Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:12078


This item is only available as the following downloads:


Full Text


ANNO XLVI. NUMERO 72. W *f> opwM b ic.,ri *fi
}
PARA A CAPITAL E LCABES OSDE IAO SE PAGA PWTE.
*or trfi mezes adiantados....... 6,5060
or.se3 ditos dora .... ..........'...*' 120000
*or um anno dem................... 24.J00O
Ladi mumero avalso ...,,. 320
DIARIO

** 9QJNTA. FEIR 31 DE lAR&ft K 1870
PAKA DITBO l TORA DA P10VHCIA.
Por tres meses-aiantaos ..........
Por seis ditos dem...........'.'.'.II'.
Por nove ditos- dem ... .......' _
Por um anno dem .
. | .-^v.**
Propriedade de Manoel Kgueira de Faria & Elhos.
* A f-
W780
iO00
26*280
aiooo
Os Srs. Gerardo Antonio Alves Filhos, no Para ; Goncalves A Pinto, no Maranho
SAO AGENTES: *
n A u h!U*m Jos de 0,iveira' n0 Cear ; AafcoI de t** B8fc Aracaly ; M, Mara Julio Chaves, no Ass ; Antonio Marqne a Silva, no Natal; los Jostio
Pere.ra d'AJme.da, era Mamanguape; Antonio Alexandriao de Lima, na Parahyba ; Antonio Jos Grites, na Villa da Penha; elarmino dos Santos Buido, era Santo Antao; Domingos Jos d Costa Braga,
em Nazareth ; Francisco Tavares da Costa, em Alagoas; Dr. Jos Marlins AWes, na Babia ; e Jo Ribeiro Gasjiarinho no Rio de Janeiro.
.. -----------------------------------------------* "--------------- ----------------------..... ^ ---------------- ___________________________
PARTE OFFICIAL.
Governo da provincia.
Xl'EDIENTE ASSIGNADO PELO EXV. SR. SENADOR FRE-
D3RIC0 ALMEIDA E ALBL'QURRQR FRESTOENTE DA
PB.0.VIXC1A, EM 16 BE FEVERSIR0 DE 1870.
1' seccao.
N. 522.Portara ao Exm. Sr. general cominan-
Jante das armas.Nesta dala recommendo ao te-
nenie de engenheiros encarregado das obras mili-
tares que orce a despeza a fazer-se com os con-
certos necessarios as estivas e mangedoras da
coxia do deposito especial de inlrucco, como V.
.Exc. solicita em seu oficio de 11 do corrente sob
a. 8o, a que respondo.
(t. 533. Dita ao mesmo.Em resposta ao seu
oficio da lo do corrente sob n. 90, tenlio a dizer
que em oficio de hontem a V. Exc. dirigido, re-
solv o qne convm fazer, acerca da cavalhada do
deposito espacial de instracco.
N. 534.Dita ao inspector do arsenal de mari-
nha.Dstermine V. S. um machinista e nm fo-
guista desse arsenal, que no da 33 deste mez se
apreseatem ao delegado do termo da Escada (para
o que van os inclusos passes) atim de procederem
a aiu oxame para 9 descobriraento da verdade? so-
bre o Tacto da morte produzida pelo trem da via
frrea no dia 7 do mez prximo lindo, em urna
preta.
N. 525.Dita ao capito do porto.Nao convin-
ao que fique pertencendo a guarnico do brgue
barca llamarae o recruta Melchiades Bernardo
Barros, como V. S. declarou-me em seu oficio de
14 do corrente sob. n 19, faca-o seguir para acorte
no va)or Arinos que se espera do norte com o de
nome Bernardo Jos Patricio que foi julgado apto,
para o que flcam expedidas as convenientes ordens
aos respectivos agentes.
2' seccao.
N. 527.Dita ao mesmo.Providencie V. S. de
modo para que seja capturado o guarda de que
trata o oficio junto por copia do commandante su-
perior interino da guarda nacional do municipio
de Goianna de 1 do corrento.
N. 528.Nos termos do i 4 art. Io das instrac-
ooes do ministerio da fazenda de 30 de dezembro de
W>, concedo aVme.aulorisaco que pedio em seu
oficio de 8 do corrente, para dividir em lotes me-
nores a comprehens i denominada Caric do ex-
melo vinculo de ltamb, do modo mais conveni-
ente aos interess&s da fazenda.
N. 539.Dita ao commandante do corpo provi-
sorio de polica.Ple Vmc. engajar no corpo sob
o seu commando o paisano Argemlro Gomes da
Silva de quem trata o seu oficio de li do corren-
te sob n. 65, tendo para isso a necessaria iJonei-
dade.
3* seccao.
N. 530.Portara ao inspector da theeouraria
de fazenda.Depois de liquidados, em vista da fo
Iba e pret junios em duplcala, mande V. S. pagar
a J ao Baplista de Medciros, conforme solicitou o
ommandante superior do municipio do Breio, em
ofi'io de 2 docarrnte, o vencimentos relativos
ao mez de Janeiro ultimo, dos guardas nacionaes
destacados naquella villa.
N. 531.Dita ao mesmo.Mande V. S. liquidar
e pagar cm vista do pret, junto em duplcala, que
tne remeltiu o brgadeiro commandante das armas
com oficio de boje sob n. 92, os vencimentos rea-,
livos a 1* quinzena deste mez, dos prisioneros de
guerra paraguayos.
V. 332.Dita ao mesmo.Transmuto a V. S.
o incluso pret um duplcala, que me remelleu o
brigadero commandante das ermas, com oficio de
hoje sob n. 93, afim de que mande liquidar e pa-
gar os vencimentos relativos a 1* quinzena deste
mez, das pracas empregadas no deposito de re-
crutas.
N. 33.1Dita ao mesmo.Mande V. S. liqui-
dar e pagar, en vista do pret junto em duplcala,
que me remelteu o commandante superior deste
municipio com oficio de hoje, os vencimentos re-
lativos a 1* quinzena jeste mez, das pracas do !
batalhao de artlharia aquartelladas no Hospicio.
N. 534.Dita ao mesmo.Nos termos do 4
art. 1 Jas instruccoes do ministerio da fazenda de
30 da dezembro d 1863, autorisei o juiz dos feitos
la fazendara dividir em lotes menores a compre-
henso denominada Caric do extinelo vinculo de
ltamb, o que communico a V. S. para o seu co-
nhecimonto.
N. 535.Dita ao inspector da thesouraria pro-
vincial.Expeco V. S. suae ordens para que sejam
liquidados, em vista da inclusa foi ha em duplcala
e pagos Manoel Hilarano do Gjuvca, conforme
solctou o commandante superior do municipio do
Rio Formse, em oficio de 3 do corrente, os ven-
cimentos dj offl.-ial commandante do destaca-
mento de guardas nacionaes existentes naquella
cidade, a contar do 1' a 21 de dezembro do anno
passado.
N. 336.Dita as mesmo.Em vista das pmJe-
raeoes feta> pola professora de instrueco primara
da freguezia de S. Fre Pedro Goncalves do Reci
fe, Emilia Gandida de Mello Luna, no incluso re-
querimento, e nao precisando os professores de
primeiras lettras de exercieio para, durante o lem-
po das ferias, ter m direito a percepcao de seus
vencimentos, recommendo a V. S. que mande pa-
gar integralmente os vencimentos da supplicanle
por occasio das ferias do natal, depois que se ven-
cea o tempo da priraeira lcenca, que obteve, e em
cojo goso entrou cm 8 de outnhro ultimo.
N. 337.Dita ao mesmo. Providencie V. S.
para qne depois de liquidados, em vista do malus*
pret em duplcala, os vencimentos relativos ao
mez de jaaeiro ultimo, dos guardas nacionaes des-
tacados na cidade do Rio Formoso, seja a sua im-
portancia paga conforme salicitou o commandante
superior daquelle municipio, em oficio de 7 do
corrente.
N. 538.Dita ao chefe das obras publicas.
Tendo Vmc. sido nomiadopelo delegado de polica
do termo da Escada, para o exame que se tem de
proceder para o descobriraento da verdade sobre
o facto da morte producida pelo trem da via frrea
qo dia 7 do mez prximo passado, em urna preta,
delermino-lbe que no dia indicado se aprsente ao
ne3nn delegado naquelle termo para o fim indi-
cad'', o que Ihe communico para o seu conheci-
mento e 4reccao.
4* seccao.
N. 5i0.-Portara ao regedor do Gymnasio.
Em vista de sua informacao de 15 do corrente,
sob n. 133, mande Vmc. admitlir no Gymnasio
Provincial, como ouvinte, at que possam ser ad-
mitidos como* alumnos externos, o orpho Alfredo
Ovidio da Silva, eomi alilhado de Francisco Pinto
le Carvalho, e Xsto Xavier da Cruz, filho de Fran-
ewco Xavier da Cruz.
N 541.Dita aos agentes da Gompanhia Brasi-
l/ira de paquete a vapor.Os Srs. agentes da
onfpanhia brasileinr de paquetes manJem dar
transporte para a corl^por conta do ministerio da
marinha, no vapjr Afinos, que se espera do norte,
ios recrutas Manoel Melchades Rernardo Barros, e
Bernardo Jos Patrie
N. 'i3.Deliberacao.O presidente da provin-
cia, era vista da lista apresentada pela sociedade
henellcente Dmete de Janeiro, tata oficio de 11
do corrente, e do que djppde o i 5* do art. 29 do
decreto n. 3711 de 19 de dezembro!e 1860, re-j
solve nomear o Dr. Jos Bernardo Galvio Alcofa
rali, para presidente da mesma so
n. 111, tedio a dizr que acabo de designad
engenheiro Antonio ViciiiteduNascimento Fciti-
sa, para fiscalizar as obras da allandega des'.a ca-
pital, arrematadas por Francisco de Carvalho de
Anlcade Brandao, e de que trata o citado ol-
licio.
X 563.Dita ao mesmo.Pode V. Sv eoaforme
ntica com sui infnr^,^^ ^ q. j correle, a.
ara que no dia 22 Jo corrente se apfe- 100, acerca do requerimento que incluso devolvo
dolegado^do polica do termo nos termos do decreto n. 2.884 do l" de fevereiro
de 1862, a quanta de 90*500 em que segundo o
parecer da contadom dessa thosourara, importa
a etape que tem de vencer at jnnho prximo vin-
J juro Mara Candida Villuta, mai do voluntario da
patria, Presciliaho Candido Jacintho, visto nao ha-
ver credilo para pagamento dessa etape, como se
v do mencionado-parecer.
N. 564.Dila ao mesmo.Communico a V. S.
para seu conhecimento e flns convenientes, quo
o Sr. F. Linden, cnsul da Confederaco Snlssa.
reassumira o exercieio de suas funeces no dia
30 de Janeiro ultimo, como me participen em of-
(Icio de 31 do citado mez.
N. oGo.-T-Dita ao inspector da thesouraria -pro-
vincial.Tendo por despacho desta data, e em
vista de sna informacao de 9 do corrento, sob n.
82, autorisado o coadjutor pro-paracho da fri^ue-
zia de Pao d'A'lho, padre Antonio Domingos de
Vasconcelos Aragao, a despender at a quanta
de 861 510 com a conslruccao das obras da res-
pectiva matriz, sendo indemnizado dessa impor-
tancia depois de prestar nessa reparlicao as res-
pectivas ontas, com o beneficio da 2* parte da
lotera concedida as mesmas obras qne se acha
depositado nessa thesouraria, assim o communi-
co a V. S. para sen conhecimento.
N. 566,Dita ao mesmo. Declaran Jo-nao o
chefe da reparlicao ds obras publicas em oficio
de hontem, sob n. 40 que, para achar-se no ca*o
da serem recebidas definitivamente as obras' do
1 laoco da Victoria Grvala, mandara lavrar o
respectivo termo de entrega, e o competente cer-
lllcado, assim o communico a V. S. para seu c-
nhecimenlo e devidos effeilos.
N. 567.Dila ao mesmo.-Mande V. S. liqui-
dar em vista da inclusa conta em duplcala, a
despeza feta com o forvecemento Je luz e agua
para o quartel do destacamento do termo de San-
to Anto, duranle o ntei de jan.Mro ultimo, e pa-
Sar a sua importancia a Flix de Pigueira Pa-
las conforme solicitou o chefe de polica em of-
iicio de 43 do corrente sob n. 237.
N. 568.Dita ao metmo.Postoque, em con-
ferencia verbal j V. S. manifestaste a esta pre-
sidencia sai tpiaiao sobre a conveniencia de res-
cindir o contrato celebrado em 33 de mato de
1866 com Eduardo Mornay, para um ramal de
tramawvs, em vista do estado inaoceiro da pro-
vincia, faz-se necessario e reeomman Jo-lho que o
faca per escripto.Igual ao procurador Fiscal da
mesma Ihesouraria ftnutatit nntanlisj.
N. 369.Dita ao chefe das obras publicas.
lnteirado pelo seu oficio de hontem sob n. 40, de
haver Vmc. mandado lavrar o terme de oirega
diflu ti va das obras do 1 lanco da Victoria Gr-
vala, e passar o competente certificado ao res-
pectivo arrematante; acabo de dar sciencia disto
a thesouraria provincial, para os flns convenien-
tes, ficando assim respondido o citado oficio.
4" seccao.
N. 370.Portara a cmara muuicipal do Bom
Conselho.Declaro a cantara municipal da villa
do Bom Conselho, que vai ser presente a assem-
bla legislativa provincial na sua prxima reunio
para ser tomado em consderacao o oficio de 39
de Janeiro prximo Ando, em que essa cmara ex-
pe os melhoramenlos raateriaes de que necessita
o seu municipio.
N 571.Dita ao engenheiro encarregado das
obras geraes.Tendo designado Vmc. para fisca-
lsar as obras da alfandega desta provincia, arre-
matadas por Francisco de Carvalho de Andrade
Brandao ; assim Ih'o communico para seu conhe-
cimento e fins convenientes.
N. 572.Dila ao gerente da companhia Pernam-
bucana.O Sr. gerente da companhia Pernambu-
cana mande dar urna passagam de estado at Pe-
nedo, no vapor que para all tem de seguir no dia
2 de marco vindouro, ao respectivo promotor pu-
blico Dr. Luiz de Souza da Silveira.
N. 373.Deliberacao.O presidente da provin-
cia atlendendo ao que requercu Thomaz de Car-
valho Soares Brandao Sobrinho, arrematante da
obra do enchiment das columnas da ponte Sele
do Fctembro, e tendo em vista a informacao do
engenheiro encarregado das obras geraes de 12
do corrente, resol ve prorogar por quarenla das
o praso marcado no respectivo contrato para con-
clusa) da relerida obra. Esta ser apresentada as
estacos competentes para ter a devida execucao.
EXFgDUBRl ASS1GNAD0 PELO SR. OFFICLAL-MAIOR DR.
A.VTO.MO ANNES JACOME PIRES, NO IMPEDIMENTO DO
SECRETARIO LVTERIN'O DOGOVERXO, KM 17 DE KEVE-
BEIRO DE 1870.
2' seccao.
N 574. Oficio ao Dr. chefe de polica.O
Exm. Sr. presidente da provincia manda declarar
a V. S. que per deliberacao desta data foi exone-
rado do cargo de subdelegado do districto de S.
Vicente, do tormo de ltamb, o cidado Peiro da
Cunha Cavalcanli, em vista do oficio de V. S. de
14 do corrente sob n. 223.
N. 575. Dito ao mesmo. O Exm. Sr. presi-
dente da provincia respondendo ao oficio de V. S.
datado de 15 do corrente e sob n. 227, manda de-
clarar que a thesouraria provincial tem ordem pa-
ra pagar a Flix de Figueira Faria, a quanta
de 15*080, constante do citado oficio.
N. 576.Dito ao mesmo. O Exm. Sr. presi-
dente da provincia manda declarar a V. S. que li-
cou ileirado por seu oficio de 16 do corrente
sob n. 233, de ter a 11 desle mez se redozido a
nm inferior e dez pracas da guarda nacional o
destacamento da cidade de Caruar de conformi-
dade com a ordem expedida a 3 de dezembro pr-
ximo passado.
N. 277.Dito ao commandante superior da guar-
da nacional de Flores. S. Exc o Sr. presidente
da provincia manda declarar a V. S. em resposla
ao seu offl.'io desta data, que a thesouraria de fa-
zenda tem ordem para pagar a Manoel de Azeve-
do Andrade, os vencimentos constantes do citado
oficio,
4a seccao.
N. 578.Oficio a cmara municipal da cidade
da Victoria.De ordem de S. Exc. o Sr. pr. siten-
te da provincia communico a cmara municipal
da cidade da Victoria, que vai ser presente a as-
senbla legislativa provincial em sua prxima
reunio, o projecto de postura addicional que
acompanhou o sea oficio de 10 do corrente.
EXPEDIENTE ASSIGXADO PELO 0FFICIAI.-MA10R 0 SB.
DR. ANTONIO ANNKS MCOMK PIRES NO IMPEDIMEN
TO DO SECRETARIO DO GJVERXO, EM l(i DS'FEVEREI
RO DE 1870
2' seccao.
N. 543.Oficio ao Dr. chefe d.i polica.Da or-
dem do Exm. Sr. presidente da provincia decla-
ro V. 3. que ttcara dadas as necessarias provi-
dencias, par
sentem ao
o engenheiro e chefe da repartir > das obras pu
blicas e o machinista e foguista do arsenal de ma
rinha, para procederem ao exame de que trata
o oficio de V. S. de li do corrente, sob n. 219.
N. 5i4.Dito ao commandante superior interino
da guarda nacional de Goianna.De ordem do
Exm. Sr. presidente da provincia, declaro V. S.
que nesta dala se expedio oniem para ser captu^
rado o guarda de que trafa o oficio de V. S. de 1
do corrente.
N. 545.Dito ao eimmanJante superior da
guarda nacional do Brejo.S. Exc. o Sr. presi-
dente Ja provincia manda declarar V. S., em
rosposta ao sen oficio de 2 do corrente, que a the-
souraria de fazenda tem ordem para pagar a Joao
Baplista de Mederos os vencimentos constantes do
citado oficio.
N. 546.Dito ao commandante superior da guar-
da nacional do Rio Formoso.S. Exc. o Sr. pre-
sidente da provincia manda declarar V. S. em
resposta aos scus oficios de 3 e 7 do crreme, que
a thesouraria provincial tem ordem para pagar
a Manoel Hilario de Goava os vencimentos cons-
tantes dos citados oficios.
EXPEDIENTE ASSIGNADO PELO EXM. SR. SENADOR FRS-
DERtCO DE ALMEIDA E ALBUQUERQCS, PRESIDENTE
DA PROVINCIA, EM 17 DE FEVEREIRO DE 1870.
1" seccao.
N. 5i3.Portarla ao Exm. Sr. general comman-
dante das armas.Maule V. Exc. por em liberda-
de o recruta Manoel dos Santos Reg, visto ler
pro vado isencao legal.
N. 549.Dita ao capilo do porto.Communico
V. S. para seu conhecimento, que o Sr. F. Lin
den, cnsul da confederaco Suissa nesta provincia,
reassumira o exercieio de suas unecoes no di a
30 de Janeiro ultimo, como me participa em oficio
de 31 do citado mez.
N. 550.Dita ao Sr. F. Linden, cnsul da Con-
federaco Suissa.Pelo oficio que me dirigi o
Sr. F. Linden, wnsul da Confederaco Suissa, em
data de 31 de Janeiro ultimo, (ico inteirado de que
o mesmo Sr. cnsul reassumira o exercieio de
suas (uaccoes no dia 30 do citado mez, do que dou
sciencia s e-tacSes competentes. Aproveitu a oc-
casio para renovar ao Sr. F. Linden 01 protestes
de minha perfeita estima e distncla consderacao.
N. 551 Deliberacao.O presidente da provin-
cia, atlendendo ao que requereu Antonio Francis-
co Ignacio de Jess porteiro do arsenal de mari-
nha, e tendo vista a informac) ao respectivo
inspector, datada do Io do corrente/sob a. 1898,
resolve conceder-lhe dous mezes de. licenca com
ordenado smente, para usar d'ella dentro da pro-
vincia.
21 seccao.
N. 552.Portara ao Dr. chefe de polica.Trans
nutto V. S. o oficio junto por copia do juiz muni-
cipal do tormo de Ipojuca, de 15 do corrente, para
dar com urgencia as providencias necessarias com
relacao aos fados, de que trata o mesmo oficio.
N. 533.Dita ao mesmo.Nesta data levo ao
conhecimento do governo imperial, por iuterraedio
do Sr. ministro dos negocios estrangero?, o facto
de que trata o seu oficio n. 331 de 15 do corren-
te, relativamente ao italiano Antonio de Lucas,
para que sejam dadas as providencia; que o mes-
raogoverao imperial julgar convenientes.
N. 53i.Dila ao mesmo.Communico V. S.
para seu conhecim>nto, que o Sr. F. Linden, esn-
sul da Confederaco Suissa nesta provincia, reas-
sumira o exercieio de suas funecoes no dia 30 de
Janeiro ultimo, como me participouem oficio de
30 do citado mez.
N. 333.Dita ao commandante superior interi-
no da guarda nacional do Recife.Nesta data ex-
peco orJem ao brigaJoiro commanJante das ar-
mas, mandando por em liberdade o guarda do 3o
batalhao de infamara deste municipio, Manoel dos
Santos Reg, como V. S. solicitou em seu oficio
Je iS do corrente, sob n. 33, a que respondo. >
N. 556.Dila ao juiz municipal da 1* vara
desta cdade.T-Envio a Vmc. as guias juntas dos
sentenciados Antonio Alves dos Santos, Joo Lo-
pes Damaceno, Estanislao Nunes da Silva, Jos
Barauna de Barros, Miguel Angelo Je Moraes e
Francisco Maltos J Luna, que pelo juiz Je Jirei
lo Ja comarca Je Flores, foram remettidos a esta
presidencia em oficio de 39 do mez lindo, afim
de que substituam as irregulares que estao no pre-
sidio de Fernando, onde tambera se achara cum-
prinfloas respectivas penas, ditos sentenciados.
N. 557.Dita ao juiz municipal de Ipojuca.
Em resposta ao seu oficio daiado de 13 do cor-
rente, tenho a dizer-lhe que nesta data remciti
dito oficio ao Dr. chefe de polica da provincia,
para dar cura urgencia as providencias nece-sa-
ras, relativamente aos fados que Vmc. trouxe ao
meu conhecimento. Convm porilni, previni-lo
de que achaado-se esta presidencia int-iramente
resol vida tunar todas as providencias, a empre-
gar todos os seus esfonjos para garantir a pessoa
e a propriedade dos cidados, toJavia nao exorbi-
tar de suas attrnuicoes, ngerindo-se as do
poder judiciaro, independente como do executi-
vo. Assim pois, cumpre que Vmc. no desempenho
de seus deveres, e obrando sempre com todo cri-
terio, prudencia e imparcialidade, para o que
deve contar com todo o apoo da presidencia, nao
procure envolver a mesma presidencia nessa ques-
to civil, Aratangil to antiga, e que tanto ha in-
commodado a alguns de meus nobres anteces-
sores.
N. 338Deliberacao.0 presidente da provin-
cia em vista do ficto do Dr. chefe de polica, n.
225 de 14 do corrente, resolve exonerar do cargo
de subdelegado do disiricto de S. Vicente, do ter-
mo de ltamb, o cidado Pedro Ja Cunha Caval-
canli.
3* seccao.
N. 559 Portara ao inspector da thesouraria
de fazenda.Passo as mo de V. Exc. para ser
tomado na consderacao que rcerecer o incluso re-
querimento, em que o 3o escriturario da alfande-
ga desta capital, Heliodoro Ferreira da Cruz, so-
licitad mezes de licenca com todos os seus ven-
cimentos para tratar dsuasale onde Ihe conver.
Acerca d'essa preienco refirio-me as informacSes
juntas por copia, ministradas pelas estaedes com-
petentes.
N. 560.Dita ao mesmo.Communico a V. S.
para os devidos flns, que segundo participou o
Dr. chefe oe pelicia em oficio n. 333 de 16 do
corrate, 11 desle mei, fiou rsduzido a um in-
ferior e 10 pracas, o destacamento da guarda na-
cional da cidade de Caruar de conformidade
com abortara de 3 de dezembro ultimo.
N. 561.Dita ao mesmo.Autoriso V. S. nos
termos de sua informacao de 14 do corrente, sob
n. 113 com referencia a da contadoria dessa ihe
souraria, a mandar pagar era vista da folha, rela-
cao nominal e pret, que devolvo em duplicata a
Manoel d'Andrade e Azevedo, para esse m indi-
cado pelo commandante superior do municipio de
Flores, em oficio sem data, a quantia de 8461380
proveniente dos vencimentos relativos ao mez de
dezembro do anno prximo passado, do oficial e
pracas da guarda nacional destacados n'anuella
villa.
N. 562 Dita ao mesmo.Em resposta ao ofi-
cio que V. S. me dirigi em 14 do correnfe sob
Francisco Ribeiro. Machado.A' {vista da
inwrmacao nao tem lugac o quo repuer.
*we Pedro de Souzalr-fnforme 0 Sr. i
_ Souza*informe o Sr. aajor di-
rector do arsenal do guerra.
Jos Marmho de Hollanda Falco.Infame o Sr.
'^ante-coronel commaadante do corpo provisorio
^ -licia.
ao Jw da Fon*e.Informe
da thesouraria prosiacial, ouvindo o procurador
fiscal.
Leonardo Gomos, de Mello Cavalcarie.Informe
o Sr. inspector da, thesouraria de razanda.
Manoel Francisoo dos Rcs.-Ao Sr. inspector
da thesouraria de anna cora a sortaria desta
data.
Joo Olympio- Eraeterio de Faria.Informe o
sr. commaodaa do corpo de polica.
Jos Antonia de Leao.Revalide o presente ne-
querimeuto e mappa que juntou.
Vgario Trujano de Figueiredo Lmu.Dirija-se
ao Sr. inspector da thesouraria provincial.
L
(ainiuauJo das armas.
QUARTEWE.NEftAL DO COMMANDO DAS AtMAS- NA
PIMMUNCl.V DE PERXAM8UCO, 30 DE MARCO
DE 870.
Ordem do (Ha n. 464.
O brgadeiro commandante das armas publica
para conhecimento da gjarnicaj c devidos effei-
los o seguate :
1. Qne a presidencia concedeu por portara de
7 do corre te mez, tres mezes de Ueenca de con-
formidade com o art. 5o 7 do decreto n. 3,379
de 3 de janeiro de t866, e nos termos dos arta. I $
1 e 4 12 do mesmo decreto ao Sr. 1* lente de
artillara e capio'em cororoissao do 4o corpo pro-
visorio da mesma arma Antonio Bezerra Teixeira
Cavalcant, para tralamento de saJe.
3. Que na da 13 deaje mez embaroou no va-
por Cruzeiro do Sul com destino a curte o Sr. te-
nente do 9 batalhao do infamara Amonio Fran-
cisco de Mello.
3. Que a 23 apresentaram-se neste quartel ge-
neral, vindo; da corte os Srs. maior Francisco
Rjrges de Lima, capito do 11 batalhao de infan-
laria Manoel Joaquim Bello, e capito em coaimis-
so Luiz Francisco de Paula Alququerque Mara-
nho, aquelle com quatro mezes de licenca con
cedida por S. A. o Sr. condo d'Eu, pof portara do
28 de Janeiro ultimo, para Tratar de negocios de
sna familia, e estes com dous mezos de licenca
concedida pelo governo imperial para tralamento
de sado, devendo a ambos ser descontada pela
quinta parte do eoldo a respectiva importancia da
passagem que por conta do ministerio da guerra,
se Ibes mandou dar da corte para esta provincia, a
bordo do vapor Yocantins, segando commuoieoa o
Exm. Sr. conselheiro tenente-general aiudante, ge-
neral do exercito em oficios de 11 e 12 ludo des-
le mez.
Outro sim, determina o mesmo brgadeiro, que
na manha do da de abril vindouro, se passe
revista de mostra em seus respectivos quartes a
compr.nhia de operarios militares do arsenal de
guerra e deposites existentes nesia provincia pela
ordem segrate :
As 6 horas a companhia de operarios, as 6 1/2
ao deposito especial de instrueco, as 7 ao de re-
crutas e as 7 e 1/4 ao dos prisioneros d9 guerra
paraguayos.
AssignadoJoaquim Jos Goncalves Fontes.
ConfirmoEmiliano Ernesto de Mello Tambo-
rim, tenente ajudante de ordens encarregado do
detalhe.
porta.os nosso p/nprios productos aogranle in-
terposto inglez. E dalli que o pavilho nglez
os toma para osaspalharnor todos os pontos do
globo.
Dizem-nos que o nona commercio oom a ingla-
fewa tem aogentado. Assim augmentou de
metade, mas ^rque mcios ? Cora a rowa da nos-
e Snrwspector swnawgac.offllercante. E e;te augmento do cdih-
raercio d a medida do mal que tornea.soffridn. Di
urna verdadeira calamdade fazeis asdamplo de or>
gulhoesatfcfaeaot
Tenho, discursado sobre todas as indnstrias, que-
ro termina/ por algumas generalidades. incon
testanel que as nossas industrias texis esto sof-
frendo, que a industria do algodosobre todas est
em pongo que urna parte, digo s.uraa parte, dos
nossos lanificios est ameacada ; qpe a nossa me-
talurgia passou pela mais grave das revolneoes,
proveniente da snppressao do ferro tratado "pela
lenha o pela substtucao Jos fennos da Suecia. J
A nossa agricultura est exposta ao duplo pri-
co de ver desapparecer a parte-melhor do seu ga-
do, que sao os carneires, as aegjoes quemes que
formam os quatro quintos do territorio; e de nao
poder Supportar a concurrencia dos cereaes oom
o preco que estes teem nos mercados ioglezes.
Erafim, a nossa marinha mercante erta entregue
como victima a todas as marinhas do mando. J
so nao constrae em Dnnkeyie seno navios para
a pesca. Aeabaram as construceSes no Havre, era
Brdeos e era Marselha.
E exclaman) que prospera a nossa situacao I e
aeerescentam : Reparai nos algarismos : desde
1860 o nosso commercio tem dubrado. Em primei-
ro lugar, esta assercono exacta. 0 commer-
cio nao tem dobrado. Reconheco todava quo lem
augmentado muito e Resto ponto* confesso o vosso
triumpho.
Indicam-se os algarismos dos, raappas das alian-
degas e aqu tentles arada oulrb triumpho. Mas
preciso nao dissimular a verdade envolvida nesies
algarismos.
O commercio especial da Franca antes de 1860,
EXTERIOR.
FRAX(,A.
Discurso de Mr. Thlcrs cm fa-
vor di denunciaco do traa-
do dcconitnercio com a logia-
ierra.
(Concluso.)
Apezar d'isto, todos os dias se repete : Supprimi
os odiosos e horriveis regulamentos de Colberl
e nos navegaremos a vella, com as mesmas van-
tagens das outras naedes. E' isto um grave
erro.
Queris saber qual a economa quo resultava
para a marinha dessa snppressao que requereis?
J homens competentes a indicaran). Esta econo-
ma chegava a
DESPACHOS DA PRESIDENCIA DA PR0VLVCIA DO DIA
28 DE MARCO DE 1870.
Alfredo Alves Pacheco.Informe o Sr. inspector
Ja thenforaria de fazenda.
Flix Ramos Luceleer.Dirija-se ao Sr. inspec-
tor da thesouraria provincial.
Coronel Francisco Joaquim Pereira Lobo.Ao
Sr. inspector da thesouraria de fazenda para de
novo informar em vista das razoe* allegadas pelo
supplicanle neste e no anterior requerimento, que
para esse flm se juntar.
Irmandade do Senhor Bom Jess dos Passos
erecta na matriz do Corpo Santo.Vo ser expe-
didas as convenientes ordens.
Joo Jos Ferreira.Xeca-M
A viagem do um navio para a Inglaterra custa
60, 70, e 80,000 francos e produz, sendo feliz 130
ou 140,000 francos.
A economa para o armador, em resultado de
todas estas suppressoes, seria portanto de 500 a 600
francos.
A verdadeira causa da enfermidade da nossa
marinha mere inte est na falla de fretes de sabida.
A nossa principal exportaco consiste em materias
de pouco peso, em artgos de luxo. Tres ou qua-
tro vapores s?o bstanles para levar os nossos mais
formoso- producios importando em centenas de
milhoes.
Esta loucnra, a que chamara a prole;co, tinha
o proposito de assegurar fretes nossa marinha
por meio de direitos differenciaes.
Quando um navio ia buscar os productos aos
paizes de prodcelo para os transportar para
Franca, pagava por isso direitos menores que, se
os fosse carregar aos interposlos ioglezes ou hol-
landezes; e por isso que elle tntu vantagem em
ir prucurar os gneros coloniaes Java, India,
ou ao Brasil, em vez de traze-los de Londres, de
Rotterdam, ou de Anvers. Eis aqu os resultados
das direitos diffireuciae3 de interposto ou de pro-
cedencia.
Ouanio ao direito diferencial de bandeira con-
siste ella em urna diTerenca de direitos confirme
as mercadorias sao transportadas em navios fran-
cezes ou estrangeiros.
Sao estas precaucoes simplcsmente traduzidas do
acto de navegaco da Inglaterra, e gracas aos re-
gulamentos de Colbert, a nossa marinha mercante
tinha em curto prazo conseguido um desenvolvi-
mento de qoasi 100 /p-
Depoisque estes direito differenciaes foram abo-
lidos, este raovimento progressivo parou; as mer-
cadorias importadas em Franca, j nao m direc-
tamente dos paizes de produeco, mas sioaxlo gran-
de interposto inglez, para cuja grandeza temos con-
currido tanto, como para o engrandec ment da
Prussia.
Em 9 mezes importamos do interposto inglez
65,000 toneladas de mercaduras, o que correspon-
de a um total de 83,000 toneladas eni um anno.
E en fallo de toneladas de peso, mas a tonelada
de arqneaca" menor : estas 85,000 toneladas re-
presenjam 120,000 tonelad is de capacidade de na-
vios, isto 300 ou 400 navios de longo curso. Ora,
nos tinhamos 1,100 destes navios, dos quaes ahi
licam supprimidos 300 uu 400 pela influencia do
interposto.
E ainda nao tndo; nos podamos ir ao Brasil,
z la Plata, Indina.
Hoje, pela abolico dos direitos differenciaes. os
pavilhoes hamburguez, italiano, bespanhol, austra-
co e grego, vera receber os nossos productos aos
portos francezes, e levam-os a toda a parle.
Em Marselha nao se vera seno estes pavilhoes.
Temos pois, prescindido do frele em beneficio
delles.
E nao tica ainda aqu: a cabotagem iugleza
era importan e exportaco 3,676 milhoes; hoje
de 6,125 milndes: para mais 3,449 milhoes. Nao o
contesto.
Ora, em face destes nmeros, como podis, di-
tera os nossos adversarios, concluir que estamos
arruinados ?
Pola bem, consultemos estes algarismos. Ser
esta a priraeira vez qne o nosso commercio tem
dobrado? Nao; muitas vezes lem dobrado, no es-
paco de alguns annos, e al em tempos de pouca
prosperidade.
E nao isso cousa para admirar, com 50 annos
de paz, apenas perturbada por algumas guerras
accidentaos. Mas o facto verdadeiro, de 1860 a
1869, o commercio ereseeu 66 /.
Mas de 1839 a 1851 tinha elle passado de 1,000
a 3,000 milndes, o que um augmento de 100 por
cento.
De 1831 a 1860 de 2,000 milhoes 3,332 milhoes
o que prova urna differenca para mais de 115 por
cento.
Agora de 1860 a 1869 a modia d 5,479. mi-
lhoes o que indica urna forc progiessivade 65 por
cenlo.
De U5 por cenlo dosceu pois 65 por ceulo. E I
aqu a verdade, que nao pode desllgurar-se.
Como havemos ento afirmar que os mappas
das alfandegas rerelam um augmento de pros-
peridade? O contrario que parece demons-
trado.
Enotc-se que ou ainda p>da reduzr 300 mi-
lhoes.
Em seguida a tratados, as indcac5es das al-
fandegas apresentaram urna exageraco notavel;
nao qne ella accrescentasse os algarismos, mas
porque conta va msreedoras que apenas transita-
ran! pela Franca, sera ahi deixar o mais pequeo
beneficio : os algodoos e o ail, qne nao sao pro-
ductos francezes. Podamos, pois, deduzir 300
milhoes da somma representando o augmento do
commercio neste ultimo periodo. Nao o farei, e
indicarei apenas que a progressao que tinha sido
de 115 por cento antes de 1860, icou depois redu-
zda a 65 por cento.
.ordem.
Padre Jos Luiz PereirT de Queiaez.Dirija-sel traz nos as mercadorias ioglezas, as las, o caf,o
ao Sr. inspector da thesouraria provincial. I cha, o ail e esta msraa cabotagem ingleza trans-
oatro, em nao se ler lavrado a acta no dia m-qua
teve lugar a eleico. a sim tres diis depoie e em
urna casa particular.
Examinando a. acta da eleico impugnada,
reconheceu a coramisso qne sem fundamento fui
o protesto a que se twn referido : priraoirov. poniue
mu pos-ivol e m-natural era o crnnpartcWnt..
deniaior nuraoo.de eleitores no dia em qoe avo-
tacao devera ter lugar, do que naqofUBeiaqurt
se tratava unidamente da organisafSojnesa h-
venficajao da-podenes; accrescendo qpenoma
legislacao ele vour ao elcKor, que s coropareceu no segundo
da da eleico, era se pode considerar nao exis-
tente o compareciraena de taeeeleitbres.jtoqnan-
to, da projfri acta, a que allude o vareador pro-
testante eoosta al seus nemes e a quo fncgnezias
pertenciam.
< O segundo.motivo do protesto caree* de pn>-
vra, sendo de notar que da acia da. ele;io de
Goyama, sa vo ojiie todas as formalidades snbs-
lanciass luram guardadas, e so aljama talla se
pode encontrar, etla nem offende, nem pode often-
der a essencia do processo elelloiaj.
..lerceiio. molivo do protesto infundado, por
quauto.d pnnria acia da eleieao de toyanna se
coMige qpe o nroeesso eleiloral se llodoa a 39 do
novembro na igreja matriz, sende qne rnenle as
aothenticas foram posteriormeate Wxtrahidas a i
de dezembro o quo por certo am nada pode oflen-
der a pmticta cleicao.
. Anda a cmara de Nawetu deixou de som-
mar o numero de votos obiidos, pelo Dr. Antonio
Francisco Correa de Aranjo que Ihe foram dados
nos eollegios de Limoero, e' Nazareth, pretextando
tet esse candidato se iucompatibilisado para obler
velos era taes collegios..
A simples afirmativa da cmara apnradm
emende a coinmissaX que nao pode prejudicar ao
referido Dr. Correa de Araujo, e assim, sem que
se tenha exhibido as. provas dessa incompatibilida-
de, nenhum jujp arrisca a comraisso a seme-
Ihanie respeito, limitando-so apenas a pedir por
ora, que, por intermedio da presidencia da provin-
cia se exija da cmara de Nazarelh as provas em
que se firmn o seu procedimento.accresoendo.que
sendo a queslodeincompatibilidHde importante, e
que vai ferir em sea resultado ou aquellos a mjem
foram conferidos diplomas pela cmara apuradora,
ou ao que a cmara apuradora reousou. dar se-
melhante diploma, de parecer en face de tndo
quanto ha dito, primeiro, quo sejam pprovadas
todas as eleicdes procedidas no Jr> districto eleito-
ral desta provincia ; segundo, qne sejam reconbe-
ciJos deputados os Srs.: Dr. Joaquim Correa d
Ohveira Andrade, Joaquim Quedes Correa Gon-
dira, Joo Cavalcanle de Albuquerque, Hermoge-
nes Scrates Tavares de Vasconcellos, Joo Jo
Ferreira de Ajraiar, r. Joo Cavalcanle de Albu-
querque e Joao Francisco do Amaral; tereeiroj
qne se aguarde a deciso sobre os dous ltimos
eleilos, al que' em vista dos documentos exigidos,
a commisso possa dar o seu parecer, depois des-
ta assembla se achar devidamente constituida,
< 3* districto.
Acjiou a commisso que se procedeu regular-
mente s elecoes em todos os collegios de que se
compoe esse districto. A cmara do Cabo, men-
ciona, porm, na acta da apuracao, qne no collegio
da Escada foram distribuidos 367 voto; quando
so tinham comparecido 40 eleitores.
a Esta declara^o da cmara nao verdadeira
em face da authenlica da eleico da Escada, a
que foi presente rommissSo.
Dcstribuiram-se, segundo se v dessa au-
thenlica 370 voto; pelos diversos candidatos,
e este numero igual aquelle que 'evia en-
contrar-so em um collegio composto de quareuta
eleitores. Donde conclue a commisso que, ou a
cmara do Cabo se enganou na apuracao arris-
cando urna proposico inexacta, ou a authenlica
da eleico da Escada^jue paraali foi enviada di-
versa da que foi'presntela commisso eraestoeaso
nao mirando no resultado da totalidade da eUnco
a do j dito collegio da Escada e de parecer :
Primeiro, que sejam approvaJas todas as ele-
coes pfoceddas nos diversos collegios de que se
compoe o 3" districto, com excepeo as da Es-
cada.
Segundo, quo sejam reconbecidos e declarados
deputados os Srs. Drs. Jos Manoel de Barros
Wanderley, Jos Je iJcs Cavalcanli, Francisco
Augusto Ja Gusta, Pedro Aflonso Ferreira, Antonio
Lniz Cavalcant d'Albuquecque, Joaquim Fran-
cisco Paes Brrelo, Henriqne Mamede Lins d'Al-
raeiJa, Padre Dr. Antonio da Cunha e Figueiredo.
i Terceiro, que se exija por intermedio da pre-
sidencia da provincia i cmara do Cabo copia au-
thenlica da acta da eleico da Escada que Ihe foi
enviada.
t 4." districto.
Todo o processo eleitoral correa regularmen-
te, pelo (pie a commisso de parecer qne sejam
pprovadas tedas as eleiedes dos collegios de que
se compoe esse districto, e reconheeidos e decla-
rados deputados os Srs. : Joaquim Pedro Brrelo
de Mello Reg, visario Joaquim da Costa Caval-
cant, Dr. Joao Vieira de Araujo, Dr. Eduardo
Augusto Pinto d'Olivera, Dr. Ernesto Vieira de
Mello.
5." distrido.
A commisso entende qne se procedpu regu-
larmente as elecoes em todos os collegios de que
se compSe esse districto; pelo que do parecer
que ~sejam ^pprovadas as referida- eloicoes, se-
jam reconheeidos e declarados deputados os Srs.
Dr. Francisco Dimingues Ribeiro V.ianna, vigario
Antonio Jos Firmino de Novaes, Dr. RuJiao Au-
gusto de Almeida, tenente coronel Gualter Marti-
niano d'Aleacar e Araripe, Dr. Jos Joaquim de
Ohveira Fonceca.
t Sala Jas commissoes 39 de margo de 1870.
Joaquim Goncalves Lima. Antonio Paulina
Cavalcanli de Albuqiurque.Gatgar Drummond.
(Contm**r-se-ha)
ASSEMBLA PROVINCIAL.
2.' SESSAO PREPARATORIA EM 30 DE MARCO
DE 1870.
PRESIDKNCIA DO SR. DR. AGUIAR.
s 11 1/2 hora; da manha, feta a chamada,
achamse presentes os Sis. : Joaquim Francisco
Pats Brrelo, Rufino Augusto de Almeida, Antonio
Paulino Cavakante de Albuquerque, Francisco
Teixeira de S, Joo Vieira de Araujo, Francisco
Domingues Ribeiro Vianna, Manoel Joaquim de
Barros Wanderley, Joo Oavalcante de Albuquer-
que, Joo Francisco de Gos Cavalcanle, Antonio
Jos Ferreira de Novaes, Henrique lamede Lins
de Almeida, Joaquim Guedes Correa Goudim, Joa-
quim Goncalves Lima, Francisco de Barros Rogo,
Hermogenes Scrates Tavares de Vasconcellos,
Gualter Martiniano de Alencar, Joo Jos Ferreira
de Aguiar, Jos Mara Moscoso da Vega Pestoa,
Antonio da Cunha e Figueiredo, Antonio Domingos
Pinto Jnnior, Ernesto Vieira de Mello, Joaquim
Pedro Brrelo de Mello Reg, Manoel do Reg Bar-
ros Je Souza Leo, EdnarJo Augusto Pinto de
Oliveira, Jos Nicolao Tolenlino de Carvalho, An-
tonio Lins Cavalcanle de Albuquerque, Mancal
Arlhur <1e Hollanda Cavalcanle, Miguel Jos de
Almeida Pernambuco, Francisco Leopoldino de
Gusmao Lobo, los Joaquim de Oliveira Fonseca,
Gaspar de Menezes Vasconcellos de Drummond,
Felippe de Flgueira Faria e Francisco Augusto da
Costa.
Abre-se a sesso.
E' lida e approvada a acta da sesso ante-
rior.
O SR. G.DE DRUMMOND l feomo relator da
1* commisso de venficaco do poderes) o segninte
parecer :
A commisso de poderes, a quem foram pre-
sentes as actas das elecoes procedidas nos cinco
distrctos eleitoraes desta provincia em 28 de no-
vembro do anno prximo passado para membros
desta assembla, examinan Jo-as com attenco, pas-
sa a ex por o seu parecer.
1" districto.
i Para que a commisso possa dzer alguma
oonsa sobre a eleico deste districto, se faz preciso
que com urgencia e por intermedio da presiden-
cia da provincia, se pessa cmara municipal
desta cidade urna authenlica da acta da eleico, pro-
cedida no collegio do Recife, o que nao Ihe foi pre-
sente.
c 2"" districto.
< Achou a commisso que em todos os colle-
gios de que se compoe esse districto, se procedeu
com regul.iridade, sendo preenchiJas a; formulas
suuslanciaes do processo eleitoral e cumpridas as
dleposicois cenceraentes a esta materia Ha, po -
rm, o segninte:
< A cmara da cidade de Nazareth, na acta da
apuracao consigna o protesto de um vereador con-
tra a eleico procedida no collegio de Goyanna.
Esle protesto flrma-se em tres pontos : primeiro,
ter comparecido no primeiro dia da eleico 82 elei-
tores, e no segundo, 133 ; segundo, em nao se to-
rera guardado as determiaaedes legaes em seme-
ntante eleico, que nao passou senao de um simu-
lacro, como afflrraou o vereador protestante ; ter- 157 do cdigo criminal, o Dr.'Joi) Houriques Ma-
REVTSTA DIARIA.
ASSEMBLa PROVINCIAL.Hontem a assem-
bla apreciou os pareceres das commissoes de ve-
rilicacao de poderes, sendo approvado o primeiro
com urna emenda do Sr. Antonio Luiz. Orarara
os Srs. Vega Pessoa, Gaspar zTrdtnmonJ, e Anto-
nio Luiz.
A ordem do dia para hoje a anterior.
DI.MIEIRO.O vapor Guar, sahido hontem
para o sul, conduzio as seguales qaanlias ;
Para Maceio 65:000*000
o Ro de Janeiro IfJitOOOjOOO
Desla quantia 97:937*000 pWlen;era ao go-
verno.
MEDICO DO 53 DE VOLNTRIOS DA PATRIA.
Seguio para a Baha hontem no Guar, o Sr.
Dr. Francisco Lino Soares d Andrade, distincto
medico que acompanhou aos vdlonlarios, |J Pa-
raguay a esta provincia.
Os pouco* dias que tivemos a lelicidade de con-
ta-Io entre n? foram bastantes pira aprociarmos
quanto o distinguen o talento e amabilidade.
VOLUNTARIOS DA PATRJA.--At hmlem a
presidencia da provincia mandn dar passagem
gratuito a IOS voluntarios da patria pela via frrea
e a 70 por mar, nao tendo sido inaior o numero
por falta da devida declaracao daquelles que nao
sao da capital.
PRONUNCIA.Pelo doutor ju;z de direito da
comarca do Rio Formoso foi pronunciado, no art.
*
1 __-i ..-,,-;------------y?



_----------------- .>' .-> *.."'-
Diario de Vernambuco Quinta feira 31 de Marqo de 1870.
-
Un, juiz municipal do termo de Serjgfcie*, por ter
abandonado o exercieio du sea emprego.
SEttSARlO DE OLINDA.-d Rvm. Sr. reilor
receban nara as obras do cstabelectmeolo os se-
tainta,holl09 :
Vigsrio da frcguezii de Piassabus J?*"""
Dito da cinade do Priaeipe 70*0060
Urna enhora da eidae de Olinda 5*000
INSTITUTO HISTRICO E IIHtOSOMttGO.--
Hoje s 10 hora do dia reune-se essa sociedade
em sessao ordinaria. Orem do dia-pareecres de
ommissoes e sorteo de thess.
LKTLAO.Danta de ter logar o leilo do agente
Puntual snnunejado para hoje, em razio da ene-
jada do vapor, kand transferido para segunda
feira, 4 do abril.
LOTERIA.A que se ach a venda 6 a 142- a
beneficio da Igreja de Santo Amaro das Salina?,
que corre fio dia 4.
CEMITERIO PUBLICO.Obituario do dia 29 de
marco de 1870.
Manoel, Pernambueo, 6 dia, S. Jos ; vermes
D mingas. Pernambueo, 17 annos, S. Jos; tu-
fcrclos piilmonare?.
Miria, Peruambuco, 43 anuos, solletra, Boavts-
ta; mfeccao purulenU.
Recem-uascido Manoel, Pernarabuco, Santo An-
tonio; espasmo.
Manoel Jos Fideles Caiuora, Pernambueo, San-
ta Antonio; bronchites. .
Mina, recera-naseida, Pernambueo, Uoavisu,
nascimento prematuro.
Lacio, Pernambueo, 8 annos, Boavista ; nron-
chites.
Antonio Francisco Bento, Portugal, 30 anuos,
soUein Bna-visU; imfphatite.
Luir, Pernambueo, 32anhos, solteiro, Afogaaos;
tornar Ottoni de Soma Santiago, Pernambueo,
30 annos, rasado ; tubrculos pulmonares.
Justina Mara da Conceicao, Pernambueo, 45 an-
uos, solleira. Boa-vista; epate.
Alfredo Wiham Son, dmamarca, 36 annos, sol-
tetro, Bo-vHa ; gastro intente.
Maa, re em-nascida, Pernambueo, Sanio Anto-
nio ; asphixiada no naseedoum.
Adolpho, Pernambueo, 6 annos, Santo Antonio ;
ttano tranmatieo.
IHRONinJlfWlARH.
ikihi v vi DO i omii:iicio
SESSAO JUDICIAR1A EM 28 DE MARCO DE
mim ao Diaria de;*, esta asmaana pelo subde-
legado supplcoft desto stricto, que esteva s
metes po exerciciq do eaijo;,e un sead eu cri-
minoso como elle diz, nao procedou contra num.
Por ahi avallfe o respeiuf*H publico nenio csse
homeme o valor das aecusaeO< por elle tatas em
lingnagem s propria deHe ; e que todas as ame-
nidades com que rao mimoseon Ihas aevoivj in-
"""sen tempo o levarei aos trlbooaes para !hc
pedir m dev das contas. .
Hsm concluso digo-Ihe que pode d.wr de eu m
tudo quanto quier, uiaisuindisejoi 2KS-
eerto de qne quera nos eonhecer aabera estaoete
MTaml'm ^ aprender a descompor, porem
como ea lingoagen. priyativa del lenaoo fago
porque reconheco seu d.reito de supremaca em
lincuagem la bomla.
Gameleira 29 de marco de 1870. .
ose Pedro Velloso da Silveira Junio,:
O SR. JOS' ANTUNES, E SEU KITfO COM O
OLHO DE VIDRO. .._
O repeiUTCl publico, incommodado hontem
cora a publicar.! relativa as demandas que o Sr.
Jos Antunes, sustent contra a companhla dos
trlhos urbanos, avisa ao dito senhor, que nao
pode retirar o bomjuiso, que faz de ;cr nm im-
pertinente chicauista (palavras suas), sen que
exhiba nes e Diario n Ululo peloqnul prce o di-
reito que lem ao quadro oceupudo pela casa Jeito
por incanlos ; as>im cerno, quaes sao as dtmsoes
Mfnraes e legitimas da mu pi-opriedade, para
entai, pondo por esta frm s cousas no olho
danta, obrigar o rospellavel -publico a conven-
ctr-?e, no direito que S. S. tem, nao so a nao
* viiro, como tambero a faier-lhe a evida jusuea,
e a restituir-me o bom'.eonceito, que soi entao.me
devo competir. Em quanto Isto nao lUer va se
divertindo com a chiena, ce^ de que, nao e
com m-que o publico dentara de persistir na
inesma opiuio a seu respeito, e a eonsiiiera-io
em lugarjistlneto no numer de seos conheciaos,
e amigoj. Por ora basta.
8 O Pow.
go 4a esneculacao indo, o flm da associacao
ecommi* coltectiva olerece probabilidades rae-
nos incertas do que as seductoras esperanzas que
Unto os altrahein s especulaoes aventurosas.
Proveltosa a todas as elaases da sociedade, a
Protectora das Familias tambem ul ao estado ;
nao 8endo*pequeno o servico quelhe presta irarao-
bihaando urna consideravel massa de apeiices,
alm da vantagein de ir ensinando, com o exem-
plo, que esto o mais seguro meio de empregar
eapitaes, e que o estado o mais solido de todos os
devedores.
Piovada a utilidade da instituieao, e a segoran-
ca do eroprego dos eapitaes, s restava que o me
chanismo pe|o qual se effectuam as operacSes cor-
respondesse confianza dos coulribuiutes. Con-
se vai ver.
Pelo processo estabelecido, o contribuate que
vem fazer um contrato, deposita no banco 0 im-
porte da sua cootribuico, mediante um contrato,
no qual o raesmo banco Ihe-d recibo da sua en-
trada ; e o confrlbolnte qne se inscroe ha asso-
ciacao, por intermedio de um agente; d-lhe a mi-
nuta do contrato que pretende celebrar, e sacca,
pela qiiantia a que se obriga, urna ordem sobre o
seu correspondente na corte, pagavel ao banco ;
quantia que se conserva era deposito at ser con
vertida em apolices.
E assim a commisso fiscal propde quo aejara
approvadas as contas e relatorio da inspecto-
r' Rio, 26 de julho de 1869.
Jos Joaquim de Lima e Silva Sohrinho,
Presidente.
Jzidro Borges Monteiro,
Secretario.
Jeronymo Jos de Mesquita.
v Boaventnra lloncolves tiuque.
Gnilherme Pinto de Magalkaes.
Da maneira como se deve vi ver
E' por certo urna consa raui fcil para urna pes
soa embotir-se quasi mortalmente com remedios
purgativos cranoslos de mineraes acrdos o vene-
nosos, porm Igualmente se acha ao seu aleance o
poder restabelecer a satlde e (oreas laucando mao
do nnieo calhartico eapaz de restaurar as inter
rompidas Tuncgoes do apparelho digestivo, sercre -
co, e expulsan, um astado perfeilo da salida,
sera que durante sua operario curativa debilita
o systeroa. as pillas assucaradas de Bristol, en-
eontrar-?e-ha este grande resaltado, o qual tem
id-i, por tempo immemoriavel debalde procurado
e desojado. Ellas sao d'uma inestimavel acceit-
ro para os dyspepiicos, os que soffrein de pritao
le ventre, os'biliosos, os rheumalieos, os hydro
Illm. Sr. juii de diioito *H>ecial do commeroo.
Diz Jos Ooncalves Pereira que, tratando de
habilitar os heraeiros da finada Mara Francisca
Neves nos autos de execucao que contra a mesma
movia o supplicinte, dignoa se V. S. mandar por
seu respeitavel despicho nue fossem citados aquel-
los herdeiro, e que o/osse as pessoa de saus
procuradores. E porque os herdeiros que toram
citados as..passoas d eus procuradores sao Jos
Goncalve Pereira Lima, e Manoel Goncalves Pe-
reira Lima, os.quaes tende-se retirado para o sal
do imperio, igaorasi hoje o'lugar ero que se
achera, vem o supplicante requerer V. S. srva-
se mandar que faca a cilarao da mesraos para o
Ora d'aquella habilitaco por meio de editos na
forma da ki e do estyllo, sob pena de revelia, de-
pois de justificado e deduzido na presente peticao,
linda V. S. ae sirva designar
^^^<^J^^^m^^ZSS^J^^^&
lavrar o contrato para ser entregue ao correspon-
dente do coutribuinte, mediante o pagamento da-
quella ordem; e a missao do agente acabou, elle
nao recebe dioheiro, aem Ihe eenvem tal cobran?,
que prejudicaria, talvez, a conllanra que preci-
sa de summa elllcacia para todos os que soffrem
molestias procedentes do estomago, do ligado u
dos intestinos, sendo utn meio prompto o seguro
para o aleance de um imaiediato allivio. Em lo-
dos os casos de molestias chronicas (como sejam,
Rt-
Secretaria da facnldade de direito do Recite 26
de marco de 1870.
O searetario,
Jos Honorio B. de Menazes.
que predicara,, taiveJ^ 'unla '|u p;^ rteumatisme, affe^edes do figado, hydropesia e
.nspuar, o c.)mprome^m,^ejerVi,^seu expe^^^ ^ ^^ a eaferijda(l8 ^re8eot9 um
aspecto ulceroso, nesse caso a salsa parrilha de
EM
1870.
rnuioESCiA do xu.. sr. desembaugadob a. r, tv
BETTl.
Secretario, Julio Guinares.
Ao meio dia declarou-se aberta. a sessao estando
rennidos os Srs. desembargado!* Silva Guuna-
ries, Kes e Silva e Aceio, e ns Sra. deputados
Bast, Miranda Leal e bario de Cruangy, faltaado
o Sr. Rosa com participacao.
Lida, foi approvada a acta da sessao anlerior.
O escrivao Albuquerque registrou o ultimo pro-
tesvi da letia a 21 do correte mez sob o numero
2,021 ; o o escrivao Alves de Bnto a 22 do mesm
mez iob o numero 1.1)85.
ACOOROAO ASSIGMAOO.
Embargantes, Angosto Frederieo de Oliveira &
C.; embargados, Augusto Oetaviano de Souza & C
JCLGAMBUTOS.
Juizo esoeciil do commercio : appellante autor,
Joao Pedro Blanchin ; ap'pellado reo, Carlos Lniz
Camnrone: iqizes os Sis. Silva Guimaraos, Res e
Silva, Miranda Leal e baran de Cruangy.Foi
confirmada a sentenca appellada, sendo vo:o ven-
-cido o Sr. desembargad >r Silva Guimaraes.
Jnizo municipal e do commercio de Miceio :
appellante reo, o capito MAnoel Torqdato Ramos;
appellado autor, o capilar. Autonio Ulysses de Car
vnllu : uizes os Srs. Accoli, Silva Guimaraes,
Miranda Leal e bario de Cruangy.Foi reforma-
da a seotnnea appellada, sendo voto vencido o Sr.
Mir.wida Leal.
Jnizo especial do cimmercio : embargante ap-
pellante reo, Domin?os Alves Malheus ; embarga-
dos appellados autores, os admimstradores da
massa fallida de A mor m. Fragoso, Santos 4 C :
iuizes os Srs. Accioh, Silva Gainwraes, Bast>o
Miranda Leal.Foram reeeliido os embargos.
Appellante, s Pinto Ribejro ; appellados,
Maury Romaguera Hijo & C : appellanlo, Jos bo-
rnes Villar; appellado, Antonio Herculam de Al-
meida : appellante, JuSo Pinto -i Leroos Jnior.;
appellado, o administrador da massa fallida de
Mamede ft Martin-Adiado a pedido dos Srs.' dc-
pu'ados.
Nao estando presente o Sr. Ro.i nao I o i pnipos-
to t> reito entre partes appellante, o Dr. Augusto
Carneiro Monteiro da Silva Santos ; appellados, os
administradores da massa fallida de Siqueira &
Ptofefra.
BEXIGNACAO M DA.
App-llante, Tasso A Irrtao; appellado, Anto-
ii i Mireiri liis.
< .rimeiridia ptil.
PASSA6RHS.
O Sr. il s-mbiriador Silva Gnimaraes passou ao
Sr. d.so:i>bareador Accioli, juiz certo, appellantes
appellado*. a viuva e herdeiros de Manoel GoDe,al-
kh da Silva ; appellante appellada, D. Claudina
(tounorioh] Vieira de Carvalho : appellaote, Fran-
rtSM Mnmira o Soma ; appellados, Francisco
Gwlho da Fonsoca o nutre.
Di) Sr. desembargador .Accioli ao Sr. desembar-
gad ir Silva Gaimiraes : appellante, Joao Looren-
ii i Viriato d-i V.isconsellos p appellados, Jos Ri-
-ijaos Pereira o *u i'inalher.
DisTninoicMss.
O Sr. 4esembargad ir Silva Guimamos jurou
suapeicSo-. -foi distribuido ao Sr: deaembargador
Reis e Silva o eilo entre partes, appellantes, Ma-
noel AI ve Perreira 4 C.; appellados, D. Agosli-
aaa Juana Whos.
A3 Sr. desembarga ior Silva Guimaraes : ap-
pellantes, os administradores da massa fallida de
Ant na Aras de Godoy.
A Sr. desembargalor Aecioli : appellante, Fir-
miano Jos Rodrigues Ferreira; appellado, Joa-
quim da'.*lva Costa.
AGGBAVO.
Juizo especial do commercio : aggravanios, Ja-
mos Ryder & G ; aggravada a companhia Perr
nambrrana.
Nada mais havendo a tratar, foi encerrada a
se.m i u.na e roela tora da Lar le.
l*roetetra n aiatlllas
aa.>s)ch;ao no segubo mutuo soani ..vida
Movimento do trimestre de outubro de 10J
Inscrtprao
689 contratos no va- .oi.v. imnrt
ir do l,131:.Vtw*000
Cobranza
De conibinaces uni-
14:D9000!)
C3I 6YU10
9:0004800
cas
De annuidaJes
De multas
De juros de cunta
crrente
09*100
Saldo do trimestre
findo em setem-
bro prximo pas-
sad
679:111*066
1869. Novembro
11.22 apolices
de 200*000 a 80
por ceto
Deierabro 31.822
dilas de 1:000*
a 82 por cento
Saldo em conta cor-
ren :e
2:782*4V9
Conversao
681:89*olo
:):9!0|000
C74:OVO*000
diente, o at a soa seguranza em viafem.
V-se, pois] que por mo do proprto eonlribuin-
te, ou do seu correspondente, entram os eapitaes
no banco contra recibo do seu thesourelro, que
duplicado, ou substituido, pela peliee d^'cn-
tralo. lt
As sommas, assim entradas no banco, s rain
sahem para pagamento de apolices da divida pu-
blica do juro de 6 por cenlo, e estas sao inalfeoa-
veis at-a poca'da liqoidacao da sociedade a que
pertencern; e aindaVnto, s i autorisada a venda
strictainente necessaria para pagamento de fracc,oes
de apolices, visto como os qulnbes sao pagos oes-
ses mes.Tios titul >s.
A compra e venda dellesestio acauteladas pelas
formulas da le. e pela rigorosa fiscalisacao qtie
tambem por le, e por bom aso, se emprega na
caixa de amorlsacao.
Aps estes proeessns vera o exame das eonlasde
cada trimestre, que feito pela commissao fiscal,
composta s de rontribuintes, e em seguida a pn-'
blicaci* deltas, alm da das relacoes naminaes dos
cuntrbuintes que mensalmento elleotuam con-
tratos.
Com tantas segurancas, preven'uso a possibili-
dade de um desvio com tantas publicac5es, fac-
lilou-se a rec(amac5o contra um engao.
Fei-is estas consideracoes, que, porbem do des-
envolviroento da assoeiaclo, me pareceu dever
qul consignar, passo j a descrever o seu estdo
t 31 de dezembro de 1868, ultimo dia do 3 anno
ocial.
Os 5342 contratos inscriptos pela somma de rs.
8,042:104*890, divideit-se as seguintes espe-
735contratos de contnbai?5o nica 158:879-5920
4807 i annual 7,583:224*970
5342 contratos do valoT de rs......8,042:104*890
Bristol, eome aro podoroso rteio de enriquecer e
purificar o sangue, pode ser toma-la eem sumia
vantagera conjunetamente com as pilulas. Ellas
vio mettdas dehtro de vidrinhos e por isso a sua
conserva cao intacta em todos os climas.
ERRATA.
Na publieacao feita no Dran'o de hontem pelo
Sr. Dr. Antonio'Venancio Cavaleanti de Albu-
qner )ue, deram-se algumas inexacdSes, a* quaes
passamosa fazer sna devida errata : na 5' liona
do 1 periodo onde se lsendo que*-lea-se vendo
que5* periodo, linda ode-to lcalarme-hei,
que obroulea se ealar-me-bei e convencer-ine-
hei que obrou, etc.no mesmo periodo, 4' linha,
onde se lqaanto o tem araarguradola-se qu
tanto o tem amargurado, etc. 11* linha onde se
\__e nao queira envolver em a tes*oslalea se
e nio queira envolver-se em a responsabilida-
de, etc.
COMMERCIO.
677:560*000
4:33:iiolo
081:893*315
Rio de Janeiro 1-J de Janeiro de 1870.
Jote JusHuian Bodrigues, ..
Inspector geral
N. BAs apolices compradas en. 31 de dezem-
bro de 1869, foram 900 de 1:000* cada uma das
auaes 78 foram por con a' dos jaros j recebido?,
de 3..H."j:7O0* valor nominal das apolices associacao j possue.
PRAGA DO .RECIPE 30 DE MARCO
DE 1870.
AS 3 1/2 HORAS DA T ARDB
Algoaao de Macei 1' sorto887 rs. por kil. posto
a bordo, frete de 3\S e 5 0|0
Algodao de Pernambueo 1* sorte885 rs. por kil.
>mbio sobre landres 90 d|V. 21 1(4 e 2i 1|2
(boje e hontem).
tioncallo Jos Alfonso,
Presidente.
Maaqnita Jnior,
Secretario.
Por conta deste valor receben-se
De contribuicoes.
Somma.
133:782*663
239:341*663
599:680*166
869:733392
PUBLICACOES A PEDBO.
Olinda.
Na uoticia dada hoje (29) no Diario dePrrnam-
(t sobro a graiide festa havida em Oliuda1>-
imugo ultimo 27 da orrente mez, por occaoao da
trasladacao da bandelra do batalbo n. 53 dos
volunUrio* da patria para a respectiva cathedral,
deram-se algumas oraissoes, -'je convm preJien1-
cher.
E' certo, que aorcheslra que tocou no T^-eum
,h dirigida pelo ejunio Maestro Pernarabacano o
Sr. ente frijano arcellos, mas, eumpre ob-er-
var, que ella a essa acto se presin cora a mamr
.xpontaoeidade, e dedicacao possivel, renuncian
.lo at toda retribuicio pecuniaria, a que por isso
tmba direito, procfidu por saber-se geralmente que tao distinelo artista,
onerado dainnfierosa familia, e pr nao ser fa-
vorecido pela fortuna, sujeita-se a improbo traba-
lhu pjra su-tenla la e educa-la cora a devida de-
cencia, e hont'stidade. Alm disto, aquello ex^-l
lente mestrfr de capella, para tornar mais comple-
ta, e abrthantar;.mais aquella orchestra, lembrod-
se de convidar para cnadjava-lo o insigne maes-
tro Sr. Coilas Pai, taiubem brasleiro. o qpal em
verdade destiguio-se, fbrnou-se inexcediVel,
como sempre soe prailoarem taes occasioes.
nvidar pois-da verdade destas assercSes so
poder quem naocaheco pnasoalmente o Sr. te-
nenie Trajano*Dreellus, ou nio r justo apreca-
lo seo" m#rito real, porqoanto tilos sabem.
que elle principalmente nessas occasioes sabe er-
nner-se devi* altura, e conciliar o sen talento
arttico ponen .rigar, ao seu espirito religioso,
verdadeiro patriqsino, e total dosinloressc. *-De-
de lodo as soiemno acto, lavrou-ce o auto
-siunou com todas as pessoas presentes.
<>jtn> siui, fot alii geralmenie considerado, que
, f.'sta com duplico earacier de religiosa, e pa-
: a tornar-se-ta limito mais pomposa.-.-se por
lia reqaia sagrada h>uvessesd>
ipri balall dos bravus
- do ser. dissplvido,
> seria mais curial, e urabem livesseaueom-
iado a sin solemne ira-dadaco as prinopaei,
U provincia.
0 de mar?) de 1470.
a salwfaeio ao publico, venho diier-lhe que
o accessj de docompjsiuras publicado contra
Te a lo iido no Jornal do fe~cif'4e hontem um
reqnerimento dirigido ao Exm. presid nt da pro-
vincia em nome do reo preso Canuto Candido Ha-
mos, em que tfflrma que na nltiina sessio do jnry
do anno proxiiio passado, prendida pelo Sr. Dr.
luizde direito da 1* vara Oliveira Maciel tora de
si-nal > o ultimo da da mesma sessi. para o jul-
gamento daquelle reo, que nao leve lugar nesse
dia, p.>rque proceden lo se a chamada dos jura-
dos antes da hora do costeros, niobouve casa e
encerroti-se a sessao, venho em obsequio a verda-
de, o cm vista das respectivas actas, em meu car
torio, declarar : ...
i* que o processo do reo preso, Canuto candid i
Ramos, foi a presentado ao tribunal noe iollimo?
d*s daquella sessao, quando todos os mais das
que fal arara para o sen encerramento j estavam
na respectiva tabella designados para ojulgaram-
to de uutros reos tambern presos, e qne por eon-
seguinte nao poda ter sido designado o nltimo da
para o julgamento do roa Camilo Candi lo Uam >s.
2". que no ultimo dia da mencionada sassao hou-
ve casa, e que sendo submeltido julgamento o
reo preso, Benedicto, esera^o, deixon deeffectuar-
se porque o jury de sentenca depois. de jaramtn-
lado e consultado resulveu unnimemente nao jul-
gar dito xj por nao terem comparecido as testo,
munhis do processo, dopois do que, por star a
hora adiantada, e nao ter sido approvada a proro-
gacao proposta pelojuiz, este encerrou a sessao.
y finalmente que desde que exerco o ofucio de
escavio do-jury niea no tribunal procedeu-se>
chamad djs jurados antes da hora annunciada
no 'ompeusnie edilal.
Recita 29 de marco de 1870.
Manoel .intanf Ci/rrc.a.
Protectora das Familias.
RELATORIO DAS OPtRAf^CS DfiSTA ASSOCWIO
AT 31 DE DEZEMBHO DE I8CH APRESEN-
TADO A A88EMBLA GSBAL tK)S SKUS CON-
TUIBtlNTI-S EM 31 DE JULHO DE 1869, PEt
SEL' INSPECTOR GERAL, SEGUIDO DO PARECER
DA COMMISSAO FISCVL.
Srs. contnbuintes.\ Protectora das lamillas,
aulorwada u-r decreto de 13 de junhu de 18b, so
pode con|eir as suas operacoes ero un* do 1* se-
mestre de 186o.
Por aquelles ombaracos que eostuniam sargirna
marchadas instituicoes'noias. nao fui nossivel con-
vocar esto assemblea em 1W7 e 1868. Desde o
comeeo, porm, as suas operacoes passaram cons-
lanteiiiente pelo exame da ooromisi'ao fiscal, que
sempre as approvou, dandose-lhe em seguida
mai publicidade do..qae recoramenda o regula-
mento. Com elTeito,nao s se publicav.ira as cen-
ias de cada trimestre, como se recapitulavam to-
das as operacoes desde a sua origen.
Os quadros annexos, provam o qne a jaba do di-
zer; elles acompauharam a coma do ultimo tri-
mestre do 1868, e mostram o estado da associacao
desde o seu principio at ao 0m daquelle 3 anno
social: tinbaro-se effeciuado at entao 5^42 con-
tratos representando a incrpo de ris........
8,042:104*890.
E>ta obteye-sc nos segumtes periodos :
1865- 330 contratos no valor de. 281:626*000
1866- 802, t^tw:l0*0O0
4867-1819 > .'821:180*170
1888-2391 3,674:118*420
nicas. Annuae.e.
186- 97:226*000 36-556*665
1866-- 62:260*000 177:081 J660
1867-146:648*090 453:032*166
f868-150:74l920 718:988*000
4567879*920 1^:658*496 1,842:5:)8*41
De multas.
Em.l86S- 1:034*060
Em 1866-18:689*900
Em 1867-23:099*341
Em 1868-27:338*080 70:171*371
Dejaros de apollas.
Em 1866- 9:516*000
Em 186731:590*000 ^
Em 1868-79:575*700 120:681*000
Dejaros dos saldos en conta crrente.
Em 1863- 3733830
Em 1866- 7865960
Em 1867- r79S*5l0
Em 1868- 2:868**30
5:826*5:
Capital realisado.......... 8,039:^17*317
O annexo n. 2, aprsenla este mesmo alg.irisni i
achando-se, oorm, as verbas de receiu classiiica-
das pelos annos em que os contratos deveqi liqui-
dar-se.
A con ver; ao dos eapitaes realisados elfectuou -se,
em apolices da divida publica, do juro-do 6%
cuja acquisi;io se fez pelos seguintes valores e
ENGLISH BANK
Of Rio de /aneiro Limited
Deseo ata lettras da praca 4 taxa 3 cod-
encionar.
Recebe dintieiro em cx)Dta corrente hu.
Iraso fixo.
Saca vista ou a praso sobre as adades
prlacipaes da Europa, tem correspondente
aa Babia, Bucoos-Ayres, Montevideo, New.
8 New-Orleans, eomitte cartas de crdito,
oara os mesmos lugares.
HA DO COMMERCIO N. 36-
ALFANDEGa. '
Itondimentododiala29. : ^g*
dem do dia 30 ... 58.894*652
997:721*124
MOVIldENTO DA ALFANDEGA
236
855
-----1091
precos
Annos.
1865.......
866.......
1867.......
1868.......
Sommas
Saldo em eje
no Raneo Rural
Valor nominal.
; 137:600*000
264:4001000
76l:899*'XX)
1,190:900*000
2,334:709*000
Precos.
124:5963000
238:307*500
673:5305000
999;U1A550
2,037:575*030
-1:642*267
2J)39:2t7*3t7
464
Osr 5342 conlraUs representando 8,042:104*890
os nannexo o. 1 ino.-ira este-i n.esmus algarismo?,
qne buida, porm, a McripcJd pelas annos em
contratos comecam a vigorar. '
O constante progresso qno se nota annualmente
dadesenvolvimenio da associacao ha de continuar,
medida que o e.mhecimento 'as suas opetacCas
e das suas vantagens se tur .'eneral.-and s
medida (|ue os sons fins forem sendo aprecanos ;
porqne a conflansa ir penetran lo em tudas as
rlasses da sociedade : entao, novos c.intribuintes
hilo de vr associar se, est.'s trarao outros, eo
augmento do seu numero tornar pro&ressi va mri-
to maiures ns proiabilidadcr. de lucros a todos e a
cada m dos interessadbs na associac'n.
E ossa poca ha de vir, com o lempo e cora a
publWdade; porque as operajocs da associacao
iproveitam a tuda-; as posi^oes e a itu-
nas : o operario providente i>d. empregar s
pequeas economas era uro contra' i iiJi-
j^, o ha Je qualqurr lasse, p.11
rar da sua renda urna parte para a mverter em
capital o oeg liante, o funcional j, e o
pn,,; ida um na justa propongo dos
retitlin >"''" gT*"8-'08 n presenteem
prov -'-uro ; o agricultor mesmo ha da
chegar a comprehender qnu, ainda .inginenndo
uitcmonie a sna lavoura, prudente ir accu
rntAindo eapUaes .|no a todi o t-impo Ihe serio parhco dos seguros, para
uteis; c, fraalmcnte, at aquelles para quem o jo-
Caplal rcalisado
qne o anaexo n. 3 mostra, cora referencia aos an-
nos das liquidae.oes, indicando tambem os diversos
saldos de cada sociedade, que prfzejn o de.....
1:642*267, que licou em deposito no Banco por
conta do capnal realisado.
Desempenhando, a assembta geral dos Srs. coulribuiutes as, epera-
5oes da associacae desde o sea comeeo al ao llm
do 3oanno social, eumpro tambem o agradav.l
dever de a informar de que, para vencer as dilli-
ouldades que na sna marcha encontrei, fui senpre
yautajosamente auxiliado pelos dignos membros
2ne em todas as pocas eompozerara a connnissu
acal ; assim como tambem devo dizr Ihe que,
para tornar mais conhecida a associacao e aug-
mentar-lhe o numero de contribuintes, concorre-
ram especialmente os Srs. agentes, sendo que, para
alcaocar estes fins, multo se deve, de certo, ao
corno do commercio e numerosas pessoas deoa-
tras classes da sociedade, que a mtm e aos agen-
tes forneceram com'o maior obsequio recommen-
dacoes valiosas para o interior do imperio.
Os Srs. ernpregados da Associai;4o o do Banco
coadjuvaram-me sempre maito, o com a raelb-r
vuntade.
Com tantos auxiliares teria deseiiipennado sa-
tisracloriamcnte a trela de qne fui incumbido, se
para isso bastasse o aturado estudo a que me tenlio
dado, o incessante trabalho qne hei tido, e a boa
vonlade com que a elle me dediquei. tendo sempre
como mais forte estimulo o irttito que via a faier
diante de mrm.
Rio de Janeiro, 19 de iolho de 189.
JoS Juslimano Rodrigues
, Inspector geral.
PARECEU DA COMMISSAO FISCAL.
A commissao fiscal, tendo examinado o approva-
do as contas que Ihe furam apresontadas as po-
cas prescrips no regnlamento da assocwgao,
examinoa tambera agoia o relatorio de todas as
snas operaQes at ao fina do 3* anno social, e ve-
rili :ou a sua cxaclido.
Com efTeito, pelo registro geral da matricula se
reconheco que a in;ripcao dos 5,342 contratos,
celebrados at aquella poca, monta ap slgansmo
de 8,042:104890.
O bnlinco junto confirma o estdo, que aqueile
relatno detalrmu; correspondendo a somma dos
crditos das diversas contas ao algarismo do ca-
pital realisado, que o annexo n. -f-mostra ser de
2,019:217*317, e achando-se este representado pe-
las apolices que a associacao. possuia em 31 de de-
zembro de 1868, no valor de 2Jg2i2U030 e pelo
saldo ds 1:642*269 que naque*
ia'em conta crrenle no Ban .
A existencia offectiva das a->HcesaBerb.'.das
associa ;avfoi verificada em cada trimeslre no acto
do exame de contas, e confirmada nos semestre?
sepuinles pelo pagamento dos juros de 3 % que
em Janeiro e julho se receberara da caixa de auv>r-
lisacao, achando-se jales .crditos as diversas con-
tas que perten _
O saldo que oo>balaoco esta debitado ao Banco
Rural, o mesmo que o relatorio o annexos ae-
cusam.
A commissao fiscal, reconhecendo que a geren-
cia tem cimprido satisfactoriamente as suas fue-
. nao pdedeixar de recoolieeer tambem que
o actual in.'pcctor geral o Sr. Jos Jostiniano. Ro-
drigue- inuito tem contribuido com o sea Zelo,
actividade e intelligencla, quer no desempeiihu de
snas actuaes fnneroes, qaer as de chefe da re*
parfico dos seguros, para o estado prospero e
desenvolvido a qne tem allingidp a associacao.
foi urnas entrados comazendas
dem dem com gneros
/oluraessahidos cera aiendas 114
dem dem cora gneros' 350
Oescarregara hoje 31 de m:u >;
Barca iuglezaImogene mercadorias.
Vapor ioglez baphira idem.
Barca fran etaSolideBetu.
Brigue ipglez Pelgrin idem.
Mate americanoMorfori Tribueidem.
Lugar inglez-CflAaiin laidearipha de trigo.
Brigue ioglezT F. Bell -idem.
Barca pertuguezaS. Afiguelmercadorias.
Patacho, injlezJurmlamercadorias. ,:
Barca francez. Mousse de Nantesidem.
Barca ingiera fmperadorfarinha. ,
ftECEBEDORlA DE RENDAS UNTERNAS GEr
RAES DE PERNAMBUCO.
Jendimento do dia 1 a 29. .*2:987*WJ
dem do dia 30....., 3:114*319
para o que requer ai
dia e hora
Pede V. 8. deferimenlo.E R. M.Costa
beiro.
Eslava sellada com uma estanpilha de duzentos
ris, qne foi inntilisada pelo assignatario da peti-
0o ; na qual dei o despacho do theor segrate :
Sim, justificada a ausencia no dia 14 do corren-
ie mez, depois da audiencia.
Re:lfe, 11 de marco de 1870.Alencar Ara-
ripc.
Depois otlra peticao do theor seguinte :
Illm. Sr. Dr. juiz especial do commercio.Jos
Goncalves Pereira vem requerer a V. S. que se
digne de marcar novo dia para ter lugar a jusli-
ficaeao requerida pelo supplicante nos autos de
execucao de sentenca que eneaminha contra D.
Mara Francisca Noves, vislo nao se ter podido dar
essa instificaco no dia mareado por V. S., por
ter silo o em que desembarcaran! nesta cdade os
voluntarios da patria.
Pede V. S. defewniento.-E R.M.-Oprocura-
dor, Jos Nicacioda Silva Jnior.
Eslava sellada com urna estampilha de dntentos
ris, que foi inutilisada pelo dito procurador assig-
natario da peticao.'e em dita peticao dei o despa-
ebo seguinte :
O da 23 do eorrebte mez, s 11 horas da ma-
nhaa.
Recite, 18 de marco de 1870.Alencar Ara-
o.
E tendo o supplicania produzido suas testemu-
nhas, sellados e preparados os autos, sobirara
minha concluso, e nelles dei a sentence do theor
seguinte :
Hei por justificada a ausencia dos supplicados a
folhas 41, e mando que sjaia citado por editos
de 30 dias paran tira requerido, pagas as costas
ex-cansa. _
Becife, 28 de marco de I870.-Tnslao de Alen-
car Araripe.
Por forca da qual o escrivao fez passar o pre-
sente editat, pelo qual chamo, cito e hei por iBti-
mados Jos Goncalves Pereira Lima e Manoel Gon-
calves Pereira Lima, para que tiqnem scientes de
lodo o expendido no presente editad, aflin de com-
parecerem neste juizo dentro do prazo de .0 das,
para allegaren! o que for de dstiea.
E para que chegue ao conhecimento de iodos,
raandei passar o presente, qne ser publicado pela
imprensa e afflxado nos lugares do costnme.
Recife, 29 de marco de 1870.
Eu, Manoel' Mara Rodrigues do Nascimento,
cscrivo, o subserevi.
Recife, 29 de marco de 1870.
Tristao de Alencar Araripe.
0 Dr. Francisco de Assis de Oliveira .Na-
ci iuiz de direito da primeira vara cri-
minal, e substituto da do especial do
commercio n'esta cidade do Reeife de
, Pernarabu o por sua magestade o Impe-
rador, etc., etc.
Faco saber pelo presente, de 30 da?, contados da publieacao deste edilal re-
beber este jnizo propostas por cartas fechada-
para a arrematado por venda a qoem mais cite-
recer da escrava seguinte :
Bernardina, cor.preta, idade 40 annos do ser-
vico de casa, avahada cm 400a, a qual escrava
mstitue tambem a massa fallida de Antonio
ilaria O'Connel Jersev ; e vendida requeriraento
dos administradjres da dit massa fallida, e se
acha na ra Direiia n. 46, Io andar ; devendo as
propostas serem entregues ao agente de leiloes
Francisco fiemes de Oliveira, enearregado por
este juizo 4a venda d.vmencionada escrava.
E tiara que chage ao coBheciment de todos
mande p#ssar o presente, imprensa o afflxado no lugar do cosame.
Recife, 17 de marco de W!70.
Eu Manoel Mara Rodrigues do Nasciroento, es-
crivao, o escrevi
Francisco t Assis Giireira Ua&ael.
Capitana do porto de l'ermunbuco li de
msreo de 1870.
Em vi rinde da ordem de S. Bxe. o Sr. presiden-
te da provincia, faco publico, para conhecimento
dos navegantes o edita! abtixo^traTiscriplo, quejfui
reroettdu S. Excjiel Eva. Sr. presidentejda
provincia do Para.
Secretaria da governo. O Exm. Sr. presidenta
da provincia manda fater publico qne tende-se ul-
timado os reparos de que precisava a barca Pka-
nl, acha se ella desde o dia 17 do corrente anco-
rada aa mesma posicao que oceupava no canal de
Brsgaoca.
Secretaria do governo do Para 23 de fevereiro
de 1870. O secretario do gowrno, Antonio dos
Passos Miranda.
Jos Manoel Picaneo da Costa,
Capillo do porto.
DECLARACOES.
Sania casa da misericordia do
Reeife.
Ptla secretara da santa casa de misericordia Recife, do ordem da Illma. jnnta administrativa,
sao convidados os prenles das e lueandas do cola
legio das orphas era seguida declaradas, para
que veahain requerer a sna retirada dauuelle est
tabeleeimento, visto que j tendo mais de 21 an-
nos do idade, devem ter o destino recoramandado
pele artigo 48 | > e 4 do respectiva tegula-
mento :
1 Mara da Conceicao Azevedo.
2 Anna Bezerra Cavaleanti.
3 Amelia Joaquina de Oliveira.
4 Emilia de Mello.
5 Cordolina de Castro Cirne.
6 Sephia Mara da Conceicao.
7 Fraoceliha Rodrigues da Conceicao.
Secretara da santa casa de misericordia do Re-
cife 12 de marco de 1870.
JO escrivao,
Pedio Rodrigues de Sooza.
87:101*908
CONSULADO PROVINCAL
nendimento do dia 1 a 29.
dem do dia 30 .
121:364*313
4:410*870
123:775*283
O Dr..Francisco de A*sa Oliveira Macfel, eava-
lheiro da ordem do Curelo e joit de direito da
1 vara criminal desta comarca do Recife, por
S. M. o Imperador etc.
Faco saber, que achando-se vago o offlcio de
destrbuidor de notas desta comarca pelo fallec-
mente do serventuario Manoel de Luna Freir o
oual oOieo foi creado pela le de 3 de outubro
de 1834, convido pelo prseme a quem pretender
dito offlcio a aprosentar este jnizo no praso de
sessonta dias, contar Ja data deste, sua peticao,
datada, assignada pelo pretndeme ou seu- procu-
rador o aeoinpanhada de cerlido de idade, fbiha
corrida, exame de sufllclenca e mai documen-
to que julgar convenientes, sendo todos devida-
mente sellado, na conformidade do decreto n.
817 de 30 de agosto d i 1831.
E para que chegu e a noticia a lodos os inte;
res-aito-- mandei passar o presente adiul-que sera
publicado pela imprensa e afflxado nos tugares do
costnme.
Dado e passado nesta cdade do Recife, aos *s
dias do mez e-marco de! 870.
Ed Manoel Antonio Corroa, escrivao interino,
subserevi. .
B-anCMCO-ii< Assis QiveiraMaael.
Santo O^sa e Misericordia
do Recife.
Habeirtt vista
A Illma. junta administrativa da santa casa de
misericordia do Itecile no intnilo de alargar o
circulo das pessoas- que concorrem a arrematacao
do fornecimanto de gneros que teem de censu-
mir os estabelecimenlos pos sen cargo nos me-
ze de abril a jiuiho, manda fazer publico qne o
sesmo foroecnenlo da quantia de trinta contos
tantoam uinualmeiile, e qne pago, mensal
mente com dinlieiro vista.
Recebe portanto a mesma jnnta propostas para
o foroecimento indicado na sala de suas sesides,
pelas 3 horas da tarde d<* dia 31 de marco cor-
rqnle.
Assucar refinado, kilogrammo.
Dito i- sorle idem.
ilo de lurrao, idem.
Alelra, idem.
Arroz do-Maranbo, idem.
Azeite doce litro.
Agurdente, idem.
Azeite de carrapalo, idem.
Racalho, kilogrammo.
Batatas, idom.
Cha verde, idem.
Cha prcli>. idem.
Cha hysson, idem.
Ceblas, cento.
Carne seeea, kilogrammo.
Farinha ile j^dioca. litro.
Fumo do Ri^rkilogrammo.
Feijo mulalinho, litro.
Pareo, sacco.
Manteiga. Irauceza, kilogrammo.
Peixe fresco, dem.
Sabio idem. -
Sal. Miro.
Velas ce carnauba, kilogrammo.
Ditas stearinas, idem.
Vinagre, litro.
'.'nho tinto de Lisboa, idem.
Dito branco, idem.
Toucinho, kilogrammo.
Os concurrentes apresentarosuas piopostas orn-
earlas fechadas, as quaes devero ter a ordem cs-
tabelecida no presente annnncio.
Secretaria da Santa.Casa de Misericordia dn n*
cile 26 de mareo do 1870.
O escrivao,
Pwfro RodrijHts de Souza.
MOVIMENTO DO PORTO.
Navios entrados no dia 30.
Montevideo23 dias, polaca hespanhola Ati'ome-
{(!, de 127 toneladas, capito Lemona, equipa-
gem ti, carga. 153,835 ki lograra mas de carne :
a Pedro Maurv.
Rio Grande do Sal40 das, hiate portuguez JSu-
rico, de 121 tonelada, capito Jos Fernandes
Alves, equipagem 7, carga 6,894 arrobas dp
carne ; a A. L. de O. Azevedo & C.
Buenos-Ayres22 dias, patacho uorte-allemib
6*rA(iritiia, da 206 toneladas, capilo I. A. Ves^
fer, eqnipagem 8, carga farelo ; a Amoriin Ir-
mo.
Baknr Island103 das, galera americana Cruza-
do de 666 tonelada, capito D. Bradford, eiiui
paye n 16, carga guano ; ao mesmo capito.
Bio de Janeiro22 das, barca sueca Carolina, de
478 toneladas, capito Witterhud, equipagem 9,
ero lastro ; a Birjteluian & C.
Montevideo2.) das, brigue frncez D. Artagnau,
de 239 toneladas, capitn Le Pays.tquipagem 9,
carga 25 carneiros e 17 bois, era lastro; or-
d*iii.
New York27 dias, patacho mglez Julia Blake,
de 154 toneladas, capito Day, equipagem 8,
carga farinha de trigo e outros gneros ; a Hen-
ry Forster 4 C.
Barcelona 62 dias, polaca hcspaphola Venturila,
de 138 toneladas, capito G. Maristany, equipa-
gem 13, carga vmlio ; a Pereira Carneiro & C,
Navios subidos no mesmo da
Rio da PrataBrigue l.ra>iloiro Marinho ni, ca,-
piao Maoooi Antonio de Souza, carga assncar a
agurdente.
S. Miguel Pataclio portuguez Georgencia, capito
Miguel do O., carga assncar e mel.
Liverpoo!--Briguc norte-altanan Ctres, capitao E.
Ruber, carga essacar o algodo. ,r
CanalBrigue nurte-allamo LucU, captto D.|A.
Bnto earg^ assucar.
CanalPatacho ingles Era, capito Harris, carfi
assucar.
ECITAES.
O Dr. l'ristao de Alencar Araripe, ofllcial da im-
peal ordem di Rosa e iuiz de direito espacial
do commercio ne*ta cidade do Recife de Per-
nambueo, por Sua Magestade Imperial e Consti-j
tucional, o Sr. D. Pedro II, a quem Deas guar-
de, etc.
Faco sabor-aos qu,e o presente edital vircm *
d'elle'iMiicia tlvercm, que por esto-juizo especial
do commercio corre.uns autos euteoca, sendo oino cxequenle Si-p 6-mcal?ef
Peroka, -froomo elfccut,da D. hara figapisc*
Nevq; me foi pelo mesmo exequentc dirigiua
petizo do iaeor seguinte :
Faculdade de Direito
do Becife.
De ordem do Exm. Sr. director se faz publico,
qne no dia 2 de abril protimo vmdauro, pelas
duas horas d larde, ser encerrado o praso de
seis mezes marcado para a inscripco dos ^que
prelendem concorrer segunda vaga de substi-
tuto desta Faculdade como consta do edital j pu-
blicado, o 'iue abaixo so repele, de conformidade
com o artigo 119 do regulamento complementar:
Da ordem do Exm. Sr. direct r se declara
por esta secretaria., que a inscripco para o se-
gundo concurso do lugar de substituto desta Fa-
culdade, annunciado em ediul de 24 do agosto do
anno passado, dever ser encerrada no da 2 de
abril prximo v.ndouro ; Voto como o prasp de
seis meze- imrcado para a mesma inscripco de-
vera ter comecado a correr no dia 2 do outubro
do anno passado, conforme dispoe o artigo 123
do regalmento complementar. Abajxo se repe
le o edital relativo ao mesmo coaeoro, e que
subsiste em vigor, menos quanto ao praso da
inscripco:
i De ordem do Exm. Sr. director interino conse
Iheiro Dr Pedro AuHran da Malta e Albuquerque,
eem execucao ao aviso imperial de 14 do corren-
te, faco publico que fica marcado o praso de^seis
mezes, contados da.data deste, para a inscripco
dos que pretenderen! concorrer ao Jugar de late
>ubstituto desta aeuldads, que servia o conselhei-
ro Jos. Liberato Barroso, e que foi declarado vago,
na forma do artigo 104 segunda parte d) decreto
n. 1386 de 28 de abril d 1854, em vrtude de re-
oluc' imperial de 4 do corrente, lomada sobre
consulta da seccao dos neg ios do imperio u
consetfio de estado. Pelo que todo* os pretenden-
tes ao dito lagar se podero apreseowr desde ja
naseereiaria desta faculdadq para m***
nomes as hvro competente, o que Ihes \W**
do fazer por procurador, se. est.verem.a, im de
viote legoas desta cidade ou licirom 3*J" "npe-
dimenta Sao, porm, ol.ng.dos^ f Orc,entnr do
cumehtos qnemostrem sna qnal.dade de Uad*.
I^asileiro, edoqueesUo no pu d.-eus direi-
ws civis palillos, certidao do bapsmi, folha
corrida do lugar de seus domicilios e diploma de
dgutor por uma das [acuidades do imperio, ou
oublica f-ma. justificando a impossibilidade da
anresentaco do origina!, e na rat-sma gcra.su>i
podero entregar quaesquer documentos qaeljnl
"arcni'convcmeutes, ou como ttulos de habilda-
ea i ou como provas de servicos prestados ao es
i'vl humanidade, oniscienoia, dos quai
Ihes passar recibo : ludo de conforiuidado'com
os artigos 36 e 37 do decreto n.,1286 de 28 d^
abril de lsfii e 111 o seguintes do de n. 1368 de
24 de fevereiro do 1835.
E para sqiio chegue an conheieimenlo de t-
raandou o mesmo Exm. Sr. director inti rio ^fri-
sar o presente, que ser phbli :do as rollos des-
la cldaJo c as da curie. ~ scretaria da faculda-
de d direito do Recife 24 de agosto de Ijfl^H
secretario, Jos Honorio B. d .Vvnezos. Secreta-
ria da faculdade 'de direito do lt.>cife I
reiro de 1870: O secretan^, Jos Honorio TI. de
Menezos .
a SANTA CASA D.V MISLIUOROIA. DO
BECIFE.
A Illma. junta administrativa da Santa Casa de
Misericordia do Recife manda fazer publico que
na sala de suas sessoes, no da 31 de marco, pelas
4 horas da tarde, tem de .er arrematadas a-qoem
mais vanagens fferecdr, pelo lempo 4a un a l-
annos, as rendas dos predios em seguida declara-
dos:
ESTARKLGGIHKfJTO'OB EAR1DADE.
Hua da Alegra.
Gasa tenea n. 7, por anno. --MOfUO
Ra de Mathas Ferreira (lipda)
Casa terrea n. 14.......fi0(w
Ra na Gloria.
Casa terrea n. 25.....6 -?^oaotKi
Ra da Viraco,
Casa terrea n. 7........ MMOO"
Ba de Padre Floriano.
Casa lerrea n, 43...... m*^
dem idem n. (>'....... 9VTtm)
Ra de Hortas.
Loja dosocmdon.41 4ft!#00"
PATRIMONIO DOS ORPHAOS.
Ba do Vigario.
Primeiro andar do sobrado n. 27 14O40W
Ra dn Rangel
Ra do Pilar.
Casa terrea n. 101 A......--IOUijO
Ra da Lapa.
Casa tema n. 2. 4d#0tt
Casa terrea n. 8.....0 88l00fi
Sitio n. 5 no Fem- da Cal. 0 -MOgOOO
O preleudentcs devero apresenlar na acta *
arremataeao das suas fianras os eompareoerem
acompanhados dos respectivos fiadores.
Seerataria da Santa Casa da Misencefdia^o Re
eife, 26 do marro de 1870.
O escrivao,
Pedro Rodrigue # Souia,
Santa casa da misericordia
do Recife
A Illma-junta administrativa--da-santa cas* d"
misericordia do Recife, na sala de soas sesses,
as 3 horas da tarde do dia 31 de marco continua
a receber propostas para a arremaiace do armar em reedificado ra Direita n. &>J>*''
Rcente aos ostabqlecimcntos decaridade, SWTw-
do de base o preco de 600* annuaes, ta3ao-s.>
preferencia aquello que, alem desta, itras vanta-
gens olereccr. .
Secretara da santa casa de misenoordi* do
Recife 20 de marco de 1870
O escriyao,
Pedro Roarigiiesd'Souaa.
__Pela rocebedoria de renda.- internas-.>;.la
publico que neste corrente raei e no de Abril
prximo futuro, que os oootnbnintes do> Hnpast-
sobro, odu.-iri.-'s e profissoes teem da.4xag*-Io, -
vre de multa, o que finio o referida,. praso.Bfr*
cobrado com a multa de 6 0|0.
Becebedoria do Pernambueo, 3. ne roarc>de
1870.
O administrador,
Manoel Carneiro de Souza Lcenla.
MT'KKAL E REGIO CUSlLAT DAUSyRlA-
rJ.NGHERIA IN l'Klt.NAillCO.
Con dcreti dd.' 14 Dicenihre 1869 venne ai-
nata un'anagrate dei subdi i Austro-Ungan .che si
trovano ali'estaro. ...
I medf imi v^ngono quinii tavitati col prsame,
di annunziarsi, nel termina tlitre niesi dalgHjfno
doggi, pre,.-aqm-sto I. e R. Cons^lato,uMdei
documenti c.mprovanJi.
I, ,;;7. ivhaluogo liben ogns,sML >.d
a-icura aali interessatv, il dintto di naaiojiliu
nivsio l'l. e l. Uffic Cnsplan nel Brase. -
Inpcrial e Regio Consol:o d'Austria-n
iu Pernamb 12 Maro 1870.uco
I/I. e it. Consqt^_ ,.
..Barone de Livramcnlo.
fi>ruaibue#31 dtsuareadr
Malas Giquiu o Ijhj#m da entapa
... Pernamlmcaua.
A cerrespondeucia que leu de ser expedida boje
^
urina



ME


J-
Om0 (k Fenumbnco Qfrrtfa feira 31 da Jforyo de lftHW
petos vaporee a sima mencionado:, pira as partos
4o sul al Pencdu. e para o porlojB da Norte al a
i'.ranja, sera receida pla uiaue.ra sejuiale :
iassos de jorruss, impressos do qualquer Data-
rea e carta a registrar, at as 2 horas da tarde,
artas ordiniras ai esja> at 3
pagoda porte dap
O administrador.
Afronto doH-y*Herios.
SexU-tei/Hf de,Wil vaj praca, dojioTTda
audiencia zia de Sanio Antonio, os bsns penliorados a Anto-
ci Jorge dos Santos, e existentes na taberna sita
najiavessa dos exposlos n. 18, por esecucao de
dlrawos.
Recite 30 de marco de 1870.
O escrivo interine,
___________________ Per*ira <* Bocha.
Pela secretarte da tramara municipal desa ci-
dade, e de ordera da mesma cmara, sa faz publico
paraconhecimenlo de quem ifyteroasar possa, a
4e vada pelo Extn. presidenta da provincia aos 18 de
marco de I8.'I.
Secretaria da cmara maicio. do Recife, W
-le mareo de 1870.
O secretario
Francisco Canuto dr. Boaviagem.
Deseripcao geral do cemilerio publico.
O'terreno do centiterio ser disposto em i'orraa
de jardim sepulcbral, creado centro ser construida ama pequea capella em
fiin do cruz grega. Km volta de iodo o cenie-
rio, e unido ao muro de circuito surao construi-
das as catacumbas, com a firma n pr< uore^es i-
dieadas no desenlio junto a esta, rma ra de
sosenla palmos de .largura eimlariodo o cern-
torio interiormente ao muro, >-. duaj oulras em
forma da cru dflvidirao todo o terreno em quatr;
seecoes giues, que para boa ordem seria desig-
nados pelo numoros 1, 2, 3 e \. Cada urna
destas seceoes sor dividida em juairo quarteiroes
do forma Iringnlar por duas ras de vinto cinco
palmos de largura no gemido das diagonaes, Alm
dissa ras de vinto paliaos tic largura par-alelas s
s.ias principaes de sesseuta palmo*, subdevidirao
cadaum dos quarteirii?* em doas o Uros; e urna
roa de vinte palmos de largura perpendicular as
roas..di scssenU palmos anda subdividir cada
uic dos ltimos qaarteirres cm don*, de maneira
que cada juna das seceoes constar de daza quar-
leirtJea.os quaes s assigna&io polos- nmeros 1,
2, e 3 etc. conforma se vi- na planta eral.
As seocije* de numero- 1 e 4 rao dstina-
das para as sepulturas reservadas, a n. 2 para" se-
pulturas dos cscravos. e a n. 3 p ira sepulturas em
ommum on dos pobres.
Na seceo d. 2-ser reservado o quarteirio o.
10 para sepultura dos suplicisdos.
llavera e-n volta da capella una praca circular
lo. raios de I4j3 palmos, e una outra da mesma
forma e de rato de *i0 paira no centro do cada
urna das seceoes. A* sepulturas reservadas sero
disputas co.no todita a planta geral, e teo urna
numeracao particular para cada qoarteirSo.
A superficie do terreno de orna sepultura de
(rete palmos de eomprimentn, e sois do largura,
tero do pr> fundid ule ao menos oito palmos.
Fodoa e< cadveres safio depositados as respecti-
vas sepulturas de maneira que es pea liquem para
o lado da rna principal man prxima, o sera so-
bre o terreno do lado da cabeca que dever col-
locarse o numera da sepultura, oseripto em urna
Iiequcna taftoa, com letras do tamanbo de tres po-
rgadas, sobre cada se| opina se f..ra nin pequeo
montculo de trra om forma d<; canteiro, para
lien distin?ar-s o luga#i
llavera e-nrc a< scniUorM ua o-, >'..') J" \fttn
no de tres palmos de largara paraos comnauaica
. i' s. Tudas a* ra- do ivinierio serio plantadas
flu cipreste- de a ir. bes at lados.
No ceotru il i muro do circui'.o do lado do norte
sea construido un altar oom om cruzeiro de po-
dra mvrmre.
\\o:;'.. I i de fi-\ireiro
dnetor, Jc-si .l/ar.vte Aict l rmim.
Approvo.Palacio do governo de Pernambuco,
1H de inaren de iwCSouza Hamos.Conforme.
O offlclal-maior, Joaqun Piret Murhaio Por-
M de a aaelro
Bpfira -so a todo o momento o brigue nacio-
nal Isabel, capilao Jos Marques Vianna, e segui-
r logo para o porto cima por ter a maior parte
det da carga engajada, para o resto qun lhe falta tra
1 ta se con os c ui-ignalarios Antonio Luiz de OH
ver Azevedft k C. roa 4a Craz n. 57.
Maraajiio.
Segu nostes oito dias para o indicado porto o
palhabo e nicional Emilia : tem a quasi totali-
dado da carguo para o diminuto numero de vo-
lumes que pode anda xeceber: trata-so com Joa-
Juhb Gcraldo do Bastos, ra do Vigario n. 16,
andar.
~ Maranho. "^
Para o referido porto seguo cm poneos da? o
hiaie Rosita por ter maior parte da carga engao
jada ; e para o resto que- lhe taita trata-je com -
eonsiguaUrio Joaquim Jos Goncalve* lieltro
rna do Cbmmercio n. 17.
LEILOES.
Movis, lougas, espelbos; vitlros, roupas c
uoi pj no
JHOJE.
A r|uorimento do depositario da massa falli-
da de Antonio Gand,fe c por despacito do Illm.
Sr. Dr. juiz do co:nmercio, o agento Pestaa far
leilao por conta o risco de qnem pertencer, dos
(lijemos abaixo m ncionados, os quaes fazem garte
da mesma massa fallida, a saber :
Mesas,, bancos, moxos, cadeiras, mesa elstica,
aparadores, espelbos grandes e pequeos, relogios,
camas, cortinados, loncos, vidros, piano, o muitos
ouiros objectos qoe se acnaro patentes no acto
do leilao sexta fcira 31 do correte, s 11 horas da
manba, no predio da ra da Cruz, onde foi o lio
tel nacional n. 1.
Ama
> Precisa se de orna ama : na ntt do Vigario n.
3.1, i andar._______________________
No da 19 de abril do corrente armo deve-
ro ser arrematados perante o Exm. Sr. Dr. juiz
de direitoespecial docommercio,osefcravos Lon-
renco, pardo escoro, de poaco raals de 30 annos,
e Valentina, crionla, de 22 annos, ambos de boni-
ta figura, e esta ultima mnio prendada : quem
pretender arrematar esses excedientes escravos,
queira enviar snas proposlas razmveis perante o
mesmo \m. Sr. Dr. jniz de dircilo especial do
commercio, na conformidad i do decreto n. 1693
de 15 de setembro de 1869._________________
Perdeuse no dia 18 do corrente urna letra
aceita por Manuel Jos Marques da Silva no valor
de cem mil ris ; desde i se previne ao aceitan-
te que nao pague adila letra se nio ao seu verda-
deiro dono.
Hecife, 28 de marco de 1870.
Tkeooro Jone das Suatos.
Am-
Na rna da Cadeia do Recite n. 50, precisa-fe
de urna ama para cozinhare engommar.
de 8Sl.0 engenheiro
_____
AVISOS MARTIMOS.
.Haranh
Sepue com brofidade para o port cima o pa-
tiaboto Joren Arl!"i\ \ raore.-lo ja carga que
'lie falta trata-so '\in cs cousignatarios Antonio
l.n de Olivcira Atev-lo &C. rna da Cruz n. 57.
tmmw kmmia
DE
Paquetes a vapor.
De ? porto-, do norte esperadi
al odia 9 do corrente o vapor
TocaktiM. coramaadante J. M.F.
1 raneo, o qual depois da demo-
r;. (o costiune seguir para o
! ir para os portes di, '.!.
Desde ja 'recebem-se pa>sageiros e engaja-se
carga que o potimdjer condazir, a qual deven
serombarcada un dia, c'e suachegada. Encommen
das c diuheiro afrete iK as duas horu do dta dr
sua sabida. '
Nao se rocebci coio encommendas senao or>-
iect03 de pequeo vaic: o que nao exeedam il
arrobas de peso ua H almos cbicos de niedi-
<.ao. .
Tudo que paraae dWtti limites devera sei
'mbareado como cama.
Previne-se aos Srs. cwsageros qae snas pas^a
Kens s se leeebem n ageneu ra da Cruz n. 5/
i* andar, escrm'r rio ia Antonio Luiz de Olivem
A.'evodo & C.
Importantsima de porcelanas
ecrystaes do B carat.
Sabbado 2 de abril
'> agente Pinto far leilao por conta e urdem dos
Srs. A. Milliet Filbo & C, do Ilio de Janeiro, de
todos os arligos existentes no seu grande estae-
iecimento na roa da Imperatriz n. 47, 1* andar,
que comprebende o maior sortimento que se pode
imaginar de riqusimas porcelanas e crystacs do
afamado fabricante Bacarat, como soja apparelhos
completos para jautar, ditos para cha e caf, em
crystaes ha o mais rico e variado sortimento que
so tora visto nesta cidado, o qual com muitos ou -
tros ob ectos de luxo e uo menos aparado gosto
si>ro expostos no dia do leil) ao respeitavel pu-
blico.
O annunciante chama a atlencao de todas as
pessoas de boa gostu para que aproveitem o en-
sejo que se Ibes offerecc para se preverem de
muitos artigo* neeessurios pois que sendo este
imprtante leilao feilo para liquidar a casa aqu
estahelecid ha pouc^s me/.es, serlo os objectos
vendidos muito em conta.
Principiar as 1!) horas em. ponto por seren
omito* os lotes. -
I>e O barrii cotn binha de ballimor?.
Sabbado 2 de abr!.
agento Pestaa faca lejlii de 50 barris com
banha de ballirnorc chegados ullimamenta^e a sa-
bir da alfaudega, e serio vendido; em leilao por
sonta e risco de quem .pertencer em um onmais
lotes. Sabbado 2 de abril as 11 horas da maula
no armazem do Annes defronte da alfandega.
de movis e relogios.
0 agente Puntual competentemente autonsado
vender em leilao urna tnobilia de mogno com
pouco uso a Luiz XV, 1 armario, diversas pecas
de oleado para forrar salas, 1 guarda roupa de
nogueira, 1 mesa redonda, 2 consolos de amarel-
lo, 1 marquaza, 1 rc-logio pava engenlio, 1 dito
com msica, 2 ditos, i apparelhos para fazer agu
gazoza, 1 armacao pintada, 2(; relogios america-
nos, 1 basso de violoncclio. 4 caixoes com instru-
mentos de physica, 1 pon;ao de thermometros, 1
caixo com vidros zoes. 1 berro de ferro, e urna
cama de ferro, urna estante com porcao de vi-
dros e outros moitos objectos.
Segunda-feira 4 de abril.
Dever ter lugar o leilao no armazem n. 14
ra da Imperatriz.
Venerarcl Orlena Terce 1- |
ra tU Pcn llene do pa- 9
triiirehaw. 1'nucbco da 1
ScidadedA Re-lfe.
Autorjsado pela mesa regedora, con vi-8
_. do a todos os nossos charissimos jrmaos S
_5 para que se digoem coadjuvar-iua, com- 1
i parecen Jo paramentados coin seos hatii BB
j tes, na igreja denossa Veneravel Ordem, S
Sa pela* 3 horas da tarde do da {* de abrt, @S
M prximo findo. aflm do que, ene: rporados 0
acompSDbemos em solemne procissao, a S
Sacrosantaimagem do Senior Bom Jess'j
Rl dos Passos, em regresso da igreja de N. M
S$. do Carnio, para a matriz do Corpo 5
13 Santo, aara cojo acto, Tomos convidados 9
^ pila respectiva contraria.
Consistorio, em sesso de S9 de marco 5
m de 1870. M
O secretario, M
Jos Rufino iraaco da Silva.
IIT1T
TABELU PAM OS MIZES DO AVERNO 487181
! da 1 de abril cm dlaute o tren partfrao pda tabella seguate:
IDA
cc,f.......................................
HuaFormosa...............;.................
OfBcinas...
Redado.....................................
CaminhoNevo-,........
MaWiho..............
s-'**..................
...a.. # ......
.................


......
Torre.......................................'6.
Ponte d'Uchoa................................X
Jaqueira...............................
Pamameirim...........................
Sant'Anna....................................6.
Casa forte..................................6.49
Caldeirem...................................f.5J
ontfiro....................................g.55
Porta d Agua..................................68
Apipucos.....................................J.o
.....
As novidades do Passo
PARA A QARESMA.
Chegaram pelo ultimo paquete os ricos posti
Ihdes de gorgorito pretos, basquinas pretas com
ricos lacps de setim, oeste artigo ba doas especies,
de gorgoro e croxe, e mantilhas brasileira, ditas
compridas para cabeca, chales d* tonqulm e me-
rino pretos e bordados gorgorees pretos lisos,
de cordao de listas assetinados, de flores, tanto
o sortimento nesto artigo que o comprador pode-
r escolher a venale Setim preto marau milito
superior, sahidas de baile de merino infeitadas de
setim.
YOUTA
Ap'uJUcos....................................
Porta H'Agua..............1..................
MpnMB............
CalboWiro.........
CasaTorte...................................
Sant'Anna....................................
Parnanieirnj.................................
Jaqueira.....................................
Ponte d'Ueha...............................
orre...........,............................
S. Jos......................................
Mangninho...................................
Caminho Novo................................
!SS**.....................................
Oincinas.....................................
Hua Formo-a.................................6.47
Bccfe..........................;............C.5
j.30
..30^. 6,35
6:37
.39 7.39 9.
. iit 7.31
5.41 6.44 7.34
M3 6.47 7.37
M 6.0 7.40
M 6.33 7.43
S.W B.55 7.4
$.53 S..S8 7.48
K-U 7.2 7.8
5.MI7.1 7.57
6.2 7,10 8.0
6.5 7.13 8.3
6.8 7.15 8.5
9.11
9.ti
9.17
9.20
9.
9.
9.
9.3t
9.37
9.40
9.43
9.45
6.
6.12
6.14
6.18
(.20
.S
6.25
0.28
6.36
6.33 7.30]
635 7.38
6.38 7/34|8:28
6.40 7.36;. 30
6.417.38,8.31
7.408.3o
7.48.38
7.H5 8.40
S.o'J i.oz p>,ozo.a/.,
4.1 4.5 t.v.54 6.08 8.:
4.3 | 4.561 f^."i6 7.l 8.'
4.:i li.4J 4.o8'.>.4.iV:o8 7.3 8..'
4.7 4.47 5.0 :;.47 *'.0- 7.5 8.1
4.02,0.4
4.;4|5,fi
sV/oTi
0.52 6.4
8.51
|5.o7
5.306.358.10
5.32(1.37 8.1
5.36 b.41 8.16
5.40 6.45 8.20
5.44 6.49 8.24
3.47 6.32 8.27
3.oi) 6.33 8.30
o.32 6.57 8.32
.v.5i6.38 8.34rtsl4
.36 19.16
38 10.18
40 10. JO
6.6'
6.8
7.7 ,8.42
7.9 8.44
7.11,8.46
7.13.8.48
6.1t^7.15'8.30
10.22
10.24
io. ta
10.o23
lo.rwi
;'
DOMINGCiS E DAS SANTIFICADOS
i
Do Herir Apipan..................I 7.0 | 8.ti 9.0
De Apipnro< ao Recife................| 7.5 | 8.5 9.3
10.3
1.0
2.0
3.0
4.0
4.0
5.0
5,0
(5.0
6.0
7.0
7.0
8.20
8.15 jU.iSI
9.20 f- r
V

Offerecese um.i ama para c.iiseiro de c-
branos e nutro qunlquer servier) de roa on mes-
mo stabolecimonto, exceplo- taberna, o qual d
conhecinnnto de -ua conducta : a tratar oa ra
do Martvrin*. taberna n. 36.
AVISO
AVISOS DIVERSOS.
ISSTITITAMIEOLOGICO E GEOSKAPHICO
Corapaabia smericaoa e brasi-
leira de paqnete* a vapor.
At o dia du abr! esperado dos portos do
sul o vapor americano Sonti America, o qual do-
no da demora do costumo seguir, para |New-
York tocando no Para c S. Thoraaz, para fretes e
passagens trata-se con- os agentes Henry Forster
A C., na rna do Cotrtrr.orcio n. 8.____________
Porto e Lisboa
Vai sahir at o Qm o eorrente raez de marco a
barca Flor de S recebe carga e passagei-
ros, para o qaj tratare com os consignatarios
Carvalbo & Nognniri.na rna do Apolle n. 20.
Papa"~Porto por Lisboa
seguir em poneos dias :. barca portogaexa iVoca
Sijwpathia, d V c'tsse e marcha, por ja ter
prompta-a maior parto de 3ua earga ; para o pou-
co ejno-rhe faltt ncoseexeellentci :ninrr.ndos, trata-se com Bal
tar, Otveira & 0., raa do Vigario n. 1, primeirir
andar.
tu*
Sexla-feira Ia dabril prximo, pelas il
horas da manhia, celebrar o Instituto a
primeira sesso ordinaria do corrente anno
acadmico, era conformidade ao que djs-
pe o art. 27 dos seus estatutos.
ORDKM DO DIA
1. Posseda nova mesa e commisses
eleitas em 24 de fevereiro ultimo ;
2. Discussao do jorcamento que tem de
vigorar de 187071 ;
3. Pareceres e mais trabamos de com-
misses adiados.
Secretaria do Instituto, 2!) de mar$o de
1870.
Jos Soares d'Azevedo.
Secretario perpetuo.
A imperatriz regente.
Com esta denominacao chegaram a loja do Pas-
so pelo ultimo paqaci os m;iis ricos chapeos de
palhinha pretos com enfeiles de cores, objecto es-
te o mais moderno do Paris, iheguem antes que
se acabem : a ra do Crespo n. 7 A.
O abaixo assignado ainda urna vez, vem
scientilicar ao publico e com e;pacialidade ao
corpo do commereio que est delinilivamenlo li-
quidada e partilhada a so^iedade que leve com
os Srs. Joaquirn Fernandes da Silva Campos e
Manoel Jos da Costa Perera que girou sob a
razao social Duarte l'ereira t C ficanJo o abaixo
assignado ex-socio commanditario Joaquim Fer-
nandes da Silva Campos senhores do estabeleci-
ment commercial da ra do Crespo n. 10, do
lodo o activo do mesmo estabelecimento o obrigu-
dos pelo passivo, visto terem indemni.-aJo inte-
gralmente e a dinheiro a visto, tudo i|uaalo podia
ter naqitclle esiabeleciniento, o sicio de industria
Manoel Jos da Costa Pereira, do quero recebera
plena e geral quitacao.
Iltcile, 30 do marco de 1870.
Bernardino Duarte Campos.
^TTENCAO
Precisa-se alugar urna casa torrea boa,
e que tenh? gabinete ao lido, ou um so-
liradirdio bom, na cidade de Olinda, em al-
gamas das scgiiintes ras: S. Bento, lade-
ra da Misericordia ra do Amparo, ou la-
deira do Varadooro ; a pessoa que tiver, e
quizer alugar, deixe carta fechada com as
iniciaes F. F. n'esia typographia, pois nao
se diivida dar bom aluguel agradando.
Preci-sa de urna e^crava quesaiba cozinhar
o fazer compras c o mais servido de casa : na ra
da Cadera do Berilo d. 1.____________________
Cabelleirciro
Ra da Cruz n. 24, Io andar, por cima da
botica.
AntonioBodrigoas Hamalho acaba de abrir
concorrencia publica um espacoso c asseiad) sallo
para barbear e cortar cabellos, e atranca que nelle
encontrarao seus amigos, amigos fteguezes, e em
geral todos os que quizerern frequenta-lo, agrado,
actividade e bom desempenho do trabalho.
Irmandade das almas.
A mesa rgeora da ir.nandade itis almas erec-
ta ua ui.-.iri/. do Corpo Sanio, convida a todos os
seus raos a compar-'cerim. no consistorio \a
mesma matriz na sexta l'eira 1* d abril, as 3 ho-
ns da tarde, para encnrporailos, seguirn para o
convenio de N S. do Carmo alioi de acompanba-
rea a procissao da imagem do Sentior Itom Jezus
dos Passos, para o que se receben eonvite.
Oe-crvrio,
Manoel J>s-- dos Santos.______
Ama
Precisase de utna ama forra ou saptiva, paga-
se bem : na ra da Senzala-velba n. t28r segun-
do andar.
DA
Tinturara Francra
!..--ai;t da liu.icratrijt-rtll
I O proprictario deste astabelecfmeote
! previne as pessoas qoe depositaram
I nelle alguns objectos antes do primeirm
8 de Janeiro do anno corrente, que os vao
. buscar impreterivelmente no praso-de
| um mez da data da_ presente publica-
J cao, do contrario serao os ditos objectos
considerados como abandonados para pa-
i gamento do trabalho, o seus donos nao
| terio direilo nenhtim em reclama-los em
* tenqxi algum.
Becife, 29 de marco de 1870.
Aluguel
Atuga-se nm grande sobrad por

acabar, tra-
vejado sem ssualho, com porto do embarque,
proprio para qualqiirr offlria, sim nos Obtibtm
defronte a hospital Pedro II frotar a ra du
)BR [ Mbndego, olaria n. 13 ; lambem serve para mo-
radit.
AMA
Bogase ao Illm. Sr. Alfredo Mitnn de St-
7a l,e5o,. para ter a bontlado de vir a-ra estreita
do Itusario n. 31, 2 ao l.n. para concluir uiu ne-
gocio. "'_______________-
Precisase de um criado ou criad!, livre oa
esoravo, rna da Cambia do Carmo, i* andar,
n. 2
T1UL1I0S
DO
IUUAN0S
Preeisa-se de unid com wr-
gedcia: a ra estreita do Ro-
wio n. 32. tereeiro andar.
Alaga se ou compra-se um escravo com
pratica de servico domestico qne tenlia de 15 a 20
annos de idade : na ra de S. Francisco n. 72.
O bacharel Jos Goncalves da Bocha ha re
solvido estabelecer seu escriptorio de advogacia
nesta villa do Cabo, onde poder ser procurado
em qualqucr dia e hora para o excrcicio *e sna
preQssao. Encarregase nao s du negocios rela-
tivos ao foro de-ta comarca e seus termos, como
tambem pertencntes as comarcas e termos da
Escada, Bio-Formoso e Agua-Preta, e mesmo de
qualquer outra comarca que pertenca ao districto
deste tribunal da relaeao. __________^_^^
Recife a Apipucos.
Tendo principiado o ovo systama de
venda de bilhetes as estuques, cessatido
assim a venda n js trens< roga-se aos Srs.
passageiros o obsequio" de coadjuvarem a
emp.i-za em levar a cITiio este systema,
comura'^o seus bilhetes com a precisa an-
tecedencia, para assim evitarem a demora qoe
pode apparecr no caso de nd eslarem del-
les munidos.
As pessoas que tiverem 'le lomar o trem
nos pontos de paradaRna Formosa e Por-
ta d'Agua trS abondadede lo*-ar cosigo
seus bilhetes, visto que oestes logares n5o
lia eslacao para venda delles.
Escriptorio da compauhia, 2i do awrfo
de 1871).
W Raivlinsott,
Gerente.
Juo Amonio de AiineOa, cordialmente agra-
dece a todas as pessoas que, se dignaram assisti
a i acto fnebre e aeompanharan ao ultimo j.izi-
go os restos morlaes de sen finado pai /intoBio
Francisco de Almeida e de novo convida a essas
possoas e a lodos os amigos e prenles do finado
a assistirem a mssa do stimo dia, que lera lugar
na igreja da Veeravel Ordem Tereeira do >.
Francisco, as 6 horas da manh do dia sexta-
feira 1" de abril, pelo quo desde } se conlessa
grato.
Precisa-se de urna ama para engommar o para
servico de una pequea familia estrangeira : a
tratar na ra do Torres n. 12.______________
r~PEt)E-SE
Aos Srs :
Francisco de Salles e Silva.
Eustaquio Jos das Cltagas.
o obsequio de apparecerem, a negocio do
seus interes.se, no Basar da Moda, tu nm
Nova n 50.
Precisa se de um cosiiiiioiro do Trivial : ra
da Florentina n. 20._________________________
Eteeisa-sede umu ama forra, prcla ou parda,
que salda eosinhar e comprar para ca*a de duas
pessoas V familia : na ra d-* S. Francisco n..4S.
Caixeiro
Precisase de um c ixeiro de 12 a>M annos :
na ra dnsPlrusn. 50
Precisa-se alugar ura escravo de boa con-
ducta para o servico de urna loja de fazendas : ns
ra do Cretpo n. 20 A.
O abaixo assignado avisa ao publico que tendo
obtido llcenca do Exm. Sr. conselheiro inspector
da thesouraria da lazenda geral, para-vender es-
tampilhas era seu estabelecimento a rna do Crespo
n. 23. petos msraos presos que se vendem na re-
oehedoria geral; assim, pois, podem as pessoas
residentes nesta cidade e fra della dingirem ao
abaixo assignado, suas cneommendas em qualquer
quantidade qu sera promptamnle satisffeitas.
Manoel Martins Fiuza.
COUFRARIA
de N. *iom' da Agona, ere?f no
convenio do Carino
Por ordem da mesa regedora sao convidados
todos os nossos irtros a comparecerero em nosso
consisterio no dia 1" de abril, pelas 2 1,2 hoas da
tarde, aflu de cncorporado?, acompanharmos a
procissao do Senhor dos Passos, que tem de sa-
bir do mesme convento, para o que romos cenvi-
d idos.
Secretaria da confraria de S. Jos da Agona 28
de marco <\i 1870.
O secretario,
Francisco de Medeiros Bnposo.
AUZENCIA.
Pede-se ao Sr. Joo Francisco Hemeterio Por-
tella o favor de apparecer na rna Direita n. 21,
armazem di Pescador,a negocio.
O Pescador.
Ama.
Na praca da Independencia ns. 1 eS, precisa-
,e de urna ama para engommar.___________
AVISO
O bacbarel Jos Rufino Pessoa de Mello, sna so-
gra e cunbados agradeccm s pessoas que assisti-
rara aos suffragios por alma de sua prezada espo-
sa filba e irmaa, D. Joanna Pires Portella Pessoa
de Mello, c acompanharam o seu cadver ao ce-
milerio publico; e thes roga o obsequio de assis-
tirem missa que se ha de celebrar no dia 1
do abril, s 7 horas da manhi, no convento do
Carmo. ^^__^^_______________
AVISO
Os Srs. Meuron & C, fabricantes do rap, pre-
cisan! mais de algumas mnllreres para trabalbar
na sua fabrica ; a quem convior pode-se apresen-
tar'na mesma, ra do Mondcgo n. 107.
Na tarde do dia 15 do corrente auzenton-se da
casa da ra do Livramento n. 25, o menino Ipolo
Engoinmmleira.
Na ra-do Apollo n. 21, andar, precisa >c de
tima ama que saiba engommar e lavar, para i m
pequea ftuiiili, paya-se bom ordenado : a tratar
das 6 as M-taras na manhaa e das horas da tar-
de em di ante. __________________
Ama.
Precisase- de nma a na para cozinifare com-
prar para- casa de homom soltero : na ra do
firepo n. 20.____________________________
Ama de leite.
Precisase de urna ama que leona bom o abun-
dante bita ; na ra do Sebo n. 2i____________
Costureir s.
Na fabrea de chapeos da rna larga d> Rosario
n. 2i, 1 andar, precisa-se de costurciras.
AMA
01Terece-se nma preta escrava pa'ra t do o ser-
vido, sendo easa de pequea familia : intratar na
ra do Bispic.io n. 20. Na mesma casa alaga-sn
um pianno de pouco uso, inglez._______________
Deseja se siber se existe nesta provincia, e
principalmeo'.e em Bio Forrooso o portaguea Au-
gusto Pinto de Barros, natural do ViHarinho de
S> Bi ma v provincia de Traz Montes, chegado a
esta provincia em 1803.
Se algaem o conhecer e delle qui/.er dar noiicia,
dinja-se a ra da Fundicao em Saoto Amaro n.
30, ou a ra da Cruz do Becifo a. 30, certo
de que ser grande favor feto a familia do mes-
mo, residente em Portugal. Na ra da Cruz n. 30
podem deixar carta feicnada para Manee! Goncal-
ves Ferreira da Costa._____________________
Precisa-se de um hornee quo s-iba.
1er e escrever para destribuid3r des:e Mi-
rto. ._____________________
Precisa-se de urna ama que teaha abuBdan-
ignorndose o deslino desu creanea ; roga-se a
quera o encontrar ou delle noticia fiver de avisar
na ca a cima mencionada._________________
Aluga se urna boa casa acabada de novo, si-
ta na melhor localldade da povoaeao do Monteiro,
muito fresca e aderece decencia para pessoa que
tem tralamento : tratar ra de Santa Amaro
n. 20.
AMA
Prfcisa-se do urna ama para eosinhar, comprar
e fazer mais alguns servicos do casa : na tintura-
ra franceza, ra da Imperatriz n. 51_________
COZINHEIBO.
Precisa-se de um coziuheiro do trevial : na ra
da Laaa n. 11. __________________
" Precisa se de urna ama de leite sem fitbo :
a tratar na ra, do Principe n. fc
a.Vk.
' Dase M)i a 7U0* por uui sitio pertod
praca que tenha muitas fructeiras, urna boa baixa.
de capim, e a casa tenha 6 quartos e estribara :
Ba ra de Santo Amaro, labora nava junto a ma-
ebambomba.____________ ____________.
Preci*a-se de urna ama, qne compre e cozi-
Hbe para casa de pouca familia : no ra nova de
Santa Rila n. 41. ^_____________
' Perdeu-se da estaca" dos trunos urbanos^,
traiecto pelas ras de Santo Amaro, Nova, Ubu-
g praca da Independencia, (Jueiuiado ate rv
3o Livramento, um lequa il seda parda e sandnl
com lentijoulas de ago, tendo ao centro as loienev
J R : quem o achou e (|uia r entregar, vena av
ra da Cadeia n. SS, f andar, que se gratificara.
"Precisa-se de orna ama para comprar n-co-^
xittbar: na rna da tmia, armazem ns. 13 e le.
UA
Esto nportaate estabdecimento m sen genaro, tem sempre um sorti
vende por presos (me nenhuma outra csa pode vender.
A vista da quaiade e do preso das joiaa cato ubi poder-se-ha
esquiva
ra larga
. r
Garante-se
vados;
Compran ouroi Pta e pedraa finas iw pre<^ muito ele. Basano.

& loja eet ab#rto at s hom tf owte.
5cu
iLibl 1


'


Diario d Peniabmeo Quinto 4etra 31 de Man?) de 1870
D. *e Maria da Natividade 'Magalha'es,
viuva o major Flix Francisco do Souza
MagaUsaes, tendo de prooeder inventario
dos bees deixado pelo mesmo -seu fallecido
esposa,-convida poisa todas as pessoas que
se jalgarera credoras do -referido -casal para
apresesrtarem seus litotes e contes, am de
seren verificadas e contempladas e inven-
tario, o praso de 8 das contados da dala
deste, ndo os quaes ao e atlender a
redatns<;ao alguma. Outro s-im pede a to-
das as pessoas que sao devedoras ae mesmo
casal de virem qoanto antes saldar suas
contas dentro do mesmo praso, bodo os
quaes-entregar ao seu procurader para
cobrar judicialmente.
Recite, 22 de mar$o de 1870-
CASA IMl FE.
Aos 20KMXM000.
Bilhetes do Rio venda : ra do Cabugi a. 1
vende Vieira & Rodrigues. ______^^
LOJA DE JOIAS
DE
... EIRA HARTE & C.
Este antigo esta&elecimeiito, completar
atente reformado ie novo, est as condi-
*6es de servir vantajosaxnente os seus fre-
guezes, visto que aeha-se prvido com um
plendido sortimento de obras de ouro e
pirata de lei, assim como brilhantes e ou-
tras pedras preciosas, eujos presos sao os
mais mdicos que se pode encontrar.
As joias compradas nesta casa recebem-
46 em troca ou compram-se com pequeo
bate.
R. 5 RA DO CABUGA PL S
0 MARAVILHOSO REMEDIO DO
DE. CHAS. DE GEATH.
PEDIDO
Pede-se encarecidamente aos Srs. Domingos
Theottaro Rigneira e Aristides Florentino Caval-
canti df! Alboqucrque(deSermhaem), que venham
rua-^o Vigario n. U, a negocio que se precisa
ultimar
M
-Preci-se de urna ama que eaiba lavar e co-
zinhar pwa casa de ponea familia : .paga-se bem;
a trataros ra do Vigario r. i), 3* andar.
Na praca da Independencia n. 33 se da di
nheiro-sobre penhores de ouro, prata e yedras
preciosas, seja qnal for a quantia ; e na esma
asa se compra e vende objeetos de ouro eprata.
i igualmente se faz toda e qualquer obra de en
wramenda, e todo e qualquer concert teadenb
i mesma arte.
----------*ir
Ae uiarmore. ra das Cruces
u. 11.
O artista 'Gamillo acba-se estabelecido na casa
cima, onde pode ser procurado para todos e
ousteres de sua procissao.
GUSTAVE
CABELLEIREIRO FRANCEZ
51Ba da Cadeia do Recife51
Chama a attencao dos seos innmeros fregueses, e do respeitavel publico e
geni, para a seguinte tabella dos preco* de sua casa, os quaes s5o vinte por cent
mais barato do que em outra qualquer parte:
Cabelleiras para senhoras a 25)5, Cadcias para relogio a 5, 60,
300, 35 SEMANA SANTA
Grande sortimento de livros para os officios da
Semana Santa
Eocardeaados de cou-o, marroquim e velludo-
____________Livraria franceta._______^___
WWM f ATENTE IWLEZ PARA PAREDE
49-MJA DA CADEIA DO RECIFE49
E. A. clonehe.
Aeaba de chegar urna porcao de relogios paten-
te inglez proprios para sala ou escriptorio, dos me-
mores gostos, tem tambem grande sortimento de
relogios americano) para cima de mesa e parede,
por preeo razoavel.
ELCTRICO
KINGOF PAIN
o re da dor
PARA ISO IXTERXO E
Cura cholera e cholera
Diarrhea, (laxo do sangue, era um dia.
Dores de cabeca, o dores do ouvido em
tres minuto?.
Dor de denles, em um minuto.
Neuvralgia, em ciaco minutos.
DeslocacSes, em vintc minutos.
Gargantas inchadas, em dez minutos-
Clica e colvulses, em cinco minutos.
Rbeumaysmo, em um dia.
Febre e febre intermitenle, em ura dia.
i:\ii;h\.
morbus.
Dor as costas e nos lados, em de; mi-
nutos.
Tosses perigosas e refriados em um dia.
Plueresia, em um dia.
Surdez e astlima.
Heraorrboidas e bronchites,
mflamacao nos rins.
Dyspepsia, erysipelas.
Molestia do figado.
Palpitado de coracao
Reserve seoipre este remedio na sua
AS DOENCAS SE APRESBNTAM, QUANDO MENOS SE ESPERAM.
OLEO ELCTRICO 0 King of Pain (0 Re da dor) aquieta e positivamente dis
^ipamais de dierentes molestias e dores, e allivia mais os soffrimeDtos e produz um
wis perfeito equilibrio no systema humano, o que nao se pode effeitoar no mesmo tem
po, com qualquer outro remedio medicinal.
Este multo popular remedio esta agora usando-so geralmente, pela razao que
ttilhares de pessoas se tem curado gratis com o dito remedio pelo Dr. Grath e outros
IBais-
Este importante remedio n5o se offerece para corar todas as doencas, porem
tio somente para aquellas estipuladas as nossas direccoes.
Esta operando nos principios da chimica e da eletricidade e por isso, est
ppiioavcl |iara o curamento e para a restauragao da accao natural dos orgSos que so-
frem da irregular circulado dos fluxos dos principaes ervos. Oleo elctrico O King
of Pain pera directamente nos absorventes, fazendo desaparecer as inchacSes das
glndulas etc. em um tempo incrivel, breve sem perigo do seu uso debaixo de qualquer
eircumstancia.
O remedio urna medecina para o uso externo e interno, composto dos ele-
mentos curativos, raizes.-bervas e cascas, taes como se tem usado dos nossos antepas-
ados, e das quaes tem grandes existencias no mundo, para curar todas as molestias
rnente sabendo-se quaes ellas sao.
Foi nm grande e especial desejo da faculdade de medicina durante muitos an-
uos de experiencia para aprender os melhores modos que se deviara adoptar para curar
as seguintes doencas, eque proporces de medicina se devia usar.
NICO DEPOSITO EM PERNAMBUCO
NA PHARMACIA E DROGARA DE
Bartholomeu & C.
34Ra Larga do Rosario34
TINTURARA
Advocado.
I
0 bacharel Francisco Augusto da Costa
muduu o seu escriptorio da casa n. 69
para o de n. :il na ra do Imperador,
onde ser encontrado das 9 horas da ma-
nhaa as 3 da tarde.
Nesta mesma casa fe encontrar urna
pessoa que se prop5e a fazer cobrancas,
e que se encarrega de quesloes uo inte-
rior da provincia.
massador.
Precisa se para o Rio-Grande do Norte, de nm
massador que saiba corlar bem bolacha ; quem
estiver no caso dirija-se ra do Amorim n. 37,
em casa de Tasso Irmos & C.
&
O Dr. 'osla Motta de volta de sua via-
gem da Europa onde dedicou-se s mo
lestias de senhoras, a partos e afTeccSes
de pelle, pode ser procurado em sua cas*
ra da Imperatriz n. 9. Da consultas
das :o horas ao meio dia, sendo gratis
para os pobres. @
8
i
Escrevente
O tachygrapho Carlos Falco precisa- de
um escrevente. T ata-se na rua Imperial
n. 29 at s 9 horas da manha, e depois
dessa hora na assemblea.
AO ARMAZEM
Rua Hva a. V,
acaba de-chefar pelee ttimos vapores notas re-
messas dos seguintei :
C&l^adofrancez
Para seahoraa.Botinas brancas, pretas, e de oo-
Itas multas differentes cores i ultima
moda.
Para meninas.Botinas das mesmas cores e qua
lidadss cima.
Para homene.Botinas de cordavao, bezerro, ver-
nir, pellica, o taelhor sortimento que se
pe desejar.
Para meninos.Botinas as mesmas qualidades
mencionadas para homens.
Para homens.Botas rucianas, metas-botas e per-
neiras. A
Para homens, nhoraa e meninos.Sapatcs de
tapete, aveludados, charlte, casemira
preta, tranca de Lisboa etc. etc.
Para meninos e meninas. Abotinados fortes de
muitas qualidades.
Ouinquilharias
Finos artigos de Paris, de gosto e phantazia,
como sejara :
Leques para senhoras e meninas.
Luvas de pellica (Ja fabricante Joovin.
Espelhos de differentes tamanhos.
Rerfumarias finas do fabricante Coudray.
Caixinha de costura com musieas.
Aibuns e caixilhos para retratos.
Puieeira3 de ouro bom de lei.
Brincos e trancellins.
Correntes e chaves para relogios.
Botoes de punbos e de abertura.
Correntes e brincos de plaqti.
Boleinhas e cofres de seda e velludo.
Caivetes e Ihesourinhas finas.
Lunetas, oeulos e grvalas.
Chicotes do baleia e de outros, sortimento.
Bengallas de canna, baleia e junco.
Ponteiras dr espuma para cigarros e charutos.
Escovas para falo e para cabello.
Escovas para denles e para unhas.
Pentcs finos de marllm para tirar caspas.
Pentes de tartaruga para desembaracar.
Malas e boleas de viagens.
Estojos com' navalhas [paraviagens.
Carleirinhas para notas.
Gaiolas de rame para passarinhos.
Abat-jour transparente para candieiros.
Oleados para mezis.
Molduras douradas e quadros.
Estampas de santos e cidades.
Bercos de vimes para crianzas.
Cestinbas de vimes para braco de meninas.
Caixinhas de msicas e realejos.
Cosmoram.is e lanternas mgicas.
Esteriocopos cen interessantes vistas.^
Objeetos de mgicas e cordas de violao.
Jarros e flores de porcelana para santuarios.
Velas a gaz para lanternas de pianno3.
Aecordions e concertinas.
Diversos jogos franeczes e allemaes.
E outras quinquilleras semelhantes.
Brinquedos para enancas
Carrinhos de 3 e de 4 rodas para passeios, bo-
mbas de lodos os gostos e precos desde 160 rs.
al-20000, e um sem numero de brinquedos de
djfereotes presos psra intretiraento.
Para evitar massanto leitura de tanta artigos
exioslos venda neste estabeleclmento, o dono
pede ao publico em geral que se digne entrar de
passeio afim de verihearem nao s a grande va-
ridade como os precos baratissimos por serem
odos chegados de conta propria._____________
Ditas para homem a 354, 404 e
Coques a m, l*, W, 204,
254, 304 e.....
Crescentes a 124,154,184,204,
254, 304 e.....
Cachos ou crespos a 34, 44. 54,
64, 74, 84, 94 e. .
Tranca de 'cabello, para annel a
OUV w w a #
Tranca para -braceletes a 104,
154, 204, 25 e
74, 84, 94, 124 e.
504000
Corte de cabello,
504000 C6r|e de ^^ com fricc30! ^
324000 C*te de caDelto um lavagem a
champou......
104000 t de cabel,ocom liBQP^^A da
cabeca pela machina elctri-
ca, nica em Pernambuco. .
Frisado inglesa ou i franceza.
14000
154009
501
50
14001
14001
501
25
304000 Barba. ,......
ASIGNATURAS MENSAES
Especialidade de penteados para casamento
Bailes e solres
0 dono do estabelecimento previne s; Recommenda-se a superior TINTURA JA
Exmas. Sras. e aos cavalheirosqpe haom PONEZA para enegrecer os cabellos e ba^
sallo para tintara dos cabellos e barba, as- ba' uni admittida na ExposicSo Universa)
r | como n5o prejudicial gande, por ser ve*
sim como um [empregado so-mente oceupa-, latil, analysada e approvada pelas acade
do nesse servico. I mias de sciencias de PARS E LONDRES
travessa da rua
das Cruzcs n, 2, pri-
meiro andar, da-sc di-
nhelro sobre penhores
de onro, prata e brilhan-
tes, seja qual for a quan-
tia. Na mesma casa com
prani-sc os mesmos me-
taos c pedras.
Protectora das Familias.
Em cumprimelo do prevenido no art. 29 do
regulamenlo, so convida aos Srs. conlribuinles
dessa associacao que nao liverem apresentado as
i'crtidoes de tuade dos seguros, para que mandem
fozer entrega d'elias na rua do Livramento n. 19,
1 andar, afim de ser expedidas o mais breve po6-
sivel para a inspectora geral do llio de Janeiro
As certidoes devem ser selladas e reconhecidas
por tabeiiao.
Reeife, 30 de marco de 1870.
Narciso Francisca de Vidal.
15-4114 D4S FLORES25
O dono deste estabelecimento tinge, limpa e achamalota com a maior
perfeieSo possivel todo e qnalquer objecto de seda, 15a, algod5o, em pecas
oq em obras, chapeos de feltro, palha e manilha etc., tira mofo das azen-
das e faz todo o mais concernente sua proflss5o, tudo com brevidade, visto
tomo se acba prvido dos necessarios machinismos e' petrechos.
Oto Sckneider.
0 ESTIDOS PRETOS
i,lo Aa niirmiri \ i\a coda nroto l.r.r/liiao a ma ha Ao mAllmr (
orles de gorc

ciada, o que ha de melhor e d
'ernambn
laples pretos de -leda, de OO a 7^000 rs. o colado, na toja da^
Crespo n. 13, de Anhoi Co-reia de Vascellos.
lauoa.
Aluga-se urna can >a nova de amarello com O
palmos de comprido : na praca da Independencia
n. 2.
AOS IIABITWiES DO
Imperio do Brasil.
Grande exposiqao na cidadede
Cordova,
REPBLICA ARGENTINA.
No dia 15 do outubro de 1870 ter lo-
gar a abertura da exposico nacional em
Cordova.
Previne-se, portanto, a todos os produc-
tores, sgricultoes, fabricantes, artistas e a
todos aquelles que exercam qualquer indes
tria, que na dita exposic5o se recebem tod-'s
os productos da industria e agricultura
brasileira, assim como todas as machinas e
utensilios que qnizerem reme'ter.
Estes productos estSo isentos dos direitos
da alfandega na Repblica Argentina e po-
derao ser dirigidos cidade do Rosario, de
onde.serao tranportados pelo caminho de
ferro central.
Para mais explicacoesdrijam-se em Per-
aambuco, rua da Cruz n. 3, ao consulado
argentino.
Em casa de THEODORO CHRISTI
1NSEN, rua da Cruz a. 18, encontratn-t
electivamente todas as qualidades de \'at(
Pord?rr, Boorgogne e do Rlseoo.
As 51 rodas
de reos para pipas
Veende-se no trapiche
rodas para cima.
do Cunha a 7 de dez
35RUA ESTREITA DO ROSARIO 35
Fornece-se comidas para fora com asseio
e promptido e manda se levar em suas
casas na rua estreila do Rosario n. 35, ca-
sa particular confronte a casa do Darbeiro.
Na mesma casa faz m se flores para en-
feites de anjos para procissSes, sipos de
flores, rosas, capacetes enfeitados, e todas
as flores de panno e papel, para ornamen-
to de grejas e andores todo por barato
preco, aoquets para noivas com fitas bor-
dadas a ouro, baodejasde bollos finos com
armacSo para casamentos e bailes, pudins,
pao de l enleitado para presentes e toda
a qualidade de doces de ovos tambem en-
feitados, vellas ricas para baptisados por
barato preco, bouquets de flores de cera
para t ofertes de bollos e para offertas.
CHA TON! PURGATIVO E DEPl'MtIYO
DE
CHAHUAR.
Composto das plaas as mais odorferas e as-
mis virtuosas dos montes os mais elevados, o eh
toni-purgativo de Chambard, possOe um gosto sa-
boroso e um aroma suavsimo, e as propriedades
as mais nota veis sobre os embaracos do estomago,
dos intestinos e do ligado o desobstruente por
excellencia na constipa^o do ventre e nao tem
resguardo nenhuin.
Depuralivo especial e directo da bilis e dos hu-
mores, lefresca o sangue depurando o.
O uso do ch-Chambard pode ser continuado
por muito tempo sera c menor receio e sera in-
commodo neto mudancj no modo de vi ver.
NICO DEPOSITO EM PERNAMBUCO
NA
.PHARMACIA E DROGARA
M
Bartholomcn t C
34RUA LARGA CO ROSARIO34.
Ama.
Precisa-se de urna ama de Iflite : a tratar na
rua do Imperador n. 63, 2o andar, ou Passeio Pu
buco n. 60. _______________________
PHBNIX PERNAMBUCANA.
Companhia de seguros martimos e terrestres
Rna do Commercio n. 34.
Capital Reis 1,300:000/000
SeguraMovis.
M, ^^ Mercadorias.
Navios de vella.
Vapores.
Predios.
Em vapores a ris 100:000*000
Em navio de vella al ris 75:000*000
Em cada predio al reis 100:000*000
Peraambuco, 7 de marco de 1S70.
Pela companhia Phoni:. Pernambucana
J. J. Tasso.
F. F. Borges,
J. H. Trindade.
Oobramja de alugueis.
Ha quem se encarregue da cthranija dos allu-
gueis de predios esta cidade por mdica porcen-
lagera incluindo os servicos de solicitador nos ca-
sos de despejos judiciaes, podem procurar na rua
da Gloria n. 94 das 6 s 9 da manhaa.
Precisa-se
saia, na praca do
aBar.
*JI
anw de leite que seja
SaHto n. 17. segundo
IHftl
No armazem da travessa do Gorpo Santo n. 25, ha sempre nm completo
sortimento de objeetos para carros, e que se vendem por precos muito rasoaveis, como
sejam:
Vaquetas de lastros, grandes e muito boas.
Solas idem dito.
Oleado preto e de cores.
Colleiras de lustro o que ha de melhor.
Guarnieses de fino lato para arreios, completos.
Lanternas e vellas para as mesmas
Eixos patentes para sebo.
Joaquim Lopes Machado c C.
\m
*C3
I
O
t
0
Y A HA DO CABlliA N. .1A
?0
Se*
O
9
cr*
C
.1
3
CO
Com este titulo acha-se aberlo e inteiramente transformado este antigo
estabelecimento de joias, onde os freguezes e amigos encontraro tudoquanto
a moda e o bom gosto tem inventado na arte de ourivesaria, o Collar de Ouro
observar delicadeza no trato e senciridade e modecidade nos precos.
Espera que o respeitavel publico venha ver o que existe de melhor em
aderecos de brilhantes, esmeraldas, robins e perolas, meios aderecos, pul- j
ceiras, brincos, alfinetes e anneis de todas as qualidades, prata de lei faquei- jj
ros, eolheres, paliteiros salvas e outros muitos objeetos que seria enfadonbi
mencionar. t
Compra-se ouro, prata, brilhantes e pedras finas, por maior preco do
que em outra qualquer parte, treca-se e concerta-se todo e qualquer objecto
pertencente a esta arte.
A LOJA D )S ARCOS DE ALVARO AUGUSTO T)E ALMEIDA A C, rua ce
Crespn. 20 \, alm da grande variedade de fazendas de phantasia de que sempre Be
acha provida, tem actualmente um completo sortimento de fazendas pretas, propnas para
os actos da quaresma, como sejm :
Ricos cortes de seda preta de superior qualidade.
Ge rguro de seda pretos de diversas qualidades.
Grosdenaples pretos de differentes qualidades.
Sedas lavradas.
Rasquias de seda preta de modello inteiramente novos.
Ditas de guipure ricamente enfeitadas.
Pelerinas.
Fich* e mantas de fil para a cabeca.
Mantilhas brasileiras ou mantas de fil para cabe?a, de modelo inteiramente
novo.
Eil de seda branco e preto.
i i'jipure branco e preto.
Baldes a vicioriense modeH inteiramente novo.
Chapeliaas enfeitadas de preto.
Luva de pellica preta para homens e senhoras, e outros muitos artigus de
bons gostos e qualidades o que tudo se vender por precos rasoaveis
Tambem contina a ter um grande sortimento de tapetess, alcatifas e as wr-
adeiras estea dins[Iparandia forrar salas.___________________________________
HENRWUE l'FLEGING
ESPECUL AFINADOR DI PIANOS
recem chegado do Rio tflerece seus pro timos ao Illm. publico tanto na cidade como on
matloori nos erigeahos, \ ode ser procurado no sal3o de pianos e de msicas na n
n n. 5 8 lo andar.
\
QUINIUM LABARRAQUE
APFROVADO PEUA ACADEMIA DE MEDICINA DE PARO
0 Quiniam Labarraqm, eminentemente tnico e febrfugo de?e aer
preferido todas as outraa preparteflea de quina.
Os rnhos de quina ordinariamente empragados na medicina preparam-se
com cascas de quina cuja riqueaa em principios activos extremamenta
variavel; parte ^isso, em raxao de seu modo de preparacto, estea rnhos cob-
tera apenas vestigios de principios activos, e em proporefles sempre tariate.
0 gaialam Labarraqna, approvado pela Academia de medicina, con.
ittue pela contrario um medicamento de composicao determinada, rica em
principios activos, e com o qual os mdicos e os doentes podem sempre contar.
0 Quinium Labarraqua proscripto com grande ento s pessoas iracas,
delibitadas, seja por diversas causas d'esgotamanto, seja por antigs moles,
tias; aos adultos fagados por urna rpida crescenca, s meninas qui tem diffl. |
culdade em se formar e desenvolver; s mulheres depois dos partos; aos velhos
enfraquecidos pela edade ou doenca.
No cazo de chlorosis, anemia, cCres plidas, este Tinhe um poderoso
auxiliar des ferroginosos. Tomado junto, por exemplo, ora as pilulas da
Yuw, produx effeitoa maravilhosos, pela sjm rpida acejie
Deposito era Paria, L. FRBllS, lt, ru Jaeob
Rio-Janetn, IDFONtilLLK; CifiYOLOT. P*mm*m>, sURU st C*



II"
I I
Diario de Perhambuco Quinta eira 31 de Mai-qo de 1870.

-=.

1
r
b
AGUIA NEGRA
flj
m III
00
S
o
I
BENTO MACHADO & C,
A AGUIA NEGRA animada coro o bono accolhimento que te ve em seus annun-
cios, vem novo participar a seus freguezes que, acaba de receber um variado sorti-
tnento de objectos de gosto os q&aes serSo vendidos por precos muito razoaveis, pois
quando fez os seas primeiros annucios, foi o que assegurou, e sem modo de errar,
porque como j disse osla interesses ligada a urna casa imporUdoradesla praca, e
por sso poder ter tudo especial e vender por procos admiraveis.Chama pois a atien-
do de seus freguezes para os arttgos possa descrever:
Livros com o tampo de marfim, madre- Um variado sortiments ,de cbaroteiras e
aerla e tartaruga, propiios para missa. palliteiros de porcelana,
Garafinhas vazias propriaj para presentes Tentos pwi voharete.
I*
cousa de gosto.
bdispensaveis de palinha e de couro pro- i
ortos para senhoras e meninas trazer nos
ancos.
Binculos i mareperola, marfim e tar-
taruga todos esmaltados.
Cintos largos de setim, cousa inteiramen-
4 nova.
Fitas de sarja de todas as odres e targu-
fas para lacos.
Toucas, sapatinbos meias de seda mais
oertences para baptisados.
Fitas com mscripces proprias para bon-
Ricos vascs com p do arroz.
Um variado sortimente de jarres de por-
celana.
[{engallas com marfim, cousa especial.
Sabonetas de alcatrSo.
Cofres de folhas para drnheiro.
Lindas caixas para costara.
Um completo sor time ato de luvas de pe-
lica,
Tslagorce para bordar.
m completo sorrmento de entortes de
soda para vestido.
Perfumaras detoos os autores os mais
acreditados era otftr*^trs, pomadas e leos
o finalmente ocftros muitos objectos qne n2o
possivel mencionar ; mas com a vista se
certificarlo do sortimento deste estabele-
cimento.
Aguia Negra, raa
erg cj'O
a SfM. B
V
j cr,,'
t> o t>' a T
!BTS 3J3!
m> s = o
fe j? = g
- u -j
K S
ITS
M
3 2.-3 1
*" 6 T 0*2 OS
C.
B -i
a
do Cabug jl 8.
innii!
o
>-
D O aj
s
y.
4


B
D W ^ (P -w
E.S.Bgcg
nial!
fia CW yi CP
*1

S*

O o
* M- -i
Sag B o 7
M 69 =* CB S-
S-S O
5 g.
3 S g
2 o b S
E^- 5" WS
D 15 n 1 u ^
Sb'-b03"
00 w _
o. a c *Q
^g ? a
^ S &s s
re xa.- a &?
5 ES1" a w S-
N H 1 S U

ti
e
c 9
^*
^s Ci.
0 ca r*< , .
b 0
CK5
.p. *
-S
es
Cid
Ama
Precisa -se de urna ama que coziohe bem o dia-
rio de urna casa de familia, prefere-se captiva :
na ra dos Pires, sobrado u. 17. ______
FAZENDAS PARA A QUARESWIA
7 = Rita do Queimado7
DE
4 k BASTOS.
CbegOJ pelo ultimu vapor no sejam :
Groslenaples preu>s de todas ao larguras e qualiikides.
Gorguo preto para vestidos, o que tem vitido de meis superior esta fazend*.
Peqain da China, de seda pura preto com lislras desetim o que ta de mais modereo
em aaenda preta para vestidos.
Mantilhasbrasileiras de renda este mercado.
Meteiniques de crofc preto com icos lacos de 6lim-c.e modello ouiplelamonte
novo.
Casacos de croch prevos, compricktom grande coda e. de regaco que finge segunda
saia sobre o vestido.
Ricas mamas pretas para cabeca de-senhoras.
Um gnmde swtimento fle fil preto de-eeda com flores, neste mesmo .eitabeleci-
mento.tambea ha in grande sortimento de poupelinas de ricos gostos, seda Jisas de
lindas corea, aias bordadas, finas para 6enhras, luvas de Jouvia de todas ae c res
para boraens e senbojas, grande sortimento de cortinados rwrdadoepara cama jan-Has.
tapis para so, cawas, pianos, janellai, e grande sortimento das afamada*; -ceiras
da ftodia para forrar aJas. s etisle na ra dotfueimado n. 7.
loja do Triumpho.
COMPANHIA
DOS
TRILHOS URBANOS
DO
RECIFfi A.9 OLIVOl.
Por ordem 4a directora sao convidados
os Srs. accionistas para, no praso de iOdias
uteis, contados do dia 29 do corrente, a
terminar em 8 de abril, effectuarem a 8.1
prestac3o de suas accSes a ratSo de 40 0/0.
Para esse fim sera encontrado o Sr. the-
soureiro, das 11 horas da manhaa s 2 da
tarde de todos os dias, no escriptorio da
companhia na Nova n. 35 I" andar, entra-
da pela ra das Flores n. 14.
Recife 26 de marco de 1870.
Joo Joaqttim Alves,
i secretario.
Ir*a,iuade do Divino Espirito
Milo do coa vento de 9.
Francisco do Rec fe.
fie ordem da mesw regedra convidamos a to-
dos os dossos cliarissfmu* irmaos para compare-
cerem sexta- feira Io de abril, as 3 oras da tarde,
nc consistorio da nossa irmandade, pare encorpo-
r*dos, acompanhaTraos a procissao do Senhor fiom
lezus dos Passos, para o que Tomos convidados.
Coosi&irio da irmandade A) Divino Espirito
Santo de S. Francisco 27 de margo de 1870,
Gandi Ideburque Carnerro Leal,
Secretario.
CASA DA FORTUNA
Aos 5:000$
Biliietes garantidos.
k roa do Crespo n.23 e casas do costme.
O abano ssignado, tendo vendido alm de (Mi-
tras sorles, um meio n. (95? con 900*008 4a
lotera que se acabou de extrahlr a beneficio matriz de Agua Preta (141*), eenvida aos pas-
suidores a virem receber na conformidade do
costuras -seta descont algurn
Actam-so a venda os felices bilhetes gwan-
lidos da iJ parte da lotera beneficio a Igreja
de S. Amaro das Salims (tW), que se eW&hir
segunda-feira 1 do mez vlndoiro.
Proco.
Bilhete 6*000
Meio 3*000
Qnarin 1*500
Em iporcao de tOft* ipara -cima.
Bilhete KWflO
Meio 2*738
Qnarto i*37S
Manoel Martina Frita.
Ama
Pfe;isa-se de uma-ma
co n 54
na ra de S. Franck-
SSSOPSES
DE
Eoquencia e potica,
nacional
Aoompanhadas 4e algumas oorjees de critica
Iliteraria,
Ex no pelo
Gsnego Dr. >noel da Coste Honorato.
Preco... i*Ot.
DA
liba do Bom-Jess da ci latiecle
Corrientes
E DO
Asy! dos invlidos da patria com uio -es-
tarxpa e rnappa
pelo
Oonego Dr.-kanoel da Coste Honorato.
9>neo... ajooo
Acai-am de cliagar estas obras recenleaaaste
pubSeadas no Rio oe Janeiro e waade-se na Jivra-
ria econmica, ra 4o Crespo n.3-4efronte do Jtr-
co de fianto Antonio.
TOLMS fi HUUIU1S
Cbegon a aoja de Paredes Porto, a ra da Imperalrjz n. 52, (Porta Larga) um bo-
nito iortimenttf de loallias re iinho para mesa, assim como os competentes guardanapos
que so vendeni a preco baixo. -
PABEDES PMtTO vende lasinhas a 240 o covado, fazenda de 500 rs, para acabar
na ra da ImperaIriz' n. 52.
PAREDES PORTO vende algod5o com pequeo toque de avari a 34500 e #000,
a pca. roa da Imoeratriz n. 52.
PAREDES PONTO vena chita preta para luto a 400 rs. o covado na ra da In>
peratriz n. 52. Porta larga.
CHALES.
Vende-se diales preto de merino a 30OOO fazanda soperior, na ra da Imperatriz.
PARDES PORTO vei.de meias para senhoras a 2|$50 a duzia p'>r ter um peque-
no mofo, na ra da Imparatr? n. 52 porta larga.
PAREDES PORTO vende cortes de calca de casemira preta a 3|J500 e 4,5000.
PAREDES PORTO tem para vender panno preto superior e casemiras de cores e
preu qw ^f&NDE PECH1NCA.
Chegou a loja da nitlmperatria^^Mfl Paredes Porto
cbales ehinezes (azen por 5)J000, 615o ac1
Loja do Xeo.
INSTANTNEOS
Trawsa tCorpo Sante n. 25
AMfAZEM
Ra Nova n. 58, loja Antoni
Pedro de^ouza Soares.
Dandcira. -Machado ic C, avisara ao respeavet
p')lico que mo sernpre pcande ijuauf dade de ditos pocos. <
que se achare,4iabilitadt para vender por menos
que outro quafejner, onr>o que o* ebem di-
reettmente- As vantagen que offerecem os posos -iastanta-
nens van : prime i ro, poderem ser eoUocadus den-
tro de casa ou fara, com o trabalho de tuna a duas
horas; segundo, ornecereos os mesmos gua pu-
ra e abandante, yodendo secem removidos de um
para ostro lugar, guando asm convier.
Os anuncians8 reeebcrio a iroparianrtia^os
re/eridoe poe/is depois de codoeados, saiistazado
espectativa do comprador.____________________
Hrecsa-se de un caixeiro je taborna : na ra 6n Sebo n %\. ,
Ama
Na ra do Codorniz n. 8 precisa se de urna
ama quasaiba coualiar,,_______________
Solicitador.
MnoelLuii da Veiga solicitador provisionado,
acceita partido das casas cominerciaus, para ludo
que disser respeita ao seu emprego, e islo por
mdico pre^o : poda ser procurado em sua casa
ra da Gloria n. 94, todos os das das 6 as 9 ho-
ras da mauhaa, ou ao meio dia na sala das au-
diencias nos dias uteis.
0 aiRlilAO DENTISTA
Frederico Maya
Tem a honra de scieoficar ao respeita-
vei publico e geral, e aos seas clientes
em particular que elle mudou o seu gabi;
neto de consultas da ru Direita n. 12 para
a do Queimado n. 31 primeiro andar, com
a entrada pelo pateo de Pedro II, onde po-
de ser procurado para os misteres de sua
proflsslo, todos os das uteis das 9 horas
da manhaa s 3 da tarde.
Tambem previne, que contina a prestar-
se a vontade dos clientes n5o so na cidade
como nos seus suburbios, para onde as
idas serSo precedidas de ajuste. Elle ga-
rante o bom desempenho e a perfeicio de
seus trabalhos, o que j bem conhecido,
assim como as commodidades dos procos.
Ama.
(reeisa-se de urna ama que saiba bem cozinhar
e comprar, folTa ou escrava, para casa de fami-
lia :'a tratar na loja da ra Nova n. ti._________
Pintor.
Precra-se.de um pintor, qoem se dar traba-
Iho constante mente : na Companhia Pernambu-
caoa.
60HPRAM-SE E \IIIHi
Compram-se e vendern-se diariamente para ra
dentro da provincia escravos'tie todas aa idades,
'xtret e sexos, com tanto que sejam sadios: no
erceiro andar do sobrado n. 36, ra das Cruzes.
regnezia de Santo Antonio.____________________
Cora mu u vantagem compram-se
noedas de ov.ro e prata : na loja de joias do. Co-
aciode Puro n. j D, ra do Cabug. _________
0 muzeo de joias
Na ra do Cabug n. 4 compra-se oaro, prata
i pedras preciosas por presos mais vantajosos do
iuf em outra auaiqner parte.
Compra-se
duas casas terreas as mas Concordia, Palma,
Caldeireiro, Santa Thereza e Santa Rita : a tratar
na ra estreila do Rosario n. 35, carlorio.
Compra-se um escravo de 15 a SO annos de
dade : na ma de S. Francisco n. 71_________
Comprase na raa du Rangel n. 17 urna es-
crava que lenba bonita figura, boa conducale
que saiba cozinhar e engommar, agradando nao
se repara o preto,
VINDAS.
ESGRAVA.
Na ra da Gadeia n. 7, precisa-so alugar
urna escrava que coainhe e engomme para
pouca familia. ^^_^___
Precisase de um caixeiro que tenha pratica
de taberna e que d conhecimento de sua con-
ducta : aa paleo da Penha n. 10, armazea Pro-
gresso.
Attenpao.
Vendem-se as collecces do Liberal, dos
annos de 1852 1831, encadernados : A
Imprensa, peridico publicado em 1852, a
colleccSo encadernada de Janeiro a sefem-
bro do mesmo anno : 0 constitucional, a
collcccio encadernada do anno de 1S61 :
quem quizer comprar, dirija-se a esta typo-
grapliia. ;t ';____________
s
TIWIRARIA RAHB1
^5-Ra da Imperatria-55
Tinge, lava, limpa, lustra e achamalo-
ta-se, eom a maior perfeicao, fazendas em
pecas e-om obras de todas as qnalidades;
como -sejam : seda, taa, algodao. Iinho,
chapeos de fehro'e de palba-etc. etc.
Tira-se nodoas e limpa-se a secco sem
molhw os tecidos, -conservando assim to1-
do o'brilho da tenda.
Twtura preta as tercas e sextas fei-
ras.
s
8
Ama.
ftycisa-.se/lfi nma ama para todo o servico de
ama "a^a : a.tratar na ia das Flres n. 37, i'
andar
"liisir
ClM'garam afina! para a agnia jicara a*s desfija-
das machinas p.iraiustura. E, wutil qual^uerfe-
comrnendaeio eraquanto a bondaae e commodida-
de destas machinas, por serein j ben conhecdas
do publico: ma ri.i Catiuga n. 8
Vearavelr4eui Tercclra d H
. 4o armo do Recife.
Peta secretaria esta Veneravcl Ordem manda
a mesa regedara-coavidar-a todos os charissimes
irmaes a cotaparocorem eai nossa igreja para-
meqtaGos com seus hbitos, secta-feira 1* de abril
-as 3-taras da'larde, para eacsrporados acompa-
nhafimos a praciesao do Seahor Bom Jess 'tos
Pasees, que ha 4e ahir do convento o Carmo
para* matriz de &. Frei Peara Goncalves dotle-
cifc ;corr(iS(wndtado as-si;' convite qne nos
foi (liri(n1-> pete respeltavet waiandado 4e mesmo
Sacro-Santo SeHhor.
Seoretaria, 3 de marco ^e3870.
>6ecretario,
Jeronymo -da Costa Lima.
l|MBaadate do Seaafaor Uoui le-
*n Madre laenj.
vie orden 4o .nesso digao irmao proveder, sao
conreados as-aessos chariasimas irmaos, para que
se digaem camparecer nesta greja, exta-eira 1
de atoil, as d*as Loras da tarde, alm de-acompa-
nkarem a -praeissao de-6. loa-. Jess dos Passos,
a floal tem de -sabJr do convento do Carmo para a
raatck do CorpcHanio, para crjo acto fjraaa con-
vocados.
Secretaria da irmandade de S. Bom Je.ais das
Par.tas, 29 de more de 1870.
O secretario,
Alesandne Ainerieole Caldas PadiHia.
OBS. SANTOS .WXLO
SfSK tye&ko homf-oratha, refteHi cliegado da Sg oi-rte, lixnu .i .'ua residencia nesta
W capital,. ra estreita do J$ig
'ti icrio n. 32, i m
g andar. B
,B1 Li eonsaitas.todos os dia: das 9 s 10 &&
SUl horas da miahaa, e recebe rejados por 3
~ esenato qual^er hora de dia ou da jgj
f^ Aos pobres d eonsulus s mesmas jgB
i hars.-e mcdieajuerlos gratis.
mmmmmmmmmormmmm
Irmaodatk do Corpo Santo.
Em asmada mesa regedra convido a toios os
irmaos dealaiirmandade para que paramentados
oras da tarjle.-io conveitUj de X. S. do Carino, e
Mi cncorpwados conduzirao; em procissao a Sa-
ro-Santa Isugom para a referida mair.
G escrlvao.
J. l. Lima.Bairao.
[lixiiandade
do Divino J^f:|rli.c Haui > da
Igreja do CoJIeglo.
De ordem do irmao juiz convido a todos os nos-
sos iiiios para se reuiirem no consistorio de
nossagreja no dia Io de abril prximo, pelas 3
horas da farde, alim de acompanharmos a procis-
sao do enhor Bom iezns dos Passos.
(i escrivaa,
Luiz Epiphanio Maurica.
OCRtVES.
Na offleina de ourives, na ma da Penha ven-
de-se urna taboleta e urnas 300 pecas de obras
miudas de prata, e tambem vendem-se alguns fer-
ros para trabalho de ourives : a tratar ua uiesma
offleina
Vende-se urna parte do engenho Timb, sito
na freguexia de Maranguape do termo de Olinda,
com grandesm atas, moente e corrente com agua :
os pretendentes dirijam-se ao 3 andar do sobrado
n. 36 da ra das Cruzes. que acharo eom quem
tratar.
Farinha de mandioca
Vende se de superior qualidade, no escriutorio
de .toasum Rodrigues Tsvares de Mello, largo do
Corpo Santo n. 1? ou no trapiche do Gunha, For-
te do Mallos.
Veade-se diversos escravos pecas, vindos do
Gear e do Piauliv, proprios para engenho ; as-
sim como diversos cabrochas de 12 a 18 annos,
com habilidades e sem ellas e um casal de es-
craros pardos $arantindo-se a conducta : tratar
na ra da Cruz n. 33 e 35, 3 andar.
Sementes
De hortalicas novas e sagii a 120 reis a libra,
no Bausa, ra do Livramento n. 38.____________
Vende-se urna parte do eitgenho Purgat9rio,
de grande prodnrco para agricultura, sit) na
freguesa de Iguarass. assim como se vende ou-
tra parte do engenho Corle de Cima, annexo o
purgatorio, que muito convem comprar ambos : a
tratar no Remedio com o Sr. An ono Menelio Cor-
deire de Gusmao.
Vende-se a armacao m taberna do pateo da
Penha n. 8 : a tratar Junto n. 10
Hilho e arroz de casca
Venderse mHho e arroz de casca novo em sac-
cas, no trapiche da companhia : a tratar na ra
da Cadeia-velha. rasa n. 1, 2* andar.________
31000!! !
A ra Nova o. 60wendem-se r>otinas para ?e-
ahora a 3* o par : a elllas em uuanto nao se aea-
>am.____________________________ _
Xarope de erlegoso de Pinto
Sem contestaijao o primeiro xarope contra a
toase cliraoica-e recente, nico deposito pharma-
cia de seu autor, na ra antiga dos Qnaiteis, boje
ra larga do Rosario n. 10 junto ao quartel de
polica.
Raa do Queimado n. 31
o >
0> Er.fleUenlcs chapeos de castor,
O bramos e pretas, pelo baratissimo h-'
^(ft. pneco do 100'0. O
O "^
H Loja de Antonio de Mo-.:ra I'.olim O
AC. O
< O
Ra do Queimado n. 31
Taberna.
Veade-se nma taberna na ra do Pilar n. 15,
cofli piucos aodos, prepria para principiante, li-
xre desembaraeada, vende-se lamben) urna arma-
caa, e um temo de pesos e medidas, um registro
de gaz e dous eandieiros: tratar na mesma.
0 cordeiro previdente
Ra do Qneinado n. 16.
Sovo e variado sortimento de perf)qc*rk
finas, e onlros objectos.
Aim do completo sortimento te part
otarias, de qne effectivamente est p-
!oja do Cordeiro Prndente, ella acai 4
receber um outro sortimento que se tai
aotavel pela variedade de objectos, super.
lade, qualidades e conunodidades de
'*,os; assim, pois, o CordeiroPrevidenW paa
a espera continuar a merecer a apreci*
do respeitavol publico em geral e (*e a
boa freguezia em partica'ar, nio se ati
tando elle de sua bem C(nh?cidaei3n*...
9 barateza. En dita loja enec-traj-a ^
apreciadores do bom:
Agua divina de E. Coudray.
Dita verdadeira de Murray A Lammai
Dita de Cologne ingleza, americana, Isa
eza, todas dos melbores e maisacrediucc
aricantes.
Dita de flor delarangeiraa.
Dita dos Alpes, b vilete para toet.
Elixir odontalgia) para conservacio a<
sseio da bocea.
Cosmetiques de superior qualidade e d**v.
ros agradaveis.
Copos e latas, maiores e menores, eftft *
pomada fina para cabello.
"Frascos com dita japoneza, transparfei u
i outras qualidades.
Finos extractos inglezes, americanoi i.
francezes em frascos simples < enfeitaoos.
Essencia imperial do fino e agradavel cu
ro de violeta.
Outras concentradas e de choiros igci;
mente finas e agradaveis.
Oleo philocme verdadeiro.
Extracto d'oleo de superior qnalidafit
oom escolhidos cheiros, em frascos de rentes taannos.
Sabonetes em barras, maiores e meaor*-.-
para mos.
Ditos transparentes, redon-c.os e em figt. .
ras de meninos.
Ditos muito finos em caLxinJja para barli ,
Gakinhas com bonitos sabonetes imitaEn
fructas.
Ditas de madeira invernisada conteni f-
aas perfumaras, muito proprias paw prV-
tentes.
Ditas de papelao igualmente bonitas, iir.
bem de perfumara* finas.
Bonitos vasos de metal coloridos, e t
moldes novos e elegantes, com p de vtA\
i boneca.
Opiata ingleza e francesa para dente/..
Pos de camphora e outras diffef Oti.
malidades tambem para denles.
Tnico oriental de Kemp.
Aluda mais coquea.
Um outro sortimento de coque* de r.
/os e bonitos moldes com filots de. vidria.v .
i alguns d'elles ornados de flores e u-
isto todos expostos i apreciadlo de qu*
os pretenda comprar. /
GOLLINHAS EPUNHOS BARDADOS. .
Obras de muito gosto e pec^ifo.
FlTcllas e fitas para? ciatos-._
Bello e variado sortimentr.de taos objtr
tos, ficando a boa escolha ro gosto do eos
prador.
Vende-so a taberna da ra da Guia n.36
toropria para princmiante por ter poneos fundos, e
o motivo da venda por seu dono querer retirar-
sejatnUarnamsma.
F muito barato.
Da-se por 30OJO00 um cavallo castanho foveiro,
gordg, manso, prnprio para senhon, anda o me-
Ihor ae possivel de pa^so, mu conhecido nesla
cidade por muito bom : ra da Roda n. i8.
Coziuha
Antes que se acabe
Previne-se ao respeiiavel publico e aos dossos
/regueze* a virem munir-se de boa farinha de
mandioca, no armaiem ludependencia, roa do Itaa-
gel a. 3.
um bonito sortimento de
em casa, est vendendo
MARTIMOS
COWTRAFOGO.
A Companhia Indemnisadora, estabelecid
testa praca, toma seguros maritimos sobrt
aavios e seus carregamentos e contra fogt
em edificios, mercadoras e mobilias:
roa do Vigarion. 4, pavimento ter eo.
Precisa-sede um aiudante de cozinha ; na ra
,;trga do Kosario n. 4i.
Precisa-se de 8:0 sobre hypotheea em
predios cesta praca : a pea.'oa que quizer dar,
dirija-se a ra A* Queimado n. 8, que se dir
quem preci-a
^- Antonio Jos F^rreira Monleiro vai a Euro-
pa, e durante a sua ausencia de,va por 'seus bas-
tantes procuradores os Srs. Antonio Lopes Braga
em 1' ing*r, ios Pereira Santos em 2* e Antonio
Caetaao Harijas JUarqoes, seu caixp;-o e interes-
sado era 3 lugar encarregado da gerencia de sua
casa commeroial.
CUBA RPIDA E INFAL1VEL DOS CALOS
pelA
POMADA GALOPEAU.
Deposito especial
Pharmacia de Bartholumeu Sp C.
34Ra larga do Rosario-34.
Preeisa-se de um trbalhador de masscir :
na padaria aliema em Santo Amaro,
COMPRAS.
PrecKa-e de urna ama cozinheira : na ra do
lmp AMA. "
Precsa-se de urna ama; na roa do Pires n. 5,
Compra-se

duas ou tres venezianas em segunda mSo.porm
que estejam yerfeits : a tratar na loja da ra Nova
n. 45. ________________________
Casa terrea.
Compra-se urna casa terrea
da Madre de Deus n. (6, loja.
tratar na roa
Compram-se moeuas de ouro a prata da to-
los os valores, ouro e prata em obras inatiiisadas.
irilhantcs e rnajs pedras preciosas : na loja de
wrivej do arco da Conceijao, no Recife.
CEMENTO
PORTLA.NT.
Vende-se no armazem amare!!- de Vicente Fer-
reira da Costa & Filho, defronte do arco da Con-
ceicao. em bamcas grandes
VENDE-SE ou arrer,da-se o engero<
S. Gaspar, sito na freguezia de Serinhaem
comarca do Rio Formoso, prximo do era
barque, com grandes partidos de pan! i
massap i roda da moenda, mallos mangue
para madeira necssaria, bom pasto, etc.:
a tratar na ra d'Anrora r. 20, ou na dr
Imperador n. 20.
Fogo, fogo^
Rua Iiuperla n. 949.
Valdevino da plvora tem 1,400 duzias de fogo
io ar para vender por prec commodo a aquellas
pesoas que festejarem o acaharaento da guerra.
Ao armazem do Campos, rua do impera-
dor n. 28. chegou ri)va remeda do ale-
jado peixe secco e em salmooras vindos o
norte do imperio e quo se vead.1 em d:o
armazem por mdico prpeo
A ELLE ELLE I
Antes que se actbe
^tg armaz* m do Campos.
lo llarii l'almoira tem para vender i :n
-eu escripia tl no largo do Corpo Santn. '.. .
andar.
vjnho Bordeanx fine, caixa de J2 garrafas.
Aze te doce, dem idcni.
Lona de 1* qua!iJ;>do, da Russia.
Biinzoe?, idera idem.
Brins, dem idem.
Estampas de Santos em rmalrinhos.
Pianos ao '::'. 'l*:.*.^ voz
Fio : ve.i.
Enxofre.
Salitre.
Cernelo P.,:...:,j.
Dito ri .m \
Vellas slearinas C-rfrmacfici.
Pelles de cantir .
Estopa p a Sarda* de algodao
Cha Hysson 1' qualidade.
Oleo de Hlibaca.
Laa barriguda.
Canelia da [odia.
Fardos de fumo em follia, (so se vende de 20 l, -
dos para cima.
Vende-se o engenho Mosaayba, yvra e dse:
barajado, e bem como a propriedade Pr,o preto
separada do mesmo engenho : a tratar com o -
proprietario na ruado Apnllo n. 47. 1 andar.
Vende-se pelo sea justo valor na ra da Ca-
deia do Recife n. !8, loja do Azulejo.
VEIDE-I
urna mulata de idade 26 anm* com algumas ha
bililades : na rua das Trineheiras n. SO.
Terreno a' venda
Vende-se um terreno com 140 palmos de frente,
sito ruadaConcordh confronte au gazomelro :
a tratar na rua do Pilar n. 13P, 3o andar, das 9 as
II horas da manhaa.
Farinha de mandioca
Vendem Pojas & C. : a rua estreita do Rosario
n 9. junto a jgreja.
Vende se urna preta d- 30 annos que cozi"0
nha bem e lava soffnvel : na rua Direita n. 3, 1
andar.
Cantara de Lisboa
fcoleiras, hombreira?, e eapitek o que ba de
melhor para frentes de predios: a venia no ar-
mazem da travessa do Corpo Sanio, de ioaijuim
Lopes Machado & C.
Sal do Assn
}.
ESTAMPILHAS
dosillo adhesivo
A' venda na rua do Vigario n. 1, primeiro se-
dar.
Bixas de HamburgcT
Por meno> do que em outra qualquer parte
vendem-se e alugam-se : na rua do lmperadjr n.
28, armazem do Campo?.
Aviso aos fumantes.
Charuto? da Bahia.
agarros de S Paul.
Fumo caporal Civetto.
Papel Job.
UVKARIA.FBANXE/A.__________
Cal nova d$ Lisboa
descarregada hoja do pauclio .Vctrw ; e vende
Joaqun] Jos Ramos, na rua da Cruz n. 8, pri- -
rceiro andar.
Oleo de ricino.
Vende-se oigo de ricino em latas de 30 libras:
na rua da Cadeia-velha. casa n. 1, 2o andar.
Cigarros da imperial
fabrica de S. Joao
de Niclherr
, | jjni nambnco cae= da i
Atacando p.ilhaboto iaribaii ancorado ni
vi lia do Torte de M -or
mo&a
:--se*ttm slindro para paJaria pm
a tratar ta [
nta Cr:;. padaria n. 6.
j MBI I
:>
I



MHM


a
Diario de Pewiambuco Quinta feira 31 e Mar<;o de SO.
7
A \MtUADi!i 1^3*3^.
55Hua do Queimado5c ^^^^J^
ca-
para segtirar
para alisar
AYERDADE tendo em deposito gran*
ajontidade de miudezas e perfumaras, e de
simio apurar dinhciro e adquerir boa fr
jeneata esl rssolvida a vender muissmw
fcarato, ; por essa razo convida ao respe
awri publico a vir competentemente mu
* a sortir-se do bom e barato. Pois quap
fea Verdade apparece, tudo ma;s de-
jfpome-----
Grande sortimento de nonecos de cera
as as mais indas possiveis vestidas a c
rarter.
woaduras modernas para col-
Wea.......
fbpttlhos donrados pepnenos. .
A^bas de osso para crox a .
Ptetes para regace com esntas a
sticoe globos para candieiro de gaz a
tflwnins a........
rande sortimento de objetos de
tonga para brinqnedo de menino
Qarafa com tinta a.....
9r!*comagua florida verdadeira a
3to t#m dita dita a -
-;r^)C3iiio!eodebaV3a a 500 e
ftlo com agua de Colonia a 300 e
Garrafa com agua divina a. .
Aaaoo com extractos tinos a .
fcatas pequeas com banha muito
fca a 120e......
febnnetes de diversas quali lades a
80, ICO,240e......
FSms escovas para denles de 120 a
.rf*ios roques modernos a. .
fvius para gaz, dwzia a 240 e .
Gw/s para facto a 500, 600 e
0it5s para cabello a.....
^ates para tirar piolho a 160 e.
Bracos de cores, bonitos a 160 e
Upa de tranca de 13a com 8
ra por.......
Oteo para machina de costura,
frasco a........
IMmis d'aco finas caixas a 800 e
Uta u ac Perry, caixa a. .
*Msj do algodo peca ....
finitos babadinhos e ntremelos
peca de 500 a......1^50(
Rosetas pretas, par a
Tranca de 13a decaracol pega a 40 e
Fita de coz peca a 480 e .
Al fine tes de lato a.....
Sapatosde 15a para enanca a 400e
Gravata de sedas de cores a .
Calcadeiras a.......
Grande sortimento de rendas das libas,
m par de suspensorio da borracha po
100 ris! m m
Xa Verdade na* do tuelaaad
n. 5.=.
32(
26(
20(
32'
1580
321
101
801
1(530
1(50CK
72(
50(
1050'.
10OO
16<
32
6(X
2*00.
32l
7(K
501
24
20(
8(
60
10OOC
IM
40
Apotl<
37, O
Vendcnt em smis armawn., no eaes- d-
n. 7, E-eadnha n. i c ra do Amorira n.
seguimos genuros:
Ac de Milo.
Milho em saccas grandes.
Farello em saccas de 90 libra.
Chumbo de manicio sonido.
Metal aniarell.i para forro de dt.i.{
Machinas pardwearocar atgoi a?*, **a
sorras.
Kerosene em atas de S palies.
Champagne do afamado fabricante Krug.
Hormouth.
Vinho Cj Porto engarrafado.
Coac do afamado fabricante Gautier Frre*.
! Pogo da China, caixinhas, 40 cartas n. 1. Ex'.r.
Genebr* ingleza Od tom
Cimento Romano.
Cimento Hidrulico.
Cimento Portland.
Gesso para estuques.
Cannos de barro par esgotos.
Gradeameotos de ferro pan jardins, calcada Mi
Carros de mao para servieos do armaiaa?.
Garrafoes com o galfies de vinagre Unto.
dem com 3 cales de vinagre tinto.
Chambo em barra.
Lonas da Russia.
Hrinzoes.
Estopa superior para sarcos.
Cabos alcatroados de Kobo.
Aleatro da Suecia.
Pixe da Suecia.
Esleirs da India.
Potassa da Russia.
Agua Florida.
lialancas dpci:ae9 de forca de 150 a 2f0 kil! j?.
Sanio
Os acreditados cyIindros americanos para padatjarpaf.dij^.iifiM'fntes systemas.
Machinas para descarocar algodo peios-melaorea flteicaates dtffcw "York.
Machinas de vapor systema de locomotiva e polias para.as-EWismas.
Carrinhoe americaaoa para transportar: vlMafilo man*fm. Tudo por pre-
.'.os razoaveis.
TRAVESSA
sjurro n. 25
Joaquim, Kopts-Machado & C.
^ com linba de marca a .
i cores em nove! los (li-
^ fat de louga muito fino a 120 e
v^ toa para caira a ltO e. .
(^ \a com papel amizade a. .
Mra com envelopes a. .
\ com obvias a.....
Gaia com ag'dbas fundo dourado
;| lo ditas ditas a.....
tbeaot 'ra Pa,a coslura a '-'*0e
Oixai
Lab
':!" q......* *
CarretoR d ,intia Alesandre de 70
at 2WB. .,,..
:[ s-ia u,t lll0S c0111 passa-
ras, dita 3 a
artas perita Tzas, doza a .
Mas fiwifll a *mt e
' r,]\T^;) %e ^c peso, resma a
;00, 3j5!'"0 o .
mmto fina |k wi bordar, libra
.io algodo. \ ra dsbrac de
snales, pee?-, a
s de Ifepttra'rfebriiiD de ves-
tido, peca? a.......
20
2i(
7(X
m
4(
28(
16(
50(
28(
50(
10
2H
I540
3^00(
4*50
650(
16(
48(
kapC; POPuiJLii
DA
FABRICA NACIONAL DA BABIA
DE
Teixeira TJldurico $r C.
Acharse venda este ptimo rap, nico q
pric supprir falta do princeza de Lisboa, por m
de mui agradavel perfume, viajado, e a pr*co
mais mdico possivel; e por isso tem sido assi
acolhido as pravas da Bahia, do Rio de Janeiro
em outras do imperio : no cscriptorio de Joaqab
Jos Guncalves Beltrao, ra do Commarcio n
mero 17.
Bichas hamburgnezas
Nesle novo deposito raeebe-se por lodos os pa-
(|neles iranslanticos bichas do qunlidade superior
o-vendem se em caixa ou porcao mais peqtlena,
a mai? barato do que em oulra" qualqner parte ;
na ma da Cadcia do Recife n. 51, Io andar.
Ao commercio.
Vende-se un estatelecimtnlo de mimados em
urna ra mnito boa, em enjo estabelScfeneato se
vende annoal cenlo e tantos contos do ris, est
muito acreditado e tem rnuilo boa fieguezia para:
o mato, faz se negocio a dinheiro, sua importancia
niio poder exceder te 10 000$ : pes?oa que
quizer fazer ni'gccio, poder dtisar carta nesta
lypgraphia com a? iniciaos 0 A D para ser pro-
curada ,
L. IID EM P
Ha vendo chegado ul-
limamente de eiicom-
Hienda oova remessa
de pocos instantneas,
faz sciente ao
P1M1FEST1
S'portaB, loja w ferragem
53-Rua Direita-53
Nest grande esublccaeoto, ha para vender
um completo sortimento de ferragem, e miudexa
finas e grossas, como sejam bandejas cbiuezas
imadradai e ovaes, facas e garios de \ 2 bo-
! toea, balanco inteiro e 1/2 balaceo; panellas, cha-
Iheiras, cacarolla, frigideiraa, assadeiras, tnto
' de ferro como de porcelana, moinhos para caf de
diversos tamanhos do fabricante Jappesos kilo-
gravimos, tanto de ferro como de latao, metros
para medir fazenda tanto de ferro como de lati,
salitre, bren, barbante, onxofra, papel marca via-
do, do verdadeiro Picardo, machinas para desea-
roca" algodao; aletn de outro artigos de lerra-
gem, raiudezas cotilaras finas, que s com a vis-
I ta se verifica; na ra direita n. 53 loja de 3 por-
I tas de Manoel Bento de Oliveira BragaA C._____
Etigenho venda
Vndese o engenho S. Malhens, moenje e cr-
reme, eom boas obras e em perfeito stado. me
com agua e est a um quarto .le legoa da estaco de
viaferrea do Gamelleira. Vende se por 20:QOOi,
sendo 8:000000 vista 12 0"0 em pagamen-
tos de 2:000 annuaes. Os pretendentes podem
dirigir-se a ra do Livra ment n. 19, a tratar com
Laurenlino Jos Miranda.
JA
m
a loja do Passo
^vm
em ge ral tiesta pa*
ca. e especialmente as pessoas que por fal-
ta dos mesmos deixaram de prover-se. que
ja se acham a dispo&ipo de todos a' ra
|Nova n. 21, onde se darao os esclarecimen-
tos precisos.
MACHINAS r.\U
COSTURA i
Acaban de'chegar ao GRANDE BAZAR
UNIVERSAL, ra Nova n. 22carneibo I
viANNA--um completo sortimento de ma-
chinas para coslura, dos autores mais co-
ntiecidos, as quaes esto em exposico no
mesmo azar, garantindo-se a sua boa qua-
lidade, c tambem ensina-se com peifeicJSo
a todos os compradores. Estas machinas
sao iguaes no seu trabalho ao de 30 costa-
reiras diariamente, e a sua perfeico tal
como da melhor costureira de Pars. Apre
sentam-se tiabalhos executados pelas mes-
mas, que muito devem agradar aos preten-
, dentes. ____________________________
Candido Alberto So-
| dr da Motta & C.
com escriptorio e nrmazem na Iravcssa da Madre
de Dos u. 14, tem para vender o seguintc .
Cemento Poril; nd de 1* (|uahdade, o melhor quo
lem viudo a mercado, barricas de 12 a li arro-
bas por 10000.
Vinhos Bordeanx das seguiu'.e? qualidade? :
St. Julin.
Fronsac.
Lormant.
St. Emilion.
f Marga us.
Chaleau de floychereile.
St. Lambert.
I LaJonber*.
1 Duplessis.
Cauor.
I ti*-! repo i
Vinho il.. Porto do qualidade muito especir.l. Em casa de Mills Lalham 4 C, ra da Crin
Alta doce retinado em caixas de 12 garrafas 38. vjndem-se folha" do ferrn galvanisailao.
Fumos de todas as qnalidades. se encontrar
Os requissimos Cortes de blonde de seda coa
manta e capella para casamento, sendo neste ar-
tigo o que se pode desejar de melhor e mais mo-
derno, tambem chegaram os cortes de seda de co-
res novidade, e outras muitas fazendas de goslo
que chegaram pelo ultimo vapor francez, s para
a loja do Pas?o a ra do Crespo n. 7 A.
GAZ
Vende Joaquim Jrs (tamos :
n. 8, 1 andar.
na ra da Croz
CAFE
Vende Joaquim Jo>
n. 8, Io andar.
Hamo.-: na ra da Cruz
AVISO
neste cstabelecimcnto em latas, rolos c fardos.
Papel de todas as qualidadcs proprios para ci-
garro?.
Vende-se urna preta de irinia anuos que co-
zinlia bein e lava soffrivel : na ra Direita n. 3,
segundo andar.
GAZ GAZ GAZ
Cbegou ao antigo deposito de Henry Porster *
C, ra do Imperador, um carregamento de gu
de primeira qualidade; o qual se vende em partida
e a retalho por menos preco do quo em outr quai-
quer parte. ^^
60RA DA IMPERATRIZ60
DE ___
jESMjEM.aWA. 1*A.
WJ*. cfc J.
Noste grande estabelecimettto encontrara o respeitavel publico, um gnnde soT-iimenTde fajendas^oTais apurado-oslo assim como de todas as de primeira necessidade qoe e Jes promette vender^n^^J^^J^^^ qne
em outra qoaU|oer parle, visto que os novos socios desta finna adoptara o *ystema de s vennilereui OIMU !RO ; para poderem vender pelo cust,. liaitando-se apenas a ganharem o descont. As pessoas que negociara era menor escalla, ne?ta loja
e irmaaMl poderlo htet os seus sortimentos pelos mesmos presos qjae comprara as cagas eslrangeiras. Para maior cotnmodidade das Exmas. familias, de todas
!;rem e**er- ALTiSNOVIDADESEM SEDAS
Camr'.a aalaaa
8 PALMOS DE LARGURA A 1:600,
2:000 a 2:500 RS.
Chegaram as finis?imas carabraias suissas
Eratwsr ntes, senJo o quo ha de mais fino
Tra vestidos c vende-se pelo barato preco
da J#30J, 24000 e 2,5500 o metro, tendo
tambera das mesma, poroto inglezas com
iroesmi largura qne se vendem a 1)50(0,
4280o metro, s-endo apenas precisos des-
ta larga fatenda.para se fazer um vestido
Aon 4 1/2metros, pesliincha.
SAIAS RORDADAS
Yende-se um bonito sortimento de saias
uordadas"com 4 pannos, assim como ditas
t protnptas, de lasitiha, enesgadas com
xMrttaS'barra bordadas a 18a por presos
rn:it( em conta.
PANN ) PARA SAIAS A 1<5000, 1^289 e
1S00 RS.
Vtn1e-sc'bonitss fazendas Jproprias para
n sendo cam lardados e pregas a um
Mi, dando a largura da fazenda o compri-
ownt-' da saia e vende-se pelo barato preco
ds i^DiO 142*3 e 1^600, cada metro sen-
do preciso apenas 3 ou 3 1/2 metros para
alta saia pecbjnoba
COlarlnhos.
Vende-se nm bonito sortimento de cola-
nnhns tanto de linho como de algodiS i pro
prirw para hora >ro, assmi como tambem um
fonito sorlimanto dos mesmos para meninos
e sonoras e todrw vendem-se por preco
Muito barato,
*H*L8S l)E MOQAMinQUE A 1:289 RS.
V-jnde-sc urna grande cruantidade de cha-
fes de nocMpbiqui?, com padroes escossezes,
nodo mnito grandes e levesinlios pelo ba-
cat-prefo do l,?80, cada nm grande
pHfhiocha por se ter feito urna grande
conij/ra.
ataos e c*ca*4ras pretas.
6 Prvo vende gwtade poro de pannos
pretr* 4o mais-.^aiaa at o mais fino, por
ppifvjue admisa, a$kn como um graude
(trtimKfito' de *Sst4tras prtas para calcas
u vcete por ptoco mais barato do que
ec otw qfl|hjor oarte
GOTtGt'RltO PRETO.
\Vnde-s:e o mmor goiguro de seda
ntt>\* fwra colleU> e vestidos, sendo nesfe
ge^en n- elbor qnc tem vindo ao mercado,
:.r.ilodo que emoutra qualquer parte.
*'< ** Ireo 1#0 rf.
O r-*3o vende fioissimos cortes de ves
?ri- i ife cambraa Draoca* ricamente bordi-
m mm'tt fatwtda pelo barato preco
de !2->990 ra. cada um, peclncb;?.
CASEMfRAS ESCOS9EZAS.
0 Pavo tem boni as casemiras escosse-
zas com quadros grfidos e mifdos c outras
lisas com listras ao lado, sendo fazendo
muito fina que se vende mais barato, por
haver grande porrlo.
GANGAS D3 LINUO.
Vende-se ganga de linho com qaadinhos
muito boa fazendi para roupas de bomens
e meninos pelo barato preco de fOO rs. o
covado.
PECIHNGHA EM PANNO PRETO A 24400,
O Pa '3o vende superior panno proco fino
para palitots, calcas colletes etc., peto ba-
ratissinro preco de 254'>0 o covado.
CORTES DE CASEWRA PRKTA A 4:500,
O Pav5o tem os superiores cortes de ca-
semiras pretas enfeita-las pelo barato preco
de 4.-550O rs. o cort,
PEQAS DE MADAPOLO A 3<(300.
O Pavo vende pessas de muito bom
madapolo, tendo 12 jardas cada urna-, pelo
barato prego de 3500,
PSCUIXCIIA EM ALGODAO A 1*008 RS.
0 Pavo est vendeudo pegas da algodo-
siuho francez, tendo i palmos de largura e
com 11 metros cada pac. a, palo barato pre-
de 4:5000 rs.
CAMBRA!AS BRANCAS A i$000, A PECA.
S o Pavo venle pegas de cambraia
branca transparente, tendo mais do vara de
largura, com 10 jardas cada pega, fazenda
que sempre se vendeu a7-> e 85300, liqui-
da-so pelo barato prego de 4000.
ALPACAS BRILHANTES A 15000 E 800 RS.
0 Pavo lera o mais bello sortimento de
alpacas lavradas, com as cores mais deli-
cadas qne tem vindo ao mercado e tendo
bastante largura, vendem-se poh barato
prtgo de 1^000 e 800 rs. o covado.
Com pahuas de seda a f .'OOO.
Para o Pavo chegoo om rico sortimen-
;o das mais bonitas lasinlias com palmas
de seda toado de todas as cores e padrees,
sendo fazenda bastante larga e vende-se a
i $000 o covado.
no upa para es era vos.
O-Pavo vende um bonito surtioaento de
roupas para escravos.
AS POUPBLINAS DO PAVA) A 3M US.
Chegaram as mai? lindas pMpaUftas de
lia com imitseo de poapelinas de seda, urna
fazenda muito leve, com as mai lindas co-
res, sendo : verde, Bismarck, roica, azul,
Ijrio. clnzento, perola etc. etc., e vende-sc
dalo baratiteimo prego de 500 re. ovcovado.
CROCHETS PARA CADEIRA5 E SOFA'S. f
O Pavo tem um grande sortimento dos' Cbegou uro grande sortimento das mais|
mais bonitos crochs para cadeiras, sofs modernas poopelinas ou gorguro de seda j
mesas, almofadas etc., proprios para co-je linho, com os mais elegantes padroes que j
brir presentes e vende-se mais barato do tem vindo a este mercado: sendo milas]
que om outra qualquer parte. je graflas, lano em cortes para vestaos
as fazendas se do os Irnos das amostras, ou "se mandam levar cufsuas casas, para melhor pb-
640, 800 E
Algodo entestado.
je graflas, lano em
i como para vender et
5aaa 3^33311^
Grosdenaples.
Sedas pretas lavradas.
Fazendas pretas de la.
Para o Pavo chegot uro grande sorli-
Vende-se urna grande porco de algodo nm bonito sortimento das mais bonitas se-
stnho americano com S palmos de largura, das listradas, qae se vende ludo muito
proprio para lengwes e loalbas, tendo 1k> e ,em eonta.
frangado, que se vende por prego muito em I crin de corilo.
COn,a' !) ------ Vende-se merina preto de cordo, pro-
PA.Wr DE ur^H. prios para ca|Cas> Rulots e colletes, pelo
Cbegou um sortimento de pegas de pan- jjarat^ima preco de i 000 o covado.
que em fazenda de linho nao ha nada melhor
nem mais propdo para lences e toalhas.
PECHINCHV EM CHAPEOS BE SOL.
Cbegou um grande sortiraesto dos me-
llares chapeos de sol de seda-, inglezes
sendo- neste artigo o melhor que tem vindo
ao mercado, assim como nma grande por-
co de ditos de alpacas d todas as cores
e todos se vendem por pregos muito ra-
zoaveis per haver grande porro.
OS RALOESDO PAVO A 2*)00,
Cliegou um grande sor tmenlo da bales
on crinolinas do feitk) mais moderno, muito
proprios para vestidos enesgadws, que se
vende pelo haratissimo prego de 2,-?000 rs.
cada nm, 6 grartde pecnincha.
CRETONES MATIZADOS PARA VESTIDOS A 6i0
E 800 RS,
Para o Pavo chegaram os mais bonitos
cretones escuros matizados, proprios para
vestidos, roopo, chambres etc. qne se
vendem 800 rs. o covado. assim como o
mesma fazenda com padrSes claros proprios
para vestidos e ronpas de meninos a 040
rs. o covado, sendo os padVSes mais mo-
dernos que ten vindo ao mercado.
03SETINS DOfAVO
Vende-se os mais bonitos setins de cores
e mais encorpados, proprios para vestidos
tendo de diversas cores.
FAZENDAS PARA LUTO W LOJA PAVO
Encontra o respeitavel publico nesto.es-
tabelecimenio um grande sortimento de fa-
zendas pretas, como sejam cassas fraoce-
zas e inglezas, chitas pretas de todas a*
qnalidades, fazendas de la de todas .que
tem vindo, proprias para luto, sendo Qaei-
nhas alpacas lavradas e lisas, canto, bom
Jwsinas, merinos, etc. que tada se wnde
por prego barato.
itsm rs.
0 Pa*8o tem urna nova remessa da mui-
to acreditada cretone, propria para lences
tendo 10 palmos de tergura, dando na lar-
gura o comprimento do lengol e vende-se
pelo barato prego de 2#0C0 o metro, sendo
preciso apenas para sm lengol ui metro e
urna quarta ou metro e meio.
Chapos a 1SOOO.
Cbaaeofl a 1(5000,
Chapeos a 1^000.
S o Pavo vende bonitos caapos de
todas a ares pira bemens e neainos com
a forma mais moderna que ltimamente
tem chegado. pelo barato prego de 10000,
cada um, por terem chegado cona um pe-
queo logue de avaria, grande pechincha.
FFA III\C III
Etf CAMISAS DO PAVO A 40300 RS.
Vende-se um bonito sortimento de muito
finas e modernas camisas inglezas com pei -
to e coharinhos da linho e penhos, pelo
baratissimo prego de 40300 rs cada urna
e aos freguezes que comprare duzias se
Ibe far um abatimeato. garaotindose que
fazenda que vale muito mais dinheiro,
Ikwida-se por este prego por se ter feito
uma grande compra : assim como se vende
um bonito sortimento de ditas tambem com
peito de linho bordadas e ditas de algodao
para todos os precos.
BRAMANTE PARA LEXCOES A 2*000, COM *0
PALMOS DE'LARGURA.
O Pavo vende superior bramante de al-
godo tendo 10 palmos de largura, caja lar-
gara di para o oomarmeuto do lencpl.
sendo preciso para cada um, sendo cama de
solteiro, 1 1/4 e para casa! 1 1/ metro,
pechincha.
em covado, assim como | ment de grosdenaples pretos de pura seda
que se vendem de 10500 rs. o covado at
50 e G0OO ; sedas pretas lavradas de dif-
ferentes pregos e qnalidades, laisiohus pre-
tas, alpacas bombasinas. cantees etc. etc.
assim como tnn grande sortimento de pane
nos- pretos finos e casemiras pretas de todos
os pregos e quabdades que se vende muito
mate barato do que em outra qualquer
parte.
NOVAS POUPELINAS A 400 US, OC0VAD0
O Pavo vende um grande sortimento
das mais bonitas poopelinas com listrinbas
de todas as cores e com lustre imitago
de seda, facilitando esta bonita faaenda a
fazer-se um bom vestid) de muita fantasia
por pouco dinheiro, isto por ter-se feito
uma grande compra e vende-se a 400 rs.
o covado.
ROUPAS PARA IFOMENS PARA TODOS
OS PftECOS.
N'este grande estabelicimenlo encontrar
o respeitavel publico um yrande sortimento
de roupas, sendo palitos e sobrecasacos de
panno preto e cazemira, Galgas e coietes de
bri branco e de cores, que tudo se vende
mais barato do que em outra qualquer parte ;
assim como um grande sortimento do ca-
misas francezas e inglezas, e ceroulas tanto
de linho como de algodo e abundante sop-
tiaento de meias eruas.
Roupa por medida
Na loja do Pavo manda-sc fozer qualquer
pega de obra a voatade do freguez, para o
qoe lem um perito alfaiate, responsabelisan-
do-se os donos do estabelicimenlo por qual-
quer falta qne aessa haver, quer por de-
mora, quer por qualquer defeito na obra;
e para isto encontra o respeitavel publico
um grande sortimento de todas- ae fazendas
qie desjar.
MAMANTE A 1S90.
Vende-sa superior bramante com lid pal-
mos de largara, proprio para lenges, dan-
do a largwa d'esta boa fazenda o compri-
mento do lenco!, sendo, preciso para cada
um apenas 1 e 1/2 matros-ou i e r/4 pi-
chincha'pelo preco.
ALPACAS LAVRADAS A
1,000 RES.
Chegou para este grande estabelicimenlo
o mais bonito sortimento das mais moder-
nas alpacas lavradas de todas as cores, que
se vendem a 10, 800 e 640 res o covado,
assim como um grande sortimento de alpa-
cas lizas di todas as cores
CELEZiAS E BRETANIIAS.
Vendem-se as mais finas celezias de
linho poro ou pessas com 28 metros, assim
como, nissimas bretanhas de linho eom
25- varas, por preeos que fazem admirar
em relcelo qualidade.
Basquinas.
A loja do Pavo est, constantemente aborta, das 6 horas d manhaa A 8 da. noute
Chegaro as mais modernas basquinas
ou jaquetinbas de seda preta, ricamente
enfeitadas a vidrilho, tranca e setim preto
tendo de todos os modellos, os mais novos
qoe tem chegado e vendem-se por pregos
amito razoaveis.
ORGANDY 0M SALPICO.
Chegaram os mais ric./8 organdys de co
res eom salpicos o mais bonito que tem
vindo para vestido, qne se vende a 10280,
o metro, ditos brancos maito fines com
lisiras largas a 10000.
Cambraias brancas
Vende-se um grande sortimento das me-
Hieres camhraias tanto victorias como trans-
parentes tendo de 3"05OO pega at a mais
fina que vem ao mercado.
ESPARTAMOS A 5J000.
Vende-se um bonito sort;mento dos me-
tfaores e mais modernos cspartilhos tendo
do barato prego de 30000 at 8000.
CHITAS FNAS DE 320 A 500 RS.
Vende-se o mais elegante sortimento das.
mais modernas e bonitas chitas tanto-mui-
das como gradas, com cores claras e es-
curas, dando-se de ledas amostras.
FUSTOES. BRaNGOS A Ot, 800 E 14*0.
Vende-se muito benitos fstoes braaces'
muito flexwel proprios para-vestidos da
senhoras.8 nonpapar mentees e vede-se
a 640, 80fte 102OO rs. o covado.
caasa *n.
O Pavo est vaadendn bonitas casear de
caws fixas^ a, 2^ 280 e 3<*re, acmad(t

iMBl
c
l
i
mmm


I
, I II I II I
Diario de Pernambuco Quinta eira 3[ de Manjo de 1870.

*

=
DI
ARLA DA mPERATRIK HT, *
Esquina danm da Aufr^ein frente do caf Imperatriz.
N'estanovo e sumpiooso esiabclcoiment de fazendas encontraro as Exmas.
familias tudo qtin ts mais quabdade* de f.izendas,
'Alm da-se aclwrera prvidos do que de mellior se enconlra neste marcado,
por todos os paquetes da Eoropa, receben) directamente o que em. artigos de moda e
do mais apurado gosto se enconlra em Maris, o que vem cada da augmentar s propor-
es de que dispoe este estabelecimento para bem servir a sua numerosa freguezia.
Algodao largo paja lences e toalhas de Gase com listras de seda e flores, fazeiv
todas as qualidades que costuma vir ao mor- da inteiramente nova para vestidos de baile.
J- Grvalas para senboras e lameos, o mais
Alpacas de todos o padres e qualida- completo sortimento que se pode desejar.
des t5o variadas que se nao podem descrever. Guipure preto e hranco, diversas larga-
Aibans com raaskas para coilucar retratos, ras e diferentes gostos.
delicado presente para qualquer pessoa de Gollas e punbos bordados para senboras.
sima. Guardanapos de liaho pequeos egran-
Atoalhado de linho e algodao, branco e des.
de cores proprios para loalbas. Gorgurode seda preto ede coros.
O- Grosdenaples preto ede cores, haven-
Bas minas de soda pretas e muito moder- do diversas qualidades e gestos,
aas, bem como de crochet, tu Jo de aparado ry
gosto e feitio. Japonezes para senboras, o melhor gos-
Ba I oes de musselina, raadapoJSo, branoos to, e fazenda propria para as (estas nosar-
e de cores, para senhora e meninas, rabaldes e passeios a larde.
Bareges de cores variado sortimento. Oi
Babadinhos ou tiras bordadas em todas as Laziohas de todas as qualidades, cores
, iargnras. {e gostos, nao cando nada a desejar, tal
Belbutina de todas as cores. ,o sortimeutoque existe para escolber.
Bolsas do tapete para viagem, grande Lencos, ludo quanto pode ha ver desde
variadadc de tamanhos e gostos. esguiao ao algodao eomraum.
Bombazina preta de todas as qualidades. Lequesdemadreperolae osso, o mais va-
Bramante de linbo de 11 palmos de lar- riado sortimento.
gura; e todas as mais qualidades. i Ligas d seda, bordadas, para senbora.
Bretanhas de linho e algodao, grande sor- Luvas de Jouvin, chegadas por lodosos va-
limento. pores, sempre novo sortimento, quer em
Brins de linbo branco e de cores, do mais pellica para homens e senhoras, quer amafio
commodo ao mais caro em qualidade, al'lian- d'Escocia, brancas e de cores.
cando o que ha de melhor na especie. SXK
Brins d'algodo completo sortimento e Madapolo; indescripti velo grande sor-
variedade de pre;os. timento que ba neste genero, desde o mais
Cu elevado preco ao menor, que se vende em
Cassas de cores, o maior sortimento, pri- peca e retalho por menos do quo em ou-
mando pelo bom gosto e barateza, attentas ta qualquer parte.
as qualidades. .Mantas de blondo para noivas: o apurado
Cambraias brancas? tapadas, e transparen- gosto dos nossos correspondentes em Pars
tes de todas as qualidades e preces. habilita-nos a dizer que temos em nosso
Camisinbasde cambra a de linho o cassa estabelecimento o que de melhor se dse-
bordadas ricamente enfeitados para Sras. ja para vestir e ornar una noiva.
Camisas para homens e meninos, to va- Mantas pretas de blond.
*wm
riado sortimento quo vai do mais ordinario
madapolao ao mais perfeito bordado de li-
< e carabraia.
Camisas de meia, de flanella, .'brancas e
de cores para bomem.
Casemiras pretas e de cores, .o melhor
que se pode imaginar, sendo d'isso a me-
lhor prova o grande consummo deas na
officina da casa.
Gapellas de flores, pira noivas e bailes,
desde a mais candida flor de larangeira at
i mais interessante grioald*.
Cbapelinbas no melhor gosto, de todas as
sores boje preferidas pelas senboras de
mais-apurado rigor na moda.
i Chapeos pretos de velludo, para senhoras,
chimo gosto de Pars.
Chapeos de sol, para senhoras e homeos,
de lodosos pre;os e variados gostos.
Gharj; com ricos padroes para vestidos.
Chales de todas as qualidades, avultado
numero e n5o menos variedad* de goales,
Chitas, irapossrel descrever o sortimen-
to e.variedade da padres e novos. gostos,
&a oeste artigo tudo quanto se pode desejar.
Cintos para senboras o que se pedo ima-
ginar de melhor.
Coques, o melhor no gosto e nos afei-
tes, varios tamanhos.
Colchas de seda com borlas, o mais apu-
rado gusto elavor.
Ditas do fusilo branco e do cores por
precos commodos.
Cerpinhos de cambraia, ricamente borda-
dos para senhoras.
Cortinados de cambraia bordados e de
fil.o que de nvlhor se podo desejar.
Colarinhos de liaho bordados Je lisos, o
maior sortimento.
Damasco de lia de 9 palmosjdo largura
lindas cores e ricos padres.

Bsparlilhos brancos e de e&resr para se-
nhoras o meninas, o melhor neste genero ;
oenhuma Sra. deixar por certa de muir
ae de tSo precioso auxiliar perfeieao de
om corpo delicado.
ntremelos bordados.
Escom Iba- prrta.
Enlei.es para cabera, ultima moda de
Pars, recebida.no ultimo paquete.
Esguio de linho, completo sortimento de
todos os someros.
S
Fitas largas escocesas rara cintos, varie-
dad de gostos e lindos padres,
Fiibs de crochet, modernos com cintos
e capas, o que ha de melhor.
Fil de seda, linbo e ajgodao, de todos
os gostos e padres.
Fusilo de todas as cores e qua lijados
grande sortimento.
FlanWla branca e de cores.
Flores, o que ha de mais rico, quer
oitas, quer em ramos, tem o PAVILHaO
DA AURORA om permanente jardim a
dlsposiyo das E*mas. familias.
Maqlas para carros, com lindas pinturas.
Merinos pretos, trancados a lisos.
Musselina branca e de cores, lindos e va-
riados padres.
15
Pannos pretos e de cores, desde.o mais
barato ao mais superior, por preco muto
commodo.
Pannos de crochet, para cadttras e sofs.
Ditas do casemira muito linos para
mesa.
Peitos bordados de linho, lisos-e de al-
godo para camisa.
Princetas pretas e de cores.
Popelina do seda e linho, com listras e
llores; fazenda iindissima.
Pelberinas para senhoras, do ultimo
gosto.
Perfumaras ; os mais unos extractos, o
que de melhor e mais agradevel se pode
encontrar neste genero, e de mais fragante
e suave no olpbato, tem o PAVILHAO DA
AURORA, desde a' verdadeira agua Flori-
da at o mais lino liouqttet d'Amour, final-
mente todo quanto deve oecupar o touca-
dor de urna senhora de gosto.
Saias bordadas, brancas, lisas e de cores
com folhos e sem elles, o melhor possivel,
Sahidas de baile, de todas as cores.
Sedas pretas, de quadros, lavradas, lisas,
de listras, de todas as cores e qualidades e
o mais barato possivel.
Sanrelim de todas as cores e qualidades.
O*
Tapetes grandes, iindas pinturas para 8
cadeiras, mais-pequeos e de todos os ta-
manhos desejaveis, e em peca para co-
vados.
Toalhas de labyrinlho. do maior e mais
fino trabalho ao mais barato.
Toalhas de linho e algodo de todos os
tamanhos, lias e felpudas.
Ta da lana branca com palmas e de cores,
fasenda muito nova, e gostos delicados pro-
pria para baile.
Vistuarios bordados de fusto brancos e
decores para meninos, de cambraia para
baptizados, o que de melhor tem viudo a
este mercado.
Vestidos de 15a escoceza de -1 saias,
novidade pelopadrlo, gosto e forma; ditos
de linho com barras de cores, e de cam-
braia de cores com 2 saias, tudo inteira
novidade, trazem os modeilos juntos para
mostrar a forma de os fazer.
Veos de blod para noivas c pretos para
luto.
Vestidos de blond para noivas: podemos
asseverar as oossas Exmas. freguezas, que
somos os nicos em Pernambuco que pode;-
mos offerecer ao Ilustrado publico, o mais
apurado gosto em semelbante materia, gre-
cas ao bom gosto do nosso forneeedor em
Pars, podemos garantir que ninguem neste
genero o possue melhor, nem mais em
conta.
&3 JMA^6
GRANDE
Quaodo a AGUIA BftRNCA, mais precisa aeientificar ao respeilavel publico em
geral, e em particular a sua boa freguezia, da immensidade de objectos que ltimamen-
te tem recebido, jostamente'quando ella menos |pode faier e porque essa falta invo-
luntaria ella conlia e espera na benevolencia de todos que Ih'a attendero e relevarlo,
continuando portauto a dirigirem-se a bem conhecidalf ja da AGUIABBANCA ra do
Queimado n. 8, onde sempre acbaro abundancia em sortimento de superioridade era
qualidades, modicidade em precos e o seu nunca desmenltido AGRADO E SINCERIDADE.
Do que cima fica dito se ceuhece que o lempo de que a AGUIA BRANCV pode
dispor, empregado apezar de sens custos no deserapeoho de bem servir a aqnellea qae a
hooram proenrano prover-se em dita toja do que necessitam, entretanto sem ennume-
rar os objectos que por sua natureza s3o mais-eonhecidos ali, ella resumidamente indi-
car aquellos caja importancia, elegancia e novidade os tornara recammendaveis, como
bem seja
ESCRAVOS
E' dispondo d tao grande e variado -ortrmento que os proprietarios do PA-
VILHAO DA AURORA se apresentam ao publico deciarando desde j que a sincerida-
de e o bom gostoo movel nico de saus negocios.
Prvidos de tudo e promptos sempre a prover-se do que por ventura lhe
eja nwessario, os proprietarios deste gumptuoso estabelecimento recommendam-se
sem receio de serem contradictos e protestam esforcar-se por continuar a merecer
proiecao que se Wies tem dispensado ; certos de,que do seu estabelecimento nao sahira
o freguez descontente.
Continua eempre a ofilcina de alfaiate dirigida por nm dos mais habis artis-
tas, prompto exeentar com promptldSo,* bom gosto, qualquer trabalho que lhe seja
confiado. Urna modista especialmenle*ccupada nos trabalhos do PAVILHAO D V. AlP
RORA, d'figeos que me slo concernentes, garante por seu apurado gosto e promptidlo
na exeeucao e a mais completa perfeicio nos seus trabalhos.
A numerosa freguezia que nos honra uma prova de que .merecemos ocon-
cetto que so dispensa ao nosso estabelecimento, conceito que procuraremos firmar cada
vea mais. Para'afilitar ainda a concecuco do flm que nos propomos, temos no nosso
estabelecimento os uliimos flgurinos de Paris, que recebemos por todos os paquetes, os
qaaes enviaremos para serem vistos as familias nossas freguezas, afjm de estolherem,
com o padro da fazenda o gosto na forma.
Na officina de alfaiate, junto ao estabelecimento, ha igualmente os figurines
para homens que por todos os vapores se recebem.
E' este o modo porque nos apresentamos pedhido a proteceo do Alustrado
tabuco e com o mais profundo respeilo convidamos s excellentissimas Sras. a visi-
tarem o nosso estabelecimento, certas de encontrarem nelle pelo menor preco posaive-
tido que po^em desejar.
Jfandaremos caixeiros levar as fazeadas e amostras onde "forera pedidas, Msto
nao podermos especificar tudo quanto temos.
Jjfo Luiz, SoriMo '& C.
Aberto das 6 s ,9 horas da-noite.
Corpinhos de cambraia, primorosamente
enfeitados com fitas de setim e obras essas
cuja novidade de molde e perfeico de ador-
nos f'S tornara apreciados.
Fitas mni largas de diversas cores e qua-
lidades para cintos.
Leques uesse objecto muito se poderia
dizer querendo descreve-los minuciosamente
por suas qualidades, coree e desenhos, tal
o grande e variado sortimento que acaba
de chegar, mas para nao masar o preten-
dente se lhe apreseutar o que poder de
melhop.
Entremeios em pecas de 12 liras.
Guipure branco e preto de diversas qua-
lidades o desechos.
Di los de algodo com flores e lisos.
Veos de seda para.cbapelinas e monta-
ra.
Meias de seda para noivas.
Ditas abertas de fio de Escossia.
Costumes ou uniformes para meninos.
Enxovaes completos para baptisados.
Toaquinhas -de fil, sapatinhos bordados
e meis para ditos.
Camisinhas bordadas para ditos.
g
Capatas brancas para meninas.
Grandes sortimento de flores finas.
Fil de seda, preto.
PERFUMARA
Grande a constante sortimento de dita,
sempre melhor qoajidade.
Lindos vasos com p de arroz e pinsel,
Caixinhas com ditos aromticos.
Bonitos e modernos pentes dourades
para circular o coque.
Bonitos brincos de plaquee.
Aderecos e brincos de madreperolr.
. Caivetes tinos para abrir latas.
Thesouras para frisar babadinhos.
Aspas para bailo.
Novos stereoscopos com 48 vistas, as
quaes slo movidas por um macbinismo
i urnas subslituem as oulras.
Vistas para stereoscopos.
Bonitas caixinhas de vidro enfeitados com
pedras.
Ditas de madeira envernisada com vispo-
ras e com dminos,
Bollas de borracha para brinquedo de
enancas.
Diversos objectos "de porcelana, proprios
para enfeites de mesa e de lapinhas.
SORTIMENTO COMPLETO
LOJA
BO I
GALLO VIGILANTE
Ilua do Crespo a. 9
. Os procelarios de.-t bom conhecido esUbele-
cjrneaifl, alm dos umilos objeclos que tintaam ex-
postos'a preciarao do respeitavel publico, man-
awa vtr e acabaui d^ roceber pelo ultimo vapor
a* Europa um completo e vanado sortimento de
nnas e mui delicaoas especialidades, as quaes es-
uo reslyidos a vender, como de sen costmne,
por precos muito baratinhos e coinmodoa para to-
dos, com tanto que o Gallo....
Muito superiores luva de pelliea. pretas bran-
cas e de mu lindas cores.
Mui boas e bonitas golliuhas e iiunhos para se-
nriora, neste genero o que ha de mais moderno.
Superiores pentes de tartaruga para coques.
Lindos 9 riquissimos enfeiles para caberas da?
Exmas. senhoras.
Superiores trancas prets e de cures com vidri-
ihos e sem elles; esta fazenda o que pode haver
de melhor e mais bonito.
Superiores e bonitos leques de madreperola.
marum, sndalo e osso, sendo aquelles branco?
com lindos desenhos, e estes pretos.
Muito superiores meias lio de Escosca para se-
unoras, as quaes sempre se venderam por 30000
a duza, entretanto ime nos as vendemos por 20,
atein destas, temos Umbem grande sortimento de
outras qualidades, entre as quaes algumas muito
finas.
Boas bengalas de superior canna da India e
castao de martim com lindas e encantadoras figu-
ras do mesuiu, ueste geaefo o que de melhor s
pode desejar ; alm destas temos tambem grandi
quantidade de outras qualidades, como sejam, m*
deira, baleia, os9o, borracha, etc. etc. etc.
Finos, bonitos e airosos chicotinhos de cadeia e
de outras qualidades.
Lindas e superiores ligas de seda e borracha
para segurar as meias.
Boas meias de seda para senhora e para meni-
nas de 1 a 12 annos de idade.
Navalhas cabo de raartim e tartaruga para fazer
barba; sao muito boas, e de mais a mais sao ga-
rantidas pelo fabricante, e nos por nossa vez tam-
bem asseguraniws sua qualidade e delicadeza.
' Lindas e bollas capel las para noiva.
Superiores agulhas para machina e para crox.
Linha muito boa de peso, frouxa, para encher
labyrintho.
Boas baralhof de cartas par voltarete, assim
como os lentos para o mesmo fim.
Grande e variado sortimento das melhores per-
fumarias e ais melhores e mais conhecidos per-
fumistas.
COLARES DE ROER.
Elctricos magnticos contra as convulsoes, e
facilitan a denticao das innocentes enancas. So-
mos desde muito recebedores destes prodigiosos
collares, e continuamos a recebe-los por todos os
vapores, afim de que nunca falten no mercado,
como j tem acontecido, assim pois poderlo aquel-
les que delles precisaren, vir ao deposito do galio
vigilante, aonde sempre encontrarlo destes verda-
deros collares, o os quaes attendendo-se ao fin
para que sao applicados, se venderlo com um mui
diminuto lucro.
Rogamos, pois, avista dos objectos que deixamos
declarados, aos nossos freguezes e amigos a virem
comprar por precos muito razoaveis loja do gallo
vigilante, ra do Crespo n. 7.
I'HH,
PAO ALLEMAO
Vende-so na confeiiarin do Braco eOon*.
20, ruado Imperador > inclliur pao'que s Mm
fabricado nesta provincia.
r
Continuare fgidas, a escravas p^rd^-leo-
mo Maris e Anua, que so'ausMXaran )i It Ad
jar.ciro ultimo, da eva de seu senhor lupjwa-
cao do Motiuio.. A primeia de 2o do lAtdt.
p-ucu matf on iniDu.s o.-Uitnra baixa, gt->-sa a
corpo, naris chalo, cara larga lela e>tta,
beijos fines, cabello carapiuhudo. Anua 4e IS
annos te idade, estatura regular, cabella cintea-
dos, (iie usa levanta^ na frculc. iiari? cliato.ran
larga, testa esiTeit. fot pallMa, nm p-oco una
lo ouvidn tiireilo ; levaran ambas ws!k1..s brae-
j. 5 e cotuman andar calcadas DbVoai e(ar
ac>itad:is, e desde j protesta se proceda etm
bil.: o rigor da lci, contra qui-m ss hmiv-r \jmA-
'?>. Quen as .ipprehcnder, r>u der nolkt *
largo d'> Corpf Santo n. !!>, sera beui recoittpf-
?ado. _______ __________'
Arda frgido desde t do foveicro <-
mo pascado o escravo Jviao, preto, .matura hJit.
ldc picudo de Lexiga pe,) nism c falta du la-
les : levou vestido camisa, branca, o levo
ontra de riscado rio lista:. Ouetu o pegur levo-* *
pra(.: da indepeodeucia toja de Pono & b-tm,
qooer- recoiupensado.
1504000
Fngio do eogenhu Rurn-iardim, frfguezia 4a Es
cada, o relo Mantel, idndo Waunes, pooc-i
AB1EAZE1VS
NOS GRANDES
E SKCCOSE
UOI IIUM
N. 23Largo do Ter^o.N. 23.
DE
DOS SANTOS 8:C.
10 Pat^o da Penha
DE
10
S ARTOS & F ERRE IRA.
Os proprietarios deste bem sortido arraazem participara aos seus innmeros
freguezes tante- desta prafa cmodo mallo qu tendo feito grande dimiuuico de pre-
sos as suas raercadorias esli por isso resolvidos a vende por menos de 10 20 i0,
do que ea. ou-ra qualquer parte, garanlindo-se portanlo a s p?rior qua'idade de qual-
quer genero comprado testes dous estabelecimentos. Mencionamos alguns dos nossos
gneros e a vista destes sao comprchendidos os outros, porque onfadonho seria men-
cina-los.
Se alguem uvidar venha ver.
Vinagre branco mndalo vir por conta Gaz amen; no marca Deves a Si580O a
propria vindo d Lisboa,- a .120 a garrafae i,u> 390 rs. a garrafa e 560 o Uro.
480 o hiro. Azeite.doce de Lisboa a- 900 e 4'H)0a
dem tinto Figueira, Lisboa e Porto a garrafa em porco faz-sj grande abatimen-
320,280, 240 6 200 rs. a garrafa e 480 300. Jo.
rs. o litro. Caf em c;)roco a 22Q> 2W e 2.0 jj.
Vmho Figueira, Lisboa, Porto o Estrello bra 0 kilogrammo a '480. 540 o 600, e
-r?- 00 480 e 400 a garratVIilro 18i0; 1{fooo< 7^^ 00. arroba.
' k V .-A..-li______1 Milho aJpista 200 rs. a libra e 440 o ki
Vmho branco poro de Lwboa *6W 500 logrttmw J 5^00 a arroba, emporio ha
agarrafa, era poroao ha abaunwrito. labatimento
Vinho do Porto, engarrafado das melho- Qu(,ijoS jreseo. do oltimo vapor a zi00
res eflfiaisacretdas marcas al^OOOel^iOOie 3(Ji00 caria um.
14500 e H a garrafa. | .. *, ___
"Aletrla, acarrSo, talharim a aOO rs. a
dem Bordeaux, Medoc e St. Jmien a ibra e 700 rg_ 0 kilogrammoem caiso ha
70300 e G05OO, a dozia W rs. a garaa.
Genebra de Holl nda e |aranjadoce aro-
mtica a 60500, 70, 110500, afrasqueira.
Serveja Bass, liten 4" Bell 00800 du-
ia em por?o ha grande batimento.
dem marca Hele outras marcas a
50500 e 60, a dazia e 500 rs. garrafa.
Assim como ha outros muitos
ahtrmento.
Sabo masa de I e 2* qualidade a 220
e 240 rs. a bbra'em caixa b*'batimento
Toucinho de Lisboa moito alt a 400 rs.
a libra e 880 o kiogrammo, em arroba ha
grande di fferenca.
gneros, vinho em ancoretas, azeitonas,
passas e figos, charutos fiaos de divenas marcas, marmetada, bola'chmhas deytodas as
qualidides. perola, Fraocy-cracynel, a< b, c, Mdium, mixed, soda Fancy-nic-nac, pa-
4ace de Yarietes, ombination, Britania, doce de goiaba fina, chounras, manteigas finas
franceza e ingleza, banha de 'Baltimorv phosphoros de Sycuryt, Cognac, cha de diver-
sas qualidades, Oanella, pimenta d reino, ervadow, pomada, txofre, breu, peise
em latas de todas as qualidades, farinlia de milho americana, grandes molbos de sebol-
las, ne>tes dousarmazens exista tambem grandi sortimento deioucas propr.as para ne-
gocio, que pelos sem commodos preco faz vangem ao compradores.
PRODUCTOS de J.-P. LAROZE
PHiwtCitfrK, j, aaf m miMmT-iL, mus.
XAROPE DEPURATIVO
Dt CASCAS M LARANJ AS AMARGAS
OM laiVRBTO PtTAlIi
O Iodoret de potassio nm verdadeiro allertnte, om depurador de raeonteeUvel effl-
eadn^mbiiiadreom o xarop de ca.o.. d taranjM amarga., e awrtdo
m perturbecto lgoma pelo lemperamento o mais traeos, sem Morar ts Inece
do estoniano As doses maihematicas que elle roniem pcrmiitem ios mdicos de reeetui-o
BrwrMcomplicacoeoasaffecv6es eBcrofaloa, tuberouloisaf, panoa-
roaaTa w>a accidento* intermittentaa a teroefroa; tlm 4 uto,
agente o mak poderoso entra as doeneas rheomatioaa.
XAROPE FERRUGINOSO
Momom do Uveaj** qtteomU aarc*.
E' sob a forma liquida que mais fcilmen-
te se asimila o ferro; n'esu forma prefe-
rivol is punase paslilhas en todos o caaos
enl que 5o proscriptos os ferregibaaa.
IWOPE TNICO ANTI-RERWSO
t oami de larai)Jui Dr|U.
3 annos de anecesaos aitest5e a soa effi-
cacia ara curar: tu deeneas nervosas,
agudas ou rhronicas, as gasltes, gaitrah
fias; facilitar a iigest&o.
DENTIFRICIOS LAROZE
COM QtINA, TBETBKO B CAUCO
Elixir #ioie, para a aivura e con-
fiarvaao dos dente, curando as dores
*MMdu pela caria ou proouzida pela
Poetado o alor ou do fro
.r.Vl.fi mNlotu, Auter. Ultu; ea MU, Da a*ek*; *m Porto Alegr,
SlV- WMttiM* rrrtr* ZV'taM|wl(ilnUM,.talert| Bmnm-tru, -----------
6 dentfrico, com base de mogwtia
para a arvura o conservacSo dos dentw,
prownindo a descarnadura, provocando o
trtaro da qae enpeoe t reproducio.
em Mac*i$,
ou meaos, estatura regular, espigado, carwus*i-
n;,s, ps pequeos, pouca lu lia, muito CaliaotA
ten) falla-d um pedaei de urna das 6reK>aa i. la-
do de cima, anda sempre .om o chapeo tofflaad
para esse. lado para iMiculirir a falta do p>dar dita orellia, deve e>tar acoutado em um lugarehe-
mado Tuca da Paca, em confins da E-rada e Bosn-
io, em um lugar quasi diserto, rom una croata,
forra, preti, gorda, o nariz chalo, com qu>A e
mesmo preto fugio, desconfa-se eslar no- lugar
cima per dita negra lur abi m irmio; n^a-se
portanto as autoridades policiaes e aos sentioras
rapitaes de camp a* oapiun de dito sema,e
comluz.it:' ao dito engnho cima, ou a eatfsar
nofiecife aos srs. ItJdrigues Alnieida A {',. raa
eslreila do Rosario n. 47 ao voltar para o {tale*
do Carmo, que ser recompensado com a^juaoua
de m&
COGNAC.
De superior qualidade da mui accrediU
da fabrica de Bisquit Dubouch 4 C., en
cognac urna das que mais agurdente d>
cognac, fornecem para o consummo d<
Reino da Inglaterra.
Vende-se: em casa de Th. Just. ra di
commercio n. 32.
DO
MUCO DE 01R0,
Ra do Imperador n.26
Neste novo estabelecimento encontra-st
diariameote um variado sortimento de bo
linhos para cha, pastis, podin>, bollos in-
glezes, pes de lo. presuntos, ditos tm fiam-
bre, superior cha Iiysson, preto, e miudi-
nho. Vinhos finos de todas as qualidade?
conage, licores, conservas, champagne, cer-
veja ingleza, fructas muito bftas, por-
tuguezas e francezas.
Um completo e variado sortimento di
Caixinhas de "todas os gostos e precos pan
mimosear senhoras, estas caixinhas recen-
temente chegadas de Paris s5o de prtmora-
do gusto, offeresse-me-las aosgalanteadoie
do bello sexo pois nellas acbarao nm digne
e serio presente para- as donas dos seuf
pensamentos. Tambem os apreciadores di
boa fumac-a encontrarlo charutos dos me-
lhores fabricantes da Bahia e de Havam
sganos do Rio de Janeiro etc. etc.
Doces d'ovos seceos, ebristalsados e di
calda, 'ditos de caj e de outras qualidades
Nesta casa recebem-se encommendas par
bailes,' casamentos e baptisados e qtralquei
encommendas avulss, como seja p3o de l(
bollos enfeitados e outros muitas couzaf
que enfadonho mencionar.
CEMENTO
0 verdadeiro portland. S se vende n;
ruada Madre de Deus n. 22, armazem d.
Joo Martina de Barros.
Loque de madreperola com seda, e todos di
madreperola, muito pmprio para u i as, chega-
ram a loja do Psso a ra do Crespo n. 7 A, as
sim como requissimos chale de touquira de to
das as cores, vestuarios bordados de cambra
para baptizados, meias de escocia (novidade) mul-
to bonitas para as Exmas. Sras1. que gosUtrr anda)
de sapatinho raso o outros muos artigos de gos
to que os proprietarios deste estabelecimento teen
recebido.
Estampilhas.
Vendse na rua^da Cruz n 8, Io andar.
Para a quaresma.
!%a loja do Passo
O proprietarios de>te importante estabelecimeB-
to receberd pet oltirso vapor franrez ricos pos-
lillioi?8 de gorgorito preto muito Leu enfeKadps.
inteiramonit novidado, sedas e g< rguroes preto?
temos sortimento completo, o melhor a .desejar.
Dirijam-se, pois, todas as pessoas que preisam de
comprar <*>tes artigos, ra do Crespo n. 7 A
Scienles do quo, em presos nao so deixar de fa-
zer negocio, isto motivado pelo muito sortimento
que temos.
Refinado.
Veade-se a reGnar|o da ra de HoTtas o. .7,
muito propria pan principiante, -por ler poucos
fundos : a tratar na mesma.
Sementes de hortali-
ces.
3 3Uh da ImperatrU-
Na botica de- C Cali} & C
3
Tlias de IVrvo.
Naruad,o Crpspo n. G, lia para vender'; por
preco muito r.vo:.vol. um .grande sortimeti de
Mkas de ffrro galvanisado de diversos taiuanlios
para cubrir casas e tclheiros, qnn alm, de ser
l^mais barato do quo s* telbas de barro, 6 muito
mais limp e afonuosei.i muilo mais, etc.
Ausentou-.-e a pf rto de dous mezes decjsi
de seu senhor a escra va preta fula de nome Baria,
com perto de 50 annos oe idade, alta, gorda, eni-
toregrista, foi ecravadoSr. Dr. Amaro, c<*is!a
(tur anda nesta pidade e tem sido vista no tairre
da Boa-vista e em S. Jo' com labrlriro na ca-
lx ga : qaem a apprebeuder e delta poder dar -
ticia exacU, dirjase ao pateo de S. Pedro n. II,
quesera gratificado.
Fngio do engrnbo Camaravibe na fregoea*
de Serinhaem pertencentes a Gaspar Maurir
Wanderley os escravos seguinles : Samuel mom-
ia baixo. gioro, nariz chato, diz ser da Costa jxw
ler sido com [irado poqaeno, Julo Caboctik) 4e adft-
de irink e tantos annos, ps chatis, venda ar?p-
biladas, estatura baixa., cor f-'ixada, pouca tiorba
e esta na ponta do qucix, F>'li|>)ie mulato de te-
de de 16 annos puco mais on meis, liaixo.'gnos-
so. si-m ili-fi-iio algtim.teve biKs en pequeaa. po-
rm pouco apparece-; por isso pede se as autor
dados policiaes c capitales de camp 1 a captara dt
mesmos e lvalos no mesmo engento ou ia nt
da Maeda n. K, 2o andar eseriplorio de Mauoet Ai-
yes Ferreira 4 t.. que serao prairtirailos.
Fugio doengenlw Boa vista, na c marca r-
Camaragibe, provincia das Alagoas, o escravo X?-
colo. de idide 3i anuos, altura recular, pr<**
do corpo, andar bafleeiro. tem falta do Jemes iu
frente, rosto largo, barbad*, costuma as veje. Ea-
zer toda a barba, lenvuma cicatriz na testa, o
pea grossos ; este escravo anda fugido oosde odu
16 do Janeiro do correnlc anno : rsa o nortaoto
s autoridades polidaes e aos capiai-s de campo a
apprehensao desee escravo, a enire^i uo cpe-
nno cima mencionad, oa nerla praca a ra Vigario n. 12, oa travessa do Corp0 SmIo rt ,
1 andar, que si gratificar {enero?,- >tfni>.
Fugio no dia 26 do.feverciro, |>ela t' vc, a
escrava crioula de norn* BeHraria que repai-seota
ter 10 anuos, estatura fcaixa, com grande fal*a de
dentes e com nina sioatrit de qneimad- rn na bra-
co direito, leudo levado dous chales, sendo mi
verdee oulro listado de -azul c tirano ; qw*
a capturar sirva-se. lvala a Ponte de Ikinm
sitio de Joao Jos llodrigues Menoes, ou a na
da Madre de Deus n. 28 qne sera g<-norogam&J*
recompensado.
Fugio do engenho Minhi c:.s, da comarca de
Santo Aman, no da 20 de janlio do anno pa-sAr
o escravo de nonie Fraheelino, reprsenla .er :i
annos de idade, com "sigBaes preta, baixo, corpo reforjado, cara larga, bastaot-
harbado, ollios pequeobs, nariz inuito 1 li ao, b ca regular, dentes curtos binados, muito or**-
ta e andar apressado ; consta audar |m los qiinr-
bios da cidade de linoa, engenho Fragoso, Cala-
r, Reberibe ou Apipncos, acontado por iosuuio
Jos de Sart'Anna, sea. irmio liberto, o qualtcae
em sua cjmpanhia urna eabr'clin e lillios da #*
ma, e por oulro irrao, de nomo J >s Bxg-iia. Va*
o conduttra para os lugares cima innd--
ali-m de umnutro sofio.denomu J- Zaceara
da Silva, conhecido por Jos Paje, p>* ipr is4<
daquella comarca, poga-fe s aut"rdaries eea-
pilaes de campo quo o appre|icndani e o lew &
ra do Rangel n. 17,^*i no 'bgenlio Minhocas, a
entregar a seu senhor Joo Correia de Qutin
Monteiro, que serao generosamenle gratificad s
Fugjo do engeetio.Cedro, frifiuizia doC rxi,
hoje 21 de marco, o escravo cabra do norne A
tonio, altura regular, corpulent), espadaud<, r-
ba nova, lodos os deres, porn limado.-, cabeHv
carapinhos, ollms grondes, nariz gr*?o, bi-cca n
guiar, ps e pernas tem fettas, tem 'alia maco
olh. r baixo, filho de Pianc da Parata ba du ,Vr
te, e foi escravo d) Sr. Jos Morena 1'Ollvptra.
pai do reverendo padre Saturnino ; lev, u nm <*-
vallo rudado roxo, idteiro e gordo, lln.>ac^ -<.
couro com roupa e nnia rede ; gratifica--e I*- a
quem o levar ao referido engenho. Praia n. -<'X 3 andar
Ainda continua fgida jlesiie o '''' '^ dr lr-
vembro prximo passado a scrava Brrmlr;. w
annunciada neste Diario, om as -'j.' a-< -eg-ri-
tes : cor.parda, cabellos i'arapinh*. alia.. h*ra
regular, beivcs grossoa. iwuilo igria quanAi ai
Calla muito e alto tem um Si'gnal do <\> puoarto-
na nuca do lado dir iw bn'esqurd r.si urna 1
dar o nome para Francefinu. de idErtr ?f> aiu -.
pouc naisou meno%.iqueni a /rend.r ,- <
levar no Kemedio que recebara oOd pr-.i fi -
cao en casa de seu sentlor1 Antonio M-m-li"
deiro de fiusmaa.
' f
Nudia 27 de.fevereiro deste o. M|H '"
Fengenho S.Pedro a (rpgOozia dol ier
cravo rrioulo de nomei(ii^p com 'i..i 1'. 21a
28 annos, bonita ligura.'.byaalinr;-, < li o- > u
bracos pernas algun'ia/coqsa fin .s s m -,
fulla ura pouco ipressaBa, d tos to ei _
l>< < -li-
rios, j com muita pehffem do awri
perior, e tambem na. pnhta ^o qi" >
dedon. dosfis eneo3tadq,,afls dedi-s
comprido que o grande, nao pefde 1......<*
ma no lugar por onde anda, costmi 1 z-i 1
pre bonet na cabeca, mqito drofi '"
pasear por forro, t*q Pieas ma -t -e
na.^cost, Beooiiimer^rsa, aos > i-h. c
campo d*sta provincia 1(Wlfcfqiie! o
pecar, do conduzi lo casa do ab i 1 --- -
rna do Pilar n. 99, que recuera H3fH V
cacao.
1 S.,,1 dn Fr'f
i-fnt
I. ,; ,

a
0
Btnedicto, mulato, com ida-..
tantos anuos, j vajiaiaado, le
na, cabellos quasi bpns, altura reg'
bein barba*i, tem faltas de denle
uns partos pretos e nd"bTat}i d
consta qae flste muJ*W#s|. com o 1.
para Joao, a tem andado.eptre
cidade do Oinoa trai la'arilo c ,
rogasea.' autoridds^ou partariiUi
deste escravo ; TaztSJft entieg
valcaha'de Albnqariiue; Gaiklha
iVovaCruz antiga topa, F^rinba), h
rassu.qii'' ser bem recompao-
E-ta fugido o f*ewyftwfc*'
idade 40 ann's Bpuc.)
oaixa picado de oaUflls-1 it >
vestirtqjiamisa bwaca e, b
.cado dinistas : roga-o as
capitps de campo, dfl apfehPi
na praca da independencia, luja tte'Voi; 'N ''*

UBfWEl
w


8
Diario de Pernambuco Quinta feira 31 de
__________________________________________________________ .___________________
Murqo
Ntit'i
de 1870.
UTTERATURA,
Os brhantes do Brasileiro
Por Cantillo Cascello Braaco
XX
O DOENTE E O DOCTOR
(Contiatarao)
Era, pois, ein novembr > de 4848.
O Dr. Cosa, como no R > o hgr-iri-ica-
\ara, foi c amado pira visitar um enf'MMio
j sea conhecido e de muia eonsidjra-
fio.
Era Hirraeaegildo Fi.ilfo de BirroMS
0 roco devasso qu J ella nao torn a a ver
1 !sde o almoco de Petropolis.
Encontrou-o enfermo do figado : descon-
fiou da doenca n'aqolle clima, e no a fugo
d) verao.
O acert do tratamento, n5o oblante,
desfet os oais graves symptomas ; receiava,,
p'-rra, o facultativo que o doente recahisse
p:r lemtsRs do gulodice eui que a enfer-
metra so mostrara complceme anrg, e
limbaz quinhoeira.
Hermenegildo nao dispensara duas visi
15 diarias, pagando-.as com generosidade,
n >rqu?, dizia elle :
Sin muito rico, cont mais de dnzen-
' '.)>, e nao lenlio herdeiros. Tiaba
ama irmaa, que j morreu lia tres mezes,
i paixo dme ver sahir de Portugal part
nunca mais. Nao poupe o meu dinlieiro,
i r. Costa; e'de cada vez que vier cont
com urna nota de cem mil res O que eu
quero saude para gastar o que tenho ;
que j i n3o sou capaz d'isso.
Eolio V. S. n3o teve filhos de sua
lenbora ?perguntou o doutor.
Nada, nao Uve, nem tenho de nin-
|oom. Nao sou de casta.
Va; sua ^enhora, se n3o houve di-
vorcio nem escriptura especial, devo par-
Uibar da sua beranca, pens eu.
Isso c urna historia que r-u conta-
rei ao meu amigo Dr. Costa. Minlia mu-
lher. .. minba ou l do diabo de quem ,
n5o ha do receber urna pataca, se eu fr
adianto d'ella. Quando me apartei, desliz-
me de fado ; isto, dispuz a minha fortuna
de geito e com taes artes qae ella n3o acba
asa que deite as anhas.
E tem ella recursos de que viva, de-
pois que V. S. a deixou ?
N3o sei, nem. quero saber, izem
que o pai rico ; mas elle faz tanto caso
d'ella como eu.
Desculpe-me fazer-lhe urna per-
gQQta...
Pergunte o que quizer ; que en j
nao me importa fallar n'isto. Deitei o co-
nejo ao largo, e, como o oulro que diz,
ijve o di*bo paixoes e mais quem com
eas medra. Goslo do cavaco. Que que-
ra o Sr. doutor saber ?
Se teve razOes para privar nfeiramen-
tfl de recursos sua senhora. A*s vosos
acontece um homem, na sua posie5o de
araicoado pila esposa, cavar mais fundos
abysmos sua honra, atirando a culpada ao
meio da sociedade, como quem diz: abi
val urna mulher que eu poda salvar da
extrema miseria... Levem-na ultima
paragem do vicio t
Nao, que eu quiz salva-la acudi o
doentemas ella nao quiz. Dava-lhe que
comer n'um convento, e a douda sahio pela
. porta fra, descompondo os meus amigos.
E foi viver com o amante, ou esse
inesrao a abandonou ?
Isso nao sei. Eu o amante nao Ih'o
conheci, nem sei quem fosse.
N3o sabe ?l ent3o com que provas
se julgou trahido ?... Desculpe...
As -provas foi ella gastar dinheiro
grosso sera dizer no que : disse que o dra,
e acabon-se. Pois quem dava ella o di-
rfaeiro ?
Era vclha sua mulher ?
Nada : era urna rapariga bonita, bo-
niti de urna vez. N3o linha de seu ; apai-
xonei-rae peo palmo da cara, e casei. V.
S. que do Porto, nunca ouvio nomear
uro general chamado Noronha 1
Noronha ?!exclamou Francisco Jos
la Costa, cravando os olhos pvidos no
brasileiro.
Sim, um general Noronha que viva
ira Ponte de Lima... Minha mulher era
IM d'elle...
Como se chama essa senhora 710-
terrompeu o facultativo respirando difficil-
mente.
Angela.
Francisco Costa lespaco de tres minutos,
ficou a'um spasmo e torpor de pensamento
' e aeco. Aos olhos do brasileiro aquelle
?v espantado significava estar o doutor re-
cordndole de ter conhecido o general ou
: filha.
Talvez que o Sr. doutor visse alguma
'n minha mulher no Porto... proseguio
rmenegildo. Eu morava na ra do Bispo,
n'iima casa de azulejo de quatro andares..
V. S. est incommodado ?disse o doente
notando extraordinaria mudanza no roslo
do medico.Parece que est a enfiar I
N3o, senbor. Eslou bom... eslava
a ouvi-lo, e a lembrar-me... que n3o me e
estranbo o nome do general e da filba...
D'onde era sua senhora ?
De Vianna, cuido eu.
Mas eo linha ouvido contar que urna
lha do general Noronha casara na provin-
cia doMinho...
Foi comigo ; eu estava ento na mi-
nha quint dos Choupos. L que foi dar
a tal senhora porque era amiga de minba
irma, que linha estado no mesmo convento
com ella, e eo fiz agrande burncada de
casar, sem pedir informacfcs ninguem.
E depois mudaran para o Porto ?
em qae anno ?
Em 1840.
E foi no Porto que o Sr. r lalho leve
raz5es para saspeitr da lealdade do sua
seohora ?
Sim, senbor.
Mas j me disse que nao conbecia o
amante, nem linha a certeza de que ella o
tivesse...
L conhece-lo, nio conheci; mas a
quem dava ella o dinheiro ? A' minha casa
nao ia homem de suspeita. Ella nao se
visitva com Mego vivo. Mulheres d'eslas
de levar e trazer nio me punham l o p
das escadas acjma, nio ser a costureira
de longe longo. Nio sei ; o que sei
que Sescobri que ella venda os brilhntes
de urna pulseira qae Ihe dei, e destribuia o
dinbeiro.
Quaotia grande ?
Que ea saiba 1:680^000 res. N3o
era pelo ditheiro, que isto c jmim n3o
me razia mssa ; a minha questSo era sa-
ber quem deu ella este capital. Isso
que nem Deus nem o diabo foram capazos
4e Ihe lirar do bu
Deteve-se Franci-co a pensar n'aqueiU
quantia de dinheiro, confrontando a com
oulra que recebera dorante o tempo da sua
formalora. O homem tinha mooieotosde
niidar-se allucinado ou adormecido. A's
vezes, a anda com que pergnntava e o al-
voro,;o com qns cuvia as respostas, inclna-
vam-no s^-bre a cara do enfermo, qae rha
razan do se e8p3n':'r da torva inquietaco
do doutor.
Q'ieira dizer rae...vollou Francisco
o sustove -se embancado com a torrente
de porguntas que ihe sossobravam o espi-
rlt i.
O que ? perguntou Hermenegildo,
que pareca folgar n'estas confidencias com
o seu medico.
J me disse que a sua casa ia apenas
urna costureira...
E verdade...
E essa costureira...
Susteve-se ootra vez o interrogador, re-
cejando demasiarse em averiguacoes que
deviam parecer desnecessarias ao marido
de Angela.
Da costureira nlo desconfiava eu, nem
rae importava que ella l fosse ; mas olhe
que nao deixei de indagar da vida d'ella.
E sonbe alguma cousa ?
Sou^e que era urna viuva honrada e
que viva com um irmo. Chamava-se ella
Joanna, e por sgnal que nao era m fatia !
accrescentou elle piscando o olho direito
e lrecitando urna careta do sybarita.
O facultativo callara-sea intervallos gran-
des. Dir se-hia que onojo crescendo.su-
bindo, empolando-se do peilo cima Ihe im-
peda a falla.
De sbito, perguntou cora a fronte avin-
cada :
E para onde fui a Sr* D. Angela ?
N3o sei: os meus amigos ainda a vi
ram sabir com a criada pela na acims, to-
mar para o largo do Laranjal, e nao sou
beram mais nada. Eu, passadas duas se-
manas, iz-me de vela para ajui.
Mis nao pode o Sr. Fialho conjectu-
rar onde ella ira ter ?
Quera sabe l ?!
Ella sahio sem dinheiro ?
Acho que sim. Nao me faltou nada
de casa. Tinha l urnas joias, que erara
da m3i, e deixou-as. J as veodi depois
que cheguei c.
Ent3o sahio em circumstancias de pe-
dir esmola ?
Esmola ?... acho que nao...
Por que ach que n5o?... Unw se-
nhora pobre, educada como fidalga, n3o
exerr.itada era qualquer trabalho, de repen-
te privada de raeios, e indigente, o que
faria ?
Nao sei... l se avenha. .
Supponha o Sr. Ftalbo que D. Angela
de Noronha, em vez de trabalhar, porque
n3o sabia, e em vez de mendigar, porque
nao poda, comecou a vender-se porque
era bonita!... Se assim acontecesse.,.
Demorou-se, instantes, suffocado Fraiy
cisco, e repetio :
Se assim acontecesse...
O senhor parece que est a lagnV
mejar ?!
Estou, nao ha duvida... porque nt
compadece d'essa pobre senhora...
Compadece?... Eo*5o acha que
bonito urna mulher deshonrar um boma
de bem ?
Quera o hornera do bem ?
Sou eu...
0 Sr. Fialho ?!
Entao V. S. duvida ?t
Nao duvido. Tenho a certeza de que
o senhor ...
A cadeira de Francisco Costa tremia em
vbracSes. Ao brasileiro augmentou-se-lbe
o espanto, quanio vio o doutor erguer se
de salto e laucar m3o do chapeo.
Vai-se embora, doutor ?t... O se-
nhor nao vai bom !... Que 6 l isso?-ve-
nha c !
Lembrei-me que tenho doentes e a
hora de os*vsitar jipasson, mas volto logo
respOQdeu o medico, examinando o re-
logio, sem ver a hora.
Nada... V. S. sabe alguma cousa de
minha mulher... Aqu ha historia...
Sei !disse Francisco Costa, encaran-
do-o de lado qinndo se retirava.Sei que
D. Angela, at ao momento emqueo se-
nhor a expelo do casa, foi pura e honra
da esposa.
Venha c! como sabe isso ?!bradou
Fialho sentando-se no leilo.
O medico tinha sahdo.
Aqui ha mandinga, por mais que e
digam! monologava o brasileiro, apalpando
ao mesmo tempo o ngado congestionado.
Quem diabo disse este sugeito que a mi-
nha mulher estava honrada ? o primeiro
hornera que me diz isto I... Quero saber
este negocio como A' tarde rou man-
dado chamar. Se elle poder provar que
Angela estava innocente, mando-a procurar
e dou-lhe urna boa mesada, e a quinta dos
Choupos. Mas onde estar ella esta hora!..
Meditou urna curta pausa e accrescen-
tou :
Ora bolas qual pura nem J qual ca-
beca !... Se ella estivesse innocente, ia pela
porta fra ?!...
Hermenegildo sentia-se bem disposto
para jantar: mas a galinha enjoavaoj. Pe-
dio Rosa Catraia que Ihe levasse do seu
jantar. Comeu urna farta gamellada de
carne secca com fejo prelo, bebeu pro-
pongo vinho de Bordeus, adocou os bocios
com nma tigella de maracuj, e estenden-se
no nacido col'ho para sestear.
Pouco depcs rugia, apanhando os refe-
gos do estomago que latejava, e contorcen-
do-se sobre o ligado. Era urna cojica.
Sahiram os criados a procurar o Dr. Cos-
ta. Encontraram-no, caminho j da casa
de Hermenegildo Fialho.
Estou a mofrer, so me nao acode !
exclamou o doente escabujando nos bracos
de Rosa Catraia.
O oam rceitou, oovida a exposicao
da enfermeir?. Um vomitorio enrgico ar-
rancou das cavernas d'aquella senUna a
morte envolta em ondas de feijo prelo.
Estava desatontado, mas ardentemente
febril.
O doutor examiBOU ltenlo se as faculda-
des inlellectivas do doente estavam de leve
alteradas pelo accesso febril. Aprasivel-
raente recohheccu a sanidade do espirito do
homem, queMhedizia cora voz roufenha :
Sjrapce Y. S. um grande cirurgiol
.ra de honra, que eu estava a espichar
d'ltt!
Francisco da Costa disse concubina
que sahisse do quarto, e sentou-se cabe-
do enfermo,
^arece Ihe que estou peior
-------r---------------------:--------------------
disse assustado o brasileiro, tradozindo
fuoesfameBte o aspecto severo e pensativo
de Francisco. ^B^
or. Poderj
pe que i
o papel esse
i papel
doutor
N5o, s
o Sr. Hermj
aqui tenbo ?
Ler oh paK
Posso ler perfeitaj
Leia.
Fialho recebeu urna meia folha
sellado, que :ontmha o seguinte :
Declaro en abaixo assiqnado, Hermenegil-
do Fialho Barrosa*, neg ianle que fui no
Porto, e (tctutlmente morador no Rio de
Janeiro, que recebi fh cirurgio Francisco
Jos di Costa, residente nn mesma cidade,
a quantia de um cont seiscentos e cinco-
enta mil rcis, fortes, que minha mulher D.
Angela de Noronha tinha emprestado a Jo-
anna Costa, irma do dito cirrgiao, e cos-
tureira residente no Parto, afin de com esta
quantia, recebida em diversas parceilas, o
referido cirurgio poder continuar e com-
pletar a sua habilitaco para curar. E,
como isto verdade, pedi ao dito Francisco
Jos da Costa que este fizesse para eu as-
signar na presenca de tres testemunhas que
sao. .
Aqui lerminava a leitura.
Hermenegildosentraseepaitado nolei-
to, ao passo que Francisco tirava d'uma
carteira um masso de notas, e Ibe dizia se-
renamente :
Tornell.lr, se quizer, Sr. Fialho;
mas nao me faca perguntas ; por que lulo
que tenho a respo:i ler-lhe est ahi. Eu son
o irm3o da viuva honrada qu3 ia sua casa.
Fui um moco pobre que a Sn. D. Angela
conheceu bom o digui do ser eslimido na
mocidade de ambos. Uecebi d'esta virtuo
sa senhora a esmola da minha forraatura,
ignorando quem a devia. Agora posso
paga-la ; e vossa senhoria, que diz ter
sido roubado por sua esposa, a quem de
direito me cumpre pgar Falla a indcaco
das testemunhas. Pernjittarrie que eu chame
tres dos seuj visnhos aos qitaes o Sr. Fi-
alho lera esta quitaco, e pernote o qaaes
me far a merc de assigrrar, contada a-quan
ta que deixo para ser examinada.
Mas explque-me isto! bradava o
enfermo.
Est explicado, senhor!
EntSo mioha raulber eslava innocen-
te ? por que o nao disse ella por que nao
contou ella a historia que o doutor me coo-
tou agora ?
N3o sei. Confuira poco n3 9ua ge-
nerosidade, senbor. Seria sorpreheaMda de
modo que n3o ppdfese justificar-se. Em
fim. nao sei^ nem posso demorar-me. Vou
chamar as testemunhas.
Mus eu nao quero este dinheiro!
clamo Hermenegildo.
Rasgue as notee-depois de ter a6sig-
nado o recibo.
E deaceu precipitadamente as escadas,
subindoa* logo com as tres testemunhas.
Fialho nao pode lr a qoilapSo, de in-
quieta o afflicta que se Ibe espojava a alma,
como nejada do corpo.. Costa pediu uaaa
das testemunbas que hi-sse e oulra que
contasse as notas. Depois, obogou a penna
ao doente que assignoos com a mo convol-
sa.
As testemunhas sabtran.
Se v que eu morro trtamodeee
Hermenegildo diga-mo* qoe quero- fazer
testamento,, e deixar alguma coisa minba
mulher, so ella ainda for viva.
Noseise morro^Sr. Fialho. ingela
de Noronha, se vive, nio acceitar a sua
beranca..-..
Pon que ? ento afio ba de acceitar ?...
Angola de Noronha, se viven, ter
metade do meu pao. &/que D. Angela ac-
ceitariade seu marido est aqu.. este
papel qpe a salvar da infamia que o se-
nhor Ihe- associou pobresa, para que o
mundo nem misericondia houvesse d'ella.
Se a infeliz tiver cnido ultima deshonra,.
Sr. Fialho, em tal caso eu irei ainda procu-
ra-la de-abysmo em abysrao, e dizer-lbe qoe
Qz oquo pude em dosaffrota do seu,nom*
Adeus.
Francisco Costa sabio enchugdo as tar-
grima&.
A cara de Hermenegildo apenas ressmaa-
va o stior mal enchuto das agonas da co~
lica, sobre a amarellidao nauseabunda daicte-
ricia.
XXI.
MORUR IIERMENEGUDO.
- Esta de .cabo de esquadra 1dizia
ello, horas depois, aos amigos que o. con-
fortavam.-*- E quem deu direito a minba
mulher de emprestar sean minha ordem
1:G}5000 ris ao irmaja Jft costureirai?
Que me import raim que elle fosse boa
ptsoa ou que fosse um pandilha sera beira
nem leira ?-
Voce tem rasaordizia-lho um primo
arnal de Athanasio.L pr'o caso de sua
mulher andar mal, ai.dou ; e, se era hon-
rada, a3o o pareca. Por exemplo, eu vou
em casa da mulher d'um sugeito, e peco-
Ihe dinheiro. Ella m'o empresta, e es-
conde do marido ; que hei de dizer eu ?
Sim, tem ra$3o vocA de o5o dar orelba,
Sr. Fialho.
Estas clausulas pareceram irrespondiveis
ao doente. E, de feito, a natureza tinha
esclarecido esta familia dos Athanasios com
grandes lumes de rasSo natural.
Por feiclo que Hermenegildo raflcou
n3o s os seus anteriores joizos sobre os
irregulares costumes de Angela; mas tara
bem entrou-se da desconfianca de ter apa
nhado, quando menos o esperava, o amante
d'ella. Quer-nos parecer que aquella per-
versissima alma raciocinase actuada por
influencias de ligado e ouiras entranhas que
principiavam a engorgitar-se.
0 restante do da passou-o pouco febril,
e por isso mesmo com certa energa de es-
pirito que destampava em esfusiadas do pro-
tervias contra a esposa, sem esalvar a pro-
bidade do cirurgio.
Do noite exasperaram se:lhe as dores he-
pticas, as affliccoes do estTnago, a dyspna,
e o queimar de febre. Ao romper do da,
pediu brados qae Ihe cbamassem o Dr.
Costa.
Informou-se Francisco com o portador
sobre o estado do doente, e despediu-o.
D'ahi pouco, outro aolavel medic.p, en-
viado por Francisco Costa, 'desculpando o
collega, oerecia os seus servcos.
A doenga progredio sem mtermitencias
de repouso nos cinco dias seguintes
Hermenegildo pegou a dar gritos que o
doulor o mandara envenenar na Usana da
quina. Os. mdicos, chamados um aps
outro, iam cedendo o passo ao ultimo, in-
dignados da alevosia cqm qae o estupido
enfermo calumniava o illuslre carcter de
Francisco Costa e do seu sobstituto.
A doenca entrou no (Jecimo quarto dia,
reagiu cora pnrene
te. 0 g^ner de i
HurmenegiiJo a-a.
Catraia ganhou-lht
com mortaes symptomas. Aquella raassa
reagia com phivnesi ao esphaceHar da moer
um doente vulg* era em
ir ferocissimo. Rose
ganhou-Ihe n; fugia da boira
do leilo reeiosa do qee o l#ado do irf
bundo fo3S3 alg.im d'aqaoms murros que
fendiam o ospaldar do leito. Ricolhida em
sua d r, a chorada airela das ribeiras de
Barrosa? comecou* a cobrlr com as azas os
brhantes o notas que se Ihe depararamna
sua irrequieta angustia. N'estcs trances foi
Ihe grande auxiliar um criado da casa, p-
rente em quarto gto do pato, rapazola
de espadiws aechas, que promeltia rehabi-
litar os crditos de Rosa por meio d'um
decente matrimonio, logo qoe seu patrao e
primo desse cascaphrase lyrica e pilto-
resca da Catraia
Assim, pois, que o ultimo assistente d%
clarou perdidas as e3perancas de cura, o
primo de lhanasio comecou de arrebanhar
os livros e papis do moribundo, cuidado
que Ihe tinha sidj sobre modo recommen-
dado do Porto, logo que Hermenegildo adoe
cesse gravemente. Notou o arrecaiador
dos livros commjrciaes que os hareres do
enfermo, superiores duas centenas di con-
tos, estavam em poder de Pantaleo, de
Joaquim Antonio, e de seu primo lhana-
sio Jos, repartidos em avultidas somraas,
das quaes Fialho tinha cobrado as decla-
races encontradas, e larradas com auffici-
entes solemnidades legaes. Este quarto
ladro que deseobria os tres do Porto, con-
siderou-se o melhor co-h;rdeiro da heran-
Ca porijue desde logo computou a porcen-
lagem a auferi-.
Um conhecido do moribundo, levado de
escrpulos, entrou-me ao quarto com o
prior da freguezia, lionvern de respeitaveis
cae, e, na serenidad^ lmpida do rosto, um
como mensngeiro e nmiciu da misericordia
divina.
IleFrnenegildo encaroa nelle eeo assom-
bro, regougou tr;wcos,do oz caver-
nosa r
T-se embora, qse eu nao morro
desta ve.
Assim. o permtlir Dbysrespondeu
o sacerdote com gravo composturamas os
beneficios- do sacramentos n8o utilisam so-
mente no qic vo presenga do Senoor.
Nao rae cont historiatartamudeou
o agonisaofe; rolando-se d* modo \gb Ihe
virou as costtis.
Meu maotornou o sacerdote de
Jessveja se tem na sua aSna* offensae- a
perdoar, ou> o Quando Deu fr servido cbana-lo co-
ts, a sua alma nao poder voUer as costae
face do 9hprenv> juiz.
Nao mematemrugi Hermenegildo,.
herafustando.
O padre quedoo-se a contemplar de bra*
coocrusados e o coraco em Deus aquel'.fej
soectaculo, sunnjican lo graca para rebel-
A graoa divina esquivon-se. Contra
benigna theologia de bonissimos- casuista)
vivo persuadido qpe Lucifer estimara que
<-entas almas, -ultrna hora,, liavpas pe'a
contrieco, so guiadnsem gloria, alim de
Ibe nao sujarem o inferno.
& sacerdote rertroo-se, quandft vio que a
sua presenca sobte*alfligia o doeate.
Era mera noto.
Siesta hora a & einco da mesba I leri
aenegildo pedio -agoa j nos demorados
paroxismos, e ninguem se abeirou do seo
teito.
Cinco horas vasqiuejou szinbo, e, aos
priraeiros assoaes- do dia, rsnieu... a-
alraa.
Rosa, accordadl- pelo futuro marido, per
gantoa se o patra tinha acabado.
Acho que sim, qne j n om;o nada
disse o criado,, e foi chamar o primo da
Atbanasio para tomar conta de algum s ar-
robas de carne em putrefaccao, onde esii-
vf a nma alma- creada iin-*q?>n e sem-
Ihoaea de Deue,
A tolerancia divina permile semelhantes
blaspbemias.
XXII
FEUaOADE SL'l'KiMA
Em abril de 1850, Angela e Joanna, sen-
tadas no quintaluiho de sua casa, debaixo
d'uma amendOeira florida,, ao entardecer,
descancevam.do trabalho do bastidor de que
tiravam bons lucros em bordados de
ouro.
Joanna; embellezada na> formosura da sua
amiga, dizia-lhe :
- Como vossa excedencia, nesta pobre-
za, ganho o que Uriha. perdido na opulen-
cia da sua casa! E' bem cerlo qua a felici-
dade est em mu povxo Eu a temer que
Sra. I>. Angela envolhecesse neslas es-
treitezas da nossa capa, e se nao habiluasse
isto ; e quiz Deus que, em dez mezes, ou
a n3o visse triste seno quando veio a pci-
meira carta do me Francisco,....
Pois olhe, minha amiga, eu esiava
agora triste...
Porque ?! Vi-a calada ; mas cuidei
que nao era tr&leza...
Era...
E segwdo ?
N3o, aainha amigar.. Segredos quan-
do eu n3o posso desiingoir as nossas almas
urna da oulra... Eu Ihe cont... Estava a
ilizer comigo: o meu futuro qual ser ?
Teriho vinte e nove annos. Se me record
do que passei, imagino que a vida j longa
e devoria estar por pouco; mas, diante de
mira, vejo os annos demorados d'aqui at
velhice, at aos sessenta annos da nossa
Victorina, que espera ainda viver at os ai-
lenta. Muito se vive quando se soffre !..
e o que mais espanta que nem a desespe-
rac3o infunda um sincero desejo de mor-
rer... Aqui eslou eu a lastimar-me, a per-
guntar o que ha de ser de mira, a ver a
precisSo de. se acabar esta socegada vida
que tenho ; e, apezar do escuro das minhas
nenhumas esperancas, desejo viver... para
que?
Deus Ih'o ir dizendo, minha senho-
ra. Se eu dissesse minha amiga que es-
perasse resignada, seria urna indiscreta con-
selheira. Quem pode" dar licites mais su-
blimes de paciencia que a Sra. D. Angela ?
Paciencia, sim; n3o me ha de abando-
nar esta providencia dos infelizes...disse
Angela, concentrando-se outra vez com des
acostumada tristeza.
Entao que isso ?disse meigamente
Joanna, tocando-lhe as m3os que ella en-
clavinhra amparando a fronte.
E seu irm3o ?disse Aegela, como se
a pergunta sahisse de um dialogo mental.
Meo irfaio ? o qoe, minha- amiga ?
N8o o hei de ver mais ?
Porque n3o, Sra. D. Angela ? pois qae
razo ha para que o nio veja ?
*- Quando a felicidad* do corceo se
tornou impossivel.
Impossjvel, n3o. Vossa excellencia
ser n outro teraop esposa de meu ir-
Quem sabe separa dia poder mais
livremente dispr da coa vonlade!.... Sou
marido tem bastante idade...
; Eu era nesse tempo a mulher com o
prestigio que sedesfez... Esse homem,
qne me prenden ao'remorso e vergonha de
me deixar vencer da c*mpaxa*o e Jos bai-
xos pensamentos de ser rica, gualoo-me
qualquer mulher vulgar... Se oadesme-
rec aos meus proprios olhos, aulorisei todo
o mundo a considerai-me avlada...
Nio diga isso, minha senhora...
alalhou Joanna, tomando Ihe as m5>s cari-
nhosamente.Pois n3o ve nessas sinceras
confisses de meu irm3o como elle a
amava?...
Amava a saudade ; n5o era a mulher ;
amava o passado e o que l se perdeu. A'
luz que ent3o me via, n5o poder vr-me
jamis. Eu hei de ser semprc a esposa ou
a viuva de um homem que me lancou de
si com desprezo... E, depois, a gratido
das almas nobres, como a de Francisco,
pode leva-lo a dobrar-me o joelbo com ad-
miraco; mas com amor nunca. .Eu sei
slo, adevinho isto. Se eu vendesse a ca-
znba nica onde me abrgasse para Ihe me-
Ihorar a sorte delle, esea dedicarlo sublime
duplicara o meu direito a ser amada; mas
eu, qoando bem pens no que fiz, duvido
qne me lowem os eslranhos, e sinto tsfriar
a vehemencia de gratid3o naquelle mesmo
por amor de quem me parecen lotrvavei o
acto que pratrqoei. Mas cu n3o quera que
me agradecesee ; quera at que elle igno"
msse sempre, para eu nao Bear desdourada.
V porque taas vezes Ihe teiio pedido
qoe n3o me descwbra ? E a minha amiga
sempre a querer,- setnpre a iastar que cu a
defcte contar-lhe Pudo. Oh I n3o o faca,
per piedade Ihe peco que nao Ih'o fBga! Se
elle-vier um da Portugal, basta que Ihe
fara-saber que eu nab'foi m esposa.,. que
fui ealwmnada; mas-qiie n3o ha no mundo
quem' possa provar qne- eo meditei un ins-
tante em justificar unverime cora os ejem-
plos db meu marido. Assim posso-ser
amada,.. e eu quera s-lo, quera, minha
amiga, porqoe dos deze?8is aos vinte e nove
annos, vifo mhares dfe- dras e notes em
que nunca esqneci seo irmo. Houve nm
tempo era'qse o julguer mal, porque Deus
Ihe dra a- virtnde que esmaga o coraco,
porque o meo desatino qeeria ser excedida
pela paix3o-dobomera qrre me obrigava
voluntaria pehma, s injwrias de meus p-
renles, ao perdimento de uorgrande patri-
monio e da beranca de ura nome nobre.
Qoe me imjerlava isso f Rs sen irm3o,
minha amiga, tinha riquezas- superiores, a!
9Uficac5o d2*virinde, urna- coosa que se
adora de joelbo depois que- se tem sido
desgracada, e 3e fidou seis amioe com um
liomem de condlijao vil.
Nieste momento, Victorina aosemoo n'uma
jane fia, dizendo qpe estava n-lioroem per-
3 guntando pela dne da casa.
Ser carta- do Brasil?-pergontou
Jbeaw.
N5o ,disse baixinho Wctorma
urna pessoa asseiada com barbas-grandes.
E:voltando-se sutemente soloa- ua grito,
e disee para dentp:
O senhor entra pela casa>ass, sem
espww resposta ?*
O- sugeito sorriose ndignaSO da velha,
que nao reconheceiv acercou-se- da- janella,
debruco-se para quintal, e-otwoo es-
pantados olhos nas-duas senhor as.
W elle! rae irm3o f esdamou
Joanne.
Oh minha querida senhora) elle!...
E oorreu para casa ; mas Angela ficra
immovet a olhar pafa Francisco,.e elle im-
movel' apoiado no^petoril djanella, com
os oilios lixos em Angela.
k irmaa abrac.iwa-o, e elle bsijondo-a na
fronte-, rourmuroa:
Aquella Alogela, n3o -?1!'
Sim, meu ftlho, pois n3o ella o
mesmo anjo ? Viunos busca>!a,. depressa,
que est sem cor...-
E: desceram rpidamente, o- chegaram j
quando a esmaecida senhora. oaminhava
tardos passos para a casa.
Costa offereceu Ihe a mac convalsa. An-
gela encarou-o muito amorvel, aperlou-lhe
a m5o, e disse com.voz magoada:
E' a priraeira vez...
E carregaranhse-lhe de lagrimas os olhos.
Abracouse em. Joanna,, apoiando-lhe ,a
fce no hombro..
Francisco permanecen silencioso, abafa-
para os bracos d'oulro homem, amado oa
aborrecido, era a esperanca inferoaJ que.
preoecupava o autor dos Somios, aquelle
olympiJo vidente agera demudado em pes-
simisla, com as alas da sua poesa mortas, o
o espirito prostrado as baixezas volgares
deslo mundo. Figurn se-lhe, por desven-
tura, que orna mulher, qoe aspirara o am-
biente de Hermenegildo Fialho, devia de
ter empeconh'do o concSo, apagada a flam-
ma cejgl do espirito, e desbotadas as
cores^^ronaticas por onde via o bom, o
bello, o santo da creaco, antes de tocar a
hediondez de tal marido. Duas angustias,
pois, ura tempo o navalhavara : se a en-
contrara amante d'outrem, e para si per-
dida ; se victima da necessidade na vulgar
degradac5o de escrava, e perdida tambem
para elle.
O encontrada, por tanlo, em companhia
de sua irm3a causara aquelle intorpeci-
mento de espirito e palavra que pareca
irmanar-se com a diflerenfa, e al com a
sorpresa desagradavel. Depois, porm,
que se afez aoar da feicidade, c os seus
olhos poderam supporlar a luz inesperada,
Francisco transfiguren-se, as lagrimas ven-
ceram ajrepresa, os dezoilo annos refloriram;
e. sbito, Angela, que n3o enlendia o fri
silencio delle, sentio-se-lhe aperlada nos
bracos, e beijada as faces que ardwm do3
beijos, da lagrimas e do pudor.
Eu vinha procurar-re, Angela !-bal-
buciou Francisco, mas Deis nao qajz que
eu imagnasse a possibilidade Al te encon-
trar ao lado da minha santa irorch, Eu ti-
nha soffrido mwlo, e a recompensa devia
ser esta...
Angela abaixotf o rosto, e pensou confu-
samente na estranftesa deste traeee.
Costa, vollando em s, compe etrouse
dopejo de Angela, a disse :
Eu beijei a toa face, Angelar por que
n3o hn considerac3o (jiro te obligue corar.
Tcu marido morreu.
Morreu ?!conclamaram as daas se-
nhoras\ e em ambas o' a# da pbysionoraia
nao rVelbva seotmento' po pedisse luto
immedratt). Os olhos de-Angela nao tinham
s mbras de fonereos; o sorriso de Joanna
iriava as eres azues e escarales d'um ves-
tido de gala. E, se nesto eooflicto pai-
rase idea triste, bastara um destempero
de Victorina'para destruir eeffeho lgubre
da noticia Quando Fraoeisco profera
ten marido morreu, a cradj (pie estava na-
cosinha, corren' saleta exclamaado :
Ainda be t ainda bem I'
E chorava do alegra, como' nunca nin-
guem chorou per om defunto,- excepto os
herdeiros, prente em quarto-gro1.
Cumpria relatar o caso miando. Costa,
cmmiltindo os Pcttaessenciaesv-oontMi que
conversara com -feniienegldo r.os prinaeiros
dia da doenca, sobro cousas particulares
da sno vida; mas; como ootros deentes fra
de Rio o desviassem do enfermo/ nio- sabia
dizer da morte senao o principe!; isto ,
qe naorrra.
Matado a referir-o dialogo qne- Uvera,
coelou1 qoe o brasoiro apenas so-qoeinva
e dava como prova>da desealdado- do An-
gela?, a vonda d'ons bfilbantes, 9-a'perti-
naeia 1:658)5000.
Foi...clamo Joanna, o- sospen-
den-ee, quando eneontrea os olhos- do An-
gela que parecan) recrimina-la cosa profun-
dsima dor.
Fti... o qae ?5?-perguntou Braocisoo
Jos da C->sta, lingedo-se embacadd peles
oblares mutuos das-duas.
Nada... -dissiraolou JoannevQue-
ra eu>diaer que fot urna falsidade
ff'aisidade nao foi... 04wmem
nao* menta ; nem tu, Angela, psrmittins
que a^nossa Joanna- desminta teu defunto
maflido^-objectou elle, sorrindo a-inquie-
tas- visagens da viuwa.E con*uo :
Como- hei de eu entrar n'um segmdo que
ten marido n3o pesettou com teda a.sua
polica, administraliva-o espionagera.de ami-
gos! -Nao ouso, minha amiga, ptdiB-te a
confidencia... Teuraarido quera- morrer
convencido que o seu ooro andava por m3os
de quem Ihe disptala e vencer a alma da
espusa. Parece qye o homem nao se dis-
pensava desta ignorancia para poder, alle-
gada as conlas dadas ao juiz que via, as
las lagrimas, minba santa amiga. Eu,
porm, n3o consent que elle se prevale-
Gesse da sua ignorancia, e jurei^ pela mi-
nha honra, que tu doras deesrcola.... ^...
lGSOflOOO*.- Mas o que tu da vas de es-
mola as maos' do beneficiado chama-
do, n'um modo-de existir,.que seria o pre-i-va-se roubo em relacao teu marido- que
'odio da demencia, sedarasse muito, ou era o senhor do, objeclo esrcol.do. Fui
roubadopoderia elle dizer ao juiz sapre-
rao.Minha umiher estara imcentequanto
aos deveres da asposa; mas tomo parte do
meu ser mercantil, defradotume en*......
-.650&000 ; quantia que- elle liona gra-
vada no cerebro com letFas de tetunte
ardente. Oa, suppondo mesmo que ti-
nhas sido rcubada, por quem quer quo
fosse, e Iludida em la ardente caridade,
Angela, nsiava-lhe a elle a peasibilidado
de urna reslituicao que, afinal,. dihicWasse o
mysterio ila tua innocencia. Coto o pro-
posito de Iba crear esperancas de ainda ser
embobado, contei-lhe eu,.jDanna, a historia,
d'aquella dinheiro, que le ei restituido,
quando. tu nem o esperavas, nem tinhas re-
moto conhecimento do. roubo. Na minha
historia havia a singular coincidencia de-ser
a restituico do teu. roubo igual quantia
de que o meu doeate se queixava. Nota-
vel semelhanca : 1:0304000 daadO'Se,
de mais a mais, a estranba cousa de ser elle^
roubado ao mesmo tempo quo tu eras in-
demnisada, minlw irma I E, nao. pira
aqui a coincidencia! os brhantes erara
vendidos por qiianUas iguaes aquellas que
tu ias recebendo, e na mesma occasio, do>
tal sugeito de Vianna, honrada, pessoa qtfO
eu nunca cessarei de proclamar, apesar do
incgnita!.... Por que ests tu a sorrlr,
Joanna? E t, Angela, quo ar ess de
congestao se n3o desaffe^asse no pranto n-
voluntario.
D-lhe o braco, Francisco.. .*disse
Joanna.Elle parece que nao acredita v-la
aqui, minba. lha^onlnuou ella, sor-
rindo.
E desde quando ?perguntou elle,
tomando o-braco (Je- Angela.
Desde quando, est aqu ?vercou
a irma, nao percebendo bem a pergunta.
Desde que nao tenho casarespondeu
a hospeda sorrindo > desde quo precise da
beneficencia da minha amiga d infancia, e
da sua, Sr. Cosa.
Occorreu Victorina a dar uns tons de
fest chegada de Francisco, pasmando-se
nee, as grandes barbas, e na espantosa
mudanca que fizra, e no medo que ella
tivra de que fosse um salteador, quando o
vio romper por all dentro.
Entraram para a saleta do rabalho, onde
estavam armados dous bastidores.
Aqui tens a nossa officinaapontou a
ridentissima Joanna.Temos feito progres-
sos e lucros admiraveis; bordamos ouro.
A Sra. D. Angela, em dez mezes, ganhou
quarenta e duas moedas.
.Est vossa excellencia aqui ha dez"
mezes ?perguntou Costa hospeda.
Pens que simconfirmou Angela.
Francisco, confrontando as datas, con-
gildo oto mezes antes, Angela se acolhra
sua irma logo que sahio do casa. Exul-
tou, luzia-lhe nos olhos o muito sol que se
Ihe abrir na alma.
E ponto vera dzer-se que o confidente
ultimo do brasileiro, desde que ao longe
premeditou a redempcjlo de Angela, con-
jecturra que teria de procura-la na ladera
onde vulgarmente pobreza e formosura im-
pellem a mulher, nascida sem a aurola
sancante. Aurola de que j boje nn-
gusra v resplendor, nem os romancistas
propriamente se exercitam nesse genero de
inventiva, temerosos do descrdito de phan-
tasticos e inverosimeis.
Do muito martelar nesta hypothese pes-
sima, bem que trivialmente realisada no
mximo numero de lances anlogos, cauaou-
se que o lapso da desamparada senhora
cluo que tendo chegado ao Rio Hermene- ssombro e alvoroco?.x, N3o querem
ouvir o melhor da passagem ? Uro dia,
eslava teu marido a contar, provavalmente,
as duzias de contos que Ihe avoejavam com
asas de ouro volta do leilo, onde havia
de morrer szinbo, blsphemo, e abrasado
de sede, sem amigo ou indiHereole que Ihe
apagasse nos beicos o brasido da morte ;
um dia, vinha ou dizendo, aproximou-se
delle um homem, e disse-me: Venho
restiluirdhe 1:650*000 que Ihe foram rou-
bados por sua esposa para me dar a mim,
que era pobre.
(Continuar-se-ha)
<



-


i A

1
Tirr- i* DIARIOBU A DAS VRUfiS JL 4 \\
,---------------------------- -,---, ....


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EWML5ABDS_XUJRFJ INGEST_TIME 2013-09-13T23:15:33Z PACKAGE AA00011611_12078
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES