Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:12068


This item is only available as the following downloads:


Full Text
1
ANNO XL'Vf.' HUMERO 62
OTttf
t.


\4
*

.. '

>
Pof tres mezes atliantados ....
-tftr seis ditos idem......
um anno dem........
Cada duimero avuiso .
I LGAKfiS ONDE HAO S PACA PORTE.
j............
SEXTA FEIRA 18 DE MARCO DE 1870.

i
.
. .
. .
06OOO
12*000
240000
320
DIARIO

PASA DMT10 E FOBA DA PROVINCIA.
Por tre* mates adiantcos..............
Por seis ditos dem.
Por nove ditos idem
Por um anno idem
.
...
W750
13*500
20*250
27*000
Propriedade de Manoel Figueira de Faria & Fhos.
SAO AGENTES: *
Os k. Gerardo Antonio Alves A Filhos, no Para ; Gonces Pinto, no Maranhao ; Joaquim Jos de Oliveira, o Cear ; Antonio de Lemos Rraga, no Aracaty ; Joao Mara Julio Chaves, no Ass ; Antonio Marques da Silva, no Natal; Jos Justina
Pereira d'Almcida, cm Mamanguape; Antonio Alexaodrino de Lima, na Paralaba ; Antonio Jos Gomes, na Villa da Penha; Belarmino dos Santos Bu!c5o, em Santo AntSo; Domingos Jos da Costa Braga,
m N.1757v4h FranPRrn-TflVrPQ Ha Pncfa Pm Alannae Tr Ino Mrtnc AlvP na T-.!,i i t,x ,t!u;.t_ r*______ i Jfc
em.]S'azsnr{ij; Francisco lavares da Costa, era Alagoas; Dr. Jos Martins Alves, na Balita; e Jos Ribiro Gasparinho no Rio de Janeiro.
PARTE OFFKIAL.
Governo da provincia.
ua-:Hos
DA PRGStDK.VCIA DA PKOVINCIA
13 E l DE MARCO.
DOS DAS
'adro Augusto Franklin Moreira da Siiva.
-iQcrme o Sr. inspector Ja thesouraria provn-
usto Caore.Informe o Sr. insppeetor da
raria de fazenda.
oiacao dos pralicos da'barra da cidade do
Eoc-uniohe-se.
itonio dos Saatos Pinliotro. V vista da infor-
.ifio, eoii.-oda-sax^icenea ijqierida
Teneule coronel XKouio' Fruiid-ej Paus de Mul-
lo Barreo. Dirjase
Nal.
thesouraria pruvm-
. Candida Ilermogenes de Mello Mascarenhas.
\ vista da liiformagar), concoda-se dous mezes com
ordenado omento.
Flix daCunh a Teixeira Manoel Alvos Darbo-
>.i.-informe n Sr. inspector da thesouraria defa-
.:'i4. .
Fielden Brotbors. Dirija-sc i thesouraria do fa-
z-mda. -
Francisco de Figueira Faria.Informe o Sr.
>.\ juiz dcdirefb da comarca de Oliuda, ouvindo
o juiz municipal respectivo.
acimho Heliodoro Alves Cava I cante.Fica ex-
ilida a conveniente ordem.
Kngenheiro Lniz Jos da Silva.Nao havendo
inconveniente, de se
Luia Eadonia Baptista. vista da informacao,
eda-se o<)in ordenado smente.
Luiz Francisco de Armxxellas Gal vao e Cara-
|i oa.Informe o Sr. inspector da tliesouraria de
Uzcnda.
!ai;oel Ferreira du Nasemento Cruz.Infotme
o Dr. juiz municipal da 1* vara d termo destirti-
dade. I
(ianoel Fernandos dos Santos. vista da o-
fotirucao. expon-se as convenientesordens.
Manoel" Alves de Sani'Anna.Informe o Sr. ins-
i tor da ihesouraria provincial.
Manoel Joaquim Baptista.Eneaminhe-se.
Raymundo Luna 1e Araojo.Remeltido aoSr.
in.-pecor da thesouraria de fazenda para deferir o
- :.plcante.
Thomaz de Camino Soares Brandao Sobrinho.
informe o Sr. inspector da thesouraria de fa-
zenda?
Tiburcio Valeriano Baplisla da CostaO com-
mandante snperidr interino em oflicio de o do cor-
reite..deelara nao ter conhecimento do reqaeri-
mento que allade^j snpplicante, que poder re-
quenra
Companhia de seguios martimos e terrestres.
I... irtce o Sr. desatnbargador presidente do triou-
nnl do commercio.
f-'ietdeu Brothers.Dirija-se a thesouraria defa-
/ada.
Joao Francisco l'ardilhas.Junta a primeira po-
licio, volte ao Sr. iuspector da thesouraria de fa-
para informar.
s Jacintho de Souza.Informo o Sr. director
da n-truec<> puolica.
irk Adelaide de Barros e Silva.Informe o
Sr. director peral da instruccao publica.
oel Thomaz de Albuquerife Maranhao.
Ii.njasa-thesouraria provincial.
17 -
CoL.pany Limited DrainajlInforme com ur-
jc-a':ii o Sr. engenheiro cliefe da reparticio das
obras publicas.
Elias Francisco Bastos.informe o Sr. Dr. juiz
de direito da comarca do Brejo.
Bacharel Francisco Domingues llibeir > Vianna.
Informe o Sr. inspector da thesouraria de fa-
7,'nda.
i'ranciscaMaria da Conceic,3o.Indeferido a vis-
ta da informacao.
ileraclio Constanlioo de Paula Monteiro. Infor-
me o Sr. inspector da thesouraria provincial.
Tsenle Joo Deoclecio da Silva Paula.Ao Sr.
ral comraandanle das armas para'interpor
parecer sobre a queslao i|e commanJo, de que tra-
ta a ultima parte de-ta informacao.
treio Valeriano BaptisU.Informe o Sr. ins-
la thesjuraria de fazenda.
erfane; Mostaadu-lhe entretanto que fjra elle
preso j em o termo de Cantar.
Deus guarde V. ExcIllm. e Exm. Sr. se-
aador Frederico de Alinelda eAlbuquerque, pr-
ndente da provincia. O chefe de polica, Lui:
itUonio Fermndes Pinkeiro. *.
-----
EXTERIOR,
Repart?5o da polica.
2' scelo.Secretaria da polica de Pcrnarabn-
co, t^ d marro de 1870.
... ClIllm. e Exm. Sr.tevo ao conhec-
meato de V. Exc. que, segando consta das parti-
recebidas hjjn nesta reparticao, foram
li intem recolhidos casa de detengio, s seguin-
t0s individuos :
A' minlia ordetn. Jos Pedro de Lyra, vindo do
de Ganar, como criminoso."
A* orden do snbdelegado do Recite, Rosa Ale-
xandrina da Coaeeiej) e Epifana' Mara da Con-
, por disturbios e briga.
A' ordjmdo de Santo Antonio, Sergio, e^e.ravo
L'.'iao da .Cund Ros e Virginio Antonio de
1 i. por crime de furto.
A' ordem do de S. Jos, Thanm Francisco dos
Vnjos, por crime de offen-as pjiysJcas.
A' ordem do da Boa-Vista, Belarmino Manoel
da Cunba, por crime de rapto.
Por offleio3 de 10 e 12 do eorrente, eomrauni-
cou-me o delegado de Caruar que oa povoaco
da Raposa tendo se dado um conflicto no dia 27
i lez passado entre Jos Ferreira Malaquias e
Antonio de Torres Amorim, foi aqaelle ferido por
-te com urna torada c preso o delinquente.'que
i se acha^rocessado.
Que constando-Ihe, pelas \ horas da tarde do
d.:, 6 desttfmez, que um individuo de nome Ma-
'i Jos da Silva, morador no lugar denominado
Cipoeirao, nha sido morto e enterrado em urna
ruta distate da sua casa urnas com brabas, para
aquelle lugar sepili com ama escolta acompanha-
d de seu tscrlvao e peritos, levando com sigo
Renta Man de Jesu<, de 16 annos de idade, casa-
da ha mezes com aquelle, como indiciada autora
da morte te seu rido aflm de se amasiar com o
i ora Jos Rufino Pereira, proceder a exumagao
d > cadver do infeli Manoel Jos, e veritlcou. de
P'i3 do oompetente auto de corpo de delictdV
mais averij|aac(5es que lizera a respeito. que a
inesma aria de Jess wnbidada com Jos Ru-
lino fora a autora do crime, que c perpetrara por
de um tiro ; pelo que lizera iinawdiataraente
capturar a este, que fijtava seudo processado
igualmente com a indiciada.
(ue finahnenie lizera recolher no dia 11, a res-
pectiva cadeia a um preto de nome Cesario, que
d.-clarou lar 9 annos de 8ade e ser escravo do
I )r. JoaqttI Francisco de Mello Cavalcanti, do
ngenlio (breo da comarca de Xazareth, por
constaMIJPfcT elle armado de anta faca assassi
nado a dous individuos <|ue o encontrarsm em
um lugar do engenho Coiceiro da comarca do
l: mito.
O delegado do Bonito em oflicio datado de 13
I este me, deu-me sciencia de que no dia 6, no
cercado do lavrador Jos Fortanato de Miranda,
n) engeafl Coiceiro de district do Verde, (ora
orto cora ama facada o individuo de
Francisco da Silva, e gravemente
com urna facada Manoel da Luz
> no acto da vistoria a que proceder
i subdelegado declama ter- sido o de-
lnqueme bj escravo Manoel, que aodava fgido e
se dte peittncer a um individuo do termo de
Santo Anta, e se evadir anos a perpetracao do
Jk guerra do paraguay.
i
Est chega la a sen >ermo a gu-rra sanguino-
lenta e porfiada do Paraguay ; os exercitos victo
riosos e rareaios pela morte" retiram-se; o audaz
e temeroso inimigo foragido e acojsado de monta-
nha em montanha, desalojado de recesso em re-
cesso, procura n is paroximos-da ra va e de urna
obstin.icjto in-ana maeular por mais tempo o solo
que intilmente rema com tanto sangue generoso,
e dfl altanado dictador, contenase ja agora com
0 papel subalterno de bandido. O aconte d'aquol-
b's povos ainda debate se e as agonas do deses-
pero impotente e repasta-se de victimas.
Mas hoje que estao bem patentes o? intuitos ge-
nerosos e civilisadores do Brasil nesta guerra, a
sua lealdade^ara com os adiados, as ideas huma-
nitarias que dominaran) o nosso exercito em toda
esta luta pngnaclssinia, desculpavel, senao me
ritorio. a um brasileiro rememorar cora justo or-
gulho em resumido quadro e a lar?os tragos, co-
mo pede a estreitesa dos limites do folhetim de
um jornal, os feitos gloriosos e brilhantes que 11
lustran* essa campsnha de seis annos, e arredar
de nos calumnias e imputaroes falsas de todo
ponto arteramente propaladas pelo dictador do
Paraguay, com a m > de attrahir as sy npathias
das na^des e attenuar a impres^ao desfavoravel
que noderia causar sua angressao inslita e atten-
t-iloria do direito internacional, como de uso en-
tre povos que nao dsconheeem ss leis que regem
o equilibrio e harmona das potencias. Entretan-
to nao teem faltado escriptores de palzes cultos e
em relacies amigaveis com o Brasil que, deslum
brados pelo ouro do dictador, tenham procurado
com empenho desvirtuar os fados e amesqainhar-
nos, luirn.lo o ridiculo sobre n; e se alguns
nao se lizeram corypheus de Lpez pelo sarario,
foram levados por eerto pela imitaeao, ou pela
ignorancia das coasas, a repetir e a dar corpo a
tudo qnanto tem sahido ueste sentido da mpren-
sa de Franca, de Inglaterra e da America do Nor-
te Aqu mesmo em Portugal, que. pelos lacos de
sangue e de amisade, pela reciproeidade d inte-
resses, pela identidade de lingua, de c 'Stumcs e
de ndole, devia de estremecer o imperio como a
i'-mao que e resentir-se das offensas c afrontas
feitas nossa honra e bros narronaes, e dos ma-
les que nos affligen, retribnindn-nos a parte que
sempro temos tomado com defender e lastimar a
nossa inai-patria ao nosso ornalismo serio, quau-
do insultada pelo direito do .mais forte, como na
questao Charles el Georqe, ou por occasiao do mor-
ticinio do Bonga, que corr urna horda de pretos
selvagens conseguio anniquilar a nachadadas urna
funja de quinhentos soldados!
Aqu em Portugal, com rnaf,oa o repito, teem
tamben* alguns jomaos, se bem que nao os de
grande formato e de melhor conceito, se mostrado
parciae? e preconisadores das altas virtudes do
dictador do Paraguay, e tomando as partes de L-
pez, tornaram-se eccos das suas prociaroac^ea ern-
phaticas e aleivosas. e o que majs j depois do
as assinato do infeliz cousql porluguez, que, a
Portngar estar desafogado de tantas diffleuidades,
tratara de desafrontar-se : porque a barbaridade
do acto e o insulto nao foi feito a um simples ci-
dadjo inereceJor por isso da proteccao do seu
paiz, que a um representante da oacao portague-
za, sanio publicado muito depois disso, no mez de
julho do anno lindo, mas cajo conhecimento s
agora tive, nm opnseulo, (1) condensando e repro-
duzindo todas as injurias e acervo de falsidades de
origem paraguaya e acojinando a naci brasileira
e o seu imperante.
Ainda bm, nao foi completo o atentado, o au-
tor envergonhou-se e occultot o nome, deixando
no mysterio do auonymo pairar a auvida se al-
gum portuguez degenerado ou paraguayo disfar-
gado con a mascara e trajos pirtagaexes; mas
para honra da aacao irma appareceram logo cen-
sores ao libello famoso e ao artigo do Diario Po-
pular de 22 de julho de 186'.*. b que cumpra a
quatquer escriptor conscencioso e despido de pre-
conoetos ora inijuirir a= causas eOlciapies e reaes
que nos compelliram a empreh^nJer esta canipa-
nha ruinosa, que nao infamar a esaio uma-naco,
que-at hoje nao tem, raerc de Deus, desmereci-
do dos bros e valor dos exploradores d'Atrica e
das Indias, antes retinadas e rejuvenecidas estas
qualidades pelo sol esplendoroso da America, dao
testemunho rrefragavel e brilhante em Osorio,
Aodrade Xeves, baro de Porto-Alegre, Tamaoda-
r, Caxias, Argolo, Cmara, Victorino, Inhama,
Gnrjao, Menna Brrelo, e outros muitos bravos,
cujos nomos san padro de gloria para nos, e nao
ficam mareados nem ofascados de par com os de
Salvador, de Benavides, de Estacio e Mem-de S,
de Fernandos Vieira, de Mathias de Albuqnerque,
do hispo D. Marcos o de Teixeira de Mello, qae
abrilhantam por seas feitos e acrysolado patriotis-
mo as paginas da historia dos tempos coloniaes.
Percorramos de memoria as dalas e fautos mais
notaveis desta guerra, j que longe dos suisid'os
nao posso muda-los ou entrar detidamenie pelo
assumplo, e para os que se interessam por elles
oa prete,ndem rastrear a sua exaccao. remetlo-os
para as correspondencias noticiosas do Jornal'do
Commercio, quem devenios os brasileiros muito
rCconhecimenlo por se mostrar em todas as poy
cas interessado pela sorte do imperio.
Por ellas ver-se-ha o que tem sido essa cam*
panha : lucia gigantesca, lucia desigual e impo-
nente, a qual empenhmos o nosso futuro, arca-
mos com um inimigo traioieiro e terrivel, que s
de emboscadas e de sorpreza se nos apresenlou,
sem nunca aoeitar repto que nao fosse bem in-
trincheirado. Da nossa parte, da parte do Brasil'
um povo inclinado e tffeito s artes da paz, ao cul-
tivo das trras, de ndole branda t pacifica, aman-
te do conchego e dos commpdos da vida domesti-
ca, com um pequeo exercito de nove mil homens
e urna esqudrilha diminuta, quando muito ape
e no sul trigo e uva, e por tola a parte legames
e graos alimenticios, com minas de pedras e me-
taes preciosos, com immensa costa a off;recer ao
commercio estrangeiro surgidouros francos, abri-
gados e ampios onde aesembocam extensos ros
sem conla e naveaveis-, para ondo conflaem ou-
tro*, demodo a formarem urna enorme re Je de
vas naturaes que banhain e fertilisam as uossas
lavras, facilitan lo ao mesmo tempo o transporte
dos gneros de permuta ; e esse valle do Amazo-
nas, maravlha de quem o percorre e dos natura-
Ijas, p*nr si s com asproporQoes para um gran-
de estado. Considerai o quo lia abi de prodi-
gioso f...
Os tres reinos da natureza como competencia
se esm.-raram em dotado : ahi produzem espon-
tneamente e sera cultivo a gomraa elstica, co-
pahyba, a bannilha, o cravo, a salsaparrilna, a
castanha e outros fructos oleosos, e copia do plan-
las utei?, qaer a medicina, quer arte culinaria,
o uruc, o pao brasil, e tudo quanL) lu de melhor
em tinturara, em ronstruccao, em marcenara, e
o arroz e a canoa do assacai pagam os cuid idos
do lavrador corojJuas colheitas annaaes, e as suas
maltas e aguas tao fartas de animaes, sendo que
a caga ea_pesca fornecjm abundante e prompta
alimontacao. Que necessidade urgi portanto a
emprehenderm is urna guerra de conquista, como
adrede assojlhavam os panegiristas de Lpez, se
carecemos de bracos validos para porem em
acijo e darem incremento a todos rstes elemen-
tos de riqueza e povoarera tantos desertos e
mattas virgens e de campias soberbas e a per-
der de vista pela extensao ? !
Em paz com os vzinhos, tendo ba* relacoes
com elles ao norte do imperio, collocados os An-
des como ante-nalaral s correras do Per, e o
Amazonas como porta que se lhe pode fechar a
elle e a Venezuela.
Devendo-lhe ao sul as repblicas do Prata gra-
tido por desvelada proteccio e nimia generosida-
de mais de urna vez dispensadas sem a menor
sombra de retnhuieo e de predominio, era plau
sivel que a nacao brasileira descurasse do manejo invasaale
preparativos bellicos de todos os elementos des-
truidores que a arle militar moderna tem inventa
do, accamulados de longa dalafortiticacoes em
todos os pontos culminantes e de diffleil accesso,
correles .g torpedos formidavois em todas as pn
ragens de p-'r.gsa mvegacao, fundieses e arse-
naes em varos-Hjares, etc., de s<.rte'que lodo o
trabalho e solTriraentos de u,m milho de habitan
tes iinham por.unicos llnsa guerra : toda a in-
dustria do Paragoav.exclusivamente bellicasem-
narcajOM a vapor e a vela, quarteis, e alm disso
creacao cm vasta escala de gado para abastec-
memo da exercito e romonia de cavallaria. pla-
ales de cereaes, de forragens, e mais as de her-
va-mate -monopolio, como os gneros de importa-
cao, do El-Supremo -eis em que consist a toda arte
agrcola ueste immenso laboratorio de guerra O
territorio tambora f ivorece estrategia. E' elle
muito de-ignal e accidentado por innmeras emi-
nenciaes. cortado pela natureza de profundos
fossos, de grandes banhados, de tremendaes horri-
vi-is, e assim offerece todas as facilidades para
cansar o inimigo e assedia-beminextricaveis des-
liladeiros e em mattas densas e escuras, onde um
puuhado de soldados conhecedons da posi ao po-
dem a seu salvo fazer frente c desbaratar invaso-
res superiores om numero, quando pele contrario
as f jrcaa alliadas eram, como sabido e ji o disse,
muito inferiores e completamente inaxperien-
tes.
Sjguado a poltica suspeitosa c japoneza do go-
vorno paraguayo, es o paiz defez<> ao estrangeiro,
que nao DMia visitar as fortalezas nem passaralm
das ras d'Assampco. isso nao mpedia Lpez
de cercar-se de habis engenheiros inglezes e de
militares experimentados as lucias da Polonia,
da Hungra, da Italia e da ultima guerra civil dos
Estados-Unidos. Foi com este apprato formida-
vel e tremendo que eslava proparado o dictador
para reli*ar os sonhos dourados da sua desmedida
ambicia!
Armazeoou, pois, a barbaria de seu vagar e cal-
culadautpate os mais poderosos recursos para a
encontrad!
nome iga
ferido Un
Corroa, qi
o respectll
as sullicientes para mana/ a^wdem as provin-
cias e guardar nossos porfos, e dissiranado dj
longe em longe em batalhSes incompleto e nfvio1
njaf artilhados e pequeos. i
^PI'commbc5es queprecederam a queda fn-pri-
meiro imperador, e irromperam na menoridade
do segundo, e por vezas Idntaran abalar as insti-
tuieSes do imperio nos primeiros ana >t deste rei-
nado, deseulpaveis alias na afferve-cencia das luc-
ias apraxadas, na hetereogeneidade da populacie,
na carencia de instraecao na rr.assa popular, e
mais que tudo na inexperiencia do meneio com-
plicado e diffleil do mechanismo da monarchia
mixta, desde ltt9 tinham cedido o passo ao pro-
gnato refleclido e pausado porque instava a
nacao.
Cora ura tetritorio tao vasto e rico em terraa
feracsimas, sob a influencia de climas diversos
desde o temperado de Italia e de Portugal al o
das regiSes ardentes do equador, produzindo com
abundanciaalgodao, caf, assucar, c*c, arroz,
(i) Este opsculo tem por tituloBrasil eo
Paraguay, carta a Sua Magetade Imperial D. Pe-
dro II, e foi impresso em Lisboa1869 na tvpo-
graptu Lisbonense.
das armas, e da ter exercitos p derosos, divertida
antes em lado qaanto podesse desenvolver-lhe o
engrandecimento e prosperidade publicas, que af-
firmam e apressam a civilisacao e opulentam a3
forijas e a actividade do paiz"
De' 18i9 camecim e progridem a olhos vistos os
lrabalhl pacficos de nossa organisacao interior,
que se revelara em inslituiOes de crdito na cor-
te e nasjarovincias para alentarem e darem ex-
panso as emprzas industnaes, ao commercio e
agricultura, em efficazauxilio navegacao, j per-
raittied livre ingresso aos barcos estrangeiros
e uiparaJiis aos direitos e isencoes aos nacionaes
no curso de cabotagem, j fomentando as empr-
zas de paquetes a vapor que hoje cruzara e de-
vassam os nossos rios e costas em lodos os senti-
dos, pondo em contacto rpido, os centros populo-
sos e martimos cora as ngioes que sao ferlilisa-
das pelo S. Franciscq, pelo Toeanlina, peto Ama-
zonas, pelo i'arnabyba, pelo Mucnry, por lanas
outras vas formadas pela natureza, que abundara
no nosso torran abencoado, j abrindo estradas de
ferro da capital do imporio para o valle do Para-
hyba do sul, e para os pontos mais agrcolas e
productivos das provincias do Rio de Janeiro, de
Minas e de S. Palo, e outra de Pernambueo para
o rio de S. Francisco ; por ultimo declarando li-
vre a navegacao estrangeira o rio maro Ama-
zonas. Estavamos a ponto de estabelecer linhas
telegraplncas e outros melhoramentos, e abaln-
zamenos a estudar e investigar cuidadosa e mi-
nuciosamente aa riquezas naturaes do nosso solo,
epara isso foi organlsada em 1839 urna exped
cao seienfifica composta de quinze membros, pes-
sas de reconheeido ment por suas luzes, scien-
cias e talento, mas que foi paralysada em meio de
seus trabalhos, ltenlas medidas econmicas. An-
lesdiss) foram enviados outros individuos a dille-
rentes paizes adiantados. afim de estudar as peni-
tenciarias, a instruccao publica primaria e saps-
perior, os estabelecimentos de caridade, as expo-
siedes untversaes, as dokas, etc.. para adoptarmos
debes, adaplanio-os as circumstaiicias peculiares
ao Brasil o que se coins se de melhore mais til
e destarle tudoconspirava para a nossa felicda-
de o melhoramenlo material e moral.
Nassa marcha ascendente e progressiva, a nao
vr embarazar-nos esta guerra prolongada, esta-
ramos boje em tal alteza que poderiamos encarar
afolos o tremendo problema da emanciparan dos
escravos qno periclita pela tendencia irresistivel das
id.is que vogam entre nos e que nao est longe da
sua realisac/io. Demais para ella caminhamos
desde 1830 com a represso do trafico, ininexlindo
desde entilo se lizessem desembarques de africanos
no nosso territorio, e por lira creando por toda a
parte associacoes de manumissao,. de captivo, es-
cre vendo no sentido de condemnar a escravatura
e pintir seus horrores e os males que dola dima-
nara, e apresentando no larlamemo medidas ten-
dentes a melhorar a sorte destes infelizes; e a
despeto dos extraordinarios sacrificios para sus-
tenannos a lucta que a honra e a dignidad na-
cionaes reclamavam imperiosamente, ser esta
medida tomada era praso que nao deve de estar
longe, c fice em que ella a estrada alierta
emigracao espontanea, nosso desidertum, e para
o qual tendem todos os nossos esforcos, cortos que
desde enlo se establecer outra eorrente igual
dos Estados-Unidos para o nosi paiz que a est a
convidar por tantos e tao peregrinos elementos de
clima variado o benigno, de fertilidade, de leis
brandas e consoanies os costuraos e ideas euro-
peas. O nosso carcter cavalbeiroso e ho.-pitalei-
ro, as uossas instituios libpraes, o nosso cdigo
penal tao humano, sao outros tantos penhOres de
seguranza individual e de propriedade, de rique
za o bera-estar para o estrangeiro morigerado e
laborioso.
To fagneiras e promettedoras esperanzas de
opulento futuro qae se nos antolhava prximo e
para onde corramos alvorocados, esvaecerara-se
ante os acontocimentos de 1863 para, talvez em
tempo que nao estar perto, reverdecerem mais
vrenles e robustas, passada qua seja a tormenta
que ora innubla a estrella da nossa patria.
Confrontemos agora o estado do Paraguay com
o nosso." Se o exercito e a marinba dos adiados
eram mu resumidos, mal armados e peior muni-
cados, sem nenhum conhecimento da topograpbia
do territorio, nao succedia outro tanto com es-
te. Nos ltimos annos do governo do pai de Lpez
e em lodo o decurso do deste, o primeiro para
salvaguardar-se das continuas tentativas invaso-
raa da repblica de Buenos-Ayres, e o ulllme do-
miado de prnjectos ambiciosos de augi*wto de
territorio, de predominio nos estados do Prata, e
da fundacao de um iqjperio grande e poderoso,
com o nico Oto na guerra, trataram arabos de
raHiarisar o paiz, cotoverginiWFtodas as for?as
vivas da nacao para esse designio bellicoso. Com
um govrno desptico sera lirailes no Paraguay
todo o varao soldado, disciplinado e afito as ar-
mas, ao aquarlelaraenlo, e aos trabalhos de acam-
pamento e de exercicios militares, conservando-se
em p de guerra um exercito de ai mil homens
agaerridos, adestrados, ben armnioa e habituados
pela sua vida meia selvagem. W$ estreme dos
mais simples coufortos da civtMJPo, formados aos
perigos e privifSes de iodo, genero, tendo a van-
tagem de conhecerem perfeitaaiente todos os re-
oantou|||UBes vantajosas do sea paiz, e ao mes-
^^H^Hbdecendo cegamente ao senho do
9b sacrificio da propria vida, convenci-
dos l B morrendo no campo da batalha resus-
c i tu IM entre os aojos, e de mais com a ener-
ropria raza gaarany. A islo acerssoiam
agucou
sobre al
mas o d|
hora d'S
Vndalo
para a conquista :a fura carnvora
iente as garras para cahir inopinada
resa incaut e despedazada sem custo;
lo da Providencia nao traha marcado a
ise eclipse para a America do Sul. Os
e Hunos curaprirsm sua misso nos tem-
PQS rematos, hoje a da civilisacao e do progre-
so e o mando nao retrograda. Se tinha os planos
de Aula, falln a Lpez a fortuna d'este, sobran-
do llis osinstinctos de Mero. ,
E es|i a causa, o e este o homem que acham
defensores esleimos, e a estes meos c exercito
que estes taes aguarentam para seus llns a fracas
fi mingoMis proporedes, tomando-se de do pelo
celebre twoe do Paiaguay e vjrberando-nos com
o epitheto affroir.oso. ofcassamnos de um novo
hroe!... )
O que Ibes devta d condoer c levar* a soltar
ai'.os brados de adigoacao, o estado digno de
lastima d'esses pobres Botes, jabmerws at hoje-
nas mais profundas trevas da ignorancia e para
quem nao amanhecea ainda a civilisagao nem
raiou pura a luz benfica do chrisiianismo, per-
vertendo-se Ihes o espirito e imbuindo se-lhesdou-
Irmas falsas e as mais groseras pralicas supera
ticiosas para assim captrrnrem-lhe o ararto sin-
gelo.
Povo de escravos, maniotados ao carro do se-
nhor, o sem vontade propria, teem pa-salo de ge-
racao a gerazao como heranea de familia.
Explorados disde o de-cobrimento pelos padrw
da corapan'nia, foram estes os primeiros a inculir-
Ities ideas errneas e absurdas, subnettendo-os a
um jugo de ferro : ao mesmo lempo l'aziam- Ibes
acreditar quo todo o contacto e commercio com
individuo?, que na:> vestiasem a roupela, e condn-
zi-los-bia sem regresso ao inferno, cujas penase
tormentos descreviam-lhes eom vivas horripilantes
cores, e assiqi vi viam segrega Jos, evitando espa-
voridos o trato cr m oa hespanbes o portuguezes
que se Ihes avisinhavam. Quando em 1750 quize-
ram Portugal e a Hespanha estabelecer as mis-
soes o*i governo regular, enconlrarara tenaz e
forte resistencia nos indios.
quells que motejara de alguns revezes c da
prolongacSo. da actual campanlia paraguaya, res-
ponderei com a historia na mo para provar Ibes
aue essa lula dos indios eom o peder combinado
Be Hespanha o d Portugal, sendo todava as for-
cas das duas iiacoes amostradas e compostas de
veteranos guiadas pelos generaes Gomes Freir
de Andra4e e Andronaegui, nao foi sem cusi que
conseguir! no cabo de dous annos pacificar os
indios rehollados e commandados nao por milita-
ros seno pelo padre Balda e por outros jesutas ;
que o valor e a pericia vo-se nao raro tolhido e
Gontrahalauoado guando se Ihes encontrara dif-
culdades do terreno, o fanatismo eo espirito*de
seita em pavos meio barbaros e sujeitos ao mando
absoluto !
Com a emancipacao da metropole hespanhola,
nao mellio'raram os paraguayos de sorte ; muda-
rara apenas de senhor, passando para a dictadora
sombra e sanguinaria do Dr. Francia, e d'est-i
veioa ser posse da familia Lpez, ad lido beran-
Za paterna o actual marechal Solano Lpez, que,
rerso de coracio, nao servram-llie as viagens
pai tes cultos e sua oslada em Inglaterra do
tampnto a ideas liberaes, ede lico para abran-
dar-lhe e humanisarlhe a'ndole, senao para
amestra-b nos vicios-das grandes cidades e abas-
tece-lodo plaaps estupendos, maravilhado dopi-
der e opulencia dos grandes estados da Europa.
Nao que o Brasil ignorasse totalmente os
aprestos militares do dictador do Paraguay, esta-
vamos, porm, descanzados na boa f dos tratados
nos serviros desinteressados que haviaraos pres-
tado em pocas diversas esses visinlios-J'gpmea-
damenle em 1832, qnaadu os libertamos das* inv.-,-
soes e jugo imminente do dictador de Buenos-Ay-
res, que os tnizia em constantes sobresaltos pela
ndependencia e autonoma do Paraguay, at all
sem exercito e sem fortificazoes e, a nao terem
as nossas armas aniquilado o poder de Rosas, tal-
vez estivesse hoje em dia esse paiz encorporado
aquella repblica do Prata.
Quando, portanto, declaramos' cm 1865 guerra
ao governo do Uruguay, tinhams confianza plena
que sera essa campaha urna marcha 'riumpbal
como a d'esse anno. Um partido nnraeruso, in-
surgido contra o aespota Aguirre, eslava em cam-
po com o general Flores a frente, e i raptor a va a
nojsa jnterveneo, que era sobreposae bem cabida,
poltica e exigida pela honra nacional, to ultra-
jada pelo caudilho, qne, impondo-se repblica
do Uruguay, mas encorralado em Montevideo,
d'alli decretava os assassinios c as proscripjBea a
maneira de Sylla.
fContinuur-*e-ka.)
PERNAMBUCO.
REVISTA DIARIA.
THESOURArlA PROVINCIAL.Peranle a jun
ta administrativa d'esia reparticio, vio pra?a no
dia 20 do eorrente : o aterro da varzea do enge>-
jho Rosario, avallado em 7:920* -, a ponte e
aterro da ra Bella em Rio Formoso, avahados era
11:6004.
cadeiras do sexo femenino do Granito, Tacaratu e
Salgueiro.
TRILHOS URBANOS DE APIPUCOS.A geren
cia d'esta empreza resolveu que nada paguem as
enancas menores de dous annos que viajarem ao
coHi, qae paguem meia passagen* os menores de
de annos, e passagem inleira os maiores dessa
idade.
P.ASSEUTA ACADMICA.Em consequencia
da abnndante chuva que hintem cahio em gran-
de parte do dia, fci transferida para Inje a pas-
seiala acadmica.
DISTURBIO E PERIMESTO.-Na povoaeao da
Raposa travaram-se de razes, no dia 27 do mez
passado Jos Ferreira Malaquias e Aotono de
Torres Amorim, e passande luta renhida, foi
aquelle ferido por este com una facada. O de-
lnqueme foi preso em flagrante.
ASSASSINATS.Foi assassinado,*ios primei-
ros dias do mez crrente, no lugar Capoeirao flo
termo de Caruar, com utn tiro, Manoel Jos da
Silva, por sua mulher Benta Maria de Jess, de
16 annos de idade, lendo por cumplice o cabra
Jos Rufino Pereira, com quem a mesma se que-
ra amasiar. Apenas perpetraram o crime, os
seus autores enterraram o cadver cera bragas
distante da casa do assassinaJo, sendo dcscoberto
o crime por casualidade. Os criminosos foram
presos.
No dia 13 do crreme, no termo do Bonito,
o preto Cesario, escravo do Sr. Dr. Joaquim Fran-
cisco de Mello Cavalcanti, Sr. de engenho na co-
marca de N.varelh, que anda va fgido a algum
tempo, assassinou com urna facada a Ignacio
Francisco da Silva e ferio gravemente a Manoel
da Luz Correa; quaado estos procuravam pren-
de-lo, pondo-se em fuga para o termo de Caruar,
oude foi capturado pelo delegado respectivo.
CARUAR'.Bscrevem-nos (tosa cidade em 11
do eorrente :
c E' intensa a secca neste lugar como em todo
o centro da provincia, e cada vez vao escasseando
mais os gneros alimenticios. A feira desta cidade
que sempro foi muito ahondante, est hoje bem
mesquinha e todo carissimo. Na verdade, admira
a dierenca de prego de certos gneros alimenti-
cios : ama cuia de milho qne ji se tem vendido
no tempo da abundancia a 100 ra., cusa 2X000 ;
urna cuia de feijao, qne se venda por 500 rs. e
menos, 'i*0X)0 ; e urna cuia de farinha, cujo proco
regular era de 320 a 400 rs., l<60t. O gado vac-
com, cuja carne magra se corta no agougne a 10
e a 115 a arroba, est ae acabando por falta de
pasto, e at mesmo j nao ha agua era grande nu-
mero de propriedades para seus moradores.
a Temos aqu um bom agudo, propriedade na
eiooai : porm a agua d'elle acha-se tao corrom-
pida, que nem mesmo para o gasto das casas ser-
ve. Entretanto, os que teem man meios, comprara
agyaa dos brejos a l duas ancoras, e a pobreza
sujelta so a toefler a do agudo, o ja tem sido cau-
sa de umitas molestias.
Accresce qae a emigragao dos retirado!, con
tina a dar-se, e ainda hootein causava d ver-so
muitos individuos, homens, mulheres e meninos,
esmolando o pao da caridade publfca pelas ras
d'esta cidade, carregados cada um com una trou-
xa. urna esleir ou outro qualquer ebjecio que
poderam conduzir em su i faga precipitada.
Sabbado passado, borrorisava ouvir-so um
d'esses retiradts|referir a monede duas pessoas de
sua familia, que foram victimas da forae c do
cansago I
Consta que as autoridades locaes vao pedir ou
j pedram soccorros ao Exm. Sr. presidente da
provincia, e lemos conviego de que S. Exc, bon
doso e humano como nao se negar a to justo
pedido.
Dar de comer a quem tem [orne um preceilo
divino, e infelM da sociedade em que os seus go-
vernantes nao o pozessem era execuc) em pocas
de calamidade publica como aquella com qne nos
est castigando a Providencia Divina.
SOCCORROS PROVINCIA DAS ALAGOAS.
Contina a snbseripgo promovida pelos Srs.
Adolpho Kacp, e J.Gonealves de Albuqierque : i
Joo Cardos*; Rabello 303000
Jos Lonrenco Goncalves 30-5000
Joaquim Jos Ramos 503000
Domingos Jos da Silva 53O00
Manoel Joaquim Baptisia WJOOO
Jos Francisco Bello 503000
Dr. Antonio Buarque de Gusmo 5000r>
Dr. Alexandre de Souza Pereira do Carino 303001)
Adolpho Koop
Joslongilves de Alouqaerque
Quantia assgnada, segundo a publica-
gao nesto jornal
30-3IMH)
5O30g
3000300
5003000
INSTRUCC
deve ter"
truego

di* 18 de airril
l feral .da ins-
proviraento das
Pafta*
op. ct. paf
Bratil e o Parq-
1.0003000
REG03IJ0 PUBLICO.Contmuam ainda as ma-
nifestagoes publicas de regosijo pela reverso dos
voluntarios a sua provincia natal.
A illuminagao da cidade durante a note, tem
dado s differentes ras d'clla um aspecto festivo
impossiveldedescrever; e a populago que noite
se derrama pelas raesraas ras em paaseio, Ihes ha
imprimido u;r.a animagao, que s tom urna com-
parar) as grandes testas populares, sobresa-
hind a de que tratamos pelo numero copioso de
senhoras de todas as gerarchias, que percorrem a
cidade.
Esta, cora effeito-, alm do motivo do regosijo,
ha convidado essa concurrencia ; pois o digno de
vr-se a armagao e illuminagao das differentes
ras, sebresahindo nisto as ras da Cadeia, Com-
mercio, largo do Corpo Santo, Imperatriz, Aragao,
Mondego, Crespo Livramento, Direita, Rosario lar-
ga, Nova e.Cab 'g. cujos arranjos e costosa orna-
mentazo mito acreditara o patriotismo dos res-
pectivos incumbidos e contribuales espontneos-
Urna populazo que assim se manifesta, aquilata
o verdadeiro merecimento, e prova saber reconhe-
ce-lo por actos eloqaentes.
TRILHOS URBANOS.Pedem-nos que noticie-
mos a alieragao feita as passagens das criangas
nos trens da via frrea de Apipucos, pela direcgo
respectiva, aggravaado o prego do transporte.
Acharaos creJra de satisfago a queixa que se
levanta nesie sentido, porque nao vemos razo de
ser para esse augmento. Em todas as vas frreas
as guangas sao privilegiadas, e gozam ou da pas
sagera livre, at certa idade, ou do abato de 50 /
passando ella, at a idade de 9 e 10 annos. E'
sabido que a via ftltea de Apipacos tem tido bons
lucros, e pois nao ha razio que justib ue, nosso
ver, esse augmento.
COMPANHIA E ACRBATAS. Dea ante-
hontem esta companha o seu primeiro espectculos
no paviltiao Santa Isabel, agradando em geral o,
seus trabalhos, quer pela seguranca e agilidado
dos artistas, e quer pela mestra eom que executa-
rara os diversos exercicios. O director da compa-
nbia, sobretudo, o Sr. Casali, sorprendeu com os
bellos trabalhos 'sobre a corda teza. A menina
Aoaa Casali igualmente agradou aos jogos indios.
THEATRO DE SANTO.ANTONIO.-Realison-se
ante-hontem neste Iheatro o concert organisado
Elle seu proprietarlo em regozijo volla do 53*
atalliio de volautarios da patria, eom a preseooa
de qoasi toda a ofBciliadade e de una ecc*|bJa
sociedade.
O hymno da victoria foi canta^0 pela Exraa.
Sra. D. Maria Rosa Duarte Cimb^, tifta do pro-
"----------------------1------~
doz meninas trajando de branco, e com fachasdas
cores nacionaes. A execacao correu bom c agra-
dou basti*' pida segurangae harmona dasvoze?.
Em segalaa foi tocado o hvmno nacional, aps al-
guns vivas erguidos pelo Sr. Dr. subdelegado res-
pectivo, cantando ao depois o Sr. Jos Coelho Bar-
bosa, com gosto e meslria, nma aria do Tro-
vador.
MA VISINHA.Chamamos a attengao oa res-
pociiva auloridade para o procedimento revoltan-
te de urna prela, que mora a roa Vaha, ama vez
que nao possive) tolerar-sc, qne no meio de fa-
milias honestas o consideradas exisla urna hachan-
te daquella ordem, a lodos escandallando e in-
commodando a toda a hora do dia e da noite com
assuadas e os nomos mais obscenos, que all ella
sola, [nrmente quando em eslado de embriaguez.
Admira mesmo, que o inspector da ra a nao
procure conter, chamando-a s raas do respeito
devido ao publico, quando ella se desmanda, fa-
zendo alardo de qne n;io tem que dar satisfacao
pessoa alguma, visto estar em sua casa, onde tudo
lhe c licito pralicar. E assim. importa que se lhe
faga sentir o engao, em que est, sendo mesmo de
esperar que o proprmlario da Joja em que mora,
faga-a substituir por nquilino mais convenanle ao
decoro que lhe devido ?i e so a familia.
JURY.Foram julgados hoje os reos Joao Joa-
quim Kleuterio, e Frncelino Luiz de Souza, ac-
cusados de ferimentos graves na pe*soa de Sa-
turnino Jos Cezar dos Aojos, praca do corpo de
polica, deixando de ser julgado o co reo no mes-
rao processo Francisco Camello da Silva, por ser
0 crime inafflangavel; e achar-se o mesmo au-
zento.
Findos os debates o preenchdas as demais for-
malidades, proferio o juiz sua deciso, condemnan
do oreo Joo Joaquim Eleuterio, oito annos de
prisao oom trabalh, e absolvido o reo Frncelino
Luiz de Souza.
Aminhia serlo jalgados os reos Joao Jos
de Araujo e Joo Rodrigues de Almeida, pelo cri-
me de tentativa dg morte contra Ricardo Panta-
leo da Cmara Santiago.
LEILAO^O agente Marlins faz leilio de urna
loja de calgado ra Direila n 45.
COMPANHIA PERNAMBUCANA.-O vapor Pa-
rahyba, d'esla companha, seguir para o Rio Gran-
de do Norte pela Parahyba, hoje, s 4 horas da
tarde. Para carga, passageiros,etc.,trata-seno es-
criptorio da mesma companhia, no Forte do Mallos
n. 12.
LOTERA.A que se acha venda a 140*,
beneficio da matriz de S. Bento que corre
huje.
TRANSFERENCIA.qieilo do predios annun-
ciado para hentem, pelo agente Martins' foi trans-
ferido para sogundafeira 21 do crreme, em con-
sequencia la chuva.
PASSAGEIROS.Sahdos para norte ao aapor
Pot-m/i /
Br. ooi vasiu campetio Pires Ferreira, sna se-
nbora e 3 criados, major Ignacio Leopoldo Neves
e sua senhora, Joaquim Teixeira Leite, Pedro Au-
gusto Chevalier, Thomaz Barrete, Joao L. Tavares
da Silva e sua mi, Joaquim Sobastio Lopes Fer-
reira, Pedro Ferreira Brandao, tenente-coronel
Jos Fernandes de Crvalho, Odilon Garca, Jos
Bartholomeo, Joo Teixeira da Rocha. Manoel
Adriano B. Plnheiro, Pedro Dias da Malla, padre
Luiz Ignacio de Moura, barao de Mara e 2 cra-
dos, Isabel Maria da Conceigo Correa e seu fllho
Joao Jos Domingos Correa Jnior, Eloy de Souza,
Antonio Maia Curtes, Manoel Modesto P. do Lago,
Henrique Brom, Joaquim Nogueira da Costa, Dr.
Francisco Lucas de Souza Rangel. *
Saludos para o sul no vapor (liquia :
Dr. Domingos Jos G. Punce de Leo e leado,
Luiz I". H. Pemira Braga, F. Melchiades de Cer-
qaeira, I). Emilia O. de Menezes, tilhos UMDores,
1 escravo e 1 criada, Mauoel Gong-a I vea Teles e 1
sobrinho, Dr. A. Pereira Camello." D. Leandra P. ,
Bastos e 1 criada, D. Josepha P. Bastos, Tbomaz
A. Farrell, Francisco de Paula Rosas, Manoel Vi-
dal, urea Maria do Rosarlo, Antonio F. Xavierda
Cosa Francisco de Vasconcelos Mondonga, Anto-
nio da Costa Lima, Jos A. d; Silveira, Adeliuo
Candido Duarte, Manoel Pinto da Costa Porto; A.
da Cosa Lyra, B. Leal Romano, Francisco Cam-
pos, B. Pinto de Araujo, Joao Pereira Baracho.Ma-
poel Pereira Cutruno.
CEMITERIO PUBLICP.-Obituario do dia 14-ao
correnle :
. Jos Pedro Celestino de Mondonga, Pernambu-
eo. 63 annos, casado, S. Jos ; um tumor branco.
Nicolao, 3 annos, Pernambueo, S. Jos ; gan-..
grea.
Amaro, Pernambueo, 4 mezes, S. Jos ; eon-
vulsoes.
Francisco, Pernambueo, 30 annos, solteiro, Boa-
vista ; tubrculos pulmonares.
Severino Jos da Silva, Pernambueo, i8 annos,.
solteiro, Boa-vista ; bexigas.
Constancia, Pernambueo, 19annos, solteira, San-
io Antonio ; phtysca tuberculosa.
Isidora Carnoiro de Mello, Pernambueo, 32 an-
nos, casada, S. Jos ; meteoragia.
15
Antonia de Barros Pimentcl, Pernambueo, 24
annos, solteira, Santo Antonio ; hepatito agudo.
Mara, Pernambueo, 13 dias, S. Jos; es-
pasmo.
Josepha, Pernambueo,40 annos, solteira, S. Jos;
ttano.
Carolina Ursulina dos Santos Mello, Pernambu-
co, 39 annos, casada, Ahogados; febre perni-
ciosa.
16
Jos, Pernambueo, 2 annos, Boa-vista ; escro-
phulas.
Francisca, Pernambueo, 4 annos, S. Jos ; tosse
convulsa.
Juvencio de Macedo Lina, Pernambueo, 18 an-
nos, solteiro, Becife; febre convulsiva.
Vicente Figueira de Mello, Pernambueo, 60 an-
nos, solteiro, Boa-vista; apoplexia.-
Chrislovo Prula, Hespanha, 70 annos, casado,
Boa-vista ; amolecimento cerebral.
Jos, Pernambueo, 30 anuos, solteiro, Sanio An-
tonio ; febre perniciosa. *
Mara, Pernambueo, 8 mezes, Santo Antonio ;
dentieo. '
Luiza, Pernambueo, 19 meza*, Sanio Anlowo ;
tnlorile.
Francisco Alfonso Marlins, frica, 0 annos, ca-
sado, S. Jos; phtvsica pulmonar.
17
Flix, frica, 54 annos, solteiro Boa visto ; hy-
dropezia.
Francisco, Pernambueo, 13 mates, Santo Anlo-,
nio; convuledes.
Jos Gon?alve Patosco, Portugal, 26 annos,
solteiro, Boa-vista ; hydropericardite.
Anglica Maria da Conceigo, Pernambueo, 34
annos, casada, Boa-vista ; cougestio cerebral.
TtiBlrSACOES k PEBIM.
-. -
"'>

I frieiario o Sr. Duarte Ootoibra,,
O Dr. Cypriano Feni G. Aleeforado, reB|
dendo i urna injusta censura do Liberal t
dos motivos da sua, ae intervencao, como f
rador flcal, na oompra da casa do eotniaawwr
Netla para o asnlode mendicidade, disse n*B-
rto da bontem (10) qne, sendo advogado do venoe-
dor em urna execugao contra C (irabtwwB, m
vlrtude da qual se achava penhorada a Morapanbad por I te queria comprar, escrupulisou 8|nrar nessa.
1 EftH



.....' I

.08I 30 Q38*# 3& 81 A8I31 t$&lc* Pernambuco ^xla fir* 18 de Mai^o de 1870.

OflMK .W'JK 1H!M
compra, e ordenoa-me que tralasse de fazer pli-
sar a escriplun, entregando-me a quantia por ene
recibida da trisouraria.
l)o modo pQW* *? exprimi o.Dr. tenelon re-
sultara para uim una censura e para s> : um
deaar, *u rijo viei.sc completar a exp icacacrdacta,
porquVlito parecen; <|uc cu *ao duvidei comprar
plralTfaWndaum predio que ^^^^ .
do eqne 6. S. oceultou nw. e .,,
que mb poda ignorar, tend^dvogad^ ^ veQ. _
dedor. -Vi
Tcodo-me o Dr. Fenewft ^ajad* poltfespor'
timado os refrito de quo piebiiMTa ttica P'*a-1 f^icTbco Antonio das Chagas, Guilhermina de
rol, acha se ella desdi o jta 17 do corrente anc1;. suura e Silva (2), Jaeintho Febronio Esparaldo,
raia na mesma. posic"^ avie ,tfcupava m) canal fle Justino Manoel da Silva, Jiao Rodolpbo^Bome,
yraianca.
Sercjari '' n0 0 par 23 d* fevereiro
p **w\ 0 secretario da governo, Antonio dos
***%* Miranda. '
los Manoel Picaneo da Costa,
Gapuio de porto. ^ -
ihas dos Acores
Joao- Asiente Gomes Goimaraes (), Joao Ramo?,
loao Fernandas Cacalcanti de Albuquerque los\Amaade : para passigeirc.
Moreira da Silva, Jo> Antonio de Figueireda Jos* exc Iksotes com molos, trat i -a
rQr3r, ifnrtnim Ferrrira Guiinare?. Joaauina natario Joao do Hegj urna, a
fit avoeado do vendj^rjj, devia intetvir na
compra da cas^,, p;issou-me ne-ta conforn idaY o
uficio a presidencia quo para isso o :-.utori?avn,
ex-a nnndei passar a escritura no cartorio do
-Dr. Sa. Chegatvdo logo depois ao-.uieu eonh. ci
ment que a casa eslava prtihnrad, cscwvi a
llr. Sa para quo sobT't.-liw-se na escriptufla at
me segundo aviso, examinei os autos da execu-
ro, e dirifci me ao vendedor a mM fu ver que,
eon quanto a yenliora ^n cedida fosse insnbsis
tente, todava eu nao faria pasear a iscnplura
sem ju&.ila.fose relaxada e AcMM o predio li-
vre do oras. .
tata se fez, deportando o vendedor o dmneiro
t>.-.ia BMVtan da execucSo; depois do que etfec
Riei a compra.
O .ripela, peris, como Tica a explicado dada
pelo Dr. Pendn e restabelecida a wrflade dos
ac'."s, iulgo desneeissario tomar fin considerado
a plnase imperativa de que indevidamente 'e ser-
vio^5. S. a mea respeta, poique iodos sabein que,
sendo oi su ubst&iio legal nos scus impedimen-
tos, nao rae p^diTllo ordenar cousa alguma e de
feto nada me orvou.
Re;*, 11 de marco do (870.
Ohjmpio Marques ta ^ A'lk
Ol bello anjo do co
fteni do di "leu padecer,
^ Nfio qHeiri.s com IM despreso
Pawr-iie tanto sollrer.
*Pem compaixao, met nj >,
De meu tao grande solTrer,
K'i te rogo, nao me d p.ri
IViis quero inWiJ morrer.
Eu te ms-1, anjo do co,_
fMiai de mim compaixao,
IKi-me alma pura e siiwera,_
tbu temo amor, lea oonqM.
B. O. A. II.
rrislSo'de Alencap Arari[)e, olcial
da imperial ordora da Rosa.e jais, de di-
reito special do commercio nes.ti cidade
do Recife de Pernaoibuco por S. M. Im-
pertal e Constiacional o Sr. D. Pedro H
a qoem Dos guirde etc.
Foco fthor aos que o presente cdital vreme
ello noticia liverein, que re,|uerimanio do
.'irrmercianle Lourencjo Percira M.-ndcs Gtitma-
raes, se acha abefla a Talleucia do thecr se-
Vista a materia da petieao a lis. 2. declaro abar-
la a allencia do commerciaute Lcurengo Fereira
Hendis GulmTis, que mostra o seu estado de
eessacaa de pagtrnenlosi adalar do da 12 do
corrente uiez; publiqne-sea fallencia por editae?,
a uredayw ao inventar no da 19 do correpje
me;, s 10 loras da manha, dispensada a pelicao
de Kilkis, o im acto mmicarei deposano interino.
' Para curador fiscal nome.o o credor Joao Fer-
nande Lopes, ca;a gj-tic^o requeremlo afalleocia
do supplictnte, s-jniilar a osles autos.
Para r. nomcac.ao de depositario effectivo, sejam
p.in\ .!,', os credores para o da 21 do correlo
mer, as 11 lloras da manhia.
H.cile, 17 de marco de 1870.Tris'.ao de Alca-
car Ara i i pe. ...
B |>ara que cheguo ao conbeeimento ue touos
mandei pasea* o presente, que ser publicado pela
taprensa s ansalo no lugar docostume.
Recta, 17 de marco de 1870.
Eo Secundino Helodoro da Cunha, es.:revcnte
infamen!.nlo eserevi. ",,
, Eu Manoel -Maria Hodrigues da Nasoiiiieuto es-
criva* o sul'serevi.
Trulao de Alean- Araripe.
Leitao, Joarfuim Ferrcira Guimares, Joaquina
Manado Sacraim-nto, ionquim^PWp Lapa. Joa-
S(m Go(Wlvcs Vieim Guiia*ae*i-*api*la
Souza. L'mrenco Jos de Fiatalredo, Malhias
de AzeveoV Villarouco, Manoel anrisco da Silva
Carapina, Minoel Franklin do Ama ral. Gdorico
Americo Raposo da Cmara, Pedro B. Pe reir ae
Arauio Bellrao, Havmundo GoncaWes do Valle
Guiraarae*. Theodora Joaquina de Souza Braga,
Viceticia Alejandrina Pereira Dulra.
O encarregado do registro,
Manoer dos Pases Miranda
Domingo 20 do crreme segne impreteriVelroen
te para as llhas dos Acores a barca portugueza
para os quaes tem
se com o seu consig-
ra do Apollo n. i.
*ara o Rio Grande d Sul
acha-se proposlo o brigue portnguez Uniai : para
csrga e passageiros, irata se com os' con||nata-
ri >s Thomai de Aquino Fsnseca & CL, rafe df Vi
gario n. 19, andar.
LEltOES.
DECLARACOES.
As pilulas assuca^a-
das de Bristol.
Nenliuin remedio ealbMrtin pira e us,> das la-
iiulias. ;. ni mei-ecid iou recehido os loavmcs que
i -ni sid> oalhorgado ;'u pillas assucaradas de
Itristol, Unto dos mediros como dos doenles. Os
esMaram tenlenie> ana elUcacia e a-sua per-
reta JUHMJ'I de tntla casla de f!*13i,.'au eslia-
ihae<4icnsiva. sio dis mais elevada autoridades
medicas. O sea grande mrito, segando estas les-
tuuiiwlllj consisie e,n ue. ellas BU s liaapM e
iiunli.-an omeawgu e os intesiines, com lan-
liem oiiviam a nec.-sidado de urna puriacao coii-
linuad i. ttm disso ellas nao eiiiraqwecein ahor-
ca geral. conwaeontece com torios cs.-es porgailes
'i.ineraes : nem lao BOUCti ea!s; n amis leve doi
iu iiansea dura Me -a afta o;-imv.;'io l'unccional ; e
por ia me^nio se tornan) Mtaprec^iavers para as
ntrikeref, crinucas e h imas idosos.
Istu uh assmpto de vala importancia, qw
iodos tafea estadar, princiMiamlo poi-experiuwa-
tareoi-ea suas pessoas as grandes o Lncoolestaveis
.irtodes das pilnla" assucamdas d BriStof. A-
!ii:n-se acondici madas A otro d frasqmnrjos, e
por sso o sen estado per'eito se conserva em todos
os cIuw. I-o lodosos ca-oscau-ados por aegra-
racio oii pr menles de impurezas do sr-ngue, a
i parrma de Bristil doveri ser tomada con-'
luuctanienii; com as pilulas.
-aula casa da misericordia do
Reeie.
Pila secretaria da santa casa de misericordia do
Recite, de ordem da Iilma. junte administrativa,
sa coaviiados os prenles das e ucandas do col-
legi das oipliaas em seguida declarada-, para
que wham requerer a sua relr.ida daqoeHe es-
laboleeimento, visto qae j ten!' tois de 21 an
ii >s do iuade, devum ter u destn i recommendado
pefa artigo 48 f 3" e 4" do respective regula-
ment :
1 Saria ''a O.nceic.au Azsvcdo..
i Auna Bezerra Cavalcanti.
3 Amela Joaquina de Olivera.
4 Emilia de Mello.
ri Cordollh de Castro Cirne.
6 S ipbi Maria da Coucccao.
7 Fraacalina Itodrigties da Om-ci-ao.
Secretaria da santa casa de misericordia do Re-
ife 12 de marco de 1870.
JO "scrivao,
!'e*M Roilrianes de Souza.
6YMRASI0 MAMATICO
(No Monteiro)
bfiB A DIREev'i DO ARTISTA
HE IOV.%31
exl'a-fcira 18 de marco
" l.r.NKllelo
DO DIRECTOR S RE6BTB DA OIM'JIESTBA,
COLAS FILI10
Subir scena a opereta era dous actos, de
ooslumes commerciaes, intitulada :
F0050 ao sal, fumo ao norte.
Poee"da Sr. Chaves Jnior, muya de Colas
Filho.
Tomam parte os sonhores De.-Giovaoi. Braga,
Flaviano Coelho, D. Jesuina c D Olympia.
Segue-se o serapre e frenticamente applaudido
dneto:
A panella do feitiqo
Pelo Sr. De-Giovani e a Sra. D. Jesuina, que
obsequiosamente se presiam.
Terminar- o espectculo com a graciosa.
fonadilha hespanhola
l'elos Srs. De Giovani, Flaviano Coelho e a
Sra.D. Jesnina.
O dstincto MWM/roda banda marcial do l'lia
laltiao de infontaria, o Sr. Tbeoumio Jos de Sou-
za o eetH eii!iipanheiros,desejando daren urna de
monstracao de stima e. espirito de rolleguisn a
seu irmao d'nrl?. MtkmtMHtoi espontanea e gra-
tuitamente a ireio aiiriiuanur a nuute do seu
henetkio exibindo as methorea |cas de msica
de que se eompSe o seu vasto re;iortorio, dnraate
os intervallos. O beneticiado desd*j Ibes pro-
testa a sua pratidao.
O resto dos rolhetes arlia-seea venda toa
Bella n. '10 c no dia do espectculo, na esia^w.
Principiar as 8 1|2.
LEILAO
[)* arTaca, az e Tazendas da ioja de cal-
vad ta ra Ltfrefra n. 4>, em una oa
ma;s joidfirCtija Ioja se acha mnito bem
localisada.
O agente Majtms far Icilao por'conta e risco
de quem pertencer das fazendii armagao e gaz
da Ioja de catyadn da ra Dircm'n. Mi, por junio
ou em lotes conforme a voutade dos compradores,
o balanc pode ser Visto em ditaloja.
.BOJE
As 11 lio.as do dia na me;ma Ioja.
PAVLHlO
3iE PUE^IO^
Um sol.rado de 2 andares e sot5o n. 70 da ?ua
das Aguas Verdes, solo foreiro, rende 816# por
anno.
Um dito denm andar n. 28 da ra. de Hortas,
solo foreiro, rende 640#.
tima casa terrea n. i da' ra de Santa Thereza,
solo foreiro, rende 21t.
Um dila dita n. 21 da ra do Nogneira, solo fo-
reiro, rende 360S.
Urna dila dila n l da ra das Aguas Verdes, so-
lo tambem foreiro, rende 300*.
Segunda-fcira 1 do corrente.
O agente Martins far lclla por au'.orisaco do
Sr. Francisco Guedos de Araujo procurador de
Joao Fernandes Duarte herdeiro universal de seu
fallecido filho Antonio Fernandes Duarte do Al-
uieida, dos predios cima, a poita do predio que
foi Associacao. Commercial no largo do Cirpo San-
to, as II licras do dia, os pretendemos podeni
iibier qualquer informacao do referido agente.
COMMEfiCH).
PRAGA D REC1FE-17 DE MARCO
DE 1870.
AS 3 1/Z HORAS BA TARDE i
Assucar autericano cruw J#too *r 1." kil
lioiitei).
.Vesucar CanalA'ih p > l-i kU- (boatero)-
Assucar do Ra Grande. dq^SoJlo 31K rs. por
13 kil. posto 3 bordo b mi
Aig.Kiao do Macei I" sorfe1J089 po a bordo, frote de 3|> sem capa (honleinj.
lanttuo sobre Londres 90 d|v. 20 :|i d. por
U0)0.
iltre Cari- 'JO dv. ioS c 4G0 rs. por
franc 1.
! ar para o Caaal ingles -'')
N dia 21 do. correnf ao meio dia na salla das
anuencias, ^erante o lit. Sr. Dr. ItrirUo orphaos
so vender em praca publica a casa terrea n. .
___ com porta e anata, na BaiSa-v-erde, froguezia da
Roa-vista, com If! palias de frente e :!0 de fun-
de, com duas salas, quarlo e eozinba idlettia;

jjueaHo,os Afija*),
Presidente
Mcsqta Jnior,
Secretario
EUL1SI BANK
> Rio de J$Bfiro Limited
croata iattras da pratja tai a con-
>nar.
Hecbe diaheiro em -oonta correte his
Iraso 6x0.
Saca vista ou a prasa sobre as aade>
prlndpaes da Europa, tem correspofldente:
a^Bahia, Bunos-Ayres., Montevideo, New
HewjPrleaas, e emitte-cartas de crdito.
paca os mesmos lugares.
RA DO COMMEftCIO N. 3*
Pula Mi*fJeUgac3 do polica da l'reguezia de
S. Jjs > CC publico, que se acham recolhldos
3 eagft deteii'.-a-i 1 s e-cravos, Felippe ,' pardo ) e.
Paulo (pretf esto de Joajuiui Pequeo, morador
na Sena da OoQ3, e aquello que laubem diz ser
do tmenle coronel Francisco Miguel do Siqueira,
morador na comarca de Pajeii, ambos captura-
dos por fufida.
Re-rife, 1-. de mareo do 18*0.
O subdelepiwlo,
Amonio Mjreira ilo Mendop^a-
Juizo de orphos.
Corapanhia equestre ginastica e acrobstic
do palacio de ohrvstal do Porto.
DIRECTOR
D. Mareos Cusitli.
A pedidu de algumas-pessoas lem o seu direo,
trT resol vid > dar dons espectaffljlos: o primeiro
nu sabuado 19 a uoate e 0^ eegunlo no doieingo
20, a larde. 1
Os hilheift-, aohwvse a vel publico no eseriptorio do mesmo iheatro.
AVISOS MARtTIMCS.
De urna parle do ei^ouho Bar-
ra, fregucza da Escala
Ter^a-fe ra dcaarfo
O agente ttnto, levar leiliio por des-
pardo do UU. Sr. Dr. juiz especial do
commercio. em virtude do i^ie i-pquereram
os curadoresticaes da massa fallida de Olive'rra Lima Jnior, a parte do eOgenlio
Baira fregoezia da Esoada, qae pertonce a
m'sia* m ssa a qual venda se torna recom-
mendfida i por ser naquelle engenho que
tem clientes obras e fDrS vantagens
cons .Wa\es, almv"(]e ser prosltna da es-
tr.uU de feria por ser torreno de gran-
de fertilidado : o leilo ser elfectuado ao
meio dia do da aeima dito porta da 'iteso-
ciarao cymmeixial.

AVISOS DIVERSOS.
quintal murado pio i*a fio n-.r--, xgxxjtk I'
fundo, johto a camb*. avadada por f WWW cuja
casa so vendo a reqeerimento do irTrenranarite
dos hens do linado Antonio Luis .Vanes.
r : .1 de rflrw de 1870.
Oescrivao.
FUriano Correr da Unto.
Concilio de compras uanaes
O conselho contrata no dia 19 do cor ente nuez,
a vista de proposlas recebidas ale as 11 horas da
inanhaa e sob as condiees do estylo, o-forn;i-
ment de leona d velas' stearinas de 8 em libra
para .-.ompleto do de vveres, dietas e outros ob1-
jectis de -consumo aos navios da armada es'.a-
belecimeolos do mantilla no trimestre de abril a
junhci do crreme ; as velas4)i as ; e no roeamo dia, por igual forma, tambem
.contrata os servicos n barbeiro enfermara de
marintn do dito trimestre, assim como^romov a
compra dos seguiritee objeclos do material da ar-
mada: Haiideirns acioDaesde^i pannos, li car-
rinbos ae inao, 100 a-lqueirc* de cal branca, 120
bracas de corrente de Ierro dci2 potegada refor-
cada, O arrobas de estopa do aigodao, 10 flmu-
las de navio, 10 feche-duras de ferro de broca para
porta, 8 arrollas de erlim, 8 arrobas dWaJhar,
10 libras de obreias francesas, i oculos de alcan-
ce, 1-2 podras do amolar de 3 ps de diame.ro e 6
a 8 polegadas de sroesura e 1,080 lijlos de ogo.
Sala das sesses do conselho de compras na vaos
13 de marco de 1870.
O secretario,
Alexaudre Rodrigues dos Alijos.
ALFAKDKSa.
Seutimemo de da 1 a 16. .
tena Jo dia 17 .
50.1:2ilo6
27:692*731
OAttHBM
aOVIMEKTO DA AWANDEGA
oluaiefl entrados com fazendi3
Ideo idem com generes
.'jiiurv-x. sabidos coi f azendaa
dem idem con gneros
98
i40
-------j:)8
Oescarregam hoje 18 de marco
Ta ca MijlezaJjJ Strerrismercadorias.
i'ataeho n^lcz JurerJaidem.
na ingezaElena P idem,
PW:: uholaBettgnamfeoe.
l 'i iTii'ffiezil/:-'-barficas vasias.
.1:EKD0UIA dk HENDAS LNIEUNA e-
RAESDEPenNAMBUGO. _____>_
ienfflm-oto o dia la.16. :i :*'?;Z
iiftB do dia 17....... 2:odlt
DB -
Paquetes a vapor.
Dos porto do norte esperado
at o da 28 de marco o mol
('"w, commondanle o nitao
tenentc P H. Duarte, o qual
depois da demora do costme
gliira pira os portos do sul.
' Desde j recebem-se passasreiros e engaja-se
;arga que o vapor poder coaattzir, a qual dkrren
ier embtreada uo dia de suachegada. Encommen-
las e dmieiro a rrate al* as 2 horas do dia da sus
sabida.
Nao se recebem como encommendas senao ob
lectosde pequeo valor e qae nao exeedam a daa
arrobas de peso ou 8 palmos-cbicos de medicao
Pudo que pas.?ar destes limites dever ser embar
cader eomo carva.
Previne-se aos Srs. passageiree, que suas pas
sagens s se re'ebem na agencia i ra da Cruz
o. 57 primeiro andar, escriptrio de Antonio Lui2
do Oliveira Azevedo & C.
re, mnito Ira-
i.it'l'ois a'Sci. dtpois do comeroPatodo
bomemFeliz, o queijo, a manteiga bolachi
uhas, beber o cha e oviohi Pignura quer pre-
gar rulot* Ora, D. Honoram, a Sra. desa-
veronhada. E o dinheiro do ontro que a sra. tem
em seu poder, poique nao vai entregar D. Hono-
rata ? Elle esta zangado e uo est para gracas.
Va, ande, D. Honorata,, ra qu nao iclha e
resliliia ao hamem o dinheiro que a senhora co-
meu. A senhora leiiilna-se do qiosjiiz em Una,
Agua Preta e Serinliaem ? Se pao me flzer um
ijradinho >u de-cubro, assim tambem .cont a
historia do 6,10.0 qnebra lo, do craveiro da mioha
Dlha mais eelba da carauna de quarenta mil
PARS.
ORIZA t^ACT
; LEITE ANTErilELll.O
Para.rtfritfdr. 'riiii/urir e .idi'Cer a pelU, faxt4
dinpptrfcr ai ; ; o ris (!!).......
O Prca.
COMA bmsileim
DE
Paquetes a vapor.
r,o:308*Jl9
, CONSULADO HKMNCAJ.
maimato do flia 1 a 18. W***
Mtm do dia 17*...... 4:285*08K
MOVIMENTO DO PORTO.
Navuu airados nn dia 17.
Ierra Nova30dije,'barca iogleisa Constante, de
UH uxkiUdas, cSpitao Thoma?. taedner, 'iui-
pasein f, c^r|jS 50G barricas eoyi liacilhio ;
1 Jnhnst<*o Pater &
**i ti das hiate bra- c. M l>-
i id^.caniaeManoel da Silva,.Loafiilrrj eqai-
ijjrgefn 10, carga sal e owos gerieros; a ? Lei
mesmo dia.
ia PrataE Juizo dos feitos da a-
zenda nacional
De ordem do Sr. Dr. joiz dos fekoe da faieuda
desia provincia faco publico qu em consecuencia
de nao ter anda ebegado as ordens do ihesouro
para se lazetem as despezas com o iransporte dos
-inpregados do juizo, deixarara de ter logar no
da designada nos ediiaes de praca, as arrmala
coe dos bens-do vinculo e Itamb, e s de mais
_ 80 diligencias no* hiesmos mencionados, fienndo, po
rm, Certas os -interessados d que ser ao' ovis.ido*
com a antecedencia neces-aria do dia <|ae for no
vamente marcado para dar-se comeco as ditas di-
ligencias.
Rkif, 16 de marco de 1870,
O scrivao, .
Luis F. B. de Almida. .
t- Pela r-icebedona de rendas internas se fai
pnblibo que. ueste corrente rnr e no'de abril
prqximo futuro, que os d ntnbuint do imposKi
sobre industrias e protissoes teem d paga-11, li
ira de malta, e que mido o rerldo preo sera
cobrado com a mulla de 6 0|0.
Uecebedoria de Perambuco, S de'marico df
1870.
O admiastrador,
Manoel Camciro de Souza Lacrda.
- '' ..........
Pela cootadona da cmara riuriicipal^deeia
eide, se illara aos proprieti rio< de ostabele-
"ciinentos de gorta1 aberta, sujeito ao pagamenU'
dd imjiosio maaicipal, ijue no mee de nrfo pro
ximo Tlhdouro, principia a arrecadacio a bocea
1 Conladoria da amara municipal do Recife,,
'& fevereiro de 1'0.
O onudor,
HvjWlto Caslsiane de 'Vasconcelios A. Maranho.
Vera
V. PALHARES
FriflcezM,
p-RI. 97, Ra Saint-Hoiaor,
CrtAlHl i OJartl^A
DE N!M1N-I'l UWCLO&-
Pura dar ffttcmu mtif,4rH. ,; ui rugar la cara,
tonttrai etiraatienu a l-lkta tt juienlale.
SABAO OIUZA........ r/ama maia excf?iwtnrnt< Mire e d'wi perfume C1UI/. \ .ii-weose. Massa c>onalinirt prrpanda pi'ia os lini'.io- e a Imrbai,
0UA-i :. ;. ..... .. PfWMla forliticuiiM.-e inariti1.u|nru o iktui ii dli.-lli'S i*oi|mli:ode q
(l|;i/A PUM.I 1 ':;;.. 'i el nnn it bu e i>!eo > avta mi b.ise dt.iprna |iar:i os cabellos.
O1lf2UV-0l>.......... Oleo liuissimo |H-ifnmaclu pr.ru lillrar os cabellos empellita de quebrareis.
O'.IIZ til'.U.J.ANTiNfc.. Cr'^tallisaiio com vilela, para dar Tiln aos cabe'lus t i barb.i.
O'^'.'ll.dW'.T.S.... Agua inrnmpara\el de um prrTune -.ave e delicado, para forlifitardo la pelia,
OIUZA-ACIDCLIN.. .' Vinagte do loucador, aiom;. e ano 1.ii.ro
fSSRW.K-OrWZA..... Perfumo ronrrnlrado para (>s Utico* orodiiclo mullo-delicado.
ORR \ t9.......... P-rfon>e do bnm (om p dn illa socieJade paia os lencos.
ORIZA-l'OUtlKllS.... V'ar de aiisni d Cnprillm para a era a luJIezg. da pdle.
OltIZ A-IIKNTlh'MCK.. I'ara akejar'Mdmlcii cis OHIZA-IHCN'iAH '' ... Nova iiissa par alvt-jor os denles sem doslruir o estnalle.
AGL'A TQNICA DE QUINA E POMADA DE BALSAMO DE TANNINO
hw icfKt NlSrUl ii rAr>, firliSnoi! os tiU Ui. i fiij DEPOSITO GEBAL na Caza de
E em Caza de todes Perfumitta$ do Brazil.
II lili IIM|. Milli "- -*** --J

O P E
VE6ETAL AMERICANO
t SAUDADE
BA R TH OtO MEO & C
Dos portos do sel esperadt
at o dia 21 do corrente o vapor
Tocanlins, conunandante J.JA. F
Franco, o qual depois da demo
ra do eostume seguir para os
guiri para os portos do norte.
Desdejreoehem-se passageiros e engaja-se
carga qne o vajior poder condnxir, a qaal deven
ler embarcada no dia de suachegada. Enoommen
las e inheiro a frete at as duas horas do dia d;
sua sabida.
Nao se recebes como encommendas senao ob-
lectos de pefjucno valor e que nao exceam a i
arrobas de peso ou 8 palmos cbicos de medi-
cao
Todo que passar destes limites dever sei
"inbaicado eonso carga.
Previoe-se-aos Srs. passageiros que suas passa
cena s serecbem na agencia ra da Cruz n. 37 ."""',,,:;.'
! andar, escriptrio de Antonio Lnis de Oliveir; g" r, |*u
Azevedo & C
fersos patriticos ledioados memoria dos
Pernamlmcanos moi tos no Paraguay.
Asslgna-se na Llrraria Pranceza
A 25000 RS. 0 EXEMPLaR.
7l'.57l#8i
FrS^^^BM ordem de 3. Exc. o Sr. prwidon-
i puWieo para dinlieclmeiito
i dital ahalso trJweripfto. qnelfoi
iw |)rto Rxmv-Sf.-preeMeejde
do Pal*. .
retara do governo. O Exm. Sr. prndente
r-lo.e
ernaubuco IH e atareo de
SIO.
" Matas pelo vapor.rtiaAi^a da tomftttinia
Pernambucana.
A correspondencia qae tem.de ser eipedid* boje
elo* vapores a ima ineneionadoS( para a Paraby-
a e Rio tirando do Norte, ser rerebida pela ma-
aeira sefuinte :
Jlasses de jornji, impresaot de qualquer natu-
rez arta registrar, at a 1 horas da tarde,
"Mearlas ordinarias at aa :l hora,e estas at 3 1|
pagando porte duplo.


Para Lisboa
0 patacho portuguez Maria capitao P. M.
Crneo, v>i sahir com brevidade e recebe carga
a frete, trata-s.i com os consignatarios E. R. lia-
bello cv C.: roa do Commercio n. 48.__________
Porto por Lisboa.
Com nttlttV'poaea dem'ora dever seguir viagem
a galera prtugnza Lisboa, de primeira marcha.
clas?1fleada em prmeira classe : para alguma
carga que lh> falta, e passageiros, aos qua;s olfe-
rece magnific commdos, tratare com Soares
Primt, rna if Tiyario n. 9. .______________
"Para o or
a barea .|tw: de S, Simo sabir brwineote, por-
que j tem parte da carga engajada : para o resti
e passagons, irata.se pora os consiguatarios Car
valh.&. Nogneira, na rna do Ar-ollo n. 20.
reros 12'iie margo _.
sabbado 26 do mez de fevereiro [rronmo passado
furtaram dste engenho um cavarlo e um burro
.com os signaes seguintes : o cavado ruco sujo,
grande, faca, inteiro, novo, carrrgador baixo, tem
na junta da inao direita de nma
que na pouco sarna, tem outra pelladura
bem visivel as cosas do lado direito marca de
canga Iba. tem ferro no qnarto direito e por falla
de reparo ignora-se a qualolade. O burro de cor
Iprela. pequeo, castrado, manso, de sella e carga,
a cor em roda dos botijos cmzttta : quem os
;ipiin hender ou delles tivereio noticia, tenliam a
bndade d dirigir se ao abaixo a*gn;do pro-
prietano do mesmo engenho que bem recompen-
sar.
Joao Gulhernife de MeHo.
Para o Porto
a fcar^portopeza Noy Silencio seguir con
aDrvidadposivel; para carga e passageiros
triUrse./ s consignatarios Oliv'eira Filhos 6
C, no llfrj do CoTpo Santo n. 19, ou com o ca
pitao na praca do commercio.__________
i "al DS 1t (itl
Navegante ctotjrapor vapwr
Porto d Gallinhas", Rio Formse e Taman
m
Silva seguir para os portos cima no
,dla2de margo, a meia noite. Recepe
carga, imconinieiiq>,st passageiros e dinheiro
frete,. ao, escriptrio
1, ^l35*>rHU.. %, UIUUU.. -
do Forte do "Mallos n. 12:
iiin;.ri-. iq
efana das, cartas regradas iwathBt d std.B.
^itojite.'exirteoles *n- admihistrtt*o do correio
desta cidade f
AnHo4foeicD'de MoTaw (i), Augusto i^er-
tiaido do Igifc Antpnio Pinto B. da Avedo1, Af-
foos^ Caetan* do Valle, Antonio Ignacio do Atan
vedo, Antonio Gomes de Campos Pilico, Alvaro
Ucha VfiK Brasil, Antonio /oaquini Caaipoe,
^a: p Porto ppr isboa
prohpta a maior parte dd sua
wjBAtte raRsevwsalcir"
cellenta commod
ra & C, a ra do
anclar.
^ara o pou-
(ows oflferece
cora Bal
f, primeiro
Relogi e cadeia
O moco que honlem por occasio d-! passar os
voluntarios pela ra do Queimado levou um re-
logi com cadeia que eslava sobre urna commoda,
queia quanto antes leva-lo ao dono, do contrario,
str publicado yeu nome por extenso neste jornal.
Precisa-se de urna ama que saiba eozinhar
e comprar, para casa de pouca familia : a tratar
na ra Direita n. 6MnJa de ferragen-.________
Engenho Queima l is iw l'reguezia de Bar-
iros 12'de marco de 1870. Na madrugada de
r Preeisa se de costureiras para cwsercba-
pos de sol; na nova f.ibnca de Manuel & C. :
rna da Cadeia dn Reciten. 9. t_____________^_
O bacbrel Jo.- Gtrntlalves da Rocha ha re
solvido e>tabPreceT seu escriptrio de advogacia
asia vdla do Cabo, onde.poder ser procirado
m qualquer dia e hora para o exercieio do soa
prifissi''. Encafrega-se nao s de negnos rela-
tiv is ao foro de-ta coimirca e sbns termos, cotno
tambem pertenrfntes *s comarcan e termos da
Escoda, Rio-Porreoso e Agua-Preta, e me?mo de
qualqner ontra comarca que per-tenca so distrito
dest tribunal da rala^Bo.
------------------------------.-i ii
llije pelas dez b.ora da manba desappa-
receu de casa n metpr Florencio, lutellado do
abaixo assignado. Sabio vestido de calca de lirim
pardo, camisa de chita preta e elnpn de palha
amarella usado e tem os sigoaes seguintes : par-
do escuro e cabellos earapinhos e o nariz chato.
E' basunte cotihecldo porque- mullo vadis. Ouein
O vapor, >Cw*r.tgf. ooamandaak- dolle soubsr ou tiver noticia ou tiver Ji..misiadn,
queira- ler a bondad de participar ao abaixo as
signado ra da-CoMfjdia a 56, ou aa alfandega.
Recife, 16 de i.iaple 1870.
BaMto Bapli-ia Fuado.
- Perden-
eoij
i
nfelle
ih os JetWjfjs cfas^rpas : .quera a,liv
'a'fiuizer restituir na raa Nc"Va n. 10,
rc^0- o-________________i -., -
Prewsa-ee aiegir don eaoravo
co de refsnaco de assucar : no pateo
numero 2.
Cara a tara certa das tcwi aotifas e recentes, catarreo! palminar, aslhmi; tais* eonrilsi,
yoiiciii. ?, o cm goral contra todos os soffrmntos das vas rtspirttoritf.
DEPOSITO GERAL
3tOTIC:-^. 13 DROGASIIA
34, BA LARGA DO R0ZAR10, 31
PERNAMBUCO
catarrhw
A therapentica das diversas moloslias Jo peilo,desde
iharjngiie on mal da garganta al a tuberculacAo
palmonar, passaado pelas diversas broocbiles catarrhaes
! o empliyscma ataba de ser enreqnecida com man
'le oiediramealo, que lomar a primeira ordem entra
.odos at hoje eoabecidos. O tarop Vegetal Americano,
(arantiodo paramente receta!, nSo contm em sua
: neposicio um s tomo de opio, e sim sement soc-
eos de plastas indgenas, cojas propriedades benficas
a cura 4a molestias qne peitencero aos orgios de res-
piracao foram por nos observadas por longo tempo,
:om ptimos resaltados cada vez mais crescenies; pelo
Ie eos julgamos autorisados a compor o xarope qae
igora apresentamos, e a oBercce lo aos mdicos e ao
publico, Previmos com os attestados abano o qne le-
vamos dito, e contamos qne o conceito de- qne jt gosa
o tarop Vegetal Americano descera de dia a da,
leiando muito apos de ai todos oa peoraes em voga.
Illa. Sr. Banhaiomeo k C,O tarop Vegetal Ame-
.icano, preparado emana conceitaadissim pbarmacia, -
um ntil remedio para combater i terrivel sstbmi.
Sofra eu aqaolla molestia ba qua-p meaes. sem anda
ter combatido os ataques mensaes qae tinha ; este ullimo
que tire foi fortlssimo que me prostoa por 8 das, osei,
Jorm o sen milagroso jarope, tomando apenas tres
oses, at o presente Dio fui de aovo atacado. Prasa
Uau, que ea Oque raatabelecjdo por urna vec. Rendo-
Ibe, pois os mensagrdecimentos por me ter aliviado t*
lio borrivel mal. Com a mais significativa grali*
subscrevo-me deVmcs. afTecluoso e reconbecido criado.
Sfrerino Dutrle.Sua Casa Id de fevereiro de 1868.
Illms Srs Barlbolomeo ft C. Depois de quasi su -
mezes de softrimento com nma toase iacessanle, fael
eitraordinario, etpectorato de um caiarrno amarella-
do, e perda total das forjas, qne o menor passea
me fatigara completamente, cansado de tomar mais em-
ires remedios sea) resallado liveafelicidadedesaberqrv
Vmcs. prepararan! o tarop Vegetal Americano, con*
elle, emeas a Deas, me echo restebetecido ba mais d
dois meies, e robusto como se nada liresse soffride a
gratido me (orea a esla declaradlo, que poderie Vc
fazer o aso qae qoiterem. Soa com estima de Vmo,.
maitos respeilador e criado. amonio loaqnin if
Cusir o t Silva. Recife 8 de fevereiro de 1RS8.
Atiesto qne asei do tarop Vegetal Americano, ti-
eomposieio dos Srs Barlbolomeo t C. para car* de uv
forie, dufluio qne me Iroaie ami rouqnidAo, que rna aa.
finia edlender, inflammatao e dor na gcrgaiu, toan,
grande falta derespiraco, e liauei coinpleumenti rao-
tabeleeido eem nm s vidro do mesmo xarope; j*h
qae Ibes protesto eterna gnlidao. Recife dt u -
neiro de 1868. itttuim Pernr* Ara(>Jmic -
Eatto raconhecidas.

SOFPRIWENTOSO'ESTOfttiO, ONSTrFAAO.-
Cura em po-jcos dias pelo caavio oe beLloc em p ou em nastitbas.
ENJfAQBECAS; NEVRALGIAS. ms aflecces so
sipadas rpidamente pelas PEROLAS OTTHt Sw'tUMM.
ANEWfA, A PALLIDEZ c o *flHmemos qu necesstam do
empreg-o dos ferruginoso* sac-sempre combatidos como mefhor resultad
pelas pilulas I VALLET. Cada Pilul tem incravaA) o nome Valitt.
PO DE ROG. Bosta dissolver um frasco cTeSte p em mete
garrafa d'agua para se obtr urna limonada agradavel que porga sem ta-
aer clicas.
VINHO DE QUINIUS1 de Lattratpte. Zs'e vinho, um dos
poucos cuja oamposicao garantida constante, 4 orna das mefheraa pre-
Barai.es de tptuuso, sem acco notavel sabr oe convattedeme*, ctafido-
lhes fercas e apressando a volu a saude. Cota as fe! res antigs que re-
sisti ao sulfato de quinino.
'MOLESTIAS DA BEXIGA. A maior parte d'eataa mote.
4WN as sciauaas, leruba#os, catante, e tosas as doras nervosas em
geral sao carada pelas perolas oe essencia K TMe*Ct:TUlA do
Dr. ClerUn. O tswtesstr Trouteiwem ssm Trana di thtrffHic* aosst-
etba arpara seren tomadas na occatias do jantar, oa dse de 4 i 12.
OLEO DE FlGADO DE BACALHAO DE BERTH.-
arentido paro e de pAseM quatiratei, um dos psuew spuwsiw pata
Academia de medicina.
estes medicamento* fratn agravados peto Academia
imperial Je mediana i Parit.
. ,01 11 v
DfiPO&JTO
mmi ra*t*,*. tMUfl. *. ~. *.**
*tM*tt JlB*? Prtimeol *et fr.
TeNmaM.' I
'I


llHVIl


i
rv

I
Procisa-i
do-se escr,
tirado n. &
Sa
inte branca
tas : cof^se
D*wd>>P**^^^
sffnapre r.m r*4ro /WiY*
"TTl
da moito
mani d'oude jabais
adroc de ladraf.
ojniia l iu e e?pero ser
Attenpao.
divcawpo .le apr*udelo e entregaren) na pr.
cajajndeptaatria-l"j dr l'ortci fcltastog

0 Sr. Tamsrlao dcAlbuquerquoNas-
cimijnti, Queira vir u ia.idar a esta [y
pogrtpliia, quo se Ihe pre: sa fallar.
JoTpT!iH sordialmente a todo os siats paren*., amigos e
nais pcssoas que se dignaran) acompanhar ao
ultimo azigo, no eemiterio publico d'esla cidade
os restos morais de sua presada espsHD Caro
lina Ursulina, dos Santos Mello ; c a.todps.conW*
da par assWwem a missa e mfineato ae-tnan-
da celebrar ei sj;rrag, por i^a da AMecnla,
o stimo da, segunda reir .21 do correte pela
7 horas da uianha>, na igrei d.i Ordein Turoeira
de S. Franrireo.________
VERDADERO tE H0YI
dtSIClt*BBT, Bocte-jr-Mderln
ru do apiirvp'^j^ paiu.
O abaifo asignada.jal^a oad>. dav.T a eisoa
alguma : (jueni se julga'- si-u rrJor. aprsente
de tres das. f%ecife 16 de
Lima.
fuafconia iv> playo
amo de 1870.
Josafc.ra IVdn.so d
Joi Mana Adn isa de Lima retirare para Eu-
ropa a tratar .la -ua saude.___________
J )> Piola ue Soufca tendo aiugado no da !*
do correte ao Sr. Quinlilian- Paes Barreto, um
Cava lio miado om os'signaes spguintes": aiasao
amari'll.i ioieiin, toan os ps calcados, frente aber-
ta, sella de burranha bordada, fui alegado para ir
A estrada nova e voltar lio mesato dw : reoom-
monda-sea, aj>pr*ensad,do dito cavallo e levado
ra da Gonr-rieSo.'arnmem tle sal. -
Precisa eaixeir de 13V16 arinos,'
com platica de taatrna .* no pateo do CUrroo nu-
mero 13.________________________
i garrafa, val, entre i rain* e b mpr| tr,\
,e le.ao.nc-., ,,,, nm .titulo lffifrr>i- em a*r
iriiH.,euv,r,,f.I;;
A..- t:,rl-
*- W*mnina I, lira
d 100 faurat iA-
krtPafii.acla.fl
CO (! : (!r i _:a
om nlino,rf>Qi-K
de abniirienl, rda
aaaior dcitiWiU),
SASSA e XAROPE
^COaElNADEQaT..g
.'idos por todos os mdicos contra ov >fi
U.XOS, CATHARHGS, L TODAS AS 1
llAC-OaSDOPETO.
j W.ll OX"ropr de Cvdiina que mrrativ a
^fionra, al.is bem rara mitre > iletUcaim* ni
, nootp, re ser ti/htiadc t um di
io Imperi
TO.
I t
VV ."-;>. Por r.wisa da rerrt'^eusjTfl fl?-|H
fc'.Ri'!li.dof>j3
.. i!v Bcrll? S.mms fo
i tej irw:icnt#S fl
^~\ I
\'\:llj XC /Pt-f-'!
A fortugueza desvalida que !' esbofcliada
em sua casa a ra InTpera!, pee pelo amor de
Dos... jasti(a, ao Dr. promotor, contra seu a gres-
sor, que, olo tare pejo de descarregar a uo eu
unta pobre inulher. >
Aos 5:000^1
"Bilhetes garantidos.
i ra do Crespo n.23 e casas do costume
0 abaixo assignado, temi vendido alera de en-
tras sortes, dousquarlos n. l\~ com .':000i000
da lotera qae *e acabou de exlrahir a beneficio
da mal ra d Caruaru (I3'J*). convida aos pos-
res virem receber na conformidade de
cpslume sera descont alguni.
- Acham-se a venda os felizes bilhetes garan-
tidos da 1" parte da lotera beac-ficio d rnatri?
de S. B( nio(140 ). quo se eUrahir etta-reira
18 do crreme mez, .
Preces.
Dilhete 60DO
Mcio 3000
Quarto 15300
Em porr^ao de IWi lara cima.
llillietu 5^500
Meio 2*7SO
Quarto 375
*' '__________ Manoel M.rtins Fima.
Km S. Jos do Manguinlio sitio, de
JosJJuarte das Neves, precisa-se de um
bolieiro e um criadj de 14 anuos para com-
pras e servio de casa,
A. O Dr. '^staMotta de valla de sua via- f
geni da Europa onde dedicou-se as mo X
feslias de senhoras, a partos e affeceoe? v5
de pello, |We ser procurado em sua casa )ft
ra da Imperatriz n. 9. Da consultas SJ'
das 10 horas ao meio dia, sondo gratis jg5;
para os pobres. &
m
\Lt\2
Ia f FALQ8I
ri8TA ANTIGA E CHEDITATA
FABRICA
i
oai^?a()3
ii cmfiifTiiim le ciiPiift ifiTiiim m
De todas as qualidadea I
D todos os feitios I
Be todas os presos I
i

RA DO CRESPO N* 4
PRODUCTOS de J.-P. LAROZE
MUMUCBUTICO, J, IUE OES IIWS-S*T.PWIL, PARS.
XAROPE DEPURATIVO
DE CASCAS DE LARANJAS AMARGAS
Cama IOBVBETO ale PtTASSI*
0 lodoreu da potasiio nm Terdadeiro alterante, naa deparador de incontesvel effi-
eacia; combinado com o zarops do oatfoas do lairanjaa amargas, a atorado
aem pertnrbaclo alguma pelos temperamentos os mais racos, aem alterar as funeces
do estomago. As doses mathematicas que elle coniem permittem aos mdicos de receltal-o
par todas as complicafb>s as afTecces escrofulosas, tubercoloaaa oanos-
rosai nos acoidentos IntermltUnteB e teroedrea) j alm d'isso,
agente o mais poderoso contra as doencas rbeumatioas.
XAROPE TNICO ANTl-NERVOSQ
da oaOM da lara:ija usar{es.
35 annos de sccesss aitestio a sua effi-
cacia para curar: as doenpat nervosas,
jtguiat. ou rhronicas, o.' gaslriles, gastral-
iat; $ facilitar a digestdo.
.
XAROPE FERRUGINOSO
docascaa da laranju qnassla aaarf*.
E' sob a forma qnida qne mais fcilmen-
te se asimila o ferro; n'esta forma prefe-
rivel as pilolase pastilhas en todos os casos
em que sao prescriptos os ferruginosos.
DENTIFRSCIOS LAROZE
QUINA, PYRET1R0 E CAIACO
COH
Mixit AaaUfBiaio, para a alvura e con-
servacSo fi\ dentes, curando as dores
causadas pera caria ou produzidas pelo
costado do calor ou do trio
Deposito m Rio di Jtneiro, B. cbevoUt; em Penanbuco, r. ataarer e c*; em
rasa* Da; ca Pelotas, Antera) Letraa; em aAia, Da RacUa; em Porto Ugre, Jaa
tM; em aferaaAa Perrelra C"j em Ouro Prie, C- #. V. Weleruai en Santa CalAa-
r, a. Bckatel} em Monteadlo, Q. Imaert em Buena-Afra, Elcbeparrbarda.
V dentifriaio, com base de magnuim
para a alvura a cons^nfacJo dos dentes,
provenindo a descarnadura, provocando o
trtaro de qne eropede a reproducio.

tPj/%

, i in. j .
1! Po'i, <

*


r^
"
f"^^*

^C/,
As Ptalas de Valct, approvadas pe!a
aia imperial de medicina de Par,
s?3 empreadas com o maior -^^
xito para curar a chlorosis,
iiiear as conslituicCes
i tracas. Kunca este ferrugi-
annagrace os dentes. ^^^^
I'ara a garanta da sua authenticidade,
imd do inventor ra gravado era cada
pilula como margem.
i er.' [iirt-JHtiifJ (npvnektlle; Cheilol.
i itaxAsatco, BaireriC-.
O Dr. Lniz Jos frrela' de S conti-
na mi excrciew de tua pn-fi-sao medi-
ca, e resid roa das >,;: i.! a.- (Soledade)
n. 17, onde iicderAser procoraao.
Ja ImpetrntriB a.


NoS coslnmamos procurar alleilados para acreditar
aos>os preparados, dtitaiaos que sua applicaco e os
retultados obtidos pplas pesoasque se dignaramacceita-
loa, |hes deera crdito e oga ; porque sao sempre o
itusiados considerados gratuitos, e dellea que linca
Bo o charlatanismo; mas ni quefeOdooffender as pes-
foasqneespoutaneamenie nosofTereceram.osqueabnio
fjo iranscnpWs, os sremos publicar manifestando-Ibes
asa gratidio pela altelico, aperando qne Tenham
Mes corroborar o conceito, e acceitacSo qae tm mere-
Ga3par Ilute lem a honra de participar
ao resbeilavfel publico que acaba de abrir Md8noa*e "roP9- tia"hobm,tt fc
a nova pad.iri ;ihom.'ia ua casa supra-men-
nonada onde todos os dias desde as 0 hur< s
da mariha se encoqtrar o bem conhecido
e appreciado
PAO FINO ESPECIAL.
Encairega-sj latnbeu. de quaesqu.T en-
comrhendas.
MA
0,50 PISTO
'uniara-
1 r.iln.n!'li'('i (i i :ir;tlisi', :Sl!ima, losv-
. 'luclre.lisrr r.1-nies 0:1 nn-
l, etc.
'' ; i.lodos os Blrimentoa dos vias.
n -;l;r;l,.i-ins) un.iplih' .r.sunvir-
ludecoriltncj espif mo-,econvulces
;prn hn que o desconheon.
nico deposito, me larga rp Rosario.n. 10,
junto no qunrte] de polica, IVrnombuco.
I ootiou adamen le f-i'ri^nptesonlnirinovos
- omunhos daeflicacia (lui^Jc-frosoPcrnam-
iiiico.
PILLAS, VINHO E XAROPE
M JlHDHKBs
PRKi'A-Abt* PFIO PIlAilHAChCTICO
1MQI1M UE AI.MI-IIV4 PINTO
As prtpurrKesde.jiirubebasohojevanta-
. lento conhecidas e prconisadas pelos
s habis mdicos, tanto da Europa como
lo puiz, peia sua eflicncia nqs casos de anemia,
i:hloroz(,hydrGpesa,obstruccao do abdomen,
1 obena nos de ntenstruacao dil'ficil, catharro
un 1 c.
Vondeni-se em por^o e a retalho na cidade
!', phrmacia do seu compositor, ra
;a do Rosario, n. 10, junto ao quartel de
icia.
PIA'IO I'HARMACETICO
XAR0P HE SALSA PARRILHA DO PARA
DLPURATIVODOSARGUE
las nai molestias de Pelle, inpigens, dores
rlu umaticsave ulceraa eaereas.
llt 1 I..IRU1 DO ROSARIO, > 10.
Precna-se de uaia ama rjue saib lavar e co-
zinbar para cas. de ponca familia : paga-se bem:
triar na na do Vivario n. !', 3 andar
Anjospara procissoes
Na ra daroz do Rerif" 11 Ut, continua a ves-
ii -se anj* para procissio cra a elegancia j co-
nbecida das numensas pessoas quo tem mandado
vestir seus filbos : tendo nrnamenlos simples e
bordados na Europa a poder saptisfazer vonla-
de aos concun entes. I'ara qualquer neto de pro-
eissaSo na Boa-vi-ta e eomniodidado das pessoas
daquelle. bairro, a inesina finilia veste na ra da
Conceigao n. 17.
Negro fugilo.
Auzntou se no dia 11 do corrente da pada-
ria da Soledade, do casa de seu senbor um escra-
to erionlo, baixo, corpo regular, tem um signal
num olho, parece urna bellida, pouca barba e es-
sa no queixo, chama-se Honorato, de idade 27
annos, levou calca azul de algodao j parda, ca-
misa do iresmo branca, e um bonet uzado. mes-
tr de maceira : julga-se estar por M em algu-
ma padaria e o abaixo assignado desde j protes-
ta contra quem o tiver acoitadp, assim como gra-
tificar generosamente a quem o trouxer a sen
senhor.
, Manoel Jorge de Sjouza.
Pre*isa-se de tima ama que compre e cozi-
nbe para casa de pouca familia : na ra nova de
SantaRitan.il.
PILULESSESCAUVIN
FWaadM, K, tuolafirl SAlltoyoL Pirli.
Este preeieso nrtatto vegetal Uo eonaodo
como agrida'el e o ri-me.lio mais infallivl pira des-
unir 11 eansllaaceea, as neTralglaa, as mais re-
beldes, assim como a billa e a Tlacoalilade
Elle e effica naa gaatrUIs, obMrnccoea enxa-
aeeaa, atlkau, Orea, ealarraa*. emplgrn*,
aaua e mtuaiaOaoH.
0 merecimento dai iMlulaa caarrtn pode reto
air-se ieUs palana*: aiesiaaaiaeer ou eonaer-
aar a sade.
Bllal ala pasen ntai resKaaroo aa, comida aem
kekida; aBdoaelaaaUedeaaraUva, asase tomar
Um aa* rafaKoes em dote aaraaltra de noiie ao
aanr-a.
PtrnimiuMt HK. BUorer al O.
1TTEST1DM.
Illms. Srs. Barlbolomeo A C. f. com a mais subida
latisfajao que declaro ser oxarupe Americano de ama
etlicacia cilraoril!)->ria, pois que sefliendo ha dias de
intensa toase, a puni de njo poder dormir a noile a
iespeito mismo de nieJii-menlos que lomara, a elle
ecorri e na lercpirn cother fui llivjado. e 'e loilo me
icho boje rcsUibetccido ciim o.uso smenla de qiysi
neip rratea; |rto pois a castJ resallado mam
Vv, Ss. twnjfooniocimciito. le V. >s. amii,o. ve-
aerador r:;(i Viegaa Jnior.
-boa eaaa .. 1 s
1 i imncnm
-:'c li/fjui (.' t-m^t .'. -.
\egetal Americano, de sua cogwosicio, quaado *a>
acbcva basiante doenie de orna ronstipaeio. qne mi
tonoB completamenie ronco e qne trouxe uma forn
losse. e me impossibililou de cumprir os mcui dereie:
de cantor da emprcta lrica, vou agradecer'-lnea m:i
complelo reslabclecimenlo, qne oblive com nm sd vidw
domesmo jarope, depois de haver reconido a muoi
tratamentos. Desejarei qne oulros como en recorran
ao sen larope para se verem ,iliiados de to territe!
incommodo, lio fatal nesie paii, Com nulor conside-
racSo contino a s*r de Vt. Sa. atiento, enerada c
obrigailo. Lnii Cremona. Recife 25 de setembn
de 1868.
Illms Srs Banholomeo *C 0 xarope Vgal Ame-
ricano que, Vv. Ss. tm eiposto a venda e de loda effi-
eacii para o curativo d'asihma, canforme obsertei ap-
p!icando-o a meu (ilho Joaquim. menor de qaar-?
anuas; viclima d'essa flagello, que at entlopor espac
cicedenw a dousjnaosjiavia r-isiidu a ontrosiaroper
de grande nom-.-ada. Oociram pois V. Ss. acceilar i
expressao allimicnie sincera de men re'conhecimeflio at
menlaria sawea que Ibe presiaram. eom o indicad
>ar.->pa, acj-e^iandoma para lerpr de Vv. Ss. criada,
ai lento_n obw.-: h. Amaneo ,%uo de M-niiun. -
CPF'EoSAO SCFFOC&QAO
An Pero! d'i-iier no notiTOB Clkbus !)|uovad.ii Bfla AcaJersia imperial
d i iBgdiqiua Ue Pariz acabnan quasi senpne iiu;tan>a>tc;!>nrv.U' os Htatjwia d'usina,
oppr .:s-,iii. como as dores de cabera' e naquecas. suffi-
rtente Ha atMBta em qjfl a|)procor o na!, o engolir-se uma ou du.i. jerolas
com uma poma d'ogoa. E com certeza o Ttiedicamcr.to mais lacil de toinarpara
e!n genero dcdoeiu;as.
Aa peroiaa ue. n ri.enttiina do dol'tob Ci.ebtan silo impregadas diariamente
com grande xito para a onra das nevralgiaa, flieiiiinilisiiio. scitic/t e arrlios
da bexiga, Fsias j.erol :s loram sempre n comnomdadas por um ^rinde iiuincro
de mdicos e especialmente pelo outor Trousseau, que indica este medica-
mento ceiuo o naais etlicaz. conveniente tomar de 4 at 8 na occasiao -das
comidas.
A approvaco da Academia imperial de medicina- aem di'vida a rnelhor
garanta da boa preparaco d'stes medicamentos e de sua cfficacia.
Pepojto cid R;,)-Jam-.ii;'.. l)np'id'ci -.- Chtrolit Em PmxaiM'co. Honre* t O*.
CARVO DE BELLOC
PARS
Approvado o rocommendado paja Academia tuipeaal de medicina de l"arii para a
cura da gastralgia e em geral de todas as doencas aervosas do estomago e dos intestinos.
K egualraeote o remedio por excellencia contra- a retenco de veutre. Finalmente em
rao de suas propriSdades absorventes, recommendado como verdadeiro remedio nos
aacoc de diarrhea e choterina. o carv&o aviloe tma->e na occasiao das comidas
sob a forma de pos ou de pastilhas.
Dapoiito em Rto-JiBiBO, Duponrhell!; Chcvolnt. Em Piaamatico, Maurer 4 C".
:"i
i,- nn9 f^ritiL djf^nr, distiriya^ r wtre. oleoa
uav^ e-efcli ado, e seo goslo '.'.; -urdinl fresea.
PSaa
aura
.). raal io el
arp.e : 0 ole; df,le *,,/,
av'cknro e'sabH?- "' "^ ap"tt"t* "t^m o' """rieea C^
. 0da% aa pharmaalaa da Franca .* loa aalzca ----g', if 'j
Niaj*tama%. je*e -nm~i,
!> djra&!hos l>jmi*da r.VCCl.DDr. DE MEDICIIU
Oleo &T,le v^lha de II. Rogg tm(h uma tere, parte de^LZ.
araos '
rr**i
A VSRITA3L'. >
Ppa,,.: ; r,,vA'D

CrfAINf- FLECTmrUt
'........'
. r.iO.1^
Oa lardadefai OOLIA&ES BOT1B, os nicos appTorada x-J
a Acadoit de Medicina, tem assim como oa rneo outros proJncU
aUrahido a etipidei dos falsificadores, que para faoiiilar tua <
industria nao sepjad, oem recriad anonadar Tender falso i
com aua* mna En previno aa familias para Intcrcsae de iua tino*
qne, para evitar falsificacftes, de vera exigh-, qne neos Coxxaaur Ux,
tejao vendidos em cafxai de tambas de encalxe e corredias conertai
por t ettiquetaa coai a aainha marta de bbriea e enearaaado ara
prospecto circunstanciado, e selladas por ama anedalha com o lettrar
COLIAR ROYER, Roe St-lirtia. 225. Pira.
VERDABEIRA3
^
PILL&SdeBLANCARD
COM IODURETO DO FERRO INALTflAVEL
APPROVADAS PELA ACADEMIA DE MEDICINA DE PARS, ETC.
Poisuindo as propriedades do lodo et do farro, conven aspecialmeate as Amceots
BSCRoroiosas, a Tsica no principio, a fraqwia de temperamento a tambera nos caso* te
falta de coi, AMKKORRrTEa, em que precisaREAOiRSOBR o SAWGui seja para restituir
ine a suanqueza e abundencia normaes, ou para provocar o regular o seu curso neriodko.
N. B. O iednreto de ferro impv.ro on alterado m medicamento infiel,
Irritante. Como prora de pnrezn a de anthencidade das verdadeiraa M-
talaa da ntaaaard, deve-a* ixifir nosse aella *t> prata reactiva c
nosio arma, aqni reprodnxida, qae aa acha na parla inferior da naa
raala varda^eva-st desaoafiar da falsincacoaa.
**>*** *-* pbaraarelas. >*aratyawfe, nw Jamapajf, 40, ari
Preciosa ublicaco
juriica,
Pariv d6fRuatVTieim, b
CrtABlt MOtCIN
aABEMfF.Blli)A!'ASIiES.-;XgAESf,A*AJpai
COES^ CTJT.". r- RAS. RALTEU VO S 00 SABIUS
aocurasd impindaw
nuMvIzi, Kdhei, ioiiu
i a-.73,aros,*atf
. -Mctoiau do a
ne; virus, i liai-apa*
io siiij.; > .r i )-iial scj mercurio). a>pB>
rallv Teajrlaea SSAN;:OS SaAir!ia*CA
iodii:- cr e,aar... se tparatiru t em regado as i^ejmas molaatiaa.
Eu Xarop CilracU V
trro CUAELK. aa
amediitamenteqnalqi*
purgaban, ralOMaaa.
i dctidade. igaat
sienta, os f-jz! e Jim r; trancas n niulhr*.^
su mjcea! benigna aapragt-ai cam xarata at
Ctfrdffo d ferro.
Xeaiarraidas. Pomada qn as cara ira* aiac
POMADA ANTIMERPETICA
Coatra: aaa ajeccon autanaat $ eomtcaw
?!LULAS VEGETAES DEPURATIVAS
la BT C^ahlc. aada traaaa v*i ac*ait.aAa t
OEPURATIF

AVISO
o eonvalescentes e As pessocs
{rocas t debilitadas
O CjUINIUM UBARRAQUE approvado
pol Academia imperial de medicina ua
Paria o tnico por excellencia.
Depilo
em r.io-jAEir.o, Duponckelte; Cs-hiI.
em Psr>^mdi:co. Manar a ".
Ci.ivaciitcu'iitdo Cdigo Cmmercial 'ortit
(juez c Brasihiro.
VeiJe-afe na loja da ra do Crespo n.
-I-i A esquina da do Qoeimado, a impor-
tante e moderna obra sob o titulo de im-
nliiroi:". bo C'nlitjo rio cimmercin portuguez
icmll vohnues pelo K.\m. Sr. const'lhiirr
ln\ Diogo Pereira l'orjcz de Sap;iio Pi-
li i'.itel, lente catlredraticn na univeisidade
de Coimbra.- Os subidos crditos de que
H^'^n limito mciooidajpeHtp nrincHc cxrmwr
commercialista.por sis bastariam para re-
conimendar tao imporlunte obra, quando
nao coneonesse mr.is para so a grande
vanlagn de ser um ptimo, commentario
ao cdigo cmmercial brasil- 10 (na falta
absoluta que da rio qualqper futro-) pelamo-
xima hbmogeneidade tu entr muas das
suas disposicoes. e as do mencionado cdi-
go portuguez, qne llv; servio de texto.
'. oirci piessuiosos, dispwta moi idade
do 4. anuo da Faculdade d Dirtito dcsta
cidade e nolaveis jurisconsultos, a prover-
vos (lesse poderoso auxiliar^para.vossos
traballios da sciencia, e pelo preco cotnmodo
de20, toda a obra em ( yol.

l'recisa-se de um coch eiro que tenha prati-
ca de taberna : na roa da C adeia-nova n. 7.
Precisase de um caixeiro de 11 a 10 anno?,
aue tenlia alguma pralica de taberna : na traves-
sa da ra do Queim?do n. 3.
Instruc#io primaria parti-
cular.
geral da instruccSo publica de l de fevereiro ul-
timo, apresenta aos senhorespais o mais chefes de
familia a su'aula particular que se acha abertaem
a ra das Cruzes n. H, 1* andar, das !) horas d
manbaa s 2 da tarde.
Materias deensino.
Leitura, arithmetica, escripia, etc.
Costuras de todas as (ualUades: .pono do mar-
ca, bordados diversos (inclusive de ouro), labynn-
tho, e finalmente flores.
Almonas esternas 5S000 mensaes.
Aquelles senhores que residirem distante da ci-
dade, podem, querendo, conliat mosma profos-
sora suas dinas, tuteladas, etc. que serao tratadas
com o maior cuidado, zjlu-a esmero que fur pos-
sivel, tnediajiteprvio ajuste.
>_. ^
Anna'Senhorinba Monteiro Pessa, competente-
mente habilitada, de eonfonnidade cora os despachos .
da presidencia da provincia de 23, e da dim-toria ^ em Portugal para ootn aquella milagro-
.Miltlilue pislrtnoiro lierai'Iu
sob o (inlo de lloiuori > de
lloui aiens tio monte, ca
Braga.
Aelia-ne venda na loja da ra do Cres-
po n. 25' A, esquina da dp Queimado a pri-
morosa Memoria do Bom Jess do Monte em
Braga, ornada lie gravaras linas,, segunde
edifco, obra da penna de ouro do noui Ilus-
trado lente da universidade de Coimbra, o
Exm. Sr. conselbeiro Dr. Diogo ijpereira
Forjaz de Sampaio Pimental. Qupm tiver
notitia da eitraorflinaria devocao que exis-
stssiBia imagom, atuindo sempre para o
seu magestoso templo em romaria o nume-
roso pov.o de todas as partes desse remo;
quem sosber avaliar as brilhantes desenp-
Ces, e o bello estudo daquelle consumma*
do jurisconsulto e eximo litterario portuguez
nao deaarade procurar, quato-arts pro-
ver-s de um exemotar da dita na|oria,
pelo diminuto preco de H> na lojiSahdica-
da, onde hp pequeo numero delta.
Na tuesma loja cima ha ontras *s4ampa.
muito perfeitas e gtaftdes do diloBmAor
Bom Jess de Braga, por preco cimao do
A"-
33 A
IDO
J

esquina
| da roa larga o
Eosario.
Este importairte estabelecimento no sen genero, tem sempre nm sortmeato sem ignalJ esquina _
e irende par presos que nenbuma outra casa pode vender. u -|5|!
"riirta da qialidude e do pre^o daa jdaseada um podw-se-ha convencer da rerdada.. rua lar8'aaofii
Oarante-e ser tndp de li. Compra-se ouro, prata e pedias finas fvtjpie^os muito fie- Eosario.
mees. TI Til ln
luHfu




Diario de Perfiambnco "gesta'Mra 18 de Mar -T"
A ESMERALDA
LOJA DE JOIAS
DB
&c
MB1IM
Este antigo estabelecimento, completa-
mente reformado de novo, est as condi-
toes de servir vantajosaraente os seus fre-
fnezes, visto que acha-se prvido com um
plendido sortimento de obras de ouro e
^rata de lei, assim como brilhantes e ou-
tras pedras preciosas, oujos presos sao os
mais mdicos qne se pode encontrar.
As joias compradas nesta casa recebem-
os em troca on compram-se com pequeo
late. 1
N.5 RA DO CANG.U 5
Em lempos modernos nenhm descubr-'
mento operou maior revolucao no modo de
curar anteriormente em voga do que o
PEITORYL DE INKffiTrA
TANTO KQ TRATAMENTO DA
TOSSE, CROPO,
ASTHMA, TH1SICA,
ROIQL1DO, RESFRIAMIENTOS.
BRONCHITES,
TOSSE CONVULSA,
DORES DE PEITO,- "
E.\PECIL'RAiO DE SA.NGUE.
Como em toda a grande serie de enfermi-
dades da garganta, do frito e dos orgaos
da nK*piRACo, que tanto atormentam e fa-
zemsoffrera hnmnidade. A maneira an-
liga de curar consista geralmente na appli-
cago de vesicatorios, sangrias-.sarjar ou ap-
fortissimos
0 MARAVILHOSO REMEDIO DO
DB. CHAS. DE GRATH.
OLEO ELCTRICO
KINGOF PAIN
o re da dor
paua iso ivruaxo i: i:\t:k\o.
Cura cholera e cholera morbusv
Diarrlica, fltixo do sangue, em nm dia.
Dores de cabera*, e dores do ouvido em
tres mnalo*.
Dor de denles, em un minuto.
Neuvralgia, em cinco minutos.
Deslocac5es, em vinto minutos.
Gargantas indiada?, em dez minutos.
Clica e colvnlses, em cinco minutos.
Rbeumaiismo, cm um da.
Febre e febre intermitente, em um di.t.
Dor as costas e nos lados, era dez mi-
nutos.
Tosscs perigosas o refriados cm um dia.
Plueresia, em um dia.
Surdez e asthma.
Hemorrhoidas e broncliites,
Imflamaco nos rins.
Dyspepsia, erysipelas.
Molestia do figado.
plicar exteriormentc ungentos
compostos de substancias vesicantes, alm
de produzir empolhas; cujos fferentesmo-
dos de curar, nao faziam seuao enfraque-
cer e diminuir as torcas dor;'pobre doente,
contribuindo por esta forma d'uma maneira
mais fcil e certa para a enfermidade a des-
truico inevitavel de sua victima Quem dif-
jerente pejis o effeito admiravel do
l'EITORAL DE ANACAJIUITA I
vm f|i:z de irritar, mortificar e cavzap
inauditos soffrimentos ao doente,
cacha, modifica e suaviza a dor.
aixivia a irritaco
desemvolvf. entendimento,
fortifica o corpo
e faz com que o systema
Desaloje d'uma maneira prompta e rpida
at o ultimo vestigio da enfermidade. Os
melhores votos em medicina da Europa (os
Lentes dos Collegios de Medicina de Berlim)
testiicam serem exactas e verdadeiras estas
relaces analgicas, ou alm dissoja experi-
encia de milhares de pessoas da America
Hespanhola, as quaes foram curadas com
este maravilhoso remedio, sao mais que
suficientes para sustentarem a opiniao do
PEITORAL DE ANACAHU1TA!
Deve-se notar que este remedio se acha
inteiramente izento de venenos, tanto mine-
raes, como vegetaes, em quanto que porm,
alguns d'estes ltimos, e particularmente
aquelles que sao dados sob a forma de Opio
e Acido Hydrocianico, forraam a base da
maior parte dos Xaropes, com os quaes to
fcilmente se engaa a credulidade do pu-
blico. A Composico de Anacahuita Peito-
a acha-se linda e curiosamente engarrafadas
m frascos da medida de cerca de meio
quartilho cada um, e como a dose que se to-
ma s d'uma colher pequea: basta ge-
ralmente a applieacSo d'um ou dous frascos
para a effecluae5o de qualquer cura.
Acha-se venda nos estabelecimentos de
P. Mauw & C, J C Bravo & C. A.
Caors, B. M. Barboza e Bartolorueo & C.
AO ARMAZEM
" DO
lina \ova n. 9,
acaba de chegar petos ulimos vapores novas re-
messas dos seguintei': *j
Calcado francz
Para sennoras.Botinas brancas, pretas, e de-ou-
tras mmtas differentes cores i ultima
moda.
Para meninas.Botinas das raesmas cores e qua-
lidadis acimi.
Para homens.Botinas de cordavo, bezerro, ver-
niz, pellica, o melhor sortimento que se
pode desejar.
Para meninos.Botinas das mesmas qualidades
mencionadas para fcomens.
Para homens.Botas rucianis, meias-botas e per-
neiras. a
Para homens, teoboras e meninos.Sapatos de
tapete, aveludados, charlte, casemira
preta, trancha de Lisboa etc. etc.
Para meninos e meninas. Abotinados fortes de
muitas^qualidades.
Qiiinquilliarias
Finos artigos de Pars, de gosto e phantazia,
como sejam, leqnes. espellios, luvas de Jouvin,
caixinbas de costura com msica;, joias de ouro
bom de lei, ditas de plaqu, cofres de seda e bol-
ombas para braco, estojos para viagens, bengalas,
chicotinhos de baleia, oculos, lunetas, correntes de
roejos, e perfumaras de Gondray e de l'iver.
Brinquedos para crianzas
Garrinhos de 3 e de 4 rodas para passeios, eos-
moramas e realejos de diversos lamanhos, e um
cem numero de brinquedos francezes e allemaes
para entreter meninas.
Para evitar raassante leitura de tantos arligos
venda neste estabelecimento, o dono
entrar de
va-
GUSTAVE
CABELLEIREIRO FRANCEZ
61Rua da Cadeia do Recife51
Chama a attencSo dos seus innmeros freguezes,.e do respeitavel publico e*
para a seguate tabella dos precos de sua casa, os quaes s5o vinte por cent
geral,
mais barato do que em outra qualquer parte:
500000
50(J000
Gabelleiras para senhoras a 250,
300, 350 e. 400000
Ditas para homem a 350, 400 e
Coques a 120, 150, 180, 200,
250, 300 e ......
Crescentes a H0,150,180,200,
250, 300 e .....
Cachos ou crespos a 30, 40, 50,
60, 70, 80, 90 e. .
Tranca de 'cabellojpara annel a
500 e.......
Tranca para braceletes a 100,
150, 200, 5 e......
Cadeias para relogio a 50, 60,
70, 80, 90, 120 e. .
Corte de cabello,.....
Corte de cabello com friccJo. .
320000 C6Ne de cabello com lavagem a
champou......
100000 C<^rte cabello com limpez da
150001
501
501
10001
10000
10001
50*
251
cabeca pela machina elctri-
ca, nica em Pernambuco. .
Frisado ingleza ou franceza.
300000 Barba. ......
flSSIGNATURAS MENSAES
Especialidade de penteados para casamento
Bailes e soires
O dono do estabelecimento previne s I Becommenda-se a superior TINTURA JA
Exmas. Sras. e aos cavalheiros que ha um PONEZA para enegrecer os cabellos e bsr
sal5o para tintura dos cabellos e barba, as-
ba, nica admiltida na Exposic3o Universal
como n3o prejudicial sade, por ser vc
sim como um [empregado smente ocr.upa-.iatji. analysada e approvada pelas acadif
do nesse servico. mas de sciencias de PARS E LONDREf)
exposlos a
pede ao publico em geral que^se digne entrar
nasseio aflm de verincarcm n5o s a grande
passe _
ridade como os preces baratsimos por serem
todos chegados de conta propra.
AMA
Precisase de urna ama para o servico interno
de pequea familia : na rua do Vigario n. S, ter-
ceiro andar._____________________________
Trilhos urbanos do Recife
Olinda.
Continua-se a comprar dormentes de sicupira,
oilicica, amarello e outras uiadeiras de duraran
para o chao, com as dimensoes seguintes : 10 pal-
mos de comprimento e 3 112 polegadas de grossa-
r, de 7 1|2 de largura : para tratar, no telhciro
da rua da Aurora, desde as 6 horas da manhaa s
4 da tarde.
0 superitendenle,
Andr de Abren Porto.
Palpitaco de orac,3o.
Reserve sempre este remedio na sua familia
AS DOENCAS SE APRESE.MWM, QUANDO MENOS SE ESPERAM.
OLEO ELCTRICO O King of Pain (0 Rei da dor) aquieta e positivamente dis
'ipamais de differentes molestias e dores, e allivia mais os sofrimentos e produz um
aiais perfeito equilibrio no systema humano, o que nao se pode cITeituar no mesmo teh
po, com qualquer outro remedio medicinal.
'Este multo popular rem-dio esl agora usando-se geralmente, pela razo que
ilhares de pessoas se tem curado gratis com o dito remedio pelo Dr. Gralh e outros
mais.
Este importante remedio nao se offerece para curar todas as doencas, porem
no somente para aquejas estipuladas as nossas direcces.
Est operando nos principios da cbimica e da eletricidade e por isso, est
pplicavel para o curamento e para a reslauraco da aeco natural dos orgos que so-
ffrem da irregular circularlo dos fluxos dos principaes ervos. Oleo elctrico O Ring
of Pain opera directamente nos absorventes, fazendo desaparecer as inchaces das
glndulas etc. em um tempo incrivel, breve sem perigo do seu uso debaixo de qualquer
circumslancia.
O remedio urna medecina para o uso externo e iRterno, composlo dOs ele-
mentos curativos, raizes, hervas e cascas, taes como se tem usado dos nos'sos antepas-
ados, e das quaes tem grandes existencias no mundo, para curar todas as molestias
rnente ssbendo-se quaes ellas sao.
Foi um grande e especial desejo da faculdade de medicina durante muitos an-
uos de experiencia para aprender os melhores modos que se deviam adopta/ para curar
as seguintes doencas, e que proporees de medicina' se devia usar.
NICO DEPOSITO EM PERNAMBUCO
NA PHARMACIA E DROGARA DE
Bartholomeu & C.
34Rua Larga do Rosarlo34
INSTANTNEOS
Travessa do Corpo Santo n. 25
ARMAZEM
n. 28, loja AtiIonio
Rua Nova
Pedro de Souza Soares.
Randeira, Machado & C, avi*am ao respeitavel
publico que nos lugares cima encontrara no mes-
mo sempre grande qnanlidade de ditos pocos, e
que se acham habilitados para vender por "menos
que outro qualquer, por isso que os recebem di-
rectamente do fabricante Nprton, de Londres.
As vantagens que offerecem os pocos instant-
neos sao : prirneiro, poderem ser rollocados den-
tro de casa on fra, com o trabalhn de urna a duas
horas; segundo, fornecerem os mesmos agua pu-
ra e abnndante, podendo serem removidos.de um
para outro lugar, quando assim convier.
Os annunciantea s rpeeb.rao a importancia dos
referidos pocos depois de collocados, satistazendo
esp^ctativa do comprador.
RUA DAS FLORES25
O dono de6te estabelecimento tinge, limpa e achamalota com a maior
perfeiclo posslvol todo e qualquer objecto de seda, 15a, algodao, em ecas
on era obras, chapeos de feltro, palha e manilha etc., tira mofo das Hien-
das e faz todo o mais concener.te sua profisslo, tudo com brevidade, viste
como se'acha prvido dos rieoessarios macbinismos e petrec.h08i.y
Ottr> SchneitrtV* u
m
VESTIDOS PiETOS
Superiores cortes de gorgur3o de seda preta bordadas, o que ha de melhor e de
iaiorgosto emPeroamboco. |HM
:,)ldrt2Sr 23'
' coUnnas, roa do Credo a. IWltlttmmaimfm viiplwi i m
3oRl'A ERTRETTA DO ROSARIO35
Fornece-se comidas para fora com asseio
e promptido e manda se levar em suas
casas na rua estreila do Rosario n. 3, ca-
sa particular confronte, a C3sa do Darbeiro.
Na mesma cafa faz m se dures para en-
feites de arijos para procisses, sipos de
dores, rosas, capacetes enfeitados, e todas
as dores de panno e papel para ornamen-
to de. grejas e andores indo por barato
preco, joquets para noiyas com fitas bor-
dadas a curo, bandejas de bollos finos c> m
armaco para rasamentos e bailes;.pudins,
p5o de lo enfeitado para presentes e toda
a qualidade de doces de ovos tambem eir-
feitados. vellas ricas para baplisados por
b3rato preco, bouquets de flores de cera
para nfeites de bollos e para offertas.
CASADA FE.
Aos 20:000^000.
Bilhetes do Rio venda : rua do Cabug n. 1
vende Vieira & Rodrigues. ____________
Grande sitio para
alugar.
Alnga-sc um grande sitio na estra-
da do Rosarinho, o qual tem muitos
arvoredos e grande baixa para ca-
pia) ou creacao de gado, podendo
sustentar20 vaccas por ler un grande
brejo no fundo que vai quazi estrada velha de
Beberibe no Ingar Agua-Fra, tendo o sitio uma
grande frente para a nova estrada de Beberibe
fazendo quina na ponte que all existe. A casa o
nova, tem duas sallas e quatro quartos, grande
copia .quarto de creado, cocheira e estribara, lu-
do de pedra e cal e edificada ha pouco tempo.
Quem pretender queira entender-se com o spu
pro|u-eiario o cormnendador Tasso, em sea sitio
na Cruz das Almas at s 9 horas da manhaa e
depots no seu escriptorio na rua do Amorim nu-
ditp 87.
PEDIDO
Pede-se encarecidamente aos Srs. Domingos
Theodoro Rigueira e Aristides Florentino Caval-
canti de Albuquerque (de Sennhaem), que venham
rua do Vigario n. l'i, a negocio que se precisa
ultimar.
Criada.
Precisa se de uma pessoa livre ou escrava para
fazer compras : a tratar a rua do Imperador n.
79, loja. ______
Joaquim Rodrigues lavares de Melb, praca
do Gorpo Santo n. 17, Io andar, vende cal de
Lisboa epotassa ca mais nova, e vinho Bordoaux
de 1" qualidade,
CRIADO
Precisa-se de um criado para casa de homem
solteiro : na rua do Livramento n. 6, loja._____
A pessoa que achou na igreja da Or-
dem 3a de S. Francisco, no domingo ulti-
mo pela marih5a, um leque de marfim, que
rendo restituir pode-o trazer a esta typogra-
phia.qu ser recompensrdo. _____
Fabrieio Gomes Pedrosa tendo dEtetirar-se
para a Europa, declara quedeixa por seus procu-
radores na provincia de Pernambuco aos Srs. Luiz
Antonio Siqueira e Joaqnim Jos Ramns, e na d >
Rio Grande do Norte aKlov Castrciano de Sao.a.
Manoel Modesto Pereira do Lago e Odilmi de Amo-
rim Garcia.
S2>
No armazem da travessa do Corpo Santo n. 2o, ba sempre um corxpko
sortimento de objectos para carros, e que se vendem por precos muito rasoaveis, como
sejam:
Vaquetas de lustros, grandes e muito boas. ,
Solas idem dito.
Oleado preto e de cores.
Colleiras de lustro o que ba de melhor.
Guarniges de fino lato para arreios, completos.
. Lanternas c vellas para as mesmas
Eixos patentes para sebo.
Joaquim Lopes Machado & C.
28Camboa do Carmo28
Das seis e meia horas da tarde as onze da noute.
Nicolao Pungitore tem a honra de annunciar ao respeitavel publico desta ;a-
pital, que diariamente estar aberto a concorrencia publica um grande cosmorama com
variadas vistas e passagens dignas da atiendo de todos por acharem-se entre ellas
as differentes batallias dadas pelas forcas adiadas contra o governo do Paraguay, como
abaixo se ver,
O annuncianle tem empregado todos os seus exforcos para que o respeita-.t,!
publico encontr all um bello passatempo mediante uma pequea exportula, tendo
entretanto direito a um objecto, gratis, de mais ou menos valor.
Todas as vistas sero mudadas doas vezes por semana, sendo as guaras e
sabbados.
Rio de JaneiroVista do Ctele, S. Clemente e Babilonia.
PortugalVista da Villa Real de Traz os Montes.
FrancaVista do pago de Compiei/ia.
l>itaVista da glorioso episodio do Vfagador navio francez.
DitaVista da caga do Cerro.
ItaliaVista do Vesuviu a aples.
DitaVista do combate de Melaso.
ParaguayGlorioso combate des encouragados Rrasileiros.
Dilo Vista do combate naval de Riacliue'o.
28Camboa do Carmo-*=28
DAS S S E MEIA HORAS DA TARDE AS ONZE DA NOUTE.
'i^);:
Cn\TO\l FIRGATIVO E DEPLRAtIVO
DE
CHANBARD.
Composto das plantas as mais odorferas e as
mais virtuosas dos montes os mais elevados, o eh
toni-pur/jittivo dt Chumbar, -possue um gosto sa-
boroso e um aroma suavissmo, e as propriedades
as mais ora veis sobre os embarazos do t>stomago,
dos intestinos e do ligado o desobstruente por
excelhmeia na connipacio do ventre e nao tem
resguirdo neihum.
Depurativo especial e directo da bilis c dos hu-
mores, refresca o sangne depurando o.
O uso do clui-Chzmboud podo ser continuado
pdr moilo tempo sem o menor receio e sem m-
commodo nern mndanc no modo de vi ver.
INICO DEPOSITO EM PERNAMBUCO
kPHARMACIA E DROGABIA
- OB
Bartholomeu dk C. /
34RUA LARCA CO ROSARIO34.
.Tfrflf ipa do Hospicio n 38 piecisa-se alugar
una esenava para o servico do uma casa de pon-
ca famifia.
Banhos salgados
.JSMMgnra.aitth ^oiier aproveitvjn na Boa-
viagem arugasei)or preco mdico uma das me-
*"mnp aun >tfv "lu,tJ fresca, btm situada e
r &iH#Mf. iHjqnaTtos e cozhiha frn.
Cosinhe ro.
Precisa-se de um boro cttfnheiro para casa de
,e>anv'irui
na. ama iie-leite que
-ani6s-a.. 17. segum
Asociedade Maf. Restaurugao Pernambucana
convida a todos os seus irm.\ e igoalmente aos
prenles e amigos do seu prezado inri.-, niajor
Flix Francisco de Souza Magalbes, futuro pre-
sidente eleito da mesma sociedr.de, aflm de assis
tirera a missa do stimo dia de son Mlecimento,
que por sua alma manda celebrar a dita sorieda-
iie na igreja do convento, do Carmo, as 6 1|2 ho-
ras da manhaa do da 19 do corrente mcz.
Farias Jnior, .
__Secr.-. adjnnto.___
Jos da Silva Moraes tendo singado tres ca-
vallos arriados, um melado pequeo, um ru?o
pedrez grande e outro rasianho castrado, a tres
Francezes, no dia sabbado 11 do corrente mez, as
7 horas, com destino a fabrica de cerveia, para
voitarem na mesma noite. declara^ que ate hoje ao
meio dia 1S do corrente ainda nao sao appareci-
def, tendo noticia de terem passado no dia 13 do
corrente cm Po'd'Alho, por isso recommenda as
autoridades policiaes de os apprehenderem aonde
fortn encontrados, eaos senhores particulares se
por acaso es encontrarera farao o favor de os en-
tregar em miaba cocbelra rua da Roda n. CO,
qne serao bem recompensados.
Paulo Gomes de Almeida retira-se para Eu-
ropa a tratar de sua saude, e pede desculpa a al-
gnmas pessoas de sua amizade, que por esqueci-
mento deixasse de despedir-se, lite relevein esta
falta involuntaria, offerecendo-lhes sen limitado
pre>tuno em Lisboa ou em outro qualquer lugar
onde flxar ua residencia. Deixa por seus procu-
radores durante sua ausencia sen socio GamHIo
Celia Fernandes, Seixas e Borges e Gabriel Auto
nio de Castro Quintaos.
Perdeu-se uma puUeira larga, no domingo,
desde o pateo de Pedro II at a rua do Imperador:
pede-se a quem actejLeqtregar na rua do Sebo
n. 5t, gratoicano-J^PW^wafoeR^.
til
A LOJA D)S ARCOS DE ALVARO AUGUSTO*DE ALMEIDA 4C,.. ra di
Crespn. '20 A, alm da gratule variedade de fazendas de phantasia de que sempre se
acha provida, tem actualmente um completo sortimento de fazendas pretas, propra? para
os actos da quaresma, como sej; m :
Ricos cortes de seda preta de superior qualidade.
CorgurSo de seda pretos de diversas qualidades.
"rosdensp'es pretos de diferentes qualidades.
Sedas lavradas.
Basquinas de seda preta de modello inteiramente novos.
Ditas de guipure ricamente enleitadas.
Pelerinas.
Fichs e mantas de fil para a cabera.
Mantilhas braseirss ou mantas de fil para cabeca, de modelo iatrarcente
novo.
Eil de seda branco e preto.
('jipure branco e preto.
(aloes a vi .loriante modello inteiramente novo.
(Capelinas enfeitadas de preto.
Luvas de pellica preta para bamens e senhoras, e outros muitos frgus ^e
bons gestos e qualidades o que ludo se vender por precos rasoaveis
Tambero conlina a ter um grande soi limento de tapetes?, alcatifas e as vtr-
a deiras esteiras da India para forrar salas.
INJECTION BR0U1
rtfeatea lafalUral c PrcMrTaUva, bMiutuxa uaica v- "
' Wttew *>>. (Bi%lr i lii|ii twmim*"**
!. 11*!< Mil. Mi.__________
-Mi'
t
Deseja-se fallar ao Sr. Thomaz Brrelo Lio*
de Barros, empregado em casa do Sr. Theo: 4usl
a neg io de omita urgencia : na roa das Grates
d. 9, J* andar.
MBS
QUINIUM [.ABARRAQUE
APFROVADO PELA ACAOEMIA DE MEDICINA Ot PAR
O Qcicium Labarraque, eminentemente tnico e febrfugo deve aer
preferido todas as outras preparacSes de quina.
Os vinhos de quina ordinariamente empregados na medicina preparam-s
com cascas de ipiina cuja riquea em principios activos extremamente
vaiiavel; parte disso, em raxSo de sen modo depreparacSo, estes vinhos oon-
1em apenas vestigios de principios activos, e em proporces sempre variaveis.
O Qniolnm Labarraquo, approvado pela Academia de medicina, con.
stitue pela contrario um. medicamento de composicao determinada, rica em
principios activos, e come qual os mdicos e os doentes poden sempre contar.
O Quiniam Labarraqu nrescrlpto com grande xito s pessoas fracas,
delibitadas, seja por diversas causas d'esgoUmeato, seje por antigs, moles_
tas; aos adultos fatigados por uma rpida creseenca, is meninas qui tem difff.
culdade em se formar e desenvolver; amulheres depois dos partos; aos velbos
eufraquecidos pda edade ou doenca. '
No case de chlorosis, anemia, odres plidas, este vinho t nm poderes
auxiliar dos ferroginosos. Toniado jento, por exemplo, com as pUulaagj*
Vuur, produx effeitos maravUhosos, pela sua rpida accio.
Deposito em Paria, L FRERE, 19, nte Jacob
lh, Jmmn, BDPOflCJII.Lt; Gl U
tiimn


Diario de PernamJbuco Sexta feira 18 de Marojo de 1870.
5
*
AGOIA NEGRA

H.
W

BENTO MACHADO a C,
A AGUIA NEGRA animada com o bom aecolhimento que teve em seus annua
tos, vem novo participar a seas freguezes que, acaba de receber um variado sorli-
mento de objectos de gosto os qaaes sera"o vendidos por presos muito razoaveis, pois
qaando fez os seas primeiros annucios, foi o que assegurou, e sem mdo de errar,
porque como j disse osla interesses ligada a urna casa importadoradesla fraca, e
por isso poder ter ludo especial e vender por procos admiraveis.Chama pois a atten
fio de seas freguezes para os arttgos possa descrever:
Livros com o tampo de marfira, madre- Um variado sortiments ^de charuleiras e
oerola e tartaruga, proprios para missa. 'palliteiros de porcelana,
Tentos para voltarete.
Bengallas com marflm, cousa especial.
Sabonctes de alcatrao.
Cofres de folhas para dinheiro.
Lindas caixas para costura.
Um completo sortimento de luvas de pe-
lica,
Talagorce parabordar.
Um completo sortimento de enfeites de
Toacas, sapatinhos meias de seda e mais seda para vestido.
aertences para baptisados. Perfumaras de todos os autores os mais
Fitas com mscrtpcBes propnas para bou- acreditados em oxtractos, pomadas e leos
Ricos vasos com p do arroz. possivel mencionar ; mas com a vista se
Um variado sortimente de jarros de por- certificarao do sortimento deste estabele-
'lana. cimento.
Agnia Negra, ra do Cabug n. 8.
TRILilOS
no
URBANOS
Garafinhas vazias proprias para presentes
.'.oasade gosto.
Indispensaveis ie palinha e de couro pro-;
prios para senboras e meninas trazer nos!
irados.
Binculos de raadreperola, marfim e tar-
'ara?a todos esmaltados.
Cintos largos de setim, cousa inteiramen-
Fitas de sarja de todas as cores e largu-
is para tacos.
Recife a Apipucos.
AVISO
De hoje em diante os menores de dous
annos que viajarem no col nada pagarlo,
os maiores de 2 at 10 annos pagarlo me-
lado do preijo marcado as tabellas e os
maiores de 10 annos pagarSo conforme a
tabella, como adultos.
Escriptorio da companhia, 16 de marco
de 1870.
W. Rawlinson,
__________________Gerente.__________
30^000 de gratifica-
pao
Se dar agratiieacao cima a qum entregar
no escriptorio de Alfredo & Barbosa, largo do- tra-
picho da companhia, um relogio de ouro esmalta
do, cravad de pedras, representando em um dos
lados urna figura do mnlher, e do outro urna ave,
o qual foi perdido na ultima noite do carnaval.
Se collegio da Conceicao precisa se de um
homem idoso para porteiro,
Do engenho Maranhlo, freguezia de Ipojuca,
turtaram do dia 3 do corrente 5 cavollos com os
signaea seguintes ;
Un alasao castrado, frente aberta, com os 4
eascos braaeo, e tres ou quatro pos calcados, bo-
"crinas pan o lado direilo, tem ama matadura
veina em cima das cusidlas, novo, anda bera a
passo, bem ardigo a cipo e tem o ferro oo.
Um rnsso pedrez, grande, castrado, idade de
i annos, canda lina, e bota as dinas para o lado
dtreilo. *
Um rudado pequeo, inteiro, meio cacnndo,
com.o esprabaco grosso no lugar de bexiga, bem
curvado e muito sendeiro.
Um castanho sem sigual, branco, tamanho de
meio, corregador e tem duas espadas no peseoco.
Lm alazlo queimado, grande e pesado, castra-
do, de 10 aonos, carregador e lem as orelhas un
pouco abertas.
Quem m'os irouxer tem 100*000.
Joao de Souza Leo.
AMA
Precisa se de urna an a forra ou escrava :
b tra ar na praca do Corpo Santo n. 17, primeiro
Na estrada de Santo Amaro para Belem, si
tion. 8, ha para alugar urna casa com um peque-
no sitio : trata--e com Antonio Alves Barbosa.
8 2
5
o
2.2 5 2 g\2. g
pB O o? a T'
* a> cr e
u w O ?i o 2. <
B = O o
** =2.B3?i
8B9 8 <*
a, u i ai
Bg a-sgpB.
og bsi: i
5- 5-0.5 3 sr
C.ST -g-geol
2>0 g a> o <=> a
SS. Sagt)!
S5g?3B
* 3 a a M 5T
a SJ > -
S 5 p S
- o n 3
w w .
T B 5 p
> s *
_ ? x O.
2. a a -, w
B%-a
Ct co a, C ,
re o. re =>
r- 63 3 -t 3T"
n ai a> ce o
w
p-
o
w
C2
o
C3
I
p,
(O

o
o
g
b
o
.o
Cu
so
Cu
C5>
Fugio no da 27 dedezembro do anno pr-
ximo passado a oecrava Henriqueta, preta, criou-
la, idade de 20 annos, cheia do corpo. altura re-
gular, cabellos c.inipiuhos, testa larga, pdiegros-
sa e espinhenla, beicos gromos, bocea grande,
denles largos e perleitos, olhos e mo grandes
com urna cicatriz an cima de urna dellas, pos cha-
tos, c m marcas do bechiga e chicote pelas ces-
tas, tendo o andar piado, e co nomo para Alaria, a qual esta grvida, esta es-
crava costuma alngar-se como livre, e consta que
est na cidade do Olinda, e protesta-se cont a
quem a tenha eccullado : roga-se as autoridades
policiaes e a qui>m eonvier a captura, que se gra-
tuicar salisfaetimenle em casa de >eu senhor,
ra do Hcnrigno Dias on Estancia n. 20.
0 abaixo a>sinado, arrematante do imposto
da affriejo de pesos e medidas deste municipio do
Recife. faz sciente a todos os cominera; ntes qne
o praso para a afTeriio termina no dia 31 do
coirenli;. Recite 10 d marco de 1870
Feliciano Marques Vianna.
Precisa se de urna cazinheira ou cozinheiro,
preferindo-se escravo, para casa de pouca fami-
lia : a ra Nova n. 21.
CU

>'a ra Veiha n. 17 ba para se alugar urna
ama escrava com bastante pratica de todo servico
de casa de familia, tanto nacional como entran-
geira^__________^
0 CIRIRlilAO DENTISTA
Frederico Maya
Tem a honra de scientiear ao respeita-
vei publico om geral, e aos seus clientes
em particular que elle mudou o seu gabi)
netede consultas da ra Direita n. 12 para
a do Queimado n. 31 primeiro andar, com
a entrada pelo pateo de Pedro II, onde po-
de ser procurado para os misteres de sna
profissao, lodosos dia- uteis das 9 horas
da manha s 3 da tarde.
Tambem previne, que contina a prestar-
se a vontade dos clientes n3o s na cidadt
como nos seus suburbios, para onde as
idas serio precedidas de ajuste. Elle ga-
rante o bom desempenho e a perfeicao de
seus trabalhos, o que j bem conhecido ,
assim como as commodidades dos oreos r ~A D- Rosa Ffancis?a de Souza Coelho, viuva do
--------------------------------------yicyuo finado commerciante j0? Anlon;0 dos San(os Qog.
Em casa de THEODORO GHRISTI |Jho, faz publico e particularmente ao corpo do
INSEN, ra da Cruz n. 18, encontraiM fomn,ercio desta pra?d, que est procedendo pelo
r jmzo de orphaos deste teifno, e cartorio do escri-
v>iBrito,_p inventario dos bens do casal; convi-
da, pois, a-todos os credores do referido casal para
apresentarem seus tirulos e contas, afim de serem
verificados e contemplados, e o devem fazer em
termo breve.
Travessa do Corpo Santo n. 25.
Os acreditados cilindros americanos para padaria, por dous differentes systemas.
Machinas para descarocar algodSo pelos melbores fabricantes de New York.
Machinas de vapor sy*tema de locomova e polias para as mesmas.
Carrinhos amerwanoa para transportar volumes em armazens. Tudo por pre
ios razoaveis.
TRAVESSfl DO CORPO SANTO N. 25
Joaqutm Kopes Hachado efe C.
Nao mais cabellos brancos.
A tintura japoneza par tingia os cabellos
da cabeca e da barba, foi a nica admittida
Expoco Universal, por ter sido reco-
nhecida superior todas as preparacoes at
boje existentes, sem alterar a sade.
Vende-se a 10000 cada frasco na
Ba da Cada n. 51,
1. andar,
SEGUROS
MARTIMOS
CONTRAFOSO.
A Companhia Indemnisadora, estabelecid;
esta praca, toma seguros martimos sobn
avios e seus carregamentos e contra fog(
m edificios, mercadorias e mobilias: i
ra do Vigarion. 4, pavimento ter eo.
Cobranza de alu'gueis.
lia quem se encarregue da cebraoca dos allu-
gueis de predios desta cidade por mdica porcen-
tagem incluindo os servieos de solicitador nos ca-
sos de despejos judiciaes, podem procurar na ra
da Gloria n. 94 das 6 s 9 da manliaa.
de marnore. rna d r Crnzes
o. 11.
0 artiU Gamillo cba-se est.ibelecido na osa
cima, onde pode ser procurado para todos os
misteres de sua proefr
Precisa-se alugar urna casa n:is immedla-
55es de Ponte de Uchoa at Apipucos, prefere-id
casa eom soto on sobrado : qnem tiver e qniwr
alugar, avise na ra da Gadoia do Kecife a. 35,
on annuncie por este Diario pira ser prcurado.
Ciiegou- ao antigo deposito de Henry Forsfcr
tJ^ ra do Imperador, ton carregameno de tx
de primeira quaiidade; o qual se vende em pardo*
e a retalho por menos preco do que em outr quM-
quer parte.
Ama
Na ra do Codorniz n. 8 precisa se ds urna
ama quesaiba coiinhar.
Ama.
Na-ra do Torres n. 16, 2 andar, precisa se de
urna ama qne cozinhe, compre e engnmme para
uma pessoa.
CASA FELIZ
Aos 20:000^000
No arco da Conceico vendeu nos seus felizes
bilheles da lotera n. 312.
4li8 2:000*000
1171 800*000
:916 200*000.
391 100*000
W GAZ CAZ
Vende.se diversos eseravos |.cs, rindo j
Cear e do Piauhv, proprtos pura engenho
sim emo diversos" cabrochas de 12 t 18 an
com habilidades o sem ellas > uui owal de
eratos pardos garanlindnse a conducta : HLI21
na ra da Cruz 11. oJ e *. 3o aiulaf.
Solicitador.
Mi noel Luiz da Veiga solicitador provisioBado,
acceita partido das casas commerciaes, para tudo
que disser respeito ao seu emprego, e isto por
mdico pre^o : pode ser procurado em sua casa
ra da Gloria n. 94, todos os dias das 6 s 9 ho-
ras da manhaa, ou ao mio dia na sala das au-
diencias nos dias uteis. ,
Aluga-ae.
Aluga-se uma eserava para o servido de casa
de pouea familia : na Ponte de IVha 10.
0 abaixo assignado avisa ao publico que tendo
obtido licenca do Exm. Sr. conselheiro inspector
da thesouraria da lazenda geral, para vender es-
tampilhas em seu estabelecimento a rna do Crespo
u. 23. pelos mesmos precos que se vendem na re-
cebedoria geral; assim pois, podem as pessoa?
residentes nesta cidade e fra della dingirem ao
abaixo assignado, suas encommendas em qualquer
quantidade que ser promptain?nte satisfeitas.
Manuel Martins Piuza.
Ama
Na ra da Cadeia do Recifc n. 50, precisa-se
de uma ama para cozinhar e engommar.
PI1ENIX PERNAMBCANA.
Compankia (le Sfgui os martimos e terrestres
Ra do Commercio 11. 34.
Capital Reis l,o00:000*000
SeguraMoveta
Mercadorias.
Navios de vella.
Vapores.
Predio?.
Em vapores at ris 100:000000
Em navios de vella at ris 73:0003000
Em cada predio at reis 100:0004000
Peniambuco. 7 de marco de 1870.
Pela companhia Plieni:." Pernambucana
J. J. Tasso.
F. F. Borges,
J. H. Trindade.
Para a quaresma.
.\a loj do Passo
Os propietarios doste imprtame estabelen'me-
to recebero pelo ultimo vapor francez ricos w*-
tilhSes de gorgurao preto muito bem enfeitaSoS;
inteiramente novidade, sedas c gorguroes pretos.
temos sortimento completo, o nielhor a dese>ai.
Dirijam-se, pois, todas as pessoas que precisara <*
isomprar estes arligos, i ra do Crepo n. I
Scientes de que, cm prec.is nao so deixar t, te-
lar negocio, tato*movado pelo muito sortimento
que temos.
Milho novo chegado
da America.
Vendem se saceos com milho da melhT e....^-
dade, e citim.imente descarregado : no irwwtiy
de farinha do caes 22 de Novemhro, por baixo o
Gabinete l'ortugu.'z.
OUHlVES.
Na ellieiiia de ourives, na ra da Penha
de-se uma taholeta e urnas 200 pecas de obras
miudas de prata, e tambem vendem-se algnns >
ros para trabalho do ourives : a tratar na mest:a
ollkina.
Cantara de Lisboa
Soleiras, hoinbroiras e capiteis, o que ha de
Ihor para freutes de predros: venda no ar
zemda liavessa do Corpo Santa, de Joaqun:
pes Machado & C.
^^rTECAO-
Vendo se a loja de calcado sita a ra Di <
la n. 4o, a qual est bem afreguezada Unto ntra
a praga como pata o matto e s se vende por
sna dona se retirar tiesta praca, quem pre:,. der
djrija-se a rnesma i|iie achara" com quem tiatar
e tem tambem baMantes comtnodoi para nutrir-
rosa familia por botar de ra a ra c por 1 -
muito rasoavel que admira.
Muo novo
Vende-so em saceos grandes, c por meno- fri-
co drf que em outra qualquer parte ; para ver m
trapiche Dantas c para tratar, 3 roa do Api ;
ll
Frecisa-se de uma ama forra ou escrava : no
pateo do Paraizo n. 29. 1 andar, esquina, defron-
te da Igreja.
iflectivarnente todas as qualidades de yinty
Bordeara, Bourgogne e do Rheno.
Agencia cm PernaTobuco
l)o Dr. Ayer
Peitoral de Cereja
Cura% phihysica o todas as molestias do peito.
waisa parrtlha
-iira ulceras e cfiagas antiga-. iinpigens e dar-
tros.
Tonteo
Conserva ; limpa os cabellos.
D*!!as catirticas.
Paramento vegeaes e sem mercurio, cura se-
ze^ cnrain o prieam todo o systeina bumano
Vende-se ffetivament em casa de Samuel P.
Jolmslon & i;., ra da Sanzalla Nova n. 41
Ama
Precisase de uma ama muito boa cozinheira,
para casa de um homem solteiro : na ra do Li-
vramento n. 6. '
Gaixeiro
' 55Sna da Imperatriz55
F. Gautier, proptietario deste importante estabelecimento tem a honra
e participar ao respeitavel publico gue acaba de chejjar da .Europa para on-
de tinha do especialmente para contratar peritos olciaes e que conseguio
coat/ata-los na primeira c^sa de Paris-,' por isto jtilga que todos ficato satis-
feiis dos trabalhos do seu estabelecimento cajo encllente matorial ainda
fot augmentado com novas machinas que ja recebeu e tambem militas drogas
novas com asquaes se obtem estas maravtlhosas cores modernas t5o apreci-
das em Franca e em todo o mundo.
Tinge, lava, limpa, lustra, achamaloa com a maior perfeicao fazendas
em pgase em obras de todas as qualidades como sjm: seda, 13a, algodo,
linhas, chapeos de fitro e de palha etc., etc.
Tira nodoas e limpa seceo sem molhar os tecidos, conservando asim
todo o brilho da fazenda.
Impressoes sobre tecidos
com esto novo systema, os vestidos de seda e outras fazendas que at agora s
jodtam tmgir-se de cores lisas, podem receber om bonito desenho de cor
diversa, a escolha, o que realca a fazenda e Ihe d mais mereciraento.
J mtura preta, terqas e sexlas-feiras
As pessoas das provincias limitrophes que quuerem utilisv-se do 6eu
estabelecHiiento poderao mandar o que tiverem, na certeza de sern lo bom
servidas como no Rw de Janeiro ou na Eriropa, e com mais prestesa por
causa da distancia.
Rite idmirtrel
|Depnrstita nati 1
coDtem rail mer-
carlo iodo ou |
himtoi 'Mtl
JriroroM modift. i
polestiM de pello, taes como* Jepr, ai impigen, u hwpet, *i\
itiaeatt tlt refreac i w o Mapw e ooaMttda o - can eK i diu ct i> mil iiiniaff aiMHf
*** re**. JF*. ^rr?
= Ven ferro de Olinda temlo-se j en'.rado com
1:300-5000. ouem pretender dirjase ao
largo da Ssiedailo a. 2, que achara com
qnem tratar.
Pesia de S. Francisco de Paula
no axang.
Salibado 19 da corrente as 8 horas da noute
ser basteada a Madefra do milagroso S. Fran-
cisio de Pao, dominico, porein, mi a festa, na
lual pregar u Rvm, Sr. padre Lino do M mte
Carmelo Lona ; a torda lia ver baldea ( nao de
nova inven ao tomo eo-t:imam dizer) porcm bo-
nitos, a noite depois do Te Deum queimar-se-ha
um bello fogo de vista, com que terminar a
tettividade, d"ixanlo-se ontretanto.de faier-se es-
las pinturas extraordinarias da festa, para se nao
cahir em falta, nao corresponden lo assim a es-
pertaflva.
ALiA-SE.
l.'ma da hvjafl do sobrado da ra Velha n. 96,
que fiz Quina para o pateo da .S;mta trnz, muito
Kta para qoal^uer negocio : quem a pretender
dirijase a ron a' Sebo n. 20.
Bai*tholomeu & C,
Precisa-se Je um caixeiro de idade de l a
annos coga pratica de taberna : na rna de Santo
Amaro n. 28.
Xa praca da Independencia n. 33 se da di
theiro sobre penhores de ouro, prata e pedras
ireciosaa, seja qual for a quautia ; e na mesina
asa se compra e vende objectos de ouro e prata,
) igualmente se faz toda e qualquer obra de en-
jommenda, e todo e qualquer concert tendeutt
i mesma arte.
AMA
taberna.
Precisa se de
pouca familia.
uma ama
no patoo
ra
casa de
Terco n. 1,
Correspondencia de Portugal
Os Srs. que 'inda devem suas assignaturas de
um, dous, e at 3 annos, nao obstante a deligi'n
cia que se ha feito para receber, queiram mandar
pagar no escriptorio de Tasso. Irmaos & C. al o
lim do mez de Marco, quando ser enviado o
editor,^ da me>ma follia urna lisia dos devedores
que nao o tenham fito at aquella dala.
Precisa-se alugar um escravo de boa con-
ducta para o servico da urna ieja de faiendas: na
rna do Crepo n. 20 A.
150^000
Fugio do engenho Bom-jardiin. freguezia da-Es-
cada; o preto Man' el, idoe 30 auno, ponco mais
ou menos, estatura regular, espigado, canellas li-
nas, ps pequeos, pouca barba, ratita fallante,
lem falta de um pedaco de urna das orelhas do la-
do de cima, anda sempre com o chapeo lombado
para esse lado para encubrir a falta do pedaco da
dita orelha, deve estar acontad i era un lugarcha-
mado Toca da Paca, em contras >la Escada e Boni-
to, era um lugar quasi di-erio, com uma croula
forra, preU, gorda, e nariz chati, com quem o
mesmo preto fugio, deseon ;-se estar no lugar
cima por dita negra ter ah i ni irmao ; roga-se
portanto as autoridades p ,Ueais e aos sniores
capitaes de campo a captura de dito escravo, e o
conduzam ao dito engenho cima, ou a entregar
no Recife aos Srs. Rodrigoes Almeida & C. roa
estreita do Rosario n. 47 ai vollar para o pateo
do Carmo, que ser rccimpen~ado com a quanlia
de 150j.
Francisca Martins de Miranda Mendonca, Fran
cetina Alexsndrina de Mendoca fau;ente), Umbe-
lina Lauriuda de Mendoca, Brasilina Olimpia de
Mendoca, Emilia Anioricana da Mendoca (au-
sente), Anna Marques de Slendvnca, Marcoiina
Lauriuda de Mendoca Vi.inin, FraaKlin Celestino
de Mendoca (ausente), Ernesto Celestino de Mon
doea, Adelino r,-'lcstiii) de \fendonci (ausente),
Rutno Marquesado Miranda, los Pedro Celestino
de Mendoca (tsenle), M.,;-! J s de Castro
Vianna, Virginio Horacio d>: Frailas (ausente),
inulher, lillios, genros f ora do major Jos Pedro
Celestino de llendonea, convidara a todos os seus
prenles e amigo> pira ..-- i as inissas do
selimodia, amanha, pela- 0 >.-. na matriz de
S. Jos ; pel que desde j se coafsam eterna-
mente gratos._______________________________
Cal nova de Lisboa
descarregada hoje do patacho Mara ; e vtrme
Joaquim Jos Ramos, na ra da Cruz n. 8, ft-
n-eiro andar.
VSTL
JA CHEGOU
a nova remesudas muito desejadas ling.-us
seccas, vindas iio Itio (irande que se vende
no rmazcm do Campos a ra do lmp?r-
dor n. 2S, assim como : trancas de eobolaa
a GiO rs. cada uma, no mesmo armasen
vendeni-sc e aloga-se
Sementes
De hortalizas novas e sajii a 120 reis a libra,
no llalisa, ra do Livramenlo n. 38.
a loja do Passo
Os reqnissiraos cortes de Monde de seda con
manta e caoella para casamento, sendo neste ai-
tigo o que se pode desojar do melho'r e mais niv-
derno, tambera rhegaram os cortea do seda de
res novidade, e outras umitas fazrQdaa de gost<
que chogaram pelo ultimo vtpor francez, s j
a loja do Passo a ra do Crespo u. 7 A.
No iios do Apollo armaztm deJoi
Puarte das Noves, vende-se manteiga tV.v--
ceza da melhor marca que costuma vir a
mercado.
Eeuapo.
Vende-se a rednacio da ra
muito proprla pan principlante,
funJos : a tr.it i- ni mem.
; ll. 7.
ter pot
Advorado.
m O bacharel Francif co Augusto da Costa
2 mndou o tea escripbjrio da casa n. 69
f p;.ra o de n. 31 na ra do Imperador,
Bonde ser encontrado das 9 horas da uia- I
_ nhaa as 3 da tarde.
Nesta ursina casa se encontrar uma si
* pessoa que se propde a fazer cbrancas, B
a8** e que se encarrega de questoes no inte- S
rior da provincia.
MMraM-iSlSSlfttttlM
Para Timbauba
Precisa-se de um caixeiro com pratica molti-v
dos e padaria ; assim como do um padeiro que
bem saiba formar : a tratar na ra do Crespo nu-
mero 1.____________________________________
0 Sr. Francisco Pereira de Arrade
Cmara (senbor de engenho) tenha a bon-
dade de dirgir-se o mais breve possivel
ra do Crespo n. 17 negocio.
Massa Miiila
Os scnliM<-3 ere-lores d.1 massa fallida deMaia
c Espirito Santo sao convidados para, em todos os
dias uteis,-de i as 3 horas Ai. tarde, al 19 do
corrente impretrivelmenle apresentar os seus t-
tulos na ra do Trapicho n. I, Io anJar, afim de
serem verificados.
Feliciano .! .s Gomes.
Pedro Mr. Man \.
TlieoJoro Snmii.
V:.v-io, PluuisvX*BOPl e'Tintura
DB "LKS K FEHHCOINOSO;
L.\PUV$TRO DA MB.MA
.FIADOS POR
tfftRTH0L0E0 &. CA
CQS-DllOGUISTAS
pnsytiBio
Im4*tr -.
Dl>ecida
"i wh' o inelhcij
r|ipi'aiia un ^JecimeBto^
-, >tnrrst, tpq{es inl-
.i'.m, liriIrniMiM- erjsi-
uiiuisiras ccruH Bfcnte otnds com nosor
pruar>'os j ixin coobcidoi e asados pelos satis
ja*a]tlt> iridiis do pas a Pnougal. Em todos 01
mMm'tfy'rAim tribaimos gratis folbelos qo
w:\xot seo -ctb^tr JiinM seos-rtsultido
applicific.
Os abixa assignados, menibros da commis
sao encarregada dos fesiejos da recepcao do 83
corpo de voluntarios da patria pelos moradores d i
ra Nova, julgam nada restaren) das despezas*Tc-
lativas .-ios ditos fest'joj; mas se ha alguem que
na i fosse pago, qneira apresentar ihesaconta, que
immediatanionte a satisfar,
Tboniaz Ferreira de Carvalho.
Manoel Moreira deSola.
: Jo Leandro Lopes de Oliveira.
Ama
Precisa-se de uma ama que enpomme porfeita
mente : na rna do Imp rad r n 6o. S andar.
Deseja-se
saber noticias do Sr. Antonio Augusto de Azevedo,
natural d;t cidade de Br3ga, a pedido de sua m,
i da BahiaVira >'^ cid de no an-
no preximo pagado, podendo dirigirse ra
larga dp Rosario a. 3Q. -. s
Cozinheiro
Compra se ou aluga-se um ecravo nu escrava
perita cozinheira : tratar na ra do Crespo n.
8, loja de Andradc & Reg.
COMPRAS.
Compra-se
duas ou tres venezianas em segunda mao.poirm
que estejam perfeits: a tratir na oia da ra Nova
n. -M.
Casa terrea.
Compra-se uma casa terrea
da Madre de Deus n. 10, loja.
tratar na ra
Oompram-se moedas de curo e prata de lo-
tos os valores, onro e prata em obras inntilisadas,
irilhantes e mais pedias preciosas : na loja de
lurive do arco da Conceiv." m -fe.
Compram-se e venden-se diariamente para fra
adentro da provinci?. eseravos de todas as idades,
jores e sBxos, cota tanto que fejafli sadios : no
ereciro andar do sobrado n. 36, a ra das Cruzes,
freguezia de Santo Antonio.
tAira muito maior vanlatjeui compraiu-se
noedas de ouro e prata : na k-ja de joias'do Cc-
-acaode Ouro n. 2 D, ra do Cabug.
0 nmzeo, de joias
Na ma do Cabug n. i compra-se ouro, prata
i podras preciosas por procos mais vantajosos do
jue em outra qualquer parte.
m\ IL
\oji le In -i o u.-l i val -i
lea (lo V ii. 58, loja d .'.".
ii rna da
i.
Ven I' -o milito af i i -.. z v r. .:
plvora. 'filiados, n'in a ra iHqierial c
*3l P-i'1' I <' afiretra d.i Silva Jtrr.i i
a tratar i na i ti ta :,., I|.-. rw a. 31, ar.. -
znm.
Escravo

Vende-se im bnuit) escravo de cor parda,
do muito po=snnte ec un i> a Hcnra, estando tai -
bem a;ostumad i ao servic > do mar : a rr.it;
rna da Imperatriz n. 60, loja do Pavao.
As 51 rodas-
de arcos para pipas: vende-se no trapiche do C
nha a 7 de lo rodas para i ima.
Tul) na
Vende so a arinacji i da taberna do pajeo
iVlia n. 8, propri.1 para qualquer pfialp
por ser de puncos fundos : a tratar na mesma.
Vende-se un mulato ri busto c sadiu (j7~-
annos de idade, sem defeito algum ; a tratar ._
rna do>Hnim n. 8i, 3 andar.
Vende-se duas escrava* coi.i idade de
annos, proprias paia o sei viro do campo, poV s-.
muito possantes o ter sido do matto, t
algHoa conza, I vara o vcnle;n na rna, para
na rna da Paz n. :ti. %
Santos Olivnra te pata
n. 6, machinas para descaro-. r
Compra-se
duas casas .terreas na* ras, ^incordia, Palma,
Caldeireiro, Santa Thercza e Santa Pula : a tratar
na ra estrella do Rosario n. 35, cartorio.
V^DAS.
I1LI
dos I load he- m?,
.V venda na ra do Vigario n. I. primero an
dar.
Antonio d>!
der na rna Nova
algedo de 12. Ii. 16, 18, O, 2."i o 30 >rrras'
memores que rem a este mercado.
Machinas para fazer costara de dilTercnie; qn,
dado?, snde do melhor fabricante.
Bomhis de J.'.p de lodosos tatnanh s.
Bombas ani
lio nlias de oolire.
Chumbo em rapo do todas as grossnr -
Alambiques de dlre.
Vares de a cavi'ln-. ,
Cobre de forro ile navio.
Cobro par: i de todas us quiijj.. U'S
Esningard 1 e 2 cio.-,
evrhei- i I, tiK.nl;
Tonnas de fi rro para purgar aasiifai
Moinhps para relina; o.
Porradoie- para raff.
Machinas para fazer caf.
Folies par; fcrri'iro de superior ;
Safras para ferreiros. _
Tornos para in iros de patente. .
Tarrarhasp i
Bandeiias fiq
l'ornMrasde l,fv p
Ajjo fundido do ledas, aa gressin
folha m ^. ^
YecIsa-sede urna ama para- cozinCttr e Min-
;ra.r para Casa fehmiwm si!te:ro : a tratar na
ra Direita o. 32 A, 'ojade caico!,).
Est
ampilhas.
Vendaje r. n^lar.
'.i
engornmadeims, llinr
has: n; 3" andar da naa da-
~r r
'tiilli
ion el
atvl
qtmt
cfro



JB
fmr\%^ Pp^rVl^11 feiru,18 Je Sl-ry de 1870.
X3A

DO
Case com listras' de seda e flores,. Mon-
da inteiramente nova para vestidos de baile.
Grava tas p< completo sortimnto que se pode desejar.
Guipure preto e branco, diversas largo-
ras e diferentes gostos. i
Gollas e ptmhos bordados para-snhoras.
Guardanapos de linho pequeos e gran-
s.
des
Gorguro de seda preto o de cores.
Grosdenaples preto ede cores, haven-
do diversas qaalidades agostos.
A RA A IOTPERJlTRIZ *
E.scjuii ida.ruada Aurora, em frente do caf Imperatriz.
N'< ata novo c sumptuoso estabelecimento de fazendas encoiitraro as Exmas.
ftttiii.is ludo piautopossnm desojar.laftto emarligos do mais rigoroso loso, como em todas
is i; '-'s de fazendas,
vni prvidos de que de melhor se enoontra neste mercado,
por i rece.'oeni directamente oqne em artigos de moda ie ni mo gosto se cncontra em Paris, o que-vem cadadra augmentar sprpor-
008 pSe este estabelecimento para bem servir sua numerosa freguezin.
Algodw Ureo para lences e toalha* de
4da li.ulos que costuma vir ao mer-
cado.
Alpacas i- lodos o i padres o qoalida-
des i fas que se nao portera-descrever.
Al; Oiuaica para enllocar retratos,
delicaiftf presente para qualquer pessoa de
es'ama.
Aloalhade de linho e algodo, branco e
de cores proprios para toadlas.
Bas juinas de seda pretas e mmto moder-
nas, bem c imo de crochet, tu lo de apurado
gosto e fftttio.
Baloes de muselina, madapolo, brancos
a de cor-s, pira senhora e meninas,
Baregesde cores variado sortimnto.
Babediolros ou tiras bordadas em todas as
Itrgnrae.
botina de todas as edres.
Bateas de tapet para vigem. grande
wiadade de tamanhos e gostos.
oaHia prelade todas as qualidades.
Bramante de linho de 11 palmos de lar-
gara, p. todas es mais qualidades.
Bretannas de linho ealgod5o, grande sor-
tmenlo, v
Brins de linho branco c Oe cores, do mais
con imaiscaro emquaiidade, alfian-
$ando o que ha de melhor na especie.
Brttis d'algodSo completo sortimnto e
variedade de piejos.
CassaS de cores, o maior sorlimento, pri-
ma' bom gos!o e barateza,. alientas
:s qiwlidsdes.
Ca brancas, lapadas, e transparen-
tes d) todas as qualidades e precos.
Camisiiibasde cambraia de linho e cassa
bordadas ricamente enfi-itados para Sras.
Omisas para homens e meninos, tao va-
iaikj orlimentoque vaj do mais ordinario
anlapplo ao raais perfeito bordado de li-
abo e caml)raiai
Camisas 2a mil homem.
preta c ilo cores, o melhor
qne w pode imaginar, sendo d'isso a mo-
mos prova o grande consummo dolas na
afttima da rasa.
irftSi pira noivas e bailes,
GALLO TOILANTE
tinado Crespa*. I
03 oroprietaris fleiW-'be-c(nii(9ei4o.mifcele-
cimentf DstCH a apreelatio resprttaWljnftlMty man-
daran vir e aeabam de recebar p*fe> uHitUo vapor
da Europa um completo e vanado .sortMWo de
:finas'e mui delicadas epeclalldaej, *S quaes es-
to Tesrtvtdos b -tender, como e de aeu tostme,
por precos muito aratinftos e eommados nara to-
dos, om tanto que o Gallo....
Mcto superiores luvas de,pellica> pretas, bran-
cas e de mui linda? eSres.
Mui boas c bonitas foHmha*e pannos par* se-
nhora, neste genero o que ha'do- mais mortero.
Superiores pents de tattarnga para'coques.
Lindos e riqulssmosl nteites para cabecas das
Exmas. senhoras.
Superiores tranca frftaf e de cores com vidri-
Ihos e sem elles; J5ta|*H|a o que pode haver
de ellior e-ais bwito.
Superiore e boaif^j;> kgwes >ae madiraperola,
Grande mmm de fazendas e roupas Mas roa da laperirii
n. 52, porla larga, de P*fedes Porlo.
Keste fistabelecimeuto encontrar o respeitavel publico om bonito sortinanlr
tje TorrotiS'.de ^ottes as qoalldades, palitots de alpaca a 30, 3^500 at H- Dil &
merino, ditos de casemira de cores bonitos gostos a 55, 6, W e"40|j, de panno-prel
sacos e sobrtcasacos. Ditos de brim pardo Bnos e ordinarios. Ditos de alpaca branca
e de cores de ;s59 a 5$000. Calcas de brim de cor finas e ordinarias, dtai
brancas de todas as q'ualidades, ditas de brim pardo Uno e ordinario, ditas fla casemfe
de cor e preta de 4&, 55, 6^ a i55. Colletes de todas as qaalidades e PB2P;J",
barato. Completo 6ortimento de camisas franceza* de algodSo e de linho de IS ***^
urna. Sortioifinto'de sexoulas fraocezas de algodSo,' de linho e bramante a 20 e ^500.
Grvalas (mantas) novissimo goslo a todos os prejos. Meias sortimnto completo a 3#,
4* at 7|$ a duzia.
BOPAS PARA MENINOS.
Encarrega-se de quaesquar obras de encommendav lanto para bomera, WQO
para meninos, e com brevidad, por isso que tem um bonito abrtimanta de fazeid>sOfl
evtdBti
o a. IB.
o de porfomaria'

de perfe
mariim, sndalo e osso, sendo aquellea brincos i todas as cualidades tanto em casemiras como brins, pannnslinoS e outraS man ra-
rom lnrdtiytdesCTihos;. estes prttos,
Mnitc U|>eTJ ahoras, as quass aempre se venderam poi' 30?0oJ
a duxia, entrot^rttB ^rie ns ss verdemos p%r 20',
ahm dfistas. teraoB lamtMM grande-sorliiaento de
ontr.'o qanlidados, entre as qoaee algunas.muito
finas* .
"Boas bengalas de superior canna da India e
castaoitbTnarfitn coni Hmase-encantAderas figu-
ras ddiftesmn, 'neste genero n quc-*in>flhor s
pode desejar ; Jih destas temos tambea grande
Japonezes para senh >ras. o-melhor gos-, nar.tiitade dotw'asqnadades, com 3ejam,ma
T- deira, baleia, osso borracha, etc. etc. etc.
bonttns- e airosos chiet-tinhos de cadeia e
-sendas.
FAZENDAS
palmos de largura a l5800 o metro.

to, efazenda propria para as testas nos. a
rabaldes e passeios a tarde.
Laazinhas de todas as quadadcs, cures
e gustos, nao ficando Mda a desejar, tal
o sortimnto que existe para escomer.
Lencos, tudo quanlo pode haver desde
esguio ao algodo commum.
Leques de madreperola e osso, o mais va-
riado sortimnto.
Ligas d seda, bordadas, para senhojra.
Luvas de Jouvin, chegadas por todosos va-
pores, sempre novo sorlimento, qoer em
pellica para homens e stuliras, quer etn fio
d'Escocia, brancas e de cores.
Madapolo; indescriptivel o grande sor-
timnto que ha neste genero, desde o mais
elevado pre^o ao menor, que se vende em
peca e retalho por menos do que em ou-
tra qualquer parte.
Manas de blonde
gosto dos nossos correspon
habilita-nos a dizer que leaos em nosso
estabelecimento o que de melhor se deso-
ja para vestir e ornar urna noiva.
Mantas prelas de blond.
Mantas para carros, com lindas pinturas.
Marinos pretos, trancados e laofc
Musselina branca e de cores, lindos e va-
riados padres.
Pannos pretos e de oras, acude, o mais
barato ao mais superior, por prece muito
commodo.
Pannos de crochet, par cadeiras e sofs.
Ditas de casemira muilo' finos para
Fin
de oulras qualid;-
Linilas e superiores ligas de seda e borracha
para figurar as meias.
Bflas meias de seda para senhor* e para meni-
nas de" 1 a 13 anne- de idade.
N.ivatlm cabo de marfim e tartaruga para_ fazer
barba : sao multo boas, e do mais a. mais. sao ga-
rantidas pelo fabricante, e ns por nossa vez tam-
bem assegurarn sn.i cfUaJidade e delica-iea.
Linlas e tcfla- eaplSf para ifoiva.
Superipre3 agullias para machina e para croi.
Lintel' mnto boa le pesa, frouxa, para encher
labvrintho.
Bons baralho. de cartas para voltarete, asaro
como os tentos para o mesnio lm.
Grande e vanado sorfinvnto das melhores-per-
fumars e osm9lhiires'eimais coabertdos per-
fumistas.
COLARES DE ROER.
Elctricos, magnticos contra ooavuls!5cs,. e
faWlllam a dctrtfcao das mBdc'entLM crianzas. So-
mos desde mnit recebeoores deses;prodigiosos
coMares, e continuamos a recebe-los pT todos os
Brafnantgsde \
Camb|Ja&^de cor o branca.
Alpacas fl todas as cores a 610 rs. o covado.
Poil-de-chu'e com lista de seda fazenda de gosto a l($200.
Basquines de guipure enfoitadus a 18500O.
Sortimnto de chitas psenras e claras a 280, 300 e 360 rs.
Madapolo fino a 63500, 70, 8? e 90000.
Algodo peca com 20 jardas a 43300, 53500 e 6)5600.
Pee de algodo largo a 750A.
E oulras muitas fazendas que ser enfadonbo mencionar Cbeguem a roupa
feita qoeTse esl liquidando na loja ra da Imperatriz n. 52 unto loja de oorives) do
LERO DA PORTA LARGA
DE
faredes Porto.
--------------
vapores, afim de qne nunca faltinn no'mercado,
para noivas : 0 apurado tomo j tem acontecido, asstm pois poderao aquel-1
irrespondentCS em WtiS les que delles precisarem, vir ao depwtto do galo
nn tenaos em n0iso v*^nte, onde sempre encontraro deales verda-
deiros collares, e os quaes attendendo-se ao fim
para que sao applicados, se tendeo cem um.mui
diminuto lucro.
Rgnn|os,pt>is aritt doiobjeetbs quieixamos;
declarados, aos nrssos freijnpzes e ang< a virena,
coniirar por preo moto ratoavtjis afloja do gallo
vigifcii'e, ra do Ciespo n. 7.
a mai6 eapdida flor de larangeira at mesa-
t mais > gr'rualda.
Cl is no melhor goslo,de todas as
sores h e preferidas polas senhoras de
nais apundo rigor na moda.
Chapi is pretor, de velludo, para senhoras,
aVtim < R(Mi de Paria.
Oh i sol, para- senhots e homens,
df >s pre;os e variados gostos.
Clijly eom rieos nadfCea para Vestidos.
Chalos de todas as vialidades, avultadu
aqnera e dSo monos variedade de gostos,
- Chitas, 5 imoossivel descrever o sorlimen-
to e v-V'i,"de de padroes e novos gostos,
ba neste artigo tudo qtianto se poda desejar.
Gintps p"ra senhoras o que so podeima-
giaar de melhor.
Ccques, o melhor no gosto e nos entei-
tes, vawos tamanhos.
Co!.'w de seda com borlas, o mais apu>
rado g>.".!o c avor.
Dita fiistlo branca
precos & modos.


-Ruado Gueimado5
Alikroskope achroma-
tisehen. ObjetivLin-^^^^^ \D
sen.
e tenjtos
Centigrade
r.
Peitos bordados de linho, lisos e de al-
godo para camisa.
Princetas pretas e de cores.
Popelina do seda"e linho, com listras e
flores; fazenda lindissima.
Peliierinas para senhoras, do ullinio
goslo.
Perfumaras ; os mais finos- extractos o
que de melhor e mais agradr.c! so pode
encontrar nesle genero, e de mais fragante
e suave no olphato, tem o PAVILHO DA
AURORA, desde verdadeira agua Flpri*
da at o mais fino Bouquel ffJimowr, final-
mente tudo quanlo deve oceupar o toaca-
dor de urna senhora de gosto.
Saias bordadas, brancas, lisas e de eres
com folhos e sem elles, o melhor poseivel,
Sabidas de baile, de todas as cores.
A -VEHDADE tend em deposito grand. porqje coal este
quantidade de miudezas e perumarias, e de > v[^foS ordinarios.
sejando apurar ditllieir e adquerir boa fr
guezia est rsselvifli a vender mnitissirai
[.barato, ; por sa raJBo convida ao respei
lavel pnbco a vir c^npetentemente muni
do a sortir-se do bom e'barsto. Foisquao
do a VW&c apparece, tudo aais des
E crystal d rocha do Brasil.
u, recommenda ao publico, seus-vidros periscpicos aperfeicoa
s vidros, a vista descanca, fortica-se e nao a canea como cote
j. Gcrmanu
Sedas pretas, de qtiadros, lavradas,- li*as.
e de cores por de listras de todas as'cores e qaalidades e
o mois barato possivel.
Corpino;:s-de cambraia. ricamente borda-1 Sarselira detdasw cores e qualidades.
dos para serfcoras. ~, Q
Cortil- cambraia bordados e de' Tapetes grandes, lindas pintoras- para-
fil.o qne de memor se pode desejar. 'cadeiras, mais pequeos e de todes os ta-
i .arifibos de hnho bordados je lisos, o manos desejavets, e em peca para- ce-
oaaior sortimnto." vado.
k > Toalhas- de labyrinth,- do maicr e mas
Damasco de la do 9 palmos|de largtir gn0 trabidbo ao mais &nto.
findas cores e ricci -padres.
Espartilbos branos e de cores, para se-
nhoras e meninns, o melhor neste genero ;
aenhuraa Sra. deixar por certo de muir
se de tao precioso auxrHar perfeico de
om corpo delicado. -
Entremeios hordados.-
Becomilha preta.
Enteitas para caheca, ultima moda de
Paris, receida no ultimo paquete.
Esguio do linho, completo sorlimento de
todos os nmeros.
Fitas largas escocesas para cintos, varie-
lade de gostos e lindos padroes,
ri'ihs de crochet, modernos cora cintos
e capas, o que ha de melhor.
. Fil de seda, linho e algodo,
os gostos q padres.
de todos
ToallKH de linho e algod3o de todos es
tamanhosr (i-as e felpudas-.
Tarlataua branca com. palmas e de cores*
asenda muito nova, e gestos delicados pro-
pria para-baile.
Vistuanios- bordados de fiutao brancos e
de, cores para meninos, de cambraia pa
baptizados, o me de mehor tem vind a
este mercado.
Vestidos de la eseoeeza de & saias, -
novidade pelo padrio, gosto e forma; dita*
de linho con barras de cores, e de caa*
braia de cores com 2 saias, tudo inteir*
novidade, trazem os modellos juntos pana
mostrar a forma de o faier.
Veos de blond para noivas e ?retos para
luto.
Vestidos de blond para noivas-: poderaos
asseverar as nossas Exmas. Iresueaas, qje
somos os nicos em Pemambuce>que pode-
apparece-----
Grande sorlimento- de nonecos de cera
raassa as -maia lindas, possiveis vestidas a ca-
rcter.
Abotoadtiras- moderuas pira col-
lelea ..
Espeihos donrados pepneBOS. .
AguSsas de esf o para crox a .
Pentes para regac > com cantas a
Ricos-globos para eandteiro de gaz a
Chamius a ....
Grande sorlimento de bje&s de
lora-para brinqaedo d menino
Garrafa'com trata a.....
Dita com agua florida verdadeira a
Dita com dita dita a .
Frasco eom olee-de babosa a 58 e
Dilo com agua de Colonia a 380 e
Garrafa com age divina a. .
Frasco 6om exiFastos- finos a .
Latsspeqoenas eom banha awle
fina a-iee......
Sabonetes-de drtersas quali iade* a
80,100,240e.....
Finas escovas pana-dentes de0"a
Lindos coques modernos a. .
Pavios para gaz, ritizia a 240 3 .
Eacevas para fasto a 500, 800 e
Ditas para cabelle a.....
Pentes para-tirar prho a 60 e.
Brincos de cores,, bonitos a 4KM> e
Pecas de tranca- de la eom 8
varas per........
Oteo. machina de ceetim,
frasco a.........
Pennas #a?ofiiiae caixas a 800 e
Dita d'a?o Penry, aaa a. ^ .
Galodealgndao'peta .
Lindos babadinhoe e entremeios
peca de 500.a.
om
a vez escolhido um vidrov pode durar dez annos, emqminto
aue'T^oTvTdrolordinarios .se est obrigado a mudados todos ?ad vez mais gromos, o que atiera o crystalino do lho e determina quasi sempre 40-
SsdecaSca O alcance ordinario dadista e perto de 30 centmetros doho,e,
tada^ as veles que o objecto est raais perto ou mais loage, os raios que expelle-sao
mu convergentes ou mu divfentes e fviso nao perfeila. Um grande numero de
de fazer convergir muito de sorte que a visao nao -e distocia.
26
201
32
i^8G
32
iOt !
80
4030
-i9O0(
72(
50
4^50
4*00
46(
32i
0
a#oo
32(
7
SO
24(
20
81
O
4(W0
MiO
iO
do "o crvstalino maito-chato, oqoosnc-ede aos que tem chegado a urna certa idade,
o aueseeharoa presbyta, vem rae.hor de longe que de perto, e nao enxergam senao
um nevoeiro na distancia ordinaria da vista; com um vidro convexo, estes enxergarao
tao distinclamente como na idade -de 15 annos. Servtado-se destes vidros quando b
vista nriiicipia euraquecer, previne-se o mal.
F iGeriiann encarrega-se pela sua experiencia, tendente aos olnos, a e s
colher.'a primeira vista, seja qual for a iade egro de vista, oculos proprios para
qualquer pessoa, *. ^
Para que sao fabricados estes vidros T
Para a vista que nao supporta os raios
Para a vista myope, (vista curta).
Para vista que se cobre de nuvens.
Para a vista que por momentos, v cs-
voacar pequeos pontos negros.
Para a vista que as palpebras tremem
defraqueza. .
Para a vista que os olnos sao desiguaes.
Para a vista que se tuna com o traba-
lho e a leitura.
Para a vista presbyta (vislagalon ).
solares nem grande claridade.
Para a vista operada da catarata.
Pan a-vista que as palpebras esto cer
cadas de sangue.
Para a vista que um dos olnos 6 myop
e o outro preshyto.
Para evitar finalmente qne o crystalino
do olho se cobra d3 catarata.
. Fuslo de todas as cores e qaalidades, -.
rrarietort ment. i mos offerecer ao .Ilustrado publico, o raais
^Flanella branca e de cores. apurada gosto em semelhante materia, gra-
F ores o que ha de mais rico, quer cas ao bom gosto do nosso fornecedor em
sonanuer em ramos, tem oP.VVILHaO Paris, podemos garantir que niDgaem ueste
D\ MTiORA um permanente jardim a genero o possue melhor, nem mas em
disnosico d5 Exmas. familias. conta. r......
E' dispondo d to grande e variado sorlimento que os propnetanos do PA-
VILlAO DA AURORA se apresentam ao publico declarando desde j que. en meru1a-
de'eoirom gostoo movel nico de seus .negocios.
Prvidos de todo e proraptos sempre a prover-se do que por ventera Ihe
eia neeessario, os proprietarios deste samptuoso estabelecimento recommeadam-sc
Jm raeeio de seren contradices e protestara esforcar-se por continuar a merecer
proteco que se Ibes- tem dispensado ; certas de que do seu estabelecimento nao sahira
o freguez gJJJ^"*; re a olTlcina de aifaate dirigida por um dos mais habis artis-
tas, prompto executarcm promptido e bom ^^^.^{JX S? a?
confiado Urna modista especialmente ocenpada nos trabalhos do PAVILHO D ^ AU-
RORA dirige os-que Ihe sao concernentes, garante por seu apurado gosto e promptido
na cxecuoo e a mais completa perfeico nos seus trabalhos.
A numerosa freguezia que nos honra uma prova de que merecemos ocon-
ceitoaue se dispensa ao .nosso estabelecimento, conceito que procuraremos firmar cada
vet mais. Para facilitar ainda a CncecuQo do fim a que nos propomas, temos no nosso
estabetecimeoto os nltimos rigurinos de Paris, qoe recebemos por todos os paquetes os
quaes enviaremos pira sermn vistos as familias nossas fregueaas, afim de escolherem,
com o padro da fazenda o gosto na forma. _
Na officina de alfaiate, junto ao estabelecimento, ha igualmeite os ngnrmos
pan homens que por todos os vapnrfts.se recebem.
KT este o modo porque as apresentaraos pedindo a protejo do ilustrado
pobiieo e com o mais profundo respeilo couvidamos s ejceltantissioas t^as. a visi-
taren) o nosso estabelecimento, certas de encontrarem nelle pelo menor prego possive-
tieqaepo(iemdeeiir.
Mandaremos caixeiros levar as fatendas e amostras onde forem peaiaas, vjstu
tte-oedermos espeflca todo quinto temos.
Jjoo Lmz.j&firtnho C.
Afoerto das 6 s JB horas da npite.
tfA5CK
O
24(
70
tai
M
2W
m
50
28(
Ditos-d lonsa^iKHtefinoa 400 e
Ditos para, catea a 460 e. .
Caixacem papel araizade a. .
Ditas com entetopes a. .
Ditas com obreias a. .
Caixa com agottws fundo dowrado
Ditas de ditas ditas a......
Thcsoura- para costura a 240 e
Caixa com Hnha de manea a .
Linha do cores em novellos (li-
bra)- a........
Cairelis d*linha Alexandredo 70
ate 200. .......
Grapos maito tinos gbb passa-
ros> duzia a.......
Cartaeportuguezas, duzia a .
Ditaf francezas a 2^200 e .
Papel ainaco e de peso, resma a
3#400, 3^500 e -
La raoito lina para bordar, libra
Fita de algodo pata dehrum de
sapatos, peca-a.....
Ditas de iaa para debrnm de ves-
tido, peca a
Pentes finos para segurar ca-
bello a.......
Ditos ditos de bfalo para, alisar
a 240, 320 e......
Ditos para aparar penna a .
Rosetas pretas, para .
Tranca de ia decaracol peca a 40 e
Kita de coz peca a 488 e .
Afflnetes de atab a ....
Sapaio de la paracrianca a 400 e
Gravata de ^edas de cores a .
Caleadeiras a. ,.....
Grande sorlimento de rendas das libas.
Um par de spenforio de borracha pot
100 ris 1 i H I! f
Ha verdaae h roa d inelanad*
a. 6d.
Sortimnto de binculos
para theatro, e oculos de
alcance para o campo e ma-
rraba.
50(
4(K
20
4540
3,J00(
45K
46(
m
32(
SO
40
40
40
50
40
80
20
8f
Lunetas, pince-nez e
face--main, ouro, prata,
tartaruga, bfalo, ac,
etc., etc.
Tem tambern grande sorlimento de relogios para parele, que dao horas e para
cima de mesa dos mais lindos modelo Relogios para a%ibeira, de ouro, prata, prata
dourada efoleada, inglezes, suissos e orisontaes dos melhores e mais afamados fabri-
cantes.
Vendas em grosso e a retalho. Em Pernambuco.
N.21=Rua Nova. 21.
marias, de que effeiitivamente esta proyida
Hoja d#Xrdeiro Inevidente, "la acaba 6'
4.rimenlo|fcn* setonu
fcU obj
tele, toda'iw wwwKihades de prj-
sos; asTi^pie^G*detroProdente ped*
e espesa conthmar a merecer a apreciaei*
do rea^ilavel pebco em gral e oe sc>
:boa'4%MKia era particular.'^iSo se a
tandoee de ana >em enhecida mansid
e barateza. Em dita loja encontraro o*
ipreciaderes do bom:
Agua divina de E. Coudray.
Dita verdadeira de Murrayr-Lamman.
DitatfeCologna inpieza, americana, frtE
oeta, tadiades mtlliarcs e mais acreditado
fabricantes.
Dita de flor d&larangeiraa.
Dita dos Alpes, e vilete para toilet.
Elixir odontalgico para conservacio
isseio da bocea.
Cosmetiques de superior quaiidadeech
ros agradaris.
Copos e latas, maiores e menores, co
pomada fina para cabello.
Frascos com dita japo'neza, transparent>
e outras qualidades.
Finos extractos inglezes, americios
rancezes em frascos simples e enfeitados.
EssenCia imperial do fino e agradarl cha?
o de violeta.
Outras concentradas e de cheiros igual-
mente finas e agradareis.
Oleo philocme verdadeiro.
Extracto d'oleo de superior qualidad*
com escolhidos cheiros, em frascos de diS*
rentes tamanhos.
Sabonetes em barras, maiores e nnore
para mos.
Ditos traneparentosj redondos e em figo
rae de meninos.
Ditos muito finos em caixinoa pana barb*
Caixinhascom bonitos, sabonetes iatand
frac tas.
Ditas de madeira invernisada contecdo *
oas perfumaras, muitQ proprias para pr
entes.
Ditas de papelao igualmente bonitas, tas
bem de perfumaras finas.
Bonitos vasos de metal coloridos, e 4
moldes novos e elegantes, com p de arrw
8 boneca.
Opiata ingleza e franceza para dental.
Pos de camphora e outras diferenW
qualidades tambem para dentes.
Tnico oriental .de Kemp.
A'tada mais coques.
m outro sortimnto de coques de n
vos e bonitos moldes com flela de vidrni
a algnns d'elles ornados de flores e fitas
3sto todos exposlos apreeiacSo de que*
os pretenda comprar.
GOLUKHAS E PNEOS BORDADOS.
Obras de muito gosto e perfeico.
F&veiias e litas para rio toe.
Bello e variado sortimnto de taes obje
tos, ficando a bea escolha ao gosto do eos
prador. ________ ___
IWV POPtHLAK
DA
FABRiri NACIONAL DA BABIA
DE
Textra Uldunco $ C.
Acha-se venda este ptimo rap, nico q*
pdc suppnr falta do princeza de Lisboa, por m
de mui agradavel perfume, viajado, e apreso
mais mdico possivel; e por Isso tem side asw.-
acolhtdo as pracas da B3la, do Rio de Janeiro
em outras do imperio : no escriptorio de Joaquia
Jos Gonalvea Beltiio, ra do Commereio n
mero 17.
iWOIRMAOSaC.
Vendem em seus armazens, no eaes do
n. 7, E>eadmh n. 1 e ra do Amorta o.
seguintes-eeueros:
Ac de Millo.
MIho em saccas grandes.
Farello em saccas de 90 libras.
Chumbo de municao sonido.
Metal amarello para forro de navios.'
Machinas para descarocw algodo de
serras.
Kerosene em latas de 6 galoes.
Champagne do afamado fabricante Krug.
Hormouth.
Vinho do Porlo engarrafado.
Coac do afamado fabricante Gautier Frres.
Fogo da China, cnixinhns, 40 cartas n. 1. Extri.
Genebra ingleza OM ton>
Cimento Romano.
Cimento Hidrulico.
Cimento Portland.
Gesfo para estuques.
Cannos de barro para esgotos.
Gradeamentos de ferro para jardins, calcadas et*
Carros de mo para servicos de armazens.
Garraloes com 5 galoes de vinagre tinto,
dem eom 3 gal8es de vinagre tinto.
Chumbo em barra._________________
Bichas hamburgnezas
Neste novo deposito recebe-se por todos os pa-
quetes translanlicos bichas de quaiidade wperior
o vendem-se em cxs ou porcao mais pequea,
e mais barato do qne em outra qualque parte :
na ra da Cadeia do Rccife n. 51, 1" andtr.
Apoi'iw
37, o
4H
em FUTH PARA \
11Eua do Queimado-11
AUGUSTO PORTO acaba de receber pelo ultimo vapor da Europa, superiores
sedas pretas proprias para os actos da qoaresma sendo :
Gorguro preto de seda o que ba de melhor.
Grosdenaples preto de diversas larguras e qualidades.
Mantas pretas de blond muito lidas para senhoras.
Pannos e casemiras pretas, pannos azues merinos, bombasmas, princetas e alpa-
cas pretas e de cores.
Basqotnes de seda e guipure pretos das mais modernas.
Vestidos de blond com manta e capella para noivas, fronhas de esgufSo e cam-
braia de linho bordadas, colchas de seda, ditas de seda e 13a, cortinados bordados para
camas e janellas, vestidos para baptisados, enxovaes pifa enancas e soperiores saias
bordadas.
Cortes de setim da cores e ditos de seda dos mais modernos.
Poupelinas de seda iinh lisos t com listras gostos elegantes.
Luvas de pelica pretas, de cores e brancas para homem e senhoras.
Malas de cooro de todos os tamanhos para viageas, ~-$-
Camisas bordadas e lisas para homens e meninos.
Grande sortimnto de fawodas proprias psra fabricas de engenho qoe senea-
dem muito barato, confiando ter sempre as afamadas
Esleirs da India pala forrar salas, e tapete de muitas ^aa-
}i4ades.
--4u do Oeiaraoti

Cigarros da imperial
fabrica de S. JoSo
de Nictheroy.
l'nica deposito em Pernambuco caes dar alfac-
dega velha n. 2, Io anda.
Venda de una casa no povoado
dos Montea, em Una.
Vende-so nma casa terrea, sita ra Nova, no
povoadi dos Montes ; de laipa, caberla de-elha.
com a frente de lijolw, tendo esta vfnfe patatos so-
bre 50 de fundo; sondo o solo oreiro a pwSried?-
d Montes : traiar a ra da.Cadeia n. 10.
TRES Dl.S


s

tni I te udiiif<:?<.
Diario de Pernambuco Sexta feira 18 de Mar^o de 1870.
33:
------
^M~
-X
-t~
.'Mi.rrrrc-
-

BARATAS.NALOJAEARMAZEi
DO
Dg
FEIIX I^StEIBA DA SIJLVA.
Ra M Imperafcriz n. 60.
0 propiciara deslo grande e>tabelecim uo, corao Jo costume e venJo qu tinha um grande deposito de fazendas, e juntan-
Jo a essas outras multas que lhe lem chegado este anno. tem resolvido fazer urna LI-
Ql'IDACA.0 por presos icuito mais batatos com o Ora de diminuir a qoantidade e apurar
DIMIEIRO.
0 respeitavel publico cnconlra neste ostabetecimeMo, n5o so um grande sor-
timento do mais apurado gosto e luxo, asim como todas as fazeodas de primeii-a ne-
cessidade, e do todas se do as amostras cora penhor: as pessoas qu negeciam em pe-
quena escalla, nsta casa podem sortir-se de um ludo, vendeudo-se-lhes pelos mesmos
preces das casas inglczas.
Sxplendido sortimeto de
roupas feitas
NA LOJA DO PAVO RA DA
IMPERATMZ N. 60
Acha-se este grande estbelecimento com
jleiamente sonido das melhores roupas,
endo calcas paiitots'e coletes de casimira,
le panno, de brira, de alpaca, a de todas
mais fazendas que os compradores pos-
data idssojar, assira cmo na mesma loja
m am bello sortimento de pannos caserni-
:as, brins, etc. etc. para ss mandar fa?,er
-Qakpiev pera da obra, rom a maiorpromp-
:id3o i vont?de da ireouez, e n3o sendo
Crochs para cadeiras e sofs
O Pa\3o tem um grande sortimento dos
mais bonitos crochs proprios para c'.'idei-
ras sofs, mesas, attnofadas etc etc., assiin
h como proprios para'cobrr presentes, e ven-
de-se mais barato do que era outra qual-
quer parte,
ALGODO ENFESTAO
Vende-se moa grande porreo de algodSo-
sinho americano com 8 palmos do largura
proprio para lences e toalhas tendo liso e
trrncarto que se vende per prero muito em
conta.
f'ano de linlio
Chegou um grande sortirnento de pecas


,A *0 ^MA1D6

*i
4000
6iC
"500 j
,brig?dosaar,e:u-las,anjndo naostejam ^"W^lS^iSS^^X
inbo e ilgodSo e outros ttmftbS artigos
oroprio3 iara horaens e ^enfloras promet-
*nu-se-fhe vender mais barato do que em
.'traqualquer rjarte, Xa ra da Impera-
ira n. 60, loja e armazem (le Flix Pcrei-
a da Silva.
Pechincha a 2^000
Para lences.
Na loja do Pavr.a vende-se superior bramanle
soia AO palmos de largura, dando a largura o com-
orimtento do lencl, sendo apenas preciso para
'ada renco! nm e meio, 011 un e um quarto me-
ros ; al'm desta aplieacao tem oatras muitas
oaxa arrsojos de familias o- vende-se pelo barato
reco de 2000 o metro, Na loja do Pavao, ra
-la IfflperMnz n. GO. DeTeFix Poreira da Silva.
Cingas de Ittsho
Vende-se gangas de nho com qualrinhos
mult boa fazonda, para roupa de homens
meninos e vende-s'pelo barato prero de
^00 rs o covado:
PECHINCHA EM PANVO PRETO A 2:i00.
Olhvao vende superior paniio preto fino,
oara pPitots, calcas, rolletes, ele, pelo ba-
atissimo prego de 2081; covado, gran-
de1 pechincha.
Tttrtfes de easeanfra pra a 1500
0 Pavao vende os superiores cortes de
:aserairas preiss enfestadas, pelo barato
orco de 4:500, pechincha.
-ECHNCHA, ALCOD.VOSINHO A i;00O,
OPavlo est vendei(K> pegas de :algo-
Sbsinho frncez, tendo 4 palmos de largu-
ra com 11 metros cada pega, p>lo barato
:reco de 15000.
Pecas de madapolo a 3:500.
O Pavao vende pegas do muito bom ma-
lapolo tendo 12 jardas cada urna pelo ba-
rato prego de 3:960.
GROSDENAPLFS PRETOS.
Chegou para a loja do Pavo um grande
ortimenlo de grosdenaples pretos, tendo
de 1300 at 53000 o covado neste genero
;s melhors e mais largos que tem vindo ao
mercado, assim como bonitas sedas pretas
avradas, rcoireantiqnesetc, todas estas fa-
endas, vendem-se mais barato do qne em
outra qualquer parle, por ha ver grande
porcSo.
PERCALAS E CHITAS BARATAS.
O Pavo vende um grande sortimento
las mais bonitas chitas claras e escuras, mais
aarato do que em outra qualquer parte.
Cassas a i I.J rs.
Vande-se na loja do Pa\3o bonitas cas-
ias de cores lisas a 240, 280e 300 rs. o
wado.
Caa raas li raneas a i:fl:H) a peca.
S o Pavao vende pe^as de cambraia
branca transparente, tendo mais de vara de
argura, com 10 jardas cada peca, fazenda
que serapre se vendeu a 7StX)0 e 8000,
quid3-se pelo barato preoo de 44000.
. AJpaeas brllhaules a 14, e 00.
O Pavao tem o mais bello sortimento de
Upacas lavradas com as cores mais delica-
das que lera vindo ao mercado e lendo bas-
:aote lafguaa, vendem-se pelo barato preco
le iOOO, e800 rs. o covado.
Boa pinga do Douro
A 30 Flist Pereira da Silva, ru da Imperatriz n
40, acaba de re'eber urna nova remessa do en
iuito acreiliudu wolio puro do Douro, e inuito
proprio para este clima por nao ter roiifecQaft e
Tenae em bartis de 10 a 322.
C palma de ea a UOOrs.
P .a a loja do Pavo chegoi am rico
sortimento das mais bonitas lasinhas com
palmas de seda tendo de todas as cores e
padrees, sendo faz'enda bastante larga e
vnd-se a I 00 o cavado
ki amamvkHko
Verr!e-se um breante sortimento de
':htta claras e escaras por pregos mais ba-
ratos do que era outfa qualquer parte.
Roupa para escravos
Vndese na; loja do PavS, um borflto
*ortime:rt.o de roopa par escravos.'
AS POPELINAS DO PAVO A 500 RS:
Ckegaram as mais limia PMppediflas de
iaeoia iiiag|p das po*ifiJ*nas de sed,
im,fa^nda muito leva eom> as mais lat-
as cores, sendo: verde Bisraark.idxa, aeuj
yrio, c ofisito, pella ele, ete, e veed-se
pela-bi|tMmo pre?o de 906 n..
ALPACAS LAVRADAS
Vende-se as mais bonitas alpacalavradas
iom os mejores gostos a ft40, 800 e 1^000,
o covsdo, alpacas Jsss de *>das as cores a
40 e 720 rs., alpacas branca* Javradas li-
W fl d Wa loja e armazem do Farao

Utas.
PECHICIIA EM CHAPEOS1 DE SOL
Chegou um grande sortimento dos me-
lhores chapeos de sol de seda, Ingleses ten-
do nnste artigo o melhor que tem vindo ao
mercado assim como urna grande porgao de
ditos de alpacas de todas as cores e todos
se vendem por prego muito mais barato do
que em outra qualquer paite, por haver
grande pergao.
Os baldes do Payao a 2000,
Chegfu um grande sortimento de bales
ou crenolinas do fejtio mais moderno muito
proprias para vestidos ennesgados que se
vende pelo baratissimo prego de 2#000 ca-
da um grande pechincha.
CRETONKS MATISADOS PARA VESTIDOS
A 640 E 800 RS.
Para a loja do Pava chegaram os mais
bonitos cretones escuros matisados, pro-
prios para vestidos, roupo chambres;,etc.
que se vendem 800 rs. o covado, assim
como a' mesma fazenda em padroes claros
proprios para vestidos e roupas de meni-
nos a 640 o covado, sendo os padre*s mais
moderaos que tem vinpo ao mercado.
, m i sil covAims di
LASINHAS LUSTROSAS A 400 RS. O CO-
VADO.
S o Pavao
Vende-se um grande sortimento das
mais modernas e elegantes raasinhas para
vestidos, com as cores mais novas que tem
.indo a este mercado, sondo comlistrinhas
miudinhas que pareeem de urna s^r e
:om tanto lustro que miitm perfectamente
is poupeiinas de seda, e vendem-se pelo
barato prego de 400 rs.
Os setins do Pavfto
Vende-se os mais bonitos setins de cores
i mais encorpados proprios para vestidos
sendo de diversas cores.
PAZENDAS PARA LUTO
Na loja do Pavo.
Kocontra o respeitavel publico neste esibeleei-
oento um grande sortimento de fazeoas pretas,
amo sejam, cseas frnncezas e ingtezas, chitas
cretas de todas as qualidades, fazenda de lia de
odas que tem vindo, proprias para luto, come
lejam, laazinhas, alpacas lavradas e lisas, canto,
jombaiinas, merino, etc., que tudo se vende por
ireep barato.
Vladapolo francez a 7$000 rs*
Vende-se pecas de madapolo francez
;om 22 metros pelo baratissimo prego de
'4000 a pega, pechincha.
Ate unidades m sedas
Chegou um grande sortimento das mais
noderaas poupeiinas ou gorgures de seda
i nho com os mais elegantes padroes que
em vindo a este mercado sendo, miudos e
^raudos, tanto em cortes para vestidos como
wra vender em covado, assim cosao um
jonito sortimento das mais bonitas sedas
listradas que se vende tudo muito em conta
CEBA DE CARNAUBA.
Vende-se urna grande porgo de cisca de
aroauba em saceos por prego mais barato
lo que em outra qualquer: na loja, do,
>a\2o ra da Jmperatriz n. 50. De jt elix
freir da Silva.
erl* de co* Vende-se merino ,preto de eordo pro-
pio para calcas, palitos e coUetes, pelo
larahssimo prego de i#000, o.covado,

Quaado a AGLTA BBRNCA, mais precisa sciemlflcarao respeitavel publico em
gera' e em particular a sita boa freguozia, da immensidade de objectos que ullimaraen-
te tem recebido, justamont^quando olla menos o pode fazer e porque cssa falta invo-
luntaria ella confia e espera ua.b&Bevoleocia de todos que Ih'a altende-rto e relevarse-,
continuando portante a dirigirem-se a bem conbecjda kja da AGLTA BRANCA ra do
Queimado n. 8, onde sempre acltro abundancia em ssrtimento de soperiorida'';
qualidades, modicidade era pregos e o seu nunca desraeottido AGRADO E SINCERJUADL
Do que cima Tica dito se couboceque o tempo le que a AGOTA BRANC* pode
dispr, empregado apezar de seu cusios no desempenbo de bem servir a aquelles que a,
honram procurando prover-so em dita loja do que necessilam, entretanto sem ennume-
rar os objectos que por sua natureza sao mais conbecidos ali, ella resumidamente indi-
car aquelles cuja importancia, elcgajpia e novidade os tornam recommendaveis, como
btm seja :
Capellas brancas para meninas.
Grandes sortimento de .flores finas.
Fil de seda, preto.
. PERFUMARA
. Grande c constante sortimento de dit3,
sempre melhor quajidade.
Lindos vasos com p de arroz e piasel,
Caixinhas com ditos aromticos.
Bonitos e modernos pentes dourados
para circular o coque.
Bonitos brincos de plaquee.
Aderegos e brincos de madreperolr.
Caivetes finos para abrir latas.
Thesours para frisar babadinhos.
Aspas para balo.
Novos stereoscopos com 48 vistas, as
quaes sao movidas por um maepinismo
I urnas substituem as outras.
Vistas para stereoscopos.
I Bonitas caixinhas de vidro enftiadS com
pedras.
Ditas de tnadeira envernisada cem vispo-
ras e com dminos,
Bollas de borracha para brinquedo de
Corpinbos de cambraia, primorosamente
enfeitados com fitas fie selim e obras essas
cuja novidade de molde e perfeicSo de ador-
nos ts torncim apreciados*
I- itas mni largas de diversas cores e qua-
lidades para cintos.
Leques uesse objecto muito se poderia
dizer querendo descreve-los minuciosamente
por suas qualidades, efiree e desetihos, lal
o grande e variado sortimento que acaba
de nngir< mas para nao massar o pretn-
deme se lhe aprescular o que poder de
rhelhor.
Entromeios em peca? de 12 tiras.
Goipore branco f preto do diversas qua-
lidades e desenhos.
Dilos de algodSO rom flores e lisos.
Veos de seda para chapelinas e monta-
ra.
i^
4,5000
8;>o00
um
-Me-'as de seda para noivas.
Ditas abertas de Ro de Escossia.
Costumes ou uniformes para meninos.
Enxovaes completos para haptisados.'
Touqninhas de ftl, sapatnhos bordados mangas
e meis para ditos. Diversos objectos de porcelana, proprios
Camisinhas bordadas para ditos. para enfettes de mesa e de la'pinhas.
AM A FESA
Yende-se por menos de 10, 30-e 30 n0
I
N. 23Largo do Ter DE
.1


Os proprietarios deste bem sortido armazem de secco e mlhados estao, re-
solvidos a fazere urna grande juninuiejp.de presosnassuas mercadorias, como se apro-
xima a feata e sempre se fazem lavitadas compras para o .centro e praga, por
isso previnem ao respeitavel publico em geral, que mando fazer suas despengas e cor-
tos de que vero a grande differenga' em pregos mais do que em outra qualquer parte
e garattindo-se as superiores qualidades.
mts EM0
PARA NEGOCIO
POR *RE> MUITO BARATOS
HO BAZAR DA MODA
Eua Nova n. 50
Coques imilafio- io cabello,
guarnecidos de bellos enfeites
a ultima moda, a duzia .
Papel superior do quadrinhos,
em caixas conr20 cadernos a.
Envtlopes porcelana, muito boa
fazenda o milheiros em caixi-
nhas. de 100 .....
Botot^de oso bem pulidos para
caigas, a grosai.
Ditos cobertos de superior s^tim
de todas as tes, a grosa dos
peqwnosa 3^000,e dos gran-
des a.......
Ditos com interessantes photo-
graphios para punhos a duzia
de pares a...... id 00
>itos de osso imitando o mar fim
com lettras a duzia. .
Ditos tizos muito boa fazenda a
duia.......
Aboluaduras para camisa sendo :
2 botos para os punhos, 3
para abertura e i para o col-
larinho branoos, escarlalates,
o pretos a du/.ia ....
Bi neos de cores a balo, cousa
muito duque a duzia de pires.
Lindos frasquinbos empalhados
com bom extracto para lenro
a duzia.......
Dilos em bonitas caixinhas ca-
da frasco a duzia. .
Tinta para marcar roupa, muito
superior cada frasco em sua
ca*iiha a duzia. .
Livrinhos >comr capa de metal
dourado c com bonitas orogoes
para a missa a duzia.
Sabonetes de amendoas arnaa-
gas especialulade do BAZAR
DA MODA, a duzia .
Lapis pretos do soperior (jiiali-
dade, oitavados a grosa 3#e
Escovas linas | ara deutes a du-
zia a I-mIOO e.....
Alfinctes tnuiio bons, brancos e
prelos, a duzia de caixinhas a
Pentes pretos da muito boa qua-
dado s grandes para alisar
a duzia.......
Ditos amarellosfaz'Mida suprior,
para piolbos, a duzia. .
Ditos de-borracha com costes de
metal para repassar, a duzia.
Ditos enfeitados com contas de
cores a> duza W, 5>e. .
Interesssantes esquinos capri-
chosamente escullidos dentro
com um bom e lindo rosario
a duzia-'iO!, tj e .
Grande sortimento de miudesas.
Gratule sorlimento) de quinquhariag.
Grande sortimento deperfumarias.
Pagamemo realisado i.o mesrao mez da
compra cora -descont de i o/0, oa letra
acceita a seis mezes de praso.
Jos Soares de Souza & C.
^**mw
8^000
wm
800o
6>U00
wm
>;)
45O0O
35000
2^800
3 700
1(51700
2M00
amo
M#eqo
escb,v.'os i-usm.
- I'uyio do engenho Camaraiiii ; n-v
Jo Sermliat'tu pertencentes a Ga>pr .M.-miicio
Wanderley os csciyos suguintes :
lo baixo. ioqo, nara chato, diz m>i da Costa por
!er sido o niprailu aauucno, Joo <1;.'< :uk) Je ida-
de trinta e ir.ntis'nfh), pes eM wnfcig mt -
bitadas, eslatura baixa, cor frRa4a pi i b i'q
e esla na pi uta do queixo, Folippf Ida-
do de 1C anuos pim('o,iu:is t.u niei -, bai.\n, p>.
so, sem dt-foo a\gafH, teve bixos e
rrn pouco apparcrej per is.-o pett^leti ai:
dados polioiaes e capit5adi6aip
mesmos e lvalos po iii&w n\fti......u na-
da M.jcda n. .'i. 2" ;uw;r ef ves Ferreira & i,, qpp porjp ral
COGNAC.
GAZ AMERICANO 9.J500 a lata, e 440
rs. a garrafa e 660 rs. o litro.
ViNHO VERDADEIRO F1GUEIRA i 560
a garrafa, e 4o00 a caada e 800 rs o ti-
iro.
DEM DE LISBOA das melhores marcas,
400, 440 e 500 rs. a garrafa, a 20800 e
35200 a caada, 060 e 20 rs. o litro.
DEM BRANCO DE -LISBOA a 4^000.
SEVADINHA E SAG 280 rs. a libra e
620 rs. o kilogrammo.
FARINHA DE ARARUTA VERDADE1RA
640 a libra e 1400 o kilogrammo.
BOLAXINHA L\GLEZA MLTTO NOVA a
400 rs. a libra e.SOOrs. o kilogrammo.
VELLAS DE ESPARMACETE 720 rs. o
masso, em caixa ha abatimento.
PHOSPHOROS DO GAZ E DE SEGU-
De superior quaJidade da mui accrediU
,da fabrica de,.Bisqu|t Duboucb C, en
cognac urna das que mais agurdente d<
cognac, fornoeem para o consummo di
Reino da Inglaterra.
Vende-se em casa de Th. Just. ra d<
commercio n. 32.
a caada e 560 a garrafa, e 840 rs. o litro. BANCA, 280, 400 e 560 rs. o masso,
VINAGRE VERDADEIRO DE LISBOA '3*200 e 6^500 a groza.
200, 240 e 320 rs. a garrafa, 10100, AMEIXAS EM LATAS E CACHINHAb
108OO e 20200 a caada, DE MUITOS TAMANHOS 10280, 20500
AZE1TE DOCE DE LISBOA 900 rs. z 3*500- 4^' yi*500 a lata e a retalho e !^
garrafa, e a 70 a caada, e 10340 o litro. a libra.
MANTEIGA INGLEZA FLOR (0400 e GOMM-i DE M1LHO AMERICANA 400 rs
1*280 a libra, 30060 e 20780 o kilo- masso' e mcaixaba abatimento.
grammo. BATATAS NOVAS DE LISBOA 60 rs.
DITA FRANCEZA 960, 900 o 850 rs. a ,ibra> em caixa faz-se abatimento.
a libra, e 20100, 10980 e 10860 o kilo- SER VEJA INGLEZA MARCA'H 50500
grammo. a duzia e 500 rs. a garrafa.
DITA PARA TEMPERO 560 rs. ali DEM BASS, VERDADEIBA IHLERSA
bra,-10220 o kilogrammo, em porco se BELL, 800 rs. a garrafa e 90 a ftazia.
far abatimento. VINHO' DO PORTO ENGARRAFADO DE
BANHA DE PORCO DE BALTIMOOR DIVERSAS MARCAS 10500, 10200, 10 e
.720 rs. a libra, o 10560 o kilogrammo, em 800 rs. a garrafa.
...... i
1 ii' "<----------------------
Molestias doPEiTC
WfPHOSPHITeS
de DrCHUREHILL
porc5o se far abatimento.
ARROZ DO MARANHO E DA INDIA
120 e rs. a libra, 260 rs. o kilogrammo e
30400 a arroba.
ALPISTA 200 rs. a,libra e 440 rs. o
kilogrammo, e 65000 a arroba.
;.VF EM GRAO U e 605QO a arroba,
200,240 e 260 rs. a libra. 440 e 520 rs. o
kilogrammo em sacc se far abatimento.
SABO MASSA 240 e 200 rs. a libra,
520 e 440 rs. o kilogrammo, ,ew caixa se
faz abatimento.
MASS.AS PARA SOPA, MACARRiO, TA-
LHARIN E ALEXRIA, 560 rs. a Ubraje
10220 o kilogrammo.
BOLACHINHAS EM LATAS DE DIVER-'
,SAS QUALIDADES, bem comoperola bri-
Jhaitfe, combinatlon, Fxancy?ftracynel, mixed'
Britapia. Mdium, F4Qcy-nic,paca, b, c, e
soda a 10000 e 10400, .cada urna lata.
PHflSPHITQdeSQQA,
XAF\OPEdeH5PflPH0SPH!TO-de CAL
PlLVLASd(^PQflHO.SPWTQ'd8.0yiWNd
GH1.0R0SE ANEMIA
^cofs Caudas
XAMPEteWMraoSPHITdeFEM
PH.UL A6 deMVPOPHOSPWTNsMANBAr
GENEBBA DE HOLANDA E IIAMBUR-
GUEZA 70 e 60 a frasquera, e 500 rs. o
DEM DE LARANJA DOCE ARQMATIGV,
110 a frasqueira e 10 o frasco.
QUEIJOS DE DIVERSOS VAPORES,
30000, 28900 e 20400 em caixa ha abati-
mento.
TUCINHO DE LISBOA MUITO ALTO
i 400 rs. a,bbra, e 880 rs, o kilogrammo,
e 110500 a arroba.
LINGUICAS FINAS PROMPTAS EM LA-
TAS 10000 rs. a lato.
LOMBQ DE PORGO ASSADO UPROMP
TO a 10OQOrs. a lata.
CHA FINO. GRAUDO E, MIUDINHO
30200 e 20800 a libra, e ,60100 o kilo-
1 DEM PROPRO PARA NEGOCIO 20000,
20200 o 10800, rs.,a libra.
Assim como ha outros muitps gneros, vinho era ancoretas, azetQoas,.
muito novas, passas e figos novos, charutos..ie diversas marcas, marraelada, feita pelos
melhores conserveiros em Lisboa, gel^a de.mamello,, pcego, eryUhas, em latas, por-'
tuguis e francezas, vioho .^rde engarrafado relamo,, peixe em latas, bem cQmo
pescada, tainfra, pargo, gor^^Jal^. corvina, vezugo, cqnla, sarda e sardmhas de. Pan-'
Ganella, cravo, ervadoe, cominuo, pkneoia, grapesmolbos- de sobolla 05Q0.
BRACO DE OURO,
Ra do Imperador n. 26
Neste novo' estbelecimento enconlra-st
diariamente nm variado sortimento de bo
linhos para cha, pastis, podios, bollos in-
glezes, pies de l, presuntos, ditos tm fiam-
bre, superior cha Hysson, preto, e miudi-
nho. Vinhos tinos de todas as qualidades
conage, licores, consenas, champagne, cor-
veja ingleza, fructas muito boas, por-
tuguezas e franczas.
Um completo e variado sortimento de
caixinhas de todas os gostos e precos pan
mimosear senhoras, estas caixinhas recen-
temenle chegadas de Paris s3o de primora-
do gosto, ofi'eresse-rao-las aosgalanteadoief
do bello sexo pois nellas acbarSo nm dignt
e ^erio presente para as donas dos sem
Acabara do chegar ao (ih. JAS
UNIVERSAL, ra.Nova 11, .to
vhn.na--um completo surM, o,a-
cbinas pata costura, dos. autM m; co-
nhecides, as quaes estao em i'xposK'^v) io
aesmo Bazar, gar^^ndo-se .. .,11-'
Iidade, e l a todos os cemprdores, \. v. uvas
sao iguaes no seu trafcalho ao de 3 reirs diariamente,u a sua perfeito 6.tal
como da melhor cnsluieia de Taris. Apre-
sentam-se trabalhes cxccittadtjs [>elas nifis-
mas, que muito dtvem ag/aiar ao.^ ,-reien-
dentes.
r
5
Fugiu da eng/ihu boa vit,i, 1 i ;. j
(uiiaragil.'t', provincia i.^ Al^gnas. net&itti Ni-
colao, de ida :e 31 anuos, altura wfolar, gi'
dta eorpo, andar banzeira teiM'.!1;.
frente, rostn largo, bnrbso, coslunia as vejes fa-
ifa toda a barlia, lem una cintra na u
ps grossos ; este escravo anda fugidn desos o di
16 (k j.iiiewj jl riyyt n'.o agn 1 : r
s anl'iriitadff pnlirilp* o ao^ ..i(-in>< r?.
appri'licnsao A sse cst vuvu, ^tiitre^ar no
oho cima mencionado, ou s&t \mqn ir.
Tigario n. l, ou iravessn do Corpo Santo n. SS,
lc anclar. itie s> praticii:. i$BK
Engento Para'
De^I( engenhu Para, fcesuMa de l|i 1
110 dia 21 do c rrante un/ o
crenlo, d" dade de 20 auno, 1 -a Ouura, wi
barba, cabera redonda, denles limados, M cria de
Luiz Antonio Montetro, da fazenda d-.i Bica# fre-
gueziu da Pedra, f-i venjido ao 8r. HaiMrl Ca-
valcatiti de Albuunerqne -Kairao, o di;>le :.o.iiea
Sobrinho Jos Alvos Mariujio l'^ltao, de houve por compra : quena o tevr em ilito vr;:"-
ob.>, ou. i.'-la piara .1 rija da Crz 11. M r> t'-u
boa gratifleacao.
_____________Jos V l.'iuii! Vwjmlt M
Fugio uo dia b" do fevertim, p- a .. 1, <
escrava crioula e nonio IhjIzaria iim 1. i-." x'nia
ter 'iO annos, e>i,itnia baixa, '
denles e com nrna sicatriz de gntmatiura ho,bia-
o direilo, tendo levado dous .hale?, mitn um
verdee outro listado da azul e. Imnr): |uem
i capturar sirva-e lvala a Ponte de t. '
si;,o de Joo Jos Hadrigues Sfendeft, ou a ra
da -Madre de Deus n. 28, que ser generosan
recompensado.
jf
Fugio no dia do-corrnto") 8fom\o >
cisco, cubra, idade dePannc-, oeui es si.
seguintes : cabellos carapinbos, rosii d -,-.-
do e com marcas de bexiga, intitulare -01 bvre,
levou ca'ca branca, palito! de ah)!^ de cor/cha-
peo do Chit ; de-de j n prob sla i ion .
soa que o tiver oajuitado: Wga. *e ,- senhon -
eapitaes de c.-mpo i|jio o trag.un a ra !>
n. 16, que si.rai geiwrosamente ratificad -,
Cmu as auloridades pobciaes.
200^000.
Fugio em 23 de Janeiro de 1860 o o- -r Ma-
theus, de meia idade, cor preta, falla prora, be*-
xigoso, lem urna pequea berruga no canto do
nariz, albos afogumaos, tiotia M dos utnt\
Agotinlio Leocadio Vieira, cin Panoli;.-; de Mi-
nada e do Sr. capitao Francisco l tfficoes de
Freila?, em Pesqueira, linha viudo de la fapido
a poucos mezes e Km la urna mullier, i!e-eonlia-
se que ande na? serras do Sinjiara ; pode se as
autoridades e eapitaes de campo a captura il 1
escravo c trazer no Itecifc a en sennor, :
Cardo?ode Si, roa da Litigela u. 2. O mesmo
protesla contra qualquer pessoa que o leona Icoi-
iado c gratificado com 200 a quetn o appfl
lar ao dito seu senbor.
Fugio do engenho Minhi cas, da con arca d
Santo Auiiio, no da 20 de junbo do aoiio paJ
o escravo de nonie Francelino, representa er 3r
annos de idade, cora os signaos sego.i!
preta, baixo, corpo-reforcado, eara lag 1, I :-.:
barbado, olhos pequeos, uaiiz muito afi'a lo, \
ca regular, denles curtos e limados, muito pn si
^jvm^w^;^ t s^syi tur
boa fumaga encontrarSo charutos dos me-
lhores fabricantes da Rabia e de Havam
sganos do Rio de Janeiro etc. etc.
Doces d'ovos seceos, christalisados e dt
calda, ditos de caj e de outras qualidades
fiesta casa recebem-se encomraendas parf
bailes, casamentos e baptisados e qualquei
encommendas avuss, como seja p3o d 1/
e bolios enfeitados e outros muitas coozaf
qne enfadonbo' mencionar.

O verdadeird portland. S se-vende D'
ra da Madre de Deus n. 22, armaem di
Jo3o Martns de Barros.
J.A.
tes.
FiJWmente muitos outros gneros que en/andpoho 'roeQciooa-Ios.

'DEfUMu5v

m, loia de
rr=~

ir.
3 portas, loja
53-Rua Direita^-53
'N*ste randa ,6taieiecinto, ha para vendJr
uui OompWto ortiraenlo deiforraamn, a midcus
foaa e .groasas, como..msUaM,ic"'
PlfTIIllS MPTORiES'3'HRGBU
ExSk Pf f rop* o fruteo*
tOJMOl ftoutOl 1 iM%Mtra <)
OBXXX, e o letreiro oom OMfW
a r da Imperatriz n. 6fo
m')
pe iTn
U tlflC 111 u
PORfLAPf.
Vandetsenoarmazem; amarelto de Vicente Fer-
,peir%da,Q9at> Fjfttv Idefapte A-f,cU Con^
qeicao, em barricas grandes
ii>m coiBlanie/nente om seu armazem, ;roa,da
Cruz n. aii, un completo sortimento de ,
Balaricas docuiaes.
Ollas orsontaes.
Pesoadff ferro.pelo systenia dedma^
Bombas California para pocos, as melhvrdS'iine
te ,n .appAecidp at Iwje.
Chamines de'vidro para candieiros a gaz.
Lonas de todas as quaRtades.
Agua florida.! \*.ui r.
------- Graii- em b^ioe? p, 97.
'idospara vidxacA, ,H
'officp imperial?7
-------------r-i---- ll 'jtlO ----.----......... i...... 1 "f
'T
_| 1
, \ti de Kanoel Beato de Oliveira Braga* C.
Laque de madreperola com se madrepeTola, riiuito proprio para nri'a, ch?ga-
ram aloja do Pbsso ama do Crespo n.7 Av **
sii*,pomo requbim.03 cftaleii Je touqujn de le
das as cores, vestuarios bordados do camhraii
para balizados, metas de escocia (novidade) njul
. YSNR8" SE 0 iWeuda^a 0^ Bfenn(
S- Ga&w, ^.wfawmrfa SeiiBhaem
comart^ 4o ftq^oratosp, prjimo do m ,
:WfwPvPfr jWaa,68. Wrtidoa do ,paal 1
'^^KSfi^ FMpSWS: Sras." quo g
nflftSSS' HiWto* ^: < apaMu so a outiJs muilaa. (M d gos-
W|A|P' ?bbW1 PP.JUgjflt,, to^7rQpffetriB,^,^al)limwte'

1 > -Vtetaae^e^edo para' ciliadas e anuarios por 's^^imf^tfAfiM
prego commodo : na ra do Apollo n. 4. buquerque uo povoado da Torr*
ca, Beteribe ou Apipueos, acoulado por Ji lin
Jbs de Sart'Anna, seu irmao liberto, o qual tem
em soacjmpanbia urna cabicih; e Qlbos da
ma, e por outro irmo de nouie Jos Etagnin, qi-
o conduztra para os lugares cima Inndicado-
alem de um oulro so,*io de norae Jos Zachanas
da Silva, conhecido por Jo- Paj. por ter vina >
daauella comarca. Hoga-se > antoridades e es-
pitaes de campo que o apprehendam e o lovrn
ruado Rangel n. 17,db no engenho Minhocas, .t
enlregar a seu senhor Joao Correia de Queirz
Mooteiro, que serio enerosamente pratificjdns.
Anda1 fgido desde 36 do'fveretrb pmxi-
me patsjado e-eseravo Juoy prelo. wtainra,-.|iux.?.
tu do picado do be\igas floio, rnsjo e laiia dn den-
les : levou.vestid.i camisa braio-a. e I. vou m.-i -
outra de riscad de lista. Onem o'pepav. reVo-o 1
pra^a da 4adepf ndeucia loja de IVirlo A I;asi..-.
que ser recompensado.
Fugio downpe&ho >lnrtbeca, frepueto Ui F
Lojirenoo-da Mal, o escravo ^iflM, de li. an 1
de i4ad,. om os igiiaes,egliiutu : leiu,uiw I'
lide em uto ollio, o nariz granle; falta tltd i :.
quairod.'nles,,-pernas'lirias, p**'b9miio-:' l
sido eoeontrad ne>t. eWae-onHeflmsaiidi-
eadpe friwl;de*h-'od* .rw*4 fl**'1" "*'B-
OQUU-ar quo o apprt^nd e levfl-o >. dilu U
nho, ou praea da Boa-vista n. J2^ flu sera p
nerosanwnie prsliflcdo.
?o rfRlAlgOr,
FtigWido ntenho.Pmo ,iU-
Prijla, na, noiie de ultimo
de marco flo correte anno,
dom 18 para S9 annos de idade, alto, eorpo regu-
lar, qabwgouca barba,-1 8lnia*s* m**3 mt)
qalor de ligado, foi ultimaauBta^uainn^ ua c
Gomes, este da Serra da VilU, e aotalw-aVCafe.
ido Bocha >tn>viBia,g*-gi*:nWii(jlr^
Iber po ffito Mcravo,-r
foipMs-iftfo-del
jpjga-se as autoridades policial e aos capia
Uafo-a 1WMi ^rtnoHiaa,, ?,nN*Jr.
ao engenho cima,-, yu %g
&m^&rV&w
que
e anda mais urna gratule
-T


*
Diario de Pernambuco
Sexta feira 18 de Man;o de 1870
- ______ ________:
lllTERATRA.
f.
U RECITADAS WMrPpASIO DA CHECADA
DO 33 DE YO! l.NTXRK DA PATRIA.
.-% bravos l'eraambiiauov
O' lena pernambucana,
Pasarte da luz te irradias ?...
O' genio das trenanias,
Porque lu cantas li san a?...
O' p orase to exaltas '
Mocidadev--j>orquc saltas.'
Infancia,porque te ris!
Estas flores, estes hymw
Estes cnticos divinos... *
Islo tudo o que vos diz ?
E' que no !\ro de um povo
Se escreve um novo poema
. E Deus colloca um diadema
Na fronte do mundonovo .'
0.sol do zenilh l dasce,
Mas depois elle apparecc
Da gloria na madrugada!
Eia !... saudem .s a gloria
Que o Bra il canta victoria,
Eo infinito arvorada!...'
O' nrjvens, abri o espago,
D ixai passar estes ses.
Que sao da patiia os hroes
Por Deus trazidos no braco!
Horneras, que sao inail,
Ohf rflo podem nos finitos,
Dep.'<3 da gloria icar :
Estatuasd-lhes o povo !
A historiaum sculo novo
E a eternidadeum lugar!
Mas praza a Deus qu#o futuro
Do santo Irnpifio da Cz'
Nao veaha apagar a luz
De um seu arrebol t5o puro !...
Do amor da patria, no templo
E>e hroes nos temos o exeraplo :
Sigamos a sua estrada !
' mocos, cantai louvores !
Meninos, sacodi flores !...
Viva a patria laureada!
14 de marco de 1870
Godofred) Xuran.
o 53 corpo de Voluntarlos da
Patria.
Vinde, bravos voluntarios,
Descancar os mil fadarios
D'essa guerra que se fez
A u a indmita fra,
Que barbaridades tizera
K que se chama Lpez.
Vos ousados penetrastes
E o pawlho basteaste*
No raigo territorio :
Tivestes a vosso lado
Um general demudado,
Um Briveu. Foi Ozorio.
E no campo dos torneios,
Sem os menores receios,
Pela patria combatestes,
E um nome immorredouro,
Muita gloria, muito louro,
Para ella vos colhestes.
Fostes a affronta vingar,
A nodoa fostes lavar
Do nosso charo Brasil,
Que fora um da ultrajado
Pelo Solano malvado,
Do Paraguay monstro vil.
Voluntarios, desempenhasles
A raisso que vos reservaste,
Sim. que sois brasileiros,
E vista tendes liccoes
Que vos deram os Camaros,
E os Dias e os Negreiros.
E a vossa trra natal
De jubilo se enche real,
E seus bracos abre p'ra vos,
Que de gran' contentamento
Virales neste momento
Emhriagar-nos, nos.
Voluntarios, ros vos saudamos
E nm abraco vos llamos
Com phrfinesi grandioso;
E de imo de nosso peito
Para render-vos um preito
Este echo sae mavioso :
FQLHETIM
*\ MISliaOslDI POLIGXIES
lie Berthet
(ContinuagSo don. 61.)
XX
O asociado.
Momentos' depois da chegada da maca
le coodazia Antonio superficie do slo,
navam-se nao s o atrio, mas todas as
->f5cinas, ebeias de multidao de gente".
spalhra-se a noticia do desabamento
pela aldeia e arrabaldes, e, por tanto, om-
itieres, creancas, velhos, todo correr a
icormarse se alguma pessoa da sua fami
Ka teria sido victima. Os que saiiiam da
nina eram interrogados com anciedade.
Nao se ovia senao chamar: tudo era agita-
Cao ; em todos os rostos se deseohava o
torror. L se encontrava agora o marido
cum a muloer ou com o fillio que julgava.
perdido e abragavam-se pbreneticamente.
S tres.familias nao podiam tornar a ver as
pessoas cuja ausencia se deplorava ; eram
a de Grande Leopoldo e de dous Bioeir >s
_a:s, cojos corpo se encontraram depois
amagados complelamente debaixo dos en-
lulhos.
Quando se espalhou que ebegra um re-
ndo, toda a multidSo se seno sobresal-
tada.
Qaem ? .Qa?m elle ?perganta-
va-se de toda a parte.
nome de Antonio Robn circulou por
todos os lados.
Anlenk) Robn Irepetio'u_i voz af-
ectiva. <6rinde que ser de mi-
nha lia, < o ? Pobre An-
tonio f
E Gertrudes, abrindo caminoo por entre
a multidfio, peoetroa na casa.
A essi j o deutor Boisgar visi-
PernambucafiotPdigamos,
Vezes mil reaUrfaos,
Com o ardor de noss'alma:
Vivam os voluntarios
Q'os instinclds sanguinarios
Supplantaram, colhendo a palma.
Sim, vivara esses guerrelros,
Esses bcrM alUneiros
Que pela patria defxaram
Familia,, gozos d vida.
Amigos, a trra qu'rida,
Amor e paz e marchaiam.
Red fe -marco li de 1870.
M. II T. A.
Aos voluntarios da Patria.
Tu tens direito uro preito e homenagem
De tudo quanto,vi ve e quarto sent I
O^proprio rei devera vassaiagem
Ktnder-le aos ps, humilde e reverente !
A rosea mo da loura primavera
Arrastando as ra nagens de mil prados,
Tuas plantas c'roar hoje viera,
Gomo um culto dos cultos mais sagrados !
(lpete a brisa os cantos que te entoam,
A ordiestra eterna te murmura um hym.no;
Da gloria as borboletas p'ra ti voam,
Gomo p'ra as borboletas um menino.
O mar seus pegos fundos te ofPrecera,
Inda mais... inda mais os seus thesouros !
Sd eu fora uro. arijo, al te dar quizera
As minhas azas. meus cabellos louros.'
Zoraida Ol'/mpia Gomes da Silva.
AOS VOMWI ARIOS DA PATRIA
liu tambera lenho um coracao que pulsa
Pelo da.patria amor acrisolado!.
Eu tamb-w sei prostrar-rae ajaelbado .
Ante o jubilo e s dores da Nacao!
Nao sou daquelles que renegam glorias,
Porque estas s vem aps a lida!
Sobei ba legio nunca vencida,
Ouvedo bardo e pallida cancho I
Eu vi d'aqui, como este povo inteiro
De tua magestade os ocanos !
Eu vi daui teus feitos sobre-humanos,
Hroes do Imperio da Sagrada Cruz !
O estrangeiro que te olbava ao longe,
Eo leu vulto admirar quera,
Tua excelsa bravura conhecia
Pela farda ensopida em sangue e luz t
Do combate os rumores os teus hymnos,
Foi leu escudo a aterradora adaga!
Por culto o mar jogava-te urna vaga,
E a vaga convertia-se em laureis t
Como um colosso que se lomba, esmaga,
Foste sempre to forte e v.-aerando,
Que o teu competidor te contemplando,
Varou-le o peito. mas beijou-te os ps I
E porque a gloria nao est na forca,
Nem gloria smente ter vencido,
E mil vezes victoria ter cado,
Quando um here que ah tombou,
Se sob o braco teuenorme e augusto
Quasi exange se achava o inimigo,
Teu braco fro se tornava amigo,
Tua ai ao generosa o perdoou I
as plantas da Patria que amas tanto,
Depois de teres sangue derramado,
Tua gloria voltar como sagrado
Pelas flammas de dupla croaclo :
Quando saias das immensas lulas,
E fitavas tranquillo o hdrisonfe,
Teus filhos ara te beijar a fronte,
E a Enropa vinha te aportar a mao !
Para saudar-te, o- mundo houvera raios,
Do sol que em mar de luz por ti se ufana!
A natureza inteira e soberana
Para adorar-t -. em marcha triumphal!
Mas tu aceitas por chmra a pompa,
Porque nao bastam para ti fulgores,
Rei junio ao gremio dos gentis senhores,
Rei at junto ao throno imperial!
De ante-mao. leo poema de grandeza
A metralha escreveo n'esse estandarte!
Tua gloriasaudou-a Bonaparle
Do tmulo argnendoo busto senhorl!
Quando quizerem contempla la inostra
O pavilhao que em tua mao sustentas,
Despedagado petas mil tormentas
Que padeceste em prl de teu Brazil t
Ji lii) Candido.
tara o ferido, declarando a Van-Best e Leo-
nardo que o caso nao era perigoso ; que ha-
via duas fracturas, mas que com o curativo
de quarenta das se poderia reslablecer.
Antonio pode ver sua prima e sorrio-se-
Ibe.
Tralava-se de fazer conduzir o ferido a
sua casa. Leonardo dispunhase a acora-
panha-lo, quando foi interrompido por novo
incidente.
Urna voz femioina, mas voz ancosa, sa-
bio do meio da multido, bradando : *
Onde est o Sr. Leooordo ? Succe-
deu-lhe algum mal ?
E Amelia Van-Best apparecen ali sbi-
tamente, acorapanhada d'aquella pessoa de
figura distincta que poneos^ dias antes ex-
citara a curiosidade dos mineiros e que
n'aquelle mesmo momento pareca partilbar
da anciedade coramum.
Leonardo, vendo a joven, sem reparar
em mais nioguem^gradeceu-lhe o interesse
que Ihe inspirava.
: Van-Best, ouvindo isto pucho pelo bra-
co a sua filha e disse-1- e em voz baixa :
Loaca Em vez de corares de ver-
gonha, vens assim publicamente... Enem
ao menos te jaformavas era primeiro lugar
de teu pai I
Meu pai, eu bem sabia que a saa
saude n3o perigava, por quanto n3o era
natural que se expozesse aos perigos, mas
elle, que t5o temerario... E depois,
acabo de saber... Quaodo meu pai tara-
bem estiver informado do qoe ha... Es-
pere : vai ver.
E designava a! i junto Leonardo e o Sr,
R..., qae se abricavam enternecidos.
Van-Best sentio' tal commocSo, que nem
se oceupou mais em fazer perguntas filha,
dirigindo-se logo ao distiocto viajtante.
Leonardo e o Sr. R... entretidos am-
bos a conversarem, naolotaram a preseo-
Ca do director.
Repitodizia o Sr. R...*- qae no
posso continuar a adttitir estas extrava-
gancias t E preciso acabar com isto por
urna vez !.. Ha um mez arada, appareces-
te-me n'um estado deporavel e t5o abatido,
POUCO DE TUDO.
PHOGNOSTICO FAVORAVEL. Pouco
desos da abertura do actual Concilio, oM-
rit Ccatolico publicava a segointe caita
datada .de Portofruare (Vjaeit) escripia
por unf ecelesiastieo a um Ilustre prelado:
Apresso-me a dar coota a V. S. I. de
um facto que patenta como o Co applaude
visivelmente a obra sublime do Concilio-Va-
ticano.
Os ossos dos martyres de Concordia,
que tnliam ficado coirrpletaraenle seceos do
mesmo modo que a urna que os contm,
desde 18'7 at,6d'este mez ddezenabro.
foram encontrados Tiaiaado n'o'ma agua co-
piosa no (lia 8 do mesmo mz '8 horas
e raeia da manha.
vista d'est/proJigia, os dois sacer-
dotes encarregados de Aisitar a urna, soA-
tarara um grito de jubilo e admiracao, os
fleis que estavam na egreja correr ai imrae-
diatamente e a sua profunda coramocao se
revelou por suas lagrimas.
Um repique geral de sinos avsou o
povo, que acudiu em tropel egreja duran-
te todas as horas d'aquelle dia.
Ha.ia viole e dois annos que' se pedia
e esperava em vio esta agua milagrosa. Se
gundo a tradicSo constante de muitos secu-
los, esta agua era o symbolo da paz e pros-
pei idade para a egreja de Jess Christo; e,
appareceado no mesmo dia e no momento
prec so em que se abre em Roma o Conci-
lio, unja pro va evidente da grande neces-
sidade que tinlia o mjndo, um penhor se-
guro de que ha-de alcanzar seu allissirao
objecto e um motivo maor para acreditar
que por elle comecar e acabar a grande
pacificaco da sociedade, que tem perdido
seu verdadeiro caminho.
Pouco depois de dai as oito horas e
meia do mesmo dia, dois conegos cooiras-
sionados pelo capitulo visitaram a urna bem-
dita e se km assegorado da existencia do
prodigio ; e tem examinado as paredes da
urna e atlestado que a quantidade da agua
continuava augmentando no interior da mes-
raa ; no dia segrate a quantidade era muito
maior.
A voz constante dos seculos tem sauda-
de esta agua como um signal de paz. Que
cOnsolacSo para nos e para os padres do
Concilio I Hoje eu mesmo usitei a urna e
encontrei agua em raior abundancia e o
seu volume quatro vezes maior do que o
dos ossos.
A urna, que contm estes restos sagra-
dos, est cavada em urna s pedra, e tem
dois metros de cumplido, cincoenta cent-
metros de profundidade por quarenta de
largo. As paredes teem a especura de tres
dedos.
os martyres eram dos Vicencios,
quem a perseguicSo tnha feito fugir para
Concordia, aonde em numero de oitenta e
nove deram o seu sangue por Jess Christo
A Ira ti cao tem conservado a memoria
do logar do seu mariyrio que occorreu nos
principios do seculo IV, a historia nos tem
transmitido o oome de qaatro d'etles.
A urna tem a inscripcao de 1305, porm,
nao se marca a poca em que comecou a
manifestar-se o milagre. Sem embargo ou-
tra inscripcao atiesta que a agua da urna
verdaderamente milagrosa.
< A tradicc3o diz que a agua desapparece
em cada perseguicSo da Egreja, e na verda-
dade desappareceu corripletaraente em 1847.
Virara-se cair algamas otas do dia em que
foi assignada a concordata entre Pi IX
e o imperador d'Austria.
* Recolberam-se dois ou tres vasitos no
Centenario de S. Pedro, uns vinte em II
de abril passado, e desde entao oS ossos
tinham ficado completamente seceos e bran-
cos. Seceos e brancos estavam em agosto,
e mais seceos e mais brancos se conti-
noaram pondo at ao dia 6 de dezembro.
No dia 8 de manha comecaram a manar
urna agua abundante, e hoje ha agua suffi-
ciente para encher mais decem. vazos.
Eisaqui um acontecimento de que tan-
to se regosija o nosso espirito e que nos faz
exclamar com enthusiasmo : Mirabilis
Deus in sanctis suis.
MEETING Ce!ebrou-se ltimamente um
meeting em Liverpool para tratar da abll-
elo dos direitos sobre artigos de primeira ne-
cessidade,
Dicidiu-se n'elle apresentar ao chancellar
do Exchequiel nm requerimento pediado a
aboligo dos direitos sobre o assucar, o cha
e o caf, porque restringem o campo do
commercio e prejudicam a classe operara.
TEMPERATURA SYBERIANA. Escre-
que mal podias respirar I Agora eis-te co
berto de conluses e ensangueitado !. .
Isto assim nao pode continuar I
Leonardo pareca dirigir-lhe em voz bai-
xa vivas instancias.
Arranjos, preparativos, dizes tu ?
exclamon o Sr, R... :om impaciencia,E
que necessidade temos d'isso ? Nao per
milto que te entregues a to degradantes
disfarces, com o que estou faltando s pro-
messas que fiz a lu mi moribunda. Fi
xaste este da como o termo de taes rays
terios ; por tanto nao admiti reconside-
rac&es.
Van Best, a:ompanhado de sua filha, que
se conservava por detraz d'elle com ar dis-
simolado, decidio-se anual a apresentar ao
Sr. R... os seus comprimentos.
Elle nao tnha ouvdo senSo confusamente
a conversac3o precedente, mas reparara no
olhar supplieante qoe Leonardo diriga ao
director dos caminhos de ferro.
Yendo o estado de conlrariedade em que
ambos se acbavam, disse :
En to, Sr. R... vem s ? N5o nos
trouxo, como prometiera, seu sobrinho, o
Sr. de Beaucourt ?
Achi-lo-hemos respqndeu o Sr.
R... com ar de gracejo e ao mesplo tempo
de conlrariedade.
Van-Bes'.n3o sabia qoe penrr, e, cada
vez mais atrapalhado, disse, apontando para
o conductor de trabalnos:
Devo declarar^lhe, mea charo amigo,
que me recommend'ou um rapaz que vale
muito dinhti-o I Apezar de ter recebido
d'elle certas offensaa, cumpre-me confessar
qoe e operario mais hbil, activo e ani-
moso da mina r*
Operario t repeli o Sr. R... s
gargaihadas Noseriam mos os opera-
rios d'esta laia I... O que Ihe digo qoe
pos-somos- doos parvos: ea autorisando
urtt trama pueril e o senhor cahindo n'elle f.
O seo sopposto operario ama especie de
principe disfarcado, como um Harona al-
Raschid, correado aventuras, masprefe*
rindo o trabalbo ao goso... tempo, pois,
de Ihe dizer a verdade : o raoeiro Leonar-
vemde Ostende, na B;fgi:a, ora dala de 14
de felreiro ao Jbrnal d.js Dbales.
Ha.oito djas qie estamos soffrendo no
lilloral be'ga; urna temperatura mui rigoro-
sa ; todas as aguas esto geladas, mesmo as
du enseadas, o que impede a navegacaon3o
s dos navios de vela, ma< a,inda dos barcos
a vapor. O fri e o gelo que paralysam o
"raovimento de nosso porto, encontraram um
terrivel auxiliar em um vento lste dos mais
violentos, que ha quatro dias nos d;i um clima
quasi intoleravel.
t A temperatura md;i. JusileS do cor-
rento al hoje tem sido 4o S graos 1/10
abaixo de zero, isto tena geldo constao-
teraente a 5 graos 4/10" durante este perio-
do de setenas.
^t nossos pjscadores fazem-nos urna
trisU desa-ipcao do tempo que reina em
pleno mar desde estes ltimos dia3. Tornou-
se litteralmenle impossivel trabalhar na ma-
nobra : a agua com que o mar asperge o
apparelho dos barcos congela-sc na cordoa-
llia e no mcame; impossivel fazer correr
urna corda pelos moites; as velas est3o re-
tesadas pelo gelo em qoe se convert logo
a espuma que Ibes atiram as ondas a urna
grande altura.
Ha dez annos que nao ha memoria de
nm tal fro, e, agora demiis a mais rene-
se a urna temperatura sybriana um tempo
detesta vel.
UMUCKPOGKET. Os pickpockets s3o
urna classe de ladres oriundos da Ingla-
terra, para os qtues nada ha sagrado; nao
respeitam pessoas nem lugares, como se v
do seguinte facto:
* C-lebrava-se ha dias n'uma igreja de
Paris. o casamento de um negociante da ra
de Sentier. Terminada a ceremiiia.reuniu-
se muita gente na sacrista, ond; tambemse
a hava urna irm3 do noivo.
* Eslava esta recebendo a sua parte de
Miciiaroes quando senlio um leve altrito que
attribuio aos movimentos do grande numero
de circumstantes. Como continuasse a per-
ceber a mesma irapress^o, levou instincti-
vamente a mo algibeira o achou Mii...
urna outra mo. Agarrou-a e, encarando com
o individuo a quera aquella mao pertencia,
gritou-lhe : Vos sois um ladino
O individuo, nao tendo nada que res-
ponder, fugio ; mas p; uco costumado a en-
trar em sacristas, abri, para se escapar,
a porta de um armario, onde foi logo agar-
rado por um caixeiro do noivo.
Conduzido ao commissanado de polica,
confessou qoe linba introduzido a m > no
bolso da queixosa, a ver se achava alguma
cous para voltar para Inglaterra
Em vista de toptausirel expticaco, o
commissario raandou-o para o respectivo de
psito:
Conforme o costume dos ladres da sua
patria, este pickpocket nao tnha comsigo
nenhura objecto roubado. <
O PAVILHO DOS PRINCIPES.O pa-
vlh3o dos Principes, que faz parte da priso
de Santa Pelagia e no qual se ach^Rochef rt,
exclusivam nte reservado aos presos po-
lticos. Separa-o das outras partes da priso
om cojpo de edificio, de modo que aquelles
presos est3o completamente solados e nao
teem communicaco alguma com os outros
encarcerados,
N3o esto em celias, mas em quartDs, e
teem ampia liberdade de communcarem
entre si
Para passear teem um pateo dependente
do pvilhSo, onde podem rcunir-se at ao
cahir da noule (no vero al s 9 horas.)
O alimento que a adminislrac2o das pri-
soes fornece aos presos politic< s comp5e-se
de sopa.cpzido, um prato de meio. pSo e
vinho. Os que nao querem a comida da casa
teem a faculdade de mandar buscar fra o
que Ibes appetecer. A entrada dos jornaes
brochuras, livros, igualmente- autorisado
sem exame previo. Podem tambem receber
nos seus piartos as visitas dos seus pren-
les ou'amigos.
Alera dos alimentos que licam menciona"*
dos, a administraco das prises fornece aos
presos polticos roupa. constaudode camisa,
caica e jaqueta do fazenda a'.ul: a maior
parte, porm, regeita este favor. Ha, com
tudo, alguns que aproveitam as clcas. *
Os presos polticos nao sao obrigados a
assistir aos oflicios religiosos que se cele
brara na capella da pris3o ; vo a elles os
que querem. As cartas qua remetiera ou
que ncebcm nao estao sujeitas ao vsalo do
carcereiro, como se observa cora as cartas
dos outros presos.
VARIEDADE
do tem outros nomes e ttulos diversos dos
que Ihe conhece. Chamase Leonardo
Carlos de Beaucocrt, engenheiro de mi
as da Escola de Paris, e por fira meu
sobrinho, meu herdeiro, meu filho adoptivo
e o seu socio para a explorac3o das minas
de Plignies !
N3o ha discrpc5o que reproduza fiel-
mente o espanto de Van-Best ao ouvir se-
meih'ante revelado. Como j dissem's,
nao primava elle era presenta de espirito e
rapidez de concepc3o ; julguc-se, por tanto,
d estado em que devia, dexa-lo ara acon-
tecimento to inesperado,, extraordinario e
inverosmil.
possivel? balbuciou elle Leo-
nardo engenbeiro de mina Meu socio, o
Sr. de Beaucourt?.. Estou lou.co !.. Mas
com todos os demonios, de que serviara
estes segredos e mysterios,- estes disfarces,
estas idas e vindas? "
Ora pois t proseguio o Sr. R.,. -
Fazer-lne-hei urna confiss3o completa e de-
pois me julgar como mereco. O Sr. Car-
los, que est presente, abusa da condescen-
dencia de seu tio para com elle ; por tanto,
depois qoe obteve os seus diplomas scienti-
ficos, e que visitn cmo curioso as minas
de carvao de Franca e de Inglaterra, teste-
munhou-me o desejo de visitar as minas
di Borinage. Tencionando eu cstabelece-lo
exactamente n'esta provincia mineira, n3o
achei inconveniente .em annoir a) seo de-
sejo, porm o Sr. Carlos -pretenda vver
alfom tempo no meio dos operario?, ira-
Discurso de Emilio Canelar, pronunciado
na sesso da tarMe te gundo-feira, 26
de Janeiro de 1870, nacamara dos depu-
todas hespanliold.
(Contiuuacao.)
Por isto, se eu n5o ternera importuna-lo,
dirigir-me hia a presidente da junta re-
volucionaria n'aquella poca, ao antigo, pro-
vado e consequentagressista SrMadoz, para
'ne me pintasse, para que me descrevesse
como se aproxima va a onda encrespada da mu
tktoaoministeriodagoveniacaoe como pedia
gritando, o desthroname ito dos Bourbon.
' assim que n'um roomenW, como se ana-
Co hespanhola ti vera urna s idea, pwrap-
la a espargir-se por lodos os seus mbitos,
chegaram partes .telegrapliicas a junta de
Madrid, dizendo que quasi instantneamen-
te todas as cidades emancipadas haviam
gritado : Abaixo os Bourbons!
Se o Sr. ministro da govornaco quizesse
ler as participares que tem em seu poder,
ver-se-bia comprovad esta verdade, ainda
que n3o necessario provar o que de si
evidente. E que succedeu ? Succedeu, se-
nhores, que n'um s dia desappareceram os
retratos do chefe de urna familia at entao
respeitada; succedeu que o povo destruiu
as liz e as coras bourbonicas, como se qui-
zesse vingar n'ellas seculo e meio de af
fronta. Succedeu ainda mais: succedeu que
aquella dynastia, a qual ainda contava com
o exercito em Catalunha e em Castella, e
que pode, por conseguinte, resistir, conven-
cida pelo rumor guerreiro de que a revo-
tugao era universal, e pelos proprios remor
sos de que a revolugo era justa, partiu
para a trra d'onde traba vindo, para a Ier-
ra de Franca ; e o ultimo Bourbon cornado
chorou no palacio do primeiro a ultima ca-
tastrophe d'essa raea ti3 principes, hontem
mais que senhores em seus thronos, boje
menos que cidados no desterro universal;
oovos Edipos da Europa.
Pois bem, senhores depulados, que ve-
nho eu pedir ? Que venho eu reclamar aqui
d'este governo, da maioria das cortes e de
todas as fraccoes ? Que venho eu pedir ?
Que venho eu reclamar ? Que completis a
revoluto de setembro ; qoe confirmis com
o vosso voto o voto do povo.
Pois que ? nao posso ped lo ? Porveniu-
ra a minha origem, as minhas doulrinas,
os meus compromissos me impossibilitam
d'isso ? Perguntaves-me as minhas doulri-
nas 9 perguntaves me os meus compromis-
sos, quanao vos ajudava, na medida dos meus
esforcos, a derribar a dynastia ? Prgunta-
veis-me as miabas ideas e os meus com-
promissos, quando, ao chegar ao desterro,
me chamaveis ao vosso lado, vos que hoje
vos sentaes nos bancos do minisierio ? N3o
poderei defendor a causa que a todos nos
uniu, nao o poderei nos das de prosperida-
de, quando o pode nos dias de desgraca
universal? Demais, parlamentarmente, ha
grandes exemplos de proscripces d'esta
classe. N3o quero engolfar-me em recor-
dares histricas ; porm apresentar-vos-
bei cortes e assemblas que approvaram em
lempos antigos proposites d'esta classe e
deram leis como esta. Bstame smente
citar o compromsso de Caspe, cujo parla-
mento trou ao conde de Urgel os seds di-
reitos cora de Aragao.
NSo qoero citar a revoluco de 1649 em
Inglaterra, que n3o t depoz urna dynastia,
mas levou um rei ao cadalalso; nao quero
tambem citar o exemplo' anlogo que nos
offerece a convengo de 1793. Fallan io a
urna assembla eminentemente monarchica,
nao apresentarei exemplos de assemblas,
nem de revolucSes republicanas; apresen-
tarei exemplos de assemblas e revoluces
monarchicas.
O vosso modello, seahores depulados, o
vosso modelo constante a Inglaterra. Pois
bem tfhi una convenci, qual a:cudiram
os communs e os lords, depoz, n3o smen-
te a Jacobo II, senao tambem ao innocente
principe de Galles.
verdade que a assembla chamou ao
forcoso deslhronaihento voluntaria abdi-
caejio, e prescindiu do herdeiro, pretextan-
do que aos vivos n3o n3o so herda; mas
essas eram sobtilezas jurdicas, proprias de
um povo que, apesar da sua origem germ-
nica, herdara o carcter jurisperito dos an-
tigos romanos.
Mas o parlamento da Escossa, que nao
pode dar taes pretextos, expulsou os Es-
tuards pelas suas doutrraas, pelas suas
ideas, pelo seu proc?dimento religioso e
poltico.
Mais tarde, na primeira redaecuo do bitt
de direilos, excraio se indirectamente a casa
de 8aboya: quando o bil de direitos foi de-
finitivamente redigido, excluiu se, n3o s a
casa de Saboya, as tambem todos os prn-
cipes catholicos da Europa, roando as
previsoes do primeiro bil de direitos se
cump rana, n3o fui o povo da legalidade
monarchica buscar os seos res nem a Roma,
nem a Pari3, onde se acbavam os antigos
Estuards; foi buscal-os no humilde loilo-
rado do Hannover. ,
No senhores, esta urna proposta sin-
gular. Ha em lodos os tempos e em todos
os joyos,, exemplos de propostis d'esta
classe. E n3o se concebe outra coi, por-
que r>3o encontr na historia amiga ^revole-
lo que baja sido to decidida como a nossa
para arremecar urna rlynaslia, e que depois.
condensada em assembla, haja temido como
a nossa, o sane -ionar o facto e o direito .
proclamados pelo povo.
Concebe-se, ainda que perigoso, conce-
be-se que uraa repblica deixe a familia dos
seus antigos reis redozidos a condic5o deci-
dad3os sem curar d'elles; isso porm n3o
se concebe, n3o se pode conceber n'uma mo-
narchia. Porque n3o coexistem, n5o coexis-
tiram nunca os reis novos e o? reis velhos;
n3o poderiam coexistir nunca sem sercaasa
de grandes perturbarles, de grandes desor-
dens, sem ser estimulo de guerras civis.
Pergunto-vos eu: em que naci da Euro-
pa os reis antigos vivem sombra d throno
dos novos ? Em nenhnma. Os fityuards nao
viveram sombra do throno de OrAge ou
de Ilannover, como n3o viveram oem vivem
os Orleans e os Bourbons sombra do throno
dos Bonapartes, como n3o vivera os princi-
pes de Baviera sombra do throno do novo
rei da Grecia.
Sim, senhores depulados, necessario,
indispensavel expulsar nao s d<>|throno, mas
tambem do solo, os antigos reis como o mar
vomita os cadveres.
N3o sei explicar, senhores depulados, nao
comprehendo porque motivo, porque razo,
porque justificante causa esta assembla nao
promulgou j o projecto de le expulsando
todos os Bourbonst
A mimoria republicana te lo-hia apresen-
tado as primeiras sesses, se a embria-
guez da victoria, que infunda ento tantas
esperanzas, e aos gritos pedia o desthro-
namonto definitivo e a restaurac3o do im-
possivel, n3o livesse dado a esse acto de
justiga a apparencia d'um acto de vingan-
Ca. Mas boje, que tantas illusoes cairam;
hoje que tantas esperancas morreram; bo-
je que muitos julgam esta assembla agitan-
do-se no vacuo, e outros propoem urna
dictadura atraz da qual viria a restaurado,
como atraz de Monk vieram os Estuards, e
atraz de Bonaparte os. Boosbons; hoje qae
as foroas reaccionarias se restaurara ; hoje
<|ue era alguraas provincias se apresentam
ao suffragio universal os seus antigos capi-
tSes, aquelles que esto salpicados com o
sangue dos nossos paes vertidos na guerra
civil, e n'oulras provincias se apresentam
ao suffragio universal pretendentes burbo-
nicos e estrangeiros, hoje a minora re-
publicana vem aqu formular esta pro-
posta, que nao pode ser um memorial diri-
gido ao radicalismo expirante, mas um t-
tulo de proscripc3o e de morle, para que o
mundo saiba que esta minora to calum-
niada tem as mesmas ideas, os mesmos in-
teresses, e os mesmos inimgos que a revo-
luc3o de setembro.
Ah t senhores depulados 1 Ainda que
queirantos, ainda que desejemos expulsar
da nossa memoria e da nossa consciencia
esta idea da revolucio de setembro, vem
constantemente apresenlar-se diante de nos
como se nos quizesse pedir conta
dos destinos que um dia poz em nossas
mos.

balb,aodo como elles, e patunando
seus perigos e fadigas, afn, de melher se
bafcilitar pela pratica a dirigir um dia a
mina de que fosse chefe. Saberei mandar,
aoaodo tiver aprendido a obedecer, me
dizia elle. Pelo menos era este o pretexto
que allega va para obter o mu consentimen-
to. Mais tarde confesson-me qae o sei
fimeraoutro, e, se o senhor se lembrar
de cerlo pedido qae em nome de mea so-
brinho Ibe dingi ha das, poder achar a
axplieaclo da miaba intervengo em todo
este negocio. A anic circumstancia qae
talvez Ibe faca impress3o, e que para raim
ainda mysteriosa, o motivo porque elle
conservou at agora o seu rigoroso incg-
nito. Cedi ao capricho de meu sobrinho ;
mas, obstinando-se elle em fazer-se es-
tropiar, ferir e martyrisar por todas as
formas, venho por termo a esta comedia,
d l por onde der f
Carlos de Beaucourt, visto jue j Ibe sa-
bemos o verdadeiro nome, pegoo na m3o
do Sr R... e, levando a respeitosamente
aos labios, balbucion :
Meu lio o melbor e mais indulgen-
te dos' homens f... Quanto ao Incgnito
que guardei at hoje, era urna necessida-
de para a minha situaco, e, se o prolon-
guei mais do que devera talvez, porque
encontrava grande prazer em inspirar al-
guns sentimentos de estima e sympatbia,
apezar da miaba insulaco e obscurdade.
pena que n3o'nascesse no tempo
dos cavalleiros errantes disse o lio de
Carlos, rindo-se. Percorrenas o mondo
com o rosto coberto de capacete e vizeira,
atim de con mistar os coraces das mais no-
brea damas I.. Viestet porm, tarde ao
mundo I A respeito de vizeira, nao a ira-
zes m, mas de carvSo !
Vi-Best, que comecava a sabir do seu
estado de sorpreza, disse a Amelia :
Tu sabias tudo, mmha sonsa, e, em
vez 8e me prevenires, deixast-me andar a
fazer tolices sobre tolices !
Meo bom pai, redarguo ella ha
apenas alguns instantes que eu tive conhe-
cimento da verdade. Chegando aqui o Sr.
R .. e sabendo do incidente da mina, o3o
podando ser superior impress3o do susto
pela conservaeSo de seu sobrinho, revelou-
me ento o segredo. verdade qae ha
muito bavia reconhecido que o Sr. Leonar-
do nio era om simples operario e qae um
certo presentimento me adverta...
-*Baste fioterrorapeu Van-Best reso-
lutamente. prociso tomar um expe-
ao supposto operario, dis-
socio, temos bastante de
esclpannos reciprocamente. S
Tenho ouvdo aqui muitas vezes, a df-
ferentes oradores, a differeiiles partidos,
gabarem-se de haver feito a revolufo de
setembro. Gabou-se dsso o partido de-
mocrtico, e tambem o partido progresis-
ta. Reclamou o ttulo de iniciador da re-
volugo o brigadeiro Topete; reclamou-o
iambem o general Serrano, e o senhor mi-
nistro da governacSo disse que foram tres
os partidos que venceram naquella occasio
memoravel.
Eu, ao ouvir isto, exclamei: quanto or-
gulho nos homens, e quao peacif depdsi-
tam as deas.'
(Continuar-se-ha.)
posso pela minha parte increpa-lo de se
haver introduzido na minha casa sob om
nome supposto, por moito honestas qae *
fossem as suas intences, tambem o senhor
me deveria acensar de o ter tratado bem
mal nltimamente. O melhor," por tanto, #
esquecermos as nossas faltas recprocas,
afim de que d'ora avante tenhamos um pelo
outro os sentimentos de conganga, estima e
affecao indispensaveis entre dous associa-
dos. esta a sua opiniSo, Sr. de Beau-
coort ?
De todo o coraclo, Sr. Van-Best, e
ver que, apezar dos seus preconceitos a
respeito dos engenheiros, eu n5o serei mo
amigo I
Bom I J o senhor rae atra a saa
pedrinba ?disse Vao-Bast envergonbado.
Quanto a esses meus preconceitos, re-
nuncio a elles desde j, em presenga da li-
c3o que o senhor me deu ainda ha pouco !
Mas diga-me : porqae motivo, quando eo o
quiz expulsar, nao reclamou o seu direito
de governar aqui ?
Como quera o Sr. Van-Bostque eu
declarasse quera era no momento em qoe a
catastropbe do poco das escadas acabava
de ser attribuida a dwido ou impericia
minha ?..- Oque rae interessava rala-
\ar-med'essa affronta, e, se o naotivesse
conseguido, talvez me hovesse retirado d'a-
qui para sempre, o qae alias me nio atre-
va a fazer, porque, como deveria ler nota-
do, ama forca superr me attrahia para
estes lugares.
Safa, que o meu socio melindroso!
Pois bem : agora o que importa collo-
ca-lo em posigo de nao pedir usar de ou-
tro incgnito.
E Van-Best agarrou Leonardo pela mao.
Ent|o que ha a fazer ?pergantou o
joveo engenbeiro,
Vai ver.
(CbwlMitior-w-Aa.)
TV P. DO UIARIO-Rri DAS CRZES H, 4


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EYNI5JO9Y_WRDQTZ INGEST_TIME 2013-09-14T04:25:42Z PACKAGE AA00011611_12068
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES