Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:12073


This item is only available as the following downloads:


Full Text
ANNO XLVI. NUMERO 6?. ;
ti
PABA A CAPITAL E LUGARES ONDE IAO SE PAGA PORTE.
res mezes adjuntados.....f...........
!'j: seis ditos idem...................
I'o-iim anno idem................'......
Cada mumero avuso..........,......^ .
I2J000
320

DIARIO D
QliTA FEIRA 24
mozes adiantadoa
Por seis ditos idem. .
Por nove ditos idem .
y Por um anno idem .
PABA DE5TR0 E FOSA DA FBOVHCIA.
760
13*500
204250
27*000
MAMBIM
Propriedade de Manoel Figrueira de Faria & Filhos.


A AGENTES:
*
Qs Srs. Gerardo Antonio Alves Filhos, no Para ; Goncalves & Pinto, no MaranbJo ; Joaquim Jos de Oliveira, no Ceat ; Antonio de Leaos Rraga, no Aracaty ; Joao Mara Julio Chaves, no Ass ; Antonio Marques da Silva, no Natal; Jos Jostino
Pereira d'AlmeicU, em Mamanguape ; Anteoio Alejandrino de Lima, na Parahyba ; Antonio Jos Gomes, na Villa da Penha ; Belarmino dos Santos Bulc3o, em Santo AntSo; Domingos Jos da Cosia Braga,
em Nazareth ; Francisco Tacares da- Costa, em Alagoas ; Dr. Jos Martins Alves, na Babia ; e Jos Ribeiro Gasparinho no Rio de Janeiro.

PARTE OFFICIAL.
Governo da provincia.
\'MM8NTB ASsHi.VYUO PELO BX\I. SU. SK.VAD OS F03-
IIC0D8 AI.UKIIIX K ALIUIQUUnOUli, PRSIOBSTB
D\ PROVINCIA, KM i i DE PRVEBEIRO DE 1870.
i* secdo.
N. 337.**ortaria ao Exm. Sr. gooeral eom-
l.iate das arnvis ManJa V. Exc. por em li-
bertado o reeruta Francolino Casiano do Carni,
v.stj ler provaJo sondo legal.
X. 333.Dita ao inasmo.-A vina da infrma-
le V. Eli. Je 8 do correis so!) n. 80, acer-
ca dos recralas em deposito Je nomes Pedro Fran-
] Jos da Rocha e Manoel dos Santos Reg, o
d) pareoer da junta militar de sale, devem ser
e.is recolhiJoj a respectiva enfermara parase-
bservaJos o tratadla co.no propde a referida
junta em seu parecer annexo ao citado iflleio de
','. Exc.
E. 339. -Dita ao inspector do arsenal da mari-
nha.Auioriso V. S. como soliciliu em seu oflbo
de i do correte sob n.4901, a comprar um man-
ite para a bjniba Jesse arsenal em substituido
ao actual que se acha bastante gasto: pelo muito
frrico que ha presta lo.
N. 360.Dita ao engenheiro militar.Em res-
posta ao seu offl :io de 7 do corrente,_ declaro a
Vmc. que lica appnvaJa a Jelberado que lo-
::ru de adiar para o dia H doste mes, requer-
manto de um dos concurrentes a arrremitadi dos
Cdflcertos necessa/ios aos quarteis do Hospicio o
i Tontas annuoeiaios para aquella data.
2* geedo.
N. 362,Dita ao commandante superior nter-
ni da guarda nacional do Recife.Tendo designa-
da o i* batalho da guarda nacional de reserva
lo municipio, para a elle ser aggregado o cap-
Ui: da seccao de reserva da capital do Rio-Gran-
dedo Norte Antonio Pereira da Cunha, o qnal fez
a -ua apresentado nesse commando superior,
munido da competente guia em 23 de junho do
aano passado; assim o communico a V. S. para
sen conhosimento e direccao.
N. 363. Dita ao commandante superior da
gnarJa nacional de GaranhunsTen lo ne9ta data
SrivaJo dospostos para que foram nomeadosem
.3 de abril de 1867 os offlciaes da 7* seecao de
r. serva desse municipio, constantes da delibera-
do, copia n. 1, visto nao terem solicitado as res-
pectivas patentes no praso da lei, nomeei para
istitui-los os cidados mencionados na delibera-
rlo copia n. 2, de conformidade cora que opro-
poz o respectivo major commandante no offlcio an-
nexo ao de V. S. de 20 de Janeiro ultimo sob n. 3.
(J unto aos ofliciaes da niesma seecao argidos
pelo referido commandante de nao se terom farda-
do, cumpre qm V. S. ouvindo-o, rae informe a
respeito.
N, 364.Deliberarlo.O presidente da provin-
cia de conformidade cora a proposta do chefe de
polica em offlcio n. 180 de 7 do corrente, resolv
nomear para o lugar vago de snbdelegado_ do 2
icto da freguezia de Gamelleira o cidado Ma-
noel Gomes de Barros e Silva.
;:. 36j.Dita.O presidente da provincia at-
! alendo a que o capito da 1* companhia da sec
cao da guarda nacional da reserva do municipio
da capital do Rio-Grande do .Norte Antonio Perei-
ra da Cunha, fez a sua apresentaeSo no pomraan-
1i superior desta capital munido da competente
guia era 23 de junho ultimo, e a'.tendendo a que
- i > decorridos os seis mezes de que trata o art.
<- 43 do decreto n. 1130 de 12 de marco de 18o3.
resolve designar o Io batalho de reserva deste
municipio, para a elle s;r aggregado o referido ca-
pilao, apostillndole neste sentido a rospeetiva pa-
tente.
N. 366.Dita.O presidente da provincia, usan-
Jo da faculdade que Ihe confere o art. 6o da lei n.
602 de 19 de setembro de 1850, resol ve privar dos
postes para que foram nomeados por deliberado
de 23 de abril de 1067, visto nao terem solicitado
;is respectivas patentes no praso legal, os offlciaes
\o declralos, pertencentes a seccs de reser-
v n. 7 da guarda nacional do municipio de Gara-
ras,
2' companhia. Tenente Jos Francisco Callado,
aiferes Domingos Ferreira de Moraes.
3*companhia Alfares Jos Gamillo Valonea e
Rodrigues Valenca.
N. 367.Dita.O presidente Ja provincia alten-
lando a que a secuto de reserva n. 7 da guarda
nacional do municipio de Garanhuns, nao se acha
definitivamente organisada, o tendo em vista o of-
ilcio do respectivo major commandante, annexo
ao do commandante superior datado da 20 de Ja-
neiro ultimo, sob n. 3, resolve nomear para a re-
ferida seecao os offlciaes Eeguintes :
Stalo men-.Alteres cirurgio Olavo Correia
Crespo.
i" companhia. Tenente Federalino Antonio
la Silva Lemos, aiferes Lail Bezerra de Vascon-
ceflos.
.?' companhia. Alteres Joaquim Antonio de
Mello, e Manoel Ramos dos Santos.
3" seecao.
V. 369.Portara ao inspector da thesouraria de
azenda.Transmiti a V. S. para seu conhecimen-
to o fins convenientes as n;lusas ordeBS sendo 2
Jo tribunal do thejouro nacional sob ns. 21 e 22,
1 do ministerio da guerra datada de 4 do raez
, corrente.
Bf. 370.Dita ao mesmo.Devolvendo a V. S. a
c^nta o documentos que vieram annexos a sna in-
formacao de 10 do corrente sob n. 94, o aulorisj
a mandar pagar a Manoel Antonio Teixsira a
quantia de 3,6000f)0 a que tem elle direito por
haver concluido de conformidade com o seu con-
trato, segundo wnsta de offlcio do engenheiro
encarregado das obras militares de 31 de Janeiro
ultimo, os concertos e obras do quartel do deposi-
ta na Soledade e nao se dar inconveniente nes=e
pagamento como se v de sua citada informa-
gao.
>'. 371.Dita ao mesmo.Transmiti a V. S.
para os devidos fins as guias de socaorrimenio dos
suardas nacionaes do municipio desta capital
dallas constantes, que segundo offlcio do comman-
dante superior respectivo de 10 deste mez sob
n. 31, esliveram destacados no presidio de Fernan-
do de Noronha, d'onde vieram no vapor Cora-
i'f)'.
y. 372.Dita ao mesmo.Communico a V. S.
para *eu cenhecimenlo que em vista da informa-
cao do engenheiro encarregado das obras geraes
e 9 d corrente mez; autoriso nefta data a rece-
ber, visto achar-se j terminada a obra da guar-
damoria da alfandega desta cidade de que arre-
matante o barao do Livramenlo.
N. 373.Dita ao mesrao.-Tendo nesta dau
autorisado ao inspector do arsenal de marraba a
comprar um mangote para a bomba daquelle ar-
senal para substituir o actual visto aebar-ae bai-
lante gasto pelo muito sei vico que tem preslado,
assim o communico a V. S. para eu conheci-
meDto.
N. 374.Dita ao mesrao.De conformidade com
o naiecer da cotadoria dessa thesouraria a que
e refere a sua informaco de 10 do corrente
n 98, autoriso V. S. a mandar dispender sobrainha
resDonsabilidade, nos termos do decreto n. 288 i do
1 de fevereiro de 1862. a quantia de 5951 com o
Daaamento at o flm do actual ejercicio das dia-
ria dos calcetas empregados no servico da fachi-
na as fortalezas do Brum e Buraco e no deposito
de reeruUs, visto nao haver crdito para esse
pagamento, segundo consta da citada informa-
'. :!7.1-Dita ao mesrao.Atttorfco V. S, em
vista de sua informago de 10 c rente sob
n. 93, a mandar pagar sob minlia repnacilidaJe,
nos tormos do decreto n. S88lo fle fevereiro
de 1862, os venclmentns na imptrtancia de.....
9I6180 dos offlciaes do deposilb dos pristoneinw
de guerra parguayoaamez de Janeiro ultimo, e
das pracas do raesrao'deposito na 2" quinzena do
citado mez, pois qne nao existe crdito para esse
pagamento, cuno bem S v da supracitada infor-
maco.
N. 376.Dita ao inspeetor da thesouraria pro-
vincial.Accuso recebido o offlcio de 4 do corren-
te sob n. 6i5, que V. S. participen haver Jos
Ignacio d'Avila arrematado as obra9 dos reparos
urgentes da ponto do Anjo e do aterro do Aojo,
sendo esta com o abate de 1 por cento e aquella
com o de 4 por cento no3 precos do espeJiivo
orcamento, e em resposta tenho a dizer que appro-
vo essa arrematado.
N. 377.Dita a'o mesmo.Declaro a V. S. para
seu conhecimonlo e lias convenientes, que acabo
Je au'orisar o chefe da reparticao das obras pu-
blicas acn trattr com o tenente-coronel Jos de
Moraes Gomes Ferreira a rojonstrueco da bom-
ba do riacho de Mel de Cavallo, na importancia
de 4:i00j; como se v do orcamento junto por
copia, que me remetteu aquello chefe com offlcio
de 9 do corrente sob n. 33.
N. 378.Dita ao mesmo.- Pode V. S. de confor-
midade com a sua informaco de 4 do corrente
sob n. 63,'mandar pagar a Flix de Figneira Fa-
ria, para isso indicado em offlcio do juiz munici-
pal s(>plente em exercicio no termo de Sanio
Anlo datado de 15 dezembro do anno prximo
passado, a quantia de 621 em que, segundo as
conlas que devulvo em duplicita importa ades-
peza feita nos mezes de outubro e novembro da-
qulle anno, com o sustento dos presas pobres da
cadeia do supracitado termo.
N. 379.Dita aoinesmo.Com a inclusa copia
Ja deliberacao Je hoje, pela qual resolv abrir um
crdito supplementar na importancia de 3:1641772
tica V. S. habilitado a mandar entregar ao Ihe-
soureiro da reparticao das obras publicas, confor-
me solicitou o respectivo chefe em offlcio do Io do
corrente sob n. 23, a quantia de 14:4501, constan-
te do incluso pedido e que se faz precisa para
occorrer as despezas neste mez, com o expediente
daquella reparticao e obras em adrainistraco.
N. 380.Dita ao chefe da repartigao das obras
publicas.Attendendo ao que Vmc.expz em seu
offlcio de 9 do corrente sob n. 33, tenho a dizer
em res posta que o autoriso a empreitar com o te-
nente-coronel Jos de Moraes Gomes Ferreira a
reconstruccao da bomba do riacho Mel de Cavallo
na importancia de 4:4001, como se v do orramen- y
to que veio annexo ao citado offlcio.
N. 381.Deliberacao.O presidente da provin-
cia, tomando em considerado o que exp&z o ins-
pector da thesouraria provincial em sua informa-
cao de hoje sob n. 26, resolvu abrir um crdito
suppleraentar na importancia de 3:1641772, sendo
381370 para a contlnuacSo das despezas do
art. 1582 da lei do orcamento urgente e........
3:1261395 para as do % Io do art. 16 da mesraa
le, visto achar-se quasi extinetos os crditos vo-
tados para tacs despezas, segundo consta da citada
informaco.
4a seecao.
N. 383. -Dito ao presidente da provincia do
Ccar.Remello a V. Exc. as copias do regula-
ment da secretaria deta presidencia e do corpo
de polica desta provincia, solicitados por V. Exc.
no seu offlcio de 10 de Janeiro ullimo sob n. 2.
N. 384.Dito ao presidente das Alagoas.Itogo
a V. Exc. se digne providenciar sobre e que expoe
o commandante do presidio de Fernando de Noro-
nha no offlcio junto por copia, quanto ao senten
ciado Vicente Ferreira da Bocha.
N. 385.Portara a cmara municipal da villa
de Santa Maria da Boa-Vista.Em solucao ao of-
flcio que em 29 de novembro ultimo, me dirigi a
cmara municipal da villa de Santa Maria da B5a-
Vista, relativamente a ilha que existe no povoado
de Petrolina, confronte a villa do Joazero, tenho
a dizer-Ihe, que sa a referida ilha nunca foi in-
cluida como informa a inesma cmara na arre-
mlaga) da passagem de que trata o seu offlcio,
deve ser a sua renda levada a praca, preferinJo-
se o actual posseiro em igualdade de circuraa-
tancas.
N. 386.Dita a cmara municipal da S. lienlo.
Informe a cmara municipal de_ S. Bento com
urgencia, qnal o numero dos cidados qualilicados
votantes na fregaezia dessa villa no anno de 1860,
declarando ao mesrao tempo se existe outra q;ia-
lifieacao posteriormente feita e legalmente con-
cluida.
N. 387.Dita ao vgario da freguezia de Santo
Anto.Declaro a Vmc. em resposla ao seu offl-
jo de 5 do corrente, que a relacao exigida no ef-
licio desta presidencia de 13 de novembro ultimo,
e dos brasileiros cegos e surdos mudos, qne exis-
tem presentes nessa freguezia, e nao no anno de
1868 ; cumpre portanto que Vmc. me_ remetti
com a possivel brevdade a referida relacao.
N. 388. Dita ao engenheiro encarregado das
obras geraes.Em vista de sua informaco de 9
do corrente, autoriso Vmc. a receber, visto j se
achar terminada a obra da guarda-mona da al-
fandega desta cidade de que arrematante o ba-
rao do Livramento.
N. 389.Dita ao engenheiro fiscal da estrada de
ferro do Recife a S. Francisco.Com a informa-
co junta por copia ministrada pelo Dr. chefe de
polica de 4 do corrente sob n. 167, e documentos
a qne ella se refere, respondo ao seu offlcio de 31
de dezembro ultimo sob n. 318, relativamente ao
facto de ter um grupo de escravos do engenl-.o
Riquezarolado urna grande caldera sobre os
trilhos da estrada de ferro do Reefo a S. Fran-
cisco.
N. 390.Dita ao gerente da companhia Per-^.
nambucana. Pode Vire, fazer seguir para cm *
portos do norte e sul os vapores Pirapamt e Po-
tengt no dia 15 do corrente a hora indicada era
sen offlcio de 10 deste mez.
N. 39!. Dita ao mesmo. O Sr. gerente da
companhia Pernambucana mande dar nma passa-
gem de estado a r at o Rio Grande do Norte, no
vapor que tem de seguir para alli no dia 2 de
marco vindouro ao capitao reformado do exercto
Joaquim Francisco de Oliveira.
EXPBDKNTB ASSIGNADO PELO 3B. OFFICIAL-MAIOR DB.
ANTONIO ANRBS JAC0ME PIRES, NO IMPEDIMENTO DO
SECRETARIO DO GOVERDO KM 11 DE FEVEREIRO UK
1870.
la gACCjirj
N. 392.Offlcio ao Exm. Sr. general comman-
dante das armas.O Exm. Sr. presidente da pro-
vincia manda declarar a V. Exc. em resposta aos
seas offlcios de 4 do corrente sob ns. 70 e 72 que
a thesouraria de fazenda tem ordem para effec-
tuar o pagamento dos venciinentos constantes de
taes offlcios
N. 393.Di: ao engenheiro militar.S. Exc. o
Sr. presidente da provincia manda declarar a V.
S. era resposta auseu offlcio de 31 de Janeiro ul-
timo, que a thesouraria de fazenda ten) ordem pa-
ra pagar a Manoel Antonio Texeira, a quantia de
3.600! constante do citado offlcio.
2* seecao.
N. 394.Offlcio ao Dr. chefa de polica.De
ordem do Exm. Sr. presidente da provincia, trans-
muto a V. S. o titulo junto de nomeaeao do cida-
dao Manoel Gomes de Barros e Silva, para o car-
go de subdelegado do segando districto de Gamel-
leira do termo de Sennhem, de conformidad*
com a proposta de V. S. em oficia o. 180 de 7 do
corrente.
N. 395.Dito ao commandante snpenor interino
da guarda nacional do Recife.De ordem do Exm.
Sr. presidente da provincia declaro a V. S. que
nesta data tiveram o conveniente destino as guias
de soecorrimento que vieram annexas ao seu offl-
cio de 10 do corrente sob n. 31.
N. 396.Dito ao iniz municigal supplento em
exercicio no termo de Santo Antao.S. Exc. o Sr.
presidente da provincia, respondendo ao offlcio de
V. S. datado de 15 de dezembro 1o anno prximo
passado, manda declarar que a thesouraria pro-
vincial tem ordem para pagar a Flix de Figuei-
roa Faria, a quantia de 621000 constante do cita-
do offlcio.
DESPACHOS
DA PRESIDENCIA DA PROVINCIA DO DIA
21 DB MABgO DE 1870.
Bacbarl Antonio Maria de Farias Nev?.Re-
metla-se assembl^ provincial o requerimento e
nformocoes na sessao que se approxima.
Barao do Livramento.informe o Sr. inspector
da thesouraria de fazenda.
Bacharel Francisco do Reg Barros Barreto.
Informe o Sr. inspector da thesouraria de fa-
zenda.
Irmandade do Senhor Bom Jess dos Martyrios.
Expoca-se ordem.
Jos Augusto de Araujo.Dse,
Jos Augusto da Araujo.Da* se.
Jos Pereira Borges.Requeira por Intermedio
do Sr. Dr. director geral da instruccao publica.
Joaquim Manoel da Costa Nao tendo o suppli-
eante juntado doeumento ao requerimento de que
trata, d-se-lha por certidao o mesrao requer-
l ment e informacoe?, querendo, se nao houver
inconveniente.
Joaquim Mauoel Ja Silva Mendes.Dirjase ao
Sr. dirpctor geral da Instruccao publica.
Maria Joaquina Floresta.Drija-se ao Sr.des-
erabargador provedor da Santa Casa de Msericor
dia em sessao da jnnta.
Dr. Symphronio Cesar Coutmho Dirjase ao
Sr. engenheiro chefe da repanico das obras pu-
blicas.
PERNAMBUCO.
REVISTA DIAEIA.
CEMITERIO PUBLICO. Por deliberacao da
presidencia do 21 do corrente, foi nomeado o Rvm.
Antonio dos Santos Oliveira, capello do cemiterio
publico do Recife.
JURY.Foram- hontem migados os reos Jos
Antonio Manoel do Monte c Nicolao Machado Frei-
r, sendo seus advogados os Srs. Dr?. Joao Fran-
cisco Teixeira e Francisco Leopoldino de Gusmao
Lobo.
A* aprasimento das partes funecionou um so
conselho composto dos Srs. Candido Autran da
Malta e Albuqnerque, Dr. Jeito de Hollanda Cu-
nha, Manoel Alves Guerra, Henriques Soares de
Andrade Brederodes, Dr. Candido Alves Machado,
Emeterio Maciel da Silva, Tburcio Valeriano Bap-
tista, lvsses Cockles Cavalcanti de Mello. Jos
Alfonso dos Santos Bastos, Antonio Rotino de An-
drade Luna, Eleodoro de Aquno Fonseca e Cae-
tao da Silveira Amaral.
Ambos os reos foram absolvidos.
CARRIS DE FERRO.Damos em seguida o con-
trato celebrado pela presidencia da provincia com
o Sr. Jos Henrique Trindade, para o estabeleci-
mento de carris de ferro, que liguem a cidade do
Recife com seus suburbios, e unam os diversos
pontos limitrophes da mesraa capital :
A03 19 dias do mez de marco do anno de
1870, compareceu no palacio da presidencia Jos
Henrique Trindade, enja proposla foi em concur-
rencia, e pormais vanlajosa preferida em vista das
informacocs do engenheiro chele da reparticao das
obras publicas ns. 51 e 73 ds 23 ds fevereiro a 16
do corrente, para contratar com o presidente da
provincia o Exm. Sr. senador Frederico de Almei-
da e Albuquerque, o estabelecimento de um syste-
ma de carris de ferro, que nos termos da lei pro-
vincial n. 879 de 23 de junho de 1869, ligue a ca-
pital desta provincia com os seus suburbios, para
os quaes nao estojara j estabelecidos os trilhos
urbanos, e una -os deraais pontos limitrophes da
mesraa capital; e por accordo de ambas as partes
ficou c ntratado o estabelecimento dos referidos
carris, sob as segnintcs conlicoes :
1." O svstema de carris de ferro ser o mes-
mo de que t'rala a 3a das condicoos do decreto n.
4,082 de 22 de Janeiro de 1868. -
2.* O assentamento da linha de carris ter o
seu comeco no largo do arsenal demarinha e alra-
vessando as pontes Sete de Setembro e da Boa-
vista, terminar na Passagem di Magdalena rami-
ficndose nos pontos quemis cinvenhaparaos
Affogados, Fernandos Vieira e Santo Amaro, pas-
sando este ultimo pela ponte de Santa Isabel. O
detalhe das ras e estradas por onde a linha deve
fazer o sea curso, ser lixado de accordo com a
presidencia, ouvida a camora municipal e ma3 re-
particoes competentes
i 3.* As obras sero feitas jsosta do concesio-
nario Trindade, mas s podero ter principio de-
pos que o presidente da provincia approvar o pla-
no deltas, e a lotaco Jos carro5.
< 4." Os planos e desenhos sero apresentados a
apreciado da presidencia no prazo de seis mezes
contado da data deste contrato, para que 09 appro-
ve ou altere, se assim entender conveniente. As
obras da linha principal terao comeco no prazo de
seis mezes contados -da data da approvado dos
planos e lotacao dos carros respectivos, e serao
concluidos no de um anno. As obras dos ramaes
devero ter comeco logo depois de concluida a li-
nha principal, e sero concluidas no prazo Je seis
mezes.
6." Na construccao da linha c seus ramaes
observar-se-ho as secuintes condicoes technicas :
! a linha ser singella e a superficie dos trilhos
Jicara no mesmo nivel do calcamento das ras,
alirn de nao estorvar a livre circulado dos veh-
culos e animaes, quer longitudinal, quer transver-
salraente; 2* a distancia entre um e ontro trilho
dever ser de 4 ps e 8 Vi pollegadas, nos pontos
porm em que para os desvos for preciso cons-
truir linha dupla, o espaco entre os dous trilhos
nao exceder de 2 ps e 6 pollegadas; 3' os trilhos
sero assentados no centro das ras, sempre que
for possivel, no caso porm de ser a ra estreita
passaro ao lado e9qnerdo, sem projuizo do transi-
to, quer de vehculos quer de passageh-os, ficando
a largura dos passeios sempre livre orcnlarao
das pessoas p ; 4" os carros sero movidos por
animaes e tero largura nunca superior a 6 ps e
6 pollegadas e accommodarao at 30 passageiros.
Sua construccao ser tal que possam andar para
traz e para diante, mudando se apenas os animaes
de um para ontro lado.
6 O proponente execntar sna custa todas
as obras necessarias ao comprimento da linha e
seus ramaes; bem como as desapropriaces indis-
pensaveis, sendo-lhe neste t*so garantido o direito
de desapropriacao pMutilidade publica.
< 7.* O preco da agem nos carris, qualquer
que seja o termo desta, ser de 200 rs. por pes-
soa.
< 8." Os carros pararlo em qualquer ponto e
ao menor sigial que Ihe flzer o passageiro- para
apear-se ou enlrar quando haja lagar.
9." O servigo do canos ser quoUdlano e in-
cessant desd as 6 horas da manha at as 12 da
noite.e regulado por urna tabella apnrovada pelo
presidente da provincia.
' t 10." Os agentes do governo e da polica e
qualquer forja de linha, guarda nacional ou a po-
lica, terao passagem gratis, esiando munidos do
competente passe.
U.* Para previnir os transentes da aproxi-
mado dos carros, evitar desastre e limpar os tri-
lhos, ter o proponente o numero de cantoneiros
guardas a ruis empregados necessaros.
12.' Send o servico dos carros incessante po-
Jera o proponante prescindir de construir estacoes,
-e assim julgaf acertado, e o presidente da provin-
cia nisso convier.
a 13.* Na falta de cumpnmento do disposto na
4' condico, ou no caso de o trafego depois de
aberto, interromper-se por seis mezes, ficar nullo
o presente contrato, incorrendo o proponente na
parda das despezas e obras feitas e na multa de
1:000.1000 poi cada mez que decorrer desdo a
data da nfraccao Jo contrato, at a declarado da
sua nulIidade>#lvo provando-se que o nio cum-
primento ou mlerrupdo resultou de forca rnaor
ou impedimento posto pelo governo, ou qualquer
autoridade, par motivo independente do texto do
centrato. A multa ser imposta administrativa-
mente, por delperado da presidencia.
14." 0 proponentc poner transferir este con-
trato, ou orga&ar urna companhia anonyma, mas
s depois Je apprnva.l'-i a cesso pela presidencia
e devidament autorisada pelo governo imperial a
companhia, fiesrito subrogados todos os onu e di-
reitos resultantes do mesmo contrato.
15." Qoano a receita lquida da empreza, que
motiva este contrato, exceder da 12 por cento ao
anno, 20 por cento do excesso ser entregue ao
governo provincial para auxiliar o melhoramento
material desta capital, ou ser diminuida a tarifa
na mesma raiao do offereciment, conforme con-
vier presidencia.
o 16." Tudo quanto dspoe a lei provincial n.
879 e o decrfl|o n. 4,082 de 22 de Janeiro de 1868
e nao esteja n opposido s presentes condicoes
e forera app^caveis a este contrato, faro delle
parte.
17." A presme concessao durar por espaco
de 25 annos.
18." O presidente da provincia reserva-se o
o drsito de organisar, ouvido o conce3sionario, os
regulamentof necessatios, impondo nos casos de
transgresso ou falta de regSilaridade do servico,
multas at 50l, salvo o caso de forca maior de-
vidament provado.
19." A wesidencia por intermedio de qualquer
empregadode sua eonanca poder flscalisar os
balancos dampreza, afim de que se realise o dis-
posto na 15." condico d'esse contrato.
120 Olpippouenie nao poder alteiar os nivela-
raentos da* mas sora previa autorisaco da cma-
ra municipal com recurso para o presidente da
provincia.
21.a O oponente obriga-se a calcar as ras
nao calcadas, onde tiver de assentar os trilhos,
pelos precos, que actualmente paga a provincia, e
conaas mejmas condicoos Jo pagamento, e um
MMMRIWil) 0|0 era favor dos cofres prnvin-
ciaes, se esta condiSo' nlb ofender ou prejudicar
o contrato atualmente existente para o calcamen-
to aa cidade.
t 22." 0 propononte aprsenla para fiador das
inultas do presente contrato a Adolpho Pereira
Carneiro, que nessa qualidade assignar o mesmo
contrato.
t E por lerem a3 partes assim convencienado e
gyranasticos qu%actualmento irabalham no pavi-
haoSanta Isabel, devendo dentro em pouco co-
mecarem os tsabalhos equeslres, nos quaes al-
guna dos artistas sao insignes.
LEILO.Hoje, (24 do corrente), s II horas,
effectiia o agento Pinto em seu escriptorio ra
da Cruz n. 38, o leilo de conserva* amexas, la-
tas com peixe e papel \[de seda para cigarros.
LOTERA.A que se acha venda a 141"
beneficio da matriz d'Agua Preta, a qual corre no
dia 28.
CEMITERIO PUBLICO.-Obtuario do dia 23 de
marco de 1870.
Antonio, Pornarabuc^, 1 anno, S. Jos ; oonvul-
coes.
Bonifacio, frica, 40 annos, solteiro, oa-Vista ;
ttano.
Paulina Maria Benedicta. Pernarabuco, 30 annos,
casada, Santo Antonio : aborto.
Jos Cupertino Guilherme de Assis, Pernam-
buco, 22 annos, solteiro, S. Jos ; tubrculos pul-
monares.
Manoel Borges de Frailas, Portugal, 45 annos,
solteiro, Santo Antonio; ferimento.
Luia, Pernambuco, 5 aunos, Santo Antonio ;
dzenteria.
haver o proponento pago o sello na importancia
de 5001 conforme consta da verba lancadada na
respectiva guia, que lica archivada, lavrou se o
presente, que depois de lido, foi pelas mesmas
partes"ontratante3 fiador e testemunhas assigna
do. u, Elias Frederico do Almeida e Albuquer-
que, secretario interino, o fiz escrever.Frederico
de Almeida e Albuquerque.J. H. Trindade.Como
fiador Adolpho Pereira Carneiro.Como testemu-
nhas Theoplulo Alces da Silva.Silvino Antonio
Rodrigues.
MORTE CASUAL.No dia 22 do corrente, vol-
tando do Cajueiro o carro n. 99 da coebeira o. 13
da ra do Imperador, boleado por Manoel Borges
de Freitas, conhecido por Manoel Paulino, cahio
este da bola no maio Jassa ra, passando-lhe as
rodas do carro por sobre a cabeca, cora tanta in
felicidade que pouco depois fallecen.
OPERACO CESREA.Acabara de chegar
livraria fr'anceza alguns exemplares de ura para-
phleto do Sr. Dr. Francisco Ribeiro Delfino Monte-
zuma, sobre a operado cesrea e o fetcidio me-
dico, o qual sa torna recommenJavel tanto aos
homens da scienca como quelles. que se interes-
sam por essa parte de nossa sociedade que se
chama sexo frgil.
JUIZO DE PAZ. -A audiencia do juizo de paz
da freguezia de Santo Antonio do Recife hoje s
horas do costume, ero consequencia de amanilla
(sexta-feira 25 de marco correnle), ser dia santifi-
cado.
RIO GRANDE DO NORTE.Da capital d'esta
provincia nos escrevem em 21 do corrente :
Chegou hontem nesta capital, bordo do va-
por co;teiro Parahyba, o Exm. Sr. Dr. Silvino El-
vidio Carneiro da Cunha, presidente Horneado para
esla provincia.
a O desembarque'e recepeo de S. Exc. e de
sua filustre familia foram os mais concorndos e
aniantes, que tenho aqu observado, qur em
relacao ao mundo official, qur ao particular.
c Amanhaa ter lugar o acto da posse de S.
Exc, no paco da cmara municipal, para o qual
est o Sr. Dr. Octaviano Raposo, vicepresidente
em exerciio, expedindo os convites do costume.
O Exm. Sr. Dr. Silvino chega esta provincia,
precedido da melhor uoraeada, pela llustraco e
prudencia que o distinguen!, par do prestigio que
do partido aciual goza na provincia da seu nasci-
mento, e do governo geral.
Espero, pois, qne S. Exc. poder desenvolver
todo seu tino administrativo, nao s no congraca -
ment da famiha conservadora, que'aqui se acha
um tanto dividida, como nos melhoramenlos mo-
raes e raateriaes de que tanto precisa este torrao
de tantos recursos.
t Temos aqui abundantes chavas, que, segundo
as ultimas noticias, teem-se estendido tambera aos
nossos sertoes, enchendo de alegra agricultores e
fazendeiros do gado.
Deus as continu em larga copia, para que
tenhamos abundancia do comestlveis, que ainda
sao escassos e excessivamenle caros.
ASYLO DE MENDICWADE.Comecon hontem
o recolhiraento dos raen Jigos ao asylo, e, segun-
do nos consta, at meio dia e-tavam reeolhidos
mais de 30, sendo que dous apre-e/itaram se mos-
trando-so satisfeitos com a insttuico. Paternos
sinceros votos para que ella prospero e aitinja ao
sen grandioso um.
Resta agora que a csrldade publica auxilie o
exforco no governo, na crearlo de to til estabe-
lecimento. Nao arruina pessoa algtrma o pouco
que se da aos pobres, ao contrario dever de
todos araenisar o infortunio do prximo.
MEDICO HOMEPATAChegou ante-hontem
da corte o Sr. Dr. Santos Mello, distinelo medico
homepata, que vem clinicar entre nos, estabele-
cendo para isso o'seu consultorio.
O Dr. Santos Mello gosa, no Rio de Janeiro e
mais lugares onde tem exercido sua honrosa pro-
fisso, da estima publica e de um nome que o
pennor de sua habilidade e con'.ieripjentos tech-
nicos.
CuMPANWA DE ACRBATAS.-A baraa per-
tugue S. Uiptd, chegada hpnlem de Lisboa,
trouxe os cavauos da corapaniia de aerbalas e
CHRONICA JVDICIARIA.
TRIBUNAL n\ RELACAO.
SESSAO EM 22 DB MARCO DE 1870
As 12 e raeia horas da manha, nao tendo com-
parecido o Exm. Sr. conselheiro Santiago, o Exm.
Sr. desembargador Gitirana assumio a presidencia
interina e abri a sessao, estando presentes os Srs.
desembargadores Almeida Albuquerque, Motta,
Assis, Domingues da Silva, Hegneira Costa eSouza
Le\ faltando os Srs. desembargadores Guerra
procurador da cora e Lourenco Santiago.
Passados os feitos, deram-se os seguintes jura-
mentos :
Recurso crime Reccorrente, o juizo; reccorri-
do, Felino Jos de Barros.Relator o Sr. desem
bargador Assis, sorteados os Srs. desembargadores
Souza Leo, Almeida Albuqueique e Domingues
da Silva.Improcedente.
Apellacoes chimes Appellante, Jos Jacintho
de Souza; appellada, a justica. Improceden-
te. Appellante, o juizo ; appellado, Manoel Igna-
cio de Sant'Anna.Nullo Je ti. 16 em diante.
Dklioencia. crime.Ao Sr. desembargador pro-
motor da justica: appellante, o juizo ; appellado,
Jos Cesar do Meneses. Appellante, o juizo; ap-
pellado, Manoel Francisco de Moraes. Appellante,
Joo Antonio Ribeiro; appellada, a jusiica. Ap-
pellante, o juizo ; appellado, Flix, escravo. Ap-
pellante, Cosme Ferreira Gomes; appellada, a
justica. Appellante, o juizo; appellado, Florianno
Auto Bispo. Appellante, o promotor; appellado,
Dionisio Ferreira dos Santos. Appellante, e jui-
zo ; appellado, Manoel Baptista Lopes. Appellante,
Bellarmino Jos dos Praieres; appellada, a justi-
ca. Appellante, Manoel Joaquim Alves; appellada
a justica. __g'._
pasaH.
Do Sr. desembargador Almeida Albuquerque ao
Sr. desembargador Motta.- Appellado crime: ap-
pellante, o juizo ; appellados, Joo Pereira d'Araujo
e ontros.
Do Sr. desembargador Motta ao Sr. desembar-
gador Assis.Appellado civel: appellante, Joa-
quim Monteiro Guedes Gondin; appellado, Virgi-
nio Horacio de Freitas.
Do Sr. desembargador Assis ao Sr. desembar-
gador Doria.Appellado civel: appellante, Nica-
cia Maria da Conceiciio; appellados, Alexandre
Nogneira de Souza e ontro?.
Do Sr. desembargador Doria ao Sr. desembar-
gador Domingues' da Silva.Appellacoes civeis :
appellante, Maria Ignacia da Conceico; appellado
Manoel Antonio da Silva. Appellantes, Silva Leo
& C.; appellados, os herdeiros de Alexandre Jos
Rodrigues.
Do Sr. desembargador Domingues da Silva ao Sr.
desembargador Souza Leo Appellado civel:
appellante, Gabriel Germano do Aguiar Montar-
royos; appellado, Estevo Jo- Paes Barreto.
Do Sr. desembargador Regueira Costa ao Sr.
desembargador Souza Leo.Appellacoes civeis:
appellante, D. Hermelinda Maria daConceijao; ap-
pellada, D. Clara Sopbia Finton. Appellante, Ja-
cnthoPaes Pinto da Silva; appellado, Alexandre
Bernardino da Mello.
DoSr. desembargador Souza Leo ao Sr. desem-
bargador Guerra.Appellado civel: aappellante,
o bacharel Joaquim Francisco de Miranda; appel-
lado, Jos Rodrigues do Passo.
Assignou-se da para julgamento dos seguintes
feitos:
Appellacof-s civeis.Appellante, o visconde de
Loares; appellada. a fazenda nacional. Appellan-
te, D. Felicidade Maria de Vasconcellos; appella-
do, Dr. Antonio de Carvalho Raposo.
Appellaqao crime.Appellante, o promotor;
appellado, Francisco Herculano de Mello Mariz.
A' um quarto depois do meio-dia encerrou-se a
sessao.
PUBLICACOES A PEDIDO.
Para o governo Imperial ver.
A ORDEM BENEDICTINA EM PERNAMBUCO.
DepenJendo da assembla geral a approvaco
do orcamento no qual, se trata de um imposto so-
bre as ordens religiosas do imperio, o D. abbade
do mosteiro de S. Bento na corte fez publicar urna
apologa da sua congregaijo. Reconhecemos, que
est em o sea direito, e por isso tambera nos ha de
permittir o nosso protesto, em relacao ao mostei-
ro da mesma ordem nesta provincia, e situado aa
velha Metropole Pernambucana.
Diz o D. abbade, que as rendas do opulentissimo
patrimonio de S. Bento tiveram em todo o tetnpo
a applkaco congenita ao fim da inititutco, isto
, o culto divino, e o bem de MK-l semelhantes.
Exactamente o contrario, que se da nesta pro
vincia cora a administraco da ordem benedictina.
II
Nao declamamos; nao.
Faxemos ura appilo para a consciencia publica,
a para todos os moradores da ierra, que tem con-
templado o abandono do instituto do grande mon-
ge do occidente, emre nos, c do egoun anli-
christo dos seusjpembros, os quaes rePnidos a
muito poucis, mwreparavel se faz a absorpeo
do rico patrimonio, e i violado, que diurnamente
soffre a santa memoria dos doadores dos bens da
ordem. a
O culto divinor que pratica a congregacao bene-
dictina perfeitamente nullo, e os raros actos da
religio caiholica, que se observa do riquissimo
mosteiro de Olinda denotam deleixo e zombana.
Os grandes dias da regilio passam desaperceb-
JC'S ; e o que mais at os dias raemoraveis dessa
familia monstica ja sao completamente desconhe-
cidos pelos habitantes daquella histrica cidade.
Tao esquecidos estao elles no mosteiro da trra I
III
A igreja se conserva hermetiMfcente fexada,
com execepcao Jo tempo necessaiflEpara a nica
raissa conventual, qma ha nos dias santificados.
Na poca quaresanal o escndalo ravergonha as
consciencias catholicas ; a coii|Himoraco da
grande victima dJflMpero huraaiW^Hacto nunca
lemrado n'um ojBfteiro benedictir, que dispde
mema riqueza.
As pessoas religiosas debalde procurara naquel-
le lugar a remisso de suas culpas; o confesiona-
rio, que est sempre abandonado pelo minisv.
d llorosamente demonstra a ndole dos lilaos d
admirado solitario do monte Cassno.
IV
Nao, mil vezes nao ; enlre nos a ordem benedic-
tina nao pratica o culto religioso.
Nao entraremos em detalhes, e muito menos fa-
zemos a menor observado sobre individualidades,
mas a ja-tica exige, que entre os desgranados..
abbadejados se exceptu o do benemrito D. fre
Felippe de S. Luiz Paira, que to digna recordad
deixou. Foi o ultimo fulgor da sua or Jera.
O documento n. 1 indica os encargos de consci-
encia dos mongas da S. Bento de Olirtda. Como
desempenhado esse sgralo compromisso? Pe
esqueennento, e pelo abandono...
Estaremos inventando T O poder publico, que for
o competente estabehaca um inquerilo, e desde j
podemos afumar, que o resultado ser vergonhoso
para o instituto benedictino.
V
Desse mesrao. Jocumento n. 1, (que al bem pou-
co tempo era urna tabella afixaJa na sacbristiado
mosteiro de Olinda, e dahi elle reapareceu para
fazer esquecer a sua memoria), via-se claramente,
que era cada semana alli se deve celebrar 24
missas por toda a igreja catholica, paixao de
Christo, Nossa Senhora, pelos proprios religiosos
benedictinos, pelos donaUuios e oemfeitores da
mesma ordem, pelos libertadores da patria ua
guerra contra os holandezes, e entre tanto apenas
alli se diz urna nica (quasi sempre por presbyte-
ro secular, e nao por benedictino),a conventual
nos dias santificados como lica dito.
A eapella de Nossa Senhora do Monte, de im-
mensa devodo popular, se acha em completas rui-
nas, bem prxima a desabar; sendo que ha alguns
annos j alli nao se faz a religiosa festa no seu an-
iversario, a qual tora sido suppriJa por ama sim-
ples missa cantada ; o que mesrao nao se fez no
corrente anno, como all muito sabido.
VI
A capella de Nossa Senhora dos Prazas ae gran-
des recordarles histricas, por ter sido erigida
para perpetuar a memoria de feitos patrios mu
glorioso?, que all se praticaram, templo tam' em
do extraordinaria devodo, acha-se em pessimo
estado de conservado; sendo que ha muito tem-
po estara em perfeilas ruinas, se nao fosse o in-
fatigavel zelo Jo filiado fre Antonio Rainha dos
Anjos qne o guardava e cuidava por longos in-
nos, bem como hoje pratica o dito frei Felippe de
S. Luiz Paim, por quanto at o patrimonio, qne
esta e aquella outra capella possue especialmente,
para alli manter-se decentemenj* o culto, tem si-
do constantemente dislrahido e cbnsumiJo algnres,
de ordem dos abbades dessa ordem.
VII
Se este o lamentave! estado do culto religioso
entre os monges benedictinos de Pernambuco, a
sua caridade abominavcl, se alias dado pro-
nunciar palavra to dissonante.
Desaliamos, que se nos mostr nesta provincia
una escola, urna instituido pia sustentada pelos
benedictinos, um cellegial, um seminarista, um sa-
cerdote, pobre e enfermo, em Jim, um acto qual-
quer de caridade, que coramova os coraces ca-
thohcos actualmente realisado por quelles monges.
VIH
O egosmo ha substituido sublime .virtude de
nossa religio, e tal vez mais do que isto; pois se
bem pensado fr o documento n. 2, da-se o crime
horrivel de reduzir a escravido muias pessoas
que sao livres. Tal o animo dos nossos degene-
rados monges de S. Bento! I!
Sim, deste mesmo documento n. 2 abaixo trans-
cripto (existente na secretaria da presidencia desta
provincia) consta, que por urna deliberado un-
nime do conselhu solemne da dita ordem benedic-
tina, aos 15 de Janeiro da 1831, se mandn pas-
sar as cartas de alforria a todos os eseravos per-
tencentes aos mosteiros de Olinda, e da Parahyba,
sendo que para isso se acham autorisados os res-
pectivos prelados, pelos avisos do governo impe-
rial tambem abaixo publicados. Entretanto, desde
aquella data ha 39 annos, acham-so assim muitos
libertos no duro jugo da escravido I I I
IX
Nos perde o D. abbade| da corte, a publicado
por este muito ligeiro protesto as snas publicacSes
pois estamos profunda c dolorosamente convenci-
do4, que a congregado Benedictina em Pernamba-
co um monumento vivo e triste de que o culto
Divino substituido pela perverso, e a caridade
pelo egosmo, e talvez pelo crime entre os impopu-
lares filhos do patriarcha monstico do Occidente,
os quaes devorara peccaminosa e criminalmente o
opulento patrimonio da sua ordem nesta pro-
vincia.
Se exprimimos ou nao a verdade, nos sugeitamo-
ao veredictum da opinio publica, e de todos, que
de peno conhecem os monges, o mosteiro de Olin-
da e seu immenso patrimonio e como este dis-
fructado.
DOCUMENTOS.
N. 1.
TABELLA
das missas semauarias, que se derem dizer neste
mosteiro de S. Bento de Olinda.
Ter^a.
Urna missa por toda a igreja catholica, todos os
dias.
Prima.
Urna raissa segunda-fera pelos nossos rrao-
Jefuntos.
Urna missa pela alma de Gaspar Fgueira o sna
raulher.
Urna missa do sabbado a Nossa Senhora pea.
congregacao e provincia.
Matutina.
Urna missa pela alma de Jorge Lopes e sua rau-
lher. _. ,
Urna missa pela alma de Francisco Das Del-
gado.
Urna missa pela alma da mulher de Francisc
Dias Delgado.
Urna missa por alma de Affonso de Siqueira. .
Extravagante 1.a
Urna missa a Paixo de Christo pela alma de D.
Luzia, cora R.
Dnas missas a Conceico de Nossa Senhora pela
alma de Luzia, cora R.
Extravagante 2."
Todos os dias urna missa pela alma da donataria
da capella de Nossa Senhora dos Prazeres e dos
soldados que morroram na guerra dos Hollan-
dezes.
N.2.
Certifico que era vista do despacho supra, re-
vendo o livro dos conselhos e resolucdes do santi
onvento de S. Bento de Olinda a fl. 30, achei o
que pedem os supplicante?, cajo theor o se-
gUAos 15 de Janeiro de 1831. convocando oN. M.
H. padro mestre D. abbade Fr. Jos de S. B
n.,,.-;., Daraasio, dos MM. RR. PP. do conselho, abaixo as-
signados e assistinda juntamente M. R P. presiden-
te do mosteiro da Parahyba Fr. Antonio de S. Ben-
to Nunes, pelos dous prelados foi proposto, que
visto nao hwer admissao de novicos, eram de pa-
recer fossem forros os nossos esejavos, pertencen-
tes tanto a este mosteiro, como ao da Parahyba,
nao s lelo bem da humanidade, como porqne de-
vemos em tudo conformarmos com as santas leis
da liberdade proclamadas na cotetituico, que pre-
tende acabar de urna vea com, o baroaro ir
da escravatara.opposto a raaio, a conscienrta, e a
religio; e |ndo nos como ministro Jo AitlssiiB,
r
mi ti
i


c



Pernambuco Quinta feira 24 de Marqo de 1870.
os priroeiros que deviamos dar exetuplo de ter
abracado tao wrtutar doulrina ; alm de que nos
ordenado pelo capitulo geral, que fo-sem empta-
las as nossas fazendas, nao sendo j'tsto, que os
4itos -scravos passassem so dominio estranho : o
que uvido pelos padres do conselhn, foi por todos
unnimemente api-rovado, assim como j se tinha
faito em outros eonselhos antecedente-", ordenan-
do se ossem as caria pasadas pelos prelado rtns
respectivos mosti.iros, segundo o rii>ttmie seare
pratieado, e que qiMnlo antes se [ledi-se ao geral
liccnca para se fazerem os emparamento*.
, E nada mais Et-a vi supm.Vr, Galdiuo de jauta Igoez Arau
jo, notarioFr. I>s le S. Beato Dama*,iD. a,
bd>>.Fr. Antonio de S
dotco;b:irodPai. geralVr. Lat m> Espirito Santo Ferreira.
Fr. Ignacio do S. Francisco Xavier.-Pr. Antonio
da Itamlia dos Anjos.Vt. Gaudenrio de JessMa
ria Rairao.Fr. Miguel do Sacramento Lopes oa-
ma, pregador da capella imperial.
E nada mais se eonUoha em dito conseluo, o
qual vai betn e flelmen'.e copiado, o que dou mt-
M >tciro de S. Bento de Olinda, 8 ie fevereiro
de 1833.-Fr. Jos de Santa Julia Botelko, notario
de mosteiro.
N 3- *.
Sendo presentes i regencia os offlfirtWe vossa r................ .....
pjtcrnidade de i e 3 do corrento, o primeiro ser> juegra Lniza, o sold da mircha o> '^"^'"^ t
S. Bert?" H'.iiie;, sitMente caso co BaPr
ba.-Fr. Ahl.oiio So Carras blsldade d'elle.
de soas pntrticaQdes, veja-se se lose Pedro tem
apresenlado sua asignatura sendo para uso deza-
fiado pelo correspondente do Diario 3e Pernambu-
co ; abido ser ello o autor das mentiras de Li-
beral, porque dsso se tem gabado. -
E' preciso muito cynismo, Sr. Jos Pedro, para
apresentar em publico tantas mentiras, como bem
o acto de embriaguez, do offlcial Pindoba, apre-
se otando pessoa que mtoiramente deseonhecitja,
(|uo coni este liiigava, e dizer que honve resisten-
cia ; quem foi este resistente f aprsente o, nao
venha com invisivels, na> seja tao disfarcado, co-
hiba-se de mandar publicar tinta mentiras, O
ir. Rodoipho Emilio d? Paiva, dono do estabeleci-
iiientp, presetlcloU o fado 6 ftals pessoas, nao fot
assia que nao so possa justificar a
Cambio sobre Londres Wd|v. 20 3(4 d, por
lOOO (hootem e boje).
Descont de letrast 0/0 ao anno.
(joncallo Jos Affonso,
Presidente.
Mesquita Jnior,
Secretario.
ALFANDEGa.
aendimentededial a Si 701:323*042
em do di J3 ... M:433*6fo
de abril prximo vindouro para o concurso que
se tem de abrir na mesma thesouraria para pre-
enebimento das vagas nella existentes de pr(f.
cantes da mesma, assira como da alfanV t e ja
recrbedoria de rendas : versar o fcx^ sobre
as materias de que trata o i do >rtB l di.
decreto n. 311* de S7 de jnnbo d4 t863 a saber
leitura, analjse grammatical e. orthogrpbia, ari-! 70.
'CiW^s aPpllC-a?^> commercio, com f
i r.,.lii<'i- _' a^aH
-r-
~
752:756*727
Cabe ni o, poi tanto, dizer ao Sr. Jos Pedro, qoe
nao ful o culpado de sua deraissao do lugar de
subdelegado, e de lhe arrncarem este meio de
vida, e assim o terem reduzido a viver sob as so-
pas de sen velho sogro ; queixe-so, pols, das au
toridades superiores ; se exerci osto lugar, nao
foi porque o pedisse. nom d'elle tiz meiode \nda,
pulir oqueappellopara apopulacao de Gamelleira.
O Sr. Jos Fedro, so quizer ser ouvido pelas auto-
ridAdes superiores einsuas pubiici^oei, aprsente
realidades e nao altivos; e se desejodo escrever
as folhas publica*, dirija-se quelles que fizeram
^publicar as suas espertezas, como as fazendas da
l_____i __ 11, i..... .i... .ij i> ,n .i ,vIhn c. n
MoVlMBN-R) DA ALPANDEGA.
'iumes entrados com fazeudaJ --
dem idem com generoi ti
. ; < cr r*".j^ ao coiiimertao
cialidadeareduc^-ueinoaS) 08-
foluraes sahldci ota fazendas
(dea idem cora gneros
-------341
189
180
m%
-vindo de Inormacao ao requerimento do pardo
Miguel da Silva, escravo deste mosteiro, que pre-
tendo a sua liberdade, e o tesando acerca osem-
barac/is, que enconlra na decisao de certoS nego-
cios, vista da resolncJo do anno pagado sobra
s coniratos onerosos dns ordens regulares: man-
da, em nome do imperador, responder a V. P. e,
que quanto ao primeiro objeto jamis se podera
entender aquella resolucio cerno prohibitiva da li-
berdade d.is esoravos; mas que no caso de V. P.
ainda entrar nes^a dnvida ll>e concede licena
para o poder fater; e resoeito ao mais que pon-
dra, que todas as vezes que for inister qualquer
aenarai ou contrato sobre os bens do mosteiro, o
fnveruo prestar a Hcenca m-cessai ia, vista do
que lhe for allegado, na eupforuiidaae da mesma
resol ucao.
Boas guarde a V. P.Paco em 16 de setembro
de 1831./>*" Anlomo Ftij.Si. D. abbade do
mostoiro de S. Bento.
K.I.
N. 166 em 13 de mie de 1868.-Ao visitador
apostolico da provincia carmelitana fluminense.
Dedara que os superiores das ordens regulares
sao os competentes para passarem carta Je liber-
dade aos escravus das mismas ordens.
*. seccao.Kio de Janeiro. Hlnisterio dos ne-
gocios do imperio, em 13 de maio de 18G8.
Em oflieib de 2S do mez fin do consulta V. Pa-
Wn'Mludo Kvmn. se sao validas as cartas de liber-
4nde pausadas a quairn esnavos dessa ordem, sem
ulorisac.ao de vossa uaternidode Bvma. pelo prior
Km resposta cabe-me declarar a vossa paterni-
Aide Bvma. de accordo com o parecer do eonse-
ineiro procurador da corda, fazeoda e soberana
mrional, junto por copia, que o dito prior tinha
Twtcr paia passar as referidas cartas de liber-
litle.
Dens guarde V. Blft -Jos .hnquim Fernn-
4n TVirr-'.Sr. vteMador apostlica iumrino da
provincia canoelitana tluiniuense.
fafwnr a que se refere este aviso.
lllm. e Ex o. SrCom quanto a liberdade ti-
vessesempre entre nos a niaior protercao, niio po-
de esta com todo ir aHn d'is limites, violaudo o
principio de orJem e do propriedade. elementot es-
eneiaes das sociedades.
O prior do convento do Carmo nao tinha poder
para dar liberdade aos escravos, e bem sabido o
axioma jurdico: non est mnjnr defectos |MM de
fertns jiottstatis.
E enio consequentc que tildo que ta como
se nao existisse, nullo, na<> pode produzir elTeito
algufn.
Nada faz ao caso a poca cm que oram passa-
das, ou em qu* se llguram passadis as taes cartas
ae liberdade, nos p>rque nao podem prevalecer
contra os principios expendidos, como porque M
instrumentos patticulares <) se reputam datados
do dia em que nelles intervem um acto solemne,
legal, como registro, sello, etc. Devem, pois, con-
siderar se como nao existentes as liherdades con-
cedidas pelo prior do convento do Carmo.
Sua Magostado o Imperador mandar o que for
servido. >
Rio do lanciro, 5 do maio do '868.-0 procura-
dwdacora, Francisco Balthamr da Sil-
u-ira.
O Rvmo. sub-prier e notario passe o que os sup-
plicantes poden.
Mosteiro de S. Bento de Oliuda, 3 de fevereiro
de 1853.- Fr. Joaqun Jo Desterro, D. abbade.
Senhntvs redactores.Lindo o sen conceituado
Dimio de iontem flquei inteiramente sorprejien-
dido com a noticia qee duu a Revista Diana de
que Hara das Dores Peres Campello, viuva do
loen primo e amigo Presciliano Pires Oampello,
tentara suicidarse pela miseria em que vlvia, e
as dili'.-:i. Lides com que luctava para mantera
qaatro liilios que tinha, conforme foi declarado
pelo subdelegado da freguetia do Besife.
Em vista de tal noticia appressi-i-me em chegar
logo casa do residencia da Sra. D. Mara das Do-
res, na rua da Sanzalla Voiha, e encfrtret a, gra-
i;;is a Dens, ainda viva, o creio que escapa, e ni
pade.ndo fallar com ella de modo conveniente, urna
outra nuilher que l eslava por sua companheira,
me dis^ que de factJ tinha ella tomado um liquido
que se suppoe ser veneno. Nao lallei com o Sr.
subdelegado da freguezia, e neni tao pouco com o
medico que a asistio, mas, posto affirmar com to-
da a verdadeser fa!-a qualquer que fosse a de-
claracao dessa senhora, no sentido de passar ella
privares que a levassem ao suicidio !
O roen finado lio e amigo, o coronel Jos Peres
Campello, pai de l'resciliaao, em testamento qu
f.z nomeou tuor de sena netos, liihos do mesmo
Presciliano, ao meu ou! primo e amigo, o Dr.
Affonso Peres de Albuqnerque Maranho, e o Dr.
Affjn-, cm respeito e veneraeao disposi^iio de
mea lio, aceitn esta nomenca e tem cora toda a
amisade umprido fielmente a misso ile que se
cncarregou, dando at a essa senhora para teas
llllios aquillo que presumidamente elles no tm
de rendime:U.i.
O Dr. Affonso Peres tem cm seu poder cartas
dessa Sra. D. Mara das Dores, em que aecu-a o
rocebimento de dmbeiro* que ulle lhe manda todas
as semanas, sendo que hontem mesmo ella eeebeu
urna qoautia que ello ilio mandou, e alm de di -
ntieir.is tem ella receido s-mpre presentes da viu-
va de mea to, para seus netos, como'seja, arinha,
as-.ucar, feijlo, mHiio e outras cousas que do cn-
genho vmiii.
?io-deseju fazer-eo-nentos e nem formar juizos
dessa pobre Sra. D Mara das.Bores, digo que
nflr. Affonso, tutor dos filhos del la, nao pjde con-
sentir mais qtw os-seos tutelados continuem em
pidi:r de tal m.ii, a leva I03 para sua companhia
-lio engenho lloncador em S.Likirenco da Malla,
onde senipre estiveram, e muito bem.
Amigo," quo prezo s fonso Peres de Albuipienjue Maraiihao, nao podia
deixar passar dosapereebida estanetica,que oda
oflensiva a elle, cumprmdo-me, portanto, dar essas
ligeiras explicacdes.
Rerife, 23 de marco de 1870.
Jos. Peres Compeli de klmeida.
GameUeira.
ieniores redactores, nao dezejava escrever pa-
. no publico, e nem para isso habituado cstou, o
que o faco toreado p< lo Je coso das inlerpreta{ocs
das iniclaes A. C. B. U., pote, sondo eslo descon-
certado em suas faculdades moraes, q; bem vi-
sivel se c mprebende pela tonina do< olhos, jai
,nio poderla nem eoxergar as iniciaos do papel
adiado na feira, coir-o fez declarar Jos Pedro Vel-
loso da Slvera Jnior em o seu acrstico bq Dia-
rio de Pernambuco de 23 do mez prximo passa-
lo. -Nao ser mais louvavcl que este pague ao
mscate, de que trata era seu rcrostico, as fazen-
1a? que comprou em 1868 ? Nao ier tambera
claro diz.-r qoe encontrn as iniciaes no Ota-
rte c Pernambuco as poblicnc?>>s que descrerem
Mk facti s; onde o tratam por i. P. o raajor Ma-
ganna Nao procure Iludir ; rconda o Sr.
Pcilro, se ou alo conuecido aqu| por major
anganna ; como tambera preciso muito des
ment para fallar era inimigo capital'de Ga-
melleira, pois leudo a Cartera do raen To, en-
jiitrei documentos, cora <\\ aroyar ser o
i GamellQi
ra, ao quo : ^s berdeiros Jq Car-
is, que tei nraa,
ra as-
si justara r lauta cha-
l) a af-eneao dos Sra iodiciuus qiie uomooi
as condir,o08 do 3r. Jos P I""' oa
quanto mais PW
iflquantsme-
5 a aleivos p-)de imaginar, oomo tem eRo
oon'.r. m ira mostrar s falsidato
mais que so acha descripto em ditas publicacdes.
Portanto bem condecido p?los seus eitos, o que
ser l)a>tante paia me justificar ; lembre-se que ja
boje sobresae a le, e nao o bacaftarte, c assim ja
nao vigoram Caras-pretas, BoiboleUJ, o Manoel
Padres, etc. etc. etc.
Carlos Lenides do Reg Barros.
Descarregam hojef* demarco
Patacho nglezJuren'amercadorias.
Batea inglenP.Hsa S/raris-trilhos.
Barca ingkza-Coni Barca amerionaTanplar farmha de igo.
Hiate americanoSlorferi Tribttevarios mofea-
dorias.
Brigue insle Pelgrin idem.
SEEBEDORiA DE BENDAS INTERNAS GE-
RAES DE PERNAMBUCO.
^eedimento do dia 1 a 2i 68:281*941
llera do a 33....... 1:739*038
e me-
didas, ctenlo do aesConto, juros simal s e a
posto, theorr. de ^^^ e'sius appfc^eg. o,
eoueurr^^ dftVerao previamente apresentar seos
.qaerlmentos instruidos de documentos que pro
I vam idade completa de 18 aonos, sencao de pe-
na c colpa e hora comportaraeoto na forma do
irt. 3* do decreto n. S3*9 de 1* de marco de
1860.
Secretaria da thesouraria de fazenda de Per-
aatnbuco, de margo de 1870,
Servindo de afllcial-iiaior,
Manoel Jos Piolo.
Minie Pi Portagaez.
Finalmenit levantou-so nma voz, e com razao,
do um socio quo bem mostr, o desejo que tem
pela p'rosperidade da santa causa da associacao,
lembrando actual direcloria provisoria d'esta
til assoc.iacio a urgente coavoeac,a> da assem-
bla geral, como se deprehende da piiblicncao que
traz a nossa epigraphe inserida nesta flha n.
60 de 16 do eorrente mez, e nos acompanhando-o
no seu ju-toelouvavel desejo, tambem por nossa
vez levantim js um brado semelhanto pediodo a
urgente convoeacao da assembla geral, afim de
que a directora dando esse primeiro signal de vida
desde a m-tallacao da sociudade, possa ella allingir
aquello grao de prosperidade que de desojar.
Nao contestamos actual directora os servieos
que tem prestado em or dos associados necessi-
lados e a restricta economa, nicos que lhe re-
conhteemos ; mas dir-llio-hiaraos que mais enri-
eos teria Ha prestado se j tivesse convocado a
70:020*899
.'bndiraeuto do dia 1
Idem do dSa 23
O^LADO PBOV1NGAL
a 22.
97:570*067
4:25**40.
Comiuaudo das armas
Do ordem deS. Exe. o Sr. general commandan-
te das armas convido os Srs. ofciaes do exer-'ito
e 4a guarda nacional em servico da -guarnicao
desta cidade, para assistirem ao cortejo que se tem
de fazer no palacio da presidencia a elogie de S.
M- o Imperador, pelas 5 horas da tarde do dia 2S
do correte mei, aniversario do juramento
eonstituicao do imperio.
Sala das ordens do quartel general do comman-
do das armas de Pernambuco, 32 de marco de
1870. EmtiMMO Ernesto de Helio Tambaran,
lente adanle de ordens encarroado do de-
taltie.
11(1824*471
MOVIMENTO DO PORTO.
ssoinblca geral, para eleger a sui succossora,
muilo o muito ja a associaeTw teria prosperado.
Ser este iudiffereiilisinoalgumt sillada mystcno-
sameute preparada para a desojada tuzao, reah-
sande-se as-im cerlos % determinados projectos
de pessoa do regular poeifao ? Nao o afflrmamos
em vista da illimiuda coulianca quo depositamos
na firmeza de carcter dos distractos cavalheiros
que compSera a directora; porm bom seria que
aa viesse luz da discussaa, allm de dissipar
essa idea que alguns asociados Iho querem atri-
buir. A udiflerenc-a a morte das grandes ideas,
o devido a ella quanto mais longa fr a sua admi-
nsirato neste e.-tad > de indillerenca, prevemos
que ma3 satvicos legar a sua successora, urna
vez que nao a queira imitar. Portanto a recusa da
directora ut! lembianca do c nsocio (jo'10 nue
d'ellapor ora uao azemos), ser motivo de s<^bra
a que bcm volte a sua tarefa, e razao para que os
associadis exercenlo'um dos seus direitos mais
importantes que lhe, sao conferidos pelo art. 19
dos estatutos, chame essa directora ao curapri-
primento de um dever que ella perlinazdjente e
sem plaus.vel motivo que justifique seu procedi-
menio tem-se esquecido desde que por ella foi
posta era discusso a le social, do que nao ha
oxemplo (queremos fallar da convocarlo da assem-
bla geral). Portanto. consocio, nao reuc, que a
cuntemiilaeao tem nm limite, e demais, mifita a
seu favor a jostictda ,-ausa e talvez exista mate-
ria de sobra. Concluindo dizemos que desejavamos
ouvir a directora para quaodo ter definitiva-
mente formado as suas mtencoes para a convo-
eacao da assembla geral. Esperamos que nao re-
cusar ao n jsso honroso convite que temos a dis-
Unca honra-de fazer lhe.
Ao publieo
Lendo agosa o Diario de Pernambuco, deparei
coiuum disparatado a injurioso aniiuiiein de II.
alaria de Gysoeko Freir de Moraes m que pruvi-
ue ao publico que nao compre bem algum demi-
nhj sogra D. Isabel Mara de Moraes Basto, sob pe-
na de ticar o comprador su,oto ao pagamento de
prejuisos, perdas o dawnos que, diz a referida D.
Mara de Cysnciro, causou- ho a penhora que em
bens dalla procedeu minha sogra en; dezembro do
anno pajeado.
Peodendo actualmente dos tribunacs superiores
a execncao que minha sogra, D. Isabel Mara de
Moraes Bastos move centra a annuacanta, D.
Mara de C.ysneiro Freir de Moraes, nao quere-
mos discutir a que^to, esperando que, com jus-
tica, sej i ella decidida ; entretanto em resposta
anunciante o em attencao ao publico direi que :
Tendo oblido minha sogra em aeco de Sonega-
tlos, que intentou contra a anunciante, senlenca,
fav.iravel, em 0 de dezembro do anno paseada,
nao tendo a anc uncante uerido pagar-lhe fez
penhora em 14 escravos, sendo 8 menores de 14
annos e maiores pas dos menores ; penhora
esta que foi l'eita de conormidade com a propria
lei, atada pela anunciante, de 24 de setembro de
1864, art. ti g 2', que revogou a lei de 30 de
agosto de 1833, na parte que conceda o previlc-
gio s fabricas de assuoar o mineracao, e ainda
de conforrai'ade, com essa mesma lei de 30 de
agosto, comoinada com a novisrina le n. 1695
de 13 de setembro de Hs9, que prohibe a venda
judicial dos escravos menores, separados de seus
pais.
Esta penhora, que ainda nao eslava aecusada
em audiencia nem junta aos autos, foi nalia pelo
Sr. Dr. juiz municipal da 1" vara as lerias, por
urna ioterlocutoria duda de 12 de Janeiro, e,
tendo-se anpellado dessa intcrlocutora, e nao
sendo reeebida a apoellacao, aggravou-se para a
relacao; aggravo que, depjis de ter sido manda-
do tomar por 'amo e menietado, foi mandado to-
mar em sepaiilo pelo Sr. juiz, quaodo os autos
lhe foram conclusos para revogar, u fundamen
tar o seu despacho, mandando em seguida passar
mandado de levantamento de deposito dos escra-
vos penhorados t !
Ninguom so admire deste disparate, porque
causaIrevial. O injurioso protesto da anuncian-
te funda-se, pois, na alludida penhora arbitraria
e illegalmente annullada pelo Sr. Dr. juiz munici-
pal da 1' vara.
Exposto assim o fasto, o publico Picar sabendo
que o annuncio do Diario de liontem acto de
demencia, ou falta de bom sensp ; protestando a
miaba sogra chamar a respousabilidade a anun-
ciante pela injuria que lhe irrogou.
Era conclu>ao diremos que o supremo tribu-
nal da relacao vai tomar couhecioiento por meio
de carta testemuntavel.
Recife, 21 de marco do 1870.
Francisco Odi'.on Tizares Lima.
Oleo puro medicinal 4e figido
de bacalho de Laoman &
Keiuj).
A opiniao Danirne dos mdicos de todos os-pai-
iei>, queo oleo de ligado de bacalho, o reme-
dio mais poderoso que at agora se deeeobrio lia-
ra as enfermidades dos pulnioes e da garganta.
O taltfMo sir Benjamn Brodie, dizia : < Quaodo
ludo olais inuil, osto salm mindo a da do
doente ; porm dtve erpurn.* Entre os typos
mais finos deste genero, sobresalte por sua pureza
o oleo de ligado de bacalho de J.anman Se Kemp,
elaborado com os figados saos #s p xes apania-
dos do fresco, c cuja eonservacaoom todje es pa-
ses se garaiit'.
Na America do Sul, as Anlhas, Mxico e Aus-
tralia, elle tido como artigo de primeira classe,
e na Inglaterra oodo recent, mente !oi introduzido,
eo o considera superior todos os mais leos de
ligados le bacaffio, aueexlstom no mercado. Para
a tosse, pneumona, pleuresa, pbU'ica, brooehites,
traehites, lTeceo do figad; e debilidade geral, ce-
se que realmente o medicamento mais mil, do
quo a mMei^Shedica so podo mostrar trfana. En-
contra-se venda era todos os principaes estabele-
cimentos de dfoga:
CVlnH9BRMaiM
Navios entrados no dia 23.
Liwerpool 36 das, barca ingleza Imogene, de
312 toneladas, cspito Dani?l C. Down, equipa-
gem 14, carga fazendas o outros gneros ; a
Johnston Pater & C.
Trieste54 dias, lugar inglez Ca!aariia Leed, de
220 toneladas, capitao J. Leed, equipagem 8,
carga 2500 barricas com farinha de trigo; a
Johnston Pater de C.
Trieste70 dtas, brigue inglez R. F. Bell, de 183
toneladas, capiao 1. Barker, equipagem 8, car-
ga 2130 barricas com farinha de trigo; a ordem.
Bahia9 dias, barca iogleza Manirn/ton, de 6*1
toneladas, eapito Daniel James, equipagem 15
em lastro ; a Johnston Pater & C.
Bo de Janeiro25 das, barca ingleza Analyst,
de 340 toneladas, eapito Mosey, equipagem 10,
em lastro; a ordem.
Lisboa36 dias, barca portugueza S. Miguel, de
449 toneladas, eapito Jos Martins Cardoso,
equipagem 16, carga virtho e outros geaeros ; a
Bailar & OlWeira.
Montevideo48 lias, barca he^panhola Izabtleta,
de 162 toneladas, eapito Jos Oiiver, equipa-
gem 12, carga 29079 kilogrammas de carne
a Pereira Carneiro & C.
Havre44 dias, barca frauceza Solide, de 283 to-
neladas, crpito Aubert, equipagem 3, carga
fazendas e outros gneros; a E. Burle & C.
Novios saludos no me$mo dia.
Portos do norteVapor brasileiro Tocantins, com-
mandante J. M. Ferrcira Franco.
Bio Grande do SulBrigue brasileiro Terezmha,
eapito Torres, carga assucar.
liba dos Acoresbarca portugueza AmLade, ca-
pillo Augusto B. Cabral, carga assucare las-
tro.
Porto Barca brrasileira Tltereza,eapito Floren-
cio Francisco Marques, carga inadeira e lastro.
PASSAGEIHOS.Vrados de Lisboa ua barca
poriugueza S. Miguel.
Jos Heniique, Joo Borges, Jos Alineida, An-
tonio Jos de Sonza, Jacon e Ararino, Tassan
Guiseppe Joaquim.
Sabidos para a Hha dos Acores ua barca por-
tugueza Amizade :
Antonio do Bego Medaos, Manoel Lei te de M.
Jacintha de .Sonza, Jos de Fara Costa e sua tilha,
Joao Jos da Silvt Olivtira, Joaquim de Faria, sua
o 1 fltha. .
Peta recebedoria de rendas internas se fu
publico que neste crreme mez e m de abril
prximo futuro, que os contnbuiotes do imposto
sobre industrias e profissoes teein de paga-lo, li-
vre de malta, e qoe lindo o referido praso ser
cobrado com a malta de 6 0|O.
Recebedoria de Pernambuco, 3 de marco de
O adimnietrader,
Maooel Carneiro de Sonza Laeerda.
Aclminislfafiu dos corrios de Pernamboc*
23 Ue marc de 1870.
Mala pele vapor Tocon'ns da companhia bra-
sileira.
A correspondencia que tem de ser expedida boje
pelo vapor cima mencionado, para os portos do
norte, ser rece b i da pela forma segrate :
Macos de jornaes, impressos de qualquer nata-
reta, e cartas a registrar, al as 2 horas da Urde,
cartas ordinarias at as 3 horas, e estas at as 3
1|2 pagando porte dunlo. O administrador,
Alfonso do Reg Barros
Belacao das cartas registradas, procedentes do sul
6 norte do imperio existentes da reparlico do
crrelo em 12 de marco de 1870.
Antonio Jos Rodrigues de Souza, Antonio Lwz
dos Santos, Antonio Goncalves de Aguiar, ATuato
Caetano d > Valle, Antonio Jos Alves de Brito,
? | Eduardo Pires Ramos, Eulhymio Pereira de Albu-
[querque, Flix Pereira de Souza, Feliciano Placido
1 TlnRI iiol
Para v Porto.
Pretende sahir a barca portugueza Flix, e bd-
edo-lhe algum carga contrau-se o restante
para fechar, com os consignatarios Thomaz de
Aquino Fonseea k C,, roa do Vigaxio i. 19, pri-
meiro andar. _____
A tilma, junta da santa casa de misericordia
do Recife, pelas 3 horas da tarde do dia 24 do c< r-
nte, na sala de suas sessoes, recebe pro costas
para o fornecimento de carne verde que tiverem de
consumir todos os estatelecimeotos pos seu car-
go, no mez de marco corrente.
Secretaria da santa casa de misericordia d3 Re-
cife 17 di marco de 1870.
O escrivao,
Pedro Rodrigues de Souza.
Pontual. Gabriel Soares Raposo da Cmara, lnno-
ceucio Serfico de Assis Carvalho, Jezuino Macha-
do de M. Braga, Joao Fernandes Cavalcanti de
Aibuquerque, foao Ptancisco da Costa, Joao da
Cooceicao Braflto & C, Joo Chrysostomo Goncal-
ves Bosa, Joao Gomes iardim, Joanna Florinda de
Gusuio Lobo Vital, Leopoldo Borges GaVvo
Ucha, Luiz Maciol Pinheiro, Manoel Antonio dos
Passos e Silva Jnior, Manoel da Silva Mninbo,
Manoel Maxi C. Azevedo. Paulino Rodrigues Fernandes Chaves,
Bosa Joaquina Sreiler, Bache! Maria do Espirito
Santo I. Muller, Thomaz Francisco do Bego Mu-
niz, Vicente Pereira do Reg,
i O encarregado do registro,
Manoel dos Passos Miranda
CMPAJPIA EttkAM*MJC.\NA
m
Vavegaco ct>flra p*v vapor.
Geiauna.
ffiw O vaper Parahyba, seguir para e
yAAL. P*"0 fcima no dia 26 do corrente,
aBBB as '$ horas da noite.
R-'cebe c^,rga, etcommcndaa,1ssageros e dl-
nbeirQ % frete no esoriptorio do Forte do Mattos
5. 12.______________________________
GOMPANHLV PEHNA.MBUCANA
M
costeira por vapor.
Mamanguape.
O vapor Maudahi, commandante
Julio, seguir para o porto ac ma ne
dia 28 do corrente as 6 horas da
tarde. Recebe carga, encommendas, passagei-
r s e dinheiro a frete at as 3 horas da tarde
do da da sahida : escriptorio no Forte do Malos
n. 12. _____________________________m
fura o Porto por Lisboa
seguir em poucos das a barca portngneza Nova
SympatJtia, de l1 classe o marcha, por ja ter
prorapta a maor parte de sua carga ; para o pou-
co que lhe falt e passageros, aos quaes offereeo
ricos e excellentes comraodos, irata-se com Bal
tar, Olivera C, rua do Vlgario n. 1, primeiro
andar.___________________^__
Para o Porto
a barca Flor de S, simo sahir brevraente, por*
que j tem parte da carga eegajada : para o reste
e passagens, trata se com os consignatarios Car-
valho A Nogueira, na roa do Apollo n. 20.
\'avega;o
M.
MURO
DE
LEILOES.
SANTO ANTONIO
maguifico


EDITAES.
0 Dr. Francisco de Assis de Oliveira Ma-
cie juiz de direito da primeira vara cri-
mitn, e slistiluto da do especial do
cominercio n'esla cidade do Recife de
Pernambn o por sua magestade o tape-
rador, etc., ele.
Fago saber pelo presente, qoe_dentro do praso
de 30 dias, contados da publcacao de>te edita! re
cebera este juizo propostas por carias fechadas
para a arremataco por venda a quem mais offe-
reoer da escrava seguinte :
Bernardina, cor preta, idade 40 annbs do ser-
vi^o de casa, avahada em iOO, a qual escrava
constue tambem a massa fallida de Antonio
Maria O'Connel Jersey ; e vendida requerimento
dos administrad iras da dita massa fallida, e se
acha na rua Direita n. Mi, i' andar ; devendo as
propostas serera entregues ao agente de leiloes
Francisco Gomes de Oliveira, enearregado por
este juizo da venda da mencionada escrava.
E para que chegne ao conhecimento de todos
mandei passar o presente, que ser publicado pela
mprensa e allixado no lugar do costume.
Becife, 17 de marco de 1870.
Eu Manoel Mura Kodrigues do Nascimento, es-
crivao, o escrevi
Francisco d'Assis Oliveira Uaetaei.
Grande e variado concert vocal e instrumental no
salo dette theati o, era favor de
ANTONIO JOS DUAETE COIMBRA.
Se^cta-feira^ode maride 1870
Innlversarlo do juraoieuto da coastltulfo poltica
do inperlo.

Logo que a orchestra dirigida pelo distincto professor Jos Coeiho Barbosa houver exenta-
do a grande ouvertura
ZAMPA
entrar o divertimento que ser dividido em tres partes, pela mauetra segrate :
PBIMEIRA PABTE
1 .0 hymno nacional cantado pelo Sr. Jos Coeiho Barbosa.
1.aPbanlasia de Cavalini sobre motivos da opera Somnmbula de Belline, executada no
cirmelo pelo Sr. Antonio Martins Vianna.
;i*Come rugiada al cespiie, cavatina de tenor da opera Ernani del maestro G. Verdi, san-
tada pelo Sr. Jos Coeiho Harbosa com acompauharaento de grande orchestra.
4.O Sr. A. M P. dos Santos, l'ar tuvir urna phantasia para rabeca por Beriot.
SEGUNDA PABTE
1.Sinphonia caracterstica napolitana do maestro Mereadante.
2.0 Sr. Salustiaoo, na sua tlauta se fara ouvir cun urna de suas escolhidas phantasi3.
3.*Capricho sobre os bellos e applaudidos motivos da opera Norma, do maestro Belni,
para vclino ; executado pelo Sr. Marcelino Cleto Bibero Lima.
i.Grande phantasia de Cavalini sobre motivos da opera D. Pascoal, executada no lari-
neto pelo Sr. Antonio Martins Vianna. .
5 v-Jfaco alfalfar de venere, cavatina de tenor da opera Norma do maestro Beliini, can-
tada pelo 3r. Jos Coeiho Barbosa.
TERCE1RA E ULTIMA PARTE
1.*Ouvertura a grande orchestra por Pedro N. Baptista.
2.O Sr. Hearque das Mercs Jansep, tocar no seu ophicleide, urna de suas mais bn-
loantes varales, de Gaspard Kumraer. .
3.-Lindo canto gregj de Civalioi executado no clarineto pelo Sr. Antonio Martins Vianna.
i.Grande phantasia para fUuta, executada pelo Sr. Salustiano.
o."Plianta^ia da opera Sonmbula, executada na rabeca pelo Sr. A.M. P. dos Santo?.
6.Ta maccltiasti lenor mi, grande cavatina de tenor da opera Poliuto, do maestro Do-
nizeth, cantada pelo Sr. Jos Coeiho Barbosa.
O emprezario deste iheatro querendo solemeisar o dia 25 de margo, com todo o bnlhan-
tismo e cencorrencia, delitwrou ir em pessoa convidar aos seus amigos, afim de abrilhantarem com
sua3 familias um acto to solemne.
0 sale estar preparado muito decentemeute e tiado lugar para setscentas pessoas com
toda a commodidade : hacera duzentas eadeiras para senhoras em freute ao toillet, que se ashaY
convenientemente adornado-, haver igualmente em ura dos lados e no eentro lugar espacoso, ahtn
de que o respeitavel publico, que o honrar cora sua presenca, possa nos intervallos passeiar a
vontade.
O emprezario previne ao respeitavel publico que, em quanto a esportola sera aquella fin o
mesmo publico lhe quizer dar.
O emprezario desde j agradece cordialraente ao Sr. Jos Coeiho Barbosa, as manelras ur-
banas e delicadas com que o tem tratado; outro tanto faz aos seus dignos collegas que pe'^ *i
pedido promptamente accedera-m a seu desojo.
Aos Srs. Marinho Abro e Henriques das Merces Jansen, quo se prestaram de boa vontade
a seu eenvite.
Con ecar as 8 1|2 horas e acabar nunca depois da meia noute.
N. B. Prevne-se que neste espectculo es bilhetes para seuboras so sero vendidos lara
as de familia
LEUAB
de conservas e amei-
xas
iroJE
Qainta-feira 24 da marco, s 11 horas.
O asente Pinlo l'ar leilao por autorisaeao I-
cnsul de Franca, em presenca do seu delegado e
eor conla e risco de quem pertencer, de conservas
p ameixas de differentes qualidades, pertenciDU>-
ao espolio do finado F. Dubarry, quarta-feira %}
do corrente, as 11 horas era ponto, em seu escrip-
torio, rua da Cruz u. 38.
Da taberna ein Santo Amaro
das7Malinas u. 19
O agente Pontual vender em leilao por man-
dado do Exm. Dr. juiz de direito especial do com -
mercio requerimento dos curadores liscaee di
massa fallida de Antonio Jos Gomes, a armacao e
gneros existentes ua dita taberna, n'um on em
mais lotes! a vontade dos licitantes.
IIIOJE.
Na mesma taberna de.ve ter lugar o kiao as 11
horas.
LOLIO
DE
Urna machina du photegrapaia de chapa
iiileira
Segunda-ltira iS do corrente.
O agente Pestaa far leilao por conta o risv
de quem perteneer, de urna maquina de pboto-
grapliia de chapa iuteira, o melhor qaa ha ai ten-
dendo a sua perfeiro, e ser vendida no dia se-
gunda-feira, 28 do corrente, s 11 horas da ma-
nha no largo do Corpo Samo junto ao caf com -
mercial.
DECLABACOES.

COMMEem
PAQ DQJKCJFE 23 Dfi MARCO
DE 1870.
AS i 1/1 HORAS DATA1DI.
Algodo-l= orte-0t!6--. por kil.
Santa casa da misericordia
do Recife
A illma. junta admiuislrativa da santa casa de
misericordia do Becife, na sala de suas sessoes,
as 3 horas da tarde do dia ti de mareo contina
a receber propostas para a arreraataca'o da renda
do armazem reedificado rua Direi ta n. 33, por-
teucente aos estabcleciiaentifs do cardade, servin-
do de base o preco de 6061 annuaes, dando-se
preferencia aquello que, alem desta, outras vania-
gens (perecer.
Secrclar'a da santa casa de misericordia do
Becife 22 de marco de 1870.
0 escrivao,
_____________Pedro Rodrigaes de Souza.
Pela conladona da cmara municipal .desta
cidade, se declara aoe proprieurios de eetbele-
ciraentos de porta a*erta, sojeitos ao pagamento
do imposto municipal, que no wz de marco pr-
ximo vindouro, principia a arreeadaeao a bocea
do cofre do mesmo imposto
Contadoria da cmara municipal do Recife, 28
de fevereiro' de 1870.
O ootadar,
Hypolito Cassiane de Vasooneellos A. Maranbao.
SANTA. CASA DA MISERICORDIA DO
BECIFE.
A illma. junta administrativa da Santa Casa de-
Misericordia do Becife manda fazer peMco que
na sala de soas sessas, no da 2 de marco, pelas
4 horas da tarde, tem de ser arrematadas a quem
mais vantagens offerecwr^ooleieiupode un a tres
annos, as rendas dos predios eut seguida declara-
dos:
ESTABELECIMEMTO DE CAfilDADE.
Rua da Alegra.
Casa terrea n. 7, por anno. 360*060
Boceo do Abren.
Sotrado de dous andares n, 1 idem. 300*000
Ba do Calabouco.
Casa terrea n. 18.......301*000
Raa ic Matias Perreira (Olinqa)
Casa terrea n. U...... 96^000
EATB11IGN10 DOS OBPHAOS.
Roa do Vigario.
Primeiro andar do sobrado n. 27 840*000
Roa do Rangel.
Caaa terrean. 58. .... 0 W;
Sitio n. 5 noForno da Cal. 0 100,
Ospretendetttes devero apresentar no acto da
arrematacao das suas flaneas on cotnpjrecerem
acompnnados dos respectivo tadores.
Secratarla da Santa Casa da Misericordia do Re-
eife, 3 de fevereiro de 1870.
O eserivao,
Pedro ptrivite i ouza,
Vda'ieeoora
PAV^LHiO
DE
I
Companhia equestre ginaslica e acrobtica
do palacio de chrystal do Porto.
DIRECTOR
D. Marcos Casali.
Em regosijo do anniversaro do juramento da
constiloicao, o seu director dar mais um espec-
tculo.
Depois que a ban'a de musida tocar o hymno
nacional principiar o espectculo pela ordem se-
guirte :
1.* Primeira vez nesta provincia as volias an-
typodas por nm artista da companhia.
' 2.* O Funmbulo D. Marcos Casali ainda por
mais urna vez far differentes exercicios sobre a
corda tirante maculando arriscados saltos da
mesa.
3.# A barra fixa, pelos irraaos Cesar e Vicente
e o menino Joanni.
Intervailo de 20 minutos.
4.* Pela primeira vez o grande baile chinee e
grupos pyramdes, por cinco artistas da compa-
nhia.
i* Jogos indios pela Sgnorita Anua Casali.
coala.
Intervailo de 20 minutos
Fiaalisar-se-ba o especia jtil com o baile
rieaio
Vi-
oa<
Principiar as 8 horas.
I. t. Alm de camarotes o eadeiras, navera
platea a lf, bem coreo assentos destinados s se-
nhoras que cora economa quizerem ver o expec-
ttcnlo, peto mesmo preco das eadeiras.
AVISOS MARTIMOS.
O lllm. Sr. tespeclbrda'ftesourara delzanda
desta provincia, 0 virtuie das ordeos om
manda fazer publico que tem marcado o dia

Porto Dor Lisboa.
Com muito yanca deraorajeievar seguir viagem
i galera portoguea Usboafie primeira marcha,
i elassifloada cm primeira classe : para algosa
:arga qoe ibe falta, e passageros, aos quacs oSe-
-ece magaaieos aomniodos, (rata-se eot:i 'jares
Primo, raa do Vigario n. 9.
Porto e Lisboa
Vai sahir at o fim do corrente mez de marco a
barca Flor di S. Simo, recebe carga e passagei
companhia mam
DE
Paquetes a vapor.
Dos portos do norte esperado
at o da 28 de marco o vapor
Guar, commondante o eapito-
tenentej*. II. Duarte, o quai
depois da demora do eostume,
seguir para os portos do sul.
Desde j recebein-se passageros engaja-se
carga que o vapor poder conuzir, a qual deven,
ser embarcada no dia de suachegada. Encomraeii-
das e dinheiro a frete at as 2 horas do dia da sua
sahida.
Nao se recebem como encommendas seno ob
jectosde pequeo valor eauenoexcedam a dua:
arrobas de peso ou 8 palmos cbicos de medicao
rudo que passar destes limites dever ser embar
cado como carga.
Previne-e aos Srs. passagoiros, que suaapas
sagens so se recebem na ageuuia rua da Cruz
a. .'7 primeiro andar, escriptorio de Antonio Lui?
do Oliveira Azevedo & C.
COMPANHIA PERNAMBUCANA
M
Navegagdo costetrapor vapor
Maceio, escalas e Peoedo.
O vapor Qiqui, commandante Costa, segui-
r para os polios cima no dia 31 do crranle
s o horas da tarde. Recebe carga al o dia 30
encommendas, passageigeiros c dinheiro a frete
at s 2 horas da tarde do dia da sahida, no es- i
criptorio do Forte do Mattos n. 12.
COMPANHIA PERNAMBUCANA
DE
WaToga^o costelra por vapor.
Parahyba, Natal, Maceo, Mossor, Ara-
caty, Cear, Mandah, Acaraou e ;
Granja.
O vapor laofuc, commandanti
Moura, seguir para os porlj:
acima no dia 31 do corrente as ohorai
da tarde. Recebe carga at o dia 30, encom-
raendas, e passageiros e dinheiro a frete at ai
2 horas da tardo do dia da sabida no escripto-
rio do Forte do Maitos n. 12.
COMPANHIA PERNAMBUCANA
DE
Xavega^o co&teira por vapor.
Porto de Calimbas, Rio Farinoso e
Tamandar.
O,vaporParaAyo*, seguir para os portos ci-
ma no dia 31 do correte meia noite. Receb
carga, encommendas, passageiros e dmtteiro a flio
te no escriptorio do Forte do Mattos n. 11.
Para
Jos- Casado, receba carga miuda a frote narete
ros, para o que tratarse com os "consignatarios tratare eom Pereira Vianna A C, rna do Vigario
Carvalho A Nogueira, na rua de Apolle n. 20. In. 11.
LEILAO
De uiua parle do engeuho Bar-
ra, freguezia da Encada
Ter^a-fe'ra de marco
0 agente Pinto, levar leilao por des-
pacho do lilui. Sr. Dr. juiz especial u
commercio, em virtuile do que requereraDi
os curadores ficaes da massa fallida de Lui/.
de Oliveira Lima Jnior, a parte do eugenrit)
Barra freguezia da Escada, que perteoce a
mesm ru-ssa a qual venda se torna recom-
mendada j por afir naquelle eogenho qut:
tem excellentes obras e ontras vantagens
considera veis, alm de ser prxima da es-
trada de ferro > |r ser terreno de gran-
de fertilidade : u leilao ser effectuado ao
meio dia do dia cima dito porta da Aiso
ciac.3o commercial.
de predios, terrenos e mobilin
A 29 do correte.
0 agente Oliveira far leilao por mandado do
lllm. Sr. Dr. ju z il- direi o da primeira vara cri-
minal e substituto da do commercio detU cidade,
f a requerinienlo dos administradores da massa
fallida df An uio Mana O'Conell Jersey, dos
bens pertencentes a esta m ssa e sao os secta-
les : ,. .
2|5' partes do sobrado da residendia e^ eitabeK-
ciraento do fallido rua Dreita n. 45.
Um silio em Mutocoli mb a b ira da estrada
passando a ponte, bem plantado de coqueire
novos, com viveiros e em situacao amena.
Ym terreno no .mesmo lugar com 4 casiohas pr
acabar, bem plantado de coque-os e com vi-
vero.
Outro lerr no no mesmo lugar sem beneficio com
frente para a estrada e no fundo a estrada d.^
ferro ao S.-Fraucsco.
Croa casa de taipa na povoaco dos Montes, .em
bella localidade e com estabeleciaento com-
mercial.
lima dita com frente de jijlos rna da Concei-
eo da mesma povoacao.
Outro terreno no mesmo logar.
Urna mobitia de Jacaranda constante de 12 ea-
deiras, 2 de bracos, 1 sof, 2 consolos e nma
mesa de meio de sala cora pedras, e um eap-
Ibo moldura dentada.
Ura piano de caxa. de Jacaranda, 1 mesa para
jantar e C eadeiras de amarello usadas, e |rei
de costaba.
Terc.a-fera 29 do corrente
as 11 horas da ir ania ser elfecluado o leilao
dos bens fupra relacionados, na indicada casa,
rua Dreita n. 4", 1' andar
de plantas e arvoredo*.
Sabbado i> do correle
HortteoUfira fraaerxa pro4noo
d'Af te
DE PLANTAS, camelias, magnolias, pern-
as, erteocas, rosas ele.
AftVORES, ructoiras de lodas as qtjneada-
des, dalias amaretlas.
SEMENTES de ortalivas francezas e flprw.
ROSAS de todas as qualidades para oaa-
veiros ele.
Mr. E Pellue teedo de retirar-se no-primeir
vapor para a Europa la;, o nttimo leilao do ate-
tas para acabar c usegura ao respeiwrrtftalIU'^
4) hiate portogaet St/mpathla, capito Antonio desta praea qoe suas plantas sao moMo '*?'
frescas poi ier?m em direitnra para aqui ton
mais a favor do bom resulta*) avingarem o lem-
po chuvoio.
lana


Diario de Perq^mimco

Quinta fera 24.de Mttrqq de 1870.
- -
*
o
O leflao tari tugar por intervengo do agente
rMt*Bil*ada((iorrti as 11 horas da
nhi ) cafttomnwrci*! no largo do Corpo
avisos mimas.
- Cattalho A Noguerr> saccam sobre
Lwboa 6 Paito vista e a praso, nariua do
Apollo n. 20.
Jos Marra Pedroso de Lima retirase para Eu-
ropa a tratar de sua *aude.
Agradecimento
Ku abaixo asifroado decan, inie no dia 43 do
arrate deixei tuna carteira eni a quaniia de
900*000 em urna nota do banio do Brasil, na loia
dos Srs. Figneiredo 4 C. e por me constar pelos
rnnus catnaradas do-bata! rilo dos voluntarios, a
juecn os mesmos senhores diziam, taco o presente
agradecimento em que me assijno.
.__________Francisco Jos de Sant'Anna.
F-u ura cogen! perto de Pao d'Aiho meia
It-a^a, precisa-se de um professor para easinar
jinnieiras letras e fraucez ; tambera no mesmo
ngenlio precisa se de dous feores e nm ceclieiro,
sendo portuguez anda mesmo moi habililacio :
a ra do Mondego n. J7. das :j horas da tar-
de il 6.
D.Mari.. Barbosa da Silva o seus filhos convi-
da m pelo pWSMtt ao? seus prenles e aos amigos
de seu faliiici lo marido Cbrwliano Jos Tavares,
\im\ comparecen m hoja pifias \ horas da larde
BELOGIOS MTBMTE fl^LEZ PARA PAH!
W-RA DA GAWIA DO REC1FE-49
El. Detone lie.
Ataba de chegar nina porcl do relogios paten-
te ingle preprios para sala oa escriptorio, dos aje-.
Inore:- gostos, tem lambem grande sortimanto de
ralogio* americanos para cima de mesa e parede,
por preco razoavel.
Houbaram na notie de il para ti, da casa
do afcaixo assignado, dous cavados, sendo um pe-
dr e: cora a sarnelba ferida de nm lado, e outro
ruco (om urna ferida na sarnelha e dus dous la-
dos : gratifica-se con 80# a qoem der noticia
delles na ra larga do Rosario n. 93, ou nitlasa
Forte Bento Jos Gomes.
A viuva D. Mara de ine;ro Freir de Mo
raes, senhora do eogenho Ibura, onde reside, ten-
do offrido a mais Ilegal, violenta e desptica pe-
nhuia feita em quatorza escravos sous, requerida
pela viuva D. Isabel Mara de Moraes Bastos, casa-
da (rae fora com Joaquim Pereira Bastos, em oc-
casiao que nJo podiam s r rjenhora'dos e arrema-
tados era praea publica, senao juntamente como
mesmo eogenho, suas trras, instrumentos e uten-
cilios, e com seu gado vaceura e cavallar, ote,
etc., segundo a lei de 21 de Janeiro de 1809 oom
a lei noyiseima n. 1237 de 24 de setembro de 1864,
art. 2o Ia e 2; e isso mesmo sement no caso
de ser a importancia da*divida exe,(tienda igual
ou superior ao total dos vafores de todo3 os refe-
ridos objeclos, entretanto qne a parte pertencente
ex erra ente. D. Isabel Mariana divida fue ella
pede, esUi Irage de chegar a urna millonsima
parte do total dos valore., dos mesmos referidos
objectes ; obteve finalmente do juizo municipal da
I* vara per onde a execucao eorre, mandado de
levanlamento do deposito dos referidos escravos,
c cotrega delles executada sua senhora, depois
rio rersofMdo por mezes e mezes enormissimos
prejui/o- procedentes nao s da suspemo da
ruoagdm dacanna da presente safra j.i orneada
ao lempo da realisaco da referida Ilegal penhora,
de
KIM
rwa di Cnuit
^J
mnrmufrh,:
n.'Ti i
0 artista Gamma auto mhUMMo na dasa
cima, ond* pode ser rortWdo para todos es
mis* wsaJe sua nroefsso.
... r i i i
Precisa-sfralugar nma cala'lias immeaia-
oes de Ponte d Uehoa at Apipa*o?, preere-se
casa com soto ou sobrado : ^uem ttrer e qoivr
alagar, avise na ra da Cdea io ttorife D. 3o,
w anmieie por este Biarto para ser f>>cunido.
Prensa-r>
nip
loja.
Ama.
ama rrra oi e crava aue
mpre e cosluha : tratar uj ra Nova n. 44,
n-r.*11**"8* um*ra> da ra da Praia n. -49
proprra para tatelccimanfo de carne seeea :
iratai na ueama roa n. 38, 5= andar. !"o mesmo
uezem fode ama halanca cora os notas
^esos ja ateridos.
Ama
Xa roa do Codorniz n*8 precisa se de nma
ama que saiba coiiabar. ______
Solicitador.
Mcnoel Lniz da Veiga solicitador provisionado,
acoeila partido das casas commerciaes, para tndo
que disser respeito ao sen emprego, e isto por
mdico prec,) : poda ser procurado em sna casa
ra da Gloria n. 4, todos os das das 0 as 9 no"
ras da mauhaa, on ao rucio dia na sala das au-
diencias nos das otis.
Precisa-se de na ama jae saiba eoztaaar para!
easa de hocnem solfeiro: na ra do Brum n 63.
fcjrn'ja da ordem Icreelr de S. :;V;ncisco, aflm de mas tJimbem assim de alugueis pagos a estrannos
conipanharem eu* re?U>s mortaes ao ultimo ja-
atte.
MARTIMOS
COSTRA F)G O.
k Companliia ludemiiisadora, eslabelecid
jcsU praca, toma seguros martimos sobre
cries e seas i:arrepamer.tos e contra foge
em edificios, mercadorias e mobilias: :
roa do Vitjarion. 4, pavimento ter eo.
O Dr. 'losta Mofa do vofu de sua via-
Irera da Europa onde dedicou-se as mo
ostias de senhoras, a p;.rios c affecr;Ses
do pelle, pode sor u-' .curado em sua casa
a roa da Imperatri. n. ). Da consultas
.lis 10 horas ao meio da, sendo gratis
para u- pobres.
@
pnrr, a nwagem da canna, qne ja entao eslava cor-
tada, a parte aiada no logar dos cannaviaes. ende
tintia do cortada, e outra parte j conduzida e
1 '| osilada a eompetenie lado do mesmo engenho
da Koajem, como do alaguis pagos measalmente
pessoaa estrnbas, que prestassem executada
?eus servioos, qoer interna, ju't externamente,
isto no interior do sua casa, e na guarda dos
oimaes vaecam, cavallar, ovelhum e sufno, etc.,
etc.; e tambera procedentes de enormissimas des-
peras c cutis de exames, vistorias c avaliaces
reqi tridas pela execiltada, e ltimamente tilos
no mc-Mno engenho sol a presidencia do jaiz da
eiecucao sob o pretesto de ser indemnisada d^
todos os ditos prejuizos o despezas pelos bens da
mal ai'onseHiada exoquente. Sob estes fondamen-
los, pois, a executada D. Maria de Cisneiro Freir
de Moraes denuncia ao publico em geral todos
.ibrarics tactos, para que nmguem compre
predicta exequente bem -Igum dos que ella pos-
snc, como sao varios escravos o escravas, e nm
sitio do ierras com arvores fructferas, e sua casa
de vivanda situada no lugar do Boll, estrada do
Giqut, sob nena de Rearen) sujeitos lr.es bens lo
pagumento dos referidos prejuizos, perdas e dai-
nos, no caso de ousar vendilos a dita D. Isabel
Ama.
Precisa-se de urna ama de leite : a tratar na
na do Imperador n. 63. 2o andar, ou Passeio Pu
blico n. 60.____________________ .
PgENIX PERtaMBUCJWA.
Compankia de seguros marUimos e terrestres
Roa do Commercio n. 34.
Capital Keis 1,300:000-3000
SeguraMovis. .
Mercadorias.
Navios de vella.
Vapores.
Pp'dios.
Era vapores at ris 400:000{OO
Em navios de vella at ris 7.>:0005000
Em cada predio al reis 100:000*000
!' i nambuco, 7 de marco de 1870.
Pela companbia Plioni^' Pernanibncana
. J. J. Tasso.
F. F. Borge?.
J. II. Trindfido.
iM.MJmjaHLtMlB.1
Ra da Imperatriz n. 15
jpar ituie tem ;i honra de participar
ao rcspcitavfl publico que acaba de abrir
? iva p:i(j;uia atremSa na casa mpra-men-
donada onde todos os das desde as 6 horss
lia se enoontrar o bem oonhecido
predatlo
i'.VO FINO ESPECIAL.
tearrega eomtneddas.
DeClarapO. Uha (k Bom Jess da rida Je de
baixo assignado declara-qoe o contrato que Corrientes
le registrado no tribunal do commercio, l p nn
eaixerro de Jos Ribeiro de Brito e nao co- L. ... j
mo socio, e*mo se entenJe Ja deelaracao feita tos invlidos da patria com urna es-
Marii di-Moraes Basto?, o principalmente seos
i. : da data do presento annuncio por diante
n Recit 10 de margo de 1870.
M -SYN0P8E8
DE
Sloqueneia e potica
nacional
Aeorapanhaflas de algumas nococs de critica
Iliteraria,
I-.xLt. h das de varios autores e adaptadas ao cnsi-
uo da mocidale brasileira
pelo
iro Dr. Manotl da Cosa Honorato.
Pleco... 43000.
Nlo mais cabellos braucos.
A tiiitura japoneza para Unga os cabellos
da cabera e da barba, foi a nica admittida
Exposico Universal, por ter sido reco-
nhecida superior todas as preparadas at
hoje existentes, sem alterar a sade.
Vende-se a 1^000 cada frasco na
Rna da Cada n. 61.
1. andar.
DESOBIPglO
DA
pi 1 mesmo tribunal, do Diado de hontem.
" ecife, 2't de marco de 1870.
_________Leoncio Rodrigue* Coliseo.
Advertencia
'. (, -i n.24 da ra d 11 dos orpha i q3o pode ser vendida
se.'i que seja pago o respectivo laudtraio.
isi-se de urna ama para comprare cozinbar
para easa de pouca hrailia : na ra da Praia nu-
i 3.____________________________________________
Bixas de Hamburgo
r.^nos do que :o ontra qnalquer parte,
o alugaui : na ra do Imperador
I, armasen do Campos.
AMA.
Precisa-se de urna ama: na ra do Pires n. S.
Joaq
pal
nimJosGon-
ves Beltro
SHA DO TRAPICHE N. 17, 1." ANDAT,,
por todos os paquetes sobre oBaii'
dr. Mi abo. cm Braga, e sobre os segoin
logaren em Portugal:
oa.
"orto.
:onca.
iuimares.
imbra.
.ves.
;o.
do Conde
Ajroos de Val de Ves.
na do Caste .
te do Lima.
i Real.
~.:la-Nova de]Fn:?:icSo.
I. -i mego.
os.
ilh3a.
fta (Wpas-.>).
ndella.
! rceflos.
tampa e ifcappa
pelo
Genego Dr. Manoel da Costa Honorato.
Prego... 3*000
Acabam de chegar estas obras recentemente
publicadas no Rio de Janeiro e veode-se na livra-
ria econmica, ra do Crespo n. 2 defronte do ar-
co de Santo Antonio.
D. Rita Maria da Natividade Magalnes,
viiwa do major Flix Francisco de Souza
Mngaihaes, tendo de proceder inventario
dos bens deixado pelo mesmo seu fallecido
esposo,-convida pois a todas as pessoas que
S6 julgarem credoras do referido casal para
apreseniarem seos ttulos e contas, afim de
sorem verificadas e contempladas no inven-
tario, no praso de 8 dias contados da data
deste, lindo os quaes nao se attender a
reclamaco alguma. Outro sim pede a to-
das as pessoas que s3o devedoras ao mesmo
casal de virem quanlo antes saldar suas
coritas dentro do mesmo- praso, findo os
quaes entregar ao seu procurador para
cobrar judicialmente.
Recife, 22 de maree de 1870-
Na ra do Apollo n. 24, 2 andar, precisa-se
alugar um cozinheiro, paga-se bom ordenado : a
tratar da.- 6 horas da mantiaa as 9, e da: i horas
da tarde em diante.
Precisa-se de urna ama que saiba lavar e co-
zinhar para ca?a de pouca familia : paga-se bem;
tratar na ra do Vigario n. 9, 3 andar.
Na praga da Independencia n. 33 se da di
jheiro sobre penhores de ouro, prata e pedraf
preciosas, seja qnal for a quantia ; e na mesma
asa se compra e vende objectos de ouro e prata
i igualmente se faz toda e qualquer obra oe en
sommenda, e todo e qualquer concert tendentt
i mesma arte.
AMA Precisa.se de uma am Para casa de
taberna.
pouca familia, no pateo doTergon. I,
Os hachareis padre Estanislao Ferreirajde
''arvlho o Joao Augusto do Reg Barros, tem a-
berto eseriptono de advocaba la do Impera-
dor n. 37, entrada pelo caes Vinle Dous de No-
veinbro, ondo podem ser procurados para os mis-
terca de =ua profissao das 10 hora- da m&nhaa s
3 da tarde.
AJvogam assim no foro civil, criminal c com-
niercial como no ecelesiaslico para o aue *e vao
habilitar com as provise do SsJtyJo.
AMA DE LEITE"
Precisa-se de urr.a ama de leite c paira-te liern :
na ra da Gloria n. o'i.
O bajxo assignado tetara ao paMieo pe t res-'
pondera ao estao amanen m?erto no n. 03 des-1
te piano, depnis que o seu amor tirar a mascara
assignando o seu nome, ppfs .ir nao quero, per-
der lempo com aaonymos.
_______________' Mam#tbrit *Ti%a.
Na ra Direia n. 88, 2 andar, precisa-se de
orna sma enerara para o serveu de nenuena fa- '
milia. ____________
Precisa* aingar ou compra-se urna casa i
terrea com bom quinta', ou sitio, desde a matrif i
qova e por loda rna Imperial, at o Sm da meima
ma : a tratar a rna dos Osos ns. 22 e 24.
________________________________________________________________________________________. i
m mam n
Imperio do Brasil.
Grande esposiqo ua cidadede
Con I ova,
HEPBLICA AHGEHTIHA.
No dia 15 do oulohro do 1870 ter lu-
gar a abertura da exposicao nacional em
Cir.lov. j
Previce-se. porUnlo. a lodos os produc-'-
tores, agricultores, fabricante-, artistas e a;
lodos aqudlt'S qoj exerfam qualquer indus-'
tria, que ni dita exp sigo se recebem to os productos da industria e agricultura
brasileira, aisim como todas as machinase
utensilios que quizerem reme'.ter.
Estes proddos estao isentos dos diretos ,
da alfandega ra RepuVIica Argentina e po-
derao ser dirigidos cidade no Rosario, de;
onde sero trauportados pelo caminho de
ferro central.
Para mais explicacoes drijam-se em Per-'
nambuco, ra da Cruz n. 3, ao consulado
argentino.
O abaixo asignarlo participa ao digno corpo '
do commercio e ao pulmco om geral, que tem jus-
to e contralado com o S-. Sanios Ferreira a
compra da armacao, bianea, gaz c canteiro da
taberna sita ao pateo di Penlia n. 8, livre e de-
piobr.rac.ida de qualriutr i-iiiis : sa alguera se
julgar com diroilo a messia, compareoa no praso
de tres das. Uecife 22 de irareo de 1870.
francisco Mendes.
OrFRIMEMTOSOESTOKIAfiO,CON8TIPACO -
<*nm mos dia. pelo eanrio oa kum *"L^SS.
*!WE fMts rpidamente pe!a*aoLs nETHt Sl-amil.
, ANCIBIA, A FALLtO2 c o- .Aimentos que iueisii.tni do
emm-go dos vrs>06 mprc. eombntidos cam o nvHlK.r rwutod.
pelas KLUhMt a MMST. (M. Pul, jn^vajo o uame IUB1.
PO OE ROG. -- Bnta dkwlw um frco d'catvp mete
arrala d.gua para M oMer m. Umaoaaa.agr.daTel que pJTa fc.
VINHO DE QUIN1UM 4e iamr^. au^,wdo.
plipos cuja con>pocifo garantid* oastant, uma daa ndharat ore-
paracoes de quiniw, sera acdo ooUvel ubre os conTataaaetes, daodo-
Ihus forcu e apresando i tolla a mee. Cura u febraaMbraTai* -
aisUo ao sulftto de quinino. P*M ,M' "^
"LESTIAS BA BEXIGA. A nuior pf d'esU. mete-
te, como as sciatieas, lorabayos, catarro, e Mas u dores nerrosas era
gml sio curadas pelas bolas de Esanea nc rneacacNTiNA do
Dr. Ctern. O professorTrousseauem seu TnMeie Uertfemica acoo-
teUia as para serem tomadas na occasiio do jantar, BA dota de i i 1J
OLEO DE FIGAOO DE BACALHAO DE iERTH.-
.arantido puro e .le pnmeira quaUdade, um dos poucos aprovados mI>
Ac'lomia de medicina, *^
AVISO.
'lodos
estes medicamentos foram aprovados pela Acadcmi*
imperial de. medicina de Pars.
Riih-Jtneiri.
Bahia.
DEPOSITO
Varia, i>. rnsns, i, rB. j.c.a,
Dn>o*MTOj.i; Hcaa>K.i i Ptmamtuto.
TmiiwB.
HMEetC'V i C">.....Mamb et C-
Maori. et O.
VEGETAL AMERICANO
CSALIDADt
BA RTNOLO M EO &C
yn t cura certa das toses amigas e rceeates, caUrrhu pulmonar, astlima; toas* conrulia,
Vaneaias, e em geral eotrtra ledos o toffrimeclw das fias respiratorias.
DEPOSITO GEBAli
botica e: DROGA
34, RA LARGA DO R0ZAR10, 34
PERNAMBUCO
.XA.
Estaijao da Jaqueira.
Al
1ASSA e XAiOPE
Do dia 24 do correrle em cuanto i s trens
pararo na fente da nova estafo que est
collecada na estrada do governo em lugar
de p;rarem na eslaco actual.
Escriptorio da compa-.hia dos trllboa ur- ~ OCCODEIMA DEBERTH
baos do Recife aAp'pncos, 21 de marro
de l870.
H'. II, HjUnsori.
Gerente.
DE VALLET
As Puiaa de Vallet. approvadas pela
Academia imperial de medicina de Pariz,
sa5 empregadas com o maior ...^aaa^
xito para curar a chlorosis,
e fortificar as cortflilnieOe.'
fracas. Munca este fmigi-^
noso ennegrece os dentcs. ^^^
Para a garanta da sua autlienlicidade,
o nome do inventor vai gravado em toda
punta como margem.
\M
hfaii
em flio-JjEiiw, Ihtpovi-htUe; Ckerelel.
"o ftaMiMBca, tlnurer i C".
II M........ I I. IMIIIIl I
A theranenlica das diversas molestias do peito,desde
pharyngite ou mol da garganta at a tnbercnlacAo
pulmonar, passando pelas diversas broncbiles catarrbaes
i o emphysema acaba de ser enrequecida com mais
sie medicamento, qne tomar a primeira ordem entre
lodo at hoje coahacidos. 0 xarope Vegetal Americano,
aranlindo paramente vegetal, nao conlm em sua
:ompuM(4o um s alomo de opio, e sim somenle sue-
cos de plantas indigenas, cujas propiedades benficas
aa cara da molsiias qne pertencem aos orgos de res-
aira^io toram por nos observadas por longo lempo,
:om ptimos resallados cada v* mais crescenies; pelo
le nos julgamos antorisados a compor o xarope que
igora apresentamos, e a ollerece lo aoa mdicos e ao
publico, Provamos com os attestados abaixo o qne le-
amos dito, e contamos qne o conceilo de qne ja gosa
a xarope Vegetal Americano descera de dia a dia,
ieixando muito aps de si todos os peiloraes em voga.
lllm. Sr. Barthalomeo i C.-O xarope Vegetal Ame-
icano, preparado em na coaceltnadissima pharmacia,
i nm ulil remedio para combater A lerrivel estoma.
Sofra eu aquella molestia ha qoatro mezes, sem anda
ter combalido os ataques mensaes que tinba; este ultimo
qne tive foi fortissimo que me proston por 8 dias, osei,
porm o sea milagroso xarope, tomando apenasres
loses, e at o presente Dio fui de novo atacado, ftasa
Deu, qu eu qne resubelido por ama vez. Beado-
llie, peis os meas agrdeeimentos por me ter aliado da
lio borrivel mal. Com a mais significativa gratidac
snbseravo-me deVmcs. afleclnoso e reconhecido eriad*
Sererui Duarie.-Sua Casa 14 de feverairo aatKS
Illms Srs Barlbolomeo AC Depois de qoaai as
mezas de solfrimenlo com ama tosse incessante, faet
extraordinarip, eipecioragio de nm catarrbo amarella.-
dt>, e perda total das forjas, que o menor paiaai
me fatigava completamente, cansado de tomar mais as-
tros remedios sem resollido tive a fcjicidade de saberqat
Vmcs. preparavam o xarope Vegetal Americano, e coi
elle, gracaa a Dens.meacbo restabelecido bs mala da
dois mezes, e rubaslo como se nada livesse sofTridn. a
tralidio me torca a esta declaracio, que poderao Vatca.
fazer o oso qne quizerem. Sou com eslima dofxae
maitos respeilador e criado. Antonio loaqyi i.
Cauro e Silva. Recife 8 de fevereiro de 1868.
Atiesto qne osei do xarope Vegetal Americano, a*
composieo dos Srs Barlholomeo A C. para cara de asa
forte dedillo qoa me trooie ama rouqnidlo, qae me ata
fazia edtender, inflammacAo e dor na garganta, taaa*-.
grande falla derespiraco, e fiquei compleliaxnt rea
taheleeido com nm s vidro do mesmo xarope; p*U
que Ibes protesto eterna gratidio. Recife de Ja-
neiro de 18(8. Joaqutm trtix* iraUtu^Jumor.
Esto recoobecidoi.
Jw _,-
i' l P Iri
aSild 1

"N,
Advogacia.
O liarharel Joao Goncalve? da RHvj
Monlaroyos, ra do Qucimado n. 33.
Precisa-. leccionar pnmeiras leitras a cinco menores, das
10 lloras da manhaa as 2 da tarde: a tratar a rna
dus Ossos ns. 22 e 2i, a qual(|iicr hura.
O abaixo assignado previne ao publico o a to-
das as autoridades policiaes, que tendo trazido em
sua' companhia da cidade de Caruar, alagado
por D. Hara de tal, um menino pardo de nome
Antonio com idade pouco mais ou menes de oilo
ou nove annos, filho da referida 1). Mari,, esle
menino desappareceu de sua eompanl.ia desde o
dia 15 de fevereiro prximo passado. sem que at
hojo tenha sabido do sen destino; pelo que desde
j protesta contra toda e qualquer fraude, bem
como de usar em nome da mi do dito menor
contra quem quer que o tenha em seu poder.
E por issoroga s autoridades, e as pessoas do
publico de que tendo noticia do referido menino
de dar parte no pateo do Carino desta cidade n.
9, segundo audar. O menino tem os signas se-
guinles: E' de cor, pardo claro, tonudo do corpo,
cabello vcrmlho o carapinhade.
Recife 21 do marco de 1870.
Joo Ssrerano de Almeida Cali nha.
Advogado.
O bacharcl Francif co Augusto da Cost
a raudou o seu escriptorio da casa c. 69
ag para o de n. 31 na rna do Imperador,
| onde ser encontrado das 9 horas da ma-
"Sj "haa as 3 da arde.
K Nesta mesma casa se encontrar ama
pgS pessoa que so propSe a fazer cobranzas,
S o apio se cncarrega de questoes no inte-
SBI rior da provincia.
nmi-
Alaga se nm andar de um sobrado h rna
da Praia : a tratar na ra da Imperatnz n. 63.
V
34;RB\ IftRlDift a
w
l I
it'iblil
I0;3^
Prccdi)is:ulos por todos o mc-dicos contra os]
DEKLUXOS, CATH.MIBOS, E TODAS AS
ifinlTACOES DO PKJTO.
K. B. O Xarope t CoddM eecc merce' n
honra, alias bem riiHttiirr j MeJieamtntos
novot, di ter registrado rcm- um dos medica-
mentos o/Jicioes do tmptrw frmntat dispensa^
q.u'.quer tlfto.
AVISO. Por cati-a da reprelieiisivel fal.-i-r
fienrao que tem snaciado o rV*izrAn*lih>do(
Xarope e mawi Icmbiar que es:, sin. dieaiucatos lwijt.laiu ni.j
coi:cr>tuai1ns s se
m".'',: ni H rertfo-
kaa o iv..sco len taje "" ^ O 'J ?,} *j*a'.
a assijnatura i'm CZI^K:^^l^^-\
titule.
6, f w Jf. /'','!, s;i '': r : ,--i. ClrafS
di' l-'raiH-a, 7, liar. ,le Jt*'i, \>H l'nrn, r mj
, Uidas u Pboru acias ,. iuci| ,.i> .<><
*-7j--v-r fc.
POS OE ROG
Approvados pela Academia imperial
de medicina de Pariz
Um frasco do Poa de Ro;, dissolvido
em unta garrafa d'apa, d uma limonada
agradavel, que purga rpidamente e de
um modo certc, sem causar a menor
irritscao como acontece com a maior
parle dos outros purgantes. Oa e*e> im
Bojr, s3o inalte.aveis por isso empre-
gam-se tcilm>,nte em viagem.
fwsli em R, Uf!9H j en PHlWllli).CO| Mnr ^,.
aV. .. ^a,.-
HoA costnmamot procurar attestados para acreditar
nossos preparados, e deixamot qae su applicaclo e os
resaltados obtidos pelas pensoasqae se dignaran)acceita-
los. Ibes deem crdito evoga ; porque sAo sempre oa
atteeiados considerados gratuitos, e delles qne lanca
mo o charlatanismo; mas ni querendo olTender as pes-
soas qne espontneamente nos offereceram, os que abaixo
vio transcriptos, os fazemos publicar maaifestando-lhes
nossa gratidio pela attenco, esperando qne venbam
alies corroborar o coaceito, e acceitafAo qae tem mera-
. ido nosse xarope. fionAoomto l C.
imSTABOS.
Illms. Srs. Barlholomeo i C. com a mais su! ida
satisfacio qae declaro ser o xarope Americano de nma
fficacia extraordinaria, pois qne solfrendo ba dias de
intensa tosse, i poni de nao poder dormir a noile a
despeito mesmo de medicamentos que lomava, a elle
recorr e na lerceira colher fui alliviodo. e de todo me
che hoje restabelecido com o O6o sement de qussi
meio frasco: grato pois esse resollado manifest a
Vv, Ss. men reconheclntento. De Vv. Ss. amigo, ve-
aendnr e obrigado. Manoel Antonio Viesas Jnior.
- Sun casa 20 de abril de 188.
Illms. Srs. Barlholomeo i C. Penboradissimo com
< :ator que me liicrjm de aronselboro uso Jo xarope
Vegetal Americano, de sua composieo, qnando asa
acheva bastante doenle de uma conslipacAn, tomn completamente rouco e qne IrsoM om forta
tosse, e me impossibililou de cumpriros ateas deveree
de cantor da emnr.-za lyrica, vou agradecer-ibes maa,
completo restabelecimenlo, que obtiveeom am s idr
do mesmo xarope, depois de haver recorrido a taaiio*
tratamentos. Desejarei qne outros como eu recorraa
ao sen xarope para se verem aliviados de tao lerrivel
rncommodo, Uo fatal oeste paiz. Com maior consida-
raco contino a ser de Vv. Ss. atiento, venerador
obrigado. Laiz Cremona. Recife 25 de stiembfa
de 1868.
litas Srs Barlholomeo *C O xarope TeateJ Ama*
ncano qae Vv. Ss. tm exposto k venda de toda efi-
cacia para o curativo d'asihma, canforme cbservei ap
plicando-o a meo lilho Joaquim, menor de quatre-
annos; victima d'esse flagello, qae at entiopor espade
excedente a dous annos bata resistido a outros iiropat
de grande nomeada. Queiram pois Vt. S<. acceitar
expressjo altamente sincera de meu reconhecimeolo a*
meriloiio servido que lbe preslaram com o odieaaa
xarope, acreditndome para semnre de Vv. Ss. criada
attento e obi gado. Americo Sallo de Mendonca.
Kecife 2 de oulubro de 186.
*stil
C.
l:
AVISO
aos convaletcentes e s pessoas
fracas t debilitadas
o QUiniuM labarmque approvodo
pela Academia imperial de medicina de
Par iz a tnico por excellencia.
U,*
I era Rio-Ja'ciso, DnponchelU; Chnoiit.
em l'u-iaeeco, Uaurer I C".
EsmBmxmmmEummm
OPPRESSaO SOFFOCQO
Aa Prrotsva iviii<-r no DocTOB Qxhtaji apprcvudas pela Academia imperial
do mfdicitia do Pariz acahnni qnisi sempre ttH/ast*nemmhste os alu.,.it's (l*asiua,
o:picss;.o, soffoCnQ5o, assim como as lores de cabera e enxaqtiecas. sufi-
ciente na CeaslBo em que ippareccr o mal, o engolir-se uma ou duas perolas
rom uma pouca d'agoa. K com certeza o medicamento mais fcil de lomar para
este genero de docncas.
Aa x*rolue d terebenihtna r-o DOCTO Ct-ERTA: sf.o imprcgadas diariamente
com grande xito para a cura das nevralgiaa, rlmumatismo, sciatico e catarrlios
da bexiga, Kslas perolas foram sempre recommendadas por um grande numero
de mdicos e especialmente pelo Doutor Trousseau, que indica esle medica-
mento cerno o mais efficaz. conveniente tomar de 4 al 8 na occasiao das
comidas.
A approvacao da Academia imperial de medicina sem dnvida a rnelhor
garanta da boa preparaco d'stes medicamentos e de sua effieacia.
Depotito em IIio-Ja^eiho, J)uponchel!; Chetolol. Em PaxAHm-ro, flaiircr C".
esquina
la rna larg^,
Rosario.

4f
WJCB&A. MBK2
importante estabelecimento no seu genero, tem sernpi
e vende por presos que nenhuma ontra casa pode vender*
da qualidade e do prepo das joiasada nm poder
er tndo d lei. Comprare ouro, prata e pedras
Oarante-se ser tndo de lei. Comprare ouri
mdos.
A loja esta berta at -s htitoik 4a' noute.
v


Diario de Pernambuco Quinta feira 24 de Marqo de 1870
A ESMERALDA
Plalas assucaradas de Brislol.
---------------------------------1-
AH
Precisa-sc de urna ama para o servido interno
de pequea familia : na ra do Vigario n. 5, ter-
:eiro andar.
CASA DA FE.
Aos 20:000$000.
Bilhetes do Rio Yenda : na do Cabug n. 1,
rende Vieira 4 Rodrigues.
L0J.4 DE MUS
J
101IBA
DK
&c
Este antigo estab ele cimento, completa-
mente reformado de novo, est as condi-
9668 de servir vantajosaraente os seus fre-
jnezes, visto que acha-se prvido comum
plendido sortimento de obras de ouro e
prata de lei, assim como brilhantes e ou-
tras pedras preciosas, enjos presos sao os
mais mdicos que se pode encontrar.
As joias compradas nesta casa recebem-
ie em troca ou compram-se com pequeo
bate.
\ 5MA DO CABUGA \ 5
"Tmamyilhosoremedio do
DR. CHAS. DE GEATH.
OLEO ELCTRICO
KINGOF. PAIN
O RE DA DOR
CONNO TEM NEM CALOMELANOS NEM NENHL'M
OUTRO MINERAL.
A grande necessidade e falta de um ca-
thartico ou de urna medicina purgativa, ha
muito que tem sido sentida, tanto pelo po-
vo, como mesmo por meio da faculdade
medica; e por isso, infinito o gosto e
prazer que sentimos, em podermos com
toda a confiancaeseguridade.recommendar
as pihuas vegetaes assucaradas de Bristol,
como urna excellente medicina purgativa, a
qual encerra em si todas as partes e-mais
ingredientes essenciaes, tornndose em um
perfeito, seguro e agradavel cathartico de
familia. Este remedio nao composto
dessas drogas ordinariamente usadas na
nomposicao dessas pululas, que por aiii se
vendem, mas sim, sao preparadas api as
mais finas e superiores qualidades de raizes
medicinaes, hervas e plantas, depois de se
haver chimicamente extrahido e separado,
os principios activos, ou aquellas partes
que contem o verdadeiro valor medicinal,
daquellas porcSes fibrosas inertes e agres-
tes inteiramente destituidas da menor virtu-
de. Entre esses agentes activos ou ingre-
dientes especficos, podemos nomear a po-
dophgtiin, a qual segundo a experiencia
mm demonstrado, possue am poder o mais
^aravilhoso possivel sotre as regies do
"figado, assim como sobre todas as secre-
tes biliosas. Isto de tombinacao com o
leptandrin, e mais alguis extractos vege-
taes e drogas altamente valiosas, consti-
tuem e formam urna piula purgativa, tor-
nando-se por isso nmitissimo superior,
qualquer urna outra medicina da mesma
natureza, que jamis fora apresentado ao
publico. As pilulai vegetaes assucaradas
de Bristol, achar-se-ho sempre um reme-
dio prompto, seguro e eminentemente effi-
caz, para a cura de molestias, taes como
sejam as seguinte.
Grande sitio para
alugar.
Aluga-se um grande sitio na estra-
da do Rosarinho, o qual tem muitos
rvoredos e grande baixa para ca-
pim on creacao de gado, podendo
sustentar20 vaccas por ter am grande
brejo no fundo que va quazi estrada velha de
Beberibe no lugar Agua-Fria,"tendo o sitio urna
!;rande frente para a nova estrada de Beberibe
azendo quina na ponte que alli existe. A casa
nova, tem duas sallas e qdatro quartos, grande
copia .quarto de creado, cocheira e estribara, lu-
do de pedra e cal e edificada ha pouco tempo.
Qaem pretender qaeira entender-se com o seu
GUSTAVE
CABELLEIREIRO FRANCEZ
51Ra da Cadeia do Recife51
Chama a attencSo dos seus innmeros freguezes, e do respeitavel publico &
geral, para a seguate tabella dos precos de sua casa, os quaes sao vinte por cent*
mais barato do que em outra qualquer parte:
Cadeias para relogio a 5, 60,
n, u, n, iu e. .
proprieiario o commendador Tasso, era seu sitio
na Cruz das Almas at as 9 horas da manhaa e
depois no seu escriptorio na
mero 37.
ra do Amorim nu-
Gabelleiras para senhoras a 250,
304, 354 e......404000
Ditas para boraem a 354, 404 e 504000
Coques a 124, 454, 184, 204,
254, 304 e.....504000;
Cr2SS,Dte38oV?f iU'.m' ^ 3240001 Corte de cabello com lavagem a
Cachos ou crespos a 34, 44, 54,
64, 74, 84, 94 e. 104000
Tranca de cabello?para annel a
500 e. *..... 14000
Tranca para braceletes a 104,
154, 204, 25 e
l'EIHDO
Pede-se encarecidamente aos Srs. Domingos
Theodoro Rigneira e Aristides Florentino Caval
canti de Albuquerque (de Serinhaem), que venham
ra do Vigario n. ti, a negocio que se precisa
ultimar. ___
Corte de cabello, ....
Corte de cabello com fricc2o.
champou.
Corte de cabello com limpez da
cabeca pela machina elctri-
ca, nica em Pernambuco. .
; Frisado ingleza ou i franceza.
154001
501
50*
14001
1400*
501
251
Joaquim Rodrigues Tavares de Mello, praca
do Corpo Santo n. 17, i andar, vende cal de
Lisboa e potassa da mais nova, e vinho Bordean*
de 1* qualidade, ______________
304000 Barba.........
ASIGNATURAS MENSAES
Especialidade de penteados para casamento
Bailes e gotres
0 dono do estabelecimento previne sj Recommenda-se a superior TINTURA JA-
Exmas. Sras. e aos cavalheiros que ha um, PONEZA para enegrecer os cabellos e bar
Ml5o par, umr, dos otan. tari* as-; *-* ?K* ^
sim como um [empregado smente occupa- (lal, analysada e approvada pelas acad* [
do nesse servido. mas de sciencias de PARS E LONDRES >
Hydropesia dos mem-
bros ou do corpo,
Affeccoes do figado,
Ictericia,
Hemorrodias,
Mau hlito, e irregu-
laridades do sexo
femenino.
Dores de cabera.
PA.1t. A ASO IXTEHXO 13
Cura cholera e cholera
Diarrhea, fluxo do sangue, em um da.
Dores de cabeca, e dores do ouvido em
tres minutos.
Dor de dentes,. em um minuto.
Neuvralgia, cm cinco minutos.
Deslocaces, em vinte minutos.
Gargantas incbadas, em dez minutos.
Clica e colvulses, em cinco minutos.
Rbeumajisrao, em um dia.
Febre e febre intermitente, em um dia.
EXTERNO.
morbus.
Dor as costas e nos lados, em dez mi-
nutos.
Tosses perigosas e refriados em um dia.
Plueresia, em um dia.
Surdez e asthma.
Hemonhoidas e bronchites,
Iraflamaco nos rins.
Dyspepsia, erysipelas.
Molestia do figado.
Palpilaco de coracjfo.
Reserve sempre este remedio na sua familia
AS DOENCAS SE APRESENTAM, QUANDO MENOS SE ESPERAM.
OLEO ELCTRICO O Ring of Pain (0 Rei da dor) aquieta e positivamente dis-
ipa mais de dillerentes molestias e dores, e allivia mais os soffrimentos e produz um
ais perfeito equilibrio no systema humano, o que nao se pode effeituar no mesmo tem
so, com qualquer outro remedio medicinal.
Este multo popular renado est agora usar. lc-se geralmente, pela razao que
mimares de pessoas se tem curado gratis com o dito remedio pelo Dr. Grath e outros
mais. m ,
Este importante remedio nao se offerece para curar todas as doencas, porem
ao somonte para aquellas estipuladas as nossas direccoes.
Est operando nos principios da chimica e da eletricidade e por isso, est
pplicavel para o curamento e para a restaurago da aeco natural dos orgos que so-
Urem da irregular circul.icSo dos fluxos dos principaes ervos. Oleo elctrico 0 Ring
f Pain opera directamente nos absorventos, fazendo desaparecer as inchaces das
t glndulas etc. em um tempo incrivel, breve sem perigo do seu uso debaixo de qualquer
eircumstancia.
0 remedio urna medecina para o uso externo e interno, composlo dos ele-
mentos curativos, raizes, hervas e cascas, taes como se tem usado dos nossos antepas-
eados, e das quaes tem grandes existencias no mando, par* curar todas as molestias
rnente sabendo-se quaes ellas sao.
Foi um grande e especial desejo da faculdade de medicina durante muitos an-
cos de experiencia para aprender os melhores modos que se deviam adoptar para curar
as seguintes doencas, e que proporcoes de medicina se devia usar.
NICO DEPOSITO EM PERNAMBUCO '
NA PHARMACIA E DROGARA DE
Bartholomeu & C.
34Ra Larga do Rosario34
spepsia, ou indi-
DogestSo,
Adstringencia, oa..
priso do ventre
habitual,
Azia do estomago e
flatulencia,
Perda do apetite,
Edtomago sujo,
Em todas as molestias que derivam
sua origem da raassa do sangue: a salsa
parrilha de Bristol esse melhor de todo*
o purificadores deve ser tomado conjun
tamente com as pilulas, pois que estas
suas medicinas, tendo sido expressamente
preparadas para obrarem de harmona urna
com a outra, quando fielmente assim se faz,
nao nos resta a menor duvida em dizer,
que nomaior numero dos casos, podemos
afliancar nao s um grande alivio, como
tambem urna cura prompta e radical, isto
est] bem visto, quando jo doente nao se
ache n'um estado muito alm dos recursos
humanos. ___________________
Preciosa ublicapo
jurdica,
Commentario do Cdigo Commercial Portu
guez e Brasileiro.
Vende-se na loja da ra do Crespo n.
25 A esquina da do Queimado, a impor-
tante e moderna obra sob o titulo de an-
notaedes ao cdigo do commercio portuguez
em 6 volumes pelo Exna. Sr. conselheiro
Dr. Diogo Pereira Forjaz de Sampaio Pi
itentel, lente cathedratico na universidade
de Coimbra. Os subidos crditos de que
goza muito merecidamente aquelle eximio
commercialista por si s bastaran) para re-
commendar tao importante obra, quando
nao concorresse mais para isso a grande
vantagem de ser um ptimo commentario
ao cdigo commercial brasileiro (na falta
absoluta que ha de qua'quer outro) pelamo-
xima homogeneidade de entre muitas das
suas disposicoes, e as do mencionado cdi-
go portuguez, que lhe servio de texto.
Correi pressurosos, distincta mocidade
do 4. anno da Faculdade de Direito desta
crdade e nota veis jurisconsultos, a prover-
vos desse poderoso auxiliar para vossos
trabalhos da sciencia, e pelo preco commodn
de 914. toda a obra em 6 vol.
2SRA DAS FL0RES--25
O dono deste estabelecimqnto tinge, limpa e achamalota com a maior
perfeicfo possivel todo e qualquer objecto de seda, la, algodo, em pecas
ou em obras, chapees de feltro, palha e manilha etc., tira mofo das Rien-
das e faz todo o mais concerner.te sua profiss3o, tudo com brevidade, visto
como se acha prvido dos necessarios machinismos e petrechos.
Otto Schneider.
K
&I-
I te
VESTIDOS PHETOS
ei cortes de gorguro de seda preta bordadas, o que ha de melhor e d
im
Bo
urnas, ra do
3 seda, da 2000 a 740<
13, de Ajjt?rio Corria de rflfll
covado, na lojdas
Sublime publicarlo Iliteraria
sob o titulo ele Memoria do
Boin Jess do Houte. em
Braga.
Acha-ne venda na loja da ra do Cres-
po n. 25 A, esquina da do Queimado a pri-
morosa Memoria do Bom Jess do Monte em
Braga, ornada de gravuras finas, segunde
ediyao, obra da penna de ouro do mui Ilus-
trado lente da universidade de Coimbra, o
Exm. Sr. conselheiro Dr. Diogo Pereira
Forjaz de Sampaio Pimentel. Quem ti ver
noticia da extraordinaria devoclo que exis-
te em Portugal para com aquella milagro-
ssima imagem, affluindo sempre para o
seu magestoso templo em romaria o nume-
roso povo de todas as panes desse reino;
quem souber avahar as brilhantes desemp-
ees, e o bello estudo daquelle consumma-
do jurisconsulto e eximo Iliterario portuguez
nao deixar de procurar, quanto artes pro
ver-se de um exemplar da dita memoria,
pelo diminuto preco-de 35, na leja indica-
da, onde ha pequeo numero deltas.
Na mesma loja cima ha ontras estampa,
muito perfeitas e grandes do dito Senhor
Bom Jess de Braga, por preco com modo
Os abaixo assigoadus, uiembres da coinmis-
sao encarregada dos festejos da recepcao do 53
corpo de voluntarios da patria pelos moradores da
ra Nova, julgam nada restarem das despezas re-
lativas aos ditos festejo; nas se ha altfuem que
n5o fosse pngo, queira apre inmediatamente a satUfarao.
Thomaz Ferreira de Carvaiho.
Manoel Moreira deSouza.
Jo- Leandro L-pes dr Oliveira.
---------------^--------
alugueis.
Ha quera se encarregue da cDrano dos allu-
gueis de predios desta cidade por mdica porcen-
tagem incluindo os servaos de solicitador nos ca-
sos de despejos judiciaes, podera procurar na ra
da Gloria n. 94 -daa 6 as 9 da rnanbaa.
Prefisa se de um copeir, forro ou escrvo,
ou escrava
n casa es-
la ra do
Cobranza de
de boa conducta, ou urna an
para coslnhar e Cazer
traogeira de duas paas-a:
Crespo n. 10, lija aeaien
TRILHOS
DO
URBANOS
Recife a Apipucos.
AVISO
Do I. de abril em diante os menores de
tres annos que viajarem noTcolo nada paga-
rao, os maiores de 3 at 10 annos pagarlo
metade do prego marcado as tabellas e os
maiores de 10 annos pagaro conforme a
tabella, como adultos.
Escriptorio da companhia, 16 de marco
de 1870.
W. Rawlinson,
______ Gerente.__________
Ne collegio da Conceicao precisa-se de um
homem idoso para porteiro,
No armazem da travessa do Corpo Santo n. 25, ha sempre um completo
sortimento de objectos para carros, e que se vendem por precos muito rasoaveis, como
sejam:
Vaquetas de lustros, grandes e muito boas.
Solas idem dito.
Oleado preto e de cores.
Colleiras de lustro o que ha de melhor.
Guarnices de fino lato para arreios, completos.
Lanternas e vellas para as mesmas
Eixos f atentes para sebo.
Joaquim Lopes Machado & C.
i
v
ALUGA-SE.
Urna das lojas do sobrado da ra Velha n. 96,
que faz quina para o pateo da Santa Cruz, muito
wa para qualquer negocio : quem a pretender
dirija-se a ra do Sebo n. 20.
Ana
Precisase de urna ama que engomme perfeita-
mente : na ra do Imperador n. 6o, 2 andar.
AO ARMAZEM
DO
Ra Nova n. 9,
acaba de chegar pelos ltimos vapores novas re-
messas dos seguintes :
Calcado francez
Para senhoras.Botinas brancas, pretas, e de ou
tras multas differentes cores i ultima
moda.
Para meninas.Botinas das mesmas cores e qua-
lidadis cima.
Para homens.Botinas de cordavao, bezerro, ver-
niz, pellica, o melhor sortimento que se
pode desejar.
Para meninos.Botinas das mesmas qualidades
mencionadas para homens.
Para homens.Botas rucianas, meias-botas e per-
neiras.
Para homens, senhoras e meninos.Sapatos de
tapete, aveludados, charlte, casemira
preta, tranca de Lisboa etc. etc.
Para meninos e meninas. Abotinados fortes de
muitas qualidades.
Quinquilharias
Finos artigos de Paris, de gosto e phantazia,
como sejam:
Leques para senhoras e meninas.
Luvas de pellica (do fabricante Jouvin.
Espelhos de differentes tamanhos.
Perfumaras finas do fabricante Coadray.
Caixinha de costura com msica?.
Albuns e caixilhos para retratos.
Pulceira* de ouro bom de lei.
Brincos e trancellins.
Correntes e chaves para relogio.
Botoes de pnnhos e de abertura.
Correntes e brincos de plaque.
Bolcinhas e cofres de seda e velludo.
Caivetes e thesourinbas finas.
Lunetas, oculos e grvalas.
Chicotes d baleia e de outros, sortimento.
Bengallas de canna, baleia e junco.
Ponteiras de espuma para cigarros e charutos.
Ecovas para fato e para cabello.
Escovas para dentes e para unhas.
Pentes finos de raarfim para tirar caspas.
Pentes de tartaruga para desembarazar.
Malas e boleas de viagens.
Estojos com" navalhas f paraviagens.
Carteirinhas para notas.
Gaiolas de rame para passarinhos.
Abat-jour transparente para candieiros.
Oleados para mez s.
Molduras douradas e quadros.
Estaupas de santos e cidades.
Bercos de vimes para crianzas.
Cestinhas de vimes para braco de meninas.
Caixinhas de msicas e realejos.
Cosmoramas e lanternas mgicas.
Esteriocopos com interessantes vista?.
Objectos de mgicas e cordas de violao.
Jarros e florea de porcelana para santuarios.
Velas a gaz para lanternas de piannos.
Accordions e concertinas.
Diversos jogoe franeczes e alleraaes.
E nutras quinquilharias semelhantes.
Brinquedos para crianzas
Carrinhos de 3 e de 4 rodas para passeios, bo-
ecas de todos os gostos e precos desde 160 rs.
at 20*000, e ura sem numero de brinquedos de
differentes precos para intretimento.
Para evitar a massante leitura de tantos artigos
exaostos venda neste estabelecimento, o dono
pede ao publico em geral que se dipe entrar de
passeio afim de verilicarem nao s a graqde va-
ridade como 09 precos baratsimos por seren
odos chegados de conta propria.
As 51 rodas
de reos para pipas.
Veende-se no trapiche do Cunha a 73 de dez
rodas para cima.
O agente de leudes
F. G. de Oliveira, mudou seu escriptorio
para a casa da ra da Cruz n. 53, primeiro
andar, aonde seus amigos o acbaro promp-
to para bem serv-los como sempre.
28Camboa do Carmo28
Das seis e meia horas da tarde as onze da noute.
Nicolau Pungitore tem a honra de annunciar ao respeitavel publico desta ca-
pital, que diariamente estar aberto a concorrencia publica um grande cosmorama com
variadas vistas e passagens dignas da attenclo de todos por acharem-se entre ellas
as dillerentes batalhas dadas pelas forcas alliadas contra o governo do Paraguay, como
abaixo se ver,
O annunciante tem empregado todos os seus exforcos para que o respeitavel
publico encontr alli um bello passatempo mediante urna pequea exportula, tendo
entretanto direito a um objecto, gratis, de mais ou menos valor.
Todas as vistas sero mudadas duas vezes por semana, sendo as quartas e
sabbados.
BrasilVista do Rio de Janeire tomada da Tijuca.
PortugalVista de Lisboa.
FrancaVista de Paris.
ItaliaVista de Roma.
DitaVista do bombardeamento de Gaeta.
HespanhaVista de Gibraltar.
InglaterraVista de Londres.
AllemanhaVista de Buda e de Pest.
NoruegaVista da caca da baleia.
28Camboa do Carrao28
DAS SaSE MEIA HORAS DA TARDE AS ONZE DA NOTE.
A LOJA D )S ARCOS DE ALVARO AUGUSTO DE ALMEIDA & C, ra do
Crespo n. 20 A, alm da grande variedade de fazendas de phantasia de que sempre se
acha provida, tem actualmente um completo sortimento de fazendas pretas, propnas para
os actos da quaresma, como sejam :
Ricos cortes de seda preta de superior qualidade.
Gorguro de seda pretos de diversas qualidades.
Grosdenaples pretos de differentes qualidades.
Sedas lavradas.
Basquinas de seda preta de modello inteiramente novos.
Ditas de guipure ricamente enfeitadas.
Pelerinas.
Fichs e manas de fil para a cabeca.
Mantiihas brasileiras ou mantas de fil para cabeca, de modelo inteiramcLte
novo.
Eil de seda branco e preto.
Guipure branco e preto.
Baloes a vicoriense modello inteiramente novo.
Chapelinas enfeitadas de preto. .
Luvas de peljjca preta para homens e senhoras, e outros muitos artigos lo
bons gostos e qualidades o que tudo se vender por precos rasoaveis
Tambem conica a tar ura grande sortimento de tapetess, alcatifas e as ver-
adeiras estea dirasglparandia forrar salas.
HENRHilili PFLAEG1NG
ESPECIaL AFINADOR DE liA\0S
recem chegado do Rio offerece seus pre. timos ao Ulm. publico tanto na cidade como ou
matlo ou nos engeahos, pode ser procurado no salao de pianos e de msicas na rc
ova n. 58 lo andar.
,
QUINUIW LABARRAQUE
APPROVADO PELA ACADEMIA DE MEDICINA OC PARIZ
0 Qulnium Labarraqu, eminentemente tnico e febrfugo deve ter
preferido todas as outra preparare de quina.
Os vinhos de quina ordinariamente empragados na medicina preparam-sa
com cascas de quina cuja riquea em principios activo extremamente
variavel; parte disso, em raxSo de seu modo de preparaclo, estes vinhos con-
ten apenas vestigios de principios activos, e em proporcoes sempre yariaveis.
0 Qnlnlum Labarraqua, approvado pela Academia de medicina, con.
stitue pela contrario um medicamento de compoioio determinada, rica em
principios activos, e com o qual os mdicos e os doentes podem sempre contar.
O Qolninm Labarraqa* proscripto com grande xito is pessoas fracas,
delibitadas, seja por diversas causas d'esgotamento, eja por antiga moles,
tas; ao adultos fatigados por urna tapida crescenea, s meninas qui tem diffl.
culdade em se formar e desenvolver; is mulheres depois dos parto; aos velho
enflaquecidos pela edade ou doenca.
No caxo de chlorosis, anemia, cores plidas, este vinho um poderoso
auxiliar des ferruginosos. Tomado junto, por exemplo, com a pihuas da
Vaut, produi effeitos maravilhosos, pela ua rpida accSo.
Deposito em Paria, L. HtERE, 19, rao Jacob
Rio-Jauin, DPONCBELLE; CHEVOLOT. Ptrnamhiet, MiDEEK t (?
I


Diario de Pemambuco Quinta feira 24 de Marr^o de 1870.
AGUIA NEGRA
co
e3
3
co
te
O
O
P3
BENTO MACHADO ft C,
A AGIA NEGRA animada com o bora accolhimento que teve em seas annun
dos, vem novo participar a seas freguezes que, acaba de receber um vanado sorti-
mento de objectos de gosto os qaaes serao vendidos por precos muito razoaveis, poi-
quando fez os seas primeiros annucios, foi o que assegurou, e sem mdo de errar,
porque como j disse ost interesses ligada a urna casa importadoradesla praja, e
por isso poder ter tudo especial e vender por precos admiraveis.Chama pois a aneo
?Io de seas freguezes para os arttgos possa descrever: .
Livros com o tampo de marfim, madre- Um variado sortiments .de charuteiras e
jerola e tartaruga, proprios para missa. palliteiros de porcelana,
Garafinhas vazias proprias para presentes Tentos para voltarete.
oaa de gosto. Bengallas com marfim, cousa especial.
Indispensaveis le palinna e de couro pro- 8 i-atrsa
jrios para senhoras e meninas trazer nos baoonetes ne aicairao.
iracos. Cofres de folhas para dinheiro.
Binculos di madreperola, marfim e tar-' Lindas caixas para costura,
araga todos esmaltados. Um compiet0 sortimento de luvas de pe-
Cintos largos de setim, cousa inteiramen- jca
* nova. i '
Fitas de sarja de todas as cores e larga- Talagorce parabordar.
as para lacos. Um completo sortimento de enfeites de
Toncas, sapatinhos meias de seda e mais seda para vestido,
jertences para baptisados. Perfumaras de todos os autores os mais
Fitas com nscripces proprias para bou- acreditados em oxtractos, pomadas e leos
icet de noiva,
Ricos vasos com p do arroz.
Um variado sortimente de jarros de por-
tlana.
e finalmente outros muitos objectos que na"o
possivel mencionar ; mas com a vista se
certificado do sortimento deste estabele-
cimento.
Aguia Negra, ra do Cabug n. 8.
EJ" O re ? O
* 2- i sUs 3
2. D-.2."~ 5
B O US p "1"
3
& v 5 "2 3
s s
ISn*8
1 ce
D
o
lis
-, S. 2. B 3 o- 3
-Jo
e-I :!.
-i 5 w ^ d
5 =- O*
s b
="&
o
3 <*
as c/5
3.0 p 3 -
iSI i
j?o-3 3 o S"
,T, ^
S S 8 o O M
S 3 c&
. 1111 g.
sr.------, ?
3 o i m o
H => 2 _
o
3
- => =
;> es s as a
"*N X Q.CB
~ ss
3
3. s
i- n as ^ O
o
3 o:> CT3
S"3
3.*
b
wm
PARA A QUARESNIA
7-=Rua do Queimado7
TOALHAS E
Chegona loja de Paredes Porto, a ra da Imperatriz n. 52^PorU Larga) nm bo-
nito sortimento de toalhas Ce linho para mesa, assim como os competentes guardanapos
que se vendem a preco fcaiso.
PAREDES PORTO vende lasinhas a 240 o covado, fazenda de 500 r?, para acbar
na roa da Imporalriz n. 52.
PAREDES PORTO vende atgodSo cora pequeo toque de avaria a 3500 e 4)9OO,
a peca, ra "da Imperatriz n. 52.
PAREDES PORTO vende chita preta para luto a 160 rs. o covado na ra da Im
peratriz n. 51. Porta larga.
^ CHALES
Vende-se chales preto de merino a 35OO0 fazenda superior, na ra da Imperatriz.
PAREDES PORTO vende meias para senhoras a 2#500 a duzia p-r ter um peque-
no mdfo, na ra da Imperatriz n. 52 porta larga.
PAREDES PORTO vende cortes de calca de casemira preta a 3)>500 e 4*000.
PAREDES PORTO tem para vender panno preto superior e casemiras de cores e
pretas que vende por prcos commodos.
CHALES, GRANDE PECHINCHA.
Chegou a loja da ra Imperatriz n. 52 de Paredes Porto
chales chinezes fazendas muito boas para senhoras trazerem
por 5-5000, eslao acabando-se na
Loja do Leo.
um bonito sortimento de
em casa, est vendendo
Ama
Precisa-se de ama ama para casa de ponea fa-
milia : na roa das Crines n. I\ __________
Precisa-se
ur
de una mlher forra oacaptiva para servir
duas pessoas no lugar de Ganielleira : quem pre-
tender, comparece na ra do Livramento n. 36.
Ama \
Na raa da Cadeia do Recite n. 50, precisa-se
de urna ama para cozinhar e engommar.______^
CH.\ TONIPLRGATIVO E DEPIIHIVO
DE
(lliHKUt.
Composto das plantas as mais odorferas e a>
mais virtuosas dos montes os mais elevados, o eha
toni-purgativo de Chambard, possne um gosto sa-
boroso e um aroma suavissimo, e as propnedades
as mais notaveis sobre os embarazos do estomago
dos intestinos e do figado o desobstruente por
excelleocia na constipacao do ventre e nao tem
resguardo nenhum.
Depurativo especial e directo da bilis e dos hu-
mores, lefresca o sangue depurando-o.
O uso do ch-Chitnbard pode ser continuado
por muito tempo sem o menor receio e sem n-
commodo netn mudanqi no modo deviver.
NICO DEPOSITO EM PERXAMBUCO
iPHARMACIA E DROGARA
DE
Bartholoiucii dt C.
34-RUA LARGA CO ROSARIO34.
Aluga-se ummulanho com idade de H an-
uos, bom copeiro : quem precisar dirija-se a ra
da Imperatriz n. 69.___________________^__
Offerecese urnapessoahabilitada para fizer
cobranzas (dando fiador) nesta capital e nos ser-
toes desta provincia e nos das Alagoa?, Rio Gran-
de, Parahyba e Cear : a tratar no caes do Ramos
numero i.______________________________
Agencia em Pemambuco
o Dr. Ayer
Peitoral de Cereja
Cura a phthysica e todas as molestias do peito.
salsa pariilha
Cura ulceras e chagas antigs, impigens e dar-
tros.
Tonteo
Conserva e limpa os cabellos.
Punas cathrticas.
Puramente vegetaes e sem mercurio, cura se-
zoes, curam e purilicam todo o systema humano
Vende-se cffectivamenle em casa de Samuel P.
Johnston & C, ra da Sanzalla Nova n. 42.
Precisa-se alugar um oseravo de Loa con-
duela para o servico de urna loja de fajends : na
ra do Crespo D. 20 A.
ATTENCAO
Precisa-se alugar urna casa terrea boa,
e que tenh? gabinete ao lado, ou um so-
hradinho bom, na cidade de 01 inda, em al-
gumas das seguintes mas : S. Bento, ladei-
ra da Misericordia ra do Amparo, ou la-
deira do Varadouro ; a pessoa que tiver, e
quizer alugar, deixe carta fechada com as
iniciaes F. F. n'esla lypographia, pois nao
se dovida dar bom aluguel agradando.
Preci-sa de urna escrava que saiba cozinhar
a fazer compras e o mais servico de casa : na ra
da Cadeia do Recife n. i.
Pedido.
Pede-se ao Sr. A. J. C. Carvalb.0 que quanlo an-
tes haja de vir a ra do Brum n. 6o a negocio que
S. S. nao ignora, e nao o fazendo vera o eu BOflte
por extenso neste Diario.______________
Precisa-se de urna ama para casa Ce pouca
familia : na -ta do Brum n. 79._____________
Precisase de urna arn.i para todo o servico :
na ra de Hoitas n. 30, sol rado.
Cabelleireiro
Ra da Cruz n. 24, Io andar, por cima da
botica.
Antonio Rodriguas Ramalho acaba de abrir a
concorrencii publica um espagoso e asseiad) sallo
para barbear e cortar cabellos, e afianca que nelle
encontrarao seus amigos, amigos fi eguezes, e em
geral todos os que quizerem frequenta-lo, agrado,
actividade e bom desempenbo do trabalho.______
O bacharel Jos Goncalves da Rocba ha re-
solvido estabelecer seu escriptorio de advogacia
nesta villa do Cabo, onde poder ser procarado
em qualquer dia e hora para o exercicio de sua
preflssao. Encarrega-se nao s de negocios rela-
tivos ao foro detta comarca e seus termos, como
tambem pertenetntes as comarcas e termos da
Escada, Rio-Formoso e Agua-Preta, e mesmo de
qualquer outra comrea que pertenca ao districto
deste tribunal da re; rao.
INSTANTNEOS
Travessa do Corpo Santo b. 2o
ARMAZEM
Raa Nova n. 28, j Antonio
Pedro de Souza Soares.
Randeira, Machado & C atisam ao respeitavel
publico que nos lugares cima encontrar no mes-
mo sempre grande quantidade do ditos pocos, e
que se acham habilitados para vender por menos
que ootro qualqoer, por isso que os recebem di-
rectamente do fabricante Nerton, de Londres.
As vantagens que offerecem os pocos instant-
neos sao : primeiro, poderim ser collocados den-
tro de casa ou fra, com o trabalho de urna a duas
horas; segundo, fornecerem os mesmos agua pu-
ra e abuQdante, podendo serem removidos de um
para outro lugar, quando assim convier.
Os annunciantes s reeebrro a importancia dos
referidos pocos depois de collocados, satistazendo
espectativa do comprador. ______________
Precisa-se de urna
sadia, na praea do Corpo
andar.
ama de leite que seja
Santo n. 17. segundo
AMA.
Precisa-se de urna ama, s para cozinhar em
casa de rapazes solteiros : a tratar na ra do
Crespn, i7, luja. ________
Para a quaresma.
lia loja do Passo
Os propietarios des-te irop-T.
lo recebero pelo uliimo vaper frjm-ei, ri ,
rilhOes de gorgurao preto muito bem enffitli
inteiramente novidade, sedas e gi rguioes pr<
temos sortimento completo, o nwlliuf a desejr.
Dirijam-so, pois, todas as \c precisam fe
comprar estf s artigos, ra do Crispo n. 7 A.
Scientes de qne, em procos nao se deixar di
zer negocio, isto motivado pelo muito sortiraer/.o
que tem .__________
MHlho novo chegado
da America.
Vendem se saceos com milho da melhor :ua*i-
dade, e uitii-iamente descarregado : no armazem
de farinha do caes 2 de Novembro, por baixo Co
Gabinete Portuguez.
Precisa-se do urna ama para casa de pouca
familia : na travessa dt S. Jos n. 1.
Ama.
Precisa-se de urna ama que saiba hem cozinhar
e comprar, forra ou ascrava, para casa de fami-
lia : a tratar ua loja da raa Nova n. tt.
Perdeu-se da estaoao dos trilhos urbanos,
trajelo pelas ras de Santo Amaro, Nova, Cabu-
g, praca da Independencia, Queimado at a ra
do Livramento, um leque de seda parda e sndalo
com lenthoulas de ac, tendo no centro as iniciaes
J. B.: quem o achu e quizer entregar, venha
ma da Cadeia n. 58, i' andar, que se gratificar.
AO PUBLICO
O abaixo assignado cientfica ao respeitavel pu-
blico ecom especialidade ao corpo do commercio,
que a sociedade que teve com os Srs. Joaquim
Fernandes da Silva Campos e Manoel Jos da
Costa Pereira, este como socio de industria e
aquelle como commanditario no armazem de louca
ra do Crespo n. 46, e que gyrou na razao so-
cial de Duarle, Per;ira & C, se acha dissolvida e
partilhada, ficando o abaixo assignado com o es-
tabele ment e obrigado peb pa.-sivo, desdo o dia
28 d fevereiro do correte anno, dia em que es-
pirou o contrato que haviam celebrado.
Recife 2a de marco de 1870.
Beernardino Duarte Campos
Fugio do engenno Tapera. fretueza de Ja-
boato, no dia 20 do corrente, o escravo Joaquim
que tem os signaes seguintes : boa figura, bem
preto, 30 annjs mais ou menos, sem barba, ape-
nas com alguns cabellinhos no queixo, falta de
dentes na frente, baixo, grosso, ps pequeos e
cavados, tem urna cicatriz de um talho de ma-
chado no dedo grande de um dos ps, rosto e ca-
bera um poueo comprida, ventas gwndes por
tomar rap, de ve vestir palelot preto, calca pre-
ta ou branca, chapeo de bau sinzento, c segure
o caminho de Govana, de onde foi, e onde dei-
xou a mullu-r ( forra ) no lugar a que chamam
Pontinha. Quem o pegar e trouxer a seu senhor
em dito engenho ser bem gratificado.________
Precisa-se de urna ama para cozinhar e
comprar : no pateo do Carmo, sobrado novo, que
faz esquina de Santa Thereza.
OURiVES.
Na offlcina de ourives, na ra da Penha ven-
de-se urna taboleta e urnas 200 pecas de obrs
miudas de prata, e tambem vendem-se alguns fer-
ros para trabalho de ourives : a tratar na mesrxa
bfflcior.
Cantara de Lisboa
Soleiras, hombreiras e capiteis, o que ha de rr-e-
lhor para frentes de predios: venda no arma-
zem da travessa do Corpo Santo, de Joaquim Lf-
pes Machado & ('._________________
Milho novo
Vende-se em saceos grandes, o por menos pr-o-
co do que em outra qualquer paite ; para ver r.j
trapiche Dantas o para tratar, ra do Apello.
Cal nova de Lisboa
descarregada hoje do patacho Mara ; e ven>'e
Joaquim Jos Ramos, na ra da Cruz n. 8, pri-
ir.eiro andar.
LINGUAS!!..
JA CHEGOU
a nova remessa das muito dedadas lirigcas
seccas, vindas >lo Rio Grande que se vti
no armazem do Campos s na do Impera-
dor n. 28, assim como : (rangas de ceblas
a G10 rs. cada urna, no memo armazem
vendem-se e aluga-se
Bichas de Hamburgo.
Escravo
Vende-se um bonito escravo de cor parda, sen-
do muito possanie ecom boa ligura, estando lar.-
bem acostumado ao servico do mar a tratar ca
ra da Imperatriz n. GO, loja do Pavao.________
Vendes? diversos eseravos p Coar e do Piauhy, proprios para engenho ; as-
sim como diversos oabroehas do 12 i 18 annes,
com habilidades e sem ellas e um casal de es-
eravos pardos garantindo-se a conducta : tra;..r
na ra da Cruz n. 53 e o, 3" andar.
CASA DA FORTUNA
As 5:000$
Bilhetes garantidos.
^ roa do Crespo n.23 e casas do costme.
O abaixo assignado, tendo vendido alm de ou-
tras sorles, um inteiro n. 284 com 900J000 da
lotera que se acabou de extrahir a beneficio da
matriz de S. Bcnto (140"), convida aos possuido-
res virem receber na conformidade do cos-
lunie sem descont algum.
Acham-se a venda os felizes bilhetes garan-
tidos da 2* parte da lotera beneficio da matriz
de Agua Preta (M')t que se extrahir segunda-
feira 28 do corrente mez.
Precos.
Bilhete 6000
Meio 3*000
Quarto 1*300
Em oorcao de lOO para cima.
" Bilhete 5*300
Meio 2*750
Quarto t375
Manoel Martins Fiuza.
AMA
COMPRAS.
CoDipra-sc
duas ou tres venezianas em segunda mao,porm
que estejam perfeils : a tratar na loja da ra Xova
n. 45.
Casa terrea.

Compra-se urna casa terrea :
da Madre de Deus n. 16, loja.
tratar na ra
Compram-se moedas de ouro e prata de to-
los os valores, ouro e prata em obras inulilisadas,
minantes e mais pedras preciosas : na loja de
mrives do arco da Conceicao, no Recife.
Chegou pelo ultimo vapor da Europa o mais bello sortimento de fazendas pretas
como sejam :
Grosdenaples pretos de todas as larguras e qualidades.
Gorgurao preto para vestidos, o que tem vindo de mais superior nesta faientfa.
Pequin da China, de seda pura preto com listras de setim o que ha de mais moderno
em fazenda preta para vestidos.
Mantilhas brasileiras de renda de sedi preta o "que tem viudo de ma'S moderno a
Metrniques de croch preto com ricos latos de setim e de mod9llo completaaonte
novo. ,
Casacostlu croch preto?, compridoscom granie ro la e de regado que nnge segunaa
saia sobre o vestido.
Ricas manas pretas para cabeca de senhoras. .
Um graod- sortimento de tilo preto de seda com flores, ueste menino estabeieci-
mento Uobem ha um grande sortimento de poupelinas de ricos gostos, sedas lisas de
lindas cores, saias bordadas, finas para senhoras, luvas de Jouvn de todas as c res
ara bomens e senhoras, grande sortimento de cortinados bordados para cama a jan lias,
tapetes para sof, camas, pianos, janellas, e grande sortimento das afamadas esleirs
da India para forrar salas, s existe na ra do Queimado n. /.
O abaixo assignado avisa ao publico que tendo
oblido licenra do Exm. Sr. cooselheiro inspector
da thesouraria da tazenda geral, para vender es-
tampilhas em seu ostabelecimonlo a rna do Crespo
n. 23. pelos inesmos precos que se vendem aa re-
cebedoria geral; assim pois, podem as pessoas
residentes nesta ciilade e fra della dingirem ao
abaixo assignado, suas encommendas em qualquer
quantidade quesera promptam?nte satisffeitas,
Manoel Martins Fiuza.
Precisa-se de um cocheiro que tenha prali
ea de taberna : na ra da Cadeia-nova n. 7.____
Precisa se de um caixeiro de 14 a l annos
uue tenha alguma pratica de taberna : na traves-
sa da na do Queimado n. 3.________________
Amassador.
Precisa se para o Rio-Grande do Norte, de um
amassador que saiba Miar bem bolacha ; quem
estiver no caso dirija-se ra do Amorirn n. 37,
em casa de Tasso Irmos & C.
Precisa-se de urna ama para comprar e cozi-
nhar para duas pessoas : no largo da mrlriz de
Santo Antonio n. 12._______________________
Precisa-se de um caixeiro Ipara taberna : no
largo da Santa Cruz n. 41__________________
ATTENCAO
Na ra Nova n. 24 deseja-se fallar com o por-
tuguez Custodio Jos de Oliveira, da freguezia de
Barbudo, a negocio de sua familia ; e caso nao
estpja nesta cidade, pode dirigir-se ao Pilar das
Alagoas, seu irmao Jus Antonio de Oliveira.
Compram-se e vendem-se diariamente para fra
dentro da provincia eseravos do todas as idades,
ores e sexos, com tanto que sejam sadios : no
erceiro andar do sobrado n. 36, ra das Crasas,
Teguezia de Santo Antonio._________________
Lon niu;to Kiator vantagem cumpram-se
noedas de ouro e r;: : na loja de joias do Co-
racao de Ouro n. i. 1'. ra do Cabug._________
COSTURA
0 muzeo de joias
Na ra do Cabug o. 4 compra-se ouro, prata
pedras preciosas por precos mais vantajosos do
pie em outra qualquer parto.
Compra-se
duas casas terreas as mas Concordia, Palma.
Caldeireiro, Santa Tfaereza e Sania Itita : a tratar
na ra estreita do Rosario n. 35, cartorio.
Acal.am de chegar ao GRANDE BAZA?.
NIVEllSAL, ;i toa Nova n. 22CABNBlRC
vianna -um completo swnimtnto de mz-
chinas paia uuktuia, dus autores mais co-
nhecidos, as quaes esto em expsito r.c
mesmo Bazar, garantindo-se a sua boa qu-
lidade, e tambem tnsina-se com peife
a todos os cc-mpr?dores. Estas nacbinas
siio iguaes no ten trabalho ao de 30 co
reiras diariamente, c a sua perfeiflo i:
como da metbor costuren a de Pars. Apre-
sentam-se tiabalhos esoctiiados pelas y,
mas, que muito devem agradar aos preteu-
dentes. _________- _______________
Vandtt-sc una bonita arhiHcAu toda de am..-
relio, o enviilracaila, prupiia [ *( n-la ou qn -
quer oMm cstabflrebuenM, mt^noiia casa on
esi : na roa da Imperatriz n. 5 u I se a ...
so ou a dmii.ro : tratir na m^trj raa n. ',;'.
AMA
Precisa-se de urna pessoa livre ou escrava para
comprar : a tratar na ra do imperador n. 79,
loja. _______/ ______________________
Ao commercio.
Quem precisar de um pessoa que escreve sof-
ftivelmenteedispoe-se a qualquer trabaltu com-
mercial.'pde deixar nesta t||iographia urna n ta
da ra e numero da casa de sua residencia, para
se procurar.__________________!__________
Vr:NDAS.
Refinaco,
COSTUREIRAS.
Na chapellerio des dames ra da CabJg n.
12, andar, preoisa-se de costureiras.
Em casa de THEODORO CHRIST1
VNSEN, ra da Cruz n. 18, enconram-a(
jflectivamente todas as qualidades e \inhc
Bordeaux, Bourgogne e do Rbeno.
Bartholomeu & C.
Loja do Triumpho,
1-frALQBE
N'ESTA ANTIGA E CREDITATA
FABRICA
i
IICIIIU II CIIII1ITIIIITI 101 GI1PLITI IIITIIIiri ll
CllPItl 0lit
De todaa u qualidades I
Da todos ot feitioa !
Da todas oa procos I ** '
DO CRESPO N' 4
VlNHO, PlLULAS, JAROPE E TlSTUBA
DE JuRtBKBi. SIMPLES E FEURL'G:."..
, Pomadas Emplastro da kzzv.*
planta preparados por
dARTHQLQMEG & C*
PHARMACKUTICOSJ-DlloaUlSTAB
PERSAMBUCO
I jurubeb : eu pUou boje recoatec u
cuuio u uiis (,tJeri>o Uuuuj, cuiuo o icetbot
ilesobsiruente.e como tal apple* iJo B(du baco, iiepaiue, dur*as. Uanores tic.--
do* e e.-pcoialiueule do utcio, hiilropesiaj, tJf
peua?, i le; e ssociaJa ao Ttrfo i til ns nalBpS
aots, tbioroses o falla Se nieiwliwcto, ios do eslonago, ele, < o que diemoa atleUo
inaamera* curas importantes otlidji oon nc''i
prii*riiiot i bem coubecidos e aiadot peloi Si J
diiDcioi oelreot do paii Ponajal. tm todos 01
doso dpoNM distriboimos m-itis folbetoi oti
oiellu>r (isem couhecer i Jurabi uoi re!let

0 ffillRIilAO DENTISTA
Frederico Maya
Tem a honra de scientificar ao respeita-
vei pblico em geral, e aos. seus clientes
em particular que elle mudou o seu gabi|
netede consullas da ra Direita n. 12 para
a do Queimado n. 31 primeiro andar, core
a entrada pelo pateo de Pedro II, onde po-
de ser procurado para os misteres de sua
profiss3o, todos os dia* uleis das 9 horas
da manhaa s 'l da tarde.
Tambem previne, que contina a prestar-
se a vontade dos clientes nao s na cidade
como nos seus suburbios, para onde as
idas 6erSo precedidas de ajuste. Elle ga-
rante o bom desempenbo e a perfeic3o de
tus trabamos, oque j bem conhecido,
assim como as commodidades dos pregoe.
HISTORIA
DA
Guerra do Brasil
CONTRA
As repblicas do Uruguay e Pa-
raguay.
Os ous primeiros voliunes assignam-se por
. lOaOOO res.
Pagos adiantados.
Livraria franceza.
Attenjo.
Vendem-se as collecces do Liberal, dos
annos de 1852 18oT, encadernados : A
Jmprensa, peridico ptblicado em 1852, a
collecco encadernada de Janeiro a setem-
bro do mesmo anno : O constitucional, a
collccc5o encadernada do anno de 1S61 :
quem quizor comprar, dirija-se a esta typo-
graphia.
iTfCAO"
Vende-fe o cp.'."!.o Mu.=?ayba, livre p defem-
baraeado, e bem como a propriedade Pojo preto
separada rio mesmo eopenho : a tratar com o seu
proprielarin na ra do Apollo n. 47.1" andar.
Vene-.-e a rcQac3o da la :<- Hurtas n. 7,
muito proprla pan princtnliiHP, por ter pon.' -
fundos : a tratar na meMM< _______
SEMANA SANTA
Grande sortimento de livros para os oficios da
Semana Santa
Encardenados de couro, marroquitn e velludo.
_______ Livraria franceza.
Aran.
Preeisa-se de urna ama para casa de ponca fa-
milia: a tratar na ra da Penha n. 25, 2* andar.

Ama.
Xa ra da Cadeia d Recife a. 50, precisa-se do
urna ama para cozinhar.
Vcnde-se a -5" parte de um sitio ( na estrada de lua.i 'Je fJarros defroote do palacete
da Exm." viscondossa de Goyaona, com alguns ar-
voredos fructfera, prximo a estacao da Encrnzi-
llia'la de Belm : a ;ratar neMa tyi>ographia.____
Veude-se urna atmacao de taberna coni cai-
xes, um registra de gaz 'com dous candiciros ;
vende se ein conta. na ra do Pilar n. t-3 :
tar na inesma_____ __
Engeiilio vena.
Vende-se o engenho dmceijao, outi'ora Cana i-
duba, distante da povoacao de labuatio tres qu
los de legua, me com agua, e cojeiro, tem I
tanto matla virgem, e de circumferencia legua e
meia de ierras, a dinheiro e a prazo : a tratar : >
Recife, com o Sr. Barroca na ra da Cadeia n. i,
ou no mesmo engenho, eooi o seu pruprielan ;
Jos do ItegoDintas Cootinho._____________
Vendem se as casas da ra do Progresao i.
25 e 27 (na Sole-Iade) : a tratar na ra da Soleda-
de n. 56. ^___^
CAFE
Vende Joaquim Jos
n. 8, t andar.
Rano?: na ra da '
GAZ
Vende Joai|tu'in Jrs Hamos
na ra da Cr,
n. 8, Io andar.
a tra-
Vende-se una parte do engenho Timb, sito
na freguezia de ilarangnape do termo de Orinda,
coro grandesm aWS, 11 fute e corrente com agua :
03 pretendentes dirlj >'' andar do sobrado
n. :I6 da ra da- Croaes que aebaro com quem
tratar.
Taberna
Vend'J-se a taberna da ra dos acouguinhos n.
20 propria para principiante por ter poucos fun-
dos : quem pretender dirija-se a niesma, que
achara com quem tratar._______
Vende se urna taberna na ra da Senada-
nova n. 6, propria para um principiante : qucni
pretender dirija-e a ra do Brum n. 6^_______
Sal do Assu'
Vende-se a bordo de palbabote BmIHa : a tra-
tar com S Leitao Irnvio i ra da Madre de Deo?
numero ).
Cevada
>le Lisba e de superior quilidade
roa do Amoritn n. Si
vndese ca
0
)\
Aguia negra
Chpgnram afina! pa:?. a aguia negra u dese-
dai machina? uara cisuira. E' intil qualquer
recoramendacao em quanto a bondaue e cuinuio
didade destas n; > rem j bem conhe-
eidos do puhlieo : re? doCamg n. 8.
Por 700000 barato : vonde-se lima "rmj-
lata de \0 annos coffl lal i.'idades : na ra de Hur
tas n. 9ii. Na ha outros eseravos
para vender-se,
II
VenJp se pto seu justo valor na na da Ca-
deia do n;ife n. 58, loja do Azulejo._________
Cndido Alberto So-
dr da Motta & C.
com escriptorio e nrrnazera na tiavessa d.i M
de Dos n It, lem para vender 6 -egointc :
Cemento PortLnd de 1" quihdade, o nulhi i
tem viudo ao mercado, barricas de 12 a ti an >
bas por t0000.
Vinhos Bordeanx das OfltBle* qualidades ;
81, Julin,
Frofisai'.
I.onnant.
St. Eniilion.
Mrgaos,
Chateau.de Soycherelie.
St, Lamben.
Lalinlirre.
Dup
CaunT.
Dearsesai.
Vinho do Porto de juah^le mnib especial.
AzeiWd'ce reflqaii J pan;
Fainos
neste i*tahelecimcnto em I
Papel de toda as qu*)' !!j'-'1
garro9._____________
Vende-se um negrinht s de bo-
nita figura : no paleo do Carmo n. 1.
' I

1


/
^aT
6
Diario de Peiambuco Quinta feira 24 Je Marqo de 1870.
)
y.
i miuii miiiu
A RIJA DA OIPERATRIK M* *
Esquina da ra da Aurora, em (rente do caf Imperatriz.
N'esto novo e sumptuoso estabelecimento de fazndas encontrado as Exmas.
familias tudo qaantopossam desejar.tanto em artigos domais rigoroso Uno, como em lodas
9 mals quididades de fazndas,
Aim de se acbarem prvidos -do que de melhor se encontra neste mercado,
por ledos os paquetes da Europa, recebem directamente o que em artigo de moda e
do mais apundogosto se encontra em Pars, o que vem cadadia augmentar s propor-
e5es de que d.spoe este estabelecimento para bem servir sua numerosa freguezia.
Algodo lartfo psra lenees e toalhas de
todas ;;s qualidades que costuraa vir ao mer-
cad.
Alpacas de todos o? padres e qualida-
des o vamdasque se nao podem descrever.
Abunscora msicas para collocar retratos,
delicado presente fiara qualquer pessoa de
as;i:rn.
Atoalhado de lindo e algodo, branco e
e cores proprios para toalhas.
Basquinas de seda pretas e muilo moder-
aa>, b ni como de crochet, ludo de apurado
gosl^ e f.'ilio.
Balos de'musselina, madapolo, brancos
e de cores, para senhora e meninas,
mea de cores variado sortimento.
Bab.idinh'is ou tiras bordadas em todas as
larguras.
Belbotraa de todas as cores.
Mm de tapete para viagem. grande
riadado de lmannos e gostos.
Bombazina preta de todas as qualidades.
Bramante de linho de H palmos de lar-
gura, o todas as mais qualidades.
Bretanhas de linho e algodo, grande sor-
Ita mto.
Brins de linho branco e de cores, do mais
coainvidoao mals caro emqualidade, affian-
cando o que ha de melhor na especie.
Brins d'algodo completo sortimento e
variedade de precos.
Cassas de cores, o maior sortimento, pri-
maujo pelo bom gosto e barateza, atientas
is qualidades.
Caaabraias brancas, tapadas, e transparen-
tes de (odas as qualidades e precos.
Gamicinhas de cambraia de linho e cassa
bordadas ricamente enfeitados para Sras.
Camisas para homens e meninos, to va-
riado sort:menio que vai do mais ordinario
Badapolio ao mais perfeito bordado de li-
bo e eemraia.
Camisas de meia, de flanella, brancas e
de corea para homem.
Casemiras pretas e de cores, o melhor
cm se pode imaginar, sendo d'isso a me-
lhor proveo grande consummo dellas na
offioina da casa.
CapeUas de flores, para noivas e bailes,
desde a mais candida flor de larangeira at
mais iitiressante grinalda.
Chaaeliobas no melhor gosto,de todas as
aires boje preferidas pelas senhoras de
oaa9 apurado rigor na moda.
Cnapos pretos de velludo, para senhoras,
altimo posto de Pars.
Chapeos de sol, para s;nhoras e homens,
de todos us prejos e variados gostos.
Clialy com ricos padrees para vestidos.
Chales de todas as qualidades, avultado
oumero e nSo menos variedade de gostos,
Chitas, impossivel descrever o sortimen-
to t variedade de padrees e novos gostos,
na Best i artigo tudo quanto se pode desejar.
Cintos para senhoras o que se podo ima-
ginar de melhor.
Coques, o melhor no gosto o nos enfei-
'.es, varios tamaitos.
Colchas de seda com borlas, o mais apu-
rado gusto e lavar.
Ditas de fustn branco e de cores por
precos commodos.
Corpinhos de cambraia, ricamente borda-
ios part senhoras.
Cortinados de cambraia bordados e de
: qt.e de melhor se pode desojar.
Coiarinhos de linho bordados ge lisos, o
maior sortimento.
Damasco de laa de 9 palmos|de largura
lindas core e ricos padrees.
Espartilhos brancos e de coros, para se-
nhoras e meninas, o melhor neste genero ;
nenhuma Sra. dcixar por certo de muir
se de tai precioso auxiliar perfeico de
am corpo delicado.
Entremeios bordados.
Escomilha preta.
Enleites para caneca,' ultima moda de
Pars, recebida no ultimo paquete.
Esgnio de Moho, completo sortimento de
todos os nmeros.
Fitas larcas escocesas para cintos, varie-
dade de gostos e lindos padres,
F ;hs de crochet, modernos com cintos
a capas, o que'ha de melhor.
Fito de seda, linho e algodo, de todos
as gostos e padres.
Fustao de tod.ts as cores e qualidades
grande sortimento.
Flanella branca e de cores.
Fiares, o qae ha de mais rico, quor cas ao bom gosto do nosso fornecedur em
oltas, quor em ramos, tem o PAVILHaO Paris, podemos garantir que ninguem neste
DA AURORA am permanente jardim a genero o possue melhor, nem mais em
disposigo das Exmas. familias. conta.
E* dispondo d to grande e variado sortimento queos propietarios do PA-
VTUIO DA MINORA se apresentam ao publico declarando desde j que a sincerida-
de o o bom gostoo movel nico de seus negocios.
Prvidos de todo e promptos sempre a prover-se do que por ventora lhe
saja necessario, os proprietarios deste sumptuoso estabelecimento recommendam-se
sem receio de serem contradictos e protestara esforcar-se por continuar a merecer
prot-M.-To que se Ihes tem dispensado'; certos de que do seu estabelecimento nao sahira
o freguez descontente.
Cnntinia sempre a ofllcina de alfaiate dirigida por um dos mais habis artis-
confiado. Urna modista especialmente occopada nos trabalhos do PAVILHAO DV AU-
RORA, dirige os que lhe sao concernenles, garante porseu apurado gosto e promptido
na execucu e a mais completa perfeico nos seus trabalhos.
A numerosa freguezia qae nos honra urna prova de que merecemos o con-
ceiloquc so dispensa ao nosso estabelecimento, conceito que procuraremos firmar cada
vez mais. Para facilitar ainda a concecucSo do flm que nos proponaos, temos no nosso
estabelecimento os ltimos figulinos de Pars, que recebemos por todos os paquetes, os
fuaes enviaremos para serem vistos as familias nossas freguezas, aflm de escolherem,
<:om o padro da fazenda o gosto na forma.
Na officina de alfaiate, junto- ao estabelecimento, ha igualmente os figurino?
para homens que por todos os vapores se recebem.
E' este o modo porque nos apresentamos pedindo a protecco.do Mostrado
pabiieo e com o mais profundo respeito convidamos s exeeientissimas Sras. visi-
iarem o nosso estabelecimento, certas de encontrarem nelle pelo menor preco possive-
tudo que podem desejar.
Mandaremos caixeiros levar as fazndas .e amostras onde forem pedidas, visto
odermos especiflear tudo quinto, temos.
JjaoLuiz, Bobnnho & C.
Aberto das 8 s 9 horas da noite.
LOJA
GALLO
Gase com listras de seda e flores, fazen-
da inteiramente nova para vestidos de baile.
Gravatas para senhoras e homens, o mais
completo sortimento que se pode desejar.
Guipure preto e branco, diversas largu-
ras edifferentes gostos.
Gollas e punhos bordados para senhoras.
Guardanapos de linho pequeos e gran-
des.
Gorguro de seda preto e de cores.
Grosdenaples preto ede cores, haven-
do diversas qualidades e gostos.
Japonezes para senh iras, o melhor gos-
to, e fazenda propria para as festas nos ar-
rabaldes e passeios a tarde.
Efe
Lazinhas de todas as qualidades, cores
e gostos, nao ficando nada a desejar, tal
o.sortimento que existe para escoluer.
Lencos, tudo quanto pode haver desde
esguio ao algodo commum.
Leques de madreperola e osso, o mais va-
riado sortimento.
Ligas d seda, bordadas, para senhora.
Luvas de Jouvin.'chegadas por todos os va-
pores, sempre novo sortimento, quer em
pellica para homens e senhoras, quer em iu
d'Escocia, brancas e de cores.
taje
Madapolo; indescriptivel o grande sor-
timento que ha neste genero, desde o mais
elevado preco ao menor, que se vende em
pega e retalho por menos do que em ou-
tra qualquer parte.
Mantas de blonde para noivas: o apurado
gosto dos nossos correspondentes era Paris
habilita-nos a dizer que temos em nosso
estabelecimento o que de melhor se dese-
ja para vestir e ornar urna noiva.
Mantas pretas deblond.
Mantas para carros, com lindas pinturas.
Merinos pretos, trancados e lisos.
Musselina branca e de cores, lindos e va-
riados padres.
Pannos pretos e de cores, desde o mais
barato ao mais superior, por preco muito
ommodo.
Pannos de crochet, para cadeiras e sofs.
Ditas de casemira muito finos para
mesa.
Peitos bordados de linho, lisos e de al-
godo para camisa.
Princetas pretas e de cores.
Popelina do seda e linho, com listras e
flores; fazenda lindissima.
Pelherinas para senhoras, do ultimo
gosto.
Perfumaras; os mais finos extractos o
que do melhor e mais agradavel se pode
encontrar neste genero, e de mais fragante
e suave no olphalo, tem o PAVILHAO DA
AURORA, desde a verdadeira agua Flori-
da at o mais fino Bouqttei d'Amotir, final-
mente tudo quanto deve oceupar o touca-
dor de urna senhora de gosto.
Saias bordadas, brancas, lisas e de cores
com folhos e sem elles, o melhor possivel,
Sahidas de baile, de todas as cores.
Sedas pretas, de quadros, lavradas, lisas,
de listras de todas as cores e qualidades e
o mais barato possivel.
Sargelim de lodas as cores e qualidades.
Tapetes grandes, lindas pinturas para 8
cadeiras, mais pequeos e de todos os l-
mannos desejaveis, e em peca para co-
vados.
Toalhas de labyrintho, do maior e mais
fino trabalho ao mais barato.
Toalhas de linho1 e algodo de todos os
tamanlios, lisas e felpudas.
Tarlatana branca com palmas e de edres,
fasenda muito nova, e gostos delicados pro-
pria para baile.
Vistuarios bordados de fus to brancos e
de cores para meninos, de cambraia para
baptizados, o que de melhor tem vindo a
este mercado.
Vestidos de la escoceza de 2 saias,
novidade pelopadro, gosto eforma; ditos
de linho com barras de cores, e de cam-
braia de cores com 2 saias, tudo inteira
novidade, trazem os modellos juntos para
mostrar a forma de os fazer.
Veos de blond para noivas e pretos para
loto.
Vestidos de blond para noivas: podemos
asseveraras nossas Exmas. freguezas, que
somos os nicos em Pernambuco que pode-
mos offerecer ao Ilustrado publico, o mais
apurado gosto em semelhante materia, gta-
Rnado Crespo 0.
Os proprietarios detfe bem cotheeM-estabele-
fmemo, alera dos rnutWi objectos que Bnham ex-
posto a apreciaco do rtspeitavel publico, man-
oaram vir e acaham ds recbarjielo ultimo vapor
da Europa um completo e variado sortimento de
finas e mui delicadas especialidades, as mines es-
tilo rsorvMos a Vendir, eomo ;8*se>eo por precos muito baratinhos e commodos para to-
dos, com tanto que o Gallo....
Muito superiores luvas de pellica, pretas, bran-
cas e de mui lindas c&res.
Mui boas o bonitas gollinhas e punhos pan se-
nhora, neste genero oque ha de mais moderno.
Superiores pentes de tartaruga para coques.
Lirdos e riqusimos enfeits para cbeija's fias
Exmas. senhoras.
Superiores iroUcas prefes e Be'Wres'eom vidri-
Ihos e sem Bes; esta aienda o qne pode harer
de melhor e mais bonito.
Superiores e bonitos leques de madreperola,
marlim, sndalo e osso, sendo flqrielWs branco? |
com lindos desenhos, e estes pretos.
Milito superiores meiaa fio de Ewossia para se-
nhoras, as quaes sempre se venderam por 30*000
a duzia, entretanto que nos as vendemos por 20<,
alm destas, temos tambem grande sortimento de
nutras qualidades, entre as quas lfenrflas multo
fhras.
Boas bengalas de superior canna da India e
casiaode marfil* com lindas e ocutailoras figu-
ras-do mesmo, neste genero o q*e d melhor s^
pode desejar ; alm destas tefcios \amfcem grandt
quantidade de'outras qualidades, como sejam, ma
den-a, baleta, osso, borfact, etc. etc. etc. .
Fiaos, bonitos e airosos chrcotintu de cadeia e
de outras qualidade?.
Lindas e superiores ligas de sfl a IVirraclin
para segurar as meias. |
Boas meias e seda para Senhora para meni- j
as de i a 12 annos de idsde. i
Navalhas cabo de m.trfim.e tartaruga para faxtT
barba; sao muito boas,* de mais a mais sin ga-
rantidas pelo fabricante, e nos por nosa vez tain-
bem asseguramws sua qualidatfe e Adkateta.
Lindas e bollas capellas j)ara nciva.
Superiores agulhas para macTiia e pa/a e/os.
Lnha muito Boa de peso, frouxa, para nenfer
MovnBwe.
Bons barathof de cartas para voltarete, assm
como os tentos para o mesmo fim.
Grande e varfrdo sortimento das melWtres peir-
fumarias e dos meflfores e mais coihecidos pelr-
mmistas.
GOIABE8 DE BOEB.
Etectricos magnticos contra as convnlsoes, e
facilitam a denticao das ianocentes triancas. So-
mos desde muito recebedores estes prodigiosos
collares, e continuamos a receb-los por todes os
vapores, aflm de que nunca filteni no mercado,
tomo j tem acontecido, assira sois poderao aquel-
los que delles precisarem, vir o deposito do galo
vigilante, aonde sempre encontraro destes verda-
deiros collares, e os quaes attendendo-se ao flm
para que sao applicados, se enderao com um mui
diminuto tuero.
Rogamos, pois, avista dojobjeetos que deixamo?
declarados, aos nossos freguezes e amigos a virem
comprar por precos muito raioaveis toja do gallo
vigilante, ra do Crespo n. 7.
A VERDADE
55Ra do Queimado5t
A VEKDADE tendo em deposito grande
quantidade demiudezase perfumaras, ede
sejando apurar dinheiro e adquerir boa frt
guezia est rssolvida a vender muitissim-
barato, ; por essa razao convida ao respe;
tavel publico a vir competentemente mun'
do a sortir-se do bom e barato. Pois quai
do a Vei'dade apparece, tudo mais des
apparece....
Grande sortimento de nonecos de cera <
massa as mais lidas possiveis vestidas a
racter.
Abotoaduras moderuas para col-
letea .......
Espelhos donrados pepnenos. .
Agulhas de osso para crox a .
Pentes para regac> com esntas a
Ricos globos para candieiro de gaz a
Chamins a.......
Grande sortimento de objetos de
louca para brinquedo de menino
Garrafa com tinta a.....
Dita com agua florida verdadeira a
Dita com dita dita a .
Frasco com oleo de babosa a 500 e
Dito com agua de Colonia a 300 e
Garrafa com agua divina a. .
Frasco com extractos finos a .
Latas pequeas com banba muilo
fina a 120 e.......
Sabonetes de diversas qualidades a
80,160,240e......
Finas escovas para dentes de 120 a
Lindos coques modernos a. .
Pavios para gaz, duzia a 240 e .
Escovas para facto a 500, 600 e
Ditas para cabello a.....
Pentes para tirar piorno a 160 e.
Brincos de cores, bonitos a 160 e
Pecas de tranca de 13a com 8
varas por.......
Oleo para machina de costura,
frasco a........
Peonas d'aco finas caixas a 800 e
Dita d'ago Perry, caira a. ^ .
Galo de algodo pega ....
Lindos babadinhos e entremeios
peca de 500 a. i l(50(
Travessa do Corpo Santo n. 26.
Os acredilados-cylindros americanos para padaria, por dous diferentes systemas.
Machinas para descarocar algodo pelos melhores fabricantes de New York.
Machinas de vapor sy.stema de locomotiva e polas para as mesraas.
Carrinhos americanos para transportar volumes em armazens. Tudo por pre-
cos razoaveis.
00 CORPO SANTO N. 25
Joaquim Kopes Machado C.
, VRITABLES-
'.ROYER '

/FR '
. *?'-.: =e- '

O terdideiro COLLARES ROT1H, n nico ipproradot pela
i academia de Medicina, tem issim como o neos ontroi productos
ttrahido a cnpidet dos falsificadores, qae para facilitar sua criminosa
industria nao sepeja, nem recejad annnnciar Tender falsos Ooxaakm
aut bomi. En prerino as familias pan Interesse de seus Albos
e, para erhar falsificacoes, deven exis;ir, fue meus Oollaim Ibas
ejao Tendidos em caixas de tambas de caite e corredias cobertai
por i etiiqaEtas com a minba marca de fabrica e encerrando na
prospecto circunstanciado, e selladas por ama medalna com o lettreirsv
COLLAR ROYER, Roe St-Ivtii, 225. Piri.
F. f. eriuaou. recommenda ao publico, seus vidros periscpicos aperfeicoa
dos; porque, com esteb vidros, a vista descancau fortifica-se e nao a canea como com
os vidros ordinarios. Urna vez escolhido um vidro, pode durar dez annos, emquanto
que, com os vidros ordinarios se est obrigado a muda-Ios todos os annos e os ter
cada vez mais grossos, o que altera o crystalino do lho e determina quasi sempre do-
res de cabega. O alcance ordinario da vista perto de 30 centmetros do lho, e,
todas as vezes qne o objecto est mais perto ou mais loriga, os raios que expolie sao
[mu convergentes ou mui divergentes e a vislo nao perfeta. Um grande numero de
pessoas tem o defeito de fazer convergir muito de sorte que a viso nao distincta.
Com a applicaco de meus vidros pde-se vencer estas difficuldades. Para os que tem
a vista curta e cujo crystalino mui convexo (o que faz ver bem, de perto, e mal de
32( longe), o que se chama myope, por meio de um vidro concavo affasta-se o ponto de
26t tjsta, o que faz divergir os objectos e deixa ver to longe como as outras vistas. Quan-
do o crystalino muito chato, o que succede aos que tem chegado a urna certa idade,
o que se chama presbyta, vem raeihor de longe que de perto", e nao enxergam seno
ura nevoeiro na distancia ordinaria da vista; com um vidro convexo, estes enxergaro
tac distinctamente como na idade de 15 annos. Servindo-se destes vidros quando e
vista principia eufraquecer, previne-se o mal.
F. J. Berataanu encarrega-se pela sua experiencia, tendente aos olhos, a es
colher, a primeira vista, seja qual for a idade e grao de vista, oculos proprios para
qualquer pessoa,
Para que sao fabricados estes vidros ? ?
201
32
\m
32(
lOt
80
1530(
IfJOOt
72(
50;
105Oi
l0O
16(
32t
60
2XK
32(
70
50
2i(
20
8(
60
l^OO
lf9iO
40
Ditos de louca mnito fino a 120 e 20
Ditos para calca a 160 e. 24(
Caixa com papel amizade a. 70
Ditas com envelopes a. 48(
Ditas com" obreias a..... 4(
Caixa com agulhas fundo dourado 28(
Ditas de ditas ditas a..... 16(
Thesoura para costura a 240 e 50
Caixa com linha de marca a i 28(
Linha de cores em novellos (li-
bra) a....... .
Carreteis de linha Alexandre de 70
t 200..,;... .
Grampos muilo finos com passa-
ros, duzia a......
Cartas portuguezas, duzia a .
Ditas francezas a 2200 e .
Papel almaco e de peso, resma a
35400, 30500 e .
a muito fina para bordar, libra
Fita de algodo para debrum de
sapato3, peca a.....
Ditas de la para debrum de ves-
tido, peca a ......
Pent3 finos para segurar ca-
bello a.......
Ditos ditos de bfalo para alisar
a 240, 320 e......
Ditos para aparar p?nna a .
osetas pretas, par a .
Tranca de la deearacolpecaaiO e
Fita de coz peca a 480 e .
Alfinetes de lato a.....
Sapatos de la para enanca a 400e
Grvala de sedas de cores a .
Calcadeiras a.......
Grande sortimento 8e rendas das Ilhas.
Um par de suspensorio de borradla poi
100 ris! m 111
Xa Verdade roa do Inclinad*
B. ft*.
50<
iO
2K
140
3^00
405O
6*50
m
m
32(
50
lO
10
10
56(
lO
80
20
8(
Mikroskope achroma-
tisenen. ObjetivLin-^ ^ S^
sen.
Barmetro e termos
metre. Centgrado
e reuumeure.
E crystal de rocha do Brasil.
Dcordeiro prevident
Ka do iHctiaiado 1.
Novo e variado so, -o de perfumari*
iDas, e
Mm doccflfplo todeperfs*
manas, de que enectivamente estprovi4a
loja do Cordeiro Prevident, ella acaba 4
reeeber nrn ofllro aortimemo que se ton
ootavbl pela rmiedIWe objectos, superiori-
dade, qnadaflfes VeSftftedidades de pr>
eos; assi,jri,^(Idrde?roPrevident peda
e espita continalr a merecer a apreac*
do respeitivijl rjfbricb^m geral e d sn
boa fregoetia ett particular, nao se ata
mde eTre de sa bem conhecida mansili
a banrteta. m dita loja encontrarlo *
apreciadores do bom:
Agua divina de E. Coudray.
Dita verdadeira de Murray (t Lamman.
Dita de Cologne ingleza, americana, ira
ceza, todas dos melhores emaisacreditador
fabricantes.
Dita de flor de larangeira a.
Dita dos Alpes, e vilete para toilet.
Elixir odontalgico para conservacH
tsseio da bocea.
Cosmetiques de superior qualidade edias
ros agradaveis.
Copos e latas, maiores e menores, vm
pomada' fina para cabello.
Frascos com dita japoneza, transparent
8 outras qualidades.
Finos extractos inglezes, americano! i
francezes em frascos simples e enfeitados.
Essencia imperial do fino e agradavel chai
ro de violeta.
Outras concentradas e de cheiros ignai-
mente finas e agradaveis.
Oleo philocome verdadeiro.
Extracto d'oleo de superior quaiidada
com escolhidos ebeiros, em frascos de difla
rentes tamanbos.
Sabonetes em barras, maiores e menor
para mos.
Ditos transparentes, redondos e em figv
ras de meninos.
Ditos muito finos em caixinha pan barba.
Caixinhas com bonitos sabonetes iattita&o*
fhictas.
Ditas de madeira invernissda contendo %
oas perfumaras, muito proprias para pr
entes.
Ditas de papelo igualmente bonitas, taja
bem de perfumaras finas.
Bonitos vasos de metal coloridos, a 4
moldes novos e elegantes, com p de amv
e boneca.
Opiata ingleza e franceza para dentes.
Pos de camphora e outras difioreaU
qualidades tambem para dentes.
Tnico oriental de Kemp.
Alada mais coquea.
Um oulro sortimento de coques de n*
vos e bonitos moldes com filets de vidrilho
? alguns d'elles ornados de flores e fitai.
jsto todos expostos apreciaco de quw
os pretenda comprar.
GOLLINHAS E PUNHOS BORDADOS.
Obras de muito gosto e perfeico.
FiTeilas e flan para cintos.
Bello c variado sortimento de taes obja*
tos, ficando a boa escolha ao gosto do cob
prador.__________________________
rapC: popinLAB
DA
MB1FA NACIONAL DA BABIA
DE
Teixet'ra Uldurtco J* C.
Achaajse venda este ptimo rap, nico qtv
dc supprir falu. do princeza de Lisboa, por s
e mui agradavel perfume, viajada, e a preco <
niais mdico possivel; o por isso tem .Mdoasaiu
acolhido as pracas da Babia, do Rio de Janeiro
em outras do imperio : no eseriptorio de Joaqui
Jos Goncalves Beltrao, ra do Commercio na-
mero 17.
TASSOIRMAOSftC
Para a vista myope, (vista curta).
Par?, vista que se cobre de nuvens.
Para a vista que por momentos, v es-
voacar pequeos pontos negros.
Para a vista que as palpebras tremem
de fraqueza.
Para a vista que os olhos sSo desiguaes.
Para a vista que se Curva
Iho e a leitura.
Para a vista que nao supporta os ratos
solares nem grande claridade.
Para a vista operada da catarata.
Para a vista que as palpebras estn cer
cadas de saugue.
Para a vista que ura dos olhos myop
com o ""traba- e oatro P^sbyto.
Para evita" finalmente que o crystalino
Para a vista presbyta (vistagalon ). 'do olho se cobra de catarata.
Sortimento de binculos
para theatro, e oculos de
alcance para o campo e* ma-
rinha.
Lunetas, pince-nez e
face--main, ouro, prata,
tartaruga, bfalo, ac,
etc., etc.
Tem tambem grande sortimento de relogios para parede, que do horas e para
cima de mesa dos mais lindos modelo Relogios para algibeira, de onro, prata, prata
dourada efoleada, inglezes, suissos e orisontaes dos melbores e mais afamados fabri-
cantes.
Vendas era grosso e a retalho. Em Pernambuco.
N.21=Rua Nova. 21.
Vendem em siis armazens, no eae3 do Apolw
n. 7, Escadinha n. 1 e ra do Amorim n. 37,
seguales gneros :
Ac de Millo.
Milho em saccas grandes.
Parello em saccas de 90 libras.
Chumbo de munico sortido.
Metal amarello para forro de navic3.]
Machinas para descarocar algodo de
serras.
Kerosene em latas de 5 galSes.
Champagne do afamado fabricante Krug.
Hormouth.
Vinho do Porto engarrafado.
Coaac do afamado fabricante Gautier Prrw.
Fogo da China, caixinhas, 40 carta; n. 1. Ert.
Genebra ingleza Od toni
Cimento Romano.
Cimento Hidrulico.
Cimento Portland.
Gesso para estuques.
Cannos de barro para esgotos.
Gradeamentos de ferro para jardins, calcadas Mt
Carros de mo para servicos de armazens
Garrafoes com 5 galdes de vinagre timo,
dem com 3 galoes de vinagre Unto.
Chumbo em barra.
Lonas da Russia.
Brinzdes.
Estopa superior para saceos.
Cabos alcatroados de linho.
Alcairao da Suecia.
Pixe da Suecia.
Esleirs da India.
Potassa da Russia.
Agua Florida.
Bataneas decimars de forca de 130 a 230 killos.
A KUES
11Ra do Queimado11
Bichas hamburgnezas
Neste novo deposito recebe-se por todos os pa-
quetes translanticos bichas de qualidade superior
e vendem se em caixa ou porcao mais pequea,
e mais barato do que cm outra qualquer parte :
na ra da Cadeia do Recife n. 51, lJ andar.
Cigarros da imperial
fabrica de S. Joo
de Nictheroy.
nico deposito em Pernambuco caes da alfan-
ilega verba n. % 1* anda.
AUGUSTO PORTO acaba de reeeber pelo ultimo vapor da Europa, sqpeweres
sedas pretas proprias para os actos da quaresma sendo:
Gorguro preto de seda o que ha de melhor. -
Grosdenaples preto de diversas larguras e qualidades.
Mantas pretas de blond muito lidas para senhoras. i fl
Pannos e casemiras pretas, pannos azues merinos, bombasinas, princetas e atpa-'
tas pretas e de cores. j
Basqumes de seda e guipure pretos das mais modernas.
Vestidos de blond com manta e capella para noivas, fronbas de esgnio e cam-
braia de linho bordadas, colchas de seda, ditas de seda e la, cortinados bordados para
camas e janellas, vestidos para baptisados, enxovaes pira cran?-e auperiona saias
bordadas.
Cortes de setim de cores e ditos de seda dos mais modernos.
Poupelinas de seda linho lisos e com listras goetos elegante*
Luvas depelica pretas, de cores e brancas para homem e senhoras.
Malas de couro de todos os tamanbos para vi&gens,
Camisas bordadas c lisas para homens e meninos.
Grande sortimento de fazndas proprias p-ra fabricas de engSAtW-qaet'seve^
dera mnito barato, confiando ter sempre as afamadas
Esteiras da India para forrar salas, e tapetes de muites (jua?
hdades.
H.....Ra do QoeMo^-'H



I I
I w
t
Y
4
'
Diario de PernaJplbCO Quiula feira 24 de Marqo de 1870.
DE
BARATAS, NA LOJA E ARMAZEM
__ DO _. *
DE
FLIX FfiREfiKi DA SILVA.
Ra da Imperatriz n. 60.
0 propietario deste grande estabeiecimento,. tende dudo bataneo no fim d
roo, como de costume e vendo qu tinlu ara grande deposito de faiendas, e juntan-
do a essas outras muitas que Ib tera cliegado este anno. tem resolvido fazer urna Ll-
QIDA^O por pre-os muito mais baratos cora o fim de diminuir a qoantidade e apurav
OINHEIR0. ^
O respcitavel publico enconlra oeste estabeiecimento, nao so timgrande sor-
timento do mais apurado gosto e luxo, assim como t#das as faiendas de primeira ne-
cessidade, e de todas se d5o as amostras com penhor: as pessoas que negocian em pe-
quina escalla, nestn casa podem sortir-se de ura ludo, vendeodo-se-llies pelos mesmos
presos das casas ingieras.
Esplendido SOrtmeiltO de Crochs para cadeiras e sofs
roupas feitas
NA LOJA DO PAVO RA DA
IMPEKATRIZ N. 60
Acha-se este grande estabeiecimento cora-
Mamente soitido das melhores roupas,
*nd'o cadas palitts e coletes de casemira,
(panno, de briin, de alpaca, e de.todas
u mais fazendas que os compradores pos-
ma desejar, assim como na mesroa loja
m um bollo sortimento de pannos casemi-
pm, brins, etc. etc. para se mandar fazer
ijaalquer peca de obra, coma nxti'jr promp-'
i dio vontade do freguw, o n5o sendo
O P-">vo tem um grande sortimento dos
mais bonitos crochs proprios para cadei-
ras sofi, mesas, almofadas etc etc., assim
como proprios para cobrir presentes, e ven-
de-se mais barato do que em outra qual-
quer parte,
ALGODO ENFESTADO
Vende-se urna grande porcSo do algodo-
smlio americano oom 8 palmos de largura
proprio para lenpoes e toalhas tendo liso e
trrncado que ss vende por preco muito em
conta.
**hos de linho
Chegou wai grande sortimento de pecas
KEBIA
^?5!g5ss:i* a-
Quaado a AGUIA BRANCA, mais precisa scieolificar ao respeilavel publico em
gral, e em particular a sua "boa freguezia, da immansidade de objectos que ltimamen-
te tem recebido, iustamente.'quaado ella menos o pode fazer e porque essa falta invo-
luntaria ella confia a espera na benevolencia (Je todos que Ih'a attenderSo e relevarlo,
continuando portanto a dirigirem-se a bem conhecida leja da AGUIA BRANCA ra do
Queimado n. 8, onde sempre acharSo abuodancia em sortimento de superioridade era
qualidades. modicidade era precos e o seu nunca destaenttido AGRADO E SIN'CERIDADE.
Do que cima lica dito se couheceque o lempo de que a AGUIA BRANCV pode
dispr, emprogado apezar deseus cusios no desempeoho de bem servir a aquelles que a
Itonram procurando prover-sc em dita loja do que necessilara, entretanto sera ennume-
rar os objectos que por sua naturexa sao mais conhecidos ali, (illa resumidamente indi-
car aquelles cuja importancia., elegancia e novidide os tornara recommendaveis, como
bra seja
Corpinbos de cambraia, primorosamente
enfeitados com litas de setim e obras essas
cuja novidade de molde operfei$So de ador-
nos os tornara apreciados.
Fitas mni largas de diversas cores e qua-
lidades para cintos.
Leques uesse objecto omito se podei a
dizer querendo descreve-los minuciosamente
por suas qualidades, coree e desenhos, tal
o grande e variado sortimento que acaba
de chegar, mas para i-ao massar o pretn-
deme se lbe apresentar o que poder de
melbor.
Entremeios em pacas de 12 tiras.
abrigados a acceita-Jas, qundo sao stejam de de |iho do p^ sp ^ Gui branco ftret0 de diwrsa9 qa^
ompleamei.te ao seo contento, assim como ,ia7nn *f tunn^* ,,., namn*;in.u v,.\,noe ri0Onhn
vasto estabeiecimento encontrar o
compltame
e'este
P8poit?.vel publico um
anises francezas e inglezas,
inbo e algodSo e eutros muitos artigos
tjroprios para hornees e sep.horas promet-
-.ndo-se-lhe vender mais barato do que em
utraqualquer parte. Na ra da Impera-
r n. 60, loja c armazem de Flix Perei-
ra da Silva.
Pechiacha n 2#00
Para lenoe3.
Na loja do -Pavao vende-se superior bramante
om 10 palmes de largura, dando a largura o eom-
ftrimeato do iencl, sendo apenas preciso para
cada lencol ura e meio, cu a.it e uir quarto me
tos ; afm desia aplicaclo tem outras muitas
para arranja de familias e vende-fe pelo barato
(reco do SfOOO o metro. Na loja do Pavo, ra
da unper&triz n. 60. BeTelix Pereira da Silra.
Ciaugas de llnfco
Vende-se gangas de linho com qua Irinbos
muito boa fazenda, para roupa de hnmer.s
a meninos e vende-se pelo barato pre^o de
500 rs o covado:
PECHNCHA EMVAN.VO PEETO A 2:460.
O Pavo vende superior panno preto fino,
para.pallitots, caigas, col leles, etc., pelo ba-
ratissimo preco de 2: iOO, o covado, gran-
de pecbincha.
Cor es de eatsenilrapretaa 490
O Pavao vende os superiores cortes de
caserairas pretas enfestadas, pelo barato
oreco de 4:500, pecbincha.
PECHNCHA, ALG0D6SINH0 A 4;000,
O Pavao est verfdendo pecas de algo-
dosinho francez, tendo 4 palmos de largu-
ra com H metros cada peca, pelo barato
preco de 4)J0G0.
Pe^as de raadapoo a 3:feOO.
O Pavo vende pecas de muito bom raa-
apolo tendo 1- jardos cada urna pelo ba-
rato prego de 3:500.
GROSDENAPLES PRETOS.
Chegou para a loja do Pavo um grande
aortimento da grosdenaples pretos, tendo
de 1(5500 at 5000 o covado neste genero
os melhors e mais largos que tem vrado ao
mercado, assim como bonitas sedas pretas
avradas, ruoireantiqueeetc., todas esias fa-
iendas, vendem-se mais barato do qoe em
outra qualquer parte, por haver grande
porco.
PERCALLAS E CHITAS BARATAS.
O Pavo vende um grande sortimento
das mais bonitas chitas claras e escuras, mais
carato do que era outra qualquer parte,
t'assas a *4tt rs.
Vende-se na loja do Pavao bonitas cas-
aas de cores tixas a 240, 280 e 306 rs. o
covado.
Camiiraiag brancas a 4:000 a p$a.
S o Pavo vendo pecas de cambraia
branca transparente, tendo mais de vara de
largura, com 10 jardas cada pega, Cazenda
cae sempre se vendeu a 7000 e 85000,
iiqaida-se pelo barato preco de 40000.
Alpacas brifhantes a 1, e WOO.
O Pavo tem o mais bello sortimento de
alpacas lavradas com as cores mais delica-
das qoe tem viudo ao mercado e tendo bas-
tante larguaa, vendem-se pelo barato prego
de 1)91000, e 800 rs. o covado.
Boa pinga do Bouro
1 3Offi
Flix Pereira da Silva, ru da Imperatriz n
49, acaba de rereber urna nova reaessa do seu
muito acreditado vinho puro do Oouro, e muito
proprio para este clima por nao ter e,oufeccao, e:
vende em barris de 10 a 2if.
Com palmas de.seda a 1*00 rs.
Para a loja do Pavo chegou um rico
aortimento das mais bonitas I5a6inhas com
palmas de seda tendo de todas as cores e
padDes, sendo fazenda bastante larga e
vende-e a 4^00 o covado.
AS CHITAS DO PAVO
Veode-se um brhante sortimento de
chitas clara e escuras por pregos mais ba-
ratos do que em outra qualquer parte.
ftetapa para escravos
Vende se na loja do Pavo, um bonito
aortimento de roupa par escravos.
AS POUPELiNAS DO PAVO A 500 RS.
Chegaram as mais lindas poupelinas de
iaa com iraitago das poupelinas de seda,
na fazenda muito leve com as mais lin-
Ijrto, cnsanto, perolla etc, etc, e venue-se
palo baratissimo preco de 500 rs.
ALPACAS LAVRADAS
Veode-se as mais bonitas alpacas lavradas
com os melbore gostos a 640, 800 e 44000,
o covado, alpacas lisas de todas as corea a
640 o 720 rs., alpacas brancas lavradas i-
aas e de cordo.
de 700 rs. st I($000 a vara, garantindo-ee
^'i'u ZT^lZ Iue era f8Wntla e Hrrho nao ha nada me-
bello sort mente de ^hor> DeraHnais proprio para tengoes e ^
PEORICHA EM CHAPEOS DE SOL
Chegou um grande sortimento dos me-
lhores chapeos de sol de seda, inglezes ten-
do neste artigo o melhor qe tem vmdo ao
mercado assim oomo urna grande porgo de
ditos de alpacas de todas as cores e todos
se vendem por prego muito mais bsrato do
qre em outra qualquer parte, por haver
grande pcrcSo.
Os bale^do Pavao a 2000,
Chegou u grande sortimento de bales
ou crenolinas do feitio mais moderno muito
.proprias psrra vestidos ennesgados que se
vende pelo baratissimo preco 3q 2$000 ca-
da um grande pechincha.
CRET0NE3 JUATISADOS PARA VESTIDOS
A 640 E 800 RS.
Para a loja do Prva chegaram os mais
bonitos crotones escuros matisados, pro-
prios para vestidos, roupo chambres etc.
que se vendem 800 rs. o covado, assim
como a mesma fezenda em -padrSes claros
proprios para vestidos e roupas de meni-
nos a 640 o covado, sendo os padrees mais
modernos que tem vinpo ao mercado.
m n il m\m de
LA9NHAS LUSTROSAS A400RS. 8 CO-
ViBO.
S o PaYo
Veade-se um grande sortimento das
mais modernas e elegantes lasinlias para
vestidos, com as cores mais novas que tem
vindo a este mercado, sendo com listrinhas
miudiuhas que parecem Ae urna s cor e
cooi tanto lustro que imitara perfeitarnente
as [xupelinas de seda, e vendem-se pelo
barato preco de 400 rs.
Os setins do Pavao
Vende-seos mais bonitoc setins de res
mais encornados proprios para vestidos
\iendo de diversas cores.
FAZENDAS PARA LUTO
Vi loja do Pawio.
-facontra o respeitavel publico oeste estateieci-
eato um graude sortimento 4e fazendas pr?4as,
tomo sejam, cessas franr^zas e inglezas, chitas
jrecas de todas as >ualidades, azenda de ia de
to&s qne tem virido, propriE para lato, como
ejam," lazifllHts, alpacas iavra?.s e lisas, cao!o,
aool)aiinas, merino, etc., que tad9 se. ven Je por
reo barato.
Vadapolac francez a 71000 -s*
Vende-se pecas de raadapolo fraocez
voaa 22 metros pelo baratissimo preco de,
7^000 a peca, pechindia.
Alias Bondades m sedas
Chegou nm grande sortimento das mais
noderoas poupetioas ou goi-gures de seda
'. linho com os mais elegantes padres que
tem vindo a este mercado sendo, miudos e-
lidafle e desenhos.
Ditos de algodio com flores e lisos.
Veos de seda para chapenas e monta-
na.
Meias de sea para noivas.
Ditas abertas de fio de Escossia.
Costumes on uniformes para memnos.
Enxovaes completos psra baptisados.
Capellas brancas para meninas.
Grandes sortimento de llores finas.
Fil de seda, preto.
PERFMARLV
Grande e constante sortimento de dita,
sempre melhor quajiJade.
Lindos vasos com p de arroz e pinsel,
Caixinhas com dilos aromticos.
Ronitos e modernos pentes dourados
para circular o coque.
Ronitos brincos de plaquee.
Aderecos e brincos de raadreperolr.
Caivetes finos para abrir latas.
Thesouras para frisar babadinhos.
Aspas para balo.
Novos stereoscopos com 48 vistas, as
quaes sao movidas por um machinismo
urnas substituetn as outras.
Vistas para stereoscopos.
Bonitas caixinhas de vidro enfeitados com
pedras.
Ditas de madeira en,,ernisada com vspe-
ras e com dminos,
Rollas de borracha para brinquedo de
Tonquinhss de fil, sapatinhos bordados enancas.
meis para ditos. i Diversos objectos de porcelana, proprios
Camisinbss bordadas para ditos. para enfeites de mesa e de lapinhas.
ABA A FESTA
Vende-se por menos de 10, 20 30 i0
SO' NO
All CONSERVATIVO
N. 23Largo d^Ter^o,N. 23*
DE
SIMAO DOS SANTOS ir C.
Os preprielarios deste bem sortido armazem de secco e molhados esto re-
soh'jdos a fazere urna grande diminuico de precos as suas mercadprias, como se apro-
xima a festa e sempre se fazem avultadas compras para o centro e praca, por
isso previnem ao respeitevel publico em geral, que maade fazer suas despencas e cer-
tos-de que veri^ a grande differenca em presos mais do que em outra qualquer parte
e -garanlindo-se as superiores qualidades.
GA2 AMERICANO StfoOO a lata, e 4401 SEVADINHA E SAG 280 rs. a libra e
fs.* garrafa e 660 rs. o litro. $20 rs. o kilogrammo.
ViNHO VEfiDADEIRO FIGUEIRA 560) FARINHA DE ARARUTA VERDADEIRA
a garrafa, e 4#300 a caaada e 800 rs o ti- 640 a libra e 44400 o kilogrammo.
tro. BOLAXINtIA 1NGLEZA MUITO NOVA a
DEM DE USBOA das melhores marcas, 400 rs. a libra e 800 rs. o kilogrsmmo.
460, 440 e 500 rs. a garrafa, a 2*4800 e i VELLAS DE ESPARMACETE 720 rs. o
3^200 a caada, 660e 720 rs. e litro. (masso, em caixa ha abatimento.
rf)EM BRANCO DE LISBOA a 44000.' PH0SPHOR0S DO GAZ E DE SEGU-
a cenada e 560 a garraa, e 840-rs. o litro. 'BANCA, 280, 400 e 560 rs. o masso,
ViNAGRE VERDADERO DEJLISBOA 34200 e 64SOO a groza.
200, 240 e -320 rs. a garrafa, 44400,
4^800 e 24200 a caada,
AZEITE DOCE DE LISBOA 00 rs. a
garrafa, e a 74 a caada, e 44340 o litro.
MANTEIGA INGLEZA FLOR 44400 e
44280 a libra, 34060 e 24780 o kilo-
graamo
AMEIXAS EM LATAS E CACHINHAS
DE MUITOS TAMANHOS 44280, 4500
34500,44500, 54500 a lata e a retalho e 44
a libra.
GOMMA BE MILHO AMERICANA 400 rs
o masso, e om caixa ha abatimento.
BATATAS NOVAS DE LISBOA 60 rs.
DITA FRANCEZA 960, 900 850 rs. a libra> em caixa faz-se abatimento.
a libra, e 24400, 44989 e 44860 o kilo- SER VEJA INGLEZA MARCA O 54500
grammo. a duzia e 500 rs. a garrafa.
DITA PARA TEMPERO 560 rs. a li- i DEM BASS, VERDADEIRA IHLERS &
bra, 44220 o kilogrammo, em ponjao se 4BELL, 800 rs. a garrafa e 94 a duzia.
far abatimento. I VINHO DO PORTO ENGARRAFADO DE
BANHA DE PORCO Bfi BALTIMOOR BIVERSAS MARCAS 44500, 44200, 44 e
720 rs. a libra, t 44560 o kilogrammo, em 800 rs. a garrafa,
porco se fara abatimento. GENEBRA DE HOLANDA E HAMBUR-
ARRQZ DO MARANHO E DA INDIA GUEZA 74 e 64 a frasqueira, e 800 rs. o
frasco.
?raados, tanto em cortes para vestidos corno! 34400 a arroba.
120e rs- a libra, 260 rs. o kilogrammo e
para vender em covado, assim como um
Qond sortimento das mais bonitis sedas
listratas qoe se vende tndo muito em conta
CERA OE CARNAUBA.
Vende-se urna gxaad porco de Gcra de
-.arnauita em saceos por preco mais barato
lo que em outra qualquer: na loja do
3av5o ra da Imperatriz tn.-50. De Flix
freir da Silva.
Merln de cordo
Vende-se merino preto de cordao pna-
prio para calcas, palit 't;, e colletes, pelo
baratissimo preco de 44000, o covado,
MOLESTIAS do PETO
HYPPHOSPHITOS
dODTCHURGHILL
XA0P de H YPQPHOSPHTO de SODA
XARQPE de HYPOPHOSPHiTO de CAL
PILULASdeHYPOFHOSPHITOdepNINO
HK'ftOSt ANEMIA
fciSS PtDAS
XARQPE deHYPOPHOSPHITO de FERRO
PHULAS deHYPOPHOSPtfrBdeKANBANP?
ISSl 8R0NCHITIS
nen.uxns- asthma'
PiSTIIdlASPKT()n^ES^D'GHimCHILl
Exigir par* os xaropes o fraieo quadrUo t em
todo o proiuctot a utiputon do D" CmXTB.-
OmXA, e o Irtreir cow Bmre e fabrici d
PknPKtaW4WW,ltJriaCMi ALPISTA 200 rs. a lra e 440 rs. o
kilogrammo, e 640f0 a arroba.
CAF EM GRAO i 60 e 64500 a arroba,
200,240 e 260 rs. a libra, 4*0 e 520 k. o
kilogrammo em sacca se-fari abatimento.
SABAO MASSA i40 e 20 rs. a libra,
520 e 440 rs. o kilogrammo, em caixa se
faz abatimento.
MASSAS PARA SOPA, MACARRiO, TA-
LHARN E ALETRIA, i 60 ra. a libra>
44220 o kilogrammo.
ROLACHINHAS EM LATAS DE DIVER-
SAS QUALIDADES, bem como perola bri-
Ihante, combination, Francy-crcynel, mixed
Britania. Mdium, Fancy-nie-nac", a, b, c, e
soda a 44000 e 44400, cada nma lata.
Assim como ba outros muitos
DEM DE LARANJA DOCE AROMTICA,
444 a frasqueira e 44 o frasco.
eUEIJOS DE DIVERSOS VAPORES,
34000, 24800 e 24400 em caixa ha abati-
mento. '
TOUCINHO DE LISBOA MUITO ALTO
400 rs. a libra, e 880 rs. o kilogrammo,
e 444500 a arroba.
LfNGUICAS FINAS PROMPTAS EM LA-
TAS 44000 rs. a lata.
LOMBO DE PORGO ASSADO JA'PROMP-
TO a 44000 rs. a lata.
CHA FINO. GRACDO E MIUDWHO
34200 e 24800 a libra, e 64400 o kilo*
grammo.
DEM PROPRIO PARA NEGOCIO 24000,
21200 e 44800, rs. a libra.
gneros, visho em ancoretas, azeitonas,
muito novas, passas e figos novos, charutos de diversas morcas, marmeiada, feita pelos
melhores cooserveiros em Lisboa, gela de marmello, pcego, enilhas, em latas, por-
tuguezas e francezas, vinho verde engarrafado reytlho, peixe em latas, bem como
pescada, tainfif, pargo, goraz, lula, corvina, vezugo. cavala, sarda e sardinhas de Nan-
tes. Canelta, eravo, ervadoce, cominho, pimenta, grandesmolhos de sebolla 44500.
1 Finalmente muitos ontros gneros qne enfandonho menciona-los.
Na loja e armazem do PqtIo ra da Imperatriz n. 60.
PARA A FESTA
% portas, loja de foivagem
53-Sua Direita--53
Neste pande estabeleeimeoto, ha para vender
um completo sortimento de ferxagem, e miudezas
Anas e grosgas, como sejam bandejas chinezas
uadradas e ovaes, facas e garfos ae 1 2 bo-
i, bataneo inteiro e 1/2 batane/); paneilas, cha
Iheiras, cacarollag, frifrideira^, assadeiras, tanto
de ferro como de porcelana, moinhos para caf de
diversos tamanhos do fabricante Japv, pesos kilo-
gnwimos, tamo de_ ferro eomo de i'atao, metros j para madeira necssaria, bom
para meflir fazenda tanto de ferro cono de lataq,'v
CEMENTO
PORTLAXD. '
Vende-se no armaiem amarello de Vicente Fer-
reira da Costt A.Filhe, dpfrcnte do arco da Con-
ceicSo, em barricas grandes
VENDE-SE ou arrenda-se o engenm
S. Gaspar, sito na freguezia de SerinhSenii
comarca do Rio Formoso, prximo do em'
barque, com grandes partidos de pal t
massap i roda da moenda, mattos maogue
pasto, etc.:
ffilfbKbiKS^^ 26, ou nad4
do,doyrda4eiipieairdQ, aMcbwas para desea-, imperador n. 20, __________________
Lagedo
Vende-se lagedo par* ealcadts e arraazens por
preco commodo : na ra do Apollo a. 4.
roca* algoaao; alera de outros artigos de. ferrar,
geni, moqezts entilaras teas, que s om a vis-
ta se vernoa; na roa dfren n. 89 Ioj de 3 pof-
tas de Manoel Bento de Otiveira Braga C.
1WS EM GROSSO
PABA NEGOCIO
por nm m muito baratos
no bazar da moda
Sua Nova n. '50
Coques imilaco de cabello,
guarnecidos de bellos enfeites
ultima moda, a duzia .
Papel superior de quadrinhos,
em caixas com 20 cadernos a.
Envelopes porcelana, muito boa
fazenda o mhejros em caixi-
nhas de 400 .^. .
Rotoes de osso bem pulidos para
calcas, a grosa .
Ditos cobertos de superior setim
de todas as cores, a grosa dos
pequeos a 3^000, e dos gran-
des a.......
Ditos com interessantes photo-
graphias para punhos a duzia
de pares a......
Ditos de osso imitando o marfim
cora leltras a duzia .
Dilos lizos muito boa fazenda a
duzia.......
Aboluaduras para camisa sendo :
botes para os punhos, 3
para abertura e 4 para o col-
larinho hraucos, escarlalates,
o pretos a duzia ....
Brincos de cores a balao, cousa
muito chique a duzia de pares.
Lindos frasquinbos empalbados
com bom extracto para lenco
a duzia.......
Ditos em bonitas caixinhas ca-
da frasco a duzia.
Tinta para marear roupa, muito
superior cada frasco em sua
ca-xilina a duzia. .
Livrinlios com capa de metal
domado e com bonitas orocoes
para a missa a duzia. .
Sabonetes de amendoas amaa-
gas especialidad do BAZAR
OA MODA, a duzia .
Lapis pretos de superior qual-
dade, oitavados a grosa 3$ e
Escovas linas para denles a du-
zia a 4#60O e.....
AlQnetes muo bons, brancos e
pretos, a duzia de caixinhas a
Pen'es pretos de muito boa qua-
lidade s grandes para alisar
a duzia.......
Ditos amarellos fazenda superior,
para piolhos, a duzia.
Ditos de borradla com costas de
metal para repassar, a duzia.
Ditos enfeitados com contas de
cores a duzia a -i-?, 5$e. .
Interesssantes coquinhos capri-
chosamente escullidos dentro
com um bom e lindo rosario
a duzia 10,1 420 e .
Grande sortimento de miudesas.
Grande sortimento de quinquilharias.
Grande sortimento de perfumaras.
Pagamento realisado t.o mesrao mez da
compra com descont de 40 o/0, ou letra
acceita a seis mezes de praso.
Jos Soaret de Soma & C.
m gaz m
4000
640
70500
220
40000
50COO
80500
30500
80000
10000
8*00
60OO
60000
70500
20509
40000
30000
20800
2f)700
10700
20400
C0OOO
140000
COGNAC.
De superior qualidade da mui accredita
da fabrica de Rrsquit Dubouch & C, en
cognac urna das que mais agurdente d<
cognac, fornecem para o consummo d<
Reino da Inglaterra.
Vende-se em casa de Th. Just. ra di
eommercio n. 32.
BRACO
Ra do Imperador n. 26
Neste nevo estabeiecimento encontra-sf
diariamente um variado sortimeuto de bo
lihho's para cha, pastis, podras bollos in-
glezes, pes de lo. presuntos, ditos tm fiam-
bre, superior cha Hysson, preto, e miudi-
nho. Vinhos finos de todas as qualidades
conage, licores, conservas, champagne, cer-
veja ingleza, fructas muito boas, por-
tuguezas e francezas.
Um completo e variado sortimento de
caixinhas de todas os gostos e precos par
mimosear senhoras, estas caixinnas recen-
temente chegadas de Paris sao de primora-
do gosto, offeresse-mo-las aos galanteado! es
do bello sexo pois nellas acbarao nm digno
e serio presente para as donas dos seus
pensamentos. Tambem os apreciadores da
boa fumaca encontrarlo charutos dos me-
lhores fabricantes da Bahia e de Havana
sganos do Rio de Janeiro etc. etc.
Doces d'ovos seceos, ebristalisados e de
calda, ditos de caj e de outras qualidades
Nesla casa recehem-se encommendas para
baes, casameotos e baptisados e qualquet
encommendas avulss, como seja pao de 16
e bollos enfeitados e outros muitas couzas
que enfadonho mencionar.
CEMENTO
O verdadeiro portland. S se vende n>
ra da Aladre de Deus n. 1% armazem d
Jo5o Martins d'' Barros.________^___
rOlRElRADAS
tem constantemente om seu armazem, ,i ra da
Cruz u. 26, um completo sortimento do
Bataneas decimae?.
Ditas oriontaes.
Pesos de ferro pelo evHteraa decimal.
Bombas California para poco5, as melhores que
tem apparecido ate hoje.
Chamines de vidro para candieiroe a gaz.
Lonas de todas as qualidades.
Agua florida.
Graixa em noiSes n. 97.
Vidros para vidraca.
Tnico imperial.
Chegou ao antigo deposita de Ucwy t oj aior
C, ra do Imperador, nm carreganipnii I- gzx
de primeira qualidade; o quai sewmdrem pirtidaf
e a retalho por menos preifo doKjn- ni quer parte.
Sementes
De hortalicas novns e sag a 120 reb a libra,
no Balisa, rna do Livramento n. :>8_________
[snwttths
do sillo adhesiv
A' venda na ruado Vigario n. I, primeiro an-
dar.
a loja do Passo
Os rcquissim'os cortes de blondo de seda con
mana e capella para casamento, sendo ueste ar-
tigo o t|iie se pode desejar de melhur o D'ais mo-
derno, tambem chegarant os cuites 4* seila de efi-
res nnvidade, c outras muitas fazeodas de gosto
que chegaram pelo ultimo vpor ftancez, pan
a loja do Pas.-u a ra do Cres|K> n. 7 A.
ESCRAVOS FGIDOS.
Fugii) do engrnho Cainaranibe na treyuezia
de Scnnhiem pertencentes a Gaspar Manrici-
Watnlerley os escravos seguiiles : Samuel criou-
lo baiso, proco, nariz chalo, diz ser da finsli por
ter sido comprada pequeo, Juo Cabcculo de ida-
de trilla e lantis anuos, pe rli.;, s. ventas arre-
bitaila-, estatura baixa, cor li isa Ja. ponca b;irb
e esta na pona do queixo, Pelippe nMlat de ida-
de de 16 anuos pouco mais ou men *, batxo, groa
se, sem defcilo alguin, levo bixes em pequeno. po-
rm pouco apparere ; por isso pede so as autori-
dades policiaes c capitaes de camp a captura do*
mesmos e lvalos no mesmo engenho ou na ra
da Maeda n. 5, u andar escritorio de Manoel Ai-
res Ferreira A u que serao gratificadas.
Fugio do engenho Boa-vista, na c marea de
Camaragibe, provincia das Alagoas, o eser.ivo Ni-
colao, de idade 31 anuos, altura refalar, aio-s.
do corpo, andar banzeiro. tem falta de doiaa na
frente, rosto largo, barbado, cosluma t \ ?e- fa-
zer toda a barba, tem urna cicatriz na tela, e o
ps grossos ; esto esrravo anda futido .l.'-.l- o da
16 de Janeiro do corrente anuo : ruga se portanto
s autoridades policiaes e aos espilles do tf%m a
apprebensao d .sse esiravo, a entregar no enge-
nho acim mencionado, ou nesta pra a ruado
Vigario n. l, ou travessa do Corpo Santo n. 25,
i andar, qne s< giatiflcar generosa >)enle. .
Engenho Para'
Deste. engenho Para, freguezia de Ipojuea. fngi*
no dia 21 do corrente n.'z o. escraro loaimim.
crioulo, de idado de. 20 annos, boa figura, sem
barba, caneca redonda, dentes limados, f i crin de
Luiz Antonio Honteiro, da fazenda da Biea, fre-
guezia da Pedra, f i vendido ao Sr. Mahwl Ca-
valcanti de Albuunerqne Bairao, e de*te ao ineu
sobrinHb Jos Alves Marinlio Falca", de quera o
houve por compra : quem o levar em dil .-i.ge-
nbo, ou neita pra^a ra da Cruz i;. 34, itielur
boa gratificarlo.
Jos Valenlim Vieira de \H-I1>.
Fugio uo dia 26 de fevereiro, pi-ia 2- v.z, ?.
oscrava criouia de nome Belizaria que repai senta
ter 40 annos, estatura baixa, com giando klla de
dentes e com nma sicatriz de quemadura uo bra
qo direito, leudo levado dous ebaies. send" ut
verdee outro listado de azul e hranc >; i\wn
a capturar sirva-se leva la a l'onte de U.-l: a
sitio de Joo Jos Rodrigues Mandes, ou a ra
da Madre, de Dous n. 28, que sera guaerusamenU
recompensado.
Fugio do engenho Minhocs, da rornare de
Santo Antan, no da 20 de junho do anno paspado,
o escravo de nome/Francelino, repiesriiia ei 3S
annos de idaile, com os signaes segnii la o r
preta, baixo, corpo retorcido, cara larc., I a*ii u
barbado, olhos pequeos, nariz muito afi ado, boc-
ea regular, dentes curtos e limados, muit > n s>s-
ta e andar apressado ; eonsia andar pel. I ir-
Dios da cidade de Olinda, engenho Fraguo, i j in-
ca, Ber-eribe ou Apipucos, acoulado por y aoi im
Jos de Sar.t'Anna, seu irmao liberto, n ifiMI '< ra
em suacompauhia urna cab:clha e lillios da n^-
ma, e por outro irrno de nomo Jos Bap> k, qi e
o conduztra para os lugares cima inndiciii s,
alem de um outro sol'o de nome h {ornaros
da Silva, conbecido por Jos Paje, por ter vindo
daqnella comarca. Bogase s autoridades p ca-
pitaes de campo qne o apprehendam e nieven
ra do Rangel n. 17, ou no engenho Minhi as. a
entregar a seu senhor Joo Correia de Quuioz
Monteiro, que serlo generosamente gratificad s.
Anda fgido desde 26 do fevereiro pr xi-
mo passado o escravo Joao, preto, estatura b;iixa,
trido picado de bexigas pelo rosio e falta de il.-n-
tes : lovou vestido camisa branca, e levmi mais
outra de riscado de listas. (Juem o pegar lew-o a
pra^'a da independencia loja de Pollo & Ba>tos,
que ser recompensado.
150^000
Fugio do engenho Bom-iardim, freguezia da E>-
cada, o prelo jlan<,el, idade 30 annos, poiic.i mais
ou menos, estatura regular, espigado, camlia- li-
nas, ps pequen s, ponca barba, muito 'allante,
tem falta de um podaco de urna das orcinas d la-
do de cima, anda sempre com o chapeo lombado
paraesse lado para encubrir a falta do ped*i da
dila orelha, deve estar acoutado em um logar cha-
mado Toca da Pac, em confins da E>eada e Beni-
to, em um lugar quasi diserto, com urna crola
forra, prole, gorda, e nariz chato, com qu ni o
mesmo preto fugio, desconfla-se estar no lugar
cima por dita negra ter abi m irmao ; roga-e
portanto as autoridades policiaes e ao sniores
capilcs de campo a captura de dito ewravo c i
conduzam ao dito engenho cima, ou a entregar
noRecifc aos Srs. Rodrigues Almeida & C a ra
estreita do Rosario n. 47 ao voltar para o pslM
do Carino, que sera recompensado com a qnantu
de 130*.
Ausentou-?e a perto de dous mezes de cas.
de seu senhor a escravapreta fula de nome Mina,
com perto de 50 annos de idade, alta, gorda, mui-
to regrista, foi eserava doSr. Dr. Amaro, roi-sta
que anda nesta cidade e tom sido vista no bairro
da Roa-vista e cqS. Jos com taRdeim na ra-
bf ca : quem a apprchender e dello poder dar no-
ticia exact-, diryase ao pateo do S. Pedro n. 11,
quesera gratificado.
V
Fugio desde o dia, 16 do corrente o eabrinha
Benedicto^idade de 15 a 16 Jannos. o qual se in
titula forro, e consta a seu senhor i ndar aqu pela
cidade, tem o mesmo os seguimos signaes : so
falla sur rindo, tem a bocea grande, beics gros-
sos, denles quebrados, e levon vestido camisa de
algodo branco, caifa escura c chapeo vellu. ; re-
commenda-se as autoridades ou a que-iu o appre-
hender de leva-lo loja de sapatos e JoaquVii
Pereira Arantes.
Fugio do engeeho Cedro, freguezia do C bo,
hoje 21 de marco, o escravo cabra, de rumie An-
tonio, altura regular, corpoleut), espodaudo. bar-
ba nova, todps os dentes, porm limadoi, cabello?
carapinbos, ihos grandes, nariz grosso bocea re-
gular, ns e pernas bem feilas, lera lalla macn e
olh; r baixo, Alho de Pi me da Parabvba do Nor-
te, e foi escravo do r. Jos Jloreira de Oliveira.
pai do reverendo padre Saturnino ; lev. u um ca
vallo rudado rxo, inteiro e gordo, um sacen d.-
couro com roupa e nma rede : gratifica--o bem a
quem o levar ao referido engenho, ou ra da
Praia n. 59, 3 andar
Leque de madreperola cora seda, e todos di
rnadreporola, muito proprio para n?i as, ebega-
ram aloja do Passo a ra do Crespo n. 7 A, as
sin eomo requissimos chales de touqaim de lo
da a cores, vestuarios bordados de oarabrait
pana baptizados, meias de escocia (novidade) mui-
to bonitas para asExmas. Sras. que gostam andaj
de sapatinho ras e oulros nrattos artigos de gos-
to que os proprietarios deste osiabetecneoto leen
reaabido._____________________________
Estampilhas.
Vendse na roa da Cruz o, 8, i aadar.
Negro fugiio.
Auzentonaeno lia 14 do orronlo da pa4a-
ria da Soledade, da casa de 9u lenbor.um escra-
v) crioulo, bai^o, corpo regular, te* um signal
uum oiiio, pareco urna bellida, pouca barba e es-
sa no queixo, chma-se Honorato, de idado 17
annos, levou calca azul de abrolo ja parda, ca-
misa do n.esmo branca, o um bonet utado.
tre de maceira ; julga-e estar por ah em algu-
ma padaria.e,oabAiwass|gnadodes.Ij ja protes-
ta contra quem o tlvor aeonau
tiflear generosamente a qnt-m o irooxer a
senlK'r.
Manoel Jorge de Souza.
UnN. l


8
Diario de Pernambuco Quinta feira 24 de Marco de 1870.
i



LTTTERATKA.
Poesa recitada p"r cea*la
da cargada do 53 corpo de
voluntaros da patria.
Se outr'ora Grecia e Alhenas,
Recbiam os vencedores
Com tppl ansas, com louvores
Tecendo cor*! mil
Moje Pernambuco allivo
Recaba o;, bravos contente
Mostreado que lambem senlc
Euthusiasmo febril.
Se os guerreiros de Roma
Tralo carros triumphanies,
Pedias finas, diaman.es
Com que ornavam, as testas
0 brasileiros mais livres
So querem receber flores
as frontes dexndo odores
Acompanh.das de fustas.
Hecebei, bravos guerreiros,
Estes hyiunus, estas llores
tistes cantos e louvores
Ternos ^pertos. de mo
Hecebei cheios de jubilo
\ beoco de vossos paes
Mil bregos fraternaes
Nascbs do coraco.
Por tanto Pernambucanos
Nao-ce.seis um s momento
De mostrar contentamento
^ Pela viada destes bravos
Urna vez que foram livres
A guerra em busca da gloria
Trazendo em punho a victoria
Calcando aos ps vis escravos.
Recife, 18 de marco de 1870.
Joo Americo de Carvalho.
dizer
Os brilhantes do Brasileiro
Por Canillo Castello Brauco.
(Continuaco)
Pantaleo Athanasio trocaram uns lances
d'olfaos velbacos, em que Hermenegildo en-
t ju com o seu contingente de fino marto.
Isso verdade apoiou o marido da
Francisca Ruiva A gente se for a dar ou-
is canalha, est perdida com a sua vida.
Um liomem tem semprerabos de palha. Mis
eu aodo tanto ao seguro c respeito de
miaba honra, que desalio o mais pintado a
de miaba mulher isto ou aqailhf.
Desta vez os olhos de Joaquim encontra-
rsm os de Atbanasio, em quanto Fialho l
entra si dizia: Eslaes arranjado com a vir-
udedetua mulher...
Meus amigos, disse Athanasio seu
Urno isto ierra de calumnias e aleivo-
sias. A oveja vinga-se em nos ferir no mais
sagrado de nossasalmas. Aquiestoueuque...
0 truculento homicida do caixeiro ia fazer
o elogio da consorte, quando Barrosas bradon
impacientemente:
Entao em que Acarnos, senhores?
^r- Em que ficamos? perguntou Alha-
isio.
Sim! os amigos esto ahi a palavriar
em objectos que nao vem collecco. Ora
Hue tenho eu que as suas mulheres sejam
iito ou aquillo." Se sao boas e virtuosas,
deem grabas Dos, e tratem de remediar
este contra lempo.
Nao tem raso de se agoniar, amigo
Fialhocontrariou mansamente Pantaleo.--
Jsio veiu ao caso de voc perguntar se tinha-
mos ouvido fallar de sua mulher...
Mas ooviram? accudio arrebatado o
-poso de Angela.
Eu nao Icondisseram os tres simul-
tneamente;mas voc bem sabe, ajun-
tou Joaquim Antonio, resalvando melhor
jaizoque nos ninguem nos dizia nada
I ji que sabem que o Fialho e nos somos
carne e unha.
Simobtemperou Pantaleo pode
*er que haja alguma cousa; mas pelo que eu
sei nao perde ella.
Mas voes entendem que o dinheiro nao
fji para esmolas... repisou o marido in-
i jmmodado.
Sim eu...murmurou Joaquim.
A fallar a verdade.. disse outro.
E' muita esmola...conclu o o ter-
ceiro.
Nao, que o administrador disse que poda
!...sobreveiu Fialho casquinandouma
risada gosmenta.
O administrador um asno! defini
lacnicamente Pantaleo.
Asno e mais alguma cousa I obtem-
perou Athanasio.
E enlao dizem voces, tornou o brasi-
ier0qUe eu devo metter j rainha mulher
i 'um convento ?
Podra... apoiou o marido da Fran-
jea Ruiva.
Deve dar esse exemplo de moral pu-
blica! coufirra'ou o marido da maiata.
E saber quem Ihe comeu os brilhan-
tes para s" lhe dar cabo da casta! addi-
ciouou o matador do caixeiro.
E isto como ba de ser ?volveu medi-
tativo o interrogador dos honrados juizes de
sua dignidade. Eu nao a quero ver mais
di ante de meus olhos!
Tambem no9 parece acertado isso...
conveiu um dos tres.
Pois ento, mister que os meus ami-
gos & encarreguem de lhe dizer que se re-
colha um convento,
Nao me neg a servi-lo, Sr. Fialbo, no
i [je poder ser-lhe tildisse magnnima-
mente Athanasio. Os amigosconhecem-se
aas occasioes, percebe voc ? Quer entao
que vamos dizer sua mulher que preuso
j e j entrar n'um convento...
Se ella nao disser qaem deu o di-
nheiro, nomeaudo os pobres am a uncon-
dicionou Hermenegildo.
Apoiado !approvou Athanasio.Se
o dinheiro se foi em esmolas, ento o caso
muda muito de figara, acho eu.
__Isso verdade consentio o fiscal da
Misericordia;mas necessario que ella
nao torne a cahir na asneira de dar to gran-
des esmolas. que eu, amigos e senhores
meos ainda que ella me dissesse os nomes
dos pobres, baria de por de quarentena a
aalca!... Em fim l vamos... Amigo Fia-
lbo descanceem nos, e espere-nos aqu.
Sabiram os mensageiros, e ficou entregue
i consolacoes do aectuoso
o agoniado marido.
dono da casa
CONSIDERACES PLSTICAS
D. Angela j dscia as escadas, encami
abndose admiurtracao, quando fot intt
vvh a compirecer em juizo. Pela pn-1
mi'ira vez, em sua vida de viole e seis:
annos, encarava um oicial de justica, cujo
semblante carregado e voz cavernosa a tres-
passou de susto. 0 esbirro carainhava de
par com ella, dando aoacto umt soln ni
dde que fez espanto nos logistas vstate.
Algons enviaram os mrcanos na olla da
paluda muTber de Fialho, e Gcaram conj c-
turando. com va-i idas hypottres s, por que
iria capturada a visinha.
O administrador, ao ver Angel, erguese
em respeitosa postura, postergando o estylo
costumado n'esta ordem de funecionarios,
cujo lance de olhos sempre fulminante,
denotando, nos vincos da fronte severa, a
carranca da justica que gs anima e afeia.
A desusada urbanidad do magistrado
pode explica-la a btitesa de A' gela. A con-
dicto d'um adminislrljlor de bairro, no
exercido de snas funeces, nao ha ahi
compendio de civilidade qoe a pula e ama
ci tanto orno uns olhos meigos que obri-
gam respeito e amor quando intentam
smcn'e pedir eomm'reraco.
A esposa de Hermenegildo Fialho, se
nao era formosa para causar assombros, ti-
rilla direito a ser considerada urna das mais
galantes esposas de brasileiros, os quaes,
u'aqoelle tempo. eram os nsufruetuarios
muta ou menos exclusivos das peregrinas
burguezas do Porto.
Angela nao era portuense, como cppor-
tunament se dir ; mis, no r> sado sadio
da musculatura e r Partencia especie de bellesa solida etanto
ou que patriarchal que distingu a e avan-
tajava, sobre todas, ; s senhoras da cidade
eterna de ha quinz annos para alm. E,
como vem de molde, deixarei aqui em es-
lylo lamentoso urna saudade memoria
d'aquella raca forte de mulheres quasi ex-
t neta, e j hoje representada por suas li-
li) as, dessoradas no ambiente impuro dos
collegios. e adelgacadas por urna alimenta-
c8o frai.ccza que Ibes depaoperou a opu-
lencia do sangue herdado. Orvalharam-se,
ha das estes olhos, quando passados an-
nos de ausencia do grande confluente das
familias do P.rto, volv s praias da Foz, e
reco heci custo as bellas damas da minha
mocidade. Fura de lisonja, eram ainda
grandi sas reminiscencias dos exp'.endores
da formosura antiga, s m impedimento da
superabundancia de tecidos moles que Ibes
alaiofadavam as espaduas e quadris; o que
porem entristeca era ver as fillias d'estas
sadas maes. Britnicamente esgrouvia-
das, delatando a magreza na adherencia dos
trajos aos ossos escamados, as filhas das
sebceas be lesas de 1830 assnstam a alma
devolada mais fervorosamente ao ideal ;
que a pallidez e o osso nao o prisma por
onde poetas costumam entrever as deslum-
brantes coisas do co
Alm d'ootras causas d'este deploravel
estiolamento da geraejo nova, insisto as
que j argui : collegio e alimentario. Ocol-
legio emque o espirito atanazado pelo sup-
phcio lento da geographia, da historia e da
grammatica, perde a seiva nativa, e refaz-
se expensas do corpo; de maneira que a
idea se enriquece ao passo que o msculo
deperece;' questo fundamental de physio
logia, que importa ser estudada nos trata-
distas especiaos. Quanto alimentacio,
sabido e noterio o progresso p erigoso da
culinaria portuense n'estes ltimos vinte
annos. A costaba tornou-se a ante cmara
da sepultura. As intoxicaces, causadas
pelas especiaras, sobre-excedem a mortan-
dade feita pelo.verdte.pelos ph&spboros e
pelo acido prussico.
Ora de saber que as mes d'estas me-
ninas apenas aprenderam o necessario de
leitura e escripia para sustentar urna cor-
respondencia honesta c parcimoniosa com os
sugeitos adequados ao intento licito da familia
e da procreaco. De espirito nao coosum-
miam cousa que Ihes fizesse falta no corpo.
A natureza florescia e fructificava desempe-
didamente. Pode ser quty mulher igno-
rasse a forma do globo e a situaco geogra-
phica da Af>yssnia; mas, em compensaco,
o rosado das faces e o alabastrino dos hom-
bros pareciam estar pedndo azas para dis-
putar formosura uns anjos que vos encan-
tam por entre as folhageus e fesles doura-
dos das calhedraes. Rasoavel ignorancia e
solida nutricio explicam a robustez d'aqu-lla
donosa pleiade le cherubins portuenses que
levavam os oltios do forasteiro. Homemde
Lisboa, que entrasse no theatro de S. Joo,
recordava-se de S. Carlos como quem se
lembra de ter visto aquellas almas brancas
e lvidas das formidaveis vis.s do floren-
tino ; ao mesmo passo que os rostos carmi-
nados das filhas do norte realisavam o mais
vivaz colorido do pincel flamengo.
Poissabei que vaevolatisar-se da trra por-
tugueza essa raca de mulheres que nossos
filhos j nao bao de ver. Eu nao deploro
este desapparecimento smente por que me
sinto levado na corrente em que derivam as
gracas plsticas do meu tempo: esse egos-
mo nao cabe na minha alma. Lamento, sobre
tudo, a sorte dos meus netos, se ellestiverem
bastante espirito para se nao contentaren)
com o amor dos puros espiritos. Volvidos
cincoenta annos, n'este andar, se a mulher
assim contina a subtilisar-se, a conservaco
da especie nao me parece provavel. A meo
ver, o fim do mundo, esta-se annunciando
na delgadeza, seceura e descarnamenlo da
mulher Vira urna geraoem que mulher e
homem se defrontem, nao j para se quere-
rem e amarem, se nao para discutirem igual-
dade de direitos entre espirito e espirito,
entre osso e osso. Chegado o genero hu
mano essa extremidade, acabou-se este
globo, que me parece ser o maij ordinario
de todos. .
Nao era, porem, assimquando existiam
mulheres como a do brasileiro Hermenegil-
do Fialho Barrosas.
Alta e refeita ; cabellos castanhos; testa
larga e escantuda ; sobr'olhos pretos; pal-
pebras amortecidas com aquelle doce can-
casso do somno irresistivel; faces que as
rosas nao deixam ser trigueiras, mas que
um primoroso apreciador do bello deseja-
ria menos carminadas; beigos arqueados
pelo molde da pequea bocea, anda pe-
quena quando o riso mostra o esmalte dos
dentes; pescoco alto, quebrando era ond-
lacees de jaspe e torneios de espaduas e
n'ootras ondulares que o cantor da ilha
dos Amores sabia descrever lindamente co-
lhendo nos pomares as suas graciosas ana-
logias: tal era Angela. Tal era?! Que
presumpelo! Quem soube ahi descrever
orna bellesa mediana por maneira que vin-
gasse retrata-la no espirito do leitor ? E
que dre da mulher que, feico de An-
gela, sobrelevava s de mais gracas o real-
re d'om suavissirao colorido de candidez em
que transluzia alma sublimada e cheia de
poticas tristezas!
Que admira, pois, que o administrador
do bairro, cortejasse com alTavcl sombra a
esposa de Fialho, sendo que, j de antemo,
propenda a protege-la das iras um tanto
brutas do mazorral marido ?
Minha $nhoradisse elle, mandando
retirar os circumstantes, menos a criada.
Seu marido acensa esta mulher de lhe ha-
ver roubado uns brilhantes...
Meu marido engaaseinterrompeu
Angela.Os brilhantes que a minha criada
vendeu, fui eu quem os mandou vender.
Mas, a sua criada confessou ter sido
ella quem... v
Ji sei que ella confessou ; mas nao
crea vossa senhoria seno o que eu lhe
digo. Esta mulher est innocente. Pode
vossa senhoria manda-la embora sem re-
ceto, que estou prompla, a declarar por es-
cripto que mandei vender os brilhantes da
minha pulseira.
O funecionario senta sinceramente nao
ter mais que fazer neste lance, em harmo-
na com o cotig administrativo. Quima
elle, com qualquer motivo judicial, prolon-
gar a sua interferencia nos negocios domes
ticos da linda creatnra ; mas nao lhe occor-
ria cousa que lhe desculpasse enriosidade,
ou, mais exactamente, a fulminante ternura
que o alvorocra. Nao obstante o acanha-
mento natural destas paix5cs de assallo, o
hachare!, que nao era j verde, e poda com
a gravidade do aspecto honestar o intento,
animou-se a entrar no mysterio dos brilhan-
tes com a seguinte pergunta:
Vossa excellencia tem bastante con-
fian<;a no amor de seu marido ?
ngela poz os brandos olhos no sem-
blante do interrogador, silenciosa e descon-
fiada do intento d-j tal pergunta.
O administrador insisti, esclarecendo:
Pergunto eu, minha senhora, se, pro-
vada "a innocencia da sna criada, vossa ex-
cedencia conseguir explicar a venda dos
brilhantes sem irritar o genio de seu ma-
rido, motivando suspeitas...
Atalhou Angela :
Mandei vender os brilhantes para fa-
zer bem urna pessoa infeliz.
O funecionario receiava transpor muito
blna a balisa do seu officio-, averiguando a
especie de caridade que uaa esposa honesta
esconda de seu marido ; mas o peccado
da curiosidade, desculpado pela beltesa da
interrogada, esporeou-o at indiscrico de
perguntar-Ibe:
E essa pessoa infeliz --.. pessoa
de quem seu marido possa suspeitar rela-
tos meaos louvsveis?...
Angela doeu-se, ou, mais aocerto, parc-
ceu corrida da pergunta, corando, e bni-
xando os olhos sitenciosa.
O administrador nao instou, j convenc*
do da impureza da caridade. Ralla va so-
lida base para tal jaizo ; mas a malicia tu
mana, se algumas vezes .infama, adevinha
outras. Desta vez, porm, o magistrado
adevinhava apenas que n'aquelle mysterio o
coraco era grande parte.
Bemdisse elle, violentndose a res-
peitar o segredo alheiO' de sua aleada.
O que tenho averiguado- que vossa ex-
cellencia mandou vender os seus brilhan-
tes, e que a criada obedeceu s ordens de
sua ama.
Certamente. ^
Pode por tanto vossa excellencia re-
tirarse, quando quizar, e a sua- criada
tambem. E estimareiajuntou elle com
intencional mas delicada ironaqae voss?
excellencia consiga conciliar sua ba aeco
a complacencia do senhor Fialho.
Deu ares de o nao perceber a pallida es-
posa do brasileiro. Ergueu-se, e sahio. A
criada, limpando as lagrimas, acompa-
nhou-a.
VL
AMlfiOS DO SEC AMIGO.
J Hermenegildo Fialho eslava afflicto
com a demora dos tres parlamentarios en-
viados esposa. Nao coidava elle que An-
gela comparecesse na polica, ou se havia
esquecido de ter concordado com a autori-
dade sobre a orgoocta- da acareado entre
ama e criada.
A impaciencia dava-lhe empurres. Ca-
hia aquelle sugeiio sobre as molas das otbo-
manas flacidas e fazia ringir os acos. Re-
saltava com pasmosos saltos d'um coxim
para oulro, e pareca tentar um suicidio
por despejo da janella calcada dos clri-
gos, quando enxergou na Praca Nova Joa-
quim Antonio Bernardo, Pantaleo Mendes
e Athanasio Jos da Silva.
Os solicitadores da honra de Fialho ca
rainhavam pressa e com arde embeser-
rados. O brasileiro pregara os olhos nelles,
a ver se Ibes lia alguma cousa as physio-
nomias, c do segundo andar onde os outros
lhe viam a cara grande e escarate como a
la dos theatros.
O homem d-lbe ataque apopltico !
disse Athanasio a Pantaleo.
Asno ser elle se lhe der algum ata-
que !observou Joaquim Antonio, empre-
gando a grammatica e a philosophia do seu
oso.
Qual ataque nem qual diabo! corro-
borqu Pantaleo Mandes.Um homem um
homem, sabe voc, amigo Athanasio ? E
mulheres nao faltam, physica e moralmente
fallando. Haja dinheiro e sade : o mais,
regalorio!
Pois simredarguio Athanasio, quando
subiam a escada; mas voc nao se v
por a dizer isto nem aquillo da mulher,
percebe voc ? Cont o que se passou, e
deixe obrar a natureza.
Nao me d conselhos... resmuneou
Pantaleo.Deixe o negocio por minha
conta; que a honra dos meus amigos
como se fosse a minha.
Hermenegildo eslava no topo da escada
com os bracos em cruz o costado, e%o
queixo debaixo cahido : e apoiado sobre o
papo dos I ocios.
Ento que ha ?perguntou elle es -
gazeando pelas caras homogneas dos tres
um relance d'olhos penetrante.
Vamos conversarrespondeu Panta-
leo, levando-o de braco dado para a sala.
Voces tardaram tanto volveu o
brasileiro.
Estivemos espera que a sua mulher
se despacbasse l da polica; depois, pala-
vra pucha palavra, e deitou-nos a conferen-
cia esta hora explicou Athanasio, en-
carregando Pantaleo, por um gesto de ca-
beca, de ser o relator do3 casos acontecidos.
-------------------------------------^_------------------
peramos orna hora e poaco. N'isto chegou
ella mais a criada. Eslavamos sentado* no
banco do pateo, piando sua mulher deu
eomnosco, e fez-se aawrella como esse co-
leto que voc traz vestido. Jrguemo-nos,
fizemos-lhe as nossas corteit^^k diss.e eu
que lhe queramos urna palavr|a em par-
ticular. Mandou-nos anoir, e chamou para
dentro que nos abrisapp a sala de visitas.
Entramos, e d'ahi apouco chegou ella,
assim com modos de quem se nao importara
muilo eomnosco. Senton-se, e perguntou
o que queranos; nao foi isto, amigo Atha-
nasio?
Tal e qual; cont) voc diz.
Eu tomei a-pafavra, e disse que o
meu^houfado compadre e aroigo velho Her-
menegildo Fialho Barrosas nos mandara os
tres a (ira de averiguar quem a lenhora
D. Angla dWim cont seiscentos #cin-
coenia mil reiFde esmola E vae ella es-
levo ora quasi nada a pensar, e respondeu
que me nao dizia a mim nem. a niuguem p
que nao tinha dito a seu homem, entende o
amigo Depois, aqui o nosso Athanasio
tomou a palavra, e comecou-lhe a dar pra-
qui prcol, porque torna e deisa, a senho-
ra deve toafessar o que fez ao dinheiro,
quem lh'o apanhou, que qualidade de pes-
soa era; porque as mulheres nao podem
dispor assim dos capilaes dos seus bomens,
alias ninguem pule contar com o que seu ;
e de mais a mais dar um cont seiscentos
e cincoenta mil ris sem dizer quem, era
caso para desconfiar de certas coisas muito
feias, etc. etc. etc. Emfim, o amigo Athana-
sio batalbou com ella, aperton-a por todos
os lados, mas respondeu voc, compadre?
nao respondeu ?, era ella! Vae depois, o
amigo Joaquim fallou tambem com toda
prudencia e cortezia, dscorrendo respeito
da honra d'um homem, e tambera nao fez
nada. Emfim, como ella estivesse a ouyir
sem responder urna nem dos, eu tomei a
palavra, e disse- que o senhor seu marido
lhe ordenava que se recolhesse sem perda
de tempo um convento. Agora que sao
eilas T prosegu Pantaleo Mandes baten-
do as proprias pernas duas palmadas que
soaram como se as ponderosas mos lia*
tessem as pernas d'um Cileno de pedra.
Que cuida voc, compadre, qne ella res-
ponden ?! Que...
Que nao ia!atalhou o brasileiro,
creteando cora olhos{ hpeca e nariz urna
temerosa carranca do eolera.
Isso mesmo !sonclamaram1 os tres.
8r> voa acrescentou .0 relator
nao vou> para convenio disse ella. E
disse mais-: meu- marido tomou conta das
joias que eram de minha me ; que fique l
com o dinheiro dos brilhantes, e qpe me
mande o resto; se quizer mandar ; se nao
quizer, que fique com ido. Conwi^
qoe nao. Ha de ir! grilei eu ; ba de ir,
que seu marido quem governa na sonhora.
marido. Fallavam todos a um tempo; ai-
vitmd) planos temanles a evitar que a
esposa infiel tivesse parte nos ha veres do
brasileiro. Para poder entrar n'esta seccao
importante com energa, Fialho sopeleou
duas bolachas americanas n'um calix do da
1806, e poz a mo inst>uctvament no bu-
cho aquecido, e capaz da competir em ca-
lor com o coraco visinho. Os amigos, fa-
zendo-o beber segundo calix, applaudiam
o seu triumpho, e juravam que, ao terceiro,
a honra do seu amigo llcaria lavada como as
goelas.
Apoz longos debates, em que todos fal-
lavam mistura, convieram cm que Fialho,
como commercante que era, se obrigasse
por escriptura divd is excedentes ao va-
lor dos seus bens immoveis, e desde logo
alienasse os ttulos bancarios, e se C9zesse
com o dinheiro. A soberana razo que
poz os cinco alvitristas nesle accordo, deve-
se Athanasio, o qnal raciocinara d'esta
laia :
Amigo e compadre Fialho, nao ha
que duvidar: sua mulher tem bomem
quem deu t> dinheiro. Este bomem ha de
aconselha-la a separar-se do Toc para se
divrairem os bens, percebe voc? Se vo
c os tver, que remedio ha seno repar-
ti-los ? O raaior logro e casligo ^ue voc
pode pregar ella e mais ao patfe nao
ter nada que repartir- Eim ?
A resposta geral foi um brado unisono.
E logo, no afgo do enthusiasmo, sacrifica-
ram a quarta garrafa e usa bandeja de pas-
tis de Sonta Clara.
Mas, se ella nao quizer sabir de
casa ?perguntou Barrosas, acalmado oba-
rulho!
Voc ja nao tem cas^r. A sua casa
est vendida. Um de nos, quando o com-
padre quizer, vai tomar posse, e sua mu-
!lher recebe intimaco judicial para despejo,
percebe voc ? respondeu eaaphaticamente
Athanasio.
Diz voc bem, compadreobtempe-
rou Fialhoque eu tenho pracuraco della
em branco. Faz-se escriptura da venda da
casa. E nesse caso preciso avisa-la que
se mude quanto antes. Vamos-ver se ella
sai ao bem.
Duvido;atalhou Joaquim Antonio
O qual tirn do interior urnas palavras
cortadas por pausas qne davam narrativa
uns toques de seriedade, prejndicando a n-
dole ridicula da scena.
Senhor compadredissu o mando
da Francisca Ruiva.Sua mulher nao esta-
va em casa; aqu o amigo Joaquim foi-lhe
na pingada, e soobomo que ella tinha sido
chamada presenta do administrador. Es-
No vou teimou ella. Ento que quer
a senbora fazer, se seu homem a deixar,
sem que comer, nem que beber, era casa ?
c Trabarharei para viver; e, se orrer
de fome, Dos me dar o ao, porque mor-
rere honrada e inno:ente^
Foi o que ella disse. e nos quedamos
a olbar uns para os olros. Disse-lhe ento
o amigo Athanasio que dissesse quem deu
o diubetGfe a* estava honrada e innocente.
E vae ella... aecuiu o brasileiro
anciadamente. -
Respondeu que s je confessava a
Beus, que sabia a pureza do seu coraco.
Nao foi isto, senhor Athanasio ?
Sem tirar nem pftr.
Tornei a fazer-lhe eutra predica
proseguiu Paalaleao.Disse-lhe tudo quan-
to me lembrou em termos commedido&, nao
sei se me entende ? Nao a#reditei qoe ella
foise honrada nem -innocente por varias
rases. Ouviu-me tudo com m cara, e
poz-se de poye disse que, se -lbe_nSo que-
ramos mais-nada, que podamos ir-nossa
vida. Veja voc que atrevida m-Greaco
a da tal senbora Tratar deste modo tres
amigos.de seu marido, que iam all tratar
d'um negocio muito serio! Cousa assim
nunca me aconteceu na minha vida ; e s
pela honra d'um amigo velho que se pode
tragar distes bocados! Avista (Fisto, a
nossa comrnisso estava acabada. Nao ti-
nhamos que fazer alli. Pegamos nos- chapeos
e as bengalas, e sahimos. Aqu tem o
acontecido. Voc far o que quiaer, com-
padre.
Hermenegildo comecou a passeiar na sala,
logando de bracos por maneira que pareca
ensaiarse com elles para esvoacar. Os
amigos contemolavam-no con urnas caras
tristes, quando um criado entrou com urna
bandeja, na qual transpareca em crystaes a
opala de antiqusimos- vinhos, lardeados
de marraelada, e outras fructas assucaradas
que negaceavam o apetite. O bisarro dono
da casa convidou os quatro attribulados a
honraren a sua garrafeira, e sera esforz
obteve que todos, excepto Fialho, rebates-
sera os impetos da sua angustia com algans
tragos do licor que investe os nimos de
forca reagente, e iafunde stoicismo as
mais sandias almas.
Compadre, beba d'este disse Atha-
nasio sob-pondo ao nariz do amigo afflicto
o calix aromtico.
Tire isso para l! refuson Fialho,
sacudindo a cabeca, e fechando os olhos,
talvez, tentaco.E resmuneou, entre
trgico e comicoj:
Se fosse venono, mettia-o no corpo...
Nao seja asnj!accudio com hom-
bridade Joaquim Antonio Bernardo.Pois
voc ainda est n'essa !... Matar-se por
causa de molheres! Esl a ler o nosso
homem !ajuntou o marido da maiata, gar-
galhando com applauso dos circumstan-
tes que vascolejavam o vinho e o riso entre
as mandbulas.Engula esse n que tem
as goelas, e beba, amigo Fialho! Mu-
flieres!.. Com que ento voc, com ami-
gos e fortuna, era capaz de tomar veneno
pr'amrd'uma desatinada.de mulher que
se portou mal! Ella que se mate, se qui-
zer ; e voc viva regaladamente com cen-
to e noventa contos que tem. Faca de*
conta que ella morreu, e trate de arranjar
outra...
Ou duas, que melhoremendou
Athanasio.
Ou tres que mais peitoralampliou
Pantaleo, pondo a mo suavemente nos
gorgomimos por onde ia passando um da-
masco.
O dono da casa, invejoso do espirito dos
seus amigos, accrescentou:
Quatro, quatro, para nao ser per
nao...
Eis aqui o caixilho luctuoso era que in-
quadrava a agona de Hermenegildo. Por
pouco nao descambava em orgia o tribunal
de homens congregados para julgar a des-
honra de Angela, t nlvar a dignidade do
Bernardoaquillo mulher finorjp e sober-
ba. Sem ser por justica, nao a poe o ami-
go fra de casa,
Continuaram debatendo queslDes jaridi-
cas ao proposito, em que as sandices se
disputavam prmasia at que, ebegada a
hora de jantar, Hermenegildo foi hospe-
dar-seem casa do compadre, reservando
para reunio do da seguinte j) plano de-
finitivo.
Vil.
nEVELApfS GOlw.
s onzeda noite d'aquelle da, Hermene-
gildo Fialho rebolava-se no enxergio de
penoas, e gemia uns gemidos que seavam
como regougo de raposa. A comadre foi
escuta-k) porta, e veio dizer ao marido
que o compadre estava a geraer de sauda-
des da indigna mulher. Ageitou-se es-
posa escandallada boa occasio de cortar
as muflieres desleaes-; o marido, porm,
que tinha; s vezes, eonscienciosas brata-
lidades,.tapeu-lhe os respiralouros di ira,
murmurando:
Calla-te; calla -te; e nao me cantes
tretas -mim...
A esposa encolheu-se, odiou mais do. in-
timo o marido, e gosou o nctar dos den-
sos, o prazer da vingaaca antecipad3, e a
prelibaoio da vinganca por vir. Ah Atha-
nasios, Athanasios !....
Ergueu-se o verdugo de caixeiros desho-
nestos, e foi ao quarto do hospede.
Que tem, compadre ? perguntou
elle.Nao pode dormir? Estranha a;carca,
ou que ?
urna dr de barrigarespondeu o
triste* apanhando as- mos a pule dorida,
e acocorando-se.Fz-me mal o erapado
das ostras. D-me voc um bocadr de
Hollanda, ver se esmo este diabo de
marisco ?
Fialho sugou na botija, e d'ahi a pouco
tinha esmoido o empado, e rebentava-ihe
tanta saude pela cara fra que pareca des-
afiar todas as ostras doSr. Bocage per-
turbar-lhe o somno.
Mas o compadre, sentando-se-lhe na ca-
ma, perguntou :
Quer voc cavaco ? Ainda agora de-
ram as onze.
V l; vamos conversar, que eu es-
tou espertinado.
Voc nunca desconfiou de sua mu-
lher ?
Eu nunca.
Nao ia l'por casa ninguem...
Nem alma viva, nao ser a costureira.
Visitas foi cousa que nunca me entraram
das portas para dentro, afora voc e mais a
sua pat'a.
Mas no theatro...
Theatro! t-carocha! foi lugar onde
nunca a levei...
E na missa ?
Missa. nao era moda l em minha
casa...
Voc bem sabe que b gente l no Brasil
perde o pello. Logo que casei disse-lhe
que isto de missa era urna historia. Ella
ao principio ficou estarrecida; mas foi-se
afazendo. Comprei-Ihc um oratorio e dei-
Ih'o para que rezasse en casa se quizesse.
E o caso que ella e mais criada, aos do-
mingos, fechavam-se no quarto duas horas
a resar ladainhas. Ora fiem-se l as mu-
lheres resadeiras!... Olhe voc, compa-
dre, se a religio nao urna patranha t
Patranha e que grande patranha!
A sua mulher resa ?
Nem se sabe benzer, acho eu.
Faz ella muito bem; mas vai mis-
sa dos congregados ao meio dia, que eu j
a tenho visto entrar na igreja.
Vai por dar um passeo, e mais os
pequeos, percebe voc ? Ora diga-me c,
compa'drecontinuos o previsto Athanasio
sem dar lugar que o hospede averiguaste
cousas tendentes a provarque a mulher do
seu amigo conciliava pureza dos costumes
com a ignorancia do signal da cruzeuou
vi dizer, e sei com certeza, que vc tinha
seus amores fra de casa. Nunca lhe per-
guntei nada a tal respeito por se nao offe-
recer occasio; mas eu sei que voc tinha
em S. Roque da Lameira urna mocoila da
sua trra, chamada Rosa; e outra na sua
3uinta da Cruz da Regatera, chamada Bene-
icta,
Nao lhe mentirara. Confesso o meu
peccado ; mas dou-lhe a raso. Minha mu-
lher nao me tinha amor de casta nenhuma.
Tratava-me como se trata um to. Entrava
e sania a semana sem me dar um beijo, nem
se lhe importava que eu comsse ou nao co-
messe. Voc sabe que eq son atreito mo-
lestia de 0g3do, e que s me sloto alliviado
com papas de litfH|*po's ella mandava-
rae por" as cataplasmas pelo galgol Dga-
me se urna boa esposa coosente que algem
ponha as cataplasmas m seu marido !...
Um homem, quando anda pelos cincjjnta.
precisa ser affagado, bo verdad^..
E para isso que eu me casei com urna ra-
pariga pobre, apesar de ser fidalga, forman-
do tenco dea deixar rica. Imagine,voc
que ella nunca me fez um carioho. A mi-
nha beira estava semprAtrisle como a DQite.
Nun-a seria dechalaca qne eu lhe dsas*e:
e depois que eu me deitava fleava ella duas
horas a costurar, mais duas horas a rezar,
e via-se mesmo que me aborreca. Aqui!
von* a raso por que eu trouxe da miofia
Ierra duas raparigas boas e bonitas que me
amam com todo o affecto, e chorara, quando
se passam tres das sem eu li ir.
E sua mulher desconfiava ?
-r- Sabia tudo, por que um bregeiro um
caixeiro, que eu puz fra, lh'o mandas con-
tar n'uma carta.
E ella que fez?
Deu-me a carta, e disse que aSo tor-
nasse a fazer os meus eaeiros sabedores
dos meus desvarios.
E nao se zangou! ?
Nada.
Ora essa!...
Pois se ella nao me tmha amor av-
ahara !... Vec nao entendeu ainda ?
Agora1 percebo. Mais raa raso para
termos a cerleza de que ella fazia outro tanto.
Pois isso claro, como esta luz qoe
nos alumia... Chegue-me d'ahi a genebra,
que estou com-azia.
O brasileiro embocou a botija, gargarejou
tres bons tragos-, e proseguio:
Se ella me tvesse amor, fazia o diabo-
em casa, logo qne soubesse das rainhas as-
neiras, nao verdade ? Pois nunca me jogou
a mais pequea chalaca tal respeito!'...
Ento nao ha que duvidar:eviden-
ciou Athanasio Mndessua mulher tinha
com quem se dstrahir; e agora pereebo eu
como que ella est innocente. Quer dizer
na- sua que est to innocente como voc,
senraagano !
Xtbjlisio riu-se do chiste do proprio re.
moq|e7 a
-* Pois simreflctio judiciosamente-Pa*.
Ihomas voc bem sabe que nos, os ho-
mens; nao somos mulheres. Ellas tem outra
casta de obrigaces. Se a mulher for igual
ao marido, entotio ba honra nem vergonha-
n'esie mundo, nao aeha ?
Diz bem, compadre; mas que eHas
abusara do exemplo que* borneas do, per-
cebtoc?
Isso tambem verdadeconcoudou
Hermenegildo, fechando o olho esquerde.
Voc parece quetpier dormir...notou
o* hospede.
Skn, elle a?ora parece que cheg
resmuogou Fialho, fechando o olho dirtito.
Minatos depois, esta victima deploaavel
da pemrso dos costamos... roncava.
{Goniinuar-se-ha.)
POUCO DE TXTDO.
MOKTE POR AMOR;N'uma *ldeia pr-
xima de Pars estavam baj tempo, ent-re-
lacoes omoro Estevo-P... com Laura de...
Os pas- do noivo oppanham-se abertaaten-
te ao casamento. Qnando o rapaz, depois
da ultima tentativa, se convencen deque
seus pas nunca lhe concederiam a licenca
para se elle casar, diese sua amrda :
Juraste ser minha e nnir-te a mim ;
unamo-nos pela morte, j que nao nesfica
outro recurso'.
Approvado o projecto pela donzelto, eu-
venenou-se esta, e elle deu um tiro to si.
PARDAES. 0>^r. Brwer escreveu
sociedade zoolgica de Paris que os ptrdaes
recentemente introduzidos em Nova.York,
e as cidades vsinhas, j alli tem ejercido
sensivel aeco nos insectos no :ivos. Doran-
te o vero de 1867, foram vistos, fazendo
activa caca aos insectos ; o qoe den como
resultado a conservaco das foihas em
grande numero de arvores.
Os servicos d'aquellas avesinbas, cojo
presumo, por miHtos annos, noseconhe-
ceoera Portogali.sio to apreciados pelos
americanos, que a autoridade mandou cons-
truir para aqualles uteis auxiliares, com-
modos ninhos- de palha nos parques- de
Nova York e aos de outras cidades, onde
regularmente se lhes d sustento todos-os
das.
CASAMENTO REAL Fallava-se no& cir-
cuios polticos de Paris do prejectado- enlace
do irmo menor do imperador d'Aoetria, o
archiduque Luiz Vctor, com umafilhado
ex-rei do Hannover.
PARLAMENTO INGLEZ, Mr. Jacob
Biigbt, irmo do ministro inglez apiesentou
no parlamento urna peliclo par a que se
conceda o direito eleitoral s muflieres, e
como consequencia o direito da ser ao mes-
mo ttmpo elegiveis. Segundo o seu pro-
jecto, toda a mulher cabeca de femilia pode
ser elegivel para memoro do parlamento.
Ao defende-la disse que nao e- assumpto de
partido, Dera de fraeco alguma poltica,, e
que por conseguinie lodos apodiam voter
livremeute sem compromissos de nenbtim
genero. Terminou dizendo que se so ap-
provasse a leitura da sua proposta, esporia
no decorrer do debate todos os motivos, peloa
quaes julga dever olhorgar-se o bil. J se
fez a primeira leitura.
MELHORAMENTO IMPORTANTE.Tra-
tase,segundo um peridicoestrangeiro, de
dar aos salvos das locomotoras umdnaaso
musical. Esta msica do porvir ser adop-
tada em consequencia do muitas reclama-
ces de viajantes delicados, depessoas que
vivem ao p das vas, e para evitar prejui-
zos nos gados, que fogenr aterrados aban-
donando os seus pastos ifl
actuaos silvos. Varias compannWfomaram
nota da petico e vo proceder de accoro
na adopeo de um diapasio uniforme.
RABEQUISTA SEM BRACOS.- No circo
Napoleo, em Paris, obteve extraordinario
triumpho um rabequista sem bracos. Cha-
mava-se Herman-Untban, e toca admiravel-
mente a rebeca com os oes, da mesma ma-
neira que o pintor Denornet pintara os seus
quadros, por tambera nao ler bracos. A
musi* vai ficar sera nenhuma mveja pin
tura.
ffP. DO UIABIOBVA AS VHVEB8 S
*


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EUE2IWES6_JX6Q5I INGEST_TIME 2013-09-14T03:01:10Z PACKAGE AA00011611_12073
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES