Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:12071


This item is only available as the following downloads:


Full Text
ANNO XLVI. NUMERO 65.
o:*j

> *

V
>
I
PARA A CAPITAL E LUGAfiES OtTDE HAO SE PAGA POBTL
Por tres mezes achantados Jgl Jjr........... 60000
Por seis ditos dem ..*'..........4 42,5000
Porum anno idiB................ 24^000
Cada mumarajna*o.......... ........ 320
TW FEIRA 22 DE MARCO OE 1870.
PARA DEITBO E FORA DA PROVINCIA.
Por tres mezes adiantados
Por seis ditos dem. .
Por nove ditos dem .
Por uiq armo idem .
.
.
6*730
3J50O-
20*250
27*000
DE PEMAMBUCO


Propriedade de Manoel Fignira de Faria & Filhos.
SAO AGESTO:
Os Srs. Gerardo Antonio Alves& Filhos, no Para ; Gonvalves 4 Pinto, no Maranhao ; Joaqaim Jos de Oliveira, no Cear ; Antonlp de Lemos Braga, no Aracaty ; JoSo Man Julio Chaves, no Ass ; Antonio Marques da Silva, no Natal; Jos Justino
Pereira dlllmeida, cm Mamanguape; Antonio Alejandrino de Lima, na Parahyba ; Antonio Jos Gomes, n Tilla da Penba; Belarmino dos Santos Balco, em Santo Ant5o; Domingos Jos da Costa Braga,
em Nazareth ; Francisco Tavar.es da Costa, em Alagoas ; Dr. Jos Martins Alves, na Babia ; e Jos Bibeiro Gasparinho no Bio de Janeiro.
PARTE OFFICIAL
.' Ciuvcrno da provincia.
'kX-'SDIK.NTK ASSIGNADO PELO EXM. SI. SENVUOIl HM
DBBICQ DB AniKID\ F. ALBUQUBlllJl'S,. PMSiOSATE
UA PROVINCIA, EM 9 DK FBViREIRO DE 1870.
i* SiVf fio.
Bf. 2't.Portera ao Exm. Sr. general caminan-
<1.\ule das armas.Mando V. Exc. por em lber-
d.ide os reeratas Antonio Barbosa Xavier da Silva
: milano "Jos da Silva, visto lrem silo julga-
djs incapazes do servico do exercito era inspeogo
d. sale, como consta d ,s termos annexos ao seu
ofiicio de 8 do corrente, sob n. 81.
N. 247.Dita ao mesmo.Pode V. Exc. fazer
seguir para a corte no vapor Tocantins, para o
qai ficam expedidas as ecessarias ordens os 2
ifMTutas Antonio Nuues de Magalhes } Basilio
Vieira da Silva, de que trata o sea offl;o deste
dala sob n. 81.
N. 218.Dita ao commandante de Fernando.
Tend por deliberago tiesta data junta por. copia,
e em vista das nforraagoes prestadas por Vmc. e
a thesouraria de fazenda de 18 e Io do corrente,
sob ns. 113 o 71, deferido o requerimenlo do sen-
tenciado desse presid) Francisco Antonio dos
Malos, determinando que de hora em diante e de
conformidade coni a tabella approvada em 20 de
miio Uo anno prximo passado Ihe" seja abonada a
gralfleagao diaria de 303 ris, em quanto se aehar
cncarregado da direccao da otaria desse presidio,
nos termos do art. 36 e 12 do regulamento do mes-
mo presidio ; assim o communico i Vmc. para o
sea conheeimeito e ns conveniente?.
K. 2.9.Dita ao conselho de compras navacs.
Approvo a compra, que segundo o termo aune
x) por copia ao sea ofiicio de 7 do corrate fez o
eoaselho de compras navaes as pessoas nelle de-
claradas, de diflerentes artigos de material da ar-
mada precisos parf provimento do almoxarifado
de marinha.
N. 2">0.Dita ao mesmo.Pode o conselho de
compras navaes promover a acqusigo dos objet-
os de material da armada, constante do seu olH-
cM de 7 do corrente, visto serem precisos para
provimento do alnaqxarifado de marinha.
N. 231.Deliberara1).O presidente da provin-
cia em vista das iaforroagoes do commandante do
ITesidio n. 113 de 18 de Janeiro prximo liado, e
Ja thesouraria de fazenda n. 71 do Io do corren-
te, resol ve deferir o requiraento do sencfjaiado Je
presidio de Fernando Francisco Antoniodos San-
tos, determinando que de hora em diante, e de
*onforir.idade eom a tabolla approvada em 20 de
maio de 1869, Ihe seja abonada a gratifica ;o dia-
ria de 530 ris, em qnanto tivr a sea cargo a di-
rjcjo da olera do mesmo presidio, nos termos
1; art. 36 e 42 do regulamento dada pelo decreto
n. 3403 de 11 de fevereinufc 1863.
2' seero.
"{. 231 Offlcio ajpresidente do supremo tribu-
ir.,! de j-jitiga.Levo ao conbecimento de V. Exc.
^egund# participan jarz dedfreho da comar-
ca do Bonito bacbarol Joo Rodrigues Chaves, em
oiclo di 23 do mez findo, tendo terminado a 18
do dito mez a licenga de 30ias que pelo presi-
iiO &t relago desta protioca Ihe fora concedi-
da; neixava por molestia de seguir para aquella
comarca a reassuaur o exercicio do respectivo
I?. 233. Portara ao Dr. chele de polica.
N -ta data autorso ao juiz de direito da comarca
de Fiorc-i, para de accordo com o juiz municipal
< delegado de polica, fazer remetter para a casa
de detencao os presos que ja tiverem sido senten-
ciados, vi-to haver o mesmo juiz de direito de-
monstrado a necessidade de se demnuir o nume-
ro de presos em urna cadeia como a daquella vil-
la, que nao offerece a necessaria seguranga. Cum-
pre pos que V. S. expela suas ordens s autor
tlade policaes, afim de que se cumpra o que ac-
I Je iletermnar.
N. 536.Dita ao mesmo.Nesta data peco ao
Exm. Sr ministro da ju>tica se sirva providenciar
para que seja aberto um crdito de 1:872*780,
pira a verba pessoal e material da polica no exer-
cicio corrente, licando assim respondido o ofiicio
de V. S. de 4 deste mez sob n. 171.
N. 237.Dita ao mesmo.Informe V. S. sobre
a materia do ofiicio do cnsul de Portugal de 7
deste mez, i>or copia incluso com referencia a
lueixa lo subdito portuguez Joo Jos Ferreira,
d'.volvendo a esta presidencia o outro ofiicio do
mesmu (onsnl de 16 de novembro do anno passa-
do que com despacho de 17 do mesmo mez foi
remanido a V. S. para informar.
N. 233.Dita ao commandante superior da
guarda nacional de Cabrob.Envi a V. S. para
que venham por Intermedio desse commando su-
perior os prets juntos das piacas destacadas na
villa de Cabrob, relativos ao mez de dezembro
ultimo, os quaes foram pelo commandante interi-
no do batalho remettidos a esta presidencia em
i-fficio de 12 de Janeiro ultimo, advortindo V. S. o
mesmo commandante para nao continuar a fazer
taes remessas directamente.
N. 23'3.Dita ao juiz de direito da comarca de
Flores.Respondendo ao seu ofiicio de 20 de Ja-
neiro ultimo, tenho a dizer-lhe, que havendo nes-
ta data approvado a deliberado que Vmc. d3 ac-
cordo com o delegado de polica respectivo, tomou
re conservar o destacamento de vinte pracas da
guarda nacional, conforme me coiunninicou em
sea ofiicio de 21 do mesmo mez de Janeiro ; Oca
assim satisfeita a necessidade de guardar-se os
iresos da cadeia dessa villa, e quanto a aecumu-
fo de presos na cadeia respectiva, pode Vmc.
fazer remetter para a casa de detencao aquellos
presos que j tiverem silo senlenciodos pelo jury :
para o que vou expedir as neces-arias ordens ao
rliefe de polica da provincia e ao juiz municipal
desse termo.
N. 260.Dita ao juiz municipal da primeira va-
ra desta cidade.Segundo participou o comman-
dante do presidio de Fernando de Xoronha em of-
iicio de 3 do corrente, foi remettido para esta ca-
pital, a ser abresentade ao Dr. chee de polica, o
sentenciado Fidelis Antonio Mendes, que requfireu
para vir aqui constituir procuraaores, convindo
que ymc. fatja regressar para dito presidio, logo
que tenha preenchido o fim para que veio.
N. 261.Dita ao juiz municipal de Flores.En-
vi Vmc. para esta capitel a seiem recolhidos a
casa de detencao, para o que deverao ser apre-
seatados ao Dr. chefe de polica, os presos que
existirera j sentenciados na cadeia dessa villa.
N. 262.Dita ao commandante do corpo provi-
sorio de pelicia.Traasmitto a Vmc. para a devida
xeeucao a senlenca da junta que em ultima ins-
tancia julgou o soMedo do corpo sob o sea com-
mando Manoel Joaqlm de Vasconcelos, devol-
v ndo inclaso o respectivo^orocesso.
N. 263.DeHberecio.O presidente da provin-
cia i inf nadn II eom a proposta do Dr. chefe
da polica era offlcio n. 177 de 7 do corrente, re-
solve crear por atal i convr ao servico publico,
um districto de BWHiegado com a denomraacao
de Boa-Viagem, na freguezia dos Afogados, o qaal
ficar sendo o ^uarto e ter o mesmos limites do
districto de paz.
in4.Dita.O presideWHk provincia con
formando-se com $ proposte ^^^^Blfcde po
licia em offlcio n. 177 d<
mear para o careo de subdet.
l' 'i-VtaaBm, na freguezia do* Afi
__iraco deste data, o bacbaNt
inte de Albuquerqoe Mam e pa
gael J'Wiium de Castro Ma*carenbas, Jlo Ne-
pomuceuo Aecioli, Felippe de Santiago, Manoel Jo-
s de Oliveira Lmi e capitao Manoel Joaqaim
Passos.
N. 263.Dita. O presidente da provincia at-
tendendo jo que Ihe requerea O desembargalor
Alvaro Rarbalho Uchoa Cavalcanti, resol ve conce-
derlhedous mezes de lieenca com ordenado na
forma da lei para tratar de sus sade.
3' scccSo.
N. 266Portara ao inspector da thesouraria de
fazonda.Transmiti a V. S. par os fins conve-
nientes a inclusa ordem do tribunal do thesouro
nacional de 29 de Janeiro ultimo sob n. 20.
N. 267.Dita ao mesmo Transmiti a V. S.
as nove inclusas ordens, sendo quatro do tribunal
do thesouro nacional sob ns. 16 a 19, duas do mi-
nisterio da guerra, datadas de 20 e 29 de Janeiro
ultimo e tresem duplcala, expedida pela repart
ca do ajudantegeneral'sob ns. 703, 704 e 706 de
^9 a 30 de dezembro do anno prximo lindo e 10
de Janeiro j ci'ado.
n. 268.Dita ao mesmo. Comraanico a Y. S.
para os devidos fins, que o bacharel Joo Rodri-
gues Chaves, juiz. de direito da comarca do Bonito,
segundo participou em offlcio de 23 do mez findo,
deixou por molestia de regressar aquella comarca
parar^assumir o exercicio do respectivo cargo.
N.269.Dita ao mesmoCommunico aV.lk
que ne-ta data approvo a deliberacjio que tomn
o juiz de direito da comarca de Flores, de conser-
var all destacadas vinte pracas da guarda nacio-
nal que por esta presidencia foram mandadas re-
tirar por portara de 20 de dezembro ultimo.
N. 270.Dita ao mesmo.Em vista do qne ex-
poz o gerente da compaubia Pernambucana com
ofiicio de 8 do correnta, conced a autorisaco que
pedio para que as viagens que tem de dar no Um
deste mez, os vapores da mesma companhia para
os portos do sul e norte, sejam effectuadas no da
2 de marco vindouro, sen prejuzo das duas va
gens qae elles tem de fazer nos dias 15 e 30 do
referido mez de marco ; o que communico a V.
S. para seu conhecimento.
N. 271.Dita ao mesmo.Envo a V. S. para os
fins convenientes as inclusas relaces nominaes de
pagamento em numero de 10, contendo as altera-
c3es occorridas no mez de dezembro do anno pas-
sado, com as pracas do batalho da guarda nacio-
nal destacadas no presidio de Fernando, Io de ar-
tilhara, Io, 2, 3, 4 e 6 deinfanlaria deste muni-
cipio, e 9 de Olinda.
N. 272.Dita ao mesmo.Ten lo por delibera-
cao de?ta dala e em vista das informales presta-
das por V. S. e o commandante do presidio de Fer-
nando, datadas do 1* do corrente e 18 de Janeiro
ultimo sob ns. 71 e 113, deferido o requerimenlo
do sentenciado do mesmo presidio, Francisco An-
tonio dos Santos, determinado que dora em diante
e de conformidade com a tabella approvada em 20
de maio do anuo prximo passado Jlie seja abona-
da a grotitlcacao diaria de 500 rs., em quanto se
(achar enoarregado da direccao da otaria daquelle
presidio, nos termos dos ajts. 36 e 42 do regula-
inento a^yesfTOrirSrm'ocamiiMmiw a V. S.
para sen conhecimento.
N. 273.Dita ao mesmo.Simo a V. S. para os
devdos fins a gua junta do sentenciado Fidelis
Antonio Mendes, que segundo offlcio do comman-
UAnte do presidio de Noronha de 3 do correite,
veio para esta capital a ser apresen'.ado ao Dr.
chefe de polica.
N. 274.Dita ao mesmo.Tendo nesta data ap-
provado os contratos constantes do termo junto por
copia, que o conselho de compras navaes celebrou
com diversas pessoas para provimento de differen-
tes artigos do material da armada necessarios ao
almoxarifado do arsenal de marinha; assim o com-
munico a V.S. para seu conhecimento.
N. 273.Dita ao mesmo.Communico a V. S.
que segundo me declarou o engenheiro encarrega-
do das obras geraes em oBeio de 7 do corrente,
contratou elle com Francisco Xavier Soares pela
quantia de 50000, os reparos de que precsavao
caes do Apollo, em frente ao armazem do nego-
ciante Tasso.
N. 276.Dita ao mesmo.Transmuto a V. S.
par os fins convenientes a inclusa relacao nomi-
nal de pagamento, e de alteracoes concedidas com
o imperial marinhero Jos Francisco de Almcida.
que se acha no presidio de Fernando cumprindo
sentenga.
N. 277.Dita ao mesmo.Communico a V. S.
para seu conhecimento qua attendendo ao que re-
quereu a professora publica Sophia Gailhermina
de Mello, expeco nesta data as ecessarias ordens
a thesouraria provincjal para fazer suspender o
descont que offereceu dos seus venciiuentos a re-
ferida professora para as despezas da guerra, visto
ter cessado semelhante offerta.
N. 278. Dita ao inspector da thesouraria pro-
vincial.Attendendo ao que requereu a professora
publica Sophia Guilhermma de Mello, sobre que
versa asua informacao de 7 do corrente sob n. 76,
recommeudo a V. S. que faca suspender do Io de
Janeiro prximo findo o descont qae offereceu a
referida professora dos seus vencimentos para as
despezas da guerra, visto ler cessado semelhante
offerta.
N. 279.Dita ao mesmo.Autoriso V. S., de
conformidade com a sua informacao de S do cor-
rente sob n. 72, a mandar adiantar mediante flan-
ea idnea, e quando permittirem as forras dos co-
fres dessa thesouraria, a 1' prestaeao que tem
direito os contratantes das publicacoes dos annaes
da as-ombla legislativa provincial,'Carlos Ernesto
de Mosquita Falco e Francisco Pacifico do
Amaral.
N. 280Dita ao mesmo. Depois de liquidado,
em vista do pre nominal junto em duplcate, que
me remetteu otommandante supprior interino do
municipio de Serinhem, com tfflcio de 4 do cor-
rente sob n. 43, mande V. S. pagar os vencimentos
relativos ao mez de Janeiro ultimo, das pracas da
guarda nacional destacadas no povoado de Ga-
melleira.
N. 281.Dita ao mesmo.Attendendo ao que
expoz no incluso requerimenlo documentado a pro-
fessora de instruccao primaria Henedina Floresta
dos Santos Cordeiro, e tendo em vista o que a este
respelto informou o director geral interino da ins-
truccao publica, em offlcio de 5 do corrente, re-
commendo a V. S. qae mande pagar os vencimen-
tos da supplicante, correspondentes aro 14 dias do
mez de novembro do anno prximo passado, e em
que deixou de exercer as funecoes do seu magis-
terio, por estar effectaando a sua mudanca de
Nossa Senhora do O' de Goyffnna para o povoado
de Vicencia, para onde foi removida, considerando
assim abonadas as faltas por ella dadas.
4" secejio.
N. 284.Dito ao Exm. Sr. presidente da provin-
cia do Rio Grande do Norte. No vapor Aritos que
parle hoje para o norte segu disposicao de V.
Exc. as duas carleiras cora medicamentos homeo-
pathicos que V. Ezc. solicitou em sea offlcio de 29
de Janeiro prximo Ando. Rogo, pois. a V. Exc.
qae se digne de dar suas ordens no sentido de ser
paga a importancia constante da conta junte
N. 285 Portara cmara municpil do Recfe.
Em vista do que expoz a cmara municipal do
Recfe, em sea offlcio de 19 de Janeiro prximo
findo, sob n. 3, com referencia ao augmento con-
sideravel da escripiuracao da contadoria pela gran-
de affluencia de trabalho, proveniente da arreoa-
dacao, tenho a dizer que para evitar a aior despeza
de ve ser encanegado daquelle trabalbo um dos
amanuenses da secretaria, sob a direccao e ins-
peccao do contador, executando-o lora das horas
do expediente, e mediante urna gratifieaclo na ra-
zio de 200*000 annuaes pela consignado dos
eventuaes comprehendi la no 4 do art. 2 da lei
vigente do orcamento municipal, devendo cessar
loco que se vencer esse trabalho.
N. 286.Dita ao engenheiro encarregado das
obras geraes.Pelo seu offlcio de 7 do corrente -
co inteirado de haver Vmc contrallad com Fran-
macoes constantes do aviso da reparlicao da agri-
cultura, coramereio e obras publicas de 29 de Ja-
neiro prximo findo, sob n. 6, incluso por copia,
relativamente ao facto que se deu no dia 7 daquelle
mez na estecao de Frehciras Jda estrada d ferro
d ita ^vmcia, o de que tratam os moas offlcios
N. 310. Dita ao commandante superior da
guarda nacional de C ibroB Com a informagao
ltate por copia, do inspector da thesouraria de
fazenda, e.n o!fl:io de 9 d) corrente, respondo ao
de V. S. de 5 de dezembro ultimo, quinto 30 pa-
gamento dos offlciaes e pracas destacadas em Gra-
nilo.
N. 311.Dita ao juiz municipal da primeira vara
esta cidade.Transmiti Vine, a guia junta do
senteuciado Francisco Bezerra Procopio do Nasei-
menlo, que est cumpnndjk sontenga no presidio
d* Fernando de Noronha, pwa que substita a ir-
regular que existe no mesmo presidio, tendo dita
) remiettida este presidoncia pala do Cea-
cisco Xavier Soares pela qaantia d 505000 os1* de 12 do referido mez do Janeiro
reparos de qae precisa o caes do Apollo em frente
ao armazem do negociante Tasso.
N. 287.Dita ao engenheiro fiscal da estrada de
Ierro.Remello a Vmc. para seu conhecimento e
devida execuco o aviso incluso por copia expedi-
do pela reparlicao da agricultura, commercio e
obras publicas, em 27 de Janeiro prximo lindo,
sob n. 5, relativamente s despezas provtnientes
das differencas de cambio, levados conta do cus-
teio da estrada de ferro.
N. 288.Dita ao juiz de paz presidente e raais
membros da junta de qaalillcacjio da freguezia de
Pao d'Alho.Com o offlcio jante por copia" datado
de 20 de Janeiro prximo lindo respondo ao que
Vinos, me dirigiram em 26 daquelle mez relativa-
mente aos trabalhos dessa junta.
N. 289Dita aos Srs. agentes da companhia
Brasileira de paquetes.Os Srs. agentes da com-
panhia Brasleira de paquetes faca transportar no
vapor Alios, at a provincia do Rio Grande do
Norte, dispoSIco do respectivo presidente, o pe-
3ueno volume que a esta acompanha contendo
uas carteiras cora medicamentos homeopathicos.
N. 290.Dita aos mesmos.Os Srs. agentes da
companhia Brasileira de paquetes maniera dar
transporte para a corte por conta do ministerio da
guerra no vapor lorantins aos dous remitas de
nomos Antonio Nunes de Magalhes e Basilio Viei-
ra da Silva.
N. 291.Dita ao gerente da companhia Pernam-
bucana.Em vista das ponderacoej feitas em seu
offlcio de 8 do corrente concedo a autorisaco que
Vmc. pede para que as viagens que lera de dar no
lira deste mez os vapores dessa companhia para os
portos do sul e norte sejam effectuadas no dia.2
de margo vindouro, seno prejuizo das duas Via-
gens que elles lera de fazer nos dias 15 e 30 do re-
ferido raez de margo.
N. 292.Deliberacao.O presidente da provin-
cia, attendendo ao que requereu Theodoro Macha-
do Freir Pereira da Silva, resolve conceder-lhe a
dispensa que pedio do cargo de director do asylo
de mendicidade declarando de nenhum effeilo a
deliberadlo deste presidencia, de 22 de oulubro
do anno passado, pela qual fura o mesmo Silva
nomeado.
EXPEDIENTE ASSI0NAD0 PBLO SR. OFFICLAL-MAIOR DR.
ANTONIO ANNES JACOME PIRES, NO IMPEDIMENTO DO
SECRETARIO INTERINO DO GOVBRNO, BM 9 DE F8VE-
R1RO DE 1870.
2* secgao.
N. 293.Offlcio ao Dr. chefe de polica. -O Exm
Sr. presidente da provincia manda declarar a V. S.
era resposta ao seu offlcio n. 183 de.ontem data-
do, que Gcou inteirado de ler sido nomeado Cons-
tancio Vieira de Lona para o taar de gaarda da
casa de detencao na vaga dexada por Manoei Ma-
chado Das, que pedio exoneracao.
N. 294.Dito ao mesmo.De ordem do Exm.
Sr. presidente da provincia transmiti a V. S para
os devdos fins a deliberago junta por copia crean-
do o districto de Boavagam na freguezia de Afo
gados, e bem assim os ttulos de nomeaco do sub-
delegado e supplentes do dito districto, de confor-
midade com a proposta de V. S. em offlcio n. 177,
de 7 do corrente.
N. 293.Dito ao commandante superior interino
da guarda nacional do municipio de Serinhem.
S. Exc. o Sr. presidente da provincia manda decla-
rar a V. S., em resposta ao seu offlcio de 4 do cor-
rente, sob n. 43, que a thesoararia provincial tem
ordem para pagar os vencimentos constantes do
citado ofiicio.
N. 296.Dito ao juiz de direito da comarca do
Bonito.O Exm. Sr. presidente da provincia man-
da declarar a V. S. que ficou inteirado pelo seu
offlcio de 23 do mez findo de nao poder regressar,
por se achar doente comarca do Bonito, para
reassumir o exercicio do cargo dejuiz de direito,
tendo a 18 fiualisado o goso da licenga de 30 dias
que pelo presidente da relagao Ihe fora conce-
dida.
N. 297.Dito ao Sr. Romao Pereira Filgueira
^arapaio.O Exm. Sr. presiden-e da provincia
manda declarar a V. S. que ficou inteirado pelo
seu offlcio de 17 do mez ndo, de ler nessa dala
prestado juramento e tomado possse do cargo de
1 supplenle do juiz municipal e ds orphaos do
termo de Salgueiro.
4a secgao.
N. 298.Offlcio ao desembargador provedor da
Santa Misericordia.S. Exc. o Sr. presidente da
provincia tendo por delibraco desta data e em
vista do que requereu Theodoco Machado Freir
Pereira da Silva resolvido conceder-lhe a dispensa
que pedio do cargo de director do asylo de men-
dicidade ; assim o manda communicar a V. Exc.
para seu conhecimento.
EXPEDIENTE ASSIGNADO PELO EXM. SR. SENADOR FRE-
DERICO DE ALMEIDA E ALBUQUERQUE, PRESIDENTE
DA PROVINCIA, BM 10 DE FEVEREIRO DE 1870.
1' secgao.
N. 300.Portara ao Exm. general commandan-
te das armas.N'esta data recomraendo ao enge-
nheiro fiscal da illuminago a gaz d'esta cidade,
que providencie com urgencia a cerca do concer-
t necessario do encanaraento da illurainagao do
quartel do hospicio, segundo consta do offlcio de
V. Exc. datado de honlem, e sob. n. 85 a que res-
pondo.
N. 301.Dita ao inspector do arsenal de mari-
nha.Autoriso V. S. a fazer as despezas ecessa-
rias para Iluminar a gaz o edificio que se est
preparando n'esse arsenal para o aquartellamento,
da companhia de aprendizes mannheiros, como
V. S. solicitou em seu offlcio de 29 de Janeiro ul-
timo, sob n. 1895, a que respondo.
N. 302. Dita ao raesrao. Autoriso V. S. a
mandar fazer as offlcioas' desse arsenal as duas
boits de que trata a sua Inforraagao de 3 do cor
rente sob n. 1899, para serem fornecidas ao capi-
tao do porto, afim de serem collocadas em seus
respectivos lugares.
N. 303.Dita ao capitao do porto.N'esta data
expeco a conveniente ordem ao inspector do arse-
nal de marinha para mandar fazer as offleinas
d'aquelle arsenal as duas boias de que tem ne-
cessidade essa capitana afim de serem collocadas
urna no banco inglez, e a outra na ponte do ban-
co de Olinda como V. S. solicitou em sea offlcio
de 21 de Janeiro ultimo, sob n. 11 a que res-
pondo.
N. 304.Dita ao commandante do presidio do
Fernando.Remella Vmc. na primeira eccasio e
com a seguranga necessaria a ser apresentado ao
ebefe de polica o sentenciado Miguel Angelo de
Lucena de quera trata o s u offlcio n. 123 de 1
d'esie mez, afim de, como requereu, aqu venlia
tratar da fliquidacao de um inventario de seu
casal.
3* secgao.
N. 308. Portara ao Dr. chefe de polica.
Nesta data expego ordem a Ihosouraru de fazen-
da para adiantar ao delegado do termo de Villa
Bella a quantia de 1:480*200 para pagamento do
destacamento da guarda nacional do termo de
dita villa at mat\o vindouro, cumprindo qus V,
S. determine ac> ito delegado que preste cootas aj
thesouraria dp, fazenda nao so da quantia que ora
se Ihe maneja entregar, como da de 1:000*000
qae j re.-ebou, afim -de nio aparecerem embara-
ces em adiamntenlos idnticos qae por ventura
para f, futuro lebham do fazer.
N. 309iDila aa mesmo.Preste V. S. as infor-
goa sido remeuiaa a esla pre.
ri ora Dllhio de 29 do mez linio.
N. 312.Dita ao juiz municipal e de orpbos
do termo de Agua Prela.Faca Vmc. conste/ a
Jos do Carino da Coste, que nesta dala mando
por peja segunda vez em hasta publci pela N^-
souraria de fazenda, para serem vendidas, como
requereu ao g,>verno imperial, as trras dcvolutas
que demorara no lagar Prangezinho em Palmares,
a lira de que opportunaraeulc entre era concurren-
cia, ae assim Ihe convier.
N. 313.Dita ao juiz municipal e de orphaos do
termo de Caruar.Em viste do que expendeu
Vmo. em seu offlcio de 31 do mez findo, e dos do-
cumentos que vieram a elle annexos, tenho a di-
zer-lhe que lendo Vmc. principiado, a 18 de maio
di 1866 o exercicio do cargo dejuiz municipal do
termo de Caruan, para o qnal foi reconduzido
por decreto de 23 de Janeiro do dito anno, no dia
18 de maio d'aste anno, se completa o dito qua-
drleoBio.
N. 314.Dita ao commandante do corpo provi-
sortet de polica.Mande Vmc. dar baxa ao se-
gnaao sargento da quarta companhia do corpo sob
seu commando, Benjamn de Luna Pimentel, que
a requtr por ler lindado o lempo de seu engaja-
raonto, e nao querer continuar a servir.
N. 315.Dita ao mesmo.Pode Vmc. engajar
no corpo sob seu commando o paisano Damiao
Flix des Santo?, a quem alinde o seu offlcio n. 57
de 8 do corrente, como substituto, e pelo resto de
lempo que falta do servico, a Jos Barbosa dos
Santos, a quem mandar eliminar.
N. 316.Deliberago.O presidente da provin-
cia, em vista do offlcio do chefe de polica n. 185
de 8 do corrento, resolve conceder ao cdadlo
Francisco Soler de Figueiredo Castro a exonerago
que Dedio do cargo de subdelegado da freguezia
da Yarzea.
N. 317.Dita.O presidente da provincia, con-
formando-so com a proposta do chefe de polica
em offlcio de 8 do correato, resolve nomear o ci
dado Manoel francisco de Carvalho Paes de An-
draffij per'o cargo de subdelegado da treguezr
da Varzea.
N. 318.Dita.O presidente da provincia, at-
tendendo ao que Ihe requereu o bacharel.Manoel
Antonio da Fonseca Mello, promotor publico da
comarca de Flores, resolve conceder-lhe dous
mezes de licenga com ordenado na forma da lei,
para tratar de sua sade nesta capital.
3' secgao.
N. 319.Portara ao inspector da thesouraria de
fazenda.Expega V. S. as suas ordens para qne,
de conformidade com o parecer da contadoria a
que se refere o seu offlcio n. 87 de 8 do corrente,
seja adiantado ao delegado de polica do termo de
Villa Bella, raais a qjautia de 1:4805100 rs. para
o pagamento dos prets do destacamento da guar-
da-nacional naquelle termo at marco vindouro,
sendo que nesta data se providencia para que pelo
dito delegado sejam prosudas as cenias do toda a
quantia por elle recebida para esse fim.
N. 320.Dita ao mesmo.Em vista dos inclu-
sos prets nominaos, mande V. S. liquidar os ven-
cimentos relativos aos mezes de novembro e de-
zembro do anno prximo passado,dos guarda3-na-
cionaes destacados na villa da Boa-Vista ou Petro
lina e paga a sua importancia ao tenente-coronel
commandante do batalho n. 47 de infamarla Jos
Chrispiniano Rodrigues CoOlho Brando, ou a seu
procurador nesta capital, Andr Avelino Pereira e
Silva, conforme solicitou o commandante superior
d'aquelle municipio*m offlcio de 10 de Janeiro ul-
timo.
X. 341.Dita ao me?rao.Transmiti por copia
V. S. para seu conhecimento o devida execugo
na parte que Ihe tocar, a deliberago d'esta data,
pela qual resolv conceder a permsso que solici-
tou Angelo Baptsta do Nascimento, par collocar
um guindaste de ferro era freate do seu trapiche
alfandegado donominado Angelo.
N. 322.Dita ao mesmo.Tendo nesta data au-
tnrisado o inspector do arsenal di marinha a man-
dar fazer as offleinas daquelle arsenal as duas
boias de que trata a sua informacao de 25 de Ja-
neiro ultimo, sob n. 45, afim de serem fornecidas
ao capitao do porto d'esia cidade ; assim o com-
munico V. S. para seu conhecimento.
N. 323.Dita ao mesmo.Constando de aviso
da repartigo da agricultura, commercio e obras
publicas de 26 de Janeiro prximo findo que S. M.
o Imperador conformndose per sua immediata
rcsolugao de 19 d'aquelle mez com o parecer da
secgao dos negocios do imperio io conselho de
estado, exarado era consulla de 7 de novembro do
auno passado houve por bem deferir o requeri-
menlo em que a Companhia Pernambucana de na-
vegado a vapor costoira pedio ser relevada da
multa que Ihe foi imposta pela inobservancia do
contrato celebrado com o governo para a navega-
gao at Fernando de Noronha e Aracajti, assim o
communico a V. S. para seu conhecimento.
. 324.Dita ao mesraoInteirado de quanto
V. S- expoz em seu offlcio de 7 do corrente sob n.
79, acerca da arremalago do mil bragas quadra-
das de Ierras devolutas na comarca de Palmares,
tenho dizer-lhe em resposta que convm, que as
mencionadas trras vo novamente em praga -visto
nao haver apparecido licitantes ellas.
N. 325.Dita ao me3mo.Tendo nesta data re-
commendado ao inspector da Ihesouraria provin
cial que faga indemnisar o ministerio da guerra
da qaantia de 152800 importancia dos objectos
fornecidos pelo arsenal de guerra deste provincia
ao Dr. chefe de polica no mez de dezembro do
anno prximo passado, os qnaes conslam da rela-
cao junta por copia, que me foi remettda com o
aviso d'aqnelle ministerio datado de 31 de Janeiro
ultimo, assim o communico a V. S. para seu co-
nhecimenlQJLflns convenientes.
N. :i6.^Wfcao mesmo.Era vista da informa-
cao do V. SMt 8 do corrente sob n. 84, acabo de
autorisar o inspector do arsenal de marinha a fa-
zer as despezas ecessarias para Iluminar a gaz o
edificio que se est preparando n'aquclle arsenal
para o aquartellamento da companhia de aprendi-
zes marinheiros, o que communico V. S. para
gen conhecimento.
N. 327.Dita ao inspector da thesouraria pro-
vincial.Ao capitao Manoel Jos de Torres mande
V. S pagar depois de liquidados, em vista do prel
nominal junto era duplcala que me remetteu o
o commandante superior do municipio de Agua
preta com offlcio de 6 do corrente os vencimentos,
relativos ao mez de Janeiro ultimo dos guardas na-
cionaes destacados n'aquella villa.
N. 328.Dita ao mesmo.Expega V. S. as suas
ordens afim de que por essa thesoararia seja in-
domnisado o ministerio da guerra da quantia de
152|800 em que importem os objectos fornecidos
I pelo arsenal de guerra de3ta provincia ao Dr. che-
fe de polica no raez de dezembro do anno prxi-
mo passado as quaes eonstam da relagao junta
por copia, que veio annexa ao aviso da guerra de
21 de Janeiro ultimo.
N. 329.Deliberago. O presidente da provin-
cia tendo em vista o que requereu Angelo Bapts-
ta do Nascimento, e bem assim o que a este res-
pailo informaram as esiagSes competentes, resolve
conceder-lhe permissao para collocar um guindas-
te de ferro em frente do seu trapiche allandegado
n. 10 denominado Angelo com a condigo de as-
signar termo qa thesouraria de fazenda, no qual
se obrigue a nao prejudcar o transito publico c a
reparar qualquer d.imno, que do guindaste possa
resultar no caes em que vai ser collocado. Esta
ser apresentada as mencionadas estagoes para a
devida execugo.
4* secgao.
N. 310.Offlcio ao presidente da provincia da
Parahyba.Dgnese V. Ex;, expedir as suas or-
dens para quo.no caso de ser exacto o que allega
o sentenciado Francisco Cafando na policio una
por copia, pelo-juizo de Mamangnape seja reraet-
tida no.va guia da qual consta a alleragao havida
na senlenca imposta a dito sentenciado que se
acha em Fernando.
N. 331.Portara ao director da Faculdade de
Direito do Recfe.Communico a V. Exc. era res-
posta ao seu offlcio de 3 do crreme quo nesta
data nomeci os Drs. Joo Cspistrano Bandeira de
Mello Filho e Tarquino Braulio de Souza Ama-
ramio para presidentes das mezas de exames de
preparatorios annexos a essa Faculdade durante
os impedimentos dos Drs. Vicente Pereira do Reg
e Antonio de Vasconcelos Menezes de Drumjnond.
N. 332.Dita ao director geral da instfucgo
publica.Mande V. S. pdr a concurso as cadeiras
de instruego primaria qne se acham vagas.
N. 333.Dita a cmara municipal desta cida-
de.Constando de offlcio do chefe da repartigo
das obras publicas datado de honlem e sob n. 31,
que por acharan-se evidentemente dcsaprumados
a frente e um dos oitoes da casa incendiada no
dia do corrente niel, sita a ra da Cruz no
bairro do Recife, ameaga desabar causando pre-
juizo e algumfinistro, recommendo a cmara mu-
nicipal desta cidade que tome a esse respeito as
providencias que em casos taes Ihe compele.
N. 334.Dita a cmara municipal de Salguei-
ro.Para poder ser approvada a arremalago dos
impostes de que trata o offlcio da cmara munici-
pal da villa do Salgueiro de 10 de Janeiro prximo
findo, enmpre que a mesma cmara remeta urna
copia do termo da referida arremalago.
X. 335.Dita ao engenheiro Hseal da Ilumina-
gao a gaz deste cidade.Providencie Vmc. com
urgencia, afim de que o encannamento da illumi-
nago a gaz do quartel do Hospicio seja reparado
convenientemente, visto que sem dar a luz neces-
saria deixa escapar o saz em grande quantldade
com notavel prejuizo dos cofres pablicos, como
Ucaba de declaW'tWB o'brigmtajro commandante
oas armas em offlcio de hontera datado e sel}
n. 83.
N. 336.Dita aos agentes da companhia Brasi-
leira de Paquetes a Vapor. Rodera Vmcs. fazer
seguir para os portos do sal o vapor To;an',ins,
hoie a hora indicada em seu offlcio de hootem.
N. 337.Dita ao gerente da companhia Pernam-
bucana.-Constando de aviso da repartigo da
agricultura, commercio e obras publicas de 26 de
Janeiro prximo findo, que S. M. o Imperador,
con formando-se por sua inmediata resoluco de
19 daquelle mez, com o parecer da seccao dos ne-
gocios do imperio do conseibo de estado, exarado
em consulta de 7 de novembro do anno prximo
passade, houve por bem deferir o requerimenlo em
que a companhia Pernambucana de navegagao a
vapor costelra, pedio ser relevada da multa que
Ihe foi imposta pela inobservancia do contrato
celebrado com o governo para a navegaco al
Fernando de Noronha e Aracaj; assim o con*
raunico a Vmc. para seu conhecimento.
N. 338.Deliberago.O presidente da provia-
ca, resolve nomear os Drs. Joo Capistrano Ban-
deira de Mello Filho e Tarquinio Braulio de Souza
Amarantho para presidentes da meza de exames
dos preparatorios annexos a faculdade de direito
desta cidade durante os impedimonlos dos directo-
res Vicente Pereira do Reg e Antonio de Vas-
concellos. Menezes de Druramond.
N. 339. Dita.O presidente da provincia, era
vista do offlcio do director geral interino da Ins-
truego publica de 31 de Janeiro prximo lindo
sob n. 47, resolve nomear o capitao Ignacio Xa-
vier Carneiro de Albuquerqua delegado luterano
do districto de Trancunhanhem, por nao ter acei-
tado aquelle cargo por nao residir all o bacharel
Joo Silverio Marques Bacalhao.
N. 340.Dita.O presidente da provincia, em
vista do offlcio do director geral interino da ins-
truccao publica de 31 de Janeiro prximo findo
sob n. 48, resolve exonerar o bacharel Antonio
Colurabano Seraphico de Assis Carvalho do cargo
de delegado literario* do districto do Braito, visto
ter-so mudado do respectivo termo, e nomear para
o substituir ao promotor publico daquella co-
marca bacharel Joo da Costa Ribeiro Ma-
chado.
N. 341.Dita.O presidente da provincia, atten-
dendo ao que requereu a professora publica da
cadeira da freguezia da Gloria do Goit, Mareolina
Furtado da Silva Cabral e tendo em vista a infor-
raagao do director geral da instruego publica de
9 do corrente sob n. 60, resolve conceder-lhe dous
mezes de licenga com ordenado smenle para
tratar de sua sade.
N. 342.Dita.O presidente da provincia, re
solve nomear a Joaquina Pedro Barrete de Mello
llego para o cargo de director do asylo de mendi-
cidade.
ordem ao commandante do presitiio do Fernando
do Noronha, para na primeira occasiio envier
para esla capital, com urgencia, a ser ^presentado
ao Dr. chefe d#policia, o sentenciado Miguel An-
gelo de Lucena, que requereu vir a este edad<>
para fiquidagao de um inventario de seu casal.
3." seccao.
N. 318.Offlcio ao inspector da thesoararia pro-
vincial.De ordem de S. Exc. o Sr. presidente da
provincia communico a V. S., que segundo cons-
ta de offlcio do director geral da instruego pu-
blica do 9 do corrente, sob n. 59, reassumio elle
nessa data o exercicio do sea cargo, visto haver
terminado o da da licenga, em cuio goso re
achava.
N. 349.Dito ao chefe da repartig3o das obras
Publicas S. Exc. o Sr. presidente da provincia
li jando inteirado do cometido do offlcio de V. S.
datado de honlem, sob n. 34, manda declarar em
resposta, que acaba de recommendar a cmara
municipal do Recife, que tome as providencias ao
sen alcance a respeito da casa incendiada no dia
l* do corrente e de que trate o citado offlcio.
4* secgao.
N. 330.Offlcio do desembargador provedor da
Santa Casa de Misericordia.Tendo S. Exc. o Sr.
presidente da provincia por deliberago desta da-
ta resolvido nomear a Joaquina Pedro Birrete de
Mello llego para o cargo de director do asylo de
mendicidade ; assim o manda communicar a V.
Exc. para seu conhecimento.
N. 351.Dito ao director geral merino da ins-
truego publica.S. Exc. o Sr. presidente da pro-
vincia, tendo por deliberago desta data, em viste,
de seus offlcios.de 31 de Janeiro prximo findo.
sob n. 47 e 48, resolvido nomear o bacharel Joo
da Costa Ribeiro Machado e o capitao Ignacio Xa-
vier Carneiro de Albuquerque, para os cargos de
delegados litterarios, o 1 do districto do Bonito e
o 2* de Tracunhem ; assim o manda participar
a V. S. para seu conhecimento enviando-1 bes os .
ttulos dos nomeados para lerem o convenante
destino.
X. 332.Dito ao Dr. Joaquim Pires Machado
Portella director geral da instruego publica.
S. Exc. o Sr. presidente da provincia manda de-
clarar a V. S. que pelo sea offlcio de 9 do eor-
rente tica inteirado de haver V. S. reassumido
nessa data o exercicio do seu cargo visto haver
terminado a liceng em cojo goso se achava.
N. 353.Dito ao Dr. Joo Capristano Bandeira
de Mello Filho.S. Exc. o Sr. presidente da pro-
vioca, tendo por deliberago desla data nomeado
a V. S. para presidir urna das mezas de exames
de preparatorios annetos a Faculdide de Direito
desia cidade, durante o impedimento o -Dr. Vicen-
te Ptreira do Reg ; assim o manda communiear-
fhe para seu conhecimento.
N. 334 Dito ao Dr. Tarquinio Braulio de Souza
Amarantho.S. Exc. o Sr. presdante da provin-
cia, tendo por delibraco desta dala nomeado a
V. ft JifT presidie nma dis mezas d exa/n* >
nrpnaratoru s aqnexos 3 Faculdade d Qj^ito dos^~ -
la cidade, durante o impedimento do Dr. Antonio
de Vascoocellos de Druramoade ; assim o mana
coraraunicar-lhe para seu conhecimento.
DESPACHOS DA PRESIDENCIA DA PROVINCIA DO DiX^^-
18 DE MARCO DB 1870.
Alexandre da Silveira Lima Venenno.Informe
o Sr. Dr. chefe de polica, ouvindo o delogado
resoectivo.
Padre Albino de Carvalho Lessa.Informe o Sr.
Inspector da thesouraria de fazenda.
Antonio Joaquim de Mello.Informe o Sr. ins-
pector da thesouraria provincial.
Coronel Antonio Pedro de S Barreto.Informe
o Sr. inspector da thesouraria de fazenda.
Fielden Brothers.Dirija-se a thesouraria de
fazenda.
Fielden Brothers.Dirija-se ao Sr. nspeetor da
thesouraria provincial.
Fielden Brothers.Dirjase ao Sr. inspector da
thesouraria de fazenda.
Ignacio Gomes da Silva.Informo o Sr. Dr.
chefe de polica.
Jo- Ferreira Coelho.Informo o Sr. inspector
po arsenal de marinha.
Jos Dias de Freilas.Informe o Sr. Dr. juiz
de direito da comarcare Caruar, ouvindo o juiz
municipal respectivo
Luiz Epiphanio do Souza.Informe o Sr. ins-
pector da thesouraria de fazenda, ouvindo o da
alfandega.
Mariano ero Carneiro da Cunha.Informo o
Sr. capitao do porto.
Bacharel Margo Correa da Cmara Tamarindo.
^Informe o Sr. inspector da thesouraria de fa-
zenda.
Raymundp Gomes da Silva.Expega-se oraem
para ser o supplicante dispensado ate a reunan
da respectiva junta de qualificago, porante quem
dever fazer valer seu direito.
Tiburcio Valeriano da Silva.-A" vista da infor-
mago, junte o titulo de aforamento e a planta,
exigida pelo art. 11 do decreto n. 4103 de 22 de
fovereiro de 1868.
EXPEDIENTE ASSIGNADO P2L0 SR. 0FF1CIAL-MAI0R DR.
ANTONIO ANNES JACOME PIRES, NO IMPEDIMENTO
DO SECRETARIO INTEBINO DO GOVEnNO, EM 10 DK
FEVEREIRO DE 1870.
2" seccao.
N. 343.Offlcio ao Dr. chefe de polica.Trans-
miti a V. S, de ordem do Exm. Sr. presidente da
provincia o ttulo junto de nomeago do cidado
Manoel Francisco de Carvalho Paes de Aodrade
para o cargo de subdelegado da freguezia da Var-
zea, de conformidade com a proposta de Y. S. em
offlcio n. 185 de 8 do corrente.
N. 344.Dito ao mesmo.De ordem do Exm.
Sr. presidente da provincia declaro a V. S. que
nesja -dala expedto-se ordem ao commandaote do
presidio de Fernando de Noranha, para remetter
para esta capital, com urgencia, a ser representa-
do a V. S. o sentenciado Miguel Angelo de Lacena,
que requereu para vir aqui tratar da liquidaco de
um inventario de seu casal.
N. 343.Dito ao commandante superior da
guarda nacional do Palmares.O Exm. Sr. presi-
dente da provincia, manda declarar a V. S. em
resposta ao seu ofiicio de 6 do corrente que a the-
souraia provincial expedio-se ordem para pagar
ao capitao Mauricio Jos de Torres Temporal os
vencimentos, constantes do ojiado offlcio.
N. 346. Dito ao commandante superior da
guarda nacional da Boa-Vista.S. Exc. o Sr. pre-
sidente da provincia, manda declarar a V. S. em
resposta ao seu ofiicio de 10 de Janeiro ultimo,que
a thesouraria de fazenda tem ordem para pagar ao
tenente-coronel Jos Chrispiniano Rodrigues Co-
Iho Brando, ou a seu procarador Andr Avelino
Pereira e Silva, os vencimentos constantes do cita-
do offlcio.
N. 347.Dito ao juiz municipal da vara desta
cidade.Do ordem do Exm. Sr. presidente da pro-
vincia, declaro a Y. S., que nosta dala se expedio
Repartidlo da polica.
2* seccao.Secretaria da polica de Pernambu-
o, 21 de margo de 1870.
N. 393.Illm. e Exra. Sr.Levo ao" conbeci-
ooento de V. Exc. que, segundo consta das parti-
:ipag<5es recebidas hoje nesta reparlicao, foram
recolhidos casa de detencao, os seguintes indi-
viduos :
No da 19 do correle' ordem do subdelegado
do Recife, A. Chrstens John, sueo, requUigo
do respectivo cnsul.
A'.ordem do do Santo Antonio, Grigono, escravo
de Aurelio de tal, por andar depois de 9 horas da
noile, sem bilhote de seu sonhor.
A' ordem do da Boavista, Antonio Simplicio Ador-
no, por embriaguez e insultos; e Henrque Vanna
da Paz, por disturbios e offeosas physcas.
No dia 20, ordem do subdelegado do Recife,
Rufino, escravo de Jos Pucardo Gomos do Carva-
lho, requerimenlo deste.
Joaquim Jos Alves e Mara Francisca do Rosa-
rio, por disturbios; Jos, escravo de Materno Len-
zo, e Manoel Moura Gil, por desordem.
A' ordem do de Afogados, Jos Peregrino do-
Monte, por crime de ferimentos graves.
Por offlcio de 23 do mez passado communicou-
me o delegado de Salgueiro que no dia 19, no lu-
5ar Puacbo-Verde daquelle termo, foi capturado
os Ribeiro Gato, criminoso de morte no termo
de Cabrob, para onde vai ser remettido.
Em offlcio datado de 17 deste mez, o subdelegado
do 2* districto de Ipojuca participou-me qae as
8 horas da manha do dia anterior no lugar deno-
minado Canoas, Amancio Francisco de Salle as-
pancra e ferira a Manoel Nanea Correa e ao filho
deste de neme Rernardo, depois do que lograra
evadirse, que proceden vesloria as pessoas dos
offendido3, e fleava deligencindo a priso do de-
lnqueme.
No districto desfogados foi hontom preso e ra-
colbMo ca'a de deteuco, como referio-me o
respectivo subaeMaado, Jos Peregrino do Momo
que tem de respowter ao processo qae Ihe foi ins-
taurado pelo crime que all commeitera o do qne
dei parle V. Exc em mea offlcio de 18 do cr-
reme.
Por offlcio desta data, participou-me o subdele-
gado do Recite qae pelas 9 horas da manha, sa-
bendo qae Mara das Dores Peres Campello, viuva.
de Presciliano Pire? Campello, moradera ras.
da Sanzalla Volha, enveaenara-se tomando una
dose de acido arconico para all se dirigi imrau-
llinliEL


. ;*"
~m
.s
i
\ n j "-{"l
** Vfv'
Diario de Pernambuco Tertp feira &2 de Marc/> de 1*70.

Y AUtti.

*?
dtatawnte acompanhado do Dr. Malaqohs, o qaa!
declarou dao! de a aledicar eonveojentemene
ehar-se ella comperigo divida.
Partecipira-me mal* que Interrogada a suicida
sobra o motilas que a levavam a commetterura
tal acto de mtpero responder esta que o achar-
te absolutamente destituida de meios para susten-
ur uaatro filhos que tiaha.
Deas guarde V. Ex.-Wm. o Exm. Sr.ce-
nador Frederico de Alroeldae Albaqncrna, pre-
-sidente da provincia. O chefe de politw. Lwli
Antonio Fernandes Pttttfro.* v
PERAMBUCO.
Pedro citado pagar a Ua*. de um eseflW oa
i a dcima de una casa, inmediatamente corre ao
rtorio do respectivo escrivao e ped
Pagano carterfo o titula de cusas mus de 8,
paga fazenda, atcaa do imposto, mais 4|800 de
cusa:
Pefgdnto a redacejo do Liberal, csses actos nle
merecem ser analysdcs, atiento o que publicou o
Jornal do Recife de 19 do correg, sob epigra-
pluiCastas e finolumentotT^
O mpare.ial.
REVISTA-DIARIA.
BATALHAU DS VOLUNTARIOS.-O coronel
wmraaadanie do 83" batalhfco do voluntarios da
patria, ao dissolver o corpo no sabbado 19 do cor-
Tente, publicou a segainte ordem do dia sob o
n. i : ,
t Quarle! do -eommanfle d<* 53 corpo ue volun-
tarios da patria nos Cinco Ponas, 19 de marco de
1870.
O coronel eommatifante fai constar que em
viriude da ordem do Exm. presidente da provin-
cia que Ihe fi eomMunicada pelo Exm. general
commandante das armas em odelo de 15 do cor-
rente, conr referencia aos avisos do ministerio da
guerra de 28 de fevereiro prximo passado, ele
3 do corrente esta data dtssolvkkj o batalhan
r,y do voluntarios da patria, por haver cumpndo
sna gloriosa missaotomando parle na guerra do
Paraguay em desaffronta da honra c digmdade
nacional, lo vH e traicoeiramenta Majadas pelo
ex-dictador d"aqulla repblica.
No momento solemne de separar-se dos seus
eompanheir? de fedTgas e gloriosas lides, rocs-
ino commandanla nao pode deixar de testemunnar-
Ihes sua eterna gratido pela leal e sincera coad-
inaJ> que sempre Irte prestaran) para o bom de-
-yjmiwrtho doi seus dvres durante o tsmpo que
live a honra de comuiandalos, bem como o jubilo
de ue se possue ao relembrar a bravura o dona-
do cora que stmpre se distinfuiram nos renhidos
e sngrenlos combatas dessa tonga e porfiada tu-
u, cajas jornalas iminorlalisaram seus nomos.
- Abracando, pois, seus companhens d armas
na ness de seus oommandantes de companbia,
taz os mais ardeotes votos para que recolhendo-se
,io e a felicidade, e ino.-trem por scu exeraplo que
aiui como l sao verdadeiros devotados amigos
da orden, tranquillidade e paz publica.Ale.mn-
are ile Barros Mbuqnevane.
MUZO DOS FRITOS DAPAZENDA. Por deli-
beraeio da presidencia da provincia, de 19 do
corrr'nle, foi nomeado solicitador dos feitos da fa-
zendi-geral, o Sr. Macario de Luna Freir,
BANDEIRA DOS VOLUNTARIOS DA PATRIA.
Domingo (27) realisase a transferencia do es-
tandarte do batalbao 5* de voluntarios da patria,
Jo arsenal de gerra para a eathedral de OHnda.
As 6 horas da manhaa s.hir do arsenal de
merra urna gtiarda de honra, de um dos corpos
da guar nacional do municipio do Recife, condu-
zin lo o estandarte, indo entreunto junto ponte
da f aearnna urna outra guarda de a >nra de
nm dos batalhdes do municipio de Olinda. que o
lavara at eathedral, onde sera entreregoe com
i da i solemnidade a > Rvm. cabido, quo lara la'
vr;ir um antn de reeohimento, no qual s mencio-
nen todos os f'itos do armas a que assistio esse
s\mbol) da naejo brasileira, o corpo a qne petten-
en, r abrois explicares 'lac Tormem a historia
resptretiva.
flOROA DE LOTiROS.A primorosa eoroa de
!oun)s i-om urna rica fita verde, que ornava a
nn I: ira do 53" corpo de voluntarios da patria,
mani chegou e-ta provincia, foi ofTerta dos
Pemambucanos resKIenles no Ri de Janeiro ; o?
iraaes, no acto de a eniregarem so digno om-
:nandante, prJiram para ser colocada no alto d3
respeetiva handeira, lendo-?e na fita o se?uinte
disttolloinenaijcm rios de Pi'i-iumbuco.
Honra aos nossos patricios, que, por mais longe
que estejam nao mancham nunca o brilho do nos-
o carcter, e sabem dar sempre nenuivocas pro-
vas de apreso e levantar entbusiasmo por tudo
qawto diz respeito :i trra que os vio nascer.
m abraco fraternal aos distingos filhos desa
iiiTOTca provineia era nome de seus habitantes?
CAPTURAS.Pelo delgalo de polica do ter-
mo do Salgueiro foi capturado, uo lugar Riacho
lo Ved-', Jos Ribeiro lato, criminoso de morte
no termo de Cabrob.
Pelo subdelegad da freguezia dos A rogados
fui capturado, no dia 20 do corrente, Jos Pere-
grino do Monte, que ferira gravemente com duas
facafas ai preto Severo, cscravo de-fos Antonio
ttmt. d*e, nidia Ifi do corrente.
S. fCIDIO.Honteni s9 horas da manhaaten-
i liciila---;>, em sua casa de morada na ra
i S.iuzalla velba, freguezia deS. Frei Pedro Gon-'
-.-iiv,-. a Sr.i. I). Maria das Dore? Peros Campello,
>i'.iv, d Sr. I'reseiliano Peres Gampello, tomando
;ma ponao de acido arsnico. Constando isso ao
5r. fb ulxlelegado da freguezia, ahi compareceu
mu Sr. lr. Milaquias que, d^pois de medica-la,
lel^i u-a e;;i estado mortal. Segundo as dcclara-
' s i,.' -a senil ira, levon-a a cdmmetter esse at-
::'.:.: i a extrema mizeria em que viva, e as dif-
djIJailos co-n i|ue lutava para sustentar quatro
i!:o:;.
:->/AxCAMENTO.No lugar Canoas, do se-
Rudo distrcto de Ipojuea, s 8 horas da manhaa
do dia 1C do corrente, Amando Francisco de Sa-
les espancou o ferio a Manoel Nunes Cornia e a
um filho d'este chamado Bernardo. O criminoso lo-
grn evadir-se.
MiSSA FDNEBRE.O Sr. major Salvador Hen-
rique de Albuquerque manda, hoja as 8 horas da-
manhaa, celebrar urna missa pela alma do desem-
bargalorda relaeao dn Maranhao, Miguel Joaquim
Ayres do Nascimeoto. O acto ter lugar nn matriz
de Sauto Antonio.
FACCLDADE DE DIREITO DO REGIFE.Co-
meca boje o concurso para provimento de urna
vaga de lente substituto. E" concurrente o nosso
amigo oSr. Dr. Jaquim Correa do Araujo.
JURY.Foi julgado hontem o reo Alexandre,
escravo de Franeisco Moreira da Costa, a^cusado
de offensas physicas leyes em sen companblro de
nome Eugenio. O reo foi absolvUo, tendo por ad-
vogado o Dr. Joao Francisco Teirejra.
Serao julgados hoje os reos Bartholomeu Mel
.-hiades Duarte, rese, aecusado por tentativa de
mnrte, e Francisco Atlonio de Almeida (afanca-
do), aecusado por oflensas physicas.
DIARIO DE PERNAMBUCO.O Srs. assignan-
tes, que se*acham deven Jo osemesre de outubro
a inarcj corrente, sao rogados a mandar pagar
t o da 31 do corrente, para que Ihes nao seja
suspensa a remessa no i* do mez viadoaro.
PROCLAMAS.Foramiidos antehontem na mi-
tri la freguezia de Santo Antonio os proclamas
segniatos:
I." denuneiaco.
Jola Loures da Rocha, com Isabel Theodora
calves.
Jo~ Ferreir? de Paula, coro Jeronyma Francisca
da Rocha Pereira.
2." dennnciaieio.
Domingos Manoel Marrm's. com Maria Dorotha
Moreira.
Manoel Ferreira Jaaier, com Mariana Francisca
de Salles.
Liad, ilph., Malaquiae do Rosario, om Cladla
Maria Anglica das Neffes.
J.isJ'aulino da Silri Jnior, cita a exposta Ma'
ria Leopoldina da Silva Goimaraes.
*charel Manoel Thosaaz de JBarro*' Campello,
coro Senhorinhi Emilia Correa de Abheida.
M^Bel loaquim do Epirito-Santo, com Felis-
jat de Sauza Peixe.
J'dn Capiatrano Ventara, com Emilia Maria da
Concei^ao 8ita.
9.* dmaaotv^o.
Francisco Gomes da Costa, cora Ignaeit Marina
-oe li dlanda.
Franeisco da CdW Ramos, com Seraflna Maria
da Cunba.
nH Rapbael de Moraes Silva, cora-France-
Jim Ameba Manir da Crnz.
Antonio dos1 Rol*, com Rosa de Lima Nn-
e Silva. ^^_
HOSPITAL PORTUGUEZ.-A|r tabelecoiento o Sr. mordoroa "
,! Leite.
quera itteaaer ao eommok r;oblieo, derem ani-
mar quem competir de ttveito a cuidar desde j,_
n^lla^ra eviUr maior diadlo n'am pnrt petteo fcarlorm jto/-^^ S Efr
tongo.
LOTERA.A quo se acha i venda a Al*
beneficio da matnz d'Agua Preta, a qual corre no
dia 28.
LE1LA0, Hoje faz o acento Martina leilao da
toja de calcados da ra Direit* n. 4S, s 11 hora*
da manhaa!
IIOSHTAL PEDRO 11-0 nlovimento desse esta-
belaeimento de li a 20 de marco no 1870, alero
da2M>doentos existentes, entraran 18, sahirim
22. farleeeraro 7, existem 229, sendo 130 horaens,
e 99 molheres. ,
Xdveriencia.Foram visitadas as enfermaras
neitesdias as iI/** 6 */f,5 I*.0/' Rf*?;
as 10 1/2, II, H, 10 l/, 10 1/2, l 1/2, pelo Dr.
Sarment.
Fallecidos.
Severino Jos da Silva ; bexisas. .
Christovao Prata ; amolecimeoto cerebral.
Vicente Fugenio de MeWo ; apoplexia.
Anglica Maria da Conceicao ; congestao cere-
bral.
Francisco da Gosta Lima ; anemia.
Bernardo ; hepalite anasarca,
elphina de Souza Carneiro ; tubrculos putmo-
CBMITER10 PCFfLICO.Obituario do"dia 20~do
corrente.
Jos, Parnambnco, 11 mezes S. Jos;, coovul-
c5es.
Francisco da Costa Lima, Porto Calvo, 30 annos,
Boa Vista ; anemia.
Bernardo, Pernambuco, 15 anttos, soheiro, Boa
Vista ; hepatrte.
Deltna de Souza Carneiro, Pernambaco, 5o a-
inos, vinva, Boa Vista ; tubercnl is pulmonares.
Quitara Joaquina de Sant'Anna, Serglpe, 63
annos, vtttn, Boa Vista; pneumona.
Joa Frutuoso da Silva, Pbrtugal, 45 annos,
soltelro, Boa Vista; ensphalite.
Antonio Jos de Amorim, Portugal, 20 annos,
solteiro Boa Vista; tnberculos pulmonares.
21
Joanna," Pernambuco, 21 mezes, S. Jos ; con-
valeces.
Caetano, Africj, 70 annos solteiro, Boa Vtstt ;
anertia.
Germana, Pernambuco, 35 annos, soltelra, Boa
Vista ; apoplexia.
Olorico, Pernambucc, 2 mezes ; desentona!
Etervina Mara da Costa, Pernambuco, 23 an-
nos, solteira, Boa Vista ; tubrculos pulmonares.
-:-------------------------L^___
supenores
Maria de
prlncipaes da Europa, tem correspondente
a Baha, Buenos-Ayres, Montevideo, New-
9 New-Orleans, e emitte cartas de crdito,
para os mesmos lugares.
UUA DO COMMERCIO N. 36-
ALFANDBGA.
^ndimentododial a l. 014:817*210
den do dia 21.....59:506*9*4
-r
PUBLCACOES A PEDIDO.
)ranejseo Jo-
fOWTC 908 AFOGADOS. Infetam-nos que
acto.se ero grande e*do de roma esta ponte, e
nao se cuidar desde j nos seusreparos ou
na sna substituyan (para o inii nilllli |li 11
lito votado na li do
iirereneme o deaprazer
im grave prejo*
a va de o
A argeneia da obra e I vantafHFaTJjFBavr
juantia votada pela assembla, SSato *e n3u
Srs. redactores.'So Liberal de 8 do corrente,
n. 101, sob a epigrapneNoticiarioDetenfo
vem o seguinle:
i Existe nesta infernal Basttlha ha 5 annos, uro
rapaz de nome Francisco Catdo diz sor livre, o qual se aoha embargado pela San-
la Casa a ululo de escravo de Symphrono Olympio
de Querroga.
E continuando a historiar esee fado, parece
jue a mont do mesmo correspondente foi censu-
rar a Santa G-na.
0 abaixo assignado, como solicitador da Santa
Casa de Misericordia do Recife, vem declarar.o
que occorreu acerca do rapaz de nomo Franeisco,
a que se refere aquelle correspondente.
Tendo o Sr. Symphrono Olympio de (Jueiroga
declarado no dia 17 ou 18 de abril de !86ti, aeliar-
se em alcance para com o cofre da Saeta Lasa,
como procurador das rondas dos patrimonios dos
estabelecimentos a cargo d mesinaj Santa Casa ;
par* garanta desse alcance fui ordioadoao abai-
xo assighado, que procedesse a arresto em todos
os bens do Sr. Symphronio.
Na occasao de seren arrestados dons escravos,
o Sr. Symphronio iudicou aos offleiaes dassa dili-
gencia quetambem arrestassera o pardo Francisco,
de idade de 19 annos, que se achava preso sua
ordem na casa de delencao, e por isso foi o dito
Francisco arrestado em 20 do citado mez de abril.
Ura, tendo sido Francisco recolbdo casa de
detenco em 19 de abril de 1865, como escravo
de Sr. Sympbronio, como elle o dsse e consta das
documentos ns. 1 e 2 ; tendo sido o mesmo Fran-
cisco arrestado um anno depos de sua prisao, e
por indieaeao do Sr. Symphronio ; nao tendo a
Santo Casa nada mais feiioa tal respeito, tanto que
Francisco tora lavado pur varias vezas secreta-
ria da polica, e esde 15 do dezembro do anno
prximo lindo, que elle se acha na provincia da
Parahyba, para onde foi de ordem do Sr. Dr. che-
le de polica ; evidente, que o correspondente da
Bastilha nao foi exacto na narracao desse /acto,
c se quer delle deduzir alguma censura, est em
seu direitn, mas dirigindo-a ao r. Symphronio
Olympio de Queiropa, porque foi elle quem mdi-
cou o mencionado Francisco para ser arrestado,
como seu escravo.
DOCUMENTO N. 1.
Em cumprimento ao despacho supra certf (lea,
que o assentament de prisao de que trata esta
peti;;.v> acha-se laheado no livro li de entradas
e sahidas dos presos dosta casa, folha 62, o da
forma e theor seguinte :
Francisco, filho do pais incgnitos, pardo, sol-
teiro, natural da provincia da Parahyba, idade 16
annos, ganhaior escravo de Svmphronio Olympio
da Queiroga, estatura 4 ps e 8 pollegadas, cabel-
l" pretos e crespos, rosto comprido, com nma ci-
catriz na testa, olhos pretos, nariz chato, bocea
grande, com todos os denles na frente, sem barba,
corpo secco, analphabeto.
Recnlhdo em 19 de abril de 1865, a ordem do
Dr. ebefo de polica, vindo do termo do Limoeiro,
remettido pelo respectivo delegado de polica, por
sspcito de ter sido redundo ;i escravidao ; e fi
entregue nesta casa pelo cabo do batalhao 21 da
guarda nacional Joao do Monte Pereira-de Vas-
concello<. Em 28 diqnelle mez e anno tett baixa
para a enfermara. Por mandado do Dr. juiz mu-
nicipal da 1* vara foi posto dito escravo em depo-
sito nesta casa, tendo o Sr. Dr. administrador as-
signado o referido deposito.
Em 7 de Janeiro do 1867. e" 5 de ontubro de
1869, foi presenca do Dr. chefe de polica. Em
45 de dezembro de 1869 foi remettido para' a pro-
vincia da* Parahyba, por ordem do Illm. Sr. Dr.
chefe de polica.
E' o que cons a do respectivo assentameif.o de
Eirisan, ao qual me reporto. Dou fe. Casa de de-
pncao do Recife, 12 de marco de 1870.0 escri-
vao, Hermelindo Luiz de Carvlho.
Certifico a vi-tados autos de embargo da junta
administrativa da irmandade da Santa Casa dff Mi-
s- ricordia do Recife, contra Sympnrtmlo Olympio
de Qoeir.iga, ser o theor do auto de arresto pedido
por ceidlo na peticao retrb da forma, modo e
maneira seguate :
Auto de arresto.No mesmo dia, mez e anno, e
lugar da residencia do mesmo arrestado, em cum-
primento as diligencias constantes da peticSo e
mandado junto, procedemos nos oficiaos do julz<
igualmente a arresto Alnado e appreheti-o dos
escravos que na dita casa se achavanz, a saber
Antonio, mulat9, idade de 2(1 anuos ptmta mais ou
tenos; Sebastian, mulato, idade de 42 annos
Sovwo mais 00 menos a qual se "cha adoentada
us olhos; e o mulato de nome Franeisco, idade
de t9'annos poueo mais ou menos, indicado pelo
dito aVretado, e o qual e acha pres na1 casa'de
detenco sua ordem, < <\at lifoff igualroanto ar-
restado para garanta do mandado-, o logo -deposi-
tamos os escravos p esentes e o jue se acb reco-
Ihldo a casa de deteneao om mi e pod/ drt me-
m depositario particular Joirjtbri Imi|cSo Brofro
Jnior, que liou con-timido i,el leftoiurio c
para constar lizmjs este aun'- erojnre ssienou
i;oin o depositario particular. Eu Albino d Jess
Handeira, offleial do jaio o escrevi.Joaquim Jtt
Sacio .dibeir-d Jnior.O offliial do fazo, Joao a
osta Bfnga.
i Certifico miis une o auto supra refe/e se ao dia
20 de abril de 1860, lavrado nesta cidde;do Ikci-
fe, na casa d" monda do suppticado Symtihronu'
Olv-mpio de Oiteiroga, na roa Velha n. 1*do hrW
da-"'BoVvi-t, emq'ne foi lavrado am'mitro auto d
alte-ld a-iterior.
Nada mais se cinijnha em dito aatde arresto
nrf'ii tem o fil aente copiado dos,ditbs arjt0s,4tjs
qnaes me reporto ; esia yai naverdde sem eHtfs
que llovida faca, conLefida e concertada e por
infnl subscripta e issigrta'da resta c
f de p^rnan.lin-1 as 10 das B mez
Sino do na'scinwnM de Nojis'o SenboT
de 1870. Fiz escrevA- e assign.
marco de 1870 Km f( de vrdade.:
qui Raptffla.
tvatn, sellados ambos os docamoutos.)
)^Kryf de mareo dfi 1870.
Jos m*l 8to redactores.Rogo-Jhe que publique in -^U
conchltaadb (Harto b^tdinte :'
[ Pede-se rpdaccao df> Literal que no AjiJyito
i actos do Sr. Dr. 01 i ve Ira Maciel, como bftdfo
de polica, qoe foi desta provincia, visto com
a cidade da-so multos j.ctos, que se" tornart 'rnoW-
cedores de aoalyse, cerao por exemplo ;
Ao publico
Pendende actualmente dos tribanacs
a etecuco que minha sogra, D. Isabel
Maraes Bastos, move contra a annaiciante, D.
Maria de Cysneiro Freir de Moraes, nao quere-
mos discutir a questo, esperando qae, com jos-
tica-, seja ella decidida ; entretanto em resposta
anuneianto e em atteacao ao publico direi que :
Tendoobtido miaba sogra em aceito de Sotga-
dos, que intentou contra a annanciante, senienca,
favoravel, era 20 de defembro do anm passado,
nao tendo a ancuncante juerido pagir-lhe fe:
pe ahora era 14 esclavos, sendo 8 menores de H
annos e 6 maiores pais dos menores ; penhora
esta que foi feRade conformldade coma proprla
le, citada pela annancianie, de 21 de setenbro de
186, art 11 g'2*. agosto de-1833, aparte iraa coacadia o previle-
gio s fabricas de assucar o mine.racSo, e anda
de centormi+ade, cero essa-meroa lei do 30 de
agosto, comainada com a novesima le n. 1693
de 15 de setombro de 1869, que prohibe a venda
judicial dos escravos menores, separados de seus
nais.'
Esta penhora, que anda nao estav acensada
em andiencia era junta aos autos, foi nata pelo
Sr. Dr. jniz mnweipal da 4' vara na fetHB, por
ama iirterlocutoria datada de 12 de Janeiro, e,
teedo-se appellade deisa interlocutoria, e nao
sendo recebida a apieliacao, aggravoa-se para a
relaeao; aggravo que, dep>is da ter sido manda-
do tomar por termo e menirtaio, foi mandado !?
mar em eepara>to pelo Sr. juiz, quando os autos
Ihe foram conelueos para revogar, ou fundamen-
tar o sea despacho, mandando em seguida passar
mandado de levantamento de deposito dos escra
vos penhora dos I 1
Niaguem se admire deste disparate, porqae
causa treoial. O injurjpao protesto da annuntiaa-
te fundase, pois, na alludid penhora arbitraria
e- illegalmente annullada pelo Sr. Dr. juiz munici-
pal da 1* vara;
Eiposto assim o facto, o publico ftcar sabend
qae o annaiieio do Diarw de hontem acto de
demencia, ou falla de bom senso ; protestando a
inraba sogra chamar a responsabilidade a annun-
cilme pela injuria que Ihe irrogou.
Em conclu-ao diremos que supremo tribu-
nal da relacio vai tomar eonhecimento por mei
de carta testemunhavel.
Recife 21 de mareo de 1870.
Francisco Odilon Tavares Luna.
674:314*144
MOV1MENTO DA ALFANDEGA
1 olumes entrados com fazendas
dem dem com genero* 48
/olumes sabidos com fazendas
dem idem cora gneros
------ 48
ior
580
----- 687
Deacarrega hoje 22 de'marco
Ba*ca ingtezafltt* Sfrrrri#*-mercadori8s.
Patacho injlezJuventaidem.
Barca inglezaConstantebacalbao.
Barca ameaionaTnnplarfarinha de trigo.
Polaca hespanholaBongna vinhos.
ECEBEDORIA DE RENDAS INTERNAS GE-
RAES DE PERNAWCO.
tandiroento do di l-a 19. 02:263*324
1 letn do dia ft....... 4:457*208
THE4TR0
DB
66:720*532
CONSULADO PROVINCAL
.tendimento do da 1 a 19.
Ideo do dia 21<
84:283*649
9:175*6
93:48W307
MOVIMENTO DO PORTO.
Thomaz de Figueiredo ao ba-
charal Venancio.
Nao tenconava voltar ao preto para meoecupar
da pessoa de Smc, mas sou obrigado assm o
fazer para que nao se juigue que me attemorisei
com as bravatas cora que se sabio Smc; o ve-
nho dizer-lhe que me achara sempre prompto para
responder seus insultos. Fico de bracos aber
tos a sua espera, e do seu bello cunhado, ou para
pulcerisar-me (Ubi!) ou para em juiao, darme o
devido pagamento do que fiz ver ao publico o
que era ignorado a dez annos ? Rasgar capa;
de santos demonios um goslinho particular que
lenho.
Smc. disse no sen protesto que o coronel Cario-
lao eslava fazendo d seu moilo urna demarcaca;
ou awiventacao da rumo j corrido; e hoje falla
em arremataciio.
Ignorava eu que um"bacharel formado com II
annos de. academia tinha adquirido miis o ti'nlo
de agenie de leiloes 11 Smc, sera duvida, nao
pesou o alcance da phraseseu modo, porgue
nao so oiendeu ao coronel como tambera a imu
E cerno diz agora Smc. que nada tinha comieo?
Bem pro va a sua ignorancia aluar. Nao Iba vale-
raro 11 anaos do estadio acadmico, nem as duas
byrlas e dous capcllns doseudoutoramento/ll Para
ti que jejuas! f aceito e de bom grado ter Smc. re-
tirado a oasadi proposico quo avancou em o seu
dezcbro "do anno-rprotesto, dizendo que nada tem cdmigo; e peco
Ihe (|ue de outra vei deixe meu nome no tintero;
porque voto-Ihe, Sr. bachatel, despreso eterno,
tanto mais por ser Smc. dos Cmtcantes more-
ninlias.' Diz Smc. que a minha correspondencia
foi encommendada.
i Chega atonto a.sua perspicacia, avahando es
mais por si ? julga que todo o mundo nao tem
bros
Pois, bem, dando-se mesmo a hypothese de ser *
sermao de encommenda, que desar resultara para
mira escrever de accordo com um amigj velho
defendendo-me de injurias Sacudidas por um ente
dispresivel o nullo ?
Lavar a pecha injuriosa qae me foi arrogada
era meu dever para cora o pob'ico.
Assim, Sr. hachare!, fleo na expectativa, sem-
pre prompto a responder-lbe dansando conlorme
me tocar.S s-nto gastar mea lempo eom quem
nao jnlgo digno de alinelo, por nao estar rima
de mira.J Ihe dlsse e repito, voto a Smc. com
pleto despreso e at orapaixSo, porque tenho
sempre despresado hachareis de sea jaez. Firme
na estacada asseguro a Smc. queja mais recua-
rei o que sempro me encontrar .disposto a assu-
mir a respon-ablidade do que tenho dito, e do que
pretendo dizer anda, se Smc. nao metter a viola
no ?aco. Tenho documentos' que a seu lempo
fallarao raais alto do que as bravatas o roncaras
de certa geni.
Recito, 21 de marco de 1870#
Thomaz de Flgveiredo.
Agua de Florida de
Murray e Lannian.
Todas as prepararles chiraicas envolvem em si
imitacoes gro-seiras d'essencls de flores extrahi-
das de muita casta de ingredientes d'unia nature-
za aere o revoltante1; pnrm o refrigerante e de-
letavel aroma q:te dimana do nataral incens das
verdaSeiras llores da ntureza, anando {.or assim
dizer, anda n'um estado virginal de adole=cencia
sendo dormenla embaladas pelai genhs briza-
dos, trpicos, j mais pode ser simulada.
Daqui prorm enasce toda a snperioridsde des-
te admirare! e lao afamado perfame, a concentra
daressencia de flores, colhidas por entre os enra-
mados jardins da Florida, sobre todos os demais
perfumes existentes ; e finalmente dahi nasce
63sa inaata tena:idade com que ella se pega tudo
que toca, sem jamis variar oa desmerecer. Nao
conheaemos pois coaza alguma neste genero que
apenas de leve se possa approximar on comparar
em delicadeza e persistente durabidade, exc -p-
co dos extractos raais fitos d Paris; o no entan-
to a Agua de Florida de boamente' preferida
pelas" senhoras d'America Cntrale do Su!, Mxico
o Antllhas, at mesmo ao tnerao'r d'alies, e para
raais ajada o sen costo seguido nos consta, nao
ehega exceder a metad d*aquelles oiHros.
Cwno por ahi exlstam mnitas Imltattle contra-
foitas c fr. udulentas, bom seria haver o.euidado
d'se examinar e ver que o pomes de yfurrif'e
^wn.m- s' i^Htn transcripto por sobre cidS
envoltorio e le'r'etr, e os mesmos acbat-se-bao
^ualroputG imWjtfdtjs no yldro das proprias garra
tas, faro pis est qu na ausencia dos sobredi -
tos nobles, tods as mais iraiticSes sao falsas.
.Vup'ii entrado no din M.
New-Yor38 das. Inaie inglez Morford>& Timbee,
de 214 toneladas, capilao Me. Cnlloch, eqopa-
gero 8, carga 474 barricas conr farinha de trigo
e outros gneros-; a Tasso Irmao.
Novios sonidos no mesmadia.
Terra NovaBrigue ingle Mtrgaretk Rediiey,
capitao Harlery ; era lastro.
PortoBarca partugueza Amelia, capitao Baziho,
carga assncor e outros gneros.
Ri de Janeiro Vapor transporte nacional tap-
enla, commandanla Alucete E. Silva.
Sacias entrados no dia ih
Cardiff33 das, barca ingteza James Wilson, de
448 tonel a las, capilao W. Couth, equipagem 13,
carga carvo ; a Wdson Hett,
New-Yirk 38 das, tingue inglez Pelgrtm, de 181
toneladas, capt Weglay, equipagem 8. carga
1.000 barricas cora farinha de trigo; alasso
Irmao.
Navios sonidos no mesmo dio,
LiverpoolBarca norto-allemaa Wadner, capitao
E' Nieman, carga algodao.
Rio Grando do Sulltrigue portaguez Adeltno, ca-
pito Manad Joaqiimda Silva, cerga assncar.
Liverpool pelo Rio Grande do NorteBarca iugle-
za Ssrapkma, capilao Lamb, era lastro de as
sucar.
Rio Grande do SulBarca brasileira Andrade Ne-
res, capitao Jos Alves Ribeiro, carga assucar.
SANTO ARTOIIIO
Grande e variado concert vocal e instrumental no magnifico
sali deste theatro, em favor de
ANTONIO JOSF DUARTE C01MBRA.
1 Sexta-feira 25 de marco de 1870
Anuiveraario do jnrameuo da coastitnleSo pelltlea
do Inperlo.
4
Logo que a orebestra dirigida pelo distincto professor Joso Coelho Barbosa houver execnta-
do a graudo ouverlnra
ZAMPA
entrara o divertimento qne ser dividido era tres partes, pela maneira segrate :
* PRIME1RA PARTE
!.*(> faymno nacional cantado peto Sr. Jos Coelho Barbosa.
-."Hiantasia de Cavalini sobro motivos da opera Somnmbula de BeJliae, exeouUda- no
clarineto peto Sr. Antonio Martins Vianna.
3.*Come rugiada al cespide., cavatina de tenor da opera Ernani del maestro G. Verdi, can-
tada [lelo Sr. Jos Cocino barbosa com acompanhamento de grande orchestra.
i.cO Sr. A. M P. dos Santos, far cuvir ama phantasia para rabeca por Beriot.
SEGUNDA PARTE
I.*Sinphoaia caracterstica napolitana do maestro Hercadante.
2.*O Sr. Salnsliano, na sua flauta se far ouvir eom urna de as escolbidas phantasias.
.3.*Capricho sopre os bellos e applaudidos motivos da opera Norma, do maestro Bellini.
para vicliuo oxecntada pelo Sr. Marcelino Cleto Ribeiro Lima.
i."Grande pbat\tasia de Cavalini sobre motivos da opera D. Pscoal, executada no clari-
neto pelo Sr. Antonio Martins Vianna.
.'>leceo all'allr de ten**, cavatina de tenor da opera Norma do maestro Bellini, can-
tada pelo Sr. los Coelho Barbosa.
TERCEIRA E ULTIMA PARTE
urna de suas raais bri -
ECITAES.
Capitana do porto de Pernambuco 12 de
mareo de 1870.
Em virtnde da ordem de S. Exc. o Sr. presiden-
la da provmci.% fat publico para eonhecimento
dos navegantes o edital atiabo transcripto quejfoi
remeMido S. Exc. pelo Exm. Sr. presidentejda
proviaea do Para.
Secretara do governo. O Exm. hr. presidente
la provincia re anda fazar publico que tendo-se ul-
timado os reparos de qne precisava a barca Plia-
rol, acha se ella desde o dia 17 do corrente anco-
rada na mesnia posigo que occupawa no canal de
Braganca.
Seonitaria do governo do Para 23 de fevereiro
de 1870. O secretario do governo, Antonio dos
Pasaos Miranda.
Jos Manoel Picanee da Costa,
* Capitao do porto.
BECLARACOES.
1.*i)u vertura a grande orchestra por Pedro N. Baplista.
2.O Sr. Henrique das Marees Jansen, tocar no sea ophicleide,
Ihantes vai-iacoes, de Gaspard Kummer.
."Lindo canto grego de Cavalini execut^do no clarinete pelo Sr. Antonio Martins Vianna.
!.Grande phantasia para flauta, exeeutala pelo Sr. Salusliano.
j.Phantasia da opera Sonmbula, executada na rabeca pelo Sr. A.M. P. dos Santos.
6.f macehwsti l'onor mi, grande cavatina de tenor da ppera Pofatto, do maestro Do-
nizelh, cantada peto Sr. Jos Coellio Baibosa.
O emprezario deste theatro jucrendo soleranisar o dia 2o de marco, com todo o truhn-
tismo e concorrencia, debberou ir em pessoa convidar aos seus amigos, afim de abrilhantarem cooi
suas familias um acto lo solemne.
O sali estar preparado moito decentemente e tendo lugar rara seiscentas pessoas cora
toda a commodidad ; haver duzentas cadeiras para senhoras em frente ao toillet, que se acharn
convenientemento adornado ; haver igualmente em um dos lados e. no centro lugar espacoso, alim
de que o respeitavel publico, que o honrar cora sua preenca, possa nos intervallos passeiar
vontade.
O emprezario previne ao respeitavel publico que, em quanto a esportola ser aquella que o
mesmo publico Ihe quizer dar.
O emprezario desde j agradece cordialmente ao Sr. Jos Coelho Barbosa, as manelras ur-
banas e delicadas com que o lom tratado ; outro tanto faz aos seus dignos collegas que pelo seu
pedido promptaraente accederain a seu desojo. ^
Aos Srs. Marrano Abro e Henriques das Mercs Jansen, que se prestara m de boa voitad~
a seu convite.
Conecar as 8 1|2 horas e acibara nutica depols da meia noule.
N. B. Previne-so que neste espectculo os bilhetes para senhoras s seao~ vendidos para
as de familia
do
Santa casa da misericordia
Reeife.
Pda secretaria da santa casa do misericordia do
Recife, da ordem da Illma. junta administrativa,
sao convidados os prenles das e nicandas do col-
legio das orphas era seguida declaradas, para
que venhara requerer a sua retirada daquclle es-
tabelecimento, visto que j tendo mais de 21 an-
nos de idade, devem-ter o destino recoramendado
peto artigo 48 3o e 4o do respective regula-
ment :
1 Mara da Conceicao Azevedo.
2 Anoa Bezorra Cvaloanti.
3 Amalia Joaquina do Oliveira.
4 Emilia de Mello.
5 Cordolina de Castro Crne.
6 Sopbia Maria da Conceicao.
7 Francelina Rodrigues da Conceicao.
Secretaria da santa caa de misericordia do Ro-
cife 12 de marco de 1870.
JO escrivao.
Pedio Rodrigues de Souza.
A Illma. junta da santa casa de misericordia
do Recife, pelas 3 horas da larde do dia 24 do eor-
nte, na sala de suas seseos, recebe pro oostas
para o fomecimento de carne verde qne tiverem de
consumir todos os estabelecimentos pos seu car-
go, no mez de marco corrente.
Secretaria da santa casa de misericordia d9 Re-
cito 17 dt marco de 1870.
O escrivao,
Pedro Rodrigues de Souza.
Pela recebedoria de rendas internas se faz
publico que neste corrente mez e no de abril
prximo futuro, que os contribuintes do imposto
sobre industrias e profissoes teem de paga-lo, li;
vre de multa, e que Ando o referido praso sera
cobrado com a multa de 6 0|0.
Recebedoria de Pernambuco, 3 de marco de
1870. .
O administrador,
Manoel Cirneiro de'Souia Lacerta-.
.'
MM
m
COMMERCIO.
sd e por
fia
SltB.fftris-
.cfc, 19 de
S.Vfoet I-Si-
;---------------------------------------
rtUg.4 DO RECIFE 21 DR MARCO
DB 1870.
Al 3 !/! HORAS DA TAJjra;
Am^to aoW* I.ondre 90 di*: -3|4 d, por
IWKMV
CarnMe solfre- PnrtHgal 0 dpr. 1C5 OJO de pre-
mia.
Oonealto Job* Affonso,
Presidente
Mesquila Janior,
8*wetafio.
wmm.....
01 Rio tle Janeiro
di prac
Itepartlvo das obras pnMtcas
Da ordem do Illm. Sr. director das obras publi-
cas declaro que derta data em dlante ser vedado
o transito pela ponte da Boa-vista aos vehi uloe de
qualquer especie.
Secretaria das obras publica 19 de marco de
1870.
O secretario,
_____________Feliciano Rodrigues da Silva.
Pala secretaria da cmara municipal de Olin-
da. se faz sciente a qaera inieressar, que a arre-
raalacae dos 320 palmus de terreno da laleira da
S, annuneiada para o da d hoje, flea transfen-
dil para o dia do corrente.
Secretaria da cmara municipal de Oliuda, 17
de marg de 1870.
O secretario.
Marcalino Das de Araujo.
THEATRO
GYMMSIO DRAMTICO
(No Monteiro)
S0D A DinECfcAO DO AUTISTA
2 Uf O A \
Sexta-feira t* de marco
Para soleranisar o aoniversario da
Constituidlo do imperio
Faro a sua eslreia os dislinctos artistas
D. MARA DE LACERDA BAHA,
XISTO BAHA
E
PKREGRINO LEMOS DE ME.NEZES.
O programraa do espectculo ser detalhada-
mente annunciado as fulhas diarias.
Os bilhetes acha-se desde j na casa n. 30
ra Bella.
Porto por Lisboa.
Com ni u i lo p mea demon dever seguir viagem
i galera portugueza Lisboa, do inimeira marcha,
e classiticada em primeira ciaste : para algama
arga que ihe taita, e passageiros, aos qoaes offe
rece magnficos commodos, trata- te com Soares
Primo, ra do Viga rio n. 9._____________
Forto e Lisboa
Vai sahr al o fim do carrete mez de marco i
barca Flor de S. Simao, recebe carga e passagei-
ros, para o que tratare com os consignatarios
Car-valho & Nogueira.na ra do A poll n. 20.
Para
AVISOS MARTIMOS.
COMA B1ASILEIB
DE
Paquetes a vapor.
Dos portes do norte esperado
at o dia 28 de marco o vapor
Bnar, commondanto o capitao-
tenante P H. Duarte, o qual
r depois da demora do costume
seguir para os portos do sul.
Desde j recebein-se passageiros c engaja-se s
carga que o vapor poder conduzir, a qual deveri
ser embarcada no dia de sua chegada. Eneomrnen-
das e dinheiro a frete at aa 2 horas do dia da sna
sahda. _
Nao se recebem como encommendas senao ob
lectosde pequeo valor equenoexeedam a dua>
arrobas de peso ou 8 palmos cbicos de medicao
rudo que passar destes limites dever ser embar
cado como carga.
Previne-se aos Srs. passageiros, que snaspas-
sagens s se recebem na agencia ra da Cruz
a. 57 primeiro andar, escripterio de Antonio Luiz
le Oliveira Azevedo 4 C. ____
0 hiate portuguez Sympalhia, capilao Antonio
Jos Casado, receba carga raiuda a frete narate :
trata-se com Peroira Vianna 4. C. ruado Vigario
n. II__________________________________
Para o Porto
a barca F7or de S, Simao sahir brermeate, por-
que j tem parte da carga engajada : para o resto
e passagens, trata se com os consigualarios Car-
vlho A Nogueira, na rna do Apolte n. 20.
LEILOES.
aitted
MU a coa-
Descont leitras
/euciaoar.
Recebe dinheiro
I raso ftie.
Saca vista oa a praso sobre as cidadei
em -Mito wrrwtr itti
SANfA CASA f>A< MISERICORDIA DO
RECFE.
A Illm.a. junto administrativa da Santo Casa de
Misericordia do Recife manda fazer publico que
na sala de suas sessoes, no da 24 .do marco, peas
4-boraa da Urde, toro de >er arrematadas a quem
mais vantagens offrecar, neto tempo de um a tres
annos, as rendas dos predios em seguida declara-
dos ;
ESTABELECtMEMTO BE CARIDAD^.
Una da Alegra.
Casa terrean. 7, por auno. 3 BCco do Abren.
Sobrado de dous aldares n, I idem. 3004000
Roa do Calabouco.
basa terrea n. 18.......3011000
JPerrtira Olinda).
..... 965000
PATRIHGN10 DOS .ORPUAOS.
Rna d Vigarii). .,.
Primeiro andar do sobrado n. 47 2i0j00O
, Ra do RogeL
Ca'sa terrea n.. .... 0 360*000
Bljob. S no Pomo da Cal. 0 190*000
rts pretendentes drerio apresentav' < aC,u da
arretnaljielp das suas flaneas on conVfeccrero
acb^mbaaos dos rcspe'divs 'fiadores.
Senatoria da SaKifa Cwa da teericordi J" Re-
t>CP* de fevereiro de 1870.
' 0 escrivao,
Pedro Rodrigues de Souza,
bRa de Math'ras
sa terrea a: li.
COMPANHIA PERNAMBCANA
DB
Navegagdo costeira por vapor
Macei, escalas e Peoedo.
O vapor Giqui, coramandante Costa, segui-
r para os portos cima no dia .31 do
s-5horas-da tarde. Raeebo ca*ga at o da 30:
encommendas, passageigeiros e diaheiro a frete
al s 2 horas da tarda do dia da sahida, no es-
crlptorio do Forte do Matto n. 12.__________
COMPANHIA PERNAMBCANA
DS
VavecacSo ostclra por vapor.
Parahyba, Natal, Maco, Mossor, Ara-
caty, Cear, Mandahd, Acarac e
Granja.
O vapor Ipojuc, cominandautt
Monra; seguir para os porto:
- cima no dia 31 do corente a3 5 hora-
o. Recebe carga at o dia 30, encom
nendaa, e passageiros e-dinheiro a frete at a-
2 horas da tarde do dia da, sahida no escrito-
rio do Furto do Maitos n. 12.
da armaro, gaz e fazendas da loja descal-
cado da rua.Direita n. 45, em um ou
mais loles.
HOJE
0 agente Martins levar novamente a leilao a
toja de calcado dama Dircita.n. 45, a qual bas-
tante afreguezada, e tem ura grande sortimento :
a 11 horas do dia, na mesma toja.
de conservas e amei-
xas ?
Quinta-feira 2i de marro, s II bares.
O agente Pinto tora leilao por autorisacao.ito
cnsul de Franca, em presenca do sea delegado e
por coula e risco de quem pertencer,- de conserva*
a amaizas de difteivnles qualidades, perteneentes
ao espolio do finado 1". Dubarry, quarta-feira T
corrente do corrente, as 11 horas em poni, em leu eterip-
torio, ra da Cruz n. 38.___________
COMPANHIA PEBNAMBUGANA
Vavega^fto roaieira por vapor
MattMfwupe:
O vapr: Mmdahv, commandant^
Jno, seguir para u porto ac ma no
dia 28 do corrente as 6 horas da
tarde. ReceW carga, encommendas, passagei-
rse dinheiro a frete at s 3 horas da tarde
do d'a da sahida : eserlptorio no Forte da Matos
n. 12.
2L
Para a Porto
a barca portugueza ,New Silencio seguir con
a brevidade peeeitiel';'. para carga e passageiro?
trau-se eom es ceesigomaetos Oliveira Filhos 6
d, ne larga do Corpo Santo n. 1!>, oh com o ca-
pilao na praea do comraereio.
Da taberna em **ano Amor
das Nal loa o. 49
O agente Pontual vender em leilao por man-
dado di- Exm. Dr. juiz de direito -^pecial do coni-
mercio requeriroento dos curadores liscaes j.
massa fallida de Antonio Jos Gomes, a armacao-e
genero? existentes na dita taberna, n'ntn on;em
mais lotes; a vontade dos licitantes.
Quinta feirn 24 do corrente,
Na mesma taberna deve ter lugar o lUfidl^lH'
Wras. --------,.; ,.,
D urna parte do engenh^Bftr-
ra, fregaezia da Escuta
Pira o Porto.
Pretende sabir a baroa uorlugaeaa Fts, e fal-
tando-H algnma carga eoBtrata'*o o restante
para fechar, com os oneignatorios Thomaa de
AqninoFonseea *C.ra doiVIgario n. 19, pri-
meiro andar.________________________
Para o Porto por Lisboa
*eguiti em pouewias a batea fortogo-n Nm
Stjmpotkia, de ^ t*tim e marefla, por j ter
prompta a maiw parte de sua carga; para o pen-
co qae Ihe falu o passageiros, ao quaes ofleMce
rico o exeenenten-commodos, traanse cora Bal
tar, OHreir* *'C, rt do Vgario n. i, priaieiro
andar.
re r va-fe (ra t de mareo
O agento. Piat, levarla Uaia* ptir tWs-
paebo ck IHm. Sr. Dr. jai mmetal ^do
comraereio, em virtade do rjae requeren
p* curatloiesftcae dinassa faidi 4*Lu>
da .Oliveira Um Jbbop, aparterda^iimah*
Barra tfr*uea do BseBda.qoe pa^''
mesm^ m ssa arjuai vcndfre; toma '.recQtti-
pnemlada j por ser. naqeI, eagsbo, t^e
lematcftlleiits ^tfM e.flaHiSr taUmms
cons.dt-ravei?, .-.itimr'de;ser fi)aamu'-**
trada de ferro, j por ser. inwjtrdfrn*p*
dd.fertili.l..de : o icif i*&mtfiti& ao
meio ilia da dia aiaia dito j'jflfcda .Asto-
ctc?tocommeK4i
mrm
?
AVISOS PtVtHtftt.
Carvlho Noaogm. *ocMOw*tm
Lisboa el'wto vista e a praso, Tis,r?Ji*o^
ApoJ^JO. _____
JoseJfcrla Podiwo do liaia wirrsrto wcra
ropa iwatar de sua s^ude.
-
A

'Tv-
HBftft L



DiaW{JdejrPw#**>W> **" &** *fcM* de ^fM^MP^
Precisa-se a lugar ttoa-ca larrea boa,
c fjue tenh? grfnete -ttr lado; oo uqa *-
bradiohu lioei. m cidade e Olinda. era-al-
$ants das seguintes mas: S. BaotMatei-
- a da Miseria) alia ruado Amparo,*u la-
deirado Yaradoaro ; a pessoa que ti ver, e
quiter- alugar, deixe -caKa fechada
niciaes F. F. n'esta typ%rapbia, pois nao
.16 envida -dar bom ataguel agradando.
Aluga-se ama escrava que saiba cozinhar e
fazer compra* e o mais aervivo de casa : no Gor
redor do Bispo 23.
Cabelleireiro
'Hua da Cruz n. i. Io andar, por enna da
botica.
Antonio Rodriguas Ramalho acaba do abrir
concorreneia publica na espaeoso c .isstiad) sali
para barb Mr e cortar cabellos^ e albaca que nelle
encontrarao seus amibos, antigos fregueses, e.em
geral lodos os (jue qunerem frequeata-lo, agrado,
actividad e bom desemaenho do trabatho.
T7 PALEARES
GMlilUTG
Aos 5:00^
Bilhetes garaatidos.
i nr do Crespo n.23 e casas do costme
abaixo aBstenad, tendo vaniido alm de^ou
ras tortea, unlntetro xt. iU coto O 000 da
loierla que se boa deaxtraair ai Hmlcioda
matriz de S. Berna fUC), convida nos posado-
res visea receaer aa conformidad* do coa-
coin as tame sem-deseonto eig ara.
Acnam-se a vuada os felizes bilhetes garan-
tidos da t' parte da lotera beneficio da matriz
de Agna PreiafUf), que seertraWr, segoada-
fdira 28.do aerente, mea.
Preeoa.
Bilhete ,6OOO
Meio 3*000
Qoarto 4S0U
Em ?orclo de (00* para cima.
Bilhete 5#i00
Moto WSO
Qoarto f#3*o
Manoel Martin Fiara.
versos patriticos ledicados memoria dos
peroambucanos mortos no Paraguay.
%atea|a-8e na Llorarla Praoceza
A 5000 RS. 0 EXEMPLAR.
de
Fraacisco Cerreia de Mosquita Ctrdoso ret
ra-se para Europa. _____ .
Na ruado ApjUo ** *" "dar, precisi-s-
alugar um cozinheiro, paga-se bom ordenado : a
tratar das 6 Imras da manhaa as 9, e da; 'I hona
da tarde em diaate.
Eugcnuo Quemadas na freguezia de Bar-
reros 12 de mar-, de 1870. Na raadrngada.de
sabbado 16 do mn de fevereiro prximo pasado
ftirtaram darte engeuho um eavallo e um burro
com o$ siguaes sesuintes : o cavallo ruco rujo,
{randa, faca, inU.ni, aovo, carregador baixo, tem
mna reladura n. jimia da ma> difaita de-ama
ferida que ha puu ;o sarou, fin mtra peladora
Itera visiv.il na*castas do lado direito marea.da
raagalha, tan farro no qunrto direito o por falta
de reparo igwora-se a qualid.-.de. O burro de tur
arela, pequeo, castrado, manso, de sella e carga,
a cor effl roda dos becos cnzenta : quem os
apprf hender ou d.-lles tiverem notieia, teaham a
bondade de dirigir se ao abaixo asHgnido pro-
prietano do me>mo engeuho que bem recompen-
,-vir.
Joao Gu'lherme de Mello.
CRIADO
Um caixeiro tendo recebidn de sen patrao a
quantia cima para fazer. um pasamento, aconte-
cen perder desde a rus Nova at a salla das see-
coes do lury, teudo dita quaRtia na seguints es-
pecie : urna-anta de SOOlOOO, ama de 100*000,
duas de 20*000 e urna de 10*000, quera as achou
qnerendo restirnia pdder Crespo n. 7, toja do gallo vigilante, que je dir
quein os perdeu. ^___________________
Bemardino Jos de Medeiros vai a Buropa
tratar de sua saude, e deixa por sen procurado-
res Manoel Gbrai de Medairo>, Fracisco Jaao-da
Costa Ribeiro e Loiz Cal*al oe Medeiree.
Agradecimento
Eu abaixo assignado declaro que no dia 13 do
crrante deixe urna carteira com a quanlia de
200*000 em nma nota do banco do Brasil, na loja
dos Srs. Figueiredo & C, e_por me constar pelos
meu3 cairaradas do haiahao dos voluntarios, a
quem o* mesmos senhores diziam, faco o presonte
agradeciraentj am queme assigno.
Francisco Jos de Sanl'Anna.
Prtein-re de i*m cralo de boa conducta : na
ra nova d> Santa Rita n. 59.
O bacharel Jos Oonealves da Rocha lia re
solvido aitabeieeer s*u eseriptorl de advogacia
uesta villa do Cal.o, onde poir ser proc arado
.ni qualquer dia e hora pan o exercicio de sua
preAs&a>>. Cncarrega se nao do negocios rela-
tivos ao foro de-ta comarca o seus termos, como
lambcm pertenc* oles as comarcas e termos da
Becada, ttie-Prmeso e Agna-Preta, e metmo de
qoalquer ouira aamawa que oefteaej ao atrteto
doste tribanal da recao.
'RS
iviso importante.
0 abante as-};nado provine a quera in-
(ereerar peasa quu eredor bypotheca-
ri.i de gran le parto do silii denominado
PicJad.i e situad) n;i mirada d,: Ja-
l.oatn. Hypotfaeca que l!v; f i feila pela
{Mecida friippa de >>:u\ Casraleante, que
eolia rra si'iih ira e possuidva da parte
g da mencinala propriedade, boje parten
-S .ni" a s:ia luir'. q:it anda 6 menor e
Sporjae vfeae, o mesmo abaixo assignado
um aiinunciii de venda j urna parte do
precitado slll por J^aquim Xavier Ca-
a falcante t\n Alboquorijua, marajlor na'
u Torre, venli > | elo preeeirt prevenir pie
8 tfl tal annuncio se refera a parto que
alba e>i:i nypetbeaadrtno pade ella sor
vendida sera sua anuencia ; protestando
I desde \,\ fazer v.iler sea direito no tribu
03! Can ptente,
m Reeite, 18 >: marco de 1870.
J.-.iquim da .Silva Costa.
Para peqneoa familia precisa-so de unn casa
terrea com bastant s eommolje, na freguezia da
lloa-visia ou suas unmediaQoes : quem ti ver para
slagar dirija-se ao li cife, 'ra do Torres n. 12,
I d ama ama ira eisi de pouca
urailia : na travest de S. I >-.' n. 1.
IVd-se ao director di
ca do (iivlhao S. Isabel,
i
marmere. roa
a. 11.
rtsia arima, oride piide er procurado
raisteres de sua ppKWfft ,
crnzts
O artista fiaitto aeba-sa oslatteteolflo^na
casa
tidos o?
... T! IT i ii ;---------n
Precisa-se alagar mna pasa na? iminema-
cCesdoPoiHe daUc&ia at Appacos, prea-re-se
casa can.abtao ou sobrado : qacm tiver e qo.izer
alugar, aviso na roa da'Cadea do IVecife n. 3o,
oa .tnp;ttncie por este Diario para er proenrado.
Ama
ft'a/ua-.do Codorniz n. 8 precisase d? ama
ama qu3 gaiba coilnhar. ___________i
' .
Ama.
Na ra do Torres n. 16, andar, precisa se de
urna ma qno eorinhe, compre ceogoffime para
tuna pessoa.
iSalttaaor*
M?.noel Luiz da Veiga eljciador provisionado,
acceita partido-das easas cokmerciaes, para tado
que disser respailo ao seu emprego, e isto por
mdico preco : poda ser procurado em sna casa
ra da Gloria n. 9i, todos os das'das 6 as ho-
ras da maubaa, ou ao meio. dia na sala das au-
diencias uos dias uleis.
r. .;osTa^itf8erayfl sua via-
Bem dj Europa oSle dedicou-se s mo
S3 Teslias dd sear, e jSTei-co-'s
& de pette, pode sCTpretmradfaenV ra casa
2 rfla ib Jmperatriz a. 'X Da consultas
99 das 10 boras aa meio da, sendo gratis
Jft para os pobres. M
Ra da Imptrratri/ii. 15
Gaspar Ilute tem a honra de participar
ao respeitavel pnMico que acaba de abrir
a twva padaria allrwa aa-casiapra-iaen
cioda onde todos os dias desde as G horas
IYWsa>edflmealieiro de 14 a r6 anaot.
aue tenba^-algWaa praiiaa de taberna : aa'traves-
sa da riiado^ebnado a. 3.
ea3 ^dad.f6 eocro,>tr,f bBl "*ckl0,! Instrucoao primaria ;pat>
cular.
appr
PAO FINO' itSPKCfAl.
Encarrega-se tamben, de qoaesqrjren
commendas.
Ama
NaruadaCadeia d Recife n. 50, precisa-fe
de-uma ampara coaohar e eagoromar.
PHENfX FEKNAMBUCANA.
Companhla de srgvro* manimos e'termtm
ma do Coraniercio n. 34.
Capital eis l,0O:OOr000
Segura'Movis.
Mereadorlas.
Navios de vclla.
. Vaporea.
Bwdios
Em vapores at res 100'OOOaOttO-
Em navios de vellaa**ris ''^XXrrSJS
Em cada predio al"reii 100:000000
Pernambuco, 7 de marco de 4870.
Pela coiapanliia Plieni:. Pernambaoana
J. J. Tasso.
F. F. Borges,
J. H. Trindade.
Preci^a-se de ama ama que saiba lavar e co-
zinhar.iiar caa de poqca femilia : paga-se bem;
tratar na na do Yigaii.i n. t), 3 andar ______
PIRGATIVO E
tE
ni.UllSARI).
Composlo das plantas as mais odorferas o as
mais virtuosas do* montes os mais elevados, o <7
toni-purgativo de Ckamiwrd, possue.um gostosa-
boroso e um aroma suavissimo, e as propriedades
as mais notareis sobre os embaracos do estomago,
dos intestinos e do ligado o desobstruente por
excellencia na constipacao do ventre e nao tem
resguardo nenhura.
Di pura ti vo especial e directi da bilis c dos hu-
mores, refresca o sangoe depurando o.
0 uso do cli-Ch^mbard pode ser continuado
por mnito tempo sem o menor receio e sem m-
commoo nem inudanc. no modo de viver.
NICO DEPOSITO EM PEKNAMBl'CO
NA
PHARMACIA E DROGARA
DE
Bai'ttioloincn 4k '.
34-RA LARGA CO R0SARI0-3.
Premisa-s de tima nma que compre e cozi-
irbe para cjs deponca familia : na ra nova de
8Ma Bita n.-44.____________ ,_____________
Na praea da Independencia n. 33 se da di
heiro sobre ponhores de- qaro, prata e pedra;
irociosas, saja qual for a quantia ; e na raestna
:asa se corapfa e vende objectos de ouro eprata,
i igualmente se faz toda e qualquer bra de en-
-ommena, e todo e qualquer cenceo tendent
i mesraa arte.
A TlT A Preei.-a >u da urna ama para casa de
iaJU-^a. poaca familia. aapateo do Terco o. 1,
taberna.
O abaixo assignado avisa ao publico que tejwV
obtido licenca do Etm. -9r coemeim hrpeetor
da thesouraria -^a tazenda geral, para vender es-
tampidas eraise\e3tabelecimento a rna do Crespo
n. 23. pelos nieanas precos qne se vendem na '
cebedoria gafa!: .-1|ftsira pois, podem aaLbesaaas
residentes ffM^Mdade e fra della dingireoao
abaixo assignido/uas eneomraenda* em quainoer
quantidade^ae rere, nrom|Ham?at satrafeitas.
...- "I^"1^1 Martiag Fiuza.
PiWt'e-'de ota Mdi tiro qne tenfia pr
ca de fi*4Ma:-a'imada Carteia.'nova-n. 7.
Agencia em ^rnuioBuco
Do Dr. %yer
Peitoral de Cereja
Cnra a phihv(ra c todas"Toolcstias do peito.
a'sa *irrllka
Cura ulceras c cliaga* ligas, impigeae^ Inr-
tros.
Ti
Conserva e limpa os
-' Pllalas'ijiaratleaa.
Puramente vegetaes a san mereurio, ara se
aCes, curta c pnrifream-lodoso, systema
Vende-re olTtciiTamaBte
Johnstoa A C.rna da "
Precisa- se
sa de Saamel P
va a. 42.
alugar am escravu de
coa-
dneta para o servieo de ama loja de (uzeadas :
rna do Cre>po n. 20 A.
i de TIX)H) CgWSTV
da Craim. 18, enwuaiBavar*
Anna Senhorinha Monteiro Pessoa, competenle-
menie habilitada, de conformidade com os despachos
da presidencia da Brovcia de 23, e da directora
geral da instrnc?*) publica de 2i de fevereiro ol-
timo, aprsenla ai seonores pais e mais chefas de
familia a su'aula particular .oe se acha aborta m
a ra das Cruzes n. 44, lindar, das J horas da
manhaa s 2 da tarde.
Materias de ensino.
ftTcasa de "IIRDORO
>AN81W, ra da Crural. 18,
eflWtivamente toda* as qualidades de viabt
Bordear, x, Boaraogae e do Rheno.
l^ilura, arithmctica, escripta, etc.
Costuras de todas as qualidades
35RA BSWEffA DO ROSARIO-35
Foroece-se comidas para fora com assek
e proaiptidlo e-manda se levar em suas
oto de nr-'casana rna estteita do Rosario n. 35,ca-
ca, bordados diversos (iuctasive de ouro), labyrin-'sa pMttiiar confronte a C33a do Darbeiro.
tho.e finalmente flores I p^a mesma casa faz itnse llores para en -
Alumnas externas 5000 mensaes. fritP* do anins nra ni-ari*S(Ses stnte (1
AqaeUes senhores que residirem distante da ci-'J,eilei5 ae anIs P,rat piocMSOM, pos uo
dade, poflem, querendo, confiar mesraa proles- flores, rosas, capacetes etifettaaos, e todas
sora sua fihas, nteladas, eiz. que sero tratadas as flores do panno 6 papel, para oruamen-
com o maior cwdade, zelo e esmero que fr pos- to fje jgreias 0 andores luo p
svel, madianteprvio ajuste.
Preciosa ublicaeo
Attenpo.
COZl'
N ra da Gloria n. 63, casa dfl familin,
iiba-so para fra por prego cmiunodo.___________
Alugam-se dous pardiuh... ascravoi de li e
16 aa ios : na tua estreita do Rosario D. 30, pri-
meiro andar.
Precisa se de urna arca forra ou oscrava ;
u tra ar na praca do CorpoSanto n. 17, primeiro
endar.______________________________________
Nao mais cabellos brancos.
A tintura japoneza para (ingia os cabellos
da cabeca e da barba, fe a nica admittida
Exposico Universal, por ter sido reco-
nhecida superior todas as preparacoes at
boje exiseites, sem alterar a sade.
Vende-se a !000 caria frasco na
Rna da Cada n. 51,
1. andar^____
Cliapos de velludo
Tirolir-n.
A chapellerie dea Dame?, acaba de receber um
lindo sortimento de chapeos para senhora, o que
ha do mais gosto, assim como llrese frtelas para
perneados, ultima novidade ; gorros de velludo
Escosseza para menina, chapeos para baptsado, c
muitas outras cousas. Esta casa leudo sido re-
formada, ucha-sfi boje com urna bella sala de luso,
e por isso convida se as Exmas. Sras. a vstarera
e9te estibelecimento, que se torna digno de alten-
cao pelo sea bello sortimento; Jims de pelliea
l'.reta Juqueza : chapllerie desdamos, ruado
Cabug n. 12, l-andar.______________________
Advocado.
O bacharel Franeifco Augusto da Cusa
nuiduii o seu escriplorio da casa n. 69
p^ra o de n. :!i na rna do Imperador, H
unde ser encontrado das 9 horas da ma- C
nbaa as 3 da tarde. S
Nesta mesma casa so encontrar urna I
pessoa que se praje. a fazer ctbrancas, |
Se que se cncarrega de questoes jio inte- S
rior da provincia. m>
mmmmm-imm,wmmm
flO baixo assignado declara ao publico q le so res-
pimdet ao esmlto annum-io inserto no n. 63 des-
le Diario, depeis que o seu autor tirar a mascara
assij;nando o seu ame, pois que nao qacro per-
der lempo com auonymos. '
Manat I.viz igrejas o andores turto por barato
preco, Joquets para noivas com fitas bor-
dadas a ouro, bandejas de bollos finos com
armaco para casamentas e bailes, pudios,
pSo de l enfeitado para presente* e toda
a qualidade de doces de ovos tarabea en-
feitados, vedas ricas para liaptiaados por
barato preco, bouquets de flores de cera
para o afeites de bollos e para otftrta.
jurdica.
fiwtmeatartorfo Cdigo Oommerciol Portu
guez eBrasileiro.
Vende-se na loja da ra do Crespo n.
^5 A esquina da do Queimado, a impor-
tante e moderna obra sob o titulo de an- relOO.
notac-des ao cdigo do commercio portuguez Pede-se ao Sr. A. J. C. Carvalho qne qflaato an-
cm 0 volumes pelo Exm. Sr. conselbeiro tes baja de vir a ra do Brum n. 6o a negocio que
Dr. Diogo Pereira Forjaz de Sampaio Pi- f **>. L. hKbo "
aeatcl, lente catliedratico na universidade
Otf..recc-se urna ama bi c.sioheira para co-
snhar em sua casa para duas ou tres pessoas,
quem precisar dirija se ra da Roda n. 20.
Na ra Direita n. 88, 2* andar, precisa-se de
urna tmaesCrava para o servieo de pequea fa-
rilia.
(j^ abbixo assignados, inmibros da commis-
sao cacarregada dos fesu-jos da recepcan do 53
corpo de voluntarios da patria pelos moradores da
ra Nova, julgam nada restaran das despezas re-
lativas aos ditos festejo;; mas se ha alguem que
nao fosse pago, queira amentar bes a conta, que
immediatamentc a atMarao.
Tliomaz Ferreira de Carvalho.
Manoel Boreir JujSo;iza.
h Leandro Lopes de Oliveira.
__---------------- -----------------------------;----------------------------------
'C'obraiuja de ai liguis.
Haquom se encarr.gue da cdianca dosallu-
gueis de predios de.-ia rjdfcilc por mdica porcen-
iagem iuclnindo os surviejs de i-oliclador nos ca-
sos de despejos judiciaes, podem procurar na ra
da Gloria n. 9i das (i it 9 da maulia
por extenso neste Diario.
Precisa se de una ama para lodo o etrvico
na ra do llortas n. 30, sobrado,
q liando'

TERDADE1R0 LE RDY
8IC1tIEf, Uoctriir-Mnierte
; mipanhia gymnasti-
qoe se digne dar um
-oxpectacu'o no da 23 da cariante, auniversario
da jurameuto CWWUJaiclo di estado, pois que-
remos i.nis urna vez apreciar o grande primor
artisii-M, quii Btnto ba sorprehendido ai publico
ilesta cidade. 0; apreciadores do grande mrito
artstico.
Ama
Precisa-sa de ama ama para comprare cozinhar
para casa de penca familia : na ra da Praia uu-
atara 3.___________________________________
F.igio dj angeebo Cedro, tVeguezia do Cibo,
li ije 21 de marc, o escravo cabra, de nome An-
touio. altura reg'ilar, ccrpnlent); espadando, bar-
ba uoaa. tol>s o- dsates, piren linndos, cabellos
virapatho-, olhoa grandes, nariz grosso, bocea re-
S llar, p e pamas bem feitas, tem falla macia e
olli>maixo, filho de Pianc da Parahyba do or-
1JP ^ escravo d Sr. J is Moreira de Oliveira,
panto revrenlo padre Saturriino ; leven um c.i-
valtu ruda li rxo, inteir.e pordo, iim sacco de
.- inri co-n rouori e nma rel : grandet--e bem a
que ii o levar an referido engenho, oa ra da
Praia n. 59, 3* andar._________________________
Perdeu-se da esiacao dos trllhos urbanos,
trajelo pelas mas de Santo Amaro, Nova, Cabu-
g, ;>raca da Independencia, Queimado at a ra
do Livramento, um Icque de seda parda e sndalo
rom tealijonlas.de ac, tendo no centro as iniciaes
. Iv B.: quem o acbdu e quizer entregar, venha
ra da Cadeia n. C), i* andar, que se gratificar.
AMA
freeisarsede urna ama para comprar e cozi-
nhir para dnas pessoas : no largo da mrtriz de
Sarto Antonio n. t
Criado.
A viuva D. Mara de Cisneiro Freir de lo
raes, senlwra do engenho Ibura, onde reside, len-
do soffrido a mais illegal, violenta e desptica pe-
nhora feita em quatorze escravos seus, requerida
pela viuva D. Isabel Mara de lloraes Rastos, casa-
da que fra com Joaquim Peieira Rastos. em oc-
casiao que nao podaras-r penliorados e arrema-
tados era pra?a publica, senio juntamente com o
mesmo engenho, suas trras, inslrumenlos e utrn-
cilios, e com seu gado vaceum e cavallar, etc.,
ete_ segundo a le de 21 de Janeiro de 1809 cera
a le uovissima n. 1237 de 2i de setembro de 186i,
art. 2o p o 2'; e iss mesmo smente no caso
de ser a importancia da divida exequenda igual
ou superior ao total dos valore.^ de todos os refe-
ridos objectos, entretanto que a parte perlencenle
exequente D. Isabel Mara na divida -que ella
pede, est longe dechegar a una millonsima
parte do total dos valores dos raesraos referidos
objeatos; obleve finalmente do juizo municipal da
1* vara por onde a exe-.ucao corre, mandado de
levantamiento do deposilo dos referidos escravos,
e entrega delles executada sua senhora, depois
de ter soffrido por mezes e mezes anormissimos
prejuizo; procedentes nao so da sapeas) da
moagem da canna da prsenle safra j comceada
ao temp da reajisaco da referida illegal penhora,
mas tambem assim de alugueis pagos a estraahos
para a moagem da canna, que ja entio eslava cor-
tada, e parte ainda no lugar dos eannaviaes. onde
tinba sido cortada, e outra parte j conduzida e
depositada ao competente lado do mesmo engenho
da moagem, como de alugueis pagos mensalmente
pessoas estranhas, que prestassem executada
seus servicos, quer interna, quer externamente,
isto no interior de sua casa, e na guarda dos
nimaes vaecum, cavallar, ovelhum e suino, etc.,
etc.; e tambem procedentes de enormsimas des-
pezas e castas de exames, vistorias e avaliacjies
req leridas pela executada, e ltimamente feilos
no mesmo engenho sob a presidencia do juiz da
execucao sob o protesto de ser indemnisada de
todos os ditos prejuizos e despezas pelo.- bnns da
mal aconelhada exequente. Sob este? fundamen-
tos pois, a execuiada D. Mara de Cisneiro Freir
de Moraes denuncia ao publico em geral todos
estes arbitrarios factos, pera qne ninguem compre
predict exequente bem ; Igum dos que ella pos-
sue, como sao varios escravos e escravas, e am
sitio de trras com arvores frectiferas. e sua casa
de vivenda situada no lugar do Rob estrada do
Giqui, sob pena de ficarem sojeitos taes bens ao
pagamento dos referidos prejuizos, perdas e dta-
nos, no caso de ousar vende tos a dita D. Isabel
Mara de Moraes Bastos, e principalmente se os
vender da data do presente annnncio por diante
Recite 16 de marco de 1870. _________
Os hachareis padre Estanislao Ferreira de
Carvalho e Joao Augusto do Reg Barros, tem
berto escriptono de advocara ra do Impera-
dor n." 57, entrada pelo caes Vinie Dous de No-
vembro, onde podem ser procuradas para os mis-
teres de sua profissao das 10 horas da manhaa s
3 da tarde.
Advogam assim no foro civil, criminal e com-
mercal como no occlesiastico para o que se vao
habilitar com as provisoea do estylo.
A viuva do imjor Flix Francisco de Souza
Magalbaes, convida a quem se julgar eredor de
seu casal para comparecer na casa de sua residen-
cia na ra Nova n. 88, 2" andar munidos de seus
ttulos.
AMA DE LEITE
Precisa-se de un a ama de leile e paga-se bem
na rna da Gloria n. Si.
O agente de leiloss
F. G. de Oliveira. mootl sen escriplorio
para a casa ila ra -da Cruz n. 53, primeiro
andar, aonde feos tntrgo< o acharo iromp-
lo para bem servi los como semprc
Aluga se um andar d>> um sobrado d i ra
da Praia : a tratar n-1 rna da linperatriz n. 63.
Precisa-S'i alugar cu compra-se una casa
terrea com bom qninial, ou sino, desde a matriz
nova e por loda ra Imperial, at o liui da-mesraa
na : a tratar a ra dos O sos as. 22 e 2i.
Perdeu-se una rsela de ouro com pedras e
enfeites de una pulceira, no domingo a noute,
vendo os festejos das ras : quem a tiver ainado
e quizer restituir, us ra Nova n. 10 ser grati-
ficado._____________________________________
Pree se de um copeiro, forro ou escravo,
de boa Conduela, ou nma ama forra ou-esenva
para toelnhar e fazer compra', para urna casa cs-
trangeira de duas pessi a- : a
Crespo n. 19. I. ja de fazendas.
tratar na ra do
Estaco da. Jaqueira.
Precisa-si da ii criado para casa de um ho-
maai soiteiro : a tratar ua ra do Livramenle,
loj3 n. C.
Do dia 24 do corrente em diantc ns trens
pararlo na f.errte da nova estaco que est;i
collocada na estrada do governo em lugar
de pararem ua estaco actual.
Escriptono da companbia dos trilhos ur-
banos do ttecife Apipucos, 21 de marco
de 1870.
W. Bi.wlinson.
Gerente.
Ama
Precsase de urna ama forra ou escrava para
servir a urna so pessoa, paga-se bera : na ra da
Palma n. 76.
s
Advogacia.
O bacharel Joao Goncalves da Silva
Montaroyos, ra do Queimado n. 33.
Precisa-se de am bom cosinheiro prefero-se
estrangeiro para um hotel, paga-so bem; a tratar
na ra direita n. 13, loja.
Precisa se de urna pessoa habilitada para
lecconar nnmeiras' letlras a cinco menores, das
10 boras da manhaa as 2 da tarde: a tratar a ra
dos Ossos ns. 22 o 24, a qualquer hora.
AOS n IRiAYrES DO
Imperio do Brasil.
Grande exposicjto ua cidadede
Cordova,
REPBLICA ARGENTINA.
No dia 15 do outubro de 1870 ter lu-
gar a abertura da exposco nacional em
Gerdova.
"Previne-se, portanto, a todos os produc-
tores, agricultores, fabricaDtej, arlistas e a
todos aquelles qii3 exercatn qualquer indus-
tria, que na dita exp'.sicao se recebem tod s
os productos da industria e agricultura
brasileira, assim como todas as machinas e
utensilios que quizerem remeter.
Estes productos estn isentosdos direitos
da alfandega na Repnblica Argentina e po-
dero ser dirigidos cidade o ftosario; de
onde sero tranportados pelo caminbo de
ferro central.
Para mais explica(,Ties dirijam-se em Per-
nambuco, ra da Cruz n. 3, ao consulado
argentino.
deeohbra. Os subidos crdito, de que l^^tSr B
goza muito merecidamente aqnelle eximio i
commerdatsta por si s bastariam para re-'
ommeodar to impoilaute obra,
nao concorresse mais para isso a grande
vantagera de sor um ptimo cominenlario!
no cdigo commercial brasileiro (na falta
absoluta que lia de qua'quer outro) pelamo- j
xima bomogeneidade de entre muitas das i
suas disposicocs, e as do mencionado codi-
go portuguez, que Uic servio de texto,
oirei pressurosos, distinrta mocidadel
do 4. anno da Faculdade de Direito desta
cidade e notareis jurisconsultos, a prover-
vos desse poderoso auxiliar para vossos,
Irabalhos da sciencia, e pelo preco commodn
de 203, toda a obra em 6 vol.__________|
Sublime pnbicafSo litterarla (
sob o titulo de Heuiorin do
Bom Jcsii.s do lloule. em
llraga.
Acli-tie venda na loja da ra do Cres-
po n. 2rTA, esquina da do Queimado a pri-
morosa Memoria to Bom Jess do Monte em
Braga, ornada de gtavuras finas, segunde
edico", obra da penna de ouro do mui Ilus-
trado lente da universidade de Coimbra, c
Exm. Sr. conselbeiro Dr. Diogo Pereira
Forjaz de Sampaio Pimentel. Quem tiver
noticia da extraordinaria devoco que exis-
te em Portugal para com aquella milagro-
sissima imagem, aflluindo sempre para o
seu magestoso templo era romaria o nume-
roso povo de todas as partes desse reino;
quem souber avallar as brillinntes desenp-
Ces, c o beflo ostudo daquelle consumma-
do jurisconsulto e eximo lilterario portuguez
nao deixar de procurar, quanto artes pro
ver-se de um exemplar da dita memoria,
pelo diminuto preco de 35, na loja indica
da, onde ha pequeo numero dellas.
Na mesma loja cima ba ontras estampa,
muito perfeitas e grandes do dito Senhor
Bom Jess de Braga, por preco commodo
O CIRlBfifiO DENTISTA
Frederico Maya
Tem a honra de scientificar ao respeita-
vei publico em geral, e aos seus clientes I
em particular que elle mudou o seu gabi:
nele de consultas da ra Direita n. 12 para:
a do Queimado n.' 31 primeiro andar, coro j
a entrada pelo pateo de Pedro II, onde p-
de ser procurado para os misteres de sua j
profissao, todos os dia? uteis das 9 horas'
da manhaa s 3 da tarde.
Tambem previne, que contina a prestar-
se a vontade dos clientes nao s na cidade
como ns seus suburbios, para onde as
idas sero precedidas de ajuste. Elle ga-
rante o bom desempenho e a perfeico de
seus Irabalhos, o queja bem conhecido,
assim como as commodidades dos precos.
casa do pouca
\
^m^ea-man-j
Em rada garrafa, ni, mire a roilia t paarl aatl
fue leva o mtu incte, um roliilo im;r.MO t.n ama-
relloconi o ssllo Ihiuual do Covrj.x.i in-.i z.
Kr.- t.arf.
lir.d'i -srunalrttia
4<\ i'( frnrMM.
krtftlte.atrilaifi
a 60 |B>| .1. t :.'a
toiil ;x.i,|r>a-
do a!).il.r..-i:lii Jo
Biaior itttt:.'
PILLE6
DEVALLET
^ur
O abaixo as ignado participa ao digaoeorpo
do commercio c ao pnblM) era geral, que tem jus-
to e contratado com os Ss. Santos & Ferreira a
compra da arinacao, batanea, gaz a cantero da
taberna -ila ao pateo da Penha n. 8, livre e de-
sembaracada de qualqner a"nns : se algaem se
julgar com direito a mesma, compareca no praso
de tres das. Hecil'o 23 de mareo de 187tt.
Francisco Mandes.
MARTIMOS
COMfRAPOCO. ,
A Companbia Indemnisadora, estabelecidi
testa praca, toma seguros maritimos sobre
navios e seus carregamentos e contra fogo
*m edificios, mercadorias e mobilias: a
roadlo Vigarion. 4, pavimento ter eo.
As Pilu ms ae Talle*, approvadas pela
Academia imperial de medicina da Pira,
saO empregadas com o maior ^^p^^
xito para curar a chlorosis,
a fortificar as constituiefles
fracas. Nunca este ferrugi-
noso ennegrece os dentes.. ^^*^
Para a garanta da sua airthenticidad*,
o nome do inventor tai gravado em cada
pilula como a margem.
. .j | em !",io-Jsr.Bo, Dvforu-kelie; Outtlal.
Def>:" I m Pciuuxneo, Uttrtr C".
Joaquim]Jos Gon-
calves Beltrao
RA DO TRAPICHE N. 17, 1. ANDA
Sacca por todos os paquetes sobre o Ban-
co do Minho, em Braga, o sobre os man
tes logares em Portugal:
Lisboa.
Porto/
Valenca.
Guimaraes
Coimbra.
Chaves.
Viseo.
Villa do Conde
Arcos de Val de V.
Vianna do Castello.
Ponte do Lima.
Villa RCal.
Villa-Nova deJFamalieio.
Lamego.
Lagos.
Covilha.
Vassal (Valpasso).
MirandelU.
Beja.
Barcellos.
BA
|D0
CABUG
esquina
raa larga do
Rosario.
MJA
EO

igpaal,
Este Importante estabeleoimento no seu grenero, tem sempre um sortimento sem
e vende por prepos que nenhuma outra casa pode vender.
vista da qualidade e do pre^o da* joiascada um poder-se-ha convencer da ^erdMe.
nte-se ser tudo de leL Compra-se ouro, prata e pedras finas 4fV-'fmfos-^Mdto-^m-
s. t|
I A loja st aberte .at M 9; horas ra noute.
- *
Garante-
esquina
da ra larga
Eosario.
i


Diario de Penumbuco Tefqa
daMrtd



E9TABf<
Salsaparillia de Brislol.
1ITLMA E ORIGINAL
FRASCOS GRANDES
LOJA DE JIMS
1IA
Preciase de urna ama para o servico interno
de pequea familia : na roa do Vigarto n. 5, ter-
ceiro andar.
DK
&c
Este antigo estabelecimento, completa-
mente reformado de novo, est as condi-
foes de servir vantajosamente os sens fre-
juezes, visto que acha-se prvido conrum
esplendido sortimento de obras de onro e
?rata de lei, assim como brilhantes e ou-
tras pedras preciosas, cujos presos sao os
ais mdicos que se pode encontrar.
As joias compradas nesta casa recebem-
*e em troca ou compram-se com pequeo
bate.
N. 5 RA DO CABIJG (l 5
0 MARAVILHOSO REMEDIO DO
DR. CHAS. DE GRATH.
K
NG OF PAIN
o re da dor
PAH.1 l'fcO I\TER\0 12 EXTERNO.
Cura cholera e cholera morbus.
sangue, em nm da.
dores do ouvido em
Diarrhea, fluxo do
Dores de cabera, e
tres minutos.
Dor de denles, em um minuto.
Neuvralk'in, em cinco minutos.
Deslocaces, em vinle minutos.
Gargantas indiadas, em dez minutos.
Clica e colvulses, em cinco minutos.
Rbenmajismo, fa um da.
Febre e febre intermitente, era uro dia.
Dor as costas e nos lados, em dez mi-
nutos.
Tosses perigosas e refriados em um dia.
Plueresia, em .um dia.
Surdez e asthmn.
Hemori hoidas e broncliites,
Imflamacao nos rins.
Dyspepsia, erysipelas.
Molestia do figado.
Palpitado de coraco.
Reserve sempre este remedio na sua familia
AS DOENCAS SE APRESENTAM, QUANDO MENOS SE ESPERAM.
OLEO ELCTRICO O King of Pain (O R;i da dor) aquieta e positivamente dis
"tipa mais de differentes molestias e dores, o allivia mais os soffrimentos e produz um
ais perfeito equilibrio no systema humano, o que nao se pode effeituar no mesmo tem
po, com qualquer outro remedio medicinal.
Este muito popular remedio est agora usando-se geralmente, pela razSo que
milhares de pessoas se tem curado gratis com o dito remedio pelo Dr. Grath e outros
Bate.
Este importante remedio nao se offerece para curar todas as doengas, porm
So somonte para aquellas estipuladas as nossas direccoes.
Est operando nos principios da chimica e da eletricidade e por isso, est
?pplicavel para o curamento e para a restauracao da acc5o natural dos orgos que so-
rm da irregular circulado dos fluxos dos principaes ervos. Oleo elctrico O King
ef Pain opera directamente nos absorventes, fazendo desaparecer as inchaces das
glndulas etc. em um tempo incrivel, breve sem perigo do seu uso debaixo de qualquer
rcumstancia.
O remedio urna medecina para o uso externo e interno, composto dos ele-
mentos curativos, raizes, hervas e cascas, taes como se tem usado dos nossos antepas-
sados, e das quaes tem grandes existencias no mundo, para curar todas as molestias
rnente sabendo-se quaes ellas sao.
Foi um grande e especial desejo da faculdade de medicina durante amitos an-
uos de experiencia para,aprender os meiores modos que se deviam adoptar para curar
as seguintes doencas, e que proporc5es de medicina se devia usar.
NICO DEPOSITO EM PERNAMBUCO
NA PHARMACIA E DROGARA DE
Bartholomeu & C.
34Ra Larga do Rosario34
OGRANDE PURIFICADOR DO SANGUE!
Esta excellente e admiravel medicina, e
preparada d'uma maneira a mais scientifi-
ca por Ctomicos e Droguistas mui doutos e
d'uma instrucc5o profunda, tendo do mui-
tos annos de experiencia ao par d'uma lon-
ga e laboriosa pratica.
A sua composicao nao consiste d'um sim-
ple extracto d'um so artigo; mas sim,
composta d'extractos d'um numero de rai-
zes, hervas, cascas, e folhas, possuindo to-
das ellas, sua virtude especial ou poder
em curar as molestias as quaes teem sede
ou essento, no sangue.ou nos humores;
e estes differentes extractos vegetaes, acham-
se por urna tal forma combinados ponto
de conservarem em toda a sua forca, o cu-
rativo especial de virtude, que cada um de
per si possue. A raiz da plaata de Salsa-
parrilha, produzida as Honduras, a que
nos usamos nesta prepararlo, sendo a qua-
lidade que todos os mdicos mais prezam
e estimara. Na composicao -da Walsa-
parrilha de Brlstol entra mais de 50
por cento deste concentrado extracto. Ella
nao encerra em si cousa alguma, que pos-
sa por leve ser perigosa ou injuriosa
sade; e tanto n'este, como em quasi to-
dos os mais respeitos, ella inteiramente
diversa de todas essas mais preparaces,
as quaes debaixo do nome de Salsaparr-
Iha, sao accondicionadas ou postas em gari
rafas pequeas, servio receitada em doses
mui diminutas d'uma colher de chvpor
cada vez. Nos pelo contrario engarrafa-
mos a
SALSAPARRIRA DE RRISTOL
em frascos grandes, e assim por este modo,
dividimos com os consumidores, o grande
proveito e vantagem alcancado por aquelles
que acondicionam sua preparaco em gar-
rafas pequeas. Cada um dos frascos da
nossa Salsaparrflha de Brtetol
oonteem a messa quar.tidade igual porco
contida naquellas garrafas pequeas, e alm
disso, possue ainda muito mais forca e
virtude medicinal do que aquella, que por
ventura se pbssa achar contida dentro de
seis garrafas de pequeo tamanho. Por-
lanto mui natural, que aquelles, que se
acham occpados em preparar e vender as
suas produccoes, em garrafas pequeas,
murmurem c gritem contra os nossos fras-
cos grandes: proclamando, que a nossa Sal-
saparrilha de Brlstol nao possue a
menor virtude; porm quo effectivamen-
le sao elles postas em silencio, qirando indi-
camos, ou simplesmente referimo-nos para
com essas centenares de certidoes e tes-
temunhos authenticos, por nos recebidos
de todas as classes da sociedade, nos quaes
plenamente attestam o poder curativo e vir-
tudes maravilhosas da nossa.
SALSAPARRILIIA DE RRISTOL. .
A vantagem de termos, os nossos pro-
prios agentes naquellcs lugares aonde as
differentes raizes, drogas, hervas, e plan-
tas de que se compem as nossas medicina,
sao produzidas, que nos habilita exei-
cer aquelle constante cuidado e disvello na
minuciosa escolha; c o que assegura e ga-
rante uniformidade de cxcellencia.
Em quanto que, por Htro lado, nos nao
nos poupamos nem dinheiro, nem dili-
gencias ; afim do alcncennos o melhor
tnicamente o melhorde cada um artigo
ou ingridieute que entra na sua composi-
go; pois levados e compenetrados da
mais firme e persuasiva conlianca; que po-
demos afo.utamente dizer aos doeutes de to-
das as naques, e de todos os paizes, que na
Salsaprrilha de Brlstol. possuem
um remedio mais efficaz e seguro; do que
nenhum outro, que vos tenha sido offere-
cido at hoje, e o qual por certo nao hade
mallgrar vossas expectativas, na prompta
e effectiva cura das seguintes enfermidades:
Trilhos urbanos doRecife
Olinda.
Conlinaa-se a comprar dormentes de sicupira,
oilicica, amarello e outras madeiras de duracao
para o cbo, com as dimensSes seguintes : 10 pal-
mos de comprimento e 3 US polegadas de grossa-
ra, de 7 l|f de largura : para tratar, no telhelro
da ra da Aurora, desde as 6 horas da manha as
4 da tarde.
O superitendente,
Andr de Abren Porto.
CASA DA FE.
Aos 20:000^000.
Bilhetes do Rio venda : roa do Cabug n. 1
rende Vieira A Rodrigues.
TINTA DE
RES F. LA-5
?AGEM
TODOS OS
DAS
Larga
TINTURARA
Escrfulas,
Chagas antigs,
Ulceras,
Feridas Ulcerosas,
Tinha,
Syphilis.ouMal Ve-
nreo
Humores Escrofu-
losos,
Irregularidadesdo
Sexo
Feminino,
Nervosidade,
Debilidade Geral,
Febra e Malignas e
Febre e Sezes
Biliosas,
Grande sitio para
alugar.
Aluga-se um grande sitio na estra-
da do Rosarinho, o qual tem mullos
arvoredos e grande baixa para ca-
pim ou creacao de gado, podendo
sustentarlo vaecas por ter um grande
brejo no fundo que va i quazr estrada velha de
Beberibe no lugar Agua-rria, tendo o sitio urna
rrande frente para a nova estrada de Beberibe
azendo quina na ponte que all existe. A casa
nova, tem duas sallas e quatro quartos, grande
copia ,quarto de creado, cocheira e estribara, lu-
do de pedra e cal e edificada ha pouco tempo.
Quem pretender queira eotenier-se com o seu
proprieiario o commendador Tasso, em sen sitio
na Cruz das Almas at s 9 horas da manha e
depois no seu escriptoro na ra do Amorim nu-
mero 37.
CABELLEIREIRO FRANCEZ
51Ra da Cadeia do Recife51
Chama a attenc3o dos seos innmeros freguezes, e do respeitavol publico ei
geral, para a segrale tabella dos precos de sua casa, os quaes sio vinU por cenu
mais barato do que em outra qualquer parte:
Cabelleiras para senhoras a 250,
300, 3U e......40)91000
Ditas para hornera a 350, 405 e 504000
Coques a 12& iU, iU, 204,
250, 300 e.....500000
Crescentes a 120, 150,18|, 20(J,
264, 30* e.....324000
Cachos ou crespos a 34, 44 54,
64, 74, 84, 94 e. 04000
Tranca de Jcabello|para annel a
500 e....... 14000
Tranca para braceletes a 404,
154, 204, 25 e.....304000
Cadeias para relogio a 54, 64,
74, 84, 94, 124 e. .
Corte de cabello, ..-
Corte de cabello com friccao. .
Corte de cabello com lavagem a
champou......
Corte de cabello com limpez da
cabeca pela machina elctri-
ca, nica em Pernambuco. .
Frisado ingleza ou francesa.
Barba. ,......
154004
01
501
14001
14001
501
251
PEDIDO
ISSIGMTUMS MENSAES
Especialidade de penteados para casamento
Bailes e
0 dono do estabelecimento previne s
Exmas. Sras. e aos cavalheiros que ba um
salo para tintura dos cabellos e barba, as-
sim como um [empregado smente oceupa-
do nesse senico.
sofres
Jtecommeoda-se a superior TINTURA JA'
PONEZA para enegrecer os cabellos e bar
ba, nica admittida na Exposic3o Universj)
como nao prejudicial sade. por ser ve
latil, analysada e approvada pelas acadj
mias de sciencias de PARS E LONDRES i
Pede-se encarecidamente aos Srs. Domingos
Theodoro Rigueira e Aristides Florentino Caval-
canti de Albuquerque (de Sennhaem),' que venham
ra do Yigario n. 14, a negocio que se precisa
ultimar.
Joaquim Rodrigues Tavares de Mello,
do Corpo Santo n. 17, andar, vende cal
Lisboa e potassa a mais nova, e vinho
de i' qualidade,
PTe
Bordeaux
TRILHOS
DO
URBANOS
Recife a Apipucos.
AVISO
Do l.de abril em diante os menores de
lies annos que viajarem no'colo nada paga-
rSo, os mucres de 3 at 10 annos pagar5o
metade do preco marcado as tabellas e os
maiores-de 10 annos pagarlo conforme
tabella, como adultos.
Escriptorio da companhia, 16 de marco
de 1870.
W. Baivlinson,
Gerente.
Ne collegio da Conceicao precisa se do um
homem idoso para porteiro,
ALUGA-SE.
I"na das tojas do sobrado da ra Velha n. 9G,
que faz quina para o pateo da Santa Cruz, muito
wa para qualquer negocio: quem a pretender
dirija-se a ra do Sebo n. 20.
Ama
Precisase de urna ama que engomme perfeita
mente : na ra do Imperador n. 6o, 2 andar.
f
2SRU4 DAS FLORES25
O dono deste estabelecimento tinge, limpa e achamalota com a maior
perfeicao po3svel todo e qualquer objectode seda, 13a, algodSo, em pecas
ou em obras, chpeos de feltro, palha e manilha etc., tira mofo das fazen-
das e faz todo o mais concerner.te sua proGss3o, tudo com brevidade, visto
coma,se acha prvido dos necessarios maciiintsmos e petrechos.
Otto Schneider.
wmm ooooooooo -K&gegseieft
PRETOS
adw, o que h3 de melhor e d
Tumores
Abscessos Apostemas,
Erupcoes,
Herpes,
Salsagem
Impigens,
Lepra, febres intermittentes e remittentes,
hydropesia ciit-rioia, etc., etc.
Ontio-sira, achar-se-ha, que i>ara o bom
resultado e perfeito curativo de todas aquel-
las enfermidades cima apontadas o adian-
tamento da cura, grandemente promovi-
do e apressurado; usando s ao mesmo
tempo das nossas mui valiosa punan
vegetaes assuearadas de Brlstol,
tomadas em doses moderadas em connec^
C3o ou conjunctamente com a Salsaparrilha;
ellas fazem remover e expellir grandes
quantidades de materias morbficas e hu-
mores viciados que se desprendem e livre-
mente circulam espalhados pelo systema,
isto causado peio uso da Salsaparrilha; a
por esta forma facilita a volta e o exercicio
normal das operacoes funecionaes,
Acha-se a venda nos estabelecimentos de
A. Caors, J. da C. Bravo 4C..P. Ma.i9.rn
C, B M,dt A.arbosa, Bartholomeu C -
Os abaixo assiKnados partkipain ao re peita-
vel publico e especialmente ao corpo do commer-
cio, que no dia M de fevereiro prximo passado
di^soveram amigavelm'tiite a sociedede que ti-
iihain na loja de faxendas sita ra' da Impera-
triz d. 32, que gyrava sob a firma Podro Ozono
de Cenjueira & Irmao, flcando todo o acti
vo e passjvo a cargo do socio Pedro Ozorio de
Cerqneira como nico responsavel, e retirando-se
o socio Jo? Ozorio de Cerquoira exonerado de
oda e qualquer rej*npa?abilidade, teodo recebdo
o seu capital e luj'ros em dinheiro.
Recife 18 de marco de I870-.
t m Peilrn Ozorio de Cerqueira.
Jos Ozorio de Gerquelra.
Precia-se de urna ana para o servic/i inter-
no e cierno oe una casa de urna ama s pes-
soii: o rna da Crirt o. 16, Io andar.

ja das
iiumuaA,
Ao coijJiercio.
Qnem precisar de um* jessoa que escreye sof-
mente* dpoe-s.3 a .vudquer trabalhx com
merciai, p r nesta yfOgTaphia urna n ta
da ra e nutr i adunda,
*e procurar.
AO ARMAZEM
DO
Roa \ova n 9,
acaba de chegar pelos ltimos vapores novas re-
messas dos seguintes :
Calcado francez
Para senhoras.Botinas brancas, pretas, e de ou
tras multas differentes cores i ultima
moda.
Para meninas.Botinas das mesmas cores e qua-
lidads cima.
Para homens.Botinas de cordavo, bezerro, ver-
niz, pellica, o melhor sortimento que se
podo desejar.
Para msninos.Botinas das mesmas qualidade.-
mencionadas para homens.
IJara homens.Botas rucianas, meias-botas e per-
neiras.
Para homen?, senhoras e meninos.Sapatos de
tapete, aveludados, charlte, casemira
preta, tranca Lisboa etc. etc.
Para meninos e meninas. Abotinados fortes de
muitas quaidades.
Quinquilharias
Finos artigos de Paris, de gosto e phantazia,
como sejam :
Leques para senhoras c meninas.
Lnvas de pellica (do fabricante Jouvin.
Espelhos de differentes tamanhns.
Perfumaras finas do fabricante Coudray.
Caixinha do costura com msicas.
Alhuns e caixilhos para retratos.
Pulceirai do ouro bom do lei.
Brincos e traocellins.
fiorrentes e chaves para relogk.
BotSes do punbos e de abertura.
Correntes e brincos de plaqu.
Bolcinhas e cofres de seda e veludo.
Caivetes e thesourinhas fina?.
Lunetas, oculos e grvalas.
Chicotes d baleia e de outros, sor.timento.
Bengallas de canna, baleia e junco.
Ponteiras de espuma para cigarros e charutos.
Escovas para futo e para cabello. jm*>
Escovas para dentes e para nnhas.
Pentes flnos de raarfim para tirar caspas.
Pentes de tartaruga para desembarazar.
Malas c boleas de viapens.
E>tojng com navalbas fparavingens.
Cartei rin has para notas.
Sallas de rame para passarinho?.
Abat-jour transparente fiara candieiros.
Oleados para mezis.
Molduras acuradas e quadros.
Esta upas de santos o cidades.
Bercos de vimes para crianzas.
Cestinhas de vimes para braco de menina-.
Caixinhas de msicas e realejos.
Cosmoramas e lanternas mgicas.
E?teriocopos com interessantes vistas.
Objectos de mgicas e cordas de viola.i.
Jarros e flores de porcelana para santuarios.
Velas a gai para lanternas de piannos.
Aceordions e eoncertinas.
Diversos jogos francezes e allemies.
E outras quinquilharias semelhiates.
Brinquedos para crianzas
Carrinhos de 3 e de 4 rodas para paswlos, bo
ecas de todos os gostos e precos desde 160 rs.
al 20*000, e um sem ratmero de brinquedos de
differentes precos psra intretimento.
Para evitar auante Witura de tantoj artigos
ex "Kistos venda ueste estabelecimento, o dono
pede ao publico em geral que f& digne entrar de
passf verfflearcm na s a graide va-
No armazem da travessa do Crpo Santo n. 25, ha sempre um completo
sortimento de objectos para carros, e que se vendem por presos muito rasoaveis, como
sejam:
Vaquetas de lustros, grandes e muito boas.
Solas dem dito.
Oleado preto e de cores.
Colleiras de lustro o que ha de melhor.
(uarnices de fino lato para arreos, completos.
Lanternas e vellos para as mesmas
Eixos patentes para sebo. *
Joaquim Lopes Machado & C.

28Camboa do Carmo28
Das seis e meia horas da tarde as onze da noute.
Nicolau Pungitore tem a honra de annunciar ao respeitavel publico desta ca-
pital, que diariamente estar aberto a concorrencia publica um grande cosmorama erra
variadas vistas e passagens dignas da atlencSo de todos por acharem-se entre ella
as differentes batalhas dadas pelas .forcas alliadas contra o governo do Paraguay, como
ahaixo se ver,
0 annunciante tem empregado todos os seus esforcos para que o respeitavel
publico encontr all um bello passatempo mediante urna pequea exportufa, tendo
entretanto direito a um objecto, gratis, de mais ou menos valor.
Todas as vistas sero mudadas duas vezs por semana, sendo as ruar:as e
sabbados.
BrasilVista do Rio de Janeiro lirada ra ilha das Cobras,
PortogalVista do Paco d'Ajuda em Lisboa.
FrancaRevista ao palacio das Tulherias, em Paris.
DitaVista do grande ancoradouro de Cherburgo.
ItaliaVista de Torta.
PalestinaVista de Jerusalem.
fricaVista da caca do leao.
ParaguayVisla do combale naval de Riechue'.o.
demGlorias do exercito brasileiro, tomada de Lomas Valentinas.
28Camboa do Carmo=28
DAS SKS E MEIA HORAS DA TARDE AS ONZE DA NOUTE.
A LOJ.l D )S ARCOS DE ALVARO AUGUSTO DE ALMEIDA & C, ruc do
Crespn. 20 A, alm da grande vsriedade do fazendas de phanlasia de que sempre se
acha provida, tem actualmente om completo sortimento de fazendas pretas, proprias par
os actos da quaresma^ como sejam :
Ri :os cortes de seda preta do superior qualidade.
. GorgurSo de seda pretos de diversas qualidades.
rosdenapies pretos de dilerenles qualidades.
Sedas lavradas.
Basquinas de seda preta de modello inteiramente novos.
Ditas de guipure ricamente enfeitadas.
Pelerinas.
Fichs e- mantas de fi' para a cabeca.
Manthas brasileiras ou mantas de fil para cabeca, de modelo inteittroer.te
novo.
Eil de seda brarreo e preto.
'jipure branco e preto.
/aloes a victoriense modello inteiramente novo.
Cbapelinas enfeitadas de preto.
Luvas de pellica preta para homens e senhoras, e outros mullos arlig = Je
bons gostos e qualidades o que tudo se vender por precos rasoaveis
Tambera contina a ter um grande sortimento de tapetess, alcatifas e as ver-
adeiras esleirs da India para forrar salas.

CARVAO DE BELLOC
PARS
Approvado e recommendado pela Academia mpenat de medicina de Para para a
ira da gastralgia e em geral de todas as doencas Derrotas do estomag e dos intestinos,
f egualmente o remedio por excellencia contra a retencSo de tentre. Finalmente em
raiio de suas propriedades absorventes, recommendado como Terdadeiro remedio nos
casos d diarrhea e cholerin. rtM Belloa tema-se na occasiao das comidas
sob a forma de pos ou de pastilhas.
D*fo.U. m Rto-Junroio, Duponehelle; Cheviot. Em Phhuotco, Maurer k C.
OPPRESSAO SOFFOCACO
a* ttria* i'cthcr do DorjTO Clrtah approvadas pela Academia imperial
de Medi na dePariz acalnian quasi sempre inslantaneartirtile os ataques d'asma,
oppre^sao. foffocacao, assim como as dures de cabeca e enxaquccas. suffi-
cienle na o iasitiO em que npparoccr o mal, o engolit>se urna on duas perolas
con: a d'agoa. com certeza o medicamento mais Fcil de tomar para
este doencas. ^^frc
A. Perol. trebenikiMi do dotor CinTAii o impregadas diariamenle
rom grande pxilopara a cura das nevralgi, rheumalismo, sciatico e catarrboa
da bexica, Utas perolas foram sempre recommendadis-por um grande numera
de mdicos e espcciaimante pelo lloutor Trousseau, qwe Indica este medira-
mento coigp o mais officaz. coavenieiite tomar de i at 8 toa- occasaao 4a
comida
A
garanta i
w
f0'lQ3

9*t*
da Academia imperial de medicina sem duvida a
I reparaefie i'stea medicamentos e de sua efficacia.




li. %.;\------------------------..--------
Diario de Pernaibnw Ter *f*"-
AGUIA NEGRA
*i

BENTO MACHADO a C,
A AGUL\ NEGRA animada com o bom accolhiraento que teve em seus annun-
cios, vem novo participar a seus freguezes que, acaba de receber um variado sorti-
mento de objectos de gosto os qaaes sero vendidos por presos muito razoaveis, pois
quando fez os seas primeiros annucios, foi o que assegurou, e sem mdo de errar,
porque como j disse osla interesses ligada a urna casa importadoradesla praca, e
por sso poder ter tudo especial e vender por presos admiraveis.Cbama pois a atten
fio de seus freguezes para os arttgos possa descrever:
Livros com o tampo de marfim, madre- m variado sortiments .de cbaruteiras e
tjerola e tartaruga, proprios para missa. palliteiros de porcelana,
Garafinhas vazias proprias para presentes Tent08 para voltarete.
cousa de gosto.
Indispensaveis ie panba e de couro pro-
prk para senhoras e meninas trazer nos
reos.
Binculos de madreperola, marfim e tar-
taruga todos esmaltados.
Cintos largos de setim, cousa inteiramen- ,,^
ib nova. '
Fitas de sarja de todas as cores e largn-1 Talagorce parabordar.
na pan lacos. Um completo sortimento de enfeites de
Toncas, sapatinhos meias de seda e mais seda para vestido.
pertences para baptisados. | Perfumaras de todos os autojas os mais
Fitas com inscripcSes proprias para bou- acreditados em oxtractos, pomadas e leos
uet de noiva, e finalmente outros muitos objectos que n3o
Ricos vasos com p do arroz. possivel mencionar ; mas com a vista se
Um variado sortimento de jarros de por- certificado do sortimento deste estabele-
celana. cimento.
Agnia Negra, na do Cabug n. 8.
TOALHAS
Chegoo a loja de Paredes Porto, a ra da Imperatriz n. 52, (Porta Larga) um bo-
nito sortimento de toalhas de linho para mesa, assim como os competente guirdanapos
que se vendem a p-eco Laixo.
PAREDES PORTO vende Kiasinlias a 240 o covado, fazenda de 500 rs*, para ac3bar
na ra da Impcratr'z n. 52.
PAREDES PORTO vende algo 13o com pequeo toque de avaria a 35500 e 40000,
a peca ra da Imperairiz n. 52.
PAREDES PORTO vende chita preta para luto a TOO rs. o covado na ra da Im
peratriz n. 52. Porta larga.
CHALES
Vende-se chales preto de merino a 35000 fazenda superior, na ra da Imperatriz.
PAREDES PORTO vende meias para senhoras a 20500 a duzia p r ter um peque-
no mofo, na ra da Imperatriz n. 52 porta larga.
PAREDES PORTO vende cortes de calca de casemira preta a 3,5500 e 40000.
PAREDES PORTO tem para vender panno preto superior e casemiras de cores e
pretas que vende por pr^os commodos.
CHALES. GRANDE PECHINCHA.
Che?ou a loja da roa Imperatriz n. 52 de Paredes Porto um bonito sortimento de
chales chinezes fazenda* muito boas para senhoras trazerem em casa, est vendendo
por 5^000, eslao acabando-se w>
a do Leo.
Rengallas- com marfim, cousa especial.
Sabonetes de alcatrao.
Cofres de folhas para dinbeiro.
Lindas caixas para costura.
Um completo sortimento de luvas de pe-
cr g ce c* m
s


g5^
* 2 5
1/3 < | -
1
H-gi
"^ ce
S 2
C
co 3 w -J a =i
B. 3 3 S" 3
C O _:. ai
C o E?
ig.ill
cu BE;.
Cj y* va CP
5js g,p 3 =.
3 a> =
a -. K, o
r. o 2. E? o 2,
2 a.< S.
x S S- a,ct>
gao
*W
ct> O aj
5 5
S"3
o .- 3
2 =
= a o -
S 3 3 = "' "
- s
7 s 2 o o
- n as a
mu

14
INJECTION BROU
t jiltlc tdUimcl c rrecervaiita, buluUaiealo uuic que cura tcm Dcahuin addilitc. Vtude<
u filaiiaaet bciiu.a de Kucdo. (Ezlgrr a iailin 4a &). (M amaaa t rlala Mil.) Fit,- > w
tefMUt lli. kniava*. MiU. 1.
I" f1 FALQDE
N'ESTA ANTIGA E CREDITATA
FABRICA
>
IIC0IT11 II CORSTllTHlflTI IDI C0ILII9 lOITUIItO DI
CHAPEOS DE SOL:
De todu s qualidades I
De todos os feitios I
De todas os presos I
RA 00 CRESPO N' 4
,
QUiNIUM LABARRAQUE
APPROVADO PELA ACADEMIA OC MEDICINA DE PARIZ
0 Qvlaiam laabarraque, eminentemente tnico e febrfugo deve ter
preferido 4 todas as outras preparares de quina.
Os vinhos de quisa ordinariamente empregados na medicina preparam-se
com cascas de quina cuja riqueza em principios activos extremamente
Ttriavel; i parte disso, em raro de aeu modo de preparacao, estes vinhos con-
ten apenas vestigios de principios activos, e em proporedes sompre variaveis.
0 Qulnium Lbaxraqu, approvado pela Academia de medicina, con,
sUie pela contraro um medicamento de composifio deternnada, rica em
principios activos, e com o qual os mdicos e os doentes podem sempre contar.
0 Qafniw Labarraqu prescripto com grande xito ar pessoas fracas,
delibiUdas, eeja por diversas causa d'esgotamento, seja por antigs moles,
tias; aos adultos fatigados por urna rpida crescenca, as memnas qui tem diffi.
euldade em se formar e desenvolver; as mulberes depois dos partos; aos velhos
enfraquecidos pela edade ou doenca.
Ib case de chlorotis, anemia, odres plidas, este vinho um poderoso
auxiliar des ferroginoeos. Tomado junto, por exemplo, com as jaulas e
Vaxui, produx efeitos mara'vilhosos, pela sua rpida acco.
DeposiU em Farif, L FBBRE, 19, roe Jao*b
mjauin, D0POJIHLK? CHEVOLOT. Ptnumbuet, MADREE i O
Lojj
o
INSTANTNEOS
Travcssa do Corpo Santo n. 25
ARMAZEM
Ra Nova n. 28, 'oj'a Antonio
Pedro de Souza Soares.
Bandeira, Machado & G. avisara ao respeitavol
publico que no? lugares cima encontrara no mes-
rao serapre grande quantidade de ditos pocos, e
que se aeham habilitados para vender por menos
que oulro qualqoer, por sao quo os recebem di-
rectamente do fabricante Nerton, de Londres.
As vantagens que offerecem os pocos instant-
neos sao : prmeiro, poderem ser collocados den-
tro de casa ou fra, cora o traba Iho de urna a duas
horas; segundo, fomecerem os mesmos agua pu-
ra e abundante, podendo serem removidos de um
para outro lugar, quando assirtf convier.
Os annnnciantes s reeebrrao a importancia dos
referidos pocos depois de collocados, satistaiendo
espectativa do comprador.
Precisase de urna ama de leite que seja
sadia, ua praca do Corpo Santo n. 17. segundo
andar.
AMA.
SOFFRIMENTOS DESTOMAGO, CONSTIPAQAO.-
Cura em poneos das pelo CARVo DE BELLOC em p ou em pastillas.
ENXAQUECAS; NEVRALGIAS. Esflcese*rfo du-
sipadas rpidamente pelas PEROLAS D"ETHr S UtlTi.
ANEMIA, A PALLIDEZ e os frimento que neeessitamdo
en-.prego do ferruginosos sSo sempre combatidos com o melhor resultado
pelas piluias DE VSLLCT. Cada l'ilula tem incravado o nome ViLLIT. .
PO DE ROG. Basta dUsoIver um Irasco d'este p em meio
garrala d'agua para se obt.'r urna limonada agradavel que purga sem fa-
ter clicas.
VINHO DE QUiNIUM Marrare. Este vinho, um dos
poneos cuja coipujsii,ao garantida constante, urna das mclliores pre-
paraces de qninino, sem acsio notavel sobre os conTalescente, dando-
Ibes fbrea* e apressando i volta a saude. Cura as febres antigs qut re-
istSo ao sulf.ito de quinino.
MOLESTIAS DA BEXIGA. A nuior parte d'esU mcW
t, como as sciaticas, lombgos, cstarros, e todas as dores nervosas era
feral sao curadas pelas PEROLAS DE essencia DE THEREb:ntina do
Or. Clortan. 0 professor Trousseau em SM Troludo de therapeutica coo-
eHia as para serem tomadas na occasiio do jantar, na dse de 4 i 12.
OLEO DE FiGADO DE BACALHAO DE BERTH-
iisiitic.ii puro e rte primeira qualiriade, nm dos poucos aprovados pela
tcademia de medicina.
nVlO. Todos fstes medicamentos fonm aprovados pela Academia
imperial de medicina ie Pars.
DEPOSITO
Era P.-.rl . FUESE, IV, raa Jacob
Rio-Janeiro. . Dpoxcuelle ; Tefdolph. H6si et C". BuisJ * Pernambuco. Cetra.. . . Mcini et Cu. gana et Ck.
'I*'
Precisa-se de uina ama,
casa de rapazes solteiros
Crespo n. 17. luja.
? para cozinhar em
: a tratar na ra do
Justipa.
Ignacio Nery Ferreira de Souza Lopes, sollici-
tador de causas dos auditorios da reacao, encar-
rega-se de procurar causas civeis, cummerciaes,
ecclesiasticas, crimes e tambem negocios da guar-
da nacional, pode ser procurado todcs os dias
uteis em sua casa da ra do Imperador n. 33,
junto a repartirlo do Or. chefe de polica, aos po-
bres presta-se grates. _________
Har a cara -serta ai lesscs etijas e receatei, cilarrasi pnlmonar, isllim; Isim coarolu, eitarrhi
Srocehijs, em goral contra todos os sodrimeatos das vas respiratoria!.
IlEFttftITO GER1L
ti a.
34, ROA LARGA DO ROZARIO, 34
PERNAMBUC
A tberapeotiea das diversas Molestias do peito.desde
pbaryngita ou mal da garganta at a tuberculacio
pulmonar, passando pelas diversas bronebites catarrbaes
e o emphysema acaba de ser earequecida com mais
tsle medicaento, que tomar primeira ordem entre
todos at boje conhecidos. O larope Vegetal americano,
aianiinilo aaramente vegetal, nao contera en sua
:omposi(io um s tomo de opio, e sim somente uc-
cos de plantas Indgenas, cajas propriedades benficas
aa cura damolesiias que perleneem tos orgos de res-
pirado foram por nos observadas por longo lempo,
:om ptimos resultados cada vez mais crescenles; pelo
que nos julgemos autorisados a compor o larope qae
agora apresentamos, e oflerece lo aos mdicos e o
pnblico, Prevamos com os attestados abaiio o que le-
graos dito, e contamos qne o conceito de qae ji gosa
o mrope Vegetal Americano crescer de dit i dia,
llenando muito aps de si todos os peitoraes em voga.
Illm. Sr. Bartbalomeo I C.- tarop Vegetal Ame-
ricano, preparado em sua conceituadissima pbarmacia,
um til remedio para combater i terrivel astbma.
Sofra en aquella molestia ha quairo mezes, sem anda
ter combatido os ataques mensaes que tinha; este ultimo
qne Uve foi fortissimo qne me proston por 8 das, usei,
porm o seo milagroso xarope, tomando apenas irea
dses, e at o presente nao fui de novo atacado. Praaa
Daaf. qne es oque rea labe lee ido per me v. Rendo*
PRODUCTOS de J>P. LAROZE
PHARHACEUTico, 2, IUE DES LIOIS-SIIIT-MUL, pars.
XAROPE DEPURATIVO
DE CASCAS DE LARANJAS AMARGAS
Com IOBCRETO de POTA8SIO *"
0 lodoretftde potassio um verdadeiro alterante, um depurador de incontestavel efB-
eacia; combinado com o xarope de cascas de laranjaa amargas, e aturado
tem perturbaeio algnma pelos temperamentos os mais Iracos, sem alterar u funcodet
do estomago. A doses mathematicas que elle conten permitlem aos mdicos de receilal-o
para todu as cmplicacoes as affcces escrofulosas, tuberoiilo, oanoe-
rosas no aocidentes intermitientes e teroeiro; alm d uso, 4
agente o mais poderoso centra asdoencas rheumatioas.
XAROPE TOIKCO ANTI-NERVOSO
de caacaa da laranjaa amartM.
35 annot de suaeessos attestSo a sua effi-
eacia para curar: as ioencas nervosas,
^agudas ou ckronicat, as gastrites, gastral-
itiu; e facilitar a igesto.
XAROP FERRUGINOSO
de cascas da Uranjaa qnaaal amare.
E' sob a forma liquida que mais fcilmen-
te se assimilao ferro; n'esta forma prefe-
rivel as punase pastilhas en todos os casos
em que sao proscriptos os ferruginosos.
DENTIFRICIOS LAROZE
Usar dantirricio, paca a alvura e con-
tervacto dos denles, curando as dores
causadas pela caria ou prcduzidat peto
contado do calor ou do fro
COM QUINA, PffRETHRO I Al AC
Wb deotfraio, coa base de magnesia
para a alvnra e conservaco dos denles,
provenindo a descarnadura, provocando o
trtaro de qne empede a reprodacio.
Depositen Ate dt Jtntiro, B. ChtvoUl; em Prr*a*bueo, P Naarer c*; em Afacete,
Fele* BUea; "> P'lotai, AMete Lelraa; em BaAia, Da Rocka, em Porto Ugre, fm
Bell* em MeraeAlo Ferretea C*, em Ouro Prtto, C J. v. Weleraaa ( em Saaa CalAe-
rwM, i. t*a>tel j m MtnlmMoo. 8. imberi, em BwMS-ijfre, Itehcaarcaarda.

Do xar^e*$3lWijji^^^
34,RA LARCA DO ROSARIO.34.

NoA eostnmamoe procurar atieaUdos para acreditar
Bossos preparados, e deitsmos qae eos srplicecAe e o*
resnltadoa ebtidos pelas pessoas que se dignaram acceila-
loe. Ibas it$sm crdito e voga ; porque s:o sempre m
attestados considerados frmitos, e i de les que lance
io o charlatanismo; mes ni qnerendo ofinder as pee-
toas qne eipoutaBeamente D05.oflereceram, et qne abaiio
lio iranacriptM, ae toumos publicar manfcsuudo-lbei
eossa gratnlo pele attencio, esperando qae venbaa
alies corroborar a conceito, e aeceitacio que leas mere-
eide noste xarope. tartholomto k-C.
arramaes.
Illms. Srs. Bartholomeo i C. com a mais subde
latisfafio que declaro ser o itrope Americano de ama
e'flcacie extraordinaria, pois qne soffrenilo ha das de
intensa losse, poni de nao raiilcr dormir noile a
iespeito meemo de mealesmenio! que trmava, a elle
recorr e na terceira petti-r fui aiiiviao, s de lodo me
lehe boje restahelceido com no some .te de quasi
meio frasco; grato pois esse r.-sultfdo manifest a
Vr, S. ren recoohacimento. De Vv. Sf. amigo, ve-
Mrta'jr e origado. Manoel Antonio ViecA JaDler.'
- Sua caa 20 Je aLril de I8C8.
illms. Srs. It.-.rlhobrcco C rdisimocom
i firor que mi ii.-riD de tnfi-t\'f c in Jo iircpe
Vegetal Americano, de sna eomposiclo, quando ro
arheva batante deente de urna conslipaco, que m<
tomn completamente roueo e que tronzo ama fort
tese, e me iapossibilitou de enraprir os meus deverer
de cantor da nnreza Irrica, von agradecer-lhes met
completo reslabelecimeoto, qoe oblive com nm s vidr
do mesmo larope. depois de haver recorrido a muitot
traumenlos. Desejarei qne ootros como en recorra
ao ten tarop para se verem aliviados de Uo terrive1
incommodo, Uo btal oeste paii. Com malor conside-
relo conllndo a ser de Tv. Se, atiento, venerador i
obrigado. Luir Cremona. Recife 25 de tetembrt
Illms Sr* Bartholomeo *C.-O tarop Vegetal Ame-
ricano qne Vv. 8s. tlm exposto I venda de toda effi-
cacia para o enritivo d'astbma, eanforme observei ap-
plicando-o a meu lilho Joaquim, menor de qnatrt
tonos; viclima d'esse flagello, qne al entlopor espact
etcedenle t deus annos bavla resistido a oolroi xaropai
de grande nomeada. Qucvam pois Tv. Se. aeceitar i
eipressio altamente sincere de meu reconbecimento a<
meritorio servieo que Ihe prestara coa o indicad
xarope. acreditndome para sempre de Vv. gt. criada
atiento eobiigfdo. Atnerlco NsUo de (Ceodonci. <-
cci* 2 ii oaiubro de 1868.
Iltb1.fl
Precisa-se de urna ama que saiba cozinhar para
casa de homem solteiro: Da ra do Brum n 6o.
Precisa-se de um caixeiro |para taberna : no
largo da Santa Cruz n. 11
Para a quaresma.
A'a loja do l'asso
Os proprietarios detta iropVrtanti' fftabeie'iives-
to receberao pelo ultimo-vapor frsnnz rir.- {>*
tilhSes de gorgurSo preto SKiito ben eofeitadm,
inteiramenle novidaae, sedas e g.rguroes preus.
temos sortimento completo, o iiieihur a desejar.
Dirijam-se, pois, todas as pet'Oas que precisan ur
iwmprar estes arttgos, ra do Creipo o. 7 .
Seientes de que, em preces nS> se deixar.
zer negocio, isto motivado pelo nio sortimecie
que temos._____________^^^^
Milho novo chegado
dd, America.
Vendem se sacros com milho da melhor qrj..i-
dade, e ltimamente desca regado : uo arm.ve
de farinha do caes 22 de Novembru, pi r baixo ti*
Gabinete Portuguez.
OL'KiVES.
Na offlcina de ourives, na ra da Penha v^e-
de-se urna taholela e urnas 00 pecas de ot*_
miudas de prata, e tambem vendem-se alguns tr-
ros para trabadlo de ourives : a tratar na mtsma
offlcinr. __________________________________
Cantara de Lisboa
Soleiras, liombreirase eariteis, o qoe ha de ire-
Ihor para frentes de predios : venda no arma-
zemra travessa do Corpo Santo, to Joaquim i..
pes iaCiiado & C.
ATTENCAO
Vende-sp a loja de calcado sita a ra D.j^i-
la n. 'iS, a qual est beni areguezada tanto pan
a praca como para o matto e s se vende pr
sua dona se retirar desta praca, quein pretenti'r
dirija-se a mesma que achara' com quem tiaur
e tem tambem bastantes commodos para nume-
rosa familia por botar de ra a ra e por ptefls
muito rasoavel que admira._____________ ^
Milho novo
Vende-se em saceos gratules, e por mcno; [
Co do que em outra qualquer parte ; para v
trapiche Dantas e para tratar, na do Apello.
Cal nova de Lisboa
descarregada hoja do patacho aVorfa ; r\'etide
Joaquira Jos Raines, na ra da Cruz n. 8, SfH
neiro andar.
COMPRAS.
Compra-se
duas ou tres venezianas em segunda mo.porm
que estejam perfeils: a tratar na loja da ra Nova
n. 45.
Casa terrea.
Compra-se urna casa terrea
da Madre de Deus n. 16, loja.
tratar na ra
lmpram-se moedas de ouro e prata de to-
los os valores, ouro e prata em obras inutilisadas,
silbantes e mais pedras preciosas : na loja de
mrives do arco da Conceicao, no Recife.
Iba, pois os mens agrdecimentos por me ter aliviado di
Uo horrivel mal. Com a mais significativa gratido
tubscravo-me deVmcs. aOectuoso e reconbecido criado
Seteriao Duartt. Sua Casa 14 de fevereiro de 1861
Illms Srs Bartholomeo A C. Depois de qnasi sei>
mezes de soffrimento com nma tosse incessante, fasli<
extraordinario, expectora<;o de um catarreo amarella-
do, e perda total das forcas, qne o menor paste
me fatigava completamente, cansado de tomar mus o
tros remedios sem resultado tive a felicidade de saber ar.<
Vmcs. preparavam o xarope Vegetal Americano, e coa
elle, fracas a Dens, me acbo restabelecido ha mais di
dois mezes, e rubuslo como se nada tivesse soffrido. I
gratido me forca a esta declaradlo, que poderlo Vutci
fazer o uso qne qnizerem. Son com estima de Vmct
moilos respeitador e criado. Antonio Joaquim i
Catiro t Silva. Recife 8 de fevereiro de 1868.
Atiesto qne nsei do xarope Vegetal Americano, i.
eomposiclo dos Srs Bartholomeo k C. para cora de na
forle defini qoe me trono nma rouqnidlo, que me nl>
azi* edtender, intlammaclo e dor na garganta, toast
grande falta de respiraclo. e Ilqnei completamente res-
tabelecido com nm so video do mesmo xarope; pcli
qae Ihes protesto eterna gratido. Recife 10 de ja
neiro de t868. Joaquim Ptrtir* ArantutJuimr. -
Esto reconhecidos.
Compram-se e vendem-se diariamente para fra
dentro da provincia eecravos de todas as idades,
jores e sexos, com tanto que sejam sodios : no
erceiro andar do sobrado n. 36, roa d.'.s Crnzes.
Veguezia de Santo Antonio.
Lom muito maior vaniagem compram-se
noedas de ouro e prata : na loja de joias do Co-
acaode Ouro n. 2 D, ra do Cabug.
LINGUAS!!..
J CHEGOU
a nova remessa das muito desejadas lingoa*
seccas, vindas do Hio (irande que se veotie
no tmazem do Gatnpos a ra do Imp--
dor n. 28, assim como : trancas de ceboln
a 640 rs. cada urna, no mesmo armazn
vendem-se e alaga-se
Escravo
Vende-i-e um bonito escravo de cor parda, t*
do muito possante ce un boa lgura, esiando !, i -
liem acostumado ao servir do mar : a tra;r na
ra da Imperatriz n. l0, loja do Pavao.
Vende'se diversos escravo >ecas, vindos iM
Ccar e do Piauhy, propMsS para engenho ; a-
sim como diversos tni.ii chas de 12 i 18 anws,
com habilidades e sem ellas un casal de <*-
cravos pardos g^raoiindose a conducta : (ratsr
na ra da Cruz n. S e .")"'. 8" indar.
0 muzeo de joias
Na ra do Cabug n. 4 compra-se onro, prata
i pedras preciosas por preros mais vantajosos do
me em outra qualquer parte.
Compra-se
duas casas terreas as ras Concordia, Palma,
Caldeireiro, Sauta Thereza e Sina Rila : a iralar
na ruaestreita do Ro;ario n. 33, cartorio.
VENDAS.
Vende-se o eogeoho Mussayba, livre e desem-
baracado, e bem romo a propriedade P^o-preto
separada do mesmo engenho : a tratar com o sen
propietario na ra do Apollo D. 47, Io andar.
Vaquetas
envernisadas e grandes para ecbrir carros : ven-
de-se em casa de Carlos P. de Lemos & C, ra do
Viga rio n. 10.
Farinha de mandioca
Vendem Pocas t C, na ra estretts do Rosario
n. 9.
Vende-se urna mnlatinba de 13 annos de
idade, e dons mol iqnes peca-de 14 a 18 annos
e urna ascrava de meia idade : a iratar na travessa
do Carmo n. 1.
Vende-se a i" parle de um litio (sera casa)
na estrada de Joao de Ranos dcfronle do palacete
da Exm.' viscondos>a de Govanna, com alguns ar-
voredos fructferos, prximo a esiacao da Eocruzi-
lliada de Relm : a tratar ne-ta typographia.
Candido Alberto So-
dr da Motta & C.
com escriptorio e irmazem ata travessa da Madre
de Dos n 14, tem para vender o >eguinte :
Cemento PortLnd de 1" tiualidade, o melhor que
lera viudo ao mercado, barricas de 12 a 14 arro-
bas por iOaOOO.
Vinhos Bordeanx das segnintes oualidades :
St. Julin.
Froasac.
Lormant.
St. Emilion.
Marga us.
Cha tes u de Boyeberelle.
St. Lambert.
Lalonbere.
Duplessis.
Cauor. ^
Dearsesai.
Vinho do Port de qoalidade mito especial.
Azaite doce reliiuido em caixas de 12 garrafas.
Pumos de todas as qualidacos. se encontrar
neste estaheleciinoiii > em laias, rolos e fardos.
Papel de todas as qualidades proprios para ci-
garros^
Vende-se tuna aimac^o de taberna com eai-
xoes, um.registro de caz co'n dous candieiriis;
rende-se em coota na ra do Pilar n. I'i : a Ira-
tar na mi^ma
CsfUR
Acabara de chear ao GfiANDE tUsZAI
UNIVERSAL, i ra Nova "icak.n'
vi\.\\A--iim completo sortinaento tle l
chinas para cosiOra, dos autdres mais
ntiecidos, as (|it's eslo em expo8i$3o i.o
mesmo Lazar, garantihdo-Fe a sua boa qin-
lidade, c tambem ensina-fe com peifetcii
a todos os cfmpr:d(>ic.s. Estas macbinas
sao igufti s n<> m'o IrtbaJio ao de 30 co>t -
reiras diariiMuciiU:, c a si:.i ptifeifSO
como (!;i meloof costureira de Faris. Apre-
sentam-se t;abalhos excuiat)os pelas mes-
mas, qae muito dfvem agradarlos preter-
dentes.
Vende-se ui.i htHiia aim;.co toda de am..-
rello, e envidracuia. |o.'opra para venda ou qur.
qner oulro esubelerimenlo, mesn o na casa Mde
esl : na ra da Imperatriz nf. :i8, vende-se a pi ..-
so ou a dinheiro : iraiir na mesu.a ra n. 42.
farinha da trra a l|000 o meio decalitro, e s
sacco a 15000 : no arraaiui Iridependencia, ra
do Rangel n. 3.___________________^________*
Tamancos do Porto
Vendem-se laniancos do Porto, chegado; niti-
mamente, aprovciteni qne sao poucos os que che-
garam ; assim ci-mo tambem de hornera o senhora,
l'eilos na Ierra : na ua da 8malla-nova n. 1.
a loja do ?im
Os requissinios corles 'de blonde do seria con
manta e espolia para casamento, sendo neste ar-
tigo o que se pide desejar de melhor e mais e-
derno, tambem chtgaram os cortes ds seda de ti-
res novidade, e onlras multas fazendas de saga
que chegaram polo ultimo wpor l'rancez, s pan.
a ioja do Pas.-o a ra do Crespo n. 7 A.
No caos do Apollo armazem de Jos
Puarle das Noves, vende-se manieiga frai-
reza da mellior marca que co&iama \ir a
mercado.
Vende-se nma parle do engenho TitnL, sito
na freguezia de Marauguape do termo do Miada,
cora grandes, malas, mcente e-corrifl com agua .
os pretendentes ilirijam-se a> )' andar do sobrado
n. 36 da ra das Cruzes, qae acharao com quem
tratar.
Vende-se nma negriuha de 10 annos do bo-
nita figura : no pateo do Carmo n. I.
Sefinapao.
Vendc-c
muito prop
fundos T"a tr.-lar na mesma.
a refina cao da roa de Hoilasn. 7,
pan principiante, p..r ler poucos
Taberna
Vtade-ss a labeina da roa dos aoougninhos n.
20, propria para principlante por e poucos fun-
dos : quem pretender dirija se a mesma, quo
achara com quera iratar.
: Vf Rde se urna taberna na na da Senznla-
mva n. 6, propria para ofll principiante : qnem
pretender dirija-se a ra do Brum n. 04:
mENfiQ
Vende-se um boa casa na ra do Alecrimn.
4, em cbio proprio ; e a abaixo ..-signada tlecjara
que nao enearregon a plBSsoa algnma para veuda
da mesma : a t; r tar na me
Antonia Ual Ferreira.
Venle-se o muito afreguezado armatem <.\*
plvora, sal e molhadi s, sito na Imperial r>
233, perlencentea Jo Moreira da Silva Jnior :
a tratar na ra e-troita do Rosario n. 31. arnu-
zem.
As 51 rodas
de reos pora pipas.
Veende-se Uo trapiche do Conha a 74 de 10
rodas para cima.
Engenho vendu.
Vende-se o engenho ConcHeo, oni
dnba, distante da povoscao do Jabowiai ir
tos de .leguijjSie com at 'C'-1. '-
tanie. mati
meia d rliub
Recife, r. ari
ou n.' ngen"
r>i a nrazo
legua
'.'ur i
.lorio Pinjes do Rfgo Con linho._______
Vendem so as casas da ni:;
2S e 27 (na Soledade)
de n. 56.
a iralai
I


.

I.* *>
MM* II III i
Diario (d Periambqo - A HIJA DA-1JIPJEK ATHIX W, *
Esquina da ra da Aurora, em [rente do caf Imperatriz.
N'este novo e sumptuoso estabelecimento de fazendas encontrar) s Eimas.
familias ludo quantopossam desejar,unto emartigos do mais rigoroso bnto, comoemtodas
s mais qtialidadeB de fazendas,
Alm de se acbarem prvidos do que de meluor se encontra ncste mercado,
por todos os paquetes da Europa, recebem directamente o que em artigos de moda e
m mais apurado gosto se encoutra em Pars, o que vem cada da augmentar s propor-
5oe d? que dispoe este estabelewmecto para bem servir sua numerosa freguezia.
KMA
'Do
^k
Algodo largo para lences e toalhas de
Mfas as qualidades que costuma vir ao mer-
Uto.
Alpacas Jo todos os .padroes e qualida-
das li! variadas que se nao poden) deserever.
Alhuns com msicas para collocar retratos,
d Atado presento para quaiq 1er pessoa de
eoraa.
Alozihado de linho e algodo, branco e
de cures proprios para toalhas.
tu
Bs juinas de seda pretas e rauito moder-
aos, bem como-de crochet, tu Jo de apurado
g-ISlu B feitio.
Bal.r-s de musselina, madapol5o, brancos
a de Gres, para scubora e meninas,
Bareges de cores variado sorlimento..
BabadMios ou liras bordadas em todas as
larguras.
Blittina ds todas as. cores.
Brisas de tapete para viagem. grande
Hadado de lmannos e gostos.
Bul &azina preta de todas as qualidades.
Bramante da linho de i I palmos de lar-
gar?, e lodas s mais qualidades.
BrsbtDba de linho e algodo, grande sor-
ti asento.
Bma de linbo brancoe de cores, do mais
cominoio no mais caro em qualidade, aflian-
oando o que ha de melhor na especie.
Biins d'algodao completo sorlimento e
variedade de preyos.
Quisas lie cores, o maior sorlimento, pri-
sutn pelo bom gosto e barateza, altentas
s qualidades.
Csrobraiati brancas, tapadas, e transparen-
185 de todas as qualidades e presos.
Can!'>i[iii?sde cambraia de linho e cassa
bordadas ricamente enditados para Sras.
Camisas para horcens e meninos, to va-
riado -.el ment que vai do mais ordinario
madapo'ao ao mais perfeito bordado de li-
11 e (.unbraia.
Camisas de meia, de flanella, brancas e
de coros para homem.
Ciscmiras pretas e de cores, o melor
ga i se pdfl imaginar, sendo d'isso a me-
iiio";:.-a i o grande consummo deltas na
effic'Pa d* casa.
Caysna de flores, para noivas e bailes,
desr i a mais candida flor de larangeira at
a mais rweremnte griaalda.
Chapelinhas no nulhorgosto,de todas as
cflre hcje preferidas pelas senhoras de
mais apurado rigor na moda.
Chapeos- pelos de velludo, para senhoras,
skiruf gosto de Paris.
Clseos de sol, para senhoras e horneas,
de lodosos pre;os e variados gostos.
Chuy cora ricos padroes para vestidos.
Gl.l*s de todas as qualidades, avultadu
-un- > e p5o menos variedade de gostos,
CClii impossivel deserever o sortimen-
to c ;?; fodada do padroes e novos gostos,
ta Di ti .tri tilO quanto se pode desejar.
CiV r para senhoras o que se pede ima-
gina* de melhor.
Coques, o melbor no goslo e nos entei-
>s tamanhos.
Colchas deaeda com borlas, o mais apa-
rada gusto e livor.
[) as de fusto branco e de cores por
prer"': commodos.
forpinhos de cambraia, ricamente borda-
dos para senhoras.
Cortinados de cambraia bordados e de
|16,o qoe de melhor se pode desejar.
C ilarinhos de Itabo bordados Je lisos, o
C
Gase comlistras de seda e flores, fazen-
da inteiramente aova para vestidos de baile.
Grvalas para senhoras e homens.-o mais
completo sortimento que se pode desojar.
Guipure prelo e branco, diversas largu-
ras e differenes gostos.
Gollas e punhos bordados para senhoras.
Guardaoapos de bobo pequeos e gran-
des.
Gorgurao de seda preto e de cores.
Grosdenaples preto e de cores, haven-
do diversas qualidades e gostos.
<*
Japonezes para senhiras, o melhor gos-
lo, e fazenda propria para as feslas nos ar-
rabaldes e passeios a tarde.
tfc
LSaznbas de todas as qualidades, cores
e gostos,n5ofleando nada a desejar, tal
o sorlimento que existe para escolher.
Lencos, ludo quanto pode haver desde
esgoiao ao algodo commum.
Leques de madreperola e osso, o mais va-
riado sortimento.
Ligas d seda, bordadas, para senbora.
Luvas de Jouvin, ebegadas por lodosos va-
pores, sempre novo sortimento, quer em
pellica para homens e senhoras, qncrem fio
d'Escocia, brancas e de cores.
Madapolao; mdescriptivpl o grande sor-
timento que ha neste genero, desde o mais
elevado proco ao menor, que se vende em;
peca e retalho por menos do que em ou-
tra qualquer parte.
Mantas de blonde para noivas : o apurado
gosto dos nossos correspondentes em Paris
habilita-nos a dizer que temos em nosso
estabelecimento o que de melhor se dese-
ja para vestir e ornar urna noiva.
Mantas prelas deblond.
Manas para carros, effl lindas pinturas.
Merinos pretos, trancados e lisos.
Musselina branca e de cores, lindos e va-
riados padroes.
ES
Pannos pretos e de cores, desde o mais
barato ao mais superior, por prego mudo
c-immodo.
Pannos de crochet, para cadeiras e sos.
Ditas de casemira muilo finos para
mesa.
Peitos bordados de linho. lisos e de al-
godo para camisa.
Princetas pretas e de cores.
Popelina do seda e linho, cora listras e
flores; fazenda lindissima.
Pelherinas para senhoras, do ntfffln
gosto.
GALLO WBJtm
Roa ao Crespo n. 1
Os propnetarios dcste ^beni rnhe^Wo sldbele- \
cimento, alm dos nHot'^bjectos postos a apreciacao. do respeitavel publ.co, man-
daram vir e acabam d<5 receber^slo ai timo vpor
da Europa am completo e vanado sortimento de
finas c mui delicadas especialidades, as quaes es-
to resolvids a vender, como d* mu ostume,
por precos muito baratinhos e commodos para to-
dos, ooni tanto qne o GaHo...
Wuito superiores Invas de pellica, pretas, bran-
cas e de mui lindas cores.
Hu boas e bonita gollinhas e punhos para se~
nnora, neat genero o ijne h de nais moderno.
Sufrieres pentes de lartamga para coque.
Lindos c riquisimos enfeites para ebecas as
Exmas. senhoras.
Superiores trancas pretas e 6 ores &m tidrV
th sm elles; esta laieida o qae--pude harer
(^ melhor e mais bonito.
Supriores e bonitos leqne de madreperola,
marfim, sndalo e osso, sendo aHJtfefles brancos
com Ifins dsenhos, e estes preto?.
Maito spo-lores'metas Ha de Eseossii para se-
nhoras, as quaes sempre se veuderam por 30*000
a duzia, entretanto que nos as vendemos por 20*,
alm destas, temos tambem grande1 sartmento de
outras qualidades, entre as quaes branlas Omito
fifias.
Boas bengalas de sapenor eanna da India e
caslo de marflm com lindas e encantadoras figu-
ras do meso, neste genero o que de melbor s)
pode desejar ; alm destas temos tambe grandi
quantidade de outras qualidades, coiiKV'sejam, ma
deira, baleia, osso, borracha, etc. etc. etc.
Finos, bonitos e airosos chicotinhos de cadera e
de outras qualidades. v
Lindas e superiores ligas de seda e borrae
para segurar as raeias. .
Bom motas de seda para seahora e-para meai- j
as de 1 a 12 annos de Made. :
Navalhas cabo de marftni e tartaruga para fain
barU ; sao muito boas.e de mais a mais sao ga-
rartidas pelo fabrican*!, e nos por nossa vez tam- .
bem assegnramss su^ qnalklade e delicadeza.
Lindas e bellas capellas para noiva.
Superiores agulhas para ma.-bioa e para crox
ynha muito boa de peso, frouxa, pura encher
labyrintho.
Bons baralhor de carta para vokarete, assim
con os tantos para o mesmo fin.
Grande e variado sortimento das melhoros per-
fumaras e dos melhores e mais coriieci-los per-
Travessa do Corpo Santo n. 25.
Os acreditados cyHodros americanos para padaria, por doos differwtes ystemas. j-
Machinas para descarofar algodo pelos memores fabricaotes de New Ywk.
Machinas de vapor systema de locomotiva e polias para as etMtas.
Carrinhos americanos para traLsportar volumes em armazen. Tudo.porpre*
5s ra2oaveis.
TRAVESSA DO CORPO SANTO N. 25
Joatjniii Kepes Machado & C.
LEC1
'FOYER.
VERITABLES ,


fumistas.
Electrieos
Perfumaras ; os mais linos estrados o
tRir sortimento.
m
D^raasco-de la de 9 palmos|de largura
Sttdft: 'Ores ricos padroes.
E-^iiartilhosbranios e de cores, para se-
nhoras e meninas, o melhor neste genero ;
nenn ma Sra. deixar por certo de muir
ae de tan precioso auxiliar perfee3o de
am wpo delicado.
En'rfmeios bordados.
E^omilha preta.
Enfeites para cabeca, ultima moda de
Paris. recebida no ultimo paquete.
E^vrniao de linho, completo sorlimento de
todo os nmeros.
Fitas largas escocesas para cintos, varie-
dad' de goslos e lindos padroes,
Fi bus de crochet, modernos com cintos
e canas, o qne ha de melhor.
Fi'rt 1e seda/ linho e algodSo, de todos
os gastos e padroes.
que de melhor e mais 3gradavel se pode
encontrar neste genero, e de mais fragante
e suave uo olphalo. tem o PAVILHAt> DA
AURORA, desdo a verdadeira agua Flori-
da at o mais fino Bow/uet d'Amoiir, final-
mente tudo quanto deve occtipar o touca-
dor de utna senhora de gosto.
Saias bordadas, brancas, lisas e de cores
com folhos e sem elles. o melhor possivel,
Sabidas de baile, de todas >as cores.
Sedas prelas, de quadros, lavradas, lisas.
de lisiras de lodas as cores e qualidades e
o mais barato possivel.
Sarcelim de todas as cores e qualidades.
O
Tapetes grandes, lindas pinturas para 8
cadeiras, mais pequeos e de todos os ta-
manhos desoja veis, e em peca para co-
vados.
Toalhas de labyrintho. do maior c mais
fino trabalbo ao mais barato.
Toalhas de linho e algodo de todos os
tamanhos, Ihas e felpudas.
Tarlatana branca com palmas e do cores,
fasenda muito nova, o gostos delicados pro-
pria para baile.
^y -
Vistuarios bordados de fusto brancos-e
de cores para meninos, do cambraia para
baptizados, o que de melhor tom vindo a
este mercado.
Vestidos de 131 escoceza de 2 saias,
novidade pelo padro, gosto e ffma; ditos
de linho com barras de cores, e de cam-
braia de cores com 2 saias, todo inteira
novidade, trazara os modellos juntos para
mostrar a forma de os fazer.
Veos de blood para noivas e pretos para
luto.
Vestidos de blondpara noivas: podemos
asseverar as nossas Exmas. fregaezas, que
FU*) de todas as' cores e qualidades somos os nicos em Pernambuco que pode-
ran 1- sortimento. mos- offerecer ao Ilustrado publico, o mais
Fhnella branca e decores. apurado gosto em semclbantc materia, gra-
Flores, o que ha de mais rico, quer cas ao bom gosto do nosso fornecedor em
solas, quer em ramos, tem oPAVLHa! Paris, podemos garantir que ninguem neste
DS. VUROitA um permanente jardim a gnnero o possue melbor, nom mais em
disQiwico das Exmas. familias. conta.
E' disponrlo d to grande e variado sortimento que o? propnetarios do fa-
VILHAO DA AtJRORA se apresentam ao publico declarando desde j quo e a smcerida-
ce -i o bom gostoo movel nico de seus negocios.
Prvidos de tudo e promptos sempre a prover-se do que por ventura me
leja nccs?ririo, os propnetarios deste suroptuoso estabelecimento recommendam-se
sera, rweeio de serem contradictos e protestan) esforcar-se por continuar a merecer a
prot cao que se Ibes tem dispensado ; certos de que do seu estabelecimento nao sanira
o-fresufiz descontente. ..
Continua sempre a officina^de alfaiate dirigida por um dos mais naoeisarus-
t--., prompio exentar cf'm promptio e bom gosto qualquer trabalbo que lhe seja
lio. Urna modista espeeialmente oceupada nos trabalhos do PAVILHAO DI AU-
B01t\, d'rigeos que lhe siio concernen tes, garante por seo apurado gosto epromptidao
ca eiaicSo e a mais completa pdrfei^ao nos seus trabalhos.
A numerosa freguezia que nos honra urna prova de que merecemos o con-
ce-ito qi1 i se dispensa ho nosso estabelecimento, conceito que procuraremos firmar cada
v m^is. -Para facilitar anda a concecucSo do flm que nos propomos, temos no nosso
estabelecimento ps Rimos figranos -de Paris, qde recebemos por todos os paquetes, os
quaes env'iareniM para serem vistos as familias nossas freguezas, afim de escolherem,
com o*padr5o da fazenda o g9k) na forma.
oflietna de alfaiate, janto ao estabelecimento, ba igualmente os Agunos
para boai.s,que por todos os vapores se recebem.
o modo por oubiieo e com o mais profundo reapeito convidamos s excellentissimas Sras. a visi-
iarom o osso estabelecimento, certas de encontra-em nelle pelo menor preco possive-
" COLARES DS ROER.
magnticos centra m eeovulsoes, e
facililam a denticao das innocentes enancas. So-
mos desde muito recebedores deses prodigioso
collares, e continuamos a recebe-lo3 por todos os
vapores, afim de que nunca faltcm ne mercado,
tomo i tem acontecido, assnn pois poderao aquel-
es que detles precisarem, rir ao deposito do galo
vigilante, onde sempre eneontraro destes verua-
deiros collares, e os quaes attendendo-se ao flm
para que sao applicados, se renderao com um mui
diminuto lucro.
Rogamos, pois, avista dosobjectos que deixamos
declarados, aos nossos fregueres e amigo-a a virem
comprar por precos muito raioaveis loja do gallo
vigilante, ra- do Crespo n. 7.
A VERDADE
55Rmado Quenado5
A VERDA-BE tendo em deposito grand'
quantidflle'demiwlezase perfumara, e df
sejando apurar dinheiro e atkjuerir bw fm
guezia esti rssolvida a vender muitiseim
barato, ; por essa raza convida aowspe-
tavel publico a vi' competentemente mun'
do a sortHHH* do bom e barato. Poia-quai
do a Vadeapparei, tudo inaia- des-
apparece......
Grande sortimento de bonecos de ora
massa as mais liadas pose veis .vestida* a ca
racter.
Abotoadiwas moderuas para col-
letea ........
Espelhos- donrados pepnenos. .
Agulhas do osso para ewx a .
Pentes para rega? > rom esntas a
Ricos glabos para candipjro de gaz a
Cbamius-a.......
Grande sortimento de objetos d&
louca para brinqued de menino
Garrafa com tinta a......
Dita com agua florida terdadelra a
Dita com dita dita a ... .
Frasco com oleo de babosa a'300 &
Dito eom agua de Colonia a 300 a
Gairafa com agua divina a. .
Frasco com extractos finos, a .^ .
Latas pequeas coa banlrt muio
fioa ale......
Sabonetes de drveflsasquabdadesa
80, 10O,24Oe.......
Finas escovas papa, dente* dotO a
Lindos coques modernos a. ..
'Pavios para gaz, duzia a 240 e .
Escovas para fecto a 500> 600 e
Ditas para cabello a. ..
Pentes para tirar piolbo a *60 e.
Brincos de cores, bonitos a 160 e
'Pecas de tranca de la com 8
varas por. ......
Oleo para machina de costura,
frasco a......
Peonas d'aco finas caixas a 800 e
Dita d'aco Perry, caixa a.
Galao de'algodo pee*
Lindos babadinbos e entremeios
peca de 500>a. ...
Ditos de loca muito fino a 120 e
Ditos para calca a 1G0 e. .
Caixa com papel amizade a. .
Ditas com envelopes a. .
Ditas com obreias a. .
Caixa com agulhas fundo doarado
Ditas de ditas ditas a.....
Thesoura para costura a'240e
Caixa com linba de marca a .
Linba de cores em novellos (li-
bra) a.....,*,*-;
Carreteis de linba Alexandre de 70
at 200 ..,,-
Grampos muito finos com passa-
ros, duzia a
Cartas portugueas, duzia a .
Ditas francezas a 20200 e .
Papel almaco e de peso, resma a
3,5400, 3,5500 e .
Laa muito fina para bordar, libra
Fita de algodSo para debrum de
sapatos, peca a.....
Ditas de 15a para debrum de ves-
tido, peca a ......
Pentes finos para segurar ca-
bello a......
Ditos ditos de bofalo para alisar
a 210, 320 e......
Ditos para aparar penna a .
Rosetas pretas, par a .
Tranca de 15a deoaracol peca a 40 e
Fita de coz pecarWOe .
Alfiotes'delaOo.a. -
Sapatos de la para enanca a 400o
Grvala de sdas de cores a .
Os verdadeim OOLLAEn o. ucm lypimiii fk
Acdm de Medicina, t ittrihido cnpMn dos falsificadores, qat para bcilitar toa craiaoa
industris nao sepjaft, nem receiao annaneiar tender ftbos OM
llliss mi En prerinoas fajsHMaaparainlereue dese**filai
para erttar ttiaificaeoes, derca eiii, aue nens Oouuas iket
ajee veadidM esa caias de tasabas de esKalxe c eorredias cokertas
r 4 ettiqoetas casa a minha marca de fabrica e encerrand am
araapMto circunstanciado, e selladas por ama asedaika eo a tilliaka
COLLAR R9TER, Su St-Iarta, 225. Pirii.
Mik?okope achrorira-
tieeben. Objetivo-^^^^ \D
sea.
Barometre e termos
metre. Centigrade
e reuumeure.
0C1IL
E crystal de rocha do Brasil.
32t
26(
-30<
32
*m
32
m
80(
Uoo
72(
5f>
1*5(K
.-ilOO
1C(
32i
6S(
2^KK
32(
HX
50(
24
20
81
fiO
ta
4^501
20!
24C
70
48(
4(
m
m
50(
28(
50(
10(
2K
3O0(
4^50(
6<)50(
m
48(
*V al. Cierinoura, recommenda ao publie, seus vidros pesiscopicos aperfecoa
dos- porque, com estes* vidros, a vista descanc*, fbrtitica-se e nao a canea como com
os vdeos ordinarios, lima vez escolbido um vidro, pode durar dez annos, emqw>n*>
que com os vidros ordinarios se est obrigado a muda-los todos os annos eoeter
cada ve* mais grossos. oque altera o cryetalino do 6lho e determina quasi sempre do-
res de oabeca. O alcance ordinario da- vista perto de 30 centmetros do lbo, er
todas ao vezes que o objeeto est mais perto ou mais longo, os raios que expelle sao i
mui currvergentes ou mu divergentes e aMsio n perfeita. Um grande numero de
pessas tem o defeito de fazer convergir muito de sorte que a viso n5o distincta.
Coro a applicaco de meo vidros pde-sa vencer estas difficuldades. Para os que tem
a \1s*a- Gurta e cujo crystalino mui convexo (o que faz ver ben, de perto, e mal de
longe), o que se chama myope, por meio-de um vidro concavo afasta-se o ponto d&
vlsiss, o que faz divergir m object do o cristalino muito ciato, o que soecode aos que tem chegado a urna certa idade,
o q?je se chama presbyta, vem raeibor do longe que de perto, e noenxergam seno
um nevoeiro na distancia ordinaria da vista; com am vidro convexo, estes enxergaro
(So dundamente coro na idade de Ki-annos, Servindo-se testes vidros quando b
vista Principia cufraquecer, previne-se f> mal.
F. I. 8rniaim encarrega-se pela sua experiencia, tendente aos olbos. a e s
colher, a primeira vista, seja qual for a idade' egro de vista, oculos proprio-para
qualcwcr pessoa, _
Para que sao fabricados estes vidros TI
Para a vista myope, (-sta curta). | Para a vista que-nao supporta os raios
Para, vista que-.se cobne de nveos. i solares nem grande claridade.
Para vista que ooa -momentos, v& es- 9m ( vsta operada da caurata. _
! 3 eordeirx) prevfitentf
Una 9 HHoliuauio u. 1.
Novo e variido- ortimento- de penumamf
finas, eontr-os obiectos.
Alen -4o mimo swtiioento de perfe
marias, de que efectivamente est prvido a
.teja do-wdeiro Previdente, Ha acaba te
recetara otto>4rtimento qoe se tora
ootavl^.\aWitekpbjectos, sopenon
dade, qaodles-ePaOiidles de pr
?os; a*sim^SfO<^WaPretidente podf
a espora a^ttaur jwiocer apreciacl
do respOUsolyMb gerd e do su>
&oa frpaiia mixpttia*, i*> ** rfa*
iMb4oBe vd05foa%6f connecite mansidl
e baratez. 'in dita loja eaeoBtrarao V
ipreckdoree-do bom:
Agua divina de E. Coudray.
Dita verdadeira de Murray fr Lamman.
Dita de Cologne ingleza, americana, fr
ceza, todas dos memores e mais acreditado*
fabricantes.
Dita de flor de larangeiraa.
Dita dos Alpes, e vilete para toilet.
Elixir odontalgico para conservaclo te
sseio da bocea.
Cosmetiques de superior qualidade e eba.
ros agradaveis.
Copos e latas, maiores e menores, ce
pomada fina para cabello.
Frascos com dita japoneza, transparent
a outras qualidades.
Finos extractos inglezes, americanos
(rancezes em frascos simples e enfeitados.
Essencia imperial 4o fino e agradavel cha'
ro de violeta.
Outras concentradas. e do cheiros {goal-
mente finas e agradaveis.
Oleo philocome verdadeiro.
Extracto d'oleo de superior qtraidada-
com escolhidos cheiros-, em frascos' de dille-
rentes tamanhos.
Sabonetes em barra, maiores o menor*
para mos.
Ditos transparentes, redondos e em Hgo
ras' de meninos.
Ditos muito finos em caiwnlw para birb
Caixmbas com bonitos sabonetes inatand'
frwias.
Dita de madeira invermOada coatendo I
oas perfumaras, muito propriae para pr
entes.
Ditas de papello igualmente bonitas, tas
bem de perfumaras finas.
Bonitos vasos de metal coloridos, o 4
moldes novos e elegantes, com p de wtv
a boneca.
Opiata ingleza e franceza para- dentca.
Pos de campbora e outras differoate
paalidade tambem para dentes.
Tnico oriental de Kemp.
Anda mala coques.
Um outro sortimento de coques do o
vos e bonitos moldes com fiiets de vicbhe
a algons 'elles ornados de flores e ta
stao todas expostos apreciac-So de que;
18 pretenda comprar.
GOLLINHAS E PUNHOS BORDADOS.
Obras de muito gosto e perfeicao.
FireUas e fitas para elaatt.
Bello c variado sortimento de taes obja:
ios, ficando a boa escolha ao gosto do eos
prador.
vosear pequeos pontos negros.
Para. vista que as- palpebras treaem
de'fraqooza.
Para a vista que os-olhos sSodesiguaes.,
Pana avista que a torva com o tnaba-
lho e a leitura.
l*a)-a a vista que as palpebras eato cer
cadas de saugue.
Para a vista que am dos olhos a myop
e o outro presbyto^
Para evitar finalmente que o crystalino
Para a vista presbyia (vistagalon },. do olho se cobra de catarata.
Sortirneuio
para theatro,
do binculos
e culos de
K1P POPUIlSt
DA
mWk NACIONAL DA Mk
DE
Teixeira Uldurico $ C.
Acha^se venda este ptimo rap, nico q
pdc suppnr falla do princeza de Lisboa, por s
de mui agradavel perfume, viajado, e a prev
mais mdico posivei; e por issu tem sido a.-sx
acolhido i-j- pravas da Babia, do Rio de Janeiro
oni ontras do imperio : no escriptorio de Joaqu i
Jos Gucr.ilves Beltro, ra do Commercio nt*
moro 17.
TASSOIRMAOSarC
Vendem em seus armazens, no eaes do Apou-
d. 7, Eseadinha u. 1 e ra do Amofim o. 37, o>
seguintes gneros :
Ai; il.- Mll.-i ,
Miilio em saecas graBdes.
Farellffem saceas de 90 libras.
Chumbo de munieao sorlklo.
Metal amarello pwa forro de navios.'
Machina^ para descaroyar algodo- de ?; *
serras.
Kerosene em latas de 5 galoes.'
Champagne do alomado fabricante Krug.
Hormouth.
Vinbo do Porto engarrafado.
Coac do afamado fabricante Gaitier Prres.
Fogo da China, caixinbas, 40 caitas n. 1. Sxtr:.
Genebra ingleza ld ton
Cimento Romaoo.
Cimeniu Ilidraslico.
Cimento Portland.
Gesso para estuques.
Cannos de barro para esgotos.
Gradeamentos de ferro para jardins, calcada* a
Cirros de mo para servidos ide armazens.
Garrafoes com 5 galoes de viaagre tinto,
tldem com 3 galoes de vinagr tinto.
Chumbo em barra.
alcance para o campo e ma-
rinba.
Lunetas, pince-nez e
face--main, ouro, prata,
tartaruga, bfalo, "ac,
etc., etc.
Tem tambem grande sortimento de relogios para parede, que do horas o.para
cima de mesa dos mais lindos modelo Relogios para algibeira, de ouro, prata, prata
dourada ef oleada, ingloaes, suissos e orsontaes dos melhores e mais afamados fabri-
cantes.
Vendas em grosso e a retalho. Em Pernambuco.
N.2l=Rua Nova. 21.
P1ITM HIA A flUffli
Ra do Queimado-11
Calcadeirasa-
'Mtrtdtromos caixeiros levar as fazendas e amostras onde forem pedidas, visto Grande sortfioonto de reooas as oas.
Mccar todo quanto tomos. m^rettiapetisorto de oorrocha poi
Jjo LuiZtlSobrwho C.
wti9 aopodeoiileaejar
diromos
)S Bpeciacar
Aheo das 6 s 9 horas da noite.
50
16(
1
i(X
mv
81
4trotamir!l
Wa VoHkt4e *>ra 4o welainaH
6.
11
AUGUSTO PORTO acaba de receber pelo ultimo vapor da Europa, superioies
sedas pretas proprias para os 3Ctos da quaresma sendo :
Grgurao preto de seda o que ha de melhor.
Grosdenaples preto de diversas larguras e qualidades.
Mantas pretas de blond moilo lidas para senhoras.
Pannos ecasemiras pretas, pannos azues merinos, bombasmas, pnneotase arpa-
tas pretas e de eflfes.
Basqomes de seda e goipure pretos das mais modernas.
Vestidos de blond com manta ef apella para noivas, fronhas de esgoio e cam-
braia de bobo bordadas, coIcmis de-seda, ditas de seda***, .arUaados bordados para
camas e janeflas,'vestidos para baptisades, erttotaespara enancas e superiores saia&
bordaba*.
'Cenes de setfm doceres editoside seda dos a moderaos.
Popelinas de^eda ;linfw;isosie com listra gostos elegantes.
Luvas do pfeHca'pretaa, de coresle brancas para .homem e senhoras.
Malas te couro de todos os tamanhos para viagens,
Camisas.bordadas e-lisas--para hmens e meninos.
Grande sortimento de fazendas ; proprias p.ra fabricas de enge
demoitobafatot isoofiando teriarbpreias afamadas
Bsteiras da 'India, pata forra* salas, e tapetfeB
iidtles.
Bichas hamburgnezas
Neste novo deposito recebe-se por todos os p,-
quetestraoslanlicos bichas de au.ilidado supeiii.r
e vrndom-se emeaixa ou porcao mas pcduBa,
e mais barato do que em outra qualquer paite '
na ra da Cadeta do Keaife n. 51, Ia andar.
Cigarros da imperial
fabrica de S. Joo
de Nictheioj.
tnico deposito era. Pernambuco caes i
dega velha n. 2, f anda.
alba-

pe seu justo valor ba ma da a-
deia do Recite- b. 58, loja dfo Azulejo.
Venderse urna casa terrea na freguezia Ca
Boa-vis a : a tratar na ra da Cfraceicao n. 56.
HBa do neiaadO"^
UGttll
i
y" '





I
DlaHo de Peruambuco Trcja feira 22 de Mar^O de 1870.
)
BARATAS, NA LOJA E ARMAZEM
^SBb^h

&ua
1 HS*:*
- ^
*0 $UMA**
^a.
PREIRV HA SILVA.
Ra da Imperatriz n. 60.
O proprtctario dcste grande estabctociinenlo, tcndo da/lo balanco no fira do
rao, coio de costme e vendo qun tinha um grande deposito de fazendas, e junto'j-
do a essas outras muitas que Ihe tem chegado este anno, tem resolvido fazei urna LI-
0IDAQAO por precos muito mais baratos com o fin de diminuir a quantidade e apurar
0INHERO.
O respeitavel publico encentra ncste estabelecimento, nao so wn grande sor-
iimento do mais apurado gosto e luxo, assim como tdas as fazeodas de primara ne-
cessidade, e do todas se dio as amostras com pcnhor: as pessoas que negociara em pe-
quea cscalla-, nesta casa podem soitir-sc de um ludo, vcndeado-sedbes pelos mesraos
prepos das casas inglezas.
Expleadido sortimeato de Crochs
roupas feitas
NA LOJA DO PAVO A RA DA
IMPERaTRN.0
Acha-se esle grande estabelecimento em-
fietamente sorteo das melbores reopas,
eado caigas palfcots e coletes de casemira,
MEZAS El GROSSO
PAEA NEGOCIO
POR PRECOS MITO BARATOS
O BAZAR DA MODA
Ra Nova n. 50
CAZ 6A7, GAZ
Ciegan ao aatigo deposito de Hcnry Ferler *
,1, nu do Imperador, u camgaraepto Te jp
de primeiraquKdadeioqcal mw>*w pared*
8 a retaho po meaos paeco do qu -em outr* *ua*-
1 ijaer parte. ^^ _____
Sementes
to paano, de brn, de alpaca, e do todas
s mais fazendts que os compradores pos--
Mi- desejar, essim con na meara loja
*tm um bello sortimento do panuM casemi-
rte, brins, etc. etc. pan se mandar fazer
rnalquer pefa deobra,'com* motor promp-
cdlo vootede do fwguez, e -nao sendo
abrigados a ceeita-tee, quando mo stetom
ompletamont ao sen contento, assim como
n'este vasto estabetocimentoeReontrard o
-eepeitave! publico m bello ,-sortimento de
amisas francezas o inglezas, ceroulas de
;inbo e t&odao e outros reuitos artigos
proprios para tombos e sewboras promet-
^ndo-se-ihe vender mais barato doqoe em
jntraqwa'.quer paste. Na -roa da Impera-
r n. G0, lojae armazemde Flix 'Perei-
a da-Silva.
PecMnclia a 2^000
Pera len<$es.
Na laja Jo Paveo vende-fe superior bramante
com tO palmos de largura, dsao a largara o com-
crimeolo do lene/:!, sendo abenas pre.-o para
:ada lencol uia e tneio, ou w e um qoarto me-
ros," alai desu aplicarse tcm outras muitas
sara arranjos de familias e -/ende-se pelo barato
preco de 2fO0O o metro^ Na loja do Pa-in, raa
4a taperajro. n.-W. DeMPofe Pereira da Silva.
CiMgas delniio
Vende-se gangas de Itabo com qaaJrinos
mito boa fazonda, para roupa de bomens
a meninos e vende-se peto barato prego de
500 rs o covado:
PEGHINGHA^EM PANA-PRETO A 2:400.
O Pavao vende superar panno poeto lino,
oara pallitots, calcas, colees, etc., palo ba-
ratissimo preoo de 2;tOt, de pechincaa.
Corten *>canemlr& pteta a 500
O Pavo vende os superiores cortes de
-asemiras pretas enfestadas, pelo barato
oreco de t:S00, pechiacha.
PECHINCHA, ALG0DA061NH0 A i;000,
O Pavao est vendewio pecas de algo-
dlosinbofrancez, tendo 4 palmosdelargu-
;a com it etros cada peca, pelo barato
ireco de lilOOO.
Peca* 0 Pavo vende pecas de muito bom ma-
dapolao tendo 12 jardas cada urna peto ba-
s-atoprec^) de 3:500.
GROSBENAPLES BRETOS.
Cbegou para a loja do Pavo um grande
dortimento le grpsdoaaples pretos, tHdo
de 1300 at i>5000 o co^de neste genero
es melhors emais largos que tem vindo ao
mercado, asatoi como bonitas sedas pretas
Savradas, moieantiquesetc., todas esiasla-
endas, vendea-se mais barato do qne e*a
outra qnalquer parte, por baver grande
porco.
PERCALLAS E CHITAS BARATAS.
O Pavo vende um grande sortimento,
das mais bonitas chitas claras e escuras, mais
barato do que em outra qualquer parte.
t'a*as a 240r.
Vene-se na loja do Pavo boitas cas-
42s de cores fixas a 240, 280e3tK) rs. o
-ovado.
Canferaias braaaas a 1:000 a p*l
S oJPavo vende pecas do canbraia
branca fcansparepte, >tendo mais dejara de
, argura, com 10 jardas cada peca, fazonda
/rae sempre se venden a 75000 e WOOO,
iqpida-se pelo barato preco de liJOOO.
Alpaeas brilhante* al* e M4M.
O Pavo tem o mais nello sortimento de
alpacas lavradas com as odres mais delica-
das que tem vindo ao mercado e tendo bas-
tante larguaa, vendem-se peto barato preco.)
de 1000, efiOO rs. o covado.
Boa pinga do Douro
A 3*OflpO
Flix Pereira da Silva, ru- da Itnperatrii n
99, acaba de rebeber ama nova remesa do seu
riraito acreditado viobo puro do Dooro, e muito
oroprio para este clima por nao ter cofec^o,
vende cu barra de ifr a 32J.
rom palmas de seda a 1**0 rs.
Para a loja do ParUo chegoo um rico
sortimento das mais bonitas lasinhas com
palmas de seda tendo de todas as coros e
padres, sendo fazenda bastante larga e
vende-se a UffO o covado.
AS CHITAS DO PAVO
Vende se um brilhante sortimento de
chRas claras e escuras por precos mais ba-
ratos do que em outra qualqner parte.
Roupa para escraros
Vende se na loja do Pavo, um bonito
ortimento de roupa par escravos.
AS POUPELfNAS DO PAVAO A 500 RS.
Cbegaram as nais lindas noopelinas de
i-la com nitaco das ponpelinas de seda,
sin.fazenda maito leve com as mais lin-
das cores, sendo: verde Bismark, roa, azul
if, c nsentQ, peroHa etc, etc, e vende-se
peto baratissimo preco de 300 rs.
AWACAS.LAVRADAS
VAndq-seanmais bonitas alpacas lavradas
cofl|.osineJbores;ostQsa640, 800e i$QM,
6 Covado, alpacas lisas de todas as.cores a
40^i720rs.,' alpacas brancas lavradas li-
iil_$_ de cordo.
Na 16ja e armazem doravao ra da Imperatriz n.
para oadeiras e sofes
O P^vo tem um grande sortimecto dos
mais bonitos crochs proprios para cadei-
ras sof&, mesas, ah&ofadas etc ele-, assim
como proprios para de-se mais barato do quo em oolra qual-
qcer parte,
ALGODiO ENFESTADO
Venda-so urna grande poveo de algodo-;
sinho americane com 8 palmos de largurai
proprio para l-iccs e toalbas'tcndo liso e
trrncado qoe-sa vende por prece muito eta
cania.
Maos de Ilalto
Chcgou ura grando sortimento de pocas
de panno de iiuho do Porto que se vendara
de 700 rs. st 1^000 a vara, garantinde-se
que emtaanda de linbo ne ha nadame-
lbor, nem mais proprio pura lences c'toa-
Ibas.
PEOHiCHA EM CHAPEOS DE SOL
Cbegou um graBde sortimento dos me-
ihores cbapos de sol de^seda, inglezes len-
do ueste artigo o melbor.-qae tesrvndoao
mercado assim como urna grande porco de
ditos do alpacas de todas as cores e lodos
se vendem por preco muito mais barato do
que em outra qualqosr parte, per harver
grande perco.
Os baldes do "Pavao a M0,
Chegu um grande sortimento e baloe?
ou creaolinas do feitto mais moderno muito;
proprias para vestides ennesgados que sel
vende pelo baratissimo-preco de Si5000 ca-
da om- grande pechincha
CRETONES MATfSADOS PARA VESTIDOS
A 640 E 800 RS.
Para a loja do Pavsa cbegaram os mais
bonitos cretones escaros matisedos, pro-
prios para vestidos, roupo chambres etc.
que se vendem 800 rs. o covado, assim
comoa mesma fazenda era padrees claros
proprics para vestidos e roopas de meni-
nos a 640 o covado, sendo os padroes mais
moderaos que tem vrapo ao mercado.
m n m imm i
LASINHAS LUSTROSAS A 4O0RS. O 00-
V0.
S o Pavo
Vende-se um grande sortimento d
mais modernas e elegantes laesinhas pare
vestidos, com as cores mais novas que tert
vindo -a este mercado, sendo hb listrinhas
miodiobes que parecem de owa s cor
com tanto lastro qae daiitam perfeitamente
s poapeiinas de seda, e veodem-se-peto
barato preco de 400 rs.
0s setins do Patto
Vtode-se os mais boBiios setic-, de coros
l mais encornados proprios pan vestidos
tendo de diversas cores.
'PA2E.NDAS PARA LUTO
Ka loja do fiavio.
Encontra.o respitavel .publieo nese e9tabeleei-
nento um grande sortimento de fazendas pretas,
jretas de todas as cualidades, uzeada de a de
.odas que tem vino, proprias para loto, como,
lejam, laz^ias, alpacas lavradas e usan, canto,
iombazinaa, meria, te., que tado se veade por
reco barato.
Madapoln francez a 7|i0ft0 rs'
Vende-se pecas de madapolo ft.incez
'xa 22 metros peto baratissimo preco de
7*300 a peca, pechincha.
Altas neiidafes m sedas
Cegou um grande .sortimeato das mais
noiteroas poopelinas oo gorguiSes de seda
i itnko com os mais elefantes padroes que
era vindo a este mercado sendo, miudos e
?raados, tanto ea eortes ?ara vestidos come
para vender em covado, assim como um
bonito sortimento das mato bretes sedas
[istradas que se veede tuda muito aconta
CERA DE CARNAUBA.
Vende-ce urna grande porco de era de
arnauba em saceos por preco mais bsato
toque em outra qualquer: na toja do
r>av5o ra da Imperatriz tn. 50. De Feliz
^eirada Suva.
Heriik de eordSo
Vende-se merino preto de cordo prr>
jrio para calcas, palitot, e colletcs, pelo
baratissimo prego de 1(5000, o covado,
Quaado a AGUIA BRRNCA, mais precisa scientificar ao respeita^l publico em
geral, e em particular a sua boa freguezia, da immensidade de te tem recebido, justamentelquando ella menos o pode fazer e porque essa falla invo-
luntaria ella confia e espera na benevolencia de todos que \h'a attendero e relevarlo,
continuando portante a dirigirem-se a bem conhecida u ja da AGUIA BRANCA ra do
Qiieimado n. 8, onde sempre acharlo abundancia em sortimento de superioridade em
qiralidades, modicidade em precos e o seu nunca OesmentUdo AGRADO ES1NCERIDADE.
Do que cima Sea dito se conheceque o tempo de que a AGUIA BRANCV pode
dispr, empregado.apeaar de seus cusios node-iempenho de bera servir a aquelles que a
honrara procurando prover-se em dita loja do que nocessitara, entretanto sem ennume-
rar osobjectos que por sua natureza slo mais conhocidos ali, ella resumidamente indi-
car aquelles cuja importancia, elegancia e novidade os tornara recommendaveis
bm seja
40;5O0
640
7^300
220
VS000
fi.TtCOO
8.-JS00
como
MOLESTIAS doPEITC
HYPPHOSPHITOS
DrCilRCHILL
XAHOPE de HYPOPHQSPHITQ de SODA
XAROPEde rWPCPHSPHlTO de CAL
PlLLASdeHVPOPHOSPrlTQdeQUINrtO
GH LO RUS "i ANEMIA
fRt"SfP.fOAS
XAflOPEtleHYPOPHOSPHITO def ERRO
PltL AS"deMVPOPHOSPr'lT0 demUNBANESIA
TOiSK SMNCHli'-*S
trLUAUS A5HMA
CBRCHILI
o fratto quadro t im
ajsijnaturi do b*' OBvI-
HHrocwn mm* W ufar, ti, mtrao,pARi8 v,
60.
Corpinhos de camhraia, primorosamente
enfeftados com fitas de settoi e obras essas
cuja novidade de molde e perfeico do ador-
nes (s tornam apreciados,
Pftas mni torgas de diversas cores e qua-
lidades para tintos.
Leques usse objecto muito se poderia
dizer quereado descreve-los miauciosamente
por suas qaalidades-, edree e desenhos, tal
o grande e variado sortiramto que acaba
de chegar, mas para nlo mrssar o preton-
dente se lhe apresffitar o que poder de
melhor.
ntremelos ere pecas de 12 tiras.
Guipui'.e branca e-prete de diversas qua-
Udades e desedbos.
Ditos de algodSo com flores e usos.
Veos de seda para cbapelinas e raont?r-
ria. |
Meias de seda para noivas.
Ritas abertas de fie de Escossia,
Enxovaes completos para baptsados,
Touquint.as de fi!6, sapafttohos bordadea
e meis para ditoj.
Camiskas bordadas para ditos.
Capellas brancas para meninas.
Grandes sortimento de flores finas.
Fil de seda, preto.
PERFUMARA
Grande e constante sortimento de dita,
sempre melhor qoajidade.
Lindos vasos cora p de arroe e pinsel,
Caixmbas com ditos aromticos. .
- Benitos e modernos pentes dourados
para circular o coque.
Benitos brincos de plaquee.
A"derecos e brincos de madreperolr.
Caivetes inos para a%rir latas.
^"hesouras para frisar feabadinbos.
Aspas para balo.
Novos Stereoscopes com 48 vistas, as
[quaes sao movidas por um macliinisrno
Hmias subsituem as ostras.
i Vitas para stereoscopos.
Bonitas caixinhas devidro enfisKados com
] pedras.
Ditas-fie raaderra-eaverRisada com vispo-
ras e com dminos,
Bollas de borratJfca para brioquedo de
criancas.
Diversos objectos de porcelana, proprios
para-esfeites de mesae de lapmhas.
nu A FISTA
Vene-se per mem dJ^O, %Q* 30
W NO
El UISUTATITI
N, 23Largo do TJer(?o.N* 2S.
DE.
SIMAO DOS SANTOS ft G.
Os proprietartos deste.bem sortiio armaiem de secco e momados esto re-
sol vidos a fazere uma^ratde dcinuico e precos as suas mercaderas, como se apro-
xima a Cesta e sempre se tocem avalladas compras para o centro e praca, por
isso previnemas respeitovel publico em^eral, que mande fazer suas despencase cer-
tos de. e .garaa'jndo-se as superiores qualidades.
GAZ AMERICANO OjjSOO a toia, e 440 i SEVADINHA E SAG Sm rs. a libran
rs. a garrafa e 60 rs. o litro. 630 rs. o kilogrammo.
VINHO VERBADEIRO IGUEIfiA i 506) FAWHA DE AHARUVA VERDADEIRA
a garrafe, e &SCO a casada e 80 rs o U- 640 a libra e 10400 o kilogrammo.
tro. BOLASUNHA INGLEZA. MUETO NOVAa
IDfild)E LISBOA das aelhoret marcas, 400 rs. a libra e 800 rs. o litogrsmmo..
400, 40 e im rs. a garrafa, a itfSOO-e i VELLAS DE ESPARMAOETE i 720 rs. o
35200 a caada, -660 e 730 rs. o tro. .-tuasso, era caixa ba abatimeno,
1DEMRANC0 DE LtBOA a 44000.1 PHOSPtlOROS DO GAZ ^E 8EGU-
a caada e 560 agarrafa, e 840 rs. o litro. SANCA, 280, 400 e 560 rs. o masso
VINAG8E VERRADEIRO DE^S30A 3)$200 e 6500a groza.
Coques imitaco de cabello,
guarnecidos de bellos enfeites
ultima moda, a duzia
Papel superior de quadrinhos,
em caixas com 20 cadernos a.
Envelopes porcelana, muito boa
fazenda o milheiros em caixi-
nhas de 400 ...
Botes de osso bem pulidos para
calcas, a grosa
Ditos cobertos de superior setim
de todas as cores, a grosa dos
pequeos a :<5000, e dos gran-
des a.......
Ditos com interessantes photo-
graphias para punhos a duzia
de pares a......
Ditos de osso imitando o marfim
com lettras a duzia. .
Ditos tizos muito boa fazenda a
duzia......* :J$500
Aboluaduras para camisa sendo :
2 botes para os punhos, 3
para abertura e i para o col-
larinho brancos, escarlalates,
c: pretos a duzia
Brincos de cores a baio, cousa
muito cbique a duzta de pares.
Lindos l'rasquinhos empalhados
com bom extracte para lenco
a duzia.......
Ditos em bonitas caixinhas ca-
*da frasco a duzia.
Tinta para marcar roupa, muito
superior cada fras;o em sua
catxinha a duzia.
Livrinhos com capa de metal
dourado e com bonitas oroees
para a missa a duzia.
Sabonctes de amendoas amaa-
gas especialidade do BAZAR
DA MODA, a duzia
Lapis pretos de superior qnali-
dade, oitavados a grosa 34 e
Escovas tinas para denles a du-
zia a I>00 e.....
Alnetes muiio bons, brancos e
pretos, a duzia de caixinhas a
Pentes pretos de muito boa qua-
lidade s grandes para alisar
a duzia......
Ditosamarellos fazenda superior,
para piolhos, a duzia. .
Ditos de borracha com costas de
metal para repassar, a duzia.
Ditos enfeitados com contas de
cores a duzia a 44, *>'5 e. .
Interesssantes coquinhos capri-
chosamente escultidos dentro
cora um bom e lindo rosario
a duzia I0d, I2-? e
Grande sortimento de miudesas.
Grande sortimento de quinqoilharias.
Grande sortimento de perfumaras.
Pagamento realisado no mesmo mez da
compra com descont de 10 o/0, ou letra
acceita a seis mezes de praso.
Jos Soaiei de Soma & C.
Do !k -Micas novas e sag a 1U rm> a libra,
no llalisa. ra do Livramento n. 38.
ti'
dosillo adhesivo
A' venda na ra do Vigario n. t, yriineiro
dar.
!.'' i
ESCRAVOS FGIDOS.
81090
1*000
0*0o
0->0O
7*500
2.)509
i-KKX)
3000
2->800
2>700
1^700
moa
6000
amo
l'uj!io do engcnho Caaiaraii^c i a (reguestf
de Scnnliaem pertencentes a Gaspar Uaurici
Wander'ev os escravos seguirrtes : Saimu-I emo-
lo baixo, groco, nariz chalo, diz wr da Corta1 aer
ter sido ct mp'rado pequeo, Joip Cab..i uk> de-Jda-
de trinla e lanus auno?, pea chatis, ventas airc-
bitadas, estatura baixa, cor foixada, |k-ura barba
e esta na penta do queixo, Felipite mulato de ida-
de de 16 annosiwuco mais ou-iitcn s, baixo.
so, sera dimito algum.ieve hixos em BoajaBu. po-
rm poucu appaiece ; por is.-o pule se a alacri-
dades polioac* e c.-.pites d-- camo i;. captara dos
mesmos e levaks mesmo engeoito od na ru
da Uaeda n. o, andar eser-iplono de Manoel Ai-
res FerfL-ini & u qne sero graiili^ad-w.'_____
~^- Fugo doongeiiim Bu-vifla, na cu arca de
Camaragibe. pl-ovincia.ds.tl^soa^, o escrav i Ni
colo. de iil:ie ;li annos, altura regalar, gro>jc
do eorpo, andar bauzeno. tem falla dd deoles a
frcni<>,'rosto largo, barbado, cusluma as mea fa-
zer lda a bar|ja, tem urna cieatiiz na le*ta, o
ps grussos.; este eseravo anda fgido desda o du
16 de Janeiro do corren!:) anno : n*a se portaolo
s autoridades poticiaes e .s rapijaeade campo t
apprehensao dea*e eseravo, a otregai" no d.ge-
nho cima rriencionado, ou nesta praca i md
Vigario n. 48, ou trawssa do Corpo Santo d. io,
i andar, que s< gratificar generosaient/.____
Engenho Para'
Desle Bgeuuo Para, freguezia de Ipnjuca, Ugio
uodial do cocreute ui* o aacrnvo loagafis,
crioulo, de idade de JO annos, boa Qgura, .*c
barba, cabera redonda, denles limados, lii cria da
Luiz Antonio Monteiro, da fazenda d Bie, f'-
guezia da Pedia,,foi vendido ao Sr. Uanod Ca
valcanti de Albuunerque ltajrao, e desle ao mea
sobrinbo Jos Alvcs Marintio Falca, de quem o
houve por compra : quem o levar em dilo enge-
nbo, ou"nesta praca ra da Cruz n. Si, raesben
boa gralitioacio. ..
Jos Valenlim Velra de Mello.
l'ugip no dia 6 de favereiro, pela 2- vez, a
ascrava crionla de nome flelizaria que repaeseata
ter JO annos, estatura baixa, com grande falta iM
denles e com urna sicattiz de quemadura M bra-
co direito, tendo levado dous chales, >cndu uui
verdee outro lisudo de asol hftac; nneni
a capturar srvase leva la a Pont de l'cRua
sitio de Joao Jos Rodrigues Mennes. ou a i na
da Madre de Deus n. 28, que sera generonrfieote
recompensado.
COGNAC.
De superior qualidade da mu accrediu
da fabrica de Bisquit Dubouch 4-C., en
cognac urna das que mais agurdente d
cognac, fornecem para o consummo d<
Reino da Inglaterra.
Venderse em casa de Th. Just. roa d<
commercio n. 32.
200, 240 e 320 rs. a garrafa, 14400,
41800 e 24200 a caada,
AZEITE DOCE BE LISBOA .900 rs. a
garrafa, e a 70 a carrada, e Id?40 o tro.
MANTEIGA INGLEZA FLOR 4044H) e
W280 a libra, 3t60 e 2^580 o kt'o-
gnanmo.
OTA FRAWOBZA 960, 900 e 50 h.
a libra, e 210, 1,3980 e 1*860 o kito-
grammo.
BITA PARA TEMPERO 560 rs. a li
ora, 4*220 o idlogramiao, em porco se
far ebatiraehto.
BANHA DE" PORGO EE B.ALTMOOR
AMEIXAfi EM LTAS E CACH1NHAS
DE MUITOS TAMAMfOS 280, 2#500
3*800.4*50Q, 5*500 alaU e *retalho e I*
a libra.
GOMMA DE MILHO AMERJCWA 400 rs
o mf.sso, e eo caixa ba ^batimento.
BATATaVS WOVAS DE LISBOA .60 rs.
a libra, em catea faz-se abatimeoto.
SEMEJA INGLEZA MARCA II 3*500
a duzia e 500 rs, a garrafa.
DEM BASS, VERDADELA IHLESS4
BELL, 00 rs. a garrafa e 4* a dnzia.
VINHO DOPORTOENGAfiUFADODE
DIVERSAS MARGAS 1*500, 1*200, i*e
720 rs. a libra, o 1*560 o kilogrammo, em 800 rs. a garrafa.
porco se far abatimento. tiGNEBRA DE HOLANDA, E HAMBR-t
ARROZ DO MA&ANHA0 E DA IXDIA
120 e rs. a libra, 260 re. o kilogrammo e
3*00 a anroba.
ALPrSTA i 200 rs. a libra e iiO rs. g
kilogrammo, e 6*000 a arroba.
CAF EM GfiO 6* e 6*500 a arroba,
200,240 e 260 rs. a libra. 440 e 520 rs. o
kilogrammo em cacea se far abatknento.
ABAO MASSA 240 e 200 rs. a libra,
520 o 440 rs. o kilogrammo, em caixa se
faz. abatimento.
MASSAS PARA SOPA, MACARftAO. TA-
LIIABiN E.ALBIWA.a60rs. a libraje
1*220 o kilogrammo.
BOLACHINHAS EM LATAS DE DIVERr
SAS QALIDADES, bem como perola bri-
1 liante, combination, Francj-cracynel, mixed
Bnlauia. Mdium. Fancy-ni-nac, a, b, c, e
soda a 1000 e 1*400, cada urna lata.
Assim como ha outros muitos
GEZA 7* e 6* a frasqueira, e 500 rs. o
fraseo.
DEM DE L ARAN JA DOCE AROMTICA,
di* a frasqueira e 1* o fraseo.
QUE/JOS DE DIVERSOS VAPORES,
3*000, 2*800 e 2*400 em caixa ha abat-
ment.
TCWCINHO DS LISBOA MUITO ALTO
i 400 rs. a libra, e 880 rs. o kilogrammo,
e 11*500 a arroba.
LINGUICAS FINAS PROMPTAS EM LA-
TAS 1*000 rg. a lata.
LOMBO DE PORGO ASSADO JA PROMP^
TOa 1*000rs. a lata.
CHA FINO, GRAUDO E MHJDINHO
3*900' 2*800 libra, e 6*t00 o kilo-
grammo.
DEM PROPRIO PARA NEGOCIO 2*000,
2*200 o 1*800, rs. a libra,
gneros, vinho em ancorlas, azeitonas,;
muito novas, passas.e figos novos, charutos de diversas marcas, marmelada, feita pelos
melbores conserveires em Lisboa, getoa de marmello. pcego, ervlbas, em latas, por-
tuguezas e fraieez*, viahoverda engarrafado retalho, peixe em latas, bem como
pescada, tamba, pargo, goraz, lula, corvina, vezugo, cavalla, sarda e sardinhas de Nan-
les. Canella, cravo, ervadocc,. cominho, pimenta, grandesmolhos de sebolla 1*500.
Finalmente muito outros gneros que enfandonho menciona-tos.
fARA A FESTA
53-Btoa Direita-53
Neste grande estabelecimento, ha para vender'
un coraJeta,uormet de fexrngem,. a m\xeta
linas e possaa, coa sejam bandejas, enjaezas.
oaadrada o ovaes, facaa garlos u I 2 bo-1
raes, bataneo intMrt) e.t/f baianco; panel, tha-l
Iheiras, cacarollas, frigideirlw, Amidrv) tantoi
de ferro como da jK8walaaai.raoinh.os para caf del
dvveJ'WtafliartiM?aJ)FicaBia Jaoy.^aflp kilo-
granmos, tanto de ferro como do JauwL mitras
para medir fazenda tanto do ferr cormrft fatSdJ
wHtrej a/e^'birbartHt enxofr;. tapl ittwearvia-
doj4*veartHn*>.inwhiaa pam dc-
NW'!g; !M&*,W'lm 'WWfafWf
tas de Mwioei Beato de OUveira BragaA C
poRtland.
Vende-s ao arroaem amarello k Vioant Far-
reira da Costa & Filbo, defrente do arco da Con-
ceicao, em bancas grandee
VENDE-SE ou arreoda-se o eageno<
3. Gaspw, *ito na freguezia de Serinniem.
comarca do Rio Formoso, prximo do em
barqtM, com grandes partidos de pal *
measap noda damoenda, maltes manguei
para.wadeira necssaria, bom pasto etc.:
aJraWEn na d?Aurora n. 26, ou na q\>
(.toipejrador d,.2Q ,-
Dagerlo
' VrtaV-s> la^o!parr"caltaa9 e armazenS-pet
pre&o commodo : na ru do Apollo n. 4.
Ra do Imperador n. 26
Neste novo estabelecimento encontra-sf
diariamente um variado sortimento de bo
nbos p3ra cha, pastis, podins, bollos in-
glezes, paes de 16, presuntos, ditos m fiam-
bre, superior cha Hysson, preto, e miodi-
nbo. Vinhos finos de todas as qualdades
coaage, licores, conservas, champagne, cor-
veja ingleza, fructas muito boas, por-
toguezas e francezas.
Um completo e variado sortimento de
caixinhas de todas os gostos e precos pare
mimosear senhoras, estas caixinhas recen-
temente chegadas de Paris sao de primora-
do gosto, offeresse-mo-las aos galanteadores
do bello sexo pois nellas acharo nm digno
e serio presente para as donas dos seus
pensamentos. Tambem os apreciadores d
b6a fumaca encontrarlo charutos dos me-
lbores fabricantes da Babia e de Havan
sganos do Rio de Janeiro etc. etc.
Doces d'ovos1 soceos, christalisados e de
calda.- ditos de caj e de outras qualidades
Nesta casa recebem-se encommenda? pars
bailes, casamentos e baptisados e qnalquer
encommendas avulss, como seja p3o de Ir
e bollos errfeitados e outros muitas couzas
ejue enfadonho* mencionar.
Fugio no dia 11 do corrente~b eseravo lran
cisco, cabra, idade 'de Srtanno, com w signae
seguintes : cabellos caraptnhos. rc*le ti'scarna-
doe com marcas'de besiga, inlilui^.-so er |iM.
levou ea'ca. branca, palitot de alpaca de cor. rl*-
peo do Chile ; desde ja M protesta contra a P soa (iue o tiver oceultado : roga-s- aos ammores
capitbs de campo que o trag.im a'ra Diic.ta
n. 16, quftserao ahe>06jMp9ptejra,il^d..3, as>n
como as aloridas pbrTcwis,..
~=n^g]e7ren^enh^
panto AUlao) no uia jo de iunho do annn passa,
0 eseravo de nome Francelilm, raprt>ontfl ir Jb
annos do idade, com os sigoaes s^gnintes cor
preta, baixo, corpo reforcado, cara Uig*. hastaCl
barbado, olhos peauenos, nariz muilo afl jdo Ikc-
c regular, denles ettrlos e flfliaavn, mn iiros-
ta e andar aprea-ido-; consta andar petos sobmi.
bjos da cidade de Olirida, cngeoju Frsguse,, Catu-
c, Beberibe ou Apipacos, acolitado (ior Joaqun
Jos de Sari'Anna.'seu irm30 liBert, "o quaf t em sua companhia urna esto dhs e'rilhos da u.es-
ma, e por outro irmo de nome JtsU;igiia, que
o conduztra para os lugares cima' inndicados,
alem de um oufro sosio de nome J-'* ZVrbari^s
da Silva, conhecido por Jos Pajed, por Wr tii
dagnella comarca. Roga-se aa afc ri.iailes ca-
pitaes de campo que o apprehendam e n le*ra a
ra do Rangel n. 17, ou no engento Minh>.i as, a
entregar a seu senhor Jo3o Correia de Qm jro:
Monteiro, que sero generosamente gratifica.! s.
Anda fgido desde 26 do f. v-prcin. |.r xi-
mo passado o eseravo Joao, preto, ,.siatnr.i b i\;,.
ludo picado de bexigas pelo rosio e falla do den-
tes : levou vestido camisa branca, a levou mais
outra do riscado de listas. Quem o rielar Ifve-o ,.
praca da independencia loja de Pito & Ra-tos,
que ser recompensada
CEMENTO
; O terdadeiro portland. S se vende n.
roa da- Madre de Dens n. 22, armazem d<
JooMattinsde Barros.
150^000
i-ia
ide
Fugio o engenho Rom-jardim, fn-gui-zia d .
cada, o preto Mam el, idade 80 annos. po
J:A.M0RER4DIAS
tem conslanteinente em seu armazem,. raa da
Cruz d. 26, um completo sortimeuto de
Bataneas decimaes.
Ditas orioneses
P880s Bombas, California para pocos, as melhores que
tem apparecido at hoje.
Chamins de vidro para candieires a gaz.
Lonas de todas as qualidades.
Agaa florida.
Graiaem boioes n. 97.
Vidros para vidra;a.
Tnico" imperial.
;,.Loque de madreperola com seda, e todo? d.
fiadreperola, muito proprio para n^i-as, chega
m aloja do Passo a ra do Crespo n. 7 A, as
*1mreqoisHmos chales de touquirrt de to
das a9 cores, vestuarios bordados de cambraii
baatuidos, meias de escocia (noridade) mu
itaa para as Exmas. Sras. qu litara and3i
sarotlnncrras e outros muitos arnfos d gos
V^Wiproprietarios daete estabaleowento teen
rbcoMla.'
2 Estarapilhas.
Veodo-se na ru da Cruz n. 8, l andar.
Es-
le Ul.'lj
ou menos,estatura regalar, espigado, caml;,- li-
nas, ps pequeos, pouca barba, mui -i aliante,
lem falla de um pedaco de urna das (elh.i d la-
do do cima, anda sempre com o chap.) mbad i
para esse lado paraencobrir a falta di.....! c da
dita orelha, deve eslar aeputado em um Iwgai p|w.
mado Toca da Paca, em couOns da E cad.. Il.ni-
to, em um lugar o;uasi diserto, coto urna erut la
forra. pret, gorda, e nariz chato, eo' qtl n
mesmo preto fugoy dsconfia-se eslar n i ;
cima por dita nejgra.iter ^bi m inoa i ro| a-:e
portanto as autoridades policiaes a ? cfiii
capitaes de campo a captura de dito < > -
condnzam ao dito engenlio cima, .u
no P.ecife aos Srs. Rodrigues Alnfrida & i
estreita do Rosario n. 17 ao voliar para
do Carino, qne ser recompensado < m a qi
de toOjt____________________^^
Futio no dia 27 dedezembro o T
ximo passado a ecrava 'Henriqueta. pret ti-
la, idade de 20dbos, che do con., ahm
guiar, cabellos carapiuhos, testa larga, pi-lii
-a e espmhenla, beci.s grossos, > !. -
dentes largo e^ertWlos, oiboj e di
com urna cicatriz ern cima de un lis-
tos, c m marcas de bechiga ech^otc j- .....
tas, tendeo aaftp'pjdol e coHintr r i
nome para Mara, a qual rst
erava cocuma singarse como b\.'< \aa
est na cidade Muem a lenha encuitarlo-, rnga--
policiaes e a qtipm c. nvier a capttna. w < ~
tincar satisfi-t. rM^nle em t
ra do H'/iri iue Di s .,u Estanr.-
Fugio n.niii 15 do cortil M:.-
noel, idade 2-t annos pionco mai
I', um punco ful a catatara reg b.:,
falla de denteii na freote, tem ma) f. de
iluetmaduias de ion lado do pesr do
da fonte, entend de ..jina, W
dapolao e calca v. rao j desbot il
trabalha a no nn w alfafldrga I" ito ?r 1>; e lem sid vi l- >i Pirt9tiatMal'ii-
em urna-lai croa ; '-de-se a
leva lo ao Ho-pi i ma do De.-
bairro d R.- if i |t'i CudiTin
No da 1- '"reulefpg
n me Z*ii<>t>i> Ift para 17an
naes si'guintis : m>. magm, r r ri<
.lade ni-andar em viriudtide Dfctktt. (ts, suppo -M i -M|dat*qui na i .
oridades ou e. d campo i
levem roa do Dt-Minon. 32, qn> -.
r gener.'-aincri'.
anua,
Negro' fiii'0
Anzolos, -m- ll*1llT.WPtW>
ria da Soledad.* a>i'td#lrttii^*JT -
v) jriotil", bai). i..rnq.regalar, \evn .
nnm.olho, parece moa benida. p
sa no quito. chama s Hi ora
annos, levet catea aznt'fl iiftmF
misa do o tsmo b>lM Wn-twiwHIMWB
tre de macetra ; julga- estar p. i
ma padaria e o anatao assignado
ta conlra quem o tiver acoitado,
tificar genroaiWJnt a qrtem
senhor.
Manoel Jorge i
-
i no
r.
da
|>.
r >
la-
r -
PJGfVEL
-f-f*

i*"|Vi'.''


wm

Diario de Pernambaco T.vTerea eira 52 de Marco de 1870.
mTBtATORA,
Pseslas recitadas p : r occas 15 o
da efcegada do &S corpo de
voluntar os da patria.
TRICNI'IIO AOS VOI./VT ARIOS DA 1 \TRI \
Sa una caot> no sil vo'das auras,
Que se alonga. e dispeide iolinito ;
Patria, accorda : que inmensa restauras
ti nublado fuigu; de leu so! !
Como a luz, que ebenta das bi urnas,
Muda e queda a proeella gigante,
Tai leu vulto surgi lulilante
D'esta lula que fui leu crysol.
fugo o ci. cinza o mar, triste a gent;
Viode crep vestires, utn lustro ;
Rubros lagos de saugue inda quente
Vio nos campos, tranzidos d'horror :
Vio fremindo, embeber-se nos peitos
De leus filhos- o ferro homicida ;
E triganle dos fortes a vida
Y ) coar-se no ferro entre a dr.
Vio da m5i lamentarse o gemido,
fiu seus filaos tragava-lhe a guerra ;
Vio das orphas gemer o carpido,
Vio carpir se da esposa a soido :
Vo oi f, vio desden estrangeiro
.ibreando teu mago scenano : .
Vis, talvez, quasi roto o sudario
Do Brasil'rebolcar-so no ct5o.
Nao tremeste ; teu bro romper,
orno oulr'oia, prodigios obrando ;
:ra a ace, onde a injuria Datera !
Ergue o rosto da nobri perfil 1
irt teus bravos la corre a phalange ;
Rasga a tela dos veos funerarios !
Sao teus fortes, hroes voluntarios;
LutSu ; lulo ; victoria, Brasil !
Pi'ria, exulta; que a fronte laureada
Beija o sol de teus jovens guerreiros !
Brama .a gloria na voz da tufada !
Das orchestras desata o pegao !
D'ouro, e rosas e ail se recama
Oatra vez nosso co turquezado;
Patria, accorda, o tributo ganbado.
Paga aos bravos da Brava aco !
Foi Vor li, que nos prelios a palma
I'os imigos mercaram, com sangue ;
Traze, Patria, as genlis flores d'alma
Para as dores lenir dos hroes:
E vos, virgens, por quem cmas brigas
Peiejaram as plagas austrinas,
Vinde dar Ibes ethereas neblinas
ti t sorrisos, que araeiguem-lh'os ses.
Voluntarias da Patria, a victoria
O'urea luz vossa fronte engrioalda;
i'ecumbndo nos louros da gloria
Ide as glorias da patria fruir ;
Gomo os Fabios de Roma nao morrem,
Porque o lempo o valor nio consom,
Voluntarios da Patria, este nome
Fa de eterno dize-lo o porvir.
Kecife, 14 de marco de 1870.
A. a. Affonso.
DACO AOS BRAVOS DO 83 NO SEGUNDO
DA DA SU A ENTBADATBIUMPHANTK.
Salve 1 brilhante phalange
Das aguias aeste torrao
Corifeo* da Liberdade
Do ureo verde pend5o !
Sede bem viudos Chegai
Para nos, de nos tomai
Um ampexo fraternal
Hoje irm5os sejamos todos,
TrvanosGregos e Godos,
N'esta festa nacional.
Obumbiam-se as victorias
De ^arengo e Auslerliu ;
* Porque a Fama aprega
A gloria deste paiz!
Gloria que o soldado
Urasileiro ha conquistado
P'ra c'ra da Santa Cruz ;
Gloria d'esta Nac3o,
Que surgi do corago
Do Senhor, vertendo luz !
Ei-los I Ei-los fanosos
No meio das ovagoes,
Levantando em cada peito
Templo, altar nos coragoes
S3o guerreiros laureados
No mar da gloria banhados,
Filhos da heroica cidade !
Sao bravos da Santa Cruz,
Que se vesliram da luz
Dos nios da Liberdade !
Vem, princeza dos co,
Quero tuas faces beijar !
No refleio dos olhos teus
Quero meu peilo escaldar '.
Triumphante na Crimea,
No Egypto, na velba Grecia,
No raimares, entre'nos !
Triumpbante em Assumpgo,
D'onde arrancaste o leo
Da jaula, tremendo, atroz !
Pedro Affonso, Mariz e Barros,
Sampaio s outros mais,
Que laureados subiram
As plagas celestaes,
Ao rebombar do canh3o
Beija os ps, em saudaco,
Do Nome, que a si os ergueu ;
E aos hymnos da victoria
De l mesmo, em tanta gloria 1
Bate palma I um bravo deu !
nobre sublime ver-se
Dous sublimes condores,
Avassalando o uo.verso,
Reverberando expleudores :
Chateaubrianda sciencia,
Qual volcad em effevercencia
As letras ditando leis i
E Bonaparteo guerreiro.
Que vencen o mundo inteiro,
Decepando thonos, reis I
Mais nobre ver um povo
De um paseado sublimado,
Saudando, dandovos palmas,
Por toda parte apinhado I
Os restos d'esta bandeira,
Inda assim t5o prasenteira,
Neste da festival;
Sao louros por vos colhidos
Das balas dos sustinidos
Do concert marcial 1
Apertemos nossos irmaos,
Pernambucanos, um laco i
Aol
.-
Pantheon da 'gloria
Lcwraios-as de um s passo ;
Seus uoraes vo3j nos polos
D'cpvoltos co'os apostlos
Da Liberda.de e da Cruz !
Deffjnderam saeta idea,
Conquistaran) urna eptoa,
Que oo morre. al.n transluz !
Salve Salve, minha patria,
Barasil trra de ora vos f
De filhos de activos paitos,
Resgatadores de escravos
Saiba,pasme, o estrangeiro
Que s infante guerreiro
De arco, flecha, arcabuz ;
Que nunca geron cobarde
A trra da Liberdade.
A trra da Santa Cruz I
Em I t de marco de 1870.
Jos Patricio de Castro.
POUCO DE TUDO.
MARECHAES DE FHANCA.A norte do
conde Regnault Saint Joan d'Aogeles reduzio
a tillo o numero dos marechaes de Franca.
ELEICAO DE l M BISPO ANGLI2AN0.
0 Sr. Guorges Hale Berbers foi eleito his-
po angeano de Manchester e immediata-
mente depois foi autorisado a tomar assen-
to na camaia dos lords.
I10UBO.Praticou-se ha poucos dias em
Londres um roubo extremamente audacioso,
perante mais de 20 pessoas.
Um empregado de urna casa bancaria,
que ttnlia feilo cobrancas importantes, le-
va va comsigo 10:000 libras slerlinas em
notas, dentro de urna carteira de couro.
Entrou era um banco, abri a carteira e
eslava contando as notas, quando sent urna
pancada no hombro. Yolta-se, e diz-lbe
um sujeito :
Perdito, olhe que le cabio no chao o
que quer que fosse.
Efectivamente estava no sobrado um pe-
daco de papel. O rapaz curvou-se para o
npauhar, mas quando se levantou tinham
desapparecido a carteira e as 10:000 libras
-Irelinas, e o desconhecido. A Justina nao
podera anda achar o culpado.
EMILIO OLLIVIEB.-Atiriboem-se este
ministro, proposi'o dos acontecimentos de
Paris, estas palavras :
Sou liberal, mas nao sou ridiculo,
e nao tolero que o povo de Paris faga de
si urna caricatura.
BOA RECE1TA. O drama de Vctor
Hugo Lucrecia Borgia, que actoalmente
se representa no theatro da Porta de Saint
.Martin, de Paris, deu de lucro na primeira
recita 2,321 francos e na quantia 7:125.
1 ANDA OLLIVIEB. A Histoire diz que
este ministro jantou em casa de Emilio de
Girardin e publica a esse respeito o segua-
te dialogo entre os dous personagens :
Dou-lhe de conseibo, disse o se-
gundo ao pnmeiro, que decrete urna am-
nista, como prudente medida. ,
Nem sequer tenciono empregar esse
meio de conciliacao, volveu Ollivier.
t um erro poltico. Urna palavra
generosa, pronaciada a tempo na cmara,
calmara logo a colera de alguns nimos
exaltados.
t N'estas occasiSes, respondes o mi-
nistro parlamentar o dreito a torca.
' O direito, concluio Girardin, a
torga dos prudentes; a torga nao o direito
de ninguem.
BONAPARTE. Ira peridico francez re-
fere a seguate ancdota:
No dia 5 de Janeiro de 1791, quatro ou
cinco alumnos da escola militar de Auxone
patinhvam nos fossos, enl5o muito pro-
fundos, que rodeavam o forte da cidade.
Quando deram tnvo horas da tarde,
um dos patnhadores, que era talvez o mais
novo bradoii :
Sao cinco horas. Voujralar.
-^rfpra adeus :.' disseram-lhe os cama-
rada, espera mais um bocadito.
Nao espero ; teaho tome.
Os utros continuaran na brncadeira :
o gelo em breve se quebrou e morreram
todos atogados.
O alumno que t3o rudemente se apar-
tara d'elles para ir jantar, era o mogo Bo-
naparte I o
QUE TAL Ha pouco tempo, diz o
Manchester Guardian, as damas que viaja
vaui sos as carruagens de primeira classe
entre Blackburn e Accrington, eram insul-
tadas por um mancebo, que entra va as
carruageDS sempre quando o tren eslava
prximo do tuunel de Blackoum. Na quo-
ta-feira, um empregado, vestido de mulher,
foi posto n'uma carruagem. A isca pegou
e o brejeiro, que foi p eso e levado para
Blackburn, era empregado* na compaohia do
caminho de ferro de Laucashire e Yorks-
hire.
Apresenlado aos magistrados de Black-
burn e pVovandose-lhe quatro casos,- foi
condemnado a priso com trabalbo pesado
por um anuo.
CANAL DE SUEZ. A menor profun-
didade do canal de Suez era no sitio cha-
mado a rocha do Serapeum, entre o lago
Tinbach e os lagos Amargos, onde era ape-
nas de 9 pee. Um telegramma de Ismai
lia annunciou j que a rocha desappareceu,
e que n'esle sirio o fundo se encontra a
miis de 9 metros.
A profund dade mnima do canal acha-se
desde entio ao p dj Suez, onde em
praia mar, de 23 ps, e em mar cheia
de 27.
a perguntar-
essas dispo-
meu respei-
da le fran-
trapo, que estivera em contacto com o
acido fnico. Verificou-se immediatamente
urna explosao, que lancou urnas gotas da
acido ntrico a carado imprudente alumno, a
formacio do acido fnico explica esi<
cidente.
ROCHEKFOT.Os jornaes francezes pu-
blicam as duas seguinte cartas ds Sr. Hen-
rique de Rochefort:
Ao prefeilo de polica de Paris.
Se prefjito. Corriquanto a le prohi-
ba aos funecionarios, sob diversas penas,
abrir as cillas dirigidas a topcelros, pelo
niem> qnindo eshs nao forera objectos de
urna instrucg5o juii;iaria, os vossos regu-
lamento da priso dizem que neniuma
carta escripia por'ou a um preso ser en-
tregue ao destinatario sena primeiro tei
passad pelo cartorio, e sera ter recebdo,
depois deTida, o viso do director do esla-
bcle iraento.
i A minha siluag5o, espe'cialissima, de
deputado e de redactor em chefe de um
jornal poltico, obriga-me
vos, senhor prefeito, *se
sges nao constiiuem a
to urna verdadeira violado
ceza.
Se, efectivamente, eu envi ao jornal
um artigo exprimindo doutrinas contraras
as vossas, est claro qne aventareis o d-
reito de o confiscar.
Ora lendo sido abolida a censura
previa em assnmplos da imprensa, vos
commelteries cerlamenle daquelld feito o
delicio de abuso de poder, urna *ea que,
nao tendo sido privado dos meus direitos
cvicos, conservei o direito de esorover nos
jornaes.
Vos sois pois absoluta.jenie incom-
petente para apreciar o maior ou menor
perig que poderiam offerecer os meus arti-
gos e apreciando os, an!epondes-Vr>s ao prc
curador imperial.
Por oulro lado, se eu- qjiizer, como re-
presentante da primeira circiirascTpgo,
fazer apresenlar na cmara, onde se pre-
sume ter eu assento, urna vez que o Jor-
nal O/ficial me pa todos os das entre os
que n3o tomaran parte na votag3o, se eu
quizer aprsenla-, dizia, urna proposta eon-
cernente, por exemplo, ao orgamento da
prefeilura de polica, inadraissivel. que
possaes tomar sobre vos o dar-rae ou re-
cusar-me ovosso viso : isto vs-gosaes do
direito oV tomar conta dos meus escrptos
e dos meus actos, quando sou eu q e o
suffragio universal escolheu exactamente
para tomar contados vossos.
Nestas circurostancias, senlior prefei-
to, parece-me justo e legal que as mlnhas
communicages a caara e os meus artigs-
destinadoe ao me jornal sejant' isentosH
do viso do Sr. direettN* da Pelaga, oa que
pelo mesos ninguem- se reconhec* nenhir
diieito de supprosso ou de mod i lead-
nos meu projectos legislativos ou nos meus-
artigosque eu escrevo sob a responsabili
dade perante as leis que nos regem, e cu-
jos effeitos O'vosso viso-nao attenoaria en-
caso de perseguirlo.
t Se jtilgaes dever conservar para minru
os reguamentos lodos phantasiosos, esta-
belecidos- as prises^ acerca das cartas-
que delas sahem, ver-me-hei, senhnr pre-
feito, obrjgado a abster-me de futuro de
cumprros meude\eres de deputado e de
colloborarno u-eu joeoal. E asim, com>|
a vossa- autoridae privado, dais uina
ligio singular aos magistrados que me cou-
dernnaram accrescentando ao dispositivo do-
seu julgamento urna pena que nojulgarars
dever pronunciar.
Dignae-vosde accetr, senbor prfeito,
os mees comprimontos.
Pelaga, 13.de fevereiro de 1870.
Hermque Rochefort. Deputado pela 1-*
ciixumscrpgao.
Aos redactores da Marsalhesa :
Peiagia, VT de fevereiro de 1870.
Meus charos amigos.Se nao receberam
o meu artigo,, foi nicamente porque a Sr.
prefeilo de polica julgou dever,. apezar de
todas as leisconfiscar essa propriedade lite-
raria. Facam-lbe pois constar que tenho
em minha casa ura excellente relogio Luz
XIII, e nao ha nenhuma razo para que
dexe de o ir tambem l buscar.
At agora, os joraalistas encarcerados
teem podido sera obstculo continuar a
escrever as folbas a que eslavara, ligados.
E' verdade que nao eram representantes do
povo.
Eu que o sou, nao s me fechara a'.bocca
mas quebram-me a penna as in^os e pro-
hibem-me o collaborar ni t/hrselheza. De
maneira que se algum Duque. da Dindon-
nerie se permute, como no outro dia, urna
impertinencia publica a meu respeito, nio
posso, nem na tribuna nem no meu jornal,
pedir a palavra para um fado pessoal.
t J n3o basta encarcerar os deputados,
at lhes dao a tome.. NSo sei como pode-
rei tirar-me destes apuros, eu que vivo ni-
camente do meu trabalbo, e a quem se
tira ao mesmo tempo o meu vencimenlo de
membro do corpo legislativo e os meus re-
cursos de escriplor. Eu n3o fago parle,
maneira da menina. Hortense Schneder ou
do Sr. Emilio Ollivier, da casa do vice re
do Egypto. Um revolucionario prudente
deveria sempre conservar um turco para
matar a sede.
t Se a tanto me atrevesse, eu pedira ao
imperador o especial obsequio de me dei-
xar ir para s officinas da Pelaga fabricar
chnellas com os demais presos da casa.
Tenho ouvido dizr que trabalhando um
homem robusto qunzi horas oonsegue fa-
zer cinco sidos (iO rs.) por dia.
t Mas obterei en essa autorisagSo t Te-
nho tantos inimigos as Tullerias!
Nao importa ; se a primeira circums-
cripgao nao ficar comente da maneira como
se trata o seu eleito, e confessem n'o, ter-
rivelmente dillicil.
t Mil apertos de mSos.Henrique fo-
chefortdeputado de Paris.
suruplo daextinc3> da lvida. A diminuigo
das despjzas que daliir-sulti, como tambem
asrecjitajf^ijideraves do thesouro, per-
raitliram, com grande salisfagao de sua ma
gestade el-rci, re3tabeleccr o equilibrio entre
as receifcis e as despzis do estado para o
annode 1870, sem pedir mais o imposto.
Ao mesmo tempo, tornoj-se p issvel fazer
tambem face s incessidades mais urgentes.
Se para todas anda-iso n) foi possivel,
pode esperar-se que, gragas as reformas uteis
e mais extensas, como timben elevago de
cerios inpostos, 89 coaseguis obter os ne-
cjssarios recursos tinto para diminuir cerlas
despezas co'uo-par.i ;i:goi'ntir outras mais
uleis.
A cooperagao do parlamento e dogover-
no real deu ao paiz um numero consideravcl
de leis uleis n)3 dersos terrenos di liqui-
dago.
A le ajirea da maioridade eslabeleceu
para toda a monarchi i u oa base uniforme,
correspondente s exigencias da situago
actual.
A nsttuigo das carairas de comraer-
cio foi objecto d'ura regularaento conforme
com as necessdales e os votos do commcrcio.
A legislago sobre o imposto raovel es-
tendeu-se a todas as provincias da moaarchia.
A reforma dos cofres de peosao para as
vuvas e orpI5os d'instituidores ple reali-
sar-se gracas s medidas fmanceiras appro-
vadas por vos.
A orgamsagao do crdito as provincias
do Hannover e do Hesse-Nassau foi objecto
d'um novo reglamento d'aceordo cora os
votos das represeniagoes provinciaes.
As leis sobre a navegago dij Rheno e
sobre o periodo de prohibigo da caga, assir
carao outras leis,-tivern por effeito occorrer
a rauitas necessidades geralmenie reconhe-
cida--,
' tantes qyc tinham por fi reformas- consideraveis nos terrenos da ad
ministrago internada, da'administragao da
justga e da ii.sirucrSo pubRca ainda nao po
djeram ter xito n'wna das duas cambras
O governo de si migestade, apresen-
rmdo rauito cedo os projectos em quesSSo,
jolgara dever lauto mais justamente contar
cem um desenlace favoravel das delibera-
g-ef .quanto elle, pela sna-parte, lizeratods
ossforgospara-olerecer, nos projectos apre*
sentados, as bwes d'utna transado satisfa-
toiia- entre os iitteresses e as opinioes de-i
todos.
As dscussSes que se tero dado al-
agoroacerca da ergaoisagOHlos crculos, re-
velan em dilTerestespontos de projecto apre-
sentad) divergencias de Wstas entre a c-
mara dos deputados e o governo real. To-
dava, ogoverno real nao renunea espe
ranea de ver chegar-se a ura accoroV>geral a
respeilo-das basesA> projeclo, e e ver se-
guir a dlscossSO as das cmara, senao
com defioivo acaordo, pelo menos com o
esclaredraento desejado das oftinies, facili-
tando assim a soluou> futura d^ssaojuesto.
O' governo realitesi alera dtsso convic-
co de que a proje&tsda reforma do> syste-
-ma bypotbecario
sidade urgente,
dade naovel.
t N'este^convcelovogovernorealjolgara
til, era presenga d sesso prxima do par-
lurento da confederaejio do norte, suspen-
der provisoriamente as sessoes descamaras
.e retcmar\.passdos alguns aus^s, o im-
portantes trabalhos que estavaia, principia-
dos. N'isto era guiado, de un lado, pelos,
respeitos devdos a coraraunidade nacional.,
do outro. pela espewn'ga de que a duragao-
do adaraento perraittisse preparar ora accot-
do ullerk r sobre as leis mpo.-*artes de re-
forma.
Teado sido rejetada a proposta de adis-
mento por urna das duas cmaras, o gover-
no teneiona dar. por meio d'uma sessao ax-
iraordinaria s cmaras, occasio de firraar
pelo menos urna parte das deliberagoes que
se loniaram aqui.
Declaro, emnom; de soa magestade o
re, queesl encerrada a sjssaodascamanas.
culo e a prudencia. NSo podis trazer
par i aqoi um rei que esteja em Iota com o
espirito do povo, e que vos ha de dbrigar
pjr iss mesmo sus tentar urna batalha
com a opinio publica; porque se queris
que co-exista a liberdade com o throno,
necessario que no throno colloqueis um
representante dos sentmentos do povo; um
principe, um hornera, ura capito, o que
quizerdes, que tenha popularidade, para
que as h->rdes ta liberdade, sempre conju-
radas contra a raonarchia, se estreitem aos
ps desse throno. Cora urna familia im-
popular, com urna familia que a conscien-
cia do .povo regei, nao Se pide absoluta-
mente fundar a liberdade. Ha de vir, en-
trar, ha veis de trazel-a sobr"eanhes, so.-
bre bayonetas ; mas n3o podereis abando-
nar a dictadura nem por un momento ;
n5o podereis consentir a liberdade da im-
prensa, porque esta se voUar costra o rei;
n3o poderla consentir a tribuna, porque se
voltar contra o rei; u3o podereis consentir
os clubs, porque se voltario contra o re;
e o rei e vos cahireis com as ruinas amon-
toadas pela vossatemeridade e pela vossa
cegueira.
Senhores, Mara Christina nao p&de rer:
nar, sen3o emquanto foi popular ; Isabel II
nao p&de reinar senSo eraquanle foi popu-
lar. Durante o tempo em que foi impopu-
lar, reinou. a dictadura. Pois o duqu-3 de
Mon'.pensier, as vesperas do set> reinado,
mais impopular do ojae nunca o toram
aqui Maria Christina, nem D. Isabel II. Por
consegninle da sua iraposularidade lera que
nascer a dictadura, e de-isa dictadura" a rui-
na da revoluto de seterabro.
Supplco-vos que vos nifo'equvoqueis so-
bre esta reflejan patritica, a que vos con-
vido. Nao, nao tenho que temer; nunca
tive odio ao estrangeiro; sou homem dos
meus lempos, sou hornera da-Europa, leho
especialmente urna grande estima e urna
alta idea da nacSo franceza.
Mas digo-vos que o laco nacional mais
forte nao a lingua. A Blgica e uw
parte da Suissa faliam francez, e nao que-
rem ser francezas. O lag nacional nao
a geogfaphia. O aosso erritorio confun-
de-so como o de Portugal. O lago das
nacionalidades sao as glorias conwnuns; o
lago das- nacionalidades s3o as comrauns
recordages.
Sabis qnem se oppe uni3-> de Hes-
panaa ePortugal ? Oppe-se Vasco^a Gama
e Alboquerqoe; oppo>-se o poema-de Ca-
m5es. Sabis porque nos os liespanhoes
amamos ttmlo esta nossa grande nacionali-
dade? Sabis porque a-amamos tanto ape-
sar da differeoga de provincias, e de fede-
ralismo natural da nossa patria? Pois ama-
mol-a tanto, porque de todos somos orgu-
Ihosos denossos escripteres; lodae as nos-
js pinturas ; todas as nessas bStalbo; todas
as nossas armas; todas- as nossas glorias ;
todos os navegantes qe solearan os mares,
desde o golfo do Mxico at ao de Repanto,
e d'aqueies-gnerreiros-que chegaram desde
Arag3o ate-as portas d'Aara, e descotoiram
Ame-rica; todos d'aqjuelki grande epopa,
somsponde aunaa neces-! 'aquella epopa immensa-, chamadu a naga o
espeesalmente-da propre-jsespanhote, que n3cabendo no- velho
mundo, aonde couberam as faganhas de
Roma e de Alejandre, leve de aiargar a
trra para qse.a terra^ fosse capa, de con-
ter a sua graudeza (agplasos).
Que ?qoe significara todas essas glo-
rias? senhores deflados, que sigoifi-
cam :' 8m que as conojuistamos, e en que
as temos cinaentado ?' No odio, na- guerra,
na senba- impiacavel a todos os france-
zes. As faganhas de- Redro d'Araga na Ita-
lia, tora contra os fraoeezes; as faga-
nhas de Alfonso V. contra os ranceies;
as faganbes da potu em que perigou a
nossa nacionalidades as faganhas da guer-
ra da independencia^, contra os francezes.
Tudo isto poderemos-ns esquecer tratan-
do de fraoeezes, ,que queriam ser nossos
rmos-;. mas n3o teataido-se ds um fran-
cez que quer ser nosso amo. Tentareis,
pois, trazer um francez, e colloca-lo a fren-
te da patria ? Jamis o consentirSa os
ossos de nossos paos, que se levantaro
s por si contra vos para protestar aber
lamente contra esse rebaixamento, contra;
RSSIA.O imperador Alexandre expe-
dio um ukase declarando livres, a partir do
dia 3 de margo de 1870, todos os servos
do imperio moscovita. Por oulro decreto,
de recente data, revogou esle okase, ad-
diando para mais tarde, sem dstewninar
poca, a emancipag3o dos colonos.
Teme-se que esta medida tomada no dia
seguinte aquelle em que se descobrio urna
eonspiragSo socialista em S Petersburgo e
Moscuw prodaza motins internos na Russia.
ACCIDENTE.Num hospital de Londres
soffreu um alumno as consequencias de um
desgragado incidente que referimos para
servir de advertencia. Precisando usar do
acido ntrico para cauterisar orna ferida di
PRUSSIA. No aclo do eocerramento do
parlamento prussiano, o conde de Bismark
pronunciou o seguinte discurso, no dia 12 de
ferereiro:
Illustres, nobres e honrados membros
das duas cmaras do parlamento:
t Ao tempo de se abrir a actual sessio, foi
o voto do governo de sua magCslade el-rei
assegurar primeiro que tudo a ordem as fi-
nangas, ordem que pareca compromettida,
e proceder depois a importantes reformas'
d'accordo com a representag3o do paii,
t O governo real reconhece eom gratid3o
que as duas cmaras do parlamento presta-
ram o seu apoto reconstituigo das nossas
finangas. Com a adopgSo dalei de consolida-
g3o, deu-se um passo importnte, gracas ao
PHOTOGRAPIRA. O Sr. Van-Monkoveu,
Je cujos trabalhos, para dotar com umaori-
gem luminosa a photograpBil, a imprensa
era Franga tem fallado,-aeba de repetir
em presenga da Sociedad*-franeeza-e pho-
tographia, as experiencias que com o me-
Ihor resuRado. fizera na presenga da socie-
dade photographica de Londres. 0 inven-
tor serve-so de um pnsma de carbonato de
magnesia, aquecido at cor alva, pela luz
de alcooL ou de gaz oxyhydrogeaio.
O sal magnesianoy lentamente decom-
posto pela applcagao do calor, d luz igual
em intensidad: do magnesium raetallico,
e da mesma cor; mas tero a vantagera de
n3o deitar fumo, e de grande fixidade.
Gusta pouco mais ou menos dois francos
por hora, o apparelbo que d seraelhantes
resultados j se vende em Paris.
IRLANDA.O conde Spencer, lord go-
bernador da Irlanda, assistindo ao banquete
por occasiio de tomar posso o lord maire
de Dnblin demonstrou com algarismos ir-
recusaveis, que a prosperidade material da
Irlanda contina fazendo progressos mui
ensiveis.
Durante o anno que findou, o numero u>
indigentes recebidos as casas de trabalho
(work homes) diminuto consideravelmente.
Ao mesmo tempo, cresceram em grande
proporgSo os depsitos particulares nos ban-
cos. As sommas depositadas soben actual-
mente a libras 20,056,088. o que atiesta um
augmento de 7 milh5es de libras durante
os ltimos seis annos. O augmento em de-
zeseis annos do valor deste deposito foi do
dobro, e do quadruplo em trinta annos.
Estes factos s3o seguros argumentos da
progressiva prosperidade da Irlanda.
NOVA DESCOWRTA. Os jornaes de
Paris fallan de urna inveng3o que ha de
cansar urna graDde revolugo na industria
metalrgica. Parece que um industrial
descobrio o modo de fabricar ago fundido
por naetade do prec> actual. O mesmo re-
sultado se obter com relago ao ferro.
phetrica, bamedeceu no dito acido um qual o estado pptve maior liberdade no as-
VRIEDDE
Discuno de Emilio Cattelar, pronunciado
na sesso da tarde de segunda-feira, 25
de Janeiro de 1870, na cmara dos depu-
tados hespanhola.
(Concluso.)
A consciencia da nossa patria n3o com-
preliende isto.
Sabis, senhores, o que succeder com
isto ? Pensai-o bem, pensai-o bem, princi-
palmente vos, conservadores, que tendes
por um dos vossos dotes capitaes, o cal-
essa degradago-da nossa patria
N3o o espero,, senhores deputados, c
digo-o para concluir; nao o espero de ne-
nhuma, absolutamente de nenhuma, das
fraeces desla cmara ; espere que se lia
conservadores,.que ainda querem a candt-
dalui-a do duqu de Montpensier, tornarlo
a si, tornarao indubitavelracate a si, e nao
quererlo a uimisade do povo como o novo
miMiarcha, e as grandes catastrophes que
d'ahi poden sobrevr. Record anda que
o Sr. presidente de ministros, na primeira
sesso que aqui celebramos, se levantou e
fallando da restaurago dos Bourbons; dsse:
Nunca, nunca, nunca,
Pergunlo pois, a naira mesmo, como
que S. S*. de ordinario to sobrio e
conciso, usou ires vezes do adverbio
nunca ?
Pois eu responda, tambem -a naira mes-
mo, senhores deputados: o primeiro nunca
foi para a dynastia de D. Carlos o segun-
do nunca foi para a dynastia do D. Isabel
II; e o terceiro mmca foi para a dynastia
do duque de Montpensier. (Risos e ap-
plaosos;.
Senhores o Sr. ministro da 'governago
e eu, ha algum tempo qae somos adversa-
rios polticos, e por consecuencia n3o co-
nhego os segredos do seu pen smenlo e da
sua consciencia.
Mas oovi-ihe o discurso que pronun-
ciou no primeiro da da sua ascengSo ao
governo, e recordo-me qae "disse em
urna das phrases magestraes que Ihe
s3o caracteristicas, recordme que disse:
N3o vos esquecaes que a revolucSo de
setembro significa a exaltac3o a vida polti-
ca do proletario.
Pois bem ; a oxaRag3o a vida poltica do
proletario significa, n3o pode deixar de
significar a expulsao do duque de |Mont-
pensier, que represente os privilegios
das classes medias. Eu, senhores de-
putados, tambem n3o duvido dos mi-
nistros actuaes que se sentam n'esses ban-
cos.
Creio qne o propiio Sr, Topete, assim
como sacrificou o duque de Montpensier a
D. Fernando de Portugal; assim como sa-
critcou p duque de Montpensier ao duque
de Genova, sacrificar agora tambem o du-
que de Montpensier a' urna solugao aceita-
vel.
N3o receio os progressistas que aprende-
rn! nessa revoluclo o odio irreconciliavel
aos Rourbons. ^..
NSo temo esta cmara, que, se I pa
frente um presidente iniool t*l
dos seus correligionarios, t*jl|
go implacavel de lodos os Rourbons.
duvidarei da maioria ; e como hei de d
vMir, se me record d'aquelle da em qi
a palavra de ura dos seus mais Ilustre
alelas, e Sr. Marios, sabia dos seus la-
bios como orna torrente, que recebia a cla-
ridade da sua consciencia, e nos annunciava
que essa maioria nio tem rei t Porque
, pois, que nao Lavemos de votar a pro-
posta ? So a n3o votaes, todo o mundo
acreditar que estamos prximos de um
restauragSo, e se estaraos prximos de ama
restauragSo, tremei todos vos.
Ao votar a proposta, ,^ao vota-la, votaes o
suffragio universal, votaes a demwacia,
volees os direitos individuaes, votaes a re-
volucSo de setembro.
Cumpri com os meus compromisso e
com a minha consciencia ; ana se n3o vo-
taes a proposta, senhores depoledoe, asse-
guro-yos qoe nao viverer* em p z; a vossa
consciencia vos dira, tendo aberto a porta
ao griocipe Affonso ; liberaos, aqui ji nao
ha liberdade; a vossa conscieecia vos dira
tendo aberto a porta a um francez, o du-
que de Montpensier : hespanhes, na na-
Co de Saragoca e de Gerona, no ber$o de
Pelayo e del Cid, na trra de avadonga,
e de Bailen ; hespanhes, j nacha patria.
Respondeu o Sr, ministro do tornelo.
O Sr. presidente: O Sr. Casteter tem1 a
palavra para rectificar.
O Sr. Castelar: Poucas, mui poaca? .
paiavras hei de dzer era replica, ou, para
mellior dzer, era rectfjcacao das- pfopo-
scoes equivocas, que me attribuiu p meu
eloquento amigo, Sr. ministro do fomento.
Su* senhoria disse que temos dado a esta
proposta urna grande solemnidade, e sua
senhoria deve compreheuder que esta so-
lemnidade rwo depende certauenls do ora-
dor que a suslentou, mas depende de que^
rer o povo' hes^anbol saber se est arrisca-
do a urna t>estattracao, ou se ha de continu-
ar por rawlo tempo no periodo de duvida
e de incerteza, em qu eslao lancadas ver-
dadeiramerUe todas as torgas do paiz. (O
Sr. Marios pede a palavra para-uma a!tos3o.)
0 Sr ministro do fomento' disse-noe que
temo- interesaos oppostos. Nio os temos,
nao os temos- tido durante muito tempo.
9a pontos nos qjuaes estamos nos e vs-eom-
pletamente de- accordo. Poie que, ne vo-
lamos nos o titulo I da conslitoigo ?'Pois
que, nao defendemos nos os direitos indi-
viduaes ? Poie- qae, nao sustentamos nos o
suffragio universal 1 E condemoaes por ven-
tura os direitos individuaes, a democracia,
o suffragio universal, porque n'este penlo
estamos todos conformes ? O mssmo, abso-
lutamente o mesmo, devereis fawr com esta
proposta, com. esta proposta, qae n'uma
idea- negativa no rene a todSS; na idea
de r: abaixo os Bourbons.
Disse o Sr. ministro do fomento que eu
torne pequea a^questao. Eo disse que a
queda de urna dynastia significa a subst-
tuico dos podares hereditarios e perma-
nentes pelos poderes electivos,'e goe a re-
votugo de setembro a consecuencia de
quatro seculos de revolucoes.
0*Sr. ministro do fomento dise-nos'qve
esta maioria nao lene rei; que esta maioria'
nao tem candidato,, e que por coasequencia-
a nossa proposta--orna propost republica-
na : de maneira-que essa maioria segan-
do oSr. ministro- do fomento, orna maioria
nominalista ca- pleno secuto XIX; orna
maioria que vota a- forma monasthica como
se tivesse um rei coroado ds toaros, os
urna familia ungida com grandes pecordagoes;
urna maioria qae se contenta com ter o no-
me, anda que nao kenha aesseaca da coisa.
Ros bem : digo ao Srv ministro do fo-
mento que a aossa proposta tem nm intores-
se universal, porque nos tem Uo todos os
partidarios de duque de Genova, que a causa
da.candidatura.do duque de Genova se ter
cempletameste destruido, eslava as oons-
picagoes continuas d. duque re Montpensier.
Por consequencia, se aqui b;. ia ura inters-
se nosso, tambera bavia um inresse vosso ;
e se nos queremos algoma>cosa, abrr-
vos o caminho, destruir asdilliculdades, c
afastar-vos os-obstculos.. Mal de vs se o
uo tiverdes-comprehendido.
Senhores, acaba de nos dzer o Sr. roi-
nstro do tomento que isso I a para mais
tarde. E nao ve S. S.* quftdterxando este
negocio para mais tarde, que deixasdo estat;
grandes questoes para urna poca muito di-
latada, amito, remota, torna na reafidade im-
possivel' quatquer solujao? Assim, se des-
pertara as insensatas aspirages carlistas ;
assim se despertara as insensatas aspiragoes
sabelistas ; assim se despertara, as insensa-
tas aspiragoes do djque de Mpntpessier;
assim estamos con>tanleraente n'estas. lutas
e n'esta incerteza.
Senhores depuiados, que deve eesultar
quando se saiba, quando o povo sosber que
urna proposta em que s3o excluidas lodos
os Bourbons, fui regeitada por esta cmara ?
Dir o seguinte: dir que o pensamento -da
revolugo de setembro, que a idea da revo-
lug3o de setembro, que a consciencia da
revolugo de setembro, que a bandeira da
revolugo de setembro oadeia sobre estas
montanbas, onde ficemos nos a seus ps
proclamando o grito salvador de : < abaixo
os Baurboss.
Depois de fallar o Sr. presidente do cwr
selho de ministros., disse ;
O Sr. Castellw: Ainda duas palavas,
senhores deputados.
Teria rectificado as apreciagBes que apr-
senlo] o Sr. ministro da guerra, acocea da
entrevista de Bxuxellas; mas conheco. que
vou cansar a attengao da cmara.
NSo fui a Bruxellas; foram os Srs. Mar-
tos, Chao e Garca Lopes, e all se disse que
a nossa aspiragao era a repblica, e com-
prometteram-se os membros pertencentes
ao partido progressista, e a democracia mo-
uarchca, comprometleram-s, digo eu, a
respetar durante o periodo s inlerinidado
o pensamento e a vontadq do povo, som
faser nenhuma declaragao que prejudique
a forma de governo.. Nao quero dzer, se-
nhores deputados, como se cumpriu essa
condgo.
Mas alm d'isso, se ha um ministro que
raonarchico e tem candidato, e ha Qutros
ministros, que sao monarchicos e n3o teem
candidato, estes ministros parecem-me mi-
deistas sem deus (urna voz : pois bem).
Pui8 bem ? Mau para o paiz, que nao'pode
continuar n'etas incertezas.
Ha mais ainda: ponde ao lado de urna
negag3o urna affirmativa; a affirmativa con-
cluir por chegar ao vicio ; esses ministros
ser3o vencidos pelo Sr. Topete eom esse
sentimento que me embaraga, de que, ha-
vendo sido regeitados aqoi os Bourbons,
nao foi excluido o duque de Montpensier.
TT#*H> DIARI


MUTILADO


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EBKVGXN8X_G0M0YR INGEST_TIME 2013-09-14T02:57:41Z PACKAGE AA00011611_12071
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES