Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:12075


This item is only available as the following downloads:


Full Text

m
ANUO XLIfl. NUMERO 69. oti ^*n -;, as
.---------------------------,-------------------------------------------------------------------:-------------------------------------------
PABA A CAPITA1 E LUGARES OIDE IAQ SE FAGA POSTE.
iPQr'lre meies tdiantaos...........*...... ,5{a22
Por seis ditos dem ................... luwu-t
J*or um anuo idem..................... *n
ada numero avulso. ................. **"
DIARIO DE

19*
SECUNDA FBRA 28 DE MHBQO DE 1870. $
PAJA. DXITRO E TORA DA PHWUCU.
Por tres mezes adiaotados............... .
Por seft ditos idera..................
.Por aove dito* dem..................
Por uta aooo 6#B
aoaso
274000
Propriedade de Manoel Fig^ieira de Faria & Filhos.
SAO ACSKWTfiS:
Os Srs. Gerardo Antonio Alves Filhos, no Para ; GonCalves d Piato. no MaranhJo ; Joaqaim Jos de Oliveira, no Cear ; Antonio de Lemoa Braga, no Aracaty ; Joao Mara Julio Chaves, no Ass ; Antonio Marques da Suva, no Natal; Jos Justino
Pereira d'Almeida, em Mamanguape; Antonio Alexandrno de Lima, na Parahyba ;" Antonio Jos Gomes, na Villa da Penha; Belarmino dos Santos Bulc3o, em Santo Antao; Domingos Jos da Costa Braga,
em Nazareth ; Francisco Tavares da Costa, em Alagoas; Dr. Jos Martins Alves, na Babia ; e Jos Bibeiro Gasparinho no Bio de Janeiro.
PARTE 0FF1CIAL.
fioTcrno da provincia.
Cvf KDIKXTR ASSIfi.NADO PKLO KXJI. SR. SE.VADOR FRE-
DERICO DK ALMK1DA E ALBUQUERQUE, PRESI0NT3
DA PROVINCIA, EM 14 DE FEVKRKIRO DE 1870.
* 1" secejio
S. 436.Portara ao Exir. Sr. general cofllman-
dante das armas.-*Queira V. Exc. designar dous
offleiaes subalterno de primeira ciaste do exercito,
e na falta d'estes reformado* para servirem de vo-
gaes m formaeSo do consellio de guerra que tem
do responder tres pragas do brigae-barca llama-
rac, visto que na guarnicao d'aquelle navio nao
ha offleiaes suficientes para isso, segundo decla-
roa-me o respectivo conjmaudante, quem se
apresentarao os mencionados subalternos para o
(iin indicado.
Ji. 437.Dita ao inspector do arsenal de mari-
nha.nclua V. S. no numero dos aprendizes ma-
nnheiros d esse arsenal o orphao Mane el da Costa
Villela, que foi remettido esta presidencia pelo
juiz municipal e de orphaos do termo de Gara-
nhuns, que para esse fim I he ser apresentado,
se estiver n is condicoes da lei.
N. 438.Dita ao apila do porto.Mande V. S.
Dr em libertarte os recrutas Jos Francisco de
l.i ma e Bento Jos dos Anjos, visto terom provado
iscnro legal.
. 439.Dita ao commandante do brigue-barca
Itamarac.Em respoita ao offlcio que Vmc. me
dirigi em 13 do crreme, sob n. 31, tenho a dizer
que nesla dala recommendo ao brigadeiro com-
mandante das armas que designe dous offleiaes
subalternos do exercito, aflm de servirem de vo-
gaes no conselho de guerra de que trata o citado
o (Ocio.
2a seccao.
N. 443.Dito ao Exm Sr. conselheiro Joaqaim
Marcelino de Brito, presidente do supremo tribu-
al de juslica.Levo ao conhecimento de V. Exc.
que, segundo participou o bacharel Felinto Henri-
|uc de Almeida, juiz de direit da comarca de
tamb, em oficio de 14 do mez lindo, nessa data
reassumio elle o exercicyo. respectivo cargo,
renunciando o resto da lidfcpque por esta pre-
silencia Ihe tora concedida.
N. 44o.Dita ao mesmo.Rlmette-me V. S. a
relacao geral que, para cumprimento do aviso da
reparu'co do Imperio de 18 de outnbro ultimo, loi
exigido por oflL'io d'csta presidencia de 13 de no-
vernbro do anno Ando, acerca dos Brasileiros ce-
gos e surtos mudos existentes em cada urna das
freguezias d'esta provincia.
N. 446Dita ao mesmo.Nao tendo vindo re-
cular o pret que Incluso devolvo, e a que se re-
fere o seu offlcio de'^H do corrente, sob n. 216,
tirando vencimentos par* urna escolla de guardas-
nacionaes qne conduzio de [tamb para esta capi-
tal o preso Antojo 'Joaquim Borges, mande V. S.
reforma-I \ deamato vir assignado pelo comman-
dante do batalhao a que perteneerem as pracas de
3ue se compunba a mencionada escolta, e nao pelo
clegado de policia, que nao para isso compe-
rente, segundo consta de offlcio do inspector da
ihesouraria provincial datado de hontem n. 99, a
quem acabo de recommendar que, nao obstante
essa falta, mande effectuar o pagamento de taes
veBCimenlos ao sargento Francisco Martins de
Barre, por V. S. indicado no citado offlcio, o qual
fica assim respondido.
t. 447.Dila ao commandante superior interino
da guarda-nacional do Recite.Em vista do que
solicitou o engenheiro fiscal da estrada de ferro do
Reeife a S. Francisco em offlcio de 11 do corrente,
mande V. S. dispensar do servieo activo da guar-
da-nacional, emquanto estiver empregado na est-
cao das Cinco Pontas da mesma estrada, o guar-
da do pnmeiro batalhao de infanlaria Manoel Jos
da Costa Vianna.
N. 448.Dita ao commandante superior da
guarda-nacional de Goianna.Expeca V. S. as suas
ordens para que jeja substituido no commando
do destacamento dessa cdade o alferes Americo
de Medeiros de Albuquerque, por ouiro de con
flanea do delegado respectivo.
N. 449. Dito ao iuz municipal e de
i iu;z municipal e ue orphaos de
Garanhuns e Bom Conselho.Transmuto a Vmc
para seu conhemnento e execucao o aviso do_ mi-
nisterio da justica de 5 d'este mez, junto por copia,
q'ianto substitico do pnmeiro tabelliao do ter-
mo do Bom Conselho.
N. 450.Deliberacao.O presidente da provin-
cia, em vista do offlcio do chee de policia n. 211
de 12 do corrente, resolve exonerar o major Lou-
renco Soares Cordeiro de Mello do cargo de dele-
gado do termo de Limoeiro.
N. 451.Dita.O presidente da provincia, con-
f,rmando-!C com a propnsta do chefe de policia
em offlcio n. 211 de 12 d'este mez, resolve no-
mear para o cargo de delegado do termo de Li-
moeiro o cidadao Joao Felippe de Mello.
3* scelo.
X. 452.Portara ao inspector da thesouraria de
fazenda.Tendo por deliberadlo desta data resolvi-
do prorogar por 20 dias a licenca sem vencimen-
tos, que foi concedida em 31 de Janeiro ao secreta-
rio dfcsia presidencia bacharel Elias Frederico de
Almeida e Albuquerque, a3sim o communico a V.
S. para feu conhecimento.
.N. 483 Dita ao .mes.no'.Communico a V. S.
para os devidos flns, que segundo participou o juiz
municipal do termo de Goyanna, bacharel Joaquim
Cordeiro Colho Cintra em offlcio de 6 do corrente,
nessa data renunciando o restante da licenga que
llie fora concedida, assumira o cargo de juiz de di-
reito da comarca do mesmo nomo, como primeiro
substituto, no impedimento do effectivo
N. 454.Dita ao mesmo.Em vista da conta,
junta em duplicata, que me remetteu o superin-
lendente da estrada de ferro do Reeife S. Fran-
cisco com offlcio de 11 do corrente, mande V. S.
pagar a quantia de 4*000 proveniente de transpor-
tas dados, no mez de Janeiro ultimo, por conta do
ministerio da guerra, nos trens da mesma estrada.
N. 455.Dita ao mesmo.Communico a V. S.
para os devidos fins, que segundo participou o
juiz de direit de Ilamb, bacharel Felinto Henri-
que de Almeida, em offlcio de 14 de Janeiro ulti-
mo, nessa data reassnmio elle o exercicio do seu
cargo, renunciando o resto da licenc,a que lhe fora
concedida por esta presidencia.
N. 456.Dita ao mesmo.Expeca V. S. suas or-
dens, para que depois de liquidada em vista da
inclusa conta documentada a despeza proveniente
de fretes e passagens dadas por conta do ministerio
da guerra bordo do vapor Corvripe da compa-
nhia Pernambucana, na ultima viagem que fez ao
presidio de Fernando de Noronha, seia paga a sua
importancia ao gerente da mesma.
N. 457.Dito ao inspector da thesouraria pro-
vincial. Recommendo a V. S. que, estando em
termos o incluso pret, que me remetteu o chefe
de policia com offlcio de 12 do corrente, sob n.
216, mande liquidar e pagar ao sargento Francisco
Marns de Barros o que justamente se dever de
v.ncimentos de urna eseolta de guardas nacionaes
que conduzio do termo de [tambe para esta capital
o preso Antonio Xavier Borges. '
N 458Dita ao mosmo.Devolvendo a V. b.
a cont em duplcala, que veio annexa ao seu offl-
cio da 25 de Janeiro ultimo, sob n. 37, relativa ao
aluguel da casa que servio de cada no distr co
de S. Lourenco da Matta, contar de jnlho a de-
zembro do ana, prximo passado, t
em resposta
pagamento A
o chefe de
copia, de 22
N. 459.Dila ao mesmo.Inleirado peto seu
offijio de i 1 do corrente, sob n. 92, de que, tendo
ido praca tres vetes os reparos urgentes do caes
da Ponte de eboa, deixaram de ser arrematados
por falta de licitantes, acabo de recommendar ao
chefe da reparlicao das obras publicas, que man-
de-os executar por adminislrajao. O que declaro
a V. S. para seu conhecimento e fins convenientes.
N. 460.Dita ao mcsma.-^A' Flix de Figuei-
roa Faria mande V. S. pagar, depois de liquidada,
em vista das suas inclusas contas em duplcala que
me remetteu o juiz municipal de termo de Santo
Antao com offlcio de 9 do corrente, a importancia
da despeza feita com o sustento dos presos pobres
da cada daquelle termo nos mezes de dezembro
do anno prximo passado e Janeiro ultimo.
N. 461.Dita ao mesmo.Inte rado de quanlo
V. S. expoz em seu offlcio de hoje, sob n. 99, acer-
ca do pagamento da quantia de 32*250 provenien-
te dos veociniembs de urna escolta de guardas na-
cionaes que conduzio de [tamb para esta capital o
preso ADtonin Joaquim Borges, tenho a dizer em
resposta que mande effectuar esse pagamento, nao
obstante a falta do respectivo pret, que, por ter
vindo irregular vai ser devolvido ao chefe do poli-
cia para ser reformado, depois do que ser enviado
essa repartico.
N. 462.Dita ao mesmo.Transmiti a V. S. as
duas inclusas cont?, que me remetteu o superin-
tendente da estrada de ferro do Reeife S. Fran-
cisco com offlcio de 11 do corrente, afim de quo
mande pagar a quantia de 138*150 proveniente
de transportes dados nos trens da mesma estrada,
por conta da provincia, durante o mez de jane:ro
ultimo. ...
N. 463.Dita ao director das obras publicas.
Constand de offlcio do inspector da thesouraria
provincial datado de 11 do corrente, sob n. 92,
que tendo ido praca tres vezes os reparos urgen-
tes do caes da Ponte de Ucha, deixaram de ser
arrematados por falta de licitantes, recommendo a
Vmc. que mande-os executar por adminislracao.
V seccio. jff.
N. 468.Portara ao director da Faculdle de
Direilo do ReeifeCommunico aV. Exc. para
seu conhecimento, que nesta data noraeei o ba-
charel Ravirundo Honorio da Silva para servir de
commissafio especial nos exames de preparatorios
annexis a essa faculdade em substitico ao ba-
charel Francisco de Paula Pfnna.
N. 469.Dita ao juiz de paz mais votado da fre-
guezia de Santo AntaoAccusando recebidoo seu
offkiode 17 de Janeiro prximo lindo, em que me
communica, que tendo se apresentado no da 16 na
matriz d'essa fregueza com parte dos eleitores e
supplentes para proceder a formagao da respecti-
va junta revisoura de qualificacJo, tomou a deli-
beracao do nao organisar, por nao terem as auto-
ridades feilo remessa das listas parcaes a que
sao obrigados ; tenho a dizer-lhe em resposta que
devia Vmc. ter organisado a referida junta recor-
rendo para supprir a falta das listas de que trata
o seu citado offlcio as deligencias determinadas
no art. 31 da lei de 19 de agosto de 1846 como pre-
ceituam os avisos n. 83 de 26 de abril de 1847 SS1,
2, 13 e 106 de 13 ie marco de 1862, e impondo a
mulla do art. 106 da citada lei aosjuizes de paz que
na forma do art. 19 nao tivessem remettido a lista
parcial dos seas respectivos districtos.as quaes de-
vem ser novamonte exigidas para a regulandade
dos tiabalhos da junta. Recommendo-lhe portante,
que guardado o praso e mais formalidades da le,
faca a nova eonvocaco e rena a predita junta no
dia 27 de marijo vindouro, que para isso fica desi-
gnado.
N. 470.Dita ao juiz de paz do Io districto da
freguezia do Cabo.Recebi o offlcio de 18 de Ja-
neiro em que Vmc. me commwica naosejiaver
organisado a junta de revisa da nualificagao de
votantes dessa freguezia no dia fixado pela lei. por
terem deixado de CDinparecer todos os eleitores e
supplentes, e passando a chamar os inmediatos
em votos a Vmc, os quaes nao compareceram
tambem, verificou existir somenle al o 5o votado
para juiz d) paz, e nao pode por isso cnmprir o
despaeho nos art?. 10 e 12 da lei do 19 de agosto
de 1846. Em resposta tenho a dizer-lhe que, nao
sen lo do suppr que aindj continu o impedimen-
do juii de paz mais votado, deve este convocar
novamente a junta para o dia 27 de margo vin-
douro, que designo para sua installaco; e nessa
occasio se der-so a mesma hypothese cima fi-
gurada, o que nao de esperar, cumpre observar
o que se acha disposto nos arts. 36 e 39 das ins-
irucjSes de 31 de dezembro de 1868 para a for-
macao das mezas parochiaes.
N. 471.Dita ao juiz de paz mais votado do
continuar a vigorar a qualicaco dos jurados,
feita no ultimo anno, pelos motivos constantes do
dito offlcio, pelos quaes nao pode ter lugar a njva.
N. 481.Dito ao juiz de direito da comarca de
Ilamb.-O Exm. Sr. presidente da provinciaman-
da declarar a V. S. que ficou inteirado pelo seu
offlcio de 14 do corrente, de ter V. S. nessa data
reassumido o exercicio do respectivo cargo, re-
nunciando o resto da licenca que fora concedida.
N. 182.Dito ao tenentecoronel Francisco Ole-
gano de Vasconcellos Galvo.De ordem do Exm.
Sr. presidente da provincia aecuso o recebimento
do offlcio de V. S. de 29 do mez Ando, em que
participa ter nessa data assumido o commando
superior da guarda nacional do municipio do Li-
moeiro no impedimento do effectivo.
N. 483.Dito ao juiz municipal do termo de
Santo Antao. -O Exm. Sr. presidente da provincia
respondendo "ao offlcio de V. S. datado de 9 do
corrente, manda declarar que a thesounria pro-
vincial tem oraem para pagar a Flix de Figueiroa
Farias, a quantia de 74*800, constante do citado
offlcio.
N. 484.Dito ao juiz municipal e de orphaos do
Garanhuns.O Exm. Sr. presidente da provincia
manda declarar a V. S. que nesta data foi remet-
tido ao inspector do arsenal de marinha para ser
incluido no numero dos aprendizes marinheiros o
orphao Manoel da Costa Villela, de quem trata o
seu offlcio de 4 desie mez.
3' seccao.
N. 485.Offlcio ao inspector da thesouraria pro-
vincial.S. Exc. o Sr. presidente da provincia ten-
do por dolibeaacao desta. data resolvido prorogar
por vinte dias a licenca sem vencimentos que foi
concedida em 31 de Janeiro prximo (Indo, ao se-
cretario interino da presidencia bacharel Elias
Frederico de Almeida e Albuquerque ; assim o
manda communicar a V. S. para seu conheci-
mento.
N. 486.Dila ao mesmoDe ordem de S. Exc.
o Sr. presidente da provincia communico a V. S.
que o governo do bispado, segundo declarou em
offlcio de 9 do corrente sob 168, mand-.u passar
nessa data provisao de coadjutor para a freguezia
de Taquaritinga ao Rvd. bacharel Joao do Reg
Moura.
41 seccao.
N. 487.Offlcio ao engenheiro fiscal da estrada
oe fenp.De ordem de S. Exc. o Sr. presidente
da provincia participo a V. S. que nesta dat fi-
cam expedidas as necessarias ordens no sentido
de ser dispensado do servieo activo da guarda na-
cional do Io batalhao de infanlaria de que trat o
seu offlcio de U do corrente sob n. 30.
N. 488.Dito ao superintendente da estrada de
ferro do Reeife a S. Francisco. Pela secretaria
da presidencia se declara ao Sr. superintendente
da estrada de ferro do Reeife a S. Francisco, em
resposta ao leu eflteio de 11 do corrente, que
transmittio-se as thesourarias geral e provincial
para os flns convenientes, as contas que vieram
annexas ao citado offlcio.
N. 489 Dito ao bacharel Ravmundo Honorio
da Silva.S. Exc. o Sr. pretidenie da provincia
tendo nesta data noraeado a v. S. para servir de
commissario especial nos exames os preparato-
rios annexos a Faculdade de Direito desta cidade
era susbstituicao ao bacharel Francisco de Panla
Pena, assim o manda communicar a V. S. para
sen conhecimento.
N. 490.-Editl.-Pela secretaria da presidencia
se convida aos senhores que apresentaram pro-
postas para estabelleciraento de carris de ferro en-
tre esta capital e seos suburbios a cemparecerem
no palacio da mesma presidencia no dia 16 do
corrente ao meio dia, aflm de assistirem a aber-
tura das mesmas propostas.
Deus guarde V. ExcIllm. o Exm. Sr. se-
aador Frederico de Almeida e Albuquerque, pre-
ndante da provincia. O chefe de policia, Luiz
Antonio Fernandes Pinheiro.
districto da freguezia do Cabo.-Remelto por co-
pia a Vmc. para seu conhecimento e execucao, n
incluso offlcio que n'esta dita dirijo ao 2 juiz de
paz dessa freguezia, relativamente a reunio da
respectiva junta remisora de qualificacao.
N. 472.Deliberacao.O presidente da provin-
cia, attendendo ao qae lhe requereu o secretario
interino da presidencia, bacharel Elias Frederico
d'Almeida e Albuquerque, resolve prorogar por
20 das a licenca sem vencimentos que lhe foi con-
cedida por portara de 31 de Janeiro prximo
lindo.
N. 473.Dita.O presidente da provincia resol-
ve nomear o bacharel Raymundo Honorio da Sil-
va, para servir de commissario especial nosi axa-
mes de preparatorios annexos a Faculdade de Di-
reito d'esta cidade, em substituigao ao bacharel
Francisco de Paula Penna.
N. 474.Dita.O presidente da provincia, at-
tendendo ao que requereu Dervino Jos da Cma-
ra, professor publico da freguezia do Poco, da Pa-
nella, e tendo em Asta da informacao do director
geral da instruccao publica de 12 do corrente,
sob n. 62, resolve couceder-lhe 60 dias de licenca
com ordenado somente, para tratar de sua sade.
tXPEDIRNTE ASSIGNADO PELO OKEICIAL-MAIOR O SR.
DR. ANTONIO ANNES JACOME PIRES, NO IMPEDIMEN-
TO DO SECRETARIO DO GOVERNO, EM 14 DE FF.VEREl-
RO DE 1870. '
2* seccao.
N. 475.Offlcio ao Dr. chefe de policia.De
ordem do Exm. Sr. presidente da provincia, trans-
miti a V S. o titulo junto de noraeacao do cida-
daVJoo Felippe de Mello para o cargo de dele-
gado do termo do Limoeiro, de conformidade com
a proposta de V. S. em offlcio n. 211 de 12 do cor-
panto
5. 477.Dito ao mesmoS. Exc o Sr.presi-
dente da provincia, manda declarar a V. S., ero
resposta ao seu offlcio de 12 do corrente, sob n.
116, que a thesouraria provincial tem ordem para
pagar ao sargento Francisco Martins de Barros a
quantia de 32*250, constante do citdo offlcio.
N. 478.Dito ao mesmo.-O Exm. Sr. presiden-
te da provincia manda declarar a V. S. era res-
posta ao sea offlcio n. 205 de 11 do corrente, ^ue
nesta dat se expedio ordem ao commandante su
perior da guarda nacional do municipio de Goyan-
na, para fazer substituir por outro, indicado pelo
delegado, no commando do destacamento daquel-
la cidade o alferes Amerko de Medeiros Albu-
querque.
N. 479 Dito ao juiz municipal do termo de
Goyanna e interino de direito.O Exm. Sr. pre-
sidente da provincia manda declarar a V. S. que
fleon inteirado pelo seu offlcio de 6 do corrente,
de ter nessa dat renunciado o restante da licen-
ca que lhe fra concedida e assumido a jurisdei-
cao da vara de direito da comarca, como seu pn-
fflcin^miBre'soivaTcerca'd meirosubstituto,
ueiem vista do que expoe N. 48C -Dito ao mesmo.-O Exra,Sr. i
m sua informacao junta por
o corrente, n. 260.
DESPACHOS DA PRESIDENCIA DA PROVINCIA DO DIA
23 DE MARCO DE 1870.
Alexandrina de Lima e Albuquerque.Infor-
me o Sr. inspector da thesouraria provincial.
Adolpho Cavalcanti ds Oliveira Maciel.Deven-
do considerar-se extincto o emprego que requer,
segunda informou o Sr. inspector da thesouraria
provincial, nao tem lugar o que requer.
Alexandrina Marques da Silva Mascarenhas.-
A' vista da informacao conceda-se dous mezes de
licenca com ordenado somen'e.
Antonio Francisco Jatob Canuto.Nao ha que
deferir a vista do despacho de 9 de novembro de
1868.
Bento Joaquim Gomes.Informe o Sr. inspector
da thesouraria provincial.
Fielden Brothers.Ao Sr. inspector da thesou-
raria provincial com a portara desta data
Bacharel Francisco Luiz Caldas.Informe o Sr.
Dr. juiz de direito da comarca de Olinda, ouvindo
o juiz municipal respectivo.
Irmandade de Nossa Senhora da Soledade da
freguesa da Boa Vista.Informe o Sr. inspector
da thesouraria prtvincial.
Jovina Maria da Conc ico.Dirja-se ao Sr. di-
rector do arsenal de guerra.
Joao Gualberto Henrique Pereira.A' vista da
informacao nao tem lugar o que requer.
Joao Jos Fidelis.Informe o Sr. inspector da
(TO30uraria de fazenda.
Jos Antonio de Leao.Informe o Sr. inspector
da thesouraria de tazenda.
Manoel Colho Casado Pontes.Aguarde o sup-
plicante antorisago do governo imperial para o
pagamento quo pede.
Joao Jos da Fonccca.Informe o Sr. tenente
coronel commandante do corpo provisorio de po-
lica.
Jos Joao de Amorra.Dirjase ao Sr. inspec-
tor da thesouraria provincial.
Pedro d'Almeida.Expeca-se ordem no sentido
que requer o supplicantc.
Pedro Jos da Rocha.Nao ha que defereir,
visto camo j se ex )edio ordem para o suppli
cante ser posto em liberdade.
Bacharel Flix Barrete de Menczes.Remettido
ao Sr. Dr. director geral da instruccao publica
para attender ao supplicante nos termos do final
de sua inormacao n. 103 de 12 do corrente.
W. Richards.Remettido ao Sr. inspector da
tnesouraria provincial para attender ao suppli-
cante.
Thomaz Jos da Silva. Prove qne nao tem
meios para as despezas com a inslrueQo de seu
fllhe, que este foi vacclnado.
dente da provincia manda declarar a V. S. que fi-
oou inleirado pelo seu offlcio de 7 do corrente, de
Repartido da polica.
2' seccao.Secretaria da policia de Pernambu-
:o, 26 de marco da 1870. .
N 414 Illm. e Exm. Sr.Levo ao conheci
nento de V. Exc. que, segundo const a parti-
ipacoes recebidas hoje nesla repartico, foram
recolhidos casa de detenco, os segrales ndivi-
No dia 24 do corrente, ordem do subdelegado
da Boa-visu, Joaquim Francisco Correa de Arau-
jo, como indiciado em crime de runo de cavallo ;
Tbereza Maria de Jess, por insultos ; Joao Joa-
iuim Ferreira Ramos, Antenio Joaquim Colho,
Rita de tal, e Maria de tal, por disturbios ; e Ray:
mundo, escravo de Antenio Lopes Pereira Mello, a
requerimento deste. 1.
A' ordem do dos Affogados, Bernardo Jos dos
Santos por uso de armas prohibidas; e Maria
Pastora da Conceicao. por crime de feriraento leve
DlftBIO DE PERWaMBUCO
RECIFE, 28 DE MARCO DE 1870.
Noticias da Europa.
Hontem chegou o vapor inglez La Plata, trazen-
do datas : de Hamburgo 5, Paris 7, Londres 8, e
Lisboa 13 do corrente.
Hespariu.0 duque de Montpensiei' matou em
dttMlo o principe Henrique de Bourbon, com wn
tifH de pistola. Discuxso das leis orgnicas.
.Hitamente* das eleicoes do monareka.
\\o*t.PrnpSe-se di$cussao a queslo da infalli-
buidade. A Franca pede para enrtiar vm repre-
sentante ao concilio. Roma concede.
Italia.Projcctos financeiros de Sella.
Inglateihia. Bill agrario. Economas no orna-
mento da guerra. Impopularidad* do principe
de Galles.
FMf(\.InterpellacJJes. 0 governo declara que
nao influir as eleicoes e nao propor candi-
daturas olflciaes. 'Economas. Reiucgao do
exercito.
Rvssik.^-eseniohimenio econmico e industrial
da Russia e da mslruccio popular.
ALLKH\mK.Abolic~o da penna de morte na Con-
federaran do Korte. lnopportnnidaie da entrada
d) ducado de Badn na confederacao. Novo mi-
nisterio bcaro sob a presidencia do conde de
. Bavag. Novo ministerio austraco. Liberdade
religiosa na Hungra.
Oriente.Regulase quesillo entre Turqua e
o Egfpto. Terminada a imrn:reigao da pal-
mada. Grite ministerial na Turqua. Agita-
cao na Grecia. *
AmericaConflicto entre as duas cmaras de Was-
hington sobre medidas financeiras. Os tnsur-
gentes de Cuba uo serio' reconhecdos bellige-
ranles. Aggrava-se a siua^ao do Mextco.
Portugal.Carta do correspondente.
hespnha. %
Na tarde do dia 12. do corrente o duque de
Montpensier matou em 'dnello o principe Henrique
de Buwbon ; o duello foi pistolla. O principe
Henrique de Bourbon foi mono com urna baila na
test. Nao ha ainia mais pormenores.
Dizia-se na bolsa de Paris que o governo
hespanhol ia dar um golpe de estado 6 proclamar
o duque de Montpensier rei de Hespanha; este
boato produzo urna certa sensacao, mas nao pas-
sava de urna especulacao para iogo de fundos.
Deseobrio-se na cidade do Porto urna cons-
piraca* entre alguns emigrados carlistas; tem-se
apprehcndido ate agora doze rail cartuchos emba-
lados e urna grande porcao de plvora solt e ha-
las, ai mas e equipamentos. Tera-se feito algumas
prisdee. ,
O governo hespanhol mandn torgas para a
fronler portugueza.
Foram internados alguns emigrados carlistas, que
andavam na fronteira franceza.
Tiguerola, respondendo urna interpellaco,
disse que se nao houver levantamiento carlista, o
dficit ser de 613 mHhoes, porque faltam ainda a
receber 640 milboes; disse que a renolucao se
consolida, que angmentou a receita das alfandegas,
loteras, papel sellado e caminhos de ferro. O
banco hespanhol offereceu oj seus capitaes ao go-
verno. ,
As cortes regoitarara nma mocao de censura
apresentada pelos depulados republicanos contra
o presidente Zorlla, *por causa d?s eleves de
Jerez. .
Foi approvado um voto de agradecimento ao
Sr. Becerra, em consequencia da apresentco do3
orcamentos do ultramar, objecto reclamado ha
trala annos. ....
A reunio da maiora dos deputados decidi
encarregar urna commisso de quinze merobros,
cinco de cada urna das tres fraccoes, de examinar
e propor o modo mais rpido de discutir as leis
orgnicas, com a condic/o de que a maiora acei-
tar a sua resolucao. Muitos oradores levantaram
a queslo da eleicao do monarcha, que, em vista
das observares de Prim e Rivera ficou adiada para
depois da vtacao das leis orgnicas.
Contina as cortes a dscusso muito ani-
mada proposito do recrutamento militar.
Falla-se em negociacoes entre a Inglaterra e
a Hespanha, para a restituico de Gibraltar Hes-
panha.
O governo hespanhol aceitou a proposta da
Inglaterra para submetler a queslo do Tornado
arbitragem de Napoleo III.
A Gazeta publica um decreto autorisando a
cunhagera da raoeda de bronze do novo systema
monetario, na importancia de 32 milhoes.
Em consequencia da febre amarella que
grassa nos portes do sul do Brasil foram submetti-
dos os navios procedentes dessos pertos a 15 das
de quarentena, quando tragara doentes.e a 10 das,
quando seja bom o estado sanitario a bordo.
Chegou Roma o principe D. Affnso ; a
viagem foi m, pois leve de arribar a Marselha e
as iihas Hyres. Esperavara-no em Civita-Vecchia
gem. Ser-lbe-ha dada primeira communuao por
Sua Santidade. .
Acham-se era Roma muitos partidarios de .
Isabel para assistirem a primeira communhao do
principe. .
Preparara-sedous processos celebres, um polo
rei D Francisco de Assis contra sua mulher a
rainha D. Isabel. Personagens importantes tem
feito lodos o esforcos para prevenir um escnda-
lo roas D. Isabel firma-se na resistencia, e parece
impossivel chogar um accordo qualquer.
Est j instaurado um processo de separaejao de
bens entre o conde de Girgenti e sua mulher, a in-
fanta D. Isabel, lha da rainha.
ROMA.
No dia 22 de feverelro publicou-se um decreto
sobre o regulamento do concilio, suppriraindo as
discussoes oraes; para accelerar as resolucoes, as
onTegacoes reunem-se de dez em dez dias; os
bisos, depois da destribuicao dos theraas, tem de
apreseniar as suas observares por escripto is
respectivas commissdes.
Diz-se que os Srs. Toignon e Perpignan apre-
sentaram no concilio urna proposte era que se de-
clarava inopportuna a proclamacao da infallibili-
dade do Papa ; mas os cabidos dos dous bispados
que sao pastoreados por aqoelles membrosdo
concilio, votaram unanimemenie urna mensagem
ao Papa, pedindo a infallibilidade.
No dia 8 do corrente foi destribuldoum schema
propondo a deflnicio da infallibilidade ; os bispos
devem apresentr as suas observaedes por escripto
at o da 17.
O conde Dsru, ministro dos negocios estran-
geros francei, era vista da publicacao do schema,
enviou una not ao cardeal Antonelli, pedindo
a admisso no concilio de um embaixador francez.
O cardeal Antonelli aecusou a recepcao do des-
pacho e disse que respondona ulteriormente, de-
pois da examinar a queslo.
Diz o Memorial Diplomtico que j parti para
Paris a resposta da santa s. Roma acolhe per-
fectamente a exigencia da Franca. O nuncio em
m.w--Kyrsasji w-**;*
No da 25, a ..
ta Francisco de Souza Ferraz, por embriaguez e
disturbios ; e Paulo, escravo de Clorindo Ferreira
Cato, requerimento deste.
Iherias que o embaixador ser recebido com o res
peito devido naco representada por elle.
A Opinione afflrma que a nota de que se trata,
declara que se o Papa nao renunciar dscusso
da infallibilidade, a Franca enviar ao con lio um
embaixador, e que se este nao fosse recebido, a
Franca vera o que tinha a fazer. Noticias, porm,
de Roma, desracntem as inforroacoes da Opinione,
e declarara qne a not do conde Daru se limita
a reclamar em favor da Franca o direito de enviar
um embaixador ao concilio.
Contina a discutir-se em todos os crculos e na
imprensa dos paiies catholicos, a eventualidade de
urna prorogacao do concilio. Em Franca a maioria
da imprensa considera como provavel essa proro-
gacao ; em Munich e em Vienna considera-se como
certa ; dizem algumas folhas que se o concilio foi
prorogado, nao ser antes da segunda quinzena de
junbo, sem os prelados votarem as quesi5es qne
se acham na tela da dscusso.
A Gazeta da Cruz afflrma que todo quanlo se
diz a semelbante respeito nao mereee crdito al-
gum. Parece, porm, que os bispos franceaes leero
feito bastantes tentativas para conseguirem essa
prorogacao, mas que nao tem encontrado a santa
s rauito disposta a annuir s suas prelencSes.
E' notavel que de todo o episcopado catholico
inglez e irlandez s dous prelados sao contrarios
proclamacao da infallibilidade ; e sao monsenhor
Errington, que foi coadjuctor do fallecido cardeal
Wiseman, e hoje arcebispo de Trebzonda n par
tibus e monsenhor Qfforts, bispo de Clfion.
Publicou-se em Pars urna carta do Montalem-
bert manifestando admiracao pelo procedlmento de
Dupanloup e de Gratry, que tiveram a coragem de
se oppor ao ullramontanismo, e eipera que_o oa-
tholicismo, sem padecer nenhuma alterara nos
dogmas da moral, se adaptar na Europa, ma-
neira do que succedts na America s condicS95
inevitaveis da socisdade moderna.
ITALIA.
Os projectos financeiros do Sr. Sella tinham
poucas probabilidades de ser aceites pelo parla-
mento. Os jornaes.que apoaram o governo, com-
batem e3ses projectos vivamente, e a esquerda nao
se pode resignar a dar a sua approvaco a um
tratado feilo com o banco nacional, que ella conti-
na chamando banco-sardo ; entretanto os jornaes
nao exprimera todas as ideas do grupo poltico
que se dizem representar; afflrma-se que Peruzzi
e Minghetti e os seus amigos votaro pelo ministe-
rio, apezar da opposicao que lhes fazera a Nazio-
ne e a Perseveranza.
O Sr. Sella usa de um processo, que lhe es-
pecial e gue o destingue de todos os oulros minis-
tres da fazenda, qne teem por costume apresenta-
rem as coasas pelo bom lado, aparentando urna
confianza no porvir que os faz attenuar as diffl-
cuidades; o Sr. Sella, pelo contrario, exagera h-
bilmente essas difflculdades, e por esse meio tero
conseguido arrancar do parlamento a approvaco
de algumas medidas que encontravam seria oppo
sico no espirito publico.
Os ministros apresentaram cmara a modifica-
cao do orcamento eto de exercicio provisorio.
As modificacoes definitivas do orcaroento de
1870 elevara as despezas a 1111 milhoes, e a recei-
ta comprehendendo os bens ecclesiasticos a 950 mi-
lhoes, sendo dficit de 161 milhoes.
O ministro da guerra erdenou que se dssem
i cencas illwailais trinta mil tiotnens do exer-
clw. "'*',,
Est chamando a attencao publica a escandalosa
Juestao dos bancos de deposito na poblanos. Ha
ous ou tres annos inaugurou o Sr. HulTo'Scilla
am banco de deposito e de emprestim, quo abona-
va 15 e 20 por cento ao mez aos que lhe confiavam
o dinheiro. A enormidade do juro nao lardou a
attraliir os crdulos das baixas classes da socieda-
de.q^i confiavam agiotagem todas as suas econo-
mas. Dado o primeiro passo, apparecoram os imi-
t lores. Costa, Massini, Orbilello crearam oulros
banco?, augmentando os beneficios para disputar
preferencia. Houve tal que proraetteu 30 por cen-
to ao mez. Usuras com os perdularios, compra
de demandas, e por fim loteras, eram o program-
roa das operarles financeiras dos intitulados esla-
belecraentos de crdito. Havia 95 bancos desta
especie n'uma idade de 420 mil habitantes.
O banco principal de aples dos capitalistas
serios, queixou-se desta concorrencia fraudulenta,
e pedio providencias ao governo; mas os bancos
de deposito haviara cumprido as formalidades l-
gaos, e, sera reelamacoes dos depositantes, nao era
licito examinar a escripturacao.
O ministro da fazenda enviou o Sr. Logre a-
ples para fazer um relatorio obre os menciona-
dos bancos, colhendo informacSes. Os principaes
gerentes, compromettidos por operacoes desastro-
sas, inhibidos at de pagarem o juro promoliido,
preparavam-se para fugir, com as carteiras bem
guarnecidas. Os criminosos foram entregues a
accao da juslica. Calculam uns as perdas em cero
milhoes de, e oulros dizem que nao passam de
40 milhoes.
O duque de Aoste offereceu igreja do Santo
Sepulcro de Jerusalm urna cora votiva, em re-
conbeciraento pela completa cura de sua esposa.
A cora de ouro e pesa 2,500 kilogrammos.
INGLATERRA
A cmara dos lords voten a segunda letura do
bil sobre a naturalisacao. Os eslrngeiros tero
o direito de possuir propriedade3 de qualquer na-
tureza em Inglaterra, e a naturalisacao concedida
um inglez por um governo estrangeiro importa a
renuncia & sua primitiva nacienalidade.
O governo apresentou ao parlamento o ornamen-
to da guerra para 1870 com economas de.......
1.136:000 ; a quantia pedida de 12^75:000
. As economas fazem-se, nao em delPmento
das pracs do exercito, mas por meio de simplifi-
caces administrativas.
A Inglaterra continuar a conservar 109:225 ho-
mens sempre disponiveis para a eventualidade de
urna guerra com o estrangeiro; comprehendendo
a reserva e os volunt trios, as torcas totaes dispo-
niveis neste anno sbera a 376:602 homens. Ha.
porm, urna redueco de 179 offleiaes com o que
se faz urna economa de 45 rail .
A cmara dos communs approvou as tendencias
geraes do orcamento, e voteu as parcellas pe-
didas.
O Sr. Leatham apresentou cmara um bil
sobre o escrutinio secreto. As disposicSes do bil
podem-se resumir no seguinte : antes do dia fixado
para o escrutinio as eleicoes parlamentares e mu-
aicipaes, o relator, o mayor ou o parocho, far
preparar as listas pela forma por que for indicada^;
nessas listas sero escriptos os nomes dos diversos
candidatos pela ordem alphabetica, e com cores
difierentes, sendo entregues pessoa encarregada
de presidir eleicao tantas listas assim preparadas
quantos eleitores non ver em cada nma das seccoes
eleitoraes. O presidente, relator on presidente, ser
responsavel por essas listas, das quaes, quando se
encerrar o escrutinio dar conta ao mayor ou ao
parodio; era qualquer eleicao qne for contestada,
o relator, o mayor ou o parecno dever, autes da
abertura do escrutinio, fazer preparar era cada sec-
cao eleitoral um ou mais compartimentos com todo
quanto for neeessario para permitir ao eleitor cha-
mada a votar que prepare a sua lista da maneira
indicada, s, secretamente, e sem intervencao de
pessoa alguraa. .
Ante de entregar a liste ao eleitor, o delegado,
relator da eleigo, dever assigoa-la com as suas
iniciaos. O nome do eleitor votante deve ser ins-
cripto em um registro. Este eleitor, para votar,
dever riscar os nomes dos candidatos que nao
quizer. e depois a sua lista ser dobrada e entrara
na urna do escrutinio. No fim do escrutinio as
listas sero contadas e entregues ao relator da ele
da; o
publicamente.
OJSr. Jacob Bright, rmao do ministro inglez,
apresentou no parlamento urna petictf para que s*- *
conceda o direilo-eleitoral ;s muflieres; segundo .
bil proposto, toda a mulher cabeca de familia pode-
ser elgivel para membro d parlamento. O Sr. Ja-
cob Bright disse que o seu projecto nao assotnp-' >
de partido, e que por consequencia todos o pdem
volar livremente sem compromissos de especia at-
gama; e disse que se se approvasse a leitora da.
sua proposta, no correr dos debates ex por a k
tivos que julga importantes para quo tal bii seja
approvado. J se fez a primeira letura.
Foi annulada fteieac do feniano O'Doavan
Rossa, condemnado rabalhos toreados pe r tod i
a vida, por 301 votos contra 8.
A segunda lei Jura do bil apresenladopelo Si*.
Gladslone, sobre os proprielaries e mndeiroa da Ir-
landa foi no da 7 do crreme; |nlga tacao definitiva ser no dia 22. Diz o Sr. GladstOBi!
3ue as causas principaes da agitado e dosaJfeican
a Irlanda sao a incertesa da situarao do rendei-
ro, e ser puramente nominal a liberdade do cam-
ponez cmphytenta; o bil que entra em di>cuss
providencias sobre a acquisieao e oceupacao das
trras : estabelece as rclace's entre propietarios
e compradores, estabelece que se bao de fazer em-
prestmos aos rendeiros que pretendan! adquirir
cultivar as trras arrendadas, que os rendeiro>
nao poderao reclamar indemnisarao, sendo expul-
sos pelos propriclarios por f.ilti de pagamento das
rendas, e que nao tei ai jus compensacoes por
melhoramentos, se nao tiverem contra por -"
annos, excepto pelas construceoes permanentes. >
governo nao obrigar, mas promover o arrenda-
mento dos lerronoa.
Lord Derby nao acceitou o logar de chef d>
partido tory, allegaado primeramente falt de ti-
rocinio parlamentar; e principalmente por na*
pariilhar nem as opinioes nem es preconoeto d
seu partido, preferindo reservar para a futuro a
sua mais complet liberdade de acejio.
-*- Em Wate ford, cidade episcopal da Irlanda,
e capital do condado do mesmo nome, grande
mullida de populara formada pelos partidarios
do Sr. Smith atcou o saqueou as casas habitada
pelas pessoas qne votaram favor do Sr. Osbonje/.
Foi incendiado o grande armazn d? p>rcelanai
de Potiver, foi qucimado um wagn do camraho
de ferro e outro lancado no ri; a cidade achava ?*
em grande estado ue agitacaoa polica nada tend
podido fazer para impedir estes altentados.
A rainha Victoria acha se actualmente me-
Ihor dos seus padecimentos nevralgicos.
Desmente-se a noticia de que a graciosa rainha
pense em contrahir segundas nupcias com um
principe de Holstim-Sonderburgo-Au-.ustcmburs^
Tem causado grande Impremid mi Lonrc.*
o processo de divorcio intentado por brd Morda-
nnt contra sua esp>sa, por sospeilas de relacoe-
illicits com o principe de Galles. P.ir conside-
races o principe foi affastado do proesso. Este
escndalo tem frito desconceiinar multo o futur >
rei da Gran-Bretnha, poni de ltimamente
lhe terem dado manifestas provas da sua impopu-
laridade ; n'um theatro, quaodo eiitiua princezi
os espectadores poseram se de p e victoriai am-n t
eapplaudiram-na, quando poim o principo chegou
frente do camarote, calaram- e todos o eomeca-
rara-no a assoviar. O principo assisliti impissivel
manifestace, limitando-se a dirigir u binocui
com surama indifierenca para os esperte doro?.
EllANCV.
Realisou-se no corpo legislavo a ntcrpllapto
do Sr. Julio Favre, sobre poltica intern, nodi.i
21 de fevereiro; disi-e o Ilustre denotad que s senta humilhado quando reconhecla que as eou-
cessoes liberaos cram o eff.-ilo ue um amoto-cav
sulto, e afflrmou que a marcha do governo ainda
revellava existencia do poder pavea I; instou
pela dissolucao da cmara, e pedio a abolir das
candidaturas offleiaes. Responden lhe o minisirodos
negocios estrangeiros o Sr. Dai n, que leu o sen
discurso; mas, apezar de ser nina leitnra, ofeaTM
um pleno iriumpho, porque encerrava ronsdurar
edes muito justas, sensatas e liberaes. Fui appro-
vala por 236 votos contra IS, a seguinte ordem
do dia:t Em presenra das derhwnces lio prc-
cisas e leaes do ministerio, que assrgorafli em
t Franca ordem e a libardade, a (ranura past,
i cheia do coufiaiiea, ordem dedia.
llonve as sesse's dos dias 2:1 e Vi. nma gnada
dscusso sobredi* candi .(aturas ornciaes ; o minj-
tro da Justina, o Sr. Olivicr, reeonliecondo eui ;>iin-
cipio o direito que assiste ao poder i-xocatiw d
recommendar os seus candidatos, declaren
nao usara desse direito nem as eleicSes parcaes.
nem as geraes; esta declanca, qne approxtn
o gabinete da esquerda, f"i vivamente comb-iti 1
pelos Srs. Gravier de Cassagnao e Pinard, qne pro-
pozeram urna ordem do dia, motivada naaigraifr
por 50 membros dos direilo--. Foi, po-m. appav
vada a ordem do da pura o imptdSi aat 18-'
votos contra .ri6 ; sendo regeilada a pn>>o -ta pati
direita da cmara.
Esta vota?o foi muito significativa. Entre ol ma
approvaram a ordem pura e limpies cootam-e M)
Srs. Thier, Cremieux, Esqatros, lulos Pavre, Jle*
Simn, Jules Ferry, Gambetta, Eraet l'u-ud, G.r-
nier Pags, Glais Bizoin eOnHnaire.
A direita da cmara, depois do rtin \up i> r on
paisou, procura combinar o meio- de atacar us
ministros e promover a sua queda.
Em conformidade com as deelararo'- leitas m
cmara, o ministro do Interior dirigi ir a i-\ien-
lar aos prefeilos dos depariamcntos, daiidu-lhee a
conhecero pensamento do g.^vcrnn. fiibre a cun>-
pleta e absoluta liberdade do soffragto universal
as futuras eleicSes.
Os deputados da esquerda vao aros utar varias
propostas, pedindo urna rodu>-rao nn i x reto 4
mais dez mil homens do que o que pmpeB o avnav
tro da gnerra; urna reduccao na B*a civil e nos
vencimentos dos senadores.
O conselho de estado j havia reduziJo de 12 a
15 mil homens o contingente de 1871.
Verificou-se no dia 8 um banquete ufferectdo
pelos deputados do centro esqnerdo do corpo le-
gislativo dos ministros,em consequencia das ileria-
rar;oes do Sr. Olivier. Pronunciaram-se va-
rios discursos contra as candidaturas ufflewa?.
O Constttutionel cita um artigo Prussiana, que diz que, depois da malta.I ida -
oerienca da guarda movol, e da reponen consti-
tucional em Franca, nao lia na Europa sena aa*
nptencias verdadeirameDte militares : a I rus.-ia -
a Rosia O Constituionel aconsellu que W
modifique a guarda movol, e insta com a caranra
nara ella ajudar o ministro da gnsrra a apall
remedio e a nao dar aio aos prossiam.. dizerw.i
qne o rgimen constitucional e syiiomiu > de im-
potencia externa. t ....
O ministro da guerra general LeUr f dirif
urna circular aos mililaivs do recen < .ment i
1864, actualmente licenceados, duendo qaa elle-
sero comprehenddos nos quadros da i**eria.
__Afflrma-se que governo francez mespeeiaJ
o ministro dos eslrngeiros conde do Darn, at-
cupa muito dos negocios allemaes e de ludo quan-
lo com elles tem relaco; jfflruias.' qne nesto
assumpto est o conde Daru de acc r.l > com >
governo inglez, que sendo partidario do desarma-
ment, de que a Franca deu o exemplo, defejana
ver a Prussia obrigada a adoptar o iwavM tja-
Diz o Gaulou, que o Sr. Di.ru espjJi.i ultiia-
raeote um crrelo digahinci.
Pelersbnrgo, mas que o assumpt) rtw impacao*

1




* m 03W^ ** M M1 fllllWfl38 Pernambuco ^'egund feira 28 de *W de 1870. 63 0H3B.IM .IVJX OMKft
k

#
-\
flrma-se que os despachos foram
proprio punteado onde D,iu.
N'ama uuferenria que rrnuvo nb dia 2 enlffi o
Sr. do Bisnrark o cinba.urador Berln, declaro aqelle que & Wu*sa eslava re
Volvida a rc^ltfl toda? as e>tipulacoeado IraUdo
de Praga, mas que no repelli- ia os estados da
Allemanha do Sul, se elles .fluzessem entrar na
confederaeo do norle. -,
A solemndade da maoridade do principe im-
perial devia ser si lenraisada no dia 16 cierto niel
concedendo se una amnista i imprenta. O im-
perador mandn cunhar algurnas moedas de pra-
la com a dupla efflgie do imperador e do principo.
Foi ja entregue aos advoajades do principe
Pedro Bonapai te o processo; o principe tem tido
largas conferencias rom o seus advogados.
Foi recetado em audiencia solemne pele im-
perador o emlvixador portuguez o Sr. Casal Ri-
heiro que entregan soas credenciaes.
Da se que o principo Napoleo se prepara
para ir ao Egrpto.
Foi nomeada urna commisso para estndar
o importante nssumpto da descentralisarflo admi-
uistrativa, sot a presidencia do Sr. Oilon Bar-
rt, o vico-presMencia do Sr. Drouyn de Lhoais ;
a commisso ji encelan seus trabarnos.
O ministro da fazenda demonstren ae corpo
legislativo a noces? idade do so obstar a circulaco
4a moeda ponlilicia, que extremamente traca.
O contado o Sr. dusagnac apresentou
no corpo legislativo un prnjecto para aeren) re-
ducidos melado os direitos de entrada dos vi-
nlios em Pars, com un dircito os viudos de luxo.
cCrtpWpp'j : # novevmhifcierio austriaeo vai-Wmflar a re-
forma eleiioral ao augmento do dobro do numero
dos diputados- ao rclrnsntth,conservaridoo*'^U3
syrtouA t* eleirao desses-deputados par. m
provincias,.....
i-OTl69. Maafle Paes Villas Boas; n.
0 projeclo da reforma eleitoral Ser aprese/otado Mona de CkmaUeKo. Joo Antonio Gomos
ao reichsralh no mais breve espaco de tecipo.
A dieta hngara tem tratado' das grandes Icis
orgameas que o ministerio aprebeotoa quando foi,
chamado ao podcr.c orno o poni principal do se
programla.
o ministro dos caitos ja dea couhecimento i
mafrita da cmara hongai a do projeclo de le de
lili.'i'Jade religiosa. Nease projeclo consagrase a
liberdsde religiosa de ama maneira quasi absolu-
ta ; o ejercicio d> todos os enltos, e a formaeao
de cowmunidades religiosas- sao pelo projeclo u-
torisaoos sera exoepejo. O casamento civil obri-
deia por ter aenn-elliado a relvlliao, e o gerente
da Barselhesa en; quatro mezus de priso e mil
francos de multa.
Diz a >Guzeta dos Tribunaes* que dos 900
presos, s laten agora 74 acensados de eonspi-
rarao ; mas parece que estes se attribucra gra-
ves manejos, o que se conseuuio saber depois dos
iiHerropat. ros por que todos passararo. Parece
que a niaior parte dos presos so recusou a ros-
awnder.
MiSSIA.
Publicaran! se os relatarlos dos estados pro-
viociaes da Rnssia (zemstwa). Diz uin desasa ro-
tatorios que o nico meio do melhorar as lioau
a 6 a insiriioo.io do povo. Os ministros do czar
a noltreza muscovita arana desta maneira ; o
eonle de uwarw, fillio do ministro da instrueco
publica, c presidenta .la nobreza do d>lieto le
Magaisk, ereou a siia eoata no anoo passado onze
escolas de iiMiueco primaria e vai abrir mais
quatro para o sano femenino ; este cscuiplo
multo seguido.
Proseguem ua Russia cora grande aetivi-lade
osostudos do caminho de ferro, que bao de por
n commuui-aeo directa o occidente do imperio
-e as snas possessoos no Oriente. A nova fia so-
r levada de Moscow Siberia por Jaroslaw e
kostzouna.
DeMiientc-se a noticia da prisao do principe
Obolensy, director geral das allandcgas; foi lani-
bc:n sen'i grande fin ianisnlo que se tem descripto
a Uussia minada o'e conspiradores e em vspero
do urna rcvolucou poltica c social, que seria pre-
cursora da geral Iranstorn i,
Alarmara aUuns j jrnaes que o general Mi-
'atiuc sera substituido pelo general Was^ilsciii-
k.jf ao mini>tei o da guerra.
AI.LF.M VMIA
O parla nwto da co i/erteraco da Allema
nha do Norte discute o pfojecto do cdigo penal
lio-tinado toda a Allemanha do Norte.
O projeclo tem 28 capitulse 366 arligns foi
elaborado por urna coiimiis-ao de 9 juriaConsul-
tos fob a presidencia do ministro da Justina,, e
oib assislen;ia do .j'i jnagistrados, advogados,
directores de pri.-ao etc. O irabalho da co mus-
-ai durou tres mezes,
O primoiro artigj consianava a penado morfe.
O depilado progresista Kircbmand propoz como
manda a ab dicao da pena de morte, funlando-
se na adiaulada civilisacao da Allemanlin, e em
i.rnt i* razes de direilo e de Inimanidade. Uto
epatado do Saxe expoz os motivos iue haviam
falto abolir a pena de morte jiaquelle reino; o
l)r. S.liwarge discuti a questaosob o ponte de
vista jurdico, religioso, moral e polnCo, comba-
leao enrgicamente o principio que diz que a
pana de m.irle devo ser a vingan^a exereMa pela
sociedide sobre o culpado eprovandj que os cri-
mes airozes dimlnoem na propor?J dos castigos
atrazes.
O celebre orador La.-ker fez um eloquentisslmo
ni's.'. dizendo te a pona de morte nm di-
leito injustamente usurpados pela sociedade ;
qae Deas nao quer que o peccadur morra, mas
qne se converta ; que tal pona nao necessaria
seguranca do estalo, que deix>m de ser oppor-
tnn'a, que deixon de ser justifleada e que portan-
to, o nm criiUB peranto feos e os liomens ; que
a abolicSo da pena de morte na Allemanha ia por
serta prodnzir .i saa abolicju em toda a Europa.
Um sacerdote '!- Breslau combaten-a anb o ponto
de vis:.i reiihiso, o achon a morte de Troppmann
."i'guioiiH" decisivo contra os qne olliam u\ pena
com i u nnicn ...-!;^i proporcionado aos grandes
crim s. i jll.iram ainda inultos oradores no mes-
imi s?:jti.lo. Pallaran) alguns oradores tambem
favor .ti pwia du morte, 8 entre elles o conde de
JiMiiar., que softi'Btoa lio vigorosamente a con-
sarv u la ,.-: i de morte, que ehegnu a decla-
rar qo Mffi i chelo do governo federal nao queria
j abolir.V', e |ue se a maioria votasse pela abo
licii eommettia nm attentado contra a constiiui-
A votaelo foinuninal, c a pena de morte foi
abolida pn'r 118 vetos contra 81.
O par ido nacional liberal, ou o partido unita-
ii>, que se acba em maioria no parlamento, de
lidio vT v.tar a n ensagein em rstposla ao dis-
cur.-o ia |ue o rei da Prussia, na sua qualid.ide
de pro-, i. iie federal, abri a miau do reichs-
tag. Os unitarios quizeram evita/ que se tra-
vassem agora novas polmicas proposito da l-
nla d Heno, e respeito de certos artigos do
tratado de Praga que tem um alcance internacio-
nal.
Para mostrarem, pnrm, as suas tendencias, ap-
provtitaram a occasio da lerceira leiiura do
irati lo de assislenca judiciaria concluido con
Jt ulen, e o Sr. Lasker apresentou a seguinte pro-
p-ista :
Conrm ao reiehstag da confedera-;ao, da
Alleinanlia do norte, adoptando esse tratado, de-
clarar.
O reio'iutag presta una liomenagem de reco-
nheriniento aos eHbrcoa lucessantos tai los de
c.iminum accordona via nacional pelo govern), e
palo ptm do gran-dneado de Badn.
neseos exforoas reconhece o reichstag a viva
Mfpessin da solidariedade nacional, e v com
alegre U&isfacau por coiiseguimento de laos ex-
forijos, a ivdenoia mais prompta possivel de Ba-
hii cniifdor.i.;a) o ti sien te.
O emule de llisinark combaleu essamoco, nao
pirque ropilla no futuro a admisso do ducado de
Miden ni Confedeaoo do N'ori", mas porque
jui.'i que anida nao lempo detentar a passagom
di M'tiO.
O grao duque de Badn cenro do rei iuilber
me da Prussia. As duas cmaras badeuses tem
senipre votado no sentido uniUrio.
Falla se, anda que vagamente, em se achar
doente eravoiiiente o rei Guilherme da Prussia.
< encerramenio da cantara prussiana, de
pms da recusa da segunda cmara em raenfiear
urna uespoza nao aniorisada do ministro das li
:*anca", e lm disso o voto da cmara alia contra
a iirroftaci> -tas sessdes, deram origem a boalos
de ciise ministerial em Borlim. Parece, porin,
que tai noticia nao tem fundamento aiguni.
O rei da Saxonia acaba de encerrar pessoal-
monte a sessao das cmaras; o discurso nao tra-
ta das votacoes daquella assembla com relacao
s despi-za* militare?, mas tambem nada diz nm
a re-|M'ito di> unidarie nacional, nem da coniVde-
raco do a orle. O rei Jlo da Saxonia nao qttfz
ulTnder o governo prusstano, nein qniz lisongear
as e-perancas do partid nacional que tem querido
Tnzer ilesapparecer da carta da Europa o aniiff-
i da Saxonia. O di corso da cora uroduzio
If'itono piiz.
Na Baviera, o conde de Baray acuitou a pro-
iie do gabinete em substimicao do presidido
pelo principe de li henlohe ; poz cumo eundicaa
ne devia voliar para Vienna, emquanio se nai
cnostituisse deflnitivamenle o gabineto de Mumcb.
.amaras foram prorogadas al o dia 19 de
,:bi'il.
." provavel que haja depois urna dissouicao das
cmaras, e novas eleices.
A Baviera,notificando Prussia a formaeao do
manifesta a firme resoloeSo em que
de suslcnlar a pdiiiea naokmal, qu lem por
I ase um tratado de allianea entre os dous paizes.
O re Luiz da Baviera 3caba de dirigir ao celebre
Arfen-or dos direitos da igreja catholica, o coaego
ia caru autogropba em que o joven
ta pelos sen-icos que lem prestado
w estad>, e aconselhanao-rhe que par-
j na lula em que se empe-
uhon.
.' X-icnra, Bento lote da Cunha Vianna ; n. 5,
fldrena de.Valte de Vez, Jos Teixeira de neiro*;
C, P;n*a. Manbel Joaquim Penln Fortuna; n
Jbao Antonio de Sepnlveda ; n. 8,
9, Villa
. de Cas
tro ; n. 10, Povoa do Lanboso, visconde dos Oli-
es ; n. U, Fafe^. Antonio Apuyo Ferraira.de
lio ; n-^3, npiraeSjjaaoB -ira ;
13 e 14, l'orto, nao tais; raavaltu > govoiur-
mental; a. 1S, Amarante, Antonio Gamillo deHf
meiJa Carvalho; n. 16,- Penali,*, 4ntonio Tinto
rde Magalbaaa Aguiar; n. 18, Paredes, Joo Baptis-
ta da Silvp Ferriio de GarvaBio Mrtens ; n. 19,
Santo Thjrrso, Bento de Freilas 8feros; n. 20,
(londomar, Francisco da SHvcira VUtiina ; n 81,
Villa No de Gaia, Diogo- de Macado; n. 2.\ llha-
ves. Antonio Jos Autuoes Guerreiro ; n. 'i, Vil-
ir
galorio ; os pais s3b livres para escolheTem para ia leai; barfo de Ribetra de Plmna ; n. S, Peso
seus lilhos a pratica religiosa qne Ihes convier. da Hgoa, Antonio Alves Pereira da Fonseca ; n.
Prohibe-se ao estado qualquer ingerencia nos ne
gocios religiosos, quando nao baja violaoio das
leis vigentes.
Os eonselbeiros do imperador, da An?rria
mosiram se resolvidos a reconbecer aos polacos da
GalUia autonoma cm materia de polica e de en-
sino.
Contlrma-se a noticia da existencia de um
tratado de allianca entre a Franca e a Austria.
O archiduque Alberto da Austria assistio cm Pa-
rs um grande banquete que Ihe offereccu o mi-
nistro da guerra, general Leboeuf. O archiduque
0-drou a sua admiracao pelo exercito franeez, e
disse que havia seinpre de se lombrar com sauda-
de dos dias pascadas em Paris.
Wourens foi coiideninado Iros annos de ca-; Arinuncia-sc a prxima visita a Vienna do
gran-dnque de Moklemburgo Schwerin, e raila-?e
dos preparativos ipie se fazem desde j para
proporcionar aquello soberano nma recepcio que
esteja em harmona com o parentesco qae o liga
s dnas grandes dymnastias do norte: Prussia e
Rnssia,
A projectada visita entre Vctor Emmannel e o
imperador da Austria deve-se verificar em Vienna
dep.is das tosas da Paschna.
Acha-sc ac'iualmente na Hungra o principo de
Joinville, onde tem sido objecto de emhusiasticas
a ce I a ma efies. O governador tinha-o convidado
para tuna revista da tropa de gnarhicoo.
Falla-se nos circuios polticos do Paris, do pro-
jectado casamento do irmaj menor do imperador
da Austria, o archiduque Luiz Yicior, com urna ti-
Iha do cx-rci do Hnnover.
OniK.NTK.
Diz o Memorial Diplomtico que et*ccm-
pletarncnte regulada a questao entre o sultao e o
vice-rei do Egypto, relativcmente entrega, por
parte deste u.iimo ai primeiro.das fragatas coura
cadas que tinlia comprado. O vlce-'rel s recla-
ma o reembilso das sommas que tem entregarlo
aos eonstruenres Je Toulon ; as soumias eev.iin-
se 6 milhoes de francos e foram enviadas polo
banco imperial ottomano a Isnrail Pacha. 0 em-
caixador torco em Paris recebeu ordem para re-
gular com os constructores as sommas ulteriores
que tem do sor pagas pelo governo ottomano.
0 granle exercito que, segundo se dizia, o
governo turco tinha fcito concentrar na fronteir.v
do Moutenogro, limita se dous ou tres batalhSos.
Um jornal de S. Peiersburgo desmente a noti-
cia de liaver- o governo russo, de accordo com a
Porta, feto concentrar tropas as margeos do Da-
nublo, como proposito de vigiar, os aconteciment os
que d um momento para cutro poeriam reben
lar na Boum'ania.
A insiirroi;l) da Dalmacia pareco definitiva-
nonte terminada. Parte da larca expedicionaria,
que eslava ni embocadura do Cuitare, j retirou.
Fui api carregamonto de vveres e de roupas para
os (fhlmatjs que licaram em urna situacao desgra-
'adissima em resultado da insurreicao.
O governo ingle?! adherio proposta da Porta,
relativa a nomeaco de urna commisso para re-
solver o cimlietj ontro a Turqua e o Montenegro
lia cnse ministerial na Turqua, por causa
dciutri.as intimas ; parece que o ministro"do in-
terior llurhdi-paeh, que ao mesmo tempo in-
tendente da lista civil, procura augmentar a sua
iiitlU'-n :ia interna ; o grao vzir receia 3s intrigas
do seu collega, e pensa em effectuar ma nova
couibinaeo ministerial.
Escrevem de Bucliarest que o principe Cou-
za, que ha algons annos foi bruscanienle derriba-
do do ihrouo da ftouminia, foi eteito deputado
segunda cmara; polo, pois, o principe Couza
voltar qnelle paiz o fazer opposioo ao seu suc-
cessor.
Pareco que a projectada viagein do rei Jor-
ge da Grecia, a Fran \t, Inglaterra e Dinamarca
ser adiada para quando se tiver tranquilizado
urna certa agitacao que %e nota nos seus csiados.
O governo greco trata especialBjpataJe repri-
mir a gucrfillngem ;a questao relativa ao direito
de nacionatidade dos grepros residemes no terri-
torio ottomano q e traba ticado suspensa em con-
sepienfia do coni'icligrogo-turco, foi ltimamente
resnlada.
Todos os gregos, que gosavam na Turqua da
nacional i Jado hellenira ante de 1865, contimia-
ro a gosar d'clla, ao passo que os qne adquriram
es.-e direito depois de I8, sero tratados na ajrn-
f'.rmidade do convenio celebrado entre os dous
governos.
Dizem de Alhenas que se julga inminente urna
criso, qne pode mudar do nina maneira multo no-
tavcl o estado actual da Grecia.
Di7.-S3 que o governo gregj vai celebrar um
tratado de propriedade Iliteraria com o governo
lurco.
AAIERILA.
As duas c niaras do congresso americano nao
psl'i de accordo as qucsloes econmicas e laan-
eeiras. Tendo ultimamenie a cmara dos repre-
sentantes votado nina nova emissao de eincoenia
milhoes de dolais em papel moeda,o senado re-
geitou este bil, e declarou que seria aquella me-
dida peepria para tornar mais diliicii o restabele-
cimento dos pagamentos em espacie, animar o es-
pirito de especlaeiio aggravar os inconvenientes
produzdos pelas lluclnaooes dos valores, depreciar
o crdito da nacan, e impedir o restubelecimento
dos negocios legtimos.
Foram expulsos do congTesso alguns represen
tantos que foram convictos de l'azerem veniaga
com os erapregos pblicos.
No estado do Mississipi acaba de ser eleito se-1
nador um negro chamado Bevels per i8 votos con-
tra 5. E' o priimiro caso d'esta nnlureza que se
verifica naquolla comarca.
O senado dos l-Mados-Unidos conirnaou a no-
nieaco do Sr. Cumbaek para minslro residente
em Lisboa. Este cavulheiro, porem, nao aceilou
o cargo qae Ihe era ofierecido.
O presiden lo Granl mauifestou as suas sympa-
thias pelos cubanas, mas" declarou se contrario
loda a idea de ntervenco dos negocios de Cuba.
O Sr. Morln, no seu discurso em apoio do bil
relativo ao reconhecimt uto dos cubanos, invocou a
d.'Utnna de Monrue. Alludem alguns jomaos
uina cqnversacao em que tomou parle ) Sr. Suin-
mor, ajusidento da commisso dos negocios e<-
traiigeiros do senado, em que mauifestou enrgica-
mente urna epimao contraria ao reconbecimento
dos insurgentes como bolligerantes.
A siiuaco da repblica mexicana nao dcixa
esperanzas de que a ordem se possa restabeleeerr
Adiriso dos partidos e o grande numero de gene,
raes que se arba om campo, defendendo ideas di-
versas ou diversos preteudenles, davam qne faze-
ao estado do paiz.
O combato que se esperava em S. Luiz do Pe
*.ozzi Dio se roaiisou, pnr tereru fgido as tropas
dos generaes revulucionarins Toledo e Martin> ?..
Falla-so como candidato presidencia, n
sabsliiuica do Jurez, do general Garca Lopes,
que l" governador do /rcateeas.
Em Drizaba 1X) pessoas fbrearam as portas
da cadea.
0- Ow habitantes da repblica dominicana pro-
Biineiaram-se. por urna grande maioria, a fiv ir da
anuexaijao ajs Eiladus-lkiidos.
PORTBJMV
Nosso corre pondente de Lisboa escreve o
seguinte :
< Aeham-se lioje reunidos as coiiegiss eleitoraes
para procederem escolla dos seus representan-
lea na cmara temperara-
'i Vuga cala vez mais por parte da opposicao
a idea do se propor no futuro parlamento a con
vocaco de ortos constiluintespara reformada c-
mara alta e outras lterncoe importantes no pacto
fundamental. No meetuig que ha dias liouve no
Porto, onde Viera de Castro, o elxpiento orador,
foi sohbIbt o suffragk) popular, vogaram estas
Meas. No m^eting e.-t veram mais de quatro mil
pessoas. Em Lisboa entre os comicios eleitoraes
mais dignos do mencao, contam-se o do campo de
Sania (Sara em quc'se apresentou o 9r. Latino
CieHio, o onlro em que o Sr. Jnse'f.uciaRo de Cas-
tro so apresentou como candioalo um dos circu-
las da capital.
Os oandidatos as cadeirasue deputado sao os
segulntes :
Por parte dos governamentaes : cirenlo n. .
Vianna do Castollo, Manoel Affonso E^perguolra :
n. 3, Mongo, Alborto Antonio da Bocha Paris ;
n. 3, Ponte de Lima, Boivenlnra Jos Vieira ; n.
3, Al-jo, Jos August) Correia de Barros ; n. 56
Valle Pairos, lallo do arva*al Sout Telles ;
n. 27, Bragauja, Augusto Ernesto da Castilho e
Meti; n. 28, Macedo de Cavatietros, Antonio Au-
gusto deSouza Silva Lobo; n. 29, Mirandella, Jor
s Paulino de S Carneiro; n. 39. Moncorvo, Ig-
nacio Francisco Silveira da Moita ; n. 31, .Aveiro,
Jos Luciano de Castro ; n. 32, Anadia, Joaqolm
Henjiques Fradesso da Silveira; n. 33, Fstarreja,
Joao Carfos de AssTs Perira de Mello; n. Tt, Fei-
ra, Ansejuio Jos Biaancamp ; n. 33, Arouca,
Carlos Bfento da Silva ; n 30, Oliveira d'Azemois,
Jos Carlos Rodrigues Sette; n. 37, Penacova, Pe-
dro Mmteiro Castello Dranco ; n. 38, Arganil,
Francisco Wanzeller; n. 39. Coimera, Augusto
Cesar Barjona de Freitas ; n. 40 Soare, Antuni
Egypcio Quaresma Lopes de Vasconcellos; n.41,
Canianhede, Jos Augusto Ferreira Galvao ; n.
12, Figueira, Jus de Moraes Piolo da Alie.da ;
n. 43, Sinies, Jos Gabriel Holbeche ; n. li, La-
mogo, visconJe de Valmor ; n.-45, S. Joo da
Pesqueira, Antonio Paes de Sande e Castro; n.
4ti, Moiinenta da Boira, Manoel Pereira Dias ; n
48, Carregal, Francisco Coellio do Amaral; n. 49,
Tondella, Autonio Ayres deGouvea ; a. 30, S. Po-
dro do Sul, Jos Corroa de Oliveira ; n. al, Vi-
zeo, Jos da Motta Cid; n. 52, Guarda, Antonio
Telles Pereira de Vasconcellrs; n 53, Sabugal,
padre Antonio BoaVida;n. 34, Pinhel. Jos Ti-
berio de Boboredo Sampaio e Mello; n. 33, Trao
co-o, Belchior JosGarcez-, n. 50, Ceia, Jus de
Oliveira Baptisla; n. 57, Castello Branco, Jayrae
Constantino Moniz n. 38, Certa, Jeronymo da
Silva Pereira Bainia de Bastos; n. GO, Fundo,
Heunque de Macedo Ferera Coutiuho; n. 61,
Caldas, Manoel Fernando Cosido: n. 62, Uiria,
Juo Clirysostonio Milcio; n. 0:j, Pombal, Joo
Chrysoslomo de Abren e Souza ; n. 63, Lisboa,
Jjs Luciano de Castro n. 60, Lisboa, nao lem
candidato go venia mental; n. 67, Lisboa, Jos
Isodoro Vianna; n. 68, Lisboa, Joaquim Tnouiaz
Lobo de Avila ; n. 69, Villa Franca, Joo Gual-
berto de Barros e Cunha ; n. 70, "Jtfafra. Fran-
cisco Joaquim da Costa e Silva; n. 71, Beln,
Claudio Jos Nunes; n. 72, Torres Vedra-, Jo-
Pedro Antonio Noguoira ; o. 73, Almada, viscon-
de de Carregoso; n. 74, Seiubal Joao Rodrigues
da Cuulia Arago Mascarenhas; n. 73, Torres
Novas, Antonio RoJrigaes Sampaio; n. 76, flio
mar, coudo de Tftomar (Antonio) ; n. 77, bran-
les, Joo Antonio dos Sanios e Silva ; n. 78, San-
larem, Marianno Ghira ; n. 79, Chamusca, Jos
Firmo de Souza Monteiro ; n. 80, Portalegr-, Dio
go Antonio PalmeirpPinto; n. 82, Aviz, Miguel
Ptreira Coulinho ; n.-83xKrora. Manoel Alves di
Rio : n. 8^ Estremoz, Augusto Cesar Falca. d.i
Fonseca n. 83, Re J&nJu, Jos Mara dos S ratos;.
n- 86, Beja, Jos Das Ferreira ; n. 87 Moura,
Jos Carlos Infame.Pessanba; n. 88, Hertdi,
Fortunato Fredertca de Mello; p. 89, Tavira, Jua-
quim Thomaz Lobo d Avti; n. 90, Faro, los Sa-
na Lobo d'Avila : n.^l; Silves, Cirios Riboiro ;
n. 92, Lagos, Francisco Corr t de Mendoaca :
n. 93, Pona do Sol, Mano,+..Jus-'< Vieira ; n. 94.
Funchal, Antonio Correia Hcredia ; n. 93, Angra,
Jos de Menezea Tost j n. 96, S. Jorge, Pedro
Roberto Di s da Silva; n.97, Fayal, Miguel Edu.r-
do Lobo de BulWe: n 9, Pic, '"andido Jos de
M raes: n. 99, Ponta Delgada, Jos di Silva Men-
dos t.eat ; n. 100, Villa Franca do i tmpo, i'run-
cisco Manoel Raposo B.cndo Correfe ; n. 101.
Nova Ga, Bernardo Francisco da Costa ; n. 102,
Margo, Antonio Augusto Teixeira de Vasconcel-
los; n. 103, Macau, 'Joaquim Jos Goncalves de
Mattos Correia; n. 104, Angola, Jacintho Auga-to
de Preitas e Oliveira ; n. 103. S. Thim, Venan
cj elanaes; n. I0ti, Cabo Verde, T omaz de
Carvalfto ; n. 107, Moeambi;ne, Joaquim Pinto de
-Magalhos. Destus cavallieiros 16 perteneeran a
cmara passaJa.
Es a relacao dos consid rados opposicioms-
las:Circulo n. n, Alves Matticos; n. 9, J. M.
Rodrigues de Carvalho : n. 13, Oliveira Lobo e
Fana Guimares: n. li, Pinto Bessa; n. I, J.
N. S. Vieira ; n. 17, Felguetras, A. Brrelo Leo-
castre : n. 23, conde de Villa Real; n. 24, Mello e
Faio : u. 2, Veiga Barreira ; n. 32, Agostmho S.
Caneella : n. 33, nr. Manoel Marques Pires; n.
42, L. A. Menezes Lencaslre ; n. 4o, p-dre Agtul-
lar:n. 47, F. A. Canbjso Atbnquerqne: n. 49
Antonio G. Silva e Cosa ; n. 50, Bandeira de
Mello ; n. 31, Luiz do Campos : u. 32, Sebasti
Lopes Calheiros de Menezes ; n. 57, Dr. Fev rei-
ro : n. 39, Cjvilh, Dr. Sant* Viegas; n. 61, H.
A. l'aria tanc ; n. 62, Eca o Costa, n. 63, Custo-
dio los Freir : n. 6i, Fgueir dos Vmhos, G -S-
ta Simte ; u- fio, Latino Coeltao ; n. 66, A. A. IV-
reira de Miranda ; n. t>7, A. Saraiva de Carvalho ;
n. OS, Alberto Carlos Cerqueira de Paria; n. 69,
Dr. Azevedo Villaea; n. 75, padre Daniel Silva
Pereira Varella ; n, 78, Henrique Barros (r)ines ;
n. 79, Marianno Cyrilb de Carvaitio ; n. 81, A. A.
Pereira de Miranda : n. 85, Dr. Joaquim de Vas
conc los Gusmao ; n. 86, Falleiro ; n. 87, Lava-
do de Brito ; n. 92, Dr. Meudonca Corlez; n. 93 e
94, Drs. Ornellas e Affonseca 'ortalegre, Dr, Ri-
choso.
Qual ser o resultado da lula, nio se pode
Erever, mas lalvez nio andasse longo da proba-
ilidade quem previsse a perda do governo por
11,104:180*907
7,286.342*017
2,144:267*111
474:068'iU)
2,662:3943906
118:979*122
7 404*989
2:8fi4*085
40:8I8*0i)0
64:892*048
Lisboa, t' de crer, porm, que tenh maioria em
todo o reiuo. opposico levar quando muito
20 a 23 deputados ao parlamento. Isto eutretao-
lo slo clculos temerarios, pos atj ultima hora
ha occurrenc;as qne fazem pender a batanea elei-
toral para onda menos se espera f
i Tem o-'cupado mullo a alteneao publica os
pormenores da mallograda eonspiraoao carlista
no Pono, de qae na minha ultima ih-*' dava a se-
mana de mu wlegrama reeebido attlma hora em
Lisboa. O chele da esquadra Ribeiro foi quem
descobrio a conspirado.
Espera-se em Lisboa o principe Alexandre,
filho mais novo de S.'M. o rei dos Patees Baixos,
que viaja da corveta Volk, acompan'::ado pelo ma-
jor Koefl e pelo capito Beyerman.
Foi antes de houtem i'U) remettilo para ase-
crotana da justica, allm de ser presente f o res-
pectivo ministro, o novo projeeto do regulamenio
do regisiro predial. Tinhaui sido encarregados
deste trabalho os eonselbeiros Ferreira Lima juiz
da Relacao de Lisboa, iue era o presidente da
commisso; o bacbarel Antonio Lucio Tavares
Crespo, seeretari ; c o bacbarel Lniz Emilio Viei
ra Lisboa, ajudante da conservatoria do 2a dis-
iricto. Es|iorase quo brevemcnio sej promul-
gado o regulamento, que ouvi sor um trabalho
louio con ciencioso.
Faz-sea ti do corrente, com a costumada
pompa e recolhimcnto devoto, o prosisso do Se
uhor dos Passos da 'Grasa. tompo abri nm
parenihesis estivo, e a concurrencia foi numero
sissiina. S. M. a ranina e el-rei o Sr. D. Luiz, >e
g indo o uso dos amigos Riberanos de Portugal,
dirigirain-se igreja do S Rqoo a hzer oracao
e abijar o p veneranda imagem do Senhor
do.- Pa.ssos. A rainha ia aconpnnhada pela sua
dama de servico c el-rei pelo seu camarista e
pelo conde da "Ponte. A ramha ia vestida de pro
lo. El-rei traja a a paisana. Destribuiram valio-
sas esmolas.
A 11 deste mez foi no Centro Prtmotor dos
tiulkorumcntot (/-w clayes laboriosas, em Lisboa
a inaugurarn do retrato de celebro tribuno popu-
lar Francisco Vieira da Silva, um dos mais den-
dalos iniciadores do principio da associacao, c do
conde de Ferreira illustrado philantrop, que dei
xou uo seu tosiaiuento .com que se eonstruiram
120 casas modelos para escolas primarias.
Presidio o Sr. Souza Brando. presidente do Cen
tro Promotor, e usaram da palavra diversos ora
dores populares.
Foi definitivamente nomeada secretario geral
do governo da india, o autor da Delpim do Val
e do O. Jiiifine, o Sr. Thomaz Ribeiro, o qual se
acba em Lisboa o narlis brevemente O Sr. Per
reir Petitana, governador geral da India, fui exo-
r.erado, e agraciado Com o titulo de visconde de
(ion. O 8r. Cunha Bivra, enligo eecretario go-
ral, foi exonerado, e nnnieado conimiasario doaas-
t-idos na India, lugar para nae t6t nnnieado e
deslindo escriptor indiano Francisco Lulx Goni-s,
que nao chegou exerce-lo por ter tallando em via-
em, como o mavioso poeta Gonoalvcf Da*, qaan-
o regressava sua trra. Para substilnir o Sr.
Pestaa, foi nomeade o visconde de S. Jannarie,
que m tempo servia como
Porto. Brevemente partir.
c OVerao de Portugal acaba de ser offlcialujente
convidado pelo da Italia para concorrer exposi
cao internacional, que brevemente se ehVetuar om
Sajeles com relacao objeetos perteocente ma-
nnha de guerra, e a tudo quanto diz respoito
obras de fortificacoes j executadas ou em pro-
jeeto. M~l
< Foi esmerado o governador geral de Cabo
Verde, o capitio de fragata Alexandre de Almei-
da e Albuquerqu, e nomeado para aquella eargo
o Sr. Jos Maris da Ponte e Harta, capito de ai>
tiiharia, lente 4a escola polyieehnica e'ex-governa-
dor de Maca e Timor.
De Chavea communicam o seguinte :
t A' leste desta villa, c na proximidade poueo
mais ou manos de nove kilafnetrosf esta situado a
aniiqnissimaIgreja matriz da freglteiis dono nina-
da de S. Miguel de Nogueira :-fot obra dos Roma-
nos, e em lampos amigos almadia, eomo st colligo
de algomas iascripeoes qne os lempos de lodo na
tem podido apagar, marcando a era de 967.
t as obras que" ainda se est proesdendo,
um oantejro dascobrio as antigs sepulturas da
igreja um corpo inteiro, que tirado para fr se
achou flexivel, perfeiamente conservado, com a
barba russa, pouco3 cabellos, a pelle pegada aos
ossos, mas o peito ainda carnudo, mostra a idad,-
de mais 69 annos, o conserva visivel urna chaga
sobre as espaduas. Tendo sido lavado com agua
quente, a lividez do rosto tornou-se mais escura.
Na mesma sepultura nao appareceu uiro al-
gnm corpo por consumir, mas sim grande quanti-
dade d- ossos humanos e caveiras, cujas carnes
estavam de todo consumidas Unto all como em
todo o resto da igreja.
c Proceden do se s mais miudas indagarjoes.as-
im dos habitantes da freguezia como dos das
circumvsinbas, apenas apparece o depoimento li-
dedigno de que ha 18 ou 19 annos este me'sm >
corpo jap;iareceu naquella igreja no mesmo es-
tado em que actualmente so eons-rva, sem que
nessa occasio.se podesse saber quem fosse, nem
que aiguem o conhecesse, remontando alguns a
sua notieia ao tempo da invaso dos Francczes,
mas sem alguma certeza, ou depoimento que me-
reca f, e havendo at quem aecreecente que elle
foi morto pelos Pmncezes.
O povo tem alfluido de todas as partes para
ver este corpo que olle diz santo, mas nos adia-
mos notavel, extraordinario e sobrenatural por se
ver nelle cor.
A direccao do banco Mercantil do Porto apre-
sentou o relatorio do anno econmico do 1869
1879. Segundo elle, as principaes operac3es
foram :
Entradas e saidas pela caixa...
dem idem por depsitos.......
Descont de 2,612 letras.......
Emprestimos sobre penhores...
Transferencias de fundos.......
Lucro liquido.................
t D'este ha a deduzir :
Pagos ao Sr. Eduardo Mozer___
D.'spezas por pleito em Pernam-
bnen......................
Doiirib- lio no l. semeilre ....
Restara em caixa.............
D'esta somma se faz o dividendo de 3,3 por
cont, perfazendo assim o de 6,5 por cento ao
anno. O* restantes 14:617*878 rei' pa augmentar o fundo supplemenlar para garanta de
crditos duvidosos; fica este fundo elevado
32:9265874 ris.
'< Vestes lucros nao eniraram os provenientes
do 1. emestre de 392:791*423 empregado cm
a plices do emprPstimo nacional brasileiro que se
bao de re ceber em abril.
Relativamente ao pleito, cm Perriambuio, fala
assim o relatorio :
Relativamente ao pleito contra o ex-agente
Costil Maia em Pernambuco, obtivemos ultiina-
mente do Tribunal Commercial 'aquolla eado
entenda fatoravol, emquanto a pruvar.se qne
exorbitoii das sir s attribuicdes,i m manisfesta op-
posfejao < nossis terminantes instrucoos ; toda-
va antes da publieacao da scntenc tinha nos
olle feito propnata para nm arranjo "araigavol,
qual jolgamos, assim como a nossa direccao fiscal,
dovemios annuir, com algnmas modifiea^fios_;
acha se.porlanio, esta pendencia entregue ao cui-
dado do nosso correspondente, e brovo esperamos
a sua soiuco definitiva.
O divdend) ji comecou a ser pago.
Ficaram eleilos : presidente da assembla geni
visconde de Lagoaca, vice-presidente Manoel Ma-
ra da Costa Leite," secretarios Joaquim da Costa
Correia o Domingos da-Almekla Ribeiro; direc-
cao fiscalAntonio Fcfreira da Silva Brito, Lou-
renco da Silva Pereira de Magaihes, Cbristiano
"'.'.uiioller e Jos Joaquim Barbosa do Araujo.
.V ultima hora escreve ainda ese nosso cor-
respondente :
Sogravesu noticias que chegaram hoja pelo
iolngrapho :
' Dm despicho de Madri), s 10 horas o 20 mi-
uutos da manhaa, dava o boato de um duello emi-
nente entre o duque de Monipensier o Henriquo
le Bourbon.
As 3 da larde, outro telegramma dava a no-
ticia do ter o duque de Monipensier mor lo Hou-
rique do Bourbon n'um duello pistola vate
passos com una baila que Ibe acertou ua meio
da testa.
Outrj despacho expedido s 4 horas o 23 mi-
nuto! da larde, confirraava o successo nos segura-
tes lerraos :
< Ilonnque de Bourbon foi morto cm duello
pelo duque do Monipensier.
- Henrique disparou dois Uros sobre o daquo,
sen Ihe acertar ; o du pie disparou depois, o ao
segundo tiro matouo adversario.
Madrid 12, s t< la manhaa.O ministro da
govoroacao, sabendo qua exislia febre ainarella no
Itio da Jaueiro, ordenou que navios das procedencias do Brasil urna quaren-
tena rigorosa de 40 dias, e de 15 dias n > caso de
haver algum incidtnte suspeito a borbo durante a
viagera.
Madrid 12, s 4 e 30 minutos da tarde Prim
respondendo a urna intoi pellaco negou que era
p ider do congresso americano exisla algura do-
cumento por elle assignadv, que tenha relacao
com a cos-a i de Cuba aos Estados-Unidos.
Paris 12.No corpo legislativo foi validada a
eloic.ao de ataron. O corpo legislativo foi adtiado
durante oilo dias, pedido do Sr. Ollivre, moti
vado pelos trab.ilh.is de que o ministerio lem que
se oceupar. \ limeta de Frawa publica urna
declaracao do padre Gran y, refulaudo as aecusa-
r''--i de uiuitos bispos, quando annunciam qr~
lio publicara urna 4." carta resumindo toda a p
litica.
t Andrs A cmara do3 communs adopta
por 442 votos contra 11 o bil irlandez, em segun-
da leitnra.
Florenga II.O Sr. Sella propoz 12 por cento
de dedueco nos ttulos de jur, e urna fomiasao do
80 railhoes de li lulos.
Puris II.Iloje leve lugar um conselho de
ministros presidido pelo imperador. Assegura se
Due s se tratou da questao de R una. O conde
qaru resolveu mandar inmediatamente um
los directores do ministerio dos negocios estrau
geiroa ene^rregado de urna missao verbal junto do
euibaixador de Franga em Roma.
Vienna 11.A maioria do parlamento bunga
ro, uiosira-sc disposta a adoptar a liberdada re-
ligiosa.
Ha traoquillidade na Dalmacia ; foi bem re-
cebdo o decreto do imperador su>peadendo as
medidas eacepcioaaes adoptadas durante a nJttu
n'urreijao.
r
govemador civil n^iromode^Tiritt'eadefra Se ente ,,,,,,,., 'nn2
lindo ella na prelecao oral fe.'-, nl"* }???7"
ore ponto que tirar ho> t M^ e****^ 5:
, ff?E2?9i;* 'tato ** Cimbres
Zr\tl 4m<*ro Le". Proprietario da
?lt J i6^ *"*> "ia iainentaveisna-
i c as uo. tmto ^ miseria da popularlo desses
flUL* logares, S. ftw-oSr. Acajitentc 'a r'1la
b poz a ua Oisp >sic> alguMaJeneroa annMBj
os, quo devem para Ni seguir n.'stea dias por
fia de Trombaias, por conia do novara e seb a
-guarda ao Sr.Late.
INSTITUTO HST0JUGO E PBII.OSOPHICO.-
Reunio-se esta soeiesaoe saxla-feira, em setaao
preparatoria, sob a piesidcncia do Sr. Ribeiro de
Carvalho.
Touou assento o socio offeetivo Jos Brando
da Bocha Jnior. Foram approvados socios cor-
respondentes, na provincia da Baha, os Srs. Al-
bor! j Ulysses do Reg Lopes e Joo Bastos de
Mello Gomes. Nomeoo-se urna commisso, com
po^a^cs Srs. Prazeres, Demetrio e Maranhao,
para dar parecer sobre os relatorios do ..anno
antecedente.
A ordem do dia da sesso seguinte loitura de
pareceres de commisso, e sorteio de thse?.
^
THBATRO DE SANTA ISABEL. Realisou-se
no sabbado nrute n concert vocal e usirumen-
tal dolo pelo proprietario deste iheatro, o Sr. An-
tonio Joje uarle Coimbra, em commemoracao do
anoicorsario do juramento conslitoiQo do impe-
rio.
Foi urna bella festa, em que cada artista porlla
meih ir desempenhnu a parle que Ihe tocou no
programma, sobre tudo os Srs. Abraho, Antonio
M ict ns, Salnstiano e Jiis Coelho Barbosa/que agra-
daran) summamente pelo goslo e mestria que de-
senvolvern!.
A orcheslra, sob a direccao do hbil mestre o
Sr. Jos Cielito, tornouse notavel pela firmeza e
igualdade da execucao.
O theatro chavase repleclo de Sras. e cavallei-
ros, notando-se as pessoas presentes diverses
merabnis desuncios do nossa sociedade.
Damas nossos emboras ao Sr. Coimbra por osses
ptimo serio quo nos fez passar, ouvindo bellos
trechos de de-w notos mestres.
SUBSCRIPCAO ALAGOANA. A pessoa que
teve a iniciativa na promneo da subscripcito
em favor da (opulacao nocessitad do interior da
prov nci:i das Alagoas, foi o Sr. Manoel Joaquim
de Miranda e Souza, ao qual se reuniram os Srs.
A. K >op e Jos Gonrnlves de Alboqoerque.
B.MHA LITTERA.HA. Fomos obsequiados
com o Io numero deste jornal Iliterario que se
publica na capital da provincia da Baha, so' a
direccao dos Srs. Joo de Brito e Silva Spnna, e o
qual se torna recommendado pelos belln traba-
Ihos de litterat'ira que traz. Agradecemos a of-
ferta.
(X)RPO PATRITICO DE LANCEIROS.-O Sr.
eoiiimandanto Jo corpo de lanceiro do Pojo da
Panrlla, convida aa Srs. oflieiaes a comparece-
rera li je aso horas da tarde, na chcara confron-
te Porla-d'agua em Apipucos, para se tratar de
asurapto tendente aocorpo.
Se bem que aprpsento convocacao saja feila aos
Srs ofilcaes, |>odem comparecer as praxis ipto
quizerim.
PROCLAMASForam IMos na scxta-felra na ma-
triz la freguezia de Santo Antonio os proclamas
seguintes:
i.' dcnoneiaeo.
Jonrjuim da Silva Maeiel, com Mathde Mara
Guiuaaps.
JoatlTepomuceno C-itho da Silva, com Senhori-
nha Thercza de Almeida.
Domingos Joaquim da Costa, com Tgnacla Tei-
xeira da Costa.
2.* dVnnnmcao.
los Forrrir.-' de Paula, com Jeronyma PratKisea
da Rocha Pero ira.
Joao Soares da Rocha, com Isabol Tneodor
Alves.
3.a (b^nnnciico.
Domingos Manoel Martins, com Maria Dorollia
Moreira.
Manoel Ferreira Jnior, conn Mariana Francisca
de Salles.
Linddlpbo Malaquias do Rosario, com Clandina
Maria Anglica das Neves.
Joo Capistraau Ventura, com Emilia Maria da
?onceico Silva.
Manuel Joaquim do Espirilo-Santo, com Fclis-
mina de So'uta Peixe.
Bacbarel Manoel Thomaz de Barros Campello,
cora Senhorinhi Emilia Corroa de Almeida.
Jos Paulino da Silva Jnior, com a emposta Ma-
ria Loopoldma da Silva Guimares.
PAO D'ALIIO.Escrev'emnos desta villa :
No domingo 20 do corrente s 5 horas da
tarde reumo-se um eres.-ido numero de cidados
grados em casa do Dr. Vicente Ferreira Gomos,
que os conyidou para o llm de crear urna socie-
dade emancipadora nesta comarca.
Depois de ter o digno Dr. juz de direito docto-
rado qual o motivo da reunan, e mostrado ntiui
pequeo, mas bem elaborado discurso, as vanta-
eQs qae trar pan o Brasil a abolir > do ele-
mento servil, oraranf no mesmo sentido alguna
dos sonbores presentes, encerrando-se os 'raba-
Ihos s 8 horas da noute pouco mais ou menos.
A sociedade ficou deno.ninala Humanitaria
Po-d'Alhense e tendo sido aclamado presidente
o mesmo Dr., designou elle o da 2 de jollio pr-
ximo futuro para ter tugar a sessao solemne di
abertura.
-r-rpr
PERNAMBUCO.
EEVISTA DIAEIA.
ASSEMBLA PKOVISCIAL.Nao tendo havido
novo adiamento da abertura da assembla pro
"neal, que est fixada para o Io do prximo vin
louro mez de abril, devo ella encelar amanhaa
os sens trabalhos preparatorios, como presereve o
seu regimesto.
DINIIEIRO.Os vapores Ipojuca e Mandah
trouxeram as seguintes quaatias para os Sr>.:
C.
- i
Pereira Carneiro &
S Leia-. &< Irritaos
los Bran Ramos de Oliveira
Luiz GoncalVes da Sd?a & Pinto
J. Gerardo de IUs(og
Minoel Luiz Goncalves
Fonseca Santos
Alvaro, G iveira it C.
Justino Jo do Sou:a Campos
Torquato Henriques da Silva
Josuioo Alves Ferreira
Dr. J. AutregM.) Rndrignes Lima
O vapor ioglez La Plata trouxe _
o Sr. PiUehor ; e lovou do nossa praca para a do
Rio de Janeiro 34:6002.
FACLDADE DE BIRErro.-Araanha davo ter
lugar a terceira prova 5.6o7jt40
3:000 '00
2:240*000
1:600MO
l:.J2=.*i)r)0
9274000
6480OO
moa -on
5*l810
300*000
307*000
188*000
230 pora
VOLUNTARIOS DA PATRIA. A recusa que
oppoz a tnesouraria do bneds ao pagamento dos
300 res diarios aos voluntarios, e que notiveu
mandar S. Ex. o Sr. presidente que fosse sb
sua responsabilidade abonada aquella quantia,
provin do aviso quo abaixo publicamos, e quo
(em a data de 1867 e a assignatura do Sr. Para-
nagua A letlra d'esso aviso justifica plenamente
a iiipngnaej do Exm. Sr. inspector d'a juolla re
pariico.
Bis o ario :
r.ireolar.Directora central.1* seccao.Rio de
Janeiro.Ministerio dos negocios da guerra, em
9 Illm. e Exm. Sr. Declaro V. Exc. para seu
cocuuliecimento e devidos tlfeito?, que a gratica
cao do 300 res diarios concedida aos voluntarios
da patria, pe o decreto o. 3371, A. de 7 de ja-
n-iro de M6, sendo propriamento de campauha,
nao deve continuar a ser abonada ao- mesnios
voluntarios, desde qm regressain ao imperio.
Dios guarde a V. Exc. Joo Lustosa da Cunha
Paran.igua.Sr. presidente da provincia de..
JEQiJl.':stc vapor da companhia Pernim-
b'jcana, ebegado '.ontem de Aracaj, foi parlador
de jornaes ale 19 du corrente.
A assembla provincial resol eu enviar urna
commisso le seu seio a felicitar o presidente da
provincia, pela maneira sabia ejusticeira per que
lem gendo or. negocios pblicos.
O Dr. Dionizio Elouterio de Menores, proprieta-
rio do engenho Moteqne, do termo de Larangclra-i.
por occasio ;! bencao de duas imagen* do sen
oratorio p:ir.-tiar, altbrrlbu gratuitainenio tre>
escraviiihas suas, urna de I, outra de 7 e mi-
tra de II annos. Nesse mesmo acto promoved
o Sr. Dionisio a fundaco do uns sociedade lber
ladora de e-cravos, com preferencia os de menor
idade e do se /o femenino, da qual foi eleito presi-
dente, secrtanos Antn! Coelho Brrelo, e mem-
bros os coronis Antonio Jos Fornandes Barros e
Pedro Antonio d* Oliveira Ribeiro.
A subscripoo para a bolsa da cardade eleva-
va-sa a 2:2432.
Fallecer o tetiente-coronel Antonio Freir .de
Mello, na Estancia.
A alfandega rendeu de 1 a 12 do corrente
13:721*088.
Na villa Je Propriresdem 24,111 pessoas a sa
ber : 23,209 livres, 842 escravos; 23,934 brasi-
leros (23,214 livres e 720 escravos), 177 estran
geiros (35 livros e 122 eslavos) ; t,'!,687 pessoas
sotteiras (13,215 livres o 472 esemos) ; 9080 ca
sade s (8,790 li fres e 290 escravos) 1,309 viuvos
(1,229 livres o 80 escravos. De todas estas pes-
soas 11,439 perteneem ao sexo masculino (11,067
livrene 3+2 escravos), o 12,672 ao femenino
(l.fl Irrros o 460'meravos).
Lemos no Jornal de Aracaju :
a Ha faetos, pie por mais que se pretenda, nao
ficam plenaniiule justificados s>no admiltida a
mu-rvencau de orna voatade suporior e providen-
cial.
Como todos sabaui, deu-se no dia 27 do mez
prximo passado um incendio em casa do marco
neiro Jacintho de S. Amaro. Pouco e.-eapwi i
violencia das chamraaa : trastes, roupa, tenda
ludo foi reducido cinzas om poucos instantes,
Exislia, o'ama das paredes um quadro com.
a veneranda iraagem do Senhor Bom Jess do
iomfim.
a Da paredo nem vestigios fleeu,o ridro do
quadro desappnreeeu, a uiadeira ardeu de todo c
enlretaste o papel oade eslava impressa a sagra-
da imagem licon intacto, queiraando-sc ligeramen-
te ede.um s lado a tarja do quadro som preju-
dicar nem ao menos os frisos bordados que circn-
lavara a Croa de Corlelre tuwBaoulao.,
Em vista de iceeroawndacdes feila, pelo Dr.
chele de polica s. autoridades que Ihe sao su-
bordinadas, realfeou se na noute de 6 do corrente
a -capturare *etoe4gWws'e oo#roree,'rlembros
de ama companhia organisada no intuito de fur-
ur anaMes nos^Maianles naak aco.
bas-so o bSkiio da doiigeneia ao delega-
BStcia do tana da Itabaianac.Antonio Jos
Teixairs,a comniauknis lo reapeflvo desUca-
m ente, teen to eUasertf apa de Oliveira Ro-
cha.
Os Individuos eapuarados achavam-se acoi-
tadosno logar denominado Fundo, entre es en-
gentaos Cwnhee Salokio.
Acham-se rccolnklos i eadeia desta cidade,
excepeo dos menores :
LuTz Francisco d Abre.u. Joaquim Ferreira,
Theodoria Ferreira, Francisco da Costa, Florinda
Cardoza, Anna Mara e Francelna da Silva.
Menores.Miguel Carduzo, Antonio Luiz, Be-
nicio, Marcelino Pongalves, Manoel Flix, Maria
Antonia de Jess c Arthulina daf.onceico.
t Em poder des cganos foram encontrados ob-
jeetos de valor superiores s suas posses e al
om cscravo.
t Alera de alguns anmaes que ficaram canea-
dos em caminho e dos objeetos de ouro e um gar-
lo de prata, tudo o mais est depositado na secre-
tario da polica, a saber :
< 3 burros, 5 cavallos castanhos, 1 dito rus-o.
pombo, 1 dito russo pedrez, 1 dito alazao, 1 egua
russa escura, 1 cavallo rus&o pcqueuo, 6 selms.
com 2 pares de chinchas de laiao, 6 pares de bo-
tas inclusive um psr novo, 6 pares do esperas de
latan, 3 ditos de prata, 2 bride? de prata, 2 ditas
de ferro, 2 garfos cora cabo de prata, 1 faca com
Cabo de prata, 1 garlo de prata, i cordao de ouro
com 5 palmos e meio de comprido conlendo varias-
peca?, 1 volla de cuntas de ouro com coral, 1 anel
do ouro de cravaco, e I gualdapra de couro.
< S. Exc. o Sr. presidente da provincia mandn
louvar nio s o referido delegado como tambem
ao commandante do destacamento.
SAPPIWRB.Este vapor da linlia de Liverpool,
sabido de Lisboa para o nosso porto a 11 do cor-
rente, traza seguinte carga : 2 caixas ferrasen^
S ditas calcado, 300 ditas batatas, 300 ditas ceb-
las, 2 ditas livros, 223 ditas velas de cera, i dila
palitos, 71 ditas conservas, 4 ditas drogas, 9 dita-
e 39 ancoretas carnes, 100 ditas azeilonas, 10<>
barris cal, 4 ditos vinho, 30 ditos qlpisla, 30 ditos
azeite, 7 saceos comnhos, 80 caixas, 20 meias e
40 quartos passas.
FUNDOS BRASILEIROS.Eram assim eotados
em Londres :
5 O/O de 1859 92 a 94
5 0/0 de 1865 87 1'2 a 88
4 1/2 0/0 de 1852-58-60 78 a 81
4 l/2 0|0de 186} 78 a 80
NAVIOS A CARGA.Em Lisboa -Julio, Sobera-
no, e Bella Figuehen-e para Pernatnbuco, Ltoeiix
i'Linda para o Par ; no l'orto Sappliura para
Pernambuco, Maria Carolina para o Maranhao,
A'ocn Palmara e Adelaide para o l'ar.
NAVIOS S HIDOS.De LisboaylfH//roj# (va-
por) a 7 para o Orar, Judith a 11 para Pernam-
buco ; do PortoVilla-Flor a 7 idem.
PARAE.VSE E AGUSTINE.Estos dous vapo-
res da linha de Liverpool eram esperados em Li -
boa, em viagem para o Cear, Maraaho o Par;r.
iqnelje de 16 a 17 do corrente, e este de 1 a 3 do
abril.
HAVRE.A 50 do corrente mez devia partir
deste porlo para o nosso a barca l'rancoza Fide-
lite.
MARSELHA.Neste porto eslava carga para
o nosso a barca italiana Sacra Familia.
NOTICIAS COMMERCIAES.Sao as seguintes as
dos gneros do Rrsjtias prucipaes pracas di
Europa :
Londres, 12 if 8 horas da manhaa.
0 algodo esl frouxo com baixa, ajs preco*
de : 11 3 a 12 5/3 o de Pernambuco, de 10 7/*
a II 58 o da P.iratnba, de II a 11 3'4 o de 'lla-
cei, de II 1.2 a 12 3'8 o do Maranhao, de 10^,*
a 11 7/a o do Rio Grande e a 11 ."i/8 o do Cear.
Oassucar estfraco de 24/6 a 2^ o branco,
de 17/6 a 24 h mascavado.
O cacao do Para venden se de 47 a 33 .
A borracha do Para est frouxa a 3 3.
Havre, 12 s 10 h. da m.
O algodo calmo, o ordinario de Pernambnc
verfde-se a frs. 140.
0< couros sao procurados.
Ha falta do borracha do Para.
DAF U\.Aeha-se declarado limpo de cboiera.
pela junta do hygiene de Liboa, desde o 1* d
corrente, o porto de Dakar, onde tocara os vapo-
res da linba de Bordeaux.
EM TRANSITO.O vapor ioglez Ta Plata trou-
da Europa para o snl do imperio 90 passageiros
GNEROS DE ESTIVA. O vapor La Pla!>
Irouxe para a nossa praca : 8 caixas queijos a J.
M. Palmeira,13 aFonceca-A; Santos, 14 a J. M.
da Bosa A tinos, 40 a Thomaz de Aqnino F. dt C.
65 a Carvalho Zenha A C, 13 a J. Gerardo do
Bastos, 1 a Lima Silva & C, 13 a J. J. Goncalves
Beltrao, *6 a Joao Ijtnaero da Costa, 33 a Corga
Irmo?, 36 a K. A. Monteiro Jantor, 6 a P. Nash &
C, 53 a ordem, 66 a J. Martins de Barros, 60 a
Manoel Fornandes da Costa & C, II a Silva & Joa-
quim Felippe, 17 a Barbosa A O, 25 a J. C. Bras.>
(t C, :''> a SarmdersBrothers & C.
PARAHYBA. Da capital escreve era24;d
correte. noio corrrespondento :
Oeos allial amarcion-so deste atribulado po-
vo, amjacado de herrivel secca, abrindo as cata-
ratas do co coai chuvas copiosas nestes ultimu-
dias, as quaes vicram reanimar os agricultoro
abatidos, augurando-lhes urna Clbeita favoravel
t As noticias de invern em alguns pontos d->
serlo sao plmente satisfatorias, e, sendo pre-
sumpeo dos experientes quo oslas chuvas lem
sido geraes por todo centro, Icremas dentro em
pouco um melhor aspecto para os gneros de pri-
meira necessaJe, que eslao hoje por probos ex
horbi tantea.
c O que me fez acreditar nesta verso, c o re-
gresso a seus lares do muita gente que se tcha-
va de Titeada pelas comarcas mais prximas des-
ta capital, signal evidente da cxlensao das chovas
aos logares mais longinquos o afastados e da
conQanca do povo nos favores da Providencia.
c A nossa salubridade tem perorado algum
tanto com a estrada do invern, pois alera das
onfermidades inherente estacao, tem apparecido
alguns casos de varila c de febres perniciosas,
que muito tem dado que fazer aos nossos escula-
pios e pharmaceuticos, solirilos sempre a corre
em auxilio dos quo suirem, para bem de sua el:
nica e extraco das drogas.
E bom quando o pulir enfermo vence a-
iioles;i.i escapa da cura, deixando as tinha-
daquelle humanitarios pingue rcuibuco dos seus
scrvic/is, pois o peior do ludo scffer, gastar e
por lira recrber o subrenitc da eterna viagem.
Foi ja publicado o resultado final da eleica<>
para um deputado camera temporaria pelo I
districlo desta provincia, correudo o escrutinio.
segundo as ininhas prt vises, isto unanioiente
em favor do Exm. S. conselheiro Diogo Velbo
Cavalcanti de Alboqn.irque, o qual nao perdeu
um s voto dos elswrot que comparoeeram dos
differentes collegios do districlo, como ver da m-
guiole synopse : .
Capit.il, 62 voios, Alagoa-Nova 20, Mamangua
pe 52, Independencia 4.4, Areia 45, Pedras ss- Fa-
go 10, loga 61 e Oananeiras II
Resultado de lodos os cptlogioH, fallando os
do Pilar eliuit:
Consolheiro Diogo Velbo Cavalcanti de AILu
queriue 336 voios.
i Os conservadores do Io districtoel toral da pro-
vincia cumpiiram um dever, reconduzindo au seu
lugar na cmara electiva o dlslincto conselbeiro.
daado-lhe deste fhodo urna prova nconcossa da
couflanca que nelle depositara, da qual de erto
era merecedor p^r sua dedlcaeo ao portiJo o
amor do paiz.
c Os meus parabens. pnitanto. a S. Exc. po-
la juslica feita ao sen mrito, ilustraco c ser-
vicos.
t Teve logar c-:> da 19 do Correr to, nos sal
da asembla provincial, e nao nos Ja Cassina Pa
rahybano como Ihe dis-c, o liao do despedida of-
ferecido ao Exm. Sr. Dr. Silvino EI"idio Carneiro
da Cunha. c sua Ilustre familia, em sigeal ft.
aprego c consideracao quo Ihe vetan seus innu
meros amigos, por suas eminentes qnalidades
vica3 o moraes, rao libremente cxTcidas.
Comparec osla festa, mrootisamente o
corrida por tu lo quanto de melhor oncerra A
cidade e seus arredores, nndo o bol!) sexo u
lava suas galas com o explenflor e leafjania'da<
formlas parahybnas.
t i>s saldes, oseada, e prtico csluvam brilhjir-
jnenle illmpinados c decorados, geajt) as faninlas
reeebidas com girndolas, e a|Mln da muslc i
marciaL
. O'Eni. Sr. Dr. SI vino ElvftHi Cartoiro da
Cunha o sua iUustre fmtlra, forani itrbdo'xMov
do salo por ama commisso especial, sendo ah
*1


i
t
lOdO:
<
l
I
ia #ua di
tjv
so
tac
hea de seusamigos e correligionarios
Di\ Silvio* esta1
blralani-a, e retiou-so
d'sjfc iiatofest#ao la
Ksc. e do sua Musir familia, a bordo do vapor
J'uruli'jlxi, cow desliao ao Rio i: ando do Noite,
onde-vii tomar conla 9a adminlslracao que tao
acertadamente Ihe foi confiada pelo "goverao rm-
fterial.
O embarque do Exm. S^ Dr. SMviao, apaur
da chava que caliia, foi extraordinariamente con-
currido de scnhoras o cavaiheiros, indo grande
l>arte at bordo do vapor, para recebaran de S.
Bxc. o ultimo abraco.
E' escusadodizi-r que o Rvm. Sr. Or.. Venancio
Lisboa, actual presdanle da provincia e intimo
apreciador do carcter de S. Esc. nao. falou de-i
abrillianiar com sua presenta nenhuiia deslas
ovaees, contribuindo de sua parte com lodo \/Qa-
sivel para quo ..ellas livessem .maior realce.
Faco sinceros votos pea boa vagem de S.
Exc. e de ana illnslre ramilii, o eoogratiilo-nie
com o pevo Rio-Grandi-nse, pt!a encllente esco-
Ihaque fez o monarclia de lio lustrado cavalhei-
ro para presidir seus destn>.-.
A noss assembla provtucral cantnria plci-
damente eui seus Uvdialhus, Siuciaado pjojedos
do utihdatlo publica e disculindo assainploe do
mximo interesse. rfara ( eirgrandecmento da pro-
vine a.
i N'kto ella afficaznenla auxiliada pela aclnil
adrnmistracco que nutre serios desojos do ligar
lea norae importante* mcllvtrmenlo*, que par-
reluca aeu uurae na memoria desle bum pwvo.
A tranquillidadc publica permapcee inaltera-
vel, o assim se maiifr mo grado os desejos de
rea rinsd situaba o que desojen) pescar aguas
tirvas.
I.TKKIA.Aque se acha venda a 441 i
tieneticio da matriz d'Agua Frea, a qtial corre
PASSAGEMoS. Vindos de Hamanguape no
vaoor braseiro Mmtlf :
Ha.nool de Saltos, Jv L. Couto, Americo Y. S.,
PedroG. de Araujo, M. J. de Araujo, Jeionymo
i. S., Flix 11. de L.,'Joaquim G. Corles, Macuelmo
F. daTrindade, Luiz J. H. Falco, Joaquim T. da
Silva Mello. AvelinoT. de Olivoira.siia sobrinlia c
'. criadas, M. J. do Araujo. Antonio J.da-G. Maia.
o I creado, Joaquim P. Moirolle", Joao Baptista
de Aguiar, Co-mo caceara do l)r. Elias F. do A.
.s le dou Pa, Snhor do Co e da terri,
aos sabios e enten-
icninc. |
isso, informa- nos
fies e commurdioej
quo s no da da
a mesa foi oeeaua-
laatonho
Casamentosd aman
.iaiigcs rancorosql e
m4 d* Pr*Ce#t%;;_
duina, furain (rucios cuotidianos (Ja oussao, para
K, "*,q*al, aMat-nn* confcasar, luuvavelatenle coope-
dia segnfnte reallsou-se o mfibarfffte n&9S fafam oTrvl. vgario do lugar Jos"Arp'xandre Go-
mes da' Mello, e alguna oulros sacerdotes das im-
Ibttdcptfcaogracamoilos le
luitaaiesj iifrinas a>rra-
lo ea. anejo da ualavr i
revor uireouououin ains un.mii ,oiu--j>"w
hLiheml da Wart >uojicado najeapilal a niosma
irovineiu asotn a uieugr inlluencia dos jeiutfatie
MOVIMlJrK)DA AL^ANDECX
folumes enlra*Taara fazendaa OS
dem dem, eaa* gneros 2
'olnrae* sabidos eom fczepda
fafem dem coto gevaro* ^Si
563
ES.
e A., Jo> P. de Castro Pin:'- II. de S. Lobo, F.
Pires Carneiro, Augusto J. de Garvalho, c 1 crea
do, Dr. Joan l). Fernandos, Maiioel R. Bara.'ho
o J. Jos Soares.
No vapor inyl z /.( Piala veram es se-
gninl
Tbomnz N. sua senliora e 3 lilhos, Henry Pilcher,
e sua aenbora, Mara Crichetl e i oreada. Joa1
Una Clark, Tbomaz Porstor, Boberio DagBsK|
ifcnrj B., Thomaz C. Malheus Walker, Genoveva
Cao llda .las H iros, Btwiud Jos oa Foaceca, Albi-
uo J. il Cruz. J. de Azqv'Jo Maia e sua sennojea,
Juan Als'fiia, J :u .Mirtina do Puo, Josj Bodriguos
i ard paire Jas Hara Gomos ila Silva, lon-
ero, Doiainfjs Pal^rmo di Ginseppe, pa-
dre J -.' L >pas de Aunado, Antonio Pereira Ba-
i;io;. Siraae Soros, pidre T.iomaz Soares.
CKMITEH10 PIJMC;UlMtuwio d) dia 3i de
marco le 1870.
Ctirisihnj IwTavarcs, Portugal, il sanos, ca-
sado, Sanio Ant-mi i : intent".
Joaquim Mauricio w.ui lorl-y, Pornainbu.'O, 8
auq -. IJoa visr. c lagOfle corebral.
,; -oinui-cila Mara, Pornambuco, Boa-vista ;
i -, i li pwmataro.
ftarl), Afroa, W ana, oltairo, B>avis'.a ho-
pat--intoiiU!.
Maii.i Fmoobca AnUaia da Cmcocao, Per-
nanooco, 03 amos, viav.i, Boa vista : hydro-
pesa.
al i ,lb r.istro, Peraimaoco, 2o aimos, sol-
. Bacife ; paeumoni.i ajut.i.
Francisco Xavier Coelbo, Poroambtico, i>G an-
aos, viuvo, S. Jos : gaslro bepatiu?.
'Iirii, P.r.iamliLic.v 7 das,fioa-Tfsta : epas-
l)!P.
Mara Joaquina da C acoiojfo, l'ornarubui-.o, 70
rumos, solteira, Boa-visla ; intente ebroaea.
Andr Jos Manael de Sant'Anna, Pernambuco,
::'i anojs, soltoro, Baa-visl ; mborculoi pulmo-
nares.
Joaquim Francisco Mrrellcs, Pernambuco, 10
innos, sjkeiro. Recito ; bepatilo.
Receinnasiido Jo3, Perr.a.n'iuc, t das, Santo
!; convul-o.'-.
2-"i r-
Albiao Antonio do Valle, 2:! ana*, solteiM
i Antonio ; mberajibs pulmonares.
air.iai, Pernambuco, a "annos, Santo Antonio ;
v.ies.
;-, Penambneo, n dias, Baa-visU ; espasmo.
Joaotaia,l, rasmo.
V'aereza Mara di G.ncoielo, Pernambuco, |lh
anuos, solteira. S. J is : pi'.ysica pulmonar.
Emilio, Pernambuc... 1 aaoo, Boa- vista; once-
i,to.
rtanoel, PofnmbBW, 12 dia-. Reme ; espasmo,
Ermelld, araaolb ico, B das, Santo Antonio ;
-MO.
,iia, Pernambuco, 2 dias, B.a-vista; espasmo-
Maaoel, Pernambnco, 8 das. S. Jos ; espasmo.
tuediates.
E liara que nao pareca qnc dosie n uso humilde
eserlpto ressumbra a lisonja, sejn-'nos licito traos-
crever o trecho deum artigo do.concituado jornal
O
pro\
casar* e des l>ciito$.
Ei-lo;
Le smhmemJ vtbtteuM e&t
*< coMolaut, que cus- eiu hieur
fait u riel, que de le poss-
ikr.
Orntuii:ipio do Ceor-mirtai acaba dopresun-
aiar um faci notavol: a vi^ia do pdre misio-
nafio Th'omzVitile. A sua missfw foi urna fortuufl.
para esta rica e populosa fregoezia;*por'qe oom as
\ierdade# clwistes, -penetreu proftmdaiwuite o es-
pirito e o coru;a.do pov^o, e, por mt'io da ius-
truc?ao moral 'e religiosa, pre.-tou.o rrmoso mis-
ionario servicos de um valor Imraens e de urna
vaulagem irascendente.
. O Cear-miiim eiuda nao linha Uvlemunliado
una rcupjio tau aoimaiU a di tanta relgiosdade !
Os casamenlos, os'baptisaaientos, as conlissoos, as
Faonelliaroes, os pordoes pblicos e o immenso
material que eel preparado pa/a a coostruccao^da
matriz, sao em verdade urna prova cabal, um do-
cumento irrecusavel do que acabamos do ennun-
ciar.
e Nao foi com o rigor que o missionano tud.
Tbomaz Vtale couseguio tantos e tao agradaveis
servias a igreja, nao : foi com a palavra quo to-
ca, com o exemplo que move, eom os sacrificios
maia arduos... -
* Fazor a resenha dos fados que se deain no
correr da missao islo um tr.ibjllio superior a
ooasa intelligencia ; alm de ync. tudo qne aceres -
centa>semos, seria por sem duvda inferior a tao
sublimes servlnos.
c Na cadfir sagrada o fra della os consejos
do lustrado missionario foram seopre recobidos
com a mais privilegiada obediencia, as suas ordens
respeil..-ament cumpndas e seus resultados rc-
conherdiis de urna proficmdade transcendenle.
t Os 19 das de missao, kiram 19 das magosto
sus e de um regosijo consumraado!...
t Saudosos rogamos a) Ento Supremo conceda
ao sagrado visitante ventos prsperos o que o fa^a
soltar brevemente a este torran, onde presin tan-
los o lio as-igualados servir,. >i o onde, soja dito de
passagero, deixa sinceras dedicajoes. .
t So fallamos das viftudes e servias do missio-
nario Tbomaz Vitalo nao podemos deixar em olvi-
do o comportamento do vigaro da freguezia Jos
Alexandre Gomes de Mello.
t Todos saben) que o RvJ. vigano chegando
uesta villa, foi o son primeiro euidaJo promorer os
meios de I :var a elTeito a niporlante obra da ma-
triz respectiva, de son que quando o Ilustrado
missionario padre Vtale aqu chegou j oxistia
milito material o taDrez para mais de f:00 em
cofroj sondo islo oovidos c unieameute a sollici-
tude do mesmo gario.
t O v^gario da freguezia de Toiiros, .Vmaro Jos
deCarvalho.que aipii estove assstindo o acto da mis-
sao, presin servQQ, que muito o recommen-
duni.
[mportanies servicos presiaram tambem o no-
oocianM >ao Victorino Ferreira .Nobre c capilau
.1 rse Ven inri*).
Co.u-imrim, tS de fovorciro de 1870.- O Oo-
sevpiJ) .
BU como da mi-sao do Cear uiirim falla um
jornal fn^nspeilo
O Hvd. missionario, lendo no seu regresso ds
demorar ae p -ucos das na capitana espora de ayor
anda aili pregan aos naulenaep, deixando-os ali-
nal chelos da admraco e sympathia.
Recife, 21 -le mato de 1S7.
Jos.'- Honorio U. de Meneze.i.
DaFaaraegam baja 28 demarco
jlezJuveu'amarcado
^J^/inaeacrqare
lian eraSolide dem.
lfgue inplez/V/jrdem.
Hiale americano jfor/aiif Trihue dem.
Lugar ingiez.C'i/*". '-farioha (!> trigo.
fffiife'^ii /'. un-tema.
Barca |rluguezaS. Utoftielmercadonas.
Polaca hespaaiula Ufbeitu cbaroiie.
Barca ameriArratemp'ar^farinha de trigo.
ina-aatrjiv'o
Vapor briutie&o manmiii 'ti giwfK, manifettou:
810 ecos algodao ; a Marques, Sarros C.
Vapor brglthv ipoifmx, vino aa rnja e
poflt inlernmlioi, mttwfestn :
1MI saeeas algodSo ; a Saunders Brolhrs & C.
9i ditas dito; a L. A. Sequera.
16 .Hias dito ; a Jos Lopes Davin.
22 ditas dito; a Fonseca & Saatos.
15 dita, dito 122 meios de sola; a Lniz Gon-
f/alves da 8ila i Pinto.
1-fiy ditos de dita, 10 sancas algodo; a Moraes
* frirfio.
12 dilas dito, 220 meios de sola ; a S Leitao &
Irmaos.
200 ditos de dita, 2 saccas algodao ; a Reman-
dos A lrmi.
I" molaos este iras, 20.ditas courinhos, 9 sac-
eos carnauba, 13 meios de sola; a Autonio Fran-
cisco Manitis.de Miranda.
1 garajo peixe, 10 barricas e 8 saeqos carnau-
ba ; a ordem.
AtCEBEDORU DE RENDAS INTERNAS GE-
RAES DE PERNAMBUCO.
lendimento de da i a 24. 7l:0J2ol2
dem do dia 26....... *:535#G2J
;iuiiicipal Aia
cidada, st dff^a a|s ro*ieitrios de estbee-
cimenros^deci porta abefta, Hijatos ao pagarngoto
do Jrapnsu) munictnal, >uo do mez de marro pr-
jimo vindouro, principi* a arrucadatjao a bocea
do cofre do mesmo imposto
Ontadoria da cmara municipal 6o R*cJfe, J28
de forero, aa do 1870.
.. O eoniada,
Hypolilo Casaiana de Vascontelioi A. Jfaranbao.
faz
Pala reeetaedona de rendas mieraas se
publica que ne.-ie crtente met o no de. ateil
prximo futuro, iue os ger/rbusles do ireposlD
sobre industrias e profisoes teem de paga-h>, li-
vre de mulla, e que Mo o referido praso sera
cobrado com n multa da *0j0.
ReceUjdori de J^eruaoibuc^ 3 de marco de
1870.
O administrador,
Mano*)-Carneiro de Sc.uzri Lacerda,
7t:557*13o
PBCACOES A PEDIDO.
D. bbade do mosteiro de S. Bento roga
.: ro-.'.ciiavol publico, se digne .suspendor o seu
jum arespeito de am artigo infmente publicado
ho Diario de M do corrate eonira o seu mos
teiro : emquanlo se publica a competente resposta.
-teico de S. Bento de Oiuda 20 do margo de
Fr. Eugenio de Santa Escolstica.
D. abbade.
,1 uissao lollvd. padreThoJiaz
\ lalc. jesuKa: no C'car-ini-
a'im.
Pjcus est senno Del, el efli-
r.ir el penetratiilior oumt gladio
aiitipiti- ilebr. 412.
A palavra de Deus viva
e efflcaz, e mais penetrante (pie
il'.ialquor.espada do djus gomes,
-tes lempos que correos tao calamitosos para
p >sa de Cliristo ; qu;.ndo aqu o allios pseu-
ds catho'.icos (verdadeins flrtfi-cft''fo) lenlara
Kriuar a santa rcligiao do Grucilioado, procu
i aecommoda-b as suas paisoes ei clculos
lanos; qaaudo zombam dos verdadeiros cren-
-, com o intitularen! se de batfs calholicos para
r a torera c ao vgario de Clirisfo : grato ao
To do discpulo da cruz regislrr tactos como
lo acaba de ler lugar em Cear-mirim, pro-
i a do Rio Grande do Norte.
Vejam os loitores com no Cear-mirim fructifi-
iculo por um a seiuoute da palavra divina, e
irem como aquelles'nossos irmSos souberam
. reveilara merco que Deus Ihes fez do enviar-
u digno uiiSionano jesuila Tiomaz Vtale para
. convidar persistencia. Vejam anda os leiio-
;n.parciaes, que fruCtas tao abundantes sao
i da graca de Deus, que nunca cncorre a
lar o fanatismo e o erro.
Pessca fidedigna que l se aehra, asaegnra-nos
i n iionsa foi a concurrencia, principalmente
ultimo* dias da missao.
l'm permetro de 122,000 palmes quadrado es-
- (itteralro-nte chote de povo, de modo que,
! |utro palmos para cada pessoa, teremos nm
>f ionio superior a 30JJO01
.i '. iutageutu ajuntou-sc por mera curww-
a inaiorparte estava possufaa do um
riti) fervoroso d.
Na feriado, no nuaaero de tao creserfo andite-
;iaiu-sc familias inieiras. quebaviam Uanspos-
. ni urna distancia do 20, 30, 40 e al 50 le-
- onBaqMit
C para aaaJna tantea sacrificios t Par omkr:.
M li- um escndalo a luz do sal e as barbas da
polica, quo iiidifferente faz firmar a convici;ao do
que a segnranca de vida so lem garanta no es-
torco individual das vctimas!
E o (:.s;o tal qual so passou :
Um nogiicianlo desta capital de volta da estaeao
da estrada de S. Francisco, foi as cinco huras da
lardji de dia 22 do corrente na ra das Cinco Pon
las, atacad per dous sicarios, que armados de
cacetes c ficas sealiram victima e lhe fiioiom
virios femouios, o qual inerme o sem espi rar
lei'iasocombido, se porvenfura nao interviesse un
iro, nne o auxiliando f z desparecer os ag
gressoios qi-e talvez Jalgassem a viclima morta,
ou quasi, pelo que fcilmente esem opposcao rc-
tiraram-sc, nao obstante assisMr ai facto um ins-
pector ds quarteirao e militas oulras pessoas !
E' mcrivol que nesta capital, naquella ra e ho-
ra em (uesedeuo fajto, uno l.ouvesse um sigual
da aatoridade publica para, j nao diremos evitar,
mas ao menos para punir estes bracos bomecidas,
3o todos os dias protestan) contra a nossa falla-
a civi!isr,cao o decantada nioraldaJo de aatori-
dade que parece dormitar !
Eotretanto, esperamos, que o digno subdelegado
do S. Jos nao se esqueca de tomar as providen-
cias legaes e pesquisar quaes os agentes de tao
brbaro o audaz altentado.
A dijfferen da e a morte.
Esta 6 a istincco entre a salsaparrilba deBrs-
tol, e tedos os medicamentos mecuriaes ; estes en-
venenan o sangue, aquelle o purifica e vigorisa:
Quando as seraentos da morte se teem introduzdjj
as veas com o uso das beberagens mmeraes, na-
da pode deter a marcha da victima at quasi as
bordas da sepultura, nao ser este antidoto con-
tra esses veneuos.
O mesmo acontece quando o virus de urna mo-
lestia naturaL traballiando no systema venoso, se
desenvolve debaixo da forma de ulceras escrophu-
losas, cancros, tumores, carbunclos, inflammacoes
brancas, abscessos, eruptoos e todas as demais
terriveis enfermidades externas; pois, este grande
remedio opera crnicamente sobre o sangue vicia-
do e sobre os mais Huidos animaes, tranrforroan-
CON4ULADO PBOVIN'CAl
.'.endimeatododla 1 a ti.....103:120*840
Idtm do dia 80...... 8.053J*M
108:180*017
PRA(;V DO RECIFE
E.M 20 DE M.UlljO DE 1870, AS 3 IlOltAS D.V TARDE.
HGil'IWTA HKM\ %i.41..
Cambios.Saccou-se sobre Londres de 20 1/2 a
20 3/4 d. por l ; sobre Pars a 459 rs. por Ir.; e
sobre Lisboa a 133 por cenlo da premio, sendo o
valor dos saque* ellectuados nesla semana de
l'OOO
AcaocM) pilado da India vendeu-se de 3300
a is a arroba.
AzEfTE-DpcB.Ycndcu-se o de Lisboa a 3J900
por galo.
BaCALBO.P.etalhou-se de 22 > a 23# a barrica.
AMiA 05 I'okco.Veolou se de 000 a 020 rs.
par libra.
Batata--. Vondoram-se a 2* a libra.
B'iEAciu.MiAS.Ilegulou a i a bai'riquiulia.
C\i.Vendeu--e do 5*300 a 7* a arroba.
Cha,dem de 2J2W a 2i',(O0 a libra.
Ceuteja.Idom de OOOO a 8*300 a duzia de
garrafas ou iKitiias.
Ki:iiosk.ni:.-Veudcu-se a 770O a lata de cinca
gales.
Loia;.v.A ingleza vendeu-so co;n 100 por can-
to de premio sobre a factura.
Mamtkioa.A ingleza ven lou-se do 1*130 a
I StO a libra o a francesa a S20 rs.
.Massas.Venderam-se a 7*500 a caixa._
Oleo de limiaqa.dem a 2*400 por galao.
Passas.-dem a 12* a caix.i.
Ptfasu.NTos.dem a 18* por arroba.
Quedos.Os flamengos venderam-sc de 2 800
a 2*800 cada um.
Sabao O ingle regulou a-170 rs. por libra.
Toucinho. Veudeu-se o de Lisboa a 12*000
por arroba.
Vi.nacre.O de Portugal vendeu-se a 1303 a
pipa,
Vimios___Os de Portugal venderam-se de 220-
a 230* e os de oulros paizos de 203^, a 210* a
pipa.
Velas. As de comnosioao uegociaram-se a
040 rs. por maco de 0 em libra.

Sania casa da misericordia do.
Rae i fe.
Ptla secretaria dasanta casa de msencordSardo
Recife, de nrddni da lllma. junta admimslraHl
sao convidados as parames das e ucandas do col-
k-gio das orpbJai eia seguida declaradas, para
que venliam r-squoror a sua retirad* damielfe ee-
laiicleciiiiemo, visio que ja lendo mais de 21 au
nos de dade, dewem trr o desao recominendado
pelo artigo 48 & 3' e 4* do respectivo regola-
ment :
1 Mara da Conceicao Azevedo.
2 Anna tlezerra Cavalcauli.
3 Amelia Joaquina de Oveira.
i Emilia de Mello.
5 CordoJlna de Castro Crne.
0 Sophia Mara da Cuujoioao. .rj
7 Fraocelna lUtdrigues da Conceicao.
Secretaria da santa casa de misericordia do Re-
cife 12 de marco de 1870.
JO escrivao,
Ped/o Boilrigues de. Souza.
Forto porIisT)oa,
Com mn fio-pou4 (tentara de ver seguir vagem
i alen poraagaea ifioa, 4 d cteasfficad a priirwifa eiaaa* : para alguma
carga que lhe bata, e paesagetroa, aosquMa offe-
reee magnficos 00^101^0, trata-ie com Soares
Primo, rda do^Vigaron. 9.
Porto e Lisboa
l^ai ahir aj o-fin? do eerramamea de marco a
rea mor de S. fUmaof reaobo carga e passagi-
Hmi o que traa
arvatho A Nbjjueira, i
Ie fi>m os eonsign.*>laTios
rao do/pe'I' n. 20.
Santa Gasa de Misericordia
do Recite.
-ila eir vista.
A lllma. junta adminietrativa da santa casa de
misericordia do Reeilo 110 intuio de alargar _o
circulo das pessoas quo conrorrem a arremala^ao
do fornecime'nio de gneros que teem de consu-
mir os aatabalBcimaBtoi pos seu cargo nos me-
zes ili^ abiil a jimba manda fur publico que o
mesno fornecimonto 1 da quantia de irinla contos
e ta .s mil annualniento, c que pajo monsal-
mente com diuheiro vista.
Recebo portanto a mesma mita propostas para
0 fbrnecmonto indicado na sal de as slssocs,
leas : nonas da larde da "I de marco cor-
rente.
Asfiicar relnado, kilogramiiio.
Oito 21 sorte dem.
Dito de torran. dem.
Alelria. tem.
Arr.v, do Maranlii-1, dem.
Azeite doro, litro.
ajtaatWtc, Jem.
A2eU' de carrapato, dem.
Bacalho, kilograuuio.
Batatas, iilein.
Cb verde, ii!oin.
Cha prclo, i tem.
Cha bysson, dem.
I', lila'-, ooot'.
Carne secca, k'logramiH'.
Farinha de mandioca, litro.
Fuii 1 do Rio. kilogfoiimfi.
Foja mulaiinho, lita*.
Farello, sacco.
Maul iga IVaii>:oz:i, Lik.giair.mu.
PeX" freseo, dtm.
Sabao idem.
Sal, litro.
Velas ,Jo carnauba, kilogram 1.
Pitas stealinas, idom.
Vinagre, litro.
'.Haho tinto de Lisboa, idem.
Dito brunco, dem.
Toociuho, kitogrammo.
Os concurrentes apre eatataosuas piopestas em
1 cari fechadas, as quaes deverao ur a otdom ea-
Fp.ETEs.-Carregando em nos.-o porto para o do I tabaleclda Wila>eato>n*iincio.
;,.........,i i/a 5/ifi n,,r iihrn iiWUii ni I Secretaria da Sania Casa do Misericordia uo iw
CmifANHIA PCRNAMbUCANA
DS
Navegagdo cosietrapor vapor
Maceio, escates e Perredo.
OTapor Giqt, commandaate Costa, segui-
r para os portos cima no dia SI do corrente
as toras da tarde. Recebe carga al o dia 30
encommendas, passagaigeros e diolieiro a frett
ate" as 2 horas da tarde do dia da salida, no es-
criptorio do Forje do Mallos n. 1*.
COMPANHIA PEKNAMBeAfM
DR
5Nrregfio eostelra pr vapor
Parahyba. Natal, Maco, Mossor, Ara-
cay, Cear, Maodah, Acarac e
Granja.
6 v:i(ior Ipojuc/i, coavaaadanlt
Monra, seguir para oa porto?
aeima no dia 31 do corrente- ae 8 hora-
la tarde! Recebe carga at o da 30,. encom-
mendaa, e passageiros e dinheiro a frete at a-
2 horas da tarde do dia da sahida no escripto-
ro do Furte do MaiWM n. ti.
CO.MPANHIA PEKNAuMBfcANA
DE
%'avcsafSo eosleira por vapor.
Porto de Oallihas, Rio Formoso e
Tamandnr.
O.TaporPara/tj/oa, segoir para os portos aei
ma no da 31 do corrento meia note. Reccbt
carga, encommendas, passageiro9 e dinheiro a fre
te^ao escriptorio do Forte do Matt -s n. II.
Para o Porto.
Balenle sabir a barca portugueza Flix, e fal-
tando-lhe alguma carga controla-se o restante
para fechar, eom os consignatarios Thomaz de
Aqufno Fouseca & C, ra do Vgario n. 19, pri-
meiro andar.________________________
COMPANHIA PEKNAMUUCANA
DE
.\avegaeo costelra por rapor.
Mamanguape.
O vapor Cvruripr, commandanle
Julio, seguir para o porto ac mano
dia 28 do corrente as 0 horas da
tarde. Recebe carga, encommendas, passagei-
r se dinheiro a frete at 3 horas da tarde
do d a da sabida : escriptorio 00 Forie do Hatos
n. 12.
iTlm. Sr. Tr."Ja 1 d. direi o a prlrJIffl'tlra cri-
minat sntftatetJ*|da wmBWflo deti cMad.
e a H|keMa tradore da massav
fcOMVd' daell Jftfty, do
fcfija aertoieentos aeata*;na ea os ie*oi-
2(5" parles do sobrado da. resideadia 4- estobeh-
menlo do fallido na Di re ta d.*M
Um iihi em Vetoeok ma a b ira da estrad
pasjaudo a pout'. bem plantado de coqueiros
naso, rom rreir.is e em taaeo araeaa.
Um terreno no metano lugar rom A cata*bas per
acabar, be plantado de coqueiros e com vi
veiro.
Onlro tern no ao mesmo lugar sem benflcio coe
treme paro ar estrada e no fundo a estrada oV
ferro ao 5. Praarisro. Iwahia .t
l'ma casa do taipa na povoacao dw Baalea. em
bt-Ha localidade e com estabeledm ?ato coua-
meTcial.
Vam dta rom fret9 de tiolo ra ti Geocei-
eo da meama povoaco.
Onlro terreno00 uitsmo lugar,
lima mobitia de Jacaranda constante de 12 ca-
deifae, t de braco. f sofS, t eobsol'* e aro
mesa de meio de sala com pedral, e umespe-
Iho meWura doorada.
Um piano.de caixa do Jacaranda-, 1 mes para
jantar e 6 cadeiras de amarello asadas, etrea*
de cosinha
Jerca-leira 29 db corrente
u 11 horas da'mauhaa ser eiroctaado o leitao
dos heos supra relacionados, na indicada casa, a
raa liireita n. 45, Io andar_______________
IiuporlaiiIrssinttO) leto de por-
celanas ecry5taPSlo B carat.
Quartaefeira 30 de raaico.
O geme Pinto ara lolo mr conla e ordem dos
Srs. A. Millet Filho & C, du Iflo do Janeiro, de
lodos os artigos exieientes no seu grande eftabe-
lecmenlo na roa d Imperatriz 11. 47, l andar,
que compreliendo o inaior sortimentO'qae se pode
imaginar de riquissimis porcelanas e ery.-laes da
afamado fabrica ule bcaral, como saja apparrih*
completos para jantar, dims para cIm c ca#, em
cr>siaes ha o mais rica e variado sorliinenro qne
se lem visto nesta nidada, o qual cora mu Mos ou-
lros obectos de Inxo e o menos apurado g"to
SfFio expostos no dia d* leilai ao respeiravol pi-
blico.
O annuaciante chama a attenQo dt todas as
pessoas do h-Hii gesto para qm- aprovorfc?m o-en-
sejo qoe se llu-s oOeteec nara se provoraio >
oiultDs artigo* necessarios pois ipie sendo este
importante leilao flo para liquidar a casa aqoi
eslabelociil > lia pouets mexes, scro os ebjeeto
vendidos muito em,conla.
Principiar as 10 luras em ponto por ser
mirlos os lotes.
AVISOS DIVERSOS.
Liverpool 3/8 a 7/10 por libra do algodao, sem
capa; pelo assucar 17/0 por libra sem capa; e
para o Canal 22/0 %
ciic 20 do marn de 1870.
O escrivao,
fVdne Re. Iriguet de Souza.
do-o qnasi milsgrosamente era correnWs pnras e
nutritiva*, levando a saiide e o vigor todos os
orgos p. r onde crcalam.
Aen-se a venda em todas as partes do mundo,
em todas as principae3 boticas c lujas de drogas.
COMMERCIO.
P8ACA DO RECIPE 20 DE MARCO
DE 1870.
AS 3 1/2 HORAS DA T.UtDK
Algodc 1* sorte906 rs. por kil.
iambio sobre I,oudree-0 djv. 20 3(i e 20 1|2
por 11000 do banco.
Cambio sobre Pars 90 d|v. 400 rs. por franco
Cambio sobre Hamburgo 90 d|v. 870 rs. M. B.,
Cambie sobre Portugal 3 \v. 162 0|0 de
pramio.
Saque sobre a Bahia-15 d[v. 1 3)4 0|0
onallo Jos Atfenso,

Presidente.
Mesquita Jnior,
Secretario.
Manta entrado no dia 2o".
Buenos Ayres 41 dias, birca ingle/.i Ja-
mes Primrose, de-57 i toneladas, capitao
D. .Me. Roy, equipagem 0, em lastro;
ui ilem. Seguio para West Indios.
Observao.
Fundeou no lamara no dia 5 as 8
lioras da noite o vapor inglez Ticho Ifrahe,
commandante E. M. Peel, vinjo da Baha,
cora i dias, do 18 i8 toneladas, equipagem
47, carga alguns gneros ; ;i Saunders Brc-
thers d C, e seguio para Liverpool s II
da noite.
Nao liouve saliidas.
Navios entrados no dia 21.
Suuthampton e portos iuterroadios 17
dias, vapor inglez L't Pkto, de 1757
toneladas, commandante A. Ho'e, oquipa-
. gem 12G, carga fazendas e oulros gne-
ros; Adamson Howie A- C.
Buenos Ayres 4 dias, barca ingleza Pa-
lestina, de 318 toneladas, capitSo B. M.
Cullock, equipagem 11, em lastro ; a
ordem. Seguio para Westhidies.
Babia 11 dias, barca ingloza Emrna Muir,
de 375 toneladas, capitSo John B. Cros -
by, equipagem II, em lastro : Stmpson
liader A G.
Bio de Janeiro15 dia3, polaca hespanhola
Sorprcza, de 315 toneladas, capito Jos
Fonianills, equipagem 12, ea lastro ;
gprdem.
Aracaj e portos enterraedios 5 dias, va-
por braseiro Jequi, de 228 toneladas,
commandanle T. M. da Costa, equipa-
gem 23, carga couros e algolo : com-
panhia Pernambucana.
Montevideo 30 dias, patacho hespanhol
S'jpho, de 140 tonelad.s, capitn Pedro
Arimon, equip gera 12,arga 4000 quin-
taes hpspanhes de carne ; orckern.
Navios sahids no monodia.
PortoBarca portugueza S. -Mauoel II.,
capit5o Joaquim Antonio dos Santos, car-
ga assucar c algodao.
Bio da PrataBrigue braseiro Infeliz, ca-
pitlo Antonio I. dos Santos Pereira, car-
ga assucar.
Bio de JaneiroBfigHe portugnez Colote,
capitao Jos I, da Costa, carga assucar
e outros gneros.
Observacii).
Apparecem leste 3 embarcagoes.
SANIA C\SA 1>A MISKrtlCBDIA DO
BJSClFE.
A Iilm.a. junta administrativa la Santa Casa de
Kuericordia i> Becfo manda Caaer publico que
na ala do suas sessdes, no da :il de marco, pelas
i boras da larde, t ni de sor arrematadas a quem
rarrtagens oferecer, pelo tempode um a tres
annos, as rendas dos predios em seguida declara-
'iOS : ESTAELECIMF.MTO BE CARDADE.
llua da Alegra.
Casa terrea 11. 7, porQnno. ... 3bO,JOO
Ra do Malbias Ferreira Olmda)
Casa leiioa 11. 14.
lina da Gloria.
Casa terrea n. 2o. 8
llua di \na.-.i3.
Casa torrea n. 7.
Ra do Padre Fioriano.
Casa terrea n, id......
dem idem u, O.
Ra de Moras.
[/a do socradon. 41 -_
1 PATR1MGMO DOS RPUAOS.
llua do Vigano.
Primeiro andar Jo sobrado n. 27 .
Ra do Kangel.
Ra do Pilar.
Casa terrea 11. 102-t.
Ra da Lapa.
Casa terrea n. 2.....
Casa terrea n.oS. JJ
SiUo n. o noForuo da Cal. O .
Os preleudentes doverao apresentar uo acto da
arrematacao das suas liam.-'.s ou comparecerem
acompanliados dos respectivos fiadores
Secralaria da Santa Casa da Misericordia do Re-
cife, 20 de marco de 1870.
O escrivao,
Pedro Rodrigues de Sauza,
Santa cas^ da^isericordia
905000
190TO00
1U2300O
171ri000
-JT.oOOO
1213000
2i0S000
W&ftm)
2104000
1)604000
loOOOO
Para o Jtorto por Lisboa
seguir cm poneos das a barca portugueza Jvurn
sipnpathia, de l1 c.'asse e marcha, por j ter
prompta a maior parte de sua carga : para o pou-
co que lhe falti c passageiros, aos qaacs offerecc
ricos e excellentes commodos. irata-se com pal
tar. Oliveira (x C, ra do Vicario n. 1, primeiro
andar._____________________________________
Para o Porto
a barca Fiar de S, Simao sahira brevmente, por-
que j tem parte da carga engajada : para o reste
e passagens, trata se com os consignatarios Car-
valu & Noguera, na ra do Abollo n. 20.______
r: le snoeiro
Espera-se a iodo o momento o brigne nacio-
nal siiel, capitao Jo&e Marques Yiauna, e segui-
r logu para o porto cima por ler a maior parle
da carga engajada, para o re-to que lhe falta tra-
ta-so con os consignatarios Antonio 4/iz de Ol
veira Azevedo & C, ra da Cunan. W.__________
MarauMo.
Segu nesles oito dias para o indicado porto o
palbabo e nicional Emilia : lem a quas totali-
dad! da carga, o para o ni:antiio numero de vo-
lumes que pode anda receber : trata-se com Joa-
quim Gerali) de Bastos, ra do Vgario n. 10,
l1 andar.________________ ___________
fflaranho.
Para o referido port sogueen poucas das o
biate Jitfsita por ter u maior parto da carga engao
jada ; e para o resto que II10 falta trata-se com
consignatario Joaquim Jos Concalves Beltrao
ra do Commorcio n. 17.______________________
coiiPAXHiA wmm
DE
Paquetes a vapor.
Dos portos do norte esperado
al o da 23 de marco o vapor
Guar, commondate o capitao-
teen te P l. Uarte,- o qual
depois da demora do coslume
seguir para os portos do sul.
Desde j recebem-se passageiros e engaja-se ?
:arga que o vapor poder conduzir, a qual deven
jer embarcada no da de suachegada. Encommen
las e dinheiro a frete at as 2 horas do da da sua
sahida. '
Nao se receben) como encommendas senao ob
lectos de pequeo valor e que nao excedam a dua.'
arrobas de peso ou 8 palmos cbicos de medicao
Tudo que passar dcstes limites dever ser embar
ado como carga.
Previne-se acs Srs. passageiros, que suas pas
iagens s se recebem na agenciil ra da Cruz
o. 57 primeiro andar, escriptorio de Antonio Luiz
do Oliveira Azevedo & C. g
Precisa-se 'e um com vr~
geOci: a ma fstreiti do R-
ivrio n. 32. tercjiroan Deciarapo.
O abaiKo assignado declaro que o contrato q:w
existe registrado no tribunal n commercio, t-
como caixeiro de Jos, Rdieiro de 111 ito e nao co-
mo soeo, ew re enteade da datlaaaaBa feta
ido mesmo tribunal, un Diario de hontem.
Reeife, 23 de marco <\f 1870.
Leoncio Rodrigaeo Coliseo.
Para

ENGLISH BANK
O Rio de yaneiro Limited
Deseo ita leUras da prac^i twa a con-
'enciaar.
Recebe clinheiro em corita cwrento ha
lraso fito.
r Sa vta oa a raso sobre as cidades
aianwda-ida eterna i ot fikui^ Bnenostifrej^tontevio, Neir
wodaios lalven leabam a*su. terqr#so Ndw-Ofloaa^ e entte cutas e crdito
hristao em cont d fanticos : mas Hles sao he; ^ra p& Hrj|e8 lttf*r*S.
, os nequennos a qMOft j^ Dq <^MMtu|0 N. 36
raaalao aqoelas1 eo*a quo oedniaa aa*aa-
do Recite
O late portuguez Sipipihia, capitao Antonio
Jos Casado, recebo carga raiuda a freto Darato
ti-ata-se com Pereira Vianna & C. ra do Vigano
n. 11.
-V-------- g
DOS
tslhos mmi
DO
ftECIFE A' OliaDA
Pur OPdeuft 69 ireiioii.i s-) cotivlados
os Srs. aocioffiatM para, 111 praso da 10 dia*
uteis, eonttdo do dia 29 do corrente, a
ttrminaa- em 8 de abril, 11 betoaron a S."
preslacSto de suas acedas a 'y.Tvi de 10 O/O.
Para esse im ser encentrado u Sr. the-
soureiro, cas II horas da manlia s 2. da
larde de todos os dias, no escriptorio da
compaohia ra N'ova n. 35 1'' andar, entra-
da pela ra das Flores 11. 14.
Recife 2 Joo Joaquim Altes,
Io secretario.
Cozinhcira
Precisase de urna cozinheira 011 crzinheiro,
para rasa de rapares solleiros ; na ra da Cadeia
do Rocife 11. 57. arma'.em.
LEILOES.
A lllma junta administrativa da santa casa de
misericordia do Recife, na sala de suas sesses,
as 3 horas da tardo do dia ol de marco continua
a receber propist is para a arrematacao da renda
do armazem reedificado ra Direi la n. 33, per-
tencente aos eslauelecimentos de caridade, sorvin-
do de base o preco de fiOO.5 aunuaes, dando-se
preferencia quelle que, alem desta, outras vanta-
gens offerecer. .
Secretara da santa casa de misericordia do
Recife 26 de marco de 1870.
O oscrivao,
Pedr< Rodrgaos de Souza._____
"Fueuldiule dedireito
De ordem do Evm. Sr. director faco publico que
terea-feira 2U do corrate) ao meio da, ter lugar
a terceir prova do concurso, consistente na pre-
Iccco oral feita pelo candidato, sobre o ponto que
houver de tirar perante a cocgregaeao, vinte e
quatro.heras antes da referida prova.
Secretaria di faculdade do direto do Recife36
demarco de 1*70.
O secretario,
Jos llonsrio H. de Menezes.
LEIIAO
EDITAES.
DE
Urna machina do photograpliia de chapa
inleira
IHOJE.
O agente Pestaa far leilao por conla e risco
de quem perteneer, de urna maquina de photo-
rapliia de cnapa inleira, o melhor que ha atien-
dendo a sua perfeicao, e ser vendida no dia se-
gunda-feira, 28 do corrente, s 11 horas da ma-
nhaa no largo do Corpo Santo junto ao caf com-
mercial.
de casa dos abaxo assgoado-, no da 2i d rente, um menino branco com 12 auto) da idade,
de nomc Joaquim, liio de Joaquim Goagalves da-
Cosa Lima, do Curato do Rua-Jardn). Os aunon-
ctentes fleanh muito grates a quem der n.)ticias
do referido menino, ra do Crespo n. S.
Andrade & Rogo._________
Precsale de una ama que tenha abundan-
te leite, acompauhe: a Iratar na ra da Imoeratnz, loja
n. ii._______________________
Dase 6004 a 500 p ir upi sitio perto da
praa que lenlia militas fru-ieiras, um b- baixa
de capim, e a casa tt.ilia 6 quarios o estribara :
na ra de Santo Aauro, taberna nova junto a ma-
chambomha.________________________
Jos Heoriqne da Silva Guimares precisa,
de urna pessoa livre ou eserava pira criado : na
ruaestreila do'Rosario n. 2, no 1* andar, utt na
Passageo antes da poiKe granle n. 40.
AVISOS MARTIMOS.
tto, seja-nosli to recordarenvverda^
Vatf'VaMlBMrtern
veb palavras de Je.-us Christo : CovMMJmt f.a*
ir, Domine cvli m -'ten-ce, qnig bfiminn A*
(. Mam do dia 26.
,W
EGA.
?79:682483o
36.1084203
#16:79U038
. Perante a cmara municipal desta dade
estarn em praga aos das 26, 28 e 30 do corren-
te para serem arreinatados por quem menor preco,
offerecer, nao s a obra do concert d* ponte dm
Maduro, oreada na quantia de 8174, como a de
um pedestaJjaa reote ds caiacvrabaa uliirjiamen-
te cunstruijaf no cemiierio publico, arcada na
(manila do 2124 : aquetles que prennderem ar-
rematar tae obras, eompare?am nw referidos
das em o paco municipal, munidos de flanea na
(urina da le. ,
Os orearneutos aoham-se- na secretaria da mes*
ma cmara,, oode.serao apreaentados aos sue qni-j
zerem consulu-los.
Paco da cmara mimlcipal do Rei* %i de mar-
co de 1870. :'
Ignac Joaquim m Souza Leao,
Pro. pueeidetite.
Ptaaeiseo da Canuto da Roaviagem,
'ftauelata).
Com panilla saMericaaa c liras!
Icira le paignete* a vapor.
Atodia 1'deafcrtTi1 csD-rado dps aortoa do
snl o vapor smerleaao &ifa^^HK, i qual do- ciaco COjerciaI
pois da demora ao coelum. seguir para |New- -
York tocando no. Para e S. Thomaz, para fre.tes e
passagens irata-se eom oa jgeataHneDry Forster
C na ma d > Cqmmaww a. 8-____________
UiraaMItf
Segu ceja brejr*djM|e,Ba?a por cima o pa-
Ibabote m VHHlA m^ <***
lhe lalu u >aataos Autanio
Loii de Oliveira Ate. rna d/ Cruz n,.i
De urna parte do eogenbo Bar-
ra, freguezia da Escada
Te rea fe' ra de marco
O agente Pinto, levar i leilao por des-
pacho do Ulm. Sr. Dr. juiz especial do
comraercio, m virtude do que requerevaro
os curadores caes da taassa fallida de Luiz
de Oliveira Lima Jonror.a parte do engenho
Dan-i frtgpeada Encada, que porieace a
giesuia massa 1 qual venda se torna, recom-
inendada ja por si laquelle engenho que
tepi esceleutes obras e pul/as vantagens
considera veis, atm.de ser proio da es-
trada de ferro, J por ser terreno de gran-
de fertilidad* : o fajlao ser efecta*) ao
o^io dia d^4a aeira dito porta da Asso-
Frei Flix dt Natividado Pim Blel e Jos \ ictor
da Silva Pimentel, traspassado da mais pungente
dor, pela infausta mora de- seu pnwado trmao
frei Antonio de Sania Anglica Pimental, na cida-
de de Lisboa, convidam aos se is amigos c aos do
fallecido, para que se dignem comparecer na igre-
ja do convento de S. Franaisco desta c.Sade pete
8 horos da manha do dia .Hfc .k> corrente, adra de
issistirem aotoaeral do tn^-.mo da 4o sen
fcllocknento, por cujo ac de candada Ocarao
;\$?&*$TlOZ^^^^^^Bm^ammmmm^mmmmmmmmmm
Ho arF'BirbWada Mlvacseusliinos agn*$-
cem' cordiaimente a tolas as pessoas que se mg-
naram assistir ao acto funebro e acumpanhar au
ultimo jazigo os rostes nwrawa de seo finado ma-
ride e pal Christiano Jos TavarS; e de avn>
convidam c rogara, a essas pessoas e a todos os.
amgos e parenu-* dwpiee finado a aaMslirem a.
misa do setiino dia, que lera iugar na igreja da
veneravel ordem terceir de S. Fraaeisee, as b.
horas do dia terea-feira 29 do corffcte; o dtsdfr
yX se confessam grato?.
AM
Preoisa-sa de nma ama (naa eomprar a va-
nbar para uaaaaiaoaa : a tratar na rea R va
n.l____________ _^--------.
"Precisa-s df urna ama que onap eoon
1____-- IVm.'lio 1
^e predio*, ttrenos e uiobiba.
nhe para cas de ponca familia
Saata RiU n. 41.
Perde?aa dameataaao
no
roa aova da
ds trilhos urbanoe.
Nova, Caaav
trajelo pelaiI ^> Jr^ro.
tt.iiio.i.i*' com leajonladeaco. teBdo no
coBtro.ai iniciaes
^ W40 arrete, J.Bl; V^^SVAm*foMm
lwfalftiM leilao pqr madaA dolmadaCaibuB-i^t anoar.nurwfi

**:
lUUI EL



M
Diario de fernambuoo Segunda feira 28 de Marqo de 1870
lILn!RIM
Imperio do Brasil.
Crrane exposwplo na -cidade de
Cordova,
REPBLICA ARCEITINA.
Jo da 15 do outubro de 4870 ter lu-
jara abertura da pesico nacional em
Cordova.
.Previne-se, portante, a todos os produc-
tores, agricultores, fabricantes, artistas e a
todos aquellt's que exercam qualquer indus
tra, que na dita exp. src/So-se recebem todcs
productos da industria e agricultura
brasileira, assim como todas as machinas e
utensilios que quizerem remetter.
Estes productos esto lentos dos direitos
da alfandega na Repblica Argentina e po-
dero ser dirigidos otete do Rosario, de
onde serio trasportados pelo caminho de
ferro central.
Para mais explicacoes-dirijam-se em Per-
nambuco, ra da Cruz argentino. ___*_________
AO PUBLICO
O abaixo assignado scientifica ao respeitavel pu-
blico e com especialidade ao corno do commereio
que a sociedade que teve cem os Sre. Joaquim
Feraandes da Silva Campes e lianoel Jos da
-Costa Pereira, est Mino socio de industria
aquelle como commnintitarieao armazem dejouca
rea do Crespo n. I<>. o que gyrou na razo so-
cial de Ouarie, Pemra 4 C-, se acha dissolvida
partilhada. ficando o abaixo assignado com o es-
tbele imeulo e obrigado pelo pasivo, desde o dia
28 de fevereiro do corrente auno, dia em que es-
jiirou o contrato que haviam celebrado.
Rectfe 23 de marefl de 1870.
Reernardino Duarte Campos.
G abaixo assignado lendo o annuncio hoje pu-
blicada no Diario de Permmbuco sob a assigoalu
ra io Sr. Beniardino Duarte Campos, em que
avisa ao respeitavel corpo do commereio desta
cidide nao ro haver sido dissolvida e partilhada
desde 28 do me?, ultimo, a sociedade sob a firma
social Duarte, Pereira de lou'-a ra do Crespo n. 16, na qual era
socio cinuianditario o Sr. Joaquim Fernandes da
Silva Cancos senao tambem ter ficado a seu cargo
todo o passvo da mesma sociedade, apressa-se em
declarar, que jquelle annuncio falso nessas suas
assereos, por quanlo, embora a dita sociedade
bouTesse llnaisado asua durazno naquelle da 28
de fevereiro do corrente anno, e procedido ao Da-
lauco de todo u activo e passivo para veriftearera-
se os compromisos e lucros sociaes, nao houve a
ffecllvidadi! da parlilfta destes, e a declinacao da
responsabilidade daquelles qualquer dos respec-
tivos socios como o raesmo Sr. Bernardino Duarte
Campos nao poder contestar com, prova alguma
serila, para o que o abaixo assignado o convida
multo directamente, sob pena de passar por ca-
lumniador. E tanto exacto o que afirma o abaie
xo assignado, qae todo o dcsaccordo existente en-
tre os socios ten consistilo no modo pratico de se
effectuar aquellas duas operacSes, ou alias sobre
qual delles dever succeder no mesmo estabeleci-
mento assumiudo a respectiva responsabilidade, e
indemni ando os interesses de cada um, para o
que ao mesmo abaixo assignado (que de longa
daia lem seus lucros accumulados na mesma so-
ciedade. e por conseguintc com prerogativas es-
peciaesj fui dito, que seria chamado a juizo, onde
necessariamcnie essa questo dever ser decedlaa \
como tambem nao se recusara faze-lo amigavel
mente o mesmo abaixo assignado, fundador do
dito estabelecimento social, se alguma proposta
razoavel c justa Ihe houvesse sido feita.
Rc-ife 21 de marco de 1870.
Manoel Jos da Costa Pemra.
O abaixo assignado, socio da sociedade que
tem gyrado sob a firma Duarte Pereira & C, com
estabelecimpiito de louca ra do Crespo n. 26,
previne ao respeitavel publico, que nao estando
ella dissolvida nem partilhada, como isculca o so-
cio Sr. lleruardino Uuarte Campos, nao est auto-
risado para por si so, ou por sua conta effectuar
qualquer corupromisso, ou recebimentos que an-
da sao relativos mesma sociedade, son pena de
considerar se todos clles de nenh m effeito, como
de primeira intuieo. Recite, 26 de marco de
1870.
______________Manoel Jos da Costa Pereira.
Precisase alugar urna casa as imraedia-
res de Punte de Ueha at Apipucos, prefere-se
casa com sotiio ou sobrado : quem tiver e (Jtzer
alugar, avise na ra da Cadea do Kccife n. 3o,
ou anounde por este Diario para ser procurado.
Ama
Xa ra do Codorniz n.
ama qussaiha coiinliar.
8 precisa se de urna
Solicitador.
Manoel Luiz da Veiga solicitador provisionado,
acceita partido das casas commerciacs, para tudo
que disser respeilo ao seu emprego, e isto por
mdico preco : poda ser procurado em sua casa
ra da Gloria n. 91, todos os dias das 6 s 9 ho-
ras da manha, ou ao meio dia na sala das au-
diencias nos dias utes._______________________
Ama.
Preesa-se de urna ama de leite : a tratar na
ra do Imperador n. 65, 2 andar, ou Passeio Pu-
blico n. 60.
Attentfto
Na travessa dos Exposiost(atraz da matriz de
Saito Antonio n. 18) forneee-se comedorias para
faca com asseio e prompttdio._______________
CosinheTtx
Preeisa-se de um para ipouca gente; no bec-
oo 4a Boia n. 8. M.
ATTENCAO
Jos da Silva Moraes, Uoio alagado 3 cavallos
arreados, um malado peqaeBO, aro russo pe-
rez, outro castanho castrado, res strangetros
que diziam serem fraocezes, was sao allemes,
com o desuno de irem a fabrica do serveja, e
voltar no mesmo dia, declara-se que al a pro-
-sent dala nao sao apparecidos; pedo so as auto -
ridades ou quem os encontrar, fazerem o tavor
de os levar em minha coxeira a ra da Roda b.
tSO, que sero bem recompensado. Os nomes e
signaes dos individuos, cao os seguintes : um de
nome Luiz Sevenkf, estatura baixa, rosto largo,
sem barba, e cabellos ruivos, outro O. Weglim,
altura regular, pouca barba o cabellos ruivos, e o
terceiro chama-se Frederico Duwe, estatura bal-
va, barba nenhuma, e lytographo.____________
Antonio Joaquim Lopes de Carvalho vendeu
ao Sr. Joao Francisco Reg Lobo, a sua venda,
sita no Affogado n. 83, por isso quem se julgar
credor apresente-se no praso de trez dias : que
ser imediatamento pogo.
AMA
"B. 'Rita Mara da Natividade Magalhaes,
viuva do major Flix Francisco de Souza
Magalhaes, tendo de proceder inventario
des bens deixado peto mesmo seu fallecido
esposo, convida pois a todas as pessoas que.
se julgarem credoras do referido casal para
apresentarem seus Utulos e conlas, afim de
serem verificadas e contempladas no inven-
tario, no praso de 8 dias contados da data
deste, lindo os quaes nao se atienden a
reclamacao alguma. Outro sim pede a to-
das as pessoas que sio devedoras ao mesmo
casal de virem quanto antes saldar suas
con tas dentro do mesmo praso, lindo os
quaes entregar ao seu procurador para
cobrar judicialmente.
Recite, 22 de marco de 1870-
Precisase de um caixeiro que tenha pratica
de taberna : na roa do Sebo n. 54.____________
Precisa se de urna ama para cozinba* e en-
gommar : na ra do Caldeirciro n. 52.__________
Pede-se milita atten-
po.
Constando-me que alguem so tem valido do meu
pobre nnrne para com elle negociar em negocios
de padaria, venho em lempo declarar ao respeita-
vel publico e com especialidade ao corp > commer-
cial, que eu nunca tive nem tenho negocio de pa-
daria e nem nenhum outro a nao ser urna peque
na casa de pasto sita ra da Moeda n. 33. De
claro outro sim, que at esta data nao de ve quan
lia alguma nesta praca ou lora della. 'Recfe 26
de marco de 187o.
Francisco Romea.
Frecisa-se de um caixeiro para taberna, na
ra do Cotovello n. 49 : a tratar na mesma.
Precisa-se saber se existe rfesta provincia
Augusto Jos Baplista, tildo de S. Sinio da Jun-
queira, a negocio de seu interesse : na ra da
Gloria n. 95.
AMA.
Precisa-se de urna ama
para urna casa de familia
ra do Ara gao n. 37.
que compre e cozinhe,
de duas pessoas : na
Ama
Precisa -se de urna ama que cozinhe bem o da
rio de urna casa de familia, prefere-se captiva :
na ra dos Pires, sobrado n. 27.
TRILHOS
DO
URBANOS
Recife a Apipucos.
Tendo principiado o novo systema de
venda de bilhetes as estaces, cessando
assim a venda nos treos, roga-se aos Srs.
passageiros o obsequio de coadjuvarem a
empieza em levar a effeito este systema,
comprando seus bilhetes com a precisa an-
tecedencia, para assim evitarem a demora que
pode apparecer no caso de n5o eslarem del-
les munidos.
As pessoas que tiverem de tomar o trem
nos pontos de paradaRa Formosa e Por-
ta d'Agua lerio abondadede levar comsigo
seus bilhetes, visto que nestes lugares nao
ha eslaco para venda delles.
Escriptorio da companhia, 2i de marco
de i870.
W. Rawlinson,
Gerente.
Ama
Precisa se de urna ama para engommar : na
ra do Queimado n. 12, 1 andar.
Ama.
Prec-a-se de urna ama que saiba lavar e co-
zinhar para casa de pouca familia : paga-se bem;
a tratar na ra do Vigario n. 9, 3# andar.
Na praca da Independencia n. 33 se da di
ineiro sobre peohores de ouro, praia e podras
preciosas, seja qual for a quantia;. e na mesma
asa se compra e vende objectos de ouro e prata,
9 igualmente se faz toda e qualquer obra de en
tommenda, e todo e qualquer concert tendenU
i mesma arte.
Precisa-se de urna ama para o ser vico interno
de pequea familia : na ra do Vigario n. 5, ter-
ceiro andar.
CASA DA FE.
Aos 20:000*000.
Bilhetes do Rio venda : ra do Cabug n. X
vende Vieira & Rodrigues.
Grande sitio para
alugar.
Aluga-se um grande sitio na estra-
da do Uosarinho, o qual tem muitos
arvoredos e grande baixa para ca-
pim ou creacao de gado, podendo
sustentar 20 vaccas por ter um grande
brejo no fundo que vai quazi estrada velba de
Beberibe no lugar Agua-Fra, tendo o sitio urna
!;rande frente para a nova estrada de Beberibe
azendo quina na ponte que alli existe. A casa
nova, tem duas sallas e quatro quarios, grande
copia ,quarto de creado, cocheira e estribara, tu-
do de pedra e cal e edificada ha pouco lempo.
Quem pretender queira entender-se oom o seu
proprietario o commendador Tasso, em seu sitio
na Cruz das Almas at s 9 horas da manha e
depois no seu escriptorio na ra do Amorim nu-
mero 37.
GUSTAYE
CABELLEIREIRO FRANCEZ
51Ba da Cadeia do Recife61
Chama a attencSo dos seos innmeros reguezes, e do respeitavel publico e
geral, para a seguinle tabella dos precos de sua casa, os quaes sao vinte por centt
mais barato do qae em outra qualquer parte:
A
Cadeias para relogio a 54, 6,
U, %, 9*. 124 e. .
Cabelleiras para senhoras a 254,
304, 354 e......404000
Ditas para homem a $4, 404 e 504000
Coques a 124, 154, 184, 204, Corte de cabello
254, 304 e.....504000 ._, .
Crescontes a 124,154,184.204, | ^ ? cabeUo ncl0- '
254, 304 e.....324000 C"1*6 de cabello com lavagem a
54,
AMA
taberna.
Precisase de
pouca familia.
urna ama para casa de
no pateo do Terco n. 1,
de uarmore.
ra das Cruzes
. 11.
O artista Gamitto acba-se estabelecido na casa
cima, onde pode ser procurado para lodos os
misteres de sua procissao.
Jos Mara Pedroso de Lima retirase para Eu-
ropa a tratar de sua saude.
SEMANA SANTA
Grande sortmento de livros para os officios da
Semana Santa
Encardenados de couro, marroquim e velludo.
Livrara franceza.
Os hachareis padre Estanislao Ferreira de
Carvalho e Joao Augusto do Reg Barros, tem a-
berlo escriptorio de advocada a ra do Impera-
dor n. 57, entrada pelo caes Yinte Doosde No-
vembro, onde podem ser procurados para os mis-
teres de sua profisso das 10. horas da manha s
3 da tarde.
Adyogara assim no foro civil, criminal e com-
mercial como no ecclesiaslico para o que se vao
habilitar com as provisoes do cslylo.
RELOGIOS PATEMEINGLEZ PARA P AREDE
49RA DA CADEIA DO RECIFE49
E. A. Delouche.
Acaba de chegar urna porcao de relogios paten-
te inglez proprios para sala o escriptorio, dos me-
Inores gostos, tem tambem grande sortmento de
relogios americanos para cima de mesa e parede,
por preco razoavel.
Advogacia.
0 bacharel Joao Goncalves da Silva
Montaroyos, ra do Queimado n. 33.
Advocado.
O bacharel Francisco Augusto da Costa
mudou o seu escriptorio da casa n. 69
para o de n. 34 na ra do Imperador,
onde ser encontrado das 9 horas da na-
nha as 3 da tarde.
.Nesta mesma casa se encontrar urna
pessoa que se propoe a fazer cobranzas,
e que se encarrega de questoes no inte-
rior da provincia.
Ama.
PEDIDO
Pede-se encarecidamente aos Srs. Domingos
Theodoro Rigueira e Aristides Florentino Caval-
canti de Albuquerque (de Sermhaem), que venham
ra do Vigario n. 14, a negocio que se precisa
ultimar_______
Ne collegio da Conceicao precisa se de um
homem idoso para porteiro,
Cachos ou crespos a 34, 44,
64, 74, 84, 94 e. .
Tranca de 'cabello para annel a
500 e." .
Tranca para braceletes a 104,
154, 204, 25 e.....
104000
14000
i champou.
Corte de cabello com limpei da
caneca pela machina elctri-
ca, nica em Pernambuco. .
Frisado 4 ingleza ou i franceza.
304000 Barba. -.......
154001
501
501
-14001
1400
501
251
ALUGA-SE.
Urna das lojas do sobrado da ra Velha n. 96,
que faz quina para o pateo da Santa Cruz, muite
wa para qualquer negocio : quem a pretender
dirija-se a ra do Sebo n. 20.
^SIGNATURAS MENSAES
Especialidade de penteados para casamento
Bailes e soires
0 dono do estabelecimento previne s | Recommenda-se a superior TINTURA JA-
Exmas. Sras. e aos cava Ihe iros que ha um PONEZA para enegrecer os cabellos e ban
salao para tintura dos cabellos e barba, as-
na, nica admittida na Exposicio Universa)
como nao prejudicial sade, por ser vo
sun como um [empregado smente oceupa-1 iaUI. analysada e approvada pelas acade*
do nesse servico. mias de sciencias de PARS E LONDRES)
Precisa-se de urna ama forra ou escrava que
compre e cosinhs : tratar na ra Nova n. 4i,
loja.
5a ra da Cadeia do Recife n. 50, preci;a-se de
urna ama para cozinhar.
PIIENIX PERNAMBUCANA.
Companhia de seguios martimos e terrestres
Ra do Commereio n. 34.
Capital Res l,o00:000000
SeguraMovis.
Mercadorias.
Navios de vella.
Vapores.
Predio?.
Em vapores at ris 100:000000
Em navios de vella at ris 7o:00ftS000
Em cada predio al res 160:000*000
Pernambuco, 7 de marco de 1870.
Pela companhia Phenix Pernambucana-
J. J. Tasso.
F. F. Rorges,
J. H. Trindade.
Nao mais cabellos brancos.
A tintura japoneza para tingia os cabellos
da cabeca e da barba, fot a nica admittida
i Exposipo Universal, por ter sido reco-
nhecida superior todas as preparaces at
hoje existentes, sem alterar a sade.
Vende-se a 4000 cada frasco na
Bna da Cada n. 51,
1. andar.
Na Iravessa da roa
das Cruzes n, 2, pri-
meiro andar, da-se di-
nhelro sobre penhores
de ouro, prata e bullan-
les, seja qual for a quan-
tia. Na mesma casa com-
pram-se os mesmos me-
laes e pedras.
Escravas fgidas.
Continuam fogidas, as escravas pardas, de no-
me Mara e Anna, que se ausentaran em 14 de
jaaciro ultimo, di casa de seu senhor na povoa-
cao do Monleiro. A primeira de 23 de idade,
pouco mais ou menos, estatura baixa, grossa do
rorpo, naris chato, cara larga, testa estreita, e
bei^os linos, cabello carapinhado. Anna de 16
aaaos de idadp, esutura regular, cabellos cachea-
dos, que usa levantar na frente, nariz chato, cara
Jarga, testa eslrMMr paluda, um pouco surda
do ouvido direifjUevaram ambas vestidos bran-
cos, e costuinam andar calcadas. Devem estar
aceitadas, e desde j protesta-se proceder com
todo o rigor da leicontra quem as houver homi-
-iiiir Quem as apprehender, ou der noticia no
lao do Corpo Santo n. 19, ser bem recompeu-
Pintor.
Prwisa-se de um pintor, a quem se itar traba-
itao eouitantmente : Bt Ceoipaabia Pemambu-
aaa. ^^^^^
Carvalho & Nogueira saccam sobre
Lisboa ePito vista e a praso, na ra do
Apollo n. 20.________________________
Agradecimiento
Eu abaixo assignado declaro que no dia 13 do
corrente dcixei urna carteira com a quantia de
200*000 em urna nota do banco do Brasil, na loja
dos Srs. Figueiredo A C, e por me constar peios
meus earoaradas do batalbao dos voluntarios, a
quem os mesmos senhores diziam, faro o presente
agradecimento em que me assigoo.
Francisco Jos de Sant'Anna.
0 O Dr. Oosta Motta de volla de sua via-
;em da Europa onde dedicou-se s mo
eslas de senhoras, a partos e affeccSes
de pello, pode ser procurado em sua casa
ra da Imperatrix n. 9. D consultas
das 10 horas ao meio dia, sendo gratis
para os pobres.
SEGUROS
MARTIMOS ',
E
COMTRAFOGO.
A Companhia Indmnisadora, estabelecidt
esta pra?a, toma seguros martimos sobrt
aavios e seus carregamentos e contra fogt
em edificios, mercadorias e mobilias: i
ra do Vigarion. 4, pavimento ter eo.
Os abaixo assignados, memores da conimis-
sao cncarregada dos festejos da recepcao do 53
corpo de voluntarios da patria pelos moradores da
ra Nova, julgam nada reslarem das despezas re-
lativas aos ditos festejos; mas se ha alguem que
nao fosse pago, queira apresentar-1hesaconta, que
immediatamente a satisfarao.
Thomaz Ferreira de Carvalho.
Manoel Morera de Souza.
Jo. Leandro Lopes de Oliveira.
('obramja de alugueis.
Ha quem se cncarregue da ce branca dos allu-
gues de predios desta cidade por mdica porcen-
tagem incluindo os servicos de solicitador nos ca-
sos de despejos judiciaes, |>odem procurar na ra
da Gloria n. 94 das 6 s 9 da manha.
Precisa-se de um coper forro ou escravo,
de boa conducta, ou urna ama forra ou escrava
para cosinhar e fazer compra?, para urna casa es-
trangeira de duas pessi as: a tratar na ra do
Crespo n. 19, lija de fazendas.
II
Ra dft Impcratrizn. 15
Gaspar Ilute tem a honra de participar
ao respeitavel publico que acaba de abrir
a nova padaria allema na casa supra-men-
cionada onde todos os dias desde as 6 horas
da manha se encontrar o bem conhecido
appreciado 'M L
PO FINO ESPECIAL.
Encarrega-se lambdu..- de quaesqu;r en-
commendas. IaU
_:----------- .......
Preca-se aligar ,ou compra-se urna casa
terrea com bora quintal, ou sitio, desde a matriz
AMA.
Precisa-se de urna ama: na rua do Pires n. o.
Precisa-se de um cocheiro que tenha prat
ca de taberna : na rua da Cadeia-nova n. 7.
Precisa se de um caixeiro de 14 a 16 annos
que tenha alguma pratiea de taberna : na traves-
sa da rua do Queimado a. 3.
AO ARMAZEM
DO
* IIua Xova u. V,
acaba de chegar pelos ltimos vapores novas re-
messas dos seguintes :
Calcado francez
Para senhoras.Botinas brancas, pretas, e de ou-
tras muitas differentes cores i ultima
moda.
Para meninas.Botinas das mesmas cores e qua
lidads cima.
Para homens.Botinas de cordavao, bezerro, ver-
niz, pellica, o melhor sortmento que se
pode desejar.
Para meninos.Botinas das mesmas qualdades
mencionadas para homens.
Para homens.Botas rucianas, metas-botas e per
neiras.
Para homens, senhoras e meninos.Sapatos de
tapete, aveludados, charlte, casemira
preta, tranca de Lisboa etc. etc.
Para meninos e meninas. Abotinados fortes de
umitas qualdades.
Quinquilharias
Finos artigos de Pars, de goslo e phantazia,
como sejam :
Leques para senhoras e meninas.
Luvas de pellica (do fabricante Jouvn.
Espelhos de differentes tamanhos.
Perfumaras finas do fabricante Coudray.
Caixinha de costura com msicas.
Albuns e caixilhos para retratos.
Pulceiras de ouro bom de lei.
Brincos e traocellins.
Correntes e chaves para relogios.
Botdes de punhos e de abertura.
Correntes e brincos de plaqu.
Bolcinhas e cofres de seda e velludo.
Caivetes e thesourinhas finas.
Lunetas, oculos e grvala?.
Chicotes d baleia e de outros, sortmento.
Bengallas de canna, baleia e junco.
Ponteiras de espuma para cigarros e charutos.
Escovas para fato e para cabello.
Escovas para dentes e para unhas.
Pentes finos de marlim para tirar caspas.
Pentes de tartaruga para desembarazar.
Malas e boleas de viagens.
Estojos com navallias (paravagens. .
Carteirinlias para notas.
Gaiolas de rame para pas-arnhos.
Abat-jour transparente para candieiros.
Oleados para mezis.
Molduras douradas e quadros.
Estampas de santos e cidades.
Bercos de vimes para chancas.
Cestinhas de vimes para braco de meninas.
Caixinhas de msicas e realejos.
Cosmoramas e lanternas mgicas.
Esteriocopos com interessantes vistas.^
Objectos de mgicas e cordas de violas.
Jarros e flores de porcelana para santuarios.
Velas a gaz para lanternas de piannos.
Accordions e concertinas. *
Diversos jogos francezes e alleraaes.
E outras quinquilharias semelhantes.
Brinquedos para crianoas
Carrinhos de 3 e de 4 rodas para passeios, no-
necas de todos os gostos e precos desde 160 rs.
at 20000, e um sem numero de brinquedos de
differentes precos para ntretmento.
Para evitar massante leitura de tantos artigos
expostos venda neste estabelecimento, o dono
pede ao publico em geral que se digne entrar de
passeio afnu de verillcarem nao so a grande va-
ridade como os precos baralissimos por serem
odos chegados de conta propria.
No armazem da travessa do Corpo Santo n. 25, ha sempre um completo
sortimento de objectos para carros, e que se vendem por precos muito rasoaveis, como
sejam:
Vaquetas de lustros, grandes e muito boas.
Solas idem dito.
Oleado preto e de cores.
Colleiras de lustro o que ha de melhor.
Guarnices de fino lalao para arreios, completos.
Lanternas e vellas para as mesmas
Eixos patentes para sebo.
Joaquim Lopes Machado & C.
28Camboa do Carmo28
Das seis e meia horas da tarde as onze da noute.
Nicolau Pungilore tem a honra de annunciar ao respeitavel publico desta ca-
pital, que diariamente estar aberlo a concorrencia publica um grande cosmorama com
variadas vistas e passagens dignas da attencSo de todos por acharem-se entre ellas
as differentes batalhas dadas pelas forjas alliadas contra o governo do Paraguay, cono
abaixo se ver,
O annuncianle tem empregado todos os seus exforcos para que o respeilave!
publico encontr alli um bello passatempo mediante urna pequea exportula, tendo
entretanto direito a um objecto, gratis, de mais ou menos valor.
Todas as vistas sero mudadas duas vezes por semana, sendo as quarlas e
sabbados.
BrasilVista do Rio de Janeiro tomada da Tijuca.
PortugalVista de Lisboa.
FrancaVista de Paris.
ItaliaVista de Roma.
DitaVista do bombardeamento de Gaeta.
HespanhaVista de Gibraltar.
InglaterraVista de Londres.
AllemanhaVista de Buda e de Pest.
NoruegaVista da caca da baleia.
28Camboa do Carmo28
DAS S ES E MEIA HORAS DA TARDE AS ONZE Da NOUTE.
As 51 rodas
de reos para pipas.
Veende-se no trapiche do Cunha a 7$ de dez
rodas para cima.
O agente de leudes
F. G. de Oliveira, mudou seu escriptorio
para a casa da rua da Cruz n. 53, primeiro
andar, aonde seus amigos o acharo promp-
to para bem serv'los como sempre.
A LOJA D )S ARC05 DE ALVARO AUGUSTO DE ALME1DA & C, rua do
Crespo n. 20 A, alm da grande variedade de fazendas de phantasia de que sempre se
acha provida, tem actualmente um completo sortimento de fazendas pretas, propras para
os actos da quaresma, como sejam :
Ricos cortes de seda preta de superior qual idade.
Gcrguro de seda prelos de diversas qualdades.
Grosdenap'es pretos de dillerenles qualdades.
Sedas lavradas.
Basquinas de seda preta de modello inteiramente novos.
Ditas de guipure ricamente enfeitadas.
Pelerinas.
Fichs e mantas de fil para a cabeca.
.Mantilhas brasileiras ou mantas de fil para cabeca, de modelo inleiramer.te
novo.
Eil de seda branco e preto.
Guipure branco e preto.
Bales a vicioriense modello inteiramente novo.
Chapelinas enfeitadas de preto.
Luvas de pellica preta para homens e senhoras, e outros inuitos artigos dfr
bons gostos e qualdades o que tudo se vender por precos rasoaveis
Tambem contina a ter um grande sortimento de tapetess, alcatifas e as ver-
adeiras estea dirasjlparandia forrar salas.
HENRWIE PFLAEG1NG
ESPEfM AFINADOR W
recem chegado do Rio oferece seus pre limos ao Illm. publico tanto na cidade como ou
mallo ou nos engeohos, pode ser procurado no salo de pianos e de msicas na rr.a
va n. 5 8 lo andar.

.'!
Amassador.
Precisa se para o Rio-Grande do Norte, de um
amassador que saiba cortar bem bolacha; quem
esver no caso dirjase rua do Amorim n. 37,
em casa de Tasso Irmos & C.
COSTl'KEIRAS.
Na chapellerie des dames rua do Cabug n.
12,1* andar, precisa-se de eostureiras.
- Oflerece-ae um homem para criado ou
pairo: quem precisar dirjase'* rna larga d]4a*ae per toda roa Imperial, at oflm dai mesma
Rosario n. 34, botica.
1 rua : a tratar a rua dos Ossos ns. 22 e 24.
3 i jfjtvR omtimii na i ^-
l*ltQ '. >iw*oi::a '0aiiTf-oiu uia "****
-uia&Kuj y ouioo v\n]id
vpm toa opcijS iki jo)U9aui op >ujou 0
'tpeppiweqjnc mi p sijuejfS c wj
^^^ sajuap so aaoj&uua osou
-iSnjjaj ajsa touny seauj
apamipsuoo jtaupoj 9
'sisojoiqo t iuna vxd ojixa
"^^^" Mina o moa swpiSajdais obs
'tuej *p tuioipaia p niuadun Brarapeof
B19d sipiAaiddi tWA *1BUd sy
s*:n finid"
^i \>^
35RUA ESTREITA DO ROSARIO35
Fornece-se comidas para fora com asseio
e promptido e manda se levar em suas
casas na rua estreita do Rosario n. 35, ca-
sa particular confronte a casa do barbeiro.
Na mesma casa fazdmse llores para en-
feites de anjos para procisses, sipos de
flores, rosas, capacetes enfeitados, e todas
as flores de panno e papel, para ornamen-
to de igrejas e andores tudo por barato
preco, aoqaets para noivas com fitas bor-
dadas a ouro, bandejas de bollos finos com
armac5o para casamentos e bailes, pudins,
pao de l enleitado para presentes e toda
a qualidade de doces de ovos tambem en-
feitados, vellas ricas para baplisados por
barato prego, bouquets de flores de cera
para enfeites de bollos e para offertas.
Advertencia
A casa n. 24 da rua dos Pescadores foreira ao
patriraotrio dos orphaos e nao pode ser vendida
ero que seja pago o respectivo laude mo.
Ama.
Precisa-se de ama ama para casa de pouca fa- \
milia: a tratar na rua da Pecha c. 25, 2* andar.
QUINIUM LABARRAQUE
APPROVADO PELA ACADEMIA OE MEDICINA DE MRIZ
0 Qnlnlom Labarraqu, eminentemente tnico e febrfugo deve ser
preferido todas as outru preparaefles de quina.
Oa vinhos de quina ordinariamente empregados na medicina preparam-se
com cascas de quina cuja riqueza em principios activos extremamente
variavel; 4 parte disso, em razio de sea modo de preparacio, estes vinhos eon-
tem apenas vestigios de principios activos, e em proporedes sempre varisTeis.
O lBlum Labarraqn, approvado pela Academia de medicina, con.
stitue pela contrario um medicamento de eomposicio determinada, rica em
principios activos, e com o qual os mdicos e os doentes podem sempre contar.
0 Qaiaiam Labarraqae proscripto com grande xito s pessoas tracas,
delibitadas, seja por diversas cansas d'esgatamento, seja por antigs moles,
tas; aos adultos fatigados por orna rpida crescenca, ta meninas qui tem dim.
culdade em se formar e desenvolver; s mulheres depois dos partos; aes velhos
enfraquecidos pela edade oa doenca.
No caso de chlorosis, anemia, oOres plidas, este vinho m poderoso
auxiliar des ferroginosos. Tomado junto, por exemplo, com ai pillas da
Vaiur, produz effeitos maravilhosos, pela sua rpida aeco.
m Deposito em Paria, L FRERE, II, roa Jacob
m$Jmuin, DP0NCH1LLE; CBET0L0T. Ptmmkuf, MiDRSl t C



Diario de Pernambuco Segunda fera 28 de Marqo de MW.'
5
AGIA NEGRA
f


co
m
\ 03
^ f
B^" 3
H^ -
r 3
P* O
W <=>
^ r,
03
3
m
BENTO MACHADO & C,
A AGIA NEGRA animada com o bom accolhimento que teve em seos annun-
dos tem novo participar a seos fregueses que, acaba de receber um variado sor-
meato de objectos de gosto os qaaes sero vendidos por precos muito razoaveis, pois
quando fez os seas primeiros annucios, foi o que assegurou, e sem mdo de errar,
porque como j dtgse ost interesses ligada a urna casa importadoraderta praca, e
por isso poder ter tudo especial e vender por precos admiraveis.Chama pois a lteo-
slo de seos fregoezes para os arttgos possa descrever:
Livros com o tampo de raarfim, madre- Um variado sortiments .de charuteiras e
perola e tartaruga, proprios para missa. palliteiros de porcelana,
Garafintm vazias proprias para presentes Tent vollarete.
coom de gosto. ,, B
fcdispcnsaveis de paliuha e de couro pro- Bengalas com marfim, cousa especial.
prios pira -senhoras e meninas trazer nos Sabonetes de alcatro.
wafcos.
Bitoculos da madreperola, marfim e tar-
taruga todos esmaltados.
Cofres de folhas para dinheiro.
Lindas caixas para costura.
BZSZZSZ. coa,. _*__, -** srt""" V
t nova.
Fitas de sarja de todas as cores e largo
tas para lacos.
Toncas, sapatinhos meias de seda e mais
perteoces para baptisados.
Fitas com inscripcSes proprias para bou-
foet de noiva,
Ricos vasos com p .do arroz.
Um variado sortimente de jarros de por-
celana.
Talagorce para-bordar.
Um completo sortimento de enfeites de
seda para vestido.
Perfumaras de todos os autores os mais
acreditados em oxtrart^. pomadas e leos
e finalmente outros muiius objectos que na"o
possivel mencionar ; mas com a vista se
certificarlo do sortimento deste estabele-
cimento.
Aguia Negra, ra do Cabug n. 8.
s
* ce
3 m
V S
D
O O
0 ?
C ce
a>
3
SZ
g
9 f
2 B
1
og
6:3
co
3
O.
w
* t
M^2
ce CD
M Cu

CO
co
o
_
a
nt
'
ce
B
CB
&Bg-Jg
.=_?. ^3
3K
2
- -1 J
CJ CD
wog o.-
co 5-^ 3 aj
"2 o"
D-gB
o 3. <
09 CD
9
3
09 "O M
3*Ss3_i
t iT m ?
STo-SS

te
3
c ^ 2
CE
3B
S.S.3 3 erg
O v>
3
m r. r
3.0 w o 3 -
pao"* o g
CB E 3
4
V*
a
B
S
CB
2
|| si
i
g o g s o
i 3 D 2 _
3 22. .'gil
co co _
2. t as o
xa"
* S c
?? w
OS W -
O." CB
si
w CB
CB
ce
cj
I os
os. n tu
~
* o
p B P3
p- *
o
i *o*
? H
7 f 0 <5
1>S ' H.. r
JH-\ Mr
m < o> j or y E o g
Ssg>< 0 63
0 *
Q w '
P o-d s o 1. <*f>
OQ
P-
O
o
^
TQALHAS E EA1AMP0S
Chegou a loja de Paredes Porto, a roa da Imperatriz n. 52, (PorU Larga) um bo-
nito eortnnento de toallias de linho para mesa, assim como os competentes guardanapos
que se vendem a preco baixo.
PAREDES PORTO vende 13asnhas a 240 o covado, fazenda de 500 rs, para acabar
na ra da Imperatriz a. 52.
PAREDES PORTO vende algodSo cora pequeo toque de avaria a 3)500 e 4(JO00,
a peca, ra da Imperatriz n. 52.
PAREDES PORTO vende chila preta para luto a 160 rs. o covado na roa da Im-
peratriz n. 52. Porta larga.
CHALES
Vende-se ehale preto de merino a 3iJ000 fazenda superior, na roa da Imperatriz.
PAREDES PORTO vende meias para senhoras a 2#5O0 a duzia por ter um peque-
no mofo, na ra da Imperatriz n. 52 porta larga.
PAREDES PORTO vende cortes de calca de casemirt preta a 3500 e 40000.
PAREDES PORTO tem para vender panno preto superior e casemiras de cores e
pretas que vende por prcos commodos.
CHALES, GRANDE PECHINCHA.
Chegou a loja da ra Imperatriz n. 52 de Paredes Porto
cbales chinezes fazendas muito boas para senhoras trazerem
por 50000, esto acabando-se _na
a do Leo.
um bonito sortimento de
em casa, est vendendo
Lojj
Ama
Na raa da Cadeia do Recite n. 50, precisa-se
de urna ama para coanhar e engommar._______
CHA TONI PURGATIVO E DEPLlAtf
DE
CllAUBllll.
Composto das plantas as mais odorferas e as
mais virtuosas dos montes os mais elevados, o eh
toni-puigativo de Chumbar, possue um gosto sa-
boroso e um aroma suavissimo, e as propriedade.'
as mais nota veis sobre os embaraces do estomago,
dos intestinos e do ligado o desobstruento poi
excellencia na conslipacao do veutre e nao ten
resguardo nenhum.
Depurativo especial e directo da bilis e dos hu-
mores, refresca o sangue depurando o.
0 uso do ch-Chimbard pode ser continuado
por muito lempo sem o menor receio e sem n-
commodo neto mudanc* no modo de viver.
NICO DEPOSITO EM PERNAMBUGO
NA
iPHARMACIA E DROGARA
DE
Hartholomeu di C.
34RA LARGA CO ROSARIO34.
Agencia em Pernambuco
Do Dr. Ayer
Fetoral de Cereja
Cura a phthysica e todas as molestias do peito.
Salsa parrllha
Gara ulceras chagas antigs impigens e dar-
tros.
Toiiic*
Hlulas catharlloas.
Paramente vegetaes e sem mercurio, cura se-
soes, curan c purificara ledo o systema humano
Vende-^e cffecuvamente em casa de Samuel P.
Johnston & C, ra da Saealla Nova n. 42.
Precisa-se alugar um escravo de boa con-
ducta para o servico de vma loja de fazendas : na
ra do'Crejpo n. 20 A.
O ebaixo assignado avisa ao publico qne lendo
otitido licenca do Exw. Sr. cooselbeiro inspector
da thesouraria da-tazenda geral, para vender es-
tampilhas em scu stabelecimento a rna do Crespo
n.ti. pelos niesntos precos que se vendem 4 re-
cehtdoria geral; assim, pois, podem as pessoas
residentes nesta oidade e fra della dingirem ao
abaixo assignado, -suas encommendas em qnalquer
qeantidade que sera promptamwte satisffeftas.
Manoel Martins Fiuia.
TU
SS
FAZENDAS PARA A QUABESMA
TRIMPHO
QuewBiad'37
BASTOS.
Cliegou pelo ultimo vapor da Europa o mais -bello sortimento de foseadas pretas
incoo sejam:
Grosienaples pretos de todas as larguras e qaaiidades.
Gorguro preto para vestidos, o que tem vinfle de mais superior nesta faienda.
Pequin da China, de seda para preto com liseras de setim o-qae ha de mais moderno
em fazenda preta .para vestidos.
Manlhas brasileiras de renda de sedi preta o .que tem viudo de mas moderno a
este mercado.
Meterniques de-croch pretooom ricos la?os de .setim e de raedello completamonte
novo.
Casacosde croh pretos, compridos com grande roda e de regaeo que finge segunda
saia sobre o vestido.
Ricas mantas pretas para cabeca de seuUoras.
Um grande sortimento de fil preto de seda com flores, neste mesmo eslabeleci-
menV9 tambem ha um grande sortimento de poupelinas de ricos gestos, sedas Usas de
lindas cores, saias bordadas, finas para senhoras, lavas de Jouvin de todas as c.-res
pin bomens e senhora?, grande sortimento de cortinados bordados para cama jan lias,
tapetes para sof, camas, pianos, jasellas, e grande sortimento das afamadas osteiras
da India para forrar alas, s existe na ra do Queimado n. 7.
INSTANTNEOS
Travessa do Corpe Santo i. 25
ARMAZEM
Ra Nove n. 28, loja Antonio
Pedro de Souza Soares.
Bandeira, Machado & C, avisan) ao respeitavei
publico que dos tugares cima encontrara no mes
mo sempre grande quantidads de ditos pocos, i
que se acham tiabilitados para vender por menos
que outro qual^oer, por isso *ue os recehem di-
lectamente do'abricante *M*on, de Londres.
As vanagons que ofTerecem os pocos instant-
neos sao : 4>rimetro, poderetn ser collocados den-
tro de casa onra, com o trafcalho de urna a duas
horas; segundo, fornecerem os mesmo? afina pu-
ra e abndante, podendo serera removidos de um
jara outro !gar, quando assiia convier.
Os annuciantes sreeebc-rao a importaacia dos
referidos pocos depois de collocados, satistazendo
i espectativa do comprador.
Em casa de THEODORO CHRISTI
ANSEN, rna da Cruz a. 18, encontram-M
tffectivamente todas as qualidades de vinh
Bordeaos, Bourgogne e do Rbeno.
Loja do Triumpho.
i" f PILQUE
N'ESTA ANTIGA E GREDITATA
FABRICA

IICMII1 || CIIITiITIIIITI 101 MIPLITI llllillllf II
ciAFiis Bi mmis
N todas u qualidadtt I
Da tedoi m futios I
Ve todat o proa I
RA DO CRESPO TT 4
PEDE-SE
Aos Srs :
Francisco de Salles e Silva.
Eustaquio Jos das Chagas.
6'dbsequio de apparecerera, a negocio de
seus interesse, no bazar da Moda, na roa
No*a n. 50.
. baixo assignado declara ao publico q je s res
pondei ao estulto annuncio inserta non.0 63 des
te Mario, depis que e seu autor tirar a mascara
assignando o seu nome, pois que nao quero per-
der tempo com aaonvmos.
Maoel Luiz da Yeiga.
Bartholomeu & C,
VlNHO, PlLULAS, XAROPE E TlNTUBA
de jurubeba simples e ferruginoso;
Oleo, Pomadae Emplastro da .yesva
planta---preparados por
BARTHOLOMEO a C
PH A RMACEUT ICOS-D ROO LISTA"
PEitiVAMBL'CO
i Jurubeba : eil planl hoje teccnbecid
como o mlf p*droso tnico, como o melhor
dMoUtruante, e como tal ipplicadi nos paccimtDtoi
do ligados baca, btfatiiea, duresas, tumoies latir-
nos e especialpiente do ulero, hidropesas, eryii-
pallaa, te; e asaociada ao ferro uul Das paludas
cores, cliloroaea a falla de meoslraaco, deaarran-
Jos do eslomafo, etc., o qae disemos altestio
innomeraa caras importantes otlidas Ma dossoi
- preparados ji beta coobecidos e asados pelos nuil
d:-tinctns madicoa do ptiz e Portofal. tjn todbt *
nossos depsitos distribuimos gratis flbetos oaa-
melhor fasem eoabecsr i Junibsbt seos rtnitsaoa -
t appliosfo.
ATTENCAO
Precisa-se alugar urna casa terrea boa,
e que tenb?. gabinete ao lado, ou um so-
brad inho bom, na cidade de Olinda, em al-
gamas das seguintes rnas: S. Rento, ladei-
ra da Misericordia ra do Amparo, ou la-
deira do Varadouro ; a pessoa que tiver, e
quizer alugar, deixe carta fechada com as
iniciaes F. F. n'esta typographia, pois n3o
j& dnvida dar bom aluguel agradando.
Preci-sa de urna escrava que saiba cozinhar
a fazer compraste o mais servico de casa : na ra
da Cadeia do Recife n. 1.
Cabelleireiro
Ra da Cruz n. 24, Io andar, por cima da
botica.
Antonio Rodrignas Ramalho acaba de abrir
concorrencia publica um espacoso e asseiad) salo
para barbear e cortar cabellos, e afianca que nelle
encontrarao seus amigos, amigos fieguezes, e em
geral todos os que quizerem frequenta-lo, agrado,
actividade e botn desempenbo do trabalho.
O bacbarel Jos Goncstlves da Rocha ha re-
solvido estabelecer seu escriptorio de advogacia
nesta villa do Cabo, onde poder ser procurado
em qualquer dia e hora para o exercicio de sua
prefissio. Encarrega-se nao s de negocios rela-
tivos ao foro de>ta comarca e seus termos, como
tambem perteneentes as comarcas e termos da
Escada, Rio-Formoso e Agua-Preta, e mesmo de
qualquer outra comarca que pertenca ao districtn
deste tribunal da relacao.
Ama.
Precisa-se de urna ama que saiba hera cozinhar
e comprar, forra ou escrava, para casa de fami-
lia : a tratar na loja da ra Nova n. II
GASA DA FORTUNA
Aos 5:000$
Bilhetes garantidos.
A. ra do Crespo n.23 e casas do costme.
0 abaixo assignado, tendo vendido alm de ou-
tras sones, um inteiro n. 28i com 1100*000 da
lotera que se acabou de extrahir a beneficio da
matriz de S. Beato (140*), convida aos possuido-
res virem receber na conformidade do cos-
tume sem descomo algum.
Acham-se a venda os felizes bilhetes garan-
tidos da i* parte da lotera beneficio da matriz
de Aga Preta {M'), que se extraar segunda-
feira 38 do corrente mez.
Precos.
Bilhete 6*000
Meio 3*000
Quarto 15500
Em porcao de 100* para cima.
Bilhete 3*300
Meio 2*790
Quarto 1*375
Manoel Martins Fiuza.
AMA
Precisa-se de urna ama para cemprar e cozi-
nhar para duas pessoas : no largo da rarlriz de
Santo Antonio n. 12.
Precisa-se de um caixeiro |para taberna :
largo da Santa Cruz n. 11________________
no
Precisa-se de urna
saia, na praca do Corpo
andar.
ama de leite que seja
Santo n. 17. segundo
0 URIRGIAO MISTA
Frederico Maya
Tem a honra de scientificar ao respeita-
vei publico em geral, e aos seus clientes
em particular que elle mudou o seu gabi
nete de consultas da rua'Direita n. 12 para
a de Queimado n. 31 primeiro andar, com
a entrada pelo pateo de Pedro II, onde po-
de ser procurado para os misteres de sua
prorksao, todos os dia* uteis das 9 horas
da maoba s 3 da tarde.
Tambem previne, que contina a prestar-
se a vootade dos clientes nao s na cidade
como aos seus suburbios, para onde as
idas sero precedidas de ajuste. Elle ga-
rante o bom desempenho e a pereicSo de
seus tcabalhos, o que j bem eonhecido,
assim como as cemmodidades dos precos.

HISTORIA
DA
Guerra do Brasil
CORTRA
%.% repufcfJLeas do CJraguay e Pa-
raguay.
t dous primeiros volumes assgnam-se por
iOOOO res.
Pagos adiantados.
Livraria'fraaceza.
SYNOPSBS
DE
Eloquencia e potica
nacional
Aeompanhadas de algumat noyes de critica
litteraria,
Extrahidas de varios autores e adaptadas ao ensi-
llo da tnocidade brasileira
pelo
Conego Dr. Manoel da Costa Honorato.
Preco... 4*000.
DESCfiTPClO
DA
llha do Bom Jess da cidade dje
Corrientes
EDO
Asylo dos invlidos da patria com urna es-
tampa e mappa
pelo
Conego Dr. Manoel da Costa Honorato.
Preco... 3*000
Acabara de chegar estas obras recentemente
publicadas no Rio de Janeiro e vende-se na livra-
ra econmica, ra do Crespo n. t dironte do ar-
co de Santo Antonio.
Aluga-se o arnyzm oda ra da Praia n. 49
|ropro para estalwleej/Qaiito de carne secc :
ralar a fb4fflmrrija n. 33, f andar. No mesmo
armazam se vcpde urna balanca, com os novos
j pesos j aferidos.
COMPRAS.
Compra-s
duas ou tres venezianas em segunda mo.porm
que estejam perfeils: a tratar na loja da ra Nova
n. 45.
Casa terrea.
Compra-se urna casa terrea
da Madre de Dens n. 16, loja.
tratar na ra
Gompram-se moedas de onro e prata de to-
los os valores, ouro e prata era obras mutilisadas,
irilhantes e mais pedras preciosas: na loja de
ninfea do arco da Conceicao, no Recite.________
filPR-l E \1DI-1
ESCRAYOS
Compram-se e vendem-se diariamente para fra
i dentro da provincia escravos de todas as tdades,
cores e sexos, com tanto qne sejam sadios : no
erceiro andar do sobrado n. 36, ra das Cruzes,
fregnezia de Santo Antonio._________________
Com muito maior vantagem compram-se
noedas de ouro e prata : na loja de joias do Co-
racao de Onro n. z D, rna do Gabng.
0 muzeo de joias
Na ra do Cabug n. 4 eompra-se onro, prata
pedras preciosas por precos mais vantajosos do
|ue em outra qualquer parte.
Comp
jra-se
duas casas terreas as ras Concordia, Palma,
Caldeiriro, Santa Thereza e Santa Rita : a tratar
na ra estreita do Rosario n. 35, cartorio.
Attenpao.
Compra-se urna casa com 2 quartos e que esteja
em bom estado, a preferir em S. Jos ou Santo
Antonio : a tratar na rna de Alecrim n. 4. -
Registro para gaz.
Comprase um em segunda mo, na ra da
Cruz n. 26, armazem.
VrNPAS.
Attenpao.
Vendem-se as collecces do Liberal, dos
annos de 18o 1861, encadernados: A
Imprenta, peridico ptblicado em 1852, a
colleccfo encadCrnada de Janeiro a setem-
bro do mesmo anno: 0 constitucional, a
collccco encadernada do anno de 1S61 :
quem quizer comprar, dirija-se a esta typo-
graphia.
ATTENCAO
o
Vende-se o engenho Mussayba, livre e desem-
barazado, e bem como a propriedade Pcopreto
separada do mesmo engenho : a traiar com o seu
proprietario na ra do Apollo n. 47,1 andar.
Vende-se una parle do engenho Timb, sito
na freguezia de Maranguape do termo de Olinda,
com gran Jes ni atas, moente e corrente com agua :
os pretendentes dirijam-se ao 3o andar do sobrado
n. 3 da ra das Cruzes. que acharo com quem
tratar._________________________________
Sal do Assu
Vende-se a bordo dn palhabote Emilia : a tra-
tar com S Leitao Irmaos ra da Madre de Dos
numero 1.
Milho novo chegado
da America.
Vendem se saceos com oiilbo da melhor quaii-
dade, c ltimamente descarregado : no artfiaztm
de farinha do caes 22 de Novembro, por baixo Co
Gabioelc Porluguez.
OUIUVES.
Na fneina de ourives, na ruada Pesha *n-
de-se urna tablela e timas 200 peras de oli;.
miudas de prata, e tambem vendem-se alguns fer-
ros para trabalho de oi'rves : a tratar na meen.a
ofllcin?._____________________
Cantara de Lisboa
Soleiras, hombreiras e capileis, o qne ha de me-
lhor para frentes de predios : venda no arma-
zem da travessa do Corpo Santo, de Joaquim Lo-
pes Haciado & C.
Cal nova de Lisboa
descarregada hoje do patacho Mara ; e vende
Joaquim Jos Ramos, na ra da Cruz n. 8, pri-
rtieiro andar.
LINGUAS!!..
J CHEGOU
a nova remessa das muito desojadas lingurs
seccas, vindas do Rio Grande que se vende
no rmazem do Campos ra do Impera-
dor n. 28, assim como : trancas de ceblas
a 640 rs. cada urna, no mesmo armazem
vendem-se c aluga-se
Bichas de Hamburgo.
Ag
raa negra
Chegaram afinal para a aguia negra as deseja-
das machinas para crstura. E' inulil qualquer
recommendacao em quanto a bondade e comino-
didade destas machinas, por serem j bem eonhe-
cidos do publico : ra do Cacug n. 8.
Por 700^000 barato : vonde-se urna mu-
lata de 10 annos com habilidades : na ra do Hor-
tas n. 96. Na rnesma casa ha outros escravos
para vender-se.
Vende-se diversos escravos pecas, viudos do
Cear e do Piauhy, proprios para engenho ; as-
sim como diversos cabrocbas de 12 a 18 annos,
com habilidades e sem ellas c um casal de es-
cravos pardos garantindo-se a conducta : tratar
na ra da Cruz n. 53 e o'i, 3o andar.
MACHINAS PARA
COSTURA
Acabam de chegar ao GRANDE RAZAR
UNIVERSAL, ra Nova n. 22carnf.iko
viannaum completo sortimento de ma-
chinas para costura, dos autores mais co-
nhecidos, as quaes estao em exposico no
mesmo Bazar, garantindo-se a sua boa qua-
lidade, e tambem ensina-se com peifeitao
a todos os compradores. Estas machina-
sao iguaes no seu trabalho ao de 30 coste-
reiras diariamente, e a sua perfeiQo tal
como da melhor costureira de Pars. Apre-
sentam-se trabalhos executados pelas mes-
mas, que muito devem agradar aos preten-
dentes.___________________________
Vende-se urna bonita armario toda de am--
rello, e envidraoada, propria para venda ou qua'.-
quer o tro estabelecimento, inestto na casa onde
est : na ra da Imperatriz n. 38, vende-se a pra-
so ou a dinheiro : tratar meara ra n. 42.
CAFE
ano
Vende Joaquim Jos Ramos: na ra da Cruz
n. 8, 1 andar.
3 cordeiro previdenti
I'h;i lo Qucimailo n. tS.
Novo e variado sortimento de perfumari:
hias, e outros objectos.
Alm do completo sortimento de peru.
marias, de que eiectivame_te est prvida-;
loja do Cordeiro Prevideote, ella acaba g<
receber um outro sortimento que se tora;
aotavel pela variedade de objectos, superior
iade, qualidades e commodidades de pr%
eos; assim, pois, o Cordeiro Providente peo-.
a espera continuar a merecer a aprocia?
do respeitavei publico em geral e de se;
boa freguezia em particular, nao se af?
lando elle de sua bem conhecida mansii*
e barateza. Em dita loja encontrar? O'
ipreciadores do bom:
Agua divina de E. Co-dray.
Dita venkuicira de Morca? & Lamnuc.
Dita de Cogne ingl'?:.a, americana, frsi
eza, too?'- dos melhores -i miisacred:'l
fabricnlos.
Dita de flor de laTangjeraA,
Dita dos Alpes, e. vilete p?.'a toilt.
Elixir odontalgico para conservacao il
isseio da bocea.
Cosinetiques de superior qualidade e c'cti
ros agrada veis.
Copos e latas, maiores e menores, coi
pomada una para cabello.
Frascos com dita japoneza, transparent
i outras qualidades.
Finos extractos inglezes, americano! <
franceses em frascos simples e enfeitados..
Essencia imperial do fino eagradavel cb-
po de violeta.
Outras concentradas e de cheiros igual-.
mente finas e agradaveis.
Oleo philocome verdadeiro.
Extracto d'oleo de superior qualidadt>
com escolhidos cheiros, em frascos de diflV
rentes tamanhos.
Sabonetes em barras, maiores e menor*
para maos.
Ditos transparentes, redondos e em fig"
ras de meninos.
Ditos muito finos em caixinha para barb*
Caixinhas com bonitos sabonetes imitando
fructas.
Ditas de madeira invernisada conten do f
aas perfumaras, muito proprias par* pra
entes.
Ditas de papelo igualmente bonitas, tas
em de perfumaras finas.
Bonitos vasos de metal coloridos, e i.
moldes novos e elegantes, com p de arroi
i boneca.
Opiata inglesa e francezapara dente;.
Pos de camphora e outras differeaU
qualidades tambem para dentes.
Tnico oriental de Kemp.
Alada mais coipieg.
Um outro sortimento de coques de nt
vos e bonitos moldes com filets de vidrilko
i alguns d'elles ornados de flores e fltu
jstao todos expostos i aprectacio de qow
3S pretenda comprar.
GOLLINHAS E PUCHOS BORDADOR.
Obras de muito gosto e perfeifSo.
.Flvellas e tn* para cinto
Bello e variado sortimento de taes objtt
tos, ficando a boa escoma ao gosto do coa
prador._________________.
Vende se a casa terrea n. 11. sita em Olinda,
por detraz do Amparo, junto ao sobrado do fnlleci-
Por menos ao que ifoutra qualquPparte do commeniiador Figueira, com quatro qui.;
vendem-fc e alugam-sf : na ra do Imperador n. corredor ao meio e bom quintal, solo proprio :
J8, armazem do Campas. I traiar na ra da Cidea do Reeife, sobrado n. 5.
q> Mara l'almeira tem para vender
?eu escriptorio no largo do Corpo Santo n. V
andar.
Vinho Bordeaux fino, caixa de 12 garrafas.
Azo te doce, idem idem.
Lona de 1* qualiJade, da Russia.
liriiue-, idem idem.
Brins, idem idem.
Estampas de Santo? em quadnnhos.
Pianos de excellentes vozes.
Fio d'. vella.
Enxofre.
Salitre.
Cemento Ponland.
Dito Romano.
Vellas stearinas npermacete).
Pelles de carneir .
Estopa pa-a fardx de algodo.
Cha Hysson l" qualidade.
Oleo de linhara.
La barriguda.
Cauella da India.
Fardos de fumo em fulha, (s se vende de 20 far
dos para cima.____________
Divertimento.
Aclia sea venda uai grande sortimento de folhr.
os, sendo Magalona, Porcina, Joao de Calais, Vic-
tima da inquisir.to, Malicia das mnlheres e outras
muit?. multas que nao se enumeram por nao alon-
gar o annuncio: na ra do Imperador n. lo, de-
fronle de S. Franciscc.___________________
Vende-se ma escrava de trinta e tantos an-
nos, sendo sadia, faz todo o servico diario de una
casa; tratarse na ra Augusta n. 92.
Vende-se um moinbo de moer caf junto com
o torrador, por pr<;co commodo : a tratar na ra
da Gioria n. 95.
E' muito barato.
Da-se por 300000 um cavallo caslanho fnvciro,
gordo, maneo, proprio parasenhora, anda o me-
lhor que possivel de pliso, mu eonhecido nesla
cidade por muito bom : ra da Roda n. 58.
Farinha de mandioca
Vende fe de superior qualidade, no escriptorio
de Joaquim Rodrigue* Tavare; de Mello, largo do
Corpo Santo n. 17 ou no trapiche do Gunh.i, For-
te do Mallos.
Aviso aos turnantes.
Charutos da Bain'.
Cigarros de S Paulo.,
Fumo caporal Civeile. >
Prfpel Job.
Joaquim Rodrigues Tavares deMedll),
praca do Corpo Santo n. 17, tom Rara
vender cal de Liiboa, potassa da Hussia
da mais nova, vinho Bordeaux de 1'
qualidade, e farinha de mandioca.
Engenho a venda
Vende-se o engenho S. Malheas, raoenie e cor-
rente, com boas obras e em perfeito fstado. me
com agua e est a um quarto de legoa da estacao de
via frrea de Gamelleira. Vende se por 20:000*.
sendo 8 000*000 a vista e 12:0 0* em pagamen-
tos de 2:000# annuaes. Os pretendentes podem
dirigirse a ra do Livra ment h. 19, a tratar com
Laureatino Jos Miranda.________________
Bixasde Hamburgo
outra qnatqurparte
;,<.,..' ;--;VX .- ', -., :'VV-A


6
t*m 4? ftMrtWr?i*wfl feira 28 h m & Mh
A
i
55Ruado ueimado51
A VF.RDADE tendo em deposito grand-
qoantidade de miudezaae perfumaras, ede
ajando apurar dinheiro c adquerir boa fre
ptz est rssolvfda a vender muitissran
barato, ; por essa razao convida ao respe)
tevel publico a vir competentemente man
do a eortir-se do bom e barato. Pois quau
da a Verdade apparece, tudo mais de-
appan
Grande sortimento de bonecos de cera
massa as mais lindas possi veis vestidas ac
*., p M.. 3?( TASSOIRMOS ft G
Eso-dlios donrados pepnonos.
Pentes finos para
bello -""*. .
Ditos ditos Je btelo para alisar
a 240, $20 e......
Ditos para aparar, peona a .
Rosetas pretas, T*ar a .
Tranca de la decaracol peca a 40 e
Fita de coz peca a 480 e .
Alneles de latSo a.....
Sapatos de lia para crianza a 400 o
Gravata do sedas de cores a .
Calcadeiras a. .
Grande sortimento de
Um par de suspensorio
1100 ris 11111 ti
Xa Verdade rn* d Hucteadf
n. 5*.
as das Unas,
de borracha pe
UIIJU
Mitroskope achroma-10 Vs-^iqv
tisehen. Objetiv Lia-^^.J?)
seo.
..
Barometre e temo a
metre. Centigrade
-
ajfuthas de osso para croxe a .
Penles psra regac- com osotas a
Bic;>s globos para caodioiro de gaz a
Onarajns a ...,.
Gran|e sortimento de objetos de
Iouca para brinquedo de menino
Garrafa com tinta a.
Dita com agua florida veidadeira a
Dila com dita dita a
Frasco coni oleo de babosa a 500 e
fclo com agua de Colonia a 300 e
Oa rafa com agua divina a. .
Frasco com extractos finos a .
Latas pequeas com banha muito
fina a 12'>e......
Sabonetes de diversas quali iades a
80, -K)0,240e......
Finas escovas para denles de 120 a
Lindos coques modernos a. .
l'jvios para gaz, dazia a 240 c .
Escevas para fado a 500, 600 e
Ditas para cabello a.....
Pentes para tirar piolho a 160 e.
Princos de cores, bonitos a 160 e
as de tranca de la com 8
varas por.......
Oleo para machina de costura,
frasco a........
Pennas d'aco finas caixas a 800 e
Dita d'aco Perry, caixa -a. .
talo ile algodao pega ....
fcind babadinhos e entremeios
pera de 500 a......
Ditos de Iouca muito fino a 120 e
Ditos para calca a ICO o. .
Caixa com papel amizade a. .
Ditas com envelopes a. .
Ditos com obreias a.....
Catea comagnlhas fundo dourado
Ditas do ditas ditas a.....
Thesoura para costura a 240 e
Caixa com linba de marea a .
Eiriba de cores em novetlos (li-
bra) a......-
:-otis de linba Alexandre de 70
at 200..,,....
FJranipos muito finos com passa-
r, dazia a......
las portuguesas, dtala a .
Ditas francezas a 20200 e .
Papel a!mago o de peso, resma a
90, 3,5500 o .
amito fina para bordar, libra
Fita de algodao para debrum de
sapatos; peca a.....
Ditas de 15a para debrom de ves-
tido, pe?a a ......
26(
20
3*
1<80
321
10c
m
1*30
lAOOt
72(
5(K
4*50
Vendern em seus armazens, no raes do Adolit
n. 7, E?caduba n. 1 e roa do Amoro n. 37, o
seguinles gneros :
Ac de Miio.
Mlhe em saecas grandes.
Farello em saecas de 90 libras.
Chumbo de maui?ao sortido.
Metal amarello para forro de navio.J
Machinas para desearocar algodao de '*, a
serra3.
Kerosene em latas do 3 galies.
Champagne do afamado fabricante Krug.
Horraos tu.
Viuho do Porto engarrafado.
Coac do afamado fabricante Gautier Frres.
Fogo da China, caixioba*, 40 cartas n. 1. Extr.
I00( Genebra ingleza tCMd toni
Cimento Romano.
Cimento Hidrulico.
Cimento Portland.
Gesso para estuque?.
m
cantes.
Venda em gresso a
ingtezes, siissos

fabrih
4.21Ru
Pernaaibace.
ua Nova.
E crystal de rocha do Brasil.
Travessa do Corpo Santo n. 25.
Os acreditados cylindros americanos para padaria, por dona differentes systemas.
Machinas para descaro?ar algodao petes melhores fabricantes de Haw York.
Machinas de vapor systeroa de locomotiva e palias para as mesmas.
Carrinhos amencaDOS para transportar volumes' em armazens. Tudo per pre -
eos razoaveis.
TRAVESSA DO CQBPO SANTO N. 25
Joaqnim Kopes Machado < C.
16(

32
60f
2#00(
321
70
5(K
24(
2(K
8(
m
iflXX
1,540<
4CX
130
20
24(
70
48(
4
28(
16(
5CK
m
5C(
10(
2
140(
3$0(K
4^50!
6550;
16(
481
Cannos de barro para esgoo?.
Gradeamentos de ierro para jardins, calgsdas *
Carros de mao para servicos de armasen'.
Garrafoes com 5 galdes de vinagre tinto.
dem com 3 galSes de vinagre tinto.
Chumbo em barra.
Louas da Russia.
Brimoes.
Estopa superior para saceos.
Cabos alcatrondos de linho.
Alcatrao da Snecia.
Pixo da Suecia.
Estotras da Iodia.
Potassa da Ilussia.
Agua Florida.
Ralancas decimaes de forca de t-*0 a SoO kll>s.
DA
FABRFA MCIOML M BABIA
DE
Teixeira Uldurico $ C.
Aehase venda este ptimo rap, uiteo qi
pode suppnr falta do princeza de Lisboa, por sf
de mui agradavel perfume, Ttajtdo, e a orego i
mais mdico possivel; e por isso lem sido ass
aeolhldo as pracas da Babia, do Rio de Janeiro
em ontras do imperio : no esoriptorio de Joaqnii
Jos Goncalve* Beltro, ra oC-imtaerclo ds
mero 17.
F. J. CSermann, recomnaenOa ao publiw, leus vidros periscpicos aperfeicoa
dos- Doraue, com estes vidros, a vista descanca, fortifica-se e nao a canea como cora
os vidros ordinarios. Urna vez escolhido um vidro, pode durar dez annos, emquanto
tue com os vidros ordinarios, se est obrigado a muda-ios todos os anuos e os ter
oda vez mais grossos, o que altera o crystalino do.lho e determina quasi sempre do-
res de caboca. O alcance ordhario da vista perlo da 30 centmetros do lho, e,
todas as vezes que o objecto est mais perlo ou mais longe, os ratos que expela sao
mui convergentes ou mui divergentes e a visio nao perfeita. Um grande numero de
nessoas tem o deleito de fazer convergir muito de sortc que a viso nao distiacta.
Com a aiwficacno de meas vidros pde-se veu:cr estas difficuidades. Fara os que tem
a vista curta e cujo crystalho*' mui ooavexo (o que faz ver bem, de perto, a mal de
longe), o que se chama myope, por meio de um vidro concavo affasta-seo ponto de
vista, o que faz divergir os Objectos e deixa ver lo longe como as outras vistas. Quan-
do o'crystaliuo muito chato,.o que suceade aos que tem chegado a urna certa idadc,
o que se chama presbyta, vaem m6ilior de longe que de perto, e nao enxergam senao
um nevoeiro na distancia ordinaria da vista; com um vidro convexo, estes enxergarao
tac distinctamente como na idade d* 15 annos. Serviado-se destes vidros quanao e
vista principia enflaquecer, previne-sa o mal. ;
F *. Cermana encarrega-se pela sua experiencia, tendente aos olos, a es
colher, a primeira vista, seja qual for a iiado egro de vista, oculos proprios para
qualquer pessoa, ^
Para que sao fabricados estes vidros ? T
a vista que nao supprta
* PRODUCTOS de J.-P. LAROZE
phimicbutico, i, ni en iiois-MiiT-pam, pars.
XAROPE DEPURATIVO
DE CASCAS DE LAR ANJ AS AMARGAS
Cm lOBURETO *e POTA0SIO
0 Iodoret de ooUsiio nm verdadeiro alterante, um deparador de inconteitf el effl-
caeia; combinad* eom o xarop de casca de taran] a amargas, e atorado
em aertarbacio alguma pelos temperamentos os mais (reos, sem alterar as funecSe
do estomago. As doses mafeematicas qae elle eontem permittem aos mdicos de reeeittl-e
para todas ai eomplicaces as affeccoes esorofuloaaa, tviberouloaaa. oaaoe-
roaas e noa aooadentea intermitientes e teroelroa; atm d'isso,
agente o mais poderoso contra as doencas rheumaticas.
Para a vista myope, (vista curta).
Par?, vista que se cobre de nuvens.
Para a vista que por momentos, v es-
voacar pequeos pontos negros.
Para a vista que as palpebras tremem
de flaqueza.
Para a vista que os olhos s5o desiguaes.
Para a vista que se turva com o traba-
lho e a leitura.
Para a vista presbyta (vistagalon ).
Para a vista que nao suppon
solares era grande claridade.
Para a vista operada da catarata.
Para a vista que as palpebras est3o car .
cadas de saugue. j
Para a vista que um dos oaos myop
e o outro presbyto.
Para evitar ualmente que o crystalino
do olho se cobra de catarata.
XAROPE TNICO MTI-NERV0S0
d caacae de laranjaa amargas.
35 annos de successot aiteslio a sua effi-
caeia para curar: as doencas nervosas,
agudas ou rhronicas, as gastritis, gastral-
fias; e facilitar a iiguto.
XAROPE FERRUGINOSO
d* eaacaa da laraejae oaaala amarga.
E' sob a forma liquida que mais fcilmen-
te se assimila o ferro; n'esta forma prefe-
rivel as pilulase pastilhas en todos os caeos
em que sao prescriplos os ferruginosos.
DENTIFRICIOS LAROZE
COM QUIMA, PTRETIIB0 E GAIACO
rb dentifrimo, com base de magnesia
para a alvura e cODservacio dos denles,
proveaindo a descarnadura, provocando o
trtaro de que empede a reproducao.
xliilr aantirriaio, para a alvura e con-
servaoto dos denles, curando as dores
causadas pela caria ou prodnidas pelo
contado do ealor ou do fri
Bichas hamburgnezas
Neste novo deposito recebe-fe por todos os pa-
quetes translanticos bichas de qualidsJe superior
e vendem se em caixa ou porro mais ptque-na,
o mais barato do que em entra qualquer parte :
na ra da Cadea do Recife n. 51, Io andar. -
Vende-se pelo spu justo valor na na da
deia do Recife n. 58, loja da Azul, o.
f.a-
Cevada
'lo Lisbca e de superior qualihdc
ra do Amorim n. 5';.
vende se na
Sortimento
para theatro,
alcance para
rinha.
de binculos
e oculos de
o campo e ma-
***
Deposito em Ato i$ Jmeiro, I. cherslot; em Ptrnambuco, t. Maarer e C; em Macelo,
rale* BUa; Ht PeMai, Amtera Lelvaa; tm Bakia, Da Eaeha; era PorU Alegrt, i;
gell* mb MaraaUe rerreira iC|W Ouro Prtto, C. 9. T. Waleraaeit en Sonto Catha-
rtM, S. Scfcel| m Montevideo, G Imktrl) em Bufnai-A Candido Alberto So- Cigarros da imperial
dr da Motta & C. fabrica de S. Joao
Lunetas, pinee-nez e
face--maia, ouro, prata,
tartaruga, bfalo, ac,
etc., etc.
Tem tambem grande sormentode relogios para parole, que do beras epara
cima de mesa dos mais lidos modelo Relogios para algibeira, de ouro, prata, prata
con) escriptorio e nrmazem na travessa da Madre
de Dos n. 14, lem para vender o segtiinte :
Gemento PortUnd de Ia qualidade, o mclhor que
tem vindo ao mercado, barricas de 12 a 14 arro-
bas por I000.
Vinlios Uordeanx da seguintes quaUdadcs :
St. Julin.
Fronsac.
Lormant.
St. Emilion.
Marga us.
Cha tea ti de Roycherellr.
St. Lambcrt.
Lalonbere.
Duptessi3. '
Cauor.
Denrsesai.
Vinlio do Porto de qualiJade muito especial.
Ajte doce refinado cm caixas de 12 garrafas.
Pumos de todas as qualidades, se encontrar
neste estabelerimento ern latas, rolos e fardos.
Papel de toda-; asjjualidades proprios para ci-
garrus.
de Nictheroy.
Usico deposito em Pcrnambucacae; da alfao
dega velha n. 2, 1 anda.__________________
Vendem se as casas da ra do Progresso ns.
25 e 27 (na Soledadc) : a tratar na ra da.Soleda-
de n. 50.
Engenlio venda.
Vende-se o engcoho Conccirai, OBtr'om Caan-
duba, distante da povna^o do labfiat&a tres quar-
tos de legua, me com agua, o 6 coieiro, lem bs-
tanlo malla virgem, e de circuiiifcreiicia legua
nieia de torras, a dinheiro-o a praw : a tratar n
Recito, com o Sr. Barroca na ra da Cadeia n. 4,
i u no mesmo engenbo, com o seu proprietario,
Jos do Bego Pintas Coulmho.
GAZ
Vende Joaqnim Jrs Ramos :
n. 8, Io andar.
na ra da Cruz.
6 0RA DA IMPERATRIZ
DE ____
CambraSit uissa
IM 8 PALMUS DE IARtiURA- A 1:600,
2:000 e 2:OJ RS.
Chegaram as hnissimas cambraias suissas
.-aupar ntes, sendo o que ha de mais fino
para vestidos e vende-se pelo barato preco
de I48Q-), 2$000 e 1500 o metro, tendo
ambem das nesmaa, porm inglesas com
a'mesma largura qie se veudem a 40lO,
e J$28Do metro, sendo apenas precisos des-
ta larga far. nda para se fazer um vestido
4 ou 4 l/ metros, pediincha,
SAIAS BORDADAS
Vende-se um bonito sortimento de saias
bordadas coro i pannos, assim como ditas
.i prometas, de lasinha, enesgadas com
iHas barras bordadas a la "por precos
iMdto em conta.
\\N ) PARA SAIAS A i000, 1;?280
1^600 RS.
Ven le-se bonitas fazetidas proprias para
a Beodo com bordadas e pregas a um
tajo, daado a 'argura da fazenda o compri-
ment da saii e vende-se pelo barato preco
de I >)<>(), 13289 e i-A600, cada metro sen-
do preciso apenas 3 ou 3 4/2 metros para
cada saia pacliiricha.
Cttlarinho.
Veude-se um brmito sortimento de cola-
ios tanto de lintiocomode algodao pro
prios para homern, assim como tambem um
bonito .-ortimsnto do; mesmos para meninos
e sepioras e todos vendem-se por prego
BUlit liaralo.
CHALES DE MOCSAMBIQE A 1:280 RS.
3-c una grande quantidade de clia-
i .iQambiqae, com padres escossezes,
.ouiI.j miito gtamles e lev'esinhos pelo ba-
-a piveo de i,52BO, cada um grande
pecbCJia por se ter feito urna grande
i'ompva.
P ann c cascaiiras) prelas.
O i'ivui) vendo graade [lor^o de pannos
i- do mais baixo at o mais Gno, por
lmira, assim como um graude
ito de c;: pr-tas para cajeas
readS por prego lus jarato dgpie
oulia qualquer parte
GORT.RAO PRW0-
se o melhor ||o de seda
ra cutales e vestidos, sendo nesfe
melhof que tem viado ao mercado,
lo que emoutra qualquer parte.
TestiJos feraaeos a S^OOO re.
ende finissimos cortes de ves
ibraia oranra, ricamentebord-
m muita azeoda peta barato preco
CROCIIES PARA CADEIRAS E SOFA'S.
Neste grande estabelecimeuto enoootrara o respeitavet publico, um gratule sortimento de fatendas
otra qua'qti-r parte, visto que os novos snciosdesta Grma adoptatam o systema de s vennderem aMXH
armazem poderao fazer os seas sortimenlos pelos mesmos precos que cempram as casas estrangeiras.
derem escolher..
de 12j5000 re. cada um, pechsoeaa.
CASEMIRAS ESC0SSE7.AS.
O Pavao tem boni as ca eascom quadros gratados* muidos o outras
lisas com listras ao lado, sendo fazendo
muito lina que se vende mais barato, por
haver grande porr3o.
GANGAS DS LINHO.
Vende-se ganga de linho com quadrinhos
muilo boa faz'.ndi para roupas da homens
e meninos polo barato preco do C00 rs. o
covado.
PECH1NGHA EM PANNO PRETO A 2H00,
O Pa-ao vende superior ponaoproco fino
para palito'.s, calcas cohetes etc., pelo ba-
ratissimo proco de 254 '0 o covado.
CORTES DE CASE tfIRA CRETA A 4:300.
O Pavao tem os superiores cortes de ca-
semras pretas enfeitajas pelo barato preco
de 4^500 rs. o cort,
PEGAS DE MADAPOLAO A 3*500.
O Pavo vende pessas de muito bom
madapolao, tendo 12 jardas cada urna, pelo
barato preco de 3;>500.
PSCBtifCHA EM ALGOD.\0 A4000 R6.
O Pavao est vendeudo p.'cas de algodao-
sinho francez, tendo 4 palmos de largura e
com II metros cada p?ca, polo barato pre
de 45000 rs.
CAMBRAIAS BRANCAS A 44000, A PECA.
S p Pavo vende pecas de cambraia
branca transparente, tendo mais de vara de
largura, com 10 jardas cada peca, fazenda
que sempre se vendeu a 7 > o 8' K)0, liqui-
da-so pelo barato preco de 4*000.
ALPACAS BRILHAMES A 1-3000 E 800 RS. -
O Pavo lem o mais bello sortimento de
alpacas labradas, com as cores mais deli-
cadas que tem vindo ao mercido e tendo
bastante largura, vendem-se pelo barato
pnco de lr>000 e 800 rs. o co\af!o.
Con palmas de seda a IJftOOO.
Para o Pavo chegou um neo sortimen-
.o das mais honitas lasiuhas cora palmas
de seda teado de todas as cores e padroes,
sendo fazenda bstanle larga e vende-se a
1#000 o covado.'
Roupa para escravos.
O Pavo vonde um bonito sonimeiito de
roupas para escravos.
AS POPELINAS DO PAVO A 560 US
Chegaram as mai> lindas pmpelioas de
Ha con iroitaco de poupehnas de s^a, urna
fateuda muito leve, com as mai lindas co-
do mais apurado goslo assim como de todas as de primeira necessidade que se ibes promette vender por precos muito mais baratos do que
para poderem vender pelo custo. liaitando-se apenas a ganharem o fleaeonto. As pessoas quo negocian em menor escalfa, nesla loja
tor commodidade das Exmas. familias, de todas as fazendas se do os livros das amostras, ou se mandara levar em_suas casas, para melhor po-
J
ALTAS N0V1DADES EM SEDAS
0 Pavo tem um grande sortimento dos" Chegou um grande sortimento das mais
mais bonitos crochs para cadeiras, sofs modernas poupelinas ou gorgtiro de seda
mesas, almofadas etc., proprios para co-j e liaho, com os mais elegantes padroes que
br ir presntese vende-se mais barato do tem vindo a este mercado: sendo mitilas
que em outra qualquer parle. le gradas, tanto em cortes para-vestido?
Algodao eufestado. jcomo para vender em covados, assim como
Vende-se urna grande porco de algodao' m bonito soi lmenlo das mais bonitas se-
sinho americano com 8 palmos de largura, das listradas, que se vende tudo muito
proprio para lences e toalhas, tendo liso e
trancado, que se vende por preco muito em
conta.
PANNO DE LINHO.
Chegou um sortimento de pecas de pan-
no de linho do Porto, que se vendem de
700 rs. ato 16000 a vara, garantindo sa
que em fazenda de linuo nao ha nada melhor
nem mais proprio para lences e toadlas.
PECIIINCHA EM CHAPEOS DE SOL.
Chegou um grande sortimento dos me-
lhores chapeos de sol de seda, inglezes
sendo neste artigo o melnor que tem vindo
ao mercado, assn como urna grande por-
Co de ditos de alpacas de todas as cores
e todos se vendem por precos muito ra-
zoaveis per haver grande porcao.
OS BALOES DO PAVAO A 2-S0O0,
Chegou um grande sortimento dd bales
ou crinolinas do feitio mais moderno, moito
proprios para vestidos enesgadas, que se
vende pelo baratissimo preco de 24000 rs.
cada um, grande pecnincha.
CHETONES MATIZADOS PARA VESTIDOS A 640
E 800 'RS,
Para o Pavao cnegaram os mais bonitos
cretones escuros matizados, proprios para
vestidos, roupo, chambres etc. que se
vendem 8(W rs. o covado. assim como o
raesma fazenda com padroes claros proprios
para vestidos e roupas de meninos a 640
rs. o covado, sendo os padroes mais mo-
dernos gue tem viodo ao mercado.
03 9ETINS PO PAVO
Vende-se os- mais bonitos setins de cores
e mais encorpados, proprios para vestidos
tendo de diversas cores.
FAZENDAS PARA LUTO NA LOJA PAVO
Eucontra o respeiwvel publico neste es-
tabeleciraeo o um grande sortimento de fa-
zendas pretas, como sejara cassas france-
zas e inglesas, chitas pretas de todas as
qHalidades, fazendas de la de toda que
tem vindo, proprias para lato, sendo laasi-
nhas^lpacas lavradas e lisas, canto, bom
basira?, merinos, etc. que todo se vend
por maco barato.
res, sendo : verde, Bismarck, r6xa, azul,
lyrio, cinzenlo, penda etc. te, e vende-se
pelo baratissimo preco de 500 rs, o covado.
A loja do PavSo esta constantemente aberta. das 6 horas da
era conta.
Merino de eorilo.
Vende-se merino preto de cordo, pro-
prios para calcas, palitots e cohetes, pelo
baratissima preco da 1 ">000 o covado.
CRETONES COM 10 PALMOS DE bARGURA A
2-50OO RS.
O Pavoo lem urna nova remessa da mui-
to acreditada cretone, propria para lences
tendo 10 palmos de largura, dando na lar-
gura o comprimento do lenco! e vende-se
Grosdenaples.
Sedas pretas lavradas.
Fazendas pretas de la.
Para o Pavo chegou um grande sorti-
mento de grosdenaples pretos de pura seda
que se vendem de l^oOO rs. o covado a'.
55 e 6;S0O ; sedas pretas lavradas de de-
ferentes precos e qttalidadesjisiahas pre-
tas, alpacas hombasinas, caninos etc. etc.
assim como um grande sortimento de pan-
nos pretos finos e caseiniras pretas de todos
os precos e qualidades que se vende muito
mais barato do que em outra qualquer
parte.
NOVAS POUPELINAS A 400 RS, O COVADO
0 Pavo vende um grande sortimento
das mais bonitas poupelinas com listrinhas
de todas as cores e com lustre imitaco
pelo barato preco de 20OOO o metro, sendo ?e seda- 'cilitando esta bonita fazenda a
preciso apenas para um lencol um metro e fazer"se um bom vestid) de muita fantasa
urna quarta ou metro e meto.
Chapos a 1.^000.
Chalos a 1?>000,
Chapeos a 1(5000.
S o Pavo vende bonitos chapeos de
todas as cores pira hompns e neninos com
a forma mais moderna que ltimamente
tem chegado, pelo barato preco de 1(5000,
por pouco dinheiro, isto por ter-se feito
urna grande compra e vende-se a 400 rs.
o covado.
ROUPAS PARA HOMENS PARA TODOS
OS PRESOS.
N'este grande estabelicimento encontrar
o respeilavel publico um grande sonimento
de roupas, sendo palitos e sobrecasacos de
panno preto e cazemira, calcas e coletos de
mais barato do que em outra qualquerjarUi;
assim como um grande sortimento de ca-
de linho como de alodio abnndaiita sor
tmenlo de meias cruas.
.*
Ir*
cada um, por terem chegado com um pe- brim branco e de cores, que tudo se vende
queno loque de avaria, grande pechincha.
lECIIIYdll
EM CAMISAS DO PAVO A WoOO RS.
Vende-se um bonito sortimento de muito
finas emodernas camisas inglezas com pe-
to e coltarinhos ds linho e punhos, pelo
barUssimu preco de 43500 rs. cada urna
e aos fregoezes que comprarem duzias se
lite far umabalimento. garantindo-se que
fazenda que val muito mais dinheiro, e
liqaida-se por este preco por se ter feito
urna grande compra : assim como se vende
um bonito sortimento de ditas tambem roinL
peito de linho bordadas e ditas de algodo
para todos os precos
BRAMANTE PARA LENCES A 24000, COM 10
PALMOS DF/L ARGURA,
O Pavao vende superior bramante de al-
godao Undo 1G palmes de largura, cuja lar*
gura di para o comprimento do lencol.
sendo preciso para cada um, sendo cama de
solteiro, 1 If't e para xtn\ i 1 i metro,
pachacha.
Boupa por medida
Nai loja do Pavo manda-se fezr qhatqncr
peca le obra a vontade de frtgez,pJM,a o
que lem um perito alfaiate, respcnsimisaTt-
do-se os donos do estabelicimento por qual-
quer falta que possa haver. quer por de-1
mora, qner por qaaquer afeito i ebra;
e para isto encorara o 'cespeitavel publico
um grande sortimento de todas as fazendas
que duaejar. iftiUgl ll] KMI!
RRAMANTE A 1800.
Vende-se superior bYaTnantexofn W't)Sl
mos de largura, proprio para tances, danII
4o aHiyw tiesta boa fazenda o compri-
mento do lencol, sendo predso pira ##
um aleas 1 e 1/2 metros jfli friA'ft pftl
chinda pelo prec
ALPACAS LAVRADAS A 640, 800 E
1,000 RES.
Chegou para este grande estabelicimento
o mais bonito sortimento das mais moder-
nas alpacas lavradas de todas as cores, que
se vendem a 1;5, 800 e 6i0 reis o covado,
assim como um grande sortimento de alpa-
cas lizas ds todas as cores .
CELEZ1AS E BRETANHAS.
Vendem-se as mais finas celezias de
linho puro ou pessas com 28 metros, assim
como, hnissimas bretanhas de linho com
25 varas, por precos quo fazem admirar
em relaeco qualidade.
Basquinas.
Chegaro as mais modernas basquinas
ou jaquetinhas de seda preta, ricamente
enfeitadas a vidrilbo, tranca e.setim preto
tendo de todos ot modellos, os mais novos
que tem chegado e vendem-se por precos
muito razoaveis.
ORGANDY COM SALPICO.
Chegaram os mais ricos organdys de co
res com salpicos o mais bonito que tem
vindo para vestido, que se vende a 1(5280,
o metro, ditos brancos muito finos com
listras largwa 1^000.
Cambraias brancas
Yenfle-se omrarme soTtfmento das me-
* uhiiu um granue bouimeniu i l*- Jhowawmbraias tanto victorias como trans-
mizas francezas e iqgletts, e ceroalas tanto ^ni ,,.|iilo de m(]Q ^^^ a mais
riibii
fina que vem ao mercadQ.
ESPjffiTtaws A4Ke.
Vende-se um |onit| sort menta dos me-
Uiores e maa Moderaos espartilhos tendo
do barato preco do 54P00 at 8000.
CHITAS FINAS I320 A 5o|) RS.
Vende se o mais elegante sortimento das
maimoderias e. bonitas chitas tanto mia-
das como graidas, nm co. tiaras e es-
coras, dndose 4p odas koatras.
FITSTES BRaNCOS A 6i0, 800 E 1200.
VtWfe-^i irlorto bonitos fustoea^ brancos*
Lqpi|#4exivel proprios para vestidos de
'senboras e roupa ara flieuhsos elvendc-se
MO, 800 e MNO0 rs. o cvvado;
41 Pavo est vendenno bonitas tassas de
ceres fixas a 240, 28(ie 300rs.| covado.
Da 141
\
*l!


i .....! I ,

7
r
r
Diario de Pernambuco Segunda tefra 28 de Mar

de 1870.
8C1
7
A BIT A bA IUPERITRTX *
Esquinuda ra da Aurora, em frente do caf Imperatriz.
o e snmptaoso estabelecimcnlu de fozCnfcs cncontrarSo as Efmas.
ssamfesejar, tanto em rticos do mais rigoroso luxo, como em todas
fazenaas.
N'eslo novo
familias todo qoantopossami
*s mais qualidades de fazendas,
w ton-* n/nSf.30?""1 I*0vi,,ns do ,1e mel,,r seenconira ncstdtoercado,
m i.Pq C? da Enropa' recehem "carnate o que ombligos dFmoda e
tidnKn-'08? ^^tra ^ Paris' o que vem cadadia augmentar s propor-
eoes de que d.spoe este estabelec.mei'io para bem servir sua numerosa fregazjL
*-*-,

IOJA
DO
M
Ai uA/'ffl
111
j^
b$ CjtlMAU
,H**'
Cu-
.od^f^n^M1"3 leCeS e toalhaVle Gase cora ,s^s de~sda e flores, fazen-
Odas a. qiultdatles que cosluma vir ao raer- da inteiramente nova para vestidos de baile.
'' .i* ,, ,, Grvalas p ra senhorase homens, o "mais
a pacas ae todos os pndroes c qualida- completo sortimento que se podo desejar.
des ao vanadas que se Dao podem descrever. Guipure prolo e branco, diversas lareu-
AJbunscom muecas para collocar retratos, ras e ditfererites *>stos
lel.cado presente para qualquer pessoa de. Gollas e pnnhTbordados para senhoras.
'wa.'ik. i i r i j- v Guardauapos de linlio pequeos e gran-
Atoaluado de linho o algodo, branco e des..
le cores proprios para toaihas. Gorgnrodo seda preto ede cies.
n,a ,;nnt. ^ "*3 Grosdenaples prcto o de cores, haven-
Ba* juinas da seda pretas e muito moder- do diversas qualidades e costos,
aas, bem como de crochet, ludo de apurado ^rjt
goslo e ftiitio. Japoneses para |onh -ras, o melhor gos-
.r^L0-63,, _m^sell',,a' raat,aPolo, brancos to. e fazenda pmrjrfc para as festas nos ar-
rabaldes e passeios a tarde.
e de cares, para senhora e meninas,
Bareges de coros variado sortimento.
Babdinhos ou tiras bordadas em todas as
'arguras.
Belbutina de todas as cores.
Bolsas de tpele para vi.igem. grande
variadade de tamanhos e gostos.
Bombazina pela de todas as qualidades.
Bramante de linho de II palmos de lar- riado'sortimento.
gara, e todas as mais qualidades. Ligas d seda, bordadas, para senhora.
Bretauhas de linho e algodao, grande sor- Luvas de Jouvin, chegadas por todos os va-
Quando a AGUIA BRRNGA, mais precisa scieniiBcar ao respeitavel publico em
geral, e em particular a sua boa freguezia, da iramensidade de objectos que ltimamen-
te tem recebido, justamentefqtiando ella menos o pode fazer e porque essa falta invo-
luntaria ella confia e espera na benevolencia de todos quo Ih'a altenderSo e relevarlo,
continuando portanto a dirigirem-se a bem conhecida Ir ja da AGUJA BRANCA ra do
Queimado n. 8, onde sempre acharao abundancia em soitimento de superioridade em
qualidades, raodicidade em preces e o seu nunca desmenilido AGRADO E SINCERIDADE.
Do qu cima Oca dito se conhecequeo tempo Je que a AGUIA BR.ANCV pode
dispr, empregado apezar de sens custos no desempenho de bem servir a aquelles que a
honram procurando prover-se m dita loja do quo necessitam, entretanto sem ennume-
rar os objectos que por sua natureza sao mais conhecidos ali, ella resumidamente indi-
car aquelles cuja importancia; elegancia e novidade os tornam recommendaveis, como
btm seja
LSaziobas de odas as qualidades, cores
e gostos, nao licaudo nada a desojar, tal
o soriiiiientooiio existe para escolber.
Lencos, tudo quaulo pode baver desde
esgniao ao algodao commum.
Ligues de madi'eperola e osso, o mais va-
t:mento.
poras, sempre novo sortimento, quer em
_ : P"i>.-., joiii|jmj nuu suiiiueniu, quer em
Brms de linho branco e de cores, do mais pellica para homens o senhoras, quer em!o
nm0d^d m'*wo emqualidade, afOan- d'Escocia%bianease de cores.
commo
cando oTJBe ha de melhor na especie.
Brins d'algodo completo sortimento
ariedado de prests.
o .Madapoljo; iiulescriptivcl o grande sor-
timfiito quo ha ueste genero, desde xnais
Q*. elevado prego ao menor, que se vende em
lassas de cures, o maior sortimento, pri- prca e ratalbu por menos do que em ou-
mando pelo bom gosto e barateza, ltenlas tra qualquer parte.
18 Qualidades. Maulas de blonde para noivas : o apurado
umbralas brancas, tapadas, e transparen- gosto dos nossos correspondentes em Paria
tes de todas as qualidades e presos. bahiiita-nos a diwr que temos em nosso
Lamisinhas de cambraia de linho e cassa esiabuleuimento o que de melhor se dse-
bordadas ricamente enditados para Sras. ja para vestir c ornar urna noiva.
Camisas para bornea* t meninos, tao va- -Mantas pretas de blond.
fiado sortimento que vai do mais ordinario Manas para carros, com lindas pinturas,
madapolo ao mais perfeito bordado de li-, Merinos pretos, trancados e lisos.
Musselina branca e de cores, lindos e va-
riados padroes.
Pannos pretos c de cores, desde o mais
(e cambraia.
Camisas de mcia, de flanella, brancas e
de cores para homem.
Casemiras pretas e de cores, o melnor
que se pode imaginar, sendo d'isso a me- barato ao mais superior, por prego muito
!hcr prova o grande consummo deltas na Commodo.
officina da casa. Pannos de crocaeJ para cadeiras e sofs.
Corpinhos de cambraia, primorosamente
enfeitados com fitas de setim e obras^essas
coja novidade de molde e perfeigo de ador-
nos os tornam apreciados.
Fitas moi largas de diversas cores e qua-
lidades para cintos.
Loques uesse objecto. muito se poderla
dizer querendo descreve-Jos minuciosamente
por suas qualidades, coree e desenhos, tal
o grande e variado sortimento que acaba
de eheg'ar, mas para n3o massar o pretn-
deme se lhe ajresenlar o que poder de
melhor.
Entremeios em pegas de 12 tiras.
Guipure brando e preto de diversas qua-
lidades e desenhos.
Ditos de algodao com flores e lisos.
Veos de seda para chapelinas e monta-
ra.
Meias de seda para noivas.
Ditas abertas de fio de Escossia.
Costumes ou uniformes para menioos.
Enxovans completos para baptisados.
Touquinhas de fil, sajtetinhos bordados
e meis para ditos.
Camisinhas bordadas para ditos.
Capellas brancas para meninas.
Grandes sortimento de flores finas.
Fil de seda, preto.
PERFUMARA
Grande e constante sortimento de dita,
sempre melhor quajidade.
Lindos vasos cora p de arroz e pinsel,
Caixinhas com ditos arlhaticos.
Bonitos e modernos pentes dourados
para circular o coque.
Bonitos brincos de plaquee.
Aderegos e brincos de madreperolr.
Caivetes finos para abrir latas.
Thesouras para frisar babdinhos.
Aspas para balao.
Novos stereoscopos com 48 vistas, as
quaes sao movidas por um machinismo
urnas substituem as outras.
Vistas para stereoscopos.
Bonitas caixinhas de vidro enfeitados com
pedras.
Ditas de madeira envernisada com vispo-
ras e com dminos,
Bollas de borracha para brinquedo de
enancas.
Diversos objectos de porcelana, proprios
para enfeites de mesa e de lapinbas.
I&ua do Crespo a. 9
Os proprieUiriu!, deste bem conheoido'estabele-
mento, alm d<*- m>iitos objedos (pre tinharn ex-
poslos a|prem?3u do respeitavel pubiieo, man-
daram vir e acubam do reeebcr pulo ulmo vap,r
da Europa um cmplelo e vanado sormnento de
npas e mui delicadas especialidades, as quaes eb-
llo resoridns a vpndiT. como de seu coslume,
por preroa muito baratinhos o coramodos para Kh
dos, com tanto que o Gallo....
Muito superiores luvas do pellica, pretas, Irau-
cas c de mu lindas cores.
Mui boas e bonitas gollinhas e pnnhos para se-
nhora, neste enero o (pie ha de mais moderno.
Superiores pentes de tartaruga para coques.
Liados e riqusimos enfeites para caberas das
t-xmas. senhoras.
^Superiores trancas pretas e de cores com vidri-
tios e sem eltes; esta farenda o que pode harer
de melhur e mais bonito.
Superiores e bonitos leques do madreperola,
marlim, sndalo e osso, sendo aquelles branco.
com lindos dsenho9, e estes pretos.
Muito sujieriores meias fio de Escossia para se-
nhoras, as quaes sempre se venderam por "04000
a duza, eulretanto que nos as tendemos por 20*,
aiem destas, temos tambera grande sortimento de
ontras qualidades, entre as quaes algumas muito
linas.
Boas bengalas de superior canna da India e
castao de marta com lidas e encantadoras flgu-
ras do nieamo, neste genero o que de melhor sv
pode desejar ; al-'m destas temos tambera grandi
3uant!dade de oairas qualidades, corno sejam, ma-
eir, baleia, osso, Iwrraclia, etc. etc. etc.
Finos, bonitos c airosos chicotinhos de cadeia e
de outras qualidades.
Lindas e superiores ligas da seda"e borracha
para segurar as meias.
Boas meias de seda para senhora e para meni-
nas de 1 a 13 annos de idade.
Navalhas cabo de marfim e tartaruga para fazer
barba ; ao muito boas.e de mais a mais sao ga-
rantidas pelo fabricante, e nos por nossa vez tam-
bera ass-gurams sua qualidade e delicadeza.
Lindas e bellas capellas para noiva.
Superiores agJhas para machina epara crox
Linha muito boa de peso, frouxa, para cucher
labyrinho.
Bons barlhof de cartas para voltarete, assinv
como os lentos para o mesmo fim.
Grande e variado sortimento das meiliores per-
fumaras e dos melhores e mais conhecidos uer-
fumistas.
. COLARES DE ItOER.
Eleclrics mapnetioos contra as convul.-oes, r
fai-ilitam a dcnlicao das innocentes crianeas. So-
mos desde muito recebedores destes prodigioac
collares, e continuamos a recebe-los por t.idosos
vapores, atim de que nunca faltem no mercado
como ja tem acontecido, assim pois podero aquel-
les que dees precisarem, vir ao deposito do gaB<.
vigilante, aondo sempre encontrarao destes verda-
doiro? ciliares, e os Chegou ao ntigo ifcposiro da llene* Fwsjw
., ra do toperaidor, um carregam^nto iJTca
de primeiraquaiiaade;o<;!ial reven*em partida*
e a reUlho por nwiMs prejo do qer parte, k
Sementes
De liort.nlcas novas e sag a 120 reis a libra,
no lialisa, na do Llvramento n. .'8.
PILMAS
dos lio adhesivo
A' venda na ra Jo Vigjjio n. I, primeiro
a loja do Ym
Os reqnispimos res de blede de seda em
manta e capella para cas;;mente, nido ne>:e ar-
tigo o que se podo desojar de melhor e mais mo-
derno, lamben) chegaram i s corlea de seda de cif-
res novidade, e outras rr.uitas famdit de costo
que chegaram pelo ultimo wpor Tiancez, s pan.
a lojndo Passo a ra do Crespo n. 7 A.
Tamancos do Porto
Vendem-se tamncos o rMMlkn do Porto pro-
ios para a c-tacao invernosa, tamanco da ierra
ra hornera e s.-nli ;ra, do superior qualidade
na ra da 8enzala-nova r. |.
Apvoueikw a occuatdo
Vtndc-se livre e desemliar:.caila a liberna da
roa Augusta n. 1. c a .-.Tmacao da /abrir de cfca-
rutos do becco do Dique n. 7, raienuo-se todo ne-
gocio, a praso na dinheiro, i-onforme se convon-
conar : a tratar na mesma taberna.
ESCRAVOS FGIDOS.
Ditas
mesa.'
de casemira muito fiuos para
Vende-se por menos de 10, 20 e 30 l
SO' NO
o
Capellas de llores, para noivas e bailes,
desde amis candida flor dlarangeiraal
t mais iuieressante griaalda. IVitos bordados de linho, lisos e de al-
^ Goapelinhas no melhor gosto,de todas as gqdSo para camisa.
coral hoje preferidas pelas, senhoras de Princetas prettB e de cores.
nas apurado wgor na moda. i Popelina do seda e linlw, com listras o
Chapeos pretos de velludo, para senhoras, llores; fazenda lindissima.
c.ttmo flfosto de Pars. Pelherinas para senhoras, do ultimo
Chapeos de sol, para senhoras e homens, gosto.
de todos os pre;os q variados gostos. Perfumaras ; os mais finos: extractos
Chaly com ricos padroes para vestidos, que de melhor e mais agradavel se podo
Chales de todas as qualidades, avultado encontrar neste genero, e de mais fragantj
nmro e nao menos variedad de gostos, e snave no olphato, tem o PAVILHO DA
Chitaste impossivel descrever o soriimen- AURORA, desde a verdadeira agua Flori-
to e variedade a padroes e novos gostos, da at o mais fino Bouqtict d'Amour. unal-
ba neste artigo tudo qtianto se pode desejar. mente tudo quanlo dev'o occapar o toaca-
Cintos para senhoras./) que se pode ima- dor de urna senhora de gosto.
gisar de melhor. .3
Coques, o melhor no gosto e nos enfei-' Saias bordadas, brancas, lisas e de cores
tes, varios tamanhos. com iblhos e sem elles, o melhor possivel,
Colchas de seda com borlas, o mais apu-j Sabidas de baile, de todas as cores,
rado gosto o lavor. I Sodas pialas, de quadros, lavradas, lisas.
Ditas do fusto branco e de cores por 'le listras Je todas as cores e dualidades e
procos commodos. o mais barato possivel.
Sargelim de todas as cores e qualidades.
VATIVO
N. 23Largo do Terco.N. 23.
DE
Corpinhos de cambraia, ricamente borda-
dos para senhoras.
Cortinados da cambraia bordados e de
fi!,o que de nHhor se pode desejar.
Oolarinbos de linho bordados Se lis
matar sortimento.
O
Tapetes grandes, lindas pinturas para 8
cadeiras, mais pequeos e de todos os ta-
lisos, o manos desejaveis, e em peca para co-
vados.
Toaihas de linho o algodo de todos os
tamanhos, li-as e felpudas.
Tarlatana branca com palmas e de cores,
SIMO DOS SANTOS a C.
Os proprietarios deste bem sortido armazem de secco e molhados esto re-
solvtdos a fazere urna grande diminuirlo de precos as suas mercadorias, como se apro-
tma a festa e sempre se fazem avultadas compras para o centro e praca, por
isso prevmem ao respeitavel pubiieo em geral, que mande fazer suas despencas e cor-
tos de que verlo a grande differenca em precos mis do que em outra qualquer parte
e garantindo-se as superiores qualidades.
GAZ AMERICANO .9500 a lata, e 4401 SEVADINHA E SAG 280 rs. a libra e
rs. a garrafa e 660 rs. o litro. 620 rs. o kilogrammo.
VINH.0 VERDADEIRO FIGEIRA 560] FARINHA DE ARARTA VERDADEIRA
a garrafa, e 45O0 a caada e 800 rs o ti-1 640 a libra o 10400 o kilogrammo.
lro- BOLAXINHA INGLEZA MUITO NOVA a
DEM DE LISBOA das melhores marcas, 400 rs. a libra e 800 rs. o kilogrsmmo.
400, 440 e 500 rs. a garrafa, a 25800 e I VELLA3 DE ESPARMACETE 720 rs. o
30200 a caada, 660e 720 rs. olitro. imasso, em caixa ba abatimento.
DEM BRANCO DE LISBOA a 40000.' PHOSPHOROS DO GAZ E DE SEGU-
a caada e 560 a garrafa, e 840 rs. o litro. RANCA, 280, 400 e 560 rs. o masso,
VINAGRE VERDADEIRO DE LISBOA 30200 e 60500 a groza.
para que sio apphctdos, se. renderao com um mui
diminuto mero.
Rogamos, pois, avista dos objectos qne deixamos
declarados, aos nossos freguezes e amigos a virem
comprar por precos muito razoaveis a loja do cali''
vigilante, ma do Oeno n 7.
COGNAC.
lusiio do engonho Gamarapibe na freguezit
de Sermhaem pertencentes a Gaspar Maurici*
Wanderley os ssorarut segnintes : Samuel criol-
lo baixo. groco, nariz chalo, diz ser da Costa por
ter sido comprado pequeo, Joan Gaboculo de ida-
de trinta e tantos annos, pes chatos, venias arre-
diladas, estatura baixa, cor feixada, punca barbe
e esta na p< na do qneixo, Felippe mulato de ida-
de de 10 annos punco mais on men is, baixo, grts-
so. sem deleito algnm, leve bix.is em pequeo, po-
rom pouco appari -e ; p r isso pede se as autori-
dades policiaes e c.-.piiaes d" caitip i a captura dos
mesinos c lvalos do mesmo engenhn ou na ra
da Haeda n. 2" andar eseripiuiiu da Manoel Al-
ves Ferreira u. que terio gralicados.
Fugio do rngunho B De superior qualidade da mui accredit*
da fabrica de Bisquit Dubouch dC, eu
cognac urna das que mais agurdente d.
cognac, fornecem para o consummo d-
Reino da Inglaterra.
Vende-se em casa de Th. Just. ra d-
;ommercio n. 32.
BRACO
lindas cores e ricos padroes.
Espartilhosbran:os e de cores,
^Le,c?^t0ime,ll0rnr'-6,Jener0; fasendamuilo nova, e gostos delicados pro-
n.ennuma Sra. oeixara por ceno de murwr -;, ^,., k
e de tSo precioso auxiliar
am corpo deHcado.
BMNMMios bordados.
Escomifha prta.
Enfeites para cabeca, ultima moda de
Pars* recebida no ultimo paquete.
Eeguio de linho, completo sortimento de
iodos os nmeros.
23P
mumr pra para Da|e>
a penetro de
Vistuarios
^3T
bordados de fustSo brancos e
ie cores para meninos, de cambraia para
baptizados, o que do melhor tem vindo a
este mercado.
Vestidos de la esenceza de 2 saias,
novidade pelo padro, gosto eforma; ditos
de linho cora barras de cores, e de cam-
braia de cores com 2 saias, tudo nteirtf
Fitas largas escocesas para cintos, vare- novidade, trazem os mndelos juntos para
Jade de gostos e lindos padrSes, mostrar a forma de os fazer.
Fi;bus de crochet, modernos cora cintos Veos de blond para noivas e pretos para
e capas, o que ha de melhor. luto.
Fil de seda, linho e algodo, de todos Vestidos de blond para noivas: podemos
38 gostos e padroes. asseverar as nossas Exmas. freguezas, que
*osi3o de todas as cores e qualidades somos os nicos em Pernambuco que pode-
gTande sortimento. mos olTerecer ao Ilustrado publico, o mais
Flanella branca e de cores. 'apuradogosto cm semelhante materia, gra-
FlOres, o que ha dq mais rico, quer gas ao bom gosto do ndsso" forncedor em
oltafl, quer em ramos, tem o PAVILHaO Pars, podemos garantir que ninguem neste
OA AURORA nm permanente jardim a genero o po'ssue melhor, nem mais" en
isposicSo ^s Exms. familias. conta.
ffdispondo d to grande e variado -ortimento que o*' proprietafios do PA-
VILHO DA AURORA se apresentaro ao publico declarando desde j que a sincerida-
de o o bom gostoo mov'el nico de seos negocios.
Prvidos de todo e promptos sempre a prover-se do que por," ventura lhe
eja wcessino, os propriefarios deste sumptuoso estabelecimento recommendaro-so
em receio de serem contradictos e proteslam esfor^ar-se por continuaf a merecer
protegi que se Ihes tem dispensado ; certos de que do seu estabelecimTOo nao sahira
o freguez descontente.
Contipa sempre a ofhrina de alfaiate dirigida por um dos mais habis artis-J
tas, prompto execntor com promptido e bom gosto qualquer trablho que lhe seja
wmTado. Urna modista especialmente oceupada nos trabalhos do PAVILHO D v AU-
RORA, d.nge os que lhe sao eoncSrnentes, garante porseu apurado goslo e promptidSu
na OTecOfio e a mais completa perfeic3o-nos seus trabamos
A numerosa freguezia qT. nos honra urna prova de que merecemos o con-
fio que se dispensa ao nosso estabelerimento, coneito que procuraremos firmar cada
vet mais. Para fac.htar amda a ermeecucao do fim i que nos proponas, temos osso
tabelecimentoq|ullimos figurinas de Purisque receoemos por todos Os paquetes, os
juaes enmrent>ra serem vistos as familias nossas frguezas, afirn de escolherem,
com p padrSo df fazenda o gastona forma.
Na offleina oe alfaiate, junto ao estabelecimento, ha igualmente os figurinos
para homens qu por todos os vapores se recebem. ,
E' esto o modo porque nos apresebtamos pedindo a profecco'do'illostrado
publico e com o mais profondo respeito convidamos s excelentissimas Sras a visi-
taran o nosso estabelecimento, certas de encontraren! no pelo menor preco oossive-
tudo que podem desejar. T
Mandaremos caixeiros levar as fazendas e amo^triAMtfem oedidao vittn
a3o podfiiios eBpecificar todo qoanto temos.
200, 240 e 320 rs. a garrafa, ItfiOO,
1^800 e 24200 a caada,
AZEITE D^te DE LISBOA 900 rs. a
garrafa, e a 74 a caada, e 14340 o litro.
MANTEIGA INGLEZA FLOR 14400 e
14280 a libra, 34060 e 24780 o kilo-
grammo.
DITA FRANCEZA 960, 900 e 850 rs.
a libra, e 24100, 14980 e 14860 o kilo-1
AMEIXAS EM LATAS E CACHINHAS
DE MUITOS TAMANHOS 14280, 24500
34500,40500, 54500 a lata e a retalho e \&
a libra.
GOMMA DE MILHO AMERICANA 400 rs
o masso, o em caixa ba abatimento.
BATATAS NOVtS DE LISBOA 60 rs.
a libra, em caixa faz-so abatimento.
SERVEJA INGLEZA MARCA II 54500
grammo. a duzia e 500 rs. a garrafa.
DITA PARA TEMPERO 560 rs. a li- DEM BASS, VERDADEIRA IIILERS
bra, 14220 o kilogrammo, em ponjao se BELL, 800 rs. a garrafa e 94 a dnzia.
far abatimento. VINHO DO PORTO ENGARRAFADO DE
J^^.-J^ P0RC0 DE BALTIMOOR DIVERSAS MARCAS i500, 14200, 14e
720 rs. a libra, e 14560 o kilogrammo, em 800 rs. a garrafa.
GENEBRA DE HOLANDA E IIAMBUR-
Rua do Imperador n. 26
. Neste novo estabelecimento cncontra-si
diariamente um variado sortimeuto de hp
linhos para cha, pastis, podins, bollos n-
glezes, paes de l. presuntos, ditos*m fiam-
bre, superior cha Hysson, preto, e miudi-
nho. Vinhos finos de todas as qualidades
conage, licores, conservas, champagne, cer
veja ingleza, fructas muito boas, por-
tuguezas e francezas.
Um completo e variado sortimento di
caixinhas de todas os gostos e precos pan
mimosear senhoras, estas caixinhas recen-
temente chegadas de Pars sao de primnra-
do gosto, ofl'eresse-mo-las aos galanteador
do bello seio pois nellas acharao nm digni
e serio presento para as dorias dos se
pensamentos. Tanibem os apreciadores <
ha fumaca encontrarao charutos dos me-
lhores fabricantes da Dahia e de Havam
sganos do Rio de Janeiro etc. etc.
Doces d'ovos seceos, chrislalisados e fa
calda, ditos de caj e de outras qualidades
Nesta casa reCebem-se encommendas par<
bailes, casamentos e baptisados e qualquei
encommendas avulss, como seja pao de \(
e bollos enfeitados e outros muilas coozaf
que enfadonho mencionar.
por3o se far abatimento.
ARROZ DO MARANHO E DA INDLV
120e rs. a libra, 260 rs. o kilogrammo e
34400 a arroba.
ALPISTA 200 rs. a libra e 440 rs. o
kilogrammo, e 64000 a arroba.
CAF EM GRAO 64 o 64500 a arroba,
200,240 e 260 rs. a libra. 140 e 520 rs. o
kilogrammo em sacca se far abatimento.
SABO MASSA 240 e 200 ra. a libra,
520 e 440 rs. o kilogrammo, em caixa se
faz abatimento.
MASSAS PARA SOPA, MACARRO, TA-
LHARIN E ALETRIA, 560 rs. a libra e
14220 o kilogrammo.
BOLACHINHAS EM LATAS DE DIVER-
SAS QUALIDADES, bem como perola bri-
Ibante, combination, PraiM^ti dynel, mixed
Britaaia. Mdium, Fan. y-nie-nae, a, b, c, e
soda a 14000 e lltif0, cada urna lata.
GUEZA 74 e 64 a frasqueira, e 500 rs. o
frasco.
DEM DE LARANJA DOCE AROMTICA,
114 a frasqueira e 14 o frasco.
QUEIJOS DE DIVERSOS VAPORES,
34000, 24800 e 24400 em caixa ha abati-
mento.
TOUCINHO DE LISBOA MUITO ALTO
400 rs. a libra, e 880 rs. o kilogrammo,
e 114500 a arroba.
LINGUICAS FINAS PROMPTAS EM LA-
TAS 14000 rs. a lata.
LOMBO DE PORGO ASSADO JA PROMP
TO a 14000 rs. a lata.
CHA FINO, GRAUDO E MIUDINHO
3^200 e 24800 a libra, e 64100 o kilo-
grammo.
IBBMttOPMO'PARA NEGOCIO 24000,
20200 e 14860, rs. a libra.
Assim como ha outros fliaitos gneros, vinho em ancorlas, azeitonas,
muito novas, passas e figos novos, charutos de diversas marcas, raarmelada, feita pelos
melhores eonserveiros em Lisboa, geta d marmello, pcego, ervilhas, em latas, por-
tugu^zas e francezas, vinho verde engarrafado retalho, peixe em latas, bem 'como
pescada, tainha, pargo, goraz, kila, corvina, -vezogo, cavalla, sarda e sardinhas de Nan-
tes. Oanela, cravo, ervadoce, cominho, pimeota, grandesmolbos de sebolla 14500
Finalmente ronilos ontros gneros que enfandonho menciona-los.
ZZZ
Aberte das 6 s !9
CEMENTO
PORTtAND.
Vende-re no armazem amrello de Vicente Per-
P.IRA A FBSTA
3 portas, Ifja de feagem
53-Rua Direita--53
Neste grande estabeJecimenlo, ha para vender I Ml.r5 d* ?ta & l>"bo' defrtn do reo da Con-
um completo sortimento de ferragem, e miadezas! ceicao, m barncasurtndes
finas e grossas, como sjatn bandejas chinozas
qoadradas e oves, facas e garft de 1 2 bc-
t&es, bataneo inteiro e 1/t bataneo; panella?, ch-
Iheiras, cagaroHa, frigideirs, assileiras, tanto
de ferro como de porcelana, moiuhos para caf do
diversos tamanhos do fabricante Japy, pesos kilo- j
grasiiBos, tanto de ferro *ov> de iatao, metros
para medir faseida tanto de ttwo como de tatito,
f'ilitre, breo, hrb*pte, enxofre, ^aptl marca via-
q, do vradeiro Picara, maehnaa para desca-
roear algWio; aIAu de ott ariigos de ferra-
gem, mfndezas ctttifarias loas, que t eom a vis-
&sejVBrlflfl}n*ruor-
Us de Manoel Beato de Oliveira BragA C.
, fifi e marea de
tamaragibe, provincia d;.s Alagnas, o eseravn Ni-
colao, de ida e 31 annos, altura rrpnlar, ero-*
do corpo, andar baneiro. (em falla de orales m.
Trente, rosto largo, barbado, costuma as vrzes fa-
zer toda a barba, tem urna cicatriz na esta, e o
ps grossos ; este escravo anda rufidp desde o it
16 de Janeiro do crreme anno : n.ga se portanto
as autoridades polioiaes c aes ra pitare de campo a
apprehenso d-sse escravo, a entregar no enge-
nno cima nieneiunailo, mi ne>ta iraca iuado
Vi.sariM n. 12. ou travessa do Gn-po Santo o. 25,
l" andar, une s< pratillrar gneros; diente.
Fugio ni. dia 20" de 1'eveivTro, pela i* vez, a
escrava crieula de nome Belizaria 4jne MiPKDti
ter 10 annos, estatura baixa, com grande taita de
denles e com nina sicatrii te queimadun no bra-
co direito, tendo levado dons cha!, iiJu nm
verde e outro listado de azul e branc >; otien,
a eaptmar sirv.i-c," |eva la a Ponte de Uch<
sitio de JoSo Jefe Rodrigues Memie, ou a ru.
da Madre do Deus n. 28, que sera generosamenu-
recomprasado.
Fugio do engenhn Minh, cs, ~da'comanu de
Santo Anlin, no da 20 de jinho do anno |ia o escravo de nome Francelino, representa ei 35
annos de idade, com os signaos si guiles cor
preta, baixn, corpo reforcadi\ cara laiga, batluote
hartado, olhos pequeiio?, nariz muito ;-.fi ado, d. c-
ca regular, denles curtos e limadcx, milito prosis-
ta e andar spressado : copsta andar pFlm si*ur-
Dios da eidade de Olinda, engenlio Kraguso. (;aiu-
c, Beberilie ou Apipaeos, acornado por Joguim
Jos de Sarl'Aona, seu irm?o liberto, o qnal la
nm sua c-impanbia urna eab clh. e lilhos da mes-
ma, e por oulro irmo de nome J.s llg..i. qufi
o conduztra para os lugares cima iondieado-
alem de uri) outro so.'io de nome Jos" Zarbarns
da Silva, conhecido por Jo- Paj^, por ler vindi
daguella comarca. Rogase s auloridUes e ca-
pitaes de campo que o .ipprehendain e o leven a
ra do ngel u. 17, ou uo engenho MlHlJmas, 3
entregar a seu scnlior JoSo Coneia de Qunroz
Monteiro. que servo generosamente gratificad s.
Anda tugido disde 26 do f.-veretm \,r- xi-
mo passado o escravo J,.ao, prelo, ..statnra b.>i.ta
ld.i picado de bexigas pelo rosioe falf.i de den-
les : levoa vestido camisa branca, o leven mais
outra de riscado de listas, (juera o pegar leve- a
praca da independencia loja de Porto & Ba-tos.
que sera recompensado.
CEMENTO
0 verrladeiro portland. S se vende n.
ra da Madre de Deus n. 22, armazem
Joo Martins (V Barros.
I-eque do madreperola com eda, e- todo? d.
madreperola muito proprio para a*\ as, chega-
ram aloja do Passo a ra do Crespo n. 7 A, as
sim como re.juissimos chais de louquim de to
nas.as coros, vestuarios bordadas de cambrai;
para baptizidos, meias de escocia (novidade) moi-
^ bonitas para as Exmas. Sras. que gostam anda!
oh sapatinho raso e outros muiw anigos de gos
to que os proprietarios deste esubelecimento teeu
recebido.
J504000
Fugio do engenho Bom-jardim, fiegueiia d Es-
cada, o prelo Man^ el, idade 30 annos'. pone., mais
ou menos, estatura regular, espigado, canella- B~
nas, ps pequen is, pouca baiba, mui'.o allMite,
tem falla de um pedaco de urna das orelhas d la-
do de cima, anda sempre com o chapn lonibmltt
para esse lado para encobrir a falla do perin, da
dita orelha, deve et*r acoulado em um lugar cha-
mado T( ca da Paca, em confins da E cada e R oi-
to, em um lugar quasi diserto, com tima en tila
forra pret;, gorda, e nariz chai, coi qn ni
mesmo preto fugio, desconlta-se estar lio lugar
cima por dita negra ter al m irm); n-ga-e
portanto as autoridades pollciaes e as sn..re
capitaes de campo a captura de dito pera\ < o
cotiduzam a. dito engenho cima, nd a ei ucear
no Recife aos Srs. Rodrigues Almrida A C a ma
estreita do Rosario n. 17 ao vulto para < p ie
do Harmo, que sei recompensado a m a atianfu
de Io0j5
Estampllhas.
JVendo-sena rna da Cup; o 8, 1 sndar.
Para a qnarpsma.
Va loja rio Passo
O proprietarios dote importante estahelecimeB-
to receberSo pHo nltimo vapor francez ricos pos-
tilliOes do gorguro preto muito bem enfeitados.
inteiramente novidade, sedas e g-rgures pretos.
temos sortimento competo, o melhor a desejar
Dirijam-se. pois, todas as pessoa? quo preeisam d^
omprar e>tes artigos, ra do Crispo n. 7 A
Scienles de que, em precos nao se deixar de fa
zer negocio, isto motivado pelo muito sortimento
qne temos.
B-efinapo.
Vende-se a rellnacaS da ra de Hortas n. 7,
muito proprla par principiante, por ler poucoe
fundos : a tratar na mesma.
VENDE SE on arrenda-se o enron.
S. Gaspar, sito>na fregnezia de SerinhSem
comarca do Rio Forinoso, prximo do em I
barqne, coto grandes partidos de paol i1
massap roda da moenda, mattoe mangnet
para madeira necssaria, Dom pasto, etc.:
a tratar nilha d'Anrora n. 26, on na dt'
imperdbr n. 20.
Vende-se am sehadro para padafT
fpitoestodo, por mdico prego : a tratar na praca
da .ama Cruz, padaria n. C. r ^
Sementes de hortali-
ces.
13-Ihh d I'iiperad'ix
Na botica do C Cali. & C
IVlha de f rW>.
a
Na ruado Cirspo n. 6, ha para vender; por
pre^o mm'to raoarel, um grande sortiffienn de
I temas de ferro gatvanisade de diversos tamanhos,
para cobrir, casas e telheiros, que alera de ser
mais barato doque as lelhas de barro, c matto
mais litJpo e aformosela muHo mais, tH.
-- Ausentou-e a pino de don- metes de casa
do seu senhor a escrava preta fula de nome M. r a,
coro pe/to de 60 annos de idade, alta, gorda, noi-
anregrista, f. i nwrava doSr. Dr. Amaro, c'.-la
qu amia nesta culade. e lem sido vi-la no RtifrA
da Bua-vista e em S. Joi- Con' lab11' na cu-
btQa : quem a apprehcndcre deba (udfr dar io.
licia exarU, dirija se ao pateo de S Pedro ti. II,
que f e. gratificado.
Fogio Oo rugedlo Cedro, f'1 guezia do C bo.
hoje 21 de marco, escravo ulna de m me An-
tonio, altura regufar, ccrpolenli, e^padandu, bar-
ba nova, todos os di*ntes, porm l.noolo-, r-, b-lios
carapinhos, olhos praudos, nariz fem*so, bfeca r-
enlar, fies e p^rnas bem i'eitas, t> m all;> n a,-.a *
oln. r baixo, fllhode Piaiif da l'.o-ahjh* .to > r-
te, e fot escravo di Sr, j* Mor-ia "i> 0,'iv, ira.
p:ii do reverendo padre Saturnino ; lev- u um .-h-
vallo rodado rxo, inielro e g%do nm tmim .is
c. uro com roaos o unta rede i g ai.uca- e Un a
iuem o Mar ao referido ngenli. >u i .ia da
Praia n. 89. 3 andar
_U-________________________________________,111
Negro fagi o.
Auzeni.iu se no lia 14 do coi'eofe da bala-
rla da Soledade, de casa de seu p'i.hnf nm i mt-
v. erionto, baixo, ecrpn rpgn'ar. i.-m no. num olho, parece Urna leUute.p. itr trb jes-
sa no flueixo. chama to H.xuxi> >V d.- id.-iCT -27
anuos, levuu calca azul d algorfa, j parda ,-a
mi-a do esmo bran.-a.'j/nm bom" uzad. mes-
tredemacetr ; jtllga-se estar p.r ,hj etn alu-
ma padaria e o amaine asignado ae de ] proi.s
la contra quem o liver aiuitao, a-Hn^mu gra-
tificar genero, amento a que o n.ufw a ~on
s8nh r.
___________Wawnol IftTge -\* Sonta.
Fugio do engenho Tapera, fr*- 59S5 J4-
boato, no >ota i do coiveol*, o <+- que tem os signaes segnintes .. b'-a figo/'. I" o
preto, 30 ann s mais ou menos, sem baiba,
as com alguns cabellinhos no q'ixo. fita de
dems nafente, bowb.pwso, n- neqiiw* e
cavados, tem una ftoatrn de um talho Je ti.a-
chado no dedo grande de uro di to e 1-
befi um pouco comprtU, rentas gtandes p.r
lomar rap, leve rostirfaJetot pr-to. caifa pre-
ta ou bonica, chopeo do-bidt smenlo. 9 s%cu
o caminh'vje Govana, de.onde f 1,
xou a molhcr ( forr 1
rVmrmba. Qnem a pegar fin
eta dito engenho ser han gratis



4

a
-.
_-
8
Diario de Pernamb.uco Segunda feira. 28 de Marq de
ol
IB70.
UTTEllATnRi
OsbrilhantesdoBrasileiro
Illa-
Ca
castello
XI.
Branca.
siih
o irmo,
SONHOS E ESPERANZAS.
(Continuaco)
Acontecen pergunlar D. Angela
mestra de bordar o que fa
q lando nao lia.
Escreve n'um grande vro em branco
urna cousa chamada Sonhos resj> )inleu
Joanna. f>
A fidalga pedio, rogou e supplicou eos-
t ureira que Ih'os deixasse ver.
Joanna hesitou rauitos dias era denon-
car a sua curiosidade Francisco ; toda-
va, importunada por Angela, referi ao
irmi a sua imprudencia.
Fraqueza congenial do horaem! Teve o
.paz uns asttmi de jubilo com os rogos
o Angela Re'leu os seus Sonhos, deu o
manuscripto irma, e disse-lhe:
Pede-lhe que rasgue esses papis de-
pois de os 1er.
Angela pairava em regies sob-postas
i i seu espiritual adorador. Adevinhou
mais do que percebeu. Decorou at o que
, lo entenda.
Vem de molde o eneber-se um vacuo im
[orlante desta historia. A educado l*te
rarla da filha de D. Maria d'Antas era igual
j do capello que Ih'a transmitlira. Es-
crevitcom a othographia do padre, quasi
inca racional. Liaos livros da sua lia,
que se presa va de perceber a Recreacao p/-
losophica do padre Theodoro d'Almeida.
i ilia todos os annos e Feliz independenU' do
raesmo congregado, o Belizario de Mar-
monlel, e oulros livros, cujas passagens no-
Mveis andavam de memoria na familia.
Que monlava isto ? O amor de Deus in-
fundio a mxima sciencia nos apostlos ig-
norantes. O amor do homem arrota e en-
frulece, sbitas, o mais maninho entendi-
raeiito de mulher. Fhenomenos do amor.
O divino, orejando e aromatisando marty-
res e santos, ala os amados gloria. O
humano r.om seus relmpagos que ahrasam,
o perfumes que embriagam e asphyxiam,
ttespenha-se nos reconcavos do inferno, que
r.esto mundo se chama o desesperar.
Angela sentio destecer-se o escuro de sua
ignorancia ao compasso da leitura nocturna
que razia dos Sonhos. Aquelle livro nao
te ensinava historia, nem grammatica, nem
jjeographia, e outras cousas que, nao sabi-
las,_constituem a ignorancia humana. O
que illa aprenda era o verbo, nao o verbo
que so conjuga ; mas a palavra, o som que
vibra, a corda virgem, a IranslucidaeSo do
-entir inexpressavel, o definir da i lea con-
fusa, a linguagem um tanto myslica desta
religio do amor que precisa revelaco dos
^ciados, Emfim, o verbo.
Ora, muto era para ver-se a affoiteza com
que a menina comegou desde logo a escre-
\er um livrinho em oitavo, brochado por
suas m5os, uns pensamentos curtos e sin-
plos.com o titulo de esperanzas! Mal
'splumada anda para librar-se remonta-
dos lyrismos, Angela apenas avoejava de
arbusto em arbusto, colhendo todas as suas
iraagens das flores, como a abelha a dul
cido dos seus favos.
Quando j traba escripto algomas laudas,
pedio, com adoravel smplcidade, a Joanna
que entregasse o livrinho ao irmo, e acres-
centou :
Quando elle rasgar esse, eu rasgare
o que me elle mandou. E diga-lhe que se
He sonha, eu espero.
Joanna satisfez o pedido com repugnan-
cia, e mormente quando vio Francisco por
tanta raaneira banhado de consolado que
batam as arteras das fontes, collando o li-
vrinho aos becos.
Agora que vai coraegar operiod) epis-
tolographico desles amores.
Joanna, receiosa de ser solicitada para
raedianeira em to arriscada corresponden-
ca, evilava o ensejo de estar sos cora
Angela, e raramente, sem necessidade ex
tierna, ia a casa de D. Beatriz.
Angela, douda deste desaffecto, grangeou
imprudentemente os servidos d urna criada
quem entregou carta fechada para Joanna.
O coatedo eram puerilidades, senao antes
urnas espertezas innocentes. Enviava ella
duas folhnbas no formato das suas espe-
luncas, e pedia que fossem reunidas s ou-
tras. O dizer d'cste supplemento era ja
inste e queixoso: chamava-lhc ella aos
rensamentos : Esperancas que fenecem.
Se Francisco nao eslivesse presente, a
irma escondera os papelinhos, e ira pedir
misericordiosamente fidalga que se esque-
cesse de seu irmo, e empregasse amor
onde Ihe fosse permittido esperar felici-
dades. ,
Francisco mandou esperar a criada, e es
ceveu a primeira carta. Depois
da, a terceira, ate duodcima, que era
caderno, cojo paradeiro foi s
\ulsas de D. Beatriz.
Ate-se agora o fio da historia, no
de D. Beatriz mandar que a sobrinha se
preparasse para entrar no convento.
xi.
A FUGA
A sorpresa tolbeu a reflexo.
Angela, pela primeira vez,
familia. Contavamse arrojos
dltatas, em annos verdes, quando o pai rae
impunha observancia dasleis do decoro, em
desacertos amorosos. Sahio-se a filha de
SimSo de Noronha-com umdos atrevimen-
tof nao communs em quanto a sociedade
assusta, e o coraco mulbenl nao desteme
os effeitos do escndalo.
Ouvida a ordem, ao anoitecer, entrou no
seu quarto onde se deteve at s dez. O
silencio da casa era completo, quando eila
abri a janella mais rente da ra, sahio e
encamjphou-se casa de Joanna.
A irma de Francisco, que tanto o instiga-
ra i sabir para o Porto, n'aquella da, esta-
va a essa hora, chorando saudosa delle.
Quando oavio bater porta, alvorocou-se,
cuidando fe o irmo desandar, por nao
poder vencer-se. Perguntou, conhecea a
voz trmula da fidalga, expedio um grito, e
cbamou o marido.
Angela, apenas entrou, disse entre riso-
nba e espavorida:
Fugi 1
Fugio, santo Deas lexclamou Joan-
na.Vossa excellencia fogio, enhora D.
Angela ?! Nao me diga isso por quem !..
Fugi, deveras, pois nao v, minha
amiga ? Olhe... ningaem veio comigo-..
Se eu nao fogisse, amanha havia de entrar
ao convento forcosamete, que
disse minha lia...
a segun-
o
mos con-
lance
deu ares de
de D. Mana
assim m o
agora, minha ffinhora aatalhou
aflligidissima a inna de Francisco.
Agora o que ?
Que tenciona a menina hzer ?
Fico nesla casarespondeu serena-
mente D. Angela, aportando as suas a mo
de Joanna.
Mu pobre casa; mas ella aqu est,
e nos para servirmos a vossa excellenpa
disse Jos Maria respeitosamente.
Mas que infelicidade, minha senhora,
que infelicidade! excl mava a trmula irma
do a ademico, em quanto Angela relanceava
em volia do si olhos indagadores.
Nao te adujas assim, Joanna !disse
tranquillo o mercieiromaior infelicidade
seria que a fidalga n3o tvesse pessoas que
a respeitam como nos.
Seu irmo ?perguntou Angela com
vehemencia, como se a salteasse o pensa-
meoto delle ter sahido para longe.
Est j no Porto, minha senhorares-
pondeu Jos Mara, visto que a mulher nao
responda.
Foi para o Porto ?!murmurou
filha de D. Maria d'Antas impallidecendo e
esbogalhando os seus brithantes olhos ne-
gros.
Foi, minha senhora; ped-lheeumuito
que fossetartamudeava Joannacuidando
que, saliindo elle d'aqoi, se acabavam as
iiiquielaces de vossa exellencia e de sua
ta.
Angela pendeu a face para o seo, e que-
dou-se largo espago enleiada, sem attender
s sensatas observages de Jos Mara.
Que ingraldao murmurou ella; e,
levantando-se de sallo, disse :Bem.. nao
vim aqu fazer nad<; irei para o convento;
rei para ende quizerem. Meus amigos,
abram-me a porta, que eu vou outra vez
para casa ; mas digara ao senhor Cosa que
eu vira procralo n'uma hora de muito
soffrimento, que o encontrei, e qae nao sahi
desengaada...
Oh! minha senhora, vossa excellencia
injusta com o meu pobre irmo.. .ex-
clamou Joanna, com as mos postas, e in-
clinada quasi em joelhos.
Neste em raeio, bateu-se porta redo-
blados golpes. Estreceram todos.
Jos Maria foi janella, e as duas senho-
ras seguiram-no.
Est c a senhora D. Angela?per-
guntou urna voz de mulher esbofada.
Victorina...disse a fidalga.
Estou, Victorina, estou aqu... Que?
minha senhora disse a criada an-
ciadissima,Duram f que vossa excellencia
fugiu. Sua lia levantou-se a chamar os cria
dos. Nao lardam ah... Olhe que a levam
torga, e sua ta disse ao Jo) Alho que
se phasse s raaos o Sr. Francisco, o fi-
zess em postas. Volte depressa, que, se
elles c chegam a vir, ha desgraga maior.
Eu voudisse attribulada Angela
eu vou ; que nao vo elles fazer-lhes mal,
meus amigos. Adeus, adeos. que nos nao
tornamos a ver ..., abracando Joanna,
balbuciou coberta de lagrimas:Diga seu
irmao qua Ihe perdo, que fez bem em fu-
gir, seno talvez o matassem ...
E desceu presurosamente as escadas.
Logo que sahiram ra, ouviram a es-
tropeada de criados que eram muitos, acau-l
dlhados pelo capello, sugeto de m rez.'
Vamos por outro ladodisse Victo-
rina recejando o encontr.
N5oobstou Angela.Se elles me
nao encontrara, sao capazes de arrombar a
porta d'esta pobre gente. Vamos direitas
elles. Se nao queres vir comigo, vae por
outra-banda.
TS'o, minha menina, hei de acompz-
nha-la, aconteca o que*acontecer.. disse
Victorina.
A poucos passos encontraram a chusma.
Angela parou. O capello aproximou-se a
reconhece-l, e disse severamente :
D'onde vem vossa excellencia ?
Voa para casarespondeu impertur-
bada a fidalga.
Mas d'onde vem ?insistid o.padre.
Que Ihe importa f
Importa, sim, senhorarep'icou elle,
aportando entre os dedos o marmeleiro ar-
golado que vergava sob a presso d'aquel-
las mos ungidas de sacerdote de Jess; e
proseguiu :Eu quera ver a cara ao ban-
dalho; queria mandar as orelhas d'elle de
presente ao senhor general Simo de No-
ronha.
Angela ladeou a turba, e, traspassada de
sbito medo, seguiu caminho de casa. Os
criados, imitando o padre, seguram-na de
perto. .
Entrou a senhora pela porta principal, .
Beatriz rodeada de criadas e visinhas, es-
tava na primeira sala. Angela perdeu o
animo, quando avistou do palim a multdo
que eslava dentro. Voltou--se enlo muito
desalentada para Victorina, e disse:
Quem me dera morree neste ins-
tante !.. .
O capello adiantou-se, mandando reco-
Iher os criados. Passou avante de Angela,
e disse a D. Beatriz :
sobrnta de vossa excellencia est
all Que ojdena ?
Abram-lhe urna porta de dentro; que
nao passe diante dos meus olhos, e que
fique esta noite aqni f or caridade. Come-
cou como Maria d'Antas; provavelmente
acabar como ella. Tal me, tal filha.
E, vociferando assim, sacuda urnas cal-
mandulas de azeviche que tinha penduradas
no pulso.
A gente, que a roiva, repetiu com tom
de piedade:
Tal me, tal filha !...
E Angela eseutra aquillo, amparndose
nos bracos de Victorina.
E esta mulher sentia-se transida de hor-
ror, por que s ella e Simo de Noronha
sabiara que morrer havia sido o de D.
Maria d'Antas. Ella tinha sido qaera con-
duzira Vianna a criancinha de dous annos;
e nunca o terrivel segredo Ihe fra arran-
cado pelas suspeitosas indagacSes de Angela.
Recolhida ao seu quarto, a pavida rae-
nina rompeu em solutos abafados, no seio
da criada.
XIII.
DESAMPARO.
O capello obteve de galope as licencas
necessarias para a clausura de Angela.
D. Beatriz recusou ver a sobrinha, que
Ihe mandou pedir licenca para despedir-se.
Victorina acompanhou-a.
Quando entraram no convento, j l cor-k contemp a-la
ria a noticia da fuga. Sror Cassilda de^
Noronha, irma do genera], eslava preveni-
da por suaflbia. Recebeu glacialmente a
sobrinha quem aborreca: era odio reflexo
de D. Maria d'Antas, causa indirecta da sua
toreada recluso. Fra o caso que Simao
de Noronha; resolvido a concubinae-se com
a prima, removea o estrvo di irm5a, ra-
dozindo-a ou conslrangendo-a a prfessar, i tamenle Victorina que sua ama tinha pa-
ja quando nao podia consagrar ao di no
esposo a virgodade do corafo. Sera im-
pedimento da mortalha, Sror Cassilda des-
forrou-se, bem que Dio sabisse da classe, e
da sua ordem, honra Iheseja; que os seus
amados linhanrsido todos frades benedicti-
nos. Sem embargo, o odio inveterado
Mara d'Antas oi seaiente maldita qne bra-
cejou arvore, onde as aves infernaos flzeram
ninho. Cumpria desditosa filha JU pte-
cado-a tragar-lhe os fructos.
Para dobro de desgrana, o general foi
avisado da fuga. A reepOsita do selvagem
forsimples: nao tenho ilha. Queria di-
zer : essa mulher que se sustente eom o
seu trabalho, ou sustente-a a caridade pu-
blica.
E, por tanto, Angela nao tinha mesada.
Cass'dfdiza s suas criadas: dt:em-lke al-
gwna cotsa, se quizerem. E Victorina, que
tinha cordes e arrecadas, vendeu o seo
ouro, alegrando-se de o ver transformado
no pao da sua ama.
Foi terminantemente prohibido porteira
entregar carta recolhida, sem previo exa-
me da abbadessa; a mesma co|dico es-
tipulada para carta ida do convento.
Tres das depois, Jos Maria, o mercieiro
cujos baveres nao chegavam a pagar o de-
bito de um cont de res D. Beatriz, foi
intimado para pagar ou nomear lns pe-
nho a. Tinha a casa em que viva, o os
gneros de sua loja pagamentos de praso.
llereceu a casa. Penhoraram-lh'a, Os
credores confluiram. Fecbaram-lhe a loja.
1 dez dia^s deoois o coreiro fechou-fhe a
sepultura. Morro deshonrado, e deixo^te
a pedir e mais leu irmo exclamou eU;
desde que o ameacou a congesto cerebral
at que pendeu a cabeca aos bracos da es-
posa, e expirou.
Chegou a noticia do success triste ac*
mosteiro. D. Angela verteu acerbas lagri-
mas, e tomou como sobre-carga de angus-
tias a responsabihdade da- morte do merci-
eiro, e a desgrana da viuv e do cunhado.
Francisco Jos da Costa recebe um
lempo a noticia da faga e recluso de An-
gela, a da penhora e fallencia; a da doenca
e provavel morle do cunhado. Part* para
Vianrw. Quando chegou, Joanna assistia
de joelhos,ao acto de sacramentar-se c ma-
rido. Francisco nao ajoelhoo. N'aqaelle
estacar immovel dante do espectculo l-
gubre, havia o quer que fosse peior qpe
a condico do moribundo. Velo era com-
prebender as palavras plangentes d'um es-
criptor celebrado: A vida mora' ficou se-
pultada no carpo vivo.
Fechada a sepultura de Jos Mariar a
viuva ajoelho bera do leito do irmo:
Nao morras, que eu nao tenho oul?o
amparo!Ihe clamava ella.
Qual amparo ? i murmwou elle.
Trabajaremos, meu irmo V que
sou raulher, e nao desespero t V que
dores me traspassam, Francisco I e vivo, e
vivo, meu querido irmo Lembra-te da>
coragem da infeliz, menina !... No sjas
tu o mais fraco de tantos desgranados, ja-
que....
M que fost a emtsa... eompletou o
moco a phrase, e rompeu en* choro des-
feito.
Depois, sentoo-se no leito, fiocou os de-
dos recurvos na fronte, e disse-:
Pois sim: trabajaremos-
E, volvidos poucos dias, Joacraa e Fran-
cisco sahiam para o Porto, cora quanto di-
nheiro possuiam: o urgente para a ahmen-
tago de oito dias.
O estudante abandou as aulas. Quem o
sustentara ? como eongrassar o estudo com
qualquer outro emprego ? E qual empre-
go Ihe dara pao. exhauridos os cobres sal-
vados dos .ltimos vestidos mitos por sua.
irma ? A
Joanna pedio trabalbo a urna modista,
franceza. Exigiram-lbe Banca., Ella disse
a chorar que nao conbecia ninguem. Abo-
naram-n'a as lagrimas. Permittio a mo-
dista que a desvalida levasse as fazendas
para ura soto da ra Escura, ondo seu ir-
mo tinha vivido como estudante de escas-
sos recursos. ..
Francisco vendeu todos os seus livros,
depois que apartou de entre elles as Espe-
rancas de Angela. Cotaprou oom o pro-
ducto d'elles o catre de sua irmaa, que
dorma sobre taboas. Oizia ella que para
quem passava as noutes trabalhando e cho-
rando todo o leito era bom. .
Os condiscpulos do acadmico, sabedores
do infortunio do primeiro annista, cotisaram-
se para Ihe acudir e salvar o anno. Fran."
cisco regeitou a esmola sem orgulno, m-
zendo : quem nao pode ser mdico, sejp
operario de mais humilde condigao.
Um dia offereceram-lhe o lugar de ama-
nuense de tabellio. Acceito* muito agra-
decido. Escrevia raa, e ganhava tresen-
tos ris diarios. No soto da ra liscnra,
depois de dons mezes de trabalho in
sanie, com intermitencias de lagrtmas
viam horas regulares de comer.
Es-aqui o poeta doss*>MH06,
depois que... sonhava.
Que despertar aquelle Se nao vale mais
andar um homem sempre acordado, e a
patinhar na lama d'este planeta para nao
adormecer !... Af.n
Entretanto, Angela de Noronha, ou d An-
tas, como as lias a appellidavam para saca-
direm de si o opprobrio de tal prenla,
anda lia os Sosaos do scismador do monte
d'Agra e das ribas do mar. O manuscrip-
to e cartas de Francisco andavam na caixa
de Victorina, valendo todava menos as
amarguras de Angela do que o ouro da ve-
lha, o qual (digamo-lo com venia da poesa,
e da prosa apocalyptca) lornava rauilissimo
mais prestimosa a caixa da generosa cr'^'-
O recolhimento e conformidade da filha
do general moveram a commiserago algu
mas religiosas, que se nao pejaram de fre
quentar a sua desornada celia, oceultas
de Sror Cassilda. Se alguma freir, mais
desprendida de respeitos e preconcetos, se
affoitava a argir de cruel a invalida conso-
lador* dos extractos Jrades, Cassilda res-
ponda que nao acceitava como sobrinha a
mulher que seo irm*o nao considera va fl-
loa. Esta razo passava com foros de dis-
creta e ajuizada. -
Quem mais se compadeca de Angela era
urna criada da prelada. Assim que vagaya
s lides caseiras, ia com mostras de grande
respeito celia da fidalga, e alh se esquecia
i contempla-la, ea dzer cousas muito en-
carecidas, fascinada de sua belleza, Multas
vezes offereceu as suas soldadas de trrata
"annos a Victorina, s escondidas da senhora;
mas a criada fazia milagros det^onomia
como producto dos seus effeites, auxiliado
com osjMdados da ama.
RitadirBarrosasque assim se chamava
a criida da abbadessacontou muito secre-
nhado urna carta muito grande, vinda do
Porto para a ftdala; por signa!, ajuntava
Rita, que a senhora abbadessa, lendo-a
outras freirs, rtorava com ella3. -
Com o bom proposito de nao acerbar as
don de_|.ua ara, Victorina occaltou esta
confidencia. E, quando Angela, branda-
mente aecusava o esquecimento do h'rancis-
a discrieOj cora
cas piedosas d costme. Se ella
medsse
a doencano peitt. e elle tem na nos milos,
slM tflk Aal #f o que evla ifHLhp tal lugar. E' por isso que ea dese>
Simio de Nwonha.poupar-se-ha I tentati- ;m que elle visse aqai vossa excellencia,
pirece-m que atre-
vas.v,
ciproco.
se 9
Em verdade, o desapego era re-
A icco poderia espremer lagri-
ha
tres mezes
co, a criada, conciHando
consciencia, dizia:
Deus sabe o que elle padece! E
V. Esc,' sabe lambem que sua roo, carta
que elle escreva, uiica cliegar.
Mas nem Joanna.... aquella infeliz mu-
lher.,.
Deu3 sabe lambem se ella ter
em que Ihe escreva... Minha querida me-
nina, tenha compaixo d'elles, que sao mais
infelizes de que V. Exc Disse me a Rita
de Barrosas que ouvira contar miserias da
pobre gente M pelo Porto. O be, minto
senhora, se V. Exc. poder esquecer o Sr.
Costa, anda pode sirque volte s boas
gracas de sua familia, seu paizinho, ora
da morte, Ihe perde, e a deixe herdeira
dos bens livres, como todos diziam que
deixava ; mis, se elle souberem que V<
Exc. anda teima n'estes pragbejados amo-J
res, ento nao sei o que
nha infehz menina.
O que a Divina Providencia qoizer.
Eu nao posso esquecer-me de Joanna e de
Francisco porque fui causa da desgraca
d'elles. Se Deu* me dsse alguma cooaa,
e meu pai ate deixasse pouco- qoe fosee,
eu dara ludo para os remediar. Isto j
nao amor, Victoria ; dever. Qeen
mato o Jos foria foi a cruel viBgan?a de
minha lia. Fui eu que Ibes nc deixe i
gosar a tanta felicidade de pobres.,.
\4V
VIA BOlORWA
Passaraaa-dous anwos, e somos citados
ao de I640.
Alleraco-notavel no-viver de Francisco
Jos da Costa'nao ha nenhuma. anda
amanuense de tabellio-. Joanna contina
a trabalhar para as modistas ; mas, caneada
e doente, rende-lhe pooquissimt) o lavor.
O* viver de Angela b mais angustiado.
Victorina j veadea tudo que valia dinheiro.1
A ama-nao ten que venier.-poTque sua?Ua
Beatriz Ihe negeu alguma* joias que o pi
Ihe havia-dado, sem impedimento de teram
sido de D: Mar- d'Antas. O escrpulos
dabeala-no ian>aoextremo-de repulsare!
os braeeletes e ^ilhoes dc-peccadora
Victorina j acceita-as ernek de Rita de
Barrosas; e as liberdaoes deoalras senhorai
que delicadamente-favorecemo sobrinha >
Cassilda de Noronhafreir opotenta, cont
depositara e herdwra in vintete um doo
abbade de benedictinos, rolad' ao inferno
por intermedio de urna hydropesia.
Angela ignorou "algnm tempe a sua de-
ploravel dependenotfe Era, ^enn, torese
adevinha-la, e inferida-das tri6teaa* da cria*
da. Animou-se para entran ao fundo da-
sua miseria, e soobe que estava indigente
Vencida- pela dasesperaeisy. eaereveu ao
pai, invocando a memoria de se ni. Pes-
simo expediente! Vi:toriea qua dssuadi-
la. da iwocaco ; mas- era>4h dolorose,:
tendo de explicar a.inGonveoiinc, contar-
urna Glha a desastrada merta de Maria-
d'Antas. A. carta oi; a respesta nao yei<
Ptnsar'Angela emisahir de naosteiro e
vajoelb*Me diante do pai. GowtouoiBr
tent. A.prelada,.cora.boas- palavras, Ifce
desfez o plano, diaendo-lhe qve s poderr
sahir com ordem de sua lia- ou do Sr. a*
cebispo de Braga.
4u minha tiaou o S*-ac cebispo iwfr
me deisaro morrer necessidade ? pe*
gnntou Angela dehulhada em lagrimas.
A prelada comaovida respondeu:
A menina nao ha de morrer neess-
sidade. Por em quanto algoen tem soe-
orrido e continuar a soccerr. A mise-
ricordia do Senhor grande.
N.'este lempo, acontecen, cliegar ao coo-
vento a noticia de ter apparecido em aar-
rosasum bijisiloiro muklo.rjco, procurando
novas de urna irma qie deixra, quando,
era cranla, fra. para a>. America. -3ra a
irma do brasileiro era. Bita de Barrosas,
criada da abbadessa. Grande ^atvoraco, e
alegras, e nvejis no mosteiro !
Rita correa, ao quarto de An||la a mos-
trar a carta do vigano- da sua^freguezia,
avisando-a de que o irmo iria brewraente
busca-la ii liteira.
Dias depois, chegou, Vianna Hermene-
gildo Fia lio; e, dado aviso ao convento,,
foi procurar a irma.. Sahiram a cumpri-
mentalo as religiosas, mais autorisadas, e
folgaramde o ver comer pastis ensopados
em vinbo do Porto, com familiar lhansza.
e propercSes homricas-de estomago.
Aoeutro dia, Bita sahio ilo mostwro,
depojs de ter chorado abracaila em Ange-
la, nica pessoa, dizia ella, de quem leva-
va saudades e de quem usca se osque-
ceria.
Com este successo coincidi a monte ue
D. Beatriz de Noronha, Contaram as
criadas que aphaaUsma.de Jos Mara, au-
xiliado por incommodos. de bexiga, a ma-
tara, penetrando-a d'um remorso dilaceran-
te. E posto que a ritica e a medecna
presumara que D.Beatriz haa suecumbido
urna sistite, ou qualquer outra molestia
mais ou menos gcega, certo que a ve
Iba para lograr o espectro do mercieiro,
deixou em testamento aoGOOO res para
missas por sua alma de mola de 240.
Quatro mil missas! O dabo que se atreva
a levar alma com tal recoramendaco, se
capaz!
Fallecida Beatria^eolicilou Angela nova-
mente a sua sabida. A prelada consultou
Sror Cassilda, a qual respondeu que nao
tinha que ver com a sahida, assim como
nao tivera com a entrada. Sempre discre-
ta Os frades d'esU seohora deviam de
ter sido sugeitos atticos bastaotemente aos
seus raciocinios. Esta madre era ootavel
oas formas aphorismaticas, e quasi sempre
rebata as replicas com argumento de dous
bicos. Parece que na convivencia de va-
roes doutos, a sabtil religiosa medrava em
espirito o que os mestres iam adelgazando
na parte que Xavier de Maistre
a outra.
Rita de Barrlas, escrevendo a D. Ange-
la, pedia-lhe que fosse estar com ella urna
temporada bella quinta que sea irmo
acabava de comprar; e ajuntava que, sen-
do necessaria licenca, ella se encarregana
de a requerer e obter em Braga. -
Ninguem impedio a sahida da reclusa.
As freirs cooperaram quasi todas para
que nao se estajvasse pobae senhora
o intento de pedir perdo ao general.
Effectvamente, Angela, apezar de des-
presada do pai, insista em tentar a recon-
ciliado, apresentando-se-lhe comas sappli-
dos olhos de^ngela|ps pos do pai, que
J despresariav: se, todava, elle podes-
sobre-posse, acaricia-la, os jbilos do
perdo escassatoe/itc agitanara o cpraco
da filha,. Seriara, bem ensaiados, filha e
pai dejaomedia, quando os artistas se com-
penetrara dos seus papis.
Um, pensameo[o, nem esquisito, nem re-
prehensivel^vassalava o animo de Angela^
i4rser rica para enriquecer F
cogitava el
cisco da Costa e irraHa. O amor j enlra-
va quasi esvahido n'este calculo. Fignra-
va-se-lhe'^ue tocara o cume da fortuna se
conseguisse pagar cem por um dos bens
que perderam os dous irmos, quebrado o
esteio do logista.
Ora, a riqueza d'o'nde Ihe proviria
nao ser do general, cuja abastanza en-
grossra com a heranga de D. Beariz?
Rijo era, pois, o esmuJA qne a fazia
transpor as bausas da dignidade. E tooge
de nos acoimar de aviltamento a humiraa-
Co da filha ; se, porm, o seotir filial a %o
impulsa, e^rcobic* fe deplora sob cape
ba" d ser da mi^tle arrependimenlo senlioril do acto, pou-
quissimo exemplar. Tanto assim, que Ao-
gela, despreoecupada do desejo de enri-
quecerle para remediar alhewe infortu-
nios, eevto se dixaria vencw da tome an-
tee de ajoelhar um horaem deslindo
dos oulros pelo nome significativo de
pai.
Foi, pois, caminho de POnte -le Lima,
apenas sabio do convento. Ghegea de
noute com Victorina ao horVao do palacete.
Bateu, cspsrot largo tempo que Ihe abrs-
sem. AniiBOcioo-se. Mandou-a'entrar um
aolgo criad; conduzio-a ama-sala; eom
does alcovas^dlendo-lhe:
Vossa excellencia tem al* urna cania
n'ajuella alcowj-ea criada outra: Eu >bw
servir o cha.
^- E meu p3i'naO' me consene qu_e o ve*-
ja boje ?pergantou Angela.
Sen pai, minha senhora, foi para 3'
FranC&'ha quinze dias consultar mdicos,
por qpe-tem padecido muito n'esles ltimos
mezetv-- Eu j era criado em Gondr quan-,
do voee*!excellencia'noeceu, A Sra; Victo-
rina ha-Je lerabrar^se do Joo Pedro. Sou1
eu, estevelho que-aqu est. Ora eu li-
quei comogoverno d'esta casa, qpi para
isso foobamado l de- Paco, e entend que
a minha ohrigaco receber a filha^l* meu
amo, e dar parte para Pars que vossa ex-
cellencia et aqu. S* o Sr. general re-
provar e-meo proceSmento, e me despedir
do seu serco, j me- nao prega' grande
peca, opeen pouco beide viver. Aleja,
mioha senhora. Se a--Sra. Victonroa qui-
zesse ajuiiar-me a preparar o cha, bom se-
ria, para-ne- haver graede demora ; qse eu
despedi a-cosinheira aaem que o patro
sahio, e c> me arranje-a mais outra criado
eom diMSr-braaas e unvpucaro.
Era eotiselador o repousar e respirar que
Angela expementava a'xicpella atmesphera
de riqueza* O seu quarto de dwmir,
quando,. anace antes, visitava o pai, era
aquelle meenfr. Em qaanto VcWriao moi-
rejava aiagpemente na cosioha, a senhora
pegou odm.eastical e aadoo percorrendo a
casa. Recoaheceu a ante-camara de seu
pai, entroa.e sentou-se na cadeira de es-
paldar aata-posta banca-de escreveri Era
esta banca rodeada de escaninhos ende se
recada*um cartas. /Vegeta reconheeeu a
letra da -defaata BeatmraTom sobseseripto
de carta imaaessada om- outras. Lea
primeira env que sua 'ta relatava. es por-
menores da fuga, .calumniando a sobrinha-
ponte de ceferr que-os seus cr'ifldos a ti-
nham. arrancado dos-bracos do filhe-do sa
christo. Qneseria dlwiaella alma nao se
guindar d. purgatorio alcapremada por
quairo milmiasas 2W>reis! eu a se-
D. Beatriz participara esl
guada, em
3f
por que, se visse,
maria outra vez.
E, se elle morrease, em Pars, enhena
expulsa d'esta caaa pelos hoaensde pe
descalco, nao verdade T pe^ntou
Angela.
Seria o que fosse. Eu, e mais os
criados todos, iramos jurar que seu pai
n:> regulava do iuizo quando fez O testa-
mento ; e p'ra prova basta dizer que elle
mandou tyzer da capellar do* Paco de
Gondar o esqueleto da tal Josefa Sal-
gueira com quem foi casado, e tem-no de-
baixo da cama n'um caixo de pao de al-
canfora. Qu-lo mais dodo ao pobrezinho
do velho ?
Respeite-se a sua dr embora seja
um desatino disse Angela.'Entao elle
amou muito essa moiber ?-
Muito. Ella morreo de afflic?ao
quando o vio'ferido em Amarante,
J sabia isso. Era urna sublime atea!
Conbereu-a ?
Se conheci Aodava ella com o re-
banho das ovelhas, qoaudo eu era rapi-
zla de quinze anno. Era muito linda,
isso era ?
E de minha mar lembra-se ?
Da senhora D. Mara d'Antas?...
Pois nao lerabro Isso foi hontem! Fui
criado d'elle dez annos... como hei de eu
nao me lemhrar ?
A Victorina diz que era muito tor-
mosa%..
Era vosea excellencia sem tirar nem
por. Estou a v-la. S era- um poueo-
chinhc- mais alta- e corada.
Hembra-s se ella era muito mirha
amiga ?
Parece-me- que sim...
Po? que ?
Foi ella quemacriou: nSot[aiz'amar
como as rais que tem de seu.
Lemhra-se da- morte d'ella?
Joo Pedro respondeu tardaraaate e
tartamudo ::
Nao rae record bem... Ha estava
nto na quinta de Santo 4mar., Li
queme chegou a noticia de ter morrido
a ftdalga... B, qoandO' volle, o 9n Shic
de Noronha j'esta va fra de Portagal-...
Mas o Sr. generalto mando bascar
es eesos de rainha raii ?perguolw An-
gela chorando no sorriso.
O1 velho no-respondeuv
?Vamo-nns- deitar,. Vxtorin3> Ate
aminh, Sr. Joo PedrOi
-Muito be* passe a noute, fidalga.
Ao alvorejar da roanha, Angala, que
vellera a noute a p do-leit de Vietorina.
foi sentar-se banca de seu paiv e es-
creveu. una breve- carta, que sobresenptou
ao general Simao dd Noeouba, pedindo-lhe
que- perdoasse ao seo criado a caridade
de a ter receido-, e Ihe ter. dado urna cama
por urna noute, e Ihe haver aioda esraolado
dinheiro eom que; ella e sua criada podes-
sem chegar ootra porta caritativa. Em
seguida^ cbamou 3oo Pedro ao escpiptono
|de seu- pai, abri o cofre da joias,.leu-lhe
a declaraba do general, e ajaotou:.
fi: (juasi certo que,.por morte flo Sr.
Simo o> Noronha, jne sejam entregaos as
joias de minha mav Sobre esto penhor,
peco e a vocemeot". que me empreste
urna raoeda para eu poder ir t'aqui
urna trra chamada Barrosas. Na techo
outro penbor que-Ihe offereeer.
Pois eu tenho mais-qi urna, moeda
paca, dar vossa excelleueia. Tena cin-
coenta.
Urna me baeta^
Torno a pedir-Hte qn* nao vafidalga.
Hei de r furiosamente.
E-aca-se a sua* vootade. Oreient>
alugar cavalgaduras; e entretaa) Victu-
rina t'aa o almo^o.
de de:
disposta a abrigar Angela, pela necessidade-
vestir a touca de criada, para a__ae todos
soubessena- que os prenles, se- o eram
(snblinhavaella) a tiaham abandonado como
i ame.
E' impossivcl qao m?u paumereceba,.,
disse entre si amargurada.
Ia retirar-se, quaado reparan n'um cofre
de-prata que assentova sobre um bof3te.
Rpconheceu-o, por que tinha sido de D.
Beatriz. Abrio-o. Estavam dentro as.joias
que seu pai Ihe liona dado,, e sobre ellas
um carto com o nome impresso do general,
e por b'xo escripto do pulso d'elle, o s
guinte : Estas, pecas em numero
pertemem Angela, fha de
d'A/os, deftmta. Se.au morrer em,Pa-
n's, mtreguem-lh'as os. meus lestamentei-
ros, Procuvemrna no mosteiro de S. Bea-
to em Vianna, ou onz ella parar. Nm
tem mais qm herdax da casa mde vive*
sua mai.
Fechou Angela o cofre e voltou. profun-
damente descorocoada sala.
Entravamos dous criados com a bande-
ja do chav A filha de Maria d'Antas tomn
urna chavena, e disse ;
Aceito esmola, Sr. Joo Pedro. Dir
ao Sr. general que a filha de D. Miria d'An-
tas aceilou esta chavena de cha, e um leito
onde passar urna noite.
Urna noite I voiveu espantado o ve-
lhovossa excellencia esta em sua casa,
pens eu. E, se me nao engaa o coraco.
a fidalga nao sahir mais da casa de seu
pai.
. Amanha. A
Amanha 1 pois vossa excellencia araaa
ha pouco pareca resolvida a ficar esperan-
do que o Sr. general..,
verdade; mas resolv oatro passo
menos deshonroso. Amanha iremos para
Barrosas, Victoria. Aceitaremos o bera
fazer da mulher humilde. Ella foi pobre;
ser por isso mais compadecida.
Estou s aranhas, minha senhora!
exclamou Joo Pedro.Faca-me o favor de
mudar de ideas, e queira desculpar o meu
atrevimeoto. A senhora tenha prudencia.
J que veio, fique; que seu pai, quer quei
ra quer nSo, para fra de casa nao a
denomina manda...
Mandaaflirmou Angela com vehe-
mencia.Dgame urna cousa, Sr. Joo :
nunca ouvio fallar 4e mim ao Sr. gene-
ral?
Nunca : eu nao sei mentir.
Quem supp<5e vocemec que seja
herdeiro do Sr. general ?
Os irmos da mulher com quem elle
casou quando tinha"dezeseis annos, uns ho-
rneas de p descilco, que punca vieram
esta casa. Eu'desconfi, minha senhora,
que seu pai esta. fcdl it'Ti' '
cousa
Aqu tem esla carta: raan-a meu
pai concluio Angela sahindo com,a face
altiva, e enchuta-
XV
MU MIABO! .
Ao cabo de onze leguas de jamada,, en-
contraram a quinta, dos Choupos, residen-
cia de Rita de Barrosas, que os do-sitio
cliamavam a Sra. I*. Rita brasileira.
Quando apearam Hermenegildo estav;.
no espacoso pateo vigiando os- padreiros
que derruiam urna antga torre da archi-a
tectura manoeiina, para construir,, nos a-
cerces d'ella urna capoerav. ,
Fialho, habituado a ouvir, repetidas des-
cripcoes da lorraosa fidalga,.reconhecea An-
). Mana ge|a Aperlou o coz das ceroulas, aboioou
rLcolete amarello. deu um^geita ao eolla-
rraho desengravatado, e foi.ao portad rece-
ber a hospeda, mandando chamar a irma.
Faga favor de dasculpar este desar-
ranjo, raraba senhora..,disse elle refe-
r ndo-se s mouras verdes, acalcanhadas,
onde os ps jubilavam em pleno desafoga
dos joaaetes.Vossa.., vossa excellencia, e
a Sra. D. Angela, amiga ca da Rila.
Sim, senhor... Como est ella ?
Rija como ura per'. Sita ah vem, a
quairo ps!... A mulher sua amiga
como nunca vi }.,.
Tambera eu d'ella.
Rila abracou Angela pelos joelhos* e le-
vanto u-a, exclamando :
Pilhei a! pilhei-a nao torna a sabir
d'aqui a Sra. D. Angela, seno para a com-
panhia dos aojos, que nao sao to, lindos !
E com estes e outros siDceroa encareci-
mentos entraram as vastas sam onde o
brasileira tinta recolbido as espigas domi-
Iho monte, de mistura com as cebla, e
as nozes e as castanbas.
passado este tango da casa, que havia
sido convento de ordem rica, no angula
formado pela vasta quadra,as sala&equar-
tos estavam decorados com luxo.
Aqui a parte da casa qua pertence a
fidalga e nossa Victorioa disse Rita,
com approvacofde Hejmenegdo manifestada
por um sorriso.
Como ludo isto bonito! exclamou
sinceramente Angela.Urna princeza, fleana
contente... ..______
A nossa princeza V. Exc. tomou
' Princezas que as leve'a.brca ia-
terveion'am ler3o assomo U^
mn-0 aue eu quero em minha casa sao
"essoas 2migas, que nao obrigam a inte-
q^sTl,SSSf 5 ceremonias-
acudi a filha do general poucas horas
estara contente n'este paraso.
Toca a safler o essencial disse o
A senhora jantou ? Sao cinco
(Continuar-se-ha.)
brasileiro,
horas.
- de SU JnraSl FTWvnlRMr^i i M*W >
aaam cocpra porqoe lbe procqram 7

\
^


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EC0UJ6TZR_9LHRTZ INGEST_TIME 2013-09-14T02:23:32Z PACKAGE AA00011611_12075
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES