito
em latas dequarta a 640 e 600rs.. e outras
muitas qualidades como sejam : Daniel do
Rio Novo, do Para, de S, Paulo, Caporal,
etc. etc.
VARIEDADES
ponteiras para charutos e cigarros de
todas as qualidades gostos e precos.
Caximbos de snperior espuma, de madei-
ra (raiz; de 3 at 60, a duzia e de outras
qualidades a retalho. Ditos pe de gallinha
dos melhores qne ha oeste mercado a 3$
e 3^300 rs. a duzia, e com grande abati-
mento em maior porc5o, ditos de louca,
gesso, barro, etc.
Bolcas de borracha e couro de diversos
gostos e precos, para guardar fumo.
Cabteiras para cigarros de todos os sys-
teraas.
Phosphoros de cera, em cautas de todos
os tamanbos, de segu-anca a balito etc.
Papel milbo, de arroz, sao-non, Persan,
pintado, de Orino etc. palha de milbo de
Fernando a melhor possivel.
Alm dos artigos mencionados encontrarlo nossos freguazes outros muitos no ge-
nero de nosso negocio, que se vende em grosso e a retalho e que com soas presencas
serao satisfactoriamente bem servidos: bem como nos encarregamos de qualquer en-
commendas de nessos cigarros de seda e linho, etc.
1&-Ra da Imperatriz13
Pergumta-se
Tendo-se arrematado ama parte da eogenho
Barra., situado oada, t on-a ae data parv o laudemio. 1
ha *
BAZAS M HOBA
58-RllA iWA-SO
Os abaixo assignados proprietarios deste estabelecimento, participan,
que, contmuam a vender muito barato e em vista ao grande ortiaieiito de
nuudezas da melbor qualidade chaman a attnclo dos Srs- wmmerciaute*
de retalho afim de compraren) o que Iba for conveniente ; com descorito de
*0 Ojo, pagamento reilisado no mez da compra.
Jos de Souza Soarea & t.
'&m%&mmX&-2&M*9CmaaY^X*X & &'&&*%&'&'&.


SYNOPSES
Diargftf,jWiitbuoo T fiifcVl PlflUj & 87W?ai('
Aeompaahadaa. de algunu
Ext rbidas deWfWauWrts
e mp
no da mocidale brasileira
pelo
Conego Dr. Matoel da Cost Honorato.
de M A RIJA B OIPE2RATR
^o 'Elona da raa da Aurora, em frente do e1
HnVeSiArJakd
Corrientes
EDO
Asylo dos invalido* da patria com ama es-
tampa e mappa
pelo
Conego Dr. Maaoel da Coma Honorato.
. 'i PraoQ..; 3*000 'i
Acabara de cbegar estas obras recentemente
co*> Santo Antanio.,;
ATTENCAtf
Pede se a eerto offleial do eorpo provisorio de
polica, que tenha a hondada de Ir levar na ra
do Nogueira n. 47 a |uillo que pedio no da 18 de
ferereiro proxino pistado, do contrario ter de
ver sea nome por extenso oeste Diario.
i N'enie novo e somptuosb estabelecimento de fazn
.amibas todo iwntopossamdesejar, tanto emartigos do mais fl
a mais quaiidadse de razendas,
Alm, de se acharem prvidos do que de mefh
IfJkSXl! ^'roclamee
o que vena
bem servir"
Algodao largo para lencoes e toalhas de Gafe conejrstras
ufes as qualidades qpe costuma vir ao mer- da inteiram&te nova par**
Ai^a a *nAn. ?-.j x ... I' Gravatas para senhorase hemens, o mais
A pacas de todos os padroes e quahda- completo sortimento que se i ifakr.
les tao vanadas que te nao oodem descrever. GmRpre preto e or-nco" d^ lnS
r--
COMPRAS.
Casa terrea.
Compra-se urna casa terrea : tratar na ra
da Madre de eua n. 16, loja. _________
Compram-se moedas de onro e prata de to-
dos os valores; onro e prata em obras innti usadas,
brilhantes e mais pedras preciosas: na loja de
oorivea do arco da Conceioao, no Recife.
GOMPRAH-SE E U
ESCRAYOS
Compram-se e vendem-se diariamente para fra
dentro da provincia escravm de toda* as idades,
cores e sexos, com tanto que sejam sodios : no
terceiro andar do sobrado n. 36, rua das Cruzes
fregueria de Santo Antonio.
queee nl podem descrever.
Albuns com mu sicas para collocar retratos,
delicado presento par qoalquer pcssoa de
48 lima.
AtoalhadOidelinho e algodio, branco e
le cores proprios para toalbas.
BaSaoasdes ias, bem como docrocot, todo de apurado ^ 90a,,daajy ostos.
^al^f.usse.ina, madapol.o, brancos to.'Eoa 5j^fj^
de cores, para senhon e meninas, rabaldes e naWL aE, DS"

m m*
VIGILANTE
ras edifferenes gostos.
Gollas e puntaos bordados para senhoras.
Guardanapos de linbo pequeos gran-
des.
Gorgur3o de seda preto e de ores.
Grosdenaples preto e de cores, haven-
Baragos de coren variado sortimento.
Babadmhos ou tiras bordadas *m todas as
arguras.
Belbutina de todas as cocea.
Bolsas de tapete para .viagem, grande
ariadade de laminos e gostos.
Bombazina preUi de todas as qualidades.
Bramante de linn de 11 palmos de lar- riado sortimento.
rabaldes e passeios a tarde.
Uazinbas de todas as qualidades, cores
e gostos, nao (loando nada a desojar, tal
o sortimento qne existe para escolher.
Lencos, tudo quarito pode Javer desde
esguiao ao atgodSocotnroBra.-
Loques de madreperola e osso, o mais va-
.1
eral a 2 ?.?,!*G.UIA BKRBff*CA' ma'8 Pre?'8a sc.eritincar ao respeitavel publico em
teS rtK?a ?ar.* SUa. 03 ry*t}*' da ^ewatfle de objectos que Uinamen-
'kS^l^^S^T^ fUa "T8 Pdezer Porq*essa filia invo-
221S f1 ? ^WR benevolencia de todos que lh'a attenderSo e relevado,
Jndo portento a (fingirem-se a bem conhecida lija da AGUIA BRANCA a ra do
Stf?mSflmpfe acbarao abundancia em sortimento de superioridade em
quafloes, modicidade em procos e o seo nunca desmenttido AGRADO E SFNCERIDADE
HUnAr a qw f,ma fio*Jdlto M wba 1 o lempo de que a AGUIA BRANC V pode
SSS m^n9^ aPwa* de 8ea* cstos no desempenho de bem servir a aquellos que a
2?V^iP-rofqrindo Provef-se em dita IoJa A que necessilam, entretanto wm ennurae-
rar os oDjectoa que por sua natureza s3o mais conhecidos all, Ha resumidamente indi-
cara melles cuja importancia, elegancia e novidade os frnam recommendaveis. como
uera seja *
Con muito maior vantagem compram-se
roa do Cbng.
moedas de osro e prata : na loja de ioias'do Co^
relo de Onro n. 1 D, -
ura, e todas as mais qualidades.
Bretanhas de linlao e algodao, grande sor-
omento.
Brins de linbo branco e de cores, do mais
fiommodoao mais caro amqualidade, affian-
fando o que ha de melhor na especie. I
Brins d'algodao completo sortimento e
yariedade de pre;os.
O muzeo de joias
Na ra do Cabag n. i compra-se onro, prata
* pedras preciosas por procos mais vantajosos do
que em outra qualquer parte. *
Compra-se
duas casas terreas as ras Concordia Palma
Caldeireiro, Santa Therea e Santa Rita :' a tratar
na rnaestreita do Rosario n. 35, cartorio.
Comprase um escravo de 15 a 20 annos de
dade : na ra de S. Francisco n. 72.
Ligas de seda, bordadas, para senhora.
Luvas de Jouvin, chegadas por todos os va-
pores, semprepo*o sortimento, quer em
pellica para horaens e senhoras, qoer emjflo
d'Escocia, brancas e d cores.'
Madapolao; indescriptivel o grande sor-
timento que ba neste genero, desde o mais
elevado preco ao menor, que se vende em
J*_ de ^6res> maioru sortimento. pri- peca e retalho por meno do que em ou-
nando pelo bom gosto e barateza, alientas tra qualquer parte.
s qualidades x^^ de bloaf noivM
!A^?S?B anMrttfS!daS,elraB8paren* g0St0 d0sn0S9<>s correspondentes em Pars
r!.i,.i qualldirdes ,e fe5- habilita-nos a dizer que temos em nosso
J3ISIDoas de cambra de linho e cassa estabelecimento o que de aelhor se dese-
wrdadas ricamente enfeitados para Sras. ja para vestir e ornar orna noiva.
Camisas para homens e meninos, tao va- Mantas prelfs de blond.
.nado sortimento que vai do mais ordinario Mantas para carros, com lindas pinturas.
VENDAS.
Oleo de ricino.
Vend se oleo de ricino em latas de 30 libras:
na ra da Gadeia-velba. casa n. 1, 2 andar.
No engenho S. Francisco, da Varzea, ha para
vender gado de acougue.
Vende se a armacao da taberna do pateo da
Penhan- 8 : tratar junto n. 10.
rerreira & Irmos donos do armaiem Inde-
pendencia, tem resol vido em vista do alto preco
que estao os gneros alimenlicios venderem a fa-
rinba qun constantemente recebem, pelo proco de
84000 o sacco outr'ora onze e oito centos re is o
meio decalitro.
MU
Na ra Imperial u. 79.
Gaspar los de M Jlo tem 1,700 e tantas duzias
de fogo do ar para vender por menos preco do
que em outra qualquer parte.
Vende-so a taberna da ra da Guia n. 36,
propria para principiante por ter poucos fundos, e
o motivo da venda por scu dono querer retirar-
se : a tratar na mesma.
CEMENTO
PORTLAND.
Vende-se nc armazem amarel'.o de Vicente Fer-
reira da Coila & Fiiho, defrente do arco da Con-
ceico, em barricas grandes.
Miho e arroz te casca
Vende-se milho c srroz de aasaa novo era sac
ros, no topiche da compabbia: a-tratar na ra
da Cadeia-velha, casa n. 1, 2 andar.
AffEClfT
No armaeem do caes da alfandega n. 7 vendem-
se saceos grandes com facinha de mandioca da
trra mnito superior e por preco ommodo.
Grande pechinha
Basquinas de croch com enfeiles de vidrilhos,
do ultimo gosto, que seo preco foi de 18, e hoje
se vendem pelo barato preco de 8|: na loja de
Kigueiredo & C, ra da Impcratriz n. 40, osquina
do becco dos Ferreiros.
Gal nova de Lisboa
descarregada hoje do patacho Mara ; e vende
Joaquim Jos Ramos, na ra da Cruz n. 8, pri-
rceiro andar.
Bilhard.
Vende-se um com pouco uso e em muito
bom estado : ra do Imperador n. 32.
nadapolao ao mais perfeito bordado de li-
e cambraia.
Camisas de meia, de flanella, brancas e
le cores para homem.
Casemiras pretas e de cores, o melhor
rae se pode imaginar, sendo d isso a me-
nor prova o grande consummo deltas na
)fficina da casa.
Gapellas de flores, para noivas e bailes,
lesde a mais candida flor de larangeira at
i mais interessante grinalda.
Chapelinhas no melhor gosto.de todas as
sorel hoje preferidas pelas senhoras de
nais aparado rigor na moda.
Chapeos pretos de velludo, para senhoras,
ltimo goslo de Paris.
Chapeos de sol, para senhoras e homens,
de todos os pre;os e variados gostos.
Chaly com ricos padroes para vestidos.
Chales de todas as qualidades, avultado
Merinos pretos, trancados e lisos.
Musselina branca e de cores, lindos e va-
riados padrbes.
Pannos pretos e de cores, desde o mais
barato ao mais superior, por preco nraito
commodo.
Pannos de crochet, para cadeiras e sofs.
Ditas de casemira muito finos para
mesa.
Peitos bordados de linho, lisos e de al-
godao para camisa.
Princetas pretas e de cores.
Popelina do seda e linho, com listras e
flores; fazenda lindissima.
Pelherinas para senhoras, do ultimo
gosto.
Perfumaras; os mais finos extractos o
que de melhor e mais agradavel se pode
encontrar neste genero, e de mais fragante
Corpinhos de cambraia, primorosamente
enfeitados com fitas de setim e obras essas
cuja novidade de molde e perfeicSo de ador-
nos os tornam apreciado*.
I,. /1*4 mii k**** de versas cores e qua-
lidades pata cintos. ^^^^
Leqias oesse objecto muito se poderia
dizer querendo descrete-roa minuciosamente
por goal qoalidaes, coree e desenhos, tal
e o grande e variado sortimento que acaba
de chegar, mas pan nao massar preten-
deote se lbe apresentar o que poder de
melhor.' f
Entremeios em pecas de 12 tiras.
Guipure branco e preto de diversas qua-
lidades e desenos.
Ditos de algodio com flores e lisos.
Veos de seda para cbapelinas e monta-
ra.
Metas de seda para noivas.
Ditas abortas de fio de Escossia.
Costantes ou uniformes para meninos.
Enxovaes completos para baptisados.
Touqunhas de fil, eapatinhos bordados
e meis para ditos.
Camisinhas bordadas para ditos.
Capellas brancas para meninas.
Grandes sortimento de flores finas.
Fil de seda, preto.
PERFUMARA
Grande e constante sortimento de dita,
sempre melhor quajidade.
Lindos vasos com p de arroz e pinsel,
Caixinhas. com ditos aromticos.
Bonitos modernos pente dourados
para circular o coque.
Bonitos brincos de plaquee.
Aderecos e brincos de madreperolr.
Caivetes finos para abrir latas.
Thesouras para frisar babadinbos.
Aspas para baI5o.
Novos stereoscopos com 48 vistas, as
quaes sSo movidas por um machinismo
urnas substituem as outras. <
Vistas para stereoscopos.
Bonitas caixinhas de vidro enfeitados com
pedras.
Ditas de madeira envernisada com vispo-
ras e com dminos.
Bollas de borracha para brinquedo de
enancas.
Diversos objectos de porcelana, proprios
para enfeites de mesa e de lapinbas.
1RUAZE\S
NOS GRANDES
DE SECCOS
COMPLETO
E HOIHAMOS
Rna 9 Cresp m. 9
. Os propietarios ueste bem conaeaide estat^
cimento, alem. dos muitos objectos que tinham ox-
postos a apreciado do re?pcitave! publico, man-
dar*m vir e acabam dn recebar pelo ultimo vapor
aa Europa um completo e nado sortimeato de
Sf" V-3 delicadas especialidades, as qnaesesr-
woresolvidoa a vender como de seu costume.
por precos muito baratinhoa e commdos paa lo-
dos, com amo que o Gallo.-.: *' *
.Mimo superiores luvas de pellica, pretas, taut-
cas e de moi lindas cores. *>"*' *,t"
Mu boas bonitas gollinhas e punhos para sa-
nora, neste genero o que ha de mais moderno.
Superiores pentes de tartaruga para coques.
Lindos e nqulsslmos fetepara eabecas d>
"MHs. senhoras. *-
Snperiores trancas pretas e de firescom vidrt-
A^ti^m el,es-; ^ fazenda I Pode ha-A*
de melhor e mais bonito. ^^
Snperiores e bonitos leques de madreperola,
marn, sndalo osso, sendo aquelles brano
com lindos desenhos, e estes pretos.
Muito superiores meias lio de Escossia para se-
nhoras, as qnaes sempre se venderam por 30<0O
a mzia, entretanto fue nos as vendemos por 20*,
aim destas, temos tambera grande sortimento de
outras qualidades, entre as quaes algumas mu.*
un is.
Boas bengalas de superior canna da India e
castao de raarllm com lindas e encantadoras figu-
ras do mesmo, neste genero o que de melhor '-.
poae desejar ; alm destas tcmoB tambera arami
quantidade de outras qualidades, como sejam, n.*
aeira, balea, osso, borracha, etc. etc. etc.
Finos, bonitos e airosos cbicotinbo de eadeia e
ae oatras qualidades,
Lindas e superiores ligas de seda e borracta
para segurar as meias.
Boas meias de seda para senhora e para meni-
nas de 1 a li annos de idade.
Navalhas cabo de marm e tartaruga para faicr
barba; sao muito boas, o de mais a mais sao ca-
ramidas pelo fabricante, e nos por nossa vez taS-
nera assegurames sua qualidade e delicadeza.
Lindas e bellas capellas >ara noiva.
Superiores agulhas para machina e para err j*
laby'nthomiUt ** d* **>> hoax!l> fn Hfibw
Bons baralho? de cartas para voltareto, assim
como os lentos para o mesmo fim.
Grande e vanado sortimento das melhores per-
fumaras e dos melhores e mais conhecidos rcr-
himistas. K
COLARES DE ROER.
Elctricos magnticos contra as conTnls&es, e
tacilitam a denticao das innocentes criancas. So-
mos desde muito recebedores destes prodigios-*-
collares, e continuamos a recebe-los por todos os
vapores, anm. de que nunca fallera no mercado,
tomo ja tem acontecido, assim pois poderao acfi-
les que delles precisarera, vir ao deposito do gata
vigilante, aonde sempre encontrarlo destes verda-
deiros eollares, e os qaes atlendendo-se ao fim
para que sao applicados, se vendero com um mu
diminuto lucro.
Rogarnos, pois, avista dos objectos qne deixaro
declarados, aps nossos freguezes e amigos a virem
comprar por precos muito raxoaveis loja do caJ*
vigilante, ra do Crespo n. 7.
umero e n5o menos variedade de gostos, e suave no olphato, tem o PAVILHO DA
9>!?*,.5.!mp?Mve! ^cscreversortimen-J AURORA, desde a verdadera agua Flori-
Aproveitem a ocasio
Vende-se a taberna da ra Augusta n. 1, e a
armacao d fabrica de barutos no becco do Di-
que n. 7, ambas hvres e dejembaracadas, fazendo
se todo o negocio a praso en a dinheiro, confor-
me se coaveocionar: a tratar na mesma taberna.
to e variedade de padroes e novos gostos,
la neste artigo tudo quanto se pode desejar.
Cintos para senhoras o que se pode ma-
rinar de melhor.
Coques, o melhor no gosto e nos enlej-
es, varios tamanhos.
Colchas de seda com borlas, o mais apu-
rado gosto e lavor.
Ditas de fusto branco e do cores por
precos commdos.
Corpinhos de cambraia, ricamente brda-
los para senhoras.
Cortinados de cambraia bordados e de
31,o que de melhor se pode desejar.
Colarinhos de linho bordados Je lisos, o
tnaior sortimento.
Damasco de 15a de 9 palmosjde largura
lindas cores e ricos padroes.
Espartilhos brao:os" e de cores, para se-
nhoras e meninas, o melhor neste genero ;
lenhoma Sra. dexar por certo de muir
te de tao precioso auxiliar perfeicSo de
im corpo delicado.
Eatremeios bordados.
Escom Iba preta.
Enfeites para cabeca, ultima moda de
Paris, recebida no ultimo paquete.
Esgui5o de linho, completo sortimento de
todos os nmeros.
Fitas largas escocesas para cintos, vario-
lado de gostos e lindos padr5es,
Fhhs de crochet, modernos com cintos
a capas, o que ha de melhor.
Fil de seda, linho e algodSo, de todos
i>s gostos e padroes.
Fustao de todas as cores e qualidades
grande sortimento.
Flanella branca e de cores.
Flores, o que ha de mais rico, quer
soltas, quer em ramos, tem o PAVILHaO i
DA AURORA um permanente jardim a
iisposic2o das Exraas. familias.
da at o mais fino Bouquet d'Amour, final-
mente tudo quanto deve oceupar o touca-
dor de urna senhora de gosto. -
Saias bordadas, brancas, lisas e de cores
com folhos e sem elles, o melhor possivel,
Sahidas de baile, de todas as cores.
Sedas pretas, de quadros, lavradas, lisas,
de listras de todas as cores e qualidades e
o mais barato possivel.
Sarselim de todas as cores e qualidades.
O
Tapetes grandes, lindas pinturas para 8
cadeiras, mais pequeos e de todos os ta-
manhos desejaveis, e em peca para co-
vados.
Toalhas de labyrinlho, do maior e mais
fino trabalho ao mais barato.
Toalhas de linho e algodio de todos os
tamaitos, lisas e felpudas.
Ta ra tana branca com palmas e de cores,
fasenda muito nova, e gostos delicados pro-
pria para baile.
Vistuarios bordados de fustSo brancos e
de cores para meninos, de cambraia para
baptisados, o que de melhor tem vindo a
este mercado.
Vestidos de 13a escoceza de 2 saias,
novidade pelopadr3o, gosto e forma; ditos
de linho com barras de cores, e de cam-
braia de cores cora 2 saias, todo inteira
novidade, trazem os modos juntos para
mostrar a forma de os fazer.
Veos de blond para noivas e pretos para
luto.
Vestidos de blond para noivas: podemos
asseverar as nossas Exmas. freguezas, que
somos os nicos em Pernamboco que pode-
mos offerecer ao Ilustrado publico, o mais
apurado gosto em semelhante materia, gra-
tas ao bom gosto do nosso fornecedor em
Paris, podemos garantir que pinguem neste
genero o possue melhor, nem mais em
conta.
Venda de lampeoes
pira illumiiiaqao.
Na loja do fuDileiro de Antenio Moreira Pinto
n ,!1e9S('a1rn* a y*1* n- 3. ora Pra ven-'
der O a 409 lampeoes promptos, muito econ-
micos por seren para gai liquido, e dio excelen-
te luz : a elles antes que se acaben, senhores en-
carregades d4 flltiminacdes.ntte sao baratos.
Vende-se uma escravu que lava de sabio e
varrella, engomma, eosinba e faz lodo ser vico de
ama casa. Tambem -se alnga um moleqne pequeo
para tedojo serviro, 0 d rnuito para cozinha : ao
caes do Ramos, srmazem n. 4.
Vende-se a armacao e seus uienciiios da ta-
berna do pateo da Pena n. 8, toda envidracada,
propria para qoalquer negocio, on para llcar ou
^""T'ncar, garntese o aluguel, o logar
magnifico : a tratar joto n. tO. ___________
Arroz de casca e nulho novo ; vende-se em
saceos, no trapiche da Din panhia : a tratar na
raa da Cadej^ina a. 1, andar.___________
vidT iS?**""**"*caW8to now,ioda "^ser-
Mfe! StMb0n asros com forragens de
5?vff0: M CB,ir**yieira & C na roa
WitnB<7^'Bm* ***' pes*: tt,tor Da rtu
I
nF aK grande e vanado f0rtimen'0 que os propietarios do PA-
vilha DA AURORA se apresentam ao publico declarando desde j que a sincerida-
le e o bom gostoo raovel nico de seus negocios.
Prvidos de todo e promptos sempre a prover-se do que por ventura Ihe
teja necessano, os propnetarios deste suroptuoso esteDtecinn|o recommendam-se
r^on feeS?Krem,C0adC08,e prote8lam esforcar-s^poT^continulr a merecer
SfaSe^desconfente d,8pen8ado ; cerlos de ^ae do sen estabelecimento n3o sahira
u nmmn,0D.toa(Sempre a oflic!aJ1td fllfaiate dirigida por um dos mais habis artis-
SfiS P La Si r,Cm Pron?Pud2 b0* gosto qalauer trabalho que lhe seja
mftirii^ f ?P8e,,nMto o^Pada nos trabalhbs do PAVILHO Di AU-
SiS? Elh6 Sl(\ C0DCflr"eQies arate Por seu apurado gosto e prompdeo
aa execuc3o e a mais completa perfeicSo nos seus trabalhos
ttann* 8(A,.numorosa freguezia que nos honra mna prova de que merecemos oeon-
TS pf!Tv^Sl^Mec[m^ co^to que procuraremos firmar ada
Sffima^nSS1 coac^. do fim qe nos>opomos, temos no nosto
K'SSSS* ZL6Z;TJfo^ihiS nossa8 ^ezas'afim de escolherem-
panhomens^r3^'^^ ha ** < ^n-
publico e ^mTm^^^^^J^0^03 pedindo a P1"0*6^0 do tartrUo
Urem o nosso JS2fiSfr H*!! wa,ldam08 tudo que^5^mei,t0' C6rta8 *trarem elle pelo menor precn possive-
0 vodJSitSS^^^jZ a^t[is eiffiostras onde mm ** >*
Aberto das 6 s fl ioras da noite.
CONSERVATIVO
N. 23Largo do Ter$o.N. 23.
DE
SIMO DOS SANTOS ft C.
PROGRESSO
10 Pato da Peuhzt 10
DE
SANTOS & FERRERA.
Os proprietarios deste bem soru'do armazem participam aos seus innmeros
freguezes tanto desta praca como do matto que tendo feito grande diminuico de pre-
cos as suas mercadorias esto por isso resolvidos a vender por menos de 10 e 20 i0,
do. que eac oulra qualquer parte, garantiado-se porlanto a s perior qoa'idade de qual-
quer genero comprado oestes dous eslabelecimentos. lencionamos alguns dos nossos
gneros e a vista destes s5o comprehendidos os outros, porque enfadonho seria men-
cina-los.
Se alguem duvidar venha ver.
Vinagre branco mandado vir por conta Gaz americano marca Deves a 8^800 a
propna vindo de Lisboa, a 320 a garrafa e
480 o litro.
dem tinto Figueira, Lisboa e Porto a
320,280, 240 e 200 rs. a garrafa e 480 300
r?. o litro.
Vinho Figueira, Lisboa, Porto e Estreito ,
a 560, 500 480 c 400 a garrafa litro a 840 bra kilogrammo a 480
760, 720 e 600.
Vinho branco puro de Lisboa a 61Q 560
a garrafa, em porcao ha abatimento.
Vinho do Porto, engarrafado das melho-
res e maisacretadas marcas a liJOOO e 10200
105OO e U a garrafa.
dem Bordeaux, Medoc e St. Julien a
7iJoOO e 6^500, a duzia e 6i0 rs. a garafa.
Genebra de Hollanda e laranja doce aro-
mtica a 60500, 70, 110500, a frasqueira.
Serveja Bass, Illers & Bell a 90800 a du-
zia em porcao ha grande abatimento.
Jdem marca II e T e outras marcas a
50500 e 60, a dazia e 500 rs. a garrafa.
Assim como ha outros muitos
De superior qualidade da mui accredif*
da fabrica de Bisquit Dubouch C, e*
cognac uma das que mais agurdente tft
cognac, forrcacem para o consummo &<
Reino da Inglaterra.
Vende-se em casa de Th. Just. ra dt
commercio n. 32.
1 ta, 380 rs. a garrafa e 560 o litro.
Azeite doce de Lisboa a 900 e 0'K)O a
garrafa em porcao faz-ss grande abatimen-
to.
Caf em caroco a 220, 240 e 2 0, a li-
540 e 600, e
70000, 70500 e 8800 arroba.
Milho alpista 200 rs. a libra e 440 oki
logramma e 50800 a arroba, em porcSo ha
abatimento.
Queijos- frescos do ultimo vapor a 30200
e 30400 cada um.
Aletria, macarrao, talharim a 500 rs. a
libra e 700 rs. o kilogrammo em caixo ba
abtimento.
Sabio massa de l1 e 2a qualidade a 220
240 rs. a libra em caixa ba abatimento
Toucinbo de Lisboa muito alto a 400 rs.
a libra e 880 o ki'ogrammo, em arroba ha
grande differenca.
gneros, vinho em ancoretas, azeitonas,
passas e figos, charutos finos de diversas marcas, marmelada, bolachinhas de todas as
qualidades, perola, Francy-cracynel, a, b, c, Mdium, mixed, soda Fajicy-nic-nac, pa-
lace de Vareteos, combination, Britania, doce de goiaba fina, chouricas, manteigas finas
franceza e ingleza, banha de Baltimor, phosphoros de Sycuryt, Cognac, cha de diver-
sas qualidades, Canella, pimenta do reino, ervadoce, pomada, enxofre, breu, peixe
em latas de todas as qualidades, farinha de milho americana, grandes molhos de sebol-
las, nestes dousarmazens existe tambem grande sortimento de loucas propr,as para ne-
gocio, que pelos seus commdos preco faz vantagem aos compradores.
BRACO DE OURO,
Ra do Imperador n. 26
Neste novo estabelecimento encontra-s<
diariamente um variado sortimento de bo-
linhos para cha, pastis, podins, bollos m-
glezes, pes de lo, presuntos, ditos fm fiam-
bre, superior cha- Hysson, preto, e miudi-
nho. Vinhos finos de todas as qualidadt
conage, licores, conservas, champagne, cor-
veja ingleza, fructas muito boas, por-
luguezas e francezas.
Um completo e variado sortimento de
caixinhas de todas os gostos e precos para
mimosear senhoras, estas caixinnas recen-
temente chegadas*de Paris sao de prraor-
do gosto, offeresse-mo-las aos galanteado; t-s
do belio sexo pois nellas acharo nm digr.o
e serio presente para as donas dos seus
pensamenios. Tambera os apreciadores Cu
boa fumara encontrarn charutos dos me-
lhores fabricantes da Babia e de Havana
sganos do Rio de Janc.ro etc. etc.
Doces u ovos seceos, chrisUsados e de
calda, ditos de caj e de outras qualidades.
Nesla casa recebem-se encommendas pa:a
bailes, casainentos e baptisados e qnalquor
encommendas avahas, como seja pao do W<
e bollos enfeitados e outros muitas couz
que enfadonho mencionar.
CEMENTO
O verdadeiro portland. S se vende o
roa da Madre de Deus n. 22, armazem o*
Joa"o Martins de Barros.
Estampilhas.
Vendo-se na roa da f.rui n. 8, 1 andar.
PRODUCTOS de J.-P. LAROZE
nuaauanmco, t, Mf bu natMiiT-rm, raus.
XAROPE DEPURATIVO
DI CASCAS DE URANIAS AMARGAS
Ca* leiiRHte m rTtiii
O Iedvreto da poUstio na Ttrdadeiro alterante, nm depurador de neonteatavel fB-
eada; combinad, eom o saropa d* oaseaa da lamnjaa amargas, atando
tem pertorbacio alfuna pelot temperamento* oa ntaii fraooe, alterar u ftueeoei
do Mtomafo. As doau mathematicu que tile conten peranilera aot medieot dt reetiul-o
par todat ai eomplieacoet au ffeccoet ooorofoJoaat, tobaronlosaa, oanoo-
rosaa a noa aooldeatto intermittantoa a taroetroa; alm d'iato, 4 a
agtatt o mak poderoao contra u doengaa rhoomatioan.
XAROPE TNICO ANTI-NERVOSO
> 4 .Me., dt Urania, amarg*.
H aonoa dt neeeuoa aitettlo a toa effi-
caoia para curar: ai ioenfu nervosos,
Lama* os rhronica, ai gatirtt, gastral-
gias ; $ facilitar a igtsto.
XIIOPE FERRUGINOSO
d .tatas ai iaiaajas ttjittslt ftia.
r sob a forma 'qaida qa. nuil facilmtn-
te se auimila o ferro ;n'ttu forma preft-
mel aa pihilise pastilhuen todos os caeos
em qne sio proscriptos as fenmginosos.
DENTIFRICIOS LAROZE
COM QOIHA, FYRKTHRO I 6AIAC0
Httxb dssalfrliis, pon a airara t con-
serraeffo dos denles, tarando u dores
testadas pola caria os prodasidas pala
tostado do oalor os do trio
fots *-; sss J>sMss. u.muM,, |^NIMte
*. _________ _________________
** dsatlftliU, com base dt sjuastws
para a ahrara t coaiamclo das dtatta,
pravanisdo a dttearnadsra, prorteudo o
Ururo da osa ssspedt a reproduclo.
-----sssslsJ^iCalaa.
iiliniila
Sementes de hortali-
ces.
9 9Raa da Itnperatrlz 9 9
Na holica de C Callo k C_________
Telhas de f^rro.
amado Crespo d. 6, ha para vender; p.r
preg rauilo rasoavel, ura grande soriimento telhas de ftrro galvanisado de diversos tamauli s,
para cobrir casas e telheiros, qne alm de x r
mais barato do que as telhas de barro, mui;
mais liiupo e aformoseia muito mais, efe.
Bixas de Hamburgo
Por menos do qae em outra qoalquer parlo
vendemie e alogam-se : na ra do Imperador n.
28, aftnazem do Campes.
-------------------------------------------------------------------1-------------------------------------------------i--------------------------------------------------------------------------------------------------------_________________
VENDE SE ou arrenda-se o engenU'
S. Gaspar, sito na freguezia de Serinhaem
comarca do Rio Formoso, prximo do em-
barque, com grandes partidos de pal .4
massap i roda da moenda, mattos mangues
para madeira necssaria, bom pasto, etc.:
a tratar na ra d'Aurora n. 26, ou na*do
Imperador n. 20.
Ra do Queimado n. 31
o >
**}............
o
i
Exilenles chapeos dt casior,
brancos epreto?, pelo bara(isimo
preco de tfiaOOO.
& C
Loja de Antonio do Mosra Rolim
^
lina do Queimado n. 31
Venlese pelo seu just-
deia do Recife
n. 68, loja do Atalajo.
O


Dat$: ftHfBHS zrJiW.ftr* 5 Je Akr'1 W%
a
)

I!
A VERBADE
55Ria-fc Oueiinado55
A VERDADB ton*) enr dtosrtU grandi
qmmtidade de miudezas e perfomatias, e d*
sejasHk apurar dobeiro e adqotrlr M Wr
goezia esta rssoivida a vender muitissimt
batato, ; por essa raiab convida aoresp*
lavel paWieo a vir eompetentemdnte da 'ECr3eiri
bello a ........
Ditos ditos de bfalo para alisar
a 240, 320 e.
Ditos para aparar poro* # .
Rosetas pretA^gt %^
"franca de llamara wl pefla*W
Ata de coz peca a 4 80 e ...
Alfinetes de latao a
SapatosdelaaparadSI
l (fcravata de sedas de dmw t.
t
4M
88f
IJBOt
i 500!
72(
50(
IfflX
16
3SU
do a sortir-se do bom e barago. Pis quat
do a 1rrdade apparece, todo mais d
apparece-----
Grande sortimento de boneee ds'flra i
massa as maislitdMpossiteis vestida i&
ractei. *
Abotca duras modernas para col-
totea.......
Sspelnos donrados pepneht. .
Agolas de osso para crox a' .
Paules par regato cora osotas a
Ricos ?lbopaf a mlieir de^gai a
Cnaums a.......
Granh sortimento de objetos de
tone para brinqoed de meamo
Qarnfa con tinta a.....
Dita o ag*a florida verdadeir *
Dita com dita dita a ... .
Fiasco comoleo de babosa a 500 e
Dito i-orn- afua de Colonia a 300 e
Garran com agua divina a. .
Frasct com extractos finos a .
OaUs peqoeaas com banha muito
fin;! a *20e......
9aboa<;tes de diversas qualidades a
80, 160,240 e. ......
finas e scova* paradentesfle tflO a
fndos coques aseden* a. .
favios pava gas, fhraia a ttO e
Escevas para- lacto a 500, 600 e
Bitas pira cabello a.....
Pentes para tirar piolho a 160 e.
Brincos de cot ;s, bonitos a 160 e
ftn? de tranoa de la com 8
varas por. ......
Oleo para machina de costura,
frasco-a........
Pemm d'aco finae caixas a 800 e
Dita d'aco Perry, caixa a. .
Galo de algodo peca ....
Lindos babadinhos e entremeios
peca de 500 a......
Ditos de louca muito fino a 120 e
Ditos para* calca a 160 e. .
Caixa com papel amizado a. .
Ditas com eavelopes a. .
Ditas com obreias a.....
Caixa com agulbas fundo dourado
Ditas de ditas ditas a. ....
The* lira para costura a 240 e
Caixa com liana de marca a .
Un.'a de cores em novellos (li-
br?1 a........
Canutis de linha Alexandre de 70
at 200.
Grampos muito finos com passa-
roSj dazia a...... 20(
Cartas portuguezas, duzia a 4540(
Ditas francezas a 20200 e 300(
Pape- almaco e de poso, resma a
35400, 3550 e .
La muito fina para bordar, libra
Fita de algodo para debrum de
sapatos, peca a ? .
Ditas do 13a pira debrum de ves-
tido, peca a .. .. .
Grande sortimentaste
m par de sus
00ris 1!!!!!!
Na Verdade ro*
44.

RAPE I
FABRIfA SA
Aefa'aase i venda este oatltao rap, tnfo ai
*fc snfoHr Wta prffl&A da.LUba,' ,porw
;e mrir agraftafrif ittM -Vijtad, a------
mais raoieo poaaiva); epor fe ton al>
acolbto ws prajas da Bapia, de Rio de
em outras d imperio : so tscriptono di
Jo Gftntalves Mtrac, roa
mero 17.
Bichas ham
flfest tfovd deposito reeW'-se por1 rodo* o? pa
quetes translanticos bichas de qnalidade superior
o vendem se em caixa on porcao mais pequen,
6 mais barato do que em ouira qaalquer parte :
na rn da Cadea do Recjfe n. 51, t* andar.
Vende-se ura buia preto de 30 aonos, robu-
6W to e bonita fiRura, e oM Bio*e>qoe de -n'nKW,T-
2#0W
Kx
S&
w
sot
8t
6
l&M
l*40
4(K
1I50(
20(
24t
70(
48t
4(
28(
50(
28(
m
1GK
*n?tn e mnilo I
na ma d Horts o.
-----------^j-
Cigarros da imperial
fabrica de S. Joao
de Nicberoy.
nico deposito enj.Pernambuco caes da
dega velh'a D..2, Io a,ada.
Travessa do Corpo Santo n. #6.
Os acreditados'cylnd'ros anfericanos para padaria, por doos -^HeMUfi systemas.
Machinas para dascarocar algodSo pelos melhoras fabricantes de New York.
Machmti de vapor syatema de locomotiva e pofia's para as msmH.
Carrinhoa americanos para traapoilar volumes em armazens. Todo por pre-
v pos razoaveis.
!TRAESS1 DOtSRPO ,..rj,
< Joaquim hipes Hachado & t.
I VendR-M nina nartt/f* enjenho Purgajerto,
N. 25
paW a#n!tnra, sit'
se vende on-
Vende-se nina
M grande pfriiWrt
freguezia de Iguara'fei. assifi como
ira parte do engenho Corte de Cima, annexo ao
purgatorio, q*w mnito contera compfar. ambos : a
tratar no Remed* com o Sr. Anonio MnelioCor-
deiro de ftotaao. -, '
3. portas, loia de ftstragett
53-lWa KriU-53
aKa
-------------------------
Farinha de mandioca
ra estreila to Itosai io
Vendem Pora9 & C.
B. 9, junto a igreja.
Cantara de Lisboa
*Wo:
16(
48'.
Soleiras, hombreiras, e pitis, o que ba de
melhor para frentes de predios: vena no ar-
mazem da travessa do Corpo Santo, de Jaqaim
Lopes Hachado & C.
Sal do Assu'
A bordo do palhabote Garbaldi ancorado na
volta do Forte de Mattos : tratar com Tas?o Ir
m3o & C.
Farinha de mandioea
Vende se de superior qualidade, no rscriptorio
de Joaquim Rodrigues Tavnrc- de Mell, larjb do
Corpo Santo n. 17 ou no trapich do Gnlt*, For-
te do Mattos.
Vndese di vera escravos peca viadon 6>s
Cear e do Piauhy, propnos para cnenho : as-
sim como diversos cabrocbas de 12 i 18 atino.
com habilidades e sem ellas o um casal de en-
eraros pardos garautindo-se a conducta : tratar
na ra da Cruz n. 53 e 55, 3" andar.__________
ATTENCAO
-
Vende-so o en^enim Mussayna, livre edfem-
baracado, e Uem como a propriedade Poco pr<-t->
Separada do meFmo engenho : a tratar coi o scu
propietario na ra do Apollo n. 17,1 an4ar.
Haveiido t-helado ni


lima
metida aova
de pocos ffisffifieos,
faz scieiie ao piiblieo
entoeraldesa provin-
cia, & e^?ecialftiente as pssoas que por fal-
ta dos mesmos deixarm de prover-se, que
ja se aefiam a disposicao de todos a' ra
Nova n, 2L onda se dario os esdarecimra-
tos precisos.
I Acaban* W-ttegtr ap (AWDE BAZAH
UNIVERSAL, roa No'va'n.aCAiwinRO
' vrxivNAtib cotnjjfew' sortimento *e' ma-
chinas pata costura, fls autores riis eo-
: niiecidos, as qaaes est3o em etfoi&o nd
' messe Btar, gartrntlhafi-se a stwba o;aa-
lidade, e tambem ensina-se com perfeiCao'
a'Wfld' o compradores. Estas machinas
si iftiaes to sen'frahTho ao de 30 csrj-
reira-diarfaYnetHe, e a sua perfeifo' tW
comft da rriemor esttireira de Pars. Apre
* sentam-se trabalbos ejecutados pelas mes-
mas, que muito deveW-agradar aos pretso-
dntes.
Neste grande eatabeleebMhto, ha para
um cenpleio sortimento de farragem, e miuieas
Pinas. e grossas, como sejam bandjai ekattn
(piadradas e ovaee, facg e garfea de i a bo-
toes, balanco intetro e 1/1 btlanco; paoeUaa,eha-
diversos tamanhoJBiWBPI" Jpy, pesos tihr-
grasamos, tanto Vtfffo AMr de auo, metrea
para medir lazenda tanto de ferro como de lati,
rocar age*; alm da ontroa arfcgoe de lerra-
gem, miadezas entilaras finta, p/w s com a vis-
EogenM veafe
Vende-se o eafealm S. Malhena. moanaj e cor-
ren'.ercottl'fco*ifcfa* c efci perfelle is>. jne
com ita VSta i m r/nhttd m iedaW8fac>)dr
via-ferrea O GHpMkiH. Vtid se per SfcCO,
sendo 8 OOdWW ** e l:0J| em pagamen-
tos de 2:90t) amKMs. s pretndeme potfem
dirig r-?e a roa d Ifrramento n. 19, a tratar com
Lanrenlino Jas M>randa.________ __ _-
Xarope de fetiegoeo de Pinfo
Sem contestar5o oprkneiro xarope contra a
tosse ebronica a recente, inca deposito plianna-
ttga dos Q
*0)nto ao
cia de sen .tutor, na raa aetig dos Quarteis, Boj?
(JUSrtr?' w
na larga do Rosario n.
ff'lira.
GAZ
Vende Joaquim' Jrsc Ramos : na ra da Cnut
nt-8,1* andar.
Candido Alberto So
dr da Motta & 6.
com escriptorio c armaaem na travessa da Madre
de Beo n. 14, tem para vender o seguate :
' Cement PorlUnd de I' i|ualidade, o melhor que
tenrvhidv> ao mercado, bnrrias de 1S a 14 arrn-
I baB po 18*000.
i Vinhos Bordeanx das segamies qualidades :
Si. Julin.
Frortsac.
Lormant.
St. Emilion.
1 Marga as.
i Chateaa de Boycherellc.
St. Lamben.
Lalonbere.
Dnplessie.
Cnuor.
Dearsesai;
Vinho do Porto de qnalidade-mwio especial.
Aile doee refinado em caixas de 12 garrafas.
Fumos de todas' as qnalidade?, se encontrar
neste estabelecimento em latas, rolos e fardos.
Papel de todas as qualidades proprios para ci-1
' de' primeira qualidade; qaal se vende em p,
Vende Joaquim Jos
n. 9, andar.
Ramos : na ra da Crux
AVB
Em oasa de Milis LaJanm IfcC, ra da- Cruz n.
38. ventlem-se foll\a*de ierrogalvaslsaSao.
m GAZ (iAZ
No en|
rezes vent
enho S. Francisco da Varzea ha
br-se para o aijougne:
10
Cnegon ao antigo deposito de He*rv Porster &
roa- do Imperador, um oarregamento de* ru
qualidade; o qual se vende em parda
e a'retalho por menos preco do qe em ontr qual-
qner parte.
6 0RA DA IMPERATRIZ6 0
J^^L- -^^^w..^^-9^.^m^.mm..BB. <^ i. wai. -^amL^r-^ -^"- ^r^^ ... ... ..,.., ... ,ia nrimpira np.(*p. rfp i tas as de primeira necessidade que se lhes promette vender por precos muito mah baratos do que
Neste grande estabelecmeoto encontrara o respeitavel publ.co, um grande sortimento duendas, do mais apurado goslo J ^? ^ apenas a gaDbarem 2 descont. As pessoas que neg^Sa em menor eaoalla, nesta foja
em ouira qualqner parte. v,sto que os novos socios desta Orina adoptaran o systema de s veunderem a laiJII 1 O; para poder em van der pelo ^1j;n^da8,"Se do os-livros das amestras, ou Ve- mandam levar ^m'soas casas, para meftor ri-
e arnuzem poderao fazer os seos sorlimentos pelos mesmos precos que comprara as casas estrangeiras. Paramaior commodidade das Eimas. familias, ae toaas as tai* p i
*,ere,n eSC0,hCT- AWAS NOVIDADfiS EM SEDAS I
Caaabraia snlssa
COM 8 PALMOS E LARGURA A 1:600,
2:000 c? 2:369 K&
C'iegarara as finissimas cambraias suissas
traripar-ntes, sendo o que ha de mais fino
par3 vestidos e vende-se pelo barato preco
de i#303, 2O0O-e 2#5O0 o metro, tendo
taraban) das mssma, porm ioglezas com
araesnia largura qae se vendem a 1)50(0,
e I;*280o metro, sendoapenas precisos des-
ta Icigaf-azeuda para se fazer um vestido
4 ou i-i/ metros, pechinclia,
SAIAS BORDADAS
Vende-se um bouite sortimento de saias
bordadas com 4 paniios, assim como ditas
j proroptaSj de lasinha, enesgadas com
bf.uii.is- barras bordadas a la por presos
muito em conla.
PANN ) PARA SAIAS A 10000, I #280 e
.| Vende-se bonitas fazeridas proprias para
saias sendo com bordados e pregas a urp
lado, dando a largura da fazenda o compri-
m nin da saia e vende-se pelo barato preso
de I591K), 4(5280 a !5f00, cada metro sen-
do preciso apenas ou 3 t/- metros para
cada saia pecliinoha.
crolarluhoN.
Vende-se um bonito sortimento de cola>
ririh)s tanto do lnrio edmo de algodo pro
prio para Itomem, assim como tambem um
bonito sorlimanto oi mismos para meninos
e enboraa c todo3 vndem-se por prepo
mirto harato.
GH \LR9 OE '.MOyAMBlQUB A 1:280 RS.
Vende-se orna rande quantidade de^ha
es de mocjimbiqae, com padroos escossezes,
sendo nuito grandes e levesinbos pelo ba-
rat. preco de ft3. flada dm grande
p-ichinetia por se ter feito urna grande
compra-.
Punnos e aeoalras pret*.
O Prvao tertde grande poroao de pannos
pretoa do mais balito at o ibais flho, por
proco que admira, assim 30mo um grat.de
s^riento de casemrra pivtas para calcas
que te vent por ^Mp miis barato do q
tan ontra quilquer parte.
GO^GWXO PRSTO.
Vende-rt o todltar |a|ur3o de, s^t
preta para coMeie8 o vesitdbs, Sendo neafe
Mncroo melhar ^ne viodo o mercado,
nuis biratodoqoe emootra qaalquer parte.
restftEos laraae* a lt*000 ra.
O Cava. veade Inisaimoa cries de ves
f.jos de cambrai ament bord-
m e c^m m^uflH^^Blliarato preio
de I2-5J00 rs. cada um, pechioclia.
CVSEMIRAS ESC0SSE7.AS.
O Pavoaem Iwni'as casemiras escosse-
zas com quadros grados e miados e outras
lisas cora listras ao lado, sendo fazondo
muito lina que se vende mais barato, por
haver grande porco.
GANGAS D2 L1N1IO.
Vende-se ganga de linho cora qoadrinbss
muito boa f.izindi para roupas de bomens
o meninos pelo baratD prego de 000 rs. o
covado.
PECHINCHA EM PANNO PRETO A 2#i00,
0 Pa>5o vende superior pjnnopreio fino
para palito'.s, calcas cohetes etc., pelo ba-
ralissimo pre?o de 2(5'i'X) o covado.
CORTES DE CASE VtlKA PRETA A 4:oO0,
O Pavo tem os superiores coates de ca-
semiraspretasenfeitalas"polo barato preco
do 40500 rs. o cort,
PEQAS DE MADAPOLO A3B00..
O Pavo vende pessas do muito bom
madapolo, tendo 12 jardas cada urna, pelo
barato prego de 3500.
PSCJBNCHA M ALGOPAO A 4*000 US.
OPjvo est vendando picas do algodo-
smho francez; tendo 4 palmos de largura e
com 11 metros cada psva, pelo baraju pra-
do aflOOO. ra.________
CAMaMUm-VlMBa
s'. 9 Pavjj v,;n fe fiWSS de
brano traiKfuraatft, MAOSlis
Isrgun, com 1( jardas etda pe?,
que aampre se v#cd#H a.7.c tJ^^fiO- Uq/ii-
da-se'pelo barat.prefo e 4HXIQ.
ALCAS BRILLANTES A iWU8 *m H*v
O falo tem o maia, Iriallu a>jrtimaio de
alpaca la.radai, cora a cores mais deli-
cadas que tem viudo ao werctda e Khi4q
bastante largor i, \-erjdam-sc pe) barato
pncode IflOOO e 800 rs. o covado.
Com palma de seda a fAQQQi
Para o Pavo ciiegou ora rico atiftiioan-
:o djs mais bonitas lasinlias cpm palmas
de sida toado de'todas aa cores e pidrSea,
senda faMOda bastante larga e vende-se a
1^00$ o covado.
R4upL para es ara vas, *
0 Pavo ftida un boait Mrmitto da
roupas para ecraj[H|i -1_
M POITPELIXAf M PAVAO 4*a0 H3w
Ctogaram as mais linda jpeiiiis a;
aa cea irnUapo da ooupeAm de#d, na
tazerak Bsaa lave, eaaa as tai 1 ataaa
Tes, sen*ot ByrioaMnzentrj; pm*oa etc. etc., e vende-j
CRSGllE'S PARA CABfflRAS E SOFiS. I
O PaaSo tem um grande sortimento dos! Chegu um grande sertkaento das mais
mais bonitos crocitas pana cadeiras, sotas imoderaas poupelinw o gorguro de so
mesas, almofadas etc., proprios para co-|e linho com os mais elegantes padrees qae
brir presntese vende-se mais bs33#o do
que era. outra qoaiquer parle.
Algodo emtestad.
Vende-se urna grande porco do agedo
sinti americano com 8- palmos de largura,
proprio. para lenccs etoalbas, toado, liso e
trancado, que se vende por preco mnito em
conta,
PANNO DE UNHO.
Ciiegou um sortimento de pe? de pan-
no de linho do Portoy qua se vandem de
700 rs. at 1^800 a vara, gatanttndo-so
que em fazenda de Trabo nao lia-nada melhor
era mais proprio para lancees e toalhas.
PECHINCHA EM CIUPEOS D SOL.
Cbegou um grande sortimeeto dos me-
Ihores eliapos d sol de seda, inglczes
sendo neste artigo omeblor qae tem vindo
ao mercado, assim pmo nma grande por-
gan de ditos de alpacas de todas as cores
e todos se vendem por preeos muito ra-
zoaveis por haver grande poroao.
OS BALOES DO PAVO A 30000,
Ciiegou um grande sortimento de bal5es
M||MMHIIBjtmuUo
r Twtwws rnesgados, me se
to^dtjnMasjlitiMl WM % 2#*s.
oaiiam, gaw4a,|criincha.
CR^ONE^l^TUSAlj^ ^A^ VESTIDOfc^ 6i0
Para a V^.v^p chegarlmibs mais hjptos
cr^ones esc,uxqs matizados, proprios ara
vetfdos, roupSo, '"hambres etc. |f| se
vendem d 800 rs. o ovad,, assim cqpo o
mesma (wend cqw pairan carr^ pno|rios
para vestidos a roupas da manios a 640
rs. o covado, sondo os padreas mais, mo-
dernos que tero rindo aa mofeado".
OSSETrkSPOPAW^'
Vende-se aa mais bonitos spjtas tfo jpres
e mais aasorpados, proprios para vestidos
ten.de de diversas coras.
FAZENDAS P4RA LUTO NA 10JA
Eocontra raspaiiayal pwbfico f.
table^injeq-o ajn grande .sorlimentol
lefia* netas, cpmo ssjim cassas '
xas e.iMtayas,.jdtas pretas de
qualidades, fazeadas da ^a de Jodiirque
tem viado, proprtw^ara lulo, fieftdo masi-
mbaa aipaeaa tavraas lisas, catato, lom-
basmas, merinos, etc. qoe todo se s^nde
tem vmdo a este mereado: sendo miadas
e gradas. lano em cortes para vestidos
como fkia vender eteovados, assim coo
om bonito sortimento das mais bonitas- se-
das liatradas, que so vende tudo moho
em coeta.
Merino le eordSo.
Vaade-se merino preto de cordo, pro-
prios. para caifas, palitots e colletes,. pelo
baratissima proco de *r>000 o covado.
GRBNES COM. 10 PAtMOS DE LAUGORA A
om R&-
> Pav5o tem urna aova remessa aa mui-
to acreditada cretooe, propr'ta para lences
tesdo 10 palmos do tagura, dando na lar-
gtwa o comprimen* do lencol e v*nde-se
pelo barato preco- de 241000 o meiao, sendo
pseciso apenas pora um loocol ud metro e
sma quarta ou. metro e meto.
Chapeos a 4:9000.
Chapeos a 10080,
Cbapos a 10000.
S o Pa vende borulos hapos de
todas as cores pira homens e meninos, com
a forma mais moderna que- Jumamente
tem clwgado, pelo barato preo de liOOO,
cada um, por terem chegado com um pe-
queo toque do a varia, grande pecbincba.
PECH1MCHA
EM C\MISAS DO PAVO A 4^00 RS.
Vende-se um bonito sortimento de muito
finas e modernas camisas ingleza, com poi
lo coliarin,bos d* l|olw a puahos, pe,|o
baratissimb prego da 4/SoOO rs. cada urna
e aos freguezes que comprarem duzias se
[be far um abatimento, garautindo-se que
fazenda que val* muilo mais dmfaeiro,
liquidarse por fist prepo por 50 |^r eito
urna grande compra: assim como so vende
um bonite sortiipantQ de ditas tampenicom
peilo de linbo bordadas e ditas de algodo
tara todos os procos.
O Pa>^p yende superior bramame de al-
godao teAdp 10 palmos'fy largura, cuja lar
gura d* para o campriraeuto do lsacol. do a largura d'esta boa fazenda
pendo preciso para cada um, senio cama do
afiMoko 1 /i o para casal i 1/2 metro, a
pechincha.
Grosdenaplas.
Sedas pretas lavradas.
Fazendis- pretas de la.
Para t) Pavo cbegou am grande sorti-
mento de grosdenaples pretos de pura se,da
que so vendem de 10500 rs. o covado at
50 o 60000 ; sedas pretas- lavradas- de dif-
ferentcs prcos e qualidades, l-isinhas pre-
tas, alpacas bombasinao^ cantdes e*c. etc.
assim coao um grande- sortimento de pan-
nos pretos finos e casemiras pretas de todos
os pregone qualidades que se vende'mnito
mais barato do que em outra (jualquer
parte.
NOVAS WUPELINASA400 RS, 0>COVAD0
0 Pavo vendo um grande sortimento
das mais bonitas poiipelinas co lislrinhas
de toctos as cores c com lustre imilaco
de seda, facilitando esta bonita fazenda a
fazer-se um bom vestid> de murta fantasa
por pooco dinheiro. isto por ter-se feko
urna grande compra e vende-se a 400 rs.
o covado.
aOUPAS PARA HOMSNS PARA TODOS
OS PRECOS.
N'este grande estabelicimesto encontrar
o respeilavel puslico um grasde soriimento
de roupas, sendo palitos a sobsecasacos de
panno preto e eazemira, calpas e colotes de
erira branco e- decores, qjue tudo se vende
mais barato do que em ouira qnalquer parte ;
assim como um grande soriimento de ca-
rnizas francezas inglesas, e ceroulas taaso
de linbo como de algodo e abundante sor*
timento de meias croas.
Roupa por medida.
Na loja do Pavao manda-se fdzer quarquor
peca de obra a voniade do freguez, para o
que lera om perito alfaiate, responsabelfean-
do-se os donos do estabeciraento por qual-
qoer aHa qqe possa haver, quer por de-
mora, qner por cpialquer defelto na obra;
o para isto oocpptfa o respeilavel publico
um grande sortri^ento de todas as fazendas
que desejar.
BRAMANTE A **>.
Vande-sa superior bramante com 10 pal-
mos d largura, proprio.para lenges, dan- o, tt)0 e 1#00 rs. o covado.
o compri*
ment do lencol, sendo preciso para .cada
um apenas 1 e 1/i melles ou i e 1/4 pe-
chincha pelo proco-
ALPACA* LAVRADAS A 8iOr 800 E
1,000 RES.
Chegoa para este grande eslabelieimento
o mais boeito sortimento das- mais moder-
nas alpaoas lavradas de todas as cores, qoe
se vende a 10, 800 e 640>reis o covado,
assim como um grande soriimento de alpa-
cas lizas-di todas as cores
ELEZ1AS E BREIAUHAS-
Vendem-se as mais finas celezias de
linho puro ou pessas cora 2frmetros, assim
como, iuissiraas bretanho6 de linho com
25 varas-, por presos que fazera admirar
em relacyo qualidade.
Basquinas.
Cbegarib as mais modernas basquinas
ou jquetinbas (le seda preta, ricamente
enfeadas a vidrilbo, traa?a- o selim preto
leode de todos os modeos, os mais noyes
que tora chegado e vendem-se por procos
muito. razoaveis.
ORGANDY CO SALPICO.
Clk'garam os mais ricos orgaodys da co
res com salpicos o mais bonita que tem
viado para vestido, qae so vende a 10280,
o mevro, ditos brancos muito Iros com.
tosas largas a 10000,
Cambraia brancas
Vende-se um grande sortimento das me-
mores cajnbraias tanto victorias como trans-
parentes tendo de 8105OO i peca at a igais.
fina que vem ao mercado.
ESPARTltUOS A 5*000.
Ven4e-se un bonito gort;mento dos ma-
lhores e mais modernos espartilhos tesdo
do barato preeo de 50000 at 8000.
CHITAS FINAS DE 310 A 100 US.
Vende se o mais elegante sortiroesto das
mais modernas e bonitas chitas tanto mia-
das como gradas, com cores aras e es-
coras, daadVse de tsdas amostras.
FusrOes bbanoos a m aqo k Mo.
Vaode-se mnito bonUos fasles .braooa,
mmtoJeiivai proprios para vestidos da
Moras e roupa para mentoos e vendaba
ipelo terfisnio preco 6,et0,r&. o covado. pqr jww jarato.
A teja do Tato MU titnmtntmm* tfberta, das 6 horas 4a manhy. s 9 da spute^
Casaaa a i#f Jrs.
& Pavo est *eaddo booitaa eassas He
este WM'W W *****
*.
L
j
l_r


V
Diario de Pernambuco Ter,* [eir 5 de Abril de 1870.

.-
tir
BENTO MACHADO ft C,
A AGUIA NEGRA aromada coa o bora accoRiimeato que leve em seus annnn-
dos, vem novo participar a seus freguezes que, acaba de receber um variado sorti-
eato de objectos de gosto os qnaes serSo vendidos por precos multo razo**erS, pois
guando fea os seas primeiros aaaucios, foi o que assegoron, e sem mdo de errar,
porque como ji disse osU interesses ligada a urna casi iilpottadoradesla praca, e
por isso'poder ler lado especial vender por preeos admnwreis.Chama pois a atten-
coo de seas fregueses {tara os arltgos possa descrever: .
Livros com o lampo de maiiim, .nadie- Um variado sortiewnU .de ehatuteiras e
twAt e tartaruga, proprios para missa. 'parilteirs- Garafiohas vazias propria* para presentes
totaa de gosto.
Indispensaveis de paltana e de couro pro-
?no8 para senhoras e atenina* trazer nos
traaos.
Binculos da madreperola, raarim e tar-
umba todos esmaltados.
Ciatos largos de setim, cousa inteiramen-
* nova.
Tentos para voltarete.
^engallas commarfim, cousa especial.
Sabonetas do alcatro.
Cofres de foRras pira dinheire.
Lindas caixas para costura.
Um completo sortimento de lavas de pe-
lica,
Fitas de sarja de todas as ores e largo-! *algrce para bordar.
para laeos. Um completo sortimento de enfeites de
Toncas, sapatinhos meias do seda e mais seda para vestido,
erteaces para baptisados. Perfumaras de todos os autores os mais
Fitas com inscripcoes propnas para bou- tcredilados em oxtractos, pomadas e leos
Ricos vasos com p do arroz. possivel mencionar ; mas com a vista se
Um Taado sortimento de jarros de por- certificard do sortimento dese estabele-
!ma. cimento.
Aguia Negra, ra do Ca'biig n. 8.
1*
VI'

S'S 5"
i
* BS's
I*32-P
a S-b s "i
a-!? d&
B. N CU 03 a 03

FAZENOAS PAJA A QARESMA
LOJA DO TRIUMPHO
S COLLAR DE OH
N.3AMD0CAIMN.3A.
um
a
O
O
es
es
7=Rua do Queimado7
DE
A k BASTOS.
Gbegou pelo ultimo vapor da Europa o mais bello sortimento de fazendas preta
aoao sejain :
Grosdenaples pretos de todas as larguras e qualidades.
Gorguro preto para vestidos, o qoe tem vindo de mtiis superior nesta fazenda.
Requin da China, de seda pura preto com listras de setim o que ba de mais moderno
cm fazenda preta para vestidos..
Mantilhas brasileir as de renda de sedi preta o que tem vindo de mais moderno a
ste mercado.


Meterniques de croch preto com.ricos lacos de setim e de modello compl&taroonte
novo.
Casacos de croch pretos, conipridosoom grande roda e de regaco que finge segunda
sm sobre o vestido.
Ricas mantas pretas para absea do senhoras.
' Un grande soriiuiento de fil preto do seda com floris, oeste mesmo estabeleci-
Mkuta tamben ha um grande soi tmenlo de poupelinas de ricos gostos, sedas lisas de
lulas cores, sala* bordadas, finas para seohoras, iuvas.de Jouvin de todas as cores
jiara bomens e senboras, grande sw timento de cortinados bordados para cama e jant-llas,
tapetes para sof, camas, panos, janellas, e grande sortimento das afamadas esleirs
da India para forrar salas, s existe na ra do (Jneimado n. 7.
Loja do Triumpho.
INJECTION BRO
P
Com ste titulo acha-se aberto e inteiramente transformado este antigo
eslabelecimento de joias, onde os freguezes e amigos encontrarlo todo qnaoto
a moda e o bom goetotetn inventado na arte de ourtvesaria, o Collar de Oaro
observar delicadeza no trato e senciridade e modecidade nos preces.
Espera que o reapeitavel publico venta ver o que existe de melhor em
aderocoe de brilbaBtee, smeraMas, robins e peroles, meios aderecos, pul-
ceiras, brincos, Mioetes anneis de todas as qualidades, prata de lei l'aquei-
ros, colbwes, palHelros salvas e outros muitos objectos que seria enfadonbo
mencionar.
Compra-so ouro, prata, brilbantes e pedra6 finas, pormaior preco do
qu em outra qualquer parte, treca-se eeoncerta-se lodo e qoalqner objecto
portencente a esta arte.
Cbqgou a lo*a de Paredes Porip, a ra da Imperatriz n. %%, (Portsf Larg) um bo-
nito sortimento de AoaUa&de linho paca mesa, assin como os competentes guardanapos
que se veadem a prego baixo.
PAREBES PORTO ende ,lasinhas a 240 ,o covado, fazenda de 500 re, para acbar
na ra da Imperatriz n. .52. '.
PAREDES PORIO vende algodo com pequeo toqoe de alaria a 3I500 e 4^000,
a peca, ra da Impenstast a. JU-
PA RED ES PORTO vende chita poeta .pira luto a i0 ts- o covado na roa da Inv
perateiz a. 32. Porta larga.
Venderse chalen fneo de merino a *0 fazenda -superior, na ra da Imperatriz.
PAREDES PORTO veode meias para aetfrora* a I500 a duzia prtr ter um peque-
o mofo, na ra da Imperattiz n. 32 porta larga.
PAREDES PORTO vende cortes de calca de casemira preta a 30500 e 4*000.
PAREDES PORTO teta para vender panno preto superior e caserntras de cores e
pretas que vende por orcos commodos.
CHALES, GRANDE PECHfNCHA.
Chegou a loja da ra Imperatriz n. 52 de Paredes Porto
ocales chinezes fazendas muito boas para aenhoras trazerem
por 5f>000, eslo acabndole na .
3 eordeiro previdenti
- aman ak 4|nrloado n. l.
Nevo e variado sortimento de perfuma/i
finas, e outros objectos.
Alrn de completo sortimento de perh
awrias, de que effectivaanente esl provid
loja do Coi deiro Providente, ella acaba c
receber um outro sortimento que se ton
aotavel pela variedade de objectos, superior
iade, qualidades e commodidades de prt
o; assiiHjpois^CordeiroPrevidenteped
i espera continuar a merecer a apreciaci
do reapeitavel publico era geral e de so
boa freguezia em particular, nao se afai
lando elle de sua bem conhecida mansidi
e barateza. Em dita loja encontrario *
precadoren do bom:
Agua divina de E. Ceudray.
Dita verdadeira de Murray & Lamman.
Dita e Cologne ingieza, americana, frai
oeza, todas dos melhores e mais acreditad(
fabricantes.
Qita de flor de taraageiraa.
Dita das Alpes, e vilete para loilet.
Elixir odont?lgico para conservacSo 4
asseio-da bocea.
Cosmetiques de superior qnalidade e cba
-ros agradaveis.
Copos e latas, maiores e menores, ees
pateada fina para cabello.
Frascos com dita japoneza, transparente
i oatras qualidades.
Fios extractos inglezes, americanos
rancezes em frasco* simples e enfeitados.
Essencia imperial do fino e agrada ve 1 ch
ro de Tioleta.
Outras concentradas e de enebros igual
mente finas e agradaveis.
Oleo pbilocome verdadeiro.
Extracto d'oieo de superior qualidadi
om escolhidos cheiros, em frascos de diflt
rentes tamaibos.
Sabonetes em barras, maiores e menor*
para mos.
Ditos transparentes, redondos e em flg
ras de meninos.
Ditos muito finos em caixinha para barb.
Caixjnhas com bonitos sabonetes imitan
(rucias.
Ditas de madeira invernisada contendo t
aas perfumaras, muito propnas para prt
lentes.
Ditas de papelab igualmente bonitas, tai
'iem de perfumaras finas.
Bonitos vasos de metal coloridos, e
moldes novos e elegantes, com p de arn
e boneca.
Opiata ingieza e franceza para dentes.
Pos de camphora e outras different*
qualidades tambem para dentes.
Tnico oriental de Kemp.
Alada mais ceqae.
Um outro sortimento de coques de u
vos e bonitos moldes com filete de vidrilhi
e alguna d'elles ornados de flores e fita
astio todos expostos apreciaco de que
os pretenda comprar.
GOLLINHAS EPNHOS BORDADOS.
Obras de muito gasto e perfeicSo.
MrelBs e fltsw piara cintos.
Bello e variado sortimento de taes obji i
toa, ficando a boa escolba ao gosto do coi
orador.
Grande reanio!...
# GimjpoS da tm do Imperador n. 28 avisa ao
rojpeitavel publico e epecialment* aos sens nu-
meraos ftegutzes que em vista da escar-sez de
j peixe frasco no mercado desta provincia, conse
guio fazer em sea armezem urna grande reuma.
de penes de diversas qualidades e preparado de
differenles maneiras a saber : em sahnuura, em
jno|ho o em azeite, das seguimos qualidades : sar-
diubas, cavalliooas, hareoques, cavadas, govas,
chernes, savel, pescada besugo, chicharro, tainbas
congro, salmn, lagosta, etc., etc., etc.
A elle I t
A elle 11
No armazem do Campos.
1 .......

um bonito sortimento de
em casa, est vendendo
, tbwluUBuoauB>u<|ueouutMBBnkuniUt. Vende*
. (Mfr t fcirtwiMi a it. (Mii 4 i
. m.
Loja do Leo.
Vendeni-se duas boas escravas, sendo urna
boa bezjnueira e sem vioio nem achaque, engnm-
ma liso, bonita figura, outra mestra quitandeira,
doceira, faz todo o servico de urna casa, muito
fiel, um mulainho de 13 arino-, um moleque de
18 anuos : na travesa do Car o n. 1.
5;000
A ra Nova n.' 60 vendem-se botinas
para senhora a 3000 o par : a ellas em
quanto nao se acabam.
ESCflAVfti FBSMOS.
Acha-se (era da casa e sua senhora desde
dra 3 de fafKire jrofitn pade, o eseravn For-
tunato, oom i2 aaoos de idad, e ionio, e.-tatura
regular, cor Jd reforjado, en algumas arcas d
becbigas "ura" pouco apagadas no rosto, dentes
bous, dedos grossos s romhuUs. .-oni certa cousa
no fallar que bem se nio pode definir, e aeguodo
parece, com faltas de cabello na catee* e sen
barba aiguma. Indo com cargas de assucar 4
engenh) QaDeeicjn do iluribeca para o lUx-.ife,
apartou-se da comboy para ir a casa de un sea
padrinho, Ji ao de Barros Nelto, com eMalweci-
mento de concertar e afinar piano*, na roa da Im-
peratriz n. 47, desapiiarecMO desde eotio : re-
comraenda-fe a t-ua captura, e ^ronekle^se boa
recompensa a quem o levar a dito eagenho C *-
reicio ou delle dtr noticia ao Sr. Manoel Eleute-
terio do flego Barros, na rea do Ateerira n. 30;
proleaUndo-se q-e e proaeder crinriHalmente
csnlra quem o ver acnu'ade.
Anda togido denle 16 do fovereiro prxi-
mo passado o escrawo Joao, preto, oMMurt baixa,
t do picado de bexigas pelo amo e falla de den-
tes : evou vestido camisa t>ranca, c levan mais
ontra de riscado de Untas. Quem o pegar tove-o.a
praca da tadj-pendeneia loja de Porto Basto?,
que ser recompen-ado.
150^000
Fugio do ennenho bom-iardim, frrguezia da Es-
cada, o preto Mantel, ida Je 30 anuos, pouco mai -.
ou menos, estatura regular, espiga do, capellas fi-
na, ps pequeos, pouea barba, muite fallante,
tem falta de um periaeo da ama das oreihas d > la.-
do de cima, anda senpre com o chap tombao>
para esse lado para encubrir a /alia do i>edaco da
dita orelha, deve estar aeoutadn em um lugar cha-
mado Toca da Paca, em confms da Erada e Boni-
to, em um lugar quasi diserto, com wna cr oula
forra, preU, gvrda, e nariz chato, eom quem o
mesmo preto fugio, descocCa-se e.-lar no lugar
aeima por dita negra ter ahi m irmio ; rogase
portanto as autoridades policiaes e aos sniores
capiles de campo a captura de dito escravo, e -
conduzam ao dito rngenLo cima, ou a entregar
no Becife aos Srs. Rodrigues Almeida 4 C. ra
estreita do Rosario n. 47 ao voltar para o pata
do Carmo, que ser recompensado com a quantia
de vm
Ausentou-se a peno de dous mezes de cas;
de seu seobor a escrava preta fula de neme Ufara,
com perto de SO aonos de idade, alta,gorda, mui-
to reg-isla, foi escrava do Sr. Dr. Amaro, eonstt
que anda tiesta cidade e tera sido Tista no bairro
da Boa-vista e em S. Jos com tabolflro na ta-
bea : quem a apprebender e delta poder dar no-
ticia exacta, dirija se ao paleo de S. Pedro n. 11,
quesera gratificado.________^___________
Fugio do engenbo Cmara ibe na freguexia
Se Serinhicm pertencentes a Gaspar Mauricio
Wanderley os esoravoe seguinles : Samuel crion-
lo baixo. grooo, nariz chato, diz ser da Costa por
ter sido comprado pequeo, Joao Caboculo de ida-
de trinta e tantos annos, ps chatos, ventas arre-
hitadas, estatura baixa, cor feixada, pouca barba
e esta na pona do queixo, Felippe mulato de ida-
de de 16 anuos pouco mais ou menos, baixo, gros-
se, sem defeito algum, leve bixos em pequeo, po-
rm pouco apparece; j>or isso pede se as autori-
dades policiaes e capules de camp a captura dos
mesmns e lvalos no mesmo engenho ou na rea
da Ueeda ti. 5, 8" andar escriptorio de Manoel Al-
ves forren a 4 t. que serlo .gratificados.
Fugio no dia z6dc Jxerriro, pela i" vez, a
escrava crioula de nome Belizaria que repaesenta
ter 40 annos, estatura baixa, com grande falta de
dentes e com nma sicatrlz de queimadura no bra-
co direito. tendo levado dous chales, sendo un
verdee outro listado de azul etirancj; quera
a capturar^ sirva-se leva la a Pjntc de Ucha
sitio de Joao Jos Rodrigues Mendos, ou a ra
da Madre de Dos n. 28, ,que ser generosamente
recompensado.
Fugio do engenho Mittheciis, da comarca de
Santo Anlao, no da 20 e junhc do arme passadn,
o escravo de nome Francelmo, representa ter 35
annos de idade, com os signaes seguimos cor
preta, baixo, corpo reforado, cara larga, bastante
barbado, olhos pequeos, narii-murto fl'ado, Boc-
ea regulaf, denles curtos. wados, mullo prosis-
ta e andar apressado ; cotMta andar nulos sober-
bios da cidade de (fluida, engenho Eraguso, Carn-
ea, Beberibe ou Apipueos, acontado por Joaquina
Jos de Sert'Anna, seu irmao liberto, o quallem
em sua companhia nma atx eb e tilhos da mes-
ma, o por outro irmade nome Jos Bugoia, qu#
o conduxtra para os JnfBras cima nndicado?,
alem de um outro socio de nome Jos Zacnanas
da Silva, conhecido por fos Paje, pr ter vmdo
daquella enmarca. Hega-se i autoridades e ca-
pitaes de campo que o appreheodaro e o leven ,.
ra do Rangel n. 17, ou no engenho Minhocas, a
entregar a seu senhor Joio Correia de Qoeiroz
Monteiro, que serlo genprwamente gratifirad'.
Benedicto, mulato, com idade de trinta e
tantos annos, ji vai pintando, tem ac boca peque
na, cabellos quasi bons, altura regular grossn,
bem barbado, tem faltas de dentes. tem no rosto
uns panos pretos. e no braco direito urna cicatriz,
consta que este mulato est eom o nome mudado
para Joao, e tem andado entre ierras do Fragoso e
cidade deOlinoa tralulhando e pastorando gados :
roga-sea autoridades oa particulares a captura
de-te. escravo ; fazendo entrega ao Sr. Manoel Ca-
valcanti de Albuquerque Gadclha, morador em
Nova Cruz (antiga Mara Farinha), termo do Igna
rass.que ser bem reeoApansado o sea Irabimc.
2.
DOS PUEMIOS DA 4. PAUTE DA LOTERA CONCEDIDA POR LEI PROVINCIAL N. 93, A BENEFICIO DA IGREJA DE SANTO AMARO DAS SALINAS, EXTRiHIDA EM 4 DE ABRIL DE 1870.
NS^PREMS. i\S.
V
h
2 64
5 r
7
13
1
Jl
%

m
M
U
36
38
41
0
M
51
n
m
87
n
M
W
99
m
16
17
11
4
37
41
44
88
M
88
* *M
H ~i
N -

PBEMS. SN. PREMS. NS. PREMS. Wk PREMS. NS. PREMS. NS. PBEMS. W. P8KM5. f. PBK118, M- PREMS. NS. FUUIS. >S. PREMS. KS. PREMS. N8. PREMS. NS. PREMS. NS. PREMS. NS. PREMS. NS. PREMS. M. PREMS.INS. PREMS
198
99
J09
13
18
19
28
34
36
40
4C
48
64
66
9
86
302
6
6
9
14
19
20
11
30
3t
33
40
52
n
86
60
1
63
65
86
67
73
78
64

104
M
_

380
87
91
94
96
97
99
400
4

i
22
27
29
30
32
41
43
47
48
86
51
58
59
61
I 64
ro
73
83
88
W
802
7
12
14
19
21
K
31
32
34
40 -
C*
n
1450
.60
63
6*
68
72
11
78
8
91
92
97
4500
' .2
6
-


IMI
-1
- W -
fi
^43
77
,78
87
92
93
160
i
10
l\
15
1
20
9*7
36
*6
-37
38
43
46
).
61
73
77
79
1688
6/
1
Jl
20*
H
i
1
i-
-r
39 -
90
91
92
93
97
1700
3
;w
42
17
19
32
n
28
29
31
34
40
44
62
54

M
J-
- 4
88
70
72
73
75
7'.)
82
03
4
97
1881
-2
*)
43
84
SI
3
15
401
64
10*
68
1836
40
47
62
83
69
43
85
8
,71
.74
75
77

87
6*
96
87
1900
*
3
13
44
17
20
23
24
.26
28
.33
36
42
43
60
66
66
64
69
71
79
85
408
mt
66
1
I -
86
89
96
2013
K
'39
46
60
83
53
57
86
-64
63
.'.67
88
75
81
85
93
94
2
98
2120
,13
26
37
,43,
,43
45
6*
56
60
75
79
80
t

20
66
2201
2
6
7
11
22
25
31
<<04
85
87
97
i98
9
106
42
49
50
53
64
57
63
76
76
77
80
82
83
86
87
91
92
2300
2
4
7
r!
12
44
.84
38
38
41
,48
64
88
61
64
6
10|
66
I I
-8401 -
64
f
2366
70
71
72
76
80
81
84
86
87
82
9o
64
.*
6
12
45
13
25
30
31
37
40
41
42
47
51
55
66
64
66
70
71
78
73
36
83
83
.88
'W
2500
3
1 42
166
06
66
O* J60J
S 4
206
66
13
15
0
29
30
39
41
43
46
49
50
51
58
62
71
78
80
86
64
10*
(8*
-
8
9
23
24
27
32
35
38
42
43
51
52
57
63
64
67
77
84
89
90
2701
fu.
_
Ti
T
2710
15
22
26
*86
38
39
46
47
50
54
9
68
69
74
75
78
85
89
91
93
86
88
99
2802
4
7
13
16
17
19
23
24
27
.29
35
- 36
38
47
i,"
60
67
69
64
106
20*
66
870
. 78
89
90
94
2919
21
27
43
46
50
66
65"
67
70
71
7.4
79
81
84
87
88
87
99
3004
8
48
20
22

33
36
37
45
52
54
56
62
63
6o
78
79
106
64


8
M^iSff^^^ir fer i hkAWd*JM-
nrr
MW M
ORACO BECITADA MW> RV*. CONEGO DR.
KONTE <^KM,EI.LO, POa QfibASlAO DOS KESn
TEJOS PELA TERMINADO DA GUERRA, NO
""10 DE JANEIRO.
JW te, Domint, speravi, non ron-
fundir in x!*rnvm! (Psalmo :J0,2).
Senhor)Estas palavras que remalum o
i'antico pomposo, sublime, inimitavcl, que
repercute ainda as abobadas desle augusto
.santuario: eslas palavras que assaz de-
monstran) os piedsos sentimentos do que
se acbavam possuidos os dous Ilustres gc-J
nios que as pronunciaran!: estas patavris
proferidas pe) psalraista quando ameeado
pela astucia de um inimigo caprichoso que
jurara a soa perda: sao as mesmas com
que a mais aben^ada das nacoes modernas
manifesta o seu profundo reconhecimento
ao Deas tres vezes santo, que t3o vsivel-
mente a defende e felicita.
Sim, Brasileiros, mens charos compatrio-
tas, meus dignos irmaos em Jess Chrislo !
Es-nos chegados ao instante t3o ardenle-
roente desejado de proslrarmo-nos anle os
altares do Deus dos exercitos, d'Aquelle
que tem em snas m3os os destinos do mun-
. do, e de exclamamos com Ambrosio, com
Atfostioho, e com David: Senhor! K' de
*s que recebemos estes bens I Nossos li-
Ins, nossos irmaos, nossos amigos, todas
essas legioes de bravos, que voltam trium-
phantes a seus lares, so por vos nos sao
restituidos ; e tudo isto prova exhubeante-
menle o quanto a ertam aqoelles que em
vos depositan) todas "as suas esperanzas,
v te, JDomim, speravi, non confundar in
ivtermim.
E de que outro ponto pode vir-nos-, S-
nior, os assignalados favores que tanto nos
destnguera ? Quera, senao Vos', o principio
dos bens ineffaveis, que 13o prodigiosamente
nos enriquecen) ?
K, pois, m \5o se engrossariara as filei-
ras dos intrpidos combatentes ; em v3o se
multiplicariam as mortferas machinas de
guerra ; em vao emprcgariam os generaes
todos os recorsos da estrategia e da tctica;
em v5o se consummariam as riquezas pre-
sentes e futuras do paiz: baldado seria todo
o valor, toda a pericia e todo o sacrificio,
se Aquelle que domina o universo, e diante
de Quem toda a forca fraqueza, como to-
da a sabedoria ignorancia, n5o houvesse
abencoado a nossa causa. A' soa omnipo-
tencia abatem-se todos os poderes; por
sua seotenca as eidades mais opulentas re-
dnzem-se raontes de ruinas ; os imperios
desapparecem como o fumo, e o mundo se
transforma.
Heuni-vos inimigos de Israel, diz o Se-
nhor por bocea de fsaias, reunivos, e se-
ris vencidos! Reforcai-vos, eseris venci-
dos Aprestai-vos como quizerdes para a
guerra, e ainda seris vencidos I Junlai a
prudencia forca, e ainda urna vez seris
vencidos! .Consulta! quanlo quizerdes os
vossos conselbeiros, e serapre seris venci-
dos Promettei, repart-, ameacai, e nada
conseguiris I
imperador triumphante, principe intrepi -
do, generaes invenciveis, soldados desterra-
dos, bravos defensores da integridade e da
honra nacionaes, povo genoroso e livre I
Piostrai-vos ante o Deas das victorias, e
deposiui agradecidos sob seus altares todos
esses tooros, todos-esses. trophos; e com
fervorosa effuso do mais perfeilo reconhe-
cimento dizei unsonos: Assim succede sem-
pre quelles que em vos depositan) todas
as suas esperaneas! In te, Domine, spera-
vi, non confundar in ceternum. '
\o seria eu o ministro da nica verda-
deira religio, religio de caridade e de mi-
sericordia eiKinada e praticada pela victima
t-ivina do Calvario, quem flzesse ouvir nesle
santo templo o grito brbaro de Veh victis 1
Aira de trahir a dontrina santa queprofes-
samos de todo o corac3o, desmentiramos a
proverbial magnanimidade de um povo livre
e heroico, que, fiel aos precetos do divino
rcestre, esquece generoso as provocacoes e
es offensas, e s se lembra das victorias,
pifa agradece-las reconhecido a Deus, e to-
ma-las por novos penhores, por fundamen-
tos inabalaveis, de suas mais caras espe-
raneas.
Gemnente, christios, nossos triumphos
de bofe, trazendo-nos memoria osassigna-
hdos favores de outras pocas, collocam-nos
f.a grata obrigaco de exclamarmos inces-
antemente : In te, Domine', speravi, non
nnfundar in ceternum. E' esta a idea com
que espero oceupar vossa attenco por mais
algoos instantes.
Na existencia c constituido de nossa que-
i da patria, chrislos, encontra-se
mais vijiveise indeleveis da prolecc3o di- que ceg ao favor da nacionalidade
vina. Desde que'Cbral plantou no sol demos -
abeqerrado a- arvore sacrosanta fle nossa r, -
disprnilo-os para um futuro brilhantis-
simo ?
Repartido o seu extenso territorio entro
diversos donatarios, o que aeria de sua in-
tegridade se i idea que prosidio essas di-
vises nao fosse annullada em tempo pelos
propnos rcis de Portugal, que melhor com-
prehendendo ii importancia do presente que
Ihos ourgra a Providencia, preferirn)
antes o sacrificio de seus mingoados cofres,
do que consentir (na existencia de miseros,
mesquinhos e importunos feudos?! Que
forca de cohesiio altrahiria mais para o cen-
Iro de gravitac3o geral qualquer das partes,
que se destacarse desse todo immenso ? f
_ A revogacSo, pois, dessas primeiras doa-
coes foi um grande beneficio, o passo mais
acertado para ;i fatura grandeza deste im-
perio ; e os seus autores foram cortamente
inspirados pelo co, que desde entilo e sem-
pro se ha mostrado nosso mais infatigavel
protector.
Em pocas mais prximas de nos, o Bra-
sil, j povoado, suas provincias entregues
adminstrae5o de governos regulares, co-
nhecida a prodigiosa fertilidade de seu slo,
a riqueza inexgotaveWe suas minas, a im-
mensidade de seus rios navegaveis, seus se-
guros portos sobre as costas do atlntico,
nossos
r.zx^zt^^miti^s^z,^^
navios, aprisionou os nossos homens compleUr_as"loueuras de -um
dempcao, arvore ujo nome venerando pas- de estado, matou-os fome e
son tambem i ser o de toda esta vasta re- invadi nossas provincias, devasfcff os nos-
?i3o, que seestende doPrata ao Amazonas, sos campos, incendiou nossas eidades, e
at os Andes, em qae pagina1 perpefUai mil outros crimes, queVdece'n-
de sua historia nao se encontra a mSo de cia faTalar ? !
Deus protegeudo seus queridos filhos e OTWfrno^Q Paraguay, invad^ as he-
roicas provincias de Malto-Gioi e Rio-
Grande, feveknr uma^ ambicao iftensata e
dehraitM Rendido em Uruguayan, sem
podeMiepararjm m, debaldo-iCritlcou
elle sensInfefuWs conliaatriotas naHrinchei-
ras'Se TtTyuty, de Gufipaity e Humayt. A
fecunda e gloriosa victvia de Riachuelo con-
venceude prompto o arrojado ioimif^ da
impotencia de sqa'esqwdra emriniirts
contra a pi imeira esquadrl dauLdKric
rididfflrfj* seointreprtos defliiiotes. H
ca nfi*s*eppareceram os rotos navios par
guayw anos disputar a passagefld da &<
Tios. Nossos ncouattados nasteaonli o
victorioso pendo nacial domnarara Pa-
raguay e-o Paran! J:
IliHnayl era a columna de Heraales : os
profertos raariHheiro9.de nac5es poderosas
a julgavam inveocivel,^ os generael inata-
cavel. Pois betn, a ebave de brwize que
rechava o rio Paraguay quebrou se ao vigo-
roso abalo de nossa esquadra, e ao accom-
mettmento correorrente de noss bravo
exercito. A passagem de Humayta,e a to-
mada do Estabelecimento lanfaram o inimigo
no maior desespero e confuso !
Em v3o os fugitivos de Humayt se oc-
cultam no Chaco, e ahi se batem al ulti-
ma extremidade ; preciso ceder O exer-
aban
mise:
fingid
c3o d
sao ab
menda
s, e
s hogpm,
a todp as
-om
e, sobretudo, o genio eminentemente los- cito brasileo, comoura rio caudaloso, pe-
signaes
FOLHETIM
OS DRAMAS DA ALDEIA
POR
Ponson du Turrail
i
Por urna tenebrosa noute, companhada
fr violentas rajadas de vento e frgida
cnuva, caminhava o cura Duval, montado
no seu rossim, fazendo-o trotar fortemente
sobre o lamacento slo.
Aps elle segua Bigorne, seu fiel sa-
cristo.
Devemos notar qoe nao seguiam urna
d'essas boas estradas reaes, regularmente
empedradas, mas antes om caminho que
nem viccinal se poderia considerar, por quan-
lo nao passava de ser urna avenida flores-
tai, sulcada de profundas rodadas de carros
raadeireiros.
Montoes de folhas, que as ventanas de
novembro haviam arrancado das arvores,
cobriam as pocas de agua dos caminos flo-
restaes, e o rossim de Duval, por entre a
escuridao, longe de pisar um slo firme,
nterravase por vezes at aos joelbos.
Bigorne, mais dextro ou mais feliz, en-
carrilhava pelo talude do fosso, que segua
obstinadamente, evitando assim a lama e
poupando as grossas calcas, que arrega-
ra.
Trotava, pois, o cavallo, Bigorne corra,
e o cara orava, interrompendo s vezes a
reza para dizer :
Parece-me realmente longo este ca-
minho f
Bigorne, que, ama vea, se apercebeu de
tao singular reflexao, redarguio :
que o senhor cora est impaciente
por ebegar: de mais a mais, o vento, o
fri e a chava que faz slo tres boas razes
para se achar o caminho longo.
Nao 880 acudi o cari. Estoa
pitalniro de seus noffensivos habitantes, o
Brasil, dizemos, n3o pode dexar de ser
arjenlemenle cobifado por povos menos
felizes.
A Inglaterra*, a Hollanda, a Franca, s
esperan) occasi3o asada para se apoderar de
nosso territorio ; o essa occasiao nlo Ihes
tardou, gracas ao abatimento em que cahio
Portugal depois da desastrada jornada de
Alcacerquivir. Reduzido a mera provincia
da Hespanha, tinha esta muito em que cui-
dar para emprehonder grandes accommetti-
mentos em prol de um paiz longiquo e s
por ella ignorado. Portanto, nossa integri-
dade vo-se novamente ameagada, quando o
bret3o orgulhoso. o insaciavel batavo e o
aventureiro gaulez ousaram apoderar-se :
este do sui, aquelle do centro, aquell'outro
do norte, da mais rica e da mais importante
das colonias portuguezas!
Abandonados snjssas proprias forcas,
privados de recursos para repelrmos in-
vasores poderosos, obrigados muita vez
pela metropole a nao Ibes oppormos resis-
tencia : o que seriamos por ventura boje s
os Camaroes, os Fernandes Vieira, os Hen-
rique Das, e mil ontro3 modelos de patrio
tismo nao se compenetrassem da inclinavel
necessidade da aesobedecerem ao rei para
melhor o servirem ? I E quem, oh meu
Deus! quem senSo vos, podia inspirar taes
sentimentos a homens, que nada queriam
sem Vos ? que corriam aos vossos templos,
e pediam-vos fervorosos o auxilio do vosso
braco omnipotente, para transmittirem
seus filhos o dom preciossimo de qoe os
fizestes zelosos e liis depositarios ?
E' preciso, christio, ignorar completa-
mente historia patria, para 5o admirar o
dedo de Deus no modo verdaderamente
prodigioso, por que foram ent3o defendidos
os nossos direitos I De ontra sorte, como
poderia estacidade, as provincias da Baha,
de Pernambuco, do Rio-Grande, do Mara-
nho, todo o norte do Brasil, baldo inteira-
mente de recursos, repellir os exercitos
aguerridos que por tantas vezes ousaram
invadir o nosso territorio ? Quem sen3o a
mo de Deus, arredou de nossos mares as
numerosissimas escuadras que os pejaram,
e que encheram de terror e de ruinas nos-
sas pacificas eidades, victimas de seus mor-
tferos canh5es ? E n3o obstante, vencemos!
os inimigos abandunaram a presa! Oh! que
magnifico pensamento nao oceultavam ent3o
todas essas inesperadas victorias, obtidas
pela fraqueza contra a forca ? I
Se o bret3o, o batavo, ou o gaulez con-
seguissem perpetuar o seu dominio ao sul
ou ao norte do torr3o que habitamos, quem
nao v o antagonismo que necessariamente
se levantara entre a parte conquistada e a
outra, antag mismo de raca, de lingoa e de
religio, que tornara para sempre impossi-
vel entre nos esta bella unidade, que nos
faz tao respetaveis, to grandes e t3o po-
derosos? E se Deus, em sua paternal mu-
nificencia, nos destinou este papel impor-
tantsimo ; privar-nos-hia delle um inimigo
astuto, caprichoso e horrivelmente ingrato,
nelrou o Paraguay, vencen todos os obst-
culos da nalureza, da arle e da astucia do
fantico inimigo!
Nem torpedos, nem trincheiras, nem es-
teiros, nem lagas, nem o grao Chaco, nem
os nos, nem a peste, nem a saudade da
patria, nem o inhspito clima desanimara
os bravos defensores da nossa honra, e in-
t-rgri la-!e O inimigo obstinado resiste, mas
recuando sempre, desde o grande feito do
Passo, da Patria, at s margeos do Aqui-
daban H
Riachuelo, a passagem do Paran, o for-
camento do Ilumait, por agua e trra, a
estrada aberta pelo Gr5o Chaco, as batalbas
de Itoror, Avahy, Lomas Valentinas e tan-
tos outros combates gloriosos, s3o testemu-
nhas immortaes do herosmo de nossos sol-
dados e de seus Ilustres generaes.
Essas batalhas e esses triumphos n3o s
nobilitam a historia da patria, como sup-
prem axerctos e fortificaces; ningoem no
futuro se animar agredir-nos, sem re:or-
dar-se de nosso passado.
Assim escapa, christSos, a integridade do
Imperio, de todos os perigos, e trinmpha
de todos os ataques. Duas tyrannas, cada
qual mais cruel e anachronica, ousaram con-
ceber, nestes ltimos tempos, o p.ano de
quebrar esta magnifica, poderosa e provi-
dencial unidade: ama dominava no Prnta e
outra no Paraguay; ambas suecumbiram !
Tenaz e mvencivel na defea de seus di-
reitos, a naco brasileira, depois da victoria,
em vez de pretender a conquista, consolida
a independencia e soberana dos'ivencidos e
a paa coacorre para inaugurar entre el I es
o regimem da liberdade; a nossa grandeza
a esposa, os limos
ora algezes, ora victimas,
ra dos bypocritas a han
seraveis, lanfam fogo i pap
rvidos pelas cbarama Quere-
sponsabilidade a dos tyrannol-tor-
tura r _r hornera at redrizi-lo a macba;
(dsmoralsa-lo at onfundi-lo com os antes
irraciooaes I
N3o-^odemos fallar dotyranno que aca-
bou, porque a justiga de Deas n3o permiite
ensinuaces, e n3o seriamos nos soldados
da milicia d Cruz, e-cidad3es de urna iacao
livre e christaa, quem ouzasse tentar ifjjer-
roraper com brados vaos o Jnlgamento a'A-
quelle.que doraioa os mundos e ludo v.
Brasileiros que me escutaes,- a'aqpeih
raedonha catastrbphe, ao elarao sinistro da
mais cruel ehorrivel hecatombe deum povo
bteiro ;. n'aqoeHes corpos requeimadoa ao
sol ardente, sem sepultura e devorados pe-
las feras depois de raortos, como foram de-
vorados; por outra fera Jurante a vida;
n'aquelas ossadas alvejando a loa, e nos
semblantes piedsos de ereancas vagando
as estradas, sos, perdidos, sem pae, sem
me e sem irmaos; n'aquelas mulberes
transformadas em espectros, sem vestiduras,
sem pao, e deslembradas do natural pudor;
n'aquelas viuvas tristes e inconsolaveis,
obrigadas respeitar e a fingir dedicacao
ao algoz de seu3 maridos; n'aquelles es-
pingardeamentos em massa ; n'aquelas tre-
menda derrotas; n'aquelle cemiterio de
urna repblica intoira, prende a aborre-
cer a tyrannia, qualquer que seja a forma
de que se revista, e amar o svsthema que
felismento nos rege. A cora, que por un-
nime acclamacao dos povos assenta na fron-
te imperial, a garanta primeira .da inte-
gridade" do Imperio, nossa grande forca;
o aceptro que o Imperador sustenta, a ga-
ranta da justiga ; nosso mais precioso bem;
e a representaco nacional, poderosa defea
da soberana do povo nossa dignidad.
Qu3o appropriado da este em que a san-
ta igreja commemora o mais neffavel de
seus myster03 para celebrarmos na casa do
Senhor os feitos da liberdade e da patria, o
juramento da constluico e os triumphos
explendidos das armas imperiaes! Sim,
christaos, sem a liberdade constitucional
seria impossivel toda esta forca que nos d
a ordem e todos esses brilhantes feitos que
tao justamente vos euthusiasmam. Glo-
riosos cruzados da civiliscao e da liberda-
de, cobertos de vrenles louros, e terminada
vossa missao providencial, ajoelhae-vos
perante os altares do Deus vivo, que aben-
Coou nossa justa e santa causa. Embainhae
vossas espadas, i lustradas em cem batalhas,
deponde vossas armas sagradas por tao as-
signaladas victorias, e rogae Aquelle que nos
restituiu a paz ancosamente almejada, forca
e constancia para desempenhar o fecundo
do pensamento e o sabio conselho do Im
perador aos Voluntarios: f Servi nossa
patria na paz, tanto quanto a servistes na
guerra.
satisfaz nossa ambicao, e acoosema-nos *
magnanimidade.
Nada queremos de nossos vizinhos se 3o
a mais cordial amisade, plena confianca e
nviolavel respeto nossa soberana; o*
vossos sinceros votos s3o pela paz e prosr
peridade de todos os povos da America.
Os valentes soldados do Imperio de Santa
Cruz, protegidos pela Divina Providencia,
anaqolaram a derradeira tyrannia, que an?,
da manchava o continente americano. A
questo est resol vida para sempre. Q
Brasil, primeiro soldado da santa cruzada,
demonstrou ao mundo inteiro a impotencia
da tyrannia armada e traicoeira contra a ci-
vilisaco desarmada e franca. Nao, o bomem
opprimdo pelos ferros, e avitado pelo ter-
ror, nao pode vencer o cidado.
O espirito das trvas cahu nos abysmos,
e o genio da liberdade triumphante ilumina
as consciencias e avigora as almas A li-
berdade faz hroes, a tyrannia victimas;
quelles combatem pela justca e pela ver-
dade, que elles coraprehendem e amam;
estes sao inmolados pela tyrannia, que n3o
comprehendem nem amam.
impaciente por me ver onde carecem de
mim.
Mas bem sabereplicou Bigorne com
a sua habitual franqueza que a Ceifeira
nao est cm perigo de vida ; tem sezes e
nada mais. E quem est livre de taes fe-
bres na nossa provincia, desde Orleans at
Gieu, as abas d'esta maldita floresta, onde
a agua estagnada de vero, e de invern
se vai putrificando lentamente sob os raios do
sol?
Bigorne, meu amigo, proseguio o
cura amigavelmente um padre dere ser
prompto em acudir aos seus paroebianos
enfermos.
- Era muito melhorresmungou Bigor-
ne, que n'aquelle momento prefera urna ti
jella de caldo junto de urna boafogueira
que tvessem mandado chamar o medico.
O medico leva quarenta sidos por
cada visita.
E o senhor cura fa-las de graca. A'
f de sacristaoproseguio Bigorne qae
o3q acho isso justo ; desde o momento em
que um cora meio medico e enfermeiro,
porque nSo se lhe ha de pagar ?
Porque o padre vive do altar e n3o
da medicinareplicou o cura.
E ao mesmo tempo applicou orna chico-
tada ao animal, que alongon o passo.
Se achas que vou muito depressa,
disse o cura Bigorne salta aqui para a
garupa. N3o ser a primeira vez que o
Cc leva carga dobrada.
Muito agradecido respondeu o sa-
crist3o.Isto de andar cavallo incommo-
da os intestinos ; preilro correr p e nao
sem razSo que me c iamam|Bgorne (Expe-
. N'este momento chegavam urna encru-
zilhada denominada os Oito Caminhos. ""
No meio d'esta erguia-se um poste pin-
tado de cinzento, tenclo no cimo quatro ta-
boas collocadas em forma de cruz e cada
urna d'ellas de um pi de largo.
Em pleno di era fcil ver-se n'ellas in-
dicado o nome dos caminhos ali convergen-,
nao se expoem os povos que se deixam go
vernar por urna vontado sem limites, nem
correctivos Paasivos instrumentos, tortu -
rados nos calabrjucosy espancados pelo ter-
ror, reduzidos a espectro pela fome, devo-
Deog de Justiga e de Jijsericordia, onte
de toda a vordade e de toda a gloria: dig-
nae-vos, Senhor; de continuar a proteger
esta trra, que invoceu em seu auxilio a Sa-
grada Cruz da Redempcao, nossa nica es-
peranca! Ace'itae, como prova'do nosso re-
conhecimento, todo estes trophflbs, fructos
de immensos e dolorosos sacrificios! Aben-
Coae a bandeira da patria, que depois de
percorrer desfraldada e victoriosa todo o
territorio inimigo, e vencidas todas as re-
sistencias, vem abrigar-se a larga sombra
do sanctuario! Bandeira immaculada de
ambicies de conquista, de desejos da cu-
bica ou de actos de traicao e covardia Vos
que tudo vedes, Senhor, julgastes a cansa
concedendo a victoria ao povo aggreddo
pela invasao, ultrajado pela sorpreza e in-
dignado pela ingratidSo; ao povo que pete-
jou a peito descoberto, com toda a lealdade,
e observando sempre os dictamos do direito
das gentes christas, e os preceitos da ca-
ridade. Senhor nosso! Guardae em vossa
gloria os hroes martyres do dever e da
patria! Sustentae a independencia e a inte-
gridade d'este Imperio contra a inveja dos
fortes, e as machinacoes dos ambiciosos!
Inspirae-nos o amor de mais em mais ar-
dente pelas instituicoes juradas por nos a
face de vossos altares Protegei com vossa
Ah chnstos, a que terriveis desgraca* *ca saat|acante o Imperador, vosso un-
gido, Sua Magestade a Imperatriz, a Fami-
lia Imperial, o exercito e armada, os invli-
dos da patria, os orphaos e viuvas dos bra-
vos defensores do Imperio I Amen.
Disse.
tes, mas pelo escuro que fazia o cura Du-
val sopeoo o cavallo e ficou hesitando.
Eo caminho esquerda, senhor cura ;
disse Bigorne olhe, exactamente; l
adiante est a casa do guarda Lebouteux.
O cura voltou-se um pouco sobre a sella
e destingoio urna luz avermelhada que
scintillava ao longe.
Mimoseou o cavallo com urna esporada
e proseguio o caminho ; Bigorne recome-
Cou a corrida e um quarto de hora passado
chegavam porta da casa da guarda.
A chamin despeda .bastante fumo e as
duas janellas deixafam ver o clarSo de boa
fogueira.
Sem duvida, o goarda se achava mesa
com a mulher e os dous filhos em face de
um fricass de coelbo e de um cangiro
d'aquelle vinho branco prodnzido as
margeos do Loire, e que em nada infe-
rior aos do Rheno.
Bigorne, suspirando, disse por entre os
denles:
Tenho realmente urna fome de lobo !
O cura tinha ouvido apurado, e, voltan-
do-se pgra elle, disse-lhe :
Se ests cansado, amigo, e tens fome,
entra em casa do guarda, que te dar ceia,
e eu seguirei s o meu caminho.
Ah senhor cura, acudi Bigorne
confundido bem sabe que o seguirei ao
fim do mundo t Eu s quera dizer, visto
a Ceifeira ter apenas sezes, qoe poderia o
senhor cura descansar um quarto de hora
em casa do guarda.
Um quarto de hora ? Seja, mas nem
mais um minuto.
Deus ba de recompensa-lo disse o
sacrisUoe talvez nao tarde muito.
Como assim ? redarguio o padre,
sorrindo-se.
Lebouteux deve 'saber um atalho pela
floresta que encarta meio caminho d'aqui
casa da Ceifeira e prestar-se-ba a dirigir-
nos.
O cura sorrio de novo e apeiou-se.
Ao mesmo tempo Bigorne batia aporta.
O guarda veio abrir.
Ah! senhor cura, disse este sem
sorpresa, to conbecidos eram na localidade
os costumes caritativos do sacerdotevem
com um bello tempo !
Est horrivel, sem duvda, meu charo
amigo,acudi bondosamente o cura e
Bigorne vem t3o tranzido de fri, que en -
tendi n3olhe dever recusar o aquecer-se
por alguns minutos.
Bigorna j se achava debaixo do panno da
chamin.
O cavallo, firme sobre as quatro patas,
tinha ficado na entrada com a docilidade
das muas de medico affeitas a ficarem sol-
tas s portas.
', a mulher e os filhos do guarda levan-
tarara-se emattitode respeitosa.
Boa noute, tia Lebouteux; disse o
curaboa noute, meus pequeos. Conti-
nen) a ceiar ; n3o se ineommodem por mi-
nha causa.
Pois n3o ceia comnosco, senhor cura ?
perguntou o goarda tmidamente.
Obrigado, meus amigos ; da de
jejom e farei a consoada qoando recolher
casa.
E acoropanbou esta recasa de um olbar
penetrante sobre Bigorne.
Este devorava com os olhos o prato fu-
megante sobre a mesa.
' O cura teve compaixao delle e disse
ibe :
Bigorne, permtto-te, se tens fem,
que comas alguma cousa.
Ora essa Iacudi o guarda.O nosso
pobre Bigorne / Sente-se, camarada...
O cura lancra mo de ama cadeira, e,
arregacando a sotaina, que nsava aberta
pela frente para montar cavallo, escarran-
chou-se defroota do lame em attitule mais
propria de militar que de padre.
Quem n'aquelle momento analysasse al-
ternamente o cora e o sacristao notara um
contraste singular.
O cura era um bomem de estatura ele-
DISPUSO PROM-NCIADO PELO SK.VADOR CIIASSE-
l. DK GEOGRMlA^BVAnsSf&A M| pE.
veheido |Ih|1 l#*f 4f*'e-
Senhores^liaTl pwto ae 0018 mezes que
vos teriamos reunido para ouvir o relatorio
do noiso secretario geral sobre as desceber-
tas o o trabalhos de que gegraphia se en-
riqueceu durante o anno flnao.
Mas, escusawios-heis, est>ucerlo, de ha-
ver retardado esta convocacao, quando vos
dissermos que, sen3o vos temos pedido de
assistrr antes a esta assembla geral, por-
que qriamos convidar-vos a asaisttr boje
a umjfande festa para a sciencia e para
a nossa sociedade.
SahSs, senhores, de que modo basceu a
nossa .assoc:ac3o. Se o genio de seus fun-
dadores* tracou d'antcmao o programma e
determinond'umamaneira preciaaoselfim;
se o seu espirito lem incessantemema ani-
mado os eforcos de nossos predecessores
e os nossos, n3o pudemos realisar at hoje,
sen3o bem raodestameote, forcosoconfrs-
sa-lo, um dos seus mais caros desejos: o de
ver a nossa sociedade encorajar e mesmo
fazer emprehender viagens scientificas, e de-
Cornir uleis recompensas, j aos homens que,
ao risco de muitos perigos nos trazem as co-
Ibeitasque ao longe foram procurar; j aquel-
es que, por incessantes trabalhos nos fazem
partilhar tudo o que a sciencia recolhe no
mundo inteiro.
E todava, senhores, t3o modestos que se-
jam os premios que concedis, nem por isso
s3o elles manos invejados ardentemen'e e re-
cebidos com orgulho, porque se sabe que
imparcialdade preside sua distribucS);
o permitti-me dizer-vo-lo, nao foi sem um
certo sentimento de orgulho para a nossa
sociedade, que Ii ltimamente as cartas d'um
Ilustro viajante inglez, que aqu vimos com
a sua corajosa companheira, e que empre-
hendeu urna t3o magnifica exploracao aos
lagos africanos; e, por outra parte esse in-
trpido americano, que se elevou to alto
nis regi5es polares, que am^os diziam que
urna das cousas de que mais se lisonjeavam
era de terem merecido as palmas que Ihes
haveis dado.
D'ora em diante, senhores, a nossa socie-
dade, sobre a qual urna benfica m3o se es-
tendeu, nada ter a invejar as suas opulen-
tas irmas. Tambem nos poderemos servir
a sciencia offerecendo-lbe encorjamelos
que, pos(o qu& conservando esse carcter
que da tanto valor s vossas escolhas, vir3o
favorecer nobres emprezas.
Um novo premio est fundado.
Urna alta intelligencia, que se interessa
por ti do que grand1, qae procura enco-
rajar tudo o que pole ser til ao paiz, quiz
que um premio anatule perpetuo de 10:001)
francos fosse decerai ao france* que vos
parecesse merece-lo por viagem, descober-
ta, trabalho ou empreza, jolgada a mais til,
seja ao progresso, seja djffus3o da scien
cia geographica, seja s rilares commerciaes
da Franca :
Fei um nobre pensamento que presi-
dio a esta fundarlo! Abrir aos nossos com-
patriotas novos horisontes, chamar a sua
attencSo sobre o sea genio e a sua acliri-
dade podem fazer resplandecer a influencia
da nos-a patria, incita-los a indagaces,
qae devem engrandecer e campo das des-
cuberas; empresas que aproximara os
homens, os enriquecen), e se tornam as-
sim poderosos instrumentos de civilisago ;
ajudar essas longinquas exploraces cheias
de trabalhos e de perigos, mas tambem
cheias de gloria para o nome da Franca;
opularisar, emfim, tudo o que pode fazer
conhecer o nosso globo, eis o elevado fim
d'esta dotac3o, e vossa sociedade que
e confiado o cuidado de dispr d'ella em
favor dos mais meritorios.
Preciso acaso, senhores, ajuntar que es-
te premio o da imperatriz (Prolongados
applausos.)
Havemos j, em vosso nome, exprimido
generosa fundadora a nossa profundagra-
tido pelo brilhante testemunho de sollici-
tude por ella prestado assim aos conheci-
mentos to pouco ainda diffundidos, e de
que a nossa sociedade, ha qaasi meio seculo,
procura alargar a rbita.
Avanfando a express3o de vossos senti-
mentos, manifesamo-lhe 03 nossos agra-
decmentos por tudo que podiam ter de fe-
cundo esses encorjamenos dignos della,
que se dirigirn), para o futuro' a essas
o usadas espedicoes que exigem tanta cora-
gen), a essas emprezas que querem tanta
perseveranca, a essas sabas indagares,
que reclamara tantos trabalhos.
Peclus est qmd disertos facit, dizia um
antigo : Os grandes pensamentos vean do
arges. Oh!
quando a um co-
tudo o qae tra-
lla uqH ftn espirito escla-
s a, dMaaVrir tudo o que
servir a humanidade, que bellas e
boas coj)sas delle sem! SomdMe quanto
aos trabalhes que nos s3o t3o caros, que
de beneficios!... .Masparo ; nao devo es-
cjueeer que me naol5j||miltictoboje levan-
tar senao urna pona do "veo stfb que elles
seocculiam... E todava, mrnosso se-
de hberdades, n3o deverajios porven-
S" L\ a verdade todv-ainda que
cnea ae louyores a urna graciosa e aogusla
frontt? (Applausos).
Este premio, que quer ficarinteiramente
nacional (porque s pode ser dado a um
francez), pensamos que era necessario fa-
zer-Ihe m lugar aparte, e, para melhor lhe
conservar o seu carcter todo especial, de-
cerni-lo nesta sess3o, onde nenhuma outra
recompensa ser offerecid pela vossa socie-
dade.
Eis porque, senhores, neste dia que
ouvireis proclamar o nome d'aquelle qoe
nos parecen merecel-o por tantos ttulos.
Esse nome acha-se em todos os espirilos",
sobre todos os labios, o paiz o tem mil
rezes pronunciado com orgulho ; e esses
que n3o acreditavam no ousado prbjecto,
que o tratrvam quas como urna dessas f-
bulas rindas do Oriente, como um desses
sonhosdopaiz das chiraeras, se inclinan)
hoje ante a audaciosa e esp(endida reali-
dade f A antiguidade foi vencida por esta
vez, e a sombra dos Pharas deven estre-
mecer quando o Egypto assistio a esse es-
pectculo de urna imperatriz franceza, atra-
vessando sobre o seu navio as areias do
deserto excavado pelo genio de um fran-
cez, e mostrando ao Occidente admirado o
novo caminho do Oriente (Applausos.)
Ah se hores, ser para a posteridade
um grande seculo este em que nascemos,
apezar das criticas que por vezes lhe prodi-
galsam seus inconstantes filhos. Qae de
grandes e poderosas cousas deixar elle
apoz si! Os mares, rpidamente atravessa-
dos pelo vapor, e todas as racas assim reu-
nidas urnas s outras ; as naces de um
mesmo continente unidas por caminhos de
ferro, e o< homens percorrendo em algumas
lloras as mais longas distancias: o pensa-
mento lancando-se como o raio alravez das
distancias que separam as diversas partes
do globo, a sciencia arrancando nalureza
os seus segredos e amparaido-so de todas
as suas forcas para as submetter ao sea aso;
emfim senhores, a fecunda liberdade vigian-
do sobre esta civilisac3o christSa que nao
conhece escravos, que trabalha incessahte-
menle para melhorar todas as coodicoes,
parajdesenvolver todas as intelligencias, para
elevar lodos os coraces.
Pois bem, entre as mais notaveis deste
seculo, brilbar de um vivo resplendor a
obra a que boje offerecemos mais urna co-
ra, e a historia gravar sobre as suas ta-
boas, de ama maneira indelevel, o nome de
Lesseps.
Mas a um oatro que pertenee dizer-vos
quanto a nossa sociedade se sentio feliz e
vaidos, quando, tendo pela primeira vez a
dispr do premio da imperatriz, o deoarnio
ao homem que deu um tao grande ejemplo
de iniciativa e de perseveranca; que nenhu-
ma luta pode enfranquecer, que nenhuma
difficuldde pode sustar, e cujo triumpho
qoe tanta honra d Franca, um benefi-
cio para todos os povos. Nio quero retar-
dar mais tempo o prazer que tereis de o
ouvir. t> (Grandes applausos.)
vada, hombros larguissmos e bom aspecto,
apezar dos cabellos brancos; o rosto, ani-
mado ainda, nao tinha rugas. Coniava tal-
vez os seus sessenta annos, mas o olhar
conservava a vivacidade da juventude.
Era desembaracado nos gestos e imponen-
te no andar, mas doce na phrase, affecuo-
samente risonho e dotado de sentimentos
paternaes para todos.
O sacrist3o Bigorne era um rapago, bo-
chechudo, de cabellos arruivascados e nariz
vermelho. Era carcunda ou simplesmente
arqueado de costas, coxo ou apenas estro-
piado ? A' primeira vista n3o se podera
definir. Visto de face, traba o peito saliente ;
de costas,pareca ter a caneca a sumir-se nos
hombros; quando andava, bimbaleava-se
excessvamenle ; correndo, arrastava urna
pena.
Devia a sua posicio ao cura Duval.
Comecra por menino do coro e mais
tarde consegtuo o lugar que agora tinha.
Aquellas circumstancias todas nao impe-
dan), porm, que elle fosse goloto, pre-
guicoso e mais alguma cousa. Mas o cura
era-lhe affeicoado como o era ao seu Acuri,
aos parochianos, ao armiado presbyterio,
3ue a junta de paroebia nao tratava de ree-
ificar, sua criada Nanon, ao ci Phanor,
e ao seu modesto jardim e bostello, cujo
slo era tSodetesiavel, que Bigorne, apezar
de toda a sua proficiencia horticultora,
jamis conseguio fazer ali desenvolver ervi-
lbas e espargos.
Bigorne devorou ama boa parte da ceia
do guarda.
O cura, que nsava boas polainas de cou-
ro, foi-a* oceupando em as enxugar ao fogo,
e em quanto o sacristao se reconfortava,
foi o guarda metter o cavallo debaixo do al
pendre e dar-lhe um puntado de luzerna.
Ora diga-me : perguntou o cura .
Lebouteuxconhece algura atalho que con-
duza d'aqui casa da Ceifeira ?
Sim, senhor-,.responden o guarda-"
e encorta-se per elle meio caminho ; vou
radicar-lh'o.
POUCO DE TUDO.
PAVOROSO INCENDIO. Houve lti-
mamente om violento incendio em Havel-
berg, perto de Berln.
Declarou-se o fogo em nm deposito de
palha ; e como o vento soprasse rjamente
e a agua estivesse gelada, foram baldados
todos os esforcos que se fizeram para o
extinguir.
De Berln foram ainda enviados soccor-
ros ao lugar do sinistro, mas o fogo tinha
j tomado t3o gigantescas proporces, que
nao se pode obstar a que consumisse oi-
tenta e nove casas e dnrasse dous dias, fi-
cando setecentas pessoas sem abrigo.
E casa da Ceifeira que se dirige,
senhor cura ? perguntou a mulher do
guarda.
E verdade, santinha; a pobre crea-
tura de ha muito que soffre e acabo agora
de saber que peiorou.'
Perdigio que perdeu a penna...
disse o guarda A pobre mulber, depois
que o marido morreo, n3o ha mal que lhe
n3o venha. O Sr. de S. Juli3o nio a pou-
para ; est ebegado o tempo das rendas e
nio seicomoa mulher s poder;..
Sim, s com dous filhos acudi a
Sra. Lebouteuxe sobrecarregada de taes
dividas. Meu marido foi ao palacio, falln
ao Sr. de S. Julio e pedio por ella, mas
aquelle senhor t5o aferrado aos seus in-
teresaos, que nio perdoara cousa alguma.
Vamos, Sr. Bigorne, interrompeu
sbitamente o cura caminho Tenciona
ficar ahi mesa como m Sancho Panca,
quem se assemelha na golodice ?
Bigorne deapejou o ultimo copo, deu um
suspiro e lancou um olhar saudoso bella
fogueira qoe arda na chamin.
O guarda accendeu urna lanterna para
allumiar ao cura.
Este tocou de leve e amigavelmente com
a mi as faces dos pequeos, deu as boas
nootes ao goarda e mulber, e encami-
nbou-se para o alpendre.
Lebouteux segorava com Urna das mos
o cavallo e com a outra a lanterna.
Ah! mea capitSo, disse o guarda,
era quanto qoe o cura se ia escarranchaodo
Ie8tamente sobre o cavallofoi do* seu gos-
to adoptar a vida ecclesiastica, mas olhe
que ainia monta avallo como om hus-
sardo I ... .
Calada Iacadio o cara. Nio des-
pertemos recordaces adormecidas.
E picou o sea rossim^qa, sem embargo
dt enfreado, foi roendo um ultimo resto de
lozerna. ,-. v
( QuUmuar-se-M.)
^
tTF. M MAUtHA DAS CMOS 1.

i vi t-4|




Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EGFRYJ0F2_HV82IH INGEST_TIME 2013-09-13T22:56:49Z PACKAGE AA00011611_12082
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES