Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:12080


This item is only available as the following downloads:


Full Text
ANNO XLVI. NUMERO 74.

mm *
AL E
z
Cantados
I am .
ahorma ana* i*;m.. .
Cada montero avulso ,
0KD& IA0 SE PAGA PORTE.
*
40000
000
24^000
320
DIARIO DE
fr'oat
fe
SABBADO 2 DE ABRIL D 1870.

PABA DEITBO E TORA DA fWKQMfik.
Por tres mezes adiantados ,.........
Por seis ditos idera. .^.'....."^.'~ 2**^H
Por Dove ditos idem.......... *[
Por um anno idem.......... .'<|ff '. '. .
61750
43*500
#260
Propriedade de Manoel Figueira de Fari & Filhos.
RNAMBUCO.
SAO A<
V
IS:
t SFS' G6rard0 ADt"dCiT a" T T t Pt D0 ranM JaqDm ,0S ^ 0,VerafD ^ ;^t0D! ^ Lem8 Br8g8' D AraMty ; ** Man'a M' ChaVM' D A"* A^ Ma^s da Silva, no Nata.; Jos tino
Perara d AJmeida, em Mamanguape,, Antonio Alexandnoo de Lima, na Parabyba ; Antonio Jos Gomef, na Villa da Penha; Belarmino dos Santos Bulcao, em Santo Aetlo; Domingo* Jos dosla Braga, *
._________________________________em -tzareth ; Francisco Tavares da Costa, em Alagoas ;. Dr. Jos Martins*Aves, na Babia ; e Jos Ribeiro Gasparinho no Rio de Janeiro.
v

: 1
.i-
PARTE OITCCIAL
GoTcrno da provincia
RELATORIO lido pelo exm. sr. senador
KREDERICO DE Al.MEIDA E ALBUQUERQU,
iA ABERTURA DA PIUMEIRA SESSO DA As-
SEMBLA LEGISLATIVA PROVINCIAL, NO DA
P DE ABRIL DE 4870. ,
SR3. MBUROS DA ASSEMBLA LEGISLATIVA PRO-
VINCIAL.E' com a maior satisfaco que; cum-
prindo o preceo da le, venho informar-vos do
estado dos negocios publico?,e indicar-vos as pro-
videncias de qae mais prRsa a provincia para
seu niel foramen io.
Foi-ine necessaro adiar para hoje a abertura
d? vossas sessoes, porque, tendo havido demora
em se me enviar alguns relatnos parciaes, nao
me foi possivel convocar-vos para o dia l'de mar-
So, designado por lei para o coineco de vossos tra-
ainos.
Antee, porm, de entrar na materia, permitti
sonhorea, que, animado pela emoco do mais vivo
prazer, eu me congratule com vosco, com toda a
provincia e com o Brasil inleiro pela faustissima
noticia, coja confirmago recbenlas hontem, de
. se haver terminado completamente a guerra, que
pelo tonga lempo de cinco annos sustentamos coa-
ira o governo do Paraguay I
Esta, sem duvida, lerimada a guerra, com a
morte d'esse homem to infeliz, que parece s ter
vindo ao mundo para desolar o paiz em que as-
ceu. e para prejadicar consideravelmente nossa
chara patria. ,
Como j sabis, Cerro-Cor foi o theatro da
osa ultima victoria I Sao incalculaveis os pre-
jiiiwf qua temos soffrido nessa luta gigantesca I
Pican, porm, consignado na historia, que o lira
sil, paiz agrcola, sem habites bellicosos, e vivendo
iianquillamente sob o manto da paz, e protegido
pelas sabias iustiuicoes que garantem os dous
grandes principios de ordem e liberdade, no mo-
mento supremo de defender a honra e dignidad
nacional, nao atiende esteros nem sacrificios,
cada ci Jalao se conslitue um bravo iruerreiro, e a
honra nacional cabalmente defendida t
A necessidade extrema de sustentar urna guerra
sempre durssima, e altamente funesta Deas
queira que eora o verdadeiro e profundo conheci-
meato das mximas *do Evangelho, e com i pro-
gresso da civilisacao, o vocabulo guerra seja obli-
terado por todas as nacjSes. Este desidertum
dos philosophos e dos ebrislos ta de ser reali-
sade 1
Goni a paz entraremos em ama novaJihase de
nossa poltica. Trataremos de, por meio dfl'trabalho,
da economa e de constantes esforcos, reparar os
dainos que temos soffrido em nossas financas. E,
mediante a proteceo da Divina Providencia, com
Y>*rdadeiro patriotismo, com perseveranca, com a
uailo sincera dos Brasileiros, com um futuro que
B4o A;ve datar- .dwleat de' ae, chafaremos
aqaelle grao de prosperidade em que nos aphava-
mos antes da guerra. I
ELEICES.
Procedeu-se no dia 26 de novembro eleico de
d >us deputadoj assembla geral, pelo pfhneiro e
teroolro districtos, para preencbmento das vagas
i|as delxaran os Srs. visconde de Camaragbe e
conselheiro Jos Bento da Cunha e Figueiredo,
que foram nomeados senadores por esta provincia ;
e no dia 26 do mesmo meza dos membros de que
se compde esta assembla.
TRANQUILL1DADE E SEGURANZA PUBLICA.
A provincia adiase felizmente' em completa
paz, gracas nao s boa ndole em geral de .-eus
habitantes, como conviccao, fundada nos prin-
cipios e na experiencia, de que a paz e a ordem
sao as principaes elementos da prosperidade pu-
blica.
SEGURANZA INDIVIDUAL E DE PROPRIEDADE.
Desgraradamente a seguranza das pessoas e das
propiedades anda nao attioge aquello grao de
perfeico, que conslitue o anhelo de todos os Bra-
sileiros.
Segundo as informac5es que tenh> constante
n.ente recebido, o estado do alto serto contris-
lador Grupos de criminosos infestam aquella
parte da provincia, commeltendo furtos, roubos e
homicidios! As possiveii providencias se ha
dado com o fim de capturar esses sicarios, e de
garantir os habitantes d'aquelles lugares.
Era todas as villas ha destacamentos da guarda
nacional, ou do corpo de polica. A' vista, porm,
da grande extenso dos municipios cuja populaco
nimiamente dispersa, taes destacamentos nao
da falsa..........
Homicidio..,.......
Tentativa de homicidio
Infanticidio.........
Aborto.............
Ferimento es offensas
physicas graves...
Ferimento3 e offensas
phvsieas leves___
Ameac,.is..!........
Estupro............
Rapto..............
Calumnia e injuria.-
Furto..............
Tentativa de furto...
Bancarola, estellona-
nato e outros cri-
mes contra a pro-
priedade..........
Tentativa de estelio-
nato.............
Damno.
1 i
8i 30 42 60
24 18 13 19
26
8
7
1
67 47 30 36 59
84 51 38 49
4 1
2 1 2 4
1 3
6 1 2 3
27 l. 6 1 14
i
1
G
11
Abaixo assignados pronrietarios e moradores
as povoaedes do Loreto, Candeias, Venda Grande,
Pedade e seos suburbios.Informe o Sr. engo-
nheiro chefe da reparlicao das obras publicas.
Antonio Maooai da Assumpco. Encarainhe se
--------..... ^~wm .i.-nmiip^ui, iiinniuiUlUOV
Dr. Augusto,Caineiro Monteiro da Silva Santo,
Roubo.............. 19
Tentativa deroubo... 4
Quebra fraudulenta 2
Ajuntamento Ilcito
Vadiacao.........
Armas defezas..... 3
Offensa religiao...
10
2
24
8
5
20
374 218 191 260 163
FACTOS NOTAVEIS E ACCIDENTES
Mortes casuaes 18
Mortes por asphixia 35
Suicidios 15
Tentativas de snicidio 4
Fermentos e offensas physicas graves casuaes 11
'. leves 4
Innundajoes j
Destruicao de lavoura i
Desmoronamento de predios 133
Abalroamento de locomotivas 1
231
No decurso do mesmo anno foram capturados
16 dosertores e 429 crimino?, sendo de
crimes pblicos 28
ditos particulares 396
ditos polieiaes 4
sao suCHeientes para manler a seguranza.
Alguraas alterables se ha feilo no pessoal das
autoridades polieiaes, com o fim de procurar os
mais aptos para taes cargos.
A providencia que sem duvida, se devera tomar
aquella, que outr'ora se adoptou com grande
vantagem ; e vem ser destacamentos numerosos
de tropa regalar, que se empregassera constante-
mente ern percorrer todas aquellas paragens, com
o fim de capturar os criminosos. Semelhanle me-
dida, porm, torna-se, na aclualidade, impossivel
por nao haver presentemente na provincia f.>n; i
alguma de primeira linha.
Urna outra providencia a adoptar seria a no-
raexao, para os cargos de delegados e subdelega
dos, de pessoaa estranhas s localidades respecti-
vas, em circumstancias anormaes.
Nao ha municipio onde se nao encontr maior
*u menor numero de nomens honestos, que pos-
sam oceupar aquelles cargos ; mas, ainda quando
alies tenham a necessaria energa para se des-
prender dos lacos de parentesco e de amisade,
alia de bem cumprir os seus deveres, a circuns-
tancia de permanecerem nos mesmos lugares,
quando destituidos da autoridade, sem grandes re-
cursos para se defender dos inimigos que adqu
rem no exercicio de suas funches polieiaes, os
lornam eondescendaaies e fracos, o que prejndica
coosideravelmente a seguranza individual.
Como consequencia da medida de qae trato, se-
ria nesessario ara accrescmo de despeza, afira de
'*tipandi;ir as autoridades polieiaes estranhas aos
lugares. Este inconveniente com effeito grave,
avista das difflculdades floanceiras em qae se
acba o paiz; todava, nao tendo conflanca completa
na polica gratuita, em certos lugares e em certas
circumstancias, nao terei duvida de empregar
aquello meio.
Nao insistrei em demonstrar a mxima utili-
(iade da medida de queme tenho oceupado, por
que ella excede s vossas attribuicoes.
Os crimes commatMos Ho anno prximo Ando,
a de qae a polica lava eonmeimento, sao os que
constam do feguinte extracto que, comparado
com os dos annos antefiero, presenta a dura
verdade de nao ter o tea numero diminuido, como
era para desejar.
1869
15
Reaiateacia..........
Tirata ou luga de pre-
sos...............
Tentativa de faga de
presos............
Arroraba nonto dea*
dala
Desobediencia!'.'.'.'.'.'.
FaUdade..........
TeattUwdalniurrei-
co. ___.
Faltt de cumprimen-
to da de veres.....
iatredat^c de raoe-
1868
3
1867
7
1866 1863
8
14 >t4 26 26 1
429
SALUBRIDADE PUBLICA
Era alguns pontos, principalmente nesta capital,
em Serinhem, Po d'Alho e Rio Formoso, para
onde foram opportunamente enviados soccorros,
e ultimameate em Agua Pjeta, para onde mandei
a 23 de marco urna ambulancia com ruediamen-
ios apropriatos,desenvolveu-se a varila fazendo al-
gumas victimas; e reinando em Bora Conseibo,
uuricury e Salgaeiro febres de mu carcter, para
cada urna dessas localidades remetti urna ambu-
lancia com os remedios adaptado^, allm de serem
convenientemente applicados aos desvalidos qae
d elles carecessem.
Sanife dr>oj/o. Por alleeimenu do Dr. Joao
Wrreira da Silva foi o Dr. Pedro d'Athayde Lobo
Moscoso, por decreto de 13 de outobro, nomeado
inspector da saude do porto, o qual entrn em
exercicio em 11 de novembro.
Representando-me este ser prejudicial o com-
municarem se as pequeas embarcac5es com os
navios que aportam a esta provincia/aates de vi-
sitados e desembarazados, por constar das cartas
de saude trasidas pelos que tem vindo do Rio de
Janeiro que ali se tem dado muitos casos de febre
amarella, expeJi as conveaientes ordens para que
s depois de visitados e desembaracados iiaja cora
elles communicajao.
Vaccinagao. Segundo o mappa apresentado
pelo commissario vacciuador. Dr. Ernesto Felicia-
no da Silva Tavares, vaccinaram-se nesta cidade
durante o anno lindo 172 pessoas do sexo masce-
lino e 106 di femenino, sendo 114 livres e 164 es-
cravas.
A m localidade da reparticao, a repugnancia
que da parle de algoas ainda ha esse meio pre-
servador da varila, e ao ser elle erapregado:
tambem pelos mdicos em suas clnicas e al
por curiosos attribue o mesmo vaecinadora ccera
pouco elevada dos vacinados na repartilo a seu
cargo apezar de funcionar ella duas vezes por
semana. Accrescenta qae nenhum dado pode
forne :er acerca desse servico em todos os ontros
municipios psr nao haver qaem delle se quera
encarregar gratuitamente e faz sentir a falla de
recursos que tem para o expediente da raesma
repartido.
LASARET DO PINA
Para resolver sobre a proposta de sua remogao
para a Ilha de S. Aleixo, indicada pelo inspector
da saude do porlo, exigi o governo imperial por
avi 1869, informaces acerca da despeza a fazer-se.
E representando-me o engenbeiro das obras ge-
raes precisar de instrumentos, que se devem
comprar e de pessoal que o auxilie nos estudos e
orcamentos que tem de proceder, aguardo infor-
macao da reparticao competente sobre a existen-
cia de ere lito para essa despeza.
CULTO PUBLICO
Ao que vos disse por igual occasiao o meu an-
tecessor o Exm. Sr. conde de Baependy, sobre
este importante assumpto em seu relatorio de 10
de abril do anno passado, nada tenbo que accres-
centar, por serem quasi as mesmas as condicoes
em que se acha o culto divino.
As pequeas quotas votadas annualmeate para
matrizes, com a louvavel intencao de beneficiar
todas, mal chegam as vezes para compra de'ma-
teriaes, ou comeco de reparos, que se inutilisam
por falta de verba para a sua conclasao. Urna
escrupulosa destrbuico de subsidio era cada
anno pelas que ie achara em peior estado, de modo
a poder effectaar-se a construcejio, reconstruccao
ou reparo completo de cada urna, daa todas
no fim de poucos anno3 o grao da magnificencia
e explendor que a religiao reclama. Um oulro
ponto vos deve merecer serio cuidado, e a crea-
cao de novas paroebias, para que por falta de
rendimentos suficientes nao venham a flear sem
pastor como a de Nossa Senhora da Conceicio da
Pedra, cajos rditos nao chegam para sustentadlo
do parocho e por essa razio nao foi .".inda can-
nicamente provida.
Nao posso deixar tambem de despertar a vossa
benvola alinelo para os recolhiraentos de Nossa
Senhora da Gloria desta cidade, Nossa Senhora:
da Conceicae de Ollnda, Coracao de Jess da!
villa de Igaarass, e Nossa Senhora da Soledade
de Goyanua. Para em poucas palavra3 significar
a penuria em qaejvivem as infelizes que se abr*
gam este ultimo, basta dizer que por falta de
recursos apenas sao alimentadas urna s vez ao
dia, seguado informou o respectivo capellao.
Na ausencia do Exm. e Rvm. bispo diocesano
D. Francisco Cardoso^Ayres, [contina na regencia
do bispado desde 29 de setembro do anno passado,
o Rvm. conego honorario da capella imperiaj
Francisco Jos Tavares da Gama.
(Continuar-se-ha.)
vista das informales autorise-se oDr. dir.
tor geral da instruccao publica aceitar o offere
cimento dos exemplares de que trata o sapplcante
medante a quantia de 3000000.
Baronesa da Vera-Cruz.Informe o Sr. inspec-
tor da thesourara de fazenda.
Bento Eleuterio de Souza Castro D-se poc
certido. ^
Deodato Correa de Arajo Cazar.Informe o Sr.
tenente-coronel commandante do corpo provisorio
de polica.
Eduvirges Mara da Conceicao. Informe o Sr.
desembargador provetor da Santa Casa da Mise-
ricordia
Cptao Francisco de Araj.Informe o Sr.
commindante superior da guarda nacional do mu-
nicipio de Naza/elh.
. H,enr'1ue de MiraBda.Informe o Sr. engenheiro
chefe da reparticao das obras publicas.
Joao Mnnezes Maciel.Informe o Sr. inspector
da thesouraria de fazenda.
Joao Baptieta do Amaral Jnior.Informe o Sr.
inspector da tbesouraria de fazenda.
Joao Baptista do Amara! Jnior.Epcaminhe-se.
Joao Alves da Cruz.Como reqaer, remeltendo-
se estes papis ao Sr. inspector da thesonrara de
fazenda para os flns convenientes.
LuizJ-Vaacisco de Arroxellas Galvao e Carapeba.
A vista das informaedes nao tem lugar o que
requer.
Ladislao Rodolphp de Arajo Cezar.Informe o
Sr. commandante superior da guarda nacional de
municipio de Nazareth.
Manoel Florencio lavares. -Requeira ao gdveroo
imperial.
Matheus Fernandes Pereira.Informe o Sr. Dr.
chefe de polica.
Bacharel Miguel Jos de Alraeida Pernarabuco.
Certifique.
Manoel Raynero de Barros.Informe o Sr. ias-
pector da thesouraria provincial.
Manoel Baptista da Silva.Informe o Sr. tenen-
te-coronel commandante do corpo provisorio de
polica.
Ovidio Valerio dos Santos.Informe o Sr. Dr.
chefe de polica.
Pedro de Alcntara dos Guimaraes Peixoto.In-
forme o Sr. inspector da thesouraria provincial.
Simplicio da Silva Barbosa.Expeca-se ordem.
0 Su. Veiga Pessoa :O nobre deputado tenha
paciencia um pouco, preste attencao.
O Sr. Antomio Paulino :Eu son reconhecida-
raenie paciente.
O Sr. VEir.A Pessoa : Como la dizsndo, Sr.'
^residente, a commissao enunciou-se declaraudo
iinehavia duvida sobre a eleicao do Sr. Dr. Correa
de Araujo.a^espeito do acliar'-se'elle alli incompa
do : incompatbilidade esta que foi veriflca-
Ileparlvo da polica.
* seccao.Secretaria da polica de Pernambu-
, 1 de abril de 1870.
N. 449.Illra. e Exm. Sr.Levo ao conheci
tnenlo de V. Exc. que, segundo consta das parti-
dpacSes recebidas hoje nesta reparticao, foram
recoihidos casa de detencao, os segninias indivi-
duos :
A' ordem do subdelegado de Santo Antonio, Ge-
raldina Joaquina do Espirito Santo, por crtme de^d
furto.
Por offlcio de 6 de marco ultimo particiuou-me
o delegado de Itamb qae, s 6 horas da manhaa
do mesmo dia fra brbaramente assassinado o
alferes Antonio Correa de Oliveira Andrade, pro-
prietario do engenho Canabrava daquelle termo,
por um sea escravo de nomo Cezario, o qual es-
torcos do respectivo doutor juiz municipal, fra
capturado na cidade de Goianna, e que contra o
mesmo escravo ia ser inslaaraao o competente
processo.
Em data de 24 do referido mez, declaurou-me o
delegado de Caraarlque pronunciara Jos Rufi-
no Pereira e lienta Maria de Jess, como in-ursos
as penas do art. 142 do cdigo criminal, pela
morte de Manoel Jos da Silva, de que tratei em
minha parte sob^n. 372 de 17 do citado mez.
Em offlcio datado de hontem communicou-me o
subdelegado do Recito que hontem mesmo o pardo
Antonio Joaquim se precipitara casualmente do 2o
andar do sobrado n. 54, silo ra da Cadda da-
quella freguezia, onde se achava trabalhando na
reedificacaj do dito sobrado, do que resultou ficar
com o crneo fracturado ; que logo que soube do
facto, dirigise ao lugar do sinisiro e fez conduzir
o paciente para o hospital, alim de ser convenien-
temente tractado.
Deus guarde V. ExcIllm. o Exm. Sr. se-
aador Frederico de Alraeida e Albuquerque, pr-
ndente da provincia. O chefe de polica, Luh
Xntonio Fernattdes Pinheiro.
PERNAMBUCO.
----------
DESPACHOS DA PRRSIDEKCIA >A PROVINCIA DO DIA 29
DE MARCO DE 1870. .
Antonio Augusto dos Santos Porto.Dirija-se ao
Sr. engenheiro chefe da reparticao das obras pu-
blicas.
Maior Aleixo Jos da Luz.D-se do que cons-
tar.
Angelo da Costa Mello Roul,se as
ordens.
~m**.smimm*.
ASSEMBLA PROVINCIAL.
2.a SESSO PREPARATORIA EM 30 DE MARCO
DE 1870.
PRESIDENCIA DO SR. DR. AGUIAR.
(Contmuagao.)
O SR. VEIGA PESSOA : Sr. presidente, nao
foi sem grande sorpreza que acabo de ouvir lr
o parecer da primeira commissao de verificacao
de poderes, que opinando pela legitimidad* e re-
conheciraento de todus os eleilos da provincia,
excepcSo dos do priraeiro districto, aprsenla no
entretanto a idea de ser considerado deputado pe-
lo segundo-dstriet o Dr. Antonio Francisco Cor-
rea de Araujo, a despeito de achar-se all incora-
patibilisado em dous collegios ejeiloraes...
O Sr. G. Drummond- : Olhe que a commissao
nao pedio semelhanle cousa.
O Sr. Vkioa Pessoa :Reconheceu.
O Sr. G. Dhumhomd :Nao, senhor, perdao, nao
disse cousa alguma; pedio que viessem as provas
para formar o seu juio. Pedio qae viessem os do-
cumentos em que a cmara se tinha fundado para
formar o seu juizo.
O Sr. Veiga Pessoa :Deu o parecer iniciando
duvidas acerca dos dous ltimos volados no intui-
to de ser addiada sua eleicao para depolafie ser
constituida a casa, a despeito da incompatbilida-
de manitosta que ha da parle desse candidato que
tem de concorrer um desses lugares.
O Sr. Presidente :O Sr. deputado, que tem a
palavra, deve altender que o parecer conclue ap-
provando" eleicao dos sete primeiros membros
pelo segundo dmrtcto, e pondo em duvida a dos
dous nitimot; sendo que por isso, pede qaapor
intermedio da presidencia se soliciten certos es-
elarecimenios, e isto sem duvida, implica um
addiameBio.
O Sr. Veiga Pessoa : Eu
combaler o parecer.
O Sr. Presidente :Portante, j v que, se se
trata de um addiamanto, somente sobre elle
que deve versar a discusso.
O Sa.*VRiGA Pessoa :E' justamente isso
estou fazendo.
O Sr. Presidente : Mas o Sr. deputado
discuiindo j a questao.
O Sr. Veiga Pessoa :Nao, senhor ; no prin-
cipio do enunciado de minhas ideas, au apenas
disse que a commissao aveotoa a questao da in-
compatbilidade, visto ter posto em duvida ajMous
ltimos votados.
O Sr. G. Drummond :Nao apoiadoM&~ ~
O Sa. Veiga Pessoa :Como ia dizeodo, a com-
missao enunciou a questao de incompatbilidade
do Sr. Correa de Araujo, a despeito..
~ Antonio Paulino d um aparar
por, ora nao quero
que
est
da pa cmara, enjos fundamentos" acbam se con-
signados na acta.
O Sr. Figueira :Mas a cmara nao era com-
pleme para verificar essa incompatbilidade.
O Sr. Vriga Pessoa :Ainda assim ; a boa ou
m apreciado que a cmara apuradora fez de suas
attnbuicoesnada importa ; naoafTecta seriamen-
te a oconteMabilidade do ponto em questao, alm
de que me rtrece que tem ella muito boas razes
oara justifica! o seu acto : porque na qnalidade
de executofp da lei, reguladora do procasso de
.ipnrajao, as saas funecSes nao sao tao paramen-
te mechanicas une devesse regeitar-se aqulllo
qae evidentemynte nullo em face da lei e ins-
truccoes que regulara a especie.
En me rarci mthor comprehender, quando se
tratar dessa qnestap.
Continuando, Sr.presidente, direi que nao o
raau intuito impugoVr e por embarazos appro-
vac.ao da primeira parle do parecer, e muito me-
nos entrar na jiprecia'can dos fundamentos que te-
ve a commissao pira issim proceder, por agora
apenas me limito a fazer um jnslo reparo ao pro-
celimento da commissao em pedir QjutoUamouto
desea questao, al qae cheguem as informac3B
da cmara municipal de Nazareth, quaado sem
duvida a deliberacap^a cmara, deve ter assento
eoi bons fundamentos, no eatretanto concordo no
aldiamenio pedido, e quanio se discutir a materia
lere plena satisfacao de offerecer a casaalgumas
coosideracoes, sobre as quaes firmo a eonviccSo
qae tenho para mostrar qae ha incompatbilidade
manesla e legal na eleicao desse candidato, fa-
zendo somente por agora este protesto.
0 SR. GASPAR DRUMMOND fazaigumas breves
coasideracSes.
O SR. ANTONIO LUIZ :-Sr. presidonle, ea 'nao
eUava preparado para entrar nesta qaesto, ape-
nas ouvuao nobre membro da commissao, mas o
parecer suscitou-me alguraas duvidas, e sem que
pretenda crear embaracos sua passagem, desejo
ser esclarecido. Assim irei expondo as duvidas
qae tenho, e procurarei nao fatigar por mano
L'mpo a atteocao da casa.
Minha primeira duvida refere-se ao nao reco-
nhecmento, como, deputado do primeiro doi tres
empatados no segundo districto, a respeito dos
quaes so procedeu a soneto em Nazareth. Admi-
rei, senhores, que o Sr. Dr. Jos Francisco de Bar-
ros Reg, nao fosse j)roeBmado deputado, visto
que a seu respeito nao ha a menor duvida.
Sao nove os deputados, a cmara tinha duvidas,
fundadas on nao, relativamente a um dos eleitos
mais\volado ; mas como dos Ires empatados tives-
3illfc. 'ntr.ir llOUS, SUppilniiuu Um Jolles te
glf sse oulro, a respeito do qual versavara ai
idV.s, proceden como era natural, e creio que
coasta da acta o primeiro e segundo sorteie. A
respeito do segando sortio, nao discutirei por
ora. porque refere-se justamente queslo con-
trovertida, mas quanto ao primeiro, me parece nao
haver a menor duvida ; pois sonde a cmara a
competente para fazer esse sorteio, creio que a
commissao deverla considerar liquida a queslSo
relativa ao deputado, a favor de quem a sorte de-
cidi em primeiro lugar. E' por essa razo que
desejo ser esclarecido, estando propenso a man-
dar urna emenda mesa no mentido de se procla-
mar deputado o Sr. Dr. Jos Francisco.
O segundo ponto sobro que tenho duvida, re-
fere-se a qaesto de incompatbilidade. Sem que
queira eu -oscilar por agjra essa questao, me pa-
rece que desde, que a cmara declara os motivos
de sua negativa de diploma ao Sr. Dr. Correa de
Araujo, dando o a outro, para o que pfocedeu ao
respectivo soneto, sendo o motivo disso a incom-
patbilidade por ter o Sr. Dr. Correa de Araujo
como juiz, presidido o jury em um dos termos que
fazem parte da comarca...
Un Sr. Deputado :Em dous.
O Sr. Antonio Luiz :. E' indfferente ser em
dous, dez ou doze. Nao estou entrando na questao
de incompatbilidade, isto apenas razo de or-
dem. Me parece que sendo a razao porque a c-
mara negou esse diploma (a que deu) a de in-
compatibilidade.Jquestaoloda de direito, abstrahin-
d_j mesmo da competencia da cmara para apre-
ciara materia, nao tinha necessidade de apresentar
provas, e a conmissao podia pronunciar-se a res-
peito da materia. Porlanlo, me parece intil, e pura
perda de lempo o pedido de informacoes acerca
desta questao que a assembla poda decidir des-
de j.
A demora dessa questao para depois de insul-
tada a assembla nao sei mesmo se ser dos esty-
loj; na duvida, nem mesmo fare a isso opposi-
?ao ; mas a razo que d a commissao para obter
informacoes da cmara, nao me parece proce-
dente. questao sendo paramente jurdica nao ti-
nha necessidade de provas, desde que o facto nao
contestado, nem nesta casa nem lora delta. Se
nesta casa, ou mesmo fra della, mas de maneira
que' tivessemos conhecimento, losse contestado
qae esse candidato Uvesse presidido o jury, pde-
riamos precisar de intormafoes, mas es ja presi-
dencia fra de toda a duvida, e a qaesto se re-
fere toda ao ponto de direito. Neslas condiedes
rae parecem desnecessarias essasinforraagoes. Pe
co, pois, ao Sr. presidente, que pondo o parecer
Votajo, separe esto ponto embora lenharaos de
decidir afirmativamente a proposta que faz a
commlssapie ficar para a ses.-o ordinaria a de-
cisao da questao ; peta razo de esperar que fique
a assembla constitna regularmente, se assim
entender a assembla.
Em todo a caso, peco que se separem as duas
questdes : 1?" se deve ficar a decso da questao
de diplomas para a sesso ordinaria da assembla;
2.a se essas informacoes sao precisas. Ea me
inclino vatteio negativamente, com relacao as
duas qaestow; mas me parece que a segunda, a
relativa as informacoes de todo distituida de
fundamentos.
O Sr. Gcsmo Lobo :Apoiado.
O Sr. Antonio Luiz .Quanto ao mais concor-
do com a commissao. Estas reflexes servem
para justificar o mea voto e eselarocer-me tanto
quanto preciso para decidir conscienciosaraenie a
questao.
Vai mesa e apoia-se a saguinle emenda, se-
gunda conclusa i do parecer, relativa eleicao do
2 districto.
eQue se proclame deputado oSr, Dr. Jos-
Francisco de Barros Reg.Antonia Luiz.
O SR. GASPAR DRUMMOND combate a amenda
O Sr. Antonio Luiz :Sr. prseidente insisto as
reflexes qae, anteriormente ao mea nobre collega
de districto, ti ve occasio de apresentar casa.
A primeira qaesto, relativa ao sorteio, me pa-
rece fra de toda a duvida ; creio quo essa qaesto
de sorteto nao pode, de modo algum, prejudicar
ao Sr. deputado Jos Francisco de Barros Reg.
Nao mea fim, apreseniando a emenda, dar
muito aprecn decisao da questao de dar-se di-
ploma a este ou aquello, por esto ou aquello dis-
tricto ; a minha qaesto nica que devemos
prescindir de urna demora intil em unta decisao
que nao pode de modo algum ser prejudicada
pela questao da incompatbilidade que da lugar
duvida da eleico de um outro deputado, com a
aal nada tem que ver a eleicao deste era favor
a qaem a emenda se pronuncia.
(Ha um aparto).
E' preciso aliender maneira porque esse sor-
teio se faz as Jamaras. A lei considera a ca
mar coma competente para fazer semelhaole
sorteio, nao nesta casa que elle se faz ; quar
se Iratasse da questlo de incompatbilidade do Sr.
Dr. Correa d'Araujo. quer nao, o Sr. Dr. Jos*
nanciseo seria em todo o caso deputado pelo
2 districto, vis o como ao sorteio se nava de prj-
ceder necessariamento, por for?a do empate que
liouve nos ires ltimos volados por aquelle dis-
tricto. Desde qae esse empato se deu, desde
que oito candidatos uuicamente foram eleitos
com maior numero de votos, o tres obtiveram a
aSS? vo,aQo, qoor ie tratasse da incompatbi-
lidade, quer nao, infallivelmente a cmara teria
de proceder o sorteio para escolher um dos tres,
achando-se prejudlcados aquelles que fossem ex-
cluidos pela sorte. Nestas condicoes, como se
quer fazer depender de urna queslo inteiraraente
diversa, c relativa a um terceiro, o reconhecimento
de um deputado que desde j pode ser considera-
do como membro desta cmara e tem seus po-
dtres legtimos ?
O Sr. Vei.ja Pessoa :Atttnda S. S. "que foi
somente um sorteio.
O Sr. Antonio Luiz :Eu axplicarei este ponto
a V. Exc. O sorteio pode ser feito de urna s
vez, mas em L'do o caso deve ser feilo separada-
mente. A maneira de proceder a esse sorteio nio
pode ser seno assim : a eamara, tendo de preen-
cher dous lugares e haveeato tres candidatos em-
patados, o Io em favor de quera a sorte decide
a oitavo na lisia, e ento procede-se em conti-
nuaca aosartoio jtojmtro^ o que pode ser na
mesma occasio," mas em toao~rj-T*ao ba de se,
primeiro tirar da urna
o oitavo lugar, e depois onlio para o nono. Por
tanto, se foi assim, como nao podia deixar de
ser, quanto ao oitavo na lista nao pode haver du-
vida ; a duvida pode dar-se quanto ao nono, to
somente.
Um Sr. Deputado :Mas sendo censiderado o
acto da eamara cmo Ilegal ?
O Sr. Antonio Luiz :O acto da cmara a res-
peito do qual se d controversia nicamente o
da negativa de diploma ao Sr. Dr. Correa d'Aaraujo.
O ser a decisao da cmara rotativa incompat-
bilidade anterior ao sorteio importa pouco para
a qaesto qae se agita agora. Que importa que
a cmara decidisse previamente a incompatbili-
dade, se ella necessariamento uvesse de proceder
lo, excepto na parle em que pede ioformaeOea
camai a de Nazareth, com a emenda do Sr. ^no-
nio Luiz, para que seja, proclamado deputaao o
br. Dr. Jos Francisco de Barros Reg.
O Sr. Gaspar Drummond:(Pela ordem). Me pa-
rece que os collegas do 2 districto nao podem
votar nesta qaesto.....
O Sr. Ca vlgante de Albuquerque .o que
estao reconhecidos deputados n) podem votar em
qualquer questao que se aprsente aqni, nao sendo
pessoal?
OSr. Presidente: Esto seto deputados re-
conhecidos, e eu esperava a decso qaaato
emenda que manda reconhecer o oitavo, para pro-
clamar, como meu dever, a todos, porque nao
havia de proclamar a sete para depois proclamar
mis um. Portante vou proclamar deputados peto
2o districto os oito senhores, cujos poderes acabara
de ser reconhecidos.
Em seguida o Sr. presidente proclama deputa-
dos pelo 2o districto os senhores mencionados ao
parecer e emenda.
Sao suceessivamente approvados todas as outra-
concluses do parecer e proclamados deputados
aquelles que o mesmo parecer reconheceu legti-
mos nos 3, 4 e 51 districto?.
. Vai a mesa, l-se e approvado sem debate o
segainte parecer :
A commissao eleita para a verilicaco dos po-
deres dos membros da primeira commissao, a que
so refere o art. 4 do regiment, tendo examinado
os actos de appro va cao doS votos dos 3', Pea*
distrietos, e nao encontrando irregularidade que
vicie o processo eleitoral, de parecer que sejam
reconhecidos membros da asamblea legislativa
!@& G.r tfnss
Joaquim OgBfaJyai Lima, ehjffc nC|0 fr distric-
to- e Antonio PaTTQb GS-Vi'fente d'Albnquerque,
pelo 4o districto.
t Paco da assembla legislativa provincial de
Pernambuco, 30 de margo de 1870.
F. L. de Gusrao Lobo.
t Jos Joaquim de Oliveira Fonseca.
O Sr. Presidente, designa para ordem do dia
di sessao segrate a eontinuacao da verificacao de
poderes, e levanta a sessao.
as sirteio, por se dar empale na votacao de tres
candidatas ? Por consegunte a queslo agitada
na cmara relativamente incompatbilidade de
um candidato nao pede prejudicar aquella qae
oceupa o 8 lugar na lista.
Esta explicarlo que acabo de dar (nao sei se
me fiz bem comprehender) se refere a emenda
que tive a honra de offerecer mesa, e faz
parle das primeiras reflexes que offereci.
Aoutra duvida que apresentei, e qaal res-
pondeu ojaeu nobre collega de districto, me
Frecw aOKbeui que reu> too* o. fnaaoiaBto.
Coacordando en em parte, ou ao memos flta me
oppondra- -reflexes de S. Exc, em outra parte
insisto as minhas ponderacoes. Me parece que
esta queslo deve ser votada em duas partes, e
na occasio da votacao farei este pedido a mesa
que formule i-s dous quisitos seguintes : 1.
se se deve deixar a decisao da questao de incom-
patbilidade, a decso da queslo do diploma do
iP' Moscoso Par* depois da abertura da as-
sembla, para depois da asembla achar-se le-
gitimamente constituida; nesta parte disse ea
que nao me oppunha ; me parece que nao ha
um fundamente rasoavel. mas se se funda nos es-
tylos o mea distincto collega, que me fes a honra
de contestar, eu nao terei razo para me oppor ;
nao acho inconveniente em adiar-se a decso
para depois da abertura da assembla ; me pa-
rece que isso menos fundado, mas se se entende
que isso conveniente, mesmo para nao mostrar-
se acedamente nesta queslo, para tratar-se com
aquella calma que deve presidir a todas as nossas
decises, e se, de mais a mais os estylos da casa
veem era apoto da opinio do meu Ilustre
collega, nao ponho duvida mesmo em acompanha-
|o nesse ponto.
Quanto ao oulro ponto, porm, insisto em dizer
que desnecessaria a informafo. Nos nao deci-
dimos nqui como juizes letrados, pelo allegado e
provado, nos decidimos por nossas consciencias,
pelo conhecimento que temos dos fados. Se, por
ventura, um deputado oo foi legalmente eleito,
urna eleico era urna freguezia qualquer nao foi
feita regularmente, erabora se aprsentela todos os
documentos que Ihe sejam favoraveis, eu jamis
nesta cadeira votarei a favor; se estiver convenci-
do de que essa eleico milla, voto contra ella,
sejam quaes forera as provas que se apresentera
em contrario. Nos decidimos aqu em consciencia
sobre todas as materias, mxime quando se trata
de apreciar poderes de nossos collegas; decidimos
pelo conhecimente qae temos dos tactos, temos o
dever de indagar, de examinar; aqui se nao d
esse cortejo do foro em que as partes vo apre-
sentar a sua prova, a vista da qual o juiz deve
julgar.
Por consequencia me parece desnecessaria essa
informaco da cmara, visto como ella se fundou
nicamente n'uma queslo jurdica, e o facto
conheci do de todos; sendo que at as partes a
quem pode interessar, nao o contestan!.
Um Sr. Deputado :Mas a outra parte nao est
presente.
O-Antonio Luiz:Que importa, se todos nos
sabemos da realidade do facto, e nao ha contesta
gao'alguma? A qaesto s a respeito do ponto
jurdico.
O Sr. Gaspar Drummond : A cmara seria
competente para decidir a queslo '
0 Sr. Antonio Luiz :Perde, eu j disse que
nao entrava na apreciacao da imesto de compe-
tencia, por isso que nao punha duvida em concor-
dar que ficasse adiada para depois da abertura da
assembla, essa qaesto, se a cmara era compe-
tente para dar o diploma a este ou aquelle cindi-
dato, entendo com a principal, do reconhecimento
dos poderes, e se esta ficar adiada, como rae parece
que fica, e nao vejo nisso inconveniente.....
O Sr. Gaspar Drummond : Mas qual a
desvantagera do pedido de informacoes?
O Sr. Antonio Luiz :Digo que ha inutilidade
em perdir-se informacoes cmara sobre faclos
que nos conhecemos, que nao sao contestados por
ninguem.
Um Sr. Deputado : Facto provado pela acta.
O Sr. Antonio Luiz: Ninguem contestare,
sobre a questao jurdica, a cmara o tem aue
dar ioformaces.
(Trocam-se maitos apartes).
O Sr. Presidente : Attencao I
O Sr. Antonio Luiz:Nos todos sabemos que e
Sr. Dr. Correa d'Araujo juiz municipal de Pao
d'Alho, que a cmara de Pao d'Alho pertonce ao
1 districto, e qae elle presidio ao jury em comar-
ca pertencente ao t> districto ; portante o ponto
de facto est provado, e a respeito delle qae a
cmara nos pode informar rasoavelmente; ao
passo que sobre o ponto de direito a respeito do
qual temos de tratar, nao precisamos de informa-
coes.
Limito-me a estas consideraedes pedindo de
novo ao Sr. presidente qae na votacao, proponba
separadamente, 1>, se deve ser adiada a decisao
da materia para depois da abertura da assembla;
2, sa essas informaedes devem ser pedidas.
Encerra-se a dscussao, e posto a votos o pare-
cer, approvado aa primeira conclasao, relativa
ao 1* districto, e aa segunda, relativa ao t* distric-
3.' SESSAO PREPARATORIA KM II DE MARCO
DE 1870.
PRESIDENCIA DO SR. AGUIAR.
As 10 e nieta horas da manhaa, feita a chamada,
acham-se presentes os Srs.: Joaquim Praneisco
Paes Brrelo, Francisca Ferreira de S, Jos Fran-
cisco de Barros Reg, Joao Cavalcante de Albo-
querque, Miguel de Almelda Pernambuco, Antonio
Paulino Cavalcante de Albaquerqac, J"3o Vieira
de Araujo, Francisco de Ges Cavalcante, Maaoei
Arthur de Hollanda Cavalcante de Albuquerque, -
Joaquim Guedes Correa Gondira, Jos Maria Mos-
coso da Veiga Pessoa, Antonio Josc Pirmino de
crates Tavares de Vasconcellos, Pracsco Domin-
cues Ribeiro Vianna, Ignacio Joaquim de Souza.
Leao, Antonio Lins Cavalcante de Albuquerque,
Francisco Leopoldino de Gusmo Lobo, Joao Jos
Ferreira de Auiar, Eduardo Augusto Pinto de
Oliveira, Jos Nicolao Toleniino deCarvalho, Pedro
Brrelo de Mello Reg, Franci ta, Jis Manoel de Barros Wanderlev, Gaspar de
Menezes Vasconcellos de Drpmmond. Jos Joaqpm
de Oliveira Fonseca, Manoel Joaquim d. Barros
Souza Leo, Ernesto Vieira de Mello e Silva, An-
tonio Domingos Pinto Jnior, Pedro Alfonso Fer-
reira, Felippe Figueira de Faria, Rufino Augusto
de Almeida, Henrique Mamede Lins de Almaida,
Joao Francisco ao Amaral.
Abre-se a sessao, e llda ap-Tovada a acta da
antecedente.
O Su. Io secretario, d eima Jo segainte
EXPEDIENTE :
Um offlcio do secretario do governo, eommuni-
cando que amanha a 1 hora db larde ir ter o seu
relatorio perante a assembla.Inteirada.
Outro da cmara municipal desta cidade, re-
metiendo a authenlica do colirio eleitoral do Reci-
to.A' commissao de verificacao de poderes
L-se e approvado o segainte parecer:
A commissao de poderes, examinando as actas
das('eleiroes procedidas nos collegics do Itecife e Pao
d'Alho, em 28 de novembro do anno passado, para
membros desta aseembla pelo primeiro districto
desta provincia, reconheceu ter havido regolari-
dade no processo eleitoral, que toram guardada
todas as dispusieres legaes concernentes ma-
teri...
Limitar-se-hia a commissao a esta simples de-
claracjio, se nao apparecesse a ciicurasiancia que
passo a expor :
O Dr. Jos Maria Moscoso da Veiga Pessoa apre-
sentou commissao urna cerlido extrahda pelo
escrivo que serve peranle o juiz municipal da
primeira vara, do qual coosla quo o Dr. Migue!
JoS d'Almeida Pernarabuco, dra audiencia e
despachara feitos como substituto do juiz muni-
cipal daquella vara, denlro do prso qae o torna-
va incompativel para ser eleito membru desta a
semblaex vi do i) do art. Io do decreto n. 10S2
de 18 de agosto de 1860. E o Dr. Miguel Jts
d'Almeida Pernambuco, aprosentou comniisviu
duas certides, urna da secretaria da presidencia,
e eutra da cmara municipal, das quaes coasta
que desde 16 de junho at 10 do ilezombro, exfr-
cera a vara municipal dorante o impedimento do
eftectivo juiz, o Dr. Paulino Rodrigues Fernandes
Chaves, o seu primeiro substituto Dr. Joaquim
Jos de Miranda.
Em face deste3 documontos que se conlradixem
commissao nao se julga sufllcientomenie esclare-
cida para dar o seu parecer sobre a eleicao do j.i
dito Dr. Pernambuco, por quanto acra as certldes
por elle apresentadas, destroem a aWrniava do es-
crivo daprimeira vara, queanteae serviouem
da certido deste ultimo se conhee. que s para
ausas especiaes assuraio aquelle Dr. a jurisdipL
Bunicipal, por quanto se v na predila certida.
do escrivo o segainte :a 31 de agosto dyu au-
diencia no qual nao houveram feitos, o quo pro-
poe. ter elle assumido a plena jurisdico Je Jult,
e nao ter sido para um caso especial. Aerasen
ainda, e nota a commissao que ainda -mesma qne
se conheca qae o Dr. Pernambuco exercen a vara
municipal em casos especiaes, duvLias mf* si-
rias reeorrem a respeito de sua incompatbilidade.
A questao que a commissao suscita mui
e ple a sua decisao prejudicar direitos
dos. E' caso nao previste em nossa leg
eleitoral, e qne depende ainda de dee
der legislativo geral.
Em 1863 o govarao imperial, c
supplente do juiz municipal exe
ciando em casos especiaes por.
effectivojuiz, fica inhabilitado rj
collegios eleitoraes do districto em
emprego, respondeu enviando e appi
recer do eonselho de estado d<
1863, qae submetteu quest rttn
da assembla geral legislativa.
Janeiro de 1864.
Em face, pois, disto ne
para se esclarecer con vnii
c5es, de parecer
I. Que sej
gios eleitora
1* Que i
todos pelo
Drs. Manoel I
querque,Dx.
Dr, FnS
sejam app
iraesaj^^^H
riArthlrdeKo!
Dr. Francisco Loe
X


V

ft< Diario e Pefntmbuco

Sabbado 2 de Abril de 1870.
5W
=
--eSoUSaLi
m
3.'
launa.
buco exercido
nopal 4a l* vara,

do depob de se haver dJstfnan'.de 'torno desse
glorioso estandarte, us reunidos e sanauinoteatof
combates dos dias 2 o 24*noato, H 18 de juHw
de 18W, de Tuyuy, Avdfcy, Ptquiciry,.Hiie$rti,
presidencia provincia, in- Tuyu-Cu, Par-Cu, Palmas, Jessiry, Pedreiras,
_ de ter on nao o Dr. Perna'm- caguissur, e de tantos ostros lagares, sempre
ament a jurisdico de juta mu IRberto de immarcessiveis louros, volveu a sua
desde 30 de jnfho at 30 de | provincia natal, que orgulhosa se utana de II
averobro do anno pasmdo cu se nicamente aser-
ctu semelhaote cargo era oso ^J. e .P"
imoedimento dos egeetivos, cando adiada a deci-
lio sobre eemelhante eleicao.ate que venhatn tees
Bfbnnacoe o esteja esta aasembla devidamente
AQacJitllldS.
Sala das eommisoes, 31 de marco de 1878.
Jmw Gonfalves Lima.Antonio P. Catakan
iTifc'Albuquerque.Gaspar Drumond.
fc IB i~ii
tcve lu-
REVISTA DIARIA.
ASSKINJU PROVINCIAL.Hontem
ea abertura solemne da assembla provincial,
lo o Sr. presidente da provincia o sea re-
MartC"
Procede u se deiqao da mesa, que ncou assim
constituida:
Presidente, o Sr. Dr. Joao Jos Ferreira de A-
fur. .
Vire-presidente, o
Lra.
I* secretario, ^o
Sr. Dr. Joaqaim Goncalves
Sr. Dr. Francisco Teixeira
secretario, o Sr. Dr. Jlo Vieira deA-J
Para a eommisso de coostuiglo e poderes to-
rzal eleitos os Ss. : A. Cavaleanle, Hermogenes e
Goaralves Lima. nn
S* proposta do Sr. Henrique Mamede, foi no-
mead ama eommisso comnoala dos Srs.: osmao
LonojHennque Mamede, Cavaleanle de Albaquer-,
qne, Edaaido Oliveira e Oliveira Fonseca, para
comprimentar e congratular-se com o Exm. pre-
sidate da provincia, como delegado do governo
imperial pela grata noticia do acabamento da
guerra. .
A ordem do dia para boje cleigoes de coro-
misses.
CMARA MUNICIPAL DO RECIFE.-Esta cor-
poral*, reunindo se hontem extraordinariamente,
tratoii dos fi-slejos pblicos pela felix terminaran
da aturra do Paraguay, deliberando mandar cap-
tar no da 21 do crrente um TeDeum em accao
de gracas ao Toilo Poderoso por fio applaudido
acontecimento e fazendo queimar umtogo de ar-
tificio noile.
elfcerou tambera ir boje, urna hora da tar-
de, em eorporaclo manifestar S. Exc. oSr. pre-
sidente da provincia os sentimenlos de que se acha
possuida por semelhante facto.
E finalmente, para commerar os feitos pratica-
do* pelos nossos generaos, delib<-rou mudar os no.
mes de algumas ras desu ciliado, devendo a ora-
ga da Boa-vista chamar-sePraga do Conde dhu,
a ra do Aragao Ra to Visconde de Pellas ; a
rna do Sebo Ra do General Victorino ; a ra do
Queimad Ra do Duque de Caxius ', as ras do
Sol e Concordia Ra to Mrquez do Hereal.
1NST1TITO ARCHEOLOGICO E GEOGRAPHI-
00.Reonio-se hontem esta soeiedade, sob a pre-
sidencia do Exm. ron.-elheiro monsenhor Moni*
Tavares, cora asssteneia dos Srs. Drs. Soares oe
Azevedo, Joaquim Puriella. Gervasio Campello,
Fonseca d Albuquerque, e dos Srs. padre Lino
do Monte Carmello, e major Salvador Henrique.
K" lida o approvada acta da antecedente.
Toman posse dos respectivos lugares para que
oram etoilos os socios presentes, deixando de o
arer os Srs. Drs. 3. vicepresidente Serapliico, e
orador Apngio Gnimares, recido.
O Sr. secretario perpetuo menciona o segrate
expediente :
Um offlcio do'Sr. Marcelino Pereira de Vascon-
-elios, oiTertando 2 exemplares da l1 e 2" sene
da Stkcta Brastliense, e igualmente solicitando a
remessa de seus tranalhos.Inteirado, e que se
ramettoese todos os numoros da Revista publi-
cados. .
Outro do Sr. Lnurentino Jos de Miranda,
rt-mettendo as obraslbum de las MUsiones pe
abbade Pablo Joahanneaud, e la Rspubltca del
Pal-aguan, por A. Mr. du Graty, offertadas pelo
coronel Manoel da Cunha Wanderby Lin?. en-
c- nlr.wlas ambas na repblica do Paraguay, tend
aerleacido asegunda ao cnsul poriuguez Jmt
Majia .eite Pereira, immola lo sombra do Mle-
h.!> aroiaoor -i um ifai i-fn' ----*-t "
ce-bida a o Berta com especial agrado.
i .)uir do Sr. So< Elenterio Caraeiro da Lu-
dosenho das
-ter dado o berco. Em seguida foi castado pelo
combo cabido um T*-Detm ao Deas *)s exercitos,
por to auspiciosa enlrega, e ao ajad assisttrim:
o presidente da cmara municipal desta mesroa
cidade, algjjns veroadores e u rescido numero
de poisoas gradas. E para a todo o tempo constar
lawei o presente auto. Eu, o conejo Trmqiiilino
Cabral Tavares de Vasconeelles, secretario lo rc-
verendissimo cabido, o escrevi e assgnei.Jos
Joaquim Camello de Andraie, chantre.- Marcelino
Autonio Dortultas, mestre-escola,Ccmego Firmi-
no de Meti Azedo.Conego Joo Chtiisostomo de
Paiva Torres.Conego Joao Baptista Pereira de
Mello.Conego Antonio Jos de Souza Qoa.
Conego Tranquilino Cabral Tavares le Vasconcel-
ios.Conego Ignacio Antonio Lobo.Conego Ma-
noel Tnomaz de Qtiteira.Conego Jos Dionisio
Gomes 4o Reg. Est conforme ao original. Sala
capitular, 30 de marco de 1870.O conego Tran-
quilino Cabral Tetares de Va$coMellos.
GREMIO PHILOSOPHICO L1TTERABI0.Esta
soeiedade empossou ltimamente sua nova direc-
tora, que ficou assim composta:
PresidenteArthur Anires Jacome Pires.
Vice-presidenteCandido Borges da Fonceca.
1* secretarioJoao Goncalves de Aievedo.
2 ditoTheophilo Moreira Querr.
ThesoureiroDemocrito Cavaicante de Albu-
querqae.
OradorAntonio Cloduardo de Souza.
PROCISSO DOS PASSOS.Effectnon-se hon-
tem com toda a solemnidade o respeitoso apparato
a volta da imagem do Senhor dos Passsos do Car-
mo para a matriz do Corno Santo. Acompanbarra
a procisso S. Excs. o Sr. presidente da provincia
e general commandante das arma?, o Dr. chefe de
polica, grande numero de sonhores depurados
provinciaes aiguns seubores deputados geraes, e
crescido numero de fuecionarios pblicos e mais
pessoas gradas, formando cortejo apas o pallio.
Urna brigada da guarda na -tonal fez as honras mi-
litares. A' noute foram visitados por grande con-
curso de povo os diversos pastos do trajelo da
procisso.
NOVO ATHENEU. No dia 31 do passado
reunio-se esta soeiedade. Foram approvados: so-
cios effectivos os Srs. Joao Americo de Carvalho,
e Francisco Frederiso Bocha Vieira, socio bene-
mrito o Sr. F. S. Rodrigues da Costa. Tendo-se
votado os novos estatutos at o art. 6*, o Sr. Gaspar
Drummond communicou soeiedade as boas novas
trazidas do theairo da guerra pelo vapor inglez
Oneida, propondo a saspeqsSo dos trabalhos, e
elevando nihusiasticos vivas aos heres da ul-
tima victoria.
INSTITUTO HIST01UC0 E PHILOSOPHICO.T
Reunio-se no dia 31 esta soeiedade, sob a presi-
dencia do Sr. Bandeira do Mt-lto, Sendo lida a ac-
ta da anterior, fallaram contra ella os Srs. Ca/r
neiro Leo e Silva Garca, e favor os Srs. Albu-
querque Barros e Bandeira de Mello, e era segui-
da pota votos foi approvada. A requermento
dos Srs. Pi dos Santos e Albuqueraue Maranhao,
o Sr. presidente oncerrou a sesso, depois de urna
breve allocucao sobre as gratas noticias do Rio
da Prata, e dando vivas a na?ao brasilera, ao
exercito e esquadra, e aos voluntarios da patria,
os quaes foram correspond Jos pelos socios.
BATaLHO PATRITICO.Todas as pessoas
que se mscreveram; para fazer parte da terceira
companhia do 1* balalhao patritico da freguezia
da Boa V>U, sao convidadas a reuuirera-se ama-
nhaa s 11 horas d<- dia na ra do Mondego n. 8,
para tratar Ai negocios tendentes a moma.
D02E DE SETEMBBO.Hoje, s 6 horas da
tarde, devem reanir-se no Sallo do C|ub Pernam-
b'aeano lodos os membrs d soeiedade patritica
Doze te Setembro aflrri de se pfomoyei* a realisa-
cao dos festejos pela trmina^ao da guerra.
BATALHO DE VOLUNTARIOS DA PATRIA.
O vapor tapltr 'devc ser o conductor do
30batalhio de4valuntarios da patria'desta pro-
vincia. r
CLUB DO MONTEIROllavera hoje reuniao
familiar, sahindo para o Recife um trera 1 hora
da madrugada.
,UABUABU':-Escreveranos desta.villa, a 27
^feus se corapadeceu de nos, e'joJgo que tere-
mos bom inverni>, pois que ha oiio dias cbove
quasi que incessautemente Entreunto anda es-
tamos lutando com a neeesidad>, qne s desap-
reno e o resaltado colhido parece provar ane
lpulo se di bem no nosso clima. A sita cuitara
fcil c a planta propaga-se rapidawnte, poi*{
que um p, depois ta colheita daflr, qne
ane se proveita, d 40 e SO gariMte no anm
segrate sao eutres tantos ps (|wKPK)dnzem floi
e fornecem o rnesmo numero de aaias para alai
gamento da plantaca). A colheiU em si nao di1
grande trabalho.
t Ora, achando se j to desenvolvido, como se
acha, o fabrico da cerveja, e aendo por consegua-
te mujto coniideravel a importaoSo do lpulo, que
vem a Bear aqui por um preco subido*, clar
que o lavrador qne se ppUcasie cultura desta
planta tirana della grande vangagem, Ulvez
miior do que de qualquer ostra. O Instituto Agr-
cola j cfcimou para este ponto a attenQo dos la-
vradore?, e nos o fazemos a nosso turno, persua-
didos de que pode ir nisso um grande beneficio. 0
mes to Sr. Bastos' publicou um rea torio, em que
consignou algumas nslrueyies que convem seguir
na cultura do lpulo. Quantn a nos assumpto
que merece ser ponderado.'
< Ha das demos noticia de urna plantarlo da
lii'pnTo om trras do Sr. coramendador Pereira
------------------------------
Arehanja Maria da Conceiclo, Pernambneo, 70
annos, viuva, Boavista; tubrculos pulmonares.
Greforio Francisco das Chagas, Pernambaco,
i annos, casado, S. Jo?4; pleuro pneumona.
Uma prvula recem-nascida, Pernambuco, S.
sel ocjntroujse na porta da raatnr.
Tbereza Pranflsca Vianna, Pernambuco, 80 an-
uos", vura, Boavista; ascite.
chronicaImuru.
TRUlXiL DA Ui:i\A. lO.
SESSAO EM 29 DEMAjRgO DE 1870
UISIDUfOfa DO BXM. SR. CQNSB.HUKO CAETAMO
SASTUfiO.
As 10 horas da manha, presentes os Srs. desem-
bargadores Gitirana, Guerra procurador da cora,
Lourenco Santiago, Almeida Albuquerque, Motta,
Assis, Doria, Domingues da Silva, Regueira Costa
e Souza Lelo, abrio-se a sesso.
Passados os feitos, deram-se os seguintes julga-
ointos
Bbcrsos chimes.Reccorrente, o juizo; reccor-
rido, Manoel Damazio FerreiraRelator oSr.
desemBargador Doria, sorteados os Srs. desembar-
Bastos. Devemos agora 'acerecentar que o Sr. gadores H. Costa, Gitirana e Souza Leo.-Impro
baro do Bom Retiro!" presidente do instituto Flu
mhene de agricultura, teve a bondado de mo>
trar-nos uma porcio de flor desta planta eoHiid)
na fazenda normal, do tnesmo instituto, onde exis-
tem aiguns ps em completa e abundante flores-
cencia. Alera deste* existen alli era bom desen-
volvimento uns 50 ps dos que foram dados ao ins-
tltut bolo referido Sr. ommendador Bastos; e
anda numero crescido de quitos ps j proveo'iea-
tes de uns que o Sr. conselhero Anio", qtando
ministro da agricultura mandou*ir da provincia
do Bio-Grnde do Sul. '
O Sr. Dr. Carlos Glasl assevera qne a flor i
colhida de 1.' qualdade, e espera at fin de
abril eoJher porco fflciente para remeUer ex-
posicao de Qordova. 0 Sr. baro do Ba-Iietiro
rec;ramendou que se augmente o**ivaro de ps
de lpulo, no intuito- de distribu-loa artffllossos
lavradores do Paran, Santa Cathariuv S. raulo,
Minas e serras do Rio de Janeiro, mandando ao
mesmo tempo submetter analyse cbmica 3r
cedente. Bjccorrente, o juizo; reccorrido, Can-
djdo Jos a Silva.Relator o Sr. deserabargador
Regueira Costa, sorteados os Srs. deserabargadores
Motta, Domingues da Silva o Souza Leo Impro-
cedente. "Reccorrente, o juizo; reccorrido,' Ma-
noel Francisco de Lima.Relator o Se desembar-
gador Souzi Leao, sorteados os Srs. desambarga-
.dores Doria, Assis e Lourenco Santiago.Impro
cedente.
Aoghavodi peticXo.Aggravante, Joao Ferrei-
ra dos Santos Jnior; aggravado, o juizo.Relator
o Sr. deserabargador Guerra, sorteados os Srs.
deserabargadores Almeida Albuquerque e Domin-
gues da Silva,Negou-se provmento.
Revista civei, Reccorrente, Joaquim Antonio
Guerrero Lima; reccorrida, Anoa Anglica di
Macedo.Relator o Sr. deserabargador Almeida
Albuquerque, sorteados os Srs. desembargadores
Regueira Costa e Gitirana.Dospresrara-se os
embargos d nullidade.
AppkllacSbs chimes.Apnellante, o promotor ;
Adiou-s a decisi para a sesso viadosn.
AGGBAVO.
Juizo especial do commercio: aggravante, Ma-
noel Marques de Oliveira uaggrmdos, Veras
Barbdo e Jos Ferreira Pinto de Magalbes.
0 Exm. Sr. presidente negon provmento.
Encerrou-se a sesso ama hora e meta da
tarde.
g? a nm.
men mHcadas, fetieeswenew a Mttoe dee^o
ouvintta,de queorflflM* sajiaojloo ca poderara colfir'i ontrae mtooes. De t
santo, quanto retewaile trabalho resnltoo n
grande numero de eenftssoes, eomrasnboe,
baptisamento A .106 oarvuto, ,60 samentos,
sendo entre est*- cSncaSmado; assim eom
jrclhidtTnraT^ermcir^erldera & ^ppellado, Francisc, Heremano de. Mello Mu
O Sr. comm/ndador Bas-
i porco de mu
viviros
do seu principio activo,
tos, pela sua parte, prometteu urna porea
das que tem para engrauJeciniento dos
do instituto agrcola.
Informa-no o mosrao Sr. baro que breve-
mente a revista do referido instilu publicar o*in
noticia sobre esta interessante planta, talvez desti-
nada a representar papel importante na nossa
agricultura, e instruegoes sobre o melhor meio de
alimenta-la no nosso solo. 7
PROMOTOBIA PUBLICA.-jffendo oblido tres
mezes de licenca o promotor publico effectivo desta
capital, o Sr. Dr. Joo Thomr da Silva, foi noraea-
do interinamente para exerer esse cargo o Sr.
Dr. Augusto Carlos Vaz Oliveira, por designa-
gao do Sr. Dr. juiz de direjlo da l* vara.
ESCRITOBIO DE ADVOGACIA. O Sr. Dr-
Franltlin Tavora acaba de estabelecer o sen es-
cnptorto de advogacia, a rna Estreita do Bosario
n. 22, primeiro andar, sala da fr nt>, aonde
Sde ser procurado dss 10 da manha s 3 horas
a tarde. Incumbe-st gratuitamenie de qaalquer
negocio forense ou Uranislrativo dos voluntaril*
da patria.
nha, offertando uma esiampa cora
floras S. Pedro, S. Patllo e S. Francisco, original
de rri pintor italiano, copiado pelo titertanie. varecer,|e todo -lqa a qahin ,0^03 lempo da
!.1:.'ir.nlo o mandn se archivar, o
O ifni.i Sr. secretario perpetuo menciona as
-.'.i.!; 1 Pfirtas: varios nmeros do Diario de
*rt Hbnit, ario consocio Dr. Figucira; n*. da
""--., VrtoMif, p-la respectiva redaro; um
' .'i- i!a i'hrxExpectaculo ,,-r:, '; aftma das particularidades da ais-
...Vi '.;ivi'. encontrada na biblioteca daAs-
samr. i .i.itida pelo Sr. Joaquim dos Santos
V' um pequeo cover eontendo nm artigo do
reguli oe.Tt do recrula paraguayos, pelo mesmo
r.; ma ejemplar da Folinha de Variedades para
i corn-HlD armo, eontendo os retratos do visconde
Mivamia, paire Mignel do Sacramento Lipez
.in,' cener.il Abreu e Lima e Gervasio Pires
Fi-rrera, onertado pelo editor H. C. de Paula
'! ::iti'iin; nulo da obra O Asylo dos invlidos
.J/i jvifWrt e a :. Uide de Coifien'es, pelo coneg o
Dr. M.iicI da Costa Honorato e pelo mesmo offer
lado.Todas estw olTertas sao recebidas cora
aarado c mandara-se archivar.
' Vem mesa tima proposta para um socio cor-
respondente.A' eommisso respectiva.
E' lida e approvada a seguinte proposta :
Propomos qne se nomeie ama commissao de
cin-o membros deste Instituto, residente na corte,
aOm de felicitar a S. M. o Imperador, em oorne
do mesmo. pela terminacao da guerra do Para-
f aav. Sala das sessoes do Instituto, 1 Je abril de
1870. -S. Henrique Albuquerque.Padre Lino
4o Sfonte Carmello.
Sao nomeados para a eommisso os Srs gen-
til -hon-era Manoel Hygino de Figuoiredo, conse-
Ihoiro Paranagu. brigadeiro Beaurepaire Rohan,
c mselheiro Jos Liheralo, e Dr. Souza Res.
E' igualmente lida a seguinte indicaco:
h Ginsidcraodo que este Instituto, pelos nobres
lias di sua instituico e pela dedicaco que ha
mostrado durante a sua existencia de mal de 8
annos, esforcando-se por tornar os seus trabaluos
eni publico proveito, bem como as preciosidades
da sua bibUoihe>,a e do seu mnso, diariamente
franjneaios quem os queira ver ou consolar ;
e pareeendo-me que devia, como ja de oulras
serodepositirio de nina das reliquias mais pre-
i saaeojs vita recordar sempre o valor Per-
Barabucano nos campos doParagoay; indico que
se represento convenientemente ao governo de S.
M o Imperador, para qne seja removida parado
nm*a deste Instituto a bandeira do batalhao 33
de voluutarios da patria, que por ordem do Exnt.
intoistro da guerra, foi ser deeosilnda na eathe-
dral deOlindaSala das sessoes do Institua Ar-
cbeologiro e Geographieo Pernambncano, de
abril de l7b.S. Henrique de Albuquerque.A'
eoroi'oo de RedaecSo da Rtvista. '
NHEIRO.O. vapor americano South .\merica
irouxe as s^gointes oua afras para os Srs.:
Tasso Irmos C 9i-.7375830
Jos* da Silva Loyo & Filh 2fc00040fl0
Joo Quirino de Agniar & C lOdoOWOf)
David Ferreira Ballhar 2.-700JOOO
Justino J. de Sonta Campos 200^)01)
CAPITiNlA DO PORTOCarta do Rio de Ja
neiro i que, tendo sido exonerado seu pedido
* capitn lo ooaso porto o Sr. eapitao de mar o
guerra Jos Manoel Picaneo da Costa, foi iio.n-;adi.
>ara esse lugar o nosso dslin-j) comprovinciano
rapito de fragata Francisco Romano Slepple as.
Silva.
FORO DO RECIFE. Anda cartas da ert
lcem que foram nomeados: d-tseraliargtdor da
4ldaco do Maranhi ,0 Sr. Df. Triti' d* Alencar
jraripe ; juiz do eommnrcio, o Dr. Manoel lit
1 Sr. Dr. Sebaso do llego Barros Laeerda.
BANDEIRA DO 33 DE VOLUNTARIOS.Darnos
seguida o auto do recebimorito iTessa bandeira
; i rovuren lo cabido da cathedral do Olmd.i:
Auto do recebiinem > da bandeira do '53 corno
le voluntarlos da patria, pilo cabjo da catlitdral
.le Olinda.Pelas 10 boras da manlia do dia 27
'e marco do anuo do Nasciraento'de Nosso Sehor
13 Cirf'to de IS70 esa cathedral de Ollndi,
jse Je Peraambnco, reunida o rnverendsiim
mbio ao toqao de campa e sob a presidencia' do
Hvm. Sr, chantre Jps Joaquim Camelp de AQ*-
ilrade, fu entregue ao mesmo pelo fiusso batalhao
'rparfia, ^fganisad ^
da patra off
irov.iifn,
is e vlolfla em'
mbirccu no uno de 186o para o Piiraguay, don
u territorio;
niz.Improcedente. Appellante, o juizo; appella-
do, Manoel, eseravo. Nao toraaram conheci-
mento.
Deligkscia CRI.ME.Ao Sr. desembargador pro-
motor da Justina: appellante, padre Jlo David
Madeira; appellalos, Jos Domingues Vianna e
oulros. Apnellante, o juizo; appellado, Jos Gon-
calves dos sanios.
, Assignoa-se dia para julgainento dos seguintes
feitos:
Atellaces CRiMES--Appellante, o juizo; ap-
pellado, Raymundo Ramos. Appellante, o juizo;
appellado, Lnlz Themoteo Ferreira. Appellante, o
juizo; appellado, Fra cisco Xavier de Salles. Ap-
Sellante, Antonio Jos da Silva ; appellado, Alberto
ezerra do Mello. Appellaofe, o juizo; appellado,
Trajano Jos Fernandes.
appellacao civel.Appellante, Nicacia Mana
da C.onceicao; appellados, Alexandre Nogueira da
Silva e outros.
PASSAGENS.
Do Sr. desembargador Lourenco Santiago ao Sr.
lesembargador Almeida Albuquerque.Appella
Ses crims: appellante, Joo Francisco dos San
Ito; apperlada, a Justina. Appellanto, o juizo;
LEILAO.Effectui-se hoje 2 do corrente o da apuellado, Cosme, scravo.
rvsaria christofle cristaes Je bacarat. e por- Do
cellanas finas, por intervenco do agente Pinto,
na sobrado da ra da Imperatriz n. 47 10
horas.
ESTABELECIMENTOS BE CARIDADE.-ovi-
ment do hospital de Nossa Senhora da Conceco
dos Lazaros, do !. ao uuimo de marco de
1870.
Existiam li homens e 13 raulucres, dntrarou 1
hornera, luorrram 2 homens, existem 13 homens
e 13 mulheres.Tolal 26.
Foi visitado o cstabeieciincnto pelo respectivo
mlico deste o Sr. Dr. Ignacio Firmo Xavier, nos
: 4,9,12,16,10,22, 25e30.
olheita. Pelo menos, salvam-se j os gados qne
stavam morrendo por taita de pasto, apprcce o
I cite que um dos principaes alimentos dos crea-
dores ueste tempo chamado do verde, e bem assim
diversas fructas que muito oncorrem para a
alimentaco da pobresa, a quem servem degenero
deprimeira necessdade e nao de regalo.
1 J se conemio perante a delegaeia de polica
desla cidade o processo que se instau ou contra
a adultera que matn o marido de combinadlo
como amante, e ambos foram pronunciados no
art. 192 do cdigo criminal. Est bem provada a
criminalidade de taes (eras, o
SELLO DOS ENDOSAOS. -Acerca desta materie
publicou o Diario Ofpcial do Rio de Janeiro a se-
guinte declaraco :
c Em uma correspondencia publicada no Jornal
do Commercio de 13 do corrente se pede a S. Exc.
o Sr. ministro da fazenda que mande declarar a
interpretado que so deve dar ao aetunl regula-
ment do sello, na parte relativa aos endoisos,
porque aiguns exigem que estes sejam sellados e
ouiros recusara pagar o imposto, entendendo que
sao isentos.
As disposicoes anteriores obrigavam ao sello
os endosaos passados nos ttulos vencidos ou sera
prazo de vencimento, que nao fossem paitaveis
vista, como se v das ordens nmeros 312 de 22
de outubro de 1864 e 431 de 29 do norembro de
1867.
t O regularaento de 17 do abril de 1869 manda
proceder do mesmo modo, porque, declarand no
art. 14 n. 5 que sao izentos os endossos j>assado-<
at o dia do vendmento dos tiiulos com o prazo -
xo ou a vista, segue-se que nos domis casos
llovido o sello, em virtude do art. l.Rio, 14 de
marco de 1870. Manoel Paulo Vieira Pinto.
MINISTERIO DA MAMNH.i.Por este ministe-
rio foi expedido a 21 do passado o seguinte aviso:
t Illm. o Exm. Sr.Foi presente a S. M. o Im-
perador a duvida apresentada pelo cimmndante
geral do corpo de imperiaes marinheiroi, sobre o
direito ao abono de sidos e fard/imentos que pos-
4 ssistir a varas pracas do mesmo corpo que
estiveram prisoneiras des Paraguayos. E tendo
ouvdo a secgo de guerra e matmfia do conselho
de estado, por sua immediata e imperial rcsolnco
de 23 do mez passado, tomada sobre a consulta
du dia I, bonve por bem mandar declarar a V.
Bxc.:
< I." Que, em vista do que dispde o g 42 do re-
giment de 29 de agosto de 1845, nlto alterado at
boje, cabe ser duvida algum s pracas de nossa
armad 1 que forem prisoneiras o veciment do
nspectivo sold durante o tempo da prisao.
t. Que), seso principio do direito das gentes
pratiea daS na^fces civilisadas fornecer o gover-
no aos seu* piTsineiros vestuario e alimentac ,
cuja de-peia he posteriormente indemtifsada,
segundo Oonvencoes on tratados qne se celebrara,
tambera dlrrito das alludidas pracas o venclmo-
to do fardamento que p >r lei Ihes devido. e da
raco de poro, satisfeitos pela maaelra dita.
Assim, pois, aos imperiaes marinheiros a
qnem se rerere o commandante geral do corpo dc-
*e-se pagar o sold correspondente no prazo em
'que eliverain em poder do governo do Parag ay,
e como este, faltando a todos os preceitos das Icis
Jiviuas e humanas, o que se aena evidentemente'
provado, pessimamento os alimentava o nunca os
vestlfl, ileve-?e igualmente pagar aos referidos im
periaes raarinh 'iros o fardamento e rae j do po
rao quo venceram durante o dito prazo.
O que. tudocommanlco a V. Exc. para seu
conheclmcnto e em resposta ao offlcio n. 862 que
me dirijjio a 22 de agosto ultimo.
Deas guarde a V. Ex.Barao de Cotegipe.
Illm. o Exm. ir, vice-almiranto cncirregaJo do
marte! genen.1 da marrana.!'
LPULO.Sobro t cultivo desta planta encos-
tramos 110 Jcrual do Commercio, d corto, o se
guinte: ..
Tvemos oceasiao do ver no terreno annexo a
Jabriea de arveja do Sr. commendadr Antonio
Jos 'Gpnlcs Pereira Batos urna uorfio de p< de
lpulo om permito estado de dc;envolvmento^e
Tlorescencia. No empenho de ntrdduzir outro n<
a luira de>ia plaa, que entra cuino nv.
prima o fabrico da cor veja, Sr.Bastos mndob
vir da Europa por diversas vezs grande numer >
" ps, vf
le elle mesmo um easaio no seu ter-. bre tenca.
das seguintes
Existem embregados neste estabeloiiucnto 81
a saber: capellao I, medico 1, regente 1, dita 1, bar-
beiro 1, cozmlieira 1, serventes i.
Advertencia.
Falleceram neste mez:
Anastaeio Ferreira, crioulo, casado, recolbcu-se
com idado de 30 anuos a 30 de novembro de 186T>,
falleceu a 7 deste, e natural da provincia da .Para-
byba.
Joo, de nacn Mo/^mli|np. rHcaieu.'Wi iCflm
idade de 58 annos, solteiro, a 8 de marco f- :\;\
e falleceu a 23 do proxi.io lindo. i
O regente, 7
Diniz Ignacio P. dos Santos.
O raordomo de mez,
A. i. Gomes do Corref).
MovLnento do hospicio de aTienados na Mi-
sericordia de Olinda, do 1" ao ultimo de
de 1870.
E-iistiar.1 31 homens c 33 mulheres, entra
bomora e 1 mulher, inorrcram 1 hornera e
Ihercs, existem 31 homens e 3| mulheres.Total
83.
' Existom 10 empregados neste estabclccin*e.ito, 7
homens e 3 mulheres, sendo: 1 regente, 1 medico,
Icapetlo, porteiro e schristo 1; 2 enfermeiros,
barbeiro, 2 enfermeiras e cosnheira.
Fi visitado o mesmo estabelecimento pelo res-
pectivo medico o Sr. Dr. Ignacio Firmo Xavier,
nos das:. 16, 19, 20, 21, 23,28 e 30, as 10,1| 1A
11, 11 1/2 e 12 horas da manha.
Advertencia.
Li Entraran :
No dia O, um hornera, de norae Noberto Jos de
ma, indio, solteiro, com idade de 23 annos, e
natural do Afugalos.
No dia 3, nma mulher, de nome Emilia da Cu-
nha e Figueirdo, branca, casada, com idade de
29 annos, e natural do Becife.
Morreram :
N.i dia 23, de varila, 1 bomem de nome Jos
Soares, branco, csalo, com a idade de 42 annos,
0 natural de Pernambuco entrou para este esta-
belecimento no dia 18 de dezembro de 1868.
No dra 13, de anemia, 1 mulher de nome Ale-
xandra Francisca la Conceico, preta, casada,
cora a Idade de 23 annos, e natural da cidade da
Victoria, entrou para este estabelecimento no dia
20 de novembro do anno lindo.
No dia 23, de diarrhea, 1 mulher de nome Anna
Bosalina de Santiago, parda, casada, com a idade
de 23 annoSje natural da Varzea e entrn para
este estabelecimento no dia 29 de outubro do auno
Ando.
Existom neste estabelecimento 83 alienados, 4
pagara a casa, e 79 a custa da caridade.
Hospicio dos alienado* na Misericordia de Olin-
la, 31 de mar?o de 1870, ; '
O regente,
Luiz do Reg Barros.
O mordomo de mez,
Antonio Jos Gomes do Cor reto.
LOTERA.A que si acha a venda 6 a 142 a
beneficio da igreja de Santo Amaro das Salinas,
quo corre no da i.
PAS3AGEIROS. -Sabidos para os partos do nor-
te no vapor Ipojuca :
i. da Costa Barros, ex soldado, 1 efcravo preso
e 1 praea, D T. A. Oliveira Machada 0. A. da
Siiva Machado, B A. da Sirva Macqado, I Gju
vea da Costa Barrlo, Jos Saraiva da: Tria lade,
F. Jos dss S.mtos, J.is Joaquim Maobado da Sil-
va. Jucundino R. de Carvalho, Joo A. Gomes, lo-
s G. d Aodrado, Jos Gomes de So'uz, F. B. da
Cunha e 1 criado, A. M. d-4 LuceWe 1 criado,
Theolosio C, da iosta, J.iao F. deflu, padre F.
A. deBri'toe 1 menor, nifre J's'soare- lunior,
F. Jos Soares Jnior,' F. Jos Soares fetto e 1
mano, A. Dnigado Burees, padre Jo.- Jeixpira de
M.ello, Manuel L. CavafeanU d Albuijuerqae, A-
Jos de S. e Silva, Joo A. Perora Mgilhese
1 criado. SlraloJ S.. A. J. Pereira da Silva, M.
M. de Miraos, A. V Mgaltti?, V. A. S. Franco
M. F. da Siva, A. P. Vieta, M. Jos da Silva, P
A. dos Sanios, Joaquim J >s de Souza e 1 criado'.
Vihdos do Ro de Jantlro no vapor america-
no South Amrica :
Jos L. da C. Ribeiro e Joaquim G. de O. Si'va.
Sahidos'pan o norte n South Anerica :
Pal TVset Julius Schlapfer.
CEMITERJO PUBLIC.Obituario do dia 31 de
marso de 1870.
Amalia Llbnia Ramos de Araonm, Pernambu-
co, 20 annos, casada. Poco; parto. '
Bita de Cassl Vieira Civalcante, Pernambuco,
74 anno?; solteira, Santo Antonio; sirro uterino.
Benedicto. Peruambuco, S Jos; vermes.
Lobina, Pernambuco, 20 dias. Boavfsta; teiano
traumtico.
Amelja do Reg Villar, Perqambuo, 38.aD.sQ3,
, casada, Boavista; tubrculos pulmonare?.
1 de abril
Firraino, Pernambaco, 21 annos, solteiro, Boa-
vista ; hypetropjja DO C0raco.
Joaquina, Afrlea, ^2 ataos, solteira. Boatsjji i
rayelite.
gnez, frica, 28 anuos solteira, Boavista; iV
Sr. desembargador Almeida Albuquerque ao
Sr. deserabargador Motta. Appellacao crime: ap-
pellante, o juizo ; appellado, Eloy Gomes da Sil-
va. Appellacao civel: appellantes, Jos de Cont
Silva e outros; appellado, leronymo Paes Bar-
lusa.
t)o Sr. desembargador Assis ao Sr. desembar-
gador Doria.Appellacao crime: appellante, A.
Gomes de Mello; appellado, Antonio Alcatrino da
Silva.
Do Sr. desonibargador Doria ao Sr. desembar-
gaJor Doraugiies da Silva. Appellacao crime :
appellante, Sergio Cleraentino Soutomaior; appel-
lados, Benedicto da SilVe outros.
Do Sr. desi'iii'.iargador R.-gueira Costa ao Sr.
deserabargador Sooza Leao.Appellacao crime:
appellante, Jo> Pinto de Mesquita; appellada, a
jusu?a. Appellacao civel: appellantes, Jos Vic-
torino de Rezende & C; appollados, Montero
Correa A C.
1 Sr. desembargador Souza Leao ao r. des-
embargador Giiirana.Appellaooes erimes: appel-
lante, Joo Flix dos Santos; appellada, a justi-
ca. Appellante, Delflno Cavalcante de Moraes; ap-
pellado, o barao de Vasconcelos. Appellaooes
cveis: appellante, a fazenda ; appellado, Luiz An-
4tooio da Silva Vianna. Appellante, a parda Ang-
lica ; appellada, Virginia Zenandcs Ferreira. Ap-
pellante, Justino Nunes de Mello; npptliado, Ma-
noel Noaas de'Mello. Appellante, D. Hermelinda
Mara da Conceico ; appellada, D. Clara Sophia
Fiutjn. Appellante, Salvador Henriques de \lbn
querque; appellados, Gnimares & Oliveira. Ap-
pellante, Dr. Jaciatho Paes Pinto da Silva; appel-
lado, Alexandre Bernardino de Mello.
A' 1 hora da tarde encerrou-se a sesso.
10 bacharel A. Vciwuieto.
No Diario de hoje voltou. a &irga o Sr. A. Ve-
nancio insultando a seu modo e mentado despeja-
damente.'
Limitto-me a responder-lhe o segomle :
Que o coronel Coriolano nio o inandou insulur
por seus agentes, pois como taes nj podera ser
considerados o admui^trador do engenho Ribeirao
que, em ausencia do mesmo coronel, respondeti
em termos muito coraraedidosao pjotesto manda-
do publicar pelo Sr. A. Venancio, era o Sr. Tno-
maz de Figueiredo, agrimensor encarregado da
fallada aviventaco de rumos j corridos. O coro-
nel Coriolano bastante conhecido, e por isso nao
precisamos justificar o seu procedimento. Nao se-
rlo entidades esmo o Sr. Venancio que podem fa-
zer sombra.
O mesmo coronel nao desee travar luta pe*
iraprensa com o bacharel Venancio.
Se Smc. se sent prejudicado, proponha no foro
comptente a accao de revindicaco do terreno do
cuja posse diz ter sido esbulhado, porque o coro-
nel Coriolano saber fazer valer o bom direito que
Ihe as sis te.
Itepetimos anda que o Sr. Venancio ment con
toda a desfacatez asseverando qu, nlo foi faifa
cora previa sciencia dos iatressdos, a fallada a vi-
ven taca".
Smc. nlo ejeonsenhor do engenho Minas-novas,
e apenas rendeiro. O propr'mtario do engenho que
seu pa Vicente Elias foi avisado pelo coronel
Coriolano, e este tem carta do mesmo Vicente
Elias fleando sciente da viventago que se ia
proced- r. Essa carta peder ser publicada se as-
sim for preciso, e se o Sr. Venancio se recusar a
acreditar o ique asseveramos. Preciso era que
fosse eu to nescio quanto o Sr. Veuancio para
avangar aquillo que nao podesse provar.
Portento, Sr. Venancio, faca menos escaico:
Smc, o que quer celebrisarse. Fique, porm,
tranquillo porque as verdderas mediocridades
teem sempre o mesmo valor intrnseco, assim como
as letras de trra que sendo Armadas por pessoas
sera crdito commercial, se tornam iuaccessiyeis s
oscilacoes do cambio.
Smc. nao pode anda at hoje desvanecer os fo-
ros de intelliqencia soberba adquirida em 11 annos
de estadio acadmico.
Para que falla Suc no dominio da liga ?
Quera deu a seu pai algunii importancia 1
Quem o elovou de simples guarda a capiiao da
guarda nacional ?
De quera ia elle valer-se nos seus apertos f
A quera ia elle pedir protecqo para nao recru-
tarem os seus moradores que estavam em coudi-
jes de marchar para o Paraguay ?
Tudo isso quem fazia era o coronel Coriolano
que, conforme diz o Sr. Venaneo, se conservava
por detraz da cortina. Porm, mesmo por delraz
da cortina estendia elle a ralo ao "Sr. Venancio, e
a seu pai, que de nenhuraa importancia gosavam
na localidade.
O dia do beneficio a vespera da ngralidao; e
se o coronel Coriolano nao tivesse dispensado pro-
lecco ao Sr. Venancio e a seu pai nao seria hoje
insultado por quera se lera em conta de alguma
cousa.
Estes insultos, porm, nlo tocaram na pessoa do
coronel Coriolano que por sua posic,ao e honrosos
precedentes bastante conhecido dos h nnens ho-
nestos de todos os partidos polticos da provincia.
Esses insultos vio estereitypar-se na [acralatoada
do 6r. Venancio, se bem que seja ella refractaria
ao pudor e dignidade do horaem de bros.
Concluindo, repelimos anda: Sr. bacharel Ve-
nancio, o coronel Coriolano nao desee de sua dig-
nidade para responder pela imprensa a quera
i-uja alucia quer gantur importancia para tornar-
se conhecido.
Recife, 30 de marco de 1870.
O Roncador.
algumas restituloe, e concilia
'" ndo este pequea b
do multo digap r.
aphira nao temi em
lar-lhe a maha grattMo,
quando me record do est
se chava quando prestan to
este freguezia, que Ihe ser pi
grata. Findas as santas missSes
correnta mez, daqui parti no dia
entre o povo.
jem o sabido
mestre prefeito
senlo manifes-
iobe de ponto
morboso, ero que
,ndes servicos
isso eternamente
do dia 14 do
16 para a Ire-
gaezia de C.oianinha compinhado de numerosis-
simo povo, o qnal com multes lagrimas raanifes-
teva a saudade que Ihe cansava a separaco d*
virtuoso missioaano, que tantos beniflcios Ihe tem
feito em duas visitas a esta trra.
Desejamos ao nosso Revm. missionario prospe-
ra viagem, o vigorosa saude na graca do Senhor.
Villa da Penha, 20 de fevereiro de 1870.
O vigario,
Afano?! Januario Bezerra Cavalcanti.
Monte Pi Portugeuz
Ser verdade (desejamolo saber) qaao Sr. se-
cretario desta til instituidlo tenha deixado de ob-
servar a sabia disposigao do artigo 40 dos estatu-
tos, faltando aos seus deveres de secretario em
manifesUepposiQao aos interesses e prosperidad*
da -anta causa da assocacao, poii disem qne 6
nicamente devido a S. S. a inloWavel demorada
convocaciodaassenbla geral, e o copstrangi-
menlo em que lem collocado seas coropanheiros
por seraelhante falte em poslergaco da lei : peto
estado om que 9e acham as cousas S- S- 0 to-
ra confianra em si proprio para vir nos deemrar
quaudo pretende convocar a aSsembla geral, j
qne exclushiamento depende de S. 8.; faMato-ln*-
directamente esta pergunta, espetamos ane na
tenha receio e nem se intimide de nos responder,
tara o seu dever, nlo queira faltar
Um socio.
W
COMMERCIO.
rilllll \ II. DO COHHERIO.
ICTA DA SESSO ADMINfSTRtlVA DE 3 DE
MARCO DE 1870.
RESIDENCIA DO EXM. SR. DESEMBARG.VDOIt ANSELMO
FBANCISCO PERETTI.
s 10 horas da manha, presentes os Srs. dipu-
tados Rosa, Basto e Miranda Leal, faltando com
prticipaco verbal o Sr. baro de Crangy, S.
Exc. o Sr. pre,idente declarou aborta a sesso.
Foi lida e approvada a acta da sesso de 28.
EXPEDIENTE.
Olflcio do porteiro da secretoria do tribunal
coraraunican lo nao poder comparecer em razo
de ler do dar guarmeo praea o batalhao a que
pertence.
Assignoa-se a carta de matricula do coramer-
cianto Antonio dos Santos Braca Jnior.
DESPACHOS
Re pieriraenlo de Paulino Carrilho do Reg Bar-
ros, Jos Francisco Moreira e Manoel Martinho
Alves Garca, pedindo o registro de seu contrato
social, que juntara em triplcate.Viste ao Sr. de-
sembargador fiscal
De Joaquim de Faria Machado para se dar bai-
xa 110 regd ro da procuracao bastante quo outor-
gira a Verissimo Ferr-ira Gomes, Joaquina Ferrei-
ra de Araujo G-junaraes e Joaquim Ferreira Men-
dos Guiuiares.Corao requer.
COM INFORMAQAO DO SR. DHSEMBARGADOB FISCAL.
De Autouio Francisco Carieiro Monleiro Pirao,
pedindo provimeuto de agento de leiles para a
praea do Cear.Satisfaga -o parecer fiscal.
Da companhia Recife Draioage limited, raostran
do ter saiisfeito a exigencia fiscal cora a averba-
yo taita ha recebeduna das rendas iaternas.Sa-
lisfaca o que falta para curapriroento do 1." da
2.' piarte do art. 302 Mu cdigo coraraercial, visto
que do documento junto nao conste que esteja
subscripto lodo o capital da soeiedade, e nem to
penco dalle se mostra os nomes de todos os so-
cios.
Nada mais sendo submettido despacho, S.
Exc. o Sr. presidente eucerrou a sesso s l ho-1
ras e meia do dia.
SESSO JUDICIAR1A EM 31 DE MARCO DM
1870.
PRESIDENCIA DO EXM. SR. DSSESIBAROADOR A. F. PE-
RTI.
Secretario, Julio GuimarSes.
A ama hora da tarde estndj reunidos os Srs.
deseraoargadores Silva Guiraarcs, Reis e S;lva e
Ajcioli, e os Srs. deputados' Rosa, Basto e Miran-
da Leal, faltando com prticipaco o Sr. baro de
Cruaajjy, o Exm. Sr. presidente declarou aborta a
sesso.
Lida, foi approvada a acta da sesso anterior.
O Sr. desembargador Silva Guimarles pedio a
palavra e iba sendo concedida, dlsse, qu como
brasileiro e funecionario da jastica propuoha que
se encerrassem os trabalhos da presento s'essSo,
vista das notuias do t rmino da guerra d > Para-
guay. E o Exm. Sr. presidente .-bbraeltendo
vuuci foi udanunemente approvada esta propos-
ta, declarando ^ue a sesso seria de mero expe-
dieule.
ACCORDAOS ASSIONADOS.
Appellante, Joo Pedro Bliichin; appellado,
Carlos Luiz Cambrone : sppeflanto, Maiioel Tor
quito Ramos; appellado, Antonio Uly*ses de Car
valbo : embargante, Domingos Alves Matheus
embargados, 09 admioistradnres da massa fallida
de Amorim, Frag-io, S .titos tx C,
DESIQNACAO DS DIA.
Appellante, Jos Targrao Gonclvos Fialho ; ap-
peHado; Juaquiftf igoacio Ribeiro Jnior.O pri-
meiro dia utll. '
ADUMEKTO.
Pol apresentedo o requeriibento e docuraento-
de Gaspar Cavalcante do Albuquerque chda, re-
correiida d
ne fi
h, e
mande
taado-M
que
do Sr.diemMrgailor relator
para embargos de restltuU
esta Ihes
^rde revista, jun-
. tlgftes a mais doittmeutos
. doegaeia i% vista pedida.
Sis. Reductores.E:n satisfao ao publico, e
attencj rainha dignidade, rogo a V. SS. o favor
d publicaren o seguinte em resposta a um dos
tpicos d'uma publicac^o do Sr! Thoojsz de Figuei-
redo, np Diario a. 63 de 1$ do corrente com re-
laclo a miin.
Tendo eu comprado urna Darte do terreno do
engenho Leo, foram os vendedores (consenhores
do referido engenho) obrigados a demarca-lo, e,
f (lectivamente, o fizeram I chamando o Sr. Thomaz
de Figueiredo, para este Ora. Tempo depois de
liado esse trabalho, durante o uual foi o Sr. Fi-
gueiredo meu hospede, fui eu citado requer-
mento seu, para pagar-Rio servicos de demarca-
co'que elle divia ter-me feito. Xlo sabeodo eu
em que se firmava o Sr. Thomaz Figueiredo, para
cobrar de mim e judicialmente, um servico que,
com oulrem havia contratado, e que de maoeira
alguma rae compela pagar, escrevi ao Sr. Jos
Camello Pessoa de Siqueira Cavalcanti, um do?
consenhores do referido engenho, e quo gurava
nessa demarcaco pedindo-lhe que rae dissesse se
o Sr. Thomaz Figueiredo, eslava ou nao pago
desse seu trabalho : a resposta foi affiripatiya, e,
munido desse documento comparec a audiencia
marcada. OSr. Thomaz de Figueiredo, porm,
nlo compareceu, e s agora dez annos depois,
que so dignou dar signal de si a esse respeiio e
d'um modo que elle entendeti conveniente, o que
nao rae dou ao trabalho de comentar, ptrqne cor-
re isso I por sua cont. Referindo o caso como
o caso foi, concluo dizendo ao Sr. Tlioraaz Figuei-
redo que, se se julga meu credor, prosiga era sua
cobranza como e quando Ihe aprouver, pois nlo
m eximirei de pagar quando convicto de dever.
Engenho Oriental 30 de marco de 1870.
Joviniano Inno Paes Brrelo.
Hissoes na villa da
Penha.
Desde o anno de 18C0, que era esperado neste
freguezia o Rvra. padre raestro Fr. do Catenia,
actual prefeito da Penha por promessa, que me
havia dado na cidade do Assii, quando alli pssou
em Janeiro do mesmo anno; promessa que liona
por Um ajudar-me a fazer a matriz desta villa, a
qual tinha apenas os alicerces da capejla-ir.r'
plantados por elle em 1859 quando aqui missio-
nou, e fez a importante obra (do porto) da aber-
tura do porto, que tanto norae tem dado a est;-.
localidade ato entlo habitada por pobres pesiado-
res. Succedendo porm poe nao po desse vir em
todo esse periodo de tompo pjr justos motivos;
ve'io finalmente' a chegar entro nos no dia 26 d
'dezembro do anno prximo passado, anaunclan-
do, que viuba nlo s missionar, se pao terabem
itazer obra porque tanto'nos empenuaroos. J2
ja'teito animando e fallando ao povo ac eomeco
a um e optro trabalho com aquello vigor, e arden
,[.; elo pela gloria de Des, que tanto o ca^acte-
nsara.
Eraquanto do pulpito edificava os ouvrates, que
em grandp multidao cotcorrprain de todas as |iar-
tes para ouvirem a divina palavra, tljaraaY Ipdo
povo, para o servic^ da casa de Dpus ; o. apezar
da escassez de aiguns maleriaes, levanlou o corpo
da graode capella-mr con seu raagesloso arco,
fazendo' cnduzr ao njesrao tempo grande por cap
le raadefras de excellento qaalidado da 4isteiicia
de seis teguas; ludo isto no. praso de 1 mez.
Alm do* servicos cima mencionados deu un,
bom principio s paredes dos corredores, fez car-
regar grande porga? de pedras, e obleve esmola's
para a mma obra.
'' Encanuv as vistas do observador, ver o po-
der com que sua palavra robusta e sempre edifi-
cante con uza to grande multidao em numero
de 8 a fO mil pessoas, nao s as santas miSsos
dnmtambem a qualqutr >ervieo que delermi-
'ase'p^r mais pi-sado e dlfflcil que tosse. Prima-
va na emprza, seiid por iso digno dos maiores
encomios o sexo femenino, o qual com animo va-
Ynil e cheio do vtrdadeiro enthusiasuio codazm
do prto.;rJara o p da fabrica gnwsas e pesadas
imadeirs, cora bandeiras as raaos 9 cantando
jubilosos hymnos, enierrompidos de muiUM vivas
Senhora da Conceicl > nossa padrooira, e ao pa-
dre missionario. No decurso das sanias missoes,
que foi do um mez, mo^trou ello a vastidao le
s-ds conhocmeptos em todas as materias desen-
volv fe no* santos sermoes, sendo de notar at
pela |onte mais simples a be.leza e iroportancia.dos
^eus'srhcfsmos principalmente rjuando. tn.to(t
dos sacramentos do baplismo, e da peniienelat'au,
'neceada do furto,' e dever da restllnlao,. ttsij
como de.sufTragar as almas do purgatorio, a d
cem qua 'distnos resulta.
A clareza aeompanbada dos edificantaa anana-
otos, com que (odas eates materias foram larga-
PRACA DO RECIFE 1 DB ABRIL.
DE 1870.
AS 3 1/2 II01AS DA TARDE
Assucar Canal2*500 pir ISkil. (hoje).
Assucar Druto amencaao bom 2*750 rs. per
15 kl. (hornera). "
Assucj r americano purgado1*830 por i hd.
(hoje).
Algodo sorte885 rs. por kil. (hoje).
Cambio sobre Paris .90 div. ViS rs. por fraao
(hontem).
arabia sobre Lnndres-W d|v. 21 1)2 por HW
(hoje).
Descont de letras10 0/0 ao anno. (hontom).
Gongallo Jos Aflbnso,
Presidente.
Mosquita Jnior,
Secretario.
ENGLISH BAN|
O Rio de /neiro Lmitevl
DescoaU lettras da prara i taxa a con-
encionar.
Recebe dinheiro em coala corrate hia
I raso fixo.
Saca vista ou a praso sobre as cidade s
principaes da Europa, teni correspondente
ia Bahia, Buenos-Ayres, Montevideo. fiJev-
3 New-Orleans, e emitte cartas de crerto,
jara os mesraos lugares.
HA DO COMMERaO N- 36'
MOVIMENTO B6 POBTO.
Navios entrados no dia i",
Havre36 dias, vapor franeez Audaz, de 1W to-
neladas, capile Cuver, eqojpagenY 13, eqj h>
tro ; a ordem. Veio recebe/ carvo e seguelpa-
ra Montevideo.
Montevideo H dias, barca ingleza Aries,A^ %i~
toneladas, capillo Stephens, equipagem 9, carga
ossos; a Johnston Pater 4 C. Veio refrescar e
fazer algura concert. 1
Rio de Janeiro e Bahia6 dias, \4por araericaii"
.Soii/i America, de 2,150 toneladas, Cfiftia^i-
dante Teoklepangh, equipagera 70, carga vari- -
gneros; a Henry Forsier A C
MontevideoBrigue poriuguez 5. Jote, de |68 to-
neladas, eapitao F. A. Santioho, eauipagew 10,
carga 400 qmntes hespaohes de carne ; a
Marques Barros & C. ,
Navios sakidos no mesa-o dia.
New-York e portos intermediosVapor ame
no South America, commandan'4 Tenklepao
HavreBarca fca.nceza' Fgaro, capillo MicU
carga algodo e outros gneros.
LiverpooBarca ingleza Brilkante, capillo Wi -
ren, carga algodo e outros gneros.
Qksertaco.
Suspenden do 1 amarlo para a Babia o togar
inglez Wallie, capillo Robertson, com a aasnia
carga que trouxe de Trieste,
dem para West Judies, barca inglesa Centaitf,
capillo Willians, com o mesmo lastro que .Iroose
de Bueno*-Ayres.
,U -HP
i
ECITAES.
Secretaria da presidencia da Pornambac, 20
de mareo de 1870.Pela secretaria da premUncia
da provincia se faz publico qne o Sun. Sr. presi-
dente da provincia deixou de acular telas raot*
declaradas nadeliberacaodeste date aaeixo trans-
criptas as propostas aposentadas por Jo^ de Va.--
concellos, bacharel Bento Joed da Coste, Jacue*
Bonefjnd, Manod de llarros Banafo, Theodor
Just e Gustavo Adolopbo > oUbaai, Miguel de Fi-
gueira Faria, Andr de Aliren Por, Dr. Antonio
le Vasconcellos Meoezesde Drainmood, geobi
ro Manoel Boarque de Macedo e bario d" Livra-
mento, para a coostraceao de uma estrada de fer-
ro d'esta cidade villa do Limoeiro, com dous ra-
imes para as cidade.* da Victoria e azareth, por
isso novamente se convida as pessoas qne qnizc-
rcm contratar a construeco da referida estrada a
apreseniarera ao mesmo Exm.' Sr. no dia 19 de
abril vindouro ao meio dia nova- proponas m
cartas fechadas sob as bases e coadc das na lei tamoem abeixo transcripta, na rneufio-
nada deliberlo
I* seclo.Palacio do governo de Pernambuco,
em 29 do margo d 1870.
O presidente da provincia tendo examinad ae
sete propostas que se aprsenlara para a cou>-
truccao na uma estrada d carris de ferro, qne
par.indo d"c.-la capital se dirija villa do Limoei-
ro, com ramaes para as cidade da VictTia e Na-
zaretb, em execuclo da lei provincial a. 856 ; e
to-iiando m Considerafao as intormacees minis-
trad is pola reparticlo das obra publicas, da
thesourana provincial, o allondendo ao seguinte :
1 Que das ref ridas proposus, duas, s din ba-
charel Bnto Jos da Costa e do Jacqu B 'iwfond.
nlo pdem competir com as 1 nlras. porque exi -
gera ou subvenco kilomtrica de um oitavo sutire
o valor das oblas oreadas, ou garanta de juros oa
razio de qualro por cento, em quanto qne nae en-
tras nenhuraa subvengas ou garanta pretenden
os proponen tos ;
2. Que as propostas do bario do Livraraento e
Dr. Manoel Buarqiie de Macado, salmittindo fis-
calisa^'o da presulenaia, relavaiueaie a >egurau-
5a publica, e polica do serwioo re*ptr'ivo c<>arcl e alguin raoqe a acolo da gresidenria, sendo qu
por, este movo torna'-se meaos aceita vid ;
3." n-ilmante que as demais prop ias acban-
do-se quasi uas raesms ciicuiustancas relativa-
mepte unas as outravad se a presidencia ela^K
(ragida era dar preferencia una .dVIlaa, -P*t(..a|i<>
ter meios de saber qual dos propiMientes otk)ftop
mais garanta' dp.execug.io de .'fmelhanlu empre-'
za, alias de mxima uiilidalfl pulili
E cenvindo que etp contrata,d'f*1 ordem so
lomera todas as provider. is para qi
leve n effrito ra la
para a provincia, como para .'j^^T
aos proponentos, resejve man
correncia com o prazo de.%'
sentagio de n-v|s propostat,.
vindouro ; eamprindo1 que .^
aeompanhar as u.esmas
glo em que demonstren ea. ssetet de
dispdr aura de levantar capiac para execugao d
i





y
Dkrrfo t Ifeiafebu* Safebado 2 d Abril d aWJi'
ores, e wpalw
preta exced
*
"' ff
10 sci & cita
Jl-0
os as i
abitol
ViudiVt#ha
kott&
j, oh eslpioa do fe/rj d'uU. cMade
r9. com doui ramaes para Mzareth
SaoJH pm podados Ca*arlj4, S.
Ioorenco da Malta, villa do Pao d'A.lb.0, novoaeio
de TraconhSeYn, sob a* condiodes seBUtnte ;
O contraante obritar-se-ha a apresentar
e eatridcs' da > irada no ptazb de dous" a ti-
nos, a contar da dala e assignatura do contrato.
1 presidenta poier. Tazar nos .planos estn-
slteracoeo que julgar convenientes, e fl-
bitola e pato dos trilb os, as dimensoes das
obras d'arte e todas ai condi^e-? para seguranca
o boa execujao d estfttd'c rarfiasj.
| i" O presidente poder hscatisar a contruc-
?ao e servia da estrada ramaes.
1 4. A estrada o ramaes serio concluido!, a
prmeira no prazo d qoatro annos a contar do
jate^o das bra?, as secundas at tres ana? de-
pois de concluida aquella.
As multas por inTraccao d'essa clausula, e'a
pUrttariio dos- prazos-neUa estipulados pdr casos
imprevistos, serio duerarimes pelo presidente da
provincia.
Art. i. Fiea p presiden'..' Ja provincia igual-
mente ati!orW*d; a adxHfaf a emstruccarf da ll
iha o ramaes cjtn urna subvengo kilomtrica de
um-onarto do valor das obras oreadas, ou a con
Crfder a garanta do juro? at (ju?tro por cento
sobra o capital empregado.
Art. 3." Ser conoedido ao contratanto um pri-
vihrgo por nvente annos para xrso e goso da es-
trada <; ramaes, contando-fe da conclusao das
obras, nao pudendo pessoa algoma construir es-
tradas serr.elhante para os inesnios pontos, era
ua dfrecrin dos ramaes e na zoua de tres leguas
para cada lado das estradas.
Art. 4t-A~ estrada e ramaes e todo o material
crapregado .ficam iseatos dos imposto* provinciaes
: maiHnjafri.
Art. 3/ Ficam revocadas as lispoipdes em con-
trario.
Mando, prtanlo, a todas aa autoridades quera
o cnhecimento e execucao da presente resofurao
pertencer, que a cumpram o facam cumplir tao
inteiramer.tr. como nella se conten.
O secretario do governo d'esta provincia a faca
imprimir, publicar o correr.
Pal icio do governo de Pernambuco. 5 de jnnho
H &Baro de Vln Bella.
Sellada o publicada a prcsonlc resolugao nesta
secretaria do governo de Pernambuco, aos 5 de
junho de 1808.9 secretario, Dr. Francisco de
Pala Sn
Registrada a folba do livro de leis provinciaes.
Secretaria do governo de Pernambnco, 5 de ju-
nho de 1S63.O escripturario, Tlieodoro Jos Ta-
lares.
O secretario interino,
Elias Feederico de Almeida.
rer V. S. sirva-
mesmos para o
teio de editos na
i) peo* de revelia, de-
doduzido oa presente peligao,
anda Y. W sirva designar
-_- i?. S. deferimlnlo.E R. .Costa R-
*eir*: u |
Estar sellada ebm ama tattpilnalde. dtenlos
Mh.Ue foi InntmSkl p%ttt assIgnataHdd peti
** "? l'tfJJLr' 4**8|o "3o theoi*stfguinte :
Sim, fustilfcffla a**VmH.nodTa1Vdo corren-
ie roez, depcU da audiencia,
Re:lfe, 11 d' mareo de 18^.'-Aten car Ara-
ripe.
Depols outra'peficSo do thetsr feguinf I
^ Illin. Sr. pr.Juiz espaeial do opraniercio.Jus
ongajves Pe'reira vem requerer a V. S. que se
dfgne de marcar noto da para' ter logar a Jtteti-!
tka$o_ requerida pelo supplicanio nos autos de
execufj de sentcnca que encaminha contra D.
Maria Francisca Nevos visto bo, se. ter podido dar
essa fdstidcaead no" (lia marcado por V. S., por
ter si lo o em que d?ibarcaram'n*sta eidade ds:
voluntarios da patria.
Pede V. 8. deterimento.E R. M.O procura-J
dv>rJos nicacio'da Silvo Jutlof.
Eslava seHada com urna estampllha de duzeutos'
ris^qne foi Intitilisada pelo dito procurador assfg-
nttano da peti^ao,^ em dita petieao dei o despa-
cho seguiste :
O da 23-do'corTerite raez, as Hhorasd ma-
nhia......
IteeKe, 18 de marco de 1870.Alencar A ra-
rip5 ^-
E tendo o supplkaaie produzido suas testemu-'
nhs, selllido e preparados bs aotos, subir m a
mi KM comiusao, e nelles dei a setalcnga do theor
seguinte :
Hei por justiner.da a ausencia dos snppffcados
folbas 41, e nlndo que sejam citados por editos
de 30 das para o-llm requerido, pagas as costas
ex-causa.
Recife, 28 de marco de 1870.TristSo de Alen-
car Araripe.
Por forca da qual o escrivao fez passar o pre-
sente edita!, pelo qual chamo, eito e"hf'por inti-
mados Jos Gonralves Percira Lima e Manoel Gon-
calves Pereira Lio, para qe tiqe-8iaais-dft
lodo o expendido no presente edital, afim de com'
parceren nesie juizo derrti l plazo da 89 das,
para artegarem o pie for do jusilca.
E para qne chegue ao cnhecimento de lodos,
mandei passar o presente, que serpuMied pela
itnornsa e afflxado nos lugares do costme.'
Recife, 29 de marco de 1870.
Eu,_Bttnoel Maria Rodrigues do Niscimcnto,
escrivao, o subscrevi.
Recife, 29 de margo do 1870.
Trislao de Alencar Araripe.
II ll^W^^^^
MEBHW'CBA1AS
Babia, Peregrino Lemoa do-Uefter* **>$*
Terminara 6 dlWtnpeJ^XCItia^prtrnwa re-
presenucao df Mdlr :o fitnebr
nal do distipcCfli IttPlBfoagnim
denominado : l
Executao pelos Sr, Bahia e Peragrino.
Prinelplars 8 horas.
< io, 1 marquen, 1 relogio.par eneaho, 1 dito
toBt mosica, -2 t s|r fazer* ?o
gazor.a. 1 ai nuca.) AH reftjiJtn amerl**-"
basto du-violonrlii, i.faixeb oirt nitro
deghjaieviijoorci) %e UieBuifrwielrof, 1
'Zu.es, .1 bergo da .'erro, e gmai
ro, ama estarna com porra *
>s mullo oMeetos.
na da fmperalriz.
Espectculo de domingo
9a RECUA DE ASSltN.VTURA
Cantado pelos afllt!n!MMPB, anto um,pri-
moroso
Quadro allegorico
exoculldttpela Sr". A'dolpho Saftimba.
Seguindo-sfa ppineira repre?^|acao
ressaulo drama era 3 act>s :
'Tvi
no arina'zem n. 14
Aloga-se
vejado sera
p^orio para
defron.*6 o;
Mondego, ola
radia.
de fazenlas geraes
A'4 lie aflrtt.
Carlos P. de I.onlosi' C. frfio loilao por iiiter-,
vene-ao do agente Ollveiro, de coalplt* sortimanla'
de fazendaj as mafs proprias do mrcalo o da'
estarao.
Segunda-feira
as 10 horas da maaha, em seu armaiem sito a
ruz do Vigrfu,
do
inte-
I
DECLARACOES.
Facuidade de Direito
do Reeife.
De orden; do F.xra. Sr. director se faz publico,
(jueiio dia 2 de abril prximo vindouro, pelas
duaj horas ds tardo, ser encerrado o praso de
seis mez?s marcado para a insenpeao dos que
pretender!, concorrer segunda.vaga de substi
luto desta Faruldade como consta do edital j pu-
f'hcado, c '!ue abaix) so repete, de conformidade
i-om o wtlgo 119 do regulamento complementar:
De ordem d Exm. Sr. direct r se declara
por esta secretaria, que a inscripcP pnra o se-
undo concursa do lugar de substituto desta Fa-
ouldado, anounciado em edital de 2i d agosto do
anno pausado, devora ver encerrada no xlia 2 do
abril prximo vjndouro ; vnto cmo o praso de
seis meZBJ 'nircado para a mesma inscripcao de-
veria ter Comecado a correr no dia 2 de ontubro
do anno passaoo, conforme dispSe o artigo. 123
do regala ment complementar. Abaixo se repe-
le o ed'tal relativo ao mesmo concurso, e que
subsiste en vigor, menos quanto ao praso da
inscripgao:
De ordem do Exm. Sr. director interino conse
llioiro Dr. Pe 1ro Adan da Malta e Albuquerque,
t-em execurao ao aviso imperial de 14 do corren-
te, faeo publico quo lica marcado o praso de seis
meios, contalos da data deste, para a inscripcao
dos que prelcnJcrem conjorrer ao lugar de lente
sulistiiiito desta facolada, que servia o conselhei-
" re Jor Libralo Barroso, e quo foi declarado vago,
na forma do rtico 101 segunda parte do decreto
- ii. 1386 do 2S drt abrii de 18oi, em viitode de ro-
solucae in.porialde 4 di corrente, tomada sobre
consulta a seecao dos neg icios do imperio d
onselho de eslado. Pelo que lodos os pretenden-
tes ao dito lugar se podero apresentar desde j
ua secretaria desta facuidade para nscrever seu
nomes no Itvro competente, o que Ihes permilti
I" faier por procurador, se- estiverem amis de
vate leguas desta eidade ou tiverem justo impe-
dimento. San, porm, obrigados a apresentar do-
umentos qm moslrem sua qualidade de cidado
tirasilciro, e de que esli no goso de'seus direi-
ItM civi- e p.;!itic >s, cortid.'io de b3ptism), folha
corrida do lugar de seus domicilios e diploma de
doutor por uia das faculdades do imperio, ou
publica farota, justificando a impossibilidade da
aprsenla.'; ni do original, e na mesma occasio
podero eulregar quaesquer documentos queljul
garem convenientes, ou como ttulos de habilita-
i,. i. ou como provas de servicos prestados ao es
tad iiunianidade, ou sciencia, dos quaes se
Ihes passar recibo : Indo de conformidade com
os artigos 3G e 37 do decreto n. 1286 de 28 de
abril de lS't e 114 e seguintes do de n. 1568 de
2'i de fevereiro de 185a.
E para quo chegue ao eohecmonto de todos,
mandn o mesmo Exm. Sr. director interino afli-
xar o preeonte, que,ser publicado as folbas des-
ta oidade e na da corte. Secretaria da facuida-
de de *Kiu> do Recife 2't de agosto de 1869.O
twaretario, J^so Honorio de Menozes. Secreta-
ria la facaldade do direito do Recife 15 de feve-
reiro de-4870. O secretario, Jos Honorio B. de
M atetar?
SecreUria da facaldade de direito do Recife 26
do marco de 1870.
O secretario,
Jos Honorio B. de Monezes.
OIIIoi. Sr. inspector da thesouraria de azenda
desta provircia, em viriude das ordens em vigor,
inanh fazer publico que tem marcad i o dra 25
ds abril prximo vindouro para o concarso que
si- tem do abrir na mesma tbesouraria para pre-
ettnhimenJD das vagas nella existen'.es de prati-
cuntes da mean, assim como da all'aadega e da
Toe'beoria de rentas : vorsar o exame sobre
as malarias de que trata o i* do artigo 1 <
decreta n. 3114 da 27 de junho de 1863, a saber:
leilara, analyse gramoialical e ortoopraptiia, ari-
tlimetica e suas applicacoes ao commerclo, com
espacialidade reduccao de moedas, pesos e> me-
d jas, clcalo de descont, juros simples c co:n-
postos, theoria de cambios e suas appKeat^Jes. Os
roneurrentes devcro previamente apresentar seus
requTim'iiitos instruidos de documentos que pro-
ven idaoe completa de 18 annos, iscneSo de pe-
na e culpa e bom comportaraento na forma do
rt. 3" do decreto n. 2549 de 14 de marco de
1880.
Secretaria da thesouraria de fazenda de Per-
Bambuco, t de mareo de 1870,
Servindo de official-maior,
_____________Manoel Jos Pinto._________
(i Dr. Trislo de- Alencar Araripe, offlcial da im-
perial ordem da Rosa e juit de direito especial
do commercio nesta eidade do Recife de Per*
nambuco, par Sua Uagestade Imperial e Consti-
tucional, o Sr. D. Pedro 11, qoom Beus guar-
ite,- etc.
Faco saber aos que o presente edital'virem e
rets noticia.-tfcrereai, que por esto juwo asMcial
o commercio corre une autos doexecucao de
seataaca, sendo coa exeotteate Jos Goagalres
I'reir, e com* executada D. hara Francisca
Neves, me foi ptte meara exequente dirigida a
policio do tfaeor segointe :
lim. Sr. jarz de dh*efto especial do commerclo.
- Diz Jos Goncalves Pereira que, tratando de
tiabliur os berdeiros da finada alarla Francisca
Wwtee o OTtes de execugio que contra a mesma
tiitiria o supphcaDte, digoou se V. S. mandar per
*.ii respaUrel despashoua/oeseai citados aquel
W.'. herdeir*, o oe o foai |a# d*som de
nlearadorts. E p
iifdos as passoas ti4
Gicalves Pereira lima,
elra Um,
r
Sexla-feira 4 de abril vai praca, depois da
audiencia do juiz de paz do 1 districto da fregu-
zia de Santo Antonio, os bens penhorados a Anto-
nio Jarg* dos Santos, e existentes na taberna sita
na travessa dos expostos n. 18, por exequgao de
diversos.
Recife 30 de marco di 1870.
escrivao interino,
Pereira da Rocha.
O principaes pjpeis serio desompenliados pW
Sra. D. Mara de Lcenla Babia, D Olympia e or
Srs. ii*k) Babia, Peregrino e Braga.
Terminar o espectculo com a exibgiio da lin-
da comedia eni 1 acto
Discordia e concordia
dosempenhando os principaes papis a Sra.
Maria, de Lacerda Babia o o Sr Xisto Bahia.
Principiar as 7 1|2 hora*.
Sendo o thoatro pequeo para admiufr o gratt-
de nomero de pessoai,. quo segundo consta, de-
soja assistir a um acto to solemne e ao qoal os
verdadeiros patriotas devora comparecer, a direc-
ta resplveu dar representacoes as noutes de
sabbado 2 o- domingo 3-,do correte, para desto
modo gozarenros beHos divertimentos em com-
memoragao s
Glofias do Brasil.
Os bilhetes achaoi-.se na cstago do Recife e no
thealno, pelos pregos estabclecidos, havando trato
depois do espectculo.
Oa arraaijao, geneW mais atencHtoS
existentes na tibert3.cila ua'rna1
Imperial d. 27.
Terta-elra t do corrnle
A requermnto u madure* fiseaes da mas-
sa fallida de Mi *\ ti. Miranda Pedra o despa-
cho do Hlm. Sr. ui: juiz e^peeial'do commerclo
o agente Pestaa fara leilSo (Ja annago, gneros
jj.H- mais ntenctlios existentes na taherna- da ra
' Hperiat n. 27, cdjtfs tasen parte da mesma mas^
,.e serao vendidos terca-feira t do corrente S
i horas da manh, oa -mesma' taberna.
"-Roga-seao>v
za Leao, para ti
do Rosario n. "
gocio.
lirado:por acabjf,
n porto de emhl
_!, sito- nos
itb, tratar
13 ; tarabem serve para m"
Alfredo Milln oV
Btlade de vir a ra esta,
para concluir ndVi
Precisa aeda B criado ou c
eieravo, ral' dt Gamboa do Carmv,
Bi.
riaja, vre ou
AVISOS MARTIMOS.
Uarauho
Segu com Jjrcvidade para o porto cima o pa-
Ihabote Jotren \rtkur, para o rosto da carga que
Ihe falla trata-se coas os consignatarios Antonio
Lmz de Oliveira Aaevedo i G ra da Cruz n. 57.
GOMIA
Paquetes
BliSilM
DE
a vapor
Impende e regio consulato
d'Austria etlnglieiia^ in
Pernambuco.
Con decreto di." 14 Dicembre 1809 venne ordi-
nata un'anaftrafe dei suddi i Austro-Uogarichi si
trovano ali'estero.
I medesinn vengono quinll invltati col presente,
di annunziarsi. nel termine dltre mesi dal giorno
d'oggf, presso questo I. e R. Consolalo, muniti dei
documenti comprovanli.
La iscrizione ha luogo libera d'ogni spesa, ed
a-icura agli inieressati il dirilto di nazionalit
presso IT. e R. l'ffici Consolari nel Brasile.
In-periale e Regio "^nsolato d'Austria-Ungaria,
in Pernambuco, 12 Mano 1870. "
L'l. e R. Consol,
Rarone do Livramento.
Santa Casa da Misericordia
do Eecife.
Diubelro vista.
Alllma. juma admiuistraljva da santa casa de
misericordia do Recife no ittuito de alargar o cir-
culo dpfessoas Wjue concorrem a arremalacao
do fornecimento de gneros que tem de consumir
os e3tabelecimontos pios seu cargo nos mezes de
abril junho. manda fazer publico qoe o mesmo
fornecimenlo da quanlia de trinta contos e tan-
tos mil ris nanualmente, e que pago mensal -
men'e com dinheiro vista.
Recebe, portanto, a mesma jnnta propostas para
o fornecimento indicado na sala de suas sessdes
pelas 3 he ras da tarde do dia 7 do corrente.
Assucar refinado, kilogrammo.
Dito 2* sorte idem.
Dito torro idem.
Aletria idem.
Arroz do Maranho idom.
Azeite doce, lilro.
Agurdente idem.
Azeite de carrapalo idem.
Bacalb kilogrammo.
Batatas idem.
Cha verde idem.
Cha preto idem.
Dito hysscn idem.
Ceblas, cento.
Carne secca, kilogramao.
Farioha de mandioca, litro.
Fumo do Rio, kilogrammo.
Ftijao mulalinho, litro.
Farello, sacco.
Manteiga francjza, kilogrammo.
Peixe fresco idem.
Sabio idem.
Sal, litro.
Velas de carnauba, kilogrammo.
Ditas stearinas idem.
Vinagre, lilro.
Vinbo linio iden.
Dito branco idem.
Toucinho, kilogrammo.
Os concurrentes apreseotarao snas propostas
em cartas fechadas, as quaes deverao ter a ordem
estabelecida no presente annuncio.
Secretaria da Santa Casa de Misericordia do
Recife, 2 de abril de 1870.
O escrivao,
Pedro Rodrtaues de Scmza.
InspeccSo do arsenal de
marlnha.
Faz-se publico que a commissao de peritos.
examinando na firma determinada no regulamentc
annexo ao decreto n. 4324 de 5 de fevereiro de
1854, o casco, machina, caldira, apparelho.
mastreacio. veame, amarras e ancoras do va-
por Hiif.iin da companhia Pernambucana de na-
vega^ao cesteira, achon todos esses objeetos em
estado de poder o vapor navegar.
InspeccSo do arsenal de marraba de Pernambu-
co 34 de margo da 1670.
O inspector,
H. A. Barbosa de Almeida
m
AVISOS DIVERSOS.
Tinturara Francoza
|55--Rila da IiUiera O proprietario..deji*e eatabeleciment*
previne as pesaoas qua dfpositaram
n'elle alguns obyectos ante'- do primeirro
de Janeiro do amo corrente, que os vio
buscar impreteljvelmente -no praso de
um mez da dala^da .pr8ente publica-
cao, do contrario teraaos ditos-objectos
considerados como abandonados para pa-
gamento do traballio, e sus dono n3o
lere direito nenhom-em reclama los em
lempo algum.
Recifo. 29 de margo de 1878.
se de um
sua condoeta, creferind
cia : na padria da ra
J
Fipeisa-se de'titti'i coi wr-
gedcii: 5 ra tslreitd do Ro-
&rio n. 32; terceiro andar.
Aluga^se ou compr-se asi escravo com
pratica do servio domestico qne teAlfa de 15 a 20
anuos de idade : na na do S.-Francisco n. 72.
Afflh.
, Precisa-se de uma ana pata eozinhar e coojt
prar para casa 'da liomeui soltciro : na roa do
Crespo n. 20.
Dos portosdo norte
at o da 9 do corrento|fcv!po?
Tocanlins, commandanle J. M. F
Franco, o qual depois da demo-
ra do costume seguir para os
gira para os portos do sul.
Desde 9 recebem-se passageiios e engaja-se
carga que o vapor poder conduzir, a qual deven
ser embarcada no dia desuachegada. Encoxomen
das e dinheiro a frete at as duas horas do dia d
sua sahida.
Nao.se recebem mw encoramendas senaeob-
lectos de pequeo valor e que nao excedam a !
arrobas de peso ou 8 palmos cbicos de medi-
cao.
Tudo que passar des'es limites dever se?
eraharcado como carga.
Previne-se aos Srs. passageiros que suas passa
gens s se recebem na agencia ra da Cruz u. ii'i
' andar, escriplorio de Antonio Luiz de Qlivein
Azcvedo & C.
THEATRO
GTMRASIO DRAMTICO
(No Btoateiro)
SOB A MtECCAO DO ARTISTA
BMIOVUII.
afclado 9 e donlago 3 de
abril de 18 JO
RspectaontoVm grande gala em applaoso con-
clusio da
Guerra do Paraguay.
RflUHAVMA
ESI'ECTACULO DE SABBADO
Depois dos artista* da companhia dramtica
ataren o
Hymno nacional
Im um.primorosii quadro allegorico, execulado
TftifOTentar.se-iia, a pedido, o excellente e ap-
Gongalves Pe- j plaudido drama m "i actos, intitulado :
de tSanelr
o momento .o briguc
Hl'i
Espera-se a todo o momento .o tingue naci
nal hube!, capito Jos Marques Vianna, e segni-j
r logo para o porto cima por ter a maior parte,
da carga engajada, para o re<1o que Ihe taita tra-
ta-se coa os consignatarios Antonio Luiz de Olf^
veira Azevedo & C ra da Cruz n. r>7.
MaranMo.
VIVA A NA CO BUASILEIKA !
Sociedade Patritica Doze de
Setfiubro.
A commissao' central dsta suciedade convida
aos senhores membros das cominisso>s parciaes a
reunirem-se ni saJaO do Club Pernambucano, as 6
horas da tard do dia % d abril para tratar se da
realisagao do seu programma de festejos pela ter-
minagao da guerra.
Sao igualmente convidados os genitores ofBclaes
do corpo patritico de laneeiroe a assistiroin a esta
reoniao. a sessio c nublic.1.
Secretaria da sociodade ptriotica Doze de Se-
lembn) 31 de_margo de 1870.
A. Lamenha,
* ._______;_________Seeretario.
Alugainse dua,s casas terreas na Estrada*
nova confronte ao Sr. Jernimo de Hollanda, com
2 quartos, 2 salas e eoztnha fta cada uma, e
quintal, c qtierendo lambem tem ierras para plan-
tagao por prego commodo ; sao do pedra e cal: a
tratar as mes'mas.
Aos-StV:
Francisco d Salles e Silva,
Enstaquio Jos dasChgas.
o obwqure de-appareceretn, a negocio de
seos tntersse, no Bazar da Moda, na ra
Nova' n.-60.
Ama.
Na praca da Independencia ns. 1 e 3, precisa-
ge de uma ama (iota engommar.
AVISO
Wf^94'^ de uma mi forr'oa captiva, na,
sebw: J rua da ^Dab-tSfiwt. w/$
Jo andar. _______^-
- Precisa-se de oJ'1 Am"fn, pretooapflL
ijae saflja cosinhar e o9n.',,,r*r P casa de doa*
pessoai de familia : n roa i' s- Francisco ra. 40.
*---------1------------------ _J.i t 'l T
Caixefeo
Precisa-se d nm Ueiro de 12 a 14
ta roa disPires di
aoM.:
Encrpmmadeira.
Na roa do ApoHo n. 24, 2 andar, precisa-se do
nma ama que salta engommar c lavar, pan i:ma
pequea familiarpaga-se bom ordenado : a tratar
das G as 16 horas da raanhaa e das 4 luirs da tar-
de em diante.
Precisase alugar um escravo de boa con-
ducta para o servigo de ama lo|a de fazendas; oa
ra do Cropo n. 20 A.
AMA
Na tarde do dia 1 do corrente auzentou-so da
casa da ra do Livramento n. 25, o menino Ipolo-
gio Luiz de I"raiga, livre, de dez annos de ida le,
ignorando se o destino desta creanra ; roga-se a
quem o encontrar ou delle noticia tiver de avisar
na ca a cima mencionada.
Aluga se uma boa casa acabada de novo, si-
ta na molh >r localidade da povoaeao do Monteiro,
muito fresca e offerve decencia para pessoa que
tem tratamento : tratar ra de Santo Amaro
n. 20.
Prf cisa-se de uma ama par co;inhar, comprar
e fazer mais alguns servicos de casa : na tintura-
ra franceza, ra da Emperatriz n. 51.
l/NHKIIU).
Precisa-se de um cozinheiro do trevial : na ra
da Laja n. H. \ m __________
Precisa se de uma ama de leite semlilho :
a tratar na ra do.Principe n. 2.
A commissSo incumbida dos festejos
da terminara-) da> guerra, convida aos raes-
tres fogueleiro9 desta eidade para compa-
rwerem na segunila-ftira i do corr-eBte
no escriptorio de Dr. Fnclon Alcofoado,
ra do Crespo n. 4, Io andar, para tratar
Hi eonfecc3o de um grande fogo de arli-
treio. "\
Segu uestes oito dias para o indicado porto o
palhabo e nicional Emilia : tem a quasi totali-
dade da carua. e para o airninoto namero de ro-"
lumes que pode anda receber : trata-se com Joa-
quim GeralJo de Bastos, a ra do Vigario n. 10,
Io andar.
Maranho.
Para o referido porto segu em poucos dias o
hiate Rosita por ter a maior parte da carga engao
jada ; o para o resto qoe Ihe falta trata-se com -
consignatario Jcaquim Jos Goncalves Beltrao
ra do Commercio n. 17.
PORTO POR LISBOA
Seguir em poucos dias a barca portugueza
Nota Sympalhia de 1" classe e marcha por j ler
prompto quasi toda sna carga : para a pouca que
Ihe falta, assim como para passageiros aos quaes
offerece ricos e excellentes commodos, trata-se
com Bailar, Oliveira & C, ra do Vigario n. 1,
priraeiro andar.
Lisboa e Porto
A barca Ftor de S. Simo saoc impreteriveimen-
te para os portos cima at o dia 12 de abril cor-
rente : para o resto da carga e- passagens, trata-
se com os consignatarios Carvalho & Nogueira, na
ra do Apollo n. 20.
LEILOES.
De 50 barris com banha de baltimore.
HOJE
O agente Pestaa far leilo de 60 barris com
banha de baltimore ch'gados ltimamente e asa-
liir da alfandega, e serao vendido- em leilao por
conta e risco de quem pertencer em um ou mais
otes. Sabbado 2 do abril as 11 horas da manh
no arraazem do Annes defronte da alfandega.
Importantissimo de porcelanas
e orystae do Bacarat.
HOJE.
O agente Pinto far leifio por conta e ordem do
Srs. A. Milliet Flho-jc C, do Rio de Janeiro, de
todos os artigos existentes no seu grande estabe-
lecimento nafrua da Imperatriz n. 47, 1* a sdar
que comprenhende o maior sortimento quo pode
imaginar de riquissimas porcelanas e crystaes do
afamado fabricante Bacarat, como s*ja apparelhos
completos para jantar, ditos para cha e caf, em
crystaes ha o mais rico e variado sorh'mento qoe
se tem visto nesta eidade, o qual com mu i tos on-
tros ob ectus de laxo e nao menos apurado gosto
s rao expostos no da do leilao ao respeitavel pu-
blico.
O annunciante chama a attengao de tedas as-
pessoas de bom gosto para que aproveitera o en-
afijo que se Ihes offerece para se preverem de
rauitos artigos necessarios p >i* que sendo este;
"imptirtante leilao feito para liquidar a casa- aqni
estabelecid ha pone** mews, serio os objeetos
vendidos mmto em conta.
Principlari as 10 horas em ponto por serem
muiles'os lotes.
de
LEILAO
mofis e relpgTos.
Ofante P.ta4' eompiliapente aatonsado
vender nvke urna mohiHa do atofao com
fSi
O abaixo assignado pede eo Sr... que em prin-
cipios deste mez, na alfandega desta eidade, to-
mou emprestada a quantia de vinte mil reis, dei
xando depositada em mao do mesmo, nma sedula
de cincoenta mil reis, queira fazer o favor de vir
pessoalmente receber o treo de dita quantia, vis-
to como, julga.se esteja esquecido e nao saber-se
onde n seu domicilio para Inr se desmanchar a
permuta.
. Recie, 31 de marco do 1870.
Antonio (.litarte Gordeiro Vianna.
Arrcmatacdo judicial.
No dia G do abril linda a audiencia do Sr. Dr.
provedor dos rezidoos, juiz municipal da 2' vara
se. proceder a arrematacao por venda da casa
terrea n. 72 do largo de S. Jos pertencente a tes-
tamentaria da Pinada Clara Maria de Caldas Bra-
dio, avahada era l:'i00000, a requerimento do
tcstamenteiro dadivo, como consta do descripto
em poder do porteiro.
Precisa-se de uma ama para engon mar o
eozinhar para duas pessoas : ra do Queimado
n. 49, preforindo-se escrava.
Precisase fallar com a pessoa que annun-
ciou um estabelecmento para vender a dinheiro :
na ra do Crespo n. 8 B, loja._______________
Irmandaie de X. S. da Noletia-
dc da Boa-risla.
Pelo presente sao convidados os senhores mes-
tres de carpina e pedreiros que qnkerem con-
tratar, as obras de dous altares, arcos e forro da
igreja da Solcdade, a apreentarcm saas pro-
postas em cart fechada, cm meza de quinta-feira
7 do corrente ; podendo para islo consultar as
plantas que se acbam oa sacrestia da mesma
Ir!'
Jos Gimes Villar, seus charos filhinltos, suas1
cunnada% cunhados e concuohado, sentidos da
dor peto fallec ment de sua chara e.-posa,
irmiia cachada I). Candida Amelia Dantas
agradecem cordialmenle a todas as pessoas
q*n honraran assistindo ao sea enterro o de novo
pedan todos os seus prenlos e amigos, e a
todas as qessoas que quizerem fazer o caridoso
obsequio, para assisiirem as missas do stimo dia
pelo repouso eterno de sua alma, qoe se celebra-
rio na matriz do SS. ds Santo Antonio, na torga-
futra.JIdo corrente mez, as 7 horas da.manha.
Prgunta innocente
Pergnntase aos legislas da roa do Queimado se
ha muito lempo assignaram uma subscripgao para
festejarem na mesma ra a coaclusao da guerra
do Paraguay, e estamos certos que esses logtstas
nao trepidarao cm dizer qoe sim, o qu estSo
pjomptos a camprir aquillo que assignaram, mes-
mo porque negociantes da ra do Queimado nao
desmenter a conflanga que o publico desta eidade
os concidera, e porque mesmo a guerra acabou-se
com dignidade, c a ra do Qacimado n3o deve ter
partida de leao e sahida de sendeiro.
Custodio AI ves Rodrigues da Costa faz soi-
eule ao respeitavel publico, e com especialidade
oreo do comnMrcio, que tem contratado ven-
der aos Srs. Manoel Martio Gomf s & Irmao a sua
taberna da ra di Concordia*. 9% livre e desem-
baragada de dbitos e de qaalquer onus : se al-
guem se julgar com direito a qualquer reclama-
gao, dirija-se mesma no praso de tres dias. Re
cife 31 de marco de 18TO.
Petot
inperalriz regente.
(Lom esta denominagao chegaram a loja do I'as-
so pelo ultimo paquete os mais ricos chapeos de
palhinha pretos com enfeites de cores, objeeto es-
te o mais moderno de Pars, cheguetn antes que
se acabem : a roa do Crespn. 7 A.
O abaixo assignado ainda uma vez, vem
scientiflear ao publico e com cpcialdade ao
corpo do commercio que est dormitivamente li-
quidada e partilhada a sociedide que teve com
os Srs. Joaquim Fernandes da Silva Campos e
Manoel Jos da Costa Pereira. que girou sob a
razao social Duarte Pereira & C. fieando o abaixo
assignado ex-socio commanditario Joaquim Fer-
nandes da Silva Campos senhore* do eslabelcci-
mento comniercial da ra do Crespo n. 10, de
todo o activo do mesmo eslabelecimento e obriga-
dos pala passiviv visto terera ineintindo inte-
gralmente e a dinbeiio a vist, todo urtjjffl' poJia
ter naqnello estabelecmento, o socio de' industria
Manoel Jos da Costa Pereira, do quem recebera
plena c geral quitaco. V
Recife, 30 de margo de 1870.
Bernardiao Duarte Campos.
Offerece-se nma preta escrava para K do o ser-
vigo, sendo casa ds pequea familia : tratar as
ra do Hospicio n. z6. Na mesma casa aloga-se
um pianno de puuco uso, ingles.
Deseja se silicr se existe nesta provicft, a
principalmente em Rio Formoso o portocuaz An-
gnsto Pinto de Barros, natural de ViHerbo d
S. Ili m provincia de Traz Muutes, chegada a
esta provincia em 1863.
Se algnem o conhecer e delle qulzer dar notima,
dirija-se a ra da Fundicao em Santo Amaut a.
30, oo a ra da Cruz do Reeife n. 30, een
de qoe ser grande favor feito a familia do om-
ino, residente em Portugal. Na roa de CriK 3t>
podem deixar carta feichada para Sanoel fjcnn-
vPs Ferreira da Costa.
Precisa-se de
ler e oscrever para
ro.
um homem que ssiba
deslribuidor ektie m-
Precisa-se de uma ama que leona adeudan-
te leite, qoe seja sadia e tenha fimo, e este n
aeompanhe : a tratar na ra da Imperatriz, toja
n. 44.
O abaixo assignado avisa ao publico que tendo
ohtido licenga do Exm. Sr. eonselbeiro inspector
da thesouraria da lazenda geral, para vender os-
tampilbas cm sen estabelecimeato a rna do Crespo
n. 2;!. pelos mesmos pregos qae se vendem na re-
cebedoria geral; assim pois, podem as pessoas
residentes nesta eidade e fra della dingirem ao
abaixo assignado, suas encommendas em qualquer
quantidade que ser promptam>nte salisfwts.
Manoel Martins Fnza.
AMA.
Precsa-se de uma ama: na rua*'do Pires o. 5.
Sociedde Liberal Unido Be-
neficente
De ordena do conselno convido aos senhoris so-
cios para se reunirem cm assembla geral no dia
i do corrente, as Choras da tarde, aOut de tratar-
so de negocios tendentes mesma.
Secretaria da sociedade Liberal niao Beneft-
cente lc de abril de 1870.
Secretaria da sociedade Liberal l'niao Bend-
ceme era 1* de abril do 1870.
Augusto Cesar Con^seiro de Mattos,
! secretario.
CASA FELIZ
Aos 20:000^000
A casa feliz do arco da Conceigo tornou a ven-
der nos seos muito felizes bilhetes da lotera n.
135, em beneficio das casas de detenro, as sortes
segnintes :
~ No da 19 de abril do crrente annn deve-
rao ser arrematados perante o Exm. Sr. r. juiz
de direito especial do commer>'io. os e.-cravos Lou-
cenco. pardo escuro, de poseo mais de 30 annos,
e Valentina, crioula, de 2z anuos, ambos de boni-
ta Ik'iirn, e esta ultima mnito prendado. : quem
pretender arrematar1 esses excellentes escravos,
queira enviar suas propostas razuaves perante o
mesmo Exm. Sr. Dr. juiz de direito especial do
commercio, na conformidad do uecreto n. 1695
de 15 de selembro de 1860._________________
Instrucgao primaria parti-
trrtar.
Anua Seiihormlia Monteiro Pessoa, competente-
mente habilitada, do cunfnrmidaon eom os despachos
da presi(Ieneiaot'rovinpi.i ue-no^ oaatiecuuu
ge ral da Inslrucefu publica de i't de fevereiro ul-
timo, aprsenla aos senhores pais e mais chefes de
familia a su'aula particirlar que se aeha abertaem
a ra das Crozes n. 11, Io andar, das 0 horas da,
manbaa s 2 da tarde.
Materias de ensioo.
Leitura. arllimetica, escripia, etc.
Costaras de todas as qnaliides : ponto de mar-
ca, bordados diversos (inclusiva de ouro), labyrin-
tho, c lloalmc-nte flores.
Altimnas cxtenias 5000 meosaes.
Aquellos senhores que residirn) distante da ei-
dade, podem, querendo, confiar mesma profes-
sora suas Gibas, tuteladas, ele. qae serd tratadas
com o maior cuidada, zelo e esmero que lr pos-
svel, inediantpprvo ajuste.
1917 2:000*000
460 800*000
3596 200*000
9!9 100*000
mi 2021 100*000 100*000
675 100*000
Club do Monteiro
Hoje haver reuniao familiar e tiem a
1 hora da manba
P. J. Layine,
Empresario.
AMA
Precisa-se do ama ama para comprar e
nhar para duas pessoas : a tratar na ra
n. 52.
COZI-
Nova
Caixoiro
Joaquim Jos Oon-
palves Beltrao
RA DO TRAPICHE N. i7, 4. ANDAR*
Sacca por todos os paquetes sobre oB*f>
m do Minbo, em Braga, e sobro os Minia
es logares em Portugal:
Lisboa.
Porto.
Valenca.
Guimai'os.
Coimbra.
Chaves.
Viseo.
Villa do Conde
Arcos de Val de Vez.
Vianna do Castello.
Ponte do Lima.
Villa Real.
Villa-Nova de]Famalicio.
Lamego.
Lagos.
Covilha.
Vassal (Valpassos).
Mtrandella.
Beja.
Barcellos. n
Precisa-sede mn caixoiro ortico de taberna
na roa do Livramento n. 31, deposito.
URBANOS
Precisa-se de um trabalhador pan tratafrite r
sjtfopeqnetm'; di-se casa propria para, mor;.
(eco, prlterindo honre evalo air-
o# nti^rrota o. it, 'ririid
Recife a Apipucos.
Tendo principiado o novo systema de
venda de bilhetes oas estacos, cessando
assim a venda nos trens, roga-se aos Srs.
passageiros o obsequio de coadjuvarem a
etrjpi eza enr tevar a effeito este systema,
comprando' sett bilhetes com a precisa an-
tecedencia,, para assim evitaren) a demora qoe
pode apparecer no caso de nao estarem del-
les nraoWosi
As pessoas qoe tiverem de tomar o treo
nos pontos de paradaRa Formosa e Por-
ta d'Afiua tero a bondade de levar comsigo
\*m vfsio qae nestes logwes nia
ha eHgVT vend delles.
Kcnpiorio da corapanhia, 2 i d unan
de Hi
IVf Ktwlimm,
Gerente.
MASSA e XIMPI
CODEINADEBERTH!
fteconisados por todo* os SBiicos contra es I
DBFLUXOB, CATIIARROS, B TODAS A8|
UtBITACOES DO PEITO.
N. B. O Xarvpt d Ctdetnn are m
honra, alio tem rara Mr notos, i ser refittiado como n dos
memos oficiaes Imperio Frtmcu
sjualauer elogio.
AVISO. Por c-ausa da rcprrhcnstvrt I
ficcan qa<' tem sswitsdo o fcl n-saha*^
Xrope mas de Blll* somot forjafM i
timbrar quo ciiv^mdieaMeatos iaft jtisuauMir|
conccitiiatlos ts> se
vendem em eaixin-
hseftasc< levando *"^">>C*_^/gj
e a*signlurn
frente.
AS, Rut des celh, e na Pliarmicia Cenir*t|
c franca, 7, Bli'de Jouj, i*
lodwBjrHniDkiijr


ltj reooN
Ui^Mn^afES'.
eco*-
io.
|yHjj^^^H|
<'
\\



Diario de Pernambuco Sabbado 2 de Abril de 1870

Magalli
5es,
LOJA DE MUS
D. Rita Mara da Navidade
viuva do major Flix Francisco P-souza
Magalbaes, lendo de proceder inventario
dos bens deixado pelo mesmo seu fallecido
esposo, convida pois a todas as pessoas qae
se jnlgarem credoras do referido casal para
apresentarem seos ttulos e cntas, afim de
serena verificadas e contempladas no inven-
tario, no nraso de 8 das contados da data
deste, findo os quaes nSo se altender a
reclamagao alguma. Ouro sim pede a to-
das as pessoas que sao devedoras ao mesmo
casal de virem quanto antes saldar suas
contas dentro do mesmo praso, ndo os
quaes entregar ao seu procurador para
cobrar judicialmente.
Recife, 22 de marco de 1870-
i ti
Preciase de ama ama zinhar para casa de pouca lamilla : paga-se bem;
tratar na ra do Vigario n. 9, 3* andar______
9I Aos 20.00^000.
Bilhetes do Rio venda : roa do Cabug n. *,
venda Yleira Rodrinm.
PEDIDO
Pede-se enearscidamente aos Srs. Domingos
Theodoro Rigueira e Aristides Florentino Gaval-
canti de Alboquerque (de Sennhiem), que veobam
ra do Vigario o. 14, a negocio que se precisa
ultimar ^^________^___
CABELLEIREIRO
51Ra da Cadeia do Recife51
Chama a attenc3o dos seos innmeros fregnezes, e do respeitavel publico es
geral, para a seguinte tabella dos presos de sua casa, os quaes sao vinte por cents
mais barato do que em outra qualquer parte:
Di
&G
Na praca da Independencia n. 33 se da di
aheiro sobre penhores de ouro, pratt e pedra:
preciosas, seja qual for a quantia; e na mesm
usa se compra e vende objectos de ouro prata.
i igualmente se faz toda e qualquer obra de en
sommenda, e todo e qualquer concert tendenu
i mesma arte.
Este antigo estabelecimento, completa
mente reformado de novo, est as condi-
foes de servir vantajosaraente os sens fre-
gnezes, visto que acha-se prvido com um
plendido sortimento de obras de ouro e
;rata de lei, assim como brilhantes e ou-
tras podras preciosas, cujos presos sao os
mais mdicos que se pode encontrar.
As joias compradas nesta casa recebem-
,e em troca ou compram-se com pequeo
abate.
15 RIJA DO CABUGA N. 5
O MAMVILHOSO REMEDIO DO
DE. CHAS. DE CrRATH.
OLEO ELCTRICO
KINGOFPAIN
O RE da dor
de narmore, ras das Crnses
a. 11.
O artista^Gamitto acha-se estabelecido a easa
cima, onde pode ser procurado para lodos os
misteres de sua procissao.
SEMANA SANTA
Grande sortimento de livros para o ofBcips da
Semana Santa
Encardeoados de couro, marroquim e velludo*
Livraria franceza.
RELOGIOS PATENTE INGLEZ PARA PAREDB
49-RUA DA CADEIA DD HBGIFE-49
i;. A. Delonehe. *vi
Acaba de chegar'uma porcao de relogios paten-
te inglez proprios para sala ou escriptorio, dos me-
lhores gostos, tem tambera grande sortimento de
relogios americanos para cima de mesa e parede,
por preco razoavel.
PARA US I VI'IKK NO E
Cura cholera e cholera
Diarrhca, flaxo do sangue, em um dia.
Dores de cabera, o dores do ouvido em
tres minutos.
Dor de denles, em um minuto.
Neuvralgia, om cinco minutos.
Deslocaces, em vinte minutos.
Gargantas nchadas, em dez minutos.
Clica e colvulses, em cinco minutos.
Rheumaiismo, em um dia.
Febre e febre intermitente, em um dia.
EXTERNO.
morbus.
Dor as costas e nos lados, em dez mi-
nutos.
Tosses perigosas e refriados em um dia.
IMueresia, em um dia.
ucdez e aUhma. -.-
nemoTihoidas e bronchites,
Imflamacao nos rins.
Dyspepsia,* erysipelas.
Molestia do figado.
Palpitado de corado.
Reserve senpre esle remedio na sua familia
\S DOENCAS SE APRESENTAM, QUANDO MENOS SE ESPERAM.
OLEO ELCTRICO O Ring of Pain (O Rei da dor) aquieta e positivamente dis-
ramais de differentes molestias e dores, e allivia mais os soffrimentos e produz um
nais perfeito equilibrio no systema humano, o que nao se pode effeituar no mesmo tem
po, com qualquer outro remedio medicinal.
Este muito popular remedio est agora usando-se geralmente, pela razo que
mimares de pessoas se tem curado gratis com o dito remedio pelo Dr. Gratu e outros
Este importante remedio nao se offerece para curar todas as doencas, porm
to somente para aquellas estipuladas as nossas direcces.
Esta operando nos principios da chimica e da eletricidade e por isso, est
applicavel para o cu^amento e para a restaurado da acc5o natural dos orgaos que so-
frem da irregular circularlo dos fluxos dos principaes ervos. Oleo elctrico O King
of Pain opera directamente nos absorventes, fazendo desaparecer as inchaces das
glndulas etc. em um tempo incrivel, breve sem perigo do seu uso debaixo de qualquer
circumstancia.
O remedio urna medecina para o uso .exlerno e interno, composto dos ele-
mentos curativos, raizes, bervas e cascas, taes como se tem usado dos nossos antepas-
tos, e das quaes tem grandes existencias no mundo, para curar todas as molestias
rnente sabendo-se quaes ellas sao.
Foi um grande e especial desejo da faculdade de medicina durante muitos an-
nos de experiencia para aprender os melhores modos que se deviam adoptar para curar
is aeguintes doencas, e que proporces de medicina se devia usar.
NICO DEPOSITO EM PERNAMBUCO
NA PHARMACIA E DROGARA DE
Bartholomeu & C.
34Ra Larga do Rosario34
TINTURARA
2S-BUA DAS FLORES25
O dono deste estabelecimento tinge, limpa e achamalota com a maior
perfeicjn possivel todo e qualquer objecto de seda, 12a, algodSo, em pecas
oa em obras, chapeos de feltro, palba e manilha etc., tira mofo das fazen-
das e faz todo o mais concerner.te sua profisso, todo com brevidade, visto
como se acha prvido dos necessarios machinismos e petrechos.
Otto Schneider.
maior goi
;Boru
artes degorgurSo de sida preta bordada, o que ha de melhor e d
>s de seda, de 2^000 a 7*000 rs, o covado, na loja das
, de Antonio Crrela de Vascellos.
Advogado.
O bacharel Francif co Augusto da Costa
mudou o seu escriptorio da casa n. 69
para o de n. 3i na raa do Imperador,
onde ser encontrado das 9 horas da ma-
nba as 3 da tarde.
Nesta mesma casa se encontrar tima
pessoa que se propoe a fazer cobrancas,
e que se encarrega de quesloes no inte-
rior da provincia.
Amassador.
Precisa se para o Rio-Grande do Norte, de um
amassador que saiba cortar bem bolacha ; quera
estiver no caso dirjase ra do Amorim n. 37,
em casa de Tasso Irmos & C.
Escrevente
O tachygrapho Carlos Fako precisa de
um escrevente. T ata-se na ra Imperial
n. 29 al s 9 horas da manha, e depois
dessa hora na assemblea.
AO ARMAZEM
DO
Una Nova a. *,
acaba de chegar pelos ltimos vapores novas re-
raessasdossegnintej:
Calcado rrancez
Para senhoras.Botinas brancas, pretas, e de ou-
tras multas differentes cores i ultima
moda.
Para meninas.Bolinas das mesmas cores b qua-
lidadjs cima.
Para bomens.Botinas de cordavao, bezerro, ver-
niz, pellica, o melbor sortimento que se
pode desojar.
Para meninos.Botinas das mesmas qualidades
mencionadas para bomens.
Para homens.Botas rufianas, meias-botas e per-
neiras.
Para bomens, senhoras e meninos.Sapatos de
tapete, aveludados, charlte, casemira
preta, tranca de Lisboa etc. etc.
Para meninos e meninas. Abotinados fortes de
militas qnalidades.
Quinquilharias
Finos artigos de Pars, de goslo e phantazia,
como sejam:
Leques para senhoras e meninas.
Luvas de pellica (do fabricante Jouvin.
Espelhos de differentes tamanhos.
Perfumaras Anas do fabricante Condray.
Caixinha de costura com msicas.
Albuns e caixilhos para retratos.
Pulceiras de ouro bom de lei.
Brincos e trancellins.
Correntes e chaves para relogios. -
Boloes de punhos e de abertura.
Correntes e brincos de plaqu.
Bolcinhas e cofres de seda e velludo.
Caivetes e thesourinhas finas.
Lunetas, oculos e gravatas.
Chicotes do baleia e de outros, sortimento.
Bengallas de canna, baleia e janeo.
Poateiras de espuma para cigarros e charutos.
Escovas para fato e para cabello.
Bjapvas para denles e para uohas.
PSates finos de marfim para tirar caspas.
Pentedle tartaruga para desembarazar.
Halas e boleas de viagens.
Estojos com navalhas [ para viagens.
Carteirinhas para notas.
Gaiolas de rame para passarinho?.
Abaurt-jo transparente para candieiros.
Oleados para mezas.
Molduras douradas e quadros.
Estampas de santos e cidades.
Bercos de vimes para enancas.
Cestinbas de vimes para braco de meninas.
Caixinbas de msicas e realejos.
Cosmorainas e lanternas mgicas.
Esteriocopos com interessantes vistas.^
Objectos de mgicas e cordas de vjolo.
Jarros e flores de porcelana para santuarios.
Velas a gaz para lanternas de piannos.
Accordions e concertinas.
Diversos jogos francezes e allemaes.
E outras quinquilharias semelhantes.
Brinquedos para enancas
Carrinhos de 3 e de 4 rodas para passeios, bo-
J ecas de todos os gostos e precos desde 160 rs.
at 20*000, e um sem numero de brinquedos de
-differentes precos para intretimento.
i Para evitar massante leitura de tantos artigos
exaostos venda ueste estabelecimento, o dono
"pede ao publico em geral quese digne entrar de
passeio afim de verincarem nao s a grande va-
ridade como os precos baratsimos por serem
odos chegado de conta proRria._____________
Cabelleiras para senhoras a 250,
300, 350 e. 400000
Ditas para homem a 350, 400 e 500000
Coques a 120, 150, 180, 200,
250, 300 e.....500000
Crescentes a 130,150,180, 200,
250, 300 e.....320000
Cachos ou crespos a 30, 40, 50,
60, 70, 80, 90 e. 100000
Tranca de cabello", para anael a
500 e.' .... 10000
Tranca para braceletes a 100,
150, 200, 25 e.....300000
Cadeias para relogio a 50, 60,
70, 80, 90, 120 e. 150001
501
501
Corte de cabello......
Corte de cabello com frcelo. .
Corte de cabello com lavagem a
champon...... 10001
Corte de cabello com limpez da
cabeca pela machina elctri-
ca, nica em Pernambuco. .
Frisado inglesa ou franceza.
Barba. ,......
10001
501
251
ASIGNATURAS IYIENSAES
^Especialidade de penteados para casamento
Bailes e
O dono do estabelecimento previne s
Exmas. Sras. e aos cavalbeiros que ba um
sallo para tintura dos cabellos e barba, as-
sim como um [empregado smente oceupa-
do nesse servico.
lrea
Becommenda-se a superior TINTURA JA
PONEZA para enegrecer os cabellos e bar
ba, nica admittida na Exposigo Universal
como nao prejudicial sade, por ser vci
latil, analysada e approvada pelas acad#
mas de sciencias de PARS E LONDRE8
No armazem da travessa do Corpo Santo n. 25, ha sempre um completo
sortimento de objectos para carros, e que se vendempor precos muito rasoaveis, como
sejam:
Vaquetas de lustros, grandes e muito boas.
Solas idem dito.
Oleado preto e de cores.
Colleiras de lustro o que ba de melhor.
Gii amigues de fino la to para a r rei os, completos.
Lanternas e vellas para as mesmas
Eixos patentes para sebo.
Joaquin Lopes Machado & C.
Na travessa da na
das Crozes n, 2, pri-
meiro andar, da-se di-
nhelro sobre penhores
de ouro, prata e brilhan-
tes, seja qual for a qnan-
^ tia. Na mesma casa corn-
il pram-se os mesmos me-
I taes e pedras.
Canoa.
Aluga-se ama canoa nova de amarello com 40
palmos de comprido : na praca da Independencia
n. 11.
Cabelleireiro
Ra da Cruz n. 24, Io mdar, por cima da
botica.
Antonio Rodriguas Ramalho acaba de abrir
concorrencia publica um espac,oso e asseiad > salao
para barbear e cortar cabellos, e afianca que nelle
encontraro seus amigos, antigos fi eguezes, e em
geral todos os que quizerem frequenta-lo, agrado,
actividade e bom desempenho do trabalbo.
Imperio do Brasil.
Grande exposiqao na cidadede
Gordova,
REPBLICA ARGENTINA.
No dia 15 do ootobro de 1870 ter lu-
gar a abertura da exposiclo nacional em
Cordova.
Previne-se, portanto, a todos os produc-
tores, agricultoes, fabricantes, artistas e a
todos aqnelles que exercam qualquer indas
tria, que na dita exposiclo se recebem todis
os productos da industria e agricultura
brasileira, assim como todas as machiMS e
utensilios que quizerem reme.ter.
Estes productos esto isentos dos dirtitos
da alfandega na Repblica Argentina e po-
derlo ser dirigidos cidade do Rosario, de
onde serlo tranportados pelo cam'inho de
ferro central.
Para mais expticaces dirijam-se em Per-
nambuco, ra da Cruz n. 3, ao consulado
argentino.
Em casa de THEODORO CHRIST1
INSEN, ra da Cruz n. 18, encontranm
dfectivamente todas as qualidades de vinln
Bordeara, Bonrgogne e do Rheno.______
AVISO
Agostinho Albino Bezerra declara a eus anti-
gos freguezes, qae se acha trabalhando na ra
do Imperador n. 69, loja do Sr. Ribeiro Yianna.
Offerece se.ura homem para caixeiro eco-
branzas e outro qaalquer servido de ra ou mes-
mo estabolecimento, excepto taberna, o qnal da
conheciment de >u conducta : a tratar oa raa
dos Martyrios, taberna 8. 30.
As 51 rodas
de reos para pipas.
Veende-se no trapiche do Cunha a 7* de dez
rodas para cima. _____________
'II
35RA ESTREITA DO ROSARIO35
Fornece-se comidas para fura com asseio
e promptidlo e manda se levar em suas
casas na ra estreila do Rosario n. 35, ca-
sa particular confronte a casa do oarbeiro.
Na mesma casa faz m-se flores para en-
feites de anjos para procisses, sipos de
flores, rosas, capacetes enfeitados, e todas
as flores de panno e papel, para ornamen-
to de igrejas e andores ludo por barato
preco, joquets para noivas com fitas bor-
dadas a ouro, bandejas de bollos finos cem
armaclo para casamentos e bailes, pudins,
po de l entintado para presentes e toda
a qualidade de doces de ovos tarnbem en-
feitados, vellas ricas para baptisados por
barato preco, bouquets de flores de cera
para nfeites de bollos e para offertas.
CHA TONI PURGATIVO BDEPLMtlYO
DE
CIlAflBAKIl.
Composto das plantas as mais odorferas e as
mais virtuosas dos montes os mais elevados, o eh
toni-purgatno de Chambard, possue um gosto sa-
boroso e um aroma suavissimo, e as propriedades
as mais nota veis sobre os embaracos do estomago,
dos intestinos e do Ogado o desobstruente por
excellencia na constipacao do ventre e nao tem
resguardo nenhum.
Depurativo especial e directo da bilis e dos hu-
mores, fefresca o sangue depurando o.
O uso do ch-Chambard pode ser continuado
por muito tempo sem o menor recelo e sem in-
commodo nern mudanca no modo de viver.
NICO DEPOSITO EM PERNAMBUCO
NA
tPHARMACIA E DROGARA
"~ DI
i Bartholonen A C.
34RA LARGA CO ROSARIO34.
Ama.
Precisa-se de urna ama de leite : a tratar na
ra do Imperador n. 63, 5 andar, ou Passeio Pu-
blico n. 60.
PHSHIX PERNAMRUCANA.
Companhia de seguios martimos e terrestres
Roa do Commercio n. 34v
Capital Reis 1,800:000*000
SegaraMovis.
Mercadorias.
Navios de vella.
Vapores.
Predios.
Em vapores at ris 100.000*000
Em navios de vella at ris 75;D00JO0O
Em cada predio at reis 100:000*000
Pernambnco, 7 de marco de 1870.
Pela companhia Pheniv Pernambucana
J. J. Tasso.
P. F. Borges,
J. H. Trindade.
, C-obranija de alugueis.
Ha quem se encarregue da ctbranca dos allu-
gueis de predios desta cidade por mdica porcen-
Uf eco incluindo os servicos de solicitador nos ca-
sos de despejos judiciaes, podem procurar na ra
da Gloria n. 94 das 6 i 9 da manbaa. _____
Preci-sa de urna scrava que saiba cozinhar
a fazer compras e 6 mais servido de casa : na ru a
da Cadeia do Rd^^^H
A LOJA D )S ARCOS DE ALVARO AUGUSTO ~DE ALME1DA A C, ra do
Crespo n. 20 A, alm da grande variedade de fazendas de phantasia de que sempre se
acha provida, tem actualmente om completo sortimento de fazendas pretas, proprias para
os actos da quaresma, como sejam :
Ricos cortes de seda preta de superior qualidade.
Gorgurlo de seda pretos de diversas qualidades.
Grosdenaples pretos de differentes qualidades.
Sedas lavradas.
Rasquias de seda preta de modello inteiramente no vos.
Ditas de guipure ricamente enfeitadas.
Pelerinas. /
Fichs e mantas de fil para a cabeca.
Mantilhas brasileiras ou mantas de fil para cabeca, de modelo nteiramerjle
novo.
Eil de seda branco e preto.
Guipure branco e preto.
Bales a vicoriense modello inteiramente novo.
Chapelinas enfeitadas de preto.
Luvas de pellica preta para homens e senhoras, e outros muitos artigos de
bons gostos e qualidades o que ludo se vender por precos rasoaveis
Tambera contina a ter um grande sortimento de tapetess, alcatifas e as \er-
adeiras estea diras|Iparandia forrar salas.
~ HENRIdUE PFLAEGING
ESPEChL AFINADOR DE PIANOS
recem chegado do Rio offerece seus pre limos ao Illm. publico tanto na cidade como o
mattoon nos engeahos, pode ser procurado no sallo de pianos e de msicas na rr.a
n n. 58 lo andar. v
QUINIUM LABARRAQUE
APPROVADO PELA ACADEMIA OE MEDICINA OC PARIZ
0 Qnlnium Labarraque, eminentemente tnico e febrfugo deve aer
preferido todas as outras preparares de quina.
Os vinhos de quina ordinariamente empregados na medicina preparam-M
com cascas de quina cuja riqueza em principios activos extremamente
variavel; parte disso, em razo de seu modo de preparacao, estes vinhos con-
ten apenas vestigios de principios activos, a em proporces sempre variaveis.
0 fiuinium I*abarraqu, approvado pela Academia de medicina, con.
stitue pela contrario um medicamento de composicao deterrainada, rica em
principios activos, e com o qual os mdicos e os doentes podem sempre contar.
0 Quinlum Labarraqn* prescripto com grande xito s pessoas fracas,
delibitadas, seja por diversas causas d'esgotamento, seja por antigs moles^
tas; aos adultos fatigados por urna rpida crescenca, as meninas qui tem diffi.
culdade em se formar e desenvolver; s mutheres dpois dos partos; aos velhos
enfraquecidos pela edade ou doenca.
No cazo de chlorosis, anemia, edres plidas, este vinho um poderoso
auxiliar des ferruginosos. Tomado junto, por exemplo, com as pilulas de
VauT, produz effeitos maravilhosos, pela sua rpida accao.
Deposito em Paria, L. FRERE, 19, rae Jacob
Ri^Jtmeirc, DDPONUHILLE; CIBVOLOT. ternumbuce, M1DKEE I C
MDALHA A EXPOSIQAO UNIVERSAL DE 1867
Para a Superioridade d'a
PERFUMERA ORIZA
Intentada por LE GR AND, Perfiniti de Injeridor ios Fruceui,
PARS. tW, Raa Sniat-noaor, NT. PARS.
ORMB OrtIZA. ORIZA. LAOT
DE NINOH DE LZNCLOS
Fura iar frmur i f*Ot, ittruir myai i* emr;
oiutrotr tor%it%\* UOna ia juvnlui.
LEITE ANTEPHKU60
Par* rtfrticar, brtnqutur adftr a p/U, /<
ittuffurtttr ai imfl a mrdM.
SABAO ORIZA.......D'umi oiiu etce-siwmentc IMTC t d'm perfume do* nais ORIZA-CiiEAM Moissicie. Hassa especialmente preparada para os fcanlio e a barba.
ORIZA-FLUID........ Pomada forlificanleenutritiva para conservaroscabellos eeropedllwde qaebraref,
ORIZA PHILOCOME.. Teluno de boi e oleo deavela com base de quina para oa eabeUo, ^^
ORIZA-OH........... Oli?o finiaaimo perfumado para lusirar os cabelloi c eapedUa* da ieBiarai
ORIZA-DR1LLANTINB. GriaUlttaado com violeta, para dar bruno aos cabellos a a fcfftf ^^
ORIZA-FLOWERS----- Agua lncomparael de um perfume suave e delicado, para brutear* pu.
ORIZA-ACIDULIN.. Viudfre do toucador, aroma e antepblico.
ESSENCE-OrVIZA..... Perfumo concentrado para os lencos producto muito delicado.
ORIZA-LYS.......... Perfume do bom lora e da alta sociedad* para oa lencoa.
ORIZA-1'OWDF.RS___ rior de arroi da Carolina para a cara e a bellota da pene.
ORIZA-DF.NTirRICK.. Para alvejar os deates c conservar a (engiras.
OR1ZA-DESTA1RE... Nova massa para alrejar oa deaa sem deatrer o esmane.
AGUA TNICA DE QUINA E POMADA DE BALSAMO OE
fcri liaiau iihMtM u t^jt, biliauait h fU:ha, m r#*h k uto ailoaW.eriawnaii.aaiU.
DEPOSITO GERAL na Caza de
E em Caza de todos Perfumistas do *r^r"
aaMHHMMMS-->nB
aWJI


Diario de Pemambuco Sabbado 2 de Abr de 1870.

Ama
Precisa-se de ama ama que eotrnhe bem o dia-
rio de ama casa de familia, prefere-se captiva :
na ra dos Pires, sobrado n, 27._____________
tJLfc.

COMPANHIA
BENTO MACHADO & C,
A AGUIA NEGRA animada com o bom accolhimento que te ve em seas annun-
cios, vem novo participar a seos fregueses que, acaba de receber um variado sorti-
mento de objectos de gosto os q&aes serSo vendidos por precos muito razoaveis, pois
quando fez os seas primeiros annucios, foi o que assegurou, e sem mdo de errar,
porque cotno j disse est interesses ligada a ama casa importadoradesla praca, e
por isso poder ter tudo especial e vender por precos admiraveis.Chama pois a atien-
do de seus freguezes para os arttgos possa descrever:
vros com o lampo de marfim, madre- Um variado sortiments .de cbaruteiras e
oerola e tartaruga, proprios para missa. 'palHteiros de porcelana,
DOS
TRILHOS URBANOS
DO
HECIFE A9 OLA A.
Por Ordem ea directora sao convidados
os Srs. accionistas pira, no praso de 10 das
uteis, contados do dia 29 do correte, a
terminar em 8 de abril, effectuarem a 8.a
prestacao de suas acedes a razaVde 10 0/0.
Para esse flm ser encontrado o Sr. tbe-
soureiro, das i 1 boras da manbSa s 1 da
tarde de todos os das, no escriptorio da
companbia ra Nova n. 35 Io andar, entra-
da pela roa das Flores o. 4.
Recife 26 de marco de 1870.
Joo Joaqwm Alves,
Io secretario.
Garafinhas vazias proprias para presentes
cousa de gosto.
Indispensaveis de palinha e de couro pro-
K'os para senhoras e meninas trazer nos
icos.
Binculos da madreperola, marfim e tar-
taruga todos esmaltados.
Tentos para voltarete.
Bengallas com marfim, cousa especial.
Sabonetes de alcatrao.
Cofres de folhas para dinheiro.
Lindas caixas para costara.
Um completo sortimento de luvas de pe-
Cintos largos de setim, cousa inteiramen- ,-.
nova. ca
Talagorce para bordar.
Um completo sortimento de enfcites de
seda para vestido.
Fitas de sarja de todas as cores e largu-
as para lacos.
Toacas, sapatinhos meias de seda e mais
pertences para baptisados.
Perfumaras de todos os autores os mais
RUs com inscripcoes proprias para bou- acreditados em oxtractos, pomadas e leos
foet de noiva, J e finalmente outros muitos objectos qoe n5o
Ricos vasos com p do arroz. possivel mencionar ; mas com a vista se
Una variado sortimente de jarros de por-' certificarao do sortimento deste estabele-
telana. cimento.
Agnia Negra, ra do Cabug n. 8.
i imiinii sss miBii mwamm mi
LH o-9 S:2
o 2. a "S a
a 5=^2. g z
p O fu o
u os a "O o
a, g \ O-O
8 g
<3 o2,2 a <
ca S S;

sr 9 3 2 c?
CO 9 t r S
A B "
S"2 2*
w a
3
gft.Sgcra
s

B
o
fl
9
8 TS
a> 8
O
3
2.9"
B Sc
2 ja sr o g _.
3gr b
tsrflal
&. 3 o sr
2-S o o sr
ai3 ss.|
?&
I s -
a Q 9 9
9 =. O <0
e
^3 tilS
M S*S C3
w & M
r B m sr
N ti U 9 U
GASA DA FORTUNA
Aos 5:0001
Bilhetes garantidos.
i roa do Crespo n.23 e casas do costme.
O abaixo assignado, tendo vendido alm de ou-
iras sorles, um meio n. 1937 com 900#000 da
lotera que se acabou de extrahir x beneficio di
matriz de Agua Preta (141a), convida aos pos-
oidores viren) receber na conformidade do
costnme sem descont algam
Acham-se a venda os felizes bilhetes garan-
tidos da 2' parte da lotera beneficio, da igreja
de S. Amaro das Salinas (142a), que se extrahir
segunda-feira 4 do mez vindouro.
Procoe.
Bilhete 6^000
Meio 31000
Qiiarto i 4500
Em porcao de 1004 para cima.
Uilhete 54300
Meio 24750
Quarto 1*375
Manoel Martins Finza.
Soeitador.
,nB^] L,z citJdor provisfonado,
acceita partido das cafas eommerciaes, para Indo
que disser respeito ao seu emprego, e isto por
mdico preco : nde er procurado em sna casa
*a G,0' *# to0s dis das 6 s 9 ho-
ras da manha, Tin ao meto dia na sala das au-
diencias nos dias uteis.
OlBIJBGIO DENTISTA
Federcp Maya
Tera a honra de scientiflear ao respeita-
vei publico ea geral, e aos seus clientes
em particular que elle mudou o seu gabi
nete de consultas da ra Direita n. 12 para
a do Quenado n. 31 primeiro -andar, com
a entrada pelo pateo de Pedro U, onde po-
de ser procurado para os misteres de sua
profissao, todos os dias uteis das 9 horas
da manhaa s 3 da tarde.
Tambem previne, qu contina a prestar-
se a vontade dos clientes nao s na cidade
como nos seus suburbios, para onde as
idas ser5o precedidas de ajuste. Elle ga-
rante o bom desempenho e a perfeiejo de
seus trabalhos, o que j bem conhecido,
assim como as commodidades dos precos.
Ama.
Precisa-se de urna ama que saiba bem cozinhar
e comprar, forra ou ascrava, para casa de fami-
lia :"i tratar na leja da ra Nova n. 11.
Ama
Precisa-se de urna ama : na ra de S. Francis-
co n. 54
FAZENDAS PARA A QUARESMA
TRIMPHO
7^R
na
do Queimado7
DE
IMEIM & BASTOS.
Chegou pelo ultimo vapor da Europa o mais bello sortimento de fazendas prctas
incoo sejam :
Grosdetiaples pietos de todas as larguras e qualidades.
Gorgoro preto para vestidos, o que tem vindo de mais superior nesta fazenda.
Pe^juin da China, de seda pura preto com listras de setim o que ha de mais moderno
em fazenda preta para vestidos.
Mantilhas brasileiras de renda de sedi preta o que tem vindo de mas moderno a
este mercado.
Meterniques de croch preto com ricos lacos de setim e de modello completamonte
novo.
Casacos de croch pretos, compridoscom grande roia e de regajo que finge segunda
saia sobre o vestido.
Ricas mantas pretas para cabera de senhoras.
Um grande sortimento de fil preto de seda com flores, neste mesmo cstabeleci-
mento tambem ha um grande'sortimento de ppupelinas de ricos gostos, sedas lisas de
lindas cores, saias tardadas, unas para senhoras, (uvas de Jouvin de todas as cures
pin bomens e senhoras, grande sortimento de cortinados bordados para cama e jan lias,
tapetes para sof, camas, pianos, janellas, e grande sortimento das afamadas csteiras
da India para forrar salas, s existe na ra do Queimado n. 7.
Loja do Triumpho.
TUMBAS fi HUUHHS
Chegou a loja de Paredes Porto, a ra da Imperatriz n. 52, (Porta Larga) um bo-
nito sortimento de toalhas de Unho para mesa, assim como os competentes guardanapos
que se vendem a preco baixo.
PAREDES PORTO vende lasinhas a 240 o covado, fazenda de OOrs, para acabar
na raa da imperairiz n. 52.
PAREDES PORTO vende algodSo cora pequeo toque de avaria a 30500 e 4,5000,
a peca raa da Imperalriz n. 52.
PAREDES PORTO vende chita preta para luto a GO rs. o covado na roa da Im
peratriz n. 5i. Porta larga.
CHALES
Vende-se diales preto de merino a 3)5000 fazenda superior, na ra da Imperatriz.
PAREDES PORTO vende meias para senhoras a 2(5500 a duzia p:r ter um peque-
no mofo, na ra da Imperatriz n. 52 porta larga,
PAREDES PORTO vende cortes de calca de easemira preta a 3)5500 e i$000.
PAREDES PORTO tem para vender panno preto superior e casemiras de cores e
pretai que vende or prgos commodos.
CHALES. GRANDE PECHINCHA.
Chelea a loja da ra Imperatriz n. 52 de Paredes Porto um bonito sortimento de
obaies cltinezes fazendas muito boas para* senhoras trazerem em casa, est vi
por 5)5000, eitSo acabando se na
SYNOPSES
DB
Eloquencia e potica
nacional
Acompanhadas de algumas noyes de crtica
litteraria,
Extrahidas de varios autores e adaptadas ao ensi-
no da mocidade brasileira
pelo
Conego Dr. Manoel da Costa Honorato.
Pre?o... 4*000.
desoeFpqIo
DA
Ilha do Bom Jess da cidade de
Corrientes
E DO
Asylo dos invlidos da patria com' urna es-
tampa e mappa
pelo
Conego Dr. Manoel da Costa Honorato.
Preco... 3000
Acabam de chegar estas obras recentemente
publicadas no Rio de Janeiro e vende-se na livra-
ria econmica, ra do Crespo n. 2 defronte do ar-
co de Santo Antonio. .....
a
INSTANTNEOS
Travessa doCorpo Sanio n, ill
ARMZEM
Ra Nova u. 28, loja AnIonio
Pedro de Souza Soares.
Bandeira, Machado & C, avisam ao respeitovel
publico que nos lugares cima encontrara no mes-
mo sempre grande quantidade de ditos pocos, e
que so acham habilitados para vender por menos
que outro qualquer, por isso que os recebem di-
rectamente do fabricante Xerton, de Londres.
As vantagens que offereccm os pores instant-
neos sao : primeiro, poderem ser collocados den-
tro de casa ou fura, com o irabaiho de urna a duas
horas; segundo, fornecerem os mesraos agua pu-
ra e abundante, podendo serem removidos de um
para outro lugar, quando assim convier.
Os annunciantes s reeebi-rao a importancia dos
referidos pocos depois de collocados, satistazendo
espectativa do comprador.
Ama.
3!Precisa-se de urna ama para todo o servir de
urna casa : a tratar na ra das Plores n. 37, 1
andar
MARTIMOS
CO\TRl FO O
A Companhia Indemnisadora, estabelecid;
esta praca, toma seguros martimos sobrt
avios e seus carregamentos e contra fog<
mi edificios, mercadorias e mobilias: j
ra do ViRarioo. 4, pavimento ter eo.
Precisa-se de urna ama cozinheira : na ra do
Imperador n. 73, 2 andar.
Precisa-se de umcaixeiro que tenh;; ortica de
tab rna : a tratar na ra da Cruz n. 8.
Nao mais cabellos brancos.
A tintara japoueza para tingia os cabellos
da cabeca e da barba, foi a nica adraittida
i Exposifo Uuiversal, por ter sido reco-
iihecida superior todas as preparacoes at
aoje existentes, sem alterar a sade.
Vende-se a i (JOOO cada frasco na
Rna da Cada n. 51,
1. andar.
o abaixo assignado tendo justo e contralado
a venda de sen hotel ra do Commercio n. 8 A
com o 8r. Alfredo Gatser, roza a quem se jal-
Sar credor apresentar suas contar no praso de|8
ias, a contar da data deste, para serem pagas;
assim como roga o todos que Ihe esiao vendo a
virem jwgar no mesmo praso, visto o mesmo abai-
rar para a Francv Reei/e *
ESCRAVA.
Na ra da Cadeia n. 7, precisa-se alagar
urna escrava que cozinbe e engomme para
pouca familia.
TOARA fraceza 8
55-RuadaImperatiiz-55 j
Tinge, lavajimpa, lustra e achan\alo- |
8ta-se, com a miior perfeicao, fazendas em
pegas e em obras de todas as qualidades;
como sejam: seda, la, algodao. linno,
chapeos de feltr e de palba etc. etc.
Tira-se no loas e limpa-se a secco sem
g| molhar os tecidos, conservando assim to-
a do o brilho da fazeada.
Tinmra preta as tercas e sextas fei-
I ras.
O DR. SANTOS MELLO
Medico homeopatha, recen chegado da
corte, fixou a sna residencia nesta
capital, ra estrena do
Rosario n. 32, J
andar. -
D consultas todos os dias das 9 s 10
horas da manhaa, e recebe recados por
seripto qnalquer hora do dia ou da
loute.
Aos pobres d eonsultas s mesmas
horas e medicamentos gratis.
CURA RPIDA E INFALIVEL DOS CALOS
pflA
POMADA GALOPEAU.
Deposito especial
Pharmacia de Bartholumeu $ C.
34Ra larga do Rosario34. *'
ATTENCAO
As no vida des do Fasso
PARA A QUARESMA.
Chegararo pelo ultimo paquete os ricos posti
Ihdes Jo (orgoro pretos, basquinas pretas com
ricos lieos de setim, neste artigo ha duas especies,
de gorjgore e croxe, e mantilhas brasileira, ditas
comprflf ptf eabee, enaka-d towiuim e me-
rino pretos e bordados gorgoroes pretos lisos,
de cordSpde listas assetinados, de flores, tanto
o sorflmtto leste-ertigo que o comprador pede-
r escolSer a vontade. Setim preto macau muito*
superior, sahidas de baile de merino infeitadas de
setim.
Ama
Precisa-se de urna ama : na ra do Vigario n.
33, 2 andar. _______________________
Preciosa ublicacao
jurdica,
Commeniario do Cdigo Commercial Portu
guez e Brasileo.
Vende-se na loja da ra do Crespo n.
25 A esquina da do Queimado, a impor-
tante e moderna obra sob o titulo de an-
notacoes ao cdigo do commercio portuguez
em 6 volumes pelo Exm. Sr. conselbeiro
Dr. Diogo Pereira Forjaz de Sampaio Pi-
uentel, lente, catbedratico na universidade
de Coimbra. Os|)subidos crditos de que
goza muito merecidamente aquello eximio
commercialista por si s bastariam para re-
commendar to importante obra, quando
nao concorresse mais para isso a grande
vantagem de ser um ptimo commentario
ao cdigo commercial brasileiro (na falta
absoluta que ha de qua'quer outro) pelamo-
xima homogeneidade de entre muitas das
suas disposices, e as do mencionado cdi-
go portuguez, que lhe servio de texto.
t.orrei pressurosos, distincta mocidade
do 4. anno da Faculdade de Direito desta
cidade e notareis jurisconsultos, a prover-
vos desse poderoso auxiliar para vossos
trabalhos da sciencia, e pelo preco commodo
de 20i$, toda a obra em 6 vol.
Sublime publieaco Iliteraria
sob o titulo de Memoria do
Bom lesus do Monte, em
Braga.
Acha-ne venda na loja da ra do Cres-
po n. 25 A, esquina da do Queimado a pri-
morosa Memoria do Bom Jess do Monte em
Braga, Qhiada de,gravuras finas, segunde
edicto, obra da penna de ouro do mui Ilus-
trado lente da universidade de Coimbra, o
Exm. Sr. conselbeiro Dr. Diogo Pereira
Forjaz de Sampaio Pimentel. Quem tiver
noticia da extraordinaria*devocao que exis-
te em Portogal para com aquella milagro-'
sissima idUgem, allluindo sempre para o
seu magestpso templo em romaria o nume-
roso povo de todas as partes desse reino ;
quem souber avaliar as brilhanles descrip-
ces, e o bello estudo daquelle consumma-
do jurisconsulto e eximo litterario portugue2
nao deixap de procurar, quanto artes pro
ver-st de um exemplar da dita memoria,
pelo diminuto preco de 3, na loja indica
da, onde ha pequeo numero dellas.
Na mesma loja cima ha ontras estampa,
muito perfeitas e grandes do dito Senhor
Bom Jess de Braga, por preco commodo
No dia 4 do crreme. Anda a audiencia d o
joiz de paz do 2o disiricto da Boavista tm de ser
arrematados orna armacao, 30 arrobas de fumo e
differentes objectos perlencentes fabrica de si-
garros da ra do Sebo n. 1, cujas bens Ibram pe-
nhorados para pagamento de ulugueis da casa,
rqueriraento do Dr. Joio da Silva Ramos tutor
dos menores ftlhos de Maximiano Francisco Requa
Dante, coRtra Joaquim Jos de Magalhaes -i a
oitml praea. _______
Costurf ifb.
Na fabrica de chapeos da ra larga do Rosario
1 r. 4, i* UtAft, precia-se de costartiras.
Elle um preventivo seguro e certo contra
a calvice,
Elle d e restaura for?a* e sanidade a pelle
da caneca,
Elle de prompto faz cessar a queda prema-
tura dos cabellos.
Elle d grande riqueza de lustro aos ca-
bellos,
Elle doma e faz preservar os cabellos em
qualquer forma e posic3o que se deseje
n'um estado formoso, liso e macio,
Ele faz crescer os cabellos bastos e com-
pridos,
Elle conserva a pelle e o casco da cabeca
limpo e livre de toda a especie de caspa,
Elle previne os cabellos de se tornaren)
brancos.
Elle conserva a cabeca n'um estado de fsw
cura refrigerante e agradavel,
Elle n3o demaziadamente oleoso, gordu-
rento ou pegadico,
Elle n3o deixa o menor cheiro desagra-
davel,
Elle o melhor e o mais aprasivel artigo
para a boa conservac5o e arranjo dos ca-
bellos das senhoras,
Elle o nico artigo proprio para o pen-
teado dos cabellos e barbas dos senho-
res,
Nenhum toucador de senhora se pode con-
siderar como completo sem o
O CABELLO.
Tnico Oriental
o qual preserva, limpa, fortifica e aformosea
Acha-se a venda nos estabelecimentos de
A. Caors, I. da C. Bravo & C. P. Maurer
4 C, M. Barbosa, Bartholomeu A C, e em
todas as principaes lojas de perfumaras
e boticas._________________
Bartholomeu & C,
VlNHO, PlLULAS, XAROPE E TlNTURA
de jurubeba simples e ferruginoso
Oleo, Pomadas Emplastro da mesma
planta preparados por
BARTHOLOMEO & V
Ph a rmace uticos- Droguistas
PEIKNAMBUCO
A Jurub.jb : et>ia [iIbuu i hoje receahecidt
coiou o mais pnderoso Inico, como o melhai
desobstraenle, e como (al ipplicada dos ps.leciraentoi
Jo ligado e baco, liepaliies, duresas, tumores inter-
nos e especialuiBle do otero, hrdropesiss, erysi-
__ pellas, ele; e associada ao trro mil as pallidu
" cores, chloruses e talla de mensireacuo, desarran-
]ot do eslomago, etc., e o que disemos atiestas
innmeras curas importantes oblidas oom nosso
pr^parailoa j beaa conhecdoa usades pelos aait -*ti
lii.-iinctos mdicos do paiz e Portugal. Em todo sa -tftftt
nossos depsitos dislriboimos gratis folbetos qn
melbor fasem conhecer a Jurubaba seos resiltadoa
a pphcaclo.
DEVOQAO
de Vossa Senhora la Luz.
Por ordem da ine.-a administradora da devocao
de N. S. da Luz convido a todos os seus irmaos
geralraente reunidos em nos=o consistorio no do-
mingo 3 de abril, pelas 10 horas do dia, para se
discutir o novo compromisso, esperamos a presen-
ca de todos em numero avultado para nao se cha-
mar a ignorancia de tal acto.
Secretaria da devocao de N'. S. da Luz 31 de
marco de 1870.
L. H. Jos da Sampaio,
Secretario.
I
Candido Valeriano da Silva Freir 1
ADVOGADO.
Escriptorio ra do Imperador n. 39. aa
das 10 horas s 3 da tarde ; residencia J
no largo do Carmo n. 18.
Precisa-se de um caixeiro que tenha pratica
de taberna : na ra de Sebo n. o.
COMPRAS.
Casa terrea.
Compra-se urna casa terrea
da Madre de Deus n. 16, loja.
d tratar na ra
Compram-se moedas de ouro e prata de to-
los os valores, ouro e prata em obras mutilisadas,
Milhantes e mais pedras preciosas : na loja de
)urives do arco da Conceicao, no Recife.________
60HPMM-SE E \UMM
ESCL&YGS
Compram-se e vendem-se diariamente para tora
i dentro da provincia escravo? de todas as idades,
ores e sexos, com tanto que sejam sadios : no
erceiro andar do sobrado n. 36, rna das Cruzes,
reguezia de Santo Antonio._________________
0 cordeiro previdepte
Una do Qnelnado n. l Q.
Novo e variado forfljnento de per.fumarii!
finas, e outros objectos.
Alm do completo sortimento de perfo
manas, deque effectivamente esll^provida;
loja do Cordeiro Providente, ella acaba c
receber um outro sortimento que se ton*;
aotavel pela variedade de objectoa auperiori
iade, qualidades e commodidades de prt-
fos; assim, pois, o Cordeiro Previdente pea.
a espera continuar a merecer a aprime*
do respeitavel publico *m geral e de au;
boa freguezia em particular, nlo se aft
lando ele de sua bem conhecidamansidk
e barateza. Em dita loja encontrarao o;
apreciadores do bom:
Agua divina de E. Coudray.
Dita verdadeira de Murray 4 Lammac.
Dita de Cologne ingleza, americana, frai>
ceza, todas dos melhores e mais acreditado
fabricantes.
Dita de flor de larangeiraa.
Dita dos Alpes, e vilete para toilet.
Elixir odontalgico para conservare 4t
iS8eio da bocea.
Cosmetiques de superior qualidade e chai
ros agradaveis.. (
Copos e latas, maiores e menores, co
pomada fina para cabello.
Frascos com dita japoueza, transparent
e outras.qualidades.
Finos extractos inglezes, americano! .
francezes em frascos simples e enfeitados.
Essencia imperial do fino e agradavel cha*
ro de violeta.
Outras concentradas e de cheiros igual
mente finas e agradaveis.
Oleo philocome verdadeiro.
Extracto d'oleo de superior qualidade
com escolhidos cheiros, em frascos de diflt
rentes tamanhos.
Sabonetes em barras, maiores e menor
para maos.
Ditos transparentes, redondos e em fign
ras de meninos.
Ditos muito finos em caixinha para barba
Caixinbas com bonitos sabonetes imitan*'
fructas.
Ditas de madeira invernisada contendo
qss perfumaras, muito proprias para pr '
lentes.
Ditas de papelJo igualmente bonitas, ta
bem de perfumarias finas.
Bonitos vasos de metal coloridos, e 4
moldes novos e elegantes, com p de arro
e boneca.
Opiata ingleza e franceza para dente?.
Pos de camphora e outras differeit
qualidades tambem para denles.
Tnico oriental de Kmp.
Aluda mais coques.
Um outro sortimento de coques de;c\
vos e bonitos moldes com filets de vidrilbs
a alguns d'elles ornados de flores e Ui
asto todos expostos apreciado de qnej
os pretenda comprar.
GOLLINHAS E PUNHOS BORDADOS.
Obras de muito gosto e perfeicao.
Flvellas c Otas para cintos.
Bello e variado sortimento de taes objit
ios, ficando a boa escolha ao gosto do coa
prdor.
DO CAMPOS
Ao armazemdo Campos, i roa dolmper?-
ider n. 28, chegou nova remes;a do ds.--
rjado peixe secco e emsalriioaras vfndos do
norte do imperio e que se venda em dito
armazem por mdico prego
A ELLE ELLE !
Antes que se acabe
No armaz' m do Campos.
fl
I! i 1IJI
VenJese pt lo seu justo valor na ra da Ca-
deia do Recife n. 58, loja do Azulejo.
Bixas de Hamburgo
Por menas do qac <^i 11 oulra qualquer par:s
vendem-M'. o. ;,ltij;;iin-e : na ra da Imperador n.
28, .iimh:- :i rio Campes.
Oleo de ricino.
Vende >o oleo de ricino em lata i de O libra- :
na ra da Cadeia-velha. ea.-a n. I, andar.
Wnde-sc urna parle do encuito Purgateri\
de grande prodarto para agricultura, sit) la
freguezia de luaras-. a.-siin en: H se vende ov-
tra parte do engenbo Corto de Cima, anoexo i j
purgatorio, quo muito eonvem comprar ambos : a
tratar no Remedio com o Sr. An onio Meneiio Cor-
deiro de Gutno.
Milho e arroz de casca
Vende-se milho e arroz de casca novo em san-
cos, no trapiche da companhia: a tratar na ra
da Cadeia-velha, casa n. 1, 2* andar.
Vende se urna cadeira do piano em bom e>-
tade e hora gi.sto : a tratar na ra do AlecrLi
numero 2.
Xarope de fedegoso de Pinlo
Sem contestacao o primeiro xarope contra a
toase chronica e recente, nico deposito phanr... -
cia de seu autor, na ra antiga dos Quartei?, rio-e
ra larga do Rosario n. 10 junto ao quartel ic
polica.
Com muito maior vantagem compram-se
noedas de o?.ro e prata : na loja de joias do Co-
acao de Ouro n. D, ra do Cabug._________
0 muzeo de joas
Na rna do Cabug n. 4 compra-se ouro, prata
pedras preciosas, por precos mais vantajosos do
|ue em outra qualquer parte.
Compra-se
duas casas terreas as ras Concordia, Palma,
Caldeireiro, Santa Thereza e Santa Rita : a tratar
na ra estreita do Rosario n. 38, cartorio.
Compra-se um escravo de 15 a 20 annos de
dade : na ra de S. Francisco n. 72.
VENDAS.
Attenpao.
Vendem-se as collecc5e9 do Ufcral, dos
annos de .852 18<14, encadenados: A
Imprensa, peridico ptblcado: em 18S, a
collecco encademada de Janeiro a setem-
bro do mesmo anno: O constitucional, a
eolIcccSo encademada do anno de 4S6I :
quem quizer comprar, dfrija-se a e?ta typo-1 nn,\
graphia. I bam
ATTENCAO
No armazem* do caes da alfandega n. 7 vendem-
se saceos grandes com farinha de mandioca oa
trra muito superior e por prec/> ommodo.
Vende se um bom preto de 30 annos, robus-
to e bonita figura, e m moleque de H annos, ro-
busto e muito ladino : na ra de Hortas n. 9G.
Grande pechinha
Basquinas de croch com enfeites de vidrilhu:,
do ultimo gosto, que seu preco foi do I8, n hoie
se vendem pelo barato preco de 8| : na loja de
Figueiredo & C, ra da Imperatriz n. 40, osquma
do neceo dos Ferreirps.
Tauaancos do **rto
Vende n-se u mancos e chinelas do Porto, pr--
prios para a esta?o invernosa, tamancos da ten i
para homem e senhora, de superior qualidade :
na ra da Senzalanova n. 1.
Cevada
de Lisboa c de superior qualidade :
ra do A mor m n. 54.
enle-se na
Xo engenho S. Francisco, da Varze*, h par"
vender gado de aeouaue.
Vende se a armacao da taberna do pate
Penba n. 8 : tratar junto n. 10.
A ra Nova i
para sepho:
qoanto n
aoooopar
"attiii'





6
Diario de Pe*4*il>uco Sabalo 2 de AbcU de 1870.
A VERDADE
55nade Qunarfo5?
A VKWDADE tendo em deposit arifid
qusntidade demiudozase perfumaras, ede !
tejando aparar dinheiro e adqaerir boa frw
guezia est rssolvida a vender muitissim i
barato, ; por essa razio comida ao respes
tavei pablico a vir competentemente mun>
do a sortir-se do bom e barato. Pois quac
do a Verdad* apparece, tudo mais des
apparece------
Grande sortimento de beneeos de cera
massa as mais lindas possi veis vestidas ac
meter.
Abotoaduras moderna para Gol-
letea ....... 32(
Rspelhos donrados pepnenos. 26(
Agulhas de osso para crox a 20
Pontos para rega com cantas a
Ricos globos para candieiro de gaz a 1080
Cnamines a....... 324
Grande sortimento de objetos de
lOnca para brinqaado de menino 1 Ot
Garrafa com tinta a..... 80t
Dita com agua florida verdadeira a 1)530
Dita com dita dita a ... *A00(
Fras-io com oleo de babosa a 500 e 72(
Dito com agua de Colonia a 300 e 50
Garrafa com agua divina a. 405O(
Frasco com extractos linos a I0OO(
Latas pequeas com bauha muito
fina a 1*0 e...... 16'
Sabonetes-de diversas quali lades a
80, ICO, 240e...... 32t
Finas oscovas para dentes -de 120 a 60
Lindos roques modernos a. 2400
Pavtrts para gaz, dnzia a 240 e 32(
Escovas para facto a 500, 600 e 7(X
Ditas para cabello a..... 50
Peutes para tirar piolho a 160 e. 2
Brincos de cores, bonitos a 160 e 20
Pecas de tranca de la com 8
varas por....... 8
Oleo para machina de costara,
frasco a........ 60
Pennas d'aco finas caixas a 800 e 10OO(
Dita d'aco Perry, caixa a. 1)540
Galo de algodo peca .... 40(
Lindos babadinhos e ntremelos
peca de 500 a...... 1,5150
Ditos de louca muito fino a 120 e 20
Ditos para calca a 160 e. 24'
Caixa com papel amizade a. 70
Ditas com envelopes a. 48(
Ditas com obreias a..... 4(
Caixa com agaIbas fundo dourado 28(
Ditas de ditas ditas a..... 16(
Thesoura para costura a 240 e 50
Caixa com linha de marca a 28(
Liuha de cores em novellos (li-
bra) a....... 50(
Carreteis de linha Aloxandre de 70
at 200. ,..... 10
Grampos muito finos com passa-
ros, dnzia a ..... 2X
Cartas porlujuezas, duzia a 1540
Ditas f'rancczas a 25200 e 30OO
Pape! alraaco e de poso, resma a
35400, 35500 e 4550
La muito fina para bordar, libra 6550'
Fita de algodo para debrum de
sapatos, peca a..... 16'
Ditas de 13a para dvbrum de ves-
tido, peca a...... 48'.
Penteu Anos para segurar ca-
bello a .
Ditos ditos da bfalo para Usar
a 240 320 e. .
Ditos para aparar penna a .
Rosetas pretas, par
Tranca de 15a decaracol peca a 40 e
Fita de cor pe?*-* 48 e .
Alfinetes de latSo a.....
Sapatos de lia para enanca a 400e
Grvala de sedas de cores a .. .
Calcadeiras a.
Grande sortimento de rendas das Usas.
Um par de suspensorio de borracha po:
lOOrisllimi ,
Xa verdade riw ds> QOetoiad
D. &&.
w.<-**.
it t rf: pfHPtriiA*
DA
FMMM HMMRMiM M
DE
Teitelm ldknco {f'C
Actuase venda este ptimo rap, onico
pode snppnr falta ib prhwm fle-iwo. por"
de mili spradavel perfume, viajad,-*'pffo
mata mdico posiivel; e per mo t*m st* sita
acolhido as pracas da Babia, do Rio Janeiro -
em outras do imperio : no oscriptorio de loaqo
Jos Gonsalre Behrao, i ra do Cbmmereio'Br
mero 17.
Bichas hamburgnezas
Neste novotieposito rceb'e-se por todo? o? pa-
quetes translanticos bichas de qualidado suprior
e venden se em caixa ou poroio mais peqaena,
e mais barato do que em outra qualquor j>arte :
na ra da Cadea do Rccife a 51, 1* andar.
Vende-se um sehndro para padaria em per-
felto estado, por mdico pm;o : a trafar'iia.' pra^a
da Santa Cniz, padaria n. C.________
Cigarros da imperial
fabrica de S. Joao
de Nicthroy.
nico deposito em Pniainbuco caes da alfan
dega velha n. 2, 1* anda.
Travesea do
Os acreditados cylin -os ameri
Machffftrpar* *&to&T
Machinas d# vagM" sttemV de Ideme.
Carrinhbt aifeflUMierpara'traspoWF
i;os raioveis.

TRAVS
Farinha de mandioca
Vendem Pocas & C : ra e=trcita b Reparto
n. 9, junto a igreja.
Cantara de Lisboa
Soleiras, hombreiras, e rapiteis, oque b.i do
melhor para frentes de predios: venia no ar-
maiera da travessa do Coruo Santo, de Joaquim
Lopes Machado & C.
Sal do Assu
A bordo do palhabote Gaiibahl! ancorado na
volta do Forte de Mallos : tratar com Tasso Ir-
mao & C.
Farinha de mandioca
Vende se de superior qualidade, no escriptorio
de Joaqun) Rodrigues Tavares de Mello, largo do
Corpo Samo n. 17 ou no trapiche do Gunha, For-
te do Mattos.
Vende se diversos escravos pecas, vindos do
Cear e do I'iauhy, proprio* para engento ; as-
sim como diversos cabroclias do 12 i 18 annos,
com habilidades e sem ellas e um casal do es-
cravos pardos garantindo-se a coaducta : tratar
na ra da Cruz r. 53 e 55, 3 andar.
Ha vendo chegado u-
tiiiiaiiiene de encoiii-
ATTENCAO
a
Vende-fe o engenho Mussayba, livre p desem-
barajado, e bom como a propriedado P0 pret
separada do me?mo engenho : a tratar com o scu
proprietario na ra do Apollo n. 47, Io andar.
nova remessa
de pocos fislaotaiieoSa
z selenle aopn
em-geraltiesta provin-
cia, e especialmente as pessoas que por fal-
ta dos mesmoff deixram de prover-se. que
ja se acham a disposicao de todos a' ra
Nova n. 21. onde se daro os esclarecitrien-
ios precisos.
1UIM4S U
COSTURA
Acaham de chegar ao GRANDE BAZA*
UNIVERSAL, roa Nova n. 22cabneiio
viannaum completo sortimento de ma-
chinas jara costura, dos autores mais co-
t nheciflbs, as quaes est5o em expsito no
' mesmo Bazar, garantindo-se a sua boa qua-
lidade, e tambem ensina-se com peifeirao
a todos os compradores. Estas machina;
sao iguaes no seu trabalho ao de 30 costa-
reiras diariamente, e a sua perfeicSo ta)
como da melhbr costareira de Pars. Apre-
sentam-se trabalhos executados pelas mes-
mas, que-muito derem agradar aos preten-
dentes.________________________________
Gandido Alberto So-
i dr da Motta & C.
com escriptorio e armazem na travessa da Madre
de Deoe n. IV, tcm para vender o seguinte :
Cemento Portlind de 1' qualidade, o melhor que
tem viudo ao mercado, barricas de 12 a 11 arro-
bas por 10#000.
, Vinhos Bordeanx- das seguintes qualidades :
St. Julias.
Fronsac.
Lormant.
St. Emilion.
Marga us.
Chateau de Boycherclle.
St. Lambert.
Lalonbere.
Duplessis.
C;iuor.
Dearscsai.
Vinho do Porto de qualidade muito especial.
Az'iie doce retinado em caixas de 12 garrafas.
Fumos de todas as qualidades, se encontrar
neste estabelecimento em latas, roles e fardos.
Papel de tudas as qualidades proprios para ci-
garros.
Vende-se urna prcta de trinta annos que co-
zinha bem e lava soffrivel: na ra Direita n. 3,
segundo andar.
HTM. 25
MfMTKoiHs Micha*, C.
Sporf^loja de"
53-Rua Direita-^3
Ifestemnde
um completo sortmevlo w$
lloas e roseas,
e orae, tacas f
roa 1/t .
de ferro como- dc'pttreetea, sst
diversos tamaafaos o Ca
granraos, taato *> farro
para medir faieoa UMs i farra
salitre, breo, barbante,
do, do rerdadeiro Pirardo,
rocaralgodio; aJte fea
gem, mtadezas catfarias fam, f
ta se verifica; na rna dimtt &
tas de Mapori Bwto U Oswssra
Engenho a yedb
Veade-se WMpirtig. Masas, mmmm
rente, com boas obra* e esa psrfcfa su
com agua eesta amqaario4shs>sli
via-ferrea de Gasncetra. Tsa st psr
sendo 8 000*000 Tista e lt:fotft ss
tosdet:00e* assMsm s pratsa
dirigir-se a rna do
' Laorentino Jos
a lojft do Passo
Os reqnnsiroos eertet
manta e capella para
tigo o que se pode
derno, tambem chegara
res novidade, e entras
qne chegaram pelo nlHss* ti por
a luja de Passo a rm s> Cnspa i7A.

Vende Joaqaim Jrs
n. 8, Io andar.
GAZ
CAF
Vende Joaquim Jos Ra
n. 8, 1* andar.
AVISO
Em casa de Mills Latos C, i
38, vendem-se flbas de ferio i
m CA
Chegou ao antigo depese
., ra de Imperador, ara _
de primeira qualidade; o sal a
e a retalho por meaos praee de
quer parte. __ .
RA DA IMPERATRIZ
DE
jym. &MM^WAk..4b C
_____ __ __________ __ ._______ ______________ ___ ___ _______________
Neste grande estabelecimeto encuntrira o respeitavd publico, nm grande sortimento de fazendas, do mais apurado posto assim como de todas as de primeira necessidade que se Ibes promette vender por precog
rir m h '5 Pr qUe S- novos S0CI0S ({e8la mi adoPlaram systoma de s venaderem IMXlf Ef HO ; para poderem vender pelo custo, lixitando-se apenas a ganharem o descont. As pessoas que negociara em 1
erem escolher ^^ 80rlimeDtos pelos mesmos PreCs que compram as easas estrangeiras. Para maror commodidade das Exmas. familias, de todas as fazendas se d3o os livros das amostras, ou se mandam levar em.suas
de ii-sow n. cada um, pichincha. crochs para cadeiras e sofas.
CASCMIRAS ESC0SSEZ1S. O Pavao tem um grande sortimento dos
Calbrala satasa
COM 8 PALMUS DE LARGURA A 1:000,
2:009 e 2000 S.
Chegaram as nissiinas cambraias suissas
tranpar^ntes, sendo o que ha de mais fino
para vestidos e vende-se pelo barato prco
de W80J, >000 e 2/J500 o metro, teodo
tambem dts mesmaj, porm inglezas com
amesma largura qie se vendem a 4^0(0
e \$ 180o metro, sen Jo apenas precisos des-
ta larga faieoda para se fazer um vestido
4 ou 4 i/i metaos, pechincha,
SAI.sS BORDADAS
Vende-so um bonito sortimento de saias
bordadas coro 4 pannos, assim como ditas
j proraptas, de laasioha, enesgadas com
binitas barras bordadas a 13a por presos
muito em conla.
PANNO PARA SAIAS A 4$000, Ifim e
Itf'iO RS.
Vonde-se bonitas fazendas Jproprias para
saias sendo com bordidos e pregas a um
lado, d^odo a largura da fazenda o compri-
m ^nio da saia e veade-se pelo barato prego
de sAJiiO, 1,?253 e 1^500, cada metro sen-
do preciso apenas 3 ou 3 1/2 metros para
cada saia pechin;ha.
f Vende-se ttm bonito sortimento de cola
rimVts tanto de linho como de algodSo pro
prios para homom, assim como tambem nm
bonito sortimjnto do.s mismos para meninos
e senioras e todos vendem-se por preco
mu'to barato.
CH\LKS OE iMOgUIBIQUE A 1:280 RS.
Vende-se urna grande quantidade de cha-
tos de mocarabique,com padres escossezes,
sendo muito grandes e levesinhos pelo ba-
rat pre<;o de 1^289, cada om grande
pechincha por se ter feito urna grande
compra.
I*naos e eaaeaairas preias.
O Prvio vende grande porcao de pannos
pretos do mais batxo at o mais fino, por
prego que admira assim como um grande
sortimento de caserairas prdas para calcas
que se vende pr preco mais barato do que
em outra qualqaer parte.
GORGURA PRETO.
Vendo-ie o melhor goigoiSo de wda
preta para coMtf vestidas, sendo nesfo
genero o tnelhor que ttim *tado ao mercado,
mais barato do que em outra qaalquer parte.
Veatido brafs> a ttAOOO ra
ti dos de cambraa aranca, ricamente bord
(ii5 1 nm tacrtl fireenda pelo barato preo
O Pavo tem boni as casemira*8Cosse-
zas com quadros grados e mi jos e outras
lisas com listras ao lado, sendo fazendo
muito fina que se vende mais barato, por
haver grande porcao.
GANGAS DS LINHO. .
Vende-se ganga de linho com qoadrinhos
muito boa fazrad* pararoupas da homens
e meninqs pelo barato preco de 609 ra. o
covado.
PECHINCHA M PANNO PRETO A 2A00,
O Pa 5o vende superior panno prc:o fino
para palitots, calcas colletes etc., pelo ba-
ratissimo preco de 21V0 o covado.
CORTES DE CASE MIRA PRETA A 4:300,
O Pavao tem os superiores cortes de ca-
semira* preta* enfeit* las pelo barato preco
de 4550O rs. o cort,
PECAS DE MADAPOLAO A 34300.
O Pava) vende pessas de muito bom
madapolo, tendo 12 jardas cada urna, pelo
barato preco de 3500.
PSGHINCHA EM ALGODAO A 4000 R
OPav5o e3ta vendendo pacas de algodo
sinho francez, lendo 4 palmos de largura e
com 11 metros cada peca, pelo barato pre-
de 4000 rs.
CAM8KAIAS DRANCAS A 4^000, A Pfi^A.
So Pavao vende pecas de cambraia
branca transparente, tendo mais d vara de
largura, com tO jardas cada peca, fazenda
3ii9 sempre se vendeua7r!e 8^.009, liqui-
a-se pelo barat preco de 40000.
ALPACAS BRILHANTES A tjSOOO E 800 RS.
O Pavao tem o mais bello sortimento de
alpacas la radas, com as cores mais deli-
cadas que tem vindo ao mercado e tendo
bastante largura, vendem-se pe) barato
prtco de liJOOO e 800 ra. o covado.
Com palmas de seda a 1*000.
Para o Pavao chegou um rico sortimen-
lo das mais bonitas lasinhas com palmas
do sedi teado de todas as cores e pjdrOes,
sendo fazenda bastante larga e vendi'-se a
1^000 o covado. ____
iKoiipi para escravos.
O Pavao vciide um bonito sormento de
roapas pira escravos.
AS POPBLWAS DO PAVA A WMtS.
Chegaram semai;1 lindas p.mpolinis de
13a com iraitacfode poop^ina1* u seda, urna
fazenda muito leve, cora as m&i- lin tas 00-
0 Pavao vende fluissiraos cortes de ves, rea, sendo : vorde, Biamarck, rjia azul,
mais bonitos crocina para cadeiras, sofs
mesas, almofadas etc., proprios para co-
brir presentes e vende-se mais barato do
que em outra qoalquer parte.
Algodo entestado.
Vende-se urna grande porcao de algdao
sinho americano com 8 palmos de largara,
proprio para fences a-loalbas, tendo-Kso e
trancado, que se vende por prec muito em
conta.
PANNO D& UNHO.
Chegou um sortimento de pecas de pan-
no de linho do Porto, que se vendem de
700 rs. at 1*000 a vara, garantindo-so
que em fazenda de linbo no ba nada melhor
nem mais proprio para lenoes> e toainas.
PECIHNCI1A EM CRtPEOS >E SOL.
Chegou um grande sortimento dos me*
Ihores chapeos de sol de seda, inglezea
sendo neste artigo o mokior que tem vindo
ao mercado; assim como- umafrande por.
ele de ditos de alpacas de todas as cftres
e todos se vendem por procos amito ra-
zoaveis per haver grande porcSo.
OS BALES DO PAVO A 2?000,
Chegou um grande sortimentp de ba!5es
ou crinolinas do feitio tois moderno, muito
proprios para vestidos enesjfais, que se
vende pelo baratsimo preco de 2$0&0~rs.
cada um, grande pechincha.
CRETONES MATIZADOS PARA VESTIDOS A GiO
E 800 RS,
Para o Pavao chegaram os mais bonitos
crotones escuros matiados, parios para
vestidos, roupae, chambres k. que se
vendem 890 rs. o covado. assim como o
mesma fazenda com padrtJes claros proprios
para vestidos e roupas de meninos a 640
rs. o covado, sendo- os padroes mais mo-
dernos que tem vindo ae mercado.
03 SETINS DO PAVAO
Vende-se es mais bonitos sefras de cores
e mais enoorpados, proprios para vestidos
tendo de diversas eores.
FAZENDAS PAKA LUTO NA LOJA PAVO
Encootra o respeitavel publico neste es-
tabelecimen o ar grande sortimento dafa-
zendas pretas, como sejara cassas france-
zas e inglezas. chitas pretas fte todas as
qualidades, faaendas de lia da toda que
tem vindo, proprias para loto, sendo fc*<
ALTAS NOVIDADES EM SEDAS
Chegou um grande sortimento das mais
modernas poupelinas ou gorguro de seda
e linho, com os mais elegantes padroes que
tem vindo a este mercado: sendo miias
e gradas, tanto em cortes para vestidos
como para vender em covados, assim como
um bonito sortimento das mais bonitas se-
das listeadas, que se vende todo muito
em conta.
Merino de corrillo.
Vende-se merino prelo de cordo, pro-
prios para calcas, palitots e colletes, pelo
baratissima preco de 10900 o covado.
CRETONES COM I PALMOS DE LARGURA A
2-1000 RS.
O Pav&o tem urna nova remessa da mui-
to acreditada-cretone, propria para lences
tendo 10 palmos de largura, dando na lar-
gura o eoraprimeBt do lenco! e vende-se
pelo borato preco de 24KXJO o metro, sendo
preciso apenas para um lencol um metro e
urna quarta ou metro e meio.
Chapeos a 10090.
Chapos a 10000,
Chapeos a 10000.
S o Pavao vende bonitos chapeos de
todas as cores para homens e neniaos com
a forma mais moderna que ltimamente
tem chegado, pelo barato preco de 10000,
eada um, por terem ebegado com um pe-
queo toque de a varia, grande pechincha.
FECHINCIIA
EM CAMISAS DO PAVO A 40500 RS.
Vende-se um bonito sortimento de muito
finas e modernas camisas inglezas com pei
lo e coLarinhos d-i linho e punhos, pelo
baratissimb preco de 40500 rs. cada urna
e aos freguezes que comprarem duzias se
Ihe far um abatimento. garantindo-se que
fazenda que vala muito mais dinbeiro,
lyrio, citizenl', perolaetc. etc., e vende-serbasioas, merina*, etc.
pelo batttissttoo' prec<> de 500 rs. o eovado. i por preco barato.
A loja do Pavao est constantemente aberta, das
liqaida-se por este preco por se ter .feito
urna grande compra: assim como se vende
um bonito sortimento de ditas tambem com-
peito de linho bordadas e ditas de algodio
para todos os preros.
BRAMANTE PARA LENGOES A HOOO. COM lOl
PALMOS DE LARGURA.
O Pavao vende superior bramanu da al-
godio tendo 10 palmos de largara, cuja lar-
gura di para o cotqprimento do len&ol.
nhas alpacas lavra lase lisas, cantao, bom sendo preciso para cada um, sondo cama de
que tado se wde solleiro, 1 1/ie para casal*
peGbtaeba.
Grosdenaples.
Sedas pretas lavradas.
Fazendas pretas de 13a.
Para o Pav3o chegou um grande sorti-
mento de grosdenaples pretos depara seda
qne se vendem de 10500 rs, o covado at
50 e 60000 ; sedas pretas lavradas de dif-
ferentes precos e qualidades, 13 sinhas pre-
tas, alpacas bombasinas, cantSe etc. etc.
assim como um grande sortimento de pan-
nos pretos finos e easemiras pretas de todos
os precos e qualidades que se vende muito
mais barato do que em oatra qaalquer
parte.
NOVAS POUPELINAS A 400 RS, O COVADO
O Pavao vende um grande sortimento
das mais bonitas poupelinas com listrinbas
de todas as cores e com lustre imitacao
de seda, facilitando esta bonita fazenda a
fazer-se um bom vestid) de maita fantasa
por poaco dinheiro, isto por ter-se feito
urna grande compra e vende-se a 400 rs.
o covado.
ROUPAS PABA HOMENS PARA TODOS
OS PRECOS
N'este grande estabeliimento encontrar
o respeitavel publico um grande sortimento
de roupas; sendo palitos e sobtecasacos de
pauBo preto e cazemira, ealcas e coletos de
brim branco e de cores, que tado se vende
mais barato do que em oatra qualquer parte.;
assim como um grande sortimento de ca-
misas francezas e inglezas, e ceroulas tanto
de linho como de algodio e abundante sor-
timento de meias croas.
Boupa por medida
Na loja do Pavao manda-se azar qualquer
peca de obra a vontade do freguez, para o
'que tem um perito alfaiate, responsabelisan-
do-se os donos do estabelicimento por qual-
quer falta que possa haver, quer per de-
mora, quer por qaalquer defeito na obra;
e para isto encontra o respeitavel publico
um grande sortimento de todas as (aleadas
que desojar.
BRAMANTE A 1800.
Vende-se superior bramante com K) pal-
mos de largara, proprio para Leaces, dan-
do a largura d'esta boa fazenda o compri-
to do lencol, sendo praaieo vara cada
* a %/% meteosetU e i/ae-pa-
s 9 daaonte
ALPACAS LACADAS A
1,000 M3S.
Chcgoa para este
f, M I
o mais bonito sortimento
as alpacas lavradas de
se vendem a 10, 800 e 6*0
assim como om grande
cas lizas d* todas as crea
CELEZ/AS E
Vendem-se as aaa
linbo paro oa pessas coa
como, inissimas
25 vara, por precos
em relcelo i
BRETANHAS.
Basquinas.
Chegarao as mais
oa jaquetinbas de seda prcta,
enfeitadas a vidrlbo, tranca a
tendo de todos oa modeHoa, ai
que tem chegado e vi
muito razoaveis.
ORGANDT COM 1111100.
Chegaram os mais ricoa
res com salpicos o bu
vindo para vestido, qoe
o metro, ditos braocos
listras largas a 10000.
Cambraias
Vende-se om grande
Ihores cambraias tanto
prenles tendo da 30300 i
fina que veta ao mnrriilt,
ESPARTILMS A
Vende-se om aoaato
Ihores e mata aaao>raaa
do barato preco de 5000
CHITAS FINAS DE 3 A
Vende se o
mais modernas e
das como grandes,
coras, dando-se de
FST0E8 HUMBt a i
Vende-ce
flexivel
seoaoras e roapaaara m*m^H
)0 a MHOO rs. o eaaada,
3 540,800
4
rav.
OPavIoesl
cerca fia a^|


??>.ij&Z'4:tiM!smm
3^3'i-W*


I
I

1
Diario de Pernambuco Sabbado 2 de Abril de 1870.
i rt mili 11
lKr% Ul lMt>I RATItIZ M. 9
Esquina da ra da Aurora, era frente do oaf emperatriz.
------- ,,, N'erte novo o somptuoso estabelecimento de /azendas encoutrarao as Exmas.
um s/SiSs eSfS;"n ,es,ejar,lant0emarli*osd0maisSEluxocomo .em todas
w ii,i.A.Ani.WiaC?reai provi(i?3 do qm de raelnor se eocontra, oeste mercado,
S?!kM5 Qf daEorPa' recebem directamente o a^d!SA-l ? se ^contra em Pars, o que vem cadadia augmentar s propor-
oes de que dtspoe este estabelecimento para bem servir aua numerosa freguezia.
-
<
CHe
JtSFlPZlSPfF* ***&* e toalbas de Gase com listras de seda e flores, fazen-
todas as quahdadesqaecostuma.viraomer- da inteiramente nova para vestidos de baile.
Al^ Ak t^n. i ,., Grvalas para sen&oras e horneas, o mais
\Jr&* -a l0d0* 0$ .P^3 e qalda- completo sortimento que se pode desojar.
les uo variadas que se nao podem descrever. Guipure preto branco, diversas lar*a-
AJbunscom msicas para.collocar retratos, ras emfferentes gostos
gto presente paja qualqyer pessoa de, Gollas e punbos bordados para senioras.
?9'ih.jA u r l i j v Guardanapos do linho pequeos e gran-
Atoalhdodebnnoe algodSo, branco e des.
le cores propnos para toaihas. Gorgurio de. seda preto e de oores.
n como de crochet/ tu ' ^S0' ,. fepooeaes para seahoras, o memor gos>
5 de musselma, madapolao, brancos to, e fazenda propria para as testas nos ar-
res, para senhora e meninas, rabaldes e passeos a larde.
Bareges de cores variado sortimento. q^
Babadinhos ou tiras bordadas em todas as Uazinbas de todas as qualidades, cores
as- e gostos, nao ficaodo nada a desejar, tal
l
-f ,.v,.vt'
**> ^MMA6
3**
Mutua de todas as cores. o sortimento que existe para escolher.
Bolsas de tapete para viagem, grande Lencos, tudo quanlo pode baver desde
*amdade de tamanhos e gostos. esgniao ao algodo commum.
Bombazina preta de todas as qualidades Leques de madreperola e osso, o maisVa-
Bramante de linho de ^ I palmos de lar- riado sortimento.
ura, e todas as mato twalidades. Ligas de seda, bordadas, para senhora.
aretanoas de linho e algoda^, grande sor- Luvas de Jouvin, chegadas por lodosos va-
amcnto. pores, sempre novo sortimento, qoer em
rmsi de linho branco e de cores, do mais pellica para homens e senhoras, quer em'fio
iommpdo ap mais.caro emoualidado, affian- d'Escocia, brancas e de cores,
cand) o que ha de melhor na especie. v*t
Bnns d'algdo completo sortimento e Madapolao; iodescripli velo grande sor-
rariedade do pre;os. timento que ha neste genero, desde o mais
_ ^S. elevado preco ao menor, que s vende em
Cseas de cores, o mior sorlimento, pri- peca e retalho por menos do que em ou-
mando pelo bom gosto e barateza, atientas tra qualquer parte.
*? Q>lidades. Mantas de blonde para noivas: o apurado
cainbraias brancas, tapadas, e transparcn- gosto dos nossos correspondentes em Pari
es de .l0.das a3 qualidades e presos. habilita-nos a dizer que temos em nosso
Camisinhas de cambraia de linho e cassa estabelecimento o que de melhor se dse-
bordadas ricamente enlatados para Sras. ja para vestir e ornar urna noiva.
Camisas para homens e meninos, to va- Mantas pretas de blond.
iado sortimento que vai do mais ordinario Mantas para carros, com lindas pinturas.
finando a AGUIA BRENCA, mato precisa scieotficar ao respehavel pubtteoem
geral, e em particular a sua boa fregupzia, da immensidade de objectos que ltimamen-
te tem receido, justamentefquando ella .menos o p*de fazer e porque essa falla invo-
luntaria ella conOa e espera, na benevolencia de lodos quo 1h'a atlenderSo e relevaro,
continuando portento a dirrgirem-se a bem conhecida leja da AGUIA BRANCA i ra do
Queimdo n. 8, onde sempre acbarSo atmndacia em sortimento d superioridado em
qualidades, modicidade em precos e o seu nanea desdienttido AGRADO E SINCERDADE
' Do que cima fica dito se cobeeofloe o lempo 4e qot a AGUIA BRANC V pode
dispor/ empregadn apeza rde seos cusios no deSempenbo^c bem servir a aqaeltes que a
hohrain procurando pro^er-se em dita loja do que necesitara, entretanto sem eonume-
rar os objectos que por sua natureza Sao mais <*nhectos ali, efla resumidamente indi-
car aques cuja importancia, elegancia e novicfcd ds-tornam recommendaveis, como
bem seja

madapo|So ao mais perfeito bordado de h-
ie cmbraia>
Camisas de meia, de flanella, brancas e
e cores para homem.
Gasemiras pretas e de cores, o melhor
Merinos pretos, trancados e lisos.
Musselma branca e de cores, lindos e va-
riados padroes.-
Pannos pretos e de cores, desde o mais
que se pode imaginar, sendo d'isso a rae-Daraloao ma'8 superior, por prego muilo
-hor prova o grande consuramo deltas na coramodo.
:fficina da casa.
apellas do llores, para noivas e bailes,
Pannos do crochet, para cadeiras e sofs.
Ditas de casemira muito finos para
4esde a mais candida flor de larangeira at mesa
i mato iiueressantfl griaaJjJa. Peitos bordados de linho, lisos e de al-
Chapelinhas no melhor gosto.de todas as god5o para camisa,
^res hoje preferidas pelas senhoras de Princetas pretas e de cores,
mais apurado gor na moda. Popelina do seda e linho, com listras e
Chapeos pretos de velludo, paja senhoras,, flores; fazenda Hndissima.
almo gostp de Paris. Pelherinas para senhoras, do uhimo
Chapeos de sol, para senhoras e homens, gosto.
de todos os pre;os e variados gostos. Perfumaras ; os mais finos extractos o
Cbaly com ricos padrees para vestidos, que de melhor e mais agrdavel se pode
Goales de todas as qualidades, .avultadu encontrar neste genero, e de mais fragante
camero e pjo menos variedade de gostos, e suave no olpbato, tem o PAV1LH Chitos impossivel descrever o sortnen- AURORA, desde, a verdadeira agua Elori-
o e variedade de padroes e novo* gostos,. da at o mais fino Boiiquet d'Amour, final-,
a neste artigoTudo quanto se pode desejar.; mente tudo quanto deve oceupar o touca-
Cintos para senhoras o quo se podo iraa- dor de urna senhora de gosto.
Corpinhos de cambraia, primoresamente
enfeitados com fitas de setim e obras essas
cuja novidade de moldo e perfeicSo de ador-
nos os tornara apreciados.
Fitas mni largas de diversas cores e qua-
lidades para cintos.
Leques uesse objecto muito se poderla
dizer querendo descreve-los minuciosameme
por suas qualidades, coree e desenhos, tal
o grande e variado sortimento que acab#
de chegar, mas para nio massar o preten-
dente se lhe apresentar o que poder de
melhor.
Entremeios em petas de 12 tiras.
Guipure branco e preto de diversas qua-
lidades e desenhos.
Dkos de algodo .com flores o lisos.
Veos de seda para chapelinas e monta-
ra.
Meias de sede para noivas.
Ditas abertas de fio de Escossia.
Costumes on uniformes para meninos.
Eoxovaes completos para baptisados.
Capeiias Drantas para meninas
Grandes- sortfciento de flores finas.
Fil de seda, preto.
PERFUMARLA
Grande e constante sortimento de dita,
sempre melhor quajidade.
Lindo vasos com p de arroz e pinsel,
Caixinbas com ditos aromticos.
Bonitos e modernos pentes dourados
para circular o coque.
Bonitos brincos do plaquee.
Aderecos e brincos de madreperolr.
Caivetes finos para abrir latas.
Tbesouras para frisar babadinhos.
Aspas para balSo.
Novos stereoscopos com 48 vistas, as
quaes sao movidas por um machinismo
urnas substituem as outras.
Vistas para stereoscopos.
Bonitas caixinbas de vidro enfeitados com
pedras.
Ditas de madeira envernisada com vispo-
ras e com dminos,
Bollas (le borracha para brnquedo de
Touqujnhas de fil, sapatinhos bordados crianzas,
e meto para ditos. Diversos objectos de porcelana, proprios
Camisinbas bordada para ditos. para enfeites de mesa e de lapinhas.
SORTIMTO COMPIETT"
NOS GRANDES
E HOIIIAIIOS
gmar de.melhor.
Coques, o melhor no gosto e nos enei-
tes, varios tamanhos.
Colchas de seda com borlas, o mato apu-
rado gusto e lavor.
Ditas da fusto branco e de cores, por
presos commodos.
Corpinhos de cambraia, ricamente borda-
ios para senhoras.
Cortinados de cambraia bordados e de
fil,o que da nHhor se pode desejar.
Colarnhos de linho bordados (a lisos, o
maiar sortimento.
Damasco de la de 9 palmo$|de largura
indas cores e ricos padroes.
Espartilhos brausos e de cor*
3
Saias bordadas, brancas, hsas e de cores
com folhos e sem elles, o melhor possivel,
Sahidas de baile, de todas as cores.
Sedas pretas, de quadros, lavradas, lisas,
de listras de todas as cores e qualidades e
o mais barato possivel.
Sargelim de todas as cores e qualidades.
Tapetes grandes, lindas pinturas para 8
cadeiras, mais pequeos e de todos os ta-
manhos deslavis, e em pega para co-
vados.
Toaihas de labyrintho, do maior e mais
fino trabalho ao mais barato.
Toaihas de linho e algodo de todos os
tamanhos, li-as e felpudas.
Jwlatana branca com palmas e de cores,
muir pra para baile,
a perfeicjk) de ^
nheras e meninas, o melhor nste genero ; fasenda" muito ^f^SSaTSSS^PfO-
aeobuma Sra. deixar por certo de
se de to precioso auxiliar
?mcorpo delicado.
Entremeios bordados.
Escom I ha pivta.
EnleMos para cabeca, ultima moda de
Parto, reoebida no ultimo paqaete.
Egui5o de linho, completo sortimento de
iodos os nmeros.
Filas largas escocesas para cintos, varie-
dade de. gostos e lindos padroes,
Pias de crochet, modernos com cintos
e capas, o que ha de melbor.
Fil de seda, linho e algodSo, de todos
os gostos e padroes.
Fustao de todas as cores e qualidades
grande sortimento.
Flanella branca e de cores.
Flores, o que ha de mais rico, quer
Vistuarios bordados de fusto brancos e
de cores para meninos, de cambraia para
baptizados, o que de melhor tem vindo a
este mercado.
Vestidos de la escocesa de 2 saias,
novidade pelo padro, gosto e forma; ditos
de linho com barras do cores, e de cam-
braia de cores cora 2 sajas, todo alen a
novidade, trazem os modellos juntos para
mostrar a forma de os fazer.
Veos de bload para noivas e pretos para,
luto.
Vestidos de blond para noivas: podemos
asseverar as nossas E.tmas. freguezas, que
somos os nicos em Pornamboco que pode-
mos offerecer ao Ilustrado publico, o mais
aporado gosto em semHhante materia, gra-
bas ao bom gosto do nosso fornecedor -m
settas, quer em ramos, lem o PAVILHaO Paria, podemos garantir que ninguem neste
DA AURORA am permanente jardim a genero o possue melhor, nem mato em
lisposico das Exmas. familias. conta.
E' dispondo d to grande e variado sortimento que os proprietaric* do PAi
7ILHA0 DA AURORA se apresentam ao publico, declarando desde j que a sincerida-
de e o bom gostoo raovel nico de seus negocios.
Prvidos de tudo e proraptos sempre a prover-se do que por ventura lhe
I6ja opcessario, os proprietarios deste sumptuoso estabelecimento recommendam-se
sem reeeh de serem contradictos e proteslam esforcar-se por continuar a merecer
nroteco que se mes tem dispensado ; certos de que do seu estabelecimento nao sabtra
i) freguez descantete.
Continua sempre a officina de alfaiate dirigida por um dos mais habis artis-
ia^. prorapto executar wm promptidao e bom gosto qualquer trabalho que lhe seja
xfcifiado. Urna modista especialmente oceupada nos trabalho* do PAVILHAO Dt AU-
RORA, dirige os que lhe sao concernentes, garante porseu apurado gosto e promptidao
ria -execugao e a mais completa perfeiclo nos seus trabamos.
A numerosa fregoezia que nos honra uma prova de que merecemos o con-
:eKoquo 3e dispensa ao nosso estabelecimento, conceito.que procuraremos firmar cada
ee inai.".. Para facilitar aiada a concecncao do fia que .nos propnaos, temo no nosso
statwlei:i-iieouos utomos figurines de Pars, que-recebemos por lodosos paquetes, os
mm enviaremos para serem visto* as familias nossas freguezas, aflm de escolherem,
xm o padro da fazenda o gosto na forma.
Na officina de alfaiate, junte ao estabelecimento, ha igualmente os Agatinos
para noeiens que por todo* os vapores se recebem.
E' esto o modo porque nos apreseatamos padiodo a ]>roteccio do Ilustrado
abuco e com o mais profando reepeito convidamos s excellensaimas Sras. a viai-
P osso estabelecimento, certas de encontrare nelte pelo menor Dreco
mff podem de*iar.
Mtadarem caiieiros lavar as faeendas e^moitras oads o
aio pdennos especiflear tudo quanto temoa.
JjoLuz, Sobn,to4rC.
I Aberto das 6 s .9 horas da noiteJ
I
N. 23Largo do Terpo.N. 23.
DE
SIMAO DOS SANTOS & C.
fiOafA
OALLO VIGILANTE
Roa do Creapo a. f
Os propietarios deste bem conhecido eatabele-
eimente, alni ios umitos objectos que tinhara ei-
postos a apreciado do respeilavel publico, man-
dartiu Tir e acabain de receber pelo ni timo vapor
Jtt Europa um completo e vanado sortimento de
finas e mui delicada especialidades, as quaes es-
tao resolvido3 a vender, como de sen costume,
por precos muito baratinbos e commodos para to-
dos, com tanto qne o Gallo....
Muilo superiores hutas de pellica, pretas, brau-
case deinui lindas efees.
Mui boas e bonitas gollinhas e punhos pan se-
nbora, neste gpnero o que ba de mais moderno.
fa*fn<",e9 pentes de tartaruga para coques.
Lindos e riqnissimos onfeites para cabecas da
hxmas. senhoras.
Superiores trancas pretos e de cores com vidri-
mos e sem elles; esto fazenda o que pode haver
de melhor e mais bonito.
SuBariores e bonitos leques de madreperota,
S^81111.1*10 ue 08S0' sead0 aqoelles brancos
tora lindos desenhos, e estes pretos.
Multo superiores meias no de Escossia para se-
nnpm, as quaes sempre se venderara por 30*000
a duza, entretanto que nos as vendemos por JO*.
wm deetas, lem( tambera grande sortimento de
outras qualidades, entre as quaes alguraas muito
Boa bengalas de superior canuda Indiae
caauo de inarm com liadas e encantadoras figu-
rasdo mesm, neste genero o que de melhor s
pode desojar ; alm destas temos tambera grandi
qnantidade de outras qualidades, como seiam, ma-
aeira, balea, osso, borracha, efe. etc. etc.
Finos, bonitos e airosos chicotinhos de cadeia e
ue outras qualidades.
Lindas e superiores ligas de soda e borracha
para segurar as nielas.
Boas meias de seda para senhora e para meni-
nas de 1 a 12 annos de idade.
Navaihas cabo de marOm e tartaruga para faier
barba; sao muito boas.e de mais a mais sao ga-
rantidas pelo fabrican, e nos por nossa voz tam-
bem asseguramas sua qualidade delicadeza.
Lindas e bellas capellas para noiva.
Superiores aguihas para machina e para crox
Lmha muito boa de peso, frouxa, para encher
labyrintho.
Bons baralho? de cartas para voltarete, assim
como os lentos para o raesmo flm.
Grande e variado sortimento das melhores per-
fumarias e dos melhores e mais conliecidos per-
fumistas.
COLARES DE ROER.
Elctricos magnticos contra as convulsdes, e
ra-'iutam a dontieao das innocentes enancas. So-
mos desde muito recebedoro desles prodigiosos
collares, e continuamos a recebe-los por todos os
vapores, afim de que nunca altem no mercado,
tomo ja tem acontecido, assim pois poderlo aquel-
les que delles precisarem, vir ao deposito do galo
vigilante, aonde sempre encontrarlo destes verda-
deros collares, e os quaes attendendo-se ao fim
para que sao applicados, se venderao com um mui
diminuto lucro.
Rogamos, pois, avala dos objectos qne deixsmo?
declarados, aos nossos freguezes e amigos a virem
comprar por precos muito razoaveis loja do all^
vigilante, rna do Crespo n. 7.
PlO ALLEMAo
Vende- o, ra do Imperador > acbar f*> mt sr iaai
fabricado ne-ia pruvinria.
Ba do Queimdo n. 81
o
o
o
o
Ext-elfentn diapoj
branecs pM*, pe
preco de 100< 0.
4e
Loja de Antonio de Sfrora
Rna do Qneima do n.
Vendr a Ul^rna da ra d JL
propria para ^rinciptanu- por ter pmn f.allT.
o motivo da venda por ten Um,
se : a tratar na nwsrn*.
Wtrr
tim.i mulato de idade K anans
bilidadrs : na roa das Tiinrartra- m. 3*
CEMENTO
POfTTLAKD
Vende-se no arroaiem anureo de
reir da Costa & Fho, den ote do
ceicao, em Immcas grandes
^ VENDE SE on arrpnda-s
S. Gaspar, silo na fregurzia de Ti ra A m.
comarca do Rio Formoso, pioxino tto barque, com grandes parfktos > paai
massap i roda da tnoenda. matma maammM
para madeira necssaria, bom pasto, te.:
a tratar na ra d'Aurora n. 26, n ,-. 4
Imperador n. 20.
Fogo, fogo,
na Iruper a m. a
Valdevino da peNora tem l,.'.00 ton de la
do arpara vender por pre$> ommndua x> erta
pe?soas que festejarem o aeahamen' da raerr.
Ven Je se urna prtrla de JO *imhk Me-
nta bem lava .ITrivel : na rw DirHla 3. t-
andar.
GUERRA.
COGNAC.
De saperior qualidade da mui accredit
da fabrica de Bisquit Dubonch & C, en
cognac urna das que mais agurdente dt
cognac, fornecem para o consummo d<
Reino da Inglaterra.
Vende-se em casa de Th. Just. ra di
commercio n. 32.
Para as illnmiiiitoes em reg-i;., d*
terminacio da gnerra do Paraguay, na
mngmnis b-iloes de pil de v./naas
ra da Cadeia n. 31 a 100 rs. c.ta tw.
100 rs. cada uro, 100 rs. cada nm. M r-
um ; a pile*, que esli. fe acaban-;, a rIV?
P
a Titula
re'.!
10
PROI
BRACO
10
S AUTOS FEBREIRA.
Os proprietarios deste bem srtido armazem participam aos seu* innmeros
freguezes tanto desta praca corab do matto que teoo>fet!e graade diminuigo de pre-
cos as suas mercadorjas estSo por isso resolvrdos a vender por meno* de tO e 20 \,
do que eai outra qualquer parte, garantindo-se porlanto a s pt-rior quakJade de qual-
quer genero comprado i.estes dous estabe)ecimentos. Mencionamos aguns dos nossos
geoefos e a \i$la desdes sao coroprehendjdo os outros, porque onfadnho seria men-
cina-los. i
Se alguem duvidar venha ver.
Gaz americano marca Deves a H800 a
Vinagre branco mandado vir por conta
propria vjndo de Lisboa, a 320 a garrafa e
480 o litro.
dem tinjio Figueira, Lisboa e Porto a
320,280, 240 e 200 rs. a garrafa e 40 300
r?., o litro.
Vinho Ageita, Lisboa, Porto, c Eatreito
a 560, 500 480, 400 a
700, 720 o 600.
Vinho branco puro de Lisboa a 640 560
agarrafa, em porSaba abatimento.
l'ta, 380 rs. a garrafa e 560 o litro.
Ra do Imperador n. 26
Neste novo estabelecimeno encontra-s*
diariamente om variado sortimeuto de bo
linhos para cha, pastis, podin*. bollos in-
glezes, pes de l. presuntos, ditos un fiam-
bre, superior cha Hysson, preto, e miudi-
nho. Vinhos finos de todas as qualidade?
conage, licores, conservas, champagne, cor-
veja ingleza, fructas muito boas, por-
tugnezas e francezas.
m completo e variado sortimento di
oaixinhas de todas os gostos e precos pan
mimosear senhoras, estas caixinnas recen-
temente chegadas de Paris s3o de primora-
do gosto, ofleresse-mo-las aos galanteado
do belto sexo pois nellas acharao nm dipr
Gal nova de Lisboa
de. luaquim Jos Kamos, na ma da Cruz o pfi
n eiro andar.
ESCRAVOS FU6IMS.
k wa.
Vinho do Porto, engarrafado das melho- abaroento.
res e mais afretadas marcas a 1(5000 e 1^200
MOO e U a garrafa.
dem Bordeaux, Medoc e St. Juien a
70500 e 6|jl500, a duzia e 64Q rs. a garafa.
Genebra de Hollnda e la'ranja doce aro-
mtica a 6j500 7*. 11^500, a fra>.qu6tr.
Serveja Bass, Illers & Bell a 04800 du-
zia em por(ao ha grande abatimentcs
dem m rea ll e T e outras marcas a
53500 e 6,?, a duzia e 500 rs. a garrafa.
Assim como ha outros mui tos
Witft Wft'dP Ii*hua a 900 a i A*00 a 9 Seri0 Presente Para as donas dos seu
1 pasamentos. Tambem os apreciadores di
:ba fumaba encontrarao charutos dos me-
lhores fabricantes da Babia e de Havans.
isigarios do Rio de Janeiro etc. etc.
Doces d'ovos seceos, christalisados e di
Calda, ditos de caj e de ontras qualidades
Nesta casa recebem-se encoramendas par;
bailes, casamentse baptisados eqtralquei
encomnrendas avulss, como seja p3o-dc U
e bollos enfeitados e outros muitas couzaf
;que enfadonho mencionar.
garrafa em porgo faz-se grande abatuaen-
to.
Caf era caroco a 220, 240 e 2-0, a li-
arrafaJrtr)iTin'Dra kilogrammo a 480, 540 e 600, e
* 73000, 7^560 e 84800 irroba.
Milhoalpista 200 rs. a libra e 4i0 oki
lograioma e 54800 a arroba, em porfao ha
Queijos frescos do ultimo vapor a 3260
o UiOO cada um.
Aletria, macarrio, talharim a 500 rs. a
libra 700 rs. o kilgramiuoem caixo ha
abtimento.
Sabio massa de Ia e 2a quadaile a 220
e 240 rs. a libra em caixa ha abatimento
Toucinho de Lisboa muito alto a 400 rs.
a libra e 880 o kilogrammo, em arroba ba
grande ditldrenga.
gneros, vinho em ancoretas, azeitonas,
passas e figos, charutos finos do diversas marcas, marmelada, bolachiahas da todas as
qaalid des. perola, Francy-cracyneU a, b, c. Mdium*, miied, soda Fancy-wi-nac, pa-
lacd de Varetees, combioation, Britaoia, doce de goiaba fina, chouricas, manteig*s finas
francera e ingleza, ba,nha do Baltimor, phosphoros de Sjvurtf, Cognac,, sai qualidades, Oanella, pimenta d reino, ervadooe,, pomada, emofre, breuj peixo
em latas de todas as qualidades, farinha de milhoamerica'-a grandes molbos.de sebol-
la?, ne.^tes dousarmazens existe tamhem Rrand^sor4tmentode lencas propnas para ne-
gocio, que pehs sem coihmo 'os preco f^z vantatrem aos r-r>mf4or^8.
CEMENTO
Anda fgido desde 86 do l-rrrrirm
nio passado o esi-ravo Juao, aret. -umt
i-du picado de bextgas peh rk>e talla
tes : levnn vestido camisa branra, ir*
outra de risrado de listas. i)orm o r-par hr~* a
praca da indept-ndearp loja de IN*ta lfc.-fc*.
que sera recompensado.
* isejpeo
Fugio do apena Diia iarfwa, fr> gnea #. K
cada, o preto Man- el, idade 30 aaa*, p*r aadi
so menos, estatura refalar. espigaA*. raili- <-
nis, pes pequen tem falta de om pedaco de orna das rWfc la-
do de cima, anda sempre coro o ehtyfn u\
para esse lado para encubrir a bita do (**..
dila orelha, deve estar acontado em ata ftapw r\
n.ido Tuca da Paea, em eonflns da K n 1
to, em nm hipar quasi dbertn, rom oau cr ala
forra prett, gorda, e nanz chai', om- ^a-ai
mesmo preto fnpin, descoaAa-se estar a- mmt
cima por dita negra ler aM m ira-1; *>fa
[tortantu as autoridades polica*"- e sBirn
e.-ipitaos de campo a eaMara de d r^va*i> > a
cmiduzam ao dito engenno cima. a a eatwaai
noRecife a< Srs. Rodrijtnes AlnrMb C ira
estreita do Rosario n. V7 ao voli*r aara o +**
do Carmo, que ser reempensado mm a imn
de <")0<____________________________
Ausentnu->c a p> rto de da me> dr cac
de seu senhor a escrava preta fula m- t-z,
com perlo de 50 annos de idade, alis. p-rta.
to reprta, fui esenrva doSr. I>r. Amr\ e

0 verdadeiro portland.
ra da Madre de Dens n.
Joao'IUrti'ns d** Barros.
S se vende n-
22, armazem d;
* PRODUCTOS de J.-P. LAROZE
PHaeiacbutico, 1, IUE OEI LraM-SAIIT-PaL, ralis.
XAROPE DEPURATIVO
DE CASCAS DE LARANJAS A^ABOA*
Cmb leaiRKte 4. potiio
0 Mareta da poUiaio aa verdadeiro alterante, nm depurador da iacoaielaval em-
eacia; eoabiaade com o saropa da casoaa de laranjaa amargaa, a atorado
eea pertarbaclo alguma pelo* temperamentos o* mais traeos, sea alterar as toaecSes
de eatemage. Aadose* malheroaticas que elle roniempermitiemae mediee de reeeiu^e
para tedu ai eomplicacdet nu affee^s eaorofnloaaa, tabaronloaaai, oaxtoe
roaaa nos aeoldaataa lntermittoate < taaoaie; aUm d'iaw, e
afale o ans poderoso contra as doengaa rheumatioas.
XAROPE TNICO INTI-NERVOSO
e eaaoee e Ur*nJ> *mu*>a.
St son* de snecessos attestio a sua effi-
eacia para earar: t'doanftu Mrvoau,
aeadas fiar,) e facilitar a iautao.
IIROPE FERRUGINOSO
aeaaeaeeenaaajae a aeeeele eaiei ae.
V se a forma lvida qes maiacumu-
le se aanala o farra; a'esta feraa i prefe-
rivel as pilulase pastilhuentodososcasoa
em qae sao prescriplee oa ferrafinotoa.
OENTIFRUCIOS LAROZE
COM QUINA, PYRKTIRO.'I dAIACO
cota aaaeda
mu dsiMWrf., para a ahur* cen-,
curando aa dora
n proiudu pera,
jetado fro
i- Jmtirt, a. mm^mk
tMeMMftfl
aaftrurt e conservaco dodeatea,
ndeedeacaraadara, prevaeendae
7eT2?r^
.e.aerS|l
esyii.1
rw.(
Leque de madreperola com seda, e todo? d<
madreperola, muito pn-prio para ni as, ebega-
rm a loja do Passo a roa do Crespo n. 7 A, a*
sim como requissimos chales de tnuquim de to
aaa as corea,- vestuarios bordados de cambrai;
pana baptizados, meias de escocia (novidade) mui-
to bonitas para a? Exmas. Sras. que gostam anda
de sapatinho raso e outros muitos arrigs de gos
to que os proprietarios deste estabelecimento teen
recebado.
Estampilhas.
Vendo-sena ra da ('.ro n 8; I* andar.
Para a quarpsnm.
IWi 'Ja do Pase*
Os proprielarios deste importante estabelecimen-
to recebero pelo ultimo vapor francez ricos pos-
iltrjee de gorgurio preto multe 'em enfeitados.
inteiramente novidade, sedw e gorguroes prelos
temos sortimento competo, o melhor a desejar.
Dirijam-se, pois, todas as pessoas que precisam de
lomprar estes artigos, ra do Crespo n. 7 A
|9dentes de que, em precos nao se detxsr de fa
ter negocio, isto motivado pelo muito sortmeate
que temos.
Refinapao.

Vende-se a reflnacio da ra de Hftrlasn. 7.
muito propria pan principiante, por ter ponoa
fundos : a tratar na mesma.
Sementes de liortali-
oes.
f J-mm d* I eperatrl*
Ni hoia de G Cuta.. A 0,
Tm
Taitas de ftrro.
Ul. ? 11
aforawaei-
3ne anda nesta cidade e ten sido vi-1.1 no l
1 Boa-vista e em S. Joe c.m iak-l>ir> ae <
b*ca : quem a apprebender e delta f*r dar te-
lina exaci.1, dirija se ao paleo de S P.-Jr a II.
que f era gratificado.
Fuglo do engenno CamaraeH a i 1
de Sennhem perteneeotes a G*fmr iMhr
Wauderley os escravo*segoint* : Sael rra>
Ib baixo. ginen, nariz chato, da ser da Tm-is aar
ter sido o-mprado pequen. A>ao Caanra! V ida-
de trinte e tantas anno?, ps chafc*. *>mm rve-
bitadas, estatura babea, cr Miada, amoraaraa
e esta na poma de qaeixa, FeKpfe aula** da aV
de de 16-anoos potico mais ou men a, kax<>, fra-
se. sem defeilo aigum, leve bixr-s em peipiB. ae-
rm nouco apparece ; oi dades policiaes e capitaes de camp a <
mesmos e lvalos no mesa engrano a ra raa
da Moeda n. 5, t> andar escriplorio a> VaauH A*-
ves Ferreira A t. que serio gratiftVaA*._______
Fugio no dia 26 dr faven-ir, ana S* n, a
escrava crfonla de nome Belizarb qa* 1
ter 40 annos, estatura baixa, coas
dentes e com nina sicatrz de 1,
co direito, tendo levado dons'rhale*.
verdee ootro listado de azul e inrert; m
a capturar sirva-se leva la a P>mt* de IMmi
sitio de Joio Jos Rodirgoa Meie#,
da Madre de Dos n. tt,"<|Qe sen
itiearwjwado._________
Pogio do engenno MiaVc; >.
Santo Antan, no da 20 de ionno d>
o escravo de home Franerliao.
annos de idade, com os signaes ejnima^ e. r
preta, baiso, corpo reforjad, cara lar**, kii*
barbado, clhos |*equenos, aariz moitai H adn. ?-.
ca regular, denles curtos e Timado*, irrign h
b e andar apresado ; eogna aabr pVm saar-
bios da cidade de Olinda, eageaho Frayes Casa-
ca, Beberibe ou Apipacns, acoplado fmr tumm
Jos* de Sert'Anna, sen irmfo Ubrtin. aal aa
m sua companhia urna ea elh e de a-
aia, e por outro irmaede aeae J- V-f 4* aaa
o conduztra para oa lepra* aeaa
alera de um miro sofia de aeae J-' X-
da Silva, ennbecido por Jos Pajeo, p- r t. r
riaquella comarca. Roga-se as ana-ridbdw es-
pitaes de campo que o aparsacadare e I***
roa do Rangei h. 17, ae no eajtuh.. Matee-a, a
entregar a seu seobor Jeia Concia de Qa>r Monteiro. qne siT'o geaerosaeten' gnOlVa^ .
Btnedicto, mulato, enin idaTe *r urt
tantos aanoa, j vai pialaata, im e-b 5. raa-
na, cabellos quasi hm% alMra refalar "*,
bem barbado, wm Ultaa-dd'eai um a-la
un* lanos prelo* e aa tteee direo u> a r> aa,
oataa q^oa eea mulato ifcjaa o a ava aal para Joan, e lem
cidade deOtinoa
nga-sea! antoriaajllf
deste escravo;""
valraoude
Nnva Cruz



*
JBtBtW.
6ajH4thantes do Brasileir
Por Casillo asidlo Bramo.
XXVI
(Continuaro)
-tSe tivesse remedio, te-lo-a aohado
om Pars onde ja fui duas vezes.
Na minha provincia e pesto de mim
i'irnou o flavienscha um cirurgio da
moderna escola que tem feito prodigios em
o?eracSes de olhos. Se eu soubesse que o
conde me consenta ser examinado, obrga-
va-me a trazer-lhe o doutor Costa, como i
se chama, sem favor, ao admiravel faculta-
tivo.
Qaem Ih'o ha de pergunlar ? Ha mais
de dez annos que nao recebe, nena visita al-
gifem.
Nao importa: hei de eu ir procu-
ra-la.
Foi; anounciou-se, e leve entrada, por
que o conde lembrou-se de ter conbecido
r.aa prmeiras lutas da liberdade, um gene-
ral, lio do cavaleiro amunciado.
Disso o visitante o proposito que o leva-
\j. Conlou as maravilhas do doutor Costa
e ofereceu-se a conduzi-lo Ponte.
Ser intil; mas que venha. Ir a
minba liteira busca lo. Se eu podesse ir..
E por que nao vai, senbor conde ?
aproveitou o prente, applaudindo o desojo.
O exerccio devc ser-lhe til. Sao dois
das e meio de jornada. Se elle se resolve
a opralo, vossa excellencia vai residir em
Chaves na miaba casa, ou em Mont'Alegre,
onde ha boas commodidades; por que, se
\ossa excellencia quizesse ser operado em
Cont, seria isso mais diflicil ao doutor que
tem urna grande clnica, e nao poderia as-
sislir, como convm, ao curativo e conva-
lesccnca da operaco.
Reanimou-se o ceg. A esperanca gal-
vanisou-lhe as articulages emperradas pela
immoblidad. Apertou nos bracos com
reconbecimenlo a dedicago do parate, e
pactuou sabir no dia seguinte.
Folgando de palestrar, succederam varia-
dos os assumptos. Fallou da emigrado,
das esperances d'aquelles das, das batalhas
do Porto, da bravura dos paisanos, das
proesas do libertador, e terminou dizendo
com um remoqoeador sorriso d'elevada cri-
tica:
Sabe vossa excellencia o que venceu a
guerra ? Nao foi a idea da patria, nem o
odio do despotismo, nem o amor liber-
dade. Foi D. Pedro ter fechado o Brasil
i:0 caso de c llie despedacarem o estandarte
;]\entureiro, e i cada homem do Mindeilo
defender a vida propria da forca ou do des-
terro, e foi cada cidadao da cidade eterna
ser abrigado a defender a esposa e os fi-
" kios. Urna vez perguntava D. Pedro no
Porto, um velho, que sania armado e tro
pego, um toque de rebate : Tambem
tu, mea velho ? e o velho responden :
t Tambem eu, raen diabo I Por causa de
\ossa magestade estou eu aqui a defender os
meus netos. Esta resposta a historia
do tiium.'ho p odigioso de D. Pedro.
Estendeu o conde a sua dialribe poltica,
desembestando, contra generaes e estadis-
tas, acerados dardos, dignos do artigo de
fundo da mprensa poltica portugueza. To-
dava, um ponto Ihe esqueceu important-
simo: e era explicar a sua condescendencia
1.0 aceitar e pagar um titulo lembradoel-rei
pelo enlato ministro da guerra, camarada do
bravo Simo de Noronha. Convinha-lhe
exemplrflcar o despreso das mercs em
conformidade com o sen desdem da liber-
tado que boa ou m ello ajudar grande-
mente a implantar. Perde-se-lhe, porm,
o mo humor cvico em descont das amar-
guras da velhice, e da roaz concentrado em
que a cegueira o pozera, insulado de toda a
socibialidade.
E' penalastimou o cavaleiroque
vossa excellencia, em annos to carecidos
dos affagos de familia, so veja sznho, e
forjado a escutar-se incessantemente em
suas tristezas.
ETeitos da pessima mocidade disso
lacnicamente o velho.
E n5o Ihe restam parentes estimados
que substituissem a falta de filhos ?...
NSo, senhor.
A conciso das respostas reduzio silen-
cio o interlocutor.
Quer ento vossa excellencia que par-
tamos amanha para as Boticas !
S8 eu nao ti ver peiorado d'esta frou-
xidab que dlicilmente me deixa ir d'uma
cadeira para outra, muito me obsequiar
vossa excellencia acomp doutor entender que praticavel a operaco,
eu mandarei ir o meu escudeiro e- mais
criados.
Vossa excellencia tem os meus cria-
dos e mim com el'es.
Obrigadissimo sua boadade : deixe-
rae abraga-lo, que ha muitos annos nao sen-
t alguem nos meus bracos. Parece-me
que anda novo.
Nao, senhor. Teaho quarenta annos.
Eu j era decrepito nessa idade. Aos
vinte e seis annos embranqueceram-me os
cabellos, e aos trinta cahiram-me. Quando
voltei Portugal, depois d'um exilio de
treze anuos, os meus criados perguataram-
nie quem eu procarava.
Ej ento nao encontrou pessoa al-
guma de familia ?
Que eu prezasse... nio. Tinha ir-
mas, que nanea estmei, nem me estima-
ram. Tinba urna filha...
Morreu ?
Morreu.
O conde de Gondar apertou as mos do
tomem, que prezavs, porque sabia que Ihe
va as lagrimas; e murmurou
-^.V ? estes olhos nio tem luz, tem o
sango* io coraco. Olhe que eu sou o
mais castigado e desgranado bomem que
*wja debaixo do sol. A sepultura repelie-
re ha cincuenta annos, porque eu morn
entab. Morri ento, senhor...
de Pernambuco -
Sabbalo 2 de Abril d. 1870
Viva on morta*;.
ouvio fallar della ?
N8o, senbor..
Esquecerara-n
em Ponte. nem os
della
N8o, Sr. conde.
E* porque ella empobreceu... por-
que eu a repelli... Desprezaram-na todos,
o n3o curaram de saber se eu .tinha razio,
ou se ella tinha infamias para ser despre-
zada... E por isso... morreu I
O flaviense nao formava da intellectuali
dade do conde um juizo satisfactorio para
urna cerlido de sanidade. N3o acabava de
entender se a fllha da conde era viva ou
mora ; nem ousava protrahir indagares
irritantes da torvago mental do velho.
Caloa-se, aproveitou o ensejo opportono
de despedir-se, e foi indagar o mysterio de
tal Mlba.
Os informadores disseram-lhe concorde-
mente qne em verdade o conde tivra na
sua mocidade urna Giba natural de orna ce-
lebre dalga do seu tempo; mas que essa
menina se havia perdido em libertinagens
como sua mili.
" O cavalheiro entendeu ent3o o que era
morrer, e condoeu-se profundamente do pa
da perdida.
XXVII
VKM nOMPENDO A LUZ
Francisco Jos da Costa foi chamado ur-
gentemente par* visitar um Sr. conde hos-
pedado em Mont'Alegre.
Conde de que ?perguntou Angela
curiosa de saber que titular suba as mon-
tanhas de Barroso em busca de seu ma-
rido.
Conde de Gondar,disse o enviado.
De Gondar ? 1qpservou Angela ao
marido.Cuj^ei que s havia o Pago de
Gondar de meu pai!
Ora, Francisco nao lia gazetas, nem sa-
bia que o general Noronha passasse a titu-
lar. Nao pbnderou por isso a observago
da esposa, nem inquerio a procedencia do
conde.
Chegou casa nobre de Mont'Alegre.
Levaram-no presenca de um ancio
cgo, de aspecto cadavrico e tocanteraente
amargurado.
Costa examinoa-o em breve espago, e
perguntou:
Sr. conde, ha que tempo comegou o
seu padecimento de olbos ?
Ha nove annos. Esta va eu em Paris
a tratar-me de nevralgias de cabega.
E quando Ha dous annos, tendo voltado Pars
para consultar de novo os especialistas.
Disseram a vossa excellencia que era
cataracta negra a cegueira ?
Justamente ; mas era intempestiva a
operago. Depois c em Portugal dous fa-
cultativos que consultei nio votaram pela
operaco : um delles penda a crr que a
minha cegueira fosse paralysia.
E' cataracta negra disse Francisco
Costa.
Pode operar-se ?perguntou o conde
agitado.
Pdc,.Sr. conde.
Vossa senhoria tem esperangas ?
As que pode ter-se em operatoria.
E espera dar-me vista ?
Espero, creio que vossa excellencia
ver.
Feliz hora em que este amigo que
est meu lado me levou a Ponte de Lima
a noticia de vossa senhoria Iexclamou o
conde.
O Sr. conde de Gondardisse o ca-
valheiro de Chaves ao operador o bbm
conhecido general Simio de Noronha.
Costa fitou o semblante do cgo, o abai-
xou macbinalmente a cabega.
O apresentante proseguio:
Eu tinha visto dous prodigios de vos-
sa senhoria, e assim que soube dos padeci-
mentos da sua excellencia animei-me a so-
licitar a sua vinda com grande confianga na
pericia do Sr, doutor.
Agradego vossa excellencia a con-
Qanga immerecida com que honra o pouco
que sei e valho. Onde quer ser operado o
Sr. conde ?
Se fosse possivel, na trra onde vossa
senhoria residerespondeu o cgo.
as Boticas nao creio que haja casa
capazobservou Pisarro.
Hacontradsse o cirurgio.
Sim ?acudi o conde.
E' a minhatornou Costa.Se vossa
excellencia quizer...
Quero, meu Deus, quero ; nem posso
querer outra cousa, e desde j Ihe aperto
as mos com o mais sentido reconhecmen-
todisse o velho com alegra.
Nao pode hospedar-se melhorcon-
irmou o prente.
A casa de aldeatornoo Costa sor-
rindo ; porm, em qua'nto o Sr. conde fr
o esse sublime e sagrado amor defnhora,
T I Costa,
excei:
i seu filhinho e sua irmia, Sr.
s3o os criados de vossa
Eu cliamo-os
. balbuc ou secca-
oou a direegio 4a
ceg, dispensa o luxo dos ornatos
pois que tver vista, ir para sua es
essencial- que vossa excellencia te
leito, um cirurgio ponto, e pessoas-qoe o
sirvam. Isso Ihe offerego.
isa. tt
Quando quer vossa senhoria que eu
v para a sua hospedera casa ?
Amanha, querendo vossa excellencia.
Hoje mando dar algumas ordens ao aposen-
to que o Sr. conde vai honrar.
O' Sr. doutor!..-. beijo-lhe as mos.
E poderei mandar chamar um escudeiro que
me trata ha muitos annos ?
Pois nSo! Esperar! vossa excellen-
cia, menos que me nao d ordem de o
acompanhar desde aqui...
Nao, senhoratalhou vfidalgo fla-
vienseeu acompanharei o mea amigo.
Recebo as ordens de vossas excel-
enciasdisse Francisco Jos da Costa, e
sahio.
Este homem pareceu-me extraordina-
rio Iconsiderou o conde.Tenr uns ares
altivos, n3o tem ?
E mais vossa excellencia nao Ihe vio a
gravidade imponente do rosto! As manei-
ras sao de boa sociedade, e o olhar tem
urna penetrago de aguia. Eu estava a
gostar de o ouvir.
Tambem eu I Muito Ihe devo, meu
amigo De mais a mais deu-rae um opera-
dor sympalhico, com urna familia que me
ha de aligeirar as horas! Maito Ihe devo !...
Enlrou com tranquilla apparencia o cirur-
gio em casa.
Que tinha o conde, perguotou An-
gela.
-- E' cgo, filha.
O' coitado! E cura-se ?
Cura.
Deus o permita. Vais opera-lo?
Vem elle aqui operar-se.
s Boticas ?
A' nossa casa.
O conde vem para aqui!... ai que
casa esta I...
Nao te disse que elle cgo, me-
nina ?
E que quarto Ihe das ?
O nos90.
Enio seja o meu, disse Joanna.
O nosso melhortornou Francisco.
Cedes fi teu qoarlo ao conde, Angela t
Pos sim, meu amor. EHeque b>
mem ?
Tem setenta annos.
T3o velhinhof e vais opera-la-?
Vou.
D'onde elle 7
Veio de Ponte de Lima.
De Ponte do Lima ? De que familia ?
Dos N ironnas Barbosas.
Ento meu parate.
E"; maito leu prenle ; tac pai.
Meu pai ?!... Est brincando-, Fran-
cisco ?
O cgo conde de Gondar que vem
para tua casa teu pai, Angela : o gene-
ral Simao de Noronha.
E elte sabe?.-.exclamou Angela
offegante.Elle sabe...
Para onde vem ? nao; nem quero que
saibasenaodepoiaquettttiver c. Desde que
elle entrar, t perdes o teu nome, e cha-
mas-te. .. como-has de chamar-te ? Jjforia.
Se sentires- expansoes de fllha, has de re-
primi-las. Pede-t'o o tea-plebes, o*filho
do sacbristSo lionradissimo que amap> filhos com ternura, e seapartou delleVpro-
mettendo-lhes vigia-los do co. O ceade
de Gondar aqui dentro um- enfermo que
se trata. De commum entre nos ha apenas
operado e operador. T s a esposa de
um, e a fllha repulsa e abandonada do-ou-
tro. Que te diz o coraco, Angela ?
Que elle meu pai... e mais desbra-
gado que eu...
Poi compadece-te, ama-o, maaao
me impegas o restituir-lhe a via. Quando
elle te vin, ha de ser Urde ; mas podes
v-lo e fallar-lhe com tent que immediata-
mente operago, e mudados os apositos,
elle te nae veja.
Mas, logo que me Teja, prwavel
que me reconhega...
Se assim fr, a tua dignidade teaeon-
selhar.
Sobretodo, preciso que atiendas aos
crditos do cirurgio. Se sobrevieren fe-
bles em resultado de commoges vilen-
las, perderei o prazer de mostrar ao conde
de Gondar urna familia feliz sem brasa no
portal nem ouro as reas. Quando o con
de souber em casa de quem est, desejo
muito que a senhora de casa se faga t3o so-
mente conbecer por filba deD. Mara d'Antas.
D'onde se pro-va que as Singulares utopias
no amor dos dezoito annos semolhavam
muito em Francisco Costa, aos trala e tres
annos, urnas singulares utopias-de dignida-
debumana.
XXVIII
Nao tem vossa excel-fc.%
ter Albos ?... excellencia que cu aprsenlo. Hfria e Joan-
na, venham offerecer os seus serVlgos ao
senhor conde.
Entraram as duas senhoras, e Vctorina
com om menino de anno e meio no col.
O conde fez mengo de levantarse, quan-
do sentio frmito de vestidos.
NSo se levante vossa excellencia
susteve Francisco.Aqui est3o minha mu-
Iher e minha irmSa.
O ceg estendeu as mos, e tornou as
das senhoras.
A da esquerda qual ?perguntou
elle.
E' minha mulher.
Parece-me, notou o conde, que a
presenta de um ancio ceg a commove
sensivelmente, minha senhora!... Vossa
excellencia tem a sua mo trmula e ar-
derte-. Se tem compaixo desta velhice
em trevas, deixe estar que seu marido Ihe
ha de dar a satisfago de me abrir outra
vez o mundo diante dcstes olbos.
Deus o permita... balbuciou An-
gela.
Pouco hei de vi vertornou o conde
mas eu quera anda ver o sol, um da
qoe fosse, o co que nSo vejo ha dois an-
nos, contados note por noitc, porque eu
nunca ntiis destingui o dia das trevas.
Vossas excedencias ser) testemunhas da
minha doida' alegra... O neo a voz d'um
menino que chama sua mi... E' o seu
filhinho, minha senhora ?
E', sim, senhor conde.
Deixe-me beija-lo, se elle me nao t-
ver medo.
A creancinba foi fcilmente aos bracos
do velho, deixou-se beijar, e ficou a olha-lo
no rosto com infantil fixidez.
. Eis aqui a florinha que desabrocha
Abre urna sepultura...disse o velho.
Que mavoscrgrupo, n3o ? Foi em Franga,
n3o sei em qne palacio de Carlos X, que
vi assim urna pintura, e urna legenda que
diziaT*lwora' giic lumina nm tmulo...
Ora v, v, anjo, que deve estar admira-
dinbo de se ver entre as tristes ruinas
d'uns setenta anoes!... Aqai otem,Sra.
D. Mara...
Angela bem quera esconder e seu pranto
do flda+go de Chaves que a contemplava
como espantado de l'amanha sensibilidade ;
mas a commoco venca o infundado receio
de denuneiar-se.
Senhor conde, dssse Pisarra; ras3o
tinha vossa excellencia para suppor que a
'Sra. D. Mara estava compadecida. Ella
ah est com o rosto eoberto de lagri-
mas.
Obligado sua compaixSo, obrigado
mil vezes, minba senhora Iagradeeeu o
ceg com a voz tremente.
Mara, disse Franciaeo, d ordem
qoe venha om caldo para o senhor conde.
-i- Eu n3o tenho vontade-, mas o meu
dever obediencia' ao medteocondecen*
aeo o conde.
E vossa excellencia jaotar um peu-
qumli) mais tardecontinuo Costa, diri-
gindo-se ao prenle do conde.
Eu vou rttirar-me porque me espe-
ram em Mont'Alegre, e almeeei para jao*ar
noe. Voltarei-aqu, se n d licenaa,
de tres em tres das.
Sempre que vossa excedencia queira
hoarar^-me. Depeie de manbaa ha de ser
operado o senhor conde. BBadei chaaiar
um ajodanle Chaves, e s eolio aqui es-
tara.
Retrou-se o fwiense, felicilaado o priaio
pela ventura de ter achado a-aeio detao
carobesa familia
Quando aqui estiver tpas-dias, coida-
rei oae a minlia disse e-eego tomaado
o cald das mes de Angela*, em quanto.o-
aona Ihe aconebegava as almeladas para-en-
cost- des bragos%
E, no correr d^ste lance, .Vctorina com
as mos postas, e os beigoe chegados s
pona dos dedo*, e a cabeja nm pouco in-
clinada, nao desfitava os 'olhos absortos da
cabeca de Simae de Noronha.
Estava ella comparando o gentil captao
de eavatlaria, mancebo dtos olhos negros
. tez morena, o fragueiro eagador que en-
sinava cavallos a galgar penedias, em. fim, o
gafbardo amante de D. Maa d'Antas. E,
quando a idea da velha tropegava n'esto no-
me; como n'um lomulo, quera ella- ver,
beira do ancio, o espectro terribusimo
dvoma mulher estrangulada.
n bem
JHBbera de
qoe ten
V-?e anda pela
3ue a laodwebr se
os quaes 489 Ho
ltimos contam-se t
dos pequeos^ estado*.
fez odiosa a sociedade para o infernar
dentro de si mejsmb?
Pois se racional reconhecer a Providen-TTM
cia na expiago de to longo praso, ser (fe$te c(
absurdo reconhecer-lhe a misericordia na^
quede' dilucido de cootentamentos, apos
quarenta annos de noite, de ira, de tedio,
< e atheismo, de remorso, e de inferno ?
Alegremente, pois, dizia o conde:
A Sra. D. Mara falla muto pouco.
A Sra. D. Joanna mais coiversadora.
Eu fallo pouco, senhor conde?...
Tenho um genio melanclico.. .disse An-
gela.
Ainda Ihe n3o disse, minha senhora,
que o seo metal de voz desperta-me recor-
dag5es tristes; e, n5o obstante, consolo-me
de a ouvir. Conheci o timbre da sua voz
nao vulgar em duas pessoas...
Angela e Joanna entre-olhavam-se sus-
pensas dos tardos dizeres do conde. Elle,
porm, recolbeu-se, abateu o rosto cabido
e como sbitamente macerado.
Est to triste, senhor conde !disse
Joanna. Nao queremos v-lo assim !..
NSo pense no passado. Lembre-se s de
que vae recuperar a sua vista...
Para ver sepulturas, e ver tambem
onde hei de abrir a minba...
Para ver as pessoas que lbe desejam
muitos annos de alegra, e urna minba
irma... Mara, outra sou eu, e men ma-
no. .. Aqui tem j vossa excedencia tres
pessoas que Ihe qoercm muito. <.
E eu sei quanto pode a coramiseragSo
em suas excedentes almas, minhas senho-
ras... Os incommodos que eu tenho j dado
para me n3o faltar nenhuma d'estas niqui-
ces de velho, e de ceg... A pobre Vctori-
na toda a noite, assim que eu gema, esta-
va ao meu lado.., Pens que era ella; que
d'uma ou duas vezes quem me fallou foi a
Sra. D. Mara, nao foi ?
Fui, senhor conde. Eu estava anda
p as minhas resas, e mais minha irma.
(Contin/mr-U-ha.)
-<<-

E estreitava convulsamente ao seio as
duas m3os do cavalheiro.
Est, bom... proseguio. elle com
satisfagao.mtou melhor... *aaffoguei...
iinlome fio bem I... Quem podera cho-
rar ama horaem cada daza de tortoras.
__j v vossa excellencia quinto Ihe se-
r a consolador! ama familia... Foi fetal o
perdimento de aaa fllha.
E vossa exceHeocu sabe que a perd ?
Sei por ter tido a honra de ouvir
fea pouco dizer ao Sr. conde.
Ah fui eu?...
m ; disse-me vossa excedencia qoe
a morrido.
- Nao ouso dizer a vossa senhoria que
remunerarei o que remuneraveldis-e o
conde;mas o maor numero dos seus fa^-
vores n5o se relribe dinheiro. m
O dinheiro hestas aldeas, Sr. conde
volveu Francisco n5o extremamente
petecivel, porque faltam c, ainda bem, as
tentagoes que o eocarecera.
Nao seireftectio o generalepmo
um facultativo de tanto merecimento se
aclimatou em Barroso I
A' procura d'uma subsistencia parca,
bastanlissima felicidade domestica.
Entlo aqui feliz ?
Mais do que dizem que se pode ser
neste mundo.
E' o primeiro homem que me respon-
de isto Imaravilhou-se o general volvendo
a cabega para o lado onde senta gente.
Nanea foi infeliz ?
Fui apenas infeliz Irinta e um annos.
E quantos tem ? 1
Trinta e tres, Sr. conde.
Enfio a" sua felicidade recentissima I
Enconlrou-a aqui ?
A perfeita, a inexcedivel encontrei-a
em Barroso.
Tem familia ?
Mulher, um filho e urna rm3a.
Sio as delicias da saa vida I... nSo
s3o?
Cortamente.. .responden Costa, es-
pantado do tom dulcissimo com que a
CONFIDENCIAS DO CEG.
Bata alvorogado o corago de Angela
I quando ao longe tilintava a. guisalbada da
liteira, em que entrava as Botinas o conde
de Gondar; Joanna e Vctorina, pasmadas
da casuaJidade, faziam considorcoes muito
religiosas sobre o caso.
Francisco sahira extrema da-aldOa para
guiar o litereiro: O eego, sabende* que o
doutor o viera esperan mandn parar o
vehculo, para aportar a mo do. seguod
creador da sua luz, tizia elle.
Carr-inuou Costa da par com a portinhola,
e tornou o velho nos bragos, quando a
liteira parou ao. porlo do quinteiro.
Angela e as oulras espreilavam das ja-
nelas. Viclorioa benzia-se, murmurando:
Ai I como elle est acabadinbo ( Quem
vio este senbor ha quarenta annos
Angela retrabio-se da janella para limpar
as lagrimas.
Subi o conde pelo brago de Francisco
os poneos degros saleta destinada.
A melhor alfaia di assento era ama pri-
guicera almofadada toda pressa pnr An-
gela e Joanna com um eolchozinho de 13a
e chita escarate, e dois travesseiros com
suas fronhas de folhos engommados.
Queira vossa excellencia sentar-se, e
reclinar-se, senhor condedisse o faculta-
tivo.Convir-lhe-ia melhor urna poltrona;
mas nao a tenho.
Isto magnifico Idisse o general
encostando-se eonfortevelmente.Que ar de
freso
ura tem esta casa I Parece que a feli-
cidade tem um aroma particular, primo Pi
SIrVnnuBUaTp'aTws a selvagem ndole I sarro Iajuntava o general vottado para
e do amante de Mara onde se lbe figurava estar o#fidalgo de
ives.Onde vossa excellencia me trou-
isto me ha de parecer o co,
__________________________________________Jr ver a casa e os beaaven-
^j que Vivem nella 1... Ainda me n3o
meo EntnJ m* u0nra de me PTM*r a su! se-
Ao outro da, o cirurgio foi ver os seus
anfermos no circuito de algumas leguas, re-
oommendando esposa:
S o qoe deves ser, minba,fllha. So-
peza o coragio, se o sentires mais pusil-
nime do- que eu desejo.
Conla comigo Francisco. Elle nao
me ve. oborar.
As (toas senhoras sentaram-se em frente
do canap, costurando as faixas e pannos
necessarios para a curatWe. Antoninbo aga-
linhava preguceira, e passeiava amparan
dose beira do estofo ou. aos joelhos do
ceg, que nunca o deixava passar sera, um
beijo. A creaaga, ra e guiadas, quando
vngava iliudiB o velhos^que se finga zanga-
do com o engao.
Quem seis das antes tivesse visto no pa-
lacete de Ponte o solitario ceg, de- fronte
abatida para o peto), bragos pendidos,, ou
agitados a espancar as trevas interiores em
busca de um lamoejo que Ihe deixasse en-
trever a vida d'alnj tmulo i Quem agora
o visan na casmha das Botica*, a brincar
com um menino, a rir das creancces que
o5o via, afolgarque Joanna Ihe descreves
se as cabanas da aldea, os trajos das bar-
rozans, a sua maneira de dizer, as bagatel-
las com que pessoas alegres costumam ali-
geirar as horas!
Esta incongruente transflgurago quem
a aperou. A esperanga da luz? o contac-
to da familia feliz"? a ofluencia mysterosa
do qae ha abi sem nome e sem idea nos
actos da Providencia *
Todo isto e o mais que possa occorrer
s almas intelligentes de esplritualismo, n3o
nos d a causa de fio capital mudanga.
Eu ousaria explicar ludo em pouco. A
palavra Deus abrange o incgnito de co e
trra, o incomprehensivel da alma, e o in-
sondavel lame de coisas que a ras3o natu-
ral, de pouco alcance mas inflexivelmente
orgulhosa, capitula de paradoxos. Dos.
Por qae nSo ?
Se Sim3o de Noronha delinquir, o acon-
te da justiga n3o Ihe estalava desde t
tente da ira, as I
Ihe apagn pri
fe? Nio Ihe
para o privar
OUCODETTJDO.
BELLEZAS L1BERAES. Urna folha ga-
ribaldina eontoo os ministros que a Anlni
tido nos ltimos nove annos de 1860 a
1861 e achou noventa I
Dos 2,8G8 assassinios perpetrado s em
18(57 nao chegou roetade o numero d'a-
quelles a que se aoharam criminesos; e
dos mesmos acousados nao ebegou ara oi-
tavo os que foram1 punidos.
A actual sessfco legislativa figurar cons-
picuamente nos annaes da criminalrade.
Os seus deputados : Sosani foi proceseado
por corrupgo e flsidade, Mattina por aa-
sassmio e sacrilegio, Genero por moeda
falsa>- Lobbia por simulagao de crime, InD-
na, Gkninini e Tambri pelas recentes trao-
sacgbes de vergonhosa corropc3o, Coccua-
zella per assassinio- d u commisark) do
governo.-
Por ootro lado oa estad1 desceram -um
estado eleploravel. De canto e triBt e
cinco esames de lyceos t ultimo anna es-
colar w> boave approvados Ireae.
Os presos existentes-na cadeas no auno
findo era 75,000.
Tendo a-polica lOtfWf- bamens ea gen-
da rmaria 20,000, nera; por ieeo esto se-
guras apropnedade e avida. A brigaada-
gem coaiiaa fio desaffogana que para*
combaier s3o postas pre^o as caaega
dos chafes.
O EXERC1T0 ALLEMAO FEDERAL.
Encontramos na Correpnd*o de Btrlih
a seguinte cariosa estatistica :
A forca do exercito allemo federal est
fixada aara 4871 em 2S)9t7Di boraens,. que
se dividem em 13 012 ofliciaes, 35:160 of-
ficiaes inferiores, 6:540 msicos, 5:058
tambores e cornetas, 245:714 simples sol-
dados,. 2,189 ajudantes do hospital, 71:430
operarios de administrag3o. A estes ho-
mens deve jontar-se 1:200 rirurgiSes. 507
pagaderes, 373 voluntarios, 454 armeros e
75 seMeiros.
O eiercito prussiano possue 73:318, ca-
vallos.
A infantera compe-se do 103 rgimen
tos (guarda e linha), 9* regimentos de linbe
de Saxe, 2 de Meckleraburgo, e i de Hesse;
ao ledo 188:943 bomens.
Existem alm d'isso 13 batalhas de ea
gadores (Prussia, Sax-e e Meckleroburgo)
que encerram 8,480 bomens.
A.infantera da laodwehr divide-se em
189 enmmandos prussianos, 17"saxoaio8,
4 mecklembarguezes e 2 hessenses, todos
de 3;514 bomens cada um o que faz ao
todo 200:937 bomens.
_,A-cavallara comprehende 52:786 bomens
Gom 55:803 cavallos.
A artilheria compe-se de tt)regimentos,
ao todo 21:867 bomens.
Alm d'isso, existe como artilheria de
sitio pela parte da.Prussia 9 regimeotos, 3
secgoes especiaos de fortalezas e ama com-
panhia de tiro j. pela parte de Sxe ;uma
secglo de fortalezas e urna secgab de art-
fices, o que perfaz ao todo 31:856 homens
e 10:049 cavallos.
A engenbaria conta 6,489 bomens dis-
tribuidos em 13 batalhBes : it prussianos e
1 saxonio.
O numero dos batalhoes de bagagem
de 13 : it prussianos e 1 saxonio; sao for-
mados por 2,925 homens e prvidos de
1,599 cavallos.
As cifras precedentes differem maito
pouco das do auno passado : mas os dife-
rentes corpos de tropa sao gropados de urna
nova maneira.
Pode notar-se primeiro que as tropas
dos pequeos estados conferados sao olha-
dos como prussianas, urna vez que nos 403
regimeotos de infantera enunciados estao
comprehendidos os contingentes da Thurin-
gia, e os tres regmentos de infantera for-
necidos pelo principado d'Anhalt, grab-da-
cado de Oldemburgo e ducado de Bruns-
wick.
Nos regimentos de cavaliaria prussiana
figurara igualmente os dragos de Oldem-
burgo e os nussars de Brunswick.
At agora as tropas brunswichenses, es-
pecialmente, tnham sempre figurado a par-
te ; parece pois que a sua situago foi mo-
dificada. Os nicos contingentes solados
s3o os da Saxe, dos dous Meckleroburgo e
da parte federal da Hesse.
Urna segunda Merenga entre a estatistica
de 1870 e a de 1871 resalta de que, n^sta
ultima, o contingente hessense figura com
om regiment de infantera, om de cavada
is bateras de artilheria, em qnanto
agora s fra representado por om
de infantera,
deve notar-se que a scelo de
O BOI GORDO t
navalescas a que os
feigoados e qoe vai panaann
mente de geragio a geragao, i
a do boi gordo.
Eis como a 7*fci infcanj
os curiosos pormenores d*i
que nao deixou de,
carnaval, inspirar algoaa
g3o da ordem em Franca :
Domingo leve logar o
dos bois gordos. Este corteja
que reuna perto de qaa'roeaunM
compunba-se *de dona baiedama
de grandes sabrs e vestido it
ros grotesco : om petotao
Pars ; um tambor-mr
tambores vestidos i
marcial com o traje do
Luiz XIII; um peofio da c,
dos a -Luiz XV ; o carro
escoltado por quatro
pelotao de soldado hogueueuai
do segundo boi com sena i
um pelotan de drague* G'
carro do comprador do
carro do abogao : om petoOn
teiros da rainha ; o carro da
por seis cavallos a jaezado;
de sattaceDoa vestido* e
de ago e capacetes renondnn ;
ftfos grotesco.
t Um pelota de drago** Al
carro myibologi ;o tirado por I
guiados por sotan, em qnw iaan
curio, Marte, Apollo, Tanate
quatro densas syaaboliaad a
cornada de florea #a*jate
eoroado de espiga d* nif *
campestres, o Outcnuo cana a
de ovas e (roclos, por
no, com a sua coro da
de soldados gauteze; na
coa vestidos con o traja 4
corte de Lois XV, toeano
/
antean; wtm atente
larca* it
um pelotao de guardas
fim ama esquadra da
pe loio-de guardas r
coes.
j prnaarn boi
Trembter, noane do
o segundo Pbrt-Sad,
mand, eoquart Amoral W.
FRAN.A.Danao em
rio dirigido a
pelo miaistro do
ValdromOr acarea da
perio :
c Senbor.A
V. M. cana de
modificagee
lo administrativo.
c NSo se -poete, ana anea
consequenca, ate a
larga e sincera
continuar a prvM
ioieresees, on-
tunos.
. AnerMiiaaana
urna idea aoan pasa V.
efectivameataa
da 1863, na sua
dente do cnsala da
O nosso s;
zar das suas v
iDConveoieata da preda ra nem
regularaenlaco. Coano
mos remediar este
resta muto a fosar. Qnte'nu
cessante da adoaistracin- *
nidade de couaaa,
mas agora;a nao
< Estas prova
progresso que
que importa reaiisar
Fazer toaaar
possivel da eididos
respOQsabilidade dos
ao poder ceolral
para maoter a seguraaca
do estado : fortalecer a
parlamento a da
'-- que podan*
sago aciar^lo distrido e
curar a parte das
devera ser concedidas aoa
tivos; tal o prog
por-vos.
Vanbo pedir ao
urna commissaes qon
par dos tomaos q
oceupados, debajxo da pan*
rico, da descenlral sacio,
adquirido pela praca atei
nhecimeoto profundo da*
trativas.
t Esta commisso, qne
em snb-commisses.
qperilo junto daa a
e fura d'ellas ; proo
dos paiaes vizinbos o
ver de appicavel ao
documentos proprios
suas discassoes, para
verdadeira luz o granate
ceatrglisagao, e preparar
mente, coordenana a r
dagagoesem osa
enumeranam, eaa deltete.
empreheoder.
A commissao ate
tsria daade ji a naso n
os seas estados ans
terminado* os san*
mos, ea a os mais
poi convertido esa i. ^fl
propoitas, que linha per I
recer os inconveaientas da
tralisagao.
t Se V. M. sa
denle relaiork),
ministros fariam para*
composta da segniota
c Seguem na
commissao, sendo
Odiloo Barrot,
i A commissao
viduos, dos qnm
nove secretarios
f O relato*
tos do esiylo ro
pelo ministro
ministro, e tem j
rador.
PllJt|e>-teA

1


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EVV07A3DY_VOMDPH INGEST_TIME 2013-09-14T02:32:31Z PACKAGE AA00011611_12080
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES