Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:12069


This item is only available as the following downloads:


Full Text

AJINO XLVI. NUMERO 63.
i t
PARA A CAPITAL E LUGARES 0*DE IAO SE PAGA PORTE.
Por tras mezes adianlados
Por seis ditos idem .
Porm anao idem.. .
Cada mamero avulso .
80Cf0
120000
24,0000
320
I ..!
SABBADO 19'DE MARGO DE 1870.
PARA DEHTBO E PORA DA PROVICIA.
Por tres mezes achantados
Por seis ditos idem. .
Por nove ditos idem .
Por um anno idem .

6*750
13*500
20*250
27*000
DIARIO DE PERNAMBUCO.
Propriedade de Manoel Figneira de Fara & Filhos.
AO A.EVI FS
Os Srs. Gerardo Antonio Alves A Filhos. no Para ; Goncalves & Pinto, no Maranhao ; Joaqun. Jos de Oliveira, no Cear ; Antonio de LemSs Rraga, no Aracaty ; Jo5o Maria Julio Chaves, no Ass ; Antonio Marques da Silva, no Natal; Jos Jostin
Pereira d'lmeida, em Mamanguape; Antonio Alexandrino de Lima, na Parahyba ; Antonio Jos Gomes, na Villa da Penha; Belarmino dos Santos Bulc5o, em Santo Ano; Domingos Jos da Costa Braga,
em Nazareth ; Francisco Tavares da Costa, em Alagoas ; Dr. Jos Martins Alves, na Babia ; e Jos Ribeiro Gasparinho no Rio de Janeiro.
PARTE OFFICIAL.
Governo da provincia.
DiBNTI ASSIGNADO PELO BKM. Sn. SENADOR FRK-
DEIUC0 DE ALMEIDA B AI.BUQUEB.QUK, PRESIDENTE
DA PROVINCIA, EM 7 DE FKVEREinQ DE 1870.
2" sec^io.
N. 168.~Port.iria ao Dr*. chefe da polica.Em
resposta ao offlcio de V. S. de 13 do mez Ondo,
sob n. '9, lenho a ducr que, segundo informa o
provedor da Santa Casa d,t Misericordia, em otfl-
co de i do correte, desde 17 daquelle mez foi re
i lo no hospital Pedro II a alienada Maria Rosa
do osario, de que trata o toa dito offlcio.
iN. 169Dita ao mesmo.Nesta data ordeno ao
..mandante do corpo provisorio de polica, que
faja destacar, na villa de Iguarassii, disposjo
do respectivo delegad), dez pracas do dito corpj e
aB commandante superior da guarda nacional do
ntwicipio de Olinda, qu faca disolver o destaca -
manto de guardas-nacionaes que all existe, logo
que so aprsenle o de polica ; o que eommunico
V. S. para seu conhecimeoto.
N. 170.Dita ao commandante superior da guar
da nacional de Olinda.Expela V. S. suas ordens
para que seja dissolvido o destacamento da guar-
da nacional que existe na villa de Iguarassii, logo
que all se aprsente o do corpo de polica, que
n:-ta data se manda para essa localidade.
N. 171.Dita ao juiz de direto especial do com-
p.iercio.Infirme Vmc. se j terminou o prazo do
concurso aaerto para provmento do offlcio vago
de escrivo d'csse juizo, enviando informadas, as
pMcoes dos que se apreseniaram habilitados, no
caso afflrmalivo. *
N. 172.Dita ao juiz de direto interino de Ta-
ca rat.Respoodendo consulta de Vmc. em offl-
cio do 23 de novembro ultimo, tenho a diser-lhe
ue, em vista do disposto as teis de 13 de oulu
ro do 1827 e 30 de outubro de 1830 e de diversas
decisSes do governo imperial, pdem os escrives
do juizo do paz servir de tabelliaes em seus res-
pectivos districtos para fazer e approvar lestamen-
tos smenle e lavrar escriptures do venda de es-
';'.vos, s podeudo exercer as demais attribdigoes
dos tabelliaes onde nao os houver ou lora das ci-
dades e villas.
K. 173.Dita ao commandante do corpo pro-
visorio de polica.Expeca Vmc. as suas ordens
para que destaquen) na villa de Iguarassii, dis-
os'co do respectivo delegado, dez probas do cor-
po sob o sen commando.
N. 171.Deliberarlo.O presidente da provin-
cia, em vista do offlcio do chefe de polica n. 163
d;1 4 do corrente, resol ve exonerar por convenien-
cia do servico publico o cidado Augusto Xavier
de Souza Fonseca, do cargo de segando supplente
do subdelegado da fregueza de Santo Antonio
d'esta cidaie.
3" seccao.
f." 17.j.Portara ao inspector da thesouraria
I' fazenda.Accuso recebiJo o offlcio de 4 do
-.rente, sob n. 87, em que V" S. participou que,
indo novamente pra^a as obras da alfondega
d'esta cidade, foram arrematadas por Francisco
de Carvalho do Andrade Brandan, pela quania de
12:500. e em resposta tenho a dizer que approvo
essa arremata cao.
N. 176.Dita ao mesmo.Constando de offlcio
do goveraador do Pispado de 3 do corrente, haver
concedido dous mezes de licenca ao Rvd. conego
Kusewettir, lente de historia do seminario episco-
pal, e ao Rvd. vigario encommendado da fregueza
de Aguas Bella*, frei Pedro da Purilicacao Paz e
Paira, o primeiro para tratar do sua sadde, o o
< ;undo por motivos ponderosos ; assim o com-
niunico i V. S. para seu conhecimento.
N. 177.Dita ao mesmo.Communieo V. S.
para os devdos fins, que, segundo participa o ba-
rbare! Sergio Diniz de Moura Mattos, em offlcio de
2 do correte, nessa data assnmio elle o exercicio
d) cargo de juiz municipal e do orphaos do termo
d,i Escada, como primeiro supplente, no impodi-
mento do effectivo.
N. 178.Dita ao mesmo.Ministre V. S. com
urgencia a raformaco que exig acerca do impos-
to a que est sugeta a lotera concedida para im-
pivssao das biographias de Pernambueanos Ilus-
tras escriptas pelo commendador Antonio Joaquim
Oe Mello.
N. 179.Dita ao mesmo.Autorlso V, S., de
conformidade com a sua informacao de 3 do cor-
rente,- sob n. 78. com referencia da contadona
d'essa thesouraria, a mandar pagar ao gerente da
compadhia Peroambocana a quantia de.......
11:166^166 rs., proveniente da subvencao relativa
M mez do Janeiro ultimo, com que o gverno iir.-
perial auxilia raensalmente aquella companhia.
N. 180.Dila ao inspector da thesouraria pro-
vincial. ?le V. S., conforme ndica em sua in-
formacao do Io do cooredte, sob n. 53, mandar
pagar ao professor de instruccao primaria da po-
vcacao do Corrente3, Doocleciano Ferreira dos
sanios, smente o ordenado do mez de novembro
do anno prximo passado, em que por doento
deixoa de reger a sua cadera.
N. 181.Dita oo mesmo.Communieo V. S.
para seu conhecimento que, segundo consta de
offlcio do governador do bispado do 3 do cerrente,
foi em o Io Miste mez provisonado o religioso
franciscano frei Antonio de Santa Rita no cargo
Je coadjuotor da fregueza de S. Jos d'esta cidade,
visto nao poder continuar a exercer aquello em-
prego o Rvd. padre Manoel Adriano de Albuquer-
que Mello, por se acUr doente e ter por isso de
retirarse para fra da cidade
N. 182.Dita ao mesmo. En vista do inclaso
pret em duplcala, mande V. S. liquidar os venc-
mentos relativos ao mez de Janeiro ultimo, dos
suardas nacionaes destacados na villa da Escada,
e pagar a sua importancia ao sargento Deomedes
Francisco das Cliagas, conforme solicitou o com-
mandante superior do munieipb de Santo Antao,
em offlcio de 3 do corrente.
4" seccao.
N. 184.Portara ao director da Faculdade de
Direilo.Communieo V. Exc. que por delibera-
cao d'esla dala, resolv nomear o Dr. Aprigo
Justiniano da Silva Guimares, para presidir urna
das mesas de exarae dos preparatorios annexos
-ssa Faculdade, durante o Impedimento do Dr.
Vicente Pereira do Reg.
N. 183.Dita ao fleaembargador provedor da
Santa Casa de Misericordia.Em vista de sua in-
formacao de 4 do corrente sob n. 2,422, autoriso
V. Exc. a mandar recolher ao hospicio dos aliena-
dos o de nome Caetano-Maria Pereira do Lago, ir-
mao do tenente Antonio Mara Pereira do Lago
N. 186.Dita ao juiz de paz mais votado do 1
districto da fregueza do Buique.Nao se tendo
installado a junta revisora de qaalillcac.ao dessa
fregueza na 3* dominga de Janeiro prximo Ando,
pelas razoes expostas em sea offlcio de 23 daquelle
mez, recommendo a Vine, que guardados os pra-
zos e mais formalidades da lei convoque a referida
junt e a rena ao iia 27 de marco vindouro, que,
p ira esse flm flea designado.
N. 187.Circular a cmara municipal do Reci-
te.Communieo a cmara municipal do Recite
para o fazer constar a quem convier que por acto
ileeta dat resolv adiar a reunio da as embla
legislativa provincial para o dia 1* de abril prxi-
mo vindoaro.Igual as demais cmaras munici-
pios da provincia.
N. 188.Deliberacao.O presidente da provin-
cia tendo em vina ao que requeren o professor
da cadeif de lngua franceza do Gymnasio Pro-
vincial, Antonio Jos de Moraes Sarment, e bem
assim a informacao do respectivo regedor de 4 do
correnie, resolve conceder-llie 13 das de lieenQa
com ordenado somente, para tratar de sua sade.
N. 189.Dita.O presidente da provincia, nao
tendo recebido todas as inl'ormacoes parciaes exi-
[idas para o relatorio, que nos termos do art. 8 da
ei de 12 de agosto de 1834 tem de dirigir assem-
bla legislativa provincial, sobre o estado dos ne-
gocios da mesma.provincia, resolve, usando da fa-
culdadc que llie confere o g 2o do arl. 21 da mes-
ma lei adiar para o Io de abril vindouro a aber-
tura da sobredita assembla marcada para o Io de
marco do corrente anno, o manda que neste sen-
tido se fac,am as precisas communica^oos.
N. 190.Dita.O presidente da prov ncia re-
solve conceder a exonerajo que pedio Joao Feli-
ciano da Malta e Albuquerque do cargo de repeti-
dor interino do Gymnasio Provincial.
N. 191.Dita.O presidente da provincia resol-
ve nomear o Dr. Aprgio Justiniano da Silva Gni-
maraes para presidir ama das mesas de exames
dos preparatorios annexos Faculdade de Direto
desta cidade, durante o impedimento do Dr. Vi-
cente Pereira do Reg.
N. 192.Dita.- O presidente da provincia, at-
tendendo ao que raquerea .a professora publica
da cadeira da freguezia do Altinlio, Guilbennina
da Silva Cunha, e tendo em vista a informacao do
Dr. director geral interino da instruccao publica
de 25 de Janeiro prximo ndo sob n. 44. resolve
conceder dous mezes de licenca com ordenado so
mente, para tratar de sua sade
EXPEDIENTE ASICSADO PELO SR. OFFICUL-MAKM DR.
ANTONIO ANNES JACOME PIRES, NO IMPEDIMENTO DO
SECRETARIO DO GOVERNO, EM 7 DF. FEVEREIRO DE
1870.
2' seccao.
N. 193.Offlcio ai Dr. chefe de polica.O
Exm. Sr. presidente da provincia manda declarar
a V. S. que por deliberara > desta data foi exone-
rado por conveniencia do servir) publico e em
vista do eu offlcio de 4 do corrente sob n. 163, o
cidadao Augusto Xavier de Souza Fonseca do car-
go de 2 supplente do subdelegado da freguezia de
Santo Antonio nesta cidade.
N. 194.Dito ao commandante superior da
guarda nacional do Santo Antao.O Exm. Sr. pro
sidente da provincia manda declarar a V. S. em
resposta ao seu offlcio de 3 do corrente, que a the-
souraria provincial tem ordem para pagar ao sar-
gento Domedes Francisco das Chagas os venci-
mentos constantes do citad) offlcio.
N. 193.Dito ao Sr Sergio Diniz de Moura
Mallos, juiz municipal supplente da Escada.O
Exm. Sr. presidente da provincia manda declarar
a V. S. que ficou inteirado pelo seu offlcio do 1
deste mez, de ter nessa data assumido o exercicio
do cargo de juiz municipal e de orphaos do termo
da Escada, como seu l0subs.ituto.
3' sec^io.
N. 196.Offlcio ao inspector da thesouraria
provincial.Communieo a V. S. que nesta dat or-
denei ao commandante superior da guarda nacio-
nal de Olinda que faga dissolver o destacamento da
dita guarda, que existe no termo de Iguarass, o
qual ser Substituido por 10 pravas do Corpo pro-
visorio de polica.
N. 197. Dito ao mesmo.De ordem de S. Exc.
o Sr. presidente da provincia communieo a V. S,
que nesta data mando que seja addido ao corpo
provisorio de polica o tenente honorario do exer-
cito Joo Deocleco da Silva Paula, que perlencen-
do ao corpo de polica desta provincia seguio para
a guerra no Io corpo de voluntorlos da patria
desta provincia.
4.a seccao.
N. 198.Offlcio o regedor do gymnasio pro-
vincial.S. Exc. o Sr. presidente da provincia
leudo nesta data concedido a exonera cao que pedio
Joo Feliciano da Motta e Albuquerque do cargo
do repetidor interino desse gymnasio ; assim o
manda communicar a V. S. para seu conheci-
mento.
199.Dito ao mesmo.Ten lo o Exm. Sr. pre-
sidente da provincia por deliberacao de 7 de de-
zembro prximo lindo, como por esta secretara
se communcou na me3ina data resolvdo nomear
a V. S. para na qualidade de commissario espe-
cial assistir aos exames de preparatorios annexos
a Faculdode de Direito desta cidade que deverao
ter priccipio no corrente mez como uispe o de-
creto 4430 de 30 de outubro do anno passado
combinado com o de n. 4431 da mesma data ; as
sm Ih'o manda declarar para seu conhecimento e
fins convenientes.
N. 200.Dito ao Dr. Aprgu Justiniano da
Silva Guimares. S. Exc. o Sr. presidente da
provincia tendo por deliberacao desla data nomea-
do a V. S. para presidir una das mezas de exa-
mes dos preparatorios annexos a Faculdade de
Direito de3sa cidade, durante o impedimento do
Dr. Vicente Pereira do Reg ; assim o mande
communicar a V. S. para seu conhecimento.
DESPACHOS DA PRESIDENCIA DA PROVINCIA DO DIA
17 DE MARCO DE 1870.
Bento Jas da Costa Ribeiro.Informe o Sr. juiz
commissario de medic5o de trras do municipio
de Agua-Preta, ouvinJo a Jos do Carmo da
Costa.
Jesuina Antero de Souza Res Pinhero.Expe-
ca-so ordem para ser admittido o menor Claudino,
a vista da Informacao.
Joaquina Francisca de Sant'Auna Barros.Din-
ja-se ao Sr. desembargador provedor da Santa
Casa da Misericordia em sesso da junta.
Umbelina Ciciiia das Neves.Dirija-se ao Sr.
desembargador provedor da Santa Casa da Miseri-
cordia em sessao da junta.
Tarquinio Braulio do Souza Amaranto.Enca-
minhe-se.
Padre Antonio Gomcalves da Silva.Fica expe-
dida a conveniente ordem.
Alberto Honschell & C. Informe o Sr. teen-
te-coronel do corpo provisorio de polica.
Eduardo Antonio de Albuquerque Mello.-Infor-
me o Sr. Dr. juiz de direito da Ia vara.
Jos de Queirz Lima.A' vista da informacao,
junte attestado do juiz de direto que fiscalisou a
obra.
Luiz Jos de Souza.A' vista da informacao e
do resultado da inspeccao, e do disposto no art 1*
1 e art. 4 2' do decreto n. 3379 de 3 de Janei-
ro de 1866, conceda-se os tres mezes requeridos
nos termos do art. 5* $ 1' do mencionado de-
creto.
Repartido da polica.
2' seccao.Secretaria da polica de Pernambn-
o, 18 de marco de 1870.
N. 382.Illm. e Exm. Sr.Levo ao conheci-
mento de V. Exc. que, segundo const das parti-
cipacSes reeebidas hoje nesta repartirlo, foram
hontera recolhidos casa de detencao, os segun-
tes individuos :
A' ordem do subdelegado do Recife, Felippe, es-
cravo de Vicente Ribeiro Ponte?, a requerimento
deste.
A' ordem do de Santo Antonio, Damo, escravo
de Manoel Antonio Goncalves, por fgido.
A' ordem do de S. Jos, Mara, escrava de D.
Candida de tal como suspeita de andar fgida.
Parteeipou-me nesta dala o subdelegado do dis-
tricto dos Afogados, que constando-lhe haver no
da 16 o escravo de 'nome severo, pertencente
Jos Antonio^Gcncalves, recebido duas facadas de
Jos Peregrino do Monte, fora immediatamente ao
lagar do delicto, e procedendo o auto dejvistoria
no .offenddo, veriflcou-se serem graves os feri-
mentos, pelo que nao tendo sido na oeeaaiao en-
contrado o delinquente, expedir logo suas ordens
para ser elle capturado, e ficava instaurando o
competente processo.
Deus guarde V. ExcIllm. o Exm. Sr. 3-
aador Frederico de Almeda e Albuquerque, pre-
sidente da provincia. O chefe de polica, tute
intonio Fernandez Pinheiro.
EXTEBIOR.
A guerra do Paraguay.
(Continnacln)
Caneados .de exgrmos satsfacues a esse gover-
nicho anpathico Banda Oriental, entregue a
commoedes violentas e sujeito a um homem sem
principios e desptico, que foi sempro surdo a
nossasjustas reclamarles, fundadas as espoliaJ
cues, nos latrocinios, n s assassinatos e as vio-
lencias de todo o genero commettidas contra nos-
sos concidado, suas propredades, e a indi con-
tra a forca publica e as autoridades das fronteiras
e isto nao somente praticado pelas hordas de mal
feitores da Banda Oriental, como tambem pelas
suas proprias autoridades, por ultimo enviamos
em mate de 1864 cerno nosso ministro plenipoten-
ciario, o Sr. eonselheiro Saraiva.bem reputado par-
lamentar e Ilustrado, e que ha peuco fora ministro
de estada do imperio, ora deputado assembla
geral, e coTn bons crditos de prudente e hbil
como se v nao lancou o governo mao de um
simples cidadao como quem comprehendia a mag-
nitude e delicadeza da missao. Munido o nosso
minhdro de um ultimtum chelo de atiene-oes, e
esperanzado o governo imperial nessa medida e no
seu diplmala, e por oulro lado atlendendo as dif-
liculdades do estado convisinho, per-uadio-se che-
ganarnos a um accordo rasoavel, dando-nos a re-
P'ibli -a cabal satisfacao que hastasse aos uossos
bros offendidos. Em logar porm de consegui-
mos favoravel desenlace a nossa missao de paz,
vio-sc o ministro coagido pelas injurias e desat-
tencoes arrogantes do caudho a declarar-Ihe
guerra, ordenando nossa esquadra immediato
bloqueio dos portes do Uruguay.
A longanimdade tem um limite, alm do qual
deseainba em eovardia vergonhosa ; e demais mi-
litavam a nosso favor a justic da causa, a tran-
aullidade de nossas fronteiras do su!, todos es
ias invadidas, e a seguranza das propredades
brasileiras.
Importava e era urgente por um paradeiro a
esso estado irregular e perigoso, e a poltica tam-
bem reclamava nossa intervencao para auxiliar-
mos o movimento de um partido generoso, popu-
lar, e que da Oriental, e nos offereca segura garanta, apoi-
ando-se Aguirre apenas na soldadesca e nos que
vivam de rapias.
Esbulhara o poder, nao tinha por si as affeiefes
da populacao da campanha, vi vendo o paiz leiro
agitado, sem curar dos inieresses vitaos qae s
prosperara sombra da tranquillidade, da modera-
cSo e sob acco de um governo "morigerad, liras- *
irado, sympathico e patriota.
Empenhada a luta em que a nossa marinha se
cobrio de toaros, recordando os fetos"glorio.- > do
Tonelero # Monte Cazeros, e colhendo tropheus
immorredouros na rendicao da fortaleza de Pay-
sand, que, apoz viva e heroica resistencia de 52
horas cahio a 21 de Janeiro de 1863 no nosso po-
der, tomando-a de assalto e bayoneta o nosso al-
mirante visconde de Tamandar, acompanhado de
um punhado de bravos. Poucos das depois ren-
dia-se a cidade de Montevideo, capital do Uruguay,
e deposto Aguirre entregamos o pode/ as mas
do general Flores, sem exigrmos nem augmento
de territorio para darmo3 limites naturaes ao im
perio, adm de acabar por urna vez com as conlns-
taedes de fronteiras, nem pagamento das despezas
de guerra ou indemnisacoes s propredades dos
nessos concidados, defraudados pelos agentes su-
balternos da Banda Oriental; demonstrando o go-
verno a todas as luzes que o seu lim eslava prc-
enchido com o restabelerimento da ordem no
Uruguay.
Estavamos, porm, em meio desta campanha,
quando o dictador do Paraguay, contra todas as
praxes do direito internacional, com una arrogan-
cia burlesca e descomedida e oflenMva dignida-
de de qualquer nacao, por mais humilde do que
a do Paraguay, vete interporse de permeio e de-
clarar que nao consenta na guerra que mova-
mos ao Uruguay, e com a raaior alevosi e m f
apossou-se inmediatamente do nosso vapor mer-
cante Mrquez de Olindaqae esteva ancorado
no porto d'Assumpcao, o aprisionou, intlngindo
castigos infamantes ao presidente da provincia de
Matto-Grosso, limitrophe desse estado, aosempre-
gados de fazenda e de secretaria, aos negociantes, as
familias destes e a tripolacao do vapir, e rouban-
do tambem urna avultadissima somma que remel-
tia o nosso governo para occorrer a3 despezas
dessa provincia.
Esso acto de audaz pintara, estranho anda aos
povos do meaa cvihsacao, fez estremecer e rovol-
tar o coraejio de todo brasileiro. A guerra era
inevitavel, e eslava declarada sem embages nem
regresso por esse despota sanhudo. Acto conti-
nuo a esse commettimento nquallflcavel, invadi
elle as provincias conviziuhas do Malto-Grossoe do
Rio-Grande, saqueando, incendiando as povocSee
porondepassava.e assassinando e aprisionando po-
pulacoes pacificas e inermes que nem ao menos se
he oppunham. E depois de aggressao tao inaudita
eatroz deveramos cruzar os bracos, abandonan-
do nossos concidados. nosso territorio manaha-
do de sangue, deixando vilpendiada a nos3a ban-
deira por hordas barbaras arremecadas sobre nos
por um homem qne trazia todos amedrantados, e
como moto inscripto no seu lbaro a morte eo
exlermiuio ?
Se assim procedessemos, teriam cabido as qua-
I ificacoes com que nos mimosea o anonymo no
seu opsculo citado de que os successos da guer-
ra sao a deshonra e a ignominia para os exercitos
das tres nnrdes a litada s; (1) e n5o teriamos o
desvanecimento de descender de um Pacheco, dos
Almeda, dos Albuquerques e dos Castros, o em
que pese o anonymo o aos louvaminbadores das
facanhas de Lopz, a historia impardal ha de fa-
zer-nos jusea, dando-nos o nosso quinhao de glo-
ria ; e o povo portuguoz cordato applaudio, nao ha
duvida-lo, as felicitacoes que o parlamento da sua
nacao enviou ao nosso monarcha como testemu-
nho de fratemisacao e de jubilo pelos felizes re-
sultados das nossas armas.
As malquerencas e invejas dos tempos da nos-
sa independencia estao ba muito extinctas e j
ninguera, que lenha algum senso, se lembra dellas
substituido-as por mutuos affectos e provas de
cordealidade e de gratidao, e o Brasil florescente
e nevo o orgulho de Portugal.
Tenho que a nossa emaneipacao tem sido em
para vantagera nao s do imperio brasileiro, as-
sim tambem deste reino, como succedea a Ingla-
terra com a America do Norte. A nao ter-nos a
separacao dado foro de estado independente, esta-
ra o Brasil no a trazo e decadencia das colonias
de ultramar, emquanto o onro, que vinha para o
erario real e que se dissipa va improductivamente
em templos, palacios e acqueductos, ora reverte
para as mos particulares que o empregam em
emprezas de toda especie, em hospites e asylos,
em edificios soberbos e no raelhoramento das tr-
ras lavradfts por essas provincias do norte do rei-
no, em instituicSes de crdito, e de mais sao nos-
sas pracas commerciaes iheatro onde exerce a rao-
cidade laboriosa do Portugal a sua aetividade ; e
por derradeiro somos, os maiores consumidores
dos productos materiacs e inlellectuaos da antiga
metropole, c direi como o antor do opsculo
Carla de um brasileiro a um porluguez : Dizer
mal do Brasil su pode o que l commetleu algum
etirri, olio ingrato pnr naloreza, porque todor
aqui sabem que o Brasil o til a Portugal. (2)
Quaoto ao que se tem por ah dito em desabo-
no do nosso monarcha pela sua obstinaco em sus-
tentar a guerra, para mim e para todo o brasilei-
ro patriota isso urna virtude louvavel. Surdo aos
clamores dos nteresses feridos, s attendeu aos
impulsos do seu coraco verdadeiramente patrio-
tico, e jogando a sua cora, mostrou que cima
do todo o interesse dymnastico est para elle a
honra e a reputacao do povo que o proclamou seu
soberano, e confiou-lhe os negocios e destinos do
imperio
O Sr. D. Pedro II nao degenereu da casa de
Braganca, como diz o anonymo : (3) nao um
simples amador de scicncia c de lettras, mas um
sabio erudito, na accepeo banal coro quo se ba-
rateam estas qualificaco'es, dand -se Ihes foro de
tratamenio ceremonioso tao soez como a excelen-
cia e a senlioria. Espirito investigador e activo,
consagra as horas que Ihe sobram das arduas
quesloes do estado ao estudo aprofundido e me-
ditado dos ramos mais importantes dos conheci-
mentos humanos, manejando o grego e o lalim de
cadeira, e fallando o escrevendo as hnguas hes-
paohola, franceza, italiana e allema como se fos-
sem sua propria.
Esta opiniao nao filha da lisonja tao avessa a
meu carcter, e nem do exagerado espirito de na-
cionalidaJe, que a opinlo do quantos sabios e le-
trados nacionaes e cslrangeiros tem tratado com o
nosso imperador, e ahi esto os escriptos de Mr.
Ferdinand Denis, de D. Antonio Desiderio de Pas-
cual (Adalus Calpe), as memorias de J. Arago, as
do viajante americano Fletcher, c as do sabio
successor de HnmboldtAgassiz, que a robuste-
cem, e alm desses o que vem nos opsculos que
appareceram aqui em Lisboa refutando a diatribe
anonyma a que me tenho referido mais de urna
vz. Diz um del les : (4) o imperador nao neces-
sit das suas exh)rtacoe?, pois,s eminentes vir-
t tudjs polticas qne o adornan), rene a de ser
um dos monarchas mais estudiosos e mais ins-
truidos do nosso secute.
O outro opsculo diz : (4) Toda imprensa da
Europa, e da America republicana, e todos os
escriptos a respeito do Brasil, sao unnimes em
t ccllocar o Sr. Pedro II no numero dos sobera-
nos que mais tem honrado o throno.
Mais adiante accrescent :
O Sr. D. Pedro II um prncipe magnnimo,
< Ilustrado e patriota.
Vario admiravel, que sem o esplendor da co-
ra e o prestigio do nasclmento. o prototypo de
t todas as virtudes pessoaes Elle pode assentar-se
na academias mais celebres da Europa, e dis-
cutir as linguas civilisadas sobre as sciencias
i exactas e as da philosophia racional e natu-
Taf, sobre as ciencias sociaes e sobre a littera-
tura, porque conhe e as mais bellas flores do
espirito humano I Principe que triplica o tem-
< po por sua aetividade nos negocios pblicos, e
sua continua presenca em toda a parte.
< Soberano quo afaga toda sorte do talento ;
imperador que recebo escuta o grande e o
l pequeo, o rico e o pobre com a mesma igualda-
t da e benevolencia I Varao po, e esposo e pai
exemplar ; coraco cardoso como raros, pos,
i que pouoo, bem pouco possue, e nem procura
t amontear thesouros........................
t Se scmelhante principe nao o o modelo dos
t chefes de estado, o que que se deseja alm
i disto f
Ha tempos conversando com urna das glorias
portuguezas, o Sr. eonselheiro Antonio Feliciano
de Castilho a respeito das cousas do Brasil, e refe-
rindo-se elle a volta dellas bndade com que fra
tratado no Rio de Janeiro pelo nosso Imperador,
disse-me, e hoje o confirma na seguinte carta com
que honron-nie e cujos prncipaes tpicos extra-
hio, pedndo vossia ao venerando e Ilustre poeta
para o fazer:
D.-is eminentes qualidades, diz elle, do nosso
grande homem como soberano philosopho e verda-
deiro liberal, e das suas virtudes como homem,
cidado pal do familias nao ha para accrescen-
tar nem diminuir ao que anda na bocea de todo
o mundo; oulras excellencias, porm, o distin-
guen), menos conhecidos talvez, mas com que to-
dos es3es avultados mritos se engrandecem an-
da mais, e de que eu para dar publico o solemne
tcstemunho, e j em parte o liz ao dedicar-lhe o
meu drama Camois.
t Ahi Ihe diriga eu estes versos brotados da
conscrencia :
Se um desuno um diadema em leu berco ha lancado,
d'esse don casual nao me attrahe o esplendor :
tens mais no bre diadema I eterno! conquistado I
quemmede emtio sabio, esquece o imperador.
a Este conceito em que eu tinha a sua mages-
tade peras insuspeilas informacoes que de lame
enviava meu irmao Jos Feliciano de Caslilho, bom
.juiz em materias de intelleciualidade e de eruiie-
cao, e a quom o principe honrava com a sua fa-
railiaridade litteraria, este relevantsimo conceito
foi-me plenamente confirmado quando annos de-
pois, visitando o Rio de Janeiro, ti ve a fortuna de
tratar pessoalmente com sua magostado : entao
reconheci, nao sem admiraco e internecimente,
que o meio verso
esquece o imperador
dos maiores attractivos daquellas honradas e des-
ambiciosas conversacSes.
t Desejou sua'mageslade conhecer as minhas
traduccoes inditas de Ovidio e Anaereonte, e foi
ah que eu tive sbretelo occasio de apreciar os
seus copiosos conheeimentos as letras classicas e
as mmortaes antiguidades. Os amores o a arle
de amar foram examinados de verso a verso, ou-
vindo sua magestade os meus sera levantar olhos
dos de Ovidio em cuja lingua um dos sabedores
mais profundos, e fazendo a cada passo os mais
discretos commentarios sobre as elegancias e ex-
cellencias poticas de cada um dos dois idiomas ;
sobre mil particularidades menos vulgares dos cos-
tumes romanos, gregos, e sobre mil oulras cir-
cumstancias momentosas, nem sempre aventadas
pelo vulgacho dos crticos.
Nestas leituras, ou por melhor dizer neste
exame severo de obras que eu bavia estudado
com toda a indivduacao, e que verdaderamente
me apparecera com o mximo brlho, abundancia
de noticias archeologicas, a sagacidad, a profunda
critica, e o delicado gosto do nosso benvolo ho3-
pedeiro ; qualidades para as qnaes o estado serie
e constante, nao contribuir menos que a gcaero-
sidade da natureza.
Custa a crer como em tao poucos annos de
vida, entre as mil distraccoes togadas annexas
grandeza, sob a pressao da zelosa gerencia e dos"
cuidados gravissimos de tal imperio, pode sobrar
lempo para tanto enthesourar no espirito.
Primar as Iingua3 mortas e em tantas das vi-
vas, distinguir so nao s as sciencias sociaes e
polticas, obrigacao primarla do offlcio do reinante,
mas acompaohar nos jornaes e livros de tedas as
demais sciencias o omnmodo progressivo dos des-
cobnmentos, dos inventes, das artes, da philoso-
phia e da litteratura, eis ahi realidades de mrito
difflcultesamente crveis para quem em grande par-
te nao as presenceasse e que ao mais obscuro ci-
dado grangearia em qualquer parte do mundo
extrema veneraco...........................
..........................................,B
Antonio Feliciano de LasJilht.
Depois de teslemunho to consciencioso e com-
petentsimo nao ha encarecmente possivel, nem
resposta mais formal a tudo quante do desairoso
vem no opsculo anonymo.
(Continu',r-i>e-ka.)
longe de ser encarecmente como alguem se pode-
r figurar, antes pecava por diminuta, pois o pri-
meiro que na intimidado estudiosi deslerabrava a
magestade era sua magestade mesmo, o impera-
dor do maior imperio.
t as palestras, s vezes de largas horas nao
coudas, em que seroavamos, verdadeiros devotos
do estudo n'um pequeo gabinete entre livros es
colhido3, elle, meu irmao, eu e um dos eruditos
dos mais ntimos de S. M. insistiam-se e discutiam-
se to desafogadamente as opinies, que em nenhu-
ma outra parle ilo mundo se encontrara talvez
como n'um daquelles cantntios de um paco impe-
rial uma realisaco to verdadeira do que propria
ou impropriamente so apellidarepblica litte-
raria.
cO espirito liberal que um dos elementos cons-
titutivos e essenciacs daquella grande alma reto-
cado com o trato quotidiano e intimo aos escripto-
res de todas as idades, roanrinha all em toda a sua
pureza o mais raioavet e fecundo eclecticismo. O
verdadeiro e o bello era o tilo de lodos; venera-
vam-se todas as grandezas intellecluaes do mundo
preterilo sem Ihes immolar as do preste; e urnas
e ontras sem e?,curecer que as do porvir, melhora-
das com tente s harangas, deverao fazer anda maior
vulto.
t Esta, Tjonviccao inimiga de todos os exclusivis-
mos, est' philosophia tao mal comprehendida pelos
fanticos das diversas escolas, foi para mim um
(1) Vej. pag. il do op. cit.
(1) Vei. pag. 6 do op. cima citado.
(3) Vej. op. eU. pag. 14.
(4) O Brasil e o Paraguay ou duas palavras.
carta dirigida, ejt, pag. 6. H
PEKNAMBCO.
REVISTA DIARIA.
ORDEM DO DIA.Em seguida publicamos a
ordem do dia que em 31 de Janeiro do corrente
anno dirigi o general Victorino Jos Carneiro
Monteiro, commandante das tercas ao norte do
Manduvir, no Paraguay, aos bravos corpos 40 e
53 de voluntnos da patria, quando, prestes a dei-
xarem os acampamentos n'aquella Repblica, de-
vlam regressar aos patrios lares, ora busca do re-
pens no seto da familia, depois do quasi cinco
annos de penosas fadigas, do um trabalho aturado
de campanha e de crueis privacoes.
A alma do velbo general palpita de saudades
n'essas palavra* de despedida dirigidas seus infa-
tgaveis companheiros do glorias e trabalhos. Sen-
le-se como que adejar de en volta com e3sas phra-
ses repassadas do adeusde amsade, o espirito il-
lustraao e bondoso do invicto general, que leve a
gloria de guiar os primeros passos d'essas valen-
tes cohortes, que, ebrias de enthusiasmo, se ergue-
ram no Brasil para delTender seus brios ultrajados
pelo despota do Paraguay, mas que, nexpcrieiites,
faltas do traquejo das peleja-s e sem pralica da vi-
da militar, despeilo do seu ardor, intrepidez e
bravura, nao teriam feito tanto, logo no comeco
de sua perigrinacjto patritica, se nao fosse a
mestria e o exemplo magnnimo do seu general.
Ess ordem do da diz, nosso ver, aos bravos
voluntarios, quem foi dirigida, tudo quanto de
grande e nobre se contm no peilo do bravo que
os teve sob suas ordens. Ella deve ter enchido
de regosijo e orgulho a esses vultos grandiosos
do Brasil; porque derrama sempre em nos o or-
gulho e a alegra aquillo que, embora tenhamos
conscencia de merecer, vem de um peto verda-
deramente amigo e sae por labios afeites nos
darem ordens que nos abrem os perystyllos da
gloria.
O estyllo do velho general bello e policio como
bella e polida sua nobre alma, como sao bellos
e policios os luminoso hyerogliphos que sua espa-
da tragou na base das enormes pyramides qne o
exereito brasileiro ergueu as margens do Para-
guay, do Piquiciry, do Manduvir e de tantos ou-
tros rios, que banhain aquellas inhspitas plagas,
onde se osientava a tyrania sob a capa esfarrapada
de uma liberdade que nunca existi na nominal
repblica do Paraguay.
Eis a ordem do dia :
Commando das torcas do norte do Manduvi-
r, quartel general no Rosario, 31 de Janeiro de
1870.Ordem do dia n. 7.
Aos corpos 40 e 53 de voluntarios.
< Cidados I
Desmembrados das torcas que tenho a fortuna
de commandar, volvereis em breve patria por
quem vos tornastes soldados.
< Cinco annos de glorias adquiridas nos traba-
lhos consecutivos, em provancas dolorosas, as
lides e nos combates,eis, em resumo, o poema
de vossa historia militar.
Em todas as paginas brilhantes desta grandio-
sa epopa que se chama guerra do Paraguay,
gravastes mil exemplos de patriotismo, abnegaco
e herosmo que o mondo hoje tanto admira I
Desde seus mais temiveis baluartes, vos sou-
bestes levar sempre de vencida as pujantes cohor-
tes inimiga?, at as incultas florestas, onde hoje
enfraquecidas e alterradas, se oceultam ao brlbo
de nossas armas, como sempre se oceultaram a
luz da liberdade e da civisaco.
Vossa missao est, pois, concluida.
Volti agora patria, que estremecida, vos re-
clama, ido l'descansar'de vossas fadigas.
t Part, bravos voluntarios ide buscar o mere-
cido premio de vosaos esteros, e do vosses sacri-
ficios sombra de vossos lares, no regaco de
vossas ramillas I
Vo3s velho general que primeiro vos condu-
zio victoria, no comece d'esta luta de gigantes,
constante companneiro de vossas- glorias e de
vossos trabalhos, antes de vossa partida, nao pode
deixar de Imvar vossa inexcedivel dedicac.o pelo
servico, vosea extrema resignacao nos soffrimen-
tos e assignalada bravura nos combates, edemons-
trar-vos ao mesmo tempo, como um sincero tribu-
to de gratidao e de amsade, a dr, o peiar e as
saudades que sent ao separar-se- de todos vos,
ao dizer-vos o ultimo adeus !
(Assignado).Victorino Jos Carneiro Mon-
teiro, marechal de campos. >
BATALtlO DE VOLUNTARIOS.-Devendo ser
hoje dissolvido o 53.* corpo de voluntarios, tomou
6 Exm. general commandante das armas o expe-
diente de recolher a respectiva bandeira ao arse-
nal de guerra, at que opporinnamoote seja ella
transferida para a s, segundo as ordens do go-
verno imperial, como j noticiamos.
Assim, tem a (MU, bandeira de ser conduaida
amanha (domingo) a larde, pelo commandante e
offlcialidade do referido corpo, pra aquello est-
belecimento, caja. P<*t* ser el1* en_tregne ao
respectivo director, co as honras devidas, flean-
do em exposidp na sala da secretaria at a ntmte.
PASSAMENT0.Fallecen no dia 17, e foi se-
pultado o Sr. Manoel de Luna Fieire, contador dt
orphaos o destribuidor de notas do termo do Re-
cite, em idade avancada.
PASSEIATA ACADEMICA.-Veriflcon-se hon-
lem a tarde a passeiata acadmica, ha das an-
nunciada.
Os acadmicos da Faculdade do Recite reuni-
ram-se s 3 1|2 horas da tarde no paleo do Livra-
mento, e s 4 1|2 desfilaram pela ra Direit em
demanda do quartel das Cinco Ponas. Na frente
iam duas bandas do msica marcial, e segniram-
n a tres estandartes nacionaes gallardamente eon-
duzidos por tres acadmicos, sendo acompanbadoi
por quasi todos os membros d'essa distincla oor-
poracao, que circulavam um andr conduzido
por 6 creancas, sobre o qual eslava depositada,
uma linda cora de flores naturaes, symbole das
victorias alcncadas pelo nosso exereito no Pa-
raguay.
No quartel das Cinco Ponas aguardavam-n'os
os offlciaes do 53." de voluntarios, circulando o
seu glorioso estantiarte, e ahi foram recitados
bellos, enthusiaslicos o patriticos discursos, a lin-
das poesas, em cujos finaes eram levanlados va-
rios vivas concernentes essa bella (esta, sendo
sempre seguidos do hymno nacional.
Essa singella, mas grandiosa demonstracio, de-
ve ter enchido de satisfacao aos nobres coracocs
d'essa distincta phalange de bravos pernambuca-
nos, que viram assim associados as suas glorias
o jbilos da mocidade esperancosa da nossa Fa-
culdade. Foi esse um bello triumpho: Minerva
teceu uma cora para offertr a Marte.
CHUVAS.Ante-hontem choveu durante o ma e
noute inteira sobre o Recife, e anda hontem
houveram grandes aguaceiros. Flizmente parece
3iie entrou o invern, e julgar pela quantidade
'agua cahida e pelo aspecto da atmosphera, a
presumpcao que para o interioor choveu igual-
mente nestes ltimos dias.
MISSAS FNEBRES.Hoje, s 7 horas da ma-
nha, a viuva do finado maior Flix Francisco do
Souza Magalhas manda celebrar diversas missas
na Ordem Terceira do Carmo, por ser o stimo da
do passamento daquelle sen fallecido esposo.
AFERICO.Finda-se com o presente mez o
praso para aferico do pesos e medidas d'esta
cidade no corrente anno n unicipal.
TERMINACAO DE PRASONo dia 24 do cor-
rente encerr-se o recebimento, com guia do con-
tencioso, do imposto da decima urbana no anno
flndo de 186869, pertencentes s freguezias de
Afogados, Varzea, Poco e*Jaboalo.
De todos os demais impostes relativos ao mes-
mo anno lindo, j terminen tambem o praso dos
30 dias, para o recebimento semeustas do ear-
torio.
FERIMENTOS GRAVES.Na poveacao de Afo-
gados, no dia 16 do corrente, Jos Peregrino do
Monte, deu duas facadas no preto Jos, escravo de
Jos Antonio Goncalves, pondo-se depois em fuga.
ITAPICURU'.Sahe amanha tarde para o Rii.
de Janeiro este transporte vapor, tirando a reala
no crrete s 3 horas da larde.
ANNIVERSARIO.Completa hoje I annos S. A.
> >r. principe D. Pepro Augusto, primognito de
SS. AA. os Sis. duque e duqueza de Saxe.
CoMPANHIA DE ACRBATAS.-Hoje c ama-
nha haver espectculo, no pavilho de Santa Isa
bel, da companbia gymnastica acrobtica, com o>
pragrammas publicados n'outra parte do presente
numero. O bom deserapenho dado na primeira.
noute promettem ser esses espectculos agradaveis
aos apreciadores.
FACULDADE DE DIREITO.No dia 22 do cor-
rente ter Ingar, na Faculdade de Direito, o con-
curso para preenchimento de uma vaga de lente
substituto, sendo concerrente o Sr. Dr. Joaquim
Correa de Arajo.
CACHANGA'.Em consequencia das copiosa*
chuvas que cahiram nestes dias, foi transferido
para quando se annunciar a fest de S. Francisco
de Paula, no Cachang, que eslava annunciada
para amanha.
GYMNASIO PROVINCIAL.-Comeca no dia 21
do corrente o recebimento das mensalidades do?
alumnos deste estabelecimento, no trimestre de
abril junho na secretaria respecliva das 9 horas
da manha s 2 da tarde.
TEHATRO DE SANTO ANTONIO.-O Sr. Duar-
te Combra, proprielario deste theatro, desojando
que nao passe desapercebido o dia 25 do corrente.
anpiversario do juramento constiluicao do impe-
rio, prepara um concert vocal e instrumental, no
qual tomaro parte os melhores e mais distinctos
artistas desta provincia, e para isso nada tem pon-
pado. boa ordem e o gosto que sempre presidi-
.rain s testas dadas no Santa Isabel, sao garantes
do bom xito da idea do Sr. Duarle Combra, que
raarcra a nova era dos seus patriticos esforcos.
O magestoso salo do Santo Antonio ser ador-
nado convenientemente, e organlsado de tal forma
que as familias encontrem o contortvel e o agra-
davel.
GREMIO PHILOSOPHICO E LITTKRARIO.-
Amanha ha sesso desta socedado, para se tra-
tar da elec5o; para ella sao convidados todos os
socios.
HARMONA ACADMICA.Haver hoje sessao.
e recreio noute, na ra dos Martyros n. 2.
PORO.Pelo juizo de orphaos foram designa-
dos oe partidores, Luiz Manoel Rodrigues Valeu-
Ca, para exercer as f needes de eontador, e loa
Brindsley Fox, as de destribuidor de seu juiao
conforme a lei provincial, n. 504.
LOTERA.A que se acha venda a 141* a
beneficio da matriz d'Agua Preta, que corre n*
dia 28.
CEMITERIO PUBLICO.Obituario do dia 18 de
corrente :
Maria, Pernambuco, 3 mezes, S. Jos; canvBl-
coes.
Maria, Pernambuco, 6 dias, S. Jos; espasmo.
Justina, frica, 40 annos, solteira, Boa-vista ;
tubrculos pulmonares.
Antonio do Amorira, Portugal, 40 annos sel tet-
ro, Boa-vista ; hepatile.
Manoel de Luna Freir, Pernambuco, 83 annos,
casado, S. Jos-, darrnea.
Feliciana, frica, 40 annos, soltara, Santo- An-
tonio ; gastro hepatite.
Pbiladelpha Rigueira de Lima, Pernambuco.
15 annos. solteira, Recife; gastro interite.
CHROMCA JUDIf URIA.
I'HUtlAAI. OO COmUBRCIO.
\CTA DA SESSAO ADMINISTRATIVA DE 17 DE
MARCO DE 1870.
"RESIDENCIA DO KXM." SR. DESEMBARGADOR ANSIUI0
FRANCISCO PERETTI.
As 10 horas da manha, reunidos os Srs. depu-
tdos Rosa, Basto, Miranda Leal e baro de Cruan-
gv, S. Exc. o Sr. presidente declarou abort a ses-
sao.
Foj lida e approtada a acta da sessio de 10.
EXPEDIENTE.
Offlcio do secretario do tribunal do commercti-
da corte, firmado do-i. do corrente, enviando
uma relacac dos commerciantes raatricnlados em
dito tribunal no mez da*vereiro prximo rindo.
Accusese a recepcao e arehiye-se.
Offlcio do Dr. juiz de lreiW espf'a' ^ mrcio desta capitel, Armado de 7 do corrente,
aecusando recebido o que nessa meema dat. s*
Ihe dirigi para ser cassada a carta oe renaDHiU-





,QTS.l 30 J5!)3M 30 6 QQ&8ftti|rio de Pernambuco Safcbado 19 de Marco de 1870.


de estado aonullamlo dita rfehao litcAcv- ftjteirado.
Offlcio Jo presidente c secretan da junta dos
eorretores Armado de li do cawente, apresou-
lando o b<#eum commercial da semana prxima
finia.Ao areaivo. _.
Offlcio do administrador do trapiche Cunha,
apresenlando sua defett ara ser innta ao sttnv
mario contra elle nstaurado.-^Sellado, volte.
Jornal Oficial Je n. 47 54.Ao archivo.
Assignou-se a carta de matricula da firma com-
mercial de Pereira Vianna & C
Aos Srs deputados foram distributaos o se-
grales liaros commerciaes :Copiador de Jaa-
nuim los Ramos, e Diario do Rodrigues Perreira
fcC.
despachos
Requerimeulo de Jola Qoerioo do Agullar, pe-,
lindo que se Ihe registre a procuraco bailante.
u,ce unta, de Joo Jacinlho de Medeiros Reiende.
Registrse.
Da Crainer Fry & C, pedindo o registro da que
'taixbcxu juaiam outorgaodo polleros a seus caixei-
ros para gerirem a sua casa ccmmerciat durante
a amencia dj socio gerente Conrado Gramer.Re-
gistre-so.
D- Jos Raymnndo Bores da Costa & Irmaos,
mostrando coin a escriptra de aulorisacao que
habilita o socio Jos Joaquim Borgcs da Costa a
commerciar, Bear satisfeia a exigencia do Sr. de-
semltargador fiscal sobre o registro de sea contra-
id socialRegstrese na lurma j decreto n.
4,394.
De Thoraaz Jefierieis 4 C, requorendo o regi-e
tro de tre9 procurares bastantes que para esi-
fim apresentam.Registremse.
De Jos Ribeiro de Rrito e Leoncio Rodrigues
Collaco, satisfazendo a exigencia do Sr. desembar-
galor fiscal com declarar as naturalidades e do-
micilios delles.Regstrese ni forma do decreto
n. 4,34. ,
De Francisco Ferreira Baltat Jnior, Francisco
Ferreira Bailar e Jos da Silva Loyo, dizendo que
de conformidad rom a deciso dada a Carneiro *
Xogneira pela identidade do caso, esperavain que
este tribunal mandasse registrar o distrato jauto.
Regstrese na forma do decreto n. 4,394.
De Antonio des Sanl brasileiro, de 31 annos de idade, com e-Ubeleci-
mento de fazenJas em grosso e a retalho na eida-
de da Fortaleza, petndo ser matriculado eommer
eianle.Altestain em abono do peticionario os
commerciantes Mear Pli Kalkmann, Severiauo Ri-
beiro da Cunha e Lois Sande & CVista ao Sr.
desembargador fiscal. .
De Antonio Fraacisco Carneiro Monteiro Pirao,
cidadio brasileiro, residente na capital do Ceara,
ledindo ser nomcado agenle de leilies da respec-
tiva araoa.Vista ao Sr. desembargador fiscal.
De Antonio Domingos de Almeida Poca? e Ben-
to Jos de Maeo JPocas, pedind o registro do
distrato social .te Pocas & CA duplcala do dis-
irato deve ter o competente sello.
De Antonio Joaquin Barl>. Jos de Castro o Silva e Augusto de Castro Pa-
g<-ls, pedndo o regisiro do ico contrato soda*,
que celebraran sob a firma de Vianna, Castro Se
C., e bem assim da e-crptura .le antorisacao da-
da por sua inii ao socio Castro Pag.'ls para poder
comraer.-.ar.Vista ao Sr desembarga.lor fiscal.
De ioaquim de Souza Silva Cunha, mostrando
liavcr pago o sello exigido por despacho de 10 do
crreme eorreso iidentemente aos lo.OOOO re-
caWdM pelo supplicaole em dinheiro.Inutilisada
a estawpilha posta no distrato, volte a p. ticao.
Da Juo Francisco Maia, pedindo o regisiro do
contrato celebrado entre elle, Guilherme Francisco
Parei; Porto e Joaquina Francisco Lavra.Vista
ao Sr. desembargaJor fiscal.
Nada mais sendo siibmettido despacho, S.
TSxc. o Sr. presidente encerrou a sessao sendo 11
horas c mcia do dia.
cao do eommerciante fallido Too Joso-eto fin!- Declaro tambem qoe nlo intente! aern intenta*
maraes em enmorimento da decisao do tonselho rei queixa alguma contra a mesma atttondade. a
1 minMa intenso foi smente dar urna satisfago ao
publico de qttts do minha casa nao foram tirados
os 100* que cobrava o freguei que por Ul se ro
queixir a S. S.
Recito, 17 de marco de 1870. .
Manoel Cardoso Juntar.
Anacahuita Peitorai
de Eemp.
lima simples tosse pode etiegar a ser mortal se
nao se atalhar lempo ; porinevitar-se-ha com-
pletamente o perigo raiendj-se uso fmmedisio oa
Anacahuite peitorai de Krmp, a qual mediante a
sua benfica infidencia faz ceder rpidamente a
in acao dos pulmoes e garganta, o reslabele sua
itecd vigorosa, regular e saudavel. Os que ai-
zem qu9> aslhma incuravel mudo so enganam.
Kssa fortificante compsicao vegetal subjuga
essa afilicliva molestia, anda mesmo quanao ue-
baixo das formas as mais obstinadas e aggravan-
les As anginas nunca terminarao em hroncni-
tes -a tosse thys'canem a ruuquidao em astil-
ma. se desde logo em seus principios forera ata-
Ihados com ete balsamo vegetal suavi3ador o se-
dativo ; sen? Itenefico effeitos ?5o proraplamente
execntadns as enlrmidades dos pulmoes, dos va-
sos bronchios e da pleura.
Pde--e aehar venda om todas as boticas e
lojas de drogas.
G0MMEBCI0.
SBSSO JUDICIAR1A EM 17 DE MARCO DE
1870.
PRESIDENCIA DO EXM. SR. DESKMBAROADOR A. F. PE-
RSTTI.
Secretario, Julto Guimimes.
A"s onze horas da manha declarou-so aberla a
-<^sao estando Munidos^os Srs. desembargadores
SHva Guimaraes B Rcis e Silva, e os Srs. deputa-
dos Rosa, Basto, Miranda Leal e barao de Cruan-
gy, faltando sem participa^ao o Sr. desembargador
Acciolf.
Lida, foi approvada a acta da sessao anterior.
A.r.ORDAO ASSIGNADO.
Embargante, Feliciano do Reg Barros Araijo ;
embargado, Jos Francisco Lavra Penna.
J0LOA1I8NTOS.
Jui?o e-pecial do commercio : appellante autor,
\ntonio Joaquim Salgado appellado reo, i.uiz
!*.nseea .1" Htcddo : jni/.-'s os Srs. Silva Saina-
rlas, Res e Silva, llaslo e barao de Cruangy.
Foi confirma ).*. a senten^a anpellaila
Apieila-r Joio Pedro Blandiiu : appellado,
lulos L'iiz Cimlirone.Aliado a pedido de um
d.s Srs. .! imtad.n.
Os Mvn ules feilos, adiados as s.>-soes preco-
.mes, m". foram preposioa por se n5o aebar pre-
euie o m\ ile.-.'.iibargador Accioli : appellante,
Maaoel L.i '< Raraoa ; appellado, Antonio Clys-
-es deCaivalo: appellanles, os administradores
i.. !n: -:. i. lida do Juaqdn Jos Silvcira ; appel-
laaV, 11 herdeir. s Je Diogo Jos da Costa : ap-
'-":: vi' es ile Rarros Leile ; appellado,
t.uiz i .la Silva Campos: appellante, Alo
'an.ii-' dos S mi u Barros; appellado, Manoel Jos
!. Miranda.
,N\i;AO DR DIA.
\;-l Han* -, Angusto Octaviano de Souza & C.;
rilado?, Augusto Frederico de oliveira & C
i priiociro dia til.
DKLWKXCIA.
Appellanles appellado?, a viuva e herdeiros de
Sanoel (oncalves da Silva ; appellante appellada,
D. Claudina Senhorinha Vieira de Camino.Vis-
ta ao Dr. curador geral.
Nada mais havendo a tratar, fui encerrada a
esaio meia hora da tarde.
PRACA DO RECIPE 18 DE UARQO
DE 1870.
AS 3 1/8 HORAS DA TARDB
\s9orar Canal-2*700 p r 18 kil. {.lontem).
Algodao P sorte966 rs. por kil.
lAintr.o sobra Londres-90 d|v. 20 3(4 por 1/000
a dicihiro. .
Cambio sobre Paris 90 dr* 460 rs. por rranco
(hontem e hj.-i.
Descont ue letras11 e 12 0.0 ao anno.
oncallo Jos Alfonso,
Presidente
Mesqaita Jnior,
Secretario
ENGLISH BANK
)f Llio de Janeiro Limited
Desenla lettras da pra?a taxa a con-
em cona corrate hia
taxa a con-
jaconar.
Recabe dinheiro
I raso fixo.
Saca vista ou a nraso sobre as cidade;
jrlncipaes da Euro[>a. lem correspondente;
a Babia, Benos-Ayres, Montevideo, New
i New-Orleans, ecmitUi cartas de crdito
ara os mesmos lugares.
HUA DO COMMERGK) N. 36-
ALFANDEiA
.-tendimentodcdial a 17. 330:910*890
dem do \ 18 o:2959o3
positario da dita riiassa fallida, e se acham
na ra das Tripoheiras n. 36, devendo as
propostas serena entregues ao agenta de
leilSo, Francisco Ignacio Pinto, encarregado
por este juiz da venda dos mencionados es-
cravos.
E para que cltegue ao coubecitaento de
todos, matidei passar o presente, quo ser
publicado pela imprensa e affixado no lugar
do costme.
Eu, Manoel Mara Rodrigos do Nasci-
mento ecrivo, o subscrivi.
Recifo, 45 de fevereiro de 1870.
Tristdo de Menear Araripe.
O Dr. Trislao de Alencar Araripe, oilicial
da Imperial ordem da Rosa, juiz de di-
reito e especial do commercio nesla -
di de do Recife de Pernambuco, por S.
M. Imperial o Sr. D. Pedro II, a quena
Deus gufrde. etc.
Fago saber ao3 qne o presente edilal vi-
rem e delle noticia tiverem "que no dia i
de maio do corrente anno se ha de arre-
matar por venda a quem mais der em prac*
publica dest'juizo depois da respeoliva au-
diencia o seguinle:
Um soorado de dous andar% e soto;
sito no caes do Ramos n. 'i freguezia de S.
Antonio, t ndo no primeiro andar duas
salas e seis rjuartos cozinlia fora, no segun-
do andar tambem duas salas e seis quartos
no soto urna sala, no pavimento terreo
oceupado por urna prenca de a!god5o, com
qnintal murado cacimba meeira, avallado por
8:O0f$0GO. O qual foi penborado por exe-
cncSo de Mills Latbam C, contra a viuva
e herdeiros de Jos Higyno de Miranda.
E no havendo lancador que cubra o pre-
co da avaliacao, a arrematarlo ser feila
pelo preco da adjudicaco na forma da
le.
E para que chegue ao conhecimento de
todos mandei passar o presente que ser
publicado pela* imprensa e affixado no lu-
gar do costuiue. Recife 16 de marco de
1870.
Eu, Manoel Maria Rodrigues do Nasci-
mento escrivSo o subsenvi.
Recife 16 de marco de 1870.
Trislao de Alencar Araripe.
Monte Coelho de Alera, como consta do escripto
de praca que se acha em mao do porteiro.
SANTA GASA DA MISERICORDIA DO
RECIFE.
A Illm.a. junta administrativa da Santa Casa de
Misericordia do Recife manda fazer publico que
na sala de suas sesses, no da 24 do mar,p,-pelas
4 horas da tarde, tem de ser arrematadas a quem
mais vanlagens offerecdr, pelo tempo de ara a tres
annos, as rendas dos predios em seguida declara-
dos :
ESTABELEC1MEMTO DE CARIDADE.
itua da Alegra.
Casa terrean. 7, por anno. 3605000
Becco do Abren.
Sobrado de dous anejare n, 1 idem. 3003000
Ra do Calabouco.
Casa terrea n. 18.......304*000
Ra de Malinas Ferreira (Olinda)
Casa terrean, li....... 96#000
PATR1MGN10 DOS ORPHAOS.
Ra do Vigario.
Primeiro andar do sobrado n. 27 2i0000
Ra do Rangel.
Gata terrea ti. 58.....0 '. 360000
Sitio n. 5 no Foruo da Cal. 0 150*000
Os pretendemos deverao apresentar no acto da
arrematacao das suas Cianeas ou comparecerem
acompanhados dos respectivos fiadores.
Secrataria da Sania Casa da Misericordia do Re-
cife, o de feveroiro do 1870.
O escrivao,
Pedro Rodrigues de Souza,
nu
-------------------------------^----------'-------!----------------"-------------rT~
0 imporlante papel Je Esmeralda, ser desem- ^ .... acham-se na estacao do Roerte e
Terminara o espectculo com a graciosa o ba- ^P0'* **>peeacnl.
ante applaudkla O divertimento principiar : I oras e trez
Tonadilha hespauhola ln<*> a" Juizo de orphos.
No dia 21 do corrente ao meio dia na salla das
audiencias, perante o Illm. Sr. Dr. juiz da orphos
se vender em praca publica a casa terrea n. 2,
com porta c janella, na Baixa-verde, freguezia da
Boa-vista, com 16 palmos de frente e 36 de fun-
do, com duas sallas, quario e eozinha interna,
quintal murado pelo lado do norte,- e cerca pelo
fundo, junto a camboa, avallada por 700*000 cuja
casa se vende a requerimento do inventariante
dos bens do tinado Antonio l.uiz Nunes.
Recife, li de marco de 1870.
O escrivao,
Floriano Correia de Bnto.
383:236*813
MOV1ME.NTO DA ALPANDEGA
/olumessaudos com [azeuda^
dem idom cora gneros 200
-------.88
Descarrcgam hoje 19 de mar?1
Barca fnglezaElisa Strerris mercadorlas.
Patacho in^lezJrenlaidem.
Escuna inglezaElena P.idem.
Brigue inglez Rulhfarinlia de trigo.
Polaca he^panholaBosignavinhos.
IECEBEDRIA DE ItE.NDAS INTERNAS GE-
RAES DE PERNAMBUCO.
tondirnento do dia i a 17. 35:308*519
liem do dia 18...... 5:080289
60:388;808
CONSULADO PROVINCAI.
Aendimentododia 1 a 17.
Mero do dia 18
72:571*815
7:9894316
80:501*161
PUBLiCACOES A PEDIDO.
Nao possivel negar-se o prestimoso coracao
do Exm. Sr. Barao do Livramento em vista de
MMh repelidas prnvas, qne a cada momento se
i.'lT.idor.ein, agora me-mo acaba o mesmo Sr.
Barao de ser eneanvg i.lo da compra de farinha
.ara soceorro publico e nao tem poupado meios
a sea alcance para o b'.m resultado desta eom
iv.issn, j so esforcando nara obter pelo menor
proco, j dando o seu irapiehf para deposito, j
om sua presenca fazendo qne tudo seja leito na
mais boa ordem possivel, damos pois um voto dn
gralido ao generoso coracao do Exm. Barao do
Livra:iK'nlo.
O seniinella da pobreza.
Th "tuaz de Figueired, ao ha-
chare! Annnio Vcnantrlo
Pela parte que me mena em seu aranzet publi-
cado n'esse mesmo Diario ./< Pernambuco n. 61
de 17 lo corrento, wnho bem contra minha
vontade respooder, por que ronhe^o que sou fra-
co, qutrer ver sen bell) nome m letra redon-
da, mais crnio techo reputaejio a perder, venho
dw orna satisfag&o ao r.'speitavel publico defen-
dendo-me de snas allu-oes.
S. S. diz qne o coronel Coriolano est fazendo a
'cu nodo urna avlventaco de demarcado amiga
que ainigavclinente se fez emre os engenhos M
eu pai e os dlfe, sem sciencia das partes inte-
restadas; qnanto a a\tvrn!aco, una verdad*,
as dizer S. S. que sem sciencia, peco-lhe que
coneeJa-me dizer-le que mente, para "provar-lhe
in -^eni scienria, digo-lhe que lenho urna earta
M mu pai de data de 11 dotc.
Af w pergunto-ihe, S. S. pesou n'essa palavra
euintior me parece que nao, porqao8.Si
como .natural ignurava o sentido, mas e nao
ignora para que Tirio-me ? Ser despeitado por
.a kr a dez ano. s mandido sitar o seu bello cu-
nUad; para pagar me um trablnp, e que assim
mesmo nao cxltou a vontade e o dever de pagar-
c uuo a dez annos estou no desembolso ?1
assim, qne qne S. S. qner tirar desforra f per-
iin lempo Sr. br.cliarol, o respeitavel cubjic
neto me conhece, e por i-so digo-llie q.ie tiranie
como Ihe aprouver, por que eu o de^prezo o des-
prezaTei, devolveodo-lhe em ta-to todas as masel-
las i^ue quizer scudir sobre mm, tenlio dignida-
do Instante para nao fazor dornarea^oes a modo
niKuem.e tenh ;s quo nunca lici de
titairminlia pr mo mallos bacftar'is
tem 1
Beelarac-HO.
i ai
de
Dec'
into" An
e alguma
- -
i na miflha correspondencia do Jar-
mi'di Re, nao foi de volitado minha e
fortanto a retiro.
MGVMENTO DO PORTO.
Navtos entrados no dia 18.
Rio de Janeiro24 ias, patacho inglez Scolsman,
de 1H1 toneladas, capilao Thomas Fichet, equi-
pagem 8, em lastro ; a ordem.
dem23 das, patacho inglez J. L. Pi/e, de 235
toneladas, sapino R. B. Walttrs, equipagem 9,
em lastro ; a ordem.
dem36 dias, galera portugueza Forlnna, de
J130 toneladas, capilao Domingos Pinto de
Campos, equipagem 23, curga farinha de man-
dioca e outros gneros; a Bailar & Oliveira.
Cardiff19 dias brigue inglez J. B. S., de 219
toneladas, capilao Northcott, equipagem 9, car-
ga carvo; a Antonio L. de O. Azevedo & C
Baltimore31 dias, barca americana Templar,
de 391 toneladas, capilao J. G. Willson, equi-
pagem 11, carga 1,000 barricas com farinha de
trigo ; B Heury Forster & C.
Buenoj-Ayresi3 dias, escuna ingleza Ileren-
delle, de 164 toneladas, capito Sparks, equipa-
gem 8, em lastro ; a James Ityder & C
Goianna 6 horas, vapor brasileiro Parahyba, de
101 toneladas, capilao Oliveira, equipagem 14,
em lastro ; a Coinpunhia Pernambucana.
A--.i10 dias,hiato brasileiro Sooralcnse, do 86
toneladas, capito Antonio Gomes Pceira, equi-
pagem 8, earga sal e ontros gneros ; a S
Leito Irniao.
Montevideo2o dias, sumaca hespanhola Valen-
tina, de 83 toneladas, capito Gabr el Alcina,
equipagem 10, carga 130,240 kilogramas de
carne ; a Pereira Cineito &C.
Navios sabidos no mesmo dia.
AracatyHiate brasileiro Flor do Aracaty, cap
to Segundo Teixeira de Barros, carga vario
genert s.
PhiladelphiaPatacho americano ulai Christal,
capito Barns, carga assncar.
Rio Grande do Norte Vapor brasileiro Parahyba,
commandante Oliveira.
ECITAES.
Capitana do porto do Pernambneo 12 de
marco de 1870.
Em virlnde da ordem de S. Exc. o Sr. presiden
e da provincia, faco publico para conhecimentc.
dos cavegantes o edilal ahaixo transcripU) que!foi
remetildo 3. Exc. pelo Exm. Sr. presidentejda
provincia do Para.
Secretaria do gorerno. O Exm. 8r. presidente
1a provincia manda fazer publico qne (endose ul-
timado os reparos de que procisava a barca Pha-
ral, irha se ella des-'a o da 17 do corrente anco-
ra la na mesma posicio qoe eenpava no canal de
Bra ranea.
Secretaria do governo do Para 23 de fevereiro
de 1870. O secretario do governo, Antonio dos
Passos Miran la.
Jos Manoel Picaneo da Costa,
Capito do porto.
Dr. Tristo do Alencar Araripe, oilicial
da imperial ordem da Rosa jais especial
rio commercio nesta cidade do Recife de
Pernambuco, por'S. M. Imperial e Oms
titoicional o Sr. D. Pedro II, a quem
Deus guarde, etc.
Faco saber pelo presente, quo dentro do
de trinta dias contados da publicarlo d'este
edital receber eae Juizo proposta por car-
tas fechadas para arremataco por venda
aquem maisolerecer dea escravos segointes:
Latiremjo, criool cOrescura, idade 40 an-
nos, achacado e do servico domestico, ava-
liado em 200/1000.
Valentina crioula cor pftta idade li annos
doente d'asAina do servico domstico ava-
hada om 800jJO0.
Domingos criolo ccr parda, dade tres an-
nos doente de by.liopizia avallado em 400$
os qoaes eseravos consiiiuein tambem a
massa fallida de Luiz de Oliveira Lima J-
nior, e 85o vendidos requerimento do de-
O Dr. l'risiSo de. Alencar Araripe, oilicial
da imperial ordem da Rosa, e ju^ de di-
reito especial do commercio nesta cidade
do Recife de Pernambuco por S. M. Im-
perial e Constucional o Sr. D. Pedro II
a quem Dos guarde etc.
Faco saber aos que o presente edital virem e
delle nocia tiverem que por este juizo pendem
uns au:os d'! execucao de senten^a do tenen-
to-coronol Uexandriao Martins Corroa de Barros
contra Francisco Thomaz de Barros Campello, e
JosOloieneio de Oliveira o Silva como herdeiro
do sua flllia. E tendo s feito penhora em dlnhei-
r> perlencenle ao3 execotados, fora pelo solicita-
dor Rodolplio Jo) Barata de Alineida procurador
do exequente leito o requerimento seguinte:
Aos i'j da marco de 1870 era publica audiencia
quo aos fei'.os e partes dera o Dr. juiz de direito
especul do cinmercio Trislao do Alencar Ararpc>
nella pelo solicitador Rodolpho Joo Barata de Al-
inela procurador do exrnente, for.mi acensadas
as penaoras lYitasein bns. e tambem em dinheiro
pertencentes aos execuudos, e requer u que fi-
cassem assignados os 0 dias da loi a peulwra feta,
e tambem os 10 dias a penhora feita em dinheiro
aos credores incertos, passanlo-se edilaes, o que
ouvidr, pelo juiz houve a penhora por feila e aceu-
sada, os 6 das da !ei por assignados e tambem os
10 aos credores incertos, e o mais por dVi i lo
depois de mandar apregoar pelo porleiro dos audi-
torios que o fez na forma do uslyllo; do que liz o
presente e iuntei o mandado e precatoria com ter-
mos de penh'oras que seguem : eu SecundinoHelio
doro da Cunha cscreventc juramentado o escrevi.
Eu Manoel Varia Rodrigues do Nascimento es-
crivao o subscrovi.
Por forja do meu despacho o escrivao fez passar
o presente pelo theor do qual cito o liei por inti-
mados os credores incertos dos ditos execir
para qoe compareca) ueste juizo dentro do dito
praso.
Recife, IG de marco de 1870.
Eu Manoel Mari Rodrigos do Nascimento, es
crivio, o eserevj
Recite, 1(5 de marco de 1869.
Tristo de Alencar Aranfe.
DEGLARACOES.
Santa casa da misericordia do
Reeife.
Ptla secretaria da sania casa de misericordia do
Recife, de ordem da Illma. junta admiras'raliva,
sao envidados os prenles das e ucandas do col-
legio das orphas em seguida declaradas, para
que venhara r"juerer a sua retirada daquelle es-
tabeleciinenlo, visto que j tendo mais de 21 an
nos de rdade, devem ter o destino recommendado
pelo artigo 48 $ 31 e 4 do respectivo regula-
mento :
1 Maria da Conceicao Azevedo.
2 Anna Bezerra Cav.alcanti.
3 Amelia Joaquina de Oliveira.
4 Euiha de Mello.
5 Curdolina de Cas'.ro Cirne.
6 Sophia Mara da Cmceico.
7 Francolina Rodrigues da Ccnccico.
Secrataria da santa casa de misericordia do Re-
cife 12 de marco do 1870.
J3 escrivao,
rignes de Sonza.
Faculdade de Direito
do Recife.
De ordem do lllm. Sr. director faco publico que
no dia ter$a- feira, 22 do corrente, lera Ingar a
pnmeira prova do concurso para provimeTito da
vaga deixada pelo snbrtitnlo Dr. Bandeira Filho,
que passoo a caihedrat eo. Nao havendo mais qne
um candidato habilttsdo Dr. Joaquim Correia de
Araojo. ser elle argumentado as ihezes pelos
cinco lentes mais antigos, e comecar o acto as 10
horas da manha.
Secretaria da faculdade de direito do Recife 18
de marco de 1870.
O secretario,
Jos Honorio B. de Meneze?.
A Illma. junta da sania casa de misericordia
do Recife, pelas 3 horas da tarde do dia 24 do bit-
nte, na sala do *uas sessdes, recebe pro Mtas
para o fornociaiento de carne verde que tiverem de
consumir tudos os estaiieleckientos pios seu car-
go, no mez de marro corrente.
Secretaria da santa casa de misericordia do Re-
cife 17 di nareo de 1870.
O escrivao,
Pedro Rodrigues de Souza.
Pela subdelegada da freguezia de S. Jos
se faz publico que acha-so recolhida a cadeia, a
menor de cor preta de neme Maria; qne diz ser
eeerava, a qaal foi aprehendida vagando pelas
ras ; quem se jusgar com direito pode reclama-
la, qtte justificando Ihe ser entregue
Subdelegada de S. Jos 17 de marco de 1870.
Antonio Moreira de" Mendonca
- laspec^&o do arsenal de
marinha.
Faz-se publico 'que a commissao de peritos,
examinando na forma determinada no regulament
annexo ao decreto n. 1324 de S de fevereiro df
1854, o casco, machina, ealdeira, apparelho,
mastreacao, wlame, amarras e ancoras do va-.
por Car un pe da eompanhia Pernambucana de
navegaqo costeira, acnou todos esses objectos
em estado de poder o vajior navegar.
liispecco do arsenal de manaba de Pernambu-
co 10 de merto do t70.
O inspector,
II. A. Barbosa de Almeida
Arrematao
No da 21 do crreme, tlnda a andleacia do Sr.
Dr. juiz de orphos, escrlvto Guimaraes, ira pra-
ca de venda, varios objectos de ouro, prata e mo-
vis p?rt?nceotes aos bens da finada D. Mana do
Consellio de compras navaes
O conselho contrata no dia 19 do corrente mez,
* vista de propostas recebidas at as 11 horas da
manha e sob as condicoes do estylo, o forneci
ment de lenhi e velas stearinas de 8 em libra
para completo do de vveres, dietas e outros ob-
jectos de consumo aos navios da armada e esta-
bclecimentos de marinha no trimestre de abril a
junho do corrente : as velas proprias para lamer-
as ; e no mesmo dia, por igual forma, tambem
contrata os servicos de barbeiro enfermara de
marinha no dito trimestre, assim como promove a
compra dos seguintes objectos do material da ar-
mada : 4 bandeiras naciouaes de 6 pannos, 12 Bar-
rinos de mao, 400 alqueires de cal branca, 120
bracas de corrente de ferro de 1|2 polegada refor-
jada, 20 arrobas de estopa de algodo, 10 flmu-
las de navio, 10 fechaduras de ferro de broca para
porta, 8 arrobas de merh'm, 8 arrobas de mialhar,
10 libras do obreias francezas, 2 oculos de alcan-
ce, 12 pedras de amolar de .9 pe de dimetro e 6
a 8 polegadas de grossura e 1,000 tijoles Sala das essoes do conselho de compras navaes
13 de marco de 1870.
O secretario,
Alexandre Rodrigues-dos Anjos.
Juizo dos feitos da fa-
zenda nacional
De ordem do Sr. Dr. juiz dos feitos da fazenda
desta provincia faco publico que era consecuencia
de nao ter anda cliegado as ordens do tnesouro
para se fazercm as despezas com o transporte dos
- mpregados do juizo, deixaram de ler lugar no
dia designado nos edilaes de praca, as arremata-
roes dos bens do vinculo de Itamb, c as de mais
diligencias nos mesmos mencionados, ficando, po-
rm, cerlos os interessados do que sern, avisados
com a antecedencia necessaria do dia que for no-
vamento marcado para dar-se comeco s ditas di-
ligencias.
Recife, 16 de marco de 1870,
O escrivao,
. Luiz F. li. de Almeida.
-Olliiii. Sr. inspector da thesouraria de fazenda
desta provincia, em virlude das ordens em vigor,
manda fazer publico que tem marcad" o da 23
de abril proXimo vindouro para o concurso qne
se tem de abrir na mesma thesouraria para pre-
enenimento das vagas nella existentes de prati.
cantes da mesma, assim como da alfandega e da
rec bedoria de rendas : versar o exame sobre
as materias de que trata o $ i" do artigo 1* d
iecreto n. 3114 do 27 de junho de 1863, a saber:
leilura, analyse grammatical e orthographia, ari-
limetica e suas applicacoes ao commerdo, com
especialidade redueco de moedas, pesos e me-
didas, calculo do descont, juros simples e com-
postos, theoria de cambios e suas applicacoes. Os
concurrentes deverao previamente apresentar seus
requerimentos instruidos de documentos que pro-
vera idado completa de 18 annos, isenco de pe
na e culpa e bom comportaraento na forma do
art. 3o do decreto n. 2349 de 14 de marco de
1860.
Secretaria da thesouraria de fazeuda de Per-
nambuco, 4 de marco de 1870,
Servindo de jfficial-maior,
Manoel Jos Pinto.
FAVILHAQ MSAKTA ISABEL
Companhi equestre gimnstica c acrobtica do palacio d&
crystal do ^orto.
Director D. Marcos Casali
A pedido de atgumas pessoas tem o seu director resolvido dar os dous seguinte
espectculos ;
Hoje 19 do corrente
Depois que a banda de msica do Io batalho de iufantaria tocar urna sinphonia
das melhoresde seu repertorio, a c-mpanhia dar comeco a seus trabalhos.
PR1MEIRV PARTE.
l. Trapesio,pe]o joven Vicente, executando pela pnmeira vez odifcil e perigoso
arrojo A queda fingida ainda nao visto nesla capital.
i.o Baile sobre a corda tesa e equilibrio pelo Si. Luiz Casali.
3. Sorprehendentes equilibrios com urna cadeira, c merend romana oxecutados
pelo director D. Marcos Casali.
Iotervallo de 20 minutos.
SEGUNDA PARTE.
4.* Opo voador, pelo joven Vicente.
5.o Os jogos indios pela Sign< rita Anna Casali.
6.* A barra (xa, exercicios de agilidade e forfa pelos gimnsticos Cesar e Vicente
eo pequeoJoani.
Intervallo de 20 minutos.
Finalisar-ie-ha o espectculo com o baile caricato
EL CANCN
N. B, As pessoas que ortcommendaram camarotes e cadeiras poderao procurar al
as 2 boras da tarde do mesmo dia de hoje.
Principiar s 8 horas.
lioming) 20 de lawjo, s 4 horas da tarde.
PROGKAJII9IA
i. A taboa equilibrada pelo Sr. Luiz Casali.
2. Diffireis e sor pr che mientes e equilibrios sobre tres cadeiras, na corda lesa pelo-
director D. Marcos Casali.
.1. A barra fu, pelos rotos Casar e Vicente e o pequeo Joani.
nter vallo de 20 minutos,
SEGUNDA PARTE.
4." O pao wabr, pelo joven Vicente.
5. Os jagos indios, pela Signorita Anna Casali.
6. Difficcis c aplaudidos exercicios sobre o Irapesio dup'o, pelos irmaos Cesar e
Vicente.
Intenallo de 20 minutos.
Terminar o espectculo com o aplaudido baile caricato
Eli CAMCAM
Principiar s 4 horas da tarde.
N. B. O director previne que baaSsentos destinados as senhoras que qcizerem sem
familia assistir o divertimento, pelo preco das cadeiras communs. _________
Para o Porto
a barca f7or de S, Simao sahir brevmeate, por-
que j tem parte da carga engajada : para o resto
e passagens, trata se com os consignatarios Car-
vallo Se Nogueira, na ra do Apollo n. 20.
Pela coniadona da cmara municipal^desta
cidade, se declara aos proprieu rios de estabele-
cimenlos de porta aberla, sujeitos ao pagamento
do imposto municipal, que no mez de marco pro
ximo vindouro, principia a arrecadaco a bocea
do cofre do mesmo imposto
Contadoria da cmara municipal do Recife, ,28
de fevere.ro de 1870.
O contador,
Hypolito Cassiane de Vasconcellos A. Maranho.
Itelaoo das caitas registradas vradas do sal e
norte existentes na administraco do correio
desta eidade ;
Antonio Francisco de Moraes (2), Augusto Fer-
nando do Reg, Antonio Pinto B. da Azevedo, ^Af-
fonso Caelano do Valle, Antonio Ignacio de Aze-
vedo, Antonio Gomes de Campes Pilico, Alvaro
Ueha Vieira Brasil, Antonio Joaquim Campos,
Francisco Antonio das Chagas. Guilhermina de
Siqueira e Silva (2), Jacinlho Febronio Esmeraldo,
Justino Manoel da Silva, J< o Rodolpho Gomes,
Joio Ant< nio Gomes Guimares (2), Joo Ramos,
Joo Fernandes Cavalcanti de Albuquerquo, Jos
Moreira da Silva, Jos Antonio de Flgueiredo Jos
Leito, Joaquim Ferreira Guimares, Joaquina
Hara do Sacramento. Jo?quim Pinto Lapa. Joa-
quim Goncalves Vieira Guimares, Luiz Baptisla
de Souza: Lmirenco Jos de Figueiredo, M.lhias
de Azevedo Villarouco, Manoel Francisco da Silva
Carapioa, Manoel Frauklin do Amaral, Odorico
Americo Raposo da Cmara, Pedro B. Pereira de
Araujo Beliro, Raymundo Goncalves do Valle
Guimares, Tneodor J >aquina Vicenaa Alexandrina Pereira Dutra.
Oencarretiado do regisiro,
Manoel dos Passos Miranda
Administraban dos correios de Pernambuco
19 de marc de 870.
Mala pelo vapor transporte brasileiro Uapkur,
A correspondencia quo tem de ser expedida ama-
nha (0) pelo vapor cima mencionado, para o
Rio de Janeiro somonte, ser reeebida pela forma
seguinte :
Maeos de jornaes, impresos de qualquor natu-
reza, e cartas a registrar, at as 11 horas da ma-
nha, cartas ordinarias at o mei > dia, e estas at
meia hora depois pairando o porte do oto.
O administrador,
A/fonso do Reg Barros
THE/1TR0
GYMMSIO DRAMTICO
(No Monteiro)
SOB A MRBCjAO DO ARTISTA
DE RECITA BXTRAORD1XARIA.
Domingo. de marco
Representar se ha o iuteressante e maito ap-
plaudido drama em 6 quadros, ornado de msi-
ca e dansa, intitulado :
AVISOS MARTIMOS.
COMA BRASILE1RA
DE
Paquetes a vapor. .
Dos portos do norte esperado
at o da 28 de marco o vapor
Guar, commondante o eapio-
tenente P- II. Duarte, o qual
depois da demora do costume
seguir para os portos do sul.
Desde j recebern-se passageiros e engaja-se a
earga que o vapor poder conduzir, a qual dever
er embarcada no dia de suachegada. Encoinmn-
Jas e dinheiro a frete at as 2 horas
anida.
Nao se recebem ce mo encommendas seno ob
lelos do pequeo valor e que nao excedam a dua
robas de peso ou 8 pa'mos cbicos de medicao
Tudo qne passar destea imites dever ser erabar
!ado como earga.
LEILOES.
he musios
do dia da sua ^m sobrado de 2 andares c soto n. 70 da ra
das Aguas Verdes, solo foreiro, rende 816* per
anno.
lia dito de um andar n. 28 da ra de lionas,
solo foreiro, rende 6M)#L
! 'na casa terrea o. 1 da ra de Santa Tbereza,
solo foreiro, rende 2I6|.
Previne-se aos Srs. ntssageiros, que snas pas-1 i'm dita dita n. 21 da ra do Nogaeira, solo fo-
^agens s se recebem na agencia ra da Cruz reiro, rende 3604.
I ma diia dita n l da ra das Aguas Verdes, so-
lo tambem foreiro, rende 300J.
Segnnd-feira 2i do corrente.
O agente M;rt n- far leiio por aulorisaco do
Sr. Francisco Gucdes de Araujo procurador de
Joo Fernandes Dnarte herdeiro universal de sea
fallecido fiiho Antonio Fernandes Duarle dfr Al-
meida, dos predios cima, a por la do predio qne
foi Assoclaco Commercial no largn do Corno San-
to, as 11 horas do dia, os pretendentes podem
obter qualqncr informa^o do referido agente.
ager
n."57 primeiro anc"ar, escriptorio de Antinio Luiz
lo Oliveira Azevedo & C.___________________
C0M1IA BRASILEIRi
DE
Paquetes a vapor.
Dos portos do snl esperadt
al o da 21 do corrente o vapni
Toeantfni commandante J. M. F
Franco, o qual depois da demo
ra do costume seguir para o
gc.ira para os portos do norte.
Desde j recebem-se passageiros e engaja-se
carga que o vapor poder conduzir, a qual deven
ser embarcada no dia de suachegada. Encommen
das e dinheiro a frete at as duas horas do dia d
sua sabida.
Nao se recebem como encommendas seno ob-
lectos de pequeo valor e que nao excedam a 5
arrobas de peso ou 8 palmos cbicos de medi-
cao.
Tudo que passar destes limites dever sei
embarcado como carga.
Previne-se aos Srs. passageiros que snas passa
fens s se recebem na agencia ra da Cruz n. 57
andar, escriptorio de Antonio Luiz de OHveir;
\zevedo 4 C.
Porto por Lisboa,
Cora muito pouca demora dever seguir viagem
i galera portugueza Lisboa, de primeira marcha,
j classificada em primeira classe : para algnma
carga que Ihe falta, e passageiros, aos quaes offe-
rece magnficos coinmodos, trata-se com Soares
Primo, ra do Vigario u. 9. _______
I has dos Acores
Domingo 20 do corrate segu impreterivelraen
te para as (Ibas dos coros a barca portugueza
Amizade para passageiros. para os quaes tem
i xe lente* commodos, trati se eom o seu consig-
natario Joo do Reg > Lima, na do Apollo n. 4.
Para o Porto
a barca pbrtngueza fNove Silencio seguir con
a brevidade possivel; para carga e passageiros
trata-se com os consignatarios Oliveira Fimos A
C., no largo do Corpo Santo n. 19, ou como oa
pitad na praca do commercio._______________
COMPANHIA PERNAMBUCANA
DE
Navegando costeira por vapor
Porto de Galliblias, Ro Formse e Taraan
dar.
t^Tl]/ O vapor Corwipe commandante
jrij[ Silva seguir para os portos cima no
nl_Bjdia 30 ie mar^o, a meia noite. Recebe
carga, encommond:'*, passagwros e dinheiro a
ireie, no escriptorio do Forto do Mattos n. 12.
Para o Porto por Lisboa
seguir era poneos dia3 a barca porWgoeza Nova
Sympdthin, de I1 c'asse o marcha, por j ter
prora pU aWpifwrte de sea carga; para o pon-
co quo me falti o passageiros, aos quaes offereri
ricos e escellentes commodos, irata-se com ftal
tar, Oliveira S (!., raa do Vigario n. 1, primeiro
andar.
LEILAO
De unta parte do engenho Bar-
r8, freguezia da Escada
Ter^-a letra d atare*
O agente Pinto, levar leito por des-
pacho do II! u. Sr. Dr. juiz especial do
commercio. em virtude do qn reqaereram
os caradores ficaes da massa Taluda de Luiz
de Oliveira Lima Jnior, a parte do engenho
Barra freguezia da Espada, qne perlence a
niesm- m ssa a qual venaa se torna recom-
roendada j por ser naquelle engenho que
temexeelentes ibras e outras vanlagens
cons dera veis, alm*'dc ser prxima da es-
trada de ferro j por ser terreno de gran-
de ferlilidide : o leiio ser efectuado ao
meio dia do da cima dito porta da Asso-
ciaco commercial.
AVISOS DIVERSOS.
Club do NoRteiro
Hoje h reuniSo familiar, 6 trem 4a >>*
frrea a orna hora depois de _eia norte.
O empresario,
__________________ / Laum.-
__B---_-H____l
D. Rila Maria da Nalivldade lagalhacs amito
gradeee do fundo d'alma a todas as pe^soasjne
se dignar. m assistir as eseqnias, e aoompaniar
at oemiterlo'iiUblieo os imm mortaes do *
extremoso eseosoo major Flix Fraa i de Seo-
m Magalhles e de novo convida a todos os s
prenles e amigos do mesmo sea ftHecido esMM
mr\ assfctffeM as missas e meflHMo Vte se tan
de eeMirar a OrdefliTetcelra'*) ferito,^ ao a
19 da correte as 7 horas da manMo, oe desde aa ^twwa atermumate atiafreida.
i i*
I
'.
>

i eeoilntia, par casa de aeaeti fctailla ci
homens solleiros : quem precisar dirija se m
Santo Amaro ao sobrado junto do cemiterlo ingles
i


Diario de PernaBibtd Satyad 19 de .Mu^o de 1870.
* fr
MNM
D. Honor i? o wsrdade me a Sra. mnilo lrr
lante ? Pois a Sra. d-pols So comer oPnio !
IiootemM^^v quefj. a manteipi e bohftii
n*ax, fceber (fcu, o o vinlm Figueira (iuorprr
gar rolare J (ira, D. tlonorain, a Sra; de-
Yergwhai. K o dinheiro do outro <|oe a Sra. tmn
.i en poder, parque nao vai ei.ire|ar 0. lione-
ra* ** Elle esta zaagadu e nao est para gca.
Va,an>, I. BonoritB, :'i ru que- na /*<* e
redita ao linnu-m o mheiro que a seahora co-
MB- A ser.h'>ra lemlira-?! do que toe em Ifiia,
4j*a huta p Serinhaent ? S n me flaer un
o tu descubro, assiin tamben) cont a
historia, do bacio quebrado, do eraveiro de mi alia
llha mais vslha da carauna de qoarenta mil
*& (!!).......
____________________ O Pre._____________
Jos Mara Pedroso de Luna retirare para Eu-
ropa a tratar de sua saude.____________
O Sr. TmerBo d- Albuquerqoe Nas-
ciment >, queira vir oa mandar a esta ty-
pographia. que se lhe preos fallar.
n
loaquim RolrijrneS Tfcvare A; Mello, apadare
cordialmciit- a i,>loaos satis oarent., amigo e
fins pessoas que se dignaran) aeoinpanhar ao
ultimo juago, n) cemitero publico d'csta cidade
as natal Boortaes de sua pregada-esposa D Car.-
iina Ursulina dos Santos Mello ; e a lodtw coivi-
4a pan assistirem a missa e momento que man-
da celebrar fin sutfraaio por alma da fallecida,
oo stimo da, soguuda feia 21 do correte pela?
7 hora da manilla, ta greja da Ordem Terceira
de S. Francisco.
Moje pelas doz liora^ da manhaa desnp'n-
te.a Je oas n menor Florencio, tntcllado do
abaixo assigoado. Sabio vestido de calca de brim
pardo, camisa de chita preta e chapeo de palha
amatvlla usado e tem os eignaes seguintes : par-
do escuro e cabellos earapinbos eo nariz chalo.
E' bstanlo conhccido porque milito vadu. Quem
dolle soub>r ou tivcr noticia ou ti ver bomisiado,
qneira ter a bandado de participar ao abaixo as-
signado na da Concordia n. -'JG, ou oa alfandega.
Recite, W de marco de 1870.
____________Basilio Daptis'.a Furtado.______
Bazo da mona
Voitei ao mcu an'.ijio elemento d'ondo jamis
devera ter sabido ; ladrei ladroei de ladrar,
p no (oh dita minua! ) fui, sou e espero ser
setnpre nm 'adrilo felieitttmo.
V. PALEARES
i
versos patrio*Utos ideados memoria dos
-Ptr.'i'.iii!*;'.:i:aiiOs morios do Paraguay.
jLis!gaa<40 n BJvrsrla Pranceza
____a -2*000 ns. o i:xemplar.
Eulogio e cadeia
O moco que boiitein p, i ..-ifo da passar os
toioi (la ra do Ou i nado levou un rc-
t rom cadeia que eslava sobre nina eommoda,
queira quaol i anta leva-I. ao dono, do contrario
atra publicado seo nomc por extenso peste Jornal.
EngL-ntio Qoeii noezia da Bar-
II Jo 1870. Na madrugada de
aabbi mei d I -.- iro prximo pa-sado
Cortai nm i-.ivallo e uin burro
com i tintes : o < .vallo <; ruco sujo,
grande, h >, novo, carregador baixo, ten
ana rcladnra na junta da o direita de urna
ftrida que ha ponoo aarou, :m onira poiiadura
bem itas do lado direito marca de
cangalha, tem ten inoqmrto direito e por falta
de reparo i le. 0 burro de cor
pret.i. i teo, eastrad i, manso, de sella c carga,
aeorcmroda dos beieo seiaatata: quem os
?.|.; rebendor i u d. lies tiverom noticia, tenham a
bondade de dirigirse ao abaixo assigmdo pro-
prieu engenbo oue bem leeampen-
hh
Juo Gii'lherme de Mello.
Aoresprifcavei publico
St hinnm de maior idade, que j teai
PprWbaff tarto publico coaio part-
m fular, por lempo do mais de 20 armas,
que tesina grammatica portugueza cana
t'ida sua rgoncte, tanto lgica com
grammaioal, aritboMtica tlieonca c pra-
tica com toda sna conrabilidade, geome-
tra pra!t'-a ft-uas dirlnm^abs e di-
Wt menafr de sua* ifar,s, e historia sa-
grada, que ew toda tas materias foi
M examinado e approv^do ; e lem sido a
i sua aula sempr bem freirarntada de
9 alumno, flilios das nwlhoivs peswas dos j
_ lugares o^ te tem eosioado com bom me :
f tlmlo de ensino e grande adtantamento, j
Scoino tudo prora com documentos o en-
ioa md'pmdente de eaago* ; e tem bu-
lado ora grande numero de alumnos j
iromptos de sua aula, tes sai padres, douv-rts e professores.
| Propee-se a ensinar em aigum enge- j
nha, ni.yliante urna baa paga. Alnum
senbtir que quuur dar urna eJucacao
M melindrosa aos senhot-os seus filaos, po- j
u de mandar neste qnatro dias, na typo- i
' graphia deste Diario, botar emearfa fei 1
'S x ida o nomc e sua moradia^ para ser j
S pr curado, ti ponda na subscripta as fni- >
_ ciaes M. C. A. M.
i- O Sr. Kanoel Luiz der terreno nenhnin em SaDlo Amaro das Salinas
em que esteja em sob prlha?, do fallecido eu
pai visto ate esta data nai ter prestado conta de
sub partilhas aos herdeiros, sob pena de nullida-
de qnalquer venda que teca.
Un lierdeiro._______
I'recisa se de cosiureiras para coser cha-
peos de sol; na nuva fabrica de Manuel & C. :
ra da Cadeia dn IWcife n. '..
Tendo a mesa regednn da innandade do
Senhor Bem Jezus das l)ores_ em S. Gonealo, re-
solvidoacompanhar a procissio do Senhor Atado
e a Seobora da Soledade da igraia do Livraniento,
convida a seus charissiujos irma >s a conqarecc-
rem no di 20 do corrate pela* horas da tarde
uo consistorio da innandade, munidos de sdas ca
pas, (aqoelles que a tiverom) afim de eneorpora-
dos, acompanbar a referida proetssao.
Liberato Merenciano de Souza,
Secretario.
Perdeu-se da esUicaJ dos trilhos urbano?,
trajete pelas ras de Santo Amaro, Nova, Cabu-
g, praca da Iniependencia, (jueimado al ama
do Livramento, um leque do seda parda e sndalo
com lentijoulas de ac, tendo no centro as iuciae
J. B.: quem o achoa e quizsr entrogar, venha
ra da Cadeia n. 33, i' nadar, que se gratificar.
1IJ.
Procisa-se de urna ana psra comprar e cozi
nhar para duas pessoas : no largo da mrtrii de
Santo Antonio n. 12.
CRIADO
na
r*rt< li u eri..l i de boa conduela
ra nova Sama Hita n. 59.
~~ 6 bacaarei a G nealvna da Rocha ha re-
anhidn tsuboleaer seu escriplorio de advogacia
uesta villa do Cabo, onde poder ser procjrado
ai qnalquer dia e hora par o exercid de sua
prifiisio. Enenrrega ^e nao s de negocios reta'
toi ao Wro dt:ta comarca e seus termos, como
umb>'in perteuotnte as comarcas e termos da
Sanada, Rio-Formoso e Agaa-Preta, e mesmo de
qnalquer oalra coma/ca quo perten^a ao dislricto
deste tribunal da relacao.
MI
A
viso importante.
O abaiXo a&signado previne a quem in-
.: p issa que eredor Inpoiheca-
rn de grande part do sitio denominado
Ptedade c situad) na estrada de Ja-
b tatS). Hypotlnsa que lhe foi feila pela
falecida Feippa de .Siuza Cavaleante, que
en;a) era senliora e possuidira da parte
da mencionada propriedade, hoje perten
a sua (lina que anda menor e
parque visse, o mssmo abaixo assignado
uoi annnncio de venda de urna parte do
l ido Sitio por Joaquim Xavier Ca-
.ite do Albuquerque, mirador na
Torre, wmlij pelo presente prevenir que
1 tal annu'ici > so refere a parle que
!li est bypothecada nao pode ella ser
vendida se'm sua audiencia.; protestando
desde ja tazar valer sea direito no tribu
na! compon".
Rejife, 18 de marco de 1870.
loa i'.iim da Silva Cosa.
Fogio no dia 13 do crreme o escravo Ma-
noel, idade 23 annos, poucomai- ou menos, criou
lo, um pouco fula, estatura regular, flouca barba,
falla de dentes na fenle, tem urnas marcas de
(ueimaduras deum la J > do pescoro principiando
da fonta, emenda de aosinba, levou camisa de ma-
dapolao e cali.a verde j desbotad i, cujo escravo
trabalhava noarmaicm alfaodegado do Sr. Dantas,
c tem sida vito pelo Forte dn Mallos e ra da Boia
emuiuatal.er.ia : p*4e-e a quem o enconlrar
leva-lo ao Hospicio, ra do Destino n. 3, ou no
bairro d Recite, ra do Codorniz n. 11, armazem.
14SADOOIITUSA
Aos 5:000$
Bilhetes garantidos.
K rna do Crespo n.23 e casas do costme.
O abaixo assignado, tendo vendido alm de ou-
tras Borles, um inteiro n. 281 com 'JOOOOO da
lotaria que se acabon de extrahir a beneficio di'
matriz de S. Btnto (ItO'), convida ao3 po3snido-
ros virem receber na conformidade do cos-
turas sm descont aliium.
Acbam-se a venda' os elizea bilhetes garan-
lides da -l' parle da lotera beneficio da matriz
de Agua Pela (>(U*), que se oitrahir segunda-
l'jira 29 do corrento mez.
frenos.
Bilhele 6000
Meio 3i000
Quarto t'500
Em jorciio de 10 para cima.
Bilhle 55500
Heio 2*750
Quarto 14375
ilanoel Martins Fiuza.
Fugio do engeulio Forno da Cal o escravo
Raymundo, cabra, cim 11) annjs de idade pouco
mais ou menos, estatura regular, cheio do corpo,
falla desean^ido, fugo fuando ama imagem de
Santo Antonio e outra de Sao Jos e mais alguns
objecto- que na i se deram por falla ainda. Offe-
recese oiJ* de gratilioacao a quem pegar o dito
e leva-lo ao engenho cima.______
650,000 RS.
Um'caixeiro tendo recebido de seu palro a
quantia cima para fazer um pagamento, aconte-
ceu perder desde a ra Nova at a salla das sej-
c5e? do jury, tendo dita quantia na segninta es-
pecie : urna nota do 50U4000, urna de 1005000,
duas de 2\)jl000 e urna de 10*000, quem as acbou
Juerendo restitua poder te dirigir a ra do
raspo n. 7, loja do gallo vigilante, que se dir
quem os perdeu.
f ^ P.ira pequea familia precis-se de urna casa
terrea cora bastantes commodos, na freguezia da
Bf vista ou snas immediacSes : quera tiver para
-iiugar irija-Se ao Rtcife, 'ra do Torres n. 12,
jueacaar rom quem tralar.
Bernardino Jos de Medeiros vai a Europa
tralar de sua saude, e deixa por seus procurado-
res Manoel Cabral de. Medairos, Francisco Joao da
Costa Ribeiro eLuiz Cabral oe Medeiros.
A mesa administrativa da Devocao de Nossa
Senhora da Lnz, convida a todos os raos que
se julgar com direito para encorporados acompa
nhar a procssao de pfossa Senhora da Soledade no
dia 20 do correte e do Sr. dos M irtyrios na sexta
feira prxima vindoura pelas 2 horas da tarde
nesle consistorio.
Consistorio da Devocao de Nossa Senhora da
Luz 18 de mareo de 1R7U.
Leandro Honori no Jos de Sampaio
Secretario.___________
Agradecimento
Cu abaixo assignado declaro que no dia 13 do
correte deixei urna carleira com a quantia de
20010M em urna nota do banco do Brasil, na loja
dos Srs. Figueiredo & C, e por me contar pelos
meu3 amaradas do batalho dos voluntarios, a
quem os mesraos senhores dizam, faco o presente
agradecimento em que me assigno.
Francisco Jo3 de Sant'Anna.
mENClQ
^r.FraaoasoJtarquesda Cunta, acadmico
queira comparaee" na ra larga do Rosario n. 44,
a peguero da mnitoaou. intercsij}.____________
Trancbco Correia de Mesquita Cardoso reti-
ra-se para Botona.____________________
- Na ra do Apiib v. a, 2 andar, precisa-se
alagar um cozinheiro, paga-se bom ordenado- a
tratar das 6 horas da inaoba as 9, e das 4 horas
da jardeara diente.
No dia ti do corr*ot fgw um moleque de
nome Zenobio, de 16 para 17 annos. com os sig-
naes segnintes : baixo, magro, cor fula e difflcol
dade no andar em viriude' de Weho-i que tem nos.
oes, suppOe-se que anda aqut na capital ; e as au-
toridades ou capiaes de campo que o capturar o
leven ra do Destino n. 3?, que se recompensa-
r generosamente. ^^^^^
|g( O l>. .'Mamtt d" volt d sita va- ffi
ou-se :' me
lias de setinons, a partos e ffecc'3
de pelle. p.^e ser procurado em sua casa
a ra da laaperairiz i:. 9. Da consultas
das Mfmms ao meio diz. sendo gratis J
para o pobres.
O Dr. Luiz Jos Corre*? (Te S conti-
na no exercieio de tua profl-sao *meir
ca, e_reside ra das Nyroplms (Soledade)
n. 17, onde peden ser_pr)Cimuh*.
I Na ma Direita n. 8, 2* andar, prsea-se de
urna smaescrava para o servida de pequea fa-
milia. ^___
Preem-se de um bom eosfclwiro prefere-se
ostraogeiru para um hotel, paga-sebem: a tralar
na ra direita n. 13, loja. ________
de mar more, ra das Criase*
i. 11.
O artista Gamiilo-acha-se estaboiecido
cima, onde pode ter procurado para
misleres de sua procissio.
na casa
todos o?
Kua & Iaiperaifixa. I
Gaspdr hale tem a honra de participar
ao respeitavet pnWico qae acaba de abrir
a nova padar ltema ns ca sopra-men-
cionada oade todos os dias desate as G hor
da manha> se enconirir o be eonhecido
e appreciai'
Ff> FW> KSPECIAb.
Encarrega-se tamben, de quaesiqnar en-
conimendas.
l'recisa-se alugar nma casa as immedia-
ijocs de Ponte deUch at Apipncos, prefere-se
casa com sotao ou sobrado : quem tvrr e i|uizer
lugar, avise na roa da Cadeia do Recife a. 35,
on annnncio por este Diario para ser procurado.
Ama
Na ra do Codorniz n. 8 precisa se de urna
ama qua saiba cotinhar. ^____
Ama.
Na ra do Torres n. 16, *> andar, precisa se de
urna ama que coiinhe, compre e engomme para
urna pessoa. ____________
CASA FELIZ
Aos ao.-ooo^ooo
No arco da ConceiQo vendeu'nos seus felizes
bilhetes da lotera n. 312.
4448 2:000*000
1171 8005000
39IG 200*000
39W lOO^OOH
Solicitador.
M;noelLuizda Veiga solicitador piuvisionado,
acceita partido das casas son ment es, para tudo
que disser respeito ao seu emprego, e islo por
mdico preoo : pdd ser procurado em sua casa
ra da Gloria n. 94, todos os dias das G ( 9 ho-
ras da manhaa, ou ao meio dia ua sala das au-
diencias nos dias uteis.
Ama
Na ruada Cadeia 4a Recife n. 50, precisa-M
de urna ama para cozinhar e cu geminar.________
Do engenho Maranho, freguezia de lpojuca,
urlaram no dia .'! do correnle 5 eavollo; com os
ignaea legninlea ;
Ura alaso caslra cascos temos, e tres ou quatro ps calcados, bo-
ta crinas para o lado direito, tem urna matadura
vi-lha em cima das cnstrllas, novo, anda bem a
passo, bem ardigo a cipo c lem o ferro oo.
Um russo pedrez, grande, castrado, idade de
10 anuos,caula lina, e bola as dinas para o lado
dirail .
l'm rudado pequeo, inteiro, meio cacando,
com',o ecblnfeano proseo no lugar de bexiga, bem
curvado*e milito sendeiri>.
Um castanbo som sigual, branco.. lamanho de
moio, corregador e lem duas espadas no pescoco.
Ura alazao qneimado, grande o pesado, castra-
do, do 10 annos. carregador e tem tis ainas um
pouco abertas.
Quem m'os trouxor lem 100000.
Joao de Souza Leuo.
PllhMX. PKI1NA.MUUCANA.
Companhia ilr tfffutoi murilirnos e terrestres
Ra do Cuinmeicio n.
Capital B ts t,500:000000
SeguraMovis.
Merca dorias,
iavios de vena.
Vapores.
Predios.
Em vapores at ris 100.0XH000
F.ui navios de vella al ris 75:00l)-5OO0
Em cada predio al reis iOOiOOCjOOO
IVrnamlwco, 7 de. marco de 1870.
Pela companhia Plioni;. Pernambucana
J. J. Tasso.
F. F. Borges,
.1. 11. Trindade.
Correspondencia de Portugal
Os Srs. que *nda devem suas assignaturas de
um, dous, o at 3 annos, nao obstanie a degen-
cia que se ha feito para receber, queiram mandar
pagar no escriptorio de Tasso, Irmaos & C. at o
lira do mez de Marco, quando ser enviado so
editor* da menina folha urna lisia dos devedores
que nao o tenham feito at aquella dala.
I
Frecisa-se de nma ama forra on escrava : no
pateo do Paraizo n. 29. Io andar, esquina, defron-
te da igreja.
AMA
Precisa se de urna an a forra ou escrava .
tra ar na praca do Curpo Sanio n. 17, primeiro
endar.
O abaixo assignado avisa ao publico que lendo
obiido lieenca do Bxm. Sr. crmsefhelro mspector
da thesonracm da lazenda geral, para vender es-
lampilhas em sjn estabelecimcnio rna do Crespo
n. 23. pelos meamos precos que se Tendera na re-
cebedoria geral; assiin pon, pode;> as pessoas
residentes nrafn erdade o fra della dh-igirem ao
abaixo assignado, na encommendas em nualquer
quantidade que era prompl.immle saiisReitas.
' noel Martins Finz;i.
a ni
Ma
ca de
Pfsdn-M de"om oicliriM qoe lenha prati
taberaa : na rna da Cadeia-nova n. 7.
Agencia era Eernambueo
1>> Dr. Ayer
Peitoral de Cereja
Cura ,i pn'.nyslca e todas as molestias do peito
*a'sa parrilha
Cura ulceras e chagas nptiga?, impigeas e dar-
Ir.s.
Conserva c mpa os eatinjios.
Plala minar i Iras.
Paramente Vegetaes a nem mercurio, eara e-
zoes, ctiram e purifiean tedo o systema humano
Teude-c cirectivanaema ana wsa de nsnooi P.
Jotinsfon A C., ra da SanaaJIa Nova n. 48.
Precisa-se alagar unroseravo de han con-
ducta para o senieode umn loja de fazendas : na.
ra do- Crespo >. 20 A. *
CaziarVlrV

Preci zinhar para casa de poura familia : pagase bem;
a tratar na nn do Vigario i. 9, 3o andar
Anjos para procissoes
Na ra da Crnz do Recife n W, eantinoa a ves-
tir-si; anjos para paoetttftaJBanrk ticftat ja co-
nhecida das numerosas pcssc&s que tem mandado
vestir seus Qlbos ; leudo ornamentas simples e
bordados na Europa a poder saptisfazer vonta-
de aos concnri entes. Para mianmer acto do pro-
cissio na Boa-vi-ta o roinm'didade das pessoas
daquel! bairro. a mesma [unia veste na ruada
Ceneeirao n. 17.
Negro fugiio.
Auzantau se .no dia 11 do cirent da pala-
na da Soledade, de casa de sen senhor um escra-
vo erioulo, baixo, corpo regular, lem um signal
num olbo, parece urna bellida, puuca barba o cs-
sa no qni-ixo. cbama-se 11-moaje, de idade 27
annos, levou calca azul misa do i! dio branta. o um licnfi uzado. mea-
ira de macara ; julga-se estar por alii em algu-
ma padaria e o troafxQ assignado desde j proles
la cintra quem o livor acosiUi, f>sm como gra-
tificara generorameme a ijtirra o irooxer a seu
senbor.
-1! .1 irpn do Souza.
Pre*isa-9B do nma ama que compre e cozi-
nlie para casa de pouca 'familia : na ra nova de
Santa Rita n 41.
i\"a praca da Independencia n. 33 se da di-
theirosobre penliores de ouro, piala e pedras
irecosas, seja qual or. a quantia ; e na mesms
;asa se compra e vende ol jecios de ouro oprata.
i igualmente se faz loda o qualquer obra de en-
:omnieuda, e todo e qualquer concorto tendente
i mesma arto.
Precisa se de nina ama fiara casa de
pouca familia, no pateo do Terco n. 1,
AMA
taberna.
- Precisase de um eateeiro le 14 a 16' annos
anp' tenba alguma pralica de taberna : na irares-
sa da rita do Qnetaado 3.
fnstruccfto primara part--
Cillart Compra se- ou afcaga-senm escravo on eseraw
Anna Senhorinha alontttro Pessa, competente- pwi"' cezilieira ; tratar na ra do Graspo n.
mente habilitada, de'conformidade com os despaches e*; loja de Aodrade k Reg.
da presidencia da provincia de M, e da directora -------->- -, ____________ ,
geral da nsirucojo publica- de 24 de fevereir ni- Era casa d THEODORO CHISTI
timo apreseota aos senhores pais e mais cheles de AN3EN, nM da C*TO n. 18, eQCOlHBVZtf
familia a su anla particular que se aeh3 aberta-em
a roa *s Crnzes h. U, 4 arriar, das- 9 lloras da
manbaa as id tarde.
Materias de ensino. v rm
Le tora-, arifbmetica, escripia, etc.
Costuras de toda as qoalidades: ponto de mar-
ea, bordados diversos (inclusive Je ndro>, labtnn-
tho, o finalmente llores.
Alumnw externas SOOO mensae.
Aqunlts senhora que residirem distante d d-
darte; podem, querodo, confiar mesma profcs-
sora suaa ff has, tuteladas, ele que serio tratada
com o mior cuida*?, zelo e esmero que fr pos-
sivel, medianteprevio ajuste.
d vh
aflectivamenta todM as qualidades
Bordeara, Bonrgognc e do Rbeno.
Praeisase de urna cazinheira ou eozinbeiro
preferindo-se escravo, para casa de pooea, nunt-
iia : a ma Nova m. 24.
Ivitf-
Advopido.
m
O bacharel Fancbeo Augusto da Costa
miiduu o .-cu cscriptoiio da casa n. O'.i
pasa u de o. :>'i na roa do Imperador,
MieV*ei encontrado das '.> hcTas da ma-
nhaa as -i da tarde.
Nesta mesma sasn >e encontrar nma
pessoa que se propoa a faaor bobnna,
o que so encarregi, do qmuliea uo ipte-
rior da provincia.
Para Timbauba
Precisa-se de um cai.xeiro cum pralica molha-
dos e padaria ; assbn como de um padeiro que
bom saiba orniar : a tralar na ra do Crespo nu-
mero 1.
O Sr. Francis-o Poreira h Ar-rudu
Cmara (setilior ck cngenin) tenha a bon-
dade de dirigir-so 0 mais breve possivel
rna do Crespo n. 17 Mgocie.
= Veode-se l acgoVs da estrada de
ferro de Oiinda lendo-se ja entrado com
I:.'500i5000, quem preleolcr dirjase ao
largo da Sslcdado n. 1, que achara com
quem tratar.
Ma^a tullida
Os senhorci crodoros da massa fallida d-^ Maia
& Espirito Saulo saj envidados para, em todos os
dias uteis, de 1 as 3 horas da tarde, al 10 do
correnle impreterivelmenie aprsenla os seus t-
tulos na ra do Trapicho n. 4, Io andar, alim de
seren verificados.
Feliciano Jas Gomos.
Pedro Mr. Maury.
Theoduio Simn.
Us ab.iixo assignados, membros da commis-
sio encarregada dos festejo da recepcao do 53
corpo de voluntarios da patria pelos moradores da
ra Nova, julgam nada restaren* das dc-spezas re-
lativas aos ditos feslejo;; mes se lia algucm que
nao fosse pago, queira a presentar-ibes aconta, que
immediatamente a sati-farao.
Thoinaz Ferrara de Carvaiho.
Manoel Mo reir de Souza.
Jo Leandro Lopes de Oliveira.
Nao mais cabellos brancos.
A tintara japoneza para tingia os cabellos
da cabeca e-da barba, fot a tnica admittida
ExposiQdo Universal, por ter sido reco-
nhecida superior todas as preparacSes at
hoje existentes, sem alterar a sade.
Vende-se a ^OOO cada frasco na
Rna da Cada n. 51,
1. andar.
Deseja-se
saber noticias do Sr. Antunio Augusto de Azevedo,
natural da cidade de Braga, a pedido de sua mai,
consta que veio da Babia para nata cidade no an-
no preximo passado, [foendo dirigir-se i ra
larga do Rosario 30.______________________
Cobrani'a rie alugueis.
Ha quem se cncarregue da cibranca dos allu-
gueis de predios desla eidade por mdica porcen-
lagem incluindo os serviros de solicitador nos ca-
sos 'de despejos judiciaes, podem procurar na ra
da Gloria n. 94 das 6 s 9 da manhaa.
Preciosa ublicacao
jurdica.
Commeiitano do Catftifo Commercial Portu-
gus e Bra$ileiro.
Vende-se na loja da ra do Crespo il
25 A esquina da d*> Ooeimado, a impor-
tante e moderna obra sob o titulo de an-
notarte ao oodign do commerto porhtguez
em G voluraes pelo Exm. Sr. cooselbuiro
Iir. Diogo Perelra- Forjaz de Sampaio Pi-
uentel, lente cathedratico na universidade
de Coimbra. Gb swbidos crditos de que
goza muilo merecidamente aquello eximio
commercialista por sfs^ hastariam para re-
coramendar tio importante obia, quando
nao coneorresse mais para isso a grande
vantagem de ser um ptimo commentario
ao cdigo commercia brasileiro (na falta
absoluta que b.a de qua'qner nutro) pelamo-
xima honiogeneidade de entre militas das
suas dpo?icoes, e as do mencionado cdi-
go portuguez, que h*te servio de texto.
(oirei pressurosos. distincta mecidade
do 4. anuo da Faculdade de Direito desta
cidade c notareis jurisconsultos, a prover-
vos desso poderoso auxiliar para vossos
trabalhos da sciencia, e pelo preco commodn
de 20/5, toda a obra em 6 vol.
Sublime pwfelicae&o ittcraria
sob o titulo de lleuiori do
Rom lesu do Monlc. em
Braga.
Ael;a-ne venda na loja da ra do Cres-
po n. 25 A. esquina da do Queimado a pri-
morosa Memoria do Bem Jess do Monte em
Braga, ornada de gravnras finas, segunde
edicao, obrada penna de ouro domui Ilus-
trado lento da univeisidade de Coimbra,c
Exm. Sr. conselbeiro Dr. Diogo .Pereira
Forfaz de Sampaio Prmcntcl. Quem tiver
noticia da extraordinaria devorSo que exis-
te em Portugal para eom aquella milagro-
sissima imagem, affluindo sempre para o
seu magestoso templo em roma ria o nume-
roso povo de todas as partes desse reino ;
quem souber avaliar as brilhantes desenp-
Ces, e o bello estudo daquelle consumma-
do jurisconsulto e eximo litterario portuguez
nao deixar de procurar, quanto artes pro
ver-S de um exemplar da dita memoria,
pelo diminuto prego de 3$, na loja indica-
da, onde ha pequeo numero dolas.
Na mesma loja cima lia ontras estampa,
muito perfeitas e grandes do dito Senhor
Bom Jess de Braga, por preco commodo
0 CIRlliU) DENTISTA -
Frederico Maya
Tem a honra de scienticar ao respeita-
vei publico em gerai, e aos seus clientes
em particular que elle mudou o seu gabi
netede consultas da ra Direita n. 12 para
a do Queimado n. 31 primeiro andar, com
a entrada pelo pateo de Pedro II, onde po-
de ser procurado para os misteres de sua
profissao, todos os dia- uteis das 9 horas
da manhaa s 3 da tarde.
Tambem previne, que contina a prestar-
se a voDtade dos clientes nao s na cidade
como nos seus suburbios, para onde as
idas sero precedidas de ajuste. Elle ga-
rante o bom desempenho e a perfeico de
seus trabalhos, o que j bem eonhecido,
assim como as commodidades dos precos.
SEGUROS
IERDABEIRO LE ROY
de HtuyKT.T, Vodfit-Metcln
Bno do Sol.r>, 81, & PARLS.
Em cii.: garrafa, til, filtre a rolbi e o ;
que leva o nu-u inete, um ruinM ln>i-ri".-> w ai~
relWeoB o Sino Imwii. uo ne-1o m\>. r.
/? ir. j*.+ k
t^l^Vf ------1 J*----Uiirt-m-nmak-rT*
^^/<^ncn^^ |r.V*rir3n,MM.
bi-ti'.;n NrHanfl
Z H <134 \r \ \J
nm \\r,i<,ff.i/.-M:
I-i t l ni uIj rda
naior tlnust.
1A8SA e XAfioF
OECODEINADEBERTHEI
Preconfeadcs por lodos os nrrticos eoiiir
DEKLLXOS, CATHARROa, E TODAS -
KrrACOES do peito.
K. B. O Xari/pi de Codrim it mtrtceo a I
Aonrii, atta bem rara tntre ut MedUumtitlvi^
novas, de ter registrado cama Km t.ituios o/pciaes do'lmptrio Piaucez dispenuil
qvaiquer elogio.
AVISO. Por cansa da t*ptr)m*hri fl-i-K?
firaco que Um tnscitailu > iV-ln >i-itlU(lnttf
Xarepc c massa de Un i,- mu.* ". ,-ai >-
leinbni' t|io esirsinoiiicaifiiiot. !>';> -:i.i. ni>
COiii'Oiilaacl ten
llL_.
essigmiiira rni f~~LZ2\~i j.S I
n'iih'. **J
4fi, fbtt des totrs, e xa Pteratacki Ooiral^1
lio r'ranvJ- ", *' *'" <:< "" V*tm, r vtu,
l;.:lnsav i tir-iniar M prm>
i ,----------------...---------------------------- #---------------
coiicf'.u;icls ^o se* --*
icik'.i ni cin caU'ui- ^^'^
Imsi'(ruaoNli'unulo ~~^~^.Q '."II^**
_ _____...... __ '-atSr
DE VALET
mm
As Pllulaa de Valle, approvadas pela
Academia imperial de medicina de Paria,
sao empregadas com o maior _^g^
evito para curar a chlorosis,
e fortificar as consliluicoes
Iracas. Nunca este ferrugi-
noso ennegrece os denles.
Para a garanta da sua autlienticidade,
o nome do inventor vai gratado em cotia
pula como margem.
era Rio-Jaxeiuo, Duponckelli; Ciertlet.
'" rEtMnccco, ifitirrrt C*.
Df ponto
MARTIMOS
COMTRAFOCO. a
A Companhia Indemnisadora, estabelecid;
esta praca, toma seguros martimos sobre
lavios e seos carregameato* e contra foge
em edificios, mercadoris e mobilias: *
roa do Vigarion. 4, pavimento ter eo.
Joaquim; Jos Goe-
palves Beltrao
aUA DO TRAPICHE N. 17, 1.a ANDAB
Sacca por todos os paqBetes sobre oBaif
so do Minho, em Braga, e sobre ot lecnifi-
es logares em Portugal:
Lisboa.
Porto.
Valenca.
GuimarSes.
Coimbra.
Chaves.
VS60
Villa do Conde-
Arcos de Val d Vez.
Vianna do Castalio.
Ponte do Lima.
Villa Real.
VHla-Nova de]F*malieio.
Lamego.
Lagos.
CovilhSa.
Vassal (Valpassoe).
Mirandelte.
Beja.
Barceltos.
ja CABUGA
esquina
llda roa larga do
m Eosario.
RUJA
*,****A 1BKS JOUfi
Este importante estabelecimento no seu genero, tem sempre um sortimento sem igual,
e vende por presos que nenhuma outra casa pode vender. ^ mn lapa 0j
vista da qualidade e do prepo das joias cada um pod^rnae-ha cottvenceF: da rerdade |
Oarante-se ser tudo de leL Oompra-se ouro. prata e pedras finas p#t yr^os muito ele* Rosario,
rodos. jl
A 1^ est d>erta at te 9 hora* di* nonte.
CABUGA
esquina


Diario de Pernambuco Sabbado 19 de Mar a ESMERALDA


in^JS
LOJA DE JOIAS
DK
mbim ium & c
Este antigo estabelecimento, completa-
mente reformado de novo, est as condi-
foes de servir vantajosaraente os sens fre-
guezes. visto que acha-se prvido com um
tzplendido sortimento de obras de ouro e
tirata de lei, assim como brilhantes e ou-
tras pedras preciosas, cujos pre ais mdicos qne se pode encontrar.
As joias compradas nesta casa recebem-
os em troca ou compram-se com pequeo
bate.
N. 5 RA DO CABUGAII5
Elle um preventivo seguro e certo contra
a calvice, ... _
Rile d e restaura torca e sanidade a pelle
da cabeca, ^
Elle de prompto faz cessar a queda prema-
tura dos cabellos.
Elle d grande riqueza de lustro aos ca-
bellos,
Elle doma e faz preservar os cabellos em
qualquer forma e posicao que se deseje
n'um estado formoso, liso e macio,
Ele faz crescer os cabellos bastos e com-
pridos,
Elle conserva a pelle e o casco da cabeca
limpo e livre de toda a especie de caspa,
Elle previne os cabellos de se tornarem
brancos.
Elle conserva a cabeca n'um estado de fsw
cura refrigerante e agradavel,
Elle nao demaziadamente oleoso, gordu-
rento ou pegadico,
Elle nao deixa o menor cheiro desagra-
da vel,
Elle o melhor e o mais aprasivel artigo
para a boa conservaco e arranjo dos ca-
bellos das senltoras,
Elle o nico artigo proprio para o pon-
teado dos cabellos e barbas dos senho-
res,
Nenhum toucador de senhora se pode con-
siderar como completo sem o
O CABELLO.
Tnico Oriental
o qual preserva, limpa, fortifica e aformosea
Acha-se a venda nos estabelecimentos de
A. Caors, I. da C. Bravo A C. P. Maura
C, M. Barbosa, Bartholomeu & C, e em
todas as principaes lojas de perfumaras
e boticas. -
AO "ARMAZEM
DO
mvm msmw
llua Nora n. ,
acaba de chegar pelos ltimos vapores novas re-
messas dos seguintes:
Calcado fraiicez
Para senhoras. Botinas brancas,prctas, e de ou
tras multas difiranles cores i ultima
moda.
Para meninas.Botinas das mesmas cores e qua-
lidadis cima.
Para honiens.Botinas de cordavo, bezerro, ver-
il iz, pellica, o melhor sortimento que se
pode esejar.
Para meninos.Botinas das mesmas qualidades
mencionadas paca honiens.
Para homens.Botas rucianas, meias-botas e per-
nciras.
Para horneas, senhoras e meninos.Sapatos de
, tapete, aveludados,' charlte, casemira
preta, tranca de Lisboa ele. etc.
Para meninos e meninas. Abotinados fortes de
muitas;quaiidades.
Quinquilharias
Finos artigos de Pars, de gosto e phantazia,
como sejam, leques, espelhos, luvas de Jouvin,
caixinbas de costura com msica.', joias de ouro
bom de lei, ditas de plaqu, cofres de seda e bol-
cinhas para braco, estojos para viagens, bengala,
chicotinhos de baleia, oculos, lunetas, correntes de
relogios, e perfumaras de Condray e de Piver.
Brinquedos para crianzas
Carrinhos de 3 e de 4 rodas para passeios, eos-
moramas e realejos de diversos lmannos, e um
cem numero de brinquedos francezes e allemes
para entreter raenims.
Para evitar massante leitura de tanto* artigos
expostos venda neste estabelecimento, o dono
pede ao publico em geral que se digne entrar de
passeio aflm de veritlcarem nao s a grande va-
ridade como os presos baratissimos por serem
todos chegados de eonta propra.
GUSTAVE
CABELLEIREIRO FRANCEZ
51Ra da Cadeia do Kecife-51
Chama a attencSo dos seas innmeros freguezes, e do respeitavel publico ea
geral, para a seguale tabella dos procos de sua casa, os quaes sao viote por ccdU
mais barato do que em outra qualquer parte:
Gabelleiras para seohoras a 250, Cadeias para relogio a 50, 6 m, 35/ e......40*000 U, U, W, 12,5 e. .
Ditas para homem a 354, 40(5 e 50(5000,
(toques a & IW, 480, 20, Corte de cabello......
250, 300 e 500000 ^^ de CM]Q com ffi 5o> .
W m .' 320000 Corte de cabello com lavagem a
6(5, /0, o, V e. 1U0WU ^ _., marhir,a plpftri.
Tn* de .tab*llo|para d ..... SfSSU KXT.
410M4
501
504
1*001
500 e.
Tranca para braceletes a 100, = Frisado ingleza ou franceza.
,50, 200, 25 e.....300000 Barba. ,......
ASSIGNATURAS MENSAES
Especialidade de penteados para casamento
Bailes e solres
O dono do" estabelecimento previne s
Exmas. Sras. e aos cavalheiros que ha um
salSo para tintara dos cabellos e barba, as-
sim como um [empregado smente cyupa-
do nesse servico.
501
251
Recommenda-se a superior TINTURA JA-
PONEZA para enegrecer os cabellos e lar'
ba, nnica admittida na Expsito Universa)
como n3o prejudicial sade, por ser ve
latil, analysada e approvada pelas acadtf
mas de sciencias de PARS E LONDRES i
0 MARAVILHOSO REMEDIO DO
DE. CHAS. DE GRATH.
OLEO
K
ELCTRICO
NG OF PAIN
o re ii\ dor
pha uso ivterxo i: exter\o.
Cura cholera e cholera raorbus.
Diarrliea, flaxo do sangue, em um dia.
Dores de cabeca, c dores do ouvido em
tres minulos.
Dor de (lentes, em um minuto.
Neuvralgia, em cinco minutos.
Deslocaces, em vista minutos.
Gargantas indiadas, em dez minutos.
Clica e colvulsoes, em cinco minutos.
Rheumaiismo, em um dia.
Febre e fehre intermitente, em um dia.
Dor as costas e nos lados, em dez mi-
nutos.
Tosses perigosas e refriados em um dia.
Plueresia, em um dia.
Surdez e asthnia.
Jlemorrhoklas e bronchites,
Imflamacao nos rins.
Dyspepsia, erysipelas.
Molestia do figado.
Palpitaco de corado.
Reserve sempre este remedio na sua familia
AS DOENCAS SE APRESENTAM, QUANDO MENOS SE ESPERAM.
OLEO ELCTRICO O King of Pain (O Rei da dor) aquieta e positivamente dis-
ipa mais de differentes molestias adores, e aliivia mais os soffrimentos e produz um
mais perfeito equilibrio no systema humano, o que nao se pode effeituar no mesmo tem
po, com qualquer outro remedio medicinal.
Este muito popular remedio est agora usando-se geralmente, pela razSo que
limares de pessoas se tem curado gratis com o dito remedio pelo Dr. Grath e outros
mais.
Este importante remedio nao se offerece para curar todas as doencas, porm
to somente para aquellas estipuladas as nossas direc?es.
Est operando nos principios da chimica e da eletricidade e por isso,-est
applicavel para o curamento e para a restaurado da aeco natural dos orgos que so-
ffrem da irregular circulaclo dos ilusos dos principaes ervos. Oleo elctrico O King
of Pain opera directamente nos absorventes, fazendo desaparecer as inchacoes das
glndulas etc. em um tempo incrivel, breve sem perigo do seu uso debaixo de qualquer
circumstancia.
O remedio urna medecina para o uso externo e interno, composto dos ele-
mentos curativos, raizes, hervas e cascas, taes como se tem usado dos nossos antepas-
cados, e das quaes tem grandes existencias no mundo, para curar todas as molestias
rnente sabendo-se quaes ellas sSo.
Foi um grande e especial desejo da faculdade de medicina durante muitos an-
uos de experiencia para aprender os memores modos que se deviam adoptar para curar
as seguintes doencas, e que proporges de medicina se devia usar.
NICO DEPOSITO EM PERNAMBUCO
NA PHARMACIA E DROGARA DE
Bartholomeu & C.
34Ra Larga do Rosario34
m
INSTANTNEOS
Travessa do Corpo Santo n. 25
ARMAZEM
Ra Nova n. 28, loja Antonio
Pedro de Souza Soares.
Bandeira, Machado & C avisam ao respeitavel
pnblico que nos lugares cima encontrara no mes-
mo sempre grande quanlidade de ditos pocos, e
que se acham habilitados para vender por menos
que outrb qualquer, por isso que os recebem di-
rectamente do fabricante Sprton, de Londres.
As vantagens que olTerecem os pocos instant-
neos sao : primeiro, poderem ser collocados den-
tro de casa ou fra, com o trabalho de urna a duas
horas; segundo, fornecerem os mesmas agua pu-
ra e abundante, podendo serem removidos de um
para outro lugar, quando assim convier.
Os annunciantes s reeeberao a importancia dos
referidos pocos depois de collocados, satistaserno
espectativa do comprador._________________
35RA ESTREITV DO ROSARIO3a
Fornece-se comidas para fora com asseio
e promptido e manda se levar em suas
casas na ra estreita do Rosario n. 35, ca-
sa particular confronte a casa do narbeiro.
Na mesma casa faz;mse flores para en-
feites de anjos para procissoes, sipos de
flores, rosas, capacetes enfeitados, e todas
as flores de panno e papel, para ornamen-
to de igrejas e andores ludo por barato
preco, ooquets para noivas com fitas bor-
dadas a ouro, bandejas de bollos finos com
armaco para casamentos e bailes, pudins,
p3o de l enleitado para presentes e toda
a qualidade de doces de ovos tambem en-
feitados, vedas ricas para baptisados por
barato prego, bouquets de flores de cera
para t afeites de bollos e para offerlas.
CHA TON! PURGATIVO E DEPMAt-IYO
DE
CHA1VIBARD.
Composto das plantas as mais odorferas e as
mais virtuosas dos montes os mais elevados, o eh
toni-purgatico de Ch'tmbard, possue um gosto sa-
boroso e um aroma suavissimo, e as propriedades
as mais nota veis sobre os embarazos do estomago,
dos intestinos e do ligado 6 o desobstruente por
excellencia ua constipacao do vcutre e nao tem
resguardo nenhum.
Depurativo especial e directo da bilis e dos hu-
mores, refresca o sangue depurando o.
0 uso do ch-Clmabard pode ser continuado
por muito tempo sem o menor receio e sem m-
commodo nem mudanc* no modo de viver.
NICO DEPOSITO EM PERNAMBUCO
.PHARMACIA E DROGARA
DE
Bartholomeu A C.
31RA LARGA CO ROSARIO34.
Na ra do Hospicio n. 38 preisa-se alugar
urna Menta para o servico do urna casa de pou-
ca familia.
Precisa-se de urna ama de leite que seja
sadia, na praca do Corpo Santo n. 17. segundo
andar.
Precisase de urna ama para o servico interno
de pequea familia : na ra do Vigario n. 5, ter-
ceiro andar._____________________________
Trilhos urbanos do Recife
Olinda.
Continua-se a comprar dormentes de sicupira,
oilicica, amarello e outras vnadeiras de duraco
para o chao, com as dimensoes seguintes : 10 pal-
mos de com pr i ment e 3 112 polegadas de grossa-
rj.de 7 1|2 de largura : para tratar, no telheiro
da ra da Aurora, desde as 6 horas da manhaa s
4 da tarde.
O superitendenle,
Andr de Abren Porto.
No armazem da travessa do Corpo Santo n. 25, ha sempre um completo
sortimento de objectos para carros, e que se vendem por precos muito rasoaveis, como
sejam:
Vaquetas de lustros, grandes e muito boas.
Solas idem dito.
Oleado preto e de cores.
Colleiras de lustro o que lia de melhor.
Guarnifes de fino latao para arreios, completos.
Lanternas e vedas para as mesmas
Eixos patentes para sebo.
Joaquim Lopes Machado & C.
CASA DA PE.
Aos 20:000^000.
Bilhetes do Rio venda : ra do Cabug n. 1
vende Vieira & Rodrigues.__________________
Grande sitio para
alugar.
Aluga-se um grande sitio na estra-
da do Rosarinho, o qual tem muitos
arvoredos e grande baixa para ca-
pim ou creacao de gado, podendo
sustentar 20 vaccas por ter um grande
brejo no fundo que vai quazi estrada velha de
Beberibe no lugar Agua-Fra, tendo o sitio urna
grande frente para a nova estrada do Beberibe
fazendo quina na ponte que alli existe. A casa
nova, tem duas sallas e quatro quartos, grande
copia ,quarlo de creado, cocheira e estribara, lu-
do de pedra e cal e edificada ha pouco tempo.
Quem pretender queira entender-se com o sen
proprielario o commendador Tasso, em seu sitio
na Cruz das Almas at s 9 horas da manhaa e
depois no seu escriptoro na ra do Amorim nu-
mero 37.
I'EBIIIO
Pede-se encarecidamente aos Srs. Domingos
Theodoro Rigueira e Aristides Florentino Caval-
canti de Alboquerque (de Serinhaem), que venbam
ra do Vigario n. 14, a negocio que se precisa
ultimar. .
Criada.
Precisase de urna pessoa livre ou escrava para
fazer compras : a tratar a ra do Imperador n.
79, loja.
Joaquim Rodrigues Tavares de Mello, praga
do Corpo Santo n. 17, Io andar, vende cal de
Lisboa e potassa ca mais nova, c vinho Bordeaux
de 1* qualidade,
Perdeu-se urna pulseira larga, no domingo,
desde o pateo do Pedro II at a ra do Imperador:
pede-se a quem yhou a entregar na ra do Sebo
n o. gratificndose generosamente. ____
TRILHOS
DO
URBANOS
UNTA DE
RES E LA-1
VAGKM
TODOS OS
DAS
TIITIR.IRIA
25MA DAS FLORES25
O dono deste estabelecimento tinge, limpa e achamalota com a maior
perfeiejo possivel todo e qualquer objecto de seda, 12a, algodlo, em pecas
oo em obras, dnpos de feltro, palha e manilha etc., tira mofo das fajea-
das e faz todo o mais concerner.te sua profiseSo, tudo com brevidade, visto
como se acha prvido dos necesswios machioisoes e ptreefcfw fW
Otlo Schneider.
150^000
VESTIDOS PRETOS
i orles de gorgurao de sea preta
aior gosta em I'erna
Boi
cnanto
bordadas, o que ha de melhor esd
KffTWt i*, de Ar/MOtO Iwl' ue vtMBH'wr'**''*
Fugio do engenho Bom-jardim, freguezia da Es-
cada, o preto Jianoel, idade 30 annos, pouco mais
ou menos, estatura regular, espigado, canellas ti-
nas, ps pequeos, pouca barba, muito [allante,
tem falta de um psdaco de urna das orelhas do la-
do de cima, anda sempre com o chapeo tombado
para esse lado para encobrir a falta do pedaco da
dita orelha, deve star acontado em um logar cha-
mado Toca da Paca, em confins da Escada e Boni-
to, em um lugar quasi diserto, com urna cr oula
forra, preta, gorda, e nariz chato, com quem o
mesmo preto fugio, desconfU-se estar no lugar
cima por dita negra ter at.i mi irmao ; roga-se
portanto as autoridades policiaes e aos senhores
eapilaes de ampo a captura de dito escravo, e o
conduzam ao dito engenho cima, ou a entregar
no Mecie aos Srs. Rodrigues Almeida 4 C. ra
estreita do Rosario n. 47 ao voltar para o pateo
do Carino, que ser recompensado com a quantia
de 130*.
Eecife a Apipucos.
AVISO
Do I ."de abril em diante os menores de
tres annos que viajarem no'colo. nada paga-
rao, os mjiores de 3 at 10 annos pagaro
metade do preco marcado as tabellas e os
maiores de 10 annos pagaro conforme a
tabella, como adultos.
Escriptorio da companuia, 1G de mar^o
de 1870.
W. Rawlinson,
Gerente.
28Camboa do Carmo28
Das seis meia horas da tarde as onze da noute.
Nicolao Pungitore tem a honrare annunciar ao respeitavel publico desta ca-
pital, que diariamente estar aberto a concorrencia publica um grande cosmorama com
variadas vistas e passagens dignas da attenco de todos por acharem-se entre e'as
as differentes batalhas dadas pelas forgas alliadas contra o governo do Paraguay, como
abaixo se ver,
O annuncianle tem empregado todos os seus exforfos para que o respeitavel
publico encontr alli um bello passatempo mediante urna pequea exportula, tendo
entretanto direito a um objecto, gratis, de mais ou menos valor.
Todas as vistas sero mudadas duas vezes por semana, sendo as quartES e
sabbados.
BrasilVista do Rio de Janeiro lirada da ilba das Cobras,
PortugalVista do Paco d'Ajuda era Lisboa.
FrancaRevista ao palacio das Tullierias, cm Paris.
DitaVista do grande ancoradouro de Cberburgo.
ItaliaVista de Turin.
PalestinaVista de Jerusalem.
fricaVista da caca do Ie5o.
ParaguayVista do combate naval de Ricchuelo.
demGlorias do exercilo brasileiro, tomada de Lumas Valentinas.
28Camboa do Carmo=28
DAS SgS E MEIA HORAS DA TARDE AS ONZE DA NOTE.
A LOJA D)S ARCOS DE ALVARO AUGUSTO DE ALMEIDA dC, ru do
Crespo n. 20 A, alera da grande variedade de fazendas de phantasia de que sempre se
acha provida, tem actualmente um completo sortimento de fazendas pretas, proprias para
os actos da quaresma, como sejam :
Ricos cortes de seda preta de superior qualidade.
f.orgurao de seda prelos de diversas qualidades.
Grosdenaples pretos de differenles qualidades.
Sedas lavradas.
Basquinas de seda preta de modello inteiramenle novos.
Ditas de guipure ricamente enfeitadas.
Pelerinas.
Ficbs e mantas de fil para a cabeca.
Mantilhas brasileiras ou mantas de fil para cabeca, de modelo inteirame:.'.e
novo.
Eil de seda branco e preto.
Guipure branco e preto.
Bales a victoriense modello inteiramente novo.
Cbapelinas enfeitadas de preto.
Luvas de pellica preta par.a homens e senhoras, e outros muitos artigos la
bons goslos e qualidades o que tudo se vender por precos rasoaveis
Tambera contina a ter um grande sortimento de tapetess, alcatifas e as vtr-
adeiras e.steiras da India para forrar salas.
30^000
Fugio no dia 27 dedezembro do anno pr-
ximo pasado a eecrava Henriqueta, preta, criou-
la, idade de 20 annos, cbea do corpo, altura re-
gular, eafceltos carapiuhoj, testa Jarga, petegros-
sa e espinhenta, beicos grossos, bocea grande,
dentes argos eperfeiio-, olhos e maos grandes
cora lima cicatriz em cima de urna deltas, ps cha-
tos, c m marcas de becbiga e chicote jielas ces-
tas, tendo o andar piado, e costuma a mudar o
norae para Mara, a qaal est gra vi la, esta es-
crava eostuma alugar-se como livre, e consta que
est, sa eidide de Olinda, e protesta-se contra
quem a tenlia eccultado : roga-se- as autoridades
fAciane e a quem convier a captura, que se gra-
liBear satisfactoriamente om casa de seu senlior,
ra do Henrique Dias ou Estancia n. SO
de gratifica-
do
Se dar a gratificacao cima a quam entregar
no escriptorio de Alfredo & Barbosa, largo do tra-
picho da companbia, um relogio de ouro esmalta-
do, cravado de pedras, rjpresentando em um dos
lados urna Agora de mulher, o do outro urna ave,
o qual foi perdido na ultima noite do carnaval.
Ne collegio da Coucei^ao precisase de um
homem idoso para porteiro,
Na estrada de Santo Amaro para Belem, si
tion. 8, ha para alagar urna casa com um peque-
no sitio : trata--e com Antonio Alves Barbosa.
O abaixo assignjdo, arrematante do imposto]
da affericao de pesos e medidas deste municipio do
Recife.. laz sciente a todos os commerci; ntes que
o praso para a afferieo termina no dfa 31 do
corrente. Kecife 16 de marco de 1870.
_____________Feliciano Marques Vianna.
Na ru Velha n. 17 ha para se alugar urna
ama eqcrava com bastante pratica de todo servico
de casa de familia, tanto nacional como estran-
geira._____

para conchar com
33$ ie homem soltero : a tratar na
i A, lojac*e calcado.
ALUGA-SE.
Urna das lojae do sobrado da ra Velha n. 96,
que faz qnna para o pateo da Santa'Cruz, muite
wa para iualquer negocio : quem.a pretender
dirijil'se a roa? do fiebo n, JO.
Precisa-se de um ama que entotume perita-
mente : na ruado Iniparador .n. 6o, 2o andar.
CARVAO DE BELLOC
PARS
Approvadc c recommendado pela Academia lUiperial de medicina de Paria para a
cura da gastralgia e em geral de todas as doencas nervosas do estomago e dos intestinos.
f egualmeute o remedio por excellencia contra a retencao de venlre. Finalmente em
raio de suas propriedades absorventes, e recommendado como verdadeiro remedio nos
cacos de diarrhea e cholerina. ar*ao Belloe tema-se na occasiao das comidas
aob a forma de pos ou de pastilhas.
Depoiiio em Rio-Jiosao, DuponehtIU; Chevolot. Em Pmiumcco, Jfaurr k O*.
AS
OPPRESSO 30FE0C(J0
Aa Prrrtni dxim do DonTOR Clertaii spprotadas pela 'Academia imperial
dii medicina de Paria acalmam quasi sempre 'instantneamente os ataques d'asma,
oppn lfocac|o, assimjc^no as drea de cabecj e enxaquecas. sufB-
ciento ii'i '" -i o em que apparecer o mal, o engolic-se urna ou duas jierolas
a d'agoa. com certeza o medicamento mais fcil de tomar para
este gencto Be doencas. 1)113V 8 r r
* Pcmm de terckoMliln do dootor com para a cura das nevralgiat, rheumatismo, sciatico e catarrhos
da bcmi|a, sHisperolaB foram emBreTcdbtninendadas por um grande numero
de medi ts e especialmente pelo lo'utor frousseau, que indica este medica-
mento como o mais eficaz.
comidas, '
A apprcvacao da Academia imperial de
garanta da boa preparaca d estes medican cotos c de sua fficacm.
Depo
tomar de 4 at 8 na occasiao das i
i
medicina sem duvida a melhor






Diario de Pernambuco Sabbao 19 de Marqo de 1870.
Chapeos de velludo
Tii ol-n.
A ebiipellerie des tftme?, aba de receber da
liada sortimento de chapeos para senhora, o que
ha de mais go(o, assim como flores e fructas
ponteados, uliima novidade ; gorros de velli__.
Escossea para menina, chapeos para baplisado, e
Wi
muitas ouras cousas. Esia eaa tendo ".sido re-
formada, acba-se boje com urna bolla sala de luxo,
e por isso convida se as Runas. Sraa. a visitaren)
eite estabelecimento, que se toma digno de alten
50 pelo seu bello soriimento; I uvas de pellica
preta duqueza : ohapollerie des damos, ra do
Cabuf n. It, andar.
COMPRAS.
Conipra-se
duas on tres venezianas em segunda mao.porm
que tejara perfeits: a tratar na toja da ra Nova
n. 45.
Casa terrea.
Compra-se urna casa terrea
da Madre de Deus n. 16, loja.
tratar na ra
DE
BARATAS, NA LOJA E ARMAZEM
DO
Compram-se raoedas de ouro e prata de to-
dos os valores, ouro e prata em obras inuti usadas,
brilhantes e mais pedras preciosas: na loja de
ourives do arco da fonceicao, no Recife.
I
ESCRJlYOS
Compram-se e vendem-se diariamente para fura
dentro da provincia escravos de todas as idades,
cores e sexos, com tanto que sejam sadios : no
terceiro andar do sobrado n. 36, ra das Cruzes,
freguezia de Santo Antonio.
Lom muito maior vantagem compram-se
moedas de ouro e prata : na loja de joias do Cc-
racao de Ouro n. 2 D, ra do Gabug.
O muzeo de joias
Na ra do Cabug n. 4 compra-se ouro, prata
pedras preciosas por preces mais vantajosos do-J iam desejar, assim como
que em outra qualquer parte.
Oompra-se
duas casas terreas as ras Concordia, Palma,
Caldeireiro, Santa Thereza e Sania Rila : a tratar
na roa estreita do Rosario n. 35, cartorio.
DE
FEIIX PREIU1 Bl SILVA.
Ra da Imperatriz n. 60.
O proprietario deste grande estabelecimento, tendo dado balanco no flm do
rano, como de costume e vendo que tinha um grande deposito de fazendas, e juntan-
io a essas outras muitas que Ihe tem chegado este anno, tem resolvido fazer urna LI-
}UIDACAO por precos muito mais baratos com o fim de diminuir a quantidade e apurar
OINHEIRO.
O respeitaverpublico encontra neste estabelecimento, nao so um grande sor-
amento do mais apurado gosto e luxo, assim como todas as fazendas de primeira ne-
jessidade, e de todas se dio as amostras com penhor: as pessoas que negeciam em pe-
juena escalla, nesta casa podem sortir-se de um ludo, vendendo-se-lhes pelos raesmos
jrecos das casas inglezas.
Sxplendido sortimento de
roupas feitas
NA LOJA DO PAVO A RA DA
IMPERATRIZ N. 60
Acha-se este grande estabelecimento com-
pletamente sor ti do das melhores roupas,
endo calcas palitts e coletes de casemira,
te panno, de brim, de alpaca, e de todas
j mais fazendas que os compradores pos-
na mesma loja
em um bello sortimento de pannos casemi-
as, brins, etc. etc. para se mandar fazer
raalquer peca de obra, com a maior promp-
idSo vontade do freguez, e nao sendo
Crochs para cadeiras e sofs
O Pavao tem ura grande sortimento dos
mais bonitos crochs proprios para cadei-
ras sofs, mesas, almofadas etc etc., assim
como proprios para cobrir presentes, e ven-
de-se mais barato do que em outra qual-
quer parte,
ALGODAO ENFESTADO
Vende-seuma grande porco de algodo-
sinho americano com 8 palmos de largura
proprio para lences e toalhas tendo liso e
trrncado que se vende por preco muito em
rauta.
Panos de Ilnho
Chegou um grande sortimento de pecas
54 UtlMAD
GRANDE NOVIDADE
Quando a AGUIA BRRNCA, mais precisa scientificar ao respeitavel publico em
geral, e em particular a sua boa freguezia, da immensidade de objectos que ltimamen-
te tem recebido, justamentefquando ella menos o pode fazer e porque essa falta invo-
luntaria ella confia e espera na benevolencia de todos que lh'a attendera"o e relevado,
continuando portanto a dirigirem-se a bem conhecida leja da AGUIA BRANCA ra do
Quemado n. 8, onde sempre acharao abundancia em sortimento de superioridade em
quahdades, modicidade em precos e o se nunca desmentlido AGRADO E SINCERIDADE.
Do que cima fica dito se couhece que o tempo de que a AGUIA BRANCA pode
dispr, empregado apezar de seus custos no desempenbo de bem servir a aquelles que a
honram procurando prover-se em dita loja do que necessitam, entretanto sem ennume-
rar os objectos que por sua natureza s3o mais conhecidos ali, ella resumidamente indi-
car aquelles cuja importancia, elegancia e novidade os tornam recommendaveis, como
bem seja
VrffDAS.
ESWILH4S
dosillo adhesivo
A' venda na ra do Vigario n. 1, primeiro an-
dar.
.brigados a acceita-las, quando nao stejam do"""l8""aT;%ZuZ
ompletamente ao seu intento, assim como ffiAim,bS Prt0 qae se 2S2
..l ,..~ .?.ki-:mm. i-----.* J de 700 rs. ate i000 a vara, garantmdo-se
i'este vasio estabelecimento encontrar o
que em fazenda de linho nao ha nada me-
espeitavel publico um bello sortimento de' amisas francezas e inglezas, ceroulas de^0T> nem mais ProPno Para incoes e toa
Estampilhas.
Vendo-sc na ra da Gru n. 8, Io andar.
Sementes
De hortalizas novas e s.ig a 120 reis a libra,
no Balisa, ra do Livramento n. 38.
a loja do Passo
Os requissimos corles de blonde de seda con
manta e capella para casamento, sendo neste ar-
tigo o que se pode desejar de nielhor e mais mo
derno, tambem chegaram os cortos de seda de co-
res novidade, e outras muitas fazendas de. gosti
que chegaram pelo ultimo vapor francez, so pan
a loja do Passo a rna do Crespo n. 7 A.
No caes do Apollo armazem de Jos
Duarte das Noves, vende-se manteiga fran-
ceza da mellior marca que costuma \ir a
mercado.
Refinatjao.
Vende-se a refinacao da ra de Ilortasn. 7,
muito proprla para principiante, por ter poucos
fundos : a tratar na mesma.
Vende-se o muito afreguezado armazem du
plvora, sal e moldados, so ra Imperial n.
233, pertencentea Jo Horera da Silva Jnior :
a tratar na ra estreita do Rosario n. 31, arma-
zem.
Lili IlJlli
Vende-se pelo seu justo valor na ra da
deia do Recite n. 88, loja do Azulejo.
Ga-
MACHINAS PARA
COSTURA
Acabara de chegar ao GRANDE BAZAS
UNIVERSAL, roa Nova n. 22carneiro
yiannaum completo sortimento de ma-
chinas para costura, dos autores mais co-
nhecidos, as quaes estao em exposic5o no
mesmo Bazar, garantindo-se a sua boa qua-
lidade, e tambem ensina-se com perfeicc
a todos os compradores. Estas machina*
sao iguaes no seu trabalho ao de 30 costu-
raras diariamenti, e a sua perfeico ta!
como da mellior costurara de Paris. Apre
sentam-se trabalhos exceulados pelas mes-
mas, que muito devem agradar aos preten-
dentes.
Vende-se duas everaras com idade de 30
annos, proprias para o servico do campo, por se-
muito possantes e ter sido do matto, ja cozinliam
alguma couza, I .vam e vcudoin na ra, para ver
na ra da Paz n. 3i.
Taberna
Vende-se a armario da taberna do pateo da
Penha n. 8, propria para qualquer priucipiante
por ser de poneos landos : a tratar na mesma.
Vende-se urna bonita armario toda de ama-
relio, o envidraeada, propria para venda ou qual-
quer outro estabelecimento, mesmo na casa onde
esl : na ra da Imperatriz n. 38, vende-se a pra-
30 ou a dinieii > : a tratar na magma ra n. 42.
JES D-SE
farinhl da Ierra a UOOO o mei > decalitro, c em
saeco a I0|00:): armazem Independencia, ra
do Raitgel n. 3.
Tamancos do Porto
Venlem-se tama-aeoe d
msente, aprovetem qo*
aram ; a
titos na trra
chegados ulti-
ptaros os que che-
- Je nomem o senhora;
^^^^fla-nova n. 1.
LTta-ee a mma'AO que no ar-
mazem dosa! aa B<>a-vi: venda U escr.v
vesde ambeso sexos e de diversas idades, vin-
cos do ser;
inho e algod5o e outros muitos artigos
jroprios para homens e senhoras promet-
endo-se-lhe vender mais barato do que em
mtraqualquer parte. Na ra da Impera-
riz n. 60, loja e armazem de Flix Perei-
i da Silva.
Fechincha a 2^000
Para lenqes.
Na loja do Pavao vende-se superior bramante
ora 10 palmos de largura, dando a largura o com-
irimento do lenco], sendo apenas preciso para
ada lencol ura e'meio, ou um e um quarto me-
ros ; alm desta aplicacao tem outras muitas
ara arranjos de familias e vende-se pelo barato
-reco de 2000 o metro. Na loja do Pavo, ra
*a Imperatriz n. 60. De Flix Pereira da Silva.
Gangas de luis o
Vende-se gangas de linho com qua irinhos
auito boa fazenda, para roupa de homens
> meniuos e vende-se pelo barato preco de
00 rs o covado:
.^CHINCHA EM PANVO PRETO A 2:400.
O Pavo vende superior panno preto fino,
jara pallitots, caifas, colletes, etc., pelo ba-
atissimo pref;o de 2:409, o covado, gran-
le pechincha.
Cortes de casemira preta a 4500
O Pavao vende os superiores cortes de
asentirs pretas entestadas, pelo barato
ireco de 4:500, pechincha.
^CHINCHA, ALGODOSINHO A 4;000,
0 Pavlo est venden do pegas de algo-
losinho francez, tendo 4 palmos de largu-
a com I i metros cad peca, pelo barato
ireco de 4J000.
Peeas de uiadapolo a 3:500.
. 0 Pavo vende pegas de muito bom ma-
lapoio tendo 12 jardas cada urna pelo ba-
ato preco de ;<::io<).
GROSDENAPLES PRETOS.
Chegou para a loja do Pavo um grande
lorlimento de grosdenaples pretos, lendo
le 1)5500 at o;ftt00 o covado neste genero
>s melhors e mas largos que tem vindo ao
nercado, assim como bonitas sedas pretas
avradas, noireantiquesetc, todas esias fa-
tendas, vendem-se mais barato do qne em
mtra qualquer parte, por haver grande
)orco.
PERCALLAS E CHITAS BARATAS.
0 Pavo vende um grande sortimento
las mais bonitas chitas claras e escuras, mais
carato do que em outra qualquer parte.
cassas a 24 rs.
Vende-se na loja do Pavo bonitas cas-
ias de cores fixas a 240, 280 e 300 rs. o
ovado.
Cambraias brancas a 4:000 a pera.
S o Pavo vende pecas de cambraia
Dranca transparente, tendo mais de vara de
argura, cora 10 jardas cada peca, fazenda
jue sempre se vendeu a 7)5000 e 85000,
iquida-se pelo barato preco de 4)5000.
Mpacas brilhantes a 1#, e KOO.
O Pavo tem o mais bello sertimento de
pacas lavradas com as cores mais delica-
las que tem vindo ao mercado e tendo bas-
ante larguaa. vendem-se pelo barato preco
le 1500, ebOO rs. o covado.
Boa pinga do Douro
A 3AOoeO
Flix Pereira da Silva, ru da Imperatriz n
W, acaba de receber urna nova remessa do seu
proprio para osle clima por nao ter confeccao, e
rende em barris de 10* a J2/.
Com palmas de seda a i *oo rs.
Para aloja do Pavao chegou um rico
orlimento das mais bonitas lasinhas com
palmas de seda tendo de todas as cores e
padroes, sendo fazenda bastante larga c
vende-se a 1500 o covado.
AS CUITAS DO PAVO
Vende-se um brilbante sortimento de
;hitas claras e escuras por precos mais ba-
ratos do que em outra qualquer parte.
Roupa para eseravos
Vende se na. loja do Pavo, um bonito
sortimento de roupa par escravos.
^S POPELlNAS DO PAVO A 500 RS.
Chegaram as mais lindas poupeliuas de
15a com imitacio. das, poupelinas de seda,
una fazenda mullo leve com as mais Un-
as edres, sendo: verde Bismark. rxa, azul
yrio, c nsento, perol la ele, etc, e vende-se
^elo baratjsmp ,preco de -500 rs.
ALPACAS LAVRADAS
\ ande-ifc k nuis baailAS alpacas lavradafe
;om osmelfiores gostos a'640, 800 e I^OO,
) covado, alpacas lisas de todas as cores a
i40 e 720 re., alpafjs brancas lavradas li-
jas e de cordio.
lhas.
PECHICHA EM CHAPEOS DE SOL
Chegou um grande sortimento dos me-
lhores chapeos de sol de seda, inglezes ten-
do neste artigo o melhor que tem vrado ao
mercado assim como urna grande porco de
ditos de alpacas de todas as cores e todos
se vendera por preco muito mais barato do
que em ootra qualquer parte, por haver
grande porco.
Os baldes do Pavo a 2#000,
Chegou um grande sortimento de bales
ou crenolinas do feitio mais moderno muito
proprias para vestidos ennesgados que se
vende pelo baratissimo preco de 25000 ca-
da um grande pechincha.
CRETONES MATISADOS PARA VESTIDOS
A 640 E 800 RS.
Para a loja do Pava chegaram os mais
bonitos crotones escuros matisados, pro-
prios para vestidos, roupo chambres etc.
que se vendem 800 rs. o covado, assim
como a mesma fazenda em padroes claros
proprios para vestidos e roupas de meni-
nos a 640 o covado, sendo os padroes mais
moderuos que tem vinpo ao mercado.
AOS n MIL COLMOS i
LASINHAS LUSTROSAS A400RS. O CO-
VADO.
S o Pavo
Vende-se um grande sortimento das
aiais modernas e elegantes lasinhas para
vectidos, com as cores mais novas que tem
vindo a este mercado, sendo comlistrinhas
niudinbas quo parecera de urna s cor e
com tanto lustro que imitam perfeitamente
is poupelinas de seda, e vendem-se pelo
barato preco de 400 rs.
Os setins do Pavao
Vende-se os mais bonitos setins de cores
j mais encorpados proprios para vestidos
tende de diversas cores.
FAZENDAS PAHA LUTO
Na loja do Pavao.
Encontra o respeitavel publico neste eslabeleci-
nento ura grande sortimento de fazendas pretas,
:omo sejam, cassas francezas e inglezas, editas
vetas de todas s qualidades, fazenda do laa de
iodas que tem vindo, proprias para luto, como
lejain, laazinhas, alpacas lavradas e lisas, canto,
sombazraas, merino, etc., que tudo se vende por
>reco barato.
Madapolao francez a 7$000 rs*
Vende-se pecas de madapoio francez
:ora 22 metros pelo baratissimo preco de
7)5000 a peca, pechincha.
Altas novidades em sedas
Chegou um grande sortimento das mais
noderaas poupelinas ou gorguroes de seda
i linho com os mais elegantes padroes que
;em vindo a este mercado sendo, miudos e
jraudos, tanto em cortes para vestidos como
para vender em covado, assim como um
bonito sortimento das mais bonitas sedas
listradas que se vende tudo muito em conta
CERA DE CARNAUBA.
Vende-se ama grande porco de cera de
carnauba em saceos por preco mais barato
to que em outra qualquer: na loja do
Pavao ra da Imperatriz ^n. 50. De Flix
*fireir da Silva.
S.erlrW de corcio
Vende-se merino preto de cordo pro-
)rio para calcas, p?.lit )t-, e colletes, pelo
aratjssimo prego de 1#000, o covado,
MOLESTIAS doPEITO-
Corpinhos de cambraia, primorosamente
enfeitados com fitas de setim e obras essas
cuja novidade de molde e perfeico de ador-
nos os tornam apreciados.
Fitas mni largas de diversas cores e qua-
lidades para cintos.
Leques u-esse objecto muito se poderia
dizer querendo descreve-los minuciosamente
por suas qualidades, coree e desenhos, tal
o grande e variado sortimento que acaba
de chegar, mas para nao massar o preten-
dente se lhe apresentar o que poder de
melhor.
ntremelos em pecas de 12 tiras.
Guipure branco e preto de diversas qua-
lidades e desenhos.
Ditos de algodo com flores e lisos.
Capellas brancas para meninas.
Grandes soriimento de llores finas.
Fil de seda, preto.
PERFUMARA
Grande e constante sortimento de dita,
sempre melhor quajidade.
Lindos vasos com p de arroz e pinsel,
Caixinhas com ditos aromticos.
Bonitos e modernos pentes doorados
para circular o coque.
Bonitos brincos de plaquee.
Aderecos e brincos de madreperolr.
Caivetes finos para abrir latas.
Thesouras para frisar babadinhos.
Aspas para balo.
Novos stereoscopos com 48 vistas, as
quaes sao movidas por um machinismo
JflJffiZAS ES GfiOSSO
PARA NEGOCIO
POR PRECOS MLTTO BARATOS
SO BAZAR DA MODA
Ra Nova n. 50
4&fG)
0
na.
Veos de seda para chapelinas e monta-' on"s substituem as outras.
Meias de seda para noivas.
Ditas abertas de fio de Escossia.
Costamos ou uniformes par meninos.
Enxovaes completos para brisados.
Vistas para stereoscopos.
Bonitas caixinhas de vidro enfeitados com
pedras.
Ditas de rnadejra envernisada com vispo-
ras e com dminos,
Bollas de borracha para brinqudo de
Topquinbas de fil, sapatinUos bordados, criancas.
e meis para ditos. Diversos objectos de porcelana, proprios
Camisinhas bordadas para ditos. para enfeites de mesa e de lapinhas.
SORTIMENTO PARA
Vende-se por menos de 10, 20 e 30 [0
SO' NO
N. 23Largo do Terpo.N. 23.
DE
SIMAO DOS SANTOS ft C.
Os proprietarios deste bem sortido armazem de secco e molhados esto re-
solvidos a fazere urna grande diminuico de precos as suas mercadorias, como se apro-
xima a festa e sempre se fazem avultadas compras para o centro e praca, por
isso previnem ao respeitavel publico em geral, que mande fazer suas despencas e cer-
tos de que vero a grande differenca em precos mais do que em outra qualquer parte
e garantindo-se as superiores qualidades.
GAZ AMERICANO 90500 a lata, e 4401 SEVADINHA E SAG 280 rs. a libra e
rs. a garrafa e 660 rs. o litro. 620 rs. o kilogrammo.
VDIHO VERDADEIRO FIGUEIRA 560 FARINHA DE ARARUTA VERDADEIRA
a garrafa, e 40500 a caada e 800 rs o ti- 640 a libra e 10400 o kilogrammo.
BOL\XINHA INGLEZA MUITO NOVA a
400 rs. a libra e 800 rs. o kilogrsmmo.
VELLAS DE ESPARMACETE 720 rs. o
masso, em caixa ha abatimento.
PHOSPHOROS DO GAZ E DE SEGU-
RABA, 280, 400 e 560 rs. o masso,
30200 e 60500 a groza.
AMEIXAS EM LATAS E GACHINHAS
DE MUITOS TAMANHOS 10280, 20500
30500,40300, 50500 a lata e a retalho e 10
a libra.
GOMMA DE MILIIO AMERICANA 400 rs
o masso, e em caixa ha abatimento.
BATATAS NOVAS DE LISBOA 60 rs.
a libra, em caixa faz-se abatimento.
SERVEJA INGLEZA MARCA II 50500
a duzia e 500 rs. a garrafa.
DEM BASS, VERDADEIRA IHLERS
BELL, 800 rs. a garrafa e 90 a duzia.
VINHO DO PORTO ENGARRAFADO DE
DIVERSAS MARCAS 10500, 10200, 10 e
Coques imilaco de cabello,
guarnecidos de bellos enleites
ultima moda, a duzia .
Papel superior de quadrinhos,
em caixas com 20 cademos a.
Envelopes porcelana, moilo boa
fazenda o milheiros em caixi-
nhas de 100 ..... 705
Botoes de osso bem pulidos para
calcas,'a grosa. .
Ditos cobertos de superior setim
de todas as cores, a grosa dos
pequeos a 30000, e dos gran-
des a.......
Ditos com interessanles photo-
graphias para punbos a duzia
de pares a......
Ditos de osso imitando o marfim
com lettras a duzia. .
Ditos lizos muito boa fazenda a
duzia ...
Abotuaduras para camisa sendo :
2 botoes para os punhos, 3
. para abertura e 1 para o co!-
larinho brancos, escarlalatcs,
o pretos a duzia ....
Brincos de cores a balo, cousa |
muito chique a duzia de pares. r
Lindos frasquinhos empalilos
com bom extracto para lenco
a duzia.......
Ditos em bonitas caixinhas ca-
??da frasco a duzia. .
Tinta para marcar roupa, muito
superior cada frasco em sua
caixinha a duzia.
Livrinhos com capa de metal
douradoe com bonitas oroces
para a missa a duzia. .
Sabonetes de amendoas amaa-
gas especialidade do BAZAR
DA MODA, a duzia .
Lapis pretos de superior quali-
dade, oitavados a grosa :!) e
Escovas linas para denles a du-
zia a ijgCOOc.....
Alfinetes muiio bons, brancos e
pretos, a duzia de caixinhas a
Pentes pretos de muito boa qua-
lidade s grandes para alisar
a duzia....... {700
Ditos amarellos fazenda superior,
para piolhos, a duzia.
Ditos de borracha com costas do
metal para i epassar, a diuia.
Dilos enfeitados com contas de
cores a duzia a 40, 50 e. .
Interesssantes coquinhos capri-
chosamente escullidos dentro
com um bom e lindo rosario
a duzia 100, 120 e .
Grande sortimento de miudesas.
Grande sortimento de quinquilharias.
Grande sortimento de perfumaras.
Pagamento realisado to mesmo mez a
compra com descont de 10 o/0, ou letra
acceita a seis mezes de praso.
Jos Soaret de Soaza <& C.
805CO
jtfcoo
00o
6000 I
205! 'i
&406O
30000
107 i
SIlGd
1
140000
COGNAC.
tro.
DEM DE LISBOA das melhores marcas,
400, 440 e 500 rs. a garrafa, a 20800 e
30200 a caada, 660 e 720 rs. o litro.
DEM BRANCO DE LISBOA a 40000.
a caada e 560 a garrafa, e 840 rs. o litro.
VINAGRE VERDADEIRO DE LISBOA
200, 240 e 320 rs. a garrafa, 10400,
10800 e 20200 a caada,
AZEITE DOCE DE LISBOA 900 rs. a
garrafa, e a 70 a caada, e 10340 o litro-
MANTEIGA INGLEZA FLOR 10400 e
10280 a libra, 30060 e 20780 o kilo-
grammo.
DITA FRANCEZA 960, 900 e 850 rs.
a libra, e 2,0100, 10980 e 10860 o kilo-
grammo.
DITA PARA TEMPERO 560 rs. ali
bra, 10220 o kilogrammo, em porco se
far abatimento.
BANHA DE PORCO DE BALTIMOOR
720 rs. a libra, e 10560 o kilogrammo, em 800 rs. a garrafa.
De superior qualidade da mui accredita'
da fabrica de Bisquit Dubouch cognac urna das que mais agurdente tt
cognac, fornecem para o consummo de
Reino da Inglaterra.
Vende-sc em casa de Th. Just. ra cU
commercio n. 32.
BRACO
porco se far abatimento.
ARROZ DO MARANHO E DA INDLA
120 e rs. a libra, 260 rs. o kilogrammo e
30400 a arroba.
ALPISTA 200 rs. a libra e 440 rs. o
kilogrammo, e 60000 a arroba.
CAF EM GRAO 60 e 60500 a arroba,
200,240 e 260 rs. a libra, 440 e 520 rs. o
kilogrammo em sacca se far ajbatimento.
SABAO MASSA 240 e 200 rs. a libra,
520 & 440 rs. o kilogrammo, em caixa se
faz abatimento.
MASSAS PARA SOPA, MACARRO, TA-
LHARIN E ALETRIA, 560 rs. a librare
10220 o kilogrammo.
BOLACHINHAS EM LATAS DE DIVER-
SAS QUALIDADES, bem como perola bri-
lhante, combination, Francy-cracynel, mixed
Britania. Mdium, Fancy-nic-nac, a, b, c, e
seda a 10000 e 10400, cada nma lata.
Assim como ha outros muitos
HYPOPHOSPHITOS
^do-DnCHRCHILL
XAROPE de HYPOPHOSPHITQ de SODA
XAROPEdeHYPOPHOSPHITOdeCAL
PlLULASdeHrPOPHOSPHITO de QUININA
XHLOROSE ANEMIA
fcORS PLIDAS
XARQPEdeHYPOPHQSPHITO de FERRO
PILULAS de H YPOPKOSPHITO de MANG AN ESIA
TOSE BRONChllS
OEFLXOS ASTHMA
GENEBRA DE HOLANDA E HAMBUR-
GUEZA 70 e 60 a frasqueira, e 500 rs. o
DEM DE LARANJA DOCE AROMTICA,
110 a frasqueira e 10 o frasco.
QEIJOS DE DIVERSOS VAPORES,
30000, 20800 e 20400 em*caixa ha abati-
mento.
TKJCINHO DE LISBOA MUITO ALTO
400 rs. a libra, e 880 rs. o kilogrammo,
e 110500 a arroba.
LINGUICAS FINAS PROMPTAS EM LA-
TAS 10000 rs. a lata.
LOMBO DE PORCO ASSADO JA PROMP
TO a 10000 rs. a lata.
CHA FINO, GRAUDO E MIUDINHO
30200 e 20800 a libra, e 60100 o kilo-
grammo.
DEM PROPRIO PARA NEGOCIO 20000,
20200 e 10800, rs. a libra,
gneros, vinho em ancorlas, azeitonas,
atas Lrar
Na Joja < armazem do Pavo ros da'Tmpeiratriz n. 60.
PASILBAS PECTRAIS^CIRCIILL
Eligir para o sarape o fruto qtuUrito t em
todo o producto a anignatura do D" OBUB-
cota a marca 4e fabrica da
!, lt,r%wCu(ittione. PARS
muito novas, passas e figos novos, charutos de diversas marcas, marmelada, feita pelos
melhores conserveiros em Lisboa, golea de marmello, pcego, ervilhas, om latas, por-
tuguezas e francezas, vinho verde engarrafado rttalho, peixe em latas, bem como
pescada, tainha, pargo, goraz, lula, corvina, vezugo, cavalla, sarda e sardinhas de Nan-
tes. Oanella, cravo, ervadoce, comiuho, pimenta, grandesmohos de sebolla 10500.
Finalmente muitos outros gneros que enfandonho menciona-los.
PARAA FESTA
3 portas, loja de farragem
53-Bua Direita53
Neste pande estabelecimento, ha para vender
nra completo sortimento de ferragem, e miudezas
finas e grossas, como sejam bandejas chinezas
qnadradas e ovaes, facas e garfos de 1 3 bo-
toes, balanco inteiro e 1/ balanco; panellas, cha-
Iheiras, cacarollas, frigideiras, assadeiras, unto
de ferro como de porcelana, moinhos para caf de
CEMENTO
PORTLAND.
Vende-sc nc armazem amareflo de Vicente Fer-
reira da Costa & Filho, defrente do arco da Con-
eeicao. e m barricas grandes_________
Ra do Imperador n. 26
Nest novo cslabplecimcDto encontra-s
diariamente um variado sortimeoto de bo-
linhos paa cha., pastis, podin, bollos in-
glezes, p5cs de l, presunto*, ditos un fiam-
bre, superior cha Bysson, preto, e miudi-
nho. Vanos finos de todas as (jiialidade?
conage, licores, conserv.-.s. champagne, cer-
veja ing'eza, (roelas muito boas, por-
luguezas e francezas.
Um completo e variado sortimento de
laixinhas de todas os gostos e precos para
mimosear senhoras, estas caixinnas recen-
temente chegadas de Paris sao de primora-
do gosto, ofleresse-mo-las aos galanteador es
do bello sexo pois nellas acharo nm digi.o
e serio presente para as donas dos seo
pensamentos. Tambem os apreciadores da
boa fumaca encontrarlo charutos dos me-
lhores fabricantes da Babia c de Havar.a
sganos do Rio de Janeiro etc. etc.
Doces d'ovos seceos, christalisados e ce
calda, ditos de caj ede outras qualidade?.
Nesta casa recebem-se encommendas para
bailes, casamentos e baptisados e qualquer
encommendas avulss, como seja pao de ('
o bollos enfeitados e outros muitas couz;s
que enfadonbo mencionar.___________
CEMTO
0 verdadeiro portland. S se vende ti-
ma da Madre de Deus n. 22, armazem o
Joo Martins de Barros.________________
j. a. morir Oas
tem constantemente em seu armazem, ra a
Cruz n. 26, nm completo sortimento de
Bataneas decimaes.
Das orUoataes.
Pesos do ferro pelo svstema decimal.
Bombas a California para pocos, as melhore
tea) apparecido at boje.
Chamines do vidro para candieiros a gaz.
Lonas de todas as qualidades.
Agua florida.
Graixa em boies n. 97.
Vidros para vid raga.
Tnico imperial.
VENDE-SE ou arrenda-se o engennt
S. Gaspar, silo na freguezia do Seririh5em.
comarca do Rio Formoso, prximo do era
., barqne, com grandes partidos de pal t
!H^!L,araan.ho^ d?fabricante Japy, pesos'kiio-1 massao roda da moenda, mattos mangue;
grasimoe tonto de ferro como de latao, metros nara .a,.-.^ nnrp^aria hora pasto rtf '
pira medir fazenda tanto de ferro <" a~ <-<^ 'ria* v
. como de latao,
salitre, bren, barbante, eoxefre, papel fharc via-
do, do verdadeiro Picardo, machinas para desca-
roear algodo; alm de otaros artifos de terra-
gem, mindezas cutilarias finas, qne s com a vis-
ta se verifica; na ra direita n. 153 loja de 3 per-
vas de Manoel Bento de Oveira Braga* C.
a tratar na ra o"Aurora n.. 26, ou na d<
Imperador b. 20. _________
Lagedo
Vcnde-s lagedo para calcadas e armazens por
prejo commodo : na ra do Apollo o. 4.
Leque de iiiadreperola coin todos t
madreperola, rnuito proprio para BM r*m a loja do Passo a ra do Crespo n. 7 A,
sim cerno requ?simos chales de touqnim d-
aas as cores, vestuartos bordadus de >
para baptizados, meias de escocia (o
to bonitas
de sapatinbo jaso e outro
to qne os proprietarios deste eslabolerin..
recebido.
As 51
de arcos para pipas: vend
nba a 74 de 10 rodas para oima.
rodas
Ictie de
B


Diario de Perupnhuco Sabbado 19 de Marco de 1870.
A fttlTA IIA 1HPERATR12 SU *
Esvjuina da ra da Aurora, eni frente do caf Imperatria.
N'esto novo e sumptuoso Miabelecimento de fazendas encontrarse as Exmas.
familias w Ifi riantopossam desejar.tanto em artigos d(. m*is rigoroso luxo, comoem todas
ts m tMTA
GALLO VIGILANTE
Roa d Cietpon.
Os propriettrios djje bci#M*ecido estabele-
cimento, alm dos muatos obj netos que tinham s-
nostos a apreciacao fio respeitavel publico, man-
daram vir e acaiam de receber pelo ultimo vapor
da Europa um completo e variado sortiraento de
finas e mui delicadas especialidades, a; qnaes es-
to resolvido a vender, como de seu Ttostume,
por precos muito baratinhos e commodos para to-
dos, oom tanto qu V Gallo....
\V._n dese'acbarem prvidos do que de mellior wconlra m-ste mercado, Muta'J* ^^*' pretas'brt-
recetan directamente o que em a.ligos de moda_ ^^ffiasT
por lod >:..- (luquetes da Europa,
do m.
G&tS do
, Mut-bpas bonitas Jumnlas e punbos para le-
do mat parada gosto se encontra em Pars, o jue vem cada da augmentar as prop#r- tr^B8te.fenro o que ha de mais moderno,
quu dispoo este estabelecimento para bem servir sua numerosa freguew. Superiores pentes de tartaru
Algor'?, i largo para lenres e toalbas de
ttdas as cualidades que costuma vir ao mer-
cado.
Alpacas le todos oj padroes e qualida-
des 13o \ rr latas qne se nao pndem descrever.
Albnos cjrn msicas para collocar retratos,
delicado present para qualq ier pessoa de
suma.
Atoalhado de linho e algodSo, branco e
de coros proprios para toalhas.
Bas jomas de seda pretas e motto moder-
nas, b 'in como do crochet, tu lo de apurado
gosto e fi'itio.
Baloes de musselina, madapolao, brancos
e de cores, para senhora e meninas,
Bar> ges de cores variado sortimento.
BaUdinios ou liras bordadas em todas as
larguras.
Belbutina de todas as cores.
Bolsas de tapete para viagem. grande
variadade de tamanhos e gostos.
BoOJDaiiii prelade todas as qualidades.
Bramsnle de linho de H palmos de lar-
gtra, e todas as mais qualidades.
Bretanhas de linho e algodao, grande sor-
timento.
Brins de linho branco e de cores, do mais
comrnodo ao mais caro em qualidade, aman-
eando o que ha de melbor na especie.
B'ins o'algodao completo sortiraento e
variedada de pre;os.
Gassas de cores, o maior sortimento, pn-
mau-o peto bom gosto e barateza, alientas
is qualidades.
Ca a'oraias brancas, tapadas, e transparen-
tes du todas as qualidades e precos.
Camisinhas de cambraia de linho e cassa
tardadas ricamente enfeitados para Sras.
C /lisas para horcens e meninos, t5o va-
riado sort'mento que vai do mais ordinario
nadapWo ao mais perfeito bordado de li-
nho e cambraia.
Camisas de meia, de flanella, braneas e
de coros para homem.
Casemiras pretas c de cores, o melhor
que se pode imaginar, sendo d'isso a nie-
or prova o grande consummo dellas na
officioa da casa.
Capailas de Tires, para noivas e bailes,
le a mais candida flor de larangeira at
a mata inioressante grianida.
Chapelinbas no melhor gosto, de todas as
sores boje preferidas polas senhoras de
osis aparado rigor na moda.
Chapeos pretos de velludo, para senhoras,
aU: lo fle Pars.
los de sol, para senhoras e homens,
de todos os t>re;os e variados gostos.
I com ricos padroes para vestidos..
todas as qualidades, avultado
somero e nao monos varieda.de de gostos,
C is, 6 impossivel descrever o sortimen-
;o e le de padroes e novos gostos,
aa ueste artigo ludo quanto se pode desejar.
Cintos para senhoras o que se pode ima-
gioar de melhor.
Coques, o melhor no gosto e nos cntei-
168, varios tamniiios.
Colchas de soda com borlas, o mais apu-
rado (ust e la ver.
Ditas d i i- o branco e de cores por
precos commodos.
Corpinhos d;> cambraia, ricamente borda-
dos para senhoras.
Cortn a de cambraia bordados e de
8t,o qiie.de mt-llior se pode desejar.
Colarinhos de linho bordados Je lisos, o
maior sortimento.
J2i
Gase comlistras de seda e flores, tapi-
da inteiramente nova para veslidos de baile.
Grvalas pra senhorase homens* o> mais
completo sortimento que se pode desejar.
Guipure preto e branco, diversas largu-
ras e differentos gostos.
Collas e punbos bordados para senhoras.
Guardanapos de linho pequeos e gran-
des.
Gorguro de seda preto ede cores.
Grosdenaples prelo e de cores, haven-
do diversas qualidades e gostos.
o melhor
Lindos e riquissimos enfeites para canecas las
Exmas. senhoras.
Jupwiores tramjas pretas e de coren com vidr-
iaos e sem ellas 'r ebta tienda o que pode haver
co melhor c mais-boai. .
Superiores e bandos leques de madreperola,
.marllm, sndalo e osso, sendo aquolles brancos
com lindos desenhes, e tistes pretos.
Muito superiores meijis lio de Escocia para se-
nhoras, as qnaes sempre se venderam por 30*090
a duzia, entretanto que nos as venden* por 20*,
alm destas, temos tambem grande surttioento de
outras qualidades, entre a quee aljamas muito
Boas bengalas de superior canna da India e
castao de marflm tm lindas e enanladoras figu-
ras do mesmo, neste genero o que ile melhor s^
ide d.-sejar ; alm deatas temos Umbem grandi
nanlidado de oatras qualidades, como sejam, ma-
Japonezes para seub .ras, o melhor gos-
to, efazenda propria para as eslas nos ai- &^^S!tSSt
rabaldes e passeos a tarde. (le ou[r^s oualidades.
OSa
Llazinhas de todas as qualidades, cores
e gostos, nlo ficando nada a desejar, tal
o sortimento que existe para escolher.
Lencos, tudo quanto pode haver desde
esguio ao algodao commura.
Leques de madreperola e osso, o mais va-
riado sortimento.
Ligas d seda, bordadas, para senhora.
Luvas de Jouvin, chegadas por lodosos va-
pores, sempre novo sortimento, quer em
pellica para homens e senhoras, quer em lio
d'Escocia, brancas e de cores.
Madapolo; indescriptivel o grande sor-
limento que ha neste genero, desde o mais
elevado preco ao menor, que se vende em
peca e retalbo por menos do que em ou-
tra qualquer parte.
Mantas de blonde para noivas: o apurado
gosto dos nossos correspondentes em Pars
habilita-nos a dizer que temos em nosso
estabelecimento o que de melhor se deso-
ja para vestir e ornar urna noiva.
Mantas pretas deblond.
Mantas para carros, com lindas pinturas.
Merinos pretos, trancados e lisos.
Mnsselina branca e de cores, lindos e va-
riados padroes.
Pannos pretos e de cores, desdo o mais
barato ao majs superior, por prego muito
coramodo.
Pannos de crochet, para cadeiras e sofs.
Ditas de casemira muito finos para
mesa.
Peitos bordados de linho, lisos e de al-
godao para camisa.
Princetas pretas o de cores.
Popelina do seda e linho, com lras e
flores; fazenda lindissma.
Pelherinas para .senhoras, do ullimo
gosto.
Perfumaras; os mais finos extractos o
que de melbor e mais agradavel sa pede
eoosAtnr neste genero, c de mais fragante
e suave no olphato, te ni o PAVILHAO DA
AURORA, desde a verdadeira agua Flori-
da at o mais fino Bouqucl d'Amour, final-
mente tudo quanto deve oceupar o touca-
dor de urna senhora de gosto.
Saias bordadas, brancas, lisas e de cores
com folhos e sem ellos, o melhor possivel,
Saludas de bailo, de todas as cores.
Sedas pelas, de quadros, lavradas, lisas,
de listras de todas as cores e qualidades e
o mais barato possivel.
Sartelin de todas as cores e qualidades.
Tapetes grandes, lindas pinturas para 8
cadeiras, mais pequeos e de todos os ta-
manhos desejaveis, e em peca para co-
vados.
Toalhas de Ubyriotlin, do maior e mais
eadeia e
ligas de sed e borracha
o p'ara raani-
Grande armazom de fazendas e roupas feits roa da fmperatr
* n. 52, porta larga, de Paredes Porto.
Neste estabelecimento encontrar o respeitavel publico um bonito iortimenU
de roupas de todas A qualidades, palitots de alpaca a H, 3(51500 at 6. Ditos dt
merino, ditos de casemira de cores bonitos gostos a 5(5, 6(5, 8$ e 100, de panno preto
sacos e sobrecasacos. Ditos de brim pardo finos e ordinarios. Ditos de alpaca branca
e de cores de 3*500 a 5iJ00e. Caigas de brim de cor finas e ordinarias, dita!
brancas de todas as qualidades, ditas de brim pardo fino e ordinario, ditas de Casemira
de cor e preta de 4(5, 55, 6 a 455. Cohetes de todas as qualidades e prego mato
barato. Completo sortimento de camisas francezas de algodSo e de linho de 20 *>*>*
urna. Sortimeqtq de seroulas francezas de algodSo, de linho e bramante a 25 e 2o500.
Gravatas (mantas) novissirao ^osto a todos os pregos. Meias sortimento completo a 0.
40 at 7 a duzia.
ROUPAS PARA MENINOS.
Encarrega-se de quaesquer obras de encommenda tanto para homem, como
para meninas, e com brftvidade, por isso que tem um bonito sortimento de fazendas de-
todas as qualidades tanto era casemiras como brins, pannos finos e oatras multas ta-
zendas.
FAZENDAS
Bramantes de l i palmos de largura a 15800 o metro.
Caubraias de cor e branca.
Alpacas de todas as cores a 640 rs. o covado.
Poil-de-chvre cora lista de seda fazenda de gosto a 15200.
Rasquirres de guipure enfeiladas a 185000.
Sortimento de chitas escuras e claras a 280, 300 e 360 rs.
MadapolSo fino a GS500, 75, 85 e 95000.
Algodao pega cora 20 jardas a 45500, 55500 e 65000.
Pega de algodao largo a 75500.
Lindas e npenore
para segurar as meias.
Boas meias de seda para senhora
as de 1 a 12 annos de idade.
Navalhas cabo de marfim e tartaruga pan fazor
barba; sao muito boas, e do mais a mais sao ga-
rantidas pelo fabricante, e us por nossa vez tam-
bem asseguramss na qualidade e delicadeza.
Lindas e bellas capellas para noiva.
- Superiores agulhas para maohina epara rroxc.
Linlia muito boa de peso, frouna, para encher
labvrintho.
Bons baralhor de cartas para voliarcte, assim
como os tentos para o mesmo flm.
Grande e variado sortimento das melhores per-
fumarias e dos melhores e mais conhucidos per-
fumistas.
COLARES DE ROER.
Elctricos magnticos contra as convuhSes, e
fa^ilitam a donticao das innocentes criancas. So-
mos desde muito recebedores destes prodigiosos
eollares, e continuamos a recebe-los por todos os
vapores, afim de que nunca faltem no mercado,
tomo j tem acontecido, assim pois poderao aquel-
les que delles precisaren), vir ao deposito do galo
vigilante, aonde sempre encontraro destes verda-
deiros collares, e os quaes auendeudo-se ao flm
E oulras riuitas fazendas que ser enfadonho mencionar Cheguem
feila que^sc est liquidando na loja ra da Imperatriz n. 52 Cunto i loja de ourives) do
LEiO DA PORTA LARGA
DE
Paredes Porto.
para que 6ao applicados, se renderao com ura mu
diminuto lucro.
Rogamos, pois, avista dosebjectos que deixamos
declarados, aos nossos fregneze e amigos a viren)
comprar por precos muito razoaveis loja do gallo
vigilante, ra" do Crespo n. 7.
A VERDAD!
Mikroskope achroma-
tisehen. Objetiv Lio- :^^^J\D____
seD.
Darometre e termos
metre. Centigrade
e reuumeure.
r f
00
Damasco de la de 9 palmosjde largura Qn0 trabalho ao mais baralo.
lindas cores e ricos padroes.
ES
Espartilhos braceos e de cores, para se-
ntaras o meninas, o melhor neste genero ;
DODhama Sra. deixar por certo de muir
se de to precioso auxiliar perfeicSo de
nm corpo delicado. _
ntremelos bordados.
Escorailha preta.
Enfeites para cabega, ultima moda de
Paris, recebida no ultimo paquete.
Esguio de linho, completo sortimento de
todos os nomeros.
Fitas largas escocesas para cintos, varie-
dada ds gostos e lindos padroes,
Fi ',hs de crochet, modernos com cintos
e capas, o que ha de melhor.
Fil de seda, linho e algodao, de todos
o gostos e padroes.
Fusto de todas as cores e qualidades
grande sortimento.
Flanella branca e de cores.
Toalhas de linho e algodao de todos os
tamauhos, li-as e felpudas. '
Tarlatana branca com palmas e de cores,
fasenda muito nova, e gostos delicados pro-
pria para baile.
Vistuarios bordados de fusto brancos e
decores para meninos, de cambraia para
baptizados, o que de melhor tem viudo a
este mercado.
Vestidos de la escoceza de 2 saias,
novidade pelo padro, gosto e forma; ditos
de linho com barras de cores, e de cam-
braia de cores com 2 saias, tudo inteira
novidade, tFazem os modellos juntos para
mostrar a forma de os fazer.
Veos de bluid para ncivas e pretos para
luto.
Vestidos,de blondpara noivas: podemos
asseverar as nossas Exmas. freguezas, que
somos os nicos em Pernambuco que pode-
mos offerecer ao Ilustrado publico, o mais
apurado gosto em semclhanto. materia, gra-
;, o que ha de mais rico, quer gas ao bom gosto do nosso fornecedor em
soltas, quer em ramos, teraoPAVILHA) Pris, podemos garantir que ninguem neste
DA AUR.OPA nm permanente jardim a genero o possue melhor, nem mais em
disoosigo das Exmas. familias.' conta.
E' dispondo d to grande e variado sortimento que o proprietanos do FA-
W.HO DA AURORA se apresentam ao publico declarando desde j que e a sincenda-
cb e o bom gostoo movol nico de seas negocios.
Prvidos de tudo e promptos sempre a prover-se do que por ventura me
K>ja necessario, os proprietarios deste sumptuoso estabelecimento recommendaro-se
*-m receio do screm contradictos e protestam esforgar-se por continuar a merecer a
o que se Ihes tem dispensado ; certos de que do seu estabelecimento nao satina
9 fieguez descontente. .... u v -.i;
Contina sempre a ofQVina de alfaiate dirigida por um dos mais habis ai lis-
tos, promplo executar com proinptido e bom gosto qualquer/aballm que Iho soja
ido. Lina modista especialmente ocenpada nos trabalbos do PAVILHAO vvmj-
ROttA, duige os que lite sao concernentes, garante por sea apurado gosto e promptiJao
na execugo e a mais completa perfeico nos seus trabalhos.
A numerosa freguezia que nos honra urna prova de que merecemos o con-
seno que se dispensa ao r.03so estabelecimento, conceito que procuraremos firmar cada
vez mais. Para facilitar anda a concecugo do fif que nos propnmos, temos no nosso
estabeteoimeuto os ltimos figuriiios de Pars, quo*recehemos por todos os paquetes, os
q\iaes enviaremos para seivni vistos as familias nossas freguezas, aflm de escolhercn,
com o padrao da fazeivda o gusto na forma.
Na oflkina de alfaiate, junto ao estabelecimento. ha igualmente os Hgunnos
nara horaens ftne por toos os vpores se recebera. ,
E este o modo porque n-s apreseotainos pedindo a proteccao o Hl-is
imbliro e com o mats profundo msfteito convidamos s excellentissimas Sras. a vish
io nosso eeUbek s de encootrarom nelle pelo menor preg<
Mandaremoscaixeiros levaras fazendas eamostras onde forem,pedidas, '
m pooonnos especiacar todo quanto Umos. ^ ^ ^^ ^ ^
Aberto das 6 s [9 horas da noite.
Ra do Queimado51
A VERDADE tendo em deposito grand-
quantidade de miudezas e perfnmarias, e de
sejando apurar dinhoiro c adqnerir boa fre
guezia est rssolvida a vender muitissim
baralo, ; por essa razo convida ao respe)
tavel publico a vir competentemente mun;
do a sortir-se do bom e barato. Pois quat
do a Terdadc apparece, tudo mais des
apparece------
Grande sortimento de bonecos de cera <
tnassa as mais lindas possiveis vestidas a a
racter.
Aboloaduras moderuas para col-
lelea .......
Espelbos donrados pepnenos. .
Agulhas de osso para crox a .
Peutes para regag* i com esntas a
Ricos globos para candieiro de gaz a
Chamins a.......
Grande sortimento de objetos de
louga para brinquedo de menino
\ Garrafa com tinta a.
Dita com agua florida verdadeira a
Dita com dita dila a
Frasco com oleo de babosa a 500 e
Dito com agua de Colonia a 300 e
Gairafa com agua divina a. .
Frasco com extractos linos a .
Latas pequeas com bauha muito
fina a 120e ......
Sabonetes de diversas qualidades a
80, i6O,240e......
Finas escovas para dentes de 120 a
Lindos coques modernos a. .
Pavios para gaz, duzia a 240 e .
Escovas para facto a 500, 600 e
Ditas para cabello a.....
Pentes para tirar piolho a 160 e.
Brincos de cores, bonitos a 160 e
Pegas de tranca de la com 8
varas por.......
Oleo para machina de costura,
frasco a......
Pennas d'ago finas caixas a 800 e
Dita d'ago Perry, caixa a. .
Galo de algodao pe?a ....
Lindos babadinhos e entremetes
pega de 500 a......
Ditos de louga muito fino a 120 e
Ditos para calca a 160 e. .
Caixa com papel amizado a. .
Ditas com' envelopes a. .
Ditas com obreias a.....
Caixa com agulhas fundo doorado
Ditas de critas ditas a.....
Thesoura para costara a 240e
Caixa com liaba de marca a .
Linha de cores em novellos (li-
bra) a......*
Carreteis de linha Alexaudre de 70
al 200........
Grampos muito finos com pausa-
ros, duzia a .
Ca tas portuguezas, duzia a .
Ditas francesas a 2200 e .
Papel almaco e de peso, resma a
3*400, 3#KX) e .
>^a muito fina para bordar, libra
Fita de algodSo para debrum de
sapatos, pega a.....
Dias de la para debrum de ves-
tido, peta a ......
Pentes finos para segurar ca-
bello a ........
Ditos ditos do bfalo para alisar
a 2*0, 320 e......
Ditos para aparar penna a .
Rosetas pretas, par a .
Tranca de la rjecaracol pega a 40 e
Fita de coi peca a 480 e .
Alfmelcs de lato a.....
Sapatos de, la para cnanga a 400e
ia do sedas decores a .
C.iigadeiras a
ISCOFICQS
E crystal de rocha do Brasil.
. Germano, recor.menda ao publico, seus vdros periscpicos Pwfo'Coa
slalino do lho e determina quasi sempre d-
32t
261
20;
32
32(
101
80a
153(X
IjJOtX
72(
50.
lOt
lfi(00(
16(
32x
m
200(
321
70(
50(
24(
20
8(
60
um
440(
40(
1550(
20
24(
70(
48(
4(
28(
16(
5a
m
50(
10
2K
4540
3400
4i$50(
650t
16(
m
32(u
501
10*-
iCM
lO
56'
10C
80'
20
8t
que, com
rada vez mais trrossos, o que altera o crys.
res de cabega O alcance ordinario da vista perto de 30 centmetros dooio.e,
todas as vezes que o objecto est mais perto ou mais loage, os ra.os que expelle.sao
mui convergentes ou mui divergentes e a vfso nao perfeita. Um grande numero de
nesgas tem o defeito de fazer convergir muito de sorte que a visao nao distincta.
Com a awHcacSo de meus vidros pde-se vcn:er estas difficuldades Para os que tem
a vista curta e cujo crysta'ino mui convexo (o que fez ve_r__bem,4de perto, e mal de
longe)
vista
Tqm'chama presYytaVve'ra ra'edior de longe que de perto, e nao enxergam senao
um nevoeiro na distancia ordinaria da vista; com um vidro convexo, estes enxergaro
tac distinctamente como na idad de 15 anuos. Serv.ndo-se destes vidros quando e
vista principia eufraquecer, previne-se o mal.
p j.Germann encarrega-se pela sua experiencia, tendente aos olhos, a e s
colher.'a primeira vista, seja qual for a idade egro de vista, oculos proprios para
qualquer pessoa, t% <%
Para que sao fabricados estes vidros f f
Para a vista que nao supporta os raios
solares nem grande claridade.
D cordeiro prctidenti
Itua du UaciuMitlo a. 1.
Povo e variado sortimento de perfuman*
finas, e oirtos objecto.
Alm do completo sortimento dapjr-
carias, de qne enectivamente ostpTWfla
loja do Cordeiro Providente, olla actM receber um ontro nertimento que Mj?^
ootavel pela vmedade deobjectos, soporto
dade, qualidades e comraodidades d*JP*
eos; assim, pois, o Cordeiro Providente pod
e espera continuar a merecer a apreciaba*
do respeitavel publico em gorah do so*
boa freguezia vem particular, nao .
tando elle de sua bem conhecidamaiBWa*
9 barateza. Em dila loja encontrarlo o
tpreeiadores do bom*.
Agua divina de E. Coadray.
Dita verdadeira de Murray Dita de Cologne ingleza, americant, fira
oeza, todas dos melhores e mais acreditado
fabricantes.
Dita de flor da larangeraa.
Dita dos Alpes, e vilete para toiiet.
Elixir odontalgico para conservacio i*
isseio da bocea.
Cosmetiques de superior qualidade a cea
rol agradaveis.
Copos e latas, maiores e menores, co
pomada fina para cabello.
Frascos com dita japoneza, transparent
e outras qualidades.
, Finos extractos inglezes, americano t
roupa j (raocezos em frascos simples e enfeitados.
Essencia imperial do fino e agradavel h>
o de violeta.
Outras concentradas e de cheiroi iffui*
mente finas e agradaveis.
Oleo pbilocomeverdadeiro.
Extracto d'oleo de superior qualidad*
com escolhidos cheiros, em frascos dedifla
rentes tamanhos.
Sabonetes em barras, maiores o menor*
para maos.
Ditos transparentes, redondos e em fip>
ras de meninos.
Ditos muilo finos em caixiuha paca.barba
Caixinhas com bonitos sabonetes imitan!-
fruotas.
Ditas de madeira invernisada contando t
aas perfumarias, mnHo proprias para pw
jentes.
Ditas de papelo igualmente bonitas, tas
bem de perfumarias finas.
Bonitos vasos de metal coloridos, a
moldes novos e elegantes, com po de airo
) boneca.
Opiata ingleza e franceza para dentes.
Pos do camphora e oulras ifferent
qualidades tambem para dentes.
Tonteo oriental de Kemp.
Aluda mais coquea.
Um outro sortimento de coques de na
vos e bonitos moldes com filets de vidrilb
alguns di'elles ornados de flores e fitas
esto todos expostos apreciago de quer
os pretenda comprar.
G0LL1NHAS E PUNHOS BORDADOS.
Obras de muito gosto e perfeicao.
Fivdlas e atas para el o es.
Bello e variado sortimento de tae3 ot-
los, ficando a boa escolha ao gosto do com
prador.
WP& POPVliJLB
DA
FABRirA MCIOXAL DA BABIA
DE
Teix&'ra Uldurico $ C.
Acha-se venda este ptimo rap, rauco q.
Sdc supprir falta du princeza de Lisboa, por ?
e mai agradavel perfume, viajado, e a preco
mais mdico possivel; e por i?3o tem sido ess*
acolhido ras pragas da Bahia, do Rio de Janem)
em oulras do nnporio : no escriptorio de Joaqnis
Jos Goncalves Beltro, ra do Commereio nv
mero 17.
Para a vista myope, (vista curta).
Par?, vista que se cobre de nuvens.
Para a vista que por momentos, v es-
voagar pequeos pontos negros.
Para a vista que as palpebras tremem
de fraqueza.
Para a vista que os olhos sao desiguaes.
Para a vista que se turva com o traba-
lho e a leitura.
Para a vista presbyta (vistagalon ).
Para a vista operada da catarata.
Para a vista que as palpebras esto cer
cadas de sangue.
Para a vista que um dos olhos myop
e o outro presbyto.
Paia evitar finalmente que o crystalino
do olho se cobra de catarata.
Sortimento de binculos
para theatro, e oculos de
alcance para o campo e ma-
rinha.
le sortimento de rondas das Unas.
|Mit de suspensorio de borracha po;
imtt
Ka verdad* rita do a^iwlmwdt
Luneta, pince-nez e
face--main, ouro, prata,
tartaruga, bfalo, age,
etc., etc.
Tem tambem grande sortimento de relogios para parede, qne do horas e para
cima de mesa dos mais lindos modelo Relogios para algibeira, de ouro, prata, prata
dourada efoleada, inglezes, suissos e orisontaes dos. memores e mais afamados fabri-
cantes.
Vendas em grosso e a retalho. Em Pernambuco.
N.21=Rua Nova. 21.
TASSOIRMAOSaC.
Apolle
37, a
K.iii
PAfflMS PRETAS AIARIIA
11Ba do Qneimado--11
AUGUSTO PORTO acaba de receber pelo ultimo vapor da Europa, superiores
sedas pretas proprias para os 3ctos da quaresma sendo :
Gorguro preto de seda o que ha de melhor.
Grosdenaples preto do diversas larguras e qualidades.
Mantas pretas de blond muito liadas para senhoras..
Pannos e casemiras pretas, pannos azues merinos, bombasinas, princetas e alpa-
cas pretas e de cores.
Basqumes de seda e guipure pretos das mais modernas.
Veslidos de blond com manta e capella para noivas, fronhas de esguio e cam-
braia camas e janellas, veslidos para baptisados, enxovaes para criancas e superiores saias
bordadas.
Cortes de setim de cores e ditos de seda dos mais modernos.
Poupelinas de seda linho lisos e com listras gostos elegantes.
Luvas de pohea pretas, de cores e brancas para homem e senhoras.
Malas de couro do todos os tamanhos para viagens,
Camisas bordadas e lisas para homens e meninos.
Grande sortimento de fazendas proprias p.ra fabricas de engenho que se ven-
den muito barato, confiando ter sempre as afamadas
Esleirs da India pam forrar salas, a tapetas de muitas qna-
Udades.
Venden) em mu armazens, no raes do
d. 7, Escadiuia n. 1 e ra do Amorim d.
seguintes pencros :
Ac > de Millo.
Mil no em snecas grandes.
Farcllo em suecas de 90 libras.
Chumbo de mnniclo sortido.
Metal amarello para forro de navios.!
Machinas para descarogar algodao de ft,
serras.
Kerosene em latas de 5 galoes.
Champagne do afamado fabricante Krug.
Hormouth.
Vinho do Porto engarrafado.
Coac do afamado fabricante Gautier Freres.
Fogo da China, caixinhas, 40 cartas n. i. Extn.
Genebra ingleza .Od ton>
Cimento Romano.
Cimento Hidrulico.
Cimento Por ta nd.
Gesto para estuques.
Canno* de barro para esgotos.
Gradeamentos do ferro para jardins, raleadas el
Carros de mao para serviros de armazens.
Garrafdes com 5 galoes de vinagre tinto,
dem com 3 palBes de vinagre Unto.
Chambo em barra.________________________
Bichas bamburgnezas
Neste novo deposito recebe-se por todos os pa-
quetes translanticos bichas de qualidade superior
e. vendem se em caixa ou porcao mais pequea,
e mais barato do que cm outra qualquer parte :
na ra da Cadea do Recite n. 51, 1 andar.
Cigarros da imperial
fabrica de S. Joao
de Nictheroy.
nico deposito em Pernambuco caes da alfan-
dega velha n. 2, 1 anda.________
Venda de urna casa no povoado
dos Montes, em Una.
Vende -s'e urna casa terrea, sita ra Nova, no
povoadj dos Montes ; de tipa, caberla de tenas,
com a frente do lijlo, tendo esla vinte palmos so-
bre 50 de fundo, sendo o solo foreiro a proprieds-
de Montes : tratar a ra da Cadia do Recife
n. 10.
Wk.
II-lia 4o (Miad*.....11
CADET
CUBA
ERTAeINFALLIVEL
em tres das
[Ph^BDcnainT


i".
~V

-
II1.)S
Diario de Pernambuco Sabbado 19 de Marqo de 1870.





AGUIA NEGRA
oo
I
a
BENTO MACHADO -ft C,
A AGUJA NEGRA animada com o boro accolhimento que teve era seus arman
clos, vem novo participar a seus freguezcs que, acaba de receber tira variado sorli-
ment de olmedos de gosto os qftaes ser3o vendidos por presos muito razoa\eis, pois
qcando fez offftens primeiros anuncios, foi o que assegurou, e sera mdo de errar,
-'orque como j disse ost inleresses ligada a urna casa importadoradcsla praga, e
oor isso poder ter tndo especial o vender por precos admiraveis.Chama pois a alten
c?o de seus freguezes para os arttgos possa doscrever:
Livros co-n o lampo de marfirn, .nadie- Um variado sortiments .de charuteiras e
rola e tartanig.i, proprios para missa. pallitiros de porcelana,
GaraSnhas valias proprias para presentes
rasa de gosto.
Indispensaveis lo palinha e de couro pro-
emios para senhoras e meninas trazer nos
uracos.
Binculos ds mmlreperola, raarfim e tar-
*rn?a todos esmaltados.
Cintos largos de s:tim,'cousainle;raraen-
nova.
Fitas de sarja de todas as cores e largu-
as para la?os.
Tentos para vollarete.
Bengallas com marfim~ cousa especial.
Sabonetes de alcatr5o.
Cofres de folhas para dinheiro.
Lindas caixas para costura.
Um completo sortimento de taras e pe-
lica,
Talagorce para-bordar.
Um completo sorlimento de eafeiies de
Toncas, sapatinhos roelas de seda emais seda para veslido.
ertences para baptisados. Perfumaras de todos os autores os mais
Fitas com msenpeoes propras para bou- acreditados em oxtractos, pomadas e oleo?
fliet de noiva, e finalmente outros mnitos objectos que nao
Ricos vasos com p do arroz. possivel mencionar : mas com a vista se
Um variado sortimente de Jarros de por- certificarlo do sorlimento deste estabele-
Travessa do Corpo Santo n. 25.
Os acreditados cylindros amerc;>nos para'padaria, por dous differentes sv.-temas.
Machinas para desearocar algodao pelos melhorcs fabricantes de New York.
Machinas do vapor systema do locomotiva e polias para as tnestnas.
Carrinhos americanos para transportar volumes era arnmens. Tudo por pre
tos razoaveis.
TRAVESSA DO CORPO SANTO N. 25
Joaqun Kopcs Machado & C.
ana.
amento.
Agnia Negra, ra do Cabug n. 8.
er => a = jg- o
en
2 B
o es
3 3'-
o
3-0
c =

-1
a>
3
3 3|'.ao'2
CQ f* .-. s ^S ^
.- 6 03 O^ 23
3 .
0 -m
53ga
2. o
a ^ w
B.2-P 3 5-3
3 O a> ~
3-9 E? S=-
BS ? B
a .- S. o
SftB 3 o sr
-.i-a
"S-9 S
O M
'"- :-'
-2 ra a "3 ro
_ 3
ra o
o
a

g
a:
g*-
a 2
-*
'JO
K
grao-
-orara
* 5 _,
>3 2.gg
-8 2 -
^ t 3 S -^ ra
M ra a-Q a
a.- ra "
r- ? 3 e _
J- n cu ft ra
55Ra da Imperatriz55
F. Gautier, proprietario deste importante estabelecimento tem a honra
de participar ao respeitavel publico que acaba de chegar da Europa para on-
de traba ido especialmente para contratar peritos officaes e que consecuio
contrata-Ios na pnme.ra rasa de Paris, por isto julga que todos {carao satis-
fejtos dos rabalhos do seu estabelecimento cnjo exceilenta material ainda
foi augmentado com novas machinas que a receben e tambem murtas drogas
novas com as quaes se oblem estas maravilhosas cores modernas tao aoreci-
das em Franca e em todo o mundo,
Tinge, lava, limpa, lustra, achamalola com a maior porfeico fazendas
eiri1 pecase em obras de todas as qualidades como sejara: seda, la, algodao,
dubas, chapeos de feltro e depalha etc., etc.
. V^u n0l]of e limPa secco senl molhar os tecidos, conservando assira
todo o brilho da fazenda.-
Impressoes sobre tecidos
com este novo systema, os vestidos de seda eoulras fazendas que al abras
podiam tiagir-se de cores lisas, potlcra receber um bonito desenliode cor
diversa, a escolha, o que realca a foseada e Ihe da mais merecimonto.
Imtura preta, tercas e sextas-feiras
As pefsoas das provincias Iimitrophes que quierem utisar se do seu"
estabelecimento poderlo mandar o que tiverem, na certeza de seren to bem
servidas como no Rio de Janeiro ou na Enropa, e com mais brestesa or
causa da distancia. l
I G1Z CAZ GAZ
Chcgotkao antigo de|x">sito de Henry Forster a
f., ra do Imperador, 'ira carregamento de gu
1 de primeira qualida ie;.; qual se vende em partida
! e a rctalho por menos prco do qao em uuip> qual
' qner parte.______________^______
Vende st (liversua cera*os peca?, vind do
Cear e do l'iauhy, proprios par.i enizenho ; as-
.-in ..no diversos eabrochas do 12 i 18 annos,
eooi habilidades e na ellas e um natal de es-
eratos pardos g.irar.ttado-se a conduela : traiar
na ra da Crm n. i' e )>. andar.
Para a quaresma.
^'a !oja do Passo .
O? proprictarios deste importante estabeleciroeo-
lo r cefccro pelo ultimo vapor francez ricos pos-
tilhSes de gorgurao preio muito bem enfeitados.
inteiramentc novidade, sedas e girguroes prelos.
temos sorlimento completo, o melhor a desejar
Dirijam-se, pcis, todas as pessoas que precisara df
comprar estes artigo, ra do Crespo n. 7 A
Scicntes de que, em presos nao se deixara de fa
zor negocio, istu'motivado pelo mnilo sortimento
que temos.
Blilho novo chegado
da America.
Vendein se saceos com milho da melhor quali-
dado, e ltimamente descarregado : no armazem
de farinba do eaes 22 de Noveinbro, por baixo do
Gabineto l'orluguez.
UKtVES.
Xa ollloina de ourives, na ra da Penha ven-
de-so urna labolela e urnas 200 pecas de obras
miadas do praLi, e tambem vendem-s'e alguns fer-
ros para irabalho de ourives : a tratar na mesma
oilicm?.
Cantara de Lisboa
Soleiras, Ivimbreirase ca itei?, o que lis de me-
lhor para nenies de predios : venda no arma-
zem da travessa do Corpo Santo, de Joaquim Lo-
pes Machado & C
? o
M*KaaswaaE
INJECTION BROU
i, lnnlUrri e Pretervailva, akwluumenio a uuica que car ten Deohum addiiuo. Vi-ude-fl
TSS*? **.?."""''' (Bl*' *"'*" *) itttaml a auaaU.) Far; > a*
t tovaBlar B#)t. ka^avaa^ HaaaaHa, itL
Vende-ae em frasees
D F1GAB0S FRiSCOS Di; BACALfiAd*"*-**,.
lana, pharmacia How,
2, na de Casglione,
em Pirfs.
A^ <<> nTii^ttei. os ?*? par(!n [WtlcOea f< ilas rrm 0i-*,s
fif mtmtimami+iini*'.** ^SJS^^S
a e icr oa matona cuidados noa samS l aST:, i 'T0"
H -: dead. o m. ,,c ,8V... Kato, oleo, piro de mSiSSJSKSMSSXtZ
, graiip^Nin para este prcdoM ttedicaiaema un, fama anivcraai aaa nwlesliat do a2taT~E5?
:::. -O !ro de Bogo 'nii faed do digerir, distingo*** entre es oatros oleoa Bala ..
6 O K8I rORIO ^tairawi do ch.-fe do, raballioa chymicos da FACCLD.ADE DE MFDlrJNi r.P
:.,..., eond co.no .r-g,,a : 0 dto cor re nalhi deM. Hogg cortem urna Urca vlrteP-2
,,. ,f,i R'fttfM, ^.in/o ao cAeiro r sabor. ^ wmvtiueniu que ce
V ^"del*^,U ,0da* "" Ph>-:*" Franca do. *!. eotrauagelroa.. y
......naai------B------'
aaaama
'^-PMi-*
"WJtti'llTium
VERDADEIRAS
PILULAS DE BLANCARD
COM IODUNETO DO FERRO INALTEfMVEL
APPROVADAS PELA ACADEMIA DE MEDICINA DE PARS, ETC.
Possuindo as propiedades do ledo et do 'rro, convem espeei*lmente as Amccots
scRonnosAS, a Tsica no principio, a (raqueta dt temperamento tambero nos usos da
kalta de cor, AMF.soRRHEA, em que precisaREAGiROBRE o SAtfGUE seja para restituir
.n5ueza e bundencia normaes, ou para proTOcarafegular oseueursoperiodi.
, B- 0;odar*t de ferro impuro oo alterado i am medicamento infiel,
rutante. Como prora de purea de aothencidade daa vera-elraa M-
IoIm *m Kaccarj, d.-re-s* exigir nosso ello de pratat rraaliva a
nosso tau, aqoi rtprodnrida, qne a* acha aa parta inferior da na
tul* verde. Deve-ae desconfiar daa falaificacoea.
djftaa^^aeaa eaaa aa pharreia narmateurtco, rwa lawaaorto, 40, AWii
, ATTENCAO
Vndese a loja de calcado sita a ra Dirci
ta p. W, a qual est bem afreguezada tanto para
a pr.iqa cmiio para o mallo e s se vende por
ida dona se retirar dt??ta pra^-a, quera pretender
dirija-sa a mesma que achara com quem ti atar
e tem tambem bastantes commodos para nume-
rosa familia por botar de ra a ra e por preco
amito rasoavel quo admira.
Milho novo
Vemle-se em saceos grandes, e por meno< pre
co do que em ontra qualquer pane ; para ver b<
trapiche D.nilis e para Halar, na do Api Bo.
Cal nova de Lisboa
dos.-arrcfrada Iioje do patacho Mara ; e vendt-
Joaquim Jo- Hamos, na ra da Cruz n. 8, pri-
n.er andar.
LlNGUAS!!..
JA CHEGOU
a nova remessa das muito desejadas linguas
seccas, vjndas i!o Rio Grande que so vende
no rmazem do Campos ra do Impera-
dor n. as?im como : trancas de ceblas
a G50 is. cada urna, no mesmo armazem
venden>-se o aluga-se
Escravo
VenJe-se um bonito escravo de cor parda, sen-
do muito possante e-com boa figura, estando tam-
bem a:ostumado ao servido do mar : a tratar na
ra da Imperatriz n. 60, loja do Pavao.
Vende-se um mulato robusto e sadio de. 20
annos do idade, sera defeilo algum ; a tratar na
ra do ilrtira n. 8, 3" andar. ________
Por 300000 baratissimo, vndese um
preto de 25 annos, o motivo ser patente ao com-
prador : na ra de Horta n. 90.
ESCRAVOS FGIDOS.
200*1000.
Fugio era 2." do Janeiro de 1869 o escravo Ha-
theus, da moia idade, cor preta, falla groca, be-
j xigoso, lera urna pequea berruga no cnlo do
| nariz, olhos aogueiados. linlia sido dos senhores
Agostiiio Leocadio Vieira, em l'anellas de Mi-
1 randa, io Sr. capilo Francisco Ilodrigues de*
; Frehx, era Pesqueira, linda /indi de l fgido
; a poucos iiiezes a Itm la urna niulher, desconfia-
se que ande as serras de Sinhara ; pede-se as
autoridades e capitaes de campo a captura do
] escravo o trazar no ltecife a seu senhor, Jos
; Cardoso de S, ra da Linguela n. 2. O mesmo
i protesta contra qualqujr pessoa que o tenha acoi-
I tado e gratiflca-se cora 200J a quem o apresen-
' tar ao dita seu senhor.
Fugio do-engenho Boa-vista,
Camaragibe, provincia>d;. tlagoa
cobo, de ide 34 anuos; ..-atura rt--
do corpo,andar banziir. t"n fali
frente, rosto largo, bartrad^. ,-csti-
er toda a barba, t<-ni un i a!i
p>'"s grossos ; este escravo anda fo
16 do Janeiro do DNTenM MkM : i
s autoridades pociaes e atfl c>|
apprebcnsio d-.s^e i.-. ravo, "> i ni
nho aciioi meneinflad oa
Vigario n. l, oa travesea do Qo
i' aiidar. iuo st nal:!
Engenho P;
Deslo mgenho Para, liet,".czia d< .
DO dia 21 do ctenle mes o e^
erioiilo, de idade do W aoiwi, b .
barba, cabera redonda, dente* Um
l.uiz Antonio Slonteno, da Cttendi
guezia da Pedia, fci vendido ao s
valoantl do Albuaoerque Bairio, e i
subrinho Jos Alves aarinbo Falr",
houve por compra : qnem o teva .
nbo, ou Mita praca a iua da Qrtu n
boa gratilica^o.
! ValentimV r
i
portnnt
.
-t -tu
i ia le
. fre-
i el Ca-
tn H>e
de quem *
. i:enf*
i, rofcbtri
dio.
Fugio no dia "- do tov< r- ir a rea, -
escrava crii u!.i da nome Belizaria que lepatseata
ter 40 la", estatura i alxa, com-gi i de falta de
denles c con urna sicatriz de qneimadiira no bra-
co direito, tendo levado Mns nata -maVn
verdee onlro listado de azul e li no; qnem
a cap'urar firva-se lvala a Ponte lie Ucbo
sitio de Joo Jos Rodrignes Hen p, on a ra
da Madre do DeM n. '2**, que sen gi-nerosantesM
recompensado.
VT
Fugio no dia 11 do eoFreutne eero Fran-
cabra, idade de 30 anuo*, c ni is siaues
.'eguiibs : cshell.s carapinhos, rosto descarna-
do e com marras de bexig.1, nliloia-st r livie
levou ca ca branca, pat t d( alpaca de ro>, ebk-
po do Chile ; de.-de i\ se protesta centra a ees-
soa q^iie o ti ver oceultado : ivga-> s -, \\. ,<
capitaes de campo que o tragara a ma ).
n. 16, que sera.) generosamente gratlfleados, asf.n
com as autoridades pociaes.
Fugio do engenho Minhocas, dlT-o^iair^r-
Santo Anlao, no da 20 de junho do nne passado,
o escravo de nome Fiancelino. ttpft na tf 3S
annos de idade, com os signis seguiutes cor
preta, Mino, corpo reforcado. cara lar*, bastanl
barbado, olhos pequeos, nariz muito ti ado, boc-
ea regular, dente* curtos e limados, amito prosis-
ta e andar aprestado ; consta andar 11 los K.bor-
bios da cidade de Olinda, cngculio Pragwo, Cata-
c, jieberibe oa Apjpucos, acontado |m r J. aquim
los do Sarl'Anna, sen linio liberto. qualtitu
em suaompanhia una cabclha e filhns dajBii
ma, e por outro irmo de nomo S~ s Bagla, que
o condozia para us lugares cima inndiea
alcm de ura outru so.io de tioir.e J" icbanas
da Silva, condecido por Jos Pajeii, pe r ter vind .
daqu'dla comarca. R^ga-so s atoridades c ca-
pitaes de campo que o appriliendam e o lerc-ni a
ra do langel n. 17, ou no engentan Uinhoras, i
entregar a mu senhor Jo3o Crrala de Qntiruz
Monleiro, que serso generosamente grallflcad .
Anda fgido desde 2(5 do fevereil proji-
mo passado o escravo loto, pelo, sUMira l> .
t-do picado de bexigas pelo ruma falla do rl <-
tes : levou vestido camisa branca, e lovou i
ouira de risrado de lisias. Quem o popar leve-o ,i
prac.a da independencia loja de Porto & Ba>l --
que ser recompensado.
Fugio do engenho Poro da fregurzia de .
Preta, na noite de ultimo de (evoreiro para n i
de marico do correte auno, o eseravo r>imii.
com 28 para 29 annos de idade, alto, corpo nen-
iar, cabra, pouca barba, tem as maos e os pos o. .
calor de figado, foi ltimamente comprado na i id
de do ltecife ao Sr. Manoel Francisco Duaiio : rti
escravo foi dos Srs. Alejandre Diniz e J ;
Gomes, este da Serr* da Vill?, o aijoellc de C
do Rocha da provincia do Rio Grande do >
para onde se suppSe ter ido por eonfrasar'a mu-
Iber do diu> escravo, que tambem fugiu cora ello, ,
foi presa perto de Bonito, evadlndo-se o marido :
roga-se as autoridades pociaes e aos eapitii i
campo a captura do dito escravo, e o cond,
ao engerido cima, ou a entregar ao Sr. Genoii
Jos da Rosa, seu correspondente, no Reeifo,
da Pr ia n. i3, que ser recompensado com
e anda mais urna gratificaclo.
Fugio do engendo Camarapibc na fregu.,
de Serinhaem pertencentes a Gaspar Man
Wanderley os escravos segnintea : Samuel emu-
lo baixo. groco, nariz chato, diz ser da 6osla p, i
ter sido eemprado pequeo, Joo Caboculo de ida-
de trinla e tantos anno?, ps chatos, ventas .-i
hlalas, estatura baixa, cor (tizada, pouca barita
e esta na ponta do queixo, Felippe mulato de Ida-
de de 16 annos pouco mais ou monis, baixo, gn
so, sera defeito algum, teve bixos em pequeo, p
rm pouco apparece; por isso pede se as aui
dades pociaes e capitaes de camp a captura d -
mesmos e lvalos uo mesmo engenho on na i
da Monda n. o, 2> andar escriplorio ile Manoel Ai-
Tea Ferreira & tj. que serao gralitigados.
I Q
10r,

GERAL
140.
I.
DOS WtEMIOS DA I. PARTE DAS LOTERAS CONCEDIDAS POR LE PROVINCIAL N. 102, A BENEFICIO DA MATRIZ DE S. BENTO, EXTR.UIIDA EM IS DE MARCO DE 1870.
NS. PREMS. >S. PREMS. m. PREMS.iNS. PREMS. i NS. PREMS. XS. PREMS. NS. PREMS. NS. PRKMS. NS." PREMS. NS. PREMS. NS. PREMS. NS. PREMS. NS. 1 PREMS. NS. PREMS. NS. 1 PREMS. NS. 1 PREMS. NS. PREMS. NS. PREMS. NS. PREMS. NS. PREMS.
2 04 ^70 6* 330 6* 544 6* 70j 6* 891 6* 1070 6* 1234 6* 1400 6* 1366 6* 1744- 6* 1932 20* iOSl 61 2296 6* 2467 6* 2649 6| 2881 40* 3056 6* 3193 64 3384 6*
7 72 43 49 13 93 77 33 4 75 45 33 6* 92 2301 70 71 82 64 60 94 90
10 "i 47 M 23 98 - 82 42 8 82 51 37 93 5 - 77 75 _ 83 61 3203 :5ii:J
11 75 56 61 34 902 10* 9i 46 11 83 54 : 97 ~ , 6 _ 82 82 _ 90 _ 64 5 16
12 76 59 68 10* 26 6 104 93 48 16 88 56 41 2100 9 . 88 85 ^m 92 65 8 18
li 77 61 ' 69 6 38 7 6* 97 55 49 92 58 OO 51 1 __ 10 KM 89 86 __ 96 _ 66 9 23
SO 81 85 - 73 43 10 1104 59 25 1601 63 0* 54 8 __ 17 6* 90 89 __ 97 _ 67 13 24
M 82 87 80 u 12 7 69 33 8 203 68 57 10 10* 19 91 96 99 . 69 18 33
3 86 90 82 49 13 10 71 35 1 . 64 7 66 11 64 24 98 2703 2901 74 19 1 10*
94 402 91 ;;: 24 16 72 43 23 79 67 . 13 25 20* 2507 _ 9 3 . 77 23 6J
36 95 3 94 60 29 18 84 - 45 31 80 6 17 31 64 8 , 12 10 _ 79 26 32 10* 10* 04
A 37 98 4 97 61 32 19 87 47 ' 42 83 72 26 __ 37 20 14 __ 14 _ 83 29 57
3 99 6 600 64 33 20 91 50 43 84 77 50 39 21 B 10* 13 _ 86 33 67
40 202 10 5 6a 47 21 93 53 44 90 80 52 __ 46 *> 18 6* 17 _ 87 35 70
41 6 '*0i 18 __ 6 73 10* 52 24 95 55 50 98 81 60 _ 48 33 26 __ 19 89 44 71
43 7 6* 23 9 84 64 60 23 96 61 53 10* 1800 82 61 51 34 37 23 _ % 45 73
45 10/ 9 ~- 25 11 89 63 10* 31 1300 63 n 6* 2 83 C6 52 46 _ 40 31 __ 97 52 76 _
46 6/ 12 19 _ 14 91 73 6* 38 3:000* 9 64 59 3 - 86 68 38 48 _ 52 35 98 53 93
54- 15 39 _ 15 94 77 39 10* 12 67 68 23 87 77 61 50 _ 38 37 3101 56 97 _
59 16 50 _ 19 95 78 41 6* 16 69 79 29 M 78 62 32 ja 60 46 10 61 _ 98 _
63 19 58 __ 24 98 81 44 40* 18 70 81 30 96 80 65 58 _ 63 52 U 71 ^^ 3502 i
68 21 62 27 801 83 47 6* ?0 73 82 32 97 86 ^- 68 60 B... 66 53 10* 6* 12 204 64 74 _ 3 __
69 10* 32 63 24 4 88 50 22 77 84 34 _ 2000 88 74 65 -g- 71 59 14 76 M 7 -T-
71 6 M 67 30 10 89 53 24 82 85 _ 38 2 94 80 6Z 79 61 13 82 __ 15 f^
73 100* 51 70 36 11 93 _ 60 37 87 88 39 U 98 10* 83 10* 71 80 62 *r 25 ^ 83 --- S .
* 7i 6* 54 80 42 10* 18 _ 96 __ 66 * 41 1502 m 99 43 13 2211 6* 85 10* 72 _ 90 . ~ 63 26 mm 92 --- 28 ^_
80 55 84 44 64 17 1003 73 49 3 1704 49 r 15 - 93 6J 74 93 64 _ 36 - 93 V 39 __
81 57 85 47 22 16 _ 74 SI 13 26* 8 51 19 24 -*- 98 83 _ 2805 65 __ 43 | 96 42 _
96 58 90 51 23 17 75 56 14 6* 10 56 22 29 2405 * 86 __ 7 66 .y 46 3318 p- 1
97 61 91 58 28 22 __ 86 69 15 13 62 23 - 30 M 7 2600 _ 17 67 50 ^ 21 m 55 _^
98 65 N 60 29 25 87 _ 63 17 15 73 30 32 9 _ 3 _. 21 73 _ 53 27 _ 6J ---
110 76 96 61 31 26 89 6 -T- tt 18 81 37 33 - 11 _ 3 _ 27 71 _ SS . 31 26* 60 .^
21 - 78 98 63 34 27 91 67 29 19 87 se* 41 40 --- 16 8 _ 30 78 __ 56 > 34 4 M ffr
% 81 502 " ra 39 94 92 69 T" 30 21 95 t* 42 49 -----1 26 _ 11 _ 38 ' 86 _ 59 i 37 72
28 84 900 4 -! 71 43 37 99 70 >* 31 27 1909 44 55 26 _ 12 _ 42 3027 60 41 1*J 73 -T-
36 85 6 6 -1 74 64 40 1203 74 6* 3* 28 3 47 10* 59 --- 37 14 ,~ 48 32 _ 62 -, 55 I*- 16 10*
38 92 40* 20 - 63 41 6 77 , 'bmV m i 4 6* 60 __ 38 . 17 _ 56 33 _. 63 - 97 4 79 *
46 93 6* 23 -' 78 68 50 7 Z9 -- '2 33 1 59 80 41 _ 22 ,, 59 40 73 68 83
39 307 2o - 80 VO 54 9 83 3t 34 i 60 84 _ 44 _ OU 43 260* 78 70 66
62 10 26 J 84 77 59 46 89 43 37 """ 21 1 61 86 _ 47 Tjs 63 46 6* 79 72 87
63 160* f7 34 10* 8.7 80 l 20 90 - 44 38 13 * 70 87 "*- 55 __ 37 Mal 72 53 65 m1 73 92
v 64 6* 21 36 6* '92 82 68 24 93 46 39 26 20* - 88 __ 57 _ 44 73 __ 54 pajas 86 80 * 94
67 26 37 700 88 20* 73 27 " 94 59 " 31 6* 9i 20* 63 ^^ 47 "" 78 """ N ^m 89 "~ 81 ^^ 95 r
IlB



8
Diario de Pernambuco Sabbado 19 de Marqo de 1870.

i
inTERATBA.
Poesas e. discurseo recitados
por oeeaslo da cfcegada do
5 3 de Voln ota ros.
\A RA DO TRAPICHE POR FIEL C. T. 0.
Ei-los que chegam; piam Ierra patria,
Bravos mostra les na peleja primos,
Lourosmerecer, n pjupemos nada,
Tudo se faca que de raais sao dioos.
A' pos a lula, afanoza, grande,
Que em trra imjga tantos lauriou,
Vem das adigas descansar nos bracos
Da iui,.da e-posa, qu m aqu deLvju.
Mas, se, entre os bravos alguem lia que sinta
Dos pas a fatta, de uma esposa flda
Nao desanima, que em patricios peilos
la de mili; jubilo, quelbe alent a vida
E ro, ol m3es, ob t espozas caras
Que os vossos boje recebei nos bracos,
Ouvi as vozes d'este povo ioleiro,
Que a vos se liga pelos mesmos lacos.
Todo este povo renda preito aos bravos
Alfm chegados de to dura guerra,
Porque dcixaram nes imigos campos
Lines sublimes do que sua trra.
Sim ; se l dormem muitos bravos tossos
O somno eterno, que se chama morte,
Deixaram escripto pelos altos peitos
Um nome eterno que n3o soffre Corle,
Eaaaj descanr-am da fadiga mmensa,
Deixando a patria por rleixar a-vida,
Mas esta patria, que os lembra sompre,
A Deus dirige uma prece c'rida.
m
BRAZO DE GLORIA.
Eis a phalange guerreira
A sua patria chegada :
Eis a phalange altaneira
Que da guerra vem c'roada.
Briosos pernambucanos
Lata;tes com vis tyrannos
Mas destes sabia ligo.
Acceitai, charos patricios,
Pelos vossos sacrificios
A noss'alma e coracao.
Palmas, flores, hymnos, cantos,
Bravos mil, luzese festa.
A alegra tem seus prantos
N'uma gloria como esta.
Tudo vejo com fulgores,
S5o os nossos defensores
Que voltaram ao patrio lar,
Sao elles que as balalhas,
Nao fugiram das metra Ibas.
Nao souberam fraquejar.
A cinco annos de lula
'Stavam alem do Cruzeiro;
Agora a paz j se escuta
Neste imperio brasileiro.
No lar de soas familias
Das fadigas e vigilias
Vem agora dormitar.
Vossos feitos, vossos looros,
S3o os mais ricos thesonros
Que a historia ti estampar.
Eia, pois, irmaos soldados,
Vossa misso concluida;
Abraca os Cilios amados
A raai patria agradecida,
S Deus fot o nosso guia
Nesta justa romaria
A sombra de sua cruz.
Batam palmas patriotas,
Das frontes mais ignotas
Rebentem raios de luz.
J. Soares da Franca:
I Y UNO AO REGRESS0 DOS VOLUNTARIOS
DA PATRIA.
Venham virgens e donzellas
Com lindas cr'as de flores;
Cingir as frontts dos bravos,
Nossos irmos defensores. ,
A mai patria agradecida ^
Canta hymnos de louvor ;
Os seus filhos sao chegados,
Gloria a Deus Nosso Senhor!
FOLHETIM
os unimos de roLiGMES
poa
lie Berthet
XX
O assoclado.
(ConclusSo).
Os operarios da mina e suas familias n3o
tuham abandonado* pateo. Qaando Van-
Best e Amelia, Leonardo e o Sr. R...
eonversavam com certo ar de confidencia,
tinham-se todos affastado, como para n3o
psrturbarem o socego da pratica ; quando,
porm, viram o director agarrar pela m3o
a Leonardo e em termos de fallar multi-
tido, pozeram-se todos espantados e
Ento Van-Best exclamoa em voz alta :
Amigos,' todos conhecem e estimam
Leonardo, sabem os servaos que elle me
prestou e no ignoram como hbil na sua
irofissao, nSo hesitando ante o maiof pe-
rigo para salvar os seas camaradas...
verdade I verdade I gritaran
de todos os lados.Viva Leonardo I Hour-
r Hourr I
Van-Best, esforzando-se por apaziguar
a juelles transportes de enthusiasmo, bra-
dava, agitando as m5os :
Oucam, oucam Tenho anda muito
que dizer I Este Leonardo, que todos
muito estimamos, vai mudar de nome e de
ttulos. Chamar-se-ha o Sr. de Beaucoart;
b engenbeiro, mea sacio, dono d'este esta-
belecimeato como es, meo amigo e meu...
Sea Albo, Sr. Vatt-Best,1 interrom
peu o sopposto Leonardo.E o titulo mais
precioso qae ambiciono !
E abracaram-se ambo, em qoanto que a
multidao prorompia nos mais estrepitosos
applausos.
Vamos todos pressurosos
Receber nossos patricios :
Agradeceado com risos
Da guerra seus sacrificios.
A m3i patria agradecida, te.
De palmas e Tullas verdes
Facamos rifb braz3o ;
Seintellus d'enlhusiasmo
Rebentem do coracao.
A mi patria agradecida, etc.
Uin templo seja de festa
Oslo pernambucano;
Cantemos lodos victoria
Pela queda do tyraono.
A mai patria agradecida, etc.
No lar de suas familias
Agora vo dormitar;
Depondo as suas conquistas
Da patria no santo altar.
A mai patria agradecida, etc.
Fluctu a nossa bandeira,
Nobre estandarte gentil;
Gloria aos bravos que lutarara
Pela causa do Brasil.
Ami patria agradecida, etc.
J. Siares da Fran ca
AOS VOLUNTARIOS DD S'-.
A paria exulta de gloria
Co'a volta dos filhos seus.
O povo cania victoria
Aos seus hroes Corypheus!
Foram estes qua da guerra.
A' custa do sangue e vida,
Arrostrarain toda a lida
Para vingar sua Ierra !
Com valor, com bizarra
L'isseram ao vil Solano :
NSo conhece a cobarda
Um bravo Pernambucano !
No combato o primeiro
Que se atira com furor,
E delle ou sae venesdor, .
Ou morre como guerreiro !
Eil-os aqu coroados
De louros immarcesciveis;
Por todos vicloriados
Com tropheos inauferiveis!
Esses cantos de victoria,
Tantas vezes desferidos,
Sejam sempre repetidos
P'ra memorar taita gloria !
Salve I guerreira phalange
Da Brasileira Nacao 1
Salve I Terror do alfange
Do cacique de Assumpcao! m
Vosso nome bem gravado
L deixastts com valor,
E o tyranno usurpador
L deixastes desterrado!
tG de Marco de 1870.
Augusto Wanderlcy.
. ECITATIVO"
At os anjos do co
Rasgaram o fino veo
Baixaram sobre essa trra !,...
Embriagados de glorias,
Cantam hymnos de victorias
Trasidos de nossa guerra.
E' tudo festins e flores,
E' tudo boje esplendores,
Surge a gloria em toda parte I
Vejo unido o povo todo,
Erguer com grande denodo,
Do Brasil o estandarte.
Quem ? Quem que nao sent ?
Quem ? Quem que boje mente
Ura brado do coracao ?
Se alegra boje tanta
Se o povo todo assim canta
As glorias flessa nacao ?.
Ninguem!... Nenhum braziieiro!
At raesmo.o estrangeiro
Enthuziasmdo sai !
Vem unir.-se a essas fileras,
Lancar vistas derradeiras
As cinzas do Paraguay!...
Luiz C. Ferreira.
CimA DE LOCHOS.
Porque que nessa patria
Assim festiva se agita, ?
Porque qu'em toda parte
A gloria se ve escripia ?
Estes arcos triumphaales
Porque que 13o brilhantes
Trajara gallas p tropheos ?
Diga a voz da liberdade
No seio da hiimensidade,
As vagas do mar e Deus!
Diga o Prata, o Amazonas,
Quem a victoria cantou t
Como outr'ora a grande espada
Que em Marengo brilhou!
Diga o sol qua irradia
No espaco todo dia,
Quem o inimigo venceu 1
Foi a cohorte valente.
Que agora aqu presente
Diz um povo Briareu.
As banderas desfraldadas
Se beijam com profus3o;
Cobrindo heroicas caberas
Destes tilans danac3o
So levanta com frmito
T as orlas do infinito
O garbo febricitante,
Sao n'elles, que a honra exulta
Em cada gloria uma lula,
Em cada lula um gigante I
J. Soares da Franca.
A' esses bravos portentos,
Erigi mil monumentos,
Guardai os no corac3o.
AOS VOLUNTAMOS DA PATRIA
Illustres compatriotas!...
O Brazil est vingadol...
Hoje cousa do passado
A guerra do Paraguay,
O nosso vil inimigo
Dictador que foi bandido,
Em infamia convertido,
Em fuga correndo vai.
Corra embora o miseravel,
Na fronte leva maldito I...
No fundo d'almaprescito I...
A trra falta-Ihe a E demais, dos tyrannos,
Quasi sempre a justa sina,
Ou cahir naguilhotina
Ou beber gotas crueis.
Venham agora os que diziam
Que Lpez era invencivel,
Que era um general terrivel,
Um segundo Jurez.
Venham ver os nossos bravos
Altestarera a victoria,
Venham escutar a historia
Do quanto por l se fez.
Vejam as nossas banderas
Rotas despedazadas,
Queimadas pelas Rifadas
Das scentelhas dos canlioes.
Chegaram nossos valentes:
Perguntai-lhes quem fugia,
Quando a bombarda estrugia
Espantando os coraees.
Digam elles se Solano
Quiz ver o nobre semblante,
Desse prin.ipe brilhante,
Que de Eu conde se diz.
Digam eiles se o inimigo
Era mais do que um bandido,
Que s brigava escondido,
Por detrs de mil ardiz.
Mas.... deixemos os vencidos,
Deixemos Lpez a fra
Procurar sua Caprra
Como certo imperador...
O dia de hoje, de festa!...
AffiStem s um momento
Imagens do pensamento,
Que fazara triste furor.
Disse que hoje era festa I
Sim. Cantai. Sacud flores,
Que chegaram vencedores
Os nossos irm8os queridos.
Cojos feitos valorsos
Fazem que os dos romanos,
Dos gregos, dos spartanos,
Sejam todos esquecides.
Elles partiram soldados,
E como hroes se voltaram,
Netos dignos se mostraram,
Dos Vidaes e Camaro.
Vos agora povo Ilustre,
Pelino Guedes.
POUCO DE TUDO.
POR ESTA NAO ESPERAVAM Por
occasio das ultimas perturbares que ti
veram lagar em Paris alguns individuos oc-
cnpavam-sa alevant-r uma barricada na
ra do arrabalde do Tempe quando avista-
ran! tres mnibus ao cimo da roa. Eraujn
concurso que se apressaram a aproveitar.
Fazem parar os cavallos e dispoem se a
mandar apear os passagairos. Mas estes
n3o ihes esperam pelo cUtte. Apeiam e
com grande pasmo os amotinadores viram
sahir um atraz de outro... orna csqoadra
de agentes de polica.
Imagine-se. Os agentes cercaram os amo-
tinadores, e n'um abrir e fechir de olhos
prenderam uns trinta, aos quaes fizeram
tomar lugar nos mnibus, que partiram em
direceo prefetura de pol cia.
BOAS ALVICARAS.Segundo se le em
uma folha eslrange ra, teve lugar em Ingla-
terra umroubo consideravel.
Conforme o telegramma expedido de
Londres e recebido na prefetura de polica
em Paris, o roubo eleva sea alguns milhes
de francos e foi comraettido por um dos
ernpregadosdo Banco de Inglaterra empre-
juizo d'este e.-tabelecimento. Os signaes
caractersticos do autor do roubo j foram
transmittidos todas as capitaes da Europa,
e est destinada uma recompensa de.....
25:000 francos pessoa qae electuar a sua
priso.
VAMEDADE
Discurso de Emilio' Castelar, pronunciado
na smao da larde de segunda-feira, 25
de Janeiro de 1870, na cmara dos depu-
ojdas fwpanhola.
(Continuado.)
Succede-nos com os tactos sociaes o que
nos succede com os fados physicos. O mais
diflicil relacionar as causas com os etTei
los, e os effeitos com as causas. Quando eu
era crianca, desconbecendo a dfferenca de
celeridad entre a luz e o som, julgava
sempre que o trovo era muito posterior ao
relmpago.
Pois, senbores, as ideas novas sSo o re-
lmpago, e as revolucoes sao o lrov3o.
Co-existem sempre; mas pela dfferenca de
celeridad*) que teem os factos e as ideas,
pela pureza do espirito e a impureza da
realidade, chegam mais larde as revolu-
coes moraes feilas pela forca do pensa-
mento.
NSo busquis as causas da revolucao de
setembro nos factos materiaes que a occa-
sionaram; buscaes as ideas impalpaveis,
que desde muito sulcavam a consciencia hu-
mana.
Este movimento resultado lgico do
intenso movimento dessa revolucao uni-
versal, em que andam embaladas as
sociedades humanas ha quatro seculos.
A rev&racio principiou preparando para
si um ibeatro no globo : principiou pelos
descobrimentos; pelo descobrimento da pl-
vora, que venceu resistencias da trra; pelo
descobrimento da bussola, que venceu resis-
tencias dos mares, pelo descobrimento da
America, que arredondou o planeta; pelo
uescobrimento da mprensa, que dominou
o tempo, e pelo descobrimento do telesco-
pio que cortou os espatos.
mmediatamenta a revolucao principiou
na segunda esphera da vida, no sentimento,
e por consequencia, no producto mais im-
mediato do sentimento, na arte. Os litles
do renascimeoto, ao crear uma nova forma
o que em realidade crearam foi uma huma-
nidade nova, livre das maceracoes da idade
media, e em cujo organismo poderoso,
athletico, n3o se descobre nem a som-
bra do peccado original, nem o terror ao
inferno.
Mais tarde, a idea revolucionaria subi
om grao, subi pelo seu proprio impulso a
espbera religiosa^ e veio a reforma. A voz
dos pontfices foi substituida pela voz da
consciencia.
Mais tarde a revoluto subi outro grao,
e ebegou a philosophia, tanto a transcen-
dental como a inmanente, tanto ins-
pirada as ideas puras, como inspirada
na experiencia o as antigs leis tbeologicas
N'essa mesan tarde o Sr. R... e seu
sobrioho jantaram. com o director e Ame-
lia. O supposlo' Leonardo deixra para
sempre os fatos de mineiro : trajava ent5o
um elegante vestuario, que fazia reamar as
suas proporcoes naturalmente distinctaf. O
jantar correu alegremente. O pai e a Glha
olhavam de vez em quando com espanto
para o novo hospede, como quem nao po-
da convencer-se da realidade de to sbita
lransfo/mac3o.
Quaado acaboa o jantar, Van-Best e o
Sf. R... retiraramse para o vo de uma
janelia, parecendo ter a communicar-se al-
guma cousa particularmente, e por essa oc-
casio os dous jovens tiveram tambem a
regala de conversarem alguns momentos
em voz baixa.
N3o fizeram mais do que aprovetar-se
da faculdade que se Ibes proporcionara e por
tal forma estiveram absorvidos na conversa,
que bem poderia ter cabido um raio sobre
a casa, que n5o ebegaria o estrepito aos
seus ouvidos.
Amelia, conclaindo a pratica, dizia, bai-'
xando os olhos :
Anda assim, Sr, Leonardo, n3o sei
explicar a raz3o porque coaservou tanto
tempo este disfarce. Diz que se apaixonou
por mim desde o momento em que me vio
no baile em Mons e que foi principalmente
com o> Om de se approximar de mim
qae se apresentoa como simples mineiro
as minas de Polignies. Concedo, apezar
de n3o achar muito rasoavel o expediente.
Vais larde, porm, quand > teve a certeza
do meu reconhecimento pelos seus servi-
dos, qaando eu Ihe fiz ver que a dfferenca
das nossas condc5es elevava entre nos,
aos olhos de meu pai, uma, barreira insu-
peravel, n3o se porque raz3o me nao re-
velou... .
Leonardo, sorrindo-se confuso, redar-
8aio : .___..
Desculpe-me ; mas, a despeito aosuiegremenuf:
estudos positivos a qoe tenho coasagrapoif v .
minba vida, existe em mim certa feicjk> ro-
manesca. Perdida na maltidao dos seos
admiradores no baile da casa da cmara em
Mons, nao tive a fortuna sequer de Ihe me-
recer um olhar. Ora n'este caso, se eu
bouvesse pedido a sua mo, nao poderia
acontecer qce a vontade de seu pai e o
imperio de certas conveniencias a resolves-
sem a concoder-me a sua mo sem o seu
amor ? Mas a sua affec3o verdadeira o
que eu ambicionava sobretudo, e calculei
que quanto mais humilde se tornasse aos
seus oltflnr a minba posico, mais a sua
estima, alcancando eu obte-la, se tornara
acrysolada e duravel. Chegaei por um
momento a duvidar do bom xito das mi-
nhas conjecturas, quando, sob a press3o de
um exaggerado sentimento do dever, me
impoz a obrgac3o da affastar-me e de re-
nunciar ao seu amor, porm logo tambem
discern as causa'a que a isso levavam.
Eot3o, medida que succediam os aconte-
cimentos.tratei de investigar se essa affei-
c3o, de que j n3o quera duvidar, resistira
a certas contrariedades, como, por exemplo,
os conselhos e ameacas de seu pai. Os
factos excederam a minha espectativa, e
rendo-lhe mil gracas pela felicidade e or-
gulbo que com isso me causou I
A experiencia poderia mui bem n3o
ter produzido effeito I redargaio Amelia,
sorrindo-se. O Sr. engenheiro Carlos de
Beaucourt, homem do grande mundo e pro-
cedendo de uma familia distincta, pouco
tinha a lucrar apresentando-se com os h-
bitos ordinarios e envolvido em carv3o,
como o operario Leonardo, e se eu propria,
apezar de verdadeira lamenga, n3o tivesse
tambem um pouco d'essa queda romanesca
de que ha pouco se aecusou, teamos agora
maneira do que mea pai anda nSo ba
muito tempo dizia a seu lio, de pedir per-
do reciproco das nossas faltas.
Assim progredia a conversa, quando o
director se approximou d'elles, direndo-lbaa
desappareceram ante as eternas leis da ra-
zio emancipada.
Como se traduzio, senhores deputados,
iodo esse movimento nasocieda humana,
que a fin a I da contas n5o mais que
uma grande oondensacSo de das ? Tra-
duzio-se pela universal revolucao po-
ltica.
O Sr. ministro da governacao disse-o
um dia destes bancos, com frmala enr-
gica e precisa : desde estes'momentos, des-
de o scalo XVIII, os poderes hereditarios
o permanentes tinliam morrido.
Eflectivamente, a revolucao, que esteva
fe i la na trra ou na industria, no sentimen-
to ou na arte, na religiao ou na consciencia,
na philosophia ouna raz3o, fez-se na socieda-
de; e entao, senhores, foi necessario lan-
Car, mais ou menos depressa, fra de todas
as nacSes europeas, todas as dynastas tra-
diccionaes e histricas que sepresentavam
a antiga e j impossivel concepc3o do
poder.
Emquanto estas histricas familias reaes
viram e consideraram que a philosophia
atacava o direito divino, tizeram-se todas,
absolutamente todas amigas do sacerdocio,
que pregava a submiss3o a sua autoridade
indiscotivel. Emquanto consideraram que
os povos desejavam levantar a sua autori-
dade absoluta, fizeramse todas absoluta-
mente todas as dynastas histricas, inimi-
gas dos seus povs e amigas dos res es-
trangeiros.
Por sso todas a? dymnaslias de direilo
divino, todas as dymnastias histricas, to-
das as dymnastias tradiccionaes, que n3o
entraram seno para combater no perodo
da grande revolucao democrtica, todas,
tanto as inglesas como as francezas tanto as
froncezas como as italianas, como as hes-
panholas, todas (sao inimigas destas duas
grandes ideas, da idea de liberdade e da
idea de patria.
Porque cabio o primeiro Estuard ? Pela
sua complacencia com os poderes iheocra-
ticos. Que procurou na sua desgraca Car-
los I ? Os mares, que deviam conduzil-o
Franca. Que procurou Jacobo II no seu
desterro? A intervencao franceza. Que
procuraram os seus descendentes ? Os exer-
citos de Luiz XIV ou as esqaadras de Fe-
lippe V. E o mesmo exactamente o mes-
mo succedeu em Franca. Porque motivo
quebrou Luiz XVI a harmona entre o thro-
ooeo povo? Quebrou-a, senhores depu-
tados, pela sua resistencia a- lei dos clri-
gos nao ajuramentados. E depois que pro-
curou na sua fuga para Amiens ? Procurou,
senhores deputados, o estrangeiro, procurou
as bayonetas estrangeiras, anda que essas
bayonetas hooveasem de cravar-se no cora-
cao da Franca. Assim que quando os
Bourbons voltaram pela intervencao estran-
geira ; assim que a presenca dos Bour-
bons as Tnillerias significava o cavallo do
Don, do Pruh, do Danubio, saciando-se no
Sena no rio das revolucoes. Emquanto os
Bourbons mandaram, ondeou por sobre as
torres de Nossa Senhora a bandeira branca,
o sudario da independencia franceza ; e no
dia em que os Bourbons se foram, reap-
pareceu a bandeira tricolor, a grande |ban-
deira das nacionalidades e da democra-
cia.
Pois bem, senbores deputados, porque
motivo cahiram lerceira vez os Bourbons ?
Pelo mesmo; absolutamente o mesmo, que
tinham cabido Carlos I, Jacobo II, Luiz
XVI; cahiram por amigos da theocracia,
por cumplices dos jesutas, pela lei das
blasphemias, pelas ordenancas contra a im-
prensa, pelo horror ao pensamento huma-
no, a palavra fallada e escripta, do verbo
divino da civilisacSo universal.
Que se pensa com os Bourbons da Ita-
lia? Immediatamenle que viram a revolu-
to, os descendentes de Carlos III junta-
ram-se com o papa. Depois, duas. vezes
principalmente, foram expulsos do seu
reino continental e do seu obsolutismo his-
trico pelos liberaes. Quem os repoz no
seu reino continental ? Os estrangeiros, os
inglezes. Quem os repoz no seu absolu-
tismo histrico? Os estrangeiros, os aus-
tracos.
Assim que, no dia era qu a Italia re-
cuperou a sua independencia, ao apparecer
Garibaldi no golfo de aples, os "Bour-
bons foram-se como as sombras eternas,
como as sombras malditas da dominaco
estrangeira, que em toda a parte tem sido
fatal para a liberdade e para a patria.
Pois bem, senhores deputados, que se
tem passado, que tem suejedido entre nos ?
Que se tem passado com os Bourbons em
Hespanha? Peco-vos sobre este poni um
instante de attenco, pois buscare! ser
breve.
Senhores, nlo me proponho, absoluta-
mente n3o me proponho proferir nenhuma
olTensa. Combat os Bourbons qaando
eram poderosos; respeito-os hoje que sao
desgracados. En, senhores depotados, fal-
larei das grandes catastropbes qae troaxe
a sua poltica, e ao fallar dessas catastro-
phes, lerei toda a inflexivel justica, mas
tambem toda a severa imparcialidade da
historia.
Fenmeno digno de cstudoj A familia
dos Bourbons fo desde fins do seculo XIV,
at fins do seculo XVIII uma familia^essen-
cialmente revolucionaria. Ella, mas qae
nenhuma outra das familias reinantes; cot-
tribuio para a secularisacao da Europa. N3o
ha nada to progressivo como aquellas ten-
dencias que contribuem para a secularisa-
cao da sociedade porque, estudal o abso-
lutismo, e encontrareis que o absolutismo
sempre a sombra d'uma theocracia.
Cinco factos capitaes secularisaram a Eu-
ropa. O edito de Nantes, que intrdduzio
n'uma nacao calhoiica a tolerancia religiosa,
foi obra d'um Bonrbon, de Henrique IV;
a paz de Westfalia, que elevou a tolerancia
a direito internacional e concluio com as guer-
ras religiosas, foi obra principal dos minis-
tros da casa de Bourbon, de Richelieu, e de
Mazarino a Encyclopedia, que armou com
grandes ideas os excrcito da liberdade foi
devida tolerancia dos Bourbons ; a ex-
pulso dos jesutas, que desorganisou os
exercitos da autoridade, deveu-se inicia-
tiva d'um Bourbon ; e a viuda da democra-
cia pela emanoipago dos Estados Cuidos,
ao generoso auxilio de Luiz XVI.
Mas logo que os Bourbons viram que
aquella revolucao atacava a sua autoridade,
converteram-se em inimigos eternos, impla-
caveis da revolucao.
Nao s conseguio cortar essa inimisadi-.
Desde fins do passado seculo recrudesceu
horrivelmente. J o dizia um orador elo-
quentissimo, o Ilustre marqoez de Valde-
gamas, d'aquelle lado da cmara : O des-
tino dos Bourbons, dizia, fomentar a re-
volucao e morrer, s maos da revolucao por
elles^nesmos fomentada. > E enlo, diri-
gindo-se ao poder forte qbe ah existia, pois
se ratav do general Narvaez, excla-
mava :
c Ministros de Isabel II, libertae a vossa
rainha e a minha rainha da especie de
anathema que pesa sobre a sua raca. E
nao o poderam conseguir; nao a libertou
ninguem desse anathema, porque nao ba
espada qae corte a correte dos seculos,
nem forca que contrari os decretos da Pro-
videncia.
Eu disse ha pouco, senhores deputados,
que todas as familias antigs, ao principiar
o periodo das revolucoes, eram inimigas,
radicalmente inimigas, da naco era que
reinavam, aindaqne tivessemnascidonella,
ainda qee bouvessem nascido no meio
do seu povo. Nenhum dos1 ramos da
casa de Bourbons tem sido to inimigo
da patria, nenhama, como o ramo de
Hespanha que o foi antes da revolu-
Co. Contemplae-a ainda, senhores de-
putados contemplae o seu cabello aloirado,
os seus olhos amortecidos, a sua tez bran-
ca, o seu temperamento, e veris qae n3o
ha uma s gota do nosso sangae as soas
veias nem um reflexo do nosso espirito na
sua alma.
Felippe V foi no primeiro periodo do seu
reinado um Luiz XIV.
Se mais tarde poz alguns obstculos a
poltica de seu av, foi to smente quando
o seu av tratou de desmembrar os domi-
nios do neto, em proveito di sua propria
tranquillidade. Se tramou, se alenfou a
conspiraco de Cellamare, foi para trocar o
throno de Hespanha, o throno de dois man-
dos, pela regencia de Franca. Se promo-
veu a conjuraco diplomtica de' Alberoni:
se mostrou aos turcos o caminfio de Vien-
na, e aos rnssos o carainho de Varsovia, e
aos Estuards o taminbo da Inglaterra, e
a Carlos XII da Suecia,|esse chacal coroado,
o caminho de todos os campos de batalha :
se pelejou na Sardenba com o Imperador
d'Austria, e na Sicilia como rei de Saboya,
foi t3o smente para que os filhos do seu
segando matrimonio nao vivessem debaixo
do co de Hespanha.
de que eu quasi me compromettera com o
Sr. R... a conceder a tua mo a seu so-
brinho, o engenheiro Beaucourt ?
Saber tambem. meu pai, replicou
Amelia maliciosamente que eu me com-
promet! a n3o casar com outrem qoe n3o
fosse o meu corajoso salvador Leonardo I
Muito bem, muito bem 1... Est tudo
conseguido !acudi o Sr. R...
Tenbo tisto, meas Albos, qae se en-
tendem perfeitamente. Ora ests Jembrada
Menos de dous mezes aaviam decorrido,
quando se celebravam na igreja de Polignies
dous casamentos : Garlos de Beaucourt des-
posava a filha do seu associado e Aotanio
Robn Gertrudes. Cumpria-se assim a von-
tade do supposto Leonardo, realisaodo se
as suas nupcias ao mesmo tempo.
Antonio ainda estava paludo e coxeava
qra pouco, em resultado dos ltimos sof-
frimentos, mas lia-se-lhe no rosto a verda-
deira felicidade, sendo para ver como cmi-
nhava de braco aado com a sua querida
Gertrudes, vestida de branco, e trajando
ella tambem um bello falo adequado a oc-
casiSo. Ambos tinham parte as acclama-
Ces com qoe os mineiros e mais habitan-
tes da aldeia saudavam a passagem do cor
tejo.
Quando sahiram do templo, Amelia e o
Sr. de Beoocourt foram installar Antonio e
sua esposa n'uma casinha nova e bella, qae
devia ser a bab.tacao dos seus protegidos.
A paralytica j para l bavia sido transpor-
tada, e, quando os noivos chegaram, j ella
seachava n'um bello leito de nogneira,
mostrando-se bastante ufana- com a sua
nvmtilha de seda, que Ihe cobria os hom-
bros.
Ameliaerapenhrase em que a casa fi-
casse fornecida de tudo O que fosse neces-
sario aos saus amigos, i depois que mos-
trou a Gartrudes jm ^Hfc cheios de
roupa b i dispensa cheios
de grao e mais p4i^^^Bgo-lbe pala-
^Samareis, que fizertm aorrer doces
lagrimas pelas laces d^^Beira.
(Continuar-se-ha)
Carlos de Beaucourt dizia ao sea antigo
companheiro :
N3o podes, mea charo Antonio, ficar
na mina como simples mestre mineiro, e
por isso decidimos, eu e o Sr. Van-Best,
que n3o tivesses obrigaces determinadas,
mas sim que ficasses encarregado da vigilan-
cia sobre todos os operarios da mina; por ou-
tra : sers o mea braco direito, ajudando-
me a promover a prosperidade do nosso
estabelecimento industrial. O Sr. Mayer
tem instrueces relativas aos teas proven-
tos e espero que n3o ficars descontente
com a tua nova posicr.
Antonio estava commovido.
Agradecido, Sr. de Beaucort I
balbuciou elle.Isto muito ; eu n3o me-
reco tanto !... Mas ao menosaccrescen-
tou elle, soluggndo poderei considerar-te
meu amigo como d'antes ?
Sempre, Antonio! Para mim sem-
pre sers o mesmo amigo como at hoje I
E abracou-o.
Gertrudes, que, rindo e chorando quasi
ao mesmo tempo de profunda alegra, se
approximra d'elles, exclamava :
Que felicidade O meu bom An-
tonio n3o ter de andar com a cara e as
mos forradas de negro, e d'ora avante n3o
me verei obrigada a manda-lo affastaf,
quando elle se approximar do meu tear!..
Que reconhecimento. devemos aos nossos
protectores Eis-nos aqu, casados, ricos
e felizes !
Pois agradecam aos Srs. de Beau
court, meas filhos, disse a paralytica e
que a ben*3o de ama pobre velba, cujas
felicidades nos ltimos das da vida elles
asseguraram, se rena vossa I N3o se
esquecam, todava, tambem de que dovm
a Deus a Santa Waudru e sobre todo
Virgem Negra da mina !
A mina de Polignies actualmente um
dos estabelecimeotos industriaos mais flo-
recentes do Borinage. O Sr. Van-Best, re-
coaljeceqdo a elevada capacidade do seo
associado, entregoa-lhe a direccSo de todos
os traballos, limitando-se a dirigir a parte
administrativa. Tambem n3aba hoje in-
vencSo de reconhecida vantagetn ou nova
machina econmica de que o novo enge-
nheiro se n3o apresse a tirar partido para a
explorac3o. Em resultado de tantos -es-
forcos reunidos a um cosammado talento,
o preco do costeio do carv3o n'aqoella mi-
na baixon rpidamente, e o$ propietarios
d'ella, sob a firma Van-Best C. tornaram-
se rauitas vezes millionarios.
Os operarios participam de tanta prospe-
ridade. Tem estabelecidas caixas da pen-
sos, que Ihes poem a velhice ao abrigo da
miserii. Vastos terrenos foram adquiridos
em volta da aldeia, e, depois de feila a sua
divis3o em lotes, foram n'elles construidas
bellas casas com as precisas commodida-
des para uma familia. Os mineiros, de-
pois de pagarem durante certos annos um
aluguer rasoavel d'estas residencias, Bcam
sendo seus proprietarios.
NSo terminara aqu os melboramentos
operados.
Em razSo da concurrencia de bracos, j
n3o ha exigencia de augmento de salario,
e, alera d'isto, estabeleceram-se por conta
da direccao da mina armazens bem prvi-
dos de mercadorias de todas as especies,
adquiridas as melhores condices de qua-
lidaae e preco, as quaes sao vendidas em
termos rasoaveis aos empregados e traba-
jadores da exploracao. D'este modo.
postoque nao baja augmento da salario,
ha diminuicao de despea, qae d o mesmo
resultado para os twbalhadores.
Fazemos votos para quei guaes instituices
se moltipliquem n3o so em Fnut ano
por toda a parte, para felicidade fe clisse
industrial.
FIM
i

TVP. 1K> DIA1I0 -IUA DAS (RCZES H, 4
i


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EP297OZ8T_KNV8OP INGEST_TIME 2013-09-14T00:40:13Z PACKAGE AA00011611_12069
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES