Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:12065


This item is only available as the following downloads:


Full Text
ANNO XLVI. NUMERO 59
SEGUNDA FEIRA 14 DE MARCO BE 1870.
-

II
1
l"' '


PARA A flAPITAL E
Per tres mezes adiaiUados .
Por seis ditos dem
Por um anao idem.......
Cada mumero avulso.....
LUGARES OKDE IA0 PAGA POHTE.
6O0O
12*000
24<$WOO
320
PABA' DENTBO E FOEA DA PBOVKCIA.
Por tres mezes adiantados
Por se ditos idefi.
nove ditos idem .
am auno idem
60780
13(5500
204280
27^000
DIARIO
PERMMBCO
.*
Propredade de Manoel Figueira de Faria & Filhos.
Os Srs Gerardo \ntonlo Alves & Filhos. no Para ; Goncalves Pinto. noMaranh3o ; Joaquim Jos de Oliveira, no Ceara ; Antonio de Lemos Braga, no Aracaty ; Joto Mara Julio Chaves, no Ass ; Antonio Marques da Silva, no Natal; Jos Jost
Pereira d'Almeida. cm Mamanguape; Antonio Alejandrino de Lima, na Parahyba ; Antonio Jos Gomes, na Villa da Peona ; Belarmino dos Santos Bulco, em Santo Antto; Domingos Jos da Costa Braga,
em Nazareth ; Francisco Tavares da Costa, em Alagoas; Dr. Jos Martins Alves, na Baha; e Jos Ribero Gasparinho no Rio de Janeiro.________________^^^__________________
PARTE OFFICIAL
Ministerio da guerra.
Altendendo aos relevantes servlfloa prestado? na
'tierra actual pilos individuos iv.eneionados na
relacao que com este batea. assi-roa la pelo bara >
lo Muritiun, con^ellieirn do Ma I >, senador do
imperio, ministro c secretario do estado dos nego-
cios da guerra: hei por-li-rn conceder Mies as
honras dos postra mftttres do e.iwiKu wnietanta
la referida relaea?. O mesmo ministro e secreta-
rio de estado dos negocios da gu--rn assim o lo-
nha enton lido c faca executar.
P.ilaeio do Rio de Janeiro, em 2 de marco de
1870, 49 da independencia e o imperio.Com a
rubrica de S. M. o Imperador.Bnaode Muntiba.
IWarao dos individuos aos quaes fio concedidas as
honras dos pastos "atores lo ixercito, e a que
se re/ere o decreto ftatd dita.
De opila).Aos eapites do 17 corpo de volun-
tarios da patria : Antonio Mas dos .Santos Fran-
eisco do Paula Tasjara, Francisco de Paula Gal-
vio, fltidoro I--' Pereira, las Cwfcn *|Salles,
Antonio de Oliveira Jamacarii c Auto.no Mina aa
Molla.
De tenente.Aos tenentes do mesmo corpo :
Podre Pi Pereira, Joli Bautista do Suiza Vianna,
Gamillo CaoJtao A Leles, B^riiardiio Atas Mon
(ira Manoel Joaqlim \\ .driR-ies i' Oliveira, Uu-
renco Alves Feitosa de Castro, Jos Gandido de
l-'igueire" lo.
De aleres.Ao? alfero do me-mo corpo : Ru
lino Sim5es de Miranda, Francisco Alvaro de Son-.
/.a Camargo. Oriel Angosto Itaxojra Lomba, For-
tunato de Faria Gurgel, Joaqun Jos de Scnna.
francisco Runo Pin IVreira, Augusto .le Salta
Couto, Candiili Ag'.i'lo de Lima Hoita, Jos
Marlins de Fi/ueir lo, Plomntin) de Abren o sil-
va, loto Perreira la Costa, Prancisco de Paula
Santos Manoel Ignacio de Maos, Antonio Mana
le Pasaos, Mi valaroniel ltodrigie=.
Palacra do Rio de Janeiro, em i de mareo de
1S70.Barao de Mi'ni iba.
Corazn, na Bolivia, da qual falla Thompson na
sna obra paf; 99, nestes lernffs : Henoic sent
un explaring party, and made a path fn-m near
Cmumh lo Santo Corazn, in Bolina, tlirongn a
totally desert tracl of cauntry. Tais toas tlif only
road to B'dwia, and dtiring the whole of tht wai,
ihe allies supposed Lopes (o be receiviny stores and
uinmunili n by that roitle o.
Como, porm, Thompson desereve esta es rana
como pe-sima, e sendo necesario errar alguns
rios e lagft em pellas, nao havendo ponte*, nem
botes, sendo tanibem preciso carregarludo a* co*
tas de nula*, eu suspeito que Lope ainda urna
vez nos entrae, matreiro c cobarde como e, por-
que vejo pelos depoimentos dos passados que la
elle em caminho das cabeciras do rio Amamba,
que desemboca no Paran. Posto que as dilncul
Uadi's da estrada cima alludida nao poJem sei*
emharaco a Lope para rasar por ahi a ruga, tanjo
mais quanio o proprio Thompson diz na pag. Sal
de sua obra que L.pez leve a idea, quando lugw
de Humana pelo Chaco, de seguir d'aln. era ceibo,
abaixo le Monte Lindo para a Bolivia, dragando
ate mandar virde A-sumpcao cinco carros eneras
' pataeoes, o que, mostrado enlao, pode s
EXTERIOR.
dado boje por aquello homem. PJc ser que for
me agora tambera o plano de fuga para holre
Ros, onde Lpez cont com as sympathias de Ur-
iiniza, mais seguras do que as do governo e povo
bolinano, que devem achar-se deapeitados contra o
dictador pelo assassioalo de tan*! bolivianos du
noto a guerra. Affirmam, porm, no Resano, que
Lpez se acna j cm nossa colonia de Dourados, c
por issj espera-s ludo das fbreas en Maio-Gros-
so. Por aquella su-peiu minlia, creio que nao n-
carao inaclivis as nossas forciis* que so acbam em
Curuguaty e Igatemy, as quaes podem seguir no
rumo leste e sul. Essa crena e-ta de accordo
com um telegrainma do conde d'Eu, ja publicado
na corte, em que, failando das canoas que Lpez
preparara, suppoe que ellas podero iHnbem ser-
vir para de-cer o Paran. Tenho muita f no tino
miiilar do naso actual general em chefe.
No dia 3 dcste c mec"U o transporte dos vo-
,untarlos para o Brasil, indo a brigada de que ja
dei noiiria na anterior sob- o commando do coro-
nel Faria Bocha. A's 8 horas da inanhaa embar,-
i-av.im os balallioes W -U no Bodrio.
le!nr
assustrgXo IC de ievebeuio de 1870.
As ultimas Botinas de Lpez, colhidas no Bosa-
io e na Coneetci. o do nos ltimos apuros, bus
ando as cabeciras do rio Amaraba* para passar
ao baixo Matto-Grosso c ernzar dahi o Paraguay
pira a B .livia. K-sas revelac.des sao feilas pe s
ltimos iltjertores driles, que sao o raajor severo
Aspillaga, o tenante Ventora Rolon. o alferes aju
dante de ordens lo Lipez Rudorinlo Grazales.o
f sargento Domingo Aquin i o ura engenheiro
inechanieo de uome Vicente Portilho
As rtsposias dadas por es.ses desertores, os
tos no flm de Janeiro, e nos priraeiros dias do mez
iue corre, cso accordes nos tactos de n ter
l.opez corasigo mais de 1.000 homens, os quaes o
vio ab indonanlo ao passo que elle vai fugindo por
^sses desertos, onde nao ha que eoraer, do nao ha-
ver mais que vinte vaccas leiteiras, das quaes Lo;
pez manda matar de vez em j,U ndo urna para si
o sua miss Linch, dcixando a seos companheiros
de martvrio apenas os bois que raorrera de ca-
ados e inanimados pi la conluccan das carretas
que leva o here na sua Inga, que muitas carre-
tas sao abandonadas por fal.a da bois para puxa-
las, bera c jmo alguns canhoes qne o acompanha
ram, |ucpela estrada que elle vai seguindo se en
eontrao muitos cadveres da gente que morre ou
de fome ou lanceada por ordera do chefe da ca-
ravana, que vai assim dimiimindo o pe o de sua
carga.
U. facto,rcrere ura dos interrogados, qneecu;
ri'Mo. Ura dos bois tinha cansado, e estava q'uasi
a mo rer de inanigao. Ura d js soldados, o por
lome propriaou por coraiseracaj de seus cumpa-
n'.riros que expiravam por falta da alimento, ma-
toao boi para ser distribuido cuca aquellas mise-
raveis. A distrinuiQao fei frito, c ventado, pelos
S00 homen?, como de costumo. Mas ifuando Lo-
. que se chava muito na vanguarda, soube
que o boi tinha sida morlo antes de morrer, enfu-
recen se, e, mandou immediatamente raat3r o sol-
d ido que commetlera tao gravo cn;.ie. Esse facto
nao precisa de commentarios.
O enbenhetro architecto refere que o dictador,
qcando emprehend-.u a de-cila da serra de Mar-
aju para as caboceiras do Araambay mandou que
ues inglezes que estavao a seu servi?) se encar-
regassem dos caixoesc bahii- que cinteem as ri-
quezas de Lpez para levarein a Buenos-Ayres,
donde embarcara no vapsr inglez. O deponen-
io dis que sabe disso porque ura desses inglezes
se oi a despedir dtlle, ollereccndo-llies seus pres-
timos era Bien is Ayres. Esses tres Inmens vn
em urna anoa pe Aquibalan on Je uy. Cha-
mara-se Nesbitt, Hunler c Taylor. sendo o ultiini
pertencente a uina familia ingteza que e acha
agora em Assumpeao, tra/.ida de Peribebuy. Creio
que j se u andou gente nossa a encontrar esses
novos conductores do relocino.
Beterem mais os passado?, que por todo o
caminh i que seguiram at encontrar os acampa-
mentos brasiloiros, teem visto muitos cadveres
de outros que buscavam csso acampamentos, e que
nao poderain eh^gar a clles, morrendo de inanicao
Imtre bmc ca lavares ha muitos Je mulheres, p ns
Lnpez j doopodio de seu sequilo todas as familias
que elle obrigara at entao a acompanha-lo.
O general Cantara, cujot'rao b actividade pa-
tonteon sa de modo superior & todo elogio nessa
pliase d guerra, preparva-se para seguir no da
lo desto em perseguieao de Lpez. Tendo noticia
da tu lies facto precipitou kua marcha, e seguio
10 dia 10, leva-id o grande num*> de cvanos e
inuni"oespara dous mezes. Val da Couceiclo pa-
ra B'iia Vista por oudc cruzar o Apa, e espra-
la no baixo Matto-Grosso a Lop-.z, toraando-o pela
frente, .
O e .ronri Par.uihos, digno companheiro daquei
lo b ivo geiural, e que ao talo telle tem provade
ritas ipirii Jadea de militar, apezar do grave
esi.vl. desande a quo o reduzi'am cinco annose
ie campauha, segu no encalco de Lpez pe-
guarda na estrada do Chingelo a fazr-lhe
tre'ni u> ca- de tentar voltar o dictador fugitivo
qniri 11 liver noticia de lerem as ion;as do Cma-
ra lli- lomado o passo.
O y-ueral Victorino, que fui ltimamente Con-
eeicj' >, onde combinou com o general Cmara ai-
is providencias, diz em urna carta para esta
rifede qm estas sero as ultimas operagdes desta
iiuen .'-.-.
neral Cmara mandou dizer para o Bosa-
iio que delle nao esperen noticias antes de poder
ilizntt ou que l.opez est agarrado, ou que
Su nix subi do Rosario para Corumb o
i,o 21. iudo ao mesmo tompo nesse vapor o
o.l Mermes, qne vai ser o commandanle das
- no baixo MatoGrosso. Tudo assegnra a
rdali .me vi e>criplo em ama carta dille nestas palavras:
i territorio brasileiro, ns mesmo theatro da
a?grft-3o primeira de Lpez, se ha de rea-
a u luna victoria do Brasil nesta guerra.
vai ter parto esta gloria. A ida do btfaNuur
11 para o Coreaba, onde j exista Outr forca
ileira, demoastra que I^pez, cruzando ra-
iav, pretende tomar a estrato qne em 18
mandou risrir de perto to GoruTiba para Santo
O embarque esleve soleTnne e pomposo. Com-
parec ram Sua Alteza e seu estado-maior, lodos os
generaes, officiaes superiores. O coronel Cam-
ino leu umaordem do dta apropriada ao assurapto.
Enlao usou da palavlf o coronel Faria Bgcha,
agradecendo, e terminon com um voto de gratidao
aos militares que desde o comego da guerra ti-
nham recebido aos voluntarios com conlUnca e
agrado, aquellos que ao clangor da corneta no
campo de btalha deram a seus companheiros de
armas o amploxo de fraternidade, como llies da-
vam agora no momento da separacao, no theatro
das gloiias communs, concluindo por levantar um
viva, como signal de lembranca immorrecloura, de
perenne saudade dos voluntarios da patria, ao
Hirate imperial representado na pessta de Sua
Alleza o Sr. conde d'Eu.
' Esse viva M estrondosamento cnrrespondio.
R, citou entao o Dr. Doria, secretario do corpo de
sade, um discurso que se destribuio impresso,
sendo muito applaudido.
O oroncl Faria Bocha, usando como devta, da -----.. .----------------,__
palavra outra vez, disse que uao era s no campo | como multas outras p issoas nesta ciaaoe.
da batalha que apiareciam os mdicos para estan-
as fendas recebidas em de-
(inalidades. As columnatas estavao entretecid i
do flores silvestres.
Havia no tecto tras grandes lustros com 30 lu
zes cada um.faiti de papel, sendo todos tres obra
de pracas do 53 corpo de voluntarios da patria.
Havia mais dous lustres de 12 luzes^ada ura com
as armas brasileiras, os quaes flguravam no bem
preparado tropho de armas, ntidamente prepa-
rado por um olficial do 30 corpo de voluntarios.
Muitos outr s menos pendiam do tecto, o qual res-
plandeca pela multido de luze que circulavam
o dito barra cao. alera da illuminacao do grande
circulo que fechava o espaco onde se levantara o
barraca. Fizeram-se diversos brindes que foram
todos entusisticamente correspondidos. Urna
pocsia nitidamente impressa, offerecida ao coro-
nel Farii Rocha pelo Sr. J. Gra?a, |assi>tento do
general Victorino, foi distrlSfcida. Durante a la'
de e por todo o tempo que durou e jantar tocaram
pedaeps de operas lyricas sete bandas de msica,
sendo duas argentinas e cinco brasileiras.
Essa pomposa resta foi promovida por urna
com'missao, cuja presidento foi o Sr. brigadeiro I e-
dro Mana Xavier do Castro, membro da junto mi-
litar Tiveram asiento na mesa cavalheiro3 de
diversas nacionalidades, porque o banquete era
dado ao coronel Faria Bocha por ter sido o fun-
dador da maconeria no Paraguay.
Esperava-se que a 2' brigada de voluntarios
deseesse agora, aproveitandose o Mzralio Oas,
o Anicola e o Presidente. Mas creio que, lendo o
Ani'cofide conduzir doentes, n> pode fazer parte
da esquadrilha, e por isso inulihsou-so a ida de vo
tornarlos. Foi um mal; porm como o Amcota
lendo ido para o Brasil a 3 de derembro, com
doentes.s agora vnlion*avia nos hospitaes muitos
dopntes. que deviam ser tranferidos, demorados
durante a longa amencia des Chegaram hontom do Rosario G doentes,
vindos no vapor Victoria.
O Anicola tinha chegado na ante-vespera,
mas sera doents nenhum de l.
No dia 18 st-gnir esse vapor para Humay-
l e Brasil conduindo 03 doentes que devem ser
transferidos agora.
E' bom o estado sanitario.
A temperatura foi muito benigna em |anei-
ro, mas os primeiros dias de fevereiro foram quen-
tes.
Das torgas de cavallana que se acham esta-
cionadas em Villeta vo marchar para Jtapua
dous regimentos, os quaes dahi seguirao para o
ponto onde se acha o general Portmho, anm de
vollarem para o Bio Grande, atravessanlo o Uru-
guav. Jaeratenipi.
Ha agora urna orJem para que as malas vin-
das do Brasil, que abr ara se em Asrarapcao para
desse ponto fazer-se a distribuigo das correspon-
dencias, nao sejam mais abenas nesta cidale.
Nao sei qual a utihdade da provtdencia n iva.
O quartel-gerteral do exercitojiesiaphaso da guer-
ra nao tem lido, nao pode ter um ponto (ixt. Era,
p iis, muito natural que fosse a cidade da Assump-
eao, onde se acha o ministro plenipotenciario, o
prato central da correspondencia ao Brasil. Daqui
iriam com regularidade todas as cartas para Hu-
mayla, Rosario, Conceicao, Curuguaty eti., como
iam at agora. O resultado dessa alteragao e que
at a esta hora nao tenho cartas e ornaes que de
viara ter sahido a 15 de Janeiro dessa corte, booi
----------1-------------------------!-----------------------,------------------y
etc.; a hygiene deve tambem levantar a sna voz
era dome dt salubridade dos povos, da saude e
longetidade das familias, do bera estar rhateriaJ e
mora/ de todos os dividuo?.
Oxal sejam ouvidos por aquellas, a quem conhe-
cer, s clamores dessas duas sciencias previsoras
e anigas da humanidade.
ET por isso que cu applaudo a providencia do au-
gusto general cm chefe.
Para o proprio Brazil utilisstma a medida. Es-
ses soldados que voltam ao Brazil depois do cinco
annosido campanha. depois de cstarem senhores
de urna populagao femenil, enjos favores sao fcil-
mente obtidos pelo3 excrcitos vencedores, esses
sida los no Brazil sero ameacas permanentes para
a honra das familias, para o pudor femenil.
Creio que Alejandre Dumas foi quem escreveu
que o soldado d/pus das guerras perde todos os
scntimentoaous, s est contente quando tem boa
cama, boa mesa e mnlher a sen lado. A vida mili-
tar traz essas conequeacias: a materia mata o es
pirito. Moralisanlo, pois, o oldado com a mulher
com qiiem se lign na campinha, se faz grande
servido populacac para onde volta o soldado al-
tivo da victoria. A paternidade o prendera fa-
milia ; a familia o prende' a sociedade moralisa-
da, calma, r* guiar, in qne entra-de novo. Pens
eu, portante, que se Jevc porpiittir que as Para-
guayas aeompanhern aos soldados que voltam para
i Imperio. Lucra com isso o Brazil, bem como la
era o Paraguay. Com sua* trezenta* bragas de trra,
com seus trezentos mil rus, constilua cada volnn-
lario um ncleo de popolaco era nossos campos
desertos, mas ubrrimos.
O Brazil.Tico como otTatecc ao habitante meras
para forcar a prodnecao io terreno, augmentar a
somma do sua manutengo, p 'dendo sua activida-
do o intelligencia d^r uma latitude proporcional a
extengodo sua especio : a'.ii cida homom alcan-
car mai* e mais commodidas.
O Sr. Rivarola, membro do governo proviso
rio, fez hs das ouira viagera ao interior aflm de
insistir pelas plantaces para a manutengan do povo.
Deus o aj'tde na tarefa.
A Rege eracion j escreveu um artigo acon-
sejando o trabalho obrigatono.
Vai sahir a luz outro peridico nesta cidade,
para o que o g .vorno j deu a licenga respectiva :
de um associagao.
Em Corrientes a guarda naciooal foi recebida
com tres dias de fustas. m
Aehatn-se nesta cidade os Srs. Vrela (Ru-
fino e Joio Cruz ) o primeiro redactor la Tribuna
e o segundo negociante. Sao dous mogos intelli-
gentes c cavalheiros.
Por decreto do 23 de fevereiro ultimo foi apo-
sentado a seu pedido Jos Joaquim da Silva Jnior,
ajudante do porteiro da secretaria de estado dos
negocios da agricultura, commercio e obras pu-
blicas.
Por portaras de 21 do dito mez foram nomea-
dos Jos Ignacio da Silva, continuo da masma se
cretaria de estado, para o substituir no dito lugw ;
e Joaquim Jos Pinto da Fonseca, continuo addi-
do, para o lugar d'aiuee.
H intem do madrugada seguio para Mina, em
um trem especial da errada de ferro de D. Pedro
II, o balalho de voluntarios desta provincia lti-
mamente chegado do Paraguav.
S. M. o Imperador assistio partida dos volun-
tarios.
A gatera norte americana Gaspee, procedente
de Boston, de 1,400 toneladas, carregada com oar-
vao do pedra, encalhou ante-hontem pelas 4 horas
e 30 minutos da tarde n'um pequeo pareel des
eonhecido ao S. E da* boias da restinga das Fei
tieeiras, a 3' bragas de distancia das mesmas botas.
Foi soccorrlda iminediatamente pelos escalcres da
capitana do porto e lancha de soccorro naval.
Nao obstante a irovoada e chuva, at s 2 1/2 ho
ras da manhaa, trabalhou-se activamente em al
hviar a dita galera,, tiramlo-se-lhe cerc de JoO
toneladas de carvao do poro, de proa consegum
do safar hontera com a preamar pelas 2 horas e
3-> minutos da tarde.
Por decreto de 3 d*o crreme foram noraeados :
Graa-cruzda ordm de S. Bento de Aviz o vi-
ce-almirante Diogo Ignacio Tavares ; ...
Commendadore* da mesma ordem os chefes de
divisao Hernieneuildo Antonio Barbosa de A Inun-
da. Victorio Jos barbosa Lomba e Jos Antonio
de Faria ; .
Cavalleiros os offlciaes de fazenda da 2* classe
Guilhermino Jos de Souza Dias e Joaquim Jos
Alves de Mallos.
Por decreto de 4 do corrento foram demittidoa:
O ba marel Alfredo Sergio Ferreira, do lugar de
procurador fiscal da thesouraria do Amazonas, e
Francisco Xavier Pereira da Brito, do de solici-
tador do juiz dos feitos da taenla da provincia
de Pernambubo.
Por decretos de 23 de feveretoaltimo :
Foi aposentado, a seu pedido,^ juiz de direit^
IiNTERIl
car o sangue e curar.......
feza da patria, mas tambem n.iquella hora solemne
em que os coraeocs soffriam a dor da ausencia e
peno-as saudades, recordagoes da comraunhao de
pensamentos e de vidas em cinco annos, vinlia ?
medicina curar com o balsamo da palavra as dores
moraes daquella occasio.
O coronel Francisco Lourengo, despedindo-se de
seus collegas voluntarios da patria, om termos
coramovedores, dsse-que clles fossem desmentir
na trra natal os beatos com que a rnalc Ucencia
quera macula-los, e que mostrassem sempre pela
elevagao da seu procediracnto que sao toluntarios
da patria.
Sua Alteza o Sr. conde d'Eu apertou lhe a mao
quando o venerando ancio acabou do fallar.
Enlao o coronel Faria Rocha, abracando ao've-
terano voluntario, agradeceu as palavras do digno
proprelario que deixou patria, familia, Coub-
modos e fortuna para vir cragir a espada de
guerreiro, e que tinha t3o bem desempennado a
missao de que se encarregara, c terminou dizendo
que com saudades se separava de seu com-
panheiro de armas, e que ia sepera-Io na Rubia
coih os soldados do 40, cada um com sua gri-
nalda de llJres, para as offerlarem na occasio
do desembarque naquellas plagas ao venerando
ancigao, ao bravo commandanle bahiano, exem-
plo do diguida le e de bravura.
O joven cabo da guerra, ( augusto general
em chefe, que era a testemnnha daquellas >cenas
commovedoras, tomou ento a palavra, e em um
formoso improviso fallou em nomo da tropa de
linha aos volunlarras, e, terminando, disse que
todas as provincias se deviam ensoberbecer por
abragar de novo a seus fllhos, porera a Baha
muito mais que outra qnalquer pelo grande nu-
mero de voluntarios que mandara para a guerra
e por ter dous coronis honorarios que ganharam
esses posto3 no campo de batalla.
O cadete Severo Moreira do 14 de infamara,
recitou uma Irada poesa c offertou a Sna Alteza.
Entao o conde d Eu, dizendo que a ordera do
dia do coronel Carvalho lhe tinha despertado uma
idea, que eile desenvolveu oceupand i-se ainda dos
bravos camaradas de que se se arava com sau-
Jades, terminou dizendo que os combates M.
Piribebuy, Campo Grande, e Caraguatay nao
linham commovido tanto com essa des| edida so-
lemne entre os seus valeotes commandadus que'
jnostravara-so sempre irmos nos martyrios e as
glorias.
Fui e-trondosamente applaudido o dis'urso do
general em chefe com um cirn ao conde d hu,
que reboou por todas as Qleiras.
Assim terminou a festa do embarquo dos vo-
luntarios no Bosario, seguiram os dous vapore-
Galgo e S- Jos, chegando a esta cidade < 5 horas
da noute. coronel Faria Rocha tendo aqu desem-
barcado para despedir-se do S. Exc. o Sr. conse-
iheiro Paranhos, foi muito obsequiado por ene
disincto cavalheiro, que reuni em sua xasa al-
guns amigos do coronel Faria Rocha, off.-recen-
do-ihe um copo d'agua, era que se fltaram muitos
brinde? expressivos. .
A uma h >ra embarcou o commandanle da bri-
gada, st^uindo os dous vapores para Humayta,
onde o Cu loba devia reeeber o 17, devendo a esta
hora eslarera todos perto do Rio do Janeiro.
O corouel Faria Rocha d-ve estar muilo sabs-
feito com as demonstragoes de estima que merecen
sempre no theatro da guerra.
Anda no dia 7 de Janeiro deste anno, da no
anmversario desse distincte mihlar, data que co-
incido com a do decreto des voluntarios da pa-
tria de 1865, algn* amigos lhe offereccram no
acampamento do Rosario o mais expendido
banquete que jamis se deu no exercito A
mesa linha 183 talheres : era em forma de ferra-
dnra. Apresentava nma visto formosssiraa,
achando-se ricamente preparada de tudo o cora
abundancia, lavendo-se at reunido as frutas do
paiz com algumas de Buenos- Ayres nesta cstagao,
para o que houve muRo cuidado desses cavalne:-
ros, visto que no Rosario nao ha fructa de qua-
lidide algma. Fra a mesa armada no campo,
debata de um barracan para Hsn expressa-
mentc preparado. Era esse feito todo de fclhas,
sustettlado por arcadas diversas
Nao sei se muito regular o correio do Rosa-
rio : o que pos-o afflrmar quo o encarregado do
correio nesta cidade, o alferes Nery, era muito
zeloso no cumprimento de seus deveres. Esc or-
fical, que foi ferido no principio da campanha,
o iC'U incapaz do servigo activo, nao quiz voliar
para o imperio, e as diversas commissoes enTque
tem estado se tem mostrado zeloso e activo. Era
digno de uma promogao.
O Sr. ministro Paranhos j offlciou ao Sr. mi-
nistro da guerra para mandar as malas em se-
parado
Em Humait foram aprisioualos uns vinte
indios payaguacs, que se dizia terem v.ndo de
Corrientes, e que entretanto se dizia tambera se-
ren espas de Lpez. O coronel Piquet os fez in-
terrogar alli por intermedio de um linguaraze, e
remelteu-os dep-tis para esta cidade. Aqui foram
de novo interrogado- por ordsm do general Salus-
tiano, o qual depois o remetteu para o Rosario,
disposigao do Sr. conde d'Eu. No Rosario na mes-
ma noite do da em que chegaram, apezar de te-
rem sido entregues a uma guarda desappareccram
todos, ficando apenas um.
O ar:hivo do exercito, depois da noraeago
do presidente da commsso archivista, o major
Cesar, ficou muito rcgularisado, tenia cada caixai
a nota do balalho a que pertence o archivo, o es-
tando era seccoes disuadas os dos archivos dos
quartes-generaes d)s exercilos, serrijo do hospi-
tal, etc. Foi, porm, agora aquello offlcal nomea-
do para o quartel-general do commando desta ci-
dade. Vai substitui-lo oSr. capilao Teltes, que se
achava no servigo da estrada de ferro.
. O Sr. almirante Lomba lera prosudo muitis-
simos servigos na presteza da ida dos vapores para
os diversos pontos em quo as exigencias do servi-
go actual os reclamara. Honra sja feita' intclli-
gencia e actvidade deste distincte offlcal da ar-
mada brazlera.
Sua Alteza tem temado no Rosario uma pro-
videncia muito digna de elogio. Tem feito casar com
os soldados brazileiroaas mulheres paraguayas que
os querem acompanhar para o Brazil. Sob todos os
as ectos digna de applauso essa medida. O Bra-
zil precisa de popolagao : a i la dessas mulheres,
que s5o assim regeneradas, tambem til pira
ellas e para seus filhos: E' uma le constante que,
depois do todas as grandes mortandades, a popu-
lacho tendo a recobrar o equilibro quando ha sido
perturbado por uma causa qualquer. Para dar urna
i dea da rap/ez com que su enchem os vazios de-
pois" dessas pocas calamitosas, basta observar que
os estragos da peste do .Londres (1666) j nao se
notavam aos 25 annos depois de decorrido aqoelle
agoite.
O mesmo aconteceu na peste'que desolou a Proa-
sia em 1710, arrebatando, se unto os clculos de
Sussniilcli, mais de um turco da populagao da melle
paiz. Sussmilch refere que no anno seguale ao da
peste o nomero de matrimonios fui qoasi duplo da
media ordinaria. Depois da peste negra du 1348, o?
sobreviventes, homens e mulheres, se casaram de
tropel. As mulheres eoncebiam tedas ; por toda a
parle se viam muilwres pejadas; tud'3 davam jluz.
urnas duas, outras tres enancas em cada parto,
i Aquillo, diz Micholot em sua lisloria de Franc,
Squillo era como depois de qualquer grande pe-
saetr', como depois da pesie de Marselha, depois
do terror na poca da revuluciu; aquillo era um
prurido selvagem de vver, uma orgia de heidei
ros. Ora, o mesmo deve acontecer agora no Pa-
raguav. .
Eu nao son Mallhusiano, ou adepto das douln-
nas do celebre economista inglez, que assentou a
glacial e desconsoladora doutrina de que a povoa-
gao lende a augmentar seguindo umi progressao
geomtrica crescente, que tem dous por expnente;
e a manutengo, as subsistencias, ou a ferldldade
da trra crescem s na progressao arithnielica.
Nao sou Mattkusiano; mas estou convencido que
o Paraguay, por largo numero de annos-nao pode
offerecer araentacao a geragao nascente: fallante
aqui os meios de subsi>tencia
O que ser daqui a dous annos desta multido
de fllhos sem pais ? I Criangas cujas mus nao po-
dero mant-las, nem educa-las, doentes, mendi-
gos. Ante tal espectculo a economa poltica deve
RIO DC XlilttO
3 dr M.vngo.
Pelo paquete inglez Mujellan, da linha do Paci-
fico, recebemos hontera folhas do Rio da Prata
at 26 do passado. Nada referom de interese a
nao ser. relalivam-inte repblica do Uruguay, o
faci de haverem as cmaras approvado, por 24
votos contra 17; os actos do governo, pelos quaes
desttBTou os redactores do Siglo e da Paz e
fez nfltaafbsas prfsoes urcvenlivas. A assemblea,
ap%rovaj|jslas me lidas, apenas accrescentou
que conRav*f ff9c trpo^or eweiiliw Ihm tona eos-
sar os elTetos apenas terminassem as causas que
as haviam motivado. Aiada a 25 pronderam;se
mais algumas pessoas. por se terom interceptado,
segundo so dizia, cartas de theor revolucionario
conselheiro Francisco Jos Furtado em Um lugar
de desembargad ir da relagao do Rio de taneiro,
com o ordenado que lhe for devdo : dependenao
nesta parte de approvagao do corpo legislativo.
Foi removido, a seu pedido, o juiz de direito
Toeodor. Machado Freir Pereira .da Silva, da va-
ra da auditoria da guerra para a 1-vara com-
mercial da corte. .
F.d ,-econduzdo o bacharel Vicente de Paula
Cascaos Talles no lugar de juiz municipal e da or-
phos do termo de Alagas, ua provincia do mes-
mo uome. ..-
Foi noraeado Antonio Loopoldmo Pereira lmuo
Cacella tenente -coronel commandanle do T ba-
lalho da reserva da guarda nacional da provincia
do Pi r
Foi rent. grado o lonente-coronel Roberto Cor-
rea de Almelda e Silva no commando do batainao
de infamara n. 11 da guarda nacional do muni-
cipio do k. da pr viucu ,do Cear, llcando sem
..ff-ito o tPtrm de 6 deffthho de 1867, jua o no-
meou para o lugar de chefe do esiado-marar do
commando superior dos municipios de Lavras e
Telha, da mesma provincia.
Foi aggregado ao estalo-maior do c
Guraares, Candido Cardoso de Oliveira Guima-
ries, Jos Ferreira Guterres Sobriiho, Thomar,
Bardv, Justimano Jo- de Sonza, Jo* Vctor d*
Almida ; aos dilos do 53 corpo idem dem, Fran-
cisco Chinaco de Salles Barbosa, Fcleissimo de
Azevedo Mello, Gamillo Machado Freir, Izaias Jo-
s Ferreira, Antonio de Albuqnrque Maranhao
Cavalcanti, Joi Pereira de Lucena, Olavo Anto-
nio Ferreira. Torquato de Souza Ramalho.
De alferes : aos alferes do 40 corp i de volun-
tarios da patria Ignacio de Almeida Gouva, Joa-
(|iiim Correa Piraontel, Laurano Herraogenes do
Sacramento. Elnardo Augusto d; Noronha, Ma-
n.*l Catuby, Antonio Correa dos SaBtos, Augusto
Lucas Henriqu.s, Antonio Belarmino Ribeiro San-
ciies, Joo Jiks Fornande's da Cunha. Augusto
Obvio Bitelho, Patricio Alves Esoinola, Francisco
G ragalves de Salles, Justiniano Pereira Lacerda,
J.s Baato Antones, Joo de Deu* U.rli?,_Gabriel
Jos do Valle, Manoel-Goines Ribeiro, loao Alves
d Silva Flores, Jacintho Febronio de Olivei/a, aos
ditos do 53 corpo, idem, idem Manoel Gongalves
do Nascime'to, Francisco Per-ira do Lago.Jpao
Francisco da Silva Castro, Patricio Lino de E ^rias,
Leodegario Ferreira Coeiho, Joa Gualbertd'Bor-
r*. Apolnario Luiz de Carvalho, Jos Francisco
de Souza Leile, Prudencio Pessoa da Veiga, Fran-
cisco dos Passos Baplista, Joo Baptisla de Vas-
concellos, Joaquim Nunes do Valle, Joaquim Fran-
cisco Torres Gallindo, Manoel Elias Temudo Les-
sa, Elpidio Jos d Silva Azevedo, Flix Antonio
de Alcntara.
_ 6
Entrou h-intem do Rio da Prata o paqae--
lo francez Uruguay. Apenas traz folbas
at 27, por haverem os peridicos sus-
pendido a sua publicagu nos dias de car-
naval.
P>r cartas particulares %i do corre-
te, dia da sabjria do paquete, soberaos, po-
rm. que nenoiima noticia havia chegado do
Paraguay, nem se dera facto tgura no-
tavel em qualquer das repblicas pla-
tinas.
As cmaras ile Montevideo iam occopar-
se immediatamenle dos diversos projectos
linanceiros, que Ihes tinham sido apresen-
tadus, urgindo este assumpto, a que o pu-
blico ligava grande interesse. por espirar
a 16 o prazo marcado para o curso forgado
ltimamente decretado.
imperial do aosso ministro residente era Buenos-
Ayres o segrale telegrainma, com noticias da
Assuupco at 18 do passado :
Telegrainma.-O conselheiro Paranhos ao mi-
nistro do Brasil.cm Buenos-Ayrc?. Assumpeao,
18 de fevereiro de 1870.
O general Cmara movease da Concepcin
S. M. o Imperador, acompanhado do
seus semanarios, chegou s 9 Vi, horas da
manhaa ao arsenal de mnrinha, visitn o
asylo dos invlidos da patr a. na tlha do
Dom-Jesus, e o aqoartelamento da fortaleza
da Praia de Fra, desembarcando no arse-
nal de
5SK;r.S^ rss
gqerra s 2 Vi horas da tarde.
i dia 9 do crreme com a principal columna de
suas forcas em direcgo Bella-Vista, que Oca
parto das cabeciras do Apa e onde so achava
acampado com ama forga da vanguarda o coronel
Bento Martins. O coronel Paranhos deve ter mar-
chado no dia lo com a 2.' columna, dirigindo-se
aos campos de Chingelo.
A fuga de Lpez em direcgo ao norte pare-
ce um facto indubitavel. Tolos os passndos con-
firmara e3te juizo, que a conviegao do genera!
Cmara, de cujas disposigoes se deve esperar ou
a captura do fugitivo, ou, se este tomar grande
antecipage, a certeza do ter passado para o terri-
torio da Bolivia. ... .
A ultima prova da fuga-de Lpez foi levada
ao coronel Bento Marlins eitlB-dla-Vista pelo ca-
p tao Len Caceres, ajudante d'ordeiis do ex-dic-
tador. Do interrogatorio feito a 10 do correte a
este passado consta que Lpez se achava com o
reste de suas torcas em Capivary, uma legua dis-
tante de Chirigueh, nos primeiros das deste mez.
Infornon o dito passado que enm tao frequentes
as desergoes que nem o mesmo Lpez poda saber
ao cerl) a forga que o acompanbava, o refere
umitas circunstancias, que tornam o seu depoi-
mento concorde com os anteriores em descrever a
siiuacao de Lpez como desesperada.
J em marcha tova noticia o general L-amara
de que alguns Paraguayos das torgas destrocadas
de Gens haviam apparerido pelo Aquidaban e
tentavam passar este rio para fazer junegao com
Ldjh'z; saqueando durante u seu trajelo as mise-
ras familias que encontravam e coinmeltendo tota
a sorte de alternados.
t O general mandou-loes uma forca no encaigo.
Os ban lides resstram ; morrerara tres e Acaram
priioueiros o maj r Gabina Salina, endo. um ca-
oitao, dous tenentes o dous soldados. 1 raziaos a
Concepcin e alli revistados por ordem Jo coronel
Paranhos, foram encontrados varios objectos de
ouro roubados s familias. O roubo apprehendi-
do foi entregue autonda le paraguaya da Con-
cepcin, como esta solicitara, para ser remettido
ai. governo provisorio da repblica.
Em attengao aos relevantes servigoe que tm
prstalo ostruegao popular nesta corto, foram
iiomeados : ,
Ollleial da ordem da Rosa, o engenheiro Fran
cisco loa uim Bethancouct da Silva.
Cavalleiros da mesma ordem, Joio Jos da Cruz
i'.,iri.n, Julio Roberto Dudop, Severo da Silva
Q aresma, Antonio Vrauju Souza Lobo, Luiz slal-
r.n. Aulonio Jacy M mteir >. .
CavaUriru da ordem de Cinsto, ^ntonio Jos
Wt'riuo do Barros.
OSr.Dr. Souza Res, deputado porPernambu-
eo, ..bsequiou o batalbu tf do voluntarlo da
patria dVsuap :f'recendo uma chicara
le cl a> com n m I inte e mais oTMae- do mes-
no batallia na n.ite da segn la feira. _Achou-se
pr-.serae, entre nutra peasii.'W, o 5r. barao de ato-
ntib.i, ministro da guerra. '
%
S. AI. o Imperador, acompanhado do soa3 se-
minarios, chegou ao arsenil da marinha hontera
do manhaa c, embarcando na galeota imperial,
foi visitar a fragata escola da marinha, e reUrou-
seas ll horas.
do Mara-
que ser
Noronha,
termo de
coronel commandante do dito batalhao n. II, UM
todio Ribero Guitmres.
Fcz-se merca'' a Tnomaz Rrymundo Bekraam Ju
niw do offlcio de esenvo de orphos e a
do termo de Alcntara, na provincia
nhao.
Por decretos de 3 do correnle :
Ai commutada em gales perpetuas,
cumprida no presidio do Fernando de
a pena de morte imposta pelo jury do .
S Joo da Boa-Vista, na provincia de S. Paulo, ao
reo escravo Manoel.
Fui commutada cm gales perpetuas, que sera
cumprida no presidio de Fernando de Noronha, a
oena de morte imposta p lo jury do termo de Pe-
lotas, na provincia do Bio Grande do Sul, ao reo
Demetrio, escravo de Felisberto Ignacio da Cunha.
Foi commutada em gales perpetuas a pena de
morte imposta pelo jury do termo de Caconto,
na provincia de S. Paulo, ao reo escravo um
mingos.
Foi commutada em gales perpetuas, sera cum-
prida no presidio de Fernando de Noronha, a pe-
na de morte imposta pelo jury do termo da lara-
hvba do Snl, n provincia do Rio de Janeiro, ao
reo Luiz, escravo de Vicente Jos da-Costa.
Foi coinmutada em 20 annos de pnsao com tra-
balho a pena de morte imposta pelo jury do ter-
mo de Cetele, na provincia da, Baha, ao>ro
Claudino, escravo de Francisco Manoel da biiva
Pt*rpirs
Foi commutada em galos perpetuas, no paesidio
de Fernando de Noronha, a pena de morte impos-
ta pelo jury do termo de Campias, na provincia
de S. Paulo, ao reo Scverino, escravo de Luciaao
Teixeira Xogueira.
Por ttulos de t do crrante foram nomeados
aos. Ante tal espectculo a economa, poltica deve Antonio Jos Gesteara e Anisio, Cosar d Oliveira
Cantar-sua memnoa do capitale^o trabalho, Vianua para os lugares de prat.cantcs da thesou-
da circularlo, o do imposto, do. producto liquido > ram da Baha.
Por decretos de 3 do corrente foram concedidas
ao alferes do extincto 4i eorpo de voluntarios da
patria Joo Antonio de Azeredo Coutraho, as hon-
ras do posto de alferes do exercito, era attengao
aos relevantes servigos prestados na guerra con-
tra o governo do Paraguay.
Por decreto de 4 do corrente foi nomeado au
ditor de guerra da corle o juiz de direito Manoel
de Araujo da Cunha.
Em attengao de servigos relevantes prestidos
na guerra actual foram concedidas por decreto
de 4 do corrente as honras dos postos militares
do exercito abaixo mencionadas :
De Io cirurgio capitn, aos primeiros cirur-
goe.3 em commissao do corp de sade : Artnur
Cesar Bos, Francisco Lucio Soares de Andrade,
Jos Alves de Mello.
De pharinaceutico tenente do mesmo corpo : ao
pharmsceutico tenente de commsso Serafim dos
Santos Souia. ._.-:
Oo major : ao major do commissao Saturnino
Ribeiro da Costa, io dito idem do 40 corpo de
voluntarios da patria Antonio Jos da Silva ; au
dito idem do 33 corpo idem idem Jos Bonifacio
dos Santos Mergulhao.
De caoilo ao capitn de commissao Jos Vieira
de Faria AragSo AUliba, aos ditos do 40 corpo
de voluntarios da patria Vicente Lopes de Medei
ros Chaves, Luiz Francisco de Souza, Rozendo Ja
sumo de Souza Brito, Joo Giudencio de Lima
Bernardo Miguel Guanaz Mneiro, Joo Pereira de
Castro, Domingos Jos de Araorim Jnior, Manoai
Jos de Souza. Aos eapites do 53 corpo de vo-
luntarios da patria: Joo Francisco da (ranna
Pompilio Goncalves de Albuquerque o "z-.^S.
Gongalvcs do" Albuquerque e Silva, Jos r-ins
Pac' Brrelo, Austricliniano de Torres Gallindo,
Manoel do Nascimanto Pontos 'onior Francisco
Baptista Correa Cabelleira. Florencio Bodngues ae
Miranda Franco, Manoel Eloy **_ nnniinmvi
Do tenente : o tenente ^ commissao Doriungoj
Venancio de Azevedo; aos *w do 40 wtm de
voluntarios da patria Pedro Mari ras dos Samo
nuveirii Pesian Joaqu m de Sant Anna, fciiau
DaiffsVSK S"im Cardoso de Olivera.
Por decretos de 25 do mez pas-
sado :
Fui exonerado, a seu pedido, do posto
de 2o cirurg3 do corpo do sand* daina-
da o Dr Joaquim de Carvalho Bettamio.
Foi iiomeadn 2 cirurgiSo do corpo de
sade da armada o Dr. ClodovCo HelL-doro
Celestino..
Foi transferido da 2 para a Ia classe do
corpo da| armada o Io tenente Jos Ignacio
Borges Machado
Por portara de 28 de fevereiro lindo, foi
concedida ao engenheiro Francisco Jos
Gomes Callaca, a exonerag3u que pedio do
lugar de ajudante da nspecciio geral das
obras publicas.
Por decreto n. 1.483 do 3 do corrente
foi prorogr.do por dez annos o prazo de du-
raco da caixa econmica da cidade da "Ba-
ha" eapprovada uma alteraeo feita nos
respectivos estatutos.
Alguns amigos do Sr. tenente-gene-
rl Polydoro offerecoram-lhe na noute de
ante-hontem um baile as salas do Club
Fluminense, em signal nao s de regsijo
pelo seu feliz regresso da campanha do Pa-
raguay, mas tambem de apreco pelos seus
relevames servigos.
A casa eslava esmeradamente ornada e
a entrada enfratada com arbustos e tro-
pheos militares. Acharam-se presentes va-
nos memlros do ministerio, senadae c-
mara dos deputados, representada1 da
raigistratura, exercito, armada epnncipaes
classes da sociedade, bem como de ambos
os partidos polticos. 0 general Polydoro,
que acabava de cumprir lealmente e cus-
a de pesados sacrificios o sea dever de
soldado da patria, pode assim ver quo to-
das as i lasses e todos os partidos o esti-
mam pelo seu carcter probo, recto e mo-
terado.
Crescido numero de senhoras, rica c ele-
gantemente tr j das, deram realce a esta
festa, que alegre e animada se prolongoii
at adianta 'as l>ras da noute.
-*
OUBIO OE PERNAMBUCO
RECIFK 14 DE MARCO DR 18.
NOTICIAS 00 8DI. DO DIPSRIO.
-Cheg -u home n pela manhaa o vapor fran-
cez Uruauay, trasendo datas du Rio de Ja-
neiro aie 7 e da Baha at 11 do corrale.
Sob as rubricas Parte o^cial, Exterior e
Interior encontraro os leitores por extenso
as notic as mais importantes, alm das quaes
apenas lemos nos joraaes as que seguem.
MINAS GERAES.
J era coabecido p resultado dos col-
Ifgios d i Mjr de llespanha e do Juiz de
Fra, para a rganisac3o da lista sxtupla
senatorial. Eram mais votados:
Dr. Luiz Garlos......
Commendador Ferreira Lago
Conselheiro Antao
Commendador Cruz Machado-
Dr Jeronymo Penido
Dr. Joaquim Delfioo
PARAN'.
No dia 15 de fevereiro foi iasUJiaaa

79
"78
77
76
65
65
1



. mi
Diario de *ernambuco Segunda feira 14 de Marc,o de L870.


a assembla provincial; cuja meza flcou *>
sim orgaaisada: presidente Dp. Joart'dira
Dis da Rocha, secretario Drs. Antonio C.
Ferreira do Abrcu e Jos rtUur de Mury-
celly.
^ PALLO.
Era raro o diafm q 10 as folhas da pro-
vincia n3o ncthtavam a manunjissjo da, al-
guna escravo ; nosjornaes qaetivemos, en-
contramos as seguales :
O capillo Joiquim Francisco das Cha-
gas, residente oa capital, deu liberdade es-
pontneamente a sua escrava de nome Fran-
cisco.
e O agente consular da Allemanha do
norte, Ernesto Steidel libartou a escrava
Joaquina, pertenceule ao espolio do finado
ciailSo prussiano Jacob Micbels, proceden-
do assim por con'a d Alberto Muller, que
fra empregado cm casa de Michas e liojo
so aeha cstabelecido no interior da provincia.
Sr. Antonio de Abreu Sampaio, ne-
gociante em Campias, lihertou na pia bap-
sinal a sua escrava menor Igaez.
-No dia 1 de margo foi lavrada a es-
criplura de emprestada (las obras da com-
pantiia Paulista, tomada palos Sr. Angelo
Tuotaaz do Ama/al, Faro e Hadomaker. Se-
guido foi estipulado no contrato, os Caba-
los da emprcitada devem comecar a 15 do
correata* e ficar concluidos 110 espaco de
doas annos:
Na tarde do 9 chegra capital o pre-
sidente da provincia, de volta de Atibaia,
para onde seguir no dia 1. v
Fra preso em Jundiahy o Hollandez
Bernardo Niel, que afli assassinra o allemSo
Pedro Weading, proprietario do hotel dos
viajantes.
De Brotas eserevem ao Diario de S.
Paulo em data de 13 do passado:
A aurora da dia de hoje incumbio-se
de aaauaciar a representago de um lgu-
bre drama, executado pila falalidade. J >a-
qui lias de Alraeida, negociante nesta
villa, ao amanliecer deu ordem a seo filho
Arliiur que abrisse a loja, como era de c >s-
tw, cuja ordem foi inmediatamente com-
prima. ogo depois se faz ouvir um grande
estampido que repercuto at a distancia de
legua. J jaquim Das, sua senhora c m lis
pessojs da familia correm pressurosos ao
logar da dclonacao e eaaaalraa a loja cn-
vuvida em urna nuvera le l'jnnca de pl-
vora, as fa/.endas c prateleiras ardeado em
duauaas, as paredes prestes a de?abar, as
partas e batete* viulcn'ain ite arrancados,
iSj se podando Dea ao meaos salvar as ga-
vetas eo di'iieiro nellas existente, que tttdki
j havia si \) devora!) pelas cliammas!!
Mm ajui iij i para a des rh;a> d) quadru
desoa Jor. M lis ao 1 mg. ua raa, arremes-
sau.t par torea estranha, sfechava o rain -
i > araeaa* cm labaredas !! O pobre pai,
ao m& da des ssperaeao e 11 S9r, tenta sal-
va-lo, emprega esforc is at a o sacrilici ,
U embaliJe f igo j bavia produzido o
tea fatal resultad, o neiin) estiva com
as bota, ventre e bragjs completamente
deneglos. Sao ainla eaapregados os re
carias i arte, mas a raed ana cede ao ef-
fett da incendio, e. dalii i poucas li iras
bHeeea. Os pas, diante de lo grande des-
graca, levia o de -pero e a d Jr ao pon)
A alfandega rencteo *al 16
aente 291:891(51276.
Sabio para Pernambuco, no lia 7,
o patacho ingloz lame*.
Noticias da Europa.
Ainda houtem ehegon o vapor francez Gironde,
irazondo datas do Hamburgo 20, de Londres 22,
de I\\rls 23 e de LUbda 28 do mez passado.
Roma. utidas *> concilio. Exposicao dt
bellas artes. Boatos de addiamento do concilio.
Franca.- Trabnlha a polica e a magistratu-
ra para' adiar tramas polticos e conspicacies.
Desasocego os nimos. Caita de lloclicfort c-
mara pedindo a aecusaedo do governo. Inteifcl-
lacoes na cmara. Diferentes propostas de let
Est pronnnciado o principe Pedro Bonaparte;
21 de marco lia de reunirse em Tauros o alto tri-
bunal de justica. m ...
" [OLATORBA.- Bill sobre a Manda. Le* de
tus Ir-rao publica. InterpellacBes sobre o trata-
do do commereia com a Franca.
Sukcia. Atldiamcnto da discussao sobre tnodt-
/cades da unido entre a Snecia e a Noruega.
Lei'liberal concedendo direitos polticos iguues n
todos os iladaos, teja qnalfor a commmnhdo poli
Ika.
Empresti
i causa occasi :ial deste
P i wu a p Ivon que fez
de q lererem esquecer que ainda sao pas I
* Igaoia-se
acootecimeoto,
glotlo aciiava-se ea acoadoaada cn
latas prapntat, letida bshaias. O
meuiuj nada pftde exol car a respailo.
Fallecer eci S lia 'A do cr-
lenle o negociante dessa piara Jos Anto-
nio deS'iuza Guimarcs, chefs da casa com-
a vcial d^ Sotiza (uimaiTies A- Lima.
De Cotu^l es:re\e;n ao Correio
Pan.ist.:,. ,:
Lvu ins do ac de noveafen proxi-
dw pas i i >. deo-ee um ihei ma digno
le Mi i tricto da negne do l\'n>-
Jirit, dce termo. Nascca urna crianca
\ masculino com a boca em baixo
d<) saeta e as ortas M peaeeea, unidas
e i-.--- tas bocea. O corpo era perfeito
Italia. Vctor Manocl em hapoles.
mos de 122 miHwcs.
Hksimnv. Tentativas carHs'as. O governo
fraucez detetn os carlistas as fronteiras. D. Car-
los cu para Genebra. Va'ias leis orgnicas.
Allemanha Abertura do par lmenlo da con-
fcdenicao 4 Norte. Discurso pacifico doreiGui-
Ihermeda Prnssia. Demissao concedida ao minis-
terio bcaro.
\\iKUic.\.Ncutaaltdade relativa a questo de
Cuba. Preletorado americano em S Domingos.
Tovti incremento a revoluco mexicana.
Poimr.Ai.. -Tentativa de rovoltit milograda.
Carla do cjrrespondente.
nouA.
Titn-se tornado niais frequentes e animadas
as sessoas do concilio as primairas ses-oes das
coHgrcgaQoes nao jodia baver dcsidencias, por-
que tuda? ellas foram consagradas no examo das
mitorias conc-rnentes fe. Sobre os prini:pio
todos i--iava:ii de accordo, e acceite o syllabus
por todo o corpo episcopal, nao liavia pretexto
para a scusmo. Entretanto a forma porque fo-
ram apre-enfadas as proposiepes susdtou alga-
mas obj ><-eop>, e tanto que foi preciso molificar
a redaeeo de alguus decretos que ho de ser
convenidos cm caones da igreja.
O concilio tem tido vinle c fasjlas sessoss, das
quaes s seis foram consagradas diieussao das
materias sjlire a t ; a queslao que actuilmeute
tem rliamado inais a alldiirai do< me:nbros do
ciiii-io a dn ordens monstica', qae4emam
viver m lito boom d : acord com a saniidde
da sua insiiiuira-, os paires do concilio entendn
que os fiados devem vivor enclausurados, cuno
as freira-i, o parece que neste ponto o ponjilice
esta de nseord em introduzr algumas reformas-
II i anda otitro ponto em. que o* bispos in-is
tem bnhi i. mi- em qut parece ni o serio Diuito
bem stMXM lid is ; ora submetler todas M ordeni
religiosas autoridade episcopal. Gomo bem se
pode d tpreliendcr, os jesuilis :avam fulmina-
ds; por isso o geral dos jesutas e os seus sa-
MMes fazem grandes esforcis para lograr os
J .-iai,B do seus adversarios, c nao ser para
admirar que o consigam parque leem grande in-
fluencia deoiro do proprio concilio.
Gmifaum os jomaos a noticia di que o Sr.
de UrT.st c ii vi.-u d->s canonus ultiiiiameate pa-
Ui -,.1 ;s, dirigir par iuiri^va prona ;i corle de
llaaa ama repiesenlacao enrgica protestando
contra as coaepjencias eventuaes das decises
do cj.ici A Patrie desmente a noticia que a
Austria, Franca c Bavicra se tiniam posto de ac
cjrdo |>ara dirigirem corte de Roma observa-
ntes riliv.is as deeisoes do coucilio.
O )l a Ir palibca urna carta que o mini-tro dos
negocios estrait^eiro- conde Uo.ru, es.TOvora nao
ao emliaisador de Fraoc,* em -'.ooia. mas ao
coode W'enier de Merode* commandante do cor-
po de oceupacio, o que Ihe tira o carcter offl-
i t-ial que se tem querido dar a tal docnmeaio ;
nesta carta, l-se
ekooi ..ssiiii o resto da cara.
bapJismo em casa e duron com vida ape-
:i a se estado horrivel de ni) po-
! mar. O povo do lugar tomou-se.
i de espauto, mas de horror pelo
la.; tIO HE JANE1UO.
Por deliberac.5o da presideneja da
proticia fui convocada exliaorlinaiiamen-
le a assembla legislativa respectiva, para o
-lia t de abril, afim de volar o -"irgamenlo
ilu icceila e despeza.
Pelo 2o districto achavam-se eleiios de-
niti-l.'S [irovinciaes, os Srs:
Ha* (Beato de Araujo
io Paulino Soares Je Soma.
o Alvares de Azevedo Macedo Juaior
fea >.zeuando de Avelino Pinlio. -
Casanu Augusto de Mello,
aaajie Vataeira Cuimbra.
lai>.ol Jaciutbo Ntgueira da Wiua.
J ujuim di- Macado S:iare.
PaauoJita Ue Mebo Itidrigoes daosla.
Zoaalaaia Carnaudes a Costa Pareira.
Ceaplac: Lima.
AJws h Molla Forraz.
aiiutti PaasBaa ii--- Baaaju
A Mmmkem* n~ corte readea ate 4
asr.aHta,3tacr .a-
regu.-
o Somos um gobern livre obligado a man-
tw se pi i) na opinio publica. Ora, ha certos
l is que. no concilio, scham de naiurcza a in-
dispor a ramai.i actual c mais ainla latina una
caurira uofa, se se tornassem necessarias elei-
coes geraes : quera sabe se um voto parlamentar
Mt aao fartria a chamaras nossai tropas de
ivila-Vecchia.
tT uecessario |>ois que seja prodente em lio-
rna, que se evite ludo quanto pos.-a ferir a opi-
n:i publica, e deomentar urna pune considera-
re! dos ca'.h lieos do episcopado.
A carta concluo cora a declaracao de que se
as deci-oes que vierem a tomar-se forem de tal
n!ureza. que moditiquein gravemente as relaces
dos bispos franeczes cora o papa, collocando os
n'uma independencia rauilo hsolula da corte de
liorna, a concordata lic.ir violada, c as reiacoes
do im;crio com a sautt S compromellidas
O Monde acha extraordinaria a carta do conde
de Daru, e diz que o ministro pede que es acto
imprudentes da Santo S nao cheguem a tornar
j difcil a missao do minist-rio francez, mas a obra
da Santa S tratar dos negocios da igreja, e
e nao assegurar a conservacio do gabinele fraa
cez.
O Observador traz um artigo atacando violeata-
menta a imprensa faanceza por publicar noticias
absurdas acama dos trabalhos do eoncilio.
Foi expulso de Roma o theologo do cardeal Flo-
beulau, o I)r. Friedrich aecusado de ser corres-
pondente da Gazeta de Chnasburg, u do violar
sigui dos assoipptos que se ventilla n naqueba
sacra cirporacao.
Foi inaugurada polo Sanio Padre a exposicao
catholica rumana,
O ciruaval comecou em perfeito socego, e pe-
quea concorrencia de estrangeiros. A polica
eucoutrou afxados as paredes pasquins coutra
a infallibilidadc do papa.
Foram suspensos os trabalhos do concilio du-
rante o carnaval.
Saap5e-sc que o concilio ser addiado d.'pois
da Rneaua, tornauJo a reunirse novamente para
o invern.
FUANC*.
Diz se qtft sa
contrados pela pilicia franceca era poder o ope
raro Uegy. que na occasiao da sua prisao ma-
tea um empregado da polica, ftessrs papeh- cons
ta q.ie se trama va urna va>ta con^pirafio contra
a *ei do estado e contra a vida do
peradur. Ten- ferto grande nnmero ti
phsees, e o> presos esto era Haas, rign
do pela priiiojpjpfettflcavel de todos os mus re-
dactores e efflpngados;
t Altendendo aijue foram as aliados alguns ci-
dadlos, fondos o mesmo morios por agentes da
polica, qae traziam armas prohibidas por lei ;
i Atienden lo que esta serio de alternados cons-
liiue ocontestavelmente urna provocacio.
i 0-abavxo assignado tem a honra de depr a
proposla para acensar o ministerio de ex:lacao
guerra cilti.-~iknrqiu de Rochefort.
0 Sr. Schneider nao quiz roceber a carta. O
deputalo Mr. Ordinaire insisti em que o presi-
dente da cmara racebesse a carta da Rochefort;
a cmara, porm, reeasou-se aouvi-la lr, pretex-
tando que o deputado da priraeira ':ircumscripcao
de Pars, est impa>sibilitado de ter voz no par-
lamento emquanto durar a sua prisao. A cmara
votou que se passasse i ordem do dia.
llochefon cgptioa preso em Sauua Peiagie, on-
de quotidianamente. recebo algumas visilas dos
seus amigos politicos. Mr. Olivier, ordenou quo*
pres podesse escrever livremente o sera previa
censura do cheta da. prisao todas as cemmunica-
c5as e artigos que quizer, tanto para a's cmaras
como para o seu j oruai a Marselheza.
O Sr. Olivier r'spondendo no corpo legislativo
s observaedes de Julio Favre coa\ra o mtdo de
nomcacao de ama commissao, disse que o tirar-
ai a commissao sorte seria a ai di cacao da maio
ra diantc da minora, o qne nao dove ser, c
accrescentou que o ministerio subido da maioria
represenlava a opiniao publica. Olivier combateu
a dissolacao da cmara, pedida pela esquerda, e
disse que o go.erno e-UA-a decidido a persistir no
iminho liberal e appellou para a uniao. Julio
avre insisti no pedido de dissulucio. A cmara
approvou a ordem do dia.
Ka sessao do dia 22 o conde Daru respondendo
a urna interpellacao de Julio Favre acerca da po
litica interna, coi um discurso malta liberal que
foi extraordinariamente applaudido. Ful approva-
da por 216 votos contra 1S a mocio apraentada
pelos centros direito e rspoerdo, para que* pre
senca ios declarares to francas e Ido leaes do
ministerio que asseguram a ordem e a liierdoile.
a cmara passasse confiadamente ordem do dia.
Foi apresentado ao corpo legislativo o projecto
de abolicao da lei de seguranca geral.
O governo propoe-se a apresentar ainda na pre-
sente essio um proiecto de lei eleiloial. Olivier
manifestou desejos de que fosso nomeada urna
commissao composU de individuos perteiiccnte3 a
todas as fraccoes da cmara, que ser encarrega-
da de rodigir as bases do projecto.
Emite Olivier esl preparand todos oselementos
que Ibe peniiitiam apresentar em breve um pro
jecto de lei sobre a liberdade e associaeao.
Assejuro o Monileur que o contingente do exer-
cito para 1870 ser reduzidn a quinze mil ho-
rneas.
Alguns denotados da esquerda aprwenticain
urna serie de emendas pr|roiido maior rodueco
no exercito do que pede o governo.
.Nao tem roudamento algum as boa'.cs la pro
xima dissolugao do corpo legislativo, que s so
realisar quando o actual gabinele nao livor maio
ra. Diz-se que o imperador dojlarou aos seus mi-
nistros que formalmente se oppuuha a tola c
qualquer propis'a deste genero.
Diz se tambem que o imperador se pronnnciou
na questao de Roma o deciarou que desejava a
conliuuaco do slulu gao, e da poltica seguida
al hoje pela Franca com a corle de Roma.
Reunise o coaseHn le ministros sob a presi-
dencia do imperador tratando-sc da questao de
Argelia resol vendo se que cadi um dos Ires de-
partamentos enviar* um deputado ao corpo legis-
lativo.
N'um rclatoiio feito pelo ministro da Justina pro
poe elle a abolicao do decreto de 1831, que confere
ao governo a fantldade de enviar para Cayanas
ou para a Argelia os ciJadaos condemnados.
Tem-se reunido os membros do coto1) legislati-
vo cncarregaJo i de procederem a um nquerilo
sobre a quest icommercial; a discussao tem sido
larga e ioteressante, e na i eco que prevalecerao
as ideas do; partidarios de plena liberdade com-
mereia I.
O Moniteitr publica um decreto encarregando
u:na co.nmi-sao deesiudar a questao da deseen-
iralisacio.
Aeh.i-.se em Pars o archiduque d'Au-tm,
Alberto, onde .tein sido recebido com muita dis-
tinecao. Torna-so a (aliar em urna allianca austro-
franca italiana ; assegura se que esl concluida
desde o auno passado.
O tribunal do pronuncia res o 1 ve u que o
principe Pedro B.-napaile fosso jnlgado pelo alto
triouaal de jtis'.ica.
A ai'cusacao funda-se nos segiiintes pontos :
1." Ter perpetrada o crme do homicidio volun-
tario na pes>01 de Vctor Noir com a circumstan-
cia daquelle homicidio ser precidido ou seguido
de urna tentativa de assassiaalo na pessoa de l flri
Fouvielle.
2o Torno mesmo dia perp'trado arta tentativa
de homici lio na pessoa de Uric de Foovlelle, aoni
a circamslancia daquella tentativa ser nrecodi-la
ou seguida de um hjiniciilio voluntario na pessoa
de Vctor Moir.
O principe Pedro Bonaparte acha-se, pois, incur-
so no artigo 30i do cdigo penal que estabelecc
para estes c; sos a pena de morte.
Por decreto de 19 de fevereiro foi convocado
pira o dia 21 de marco o alto tnbunil do justica
de Tours.
Diz a GateU dos Tnbunaes que ajnslruceao do
proeesso forneceu pro vas da agressao de que Pe-
dro Bonaparte afflrma ter sido vctima, nao deixan
do duvida acerca da provocaco, om virtude da
qual matou a Victor Noir e aneacou Fouvielle.
Morrea cm Pars o bario Xathaniel de Rots-
child
Diz-se nis Tnilleries que a imperatriz Euge:
nia tenciona faztr no raez de maio urna viagem
Sueca e Dinamarca.
Inclatera.
Os jornaes estrangeiros nao tem tomado a
fallar no boato do prximo casamento da rainha
Victoria.
Tem estado muito doente, masj se acha livre
de perigo, o graRde oradir popular John Bright.
Rsti dando, porm, grandes cuidados o estado de
saude o ex ministro inglez Benjamim Disraeli.
Teve lugar a segunda leitura do bul do Sr.
r.ladstonc relativo questao agraria na Irlanda
O bil nao cnvratrar opposicao formal as cama
ras ; os lories, p lafMa sensatez daspro-
P'stas do ministro Gladstone nao combaterao o
da opposioao que encontrara ao paiz 'utna mu-
dan? as actuaos relaedos ontrea Sueda e a
Noruega.
A Snecia aaha de dir mais um pfsso no cami-
nlio da liberdade o igualdadc de 'jireilos individuaes
QgMdu adoptan aras prjpo$u da tommisso
da effistitaieao, que concede aos chiistaos desci-
^entos e aos irraelitas, q direito d", fazer parte do
regsdaz,-e o direito do desempeohar todos os em
prego, excepeao aiE-l$$ i* "i adoplada pela cmara alta por
* i, a na cmara baixa por 116
votos contra 58.
Nao se pde do modo algum cm duvida a sane-
cao roal concebida a esta medida.
italu.
O re Vctor Kmanuel c o principe Humberto es-
Uo ona Iwpoies, ondotem sido objecto de grande-;
altengoes por parte do mundo olllcial. A popu-
kieao, perm, eonserva-se fra e indifferente.
guando oaegou o re appareceram alguns grupos
com aspecto hostil, que foram dispersos pela po-
lioia, sem ser preciso usar da Jorca.
0 ministro da fazenla o Sr Sella eelcbrou
um convenio com o banco nacional. O actual em-
prestimo de 378 milhoes ser elevado a 500 ati-
ldos o o thesouro receber a differenea, urna ter-
ca parte em ouro, e o resto em bilhetes do baueo.
O banco receber como garanta obrigacoes sobre
os bens ccclesiaslicos que o banco vender exclu-
sivamente para diminuicao da divida do estado.
O ministro da guerra oppoo-se reduccao
do exercito.
Foi dissolvida a milicia nacional.
HKSPANII\.
Diz a poca que nao foi completamente pos-'
ta de parte a idea de procurar um principe liberal,
catbolico, e de maioridade, para o throno hespa-
nhol, mas que uao certo que se pensasse alguma
vez nem no prncipe Jorge da Saxonia, nem no
principe Otaon da Baviera; quo os nicos aomes
que ainla eirculam entre as poucas pessoas ini-
ciadas neste negocio, sao os do principo de Hohen-
zollern daTrussa, o o duque de Aosto, irmao do
principe Humberto, e que segundo parece nao
offereceria actualmente resistencias lo invencivcis
como no anno passado; mas que entretanto em
regios elevadas ha quem ni deseie ver termina-
da a interinidade.
Goutinuam com grande aclividado os traba-
lhos dos carlistas, apezar dos granijes reforgos de
tropas que tem sido mandados para os pontos que
tem sido designado>pelos governadores das pro-
vincias.
Desmente-se o boato deterem os sabelislas che-
gado a um accordo com os cari isla.
O movimento deviaj ter comecalo, sendo com-
mandado por D. Carlos; mas este principe foi de-
udo pelas autoridades franeezas, em Lyon, quando
tentava aproximar-se da fronteira hspanhola, e
fui convidado pelas mesmas autoridades a escolher
a sua residencia em qualquer povoacao do norte
de Franca. D. Carlos preferio partir para a Suis
sa. e lixar a sua rosidna i niiif i.o am r.imiin
bil em principio, con ton i and o-se em levar a dis
milito importantes os papis en- j cu de Bright e de Disraeli, afastan lo-os momtlan'a-
m?nte dos negocios pblicos, tira muito interesse
a esta discossao.
Gomecam a rea isar-se s ameacas fritas aos
pronrnlarios irlandezes Koi assassiado as rua-
do Doblin o Sr. Mafl-Dollac, um do< principaes
propretarios, r lais se tinham distingni-
1
.........!'es.
s aabre t*r* CU
; rosamente me- mmunicavis
meupiv.: em tralialhar i> fabrico de nmn cs^e
: ci o> fcerabas,
tnordinari
toosfiBB sksjjfes, asim
qae ctiaarai aw
aoaBBfCx Oa {ruarmrin Oe
Mr. P%tUk,frefmtu a pnlieia,
f impusatia, aa najan** aaafani ? fi
cja>iaas*t, taa sfc aun iiraa
Parece que Mep, se | do contra as pratoncoes dos rend>iri-.
iMftri ilft nmi -nt\ f\ *iZ I? .**... .i *nl>m
cuj* elfeitiis destruidores o es
do UnM, r. Razona
enseria n^exem
i
O Sr. Forsser apresenlou no parlamento ingle;
um projecto de li sobro a edneacio em ingtoter
aa*4.
a mterren ado, siiti-iitnindo o fowpo
;. iniciativa piriinohr ; a nva le obrf ost^
a mamtar o^ sen* fllhos < BfBalts t um v
nio ajireseotem ums descnlpa mnHn lepitimn
O ^ovwao dfvem estohoteoer seMa* era tod
dstri se tornern npresrs, fn^ppi
z-^as as aaajww... s- o~ pas torera M
jnaij.a OMBaMaRv aderis pan andas as tiratas ae
wns KTaaaraas. *9WRsaas aaNSvaaaRMnnn^Ha
sa, e fixar a sua residencia ofllcil em Genebra.
Dizem de Madrid que o general Cabrera so nega
positivamente a tomar o commando do movimento
carlista, em quanto nao ti ver um exercito regalare
disciplinado, ou una praoa forte. Allirma-se, po
rem, que Cabrera esl cm Londres com urna pa-
raJysia que o obriga a oslar de cama.
Atlanca-se que o prtalo legitimista francez tem
fornecido quantias cousideraveis para o prximo
levanlamento; eque a insurreieao.deveria como-
car as provincias de Santander .Navarra e Bur-
gos.
O principe das Asturias parti para Roma;
a acompanhado pelos generaos Chesle e Reina,
pelo marquezde HerediaSpinola, e pelo Sr. Grosa
aio do principe.
A imprensa madrilea supprimida em 186G
polo governo da rainha, reelamou indemnisacoes
.las curtes constituimos, que as votaram. A Iberia
jrecebou 03,000 reales, a Demoa-'acia 70,000
-. e i-sim em proporeao os oulros perioaicos
suppn;i las.
As cortes disculem o pedido de atitorsaeo
para se processar o arcebispo do Santiago por
causa da sua ivsposla circular do ministro da
JU.-!' M.
As cortes disculem o orcamenlo da ma-
rinlia.
As cortes votaram que se clegesso um viec-
presiJcuto em substituico de Topete.
Vai-se discutir um projecto de Isl de ami-
aistragao nunicipal. O partido republicano j no-
meou para o combatere.n os deputados Figuera
Castelar, Py, o Sunches Ruano.
lloara una manifestacao pacifica de mnitos mi-
niares de operarios om Madrid pcdinJo irabalhoao
ministro das obr. s publicas. Foi recebida pelo
regente a commissao dos operarijs sem trabalho.
eloita pelo grande mecting, edeclararam ao regen-
to que desejavam que elle fizesse protaessa formal
de tratar iimiiediaiamenle de mtliiorar a sua si-
lua ;a).
Cnovas apresentou as corles um requer-
monto assignado por 9,000 Cubanos e Hespanhas,
pe.huJo o adiamento da discusso da constituico
de Porto Rico.
Depois de acobrado debato entre Cnovas, Ro-
mero e os deputados de Porto Rico, a discusso
licou adala para o dia 23.
O deputado Rodrguez interpellou o governo
perguatando se era verdade ter-se evadido por mar
o brigadeiro Polo. O ministro Topeto respoadeu
que o governo nao tinha noticia de tal fuga.
O ministro de ultramar leu as cortes um
projecto abolindo os direitos differenciaes de han-
dcua cm Cuba e Porto Rico, e modificando o svs-
tema de alfandegas. Falla-se em Madrid na sa-
bida do Sr. Becerra do ministerio do ultramar.
Esta modilicacao ministerial, a ser verdadeira,
traria urna grande divisao entre os progressistas e
demcratas que se acham concillados em quanto
se nao constitue a obra da revoluco.
. ALLEMANHA.
Xo dia lo de fevereiro abrio-se o parlamento fe-
deral da confoderacao do norte ; o rei da Prnssia
leu o seguintc discurso :
Honrados membros do reichstag da confede-
racao da Allemanha do Norte
" Km nom
poto do assaear permiitiram, no orcamento fede-
ral que vos sera apresentado para o aioo de 187L
levar mais alto que no orcamenlo precedente a ci-
rra das recodas das alfandegas, dos impostos do
consumo e de barreira, maniendo sompro as bases
provadas de tima prudente avaliaco.
Assim se nos apresentar a perspectiva de ver
a maior parto dos excelente de despazas ordini-
rias serem coberios pelasproprias receitas dacen-
federacao, o qu feilitar o continuo desenvolv-
momo da3 insiituieoes federaos, e especialmente o
(jfojeclado majiorauento da marinha.
A preparacao do atcordo previsto no art. 4a
paz do Praga, a respeito da uniio nacional da
Allemanha do Norte, com os estados da Allemanha
do sul, o assumpto da minha atteii'cao incas-
sanie.
Um tratado dejurisdice.ao feito com ;o grao-
ducado de Badn, e que vos ^cr apresentado, es-
tende, no sentido nacional, alera dos limites do
territorio federal I os principios da communidade
da assistenci.i judiciana, que foram inauguradas
pola confederacao da Allemanha do Norte nesse
mesmo terreno.
Foi completado o regulamento dos pesos e me-
didas, o que permitlio dar-se ao systema dos pe-
sos e medidas urna organisaco uniforme nos di
versos estados allemes, >m consequencia do sa
crilrio recipn ce dos systemas loeaes.
i Cm conformdade com as minhas diligencias,
tem aconfederacao cooperado com effleaca na
crcacao da commissao das fortalezas da Allema-
nha do Sul. Alm disso, consentio na conservacio
da propriedade com mura do material das forta-
lezas.
O conjunclo dos tractados que unem a Alle-
manha do .S'ort* Allemanha do Sul, d a segu-
ranca e prosperidaie da patriaallemacommum,
as garantas certas que encerra em s mesmo a
forte e compacto organisaco da confederacao-do
norte.
A conflanca que os nossos confederados da
Allemanha do Sul teem n'tssa garanta, baseia-se
era ser plenamente reciproco osen-imento de soli-
dariedade nacional que deu oiigem aos tratados
existentes. A palavra reciproca dala ao compre-
misso lomado pelos principes allemes no interesse
dos direitos communs e supremos da patria, do
as nossas relacSes com a Allemanha do Sul urna
solidariedade iudependenle das llucluacoes do
partidos polticos.
Quando no anno passado, eu vos fallava deste
mesmo lugar, denunciei a esperanca que tinlii de
veros raeus ex f o reos sinceros, previnindo toda a
perturbaco da paz', dos votos dos povos e das ne-
cessidadej da civilisaeao, prestes a serem coroides
de xito, com a assistencia de Deu?.
_ Sintc-ue feliz por vos poder annuneiar hoje
d'aqui quo a minha conlianca foi plenamente jus
tillcada. No o dos governoa, como enire os po-
vos do mirado moderan penetren ttetoriosamente
a conviceao de qne todo o -er poltico tem direito
edever de regular, na sua propiia casa, e de um
molo ndependente, as cundieses da sua prosperi-
dade, e da aaaJibcrdade, e d'c que a Sirri ai-nu-
da de cada n.i^to serve s para a protoger o nao
para piciudicar a independencia do outrem.
Chcga ao seu termo o pnodo legislativo do
actual parlamento, (iracas i vossa aciivida le fe-
cunda, e grecas harmona o aos scnlimentos de
solidariedade que picsidiram aos trabalhos dos
governos confederados, e do parlamento, as insli-
tuieoes federaos esto solidariamente fundadas o a
direceo do seu desenvolvimento foi ira;ad. p;lo
maior bem da patria. E' nesse sentido qne as Ii
beraetSeea prasoMe sanio novamente vo (lici-
tar os vossos exforcose a vossa aclividade.
Desempenhando amis-ao que vos toca, leva-
reis a sessao do parl.iment > a sua eoncluso que
assegurar o reconheci nenio da nacao petoa es-
forgos ligadiis a cumpiimtal i (testa tarefi, e vos
daris a e historia das nstitiii^eapatrnicas!
Sao desmentidos catliegoricimcn!o tolos os
boatos de ante ininisioii.il.
As cmaras prussianas encerr.ira::i-s.t a 12.
o Sr. de lJismarck leiw> discurso do encerra-
mejito, enaamcrando toan as leis que foram vo-
tadas, e auiinncieada para breve urna c >tvoeaeo
extraordinaria.
O novo gahincie austraco j apresentou o
seu programma que se pode resumir Basta* pa-
lavras:rev-o da legislacao religiosa,garan-
tas para a liberdade de conscienci.i, resisttaaa
s pretencoei da igreja sobro o estado.
O Sr. de Beust teve urna larga conferencia com
o ministro prussiano. Assegura-se qu3 esle ulti-
mo dea exnlicacSos satisfactorias sobre as neje-
ciacoes estabelecidas entre a coofederaco d n ar-
te e os estados do sul da Allemanha.
O Sr. de Beust declarou-sc opposto as pref ;n-
foes dos polacos austracos que peden), a exem-
plo da Hungra a autonoma de suas provweias.
as primeiras sea >9es do reitehratli esperam-ee
expllcacoes neste sentido.
O rei da Baviera aeccilou a daroissao pedida
pelogabinete Hohenlohe.
Nao havia ainda novo ministerio.
Diz-?c que o rei da Baviora eroprehenderi den-
tro em poaeo urna Lirga viagem ao estrair.-iro.
RISSIA.
E' desmentida a noticia da conspiraeao rae se
dizia descoberta em Varsovia, e da prisao do prin-
cipe Oblenskoy.
Parti para S. Petersburso o general Castelan,
ajudante do campo do imperador petela III.
Diz-se quo va i com urna misso relativa as 'olsas
da Baviera.
Dizem de S. Petersburgo que o geowal franeai
Fleury nao conseguir fazWeom a Rnssia o trata-
d i de allianca que a Franca quera, e que tinha
por m ob,er a ncutralldaio do czir em todos
qualquer conflicto que viesse a rebentar na Alle-
manha.
UfIBICA.
Na cunara dos representantes. dos Estados-
l"nulos o general Itamks, presidente da corantissio
dos negocios estrangeiros apresentou urna raslo-
cao autorisando o general Grant a declarar que a
milica> dos Estados-Unidos manter urna extinc-
ta neutralidade durante o conflicto entre a !' -oa-
'sidic o Dr. Eugenio Ferreira Pinto Bastos.
i-se r.lli curies constituintcs o reformada
\Jn ^nVZL,Cfed- "?03 de-ST n,,a c ,'"!,;|- c nn"ar em quanto existir es )>-
quesejaes De.n\indo5 a ultima sessao do periodo r.,i rtoniiii l tepslativo. Nesta sessao, seris chamados a com-1 eS ponto '
lvoJc\^rcT^ m^f creada C,,i; ~ A cmara portal ainda na a tinha desavi J -
cordo a* ZZh Stt Pl Una0,me ac"!?a :,IS'":' "* cso assumpio.
jao minha o rola e a dedica-, E?Udos-Unidos communicou offlcialmente ao i
que, por um trata!
repblica de S. Domingos relativa-
ntc bahia da Snnam, os Estados-L'nidos ti-
& eS dJZ^S^t pp!" ?T! nliam concedido o seu protectorado ao g iran-) Jo
desde ii P Pd0r iral)rcseB,ada presidente Bae, contra s insurgen!-.
Sara perlfoir os insurgentes. Estes, tendo sidw
ispersosTricham-se cercados por seis columnas
de tropa. Na fronteira espera se urna forca de
carabineiros e guarda civil.
A3slgaalar.~m. os revoltosos a sua passagem
por depredados e roubos.
Do Port mandaram a tO'o seguinte despa-
cho telegrfico para Lisboa: as immediacoes
dftMogadonjBjiTraz os Moate) levantou-se ao
ao'do i'OO hnmenf qae lulgam miguelirtas
ou eai!i.-ta=. Um alimadiio de cavallaria sabio,
o palos .m fuga, aispersando-os, e fazendo W
prlsioneircs entre ellos, um chere. Os visinhos
da comarca reuniram-se tropa do infantaria pa-
ra os perseguir. Avisado no primeiro instonte, *
governador de Salamanca e Zamora guai neceu a
fronteira com carabineiros e guardas civis^iara
evitar a sua passsgem na fronteira.
Outro Tacto que nao tem, ao que parece, a
menor relaco com este que de origem hspa-
nhola e de feicao carlista, terse reunido nosa-
lo da Porta do Sol no Porto 21 do correte, um
meeting Ira que esliverara para cima de 2,000 pes*-
soas.
Prest
Pediram-
camara do: pares, sendo ehtiu urna commissao
para vir a Lisboa apresentar ao rei s delibera-
coes daquo numeroso comicio pbpular.
Gorreu e imprimio-se nos peridicos de Lis-
boa ha tres as, que por oeeasian da ida do ma-
rechal duque d> Saldanha a Cintra, S. Cxc. disse-
ra a el-rci D. Fernando, pouco mais ou menos o
seguate :
Que o f.aiz como notorio, est agitado, e que
o meetin'i da Porto em que se pedir cortes cons-
tiluintcs.e a reforma da cmara dos pares, c ou
tras manifestaces feias em diversos 'ponto-' e
differeoles sentidos, bem cuino Jos acontocimen-
los que se c -*io passarido em diversos paizes na
Europa, podan) por em grave risco a sorte d
reino, eanda mais a da dymnaslia, se urna po-
i liliea prudente e sabia nao conjurasse esses pc-
rigos.
Que elle jalgava do seu dever, como sincero
amigo das in.uituicoes e do throno e por nao que-
rer ser responsavel por quaesquer aontecimen-
los que possim sobrevr, prevenir, avilare acn-
selhar e que por isso se dtrgia a el-rei D. Fer-
nando par* que; como pai extremoso, expozesse
a cl-rei este estado do consas c o aconselhas-e
< pelo mode que melhoi julgasse, e que nao ia di-
i reclamen:; a el rei D. Luiz para quo uo pode--
se ser interpretado menos convenientemente este
i impulso de dedicaran.
El rei D. Fernando agradeceu cordealmenie
ao marechai.
Parece que c. marechai, logo que chegra a
Lisboa a noticia d.i meeting do Porto tonara esta
resoluco o procurara el re D. Fernando, decidm-
do ir Cintra, por sua niageslde pira all.have-r
partido.
Foi deportado para a praoa de Peniche o bf
do rio Zeseiere.
Devem recordar-sa dt que osle genera!, por
oceasio da chamada recoUaTpistoIar, em lins du
ano pass;e! foj mandado preso para a Torre de
S. Juho da Barra por se ter recusado a r para
Valonea (tambora deporlado.)
A coiiir.iis-'o poituense para apresentar a tl-
rei as deliai raedea e mensagem, ou representac,3o
do meetina d<> Porto, composta dos Exms. aeade
do SamuJes, ioaqoim do Bessa Pinto, Manoel
Vieira Bargas, Antonio Gomes dos Sautos. Antonio
Ribeiro da Costa c Almeida, llenrquo Carlos de
Meiies Kendall, Dr, i;ermano Vieira do Meirelles e
Fructuoso Mara da Nobrega.
As precaueoes policiaes applacaram em Lis-
boa, e se efectivamente houve lentaiiva de aber-
narda o qne Ibes ni) pos.-o affirmar, parece ter
(forado desta vez, o que inuilos previram desde que
se fez taina;';:- alarde o pataeoada.
Tem-se fallado vacamente neste- ltimos das
na saluda dos Srs. Br.'.aacamp (ministro da fazen-
da)e Lubo d'Avilla ministro das obras publicas o
interino da guerra.
_ Creio qne nio nassa de bons desejos da sppo>
sie.ia, e i|ue antes da r.'uuio do parlamento, nio
llavera atteracao nogabiuete.
A forve i eleitoral est cada vez mais bu-
licosa e disputada.
No dia -i. noite, houve n'um amigo palacio
do canino de Sania Clara em Lisboa um ineetiiur
eleitoral em que o Sr. Latino Coelho, candidato a
deputado por um dos circuios da capital, se apre-
sentou a defender sua candidatura. Ouriquo ora-
ra brilhantementc
Varios dentro os circunstantes usaran) da pa-
lavra o asno dlstiBCcio ora operario chamado Car-
valho, que a ir.preusa elogiou muito no dia se-
guintc.
Alguns ofikiacs militares tem sido transferidos
de corpos, o cutres presos.
Contino n.i cadeia o editor Silva Vieira, do
jornal pampleto o llepublicano. O ."cciiior da
Lanlema. qu os garatas apregoam oProfessor da
Linterna cor.tiLiia no mesmo cstylo do pamphe'.u-
periodico, quo sob o titulo de Lnnterna devaset o
os pachas eaes, o vivar da chamada camarilha, os
podres da bv.zruncrncia,emfim ludo que por estar
em eminente posifSo faz sombra. J foi posto i-.;.i
liberdade o impressor Souza Nevos quo por irre-
gular habitr.eao daquella folha havia sido con-
demnado a dous mezes de prisio, salvo erro. Os
seus amigos, casado sabio solio, deram-lhc urna
eeia e victoriaraio-o.
A Silva Vieira, actualmente no Limoeiro. lew
ido centenares de pessoas virilalo.
Diz-se que foi nomeado visconde de Valparai -
zo, o Sr conse-eiro Antouio Manoel da F.:i-
seca.
Falleccram : o ronde -da Flor, camarista de
el-rei D. Fernando ; o marquez de branles (D.
Jos Mara da Pedade e Lencasirc) ; a condes?*
da Povoa ; e t bario de Jaragu (Jos Antonio de
Mea doea, i
O vapor Amnsone vek) do Rio do Janeiro
este Porto en. l dias, locando em todas as -
calas.
Em Vizct". fallecen o abalisado advogade ces-
criptor pubico Jos Mara de Liz Teixeira.
')! h amo-,, chamados a elaborado cdigo cr-: j ;,, lo Z
S ffiram ^l^^f d *T Suffeo ^ publica
consegun am adiantar a conclusao de urna obra m0Mln a h,h. ,u a...
*aes MMias. <
aaaafem^^Ba narai i
^^^^W^^^^B ^ ^^^V^^^^3 V^^rV^B ^^^BS
lis e numerosas Icas em
nm terr no visiho. O mesmo alvo devo ser visa-
J) fiv nma lei relativa prole
*e antor.
' O baligraato comtram, que se
"i o ;
1 -'"nictlo e "tien-
"siiaaios, nm
sennd- divtrso.
^ Pnerte a> M retir
grandes aparos.
Assevcra-se lerem chegado no II
a r'. lia esp
a\. 2w. inentam i
a,ls*f*''0 .francs.
^^C'S?*' ** *r iiftaseaiad .
**" ^wMiaera t a^^rtiradaa^
."V'v:v Mie< m\>r>
*2^wa>faji a^s firffnc
I* v Yorjv que desem' i
ta oriento! de Cuba urna expedir) '
sspaah- tic mataram si i
indita.
PERNAMBCO.
REVISTA DIARIA.
CHEG.VDA DOS VOLUNTARIOS. II
lem, pouco depois de meio-dia, o telegra-
plio annonciou ao sul da barra o transporta
de guerra Itopictr, que se achava mo
ciado conduzir o >''< corpo de voluntar
d'esta prov'T i.
Como se fletermioon no prrgramma, o
tel'graphn : v. o pavilho nacional e o
laardete mo noticia da feliz
vinda dos tinfarios, dando a fortaleza
lo Brotn !es tiros convencionadi}?.
Por ter a hora o transporte
e dov mbarqne, 'i
I hora? pr
manhSa c r. 'des pro;
\ ci lade. a ia da entrada
r
tumbo
\' pon
ve. TI i' cidadl' I l



\~^k
.

y
>


Diario de PemW* "S^gumU Mm



DIARIO DS PEflLV\Wn
qododa Ai chfail j o Jtayrt
barqa dos oMMMH. eetrJ> uoje feh-
hs nossas o3iaaai por i > u#> >
o$ amanhai fcmrio. W- y** e ro*>:i-
]ne o> uosos etnpce-fadoj, ote sao
como nos Pjrnam tucanos, t-miem parte
na ftsii-j d ? haj.. deixauo o I lar conti-
nuo ttj ^pugnpai.
VISITAS,0 corpo 9% de Yolnolario,
fui huiilum tarde visitado por crescido
numeru du oidadus de todas as lasses so-
ateas. Muitos C3ealeres se dirigirn para
bordo do Haptcuru' soltando ; o do ar e
cooduzindo muzicas.
lUIONDADES POLICIAES.-Por deliheracoes
Ji presidencia de 10 e i i do correla foraui uo-
meaM :
i; *, 3* 5' e 6" supplenlcs do snLdelegado do
lhtnela da Capunga :Dr. Walfrdo da Cunha e
Figneired>, Augusto Jos Goncalvrs Lessa, Jos
I) mingues do Carmo o Silva, Migaal Teixeira
Tinto c Alfredo Benrique Garca.
2*, 4, i" e 6* supplentes do subdelegado do di?-
tnctode Crranles:Eugenio Vellez JaMello.Jos
.Martiniaoo Maciel, Francisco de Salles Peixoio o
Joao Francisco de Mello.
Subdelegad. da fregueiia do SilgueiroDomin-
aos Goncalve Marlins Prente.
AX.N'lVEllSAHIO.-GorapJett l.ojo -18 annos S.
M. a Imperatriz. Ha ve rao p >r es^e ia iva salva*
is 6 hora< da anadia, a 1 c ti da tardi.
ULINDA.Pedem-ms des-a diado .jue lembrc-
moa ao Rvm. Sr. atibado do conven! > de S. lien-
to a convenieucii de dibraivui os sinos quando
ir d i S i as sextas-feirns noite.
MSSIO.XAHIOS CAPl'CMlNIIOS.0 Rvm. Frei
Fidelis de Avala, maito digno missionario capuchi-
niio, quo lautos servidos un prestada na guerra
actual contra o Paraguay, acaba de ser Horneado,
pelo Exm. e Rvm, Sr. internuncio apostlico no
lio de Janeiro, vigario turando apostlico da ropu-
ouca do Paraguay, careo ipto dev axereer at
que seja eliilu e prec .misado obispa desaa dio-
cese.
sejntdo dar o devidd ia:remento a groja do
Paraguay, de presente qoasi aban Jonada nao i
pelaotorte dos .pastores como pela dispersao das
"vollias, o incaosavel Frei Fidflis acaba de pedir e
r da curia romana, por nter.nedio do milito
no comm;>rio goral dos capuchianos no Ora-
sil o virtuoso Fr. Caetano de Messina, da sempre
la recordacao pa Pernambuco, a viuda du al
tfcompanheiros que cuidem da vinba do Senhor
tan soffredora.
Fazcmos votos para que or ebrens dones ver-
in s tul lados d.i religio, consigain o esclarec-
te e a liberdade desse povo tSo infeliz at o
; i .ente.
MANGUINHO.Sndo de j;i?tica, vimos hojede
clarar que o mefegado da via-lerroa de Apipuco
o exci'do eni lingtiageni e eni aecue e o guar-
;rreira da Capunfl.i.
\i;vo nEIjaiOSA.-Ctemamof a atlen?ie
disleitores para o discord religioso, puDIcado
i pagina de boje, o qnal foi pronaocia la
Iaiii. e Kvin. Sr. governador d bispado do
Rio de Janeiro, conego Jos Joaquim da Fonseca
i. ma, no dio s de dezembro, por oceasio da fesia
dairmiiaeulada C'ncci'.'ao d) Mara.
I (MANDAD!': ACADMICA.As missas desla
andade, eelvbradas nos domingo* e aosdias
< "lo- s io boras da manlia, jS ooaie(arani
niBQ.
SOCIjDADE BARMONA ACADEMI :.VHavn-
i ;essao no da 15 do corrento ni :.. as i boras da
tarde, ama da Concordia n. i I .
ItY DO RECIPEConslitulo-so no sabia lod
inal >'.! jury, cun VJjui? i, Compa-
Q(k o Sr. Dr. jmz municipal da 2' vara, aprc-
- nton para seren julgados es segoinles pro-
as.
. ajastica.R. Francisco Antonia Je Almeida,
.ncadn).
A. Joan ile f.I'deiros Rspoo. R: flarlh doineu
M- hiadesDuaiie, faaaente).
.'justiga. i. Autmi) Jo.-', dos P.<
>).
A. a Justina. Joajuiii (laxos Machado,
A. a jnstica.R. Nicolao Macha I '. ir, (a(Dao-
;a]u).
A. a Justina.I!, los Antomo- abnoel dj Monte,
""
.'-.. a j:i-!i ;a.IU. Joao Jds ile Araujo c Joao
eAtsaeioa, (presos). t
,i justica. ltll. Jua-i Joa'iui i Elculerio e
do SoU7.a,(tre
A. ajiirtici.R. o prcto Ate i li ,escravodo
Dr. Hanoel Pejippe Ja Fonseca, t rcs >).
Bj ir jnlgado o rj Antonio Jos d -
i por crime de fui: .
se wosu; rain para ceea ella,
Rwfe.na do Comsnereto 43, aos II de
*r& d< 18J0.
IHm. e Kxna. Sr.Uve a salisf,?af>de revber
o vaVio lo V. Exc. c>m dala de hontom. enqarre
imdn-mc da cwnpra u\h sonoros alimentictes^fim
de stivm remeliidos para os municipios do inte-
rior, que actualmente siio perseguidos pelo U igello
ua seeca.
Pos* que nao me faUem oceupacoes que me
roubaiu todo o lempo, todava sendo para um lim
de v,'id.ideira cridade, nw hesito um s momen-
to era acceitar tao honrosa commissao, dovendo ao
niesmw lempo agradecer a V. Exe. a conlianca que
em iniai deposita.
t Alim de corresponder expectativa de V.
Exc. c dar pleno c satisfactorio desempenbo a essa
Lneembencia, que pelas eireamstancias antes que
ludo exige promptidq e oeleridarte na compra c
expedirlo do? gneros, quando alias esse pron-so
seuipre moroso atienta a falta de bracos, mo foi
necessaria a coadjuvacao de um outro negociante
que dispondo de cellos recursos me pjdesse au-
xiliar
Conforme j boje de mjnhia communiquei a
V. Exc. encontrei essa coadjuvacao ni meu amigo
o Sr. barao do Livramento que tambera nao liesi-
lou um s momonlo.
lloniem niio havia no mercado venda sena >
fariiilii em pequea quantidade e do qualidade in-
ferior : porm ja conseguimos que cerca de 1,500
a l.W'O saceos que boje de manhaa chegaram do
norte a bordo do vapor Cruzeiro do Sul, nos f esojn
cedida pelo preeo da Diurna venda, que foi de
74100, embora a qualidade fosse superior e leo-
so de 46 kilogranunas em lugar de 26, o que por
isso podessera ser vendidas por !> 10.
Quanto ais mais gneros, como inilbo, carne,
leijao, arroz, bacalho, e encontramos as mesmas
dlsposftjfles em todos os comraerciantos, os quaes
seroprevalecerem-se das circumstancias do dia
e-tau prcmQtos a cederem os uiesmos gneros
pelo cusi e nao pelo elevado preeo do mer-
cado.
Assim, pois, os nobres sentimemos, qae V.
Exc. animara no auxilio que se propoe realisar
indigencia do interior da provincia, tendo cbo nos
eoracSes des negocianis desta praca, podemos
desde j asseverar que V. Exe. poder razar tao
impoilaiite servie.j coin o menor onus possivel para
! os cofres pblicos.
CvpQFtanamenlo torei a honra do levar ao co-
nbecii!; :o de V. Exc. os nomos desses respei'.v
veis cidfdos, que na realidade so moslram tao
desBtercsados o c.ridosos.
Porvolta das -i para 'i horas da tarde, boje
na eslacSo das Cinco-Puntas eslariio todos os gene-
ros per V. Exc. ordenados paraseguirem amanilla
para os municipios de Giranhuus, Papacara- c
buique.
Quar.to s mais remessas que teeni de ser
feias, as ordeus do V. Exc. sero compndas no
du a tu, que determinar, pois para esse liai, at
arnanhai demanhlanosarmazens do Sr. barao do
Livramento Ocario recolbidos todos os gneros
arios.
Deu; guardo V. ExcId n. e Exm. Sr. Pro-
derico de Almeida e Albuquetujpo, digno presiden-
te de? I.i provincia.Augusto Fredtiico de Oli
vena.
ARCi-P.ISPADO DA RABIA. Passou hmle.u
para a Europa,a bordo di vapor francez, o Exm-
e Rvm. Sr. onde de S. Salvad ir. am de tomar'
parte no concilio ecuraenic i. Ao deixar o imperio,
S. Exc. livma. pubiieon a sognint carta pastoral :
A'Igreja da Baha gr ;'or>z da parto
Deus Padre, e da de sau Biihj Unignito, N >sso
Seohor lesus Cbrisle.
Pelas Letras Ani t'li-is dcjunln de 1369
ewsso imnistrric. Orai
Ybgeiu Mara Mai de ImIu qul Np IVmomo, e
que pelo seu graas\ prvilatw dt rr lmm.>eulada
em sua ConrcirS mterreda por ch a seu btnadHo
iR'k. quo ros afea*** a soa graoa e oas d os au-
xilios precisos alia? de que ..o sacro- concilio, em
beneficio da igreja ewavral p di dioeese da Rabia
em particular, possamos digi.aniei;te satsfazer as
nossas t brigares unios aos outros pastares sob a
direci:*) do Santo Espirito.
Quacra despedir-no pessailmento de todos
os cossos ama los diocesanos, a molestia, porm,
em que laboramos nos iwpede ; prevalecen-
nos prtanlo d'osta carta pastoral para cumprir
este sagrado dever, o a todo levamos em o nosso
coraeo, supplicando ao Den do Misericordia que
ihes conceda todas as gracas espiriluaes e lempo-
raes, o os livre neste mundo de- todas as miserias,
o no outro Ihes conceda o gozo da Visao Betica.
Do_ intimo do coraca) agradecemos ao Exm.
Sr. barao de S. Lourenco, presidente da provincia,
aos nossos irmos sacerdotes, a veneravel irman
dado da Caa da Santa Misericordia, aos nossos
charos lilhos seculares o auxilio que nos presta-
ram para podermos fazer a nossa viagci, o Senhor
Ibes recompense tanta candada c benevolencia,
que comnoseo nsiram.
Os Rvdr. prochos pnblicarao eslaeao da
mis;a conventual esta nossa carta pastoral aos
seus parochianos, rogando-lhes que nao ce.-sem de
orar a Deus por nos.
CADVER.Foi tirado antehontem tarde, do
viveiro chamado do Muniz, no atierro dos Arga-
dos, o cadver do un preto. Da vestoria reeonhe-
ceu-se ter sido a raurto causada por asp'n.wia por
submerso.
PROCLAMAS.Foram lidos hootimi na ma-
triz da freguezia da Sauto Antonio os proclamas
saguintes:
i.* dcnuncidcao.
Mauocl Ferreira Juaier, com Mariana Francisca
do Salles.
Iaspar Antonio dos Res, com Rosa de Lima u-
os o Silva,
Domingos Mauoei Marlins. com Mara Dorolha
Moreira.
Lindolpho Malaquias do Rosario, com Claudina
Mua Anglica da> ioms.
Jos Paulino da Silva Jnior, com aexposla Ma-
ra Leopoldina da Silva Quintarles.
Bacharel Manoel Thuiniz de Rarrs ('.ampollo,
cora Senhorinhi Emilia Correa de Ahneid.
i.' deiuiueiaeao.
Agoslinho los dos Sanios, com Francisca Mara
do Espirit Santo.
Leonel Rapbael de lloraos o Silva, com France-
lina Amelia Muniz da Cruz. i
Francisco da Co;ta Ramo.;, com Serafina Mara
da Cunta.
Francisco Gimes da Costa, com Ignaca Marina
ao ilollunda.
3." donnncicao.
Joao Evangelista da Silva, co;a DaTniana Pru-
dencia da Tnndade.
Manoel Flix da Trindade, com Genoveva Maria
Jamiaria
Francisco Rurmo Vctor Pereira, com Emilia
Piuxa de Oliwira.
K^trfir Sfi^WSBi
22* pape* reM*w; tambeiu commi I-
mpuf*-*"***** dosUmHw a que me
J.*SJ*%>d or Inf trtuain qde du sooera: m>s*n, te*St* mm nmrm w>m
n. JMrem ter inimigos do quilate dos que en to-
'IM. e verdadeira desgraea. Soffrn entreanto
todo o rigor de meu destino. Quolaaer'?..
Vundo a suim adversa le perseguir, refag*-
tenatraniuillidade datua emutiepeia : so m
coraeao hT puro, nelle acharas ara azilo seguro
113 *IOS.
E" isto o que vou luer, nem mais urna palavra
oire ao jy. pag,,, Antonio, ou a qualquur dos
ineus boa* amigos.
O tigmi* Baziito Go*<;alra.
Como quer que das palavrassem audiencia mi-
nnaempregadas no communicado, quo llz hon-
tem piiNiear no Diario de Pernamtmro, em res-
posta a censura feita pelo Librrnl, com relafao
compra da easa de Cambrone, se possa inferir que
nao fm absolnumenie ouvido neste negocio, devo
declarar, en abono da verdade, que asslsli a nraa
conferencia r,lin 0 Exip. Sr. vice-presideote Dr.
Portella, eo Illm. Sr. inspector da thesouraria,
em que se tratou da elfectuar dita compra, mas
averbei-me logo de suspeitu, pelas razies, que j
expend.
As palavras, pois,sem audiencia minbanao
querem dizer senio qne a compra Coi eftectuada
sem o meu voto, que nao poda dar, o recusei,
pelo que jadee la rei, nao obstante ter entrado enm
os outros membros presentes, em consideraros
geraes, que autorissram a ins stencia do Sr. pre-
sidente, apezar daquella minba declaracao.
Recite, ii de marco de 1870.
Cipriano Feneton Gucdes Alcoforado.
Rirmino Mariano Mendos da Silva, com Felismi-
oa Maria Soa res.
FUNDOS RRASILEIUOS. Eram assim colados
na arana de Londres :
5% do 1831).....90a\>nom.
5% de IMS.....8S/ta83 '
'i I /.
do 18)2=38-69. 77 a.
4 l/j % do 1863 .... 77 a 80.
NaVIDS CHBSADOS.A Lisboa Soprano, n IV
de Pernambaco, Bella Ftgueireiuti 16 em, l.'n-
da a 21 do Para, Probiiade a 23 dem do Porto
eenvjcou o un m Pontiic-, o in nirtal P i IX,
o concilioeeaipeniee, para ser calebradj em ll im i,' America a do Maranho, Saphyra a 18 de Per-
ipib id dia d.i testa di GonceicS) I;n- nambuco, Aielaide a 10 do Para, o Jala a 2i de
maculada da Sanlissima Virgem Mara Mii do.! Peni.raibu:o; Sttubal Cysivj I) \'u:tja & 13 do
Deus em 8 de dezembro .da 1869; e desde que Para,
recebemos a Bnlta Pontificia di convocarlo feita! HAYI03SAHIDOS,- De Lislwi-.i'irco/n a 13
iblico Manoel do Ni- isado Lima
.ui> ras de sangae.
FALLfiCfMEfTO.Dendis de G das de soffri-
dleceil honlem s#3 ',' horas da rranhaa
ijor Flix Francisco de Souza Magalbies, vic-
. de una robre biilosa.
O finado era bom cidado e honrado ebefo de
Era solicitador do nosso foro, lugar que
re dasempenbou com actividade e honradez, e
:tualmente veread r da Illm." cmara muni-
lesta cidade a seu municipia.
S'i Miiver fo depositado na ordentrceira
di Carino, onde Ihe foram celebradas as oracSas
fuaeores, sendo dahi co-duzilo ao cemitero pu-
Mieo s 5 boras da tarda de boatent.
. viuva do nesao amigo apresentauMis respail-
os nossos pezames.
PRINCIPE Di'ffcLlPP.6. A o Sr. principe
-, lilho de SS AA. os Srf. conde econ-
dessa ci'Airuilia, ia assentar pra^a do cadete no Io
. d cavallara do buha, da curte, seguin-
do a 13 para o Paraguay, a eneorporar-se ao seu
ha la i:
S. A. nasceu a 12 de agosto de 18i7, contando
anto 23 annos.
XilEIttO.0 vapor Cruu do Su! levou as
quaalias :
ira Macei
(.' vapor francez Uruguay
'S quanliaspara-r>s Si^s :
i Irma is & C,
Pedro M. Man:
Si Leitin A Irn
da Silva Loyo, I'ilho & C.
KM TilAXSIT.A" bordo Jo Gironde vieraui
...epa.coin destiOQ ao sal/.' imperio 212 pas-
i ros.
GNEROS DE ESTIVA.-0 vappr francez Bi-
ll uxa os sguintea volumes: 33 caixas
iraejos a crdem, 10 a Th. Just, 20 a J. J. Goncai-
Bcltrio. 19 a Joaq I. da Costa, 18 a Lima
i A C. 6 a J. J.pAlves. 70 a Carvalho Zenda &
i... 10 a Fonseca 4 Sanias, U i J. M. da Rosa
.V l'ilhos, H I .fcilva i Joqnin Felii>pe, 33 a
Otga Irmaosv 40 a Gniraares i Alcuforado, tW
. C coga dr C. 3t) barris manteiga a Corga
Irados, 32.barns vinho a Chnstiansen; 50
sitas cognacaotiiesmo, iOa F. Souvage, 40 a
K. A. Biuto A. O, 10 a C. A. Sodr da Motta & C,
2:1 caixas sardmlas a ordem, SS a E. A. Burle &.
',. 103 caiaejiaora Chrstiisen, 10 a E. A
>; A C lie eaixas vinho a.) mesmo, 800 .a C.
A. Sodr da Meta 4 G, 400 a ordem., 20 caitas
i,-jetas em calnWa E. A. Borle & C.
COWANIA- BE ACRBATAS. Estream
ihaa no' narfflfeo de Santa Isabel os artistas
.-.croba'icos di companhia do Sr. Marcos Casat,
atando drrersos trabalhos gymnasticss, qne
v;i espesli.'adcs np prograrama era outra parte
j bhcado.
ganda dzem os jornaes de Portugal, os ar-
ti ,tas sao bansJ e mereaft o faiforartl agoibi-
n"uto do nesacubligo.
. 0 espectculof .dado para soiemnisar o Ppgres-
i w bravo A> KJ da voluntarios da pama.
WiRN ANDO DE NORONHA.O vapor urW-
"liegado sabbadodo presiclio de Fernando, fbi
pelo ebefe visivol da igreja, e supremo pastor do
AprlsCC de Jess Christo, coni) o ultimo 'lis b.s-
arnos tencan de nao fallar esta su-
i congregip^ki dos pastore-, que lom de jul-
gar, .(-plala pelo Santo E>pirti>, dascousas, qae,
a a J, aoi costura n e a disc p n i da
igrej, na m i is nnressade que os ouiros-b
1... I I qne du respailo glo.ii da D-us, .ilim-
. e i salvara i das almas. E quande i
nbamos ludo preparad) pira fazer a nossa va-
gein. r-m seterabro do auno passado, alim de no
para o Para; Do Porto-Sumu l a 13 para Per-
nambuco. SLiria Carolina t 2i para o Maranhio.
NAVIOS A CARGA. E-n.Lisb...a-Juddli, Bella
Figueirentet Soberano para Pernambuco, U
6 .indi para o P.:r;; no PortoJ/ai'n Carotina
p.ara o HaranSKu, o oca Palmara para o l'.n-
SAPHYRE. l-:-' i vapor da liona de Liverp ul,
era esperado e;n Lisboa de 10 a 12 do-corrente,
ora viagem para Pecuanibuca
NOTICIAS COM\iRH!:iAi;s. Sao as seguate?
acharraos era Roma no di aprazada, tooounof ,Kls I'rincipacs praeas di Europa :
' da Deus, urna pleiiro-poeun.onia agndi
i, e por conselho dos sabios medi-
os, que no? trataran, differimos a nossa viagem
para o moi de marco d'este auno, e e;n enjnpri-
ijpento das ordene>du Sua Santidaae mandamos
SSAMENTO.^-Em^ Villa-Bella fallecen ola- ;: .o nosso secretario particular, o Rvm. cone-
go Ji Olivara Das, apresantar Sua Santi
^de e ao sacro concilio as razos pelas qoaes
|R)dii.iii^s partir ent) c tinbamos dilferda a n issa
: 'ii o aflkmou que no rigor do invern
ou tnorriaoKs em Roma, ou voltavamos Babia
cq.
o ssa aesistencja dependesse a abertura
43:OOOfiOOO
Lfl as seguin-
70:)00*000
47:000 Ai KM)
13:0003000
!2:000#000
Pctengl da jWsni companhia
%OOCORfvOS.-Por oOeie. e 10 do ccrrenM, 8.
Sr. pMMate da provincia tncuoibto ao
Aogiuio l reder ico da Ottveira. da.
Taf. pro
do concilio, e o prejudicasse o nosso nao compare
ato, o temor da morle nao reiera os nossos
passos, o oem da igreja calboliea est cima de !
ludo, c | or illa estamos dispostos a dar nossa vida '
menos pelas "nossas ovelhas ; mas como a j
kossa ausencia nao pr.judicava o concilio, o se nos
den esparanca de pedormoi ainla ir lomar parle
em suas dciiboracjs, nos tranquilisamos, e como
a maior de todas as consolagoes recebemos urna
caria aftetao de Sua Santidade salvando a nossa
censcieucia em virtude dos motivos, que nos obri-
garam a demorarmo-nos anda na Babia.
Approxima-se, porm, o teinpo da pattida,
amados irmos e Olbos, duas v.'zes jramos face
dos altares nao faltar ao concilio, quando recebe-1 da"8.'
mos a sagracao episcopal e o pallio metropolitico :'
nao podtrnosj portanto, fallar aoquo promelleraos
Deus, e bem que seja atterradpr o estado do
nossa saude, .com a esperanca posta em Deus la
vaii.c9 [ara Roma, e no primeiro vapor francez do
mez de marco tencionmos fazer viagem, collocan-
do-nos sob a* pro toe cao da Nossa Senbora, que a
nossa principal advogada o protectora, e vos pedi-
mos tambera as vossas orac,5es, irrnaos e lilhos
limite amado?, rogai Deus por nos, e pedi ao Se-
nhor que por effeito de sua misericordia iio3 leve
e traga salvamento, e nos conceda vir exhalar o
ultimo suspiro no nicio de vos.
E' no exercicio do nasso sagrado ministerio,
para tratar do bem da igreja era geral, e da nossa
diorese em particular, que d'ella nos ausentamos;
encarrcgamo3 o governo da dioceso durante a
nessa ausencia ao Rvd. provisor do arcebispado,
conego yigaro Pedro Antonio de Campo?, e para "o
Substitus nos seus impedimentos os Rvms. desem-
baigadnres da relaeio metropolitana, conego Joa-
quim Cajueiro de Lampos, deib Joaquim Emygdio
Ribciro, e Dr. Antonio da Rocha Vianua.
a Aos hosso3 Rvms. vi garlos geraes e ao3 Rvms.
missionarios, em virtude da faculdade que nos
concedida pelo Breve Apostlico vulgarmente cha-
mado dos vinta e cinco annos, temos permittido
admtoistrar o sacramento da cunfirinacao durante
as visitas que fazem por delegacao nossa, e igual-,
mente perantc as missdes ; mas era quanto nos
aeh&moe ausente da dioeese, revogamos esta facul-
dade e exprossamente declaramos que dosde o
dia ec. que nos retirarmos d'esta cidade, nao po-
derao mais os nossos Rvds. vigaros geraes, nem
o Rvds. oiissionarios. capuchiohos e lazaristas- ad-
ministrar o sacramento da conurmacFio.
Aos Rvds. prochos, nossos cooperadores em o
rainistorio pastoral, reeommendamos tambera o
rebanho, cada um a parte qne Ihe est confiada,
que uLo deixera perecer os seus parochianos a
fome do pilo, e sede da agua da palavra de Deus,
temurando-lhes que, se grande tero sido a sua
gloria pelas ovelbas qne se salvarem, em virtude
dos seus desvelos, estreitas serao as contas que
Ibes tomar o Senhor pelas que ae perdurara por
causa dos seos descuidos : ai dos pastores que
egligenciarem os seus deveres, ai d'elles se al-
ton i G horas da tarde.
O algoJao est calma aos precos de : l! 1|2 a
130 da Pernainbnco, 11 a II Ir* o di Paralaba, II
Iri a 12 o de Macei, 11 3i a 11 3ji o d i Mara-
nhao, 11 l|i a 12 3ii o du llio Granle, a II 7|8 o
'I i Cear.
o assuear firmo de: 24)6 a 28[ o branco, e de
18; a 2i| o mascvado.
caf procurado de 43| a 73|, soguado qua-
O cacan do Para de 43| a S3|.
Os couros seceos t sdajados de 't l| l 9 12.
Wuwe a? t .'i horai du iirn..
O alu-ido calmo. O de Pernamlu; nario
a lis. 131.
O caf frouxo.
O cacan do Para a 83|irs.
LElL.lO.Moje (ID effeeuia o agente Pinto s
12 horas da inanhaa, o leiO de fazendas o
calcados avarados, conforme o annuncio.
Amanhaa (13) deve ter lugar o lei'ao dos
movis, louca, crystac?, obras de ouro, prata e car-
ros, conforme est annunciado para araa dos#ua-
rarapes (em Fra de Portas) casa em qi
o Sr. Luiz Antonio Vieira.
O tenente-eornBcl eommaadan-
te lo 1 batalho de artUhe-
ria lo municipio do Recife.
ao publico.
Nao ten i t-ropo para 1er jornaes:
liotitcm porera, c a noute, lendo casnal-
merite o Correio PernamBucano, deparei
com tim desmentido ao Uberal, a proposito
de isaagnop quo o bataihao de meu com-
mando, de orden) de S. E\c. o Sr. presi-
denta da provincia, acliava-se de prompti-
d5o o embalado para receber os Volunta-
rios da Patria!
Semlliante assergo urna falsidade,
quo parece ter por (im riilicularisar e indis-
poro batalho, e qie despreso, pirque des
culpo o autor do tal njlicia, que sem du-
vida nenliuma, eslava em estado de exal-
tanifiito.
Por algumas vezas o bataio de meu
commando tem estado de promptido, e
ombalado ; mas isso milito tempo ; o n3o
duvidarei oslar sempre, que liver para isso
ordem, pois que liei do cumprir qnalquer
qua seja, qne demanem do superior.
E' bem rilicolo mintir-se, para fazer
politicis.
Recife 13 do marco de 187o.
Dedo de Aquino Fonseca.
Menentfclhabo.
Idwn em fijfha, orbuamau roe-
.^bo ........
Mea etn rolo e mi tato* ba .
Mn, ordiaarioiMireaasilm .
5*P.........
uonuiu de mandioca, (polvillo).
Ipecacuanha ( rali).....
at1"* .:::::
Bnxams........
Prechaes........ >
facarandi (couepeiras) dmia
Leaha em achas......cento
dem em toros......
Lindas e estelos......
Loo s (nranchesi.....
Pao Brasil........
dem de jangada......
Quiris.......' *
VinhaHeo costadinho do *5 a 30
miMBClros da grostsura. .
dem pranchdes do dous costa-
dos a? 50 inillimetros de gros-
Ssura........ .
(ai
>
duna
um
um
kilog.
um
duzia
nm
613
SI
513
um
170
K700
Mimo
m
11300
5*000
931000
3*000
li*O00
1000
10*000
iOi
5*000
6*000
16*000
Oiuia
>
kitog.
urna
urna

par
kilog.
PACA DO IIRCIFE 12 DE MAKCO
DE 187U.
AS 3 1/2 HORAS DA TARDE
AJgoulo de Macei 1'sortc1*102 por kil. posto
a bordo, froto de 3|8 sem capa.
lambi* 'sobre
1S030.
Goncallo Jos Alfonso
Presidente.
Mosquita Jnior,
Sacrotano.
Londres 00 djv. 20 3|4 d. por
molhos
cont
kilog.

c
par
kilog.
cento
duzia
105000
144*000
96*000
33
61000
21400
6*000
11000
3*500
105000
50
320
68
16
ljf>KI
817
31
18
34
45796
160
em tatoado de menos do 25
millimelros dt grossnra .
Taboado divarso......
Tatijuba........
Travos......... .
Varas para pescar. .... duria
dem para aguilhadas ....
dem para canoas.....
Cavernas de sucupirafem obra)
Eixos de cicupira para carro. .
SHaco.........
Mel de abelha.......
Milho..........
Ossos.........
Palba de carnadba.....mullios
Pechury.........kilog.
Pedras de amolar .....
dem de filtrar.......
dem de rebollo ...
l'ennas de cma. ...... >
Piassava..........
Ponas ou chifres de novlho ou
vacca.........
Sabao .....
Sal. ...,....,.
Salsaparrilha.......
Sapatos de couro branco .
Sebo on grasa em rama .
dem em velas. ......
Sola e vaqueta......
Tapioca.........
Unhas do boi.......
Vassouras de carnauba .
Idom de piassava ...
dem de timb......
Alfandega do Pernambuco, 12 de marco de 1870.
O 1. conferentc, Joai/nim A. Wandertei/.
O i dito, J. Joaqun J. de C. Men- ni.
Approvo. ^ Al (and ega de Pernambuco, 12 de
marc > da 1870.Paesdc Andrade.
Conformo. Joaquim Tertuliano de Medeiros.
aECBEiUA DE KE.NDAS 1NTEU.NAS E-
RAES DE PEKXAMBCO.
endimonto dodia la II. 4i:34iC9o
llera do di3 12....... 2.8311145
25800
348
10
25043
800
340
476
15200
204
380
768
15200
960
i.'i: 158*810
CONSULADO PROViriCAL
landimento do dia I a 11.
Mem do dia 12 .
a"J:C091793
2:7S25I72
58.39159 7
ENGLSII BANK
)f Hio de /aneiro Limited
Descorita leltras da pra";a taxa a con-
encionar.
Uc-cebe dinheiro cm conta corrente hia
I raso lxo.
Saca vista ou a praso sobre as cidadt
principaes da Europa, tem correspondentes
ia Uaiiia, Buenos-yrcs, Montevideo, New-
i Ncw-Orleans, o emitte cartas de crdito,
>ara os mesmos lugares.
ItA DO COMMERCIO N. 3t-
AI.FANDEC-A.
Aendimentadodala 11. 399:27*383
!dem do da 12..... 15:5015897

414:759*180
LOTERA.A que se acha venda a 140',
beneficio da matriz de S. Bento que Corre no
PUBLICACOES A PEDIDO.
Parlador de cartas, com data da 10 do corrente, urnas dss ovelhas se perder pelo desprezo e aban-
qae nosjk o (tote : louo dos mesmos I atas nos esperamos que os
Este presidioflea em tranquilla pz. O appa- *v<*s.prochos compenetradrs da grandeza do seu
uto do invern jase vai demorando, pelo ninlslerio,.empregarao todos os meios em benefi-
cie as planUcdes, que foram 'eitas guando eabi- ** ** i2A:i ovelhas, nao se eiquecendo que o bora
asprimeWs. Churas ne me: de levereiro.J Pt,0I *a a vida por ellas.
i'.>o quasl perdidas.
1 PAJUNA PERfvAMBCASA.-Hcjeo
^iB vapores Giqni m^ S^ TraT^SIiiobTa ao
i Jess Chns*), nos nao bopelUsse agora a
aaosabir
por vos aiiltinu.
Acabo de 1er no Diario de 10 do corrente mtz
um ligeira artigo, dando por linda a questao, a
que mo provocara o Sr. padre Antonio. Quera
quer que seja o amigo que por mim falln, cor-
dalmente Ihe aperto a ma.
Interprete fiel de meu pensamento bem sabe
este amigo, que n5o me devo demorar.nesse terre-
no estril, em que colloccu o padre a questao.
Tamben quo nao devo seguir meu antagonista at
o charco, onde infelizmente o vejo cabido. Neste
terreno me dou por vencido, pois que prezo meu
estado; minha pessoa; e realmente nao sei, marc
de Deus, despit a btina, enfiar a litr, saltar
ra para Jogar pedradas.
Mu o publico o Liberal o. 84, e ver do artigo
do padre, quanto deseen elle at mostrar to la &
fraqeA de seu espirito. Coitado
Pobre velho que, sem respeto seu estado e
dale, todo faiscando iras, insulta publicamente
seu irmao que nao o olfendera, em lingoagem de
arrieiro, a todo3 es^andaltsando assim Ai do fi
Iho da ira Ai daquelle por quem vero o escau-
dalo !
a deficiencia de razao que podes3e oppOr aos
argumentos, em que me fundei, para nao cantar a
missa da fes la era que estao, lang man do insulto,
qpe arma dos fracos. Nao admira o procedi-
raenlo do padre ltenla a sciencia do direito que
tem : porm o que rae fax pasmar nao ter cora-
prehendido ella o jogo ridiculo que delle fazem, e
o triste papel que representado tem em todos os
seus escriptos.
Pois bem, nao seja eu quera concorra mais para
seu descrdito. Quero antes correr cobarde, que
esgrimir esse pobre homem : pobre porque fraco,
susceptivel de paixdes mesquinhas, como La mos-
trado.
era raais urna palavra Ihe darei: nao quero
mais testemunhar seu triste papel, inteiramente
al m de minha espactativa.
Felizmente todas as raides de direito por mihi
produzidas na questao vertenie estao subsisten-
tes ; o nao o padre as pode refutar pois qae estao
e|las baseadas no direito vigente. Trouxe elle em
seu escripia urna tirada de citac,oes capsiosas, co-
piadas de um velho allarrabio, que apenas sao
tlieorias das mi.-sas votivas pro re grave, que era
nada ven ao case.
A quesillo de simples intuie.o, isto qua o
padre nao pode inverter o rito as solemnidades,
in?snio quando estao as oudic.Sos itere pare,
sem l ;en?a do ordmari > sempre que ha tempo era
a pedir. Cumpria pois ao padre provar o con-
:ariu, se o fizesse diaia ou. Te uascoberto a
ra do circulo visto como la$m kctbemus.
ito o padre por se ao reino ia lv>
ded is, a la vem com urna
I u*ad* MWWc nda. nao
MOVIMENTO DA ALFANDEGA
folumes entrados cora fazendas
dem idom com gneros
/tunes sahidos com fazendas
dem idem cora gneros
8 .
171
-----432
88
120
----- 208
Descarregam hoje 14 de marco
Vapor inglez-O.'indimercadorias.
Briguainglez-fi Urigue inglezDourobacalho. .
Brigne iuglez.-A/ Bi ca ugleia-^//s' Strerris-mercadorias.
Bscuna mg!ezaElena P.idem.
rABELLA^fe reoos nos genebos sujbitos a di-
RB1TO DR EXPOnTAg.O. SKMAKA DB 14 A 19 PE
MARCO DB 1870.
Mercadori.. Unidades. Valores.
PRACV DO RECIFE .
12 de naneo de 1870.
REVISTA ttGUANAL.
Cambios.Sobre Londres effacti'.aram-sc trans-
ac?6es de 20 1|2 a O 3|1 por l')00, sobre Ilam-
burgo a 830 por M. B., e sobre Portugal da 154 a
IG2 0|0, elevndose os saques a cerca da 100,000
.
Algodao.Vendeu-so de Ia sorto posto a ber-
doa 163520 edooutras qualidades de J300a
14*700 por arrubn ou 15 kilogrammos.
Arroz.O pilado da India regaln a 3*600 a
arroba.
Azeite-doce.-Vendeu-sc o de Lisboa a 3*900
por galo.
Bacalho.Era atacado vendeu-so a 21*000 e
a retalbo di 23* a 24* por barrica.
Bamia de ronco.Negociou-se a 300 rs. por li-
bra.
Batatas.Venderm-sc a 2*000 a arroba.
BoLAcuiMiAs.Rcgulon a 43 a barriquinha.
Caf.Vendeu-so de 6*000 a 7* a arroba.
Cha.dem de 2*200 a 2*900 a libra.
Cgrveja.dem do 6*000 a 8*500 a duzia de
garrafas ou botijas.
KanDSB/iK.Vendeu-se a 7*500 a lata de cinco
gales.
Louca A ingleza vendeu-se com 465 por cen-
to de premio sobre a factura.
Manteiga.A ingleza vandeu-se a 1*220 por
libra e a franceza a 820 rs.
Massas.Venderam-se a 7* a caixa.
Olko de liniiaca.dem a 2*300 por galao.
Passas.dem a 11*500 a caixa.
Queijos.Os flamengos venderam-se a 3*000
cada n m.
Sabao O inglez regulou a 175 rs. por libra.
TorciNfio.Vendeu-se o de Lisboa a 11*500
por arroba.
Vinagre.O de Portugal vendeu-so a 1304 a
pipa.
- ViNiios.Os de Portugal venderam-se de 230*
a 280* c os de outros prazes a 207* a pipa.
Velas. As do composicao negociaram-se a
030 rs. por mago de 6 em libra.
Descont.O rebate de letras regulou de 12 a
Unmuciiui da f vara netfn ebMe do]
r^Tma-Uieu por S,M o tapera** a w
Dewguaid'. ^ ^
Paao saber aos que i present flu vkvm w
por e*te Juno se bio de arrematar os eacravo m
f motes, peaborados por execoeil de vifeoat V
Soassuna c mira a viuva e btrdeiroj do Sebastian
Antonio Paos Brrelo :
Andr, do nac (,64 annos de ida de. do servir*
de agricultura, Isa umi rotura aciuu do nrabgt.
rendido da verilha direita, avallada per 150*. "
Luiz, rrioulo, cora 56 innos de ida mo servico, soffre de aslhma, rendido di verilha
esquerda e lera urna bellida no olho direito, ava-
hado p ir 500*.
Pelippe, de nago. com 44 annos de idade, fi
mestre de assuear, avahado por 800*.
Luisa, do naci, com 41 annns de idade, do ser-
vico do campo, avahado por 000*.
Luia, parda, com 46 anir.s do idade, amito
achacada, do servir. domestico, avahada, por
300*800. ^
Silvana, crioula.com 16 annos d* idade, sem ha-
bilidades, saoia, avahada per 1:000*.
Clara, dita, cora 14 anuos de dad, do roeemo
servir domestico, avahada por 1:000*.
Joaquim Dito, com 16 annos do idade, do servi-
co do campo, avahado por 1:000*.
Os preteudentcs do pelo presente convidados
remetieran suas propostas a este juizo no praso de
30 dias.
E para que rhegun ao conheciraenlo de quem
conviar, mandei passar editaos com o praso de 30
dias, que serao publicadas pilos jornaes e aflata-
dos no lugar do costume mais publico.
Dado e passado nesta cidadu do Recife de Per-
nambuco aos 25 de fevereiro da 1870.
Recife 23 do fevereiro de 1870Eu Manoel Joa-
quim Baptista, eserivio o subscrevi.
______Arminiu Coriolaitn Tarares dos Sanios.
O Dr. Tristil.) do Menear Araripe, ollicial
da imperial ordem da llosa ejote especial
do commercio nesla cidade do Recife de
Pernimbuc1, por S. M. Imperial e Cons-
lituicional o Sr. D. Podro H, a quem
Deus guarde, etc.
Faro sajer aos que o prsenle edilal v-
rem o delle noticia livetem que no dia I i
marco do corredte anno, se ho de arreoia-
por venda a quem mai* ilerempraga publi-
car deste juizo depois da espectiva audien-
cia o seguitile:
Um sitio denominado Znmbi, silo na es-
trada de Belt'tn, foreiro.com telheito tendo
dous quartos e alicerce para casa com al-
guus arvoredos de'fructo com pequea mal-
la, divide, pela frente com a estrada de
Belm, pelo nasceote. com o sitio dos her-
deiros de Paulino da Silva Mindello, pelo
poenle com o silio dos herdeiros dd
Manoel Anlonio Carneiro de Oliveir.i, e oelo
fundo com o sitio do mesmo Manoel Anto-
Carneiro de Oiveira, e com o mo Zurolii *
avaliado por 2:000;>000, o qual foi penhu-
rado por execucSo do Anlonio Martios d
Carvakn Azevedo, como leslamenteir de
Thcoionio de Uveira Naves, contra Dome-
irio Azevedo .V.p.orim.
E nao havi.iiilo Janpador. que cubra a
prego da avallada arremaUrio sera feita
pelo preco da adjudicafo na forma ds kj.
E para que chegue ao conhecimento de
todos mandei passar o presente que s.:r;i
pn liendo pela imprensa c affiaade no logar
(I' coslume, Recife, i i de fevereiro'de
1870.
Eu, Manoel Maria Rodrigues do A'asci-
menlo efctiva), o subscrivi.
Recife, 15 de fevereiro de 1870.
Trisldo de Alenccir Araripe.
Inspce?o do arseaal de
mai'Inha.
Faz-se publico que a commissao de peritos,
examinando na turma determinada no rcgulamenlo
annexo ao decreto n. 1324 de 5 de fevereiro de
1831, o_casco, machina, caldeira, appanlho.
mastreagao, veame, amarras e ancoras do va-
por Polengi da companhia Pernarr.bucana de na^
vegajao cosleira, acliou todos esses objectos em
estado do poder o vapor navegar.
Inspecga do arsenal de marinba de Pernambu-
co 11 de mareo de 1870.
O inspector,
II. A. Barbosa de Almeida
15
um
kHV
urna
300
4*000
*8|
177
320
19
430
1*000
5*000
937
675
52o
102
5*450
I
Abanos.........duzia
Algodo em caroeo ._ kilog.
dem em rama ou em laa.
Carneiros vivos.....
Poreos idera......
Arroz com casca. .
idem descascado ou pilado
Assuear branco ....
dem mascvado. .
Idera refinado.....
'ullinhas
Papagaios........
Azeite de amendoim ou men-
dobim.........l'lro
dem de coco ....".
dem de mamona......
Batatas alimenticias. .... kilog.
Baunilba.......",
tbidas espirituosas eformentadas:
gurdente cachaca. .... ltr.
dem de canna.....
dem genebra.....
dem resillada .
Idem alcool........
Idem cerveja.......
emvinagre.......
Idem vinho de caj......
Bolacha fina, comprohendidos os
biscoit'S.........kilog.
(dem ordinaria, propria para
embarqne.........
Gaf bom ......
dem escolba ou restolho ... >
dem torrado ou moide. ...
Cal branca. ........
dem prett....... .
Carne secca ( xarque ).....
Carvao vegete!.......
Cera amarella.......
dem de carnauba em bruto. *
Idem idem em velas. ....
O.....7 4*300
Qocos seceos.......cento 4*000
Oolla.........kilog. 1*438
Couros de boi, seceos salgados.
Idom idem espichados. >
dem verdes.....
dem de cabras cortidos um
i de onca....... QM.
L tan- i Doces em. calda ...... kib. 1*133]
195
390
330
300
337
600
300
660
.478
204'
476
91
19
17
258
466
4A2
V ao anno.
MOVIMENTO DO PORTO.
Navios entrados to dia 12.
Illia de Farnando 45 horas, vapor brasi-
leiro Cururipe, de 222 toneladas, com-
mandante J. II. da Si va, equipagem 14,
em lastro ; Companhia l'ernambucana.
Rio Formoso 6 horas, vapor brasileiro
Parahyba, ie <04 toneladas, oommandan-
te Oliveira, equipagem 10, em lastro;
Companhia Pernambocana.
Rio de Janeiro 2i dias, brigue norte-al-
lemao Courier, de 39 toneladas, capilao
I. F. Veck, equipagem 8, em lastro;
H. Oottle.
Navios sahidos no mesmo dia.
Canal Barca ingleza Meleor, capitSo W.
Jones, carga assuear.
Macei Barca ingleza Beltiste, capitSo Ne-
elsen, em lastro de assuear.
Portos do sul Vapor brasileiro Cruzeiro
do Sul, commandante Alcoforado.
AViwos entrados no Ha 13.
Rio de JanaJre;Bahia 5 3 1/2 dias, vapor
francez Uruguay, de '2854 toneladas,
commandante Massenet. equipagem 127,
carga varios genero ; Tisse Freres.
Bordeaox e portos intermedios 18 dias,
vapor francez Geronde, de 1797 tonela-
das, commandante A. de Somer, equipa-
gem 7, carga fazendas e outros gne-
ros ; Tisset Frere.
Porto Alegre 46 titas, escuna ingleaa
Je#e Forrest, de 148 toneladas, capltJo
I. Hockeu, equipagem 7, carga chifres e.
oaaot; A orden Veio refrescar.
OtfMrMfe.
Ate meto dia nao- boqve sabidas.
Santa casa da misericordia do
Reei fo.
Pila secretaria da santa casa de misericordia do
Recife, do ordem da Illma. junta administrativa,
s:i 1 convidados os paremos das e ucanda* do col-
legio das orphas em seguida do -Liradas, para
que venham requerer a soa ret rada daquelle 03-
tabelecimento, visto que j lentlo raais de 21 an-
nos de idade, devam ter o destino recoramendado
pelo artigo 48 S 3> e 4o do respectivo regla-
mento :
1 Mara da Conceicao Azevedo.
2 Aona Bezerra Cvalcanti.-
3 Amalia Joaquina deObveiri
4 E.nilia de Mello.
5 Cordolina de Castro Cirne.
6 Sopbia Maria da Cohcelco.'
7 Fraucelina Hodrigues da Conseico.
Secretaria da santa caa de misericordia do Re-
cife 12 de margo de 1870.
U escrivao,-
Pedro Rodrigues de Souza.
Relacao d-s cartas registradas vindas do norte
pelo vapor brasileire tCruz*ro do Sul existen-
tes na admiuistracSo do correio :
Anlonio Uorges da Fonseca, Antonio Augusto
da Frota de Meneaes. Guilhernja Cordelro Coelho
Cintra (2), Joao Rodolpho Gomes, Jbo Antonio Go-
mes Gulmaraei, Joao Ramos, Jos Vicente Duarte
Brandao, Jos Joaquim do Maraes Sarment, Dr.
Lourenco Jos de Figueiredo, Manoel Francisco
da Silva Carapina, Odorico Amerieo Raposo da.
Cmara, Raymundo Goncalves-do Valle Guima-
raes, Tbeodoro J. de Souza Braga.
O encarregado do registro,
Manoel dos Passos Miranda.
Relacao das cartas tegWradas vwdas do sol e-
norie existeutes na adminisUacao do conato
desta cidade : .
Anna Joaquina Ferreira, Antonio Euchdes da.
Silveira, Antonio dos Santos Oliveira, Antonio Ca-
rnes de Campos PiUeo, Antonio Rodrigues de AJ-
fciwuerque, Alvaro Uchoa Vieira Brasil, Antonio
Pedro Berreira Lima, Antoaio Joaquim Campoc,
Antonio Fansto Nevos de Soma, Antonio Gomes d
Araujo Sa, Antonio Marinho da Silva, Bernardina-
de Senna PoBtual (2), Francisco Antonio das Cha.-.
Si, Francisco Xavier Pereira de Brilo, Francisco-
nato da Bu iviagom, Guiibermiaa. de Siqueira
Silva (2), Guilherm* de Souza Campos, Henrioue
Ernesto Martin* krUoo Manoel la^Trji *>
Fernandet Cavalcan de AlbuquarquaPpadre J*
Lettao, Jos Joaquim de Silva Araujo.Jnior, Jote.
lleudes Vieira, aos Juaquim Coelho, Jos Flix da,
Silva Fragoso, Jos Augusto de Azevedo, Joaquim
Ferreira Guimaraes,"loaT.uim Goncalves Vlelr
Guimaraes, Joaquim Ae'gi Jacobina,
Maibias da Azevedo TBIar Firoiiao
Ferreira,Manoel Ribeiro de 1 '..rvalno,Martohoda
Silva Costa Juni { Araujo, M4-
noei Ferreira da Silva, Prxedes de, Silva GusniSo,
Paaxades Gomes de Souza Pita lo B.
de Lima Pres, \*cwm& A.'exandrlt
Dnlra.
Manoel ds Pasios Mtraada.
t.:F <

t


Diario de Pemaajbuoo Segunda feirrf* 14 de Marqo de
1870
THEATR
DE
SANTO ANTONIO.
% saiisfazer a urna distnela commissao do
ln-asHeiros e portuguczes, ,_.
pSido de un festim commemoraUvos dos grandes
que nos honrou com i
imorativos dos gran
os nclito voluntarios
Para Pert*
a barca Flor de S, Simo sahir brevroente, por-
que j tem parte da carga engajada : para o resi<
e passagens, tratase com os consignatarios car
valho & Nogueira, na ra do Abollo n. zO.
triumpbos que coroaram os nclitos voiun anos
Snatria, Qiie ave qua quer hora.chegar
dosuL"a quo era j desejo lonco om nos, que
todavia. privad,* dos recunos passados, senta-
mo-nos sucumbir, contemplando o theatnnho de
Sante Antonio, e lembrando nos do theatro de
San Isabel, onde por lautas veres manifestamos
eatao condignamente a no-sa admiracao e gratulan
oores'esc.rvpheuj do paiz; resolvemos solcm-
nfear o dia d.i chegada dos v..luntanos pernam-
bueanos com um esplendido baile no salao deste
theatro, uo secundo dia de sua estada na provincia.
O aio acba-se ricamente di corado com tro
pucos pintados pelo muito conhecido senngraphc
As 9 boras Principia o diverlimento T>ela ma-
neira seguiuto :
A orebestra dirigida pelo Sr. Jos Coelho Bar-
bosa tocar una bnlhante ouvertura, segumdo-se
depois cautad) por dez meninas o ^
Hymno da victona
2-
O Sr. Jos Coolbo. Ando o hymm cantara a sce-
na e aria da opera II IVovatnr
Ah si ben mo
No lim da aria a Um la de msica do t bata-
Ihiode iofanlaria da nal mestre o Sr. Theoio-
nio Jos de Souza toe r duas lindas pegas do eu
vasto ropertorio.
A's JO hora? comecar
PARA LISBOA
- O patacho porluguez Marn, eapitao P. M. Bran-
co vai sahir com brevidaio e recetei carga ai ire-
te ; trata-se com os consignatarios. E. R. Rabello
& C. ra do Commerco n. 48.
potelras, 10 garrafas, 41 catkes, SO copos el froc-
Urna borra de ferro (core, i realejo e i gamo,
I aderoeo com brilhaates e peruU, i apparelbo
para elia, de prata, 4 ensticaei, i salva, plheres,
garios e facas ludo de prata.
Urna excellente victoria com arreios, i 'eoup o
1 par do lanternas para cama (>br do gosto).
Te<-ca-feira, 15 de maree
Casa da ra dos Guararapes n. 76.
O agente Pinto levar leilao. precedida a com-
patento aulorisacao, os uiovei louQa, vidros, pla-
ta, ouro, camas e mais objectos cima menciona-
dos, exilales na casa que servio de residencia do
Sr. Luiz Antonio Vieira, a ra dos Guararapes n.
70, ende se eflecluar o leilao no dia cima dito.
O leilao principiar s 10 horas em ponto, por
seren muitos n< lotes.
0 BAILE
Companhia amerioana e brasi-
leira de paquetes a vapor.
At o dia 15 do corrente esperado de New-
York por S. Thomaz o Para o vapor ameri-ano
South Amrica, o qual depois da demora do cos-
ime seguir para os portos do sul, para fretes e
passigens trata se com os agentes Henry Forsler
& C, ra do Commprcio n. 8.______________
Para o P rto
Pretende seguir o mais breve po&sivej, para o
Porto, a barca oortugueza iS. ManoM II capitao
Jos Antonio dos Santos ; recebe carga frete *-
passageiros : tratar com Marques, Barros & C.
na praca do Gorpo Santo n. 6, 2 andar, ou com o
apilan a bordo._______________________
COMPANHIA PBHNAMBUCANA
DE
\avegaco costeira por vapor.
Goanoa.
-**-? O vapi r Parahyha, seguir para r
/ii Por, cima no dia 16 do corrente.
jamta -is ,J noras Ja n "te-
R cebe carga, encommendas, passageiros c
nheiro a frete no esoriplorio do Forte '
o.l2 ______
LEILAO
DE
PREDIOS
O agento P.ntual vender em leilio, por aulo-
risacao do Sr. Prancbco Guedes de Araujo, como
bastante procurador do Sr. Joao Fernandes Duar-
te (rosldeute cm Portugal) um magnifico predio de
dous andares, sito ra do Qoeimado n. 7, slo
forelro, o metade do predio de dous andaros silo
ra da Cruz do Hecife n. 64.
Terca-feira, 15 do corrente,
no 1" andar do swbrado n. 62, ra da Cruz, s
11 horas.
do Maltos
Nacboaes e cstrangeiros que. quizerem, ja por
jr rir/i
gir-se ao theatro de Santo Antonio a munirem-se
dos respectivos cart5^E(,0S
Cavalleiro?
Senhoras de familia
Damas que venh3in dancar gratis.
KHl
00(1
PAVLHAO
Ccmpanhia cqucslio Kirnstica e acrobtica
do palacio de rijrotal do Porto.
DlllECTOR
D. Marcos Casali, primeiro funmbulo italiano,
nico rival do cel 4re lUindin, e artista que
pertenceu rompanhia di- Mr. Priz.
O director desla companhia. desej.mdo solem-
nisar a volia a esta provincia do heroico batalho
de voluntarios pornanibnean'is, pretende dar un
grande c variad- esprttacnlo gymnaslico o acr -
batico dedicado offlcialidade do mesino bala-
lhao, devendo ter lugar un. expectaculo na nout
do dia lodo corrente com asistencia de S Exc. e
presidente da provincia.
TERCA FEIRA 18 DO CORRENTE
IMtOt.SlAIMI V
PRIMEIRA PARTE
l. O trpana, exerrlems de equilibrio c de for-
ra, pelo sviuiiasiico Virante.
2. A taboa equilibrada sobre a ponte elstica
pelo arti>ta Sr. Luiz Casali. s
3, O director da companhia executara sorpre-
hendemv t |uilibrioa com urna cadeira sobre a
corda tirante.
nter vallo de 20 mimr.nl
SEGUNDA PARTE
1. O pan v.r.dor, pelo artista Vicente.
2* lugos indios pela Signorila Anna Casali.
3. A barra lixa. excreicios de ;.gilidado c forca
pelos irmios Cesare Vicaute.
Inlarvallo de i3mkmt-s.
LERCEIRA PAUTE
Finalisar-sa-ha o espectculo com o baile ca-
ricato
COMPANHIA PERNAMBUCANA
DE
Navegando costeira por vapor
Macei, escalas, Penedo e Ar caj.
O vapor Giqui, commandante CosUi, segui-
r para os portos cima no dia 15 do corrente
s 4 horas da tarde. Recebe carga at o da lt.
encommendas, passageigeiros e dinhei-ro a frete
at s 2 horas da tarde do dia da sabida, jio es-
criptorio do Forte do Mallo* 12.___________
Para o Porto
a harca portngueza tNovo Silencio seguir con
a brevidade possivei; para carga e passageiros
trata-se com os consignatarios Oliveira Filhos
C., no largo do Corpo Santo n. 19, ou cora o ca
oitio na praca do commercio._______________
COMPANHIA PERNAMBUCANA
N
^avejaeo costeira por vapor
Parahyba, Natal, Maco, Mossor, Ara-
caty, Cear, Mandah, Acarac e
Granja.
-#>*li, O vapor l'otengi. commandanti
U Mello s, eguir para os 11 porto-
tfBM cima no dia 13 do corrente as o hora
ia- tarde. Recebe carga al o dia 14, encono
nendas, e passageiros e dinheiro a froto at a-
i horas da tarde do dia da sahida no escrito-
rio dD Forte do Maits n. 12.______
Da taberna sita n< pateo Terco n. 68.
T>-rca-fera 14 do c Trente.
O agente Pestaa fnr leil > por conta e risco
de quem pertencer e por despacho do Illm. Sr.
I)r. Juiz especial di commercio, dos gneros, ar
maco e mai- utencilios existentes na taberna sita
no pateo do Terco n. f 8, quo faz parte da massa
fallida de Manuel de Miranda Pedra. e servindo
de base a quantia de 800*000, spgunda-feira 14
do corrente as 11 horas na mesma taberna.
LEILAO
AO ARMAZEM
DO
Una Nova n. 9,
acaba de chegar pelos ltimos vapores novas re-
messas dos seguintej :
Calcado frauoez
Para senhoras.Botinas brancas, pretas, e de ou-
tras maltas differenies cores i ultima
moda.
Para meninas.Botinas das mesmas cores e qua-
lidads cima.
Para homens.Botinas do cordavao. bezerro, ver-
niz, pellica, o melhor sortimenlo que se
pode desejar.
Para meninos.Botinas das mesmas quahdades
mencionadas para homens.
Para homens.Botas rucia as, meias -botas o per-
" neiras.
Para homens, senhoras e meninos.Sapatos de
tapete, aveludados, charlte, casemira
preta, tranca de Lisboa ele. etc.
Para meninos e meninas. Abotinados fortes de
muitas.qualidades.
Quiuquilharias
Finos artigos de Paris, de gosto e phantazia,
como sejam, Ieqnc3. espinos, luvas de J'ouvm,
caixinhas de costura com msicas joias de onro
bom de lei, ditas de plaqu, cofres de seda e bol-
cinhas para braco, estojos para viagens, bengalas,
chicotinhos de baleia, oculos, lunetas, correnles de
relugios, e perfumaras de Condray o de Piver.
Brinquedos para crianzas
Carrinhos de 3 o de 4 rodas para passeios, eos-
moramas o realejos de diversos lmannos, e um
cem numero de brinquedos Trancezes e allemae
para entreter menins.
Para eviur a massante leitura de tanto* artigos
exaoslos venda neslr eviabelecimento, o dono
pede ao publico em geral que se digne entrar de
passeio am de verilicarem nao s a grande va-
ridade como os precos baratissimos por serem
todos chegados de conta propria:
CABELLEUlEmO FRANCEZ
#1Eua da Cadeia do Hecife51
Chama a attencSo dos seos innmeros freguezes, e do respeitavel publico eft
geral, para a seg'iinte tabella dos precos de sua casa, os quaes s3o vinte por cent
mais barato do que em outra qualquer parte:
dais* nara rdtnoin 9 KA. fi/.
50
509
(9,64,
Cadeias para relogio a
40(5000 7i>, 8)J, 9tf, M e. .
50i5OOO
Corte de cabello, .
50^000 ^^ de cabei|0 com fricc5o>
i 500a
501
251
Cabelleiras para senhoras a 255,
305, 355 o. ...... .
Ditas para homem a 355, 405 e
Coques a 1*5, 155, 185, 205,
255, 305 e.....
C^TmV5\m'Wk: 325O00.C6rte d. bello com lavagem a
Cachos --pos a35, U, 55, 'c !com impez da ^
T^liSlU; l0m^\ cabecapela machina eteetri-
Tranca de cabellcipara annel a ^ ^ ^ em Pernamb,ac0. .
Tranca para braceletes a 05, Frisado in*leza ou a franCza-
155, 205, 25 e.....305000 Barba........
IISSIGNATURAS MENSAES
Especialidade de penteados para casaraenlo
Bailes e soirees
0 dono do estabelecimento previne s i Recommenda-se a superior TINTURA JA
Exmas. Sras. e aos cavalheiros que ha um PONEZA para tnegrecer os cabellos e bar
... a~. ,Kua h^K% ao-'ba, nica admittida na ExposifiaoUniversii
sali para Untura dos cabellos e barba, as- ^ ^ prfjudiciai saJe> por ser Wf
sim como um |empregado smente occupa-:iatil. analysada e approvada pelas acadff
do nesse servico. 'mias de sciencias de PARS E LONDRES
TEZOURA DE OURO
De uina parte do engenh Bar-
ra, fregdtzia da Esc da
Terea-fe'ra de marco
O agenta Pinto, levar !eil3o por des-
pacho do III a. Sr. Dr. juiz especial do
commercio, em virtude do que requerer.ni
os curadores caes da'massa fallida de Luiz
de Oliveira Lima Jonior, a parte do engenho
Barra fregue/ia da Es;ada, que pertenre a
nvsm m'Ssaaqual venda-n torna recum-
tnendada j por ser naquelle engenho que
tem excelentes < bras e outras vantagens
cons derivis, almvMe ser prxima da es
irada de ferio j por ser terreno de gran
de fertilid :de : o leilao ser enVctuado ao
mt-iodia do dia cima dito d porta da Assm-
cia(ln ccmmercial. _______ _____
GLOBOS
GLOBOS
GLOBOS
De papel de cores em grande auantidade para
as illuminacoes dos festejos nos das da ehfgada
do batalho dos voluntarios; magnifico sortiaien-
sortimenlo chegadu a armaiem do vapor francez
ra Nova n. 7, por cunnm;do preco-_________t
A' vtia do Queimado n. 6, i.nm ro andar
8 pessoas para o servico e o maior scceio nos trabalhos de barbaaraento
0 salSo estar aberto, nos das uteis das 6 horas da manha s 9 da nou-
e, e nos dias santificados das 7 a 1 hora da tarde. __________
Para'
Pretende seguir em poneos dias pare o indicado
porto a barca portugueza Despique II, por ter a
maior parle de seu carregamento prompto, e para
o restoque Ihe Talla, que recebe a 'retei muito ba
ralo: traa se com o consignatario Joaiinim Jos
fioiiQalves Bi'liro, ra do Coinmerriu n. 17.
LEILAO
AMA
sel
III,
Pito *:
Camarote com 6 entra Jas lOOO
Coelraa 3,3000
N, B. Os interwllos serao prcenchidos com es-
colhidas pecas execntadas pela banda de -msica
do I" batalho de infamara. .
O director da companhia avisa ao reapeitawl
publico \u? pm breve vao ter logar no Pavilhan
de Santa Isabel importantes melhuramcntos, de
modo a pudi-r osle comportar maior numero de
etsecta dores.
Tpesaoaa quequierem encommendar cama-
rotes ou cadeiraa poderlo procurar no pavilhao.
Principiara aso luirs.
THEATRO
GYMNASIO DRAMTICO
(No Monteiro)
SOB A DinEC^AO DO ARTISTA
DEGIOY1IMI
6* ItECITA'DE ASSlf.NATKA.
Teru-feira 15 de marco
Espe;taculu em applauso ao regresso do heroi-
co batalho de
Voluntarios Pornambucanos
Honradi con a resp.'itavel presenca do Exm.
Sr. presidente da provincia.
*r chegada do sua Ese. a orebestra exocutara o
Hymno nacional
Em seguida canlar-se-ha o
Hymno Ja victoria
Findo o qual a companhia dramtica exhibir
o muito apnlaudido drama em 6 quadros, ornado
de msica, intitulado:
t ara o P>ro.
Deve stblf no dia 13 do correte a barca por-
lugue Amelia, de primeira classe e marcha por
ja ter prompta quasi loda a sua carga ; para o
uouco que Ihe falta e paMgeiros, aos quaes .-Te-
rece os melhnres comowdi* : iraia se cornos con-
signatarios Billar Oliverra & C, ra do-Vigario
n. t. primeiro andar.___________________
ParMaranlio e Para
O brisue nacional Sanio Amaro, capilao Ca-la
no Alves Uvas, pretende seguir com a maior bre
vidade possivcl para Mannhao e Para, por ter
parte da carga promta, engaja-se a que precisa
e recebe passageiros, a tratar com os consgnala
ros Marques Barros & C, no largo do Corp.
Sanio n. C, 2" andar._________________
ara o ltio Grande d fin
aeha se proposto o brigue po-tuguez OniSo : para
carga e passageiros, traa se com os coiMgiata-
riis Thomaz de Aquino Fsnseca & C, ra do Vi
gario n. 19, 1' andar. ____________
Para ( Rio de Jituoiro
Tai sabir por estes dia- o brigue porluguez Cotet,
capilao Jos Januario da Costa, riuda recebe aI-
guma cirga miuda : Irata-se com os consignata-
rios E. R. uabello & C, ra do Commercio n. 48,
ou com o capitao. ._____________
De urna burra uiausa para
ou para carro.
Terca-feira 15 rto m;rco a I h Por intervenqo do agente Pinto na casa n. 76
da ra dos Guararapes (Fara de Portas) onde la-
ver anteriormente leiliio de movis, Inuca, vi-
dros, cry-taes, obras de prata. ouro e carro-.
Precisa se de una ama para o servico interno
de pequea familia : na ra do Vigario n. 5, ter-
eeiro andar._____________________________
Triunfe urbanas d Recife
Oliuda.
Continuase a comprar dormentes de sicupira,
oiticica, aroarello e outra- madeiras de duracao
para o chao, com as dimeosoes seguintes : 10 pal-
mos de comprimento e 3 112 p llegadas de grosso-
n, de 7 lia de largura : para tratar, no telheiro
da ra da Aurora, desde as 6 horas da manbaa as |
'i da tarde.
O supt-ritendente,
Andr de Abreu Porto.
A
De um cabriolea com arrclbs e
mu cavallo para o mesiiio.
IVrca feira 15 de margo a 1 Iim da larde.
Por intervengan do ngenle Pinta em frChtc ,a
casa n. 76. ra dos Gnarares.
Advocada.
O advogado Ayns Gama contina ter
seu eseriptorio 'na' ra larga do Uosario
n. 26. -
W
Ilha de S. Miguel,
O patacho porluguez Jeorgense segu com mui-
brtidde para o porto cima ; anda rec-be
alguma carga frete, bom como pa;sa?eiros pa-
ra os quaes tem bellos c .mmodos: a tratar com
,i seu consignatario, Joao do llego Luna a ra d.
Apodo n. V
la
LEILOES.
LE1LAII
De estopa e saceos avanalos.
Segunda-feira 14 de marro as 10 homs em ponto.
O geni* Pinto far leilao por cont e ri-c.o de
quem perleneer de algn* fardos de pstjpa ava-
hados a bordo d > vapor inglez Satadtn. e em
continuag) vender alguns sacro- r**U p ra
assucar, o leilao ser vff'i-iuado a- Ij horas do
da cima dito no e-eriptorio do referido agente
a rna da Cruz n. 38.________________
l&E PRECIOS
Um sobrado de 2 andares e sotao n. 70 da ra
das Aguas Verdes, solo foreiro, rende siog por
Um dito de um andar n. 28 da ra de Borlas,
pulo foreiro, rende 640.
Urna casa terrea n. 1 da ra de Santa Tuereza,
solo foreiro, rende 216*. .
Urna dita dita n. 21 da ra do Nogueira, solo fo-
reiro. rende 360. .
Urna dita dila n l da ra das Aguas Verdes, so-
lo lambein foreiro, rende 300*.
Quinta feira 17 do corrente.
O agente Mart.ns far leilao por aulorisacao do
Sr. Francisco Guedes de Araujo procurador de
Joao Fernandes Duarte herdeiro universal de sen
fallecido fiiho Antonio Fernandes Duarte de Al-
meida, dos predios cima, a poita do predio que
foi A-sociago Commercial no largo do C >rpo San-
to, a- 11 horas do dia. os prndenles podem
nbier qoalqiier inforo ;u-'iq do refrid" agente.
t'AN D% FE.
No armazem da travessa do C-.rpo Santo d. 5, ha sempre um completa
ortimento de objorios para carros, e que se vemlem por presos muito rasoavei?, como
-ejam: .
Vaquetas de lustros, grandes e muito boas.
Solas dem dito.
Oleado |ffeio e de cores. i
. Colleras de lustro o que ha de melhor.
GuarnigSes de fino lati para arreios, completos.
Lanternas e vellas para as mesmas
Eixos patentes para sebo.
Joaquim Lope Machado & C.
Aos 20:000^000.
ra do Cabng n, 1
Bilhetes do Ro venda
/ende Vivir & Rodrigues.
Grande sitio para
alugar.
Aluga-se un grande silio na estra-
da do Rosarinho, o qual tem muitos
arvoredos e granae bafxa para ca -
pim ou creaeSo de gado, podendo
suslenlar20 vaccas por ter om grande
hrejo no fundo que vai quaii estrada veiha de
Beberibc no lugar Agua-Fra, tendo o sitio urna
grande frente para a nova esirada do Beberibe
Uazendo qirua na ponte que all exi>te. A casa
nova, tem duas salla< e quatro quarlos, grande
copia .quarto do creado, coeheira e estribara, tu-
do de pedra e cal e edificada ha pouco lempo.
Quem pretender quera enlenJer-se com o seu
proprieiario o co.nmendador Tasso, em. seu sitio
na Cruz das Almas at ir 9 horas da manhaa e
depois no seu escriptorio na ra do Amorim nu-
moroJ7.________________
AVISOS DIVERSOS.

LEILIO
JJ
O mere-sante papel d.- Esmeralda, ser dcs-
empeuhaio pela Sra. D Jesuina.
T.-nnnar o espectaeolo rusa a enthusiastica
mete applaudida extravagmeia burlesca, ornada
de maaiea e dansa.deno i.inada:
maiiou^ W carnaval
Execuuda pela Sra. D J^uina e De Giovanni.
Aviso especial
O be lemerit eommaniaote e Ilustres offiriae^
d .tistjnflo batalna<> oe voluntarios jvrnamhuca-
a>. serlo c..nvidadi>^ P*ra assistirem ao d.ver-
tiiin-nt o.
N R". A ilirecro tem o praier'de pancipar ao
Hwirado iHiblico desta capital, qoe n prestimoso
e muito eonceituado .-irii*ia >. Sr. Peregrino Le"08
de Heneiet faz parte da cmipanha dest> theatro.
Os bilhetes arham-se na esUgo do Hecife o no
ihatro, pelos pregas esiabelrt-ido*.
A direcgo ton o nra>r >1e participar ao i'.lus-
itjmIj fut4ic(i dela <-..(nt >l que i* presumo* *
niHit coaeaitjaados urn-i II. Maria de Lacerda
Bitii, >' *^r^. Xi i. Btthia k ppregrioo Lemo
^ Menere. fawm. p re >hi companhia dramabe
^H,- tunec' na Beste riwwin .
AVISOS M*HTMM~:
Porto por Lisboa,
Com muito punca dem o a dever snguir viaawii
gatera portngtw Lisboa, dn primeira marHfa;,
el;. em primeira cl.-tfso : para igam
carga que U>e alta, pa-sageiros, aos quais offe-
rece magmc commodos, trata-te c
Primo, a roa do Vigario a. 9.
De calcado fraacez.
Segun'la-feira 11 re marco as 12 h> ras.
O aguate Pinto lata eilao requeiimenio de
Monhard Mettler & C. p -r autorisaijao do Sr. con
sul de Franca, em presenta de sw chneel er >
por conta o risco d quom pefwnri r de dn-
eaXpat nar-a M & C n^. i 165 o 1366 contend
Ihircegums avana.os a lyirdo do vamir fraii'-ez
Uruguay, na Ma pilona viagem d, B rd-aux
osle porto, o lmlij sera effectuadon* da
cima mencionad'*, no eseript rio
agente a ra da Gru; n. 38
do
s boa
rorerid
LEILAO
Importante de ricos mnwis. boa loufia, fi-
nos crysltaes, obas de prata o ouro coui
brilhatit'-s e porolas, um carro e una
vii tona, a S'iber :
Um panno foi te, t inohila do jar arando, i sof
l mesa 2 eininl s com podras, grandes spelho-.
t6 cadeira- de puarnicio, t cadeira -to 4>raoo-, I
pollTiDa, t cadeira de bataneo e 2 irf< estnfado>
forrados dn damasco encarnado,. I cadeira pata
'liaoini, 1 iu-tre, 1 caiwielabro o 2 ser|jonlias, 4
caslcaes de eleclroplate com manga* oparas, jar-
riK. franom lapi'es.
Una cama franeaza, l moaa do cabecetra, t
guarda louca e guarda voslido-dc mogno e ignaes.
1 nw e-pelioc -m columnas, 1 tnrador, i r.i*nji
com figura e redoma, i obiqo, 2 sofas de jaca
randa, 1 nwa oval, 2 bancas da higo, 1 ranas
paz. 10 cadenas o 1 JVdBHfi
Urna m-sa elstica, f tViaW*nca. I apardnr,
l sof do lac.iranl p 10 cadetras, 2diUs do ba-
lance, I retegio de pa-'ede, 1 eaixa para cha.
Um apnaretho do porcelana (Jiiui-ada pocajair-
tar, 1 dHi para almo?o, porta ^neljoB, 4 a
V. PALHARES
CENTELHAS
versos patriticos icdicados m mm ia dos
Pernambucanos morios no Paraguay.
t signa-He ua Uvrarla Fflmeeza
\ 25O0O RS. O EXEMPIAK^____
28Camboa do Carino28
Das se s e*mcia horas da tarde a* onze da noute.
Nicolau Pungilore tem a honra de. annunciar ao respetUvel publico desla ca-
pital, que diariamente estar abeilo a concurrencia pablica um grande cosniorama com
vanadas vistas e passagens dignas da attenco le lodos por acbarem-se entre ellas
as diferentes bataihas dadas pelas forras alliadas conlra o governo M Paraguay, como
abaixo se ver, ,
O annuncianle tem empregado todos os seos exbreos para .-jiie o mpHU\6l
publico encontr all um bello passatempo mediante urna pequea exprtala, tendo
entretanto direito a um ohjecto, gratis, de mais ou menos valor.
Todas as vistas serao mudadas duas vezes por semana, sendo as quartas
sabbados.
Brasil 0 herosmo fraternisado. .
itDVista da igreja de S. Francisco de Paula no Rio de Janei o.
ItaliJVista da igr.j e praca de S. Marcos em Veneza.
Dita-Vista da-chegada de Napoleu III, em C.;no a.
Dita --Vista de Florones.
frica-Vista do porto d'Argel.
Kstados-UnidosVista de S. Francisco.
FrancaPalacio de industria cm Paris.
ParaguayReconhecimento de 16 dejulhode 808.
28Cambo do Haraio28
DAS SgS E MK1A HORAS DA TARDE AS ONZK DA NQTE.________
Deseja-se filiar
aos Srs. Dr. Jo.Io He'nri.|ue Vafra, DominfiOS Ca
l'EIIIHII
vaicmii >oii7.-i l.eai. a rna do Queimado n. 7.
-EmS. Jos do Manguiuli" >H'>, de
Jns Duart- das Neves, precisase de um
bolieiro e um criad 1 de 14 annos para cm-
praa e servico de casa.
k O Dr. : 'sta Molla de volta de sua van. 6
_Z gem da Europa onde dedicou-se s mo X
fl lestas de senhoras, a partos e affeccSe W
de pelle, pode ser procurado em sua ca-a
, a ra da Impertri/. n. 9. Da consultas X
Q das 10 horas ao meio dia, sendo gratis J3T
jft para 1 pobre?. Q
Attenpo.
\luga-se 011 vende-se lima casa cen bastante-
comrn-^os, na cidaite n-va de Sanio Amaro : a
raiar c m Joaquim de Soma Neves, a ra das
Cn-jies n. 3fi. ... -^-^v, con
CH-
0 Dr. Luiz J's Cnrreia de S conti-
nua n-' tercelo de .-ua profl-sao oieJi-
n.e resld^ a rna das Nymphas (Soledad-)
o. 17, nod* \f der .ser prucurad#.
NI.UII Hl
TRILHOS URBANOS
DO
Recife a Apipucos.
A venda dos bilhetes nos carros conti-
nuar at o dia i d* marco entretanto
ruga-se aos. Srs. pa^s-igeiros o favor de
compraren! os seu- bilhetes as estaces
antes de embarcarem dos tr ns.
A conduces > de bagagem principiar hoje
partodo trem Ao Recle \pipucos ao
meio ibrt. e de Apipucos au Recife a I h. e
15 m. da tarde".
Recebe-s bagagem e carganosdias ut>is
das G lioias da mnha as 6 da tarde nos
seguinies pontos:
Rfif.'.
fficinas.
MaiiK'iMii'O. .
S. Jos- (casa defro .te da igreja).
Toril'.
Casa Forte.
Caldereiro. '
Mooteiro (no hotel).
Apipo
A bagdgcm para os putosdd Suiedade,
pmoiii, r-...... io|ii.-c.i, iNrna-meirim
Sant'A 'or 'l"Aiid, mti rwx.ida
,-. ;;| .10 rerre u ite matda-b
occasiSo !'<: -g>rado Itpih
r al1 .| 01 mida nem es-
riaa > 4i.
, r refiap -i tr-. la por escrip-
i lua attenc3>.
Ktta ii.p.r I u'e i o a h 11 'i par'i
au reKi.l .c t) lba'^1
a no a paiaiii i'urw ua aH 'upri
CJUala ulMlc -Oili'; .': |' >* *sde ns 6 n -
la manila^ ? 4-oc.H.ir-ra 1 bpm ti-mU-*
e app riada
PAO FINO ESPECIAL
Encarrega-s.- t.m.b^ de (juaesqujt *n-
'.omm^ndas. '_______
Na ra .Nova n. 43 ha para pingar ua es-
cravaVxia coainh'eira e eag-mim.iderr
de ih:
11)
a Ci iniiHiiH Io d* taarO
\V.
H h.ifin,
G*-e


I .- i."-,! I,
rs I l-
ale!, U-t.i
1 1 ub
11.
i itarios hoje,
,.i,,- li lior* em
1 in.uinaa t I
i .11 no ile \nlla
W. Rawliiisnn
(ie.rente.
Pede-se -ar-cidamenle a>s Srs. Domingos 4 peasoaqaeconuna a dar Uptea de pian
Tbeodoro Rigueira e \ristides Florentino Gaval- dos engenhos da Es.-ada. -lueira ter a bi.udadc de
oantidoAlboqiiernue(deS.Tinhaem),^evenham apaareeer a roa do Crespn. 20 A. que so dir
ra do Vigario n. 4. a negoeo ijue se precisa quera precisa contrata-la para o m-
ultimar.
\TTEMC&0
Casa de commisso ie escravos.
Na antiga casa de commissao de eseravos, d
tbaixo assignado, ra do Imperador n. 43, conli
ma-se a r< ceber eseravos por commissao. tant'
lo mato como da praca para serem vendidos,
K^se'SSE0^ eXSanmt iqa^or ad,,s a sua divida ; e
.atsfowr emtudoPsgpessoas que o quierem hon- 1 lira .lu> da posso., que iiseonprar,
' abaixo .is.-gna lo, sendo credor privilegnco
de Joaquim Lucio Hodrigues, e tratrado de execu-
ta-lo, previno qne.pesso.1 alguina fa(,-a negocia so-
bre hense os nscravos do referid) Joaqifftn Lucio,
ar com sua confianca. Ncst3 casa ha semprc
iara vender escra.vo> de ambos os sexos, valona
ao?os, assim como ba t da segaranc- para os tei
Antonio Jos de Souza.
a para evilsr
Recite II do
duvi la- f*I a prsenle declaracao.
1 marco de 1870.
J .a. Luiz Feroira Ribeiro.
Tendo a mesa regedora da irmainlade do
Senhor Bom Jeius das lores.em S. Gong,lo, ro-
solvido acompanhar a procissao do Sehh ir a lato o
a Senhora da Soledade da igreja do Livrament,
convida a sens chan-simos irmiis compawe-
rem no dia 13-do correte, pelas 2 horas da lar-
da, no consistorio da Irminiiado. munido* de mus
capas (aquelle que a tiverem), afun de eacorpo-
rados, acoiiipanharmos a rofer da p-roc.i-so.
( secr lario,
Liberan M-rom huo Sonaa
~_- Fugio do engeon M nibcca, iregue/ia de S.
Lourengo da Malta, o escravo Daniel, do IV annos
ii; idade, om *rs ignaes seguintes: tem urna be-
bde em nm olho, o narix gran le, falta de Ira ou
qnatfo dente*, pernas tjnas, pes c nsandos; tem
sido encontrado ne-t' cidade c m camisa do ns-
cado e ceroula de algodlo : roga se .1 imem o a
contrar que o apprehmda e Ivbi a di lo enge-
nho, ou a praca da Boa-vi-U n. 32, que ser ge-
nerosamente gratificado.
Precisa- e.
de um meiinj para labenw, am) ptatica ou sem
ella, quesaiba ler : na ra.a n Pires n. i6, t*a-
vista.
lVu
D. Amarte, v.-.oaie que a Sra. mu.io tra-
anle ? Pm a Sra. a- pnis de comer ofaw--do
homemFeliz > qieij', a manteiga o bolaclu
olas, b. ber o cha e u vioho Figucira quer pre-
gar 1 culote 1 Ora, Honorata, a Sra. c desa-
vergonliada. R o dniheno do oUiro que a Sra. tem
em si 11 poder, p que nao vai entregar l). /"c-
rata f Eli- e>t zang.-do e nao esta yura grabas.
Ya, ande. D Hon .m a ra que v& 6 tctlia o
resiua a ineu. Aaeuhora |eu.l.ra-se do qoe sw eui lua,
Agua Preta o Sermhar.m 1 Se ni lizer um
agradtnko 1 a d.-ciiino, hs>iii taeobeiu cont a
historia do t.icw qurbm o, do crastiro de miaba
lllha mais voltu .u ciraniw do quarenti
rci- ().......
mil
Fugio 00 dia II do correle o ***>J_*
cisco, cabra, .dale de 30 annos, com ^*WM>
seguintes : Val.e.los *r*m*__#*+_<*
arenal <] o com uiiircas de rj;\^a, inji* ^"i
NsfWy ai !
<;.dia, na praca: ih> G01 \>
andar.
iim ile leile que -e|M
Samo n. 17. >egund>
O Sr. Franciicv Vereira de Arruda C (senhor de engeoho); teoha a ondado de dirifir-
so A:raa do Crespo a. i 7, a negocio,
na. procurando senh >r : quem diruito Uver, poto soa qao ti ver vea **''!';j2fr.l ,,' !,.
dirig.r-so ao mesn. I igar, certo de q.;e nao w carita de ^'^"JF^JJtf* \ *
pnnsabili-a-se pela f ig 1 n-.n o 'I -rvcas. |6, que ser.1 _**> l''lle pauneaii un
_Apsw,aqHeodia4.to.-..xre,.h.t.v.1upoe ___J__Vp^JTi'"".:..--
ef)ano de una loi* do ehii) 1 |raca da Indo- |l No caes fi Au '."". .4."agBfL5r ,
-endose ftnnieiga fraucex d,
curar
engao de una lo|* ao chipe-is ta |>raca 1
ieiiil.-nc.il, um embrulhi Contend um acco do ds Neves. v-'..-.
aigoda iran.-a.lo, demonio em inca um uutoonnW que cmiim Mr 'e mep-s-w-
um urna calca n iva de cisemira^rata, p61o pro |- pr^ ,3 a de im c ..y-Tro na paslai
uajo Rasario n. '4 Amassador.
Recife 11 e marca do 187<*
<
l
>



Diario de Pernambuco Seguuda feira 14 de Marojo de 1870.

AGIA NEGRA
oo

ea
I
s
00
i
o
P3
BENTO MACHADO a C,
A AGIA NEGRA animada coro o bom accolhirnento que teve em seas annun
cios, vem novo participar a seus freguezes que. acaba de receber nm variado sorti-
mento de objectos de gosto os qaaes ser3o vendidos por presos muito razoaveis, pois
quando fez os seus primeiros annucios, foi o qm* asspgurou, e sem mdo de errar,
porque como j disse osla interesses ligada a uma casa imnortadoradesla pra^a, e
por isso poder ter ludo especial e vender por precos admiraveis.Chama pois a atten
{2o de seus freguezes para os arttgos possa descreer:
Livros com o tampo pallileiros de porcelana,
Tentos para voltrele.
Bungallas cot marfim, cousa especial.
Sabonetes de alcatrSo.
Cofres de folhas para diuheiro.
Lindas caixas para costura.
Um completo sortimento de luvas de pe-
erla e tartaruga, prnprios para missa.
Garafinhas vazias propriai para prsenlos
cousa de gosto.
Indisponsaveis le paliuba c de couro pro-
prios para senhoras e meninas trazer nos
traeos.
Binocnlos de madreperola, marQm e tar-
tara^a todos esmaltados.
Cintos largos de selim, cousa intoiramen- ,- "'
tft nova. ,,ca'
Fitas de sarja de todas as cores e larga- Talagorce para-bordar.
ras para lacos. Um completo sortimento de enteites de
Toacas, sapatinhos meias de seda o mais seda para vestido,
perteuces para baptisados. Perfumaras de todos os autores os maif
Fitas com inscripees proprias para bou- acreditados em oxtractos, pomadas e leos
fnet de noiva, e finalmente outros muitos objectos que nao
Ricos vasos com po do arroz. possivel mencionar ; mas com a vista se
Um variado sortimente de jarros de por- certificado do sortimento deste estabele-
celana. cimento.
Agnia Negra, ra do Cabug n. 8.
KIliVFimi WMMWFHWIMI
O" g ct Cr'O
5?S T-
tZ5!
o ai
g I
So
3
0
a- co
1
- 5
2 2.
_ -o
O t
5,5 a
~ S? *
ft 3 o a
a S-w s

OQ =
-1
B
g
2
9
o
gj
tu
O.
o?
a; O.
"1
m
en
O
9
'
en

en
' S.2|3?g
X" o 91
B s sr. sr
...H
et> 22. 5
ffag 3 2 ST
_ O 3
2 s =r
g^ e 0 cu
HefM
go
sr^|5^
es
o ce
B 3
ec
3
".
B> O
T*
CE -5 rj
3 3 3
S H 3 3 "
2. o
" en B _
U' N fi) V C3 U
Travessa do Corpo Santo n. 25.
Os acreditados cylndros americanos para padari, por dous diferentes sptemas.
Machinas para descarocar algodSo pelos melhores fabricantes de New York.
Machinas de va| >U ma de locomo iva e polias para as mesmas.
Carrinhos americanos para transportar volumes en armazens. Tudo por pre
qos razoaveis.
TRAVESSA DO CORPO SANTO N. 25
foaquim Kopes Machado & C.
m
LOJA DAS MACHINAS
Acabara de ebegar grande quantidade das verdadeiras machinas americana)
ara descarocar algodao de todos os systerras e tamanhos seguintes:
12 serras 12 serras .
14 ditas 14 ditas
15 ditas 15 ditas
16 ditas 16 ditas
18 ditas 18 ditas
20 ditas 20 ditas
22 dttas 22 ditas
25 ditas 25 ditas
30 ditas 30 ditas
35 ditas 35 ditas
40 ditas 40 ditas
i quaes se. vendem por precos commodos e roga-se as pessoas que dellas fizeram oii
ommendas de alguns tamanhos, obsequio de as mandarem busca-las o mais breve po>
ivel afim de n5o baverem faltas.
RA D4 CADEU N. 56 A
AMA DE LETTE
Precisa se Da ra. da P.nte Velha n. 6.
PHENIX PEK.NAMBUCANA.
Compunhia de stgui os martimos e terrestres
Rila Uo Comniercio n. 31.
Capital Reis 1,300:0005000
SeguraMovis.
Mcreaiioria?.
Navios do vella.
Vapores.
Predios.
Era .Vapores at ris
Em navios de vella al ris
Em cada predio al reis 100:0004000
P.-rnambuco, 7 de marco de 1870.
Pela companhia Pliooii Pernambueana
J. J. Tasso.
F. F. Borftes,
J. H. Trindade.
Popos tubulares ins-
tantneos.
Heitor Sampayo.
la Sor* u. 98.
Os annunciantes acabam de preparar aljrun-
poicos tubulares instantneos, mais iperfeicoado;
do que os vindos de fra do paiz, os quaes ven
dem por preco muito mais commodo, encarregan
1 rtu-se do seu assentamenlo al funirionar. Vn
100 000000 ^os melhoramentos feitos poder servir qualquer
7g;000000 bomba. As pessoas que quizerem comprar un
ou mais desses tubos devem dirigir-9o ufflrina
dos annunciantes : a ra Nova n. 38.
AMA
Precisvse de nma ama que saiba com;-rafe
cozinhar para rapazas solteiro;: tratar na pra
5.1 da Ind"pendencia ns. 4 e 6
de uiarniore. na d-s Cruzes
11 11.
O artista Gamillo acba se cstabelecido na casa
cima, onde pode ser procurado para todjs o>
misleres de siia procis-ao. >______
liado
Na roa das Con iusu a 4 se precisa d um
criado.
Precisa-se alug^r tuna casa as imme.lia-
cSes de Ponte decboa at Apipucos, prefere-se
casa com solio ou sobrado : quem tiver e quizer
alugar, avise na ra da Cadcia do Recie a. 33,
ou annuncie por este Diario para ser pro unido.
Ama
Na raa do Codorniz n. 8 precisa se de
ama quosaiba cotinliar.
urna
Attenpao
A pessoa que perdeu dinheiro no bairro do Rc-
c fe india G para 7 deste mea, danlo os signaes
rertos Ihe ser entregue na rna da Cadeia do
Itecifrt n. 33, pagando o annuncio.
Saq
ues
Joao do Reg Lima saca sobre a piara de Lis-
boa, ra do Ap "lo n. 4. "______
Os Bachareis Joao Vicente da Silva Costa, Miguel
An-hanjo da Silva Costa, Manoel Mamedc da Silva
Osla, Opiles Martinho da Silva Costa, Antonio
Ludugero da Silva C< Bezerra da Silva Costa, D. Auna {Bezerra Bello Sil-
va C'sta, eo Capillo M.inoel Joaquim Bailo, filhos
e genro da finada D. Joanna Joaquina BarnTS da
Silva Cesta, agradecen) cordialmente as pessoas
qu>- >c dign-trem do acoiupanha-la ao eem&erio
publico em o dia 1 do crrante e de novo rogao-
nos 1 iihzr. juio de assislirem a missa do sal-
1110 di que por sua alma lem de celebrar na ma-
triz da B 1 a vi Precisarse de um caixeiro de 10 a li anuos
de idade, que Icnha pr tica de taberna, dndose
bom ordenado : tntar no largo do Pilar n. 17
em Fora de Porta.
to engenho Maranhao, freguezia de Ipojuca,
furtaram no dia 3 do eorrente 5 cavollos con os
signaes seguintes ;
Um alasao castrado, frente aberta, com os 4
cascos brancos, e tres 011 quatro ps calcados, bo-
ta crinas para o lado direito, tem urna "matadura
velha em cima das cuslellas, novo, anda bera a
passo, bem ardigo a cipo e tem o ferro 00.
Um rnsso pedrez. grande, rastrado, idade de
10 anijos, cauda lina, e bota as dinas para o lado
direito.
Um rodado pequeo, inteiro, meio cacundo,
com o espinhaco grosso no lugar de bexiga, bem
curvado e minio sendeiro.
Um castanho sem sigual, branco, tamanho de
meio, corregador e tem duas espadas no pescoco.
Um alazo queimado, grande e pesado, castra-
do, de 10 annos carregador e tem as orelhas um
pon eo a bertas.
Qucm m'os tronxer tem 1005000.
Joao de Souza Lcao.
' orrespondencia de Portugal
Os Srs. que inda devem suas assignaturas de
uji, dous, e. al 3 annos, nao obstante a deligen-
cia quo >e ha feito para receber, queiram manda
pagar no esenptorio de Tasso, Irmaos i C. ,at o
fin du mez de liaron, quando ser enviadr ao
editor da m^sma .lha urna lisia dios devedores
que, nao o tenliam feito al aquella data.
Aluga-se uma casa na estrada nova de Pao
1'Alho, com 2 salas, 2 quartos, cozinha fra, quin-
tal ora cacimba, pioxima ao sobrado grande ; a
tratr com Brnardo Tavares C mtinh o na mesraa
est ada.
Precisa-se de um caixeiro para padaria com
pratica, ou tnesmo com pritica de taberna, ira-
lar na ra Imperial n. 47. ou na rna Direila dos
Aflorados n. 60 A.
Mura Francisca do Espirito Sanio Aga, seus
fhus e ora?, cijividam as pessoas de Ma ami-
zade, para a mista do 7o dia, de sua fallec'da fi-
Ih.-i, mana e cunhad Ignez Mari? do Espirito
Santo Agr, a qual lera lugar na segundafeira li
do eorrente a T horas da manhaa no convento
de S. Francisco. Aproveita o tosejo para agra-
decer a irmandade do E'pirito Santo do S. fran-
cisco a promptidao com que se prestaran), acom-
panhando o interro e couduzindo o corpa a sna
ultima morada no comilerio publico dollecif, vis
lo que tendo de hir buscar o corpo fra da eda-
de nao opuzeram o minimo ob-taculo ; ao juiz c
mais irmaos ipie de lao bom grado se prestaram
os nossos sinceros agradecimentos.
55Ra da Imperatriz55
F. Ganticr, proprietario deste importante estabdecimento tem a honra
de participar ao respeitavel publico que acaba de cliegar da Europa para on-
de tinha ido especialmente para contratar peritos officiaes c que conseguio
contrala-los na pnmeira rasa do Paris, por isto julga que todos ficaro satis-
feitos dos trabalhos do seu estabelecimento cujo excellente material ainda
foi augmentado com novas machinas que ja recebeu e tsmbem muitas drogas
novas cora as quaes se obtem estas maravithosas cores modernas to apreci-
das em Franca e em todo o mundo.
Tinge, lava, limpa, lustra, achamalota com a maior perfeige fazendas
em pegase ein obras de todas as qualidades como sejam: seda, aa, algodSo,
liabas, chapeos de feltro e de palta etc., etc. .
Tira nodoas e limpa secco sem moluar os tecidos, conservando assira
todo c brilho da fazonda.
I npressoes sobre tecidos
com e podiam iiogir-s 'l^ cores lisa*, podem receber um bonito desenho de cor
diversa, a eacolna, o que realca a fazenda e Ihe d mais mereciraeuto.,
'I'intura greta, terqas e sexlas-Jeiraa
As pev-oas das provincias limitrophes que quiierem.utilisar s do seo
estabelecinie'i" i'odero mandar o que tiverem, oa^rtezade seren tan hcni
servidas.coui' a Rio de Janeiro ou na Enrona, e com mais prestesa por
cansa da d*ta-ia, x f9
AMA
Atten^lo
Constando-me que alguem pr pala que eu devo
na cidada do Recif*, aiiaiitia supeiior a cincoenta
contos de reis, vnih h je alto e bom tora palen-
lear que nessa cidade s devo ao Sr. Jos Tavares
Pinhmro uma quantia que nao soperior a cent e
tantos mil res e que so nao.lenhu pago esta cotila
por me nao ssr*tooapresentada. Aonuro me qoo
almas lio pequeninas farain propalar lio vil ralum
nia com o nicolim di|man e, porque nada di-vo a pessua alguma, provoco por
meio deste a quem se jnlgar Bteo i-redor para apre-
sentar por qualquer jornal minha conla, qne gra
cas a Deus sempre posfno cora qoe. pague. Cilia-
do da Victoria, 10 de otare, de 1870.
* los Francisco IVdr sude Harvallie.
A pessoa que lera em sen poder por em-
preslimo a collec^ao de Janeiro setembro de 1866
desle Diario, queira mandar rc-iitui-la no escrip-
torio da typographia. _____________
Ama.
Na ra do Torres n. 16, 2 andar, precisa se de
uma ama que cozinhe, compre e engomme pai a
uma pes-oa. _______________
Precisase de urna iroa de leite : a tratar
no sobrado ao norte da fabrica do gaz, a margen)
do rio on caes qac segu da iM-ncao
Precisarse de uma an a forra ou escrava :
a tra ar na p'raca do Curpo Sanio n. 17, primeiro
andar. ____________
Nao mais cabellos brancos.
A tintura japoniza para tingia os cabellos
da cabeca e da barba, foi a nica admittida
Expofo Universal, por ter sido reco-
nhecida superior todas as preparaces at
hoje existentes, sem alterar a sade.
Vende-se a ltjiOOO cada frasco na
Ra da Cada n. 51.
1. audar.
Fugio do engenho Poco da fregaezia de Agua
Prela, na noile de ultimo de fevcreiro para o 1
de marco do eorrente anno, o escravo Domirgos,
com 28'para 29 annos de iJade, alio, corpo n gu-
iar, cabra, pouca barba lera as maos e os ps con
calor de ligado, foi ultima mente comprado na cida-
de do Recife aoSr. Manoel Francisco Duarle ; cujo
escravo fui dos Srs Alexamlre Diniz e Joaqinm
Gomes, este da Serra da Villa, e aqm'lle de Catle
do Bocha da provincia dj Bio Grande do Norte,
para onde se i-uppoo ter ido por confessar a mu-
Iher do dito escravo, quo lamben) fugio cora elle, e
foi presa peno de Bonito, evadiudo se o marido :
roga-se as autoridades polkiaes e sos capitaes de
campo a captura do dito e-cravo, e o condnzam
ao engenho cima, ou a entregar ao Sr. Genuino
Jos da lto>a, seu correspondente, no Becife, ra
da Pr ia n. 1% que ser recompensado cora 100$
e ainda mais uma gratificara .
V1N1AS.
Drogara
Especial homeopathici.
BA XOVA K. 1
Acaba de receber urna i pecial de cho-
colate Imniei-palbiro a 24 a libra.
Livrcs pira cbimira liomeopslbica, pro|uio?
para apaiiliainnito de sympSMBas ele. 2S por caja
excmplar.
dos-lloiklhesiv.i
A' venda na ra do Vigario n. 1, primeiro an-
dar.
Vendem se duas machinas muito bo' itas,
chegadas para uma euc moimda no aliiim vapor,
e dua ricas imagons. nm* o crucificado, e a ima-
tem da Cunee cao. Na mesma casa vende-so ba
nhacon'ra a queda dos cabellos, o um xarope es-
pecial para mole.-lias do peilo, viudo do serlao,
que j tem sido experimentado : no Corredi r do
Hispo n. fi?i. ____
ftf 15 por ceno d eronomia Ttt
Et fumo dar lueem
20 BA DO IMPERADOR 29
Bicosecouiiuici.s, d boa lux, do500a 1*000 r;
cada um.
Sementes
De hortalicas novas e >ag a- 120 reis i'Hbra,
no lialisa. roa do Livianenio n. 38.
Velas do g5z
Na rna larga do Rosario n. 48, taberna, vendem-
>eexcei|-ntes vi'las extrahldas do cjirvao do paz..
o que ha de iiiis perfeilo e don vcl nesto prnero,
cuj luz o melhnr pos-iv I. E.-tas velas, dedil-
ferente,-cores e lrmas, nao soltara pingos e ar-
ilcm muito nguar, erstalain, an arder nm aro-
ma azradavel, durando urna tanto ti mpi coma
daas de espermacoto, sendo propriamente dito u-
verdadeira> v. las de gala
Vende > diversos et era vos picas, rindo Jj
Cear e du Pianby, propnos'para engenho ; as-
sira runo diversos cahn chas de 12 t 18 anno.
cora habilidades o seo tll.s e uai casal di) cs-
eravos pardo* |ranlindo-se a eotdarta : tratar
na ra da Cruz n. :>! e .'),">, .i- andar.
Estampilhas.
Vendo-sena Ma da Crn n 8. Io andar.
um <.az m
Chegou ao auli|doudaito de Heur>' Forste 6
., raa Jo Emperador, um carreg.un'euto t ga
io prinieiraqua iliute;opul se vende era partida'
a a retal lio pw nenes preeo do que em ontr qual-
quer parte.
MARTIMOS
COJVTRA FOfcO
A Companhia Indemnisadora, estabelecid;
.esta praca, toma seguros martimos sobrt
avios e seus carregamentos o contra fogf
im edificios, mercadorias e mobilias:
ua'do Vigarion. 4, pavimento ter eo.
IA
Joaquim Rodrigues Tavares de Melb, praja
do Corpo Santo n. 17, Io andar, vende cal de
Lisboa e potajsa a mais nova, e vinbo Bordeaux
de Ia qualidade, *
Masssi Muda.
Os senhores eredores da raassa fallida de Miia
di Espirito Santo si convidados paia, em todos
os das uteis, de I as 3 horas la arde at 11 d
eorrente, iinpicterivelraciile 3pre-entar os seus t-
tulos na ra di Trapiche n. 4, l3'ndar. alim de
seren eriOcados.
MSMrWBB
m
O Dr. J. S. Rebollo, medico homeopa- S
9S loa, resido no 2 andar da casa n. 32 da 83
asa Praca da Bao-vista, onde o podem cnsul- jg
E 'ar. on'mandar chamar, todas as pessoas, H
8K que o borarem com a sua cuiillinca.. &'
m w-mmmm-mmmmmm
Casa para alugar.
Na ra do Paco da Patria on trave-sa do tn-
teiro, aluga-se uma casa terrea nova com cinco
quarlos, duas salas, cozinha lora, quintal grande e
cacimba : a tratar na raa N na n. 27, loja de
fflleiro.
*
2 Advogado.
O bachar.)l Francisco Augusto da Costa
mnduu o seu escriptorio da casa n. 6'J
(H para o de n. 3i na ra do Imperador,
B onde ser encontrado das 9 horas da ma-
nhaa as 3 da larde.
Nesta mesma ca-a se encontrar una
pessoa que se propoo a fazer cobrancas,
o que se cncarrega do qaesiO 's rio inte-
rior da pruvincia.
- m
A
Este admirare!
Itepatatifo nao,
iDtememtiBcx- \
iodo ou I
i la
'vigorte aodifl-
____ mm radialacnleM Batnti depcile. ae? como a lepra, impigeni, u heryet, t
prw, te.Barrwpo disriuMit ella rKreic a im do taafet c comodi o saede. ]
.10 CABET ^?*+1L?*^ ^ n *"*[
1, V Pnala,
f.iffjf

/mo
Na ra da Cadeia d* Becife n. 80, pfeeisjf.'fr
de uma ama para cozinhar e engoiiim: r.
I> apilill"E\Tlsf\
Frederico Maya
Tem a bonra d sdeattilrar ap n-speila-
vei publico en jfrai, e ao-- kmia i'Iientes
om particular que rile mulioi d m
note de consultas da ra Dio'ii/i u. I
a do Qutimad ti. 31 prima >,.in
a entrada p-lo pateo <\<: Pfdr- U. t*' \><>
de ser prtifr.nii para os npi >c sua
|ilofiss2o. todo* os ilid uteis U
l;i manhaa s 3 da lardf.
Tamlittm j c vii.'^iibc.-ituiin p
so a tontad'1 d >s clientes n8-> ta Mal
como po* seus sul>uibiu>, para onde a-
das serio precedidas de ..ju>tn K'le R*
**)'.'><> bom'd^siun|)f,iiho h a iirfe*eo df
seua rabalhos, o que j bem ciiI-^m)'.'
Pij:isa-se alugar um preto de raeia idade ou
meleque at 103 por mez : na ra da Praia nu-
mero 27.
O abaixo a3signado avisa aos seus eredores
para trazerem suas cenias para seren immedia-
mente pagos, e tambera roga aos seus devedores
para viren) saldar suas conlas, ao contrari > sero
cobradas judicialcncnte : a ra do Ornm n. 7 A
-_ Precisa-se de ura preto para o servido In-
terno de ama casa de pouca familia : a tratar na
rna Ja Cadeia n. 20.
Creado.
Precisa-se do ura bom creado para casa de ho-
rnera solteiro e paga se bem : tratar na raa' da
Cadeia n 20.______________________________
(obraiHja de alugueis.
Ha quem se encarregue da branca dos allu-
de predios desta cidade por mdica porcen-
incluindo os snicos de solicitador nos ca-
sos de despejos judiciaes, podem procurar na ra
da Gloria n. 91 das 6 s 9 da manhaa.
Precisase de uma nzinheira ou cozinlieiro.-
preferindo-se escravo, para casa de pouca fami-
lia : a ra Nova n. 21.
O Sr. Francisco Pereirade Arroda Cmara (Sr.
de engenho) tenha a boudade.de dirigirse o mais
breve possivel : roa do Crespo n. 17, a negocio.
O abaixo assignado avisa ao publico que tendo
obtido licenca do Exra. Sr. eonselheiro inspector
da thesourana da laz.-nda geral, para vender es-
tampilhas em seu estabelcimnlo a rna do Crespo
o. 29. pelos mosmus precos que -e vendem na re
cebedoria geral; assim pois. podem as pessoas
residentes nesta cidade e lora della dingirem ao
abaixo assignado, 'tas eiicomnicndas era qualquer
quantidade quesera pfomptam-nte satlsffeitas.
^^^^^^^^^ Mano'31 Martins Fiuza.
Cao perdido.
TVsapparerou da ra do Destine n. 3 no dia i
do corren*, um eachornnho preto com ofucinho
e pernaa branca*, reJhas grandes, cao la aparada,
e acode p^lo nome de itgeiro : quem dello der BO-
ticii na mesma casa, ou na ra do Codornia n. l,
er recompensado.
Irmaiidad acadmica de N.
8. do Bjiii Oonselha-
De ordem de nosso irmao juizo, Sr. Dr. Vicente
Pereira do Bego, fajo publico que as misa* de>ta
irmandade continuarlo a ter lugar aos domingos
aosdias santificados as 10 hora*-da manhaa.
(Consistorio da mndale acadmica de .\. S. do
Bom Consvlno 12 de mareo de. 870.
Sorvindo de seeretark),-
Francisco J >si Meira Sobrinh). ,
Deseja-sii fallar com o Sr. Francisco
Tavares de Mello, senhor do engenho Ac;r-
h da.c marca de G >y nna, ou saoer quem
seu correspondente nesta praca, a negocio
de seu oteresse : nesta ivpgrapliia se
dir.__________________'
CUSA FELIZ"
Aos 20:OOO5000
No arco da Gonceielo vendeu nos seus fezes
bilhelei da lotera n. li.
1148 2:000WO
1171 8001000
:i!H aOOtKH)
aoi 100*000
rarji a quaresma.
? loja do Passo
Os proprietiiio> de>te iiuporlanie esiabclecimca-
toreceiero pelo nliiino vapor franrez reos pos-
lilhoes de [orgurio prete muito bera enft-ad.i
nteiramente Ooridade, sedas e g. rguroes pretos
temo sortimento rnoap etu, o mclhor a dr^ejar.
Dirijam-se, pois, Indas a- pessoas que precisara d-,
comprar estts artigos, ra do Crespo n. 7 A
Seientes de que, i m prec Rio se deixar de fa-
zer negocio, Uto nulivdo pelo nmiio soHintento
que tem'is.
Barra Grarde
Vende o teen!.- coronel Joao Baptisla Aceiolv.
cinco sitios c ni coquein s, tendo urri deiles boa
casa de vivenda. os preiendentes qneiram dirigis-
se ao diU lugar, que nao duvidar vndelos a
prazo. ,
AMA.
Precisa-se de uma ama que
cozinhar para rapaies soileiros
ca da Independencia n>. i i n.
saiba c. mprar e
: tratar na pra-
Solicitador.
M noel Luiz da Veiga solicitador provjsionado,
acceita partido das easas eommerciaes, para ludo
que disser respeito ao seu einpreg, o islo por
mdico preco : pd ser procurado om sua casa
ra da Gloria n. 9i, lodos os dia* das 6 s 9 ho-
ras da mauha, ou ao meio dia na sala das au-
diencias no's dias uteis.
AI u a-se.
Aluga-se uma eserava para o servido de casa
de pouca familia : ia Ponte de Uclioa n. 10.
COMPRAS.
Compra-se
duas ou tres venezianas em segunda mo.porm
que estejam perfeits: a tratar na luja da ra -Nova
n. 18.
Casa terrea.
Co.npra-s orna casa terrea : tratar na rus
da Madre de'Deus n. 16, loja.
i'ompram-se moedas de ouro e prala de to-
los os valores, ouro e prata em obras imttilisadas,
Tilhantes e mais pedras -preciosas: na loja de
lurives do arco da Cobeetcao, no Becifo.
8
E8CRAY08
Corapram-se e venden; se (liarianirate para fora
j Jentro-da provincia oscravos do todas as tdades,
:ores e sexos, cora lauto que sejam sadios : no
erceiro andar do sobrado n. 36, rua das Cruzes
"guezia de Santo Antoni".
Com muito nntnf v;.aiagera coiupram-st1
. oedas de ouro e piara : na loja s joias do "'.o-
acJode Onro n. 2 '> roa do Cabog.
Frmsa-se de amo na f>irra on escrava : no
do Parado n. 29. t andar, e.-quioa, defron
11'1 ls 'groja.
- I) It .s.i FiaiK-.-'-i deSouza Ci.qiio, viuva do
nado commerciaule Jos Antonio dos Santos Coe-
i'. faz patuco e panicularmen'e ao corpo do
c .mmercio dos praca, qun est procedendo pelo
juiz > do orpliiis (leste termo, e carteria do esefi-
van Brito, o inventario dos bons do casal ; convi-
da, pas, a todos e* eredores do referido casal par*
apresentarem seas t ulos c oonus, afim de seren
0 mii^o le joias
Na ra doCabuga n. \ compra-se ouro, prata
i pedras preciosas por prei> mais vantajosos de
pie era ontraqualn'i.o <<
Com hi-se
terreas as nas Cmcofdia, Palma,
reiro, s uta Therria o & ma Bim ; a iiw
na rna estrella d i B -an n. ''-'i i-arlorio.
lerna simada
Compra-se ma c-.
ra de Siilo Ann, mi B a visia.
nv bo
que t"i>ha
conlas, _
vYificados e cjntomplatro', e o devem fazer eni
assim WW as cwiUflO'Jjdades dos presos, toruio breve.
luinlal e cicio ba r o b os commodos paro oe
ipiona fjuiilia, pref-rn.l'Si que s ja em cbao-
proprio* : na ra da Fi reiina n. 6.__________
~ "^omprain-si dn > ca^"terria* ias rilas
da Concordia, Palm.-, l^l re ro. Sania 'lVre^a e
Sania Ka : a tratar na rui estrMta do Resano
n. 3'i, jariorio. ______________________
Compram-se o- D trios ilr Permimbuto do
t o z do novcrnbio do 1*5, na na da Cruz, r-
iiidzem u. 40.
Kaj- I de impre ao
E-' a venda na ra do Imperador" n. 15 4o-
fronte de s. Francisco uma "rain'..- percao de pa:
pe de impres>ao. -endn quadrnpln Jesn, duplo
dito, e lamben) dn formato do Diario de rouit
boa qualidade e por pri eo sommodo.
Mllio novo ebegado
da America.
Vendem se saceos com nullio da DMlbi t |i
dade, e niiiniamenie desearregado : no arma
d farinba do caes 29 do Novembro, por baixo do.
Gabinete Porluguez.
Vende-se nina parte do eiiKcnbo S. Juo na
Iha de Itaraaraea, distante seto leguas desla pra-
ca, com vai.tajosas proporcOes Ues eonw Ierre
aos bastante extens s e productivo* ; assim para
cannas como para mandioca, miliio, l'eijao etc.;
qnalro grandes e bons riveiros, militas malta* d
esc todas tnadeiraa de constrneriu, porto de em
barque muito perla e cominodo uma bem assen-
tada machina a vapor que moa s mi w
cannas e mandioca.. Tambera se vende i filio
cjnngno ae engenho romas mesma* Vnta(
nriducliva- : os preienlpiil<*s -c deverodirigr a
roa da Au i n PS, 1" amlar, -n no e/eri lo enlio : I ..'.., ci ni o iiiuaiiciaiite l'rak.-i;!. >
Baposo da Cmiha iiegn.
uma escrava arionta recolbida, de l'i- annos
idade,a quaJ engomma, co^ o faz l.byrintlios;
na ra ta Praia n. 17. i" an
Vendo o ii Ruge le. pni pi ten com-
modo, edifcalo ni propriedade de Dina di le.
gada do termo dtiBuilito, cora trras suficicu'1 .
e muito productivas, para as planta (des de can-
nas eoatrsa proporrdes, de muito'lucro,
seja un machinisino' do siearogar algodSo, mo-
vido pela agua qne inoe o laesmo engenho: qi
o pret nder dirija se ao mesmo engenho a tratar
com o proprietario Antonio Francisco Leao.
Vende-se nina mohilia de Jacaranda 3 Luu
XV : a tratar na rna das Cinco Puntas n. i i.
OB tT\' B1
Na offleina de ourives. na rna da Penba vep
de-se uma taboleta e ornas 200 pc^-as de obras
raiudas de prata, e lambem vendern-se alguns
ros para trabalho du ourives : a tratar na m
offleina.__________________________________
Cantara de Lisboa
Soleiras, hombreiras o ca. ileis, o que ha de me-
mor para frentes do predios : venda no arnii-
zerada traves-a do Corpo Santo, de Joaquim Le-
pes Machado & (',.
E0&0, F GO.
Valdevm da plvora.
Corre!, Pernsmbucanos, roa Imperial n 249,
ecomprai fugo do ar para fe>tejar a volta I
briosos voluntarios, que. no campo da honra nun
ca desmentirn! o nome dos Brasileiros, e que boj
cobrrtos de cicatrizes vcem descanc^r aos seu;
lares, ____________ ___________________
Fi.lh s <\e FJ librea
a 2:1*000 uma caixa, ou 2i>000 sorlida, fahrc
Derwent : vende se n.i fu da Cadeia n. i
ATTENC40
Vende e a loja de calcado sita a ra Direi
la n. io. a qual esla bem afreguezada tanto par.
a piaca como para o matto o s se vende
sua dona se retirar desta praca, qncni pretender
dirjase a resina que achara com quem ti alar
e tem timbera ba-lantes commodos para nume-
rosa fa i'iri por lxtar 4e ru a rus>e por iraco
muito rasoavel q/ic admira._______J__________
; Miloipvo
Vende-se em saceos ftaades e por mrno- en
co do que em otra qnaiqner parle ; para
tranii-he Dftnt.i < nao tratar, i""II"-
Cal novaTde Lisboa
de-carrrjada h'je do alacho
loaqnim Jos Rabias, na ra da Cruz a.
neiro andar.
Farinha demandxa
'."tend.m Poca* & C..IW ra c:
D. 9, juntos igreja.


6
Diario de Pei-namhoco Segunda (eir 14 de Murqo de 1870.
M.lllll
A RIJA DA EMPERATRIZ M S
Esquina da ra da Aurora, em frente do caf Iraperatriz.
N'esto novo e suraptuoso estabelecimento de fazendas encontrarSo as Exmas.
familias tudo quantopossara desejar, tanto em artigos do mais rigoroso luxo, como em todas
s mais qualidades de fazendas.
Alm dse acharem prvidos do que de mellior seencontra neste mercado,
por todos os paquetes da Europa, recebem directamente o que em artigos de moda e
do mais apurado gosto se oncontra em Pars, o que vem cada da augmentar s propor-
c_s de que dispoe este estabelecimento para bem servir sua numerosa freguezia
_____
Algodo largo para lences e toalhas de
todas as qualidades que costuma vir ao mer-
cado.
Alpacas de todos o padroes e dualida-
des to variadas que se n_o podem descrever.
Albuns com msicas para collocar retratos,
delicado presente para qualquer pessoa de
es'.ima.
Atoalhado de linho e algodo, branco e
de cores proprios para toalhas.
Baspiinas de seda pretas emoilo moder-
nas, bem corao de crochet, tudo de apurado
gosto e tritio.'
Baloes de mu>selina, madapolo, brancos
* de cores, para senhora e meninas,
Bareges de cores variado sorlimento.
Babainlm ou tiras bordadas em todas as
larguras.
Blbutina de todas as cores.
Bolsas de tapete para viagem, grande
variadade de tamanbos e gostos.
Bombazina preta de todas as qualidades.
Bramante de linho de 4-1 palmos de lar-
gura, e tudas ?s mais qualidades.
Bretanlias de linho e algod5o, grande sor-
limento.
Brins de linho branco e de cores, do mais
commodo ao mais caro emqualidade, afan-
cmdo o que ha de melhor na especie.
Brins d'algod5o completo sortimento e
variedade de pre;os.
Cassas de cores, o maor sorlimento, pri-
mando pelo bom gosto e barateza, atientas
as qualidades.
Caaibraias brancas, tapadas, e transparen-
tes de todas as qualidades e precos.
Gamisinhasde cambraia de linho e cassa
torundas ricamente enfeilados para Sras.
Camisas para hoitens e meninos, tao va-
riado sortimento que vai do mais ordinario
tnrd ipolo ao mais perfeito bordado de li-
abo e cambraia.
Camisas de meia, de flanella, brancas e
Je cores para homem.
Casemiras pretas e de cores, o melnor
que se pode imaginar, sendo d'isso a me-
ihor prova o grande consummo deltas na
officina da casa.
Capellas de flores, para noivas e bailes,
desde a mais candida flor de larangeira at
i mais interessante grioalda.
Chapelinas no melhorgosto.de todas as
cores hoje preferidas pelas senhoras de
mais apurado rigor na moda.
Chapeos pro tos de velludo, para senhoras,
ultimo gosto de Paris.
Chapeos de sol, para srahoras e horneas,
de todos os pre;os e variados gostos.
Chaly com ricos padres para vestidos.
Chales de todas as qualidades, avultado
aumero e n5o monos variedade de gostos,
Chitas, impossivel descrever o sorlimen-
to o variedade de padres e novos gostos,
ha neste artigo tudo quanto.se pode desejar.
Cintos para senhoras o que se pode ima-
ginar do mclhor.
Coque?., o melhor no goslo e nos cntei-
varos tai
Co D borlas, o mais apu-
rado gosto o lavor.
Ditas de fustn branco e de cores por
precos commodos.
Corpjnhos de cambraia, ricamente borda-
dos para senhoras.
. Cortinados de cambraia bordados e de
fil.o que de melhor se pede desejar.
Colarinhos do linho bordados Je
maior sortimento.
!____
Damasco de la de 9 palmosjde largura
indas cores e ricos padroes.
_____
Espartilhos oransos e de c6rc3, para se-
nhoras e meninas, o melhor neste genero ;
nenhuma Sra. deixar por ce rio de muir
se de to precioso auxiliar perfei.o de
um corpo delicado.
Entremeios bordados.
Escomilha preta.
Enfeites para cabega, ultima moda de
Paris, recebida no ultimo paquete.
Esguio de linho, completo sortimento de
iodos os nmeros.
2_>
Fitas largas escocesas para cintas, varie-
dade de gostos e lindos padroes,
Firs de crochet, modernos com cintos
e capas, o que ha de melhor.
Fil de seda, linho e algodSo, de todos
os gostos e padres.
cores
Case com listras de seda e flores, fazen-
da inteiramente nova para vestidos de baile.
Gravatas para senhoras e homens, o mais
completo sortimento que se pode desejar.
Guipure preto e branco, diversas largu-
ras e diferentes gostos.
Gotlas e punhos bordados para senhoras.
Guardanapos de linho pequeos e gran-
des.
Gorguro de seda preto e de cores.
Grosdenaples preto e de cores, haven-
do diversas qualidades e gostos.
<__*
Japonezes para senhoras, o melhor gos-
to, e fazenda propria para as festas nos ar-
rabaldes e passeios a tardo.
LSazinhas de todas as qualidades, cores
e gostos, n5o ficando nada a desejar, tal
o sortimento que existe para escolher.
Lencos, tudo quanlo pode haver desde
esguio ao algodo commum.
Leques de raadreperola c osso, o mais va-
riado sortimento.
Ligas de seda, bordadas, para senhora.
Luvas de Jouvin, chegadas por todos os va-
pores, sempre novo sortimento, qoer em
pellica para homens e senhoras, quer em fio
d'Escocia, brancas e de cores.
Madapolo; indescriplivel o grande sor-
timento que ha neste genero, desde o mais
elevado preco ao menor, que se vende em
peca e retalho por menos do que em ou-
tra qualquer parte.
Mantas de blonde para noivas: o apurado
gosto dos nossos correspondentes em Paris
habilita-nos a dizer que temos, em nosso
estabelecimento o que de melhor se dese-
ja para vestir e ornar urna noiva.
Mantas pretas de blond.
Mantas para carros, com lindas pinturas.
Merinos pretos, trancados e lisos.
Musselina branca e de cores, lindos e va-
riados padres.
2_5
Pannos pretos e de core?, desde o mais
barato ao mais superior, por preco rauito
commodo.
Pannos de crochet, par cadoiras e sofs.
Ditas de casemira n.uo unos par?,
mesa.
Peitos bordados do Bobo, lisos e do al-
godo para camisa.
Princetas pretas o de cures.
Popelina do seda e linho, com listras e
flores; fazenda iindissima.
Pelhurinas para senhoras, do ultimo
gosto.
Perfumaras ; os mais fir.os extractos o
que de melhor e mais agradavel se podo
encontrar neste genero, e de mais fragante
e suave no olphato, tem o PAVILHO DA
AURORA, desde a verdadeira agua Flori-
da at o mais lino Bouqitct d'Amour, final-
mente tudo quanlo deve oceupar o touca-
dor de urna senhora de gosto.
Saias bordadas, brancas, lisas e de cores
com folhos e sem clles, o. melhor possivel,
Sabidas de baile, de todas as cores.
Sedas pretas, de quadros, lavradas, lisas,
de listras do todas as cores c qualidades e
0 mais barato possivel.
Sargolim do todas as cores e qualidades.
Tapetes grandes, lindas pinturas para 8
cadeiras, mais pequeos e de todos os la-
liss, o manhos desejaveis, e em pega para co-
1 vados.
Toalhas do labyrintho, do maior c mais
fino trabalho ao mais barato.
Toalhas de linho o algodo de tfidos os
tamanhos, li-as e felpudas.
Tarlatana branca com palmas c de cores,
fasenda muito nova, e gostos delicados pro-
pria para baile.
Vistuarios bordados de fustao brancos e
decores para meninos, de cambraia para
baptbados, o que de melhor tem vindo a
este mercado.
Vestidos de la escoceza de 2 saias,
novidade pelo padro, gosto e forma; ditos
de linho com barras de cores, e de cam-
braia de cores com 2 saias, tudo inteira
novidade, trazem os modellos juntos para
mostrar a forma de os fazer.
Veos de bload para noivas e pretos para
luto.
Vestidos de blond para noivas: ponemos
TiOJTA
ao
GALLO VIGILANTE
lina do Crespo n. t
Os propnetarios diste bem conhecido eslabaje-
ciments alm dos muito objectos que tiafcam -
postos a apreciacao do ri!sp_tteveJ publico, man-
daran, vir e acabam de roceber pelo ultimo vapor
da Europa um completo vanado sortimento de
finas e mui delicadas especialidades, as quaes es-
to resolvidos a vender, como de sea eostumo,
Sor precos muito baratinhos e commodos para lo-
os, com tanto que o Gallo....
Muito superiores luvas de pellica, pretas, bran-
cas e de mui lindas cores.
Mui boas e bonitas gollinhas e pannos para se-
nhora, neste genero o que ha de mais moderno.
Superiores pentes de tartaruga para coques.
Lindos e riqnissimos enfeites para cabecas das
Ex mas. senhoras.
Superiores trancas pretas e de cores com vldri-
Ihos e sem elles; esta fa_enda o que pode haver
de melhor e mais bonito.
Superiores e bonitos leques de madreperola,
niarflm, sndalo e osso, sendo aquelles brancos
com lindos desenhos, e estes pretos.
Muito superiores meias lio de Escossia para se-
nhoras, as quaes sempre se venderam por 30000
a duzia, entretanto que nos as vendemos por 20*,
alm deslas, temos tamben grande sortimento de
oufras qualidades, entre a* quaes algumas mtito
Ocias.
Boas bengalas de superior canna da India e
eastao de marfira com lindas e encantadoras figu-
ras do laesmo, aeste genero qno de melhor s i
pode desejar ; alm tiestas temos tambem grandi
Juantidade de oulras qualidades, como sejam, ma
eir, baleia, osro, borracha, etr. ete. etc.
Finos, bonitos e airosos chicolinhos de cadeia e
de outras qualidades.
Lindas e superiores liga* de seda t borracha
para segurar as uie-ias

AITIICifl U
03S meias de seda para senhora e paca meni-
nas de 1 a 12 annos do idade.
Navalhas cabo de marnm e tartaruga para fazer
barba ; sao muito boas.e de mais a mais sao ga-
rantidas pelo fabricante, e nos por nossa vez tam-
bem asseguratnas sua qualidade e delicadeza.
Lindas e bellas capellas para noiva.
Superiores agulhas para machina e para crox.
Linha muito boa de peso, frouxa, para enclier
labvrintho.
Bons baralho? de cartas para voltarete, assim
com os tcntos para o mesmo fim.
Grande o variado sortimento das raelhores per-
fumarias e dos melhores e mais conhecidos per-
umis-tas.
COLARES DE ROER.
Elctricos magnticos, contra as convolsdes, e
fa'-ilitam a donticao das innocentes enancas. So-
mos desde muito recebedores destes prodigiosos
collares, e continuamos a recebe-los por todo os
vapores, afim de que nunca faltem no mercado,
tomo ja tem acontecido, assim pois poderlo aquel-
les que delle3 precisaren), vir ao deposito do gallo
vigilante, aonde sempre encontraro destes verda-
deros collares, e os quaes attendendo-se ao fim
para que sao applicado, se venderlo com um mui
diminuto lucro.
Rogamos, poi, avista dos objectos que deixamos
declarados, aos nossos freguezes e amigos a virem
comprar por precos muito razoftveis loja do gallo
vigilante, ra do Crespo n. 7.
Grande antazcm n. S2, porta larga, de Paredes Porto."
Neste estabelecimento encontrar o respeitavel publico ora bonito- sortimento
de roopas de todas as qaadades, palitots de alpaca a 30, 3i55O at 6. Ditos dt
merino; ditos de casemira de cores bonitos gostos a ^, 60, 8 e 100, de panno preto
sscos e sobrecasacos. Ditos de brim pardo finos e oflinarios. Ditos de alpaca branca
e de cores do 30500 a 50000. Calcas de brim de cor finas e ordinarias, ditas
brancas de todas as qualidades, ditas de brim pardo fino e ordinario, ditas de casemira
de cor e preta de 40, 50, 60 a 150. Colletes de todas as qualidades e preco nraito
barato. Completo sortimento de camisas francezas de algod5o e de linho de 20 at 50
urna. Sortimento de seroulas francezas de algodo, de linho e bramante a 20 e 20500.
Gravatas (mantas) novissimo gosto a tolos os precos. Meias sortimento completo a 30,
40 at 70 a duzia.
ROUPAS PARA MENINOS.
Encarrega-se do qnaesquer obras de encommenda tanto para homem, como
para meninos, e com brevidade, por isso que tem um.bonito sortimento de fazendas de
todas as qualidades tnto em casemiras como brins, pannos finos e outras muitas fa-
zendas.
FAZENDAS
Bramantes de H palmos de largura a 10800 o metro.
Cambraiis de cor e branca.
Alpacas de todas as cores a 640 rs. o covado.
Poil-de-chvre com lista de seda fazenda de gosto a 10200.
Basquines de guipure enfeiladas a 180000.
Sortimento de chitas escuras e claras a 280, 300 e 360 rs.
Madapolo fino a 60."iOO, 70, 80 e 90000.
Algodo peca com- 20 jardas a 40500, 50500 e 60000.
Peca de algodo largo a 70500.
E oolras muitas fazendas que ser enfadonhomencionar Cbeguem roepa
feiU que^se est liquidando na loja ra da Iraperatriz n. 52 (junto loja do ourives) do
LEaO DA PORTA LARGA
DE
Paredes Porto.
Mikroskope achroma-
tisehen. Objetiv Lin-' ^ \
sen.
Barmetro e termos
metre.
e rcuume re.
Centgrado
321
26(
ao(
32
im
32(
ICC
80
40301
10OO(
72(
50(
1050
40OO(
16<
32i
601
20001
32(
70(
50!
24(
20:

60(
10OO(
104O
40
asseveraras nossas Exmas. freguezas, que
Finteo de todas as cores e qualidades somos os tnicos em Pernambnco que pode-
crande sortimento. mos offerecer ao Ilustrado publico, o mais
Flanella branca e de cores. apuradogosto em semelhante materia, gra-
Flores, o que ha de mais rico, quer cas ao bom gosto do nosso fornecedor em
aoltas, quer em ramos, tem o PAVILHa 1 Paris, podemos garantir que ninguem neste
DA AURORA am permanente jardim a genero o pflssue melhor, uem mais em
disposico das Exmas. familias. conta.
E' dispondo d to grande e variado sortimento que os propnetarios do PA-
VILHO DA AURORA se apresentam ao publico declarando desdo j que a sincerida-
de e o bom gostoo movel nico de seus negocios. ,
Prvidos de tudo o promptos sempre a prover-se do que por ventmfTbe
lea necessario, os proprietarios deste sumptuoso estabelecimento recommendam-se
sem receio de serem contradictos e protestan esforcar-se por continuar a merecer
oroteco que se Ibes tem dispensado ; certos de que" do seo estabelecimento nao saira
o frecuez descontente. ...'. u u .
Contina sempre a officina de alfatate dingida por um dos mais habis artis-
tas, prompto executar cora promptido e bom gosto q"lq"er trabalho que llie seja
confiado. Urna modista eepecialaienle oceupda nos trabalhos do PAVILHO D V AL-
RORA, dirige os qae lheao coacarnente3, garanta porseu apurado gosto e promptido
na execucio e a mais completa perfeico nos seus trabalhos.
- A numerosa fregoezia qae nos honra urna prova de que merecemos o con-
ceito que se dispensa ao nosso estabelecimento, conceito que procuraremos firmar cada
vez mais. Para' facilitar anda a coocecocao do flm que nos propomos, temes no nosso
estabelecimento os ltimos Bgurinos de Paris, que recebemos por todos os paquetes, os
quaes enviaremos para serem vistos as familias nossas freguezas, afim de eecolherera,
a. .
estabelecimento, ha igualmente os Agarraos
recebem.
sentamos pedWo a proteccSo do Ilustrado
publico e com o mais prqftado respeit convidamos s excelintissimas Sras. a visi-
tare o nosao estabelecimeato, certas de encontran^aelle pelo menor preco possive-
tudo qae podem desejar
Mandaremos caixeiros tevar as fazend le forem pedidai, visto
aSo podermos especificar todo qaanto; temos.
Jjfo Liz,yobnrho & C.
Aberto das 6 s 9 horas da noite.
com o padrao da fazenda o gosto na
Na oft*4e al/aite. ju-,
para bomens qne ptMibdos os vapa
E este o modo porque
55Ruado Quemado5
A VERDADE tondo em deposito grand<
quantidade de miudezas e perfumaras, e de
sejando apurar dinheiro e adquerir boa frt>
guezia est rssolvida a vender muitissim^
barato, ; por cssa razo convida ao respe-
tavcl publico a vir cumpetentemente mun
do a sortir-se do bom e barato. Pois quari
do a Vei'd&de apparece, tudo mais des
apparece----- ,
Grande sortimento de bonecos de cera ?
massa as mais lindas possiveis vestidas a es
racter.
Abotoaduras moderuas para col-
letea .......
Espoihos donrados pepnenos. .
Agulhas de osso para crox a .
Pentes para regac" com esntas a
Ricos globos para candieiro de gaz a
Cbaminsa.......
Grande sortimento de objetos de
loura para brinquedo de menino
Garrafa com tinta a. .
Dita com agua florida verdadeira a
Dita cora dita dita a .
Frasco com oleo de babosa a 500 e
Dito cora agua de-Colonia a 300 e
Gairafa com agua divina a. .
Frasco com extractos unos a .
Latas pequeas com banha muito
fina a 121) e ." .
Sabonetes de diversas qualidades a
80,160,240 e. ......
Finas cscovas para dentes de 120 a
Lindos coques modernos a. '.
Pavios para gaz, duzia a 240 e .
Escovas para facto a 500, 600 e
Ditas para cabello a.....
Pentes para tirar piolho a 160 e.
Brincos de cores, bonitos a 160 e
Pecas de tranca de la com 8
varas por.......
Oleo para machina de costara,
frasco a........
Pennas d'aco finas caixas a 800 e
Dita d'aco Perry, caixa a. .
Galao de algodo peca ....
Lindos babadinhos e entremeios
peca de 500 a......
Ditos de lonca muito fino a 120 e
Ditos para calca a 160 e. .
Caixa com papel amzade a. .
Ditas com envelopes a. .
Ditas com obreias a.....
Caixa com agulhas fundo dourado
Ditas de ditas ditas a.....
Thesoura para costura a 240 e
Caixa com linha de marca a .
Linha de cores em novellos (li-
bra) a........
Corretete de linha Alexandre de 70
at 200. .,,....
Grampos muito finos com passa-
ros, duzia a......
Cartas portuguezas, duzia a .
Ditas francezas a 20200 e .
Papel almaco e de peso, resma a
30400, 30500'e ....
La muito fina para bordar, libra
Fita de algodo para debrum de
sapatos, peca a.....
Ditas de la para debrum de ves-
tido, peca a ......
Pentes finos para segurar ca-
bello a.......
Ditos ditos de bfalo para alisar
a 240, 320 e......
Ditos para aparar penna a .
Rosetas pretas, par a .
Tranca de la decaracol ptc t40 e
Fita de coz peca a $80 e .
Alfinetes de iato a.....
Sapatos de Ha para enanca a 400e
Gravata de sedas de cores a .
Calcadeirasa.......
Grande sortimento de rendas das libas.
Um par de suspensorio de borracha pof
lOOristtmil .
Xa verdade m* o Qveimad*
n. 55.
E crystal de rocha do Brasil.
F. rf. erBiann, recommenda ao publico, seus vidros periscpicos aperfci'coa
dos; porque, com este!) vidros, a vista descanca, fortica-se e nao a canea como com
os vidros ordinarios. Urna voz escolhido um vidro, pode durar dez annos, emquanto
que, com os.vidros ordinarios se est obrigado a muda-Ios todos os annos eoster
cada" vez mais grossos, o que altera o crystalino do lbo e determina quasi sempre do-
res de cabeca. O alcance ordinario da vista perto do 30 centmetros do lho, e,
todas as vezes que o objecto est mais perto ou mais loage, os raios que eipelle sao
mu convergentes ou mui divergentes e a visao rto perfeita. Um grande numero de
pessoas tem o defeito de fazer convergir muito de sorte que a vso nao distincta.
Com a applicaco de meas vidros pde-so vencer estas difficuldadcs. Para os que tem
a vista curta o' cujo crystalino mu convexo (o que faz ver bem, de perto, c mal de
longe), o que se chama myope, por meio de um vidro concavo affasta-seo ponto de
vista, o que faz divergir os objectos e deixa ver to longo como as outras vistas. Quan-
do o crystalino muito chato, o que succede aos que tem chegado a urna certa idade.
o que se chama presbyta, vem mtibor de longe ,que de perto, e nao enxergam seno
um nevoeiro na distancia ordinaria da vista; cora um vidro convexo, estes enxergaro
tac distinctamen!e como na idade d-i 15 annos. Servindo-se destes vidros quando e
vista principia cufraqueeer, previnc-sc o mal.
F. J. Germana encarrega-se pela sua experiencia
colher, a prmeira vista, seja qual for a iade e grao
qualquer pessoa,
Para que sao- fabricados estes vidros ? ?
D cordeiro prevident*
Kua do 4ut iuiudo b. 16. .
Novo e variado sortimento de perfuman
finas, e ouiros objectos.
Alm do completo sortimento de perra-
alarias, de que Directivamente est provida*
loja do Cordeiro Previdente, ella acaba d-
reeeber um onlro aormento que st tora;
aotavel pela variedade de otygclos, superiori
lade, qualiddc3 ecommowfcies < pr*
eos; assim,pois,oGordoiroPrevidente ped*
e espera continuar awinerecer a apreciac*
de respeitavel publico em geraf e de su?
boa fregbeaa em particular, nao se afaj
lando eUe de sua bem conhecida mansidl
e barateza. Em dita loja encontraro o*
apreciadores do bom:
Agua divina de E. Coudray.
Dita verdadeira de Murray & Lamman.
Dita de Cologne ingleza, americana, fro
ceza, todas dos melhores e mais acreditado)
fabricantes.
Dita de flor de larangeiraa.
Dita dos Alpes, e vilete para toilet.
Elixir odontalgico para conservado I
tsseio da bocea.
Cosmetiques de superior qualidade e che
ros agradaveis.
Copos e latas, maiores e menores, co
pomada fina para cabello.
Frascos com dita japoneza, transpareat
9 outras qualidades.
Finos extractos inglezes, americanos
(rar.cezes em frascos simples e enfeitadoi.
Essencia imperial do fino e agradavel che
o de violeta.
Outras concentradas e de cheiros iguaj
mente finas e agradaveis.
Oleo pbilocome verdadeiro.
Extraclo d'oleo de superior qualidad
com escolhidos cheiros, em frascos de difii
rentes tamanhos.
Sabonetes em barras, maiores e menor
para mos.
Ditos transparentes, redondos e em figo
ras de meninos.
Ditos muito finos em caixinha para bar.
Caixinhas com bonitos sabonetes imitand*
fructas.
Ditas de madeira invernisada contendo fe
aas perfumaras, muito proprias para pr*
eotas.
Ditas de papelo igualmente bonitas, Ua>
bem de perfumaras finas.
' Bonitos vasos de metal coloridos, e 4t
moldes novos e elegantes, com p de arro
a boneca.
Opiata ingleza e franceza para dentes.
Pos de camphora o outras differeaU -
qualidades tambem para denles.
Tnico oriental de Kemp.
Ainda mal coquea.
Um outro sortimento de coques de n
vos e bonitos moldes com filets de vidril >
a algans d'ellcs ornados de flores e fita*
isto todos expostos apreciacio de qne? '
os pretenda comprar.
GOLLIKHAS E PUNHOS BORDADOS.
.Cbrns de muito gosto e perfeico.
Fvellas e fitas para cSeok.
Bello e variado sortimento de taes obj*
ios, ficando a boa escolha ao gosto do co*'
pr dor^________________________'
HA_PTl*OPfJIii_B
DA
tendente aos olhos, a c s
do vista, oculos proprios para
Para a vista myope, (vista curia).
Para vista que se cobre de nuvens.
Para a vista que por -momentos, v es-
voacar pequeos pontos negros.
Para a vista que as palpebras tremer
de fraqueza.
Para a vista que os olhos sao des.iguaes.
Para a vista que se torva com o traba-
lho e a leitura.
Para a vista presbyta (vislagalon ).-
Para a vista que nao suppora i
solares ncm grande claridade.
Para-a vista operada da catarata.
Para a vista que as palpebras esto car
cadas de saugue.
Para a vista que um dos olhos myop
e o outro presbyto.
Para evitar finalmente que o crystalino
do olho se cobra da catarata. .
FABRIf A NAMAL DA BABIA
DE
Teixerra Uldurico C.
Acla-se venda este ptimo rap, nico qv
pdc supprir falta do princeza de Lisboa, por sr*
de mui agradavel perfume, viajado, e a preco
mais mdico possivel; e por isso tem sido asi
acolhido as praca3 da Babia, do Rio de Janeiro
em oulras do imperio : no escriptorio de Joaqai*
Jos Goncalves beltro, ra do Commercio c_
moio il.
TASSO
fu
Sortimento de binculos
para theatro, e oculos de
alcance para o campo e ma-
rinha.
'**!__ _*

24(
7(X
48
4(
m
M
50(
m
m
10(
20
1-540
350O
455(X
6550C
m
48(
32(
50t
10(
iX
10C
56(
10
80
20f
81
Tem tambem grande sorlimento de
Lunetas, pnce-nez e
face--main, onro, prata,
tartaruga, bfalo, ac,
etc., etc.
relogios para parede, que dio horas e para
cima de mesa dos mais lindos modelo Relogios para algibeira, de ouro, prata, prata
dourada efoleada, inglezes, suissos eorisontaes dos melhores 6 mais afamados fabri-
cantes.
Vendas em grosso e a retalho. Em Pernambuco.
N.21=Rua Noya. 21.
PARA A RESMA
11Ra do Queimado11
AUGUSTO PORTO acaba de reeeber pelo ultimo vapor da Europa, superiores
sedas pretas proprias para os actos da quaresma sendo :
Gorguro preto de seda o que ba de melhor.
Grosdenaples preto de diversas larguras qualidades.
, Mantas pretas de blond muito lidas para senhoras.
Pannos e casemiras pretas, pannos azues merinos, bombasraas, princetas e alpa-
cas prstas e de cores.
Basquines de seda e guipure* pretos das mais modernas.
Vestidos de blond cora manta e capella para noivas, fronbas de 'e'sguio e cam-
braia de linho bordadas, colchas de seda, ditas de seda e la, cortinados bordados para
camas e janellas, vestidos para baptisados, enxovaes aara criancas e superiores saias
bordadas.
Cortes de setim de cores e ditos de -seda dos mais modernos.
Poupelinas de seda linho lisos e com listm gostos elefantes.
Luvas de pelica pretas, de cores e brancas para homem e senhoras.
Malas de couro de todos os tamanhos para viagens,
Camisas bordadas e lisas para homens e meninos.
Grande sortimento de fazendas proprias para fabricas de engenho que se ven-
dem muito barato, confiando ter sempre as afamadas
Esteiras da India para forrar salas, e tapetes de muitas qua-
v lidades.
Vendeni em spjjs armazens, no cae* do Apella
n. 7, Eseadiaha _. 1 e ra do Amorim n. 37, o
seguintes gneros :
A50 de Milao.
Milho em saccis grandes.
Farello em saccas de 90 libras.
Chumbo de muiiinao sonido.
Metal amarello para forro de navios.'
Machinas para escarcear algodo de fl-u '
serras.
Kerosene em latas de 5 galSe?.
Champagne do afamado fabricante lrug..
Hormoutli.
Vinho do Porto engarrafado.
Coac do afamado fabricante Gantisr Frres.
Fogo da China, caixinhas, 40 carias n. 1. Extra.
Genebra ingleza Od toni
Cimento Homano.
Cimento Hidrulico.
Cimento Portland.
Gesso para estuques.
Cannos de barro para esgotos.
Gradeamentos de ferro para jardin?, calcadas e
Carros de mao para servidos de armazens.
Garrafoes cora 5 galoes de vinagre tinto,
dem com 3 galoes de vinagre tinto.
Chambo em barra._____________________
Bichas hamburgnezas
Neste novo deposito recebe-se por todos os pa-
"quetes translanticos bichas de qualidade superior
o vendem se em caixa on porjo mais pequea.
o mais barato do que em outra qualquer parte :
na ra da Cadeia do Recife b. 5i, .? andar.
Cigarros da imperial
fabrica de S. Joao
de Nictheroy.
nico deposito em Pernambuco caes da alfar.-'
dega vellia n. i, 1 anda.
Venda de urna casa no povoado-
dos Montes, em Una.
- Veede -so urna casa terrea, sita i rna Nova, no
povoad: dos Montes ; de taipa, coberta de telhas.
com a frente de Uflo, tendo esta vint palmos so-
bre 5X1 de fundo, sendo o solo fbrairo a propried;-
de Montes : tratar a ra da Cadeia do Recite
n. 10t _
<
i
_
V


Diario
i
*
\

de Pernambuco Segunda feira 14 de Margo de 1870.
DE
BARATAS, NA LOJA E ARSVIZE

PERfiMM. DA SI&VA.
Ra da Iin^ratriz n. 60.
&* QiMAB
,o HfS ?e 8?n,,e C3f^ecmcnto. tcndo dado balanCo no Am do
io de costumo e vendo qun tinhum grande deposito de faz-ndas e iuntn
8EKS? p01 P1CCS ml[0 mais bai'ats com o fim de diminuir a nno, como
do
INHEIRO.
iminuir a quanlidado e apurar
.imanln a respeilavel pubhco enconlra nesie estabelecimento, nao so um grande sor-
Srt0.?'? a|Pura(l01i?0810 fe assim Cmo to*s f^endas de Era"*
SSIh?6 ?,aS SC ,,a ? 3m0StraS COm Pen^': as P *?^aTinagfe^.Pdem "",Me d Um ^ ^eodollhes W mesTs
Sxplendido sortimento de Crochs
roupas feitas
NA LOJA DO PAVO A RA DA
IMPERATRIZ N. GO
Acha-se este grande estabelecimento cora-
tleiamonte soriido 'das melbores roupas,
nao calcas palitots o coletos de casemira,
e panno, de brim, de alpaca, e de todas
a mais fazendas que os compradores pos-
am desejar, assim como na, mesma loja
para cadeiras e sofs
O Pavo tem um grande sorlimento Sos
mais bonitos crochs proprios para cadei-
ras sofs, mesas, almofadas etc etc., assim
como proprios para cobrir presentes, c ven-
de-se mais barato do que em outra qual-
quer parte,
ALGODO ENFESTADO
Vende-se urna grande porcao de algodSo-
smlio americano com 8 palmos de largura
propno para lenees e toalhas tendo liso e
Quaado a AGUIA BRRNCA, mais precisa scenlificar ao respeitavel publico era
geral, e em particular a sua boa freguezia, da immensidade de objectos que ltimamen-
te tem recetado, e jastamento'quando ella menos o pode fazer e porque essa falta invo-
luntaria ella conQa e espera na benevolencia de todos que lira allendero e relevarSo
continuando por^nto a dirigirem-se a bem conhecida leja da AGUIA BRANCA ra d
yueimado n. 8, onde sempre acharao abundancia em sortimento de superioridad o i
qualidades, modicidade em precos e o seu nunca desmeottido AGRADO E SINCERID \DL
Do que cima Oca dito se eoubeco que o lempo de que a AGUJA BR\NCl pode
dispor, e empregado apezar de seus custos no desempenho de bem servir a aquelles que a
honrara procurando prover-se em diU loja do que necessilam, entretanto sem ennutne-
rar os objectos quo por sua natureza sao mais conbecidos ali, ella resumidamente indi-
cara aquelles- cuja importancia, elegancia e novidade os tomara recommendaveis, como
Dtm seja :
Corpinlios de cambraia, priraorcsmente
m um bello sortimento do pannos casemi- "T'y 1,d,d ienve e loaltias tendo lis
'as, brins, etc. etc. para se mandar fazer I. qae se vende Por Preco muit0 em
ualqner peca de obra, com a- maior promp- on .. .
;ido vontade do freguez, e nao sendo! ri Pauo ,de lln*o
abrigados a acceita-las, quando nao stejam Ul0*ou u,a. grande sortimento de pegas
ompletamene ao seu contento, assim como 71 S^.a ,','J PorU> (llle se vendflm
;'este vasto estabelecimento encontrar o; rfs" ,,|?000 a va[a' garanlindo-se
respeitavel publico um bello sortimento de {l3 m ,azencla e bnuo ono ha nada me-
^misas francezas o ingiezas, ceroulas de ,^' Dcm mais P>prio para lenees e toa-
.-cho e algodo o outros muitos artigbs
iroprios para homens e senhoras proraet-
6ado-se-lhe vender mais b.-.rato do que em
ratra qualquer parte. Na ra da Impera-
triz n. GO, loja e artnazem do Flix Perci-
ba da Silva.
Pechineha a 2^000
Para leuqes.
Na loja do Pava.) vende-se superior bramante
aom 10 palmos do largura, dando a largura o com-
rmenlo do lencl, sendo apenas preciso para
ada lencol um e meio, ou u-u e um quarlo me-
tos ; alm desta aplicacao tem outras militas
sara arranjos de familias e vendo-se pelo barato
Ibas
..reco de 2U00 o metro. Na loja do i'avao.'rua
U Imperatrii n. CO. De'Felix Poreira da Silva.
Gangas deliuho
Vende-se gangas de linho com qua irinbos
auito boa fazenda, para roupa de homens
t meninos c vende-se pelo barato prego de
WO rs o covado:
PEGHINCHAE.M PAN\T0 PRETO A 2:400.
O Pav5p vende superior panno preto fino,
para pallilots, calcas, colletes, etc., pelo ba-
'atissimo prego de 2:i03, o covado, gran-
de pechineha.
Cortes de caenif raprea a 4500
O Pav3o vendo os superiores cortes de
;asemiras pretas enfestadas, pelo barato
oreco de 4:500, pechineha.
PEGHINCHA, ALGODAOSINHO A 4;000,
O Pavo est vendendo pegas do algo-
iosinho francez, tendo 4 palmos de largu-
ra com 11 metros cada pega, pelo barato
prego de 4$000.
Pecas de madapolo a :i:500.
O Pavao vende pegas de moito bora ma-
dapolo tendo 12 jardas cada urna pelo ba-
rato preco de 3:500.
GROSDENAPLES PRETOS.
Chegou para a loja do Pavo um grande
ortimenta de grosdenaples pretos, tendo
4e 1^500 at 5^000 o covado ueste genero
>s melhors e mais largos que tem vindo ao
aiercado, assim como bonitas sedas pretas
avradas, moireanquesetc., todas estas fa-
tendas, vendem-se"mais barato do qne em
outra qualquer parte, por haver grande
porco.
PERGALLAS E CHITAS BARATAS.
O Pavo vende um grande sortimento
das mais bonitas chitas claras e escuras, mais
aratodo que em outra qualquer parte,
t'assas a S40 rs.
Vende-se na loja do Pavo bonitas cas-
ias de cores fixas a 240, 280 e 300 rs. o
aovado.
Camiuaias brancas a 1:000 a pffa.
So o Pavo vende pegas de cambraia
branca transparente, tendo mais de vara de
argura, com 10 jardas cada pega, fazenda
le sempre se vendeu a 70000 e 83000,
iquida-se pelo barato prego de 4#000.
Alpacas brllhantes a 14, e SOO.
0 Pavo tem o mais bello sortimento de
alpacas lavradas com as cores mais delica-
das que tem vindo ao mercado e tendo bas-
tante larguaa, vendem-se pelo barato prego
de lttOO, e 800 rs. o covado.
PECHICHA Elf CHAPEOS DE SOL
t Chegou um grande sortimento dos me-
mores chapos de sol de seda, inglezes ten-
do ueste artigo o melhor que tem vindo ao
mercado assim como urna grande porgo de
ditos de alpacas de todas as cores e todos
se vendera por prego muito mais barato do
que en oira qualquer parte, por haver
grande porcao.
Os bales do P
avao a 21000,
Cheg< u um grande sortimento de balScs
ou crenolinas do feitto mais moderno muito
propnas para vestidos ennesgados que se
vende pelo baratissimo prego de 2$000 ca-
da um grande pechineha.
CRETONES MATISADOS PARA VESTIDOS
A 640 E 800 RS.
Para a loja do Pava chegaram os mais
bonitos cretones escuros matisados, pro-
prios para vestidos, roupao chambres etc.
que se vendem 800 rs. o covado, assim
como a mesma fazenda em padroes claros
proprios para vestidos e roupas de meni-
nos a 640 o covado, sendo ospadrorsmais
moderuos que tem vinpo ao mercado.
I
enfeitados com fitas de setim o obras essas
cuja novidade de molde e perfeico de ador-
nos (s tornam apreciados.
Fitas mni largas de diversas cores e qua-
lidades para cintos.
Leques uesse objecto muito se poderia
dizer quereudo descreve-Ios minuciosamente
por suas qualidades, coree e desenhos, tal
o grande e.variado sortimento que acaba
de chegar, mas para nao massar o pretn-
deme se lhe apresentar o que poder de
melhor.
Entremeios em pegas de 12 tiras.
Guipure luanco a preto de diversas qua-
lidades e desenhos.
Ditos de algodSo com flores e lisos.
Veos de seda
ria.
Meias de seda para noivas.
Ditas abertas de fio de Escosca.
Costumes ou uniformes para meninos.
Enxovaes completos para baptisados.
Capelina brancas para meninas.
Grandes sortimento de flores finas.
Fil de seda, preto.
PERFUMARA
Grande c constante sortimento de dita,
sempre melhor quajidade.
Lindos vasos Com p de arroz e pinsel,
Caixinhas com ditos aromticos.
Bonitos e modernos pentes dourados
para circular o coque.
Bonitos brincos de plaquee,
Aderegos e brincos de raadrcperolr.
Caivetes finos para abrir latas.
Thesouras para frisar babadinhos.
Aspas para balo.
Novos stereoscopos com 48 vistas, as
quaes sao movidas por um machinismo
4000
roo
8&500
3^500
para chapelinas e montan'umas sltnena as outras.
Vistas para stereoscopos.
Bonitas caixinhas de vidro enfeitados com
pedras.
Ditas le madeira envernada cem vspe-
ras e com dminos,
Bollas de borracha para brinquedo de
8:5000
I0GOO
800o
0,-Oo
G3000
7^500
2-$5O0
4,K)00
Tooquinhas de fil, sapatinhos bordados! criangas.
e meis para ditos. Diversos objectos de porcelana, proprios
Camisinhas bordadas para ditos. i para enfeites do mesa e de lapinhas.
Vende-se por menos de 10, 20 e 30
l
Boa pinga do Douro
A 3OoeO
Flix Poreira da Silva, rn* da Imperatriz n
W, acaba de receber urna nova remessa do seu
muito acreditado vinho paro.do Douro, e muito
proprio para este clima por nao ter coufeecao, e
vende era barris de 10 a 32/.
Com palmas de seda a lGO rs.
Para a loja do Pavo chegou um rico
sortimento das mais bonitas lasinhas com
palmas de seda tendo de todas as cores e
padroes, sendo fazenda bastante larga e
vetde-se a 1,500 o covado.
AS CHITAS DO PAVO
Vende-se um brilbante sortimento de
chitas clarase escuras* por pregos mais ba-
ratos do que em outra qualquer parte.
Roupa para escravos
Vende se na loja do Pavo, um bonito
sortimento de roupa par escravos.
AS POPELINAS DO PAVO A 500 RS.
Chegaram as mais lindas poupelinas de
lia com imitago das poupelinas de seda,
ama fazenda muito leve com as mais fin-
ias cores, sendo: verde Bismark, r&xa, azul
iyrio, cinsento, perolla etc, etc, e vnde-se
pelo baratissimo preco de 500 rs.
ALPACAS LAVUDAS
Vende-se as mais bonitas alpacas lavradas
com os melhores gostos a 640, 800 e l^OtK),
o covado, alpacas lisas de todas as cores, a
640 e 720 rs., alpacas brancas lavradas li-
s e d cordio. j___
LlASINflAS LUSTROSAS A 400 RS. 0 CO-
VADO.
S o Pavo
Vende-se nm grande sortimento das
aiais modernas e elegantes lasinhas para
vestidos, com as cores mais novas que t6m
vindo a este mercado, sendo comlistrinhas
mmdinhas que parecem de urna s cor e
com tanto lustro que imitam perfeitamente
is poupelinas de seda, o vendem-se pelo
barato preg"o de 400 rs.
Os setins do Pavao
Vcndc-se os mais bonitos setins de cores
i mais encorpados proprios para vestidos
tendo de diversas cores.
FAZENDAS PARA LUTO
Na loja do Pavao.
Encentra o respeitavel publico neste estabeleci-
oeato um grande sortimento de faioudas pretas,
:omo sejam, cassas francezas e ingiezas, chitas
)retas de todas as qualidades, fazenda de la de
:odas que tem vindo, proprias para lato, como
iejam, laazinhas, alpacas lavradas e lisa, canto,
ombazinas, merino, etc., que tudo se vende por
ireco barato.
Vadapolao francez a 7#000 rs-
Vende-se pegas de madapolo francez
;om 22 metros pelo baratissimo prego de
WOO a pega, pechineha.
Alfs novjdades em sedas
Chegou um grande sorlimento das mais
noderoas poupelinas ou gorgures de seda
i linho com os mais elegantes padroes que
m vindo a este mercado sendo, miudos e
raudos, tanto em cortes para vestidos como
para vender em covado, assim como um
bonito sortimento das mais bonitas sedas
listradas que se vendo tudo muito em conta
CERA DE CARNAUBA.
Vende-se urna grande porgo de cera de
arnauba em saceos, por prego mais barato
loque em outra qualquer: na loja do
Pavo ra da Imperatriz n. 50. De Flix
'creia da Silva.
N. 23Largo do Terco.N. 23.
DE
SIMO DOS SANTOS a C.
Os propnetarios deste bem sortido armazera de secco e molhados esto re-
solvaos a fazere urna grande diminuigo de pregos as suas mercadorias, como se apro-
xima a festa e sempre se razem avultadas compras para o centro e praga por
sso prcvinem ao respeitavel publico em geral, que mande fazer suas despencas cer-'
lLre ^V* a raad.e diffenmc^em pregos mais do que era outra qualquer parte
e garantindo-se as superiores qualidades. v<"hu*> f""j
GAZ AMERICANO 9,5800 a lata, e 4401 SEVADINHA E SAG 280 rs. a libra e
620 rs. o kilogrammo.
FARINHA DE ARARUTA VERDADEIRA
640 a libra e 10400 o kilogrammo.
BOLAXINHA INGLEZA MUITO NOVA a
400 rs. a libra e 800 rs. o kilogrsmmo.
VELLAS DE ESPARMACETE 720 rs. o
masso, em caixa ha a batimento.
PHOSPIIOROS DO GAZ E DE SEGU-
RANZA, 280, 400 c 560 rs. o masso,
3^200 e 60500 a groza.
AMEIXAS EM LATAS E CACHINHAS
DE MUITOS TAMANHOS 10280, 20500
30500,40500, 50500 a lata e a retalho e 10
a libra.
GOMMA DE MILIIO AMERICANA 400 rs
o masso, e em caixa ha abatimento.
BATATAS NOVAS DE LISBOA 60 rs.
a libra, em caixa faz-se abatimento.
SERVEJA INGLEZA MARCA II 50500
a duzia e 500 rs. a garrafa.
DEM BASS, VERDADEIRA IHLERS
BELL, 800 rs. a garrafa e 90 a dnzia.
VINHO DO PORTO ENGARRAFADO DE
DIVERSAS MARCAS
HIIMIS EM CHOSSO
PARA NEGOCIO
POR PRECOS MUITO BARATOS
NO BAZAR DA MODA
Ra Nova n. 50
Coques imitag3o de cabello,
Ruai-necidos de bellos enfeites
ultima moda, a duzia'S. .
Papel superior de quadrinhos,
em caixas com 20 cadernos a.
Envelopes porcelana, mu to boa
fazenda o tnilheiros em caixi-
nhas de 100 .....
Botoes de osso bem pulidos para
caigas, a grosa .
Ditos cohertos de superior setim
de todas as cores, a grosa dos
pequeos a 30000, e dos gran-
des a.......
Ditos com interessantes photo-
graphins para punhos a duzia
de pares a......
Ditos de osso imitando o marfim
com lettras a duzia.
Ditos lizos muito boa fazenda a
duzia.......
Abotuaduras para camisa sendo :
2 boloes para os punhos, 3
para abertura e 1 para o co'.-
larinbo brancos, escarlalates,
c pretos a duzia ....
Brincos'de cores a balo, consa
muito crique a duzia de pares.
Lindos frajquinhos empalhados
com fiom extracto para lengo
duzia.......
Ditos em bonitas caixinhas ca-
'da frasco a duzia. .
Tinta para marcar roupa, muito
superior cada frasco em sua
ca'xinha a duzia. .
Livrinhfis com capa de metal
donrado e om bonitas orogoes
para a missa a duzia. .
Saboncte de amendoas amaa-
gas especialidad do BAZAR
IM MODA, a duzia ". .
Lapis pretos de superior quali-
dade, oitavados a grosa 30 e
Escovas linas para dentes a du-
zia a 10600 e.....
Alfinetes muiio bons, brancos e
pretos, a duzia de caixinhas a
Pentes pretos de muito boa qua-
lidado s grandes para alisar
a duzia.......
Ditosamarellos fazenda superior,
para piolhos, a duzia. .
Ditos de borracha com costas de
metal para ropassar, a duzia.
Dilos enfeitados com contas de
cores a duzia a 40, 50 e. .
Interesssatites coquinhos capri-
chosamente esciiltidos dentro
com um bom e lindo rosario
a dnzia 100, 120 e .
Grande sortimento de miudesas.
Grande sortimento de quinquilharias.
Grande sortimento de perfumaras.
Pagamento realisado no mesmo mez da
compra com descont de 10 o/0, ou letra
acceita a seis mezes de praso.
Jos Soaret de Souza & C.
< nm
C0ST11BA
Acabam de chegar ao GRANDE BAZAR
UNIVERSAL, ra Nova n. K2arkcro
viAN.\A--um completo sortimento le ma-
chinas para coMma, dos autores makto-
nbecidos, as quaes eslao em exposigao no
mesmo Bazar, garanlindo-se a Hiabaqua-
lidade,-e lamLcm ensina-c cona peifeijao
a todos es compradores. Estas machinas
sao iguacs no u u Irabalbo ao de 30 costu-
reiras diariamente, e a.sua perfeigSo Jal
como da melhor costuren a de Taris. Apre-
sentam-se trabalhos execiados pelas me-
mas, que muito devem agradar aos preten-
dentes.
A-
a loga do Passo
Os requissimos corles de blcnde Co, seda com
manta c capella para casamento, sendo netc ar-
tigo o i|ue se pode desejar de melhor e imis mo-
ueruo, tambem chegaram os curtes de seda de od-
res novidade, e outras muiuis faiendaa de eo-tc
lite chegaram pplo ultimo v.por francez, s b;,n
a loja do Passo a na do Crespo n. 7 A.
Armazem progivsso
Pateo ila l'cuha numero O
Vende-so a armario de anureo o acceso
nos da mesma, alaga-fe a casa ra da Cada
n. 53, armazem de molliados.
30000
20800
20700
10700
0.0000
140000
ESOBAVOS FGIDOS.
Fiigio do engenho Camarapihc na fiopiieza
do Scnnhacm ptiienecnics a Gaspar Mauri&io
Wanoerley os escravos segointes : San ucl criol-
lo bexo, proco, nariz chalo, diz ser da ("osla por
ter sido d mprado pequeo, Joao Caboculo de ida-
de Imita e lautos annos, ps chalo-, senas arrt-
bitadas, esJalura baixa, cor femada, \u uca h;ra
e esla na pe na do qneixo, Frlippe mulato de la-
: Iv annos punco mais ou menx, hixo, gres-
rs. a garrafa e 660 rs. o litro.
VINHO VERDADEIR0 FIGUEIRA 560
a garrafa, e 40500 a caada e 800 rs o ti-
tro.
DEM DE LISBOA das malhores marcas,
400, 440 e 500 rs. a garrafa, a 20800 e
30200 a caada, 660 e 720 rs. o litro.
DEM BRANCO DE LISBOA a 40000.
a caada e 560 a garrafa, e 840 rs. o litro.
VINAGRE VERDADEIRO DE LISBOA
200, 240 e 320 rs. a garrafa, 10400,
10800 e 20200 a caada,
AZEITE DOCE DE LISBOA 900 rs. a
garrafa, e a 70 a caada, e 10340 o litro.
MANTEIGA INGLEZA FLOR 10400 e
10280 a libra, 30060 e 20780 o kilo-
grammo. |
DITA FRANCEZA 960, 900 e 850 rs.
alifc-a, e 20100, 10980 e 10860 o kilo-
grammo.
DITA PARA TEMPERO 530 rs. ali-1
bra, 10220 o kilogrammo, em porc3o se
far abatimento.
7^^ih?f ^S?n DEl?ALTIM00R ^VERSAS MARCAS 10500, 10200,'.je
/20rs. a libra, 0^10560 o kilogrammo, em 800 rs. a garrafa.
GENEBRA DE HOLANDA E HAMBR-
COGNAC.
De superior qualidade da mui accredits
da fabrica de Bisquit Dubouch & C, en
cognac urna das que mais agurdente dt
cognac, fornecem para o consummo di
Reino da Inglaterra.
Vende-se em casa de Tb. Just. roa d<
ommercio n. 32.
so, sem deleito algnm, leve h\v? em peiiiipno p-
rm pouco apparece; por s>o pede so as luioB-
"ts pohciaes c capitaos de campa a captura j,~
nos e lvalos no mesmo engenho rn en ra
loeda n. o, andar escritorio de Manocl Al-
nrrnr'i A. I* i-n nnn .....: dades pollciaes
mesmi
daH
res Ferreira & u. que, scrao gralifiradris.
- Pogio doengenho JJia-vi.-ta, n cinarra de
Lamaragibe, provincia d.s Alfgoas, o cscravo Mi-
colao, de idce 3 annos, altura repular, gro^c
do corpo, andar banzeiro. lera falla de denles r.a
frente, rusto largo, barbado, eosluma as vezes li -
zer toda a barba, tem uga cicatriz na (esta, c o-
pes grossos ; este cscrfoanda fugtl desde o f
|6 do Janeiro do correte auiu : roca se portan
as autoridades policiaes e ;'os raniaes de campo a
apprebensao d;sse escravo, a entregar no enre-
nho acim mencionado, ou nesta praja malo
Vigario n. 12, ou travessa do ilorpo Sanio n. 25.
lc andar, que s< gratificar >:onerosi.,'ienlo.
- AebaMefegilloo escrtvo FraT.u~w, pal
idadc 20 anuos mais ou menos, com .e'eito em
urna perna e brago, esle escravo vcio ha |
do Sobral, muito ladino, enculea so de fori
desconfia-sc eslar acolitado, o quo desde ja se l
testa contra quero o liver feilo. Cralilica--o a
quera o levar ou delle der noticia na ra da Ulr
dre de Deus n. 5, Io andar.
II!:
Mcrla de cordilo
Vende-se merino preto de cordo pro-
prio para calcas, palito, e colletes, pe'o
baratissimo preco de 10000, o covado,
tolestias d pmp
HYPOPHOSPHITOS
dC^CHURCHILL
XAROPE de H YFQPHOSPHITO de SODA
XAROPEdeHYPOPHOSPHTO de CAL
PILLASdeHYPOPHOSPHTO de QUININO
ChLCROSE ANEMIA
CORr-S PA&B/
XAROPEdeHVPOPHOSPHlTO daFERRQ
PILULASdeHYPOPHQfffHlTDdeWAffiillf?;iA
TOSSE ^ "BRONCH,
OEFLIKOS ASlhW
PASTMAS PECTORAES<.'CHRCini
Eligir para os maropn o frote* quadrado t em
to*o produetot i wsipiatura do D* OHTTH-
e o klr* coa a marca t (Mea di
a w Airar, n, nac^tit^m*. fabis
porc5o se far abatimento.
ARROZ DO UAAANHO E DA INDIA
120 e rs. a libra, 200 rs. o kilogrammo e
30400 a arroba.
ALPISTA 200 rs. a libra e 410 rs. o
ldlogrammo, o 65000 a arroba.
CAF EM GRAO 6 e 6500 a arroba,
200,240 e 260 rs. a libra, 40 e 320 rs. o
kilogrammo em sacca se far abatimento..
SARAO MASSA 240 o 200 rs. a libra,
520 e 440 rs. o kilogrammo, em caixa se
faz abatimento.
MASSAS PAILA SOPA, MACARRAO, TA-
LHARIN E ALETRIA, 560 rs. a libra"e
13220* kilogrammo.
BOLACHINHAS EM LATAS DE DIVER-
SAS CUALIDADES, bem como perola bfi-
lhante, combination, Francy-cracynel, mixed
nBrilania. Mdium, Fancy-nic-nac, a, b, c, e
soda a 10000 e 10400, cada urna lata.
Assim como ba outros muitos
Na loja e armazem do PavSo m da Imperatriz n. 60
GUEZA 70 e 60 a frasqueira, e 500 rs. o
frasco.
DEM DE LARANJA DOCE AROMTICA,
110 a frasqueira e 10 o frasco.
QUEIJOS DE DIVERSOS VAPORES, ^5
30000, 20800 e 20400 em caixa ha abati-
mento.
TOUCINHO DE LISBOA MUITO ALTO
^PPJt a libraL' e 88rs- kilogrammo,
e 110500 a arroba.
LINGUIQAS FINAS PROMPTAS EM LA-
TAS 10000 rs. a lata.
LOMBODE PORCCTASSADO JA PROMP-
TO a 10000 rs. a lata.
CHA FINO, GRAUDO E MIUDINHO
30200 e 20800 a libra, e 60100 o kilo-
grammo.
DEM PROPRIO PARA NEGOCIO 20000,
20200 e 10800, rs. a libra,
gneros, vinho em ancoretas, azeitonas,
muito novas, passas e figos novos, charutos de diversas marcas, marmelada, feita nelos
melhores conserveros em Lisboa, gela de marmello, pcego, ervilhas, em latas, nor-
tuguezas e francezas, Mnho verde engarrafado retalho, peixe em latas, bem como
pescada, tainha, pargo, goraz, lula, corvina, vezugo, cavada, sarda e sardinhas de Nan-
tos. oanella, cravo, ervadoce, cominho, pimenta, grandesmolhos de sebolla 10500
finalmente mudos outros gneros que enfandonhe menciona-los. '
PARA A FESTA
3 portas, loja de fer agem
53-Sua Direita--53
Neste pande estabelecimento, ha para vender
ora completo sortimento 8e ferragem, e miudetas
finas e grosws, como sejam bandejas chineus
quadradas e ovaes, tacas e garios de 1 2 bo-
toes, bataneo nteiro e \/i blanco; panellas, eha-
Iheiras, cacaroflas, frijtideiras, assadeiras, tanto
de ferro como de porcelana, moinhos para cal de
diversos tamaitos do faqricante Japy, pesos kilo-
gra-siraos. tanto de ierro como de latao, metros
para medir fazenda tanto de ferro como de lati
salitre, brea, barbante, enrofre, papel marea via^
do, do verdadeiro Pioardo, machinas para desea-
rocar algodao; alm de antros artigas de ferra-
gem, miudezas entilaras flaas, que s com a vis-
ta se verifica; na ra dtreita n. Jf3 loja de 3 por-'
tas de Manoel Beato de OUveira Braga* C.
CEMENTO
PORTLAND.
Vende-se no armazem amarello de Vicente Per-
reir da Costa t Fino, defronte do arco da Con-
ceicao, em barricas grandes
VENDE-SE ou arreoda^e o engeimT
S. Gaspar, sito na freguezia de Serinhiem.
comarca do Rio Forraoso, prximo do em
barqae, com grandes partidos de pal t
massap i roda da moenda, mattos mangue
para madetra rcessari8,>Qm pasto, etc.
alratarnaruad'AuroM n. 26, ou na dt
Imperador n. 20.
DO
BRACO DE OURO,
Ra do Imperador n. 26
Neste novo estabelecimento encontra-se
diariamente um variado sortimeuto de bo
linhos para cha, pastis, podins, bollos in-
glezes, pSes'de lo, presuntos, ditos m fiam-
bre, superior cha Hysson, preto, e miudi-
nho. Vinhos finos de todas as qualidades
conage, licores, conservas, champagne, cer-
veja ingleza, fructas muito boas, por-
toguezas e francezas.
Um completo e variado sortimento de
caixinhas de todas os goslos e precos par
mimosear senhoras, estas caixirmas recen-
temente chegadas de Paris s5o de primora-
do gosto, offeresse-mo-las aos galanteadores
do bello sexo pois nellas achario nm digno
e serio presente para as donas dos seus
pensamentos. Tambem os apreciadores di
boa fumaca encontrarlo charutos dos me-
lhores fabricantes da Baha e de Havans
sganos do Rio de Janeiro etc. etc.
Doces d'ovos seceos, christalisados e de
calda, ditos de caj e de outras qualidades
Ncsta casa recebem-se encommendas pars
bailes, casamentos e baptisados e qualquer
encommendas avulss, como seja p3o de l
e bollos enfeitados e outros muitas couzas
que enfadonho mencionar.
Engenho Para'
Dc.Me engenho Para, freguezia de pojuca, fucii
i da 21 do corrente mez o escraro Joadnii
cnoulo, de idade de 20 annos, boa ficura tem
barba, caneca redonda, denles limado?, U orla de
Luiz Antonio Uonteiro, da fazenda da Bica, [,x-
guezia da Pedra, fti vendido ao Sr. Manoel Ca-
vaicanti de Albiumerqne Bairao, e deste ao met
sobnnho Jos Alves Marinho Faleao, de quera o
nouve por compra : quem o levar era dito erre-
nbo, cu nutopraca ra da Cruz n. 51, recelxra
boa gratififlrcao.
_____________Jos Valentim Vieira do Mello. I
Pmjto no dia 26 de fevertro, pel 2a itt, a
eserava crioula de nome Belizaria que repaesecta
ter iO annos, estatura baixa, cora grande falta de
denles e com nina sicatriz de queiriadura no bra-
co direilo. lendo levado dous diales, sendo nm
verdee oulro listado de azul e brano; nuem
a capturar sirva-se leva la a Ponto de ehfla
sitio de Joao Jos Rodrigues Mendes, cu a rea
da Madre de Deus n. 28, que sera gaierosamcie
recompensado.
Ftigio no dia 4 de marco o escravo Aia<~
preto, de idrde 18 aunes, olhos firandes, refor-
cado, lem lodos os dentes, sem barba, fui vestid i
de jaqneta parda, camisa branca, calca de care-
mua amarella eoui vivos chapeo de fdttro o m
fita larga e livclla, foi comprado ao Sr. tonente-
coronel Andr Cavalcante de Albuquerque Ar-
co-verde do Buique, para ondo se su|)5e ter f-
gido : quera o pegar c leva-lo a na Direita n.
3, a Jcaquim Hugulino da Silva Fragoso, qoe
ser cem recompensado.
CEMENTO
O verdadeiro portland. S se vende n;
ra da Madre de Deus n. 22, armazem di
Jo5o Martins de Barros.
J.A.MRM4MAS
ii sen armazem,
lo sortimento de
ra da
tem constante
Cruz o. 26, ura
Balancas deciraaes.
Ditas orisontaes.
Pesos de ferro pelo systema decimal.
Bombas California par pocos, as melhores qne
tem apparecido at Moje.
Chamins de vidro para candieiros a gaz.
Lonas de todas as qualidades
Agua florida.
Graisa em boifles n. 97.
Vidros para vidries.
Tnico imperial.
L*gedo
Leque de madreperola com seda, e todos di
madreperola, muito proprio para ntiras, chega-
ram a loja do Passo a ra do Crespo n. 7 A, as
sim como requissimos chales de touquira.de to
das as coros, vestuarios bordados de cara;
para baptizados, meias de escocia (novidade
to bonitas paraVExraas. Sras.'quo osi^L
de sapatinho raio e ontros muitos arligos de go>
to que os proprtBUrios deste cstabelecimeWO teen
recibido.
200^000.
Fugio em 23 de Janeiro de 1869 o escravo Ha-
theus, de meia idade, co^reta^falla grora, b<--
xigoso, tem una peueasr berruga no canio c-.
nariz, olhos afi.gueiados, tintia sido dos scnbors
Agostinho Leocadio Vieira, em Panellas de Mi-
randa, e do Sr. capitao Francisco Hodripucs de
Freitas, em Pesqneira, linha \indo do U fogido
a poucos mezes e ttm la urna mulher, dercoijla-
se que ande as serras de Sinhara ; pede ffl ; >
autoridades e capilaes J campo a captura
escravo e trazer no-Hecifc a seu fenhor,
Cardoso de S, ra da Lragneia u, i, mesme
protesla contra qualquer pessja que o lenha
tado e gratificase com 200 a quem o anre ^
lar ao dito seu senhor. <
Fugio do engenho Minhrca?, da coman;.
Santo Anllti, no da 20 de jnntto do anno pa -
o escravo de nome Francelino, reprefceitia er ...
annos de idade, com os biguaes SMuiutes
preta, bmxo, corpo reforjado, c?ra
barbado, olhos pequeos, nariz muito Ei'ado, i
ca regular, denles curtos e limados, muito io-
ta e andar apressado ; consta andar p< l^s fobn'r-
bios dacidaue do OJinda, cngeulio Fragoso, fian-
c, Beberibe ou Apipacos, aculado [ior Joaquri.
Jos de Ssr.f Annh, seu irm?o liberto, o tjnal
em sua companliia urna eb*elhs e fllhos'da mes-
ma, por outro irmo de nome Jos Bagoia, qoi*
o conduzlra para os lugares cima indicados,
aleni de um outro so;io donme Jos Zaclianas
da Silva, conhecido por Jos Pajeo, di r t r v indi
daqnella comarca. Rogase s atitotidades t
pitaes de campo qne o apprttiendain e o levi
ra do Batgel n. 17ou no eagcnho Minho,,v
entregar a seu senlior Jto Correia de Qmir t
Monteiro, que serSo generosamente gratiflcadi s.
Anda fujUg' desde Z6 do fovgrettn ilr..\il
mo passado o^rvq Joao, preio, osatura basa,
indo picado do Mtigds pelo rosmeMa do den-
tes : levou ve-tid camisa rauca, e levou pt
ontra de riscado de listas. Ouein o popar lej#b a
praca da indeperidencia roja d l1
ser recompensado. ______^^
ugi'. no dia fl'o torrente dewi
! Vende-se urna preta boa qnitaodeira, lava de
ivode turne Monoel, com os signaes siguints,
idade de 20 aunos, mulato bcra clan
denles alvos, tem dous na fren:
grandes, cabello estirado, nu.indo mdkl*r
quarto esquerdo, pernas gro<"
recommenda-e a'captura do
o.pegar o 1-v*ndo soSr. Mi
na villa do fn-g na Paralr. I
ser generosamente graiiacado,



Diario de Pernambaco Segunda feira 14 de Afarqo de 1870*
*'
TTTERATMil
SRRMAO PftOFEnlW) PF.LO EXM F. gKVM Sl\.
- CONEGO JOS' TO.VQUIN D.V FONSCA I.HIV,
GOVEIlNADOa OBISPADO DO RIO D JANEIBO,
NO DA 8 DK DEZEMBRO DE 186 >, NA IGIIEIA
DE S. PF.DHO, NA CORTE.
Ave, gratia plena.
* Salve, 6 cheia do grapa.
(8.Locas, cap i.)
Dous grandes fados altrali^in nest di i as
ltenlas do munlo o se preodem cmelos
.le o oro nesta sotetanmade. O dogmi da
ConceicV) Imamu-ida de Mu.ia e u Concilio
i
A base e o edificio.
S?m a isengo do toda macula na Santls-
sima Virgem nao se poderia comprehen 1er
a divindade de sen fimo.
Essa mulhor privilegiada que o anjo smog
dou cheia de graga, .nao. nao nlo p ha
ser ara simples instrununto as mos de
Deus.
lilla disiingu '-se de todos os outros ope-
nrioi u redempsio por lagos de una niao
mais intima cora o S .Ivador. M3i, na por
SdopeaO, mas por natureza. cm seui seio
punssimo o dsea sanguo virginal Un m >u
i 3 vid divina desta humani ale nova que
caneca em Jess Christo e cajo novo Adao
Ule.
No diverso io de Bethlem nasceu c un o
geu divino fundidor a igreja chrisl. S >bre
os bracos dessa feliz Israelita, templo o alia/
que o Espirito-Santo mesmo ornara, recebeu
Messlas as primeiras adorages d)S nnj .-
c dos n imens. A dupl 1 infancia d 1 Cheto e la
i.-itiuiic desenvoive-se ao calor dos seus
desvelos maternaes.
Guando soou a hora do sanguinolento sa-
crificio, foi-se-ihu sobre o Golgofha d*spe-
agado o corzeo, porque era inevitav I a
immolago do lilho pa.-a que se alimentas^-
C croscesse a igreja, que tambera a tllfta
Querida de suas enfriabas.
i solemne consagrado des a segunda mi
lernidade teve-a EI11 inti-mda pela propria
voz di Deas, por entre as dores agudissima>
de Calvario
Anda nao lhe era permittido asprar.
Iur a te ra para habitar s no co A uvs-
sao, que !he lora conferida do alto da cruz,
ti velar e proteger a igreja representada na
pessoa do dseipuo amado, devia espag.r
por algum lempo o momento do triunr.pho e
da gloria.
A obra magestosa, cujos fundara ratos sen
Filho havia langado e cajo plano, Elle liona
tragado com o seu singue, nec sssitava para
sua execucSoe desenvolvimento, da presera
'Aquella que tora ab ceterno chamada para
6:sempenhar esse grandioso mandato.
Ella era o guia, o orculo-, a consolado e a
forra dos primeiros christaos.
E quando j robustecida na f. essa groja
a vio subir gloriosa por ent e as celestes
jeelaraacoes, levantou-lhe por toda a parte
Mtares, e com a mais completa confianga in-
vocou-a em todas as suas necescidides; a
I seus labios, ccssi palavra foi o dog.na da
|Coiv.tc3) Im.naculada de Mara.
O e jhJlids.n) sont o urna torga o iva, e os
applauso3 do universo inteiro. mostrando
que ainda viva a T, feriram de norteo ra-
cionalismo.
Comtudo o monstro havia ja vomitado poi
mudares de bocas, no jornal, nohvroenas
piaras, o veneno corruptor e deleteno da
pji, da justieaj da ordena. .
<)>emha ah qu 1 nio observee nao sima
os effitos dessa lastimosa disso|ucao as
ideas e os costana* 7 .
Un gemidoprounloe pungentedenonoa
o seutjneolo geral-povos e re.s ostentara
rraterisaren-M o s encontrara inin.ges a
combator-os despojos da realeza se con-
fondera no uusmo infortunio cora os da ii-
bardado -os mais bera corab.nados clculos
de poltica caben desfeitos ante a conn-in
descenga-ointeresse partcula', mata o m-
ter-sse publico;-a ambigSo invade os in-
lividuos as nag5es; as conquistas admi-
raveis da industria temiera a unificar os ho
neos era ura amalexo de irmaos, mas inven-
tam-se e aperfeigoam-se os instrumentos de
morle.
Nessa geral des >rdem, nessa babel do
pensamenlo, coufundem se as noges do
ju>to e do honesto, e s urna palavra que
forma a unio Roma.
Por o lio. por nedo ou por amor, toda?
as vistas se encoitram naqucllc ponto do
globo. E' que d'aili vira a salvagao.
Esse iranio geograplnco n5o fura dimi-
nuido na carta di Italia seno porque se os-
tentisse mais bella e magestosa sua forga
divina.
Todos os catholicos do mundo as pes-
soas de seus bispos, legtimos representan-
tes de suas consciencias, cercam o succes-
sor de S. Pedro de urna aureola de res-
peito, de obediencia e de amor, que realiza
a rnaior maravilha deste seculo, e sob os
auspicios da Mai de eui, nodi consagra-
do a solemnisar sua Conceigao Immacluada,
esperan cora) outr'oraos apostlos no |ce-
naculo, o fog) celeste que ha de cabir do
co para purificar e Iluminar os povos.
Tal o assumpto que me proponho a d-
se a voz que o
mosma a forga
as nteilgeneias
senvolver porra antes invoquemos todos
proteceo e assistncia d'aquella >eraaven-
turadi Vrgera, que o anjo annunciou cheia
de graga. Are, marta, gratia plena.
A raisso providencial que a igreja catho-
lca chamada a deempenhar nesta acta
lidade,o appe lo que para a sua, forga e
suas luzes bien os seus propros adversa-
rios,a conanga que elle inspira aos
espiritos que pensara e' cstudam os aconte-
cimentas,a uni5o de principios e pensa-
mentos que a distingue, devera convencer
aos mais scepticos da nnina enuncala
por S. Ireno no sculo e repetida por
S. Cypriano e S. Agostinho tora da igreja
nao ba salvag5o.
Por mais estranha que parega esta these,
o seculo actu 1 se tera por si mesmo en-
carregado de sua domonstraglo nos bal
longa experiencia doseu p>d r ebraeiicios
assim o tinha inspiran.
O amor e a gratido teceram-lhe os mais
hirmoniosos hymnos de ternura filial. T-
tulos, honras, ludo quanto pode oprimir
os sentimuntos d'alraa, tnbuiou-lhe espon-
tneamente a humanidade.
Pronettida como a nolber forte, cujop
esmagaria a serpente. em que se disfargn
C pai de todo o erro, onde quer queest' ouse
crguer so. a Mai de Deus o rito di victo-
ria enloda a chnstandade. porque ess j nome
resure a f catiiolica.
O ultimo esforgo desse fatal aimigo de
todo o bera, sim, eu oso dizer o ultimo,
foi o ra-ionalsmo, reproduzido, como a hy-
dra, em mu eabecas.
O hornera pervertido no coragio havia dei-
tndo de amar a Deus; por sua ez a inl"l-
li lacia f igeaoseu conheciraentoe adorago.
As veihas creacaa da igreja catholca sao
imputadas oelos spntos desvairados como
maros inventos, j sera raz5o de ser ante o
progresso da soriedade moderna emanci-
pada de sua ominosa tntella.
A humamdade. porra, feitnra de um ser
supremo," nao .stava abrad-raada. Hi na
i rra urna voz, que a voz deDeu-. Quando
a tempestado araeagava atirar tudo aos abys-
nios, o Piloto da barca myslerio>a, qu cn-
dor -\ verdade. e que pareca dorm r como
Cristo sobreas aguas do Tiberiade*, ergoo-
S8 para reprehender os homens de p uca f
que duvidaram, e irapr sil ncio aos vento-
e as ondasa palavra omnipoteute
los esforgos que faz para guiar e fazer feliz
a sociedade sem a igreja, secularisanlo os
estados.
Entretanto essa mxima que excita a m
dignagao d 8 livres pensadores n3o lem
outra sigoilicagao sen3o aquella que nos en-
cina e proclama o simples bum senso por
estas equivalentes palavrasfra da luz as
trevas, fra do bera o mal, fra da vida a
raorte. tora da verdade o erro.
Como a sociedade civil persegue o crine,
porque ella a guarda da justiga e do d-
reito, e condeinna as a mtrinas anarchicas
porque lhe incumba velar pela estabilidade
da orden sicial; as-ha a igreja nao po 1
transigir com o erro, porque a guarda da
verdade.
Elle sente-se forte para a communicar aos
povos, porque er que a recebe de Dena.
-Nao a formula, transmitte-a como urna
chamraa do co. Por isso em seas labios
serapre a mesma, sempre urna.
A perpetua assistncia que me prometie-
ra o seu divino fun lad ir, o a
fidehdade
um enthusiasmo t53vvo,
definir n3o ti vera em si
sobrenatural que domina
e abala os coragOes
E se a igreja tanto demorara essa corfta
de gloria que distingue a mais feliz de todas
as mulheres, fra que por mais exaltar-lha
o fulgor, deixra consciencia catholica
exhaurir por s mesma essa crenga nos the-
souros de sua f, nntri-la na sua piedade.
afervora-la no sea amor at que, quando
mais opportnno fose s suas necessidades,
a humanidado misma a exigisse como o la
baro de suas esparangas e de sua salvagao.
Esse momento chegou.
Toda a trra cm c nvulsao repellia o jugo
da autoridade ; os thronos calam ; a so-
ciedade tinha apenas um spro de vida, que
o resto dos principios catholicos lhe dava
ainda, mas que novos barbaros marchavam
a extinguir no coragio d) catholicismo.
As candidas vestes do vigario de Jesos
Christo forara salpicadas pelo sangac do
seu ministra apunhalado a seu lado. Dei-
xando a cidade eterna Pi IX, grande no
meio mesmo da desgraga, junta a dupla co-
rta do pontificado c da realeza, a da ma-
gestade do. infortunio.
Sobre o rochedo de Gaet, onde pareca
ter-lhe fgido lodo o poder supremo, dis
perso seu sacro collegio, atroando ainda os
canhes inimigos sobre os estados pontifi
cios, c ent3o que ee v a opportunidade
de pcaticar o maior acto do autoridade que
jamis houve no mando. Recolbendo-se
nessa omnipotencia que o Filho de Deus lhe
transmittira, dessa sede espiritual, a cujo
snbpedaneo expiram lodos es furores do
inferno, dirige s igrejas do universo a fa-
mosa Encyclica de 2 de fevereiro da
1849.
Oual era o seu objecto ? QuO pretenda
o augusto exil?.do ? Quem nao pensara
que o seu fira seria pedir soccorro as po-
len as christias ? N3o, fiis. Elle offere-
cia ao munlo agitado pela rcvolog3o omero
efDcaz para salvarse. Era a,proteceo
da Bemaventuraila Maria, eleva la por seus
mritos cima do todos os coros dos anj >s
al o throno de Deas, destinada a esmagar
a cabega da antiga serpente; e qae enlloca-
da entre Christo c a sua reja tinha sem-
pre livrado o povo christSo das maiores
calamidades, que elle conliava, dissiparia
as temiveis tempestades, que de toda a par-
le assallavam a esposa do Cordeiro.
Taes foram suas forraaes pabKras e suas
esperancas, que acolhidas polos otos un-
nimes dos pastores e dos povos formularan!
o solemne decreto de 8 de dzembro de
1851, no qual firman io-se 0 dogma da
Conceigao Iramaculada da Santissima Virgem
tirraou-se ainda mais, como conseqnencia
delle, o do peccado original pela excepgo
nica que ella mereceu, e a divindade de
Jess Christo, por quem ella foi honrada
com esse singular privilegio.
* Nos assim o definimos, diz o grande
e intrpido pontfice, para gloria e digni-
dade da M3 de Deus, para exaltaco
da f catholica e augmento da rehgio
cbrst3a. _,_,
Professar pois a Conceig3o Inmaculada
professar lodo o christianismo.
Eis'aqni pois a causa queinspirou esse
acto grandioso e os flfeitos benficos que
elle derramar na humanidade.
Ha 15 anuos apenas que elle foi proferi-
do : e um immenso movimento abala o uni-
verso e assusta a impiedade no neir nes-
mo de suas ovagoes. O culto de Maria se
ergue como o estandarte de uni3o ca-
tholica.
O papado jamis leve tanta vida : prodi-
gios de dedicag) nunca vistos, te3temu-
nhos estrondososo do mais tocante amor
filial confortara o corago paternal do gran-
de raartyr.
A propria Turqua lhe tributa respeitos;
os mesmos dissidentes o ten julgado a
personi0cag3o do direito e da autorn
Em seus bragos se tem ido langar
atravossa actualmente um immenso pe-
"8? A
Si mo tora licito citar aqu os nomes dos
mais eminentes e insuspeilos pensadores
do seculo. ea teria o mais bello testemu
nho da divindade da igreja c||bo!ica, para
cujas torgas appellam hoje o reformado-
res dassa mesma sochdade, que elles arras-
tarara ao declive de umi desorganisag,3o
moral, arrancando-lhed'alrat o temor de
Deus. Eu ouco a am diagaosticar a en-
-fermidade da poca por um- scepticismo
descreme de si mesmo (1). outro confessa
i ignorancia dos honuns da scienc e da
poltica para guiar as aspiracos do cora-
co humano (2), um jrande estadista brada
que em tempo algum a huaaanidade fluc-
tuou a tal ponto entre o cW e o abysm <
(3), um dos cliefes da philosophia epiritu 1
lista, na Franga apona para o christianismo
reconhecendo con lealdade a igsufficiencia
dos seus anteriores principios (i).
E nesse desalent os athletas do pega-
mento deixam o campo aos caudilhos da
acg3o.
O secuto que prometlia a paz abraza-se
nos incendios da guerra* Ah ser pos-
sivel que o ciarlo dessas luzes 13o apregna-
das servir apenas para Iluminar o cada-
ver do genero humano afogalo era um mar
de sangue junto aos destrogos da igreja
catholica!
Nio : essa igreja conderanadi ao exter
minio por todas as Dolencias da trra, como
adversaria do progwfeso e da ordem social,
essa taboa de salvacjto era todos os au
fragios do hornera,- da familia e da socieda-
de comprehende a altura de sua misslo di-
vina : nunca transigi com aberrages Ilu-
sorias do espirito humano, porque nio po-
da ser traidora ao seu dever. Pretorio
odio e a perseguigSo, de que tem Mdo victi-
ma, aoscommodos e vantagnsda perfidia.
Acora que a sociedade reconhece sua m
potencia, agora que qu al filho prodigo lan-
ga-se em seus bragos, ella reme-se na pes-
soa dos seus pastores em to'-no do vigario
d.j Jess Christo a sobre o tmulo dos apos-
tlos invoca a protecgSo do Maria para sal-
var os'seus aecusadores.
Victoriosa j nesse brilhante espectculo
que aprsenla no Concilio Ecumnico, r
dadeiro prodigio em taes lempos e en taes
circurastancias. longe de conderanar o pro
I*
'8
a flor
sahe de
FOLHETIIW
OS MiailROS DB rOLIfiSISS
com que elle ha lumprido sua palavra, a
robustecen na conviccao profunda de ser o
orgao de Deus sobre a trra.
II1 quasi vinte seculos o universo es-
clarecido pelo capitolio chist3o. Desse
orculo tera partid 1 as grandes verdades
que illuminam os caminhos di eternidade
e dirigem nossos iraraortaes destinos por
entre os escuros desp mhadeiros da vida
humana. -
O dogma da Conceigao Iramaculada tora
urna dessas verdades, e elle nao teria sido
acolhido em lempos de tanta descrenga com
dos ministros protestantes: a revolug3o,
que s esperava a hora, em |ac sua alavan-
ca despedagasse essi pedra em que Chris-
to fundn a igreja, para cantar o hymno da
victoria, espanta-se de ver as proprias na-
coes que a tara porfiando por defender o
pontificado. -
E porque esse phenomono? E' que essa
pedra a nica que sustenta ainda o edifi
ci social do universo.
E como exp'icar loda essa mamfestagao,
fra inteiramente de todos os clculos,
sen3o porque a humanidade sent-que
gresso que sempre ensinoa e promoveu
as brilhantes concepgoes da industria, da
sciencia e das artes; santifica-lo-ha. pondo
a Deus autor de todo o bem no enrago do
hornera; pois sera Deus o progresso n3q,
mais que um bello maulo sobre deploraveis
miserias: nao responde a3 necessidades *
grandeza do ser humano : e si responder,
ah neohum seculo sera mais feliz doqie
o nosso pela opulencia de suas maravilhas
e invenges para comnaodidada e gozo do
homem.
Mas que profundas e numerosas chagas f
que lutas supreoas e dolorosas sera leni-
tivo, sem eonsolagao 11
Felizmeate o genero humano vai por
triste experiencia coraprehendendo esta ver
dide e nos paroxismos de seu abatinrato
moral applaode por todas as cinco regie.-
do lobo a partida de seus prelados-, m
obdieutes voz do vigario de Jess Chris-
to, v3i a Roma pedir pela inten-,e3so de
Maria Imma.ralada a paz e a vida do espiri-
to e da sociedade.
Quando as mobarebias vivem como urna
sombra do passado e nenbum poder hu-
mano tera outro elemento de torga e dura-
gao seno a propria vntade dos que obe-
decen ; quando os propros lagos da fami-
lia sSo pesadelos da consciencia que o se-
culo se estorga por deslazer, ha no mundo
urna autoridade que ousa proclamar se sem
superior, e entretanto dzentos milhes de
subditos a respeitam e obedecem, e o que
mais admiravel arada, a rodeiam de de-
dtoag5o e de amor. Essa autoridade 6 a
mesma que Jesus-Chasto confiara ao pobre
pescador da Galilea dlfhe por urna serie
nao interrompda de quasi tresentos pontfi-
ces vive boje na augusta, pessoa do actuar
cheto da igreja, verdadeiramente incompa-
ravel pelos grandes acontecimentos do seu
reinado.
No meio dessa assembla por tantos ttu-
los respeitavel, onde se vmjprelados insig-
nes por suas virtudes e por sua sabedoria,
encanecidos no zelo da casa do Senhor, dis-
tingos ootros polos soffnmentos nos cm-
bales pela isa da religio, trasendo mui-
tos aiada visWis os signaes goriosos dos
carceres' ed desterro, intrpidos defenso
res da f, da, moral e da disciplina; hroes
do seu alt ministerio, oT^ual cmo seuti-
nellas vigilantes e fortes souberan guardar
custa da| cicatrizes de sua alma e de seu
corago abertos aos oltos do Senhor : no
meio dssa assembla digo, Pi IX, com
toda a razo proclamando o grande, estende
as mos a todo o orbe e implorando as gra-
gasdaMido Silvador, cujo vigario ,
abenga a humanidade. Os pastores leva-
r3o essa bengo do supremo Hierarcha dos
cortferos e das ovelhas aos seus rebanhos
e com ella ebegar a todas as regioes, como
raos de um sol vivificador, as luzes da f,
da esperanga o da caridade.
Ento o mundo langando-se compungido
nos bragos de seu Deus, que tem esquecdo
e abandonado, reparar os estragos da j
piedade e sob o doce nluxo da devog
Purissma Virgem, reaousar tranquillo 110
seio d relig3o que acalma todas as dores
e satisfaz a todas as aspirages como a to-
das as 'necessidades.
E tu, Roma: cujo nome, na lingua em
que me pronuncio, forma o anagrarama do
amor e que de feito inspiras esse amor eter-
no e infimto'da esposa de JesuirChristo:
tu, que na tua anliga magestade dominando
o universo preludiavas o imperio dessa re-
ligiao, que n5o conhece limites; patria de
todos os christos, refugio dos grandes in-
fortunios, exulta. A trplice corda que ha
vinte seculos te en^ranalda a fronte nao
cahio ao sopro do furacao ; a pedra sobre
que assenta esse edificio colossal nem urna
nnha apartou-se dos seus fundamentos. Os
estados desappareceraiu ou se confundirn),
as constiluigbes polticas se allerarara, os
governos mudaran, tu s sempre a mesma,
inabalavel co o loas colimas; leu Vaticano
lesteraunha das glorias dos teus Cesares e
dos leus tribunos, daeloquencia stib ime dos
teus oradores e dos triumphos do povo re,
irradia-se hoje de ora esplendor novo, que
tuas amigas e soberbas aguias n3o pede-
ran fixar. Qual o leu eomcio entre esses
famosos, que dietavam leis ao mundo co-
nhecido e tributario ao leu innenso poder,
si igualar a essa grandiosa assenbla de
todo o universo reverente em teus muros ?
Ainda despojada da exteosao material dos
teus dominios, s o attractivo do estrangei-
ro, a ambigo dos teus iniraif s; ser isso
o enlevo desses genios que iiWBorlalisarara
tuas artes, ab f no da em que dteixasseis de
ser a capital do mundo catholico, desappa-
rec ra esse encanto.
Salva, oh nova Sion, princeza das na-
ges : no pacifico jubilo de tuas m g
nicencias divinas recebe a- sculo filial da
trra da Santa Cruz. Os sons de teus re-
gosijos em b mra da Conceig3o Iramaculada
de Maria repercutem nos corages dos bra-
sileros oue a veneram e amara cono sua
<)' santo mais milagroso
De todos que tem havido!
N3o sei, d santo, onde possa
Dar-te un logar escolhido I...
Responde logo o saloio,
Meio a rr, meio a chorar: .
Senhor cara, eu voo-me embora,
Podo dar llie o meu logar >
O \TJi**o
Capitlt
Era no baile natalic
Feslejava elle os
filha Itelvina, iffte se
joven que tinha di le/
bengalinhas, um
que
padroeira.
E vos, ob venerando representante do
representante de Christo, que, offerecendo
aq,ui neste altar a hostia sacrificada pela sal-
vagao de todos- as povos, nos consolis hojf
da distancia, que nos separa do pai com
mum dos fiis, aceitai os sentimento de
lealdade, amor e submisso- deste clero e
deste povos e envU-os era seu nome ao
grande Pontfice, pedindo-lhe quo, ungin-
do-os na ternura do seu paternal cora-
go, os depor-ile aos ps da M5i de I'eus, e
que perante ella inderesse os votos da sua
piedade, por esta diocese, pelo nosso digno
pastor, e pela familia imperial, o nos al-
cance a graga de urna fiel, docilidade aos
orculos da santa igreja, urna perfeita unio
na f catholica e urna paz cheia de bf li-
gaos.
ro de .
\t sua formosa
ra d'amores d'um
grvalas, varias
maito pequeo, cujo
caicanhar assentava "itum supedneo, quatro
_ados cima do tac da bota. Chamava-
se Porfirio, e era sftptico, e rico.
Itel na quera lhe d'alna, e escrevia-lhe
pela posta nternaprlas, que eram modelo,
atora a orthogrphia. E elle, o sceplico,
para dizer que o era escrevia cinto que
estou cetico. Corra o parelhas en ortho-
grphia, e, como parelha que eram, escou-
ceavam a prosodia.
Estavam, pois, no baile.
Porfirio entrara, e, feitos os cumprimen-
tos, foi fumar. Voltou sala e disse a Itel-
vina. com fatuo sorriso de quem disfructa
o prximo: Est hoje "muito bonita ; o
seu seio de jaspe.
E, quando isio dizia, novio urna voz d'un
grupo, que o ouvira, accrescentar:
E de algodo.
Porfirio encarou no homem que tal dis-
sera ; mediu-o d'alto a baixo, e mormurou:
Retire a pala\Ta.
c O algod3o ".'
Sim, o algodao.
N3o retiro, cavalleiro, oorqoo eo soo o
proprietario do peito d'aquella fada,
Mente !" replicou Porfirio,
f Pois bem : as nossas espadaa abrir
boceas mais verdadeiras.
Capitulo II.
No da segrate, quatro padrinhoa accor-
daram que o< bravos se degolassem no
campo da honra, e depois se dessen mo-
tuas explicagoes acerca do algodo. Porfi-
rio arremeiteu furioso contra o adversario
e estragou-lhe o punho da nanga drette da
camisa. 6 proprietario soi disant do peito
de Re I vina cortou urna orelha da grvala
azul celeste le Pordrio.
s proprielarios levaran e assgnaran a
seguinte acia do duello :
Considerando que os eavalheiros Porfi.
rio de tal e Felisberto de tal se houveran
corajosamente no pleito do soas honras;
Considerando que o motivo da sua dis-
cordia assentava n'uma alinean a urna dama
que no entender de um tinha peito de jas-
pe, e no do outro de algodao; -
Considerando que o cavalheiro Felisber-
to offendera o cavalheiro Porfirio, denomi-
nando-i-e proprietario do peitb da dama ;
t Eonsiderando que effectivamento, de-
pois do duello e mutuo desaggravo, o Sr.
Felisberto lirnu- do fundo de um chapeo
urnas pastas convexas de algodao qae disse
serem sua propriedade, havida por consen-
tmiento da dama que elle amara com acri-
solada ternura;
< Considerando mais que a honra do pei-
j.___. ,._!...__ ,,?;,. n,',,lj aoiop -i marr
VARIEDADE
POB
mas
lie Berthet
V Itn
\ recompensa d snecesso.
(Contnuago do n. 58.)
Amelia, na soa postura decisiva,
rspeitosa, respondeu :
N3o, senhor, nao essa a lnguagem
que devo ter para com o meu salvador I..
Repito, neu pai pode recusar o seu pedido,
1 n3o insulla-lo !
Ah I sin, a menina d-me lices de
.dade e revolla se contra a ininha au-
toridade! Nio sel como nao me ac mseiha a
a evitar a propota cora que nos quer hon-
rar ura operario das nossas minas I
peco-lhe, meu pai, que nao prodiga
estyio, que me tortura 1 Eu n3o
jamis de ser subnissa sua von-
,-stou certa de que o Sr. Leonardo
I e resignarse torga do destino.. Em
vmacao, accrescentou ella, langando
dneiro um olhar significativo pode
etl fi ar certo de que serei inabalavel as
:s resologes I
As saas resoloc'S. menina ?repe-
t mpetoosaraente Van Best, Enl3o q ie
) resol veo, o3o me dir ?
cousa muito simples, meu pai : que
me casarei.
- Ah I agora comprobando a raz3o por
ene esta maohSa rageiioa lio desdenhosa
1 honrosa proposta que le fiz I...
1 nlo pod continuar assim... Mfl-
retiWae ao seu qaarto, e o se
(ipareca d'aqui e nlo volte mais,'
ter de arrepeoder-se I
Amea dirigi-se vagarosamente par
m Leonardo nb pareca agora
menos assostado do qae antes con as
atneacas do director. Setn se moverjdo|soo
Ser
aqu
met-
lagar, segua cora a vista a joven, mostran-
se orgulhoso e satisfeito com a prova de
reconliecimento que ella acabava de dar-
Ihe;
Q .ando Amelia 1a sahindo, Van-Best, di-
rigrado-se a Leonardo com aspecto amea-
gador, bradou-lhe : .
finto o senhor nao oovio ?
preciso recorrer forga para manter
a minha autoridade ?
E ia a erguer o bi ago, mas Amelia
teu-se de permeio. N'esse mesmo momen-
to abrio-se a porta ext rior o entraram em
desordem alguns operarios, em cujo numero
vinha Nicolao, que exclamou :
Um novo incidente, senhor, urna des-
graga a aba de succeder na mina
Urna desgraga ?repetirn) Van-Best
e Leonardo.
Corno sabem, pnxeguio Nicolao
foi preciso, para se explorar o veto Real,
tirar grande parte dos emmadeiramentos
do pogo das escadas. pro avel que as
sapalas dos espeques que liciram se achas-
sera podres, por quanto, apezar das multas
precauges tomadas pelo Sr. Leonardo,
acaba de desmoronar-se*ndo o emmadei-
ramento, arruiuando-se o pogo n'uma altu-
ra de cincuenta pos, e ser magre, sa nao
se desmoronar o resto!.. Para cumulo
de desgraga, dzse \w modos ope
Hcaram esmagados e ouvem-se gritos que
cdnfirmam a existencia de alguns feridos I
Leonardo e Van Best tombrarsm-se a?o-
ra do grande ruido que tmhan ouvido ha
pouco. ,T' t, ,
foste o culpado I gntou Van-Best,
dngindo-se a Leonardo. Bem te preveni
do nao estado dos emmadeiramentos. De-
posiiei em ti ilimitada confianga: illudi-me!
Es um vaidoso e s porque te sahiste bem
ama ve/, d?. tua ousadia...
Sr. Van-Best, rephcou Leonardo
comfirraeza-juro-lhesob minha palavra
iue nada esqneci para evitar ta-
Examne cuidadasanente todas
de madeira : > aljama circoms-
cia inesperada a imposmel de prever
d^ve ter occasionado semelhante desastre..,
Poder-se-ha saberperguntoa elle aos ope-
viclimas do acontel
(1)
(4)
Len Faucher.
Julius Simen.
Guisot.
Vctor Cousin.
rarios quem s3o as
cimento ?
Parece que sao alguns fogueiros, esse
tratante de Grande-Leopoldo e at o pobre
Antonio Robn 1
O meu bom Antonio I exclamou o
joven mineiro, dolorosamente sorprendido
Desgamos depressa mina, camaradas, a
ver se poderemos salvar algum dos nossos
companheiros Em casos idnticos tem-se
1 alvado muitos mineiros. chegada a oc-
I casi3o de mostrarmos a nossa coragem e
dedicago, e aos mineiros u3o Ibas faltara
urna nem outra, quando se trat desocar
rer os amigos em perigo I Se as ao me-
nos podessemos salvar o nosso charo An-
tonio !
Um dos operarios declarou que os mi-
neiros j andavam a trabalhar para esse
fim. Nao obstante, todos se dispunhan a
acompanhar o conductor de trabalhos,
quardo Vau-Best, disse terminantemente :
Leonardo, n3o se carece aqui dos
teus servigos. Eu mesmo vou tomar a di
recg3o dos trabaibos ou antes que vo
procurar o engen eiro Bernier. Quanto a
u, volta para o lugar d'onde vieste e nao
apparecas mais n'esta casa, ode cacaste
mais mal de que bera I
Leonardo proseguio cora ar sappficante :
F-te incidenti, senhor. parece dever
dar-he o dlr ito de se exasperar cOnuo.
Tal vez urna circunstancia qualni^i ^"ha
mostrar que eu niomerego a sa^H^"*^Pn
Iretanto nSo acredito que me frpPF w 'r
em soccorro d'esses desgraciados, que podera
talvez salvar-se. Em taes circuaistan ias ac-
ceitam-se os servigos de qualqu^rld^conh'-
cido. Reclamo, pois, o direito de conc.orrer
para a salvacSo dos meus camaradas ; s
o que ambiciono agora.
Van-Best, apesar da sua colera, reconhe-
ceu que Leonardo tinha razo.
Seja! redarguio elle com ar carran-
cudo Poders fazer uso dos teus bragos,
mas nao sers qoen dirij 1 os trabalhos. Va-
mos, pois, todos OUt
Quando iam sabino, Amelia sahn-Ihes
ao encontr, exclajwow;
Meu pai, snr. Leonardo, nao vo ar-
riscar as suas vidas I Lembiem-se...
Van-Best, p.>rm, impoz-lhe silencio, em
juanto que Leonardo lhe diriga furtivamen-
te um olhar doloroso, mas temo-
XVIII
I
1 ni Sermo ilHlela.
N'anoa aldeia muito longe,
Em da de S. Joo,
Havia togo de v sta,
Festa na igreja e sermo.
Fez o bom do pregador
Ao santo um grande elogio,
Dizendo n3o haver outro
Tao virtuoso e lo pi 1
No calor de tal discurse,
E gritando a bom gritar,
Disse, olhando para um saloio.
Que att nto eslava a escutar:
to de urna senhora nao pode estar a merco
d'um equivoco;
Os dous eavalheiros, ouvid s seus pa-
di inhos, ret> arara as expressoes com que
suas dignidades estavam tondas, e resol-
vern mandar dama o algodo, sobrepos-
to a urna empada de pomboa em forma de
corago.
Seguem as asignaturas dos padrrahos.
Capitulo IIP
Itelvina coraeu o pastel.
Capitulo IT.
Porfirio, passando ao escarecer debaixo
das janellas de Itelvina, recebeu urna balda-
da de agua pela cabega, e ficou constipado,
oito das de cama.
Quando se levantou viusnos jornaes a. no-
ticia do casamento de Febaberto com Itel-
vina. Tirou urna copia da acta do duello,
e mandou-a ao noivo.
6 noivo, as costas do traslado, que
devolveu pelo mesmo portador, escreveu o
seguinte:
Nao seja tolo.
.. Palavra que
todos sSo uns
ror
A f-lQgnuca da Virgem Negra.
Retrogrademos ao momento em que An
Ionio, por i.tdcagao de Leonardo, se poz
em busca de Grande-Leopoldo.
Antonio, com a lampada na m3o, chegra
gaieria ascendente que cooduzia ao pavi.
memo superior da mina. Esta parte das
galenas acbavase no seu aotigo abandono
desde que os trabalhos de consohdag3o ha-
viam terminado : por isso o mineiro chegra
aos talhes da Virgem Negra sem encontrar
iva alma -.__.
Jnao-existiani ali vestigios dojdesmo-
Hblo. Pdaslras de alionara sobsti-
tara agora ds velhos eramadeiramentos.
Nenhnm perigo se offerecia aos visitantes :
>diam approximar se da iraagera veneran-
da uiHl se consenava no seo nicho de
carvao de pedra, cora os seus ornamratos
era hacmonia cora a escundSo do lugar.
Ainda assuc, Antonio, ao entrar no ta-
Ihin, paro hesiunto : receiava aUnma es-
trategia do malvado, que se dizia tinha .do
para aqneito I .do. Animado pelo silencio
mu reinava em torno d'ede, dirigise ao
mch .. e depoia, collocando a lampada so-
bre .. aUar! segando o oso, ajoelhoa e fez
'^N'este raeo tempo oa urna voz irnica
duendo :
Vai-te, imbcil I
\ut .nio urg.iea-se rpidamente, esperan-
do latvia ver surgir algum nao espirito
das antigs legendas. Com effeito, detraz
de orna columnata sabio um vulto negro de
eleva !a estst ira, sem que se lhe ou.issen
os passs. Era Grande^Leopoldo. que,
descalco e s escaras, camrabava com um
espeque quebrado na mo. .
Quando Aulonio a recobrando animo da
impresso causada pelo sbito apparecimen-
todo mestre sondador, disse-lhe este:
-, Ah ests ta fazendo momices diante
d'esse bocado de carvo !
me causas riso! Voces
idiotas !
Cala-te, impo t redarguio Antonio.
A Virgem Negra est-te ouvindo e pela
minha parte n3o posso esquecer a maneira
como ella nos protegeu no da em que tu-
no da do desabamento.
Ah I a ella que attrbues o terem-
se salvado ? Pois est-me dando vontade
de me atirar a ti a ver sea Virgem Negra
te acode !... Mas nSo te asrastes : tu es
um pobre diabo. J te toquei bem tocado.:
agora aos outros que en desejava ebegar!
Ora deixa-te d'isso, Grande-Leopoldo !
Tu s muito bu'hento, seaapre prompto a
dar pancandas, e isso indispe-te. S bom
rap-.z e deixaro de perseguir-te.
Nao me importa a colera dos outros.
Eu he de ir-me embora, mas antes d isso
faremoscootas.:. Porm diz-m<
fazes por aqni ?
Bsra vs : estova
Vieste espiarme
andar quanto antes 1
Antonio dispunba-se
receiando as sinistras
Leopoldo, disse Ibe:
__Nao desejava deixar-te as escuras-
Que da tua lanterna
Quenas que a trouxesse para
de pharol a esse bando do mirlos que mo
perseguem ? Escond-a alm e eslava atraz
de urna pilastra esperando' o primeiro que
apparecesse. Se n3o te reconbecra
dita qae te tinha aberto a cabega l
tanto retira-te : n3o preciso da toa loz.
E dirigio-se ao lugar onde traba a
terna escondida, dizendo a Antonio :
Olha que nSo tenho meio de esmur-
rar o nariz por jnalqner parte da-mjna.
onde trbaltip hadez annos. Vai-ie, pus,
que te leve 6 diabo I '
Antonio, bem contra vontade, foi-se re-
tirando pela gaieria ascendente, portm1 a
primeira volta parou pensativo. A idea de
um perigo im uinente excitavalhe o espiri-
to e para logo se lhe soggerio um plano
sobre o modo porque devia proceder. Disse
consigo ;
rezando Virgem.
? Pois pe-te a
a obedecer; mas,
ideas de Grande-
servir
acre
Por-
a lan

forgoso seguir este hornera, mesmo
com o risco do ser victima, e, visto que
elle sabe andar descaigo e s escaras, por-
que nao hei de eu faaer o mesmo ?
Tirou os sapatos e escondeu a lanteaaa
debaixo do facto, dingindo-se novameuto
para o talho da Virgem Negra.
Chegou ali nao sem grande dificuldade
e logo v. Grande-Leopoldo. Este, dapois
que desappareceu a luz de Antonio, t mou
pela gaieria que dava para o pogo daa es-
cadas e a luz queentao levava.deu occasio
a que elle o seguisse.
6 mestre sondador avaocava a passos
largos. Antonio, com os bragos estendidos
e os 11hos fixos n'aquella luz loniUqua, ia
tropegando a cada instante. Furamente,
Giaude-Leopoldo, com a impaciencia do seu,
designio, n3o se lembrava de olh ar para
traz nem mesmo de esciitr.
Antonio chegoo*a caliir por t ira. Ao
limde alguns instantes o pobre rapaz a-.ha-
v-a se cohorto de sor o de contusoes, sem
perder com tudo, o animo: Po. de,
galera offerecia-lbe anl3omelhor accesso,
e par isso foi recobrando atonto. De re-
pente, porm, a luz que o guiava desap-
pareceu. m
N5o paronhe.sperando tornar a alcalga-
;a ao vi.ItarwnI'ngulo, mas engauou-se :
He ti na iu.'. compra escuridio.
Lembrouxje entSo de que G; ridft-Leo-
poldo teria passado pela porta le ventila-
co que Leonardo arrombra no da do
desabamento, e, que, tendo-a fachado apos
si, resollara o perder de vista a lux.
Ettet.varaente o mineiro nio tardoo a
chegar referida porta: abrio-a devagar,
achouse no talhlo onde hornera a oxploso
e togo vio de novo a luz que Grande-Leo-
poldo levava.
Amonio foi-se eingindo s pilastras e por
-llmo te ve de empegar taes precauges,
tue se deiloo no cblo para melboc espiar
j sea inimigo
(Cotinuarse-ha)
TVP, Ott DlARIO-lfA DAS CRVZES X,
L^H


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EPKQOHD7O_3409R1 INGEST_TIME 2013-09-14T00:45:44Z PACKAGE AA00011611_12065
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES