Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:12070


This item is only available as the following downloads:


Full Text
ANNO XLVI. NUMERO 64. ori i

i

\
I
*A$A A CAPITAL E LGAHK OWDE IAO SE PAGA POETE.
Por tres mezes adiantodos.....
Vor seis ditos idem ......! .'
'qr um atino Jem.. ................
Cada mumeio avulso .*'*'*'...........
6,5000
i"2000
240000
320
SEGUNDA FEIRA 21 DE MARCO DE 1870.
.83*
DIARIO D
PABA DEHTRO E FOHA DA PEOVDTCU.
Por tres%ezes adiantados.......... J7S0
Por seis ditos dem......... i^kaa
Por nove ditos dem....., %. \\'\ \\\ \\ \ l*>
Por am aono dem.......*. 275000

Propriedade de Manoel Kgueira de Faria & Fhos.

SAO AGENTE*: --------------"
Os Srs. Gerardo Antonio Alves & Filhos, no Para ; Goncalves 4 Pinto, no Maranhao ; Joaquim Jos de Oliveira, no Cear ; Ajenlo de Lemos Braga no Aracatv Joan Mari inrt m,oe v ,
M ,AMa, cm w; Anton0 A0 de L1,a, M Par%ba, Amonio ]f6 Gmjr Villl da Penha;Br: i; rrrrz r: c: "rr rNaui: M *~
' _____________:_______________ em Nazareth ; Francisco Tavares da Costa, em Alagoas; Dr. Jos Martina Ates, na Baha ; e Jos Ribeiro Gasparinho no Rio de Janeiro. '
PARTE OFFICIAL.
CJoverao da provincia.
EXPEDIENTE ASSM.YIDO PKI.O EXM. SR. SENADOR FRB-
DER1C0 DEALMEID.V E ALRUQUEBQL'K, PRFSIDE.NTE
DA PROVINCIA, EM 8 D!i FEVEHEIR' DE 1870.
1.a secro.
N. 206.Portara ao Exn'i. general commandan-
te das armas.C>nlndo de aviso da reparlico
da guerra de 26 de Janeiro ultimo", que. a patente
reclamada pelo capito retomado do norato Ma-
noel Glaudino de Oliveira Cruz foi remetida ao
ao inspector da thesouraria de fazenda desta pro-
cia com oflicio datado de 23 de dezembro de 1856,
para ser entregue aquello ofllcial, satisfazendo elle
os direitos e emolumentos respectivos na forma
das ordens ento em vigor ; assim o commnnicoa
V. Exc. para seu conltecimeato ealim de que faca
constar ao referido capito.
N. 207.Dita ao mesmo.Gommunico a V. Exc.
para sea eeohecimento e afim de que faga constar
ao alferes honorario do exercito Francisco Correa
de Mattos, que se aeha na secretaria do governo
para llie ser entregue, depois de pagos os direitos
xigidos por lei, a portara pela qual S. M. o Im-
perador houve p r bera conceder Ihe licenga para
residir nesta provincia.
N. 208.Dita ao director do arsenal de guerra.
Mande V. S. Mrnecer ao commandante superior
deste municipio o cartuxame de mosquetaria pre-
ciso para as honras fnebres que se tem de fazer
ao finado capito da guarda nacional Antonio Jos
da Costa e Silva.
N. 209.Dita ao capito Tibnrcio Hilario da
Silva Tavares.Remeti a Vmc. para satisfazer os
'direitos exigidos por lei a inclusa portara, pela
qual S. M. o Imperador houve por bem nomoa-lo
parao lugar de ajudante do director do arsenal de
guerra desta provincia, a qnal me foi remettida
com a parlicipaco do Exm. Sr. ministro da guer-
ra de 27 de Janeiro ultimo, devendo Vmc. apresen-
ta-la na secretaria do gorerno para o respectivo
ciimpra-se, depois de pagos aquellos direitos.
N. 210.-Dita ao Sr. Manoel Jos Rabello, con-
fu do Brasil no Pono.Com a copia do olficio do
Exm. presidente das Alagoas, datado de i do cor-
rente, respondo aos de V. S. de 12 de outubro e
25 de novembro do anno prximo passado, cora
referencia a finada D. Carlota Maciel de Oliveira
Salgado, viuva do fallecido subdito portuguez Joa-
quim Goncalves Salgado, cabendo-me accrescen-
tar que a propongo que mo forem sendo forneci-
das as informacoes que exige acerca da. referida
viuva, darei dellas prompta sciencia a V. S. para o
liiu indicado nos citados offlcios.
2* seccao.
.V. 212.Portara ao commandante superior in-
terino da guarda nacional do Recite.Segundo
wao d oait jttmtt por copia I..... mi mi
do presidio de Fernando de 3 do correte sob n.
125, vieram para esta capital no dia 12 de novem-
bro do anuo prxima passado os guardas nacio-
nas do 3o batalho de infamara deste municipio,
de nomes Juviniano Gomes Saraiva, Leop ddo
rraneisco Jos, e Basilio Gomes Pereira, testemu-
nhas do conselho a que tcm de responder o guar-
da do 2" batalho da mesma arma Joo Baptista
des Santos; o que communico a V. S. para sea
conhecimeuto e em satisfacao a requisicao que fez
no final de sua informarlo de 26 de Janeiro ulti-
mo, sob n. 19.
-N. 213.Dila ao mesmo.Sirva-se V. S. dar
*uas ordens para que amanha, s 3 horas da
tarde, esteja postada era frente igreja da ordem
tKceira de S. Francisco, a torea precisa para la-
zer as honras fnebres devidas ao cadver do ca-
pillo da guarda-nacional Antonio Jos da Costa e
>ilv*, cajo sahimento ter lugar da mencionada
igreja, ceno V. S. de que o arsenal de guerra tem
ordem para fornecer o cartuxame preciso para as
descargas.
N. 211. Dita ao jniz especial do eommercio.
InTorme V. S. acerca do incluso requerimeoto, era
que o bacharel Elizio de Souza Martins pede ser
noraeado para o lugar vago de escrivo d esse
juizo.
.V. 81.*i.Dita ao tenente-eorcrael Joao Valen'im
Viilela.Tendo designado Vmc. para servir na
junta que deve julgar em ultima in-tancia o solda-
do do corpo da polica Manoel Joaqaim de Vas-
concelos ; assim Ih'o communico para seu co-
nhecimento, e afim de que para isso compareca
amanha s 9 horas do dia neste palacio.
N. 216.-Delberaeao.O presidente da provin-
cia, conformndose com a proposta do chefe de
polica em oflicio n. 178 de 7 do correte, resolve
nome para o lugar vago de 4* supplente do de-
legado do termo de limito o cidadao Jos Ant nio
Cabral Jnior.
N. 217.Dila-0 presdeme da provincia, cau-
ri ialo-se coma proposta do chele de polica
.i!i oSeio n. 178 de 7 do corrente, resolve nomear
os cidados Jos Antonio da Malta para o cargo de
subdelegado do districto de Capoeiras, e Jos Igna-
cio da Silva para o de 2o supplente do mesmo sub-
delegado.
X. 218.Dita.O presidente da provincia, tendo
em vista a proposta do chefe de polica em oiflcio
n. 181 de 7 do corrente, resolve conceder ao ida-
da} Jos Odilon Cordero da Fonseca a exonerado
que polio do cargo de 21 supplente do subdelega-
do da freguezia de S. Bento.
N. 219.Dita".O presidonte da provincia, tendo
em vista a proposta do chefe de polica em oflicio
n. 179 de 7 do corrento, resolve exonerar o cida-
do Diogo Henrique de Souza do cargo de Io sup-
, pente (lo sadelegado do l districto da freguezia
de Quipap
N. 2O.- do em vista a proposta do rhefe de polica em ofli
ci n. I74 de 5 Jo crrante, resolve, por conve-
niencia do servioo publico, exonerar do cargo de
delegado do termo d Salgaeiro o capillo Paulino
Tixoira de Carnlho.
N. 221.Dita.O presidente da provincia, con-
ioroundo se com a proposta do chefe de polica em
officio a. 174 de fAdo corrente, resolve nomear
para o cargo de d tAgado do termo de Salgueiro o
capito do corpo provisorio de polica Antonio Jos
de AndraJe.
.V. 222.Dita.O presidente da provincia, at-
tendendo ao que requereu o bacharel Francisco
Gonijalves da Rocha, jnii de direito da comarca
de toyanna, resolve conceder Ihe mas um mex de
Jicenca com ordenado, na forma da lei para tratar
de sua sade.
3' secejio.
N. 23.Portara ao inspector da thesouraria de
fazenda.Transmiti a V. S. para seu conheci-
mento e devida execuco, copia nos do aviso.de
26 de Janeiro ultimo, relativamente a reprsenla-
(;ao que flzeram varios negociantes de chapeos de
sol nesta provincia acerca da desigualiade das
taxai estabelecidas pela nova tarifa para paga-
mento dos direitos a que estio snjeitos os chapeos
manufac turados, e os objectos importados* para o
i. dos raesmos, mas tambem das informa-
ses a que elle se refere.
N. IJi.Dita ao mesmo.Transmita a V. S.
para seti conhecimento e devida execuco. copia
riso do ministerio di fazenda de 13 de dtozem-
br do anno prximo passado, com referencia as
arremalaeSet dos bens do extinct vinculo de
I tamb.
N. 22S.Dita ao muffio.Communico a V. S.
para ara conhecimento, que altendendo ao que
reqoerett o profesor da escola prauca annexa a
eeeoU normal Vicente de Moraes Mello espeep
ae*tt data a tbesoararia provincial as convenientes
ordens para faier susponder o descomo que offere-
ceu o referido professor de seus vencimentos para
a> despcza*da guerra, visto ter cessado semelhante
offeria.
X. 22(1.Dila ao mesmo.Rocoauneod a V. S.
qne mande pagar a Joaqaim Jos de Faria Nnnes
como pede no incluso requeriraento documentado
a quantia de 3IJ500 por elle despendida em virlu-
de do autorisarao da presidencia com aconducc.ao
de objectos do arsenal do guerra para o hospital e
do quartel do deposito para o mesmo arsenal.
N. 227.Dita ao inspector da thesouraria pro-
vincial.Em visla do que me requeren o profi>3
sor publico da escola pratica annexa a escola nor-
mal Vicente de Moraes Mello e de sua nformacao
de 7 do correnl sob n. 7o recommendo a V. S.
que faga suspender o descont que offereeeu o re-
ferido professor dos seus vencimontos para as
despezas da guerra, visto ter cessado somelhante
olferta.
N. 228.Dita ao mesmo.Depois de liquidados,
em visla da folha e pret nominal, juutos em dupl-
cala, que me remetteu commandante superior do
municip,d de Olila em oflicio de 3 do correnle,
mande V. S. pagar o que justamente se estiver a
dever, provenientes dos vencimentos relativos ao
mez de Janeiro ultimo, do ofllcial e pracas di
guarda nacional destacados n iquolla cidade.
N. 229.Dita ao chefe da repartilo das obras
publicas.Tendo resolvide, de confonniJade com
a sua informacao de hoatem sob n. 29, conceder a
permissSo que solicitou Francisco Garudo para
fazer uno canno de esgoio que d sahi la para o
canno geral as aguas servidas da casa n. i A da
ra estreita do Rosario urna vez que elle so sujeite
as mesmas condic-es estabelecidas a outros em
idnticas dreumstancias, assim o declaro a Vmc.
para seu conhecimento e (ios convenientes.
4" seceo.
N. 230.Officio ao presidente da provincia do
Paran.Recebi os cxemplares dos relatorios que
V. Exc. me remetteu com o seu oflicio de 17 de
Janeiro prximo (iodo.
N. 231.Poitara ao desembargador provedor
da Santa Casa da Misericordia.Em vista de sua
informarlo de i do corrente sob n. 2ila, autonso
V Exc. a mandar intregur a Francisco Manoel de
Miranda a sua Qlha Quintina Maria de Miranda
educanda do collegio das orphaas.
N. 232.Dita ao pnsidente do Instituto Agri-
cola Pernarabucana.Sirva-se V. Exc. de prestar
as informacoes que para cumprimento do aviso da
reparticaj da agricultura, commercio e obras pu-
blicas de 29 de desembro do anno prximo passa-
do, solicitou esta presidencia em oflicio do 10 de
Janeiro prximo (Indo, a:erca dos trabalhos de;se
Instituto durante o anno, seu fundo social e suas
despezas, subvenfao concedida peta provincia e
meios a adoptar para que to til eslabilecimento
possa florecer. ^
N. 233.-Diu ao Br. Pedro de Altante Lobo
hoscoso.e cnrormidada com o que roe soiici-
tom .Pre!,idenileDle do io -Grande do Norte em
officio de 29 de Janeiro prximo Ando, remeta-m3
Vmc. para seren enviados para all no vapor que
segu amanbaa para o norte, duas carteiras om
os medicamentos homeopalhicos constantes da re-
lagao junta por copia, viudo acompanhadas da
respectiva conta.
N. 3i. -Dita ao administrador do correio.De-
claro a V. S para seu conheciajonto quo o vapor
.4)/hoj chegada lite dos iwrtos dosul segua para
os do norte amanbaa do meio-dra em diante.
N. 23o.Dila aos agentes da companhia Bra-
sileira de Paquetes a Vapor. Podem Vmcs.
faier seguir para osportos do norte o vapor Annos
amanha do meio-dia em diant?. Fica assim res
pondido o seu oflicio de hoje datado.
N-. 236 Dita aos mesmos.Os senhores agentes
da companhia Brasileira de Paquetes a Vapor man-
dora dar transporte para o Para no vapor Arinos.
por conta do ministerio da marinha ao dserior do
brigue de guerra MaranhCio, Joao Antonio de Mo-
raes, llcando sem etfeito a portara de i do moz
corrente, que o mandou transportar para a corte
no vapor Tocantins, que so espera do norte.
N. 237. Deliberado. O presidente da provin-
cia altendendo ao que reuereu Ubaldina Afra da
Conceiqao Vieira de Mello, e tendo em vista a in-
formacao do directer geral interino da instrueco
publica de 31 de Janeiro prximo lindo sob n. 50,
resolve nomea-la para reger interinamente a ca-
dena do instrueco primaria do povoado de Santo
Amaro das Salinas, durante o impedimento da
respocfiva professora e mediante a grat(leacao
annuol de 600. v
EXPEDIENTE ASSICNADO PELO SR. OFFICIAL-MAIOR DR.
ANTONIO ANES JACOME PIRES, NO IMPEDIMENTO
J>0 SKC1ETARI0 J^TBItlNO DO (OVERNO, EM 8 DE
FVELEIRO DE 1870.
.1.* seccao.
X. 238.OIB*io ao cajiiao do norto.-^ry crdem
de S. Exc. o Sr. presidente da provincia, declaro a
V. S. em resposta ao seu officio desta data sob
n. 18,.que ficam expedidas as cjnveniente3 ordens
aos agentes da companhia Brasileira de Paquetes a
Vapor para inandarem transponer para o Para no
vapor Arinos e disertor do brigue de guerra la-
r'mko, Joao Antonio de Moraes.
2a seccao.
N. 239.Officio ao Dr. chefe de polica.De
ordem do Exm. Sr. ppofcdente da provincia, trans-
miti a V. S. os ttulos juntos de nomeacao dos
cidados Jos Antonio da Molla para o de subdele-
gado do districto de Capoeiras, e de Jos Ignacio
la Silva para o de 2* supplente do mesmo subdele-
gado de conformidade com* a sua proposta era
officio de 7 do corrente n. 178.
^ N. 240. Diio ao mesmo.De ordem do Exm.
sr. presidente da proviacia transmiti a V. S. o
titulo junto de noraeacao do capito Antonio Jos
de Andrade para o carpo de delegado do termo de
salgueiro, de conformidade com a sua proposta em
officio n. 171 de 5 do corrente.
N. 211.Dito ao mesmo.-De ordem do Em. Sr.
presilente da provincia, declaro a V. S. que por
dehberaco desta data foram exonerados do cargo
de 2 supplente do subdelegado da freguezia de
b. Bento, o cidalao Jos Odilon Cordero da Fon-
seca, e do de 1* supplente do subdelegado d > Io
districto da freguezia de Quipap, o cidadao Diogo
Henrique de Sotua, tudo do nformidade mu as
suas propostas comidas em offlcios do 7 do cor-
rente sob us. 179 e 181.
N. 212.Dito ao mesmo.De ordem do Exm.
Sr. presidente da provincia, transmiti a V. S. o
titulo iunto^ de noraeacao do cidadao Jos Antonio
Cabral Jnior para o cargo de 4o supplente do
delegado do termo do Bonito, de conformidade com
a sua proposta enrofficio de 7 do corrente sob
n. 178.
N. 213. Dito ao commandante superior da
guarda nacional de Olinda.S. Exc. o Sr. presi-
dente da provincia, manda declarar a V. em
resposta ao seu officio de 3 do corrente, que a
thesouraria provincial tem ordem para pagar os
vencimentos, constantes do citado officio.
a tal respeito por aquello perio-
da noticia dada
dico.
Deus guarde a V. ExcIllm. Sr. senador Fre-
derico de Almeida e Albuquerque, presidente da
proTTneta-,O chefe de pelicia, Luiz Antonio Fer-
nandez Pinheiro.
Subdelegacia de policia da fregnezia de S. Jos
do Becife, 9 do marco de 1870.Illm. Sr.Em
resposta ao officio de V. S. com data de 8 do cor-
rente mez, sob n. 1,303, no qual me pcd9 infor-
macao acerca de um srtigo do Liberal n. 101, o
qual se manifest pela epigrapheMais um artifi-
cio em prol dos criminososcm relacao a Joo
Antonio da Silva Santos, conhecido por Joao Fa-
nha, em satisfacao a nformacao pedida, offereco
V. S. a certidao inclusa, na qual mostra o p em
quo se acha o processo do preso em questao, jul-
go-me dispensado de responder a grita mentirosa
de semelhante jornal, atiento o dever que tenho
de julgar-me superior a ra vontade de escripto-
res que se nao presa m.
^ Deus guarde a V. S.Illm. Sr. Dr. Luz Antonio
Fernandes Pinheiro, dignissimo chefe de policia
desta provincia.O subdelegado, Antonio iloreira
de Mendonca.
Subdelegacia da freguezia de S. Jos do Becife,
8 de marco de 1870. O Sr. escrivo deste juizo
certifique ao p desta, com urgencia, em que es.-
lado se ach o processo que est respondendo Joo
Antonio da Silva Santos, conhecido por Joao Fa-
nha, preso na casa de detoncao, por ter na nonte
do dia 27 do prximo Ando mez de fevereiro, fe-
rdo m -rlalmente o subdito brilannico Charles
Reed, assim o compra. O subdelegado, Antonio
Moreira de Mendonca.
Eu Paulino Herculno de Figueiredo, escrivo da
subdelegacia da freguezia de S. Jos do Recite,
cm virtude da lei.
Em cumprimento da portara supra, certifico que
em 3 do corrente mez loi autoada a p3rtaria desla
subdelegacia, pela qual se expedio mandado de
intimacao para ver ser procossadj Joo Antonio
da Silva Santos, conhecido por Joo Fanba, preso
na casa de detencao, por haver na nonte de 27 do
mez prximo ndo. ra Augusla, erido mortal-
mente ao subdito brilannico Charles Reed.
Certifico mais que existe n'um auto de perg'un-
tas feilas ao mesmo Joo Fanha, em 27 do mez
prximo lindo, iguaes autos de perguntas a Hy-
gina Amelia da Silva Santos e Jos Martins Cor-
rea de Araujo, em 28 tambem do prximo lindo,
ainda ontro auto de perguntas feitas ao citado Joo
Fanha e a Francisco Ferreira de Lama m o Io do
corrente mez.
Certilico que existe termo de achada do chap)
do delnqueme, em o Io do corrente mez, e bem
assim corpo de delicio procedido na pessoa do in
elez Charles Reed, pela subdelegacia da Boa-Vis-
ta, por deprecado desta,em 27 de fevereiro Ando.
Certifico ainda que existem nos autos recibo da
nota de eulna axp<'i j luja Ajnlaniu_jla Silva-
Santos, conhecido por Joao Fanha, assim como au-
to de perguntas feilas ao subdito britaniico Char-
les Reed, no hospital Pedro II pela subelegacia da
Boa-Vista, requiii'co desta, em 3 do corren-
te, igualmente' o termo de confrontarlo de Joo
Antonio da Silva Santo3, conhecido por Jo) Fa-
nha, do inglez Charles Reed, em 4 do corrente.
Certifico finalmente, que no dia 5 do corrente
mez, foi qualilicado Job Antonio da 'Silva Santos,
conhecido por Joo Fanha, tendo este delnqueme
nesta mesma data ajuntada a inquericao de tres
testemunhas, a saber : o alferes Pergentino de Mi-
randa Pimentel, Jos Martins Correa de Araujo e
Francisco Ferreira de Lima, t) referido verdade
e dou f.
Recite, 8 de marco de 1870.0 escrivSb, Puu-
.ino Hercrilano de Figueiredo.
I" secgo.Secretaria de policia de Pernambu-
co, 11 de marco de 1870.N. 316.Illm. e Exm.
Sr.Tendo o peridico Liberal a. 101 de 8 do
corrente, publicado um artigo em que se dizia que
se tratava de innocentar e por em liberdade a Joo
Antonio da Silva Santos, conhecido por Joo Fa-
nha, preso em, flagrante pela snbdelegacia da fre-
guezia de S. Jos, por ter ferido gravemente em
om dos das do carnaval ao inglez Charles Reed,
exig na mesma data informaedes do referido sub-
delegado, que ministrando-as em data de 9 do
corrente, as passo por copia as mos de V. Exc,
afim de que lenha conhecimento da inexactido
Comiuando las arma.
QUARTEI.-GENF.RAl. DO COMMANDO n.VS MUAS \A
PROVINCIA DE PERNAMBUCO, 19 DE MARCO
DE 1870.
Ordem do dia n. 473.
O brigadeiro commandante das armas em exe-
cu;o as ordens da presidencia contidas cm ofl-
cios de 9 e 13 desto mez, referindo-se as do go-
verno imperial expedidas pelo ministerio da guer-
ra a 2o de fevereiro prximo passado, 1 e S do
corrente, tai publico a guarnico que foi hoje dis-
solvido o corpo n. 53 de voluntarios da palria que
em seu regresso da campauha do Paraguay, de-
seinbarcou nesta provincia no dia 14.
So penoso para o commandante das arma?
contemplar o vacuo quo deixou no exercito to
aguerrido corpo ; ao recordar-se do que a sua ar-
dua e honrosa misso ficou satisfactoriamente pre-
enchida, e que o benemritos eididos que sao
agora dispensados do servico da guerra, em cum-
primate do decreto n. 33*71 de 7 da Janeiro de
1865, qile os chamou, vo no remanco da paz e
com socego de espirito entregar-so aos seus balhos domsticos, nao pode deixar de experimen-
tar a maior satisfacao.
Ao transporem esses cidados o lumiar de seas
domicilios, podem orgulhosos dizer a seus quir-
dos pais, ternas esposas, filhos, irraos e prenles.
O paiz offeodido en seus bros e dignidado, trai-
coeiramente violado pelo estrangeiro, reclamou os
nos30)J%servcos pressurosos aecudimos ao seu
aceno, ludo envidamos para desaffrontal-o.
Se o governo lera generosamente remunerado
os relevantes.servieos presladis neste afflictivo
quinquenio pelos deffensores de sua patria, esta
smente tem para elles um sorriso, sorriso expres-
sivce.fascionador, que toca e falla ao coraco, e
que excede a todas as recompensas.
Cidados Pernambucanos que campuzestes o
corpo 53, recebei um abraco e as despedidas do
general que tambem se ufaua de ter tomado
parte na guerra, associaudose aos vossos perigos
e as vossas gloria*. Sedo" felizes.
Assignalo.Joaquim Jos Gongaloes Fonles:
Conforme.Emiliano Ernesto de Mello Tambo-
rim, te.iente ajudante de ordens enearregado do
detalhe.
EXTERIOR.
A guerra do araguay.
(Conclusao)
III
Nao esmorecemos espavoridos da invaso do
brbaro, antes uflammados pelo amor da patria
voamos as armas ofterecendo resolutamente os
peitos s balas inimigas. Fizemos nesse cmenos
um tratado de allianea com as repblicas do Uru-
guay e de Buenos-Ayres para termos passagem
franca pelo territorio dellas, e fornecermo-nos de
vveres e forragear a cavalaria. Appellou o go-
verno para os cidados, cencitando-oss armas, e de
todo o Brasil legioes de voluntarios da patriam-
dicos, advogados, negociantes, empregados pbli-
cos, fazendeiros, estudantes, a mocidade emfirn,
deixando as familias e os interesses, e trocando os
commodos, a seguridade, os regalos e a placidez
do lar domestico pelas fadigas e perigos da guerra
ilistaram-se pressurosos e contentes; e- de seis
mil homens
mos como
phaiaq
era vai_
enihusas
soldado o
patriota.
Oh I el
de inveja
comecaraos a ca npanha, vi-
"e engroesarem-se nos as
' n, mas que
a traaiamo
em vez do i
o do cidadao livre e
santo amor da P^m^^Kt
po, qne- fea dessa mocidade,
"'"''"''da ao trato e prazeres das cidades, e aos
earrlios e blandicias da familia, endurecidos guer-
reiros!
Vede esses voluntarios da patria e guardas na-
eionaes, d'ntes to precaiados o esmerados de
sua i pessoas, agora avergados soh o peso das ar-
mas, e das munieoes. sem tecto que os abrigue
dos rigores das estacoes, sem calcados que impe-
eam a humidade Cas hervas e das lamas, e os fe-
rmenlos dos cspinhos e das asperdades dos cami-
nlios a magoarem-lhes e a ra andando legnas a marchas toreadas, soffrendo to-
me, fro e sede, ou quando nao, alimentando se
apenas de um punhado de farinha e bebendo pou-
ea e nauseabunda agua lodosa Ei-los mal vesti-
dos mal nutridos, mal dormidos, alquebrados e
aeabrunhados das ladigas, mas intemeratos e im-
petuosos nos combates, disputando primazas de
bravura aos veterana, os primeiros a galgar fs-
sos e tnncheiras, a vadear ros o banhados, a esca-
lar barran-as o muralhas, arrestando a morte na
saraiva Ja de balas e metralhas que de todos os
lados granisam sonre 'elles! E entre esses bravos
sobi'eleva em denodo o Dr. Fr. Pinheiro Guima-
raes (boje coronel) e que neste momento dis-
perta-me saudosas recordaedes das lides acad-
micas.
Recalcados c batidos os invasores de Corumb,
do forte Coirabra, de .Nova Olinda e de outras po-
sicoes de Matto Grosso, de S. B>rja, e de Uru-
guayaoa, no Rio Grande do Sul, levamos a guerra
ao proprioslo inimigo, pertencendo grande parte
da gloria nossa armada, se bem que Ihe nao fi
eassem aquem a cavalaria do Rio Grande, to co-
nfiedla e estimada em maito por Garibaldi, e a
infamara das provincias do none quo nao coslu-
raa leixar- romper seus quadrados ncm recua uos
asialtos.
Odia 11 de junho de 1865 rnnrjou nos nossos
tastos urna das mais memora veis baialhas navaes
que nao inveja a de Navarino. A esquadra do
Paraguay mais nnmeicsa em vasos e gente, pro-
tegida por bateras bem artilhadas de ierra, foi des-
trocada pela nossa no Riachuelo, cobrindo se nella
de louros o vico-almirante Barroso que, vendo per-
didaa aceo, tomou a resoluco desesperada de
pralicar com o vapor de sen mand i, o Amazona/,,
urna manobra que s cosiuma srtr efeito nos
couracados quando armados de esporo, o Tazendo
da proa do seu navio de madeira, que enio ainda
nao tinhamos monitores, arieta, foi de encontr
successivamenle a um odepoiji a oulro e a ou-
tro vaso inimigo, conseguinllo melte-los a pi-
que!
Destrocada a esquadra inimiga, restando Ihe ape-
nas alguns vapores e chatas, bloqueamos as Tres-
Boceas, tomamos aps roohido e mortfero comba-
tea ilhi que fronteia o Paco da Patria, e dahi, de-
baixo de vigoroso e sustentado fogo que despediam
a* fortalezas e o exercito contrarios, nao frajuea-
r*an*-4 de um navio p?la aeco dos torpedos; mas con-
seguimos effectuar o desembarque e invadir o Pa-
raguay, sem represalias, fazendo sempre guerra
leal e conforme aos principios modernos e ao es-
pirito humanitario que hodiernamente vogam.
Nessa assignalada victoria eonhecila pelo nomede
Paco da Patria, alm de distinguir-se sobre todos o
general ManoeljLuizOsorio(hoje marqnez d) Herval)
registro coiiidesvanecimento um acto de temerida-
de, quq,s tem igual n..s lucias da dado inedia ou
entre os fabulosos hroes de Ariosto, de Vasco da
Lobera, e de Francisco de Moraes. Ao p>ar em
Ierra paraguaya, avancouo intrpido Osorio acom-
panhado de dze homens de seu piquete, armados
de lancas e do terrivel laro, e assim sahindo-lhe
ao encontr um exercito de trnta mil homens, nao
recuoul Cercado, ennstou-se com elle, e dando
cutiladas, qoe levavam a morte s fileiras inimigas
rompeu por entre ellas, at ehegar em seu auxilio
o exercito alliado.
Admoeshnlo-o o nosso plenipotenciario, o Sr.
Dr. Ociaviano.por lamanha temeridade. redarguo-
Ihe de prompto o bravo general: com um exer-
cito de recrulas e paisanos cumpria jogar a vi-
da e praticar actos de loucura para dar o xem-
plol
.Nao este o nico feito extraordinario de nosso
general; pois em todas as onjuncluras arriscadas
tem sempredado provas inequvocas de desfimi-
dez, de feifao a exceder de muito a craveira com-
mum dos bravos: um hroe assignalado por
gentilezas de valor quo Ihe dao proporces legen-
darias.
At aqu luctavamos com um exercito sup rior
em numera e meios, contra instrumentos e armas
aperfeicadas, d'ahi em vante se Ibes juntavam a
falta de'vveres, a diffimldade de transporta-los, a
cholera-morbus, a desynteria, as fobres,- e a natu-
reza ingrata e difficil do terreno aqu rios cauda-
losos e sem ponle, com margeos alterosas e ta-
lludas a >i |ue, alli desertes e maltas virgens sera
estradas, alm banhados extensos, Iremedacs coa-
Ihados de tojos, e a cada passo urna fortaleza, um
fortim, ou ciliadas oceultas nos desliladeiros. De-
pois da victoria do Paco da Patria obtivemos as do
Tuyuly e de Curuzn, que nos deram tanta confian-
ca, a ponto de emprehendermos levar de assalto e
escala viva a fortaleza de Curupaity. Pagamos
bem caro essa afouteza
Fiados em informacoes falsa* de transfugas, de-
mos a Curupaily pouca iraporUncia, suppondo-a
mal guarnecida e is forcas eorapostas ent parle de
cranos, velhos e mnlheres, era ella no entanto
quasi t possanto como Humayt, e foi aerifica-
do s cegas qua Ihor de oito mil soldados, incutmdo esse revez o
desanimo s torcas adiadas.
Com elle entreu a prudencia o a seguraba. De
Curupaity a Villej vao cerca de dous anno's, po-
rra espaco de lempo nao esperdicado, seno de
construccao de estradas e de pontes', de combates
parciae?, de recontro e sorprezas da parte do ini-
migo, e nunca de revezes para os alliados. Se hou-
ve lenlido as marcha, nun;a o exercito deixou
de avancar, e urna vez ganha urna posico nao
houve mais cede-la, nem recuar um palmo de ter-
reno conquistado.
Divide o Sr. Dr. Hcmem de Mello (1) em tres
periodos esta campanha : o 1." e o da invaso im-
petuosa e audaz de Lpez, e da nos9a parte Si
organisaco resoluta e permanente do- elemento
militar e das torcas de resistencia para oppJr aos
exercitos paraguayos. O segundo periodo re-
presentado pelos quinze raezes de inaceao no Es-
tero Bellaco. Periodo de disciplina e recomposi
cao do exercito. O 3." eomeca em julbo de 1867
pelo movimento das tropas sobre o flanco esquer-
do do inimigo : accresceoto a estes um 4. perio-
do, e que decorre da po-se da capital do Para-
guay at hoje : periodo de oceupacao completa do
territorio e de reorganisacao administrativa do
paiz.. Essa missao cheia ainda de perigos, de
contrastes, est Hondada, no campo ao nosso prin-
cipe herdeiro presuraplivo da coroa, pelo consor-
cio com a nossa princeza imperial, e ahi tem elle
mostrado urna bravura e actividade inexcediveis.
A parte administrativa a cargo do nosso ministro
de estrangeiros.^o Sr. constlheiro Paranhos, que
se tem havido com summa habilidade nessa mis-
so de si arriscada e melindrosa.
Em movimento o exercito alliado caminho de
Assumpco, importava apossar se de Humayt,
formdavel fortaleza tida pottnexpugnavel, e qual
Adamastor, interposta marcha destes novos Ga-
mas da civilisacao, e que ameacava
Essa Sebastopol era a chave da campanha, e
sem destruida toda empreza contra a capital pa-
raguaya era intil e baldada. Os reconhecimen-
u ain azos e perigosissimos comecararr, prestan-
do nellos servieos relevantes e nota veis os gene-
raes Osorio e Andrade Neves at que a 19 de fe-
vereiro de 1868 tomaram os adiados, guiados pelo
mnrquez de Caxias, o reducto do Estabelecimento,
e auxiliados assim os moimentos da nos^a esqua-
dra ao mesmo lempo forcou ella a passagem de
uumayia, nao sera arrestar, perigos de todo gene-
ro. Nessa accao gloriosa sobresaera o comman-
dante da expedico Delphim C. de Carvalho, o
commandante do Barroso, Silveira da Motta, que
ro o primeiro a passar por cima das correnles, e
o." tenen-e Maurity, que no encouracado Ala-
goas praticou prodigios de valor, desobelecendo
como flelson em Copenhague as ordens do almi-
rante, e com o menino feliz resultado I
O cabo Tormentoro desses mares estava passa-
do. Segmose a eyacuaeo de Humayt. a fuga
ue.. '.,pCZara Tebii;"ary, e d'ahi desalojado, pa?a
vniota. Nesses entrincheiramentos fomoj procu-
ra-io, e anda ahi espingardfava prisioneros, ami
gos e prenles, e o quo mais entes fraco3 e
cmo 'i6'0" A vic|oria de 10 do dezembro de
l^bS deu nos posse de Villeta. Nia havia porm
nava de Hercules que decepasse as cabecas da
Hydra sempre renascdas. Depois dos entrinchei-
ramentos de Villeta, esbarramos com os de Lomas
valentinas, anda mais fortes e artilhados.
foram mortferos os reconhecimentos das f.irti-
Itcaeoes de Lpez, os adiados perdoram nelles
muita gente, maitos oflkiaes distinetos, e isso pre-
2?"SV-,?ac,seria um COfnbale formal. Os dias
ai, zj, ZJ de dezembro sero sempre ser lembra
dos nos annaes desta campanha.
Renhida e desesperada foi a Releja, pendeu por
ultimo para o; adiados, o colhemos a palma da
m* b'cneraes e os ollciaes dos exercitos
adiados sustenlaram a reputaco adquirida nos
ouiros combates, o general Osorio, ferido, nao
abandonou o campo, e o marquez de Caxias, ape-
sar de doente e velbo, assistio c dirigi al ao fim
esse combate de tantos dia?. Depois de Lomas
Valentinas foi urna marcha triuraplial at a oceu-
paeao da capital inimiga. Tomado esso ponto prin-
cipal do estado paraguayo, nao saqueamos, nao
tomamos destorco de quem quer que tosse, res-
peiiamos as propriedades e fazendas inimigas, te-
mos chamado as familias tresmalhadas e esfomea-
das, demos abrigo aos foragidos. remedios aos
doentes, alimentos a lodos; deixamos aos habi-
tantes que se submetteram ordem e s leis, o
campo hvre para elegerem um governo proviso-
rio que tem recebido j homenagera e preilo das
autoridades subalternas do proprio Lpez e de
muitos habitantes da repblica.
Lpez fugitivo e ainda rodeado dos fanticos que
0 segnem, acouta se na* forlilicacoes que linha de
"' -'I: ptop^ni-lns niH emWWelias luiratareH.
Al ah o tem procurado as tropas adiadas com-
mandadas pelo intrpido e bravo principe brasi-
lere conde d'Eu, desse continuador avanlajado da
admiravel epopa que gravamos nos campos do
1 araguay, e que no empenho espinhoso de liber-
tar o paiz desse monstro, nao descanca e nem se
torra a sacrificios do toda especie. Auxiliado por
i ij10' .aj*sPei, de seus ferimentos, de Cmara,
de Poriinn# de Victorino, tem marcado suas mar
chas por tombates, c osles por victorias. De Ca-
ragaaty, a Iguatemy, a S. Pedro, sao triumphos
successivos, e isto annuncia que dentro cm pouco
ha de Lpez fugir ou submetter-se.
Onde em todo esse periodo um acto da nossa
parte que revele tyrannia, ambico de prepon le
rancia e do conquista ? Em toda essi lata nao se
nota em nossos soldados deserci5es, ou um acto do
depredacao, de vinganca, de doshumanidade.
Winguem, de animo forro e desprevenido, ne-
gara ao governo bra^ileiro a sua longanimidade
para coni os visinhos turbulentos e ingratos, a
sua lealdade e geaero;ilade para com 09 adiados.
Apostlos da civilisacao, enviamos nossos soldarlos
com suas espadas e enthnsiasmo patritico a re-
generar esse povo barbare e fantico, e a derra-
mar sobre elte a luz que evangelisa e esclarece os
espirites.
A nossa misso piis sloriosa c achamo-nos
pagos om demasa dos sacrilieios de gente, de di-
nheiro, de repouso o de presperidade pira o nos-
to paiz, so lograrmos fundar na America Meridio-
nal mais una nnro livre e civilisada, transfor-
mando o Paraguay do feiloria de escravos boea>s,
entregne ou dirigida por um senhor ruel e duro,
em urna repblica regular, assentada em solida?
liases com um governo humano, e para a qual
aevo de luztr nos horisonles do futuro a pro-peri
dado e o progresso de queja gosa Bnenos-Avres.
h.xpeinmos desta um lgro-Ro-as o d'alli "urna
hyenaLpez.
De resto, enchem-nos ainda man de ufana os
resultados, grandiosos desta campanha por terme-
la empreliendido e levado ao cabo com o nossos
sos recursos nacionaes sem engrossannos nos e
os adiados nossas lileiras com mercenarios es'.ran-
geiros nem com o(Iieiae3 e generaos, que nao fos-
sem conterrneos, ou que tivessemos adoptado
por nossos filhos.
Ao terminar seja-me licito repetir ainda urna
vez que no meio de nossos irmos de almmar,
que fallam a mesma lngua, quo descendem do
me3mo tronco, e a qaem a gloria qae irradia de
nos reflecte sobre elles como as suas tganlias dos
lempos ureos do Portugal antgo 2> tambem
nossos, dovemos levantar bem alto a cabeca e
eonsratularino-nos mutuamente pelos louros e
tropheus que nos alvem desta campanha to glo-
riosa, tao porfiada, tao cheia de episodios sober
bo?, que hao de um dia ainda ser merecidamente
aprecalos, quando a imparcalidade dos provn-
douros nos julgar.
Tenho f.
Lisba, U do fevereiro de 1870.
DR. A.NTONIO RODRIGUES LEAL.
foi dissolvido o 53.- baulho de voluntarios da pa-
ma, de conformidade com as ordens do Rover*
imperial.
PAVILHAO SANTA ISABEL.-A eompanhia di
acrbatas do Sr. Marcos Casad deu sabbado o ett
segundo espectculo, com variados e beltos raba-
ibos, que muito agradaram, sobretudo 03 dos Srs
Vicinle, Cezare Marcos Casad, sorprendendo qual-
quer um delles quer no irapezio o barra tlxa, e
quer na corda tesa, e mostrando serem artistas do
ment e dignos do apreco publico.
TRIBUNAL DO JURY.-Este tribunal deixou de
unccionar na sexla-feira.
No sabhado entren em julgamento o reo Joaquim
Hamos Machado, aecusado de offensas physW
leves na pessoa de Manoel Francisco Gomes, sendo
seu defensor o Sr. Dr. Joo Francisco Teixeira. O
reo toi condemnado a um mez e meio de prisao e
multa correspondente.
Hoje deve ser julgado o reo Francisco Moreira
da cosa, aecusado por offensas ph)>icas leves.
PROTESTO DE LErRAS.-0 escrivo dos pro-
testos Jos Mariano est de semana ra de Sanio
Amaro n. 20.
RA DO LIMA.Informara-nos que a rna do
Lima, em Santo Amaro das Salinas, acha-se quai
miransiiavel quer em consequeneia das ultimas
chuvas, quer pelas aguas da raar que ahi pene-
tram pelo lado do sul. Chamamos para isso
a ailencao do Sr. Dr. director da repartico das
obras publicas.
RA DA CADEIA.-0 calamento desta rea,
da freguezia de S. Frei Pedro Goncalves, carece
prompto reparo prximo do becco Largo, aonde
em consequeneia da abertura que se fez para ca-
nahsar o gaz para o predio novo, ficou elle abati-
do, juntando lama quando chove. De quem com-
pete esperamos providencias.
LOTERA.A que se acha venda a lli*
benebeio da matriz d"Agua Preta, a qual corre no
da 28.
PASSAGEIR03.Vindos de Goyanna no vapor
Paran fM :
Francelino Ferreira Crespo, Manoel Alexandre
Garca, Jos Moreira da Silva.
Sabidos para Paralaba no mesmo vapor :
Padre Francisco Pinto Pessoa, Viconle Ferreira
da Paixo e sua irma.
CEMITERIO PUBLICO.-Obituario do dia 19 de
marco de 1870.
Maximina Raymunda do Reg.i, Pernambuco, 18
annos, solteira, S. Jos ; lebre typbode
Manoel Joaquim Pereira de Magalhes, Pernambu-
co, 39 annos, casado. Boa-vista ; tubrculos
pulmonares.
Maria Thomaxia da Conceicao, Pernambuco, 2
annos, solleira, Recite ; bexigai.
Mar^luPfliraaahurii ^mt> an, n nin i, m^-
Jos (recemnascido), Recife : ao nascer.
Manoel, Pernambuco, 1 anno, Santo Antonio : es-
Amelia, Pernambuco, 9 mezes, Boa-vista ; den-
tCo.
Manoel, Pernambuco, 12 annos, solleiro, Santo
Antonio ; convulses.
Luiza, Pernambuco, 5 das, Santo Antonio ; liepa-
tite aguda.
PUBLICACOES A PEDIDO.
Tendo, no Diario da 17 do corrento, protestad"
contra a arremataco oujtaha divisoria que o Si.
c2r n (:oriulano eslava correndo entre os enge-
nhos.Ribeirao e Minas-novas, apparoceu no Diarta
de boje (19), em vez da pessoa quem o protesto
se refera, o Sr. Thomaz de Figueiredo com urna
correspondencia encommendada, escripia em lin-
guagem tal, que nao licito ao homem honesto"
responder sem cobrir-se de dezar, por isso entre-
o-a ao alvido. Nada tenho quo ver com o Sr.
bomaz de Figueiredo. Quanto injuria que faz
a nieu eunhado, elle a pulverisar nesie mesmo
Diario -quando nao queira no juizo competente pe-
dir a devida reparaco.
Recife, 19 de marco de 1870.
_Anlon'0 Venancio Cacalcanle de Mbngiiepiiie.
N3
PERNAMBUCO.
>.co, a trra e o mundo.
rej. A kiogrophia do bardo do Trhmpho.
REVISTA DIARIA.
FERIMENTOS LEVES.-Em trras do ongenho
Coelhan, do termo de Serinhem, n"um conflicto
havido, no dia 15 do corrente, entre Belarmino
Jos da Silva e Dario Ferreira, fez estes dous feri-
mentos leves na-juelle, sendo preso.
ESPANCAMENTO.-Na villa de Pao d^Alho, s
11 horas da noute do 1 do corrente, foi espaocado
Joaquim Pintor, tendo sido presos, pelo delegado de
policia, Joaquim da Luz e o portuguez Antonio An-
tunes da Sil#a como autores do crime ; ia instau-
rar-so o processo, e procurava-se prender Antonio
Serrador, cmplice no crime.
ASSASS1NAT0.No lugar Frecheiras, do termo
da Victoria, foram assassinados tiros Isidoro
Francisco dos Santos e sua mulher Anna Joaquina,
ignorando-se ainda quaes os autores desse erime,
que pdz na orphandade quinze criancas, filhos das
victimas.
PONTE DA B0AVISTA.-O transito de vehcu-
los de qualquer especie acha-se prohibido, desde
19 do corrente, nesta ponte.
CABBIS DE FERRO.S. E*c. o Sr. presidente
da provincia contratou, com o Sr. Jos Henrique
Trindade, o asseotamento de carrfs de ferro na ci-
dade do Recife e seoAaburbios, para o transpor-
te de passagelros de uns oulros pontos.
BATALHO DE VOLUNTARIOS.-No sabbado
rarm e muro
PRIMEinO ANMYERSAIUO DO PASSAMENTO
DE JOS PEIXOTO DA FONSECA JNIOR i SEIS
ESTREMECIDOS PAES.
Morrer na llor da vida e sendo amada !...
Quando a mente, d'amor arde e delira I
Ai tanta aspiraco to mal lograda,
tantos sonhos d'amor, tudo meutiral...
D. Jayme.Thoma: Metro.
Que triste cortejo de amargas recordaedes. de
pungentsimas dores traz este dia para niim I A
natureza me parece hoje paluda e sombra, o sol
me parece ter perdido urna parte de seus fulgores.
Dir-se-hia que o cu e a trra veslem pesado lu-
to. .. Ka imagem dolorosa de min'ia alma que
vejo reproduzida em toda a creaco !
Infausto aniversario !
Um anno decorrido desde qae se abri a es-
cura porta do tmulo para receber o corpo inani-
mado de Jos Peixoto da Fonseca Jnnior es-
perancoso mancebo, fiel e dedicadissimo amigo,
gloria e consclacao de seus esiremecides pais.
Hoje, dia de lagrimas e crep para seus proge-
nitores, nao pode aquello que o amava como ir-
mo bafar a dor que Ihe lacera o corado. Man-
cebo I___t, l das alturas, intercede por teas
p:i i e por aquelle que sendo o ultimo a beijar *
ten rairrado corpo, j sobre a fria I cliro, o quer ser tambera o ultimo a prantear-ta
na ierra.
O' balsamo consolodor da relegiodeChristo !..
t s, t s poders ser unitivo ao soffrimento
que atormenta a alma dos que chorara urna exis-
tencia em flor, to cedo roubada s alegras da
vida I
___________Frfiderico A.
Naqualdade de adininisTrado^o^o^enn^Ri-
beiro, estou autorisado pelo Sr. coronel Coriola-
no Velloso da Silveira, a responder ao protesto*
Sr. bacharel Antonio Venancio do modo seguinte :
E' verdade ter o Sr. coronel mandado aviventar
a antiga demarcaco do engenho Cachoeira com
M.nas Nova, pelo fado das constantes invazoes no
terreno de sua propriedade. Antes disto pedio act
rendeiro da daqnelte engenho, .qne fez esse scieu-
te ao_8r. bacharel, qne elle na tolerava a conii-
nnaco de estragos em suas trras: das depois
mandou chamar o mesmo agrimensor quo havia
corrido aquella liaba para aviventar, visto como
lugares havia em que nao existan) mais vestigios
do demarcaco peta devastacito de fogos, derra-
bas de recados, ertes de^naderas, ele. Antes d
onmecar o trabalho o agrimensor fez aviso ao pai
do Sr. bacharel de quem tem resp09t. J se v
pois, que nio exacta a inventada ausencia da
partes interessadas.
Qnem assim procede nao commette actos vio-
lentos e sim aquellos que mandara ou consentem
invadir propriedade alheia.
Ilintiil




m\ i
;" "

le ingrato se nao multo fcrp^ ^ -^.-^ ^^
Quanto & demarcacao d stu modo ha injurias
que empanadamente fe Mirara sobre outros pelo
habito entjaae'eM do as praticar' para ter lo-
ar o seumodt ora misler coii.vencia entre .
loionio o o Sr. coronel, nem este neeess ta que alhelo, nem aquello prostitue sua pro*sao ,
taro da ambos o melhor juizo.
Quanto aos meios jadwiaes neste terreno que
o Sr coronel quer a qne?tio e diz que se essa de-
Acacio VaoVm e eanho da legalidade nao tem
as mitras que Ihe servera de divisacjpor_lo
requeira urna demtrcaeao junciana ^Je?'e
Iho dar tudo <|uanto seus ttulos Um derem di-
Ribeiro, 18 de marco de 1870. g.^Mn
Antonio Bertino Pemra $ Carvalko.
lllm.Sr. Caettao Pinto de Veras.-0 sen grato
niua virtud, por conseguiitu aecao de grata pe-
l.n favoreJBcebid'.s deve ser urna obrigacao sa-
grada O coracao que nao serte nos moviraentos
que oflerecem a etTuso de algumas expressoes
spes com que manifest ao bemfeilor seu i
uhecimento nao smenle ingrato se nat ..
meircedor de que se foe ovitem as occasioes em
w.cxeira sua grosseira in>ensibilidade.
N,rsto caso acho-me eu. qne tendo recebido o
awor que V. S. ac*a de prodigalisar-me sem
bstame ingrato se por csH meio PJJS'***
* minha eterna granaao. Mais me estenderia so-
1,r- e-te artigo ; as as pcsoas de tao boa alma
como a de V. S., -apreciam mais a gloria que o
Oque nicamenteaccrescentarei que prometto
V. S um corado lo cheio de gratidao como o
e V S. chelo de geaerosidade, nao posso dizer
cora mais concisao que serei toda minha vida, mu
deveras seu respeitedor, criado e obrigadissimo.
fmmaz Jos da tosa e bu.
Recie, 39 de maio de 18ji.
Pavllho da rn ]?.
Tendo o Ubrral de honlem, na doscnpcao dos
arturm e decoraces feitas as diferentes ras
deMa cidade para festejar o iegresso dos volunta-
rio* a esta provincia, commetlido algoma raexac-
lidio, quando tratou da ra Nova, le-.ado sera du-
vi.la por falsas informales, apressamo-nos a rec-
tificar o engao. ,, .
Ka face do pavill.an lado do poente,. alm das
data<-9 DE DEZGMBRO DE 1866-2 DE MAIO
DE 180613 DE MARCO DE I870-. lia-se tam-
b-m a seguinle -18 DE JULHO DE 1866-; e
mais abaKoP\REBUE E PALMAS.Do lado
? nascenS-VIVA O W CRPO DE VOLUNTA-
ROS DA PATRIA.-TUYUTY E TUY-CL'E.
O pavilhao e sua brilhante illuromacao de mu-
to hicos de gaz, como tambera a da pyramide, foi
todo feito expensas de alguns briosos negocian -
tes da ra Nava, auxiliados de alguns moradores
da mesma, e nao pela cmara municipal, como
affiTmou o Liberal.
Deixariamos de fazer estas peqaenas oberva-
eScs, se o engao nao viesse usarpar aos dignos
subscriptores do festejo na ra Nova a gloria de
ter conlribuido, com o seu bolo na demonstraeao
d*reg*ijo publico, pagando assim um feudo do
yraiido esse punhado de bravos que tao alio
souberam erguer a nossa bandeira nos campos
do Paraguay.
Os encanegadoi da esta.
Salsaparrilha de Bristol.
Trinta auno* do triumphaatos resultados teem
mitorgado e ran mcommen.-uravelniente superior todos quan-
h se eonhect-m para a cura das escrfulas e de
todas as mais classes de enormidades ulierosas e
eiuptiveis. Os mdicos os mais acreditados e ex-
perientes, os periodistas e os escriptores de medi-
cina, sao teftemunhas vivas de sua efflcacia quasi
maravilhosa. Tem salvado e contina salvar as
-vidas e os membros de milhares de pessoas. Ella
at o da de hoje nunca foi administrada em vao,
nem at me-mo nesses casos reputados como de-
sesperados ou incuraveis. E' o nico remedio
para as escrfulas, ery-ipellas, herpes, chagas
as pernas, abscessos, cancros, tumores, enormi-
dades syphililicas e mercuriaes, e toda a casta de
erupcoes cutneas. Acha-se a venda em todas ss
partes di mundo, era todas as principaes lojas de
drogas c boticas.
--------------- Ltf
>
ora
kilg.
dem idem verdes vi .
dem de cabras tdHWtS -
dem de on$\ .>....
Doces em calda.....
dem em gcla i^i massa. .
dem seceos.....
Espanadores de pennas grades .
dem pequeos......
lem de palha.......
Esteiras do carnauba ....
dem propria para forroou eutiva
Estopa nacional......
Farinha de araruta.....
dem de mandioca
Feijio de qualquer qualidade. .
Fumoeharatos......centro
dem cigarros...... *
Memem folhabom ntog,
dem em folha, ordinario on res-
tolho .....
dem cm rolo e em latas bom
dem, ordinario ourestolho.
i
duzia.
i
t
cento
kHog.
>


3i0
390
lOiOOO
1*133
78i
48*006
241000
12*000
16*000
12*000
136
681
92
272
3*00fl
320
1*090
EDITAES.
de
(pccacuaulia ( rail)
Angico (toros). duzu
Caibros........ tfm
Enxams........ *
Frechaes..... *
Jacaranda (concoeiras) duzia
Lenha em achas...... cento
>
nm
dem em toros......
Linhas c esteios. .
Loan-s (pranehOes).....
Pao Brasil........
dem de jangada......
Qniris ,.....
Vinhatico costadinlio de 2 a*30.
millimetros de grossura. .
dem pranchSes de dous costa-
dos at 50 millimetros de gros-
Ssnra
em tanoado de menos de ro
millinietros de grossara .
Taboado divarso......
Tatajuba........
Travs.........
Varas para pescar.....
dem para aguilhadas .
dem para canoas.....
Oaveruasde sucupira(em obra)
Eixos d>^ cicupira para carro. .
Mslaco.........
Mel de abelha.......
Milho.........
Ossos......
Pama do carnauba ...... molhos
Peehury. ........uleg-
Pedras de amolar
dem de filtrar......
(dem de rebollo :
Pennas de ema. ...'..
Piassava.........molhos
Ponas ou chifres de novilhe ou
.....cento
...... kilog.
kilog.
um
duzia
um
duzia
kitog.
urna
datia
<
urna
I
par
kilog.
613
684
545
2*180
170
1*703
60*000
3*0
1*300
5*000
95*000
3*000
12*000
65000
10*000
103
5*000
6*000
16*000
*s. Gpltania do porto de Pernambuco t
m&n\1nut70aaordem de S. Exc. o Sr presiden-
m da orovincia, faco publico para c.nhocimento
dos uS "tos o ediU abaixo transcripto quejfo.
eraSSd S. Exe. pelo Exm. Sr. pres.dentelda
rSSSASt^m. 0 Exm. SP p^dent,
da provincia manda fazer publico que tendo-se ul-
timado os* reparos do que precisa va a barca P ,vl acha se ella desde o dia 17 do correte anco-
raa na mesma poicao que oceupava no canal de
BrSecMaVa do governo do Pir4 3 de fevereiro
de 1870. O secretario do governo, Antonio dos
Pssos Miranda. _. ,
Jos Manjel Picaneo da UsU,
Capitn do porto.______
didas, calculo de descont, juros (imples e com-
DOtos, theoria de cambios e suas applicacoes. Os
concurrentes deverao previamente apresentar seas
reauerimentos instruidos de documentos que pro-
vem idade completa de 18 annos, isenQo de pe-
e culpa e bom comportainento na forma do
do decreto n. 2549 de 14 8e marco de
20*000
1445000
96*000
33
6*000
25400
6*000
1*000
3*500
16*000
50
320
68
16
1*000
817
31
18
34
4*796
160
O Dr. Tristo de Alencar Araripe, official
da Imperial ordem da Rosa, juiz de di-
rcito e especial do commercio nesta ci-
dide do Recife de Pernambuco, por S.
M. Imperial o Sr. D. Pedro II, a quem
Deus guarde, etc.
* Faco saber aos qne o presente edital vi-
rem e delle notici > tivercm qae no dia 2
de maio.do corrente anno se ha de arre-
matar por venda a quem mais der em prac
publica d^st- juizo depois da respectiva au-
diencia o seguinte:
Um sobrado de dous andares e soLo;
silo no caes do Ramos n. 32 freguezia de S.
Antonio, t.ndo no primeiro andar duas
salas e seis quartos cozinha fora, no segun-
do andar lambem duas salas e seis quartos
no sotao urna sala, no pavimento terreo
oceupado por tuna prenda de algodo, com
quintal murado cacimba meeira, avallado por
8:000$000. O qual foi penhorado por exe-
cucao de Mills Latham 4 C, contra a viuva
e herdeiros de Jos Higyno de Miranda.
E nao havenflo lanzador que cubra o pre-
da avaliacao, a arrematacio ser feita
na
art. 3
Secretarla da thesoonirta de faznda de 9w
aambuco, 4 de marco d 1870,
Servindo de imeial-maier,
Manoel Jos Pinto.
Pela contadora da cmara municipal daste
cidade, se declara aos propietarios de estabele-
ci i neni'os de porta aherta, su jeitos ao pagamento
do imposto municipal, qne no ntex de margo pr-
ximo vindouro, principia a arrecadacio a bocea
do cofre do mesmo imposto
Contadoria da cmara municipal do Recife, ,28
de fevereiro de 1870.
O contador,
Hypolito Cassiane de VascdWceWos A. Maranho.
COMPANHL\ T^RNAMBUCANA
M
Navegado costea por vapor
Porto de Oalinha, Rio Formse e Taman
dax.
m vapor Coruiipe commandank
Eiiva seguir para os porto cima no
jdla 20 de marro, a meia neite. Recebe
carga, encammendas, passageiros e dinheiro a
fre'.s, no escriptorio do Forte do Mallos n. 12:
Para o Porto por Lisboa
seguir em poucos dias a barca portuguesa Jforn
Sympa/Wo, de 1' classe o marcha, por j ter
prorapta a maior parte de sua carga ; para o pou-
co que lhe falt e passageiros, aos qnaes offerere
ricos e excellentcs commodos, iraia-ee com Bal
tar, Oliveira & C, ra do Vigario n. 1, primeiro
andar.
IRMAWDA1MB
de M. m. da Iedde da fregae-
da adjidicacao na forma da
vacca......
Sabio.....-.
Sal. ...;.. .
Salsaparrilha ....
Sapalos de conro branco par
Sebo ou graxa em rama ktlog.
dem em velas. ...'..
Sola e vaqueta......
Tapioca.........
nlias do boi.......eento
Vassonras de carnauba duzia
dem de piassava ... *
dem de timb......
Alfandega de Pernamboco, 19 de marco de 1870
O 1. conferente, Francisco de P. G, da Silva.
O 2. dito, Jos B. de e Silva.
Apnrovo. ^Alfand ega de Pernambuco, 19 do
marco de 1870.Paes de Andrade;
Conforme. Jowfttim Tertuliano de Mrdeirot.
RECEBEDORIA DE RENDAS INTERNAS E-
RAES DE PERNAMBOCO.
ttondiraento do dia 1 a 18. 60:588*808
dem do dia 19....... 1:074*516
2*800
348
10
2*043
800
340
476
1*200
204
380
768
1*200
960
CO
pelo preco
, E para que ebegue o conneciraento ae
todos mandei passar o presente que ser
publicado pela imprensa e afinado no lu-
gar do costme. Recife 16 de marco de
1870. M
Eu, Manoel Maria Rodrigues do Nasci-
mento escrivo o stibscrivi.
Recife 16 de marco de 1870.
Tristo de Alencar Araripe.
Juizo de orphos.
No dia 21 do correte ao meio dia na salla das
audiencias, perante o Uto. Sr. Dr. juiz de orphos
se vender em praca publica a casa terrea n. 2,
com porta e janella, na Baixa-verde, freguezia da
Boa-vista, com 16 palmos de frente e 36 de run-
do com duas sallas, quarlo e coiinha interna,
quintal murado pelo lado do norte, e cerca pelo
fundo, junto a camboa, avahada por 700*000 cuja
casa se vende a requerimento do inventarame
dos bens do finado Antonio Luir Nunes.
Recie, 11 de marco de 1870.
O escrivo,
Ploriano Correia de Bnto.
Relaco das cartas registradas vmdas do sul e
norte existentes na administracao do correio
desta cidade ;
Antonio Francisco de Moraes (2), Augusto Fer-
nando do Reg, Antonio Pinto B. da Azevedo, Af-
fonso Caetano do Valle. Antonio Ignacio de Aze-
vedo, Antonio Gomes de Campos Pitico, Alvaro
Ucha Vieira Brasil, Antonio Joaquim Campos,
Francisco Antonio das Chagas, Guilhermraa de
Siqueira e Silva (2), Jacinlbo Febronio Esmeraldo,
Justino Manoel da Silva, J< o Rddolpho Gomes,
Joo Antonio Gomes Guimares (2), Joo Ramos,
Joo Fernandos Cavalcanti de Albaquerque, Jos
Moreira da Silva, Jos Antonio de Figueiredo, Jos
Leito, Joaquim Ferreira Guimares, Joaquina
Maria do Sacramento, Joaquim Pinto Lapa, Joa-
quim Goncalves Vieira Guimares, Luiz Baplista
Para o Porto
a barca Flor de S, Simo sabir brevroente, por-
que j tem parte da carga engajada : para o resto
e passagens, trata se com os consiguatarios Car
valho & Nogueira, na ra do Apollp n. 20.
zla da iaa-Tlta
Pede-se ao IHra. Sr. Dr. promotor de capellas,
como competente para rofMwr em mizo a nem
das eorpuraedes de mo mora, coofranas. etc., se
dijne requerer que se rac> dfccUro o J "P""1'"-
to^o provimento da provedoria do ma de capel-
las datado de 18 de detemhro de 1869, sobre a
irmandado de N. 8. di Soledad, alim de que nao
fique elle no esquecimente e a irmandade continu
a soffrer o? prejulzos j verificados especialmente
no que diz respeito praca de seus predios.
Alguns irmos.
Aluga se um andar de um sotando di rea
da Praia : a tratar n* ra da Imperatriz n. 3. .
Ama
LEILOES.
Precisa-se de urna ama forra ou escrava para
servir a urna s pessoa, paga-se bera : na ra da
Palma n. 76.
DELARACOES.
do
COMMERCIO.
62:263*324
CONSULADO PROVINCAL
ttendiraento do dia 1 a 18.
(dem do dia 19.
80:684*762
3:398*887
Santa casa da misericordia
Reeife.
Pela secretaria da santa casa de misericordia do
Recife, de ordem da lllma. junta administrativa,
o convidados os parentes das eiucandas do col-
legio das orphas em seguida declaradas, para
que venham requerer a sua retirada daquelle os-
tabelecimento, visto que j tendo mais de 21 an-
nos de idade, devem ter o destino recomiuendado
pelo artigo 48 %% 3 e 4 do respective regula-
ment :
1 Marr da Conceico Azevedo.
z Anna Bezerra Cgvalcanli.
3 Amelia Joaquina de Oliveira.
4 Emilia de Mello.
3 Cordolina de Castro Cirne.
6 Sophia Maria da Conceico.
7 Francelina Rodrigues da Conceico.
Secretaria a santa casa de misericordia do Re-
cife 12 de marco de 1870.
10 escrivo,
Pedro AMHngues 4 Soasa <
de Souia, Lourenco Jos de Figueiredo, Mathias
de Azevedo Villaronco, Manoel Francisco da Silva
Carapina, Manoel Fraoklin do Amaral, Odorico
Americo Raposo da Cmara, Pedro B. Pereira de
Araujo Bellro, Raymundo Goncalves do Valle
Guimares, Theodora Joaquina de Soma Braga,
Vicencia Alejandrina Pereira Dutra.
O encarregado do registro,
Manoel dos Passos Miranda
E PltEMOS
Um sobrado de 2 andares e sotio n. 70 da tua
das Aguas Verdes, solo foreiro, rende 816* por
anno.
Um dito de um andar n. 28 da ra de Hortas,
solo foreiro, rende 640*.
Urna casa terrea n. 1 da ra de Santa Tbereza,
solo foreiro, rende 216*.
Um dita dita n. 21 da ra do Nogneira, solo fo-
reiro, rende 360*.
Urna dita dita n l da roa das Aguas Verdes, so-
lo tambem foreiro, rende.300*.
Segunda-feira 21 do corrente.
O agente Martins far leilo por autorisaco do
Sr. Francisco Guedes de Araujo procurador de
Joo Fernandos Duarte herdeiro universal de seu
fallecido iiho Antonio Fernandes Duarte de Al-
meida, dos predios cima, a porta do predio que
foi Associaco Commercial no largo do Corpo San-
to, as 11 horas do dia, os pretendemos podem
ob'ter qualquer informaco do referido agente.
Advogacia.
O bacharel Joo Goneakes da Silva
Montaroyos, na do Queimado n. 33.
AVISOS MARTIMOS.
84:883*649
PRACA DO RECIFE 19 DE MARCO
DE 1870.
AS 3 1/2 HOBAS DA TABDB
Cambio sobre landres 90 d|v. 2) 3|4 d, por
1*000
Cambio sohre Pars 90 d|v. 460 rs. por franco
Ci'iiMo sobre o Por! s90 l|v. 133 rs. por iranco.
toncallo Jos Affonso,
Presidente.
Mesqnita Jnior,
Secretario.
ENGLISH BANR
t){ Rio de Janeiro Limited
Oesoiita leltras da praca taxa a con-
- nciOnar.
Recie dinheiro em conta corrente m
Irtso lixo.
Saca visia ou a praso sobre as cidades
prlncipaes da Europa, tem correspondente.'
na Babia, Bueobs-Ayres, Montevideo, New
* New-Orleans, e emitte cartas de crdito,
para os mesmos lugares.
KUA DO COMMERaO N. 36-
ALFANDEGA. i
Rendimentododi*lal8. .?. 083:2364843
Ideo do dia 19...... 31:580*377
614:817*220
MOVIMENTO DA ALPANBEGA
? jlumes entrados com azendas
dem idem com gneros
V-.unes sabidos com (azendas
(dem idem coro gneros
7
43
------ 30
109
830
Descarregam hoje 21 de mar?o
lla-ca inglezaElisa Strerris mercadorias.
Patacho inglerjmmtaid*m.
I'.aica inglezaCojM/aitovbacalho.
TABELLA dos pbecos dos cereos sentrros A w-
BKITO DE BXPORT.VCO. SEMANA DB 21 A 2d DE
lUHBfl de 1870.
Mercadorias: Unidades. Valores.
Abanos......... dniia 300
Alodio em caroco..... Wleg. 238
dem em rama ou em la.
Carneiros vivos....... um tiOOO
Porcos idem......... 2#000
Arroz com casca...... kilog.
dem descascado ou pilado *
Assucar branco......
Idem maseavado......
Idem refinado.......
GaNinhas........
Papagaios.......
.Azuite de ameodoim oa men-
dobim.........
o de coco ....'-
dem de mamona...... *
Batatas alimenticias..... k'loP-
R.aunilha .......
Bobi'tiis espirituosas ^efarmeBtadas:
Aguldente cachaca..... lr.
idem de canna......
Edn genebra......
dem 'stilada......
PRACA DO RECIFE
em 19 de marco de 1870. as 3 horas da tarde.
hi<:vit% ehanal.
Camiiios.Saccou-se sobre Londres de 20 5'/8 a
20 3/i d. por l-i; sobro Paris a 460r>. por fr. ;
uontem e hoje; subindo a 90,000 os saques
eflectuados nesta semana.
Algodao.Vendeu-se o de Pernambuco de Ia
sorte de 933 a 966 rs. por kil. ou de 14* a 14*200
por arroba ; e sera inspeceo a 823 rs. ou 13* ; o
de Maeei, posto a bordo, a 1*089 por kil. ou 16*
por arroba.
Assccar.Vendeu-se o maseavado bruto a
320DJ) por 15 kil e o do Canal de 27O0 a 2*909.
AaW.O pilado da India vendeu-se a 1*600
a arroba.
Airite-doce.Vendeu-se o de Lisboa a 3*901
por galo.
Bacalho.Era atacado vendeu-se a 238000 e
a retalho a 24* por barrica.
Banha ue porco.Negociou-se a 640 rs. por li-
bra. .
Batatas.Veuderam-se a 2* a libra.
Bolaghinhas.Regulou a 4* a barnquinha.
Caf Veudeu-sc de 6* a 7* a arroba.
Cha.dem de 2*200 a 3* a libra.
Ckrvkja.dem de 6*000 a 8*500 a duzia de
garrafas ou botijas.
Feijao.dem de 14* a 16* o sacco.
Kerosene.-Vendeu-se a 7*700 a lata de cinco
g.-iliVs.
Loig.v.A ingleza vendeu-se com iba por cen-
to de premio sobre a factura.
Hantuca.A ingleza vendeu-se a 1*210 per
libra e a franceza a 820 rs.
Massas.Venderam-se a 7*500 a caixi.
Oleo de linhaca.idera a 1*W0 por galo.
Passas.Idem a 12* a caixa.
PBKstJXTos.dem a 18* por arroba.
Qubuos.Os flaraengos venderam-se de 2*800
a 2*900 cada um
Sabo O inglez regulou a 107 rs. por libra.
Toccinho. Vendeu-se o de Lisboa a 11*600
por arrulia.
Vinagre.O de Portugal vendeu-se a I30 a
Vemos__Os de Portugal venderam-se a 230*
e os de oulros paites de 200* a 2lO* a pipa.
Velas, As de composico negociaran!-se a
630 re. (jar maco de 6 era libra.
Descont.-O rebate de letras regulou de H a
12 <>U o anno.
Fbctes.Carregando em nosso porto para o de
Liverpool 3/8 a 14 d. 5 % sem eapa, pelo algodo,
e para o do Canal 22/6 5 % pelo assnear.
A lllma. junta da santa casa de misericordia
do Recife, pelas 3 horas da urde do dia 24 do c< r-
nte, na sala do suas sessoes, recebe projostas
para o forneelmento de carne verde que tiverem de
consumir todos os estoLelecimentos pios a seu car-
go, no mez de marco corrente.
Secretaria da santa casa de misericordia d? Re-
cife i" i marco de 1870.
O escrivo,
Pedro Rodriguen de Soiza.
Pela r-icebedoria de rendas internas se fai
publico que 6 neste corrente mez e no de abril
prximo futuro, que os coniribuintes do imposto
sobre industrias e profissoes teem de paga-k, li-
vre de multa, e que lindo o referido praso sera
obrado com a multa de 6 0|0.
Recebedoria de Pernambuco, 3 de marco de
1870. .
O administrador,
Manoel Carneiro de Souza Lacerda.
Kepai ilcfio das obras publicas
De ordem do Illm. Sr. director das obras pubh
e-' t'edaro que desta data em diante ser vedado
o transito pela ponte da Boa vista aos vehi nlos de
qualquer especie.
Secretarla das obras publicas 19 de marco de
1870.
O secretano,
Feliciauo Rodrigues da Suva.
Q0VA1IA BRASIL
DE
Paquetes a vapor.
Dos portos do norte esperado
at o da 28 de margo o vapor
GMar, commondsnte o capilo-
tenente P II. Dnarte, o qual
depois da demora do costume
seguir para os portos do sul.
Desde j recebein-se passageiros e enga]a-se >
arga qne o vapor poder conduzir, a qual deven
ier embarcada no dia de suachegada. Encommon
lase dinheiro a frete at as 2 horas do da da su
sabida. .
Nao se recebem como encommendas sena od
lectos depequeno valore que nao excedam a dua.*
arrobas de peso ou 8 palmos cbicos de medicao
Tudo que passar dests limites dever ser embar
cado como carga.
Previne-se aos Srs. passageiros, que suas pas-
sagens s se recebem na agencia raa da Cruz
o. 57 primeiro andar, escriptorio de Antt>no Luiz
do Oliveira Azevedo & C._____________________
COMPANHIA PBRNAMIUCANA
DE
Navegagdo costeirapor vapor
Maeei, escalas e Penedo.
O vapor Giqni, commandante Costa, segui-
r para os portos cima no dia 31 do corrente.
s o horas da tarde. Recebe carga at o dia 30:
encommendas, passagoigeiros e diaheiro a frete
at s 2 horas da tarde do dia da saluda, no es-
criptorio do Forte do Mattos n. 12.___________
COMPANHIA PEUNAMBUCA1SA
de
avegacio costelra per vapor.
Parahyba, Nata', Maco, Mossor, Ara-
caty, Cear, Mandah, Acarac e
Granja.
^&%to O vapor Ipojuai, commandante
^,41 Moura, seguir para os portot
jaMBsi cima no da 31 do crrente as 5 hora'
la tarde. Recebe carga at o dia 30, encom-
mendas, e passageiros e dinheiro a frete at a*
2 horas da urde do dia da sahida no escripto-
rio do Forte do Maltes n. 12. _____'
LEILAO
da armac3o, gaz e fazendas da loja de cal
cado da ra Direita n. 45, em um ou
mais lotes.
Terca-eira 22 do corrente.
O agente Martins levar novamente a ieilo a
loja de calcado da ra Direita*n 43, a qual bas-
tante afreguezada, e t'-m um grand sortimento :
e 11 horas do dia, na mesma loja.
LEILAO
De urna parte do engenho Bar-
ra, freguezia da Escada
Ter^a-felra de maro
O agente Pinto, levar leilo por des-
pacho do Illa. Sr. Dr. juiz especial do
commercio, em vi rinde do que requereram
os curadores ficaes da massa fallida de Luiz
de Oliveira Lima Jnior, a parte do engenho
Barra freguezia da Escada, que perlence a
mesma mssa j qual venda se toma recom-
mendada j por ser naquelle engenho que
tem excellentcs obras e outras vanlagens
consideraveis, almv"de ser prxima da es-
trada de ferro i por ser terreno de gran-
de fertilidade : o leilJio ser eneciuao au
meio dia do dia cima dito porta da Asso-
ciac-o commercial.________________________
7i viuva D. Maria de Cisne.ro Freir dt Mu
raes, senhora do engenho Ibura, onde reside, ten-
do soffrido a mais Ilegal, violenta e desptica pe-
nhora feita era qualorze eseravos seus, requerida
pela viuva D. Isabel Maria de Moraes Bastos, casa-
da que fura com Joaquim Pereira Bastos em oc-
casiao.que nao podiain sr penhorados e arrema-
tados em praca publica, seno juntamente com o
mesmo engenho, suas ierras, instrumentos e uien-
cilios, e com seu gado vaecum e cavallar, etc.,
etc., segundo a lei de 21 de Janeiro de 1809 com
a lei novissima n. 1237 de 24 de setembro de 1864,
irt. 2o SS 1* e 2*; e isso mesmo s. mente no caso-
de ser a importancia da divida exequepda igual
ou superior ao total dos valores de todos os refe-
ridos object^s, entreunto que a parte pertencenle
a exequenle D. Isabel Mari na divida que ella
pede, esta longe de chegar a nma. milienesima
parle do total dos valore dos mesmos referidos
objectos; obteve finalmente do juizo municipal da
1* vara por onde a execuco corre, niandado de
levantamento do depseito dos referidos eseravos,
o entrega delles execuiada ua senhora. depois
de ieT soffrido por mezes e mezes enormsimos
prejni70i proeedontes nao s da suspendi da
moagem da canna da presente safra j cjroecada
ao lempo da realisaco da referida ilegal peohora,
mas tambem assim de alugueb pagos a estraalios
para a moagem da canna, que j ento estava cor-
tada, e pane aiada no lugar dos caonaviaes onde
tinha sido cortada, c ouira parte j cooduzida e
depositada ao eompotentc iado do mesrao engenho-
da moagem, NSN de alugueis plgos men pessoas estranbas, que prestassera exeeutada
seus servira-, quer interna, quer externamente,
isto no interior de sua casa, e na guarda dos
nimaes yaceum, cav.illar, ovelbum o saino, etc.,
etc.; e tambem procedentes de enormsimas des-
pezas e cusas de exame*', vistorias e avaacdes
requeridas pda execuuda, e ltimamente feitos
no mefino engenho sob a presidencia do juiz da
execuco sob o pretesto de ser inderanis la de
todos os dito* pn-juizos c despezas pelo? bens da
mal aconselhada exequente. Sob estes fundamen-
tos, pois, a execuiada D. Maria de Cisoeiro Freir
de Moraes denuncia ao publico em geral todos
estes arbitrarios factos, para que ninguem compre
predicta exeqoente bem ; Ignm dos que ella pos-
sue, como sao varios eseravos e e?cravas, e nm
sitio di> ierras com arvores fructferas, c sua casa
de vivenda situada no logar do Boh. estrada do
Giqui, sob pena de flearem sujeitos laes bens ao
pagamento dos referidos prejuizos, perdas e dai-
nos, no caso de onsar vndelos a dita D. Isabel
Maria de Moraes Bastos, e principalmente se os
vender da data do presente annuncio por dianie
Recife J6 de marco de 1870.______________
Subdelegacia
de
>
nma
i
litro
de polica da freguezia
Santo Antonio.
Existe esta subdelegacia nm moleqne de nomc
los, que di, ser escravo do Dr. Tertuliano, do
Passo de Camaragibe : quem se julgar com direi-
to a elle, aprsenle seus respectivos ttulos.
Reeife 18 de marco de 1870.
Miguel Lucio Fimo.
Arrematado
No dia 21 do corrente, finda a audiencia do Sr.
Di. juiz de orphos, escrivo Guimares, ir pra-
ca d venda, varios objectos de oura, prata e mo-
vis pertencents aos nons da finada D. Mana do
Monto Coelho de Alem, como constt do escripio
de praca que se acha em mo do porteiro.
* Pela secretaria da.cmara municipal de Oiin-
da, se faz cente a quem ioleressar, que a arre-
mataco dos 3.palmes de terreno da ladeira da
Se, annniada para o dia de hoje, ftca transferi-
da, para o dia 24 do corrente.
Secretaria da cmara municipal de Olmda,
de mareo de 1870.
O secretario.
Mnrcolino Dias de Araujo.
COMPANHIA
\aTega?o
3L
tarde. Reci
LEILAO .
de conservas e amei-
xas
Q.m ta-feira i-i de marco, s 11 horas.
O agente Pinto far leilo por autormeao do
cnsul de Franca, em presenca do seu delegado e
por conta e risco le quem pertencer, de conservas
e ameixas de differentes qualidades, pertencents
ao espolio do finado F. Dobarry, quarta-reira 23
do corrente, as 11 horas em ponto, em seu escrip-
torio, ra da Crnz n. 38.
PE11FUME INEXTINGUIVEL.
Para o Lenco, Toicador, f. Bamio.
MOVIMIENTO DO PORTO.
17
3*800
987
67S
28,
102
SfMSO
198
390
33
Wem alenol. .......
dem rerveja.......
..re.......
dem vinho de eajn......
IMaclia lina, ceiprehendidos os
......... kileg.
a ordinaria, propria para
eriibari|ue........
liom.......
dem iscolha m resflho ...
rado on moide. ...
'ica........
. .
egetal.......
.
a Se can* etn -tjruio.
dem dem em velas, '
..........
-s seceos......> ent0
......fcitog.
boi, seceos salgados.
i idem espichados.
387'
tOO
300.
o
476
"Navios shiis iu> Ha S.
Lisboa-Batea port*gneka*te%*, cap*o Manoel
Jos GoVmtio, carga assocsr, a^edo e outros
gneros.
ParaBngue brasileiro Santo Amaro, capitao Ma-
noel Caetano Ifvas, carga assueat e* outros g-
neros. t ^,
Rio Grande do Norte-Hiato brasileiro flor do.
Rio Grande, eapito Vicente los da Costa, car-
va vanos gneros. ,4 .
West ludiesPatacho Inglez Sea Gulle, eapito W.
Martn, em'lastro. .
dem Barca ingleza Slrata Plofla, capitao Jo-
ne', em rastro
'New-York -Palhabote americano haac Olner, ca-
pitn Charles Patmell, carga nanear.
Mverpiol Barca Ingleza 'Mary Cook, capitio Ja-
mes Farf ir, carga afgodSo.
AntilhasBrigue franeez Palestra, carf3o Le-. j^^nnados^osTeMrtitvos'i fiadores,
gralel, em lastro.
Observa^ao.
Saspendeu do lamaro para West 'Indies oipa-
lacho inglez I.L. Pye, eapito Wallere, eom o mes-
mo Jastro que trouxe do Rio de Janeiro.
Idem dem para West Indies o lugar ingUz Fiy-
ing Sciu. eapito Hellinns, om o mesmo lastro
ue lrouxo1 de Santa telona
dem ideiin para o rio Grande do Norte o bngue
qoruegiiensa-goTeai, eapito JlilkeJspn, coa o mes,-.
mo lastro que' IrUtko do Rio de JatJlro. -
dem idera patf'arTaran a astroacauespannola Va
pitao G. Aldoa^omfhesrtiacr%a(jne
trouxe de MonteVIdo.
Nao houveram chairada?.
Dta)
Ale meio dia nao bouveram enlradae e nem
sabidas.
"S4NTA GASA DA MISERICORDIA DO
RECIFE.'
A Iliraa. juuU administrativa da Sania Casa de
Misericordia do Recife manda Cazer publico que
na sala de anas sessoes, no da 24 de marco, pela
4 Iwra da larde, um de.er arrematadas a quem
raais vanlagens offerecrfr> polo lempo de nm a tres
anuos, as reidas dos predios em seguida declara-
dos : ,
ESTABELEQMEMTO DE CARIDADE.
Ra da Alegra.
kCasa lertea n. 7, imranno. 3MJ000
Becco do Abren.
Sobrado de dous andares u, 1 idem. 300*000
Ra do Calabonco.
Casa terrea n. Y*.......3013000
Roa'de Mathias Perreira (Olinda)
Cai ter.ja n. 14........ 96000
IARI*SNI0 DOS ORPHOS.
Roa do Vigario.
Prtoiflfrd andar do sobrado n. 27 2*0*000
Raa do Raugel. Casa terrean. 38. 0 3fi0l00
Sitio n. SnoForno da Cal. O 150#WO
0* prUtendentes deserto apresentar no arto da
arrematai-o das suas dantas ou comparecerem
PEHNAMBUCANA
M
cestelra por vapor
Mamanguape.
O vapor Mandah, commandante
Jnlio, seguir para o porto ac roa no
dia 28 do corrente as 6 horas da
tarde. Recebe carga, encommendas, passagei-
r se dinheiro a frete al as 3 horas da tarde
do da da sahida : escriptorio o Forte do Malos
o. 12.__________________________________
GOVAfflla BILlSlimi
DE
Paquetes a vapor.
Dos portos do sul esperad!
at o dia 21 do corrente o vapor
Tocantins, commandante J. M. F
Franco, o qual depois da demo
_______ ra do costume seguir para o
gnirpara os portos do norte.
Desdo j recebem-se passageiros e engaja-se s
carga que o vapor poder conduzir, a qual deven
ser embarcada "no dia de suachegada. Encommen
las e dinheiro a frete at as duas horas' do dia di
Nio se recebem como encommendas senao ob-
lectos de pequeo valor e que nao excedam a i
irrobas de peso ou 8 palmos cbicos de
cao.
Tndo que passar destes
embarcado cerno carga.
Previne-se aos Srs. passageiros que suas passa
[ andar, escriptorio de Antonio Luiz de Olivein
\zevedo & C ______1
AVISOS DIVERSOS.
boa.
medi-
limites dever sei
Porto por Lisboa.
Com imito pone* demora dwer seguir viagem
i galera portegueza Lisboa, de primeira marcha.
i chssificada em primeira ctasse : para alguma
carga quelh-fclta, e pussegerres, aos qna*s offe-
rce magnficos commodos, tratase com Soares
Primo, roa do Vigario n. 8.__________________
I has dos Azores
Domingo 20 do com-nte segu impreterivelmen
te para as llhas dos Acores a barca portugueza
Amizade para passgeiri. para os quaes tem
.xc' llentes com-nodos, trati-se com o seu consig-
natario Joo do Reg i Lima, ra do Apollo n. 4.
Sen-itaria da Sania Casa da Misericordia do Re-
cife, o'd fevereiro de 1870.
O escrfvio,
Pelhv Hoiritnte* de Sonza.______
Ofllm. Sr. inspector da tbesourana de hieo*
desta provincia, em virtude das ordens.em "g".
uaoda fazer publico que tem marcad o da
de abril prximo vMiOoBro para p concurso qu
se tam de abnr na Ttfrjaa thesourana para pre
enchimento das togas nella existentes de prati
cantes da mesma, assim como da alfandega eda
rec bedoria de rendas : versar o exame obre
as materias do qne trata o 1 do artigo 1* de
desrete n. 3114 de *7-de hmho de 1863,* ber^
leHom.'aml^o pvumstl e nrtliogrpTHa, an
thmetica e suas appiiec5es ao commercio, com
espe.?atidde redneco de meedas, peaos e me-
Para o Porto
a barca portugueza tNovo Silenciou seguir cen
a brevidade possivel; para carga e passageiros
trata-se com os consignatarios Oliveira Fihos e
, no largo do Corp Santo n. 19, ou com o ca
pito na praca do commercio. __________
Porto e Lisboa
Vai sahir al o Om o correte mez de marco a
barca Flor de Simo, recebjanrga, epassagei
Iros, para o que trata se jgfl .-signatarios
Carvalho & Bpeira, na,
ni
B a 20.
Para o Porto.
Pretende sahir a barct porlogneza Flix, e fal-
undo-lho alguma carga contrata *e o restante
para fechar, com os conHnaries Thomu de
Aquino Fenseca t C ra de Vigario n. 19, p.ri-v
meirfl andar.
A MU AFAMADA
AGA DE FLORIDA,
3E
vil III *V fc l,4Vfll\.
He o mais delirado e mimoso e ao mes-
mo tempo o mais estavel de todos os per-
fumes, c encerra cm si, no seu maior auge
de excellencia, o proprio aroma da verda-
deiras flores, quando ainda na sua flores-
cencia e fragancia natural. (Jomo nm meio
seguro e rpido allivio contra as dores de
cabeca, nervosidade, debilidade, desmaios,
flatos, assim como" contra todas as formas
ordinarias de accidentes hystericos; de
summa efficacia e nao tem outro que o
iguale. Igualmente, quando destemperada
com agua, torna-se um denlifricio o mais
agradavel e excellente, dando aos dentes,
aquella ahntra e apcrolada appaiTncia o
altamente apreciada e desejada pelas Se-
nhoras.
Como tmi remeilio contra o mau nalrto
da boca, depois de diluida em agua,'
summamenle exceontfc faz remover neu-
tralizar todas as materias impuras que1 Be
criam roda dos dentes das 8*^-
tornando-as luas, sadias e doma litda cor
escarnada. 0u>'<' a delitadeza, riqueza
e permanencia do seu fragrant aroma, ella
por eerto nao lem igual: e a sua sape-
rioridade c sem rival. Ella igualmente tor-
na-se um meio mu cxcellenle, parajjzer
remover de sobre a pelle do rosto, toda a
qualidade de brotoejas, ebulicoes, sardas,
pannos, manchas, impigens o espmhis.
Quando se qneira servir della como reme-
dio para fcaer desaparear qualquer um
destes disfiguramentos, e qiw tanto desfet-
amasindas feicoes do betto teto; devera-
se usal-a n'um estado de dilluick, dastem-
perando-a n'uma pottea d'ap*in>orm no
tratamento de qualquer espinba, usar^e-fca
della pura em loria a sua torca. Final-
mente como um admiravei.iMto de aam-
municar as feicoes Irigmp* e pa&d,
urna pelle mam c d'wna fransparent* al-
vura, dando-Ibc urna ritftll 6r de re :
oara umtal fim, tila leva-a,f*aaa a WdW
os perfumes que se leem vanado at te-
je e exisleem plena soberana sem -mu.
Bem entendido tudo isto se reTere anua-
mente a Aua r. Flouiba Mcbba? *
Lanma.n. .... --J--
As miitaces qne se temwwj m,
AUemanha, assim como em mas partes ;
sao intoiramente Hurtis e uivalu.sa* |^or-
tanto recommenda-se onu fgp&isn
ssenhoras.qoe tenhamtoda-a precjjgo
e cuidado, de quando clptarDm, BStja
certasique corapram.
K d3!W'fa
DF.
MARAY & LVlWaN,
' morte^ol A qual > 'pTipernla n6iwHHifBte*r utioo
ATTENCAO
I'recisa-se aiugar urna casa terrea
e que tenha gabinete ao lado, ou nm so-
hradinhu bom, na cidade de Olinda, em al-
gumas das segnintes ras : S. Bento, ladei-
ra da Misericordia ra do Amparo, ou la-
deira do Vaiadouro ; a pessoa que tiver, e
quizer aiugar, deixe carta fechada com as
iniciaes F. F. n'esta typographia, pois nao
se dovida dar bom aloguel agradando.
llHTilfBN.
Imperio do Brasil.
Grande exposiejao na cidade de
Cordova,
BEPCBLICA ARGOmMA.
No dia l do oulubro de 1870 ter ln-
| gar a abertura la exposiejao nacional em
| Cordova.
Previne-se. 'portanto, a todos os produc-
tores, agriculto'es, fabricantes, artistas e a
l-idos aquelles qa tria, que na dita exp- cao se recebem tod s
09 producios da industria e agrktritura'
brasilea, assim como todas as machinas <
utensilios que qoizerern reme ter.
Este produetna estao iseritos dos direitos
da alfandega na Repblica Argentina e po-
derao ser dirigidos cidade ao Rosario, dej
onde serSo tranportados pelo cammbo "4e
ferro central.
Para mais cxplicacoes dirijam-se em Per-J
nambnco, ra da Cruz n. 3, ao consulado.
argentino.
AlUgaso urna icellente e fiel pserava rji*
compra c cozhiha, para casa de pouca familia ou
homens sdlterres : quem precisar dirija-se em
Sapto Amaro ao sobrado junio do cemilerio inglez
do il:i niai pnng*'rfl Uor, peta infausia
seu parante emrg-o-E!itm. Sr. deiembarBsddP
Sigue] Josmin Ayres doHascimenio. na Idade
Jm f>. l.ii' e Maranho ; convid.-i aos paWriW^
e amigo' do fBlleeido naranssi*ufem a umiiim-*
sa que manda oetebrar, na matriz de Santo Anto-
nio, pelas -honwda mataha do dia 81 *> eor-
Wote.
rTalbo FW^ueiro saccam bbe;
Lisboa Pni'to vfta e a praso, ama do
Apollo n. 20.
Proprielfts,
LANMANN A KE5ttVJE-0tA TfljHfc.
Aclio-soa venda iwft.estateliwraeBitoa.4le
A. Caors. J. da C. Rravo, 4 C. ftniu-
rer ftC. A. A.^nilWMTlalftPlmTren. 4 C.
iln'fc-.li
___Precisase de um cpero/**n mi'WHTJWO.
de .ba conduela, on urna maHotm m Nnwa
psra oc4inhar fazer oomiwej^parartiina'fiaBft.es-
trangeira de duas pesse as : a tratar na roa do
Crespo d. t9, Jt ja do fazendas.
1






Diario de Pernanibuco -u Stegunda feir* 21 de Margo de 1810.
iS2
I
. .
*---------_

D. Honorata, vwrlado que a Sra. muito tra-
anle ? Pois 8r. d|niH de comer oPuioo
ItonicnFeliz-t o queijo, a iiianteR e bolachl-
-han, beber o coa e o vtlm Flfneira q-lcr pre-
gr c <*/ vorgonbatla K o .laheire da ontfo >jae Srav tem
om'-sfTr poder, pirqth' nlo va i entregar D. Hono-
rata t'BBi- esta zangado e iiai est pata grabas.
Va, and.vi) Honorato, ma Xftm nb tr/Ai e
rcsta ao l<'iin?n o duUieiro que a seabora co-
meu. A senhora lemhr.v?e do que fw em (JnJ,
-4y< Vrrt'i e Serinhilem f Su nSo me fier uro
itgradMa a dctcubr, assim tambem cont a
(naturia Jo /i-/c qwdirtilo, do cravtira do nuaba
tilha mais velha da au-aana de quarenl* mil
rfls (1!).......
O Pm.
Razao da mofina
Vollei ao mea amigo elemento d'onde jamis
devera tir saludo ; ladivi ladroei de ladrar,
pirque (oh dita miada! ) fui, son e expero ser
sempre um ladiao elicissum.
Jos Maria Pedroso de Luna retira-se para Eu-
ropa a tratar de sna sandc
O Jir. Tamwlo deAlbuquerqueNas-
chnnl), <|ueira vii ou maridar a esta ly-
pOgrapjiia, ;|ue se lhe prensa fallar.
Joaqnim Ho lrign cordialmente a indos 03 ton prenles, amigos e
inais pessoas que se dignarn ar.ompanhar ao
ultimo aiijo, i) 1 cemilerio publico d'csta cidade
o restos mortas do sna presada esposa D Caro-
tina Ursinina d Sintos Mello ; e a todos convi-
da par assstttem a mtssa e memento que man-
da celebr.ir em ulragio por alma da fallecida,
ao stimo dia, segunda f.ira "il 1I0 currant pelas
7 hora da manhaa, na Igwja d;l Orden Tereelra
4b 3. Frnfi?en, ________
II III I III "MIMI II I II1
I Aorespi-itavel publico
Um aomem de maior idade, queja tem
w sido proftssor, tanto pnbtteo como parti-
cular, por tempo de ania de 20 anaos,
qa. eastta gramola*u-a parfuguau aom
to sua rgetela, lauto logia oemo
grammaical, eritlimetiea ihaerfca e pra-
Stiea com teda sua cootabilidade, geome-
tra pralrca com'ana* aVfflmews o fli-
mensojs de su as figuras, e historia sa-
grada, i]80 em todas estas malarias fui
B examinado approrado ; e tem sido a
B sua aula aerapre bem frequenlad de
I' alumnos, fllhos das melhores pe&oas dos
f lugaresonde tem entinado t*m frinf tne
I tho.lo de ensinu e grande adiaatMueifto,
como tudo prova com documantcs e en-
sina independente de castigos; e tem bu-
I tado um grande numero de alnrmros
|| promptos de sua aula, que maltes des-
tes ^-ao podres, doutores e professores.
I Propde-se a ensioar em algum enga-
so nho. mediante urna bita paga. Alanm
g senhor que quizer dar ama edura^o
P melindrosa aos senbsres seus fillios, po-
- de mandar nestes quatro dias, na typo-
2 graphia deste Diarfo, botar em caru" re
g xida o nome e sua moradia, para er
pr curado, e pondo na 5bscripla a3 bi-
ciaes M. C. A. M.

l
xmort. rna ds crmx
n 11.
O artisU GamiHo acoa-ee eslbelecidp nft; casi
cima, onde pode ser procurado para todos o*
misteres de sna proefcMia _______
Precisa-se alagar um* casa nae immdia
edes de Ponte de cboa at Apipoeos, prefere-sa
casa com 89to oo sobrado : quem liver e quier
alogar, avbe na roa da f.adea do Recife n. 35,
00 anuncie por este Diario para ser proenrado.
Ama
Tendo a mesa regedora da irmandade 1
Senhor Bem* Jezns das Dores em S. Goncalo.. r
solvid)adompanhar a pr>clss9 do Senhor Atado-
e aSenhorada Soledaac da igreja do Livramentn,
convida a seus charissimqs irmaos a comparece-
rem no dia 28 do corrtni pelas 2 horas da tardo
no consistorio da irmandade. munidos de suas ra
pas, (aquelles que a tiverem) aflm de enarpora-
dos, acompanhar a referida proetsao.
Liberato Merenciano de Souza,
Secretarlo.
Na ra do Codorniz n. 8 precisa so de ama
ama qte sama eointmr.
Ama*
( Dr. .osla Afeita de volia de sua m- M
gn da Jaropa endr denicou-se :'is mo
leilkw de senhora?, a partos o alfcr
ae pelle, pode ser procurado em su casa
a ruadg fmperatrix 9. Da eonsultas
das 10 hora ao me dia, ndo j:ratis
para os pobres.
ODr Loiz Jos CorrWa de S eonli-
m* no exercicio de sna proti-sao medi-
cj,e reside a roa das iXymphas (Soledade)
n. t7, onde poder ser pr<. .Na ra do Torres n. 16, andar, precisa-se d
urna ama que cozlnhe, compre e engomme pata
tuna pessoa.
CASA
Aos 90^0^000
Ifo arco da Coneeicao rendtt nos
bilheles da lotera n. )3.
41W 2:OdJ00O
fHV 8010(Mt
3t JflOWO
3M1 tOOOiK)
seus felizea
Perdeu-se da estar,o dos trilhos urbanos,
trajelo pelas ras de Santo Amaro, Nova.-Cabu-
g, praoa d< bidepeoiWii'w, Quemado al a ra
i do Livramdnto, um leque de seda parda e sndalo
rom lemijoalas de ac, tendo do centro as inl ciaes
, J. B.: quea o achon e qnizur entregar, venfca
j roa da Oadeia n. 5H, 1- avidar, qoe se grafifleara.
I!ojo pelas dez oras da mandaa ddsnppv
Teee'i de casa o menor Florencio, tulellado do
aliaixo assignado. Sihio va*ildo de calca de brim
pardo, camisa de chita preta e, chapeo" de palha
amareha usado e tem os signaes seguintes : par-
do escaro c cabellos carapiuhos e o nariz chato.
E' bastante conhccMoporqne c n.uito vadi). Quem
delle aoubar ou Uver noticia ou liver homisiado,
queira ler a bondade de participar ao abaixo as-
'Mgnado a roa da Concordian. 56, ou na alfandega.
Recife, o de mareo de LS7D.
Basilio Baptiatt Furtado.
AMA
V. PALHARES
nn

H
1
versos patriticos dedicados memoria dos '
Perntnbucanos nortos no Piragaay.
Af*1gma-sC na Uvrnria Franorzt
A -2-50GO RS. O EXEMPL4R.
Relogio e cadeia
O moco que honlom por oreisiao i< passar os
voluitaros pela ra do Qnefcnado letn um re-
logio com cadeia que eslava sobre urna eommoda,
qnetra qoanto artes leva-loao dono, do contrario
.str.i publicado sen nome cor extenso neste jornal.
Engesbo Q ia i is na l'reguezia de Bar-
reiros t de marco de 1870. Na madrugada de
sabbad 1 C d> mes de fevereiro prximo passade
nriaraw. d tngMhu um cavado e um burro
com os signaes segniotes : ocavallo ruco sujo,
grande, faca, inteiro, novo, earregador baixo, tem
nina rcladura na junta da ma direita de urna
ferida n na pjuco sarou, tem outra pnlladura
b-m TisiveJ r.as ea&tas do |do direilp marca de
eangalba, lera ferro p.j quarto direito e por falta
de reparo ignora-so a qualidade. U burro de cor
' preta pe menoj eastrado, manso, de sella e carga,
a cor em roda i beicos ei'nzenta quero os
appr hender oa deHes tiverem noticia, tenham a
bondade le dirigir ac ao abaiso asign;do pro-
prietan 1 do m nho qne bem recompen-
sis.
J3o Oulhermo de Mello.
CRIADO
Precisa-se de urna ama para comprar o cozi-
nhar para duas pessoas : no largo da milriz de
Santo Antonio n. H.___________________
^T FORTIM
Aos 5:000^
Bilhetes garantidos.
A ma do Crespo n.23 e casas do costme.
O abaixo assignado, tendo vendido alm de ou-
tras sorles, um inteiro p. 284 com 'JOOOOO da
lotera que se acabou de extrahir a beneficio da
matriz de S. f(nto (140'). convida aos possmdo-
res viren) receber na conformidade do eos-
turne sem descont algn.
Acham-90 a venda os felizes bilhetes garan-
tidos da 2' parte da loua beneficio da matriz
de Agua Preta (l'tl*), quo se extrahir seguuda-
l.ira 28 do aorrente me;:.
Precos.
Bilhete 6/000
Meio 3000
Quarto 1,5300
Em porcao de 1U0 para- cima.
Bilhete 3*500
Meio 21730
Quarto 1*375
Manoel Martin Fiuza
Francisco Carreta d Mes,iuua Uiruoso ret-
rase para Europa.
Na ra do Ap.dlo n. 2t, 2 andar, preeisa-se
alugar um cozinheiro, paga-se bom ordenado : a
tratar das 6 horas da manhaa as 9, e da> 4 horas
da tarde em dianie.
Um caixeiro tendo recebido de seu patrio a
quantia cima para f.izer um pagamento, acoijte-
ecu perder desde a ra Nova at a salla das se>
c5es do jury, tendo dita quantia na seguinte es-
pecie : urna nota d* 50(1*000, urna de 100*000
d0M da 40*000 e i*ia de lOOOo, quem as achou
querendo restitua poder se dirigir a ra do
Crespo n. 7, loja do gallo vigilante, que se dir
quem os perdeu.___________________
Bernardino Jo.s4de Meeiros vai a Europa
tratar d sua saudV. e deixa por seus procurado-
res Manoel Cabral de Medairos, Francisco Joao da
Costa Ribeiro e Lui Cabral oe Medeiros.
na
Mei-a-se c om cralo de boa conducta
ra nova de Santa Bita n. 99
O ii-hareTjos Gonealves da Bocha ha re-
lo nstabelecer seu escriptorio de advogacia
.-ra villa do Cabo, onde poder ser procurado
em qualqucr dia e hora para o exercicio de sua
pr-li .ao. Encarrega s>e nao s de negocios rea-
iv 1- ao foro des la comarca e seus termos, como
tambem p'-rtoncfntes as comarcas e termos da
Eseada, ltio-Formoso e Agua-Preta, e mesmo de
qualquer oulra comarca que prtenla ao districto
deata triboaal da relacao.
Solicitador.
M>noel Lniz da Veiga solicitador provisionado,
aeeeita partido daa casas commerriaes, para tudo
que disser respeito ao sou emprego, e isro por
mdico preeo : pode ser procurado em sna casa
ra da Gloria n. 91, lodos os dia s das 6 s 9 ho-
ras da manhaa. ou ao meio da na sala das au-
diencias nos dfas atis.
Ama
Na ra da Cadeia do Recife' I. 50, precisa-se
de urna ama para cozinhar e engorrona 1.
Do engenho Maranltio. fregnezia de l|>ojnca,
tnrlaram no dia 3 do correte 5 cavollos com os
signaes segalntes ;
Um alasao castrado, frente aberta, com os 4
cascos brancos, e tres on quatro ps calcados, bo-
ta crinas para o lado direito, tem urna matadura
velha em cima das custellas, noo, anda bem a
passo, bem ardigo a cip e tem o ferro 00.
Ura rnsso pedrez, grande, castrado, idade de
10 anuos, cauda lina, e bota as dinas para o lado
direito.
l'm rndado peqseno, inteiro, meio cacando,
com*o espinbaco grosso no lugar de bexiga. bem'
curvado e muito sendeiro.
Um castanho sem signa!, branro, ramanho de
meio, corregador e tem duas espadas no pescoco.
Um alazao queimado, grande e pesado, castra-
do, de 10 annos. earregador e tem as orcinas ura
pouco aberuis.
Quem ra'os trouxer tem 100*000.
Joao de Sonta Leao.
PHENIX PERN.tlBUCANA.
Companhia de seguros martimos e terrestres
Itua do Comn)ercio n. 34.
CapiUl Reis 1,500:000^000
SeguraMovis.
Mercadorias.
Navios de vella.
Vapores.
, Predios.
Em vapores at ris 100:000000
Em navios de vella at ris 75:0004000
Em cada predio at res 100:000.5000
Pernambuco. 7 de marco de 1870.
Pela companhia Plien^'Pernambucana
J. J. Tasso.
F. F. Borges,
J. H. Trindade.
nnm mm
Uua clh mp^rat iz 15
Gaspar Itale ten a Iwmra de participar
ao respeitavel pWieo qae acaba- de abrir
a Bova padaria a*le*i na casa supra-ieo-
eionada onde todoe ot das desde as & notas
da nlatride se encontrar o imttk cooiiecido
*a#recdo
PAO Flri'9 ESPECIAL.
Ecarrega-se laailieti-to uuaisqor eo-
ooflMentiae.
O abaixo asignado avisa o publico que
obtido licentja do Exm. Sr. conselbeiro inspector
da thesouraria di tazenda geral, para vender es-
tampilnas em su estabelecimento a rna do Crespa
o. 21. petos meamos precos que se vendem ni re-
eebedoria geral; assim pois, podem as nessoas
residentes nesUtMade e fra delta dingirem m
abaixo assignado, shas encommenda* em quh(uer
quantidade qne'serS promptam?ntc satisKettas.
M|eet Martina Fin.
FreeMhai de om cocheiro que lenta prati
ca de tabjwa r na rw da Cadeia-nova 1.
i'reSt-se dnm catofero de
14 a t anace
me tenlm algoma pfatisa de taberna : n4rivea-
sa da.roa de Qoel-do *.3.______________^ ,
mstme^o primaria' partfc.*^
Agencia em Pwnambuco
Do Dr. Ayer
! Pe toral de Cereja
Cura a phthvsiea c toda* as molestias do peito
wa'sa pftft-ilha
Cora ulceras e chagas aaDgas, impigens e dar-
tro?,
Tate
Coesena e limpa os cabello?.
Pllulaix ratftartleas.
Paramente vegetacs e eem mercurio, cana w-
zoes, euram purificam tolo o ystema hiai
Tende-se effecuvamaile ea'eieuj deSamnelP
lohnston A C, ra da ganzatte Nuva n. 4t.
-^ Precisa se alugaf 018 eMrtvo de boa" coc-
dneta para o serviro de ama ioi* de faaeodaa : aa
ra do Crespo n.
20 A.
colar.
ikefi
Preciwse de nma ama que- saiba lavar e co-
ziohar. para casa de puuea famia : |iaga-se bem;
a tratar na ra do Viga rio n. % 3* andar
(
orrespondencia de Portugal
Os Srs. que 'inda devem suas assignaturas de
um, dous, e at 3 annos, nao costante a dcligen-
cia que se ha feto para receber, quetram mandar
pagar no escriptorio de Ta*o, lrmao it C. at o
lim do mez de Mareo, qumdo ser enviado so
edtor.tda mesma fama urna lista dos devedores
qne nao o tenham feito at aquella data.
AMA
d nma an". forra
Aviso importan te.
O abaixo assignado previne a quera in-
terossar possa qoe credor hypotheca- j
| rio de grande parte do sitio denominado |
jaM 'e.laie e situad) na estrada de la- j
i hoatao. Hyptfnesa que the foi foita i>ela !
9B fa'.ecida Pellppa de S tuza Cavalcante, que ]
2Mt entfn era senhora e poisuidira da parte
3 da menciona la propriedade, hoje penen
| cont a sua lilla que anda c menor e j
porque visse, o mesmo abaixo assignado
x um annuncio de venda de urna parte do
~fj& precitado sitio por Joaqun* Xavier Ca-
valcante de Albuquerque, mirador na i
5 Torre, venlio pelo presente prevenir que
. fn se tal annnncip se refere a parte que
aa lii e*t hypolhecada nao p^dc ella ser
* vendida sem sua audiencia ; protestando
desde ja fizer vder sea direito no tribu
nal competente,
ilecife, 18 de marr.o de 1870.
Joaquim da Silva Costa.
Agradecimento
En abaixo assignado declaro que no dia 13 do
corrente deixei tuna carteira com a quantia de
2005000 em urna nota do banco do Brasil, na loja
dos Srs. Figneiredo & C, o por me constar pelos
meus amaradas do batalhaa dos voluntarios, a
quem os meamos senhores diziam, faco o presente
agradecimento em que me assigno.
Francisco Jos de Sanl'Anna.
CHA TONI PURGATIVO B DIPlMtlYO
DE
CIliHBAIin.
Composto das plantaaas mais odorferas e as
mais virtuosas dos montes os mais elevados, o elt
toni-purgativo de Cliambard, possue um gosto sa-
boroso e um aroma suavissimo, e as propriedade?
as mais nolaveis sobro os embaracos do estomago,
dos intestinos c do ligado o desobstruente por
exccllencia na constipacao do ventre e nao tem
resguardo nenhum.
Depurativo especial e directo da bilis e dos hu-
mores, tefresca o sangue depurandoo.
0 uso do cbi-Chambard pode ser continuado
por muito tempo sera o menor receto e sem m-
commodo nem*mudanQi no modo de vi ver. .
NICO DEP9SIT0 EM PERNAMBUCO
Vk
.PHARMACIA E DROGARA
DE
Barthotomen A C.
34RA LARGA CO ROSARIO34.
Proew ce rtft nma w Terra Ol i! traar na praca do t.orpo santo n. i/, primeiro
endar.________________ *____________
Nao mais cabellos brancos.
A tintura japoneza para tingia os cabellos
da cabera e da barba, fot a nica admittida
Exposigao Universal, por ter sido reco-
ohecida superior todas as preparacoes at
hoje existentes, sera alterar a sade.
Vende-se a 15000 cada frasco na
Rna da Cada n. 51,
1. andar.
Chapeos de velludo a
Ti rollan.
A chapellerie des Daraes, acaba de receber um
lindo sortimento de chapeos para senhora, o que
ha de mais goto, assim como flort s e inicias para
perneados, ultima novidade ; gorros de velludo
Escosseza para-menina, chapeos para baptisado, e
muitas outras cousas. E-ia casa tendo sido re-
formada, acha-se hoje com urna bella sala de luxo,
e por isso convidase as Exmas. Sras. a visitaren!
este estabelecimento, que se torna digno de atten-
cao pelo seu bello sortimento; luvas de pellica
preta duqueza : chapellerie des damos, rna do
Cabug n. 12, 1 andar.
Preeisa-se de urna ama qne compre e cozi-
nhe para casa de poca familia : na ra nova de
Santa Rita nA\._________^______________
Na praca da Independefrcra n. 33 se da di-
iheiroaobre penhores de onrO, pratt e pedra*
oreciosas, soja qoaf for a quantia ; e na meomi
asa se compra e vende objectos de ouro e prata.
> igualmente se faz toda e qualquer obra de on-
tommenda, e todo e qualquer concert tendent
t mesmi arte.
ATE
taberna.
Precisa-se de
pouca familia.
nma ama para casa de
no pateo do Terso n. \,
SAdvogado.
O bacharel Ffancico qMAto da Gi-ta
_ muduu o seu escriptorio \ casa n. 60
3 para u de n. 34 na ra do imperador,
n onde ser encontraiio das l horas da ma-
R nhaa as 3 da larde.
5esta mesma casa se encontrar nma
fSi pessoa que se propon a fazer cobrancas, 1
R e que se encarrega de qoealOea uo inte- |
rior da provincia. B
O baixo assignado declara ao publico qae so res-
pndela ao estulto anmincio inserto no n." 63 des-
te Diario, depois que o eu anior tirar a mascara
assignando o sen nome. pois qne nao quero per-
der lempo com ammnems.
Manoel Luiz da Veiga.
Na ra Direita n. 88, 2" andar, precisa-se de
urna amaeserava para o servico de nequena fa-
milia.
Precisa-se de um hum rosinheiro prefere-se
estrangeiro para um bote', pagi- na ra direita n. 13, loja. #
Os abaixo as-signados, menrbriw da commis-
sio enearregada dos festejos da receptan do 53
corpo de voluntarios da patria pelos moradores da
rna Nova, julgam nada restarem das despezas re-
lativas sos ditos festejo*; mas se ha alguem que
nao fosse pago, queira apres 'iiiar besa cunta, que
immediatamentc a satHfariio.
Thomaa Perreira de Carvaiho.
Manoel Mo reir doSooza.
Jo Leamiro Lopes de Olverrs.
Deseja-se
saber noticias do Sr. Antonio Angoste de Azovedo,
natural da cidade de Brsga. a pedido de m mi,
xonsta que veio da Baha para esta cidade no au-
no preximo passado, poeinlo dirigir-se ra
('obrant;a de alugitei?.
Ha quem se encarresue da ccoranca dos allu-
gueis de predios de>ta cidade por mdica poreeu-
tagem incluindo os servicos de solicitador nos ca-
sos de despejos judleiaes, podem procurar na rna
da Gloria n. M das 0 Livro perdido
Perdn se o livro (borrador) de Joao Gabriel
Carnwro da Cunha, no qual consta lancamentos
de compras de alfada >, un nimio so assim intil a
nao ser para o mesmo Gabriel : a pessoa ijue li-
ver aefiad > dilo livro, queira entrega-lo ra de
Moeda it. -M, ipie ser gratificado. ^^^^^
AM4
Precisa-se de urna ama para coziohar o uom-
-^rar para casa de homem soiteiro : a tratar na
ra Direita n. 32 A, loja de raleado. ^^___
O agente de leiloes F. (. de Oliveira, mudou
seu escriptorio para a casa da ra da Cruz n. 53,
priueiro andar, onde seus amigos o achario
prompto para bem aervi-los. como sempre.
Os hachareis padre Estanislao Ferrcira de
Carvaiho o Joao Augusto do Reg Barros, tem a-
berto escriptorio de advocada rna do Impera-
dor-n. 57, entrada pelo caes Vinte Dous de No-
vembro, onde podem ser procurados para os mis-
lcre3 do sua profissao das 10 horas da manhaa as
3 da larde.
Advngam assim no foro civil, criminal c com-
mercial como no ecclesiastico para o que se vao
habilitar com as provisoes do estylo.__________
Attenpao.
,';_. p,ra pequ3na familia precis-se de urna casa
terrea eom b.-istaote commodos, na freguezia da
Boa-visla ou suas immediaf'jes: quera tiver para
alugaf dirija-se ao Rtcife, ra do Torres n. la,
qae achara cora quem tratar.
Na ra da Gloria n. (3, casa de familia, cozi:
nha-so para fra por preco commodo.______
Alngam-se dous pardinho escravoj de 14 e
16 amos : na :ua estrena do Rosario n. 36, pri-
meiro andar.__________________________
Offerece-se urna ama ba cosinheira para co-
sinhar em sua casa para duas ou tres pessoas,
quem precisar dinga se ra da Roda n. 20.
A viuva do mijor Flix Francisao de Souza
Magalhes, convida a quem se julgar credor de
seu casal para comparecer na casa de sna residen-
:ia na ra Nova n. 58, 2* andar munidos de seus
ttulos.
AMA DE LEITE
Precisarse de urna ama de leite e paga-se bem
na ra da Gloria n. 54.
Pars, 36, Ra Vtvtonna),
CHABLEMotC.N
e-iKNFRBMUJADAS DKSSSXL'ARS, ASAffM
rUT.IMtAS.E Al.TERA.?OESDOS_~Otll,
iu 000 attti itiiaptnftm
,;jli;ai. ktrpet, MTM
mizoet.merimommjui
crcoei, viciOMU i M
__ i nina, ttarafM
Jo Httufac. (Xri|.e veye'ul em mercirio).f
r_tl rexT-ttt* RiHOt HiniRUI
lo-io-te Jo* por en. m(iib trmCU-MS
Dei-\irativ i em regad* as mental molMtia*
Rt Xai-p* Citraet*
ferro CHAWJI, Uf
immediatamnUqvbjM
purgaca*. rtltxact*.
itbilidm, igaal
MU o* /Ji<-m < flerts br**ca$ iMl-tM
aXtr*H
^rr.
Po-ata qi* a* cara UM <
POMADA ANTH4ERPETICA
Centra: iu *f$ctou tutanMt t
JILULAS VEOETAGS DEPURATVM
i Cb-bU. ata ttUM Ti *H*1H>**Bl A
.a Cma|aiBlr
Compra se ou alaga-se nm escravo ou cscrav
Anna S.Thorinha MWrteiro Pesst-a, competente- P?",a coznneirtrs tratar na roa do '
mente habilitada, de conformidade om os despartirte *. lja de Aorad* V Reg
da presidencia da provincia de> 93, e da directora-----------------__,._*__-___
geral da instruccSo publica de Vt de fevereiro l- Em caU de THEODORO GHJMST1
WB, aprsente aos enhores pa e mais chefes Ib ANSEN, rt di (_Ht b. 48, ei)COtttl9M-a
familia a su aula parfkalar qde se acha abort em ofloetivamonto __ka na -n,i^J,v m v
a ra das Croan n. H, f andar, dm 9 horas da Mlivainento tOH H qpalidadec da vmht
mannaa s 2 da tarde. Bordeara, Boorgoge e do Rheno.
Xhteras de ensino.. ------, -----__------r-:-------------------
Leirnra, aritbmetica, eseripta, ele. ~ V6*19 se urna cazinheira ou eoaonoiru
Gisinras de todas as quaHdades : poato de mar- Eeler."_l0^ **r^v_! Para casa dlJ ^n1-
ca, bordados diversos (inclusive de onro), labynn-
tho, c finalmente Abres.
Alumnaa externas 8000 mensaes.
Aquelles sonhores que residlrem lstanfe da ci-
dade, podem, queredo, confiar mesma profes-
sora suas fliss, tateUdas, etJ. qae ser* fratadas
com o m*ior cuidad*, zelo e esmero que ler pos-
sivel, medianteprvio ajuste.
lia : a na Nova n. 84.
Preciosa
ublicae?ao
jurdica.
CommcrUark) do Codijjo Comnxercht Pertu
guez e Brttsilpiro.
Vende-se ta loja r>a roa do Crespo o.
2o A esquina da do Queimado, a impor-
tante e moderna obra sob o titulo de oa>
notaffos ao cdigo do commercie portwjnez
em 6 votantes pelo Exm. Sr. conselieiro
Dr. Diogo Pereira Forjaz de Sampaio Pi-
nentel, lente calliedratico na universidad
de Goimbra. Os- subidos crditos de qae
goza muito merecidamente aquelle eximio
commercialista por si s bastariain para re-
comraendar to importante obraj qtiando
nao concorresse mais para isso a grande
vantagern de sor ora opt*io commentarie
ao cdigo commerciai brasileiro' (na falta
absoluta qne ha de qualquer outi o) pelamo-
xima homogeneidad de entre muitas das
suas disposicoes, e as do mencionado codi- f
go portugoez, qne lhe servio de texto.
t.otrei prcssuroB09> distincta moridade[
do 4. anno da Facnldhde de Direito desta [
cidade e nolaveis jurisconsultos, a prover-
vos desse poderoso auxiliar para vossos
trabalhos da sciencia, e pelo preco commodo
de 204, toda a obra em 6 vol.
Sublime piifolleaco litcraria
sob o (if tilo le Heinori.'i de
tem lesn Monte, em
Braga.
Acha-ne venda na loja da roa do Cres-
po n. 2o A, esquina da do Queimado a pri-
morosa Memoria do Uom Jess do Monte em
Braga, ornada de gravuras finas, segunde
edicao, obra da penna de ouro do moi Ilus-
trado lente da universidade de Coimbra, o
Exm. Sr. conselheiro Dr. Diego Pereira
Forjaz de Sampaio Pitsentel Quem tiver
noticia da extraordinaria devooao qne exis-
te em Portugal para com aquella milagro-
ssima imngem, aflluindo sempre para o
seu magestoso templo em romaria o nume-
quem'souber avaliar as' brilhantes desenp-
toes, e o bello estado daquelle consumma-
do jurisconsulto e eximo litterario portugue
nao deixar de procurar, quanto artes pro
ver-se de um exemplar da dita memoria,
pelo diminuto preco de 3$, na loja indica-
da, onde ha pequeo numero deltas.
Na mesma loja cima ha ontras estampa,
muito perfeitas e grandes do dito Senhor
Bom Jess de Braga, por preco commodo
VERDADEIHO LE HOY
de llbUtlTi, Doctenr-UMMin
Ru d- Solno, 61, *. PAItss.
rjEPURATIF
PLUS-OE
COPAHU
isia in]cea0 lunigra *prjja-*
dtraeto dt
0 CIRt'BGIAO DENTISTA
Frederico Maya
Tem a honra de scientificar ao respeita
vei publico em geral, -e aos seus clientes
em particular que elle mudou o seu gabi|
netede consultas da ra Direita n. 12 para
a do Queimado n. 3i primeiro andar, com
a entrada pelo pateo de Pedro II, onde po-
de ser procurado para os misteres de sua
profiss2o, todos os dias uteis das 9 horas
da manliaa s 3 da tarde.
Tambem previne, que contina a prestar-
se a vontade dos clientes n5o s na cidade
como nos seus suburbjos, para onde as
idas serao precedidas de ajuste. Elle ga-
rante o bom desempenho e a perfeifo de
seus trabalhos, o que j bem conhecido,
assim como as commodidades dos precos.
Em rada garrafa, ra. mire a rolha t m< ,,<
mic, o M. .i*.*,- mio ri^inrisr
WHLCOo,,,.rw|
' j//----tnl!V50iral.flr
/ Qf/yUn*'^"i VStiOIranfOsa-
kW Part, ar'iUvel
a 60 itis> d<-1 .'j
ttn H),il.ni-nb>rW
Miar dticon.
MASSA e XABOPi"
DECODEINADEBERTHI
Preconlsados por todos os mdicos contra *l
DEKLUXOS, CATHAIIBOS, E TOBAS AS|
IRriTACOtDOPEITO.
tt. B. O Xaropc Je Cwt, ina que mrrttv a I
honra, olas bem rrnentrt 'j M'\t\\irr.Htt>l
novoi, de ter registrado emni nm doi medica-
ntentoi o/jicinei do Imperio Franets dis/msjt
qualquer elogio.
AVISO. Por causa da reprrhrati*l fat>-
ficncao que tem tMciludo o frlix nviiHadn .In
Xarnpe e mam d<- Benhe sonm> imcada* .>
lemkrar quccsii'S iiicdicjiueiiius t:ulju a.-in-m,-
cooMitoados fo se ^.
vcudeni en laisin- __^ j
has e fnifem leva, i do
!^__k
r*-
a assigiialiira
trnlc.
46, fue te Kcvtrr, e n.i Pliarmadia (^-u-rl
df r'raiK.a. 7, lint de /', >< l'a
lodas as !:;i rnwi i.l pi i i |i n lli*/i.

PIIdTJJLEy5
DE VALLET
viML,;
As Piiniaa te Valle*, approvadas pela
Academia imperial de medicina de Paria,
saS empregadas com o maior _^^^
xito para curar a chlorosis,
e fortificar as constituiedes
fracas. Nunca este fexrngi-
noso ennegrece os denles. ^Ha^^
Para a garanta da sua authentieidade,
o nome do inventor vai gravado em cada
pilula como m3rgem.
em liio-jAxriRo, DufOKckeUs; CkettlH.
em l'tMVBcco, iawrraC1".
Deaoiito
SEGUROS
MARTIMOS
COMTRAFOCa* ia
A Companhia Indemnisadora, estabelecid;
esta praoa, toma seguros maritimos sobrt
lavifti e seus carregamentoe contra fogt
__ edificios, raercadoria^ mobilias: i
roa do Vig*rior_ 4, pa*imeb Mr eo.
Joaqnim]Jos Gon-
ealves Beltrao
ftA DO TRAPICHE N. 17, i. ANDAB*
Sacca por todos os paquete sobre o Ban-
jo do Minho, em Braga> e sobre o seirain
es logares em Portugal:
Lisboa.
Porto.
Yalenca.
G raimarles.
Coimbra.
Chaves.
Viseo.
Villa do Conde
Arcos de Val de Vet.
Vianna do Casteo.
Ponte do Lima.
Villa Real.
Villa-Nova delFamalicSo.
Lamego.
Lagos.
CovilhSa.
Vassal (Valp&ssos).
Mirandella.
Beja.
Barcellos. ,
ICABUG4
esqnina
Jjlda ma larga
Bosario.
Este importante estabelecimento no sen genero, tem sempre nm sortimento sem ignal,
e vende por pret?os qne nenhnma ontra casa pode vender.
vista da qualidade e do pre$o das j Oarante-se ser tudo de leL Comprare onro, prata e pedras finas per presos mn^ ele-
A loja est aberta at to 9-tae M'mfak
esquina
da rna larga do
Rosario.
asEEHSEfiHHasES asasnass
' NLEBMEl


Diario de Pernambuco Segunda feira 21 de Marqo de 1876

A ESMERALDA
t*
ESTABTO MENELECIEM 1832
Salsaparilha de Pristol.
LEGITIMA E ORIGINAL
EM FRASCOS GRANDES
MU
LOJA DE J01AS
C
Este antigo estabelecimento, completa
ente reformado de novo, est as condi-
068 de servir vantajosaraente os seus fr-
gaezes, visto que acha-se prvido com um
txplendido sortimento de obras de onro e
preta de lei, assim como brilhantes e ou-
iras pedras preciosas, eujos presos sao os
ais mdicos que se pode encontrar.
As joias compradas nesta casa recebem-
e em troca ou compram-se com pequeo
bate.
li 5 RIJA DO CABIJG fL 5
0 MAIUVILHOSO REMEDIO DO
DE. CHAS. DE GRATH.
OLEO ELCTRICO
KINGOF PAI.N
0 RE da dor
IVV< V USO IXTERNO 13 i:\Ti:K\O.
Cura cholera e cholera morbus.
Diarrliea, flaxo do
Dores de cabeca, e
tros minlos.
sangue, em ura da.
dores do ouvido em
i .i.l.w. um um mimidl
-
Deslocacoea, em vinle minutos.
Gargantas inchadas, em del minutos.
Clica e colvulses, em cinco minutos.
Rheumaji?mo, em um dia.
Febre e febre intermitente, em um dia.
Dor as costas e nos lados,
utos.
Tosses perigosas e refriados em um dia.
Plnflrfis'a. era, iim dia.
Hemorrhoidas e broncliites,
Imflamacao nos rins.
Dyspepsia, erysipelas.
Molestia do figado.
Palpiaco de coracao.
Reserve sempre este remedio na sua familia
AS DOENCAS SE APRESENTAM, QUANDO MENOS SE ESPERAM.
OLEO ELCTRICO O Ring of Pain (O R-i da dor) aquieta e positivamente dis
'ipa mais de differentes molestias e dores, c allivia mais os soffrimentos e produz ura
ais perfeito equilibrio no systema humano, o que nao se pode effeituar no raesmo tem
po, com qualquer outro remedio medicinal.
Este muito popular rem dio est agora usando-se geralmente, pela razao que
militares de pessoas se tem curado gratis com o dito remedio pelo Dr. Grath e outros
mais.
Este importante remedio no se offerece para curar tocias as doencas, porm
XSo soraente para aquellas estipuladas as nossas direccoes.
Est operando nos principios da chimica e da eletricidade e por isso, est
applicavel para o curamento e para a restaurado da acc3o natural dos orgos que so-
ffrem da irregular circulado dos fluxos dos principaes ervos. Oleo elctrico O King
of Pain opera directamente nos absorventes, fazendo desaparecer as inchacbes das
Undulas etc. em um tempo incrivel, breve sem perigo do seu uso debaixo de qualquer
circumstancia.
O remedio urna medecina para o uso externo e interno, composto dos ele-
mentos curativos, raizes, hervas e cascas, taes como se tem usado dos nossos antepas-
*ados, e das quaes tem grandes existencias no mundo, par rnente sabendo-se quaes ellas sao.
Fo um grande e especial desejo da facrildade de medicina durante muitos an-
uos de experiencia para aprender os melhores modos que se deviam adoptar para curar
as seguintes doencas, e que proporcoes de medicina se dovia usar.
NICO DEPOSITO EM PERNAMBUCO
NA PHARMACIA E DROGARA DE
OGRANDE PURIFICADOR DO SANGUE I
Esta excellente e admiravel medicina, e
preparada d'uma maneira a mais scientifl-
ca por Chimicos e Droguistas mui doutos e
d'uma instruccao profunda, tendotido mu-
C5 tos annos de experiencia ao par d'uma lon-
#* ga e laboriosa pratica.
** A sua composico nao consiste d'um sim-
ple extracto d'um s artigo; mas sim,
composta d'extractos d'um numero de rai-
zes, hervas, cascas, e folhas, possuindo to-
das ellas, sua virtude especial ou poder
em curar as molestias as quaes teem sede
ou essento, no sangue ou nos humores;
e estes differentes extractos vegetaes, acham-
se por urna tal forma combinados ponto
de conservarem em toda a sua forca, o cu-
rativo especial de virtude, que cada um de
per si possue. A raiz da planta deSalsa-
parrilha, produzida as Honduras, a que
nos usamos nesta preparado, sendo a qua-
lidade que todos os mdicos mais prezam
e estimam. Na composico da **-
parrilha de Brlstol entra mais de 50
por cento deste concentrado extracto. Ella
nao encerra em si cousa alguma, que pos-
s por leve ser perigosa ou injuriosa
sade; e tanto n'este, como em quasi to-
dos os mais respeitos, ella inteiramente
diversa de todas essas mais preparacoes,
as quaes debaixo do nome de Salsaparr-
lha, sao accondicionadas ou postas em gan
rafas pequeas, sendo receitada em doses
mui diminutas d'uma colher de cha por
cada vez. Nos pelo contrario engarrafa-
mos a
SALSAPARRIRA DE RRISTOL
em frascos grandes, e assim por este modo,
dividimos com os consumidores, o grande
proveito e vantagem alcancado por aquelles
que acondicionam sua preparaco em gar-
rafas pequeas. Cada um dos frascos da
nossa Salsaparrilha de Brlstol
oonteem a messa quantidade igual a porcae
contida naquellas garrafas pequeas, e alm
disso, possue ainda muito mais forca e
virtude medicinal do que aquella, que ppr
ventura se possa achar contida dentro de
seis garrafas de pequeo tamaito. Por-
tante mui natural, que aquelles, que se
acham occupados em preparar e vender as
suas produccoes, em garrafas pequeas,
murmurejn e gritem contra os nossos fras-
cos grandes : proclamando, que a nossa Sal-
saparrilha de Brlstol nao possue a
menor virtude ; porm quo efcctivamen
te sao elles postas em silencio, quando indi-
camos, ou simplesmenle referimo-nos para
com essas centenares de certidSes e tes-
temunhos authenticos, por nos recebidos
der todas as classes da sociedade, nos quaes
plenamente attestam o poder curativp e vir-
tudes maravilhosas da nossa.
SALSAPARRILHA DE RRISTOL.
A vantagem de termos os nossos pro-
prios agentes naquelles lugares aonde as
differentes raizes, drogas, hervas, e plan-
sao produzidas, que nos habilita exer-
cer aquelle constante cuidado e disvello na
minuciosa escolha; e o que assegura e ga-
rante uniformidade de excellencia.
Precisase de urna ama para o servico interno
de pequea familia : na ra do Vigario n. 5, lar-
ceiro andar.__________________________.
Trilhos urbanos do Recife
Olinda.
Contlnua-se'a comprar dormenles de sicupira,
oiliciea, amarello e outras madelras de duracao
nara o chao, cora as dimensSes seguintes : 10 pal-
mos de comprimento e 3 12 polegadas de grossu-
ra de 7 1|2 de largura : para tratar, no telhelro
da ra da Aurora, desde as 6 horas da manhaa as
4 da tarde. .
0 supentendenle,
Andr de Abren Porto.
GUSTAVE
CABELLEIREIRO FRANCEZ
51Ra da Cadeia do Recife51
Chama a attenco dos seus innmeros (reguezes, e do respeitavel publico el
geral, para a segninte tabella dos precos de sua casa, os quaes sao vinte por cent*
mais barato do que em outra qualquer parte:
CASA DA FE.
20:000^000.
ra do Cabug n. 1
Bilhetes do Rio a venda
vende Vieira & Rodrigues.
Grande sitio para
alugar.
Aluga-se um grande sitio na estra-
da do Rosarinho, o qual tem muitos
arvoredos e grande baixa para ca-
pim on creaQao de gado, podendo
sustentar 20 vaccas por ter um grande
brejo no fundo que vai quazi estrada velha de
Beberibe no lugar Agua-Fria, tendo o sitio urna
!rande frente para a nova estrada de Beberibe
azendo quina na ponte que all existe. A casa
nova, tem duas sallas e quatro quartos, grande
copia ,quarto de creado, cocheira e estribara, lu-
do de pedra e cal e edificada ha pouco tempo.
Quem pretender queira entenler-se com o seu
propriciario o commendador Tasso, em seu sitio
na Cruz das Almas at as 9 horas da manhaa e
depois no seu escriptorio na ra do Amorim nu-
mero 37.
Cadeias para relogio a 80, 6 70, 8, %, m e. 150001
Corte de cabello,..... 501
Corte de cabello com friegao. 501
Corte de cabello com lavagem a
i champou...... 10001
Corte de cabello com limpez da
cabeca pela machina elctri-
ca, nica em Pernambuco. 10001
Frisado inglea ou franceza. 501
Barba......... 25
ASIGNATURAS MENSAES
Especialidade de periieados para casamento
Bailes e soires
O dono do estabelecimento previne s I Recommenda-se a superior TINTURA JA
Exmas. Sras. e aos cavalheiros qne haumjPONEZA para enegrecer os cabellos e bar-
.... a. .,iia hK, ; ba, nica admittida na Exposic5o Universal
sal5o para Untara dos cabellos e barba, as- ^ ^ prejodicia, sadC) por ser vc,
sim como um fempregado smente occopa- iatil, analysada e approvada pelas acadf
do nesse servico. mias de sciencias de PARS E LONDRES
Cabelleiras para senhoras a 250,
300, 350 e......400000
Ditas para homem a 350, 400 e 500000
Coques a 120, 150, 180, 200,
250 300 e.....500000
Crescentes a 190,150,180,200,
250, 300 e.....320000
Cachos ou crespos a 30, 40, 50,
60, 70, 80, 90 e. 100000
Tranca de 'cabellofpara annel a
500 e.". .... 1^000
Tranca para braceletes a 100,
150, 200, 25 e.....300000
PEDIDO
Pede-se encarecidamente aos Srs. Domingos
Theodoro Rigueira e Aristides Florentino Caval-
canti de Albuquerque (de Sennhem), que venham
ra do Vigario n. 11, a negocio que se precisa
ultimar. _______.
Joaquim Rodrigues Tavares de Mello, praca
do Corpo Santo n. 17, andar, vende cal de
Lisboa e poiassa o a mais nova, e vinho Bordeaux
de qualidade, ___________^^^^^_
TRILHOS
DO
URBANOS
em dez mi-
Recife a Apipucos.
AVISO
Do l.de abril em diante os menores de
tres annos que viajaren no*col nada paga-
no, os mucres de 3 at 10 annos pagarao
melade do preco marcado as tabellas e os
raaiores de 10 annos pagaro conforme a
tabella, como adultos.
Escriptorio da compauhia, IG de mar?o
de-1870.
W. Rawlinson,
_______Gerente._________
Necollegio da Conceico precisa se de um
homem idoso para porteiro,
No armazem da travessa do Corpo Santo n. 25, ha sempre um completo
sortimento de objectos para carros, e que se vendem por precos muito rasoaveis, como
sejam:
Vaquetas de lustros, grandes e muito boas.
Solas idem dito.
Oleado preto e de cores.
Colleiras de lustr o que ha de melhor.
Guarniges de fino latSo para arreios, completos.
Lanternas e vellas para as mesmas
Eixos patentes para sebo.
Joaquim Lopes Machado & C.
Em quanto que, por outro lado, nos no
nos poupamos nem dinheiro, nem dili-
gencias ; am de alcancarraos o melhor
e nicamente o melhorde cada um artigo
ou ingridiente que entra na sua composi-
co ; pois levados e compenetrados da
mais firme e persuasiva conianga; que po-
demos afoutamente dizer aos doentes de to-
das as narocs, e de todos os paizes, que na
Salsaparrilha de Brlstol. possuem
um remedio mais ellicaz e seguro ; do que
nenhum outro, que vos tenha sido oflere-
cido at hoje, e o qual por certo nao hade
mallograr vossas expectativas, na prompta
e effectiva cura das seguintes enfennidades:
Escrfulas,
Chagas antigs,
Ulceras,
Feridas Ulcerosas,
Bartholomeu & C.
34Ra Larga do Rosario34

TIUTURABIA
Tinha,
Syphihs,euMal Ve-
nreo
Humores Escrofu-
losos,
Irregularidades do
Sexo
Feminino,
Nfivosidade,
Debilidade Geral,
Febra e Malignas e
Febre e Sezoes
Biliosas;
25-MJ4 DAS FL0RES--25
O dono deste estabelecimento tinge, limpa e achamalota com a maior
perfeicao possivel todo e qualquer objectode seda, 15a, algod5o, em pecas
on em obras, chpeos de feltro, palba e manilha etc., tira mofo das fazen-
das e faz todo o mais concernente sua profiss3o, tudo com brevidade, visto
como se acha prvido dos necessarios machinismos e petrechos.
Otto Sckneider.
ft nh i&ofeviroc a

VESTIDOS PRETOS
Tumores
Abscessos Apostemas,
Erupces,
Herpes,
Salsagem
Impigeus,
Lepra, febres intermitientes e remittentes,
hydropesia e ictericia, etc., etc.
Ontro-sim, achar-se-ha, que para o bom
resultado e perfeito curativo de todas aquel-
las enfermedades cima apuntadas o adian-
tamento da cura, grandemente promovi-
do e apressurado; usando s ao mesmo
tempo das nossas mui valiosa pilulas
vegetaes assuearadas de Brlstol,
tomadas em doses moderadas em connec-
co ou conjunctamentecOma Salsaparrilha;
ellas fazem remover e expellir grandes
quantidades de materias morbficas e hu-
mores viciados que se desprendem e livre-
mente circijlam espalhados pelo**ystema,
isto causado pelo uso da Salsaparrilha; 9
por esta forma facilita a volta e o exercicio
tnormal das operacoes funecionaes,
Acha-se a venda nos estabelecimentos de
A. Caors, J. da C. Bravo & C, P. MaJ8Jn
C, B M, A.arbosa, Bartholomeu C &.
ALUGA-SE.
Urna das lojas do sobrado da ra Velha n. 96,
que faz quina para o paleo da Santa Cruz, muite
joa para qualquer negocio : quem a pretender
iJirijs-se a ra do Sebo n. 20.
Ama
Precisa --se ue una :ima que engomme perieiia-
mente : na rua'do Imp'rador n. to, 2o andar.
Os abaixo asslgnado* participam ao re peita-
vel publico e especialmente ao corpo do eommer-
ci, que no dia 28 de fevereiro prximo pascado
dissolveram ami(fave(me:ite a sociedtde que ti-
nham na loja de faiendas sila ra da Impera-
triz n. 31, qnc gyrava sob a firma Pedro Ozorio
de Cerqueira & Innao, fleando todo o acli
vo e passivo a cargo do socio Pedro Ozorio de
Cerqueira como nico responsavel, e relirando-se
o,socio Jos Ozono de Gerqoeira exonerad i de
toda e'qualqner respon^abilidade, tendo recebido
o seu capital e lucros em dinheiro.
Recife 18 de maree de 1870.
Pedro Ozorio de Cerqueira.
f i% f AtWffB Ozono4e Cerqueira.
O de gratificacilo
D-se f'rfaem tivpr achiSflo ou der noticia
Superiores curtes degorguro de sada preta
TTumiu -'6 Antwto1
bordada, o que ha de melhor e d
de
um cao de Terra-nova, grande, todo preto, cabello
crespo, canella rollada para cima e sem colleira,
o qual desappareceu do. sitio da residencia de llud
kauckenerg. a Passnoem da Magdalena, ok'o
lerlo entregar, ou a roa do Commen-i > n.
AO ARMAZEM
DO
mvm mmmz
Kua \ova n. 9,
acaba de chegar pelos ltimos vapores novas re-
mes3as dos seguintej :
Calcado trancez
Para senhoras.Botinas brancas, pretas, e de ou-
tras multas differenies cores i ultima
moda.
Para meninas.Botinas das mesmas cores e qua-
lidads cima. t
Para homens.Botinas de cordavao, bezerro, ver-
niz, pellica, o melhor sortimento que se
pode desejar.
Para meninos.Botinas das mesmas quadades
mencionadas para homens.
Para homens.Botas rucianas, meias-botas e per-
neiras.
Para homens, senhoras e meninos.Sapatos de
tapete, aveludados, charlte, casemira
preta, iranca de Lisboa etc. etc.
Para meninos e meninas. Abotinados fortes de
muitas quadades.
Qumquharias
Finos artigos de Pars, de goslo e phantazia,
como sejam :
Leques para senhoras e meninas.
Luvas de pellica (do fabricante Jouvin.
Espedios de differentes tamanhos.
Perfumaras finas do fabricante Coudray.
Caixinha de costura com msicas.
Albuns c caxilhos para retratos.
Pulccirai de ouro bom de lei.
Brincos e trancellins.
Hrrenles e chaves para relogios.
Botoes de punhos e de abertura.
Correles e brincos de plaqu.
Hulcinhas e cofres de seda e velludo.
Caivetes e thesourinhas finas.
Lunetas, oculos e grvalas.
Chicotes d baleia e de outros, sortimento.
Bengadas de canna, baleia e junco.
Ponteiras de espuma para cigarros e charolo?.
E;covas para falo e para cabello.
Escoras para den'es e para unhas.
Pentes finos de marfim para tirar caspas. *
Pentes de tartaruga para desembarazar.
Malas e boleas de nagens.
E-tojos com naralhas |parayagecs.
i'.arleirinhas para notas.
Gaiolas de rame, para passarnho>.
Abat-jour transparente para candieires.
Oleados para mezts.
Molduras douradas e quadros.
Eta upas de saotos e cidades.
Bercos de rimes para crianeas.
Cestinhas de rirnes para braco de menina-.
Caixinhas de msicas e realejos.
Cosmoramas e lanternas mgicas.
Esteriocopos com nleressantes r(Sta<.
Objectos de mgicas e cordas de \iol:.
Jarros o flores de porcelana para santuario*.
Velas a gaz para lanternas de pianco:.
Accordions e concertinas.
Diversos jogos francezes e allemaes.
E outras quinquilleras semelluntes.
Brinquedos para crianzas
Caninhos de 3 e de 4 rodas para passeios, bo-
ecas de todos os gostos e precis desde 160 rs.
at 20*000, e um sem numero'de brinquedos de
differentes precos para intrelimento.
Para evitar massanle leitura de laftos artigos
exposlos r<>mta neste estabelecimento, o dono
pede ao publico em geral que se digne entrar de
ptsseio am de rerilfcarem nao s a grande va-
ridade como os precoe baratissii -erem
^4os chegados de contt propria.
28Camboa do Carmo28
Das seis e meia horas da tarde as onze da uoute.
Nicolau Pungilore tem a honra de annunciar ao respeitavel publico desta ca-
pital, que diariamente estar aberlo a concorrencia publica um grande cosmorama com
variadas vistas e passagens dignas da attenco de todos por acharem-se entre ellas
as differentes batalhas dadas pelas forcas alliadas contra o governo do Paraguay, como
abaixo se ver,
0 annunciante tem empregado todos os seus exforcos para que o respeitavel
publico encontr alli um bello passatempo mediante urna pequea esportilla, tendo
entretanto direito a um objecto, gratis, de mais ou menos valor.
Todas as vistas seio mudadas duas vezes por semana, sendo as quartse
sabbados.
BrasilVista do Rio de Janeiro tirada da ilha das Cobras,
PortugalVista do Paco d'Ajnda em Lisboa.
FrancaRevista ao palacio das Tullierias, m Pars.
Dita_Vista do grande ancoradouro de Cherburgo.
ItaliaVista de Turn.
palestinaVisla de Jonwwlom.
fricaVista da caca do leo.
ParaguayVista do combate naval de Ricchoelo.
dem-Glorias do exercito brasileiro, tomada de Lomas Valentina.
28Camboa do Carmo28
DAS SMS E MEIA HORAS DA TARDE AS ONZE Da NOTE.
ilIJL UMkJ I 1111,1 i!
A LOJA D )S ARCOS DE .ALVARO AUGUSTO'dE ALME1DA d> C. ra do
Crespn. 20 A, alm da grande'variedade de fazendas de phanlasia de que sempre se
acha provida, tem actualmente um completo sortimento de fazendas pretas, proprias para
os actos da quaresma, como sejam :
Ricos cortes de seda p*reta de superior qualidade.
Ge rgur5o de seda pretos de diversas qaalidades.
firosdenaples pretos de differentes quadades.
Sedas lavradas.
Basquinas de seda preta de modello inteiramente novos.
Ditas de guipure ricamente enfeitadas.
Pelerinas.
Fichs e mantas de fil para a cabera.
Mantilhas brasileiras ou mantas de Bl para cabeca, de modeb nteiramerte
novo.
El de seda branco e preto.
Guipure branco e preto.
Baldes a victoriense modello inteiramente novo.
Chapelinas enfeitada8.de preto.
Luvas de pellica preta para liomins e senhoras, e outros muitos art:<>$ de
bons gostos e quadades o que tudo se vender por precos rasoaveis
Tambera contina a ter um grande sortimento de tapetess, alcatifas e a? ver-
adeiras esteiras da India para forrar salas.
CARVO DE BELLOC
RARIS
Approrado e recommendado pela Academia imperial de medicina de Paria para a
cura da gastralgia e era geral de todas as doencas nervosas do estomago e dos iniesiint?.
S igualmente o remedio por excellencia contra a relenco de rentre. Finalmente m
rarto de suas propriedades absorventes, recommendado como rerdadeiro remedio nos
eaxos de diarrhea e cbolerina. r.* U Bciio* Uma-M na occasio das comidas
ob a forma de pos ou de paslhas.
D^poto em Rio-Jurrao, DuponeheUe; Ckevolot. Em Ppmmrcc, Maurer I Cu.
OPPBESSO SOFFOCQO
v reroim 'nhrw i>o DouTOK Ci.fktah approradas pela Academia imperial
de medicina de Pariz acalninm quasi sempre instantneamente os ataques d'asma,
oppressao, soffocaco, assim como as dores de cabeca e enxaquecas. suffi-
cientc ua occasiao em que apparecer o mal, o engolir-se ua ou duas perolas
com urna pouea d'agoa. com certeza o medicamento mais fcil de tomar para
este genero de doencas. ll&TT ft!
4. prroi. de com grande exilo para a cura das ncvralgia, rheumatismo, sciatico e catarrhos
da bexiga, Kslas perolas foram sempre recoaniendadas por um grande numero
de mdicos e especialmente pelo Doutor Trousseau, que indica afeMedica-
mento como o mais efficaz. conveniente tomar de i at 8 na occasiao das
comidas. ".- JV<
A approracao da Academia imperial de medicina eem durida a meUtor
garanta da boa preparaco d'stes medicamentos e de sua elBcacia.
Deposito cm Rio-hvino, DuponchMIe; Cht9ftS
irfl.
*c
I ifK


{^i
mmar>.
Diario de Pernambnco Segunda feinr 21 de Mar AGUIA NEGRA
BENTO MACHADO ft C,
A AGUIA NEGRA animada com o hora accolhimento qae teve em seas annon-
cios, vem novo participar a seus freguezes que, acaba de receber nm variado sorti-
mento de objectos de gosto os qaaes serao vendidos por precos muito razoaveis, pois
qaando fez os seas primeiros annacios, foi o que assegurou, e sem mdo de errar,
porque como j disse osla interesses ligada a urna casa importadoradosia praca, e
por isso poder ter tudo especial e vender por precos admiraveis.Chama pois a atten
Ci de seus freguezes para os arttgos possa descrever:
Livros com o tampo de marfim, madre- Um variado sortiments .de charuteiras e
perola e tartaruga, proprios para missa. '
Garafinhas vazias propriai para presentes
eonsa de gosto.
Indispensaveis de palinha e de couro pro-'
prios para senhoras* e meninas trazer nos
reos.
Binculo? di raadreperola, marfim e tar-
taruga todos esmaltados.
Cmtos largos de setim, cousa inteiramen-
t nova. i
I

palliteiros de porcelana,
Tentos para voltarete.
Bengallas com marfim, cousa especial.
Sabonetes de alcatrlo.
Cofres de follias para dinheiro.
Lindas caixas para costura.
Um completo sortimento de luvas de pe-
lica,
Talagorce parabordar.
Um completo sortimento de enfeiles de
I \
Fitas de sarja de todas as cores e largu-:
as para lagos.
Toacas, sapatinbos meias de seda e mais seda para vestido,
pertences para baptisados. Perfumaras de todos os autores os mais
Fitas com inscripces proprias para boa- acreditados em oxtractos, pomadas e leos
tnet de noiva, e finalmente outros muitos objectos que n5o
Ricos vasos com p do arroz. possivel mencionar ; mas com a vista se
Um variado sortimente de jarros de por- certificaraodo sortimento deste estabele-
;lana. cimento.
Agnia Negra, ra do Cabug n. 8.
Chegou a foja de Paredei Porto, a roa da Imperatriz n. 52, (Porta Larga) um bo-
nito sortimento de toalhas re linho para mesa, assim como os competente* gtnrdanapos
que se vedem a preco baixo.
PAREDES PORTO vende laasir.has a 240 o covado, fazenda de 506 rs, para acbar
na roa da Imperatriz n. 52.
PAREDES PORTO vende algo J5o com pequeo toque de avera a 3J50O e 4iJO0O,
a peca ra da Imperatriz n. 52.
PAREDES PORTO vende chita preta para luto a 160 rs. o covado na ra da Im
peratriz n. 5i. Porta larga.
CHALES
Vende-se chales preto de merino a 3)5000 fazenda superior, na ra da Imperatriz
PARDES PORTO vende meias para senhoras a 20500 a duzia p r ter um peque-
no mofo, na ra da Imperatriz b. 52 porta larga.
PAREDES PORTO vende cortes de calca de casemira preta a 3 PAREOES PORTO tem para vender panno preto superior e casemiras de cores e
pretas que vende por prcos commodos.
CHALES, GRANDE PECHINCHA.
Chegou a loja da ra Imperatriz n. 52 de Paredes Porto um bonito sortimento de
chales chinezes fazendas muito boas para senhoras trazerem tem casa, est vendendo
por S.ftOO, estao acab3ndo-se na
Loja do Leao.
INJECTN BROU
retorica rp.fallivel e Prcservar* a, abaolulamenlo uDica que cura tea ncntium addilito. Veinte*
va paMpar. u:ie da usa. (Exigir immiii 4 im). (M aaaw *a tnaUaau.) taxis; a*
i awnalat aaalaraad Mu, llt.
B-- f-fiLQlB
N'ESTA ANTIGA E CREDITATA
FABRICA

<3J2&jpa(|)Q aa QfDa
IICIITIl II CHITUTIIIRTI IDI CI1PLIT* S6T1IESI0 DI
CIAPIIS DE SOL:
De todas as qualidades I
De todos os feitios !
De todas os precos I
RA DO CRESPO N* 4 (
QUINIUM (.ABARRAQUE
APPROVADO PELA ACADEMIA DE MEDICINA DE PARIZ
O Qnlnium Labarraqao, eminentemente tnico e febrfugo deve ser
preferido todas as outras preparares de quina.
Os vinlios de quina ordinariamente empreados na medicina preparam-se
com cascas de quina cuja riqueza em principios activos extremamente
variavel; parte disso, em razao de seu modo de preparaoo, estes vinhos con-
tem apenas vestigios de principios activos, e em proporgdes sempre vtriaveis.
O Qniniam Labarraqa*, approvado pela Academia de medicina, con.
titue pela contrario um medicamento de composieao determinada, rica em
principios activos, e com o qual os mdicos e os doentes podem sempre contar.
0 Qniniam Labarraqao prescripto com grande xito s pessoas iracas,
delibitadas, seja por diversas causas d'esgotamento, seja por antigs moles,
fias; aos adultos fatigados por urna rpida crescenca, s meninas qui tem diffi.
culdade em se formar e desenvolver; s mulheres depois dos partos; os velhos
isafraquecidos pela edade ou doenca.
No caso de chlorosis, anemia, odres plidas, este vinho 6 um poderoso
auxiliar des ferruginosos. Tomado junto, por exemplo, cora as pilulas t
Va, produx efeitos maravilhosos, pela sua rpida accSo.
Deposite eao Parie, t. FRERE, It, rae Jacob
Iteismem, DUPOMCIILLE; CHUTOLOT. Pernambuce, MiUREI ti O
>>i
r
SOFFRIMENTOS D'ESTOM AGO. CONSTIPACAO.-
Cura em poneos das pelo CARvfo OE beCloc em p ou em pastabas.
ENXAQUECAS; NEVRALGIAS. Essa.affeceses sto dis-
sipadas rpidamente pelas perolas deth^1 NI'CUITA".
ANEMIA, A PALLIDEZ e o ...iimentosque necessiUmdo
emprego dos ferruginosos so sempre combatidos com o mclhor resultado
pelas pilulas DE VLLST. Cad Pilula tem incravado o noroe TiLUT.
PO DE ROG. Basta dissolver un frasco deste p em meio
garrala d'agua para le obttfr urna limonada agradavel que purga sem fa-
zcr clicas.
VINHO OE QUINIUM de Labarraqw. Este ruino, na dos
poucos cuja coipposit'o garantida constante, i urna das melhores pr*-
panctes de quinino, sem acc3o notavel sobre os convalesceote, dando-
Ihos forca c aprestando i volts a saude. Cura ai febres antigs qua re-
aisUo ao sulfato de quinino.
MOLESTIAS DA BEXIGA. A maior parte d'estas rookat-
_. como as sciaticas, Icmbagos, catarros, e todas as dores nervosas em
geral sao curada? pelas perolas de essemcia de thereb.;ntina do
Dr. Clcrtan. O profossor Trousseau em seu Tratado de therepeuliea acon-
telba m para serem tomadas na occasio do jantar, na dse de 4 i iS.
OLEO DE FIQADO DE BACALHAO DE BERTH-
Garantido puro e de primeira qualidade, um dos poucos aprovado* pela
Academia de medicina.
AY1S0. Todos estes medicamentos foram aprovados pela Academia
imperial de medicina de Pars.
DEPOSITO
la Parla, L FRERE, I, rae Jacob
Rio-Janeiro. Dcponchellz ; Hekhami 1 Pernambuco. Hidur et Ch.
Ceart. '. Ukvnu. et O.
3'.!..
Tesdoupb.
. Has et C<*.
X A R O P E
VEGETAL AMERICANO
SAUDADE
BARTHOLOMEO&C
'ira i cara certa das tcsse antifu e rcenlos, citarrbos pnlmonar, aslbma; los s convulsa, eaUrrhr
Sronchis, em goral contra todos os tofrimeotos das vas respiratorias.
DEPOSITO ERAL
*30TIGA B! DROGA
34, HDA LARGA DO ROZARIO, 34
PERNAMBUCO
A teraputica das diversas molestias do p.-ito, desde
phcrjrngite ou nial ta gargama aie a mliercultcao
pulmonar, passando pelas diversas bronebites catarrhaes
e o emplivsema acaba de ser eureqoecida com mais
esta medicamento, que tonara a primeira rdem entre
lodos at hoje conhecidos. O tarop Vegetal Americano,
'irnindo pnramenle vegetal, nao conlm em sua
composico um s tomo de opio, e sim somente snc-
ccj de plantas indgenas, cajas propriedades benefleas
o cura da molestias que perlencem aos igaos de res-
piraro foram por nos observadas Sor longo lempo,
com ptimos resaltados cada vez mais crescentes; pelo
]D eos julgamos autorisados a compor o zarope que
agora apresciitamos, e a oerece lo aos mdicos e ao
publico, Provamos com os altestados abaizo o qae le-
vamos dito, e contamos que o conceito de qae j gosa
o j.-.'rope Vegetal Americano crescera de da a dia,
-i i. i.do muito aps de si todos os peiloraes em voga.
illm. Sr. Barihalomeo ft C.O zarope Vegetal Ame-
e i :n til remedio pare combater A terrivel asthma.
Sol ia eu aquella molestia ha quatro mezes, sem ainda
ler combatido os ataques mensaes qae tinha; este ultimo
qoe tive foi fortissimo que me prostou por 8 dias, usei,
portm o seu milagroso zarope, tomando apenas tres
doses, e at o presente nao fui de novo atacado. I'r.sa
Utu, qu en fiqua resiabelecido por ama vaz. Rendo-
Ibe, pois os meas crdecimentps npr me ter aliviado i
Uo Borrivel mal. Com a mais significan va gradc
subscravo-me daVmcs. aflectuoso e reconhecido criade
Sferitio Duarte.Sua Casa 14 de fevereiro de ISti
Illms Srs BartholomeotC. Depois de quasi sai,
mezes de sorTrimenlo com urna tosse incessantc, fastii
extraordinario, ezpectoracio de um catarrho amarella
do, e perda total das torcas, qae o menor passeii
me faligava completamente, cansado de tomar mais o
tros remedios sem resultado tive a felicidade de saberqu
Vmcs. preparavam o zarope Vegetal Americano, e coo
elle, grecas a Deus, me acho restabelecido ha mais d>
dois mezes, e robusto como se nada tivesse sorrido. I
gratido me* torca a esta declaraco, que podero Vmci
fazer o uso que quizerem. Son com estima de Vmci
muitos respeiiador e criado. Antonio Joaqum i
Castro e Silva. Recife 8 de fevereiro de 1868.
Atiesto qae nsei do zarope Vegetal Americano, 4<
compositio dos Srs Bartholoraeo i C. para eara de ai
forte deOazo que me troaze ama rouquido, que me ni'
fazia edtender, inflammacSo e dor na garganta, toisi
grande falta de respiracao, e (iquei completamente na
tabelecido com um so vidro do mesmo zarope; pe!
que Ibes protesto eterna gralidao. Recife 10 da j>
neiro de 1868. Joaquim Pertirt AranUa*Jnior. -
EatAo rKonhecidoa.
K
PRODUCTOS de J.-P. LAROZE
PHARaHCBUTlCO, S, RU DES LIOIIS SAIMT PAUL. PARS.
XAROPE DEPURATIVO
DE CASCAS DE t A FUNJAS AMARGAS
Cmm IODtIRETO le POTA88IO
0 lodorelo de potassio nm verdadeiro alterante, um depurador de ineontestavel efB-
caeia; combinado com o xarope do casca do laranjas amar gata, e aturado
sem perturbacio alguma pelos temperamentos os mais (reos, sem alterar as funecoes
do estomago. As doses matbemuticas que elle contem permittem aos mdicos de receilal-o
para todas u eomplicacoes as affecces escrofulosas, tuberculosan, cance-
rosa nos accidentes intermitientes e teroelro; alem d'isso, 4 o
agente o mais poderoso contra as doencaa rheumatioaa.
XAROPE TNICO ANTI-NERVOSO
de oaLacaa de laranjaa amargna.
35 annoa de successos attestfio a sua effi-
cacia para curar: as ioencas nervosas,
igudas ou rhronicas, as gastrites, gastral-
gias ; t facilitar a digestao.
XAROPE FERRUGINOSO
de caiscaa de laranjaa E' sob a forma liquida que mais fcilmen-
te se assimila o ferro; n'esta forma prefe-
rivel as pilulase pastilhasen lodosos casos
em que sSo prescriptos os ferruginosos.
DENTIFMCIOS LAROZE
COM QUINA, PYRETHRO B GAIACO
Elixir daotirrieie, para a alvura e eon-
.servacSo dos denles, curando as dores
causadas pela caria ou produzidas pelo
contado do calor ou do trio
Pe dentrio, com base de Magnesia
para a alvura e conservado dos denles,
prevenindo a descarnadura, provocando o
trtaro de que empede a reproduclo.
Deposito em Rio do Jantiro, B. Cteevaiae; em Ptrnambuco, P. Maarrr c"; em Macoio,
Palc* Dta; es* Pilotas, Antera LeUaa ; em BcAia, Da acata; em forte Ugrt, jaa
Bella; em Maranhio Ferrelra C*| asa Ouro Preto, C- I. V. whna % em Santa Catee-
l rtM, S. Sehatel ( m Mt*lttida4, S. laahert j em Buenos-Ayris, BMheaarebarda.
Lv:
vtTTaar.'
uj i i'h
n *
i i i
u
XKlk

34,RA LARCA DO ROSARIO.
rto coiiomaraoa procurar alicatados para acreditar
Bossos preparados, e deizamos qae sas applieacao e os
resaltados obtidos pelas pessoas qae se dignaran) acceita-
loa. Ibas deta crdito voga ; porqoe fio sempre os
altestados considerados gratuitos, e 4 delles qae lance
mi o charlatanismo; mas ni qnerendo orTeoder as pes-
soas qae espontneamente nos orTereceram, os qoe abaizo
vio transcriptos, os (;ai publicar aMailestaudo-lbn
aossa gratidio pela silencio, esparando qae venbaa
alies corroborar o conceito, e acceitaclo qi lem mere-
cida nosse zarope. Bartholomeo A C.
amatrtaee,
Illms. Srs. Eirtho.naieo & C. t. eom a mais sabida
aatisfaelo qne declaro er a zarope Americano de ama
tlcacia extraordinaria,. pois que aoffrendo na dias de
intensa tosse, > nenio de rao poder dormir a ooite a
daspeito tmtko de wHiraaseiitos ene tomtva. a elle
recorrle le Ioi'rma|-!eclHv/e(Hn anta sement de qdasi
lal""'0 ,ri'c0; f P3'' *** resultado manifest a
lie Vv. :ns. amigo, v>
&C -r.i'.bMadissimocn
''- -- VegeUl Americano, de sua composicao, qaando mi
arbeva bastante doenle de ama constipacio, que mi
tornon completamente rouco e que trouze urna forli
usse, e me impossibiliton de cumprir os meas detere
de cantor da empreza Irrica, vou agradecer-Ibes mei
completo reslabelecimeuto, qae obtive'eom nm si vidn
do mesmo zarope. depoia de haver tacorrido a moiior
tratamentos. Desejarei qae ontros como eu recorra
ao seu zarope para se verem aliviados de to terriva
iacommodo, Uo fatal naste pas, Com malor consida-
K^o comIbo a ser de Vv. Si. atiento, venerador
rJ|J0" L,1X Gren,0M- Bee'f* 25 de selembrr
Illms Srs BartholonM* AC.-O urope Vegetal Ame
ricano que Vv. Se. tm ezposlo i venda de toda effi
cacia para a carativo d'asihma, canforme observei ap
plieeade-o a ea lilho Joiqula, menor de quatr.
annos; viejima d'esse flagallo, qoe ale entiopor espee
ezcedeete a dotis annos havia resistido a ontros zaropet
de grande nomeada. Quciram pois Vv. Ss. acceitart
'rwjo alLHeaLa^iqtera de mea reconbecimeoto u
SjflBBMf! I, ib IbejrMimm eom o indicad,
zarope, acreditndola PJ|sMipre de Vv. Ss. criade
jiiente e obnp. :in. Americo Netlo da Neodonca. -
bWute 2 de ouuikro da loB.
INSTANTNEOS
Travessa do Corpo Santo n. 2:
ARMAZEM
Ra Nova n. 28, foja Antonio
Pfdro de Seuza Soares.
Bandeira, Jfaehado & C, avilara ao respcitavel
publico que nn* lugares cima encontrara no mes-
mo sempre grande quantidatle do ditos pocos, e
qae se acbam habilitados para vender por menos
qae outro qu.il juer, por isso qae os recebem di-
rectamente do fabricante Nerton, de Londres.
As vantagens que offerecem os pc^os instant-
neos sao : primeiro, poderem ser collocadus den-
tro de casa ou fra, cora o trabalho de urna a duas
horas; segundo, fornecerem os mesmos agna pu-
ra e abundante, podendo serem removidos de um
para outro lagar, quando assim convier.
Os annunciantes s reeebcrao a importancia dos
referidos pojas depois de collocados, satistazendo
espectativa do comprador.
Para a quaresmii.
X loja alo Passo

Os proprietarios deta imponaotu efiabei. nS
loreceberao pelo ultimo va
3S-RA ESTREITA DO ROSARIO-35
ForDece-se comidas para fora com asseio
e promptid5o e manda se levar em suas
casas na ra estreita do Rosario n. 35, ca-
sa particular confron te a casa do oarbeiro
Na mesma {asa fazem-se flores para en-
feites de anjos para procissSes, sipos de
flores, rosas, capacetes enfeitados, e todas
as flores de panno e papel para ornamen-
to de igrejas e andores ludo por barato
preco, aoquets para noivas com fitas bor-
dadas a ouro, bandejas de bollos finos ct m
armaro para -asamentos e bailes, pudins,
pao de 16 enleitado para presentes e toda
a qualidade de doces de ovos tambera en-
feitados, vellas ricas para baptisados por
barato preco, bouquets de flores de cera
para pfeiteg de bollos e para ofei tas.
ilhoes de gorgurao preio muito bem cnfeitaaK,
inleiraraente nuvidadi', ^edas e ip-rgures pr<
temos sortimeoto cosn|ileto, o inaihor a des<
Dirijam-se, pqis, todas as pesstias que precjsah oe
comprar rstis anigos, ra do UMpo n 7 A.
Scientes de que, em preC/is nao so deixar Oe t^-
ter negocio, islu uutivdo pelo mui'o sortimeuto
'uetctflos.
Milho novo ehegao
da America.
Vendem ?e sacco< com milho da mclhor qoa'n'
uade, e ltimamente descarrefiado : no armaleOl
de fariqha do raes 22 de Novembro, por baixo ou
(abinete l'orluguei.
UUIUVES. ~
Xa offleina de ourives, na ra da Penba ven-
de-se ama tabolela e urnas 200 pesas de <:
miadas de prata, e tambera vondem-sc aguns fcr-
ros para trabalho de ourives : a traUrnan
ooeitv.
Precisase de urna ama de leite que seja
sadia, na pra.;a do Corpo Santo n. 17. segundo
andar.
AMA.
$ Precisare, de urna ama, s para cozinhar em
casa de rapazes solteiros : a tratar na ra do
Crespn. 17. loja.
Justina.
Ignacio Nery Ferreira de Souza Lopes, sollici-
tador de causas dos auditorios da relasao, cncar-
rega-se de procurar causas ehreis, commerciaes,
ecclesiasticas, erimes e tambem negocios da guar-
da nacional, pode ser procurado todos os lias
uteis em sua casa da ra do Imperador n. 3o,
junto a repartidlo do Dr. chele de polica, aos po-
bres prestase grates.
Precisa-se alugar 2 eternos para senieo
de relnacio de assucar : no paleo do Paraso n. 2.
COMPRAS.
Compra-s
duas ou tre< venezianas em segunda mao.porm
que estejam perfoit.ts : a tratar na Loja da ra Nova
n. 45.
Casa terrea.
Compra-se urna casa terrea
da Madre de Deus n. 16, loja.
a tratar na ra
Compram-se moedas de ouro e prala de to-
los os valores, ouro e prata em obras inutilisada?,
minantes e raais pedras ^preciosas: na loja de
'Ulives do arco da Conceicao, no Recife.
C0MPI11HE E ffilM
Cantara de Lisboa
Soleiras, hombreiras c ca?ilei, o qne ha de me-
ntor pra frenles de predios : venda no arma-
zemda travessa do Corpo Santo, de iiaquim Lo-
pes alachado & C.
Vende se a loja de calcado sa a ra Dii i-
la n. 45, a qual est bem afreguezada tanto para
a praca como para o matto e so se vende p< r
saa dona se retirar de.-ta praja, qtiem pretenu<-r
dirija-so a mesma que achara com quein lia:..i
e tem tambem bstanles commodos para nume-
rosa familia por botar de ra a ra e pjr rz
muito rasoavel que admira.
Milho novo
Vende-se em saceos grandes, e por rneno pra.
So d.o qae em outra qualqoer parto para ver no
trapiche Dantas e para Halar, ra do Apclio.
Cal nova deTisboa
descarregada hoje do patacho Uaria e vene*
Joaquim Jos Hamos, na ra da Cruz a. 8, pri-
ii eiro andar.
LENGUAS!!..
J CHEGOU
a nova remessadas m'.iilo desojadas li:., j
seccas, \indas do Rio Grande que se vonJe
no rmazem do Campos i ruj do Impera-
dor n. 28, assim como : transas de cbelas
i G40 rs. cada urna, no mesmo armazn
vendem-se e alnirase
Escravo
Vende se um bonito escravo de cor parda, ^n-
do muito possanie e eom boa ligara, csfcrtda [ara-
nera acostnmado ao servido do mar : a tratar na
ra da Imperatriz n. tiO. loja do Pavao.
Vende se diversos cscravos | eras, vnoos i.o
Lear e do Piauhy, proprios para ingenho : as-
sim como diversos cal/rochas do l2il8aon(
com habilidades e sera ellas e poi casal d --
cravos pardos garanlindo.se a conduela : '.raisr
na ma da Cruz n. 53 e S5. 3 andar.
Comprara-se e vendera-se diariamente para fra
t denlro da provincia escravos de todas as tdades,
cores e sexos, com lanto que sejam sadios: no
ereciro andar do sobrado n. 36, ra das Cruzes.
'reguezia de Sanio Antonio.
Lora muito maior vantagem compram-se
noedas de ouro e prata : na loja de joias do Co-
racao de Ouro n. 2 ra do Cabug.
0 muzeo de joias
Na roa do Cabngu n. 4 compra-se ouro, prata
pedras preciosas por presos mais vantajosos do
que- em outra qur-hiaer parte.
COSTURA
tornpi
.ra-se
duas casas terreas as ras Concordia, Palma,
Caldeireiro, Santa Therea e Si na P.ia : a tratar
na na estreia do isaro n. 35, cartorio.
V;NDAS.
ATTENfjAO
Vende-sr o engenho Xossayba, livre e desem-
baraeado, e bem como a propriedade- Posopreto
separada do mesmo engenho : a tratar com o seu
propietario na rita do Apollo n. 47, Io andar.
Vndese tima casa terrea na fregu^zia da
Boa-vis a : a tratar na ra da Concesao n. 56.
Vaquetas
envernisadas c grandes para cobrir carros: ven-
de-se em casa de Carlos P. de Lemos & C, ra do
Viga rio n. 10.
Engenho venda.
Vende-se o engenho Concesao, outr'ora Caan-
duba, distante da povoacao de Jaboalo tres quar-
los de legua, me eom agua, e coaeiro, tem bas-
tante malla virger, i de eiieuniferencia legua e
meia de ierras, a dinheiro e a praio : a tratar nn
Recife, com o Sr. liarroca na ra da Cadera n. 4,
ou no mesmo engenho, com o sea propietario,
Joao Pomes do }', pii 'Vmlinho.
Farinha de mandioca
Vendem Poeas t'. i"... ra ra estreita do Rosario
n.9.______________________________________
Vende-se una mulatinla de 13 annos de
tdade. e dous mpi-aaB pecas de 14 a 18 annos
e urna uscrava de u a tratar na travessa
do Carmo ti. 1.
Antonio du Santos Olivcira tem para ven-
der na ra Nova n. C. machinas para descarocar
algedao do 12,- ii. Iii, 18, 20, 2oe 30 sirras a<
melhore qne veem a s:c mercado.
Machinas para ftizereostor de difireme? quali-
dades, sendo do rnellior fabricante.
Rombas de Japi de todos os tamanh's.
Rombas americanas,
liomlias de cobro.
Chombo em can as grossura.
Alambiques te C
VarSes de cobre para tavirbas.
Cubre de forro de navio.
Cobre para caldoiroir as qualidade?.
Espingardas tinas do I e 2 canos.
Revolver do ledos os unuu
Formas de ferro para purgar nssncar.
Uoinhos para renaca .
Forradores para caf.
Machinas para fazer eaf.
Folies para ferreiro d-i s.iperior qualidade.
Safras para ferr
Tomis para ferreirc ce patente.
Acabam de cliegar ao GRANDE BAZAB
UNIVERSAL, ra Nova n. 22cabne:: o
vi.w.naum completo sortimento de ma-
chinas para costura, dos autores mais co-
ntiecidos, as quaes eslo em exposic3o lo
mesmo Bazar, garanlindose a $n<\ boa qua-
lidade, e tambem c;..-i:ia-:e com peifei
a todos os winpi doics. Esttis mace
sao igii.i.., .,i ti u trabalhoaxi di JO a .-
reiras diarlainofiiee a sua peifeifao tal
como da melfror coatureia de Paiis. A;
senlam-s Labalbo8.executa4os ptljs mtv-
rnas, que muilu devem agradar, aos pretesr-
dentes.
Yendo-.-!; uiii.i ii.iii:.i armaban toda de ania-
rello, e envldracada, propria uara venda ou qual-
qoer oalro esiabelirinii'uio, meerto na casa i
esl : na ra da Imperatriz n. 38, vende-se a pr-
so ou a dinheiro : tratar na tnesrua ra n. 42.
farinha da Ierra aliOOOoineio decalitro, (
sarco a 104000 : no armazem Independencia, ra
do Rangel n. 3.
Tamancos do Porto
Vendem-se tamancos do Porto, ebegados lti-
mamente, aprovelom qne sao poucos os (|it
garam : assim ci rao t-imbeinde homem o senli<::.:,
feltos na tena : na ra da S-maila-nova n. 1.
Aos seuhores de engenho.
Avisa-se aos lentoores do engenho que no a"-
mazem do sal na I!a-visla esKoavenda 12 escr.i-
vos de ambos os sexos e de diversas dades, vir-
il is do serlo.
a loja do Passo
Os requtssimos corles de. Monde de seda eos
mana e capella para cas: meittq, sendo nesie ar-
tigo p que se pode desejni de melhcr o mais mo-
derno, tambem elicgaram o cortee de soda de co-
res novidade, c outras mutas fazendas de go>lt
i|Ul< chegaram pelo ultimo vapor francoz, s paia
a loja do Passo a rua do Crespo n. 7 A.
No caes do Apollo armazem de .1
ruarte dasNcves, u'inle-se manteiga d
toza da miihor marca que costuma vir a
mercado.
Eefinapo.
Vende-50 a refinacio la rua de llotiasn. 7,
muito propria pan principiante, pf r ter pouc >
fundos : a Ira|;r na mesn
Ven ie-se o muilu afrogtiezado armazem d^i
polvera. .:.! e molhades, -no ,i i,
33, pert
a tratar oa na etreita do Rosario n. II, ira -
zem.
1 -
Tarrarhas para I isos.
Handeijas linas.
Pesos de novo sj
Forros a vapor.' > -.
Torncrasde bron
Ac fundido de i
Folhas do ferro.
Apparelhos do ti. cipe para cha, coa
tros mullos artigo: i-t toa vistas.

> Ifll IlJl
' s lio fltlKesiva
A VeJ
dar.
aVai^ros par
. I Vw n triinlche
1 rodai para cima.



Diario de PernambiMo Segundo eira fcl de Marqo de 1870.
A Mil A Di OIPJBKATKI2K M, S
Esquina da ra da Aurora, em frente do caf Imperatriz.
NVste novo e sumpinoso ostabelecimento de fazendas cncontrarao as Ennas.
Ibs* !'!'" ipiaotopossam desejar, tanto emartigos domis rigoroso luxo, como em todas
mzsi* {-aitUderi do fazendas,
\ >tn de se achnrem prvidos do que de melhor se encontra neste mercado,
r't-.'"s luquetes da Europa, rece bem directamente o que em artigos de moda e
s. puradd gosto se encontra era Paris, o que vena cada dia augmentar s propor-
i qe dispoe este estabeleciraenlo para bem servir sua numerosa freguezia.
J$ufo> laiffo para lences e toalhas de
* (piMiriades qne costuma vir ao mer-
Hpsn-y K' todos o, padroes e qualida-
& parradas que se nao pudem descrever.
ASwscou msicas para collocarrerratos,
;> presente para quulq-.er pessoa de
SSeatfiado de linho e algodo, branco e
fc4f*s oroprio3 para toalhas.
fia*juinas de seda pretas e muito raoder-
v beta como de crochet, ludo de apurado
pato e C-itio.
Loes de raa'selina, madapoln, hrancos
* seres, para senhora e meninas,
fcrvges de cores variado sortimento.
MAiKHnhos ou tiras bordadas em todas as
grande
BhtbJitin de tedas as cores.
IMsas de tapete para viagem
B3,::*k' de tamaitos e gostos.
UsUzina prola de todas as qualidades.
Bramante de linho de 41 palmos de lar-
yon, e todas .is mais qualidades.
ataahas de linho e algodo, grande sor-
5'ffito.
rirjs de linho branco e de cores, do mais
sodo ao mais caro em qualidade, affian-
o que ha de melhor na especio.
Brms d'algodo completo sortimento e
wriEade de presos.
Gk&is de cores, o maior sortimento, pri-
i pelo bom gosto e barateza, atientas
'a 9.i'indes;
awabraias brancas, tapadas, e transparen-
B e ir.das as qualidades e preeps.
Caraisinhas de cambraia de linho e cassa
tardadas ricamente enfeitados para Sras.
misas para horcens e meninos, t5o va-
ob sort-meno que va i do mais ordinario
a&pelo ao mais perfeito bordado de li-
5lt & earobraia.
terrosas de moia, de flanella, brancas e
3e dfM rara homem.
airas pretas e de cores, o melhor
iB5 B8 pode imaginar, sendo d'isso a me-
Bbercrcva o grande consummo dellas na
.sur-ira fapelias de flores, para noivas e bailes,
fifis*- a mais candida flor de larangeira al
.ais mieressante griaalda.
Qkapeiinbas no melhor gosio, de todas as
Gatos boje preferidas pelas senhoras de
M aurorado rigor na moda.
(lpeos pretos de velludo, para senhoras,
tifeo gosto de Paris.
Chapeos de sol, para senhoras e homens,
s todos os prejos e variados gostos.
Chaly com ricos padrees para vestidos.
Giaii* de todas as qualidades, avultado
,-araero e nao menos variedade de gostos,
Chatas impossivel descrever o sortimen-
>r variedle pXnadroes e novos roslos.
a wae artigo fudo quanto se pode desejar.
GAOS para senhoras o que se pode ima-
gr.** de melhor.
Qxrues. o melhor no gosto e nos entei-
tes. varios tamanhos.
Colchas de seda com borlas, o mais apu-
rado (rusto e lavor.
futas de fusta) branco e de cores por
jresos eommodbs.
(arpinhoa do cambraia, ricamente borda-
es para senhoras.
Cortinados do. cambraia bordados e de
6,0 que de melhor se pode desejar.
folarirthos de linho bordados je -lisos, o
atvor BortfoMoto.
Bamasco de laa de 9 palmos|de largura
HSxi cures e ricos padroes.

Espartilhos bransos e de cores, para se-
smeras e meninas, o melhor neste genero ;
aci'jtt Sra. deixar por certo de muir
as de tao precioso auxiHar perfeifo de
*eorpo delicado.
Entremehs bordados.
Eseomilisa preta.
Ervteites para cabera, ultima moda de
S&rts-, recebida no ultimo paquete.
Esgoiao de linho, completo sortimento de
'dos os nmeros.
Fitas largas escocesas para cintos, varie-
Mb de gostos e lindos padroes,
Fr.'hs de crochet, modernos com cintos
capas, o que ha de melhor.
Fil de seda, linho e algodo, de todos
*-gostos e padr5ea.
Fostao de todas as cores e qualidades
pande sortimento.
Flanella branca e de cores.
Case com listras de seda e flores, fazen-
da integramente nova para vestidos de baile.
Gravatas para senhoras e bemetts, o mais
completo sortimento que se pode desejar.
Guipure preto e branco, diversas largu-
ras e differentes gostos.
Collas e punhos bordados para senhoras.
Guardanapos de lilbo pequeos e gran-
des.
GorgurSo de seda preto e de cores.
Grosdenaples preto e de cOres, havn-
do diversas qualidades e gostos.
Japonezes para senh iras, o melhor gos-
io, e fazenda propria para as festas nos ar-
rabaldes e passeios a tarde.
Lazinhas de todas as qualidades, cores
e gostos, nio fleando nada a desejar, tM
o sortimento que existe para eseollier.
Lencos, tudo quanto pode ha ver desde
esguiao ao algodo commam.
Leques de madreperola e osso, ornis va-
riado sortimento.
Ligas d seda, bordadas, para senhora.
Luvas de Jonvin, ebegadas por lodosos va-
pores, sempre novo sortimento, quer em
pellica para homens e senhoras, quer em fio
d'Escocia, brancas e de cores.
SCI
Madapol3o; indescriplivel o grande sor-
timento que ha neste genero, desde o mais
elevado preco ao menor, que se vende em
pega e fetalho por menos do que em ou-
tra qualquer parte.
Mantas de blondo para noivas: o apurado
gosto dos nossos correspondentes em Paris
habilita-nos a dizer que temos em nosso
ostabelecimento o que de melhor so dese-
ja para vestir e ornar orna noiva.
Mantas pretas de blond.
Mantas para carros, com lindas pinturas.
Merinos pretos, trancados^ lisos.
Musselina branca e de cores, lindos e va-
riados padroes.
Pannos pretos e de cores, desde o mais
barato ao mais superior, por preco muilo
commodo.
Pannos de crochet, para cadeiras e sofs.
Ditas de casemira motto unos para
mesa.
Peitos bordados de linho, lisos e de al-
godo para camisa.
Princetas pretas e de cores.
Popelina do seda e linho, cora listras e
flores; fazenda lindissima.
Pelnerinas para senhoras, do ultimo
gosto.
Perfumaras ; os mais linos extractos o
que do melhor e mais agradavel so pode
encontrar neste genero, e de mais fragante
e suave no olphato, tem o PAVILHO DA
AURORA, desde a verdadeira agua Flori-
da at o mais fino Bouquet d'Amour, final-
mente tudo quanto deve oceupar o touca-
dr de urna senhora de gosto.
03
Saias bordadas, brancas, lisas e de cores
com folhos e sem elles, o melhor possivel,
Sahidas de baile, de todas as cores.
Sedas pretas, de quadros, lavradas, lisas,
de listras de lodas as cores e qualidades e
o mais barato possivel.
Sanrelim de todas as cores e qualidades.
O
Tapetes grandes, lindas pinturas para 8
cadeiras, mais pequeos e de todos ps ta-
manhos desejaveis, e em pega para co-
; vados.
Toalhas de labyrintho, do maior e mais
fino trabalho ao mais baralo.
Toalhas de linho e algodo de todos os
tamanhos, li-as o felpudas.
Tarlatana branca com palmas e de cores,
fasenda muilo nova, e gostos delicados pro-
pria para baile.
Vistuarios bordados de fusto brancos e
de cores para meninos, de cambraia para
baptizados, o que de melhor tem vindo a
este mercado.
Vestidos de laa escoceza de 2 saias,
novidade polo padro, gosto e forma; ditos
de linho com barras do cores, e de cam-
braia de cores com 2 saias, tudo inteira
novidade, trazom os modellos juntos para
mostrar a forma de os fazer.
Veos do blond para noivas e pretos para
luto.
Vestidos de blond para noivas : podemos
asseverar as nossas Exmas. freguezas, que
somos os nicos em Pernambuco que pode-
mos offerecer ao Ilustrado publico, o mais
'apuradogosto em seraelhante materia, gra-
COJA
GALLO VIGILANTE
lina Ao Crespo o. 9
Ofe propnetari9 iefa bem conheci*>ttbele-
cimente, alm dos muitos dbjectos que tintas ex-
postos a apreciacio do respeitavcl publico, man-
daram vir e acaba de recber polo ultimo vapor
da Europa nm completo e vanado sortimento de
finas e mni delicadas especialidades, as.croaes es-
tao resolvidoB a Teader, como de sen eairam*,
por precos muito baratinhos e eommodos para to-
dos, com tanto que o Gallo....
Mhilo superiores-lavas fle pellica, pretas, bran-
cas e de mni lindas cores.
Mu boas e bonitas gollinhas e punhos para s-
nkora, neste genero qm ka de mais modwno.
Superiores pentes de ttrtaruga paia coques.
Laidos e riquissimos etrftHts para canecas da?
Exmas. senhoras.
SupeHww traa$a jwetts e dff cores com vtdn-
Uos e sera, elle; arta, (aseada o que pode nava-
de melhor e mais bonito.
Superiores e bonitos leques de madreperola,
marfim, sanalo e osso, sendo aqueMs branco?
' com linios dtttenhee, e estes ppetes.
Muito superiores raeias Ikvu Escossia para se-
nhoras, as quaes sempre se venderam por 30*000
a duzia, entretanto que nos as vendemos por 20*,
alera destas, temos tambem grande sortimento de
outm qualidades, entre as quaes afgumas muito
Ah,
Boas bengalas de superior canna da India e
castao de marfim com lindas e encantadoras figu-
ras do mes*, neste genero o que de melhor s>
pode desejar ; alm destas temos tambem grandi
quantidade de outras qualidades, eome sejam, ma
deira, baleia, osso, borracha, etc. etc. etc.
Finos, bonitos e airosos cnicohnhos de cadea e
de outras qualidades.
Lindas e superiores ligas de seda e borracha
para segurar as meias.
Boas metas de seda para senhora e para meni-
nas de 1 a 12 annos de iade.
Navalhas cabo de- marfim e Urtarnj,' para fazer
barba; sao muilo boas,e de mais a mais sao ga-
rantidas pelo fabricante, e nos por nossa vei tam-^
bem assegurams sua qualidade e delicadeza.
Lindas e bellas capeilas para noiva.
Superior* agulhas para machina e para crox.
Linha muito boa de peso, Irouxa, para eueher
labvrintho.
Bons baralhof de cartas para voltarete, assim
como os tantos para o mesm fim.
Grande e variado sortimento das memores per-
fumaras e dos melhores e mais conhecidos per-
fumistas. ^.-WJ
COLARES DE ROER.
Elctricos magnticos contra as convnls5es, e
facilitam a denticao das innocente enancas. So-
mos desde muito recebedores dcstes prodwiosos
collares, e continuamos a recebe-los por toros os
vapores, aflm de que nunca faltem no mercado,
como j tem acontecido, a9sim poi3 poderio aquel-
es que delles precisare, vir ao deposito do galo
vigilante, aonde sempre encontraro destes verda-
deiros collares, e os quaes attendendo-se ao fim
para que sao applieados, se Tenderlo com um mu
diminuto lucro.
Rogamos, pois avista dos objectos que deixamos
declarados, aos nossos fregueies e 3migos a virem
comprar por preros muito razoaveis loja do gallu
vigilante, ra do'Crespo n. 7.
Travessa do Corpo Santo n. 25.
0 acreditados cylindros americanas para padaria, por doas difterentes systams,
Machinas para descarocar algodo pelos melhores fabricantes de New York.
Machinas de vaper sytena de locomotiva e polias para as nwtiMs-
Carrinhos americanos para transportar volumes em amaazew. Tado per pre
eos razoaveis.
TRAVESSA DO CORPO SANTO N. 25
Joaqnim Kapes Machado & C.
0 Terdadeiroj OOI.T.UUT1 nOTU, o* bWw tpproTido peb
Academia de ahdkioi, ten auim como ot mtm ootrot producto
aUrahido a cupidea doa hltificadoret, rae pira facilitar mu criminla
iadusiria nao se pja, nem receia annanciar Tender falsa* Couiui
auv MU Ea previno as faaailiat pan kateresae de aens filaos
para erltar alslfieacoes, deven exigir, que meas OoixAmas Utea
sejao Tendidos em caitas de tambas de eneaiie e corredias cobertas
por i etquetas com a micha marea de fabrica a encerrando na
prospecto circunstanciado, e selladas por ama aaudalaa coa o lettreira.
COLLAR ROYER, Rae St-Iirtii, 225. Pirii.
Mikroskope achroma-
tisehen. Objetiv Lin- ]ImkwMi
sen. -- r^ *
Barometre e termos
metre. Centigrade
e reuumeure.
FTores, o que ha de mais rico, quer',gas ao bom gosto do nosso fornecedor em
(tas, cpier em ramos, tem oPAVILHaT Paris, podemos garantir que ningnem neste
3& AROR.i om permanente jardim a genero o possue melhor, nem mais em
Sopoeicao das Exmas. familias. conta.
E' dispondo d to grande e variado sortimento que 03 proprietarios do PA-
fatO DA AURORA se apresentam ao publico declarando desde j que a sincerida-
#g 9 o bom gostoo movel nico de seus negocios.
Prvidos de tado e promptos sempre a prover-se do que por ventura lhe
np necessario, os proprietarios deste sumptuoso estabelecimento recommendam-se
i receto de serem contradictos e protestam esforcar-se por continuar a merecer
fMleeo que se Ihes tem dispensado ; cerlos de que do sea estabelecimenlo nao sahira
vfreguez descontente.
Continua sempre a oficina de alfaiate dirigida por um dos mais habis artis-
a, prompio executar com promptidSo e bom gosto qualquer trabalho que lhe seje
eonrado. Urna modista especialmente oceupada nos trabalhos do PAVILHO D AU-
KK\\, dirige os que lhe sao concernentes, garante porseu apuradogosto e promptido
a- ecuco e a mais completa perfeicSo nos seus trabalhos.
A numerosa freguezia qae nos honra urna prova de que merecemos o con-
awoqaj se dispensa ao nosso estabelecimento, conceito que procuraremos firmar cada
ymt mais. Para facilitar ainda a concecuco do fim que nos propomos, tems no boss
wtabelei-imento os uhimos tigurinos de Paris, qae recebemos por todos os paquetes, os
O padro da fazenda o gsto na forma.
Na okina de alfaiate, junto ao estabelecimento, ha igualmente os frgtirinv:
ihomenqsie por todos os vapores se recehem.
E" esto o modo porqae oos apresuntamos pedindo a prnteccSo do illostraJo
pubiaso e com o' mais profjod* respeiio convidamos ei'dr".t> siman Sras. a vi-*-
flataoa o uosso estabelecimento, cerlas de encontraren! nelle palo miior prc.
qoe podetn desejar.
' Man caixeiros levar as fazendas e amostras ood-j forem pedidas, visto
poderraM espactir tado quanto temos.
Joo Luiz,]Sobrtnkn A C.
Aberto das 6 s 9 horas da noite.
A VERDADE
55Ruado Queimado5
A N'ERDADE tendo em deposito grand-
quantidade de miudezas e perfumaras, e de "
sejando apurar dinheiro e adqoerir boa fr'e
guezia est rssolvida a vender muitissim
barato, ; por essa razo convida ao respe:
tavel publico a vir competentemente mun
do a sortir-se do bom e baralo. Pois quai
do a Yerdaile apparece, ludo mars de.-
apparece....
Grande sortimento de bonecos de cera
massa as mais lindas possiveis vestidas ac
ractor.
Abotoaduras moderuas para col-
lctea....... 32i
Esp9lhn dnnrriAa pppnRno* 6tt(
Agulhas de osso para crox a 2(X
Pentes para regac<> com esntas a 32
R icos gl obos para candieiro de gaz a I #SQ
Ghamins a....... 3(
Grande sortimento de objetos de
lou^a para brinquedo de menino 10(
Garrafa com tinta a..... 80
Dita com agua florida verdadeira a 4#3Ck
Dita com dita dita a ... iiSOfii
Frasco com oleo de babosa a 506 e 72(
Dito cora agua de Colonia a 300 o 50-
Gairafa com agua divina a. ... IsSSO
Frasco com entrados finos a lOCK
Latas pequeas com banha muito
fina a 120e ......
Sabonetes de diversas qualidades a
80, 160,210 e......
Finas escovas para denles de 420 a
Lindos coques modernos a. .
Pavios para gaz, duzia a 240 e .
Escovas para facto a 500, 600 e
Ditas para cabello a.....
Pentes para tirar piolho a 160 e.
Brincos de cores, bonitos a 160 e
Pecas de tranca de 12a com 8
varas por.......
Oleo para machina de costura,
frasco a........
Peonas d'aco finas caixas a 800 e
Dita d'aco Perry, caixa a. .
Galio de algodo peca ....
Lindos babadinhos e entremeios
peca de 500 a......105O(
Ditos de louca muito fino a 120 e 20
Ditos para catea a 160 e. 24(
C:txa com papel amizade a. 70(
Ditas com envelopes a. 48(
Ditas com ohrei as a. *.....4(
Caixa com agulhas fundo dourado 28(
Ditas de ditas ditas a. 16(
Thesonra para costura a.240e 50(
Gaixa com linha de marca a 28(
Linha de cores em noveltos (li-
bra) a........ 50(
Carreliis de linha Alexandre de 70
at 200........ 10(
Grnpos muito finos cora passa-
ros, dazia a...... 2W
Cartas portuguezas, dnsia a ijfaOl
Ditas francezas a 20200 e .3#XX
Papel a I maco e de peso, resma a
3J400, 3,5500 e .... 4t50
L.aa muito fina para bordar, libra 6^50(
Fita de algodSo para debrum de
sapatos, peca a .... 16(
Ditas de 13a para debrum de ves-
tido, peca a...... 48(
Pentes finos para segurar ca-
bello a.......
Dito. ditos de bfalo par alisar
a iO, 320 e......
para aparar peona- a .
Rosetas pretas, pur 9 .
Tranca de laa de caracol peca* 40
co pec>*480,e .
tes de lata a.....
Sapatos de lia para crianca a 400e
I sedas1 de ore-a .
as a. .
("rrafide sofmea* de renda* dar
Um par d-; saspnisoTio M$ I! I f t!
** rr4*fl ira* W
SEflPICOS
E crystal de rocha do Brasii.
16(
32*
6K
2*00(
32(
70(
5a
241
20(
8(
60(
lf50CK
mo
4(X
F. al. crmaiin. recommenda ao publico, seus vidros periscpicos aperfeicoa
dos; porque, com estes vidros, a vista deseanca, forUca-se e n5o a canea cmo com
os vidros ordinarios. Urna vez escolhido um vidro, pode durar dez annos, emquanto
que, com os vidros ordinarios. se est obrigado a muda-Ios todos os annos e os ter
cada vez mais grossos, o qne altera o crystalino do lho e determina quasi sempre do-
res de cabega. O alcance ordinario da vista perto de 30 centmetros do lho, e,
todas as vezes que o objecto est mais perto ou mais loage, os raios que expelle sao
mui convergentes ou flnhi divergentes e a vis3o nao perfeita. Um grande numero de
pessoas tem o defeito de fazer convergir muito de sorte que a viso nao distincta.
Cora a applicacb de meus vidros pde-se vencer estas difliculdades. Para os que tem
a vista curta e cujo crystalino mui convexo (o que faz ver bem, de perto, e mal de
longe), o que se chama myope, por meio de um vidro concavo affasta-se o ponto de
l-vista. o que faz divergir os"objectos e deixa ver to longe como as outras vistas. Quan-
do o crystalino muito chato, o que sucede aos que tem chegado a urna certa idade,
o que se chama presbyta, vem madior de longe que de perto, e nao enxergam seno
um nevoeiro na distancia ordinaria da vista; com um vidro convexo, estes enxergaro
tac distmetamente como na idade de lo annos. Servindo-se destes vidros quando b
vista principia eufraquecer, previne-se o mal.
P. I. diernianu encarrega-se pela sua experiencia, tendente aos olhos, a e s
colher, a primeira vista, seja qual for a idade egro de vista, oculos proprios para
qualquer pessoa,
Para que s5o fabricados estes vidros ? ?
Para a vista que n5o supporta os raios
solares nem grande claridade.
Para a vista operada da catarata.
Para a vista que as palpebras esto cor
cadas de sangue.
Para a vista que um dos olhos myop
e o outro presbyto.
Para evitar finalmente que o crystalino
do flho se cobra de catarata.
D cordairo previdenti
Roa lo Uncinado n. 16.
Novo a varia*) sortiaaento de perfumariar
ftnis, e oottos objecos.
Alm alarias, de que effectivamente esta provida
laja doatdiro-Previdente, ella acaba d*
recefctr aai o*n artimento que se ton
aatavr! pefciTarierJaadaebiectos, superior
dd, aaWa4aa enmiMdadaa de pra
50t; aasim.tKslaCardeiwPrevidente ped*
eetpara coaBaar amarecer a aprecia?
te respetad paJ>tieo eat geral e de su
boa ffriMujiij es artkmlar, nao se afa
tanto efia te sua beat conhecidamansida*
e baraten, Em dita loja encontrarlo o*
apreciadores do bom:
Agua divina de E. Coudray.
Dita verdadeira de Nurray & Lamman.
Dita de Cotogne ingleza, americana, fran
ceza, toda* dos melhores e mais acreditado*
fabricantes.
Dita te flor de larangeira*.
Dita dos Alpes, e vilete para toilet.
Elixir odontalgico para conservado a*
asseio da bocea.
Cosmetiques de superior qualidade e chas
roa agradaveis.
Copos e latas, ma i ores e menores, coa
pomada fina para cabello.
Frascos com dita japoneza, transparaou
e outras qualidades.
Finos extractos inglezes, americanos <
francezas en frascos simples e enfeitados.
Essencia imperial do^fino eagradavel cba*
ro de violeta.
Outras concentradas e de cheiros ifnai-
mente finas e agradaveis.
Oleo philocome verdadeiro.
Extract d'oleo de superior quadate
com escomidos cheiros, em frascos de diflt
rentes tamanhos.
Sabonetes em barras, maiores e menor*
para mos.
Ditos transparentes, redondos e em figo
ras de meninos.
Ditos muito finos em caixinha para barba
Caixinhas com bonitos sabonetes imitand*
froctas.
Ditas de madeira invernisada conteodo I
oas perfumaras, muito proprias para pra
sentes.
Ditas de papelo igualmente bonitas, tara
bem de perfumaras finas.
Bonitos vasos de metal coloridos, a 4
moldes novos e elegantes, com p de arrot
a boneca.
Opiata ingleza e franceza para dentes.
Pos de camphora e outras difirante
qualidades tambem para dentes.
Tnico oriental de'Kemp.
Anda mala coquea.
Um outro sortimento de coques de n*
vos e bonitos moldes com filets de vidriliso
a alguns d'elles ornados de flores e fitas
esto todos expostos apreciado de rroar
os pretenda comprar.
GOLLINHAS E PUNHOS BORDADOS.
Obras de muito gosto e perfeicao.
FlTcllas e fitas para cinto.
Bello e variado sortimento de taes obja
tos, ficando a boa escolha ao gosto do cora
prador.
Para a vista myope, (vista curta).
Para vista que se cobre de nu.ens.
Para a vista que por momentos, v es-
voaear pequeos pontos negros.
Para a vista que as palpebras tremem
de fraqueza.
Para a vista que os olhos slo designaes.
Pare a vista que se tuna com o traba-
lho e a leitura.
Para a vista presbyta (vistagalon ).
32(
501
i
101
w
m
fot
801
201

Sortimento de binculos
para theatro, e oculos de
alcance para o campo e ma-
rinha.
Lunetas, pince-nez e
face--main, ouro, prata,
tartaruga, bfalo, ac,,
etc., etc.
Tem tambem grande sortimento de relogios para parede, qae do horas e para
cima de mesa dos mais lindos modelo Relogios para afgibeira, de uro, prata, prata
doarada efoleada, inglezes, suissos e orisontaes dos melhores e mais afamados fabri-
cantes.
Vendas em grosso e a retalho. Em Pernambuco.
N.21=-Rua Nova. 21.
USAS FRITAS MU A MUIBU
11Rna do Queimado--11
AUGUSTO PORTO acaba de receber pelo ultimo vapor da Europa, superiores
sedas pretas proprias para os actos da quaresnaa sendo :
Gorguro preto de seda o que ha de melhor.
Grosdenaples preto de diversas larguras e qualidades.
Mantas pretas de blond muito lidas para senjjpras.
Pannos e casemiras pretas, pannos azues merinos, bombasinas, princetas'e alpa-
cas pretas e de cores-.
Basqnmee de seda e gniprne pretos das mais modernas.
Vestidos de blond com manta e capella para noivas, fronhas de esgoi5o e cam-
braia de litaho bordadas, colchas te seda, ditas te seda e la, cortinados bordados para
camas e janelhrs, vestidos para baptisates, enovaes pira enancas e superiores saias
bordadas.
Cortes te setfnr de cores e ditos de seda do mais modernos.
Poupelinas ds seda linli lisos e com listras gostos elegantes.
Luvas rje ptrea pretas, do coros e brancas para hornea o senhoras.
Malas de couro de todos os tamanlos para visgens,
Camisas bordadas e lisas para homens O meninos.
Grande sortimento de fazendas proprias p ra fabricas de engeuho que se ven-
dem muito barato, coniando ter soaspre as afamadas
Esteiras da Indis para forrar sala, e tapetes de militas qua-
lidade.
RAP POPCIjAB
DA
FABRICA NACIONAL DA BABIA
DE
Teixeira Uldunco C.
Ada tse venda este ptimo rap, ufico q
pdc sopprir falta do prmeeza de Lisboa, por s*
de mui agradavel porame, viajado, e a preoo
mais mdico possivel; epor isso tem sido assi.
acolhldo as pracas da Babia, do Rio de Janeiro
em outras do imperio : no escriptorio de Joaqnit
Jos Connives Beltrao, ra do Commercio n
mero 17.
tassoTrmaosM
Vendem em seus armazens, no eaes do Apota
n. 7, Escadioha n. i e ra do Amorim n. 37, a
seguintes gneros :
Ai' i de Milao.
Mlho em saccas grandes.
Farello em saccas de 90 libras.
Chumbo de niuiiirao sortido.-
Metal amarello para .forro de navios."
Machinas para descarocar algodo de !*,
serras.
Kerosene em latas de 5 galoes.
Champagne do afamado fabricante Krug.
llormoulh.
Vinho do Porto engarrafado.
Coac do afamado fabricante Gantier Frres.
Fogo da China, caixinhas, 40 cartas n. i. Extra.
Genebra ingleza iOld toni
Cimento Humano. ,
Cimento Hidrulico.
Cimento Portland.
Gesso para estuques.
Cannos de barro para esgotos.
Gradeamentos de ferro para jarSns, calcadas ei
Carros de mao para servfops der armazens.
Garrafoes com 5 galoes de vinaj-e tinto,
dem con 3 galoes de vinagre tato.
Chumbo em harra.___________
Bichas hamburgnezas
Neste novo deposito recebe-se por todos os pi-
quetes Iranslanticos bichas de qualidade superii r
e verjdem-e em eaixa on porreo mais pequea,
e mais barato do que em outra qualquer parte :
na ra da Cadea do Ilecie n. Si, 1 andar.
Cigarros da imperial
fabrica de S. Joo
de Nictheroy.
nico deposiio em Pernambuco caes da altan-
dega velha n. 2, Io anda.
LHAS
fl-Itai do Qn^hnao.....l
ii i iii
Ven-se pelo sen justo valor na roa da Ca-
leia do Rpcifo n. 58, loja do Azulejo.
Por 300*000 baratsimo, yende-se um
preto de 23 annos, o motivo ser patente ao com-
prador : n ra de Hartas n. 96.
CADET
C U P* A
em TRES OAS
[pb!B!Denamr]
ILtVEl
- i




Diario de Pernambuco Segunda feira 21 de Man;o de 1870.
I

J
DE
BARATAS, NA LOJA E ARMAZEM
DO _____
PVAO
T)E
FLIX PEREIRA IIV SIIiVA.
Ra dl Imperatriz n. 60.
0 proprietario deste grande cstabclecimento, tendo dado balado no Gm de
tono, como de costume e vendo qun tinlia um grande deposito de atendas, e juntan-
do a essas outras niuitas que Ihe tem chegado este anno, tcm resolvido fazer ama LI-
QUIDADO por procos amito mais baratos com o fim de diminuir a quantidade e apurar
DINHEIRO.
O respeitavel publico encontra neste estabelecimento, nao so um grande sor-
limento do mais apurado gosto e luxo, assim como todas as fazendas de primeira ne-
cessidade, e do todas se dSo as amostras com penhor: as pessoas que negcciam em pe-
quena escalla, nesta casa podem sortir-se de um ludo, vendendo-se-lbes pelos mesmos
precos d3s casas inglezas.
ExplendidO SOrtimentO de Crochs para cadeiras e sofs
mnrm f Altas 1>av5 tem um Sra,Mle sortimento dos
IWipWS V^j1^ mais bonitos crochs proprios para cadei-
NA LOJA DO PAVAO A RA DA ras sofs> mesas> almofadas etc etc., assim
IMPERATRIZ N. 60 como prQprios para cobrir presentes, e ven-
Acha-se este grande estabelecimento com- de.se mais barat0 do que em outra qual.
aletamente sortido das melhores roupas, uer pari6j
leudo calcas palitots e coletes de casemira, ALGODO ENFESTADO
te panno, de brim, de alpaca, e de todas yende-se urna grande porco de algod5o-
n mais fazendas que os compradores pos- sinho americano com 8 palmos de largura
m desejar, assim como na mesma loja pr0pr0 para lences e toalbas tendo liso e
*m um bello sortimento de pannos caserai- lrruCa(]0 que se vende por preco muito em
M, brins, etc. etc. para se mandar fazer contat
fualquerpeca de obra, coma maiorpromp- 'anos de linho
dSo vontade do freguez, e nao sendo chegou um grande sortimento de pecas
abrigados a acceita-las, quando nSo Cstejara de pann0 de |]|10 do p^o qne se Vendem
completamente a seu contento, assim como de 700 rs at 1)5000 a vara> garantindo-se
a'este vasto estabelecimento encontrar o que em fazenda de |jnQ0 nao Da nada me-
respeitavel publico um bello sortimento de;,ho nem mai3 propro para lences e toa-
camisas francezas e inglezas, ceroulas de, |Qas
rttJtWmtKt-\
^A .60 QEtMADfi.^
Quaado a AGUIA BRRNGA, mais precisa scientiflear ao respeitavel publico em
eral e em particular a sua boa freguezia, da immensidade de objectos que ltimamen-
te tem recebido, justamentefquando ella menos o pode fazer e porque essa falta invo-
luntaria ella confia e espera na benevolencia de todos que Ih'a attendero e relevado,
continuando portanto a dirigirem-se a bem conhecida leja da AGUIA BRANCA ra do
Queimado n. 8, onde serapre acharSo abundancia em sortimento de supenoridade em
qualidades, modicidade em precos e o seu nunca desmenttido AGRADO E S1NCERIDADE.
Do que cima fica dito se couheceque o tempo de que a AGUIA BRANCV pode
dispflr, empregado apezar de seus cusios no desempenho de bem servir a aquellos que a
honram procurando prover-se em dita loja do que necessitam, entretanto sem ennume-
rar os objectos que por sua natureza sao mais conhecidos ali, ella resumidamente indi-
car aqucltes cuja importancia, elegncia e novidade os tornara recommendaveis, como
inho e algodo e outros muitos artigos
proprios para homens e senhoras promet-
*ndo-se-lhe vender mais barato do que em
nutraqualquer parte. Na ra da Impera-
r n. 60, loja e annazem de Flix Perei-
*a da Silva.
Pechincha a 2$000
Para lenqes.
Na loja do Pavao vende-so superior bramante
soto 10 palmos de largura, dando a largura o com-
orimento do lencl,' sendo apenas preciso pera
ada lencol um e meio, ou um e um quarto me-
.ros ; alm desta aplicado tem outras multas
oara arranjos de familias e vende-se pelo barato
preco de 2*000 o metro.. Na loja do Pavao, ra
ia Imperatriz n. 60. De Flix Pereira da Silva.
Ganga de llnho
Vende-se gangas de linho com quairinhos
amito boa fazenda, para roupa de homens
s meninos e vende-se pelo barato preco de
500 rs o covado:
?ECHINCHA EM PANVO PRETO A 2:400.
O Pavao vende superior panno preto fino,
para pallitots, calcas, colletes, etc., pelo ba-
ratissimo preco de :409, o covado, gran-
de pechincha.
cortes de casemira preta a 4500
O-PavSo vende os superiores trtes de
-.asentirs pretas enfestadas, pelo barato
jreco de 4:500, pechincha.
PECHINCHA, ALGODOSINHO A 4;000,
O Pav5o e8t vendendo pe?as de algo-
illosinho francez, tendo 4 palmos de largu-
ra com i I metros cada peca, pelo barato
preco de 4,5000.
Pecas de madapolao a 3:5.
O Pavao vende pecas de muito bom ma-
dapolao tendo 12 jardas cada urna pelo ba-
rato preco de 3:500.
GROSDENAPLES PRETOS.
Chegou para a loja do Pavao um grande
torlimenlo do erosdenaples pretos, tendo
de 500 at 55000 o covado neste genero
os melhors e mais largos que tem vindo ao
mercado, assim como bonitas sedas pretas
lavadas, moireantiqusetc, todas esias fa-
tendas, vendem-se mais barato do qne em
ontra qualquer parte, 'por haver grande
porcSo.
PERCALLAS E CHITAS BARATAS.
O Pavao vende um grande sortimento
das mais bonitas chitas claras e escuras, mais
barato do que era outra qualquer parte.
assas a 240 rs.
Vende-se na loja do Pavao bonitas cas-
ias de cores fixas a 240, 280 e 300 rs. o
covado.
Caranraias brancas a 1:000 a peta.
So o Pavo vende pecas de cambraia
branca transparente, tendo mais de vara de
Largura, com 10 jardas cada peca, fazenda
que sempre se vendeu a 70000 e 85000,
iqurda-se pelo barato preco de 45000.
Alpacas brllhaules a 1*. e 800.
O Pavao tem o mais bello sortimento de
alpacas lavradas cora as cores mais delica-
das que tem vindo ao mercado e tendo bas-
tante larguaa, ve1!tem-se pelo barato preco
de lAUOO, e 800 rs. o covado.
Boa pinga do Douro
A 3**0eO
Flix Pereira da Silva, a ru da Imperatriz n
60, acaba de receber una nova rcmessa do seu
muito arredilado vinho puro do Douro, e muito
proprio para este clima por nao ter confecean, e
vende era barris de 10 a 32J.
l'om palmas de seda a 1* rs.
Para a loja do Pa\o chegou um rico
sortimento das mais bonitas lasinhas com
palmas de seda tendo de todas as cores e
padrfies, sendo fazenda bastante larga e
vende-se a liJOO o covado.
AS CHITAS DO PAVO
Venie se um brilhante sortimento de
chitas claras e escuras por precos mais ba-
ratos do que em outra qualquer parle.
lioupa para escravos
Vende se Da toja do l'aviio, um bonito
sortimento de roupa par escravos.
AS POUPELINAS DO PAVAO A 500 RS.
Cbegaram as mais lindas poupelioas de
15a com imiU|3o das poupelinas de seda,
ama fazenda muito leve com as mais lin-
das cores, sendo: verde Bismark, rxa, azul
iyrio, cnseotciperolla etc, etc, e vende-se
peto baratissis preco de 500 rs.
ALPACAS LAVRADAS
Vide-*e a mais bonitas alpacas lavradas
com os memore* gontoe a 640, *M e *#0i>0,
o-mvo, alpacas lisas de todas as cores a
SIO e 740 r., alpacas brancas lavradas li-
ias b< m seja :
Corpinhos de cambraia, primorc smente
enfeitados cm fitas de setim e obras essas
cuja novidade de molde e perfec2o de ador-
os fs tornara apreciados.
Fitas mni largas de diversas cores e qoa-
lidades para cintos.
Leques uesse objecto muito se podena
dizer querendo descreve-los minuciosamente
por suas qualidades, coree e desenhos, tal
o grande e variado sortimento que acaba
de chegar, mas para nao massar o pretn-
deme se lhe apresenlar o que poder de
melbor.
Entremeios em pecas de 12 tiras.
Guipure branco e preto de diversas qua-
lidades e desenhos.
Ditos de a!god5o com flores e lisos.
Veos de seda para chapelinas e monta-
ra.
Meias de seda para noivas.
Ditas abertas de fio de Escossia.
Costumes ou uniformes para meninos.
Enxovaes completos para baptisados.
Capellas brancas para meninas.
Grandes sortimento de flores finas.
Fil de seda, preto.
PERFUMARA
Grande e constante sortimento de dita,
sempre melhor quajidade.
Lindos vasos com p de arroz e pinsel,
Caixinhas com ditos aromticos.
Bonitos e modernos pentes dourados
para circular o coque.
Bonitos brincos de plaquee.
Aderecos e brincos de madreperolr.
Caivetes finos para abrir latas.
Thesouras para frisar babadinhos.
Aspas para balo.
Novos stereoscopos com 48 vistas, as
quaes sao movidas por um macbinismo
urnas substituem as outras.
Vistas para stereoscopos.
Bonitas caixinhas de vidro enfeitados com
pedras.
Ditas de madeira envernisada com vispo-
ras e com dminos,
Bollas de borracha para brinquedo de
PECHICHA EM CHAPEOS DE SOL
Chegou um grande sortimento dos me-
ihores chapeos de sol de seda, inglezes ten-
do neste artigo o melhor que tem vindo ao
mercado assioveorao urna grande porcao de
ditos de alpacas de todas as cores e todos
se vendem por preco muito mais barato do
que em outra qualquer parte, por haver
grande porcio.
Os baldes do Pavao a 2S000,
Cheg* u um grande sortimento de bales
ou crenolinas do feitio mais moderno muito
proprias para vestidos ennesgados que se
vende pelo baratissimo preco de 2(5000 ca-
da um grande pechincha
CRETONES MATISADOS PARA VESTIDOS
A 640 E 800 RS.
Para a loja do Pav5a chegarara os mais
bonitos cretones oscuros matisados, pro-
prios para vestidos, roupo chambres etc.
que se vendem 800 rs. o covado, assim
como a mesma fazenda em padrees claros
proprios para vestidos e roupas de meni-
nos a 640 o covado, sendo os padroes mais
modernos que tem vinpo ao mercado.
r\9o 2(1 SIL Wllillua'IHl Os proprietarios deste bem sortido annazem de sceo e molhados esto re-
LASINHAS LUSTROSAS A 400 RS. O CO- solvidos a fazere urna grande diminuico de precos as suas mercadorias, como se apro-
avultadas comDras para o centro
Touquinhas de fil, sapatinhos bordados enancas.
e meis para ditos Diversos objectos de porcelana, proprios
' Camisinhas bordadas para ditos. : Para enfeites de mesa e de lapinhas.
SORTIMENTO PAU A FESTA
Vende-se por menos drlO, 20 e 30 i0
SO' NO
A1IAIII CONSERVATIVO
II. 23Largo do Terpo.N. 23.
DE
SIMO DOS SANTOS ft C.
MIIM1S EM GROSSO
PARA IfEGOCIO
POR PRECOS MUITO BARATOS
m BAZAR DA MODA
Ra N&va n. 50
Coques imitaco de cabello,
guarnecidos de bellos enfeites
ultima moda, a duzia 4000
Papel superior de quadrinhos,
em caixas com O cadernos a. 640
Envelopes porrelana, muito boa
fazenda o milheiros em caixi-
nhas de 100 ..... 70500
Botoes de osso bem pulidos para
calcas, a grosa 220
Ditos cobertos de superior setim
de todas as cores, a grosa dos
pequeos a 3,5000, e dos gran-
des a....... ifiOOO
Ditos com ateressantes photo-
graphias para punhos a duzia
de pares a...... 50000
Ditos de osso imitando o marfim
com lellras a duzia. 8^500
Ditos tizos muito boa fazenda a
duzia....... 30500
Abotuaduras para camisa sendo :
2 botSes para os punhos, 3
para abertura e I para o col-
larinho brancos, escarlalates,
c pretos a duaia .... 80000
Brincos de cores a bala, cousa
muito chique a duzia de pares. 10000
Lindos frasquinhos empalliados
com bom extracto para lenco
a duzia....... ^^00
Ditos em bonitas caixinhas ca-
-' da frasco a duzia... 60OO
Tinta para marcar rou^a, muito
superior cada frasco em sua
caixinlia a duzia. 60000
Livrrahos com capa de metal
dourado e com bonitas oroces
para a missa a duzia. 70500
Sabonetos de amendoas amaa-
gas especialidade do BAZAR
DA MODA, a duzia 20509
Lapis pretos de superior qnali-
dade, oitavados a grosa 30 e 40000
Escovas linas para denles a du-
zia a lti(X)e..... 30000
Alfinetes muiio bons, brancos e
pretos, a duzia de caixinhas a 20800
Pentes pretos de muito boa qua-
lidade s grandes para alisar
a duzia....... 20700
Ditosamarellns fazenda superior,
para piolhos, a duzia. 10700
Ditos de borracha com costas de
metal para repassar, a duzia. 20400
Dilos enfeitados com contas de
cores a duzia a 40, 50 e. 60000
Interesssantes coquinhos capri-
chosamente escultidos dentro
com um bom' e lindo rosario
a duzia 100, 120 e 140000
Grande sortimento de miudesas.
Grande sortimento de quinquilharias.
Grande sortimento de perfumaras.
Pagamento realisado no inesmo mez da
compra com descont de 10 o/0 ou letra
acceita a seis mezes de praso.
Jos Soaret de Souza & C.
m fi-M m
Chegon zo auligo Ueposw. Je H<
C, ru* do Imperad r, uio UkTfef
de primeira qualidade; o qn >ei
e a reulho por eno pre^o oe yae
qaer parta.
Sement*
De horinlicns aovu e *.iit .i I?
no llalisa. na il> Livunvntp n. '>>
4.
ESCRAVOS FUflkb
%%:
VADO.
S o Pavo
Vende-se um grande sortimento das
mais modernas e elegantes lasinhas para
vestidos, com as cores mais novas que tem
vindo a este mercado, sendo com listrinhas
miudinhas que parecem de urna s cor e
com tanto lustro que imitam perfeitamente
s poupelinas de seda, e vendem-se pelo
barato precede 400 rs.
Os setins do Pavao
Vende-se os mais bonitos setins de cores
i mais encorpados proprios para vestidos
endo de diversas cores.
FAZENDAS PARA LUTO
Na loja do Pavao.
Encontra o respeitavel publico neste estabeleci-
nento um grande sortimento de fazendas pretas,
-.orno sejam, cassas francezas e inglezas, chitas
jretas de todas as qualidades, fazenda de laa de
para luto,
das que tem vindo, proprias para luto, como
ejam, liazinnas, alpacas lavradas e lisas, cantto,
oombazinas, merino, etc., que tudo se vende por -8 FRANCEZA 960, 900 6 850
jreco barato.
VladapolSo francez a 7&000 rs-
Vende-se pecas de madapoiao francez
Ma 22 metros pelo baratissimo preco de
'0000 a per,3, pechincha.
Altas novidades em sedas
Chegou um grande sortimento das mais
ooderoas poupelinas ou gorguroes de seda
linho cora os mais elegantes padroes que
'&m vindo a este mercado sendo, miudos e
^raudos, tanto em cortes para vestidos como
para vender cm covado, assim como um
lonito sortimento das mais bonitas sedas
listradas que se vende tudo muito em eonta
CERA DE CARNAUBA.
Vende-se urna grande porcSo de cora de
arnauba em saceos por preco mais barate
lo qne em outra qualquer: na loja^ do
'avo ra da Imperatriz ,.n. 50. De Flix
'ereira-da Silva.
xima a festa e sempre se fazem avultadas compras para o centro e praca, por
isso previnem ao respeitavel publico em geral, que mande /azer suas despencas e cer-
tos de que verlo a grande differenjja em precos mais do que em outra qualquer parte
e Rarantindo-se as superiores qualidades.
GAZ AMERICANO 90500 a lata, e 440, SEVADINHA E SAG 280 rs. a libra e
rs a garrafa e 660 rs. o litro. 620 rs. o itilogrammo.
VINHO VERDADEIRO FIGUEIRA 560] FAR1NHA DE ARARUTA VERDADEIRA
a carrafa, e 45500 a caada e 800 rs o ti-! 640 a libra e 10400 o kilogrammo.
lro BOLAXINHA INGLEZA MUITO NOVA a
DEM DE LISBOA das melhores marcas,!400 rs a libra e 800..oldjjMJo.
400, 440 e 500 rs. a garrafa, a 2*800* VELLAs DE ESPARMACETE 720 rs. o
30200 a caada, 660 e 720 rs. o litro. i masso, era oaixa ha abatimento.
DEM BRANCO DE LISBOA a 40000.
a caada e 560 a garrafa, e 840 rs. o litro.
VINAGRE VERDADEIRO DE LISBOA
200, 240 e 320 rs. a garrafa, 10400,
10800 e 20200 a caada,
AZEITE DOCE DE LISBOA 900 rs. a
garrafa, e a 70 a caada, e 10340 o litro.
MANTEIGA INGLEZA FLOR 10400 e
10280 a libra, 30060 e 20780 o kilo-
Fuuiu do iMip.-i.hi Oiiii;i:aifii i i
de Serinneui |)iittniiiik.s a G:.. .
Wanderley os escravos M lo baixo, gioco, nariz chato, du sei a ter sido comprado pqqncoo. Joo Ct-i
de triitla c tantus aono?, p' chaUs w ntu oi>-
bitadas. estatura baixa, cor feisada. -i. '.-*
e esta na punta do qoeix, Fdii'pe inu ttu -.* -j-
de de 10 aur.os pouco tr.ais ou mee >. l u-..t-*~
so, sem defeilo algum, leve bixos em p>Ar|M -
rm pouco apparece; por is:o ped' ** uui-
dades pohciaos c capilaes de camp n ',nvi..4m
mesmos n lvalos no mesmo engeiitn < u -- xOk
da Uoeda n. o, i" andar Heriptoric de KbUkM J*-
res Ferreira A L. que berilo gratill'.n:, -
~~^- Fugio do-engenho Boa-vala, iui c tnat*4b
Camaragibe, provincia das Alagoas. o wtftm K-
colo, de idde 3i MBOS. altura rr^ulac, i*t**i
do corpo, audar banzeno. le:n talla le d.*-.-!
frente, rosto laigo, barbado, cortluiia a.-
zer toda a barba, tuin nina cicatriz na I
ps gronat ; este c>cravo anda tupid" to4M
16 do Janeiro do crreme anuo : r*i t^ <
s autoridades p-iliciaes c 2Qt ciqiiia. s -.; -;<(>
apprehenso d.-sse fscravo, a ctitrrgar iw msr~
nho cima menciniado, ou Dla pra^a Fto.4
Viparii n. 12, ou traversa do Coepo Sanio r_ S*.
! andar, que st gratificar genero?; id.'.-.
Engenho Para*
Deste MflMho t'ar, freguezia dt- Icjik^. iage-
no dia 21 do correte mez o aacravn ha hwk.
crioulo, de idade de 20 anuos, boa BgHiaa, nm
barl)3, cabera redonda, denles limados, fui t.ti*4c
Luiz Antonio Miuileiro, da fazenda da -tr,, ftt-
guezia da Peilra, fii vendido ao Sr kla>no<1<2a-
valcanti de Albuonerque airao. e 4e-t* at i
suhrinho Jos Alvos Marinho Falco, u\- houve por compra : quem o levar em dititcnpe-
nbo, cu nejta praca roa da Cruz n. SI, rerrtaa.
boa gratincaco.
Jos Valenlim Vieira do IWict
Fugio.no dia 56 de fevereiro, pea 2 utt, *
escrava criuu'.i de nome Belizaria que i']w^.dk
!er 40 anno?, estalara baixa, com gran*) fafa il*
dentes e com nina sicatriz de quemradura ik*4mi-
?o direito, leudo levado doos chales, sent
verde o outro listado de azul e br.irc); \iwm
a capturar sirva-se leva la a Ponte d> l sitio de Joao Jos Rodrigues MenHs, ou a >a
da Madre de Deus n. 28, que ser genero cae
recompensado. ___________^^^
COGNAC.
De superior qualidade da mui accredita
da fabrica de Bisquit Dubouch & C, en
cognac urna das que mais agurdente d
cognac, fornecem para o consummo d<
Reino da Inglaterra.
Vende-se em casa de Th. Just. ra di
commercio n. 32.
FS.
kilo-
Merift de cordSo
Vende-se merino preto de cordSo pro-
pio para calcas, palito, e colletes, pelo
laratissimo preco de 10000, o covado,
HYPPHQSPHITOS
d D -r CHURCHIL!
XAROPE de HYPOPHOSPHITO de SODA
XAROPE deHYP0PH0SPHTOde CAL
PILULAS de HYPOPHOSPHITO de QUINIWO
a libra, e 20100, 10980 el 0860 o
grammo.
DITA PARA TEMPERO 560 rs. a li
bra, 10220 o kilogrammo, em porco se
far abatimento.
BANHA DE PORCO DE BALTIMOOB
720 rs. a libra, o 10560 o kilogrammo, em
porco se far abatimento.
ARROZ DO MARANHO E DA INDIA
120 e rs. a libra, 260 rs. o kilogrammo e
30400 a arroba.
ALP1STA 200 rs. a libra e 440 rs. o
kilogrammo, e 60000 a arroba.
CAF EM GRAO 60 e 60500 a arroba,
200,240 e 260 rs. a libra, 440 e 520 rs. o
kilogrammo em sacca se far abatimento.
SABO MASSA 240 e 200 rs. a libra,
520 e 440 rs. o kilogrammo, em cajxa se
faz abatimento.
MASSAS PARA SOPA, MACARRlO, TA-
LHARTN E ALETBJA, 560 rs. a libra>
10220 o kilogrammo.
BOLACHINHAS EM LATAS BE DIVER-
SAS QTJALn)ADES, bem como perola bri-
lhante, combioalion, Fraocy-cracynel, miied
Britania.' Mdium, Fancy-nionac, a, b, c, e
soda a 10000 e 10400, cada urna lata.
PHOSPHOROS DO GAZ E DE SEGU-
RANZA, 280, 400 e 560 rs. o masso,
30200 e 60500 a groza.
AMEIXAS EM LATAS E CACHINHAS
DE MUITOS TAMANHOS 10280, 20500
30500,40500, 50500 a lata e a retamo e 10
a libra.
GOMMA DE MILHO AMERICANA a 400 rs
o masso, e em caixa ba abatimento.
BATATAS NOVAS D LISBOA 60 rs.
a libra, em caixa faz-se abatimento.
SEBVEJA INGLEZA MARCA H 50500
a duzia e 500 rs. a garrafa.
DEM BASS, VERDADEIRA IHLBRSA
BELL, 800 rs. a garrafa e W a dozia.
VINHO DO PORTO ENGARRAFADO DE
DIVERSAS MARCAS 10500, 10200, 10 e
800 rs. a garrafa.
GENEBRA DE HOLANDA E HAMBUTU
GUEZA 70 e 60 a frasqueira, e 500 rs. o
frasco.
DEM DE LARANJA DOCE AROMTICA,
110 a frasqueira e 10-0 frasco.
QUEIJOS DE DIVERSOS VAPORES,
30000, 20800 e 20400 em caixa ba abati-
mento.
TOUCINHO DE LISBOA MUITO ALTO
400 rs. a libra, e 880 rs. o kilogrammo,
e 110500 a arroba.
LINGUICAS FINAS PROMPTAS EM LA-
TAS 10000 rs. a lata.
LOMBO DE PORCO ASSADO JA PROMP-
TO a 10000 rs. a lata.
CHA FINO. GRAUDO E MIUDINHO i
30200 e 20800 a libra, e 60100 o kilo-
grammo.
EM PROPRIO PARA NEGOCIO 20000,
25200 e 10800, rs. a libra.
BRACO
U
Fugio no dia II do correle o e-cravo '"os
cisco, cabra, idade de 30 anno-, coca ts fijata*
seguimos : cabellos carapinhns. rosto dsc.m-
do e com marcas de boxiga, intimta-se st !**
levou ca'?a branca, palitot de alpaca de cor, to-
peo do Chile ; de.-de j se protesta m lia ,i i**
soa que o tiyer occuitado : roga-eo ao. seiwMH
capitaes de campo que o trag.nn a rr.a iiii^t
n. 16. que sero generosamente graliScado?, asna
como as autoridades polioiaes.______________
Fugio do ongenho Mmhi ca, da conarra 4k
Santo Anlo, no da 20 de junho do auno passao,
o escravo de nume francolino, repretnla e* 3*
annos de idade, com os signaes ecgiHHtoi <><
prola, baixo, corpo reforjado, cara laip- <.asie
barbado, olhos pequeos, nariz muito ati'ado, tMO-
ca regular, itoBtef curtos e limados, niui..> iv.****
ta e andar apressado ; consta andar pelos subur-
bios da cidade de Olinda, ongenho Fragoso, Caw-
o., Beberbe ou Apipue., acoulado por Joaq^ae
Jos de Sart'Atina, seu irmao liberto, n qiai u
em suaonipanhia urna mIm elh Bfllho&4a \t*f-
ma, e por outro irmo de nome Jos Bago, qw.
o conduztra para os lugares acinw inndk-.s4s,
alom de um mitro soio de nomo Jos Zacfcuwc
da Silva, conhecido por Jos Paje, pif lor .*(
daquejla comarca, lioga-se t auioridados o ca-
pitaes de campo que o apprefiendam < o le*ea*
ra do Rangel n. 17, ou no eogenho Minbocac,.
entregar a seu senhor Joao Correia do Osni'v:
Monteiro, que serio (fenorosamento graiitiead'^
Anda fgido desde 26 do fevereiro nn*-
ino passado o escravo Joo, pwto, estatura b,.its-
ledo picado de besigas pelo rosioe falta de -
tes : fcvou vestido camisa branca, e lovou mate
ontra de riscado de listas. Quem o posar |.\" -: .
praca da independencia loja de Hurlo & IIjsk,
quesera recompensado.
150^000
Ra do Imperador n. 26
Neste novo estabelecimento encontra-st.
diariamente um variado sortimeuto de bo
liohos para cb, pastis, podios, bollos in-
glezes, pies de l, presuntos, ditos era fiam-
bre, superior cb Hysson, preto, e miudi-
nho. Vinbos finos de todas as qualidades
conage, licores, conservas, champagne, cer-
veja iDgleza, fructas muito boas, por-
tuguezas e francezas.
Um completo e variado sortimento de
caixinhas de todas os gostos e precos par
mimosear senhoras, estas caixinnas recen-
temente chegadas de Paris slo de primora-
do gosto, offeresse-mo-las aos galanteador
do bello sexo pois nellas acharSo nm digne
e serio presente para as donas dos seu
pensamentos. Tambem os apreciadores d
boa fumaca encontrarao charutos dos me-
lhores fabricantes da Bahia e de Havana
sganos do Rio de Janeiro, etc. etc.
Dooes d'ovos seceos, christalisados e de
calda, ditos de caj e de outras qualidades
Nesta casa recebem-se encommendas pars
bailes, casamentos e baptisados e qualquer
encommendas avulss, como seja pao de \t
e bollos enfeitados e outros muitas couzas
que enfailonho mencionar.
"Temento
O verdadeiro portland.
CH.LQRDSE ANE\'
JAL!D/
XARQPEderlYPOPHOSPrTO deFRR0
PrLULASrJeHYPOPHOSPHlTeMANBAKESIA
TSSL; BHOMCHiTIS
i ElriMOS ASTHM/
FASTILHA8 PECTOHAK*.*Ci!RCIttl
Exigir para os xarofti o fruteo q*adr*o *tm
loot o producto! atstgnatim os D** BIT-
ODU, o ittreiro con i mirea 4t Mrici da
inrn,u,ntfiMiiMnu
Assim como ha outros muitos gneros, vinho em ancoretas, azeitonas,
muito novas, passas e figos novos, charutos de diversas marcas, marmelada, feita pelos
melhores conserveiros em Lisboa, gela de marmello, pcego, ervilhas, em latas, por-
tuguezas e francezas, vinho verde engarrafado retalho, peixe em latas, bem como
pescada, tainha, pargo, goraz, lula, corvina, vezugo, cavalla, sarda e sardmhas de Nan-
tes. Canella, cravo, orvadoce, cominho, pimenta, grandesmolhos de sebolla a 10500.
Finalmente muitos outros gneros qne enfandonho menciona-los.
ra da Madre de Deus n.
JoSo Martins dn Barros.
S se vende n
22, annazem d<
'Na lo^te e armazem do Pavao roa da Imperatriz n. 60.
PARA ATESTA
3 portas, luja de tr agem
53-Rua Direita53
Kete gnne staboteelmento, ha-para v?ndcr
nm completo nrneto de ierrageni, a miadetas
tina e grosaas, 000 aejam bandejas chinelas
qoadradas e ovaes, facas e garfos de 1 2 bo-
ihes, bataneo inteh-o e 1/t bataneo; parteflas, eha-
Ihtraa, oacaro**, tdiras, assacMpas, ttrtjo
ide Ierro 8WBode(jH>nBetana, nmnhospaxa cafide
diveeos WMbas'do /abricaat Japy,pesos kilo-
cravimos, Unto do ferro como de latao, metrts
para medirItaWda1 tanto'da ferro romo Ac rat&o,
Mitra, bren W**ata,"(mtofr9, papel Urea/ va-1
do, doveMeiiaarfe,i roearal|adio;allra de oMros argoe de (erra-
gwj, minttezaa tmtilarlas teas, ,goe s com via:
fe se vertfle; tti raa frtta iM lija fle rpor*
vas de Manoel Beato de Oliveira Braga* C.

CEMENTO
J.A..M0REIR4DIAS
.tem constantemente em seu armazem, i ua d
Cruz n. 26, om completo sortimento de
Balanzas decimaes.
Di taj orisontaos.
Pesos de ferro palo systema decimal.
Bombas California para pocos, as melhores qne
tej apparecido at hoje.
Chaminei de vidro para candieir&s a gaz.
Lonas de todas as qualidades.
Agua florida,
(iraix* em hoiOes n. 97.
Vidrus para vidra^a.
Tnico imperial.
PORTLAND.
Vende-se ao armazem amarello de Vieente-Ter-
reira da Costa A Filho, defrente do arco da Con-
eeicjo. qm liamcas grandes
VNDESE ou arrenda-se o engenoi
S. Gaspar, sito na freguezia de Serinhem
comarca do Rio Formoso, prximo do em
barque, com grandes partidos de pal t
massap roda da moenda, mattos mangue;
para, madoira necssaria, bom pasto, etc.:
a tratar na rua,d'Anrora n. 26, ou na d<
Imperador o. 20.___________________
Lamerlo
Vene-sa-afao'para ealeadas a armazens por
preco commodo : na roa do Apollo u. 4.
Leqae de madreperola com seda, e todos d
madreperula.- muito proprio para nifas, cbega-
ram a loja do Passo a ra do Crespo n. 7 A, as
sim como requissimos chales de loaquim de to
aas as coros, vestuarios bordados de cambrais
para baptizados, meias de escocia (novidade) mul-
to bonita para asExmas. Sras. que gostam anda
de sapaUnho raao e ontros muitos artigos de gos
to auo os proprietarios deste stabeleeimento teen
recebido.______________________
Estampillas.
Vendo-se na' ra da Cruz n. 8, 1 andar.
Fugio do engenho Bom.jardim, l'n^uezia da _f-
cada, o preto Manoel, idade 30 anuos, pnuc.i mw
ou menos, estatura regular, espigado, _nelk* fi-
nas, ps pequeos, pouca barba, nmiw (MbaSe,
lem falta de um puteco do urna das urailias i _t
do de cima, anda sempre com o chapeo twobarf-
para esse ladu para encubrir a falla do \*d<*nt.
dita orelha, deve estar acoulado em um lugardo-
mado Toca da Paca, em conns da Ex-ad.i c B.b
lo, em um lugar qnasi diserto, con un-a crosb
forra, pretz, gorda, e nariz chato, com qu< -
raesmo preto fugio, desconlia-se estar \, cima por dita negra ter ah m Irmlo Ta^_-
portanto as autoridades policiaes o aus saafcorei
capitaes de campo a captura de dito escra*., t
conduzam ao dito engeoho cima, ou a nrepr
no Recife aos Srs. Bodrigues Almeida. & C. _.
estretta do Rosario n. 47 ao voltar para ojqfl*.
do Carmo, que ser recompensado com a quasfe.;
de OOji._______________________________
Fugio no dia 27 dedezembro do anno ja-
ximo paseado a eecrava Htnriqueta, preU, crien
la, idade de SO annos, ch*ia do corpo, aluira c-
guiar, cabellos carapiuhos, testa larga, pelie gns-
ia e espinhenta, beie/s groisos, bocea grar*$c
dentes largos e perteitos olhos e maos graaic-
com urna ricatr z em cima de urna deltas, p-fc fca-
los, c m marcas de bechiga e chicote peta* -
las, tendo o andar piado, e costuro; a nnJarc
nome para Maria, a qual Sti gravia, e4a-
crava contorna alogar-se como livre, e corsta i?at
est na dade de Olinda, e pr.rfMU-se ront_
quem a tenba eccultodo : roga-se as auiorida*-
policiaes e a qoem c< nvier a captura, que se -
tiflear satisfactoriamente em casa de seu sc_ue
ra do Henriqne Dias rm Estancia n W.______
al
Fugio do engenho FtnHo da Cal o vtrtxva
Rayroundo, cabra, com 19 annos de idade poats.;
mais ou menos, estatura regular, cheiodo .corpa,
ralla deca*f*do, fugio firrtando urna imagcia-fr
Santo Antonio i outra de Sao Jos c mais ate*
objectos que ni'Ma.denmpor.fatw anda. tjE-
reee-se 20# de gratiftacao a quem pegaro4*<
e leva-lo ao ongenho cima. ______'
Fugio m> dia 15 do carrete o escravo _-
noel, dada 23 ai.~,pu*W!ai;ou nfeins,'nac-
i nm pooco fote, estatura regular, poma fia_i
falta de dente na Iranta, tero urna marcas 4f
ducimaduias denw lado do pescoco prwayjiaai.
da fonte, eniend- de cozinln, levou camisa de sy
dapotao e calca verde j dasbottda, njo av-
trabalhava nowma'.eH alfand.-gado do 6r. Uaxaar.
e tem sido vi to pelo Forte do Mattos e ra da tttii-
em urna taberna : pede-se a quam o mcoawar
leva-lo ao Hospicio, ra da Destino n. 3, ou *
bairro d Rc-ife, roa do Codorniz n. i4, armram.
No dia 1^ do correte fogib tii tnoleqae i>
nome Zenobio, de 16 para 17 annos. cuw '*"a1p-
naes segnintea : baixo,; magro, cor fula e diRca^
dade no nadar em viriude de bwW>s qne tecia^
ps, sujipoe-se que anda aqui na capital; e a*J
loridades ou capitales de campo que o ejnrtqia*--
levem ra do Destinon. t, queso recompon,-
r g^aerosajocnte._____________________.___
Negro fu^D.
Apzentoow)' 'da la-do obfPanto fla ^fc
ria da aletei dc;easa),de ea***** _^"
to criouloliM,; mff^JT&lf.
num olho, rjece ma bell.oa. pode* ffg*^-
annos,levoueaUja -w1"*?^" S^*,*^
misa do esmabraoca, **^g*+,.
u*e de maoer i.
ma paitaria coa
ta contra quero *
tiflear
senhor.
pfOtv
Macel Jorg-! de Sooza.
iii-aiaB-


8
Diario
de
tfl
Pernambuco
Segunda
feira 21 de Mar^o de 1870.

^ "'
LITTERATulV
-----------------------------------------------------_i.------------------------------------m.------------------------------------------------------------
'"S.U'DOCAO AOS BRIOSOS VOLUNTARIOS A rA-
miA. por AiiisTMicH) Cavai.canti I)K A-L-
BUQDBMQPI, POR OCCASIO DE IHKM OS
ACADMICOS ClMHllUKNTAIl AOl KLl.E C.OHPO.
Heroicos lilho do pt*>, renov de
C mspicnos patriare!)as que tanlo nobilaram
o II! asil!
Reeebei as felicitag.'S que vos dirige a
irdeute e lulr sa mocidade acattemic?,
jas innatas tendencia* foram sempre e
soainia, alliar-se causa coinmum do
paiz, descendo as classes populares, com
(] ea, nao tempejo, mas antea nobre or-
io d<: imanar se.
Esta fervente mocidade, apezar do des-
barato da ordena social, que detnrpada
do dia em da pela crrente da corrupto;
e conhecendo o valor inlrinsecp do povo,
que a forcea muscular da nago, emquanto
que os adversarios do povo s5o a causa do
nbatimento da mesma nago, conhecendo
tudo isto, viemos, nsobreiros do futuro,
-vos patentes o eiuhusiasmo que re-
moioba em nossos corarlos, a gratido que
rebina de todos nos, pelo immorredouro
s?rvico que acabastes de prestar a nago,
galvando-a do medonho vrtice a que a
lemnara a barbaria; arrancando-a das
garra sanguisedentas de nm mon-tro;
i ^taurando a honra nacional em toda sua
integridade.
Veja o paiz, que agora exulta com a re-
percussio faustosa dos hymnosda victoria;
i j i o paiz. digo o que vale, e o que pode
a massa de cidadilos que nao teem brazes,
nem peitencem a hierarcliias, que nao teem
apparatosos trens, que nao teem magnifi-
;ias.
Veja o piz este cardume de soldados,
sin, mas de nobres soldados mutilados,
crestados do sol dos combates, cuja lista de
faganhas (aria inveja aos Ajaxes. e Heilo-
res, Aclnlles e Palroclcs.
Veja esta turma de hroes, que coute-
r.lnm em suas mos os destinos da patria,
como em seus desgarros de leSes soube-
rara abarcar o inimigo, fazendo-o soltar o
derradeiro arranco!
Como era vertiginoso o pugnar destes
bravos gnerreiros f
Dir-se-ia que elles, nascidos no privilegia-
do solo americano, onde tudo gigante e
descommonal, mitaram os elementes de
grandeza que os ladeam, honrrando a me-
moria desses vultos que os antecedern), c
que foram a gloria de sea paiz.
To formidaveis como o jaguar de suas
florestas ; lo altivas como o cndor que
perlustra as abobadas celestes; to colos
saes como os Andes, naturaes muralbas que
esto a grande America; estes guerreiros
obraram prodigios de um valor nunca ou-
vido; remontarara a gloria e a fama do im-
perio at as regiSes sideraes.
Modslararu suas aeges pela craveira
porque outr'ora mediram as suas os pii-
meiros soldados brasileiros, cuja fama,
- nem o poder da morle podera offqscar.
Nem venha o balito do indiferentismo do
um governo insano entibiar o vosso entu-
siasmo, nem empanar a vossa gloria.
Para all, onde se mercadejam ttulos e
condecorarles; para all, onde s vale o ca-
saco recamado de alamares, embora tres-
calando os miasmas da podrido moral; para
alli, digo, nao lancis as vossas vistas. Ev tae
o funesto contacto d'aquelles que aberraram
do alto sacerdocio de comraandar o paiz,.para
tyrannisa-lo, rebolcan io-se no lodo des vis
paixes polticas.
Deixai que a olygarchia tente deprimir a
vasta e luminosa aurola que circunda-vos
as frontes.
Deixai que as*toras triumphaes que ru-
.iam em vossas cabegas se transformem em
i )as de espinaos convertendo-vos deguer-
i oros em martyres.
E' assim que se remunera nos paizes, onde
a fallaciae a improbidade polticas canipeam
de eolio algado.
Meditai. porm, no futuro de vossa patria.
Esperai.
Alm, no porvir, eu antevejo alguma coas
grande, immensa, fulgurante, que vos est
reservada.
As trinebeiras do poder ho de alluir-se
ao impulso das grandes ideas. Aps o longo
racismo, vira a reintegrago dos vossos
direitos.
Calcam-vos boje, vos calcareis ao vosso
tempo.
Prdromos de urna vindoura prosperida-
des vossos acluaes soffrimentos sejam agora
adondos com a larga esperanga no futuro.
Desalentado o povo, cnido na prostra-
r3o e no marasmo, a causa da liberdade pe-
r.garia.
Portante vos, vencedores de mil batalhas,
aviventa o sopro da esperanga, ergaei para
o cu as vistas.
Um dia tereis o galardo que vos e de-
o; um dia um melhor governo vos dar
o previo merecido; e a patria vos nderani-
uar da immensa divida, que comvosco con-
trauio,
Cada cicatriz das numerosas que assigna-
lam vossa bravura ser um titulo de gloria,
um brazo de verdadeira nobreza, um tro-
p!.o immortal.
Recife 18 de marro de 1870.
POUCO DE TUDO.
NOVA PUBUCACAO J sabio luz em
Pariso Anduario scientifico e industrial do
Sr. Figuier.
Alm da exposijo completa das deseo-
bertas e dos trabalhos feitos pela sciencia
e pela industria em 1869, e da cbronoiogia
utifica do auno, esse volume, que o
dcimo quarto, tem um bom mappa do
canal e a vista do porto de Suez.
PATTI. O imperador da Rassia conce-
deu cantora Adelina Patti a medalba de
mrito, nomeando-a primeira cantora da
cort.
Essa medalba de primeira classe rodea-
da de diamantes e encimada pela corda im-
perial.
Rubioi o oaico artista que a obteve,
depois de dez annos de servido na Rassia.
FALSIFICADOR INGLEZ.Sao cariosos
os pormenores que am peridico bes pa-
r bol refere acerca da pris3o 4f am falsifi-
cador inglez, verificada ha poicos das em
Valencia. r ,
ilherme Lladdon e bometfl de sessenta
e tres a sessenta e cinco anoos, pequeo
de corpo, semblante venerando, cabellos
braocos e nuaeiras finas, qae revelara ama
eduijacio esmerada. Ha seis meze viva
em landres, onde faiia algamas pe operares commenriaes. Resolvido a ar-
ranjar urna fortuna falsificoa t)S conheci-
montos de urnas cai'gis de trigo que disse
estaremno porto d Trieste, ecom talarte
soabe imitar as assignatnras, que apresen-,
lados as dukas, consegaio faci mente icar-
rants, que assim se chamam os certificados
que se expedemnas dokas; negociou aquel
les documentos, segando o costme do
ulereado inglez, e obteve por elles a quan-
iia do 40:0;.O libras esterlinas.
Guilnermo Lladdon demorou-se poucas
horas em Londres depois da feliz operario
que llie produzira tao elevada quantia, e
sapparaesa com tamaoho sigillio, qae
apezar da bem montada polica ingleza, foi
imp s.-ivel saber-se o caminho que tomara,
quando o quizeram prender mal se deu pela
fraude.
Entretanto chegra Lladdon a Hespanha,
e julgaiido que nao exista tratado de ex-
tradicSo entre o reino visinho e a saa pa-
tria, apresentou-se em Valencia sem occul
tar o seu verdadeiro nome, suppondo que
unguem saberia do seu crime.
Eslava na hospedara*de Villarrasa, onde
se relacionou com os principos hospedes
d'aquelle acreditado estabelecimento, ad-
quirindo em pouco tempo algumas relac5es
que Iba permitliram o apresentar-se no ca-
sino, sem que ningnem podesse suspeitar
um criminoso n'aquelle sympathico e vene-
rando ancio.
Nao se esquecia a polica ingleza do fal-
sario dos conhecmentos, e suspeitando um
dos seus agentes qHe urna pessoa amiga
de Lladdon havia de saber onde elle parava
observou-a com insistencia, e um dia, ven-
d i-a deitar urna carta no correio, entrn
inmediatamente na administrado central,
mandn abrir o deposito das cartas e pode
ler o subscripto d3 que o seu amigo escre-
via para o Sr. Guitbrme Lladdon, em Va-
lencia.
Depois d'isto, foi fcil o resto ; o gover-
no inglez enviou a Hespanha um agente da
sua polica o qual, prvido de ordens do
governo de Madrid e da embaisada, chegou
a Valencia, apresentou-se ao cnsul da sua
naco, da casa de quem sanio n'uma car-
ruagem fechada para se apresentar ao go-
vernador, que poz sua disposiejo, para
seffectuara captura, o delegado Sr. Ottra
e ontro agente de polica.
Vigiada a hospedara da Villarrasa, onde
se bospedava o criminoso, apresentou-se na
sua habitacao o encarregado do consulado
inglez, a quem o Sr. Lladdon recebeu affa-
velmente sem alterar nem experimentar no
semblante commoco alguma quando o cn-
sul Ihe apresenlon o polica. Deu-lheeste
a ordem de priso, da qual o inglez protes-
tou, dizendo que nlio o podiam prender
em Hespanha, onde nao havia tratado de ex-
tradifo ; em breve, porm, o tiraram do
su erro, e foi conduzido as cadeias de
Serranos e levado no dia seguinte para
bordo do vapor liorna, que .o condoz In-
glaterra. #
Deu-se n'esla pris5o urna cariosa circoms-
t?ncia. No momento em que se Ihe apre-
sentaram na hospedara para o prenderen),
estava Lladdon escrevendo urna carinhosa
carta a sua esposa, e as ultimas palavras
que escreveu foram : Aqui vive-se mui tran
quillamenle. N'aquelle instante bateram
porta os representantes da lei para pren-
der o criminoso !
A TACA DE LEITE. Eis o que lemos
em urna narraco acerca do Egypto :
Este episodio conhecido pelo nome.
A taca de leite e foi-me contado am dia em
que a cavallo em um burrico ia do Cairo
para Hcliopolis, cidade do sol, de que n
resta senao a sombra. ^
Foi durante a viagem que o feroz e
poderoso pacha Vlalieme A11 y fazia a sua
provincia. A cavallo e seguido de um s-
quito pouco numeroso acabava de fazer alto
junto de urna d'estas aldeias de barro que
liabitam os fellahs, quando no momento de
partir ouvio os gritos de ujia velha'que
agarrada a um dos soldados da escolta o
nao quera deixar montar a cavallo.
O que ha, porque tanta bulha ?
disse o pacha.
Senlior, respondeu a velha deitan-
do-se aos seus joeiuos, que este soldado
me comprou leite por 10 paras (quasi um
real e meio) e nao m'o pier pagar.
E porque Ihe nao qoeres tu pagar?
disse .Mehemet Ally ao soldado.
Senhor. respondeu elle, esta mu-
Iher mente, ella nao me vendeu leite, eu
nao Ihe devo nada.
Juras por AUah que dizes a verda-
de ? Disse ento o pachl dirigindo-se
mulher
t Sim, juro.
E tu igualmenle ? Disse elle ao
soldado.
Sm ; juro.
Bata bem, continuou o pacha, e
voltando-se para o Sea sequilo, disse tran-
quilamente. Atem-me ale hamem e abram-
!he o estomago.
t Dous minutos depois o peito do des-
granado aberto com um golpe de faca, dei-
xava correr misturado com ondas de san-
gue o leite que acabara de beber.
Esta mulher tem razo, disse ento
MehemetAlly, montando a cavallo. Qae
Ihe deem os 10 paras que se Ihe devem.
a E continuou o seu caminho.
R1LL SOBRE OS DIREITOS DA MU-
LHERCom este litlo, l-se oa Libert o
seguinte :
" Esta questo, lo vivamente controver-
tida nos meetings do outro lado do estreito
e do outro lado do Atlntico, vai ser sub-
metlida cmara dos c mimaos em viriude
da iniciativa parlamentar. O autor da
proposta que tende a conceder s mal aeres
o direito eleitoral em todos os casos em
q'e os homens o tiverem, Mr. Jacob Bright
irmSo do Ilustre membro do gabinete, e
um dos representantes liberaes da cidade
de Manchester.
A discussSo d'esta importante propos-
ta, tSo digna de excitar o nosso sympathico
interesse, ser, al certo ponto, o debate
oratorio de Mr. Jacob Bright.
i O texto do projecto de lei muito cur-
to, e est redigido com a mxima preciso,
para que a discusso possa ser sustentada
pelo honrado representan'.e de Manche*ter.
Eis aqui os termos de que se servio
Mr. Jacob Sright:
t Em todos os actos legislativos que te-
nham relac5o com a qualificacSo e inscrip
c2o dos eleitores, ou com as pessoas que
tenham direito oa a pretencJo de ser ins-
criptos oa de votar na eleico de membros
do parlamento, em todos oa casos em qae
se encontram expresses qne designem o
seso mascolino, essas mesmaa expressSes
serao consideradas como devendo applicar-
se s molheres, em tudo quanto dirrospei-
to e tem relaces clhi o di re .lo de aer
inscripto as listas dos eleitores* e de votar
as eleic5es indicadas, e isto n.5o obstante
qoacsqoer les, e Os usos era contrario.
digno de notar que seja a tribuna
britannca que se aatecipe tribuna fran-
ceza em um debate qne interessa a metade
da populacao, quando eminentes pdblicisias
francezes tem de ha muito lempo agitado
esta qut-sto na imprensa poltica. Conten-
tando-nos por agora chamar a attenpjio dos
eleitores paraos namerusos escriptos que
Mr. Emilio de Girardia lera consagrado a
este avsumpto, e que se achain nos vitite
volomes das Questdus do meu h mp
Como se v, o parlamouto britannco,
assim como o corpo legislativo de Franja,
tem os seus irreconciaveis.
t Mas estes irreconciliaveis juraram urna
guerra de morle a lodo o genero (fe abusos
e parecem principalmente irreconciliaveis
com a rotina e com o privilegio.
t Como j temos dito em mutasocca-
ses, a sesso de 1870 abre-se sob os
raas brilnantes auspicios do lado opposto
do estreito. Parece dever tornar-se notavel
na historia parlamentar da GrSa-Bretanha
por obras gloriosas. Exceptuando talvez o
dia em que se annullou a elei^o de O'Don-
novan Rossa, n5o se pode aecusar a cmara
dos couamuns de ter perdido um nico dia.
IF. de Fomielle.
NA VOLTA D SUEZ. Todos sabem
que entre as cousas que mais aftligiram os
viajantes que foram assistir inaugurago
do isthmo de Suez, conum-se as molestias
dos olhos. Um dos convidados apresen-
lou se em Pars com urna catarata no olho
direito e ha dias, em urna reunio contava
elle o succedido," quando urna dama Ihe
disse de repente :
Iss\) nao tem nada de particular.
E pelo que perguaton o paciente.
Porque cousa natural que vindo do
Nilo traga corasigo alguma catarata.
CAO INTELLIGENTE. Um carniceiro
de Hauraoot, conta um jornal de Pars, ti-
nha um co e um gato. Julganlo que era
demasiado tres anmaos em urna casa,
agarrou o gato embrulhou-o em um panno
e indo beira do rio, atirou-o agua.
O cao tinha-os seguido e pensando qoe o
hrmem nao tinha razo, deitou-se agua,
pegou no gato palos denles e trooxe-o para
trra.
O carniceiro acostumado a degolar bois e
carneiros, nao estava disposto compaixo;
agarrn no gato no momento em que tra-
lava de desembaracar-se dos pannos, atou-o
de novo e tornou a lanzado ao rio- no ponto
mais forte da corrente.
O c5o deitou-se novamente agua, to-
rnou o seu compaoheiro felino e o Totou.,.
para a margem opposta.
Quem tem razio : o cao ou o homem ?
Parece qae o cao, porque o horaem se
sentio l-uimilhado diante d'elle.
A CIVILISAC)0 NA TURQUA. Urna
:ircular do gr-vizir recomm^nda aos- valis
(governadores) das provincias de n3o"em-
pregar na sua administraco seno pessoas
munidas de attestados que mostrem terem
acabado os seus estudos em urna escola su-
perior
YAMEDADE ~
Discurso de Emilio Castelar, pronunciado
na sesso da tarde de segunda-feira, 26
de Janeiro de 1870, na cmara dos epa-
tados hespankola.
(Gontinuaco.)
Bem sabia Carlos III que elle nao era
hespanhol, apezar de ter nascdo aqui; que
era Bourbon, isto que era estrangeiro,
que era francez, quando sacrificava a um
pacto com a sua familia de Franja, a um
interesse da Franca, a urna vinganca fran-
ceza, todo o porvir do continente a americano;
bem sabia Carlos IV que elle nao era bes-
panhol, que era Bourbon, isto que era
estrangeiro, que era francez, quando para
soccorrer seu primo perde S. Sebastio e
Bilbau, Fgueras e Rosas; quando para ob-
sequiar o directorio se jacta de apodrecer
os portos as suas naves bloqueadas; quan-
do para agradar ao primeiro cnsul sacrifi-
cava Afazanedo, Gravina, a esquadra de
Brest e at a reconquista de Minorca ; quan-
do para agradar ao imperador sepulta a
marinha dos descobrimentos fabulosos e
das faganhas raythologicas as fervenles
aguas" de Trafalgar; quando entrega as cha-
ves dos Pyrineus, dos riscos onde es es-
cripto o nome de Roncesvalles, a Junot, e
consente que Mural estenda em Madrid a
sua aleivosa mo ao tropheu de Pava,
espada de Francisco I: bem sabia Fernando
VII que nao era hespanhol, que era Bour-
bon, isto que era estrangeiro, qoe era
francez, quando pe o seu recente sceptro
sombra de Naple3o, e Ihe envia os seus
magnates a Bayona, e o segu como paludo
satelyte, e se prostra aos seus ps para Ihe
lamber as esporas, e Ihe cede a trra de
Pelayo e do Cid, e o felicita quando as suas
barbaras legioes incendeiam as nossas ci-
dades e degolam os nossos avs immolados
cora o nome de Fernando VII nos labios, e
volta, como se a guerra da independencia
houvera sido aggravo feito sua pessoa,
volta para expulsar os legisladores do 12,
para perseguir Mina, o hroe da Navarra,
pata atormentar Empecinado, o hroe de
Castella; para matar Porlier, o hroe de
Galicja, e Lacy, o hroe de Aragn e Cata-
lunha ; para irazer mais tarde, como se
tantas crueldades nao bastassem para satis-
fazer a sua vinganga, para trazer em 1823
os francezes, que profanam as ruinas de Sa-
ragoga, que derrotara os campos de Bailen,
que cospem o seu fel as cicatrizes glorio-
sas dos muros de Cdiz; recordagois hor-
riveis, ao contacto das qaaes ainda coram
as faces de vergpnha, ainda se accendem^os
corages em ira; recordag5es OUtttas con-
juran), hroes "de Alcolea, leglsKoces da
patria, j que destes aos raane $s nossos
avs martyres a consolado de expulsar os
seus crues verdugos os Bourbons, a nao
consentir que um Bourbon, qae um francez
volte jamis a reinar n'esta trra de Hespa-
nha. ( Ruidosos eprolongados applausos.)
Senhores deputados, julgaes qae nao
temos razo, que nao lemos direito nos os
hespanhoes para expulsar definitivamente
todos os Bourbons ? Jalgaes qae tenha ha-
vido no mundo povo qae fosse com elles
Ufo complceme, e qae por isso mesmo te-
nha boje mais direito para os desthronar a
todos, para impedir qne voltem a escarecer
com a sua sombra os Domes d'esta Ilustre
libera ? Mil tweS
liberdade compativel
dynastia de mirtyres
pensm >s em tomar a
com <>s Bourbons.
Ponsou n'iiso a coavengo de Cdiz, e
nao o pdtie obter; apenas chegou Fernando
VII, logo avivou a fogoeira d* inquisigao;
pensaram n'sso os hroes de 18i0, e nao
puieram obter essa al ianga ; mal aqai che-
gou o francez, enforcou-os a todos; pen-
saram n'isso os nossos avs em 183i, e
jnlg.iram que urna rainha moga, viuva, de-
samparada que dev'ra tud > nago hespa-
nlio a, seria a estatua forra ija da liberdade ;
e todava, no auno de 3i), quando a nago
enviou a eslas cmara urna maioria pro-
gressista, dissolww aquellas cmaras .para
crarar mais tarde o punhal da corte as
entranhas dos municipios. O mesmo abso-
lutamente o mesmo e esta nao a mes-
ma voz, senhores deputados; esta a voz
da historia, esta a voz da vossa consci-
encia o mesmo, absolutamente o mesmo
fizeram em 183; Bao se cqntentaram cora
expulsarvos, quizeram tamben deshonrar-
vos; o mesmo, absolu'amente o mesmo fi-
zeram em 1854 ; este povo detivera-se ante
o palacio dos seus reis, e o re nao se de-
teve ante a soberana*do seu povo ; o mes-
rao, absolutamente o m^smo sjoxcdeu du-
rante o tempo em q e vos madastes, con-
servadores !
Sei muito bem que grandes razes de
poltica,, de cavalbeirimo e de prudencia,
obrigam todos os ministros de D. Isabel II
a dizerem que sao elles egualmente res-
poosaveis de ludo quanto aqu succedeu.
Ei, porm, nao vos julgo to insensatos
que, conhecendo o esoirito do nosso seeulo,
houwsseis reclamado os direitos dos lilaos
de Felippe V e Carlos III, em aples ou
Parala, se a isso vos nao livesse obrigado
a influencia da corte e o seu espirito cheio
do autigo absolutismo. Foi assim que nos
outros, por espago de muito tempo, estive-
raos fra do concert europea ; nos nao as-
sistims rasurreigo da Italia; nos resig-
nmo-nos a enloar com os cardeaes de Roma
o miserere da reaego sob as abobadas de
S Pedro. E porque ? Porque nao eramos
urna na$3o europea liberal, porque nao era-
mos urna nago liberal, por causa 'de ter
querido oncerrar a liberdade no athade do'
chumbo das antigs dynastias. O odio aos
Bourbons, senhores rjeputado, popular,
universal. Padestes atorar-os muito tempo
por motivos de conveniencia-; nunca os con-
servastes por sentimentos de amor e de
justiga. Assim senhores deputados (e
nqui vem a parte seguuda da minha propos-
ta ), assim que inmediatamente que se
verificoo a revoluco de setembro, todo o
mundo trato de oceultar que* o candidato
Je urna parte mais ou menos importante
da revolugo era da familia dos Bourbons.
Todos, absolutamente todos, sabiam que
mal o publico se inteirasse do que aquelle-
candidato tinha o nomo da sua familia e da
sua raga, nunca- poderia ascender ao throno.
Por isso temos- ouvido negar aq*ii, n'este
mesmo sitio, debaixo d'estas abobadas, que
o candidato de urna fra",?5o mais oa menos
importante, que o duque de Moaipensier
(devo nomealo) seja barbn.*
Eu, senhores deputados, refer n'outra
sesso a genealoga e a ascendencia d'esse
candidato, e rcpel-a-hei cem vezes, porque
julgo que, demonstrado que Montpensier
Bourbon, basta s-isto, basta absolutamente
s isto, para que- nlo tenha senio poucos
votos n'esta camafa, e para qua nao tenha
um s voto n'esta patria.
Sim, senhores deputados, Bcurbon ;
mais Bourbon dr>qoe Isabel 11: o seu bergo-
est mais prximo do leito de Henrique IV,
do que o bergo de Isabel II. Luiz XIHteve
dous filhos: Lniz XfV, e Felippe de Bour-
bon, duque d'Ortoans. Felippe de Bourbon
casou duas vezes-; a primeira cora Henri-
queta d'Inglaterrav ea segunda com aquella,
incansavel escriptora, a princeza palatini, da
qual teve Felippe de Bourbon, o regente,
Felippe de Bourhon o regente, teve outro fi-
Iho que se cbamou tambem Felippe de Bo-
urbrn, dlique d'Orleans, e que viveu, vida
modesta e obscura.
O filho do regente casou-secom urna prn-
eza do Badn, da qual teve um fi bo, qae
casou depois cora a princeza Conti. D'este
matrimonio do neto do regente com a prin-
ceza Conti, nasceo Felippe de Bourbon na
corte, ou Felippe Igualdade na convengao.
Felippe Igualdade ou de Bourbon deu or-
gema Luiz Felippe-di Bourbon. Estecasou-
se com a princeza napolitana Amelia de Bo
urbon, e d'ella teve dilTcrentes lilhos, dos
quaes o menor foi D. Antonio fle Bourbon
e Bourbon, que casou com a filba de Fer-
nando VII, com a neta de Carlos IV, com a
rm de Isabel II D. Mara Luiza Fernanda
de Bjurbon e Bourbon: De maneira, que os
filhos dVste matrimonio sao Bourbon, Bour-
bon. Bourbon e Bourbon, quatro vezes Bour-
bons, quero dizer, quatro vozos nimigos da
liberdade e da patria..
Se prQcuraes, senhores deputados, teste
muohas da mesma familia, en vos apresen-
tarei testemunhas qae nao podtis recusar,
testemunhas de Luiz Felippe. Foi assim que
na celebre sesso de 8 de agosto de 1830,
um dos mais enthusiastas amigos de Luiz Fe-
lippe, dirigindo-se extrema direita, aonde
se encontrava Martignac, Berrier e outros le
gtimistas, Ibes di/.ia :
O rei que vos vamoe trazer mais Bour-
bon do que os outros Bourbons. Contra isto
se levantou na cmara um grande protesto
e Ihe deram ento o nome de Orleans, nome
que Ihe servia para mascarar a genealoga de
sua familia.
Sim, Luiz Felippe, do mesmo modo que
seu pai se chamava Igualdade na convengao,
e Bourbon na corte, Luiz Felippe era Bour-
bon quando ncessitava dos Roarbons,*cera
Orleans quando necessitava do povo. Mas
em 1803, como se dssesse qaeNapoleo Bi-
naparte tinha feito alguns trabalhos para
servir familia de Bourbon. todos os prin-
cipes de sangue, entre elles Luiz Felippe,
es reveram am manifest, no qual se dizia
que a casa de Bourbon, cujo glorioso nome
lodos invocavam, nunca oaviria propostas de
nenhum usurpador, nunca abdicara os seus
direitos tradicconaes e histricos.
Em 1810, Luiz Felippe dirgiu-se as cortes
hespanholas,s crlesele Uadix, pedindo um
commando no exercilo hespanhol contra o
exercito francez. Pois bem, sabis que titulo
invoca va ? invocava o sea appcllido de Bour-
bon, e o sea parentesco com Fernando VIL
E sabis o qae dizia? Pois dizia: Quero
tomar as armas, porque quero renovar as
faganhas da antiga casa de Bourbon, qual
me glorio de perteoor. Eas cortes de Cadix
n3o quizeram o pai para general do nosso
exercito. Queris vos o filho, cortes hes-
panholas, para rei de vossa patria ?
Li n'uma historia da familia de Orleans.
qoe tendo Carlos X proposto ama vez a Luiz
freppe, o casamento, qui mais tarde se rea
i. de sua filha mais velha como quefij
rei da Blgica, Luiz Felippe Ihe ilissera
nao caso com um principe protestante, i
da Kerdeiras do appeltido de Bourb
E a este respeito, estou eu de m/M
com o general Loban, o qual; tratando cora1
Odillon Barrot em 1830, quando Luiz Fe-"
lippe, oo trumphose approximava do hotel
de Ville, Ihe disse : JVo me fio d'este, Odil-
lon Barrot: nao gosto nem de uns nem de
outros Bourbons.
Senhores, nao se pdem absolutamente
contraslrar os compromissos historeos que
teem as dynastias. Urna dynastia urna fa-
milia de principes, que transmiitem suas ideas
e seus interesses, ou pelo lago physiologico
do sague, ou pelo lago moral da educago.
Dizei-me que, familia europea nao. represanta
hoje o rawmo que representavam os seos
prodecessores ? O rei da Prussia representa
os interesses do primeiro eleitor de Brande-
burgo, reprsenla as ideas do rei philasopho,
do grande Frederico, a unidade da A'lema-
nha por meio do protestantismo e da liber-
dade de consciencia.
O imperador d'Anstria, nao obstante ter
passado de ser Hapsburgo a ser Lorena, e
apsar das ultimas reformas e modificages
constituconaes, representa o que representa-
va Carlos V, e seu irmo D. Fernando, o
predominio na Hungra, na Bohemia, na Po
lonia, no Oriente, na Italia e na Allemanha,
por m io do sacro romano imperio, e do ca-
tolicismo.
Pois bem ; e ainda admittindo que a casa
de Bourbon e a casa de Orleans, sao duas
casas distinclas, j v >s digo que, se o des-
tino da casa de Bourbon contrariar a li-
berdade, e combatel-a, o destino da casa d'Or-
leans, corromper liberdade efalsea-la.
Senhores deputidos, contemplai ompvi-
mento que se realisou em Franga. Havia alli,
na convengao, urna parte que se chamava de
brandura, a qual permanecen sempreindiffe-
rente entre os dous extremos, por isso que
o seu nico (ira foi o interesse da sua pro-
pria conservagao, anda qoe para viver se
obrigasse a ser comparsa do carro d tirado
dos reis, ou da ensaugnentada carreta dos
convencionados.
Esta fraeco quera uoir todos os extre-
mos, sem Deus, sem providencia, urna re-
ligo sem f, um racionalismo sem liberda-
de, urna monarchia sem tradigdes, urna aris-
tocracia sem orgulho, urna democracia sem
egualdade, miseravel, pequea em ludo, e
s.grande no seu egosmo.
s que seguiram as tradtegoes d'aquelle
ponto da assembla franeen, encontraran!
o seu representante em urna familia, na
qual tinham enriquecido fabulosamente seus
irmos, os res. Por temor da sua ambigo,
julgaram os reis- que enriquecendo os Or-
leans. os Orleans nao conspiraran! contra o
throno. Luiz Xi enriquecen de urna ma-
neira espantosa a Gasto de Orleans; Luiz
XIV enriqueceu muito mais ainda a Felippe
de Orleans; e se para contrabalanza!- um
pouco a influencia dos Orleaos creou dois
maioraes em do:s bastardos seus, estes maio-
raes reuniram se na cabega de urna s filha,
e esta filha, a duqiieza de Penthievre, casou-
se com um duque de Orleans. De maneira
que o daque de Orleans foi o primeiro pro-
prietario da Europa.
Um grande historiador francez fez a se-
guinte profunda obsorvago. Os reis ami-
gos levantaram urna grande muralha de pra-
ta do lado do seu throno com- a familia de
Orleans; mas essa grande muralha de prata
desprendeu se com incrivel arroido, e des-
truid o antigo throno dos res. No mesmo
momento em qqe o duque de Orleans se
vlu no throno de Franca, n'esse mesmo mo-
mento julgou, se a perdico do ramo antigo
tinha sido o culto s ideas, a sahago do-
ramo novo devia ser o culto aos interesses.
E desde ento nao honve mais em toda a
dynastia de Orleans seno r> sacrificio conti-
nuo ao Deus da riqueza.
O rei era rei, 'nao pelo seu nome ; mas
pelas suas propriedades; ao par nao se Ihe
exigem os seus brazoes, mas as suas ren-
das ; ao depotado nao se Ihe exiga palavra
e populardade, mas o recibo da contr-
buigo; ao escriptor nao se exiga capaci-
dade, mas deposito; ao eleitor nao se exi-
ga direito, mas censo % ao jurado nao se
exiga que encaminhasse a sua consciencia,
mas que encaminhasse a sua bolsa.
De maneira, senhores deputados, que
aquella monarchia nao foi mais do q/>e o
periodo dos interesses materiaes; aquella
monarchia nao foi mais do que a consagra-
gao do privilegio das- classes media?, e in-
directamente aquella monarchia acariciou os
sonhos de Luiz XIV; s para doirar ainda
mais os Orleans.
Para si pediu Luiz Felippe augmento na
lista civil, para o duque de Aumale a he-
ranga dos Condes; para o duque de Ne-
mours e de Joinvjlle grandes propriedades ;
para a rainha da Blgica quatro milhoes de
dote dos orgamentos nacionaes; e para o
duque de Montpensier reservou urna he-
ranga mais pingue; para o duque de Mont-
pensier reservou o que alguns querem hoje
dar-lhe; para o duque de Montpensier re-
ser roa a cora de Hespanha.
Eu li, senhores deputados, as discusses
que houve n'esta cmara a proposito da
vinda do duque de Montpensier, e digo-vos
que n'aquellas discusses ha grande3 e lu-
minosos relmpagos propheticos.
Pastor Dias, com eloquencia verdadera-
mente extraordinaria; Pastor Diasi que era
um dos homens de mais sentimentos e de
mais ideas que se assentava n'estes bancos;
Pastor Dias julgava ver, conforme o duque
francez se ia aproximando da fronteira de
Hespanha, julgava ver aqui alguma coisa de
Varsova, julgava ver os hespanhoes redu-
zidos condigo dos polacos, e a Hespanha
tendo que ir de rastos pedir a sanego de
suas les corte de Franga.
Pacheco, um dos homens que com mais
respeito soempre citados n'estes bancos;
Pacheco, cuja intelligencia clara e sngala,
coja instruego profunda ninguem pode des-
conhecer, dizia: Eu vejo n'este matrimo-
nio a concloso das relag5e.s amigaveis entre
a Franga e a Inglaterra, relajees amigaveis
s quaes fiamos a paz-do mundo.
Eoto.levantouse Doooso Corts oo to
feliz n'aquella occasio, como em outras, e
disse: < Os inglezes tomaram a saa des-
forra mas noa tomaram aqui. Sim, ho
de tomal-a enfbutra parte ; ho de tomal-a
em Franga, e em Franga caiu aqaelle thro-
no ; e quando um throno cae, resentem-se
todos os thronos da Europa.
Senhores deputados, desde que se reali-
saram as bodas hespanholas, nao cessou
por um instante a iniraisade da Inglaterra
com a Franga. Luis Felippe, no auge da
saa pro8peridade, julgou-se nvencival, e
resascitou a antiga poltica pessoal dos Bour^
bons. Nao quiz afrooxar os elos qae
tinham aperlado a imprensa ; oo quiz abrir
de maneira alguma as listas oleitoraes ca-
dade, aera baixar o censo ; nao quiz
sequer tolerar o direito de reunio, e
I-s e dizia : < Se havieis de
ser como os antgos Bourbons, se vos ha-
vieis depWBWrcom Carlos X. porqw nol-o
nao dissesMTBOS dias de setembro ?
Pois bem ; nao tendes de pedir nenhum
genero de prova ao raciocinio; Di0 que prever; nao tendes que investigar; a
vos, senhores deputadol da naglo hes-
panhola, basla-vos a auloridade do passado;
nao podis por n'esse Jhrono o duque de
Montpensier ou a sua esposa sera collocar
n'esse mesmo throno a poltica dos Bour-
bons.
E que succedeu em Franga com essa po-
ltica? Que succedeu? Soccedeo que os
peridicos inglezerincendiaram a opinio
publica em Franga; e que, depois de in-
cendiada a opinio publica em Franga,
ocendiou o ihron > de Luiz Ftlippe. O
throno! Cahio o trono de Franga pelo rico
presente da formosa, da modesta princeza
que nos Ihe enviamos, mas princeza que
afinal representara o predominio antigo
dos Bourbons na Europa. E Ingo depois,
quando todas esta consequencias se sen-
tiram, quando tudo isto se tocou, qnando o
povo cercava as Tbulerias, sabis quera
impellio a sua dynastia para o abysmo ?
Pois impellio-a o duque de Motdpensier,
o qual arrancn a seu pai o acto de abdi-
cago, que Luiz Filippe regara com saas
lagrimas.
Esse acto de abdcago revelava fatal ir-
resolugo nos momentos supremos, Nin-
guem sabia a quem servir, nem a qaem
obedecer, se a Odillcn Barrot, a Luiz Fi-
lippe, ou a duqueza de OrleaGs, e a fiaal
veio a repblica. De maneira que o dHque
de Montpensier teve sempre fatal influxo
em toda a sua familia, fatal influxo como
seu casamento, fatal influxo com os seus
conselhos.
Dizia-vos ha pouco, senhores deputados,
que tinha lido os debales sobre o matri-
monio do duque de Montpensier, e n'essas
discusses nunca encontrei, abstdutamente
uunca, que nem Bravo Muidlo, nem Mon,
nem Pidal, nem nenhum dos defensores
de Isabel II, soubessem o presente que tra-
ziam Hespanha, soubessem que traziam
urna poltica de conspirago permanente,
pondo um descendente d'aquelle Gasto de
Orleans, que conspirou contra Luiz XHI,
d'aquelle Filippe de Orleans, que conspirou
contra Luiz XIV, d'aquelle Luiz Filippe de
Orleans que conspirou contra Cartea: X,
junto do throno de D. Isabel II.
Se muito bem que os eus partidarios
nos he de dizer: pois essa conspirac5o
qpe nos angaes em rosto, essa conspira-
go um dos seus ttulos revolucionapios,
um dos seus grandes timbres, nm dos
fados que nos invocamos para revesti-lo
com a cor*w forjada pea revolugo de se-
tembro.
Pois eu dgo-vos, senhores deputados,
que em poltica nao se pode de maneira
oenhuma obedecer as preoecupagoes ex-
clusivas, e- a exclusivos interesses. Digo-
vos ainda urna cousa, senhores, digo-vos
que esses servigos prestados revolugo
de setembro,' inhabilitan! perpetualmente
o duque de Montpensier para subir ao
throno de Hespanha.
Sanis porque ? Sabis a causa d'i*so- ?
E' porque se nao pode de maneira alguma
offender a consciencia moral de urna so-
ciedade e pedir que essa socieda te re-
conhega por- sea superior, o que o3o con-
sidera nem mesmo como seu igual, em
sentiraento de justiga. Explicai-me porque
D. Pedro, o cruel, foi lo popular apezar
da sua crueldade ; e porque D. Henrique,
o Trastamara, foi to impopular apesar
das suas mefes.
Porque o- povo hespanhol. n) perdoou
nu^ca a este ultimo a faganha do Montiel.
O mesrao> absolutamente o ni'sino, suc-
cedeu em Franga. O duquo d'Orleans dis-
panha de raeios para subir ao throno vago
pela queda de Lniz XVI; tinha montanhe-
zes e girondinos, tinha clubs, tinha exer-
cito para luctar nos campos da bataha.
Como (jue nao subi ? Porque que
nao subi ? Porque urna noute celebre a
convengao volon a morle de Luiz XVI.
Anda soavam no ar- aquellas palavras do
defensor do re: Procuro juizes, e s
encontr aecusadores. Iam subindo
tribuna da convengao os convencionados,
e cada um d'elles votou em publico, e vo-
taram em voz alta a sua detiso suprema
a -respeito do rei.
Da repente todos os olhares so Qxaram
em um homem. Aqaelle homem era utn
Bourbon, e aquelle homem suba os de-
graus da tribuna para dizer : *voto a morte
do tyranno, e a morto imraediala. Ento,
de toda a parte os concurrentes que tinham
applauddo os ontrjs votantes da morte
immediata, manifestaram urna indgnago
sublime, o que abafou aquelle voto com
um d'esses espontneos discursos nos
quaes palpita sempre a consciencia, e que
nos reconciliam com o genero humano,
mesmo as pojas ma^ tempestuosas do
mundo.
A humandade ainda nao perdoou esse
voto: ainda o nlo perdoou a Franga; bSo
o perdoar a consciencia dos futuros se-
culos, e nao ser nunca remido nem pago
nos eternos infernos, que para todos estes
crimes de lesa humanidade guarda no sea
seio a historia.
E que ha aqoj, senhores deputados ? O
sentiraento de familia era mais vivo em Hes-
panha*do que em Franga; ternas urna fa-
milia de maior i ffuso, de mais affecto, e
mais amante; a casa de nossos avs a
casa de seus netos; os irmos de nossos
paes sao para nos segaodos paes; esta
urna grande virtude da raga hespanhola.
Pois bem, aqu ninguem pode compre-
hender, ninguem pode explicar-so .como
um principe, que devia ser um sentimento
superior aos mais homens, vai, depois
d'aquella hospitalidade, d'aquellas honras,
d'aquellas distinejes, d'aqaelas grandezas
concedidas pela rainha Isabel, conspirar con-
tra a rainha, sua prente, que tinha conver-
tido era Paraso o seu desterro. Os hes-
panhoes, e sobreludo os liberaes, nao se
explicam nunca como d'aqaelas duas ter-
nas filhas, que dormim no mesmo bergo
durante a guerra civil, dontrinadas pelo
grande Quintana, e protegidas pelo grande
Arguelle, que eolebre j nos ltimos anoos
da sua vida, teve por ellas maternae9 an-
gustias ; orno d'aqaelas duas filhas, cujos
direitos combateram em Luchana e em Mo-
rella, orna dolas afogou, quero dizer, des-
throarar- ootra. (Continuar-se-ha.)
TIT. DO DUIIO-KQ DAS CRCZKS I. ,
*
Mdm
ILlDi 11


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID E2KNRETW0_UOB4C1 INGEST_TIME 2013-09-13T23:57:54Z PACKAGE AA00011611_12070
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES