Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:12072


This item is only available as the following downloads:


Full Text

ANNO XLVI. NUMERO 66.
0781 l opulB al .i- bi
I s
r
*

_


PA1A A CAPITAL E LCAMCS OIE IAO SE
Por tres mews atontados .........1....... 65000
Por sejs ditos idem................... .fSstWJOO'
Por um anno idem..................... 240WO
Cada mumero avulso................... 330
id II I
r>u*l

FEIRA 23 DE MARGO DE I870.

PARA DEITHO E FOBA DA PKOVWCIA.
Por tres mezes adianlados
Por seis ditos idem. .
Por nove ditos idem .
Por um anno idem

' > *
6750
131500
20)1250
27*000
DIARIO DE
Propriedade de Manoel Figneira de Faria & Filhos.
______^_______.________* ____________________________________
SAO AGENTES:
Os Srs. Gerardo Antonio Alves 4 Filhos, no Para ; Goncalves & pto, no Maranhao ; Joaqaim Jos de Oliveira, no Cear ; Antonio de Lemos Braga, no Aracaty ; Joio Mara Julio Chaves, no Ass ,- Antonio Marqnes da Silva, no Natal; Jos Justino
d'Almeida, em Manfenguape; Antonio Alexandrino de Lkna, na Parahyba ; Antonio Jos Gomes, na Villa da Penha; Belarmino dos Santos Bolc5o, em Santo Ant5o; Domingos Jos da Costa Braga,
em Nazareth ; Francisco Tavares da Costa, em Alagoas ; Dr. Jos Martins Alves, na Baha ; e Jos RibeVo Gasparnho no Ro de Janeiro.
Pereira
PABTE OFnCIAL.
311ui*lei-i da agrlcultiiaa.
DECRETO N. Vi8't DB 7 DE MARCO DE 1870.
Begula a amustio de licencas aos 'emprtgados
do ministerio da agricultura, com-
mercio obriu publica*.
Gjnvindo uniformisar as di*posicoes que regu-
lara a concessij de licencas a alguns, e general-
sa-to a todos os empregalos da ministerio da
agricultura, coesmercio e obras publican, hei por
b->m decretar o guirite :
Art. 1. As ticemos que tiverem de ser- conce-
didas a qualquer empregado de ministerio da
agricultura, commercio e obras publicas, serio de
ora em diante reguladas exclusivamente pelo pre-
sente decreto.
Art. 2. ,As tcenlas snro concedidas cein. ou
sera ordenado, nao se abonan o em caso agurn
as gratifleages de exercico.
i l.' S por motivo de molestia provada se con-
ceder luenga ate um anno, podendo ser com or-
denado iuteini at seis mezes ; e de enlo em
'liante com uietade do ordenado.
i l'.Por qualquer outro motivo justificado a
licenga nao. exceder de seis mezes; e sendo
com ordenado, licar sujeitu ao segrate des-
cont :
Da (uinta parte, sendo a licenca at dous roe-
z-?3;
Da terca parte, sendo por mais de dous ate 4
mezes.
De duas tergas partes, sendo por mais de 4
mezes.
Art. 3. O lempo das I cencas concedidas com
ordenado, suas reformas e prorogagoes dentro de
un anno, a contar do da em que o empregado
entrar no goso da primeira que oDtiver no regi-
ii: -ra deate decreto, ser sommado para o lira de
fazer-se o descont de que trata o artigo antec-
deme.
Da mesma forma proceder-se-ha nos periodos
manaes ulteriores.
Art. 4." Em lodo o Caso, Ando o praso mxime
da licenca, nada mais perceber o empregado,
era sera aquella renovada, ou prorogada, se*
que este volto ao effectivo exercico de sea car-
o, e nelle permaneca por tempo pelo menos
igual ao da oteara determinada pelo goso da
licenca.
Art. 5.,_Fcar sem effeito a licenca concedida,
se o empregado que a tiver obtido nao entrar no
goso delta, dentro do praso de um mez, contado
do-di* em qne o acto da cencesso fr publicado
no Dmrio Offictal, sendo na corte. as provin-
cias o praso correr do da que o respectivo, pre-
sidente marcar, leudo em conta as distancias e
iinVuldades das coumunicacees.
Art. 6.* Vio se eeoeeder licenca ao empregado
qu.e. tendo sido nomeado ou removido, nao bou-
vr enttado no elfeetivo exercicio do seu cargo.
Art 7." O dis posto nos artigos antecedentes te-
la applcago ao empregado que perceber sim-
plesraente gratifleagao, considerando-se como or-
denado duas Hre# partea de seus venc mente*.
Art. 8.*Tiearh revg'adas as dspipges em con-
trario.
Diogo Velho Cavalcanti de Albuquerque, do
meu conselho, ministro e secretario de estado dos
negocios da agricultura, commercio e obras pu-
blicas, assira o tenna entendido e faca executar.
Palacio do Rio de Janeiro em 7 de marco de
1370, 49" da independencia e do imperio.Cora
a rubrica de Sua Magestade .o Imperador.Diogo
IWao Caralcanti de Albuquerque
Governo da provincia.
wsspACHOS na phsidbmcia na provincia do da
19 de marco de 1870.
Anacleto Pnblio de Moraes Camino.Informe
o Sr. Dr. director geral da instruccao publica.
Capito Antonio Francisco de Albuquerque
Bud.Informe o Sr. inspector da thesouraria
proviaciai.
Belhiiro Mitanes de Loyolla.Por ora nao tera
lugar o que requer.
Altores azilio Luix Colho.Informo o Sr. Dr.
juiz de direito da primeira vara relator da junta
ile ultima instancia que loraou eonhecimento do
processo de que se trata.
Capltio Francisco Leite Cavalcanti de Albu-
querque.Intonn o Sr. inspector da thesouraria
provincial.
Bacharel Francisco Domingues Ribeiro Vianna.
Dirija-se ao Sr. inspector da thesouraria de la-
zenda.
Francisco Carlos da Silva Fragozo.Fica expe-
dida a convenidle ordein.
Gerente da Brasilian Street Railway Company
Limited.Nao sendo a presidencia competente
para tomar conheciraento do protesto, li:a a em-
preza Brasilian Street Railwai com direito salvo
para d'eile usar quando e como Ihe conver.
Galdino Eleuterio Teixeira de Barros.Fica ex
pedida a conveniente ordem.
Bacharel Joo Bezerra de Mello.Informe o Sr.
engenheiro chefe da repartgo das obras pu-
blicas.
Jos Ignacio Avilla.Informe o Sr. inspector da
thesouraria de fazenda.
Joio Jos de Souza.Sejam entregues.
Jos Semuado de Albuquerque Maranhao.
Nao. provanoo o supplicante o que aliega, indefe-
rido.
Jovina Marta da Conceigo.Informe o Sr. ma-
jor director do arsenal de guerra.
Joao Doraingoee da Silva.Ao Sr. inspector da
lliesouraria provincial com a portara desta dala.
Joo Paz Cabral de Lira JniorJunte este ao
requerimento Interior, em que foi lanzado o des-
pacho do 1 de outabro de 1869, volte ao Sr. Dr.
director geral da instruego publica para iuforraar.
Joo Aires da Cruz.Informe o Sr. inspector da
thesouraria de fazenda. .
Capito Jos Laurentioe de Azevedo.Dirjase
ao Sr. inspector da thesouraria provincial.
Manoel Francisco dos Re?.Informe o Sr. ins-
pector da tnesooraria de fazenda.
Mara Candida Theodora Alves.Entregue-se
Miguel Archaojo Das Ferrelra.Ao Sr. inspec-
tor da ihesouraria provincial com a portara d esta
data.
INTERIOR.
BAHA.
43 DE MARCO DE 1870.
Voluntarios.
E' indescriptivel a festa de hontem.
O jubilo qne transparecia em todos os semblan-
tes a effusao do prazer, a alegra se expandindo
em vivas e em wplosoes de enlhusiasmo, as galas
que trajavam todas as casas, o enihandeiramento
das ra, o aiavimnto da populacho em columnas
compaeta?, nao se escreve.
0 poeta phantasla, o plotor mita, mas a subti-
raidaSe do estylo potico, a finura e a magestade
dos tragos Minea chegam a deserever completa e
"eComo e!3 o enthusiasmo ; sente-se, nao se
descreve. 1.-.. .
Comtndo, tentemos ainda qne fracamente, re-
Sistrar a negada do toluntarios da patria, seu
esembannw e as curac^es que lhe faram fetas
ai/' a sea rateWnwnlo ser quartel.
, *
O dia de hontem marca urna dessaa datas que
para sempre ficam gravadas no espirito publico.
Km alguma epocha, quando nossos filhos, reeor-
dando-se da guerra actual, lembrarem-se do dia
de boje, diro : foi no da li de marco que re-
gressaram patria encanecidos pelus trabalhos,
extenuados das fadigas, ITeitos as lulas ; reple-
tos de glorias, applaudidos pelos povos, elogiados
pelas muzas os nossos porlentesos defensores as
campanhas do Paraguay ; o prazer e o regosijo
do pavo (oram inexcediveis.
As 7 horas da manhaa singrava as aguas da
nossa bahia o transporte de guerra Galgo trazendo
a seu bordo, como qoe ufano e garboso de lo
granle honrara, os nossos bravos compatriotas
os heroicos soldados da Bahia, qne compde o ba-
talho 40" de voluntarios da patria.
A fortaleza da Gamboa saudou a passagem, e
esta salva, cchoando pela cidade, levou a cada
canto a noticia e desperton o enthusiasmo ; e de
lodos os pontos viose o povo correr pressuroso e
ebrio de alegra aos mais altos lugares e as pra-
cas donde se avistava o mar.
Os navios surtos no porto, sem execepcao de
nacional idade,enbandeiraram-se e ao passar o trans-
porte prximo fragata franceza Ciiw, a tripo-
laco desta as gaveas saudava os nossos dilectos
patricios aossons do hymno nacional, que sua mu-
sica tocava.
O transporte deu fundo prximo ao arsenal de
marnba.
Tres vapores, dous dos qnaes offerecidos gra-
tuitamente pela corapanhia Bahiana, tendo os
mastros ornados d* bandeiras, largaram e vieram
csllocar-se prximos ao transporte.
O vapor S. Francisco, do mesmo modo tendo ar-
cos de flmulas, sabio da ponte da com panilla con-
duzndo a seu bordo o batalhao de caixeiros na-
cionaes, que aos sons da msica da sociedade
Terpsichore, e solta ao vento a bandera desse pa-
tritico batalhao, deu urna volta em torno do trans-
porte, panind > enlo de bordo do mesmo vapor
rauitos vivas, acompanhados do hymno nacional.
Urna eommisso do commereio, e bem assim ou-
tras de diversas sociedades forana a bordo cum-
primentar, na pessoa do va lente brigadeiro Faria
Rocha, os voluntarios da patria.
As dez horas comecou o desembarque da tropa,
que era lanchdes foiaransportada para o arsenal
de marraba ; e as 11 horas deixaram os ltimos
soldados o transporte, e o Sr. brigadeiro Faria Ro-
cha, com seu estado-maior, embarcava n'um es-
caler, tendo desfraldada a bandera de seu bata-
lhao, qne tantas vezes no mcio da refrega vira
traspassada pelas balas dos inimigos, victoriosa
sempre, c que hontem erguia-se gentil, respeta-
vel, imponente e magestosa, agitada pela aura da
patria.
No arsenal estavam poslados o 3o e 4 batalhies
da guarda nacional, aqnelle justamente ao qual
pertenciam era sua maior parte os heroicos haitia-
nos que regressam laureados da victoria, bron-
zeados os rostos ao sol ardente do Paraguay, e
agora esclarecidos pelo sol brasileiro, que pareca
hontem mais brilhante, como si a natureza com-
pariilhasse dos jbilos humanos.
Una forca do batalhao da polica, tendo sua
frente a respectiva msica, e um piquete de ca-
vallaria faziam all juntamente com os batalhSes
da guarda nacional as honras devidas.
A fortaleza do mar e a corveta Bahiana salva-
rara ao chegarem as ultimas pravas em trra.
Em seguida os vapores da companhia Bahiana
desfilaran) om frente do arsenal.
Ahi formou-se o batalhao, e estando presentes
todas as autoridades mais importantes desta capi-
tal, a assembla provincial e a cmara municipal,
divorsas coroas foram offerecidas ao brioso mili-
tar acompanhadas de discursos e poesas, de abra-
eos e risos, e tambem de lagrimas, de prazer e gra-
tidao.
DepoU sahio o batalhao, precedido da torca de
cavallaria e rodeado o Sr. brigadeiro Faria Rocha,
de S. Exc. o Sr. presidente da provincia, Dr. chefe
de polica, Dr. delegado Amerco Santos, general
commandante superior, coronel commandante das
armas e outros olDciaes, e seguido dos outros bata-
lhoes, e entrando pela ra nova da Alfandega fo-
ram at a frente do salo da Praca do Commer-
cio, cuja associaco, incorporada, sauduu ao mes-
mo brigadeiro e aos seus bravos soldados.
Continuando, seguiram o primeiro itinerario
que publicamos, e pelo Taboo vieram ter pala-
cio, sendo em todo trajelo constantemente inter-
rompida a marcha, tantas eram as poesas e sau-
dades ; e fazendo a sua entrada triumpna!, pre-
cedida de batalhoes patriticos e msicas particu-
lares.
Na praca, s ordens do Sr. brigadeiro F. Ro-
cha, poz-se em linha o dstincto batalhao de vo-
luntarios, e de palacio o Exm. Sr. presidente' da
provincia recitou o segrate :
t Filhos da BahiaSede bem viudos 1
i A nacjio ferida em sens brios, violada era seu
territorio, seus filhos assassinados ou arrastados
ao captiveiro, as braleiras vilmente desacatadas
al o acoite em praca publica voastes a affrontar
o tyranno, autor de tantos crimes. vingar a hon-
ra do imperio.
O despota selvagem suecumbio ante o vosso
valor, toragido busca paiz estrangeiro vivendo com
as fras que se lhe asseraelham.
i Desta hecatombe humana, destes liorreros que
a historia com difficuldade far acreditar aos vn-
douros, surgi um povo livre, do qual fostes an-
da generosos libertadores. Filhos da Bahia, ten-
des enchido de orgulho a trra em que nascestes :
a patria vos recebe agradecida.
f Victoriados por urna populaco mais numero-
sa, abracados na pessoa de vosso digno comman-
dante pelo chefe dos brasileiros, que nunea des-
creo do triurapho, orgulhosos de tantos applausos,
vos faltava gosar a mais doce das sonsacos, ouvir
a gratido do paiz natal, receber o riso de amor
da familia, o abraco da amisade, e a estima do vi-
sinho.
t Filhos da Bahia, tendes tudo isto, deves repu-
tar-vos recompensados.
> t'ma lagrima de saudade, neste momento de
exaltapao de prazer, aos valentes que suecum-
biram!
t E vos bahianos, que m* escutais ura viva
cordial -aos vencedores qne regressam.
c Viva a nacao brasileira 1
i Viva seu magnnimo e heroico imperador com
a familia imperial!
t Vivam os voluntarios da patria !
c Viva a briosa Bahia
Estes vivas foratn calorosamente correspondi-
dos, nao so das pessoas que ettavam era palacio,
como tambem do povo o tronay
O Sr. coronel commandante das armas tambem
dirigi aos bravos voluntarios palavras dignas de
militares que se prezam : Eil-as. >
t Bravos defensores da patria!
t O paiz inteiro que em vos va o baluarte da
d gnidade nacional, vos sada hoje reconhecido
pela nobre diaffronta que dstes aos seus bros
vilipendiados ; e o vosao velbo camarada, exul-
tando de vivo enthusiasmo, aqu tambem vos vera
pagar o seu pequeo, mas sincero tributo de ad-
miracao.
c Companheiros de lida I en sei devidamente
apreciar os obstculos que tivestes a vencer para
vingar a honra dessa bandera, que hoje flucta
sobre vossas cabecas, coroida de immarcessives
louros.
. t O imperio vilmente ultrajado por um despota
selvagem e descomedidamente orgulhoso, mostrou
por radio d teus filhos que Unha a heroicidade
preeisa para desagravar-se respectando as leis da
humamdade e os foros da civillsaco.
t Volnnturios Bahianos! -O vosso antigo com-
panheiro d'armas anda urna vez vos sada; e
innundado de jubilo pelo vosso feliz regresso aos
lares da familia, vos pede toda obediencia s lew e
s iostituiedes juradas do imperio. _
t Vos, que nos das de amargura e attnbuUQao
fostes os vingadores da patria, que vos d to sig-
nificantes testemunhos de gratido, deveis boje
ser, mais do que nunca, os garantidores da boa
ordem, que fonda as prosperidades das nacoes.
t Marqaem os cnticos do triumpno e essas ex-
pans5es de alegra popular o comeco de urna po-
ca igualmente de gloria no verdadeiro progresso
do paiz.
c Camarada /Eu aqui estou firme no meu
posto de honra para ouvir-vos e distribuir promp-
ta justica aquelles d'entre vos qoe de mim a so-
licitarem.
c Em meu quartel, cujas portas vos serao sem-
pre franqueadas, encontrareis no velho camarada,
um desvellado amigo e um chefe dedicado.
Em vosso commandante, esse bravo dos bra-
vos, qoe tantas vezes vos condnzio brilhantemente
victoria, e no vosso nexcedivel patriotismo tudo
confio ; e animado dessa nobre conlianca, vos con-
vido para entoarmos juntos os seguimos vivas:
f Viva a religlo do estado.
t Viva a nacao brasileira.
c Viva S. M. o Imperador e sua augusta fa-
milia.
Viva o Exm. Sr. presidente da provincia,
t Viva o vosso digno commandante.
< Vivam os bravos voluntarios da patria. >
O Sr. Dr. Joao Vioter de Carvalho, por parte
da assembla provincial, fez a allocuco, que se
segu :
a Bravos e Ilustres Voluntarios da Patna.
Quando o dspota do Paraguay ousou ferir os
brios e a dignidade dos Brasileiros, a Baha er-
gueu-se, como um gigante, e para l mandou seus
bravos filhos para desaffrontar a honra do pavi-
Iho auri-verde, que o symbolo da naci brasi-
leira.
t As batalhas, que batalhastes, as pelejas, que
pelejastes, assignaram ao mundo que os solda-
dos brasileiros nao teem que invajar as glorias
dos bravos de Marengo e Austerlitz.
Itosor, Lomas Valontinas, Ascurra e outros
lugares servem para attestar que anda hoja os
bahianos sao os iiesmos soldados denodados, os
mesmos hroes dos campos de Funil, de Cabrito e
de Piraj, quando pognam pela independencia e
pela dignidade da patria.
t Bravos Voluntarios da Patria I Sois os bene-
mritos da Bahia, que se enche de ufana e orgu-
lho por ser a patria de tantos hroes.
O jubilo, a alegra em que nada o povo huje,
a demonstracio viva de quanto ella vos sabe
agradecer os relevantes servicos que prestastes
nacao, e gloria de que enehestes a provincia.
A assembla provincial compenetrando-se de
qne a patria mono vos deve, nos enva era eom-
misso a saudar-vos pelo vosso feliz regresso
patria, familia, todas as grandes affeicoes do
coraco. .
Shn, bravos Votanltrlos da Patria, recebei as
felicitacSes, que nos representantes do povo vos
dirigimos, e ficai certa de que de ora em diante
o dia de hoje significar u historia urna das glo-
rias immorredouras da Primognita de Cabral, ura
d'aquelles dias que nao morrem nunca na lem-
branra dos povos.
Vivam ns Voluntarios da Patria !
Viva a nacao brasileira I
t Viva S. M. I. e a familia imperial !
Joo Vctor de Carvalho.Francisco Jos da
Bocha.Antonio Garca Pacheco Branio.Ma-
noel Correa Garda.Conego Henrique de Souza
Branddo. -
O Sr. brigadeiro Para Rocha respondeu a esta
allocugo, bem como todas as demas que lhe fo-
ram dirigidas.
as simples e lacnicas respostas, que por si e
pelos demais voluntarios presentes dava o dstincto
militar, translua o mais sincero agradecimento,
via-se sua alma nadar em jubilo, tal era o senti-
mento com que se exprima.
O joven brigadeiro subi a palacio, onde foi re-
cebido por imienjo cortejo de senhoras e de ca-
valleiros, que o? saudavam, aos sons da msica
da scciedado Minerva, recebendo tarabem ahi
grandes ovaces, discursos e poesas.
Depois marchou a tropa era continencia, e se-
guio para a fortaleza do Barbalho, onde aquartelou
o batalhao de voluntarios.
O Sr. brigadeiro Faria Rocha, ao despedir-se do
batalbo, fez urna falla cheia de enthusiasmo aos
camaradascompanheiros das lides, e n'um abra-
co que deu bandera, symbolisou o amplexo com
que a cada tira d'elles estreilava.
A maior parte das casas estavam embandera-
das, ou tinham colxa?, c todas as Janellas cheias
de pessoas que atiravam flores sobre a tropa, e a
saudavam por todos os modos.
Desde arsenal, que tinha um lindo arco, ate a
Praca, desfilou a tropa por baixo de arcos de to-
lhas, em alguns dos quaes viam-se inscripcoes e
declaraco dos offertantes.
Entre estes sobresahiam os tres de que taremos
especial menco.
A' noile illuminaram-se todos os estabelecimen-
tos pblicos e rauilas casas particulares.
O arco em frente casa do Banco da Bahia,
offerecido pelos diversos negociantes d'aquelle
quarteiro, todo forrado de damasco, seda e vel-
ludo de cores verde e amarella.
Collocados sotire os capiteis das columnas que
sustentavam o arco, ricos jarros tendo espheras de
vidros de diversas cores, alm de tres grandes,
verde a do centro sobre a parte superior do arco
e amarellas as das columnas.
as quatro faces frontaes das columnas, esta-
vam dispostos trophos d'armas.
Lia-se em um o distico seguinte :Aos Voln-
tanos da Patria ; e no outro iHomenggtm de
alguns amigos ao brigadeiro Faria Bocha.
Do arco pendiam diversas cestas de vidro coo-
tendo flores.
Pode-se dizer que era, sem duvida, o mais rica-
monte adornado.
O arco que a Associaco Coraraercial mandou le-
vantar da esquina da ra Nova do Commercio ao
seu edificio, eslava artsticamente preparado, era
de madeira pintada com festow, e tendo pendentes
cortinados de renda com sanefas de setim escara-
le, e glebos de vidro.
No alto eslava escriplo em grandes letras n urna
faceAos Voluntariosa patria agradecida, e na
outra -.Associaro Commercial : por sobre este
dis ticoa figura'de dous anjos, tendo cada om na
mo urna bandera nacional, e entre elle3 a cora
brasileira. Na frente, cingidos por coroas doura-
das, os nomes de guerreiros notaveis, na seguinte
ordem : n'uraa face Conde Eu, Casias, Cabrita,
Bocha eSampaio: na outraBarao do Trium-
pho, Tamandar, Menna Barreta, i. Goncalves, Ar-
adlo, Herval, Inhama e Galvao.
as faces externas das columnas, Tuuuti, Cu-
rupaity e Humait. .....
Na faces internas de um lado a coroa brasileira
do outro a portugueza.
Na frente, as oazes das columnas, em urna o
distico: Passai bravos, ide descansar das (odiaos
da guerra, e n'outta : Viva D- Ptro 11.
O arco mandado levantar na Praca pela supe-
rintencia da compauhia do gaz, foi assim telo.
Quatro columbas tormavanvo rematando por um
circulo eJUptto no sentido do maior dimetro.
j^gs pedeifoes das eri,fya|f*. VVH as dejas. d
quatro batalhas memorandas : 24 de maio, 1 de
outubro, ti dejulko e 36' de julho; e as faces in-
ternas os nomes de quatro bravos comprovincia-
nos fallecidos em campanhaGaiwio, Julio de He-
nezes. Estemo Caetano e Ribeiro Lima.
Havia em cada urna das quatro columna? urna
das seguimos eatrophes do mavioso poeta o Sr. An-
tonio Augusto de Mondonga.
-4' phalange que regressa
De louros enriquecida
Curva a fronte jubilosa
A Baha agradecida.
Preito, homenagem aos bracos
Que n'um frvido transporte
Seguiram ia honra os trilhos
Por entre as sombras da morle.
Dos vingadores dos brios
Da patria un dia ultrajada.
Grahdaoesvete a historia
Mu folha da liaoica espada.
Aos nossos irnos do norte
Nosso abraco fraternal;
K pela unido que o povo
Tornase um povo immortal.
Eotre as duas eoluranas da direita nos pannos
que ligavam-as, lia-?e no alto as segnintes inscrip-
coes-Jb/n-o Bellaco, Poti'ro Pires e Barreir
trandK
Ahaixo, no centco de tima cora de fumo e ca-
f : Gloria ao bravo brigadeiro Francisco V. de F.
Bocha.
Findavi pela seguate estrophe :
Gloria aquelles que de gloria*
Dando urna estatua ao Btat,
Entre as refregas da lula
Fez da espada um buril
Entre as outras duas columnas, na mesma or-
dem e no mesmo goslo : Itosor, Villeta, Jimbas
Valentinas.
Vivan os hroes do batalhao 40' de volunta-
rios.
Aos que regressam patria
Parabens, gloria, louvor;
Aos que na lide tombaram
Urna lagrima de dr.
Estes versos sao do talentoso poeta o Sr. J. J. de
Brito.
A cpula compunha-se de quatro tringulos,
com capellas de louros, enfeitadas por bandei-
ras.
Davara dous tringulos para cada face. No meio
delles, na que fleava para a Praca, havia um gran-
de jarro de marmore com flores nacionaes de pen-
nas, e sabia d'entre ellas urna lanca com urna
cora; indicando termos na luta aleaneando a
gloria.
Entre oe dous outros tringulos nm guerreiro.
Df^atof/nas faces exterlls, via-se duas esta-
tuas, mus-*, da victoria, e outra representando a
Bahia, symbolisada por nm eaboclo eoroando um
voluntario.
Rematava tudo por urna grande estrella de gaz
com luz para os dous lados.
nio Angelo Christino Fioravante, administrador da
mesa de rendas da mesma cidade.
- SANTA CATHARttfA.
Fallecer o comroendador Jos Mara do Valle,
negociante abastado e coroneMo batalhao de ar-
tillara da capital.
mii
Aleanram a 29 de Janeiro ultimo as datas desta
provincia.
No dia 23 proceden se eleicode merabros
da assembla provincial.
L-se no Correio Official de 22 :
t Deppis de urna ausencia de nais de cinco
mezes, na tarde de 18 do correte, regressou
esta cidade, de volta de sua viagem ao norte da
provincia, o Sr. chefe de polica Dr. Nicolao Alfon-
so de Carvalho.
S. S. consegnio qne fosse capturados onze
criminosos, entre os quaes nove pelo crime de ho-
micidio, notando-se entre estes o celebre faccinora
Euphrasio Domingos do Passo, acensado de sete
morles, perpetradas na provincia da Baha e de
diversos crimes no termo de S. Domingos desta
provincia.
Fez prender tambem 18 desertores e pode
obter cerca de quarenta recrutas.
t rtoompanhou S. S. a torca que d'esla cidade se-
guio sob o commando do tenente Joo Mara Berqu,
que hoje aq i chegou cotn os presos que lhe foram
confiados.
L-se no jornal Prorinria de Goyos de 28 :
a Em consequencia das graves irregularidades,
que se tem encontrado na escripturacao da the-
souraria de fazenda, as quaes, cora fundamento,
fazem soppor qne a mesma escripturacao est
toda falseada. S. Exc. o Sr. Dr. Ernesto Pereira
acaba de nomear urna eommisso, composla dos
distinctos fnnecionarios Joo Bapiista Carneiro,
Hercolano Jos C. de Mendoza e Luiz Pedro Xa-
vier dos Guiraares, aflra de proceder-se a um
escrupuloso exame em toda a reparticao, e onhe-
cer-se com dados exactos, em que estado se acha
ella.
MINAS GERAES.
Era conhecido o resultado dos collegios eleito-
raes de Mar de Hspanba, S. Joo de El rei, S.
Jos de El-rei, Barbacena, Rio Preto, Juiz de Fra,
Ouro-Preto, Ub, Marianna, Queluz, Caet, Sabara,
Leopoldina, Pomba, Aynruca, Cbristina, Itabira,
Ponte Nova, Campanha, Itajub e Bomflm, sende
mais vetados os Srs. :
Luiz Carlos...................v......... 66
Joaquim Delpbino....................... >6
Cruz Machado.......................... 39*
Anlo................................. ^"
Penido................................. 5''
Ferreira Laga.......................... M
Brtas................................. ff
Herval................................. |33
Ottom................................. 230
Lima Duarte........................... w
Martiono Campos....................... 203
Bispo^................................ }9
Perdigao............................... t*
Domiciano............................. t
RIO DE JANEIRO.
S. M. o Imperador, accompanhado de. seus
semanario?, visitou no dia 11 as officinas do arse-
nal de marinha, e em seguida embarcou na galeo-
ta imperial e foi ilha das cobras aonde tambem
visitou o dique imperial, o aquartelamento do ba-
talhao naval e hospital de marinha ; depois diri-
gio-se fortaleza de Villegaignon e desembarcou
no arsenal de guerra s 2 horas da tarde.
DIARIO DE PERNAMBUCO
RECIFE, 23 DE MARCO DE 1870.
Xatlcla do stil do Imperio.
Amanheceu hontem em nosso porto o vapor
Tocantins, trazendo datas: do Rio de Janeiro 15,
da Bahia 19 e de Alagas 21 do ctrrente. Dos
jornaes e cartas que recebemos, extrahimos o que
segu :
RIO DA RATA.
Chegra curte, no dia 12, procedente do
Rio da Prata, o vapor ingtez Pascal, trazendo jor-
naes e cartas de Buenos-Ayres e Montev do at 5.
O gjverno argentino mandou retirar do Pa-
raguay a sua artilharh e cavallaria, deixando
apenas dous batalhoes de nfantaria, um no Chaco,
guarnecendo a villa Occidental, outro na Assump-
gao. A Nacin, dando esta noticia, accrescenta
que entre os alliados se trata va de dar por termi-
nada a guerra.
Relativamente a esta nenhum facto se refere
qne nao sja j conhecido. Narra urna correspon-
dencia da Assumpfo que ura capito paraguayo
por nome Len Caceres, e que fra ajudante de
Lpez, vndo apresentar-se na Laga Cantn, de-
clarara nao conhecer ao certo o actual paradeiro
do mesmo Lpez, acreditar, porm, que este cora
pequeo resto de torgas na maior desorganisacao
se diriga ao Cerro-Cor, para d'alli entrar em
negociacoes com os alliados, pois que assim lh'o
afflrmra o tenentecoronel Manoel Maciel.
Accrescenta a carta que era continua a apre-
sentacao de Paraguayos, entre os quaes alguns
graduados, tendo vindo s n'uma occasio 50 sol-
dados e 7 offlciaes, e que ultima hora se tinham
passado para os alliados varios cheles que esta-
vam no djpartamento de S. Pedro, entre elles o
major Carmona.
O Standar/ de Buenos-Ayres quer saber de
urna derrota soffrida pelo general Cmara alm do
Apa, i em territorio de Malto-Grosso, dizendo
que aquelle general, era um recontro com gente
de Lpez, perder toda a cavalhada, tendo tide
por isso de retirar para a Conceic). A noticia,
vinda nicamente pa aquella folha, merecen
tanto crdito que nem o telegrapho a transmittio
para Mmtevid >, onde alias nao deixaria de en-
contrar quera a festejasse. O facto, porra, que
nem as folha de 5 era algumas cartas que rece-
bemos do mesmo da dizem cousa alguma a tal
respeito.
_ Da Repblica Argentina nada encontramos
que noticiar. Era Montevideo as cmaras oceupa-
vam-se com os projectos financeiros que em gnu-
de numero Ibes havijm sido apresentados. Se-
gundo o Telegrapho Martimo o que maior apoio
encontrava no eorpo do commercio era um for-
mulado pela junta de crdito pnblico, que se limi-
tava a substituir as notas dos bancos em circula-
eo por ontras emittidas pela mesma junta para
serem gradualmente amortizadas, autorisando ao
mesmo tempo o governo a contrahir um empresti-
mo de 800,000 ou um milhao de pesos, e podendo
os bancos continuar a emitlir notas pagaveis ao
portador. Ajunta esta mesma folha que anda se
esperava a; chorada do Sr. baro de Man para
asseitar dennitivameole as ideas que deviara
adoptarse.
A cidade e a repblica estavam tranquillas de-
pois da deportacao dos Ramires e actos de energa
do governo.
RIO-GRANDE DO StX.
O Guapori, chegado corte a 13, fot porta-
dor de noticias de Porte-Alegre at 3 e do Rio-
Grande aM 6.
Ainra se nao tinha nstallado, por faMa de
nnmero, a assembta legislativa, da provincia de
S. Pedro do Sal. S havia na capital nove depu-
lados.
No, dja 5 entrara arribado no Rio-Grande,
com, aga berta, o transporte de guerra Pausan-
d*, emviagem q> Paraguay para a corte.
Tinha fall/ido em Porto-Alegre o Dr. Anto-
Por decretos de 3, 7 e 9 do correte
Foi removido, asea pedido, o juiz municipal e
oe orphaos bacharel Braulio Roraulo Colonia, do
termo de S. Francisco para o de Lages, ambos na
provincia de Santa Catharina.
Foram nomes dos :
O bacharel Pedro Fernandes Pereira Correa,
juiz municipal e de orphaos do termo de Minas-
Novas, na provincia de Minas-Geraos.
O bacharel Joo Mara de Moraes Jnior, juiz
municipal do termo da capital da provincia do
l'ar.
O capito Manoel Nogueira de Carvalho, major
ajudante d'ordens do commando superior da guar-
da nacional do municipio de Ara, na provincia
da Parahvba.
O lente Manoel Valentira Barbosa de Andra-
de, capito quartel-mcste do mesmo commando.
Os capites Candido de Albuquerque Montene-
gro e Jos Maria Xavier de Andradfi, majores aju-
danles de ordens do commando superior da guar-
da nacional dos municipios de Banaoeiras e Inde-
pendencia, na dita provincia.
Joo Baptista Ferreira do Albuquerque, capttao
secretario geral do mesmo commando.
Thomaz de Oliveira Pedrosa, capito quartel-
mestre do referido commando.
O alferes Jorge Cavalcanti de Albuquerque Ma-
ranho^capito cirurgo mor do mesmo com-
mando. .
Gra-cruzes da-ordem da Roas, o conselheiro
Jos da Silva Mendes Leal, ministro dos negocios
eslrangeiros de Portugal, e Jos Maria de Casal
Ribeiro, par do reino.
Commendadores da mesma ordem, r,tasto de
Queiroi Guedes, secretario da legaco de Portugal
nesta corte, e J. S. Slas, subdito de S. M. o re dos
Belgas. .
Cavalheiro da dita ordem, Augusto Bnchaut,
subdito de S. M. o rei dos Belgas.
Foi naturalisado o subdito portuguez Gaspar
Pinto de Souza.
Fez-se merc do titulo de conselho ao bacharel
Joao Cardoso de Menezes e Souza, procurador fis-
cal e director geral do contencioso do thesouro
nacional.
Foram nomeados cavalheiros da ordem do s.
Bento de Aviz o capito do 4o batalhao de nfan-
taria Joo Goncalves Pimenta e o capitlo-tenente
da armada Jaeintho Fernandes Pinbeiro. m
Foram concedidas as honras de coneg ^da S
de S. Paulo ao padre Luiz Jos de Brito, viagano
da vara e coadjutor da fregaezia de Mogy-mirim,
da de Marianna ao padre Joo Evangelista de
Menezes.
Foram concedidas as segnintes pensoes, que fi-
cam pendentes da approvaco da assembla geral.
A D. Emiliana de Barros Rangel e D. Fredevina
Joventina de Barros Rangel, irraaas do alferes do
7o batalhao de infantera Jos Joaquim Cardoso,
morto em combate, a de 36* monsaes repartida-
mente.
Ao eapi:o do 16* batalhao de Infamara Jos
Jome Perrucho, a de 60a mensaes.
Foi declarado de nenhum effeito o de 18 de
maio do anno passado, que nomeou o juiz de di-
reito Francilisio Adolpho Pereira Gulmares chefe
de pohcia da provincia de Mato-Grosso.
Foram nomeados : o juiz de direito Fernandes
Maranhense da Cunha para o referido cargo.
Marcon-se-lhe, por despacho de 12, o prazo de 4
mezes e a juda de cusi de 1:000*500.
O bacharel (Francisco Goncalves da Silva, juiz
municipal e de orphaos do termo de Campias, na
provincia de S. Paulo.
Por decretos de 9 houve S. M. o Imperador
por bem :
Perdoar ao maior Joaquim Jos Pereira da Cu-
nha e sea filho Joaquim Josa Pereira^ da Cunha
Jnior a pena de dous mezes de priso e malta
correspondente a metade do tempo, a que >oraD1
condemnados, em grao de appellaco, pelo juiz> ae
direito da comarca de Arda, na provincia da ra-
rahvba, por crime de injurias vetases.
Convnuter era quatro mo*. e IS m.0ze?o,1f
priso com trahajbo mulla correspondente a
metode de tempo a peqa de pjte annos de igual;.
orisaoe multa, a qne foi condemnadi Joo Pires
de Andrade pelo jury do termo de Santa Maria
Magdalena, da provincia da Rio de Janeiro, por.
crime de fermentos graves.
Era trezc mezes de priso com trabalho e multa
correspondente 4motado do tempo, a pena de seis
annos de igual priso e multa, a que foi cofldem-
nado Felicio Alfonso Rio Braneo pelo jury 4> ter-
mo da capital da provincia do Amazonas, por cri-
me de perjurio.
Lemos no Jornal do Commercio :
Hontem (H) s 10 1/2 horas da manhaa diri-
gio-se S. A. o Sr. principe D. Fellipe ao quartel-
general do exercito accompanhado do Sr. raare-
chal do exercito graduado baro de Itapagipe,
ajudante de campo de S.' M. o Imperador, e**Mo-
all annnnciada a sua chegada, foi receido por-
ta da reparlicac pelo respectivo chefe o Sr. eonse-
Iheiro tenente-general Joo Frederico Caldwell,
ajudante general, que o conduzlo sala para alli
receber de Sua Alteza o juramento de praca no
exercito, tocando marcha em continencia a msi-
ca do 1" regiment de cavallaria, que aehava-se
postada no salo de entrada da reparticao, i en-
trada de Sua Alteza. Na sala do ajudante-gene-
ral, adiando se todos os ofliciaes da reparticao e
os commandantes do Io regiment de cavallaria e
deposito provisorio, bem como os respectivos offl-
ciaes, foram lidos os arligos de guerra, e eni se-
guida Sua Alteza preslou o juramento de lei so-
bre o estandarte nacional: lavrando o termo de
fllaco devido, foi recebido Sua Alteza como ca-
dete do 1 regiment de cavallaria, tendo de se-
guir a 13 do correte para exercito em opera-
53es. Finda a ceremonia militar, retirou-se Sua
,,lteza s 11 horas, com as inesmas formalidades
cora que havia sido recebido.
< Sua Alteza anticipou a sua vinda de Petropolis
para'assistir ao jantar de ceremonia que S. M. o
Imperador deu hontem por ser o anniversario na-
talicio de S. A. a Sra. prnceza D. Januaria, e ao
que assistiram tambera es membros do ministerio e
algumas pessoas da corte.
o Apparecendo em Janeiro varios casos de fe-
bres amarellas entre a populaco de nosso porto,
abri-se, logo nos prmeiros dias de fevereiro,o hos-
pital de Santa Isabel, na Jurojuba, onde tem sido
tratados os martimos atacados da epidemia. Hon-
tem o Sr. ministro do imperio passou parte da ma-
nhaa no hospital, examinando todo e servico, visi-
tando as enfermaras onde corren todos os leitos,
nquirindo do estado de cada enfermo.
c Segando nos informara, existem hoje em tra-
tamento cerca de 130 doentes, dos quaes grande
parte em eonvalescenca, sendo poneos os que ins-
piram receto de terminaco fatal da molestia. O
servico tanto do hospital como o de saude do pr-
teosla bem organisauo e faz-se cora |toda| a regn-
laridade, nada fallando aos deenie?Alrtados com
todo o desvelo. A taboaile morialidade nada tem
de assustedor, offerecendo a media de pouco mais
de om bito por dia Desta feita comprehendeu-se
o apnorismo de Hypocrates Principas tbsta.
t Applacando-se o calor, e viste das providen-
cias temadas, de esperar que continu a moles-
tia em progresiva declinara at desapparecer
completamente. ^
Alguns porlugezes vendo que-ta quadra ac-
tual militas gentes se retira da cidade para fugir
s molestias reinantes, e que entretanto nao po-
dem faze-lo por falla de recursos aquelles exacta-
mente que mais carece deeta precaueao, que sao
os recem- chegidos pobres, j pela circunstancia
de nao estarera anda aeclimatados, j por Ibes
fallecerem os meios de observar as prescrpgoes
hygienicas, resolveram corlisar-se para proporcio-
nar aquelles dos seus patricios que se acharem
nestas condigoes o auxilio indispensavel para se
ausentarem temporariamente da corte. Occorreu-
Ihes ao mesmo tempo a idea de que grande parte
desta gente durante a sua estada no campo fcil-
mente alli encontrar proveitoso trabalho a que
entregar-se, sem newscidade de voltar a este gran-
de centro de populaco, no que vai sem duvida
vanlagom, tanto para esses horneas C40DM para o
paii em geral*
i Neste duplo intuito reunirn.-se no consulado
da sua nago, e concordaram em que os lugares
para onde mais convm remover os recem-chega-
dos que quizerem aprovetar-se deste beneficio
sao as serras e pontos elevados do interior, na
direegao que segu a estrada de ferro de 1). Pe-
dro II.
Para realizar este pensaraento, o Sr. cnsul por-
tuguez, a pedido dos cdados reunidos no consu-
lado, nomeou urna eommisso, coraposta dos Srs.
conde de Estrella, conselheiro Joo Jos dos Rei?,
commendadores Leonardo Caetano de Araujo, Jo-
s Joaquim Ferreira da Costa Braga, Manoel Sal-
gado Zenha, Jos Duarte da Fonseca Silva e Mi-
guel Dantas Goncalves Pereira.
Em seguida foi subscripta pelas pessoas pre-
sentes a quantia de 9:0005.
c- O Sr. Joaquim Heleodoro Gomes Santos acaba
de public?r um livro de poesas com o titulo Pn-
mogenitos.
c Ha de certo nesta collecgo algumas bonitas
rfbesias, e neMas algamas estrophes ebeias e re-
tumbantes, e mesmo pensamentos felizes, o que
nos faz crer que no novel poeta arde o estro de
que se pode e dove esperar muito. Por isso mes-
mo desejavamos v lo precaver-se contra o em-
prego de certas iraagens, que por demasiado ar-
rojadas excedem os limites da mais ampia 1-
berdade potica. Por exemplo fallando ao ocano:
Quantos prantos de fogo nao sentiste.
< Queimaram-te crueis 1 >
Ora, vendo o mar queimado por pranto3 de*
fogo, fica a gente naturalmente com receio pela
sorte dos peixinhos.
c Comtudo, o seno que se nos afigura mais
gravo de envoltacom urna linguigem sem du-
vida harmoniosa e que seduz o ouvioo, urna obs-
curidade que poe a tratos a intellifencia. Tome-
mos logo a primeira estrope da pnmeira poesia,
depois da dedicatoria :
1 'Era um tarde calma, bella para,
c Do sol no espago a luz do firmamento,
Serena, em Hocos, rareada, a espuma,
Envolta d'esplendor fugia ao vento
c Ligeira a nivea bruma.
Nao sao muito mais ciaras as que se soguera.
,_ por ordem do Sr. visconde pe Abaet, pre-
sidente do senado, acaba de ser pubieado nm
ndice, aeompanhado de um resumo complemen-
tar contendo por ordem alphabetica, am de di-
versas outras declaraces, os nomes dos pensio-
nistas, cujas mercs pecuniarias foram na ultima
sesso legislativa approvadas pela assembla geral
e os respectivos decretos dirigidos pelo senado a,
saneco imperial. Estes pensos slo em numero
de 1,116, e importam annualmeote em.........
300:556*831 .
Publicou-se tambem a Exposicao apresen-
tada sociedade auxiliadora da Industria Nacio-
nal pelo seu 2 vice-presidenle Dr. Joaquim Ante-,
nio'de Azevedo sobre a escola notorna gratad
de instruccao primaria para adultos. .
As chuvas torrencias que (esa hAvi"1'
da Barra do Pirahy uestes ultimas. '' -"i?
rara pequeos desmoronamaftlo -a3.,Pro,J?1"
rahyba e parto do Ypiraa* j entre ba e Pa~
t Por esta.razo ho*'" j*-
imito a um hoeir- -'e baldeaclo de passageiros.
i aguas, entre *" -* Qi linb sdo le!ado Pel2*
lo Vnir"' D* e Prahyba, e perto
..aga, por ter ama machina

I

da estaca
desencarri-


y
%\%\ 30 ogftw
->
* v,
"S 1
30

8131
ri^U,
Pernambuco e, Quarta felfa 3 de Marco de 1870.
.33 033!?K3H JVJX ORNA
4- ffiTT""tf r-"^ il.^JT
abade, em ccs6*fncia de trras catada* sobre a
Mata, achando-se, Dorm, actualmente restabete-
eido o transite em teda a liada com toda a ae-
ruraoca. ,
Tero lugar Mtta^Vntem {13) tarde do passeio
pablic- o concert musical em favor dos Alagoa-
nos victimas da secca.
achavam os habitantes de Piranas, e sera demora | e ce suas oonseqnenclas, nao tentemos de tatar
para m se dirigi com o delegado e urna fer\ de com os embaraces de urna grandechela, como a
iTf.'u; i ijtt iimr7ipi. ,i i jh,"! k-rrrr
30 honwns, aAm de se providenciar como o caso
orgia.
u Na sua ehegada, as 1I horas da noite, encon-
trn o subdelegado com parte da popolacao de Pi-
ranhas em alti'.ude defensiva, e foi informado que
istias Magestades e S. A. Imperial e e Sft prirr* "os crtatwsos as>etai^1mrram temad adteece
cao
O. Felippe'chegarara ao pasante as m*sa daf
tarde e demorarain-se MI atoa 8 horas da noite.
O concurso do po W matar da queso eon-
certo anterior.
A lux eletric* e as illumiua^es das roas do
Passoio produieni bonito efteito. *
A collecta, incluinde genernos donante* dar
familia imperto!, importo ero 3,f48#160, alm do
dons quartos de bilhelcs de lotera
o cambio re gula va : toare Londres 10 a 2
/id.
A alfandega renden de 1 a li do corrente
-889:877*472.
Sahh-am para Pernambuco: a 10, a barca
bespananU AwjelU'i; e 12, a poUca hespanhola
Sorj'NTa.
baha.
Na ausencia do Exm. o Rvm. Sr conde de
S. Salvador, foram oncarregados do governe do
arcefcispado o Rwns. conegos Pedro Antonio de
Campos Joaqulm Cajueiro de Campos, Joaqwm
"Enivgdio Ribeire (deo), e Dr. Antonio da ocha
Viaiina.
0 clero ila diocse promoveu entre si urna
subsrripcao da quanlia de 21:001*09 ra, que_of-
etecea ao Eco. e Rvm. Sr. coudede S. Salvador,
para suas despezas de viagera.
O* aluinnos do 6. anno da Faculdade de
Medicina elegeram orador que os dte representar
na fasta do douioramento, no fim do crreme, o
Sr. Satyro de liveira Dias.
Saniram : para a Nova CaWllonia o trans
porto Sttii/, para o Rio de JaBeiro a conhoneira
Jt Bmar, e para Montevideo a fragata Ctrct com
o pavihao do almirante Flsqu ', todos esses vasos
sao rancezes.
No da lo do corrente cfcegaram a capital
viudas de Alagoinhas cbm direccao ao Sr Dr. ebe-
fe do polica, seis familias do centro, que, perse-
guida pela secca, procuraran residencia ao mu
da provincia. Cumpunham-se ao todo de 37 oes-
Foram recebdas na estadio da estrada de ferro
da eidade por mn agente da pojicia, qne as levou
ao hospicio de Jerusalm, onde estavam hospeda-
das, ate que sigan) para colonia Commandatub3,
para onde se desiinam. (
O cambio icgulava sobre Londres 20 ',s a
20 V* d.. e sobre Paris 43 ra.
A alandcga rende* do 1 a 18 do corrente...
417:831*6.
Estavam a sahir para Pernambuco : o bn-
guo inglez Paira, e a escuna brasilcira Atina.
SEflGIPS.
No dia i do corrente honve a sessao solemne
da abertura da assembla provincial.
A mesa flcou assim composta :
Presidente da assembla Dr. Jos Martins Fon-
tes.
Vicepresidente, Dr. J s Luir Coelhoe Cara-
pos.
1 secretario, Dr. Vicente da Silva Portella.
2* secretario, Dr Gervasio Rodrigues Dantas.
Gbegava j a 2.-000000 a subseripeo aber-
u pelo presidente da piovincia, cm favor das vic-
timas da seera.
Foi rescindido com o Dr: Francisco Sabino
Coelho Sampai-i o contrato para os curativos das
praeas do corpo d polica o dos guardas nacio-
naes destacados, para o que fot feito o contrato
com o Dr. Americo Alvares Guimarles.
Athava-sft internamen'e, durante o impedi-
mento do effeclivj, servindo o cargo de promotor
da capital, o advogado Francisco Telmo Peixoto de
Carvallio.
No dia 26 do passado pela primelra vez fue-
cionou a machina das fundicoes vapor na ca-
-pitaL
No dia 27 manifeston-se ura incendio na casa
do marcineiro Jacintlio de Santo Amaro ; a casa
icou reduz da cimas.
A mesa de rendas da capital arrecadou no
decurso d* mezpassado 38:480*170.
ALAGOAS.
Abrio-se^vao dia 16 do corrente, a assembla
provincial ; ficar.do sua ilesa assim cotnpasta :
prndente Dr. Bernardo Antonio de Meadoncs ;
secretarias Drs. Jcaquim Jos de Aranjo e Jos
Antonio de Magalhaos Bastos
Lemos no Diario das Alagoat :
Constando que apjweeu a vanla na povo-
eao do Gamella, o Exm. Sr. presidente da provin-
cia luandou para, all ambulancia m virtode de
eommunieaco 5 Dr. juiz de direito da co-
marca.
x E por |ue pode acontecer que o mal se deseo-
volva e exija a pnseni;a do um fatnliativo, ofllciou
S. Exc. ao Dr. Jacintho Paes Pin o da Silva para
qde preste os soccorros precisos populaclo in-
digente naquelle ponto ou em ijualquer mitro do
municipio de Porto Calvo, em qne a epidemia exija
-sua presenta ; devendo informar acerca do estado
sanitario das. localidades, e indicar as providencias
que jnlgar precisa?. >
O Dr. Jos Antonio Lopes devia ter ido no dia
7 ao mel dia para a p voaeao de Porto Real do
Cnllegln, d'oude seguira at Piranhas, na confor-
niidado das ordeos recebidas.
S. Exc. o St. presidente da provincia recom-
mendou-lb bem como aoDr. Miguel Al ves Fei-
insa, qiiR !b eltee nao se encontrasm4es?oalmen-
te, se.(iitendissem por escripto sobre a convenien-
te distribnlcjio dos servic.os entre ambos, de modo
quo rejan sweorridos os pontos mai necessi-
t.'tdos.
O inesmo Dr. ;Feitosa visitou no dia 22 de fe-
voNfiw a villa de Pao de Assucar, onde nao encon-
trn febre nenhnma epidmica, mas sim outras
alTeccoes.
Percorrendo a extensao entre Jacarezinho e
noriar^ii do Limoeiro, encontrou muitos doentes
de fcbre epidemira que foram tratado?.
Consta baverem alli perecido imita e tantas
pessoas, sendo Hj adultas ; e o mal anda nao es-
lava rxtineto.
A' urna pe?soa candosa foram deixados os
medicamentos indispensaveis, hem oemo a guia
para tratamento dos indigentes.
< Em 3 do corrente seguio o Dr. Feltosa para a
povoaao do Gollegio e d ah at Pencdo, ncon
tranito doentes.
A epidemia continua no Porto da Folha, para
onde elle regressou. O numero, dos doentes tem
sido constantemente (trino medio) de 40 a 00,
alm de ontrs em estado benigno, que so tratanv
liomeopaihicameote.
S. Exe. o Sr. presidenta autorisoo o Dr. Fei*
toaa, segundo elle propoz, a aproveiiar, se fossem
Bocessario-, os servr.os de amigo pratio Jos Jo*-
inioi Pitombo, para i|ualquer ponto mais distante
da villa.
n Dr. Scrates do Carvalho Moreira Guima-
raes. commissionao no Penedo, havia medicado,
do da ."> a 12 do corrente, 80 doentes, alguns de
fehre de. caracteres gastricobilioso, outros inter-
miiiiiiii' peroiciosa ; mas es'aa molestias edera a
accSo ibcrapeutfca, sendo soccorridcis os enfermos
na cnincco ileJIas : suecumem febro typboide os
que nao rerrbera logo soccorroiedico.
Aquelle 'actrttativo *tem visitado tres vezes a
povoaeao da Boatci, e applicatlo modicaisientos
ais dwfltas.
No da Igreja Nova e lugares cirensnvisinho?, onde
constava star lavraudo a epidemia.
O juiz-de direito da comarca da Matta-Grande,
o delegado snpplente em^xcrcielo do termo de Pao
le Assuear e subdelegado da pnvoaeao de Pfra-
nlias, por oflleios de 8 e 9 a corrente, eommani-
rara o scguinO :
Ko dia 5 do andante mez, as 10 horas da oa-
aliaa, 15 crimtnosos bem armadns e aiatticlados,
,'p.arte d;* provincia da Bahia <: outro* JadePec-
jiambueo, aceommetteram a Hcvnacao de Piranbaa
-denoia de apoderaren*} io subdelegado em
xeiciaw Fraocise Mina! da C rana con quatrn krato triaU facacia a Manoel
Vctor de Suua Ferretra,
do CjBdide, urna legua djsiante > HieaW) do cri-
me, e que justos receioa baviMi do noto assalto,
com o principal 8m de roubarem as casas com
mercifcea, Dcommnm accordo com as aotorida-
des paNefaes tomn as providencias necessarias e
possivab, sendo urna delta? mandar destacar una
forca do fO guardas naelonaes conrtMBdada por
um inferior, de vendo r mudado de #es era tre
dias alo ordena em contrario de S. Exc.
t O delegado supptento emxerciciotesce>-
la em seu citado offlcio que os criminosos retiran-
do-se na Urde do dia 6 para o lugar Candid, dis-
tante da povoasao urna legua, na margan ce rW|
pertencenu ao termo do Porto da Folha, provincia
de Sergipe, pMMHMP do embsca>la para assas-
sinarem o subdelegado do Carral dos Bois. pro-
vincia da Bahia : o que nao conseguirn!.
A presidencia em data de 16 do corrente nfii
okm ao juidedirilo nitendo-lhe que azia segair
sua disposivao urna forja do 20 pracas do corpo
de polica commandadas por om oOciat, e qne
distribuisse onnvenienteniente, de modo que fleasse
bem guarnecida a povutrao de'Piranhas.
t Tambem offlriou-se na mesma data ao dele-
gado de polica do termo de Pao de Assuear e ao
subdelegado do Piranhas.
i Communicou-so aos presidentes de Sergipe,
Babia e Pernamhocui o facto de que se trata e a-
provaaeocias dadas a este respeito, para que elle*
por sua parte dssentambem a* providencias ne-
cessarias ein ordem a que os assassinoa nao voltea
a esta provincia, e sejain capturados.
Tem declinado em alguns pontos, como em
Traip, Piranhas o Collegio.
t Aaa continnam desanimadoras as ultimas
noticias do sertao, crescendo diariamente o nume-
ro de retirantes.
c intormaiH-n is lugares adjaoentes cahiram eopiosa chava a tres
ou quatro dias o quo havia proauzido boa espe-
ranca de declinar o fla^ello da secea.
t Lemos no Peneiense:
Cinco presos injportan-.es, tres dos quaes ja
foram julgados econdemnados peto jury, tentaram
arrombar a priso cm uin dos ulliinoa dias, \n
foram reraettidos para a cadeia dacapital o doas,
Vicente Garuar p Jitaquim Lopes, seguirao de-
pois deerecn julgadns pelo jury, qe so acha
funecionando, se nao forem livres. Ficam na ca-
deia 31 presos, qne recebem diaria e 12 que a nao
recebem.
Escrevem-nos de Salom em 2 do corrente
mez:
NSo chuveu por aqu este anno; inaudita a
mortandade do gado, com especialidado as bebi-
das, nao se vendo um so urub vear, por i:starem
embebidos as crnicas; as nossa viagenrs se fa-
zem agora a pe por falta de cavaUos; algum qrie
anda nrissimamento se acha para alugar por
proco fabuloso, nao resisto viagem de um dia,
cai no meio do camiaho e o viajante obrigado a
carregar a sea e os arreos ; um nordeste abra-
sador sopra quetidiannamente; eaconlrani-se pe-
los campos, pasearos morios e attribue-se que isto
suocede per nao acharern o quo comer; farinha
por aqn nao ha, somos obrigados a manda-la
comprar em Cururipc, pagando enormes despwtas
com o transporte; carne de gado nao apparece, e
s comemos cear de ptssima qualidade a 20 rs.
a libra.
Tem-se desenvolvido pelas circnmvisinhanras
desta povoacao urnas febres de carcter pernicioso,
da qnal se acham accmniaeltidas umitas pessoas,
j leudo sucumbido algumas.
FiaaJmeoter nao possivel deserever-se, meu
amigo, o horroroso e lamentavet estado em quo
nos aehainos.
Deus nos queira soccorrer com a sua-miseri-
cordia I i
me*c>aeen!ertr, caso cantinue ehover como
temnhovido nesies ultimo qnatro dias.
FBRIM$NTG.No dia 40 do corrente, Manoel
Antonio do Monte deu ume facada em Justino
Lourenco dos Antes, na feira da villa do Cabo,
'Mido eni>cntientc pre-
TR1LHOS URBAftS DC AP1PDCOS.A come-
jar de 24 do crtente otrens desta lnha ferr
pararao na nova cstacao da Jaqnelra, situada n
eetrada do governo antes de hegar o portto do
sitio iles^a denominarao.
TOCAiSTIJS.Este vapor tira a mal hoje s 3
horas da tarde, no correto, para os portes do nor-
te do imperio.
OS BWLHANTES DO BfASIUCIBO.EoceU-
mos hoje, em nossa 8." pagina, a publcacio do ro-
mance 0$Brilkanies t-Srasikin, esenpto pelo
IlustraJe romancista poriuguca Careilo Castelio
Branca, sati?fazendo assim amuitos dos hossos as-
atgnaotes que nos teem pedido essa pnblicaeaa
Como todos os romances desse antor, Os Brilhan
aberte a sessao estando reunidos os Srs. deaetn-
barfiaores Silra Guimares, Res e Silva e Ajj-
cioli, e os Sr\ depulados Rcsa, Baste, Mirand
Leal e bario de Cruangy. a
Lida, foi approvada a acta da sessio anterior.
0 escrivao Albuqncrque registrn 6 ultimo pro-
testo de letra a 16 do corrente mez sob o numero
yes MMn a ia l WMI
PEENAMBUCO.
REVISTA DIARIA:
MINISTERIO DA AGRICULTURAPor aviso de
10 do corrente, dirigido seccao dos negocios do
imperio do conselho de estado, foi mandada emittir
sea parecer sobre a-proposta presentada por An
gelo Thomaz do Amaral," Joo Ernesto Vifalo de
Medeirds, e Carlos Kranss para a constraecao de
um trim-road desde Jatob at Piranha, qno li-
gue ao alto o baixo S. Francisco, e bem assim para
o melhararaento da navegacao do S. Francisco,
desde Jatob al cachoeira do Sobradinho.
AUTORIDADES POLICiAES Por doliberacoes
da presidencia, de 18 e 21 do corrente foram no-
meados : Paulino Pires Falco, subdelegado di 1."
districto do Cabo; e o Dr. Christovao dos Santos
Cavalcanto, 1" supplento do delegado do termo de
Pao d'Alho.
JUIZO MUNICIPAL.^-Pot denberacao d* presi-
dencia de 21, foi mandado respoosabilisar Adriao
Thenorio de Albuquerque, supplent do juiz muni-
cipal do termo do Bom Conselho, por-conservar na
serventa do cartorio de orphaos substituui incom-
netetente, apezar da advertencia da autoridade com-
petente.
DINHEIRO-O vapor Tocan!ins trouxe as se*-
guintes quantias j.ara os Srs.:
Amom Irmaos & C. 108172*710
Pereira, Carneiro & a 49:2.S0*00O
Francisco Ribero P. Gumaraes :W:000*000'
Ferrera 4 Loureiro 23:4133000
Jos da Silva Loyo & Filho 20:000*000
Barao do Livramento 12:76>*!)O0
Jtaquim Jos Gonealves Beltrao 11 :COO*000
J. Carrero 10:080*000
Theodoro Simn 10:000*000
Manoel Teixara Bastos 9:19t*$80
Th. J. Hardln. 6:000*000
Carvalho & Nbgueira 5:400*000
Antonio Gomes Netto 2:000*090
Marques, Barros 4 C. 600*000
Francisco Jos da Costa Guimaraes 397*000
Pereira Vianna & C 300*000
A. ETuio 200*000
Manoel Candido Urreira 100*000
Para o norte trouxe mate eese vapor as se
guintes somma?!
Parahyba 302*000
Cear 20:100*000
Maranb3o 7:91f*fl:)
Para 1:400*000
JURY DO RECIFE-Na sessao de 21 do cor
rente, foram apresentados pelo Dr. juiz municipal
da segunda vara, os seguintes processos, devida-
mente preparados para entraren) em julgaments :
Autora, a juslica.Bo, Emygdio Jos Pedro
Montes (preso)
Autora, a justiea.Roa, Andr Jos de Moura
(preso)
Autora, a justiea.Reo, Antooio Jos Je Castro
(afQancado)
Autora, a justiea.Reo, Canuto Candido Ramos
(preso)
Autora, a justiea.Reo, Francisco Goocalvos
Perreira (preso)
Autoraj a justiea.Reo, Laurindo Perreira'da
Costa Inres)
tionlem foi julgado e reo Bartholomeu Mel-,
quindes Duarte, acusado por 4enuiiva de morte
contra Joao de Medeiros Raposo, sendo,seu advo-
gado Dr. Belturt.. Foi oondemnado' a 8 anno de
priso cura libamos.
H je sero julgados os roe Jes Antonio
Manoel do Monte, aecusado por ecirae de estrapo,
a Nicolao Machado Freir, acensado de perjurio.
POlNTE DE UCI10A -As el. uvas testen dias vie-
ram courmar os receios qne nianife.-lamo* lia al-
gum tempo acerca da osirada de Apipocos.
O asseotameoto des trilbos da va frrea de Api-
pucos deteriorou consideravelraente aquella es-
Irada do lado esqoerdoYsubindo), o euwrramento
enMaado cara?o na| do canos para agua da coiupahia le-Beberibe
r-sa da yietuaa, qn traocou-e em um qoarto, detruio-a aireiu. En resultado a estrada, ao-
;ija porta violentara, a rrasiaadeatliui o cadver
pira o meio da ra, ah cortaraiallie urna re-
illa, cujo s.;ngueoo dasiauina dT*t*uiihaoteai-
biam llamando com inaudita alegra om roda do
.-adaswll
/msuramado este acto do canibaKsmo, dorara
i iierade ao subdelegado e atraressaram cm ca-
uto* o rio, conservando-se at st 1 lioras da tarde'
do dia segrate no do-derruirte de Piranha*, para
< nde dir^gtm eur aftas e dispara-
cara tiros.
O sahdelegaJo aeshr. em liher-
dade rennio os^icus nmi^s o atrs 'peejbas'nals
<,ue armw.'.m-so e tonaram 'w^s'isoiiverdBntdl
a defendorem o commcrcto, caso Ho? qnteesenl1,'
vomo sfl prasaona o mosrantoi itef6>*, tentar
% as 11 horas da tnanhSn do dia segoteto foi
iuc uizde direito tevo scicncia de semellianto
ac-3 ji.''uaent? e do alarma e sobresalto en qne s
bre ludo no lugar da Ponte de Vshoa, est n'um
estado deplorablniskno I
De quero se deven queixar oa moradores da-
qoeilae uaudas ? Seta dnvida das obras psbiieas.
E qneixam-se com tanta mai razaoy quanto para
ene estada j foi chamada a attencao dafielia
#eparti5o.
E* indispeawavel qne an tome alguna providen-
cia no sentido de melhorir este estado.
CHUVA E CHEIA,Com as churas destes lti-
mos dias, cabidas na sontta comfn'heiidlda at
iloelfo, croscerar as agoas do t'jipibarib*, qne,
^nimshadas com as do Tapacnr. prodnzlram
urna pequea chuia iiaqMlte rio. Ni paveado de
Caxamrt, hontem ela manhaa, j erar gemidos
os efleitee desse ernjroesamento de aguas, e a pin-
gueMqae aH dava Iravessia sohro o rio foi hon-
tem mosmo acarretad.t pelas aguas, qne se iam es-
praiaado s 11 lioras do /lia para os lados do Brum-
zBho. cus queira que, 4epois de lio grande secca
tes if? irasileiro escripto em Imguagen pura ti
coi recta c o assumpto prende o Icilor desde a pri-
meara'at ultima linda. Chmanos para elle a
attencao dos leiteres.
NOVA PUBLICACAO Lemos no Jornal e
Cominercio, da cetej o seglntc :
O Sr. Estarte de S e Menezes acaba de pu-
blicar urna liistoria do Brasil coutada aos meni-
no?. Est redigida em forma de lices de um pai
do familia a sens (Unos. O estyto portanto, fa-
miliar e aceonaodado lotetligenciai das enancas
e no fim de ea>ta capitulu com o titulo Dundas t
erplanacors, flguram-se algumas perpuntas feitas
prlos meninos para melhor comprehen-o do i|oe
acabam de oavir. E" edictor o Sr. B. L. Garnier. i4
Anda sobre essa obra, lemos no Jornal da
Bahia :
O S.. Eslacio de S e Menezes offertou-nos
um fxemplar de suHistoria do Brasil couda
aos meninos,publicada no Rio de Janeiro.
c Esl ella dividida em forma de licites de um
pai scus lillios
< O modo por que esl escripia, o estylo familiar
e appropriado s enanca?, e as ducias e expa-
meves, que Hguram pergunlas dos meninos, ni
lim do cada capitulo, do-lhe particular inte-
resse.
NAVIO DE GUERRA.O briguc-escuna de
guerra Tonelero sabio da Bahia, no dia 17 do cor-
rente, para > nosso porto, toezndo no morro de S.
Paulo c nos AbrlhoY
MAIS UMA MANIFESTACAO POPULAL.Pe-
dem-nos a seguiute pubiieacao :
0 Club Popular, de quo presidente o ;Sr.
Flonano Coi roa de Brillo p.i-sui Jo dos mais no-
bres e ordeos sonliento, deu-se pressa de por
sua vez ir ao quartel das Cinco Ponas render a
devida iioiuenagem aos hroes voluntarios da pa-
tria. E o fez, na noute de 1* do correte, daudo
as mais viva* provas de patriotismo e amor jidas
democrticas que eslao de accordo com as iiUtui-
oes livres do rgimen representativo.
< Pai lindo do sal em qne faz o Club suas
sessoes um avultado numero de seus mais dedica-
dos mernbro?, tolos dectrisados de verdadeiro pa-
triotismo, tendo freate urna banda de msica e
seguid i de grande acompauharoeuto de povodi-
rigio-se s Cinco Paulas, oude j cram osperados
pelo commandaote, oHicialidade e crescido numero
de pracas do heroico balalhao. Ah o presidente
do Club tomando a palavra conseguio, em um fri-
sante e eloqucnle improviso, prender a aiiencao de
lodosao ruviver elle em bem iracado c resumido
quadro os feitos gloriosos daquella por<;o de de-
nodados peruambucanos ; segurado se lugo a essa
allocuco o mai? frentico enthusiasm) e longos
applausos ao balalhao merecidamente victoriado.
Aps o qnb recitou o Sr. Dr. Almeida .Nobre,
secretario do Club, um bello discurso em que su-
blimando quelle puahado de bravos, poz em rele-
vo, e com feliz xito, a conveuiencia da harmona
e da frafernidade das armas cora a indiligencia e
a palavra, as grandes conquistas da liberdude;
sendo certa, que a esse discurso, que foi assaz
applaupido, seguiram-se varias e panticas poe-
sas recitadas pelos Srs. Odorico Pestaa e Theo-
philo do Rosario, enlre o mais vivo enthusiasrao
do povo.
Eniio o Sr. coronel Barros, muto digno coro-
mandante do corpo do voluntarios, depois de ter
corialraente correspondido s sinceras manifesta-
coes ^o i ub, dando vivas Nacao Brasileira, ao
Imperador, aos Voluntarios da Patria, ao Heroico
Poyo Pernamhucaoo e so Club Popular, veto tora
com o symbolo das grandes victorias, e acotnpa-
nliou o povo at o ceutNa da praca, onde Je novo
o Sr. Floriano Bruto proferio, com effusu, mais
algumas palavras de verdadeiro tribunoem honra
ilibcrdaae e ao Deus dos exerclto?.
Da I i, urna vez cuuiprido o sagrado dever'em
nome da idea democrtica, desfilaram todos na
melhor .dem, debaixo do mais ardente enlhu-
siasinoentre" viva?, applausos e prnfasio d fo-
guetes:i!ii o largo da Penha, onde mora o Sr.
coronel Barros; e novas emoedes at o phrenesi,
e para o que anda cuncorrera a palavra fcil do
presidente do Club, fazendo senlir o triumpho da
f o da relgio na liberdade. ah se fund'ram era
estrepitosas homeaagens especiaos ao invicto com
mandanle.
Era seguida percorreu a patritica mullida) al-
gumas das prinoipaes ras da eidade. sempre em
crescidos encomios aos vencedores do Paraguay,
at casa do Sr. Floriano Britto, onde dissolveu-
se; tendo a isto precedido muitos applausos ao
presidente do Club, por sua constancia e infatiga-
bilidade, e o mais sincero reeouhecment deste
ao povo qno o aeompanhara, e quantos o havlam
animado na iniciativa, que, felizmente, do melhor
modo possivel, acabava de ver reahsada.
LOTERA.A que se acha venda a 141'
beneficio da matriz d'Agua Preta, a qual corre no
dia 28.
PASSAGEfROS.-Vieram dos portes do sul no
vapor nacional Tocanlins:
D. Lauriana Candida F. Duarte Drummond, Joa-
qun) A. B. N. de Arajo e ura criado, D. Theodora
M. da S. Pinto e dous filbos, Agostinho D. Pina,
Antonio M. P. da Silva, capitao Francisco de Paula
A. Marannao, capitao Manuel Joaqnim Bello, capi-
tao Eduardo Augusto de Olivera, l escravo a en-
tregar, coramendador Gomes Netto, sua senhora, 3
Anas, 1 criado e 5 escravos, Dr. Jos A. Floresta
Bastos, Fr. Venancio de Ferrari^ raajor Francisco
Borges de Lima, Dr. Agostinho Penido, Paschoal
Brando e um filho, Nicolao Brando, Biagio Brando,
Dr. Santos Mello, 1 cadete e 8 expracas, Antonio
Joaquim da Silva, Pelro Americo da Aguiar, Eu-
genio Flix da Sls-eira Porto, Jo3o Teixeira Lope?,
D. Adelaide de Miranda Veras e 2 escrava, Fran
cisco Symphronio. Joo de Larde, Domingos Maree
caly, Francisco Torres, Domingos l^aipca, los
Paulino Rodrigues de Barros, Fr. Josnaana Cal-
tanicetta, padre Antonio da Guana Figueiredo,
Manoel Jos de Olivera, Aureliaao da Nubrega de
Vaaconcelfos, Jos de Souza Brando; Manoel Tor
quato Barro?, D. Rosaliua Laurinda da Conceicao,
Oddon das Virgens Luna, Joaquim Pereira da Ro-
cha Lima, Marcos Antonio de Lima, Francisco Fa-
bo Al ves da Silva Manoel Cabral Borges, Fran-
cisco Jo Nunes, Antonio Pinto Sirodio, Dr. Joa-
quim Pontea de Miranda.
Seguem para o norte :
Alteres Jorge Garateante de Aliuquerque Cha-
ves, 3 ex-praca* invalidas, D. Perijetua FeJicidada
e sua fllha, Vicente Ferrera Cabral, tenento Lou-
neaco Alves Feltosa de Castro, eap la Antonio
de JJliveira Jamacr, 8 ex pravas, Raynundo II.
de Lima, Francisco Correia Leite, leante Ray-
mundo Rodrigues Bavno, capitn Carlos Eduardo
8. Pierre Carneiro, capitao Candido Mara Alves,
:i ex-pracas, frei Peregrino de Frouli, Maximiano
Febroaio Esmeralda, dsembargador Ponies Ver-
uuira, Alfredo Carlos Garca, Manoel Martins d
Olivera, Joao Egty, Dr. Francisco de Paula Lina
uunares tixoio, RaphaeJ Totedone, fluiseppe
Toledone e 3 ex-pracas.
Vindos do Rio-Grande do Norte no vapor
Parahyba :
Joao Raposo de Sonta, Julio Cesar Paes Brre-
lo, i trnaae 1 criado Antonio Baato R. Dantas
Jnior, 1 Gibo e 1 criado, Antonio de Sioueira
Silva, Franeheo Hereulane Barbalho, Laudeliu>
Cariolano da Silva, Francelino da Silva BarandSo
e Antonio de A. Garca.
Vierain do Rio Formoso e portes intermedios
no vapor brasileire Coruripc:
Manoel Bernardo das Virgeas, sua sennora, urna
Ola e um escravo, Manoel de Souza.Barbosa e usa
escravo, Vicente Amonio Hyppold, Mdqaiades
Soares, Affonso Arthur.
CEaHTERIO PUBJ-ICO.-Otitoarte do da 21 de
marco de 1870.
Jbaqnim Moreira da Gama, Portugal, 21 axunav
seiaaD. Boa-vista ; anemia.
Jos, iTeraanbueo, i.'l dias, S. Jos.; wuo*
Domiciana, Pernambuca, 36 amee, soltoira, Reef
te-, coa^eatepulmonares.
Joo, Pernambuco, 6 anuos, S. Jos ; espasmo.
CH|0NICA JUDirURU.
TRIBUNAL DA lli:i.Af.'A.
SESSAO EM 19 DE MARCO DB'M0
MiasmuNcu no exm. sr. comselheu cabtano
8ANTUOO.
As 10 horas da manha, presentes os Srs. desem-
ftargadores Guaran, Gera* proenradur da oera HM7 ; e o ecrj|hT|lve
Lourenco SaMiago, Almeida Alhuqneruue,, Mottav nez sob o nuanro qp?
Assta, Domingues da Silva e Soua Leao, fakande
o Sr. aesemwrtador Doria, abrio-se a sessao.
Passados os feitos, deram-se os seguintes jura-
mentos :
Recurso cwmk.Reccom5nte,ojuixo; receorri*
do, Jos Pedio de Lyra.Relator o Sr. desenliar*
gador Atrasad* Albuquerque, sorteados os Srs.
desembargadures Domingues da Silva e Assis.Im-
procedente
Appbu.a$5es cuniEs,Appellante, o juizo ; ap-
pollado, Antonio LouruBfo Nunes.A' novo ju-
ry. Appellante, o juizo -r appellido, Antonio Pinbo
de Araujo.A" novo jury. Appellantes Matureiro
Jos da Silva e oatros; appelUda, a luiHp I'
novo jury. Appetlanto, o juizo; appeliado, Anto-
nio de Sequeifa Rarros Leite.A' novo jury. Ap-
peHante, Antonio Jos Barbosa; appellada, a jus-
tiea.A' novo jury. Appellante, o juizo; appel-
iado, Joaquim Francisco.Improcedente.
A*u.Afl8es-ciVHB.Appollante, Manoel Anto-
nio dosPassos e Silva; appellada, a fazenda.Jul-
gou-se de nenhum effem a vista concedida ao
advogado, por ter a parte fallecido antes de arra-
soar a appellacao. Appellante, Antonio Francisco
Muniz de Miranda; appellada, a fazenda.Refor-
mada a sentenca.
Conflicto dk jrlsdiqaoEntro osjuizes muni-
cipal e e dos feitos da fazenia a provincia da Pa-
rahyba. Julgou-se compleme o juiz municipal
para fazer e inventario de que se trata.
DKur.EM.i.v i:ivkl.Ao Dr. curador geraI: ap-
pellante, Ernesto Brasil de Mallos; appellados, os
herdeiros de Miguel .Uves de Mello.
ELiNoiA crime.Ao Sr. deseuibargador pro-
motor da juslica: appellante, o juizo; appeliado,
Joaquim Correa de Melle Appellante, o promo-
tor; appeliado, Francelino Severo d'Annuncia-
eo. Appellante, Antonio Vicente da Silva; ap-
pellada, a justiea. Appellante, o juiao; appeliado,
Jos Francisco de Lyra.
PASSAUEIt.
DoSr. deserobargador (tirana ao Sr. desembar-
gador Lourenco Santiago. Appellacoes crimes:
appellante, o juizo; appellaao, Francisco Jos de
Sant'Anna. Appellante, o juizo; appeliado, Fran-
cisco Nery Santiago. A ppelianie, o juizo ; appel-
iado, Manoel Antonio d'Assurapcao. Appellante,
Arminio Jos Ka\ mundo ; appeliado, Agoatiaho
Cabral de Jess. Appellante, o juizo; appeliado,
Antonio Ramos da Silva. Appellante, Heginaldo
Jos de Souza; appellada, a justiea. Appellante,
Patricia da Costa Freir Maracaj; appeliado, Jus-
tino de Olivera Lima.
Do Sr. desembargador Lourenco Santiago ao Sr.
iesembargador Almeida Albuquerqne.Appella-
coes crimes: appellante, Joo Pereira Jacintho
Cavalcanto; appellada, a juslica. Appellante, o
juizo; appeliado, Manoel, escravo. Appellante, o
juizo ; appeUalo, Luiz Antonio, escravo. Appel-
lacao civel; appellantes, Joaquim Rlbeiro de ato-
raos e outros; appeliado, Manoel Pereira Maga-
Ibes.
Do Sr. desembargador Almeida Albuquerque ao
Sr.desembargador Molla. Appellacao civel. ap-
pellante, o viscoade do Loures; appellada, a fa-
zenda. ^
Do Sr. desembargador Motta ao Sr. desembar-
gador Asis.Appellacao crirae: appeUanie, Jos
Jacintho de Souza ; appelleda, a justiea. Appel-
lacOes civeis: appellante, Ncacm Mara da Con-
ceiean ; appeliado, Alexandre Joet- Nogueira. Ap-
pellante, D. Thereza Carneiro Lins da Miranda;
appeliado, Ilennenegdo Eduardo Reg Mon-
teiri. .
Do Sr. desembargador Regueira Costa aa Sr.
desembargador Souza Leao.Appellacoes civeis :
appellante, a azeuda ; appeUado, Luiz Antonio da
Silva Vianna. Appellante, Justino Nunes de Mel-
lo; appeliado, i!auoel Nunes de Mello. AppelUa-
te, a (larda Angela; appellada, D. Virginia Zeuan-
des Ferroica,,
Assignou-se da para julgameuto dos seguintes
feitos:
Ai'i'ELL>.i;ijEs crimesAppellante, Domingos Go-
mes de Aguiar; appeliado, Manoel Jos do Nasoi-
mento. Appellante, Ladislu Cabral de Mondn-
ca; appeliado, Manoel de SouzaUangal. Appel-
lante, o juizo; appeliado. Alexandre Fortuuato da
Silva. Appellante, Manoel Jos da Cruz; appella-
da, a juslica.
Appkll.u.o civel. Appellante, D. Joaquina
Benedicta Vi i ira da Silva; appeliado, Joo Ribeiro
Passoa de Lacerda.
ItKvts r.v civel Beccorronte, Joaquim Antonio
Guerreiro Lima; reccowda, Anna Anglica de
Macedo. W
A' urna hora e ura quario da larue encerrou-se
a sessao.
AOGORDM ASaWRaDOS
Embarganle, Gaspar Cvateme de Albuquer-
qne Ueha ; encargado, Julo de S e Albuqnar-
que : appellaBle, Antonio Joaquim Salgado; ap-
peliado, Luis Fonseca de Macedo.
JULOAlTElCrOS.
Juizo municipal e do comrocreio de Pendo .
embargante appellante autor, Jos Nunes de Bar-
ro* Leite: embargado appellade roe, Lniz-Casta-
no da Silva Campos : juizes os Srs. Reis e Silva,
Accioli, Baaeo e bario de Cruangy.Foram des-
presados os embargos.
Juh especial do commercio : appellantes exe
quema, os admiro aradores da massa fallida de
Joaquim Jos Silveira ; appellados executados, os
herdeiro de Diogo Jos da Costa : juizes os Srs.
.iccioli, Silva Guimaraes, bario de Cruangy e Ro-
sa.Vista ao Dr. curador geral.
Juizo especial do commercio : embargante ap-
pellante exeqnente, Alexandre dos Santos Barros;
embargado appeliado embargante 3a, Maneel Jos
de Miranda, executado, Joao Jos Lopes da Silva :
juizes os Srs. Accioli, Silva Guimaraes, barao de
Cruangy e Rosa.Foram despresados os embar-
gos senda voto vencido o Sr. Rosa.
Appcilantp, Maneel Torqualo Ramos ; appelia-
do, Antonio Wlysses de Carvalho: appellaute,
Joao Prdro Blanchin ; appeliado Carlos Luiz
Cambrone : embargantes, Augusto Oclaviano de
Souza & C ; embargados, Augusto Fredenco de
Olivera & CAdiados a pedido dos Srs. depu-
lados.
PASSAOKNS.
Do Sr. desembargador Silva Guimaraes ao Sr-
deserobargador Reis e Silva : appellante, o Dre
Augusto Carneiro Monleiro da Silva Santos ; ap
pallados, o? administradores da massa fallida de
Siqneira & Pereira : appellantes, Tasso Irmaos ;
appeliado, Antonio Moroira Reis : appellante, Jos
Pinto Ribeiro; appellados, Maury Romaguera, Hi-
ja & C.
Do Sr. desembargador Reis e Silva ao St, de-
sembargador Accioli: appellante, Andr de Abren
Porto; appellados, os administradores da massa
fallida de Amorina, Fragoso, Sanios A C.: appel-
lantes, os administradores de dita massa fallida ;
appeliado, Domingos Franciseo Ramalho : appel-
lante, Joao Pinto de Lemos Jnior; appeliado, o
administrador da massa fallida de Mamede & Mar-
tins.
Do Sr. desembargador Accioli ao Sr. desembar-
gador Silva Guimaraes : appellante, Jos Targino
Goncalves Fialho; appeliado, Joaquim Ignacio Ri-
beiro Jnior.
oSTninuicio.
Ao Sr. desembargador silva" Guimaraes: ap-
pellantes, Manoel Alv.-s F- rreira & C.; appella-
dos, D. Agoslinha Joanna k Fillioa.
Nada mais havendo a tratar, (oi encerrada a
sessao urna hora da tarde.
A Ulan, junte da unta casa do misericordia
do Rclfe, pelas 3 horas da.tarde do dia 24 do eor-
2nte, na sata de suas sessoes, recebe proDostas
para o forneeimento de carne verde qne tiverem de
consumic todos os nstafteteonnentos ptos a sen car-
go, no mez de marco corrente.
Secretaria da santa casa dejatsencordia do lie-
eife #* mT$rmmor
O escrivie.
_____________PuiBroiliudrigaaa de Souza.
Pela recebederla de renda* internas se fas
publico que neste coWBOte mes e no de abril
prximo futuro, que os contribuints do imposto
sobre industrias e prottesdes teem de paga-lo, U-
vre de.multa, e que lido o referido praso ser
cobrado com a multa de 6 0|0.
Reeebedoria de Pernambuco, 2 de marco de
1870.
O administrador,
Manoel Carneiro do Souza Lacerda.
TRIBUNAL 1IO < OUM12RC SO
ACTA DA SESSnO ADMINISTRATIVA DE 21 DE
MARCO DE 1870.
'RESIDENCIA DO EXM. SR. DB8BMBARGAD0B AMSELMO
FRANCISCO PERETTI.
s 10 horas da manha, reunidos os Srs. depu-
lados Kosa, Basto, Miranda Lalo barao de Cruan<
gy, S. Exc. o Sr. presidente declarou abena a ses-
sao.
Foi lida e approvada a acta da sessao de 17.
EXPEDIENTE.
Despacho do Exm. Sr. presidente da provincia
proferido em 16 do corrento, mandando para ser
informada a petico da otmpanhia de seguros ma
ritimos e terrestres Phenx Perravnbucana era que
pede ser pela presidencia considerada j como
constituida, visto ter registrados e publicados seus
estatutos e ella nao poder ter applicaco a dis-
posico do artigo 15 do decreto n. 2,711 dezembro di 1860 no qno especial as sociedades
bancarias que entondam com o crdito publico.
Offlcio do presidente e secretario da junta dos
corretore?, firmado de 12 do crreme, apresen-
lando o bote lira commercial da semana prxima
(inda.ao arehivo.
O Sr. secretario assignou o offlcio que acensa a
recepcao do do Io do corrente que Ihe dirigir o
secretario do tribunal do commercio da capital do
imperio.
Aos Sr?. deputodos foram distribuidos os livros:
Copiador e Diario de Avila Irmo A C
Compareeeu Joo Carlos Lumaek, e'como bas-
tante procurador do barao da Soledade, assignou
o termo de juramento e respons3bilidade por a ex-
pediento da carta de registro, que solicitara, para
o brigue Thtrezinha.
DESPACHOS
Requerimento de William H. Chapman, pedindo
o registro da nomeacao de sen caixeiro Affonso
de Paula Mooteiro.Reconheeida a lirma da no-
meacao, registre-se.
De Pedro Tinoco, Joaquim Ferrera Deniz e
Francisco Ignacio Tinoco de Sema, apresentando
a registro, com as respectivas tetras para prova
rem echar-se p go o devido sello, o distrate da
suciedade que tinham na firma de Vianna & Gui-
maraes.Vista ao Sr. desembargador fiscal.
De Monteiro, Gregorio & C, pedindo tambem
3oe> se Ihes registre o seu contrato social.Sella-
a a carta d'ordens e a procuracao, volte a pe-
tio.
De- Maneel Francisco Marques, para ser elimi-
nado do numero de seus eaixeiros o cidadao Jo-
te Marques da CosU Soares, visto ter sabido de
sen es taliele e i i nenio. Como requer.
De Jos Mashido do? Santos, para registrtr-se
Ihe a procurarlo bastante que Ihe passaran Mar-
ques Santos CComo requer.
Do Costa-4 Soares, para registrar-se-lhes o con
trate de sua sociedade.Junten a duplicara do
contrato pira ter lugar o qne determina o decrete
li. im.
e Antonio Domingos de Almeida Pocas e Ben-
to los de Macde Pocas, para ser-lhes registrado
e seu distrate socialVata ao Sr. desembarga-
dor t -cal.
Do Joe do Reafo La, para registrar se-Ihe a
proomaco bastante de Joao de Reg Lima Jmiier
e-Joaquim dds Santos Lesea.Registre'se.
De Aila IrmSo 4 C. pera re&istrar-se-lhes o
seu contrate oeial. fnutilisada a eatampilha d
duplcala do contrato, "relio a pelicii.
com iwetaiACAO no s: usnaraugaooh fhcal.
De Manoel Marques de-Olivein e Pedro Antonio
Ferreira", registre de se-distrato social.Arehi-
ve-se na forma do decreto n. 4,3W.
Do bario'da ioieolide, carta de registre pirra
o seu brigue Tkerezinha.Prestado o juramMd;
passe-ee csrn.-
Nada mais sendo1 subraetiido despacho. S.
Exe. o Sr. prasldewe encerrou as sessao sendo H
borase mete do dia.
iaWiai JDICIARIA EM 21 J)E MARCO DB
i do tai. sa; aunsmua-adob a. p. pe-
wn
Stcretari, Julio GumwaA.
A's orne horas e meia da manhia oieclarou-se
COMMERCIO.
ENGLISH BANK
Of Rio de /aneiro Limited
Deseo ata lettras da praca i taxa a con-
'encionir.
Recebe dinheiro em' collta correte hi
lraso xo.
Saca vista ou a praso sobre as cidadet
Diincipaes da Europa, tem correspondente!
ia Bata, Baenos-Ayres, Montevideo, Ne^-
j New-Orleans, e eraitte cartas de crdito.
oara os masmos, lugares.
RA DO COMMERCIO N. 36-
' ALFANDBOa.
endimectododialaT. fl74:3It|ltl
den do dia 21 ... 26:998*898
70!:323|Qi2
MOVIMENTO DA ALFANDEGA
Volumessahidos com'fazenda s 98
Iden iden com gneros GV
162
Descarregam boje 23 de margo
Baica inglezaEtisa Strerris raereadorias.
Patacho inglezjurenfaidem.
Barca inglezaConslancebacalho.
Barca americanaTunnlnrfarinha de trigo.
Polaca hespanholaBorignavinhos.
Hiate americanoMorford Trabavarios gneros
llrigue inglezPcforinidem.
lECEBElJORiA D RENDAS INTERNAS liE-
RAES DE PERNAMBUCO.
tendiraento do dia 1 a 21. 66:7205732
dem do dia 22....... 1:561*209
8:281*941
CONSULADO PROYINCAL
iiendnento do dia 1 a 21.
dem do. dia 22
93:459307
4:110*760
97:570*067
MOVIMENTO DO PGRTO.
Sucio sahido no ata 31.
CronsladiVapor ingle? Olinda, commandante
J. Golkesen, carga algodo.
Sacias entrados no dia 22-
Portee do Sul6 dias e 19 hora?, vapor brasileico
Tocanlins, de 750 toneladas, coramandaue J.
M. F. Franco, equipagem -.2, carga diHerentes
gneros ; a A. L. de O. Azevedo 4 C.
Rio Formoso e portos intermedios6 horas, vapor
brasiieiro Coruripe, de 222 toneladas, coraman-
dante Silva, equipagem 18, em lastro ; corapa-
nhia Pernambacana.
Novios sahtdos no imano Ha.
HavreBarca norle-allema Presto, capitao <>ui-
tenbannt, carga algodo.
CanalPatacho inglez Domo, capitn Taylor, car-
ga af socar.
MaceiBarca franceza SI. Yres, capiioLe avre,
em lastro.
ECITAES.
Capitana do porte de Pernambuco 12 de
marco d 1870.
Em vrrtnde- da ordem de S. Exc. o Sr. presiden-
te da provincia, fago publico para conhecimentc
dos navegantes o edHal abaixo transcripto quejfoi
remettfdo S. Exc. pelo Exm. Sr. presidtntejda
proTtocia do Para.
Secretaria do governo. O Exm. Sr. presidente
4a provincia manda fazer publico que tendo-se ul-
timado os reparos de qne precisara a barca Wte-
ro. acha se ella desde o dia 17 do corrento aneo1-
rala na mesma posi^o-que-oceupava no canal de
Brairan?.
Secretaria do governo do Para 23 do fevereiro
de 1870. O secretario d governo, Antonio dos
Passos Miranda-.
Jos Manoel Picaneo da Cola,
Capitao do porto.
DECLABACOES.
Santa casa da misericordia do
Reeife.
Pela secretaria da santa easa de misericordia de
Reeife, de ordem da Illma. jnnta administrativa,
sao convidados os parentes dase lueandaa do col-
legio das arpias en- seguida declaradas, para
que venham rxjnerer a sua retirada dannelte es-
tabeh^intente', visto que j tendo maisdnHan-
nosde idade, deven-wr o destino recommendado
pote artlgn 48 ^ 3* e 4 do respeetivn regula-
inento :
1 Maria da Conctele Azevedo1.
2 Anua Hiorra l^valcttt.
3 Amelia JoaqniM do Ohteira
4 HmMHi de Me*.
5 Oordolina de Castro Cirne.
6 ttepftfa MArih da Oowetefio.
7 Francelina Rodrigues dn tkmeeicSo.
Secrewrla da sania casa denrtssrJco.'dia do Re*
cite 12 Je mar^o de 1870.
i) escrivao,
Pedro Rodrigues de J
SANTA CASA DA MISERICORDIA DO
KECIFE.
A llim.a. junta administrativa da Santa Casa do
Misericordia do Recite manda fazer publico ano
na sala de suas sessoes, no da 24 de marco, pelas
4 horas da tarde, tem de ser arrematadas a quem
mais vantagun offerecdr, pelo tempo de ura a tres
annos, as rendas dos predios em seguida declara-
dos :
ESTABELECIMEMTO DE CJfeRIDADE.
Moa u Casa terrean. 7, por auno. 360JO0O
Beeeo de Abren.
Sobrado de dous andares o, 1 idem, 300*000
Ra do Galaboueo.
Casa terrea n. 18.......301*000
IWa de Mathbs Ferreira (Olinda)
Casa terrea n. 14....... 96*00r>
PATRIMMO DOS ORPHAOS.
Ilua do Vigano.
Primeiro andar do sobrado n. 27 240*000
Ra do Rangel.
Casa terrea n. 58.....0 360*0i"V
Sio n. o noForno da Cal. 0 130*000
Os preteudentes deverao presentar no acto da
arrematacao das suas llancas ou compareceris
acoropauhados dos respecuvos fiadores.
Secrataria da Santa Casa da Misericordia do Re-
cite, 5 de fevereiro de 1870.
O escrivao,
Pedro Rodrigues de Sotua,
Oflhn. Sr. inspector da thesonrarisrde fazenda
desta provincia, em virtude das ordens em vigor,
manda fazer publico que ten mareadi o da 25
de abril prximo vindouro para o concurso que
se tem de abrir na meste thesoararia para pre-
enchimenio das vagas neHa existentes de plati-
cantes da mesma, assim como da alfandega e da
rec bedoria de rendas : versar o exorne sobre
as materias de qno trata o g do artigo 1* do
decrelo n. 31 i'i de 27 do junho de 18W, a saber:
leitura, analy;e grammatical e orthographia, ai i -
thmeiica e suas applicaaoes ao commercio, com
esuecialidade redueeo de moedas, pesos e me-
didas, calculo de descont, jaros simples e com-
postes, theoria de cambios e suas applicacoes. Os
concurrentes deveio previamente apresen lar seu
requerimentus instruidos de doenmentos que pro-
vem idade completa de 18 annes, isencao de pe-
na e cnlpa e boni comportamenio na forma dp
art. 3" do decreto n. 2549 de li de marco de
1860.
Secretaria da thesouraria de fazenda de Per-
aambnco, 4 de marco de 1870,
Servindo de official-maior,
Manoel Jos Bato.
CoaiMiaand* das araan.
De ordem deS. Ene. oSr. geueral commandan-
te das armas convido o Srs. offieiaes do exnrcito
e da guarda nacional em servicp da guarotean
desta eidade, para asslsiirera ao corlte que se tem
de fazer no palacio a presidencia arnfilgie de S.
M. o Imperador, pe.-,- 5 horas da tarde do din 2->
do corrate mea, annivorsario d juramento da
conslituico do imperio.
Sala das ordens do quartel general de cemman-
dii das rmas de Pernambuco, 22 de marco do
1870. Emiliano Ernesto d Mello Tamborito,
te.ieule ajudaute de ordens encarregado do d -
talhe._______________________^_^___
Tribunal do coBwwrcib.
Esta secretaria faz publico qne ficam archiva-
dos os seguintes epniratos e distratos de socie-
dades :
Contrato de Marcolioo Pedro de Sauza Braga <:
Jos Braz da Silva, c3tabelecJdos nes eidade con
bolicarsob a firma de Braga 4 Silva, e o capital de
10:000-3000 tornee ido por ambos.
O distrato de Domingos Joaquim Ferreira Cru*.
e Candido do Carvalho Neves, dissolvendo a so-
ciedade que girn nesta praca sob a lima de Ne-
ves 4 Cruz, cujeVactivo e paVivo icam a cargo e
sob a nica rcspbusalilidade do ex-socio Noves.
0 distrato de AuU nio Joaquim Yaz de Miranda
e Joo do Souza Leal Flores, disfolvendo a socie-
dade que girou nosta praga sob a firma de Plores
4 C, cuja liquidacao Mea a cargo do ex-socio Mi-
randa, que pagou ao cvsociu Leal Flores o seu ca-
pital e lucros.
Contrato de Jos -Ribeire de-Brto e Leoncio Ro-
arigues Collaco eslabeteridos nesta eidade com ne-
gocio de algodo, soin lirma nem capital.
O distrato social 'de Joaquim Moreira d* Silva
e Alexandre Jos da Silva, Usando o activo pa.
sivo da firma s mial estabatecida ra do Quoi-
mado desta eidade n. 7, a cargo do primeina, o
qual pagou ao ex-socio Alexandre a quanlia d..
26:000*000, de seu capital e lluros.
Secretaria dn Iribuuul do commercio da Pf v -
nambuco, 22 de mareo de 1870.
O oilicial-maior
Julio Guanaras._____
Tribiiual doommercio*
Por esta secretaria se faz publico que nesla Jato
foi inscripta no livro da matricula dos eoramer-
eiantes a firma social Pereira Vianna 4 C, com-
posta dos commerciantes Jos Pereira Vianna c
Manoel Francisco da Silva Novaes, matricnladono
tribunal do commercio da capital do imperio, es-
tabelecido nest eidade com negocio de commis-
soes.
Secretaria do tribunal do csmmercio de Per-
nambnco 18 de marco de 1870 O offtealraaior,
_____________ Julio Guimaraes.
Administrado dos corrnios de Peruambuc*
23 de rain? de Mf 0.
Mala pelo vapor Tocomttns da companhia bra-
siieira.
A correspondencia (pie tem de ser expedida hoje
pelo vapor cima mencionado, para os portes do-
norte, ser reoebida pela forma seguinte :
Macos dejornHO, impressos de qaalfpr nata-
reza, e cartas a registrar, al as 2 horas da tarde,
carias ordinarias at as 3 horas, e e-las at as 3
1|2 pagando porto duplo. O aetninistrador,
Aflbnsfl do /tejo Barres
THE.VTW)
GYMMSIO DRAMATKO
(No Monteiro)
SOB A.MRECAO DO ARTISTA
Sexta-fetra ti ate uaar^
Para solaranisar o anniversarto da
Constituidlo do imperio
Farao a wra estminns distlutM uilljau -~^
D. MARI*WLA t
PEREGRINO LEMOS DE MENEZES.
I 0 programma do oipeciacuto ser detalba a-
Imenle annunciadP- Ote folltaa.diarias.
Os bilhetes acfia-se desde-ja na casa p. 30
ra Bella.
PATiLHiO
.Companhia equestre ginastica e ae^to^u*
do palacio de carretel doisTQCav
IMMetfJfr
I). Marcos Casali
Em regosijo do anniversaiio do juramento da
constitnieao, o seu director dar mais ana eapec-
taculo, ojo prommoi^ ser oais logo pnicato. -
IUGI.EL
'
?^ *


de Pt
____.
Quarta fera
...
23
I de Mi
>3J<
Marco
i_H
de
.____.
1870.
OJ"I_Ul
I
9i#i CD I B0A
Grande e variad concert vocaJ e ing-rii mental ao .magnifico
sfo desletheatro, enffator de
ANTONIO Sexta-feira 25 ttomargu de 1870
Anaiversarlo do Juramente 4a cou da Imperio.
Logr-que a orc^tra dirigida peto dissneto professor los.Coelho. Baabosa bouver execata-
do a grande Mmrtor
_f_:_tIIA
girar o dve:_;acat- qa_ ser divtfido era tres partes, pe misara finite:
PRIMEIRA PARTE
l.0 Uymno nacional cantado pelo Sr. Jos.GoellM ft_r_osa.
2.'Phantasia-de clarir.ito peto Sr. Aatoaio *8*ns _nna.
J>_Comf iiro.4_ltf itwjiJuV, cavatina de Mor d* opera Brnam del maestro G. \erdi, flau-
tada pelo Sr. J_ _>w_j KarLj:.i coro acompauhauent-'de grande orchestra.
4."O Sr. A. M T. dos Santos, f.ir tuvirumaphantaMvpara rabeea por Benot.
SEGUNDA PARTE
!.Siaiiiioha caracterstica napolitana do maestro Merendante. _______
_-<> S'. Sitano, na sua flauta se fara ourir com urna de sua escoltadas pnaonsias.
;i''-Or.: sno sobre os bellos e applaudidos motivos da opera Aorma, do maestro BeNini,
para vfolmo wec-tado pelo Sr. Marcelino Cleto Ribelro Ltaa. __
42.Gra-d>- pnantiHa de c-mliui sobre motivos da opera. D. Pasroal, executada no cari-
neto pelo Sr. Antonio Martin* Vianna. _,._._, .
v ;j._j/,v aiMrde mura, cavatina de tenor da opera Jfrrma do maestro Bellrai, can-

toa taberna ai lano Aniam
daa'IIMkUWaa n. _.
O agente Penlua! vender era leilo por man-
da*) do Exw. Dr. juit _e direito especial do cora*
mereio requeriro-ai. dos curadores liseaesj a
maesa fallida de Antonio Jos Gome, a ariiifoao e
genero* existentes na dita taberna, u'nu on era
sai lote*; a vontade dos licitante.-.
Quinta feira zi do corrate,
Na mesma tai-era* dere ter lugar o leilo as i i
toras._______L
De una parte do engeaho Bar-
ra, fcegteaia da ~4SiOada
Terea-feira a de marco
O agente PIHo,'4eTar# leilao por des-
pacbo do Ilion. Sr.' Dr. juiz especial do
commercio, em virtude do que requereram
os curadores fieaes da assa tatlida deLoi-
de (Wtveira Lim* .amor, a parte do engenho
Barra fregoezta da "Escada, que pertence a
mesma massa a qual venda se torna recom-
wndada i por ser naquelle agento) rroe
leu excetentes obras e outras vantogens
considerareis, alm'"de ser prxima da es-
trada de ferro, j por ser terreno de gran-
de fertilidade : o leilo ser effecluado ao
meio ilia dodia cima dito porta da Asso-
ciacSo eommercial.____________________
]tsi^noS^mvT:y^mK^ totrn nnm mw m\ mm
U;la pelo Sr.
Kii*.
T*1
TERCERA E ULTIMA PARTC
sisa de mas mais bri
todo o brilhan-
allin de abrilbantarem com
com
se achara
{ C f,r:a,a a gi-aado (heilra per Pedro N. Baptteta.
0 Sr. [fctlriiue das librees Janstn, toear no seu oaniclelle,
*****? KSSdinl execuudo no clariueto pelo' Sr. Antonio Martms Vianna.
4_;:, ;.<;, pkaniasin para flauta, exocatada pelo Sr. Salu>tiar.o. .
5.'-Phaatasia da opera Somaibitte. xetattda na rabera pelo S.. A M. P. dos ^"'^ n
G.._Tm maechtasti l mor mo, grande cantina de tenor da opera Pohulo, do maestro do
niietli. cntala pH Sr. JosA Goelho Barbosa. ____' nm
O tajpreaario dct.s hVsatro quereodo solemoisar o da *> de marco, c
ti~mo-e cQceruT.ci.'.. dJifieron ir em pessoa convidar aos seus amigos
Osatao estar preparado muito decentemente e tando lugar para seiscentas peesoas
toda a Moaodid.i-1' ; haver dnxentaj oadeiras para senheras em freut- ao toillet, qnei se a
KaSfii ^-rnado ; hav >r igualmente em uro dos lados e. no centro W*^^
de que o rcspetavel poblleo, quo o honrar com sua prejenca, po??a nos inlervallos passeiar a
6' O amantarlo previne ao respeitavel publico que, em qaanto a e?portola ser aquella que o
,VSm" ^SjtZSfSr* agradece cordiabneute ao Sr. Jos C.boRarbos^ manelras nr-
biaa e delirad.!,- (wm que otan tratado; entro tanto faz. aoj seu, dignos collegas que pelo seu
pedido promptikiiienU'. accederam a seu desojo. __ ....
Ao*SrrMMMo ALraoellenrques das Merces Jansen, qu? se prestararn de boa voatade
a -'U eenvite *.
BjBMto as 8 M!wwe atibar nunca d.-pois oa eia nouta.
BTlIrvinese c-w neste espectculo os bilhetes para naoras so arao vendidos
as de iaaaibi.
49-3W A r**JW V llO RECIFE-V.)
i!. .*- Uclone'ie.
Acabi de eMfear ama par^a-y* rl|fios palen-
tna prepdbspara <"ai<* ftwipaW, do me-
mores gosto, tem tamben) grande sortlmenti? de
os americano} para cima d? mesa e parado,
ipreej ritavel.
Boobaram na norte ti para ti, da eaaa
do abaixo assignad.', Joas csvallos, sendo urrr pe-
dr ezcom a sarnelha turida de ora ado, e ostro
toco tonr tima ferida na earoelha a ido dous la-
dos : grarMitti-si- com 86 a quem der mticia
Melles d ra larga do Rosario 83, ou ni Gaaa
Forte Bento Jos flomea. __________
A vmva D. .aria de Cineiro Freir de Mo
raes, senhora do eofaftbo Ibura, ende reside, leo-
do soBrldo a mais tegaJ, violema e/spoca pe-
ohotaelta em quaaarza eseravos sen?, requerida
pela iva t. Isabel Hara d-^ Moraes Batos. casa>
da (pe Jira eom- opiroi Perera Bastos, em ; oe-
easiao mtir uivfMtam s r penhorades e arremata
fados em prara fntHca, samo jUB*tfe con**
mnsme ewgwaho. su trras tramemos e utcaM
cilios, n -tan seu gado vaciara e cavilar.- etc.,
etr., segmdo a lei d SI de Jifieiro de fSO'.l com
aleinovissima n. ItJ de SMt de seternbro du I8S4,
aft.'' gl'3"; e io adpbao-emente no eaao,
lili
para
AVfSDS MARmMOS.
.COi;
\avegaeSo
l?ANBIA BRASlLEIRa
DE
Paquetes a vapor.
I>os portas do norte esperado
atri n da M de marco o vapor'
Qwtr, immocdante o capilo-,
tenente P. H. Uuarte, o qual i
depois da demora do costume |
seguir para '-.- p nos do su!.
Ijt-fii ja i--."':'.ero-se passa^eiros e engaja-se a
carga que o vapor t.-oder c.muuzir, a qual devera
*a aowarc i de st a hegada. Encommen-
das e dinheirc frate at as i horas do diada sua
.v.iiida.
Nao se reciben :?rao encommandas senao oh
(oetaade pequeo "ai-jr e que alo excedan a duas
arrobas de, pos" ou 8 palmos cnJbieos de medicao
l'a'o que passar tkstes bmitea dever ser embar-
eado como carga
Previne-se aosSrs. passaRe:ros, qne euaspas- :
sagens s se f :':sbem na agencia ra da Gru: seguir em pouecs
n. 37 primeiro indar, eacriptorio de Antonio Lnii Sympathia, de 1
d Oliveira Ai';vedo AG.
COMPANHIA PERNAMBUCANA
SE
ftiaregacao caateira por vapor.
Goianna.
O ynpt r Parahyha, seguir para r
porto an'ma no dia 26 do corrente.
,.- horas da noite.
1 cebe carga, encmimendas, passageiros e di-
nheiro a frete no esariptorio do Forte do Mattos
n. 11
mobilia.
COMPANHIA PEKNAMBUCANA
M
coatefra por rapor.
Mamanguape.
O vapor Mandah, commandantc
Jnl. seguir para o porto ac raa no
da 28 do crrente as 6 horas da
tarde. Recebe carga, encommendas, passagei-
r s e dinbeiro a frete al as 3 horas da tarde
do d a da sabida escriptorio do Forte do Mato?
n. 12.
de predios, terrenos e
A 29 do crreme.
O agente Oliveira far leilo por mandado do
Illm. Sr. Dr. ju r A* direi o da pnmeira rara cri-^
nimai e substituto (la do comnu'rcio desti cldad,
a renuerimento d n administradores da massa
fallida dt An nio Mara O'Cowll Jersey, dos
beits pertenoentes a esta m ssa e sao os segua-
les :
2|5' partes do gobrado da residedi* e estabere-
cimento do fallido rna Direita n. 45.
Um sitio em Motocol- mbo a b ira da estrada
pascando a ponte, bem plantado de coqueiros
novos, com viveiios e em situaijo amena.
Um terreno no nwsmo logar com 4 castalias por
acabar, bem plantado de coqueiros e cora vi-
veiro.
Outro tern no no mesmo lugar sem beneficio com
frepte pera a estrada e nu fundo a estrada de
ferro ao S. Francisco.
Urna casa de taipa na povoarao dos Montes, em
bella locasidado e com estabelecimento eom-
mercial.
Urna dita com frente-do, tijoloa ra da Concei-
o da mesma povoacao.
Outro terreno no memo lugar.
Urna mnbitia de Jacaranda constante de 12 ca-
deiras, 2 de bracos, l sote, 2 eonsolos e urna
mesa de meio de sala com pedras, e um espe -
loo moldara donrada.
Col piano e caixa de Jacaranda, 1 mesa para
jantar e 6 cadeiras de amarello ananas, e sraas
docosinha.
Terea-feira 29 d>< crrante
as 11 horas da'manruia ser elTecluado o leilo
dosbensupra relacionados, na indicada casa,.
ra Direita n. 48, 1" andar .
de ser a importancia dadvtaa axcqiu-nda igual
ou 9opoiTor ao tot*3 aiereii de todos os refe-
ridoj oij,eet<,s. entretato..Bjoa-a pirt' perleucnte
'xequ.mte 1). I-Miel Mdms' divida que ella
pede, sta Inngc de ebepr s'im iniliuiiesima
parte o total dos valdr dos Hx^rros referidos
objoeftH; obteve fiualmeala. 4 yvii municipal da
1' vara por onde a execarau corre, mandado de
levantaniciHo do deposito do* referidos escravos,
e entrega deltes exemttada sn saahara, dijpcis
de fersnffrido por saezes e meze "enermissinos
prejuijo procedentes Bao s da uspea<> da
moagem da canoa da presente si Ira j cjmetada
o tempo da realisaco da referHh iKcgat penhe ra,
mas tambera a*sim de alugneis pagos a estranhos
par a moagem da cama, qa j ento eslava cetv
tada, e parte aiada do lugar dos eaonaviacs onde
tinlia sido cortada, e outra parte ja oooduzida e
depositada ao competente iado d<) nwsnio engenho
da nMxrgem, como:do'alufn*i<'pappi* mentalmente
pessoas esinnhas, que prestassem eu>cttlada
seus fttivico-, quer iotsr-na, quer externamente,
sto no interior de ana casa, c n-a gurda dos
nimaes vaceun, cavallar, orelhum e wrino; etc.,
etc.; e tambera procedentes rte eaoraiastmas des-
pezase cusas de exanie^, vlsrorris e-avaliacpe.<
req eridas ptta xccotadn, e ultima mente j fritos
no meMno ongenho sob a presidencia do juiz da
execucao sob o prersto de srr indemnisada de
todnj os ditos prejuizos e desperas pelos bens da
mal aconsethada exeqoetite. Soh estes fundamao
lo-, pois, a executada D- Maria de Cisneire Freir
de Moraes denuncia ao publico em geral todos
este.; arbitrarios tactos, para que ningnem compre
predicia exequente bem rSgnm dos quo-Na pos-
me, como sao varias es-'ravos e escravas, e um
sitio de trras eoiu arvoves fructiferas, e sua casa
de vi venda situada no logar do B)b estrada V>^
Giqui, sob pena de ftcareni sajitos taes'bens ae-
psrganitenro di rferi<1o.*prHJiiiz. s, pardas e dam-
nos, no raso de onsar vendados a dita D. Isabel
i Maria d Moraes (asios, e |-rincipalnente se os-
veadr da data do presme annuncio por dianle
Ttecife 1G de marro de t87t).
^ii ni
de marmorr. raja I Crnzes
11.
(Wmaba-ee tstatoaiesala
ser procurado para
O artis:
cima, onde
misteres de
issao.
Precisa*aadufar orna casa nar
edes de Ponl^dowma ot Apipucos, pl
casa com satao a sobrado^ quem tiver e water
alugar, arise-narrua da Gadea de fteetfe 'i.'-w,
ou annnngioaay este Drario para aer proenTado.
Na raa do Godermz
ama rme sama coefabar.
Ama
8 precisa ee de urna
Solicitador.
MinoelLoizda Veiga solicitador- pbviaamido,
acceda partido das casas eommercia*, para todo
qne disser respailo ao seu emprego, e"to iaw
mdico prec*) : pdi-earprocurado ere W ana
ra da Gh>ia n. %, satos os dias das S-a Rao-
ras da manha. ooaamatodia na sala ds**n-
diencias nos diasrateis. .
Ama.
Precisa-se de iimvana de leite : a tratar na
ra do Imperador n. 68, 2andar, oa Passeio Pu-
blico n. 60. i I i \ ]
PiemX PIRNAMBUGANA.
Companhia de seguro* 9tanttim)s e lerrettrts
Ra do Commercio n. .%.
Capital Res 1,500:0OOJW0O
segura*orei8.
nereadorias.
Navios de Telia.
t Tapies.
. ^ PreJtes.
Em vapores at rls 100:0001000
Em aavios de vdla al* 73:r3OOi0O
Em cada predio at re f08*.000600
Pernambuco, 7 de marepdo 1870.
Peta companhia Plionii Pernarobacaaa
J. J. Tasso.
F. P. Borpes,
/. H.'Trtndade.
COMPANHIA PERNAMBUCANA
DE
Nawgagtto costara por vapor
Mace, escalas e Penedo.
O vapor commandante Costa, segui-
r para m portaa aca&a no dia 31 do corrente,
- 5 horasda tarde. Recebe carga at o dia 30,
cncominand.is, pas-ageigeiros e dioheiro a Arete
at s 1 horas da tarde do dia da sahida, no es-
vriDtorio do Forte do Mattos n. 12.__________
HMP/tI-A PERNAMBUCANA
Dr.
Sarsgaclo eostelra por vapor.
Parahyba. Rata'., Maco, Mossor, Ara-
caty, Ceari. Mandah, Acarac e
Granja.
O vapor pojur, commandante
Ibura, seguir para os porto*
s9Ena> cima n^ dia 31 do corrente as 5 horas
da tarde. Recebe carga, at o dia 30, encom-
mendas, e passageiros c dinheiro a frete at a
2 horas da tarde do dia da sahida no eripto-
rio do Forte do Maits n. 12.
COMl'ANHIA PERNAMBUCANA
DE
Nave^acao eoatelra por vapor.
Porto de Ga'Iinhas, Rio Formoso e
'amanrlar.
O vapor Parahyba, seguir para os portos ci-
ma no dia Hl do corrente raeianoue. Recebe
carga, encomnwodas, passageiros e dinheiro a fre-
te no escriptorio do Porte de Mattos n. 12.
Para o Porto por Lisboa.
dias a barca portugueza Nova
c'asse e marcha, por j ter
prompta a maier parte de sua carga ; para o pou-
co que Ihe falta e passageiros, aos quaes offerece
ricos e excellentes commodos, trata-se com Ba
tar, Oliveira t C, ra do Vigario n. 1, primeiro
andar._____________________________,
Porto por Lisboa,
Com muito pouca demora dever seguir viagem
a galera portugueza Lhboa, de primeira marcha,
e claasificada em primeira classe : para alguma
carga que Ihe falta, e passageiros, aos qua?s offe-
rece magnficos ccmraodos, trata-se com Soares
Primo, rna do Vicario n. 9.______^^^__
Porto e Lisboa
Vai sabir at o fim do eerrente mez de marco a
barca Flor di S. SimCw, recebe carga e passagei-
ros, para o que tratarse com os consignatarios
Carvalho & Nogneira, na ra do Apolla n. 20.
JUUtLll
de plantas e arvioredos.
Sabbadirt do corrente.
Horticultor franwsza producto
dWfrica.
DE PLANTAS, camelias, magnolias, pern
as, ortertcas, rosas etc. '
ARVORES, fructeiras de todas as qualida-
des, dalias amarellas.
SEMENTES do orlalicas francezas e llores.
ROSAS de todas as qnalidades para cra-
veiros etc.
Mr. E Pelluce tendo de retirar-se no pnmeiro
vapor para a Europa faz o ultimo leilo do plan-
Us para acabar e assegura ac respcitavel publico
desta praca que suas plantas sai muito novase
frescas pois vieram em diritura para aqu e tem
mais a favor do bom resultado a vmgarem o tem-
po chuvoso.
O leilo ter lugar por iniervenrao do agente
Pestaa sabbado 16 do corrent' as 11 horas da
niauba no caf eommercial no largo do Corpo
Santo. ^________^^
I'recisa-se de nai boui cosiuheiro prefere-ae
estrangeire para um hotel, pifc'i-e ben; a tratar
na rui direita n. 13, rija.__________ _______
SYNOPB
DE
Eioqencia e potica
nacional
Ac_mpanliadas.de algumis nocoos de critica
Mueran;;.
F.xtrahidas de varios atluan e adaptadas ao ensi-
no da mocidaie brasileira
pelo
Concgo Dr. Mnnoel dn Costa Honorato.
Preco... 4.000.
Preeisa'se de orna ana forra on escrava :
v tra ar na praca do Corpo Santo a. 17, primeiro
andar.________
Nfto mais cabellos brancos.
A Iftttura j_poneza para tingra oavcabellos
da cabeca e da barba, fot a nica admittida
Expsito Universal, por ter sido reco-
nheclda superior todas as-preparacoes at
hojee-istentes, sem alterar a sode.
Vende-se a 1^1000 cada frasco na
Rna da Cada b. 51,
1. andar.
Ra da Iinjat-rutriz n. ttt
apar Ilute tom a bnnra do patgeiparr
ao feapeitavel publico apM acaba de abrir
a nova padaria aMemia m cnsa .urnjpiaao-
cioruid-r onde todo* es rJkts a>sdo as 6 horas
da m_T>h_a se encentrar beii'oA-.ido
appreci-do
PAO FINO%_8PEOAL. S
Encarrega-96 _ajbeu_ de qnaesqar n-
pommendas, %
Preci-a-se d*mw Wira que saiba lavar t eo-
zim>ar para casa de pooca familia : paga-se bem;
a tratar oa roa da Vijtario n. 9, 3* andar
_ta.pi a f> da-<> Independencia n. 33 se da di-
herto sobre peinares de ouro, prata a pedras
jrecfwas, seja qta for a eraanlia; e na mesma
ms se compra e vende objectos de ouro eprau,
. igualmente se tatteda efni>-_uw obra dbetv
lommeoa, etodo e nnalqaer eoneerto tendenl.
i meso* arte.
Precisa se de
ponca f->wilia.
lima anta para cata d
no-pateo oo Terco tu 1,
A1A
taberna.
S
Advogado.
OUsenarcl Francico A-gnsto da Gesta
muduu sen escriptorio da casa o. t9
para o de n. 34 na ra do Itn|>eraddr,
ndc ser eneoitrado das 9 hora "
nhSa as da tarde.
a urna I
Os hachareis padre Estanislao Fi-rreira de
Carvalho e Joo Augusto do Rogo Barros-, tem a-
berto escriptorio de a_vncac.ia roa do Impera-
dor n. 57, entrada pelo caes Vinte Bous de No-
vembro, onda podem ser procurados para o* ms-
teles de saa profissao das 10 horas da mathna s
3 da tarde.
Advogam assir no foro civil, criminal o eom-
mercial como no -eclesistico para o que se vao
habilitar com as provisocs do estylo.
A vi uva do majo Flix Francisoo de Sooza
Hagam*es, convida a quem se julgar credor de
sen casal para comparecer nacasa de sua resiNm-
eia na ra Nova n. 58, 2a andar munidos de seos
titnlos. _______
Para
O hiate portuguc- Si/mpalhia, capito Antonio
Jos Casado, recebe carga miuda a frete carato :
tratase com Pereira Vianna & C ra do Vigario
n. 11. ______________________
Par* o Porto
a barca Flor de S, Shno sahir brevmente, por-
que j tem parte da carga engajada : para o reste
e pas_agen3, trata-se com os consignatarios Car
valhe A Kogueira, na rna do Apollo n. 20.__
DBWfflPOAO
DA
llhi do Bom Jess ta t iiaJe de
Corrientes
E DO
Asvl dos invlidos da patria com ama es-
tampa e mappa
pelo
Conego Dr. Mnnoel da Costa Honorato.
Prego... 3*000
\cabam de chegar estas obras recentemente
publxadas no Rio de, Janeir.i a vonde-se na livra-
ria econmica, na do Crespo n. 2 defronte do ar-
co de Santo Antonio.
AMA DE LEITE
Precisa-se de urna ama de leite e paga-se bem
na ra da Gloria n. 54. ____
JIesta mesma casa o encontrara
pessoa ejne se propoe a fazer cobraaras,
e que se nearrega de questoes no ioie-
rior da provincia.
ftO baixo assignado declara ao pntilieoanfi res-
ponder ao estulto annnncio inserto TW .*f3 des-
te Diario, de| o* aue o seu autor Jirar a enancara
assigaaado o seu aomc, pois >Rie nio qa*R> per-
der lempo com anooymos.
Ikttwfl I.uiz da Veiya-
Na ra Direita n. f9, andar, precisa-se de
urna amaescrava para o aervio. de petjuana ta-
milia.__________________________________
Os abaixo assignados, iiienibre. d*aWoiis-
sao encarregada dos fest-.-jos da receneao'do r:i
corpo de voiunUinos- da patria pelos moradores d
rua Nova, julfam tad. restaran das desperas re-
lativas aos ditos'est.'jps; mas se ha algoera que
nao fosse pago, quena presentar;lies a couta, qne
immediatamente a sati-farao.
Thomaz Perreira de Carvalho.
Manoel Mi reir deSonza.
Jo Leaadro Lopea" de Oliveira.
Cobranza de alugneis.
Ha qneme encarrwsoe da cr branca dos aho-
guis de predios de.-la cidade por mdica porcen-
lageiiiincluindo os serviros de solicitador nos ca-
sos de despejos jndiciaes, podem procurar na ra
da Gloria n. 94 das 6 s 9 da manhaa.
(Tagw.te de leioes
F. G. de Oliveira, raudott sen escriplorio
para a casa da rita da Cruz n. 53, primeiro
andar, aonde eus amigos o acharad j-romp-
i para bem servi los como sempre.
Aluga su um audar de um sobrado di ra
da l'raia : a tratar n-i rna lia Impcratriz n. 63.
AVISOS DIVERSOS.
Carvalho & Nogneira saccam sobre
Lisboa Poito vista e a praso, na ra do
Apollo n. 20.
Jos Maria Pedroso de Lima retira se para Eu-
ropa a tratar de sua saode._________________
Agradecimento
D. Rila H-ria da NrtMdade Magalhes,
viuva do major Flix Fiancisco de Soma
Magalh_es, tendo de proceder inventario
dos bens deixado pelo mesmo seu fallecido
esposo, convida pois a todas as pessoas que
se julgarem credoras do referido casa! para
apresenlarem seos titulos e contas, afim de
sorern verili-adas e cunieaiplada* no inven-
itario. no praso de 8 dias contados da data
desle, lindo os quacs nao se attender a
reclamaco algoma. Ootro sim pede a to-
Estaijao da Jaqueira.
AVISO
Do- dia 2 i do corrente em diante os trens
pararao na f. ente da nova estaco que est
coHecada na estrada do governo em lugar
de pararera na estaco actual.
Escriptorio da companhia dos trilitos ur-
banos do Recife Ap pucos, 21 -le mar.o
de 1870,
W. Biitplinsou.
Cerente.
Precisa-se ahigar ou compra-?e urna casa
terrea com bom quintal, ou sitio, desde a matriz
nova e por toda ra Imperial, at o lim da mesma
rna : a tratar a rna dos 0>sos ns. 23 e 24.
Para o Porto
i barca purtagnan cNovo Silencio seguir con.
a brevidade pooivel; para carga e p_sssgciros,
trata-e com os fsiir_!arios Oliveira Filhos &
r_, no largo do Corpo lano n. 19, ou aora o ca-
pitioxa praca de commercio._______________
Ji
ra o Porto.
Pretenle ssfplr a larca portogueza Flix, e.fal-
tando-lb- alguma carga contrata-se o restsate
para leehar, ctmi os consigoatarios Thomaz de
Aquino Fondea G, ra do Vigario n. 19, pn-
meiro andar.
LEELOES.
LEUAO .
de conservas e amei-
xas
Qaita-feira 24 de marco, s 14 horas.
O agente Pinto far leilao por autorbacao do
cnsul de Franca, em presenca do seu delegado e
eor conta e risco de quem pertencer, de conservas
p ameixas de differenles qualidades, pertencentes
ao espolio do finado F. Dubarry, quarta-feira 23
Eu abaixo assignado declaro qne no
corrente deixei urna carteira eom a
200,000 em urna nota do banco do Brasil, na loja
dos Sr. Figueiredo & C, e por me constar pelos
meus .amaradas dj balalho dos voluntarios, a
qcem os mesmos senhore3 diziam, fae-i o presente
agralecimento em que me assigno.
Francisco Jos de Sant Anna.
Em um engenho perlo de Pao d'Albo meia
leaoa, preeisa-se de um professor para ensmar
primeiras letras o francez ; umbera no mesmo
engenho precisa se de dous feitores e ora cochejro,
sendo pnrtuguez ainda mesmo sem habitilaeao
na ra do Mqpdego n. 37. das 3 horas
de s 6.
n H I das as pessoas qu3 di devedorus ao mesmo
3 casal de virem auanlo antes sald
praso, Indo
'nnntia de casal de virem quanlo antes saldar
1 contas deoU-o do mesmo praso, flr
quaes entregar ao seu procurador
cobrar judicialmente.
Re.ife, 2 de marco de 1870-
suas
os
para
Ama
Precisa-se de urna ama forra ou escrava para
servir a unta s pessoa, paga-se bem : na ra da
Palma n. 78.
1
;^i
Precisa-se de nma ama para cozmnar e
comprar t no pateo do (armo, sobrado novo, quo
faz esquina de Santa Thercia.______________.
Fugio desde o dia 16 do corrente o eabrinha
Benedicto^idade de 15 a 16 anaos, o qaal- se in
da tar- j |U|a ^^0, e.consta a sen senhor sndar aqni pela
_________I cidade, tem o mesmo os segrales signaes : s
cozinhar e falla sonando, tero a boeca mande, beicos gres-
Advogack.
SO bacharel Joo Goncalves da Silva
' Monte-oyos, ra do Queimado n. 33.
mmmmmmmm mm
^-Precisase de urna pessoa habilitada para
leccionar. prrmeiras Icltras a cinco menores, das
10 hora*da inanha as 2 da Urde: a tratar a n
dos Ossos ns. 2. e 24, a qualqoer hora.
I
Precisa-se de nma ama qne saiba cszinhar para
casa de homem solteiro: na ra do Brum n. 65.
sos, dantos quebrados, e levon vestido camisa de
algodo- brauco, calca escura e chapeo velho : re-
comroenda-sc as antorl?.des ou a quera o appre-
hender de levado loja de sapatos de Joaqun.
Pereita Arantes._____________________
_ rfa rna do Apello n. 44,2 anda., precisa-se
alaga um eoznneiro, papi-se boir__rden_do a
tratar das 6 horas da manhaa as 9, e da.' 4 hoaae
.tarde em diante.
O'abaixo assignado previne ao publico e a to-
das as autoridades polieaes, qne tendo trazido em
sua- companmada cidade de Caiuar, alugado
por Dj Maria de tal, nra menino pardo de nomo
Antonio om- idaie pooeo mais ou menos de oilo
ou nove-annie, BHto da referida D Maria, este
jnsnino desapparecen de sna companhia desde o
dia 18 de fevereiro prximo passado, sem que ate
lioje tenha sabido do sea destino; pelo ae desde
j protesta contra toda e qualquer fraude, bem
como de usar em nome da mai do dito menor
contra, quera quer que o tenha em sea poder.
E por isso-rog. as autoridades, e as pessoa- a
publico de-qne tendo noticia do referid, men
de dar parte no pateo do Carme desta, eidtde n.
9 segundo andar. O menino tem os- sianaes se-
guintfls: K de cor, pardo claro, fornida do corpo,
cabello -trotelbo e carapinhade.
Ruc'dfe- _t de margo de !870.
iodo SscermoJ* AlmtuL* Cotaaia.
Perdeu se urna roeta de ouro com pedras e
enfeites de urna pulceirav no domingo a noote,
vendo os festejos das mas : quem a (ver a .-hado
c quizar restituir, na ra Nova n. 10 sera grati-
flcado.__________________________________
Precisa se de um topeir ^ forro on o.-erav,
de boa conducta, on urna ama l irra BU escrava
para cosinhar e fazer compras, para ni.t r es-
trangeira de duas pess Crespo n. 19,1> a de fazendas._______________
aos m\mm n .
Imperio do Brasil
Grande exposiqg.0 na Tcd tde le
Cordova,
REPBLICA. ARGENTINA.
No dia 15 do oulubro de 1870 ter le-
gar a abertura da exposieo nacional em
Cordova.
Previne-se, poi tanto, a todos os produc-
tores, agricultores, fabricantes, artistas e a
ledos aquelles que exercam qualquer indos-
tria, que na dita exposieo se recebem tod s
os producios da industria o agricullura
brasileira, assim c.mo todas as machinas e
utensilios que quizerem- remeiter.
Estes productos est s-i*tosdos direitos
(Va aMandega na Itepublica i_rgentina e po-
dero ser dirigidos cidade do Rosario, de
oode sero tranportados peto carojnho de
ferro. central.
Para mais expcacesdirijam-se em Per-
Bambuco, ra d-.Croz n. 3, ao consolada
argentino.
O abaixo as-ignado participa ao digno corpo
do eommercio e au publico era geral, qne tem jus-
to e contratado eom os St$. Santos A Ferretra a
compra da armaeo, batanea, _a e canteiro da
uberna sita ao pateo da Penha n. 8, livre e _e-
sembaracada de qnakni.r mus : se ahjtsem se
julgar com direito a roesroa. compareea.no praso,
de tre3 das. Recife 23 de -marro de 1871).
p>-anci Mendes.
'Priment' Duarte Sb-iro comprou pa/a o Sr.
fiercnlano Julio do Albo^aerque m bilhete mtei-
ro n. 3007 aenencio da-matriz daguaKnta.
esqnina
CaMJG!
Sda roa larga *f ^fJE ffC
_i.6l % MK JOIAS
Este importairte estabel-cimeato no sen g-enoro, ton oempramm sortunaato aom i
_ A ^ IvSuvIidade a do pre?o das joiasoaaa nm poder-oe-ha conaanaer tonM-
m -------.. Ba-ante-se ser tuA) de lei. Oompra-se onro,-prata e' pedras finas *or palcos nmto ale-
pa*.
A loja ^st l)ta MtiB 9 %o*as a'wH-te.
esquina
rite Tna^l
/
tull II


Diario 4e Pernambuco Qsjarta feira 23 de Margo de 1870
r
1 '
f-
ESMERALDA
Nutrimento
.-i;
MEDICINA!
111
L0J4 DE US
ac

f

Este antigo estabelecimento, completa-
mente reformado ie novo, est as condi-
foes de servir vantajosamente os sens fre-
guezes, visto que acha-se prvido com um
xplendido sortimento de obras de ouro e
rata de le, assim como brilhantes e ou-
tras pedras preciosas, oujos prepos sao os
mais mdicos que se pode encontrar.
As joias compradas nesta casa recebem-
13 em troca ou compram-se com pequeo
abate.
\ S MA DO CABIJGA jj, S
O MARAVILHOSO REMEDIO DO
DR. CHAS. DE GRATH.
OLEO ELCTRICO
KINGOF PAIN
O RE DA lll)l
PARA USO IXTERMO : EXTERNO.
Cura cholera e cholera morbus.
Diarrhea, fluxo do sangue, em um dia.
Dores de cabera, e dores do ouvido em
tres minutos.
Dor de denles, em um minuto.
Neuvralgia, cm ciaco minutos.
Desloeacoes, em finta minutos.
Gargantas inchadas, em dez minutos.
Clica e colvulsSes, em cinco minutos.
Rbeumaiismo, em um dia.
Febre e febre intermitente, em um dia.
Dor as costas e nos lados, em dez mi-
nutos.
Tosses perigosas e refriados em um dia.
Plueresia, em um dia.
Surdez e astlima.
Hemorrhoidas e broncliites,
Jmfl.amac5o nos rins.
Dyspep3ia, erysipelas.
Molestia do figado.
Palpitado de corado.
Reserve sempre. este remedio na sua familia
AS DOENCAS SE APRESENTAM, QUANDO MENOS SE ESPERAM.
OLEO ELCTRICO O King of Paim (O Rei da dor) aquieta e positivamente dis
^pa mais de differentes molestias e dores, e allivia mais os soffrimentos e produz um
mais perfoito equilibrio no systema humano, o que n5o se pode effeituar no mesmo tem
po, com qualquer outro remedio medicinal.
Este muito popular remedio est agora usando-se geralmente, pela razio que
mimares de pessoas se tem curado gratis com o dito remedio pelo Dr. Grath e outros
mais.
Este importante remedio nao se offerece para curar todas as doencas, porm
13o somonte para aquellas estipuladas as nossas direcces.
Est operando nos principios da chimica e da eletricidade e por isso, est
pplicavel para o curamento e para a restauracao da acclo natural dos org5os que so-
tTrem da irregular circularlo dos fluxos dos principaes ervos. Oleo elctrico O King
of Pain opera directamente nos absorventes, fazendo desaparecer as inchac5es das
glndulas etc. em um tempo incrivel, breve sem perigo do seu uso debaixo de qualquer
circumstancia.
O remedio urna medecina para o uso externo e interno, composto dos ele-
mentos curativos, raizes, hervas e cascas, taes como se tem usado dos nossos antepas-
ados, e das quaes tem grandes existencias no mundo, para curar todas as molestias
tmente sabendo-se quaes ellas sao.
Foi um grande e especial desejo da faculdade de medicina durante muitos an-
uos de experiencia para aprender os melhores modos que se deviam adoptar para curar
as seguintes doencas, e que proporc5es de medicina se devia usar.
NICO DEPOSITO EM PERNAMBUCO
NA PHARMACIA E DROGARA DE
Bartholomeu & C.
34Ra Larga do Rosario34
TESTA DE
5RES E LA-
VAGEM
TODOS OS
DAS
PBEPMUDO POR
Lanman PAHA
Tsica e toda a
qualidade de do-
encas, quer seja
na garganta, pei-
to ou bofes.
Express a-
mente escollado
dos melhores fi-
gados dos quaes
.se extrae o
[oleo, no banco
fda Terra Nova,
purificado chi-
micalmente, e
suas
p roprieo>ades
conservadas
com todo o cui-
dado, em todo o
frasco, se garan-
te perfeitamen-
te puro.
Este oleo tem
sido submettido
a um exame
muitosevero, pelos chimicos de mais tale-n
ot, do governo hespanhol em Cubajoi de-
vulgado por elle e conten
MAIOR PORCO D'IODINA
do que outro qualquer oleo,.que elle tem
examinado
IODINO E'M PODER SALVADOR
Em todo o oleo de figado de bacalho,
e naquelle no qual contm a maior porcao
d'esta invalavel propriedade o nico
meio para curar todas as doencas de
GARGANTA, PEITO, BOFES,FIGADO,
Tisica, bronchites, asma, catarrho, tosse,
resfriamentos.etc.
Uns poucos frascos d carnes ao muito
magro que seja, clarea a vista.e d vigor a
todo o corpo. Nenhum outro artigo co-
nhecido na medicina^ou sciencia, d tanto
nutrimento ao systema e encommodando
quasi nada o estomago
As pessoas cuja organisacjto tem sido
destruida pelas affecces das
ESCRFULAS OU RHEUMATISMO
e todas aquellas cujadigesto se acha com-
pletamente desarranjada.devem tomar
O OLEO DE FIGADO DE RACALHAO
DE
Lanman A Kemp,
Se que desejam ver-selivres e exepasui
de enfermidades
Precisas* de urna ama para o servico interno
de pequea familia : na ra do Vigario n. 5, ter-
ceiro andar. ___________
Trilhos urbauos do Recife
o; Oliiuia.
Continoa-se a comprar dormentes de sicupira,
oilicica, amarello e oolras wadelras de duracao
para o chao, com as dimens5es seguintes : 10 pal-
mos de comprimento e 3 113 polcgadas de grossa-
ra.de 7 l|3de largura : para tratar, no telhelro
da ra da Aurora, desde as 6 horas da manha s
4 da tarde.
O superitendente,
_______________Andr de Abren Porto.
casa a wm.
Aos 20:0004000.
Bilhetes do Rio i venda : ra do Cabug n. 1
rende Vieira A Rodrigues.
CABELLEIREIR FB
51Ra da Cadeia do Recife51
Os abaixo assignados parnpam aore peita
vel publico e especialmente ao corpo do commer-
cio, que no dia 28 de fevereiro prximo pasado
dissolveram amigavelmenie a sociededu que ti-
iiliam na loja de l'azeiuh- sita ra da Impera-
triz n. 32, que gyrava sob a firma Pedro Ozorio
de Cerqueira & Irmao, fleando todo o acti-
vo e passivo a cargo do socio Pedro Oxorio de
Cerqueira como nico responsavel, e retirando-se
o socio Jos Ozorio de Cerqueira exonerado de
ioda e qualquer responsabilidad!?, tendo recebido
o seu capital e lucros em dinheiro.
Recife 18 de marco de 1870.
Pedro Oiorio de Cerqueira.
Jos Ozorio de Cerqueira.
Grande sitio para
alugar.
Aluga-se um grande sitio na estra-
da do Rosarinho, o qual tem muitos
arvoredos e grande baixa para ca-
pim ou creacao de gado, podendo
sustentarlo vaccas por ter um grande
brejo no fundo que vai qoazi estrada velba de
Beberibe no lugar Agua-Pria, tendo o sitio urna
grande frente para a nova estrada de Beberibe
fazendo quina na ponte que all existe. A casa
nova, tem duas sallas e quatro qnartos, grande
copia .quarto de creado, cocheira e estribara, tu-
do de pedra e cal t edificada ha pouco tempo.
Quem pretender queira entenier-se com o seu
propietario o comraendador Tasso, em seu sitio
na Cruz das Almas at s 9 horas da manha e
depois no seu escriptorio na
mero 37. t
ra do Amorim nu-
Chama a alinelo dos seus innmeros fregueses, e do respeitavel publico e
para a seguinte tabella dos precos de sua casa, os quaes slo vinte por cent
geral,
mais barato do que em outra qualquer parte:
404000
50)9000
50JO00
Cadeias para relogio a U, U,
U,H, 9,5, 24 e. .
Corte de cabello,.....
PEDIDO
Cabelleiras para senboras a 25,
304, 354 e......
Ditas para homem a 354, 404 e
Coques a 124, 154, 184, 204,
Crecentes a 1*4,154,*184,20 j061*16 de cabeUo wm fric30-
254, 304 e..... 34000 Corte ae cabello com lavagem a
Cachos ou crespos a 34, 44, 54, champou......
64,74, 84, 94 e. 104000 Crt?de Mlocom limpexa da
Tranca de cabllolpara annel a MDeca Pe,a machina electri-
500 e. *...... 14000 ca> un,ca em Pernambuco. .
Tranca para braceletes a 104, Frisado ingleza ou .franceza.
154, 204, 25 e.....304000 Barba.........
SSIGNATURAS MENSAES
Especialidade de penteados para casamento
Bailes e solres
O dono do estabelecimento previne s Recommenda-se a superior TINTURA JA
Exmas. Sras. e aos cavalheiros que ha um PONEZA para enegrecer os cabellos e bar
salSo para tintura dos cabellos e barba, as- ba> admittida na Exposic3o Universal
r como nao prejudicial a saude, por ser ve
sim como um [empregado smente oceupa- iatil, analysada e approvada pelas acadtf
do nesse servico. i mias de sciencias de PARS E LONDRES \
154004
504
504
14004
1400*
501
251
Pede-se encarecidamente aos Srs. Domingos
Theodoro Rigueira e Aristides Florentino Caval-
canti de Albuquerque (de Sennhem), que venbam
ra do Vigario n. 14, a negocio que se precisa
ultimar. ____
Joaquim Rodrigues Tavares de Mello, praca
4o Corpo Santo b. 17, andar, vende cal de
Lisboa e potassa a mais nova, e vinho Bordeaux
de 1* qualidade,
TRILHOS
DO
URBANOS
Recife a Apipucos.
AVISO
Do I." de abril em diante os menores de
tres annos que viajarem no'colo nada paga-
rlo, os maiores de 3 at 10 annos pagarlo
metade do prego marcado as tabellas e os
maiores de 10 annos pagarlo conforme a
tabella, como adultos.
Escriptorio da companhia, 16 de marco
de 1870.
W. Rawlinson,
Gerente.
Ne collegio da Conceicao precisa se de um
homem idoso para porleiro,
Ao comuiercio.
Quem precisar de urna pessoa que escreve sof-
frivelmentee dispoe-se a qualquer trabalhc com-
mercial, pode deixar nesta typographia urna n la
da ra e numero da casa de'sua residencia, para
se procurar. __________ _
TINTURARA
25RA DAS FLORES-25
O dono deste estabelecimento tinge, limpa e achamalota com a maior
perfeicSo possivel todo e qualquer objectode seda, lia, algodlo, em pecas
ou em obras, chapeos de feltro, palha e manilha etc., tira mofo das fazen-
das e faz todo o mais conceraer.te sua prosslo, tudo com brevidade, visto
como se acha prvido dos necessarios machinismos e petrechos.
Otto Schnefder.
Bu TeOD9%
- 0 CIRl'RGIAO DENTISTA
Frederico Maya
Tem a honra de scientificar ao respeita-
vei publico em geral, e aos seus clientes
em particular que elle mudou o seu gabi,'
netede consullas da ruaDireita n. 12 para
a do Queimado n. 31 primeiro andar, com
a entrada pelo pateo de Pedro II, onde po-
de ser procurado para os misteres de sua
profisslo, lodos os dia uleis das 9 horas
da manha s 3 da tarde.
Tambem previne, que contina a prestar-
se a vontade dos clientes nlo so na cidade
como nos seus suburbios, para onde as
idas serlo precedidas de ajuste. Elle ga-
rante o bom desempenho e a perfeiclo de
seus trabalhos, o que j bem conhecido,
assim como as commodidades dos precos.
Preciosa ublicaco
jurdica,
Commentario do Cdigo Commercial Portu
guez e Brasileo.
Vende-se na loja da ra do Crespo n.
25 A esquina da do Queimado, a impor-
tante e moderna obra sob o titulo de an-
notaedes ao cdigo do commercio porluguez
em 6 volumes pelo Exra. Sr. conselheiro
Dr. Diogo Pereira Forjaz de Sampaio Pi-
mentel, lente cathedralico na universidade
de Coimbra. Os subidos crditos de que
goza muito merecidamente aquelle eximio
commercialista por si s bastariam para re-
commendar to importante obra, quando
nlo concorresse mais para isso a grande
vantagem de ser um ptimo commentario
ao cdigo commercial brasileiro (na falta
absoluta que ha de quaquer outro) pelamo-
xima homogeneidade de entre muitas das
suas disposices, e as do mencionado cdi-
go portuguez, 'que lhe servio de texto.
Correi pressurosos, distincta mocidade
do 4. anno da Faculdade de Direito desta
cidade e notareis jurisconsultos, a prover-
vos desse poderoso auxiliar para vossos
trabalhos da sciencia, e pelo preco commodn
de 204. toda a obra cm 6 vol._________
Sublime publlcacio iliteraria
sob o litlo de Menora do
ALUGA-SE.
Urna das lojas do sobrado da ra Velha n. 96,
que faz quina para o pateo da Santa Cruz, muite
joa para qualquer negocio : quem a pretender
dirija-se a ra do Sebo n. 20.
Ama
Precisa-se de urna ama que engomme perfeita-
mente : na ra do Imperador n. 63, 2o andar.
918
BU
VESTIDOS PBETOS
Superior degorgurlo de eda pteta bordada', o ^ue ha de melhor e d
maior gosto em Pernambuco. ^ BT" P
Bons grosdenaples pretos da seda, da 2000 a 7*000- re. wad, na loja das
mnas, ra do Crespo n. 13, de Antonio -Co-reia de Vasceos.
Bm Jess do Monte, em
Braga.
Acha-ne venda na loja da ra do Cres-
po n. 25 Atesquina da do Queimado a pri-
mor ota Memoria do Bom Jess do Monte em
Braga, ornada'de gravaras finas, segunds
edi^ao, obra da peona de ouro do mui illus-
trado lente da universidade de Coimbra, o
Exm. Sr. conselheiro Br. Diogo Pereira
Forjaz de Sampaio Pimentel. Quem tiver
noticia da extraordinaria devofio que exis-
te em Portugal para com aquella milagro-
sissima imagem, affluindo sempre para o
seu magestoso templo em romana o nume-
roso povo de tedas as partes desse reino;
quem souber avajiar as brilhantes descrip-
Ces, e o bello estudo daquelle consumma-
do jurisconsulto e eximo litterario portugue2
nlo deixar de procurar, quanto artes pro
ver-se de um exemplar da dita memoria.,
pelo diminuto preco de 3>, na loja indica
da, onde ha pequeo numero dcllas.
Na mesBUac^a cima ha uMNf estampa,
muito perfeitis e grandes do dita Senhor,
Bom Jess de Braga, por preco commodo
AO ARMAZEM
DO
WaiPQia 9Q\I)(332
Ra Xova o. 9,
acaba de chegar pelos ltimos vapores novas re-
messas dos seguintes :
Calcado francez
Para senhoras.Botinas brancas, pretas, e de ou-
tras multas difTerenles cores i ultima
moda.
Para meninas.Botinas das mesmas cores e qua-
lidade cima.
Para homens.Botinas de cordavao. bezerro, ver-
niz, pellica, o melhor sortimento que se
pode desejar.
Para meninos.Botinas das mesmas quadades
mencionadas para homens.
Para homens.Botas rucianas, meias-bolas e per-
neiras.
Para homens, senboras e meninos.Sapatos de
tapete, aveludados, charlte, casemira
preta, tranca de Lisboa etc. etc.
Para meninos e meninas. Abotinados fortes de
muitas quaiidades.
Quinquilharias
Finos artigos de Pars, de gosto e phantazia,
como sejam :
Leques para senhoras e meninas.
Lavas de pellica (do fabricante Jouvin.
Espelhos de differentes tamanhos.
Perfumaras Unas do fabricante Coudray.
Caixinha de costura com msicas.
Alliuns e caixilhos para retratos.
Pulceira3 de ouro bom de le.
Brinco* e trancellins.
Correles e chaves para relogios.
Botoes de puntaos e de abertura.
Correles e brincos de plaqu.
Bolcinhas e cofres de seda e velludo.
Caivetes e thesourinhas finas.
Lonetas, oculos e grvalas.
Chicotes d baleia e de outros, sortimento.
Bengallas de canna, baleia e junco.
Ponteiras de espuma para cigarros e charutos.
Estovas para falo e para cabello.
Escovas para denles e para'nnhas.
Pentes finos de marfim para tirar caspas.
Penles de tartaruga para desembaracar.
Malas e boleas de viagens.
Ertojns com navalhas Iparaviagens.
Cari eirin has para notas.
Gaiolas de rame para passarinhos.
Abat-jour transparente para candieiros.
Oleados para mezis.
Molduras douradas e qnadros.
Ejlanpas de santos e cdades.
Bercos de vimes para enancas.
Cestinhas de vimes para braco de meninas.
Caixinbas de msicas e realejos.
Losmoramas e fanternas mgicas.
Esleriocopos com interessanles vista?.
Objectos de mgicas e cordas de volao.
Jarros e llores de porcelana para santuarios.
Velas a gaz para lanternas de oannos.
Accordions e concertinas.
Diversos jogos franceie3 e allemaes.
E outras quinquilharias semelhantes.
Brmquedos para Griaigas
Crrnhos de 3 e de 4 rodas para passeios, bo-
ecas de todos os gostos e precos desde 160 rs.
al 20JOOO, e um sem numero de brinquedos de
differentes precos para intrelimento.
Para evitar massanto leitura de tantos artigos
ex Matos a venda nesle estabelecimento, o dono
pede ao puLlico em geral que se digne entrar de
ipaeseio afira de veriflearem nao s a grande va-
uridade eorao os precos baratissimos por serem
odos ebegados de conla propria.


No armazem da travessa do Corpo Santo n. 25, ha sempre um completo
sortimento de objectos para carros, e que se vendem por precos muito rasoavis, como
sejam:
Vaquetas de lustros, grandes e muito boas.
Solas idem dito.
Oleado preto e de cores.
Colleiras de lustro o que ha de melhor.
Guarnices de fino lato para arreios, completos.
Lanternas e vellas para as mesmas
Eixos patentes para sebo.
Joaquim Lopes Machado & C.
28Cainboa do Carmo28
Das seis e meia horas da tarde as onze da noute.
Nicolau Pungitore tem a honra de annunciar ao respeitavel publico desta ca-
pital, que diariamente estar aberto a concorrencia publica um grande cosmorama com
variadas vistas e passagens dignas da alinelo de todos por acharem-se entre ellas
as differentes batalhas dadas pelas tercas alliadas contra o governo do Paraguay, como
abaixo se ver,
O annuncianle tem empregado todos os seus exforcos para que o respeitavel
publico encontr all um bello passatempo mediante urna pequea exprtela, tendo
entretanto direito a um objecto, gratis, de mais ou menos valor.
Todas as vistas serlo mudadas duas vezes por semana, sendo as quartas e
sabbailos.
BrasilVista do Rio de Janeiro tomada da Tijuca.
PortugalVista de Lisboa.
FrancaVista de Paris.
ItaliaVista de Roma.
DitaVista do bombardeamento de Gaeta.
IlespanbaVista de Gibraltar.
InglaterraVista de Londres.
AllemanhaVista de Buda e de Pest.
NoruegaVista da caca da baleia.
28Camboa do Carmo28
DAS SMS E MEIA HORAS DA TARDE AS ONZE DA NOUTE.

A LOJA D )S ARC03 DE ALVARO AUGUSTO "DE ALME1DA & C, ra de
Crespo n. 20 A, alm da grande variedade de fazendas de phantasia de que sempre se
acha provida, tem actualmente um completo sortimento de fazendas pretas, proprias para
os actos da quaresma, como sejam :
Ricos cortes de seda prota de superior qualidade.
Gorgurlo de seda prelos de diversas quaiidades.
Grosdenaples pretos de differentes quaiidades.
Sedas lavradas.
Rasquias de seda preta de raodello inteiramenle novos.
Ditas de guipure ricamente enfeitadas.
Pelerinas.
Fichs e mantas de fil para a cabeca.
Mantudas brasileiras ou mantas de fil para cabeca, de modelo iritoiramcr.te
novo.
Eil de seda branco e preto.
Guipure branco e preto.
Rales a victeriense modello nteiramenta novo.
Chapelinas enfeitadas de preto. .
Lavas de pellica preta para hoinens e sendocas, e outros muitos arligus de
bons gostos e quaiidades o que ludo se vender por precos rasoavis
Tambem contina a ter um grande sortimento de tapetess, alcatifas e as ur-
adeiras estea dirasflparandia forrar salas.
BENRIttUE PFLAEGING
ESPECLiL AFINADOR DE PIA\OS
recem chegado do Rio offerece seus pre timos ao Ulm. publico tanto nTcidade como ou
mallo on nos engeahos, pode ser procurado no sallo de pianos c de msicas na rna
Nova n. 58 lo andar.
QUINIUM (.ABARRAQUE
APPB0VADO PELA ACADEMIA 01 MEDICINA 0C PAR1Z
O Quinimm Lfcrrqpa, eminentemente tnico e febrfugo deve Mr
preferido todas as outra preparaffieo de quina.
Os vinhos do quina ordinariamente emprsgados na medicina preparam-M
com cascas de quina cuja riqueza em principios activos extremarneate
criavel; i parte disso, em razao de seu modo de preparacio, estes vinhos con-
ten apenas vestigios de principios activos, e em proporefles sempre variaveis.
O Quinlum Labarraqu*, approvado pela Academia do medicina, con.
atitue pela contrario nm medicamento de compoaicto determinada, rica em
principios activos, e com o qual os mdicos e os doentes podem sempre contar.
- 4) Qadiiiain Labarraqoo preseripto com grande xito as pessoas iracas,
delibiudas, seja por diversas causas dosfoUmonto, soja por ontigas moiej.
lias; aos adultos fatigados por urna rpida crescenca, is meninas qui tem dam.
culdade em se formar e desenvolver; s mulheres depois dos partos; aos velhos
enfraquecidos pela edado en oenca. ___^
No cazo de cblorosis, anemia, cres plidas, este vinho um poderoso
auxiliar dos ferroginooos.* Tomsio jHmto, por eiemplo, com as ptelo* JR
Vaur, produz effeitos maravilhosos, pela sua rpida ocelo.
Deposito em Paria, L. FRERE,, 19, rao Jacob
Ric-mmn, 0DP0HCBEL11; CBETOLOI. Psmsmano, MARE1 I C,

k
4>
m


!
Diario de Pmmbvu Quarla test 23 de Maiqo/e 18*0^11

NEGRA
00
IV tk P3
3

' >- '


I
BENTO MACHADO a C,
A AGUIA NEGRA animada cora o bom accolhimento que leve em seas annun-
tos, vem novo participar a seas freguezes que, acaba de receber um variado sorti-
nento de objectos de gosto os q&aes serao vendidos por precos muito razoaveis, pois
quando fez os sens primeiros annucios, foi o que assegurou, e sem mdo de errar,
porque como j disse osla interesses ligada a urna casa importadoradesla praca, e
por isso poder ter tudo especial e vender por precos admiraveis.Chama pois a atten
to de seus freguezes para os arttgos possa descrever :
Livros com o tampo de marfim, madre- Um variado sortiments .de cbaruteiras e
parola e tartaruga, proprios para missa. 'palteiros de porcelana,
Garaflnhas vazias proprias para presentes; Tentos para voltarete>
TlAHiS E 6BAMAF0S | "Utf
n ra da Imperatrfc l>. tt, (Port* Larga) umbo- T A*?^ ^L aP
asimcomo os competentes guardanapos IriWssa UOLOf|Kj dWHO IL Z>
nito stJJtfento de toalhas de nho para mesa, assim
qae se vendem a preco baixo.
PAREDES PORTO vende laasinhas a 240 o covado, fazenda de 500 rs, para acabar
MTua da hnperatr.'z n. 82.
PAREDES PORTO vende algodo com pequeo toque de avaria a 30500 e 4*000,
a peca ra da Iroperalrii n. 52.
PAREDES PORTO vende chita preta para luto a UJO rs. o covado na roa da Im-
peratnz n. 52. Porta larga.
CHALES
PARe.DI.s PORTO vende meias para senhoras a 2*500 a duzia p r ter um peque-
o moro, na ra da Imperatnz n. 52 porta larga.
PAREDES PORTO vende cortes de calca de casemira preta a 3*500 e 4*000.
PAREDES PORTO tem para vender panno preto superior e casemiras de cores e
pretas que vende por prcos conamodos.
CHALES, GBANDE PECHINCHA.
Chegou a loja da ra Imperatriz n. 52 de Paredes Porto um bonito sortimento de
cbales chraezes fazendas moito boas para senhoras trazerem em casa, esta vendendo
por 5>000, estoacabando-se na
Loja do Leo.
Ama
cousa de gosto.
Indispensaveis le palinha e de couro pro-
prios para senhoras e meninas trazer nos
bracos.
Binculos da madreperola, marfim e tar-
taruga todos esmaltados.
Cintos largos de setim, cousa inteiramen-
: nova.
Fitas de sarja de todas as cores e largu-
ras para lagos.
Toacas, sapatinhos meias de seda e mais
pertences para baptisados.
Fitas com inscripcSes proprias para bou-
fuet de noiva,
Ricos vasos com p do arroz.
Bengallas cora marfim, cousa especial.
Sabonetes de alcatro.
Cofres de folhas para dinheiro.
Lindas caixas para costura.
Um completo sortimento de luvas de pe-
lica,
Talagorce para bordar.
Um completo sortimento de enfeites de
seda para vestido.
Perfumaras de todos os autores os mais
acreditados em oxtractos, pomadas e leos
e finalmente outros muitos objectos que nao
possivel mencionar ; mas com a vista se
Um vanado sortimente de jarros de por-; certificado do sortimento deste estabele-
Jana. cimento.
Aguia Negra, ra do Cabug n. 8.
n iHivwwin miniiii mwmwmmm
trBg-g&
er o
5 5 S <*, g
5 O cu 3
ZZ, 7* S B 3
ISg-lifllI
V i M B M? g*
n
r/a <
Ff
63
oa
O

rs
5'
oa

O o. o 2?. 5 i
BSaS
ft3 CP T, CQ CP
Ss8.iI
So-B B o sr
I I
5-9 o o S*
S;|Bff 8
c 3|8
o-;5Bg5'
o o> S .. P
3 a

i6S
c o ^ o o
ti O S 3
> g 2- C ~
S x a "
fO si j,
. 9 a
O M p
o

e Q3
a.:
M et> as
>
s: >
Precisa-se de ama ama para casa de pouca fa-
milia : na ra das Crines n. 2>.
Ausentou-so a pertu de dous mezes de casa
de seu senbor a escrava prea fula de nome Mura,
com peito de SO annos de idade, alta, gorda, mui-
to regris, fui escrava do 8r. Dr. Amaro, coosla
que anda nesta cidade e lem sido vina no bairro
da Boa-vista e nm S. Jos com laboleiro na ca-
b*ga : quem a appreheuder e delta poder dar no-
ticia exacta, dirjase ao pateo de S. Pedro n. 11,
que f era (ratificado.
Precisa-se
de u na muluer forra ou captiva para servir a
duas pessoas no lugar de Ganielleira : quem pre-
tender, compareca na ra do Livramento n. 36.
Offerece-se urna ama boa cosinheira para co-
sinhar em sua casa para duas ou. "tres pessoas,
quem precisar dinga-se ra da Roda n. 20.
Ama
Na ra da Cadeia do Recife n. 50, precisa-se
de urna ama para cozinhar e engommar.
mmmmmwm mmmmmmmm mwmmmmsmmmnm
INJECTION BROU
GHA TONIPLUGATIVO E DEPLUAtlVO
DE
CI1AHIIARD.
Composto das plantas as mais odorferas e as
mais virtuosas dos montes os mais elevados, o eh
teni-purgativo de Ghambard, possue um gosto sa-
boroso e um aroma suavissimo, e as propriedades
as mais nota veis sobre os embaracos do estomago,
dos intestinos e do ligado o desobstruenle por
excedencia na constipac&o do vcntre e nao lem
resguardo nenhum.
Depurativo especial e directo da bilis e dos hu-
mores, i cresca o sangae depurando-o.
O uso do ch-Chambard pode ser continuado
por muito tempo sem o menor receio e sem in-
commodo nem mudanc^ no modo de viver.
NICO DEPOSITO EM PERNAMBUCO
NA
JPHARMACIA E DROGARA
DE
llartholoiiicu ft C.
ni-RUA LARGA CQ ROSARIO34,
Aluga-se um mulatinliu com idade de 11 an-
nos, bomlcopeiro : quem precisar dirija-se a ra
da Imperatriz n. 69.
Offerece-se urna pessoa habilitada para fazer
cobranzas (dando fiador) aesla capital e ios ser-
toes desta provincia e nos das Alagoas, Rio Gran-
de, Parahyba e Ce ara : a tratar no caes de Ramos
numero t.
ATTENJA
Precisa-se alugar urna casa terrea boa,
e que tenha gabinete ao lado, ou um so-
bradinhu bom, na cidade de Olinda, em ai-
turnas das seguintes ras: S. Bento, ladei-
ra da Misericordia ra do Amparo, ou la-
deira do Varadouro ; a pessoa que tiver, e
quizer alugar, deixe carta fechada com as
iniciaes F. F. n'esta typographia, pois nao
se duvida dar bom aluguel agradando.
Preci-sa de urna escrava que saiba cozinhar
a fazer compras e o mais servico de casa : na ra
da Cadeia do Recife n. 1.
ARMAZEM
Ra Nova n. 28, loju Antonio
, Pedro de Souza Spares.
Baadeira, Machado & C, avisan* ao respeitavel
publico qae nos lugares cima encontrar no mes-
uro sempre grande quanlidade de ditos, pocos, e
que se ackern habilitados para vender por menos
qae outro qualquer, por isso qae os rocebera di-
rectamente do fabricante Nerton, de Londres.
As vantagens que offerecem os pocos instant-
neos lio : primeiro, poderem ser collocados den-
tro dt casa on fra, com o trabalno de ama a duas
horas; aerando, fornecerem os mesmos agua pa-
ra e anndagle, podendo serem removidos de um
para ontro logar, mando assim convier.
Os annuneflntes sreeebrao a importancia dos
referidos pocos depois de collocados, sanstazendo
a espectativ do comprador._________________
Precisase de urna ama de leite que seja
sadia, na praca do Corpo Santo n. 17. segundo
atxnr.
AMA.
Precisa-se de urna ama,
casa de rapazes solteiros
Crespo n. 17, loja.
so para cozinhar em
: a tratar na ra do
Cabelleireiro
Ra da Cruz n. 24, i andar, por cima da
botica.
Antonio Rodriguas Ramalho
acaba de abrir
concorrencia publica um espacoso e asseiad) salao
para barbear e cortar cabellos, e afianca que nelle
encontrarao seus amigos, amigos fi eguezes, e em
geral todos os que quizerem frequenta-lo, agrado,
actividade e bom desempenho do trabalho.
Agencia em Permimbuco
Do Dr, Ayer
Peitoral de Cereja
Cura a phthvsica e todas as molestias do peito.
aia parrilha
Cura ulceras e chagas antigs, imptgeus e dar-
tros.
Tnico
Conserva e limpa os cabellos.
Pitillas athrticas.
Paramente vegetas? e sem mercurio, cura se-
zSes, curam e purifioam todo o sysieraa humano
Vende-se electivamente em casa de Samuel P.
Johnston & C, ra da Sanzalla Nov n. 42.
yftcalca
, Inal'lT.J PrcwrvallTa, *>MluUBieMo a uuica que eura tas aeobum iddiUro^Vi-ude*
ni.>irt.rt mtmii. u ^^ ^^ *'
" r riLQii
N'ESTA ANTIGA E CREDITATA
FABRICA
>

llCtlUl II C4III1ITIIIITI MI CflifUli MIT1IMI4 II
CHAPEOS DB SOJL:
De todaa as qualidadei I
De todos oa feitioa I
De todas os precoal

RA DO CRESPO N* 4
m*
ASMA
OPPRESSO 8OFFOC9O
a Per*!** 4'tbcr do doctor Clebtab approvadas pela Academia imperial
de medicina de Pariz aealmam quasi sempre instantneamente os ataques d'aama,
oppresaao, sotToca^o, assim como as dores de cabera e enxaquecas. suffi-
ciente na occasiSoem que apparecer o mal, o engolir-se urna ou duas peroles
com urna pouca d agoa. E com certeza o medicamento mais fcil de tomar para
este genero de doencas.
m rerala* Be tereWnthiaa do DODTOB Clrtar alo impregadas diariamente
com grande eirto para a cura das nevralgi, rheumatismo, sciatico e catarrbos
d beiiga, Estas perolas foram sempre recommendadas por um grande numero
de mdicos e especialmente pelo outor Trtusseau, que indica este medica-
mento cera* o mais flicaz. E conveniente tomar de 4 at 8 na occasiao das
. comidas.
approTacio daAademia imperial de medicina sem durida a melhor
garanta da boa prqMTAcao dste medicamentos e de sua efficacia.
Dapedu m Rsvlaamp, PuponchelU; Chtvelot. Em Perrahm, M*ur* k C".
PreelsS'se alugar um osera ve de boa con-
duela para o aervjcp de urna loja de fazendas : na
ra do Crespo n. O A.
Pedido.
Pede-se ao Sr. A. i. C. Carvalho qce (|uanto an-
tes fcaja de vir a ra do Brnm n. 63 a negocio que
S. S nao iguora, e nao o fazendo ver o eu nome
par extenso nesle Diario.
Precisa-se de urna ama para casa de pouca
familia : na *ua Jo Brum n. 79.
Precisa se de urna ama para lodo o servico
na ra de Horlas n. JO, sobrado.
O afeaixo assignado avisa ao publico que tendo
obtido licenca do Exm. Sr. conselheiro inspector
da thesourana da tacenda geral, para vender es-
tampillias em seu estabdecimenlo.a roa do Crespo
n. 23. pelos mesmos precos que se vendem na re-
cebedoria geral; assim pois, podera as pessoas
residente? nesta cidade fra della dingirem ao
abaixo assignado, sisas encommendas m qualquer
quanlidade que sera promjitainmte saisffeitas.
Manoet Martins Wuza.
Preiiea-se de ura codkeiro que 1enha prali
ca de taberna : na ra da Cadeia-nova n. 7.
Precisa sede um eaixeiro de :l a 16 annos
aue t.'i'li i lpania iralica na iraves-
sa da ra do (jueiinado a. 3.
Anlonio dos Santos Olivara lem para ven-
der n.i rna Nova n. 6, machinas para descarocar
algedao de ii. ii, 16, 18, 28,4oe 30 serra?, as
melhores que veem a esie mercado.
Machinas para faiet costara de diDerenles cuali-
dades, serido do melhor fabricante.
Bomtijs de Japi de ledos os tamanhee.
Bombas nmerieana. .!k*i
Bomli.ie de cobre.
lhumlw en) cano de odas as grossuras.
Alanibiques de cobre*." i JL
Vares de cobre para eavlias.
Cobre de forro de nawo.
Cobre para caldeir'iro de tollas as qualidades.
Espingardas finas de 1 e 2 eanos.
Revolvers de todos os tamaitos.
Formas de ferro para purgar assucar.
Moinhos para reflnaco.
Forr.idores para caf.
Machinas para fzer caf.
Folies para ferreiro de snpenoi qualidade.
Safras para ferreiro?.
Turnas para ierrire* de patente.
Tarrachaspara fazer parafasos.
Bandeijas fina?.
Pesos di; novo systema.
Ferros a vapor.
Toroeirasde bronze.
Ac fundido de todas as grossuras.
Folhas de ferro.
Apparelhos do meul do priocipe para cha, e ou-
tros muito- arlgos que s vistas.
Precisa-se de ama acra para o servico inter-
no e externo ati urna ca*a- > urna ama so pes-
soa : na ra ila Crjz n. 16, Io andar.
V. PALHARES
CENTELHAS
versos patriticos dedicados memoria dos
Peroambucanos mortos no Paraguay.
Afislgna-se ua Llvraria Franceza
A 2^000 RS. O EXEMPLAR.
Engenho Queimadas na freguezia de Bar-
reiros 12 de marco de 1870. Na madrugada de
sabhado 26 do mez de fevereiro, prximo passado
furtaram deste engenho um cvallo e um burro
com os signaes seguintes : o cavallo ruco sujo,
grande, faca, inteiro, novo, carregador baixo, tem
urna reladura na junta da mo direita^de urna
ferida que ba poaco sarou, tem outra pelladara
bem vtsivel as costas do lado direito marca de
cangalba, tem ferro no qnarto direito, e por falta
de reparo ignorase a qualidade. O burro de cor
prela, pequeo, castrado, manso, de sella e carga,
a cor em roda dos beicos cinzenta : qnem os
apprehender ou deiles tiverem noticia, tenham a
bondade de dirigir se ao abaixo asignsdo pro-
prietario do mesmo engenho que bem recompen-
sar.
______________Joao Gmlherme de Mello.
O bacharel Jos Goncalves da Rocha ha re-
solvido estabelecer seu escriptorio de advogacia
nesta villa de Cabo, onde poder ser procurado
em qualquer dia e hora para o exercicio de sua
prefijsio. Encarregase nao s de negocios rela-
tivos ao foro desta comarca e seus termos, como
lambem pertencntes as comarcas e termos da
Escada, Rio-Formoso e Agua-Preta, e mesmo de
qualquer outra comarca que perten^a ao districto
deste tribunal da relacao.
Perdeu.-se da estacio dos trilhos urbanos,
trajelo pelas ras de Santo Amaro, Nova, Cabu-
g, praca da Independencia, Queimado at a roa
do Livramento, um leqae de seda parda e sndalo
com lentijoulas de ac, tendo no centro as iniciaes
J. B.: qnem o achou e quizer entregar, venha
roa da Cadeia n. 53, andar, que se gratificar.
Para a quaresma.
Ka loja do Passo
Os proprietanos deste itapnrianie .'subelenmer-
10 recebero pelo ultimo vapor fraorez rico po*-
tflhdes de gorgurao reto moito bem cufitados
inteiramenle novidade, sedas o gorguroes pretil
temos soriimeqlo completo, o luelhur a de#eiar
is, todas as pessflas qae r
precisa m u*
OlHJan*se, no, waay as pesara o
comprar fsus artigo?, ra do Crespo n. 7 A
.Scielites de quo, em pre^oe nao so Ueixar e .,-
zer negocio, isto motivado pelo muflo sortimsnu'
que temo?.
Milho novo chegado
da America.
Vendem se saceos com milho da melhor qna'-i-
dade, e uliiniamente descarregado : no armazem
de fannha do caes 22 de Novembro, tr baixo c'o
Gabinete Portuguez.
OllUVES.
Na ofilcina de ourives, na ra da Penha ven-
de-se ama tabolela e urnas 200 pecas de obr..s
miudas de prata, e tambem vendera-so alguns fe -
ros para irabalho de ourives : a tratar na mesina
offiemr.
Cantara de Lisboa
Soleiras, hombreiras e capiteis, o qne ba de rr.-
Ihor para frentes de predios : venida no arma-
zem da travessa do Corpo Santo, de Joaquim Lo-
pes Hachado & C.
COMPRAS.
Compra-se
duas ou tres venezianas em segunda mao.porm
que estejam perfeits : a tratar na loja da ra Nova
o. 45.
Casa terrea.
da Madre de Deus n. 16, loja.
tratar na rus
Compram-se moedas de onro e prata de to-
los os valores, ouro e prata em obras inutilizadas,
orilhantes e mais pedras preciosas: na loja de
orives do areo da Conceicao, no Recife.
E
Compram-se e vendem-se diariamente para fra
dentro da provincia escravos de todas aseados,
cores e sexos, com tanto que sejam sados: no
.erceiro andar do sobrado n. 36, roa das Crines,
Yeguezia de Santo Antonio.
Lom muito maior vantagem compram-se
noedas de onro e prata : na loja de joias do Co-
racao de Ouro n. 2 D, ra do Cabug.
O muzeo de joias
Na roa do Cabug n. 4 compra-se oaro, prata
i pedras preciosas por precos mais Tartajosos do
roe em outra qualquer tarie.
Compri
a-se
duas casas terreas as ras Concordia, Palma,
Caldeireiro, Santa Thereza e Santa Rita : a tratar
na ra estreita do Rosario n. 3o, cartorio.
Precisa-se de urna ama para casa de pouca
familia : na travessa de S. Jos n. 1.
Ama
Precisa-se de urna ama para comprar e cozinhar
para casa de pouca familia : na ra da Praia nu-
mero 3.
Fugio do engeeho Cedro, freguezia do Cabo,
hoje 21 de man-.i. o escravo cabra, de nome An-
tonio, altura regular, corpulenta, espadaudo, bar-
ba nova, todos os denles, porm limados, cabellos
carapinhes, olhos grandes, nariz grosso, bocea re-
gular, ps e pernas bem feitas, tem falla macia e
olh; r baixo, e filho de Pianc da Parahyba do Nor-
te, e foi escravo dj Sr. Jos Moreira de Oliveira,
pai do reverendo padre Saturnino ; levou um ca-
vallo rudado rxo, inteiro a gordo, um sacco de
couro com roupa e urna rede : gratiflca-se bem a
qem o levar ao referido engenho, ou ra da
Praia n. 89, 3 andar. ______________
GASA DA FORTUNA
Aos 5.-O00
Bhetes garantidos. -
i ra de Crespo n.23 casas do costme.
O abaixo assignado, tendo vendido alm de ou-
iras sortee, um inteiro n. 384 com 900*000 da
lotera que se acabo u de ex t rali ir a beneficio da
matriz de S. Bcnto (140a), convida aos possuido-
res tiren) recebor na eonforraidade do cos-
ame sem descorito algum.
Acham-se a venda os felizes bilhetes garan-
tidos da 2* parte da lotera beneficio da matriz
de Agua Prela (I41), que se extrahir segunda-
/eir 28 do corrente mez.
Precos.
Biihete 6*000
Meio 3*000
Quarto l{500
Em porcao de 100* para cima.
Biihete 54500
Meio 2*750
Qnarto 1*375
Manoel Martins Fiuza.
V1NDAS.
Ti
1
I
Vende-se o engenho Mussayba, vre e desem-
barazado, e bem como a propiiedade Pojo-preto"
separada do mesmo engenho : a tratar com o seu
proprietario na ra do Apollo n. <57, Io andar.
Vaquetas
, ATTENCAO
Vendo-se a loja de calcado sita a ra Dirii-
la n. 45, a qual est bem arreguezada unto paia
a praca como para o matto e s se vende fu r
sna dona'se retirar desta prai;a, quem pretender
dirjase a mesma que achara com quem tia:..r
e tem tambem bastantes commodos para nume-
rosa familia por botar de ra a ra e por pro,o
muito rasoavel que admira.
Milho novo
Vende-se em saceos grandes, e por menos pris-
co do que em outra qualquer paite ; para ver no
trapiche Dantas e para tratar, roa do Apollo.
Cal nova de Lisboa
e vende
descarregada hoje do patacho Jfara ;
Joaquim Jos Ramos, na ra da Cruz n.
neiro andar.
LINGUAS II
J CHEGOU
a nova remessa das muito desejadas Iinguaf
seccas, viadas lo Rio Grande que se vende
no rmazem do Campos i ra do Impera-
dor n. 28, assim como : trancas de ceblas
a 640 rs. cada urna, no mesmo armazem
vendem-see aluga-se
Bichas de Hamburgo.
Escravo
Vende-se um bonito escravo de cor parda, sor-
do muito possante eom boa tigura, estando tam-
bem acostumado ao servico do mar : a tratar na
ra da Imper.ttriz n. (>0, loja do Pavao.
Vende se diversos escravos pecas, viudos lio
Cear e do Piauliy, proprios para "engenho ; ?.-
sim como diversos cabiochas de 12 18 annos,
com habilidades e sem ellas c um casal de es-
cravos pardos garantindose a conducta : tra!.r
na ra da Cruz n. 53 e 65, 3* andar.
envernisadas e grandes para cobrir carros : ven-
de-se em casa de Carlos P. de Lemos A C, ra do
Vigario n. 10.
Farinha de mandioca
Vendem Pocas t C, na ra estreila do Rosario
n. 9.
- Vende-se urna inulatinlia de 13 annos de
idade, e dous mol iques pecas ii 11 a 18 annos
e urna ascrava de meia idade : a tratar na travessa
do Carmo n. 1.
Vende-se a o1 parte de un sitio (sem casa)
na estrada de Joao de Barros deironte do palacete
da Exm.* viscondessa de Goyanna, com alguns ar-
voredos fructferos, proximo'a eslacSo da Encruzi-
Ihada de Belm : a iratar nesta tvjiographia.
AMA
Preeisa-se de urna ama para comprar e cozi-
nhar para duas pessoas : na largo da mrlrz de
Santo Antonio n. 12.
Criado.
Preeisa-ss de um criado para casa de um ho-
mem solteiro: a tratar na ra do Livramento,
loja n. 6.
Em casa de THEODORO CHRiSTI
ANSEN, ra da Cruz n. 18, encontram-K
sflectivament todas as qualidades de wnV
Bordeaox, U>i,tOgat e do Rheno.
Justina.
Ignacio Nery Ferreira de Souza Lopes, sollici-
tador de causas dos auditorios da re!ac,o, eocar-
rega-se de procurar cansas eiveis, commerciaes,
eccleaiasticas, crimese Umbem negscios da guar-
da naeonal, pode ser procurado todog os dias
uteis em sua casa da ra do Imperador n. 35,
junto a repartidlo do Dr.ehefe de polica, aos po-
tires presta-se grates. .
Precisa-se de urn eaixeiro (para laberna : ne
largo da Santa Cruz ji-12.
iTTOCAr
Na ra Nova n. 2i deseja-se fallar com o por-
tuguez Custodio Jos de Oliveira, da freguezia de
Barbudo, a negocio de sua familia ; e caso nj
fcsteja nesta cidade, pode diri:iir-se ao Pilar da<
Alagoas, teu irrao J^s Anlsniode Oliveira.
Candido Alberto So-
dr da Motta & C.
com escriptorio e armazem na travessa da Madre
de Dos n 14, tem para vender o seguinte :
Cemento Porllind de Ia qualidade, o melhor que
tem vindo ao mercado, barricas de 12 a 14 arro-
bas por 10*000.
Vinhos Bordeanx das segnite cualidades :
St. Julin.
Fronsac.
Lormant.
St. Emilion.
Margau9.
Chatean de Boycherelle.
St. Lamben.
Lalonbere.
Duplessis.
Cauor.
Dearsesai.
Vinho do Porto do qualidad muito especial.
Azdile doce relioado em caixas de 12 garrafas.
Fumos do todas as qualidades, se encontrar
neste estabelecimente-em latas, P'ios e fardos.
Papel de todas as qualidades -roprios ara ci-
garros.
Vende-se urna arma^o de laberna com cai-
res, um registro de gaz com dous candieiros
vende-se em conta, na roa do Pilar n. 15 : a tra-
tar na mesma______ _
Vende-se um parte do engenho Timb, sito
na freguezia de Maranguape de termo de Olinda,
com grandesm atas, moente e corrente com agua :
09 pretendentes dirijam-se ao 3< andar do sobrado
n. 36 da ra das Cruzes que iharo com quem
tratar.
MACHINAS PAII
COSTURA
Acabatn de clicgar ao GRANDE BAZA}1.
UNIVERSAL, ra Nova n. 22carneii o
vi.\N.\A--nm completo sortimento de ma-
chinas para costura, dos autores mais co-
nnecidos, as quacs esiao em e.xposicao du
mesmo Bazar, garanlidn-sj a ata boa qua-
lidade, c '.:: i ai iDSua-e com peifteico
a todos os cenptadofes. Estas ixtfcbinas
sao igaaos na seu trabailio ao de 30 coslu-
reiras diai ament, e a sua perfeigo tal
como da melbqr costureia de Pars. Apre-
sentam-se tr&tialbos eieeuiados pelas mes-
mas, que muiuj di.vem agralar aos preten-
dentes.
Vende-se uiua boiiia artnagoloda de a-.t..-
rello, e cnvidra<;ada, proiria para venia ou qua -
quer outro eslabelccimento, inesrro na casa onoe
est : na ra da
so ou a dinheiro
mperatriz n. 38, vndese a pra-
tratir na mesma ra n. 42.
a loja do Passo
Os requissimds cortes de blode de seda c %
manta e capella para casamento, sendo ne^te ar-
tigo o que se podle desojar de melhor o mais mo-
derno, tambem chegarain os corK*de seda de .('
res novidade, e outras muitas fazendas de gosu
que chegaram pelo ultimo vpor franeez, s par*
a loja do Passo a na do Crespo n. 7 A
Sefinaco.
Vende-se ama neg'rioha de 10 annos de bo-
nita figura : no pateo do Carmo r. I.
Vende-se a refinacSo da ra de Hortasn. 7
muito proprla para principiante, por ter pouc s
(undos : a tratar na mesma.
Ven!e-se o muilo afreguezado
plvora, sal c mulhados, .-it la
Taberua
Vf ndese a taberna da ra dos aiiiugiiinhos n.
20, propria para principiante por ter poucos fun-
dos : quem pretender dirija-se a mesma, que
achara com quem tratar.
Vende se urna taberna na ra daSenz'ala-
nova n. 6, propria para um principiante : quem
pretender dirija-se a ra do Brnm n. 64.

AMA
Precisa-se *e unia. pessoa livre ou escriva p ira
comprar; a trwrnaftia do imporador n, 1%
mEMClO
Vende-se urna boa casa na ra do Alecrim n.
4, era chao proprio ; e a abaixo assignada declara
que nao cncarregou a pessoa aigunia para veuda
da mesma : a tratar na mesma.
Antonia Leal Ferreira.
Sal do Assu'
Vende-se a bordo do palhabote EmMa : a tra-
tar com S Lcitao Irmos ra da Madre de Dos
numero 1.
Aguia negra
Chegaram aflnal para a aguia negM' as desej i-
das machinas para cestura. E intil quaiqner
recoram ndaco em ( didade destas machinas, por serem ) bem conno-
cidos do publico : ra do Carag n. 8.
armazem c'u
laperial l
233, pertencente a Jos Moreira da Silva ianior
a tratar na ra estreita do Rosario u. 3, armu-
zem.__________F
is 51 rod
de reos pac pipis
Veendose no trapiche do Cijuua a 74 de 1>
rodas para urna.
Engenho tVTSSSaT
Vende-se o eng
duba, distante da
tos de legua, me
mho Conceicao-, oay'ora C
povocao de JabJatj tresnua-
com agua, e cueiro.Hwba
tanto mana v.rgw, e de circumfcrencia legua e
meia de ierras a dinheiro e a prazo : a tratar :
Hecife, com o Sr. Barroca na ra da Cadeia n. i,
ou no mft;mo engenho, com o sea pronrfeiariu,
Jos do Keg i Dantas Coutinho.
Vendem 9e as casas da ra do Progresso es.
2o e 27 (na Soledadei : a tratar na roa daSoledj-
de n. 56.
Vende Joaquim Jos
n. 8, 1- andar
CAF
Ramos: na ra da Ci -*
m
Vende J.. Raaos : na ra Ja C.
n. S, t" andar.
Cebada
r quili
ra do Amorim n. H.
v cede-se i
lUGtVB

t


J
t>
iafk lie
Wfr itttrU ten & Jba,Mm

I
*.

evidente
Aig>do largo para leoces c toalhas de
trias as qualtdades que costoraa vir ao mer-
do.
AJoacaa di? todos oj padres e qualida-
das lio variadas qae se nao podera descrever.
Albeuscom msicas para collocar retratos,
dali'.aJ-i presente pan qualq er pessoa de
Atrillado de linho e algodo, branco e
de co-i'S proprios para toalhas.
r ,:..-,.:j de seda pretas e muilo moder-
nas, beta como de crochet, tudo de apurado
g08t'i e f'itio.
Batss de musselina, madapolao, brancos
e-de cares, para seuiora e meniuas,
Bmwom de cores variado sortimento.
Babadinhos ou tiras bordadas em todas as
larguras.
B-jibotiaa de todas as cores.
ir de tapate para viagem. grande
variadade de tmaafcos e gostos.
i;.>iubnzina preta de todas as qualidades.
Bramante de linho de 11 palmos de lar-
gura, e todas as mais qualidades.
Bretaobas de linho e algodo, grande sor-
timento.
Bros do linho branco e de cores, do mais
eomnk'ilo ao mais caro em qaalidade, aflian-
cando o que ha de raerhor na especie.
Biir.s d'algodo completo sortimento e
variedade de prejos.
Cft .
Cissas de cores, o maior sortimento, pri-
mando pelo bom gosto e barateza, atientas
as qualidades.
Canbraias brancas, tapadas, e transparen-
tes de todas as qualidades e presos.
fomisinhas de cambraia de linho e cassa
bordlas ricamente enfeitados para Sras.
Camisas para botrens e meninos, to va-
riado sortimento que vai do mais ordinario
madapoln ao mais perfeito bordado de li-
i (fe cambraia.
Camisas de meia, de flanella, brancas e
de cores pai a hornera.
Casemiras pelas e de cores, o melbor
|ue se pode imaginar, sendo d'isso a me-
iior ni ova o grdhde constlmmo dellas na
efficraa da casa.
Camilas de flores, para noivas e bailes,
desie a mais candida flor de larangeira at
a mais interessante griaalda.
A Rll DA IMPER1TRIZ M, *"
Esquina da ra da Aurora, em frente do caf Imperatriz.
*
N'este novo e suraptaoso estabelecimento de fazndas encontrara as Er.mas.
Umias tudo quantopossam desejar.tanto em artigos do mais rigoroso luxo, como em todas
6 miis quabdadevde hiendas,
Alm dse acharem prvidos do que de melbor se encontra neste mercado,
por iodos os peqietos a Europa, recebem directamente o qae em artigos de moda e
do mais apurado ejosto se encontra em'Pars, o que vem cadadia augmentar s propor-
$5es d' mi? dispoe este estabelecimento para bem servir sua nomerosa freguesa.
a>
CBr
Gase com listras de seda ellores tazea-
da inteiramente nova para vesfldos de baile.
Grvalas para senhoras ere*mens, o mais
completo sortimento que se pode desejar.
Guipure preto e branco, drteraas larga-
ras e differentes gostos.
Collas e punhos bordados para senboras.
Guardanapos .de tinhp pequeos e gran-
des.
Gorgueo de seda preto e de cores.
Grosdenaples preto e de cotes, haveo-
do diversas qualidades e gostos.
dX
Japonezes para 6enhoras, oaaelbor gos- q
to, e fazenda propria para as (estas nos ar- d
rabaldes e passeios a tarde.
3
Liazinbas de todas as qualidades, cores
e gostos, nao fleando nada a desejar, tal
o anuaja gas Misto para^seeUter.
Leos, todo quanto pode ha ver desde
esguiao ao algodio comraum.
Leques de madrepcrola e osso, o mais va-
riado sortimento.
Ligas dd seda, bordadas, para senhora.
Luvas de Jouvin, chegadas por todos os va-
pores, sempre novo sortimento, quer em
pellica para bornese senboras, quer em flo
d'Escocia, brancas e de cores.
Madapolao; indescriptivel o grande sor-
timento que ba neste genero; desde o mais
elevado preco ao menor, que se vende em
pega e retalho por menos do que era ou-
tra qualquer parte.
Mantas de blonde para noivas: o apurado
gosto dos nossos correspondentes em Pars
babilita-nos a dizer que temos em nosso
estabelecimento o que do inelhor se dse-
l
Chancuabas no raelhor gosto.de todas as
efees boje preferidas pelas senhoras de
mais apurado rigor na moda.
Chapeos pretos de velludo, para senhoras,
ultimo gosto de Paris.
Chapaos de sol, para senhoras e homens,
de lodosos prejos e variados gostos.
Cha'y com ricos padres para vestidos.
Chales de todas as qualidades, avultado
auruero e nSo menos variedade de gostos,
Chitas, impossivel descrever o sortimen-
io c variedade de padres e novos gostos,
ha neste artigo tudo quanto se pode desejar.
Ciatos para senboras o que se pode ima-
ginar de melbor.
Coquea, o melbor no gosto e nos enei-
tes, varios lmannos.
Colchas &' seda com-borlas, o mais apu-
rado g<>sto elavor.
bitas de fustn branco e de cores por
precos commodo*.
Corpiobos de cambraia, ricamente borda-
io~ para senboras.
Cortinados de cambraia bordados e de
Si.o qoe de radhor se pode desejar.
Golarinhos de inho bordados je, lisos, o
maior sortimento.
Damasco de la de 9 palmos|de largura
lindas cores e ricos padrees.
Esparlilhos bramos e de c6res, para se-
aiioras e meninas, 6 o melhor neste genero ;
nenhnraa Sra. deivar por certo de muir
se de to precioso auxiliar perfeico de
om corpo delicado.
ntremelos bordados.
Escomilha pela.
Enleites para cabera, ultima moda de
Paris, rewbida no ultimo paquete.
Esguiao de linho, completo sortimento de
lodos os nmeros.
Fitas largas escocesas para cintos, varie-
dad*: de gostos e lindos padres,
Fi fhs de crochet, modernos com cintos
a capas, oque ba de melhor.
Fil de seda, linho e algodo, de todos
os gostos e padres.
fmilo de todas as cores
grande sortimento.
teja branca e de cores.
jaotara vestir e ornar urna uoiva.
Mantas pretas deblond.
Mantas para carros, com lindas pinturas.
Merinos pretos, trancados e lisos.
Musselina branca e de cre,s, lindos e va-
riados padres.
Pannos pretos e de cores, desde o Tnais
barato ao mais superior, por preco- muito
commodo.
Pannos de crochet, para cadeiras e sofs.
Ditas de caseraira muilo finos para
mesa.
Peitos bordados de linho, lisos e do al-
godo para camisa.
Princetas pretas e de coriis.
Popelina do seda e linho, com listras e
flores; fazenda lindissiraa.
Pelherinas para senhoras, do ultimo
gosto.
Perfumaras ; os mais finos extractos o
que de melbor e mais agradavel se pode
encontrar neste genero, e de mais fragante
e suave no olpbato, lem o PAV1LI1A0 DA
AUROBA,-desde a verdadeira agua Flori-
da at o mais fino Bouquet d'Amour, final-
mente tudo quanto deve oceupar o touca-
dor de urna senhora de gosto.
Saias bordadas, brancas, lisas e de cores
com folhos e sem elles, o melhor possivel,
Sabidas de baile, de todas as eores.
Sedas pretas, de quadros, lavradas, lisas,
de listras de todas as cores e qualidades c
o mais barato possivel.
Sareelim de todas as cores e qualidades.
O*
Tapetes grandes, lindas pinturas para 8
cadeiras, mais pequeos e de todos os ta-
maitos desejaveis, e em pe?a para co-
vados.
Toalhas de labyrintho, do maior e mais
fino trabalho ao mais barato.
Toalhas de linho e algodo de todos os
tamaohos, lisas e felpudas.
Tarialana branca com palmas e de cores,
fasenda muilo nova, e gostos delicados pro-
pria para baile.
Un a m Crespa 9
Oa ptoprietarios deste bem conhec'ufe estabele-
cimente, alm dos nratlos objectos tme-ttn!wm-
postos a apreciac do respeitvel pnbtito, man-
daran vir eteabam de Meeber pato ohinio *ajr
da Europa nm completo e vanado sorlimento de
unas e mni dilkeadaa especialidades, as.qoaes es-
to resolvidos a vender, cooio -de seo costme,
por precos muito baranb.03 e commodos para to-
dos, toa tanto qne J5allo....
Muito superiores luyas de pellica, pretas, bran-
cas e de mu i lindas cores.
Mu boas o bonitas goUinhas e punhos para se-
nhora, este genero oque ha de mais nwerno.
8|)rtore8 pentes 4e ttrtaruiM aqwB.
Lindos e riquissimos eneiles para cat(U das
Exnw. senhora. ...
Superiores trancas pretas e de res im -vidrt-
fcos e sem ettes ret* fasenda oque poda haver
de melhor e mais bonito.
Superiores e bonitos loquee da madrepcrola,
maifim, aauUalo a 3so, sendo ,aqueUes brancos
cora lindos desenho?, e estes pretos.
Muito superiores -mehts fio e'Bseoss para -
nhoras, as quaes sempre se venderam por 30*000
a duzia, entreunto que nos as ve.odemps;for 20*,
alm destas, temos tambera granoVsaniatnto de
outras qualidades, entre as quaes algumas muito
finas. ....
EU>as bsngplas (to M>afir* India e
eaaBa de mar cam lndasse ecant|doras flgu-
ra*do meeuio, aeale genero o qe de melhor s
pode iesejar ; alm destas tamos-, taafcem grandi
luantidade de ouiras-qualidades, como sejam, ma
leira, baleia, osso, borracha, ete. etc. etc.
Finos; bonitos e airosos ehieotiaius fie c*d<5ia e
da outras qualidades.
Lindas e sapertore gas .de seda e borracha
para segurar as meias.
Boas melas de seda para senhora e para meai-
is du 1 a i unes do idaie.
Kiualtos cabo teaurfiu eUrtteuga ft taer
tonta; sao.muito boas, e de mais a w sao ga-
raafidas pelo fabrtcaate, e nos por noesa tbz ten-
bem.asseguraies sua qualidade e decadeta.
Lindas e bellas apellas .para^ uoiva.
Superiores agplhas para mv-hiua. epara erpe.
Linha muito boa de peso, frouKa, para encher
labyrintho. i
Bons baralho?'eeertas-fara voltarcte, assro
cooiQ os- tejitos pera o ^nepoio ,fini.
Grande e vanado sortinienio das memores per-
fumarias e dos melhores e.mais conhecidos per-
/amistas.
COLABES DS BOfiR.
Elctricos magnticos contra as convulsoes, c
fa^jlitam a denti0o das ir.nocente criancas. So-
mos desde muito recebedores oestes prodigtoaos
collares, e continnamos a recebe-los por todos os
vapores, vaani do que punca faltenv o mercado,
tome j tom acontecido, aasimpo'is pcaierao aquel-
les que delles precisarem, vir ao deposito do galo
rajante, iiie sippre encontrarao leste verda-
dfros colares, a os quaes aUendepio-se,ao fim
para fue ao .applkado% savefdero aom |ra mu
diminuto 1uto. .
Bogamos, pois, avista dosohjectos declarados, ao nossos freguezes e amigos a vireni
Travessa do Corpo Santo n. tt.
s'acreditados cylindros americanos para padaria, por dous differentea
Machinas para descarocar algodo pelos melhores fabricantes de New York.
Machinas de vapor s^atema de locomotiva e polias pira aataaaaamas.
Carraboa americanos para lrai.aportar volumes emanaBM. Todo por pre- '<
oos razoaveis
TRAVESSA DO CORPO SANTO N. 25
Joaquiffi Kopes Machado & C.
boa
.4 I

ROY
VRITABLES c
n
:***;

Co^^li

..'*
>>
O >adlelioOOU.*K HOTD, o ontcw ipprondo pela
Acadtata de Hedicin, ten mlm con o* mu ontroi ptitodn
attrahtoo eupidei dd talsificadore, que pare faciliUr tua eriaMW
ijaiuim no sepjd, Bem receiifl anenctar Tender nUsatOoi,!
aratn. Rn preri> n nwiHM fm atereMe de leu Um
_..tifcifciiiiaiiiHii,aww ii*r. a immii
tejao tendidos en eaba de ltmbu de eMilie corrediai cotertM
par 4 ttUquetu com minha muta de fibrca e cMemodo
preatMcto circuojunciado, e elUdu por mma medalka com o leUreir*.
G0UA1 ROTES. Rae St-Itrtii. 225. Pilis.
Milyoskope jehroma
lisehen. DhievLin-^^^^ XD _
seu.
Barmetro e termo
metre. Gentigrade
e reuumeure.
.eouiprar or peeos muiio razoaveis ,I.oja do^gallu
vigilanle, ra do Crespo n. 7.
Vistuarios bordados de fusto brancos e
decores para meninos, de cambraia para
baptizados, o que de melbor tem vindo a
este mercado.
Vestidos de la escoceza de 2 saias.
novidade pelopadro, gosto eforma; ditos
denbo com barras de cores, e de cam-
braia de cores com 2 saias, todo inteua
novidade, trazem os modellos juntos para
mostrar a forma de os fazer.
Veos de bioad para noivas e pretos para
luto.
Vestidos de blond para noivas: podemos
asseverar as nossas Esmas. freguesas, que
e qualidades somos os nicos em Pernambuco que pode-
mos offerecer ao Ilustrado publico, o mais
apurado gosto em semelhante materia, gra-
55Ruado Queimada5
k VERDADE tendo em deposito gran*
quanlidade demiudozase perfumaras, e dt
sejando apurar dinheiro e adquerir boa fr*
gaezia est rssolvida a vender muitissinv
barato, ; por essa razo convida ao respe
tavel publico a vir competentemente mon
do a sortir-se do bom e barato. Pois quac
do a Verdade apparecc, tudo mais de
apparece....
Grande sortimento de bonecos de cera
massa as mais lindas possiveia vestidas a c
racter.
Abotoaduras moderuas para col-
letea....... 32t
Espelbos denrados pepnenos. 26(
Agulhas de osso para crox a 2CK
Ponles para regato com esntas a
Ricos globos para candieiro de gaz a 180
Ghamius a....... 32(
Grande sortimento de objetos de
loufa para brinquedo de menino 1(K
Garrafa com tinta a..... 8(X
Dita com agua florida verdadeira a !530t
Dita com dita dita a ... 0ot
Frasco coraoleo de babosa a 500 e 72(
Dilo com agua de Colonia a 300 e 5(K
Gai rafa com agua divina a. 1650*
Frasco com extractos finos a 150CK
Latas pequeas com banha muilo
fina a 120e...... 16(
Sabonetes de diversas qualidades a
80, 460,240e...... 32i
Finas escovas para denles de 120 a 60(
Lindos coques modernos a. 2#00t
Pavios para gaz, duzia a 240 e 3(
Escovas para fado a 500, 600 e 7
Ditas para cabello a..... &0(
Pentes para tirar piolbo a 160 e. 24(
Brincos de cores, bonitos a 160 e 201
Pecas de tranca de 18a com 8
varas por....... 8
Oleo para machina de costura,
frasco a........
Pennas d'aco finas caixas a 800 e liSOO
Dita d'aco Perry, caixa a. l^iO
Galo de algodo pe?a .... 4CK
Lindos babadinhos e entremeios
peca de 500 a......i#SM
lIStOFICBS
E crystal de rocha do Brasil.
F. *. aaeraaaauaa, recommenda ao publico, aeus vidros periscpicos apereieoa
dos porque, com estes vidros, a vista descansa, fortifica-se e nao a caoca como com
os vidros ordinarios. Urna vez escolhido um vidro, pode durar dez annos, emquanto
oue com os vidros ordinarios se est obrigado a muda-Ios todos os annos e os ter
cada vez mais grossos, o que altera o crystalino do lho o determina quasi sempre do-
res" de cabeca. O alcance ordinario da vista perto de 30 centmetros do 61ho, e,
todas as vezes que o objecto est mais peno ou mais loage, os raios que -expeli sao
mui convergentes ou mui divergentes e a viso nao perfeita. Um grande numero de
pessoas tem o defeito de fazer convergir muito de sorte que a viso nao distocia.
Com a applicaco de meus vidros pde-se ven;er estas difficuldades. Para os que tem
a vista curta e cojo crystalino mui convexo (o que faz ver bem, de perto, e mal de
longe), o que se chama myope, por meio de um vidro concavo affasta-se o ponto de
vista o que faz divergir os objectos e deixa ver to longe como as outras vistas. Ojian-
do o crystalino muilo chato, o que suesede aos que tem chegado a urna certa idade,
o que se chama presbyta, vem memor de longe que de perto, e nao enxergam senao
um nevoeiro na distancia ordinaria da vista; com um vidro convexo, estes enxergarao
tac distinctamente como na idade de 15 annos. Servindo-se destes vidros quando e
vista principia eufraquecer, prevne-se o mal.
F J. Germana encarrega-se pela sua experiencia, tendente ao3 olnos, a e s
colher, a primeira vista, seja qual for a idade egro" de vista, oculos propnos para
qualquer pessoa, _
Para que sao fabricados estes vidros f f
Para a vista que nao supporta os raios
solares nem grande claridade.
Para a vista operada da catarata.
Para a vista que as palpebras esto cer
cadas de saugue.
Para a vista qoe um dos olhos myop
e o oulro presbyto.
Para evitar finalmente que o crystalino
do olho se cobra de catarata.
de perfumarir
ijectos.
nT do completo sortimento de pertP*
marias, deque effettivametiteMlprovwai
loja -HUTnaalrirr Previdente, ella acaba Oa
aeeflberato-oaaaaaaoi-iment -que ae torna
aotavet':Brtavada^ dade, qoalidfldea e coaWwidiades de prt-
osa;. assim, pola* e*dro Prajaidente peda
awrecer t apreciare
Jco em geni e de en
Ja de ana *em conheeida mansidae
a barateu. Em dita loja encontrarao e
apreciadores do bom:
Agua divina de E. Coudray.
Dita verdadeira de Murray & Laminan.
Dita de Coiegne infcleza, americana, fra
ceta, tddasjdas melheres e mais acreditada
fabricantes.
Dita de flor de larangeiraa.
Dita dos Alpes, e vilete para toilat.
Elixir odontalgico para conservagie 4
aseio da bocea.
Goamaliqees de luperior qu alidada odia*
ros agradaveis.
Copos e latas, maiores e menores coa
pomada fina para cabello.
Frascos com dita japoneza, transparenu
a outras qualidades.
Finos extractos inglezes, americano i
francezes em frascos simples e enfeitadoa.
Eaaencta imperial do fino e agradavel cha*
ro de violeta.
Outras concentradas e de chaires, ignal-
mente finas e agradaveis.
Oleo phiiocome verdadeiro.
Extracto d'oleo de superior qoalidade
com escolbidos cheiros, em frascos de din
rentes tamanhos.
Sabonetes em barras, maiores e menor
para mos.
Ditos transparentes, redondoa e em Ufo
ras de meninos.
. Ditos muito finos em caixinha para barba.
Caixinhas com bonitos sabonetea mitand*
frac tas.
Ditas de madeira i n ver n isa da eontendo
as perfumarias, muito proprias para pre
lentes.
Ditas de papelo igualmente benitas, taar
bem de perfumarias finas.
Bonitos vasos de metal coloridos, .4 i<
moldea nevos e elegantes, com p de arre-
9 boneca.
Opiata ingleza e franceza para dentae.
Pos de camphora e outras diffarent
qualidades tambem para dentes.
Tonteo oriental de Kemp.
Aluda nsals coejuee.
Um outro sortimento de coques de ne
v-os e- bonitos moldes com filets de vidrho
i alguns d'elles ornados de flores e fita*
asto todos expostos apreciac de ajeas*
os pretenda comprar.
GOLLFNflAS E PUNHOS BORDADOS.
Obras de muito gosto e perfeico.
Fivellae e tH as para claaiaw.
Bello e variado sortimento de taea objat
tos, ficando a boa escolba ao gosto do eos
orador.
11% P POPCIiAB
DA
FABRICA NACIONAL DA BAHA
DE
Teixeira Uldwico&C
Ai-lia^se venda este ptimo rap, uuieo q
pode suppnr falu do princeza de Lisboa, por w
de raui agradavel perfume, viajado, e a rejo >
mais mdico possivel; o por isso tem sido assat
acolhido as prac,as da Baha, do Rio de Janeiro
em outras do imperio : no escriptorio de Joaqaa
Jos Goncalves Beltro, ra do fjommerco i
mero 17.
Apo!!
17, o
Para a vista myope, (vista carta).
Para vista que se cobre de nuvens.
Para a vista que por momentos, v es-
voacar pequeos pontos negros.
Para a vista que as palpebras tremem
de fraqueza.
Para a vista que os olhos slo desigaaes.
Para a vista que se turva com o traba-
lho e a leitura.
Para a vista presbyta (vistagalon ).
i*.
Flores, o que ha de mais rico, quer cas ao bom gosto do nosso fornecedor em
, quer em ramos, tem o PAVILHaO Paris, podemos garantir que ninguem neste
DA AURORA om permanente jardim a genero o possue melhor, nem mais em
disjiosico das Exinas. familias. coala.
E' dispondo d to grande e variado >ortiraento qne oa propriotarios do FA-
ViLHAO DA AURORA se apresentam ao publico declarando desde j que ea smcenda-
de e o bom gostoo movel nico de seus negocios.
Prvidos de tudo e promptos sempre a prover-se do que por ventura me
aeja necessario, os proprietarios deste suroptuoso estabelecimento recommendam-se
em recejo de serem conlradictos e proteslam esforcar-se por continuar a merecer
proteco quo se ibes lam dispensado ; certos de que do seu estabelecimento nao salitre
ofreguezdescontente. ...... _..
Contina sempre a ofuena de alfaiate dirigida por um dos mais habis artil-
las, prorapto execotar com promptido e bom gosto qualquer trabalho que lhe seja
coaPado. Urna modista especialmente oceupada nos trabalbos do PAV1LI1AO D V AU-
RORA, duige os qae lhe sao coucerneotes, garante por seu apurado goslo eprompitdao
u> execugo e a mais completa perfeico nos seus trabalhos.
A numerosa freguezia qae nos honra urna pro va de que ofrecemos o con-
ceito que se dispensa ao nosso estabelecimento, concedo que procuraremos firmar cada
vea mais. Para facilitar ainda a concecuco do fim quo nos pro(Kmos, temos no nosso
estabeiecimento os ltimos figulinos de Pars, que recebemos por todos os paquetes, os
<|uac> enviaremos para seiem vistos as familias nossas freguezas, afim tfe escoliierem,
,xm o padro da fazenda o gasto na forma.
Na flicina de alfaiate, junto ao estabelecimento, b igualmente os Agarraos
parabomeiusue por todos os vapores so recebem. J
E' este o modo porque nos apresentamos pedmdo a protecelo do Ilustrado
Mbitco e com o mais profundo reapeiio convidamfls s exceMentissimas Sras. a visi-
tarem o nosso eatabelccimento, certas de encontrarem nelle pelo menor preco possive-
MaBleramee caixeiros levar as faaaadas e amostras onde forem pedidas, visto
mo nadermos specfflcar todo quanto. temos.
jmo Lutz, Swrtnko or C.
Aberto das 6 s 19 horas da noit#
Ditos de louca muito fino a 120 e 20(
Ditos para calca a 160 e. 2i(
Caixa com papel amizade a. .
Ditas com envelopes a. 48(
Ditas com obreias a.....
Caixa com agulbas fundo dourado
Ditas de ditas ditas a..... Ift
Tbesoura para costura a 240 e
C:iixa com liaba de marca a .
Linha de cores em novellos (li-
bra) a........
Carreteis de linha Alexandre de 70
at 200. ...
Grampos multo fiaos com passa-
ros, duzia a......
Cartas portuguezas, duzia a .
Ditas francezas a 20200 e .
Papel almaco e.de peso, resma a
35400, 30500 e .
Laa muito fina para bordar, libra
Fita de algodo para debrum de
aapatos, peca a.....
Ditas de lia para debram de ves-
tido, peca a ......
Pentes finos para aegnrar ca-
bello a.......
Ditos ditos de blalo para alisar
a 240, 320 e......
Ditos para aparar peona a .
Rosetas pretas, par a
Tranca de la ecaraeol peca* 40e
Fita de coi peca a 480 e .
Alfinetes de lati a.....
Sapatos de 15a para crianca a 400 e
Gravata de sedas de corea a .
Galcadeirasa.......
Grande sortimento de rendas das Hhas.
Um par de oafeattoro de borracha poi
lOOrisMrNH
Na verdade rv* do taelnad*
Sortimento
para theatro,
alcance para
rinha.
de binculos
e oculos de
o campo e ma-
Vendem em seus armazens, no eae3 do
n. 7, Escadinba n. 1 e ra do Amorim n.
seguintes gneros:
Ac de Milao.
Milho em saccas grandes.
Farelio em saecas de 90 libras.
Chumbo de monicao sonido.
Metal amarello para rorro de navios.^
Machinas para descarocar algodo de !*
serras.
Kerosene em latas de 5 gales.
Champagne do afamado fabricante Krug.
Hormouth.
Vinho do Porto etgarrakdo.
Coac do afamado fabricante Gautier Frres.
Fogo da China, caixinhas, 40 cartas n. 1. Extra.
Genebra ingleza Od Ion
Cimento Romano.
Cimento Hidrulico.
Cnenlo Portiand.
Geaso para,e*luquts. ^^
Cannos de barro para esgotos.
Gradearaentos de ferro para jardm,tri^aias u
Carros de mao para servicoafde armazens.
Garrafoes com 5 galee de viaagre tinto.
dem com 3 gaIoe"de-Tinagr tinto.
Chumbaem barra.

Lunetas, pince-nez e
, face--main, ouro, prata,
tartaruga, bfalo, ac,
etc., etc.
Tem tambem grande sortimento de relogios para parede, que dio horas e para
cima-de mesa dos mais lindos modelo Relogios para algibeira, de oHro, prata,.prata
dourada efoleada, inglezes, snissos e orisontaes dos meteoros e mais afamados fabri-
cantes.
Veodaj em grosso e a retalho. Em Pernambuco.
N.21=~RuaNova. 21.
20
440(
30(X
4450
6|50(
16(
M
32(
50
101
40<
I:
10(
80
20(
8(
1 iTlll H Tf.
11Ra do Queimado-11
AUGUSTO PORTO acaba de receber pelo ultimo vapor da Europa, superiores-
sedas pretas propriasvpara os actos da quaresma sendo :
Gorguro preto de seda o que ha de melboa
GrosdeBaples preto de diversas larguras e qualidades.
Mantas pretas de blond muito lidas para senboras.
Pannos e easemiras pretas, pannos antes merinos, bombasmae, princetas e alpa-
cas pretas e de cores.
Basqutnes de seda e guipure pretos das mais medereas. ,
Vestidos de blond com manta e capaila para nenes, frenbas de esgwao o cam-
braia de linho bordadas, colchas de seda, ditas de seda e lia, cortinados bordados para
camas e janellas, vestidos para baptisados, enxovaes pira enancas e superiores saias
bordadas.
Cortes de setim de cores e ditos de teda dos mais modernos.
Poupelinas de seda linho lisos e cora listras gostos elegantes.
Luvas de pelica pretas, de cores e brancas para horneroe senhoras.
Malas de cooro de todos o? tamanhos para viagens,
Camisas bordadas e lisas para homens e meninos. ___^
Grande aortimeoto de fazeadas proprias pira fabriess de engenho qne se ven-
den mnito barato, confiando ter sempre as afamadas
Esteiras da Judia para forcar alas, e tapetes de militas . Momea,
t-lua do iueiniiMto.....t
TASSOIRMAOSaC.
Bichas hamburgnezas
Neste novo deposito recebe-se por todos os pa-
quetes iranslancos bichas de qualioade superior
Le vendom-se om cafs ou .porcao oais poqena,
e mais-barato do que em ontra qnalquer parte
M rna da Cadm do Recite n. 8Vr**andar.
Cigarros da imperial
fabrica de S. Joo
de Nictheroy.
Unioo'depofio cm Pernambuco caes da alfac-
dega veHia n. 2, 1 anda.
Vendc-se pelo seu justo valor na ra la Ca-
Vende-se pelo seu jusio vaiorna
dla do Itecife n. SB; loja'do Anrtfjo:
Vende-so una casa terrea na freguezia da
Boa-vis a : a tratar na rna da Conceifio n. 56.
'vf|





M
?
?
\
I t
i)
I
* Diario t Pernamfctco Qttarta "Ww14-dp Mawo fe< 10TO>:
-.. ^ II ^ i I. i _____ ""*" II i ... -... .i ii ... jfc^^M^fc

BARATAS. NA LOJA E ARMAZEM
DO
DE
-LjS**'wi
^ a
FEIIX PERBIRi DA SELVA.
Ra da Imperatriz n. 60.
O proprietario deste grande estabelecimento, tendo dado balanco no flux; do
mno, como de costume e vendo que tinha um grande deposito de fa/endas, e juntan-
do a essas ontras muitas que Ihe tem chegadf este anno. tem resotvdo fazer uina LI-
QUIDACO por precos muito mais baratos cora o flm de diminuir a quantidade e apurar
DINHEBO.
O respeitavcl publico encontra neste estabelecimento, n3o so umgrnnde sor-
timento do mais apurado gosto e luxo, assim como todas as fazendas de primara ne-
cessidade, e de todas se do as amostras com penhor: as pessoas que negociara em pe-
quea escalla, nesta casa podem sortir-se de um ludo, vendendo-se-lhes pelos mesmos
precos das casas inglezas.
ExplendidO 80rtraQtO de Crochs para cadiras e. solas
miinlS ffttlS Pavo tem um grande sortinwwo dos
M iai nn Pivlal ti\ n aais bonitos crochs proprios para cadei-
mmnmi7Nm na &0S' meS4S' almofadas etc etc" assira
imperatriz n. ou como pronos para cobrir preseates, e ven-
Acba-se este grande estabelecimento com- de.se raais barat0 do que e outra qual-
Otetamento sortido da* remores roupas, qUer partft
*ea4o oa^as palitts e coletos da casemiro, ALGODAO ENFESTADO
4 panno, de bnm, de alpaca, e de toias vene-*e uma ^ande porcao de jgodto
as mais fazendas que os compradores pos- snUo amCTCano com 8 pamos da ^ra
*m desojar, assim como na mesma loja propria lences e ^^ indQ ,iso e
vem nm bello sortimento de pannos caserai- trrnC8(0 qae se vende por preco muito em
aa, brins, etc. etc. para -se mandar faier ^nt,.
^oalqaerpeca de obra-, coma maioraromp- ano* le
idio vontade de fregu, e nio sendo 0^ou m ande s0rtmento de pecas
abrigados a acowUHas, quando nao estojara ^ {>anQ0 ^ |flho aporto que se vendem
ompletamento ae seu contento, assun como Q 700 rs al ^ a aranUndo-se
e'este vasto estabelecimento encentrar o em fasenda de 1nho n0 ,ia nada me_
fWpeitavel publico um bello sortmeoto de feor> nem ^ 0 la^m e %Mm
misas francezas e uglezas, corontas de tus
itabo e algodo e ostros minios artigos1
proprios para omens e senhoras prome-
wndo-se-lne vender mais barato do que em
outra qualquer parte. Na ra da Impera-
mz n. 60, toja c armazem de Flix Perei-
ra da Silva.
Pechincha a 2^000
Para lenqes.
Na loja do Pavo vende-se superior bramante
com 10 palmos de largura, dando a largarse com-
oriniento do lenel, sendo apenas precisa para
cada lenco! um e meio, ou ur. e um quarto me-
908 ; afcm desta aplicaco tem oulras muitas
cara anrenjos de familias e vende-se pelo barato
preco de 2/000 o metro, fa loja do Pavo, roa.
dalmpmtriz n.0. DeTeiix Pereirt dfa Sdva.
an*as de Ilnho
Yende-se gangas de Ihlio com qsairinhos
muito boa faeenda, papa roupa de bomens
a meninos e vende-se pelo barato 'preco de
800 rs o eovado:
PECHINCHA EM PANSO PRET0 A 2:400.
(>Pa*So vende superior paano^reto fino,
para pallUote, calcas, rolletes, etc., pelo ba-
ratisskno preco de 2:*06, o covado, gran-
de pechincha.
C*r#ede o*e*Ira prete a -t A#9
0 Pave vende o* superiores cortes de
casemiras pretas enfestadas, pelo barato
ore?o do 4:500, pechincha.
PECHINCHA, ALG6D0SINH0 A 4;000,
O Pavo est vendendo peas de algo-
diosinho francez, tendo 4 palmos de largu-
ra com 11 metros cada pe^a, pelo barato
preco de -40000.
Pecas de madapolo a :*.
O Pavo vende pecas de milito bom raa-
dapolo tendo 12 jardas cada cma pelo ba-
rato preco de 3:50i.
GROSDENAPLES PRETOS.
Chegon para a leja do Pavo um grande
aorlimefito de grosdenaples pretos, tendo
de I Sato at 5f)009 o covado neste genero
os raelhers e mais largos que-tem vindo -ao
mercado, assim como bonitas sedas pretas
tavradas, rcoireanliques etc., todas esiasia-
xendas, vendem-se mais barato do qne-em
outra qualquer parte, por baver grande
porcao.
PEUCALLAS BWCH1TAS BARATAS.
O Pavid vende um grande sortimento
das mate bonitas chitas claras e escuras, mais
barato de que em outra qualquer parto.
caasaa a 8 AO rs.
Yende-se na loja do Pavo -bonitas cas-
cas de cores fixas a 240, 28&e 300 rs. o
covado.
Caafaraias branca a i:000 .a peca.
S o Pavo vende pecas de cambraia
braaca traesparente, tendo mais de vara de
largara, com 10 jardas cada peca, fazenda
que seniora se vendeu a 7 #000 e 8d000,
quida-se pelo barato preco de 44000.
Alpacas brllhauies al*,e 800.
O Pavo tem o mais bello sortimento de
alpacas lavradas com as cores mais delica-
das que tem vindo ao mercado e tendo bas-
tante larguaa, vendem-se pelo barato preco
de 1(5000, e 8QO rs. o covado.
Boa pinga do Donro
. A 3**00 0
Felin Pereira da Silva, ru- da Imperatrii n
M, acaba de rebeber uma nova remessa do seu
amito acrediudj) vinbo puro do Douro, e muito
proprio para este clima por nao ter confec^o,
Ttnae
le em barris de 10* a 32/.
Com palmas de bca a 1AOO -.
Para a luja do Pavo chegon um rico
sortimento das mais bonitas laasinbas com
palmas de seda tendo de todas as cores e
adroes, sendo fazenda bastante larga e
veode-se a 1400 o covado.
AS CHITAS DO PAVO
Vende-se um bruan te sortimento de
chitas claras e escuras por procos mais ba-
ratos do qaa em outra qualquer parte.
lloiipa para eseravos
Vende se na loja do Pavo, um bonito
sortimento de roopa nar escravos.
AS POUPEUNAS DO PAYiO A 500 RS.
Chegaiam as mais. lindas poupelinas de
Ha com jmitac^ das poupelinas de seda,
ama fazenda apto leve com as mais lin-
das cores, sanio: verde Bismark, rxa, azul
lyrio, c nsento, perolla etc, etc, e vende-se
pato baratjsimo preso da 500 rs
AIi>Ad\aLAVRA),VS
Veoda-seaaiaais bonitas ajpacasaviadas
com os iaelhorts gostoi ao4w 800 e 1 000,
a covdf, alpacas -Jieas de todas as cores
840 e 720 rs., alaaeas braaeas lavradas li
as de cordo.
PEGTIICHA EM CHAPEOS DE SOL
Chegou um grande sortimento dos rac-
Ihores chapeos de sol de seda, ingiezes ten-
do ne?e artigo o melhor que lea vindoao
mercado assim como uma grande por^o de
ditos -de alpacas de todas as cores e todos
se vendem por preco muito mais barato do
que em ootra qualquer parte, por ha ver
grande porcao.
Os baldes do Pavo a 25000,
Cheg u om grande sortimento de baloes
ou crenolinas. do feitio mais moderno muito
proprias p&ra vestidos ennesgade que se
vende pelo baratissimo preco de 2i0OGO ca-
da um grande pechincha.
BRETONES MATIS*0OS PARA VESTIDOS
A 640 E 800 RS.
Para a loja do Pava chegaram os mais
bonitos crotones escuros matisados, pro-
prios para vestidos, roupo chambpes etc.
que se vendem 800 rs. e covado, assna
como a mesma fazenda em-padroes claros
proprios para vestidos e reupas de meni-
nos a 640 o covado, sendo os padres mais
moderaos que tem vinpo ao mercado.
MS 21 L COVJMI
LASrNHAS LUSTROSAS A 400 RS. O CO-
VADO.
S o Pavo
Vende-se um grande sortimento das
mais modernas e elegantes lasinhas para
vestidos, com as cores mais'novas que tem
vindo a esto mercado, sendo cora llstriahas
miudinhas que parecem de urna s cor e
oora tanto lustro que imitara perfeitamento
is poupelinas de seda, e vendem-se pelo
barato preco de 400 rs.
Os setins do Pftv&o
Vende-se os mais bonitos setins de cores
i mais encorpados proprios pera vestidos
'.enoo de diversas cores.
FAZRNBAS PARA LOTO
Na leja do Pavao.
Encontra o respeitsvel publico neste estabeleti-
nento mu grande sortimento de (aseadas pretas,
:omo sejam, eassas francezas e inglez3, cbia
>reus e todas as cualidades, txt&sai de laa de
iodas qne tem vindo, proprias para luto, como
tejam, liar.inhas, alpacas lavradas e lisas, canlio,
jombazicas, merino, etc, que tudo se venda por
oreco barato.
Vadapolo francez a 7iflflj1lj
Vende-se pecas de madapoio francez
ron) .22 metros pelo baratissimo preco de
750O0 a -peca, pechincha.
Altas novidades em sedas
Chegou um grande sortimento das mais
Boderuas poupelinas ou gorguroes de-seda
i linho cobi os mais elegantes padrbes que
^m vindo a esto mercado sendo, miudos e
^raudos, tasto em cortes para vestidos como
para vender em covado, assim eximo um
bonito sortimento das mais bonitas sedas
usfa'adas que se vende tudo muito em conta
CERA DE GAfiBAUBA.
Yende-se uma grande porcao de cera de
araauba em saceos por preco mais barato
lo q$e em outra qualquer: na loja do
?av5o ra da Imperatriz &n. 50. De Flix
Pereira.da Silva.
Ucrickv de cordo
VeBde-se merino preto de cordo pro-
irio para calcas, palitot--, e coetes, pelo
jaratissiaw preco de loOOO, o covado,
fiUNK NtVIMH
Quaado a AGUIA BRRNCA, mais precisa seientificar ao rospeitovel publico em
geral, e em particular a sua boa freguezia, da immensidade de objectos que ltimamen-
te tem receido, justamentolqoando ella menos o podo fajare porque essa falta invoi
tontoria ella confia e espera na benevolencia de todos que Ih'a attenderSo e relevarlo,
continuando portante a rigirem-se a bem coiihecida kja da AGUIA BRANCA ra do
Queimado n. 8, onde sempre acbarSo abundancia em soriiwento de superioridade em
qualidades, mc-dicidade em precos e o seu nunca desmenttio AGRADO E SINCERIDADB.
Do que cima fiea dito se conhece que o tempe de que a AGUIA BRANCV podo
dispAr, erapregado apezardeseuscustosnodesempenhode bem servir a aquelles que a
honrm procurando prover-se em dita loja do que neoessitam, entretanto sem ennume-
rar os objectos que pop sua natureza sao mais conhecidos ali, ella resumidamente indi-
car aquelles caja importancia, elegancia e novidade os tornara recommendaveis, como
b> m seja
Corpinhos de cambraia, primoresamente
enfeitadf oorn -fitas de setrm e obras essas
cuja mmdadc de molde e perfeicio de ador-
nos os tornara apreciados.
FHss ni largas do diversas cores e qoa-
lrdades para ciRtos.
Leqoes nesse objecto muito se poderia
diwr auerendo deacreve-los minuciosamente
poreoas qualidades, coree e desenaos, tal
o grande e variado sortimento que acate
de chegar, mas para n3o massar o preten-
dento se lhe apresentaw o que pofier de
meibor.
Entremekw em pecas de 12 tiras.
Guipure branco e preto de diversas qua-
lidades e desenhos.
Ditos de algodao tom Dores e lisos.
Veos de seda para chapetonas e monta-
ra.
Meias de seda para noivas.
Ditas abertas-e fio de Escossia.
Costmnes ou uniformes para meninos.
Erurovaes completos para bapitisados.
Capellas brancas para meninas.
Grandes sortimento de Dores finas.
Fil de seda, preto.
PERFUMARA
Grande e constante sortimento de dita,
sempre melhor qnajidade.
Lindos vasos com p de arroz e pinsel,
Caixinhas com ditos aromticos.
Bonitos e modernos pontos domados
para circolar o coaoe.
Bonitos brincos de plaquee.
Adereces e brincos de madreperolr.
Caivetes finos para abrir talas.
Yhesoaras para frisar babadinhos.
Aspas para bal5o. *
Noves stereoscopos com 48 vistas, as
qnaes sao movidas por um machinismo
urnas substitnem as outras.
Vistas para stereoscopos.
Bonitas caixinhas devidro enfeitados com
podras.
Ditas de madeira envernisada com vispo-
m e com dminos,
Bollas de borradia para brinquedo de
Toaquinhas de fil, sapotinhos bordados naneas.
rais para ditos. Di verses objectos de porcelana, proprios
Csmisinhas bordadas para ditos. Para enfeites de mesa e de lapinhas.
MttWHn PARA A FEST.4
Ven4e-se por meos de 10, 20 .-e 30 *\Q
*SO' NO
ARMAZEM CONSERVATIVO
Jf; 28Ime* do Ter^o,N. 2&
DE
SIMAO DOS SANTOS C.
Os proprietario8 deste bem sortido armazem de secco e aoihados csto re-
sclvidos a fazere uma grande diminuya-Jo de praoos as suas mercadorias, como se apro-
xima a fe-:ta o sempre se fazera avultadas compras para o centro e praca, por
isco previaem ao raspeitavei puhlico-om geral, que mande fazer sucs despeabas e cer-
tas de que vero a grande differencaosi precos mais do pie em outra quaiquer parte
e 'arautiudo-se as-superiores qualidades.
mluszas ei mm
PAR4 S5WCI0
POR PRECOS MUITO BARATOS
HO BAZAR DA MODA
Ba Nova n. 50
Coques imitasco de cabello,
guarnecidos de bellos enfeites
ultima moda, a duzia 40,500
Papel superior de quadrinhos,
em caixas com 20 cadernos a. 840
Envelopes porcelana, muito boa
fazenda o mbeiros em caixi-
nhas de 100 i..... 70500
Botos de osso bem pulidos para
calcas, a grosa 220
Ditos cobertosdesuperior setim
de todas as cores, a grosa dos
pequeos a 3$000, e dos gran-
des a....... 40000
Ditos com interessantes pbolo-
graphias para punhos a duzia
de pares a. 50000
Ditos de osso imitando o marfim
com lettras a duzja. 80500
Ditos lizos muito boa fazenda a
duzia....... 30500
Abotuaduras para camisa sendo :
2 botoes para os punhos, 3
para abertura e i para o col-
larinho brancos, escarlalates,
c pretos a duzia .... 80000
Brincos de cores a ba!5o, cousa
muito chique a duzia de pares. 10000
Lindos frasquinhos empalhados
com bom ex Irado para lenco
a duzia....... ^0^00
Ditos em bonitas caixinhas ca-
da frasco a duzia. G0OO
Tinta para marcar roopa, muito
superior cada frasco em sua
caxinha a duzia. 60000
Livrinltos com capa de metal
dourado e com bonitas orocoes
para a missa a duzia. 70500
Sabonetes de amendoas araaa-
gas especialidade do BAZAR
OA MODA, a duzia 20509
Lapis pretos de superior quali-
dade, oitavados a grosa 30 e 40000
Escovas finas para dentes a du-
zia a 1-5G00 e..... 30000
Alfinetes muiio bons, brancos e
pretos, a duzia de caixinhas a 20800
Pentes pretos de muito boa qua-
lidade s granfles para alisar
a duzia....... 20700
Ditosamarellos fazenda superior,
para piolhos, a duzia. 10700
Ditos de borradla com costas de
metal para repassar, a duzia. 20400
Ditos enfeitados com contas de
cores a duzia a 40, 50 e. 60000
(nteresssantes coquinhos capri-
chosamente escultidos dentro
com um bora e lindo rosario
a duzia 100, 120 e 140000
Grande sortimento demiudesas.
Grande sortimento de quinquilharias^.
Grande sortimento de perfumaras.
Pagamento realisado do mesrao mez da
compra com descont de 10 o/0, ou letra
scceita a seis mezes de praso.
Jos Soaret de Souza & C.
Chegou ao antigo deposito de Henry Korst-ir *
a a retalho por menos preco do que em outra quai-
qnat atrfr,_________vl__________
Sement^s
De horulicas novas e sag a t?0 nis a libra,
no Balisa, rna do Livranwuto n. 38.________^_
"ESTAMP1LH4S
do s lk> adhesiv
A' venda na ra do Vigario n. 1, primeiro
dar.
an-
ESCRAVOS FUGICOS.
GAZ AMERICAW) 90560 a lata, e 440
m. a garrafa e 660 .rs. o lro.
VNHO YERDADflIRO Fr.UEIRA i 560
agarrafa, e-40500 a caada e 800 rs oti-
tro.
E)EM DE LISBOA-das melhores marcas,
400, 440 500 rs. a garrafa, a 280 e
30200 a caada, 68 e 720rs. o litro.
IBEM BRANCO DE LISBOA a 4*800.
a catada e 960 a garrafa, e 840 rs. o litro.
VINAGRE VERDADEIRO BE LISBOA
200, 240 e 320 rs. a garrafa, 10490,
10800 e 20*00 a caeada,
A2EITE DOCE DE LISBOA 900 rs. a
garrafa, e a li a caada, e 10340 o litro.
MAKTEIGA INGLEZA FLOR 10400 e
10280 a Ubra, 30060 e 20780 o kite-
graramo.
DITA FRANCEZA 90, 900 e 8S0.jt.
a libra, e 20100, 10980 e 10809 o -kito-
grammou
DITA PARA TEMPERO 560 rs. ali
fcra, 10220 o kilogrammo, em porgo
far abatimento.
SE VADERA E SAG i 260 rs. a libra e
620 rs. o kilogrammo.
FAWNHA DE ARARUf A VERDADEIRA
i 640 a librae 10400 okitogrammo.
BOLAXNHA INGLEZA MUITO NOVA a
460 rs. a libra e 800 rs. o kilogrammo.
VALLAS DE ESPARMACETE 720 rs. o
masso, em caica ha abatimento.
PHOSPHOROS DO GAZ E DE SEfiU-
RANA, 280, 400 e 660 rs. o masso,
3^200 e 60500 a grosa.
AMEIXAS EM LATAS E CACK1NHAS
de Mijitos tamanhos 102*0, 20500
::0SOO, 40500, 50500 akU e a retamo e 10
libra.
GOidMA DE felII.HO AMERICANA i 400 rs
o masso. e em-caixa ha abatimento.
BATATAS NOVAS DE LISBOA <0 rs.
a libra, ep caixa faz-se abatimento.
SERVEJA INGLEZA MARCA H 50500
a duzia o 500 rs. a garrafa.
DEM BASS, VERDADERA IHLBRS &
se. BELL, 800 rs. 4 garrafa e 90 a duzia.
VINH DQ PORTO ENGAfiRAFADO DE
Fnttio do engcuho Camaranii'i- ou 1 gOtaia.
de Serinhaeni pcrtanwnlcs a G:i^| .;r "Mauricio
yVapderley os escravos^sfgtjnt^ : Samnel orion-
lo baixo, groco, nariz chato, diz ser da Casta por
ter sido comprado pequeo, Joao Uab<>ulo de ida-
de trinta e lantts anno?, ps cbat. s. vi nUs arre-
bitadas, estatura baKa, crWp;ala. pacabarba
e esta na pona do qucixo, Felippe anHifr de ida-
de de 16 annns punco mais on Bien w, bateo, gius-
so, sem dtfeilo algum,teve,bX"s em |>-inBo..po-
rm pouco apparece; porro Bejjr se ar autori-
dades polkaaes e cnpies do canin 1 a captura don
mesmos e lvalos no mesara engaito ou na rna
da Moeda n. 5. 2 andar etcrlnUirio de Manocl Al-
tes Feneira A t. que serao ;raiif|]-;.di-<.______
~~ Fugio do ongenlio 4Ja vista, na c marea de
Camaragibe, provincia d>s Alagoas, o escravo Ni-
colao, de idde M anikus, altura regular, gro>9(
'do carpo, andar baniirO. icm falta de *tHe na
frente, rosto largo. l zer ti>d:i a barba, ton uma i.:atiiz na teMa, e o
ps grossos.; este escravo anda fugid:' itesde u da
16 de Janeiro do crrante anuo : cuga porUatO
s autoridades policiaes e os eapafs de can.po a
apprehensao dsse escravo, a cnlregir n euge-
nho aciin- menciouau, ou nesta iraca ruado
Vigario n. 42, ou travessa do Crpo Sant" u. 2,
Io andar, (|ue si gratiflcar geperos; -niiie.
Engenho Para'
Deste engenho Para, freguezia e Ipojuca, fngio
nodial do co'rrente mez o BKtxf ioaquira,
criculo, de idade de 20 annos, h>< tiyura. sera
barba, cabera redonda, aMSateadns, f- i 'ril de
Loiz Antonio Monteiro, da fwenda da l'ic, fre-
guezia da Podra, f. i vendido ao 8r SUnoH Ca-
valcanti de Albu'intniuc'Bairao. de-te :,. in>u
sobrinho Jos Alvcs Marlnho Patea, de houve p<;r compra : qui ni o levar em dfti enge-
nho, ou ne*ta praca -rua da Cruz n. l, recebera
boa gfaticacao.
Jc>s Va'enlim yieiradn Mello.
Fugio no dia 26 do feverein-, i-" ^ '> ;
escrava criuu'a de nome Belizaria qm1 fp-enik
ter40annos, estatura baixa, om gl-anito f. dentes c com nma sktttriz de fteiniadura IMi bra-
co direito. tendo levado dous cwlcs send um
verde e outro listado 4lf azul e bi nc i; 'lU'-m
a capturar sirva-so. teja la a Ponte de Urtai a
sitio de Joao Jcs' Rodrigues Menes. >a a ra
da Madre de Deus n. 23, que sera g.nfnwaineuta,
recompensado.
COGNAC.
De superior qualidade da mui accredita
da fabrica de Bisqnit Dubouch & C, en
cognac nma das que mais agurdente di
cognac, foreeoem para o consummo di
Reino da Inglaterra.
Vende-se em casa de Th. Just. ra d<
commercio n. 32.
8RAC0
BANHA DE PGRCO DE BALT1M00R i DIVERSA-S MARCAS 10500, 10200, 10 e
7*) rs. a libra, o 10560 o kilogrammo, em 500 rs. a garrafa.
MOLESTIAS do PEITO
HYPOPHOSPHITOS
,daD:CHilCHIlJ
XAftOPEde H YPOPH0SPHIT0 de SODA
XAROPdeHYPOPHOSPHITOdeCAL
P1LUL AS de HyPOPHOSPWTO dtQUIMW
CHLORGSL ANEMIA
COPES PADAS
porcao se far abatimento.
ARROZ 00 MARANIIQ E DA INDIA
120 e rs. a libra, 266 rs. o kilogrammo e
30400 a arroba.
ALPISTA 200, rs. a libra e 4.40 rs. o
kilogrammo, e 60000 a arroba.
CAF EM GRAO 6| e 605OO a arroba,
200,240 e 260 rs. a libra, 440 e 520 rs. o
kilogrammo em sapea se ara abatimento.
SARAO MASSA 240 e 200 rs. a .libra,
320 e 440 rs. o kilogrammo, em^aixa se
faz abatimento.
MASSAS PARA SOPA, MACARRO, TA-
LHARIN E ALETRIA, 560 rs, a librare
10220 o kilogrammo.
BOLACHINHAS EM LATAS DE DIVER-
SAS QUALIDADES, be como perola bri-
Ihauto.coiabinaion, Francy-cracynel, mixed
Britania. M(um, Fancy-nic-nac, a, b, c.'a
soda a 10000 e 10400, cada uma lata.
Assim como ha outros muitos
GEN6BHV DE HOLANDA E HAMBUR-
CUJIZA 70 e 60 a frasqueira, e 500 rs. o
frssro
DEM DE LARANiA DOCE AROMTICA,
f 10 a frasfueira e 10 o frasco.
(UEIJOS E DIVERSOS VAPORES,
30000, 20800 e 20400 em caixa ha abati-
mento.
TOUCINHO DE LISBOA MUITO ALTO
400 rs. a libra, e 880 rs'. o kjlogramme,
e 110500 a arroba.
UNGUICAS FINAS PROMPTAS EM LA-
TAS 10000 rs. a lata.
LOMBODE PORCO ASSADO JAPROMP-
TO.a 10000 rs. a lafa.
CHi FiO. GRAUDO E MIDINHO
30200 e 2800 a libra, e O0OO o kilo-
grammo
DEM PROPRIO PARA NEGOCIO 20000,
20200 e 10800. rs. a libra,
gneros, vinhp em apcoretas, azeitonas,
muito novas, passas e figos dovos, charutos de diversa mareas, marmelada, feita pelos
melhores conserveiros em tisba, gela de marmllo, peego, en-ilhas, em latas, por-
tuguezas e francezas, \inho verde engarrafado retalho, peixe em latas, bem como
pescada, tainfaa, pargo, goraz, lula, corvina, vezugo, cavalla, sarda e sardinhas de Nao-
tes. Canella, cravo, ervadoce, cominho, pimeuta, grandQsmolhns de sebolla 10500.
Finalmente muitos outros gneros que enfaadonho menciona-Ls.
"i.1. :'r
J.AJ10REIK ADAS
tem coostaniemente pm seu armazom, iuada
-uzn.6. um ompleto sortimento de
" qeoimaes.
XARO
PllLAS
TQ de FERRO
defflAWBAMESJA
IOS' BRONCHIT
PASmiAS PECntalS^vGBiCniL
Bxigi pa o xarvw o Jrwo gmuH;f4a*m
todoio* pro*uto$ a aM>f aatvrt do D" Osnna.
OBS, e o leereirD co* mvc* eAMca da
PtataMdlSWajqi.tS.r^^iifN^.PARrS
Nfr loj e miaran- do Paveo ruft d Imperatriz n. 60,
PARA AFEST1
3 aortas, loja de ferragiepi
s Dort
5&-
Rua Direita53
Nest grande estabelecimento, ha para vender
um completo sorlimesto de forrapem, e miudezas
anas e grossas, coaw sejam bandejas chinesai
quadradas e ovaas, facas e garios de 1 2 ba-
tees, balancpintero,e If balanco; panellas,%
Reirs, cagarolls, frgiaeiras, ssadetras, tanto
de ferro como de porcelana, moinhoe para aaf de
diverso* tajaahot do fabricante Japy, pegos kor
gra^awh, 'Wft da Cyre opm de latao, ""
para medjr imn* tanto da, ferro como de
roaar algodio; alan d oasra arugos dt Jswar
gMP, iniatea .afMftotWr m *# **
ta se verifica; ujuJM, a.loja da 3 pofr
vas de Manoel Bento Otiw Braf c.
CEMENTO
WTW.\D.
Vende-se no armazem araarello de Vicente Fer-
reira da Costa & Filho, defrente do ardo da Con-
VBNDErSE on arrenda-se o eugen^
S. Gaspar, sito na freguezia de Serinhaem,
comarca da Rio Fonaoso, prximo do em
buque, con graades partidos da pal
massap roda da moaada, mallos mangue
para uadeira nsossaria, bom pasto, etc.:
aAratar na ra d'Aurora n. 26, oa
imparador a- 20.
Ra 9 Imperador n. 26
Neste, novo estabelecimento encontra-st
diariamente um variado sortimeutp de bo
linhos para cha, pastis, podios bollos in-
giezes, pes de lo, presuntos, ditos em fiam-
bro, superior oh Hysson, preto, e mindi-
nho. Viirlios finos de todas as qualidades
conage, licores, conservas, champagne, er-
veja ingleza, (rucias muito boas, por-
tuguezas e francezas.
Um completo e variado sortimento de
caixinhas de todas os gostos e presos par
mimosear senhoras, estas caixinhas recen-
teniente chegadas de Pars sao de primora-
do gosto, offeresse-mo-las aos galanteador o;
do bello sexo pois nellas acharo nm digne
e serio, presente para as donas dos seu*
pensamentos. Tambera os apreciadores d
boa fumaca encontrarSo charutos dos me-
lhores fabricantes da Babia e de Havans
sganos do Rio de Janeiro etc. etc.
Doces d'ovos seceos, christalisados e df
ealda. ditos de caj ede outras qualidades
Nesta casa recebem-se encommendas para
bailes, casamentos e baptisados e qualquer
encommendas avulss, como seja pao de \l
e sollos enfeitados e outros muitas couzas
que nfadonho mencionar._________
CEMENTO
0 verdadeiro portland. S se vende n>
ra da Madre de Deus n. 22, armazem di
Joao Martins d- Barros.
Ditas orisont ios.

'esos de fwt- pelo sys'ema decimal.
Bombas California para pocos, as melhores que
.pe,
lifor
tai), appainriilo at boje,
ja/ues'd.- vidro para candieir-s a gaz.
as.'de toilas as qualicl.dcs.
Agua aoriil-..
$ataui4m i 010.M n. 97.
Yf^fU ^idraca.
Torneo imperial.
Vetfe-se lagedo paraj, calcadas e armazeD por
pre$o eomroodo : na rea do Apollo a. i.
i Latpe.4e madreperola com -oda, e tedo dt
madreperola, muito proprio para n as, cliega-
a bya da Passo a ra do Crespo 0- 7 A, as
requissimos cuales de tonqnim ue to
tas a*, cores, vestuarios bordados de cambraii
para baptizados, meias de escocia (novidade). mol-
to bonitas para asExmas. Sras. que gostaip anda)
4fl saMinlj raso e outrys muitos artigos do gos
1 qoew proprietarioe deste estabelecimepto teen
reeebido.
Estampilhas.
Vcnda^na roa da Crw n. 8, Io andar.
Fugio no dia II do corente o e-itavp Fran
cisco, cabra, idade de 30 anno?, c.m 63 clgMO
seguintes : cabelles carapinho;. rutao d animar
do e com marcas do Itexiga, iniiiuiase levou carta branca, palitul do lpaoi de ror, f\<-
peo do Gliile ; de-de ja i-e protesta c mtra a nvs-
soa que o tiver ooeuitado : Kiga-se a b P'-h'iri-s
capitaes de campo n. 16, que sera > enerosaniente gralilioa'*, u-siiU
como a> autoridades poiiciaes._______________
Fugio do engenho Minhocas, *da ri4farr<4 da
Santo Aiitao, no-dia-20 de jupho do auim na->ad>,
o escravu de nome Francelino, represento er ."i.'i
annos de idade, com os signaes segnb trs rr
preta, baixo, enrpo reforjado, cara \Vf, pnManU
barbado, olhes pequeos, nariz muil" li ady, !> r-
ca regular, dentes curtos e limado-, buim resis-
ta e andar apressad ; consta andar i l" bios da cidade de Olinda, engenft Frag' *n. CaiUi
c, Beberibe ou Apipucos, acoulad'i p"r Jomiuim
Jos de Sart'Anna, seu irmao liberto. > ,|ual i m,
cm sua cjuipanbia uma cabcclhr e 0|hy.(.. n s.
ma, e por optro irnjaO de nomo Jos Bagoia, que
o condtiztra para os lugares acim. urxlicndos,
alem de um nutro socio de nome Ave Zacearas
da Silva, conhecldo por Jos j'aje, p>r terflo
daquella comarca. Roga-se s autiridades c ca-
pitaes de campo que o apprehendam o levni
ra do Rangel n. 17, ou no cQgenhn Miniwas, a
entregar o su senhor Joao Coneia de Qm-iroz
Monteiro, que sero generosamente gn\A s.
Anda fugidu desde 26 do li-wr- in | xi-
mo passado o escravo Joao,. preto, o.-'a i ora b.iixa,
ledo pieado de bexigas pelo rosie-ful:a tes : levou vestido camisa branca, e fewu huh;
outra de riscado de listas, (juera o ptfgar leve-o a
praca da independencia loja de Pono iV Kartus,
que ser recompensado.
150^000
Fugio do engenho Bom-iaxdiiii, fnguezia d Es-
cada, o preto Man> ej, idade 30 anuos, punen mais
ou menos, estatura regplar, espigado, canolU- li-
nas, ps pequeos, pouea barba, nri'o allante,
tem falta de um pedaco de uma das DMaa d la-
do de cima, anda sempre com o chapeo tumbado
para esse.lado paraencobru a falta do nedne. da
dita orelha, deve estar acornado em nm Ipt-t cha-
mado Toca da Faca, em conftns da E-cada e B >ni-
to, em um lugar qUasi diserto, com uma cr oula
forra preU, grda, e nariz chalo, co qu ni e
mesmo preto fugio, desconfia-se estajno lugar
cima por dita negra ter ah < m irm ; rnga -e
portanto as autoridades policas^ -e a >s wrrhures
capites de campo a captura de dito o-cravo e o
conduzam ao dito engenho cima, un a entregar
no Recife aos Srs. Rodrigues Almeiiki & C a ra
estreita do Rosario n. 17 ao vollar para n p
do Carino, que ser recomnensado ci m a qHantia
de 130a_______________________________
Fupio no dia 27 de desenibro do anuo pr-
ximo passado a eecrava Henriqneta, pivta. <-fnu-
la, idade de SOaunos, cheia do cori>u. ahur* re-
gular, cabellos caraniuhes, testa larga, lie pr s-
sa e espinhenta, beicos grossus, h-1-.*:, gr-nde.
dentes largos eperfeitos, olhos o mais gran 1*1
com uma cicatriz em cima de uma oVru, pos cha-
tos, c m marcas do foecbiga. e chicle p-l..- <-=
tas, tendo o: andar piado, e costum- a mudar o
nome para Mara, a qual tst gravila. eVta es-
crava costuma alugar-se como livre. tx>w qnc
est na cidade def Olinda, o prulesta-se ct-nt a
quam a tenba etxpltado : rogarse a> autoridades
poiiciaes e a quein etavier a captura, que se en
tiflcar satisfactoriamente em casa de >en senh'.r
rna do Henriqne ias ou Estancia n 90.
Fugio no dia lo do correnle o escravo Ms-
noel, idade ti- asnos, pouco mais ou m nos, er* u-
le, um pouco ful, estatura regular. p> uci barba,
falta da dentes na frente, tem u.iias mateas d
JueimaiJ.nras de um lado do pesopco principand;
i fonte, entend dcozinha, lovpu canosa ite in.i-
dapolo e calca verde j desbotada, cojo Arnru
trabalhava no arma;em all'aadegado ifeSr. Dania?,
c tem sid > vi to pelo Forte do Mallos.e ra da B" a
em uma taberna : pede-se a quem o encontrar
leva-lo ao Hospicio, ra do Desuno n. 3. u no
bairro d Rc-ife, ra do Oodurnit n. tt, arinaii-iu.
No dia 13 do crrenle fugio um lud.-qni- d"
nome Zenobio,,de 16 para 17oaaus. aa* os sig-
naes seg-Vnt'is :* bL\o, magro, or fula i? difllcnl-
dade nn andar em virtude de bichos que u-m
ps, supppe-se que anda aqui na capilal; e as at
torklades o capitaes de campo' !' o' capturar <
leyem rna do Destino n. 32, que se recompensa-
r"genero40ienie.______________________
Negro mgi,ip,
Auzentou se no iia t4.do correnH.d pad>-
ria da Soledade, de casa dfi,su. seph^r nm -cra-
vo erionlo, baixo, corno recular, (em ufe signa i
num olho, parece uma belliSi. ponc t>3rb,i o es-
sa no queixo, cbama-se llonora, de Idade 27
(anos, tovoa:.calca azul de algoaa j parda, ca
misa do i/4smo branca, e nm bouat uado. e me-
tro de maceir ; jlga-;se estar i>or ahj ero '
ma padaria e o abaito assigniilOj|[e.)a ja pr
l conJi^flp^q rer.awttrtp^a^im como
liucari ine^saiBcnto a wnrer *
senor.
" STaaocIJ.-rg de Souza.
ILEBVEL




8
Diario de Peruambuco Ouarla eira<3 de.^'o de 1B70

umatATOiA.
^"^ i ni -^
Os brilhantes do Brasilero
Por Canillo t asidlo Branca.
I
AFF1.1CF.S SrDORIFEBAS.
Em um frigdissimo da de Janeiro de
1847i P' vo't3 das cove bonn da manba,
o Sr. Hermenegildo Fialho Barrosas, bra-
sileo () rado e dos mais gordos da cida-
de eterna, eslava a su.ir, na ra das Flores,
encostado ao balco da ourivesai ia dos Srs.
XlourOes. As camarinhas aljofravam a bru-
t jesia da Fialho Barrosas, como se a
porosa cabeca d'este sogeito filtrarse hy-
draulicamente o estanque de sro recluso
no bojo o3o vulgar do mesmo.
Era o suor respeitavel da mortiflcac.ao >
o esponjar das glndulas pela testa, quando
as lagrimas golphara dos seus pocos, e
d3o bastam j olhoa a estanca-las. Era
em fim, a dor que flammeja infernos em
ir, e tira d*um homem adiposo e
acial lavaredas, como o Etbna as^rcpuxa
[ior entro as neves do seu espinhaco.
Sondemos o que passa dentro d'aquel'e
corpo, e dusinchemos as bochechas do
eslyle. ,
Hermenegildo Fialho tinha recebido, as
oito da manha, no seu escriptorio de con-
. ^.iac5es e descontos na ra das Congostas,
ain bilhete da ourivesaria Mouro, convi-
lan.do-o a entrar n'aqueile cstabelecimnto,
pando podesse, para negocio urgente.
O substantivo negocio a balou-o. O
adjectivo urgente sacudio-o.
Poz o chapeo, revestio de borracha os
ns impermeaveis, aflligindo-os; enrosara
i cara no cache-nez, sobracou o guarda-
chuva, o foi impando, costa cima, pelo
irgo de S. Domipgos, resmoneando noin-
umo de si: negocio urgente !... que d abo
de urgente negocio ser este com o ou-
rives I ?...
Ento que temos ?perguntou o es-
uofado Barrosas, e sentou-se na gemente
cadeira.
E os Srs. Mouroes disseram pouco mais
ou menos o seguinte: Que, seis annos
antes, elle brasileiro lhes havia comprado
um adereco de brilbantes, composto <
gargantilha. brincos,
- ProTad o,roubp,
dous b/ilhanles ltimamente o
broche e bracelete
r 6:500^000, com o fim de presentear
.,ua noiva, segundo elle comprador decla-
rara. Que, passados, sete mezes, pouco
mais ou menos, pessoa desconhecida en-
trara na loja, e Ibes vender um brilhante
:hsengastado por 250;*000. Seis mezes
depois haviam comprado mesma mulher
nutro do igual quilate e valor. Corrido
0 mesmo praso, outro lhes fra offerecido
e vendido. Que, no fim d'om anao, um
)urives visiuho lhes tinha negociado um
brilhante de cem libras, o qual lhes des-
pertara reminiscencias de ter sido vendido
sm sua casa; mas, por mais que avivaram
!?mbrancas, nao recordaram quem. E,
olvido pouco mais d'um anno, diversos
ourives lhes vender outro brilhante do
mesmo preco, dizeodo que o comprara
um joalheiro hespanhol. N8o obstante,
!asistan em* afrmar que as duas ultimas
pedras tinham i sido d'elles ; sem lo lavia
iiesconQ3rem de roubo. Acontecendo,
porem, aue oito das antes, urna mulher
com geito de criada, a mesma que priraeiro
li tinha ido, lhes levasse urna pulseira
para se engastarem pedras falsas no encaixe
de outras j desencravadas, a desconfianza
inclinou-se logo para roubo. Ficou a pul-
seira, e depressa reconheceram que era de
sua casa, e d'atai a suspeita de que os bri-
dantes comprados he houvessem perten-
cido. Os dous maiores ainda existan)
sollos. Ajustramos nos engastes: friza-
vam perfeitamente. Recordaram com mais
seguras probabilidades, convieram na
presumpeo que a pulseira era parte das
1 lias do noivado compradas pelo Sr. Bar-
rosas, seis annrs antes. E, na incerteza,
deliberaram prudentemente reter a mulher,
quando ella viesse buscar o bracelete,
certos de que, a ser a joia do Sr. Fialho,
por forca se praticara roubo, sendo impro-
vavel que um sugti: notoamenle rico
mandasse vender brilhantes e repor minas
novas na pulseira de sua esposa...
Deixe-m'a c ver! atalhou o brasi-
leiro Mostra-me isso!
Mostraramlh'a.
Era a pulseira de Angela.
Aqui principiou a borbulhar um cumo
gomoso e crasso da testa do homem.
E' de minha mulher, acho eu
tartamudeou anda indeciso o Sr. Fialho.
Que da criada ? .
Est na polica, porque tentou rugir.
Se vossa senhoria quer, vai um cabo
busca-la.
Bom ser, que eu nao posso mecher-
r'.e... Parece que me arde o interior!
Di -me os serhores um copo d'agua, se
fazem favor ?... Isto s no inferno
nroseguio o Sr. Barrosas, balendo na testa
com os pulsos.Minha mulher nao venda
os brilbantes! E' irapossivel! Vende-los
para que ? Para que, n3o me diro os
senhores?
Pode ser que estejamos engaados
observon am dos honrados ourives:mas
o esclarecermo-nos to necessario para
vossa senhoria como para nos. Se nos Ilu-
dimos, Acarnos contentissimos e socegados.
As nossas suspeitas n3o offendem nin-
guem, senio a criada. Em fim, cumprimos
um dever.
Fazem moito bem obtemperou o
rasileiro ;mas minha esposa tilo venda
os brilhantes... Roubar-lb'os a criada ?
uso pode ser; mas... Que flgura tem
ela 1 ...
Baixa, gorda, mais de meia idade,
vestida limpamente.
Os signaos sao. d'ella... Tem ama
vorruga no nariz, assim do feio de er-
vdha ?
Nao reparei.
E am dos olhts assim modo de
vsgo ?
Parece que sim... Ella n3o pode
tardar.
E entio os senhoresvolveo o bra-
ieiro coa outro gesto de cara a tom de
voz mais afinadose os brilhantes forem
meus, cono ha de isto ser I
Como ha de ser?!...
ParaW, eim ?
Isto s4ca questio.
Ojae^asttto ? Eu acho que n5o ha
ajvMtio asahassa... Se os senhores com-
jasjaim pna coosa roobada...____________
"(?! Brastlam chamam em Portugal aos
portuguezes fie residiram no Brasil algam
empo, e que volum com fortuna.
, iremos Jiaver a|
importancia
comprados ae oorivas" qi e no-Ios venden
quanto ae*-qtoe eompramos pessoa des-
conhecida, posto que j c3o estejara em
nossa casa restituiremos o seu valor, .se
vossa senhoria quizer; mas ser-a justo e
honroso que o Sr. Fialho nao sacrificasse
quem o acautellou, para evitar que Ihe
roubem as outras joias. Do contrario,
loriamos de nos arrepender d'om zelo que
nos vem prejudicar ..
N'este comeos, chegoa a criada com
um municipal e cabo de polica.
ella mesma c est a ladra I
bradou o brasileiro Com que entio roo-
baste a pulseira. de tua ama ?! Nao res-
pondes ?
A criada abaixpu a cabeca, e fecbou her-
mticamente os beicos, como se receiasse
que alguma palavra Ihe fugisse.
Que diies tu, Victoiina ? bradou o
amoOnda tens o dinheiro dos meus bri-
lhantes ? Diz onde esl o dinheiro que eu
nao te metto na cadeia... Declaras ounSo ?
Olhem a ladra que n3o |pge, nem mog^ !
J viram ? Olha que le rebento, mulher !
Fallas? Boubaste os brilhantes ?... E
esta I nem palavra Justica com ella I
Enxovia, at declarar onde est o meu di-
nheiro !...
Os circurastautes, espantados do silencio
da criada, e tahez suspeitosos d'algum
mysterio lalvez justificativo da inculpabili-
4ade d'ella, instavam na a responder.
Perdera a falla cora o susto- aven-
tou o cabo, e sacudi a pelos hombros para
Ihe deseroperrar a lingua VocnJo pode
fallar, creatura ? Que fez voc ao dinheiro
dos brilbantes ?
Gastei-'o... respondou ella, solu-
cando.
Ah j confessou ? interveio Her-
menegildocadeia com ella, queeu c vou
casa ver se me falta mais alguma cousa.
Ha de ir degradada !
II
l:6r>0o000 iu:is I
Eslava Angela na janella da sua casa na
ra do JJispo quando o marido surdio da
esquina da Praca Nova. Reconheceu-o logo
pela corpulencia redonda. Retrahio-se da
janella, e disse comsigo assustada :
Ha novidade O coracao bem m'o
dizia..! Vfeu marido nunca vem casa a
esta hora! E Victprina sem chegar 1...
Que seria !...
O resfulegar do Fialho, escada cima,
cobria o estrondo dos pea nos degros que
rangiam.
Aogela! Angela I clamava elle
Que ?
Dou-te parte que ests roobada I
bradou o espheroide.
Boubada I gaguejou a esposa.
Sim roubada, tu Aqui tens o leu
bracelete sem os brilhantes. Gonhece-lo ?
Ve I que ladra sahio a tua criada favorita !
l'm cont seiscenlos e cincoenla mil ris
de pedras... foi-se E tu sem dares Uno
d'isto, mulher Viste ?
A pulseira tremia as mos convulsivas
d'Angela.
E o marido prosegua :
Aqu tens trou-lhe as pedras boas,
e, tinha a pulseira nos Mouroes para Ih'as
encravarem falsas. L est na administra-
Cao a ladra, e de l vai para cadeia, onde
ba de morrer; mas o meu cont seiscenlos
e cincoenla mil ris, esse que n5o tor-
na...
Angela cborava solucante.
Nao chores, menina I acudi o Sr.
Barrosasolha que isto nao abala a nossa
fortuna...
O' meu Deus! balbuciou a seohora
com as mos as faces.
No te alTIijas que eu compro-te outra
pulseira, mulher... Deixa-me c por mi
nha conla a criada ; que essa, ou en nao
tiei de ser Hermenegildo, ou ella ha de mor-
rer na enxovia.
Que infortunio, Jess, que infortunio!
bradou ella desafogandose custo dos so
lucos.
E ella a dar-lbe Tem animo, An-
gela J te disse que te dou outra pul-
seira. Sou muito rico, gracas Deus !
Da ladra da moca eu te vingarei 1
Angel cobrou alent, ergueu a fa;e, en-
xugou as lagrimas, e disse serenamente :
Nao prendas a criada jue ella est
innocente I
O que V.
Viclorina nao roubou os brilhantes.
Ento quem diabo os roubou ?
Mandei os eu vender.
Tu ?! para que ? o dinheiro d'elles
que Ihe (izeste ?exclamou o marido, tres-
suando novos repuxos de afflicto suor
Tu mentes, Angela Dizes isso para livrar
a criada, nao verdade ?
A verdade que Victorina est inno-
cente. Castiga-me mim, se queres, que
os brilhantes foram vendidos por minha
ordm.
Que fizestes ao dinheiro, la ?olulou
Fialho, sopesando com as m s o arquejar
do abdomen
Gastei-o.
Em que ? Nao tinhas o que te era4
necessario ?!
Tinha ; mas... gastei o dinheiro...
Com quem ? com quem ? torno a
perguntar com dez milboes de diabos, com
quem gastaste um cont seiscentos e...
Nao foi em cousas que me deshon-
rassem, nem a ti...
- Entao diz em que foi I
posso.
Baios!... pois nao po-
que pode ?
Hi de ir presa at dizer i quem dste clara que os mandou vender. O meu jajfo
est feito
o
Tu nao me cegues, mu-
eu j te nao vejo nem
gastaste am cont
Nao podes
des ? antao quem
N5o posso.
Arrbenlo!
Iner Olha que
enxergo Com quem
seiscentos e...
Mata-me que te perdo a morte I
volveu ella tranquilamente. Morrerei sem
remorsos nem vergonha. As joias de mi-
nha m3 valem quatro a cinco contos de
ris. Faz de conta que ests pago do roa-
no que te fiz : l as tens.
A historia nao essa, nao o dinhei-
ro... replicou briosamente o marido. O
que se quer saber a quem dste o ca-
pital ?
A' quem o precisava para nao ser in-
feliz.
Essa boa Entilo dste um cont
seiscenlos e cincoenla mil ris de es-
mola ?
Dei.
Mas quem qaem ? com dez mi-
lboes de...
No te posso dizer mais-oada, Her-
menegildo... A criada est innocente,
a prendas. ^
Nao
- Ella morreni, sem o diaer,
Pois ha de morrer... ocarou Bar-
rosas saltandf-e natendo com os abas ps
em ebeio nojfmmoE tu... nao sei o que
ser de ti...
Mata-me que eu nao tenho pena de
deixar o mundo... murmorou sosegada-
mente, mas debulhada em lagrimas, a pal-
lida senhora
Hermenegildo rolou a sua pessoa fume-
gante escadas baixo. Entrou no escrip-
torio da administrador, cbanjou de parle
a autoridade, e contou-rbe o occorrido com
a mulher, insinoando o magistrado a sacar
da criada o segredo.
O meu dever acceitar as declara-
res voluntarias da criada,djsse o admi-
nistrador.Nao posso inetttir-lbe terrores,
nem devassar os segredos da vida domes-
tica de vossa senhoria. Se sua senhora diz
que a criada esl innocente, a conlisso da
r nao basta a destruir o depoimento da
ama, sendo de mais a mais rouito natural
que os brilhantes se hajam vendido por
consentimento do sua esposa; alias desde
muito que ella teria dado pela (alta. Em-
lim, sou obligado a interrogar a ama e a
criada, urna na presenca da outra.
Essa vergonha que eu nao que-
ro obslou desabridamente o brasileiro.
O interrogatorio ha de ser secreto :
nao ha testemunbas que divulgnem este
acto impretervel de justica,cuatraveio a
autoridade.Se sa$ sonhora disser de mo-
do convincente a criada cumprio as mi-
nhas ordeps, jierto que a moga nao po-
de ser pronunciada, visto que obdeceu
sua ama ; e os desvos dos bens eommuns
feito pela esposa nao roubo, nem a com-
plicidade da criada punivel. Se sua es-
posa foi burlada por algum industrioso, e
quizer declarar-se, o meu dever seguir
o fio do enredo; mas o que eu nao posso
interroga-la sobre segredos da sua vi-
da intini!. Isso pertence vossa se-
nhoria mediante processo d'outra nalu-
reza....
Ento... afinal dz-ma vossa senho-
ria que...nterrompeu o brasileiro zan-
gado.
Que vou mandar chamar sua se-
nhora ...
Pois chame bradou elle.Este'.ne-
gocio hade aclarar-se... Nao se me im
porta a vergonha nem o diabo! Eu
sou um homem de bem, Sr. adminis-
trador !
Quem o duvida >
Ninhos atraz das orelhas nao m'os
fazem L
Cora razo...
O meu dinheiro quero saber que fim
levou...
Essas averiguacOes que s3o delica-
das, Sr. Fialho,aconselhou a autoridade.
E parecia-me rasoavel e prudente que vossa
senhoria as guardasse para o secreto da sua
casa.
Mas ella nao o diz !
. Se p nao diz vossa senhoria, rae-
nos o dir mim ou aojuiz...
Diz que dea um cont seiscentos
e cincoenta mil ris de esmolas O senhor
acredita isto ?
Acredito ;... porque n3o? Se ella re-
partsse por todos os infelizes do Porto
essa grande quantia, estou em que n3o
chegaria am pinto cada pobre.
Mas entio a criada que diga quem
le va va as esmolas. D-me vossa senho-
ria lisenca que eu pergunte?
Sim, senhorrespondeu o adminis-
trador e, tangendo, urna ampainha, disse
ao official de diligencias :
Essa mulher presa que entre aqui
szinha.
Entrou Victorina.
Responda all 'seu amodisse a
autoridade presa.
Hermenegildo assoou-se, fez duas upas
na cadeira, rossou no pavimento os espa-
ciosos ps, e rompeu n'este interroga-
torio :
Quera roubou os brilhantes ?
Fui eu, senhor. -
Mentes! Os brilhantes foi tua ama
que t'os mandou vender 1
Victorina estremecea, filou o adminis-
trador, e gaguejou palavras impercepti-
veis.
Foi sua ama que mandou vender
os brilhantes ?interveio a autoridade.
N3o, senhor... Fui eu que os...
furtei.
E as lagrimas derivavam-lhe pelas faces
copiosamente.
Esta mulher est innocente !disse
entre si o interrogador.
Mentes, desavergonhada !trovejou
o Sr. Fialho, jogando com as catapultas dos
bracos a cara da criada.
Levemos isto mais moderadamente,
Sr. Fialho,admoestou o administrador.
Ora diga-me, mulher, foi vocemec mes-
ma quem vendeu os brilbantes ?
Demorou-se Victorina em responder : -
Fui, sim, senhor.
A'quem?
Repetio-se a mesma tardanza na res-
posta.
A' quem os vendeu ? aos ourives Mou-
roes ?repetio o funecionario.
Sim, senhor.
Todos?
Sim, senhor.
-r- Est voceraec mentindo. Os Mou-
roes compraram tres pedras urna mulher,
que pro va vel mente era vocemec, e duas
um visinho. Como explica vocemec esta
verdade com a sua mentira ?
A mulher abafava com sofocos.
Seja verdadeira; vocemec n5o rou-
bou os brilhantes; vendea-os por ordem de
sua ama...
NSo, senhoracndio a criada com ve-
hemencia.
N3o me desminta, que logo vai ser
sua ama interrogada na sna presenca, e
ella mesmo j disse ao Sr. Fialho que vo-
cemec nao^urtou a pulseira.
O qoe eu qoorointrometteu-se o
brasileiro saber a qaem tua ama dava o
dinheiro.
Isso que eu n5o quero saber em
quanto sua senhora se nao queixar de que
foi lograda fraudulentamenteemendoa o
administrador do bairro.J disse vossa
senhoria que esta reparticao judiciaria nao
confessionario, nem enteode com a mo-
ralidade dos actos domsticos entre casa-
dos, em quanto elles se n3o qaeixam com-
petentemente. Da minha competencia
saber como hei de enviis esta mulher ao
juizo criminal. Ella teiraa que roubou os
brilhantes; a esposa de vossa senhoria de
:'r-r EnllIttMi o iuiz) do Sr. adminis-
trador ?KaiMpeqto ^ueixoso.
o juizo do Sr. Fialbd.) \
O mea ? 4
Sim : o senhor diz que foi sua es
posa quem mandou esta ou outra mu-
lher veader as pedras; ea digo o mesmo.
Mas qaem me ha de a mim dizer o ca-
minho que levou o dinheiro ? Um cont
seiscentos e...
Sua senhora, se quizer.
Mas esta mulher sabe-o
Vocemec sabe-o, irirlllicr ?pergun-
tou a iirtorldairB sorrindo..
O que, meu senhor ?
Sabe o que aquelle senhor deseja
saberT > [ j
Sabes qnem tua ama dava o di-
nheiro dos brilbantes ?pergnntou o amo
com estrondosos berros.
Que brilhantes ?
Os brilbantes que olla te mandava
vender.
Nao me mandou vender nada.
Entao roubaste-los tu ?
Sim, senbor.
Hermenegildo sobre-poz os bracos um
no outro, traosversalmente apoiados no
estomago, e comecou a dar com elles de
modo que tiravara um som d tympanites
das cavernas subjacentes.
J viram pouca vergonha dest fei-
tio ?gntava elle. Veja vossa senhoria se
isto i>o para endoudecer um homem!
E, levantando-se com prodigiosa rapidez,
exclamou :
Vou consultar os. neus amigos sobre
o que devo fazer; vossa senhoria faca a sua
obrigacao. O negocio muito serio. Hei de
sahir com honra d'dsta tramoia. Sou um
homera8e bem. Quera quizer saber quem
Hermenegildo Fialho Barrosas, pergunte-o
ahi a praca do coromercio do Porto.
Sei que um honrado capitalista, Sr.
Fialho! Quem Ihe nega as suas excellentes
qualidades ?
Vossa senhoria parece que est dispos-
to favor dos criminosos 1retorquiu o ri-
casso, esbofeleando urna mosca na testa.
Quem sSo aqui os criminosos ?
Nao sei! n3o entendo esta balbordia !
Sua senhora diz que mandara vender
os brilhantes. Quer que ella soja enviada
ao juizo criminal com o labo de ladra ?
volveu o administrador agastado.
Nao quero isso! quero saber quem
recebeu o dinheiro.
Nao posso esclarec-lo.
O dinheiro gastei-o eu repetiu Vic-
torina.
o que vamos ver.
Disse, e tangen de novo a campainha o
funecionario e mandou o official que inti-
masse a Sra. D. Angela a comparecer na
adminisiraco.
Que vem ella c fazer ?!exclamou
Victorina. Minha ama nao tem que fazer
n'esla casa i
C se avenham 1disse o brasileiro,
e sahiu em cata dos seus amigos.
III
RF.TRATOS DO NATURAL.
Os amigos do Sr. Fialho, aquella hora,
estavam em grupo na calcada dos clrigos
porta do immaculado capitalista
Hermenegildo chamou os sala do pri-
meiro andar d'aquelle prestante amigo dos
brasileiros, e fallou d'este tbeor:
Meus amigos velhos Srs. Athanasio
Jos da Silva, Pantaleo Mends Guimar3es
e Joaqun Antonio Bernardo .'...
Interrompa-se a apostrophe, e desenhemos
as proemiencias moraes caracteristicas
d'estes sugeitos invocados a conferir e alvi-
drar n'um pleito de honra.
O Sr. Atbanasio tem quarenta e oito
annos, capitalista, casado, socio que foi
de molhados com o Sr. Fialho, bom visinho,
cidadao pacifico, e aos costumes disse nada.
Porm, o povo reza que elle, apandando em
flagrante a esposa n'uma exeursao philar-
monica s espberas sonorosas com um cai-
xeiro, to duro e miudo tocara o compasso
no caixeiro cora a batuta de urna tranca,
que o rapaz expulso eouces chegou Ierra
natal e expirou oito dias depois, contando
o segredo sua familia.
A esposa de Athanasio, depois de encer-
rar-se quinze dias no seu quarto, viu abrir-
se arporta forca, fez o acto de contriccao
para morrer christ3mente, e ia expirar de
pavor, quando o marido Ihe abriu os bracos
e disse: Ests perdoada; mas, se fazes
out'rar escavaco te. Desde ento- o porte
d'esta senhora reduz as Fulvias e Marchitas
condices indignas dos gabos histricos.
Peccadora que passe por ella viso que a
enja e adoenta. As filhas, quando a es-
cutam discretar em virtudes, cuidara que
sua mae urna mulher da Biblia.
Quanto probidade mercantil, Athanasio
Jos da Silva contrabandista, e, algum
tempo, ia mensalmente estalagem da Pon-
tada-Pedra, em trescarruagens de recreio,
com sua familia e as familias dos dois amigos
presentes, receber cortes de seda, cambraias,
rendas e pellames inglezes. Conforme
jostica e s manhas do Porto, a firma de
Athanasio das mais acreditadas na praca,
e as gazetas, quando escrevem Athanasio
Jos da Silva, antepbe-lhe ao nome os adjec-
tivos honrado e probo; e, se acontece ir
para Caldas ou praias c,om a mulher, vae
seropre o honrado capitalista com sua vir-
tuosa esposa.
Pantaleo Mendes Guimares, quarenta e
cinco annos, capitalista, armador, antigo ne-
greiro e engajador moderno. Ha doze
annos qae urna frescassa loureira, chamada
Francisca Buiva, coou filtros cupidineos
atravez das enebundias do peito, e Ihe ator-
resmou os toicinhos da alma. Pantale3o
trasladou do bordel s alcatifas de sua casa
a Ruiva saudosa do lnndum chorado, inves-
tia-a da governanca da dispensa, e mais
tarde esposou-a, no intento de condecorar
socialmente a lama qoe trouxera do alcouce.
E, defeito, D. Francisca Mendes, n'este anno
de 1847, j logrou a satisfafSo de se ver
tambera calumniada de esposa virtuosa
as gazetas.
Joaquim Antonio Bernardo, negociante
por atacado de fazendas brancas, qaarenta
e um annos, estpido perversissimo, antigo
gandaieiro, que passra urna doce mocidade,
subtrahindo assucar mascavo das caixas
ostas no Terreiro do Paco, e actoal ir-
da Misericordia do Porto e fiscal da
mesma. Casou cora a mais desbragada
polhaque deu a Maia.e arreioa-a de velu-
dos e setins para a passeiar as pracas do
Porto cora o gaadio d'um cornaca vaidoso
que expoe o seu echante ajaezado bizarra-
mente. Esta Lais de trapeira, quando
passt'speitorada, rescende e.trescala o far-
tum das excretes cutneas.
i n veja
qte-
N.li obstante, a sua recanara Dio
4 de Lisboa o svo de delicias ero que a
maidla. Circe digna dos javardos quo a
esforzara, ganhou renoma que bastara a
felicitar tres collarejas.' Esta dama j se vio
n'um peridico, em que dava conta d'um
sea baile, nomeada de illustre e deslinda.
Ambos os epilhetos Ihe qoadravam. ocoti-
tos os substantivos. Nao a tratavam de
virtuosa, porque o localista receou que o
termo, revendo irona, me fechasse as por-
tas do seguinte baile.
Eis aqu muito em escorco esbocados os
traeos dos tres amigos de Hermenegildo
Fialho Barrosas.
Deixa-lo fallar agora.
IV.
TBIBIT.NAI. DE BOMA.
Amigos e senhoresprosegoio Fialho
a razio desta chamada vio voces sa-
be-la !
Voc parece que est afflicto, Sr.
Hermenegildo ?! aecudio magoadamente
Panlale3o
Se Ihe parece f... E' um caso de honr*
e que me ba de atirar cova t
Ora delxe-se disse !sobreveio Joa-
quim Bernardo.Ento os amigos para que
s'rvem? Aqui estamos physica e moral-
mente para ludo que fr preciso.
Meus amigos!volveu o marido de
Angelaacontece em minha casa o mais
extraordinario caso que voces ooviram...
Como assira?!inierrompeu o ma-
rido de Negocio de mulberes!... Poucas
vergonhas de mulberes I. Ainda ha quem
se case f..".esclareceu Fialho intercor-
tando as palavras com uns suspiros que
Ihe subiam do estomago mistura com ar-
rotos de bacalho assado do almoco.
De mulberes ? querem voces
ver!... disse com espanto Atbanasio
Jos da Silva.
Temos Tnaroterra ?perguntou Pan-
taleo.
Oueam l. Minha mulher vendeu
cinco briihantesda pulseira de casamento
que en Ihe dei, e nao diz o que fez um
cont seiscentos e cincoenta mil ris sonan-
te que recebeu pelos brilhantes. Aqai est
o que en tenho a dizer.
Os tres conferentes levantaram-se um
lempo, cruzaram as raaos sobre os ossos
sacros respectivos, e comecaram a passeiar
cada am para seu lado.
Quem primeiro parou e falloa do seguinte
modo foi o marido da maiata :
Physica e moralmente fallando, sua
mulher, amigo Hermenegildo, vendendo os
brilbantes e dispondo do dinheiro, deve di-
zer o que Ihe fez, por forca ou por geito.
Eu c por mim pegava d'um arrocho, e di-
zia-lbe: 6 minha amiga, voc diz o que
fez ao dinheiro, ou acaba-se aqui hoje o
mando!
Amigo Joaquimcontrarioa PantaleSo
Nao voto por esse systema, e queira per-
doar. Vamos por partes. O amigo Fia-
lho desconfia de sua mulher ?
Eu?
Sim : parece-lhe que ella doidejou e
lbe fez alguma patifaria ?
* Eu sei c, homem !... Vejo isto 1...
Ah esquecia-me de dizer que ella diz que
deu o dinheiro aos pobres. .
Bem me fio eu nisso! Essa nao amlo
eu !refutou Pantaleo, bascolejando as
queixadas um riso gallego. Aos po-
bres!...
Tambem eu n5o a engolo!concor-
dou o irm3o da Misericordia.Que diga o
nome dos pobres! Sim! queremos saber
quem sao os pobres. Physica e moral-
tnente fallando, se ella o nao disser, est
provado Ni crime.
Isso est !--obtemperou Atbanasio
E c, se a tratantada fosse comigo, era ne-
gocio feito, percebe voc !
Voc que faria ?perguntou Fia-
lho.
Eu ?! Eu ? ento voc ainda rae
nao conhece eu c era dois pontaps, e
ra, percebe voc ?
Isso n3o s3o modos!obslou Panta-
leo M.mdes Guimares.Amigo Fialho,
voc averige esse caso com vagar.
. Nao tenho| que averiguar !recalci-
tro o marido de Angela.E' isto que lhes
digo. Gastou o dinheiro e n3o diz em
que.
Ento, convento com ella!alvitrou
o prudente GuimarSes.Um homem de cr-
ditos, faz isto. Os amigos digam agora o que
entenderem.
Euopinou Joaquim Jos Bernardo,
descascando rebordos das ventas infectas
physica e moralmente fallando, tambem vou
para ahi, attendendo que melbor nao
dar escndalo. Voc administra-lhe de co-
mer e beber no convento, e nao quer .mais
saber delta.
E se Ihe poser demanda a mulher ?!
lembrou Athanasio.
Demanda? ora essa !... acudi
Joaquim Bernardo.Demanda ?
Sim ; vamos que ella pede metade da
fortuna, ou o dote de trinta contos com que
o amigo Fialho a dotou ?
O amigo Fialho nao tem nadares-
pondeu triumphantemente o arbitro.Tudo
que elle tem nosso por urna escriplura
de divida. Voc tem procuraco dessa mu-
lher?
Tenho.
Ent5o que Ihe pegue com um trapo,
physica e...
Pelo que oucointerrompeu Fialho
voces, amigos, deciden que minha mu-
lher se porta mal-
Pois isso !confirmou Pantalelo
Sem dado nem de graca! Voc ainda du-
vida ? I .
Eu, como nao tenho desconfiado nem
visto nada...
Podra ver!... redarguio o fiscal
da Misericordia.
E voces tem ouvido fallar de minha
mulher ?perguntou Fialho.
CHhe, isto de fallar, falla-se do todas
respondeu o marido da maiata.!
a minba tem escapado, c por certos
zas que me chegaram aos ouvidos
vem barrados c para mhn, que
quem tenho.. .
(Cominuar-te-ha)
lar .muilo, falsifican duas ordens de paga-
roeito or coo da seu palrao, urna de
081 francos #61780.) e outra de 1:000
francos (180|fc# neis), que recebeu era no-
vembro de 1869. Passou depois para
Ly8o, Marselha e Perpignan, onde fez
varios furtos. Voltoo a Marselha, d'onde
tomou am lugar no canillo de ferro, no dia
IS dedezembro, para Rognac, comaida
de roubar e assassinar algum viajante que
ftisse s.
M, Constantino James vinha do
pelo camiaho de ferro de Nice e'loccii
s um repartimento. Humbert vio que
este passageiro i razia bastante dinheiro na
bolsa quando pagava o que havia tomado
em Marselha, e por isso em Bognac en-
trou no repartimento em que eMe eslava,
Quando Humbert vio o Dr. James ador-
mecido, descarregou-lhe muitas pancadas
cora urna bengala com cast3o de chumbo,
empregando tal forca, que a bengala par-
tio-se.
Travoa-se ento urna Iota terrivel: o
assassuo tentava afogar a sua victima e
tapar-lbe a bocea, o Dr, James, atordoado
e fendo, mor deu dois dedos do aggreasor,
que com a dor fraquejou. Nesta occasio.
o comboyo chegava a Miramar e parava, e
o assassino fugio.
No dia IB de dezembro, Humbert foi
preso em Marselha e confessou ludo, sus-
tentando porm que nao tinha tido mlenco
de matar o Dr. James, mas que o seu
fim *ra aturdoa-lo, para llie furtara
mala. O Dr. James livrou-sl da mor-
te pela sua energa sangue (rio ; por um
fel'ra acaso nenhuma das feridas foi peri-
gosa.
O jury deu o crime por provado,
com eircumstaneias attenuantes; por isso
o reo nao foi eondemnado a penna ul-
tima.
apo
mao
zuns
mas
eu sei
POUCO DE TUDO.
JLGAMENTO.O tribunal des Bonete-
du-Bhne condemnoa Alcide Humbert na
pena de trabalhos pblicos perpetuos, por
tentativa de assassinato, commettida na
pessoa do Dr. Constantino James em urna
carruagem do caminho de ferro de Paris,
LySo e Mediterrneo.
Alcide Humbert tem apenas 17 annos.
Era caixeiro de um padeiro em Pontar-
lier. Ganhando pouco e gustando de gas-
CAftRASCOS.Segundo um peridico
estrangeiro, sao 134 os candidatos que as-
pirara a succeder a Calera!', verdugo de
Londres, que, por causa dos seus muitos
annos, se retira vida privada.
ANNIVEBSAR10.A 14 de fovereiro foi
o quincuagsimo aniversario do- assassi-
nato do duque de Berry ; razo porque
se procedeu a officios fnebres na capella
expiatoria, e em grande numero de igrejas
da provincia, principalmente as do oeste e
meio dia da Franca.
A proposito d'esta data digna de notar-
se urna curiosa particularidade nobiliaria.
A casa de Louvel, que remonta at Ro-
berto do Diab \ duque de N'orraandia, e que
conta representantes entre os companbeiros
de Guilherme o Conquistador, ha cincoenta
annos que transformou o seu nome no de
Lupel, para nada ter de commom com o
assassino do filbo de Carlos X.
A mulher do famoso Dunois, filbo natu-
ral de\uiz de Orleans, irmo de Carlos
VI, era Louvel.
TEMPESTADES.Da cidade de Pacarat
(Minas) escrevem o seguinte :
c Rogo-lhe o favor de dar publicidade no
seu estima vel jornal noticia interessante,
que passo a expor:
No dia 27 de Janeiro, depois de ooze
dias de sol ardentsimo, e de um calor as-
pbyxiante, desabou sobre esta cidade de
Pacarat urna* terrivel chava torrencial,
acompanhada de urna das mais horrorosas
tempestades, de que tamos noticia.
t A chava comecou pelas 2 I i horas da
tarde, e terminou pelas 4. As enxurradas
eram to abundantes que pareciam ribeires
que corriam pelas ras.
As delonacSes dos troves, to fortes
o frequentes, assuslavam ao espirito ainda
o mais phleugmatico. Cahiram cinco raios
em differenles pontos da cidade. Um ob-
servador imparcial e vezado \ia de sua ja-
nella este pbeoomeno, conhecido sim, mas
pouco commum. Desceu pela ra da Abba-
dia um globo de grande dinunso, cor de-
cobre, com cauda esverdiada o derra-
mando um cheiro sulphuroso, sensivel a
20 passos de distancia. Sua marcha era
leata, e descrevia curvas, ora abaixando-
se at o solo, ora elevando-se. Em urna
porta matou repentinament) um cao, e de-
pois, erguendo-se at a altura da torre da
igreja do Rosario, abalou-a, e fez oscilar o
sino, que deu urna badalada. D'alli desceu,
foi estourar ma s a hixo, ferrado nma
mulher. Outro seguio urna ra parallola,
e, atravessando a de Goyaz, eslragou o so-
brado onde mora o Dr. Virgilio Martins de
Mello Franco, cuja seohora, grvida, esca-
pou de morrer, e, entrando pela casa vi-
sinha, do tenente Paula Bibeiro, malou
urna escravf e urna crianca de 2 annos, e
offendeu muito a duas senhoras filhas do
mesmo.
O Dr. Joaquim Pedro, e o Dr. Ber-
nardo atravessaram a enchurrada com agua
pelos joelbos para acudir s victimas. Em
fim o espectculo foi horroroso... e infeliz-
mente, continuando os calores, todos re-
ceiam, a repetc3o, j sendo esta a teroeira
este anno.
O FISCO!Os exactores fiscaes na Ame-
rica lera urna tenacidade que em nenhuns
outros se encontra. Um d'estes zelosos se-
gadores de Paris, nao de Paris de Franca,
mas de Paris dos Estados-Unidos, que as-
sira se chama urna pequea cidade de
Oneida no Estado de Nova York, quiz fazer
urna peohora... ninguera capaz de adevi-
nhar em que em um comboi de caminho
de ferro em marcha, pertencente compa-
nhia de Utica, com o pretexto de que a
companbia eslava de vendo contri buicoes
atrasadas.
Para levar a efleito o seu oosado projec-
to, collocou-se o exactor fiscal com os seus
em pregados no sitio por onde havia de
passar o comboi e fez signa! para parar ao
raachinista, o qual nao obedoceu, e conti-
nuou o seu caminho as barbas da autori-
dade.
No dia seguinie o funecionario fiscal
mandou prender omcbinisla por desobe-
diencia ao agente da autoridade ; mas no
outro dia o official de polica judicial man-
dava prender o exactor fis^pur ter ten-
tado interceptar o comboi coTwoqae trans-
porlava a mala das correspondencias.
O exactor foi sollo com Banca e^ medita
nova penbora, e o official da pdUcia espera
nova tentativa para metter ontra ki na ca-
deia o cobrador da fuenda publica.
Esto em conflicto as autoridades lcaos
com as autoridades federaes.
1 yp. l DIA1I0-WA J)AS UtUZI fl. i

1
i


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID ECU9XWFJ2_SY8KGK INGEST_TIME 2013-09-13T23:47:25Z PACKAGE AA00011611_12072
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES