Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:12062


This item is only available as the following downloads:


Full Text

NNO ILW. NUMERO 56
0T8I al i M 9\> o tftal j'mp

J?AHA A CAPiyAJ, l LUGARES OSDE KAO SE FAGA WME.
Jof tres m^s adiis.................. *|00Q
Por mis dios dem. ................. l^OOO
Por um auno idotn......... ....... Sririn
..... s**g

a

t
Mfatm,! OMItlfA FE1W 10 DE MARCO OE 1870.

smAM4
PROVIICIA.

TVt
t


Por tres meies adiantado"
Porneis ditos idem. ... .__.,".-^i.^ .
Por nove ditos idem A..AV .' ^^.....*.....
Porumaonoidem....................
-
1780
131600
mimo
27#00O
Propriedade de Manoel Figneira de Fara & Filhos.
--------------------------------------------;:-------------------------------------------------------------_______________________

*AO AGESTEN:
Os Srs. Gerardo Antonio Alvesd Filhos, no Para ; Gonca.ves P010, D0 Mitranhao Joaqun, Jos de Oliveira, no Ceara \ Antonio de Lemos Braga, no Aracaty ; Joao Mara Jubo Chaves, no Ass ; Antonio Marones da Silva, no Natal; Jos Joftino
wreira (TAlme.da, em Mamanguape; Antonio Alejandrino de Lima, na Parahyba ; Antonio Jos Gomes, na Villa da fcnha ; Belarmino dos Santos Bolc5o, em Santo Anlao; Domingos Jos da Costa Braga,
_______________ Cm NaMretfa ; FraBCSC0 Tavares da Co8ta> m Alagoas ; Dr. Jos Martins Alves, na Babia ; e Jos Bibeiro Gasparinho no Bio de Janeiro.
I


parte ornciAL.
Governo da i ovlnela.
I'RSPACHOS DA PRESIDENCIA DA PROVINCIA DO DA 5
DK MAMO.
Tenante Antonio Ntam Vefawfra Crnteanti.
Onceda-se a proragaga por tes mezas, na for-
ma requerida.
Augusto Xavier Cirneiro fia frnha.Informe o
Sr. inspector di thesouraria provincial.
Belarmino Gued;s AJcoforado. Pica oepedida a
eonvenieute ordem.
Alferes Basilio Luir o>"-IIm.Infarme o Sr. ter
italc coronel connaidialc do coro> provisorio.
Catharina Francelina Passoa de LaCerda.A vis-
i a da informara), junte certidao de la.de do me-
nor de que trata.
Cornelio CarlosPeixoto de Alencar Filho.Ao Sr., ,
Mr. director oral da nstruccao pabliea para in- |llasdu machinismo que elle
formar.
Francisco Ferreira Borges.Informe o Sr. ins-
lector da thesouraria de fazenda.
Francisca Mara Cavalcanti.Ao Sr. inspector
do arsenal do niarinha, com a portara d'esla data.
Jos Lucio de Albuquerque MelloAvista da
informadlo, conceda-se a licenca rejuorida com
ordenado sniente.
Joo Peixoto Soares.Inform o Sr. Dr. juiz de
direito da comarca de Garanhuii", ouvindo os ac
usados.
Lihanio Jos Monteiro.Informe o Sr. coronel
i-omniandante superior interino da guarda nacional
do municipio do llecife.
Loureneo Bezerra de Siqueira Cavalcanti.Na
forma requerida.
Lucinda Casado Lima.Ao Sr. inspector da
Hiesouraria provincial com a portara d'esta data.
Manoel Joaquim Ferreira Estoves.Dirjase ao
Sr. director do arsenal de guerra.
Manoel Cavalcanti Macambira.Informe o Sr.
i-apitao do porto.
Da 7.
PulJen Brothers.Iuforme o Sr. inspector da
ihesouaaria provincial.
Guilhermtna I'raucisca de Araujo Lima.Como
requer.
Irmandade de Nossa Senhora da Soledade erec-
la na fgreja de Nossa Senhora d-> Livramento
desta cidade.Fica expedida a conveniente ordem.
Jo* Eusebio Rodrigues.Informe o Sr. gene-
i al commandante das armas.
Jos Ribeiro da Silva.Iuforme o Sr. major di-
rector do arsenal de guerra.
Jos Das de Frailas.Informa o Sr. inspector
la tbesourana de fazenda.
Jos Maria Cesar do Atuaral Juuor.Entre-
gue se.
Luiz EpipJianio de Scuza.Informo o Sr. ras-
palo? da thesouraria de fazenda, ouvindo o da
alfaudega.
Maria Rita Sarment do Reg.Dirija-se ao Sr.
esembargador provedor da Santa casa de Mi*e-
ordia a sesso da junta.
Manoel "Antonio Das.Informe o Sr. coronel
omraandante superior interino da guarda nacn-
nol do municipio do Recife.
lympia de Azevedo Couaho.Fica expedida
i conveniente ordem.
Severioo Gomes da Silva.A' vista da informa-
rlo expeca c ordem para abaixa do supplicante.
Silvino C ivalcante de Albuqucrque.Dirija sa
11 Sr. desembargador provedor da Santa Casa de
Misericordia, em sesso da junta.
Thomaz Jos da Silva.Informo o Sr. director
eral da instruco publica, ouvinlj o regedor do
^rymna Vicario Trajano de Figoeiredo Lima.Iaforme
o Sr. inspector da thesouraria provincial.
Xelderico Araripe de Paria.Informe o Sr. ins-
pi'Ctor da thesouraria provincial.
EXTERIOR.
VILLA DO ROSARIO, 14 DE FKVERFJW) DE 1870.
A zona em que se dao os suceessos finaes desla
euerra, ou melhor, onde se ultimam os derradei-
ros estremecimentos da luta que Lpez -estouva-
lamente enceton com o toimoso Braii, urna das
menos exploradas c conhecidas de todo o conti-
nente su I americano.
Portanto, nao ser fura de proposito cnviar-lhe
com esta correspondencia urna parte do ptimo
inappaorganisado e desenliado pelo Dr. Guilher-
me Lassance, e qne o resultado, nao s de ca-
ininhamentos regulares feitos ja por engenheiros,
orno de informaedes bem combinadas o acurada-
mente cotejadas amas cora a= outras.
Lancemos osolhos sobre esfe trabalho. Nosdis-
11 ictos da Conceicao c S. Salvador, nos campos de-
nominados Igatemy e Amambay, no sul do distric-
io de Miranda e na extrema do chapadlo da Vac-
iara, passam-se aquellas scenas notaseis. O thea-
iro extenso, deserto como (em magestade. De
um lado a O. (ca o rio Paraguay, do oulro, a 70
leguas em sentido longitudinal, corre qnasi paral-
lelamente o Paran. A meia distancia desses dous
immensos candaes ergue-se a serra de Maraeajii,
abrnpta na -^ua vertenteoccidental plateau immen-
"0, suave, que vai morrer as margens do Para-
n. Dessa serra nareera para a esquerda os ros
lejuy. Ipan. Aquidaban, Apa, Miranda e Nioac ;
para a direita o Igatemy, o Amambay, o Doara-
dos, Ivinheyma e Brilhanle. A direccao media dos
rios da esquerda quasi geral de E. para O. com
exrepcao do Miranda, que toma directamente para
N. desde os primeirc* impulsos.
No Apa termmam os terrenos da vencida rep-
blica. Antps da guerra ama linba de doze fortes
uiiarneca a divisa : boje a lealdade do vizinlio
poderoso a mantm melhor do qu aquella serie
de palanques. Gatravertente do Apa sahe o rio
Dcarados que vai na direccao de E. procurar as
iguas do Ivinheyma e do Paran.
Os afll nenies do Apa no lado da repblica sao o
Guaca e o Apa-roi, do lado do Imperio os ribe.roes
di Pedra de Cal, de Jos Carlos, Sombrero ou do
Chapeo, Tacuaruss, Gabriel !.opes e Lageado,
que foram todos trnseoslos pela e>;pedicao de
Matto Grosso em 1867.
O outro rio importante cuja embocadura se en-
ontraao subir o Paraguay o Miranda ou Mon-
iego, chamado pelos Paraguayos Ubotety, o qual
recebe primeiro n Nioac no ponto charnado For-
jailha, depoiso Aquidanna.a quera os paraguayos
oerara o nome de Blanco para levaren) al aquel-
las maifMs as raits de ana atrevida occopacao.
A rea do terreno entre o Jejoy e lg-ray, Mi-
randa e Brilhanle, Pvafoary e Paran de 3,600
leguas quadradas.
Com accao pfeanUstica sobre estas soMoes, d-
eava Lopes no sen retiro de Panadero, vendo pe-
la fomc esfeorotran-se os ultimo* rertwide sea
poder. AMi Mi I broniMrM nio VMdXWWi
nsar. C^nwra twae* a eetrada ?) R Verde,
marenon thnta OH* teas anodeTMi-ae da
triocbeira^M defenda ort* Aanray t WUfljl
"ros de ^^TaiMlll nWU^ -
O tyran de>w iWti nleili Mr>
rauna gnarian eran _
dse*estrilataNrt4MM ariMiSaa,
o*adaari> apa nurimin. U wtto iCaaSK
ta\->
As desercoes faiianvse sua vista : as mulh-
res retrocediamein romaria : em vao lancea urnas,
era vao acouta outras, em vo espingarda ofll
ciaes ; obrgado a ceder corrate. Wum pomo
;ili;mdenou quatro pecas, n'outro cinco, adtante
outras, mas alm carretas, bagagens proprias. Os
soMedes atiravMn fra as armas : debaMe os ge-
neraos Caballero, Ha^miu Delgado, Ra, proeu-
ram m:mler as esporaacas nossa gente aniquilada.
Em seguida Lpez subi a todo o custa a serra,
e alravesMU duas vezes o Aguaray fazendo urna
tolla de cinco leguas para fugir'de um grande-
salto e attjngir o chapado do Amambay. Diante
delle abriam-se campos vastissimos tanto mais de-
soladores quanto Ihe faltavam cavallos. Diante del-
le, s obstculos, s tormentos.
Fra necessario o genio um tanto desvairado de
Victor Hugo para perscrutar o estado tenebroso
d.iquelle coraco. Imaginem um obreiro que se
senie agarrado e aos poneos esmigalhado pelas ro
proprio acaba de le-
van lar.
Ernlim, nfl.le Lpez ramioh3r aiqda. Ninguam o
persegoe eomtndo. Quem o tange T E" a fome ; o
hnpnssivel. Comprshendeu que tudo est acabado
e tenta adiar urna solucao ao seu desespero.
Marchou mais vinte leguas, rodeado s daquel
les que qwrcm salvar a bandeira paraguay na
Boltvia. Novas bagagens sao abandonadas :'no-
vas deseredes de neis se verifican). Os generaes
nao desertara em attencao sua alta posieao que
nao Ihes impede o conhecimento da fome. Junto
ao rio Amambay, correntoso e largo, a parada foi
obrigatoria.
O lancamento de una ponte tornou-se quasi
impossivel. Ninguem se eslbreava. Lope na bar
ranea, com as raaos de madama Lynch entre as
as, animava os desventurados soldados : Tra-
balhai, meus filhos, dizia, preciso salvar o vosso
presidente.
O tigre lazia-se de humilde : recolhia as unhas,
acariciava. Emfim anda passou o Amambay e
continuos ao norte em direccao a Dourado?, pri-
meira colonia do Brasil. Pelos ltimos passados sa-
be-se que em ura ponto desta estrada parara o
homem por nao saber mais eomo levar aquillo que
Ihe resta.
Esses passados afiiuem de todos os pontos : fa-
milias se apresentam no Rosario vindas da serra
de Maracajii, do serr Cora e de distancias im-
mensas. Em Curuguaty haviam-se aprosentado ao
general Jos Auto, do dia 31 do passado a 4 do
correte, 44 horaens, dos quaes 13 fllciaes.
Apenas o general Cmara teva noticia de que
Lpez marchava para a fronteira, tomo i o carai-
nho da Bella Vista por Sanguina-ene, Passo Bar-
reto, Observacin, Gavilan-cu e Laguna, ao mes-
mo lempo que o coronel Paranhos pelos campos
de Nhupora dirigio-se estrada de Cbiriguelo,
aberta na vertente occidental da serra de Maraca-
jd, e parallela ao roteiro que levou Lpez. A es-
trada do Chingelo vai ter ao Apa, sahindo de-
fronte do forte Olympo, quasi encostado serra.
O general caminhar 60 leguas at o Apa, pisar
o territorio brasileiro, nelle andar 24 leguas at
colonia de Miranda, ponto em que se entronca o
caminho de Dourados, distante 12 leguas.
A viagem que Lpez pretende fazer verdadei-
ra mente acabrunhadora. Vejamos os nmeros :
Da Dourados colonia de Mi-
randa ...................
Da colonia a Nioac..........
De Nioac villa de Miranda..
Da villa ao rio Paraguay___
12 leguas brasil.
12 .
24
30
78
Sem contar os tropeos de passagens do rio e as
guardas que vo se estabelecer na costa, desde
Coromb at C limbra e Fecho dos Morros. Para
isso marchou hontem o batalhao n. 21 de infanta-
ria, e foi e coronel Hermas Ernesto da Fonceca
nomeado commandante da fronteira do Baixo Pa-
raguay.
Estao, pois, por ala em movimento todos os ele-
mentos para estreitar o circulo de possibilidade de
fuga qito agita a mente atribulada do ex-supremo.
Querer elle seguir pela costa do Apa ? Mas l
e-t o coronel Bento Martins de observaco, que
Ihe bradar : t Alto I Entrega te ou morre I
No dia em que Lpez fr agarrado ou desappa
recer do mundo, a cohorte que o segu vira jubi-
losa reunirse com os compatriotas j salvos e mal-
dieoar aquella nefanda memoria.
Hoje, pelo numero de desertores, prisioneiros
e morios em combate, e pelo que fica anda a L-
pez, pJe-3e calcular em 5,000 horaens a gente ar-
mada que o acompanhon depois da campanlia da
Cordilheira, sommando este numero aos 8,000 que
as operaces de agosto inutilisaram, tem-se o total
de 13,000 homens que se achavim era Ascurra e
todos os pontos magnficamente defensiveis da-
q uelle departamento.
Os brasileiros, segundo os dados do Diario do
Exercito, operaran) na offensiva com 18,340 ho-
mens, e desses talvez 6,000, tomando o caminho de
Altos e Tobaty, nunca entraran) em liulia de aeco.
ASSUMPCO, 15 DE FEVKRKIRO DE
Nao resta hoje a menor duvda de qi
1870-
que o brba-
ro ex-dictador do infeliz povo paraguayo, vendo
completamente aniquilados os restos aos seus exer-
citos, que foram destrocados em dezembro de 1868
e agosto de 1869, comprehendendo que Joda espe-
ranea de resistencia serla louca, e venda que a fo-
me derriba quotidianamente muitos dos esqueletos
ambulantes que o terror retem a seu lado, deci-
dio-se a abandonar definitivamente o theatro de
seus crimes. A fera guarany fege apressadamen-
te acorapanhada de sua amasia, seus filhos, os ge-
neraes Resquin, Caballero e Roa, algons officiaes
e cerca de 800 soldados em direccao Bolivia, por
va do nosso territorio de Mato-Grosso, adjacente
margara direita do Apa.
Leva oomsigo algumas carretas com dnheiro e
vveres, puxadas por poneos bois, que vao sendo
carleados proporcao que cansara ou aperta a
fome dos fugitivos. Era sua fuga precipitada vai
Lpez abadonandr artilharia e municoes e man-
dando lancear os soldados que cahem prostrados
Depois de sacrificar muitas desgraciadas, mandn
que as mulheres e cmnear, menores de 10 annos,
fossem procurar sua vida pelos matos. Muitas
dessas victimas do horneo) mais cruel qne o mun-
do ha visto tem conseguido alcancar as nossas
forcas de Curuguaty, Concepcin, S. Pedro e Ro-
sario ; mas o maior parte vai mnrrendo de fome
pelas picadas e atoleims I
Adquirida a eonviceao do movimento de Lpez,
parti no dia 10 do crreme o nosso infatigavel ge-
nera Cmara, da Concepcin em direccJo nossa
colonia dos Dourados, devendo atravessar o Apa
emBella-Vista. Este general leva comsigo forca
MCMSto, 1.500 caberas de gado, vveres para
dous me*es o bastante cavalhada. Espera chegar
a lempo de tomar Lnpez pela frente
Amanhaa parte tambera da Concepcin o coro-
nel Paranhos com um divisSo composu de dous
cornee Ai cavallaria. dous batilbdes de infontaria
e as bocas de fogo em persegoicSo do tnimigo
aeUpioada do Cbiriguelo que vai ter ao campo
ao snmm nota*. Com este movimento tem-se em
iWa coKocar o inmigo catra aoaa fcaos, e impo-
r fM rila retroceda para o sal se o teneril Ca-
Mis o tomar petafreMeriftm do Apa Deus pro-
Iriaot esforcoa#oi_a^i srtyoate aoawda aqs
Sr*^ 9 yj. ?^^^^*W^ P1 ajaieaMi aio^va de
dar aaba de tyraaaa, aarMeaaade-o os Arana
fesafeffram ItifiAajMaaa S5U
rima; aaaayMWm, a ri> m E&&* > pmw-
horrorosa tragedia sera brevemente representado
no nosso territorio de Mato-Grosso, onde teve lu-
gar o seu infame prologo.
Sua Alteza acha-se no Rosario, que hoje o cen-
tro donde partem todas as providencias. E' pro-
vavel que as forcas de Curuguaty facam lambem
algam movimento para impedir que Lpez, vend-
se acossado pato norte, lente algum moviuumio
para sudeste, buscando fuga pelo Alto Paran, ca-
minho de Comentos a Entre-Ros. Consta-me que
Sua Alteza ordenou a ida para Mato-Grosso, pelo
rio, de um batalhao; naturalmente para guarne-
cer Albuquerque, que est abandonad5, e Corura-
b onde na apenas 300 homens. Por junto de
urna dessas povosces ter Lpez de passar, se
conseguir transpor o rio Paraguay, caminho da
Buliva.
O chefe Lomba, digno discpulo do sea anteces-
sor no commando da nossa esquadra, o almirante
Elisiario, tem com o maior zelo e actividade to-
mado as providencias que pode para hostilisar o
inimigo por agua. A embocadura do Apa est
bem guardada, e dahi al Corumb crusatn dia o
noute alguns vasos de guerra nossos. Verdide
qus se torna difficlmo, seno impossivel, policiar
bem Jo vasta extenso de um rio lortuosissimo e
de tao difilcil navegado como o Paraguay ;
mas, emfim, o commandante da nossa esquadra
fat o que pode. No Alto Paran tem elie tambera
navios empregados no servico de cruzeiro.
Alguns passados declararan) que Lpez manda-
ra em urna canoa pelo rio Jejuv dous inglezes com
grande quantia de dinheiro. sta noticia parece
um canard : em todo o caso, porm, mandou o Sr.
Lomba guardar convenientemente a noca deste
tributario do Paraguay. J ha dias que chegou
esta noticia, mas al agora nao appareceram os
taes sujeitos. Depois correu que as margens do
Aquidaban haviam apparectdo emissaros de Lope
com dinheiro.
J devem estar a chegar corte os 1.500 vo-
luntarios da patria que daqui sahram a 4 do cor-
rente, teudo embarcado no Rosario na vespera.
Na noute de 3 recebeu o Sr. conselheiro Para -
nhos na casa da legacao o commandante desta
briosa brigada, coronel Paria Rocha, e alguns offi-
ciaes do seu estado-maior. Como era natural,
esses dignos defensores da honra nacional estavam
animados do mais vivo contentamento por volla-
rem patriadpois de haverem bem cumprido o
sen dever. Continua a organisa<;ao de outros cor-
pos de voluntarios que devem cbmpr a segunda
brigada que deixar estas inhspitas plagas.
Consta-me que nestes dias marcharao de Villeta
dous corpos de cava Hara da guarda nacional do
Rio Grande do Sul para a Encarnacao, onda se
reunirao a outros dous que all estacionara ao man-
do do general Portinho, indo depois estes quatro
corpos para a provincia de S. Pedro. Alegro me
de ver estas disposigdes de retirada de tropas, que
vai alliviar os espantosos encargos do nosso pobre
thesouro.
Demais, quanto menor fr o numero de nossa?
pracas aqui, tanto maiores scrao as probabilidades
de terminar-se promptamente a guerra. Isto pa-
rece um absurdo, mas a pura verdade. E' que
quanto menor fr a quantidade de ouro brasileiro
que correr para c, lano menor ser lambem o
numero das sangae-sugas interessadas na conti-
nuaco deste estado de cousas. Ouvi dizer que
Sua Alteza ia diminuir a guarnilo de Caraguaty.
Parece-me ptima medida, pois o fornecimento
da tropa all difilcil e mnito caro, e parece que
nao ha mais necessidade de tanta gente naquelle
nomo
Ti ve oceasiao de 1er urna longa exposicao feita
pela franeeza madama Lasserre, uraa das victimas
do tyranno libertada por nossas forcas no Espa-
dn).
Esta senhora pinta cora vivas cores os horrores
por que passaram ella e suas infelizes companhei-,
ras de martyrio, e moslra que o Sr. Cuverville,
que aqui servio de cnsul de Franca durante o ne-
fando^ dominio de Lpez, em vez de collocar-se na
posico de defensor de seus nacionaes, tratava de
illudi-los, sen lo servo humilissirno do tyranno e
de sua amasia. Este documento ha de ser reraet-
tdo ao governo imperial, que talvez o fa^a pu-
blicar.
Por iniciativa do Sr. conselheiro Paranhos, pro-
cedeu-se nesta cidade a ura inqnerlto, pela repar-
ticae da polica brasileira, a diversos eslrangeiros
libertados por nossas forcas. A*seguram-me que
nesse acto de inquerito ha depoimentos que muto
desabonara o dito Sr. Cuverville e o seu collega
italiano o Sr. Chapperon.
Talvez saiam luz estas declarantes, e veremos
o procediraento que, vista dests e outras pro-
vas, tero os governos de Franca e Italia para com
esses seus agentes consulares.
Pes-oa que acaba de chegar do Rosario infrma-
me que o general Cantara mandar dizer que nao
esperen) dalle noticia sean quando tiver captura-
do a Lpez, ou adquirido certeza de que fugio para
a Bolivia.
Deus core os bons desejos do joven e bravo ge-
neral.
Entretanto, para verera abi o que esta guerra,
drei que, como esperav irnos, hontem, ante vespe-
ra do paquete, alguem espalhou noticia de que a
cavalhada do general Cmara morrera toda da
peste-cadeira ao chegar nossa fronteira I Mentira
estpida, que s no exterior poderla ser acre-
ditada. Nem ha lempo para noticias vindas do
Apa I
Acabo de saber que Sua Alteza ncmeou o coro-
nel Hermes Ernesto da Fonseca para comraandan
te das nossas forcas no Alto Paraguay.
Este coronel segu para Corumb com o bata-
lhao a que cima me retiro e que parle amanhaa
do, Rosario.
sua aeco, mas pela ordem e respeito que todos
mantioham. Assim nao succede.
As novas influencias constilnem nma verdadoira
aristocracia e scuidam de augmentar o seu poder.
Lutam, nao por amor d) povo, mas por amor das
posicoes. O jornal serve de orgo de lodos os in-
teresses mesqainhos; a tribuna de meios de con-
sagracao de todos os eseandakw imaginareis. E es-
'ies d.on9 .in:;trume'>los da grandeza da Inglaterra e
dos Estados-Unidos nao sao mais aqai do que os
dous instrumentos de inti ica, da desunan e da anar-
chia.
MONTEVIDEO, 21 DE FEVEREIRO DE 1870.
Laboriosa como a de nenhum povo ten sido a
educaco poltica da Repblica Oriental, e anda
se pode considerar sua sociedade alrazadssima
nesta sciencia, que exige, para ser comprehendida,
adiantada cvilisacao e um bono senso nacional ele-
vid o.
doloroso asslstir a essas lutas interminaveis,
sem um principio nobre por fim, sem aeces gene-
rosas por raovel predestinadas sotle da circum
ferencia.cujos pontos fatalmente por ama lei de sua
existencia conservara sempre a mesma distancia do
centro.
Esse entro, que deve ser o ideal de todo o bom
cidado, a aspiacao suprema de todos os ebefes
a perfeita organisacao do estado. Todos o sentem
institivamenle, todos protestam desoja la. Entre-
tanto, cumpre confessa-lo.
A sociedade agta-se lia quasi meio secuto, as
revoluces contam-?* quasi pelos annos decorrido;
o sangne tem sido derramado eoo abundancia, as
vidas sacrificadas, tudo isso par que ? Para flear
na mesma distancf a,*para conservar a mesma as-
pirarlo, par dese'/ar o mesmo centro.
Depois de tante* sacrificios stercis pareca que
o menos a li^ar i de t5o dura experiencia devi
servir para algo m cousa. Qual Dizia-sa que
ti)d a desgrac. deste pnlr procedi da pesada in
fluencia da osp da em sen? destinos, Pouco a pou-
co os gauchos <\o preHBio foruhi desspparecendo
para dar logs r x apparfoSo de doutores Ilstralos
Jae com a p1 Min e a palavra exercem uma vei -
adwa fase' mxk(, no espirito lmpresinvel aarit
povo
Kradeeapetar Marital
tpodwMi^ri adotar ai
morrib*. tm M^nrta
a bwn a* potrinl a ao\-eraa
^ V.f aiiw?c a
],ac'lareis esto provando em mais urna so-
ciedade nova que seu predominio exclusivo e fu-
nesto, e que na direccao os negocios pblicos nao
devem gosar de um privilegio que por direito al-
gum Ihes pertence.
Bem faz o Paraguay que nao quer saber delles,
nem por graga !
Mais pergunlaro talvez : a que proposito vem
todas estas consideracoes em uma corresponden-
cia ? Os suceessos que vou referir revela-lo ho
claramente.
Ha quatro annos, pouco mais ou menos se ani-
nharam no Siglo os Drs. Ramrez e outros collegas
que formara u m grande ncleo de hachareis era
direito, e desde que tomaram eoata desse interes-
sante peridico, trazem a sociedade oriental e prin-
cipalmente a cidade de Mentovido, em um cons-
tante sobresalto.
Nao ha dia era que nao suscile.-r. uma questo,
em que nao provoquem ura escndalo, em que nao
alteren) a tranquillidade publica. Turnaran) conta
do presidente Balite, que teve raedo de deixar di-
rgir-se por elle,s, e, sem tino nenhum poltico, em-
bora iodos muito habis, fortalacera o poder do ad-
versario que querem esmagar, o ministro Basta-
maule, fazendo com que o presidente crea em
uma grande catastrophe poltica se nao o tiver a
seu lado.
De destino em destino elles vao levando o paz a
um descrdito terrivel, e a uma revolucio cajo fim
nao se pode prever.
Addidos ao partido conservador, que tem por
chefes Juan Carlos Gmez, o Massini do Uruguay
e Muoz, especie de irreconciliavel, e que aspira a
unificaejio do rio da Prala, elles nao guardara con-
sideracao alguma para alcancarem o triampho que
sonham.
O caminho a percorrer ser calcido de cadve-
res e regado de sangue, mas assim mesmo figura-
se fcil aos que teem em pouca conta o pobre povo
que contina na mosma ignorancia por falla dees-
colas primarias, nicas que deviam ser subvencio-
nadas em um estad livre.
As theorias mais extravagantes sao seguidas co-
mo evangelhps ou dogmas positivos, despezndo-
se as ndicaeas da pratica o dos homens expe-
rientes do paiz, que cruzam os bracos diante da
vaidade e orgulho de uma duzia de jovens que
entendem saber tudo.
A questao do ministro do governo cora os Rami-
res vellu. J elles foram desterrados, e j elles
volcaran) ao paiz, era vista do apoio que encontra-
ran! as corporaces do estado, que n5o podiam
deixar ds amparar os principios oflendidos pelo
poder executivo. O negocio, porm, agora tem
outro carcter, e elles aliouaram cora o sea prece-
d ment as sympath as que entao encontraram.
D. Carlos Ramrez escreveu no Siglo um viru-
lento artigo acensando o ministro do prevaricador
e de outros deudos nao menos graves para um
funcejonario publica Este, abslrahndo da alta
posico que occapa, chamou o seu aecusador ao
jury de prova, e apresentou-se no tribunal popu-
lar de cabeca erguida, como Igual para igual.
Primero reunio-so o jury de qualificaco, e ahi,
depois de rejeilados por um e outro alguns jura-
dos, ficou constituido definitivamente o jury de
prova. Teve aquella ceremonia lugar perante um
numeroso concurso, e os dous contendores profe-
riram discursos a respeito do faci. Bustamante
mostrando a lberalidade de seu coniDortamento e
o seu respeito lei do paz. Ramrez, insultando
o de novo e aflinnando que hava de provar tudo
quanto delle tnha dito.
A primeira dilllculdade.*que aapareeeu para a
reunio do jury de prova foi a falta de casa. 0-
theatros e outros grandes edificios requisilados se
negaram a prestar-se a esse fim. Depois appare-
ceram por parte de Ramrez as maiores chicanas
para obstar a reunao, como por exemplo requerer
o comparecmento do presidente da repblica pa-
ra depr, o que vedado pela constituico e ou-
tras cousas idnticas. Bustamante por fim, indig-
nado por todos estes manejo*, publicou um mani
festo em que puoha em evidencia a parcaldade
dos jubes, que o embaracavam de receber a sen-
tenca do jury que o devia julgar ; fazend > assira
pesar indefinidamente sobre elle uma aecusacao
que o deshonrava.
Neste nterin) os meetings e reunidos nao para-J
vam de trabalhar. Uma aellas dirigio-sc ao pre-
sidente e ao ministro aggravado para palomear
sua allie.dto aos dous distinctos concdados. A
pretexto de que havia risco de destruidlo para a
typographia do Siglo nessa manifestacao, rodea-
ram-se os Srs. Ramrez de uma mnltidao de ami-
gos e converteram aquella casa em uraa verladei-
ra praga de guerra.
Militares e empregados pblicos fizoram parte
desta guarnico collectiva. A autoridade nao po-
da mais tolerar semelhantes desatinos, e o chefe
poltico leve ordem de ir apprehender as armas e
dispersar o ajuntamento. Assim procedeu-se, e
foram com effeito adiadas alburnos espingardas e
revolvers que se recollieram ao Irem.
Depois foram presos no dia 16 e conduzidos aoi
Cabildo, onde Acarara incommuncaveis, os Drs.'
Cartos Maria Ramrez e Julio Herrera y Obes, di-
rector e redactores do Siglo ; Jos Pedro Varella,
'(rector de La Paz ; Jos Monteiro Filho, coitabo
rador, e Joo Antonio Ramrez, secretario da jun-
ta econmica. No dia seguinle, s 5 horas da tar-
de, foram embarcados lodes esses senhores no va-
por Amrica, como desterrados para Buenos- Ay-
res, excepto o ultimo que contina preso.
O Dr. Adolpho Rodrguez eavalheire estimave!
per sua urbanidade, pedio demisso do cargo de
ministro das retaedes exteriores, porque, embora
esteja de perfeito accordo com o acto do governo,
nao pode nem deve assfcnar dsposicao alguma
contra D. Joo Ramrez, que seo genro. A de-
missSo foi aceita, e j se radicara eomo candidatos
pasta o Dr. Carlos do Castro, o ex-ministro que
revelou ao governo inglez o tratado da trplice al-
lianga, e D: Alexandre Magarinos Cervantes, que
tambem nao ha muito lempo foi ministro dala
zenda. Diz-se entretanto que, nao tendo sido de
portado aquelle ciadao, o Sr Dr. Adolpho talvez
reassoma o >eu cargo.
0 JVnciofti/, diario do governo, annuncoa que
o Dr. Ferreira v Artigas pretenda apresentar
cmara uma mocao, como deputado que aecu
sando ao presidente da republi.-a polos desterro?,
sem colpa formada, dos jornallstas indicados. Es-
te senhor dirg1 motivo uma carta ao di-
to peridico, em que declara que a sna ida ca-
nwra (no da em qne se esperava a lal mne >), foi
m o obj unciar todo e qualiucr cargo
ta qn hldo pobs seu roJlefas Ras
iversa* com
ticou um acto Ilegal, na verdade. mas o nico
capaz de conler os desvarios de meia duzia de
dscolos que est3o constantemente a revolucionar
o paiz.
Entre os militares que fizeram fiarle da reunio
no Siglo achavam-se os comraandantes Bergara,
Eria, Solano e> majnr Ellis, os quaes estao todos
presos. O prprio commandante da escolla do pre-
sidente nao eslava alheio bernarda qne so tra-
raava, e por S30 foi substituido pflo comma)dan-
le Curti. Os empregados pblicos apanhados
tambem na til riloeira forara todos demittidos. O
ministro Bustamante dosta vez mostrase disposto
a nao recuar, anda que necessario seja obrigar o
presidente quo assurna a dictadura. E' esta a
situaco poltica da repblica.
Algumas providencias lera tomado o mesmo mi-
nistro no sentido de fortalecer o apoio com que
conta. Assim que foi nomeado o general D.
Henrique Castro commandante geral das armas, a
ue consta qne ser collocado como chefe poltico
!e Taquaremb o coronel Moya no. Allirmam me
que o primero nao aceita a nomeago ; mas cu
s o acreditare quando isto fr offlcial.
O funeraes decretados pelo governo memoria
do general Flores tiveram lugar anle hontem na
igreja matriz, com assistencia do presidente, mi-
nistros, e de uma grande concurrencia. Foi um
acto solemne e digno do martvr a que era offere-
cido.
No da 18 marchcu Clanelones, era commsso
do governo, o general Nicacio Borgos.
O Sr. Maillefer, encarrega^o de negocios a cn-
sul geral da Franca nesta repblica, ser em bre-
ve substituido palo Sr. Doazan. O Sr. Maillefer
foi agraciado oom a commenda da Legiao de Hon-
ra, era retribuico de seus servicos.
A colonia brasilera aqui residente ver cora
muitos bons olbes a sua retirada. Ligado ao par-
tido blanco como o mais ardente correligionario
poderia s-lo, aquello diplmala esqueciase sem-
pre de sua posico para ser constantemente hostil
ao imperio. Muitas prevenooes contra nossa poli
tica no Rio da Prala hao de desapparecer agora
V espirito do governo francez com a retirada de
um representante tao parcial.
Era Buenos-Ayres a questao de momento a
reforma da adrainistraco e da jastica. Um diario
d'alli diz a esto respeito o seguinte, que pinta com
espirito a situaco.
t O baile de mascaras judicial parece que vai
concluir empurraos. Por agora os mascaras es-
tao arrancando as carotas uns aos outros, e ras-
gando as vestimentas. O Dr. Carlos Gmez o
ministro da funecao. >
Com effeito Hueste senhor que provocou a dis-
cusso da materia, sendo de opniao que pelo
pacto fundamental os juizes nao podera ser per-
peemos, e que nem convm isso, opinio que tem
sido mui combatida na imprensa. A discusso
infelizmente, tem descido muto da altura era qne
se devera manter, e o que por ora se deprebeode
della que infelizmente a magistratura argentina
nao tao pura como se acredita va. As denuncias
de corrupcao, prcvaricaeao e falsidade se amon-
taam, e deixaro nodoas qne ser bem difilcil
apagar.
As eleices em Tucuman foram violenta?. Na
luta sahiram feridos cera contendores e morios uns
cinco.
Do Paraguay a noticia mais importante a da
confirmacao da fuga de Lpez, pretendendo ga-
nhar a fronteira da Bolivia. o que Ihe ser bem
difilcil.
O governo provisorio proseguo na sua msso
reparadora, hitando com gravissimos embaracos,
mas nao desanimando nunca. Por decreto de 5
do corrente adoptou elle um cdigo o mais liberal
possivel para reger o paiz, om quanto a soberana
nacional, pelo orgio de seus mandatarios compe-
tente, nao sanecionar a constitu,o poltica da
repblica do Paraguay.
__ Nesse cdigo todas as conqainlas da liberdade
sao consagradas como direitos civis e polticos dos
Paraguayos. Todas as crencas religiosas sero
toleradas, o domicilio inviolavel, o sygillo das
cartas sagrado, a lei ser igual para todas, etc.,
etc.
Como logislacao do paiz servir, at quo a as
sembla geral manifest sua opinio, o direito hes-
paohol das Sele Partidas, as de Castella c as do
Toro, tanto no civel como no criminal. Como c-
digo de coraraercio igualmente foi adoptado, cm o
carcter de provisorio, o da repblica Argen-
tina.
Um dos trumvros, D. Cyrillo Rivarola, foi'visi-
tar os departamentos interiores.
No Rosario do Paran teem apparecido muitos
casos da ctnlera e de lypho, que trazem alarmada
a popula cao.
O liro dado pela esquadra brasilera em um na-
vio de guerra argentino nao passou de um famoso
canard, inventado pela repblica, que deseja ver
pelas cosas toda a raarinba brasilera.
As quareotenas aqu continan) a ser inlolera-
veis, e teem apparecido nos jornaes queixas e re-
clamacoes corara'o tratamento que receben) na
Ma das Flores os quareotenario. Estas queixas
parecen) fundadas.
Em Buenos-Ayres ha menos rigor, ella de dez
dias, mas contada do dia da sahida do navio do Rie
de Janeiro.
_De major, ao ex-major de voluntarios da patria
LHogo Antonio de Barros.
De cirurgio-mr da brigada, ao crurfSo-mi
(le brigada em commsso, Dr. Braz Martina dos
Gramaraes Billo.
Di capHo, ao capilao do 39 corpo de volnta-
nos da patria Joaquim Ferreira Prestes.
De lenle, ao tcnente de voluntarios da patria
Carlos Falcony.
Ao ex-tenente de commsso do qnarto corpo
provisorio de artilbaia a cavaMo, Guilherme Vou
Stenben.
Por decreto de 18 do corrente foi promovido ao
posto de primeira lente, contando antiguidade
de 2 de dezembro ultimo, o segundo dito Hermann
Ludwig Gade, visto haver levantado a elasnla.
Conforme haviamos noticiado, effectuou-se no
da 21 do corrente, honrada cora a augusta pre-
enca de SS. MM. Imperiaes e da princeza a&a.
D. Isabel, achando-se tambem presento o Sr. mi-
nistro do imperio, chefe de polica e muitas oulras-
pessoas gradas, em um auditorio de mais de 800
especiadles que encuiaiu o vasto sala doCoUe-
gio de Pedro II, convenientemente preparado para
este, lira, a sesso solemne de dislribuico de pre-
mios aos alumnos do lyceu de arles e ofllcios.
Suas Mageslades e Altezas, que foram receidas
a porta do lyceu pela directora da sociedade.
membros do conselho idrainistrativo e professore.-.
do estabolecimento, teudo visitado a exposicao dos
trabajaos dos alumnos, examinando Sua Magosta-
de minuciosamente e com grande interesse o prc-
gresso dos estudos e as novas aulas abertas, foram
conduzidas sala do throno, tocando a orchestra
nesta occasio o hyrauo nacional
A sesso foi aberta por um discurso do Sr. con-
sellieiro Zacaras de Goes e Vasconcelos, presiden-
te da sociedade, segundose pelo 1 secretario o Sr.
Bithencourt da Silva, a leitura do relatorio de to-
dos os trabalhos do lyceu.
Escreyem-nos de Valeoca :
A cidade de Valenca parece predestiuada a
ser o alvo das iras da natureza revolla. No curto
prazo de dous mezes, .ele faiscas elctricas tem
successivamente ferido o coraco d'esta desafor-
tunada cidade.
a Anda no dia 23 do corrente, pelas tres horas
da tarde, inesperadamente, sem que relmpagos
ou trovoej pranunciassom uma trovoada immioen-
te, cahio, com horroroso estampido, uma Busca,
elctrica sobre a casa d > commendador Duarte
Gomes de Assiimpco, que felizmente achava-se
em sua fazenda, com toda a familia.
Uma senhora que se achava ora ura compar-
timento contiguo casa, guardando a na ausencia
do proprietario, nada, por fortuna, sotfreu, alm
do violentssimo abalo, ao qual nao escaparan)
igualmente os moradores das casas visinbas. O
estragos causados no referido predio nao foram
pequeos.
Por extraordinaria felicdade nao contamo?,
at a presente data, resultado algum funesto de
tao desagradavel nheoomeno metheorologico.
26
S. M. o Imperador, acompanhado de seus sema-
Daros, chegou hontem ao arsenal de marinha de-
pois das H horas da manha, erabarcou na galeo-
ta imoeral e foi visitar na Armaco o aquartela-
mento do batalhao de voluntarios de Pernarabuco ;
a regressou 1 hora da tarde, desembarcando no
arsenal de guerra.
Por decreto de 23 do corrate foi nomeado offl-
cial da secretaria do consolho supremo militar, o
official-maior graduado addido mesma secretaria,
Joo Alves Xavier de Mello.
Por decreto de igual data foi nomeado almo-
xarife do arsenal de guerra da provincia de Matlo-
Grosso o praticante da repartico fiscal do minis-
terio da guerra, Eduardo Carlos Rodrigues de-
Vasconcelhs.
INTERIOR.
RIO VE .IVIIIII
25 di FF.YEnr.mo de 1870.
Por decretos de 16 do corrente, forara no-
meados :
O bacbarel Jos de Mondonga do Reg Barro?,
juiz municipal o de orpnos dos termos reunidos
de Caraaragibe e Porto das Peoras, na provincia
das Alagoas.
O capito Joo Goncalves da Silva, tenente-co-
ronel commandante ao balalhao do infontaria a
39 da guarda-nacional da provincia do Maranhao.
1 capilao Antonio Jos Correa de Seixas, te-
!
do
IRri M_
testo da junta
limenio do gov
o eostrt CnnUltUlC?
n contra o
de atten-
ito, di
idiedo
O
nente-odronel commandante do batalhao de in-
tentara n. 18 da guarda-nacional da provincia do
Foi designado, na confbrmdade do art. 45 do
decreto n. 1,130 de 12 de marco de !8.>3, o esta-
do-maior da guarda-nacional da capital da mesma
provincia, para ser a elle aggregado o tenente-co-
ronel do commando superior da capital do Mara-
nhao, Raymundo de Bnto Gomes de Souza.
Por despacho de 18 th corrente foi concedida
EuphrosBo Paes de Azevedo a demlssao que pe-
dio do lugar de segundo escrpturario da thesou-
raria i Amazonas.
Por decretos de 23 :
F i demittido Propicio Acacio de Oliveira, do
hit.ir de official da secretaria da thesouraria de
S. Pedro do Rio Grande do Sul. ^
Foi nomeado para o roferidf lagar o tercero
esrripturar o da mesma thesouraria Kstevao P-
nheiro GaimarSe? Donrado.
O vapor Sania Cruz, entrado bontera dos portes
do sul, trouxe datas de Porto Alegre 16, Rio Gran-
de 20 e Santa Catharina 23 do corrente.
Fra muto festejada na capital da provincia de-
S. Pedro do sul a chegada dos cascos dos batalhoes
4" e 5* de cagadores, de volta da campanha do-
Paraguay. A cidade Huminou-se por tres dias ;
a cmara municipal mandou celebrar um Te-
Deum ; o presidente da provincia e o ebefe de po-
lica visitaran) o commandante da forca e a offi-
cialidade, qual foi depois offerecido" um sump-
luoso banquete.
L-se no Commercial de 13 :
Temos noticias arada que muto resumidas de
ter-se perdido a barca brasilera Capefla ; e ape-
nas sabemos que, tendo sabido com um carrega-
mento de madeiras de S. Francisco para Montevi-
deo, apanhra em viagem um grande temporal,
que abri agua de tal maneira, que a tripolacao
se rio forgada a abandonar o navio por ir sosso-
brando, mdo por fim dar praia na altura do
Santa Martha.
Tomara posse do cargo de chefe de polica de
Santa Catharina o Dr. Manoel Vieira Tosta.
Tinham fallecido no Desterro o coronel Fran
cisco de Almeida Varella e na Lagaa o doutor
em medicina Antonio Fernando da Costa.
27
Por titulo do 23 do corrate foi nomeado Hen-
rique Mondes da Costa para o logar de praticante
da eontadoria da marinha.
Como estava annoociado, forraaram hontem de
tarde no campo de S. Christovo os tres batalhdes
de voluntarios da patria que eompem a brigada
vinda ltimamente do Paraguay sob o commando
do Sr. brgadeiro Fara Rocha.
Postada em linha fez esti forca a continencia a.
SS. MM. e Alteza Imperiaes, que alm dos respec-
tivos semanarios eram acompanhado? pelos Srs.
ministro da guerra, general Caldwell e baro df
Itapaglpe.
Seguio-se a revista, percorrendo S. M. o Impe-
rador toda a frente e retaguarda da linba, e depois
a marcha em continencia a passos ordinarios em
columna aberta.
Feitas em seguida varias manobras com a pre-
ciso propria de officiaes a soldados experimenta-
dos no campo da batalba, voltou a forra primiti-
va formato ra, entao o Sr. brgadeiro Rocha levan-
ten vivas a SS. MM. e Alteza Imperiaes e a S. A. o
Sr. conde d'Eu, vivas qne fram entbusiasticamen-
te correspondidos pela tropa e pelo povo que en-
chia o campo.
Os voluntarios desfilaran) novamente pela frente
de SS. MM o Alteza Imperiaes, e rec Ihoram a
qnartei?.
L de marco.
Por titulo de 26 do passado foi nomo..
criptnrario da thesouraria.do Ciar, o praticante
da mesma thesouraria Joaqnim Antonio Pereira.
P'ir decreto de 23 do corrente, foi refornr
^^Ln^Bspectvo sold por inteiro, por anl^H
bilitado para o servico d
ncia de ferimento, rocbido em cora'
foros do 19* b- < MH
as ao itr DSBSel
irse ae s.
i^.i
Por carta imperial de 23 do ndo,
foi naturalisado cidado brasileiro nor-
tngnez Antonio Pereira de Andi
Por decretos da mesma da
Foi jubilado o Dr. Antonio Joaqui
da I* cadeira d
de 3. Pasto.com o
do art 2T> do
de s tajaos d


OTW QflAM 30 01 W>3, WMM>i Nw^
fc a* *"***>
tus **V ***,
te* 4nte4mte te ajjfrw^ tewtetete

pftete
tea 4* ox|**<>tete teate 4* F"te
* WM MU telte te* ^^Jlfi*
te-axwitoeteaj *GiHMtei5\MteP**
lYstaktetei testt*tta ^ifcjltev*
4* te tero teterc ? cmncas, ttelte--*
ui <***> tite** te\ m* <*<***f_y!g
anuvr~ Mxui'-M mnmm IV I > T*
teZTa^ote^ asW5te*te> por ote late
N eses 4o 4eiotett J*"?** J*!?^
** .rtr^r* setU
osaai* torcotro rama*)*
capNa, Mil '
tea* te i-* *5**!ll.*V
jMpsar.u -'tei ,**m **" M ^^
**'______________.
QUBIO DE PERW>WBUCO
RttJTE, wa *Al*> s **
em r'*
MM^s te ****** nWteteter* |4|tete
fe*_!. ^.'Bg^'Sf {i
misa**)*!** *>**ilS?*^P<*4*<*V,
Naaadaa* 4 vnr*a, / '^\MFte **** *
iHMMm, n **av *ate ****; w w -i
ZZ*** **** mm mm ***** *
*. >
aVw^Hw 4. HWi rM"^r
<*4W4VlX 4. w w..^ nAlMiift 4 |r4 mm. \5 ^
nmwws 4< <$< ^ Jtfe siMta> ta4* < wrviC* */n* 3J*^
*'v, vM* ^^< 1 W 4 4f W 4 *****
l <, 4 ** .TWW*. _
, w* aIw*^ *^*i?'SUS;
M4AM4M. M M* 4*r g
S5^4TS!**k^*4*%
kX ^ hwr* *w*lo pm\
MwIiw.n l"\tw "'"v Mi tVMMfc HHiHti
P vi V Mii r wk, lt* mlio!* ^ nr4
it.>wi\4|1N(Wi>K*4\b+ r*'0
M. te rc4|WM^- ** S^mUK'^^b lVr
MWa 4 M*H 4 lite V* MHM
4%IS
iNRitet-ft ^L,^2!f fcltrtl,SSB



1WM#lPHnn ^ M
Rh WMTrai^WiPI m

M MUd 4 M i<\i4fte*.
a irt WmI 4o IMrtrit 4 tr. I M** "
rH**v- ^m 4.% *"*> 4> r 4 V1v *
rvHMkmn**.-VItete fMMK 4fl w>
MNis Aiter Pm< TtejtW"^ f*w
**t 4 Pwwc ^ <**
OoNNm XDMtit 4 *H t*, Mr tuftflWi
HMMf* IVMT. toSft 4f *miw 'i*. V nx
I winx-'v. H*fjqiw K. l* lim Vm\ IMmr*iK MuranosJV >n mmmHiimbriM *\ Wk ''?i*' y.
Ntf.jtefi
rrJHHUUM


4n nft Wfp'HifHHH H Wl^^^i^^^H^^H
TPJv wVJVJIWRPl |"^1
fw^ IV*.
.VfW Ml* o
r o Mww(
Sil
4tete
l,475*U,4e*K***4
pMMON
^Tr2iSTjB-^4.l44f*,^- 4>>*^*^ <;
MWVltC fMM*MnteM.
$ wrto Vte.- 4m**** a* N^
?Setena ktlMM: ** ** MMSWWtl ItV FMBMM -^* 5*_fi:
.te*
Sr->fm Jrt.! 4e *>* i ^
!* MMMM> 4* S *!.IWWW
. rea fcpww aWiteriis f."*
,?p**texs4*f*v*KvfctMW**!*"
rsteM 4h|Wtefc *?;
1
, n tejiAv* l,te ^5* ?
Mte teu*w^W*<^-
_jterte??w* |>n tehte
r te cw> J*^*" |WlteX <^**
#**>* s* tefiiw, **J?T
ii rft -r*""-------------w^^****_
tewy>IWi>Hmilui(> ^L*^
Mw, a b M 4a (wssi^v Imm q "Ti
r<4^o mNM*>. *ttete 4*
i MA. f m* i* 4 u.wte<*>" klr\
TPMUjtcirt 4s iwte n

Virradccimonl*
4 Hn lwr> Owtewii Ww 4T
SaMwtl Hk tetew 4*#te
- -*-- iiaiifc. te* ten*
4* tV*A* A
tejte-.i
AUte4te>a iteNMfc. te* j"<*gy*;1
K*'4a^ *^f V*TT
va. 1aa Fmvvr* 4* Awite Wte \ *t4X *
$** *Nh < *K i^<4 ^*4teW>Pj^
Mte 4 r.K J** 4* li**jteirjvjr
* rte v^ites.wMi t* "^gJT JTS:
mu*' ter<-' <>wiiiv ItewH Wte4 **?
KViv*a4> VMW tete. Ite 4 9MMk9.
vnli
pVjRWW '
4 w4> teM -y grj**,*2l
nnM mmw.mtteM 4>wte*4^ tete
.W 4*19 4 te 4 41 *->* _^
_. ^_ ^ -^*. .a^. |te ****^'?-v tete4> tenf^?*
Ax te
4>MMi hKhI mte l **&fi*
wm* r*Mi cnwMTiMH m te Wl
te. oiteo ttteteni iijtelte 4y m
no wml te 4jte nw > 4#tew>te _y*^
ow^Hio* o? tei'liftefteite pi te**
itUoIa Itettete teWlte ^ ___^
Kpprotetete* te nj^uw metete JQH
Cte i teW> npmmiam^l**'
te te MteJlte Brteltete I pte'
rtefc. 4)ii0Mrt-K W iirt fte)llJtewte>
uteltei 4 >te 4> Ote *
jfint jteA "tete teiw
;
st*** m te" te"w>5!'SS5*
;i\ite^T.^MMtfM> te
*~ fcwilfcf HL*-
^ 4a f *M 4tefc teipw-
tema ftteaix e jter te te
. S a l*aw4k*Cfa *> rw* te -
lw ten te*?, a rv^|*> tete
'.V* a-taaa, *c rwatso **> a tart**
irrr. ara te**e para (-w sueMnir
SieCMMte ^>rw:a^v> a^m *v\xjm f
Mea aterra nao a*4*rta 4a nMWia. >
k FXKLri
Oft"*i#*$.i%) te4icaowite-
. O Sr. J > .qcim Awjro* U Ch S"T. I*_
>idWM* an* RaMaes. rete a sea y 5*.
Jimum J*t a BHra, 4li: ..
. Ia-nw%.n-\wl de oonlar-Hw urna cnoai-
J^Je. Tea aa -ataarveidA aliinwmeme nnus
.^hrs c*aa ata*, aVceilil e u-tt fc>H>olte e V
-nn^riiiMato 4e sei> H*f*i* P**1 *"-w m*'
a; t'w Hi3 nai l.wio no eai* Hk a km lea cam a picada dellaa JwCajoru
e liiboifo 1 ref-j lamlwm l"in ajpa'"*^-
. Mate ula lajrar tcm j inarrtdo i^guma
'liarao p*cda por elias.
A liara ero (fue inais aodam o Je coito o se
i' va \uk te) n:ais |ergosas.
nw Bi: ja.xhbo
V e -ntescw central alagoans. da corte, reraet-
-.-u !ii i. : para Maeeio 7 saceos'ewa fn^
-riu do maadigoa, iO rroUas de carn/j secca, iW
*:-.-..;.is c.iu arroz, o !.*6rricas om roscas.
a alCuidtya i-ondea no mei de fevefeiro
O* sotwranos %.} vendiam-ae de *i}\w a
Sahk) para oMaranlian, a 28 do ?assado, a
-;'.lera ;> ir(u:'i)57.a'vffj Aiivsade.
O vapr SrieenUriiyiutu tevia partir aa
. :.-, era ftete para^ Europa o dw do cor-
'"'-' A-li*;&-ec^rg*(paraPer/wrabaco 3 brigue
U*.eii lucbll.
_ No Jia < do errante tero lagar & abertura
s-k)OH dos trabalhos'da asscinble piovKicial.
\ aratela rew'ea no inei 4e r^vereiro
:.it3.iii>539.
.Lemos iwwiwi da Biua :
. Ka da t de .Janeiro, as ll lioras da-noate, no
Iiigat.denominadoHiMpkioio teroio de<.aeta,
en te* reune n casa de Angelo Francisco
Odas, achando-ee todos em dcshariaonio, causada
pea o de bebiae espifitaosas, iravando-se uma
li-puu entre Qointino Francisco Caldas e uma
metete de nome Carlota Sery de Jess, e divi-
dindo-se.os cnivivas a faver de ura ou outra, re-
sullou a.Uiir fciid wartalaenle com tres acadas
.Maiw^ Percira Lieoowdes, e morto com,uma Her-
m.iaegildo Percira Batevides, que teotava aecom-
inndar o di sidentts.
Os mirnosos cciegirai) evadir-se,e se ins-
r.nrou contra elles o <*mpeteute prooeesq. -
teoeteaoi o Papular da dade de ^aato Ama-
i i e nVlle encontraaws a aagainte noticia;
\i naot de o Jo torrente incendiou-se e en
f^nJi&.iltaiMungui pr^edade do r. Dr. JJiteoio
j-juim Pires d,} Carpi Aibiuerque. Q*a-
.eadio mamfesuu-se s 9 liorae da noute na paUa
.l:i e4ava ae pe da bocea da lornalba, e propa-
i rapidanwate a casa de purgar e dafei a*a-
raniae e iuaddkas Jo engaafe, cnufiuauA) M*a
assuear pin exinlia era ,nuiiUft pica, a qua-i t>da a eada, fieaurto apena a roda
d'agua, as moendas e uma varaada. O prejaiio
coa a iwrda e a readicacao sobe a mais de,.
'i0:(0. ... u .
. Na otdade dos Lencea oraui presas Mana
Ilalliiiia (i V'irtoria d Tal, que no da > #> |
reiro paxsado, roubararn e issassinaram uw.
.-nanea le ico dias, rtlha de Zeerina Mara 4a
i;oiic-ica >. ,.
Pflaa il '.ljra;0di do menor Marciano. HUw,
*^^*JL^*,r^,S!^!2r^ *teateWl.
L te vmm ^4*___u lutei ter tete* tete** itete*teM'a. tew 'te'j'te" **
r^-L^lr i niitei i lili- ri>-!- te.: aa ? tete.v ^-*%i*te te *< itea,
j^TLJaLU tte ^iteiteUte-: tem *ra tete : ^ _w .
te^te^tetete ^4Ptetete5re*jfcte^
? s* 4a tegfc^ter. te tete* tete t tete
wr
HNIte
va te **<* te te**1* M ^te
Ste; tea tete tem^4te
w a arta pte tete sw atetete te
Matea teJ^tekN^>*'tea
4e m teten- a w ( m* 4mi te
7J*rXte te; -4teT W E.:
M ptvs'\-o, te
ii*t r.taaa-
teCK Sx*
^Jtouktxvt
Anteteta'teteTten; tete ft \\
i)uMalkf>>te te> te 4tente
tuax-o, cxm ^ae team saiaate |WfJ
de arter-9* dw ew tete ^^**f**
mais oe a te te 4-wte* te ''"S?
tetete te> tetotedexxa ate '
l., rae aadtato es teewsaate ate i''*^
deste ate aao adundado a tetete tea te
ttwtete*sUdo. Kelto*>ir,^,n,te-
aewar a tete carta, tete te.Mrtana iao
praintio das dMvilos a le Jft* toM M-
cinaal aoc seai laants Ututos. K teten >. que
nao late ajir um lado a arto de V. Exe. atteate
os direitos da banco, rislo como na > U este obn
galo a coBstilair-se cp* esjalulus contrarios a
seus Interesee, caso era que nao tea aceitado a i
modieaca.) do goveruo.; e por oulio lad;>, nao'
dewadu'o roesmo acto oausar prejuuo a taicnd
desde que for impetrada a carta que Ma para
legalisar a existencia do esUbeleeimento Je que
traa, aao ha inDtivos de valor tal que oon-
a deelaia-lo uuUo.
- A" thesouraria de Pernambuco, ordena que
ixw conta da verba Restituicoe do corrente
erercicio, pague a companhia Pernambncaw da
navegaba) a vapor costeira a quantia de (L0004,
valor das multas impostas e ora relevadas a re-
ferida companhia.
ASSA5SINAT0.No dia Io do corrente Francis:
ce de tal assassinou e sepwltou em lugar ermo a
urna nulher com quem viva amaziado, no termo
te S. liento. Constando isso ao subdelegado da
fregoeila, procedou esle exhumacaoila cadver,
ae acto de vesteria, e prisao do delinquente, a
quom est prooessando.
BEGRESSO DOS VOLUTARIOS. -O batalhio
33 de voluntarios da patria, de Pernambnco, devia
pariir do Hio de Janeiro no dia 5 do corrente, no
*ransporte Guijo pelo que deve chegar nosso
porto 4c hoje at amanhia.
Q ASYLO DOS INVLIDOS DA PATRIA.-Re-
nebemas um exemplar iesu obra, publicada no
ftio de Janeiro palo conega ftr. Manoel da Costa
Honorato, capellao daqueWe eeubeleciment-i.
0 Rvm. Dr. Honorato as paiavras ahaixo trans-
criptas diz qaal o m que leve em vista pubH-
eando-essa obra :
O asylo dos invlidos da ipatrla um estabe-
lecimoato pi que actual mene chama a attencao
de todos os brasitros e estranteros residentes no
Brasil,-em razio da grande divida de qae sao ere-
dores noelle?, queahi -silo recteidos afim 4e re-
ceber os cuidades do governo n cora^oes ge-
nerosoe.
Desde que fuaes orneado eapellao ueste es-
tabelecuEenlo lizemos proposito dVescrevr al-
guma ecusa acerca desta infitaicSi, prestando
por este aicio aos notses companheiros de glorias
e de saoKIicios ura sarvico por ventura proveitoso
btearia e ao futuro . Dando a luz ih ,J*^i^af aAfe tosco Ira-
b,alho, apeaas reVIfe^sIRprfa 'que..temo
fdto; revartendo o excedente em favor do mesmo
ate .
Nao pedemos deixar de consigur aqu um
qneero asradecimnio aos nobres cavalnciro- qu
nos coajavaram com sas_subscrip?6s, ou In-
fiirmaeSes, para esta publicaeaq.
t Releveiu os (eitores a pobreza de er nos hia o eorarao si nao cpncorrpss'teos tam-
bem com o. nasso ofiolo para ene monmaento er-
pu'lo cin honra ao heroismp.bcaaileiru e A cari-
dude chriflmeilc caraprohedida e piteifida.
(|ue esse trkbMho tem mej^cimento d-lo o seo
wiutto: e, qjando m'ais n5o fosse, thfaVa-fte a
nuvidnde eatre as para atrahir-lhe leitres.
jowwSi ^m*iv-wtete* te te te
wat te 140. B .____
v^dteAtatev9tete teter\tatete\
tet\ te Vtea; ute-Jlj ite4tev .__ ._
ftetetea teatete teatete PWFteteteK
9V teteTs^r*. w^>Hte
aaav*.
tete, tetera 4 WX ^_k
) te < MNl Fte A MH
RoowftboU.
t wte JteM^tetete te.
te
late tex
pr<.MtewteJte
Ttetetv
i te'W ^PWte te^'^P'a^W *^*te ''te'
!',iiter t pteWMteX te
. tetete *tete te-te UZStek
MES A PEDIDO.
(e 'dar' i :, .bina, s.vihe-se, qoe, deoxMB^de e^rao f) Rv(! nr g1)BoraU, [era poblicailo varias otra?,
! i! la i, o de se decepar a **ao_esquer-1 c(1(.ins $ Hiteresse, e que M rctn rangeado ap-
ila, fui -d adaver la%;ad .ora, na Ito*" i,j,,jso?. Este noro esforc, veio augmentar o sext
,, talvee por lar sido devorado
ucluii aiiJiii..i-s que alli andaram. .i.
t .0 i ireco lor sid i p .mnieitid em con-
?:|ue*wa dn .rrtiqaasuperslki.'sas. iv>.
.< i.'n ; i .ida preeas as indiciadas,. 0, I'
ca recommend'iu toda a aflWjiW
para i voidad.iroeoak'^imentodo.Jacto
i:
j\r.A'.
ntro da pro
eJe reiicrtorio.
Afompanha obra nm -
graphtco de Orrteotes, ao qaal osf
orna planta dj*a cidade argentina.
l'.-HlniMBNTO.-NodiaBdo crrente At'<4nmra q-&So je h
cn em Gofarida o cirnrgiao Jnao DaraingueV ua;
Silva. ,d- alli gqeaya de gfajide estima pela soa
<^atev$ lite ten (I uHiptedate A* a*
ataares, de qo ntx> tft>>aic*ato nonHate. qu~
< que exclusjxaawuto expliea o ^rutewte*
potete* tal bruscos da pertte ivaJwatjao
.lo inou dcsig:i-u mteksudo de ascrtwr tete |
sauteaieiu-} ara a s*u ax>Utodo Diana 4* ten
ioummcu, |ir\--;ranlo cuiJadsaiiH-ule. senao din-
siTt ao llk o espirito publico acetoa
Je alguna raelhoramautos materiaes, da que wal
precisa a nroftfa, wpccialmeute Jas eouus i\*n-
eei'utntesa-J:::iuis^cAo iminieipal.
Confesso, pro.-laroo bem alio meus eoahei-imen-
los '.he.)r;eos, milla longa pratica, nao me onfe-
rom com tnl., .alontc^prassioncia.sulBcienlciuen-
te capazes, para o Jesempenho de lao im|Hirtaate
a magnifico propalto.
Eulretanto, oxponJo os graves motivos do meu
silencio forjado, proteto enrgicamente empregar
esforens constantes para disslpar todacerraSo em
que se pretenda involver minha rcputaeao, cla-
reando anebulosa athmosphera, onde se deseje de-
sentumi Incorrecta c grosseiramente.
Fo, por eresiiplo, sob a press) dessa generosa
aeDirajao, desse dever sagrado, que formulei a
correspondencia, que foi paWieada em um de seus
Diarios 4t Pernambuco do anno de 1868, em que
tentei esclarecr sobeja e convenientemenlo a ca
mar e ao publico respeito da questao suscitada
pe) fiscal do l'o^o, de entao relativamente cons-
trueco rt T-itao se filia na travessa de Santa
Auna, miranJa atravez da opicidado pretendida
de minha repuraeao, a irradiacao da pretenciosa
estrella do firmamento do patronato escandaloso.
Talvez n'iSse co o ephemero brilho dos meteo-
ros, se confunda com a luz scintillante das estrellas
e mesmo com o resplandor ffuscador do rei dos
astros.
Infefemento ncherguei desar irrogado a mim,
nos embaraco. .{ae se tentou levantar contra a
marcha regular dessa constroccSo pela ctrcnms-
tancia, ra, me cjrria o dever de saber aconsethar ceve-
nientemente ao proprietario da edilicacio, de que
se iratava.
Por essa oecasiao fu algnmas reflexSas geraes,
que talvez se reseqtissem do afrebatatnCTrto natu-
ral produzidO pela impressao penosa, que sincera-
menie esperimentei por tio imprevista evnntuali-
dade,ousan de que eHa mais fri=antemente se resenta, e
aguardei resposti sisada e digna das tonras da
disenssao, da paite d'aquelles que se consideras-
sera, offcndido.
Enganei redondamente o atis absoluto silencio,
eS o que observei.
ContnSo constou^o que o engenheiro da c-
mara populara com o malor desplante todo
;\oius que ae devia attribuir que tinha escrtpto
a movimento de despeito seotimnto de Tesen
tiinento qne sappofc experirntear por re-lo no
cargo que oceapon na cantara, e que por Ifso nao
ee dignou re.'.ponder-me.
Couadol Medioeridade emeDgeharia.banalidade
em funccionnHIsmopjohed.talvex aspire ostentir
o sal da stiras de Btete, a graca e espirito da
"Wotair, oa de Mofliere i
(Jiieses dessa gravidade, -Mftee Sr. engenhei-
ro, nao se razpara apr.ieapnbWea, para bifurca-
Oa d rnas. s dlsct/tein na Imprete onde se as-
surazo responsWfiSdB legal, se oade emeitir lo-'
il is os pensameatos, todos os cncdft
AdtWt(e terreno extremosamentedifflcil,Je ma-
cessivHlaliordagern, para cavalheiros que se pre
am.'iie poramo nao levanto hjxo, discassao; n'este porerh, rae encontrart sempre
flrme'h ^ada e cbnvenleiofemefne preparado.
Tatito rj-i?, renovando o nobre collega "
cuss'So a esto respeito agitando
7,iBca0o de
^^TsaStetete^
ptetete* *> rin>.tewte te^* *^_te>
rt
tm
teTitowSe'rnten^<'-M te
illoaln & vtetea r\>a du TetteL
Porto Oftlvo.
Goteate) ao ahaixo asslgnato fM afuera il
ludtete a tea fe do Sr. i*uante-corxucJ Tu.inai
Cavalcaata da Silvaira (te, este, contraiara coiu
o Sr. Joaquim Jos* Luii de iJuaiMX a venda e
compra das torras o *ui*nho llha, M tormo da
villa de Porto de PcJras. piovlnria 4c Alagoa, in-
clusive a safra de cannas do c -rento anno. cria-
da em dito engente, o para que alo se alegue
ignorancia, o mesmo ahaixo a*gnaJo vem em
tompo pelo presente declarar que a referida sa-
fra em direiio perteuce-lhe e nao pode ser veo-
JiJa por outrem, em virtuJe do contrato de ar
rendamento da mesilla propriedade com sen pro-
prietario.
Pelo que protesta contra scniclhante venda re-
lativamente a declarada safra : o, em tompo pro-
var se necesario for seu direilo.
Villa de Porto Calvo, 2 de marco de 1870.
Francisco de Borja Santiago.
Declaratjo
Tendo lido na partecipaco ofldcial da polica
publicada no Jornal do Rectft de hoje, o meu no-
me como preso por crime de fnrto ; appresso-mc
em declarar qne nunca conimetti tal crime, nem
Deus ha de permettir que em tempo algnm com-
metterei. O que se den foi o segninle : tendo-se-
me desaparecido 1:600*090 da casa em que as-
ssto. desconfiei que tivesse isto partido de nm ca-
marada que comigo pernoitoo, fui pedir ao Sr.
subdelegado de Santo Antonio providencias afim
de descobrir o dinheiro furtado.este senhor man-
dou reeolher a pnsio aao so a meu camarada
como tambem a mim, qne Re havia procurado
para me auxiliar no descobrimento do crime ; eu
o que se passoii.
Recife 9 de margo de 1870.
Joaquim Cario? Cavalcanti e Albuqnerque.
Mpteite tete l
itoto te 4to v -
SRiWST""*
Hteteni
uuttv
ittedHJti
coNsn .\iw PtM'V1s.:al
naadteeato A> di 1 a M
Ma do 41a V .
Silva, que Mi gosatr,
hnrii-.l'xlaiift e philaol
Seu adver foi' dado scnulWra no dia, 6,
:i -ia ;
i s
res d
i-avalla;
:
. Inga-
iu!a
luJJo; a
ira i S. Fran-
la
i Sr.
foi nma d l do Brasil na
l.brasa 4a Nap' Estado II filhos,
i e 11 blsuetoi a Incoajolavois.
.'. partido eooser'vaatir cnBi.'uo qull/cra
i (.VK^limoso.
0,inW!i-.>.foi fiyio -coi pumpa, seudo o fere|ro
aji.iniia'i!!ad.'ipor npmroo concurso de seus zia-
j-,.|ipi; pessoag do povo, que .pcrd'JraT'q
Otile mu a oigo dedicado.
Er i liom pai de famIHa e atimo cidado. Dei
xa na orplwndade e na misma cinco lhos, para
quem pedimos ao cu fervoToias bnraos.
DJNHKHI'.i.O vapor G.Uouxe as seguin-
pnca;
Banft q( Rio deJartPiro
.n? rrmSoe'C.
j Franrfieo da SFIva Novacs
di arfa e fazvnda
itao & Jrmaos
Joa'fSini Jus4 tncalros Beltro
Silte BOavisla
Pareira. Carneiro & C.
Seixas & Dorges
OJ
lOOOO
a dis-
peranle a
rampa que
dissera xisifr nV lc'sfiia'd sapracttda ira-
medilamcnte ls*b ttto onsmn qpiz accodir a sVa
provocaci) jndircel, porm fui'anido por cttnsi-
dwafes, a aae nao pud deixar de eeder ;
entretanto, farei miicaraeriln agora 's segnintes
raflx3es respetto. .
fjtoprehendo perfttenisnte que o espirito 4
liberdade seja. tjb goaisb qne leVe o pov > ro-
mano a ^ppor'teTtterfo Publicla consol e
horattn assas pqfnjar asfcinss^e a tyrannia por
eJiflca' n.rila casa 'in nm terreno, qde domina"'
a praca paltja, mas que o xeto'%oniderado do
sorvlcus putfJo,!eVass8'o' Sr. Wgtiheiro a inspirar
pertq.rbacap a uanqniliiade e sowfeo de espirito
do um'pidaJSo, veneraip aucicijor vabio>us ti;
Hs:'tM!li a JtraSidfen^iwW? e (rae rinna
'de; "pwsnr ;m cela conwr^ccllo ura servlco de
algu alf'in-e para'a fa'^nra encaaHsaeSo do
.'apbaribe, pirecen^ne Codia de tHHtdll '
10,
Crelp qne o rrabalfio h? qttestao offerece incon-
fttaveltMn'.e imnla Tlaj^p cora o assumpto
cjurrnedte a catu to*pwador 4os fratteetts
publicada no Moniteur de 2 de jnlho de 1866,
.Varo. sahidot no iia 9.
Rio de Janeiro e portos intenned m *. das, vapor
nacional Guar, de 990 t< nela las rommandan-
te capitio-teaente P. II. Duarte, e-Taipagem Rl
carga din""n>nles gooems; A. '. Je Otiveira
Axevedo A C.
MontevideoW dias, sumara hespaaho'a Gante-
tupe, do IX) toneladas, capital Matl) mora.
equipagem 10, carga I7I,*';6 kilogra-nmas de
carao; a Baltar & Oliveira.
Monievido10 dias, barca brasileira AauMtfr,
de 38 toneladas, capitao Ite Frreira Pinto.
equipagem II, carga 195,818 arrobas Je carne ;
a Baltar & Oliveira.
Ass8dias, hiato brasileiro ?e4or.i BMW'
grrntn, de 7.'5 tooclalas, capi-) Antonio de Sou-
za Castro, equipagem 6, car^a sal : palha; a
Bartholomen Lourenco.
Qbmvario.
Nao honveram sahidas.
Suspenden do lmanlo para a Ba'i.a o brigue
inglez Bertha, capitao Brien, com a mesraa carga
que tronxe de Terra Nova.
DECLaRACOES.
0 vivarlo Basilio Gonealves da Loz, nao podendo
desenvolver os meios e as snas torcas na lice es-
treita, que, Ihe offerece o padre Antonio, nao se
quer dar ao triste esperlaculo de acceitar uma
luta carpo a corpo, vendo diante de si lo informe
e pesada Mas jo...
Estabeleeeu sobre bases taopositivas a sua defe
sa, tpie nao deve fater excurfflfes alm dos limites,
a que se restringi em seu proprio pensamento.
F#roa ma deberent d/si.
Entre ura e outro o publico qne julgue com
exacta apreciacao.
isvttt w:7ewi:h!)i:
Valha-oos Deus com o Liberal I Pelos seus jul-
ga elle lodo presidente capaz de arranjar Iramoins,
, todo o deputado capaz de recLr ajuda de custo
Dla verbaJardim de palaciotodo funccinnario
pnblico estelfenatario, todo escriptor jomalei-
'. ro etc. te
Se nao fora Jsto como aplicar a insistencia
' cora ue trata da compra da casa pa o asylo de
mendieidade, azendo cav.iMo de ImUlha de uma
ecriptura de rsnda des rasa, que ao Sr. com-
mendador Netto Czera Luiz ."iuos Cunbrone pele
preco d 7.on0SflO0 !
E sabido que a casa ojo ci'iva ean i
qoando foi comprada para o ;..
'esuva maito bem c ,seii.. -ik. .-lifica-
cao muito solida. A^ena1: um loe aeressiios da
referida casa que sewia Je aiir.^.-u. lo material
da eojpr'sa do aceio e'limpesa da eida>le, estiva
c mi ai: l, usa ehl reinas.
0 Sr. Dh Sarineojo < B.irlu i Soledad.-, mem-
b_ro< in direciorio liberal, tambera Ja n iniuis-
sao encarr-gada da .- "eriita casa. .vi.
am-n'a, examinarara-'.i e a aius.Vii'aiu por
1:0004000.
E
Santa Casa da Misericordia
do Recife.
l>ln' A Illma. junta administrativa do santa casa de
misericordia do Recife. na sala de sas sessoes,
pelas 3 horas da tarde do dia 10 ma a receber propostas para o fornecimento do
assuear que ti ver de consumir o hospital Pedro
II nos mezes de marco, abril e malo vindouro, pa-
gando se com dinheiro vista ; san assncar
branco refinado de 1" sorte, c rolinaiio soaaaos.
As propostas se rao abertas no dia designado em
presenea dos proponentes, os quaes Jeverao ir so
hospital, afim de verom a qualidade do assuear
que all se gasta. av
Secretaria da Santa Caa de Misericordia w
Recife, 5-de marco de 1870. ,
Oescrivao,
Pedro Rfirigu** d*teo
S.WA CASA DA MISElliCORDU DO
prafica
mente que nao.
E eno Como grtteto'O LiMal ortt ta a com-
pra da casa do asylo, nnerendo afttn lev antar du-
vidas sobre o carcter honestis^iuio J Sr. Dn
M&noel Portella, que nao adniit"5 compirt Cao com
o caractero hon^tidade dos soelw de 4 Jrnay ?
Mas o Liberar redtiz o en apitofii de a ecu^a-
cao ao segnitue :
Netto eomprou a casa por 7:000*000 o yp"Qde&-
por 23:000*000 I
RFXIKE.
A lllm.a. junta admimtrativaxda Sania Casa do
Misericordia do Reclfr* manda fazer puMieo quo
m, lfte suas sessoes. no da lOde, ma^ pdas
i horas da tarde, tem de ef arremtate a quem
mais vamagen* ofTereear, pelo tompo.de ttn a tras
lmos a" wndas dos predios em segmda-dedaia-
'l08 : ESTABELEC1UEMTO E GiVRlBABft-
tea da Alairi*. ^^
Haxa torrea n. 7, poranno. Jouauw
PATRIMONIO DOS ORPHAOS.
Ra do Vigarm.
Primeiro andar do sobrado u. 11 .. 2'iO*OOU
Ra do tt*ftger. -,,rt-rtftA
i>a rorrean. 58. 0 30gW
si'i.. n. 5 no Fnrno daCil. 0 !W#0W
iv ..rMedcntes cVerao-'apiesenin.r no acto oa
xrrema'tacao das acomi ;iivo*ladore?. _^
Snnii Va* da MWeri "'^i do Ru.
cir^.. .'. d-, rveroiro 3c'^,,,. .^
0 ox;rivao,
4tefS*u
tetea-itete^
jSTte
rn^teteV'^n
al*. 4 aiMte- -*-rJ*. ***te* *-
I teros a ateias tew.i *
'atete, rfptea V a* lar 4a -l pe* te 4tej-'
wo 1 .i aotoX. da grao*ai;x a l.lte %*'
te fcf.
Sala Ja> *>- io Msate te eompra na-"
H de atare) de ts'"
Oseorotario.
AW... Ir Rodfiguesilo^Anp*.
"Z. Ph* rae*;. randa torito ms U
publk-.i que at->t< oorreato wat o ao da abi i
arovuuo fmoro,qu- o* coairuteala te pa*
sobre industrias e w-nlW.w tooat de paga-to, li-
tro te mullo, f c mi 11 o referido prajo sarn
i.ioom a ti i dV < ifJ.
Recebedoria de l'.-ruambuco, U do marro A
O ateuoisiradcr,
__________Mar.yl Camote te Soma Lacorda
Santa Casa de Misericordia
do Recife
A Illma. junta atrntateralita do santa casa m-
misericordia do P.-cife precisa contratar h"
quem por menor preco tizer a obra de que pre. i
sa o lobrado n. T. n?rteueenlc ao patrimonio tes
estalielecm*ntos de caridade, sito a na da Moeda
Esta obra consisi na damolieio 4a parte dst
frentt anterior de toda a frente posterior e de pai-
te do oitio pelo lad. do cascante al o lugar em
qr-e se a.-ha a parede feodida, e recoastrmndo
predio Je um so endar e solea confonne as postu-
ras municinaes era vigor.
O pavimento torrea devora ter tres partoda-
com sotolras te ptdra e poru> de eostailinbo de
amarello par o lado da ra, e para o do fan.'
duas janeilas o nma porta no centre tambera cora
soleira de pwlra, sendo a madeira igualmento to
costadinho de amarello, e lodo oladnibo de tajlo
de alvena ia bruma
O primeiro andar dever ter tres portadas com
sacadas, lastro de .marello, varandos caiailhos t portas tambera de amarello para o to-
do da frente, o para o do fundo ires janellas de
peitonl oem vidrnc> e oortas de tela raadoara.
tendo cada uu a deihs nuoea menos de pato.>-
de largura e 7 l|2 de altura.
A solea em ambas as frenles devera ter tr.-s
janellas igualmente com caiailbos e porlas.
No travejamento do primeiro dar e do sot*-
entente se eropregarao travs de qoalnlade, ten-
do cada uma 13 [legadas quadradas de grossu-
ra e os respeclivos soalhos serao consiruios ae
amareltoou lonro. As escadas sero,de amarello.
O primeiro andar dever earem salao, e a sotoa
era repartida da maneira Me tor 4elenmau
pela santa cas. Os rehoeos estenore serAo
guarnecidos de ral branca.
O eottrtUote portera aproveitar as elnas. eai-
bros. ewhamcs, sooltes e trave que se atearera
om perfeito estado a >um dos seohores .mordamos
^-fdo omatexial de ferrageos.w toraecktopelo
cootrataato, a Cdjo cargotea tambera a aiaev>.
Os Drotendentes deverio apr^senter ;4W pn-
postas em eartas fechadas a tacrotana at o di*
10 de manco do corremo. _,,,,
Seoretaria da Santa l-aaa de Misericordia o
Rertfe, 1* de marco da W70.
0-oserwam
P'dro Rodrwws te 8oza.
Pgdi'o B Oflim.'Sr. inspectorida iheyramrf'adatela. *&
rovkicla, em rirtude das rdetwd,i^ai,J,Jf^, *!
manda faaer,- publico que fem mareada o da ^ P
d abril prximo vindonro para o cuBMfu qo [ffj*
se tem Je.abrir na
enchimeoto das
c%Btos da mesma
- Pela eoniaiiona da cmara mnnkjipal test
cidde, so dwfera aos preprirtirios de cslabeto-
dmentos de porta aberto, sojeilosao pagameet.
do imposto"municIpM, que no merde mareo pr-
ximo vindonro. principia a arreeadacSo a bocr
do cofredomesmo mmosto ^--^m. ati
Gonttterlo da cmara ranmeipal do necae, .-*?>
derfex-ereiro te 1870. nHMmibm
O contateT',
Hypolito Cassiano Je Vasconcellos A. Haranba >.
Ucaripto par traa i*fM,
O porteirodo jumo, Francisco Maaoel do Al
meida, (rapa a pregao por tros pracas.tente *, i-
rrtmatada por qucn awiador, pnoariteade .
Mi^to na na da Praio, quino do Carioca, frojNttte w
Santo AUmii, en> cliaoo proteos, eom 46 palio .^
Te tei.w. IWde ofitnpado por ait teolioinen .
'+o lado tete, por aooaa, iva
vtftem a*t traateaala.an Iteto, tevs.
M. ,jtwriP, tete Mteaytete--
a qoat pata om tete avtetea.


'.
gaste Rodrigues Selle do Dr. n

Diario de l^alhk^ Q^ feira 10 deW de ;170.
-L
9
os martimos.
Portd.
ai nhif breve & barca Irftrer, para carga <
i coa! o> ^consignatario parva
ndefeni
liaj para utttriunaieai, -w al odjtfli do
cortate Ic-verfa. reauerunentos e documentos rep possam ser attendidos de eonfcrtnldade con o
ivise imperial de i de dezembr lo anno paisado.
Igualmente faro constar ao- que deixarttn de
lazer exam de gei^jraphia e historia por motivo
jusjiicado en) requeriiaeulo dirigido directona
le no dia sexta-feira M do CorrMKe, a 9 horas
la manlia.i. devero compare: :r para serm ad-
mimaos aos referidos examen
Seerearii da faebldade d dlreito do Recife 9
de ruarlo de t870.
0 secretario,
_______Jas Hoaorie B. de'aeteaos.
'helario das carta? registrada*''waias do sal e
norte KiateBtei na udaiiBistraoao de correio


desta oidad*:
Aana Joaquiga Ferretra, Anzole EaClides da
Slreira, Antonio de* Santos Oliveiro, Aetenio fie-
mes de C*tuft> fttifo, Au(ouio Rxlriguei d/' Al-
bagaerque, Alvaro Ochoa vieira Brasil, Antonio
Podre Perr ira Lima, Antonio, Joaquia Campas,
\ntonio Fausto Vveede Sooza, **";Cw; de v.^.. um Fnrmosp e Tan
AraujoSa, A.'MiM.MiriQho ia S a, Beparino s>
de Senta Mutual flYTr.n.-:o Antonio, Tas Cha-
******
33L
H 'Cenoca
ra par rapar.
Cornna.
O vaper Pvahgba, seguir para e
porto cima ne dia 16 do corrente,
__ a? 9 horas da nuite.
_ carea, encoromendas, passageiros e d-
nheiro arele no essripftrie do Forte do-Hatos
i* '
CQMWLNHIA PlMUtMMGAlA
al
9 Navegando costtraipor vapor
Maoai, escalas, Periodo e Amcaj.
0 vapor G/gtii'. commaodaete Coate, segui-
r para os portos cima no .dta. iS do orante,
as 4 horas da tarde. Recebe carga at o da encommendas, passageigeires dioheiro a frete
at as 2 heras da tarde, do criptorio do Forte doaattos o. 13..
COMPANHIA PJ^AMfilJCANA
Wavegato costeira por vapor
gas, Fraifsisee Xavier *ereira de 5rito, Francisco
laaulo da Jto viagero, uilh:ru>a d*: Sitfueira
* Silva {i}. uilueriiie de Sonza. Campo?, Henrique
Kcnesto Martn*, Justino Manoel da Silva, Jcao
FmtaudesOivaliyiuli r* Albuquerqne. padre Jo-e
J.itp, los i.laquim da Silva Ar.vUjo Jnior, Jos
Meades Vieir, aos*' Joaqun) Otilio, Jos Flix da
Silva F ramoso, lasa Aagnslo de A/.evedo, Joaquim
Kureira tteiihara*, JiMi|ak Conealve Vletra
<;t*ra<*, J.miiw Augusto Ferreira Jacobinn,
M.athia*de \;'' !' Viarou-- Manoel Firmino
FekmruJHm)^ Wfeejrtsde Ctr-^iha-, Uaaiinho da
sWalMSPTiolB'lW'0Jos'5 *1 |jfrW0'Ma'
nSi Inl (la flvl l^|iX'.t-. da S^aBusmao.
t'rWwertWBa* Soura Pitanj%aV*nJo
Manoel dos Passos Miranda.
A Jo de (oarc del .
Itlala pelo vapor (Vir.da C?3yinhi|i rSiasileira.
Acorrcs|Miii,'ncia <\\\c tem iressr expodida huje
yulo vapor cima menciouado, para os portos i$
/uria stf* rowbida pela iVirma seguuit '
.llacos de jornies, iir.press. J quajuuer nata-
rezt, a cartas a registrar, at as 2_horas da tarde,
dar.
Ojtapor Parahyba, seguir para os portos ci-
ma no dia 10 do correntb meia noite. Recebe
carga, encommendas.jMssageji'os ediaheiro a (re-
te no escriptorio do Forte do Matt is n. li.
i.i [uga|do o porte duplo.
Ofgnagsiadoa
Aela) das varias n'tiis'.ra '...- vindas do norte e
uri ^jLWtowten na i'lniinis'.iva do ertrrmm.
AiiVn Euclides da Silvelra, Antonio Marinho
da Silva. Auna fcugepia do 4J>iwroga, Jlenrifuje
tnisi-. lia' lins. Joaqoim 'i>.iKike* Vfciaiui-
iiiaraes, loao Fernandes Cavalcnti de Albuquer-
<|iie,Jos|Leitao (padre), Jos Soprea ?lpApp*'*
Mara daCnneeirao Filgueira-. Mwhws iemJw
.lo ViHarijtii-o, Manoel Firmin Ferrara, Rayaran-
da h. d.; I.im.i Pires.
r
CMPAllA BR.\SIlEIRt
DJE
Paquetes a vapor.
Dos portos do norte c esperado
a p dj 41 do. correrte o vapor
Cruzeiro do daimandante i
P. Guedes Aiai'forado, o qua'
depoi^ da demora do costume se-
para os portos do sul.
de j recabani-se pasaagairos e engaja-ge
ajlevaperpo*f cna7.ir, a qual deven
jer embarcada no dia de sua chegada. Encommen
das diaheiro afrete at as duas horas do dia d<
JKUe recebem coa encommendas senao ob-
lectos de pequeo valor e que nao excedam a
arrobas e peso ou U palmos cbicos de medi-
cao.
Tudo ,Que passar dientes limites dever se>
embarcado como carga.
Previne-se aos Sr?. passageiros que ?uas paf^,
-*****-wditMfM ato i Ktfea,-e ertao at ae teas s se recebem na agencia rna faQiiz n. 57
r andar, escriptori
Mtveia|gB
de Antinio Luiz de Oliveirs
Para o P*M
a barca Flor de S. Simvo sahir brevmente, por
queja tem parte os carga >gajada : para o restf
e passagena.-trajajp 001
valho & ""
_ ."*a r a Wrefta n. M, existe urna carta para
ser entregue a* 8r. Jotmico Paulino da Silva
P
aeha-
carga
rioa Tha
garlo n. 19, |f
consigualarios Car
Abollo n._20.______
v Mnl
niio : para
consigaa la-
ma do Vi
m cqptinacaO mn
lloje lOdcaurfoda 180.
J. Car rere eoaUnar hf ja o seu |ei|p de ia-
lenda raneaa exigente no 1- andar do sobrado
da ra do Vigario a o, visto p5o lar sido possivei
mostrar haotem todo agu aortimealo, sendo que o
leilo comecar s 1U liaraa era ponto, por nter-
eao do esmo agent Pinto e sab a rae condicio._______
1-----

.
Precia-^ comprar
ama casaeom commoos para .paca familia, pre-
fenndoji na oa-Vista ou CapuOj : tratar na
ra Raai do Manguinlio u. 73,' iiJna da ra das
Crioa
^|ni expidia
baile no taeatro do Santo Antonio, ra da Florea-
tina, em rojiwijo a chegada dos voluntarios da
patria e eapera-se aae o lirmno nacional aera
cantado pelo .nsigne arti-ia o Sr. Jos Coelno e
correspondido por am coro de ytjpen>.
_ '0 apologista.
T
MSU
~f*tonhem>.
Precia se -ilqgar uin preto que cosinlw regn'
lamiente : tratar na ro do Commercb /^k
ou narua da Auinwde n. 18 (Capunga).
r
28Camtwa do Carmo
Das s&is e mea horas da torde as on)4 ^a noift.
rdBi
(Altjfbvel
rvilaTleodo
De&O diizlaa le chapeos coa
Quita-feira 10 de marco as 10 horas.
O agente Pinto levar a leflao a requerneato
de Cliristiani t Irmaos, por autoriara) do consui
de Franca em proseacA do ou |chancellr, e por
coiiia e' ruco de gera peftencer, urna caixa
marca C F n. 7 cora 90 dui as de chapeos de dif-
rentes qualidad^s, avariadts ^ bordo do navio
francet Afole, dpitio IManault aa aaa ".Itiow
viageai do iUvre a esta porto : o leao aera ef-
feotuado aa 10 horas do 'lia acuna dito no 1 an-
dar do sobrado i j tabean**sita aa praes da Baa-
vUta a 39.
O agente Ma-tins far^ejla por centa e risco
de quera pertencer da taberna'acura efn um ou
mais lotes, a praio ou aMrhaafo conteraie se con-
vencionar ni", atoaipeillo, cuja venda se aeha
11 horas do dia na uiesma taberna.
muito be
r'trn
__
fe--

*-
COUPAl-aA
DASfr.
essagories imperiales.
THETuh
Para latisfazer a una dislincta eommisfae de
firasileirps e porluguezes, que nos honrou piu o,
pedido .le ;im festim corainemorativos dos prandes
iriumjilias que corearam os i,ielito*--v4iuBtrios
dafialria, que devein a qi:i i'ier hora, ch.-gar
.losul, f que ja de- ;; L-neo w 0"S, i(uje
t.tdavia, priv.iil.is dos recursos passa.los, sCnua-
iio-nus sacumbir, couteuiplaudo o llieatiinho de
Santo Antonio, e lembrudj-nos do theatro de
Santa Isabel, ande por tantas vazes nuuiiestanios
Kiao r indignamente a no>sa admirarlo e gratido
jtores-,-cinpiem do paiz; e-olvamos solera-
isar i dia da chegada dos volunlarios pernam-
bucanas cora um esplendido baae no saljo desle
theatro, o qtrnl romper c^ni o hyanto nacional
aatelo pelo Sr. Jos Coelbo liaibosa, dislinclo
.ioor, C'.ui acompanhaniento de um curo de me-
ninas, e execulap grande orchestra.
-O salo aihar-se ha adornado com todo oj es-
piend.H*, trop'neus, llores etc.
Dma banda do msica i rarcial tocar durante o
talle.
Nacionaes e estrangeiius que i|uizerem, ja por
eosideraeSo aquella cominissao e ao emprezario,
j por deinonstracao de justo apreeo, concorrer
:'w txpeKjfa festividade, poderfio desde j diri-
tnr-sc ao theatro de Santo Antonio a munirem-se
ios respectivos cartoes.
A testa ser dividido em res partos :
1.*
O hymno nacional.
2
O hymno da victoria dedicado ao Sr. duque de
'"jsias, execntado pela msica marcial.
O baile.
Principiar as 9 horas.
\\ p. 0 prograrama sera previamante annu-
*-iado.
At o dia 14 d.. e\i-rade aeg^nera-sc dos
portos do sul o vap>r frapcez riijntyi, com-
inanaate MaasenM. o qasi dap&aia demora do
costume seguir para Brdeos tocando era Dakar
(tiur'e) e Uisbe. 4
Para condicoe?. freles e pa$sagen3 trata-se na
.UP'iwiafua do Coaimtcio o. 9.
Al p dia l.? o i crrente pj'-z espera-se da Eu-
ropa o vapor franaei Giroiule, o 4u.1l dapois da
dcuiofp do i'ostnai" =eguir pira rtuenosAvres,
tocando na Babia, Rio de Jandiro e Montevideo.
Para/ondiciJes. fretes e palsagens trat*-se na
agencia ra do Commercio n*9. ';
Bjup l8ranliao ePar
brigue nacional Santo Amaro, capitao Cela-
no 'Alvos l'vas, pretoode seguir em amaior bre
vidade possivel para Maranho e Para, por ter
parte da sarga promta, engaja-se a que precisa
e recebe passageiros, a tratar com os consignata-
rios Marques Barros 4 C, no largo do Corpo
Santo n. 6, 2 andar.
Para o Porto.
PAVILHAO
DE
Deve sahir no dia 13 do corrento a barca por-
tugueza Amelia, de primeira classe e marcha por
ja ter prompta quasi toda a sua carga ; para o
pouco que Ihe falta e passageiros, aos quaes olTe-
rece os melhores coinmedos : trata se com os con-
signatarios Bailar Oliveira & C, ra do Vigario
n. 1. primeiro andar.______________________
Porto por Lisboa.
Com muito pouca demora dever seguir viagem
a galera portugueza Lisboa, de primeira marcha,
e elassifleada em primeira classe : para alguma
carga que lhe falla, e passageiros, aos quajs offe-
rece magnficos comraodos, trata-ae com boares
Primo, ra do Vigario n. 9. _______
de fariuha de trigo araada
A U df crrante.
O agente Olitcira tai., leao por conta e risco
de i|uein periencer de 18- barricas de arinlu
de trigo de i^iclmiond avadada d'agda salgada,
recentemento importadas de New-York pelo pa-
tacho americano Uszu II. h'uinbull..
Sexta-ff ira
a II horas da mandila, no armnzem dos Srs, J.
(juirino de Aguilar &.Q.. ao caes d'Apollo n. 67.
35-RLA E$Jbft\~ rjf3 R&SAUIO-35
Forrjece-se comidas para foi ,1 com assaia
e proroptido e maDda se levar em sua
caas na ra estrella do Rosario n. 35, ca
sa particular confrop le. a casq do Darbeiro.
a mesma casa fazirp-se flures para en-
feites de aojos, para prociss^es, sipos de
flores, rosas, capacetes enfeitadus, e tpdas
A? flores de panno e papel, para ornamen-
to de igrejas e andares ludo por harato
preco, loquis para noivas com Atas bor-
dadas a ouro, bandejas de bollos Bnos eom
armacao para casameotos c bailes, pudins,
pao de l erJeilado para presentes e toda
a qualidade de doces de ovos tambera en-
fertados, vedas ricas para baplisados BP|J4.},
barato preco, bouqiiets de flores de erar
para enfeiles de bollos e para offfirlas.
jfltett^ao.
Pungitore tem a boora e amiunciar ao respdMJHit
pital, que ifiafliente estar abarlo a concorrencia publica un
variada? atetas e nassagens djgnas da aenclo de todos por
as dillpre^te*.batUi8 dadas pelas forjas adiadas con ira o g.
a^aixo m yvk 1
*^Bjka)e lem emprcgado todos o seos exfor
'|V um bullo pasatampo anadiante uma
_ airo objeeto. gratis, de raaa i menos v
s as vistas serJpo iDudadas daap vwes por seman
publi
Mretai
sabbados.
ubh'co
cosmora
m-se
Parat
ea-
com
lias
tomo
rlala
att 1
do nasVjJfcUs<
BrasilVista do Rio % Janaa (l^raiaba da Sada).
Portugjj^
Fran
Fr,
Kep
ItaltaW
da liba terceka.
e Cherburgrx
caca do Urso, :
italVista do, porto de MonlefaK
Milao. *
ParaguaTf?assagem de Curupaity.
DitoRente cunto de t^.^pJalho 1
Russiawajba da Qhernaia."
Mbanifen fio MAMM
DAS S2S E MEIA HORAS DA TARDE AS ONZE DA NOITE.
f>
S*
00
n.f'Jrto a ign>J.
Pereira le Arroda Cmara
1), tenia: a bondad" de dirigir-
17, aneaaci<
mandiora em
sacos s9 na ra estreita Aluga-se ou vende-se urna casa com bastantes
commodos, na cidade nova de Santo Amaro ; A
tratar com Joaquim de Souza Neves, a ra das
Crines n. 36.
N segundo andar do sobrado n. to da i*a
estreita do Rosario, precisa so de urna ama forra
ou escrava, paga se bem. .f
JoiKjUMe Uodngues la**** de.Ja.illj, pra^a
' vende cal de
ioia*sa ca mais nova, e vinho Bordeaux
Ao pnWiao
Clementioo Gonfalves de Paria tem contratado
vendar seu ealabelecitnento de taberna dafuaflN
Aangel n. 39. ^___r
COWA.IfiiA Pi-riANBUUANA.
O" PjVIDENDO. ,
De ordem d) consellio de direceo se cotnamaica
aos Srs accionistas que o pagamento 'doqntntodi-
d^Corpe-Stinte n. 7, andar, vende cal de 8 de marro prximo vin-1 uu-o' em dian
Lisboa e polaca
dej1qMBdiov,
videudo razio de 1U por revio, lera_lugar do di
da conipaahia no caes da AssembM
Ama

De mu salarado de '4 andares e
Koto a rna do Ranela. 3H
O agente Martms far leilo competentemente
autorisado do sobrado de 2 andares e soto da
ruado Rangei 11. 38, o qual rende OO por an
no e o terreno proprln.
Sexta feira U do corrente.
As 11 horas do dia 3 porta do predio que foi
Assooiaeeo Commercial defroatc do Corpo Santo,
Precisi-se de urna ara; para casa do poua
milia: na ra das Crujes n. 2o.
aHfBBiaaf B8W5 aWTBttaf IHMEil
|^"pW"*'*"f**'*' "^*^*fT^^^" J#"^aw"**
ODr. Luiz Jos Cerreiade S coali-
pa no exercicio de sua profisso medi-
ca, n reside ra das ympbat (Soledade) M
n. 17, onde peder ser procurado.
ato ........ *jap
mnibus de Ca-
cllanga,
Para mclhor commodidade d?s passageiros, |
hoje em diante o mnibus denominado Passagm,
partir para Cachang as 4 horas da tarde, e de
manliaa vira as 7 1|2 para o Recite.
O proprietario,
Antonio Jofe Coelho Carnero.
01IO 9J
Precisa se de nma ama boa eosinhaira pcafere.
se escrava, paga-ee bem: na ra do Pires sobrado
"'* ____
criptorio
O gerente,
F. T. iuigts.
J0S0 Jactntho de Medmros lleeide,*nuia-se
para EtTjDpa, detxarwlo por us prucuradores,
em* prinTaro.ln4araoSr.Joao Uienaodo Aguilar,
em segundo Manoel da Costa Das Jnior, e em
tereeiro Franciso de Oiivnira HYaneo. ,
I
e
Para o P rto
Pretende seguir o mais breve possivel, para o
Porto, a barca portugueza tS. Manoel II capitao
Jos Antonio dos Santos; recebe carga frete e
passageiros : tratar com Marques, Barros & C.
na praca do Corpo Santo n. 6,3o andar, ou com o
capillo bordo.
Para'
ompanbia equestre ginaslica e acrobtica
do palacio de cln vstal do Porto.
MRECTOR
iv. Marcos Casali, primeiro funmbulo italiano,
nico rival do celebre Rloadin, e artista que
pertcneep a companl.ia de Mr. Priz.
O director desla cunpannia. desojando solem-
tiisar a volta a esta provincia do heroico balalho
de voluntarios porn;.tiibucauj, pretende dar um
grande o variado espectacnlo gymnastico e acro-
'atiee dedicado otlicialidade do mesmo bata-
lliio, devendo ter legar um espectculo na noute
d dia seguinte ao da cbegAd*,,* vapor quf
iraixer os voluntarios.
PRO(;UlHHi
PRIMEIRA PARTE
O trapesio, exercicios de equilibrio e de for-
elo gimnstico Vicente.
\? A taboa eqrtibraaa sobre a poate elstica
1 artista 9r. Luir Casali.
10 director da eompnhia executar sorpre-
lentes equilibrios cota unta eadeira sobre a
la tirante.
fatervallo de 20 minutos
SEGUNDA PARTE
0 pao voador, pelo artista Vicente.
|> Jogos indios pela fiigarita Aanafiaaali.
A barra fixs, ex eren: ios a> agdidada ( forca
s irmaos Cesar o ViceuU-
vallo de lo minutos.
LER("fRA PARTE
Finaltsar-se-ha* pspecta'uJe coa baile aa>
" 1LM
Qmaroto'eom<'Bltd* -4 *Jf5S
Coderas U.T000
1, B. Os interrallosaerao preenchides com es-
M ngminft"'||d?s pala Uaa4a de msica
bataawdetrfanuria ___
\ director da corapanhia avi aespetavef
1 que ea breve vao ter lagar no Pavilha.
isae( importantes ajaaaaaaaa
1 a
Pretende seguir em pencos das pare o indicado
porto a barca portugueza Despique II, por ter a
maior parte de seu carregamento prompto, epara
o restoque lhe falta, que recebe a frete; muito ba-
rato: tratase como consignatario Joaquim Jos
Ooncalves Beltro. rua do Commercio n. 17.
CX)JfPASll4 PERNAMBLCANA
DB
*VaTegaeo costeira por vapor.
Parahyba, Natal, Maeo, Mossor, Ara-
caty, Gear, Maodab, Acaraca e
Graaja.
Aw O vapor Polengi, eommandanu
A\L Mello s, eguir para os | porto
aaaaani cima no dia 15 do corrente ( hora.1
da arde. Recebe carga al o dia 14, encom
meneas, e passageiros e dinheiro a frete at as
2 horas da tarde do dia da sahida no escripto-
rio do Forte do M*Uas n. 11. ____________
GOMPANHIA PERNAMBQpJIA
DB
costeira por vapor
Mamanguape.
O,vapor Mandah, comanandante
Jnlio, seguir para o porto ac ma no
dia 12 do corrente as 6 loras da
Urde. Recebe carga, encommendas, Bassagei-
r se dioheiro a frete al s 3 horas ;da tarde
do djpda sahida : escriptorio o Forte lo Matos
Para o Rio de Jan
vai sahir por estes dia? o brigue porta
capitao Jo*.; Januario da Costa, anda
ana*" anda : lrata-se com os c
nos E. R. Rabelle & C, ra do Commen
oa com o capitao
LEILO
Importante de ricos movis, boa Uraca, fi-
nos crysttaes, obas de prala e ouro com
brilhates e perolas, um carro e uma
victoria, a saber:
Um pianno forte, 1 niol.ilia do Jacaranda, 1 sof,
1 mesa. 2 cnselos com pedia-, grandes espelhos,
16 cadeiras de. gnarmVao, 1 eadeira do braco?, 1
poltrona, 1 eadeira de'balance e 2 sofs estufados
forrados de damasco encarnado,, 1 eadeira pira
piaono, 1 lustre, 1 candelabro e 2 serpentinas, 4
eastioaes de oleetropkilc com mangas opacas, jar-
ros, frascos e tapete?.
Uma cama francaza, 4 mesa de cabeceira, 1
guarda louca e guai-da vestido de mogno c iguaes,
1 rico espelfv.) c )m columnas, 1 tocador, 1 relogio
com figura e redoma, 1 coliido, 2 sofs de Jaca-
randa, 1 mesa oval, 2 bancas de jogo, 1 candieiro
gaz, 10 cadeiras e I jardineira.
_ Uma mese elstica, 1 guarda looei. 1 apardor,
sof de jacaranl e 10 cadeiras, 2 ditas de ba-
lance, 1 relogio do pa*ede, 1 caixa para cha.
Um apparelho de poieelapa dourada para jan-
tar, 1 dita para almoeo, 2 pona queijos, 4 com-
poteiras, 10 garrafas, 21 clices, 20 copas c 4 frnc-
leiras. *
Uma burra de ferro (eofref, I realejo c 1 gamao,
1 aderece com brilhates e perolas, 1 apparelho
para cha, de prata, caslicae:, 1 salva, colheres,
garfos e facas tudo de prata.
Urna exeellente victoria com arreios, 1 coup e
1 par de lanternas para cama lobra do gosto).
Terca-feira, 15 de mareo
Casa da ra dos Guararapes n. 76.
O agente Pinto levar leilo. precedida a com-
petente autorisacao, os movis louca, vidros, pra-
la, ouro, camas o maisobjectos cima menciona-
dos, exilentes na casa que servio de residencia do
Sr. Luiz Antonio Vieira, ra dos Guararapes n.
76, onde se effocluar o leilo no dia cima dito.
O leilo principiar as 10 horas em ponto, por
screm muitos os Jotes.
VarragaeSa
m.
Para o Porto
Silencio sei
ra carga e p
trata-se eom es consfrnatarios Oliveir
.( larjp do Corpe Slo n. 19, ou
pM Bs> prata do eemmereio
PAfiALISBOA
O patar4to pertugitn Jfana, capitao P. M. Bran-
co .vai sahir com brevidade e reeebe carca fre-
te tratase com os consignatario E. R. Rabello
6t C. na do- Coosmareio a. */
de
pessoss
ou '
em encommanaar cama-
'" procorac akpviih%>.
Iflia de 8. Miguel.
O patacho portogoez Jeorgenu segu com mal
e^ITcnimJriaj- aai .aaaecaaaila oretidada pata o porto cima ; ajn recabe
algBfia am kete, bao como passafaxafe.
ra os q-.:aes-tea beHos commodos : a tratar tt
o seu ceaaigaataHo, Joio do Reg. Lima a ra, a?
Apollo A. V y
U abaixo assignado avisa ao publico que tendo
obtido licencia do Exm. Sr. consolheiro inspector
da thesouraria da lazenda geral, para vender es-
tampillas em seu estabelecimento ma do Crespo
n. 23. pelos mesinos preces que se vendem a re-
cebedoria geral ; assim pois, pndem as pessoas
residentes nesta cidade o Tora della dirigirem ao
abaixo assignado, suas encommendas emi]ualquer
quantidade que ser prompi.un?nte satisfTeilas.
Mainel Marlins Fiuza.
Ama
Na ra da Cadeia d > l'.ccife r. 30, precisa-se
de uma ama para corintiar eengommar._______
CUVTOXIIWATIV E IIErMtIYO
DE
C II .l.tl A SI II.
Composto pas plaas as mais odorferas e as
mais virtuosas dos montes os mais elevados, o eh
toni-purgatiro da Chambaril, pissu um gosto sa-
boroso e um aroma suavissimo, e c- propredades
as mais notareis sobre os embar.u; do estomago,
dos intestinos e do ligado o d's bs.truentc por
excedencia na .on-lipaeio do vojMB >. e nao tem
resguardo nenhmu.
Dipurativo especial e directi d.; lilis e dos hu-
mores, lefresca o saogue depurando o.
O uso do dt-Cliunburd plc sor continuado
por muito lempo sem o uieuor receip e sem m-
cointnnJo nem mudanc no modo de vi ver.
NICO DEPOSITO EM PERNAMBUCO
NA
PHARMACIA E DROGARA
DB
BartholoBieu dk C
3t ruA LARGA GO ROSAUO3i.
Precisa-sc de um amassador : r.i padaria da
Soledade n. 2. _____________________
Contina a preasar-se de um uioleque : na
ra do Rangei n. 48. _________
reclss-se nc~tfma .ama de meia idade para
cpmpiar o cosiouar para duas pessoas; na ra
Augusto B.-ftO.
0 IMMM MXTI&TA
Prederico Maya
Tem a bonra de scientifiear ao respetta-
vei publico err geral, e aos se us cuentes
em particular que elle mudorj o sea gabi^
note de consultas da ra Direila u. 42 para
a do Queimado n. 31 primeiro smtfar, con
Iruiaudade de X>ss;i Neahora
da Soledade da Boa-Vista
A maM regalera da inr.andade de N.issa So- \t entrada pelo patgO de Pedro II, onde p-
nhora da Solqdade eotvida pelo prsenle os Srs. I ,ip nrnfiBPaAn ry,,., M mislpres d* sua
mestresde carpjnas e pedreiros, que quizercn en- "^ S.01 -P^00 P"Va os m,S~reSf.* *,*
i.l ,.,r J aiipS r,-n* proiss3o, todos os da^ teis das 9 horas
da manha s 3 da tanU
Trala?ni previne, que coniin
se a vontade dos clientes nao
carregar-xe das obras" de dous "aliares, arcos e
forro da igreja, a aptesentarem snas propostas em
carta fechada era mesa, quinta feira 17 do cer-
rante mez. paleado para isso consultar as plantas
que se adiam em poder do guarda da inesuia ir-
naadbde.
'Hfxiisistoriodalrmand.idft de Nossa Senhora da
Soledade 7 de marco de 1870.
Manoel Barbosa de Araujo
Secretario interino.
ATTENCAO
Vende se a loja de calcado sita a ra Dirci-
la n. 45, a qual est bem afreguezada tanto para
a praca como para o matto e so se vende por
sua dona se retirar desta praca, quem pretender
dirija-so a mesma que achara com quem tratar
e tem tambem bastantes commodos para nume-
rosa familia por botar de ra a ra e por preco
muito rasoavel que admira._________________
A pessoa que tem em seu poder por em-
prestimo a colleccao de Janeiro setembro de 1866
desto Diario, queira mandar restilui-lano escrip-
torio d'a typographia.
( otrespondencta de Portugal
Os Srs. que -inda devem suas assignaturas de
um, dous, e at 3 anno, nao obstante a deligen-
cia que se ha feito para reeeber, queiram mandar
"pagar no escriptorio de Tasso, li mos & C. at o
fim-do mea de Marco, qnando ser enviade io
editor da mesma folha uma lista dos devedore
que nio o tenbam feito at aquella data.
Precisa-se de urna ama para ca^a de ponca
familia : na ra do Livramento u. lo, 1" andar.
Ktyaarc
s na ci
cstar-
cidade
como nos seus suburbios, para onde as
idas sefo precedidas de ajuste. He ga-
rante o bom desempenho e a pereicSo de
seus trabalhos, o que j bem condecido,
assim como as commojidades dos precos.
'^^**^*"*"
vem este negocio
Joaquim Jos dos Santos Athavde taz sdente
ao respeilavel publico e principalmente ao corpo .TjT,
do ouimerco. que desde o dia 7 do corrente dei- j l"J*">
xou de ser caixeiro -de Jaqui-n Bernardo dos;Cao <>S nome.s
Reis ; e agradece ao mesmo o bom tratamento que transaeco interessa
0 Dr. J. S. Rebello, medico homeopa- 2
! tha, reside no 2 andar da rasa n. 32 da |
aa Pra^a da Rao-vista, onde u pod/m cnsul- Mt
5 tar, ort mandar chamar, todas as pessoas, ~
S Que hiarem com a sua cpnfianca. ax
m mmmmm-mmmmmmwm
Casa para alugar.
Na ra do Paco da Patria qu travs sa do Mon-
teiro, aluga-se uma casa terrea nova com cinco
quarlos, duas salas, cozinlia fra, quintal grande o
cacimba : a tratar na ra .Yjva n. 27, leja de
selleiro.________'_____________________
Previne-se
i um certo procurador que, recebenrlo a
dousannos uma letlra fumada por um fttnc-
cionario do loro do Nazarlh, para promo-
ver a cobranca amigjvel, at hoje nao r. s-
tituio esse titulo e nem mais se entend u
com o seu consiiiuinle/que em praso breve,
ser branda a loaren?*,
is elrcumstanctas e com declara-
das pessoas as quaes dita
lhe deu.
Massa fallida.
Os senhores credores da massa falUiUj de Maia
& Espirito Santo si) convidados paiaj em todos
os das utois, de 1 as 3 horas ia a' ;* at 14 de
corrente, impreterivolmeute apre^ent^r os seus t-
tulos na ruad. Trapicho n. 4, Ion.lar, alim de
serem verificados.
Precisa-se de um moleque [>>:a criado de
um hotel : a tratar na ra do Raufcu n. 77, ta-
berna.
Escavo
E PRE BllOtf
Um sobrado de 2 andares p sotao n. 70 da ra
das Agos Verdes, solo foreiro, rende 8601 per
anno.
Um dito de um andar o. 28 da ra de Hortas,
solo foreiro, rende 640.
Urna casa terrea n. 1 da ra de Santa Thereza,
solo foreiro, rende 2K5J.
Urna, dita dita n. 11 da roa do Nogueira, solo fo-
reiro, rende 366$.
Uma dita dita n l da ra das Aguas Verdes, so-
lo tambem forein, rende 300^.
Sexta feira 11 do corrente.
O agente Martms far leilo por autorisacao do
Sr. Francisco Guedes de Araujo procurador de
Joo Fernandes Duarte herdeiro universal da seu
fallecido flilio Antonio Fernandes Duarte de Al-
meida, dos predios cima, a'poita do predio que
Precisase alagar um escravo para servico inter-
no e extorno de uma casa de homem solteiro, pa-
ga-se bem : na ra da Cadeia n. 30.
-----,-------
foi Associaco Commercial no largo do Corpo San-
to, as 11 horas do dia, os prttjada*K podem
obter qnalquer informaQao do referido igent.
-------:
3 aM
Cao perdido.
Desappareceu da rna do Desrtnf n. 3 no dia 8
do eorren'e, um eacljorrinho preto t ;? o fucinho
e pernas raneas, eretlus grandes,.- ada aparada,
e acode pelo, nome de ligeirn : laaem deile der no-
ticia na mesma casa, ou na ra d idorniz .- IA
ser recompensado.
-
Ama
Precisa-se de uma ama que 9aba cozinhar e
comprar : trata-se na ra do Queimado, loja
n. 18 A.________________________________
Hospital Portugucz de Beneflecn-
cia em Pernambuco.
A provednria deste hospital manda convidar aos
senhores associados, aos parents e amigos do
finado Fr. Antonio de Santa Anglica, a assistirem
a uma raissa que.por alma do mesmo finado man-
da celebrar no oratorio do hospital, quinta-feira
10 do corrento, as 0 1|2 horas da manliaa.
Secretaria do Hospital Portugucz do Beneficen-
cia em Pernambuco 7 de marco de 1870.
O Io secretario, f
Joaquim Xavier Vieira Ligo.
Do engenli > Maranho, lreuezia de lp. juca
do corrente o cavollos
Ci in os
furtaram no dia ;
signaes seguintes ;
Um alasao castrado, frente alierta, com os 4
cascos brancos, e tres 011 quatro ps calcados, bo-
ta crinas paia o lado direito, tem uma matadora
velha em cima dPcustel.as, novo, anda bem a
passo, bem ardigo a cipo e lem o ferro 00.
Um russo pedrez, grande, castrado, idade de
10 annos.eauda lina, e bola as dinas para o lado
direito.
Um rodado pequeo, inteiro, meio cacundo,
cnico espinbaco grosso no lugar de bexiga, bem
curvado e muito seodeiro.
Um castanho sem sigual, branco, tamaito do
meio, corregador e tem duas espadas no pescoco.
Um alara- lueimado, grande e pesado, castra-
do, de 10 anuos, carregador e tem as orelhas uro
pouco a bertas.
Quem m'os trouxer tem lOfljOO.^
Joao de Souza Leo.
II
LEILO
DE
PREDIOS
O agente Pontual vender *w leiBo, |tor auto-
riaavad'do Sr. Prancisco Qm '"s de Araujo, como
bastante procurador do Sr. Joao Fernandes Duar-
te (residente em Poftfigal) um magnifico predio de
dous andares, sito ra do Q acunado n. 7, sola,
foreiro, emetade do predio de dous andares sito a
ra da Cruz-do Iteeife n. 04.
Terca-feira, lo 1K1 corrente, ^^ .
no Io andar do sobrado n. 6*. a ra da Crol, as
11 horas.
Pede-se aos senhores orives e meww aos par-
ticulares, a eoem for offnracida uma pulseira de
ouro de le de t a 12 oitavas, Largura de deas a
meio dedos, obra-mu^e bem feito, onoa, mas sem
'be tu me as pecas, cuja folha bastante gressa, o
favor de appreheoder dita pursetra, e de a man-
dar ra larga do Rosario n 48,1 ."indar, qae se
recompensar.
m Mfmm*mma aaaDaaaM
.aaaaiauw-aaaKaaTBB
SAdvogafla
0 aacharel Francico Augusta Ja. Cesta
mird.,0 o seo escriptorfo oa rasa n. dyi
paa o-.de- o. 34 a roa do 1 liberador,
onde ser encontrado das 0 horas da ma-
nha as 3 da tarde.
Nesta mesma casa se encontrar uma
oessoa qu se propde a fazer -Tancas,
1 oncarrega de ipcsie^ oo inte-
AVWMDPEWOS
Precisa-se alagar om. preto de meia idade ou
moleque at 16* por mez: na ra da Praia nu-
mero 17.
USA DA FORTUNA
Aos 5:000
Biliietes garantidos.
K roa do Crespo n.23 e casas do coatmne.
O abaixo assignado, tendo vendido alm de ou-
tras serles, dous quartos a. *W eom 5.000*000
da lotera que se acabou de extrahr a beneficio
da matriz de Caruar (139*), convida aos pos-
radores i wrera reeeber na eonformidade do
costume sem descont algom.
Aeham-se a veada oa telizes bilhetes garan-
tidos da 1" parte da lotera beneficio da matriz
de S. B^nto (I4(P), que se ejtrahra
18 do corrente mee,
sexta-feira
flheta
Meio
Quarto
fiallO
Em Santo Amaro na estrada que vai par Belem
sitio n. 8, ba para alugar um sitio pequeo com
boa oasa de vivenda : tratar con Antonio AKes
Barbosa._______,________________________
Manoel da Silva Mendonca Vianna, tendo
justo e contralado com os Srs. Castro Pagels &
C. a sua pharmacia da ra Dircita n. 88, livre e
de=embaracada de dividas e de qaalqoer onus :
quem se Julgar oom direito a mesma compareca
para ser attondido, no praso de tres dtas, lido
esto nao se attender a redamaejo alguma.
"IMIllTlTr
Precisa se na ra da Pirnte-Velia n. 6._______
O abaixo assignado faz saber ao corpo do
commercio e ao publico em geral, que tem justo e
contratado com oSr. Jos Martms Das a compra
da sua taberna sita travessa do Queimado n. 3.
livre e desembaracada de qnalquer onw, mas se
algnem se julgar com direito a mesma, qneira.
comparecer no praso pe tn* diai.
Recife 9 da marco de 1870.
Joaquim Fernandes de Olivetra.
"" Jeaqulm feernardo dos Reis faz scente
Em porcSo de 10O pll cin* f" ***
ao
DMoeoMporpo (To commercio, que desde o
dia 2 do corrate deix.u de ser seu caixeiro Joa-
Rilhete
Meio
Quarto
5*500-
1*375
Martina Fiuza.
Manoel
Pheni WaAanttiaU
ito
conviuados a
corrente mes, no
do Commercio
acedes que sub
"posto uu artigo tt des estalutoi.
anto Athayde.
PCNIX FKRNAMBCANA.
(fcwtjwMfa rfff s+guros iiuintiiHos e terrettnt
Ra do Commercio n. 34.
fc a Reis l,300:00000!>
iraMovis.
Mercadorias.
- ai
Pefcambuc*a|
at o dia 15 do
ipo da ooroBanhia, nn
BtfSCSS?
Navios de vella.
Vapores,
los,
r
Fll CflLa^aaTtfHaf rflt '
Pemamboeo. 7 de marco de 1870.
lia Pai:. Peruambucana
JEL J. J. Tasso.
F. F. Borges.
Hoyo Atheneu
%
Poreram
nboressoaieia
Precisa-se de uma ama fiara, poucfti
famjlia; o pat-3Q do Ten,;Q n. I, taberai- \
ReC
*a*r?;
ct nvido a todos oa
10 do coien-
pclas lOhom
o r.-iaratoria
Jaaaria Caadhto vtm:n uincft
Precsase de uma mella ja* tonar canta de
nroa.casajle um bornea e un enne, e tazar o
eWco do oaa e comnrar : n rto 96 WXH\ tu
b% j. 90, a ra Cadeia do Recife n.
Ka ro* das Lrant?eiras n. 30, proeisa-s.:
afaar Tjaeacra-r para todo tsrvty.

a.
I HiBfVEl


^H^
a*
Diario de Fernambuco Q

.?

'/ /' -
Ptalas assucaradas de Bristol.
felra 10 ce tarq; et&
'":
AO ARMAZEM
NI MM
M3W BBaoaaa
lina Ion n. 9,
acaba de ehegar pela ntimos vapores novas re-
messas dos eguintes:
CABELLEIREfflO FRANGEZ
51Ra <& tJaddia do Eeicife51
Chama a attentfo dos eds innmeros freguezes, e do respeitavel publico e
L0J4 DE .I0US

DI

&C
Este antigo estabelecimento, completa-
mente reformado le novo, est as eondi-
toes de servir vantajosauente os sens fre-
fuezes, visto que a cha-se prvido oom um
xplendido sortimento de obras de onro e
rata de lei, assim como brilhantes e ou-
tras podras preciosas, oujos prepos sao os
ais mdicos que se pode encontrar.
As joias compradas nesta casa recbem-
ete em troca ou compram-se com peqneno
abate.
\ 5 RIJA DO C mi N; 5
'i
No armazem da travessa do Corpo Santo n. 23, ha sempre um completo
sortimento le ohjcctos para carros, e que se vcndem por precos muito. rasoaveis, como
sajam:
Vaquetas de lustros, grandes e muito boas.
Solas idem dito.
Oleado preto e de cores.
Colfeiras de lustro o que ha de melhor.
Uuarnices de finolatao para a'reios, completos.
Lantcrnas e vellas para as mesmas
Eixos patentes para sebo.
0 MARAVILHOSO REMEDIO DO
DE. CHAS. DE GRATH.
OLEO ELCTRICO
KINGOF PAIN
0 RE D4 DOR
para uso ivn:n.\o t: i:\ ii:i\o.
Cura cholera e cholera morbus.
Diarrhoa, Iluso do sangue, em Dm dia.
Dores do cabera, o dores do ouvido em
tres minutos.
Dor de dentes, enrftm minuto.
Neuvralgia, em ciaco minutos.
Deslocacoes, em vinto minutos.
Gargantas indiadas, em dez minutos.
Clica e cojvulsoes, em cinco minutos.
Rheumaiismo, em nm dia.
.Tobre e febre intermitente, em um dia.
Dor as costas e nos lados, em dez mi-
nutos.
Tosscs perigosas e refriados em um dia.
Plueresia, em um dia.
Surdez e asthma.
Hemorrboidas e broocliiles,
Imflamatfio nos rins.
Dyspepiia, erysipelas.
Molestia do figado.
Palpitado de coracp.
Reserve sempre este remedio na sus familia
AS DOENCAS SE APRESENTAM, QANDO MENOS SE ESPERAM.
OLEO ELCTRICO O King of Pain (O Rei da dor) aquieta c positivamente dis-
ipa mais de diferentes molestias e dores, e allivia mais os sofTrimentos e produz um
mais perfeito equilibrio no systema humano, o que nao se pode eJTeituar no mesmo tem
po, com qualquer outro remedio medicinal.
Este muito popular rem-dio est agora usando-se geralmente, pela razo que
militares do pessoas se tem curado gratis com o dito remedio pelo Dr. Grath e outros
mais.
Este importante remedio nao se offerece para curar todas as doencas, porm
12o somente para aquellas estipuladas as nossas direeooes.
Est operando nos principios da chimica e da eletricidade e por isso, esta
applicavel para o curamento e para a restaurado da aeeo natural dos orgaos que so-
irem da irregular circolacSo dos fluxos dos principaes ervos. Oleo elctrico O King
glndulas etc. em um teaipo incrivel, breve sem perigo do sea uso debaixo de qualquer
rcamslancia.
O remedio urna medecina para o uso externo e interno, composto dos ele-
meatos curativos, raizes, hervas e cascas, taes como se tem usado dos nossas antepas-
ados, e das qtaes tem grandes existencias no mando, par* curar todas as molestias
somente sabendo-se quaes ellas silo. '
Foi um grande e especial deseio da facaldade de medicina durante amitos an-
uos de experiencia para aprender os melhores modos que se deviam adoptar para cura
as sfguittes doengas, e que oroporcDes de medicina se deva usar.
NICO DEPOSITO EM PERNAMBUCO
NA PHARMACIA E DROGARA DE
Bartholomeu & 6. \
34Ra Larga do Rosario34
n
LAQ0S AUffl VHsflEteeuS
DESTENCTIVO PATBIOTIO
Vende-se roa 4o Quemado ov0.casa de Cabelleireiro
A' TESOTJRA DE ORO
CON.NO TEM NEM CALOMELANOS NEM NENHUM
OUTRO MINERAL.
A grande necessidade e falta de um ca-
thartico ou de urna medicina purgativa, ha
muito que tem sido sentida, tanto pelo po-
vo, como mesmo por meio da faculdade
medica; e por isso, infinito o gosto e
prazer que sentimos, em podermos com
toda a confiaocaeseguridade, recommendar
as pilulas vegetaes assucaradas de Bristol,
como urna excellente medicina purgativa, a
qual encerra em si todas as partes e mais
ingredientes essenciaes, tomando-se em um
perfeito, seguro e agradavel cathartico :de
familia. Este remedio nao composto
dessas drogas ordinariamente usadas na
(omposic3o dessas pululas, que por alii se
vendem, mas sim, sao preparadas com as
mais Unas e superiores qualidades de raizes
medicinaes, hervas e plantas, depois de se
haver chimicamente extrahido e separado,
os principios activos, ou aquellas partes
que contem o verdadeiro valor medicinal,
daquellas ponyes fibrosas inertes e agres-
tes inteiramente destituidas da menor vlrtu-
de. Entre esses agentes activos ou ingre-
dientes especficos, podemos nomear a po-
dophgtiin, a qual segundo a experiencia
mm demonstrado, possue um poder o mais
jaravilhoso possivel sobre as regioes do
Jgado, assim como sobre todas as secre-
ces biliosas. Isto de combinado-com o
leptandrin, e mais aguns extractos vege-
taes e drogas altamente valiosas, consti-
tuem e formam urna pilula purgativa, tor-
nando-se por isso muitissimo superior,
qualquer urna outra medicina da mesma
natureza, que jamis fora apresentado ao
publico. As pilulas vegetaes assucaradas
de Bristol, achar-se-hao sempre um reme-
dio prompto, seguro e eminentemente effi-
caz, para a cura de molestias, taes como
sejam as seguintes
Oslada ftaiicez
uuitauu rui
Para "^fijfc*. g^e
deou-
ultima
cores e qua-
i I
uioda.
Para meuinas.Botinas das mesmas
Ifdadis aefnf*.
Para homen*.Botinas de cordavio, beierro, ver-
ni, pellica, o melhor sortimento que se
pode desojar.
Para meninos.Botinas das mesmas qualidades
mencionadas para horneas.
Para homens.Botas rumanas, meias-botas e per-
neras.
Para homena. whoras e meninos.Sapatos de
tapeta, avsltdaos, charlte, casemira
nreta, tranca, de Lisboa ele. etc.
Para meninos e meninas. Abotinados fortes de
muites/inalidades. h O
Cminqnilharias
Finos artigos de Paris, de gasto e pbantazia,
como sejam, leqaes, espelhos, luvas de Jouvin,
caixinhas de costura com msica, joias de ouro
bom de lei, ditas de plaque, cofres de seda e bol-
cinhas para braco, estojos para viagens, bengalas,
chicotinhos de bleia, oculos, lunetas, correntes de
relogios, e perfumarlas de Condray e de PWer.
Brinquedos para crianzas
Carrnhos de 3 e de 4 rodas para passeios, eos-
moramas e realejos de diversos taannos, e um
cem numero de brnquedos francezes e allemaes
para entreter raenipos.
Par evitar massante leiturf de tanto) artigos
expostos venda neste estabelecimento, o dono
pede ao publico em ral que se digne entrar de
passeio afim de reriilcarem nao s a grande va-
ridade come os preces baratisstmos por serem
todos chegados de coma propria.
GLOROS
i;lobos
GLOBOS
De papel de cures em grande quantidade para
as lluminac/ies dos festejos nos dias da chegada
do hatalhao dos voluntarios ; magnifico sortimen-
sortimento eliegaJo ao armazem do vapor francez
ra Nova n. 7, por commodo preco.
geral, para a segainte tabella u
mais barato do que em outrarfl
Gabelleiras para seohoras a 2i>,
30<>, 35/ e......40*000
Ditas parahomem a 35,9, 40^e oO^OOO
Coques a M, W, 18, 200,.
250, 30# e.....500000
Cresceotes a 20,150,180,200,
250, 30| e.....320000
Cachos ou crespos a 30, 40, 50,
60,71, 80, 00 e. .
Tranca de cabellojpara annel a
DUv
Tranca para braceletes a 100,
i""
as de sua easa, os quaes sao vate por cent*
aer parte:
Cadeias para relogto a 50, 60,
100000
10000
150,200.256
,70,80, 00, 120 6. 150OCI
Corte de cabello, ..... 50*
Corte de cabello com fricc5o. 50f
Corta de cabello com lava ge m a
champou...... 10OOf
Corta de cabello com limpezi da

Hydropesia dos mem-
bros ou do corpo,
Affeccoes do figado,
. Ictericia, i
Heraorrodias,
Man hlito, e irregu-
laridades do sexo
femenino,
Dores de cabeca.
spepsia, ou indi-
Dngestao,
Adstringencia, ou..
priso do ventre
habitual,
Azia do estomago e
flatulencia,
Perda do apetite,
Edtomago sujo,
Em todas as molestias que derivam ?
sua origem da massa do san'gue: a salsa
parrilha de Bristol esse melhor de todo^
os purificadores deve ser tomado conjun
tamente com as pilulas, pois que estas
suas medicinas, tendo sido expressamente
preparadas para obrarem de harmona urna
com a outra, quando fielmente assim se faz,
n5o nos resta a menor duvida em dizer,
que nomaior numero dos casos, podemos
affiantjar nao s um grande alivio, como
tambem urna cura prompta e radical, isto
est] bem visto, quando [o doente n5o se
ache n'um estado muito alm dos recursos
humanos.
INSTANTNEOS
Travessa do Corpo Sanio n. 2S
ARMAZEM
Ra Nova n. 28, 'oja Antonio
Pedro de Souza Soares.
Bandcira, Machado & C, avisam ao respeitavel
publico que nos lugares cima encontrar no mes-
mo sempre grande quantidad de ditos pocos, e
que se acham habilitados para vender por menos
que outro qualquer, por isso que os recebem di-
rectamente do fabricante Norton, de Londres.
As vantagens que offerecem os pocos instant-
neos sao : primeiro, poderem ser collocados den-
tro de casa ou fra, com o trabalho de urna a duas
horas; segundo, fornecerem os mesmos agua pu-
ra e abiu.dante, podendo serem removidos de um
para outro lugar, quando assim convier.
Os annuneiantes sreeeb rao a importancia dos
referidos pocos depois de collocados, satistazendo
espectativa do comprador.
I'EIIIIIO
PeJe-se encarecidamente aos Sre. Domingos
Tbeodoro Rigueira e Aristides Florentino Caval-
canti de Alboquerque (defiennhaem), que venham
ra do Vigario n. li, a negocio que se precisa
ultimar.
Casa de commisso le eseravos
Na antiga casa de commisso de eseravos, d
ibaixo assignado, ra do Imperador n. 45, conti
ua-se a r< cel to mato como da praca para serem vendidos,
{arante-se o bom tmtamento e prompta venda
tara o que se emprega todos os esforcos afim di
atisfazer em tudo s pessoas que o qaizerem hon-
ar com sua confianca. Nesta casa ha sempn
iara vender eseravos de ambos os sesos, velhos
ocos, assim como ha t da seguranca para os ter
Antonio Jos V. de Souza.
Precisa-se de um caixeiro qae atanee sua
conducta : na ra de flor tas n. 1.
Na rna da Concordia, padaria n. 9, se pre-
cisa de urna ama.
Selecta brasiliense.
Acaba de pubjicar-se o segundo e ultimo tomo
d'esta obra, 1 volume 8fc o000, contem bio-
grapbias, trechos de autores nacionaes etc.
Livraria Franceza.
de urna ama de leite que seia
ido
Precisa-se
sadia, na praca do Corpo Santo n.
andar.
17. segund
Anda fgido de?de 26 do fevereiro prxi-
mo passado o escravo Joao, preto, ostatura baixa,
ledo picado de bexigas pelo rosio e falta de den-
tes : ievon vestido camisa branca, e levos mais
outra de riscado de listas. Quera o pegar leve-o a
praca da independencia laja de Porto & Bastos,
que ser recompensado. __________""i
Papella dos novi vel ordem terceira de N. S.
do Carmo
O abaixo aseignad convida a todos es seus
charissimos irruios novicos desta veneravet ordem
a compareepretn t igrefa de nosaa ordem, no dia
^^jldi. da tardo, devida-
tado eornoo hbitos, para acom
cabeca pela machina elctri-
ca, nica em Peraambuco. l00t
Frisado ingleza ou i franceza. 500
.... 30000 Barba......... S5f
ASSIGNATURAS MENSAES
Especialidade de peuteados para casamento
Bailes e soires
0 dono do estabelecimento previne s i Recomraenda-se a superior TINTURA JA-
Exmas. Sras. e aos cavalheiros que ha um PONEZA para enegrecer os cabellos e bar
salaopara tintura dos cabellos e barba, a I "O'03 admiUida na Eipoaic3o Universal
como n3o preiadicial i sade, por ser vo<
lat I, analysada e approvada pelas acade'

sim como um [empregado somonte occupa-l
do nesse servico.
AMA
Precisa-se de urna ama para o servigo interno
de pequea familia : na ra do Vigario n. 5, ter-
ceiro andar.
Trilhos urbanos do Recife
Olinda.
Continua-se a comprar dormentes de sicupira,
oiticica, amarello e cutras madeiras de duracao
para o chao, com ae dimens5es seguintes : 10 pal-
mos de com prime uto e 3 112 polegadas de grossu-
ra, de 7 1|2 de largura : para tratar, no telheiro
da ra da Aurora, desde as 6 horas da manhaa s
4 da tarde.
O superitendente,
Andr do Abreu Porto.
Advogacia.
O advogado Ayres Gama contina ter jjj
seu escriptorio na ra larga do Rosario S
n 26. W
Ciramiuatlca nacional
Primitivo de "Miranda, esiudante do 5* anno, d
lc5es ra da Conceicao n. 12 ; pode tambem
ser procurado no escriptorio do Dr, Jacobina, ra
do Queimado n. 33.
"caa da fe.
Aos 20:000^000.
Bilhetes do Rio venda : ra do Cabug n. 1
vende Vieira A Rodrigues.
Grande sitio para
alugar.
Aluga-se um grande sitio na estra-
da do Rosarinlio, o qual tem muitos
arvoredos e grande baixa para ca-
pim ou crea cao de gado, podendo
sustentar20 vaccas por ter um grande
brejo no fur,do quo vai quazi estrada velha de
Beberibe no lugar Agua-Pria, tendo o sitio urna
!ronde frente para a nova estrada de Beberibe
azendo quina na ponte que all existe. A casa
nova, tem duas sallas e quatro quartos, grande
copia .quarto de creado, cocheira e estribara, tu-
do de pedra e cal e edificada ha pouco tempo.
Quem pretender queira entender-se com o seu
proprieiario o commendador Tasso, em seu sitio
na Cruz das Almas at a> 9 horas da manhaa e
depois no seu escriptorio na ra do Amorim nu-
mero 37.
Liadas e superiores barefey/ue cor, de quadro de Sufras, para vestidos fio
lindo *eda. pelo baratsimo piefo Assim como superiores cassaa foncezaj de cftr pdrOes de muito gosto 40
4 00 r^o metro,.mM*, to^MBs'^* do Crespo n. 13, .e Antonio Corei *
Vaiconcelios.
paobarmos a pr
nossa renerav"
/fie sane de
JollJiiTroydMzevedo."
Mea dos novicos.
Precisa.ge alagar um creado ou creada uniea
ente para cotinliar: a ra da Cadeia do Rceif
n. S7.
1H1LH0S IRBA.N0S
DO
Recife a Apipucos.
A venda dos bilhetes nos carros conti-
nuar at o dia -1\ de marco entretanto
roga-se aos Srs. passageiros o favor de
coraprarem os seos bilhetes as estaces
antes de embarcarem nos tr- ns.
A conducido de bagagem principiar boje
partindo o trem do Recfe Apipucos ao
meio dia, e de Apipucos ao Recife a 1 h. e
15 m. da tarde.
Recebe-se bagagem e carga nos dias utais
das t horas da manhaa as t da tarde nos
seguintes pontos:
Recife.
Officinas.
Manguinb.).
S. Jos (casa deronte da igreja).
Torre.
Casa Forte.
Caldereiro.
Monteiro (no hotel).
Apipucos.
A bagagem para os pontos de Soledade,
Ponte de cha, Jaqueira, Parna-meirim
Sant'Anoa e Port d'Agua, s ser recebida
com a condieco do remetiente manda-lo
receber na occasio da passagem do trem
por n3o haver ali quem o recoma nem es-
tacos proprias para esse fim.
Qualquer reclamando dirigida por escrip-
to ao gerente ter immediata attenc5o.
Escriptorio da oompanbia, Io de marco
de 1870.
W. Raiolinso,
ierente.
I O Dr. Oosta Mottade volu de suwa-
I gem da Europa onde dedicou-se o
l lestiad de senhoras, a partos e* affeccSes
1 peile, pode ser pracurao emana casa
A ra da Imperatriz n. 9. Da consultas
m 10 horas ao meio dia, sendo gratis
para os pobre?.

i mias de sciencias de PABIS E LONDRES |
TEZOURA DE OURO
DO
A' ra do Queimado n. 6, primeiro andar
8 pessoas para o servico e o maior acceio nos trabalhos de barbeamento.
O sallo estar aborto, nos dias atis das 6 horas da manhaa s 9 da nou-
e, e nos dias santieados das 7 a 1 hora da tarde.

r-rriLQBi
N'ESTA ANTIGA E CREDITATA
FABRICA 4
>
IICIIT11 II COsTlaTUIRTI IDI CIIKITI II1TI1UTI II
CHAPEOS BE SOL:
De todas as qualidades I
De todos os feitios I
De todas os presos I
RA DO CRESPO N' 4

9 RA DA IMPERATRIZ 9
O proprietario deste estabi'lecimento acaba de receber um completo sortimen-
to de pianos do afamado fabricante Herz, entre os quaes tem alguns pianos de grande
formato e contem mais de que sete oitavos.
O proprietario deste estabelecimtnto offerece ao publico maiores vantagens
quo outro qualquer, fazem-se todas as qualidades de roncertos e afinagoes segundo >
melhor systema com o maior esmero e promptidao possivel. Henrique Vogeley
TINTA DE
ACORES E LA-!
VAGEM
TODOS OS
DIAS
TINTURARA
TINTURA
PRETA AS
TERCAS E
fSEXTAS-FEH
RAS
A x
HMJA DAS FL0RES-2S
O dono deste estabelecimento tinge, limpa e achamalota com a maior
perfeico possivel todo e qualquer objecto de seda, 13a, algodo, em pecas
ou em obras, chapeos de feltro, palba e manilha etc., tira mofo das fazen-
das e faz todo o mais concerner.te sua Drofiss3o, tudo com brevidade, visto
como se acha prvido dos necessarios machinismos e petrechos.
Otto Schncider.
SOFFRIMENTOS O ESTOMAGO CONSTIPAQAO -
Cun en poucos dias pelo cRVM DE BCLLOG em p ou em pastiltiae.
EMXAQECAS; NEVRALGIAS. Esm .(Tecgcs o J-"1
sipadas rpidamente peina PEBOLAt D'ETHCp S I' CUKM.
ANEMIA, A PALLIDEZ c ns wrfrimentos que necet-silam de
emprego dos fff"gi,'f*Mfc*'* sempre coinbadoi com o mebor resultada
pelas PILUias DE VALLET. Caia Pilula tem incravaJo o nome VUUf.
PO OE ROG Basta dissolver um frasco d'ettc p era meit
garrafa d'agua para se obtir urna limonada agradaTel que purga sem la-,
icr clicas.
VINHO DE QUINIUM ie lbvn^m. ble flnho, un de
poucos cuja conposico garantida constaaU, 4 urna das melhsres pre-
paracoes de quinino, sem ac co ntate! satee os conTatescentea, dando-
Ibes forcae e apsesjando a voKa a saude. Cura a* tabres antigs que re-
sisti ao suifato da quinino.
"MOLESTIAS DA BEXIOA. A uiar p1e d-estas motes-
O,0bm as sciaticaa, lombagos, catarros, a ledas as dores nervosa* asa
geral si* curadas pelas penlas de eskncUI M TtsUiatiUiTisU del'
Br. Clertan. O profeeaor Trousseau em sen Trefsji ai Vurapentc* Icn-1 5
a serem tomadas na occasiio de jaanr, aa Vee da 4 i 19. i
DE FIGADO DE BACALHAO DE BERTM-
pur*99t pnineira qnalidade, um des poucos sprorados pito
Academia de medicina.
AVISO. Todas e$tet XMdicamtntos far*m aprwaAM pela A^am*
'/" -j i ingerial de medida* de Pai.
DEP0S1TSJ
mmrktu. s* nimu; stvr*<* *>
Pemtmtuct.. Muaca et C-.
Osara..... ataatr. t
ftt-Jineir$.
PaMt.....l.sfltrtC'*.
K'foncanLii; lawni
TMoaw.



Diario de Penmmbtu Quna feira 10 ^e Maro/) de 1670.
*il\


MMI6RA ^^m^as
a\m



iflttS!
fei;! (?hoq i*
BENTO MACHADO ft C,
A AGUIA NEGRA animada cora o bom accolhimeato que teve cm seas annun
OS, vena novo pariktpar a seus freguezes que, acaba de receber um variado sorti
meato de objectos de gosto os q&aes sero vendidos por precos muito razoaveis, pois
quaodo fez os seas prinaeiros anoucios, foi o que assegurou, e sera rndo de errar,
porque como j disse osla iuteresse* ligada a urna casa Unportadoradesla praca, e
por isso poder ter ludo especial e vender por presos admiraveis.Chama pois a alten
?o de seos fregueies para os arttgos possa descrever:
Livros cora o trapo de marfira, nadre- Um variado soi timents .de cbaruteiras e
aerla e tartaruga, proprios para missa. palliteiros de porcelana,
Acabam de chegar grande quantidade das verdadeiras machinas americanai
ara desciroar algodo de todos os systemas e tamanhos seguintes :~

42
14
15
16
18
20
22
25
30
35
40
erras
ditas
ditas
ditas
ditas
ditas
ditas
ditas
ditas
ditas
ditas

i

42
14
15
"16
18
20
22
25 ditas
30 ditas
35 ditas
40 ditas
sent
ditas
ditas
ditas
ditas
ditas
ditas
de mar more rna t% Crnzea
n. ff.
O artista Gamito aeba-se estabelecido n casa
cima, onde pode ser nrocurado para todos os
Garantiras vastas proprias para presentes
tousa de gosto.
Iodispensaveis de palinha e de couro pro*
prios para senhoras e meninas trazer nos
neos.
Binculos de madreperola, marim e tar-
taraga todos esmaltados.
Cintos largos de setim, cousa inteiramen- "'
4 nova.
Fitas de sarja de todas as cores e larg-
is .para lacos.
Teios para vollarete.
Bengallas cora marfim, cousa especial.
Sabonetes de alcatrio* ^ .
Cofres de folhas para dinbeiro.
Lindas caixas para costura.
Um completo sortimento de luvas de pe-
a,
Talagorce para-bordar.
Um completo sortimento de enfeites de
Toacas, sapatmhos meias de seda e mais seda para vestido,
oertences para baptisados. .- Perfamarias de todos os autores os mais
Fitas com rasenpeoes propnas para bou- acreditados em oxtractos, pomadas e leos
net ce noiva, e gnainente outros rauitos objectos que nao
Ricos vasos com p do arror. possivel mencionar ; mas com a vista se
Um variado sortimente de jarros de por- certificarlo do sortimento deste estabele-
eelana. cimento.
Aguia Negra, ra do Cabug n. 8.
ii qaaes se vendem por precos commodos e roga-se as pessoas que dallas fizeram e_
.ommendas de alguna tamanhos, obsequio de as raandarem busca-las o mais breve pos
ivel afim de alo baverem faltas.

RA DA CAMA N. 56 A
2. f\. 2
o b 3 -r*
p n
cp
a" > ?
2~ T3 -
os _
e s O < <
E.2.Sgo-g
b T _?=.
QUINIUM LABARRAQUE
APPROVADO KU ACADEMIA DE MEDICINA OC PARO
0 Qalaium -.abarraque, eminentemente tenieo e febrfugo dere ser
preferido & todas as outras preparaefles de quina.
Os vinhos de quina ordinariamente embregados na medicina preparam-se
com cascas de quina cuja riqueza em principios activos extremamente
variavel; parte disso, era ratao de seu nwdo de preparacao, estes vinhos con-
tem apenas vestigios de principios actives, a em proporcSes sempre variaveis.
0 Qalalam Labarraqaa, approvaao pela Academia de nwdiriMt con.
stitue pela contrario um medicamento de composicio determinada, rica em
principies activos, e com e qual os mdicos e os doentes podem sempre contar.
0 alniuna Labarraqn* preseripto com grande xito as pessoas Iracas,
delibitadas, seja por diversas causas d'esgotamento, seja por antigs moles
tas; aos adultos fatigados por urna rpida crescenca, s meninas qui tem diffl.
eatdade em se formar e desenvolver; s mulhere depois dos partos; aos velbos
enfraquecidos pela edede ou doenca.
No cace de chlorosis, anemia, cores plidas, este vinko um poderoso
auxiliar des ferruginosos. Tomado junte, por axetaplo, com as pilulu da
Vaur, produi effeitos maravilhosos, pela sua rpida ac$io.
Deposito em Paris, L. FUERE, 19, ra Jacob
JttWenstr, DCfONCHELLE; CHEVOLOT. Ptnumbuct, MADlll el C
n
II :
Preci'je de ama
codnhar para raeazesi
ca da lu lependencia na. i e .
H
a comprar e
U.itarna pra
f
.
""Preela-e de urna an.a forra 9u eserava :
a tra ar na praca do Corpo ?anto n. I", primeiro
andar.


misteres de sua proontto.
i
---------
COMPRAS.
Compra-s
duas oq tres veoetianas em segunda uao.portn
que stejam eerfeits: a tratar na loja da ra Nova
Casa terrea.
Compra-se urna casa terrea
da Madre deTDens n. 16, loja.
i traur na ra
y 5
fs>
co
B
3-9 a-
H
o g'
i.
"1

a
o-2.5
* o 5-5 9
9 3-g -
*
B
a a
T>
o a
0:1 3 3 2_
Bu a;' Q.-3 ~
o a
o.. K
fe" S V U O !8
r-t-
O

* PRODUCTOS de J.-P. LAROZE
MftKaUClUTICO, t, ME OU LIOIS-SIIIT-PAUL, pars.
XAROPE DEPURATIVO
DE CASCAS DE LARANJAS AMARGAS
Ce** iaaiiBETa de roTASSio
0 lodof eta de potassio am ver Jadeiro alterante, um deparador de inconteitavel effl-
eacia; combreada com o xarope da casca de laranjas amargas, e aturado
em pertoreacio alfuma pelos temperamentos os mais traeos, aero alterar as fonecocs
do estomago. As doses matbemati cas que elle conten* permittem aos mdicos de reeeital-a
para todasscomplicacSes as affecces escrofuloaae, tuberculosa*, oanoe-
ronate e no* accidente intermittentes teroeiroa alen d'isso, e
gente o mais poderoso centra as doencaa rhetunatloas.
XAROPE TNICO ANTI-NERVOSO
d* oucu da Uranjaa mar|r.
35 annos de successos attestfic a sua effi-
cacia para curar: os ieenpu nervosas,
agudas cu rhronicas, as gastriles, gastral-
ias; c facilitar a digesC&o.
XAROPE FERRUGINOSO
dacaacaa da Uranjaa piali >?
E' sob a forma liquida qne mais facilmso-
te se assimila o ferro; n'esta forma prefe-
rivel as pilulu epastilhu en todos os casos
em que sio prescriptos os ferruginosos.
DENTIFRICIOS LAROZE
COM QCiNi,
Usir AcntiMa, eara a airara e con-
serracto dos dentes, curando as' dores
causadas pela caria ou prod asidas pelo
contado do calor oa do fro
PVRETHJtO E GAIACO
M dentifriao, com base de magnesia
para a alvura conservaco dos denlas,
provenindo a descarnadura, provecando a
trtaro de que empede a reproducio.
Deposito em Rio i* Jtiuiro, B. Chcraiat, em ftrmmbue, p. Stoarer C; m Uactio,
Pal* Da; em Pthtai, ster* Vetram; am Baaia, Da Racast; am Porto itoort, Jaa*
cata; em MuriaWo Perrrlra t C* em Ouro Prtto, C. I. V- Walareaa < en Saato Catha-
rtaa. a. SehaSelf am Montevideo, a. Imbert, em Bu:n*i-yrn, aMekaatarcbara.
Travessa do Corpo Santo n. 25.
Os acreditados cHndi"OS americanos para padaria, por dous dtfferentes sysUmas.
MacLitias (Hia descarofar aJgodo pelos melhores fabricantes de New York.
Machinas de vapor sjstemade locomoriva e polias para as meeias.
Carriolios waericanoe para fcviiisportar volames m armazens. Tado .por pre
coa razoaveis. i.
TRAVESSA 00 CORPO SANTO N. 25
55Ra da Imperatriz55
F. Gautier, proprietario deste importante estabelecimento tem a honra
e participar ao respekavel publico que acaba de chegar da Europa para on-
de tioha ido especialmente para contratar peritos oQcaes e que conseguio
contrata-Ios oa primeara oasa de Pars, por isto julga que todos ficaro satis-
feitos dos trabalhos do seu estabelecimento chjo estelleae materia] ainiia
fot augmentodo com novas machinas que ja recaseto e tambem muitas drogas
novas com as quaes se obtetn estas maravilhosas cores modernas to apecci-
das em Franca e em todo o mundo,
Tinge, Java, limpa, lustra, ach a malera coa a m-iior perfei^o faseodas
etn pecase em obras de todas asqualidades como tejam: seda. 15a, algodSo,
linhas*, chapeos de feltro edepalba etc., etc.
Tira nodoas e limpa secco sciq molhar os tecidos, conservando assm
todo o brilho da fazenda.
ImpressSes sobre tecidos
com ete novo syslema, os vestidos de seda e outras fazendas que al'agora s
j-podiam tingir-se de cores lisas, podem receber um bonito desenho d cor
diversi, a eseolha, ofue realza a fazenda e Jhe d mais merecimento.
Tintura preta, terinas e sextas-feiras
As peejoas da provincias limitrophes que quiterem utilBar-se do seu
estai>eeci(nento podorao mandar o que uverem, na cartexa de srem to bem
servidla como no1 Rio e Janeiro ou na Enropa, e com mais prestesa por
causa da distancia.

MDALHA A EXPOSIQAO UNIVERSAL DE f867
Para a Super^oridade d'a
RIAORZA
!:: ftla?.. or. na S.tlat-onorr, SO?. P4RIS.
OnKIME ORIZA
lE MHON DE I i
t.-.-re-iar freieura 4 ye', deUruir ae tui,- lie a tclltzt-ta urenkJc
ciuercar eUi
ORIZA- IL.A-OT
LOTE ANTEPBELICO
Gtre refrectr, tranquear e aiuctr a peUl, fsSMkS
ieinfftttttr aj noicr.i a> urdan.
SABAO OI1IZA.....-. D'uma masts i-e'ivMiicnteawTe e d'um perfume dos mais delicados.
OUIZA-C KAUaoeseaaae. Mia espcrialorute preparada para os baulio* e a barba.
QiOCk-l'Ll ID........ Pomadaortifir: ntee nctrititaaira conserrarosrobelloseemavdtlosdp quebrareas.
OKJK* PIIII.OCOMC. Teluno do boi i nll i Jii a Uta filial base de quisa para os cabellos,
<*;/-<)ll........... Olio twinisjis perfumado para luslraa os cabellos ; cmpediioa de quebrreia.
0l/ \-)H!I.LANTIfiE. rrisijllitadc enm violeta, para OHI2A i"I.OWK8S----- Aru?. lacotoparavc! de aro'perfame suare e dalicado, para fortIBcardo la atlla.
'MllZA-AC.IiCI.iNe... VinaRiw do Mirador, aroma eantcphilico.
KS!sKKC-OBIA..... Perfumo co;>enrad OHIZAl.VS.......... Per fume OKI/,A-roWI)KI\S..... flor de arrot da Carolina para a cara e a lidlcia da pclle.
OttlZA-OKNTIKRICE.^ Para alvejar o* dnlese connerar as g-eugivas.
0llZA-l)i:.\'l'AlK ... Siova masa flan alvrjar os dentes sea> destruir o esmalte.
CUA TONtCA DE QUIMA E POMADA DE BALSAWO DE TANNINO
Hn liapusa ii-it ti aK;a, k&iosia n M los, a^itii di alir m lirtt rmu: uyhnttlt.
06fl-0 GERAL va Caza Je
E em Caca Je todos Perfumistas o Brazil.
AMA,
Precisarse 4e urna anu deleita.:- :; para
*ervico de casa : informase v.i aberiu da rtw'
das Cruzes. ,'*!.
Nao mais cabellos branoos.
A tintura japoniza: para -tks^ia og cabellos
da cat>eca e da barba, fot a nica admiKida
Eepoeicdo Universal, por -tar sido recov
nhecia superior todas as preparaces ate
hoje eu&tMtes, eem alterar a sade.
Veosk-se a 1^000 cada frasco na
Rna da Cada jl 51,
1/ andar.
" Coxfoltelro
Pnecisa se d fl torttera para s;,iprar, cozi-
nhar ef3zer alguas sarTyis internos da/jnia am
de pouea familia, arefere-sa escraTa; tratar na
ina da Cadeia do ttueife, loja Je erragens n. 14.
Na padaria da ruti do RagPTr y Ha- te
de dous trabalhadorea e am aprend::.
------------------------------ Me) ,;-,
MARTIMOS
A Companhia Indemr^sadora, estabeiecidt.
esta oraca, toma seguros &i.rilimos sobrt
Popos tabulares ins-
tantneos*
Heitort Sampayo.
Kua \ov m. 89.
Os amniaciantes acatwm de preparar algn*
pocos tabulares instantneos, mais aperfei;oado>
do que os vindos de /ora do paiz, os quaes ven-
dem por pre do-se do seo asseirtamento at fanecionar. Um
dos melhoramcalos fwtos poder servir qaalquer
bomba. As pessoas que ajaiiernm comprar un
u mais desses tubos devem uVigir-se offlrina
do? annnncigtite.s : jua Nova n. 38.
abaixo assignado Jendo no Jornal dalte-
aj de 5 *!e mar$o um annuacio do solicitador da
fareuda pravincial, se eitfere que ni i praca o
sobrado do pateo da Santa Cror n. as com o
abatxo assjgawdo cooaenbor do referido sobrado,
sua parte nconhecida pela faanda, nao vai a
pra^a, e sfm s partes ds deraais esnsenhores,
pelo presente avisa aos pretendentes, scentiflean
do-Ibes qae nao arrematem o predio todo para
depois .nao baver dnvidas.
loio Luii Ferreira Riboiro,
Para etigenho
Precisa-se de dous bomens portuguezes para
fei lores : na'prngitda Bita-vista n. <9. se dir.
Itso m publico
Prevlne-'se para qniffiojeja arrematada a casa
terrea-n. 54 da rna Veflia do bairro da Boa-vista
que caM vai a praip par nxecucin da fazenda
para pagarnapto > foros do terreno em que se
acha edillcada a p')bria>ima igreja matriz de S.
Jo,destaV'dJide^vis^) qtj a irraandade s tem
nek Ms M^MMa a uso-frarto de seus aloaseis
por aTape dattrmtMd ^
(?aa#carregamentos e cJ^ra fo# mj^f
m edificios, meccadorias e mobilia*
ra do Vigarion. 4, pavimente lar
e letet
de leite sen
. sem Albo e que
seja de boa cofMa/fgi.se tx-n : \ rita lar-
ga (Jo Roeario n. 8, 9* andar.
Compram-se moedas de ouro e prata de to-
los os valores, ouro e prata em obras tnatiKsada?,
irilhantes e mais pedras preciosas: aa loja de
turives do areo da Conceicao, no Recilo.________
Isffl' i-SI
ESCHAVOg .
Compram-se e tendem-se diariamente para tra
t dentro da provincia escravos da todas as idades,
jores e sexos, com tanto que sejam sadios : no
erceiro andar do sobrado n. 36, a ra das Cnues.
reguezia de Santo Antonio.__________________
Com muito maior vantagem compram-se
noedas de ouro eprata : na toja de joias do Co-
aclode Opto n. i D, rna do natmga.__________
Compra seno armazm Pernambucano ra
das Cinco Pontas n. 86, garrafas e botija* vasias, i
6*000 o cento. _______.
Droi
ia
i-jsperial h<4neopatb
.ftrjiNtfrA i. t.
Af.'.ba e receber urna raotwsa --pocial A-
colate Tmer aatfcico a a abr.-.
LivSt" oara ^WaBoW Ibsneopsthir.i, |.r
para ac^nhamento de yrnplomai etc. i$ por
oxemp'ar.
Engenho.
?endf ? o engento Ferrfcosa, cma da pri-i
ras prr-pnedades sgricssae da comarca de '
Calvo, muito bon d'afatV tasas obras e si:
junto .-v etagao Ja companhia Krnambur ina
Barra Grande, a entregar em ato prximo d
sembara^.-do : quera xprttender diriia-e ao .'
o do trapiche da Cur.panhia, ca

unha. '
Aosdeputad s provincias.
Venie-se as collecees das Itte pmvinciaes d, -
de o prirr.eiro anno fo I8:t5 ale 1857 por r>-
commede. E til aejaisi^ao para os novo ele.*
da provncia e para os adtocados : na roa do I -
pender n (5. uVfmnte de 3. Francisco
Vtr.de se metadt do sMi Metoes distawft d'
taprac.i daas leanas em freprniade Maataafaap-
avaliadr :m .">.000*, o qual limila-se ao aastf.'--
con> o rio a Sinta, confronte ao rio Doce, ao O,
cont tetra da Sania, ao norte cora o rio nratiU..
hoje < nominado Pau**ta, o iiio Cobu, ao pote-
te com c riti Vfloas de Cima. Tem boas terr .-
para ulsrlacao em todo o aono, e b>>m pasto para
crea^ac d^ pado qaen o nretenJer, dirija re ^
Jos Jcr.quini da Silva, em 0!inda, ra Jo P rtr
Seguro os pretrndf>nti,s poderlo ir ver e ter o
toda exp.ic.M'ao neeessaria.
i
l!1
do Sr-lio adhesivo
A* Yeula na ruado Vigario n. I, ;triioeiro a-
lar.
0 muzeo de joias
Na ra do Cabuga n. i compra-se ouro, prau
pedras preciosas por presos mais vantatosos dt
jue em ootra qnalquer parte. ____
Compra-se
doas casas terreas na* mas Cxr,;>rda, Palma.
Caldeireiro, Sant Thereza e Santa Rita : a tratar
na rna estreila do Rosario n. 35, car'.orio.
VrNDAS.
Milho novo
Vende-se em saceos gran les. e por menos pre
co do que em ontra qnalqncr parte : para ver n<
trapiche Dantas e para tratar, rna do Apello.
Milho novo chegado
da America.
Vendem se saceos com milho da meihor qnati-
dade, e ltimamente descarregado no armazen
de farinha do caes 22 de >' rem&ro, por baixo di
iiabinete Portugucz. ,
Venda de unta casa no pt'VO
dos Mont'i. em lina.
Vende--? urna casa trr-.i. sita a ra Sova ..
povoad: o- Mcnleo ; Je tAipa, colK-rta ;
com a trfr.;e de dfam Nadb tan vinte palmos
bre 50 de "> rilo, srnala o soto furriro a pr<>|.r
de Monte? i 'ratar .a riada Cadeia du t
n. 10.
AO CAMPIIS
Na rr.a du Imperador n. 8, rae
os Sfgr.irttes gemrM tte soperior luali'i
a saber:
PltMirtos in^lezes para Mimbro
Qoeijc- !':g!ezes 'muito novos.)
A rerd'ttleia gomma e ar.i.uta.
Copr s lapidado* mirto fin s.)
Lalas com agosl
Lkov iva pan).
Chas do serto.
E om-i Je .-.ebrias pf,r 640 rs. '
*o ao arnairm !
Campos.
Ra !olmp ra^orn.28
Cal nova de Lisboa
descarregada hoje do patacho JmWt ; e vende
JoaquHn Jos Ramos, na na da ''rn; B, 8, pri-
neiro andar.________________________________
Agencia un T'ernanbnco
Do Dr. Ayer
Peitoral de Cereja
Cura a phthysiea e toda- .ules;.,,-: J.->
a sa parrilka
Cura ulceras e chagas auli^is, 3>f .,.n- a dar-
tros.
Tale*
Conserva e limpa os cabello--.
Plalas ra rticas.
Puramente vegetaes o ?em neretrrto, cura se-
zoes, curam e purillcam t;i o o -ysi-uia iiuniarn
Vende-se <,nVciivamenl en casa de Samuel P
Jiihnstoa A C, ra da Sanr.allJ Nova n. \i.
Vende-se a parte do sol; id, la ra I)i-
reita n. 127 : a tratar ni Sidas Urangeira-
n. 31.
Y i ; im .in: : patente '.x,^: na ra Jo Banfel u. 9.
\ toas < ardillas muito bon
chegadas -ne mm..n' i ir
e (la- ".-en-, n m > mrifleado, s a
^em daCurc i'>> WPMtl HM v-nnl>-
nhacontr I n asMI
ppcial p:.- Ir >, viudo do ser'"
na ja | Imenl r
BIspo n.
JTt I.') j re o de eernomia
Et famo dar lucem
P.ii- -
*ada n
Seroentes
IV .
no IMfsa
:.
Na i:.i I prs . a>. r, i
la n-c-i
Antonio dos Santos Ottvoin lera para ven
der na ra Nova n. 6, machina* p:;ra ajar atacar
algedlo de 12, 1 t, i, 20, i.'i a > serras, a-
melhores qna vem a este oaereaafe
Machinas para f;uer costura de d. |iili-
dades, sendo do melhr fabti
Boaib de Japi de todos os tamanfi *.
Rtimbas americana;'.
Rombas de cobre.
Chumbo em cano de todas as gr
Alambiques de cobrn.
Varfies de cobre para etviRia*.
Cobre de forro de navio.
Cobre para caldeireiro de todas u ladea.
Espingardas linas de i e 2 otaos,
Kevolvers de todos os Umanhos.
Formas de ferro para purgar as*u
Moinhos para refinacao.
Forradores para rafe.
Machinas para fazer caf.
Folies para f Safras para ferreiros.
Turnos para ferr^ires de patente.
Turradlas para fazi-r parafns.
fiandeijas linas.
Pesos de novo syslema.
Ferros a vapor.
Torneiras de bronze.
Aoa fundido de todas as grossuraf.
Folias de ferro.
Appareluos do metal do prin.-ipo ^ .. ;iia, e ou-
tros muitos rticos que s a .istas.
"^EOPTO."~
.4 fl# a dnxla
Vddtmn da pole y, a.
Canta, Pernambucanos, ra haperiaJ o. 2i9,
ceomprai f^go loar para festejar a rolla dos
briosos volntanos, que no campj da henra non
ca desmentiram o Dome dos Prarttiros, e qne boje
eobertos de cicatrir.es veem desianoar aoa saw
lares,______________________________________
Vende-se urna taberna na .Udade de Uiinda.
na ra do Amparo, com ;l portas na rimte. n. 8.
Ni ras
onc Ir ;
cuj
dem
ma a;;
du.;-
ver.la.
"Tein! -
annos,
<|uen a ;.
taberna, i,
|Vehs lo iwz
.hi I
-,>.
r, pj .
, i..
rn'
' ila
- V .
Cear e ck
sim r.

para
hrata. d-
com hai;,.d.v. >m rt,
cr,ivos p dn-fla a o
na rna da i. :p aa-hr.
: a
Estampilhas.
Ve-do--- nar. i da r.iut n r sodr
MZ CAZUZ
CkefOQ i' -,v.zr,ikfmlm 4a mmrj rV-t*r a
Je primeT 'a .J M;a^aal _a vea-h aai par^-s
e a retalhper s aos praf fM tas oa mu~
~ IVtli I (}IMUrP81]ll.
*% lafa m
Os prr>pr:etar<> dea I
to rrter."r- e.
lillioes de ge gur i pr to
fraaeex rieas
muito
tmtm
nteiramer v, -das a fnrfaron m*
temos sor nplettt, >
Dirijam-se. (
comprar
Scientes zer negoc,:
que temos.
c!s bda*
a
w pasataa praca.
ares do mh n.
pr.'cys nao sa 4nxar_
'ii.ido pelo nratto
Vendeiu-se vaccas paridas e 'uas de le
qnem as quizer comprar, diriji-so ao engenho
Giqii. ________________________
Vende-se ama
XV
mobilia ia. iacarandi a Lni/
traur na rna das Cineo esnus a. iV.
Vende se de urna pess^a nne se retira 1 es-
cravo crioulo de idad 80 annoa, heaita rtgura.
conduela aflangada, e tem hatilidutes; i ditos
proprios para engenho ; 1 mubtiaoa % 1 ->oleque
de iJade 12 a 13 aonos ; 1 eserava parla escura
de 23 a 30 annos, perfeifa CTgiomaaetns eo*
nheira : na travessa do Carmo n. !> aW
FESTRJO NACKWAl
Festejo iiai?K)il
Fila verdes e amareOas para a ar"
gada dos vohiolams da pof ia aa
*a
es larguras
sario n. 38.
na \ ja da Aurora, na larga 'dVtf
--

i i' |ii lo PlBO
Os re ;es te fcfoait de
manta e .leaio, arado
tigo o qn. jc pr J le-ejar da aaaaar a__
'lento, tar na <* c-irtes da seda res no vid.-, rl. ras .iiaMu haradbo de -..
qne ckepar^a. p. j'iimo vjp.-r Irarst, s p
a H>ja do Pava a ca *
aa
MILHO
^^HHaaaaaaatto **f-
safAo, tea avearlia ^IfaaMe da
a rHim_an*a par> ____
aaiaaa n. SI, her.
Audos :M
r*8iivl de impre8-
Esi a vehda na roa d tmparidaf n. 13
fronte do S. francisco urna" rranda yafyfcj
pe de impre.s3o, sato ijAMM *n.
dito, e lambea do ^rmata TlrlmT it
la qualidadi,' o por ;
rra

Af>




tr
Diario PetaambucO Quinta letra JO Je Marco de 187,
.07*1! ~T ... O i ai- >f t,' t_______qI utmJ
IL
GAL
A RITA DA I11PE1MTRIX HT, *
Esquinada ra da Aurora, cm frente do caf laiperatrzl
N'asatoott a aamniuoso estabelecimento de fazendas encootrarSo as Bow.
anfias tudo quautopossamdesejar,tanto em artigos do mais riforoao, bao, como em todas
* nwts qualidades de fazendas,
Alm aee aebarem prvidos do que de mfHar ae eacena~a lieste mercado,
aar iwftts os paquetes da Europa, recebeio dcecUmante o que era. artigos de mota e
*a ana-apurado os>o se encontra on Pars, o que vem cadadia augmentar s propor-
#*od que dist esto esiabeleeimento para bem servir sua numerosafregaezia.
Aflli
4^
Jgatfae lampara leetfws e toalhas de
ama as qualidades tjoe costuma vir ao raer-
Atoaos^ de todo o padrn e quaJida-
variadas que se nao podern descrever.
AJbaoscoDMQiwicafi para oollocar retratos,
presaate para qualquer peseoa de
toalhado definho e algodo, branco e
afeoret, proprios para toalhas.
O
a jamas de seda pretas e muilo moder-
aas, bem como de crochet, todo de aparado
futo e feitio.
Raloes de musseiioa, madapolao, brancos
* de caros, para senhora e meninas,
Bareges de coros variado sortraanto.
latoanhKs ou iras berdadaa em todas as
iargoras.
Bolbutina de rodas as- cores.
Bolsa: de tapete para viagem, grande
-ariadadc de tamaitos e antea,
fembazioa prata de indas a* qualidades.
Braraame de linhe do H palmos de lar-
nva. e todas as mais qualidades.
Bretanhas de linbo e algodo, grande sor-
emento.
Brins de linbo branco e de cores, do mais
camuedo ao mais caro em qualidade, affian-
eaoda o que ha de melhor na especie.
lirios d'algodao completo sortimento e
ittBdade de rejos.
Cassa* de eres, o maior sorlimento, pri-
'x pelo boa gosto e barateza, alientas
lidades.
O ubraias brancas, tapadas, e transparen-
fe todas as qualidades e precos.
ti 'V'sinhas de cambra a do linho e cassa
9m (as ricamente enfeitados para Sras.
Camisas para hoicens e meninos, to va-
sortuoentoque vai do mais ordinario
ata* poTSo ao mais perfeito bordado de li-
canbraii,
usas de meia, de flanelia, brancas e
es para homem.
urnas pretas- e de cores, o melhor
pode imaginar, sendo d'isso a me-
-n.va o grande consumara dclla-s na
da casa.
has de Ibres, para noivas e bares,
' a mais candfda flor de larangeira at
mais imeressante griaalda.
h'dias ao melhor gosto,de todas as
h hoja preferidas palas senhoras de
33'; apurado rigor na moda.
Chapeos pelos de velludo, para senhoras,
jfmo gusto de Pars,
daos de sol. para seobon e homens,
1 ios os pre;os e variados gostos.
fhaly dom ricos padroes para vestidos.
Cuales de todas as qualidades, avultado
tero e nao menos variedade de gostos,
atas, impossivel descrever o sortimen-
variedade de padrees e novos gostos,
nase artigo todo qr.anto se pode desejar.
Cintos para senhoras o que se pode ma-
znar de melhor.
Soques". a melhor no gosto e nos enfei-
es. tan'os tamanhos.
Se&ftarite Wda com borla?, o mais apil-
ado g'.to<>'favor.
Ditas de fasta.) bronco e de core* por
aegas comroodos.
lennos de earabraia; mmente borda-
'ira senioras.
Cwlinados de estabraia bordados e de
.. que de melbor se pode desHJari
l> larinhos de linho bordados e lisos, o
raaior sortiraentot
Bamasco;e*ft iie 9 paliaC'S|de largura
fidas cires a eos padroes.
f
EspartiUios bransos e de cores, para se-,
oras e meoraas, o melhor :.es;e genero ;
aniama Sra. deisar por ce rio de muir
de to precioso auxiliar perfttcao de
mi coroo delicado.
Entremeios bordados.
icomilha preta.
Enfeites para cabeca, ultima moda de
r*ris. recebida no ultimo paquete.
Esgnio ta linho, completo sorlimento de
odos os nnmeros.
Fitas largas escocesas para cintos, varie-
&de de gosto3 e lindos -padroes,
FWhoa'de erocht, modernos com cmtoa
capas, oqoe fea de melhor.
FH de seda, Imlio e algoda, de todos
gostos e padrOes.
FostSo de todis as cores e qualidades
grande sortirtento.
Flariell braaea e de cores.
Gase com lislras de seda e flores, fazen-
da inteiramente nova para vestidos deliaite.
Gravatas pvra aenbeen e homens, o mais
completo sortmeoto que e pode desejar.
Guipure preto e branoo. diversas largo^
ras e differentes goataa, <
Gollas e punoos bordadas para sentaras.
Guardanapos de Wbn pequeos e gtao-
des,
Gorguriode aadb piala eda cores.
Grosdenapfes preto e de cores, haven-
do diversas qualidades e gostos.
Japonezes para senhoras, o melhor gos-
to, e iazenda propria para as /oslas nos ar-
rabaldes e passeios a larde.
L5aainhas de todas as- qualidades, cores
e gostos, nao ficando nada a desejar, tal
o sorlimento que existe para escolber.
Lencos, ludo quanto podo baver desde
esguio ao algodo commum.
Laques de madreperola e oeso, o mais va-
riado sortimento.
Ligas d seda, bordada^, para seahora.
Luvas de Jouvio, cbegailas por todos os va-
pores, senpre aovo sorlimento, quer em
pellica para horneas e senhoras, quer em fio
d'Escocia, brancas e de cores.
rr>
Madapolo; indescriplivel agrande sor-
timento que ha neste gertero, desde o mais
elevado preco ao menor, c/tre se vende em
peca e retalho por menos 8o que em ou-
tra qualquer parte.
Mantas de blonde para noivas: o apurado
gosto dos nossos correspondentes era Pars
habilita-nos a dizer que temos em nosso
estabelecimento o que de melhor se deso-
ja para vestir e orear oran norva.
Mantas pretas dbblond.
Mantas para carros, com lindas pinturas.
Merinos oretos, trancados e lisos.
Musselina branca'e de cores, lindos e va-
riados padroes.
O
Pannos pretos e de cores, desde o mais
barato ao mais superior, por preco moito
coramodo.
Pannos de crochet, para cadeirase sofs.
Ditas de casemira- moito finos para
mesa.
Peitos bordados de Imho, lisos e de al-
godo para camisa.
Princetas pretas e de corea.
Popelina do seda e lialts, coia listras e-
flores; fazenda lindissima.
Pelberinas para senhoras, do ullimo
gosto.
Perfumaras ; os mais finos extractos o
que de melbor e raais ngradarel se pode
encontrar neste genero, e de mai3 fragante
e suave no olphato, tem o PAVJLHCr DA
AURORA, desde a verdadeira agua Flori-
da at o raais fino Bouqttet d'Amotn; final-
mente todo quanto deve oceupar o touca-
dor de urna senhor* de gosto.
Saias bor?adas, brancas, lisas e de eres
com follrae e sem ees, o melbor possivel,
Saluda* de baile, de todas as eOres.
Sedas pretas, de qodro.;. lavradas, iisas.
de lislras do todas as cores e qualidades e
o mais barato-possiveL
Sargelea de todas as cores e quididades.
Tapen grandes, lindas pintoras- para &
cadeiras, raais pequenes e de todos os ta-
manhos desejaveis, e en peca para co-
vados.
Toalhas de labyrratbo, do maor- e mais
fino trabaiho ao mais-barato.
Toalhas-de linho e algodo dft todos os
tamanhos, lisas e felpudas.
Tarlataoa branca con palmas e-de edres,
faseoda muito nova, e gostos debeaCos pro-
pria para baile.
Rna
Os propnelarii
cimente, alm
posto; a aprec
daram vir e ai
i Europa ui- .
rtnas e mili delicadas especialkkaes, s qna eu-
tao rosolvidos a vende, como sea cosame,
Sor precos rauito baraluM e ommodos para to-
ds, com tanto que o (Mln.~
Muito superiores luvas de pDic*, pretas, bran-
cas e do mui lidas c6res.
Mu boas e bonitas goffinhas e punhos para se-
nhora, neste genero o 19M ha fl# mais moderno.
Superiores pentes des.||rtani|n para coques.
Lindos e riquissimos. neits para cabecas das
Exmas. senhoras.
Superiores trancas preto e cores com vidri-
Ihos e sem elles; esta ftaeod^ o que pode haver
de melhor e mais bonitt.
Su|>eriores e bonitos eqnee de madreperola,
tnarfim, sandajo e osso, seridb aquelles brancos
comndoe esettho, e Mes pretos.
Matt spartores guias fie dn Ebcoss Pra se-
nhoras, as quaes sempre se venderam por 3OJO0O
a duzia, entretanto que nos as vendemos por Kt,
alm destablemos*!"*6"1 81"4*6 ?orti
outras qualadeseig-e as qa
linas.
lioa bengalas de agrior canoa
castn 'de marfim com lindas e pncantafforas
ras mesmo, neste genero o que de melhor s 1
pode uaidada fc eafrasqoecNdes, com* 9ejam,ina-
ta, 09s% berfaeia. e^p. e. ele.
is, bonitos % airosos cfiicu'nhos de ca'dia e
tras qualidades.
"as e superire ligae e sed* bomen
gurar as raeias.
. netas-a seda eara ethew pa eaeni-
e 1 a 12 annos de idade. .eaj
las, cabo de marfinj e tartaruga para fazer
sao mal beas, e de mars a mt slo ga-
e peto faMioHte, o os per noeju vat tam-
assdforaunw sua qu.'IUI*de e delicaiJeia.
Uadas e bellas caoelus para noiva.
S^erlores agnllias para maefitoe para tm*
Lkilia. imilo boa de.peto, Imna, #an esetrr
labjrintke.
Bws baralhor de eartas. para volarete, asan
como os tent? ptn o nwsmo fim.
Gtende e varia* wfmml Aas maHiores p-
lumarias dos. faeJouru* e rnaii coneeidos net-
fuiuletas.
COLAESBfBM)ER.
Ejectnoos1 mnpietiew cm&a as ceavteOe^ e
fa^ian a denticao das innocentes cr/ancas. So-
mos> desde raraito recehedores destes prodxiosos
(.ollares, e mancamos a reeebrvtes po* -lenses
vaperes, alim de que Maca floto* no mercado,
i-orra ja tem aco4ecdo, assim pois podero aqael-
tea aue delles prerisarem, Mr ao dieposito do gallo
vigifcnte, aonde sempre> encentracao esles vef*a-
deiras collares,, e os qaaes aftendendo-se ao Im
paraque sao applicado, se ^Bda* erins-um bu*
dimituto lucro. _^__^.^___
noffanws, pois, avisa m objetos qoaeTMtios
declaradeevaos imfreguesa e-amiaa a am
compraf.pr presos jnaito razoareis Ioj do gallo
vigilantoi rna de rspo >. 7/
k m\um de Fazendas e roupas [&& i m to \apfr
n. I>2, porta larga, de Paredes Poro.
Neste aslabafecimento encontrar o respeitavel publico om bonito sortinaai
arroafas a ltm*m qualidades, palitots de alpaca a 3, 3^00 at t. Ditaa
marin, ditos de casemira de cores bonitos gostoa a 54, 6JLH < ajana 1
sacos e sobrecasacos. Ditos de brim pardo finos e ordmart. Baa da aa>aaa atanaa
a- de coros de 30500 a 5,5000. Calcas de brim de cor iaaa rdinarh, Hat
brancas de todas as qualidades, ditas de brim pardo fino a araar, pas da case
de cor e preta de 4,5, 5,5, 60 a m. Golletes de todas aaqaaBMaf a
barato. Completo sortimento de camisas franceza de algodo a da bobo 1
urna. Sortimento de seroulas francezas de algodio, de linho a branaata a
Gravatas (mantas) novissirao gosto a todos os pregos. Meias sortimeato coapeakt a
i at 7)5 a-dnzia.
ROUPAS PARA MEHWOS.
Encarrega-se de quaesqoer obras de encommenda Unto para homem como
para meninos, e com brevidade, por isso que tem um bonito sartina(ito da V+Wf
todas as qualidades tanto em casemiras como brins, pannorihos'a ootraa*inini tH
randas.
FAZENDAS
Bramantes de I* palmos de largura a*il800 oaaetro.
aale sorn^iaMD| i Ganjtiraias de cor e branca.
%ls algunlfjrtp | ^ippoaa df Ufa |s cores a 640 n e ^.^
Poif-de-chvre com lista de seda fazeada de gosto a 14900.
9h9 da Birtpoie eoWtadas a 18,1000.
Sortimento de chitas escuraa e claras a 280, 300 e 300 re.
Madtpalio fiao a6(5*oa, 7|, 8 e 91000.
Algodaa po*a coa *) jaidn a 45500, 54500 e 64000.
eca de al jodio largor 7lO.
E outras muitas fazendas aje ser enfadonbo .mencionar Chegoem i rowpa
feita quePse est liquidando na loja yua da Imperatriz n. 52 (janto i loja de oarives) do
LEAO DA PORTA URG
DE
lredes Porte.
J
a ark)ja
Sai
Agua divina da E. Coariy.
Dita verdadeira da Mar"
fincantes.
Dita de flor da 1
Dtadaa Alaaa,
mar
da bocea.
edaaa>
ana
Mavoakopd acbroma-,
tiseben. O^vy-^^^JSD
sen.
Barometre e terna*
metre. Centgrada
e reuameare^


*
A
j
Vistoarios bordados de fusto brancos e
55Rilado teeimao6
A "tfERDADE tendo em deposito graad
quantaade "de mindezas e- perl'umarias, e de
sejand apurar dirreiro e adqoerr bOa fte
guezia est rssolvlda a" vender muitissiB
barato^ ; por casa razo convida ao respe?-
tavel pablico a' vir competonteraente mw
do a soj'.ir-se da* bom e baaato. i^ois-quas-
do a V-erdadrr apparece, tado mais de^
apparoce-----
Grande sortimeato de boaecos de- cera
massa-as maisliospossiveisvertidas ac*
racter.
Abotoadoras modaroas paracol-
letea......- 32<
Espelhos donr-ado pepnenee 26(
Agulhas de oso para crox 20C
Pentes para regado eom esntas a 32'
Ricos globos para nieiro defjnta ^!*8C
Cbamias ..?...- 32t
Grande soptimento de objetas- de
louca paw brinqosdo de meaino 10t
Garrafa con- tinta a> ...... 80(
Dita cora agoa florida verdadeira* a 4430(
Dita com dita dita a 14001
Frasco comoieo de babosa a 5* e 721
Dito com agaa de Colonia a 30O> o 50(
Gatrafa com agua dJviaa a. 145CX
Fra-sco co eitraetas-finos a .. 4400*
Latas pequeas com? banba muito
fina a SO e...... 16(
Sabonetes da di versa quaii daeas a
80, t6Ov2*0e...... 32i
Finas escotas para dantos da 130 a (XX
lindos coques moderaos a. 2400(
Pavios-pava gaz, das a 240 a .. 32(
Iscevas para facava 500, 100 e 70(
Ditas para cabelto-a. ..... 50
Pentes para tirar piolbo a 160 a. 241
Brincos de cores bonitos a 160 e 20
de cores para meninos, de carabraia par*.Pecas de tranca de 12a eom 8
baptisados, o que de melhor tem viudo a
este mercado.
Vestidos de la escoceza de 2 saias,
novidade pelopadrSo, gosto eferma; ditos
de linbo com barras de cores, e tie cam-
braia de cores com 2 saias, tuda iateira
novidade, trazem os modlica juntos para
mostrar a forma de os fazer.
Veos de bload para noivas e pretos para
luto.
Vestidos do blond para noivas: podemos
asseverar as nossas Exmas. freeue8, que
somos o aicos em Pernaabuco que pode-
mos offereoar ao Ilustrado publco> o mais
apuradoDMo em semajiaate materia, gra-
lores oooe ha de mais rico, quor cas ao bom gosto do qos*o lornecedor ero
mita* oW a' ramo?, tem oPAVILftv i Paris, podemos garantir que ninguem neste
SX AURORA am permaoente jardim a genero o possue melhor, nem mais om
4noicao das Exmas. familias. conta.
E' disnondo d tao grande e variado frumento que os propnetanos do PA-
WLHAO DA AURORA "se aprsenla ao publico declarando desde j qua e a sincerida-
a e o bom gostoo movel nico de seos negocios.
Prvidos d tuda e promp'os sempre a prover-se do que por ventara lhe
n necessario. os proprictarios deste sumptuoso estabelecimento recommendam-se
& tpfo fie serem coatracctos e protestara esforcar-se por continuar a merecer a
IfclHite se -Ibes tem distenaado ; cortos de que do sen estabelecimento nao sabira
GohtirS semire a oficina de alfaiate dirigida por um dos mais habis artis-
m, prompto etCutur cm promptidao e bom gosto qua^uer trabaiho que lhe seja
Sfiado Una taotata especialmente oceupada nos trabalhos do PAVILHAO D1 AU-
30RA dirig os que lhe s5o concernentes, garante poraeu apurado gosto e proropldSo
xa execicSo e a mais completa perfelco nos aans trabalhos.
A numerosa freguezia que nos honra urna prava de que merecemos ocon-
>Urrae'se dispensa io nosso estabelecimento, conceito que procuraremos firmar cada
ws aai Para fanlrtar ainda a concetaco do flm que nos propomos, temos no nosso
~rJ^rinwo*o oa ujtiav* figuriuos de Paria, que recebemos por todos os paquetes, -
a^Sltaaios |>ara Wcm vinos as familias masas ffegaeas, afim de escomen
ETftiaW da fucraa o gosto m forma. __
a officina t alfaiate, junto ao estabelecimento, ha igualmente os flgurinos
. hAmAiw oiie nT iodos os vaporta se receben.
" t00*0!' ilHlo po^ nos ipresenuaae padinoo a proleceio do dlustrado
hi^naror ,indo resPell w*08 >a eiceUeotiasiaas Sras. a v.si-
ana o mZ aai *>. :em8 *e *wrt,,M,l ^^ P60 vm0T *"** V**
aj4o que podem desejar
os
erem,


s levar as faaaodas e amostras onde fbrem pedidai, vista
auanto temos.
Jalo mxJUMrmb C.
varas por.
Oleo para machina de costura,
frasco a.........
Pennas d'aco finas, caizas a- 800 a
Dita d'aco Perry, caixa a. .. -
Galo de algodo peca *.
Lindos babadinhos e entremeios;
peca de 500 a. ..
Ditos de louca moito fina a 120 a
Ditos para calca a 160 e. ..
Caixa com papel amizade a. .. ..
Ditas com envelopes a. .. .. .
Ditas com obreias a. ......
Caixa coaagulhas faodo dowadc-
Ditas de ditas ditas a. ^ .
Thesoura para costara a 240.e
Caixa aam linba. de mares a .
Linas da cores ea noveos (li-
bra) a........
Carreteis de linia Alexaadrede 70
at 200. .......
Grarapos mullo finos con passa-
ros, duzia a ..... .
Cartas portuguezas, duzia a .
Ditas francezas a 84200 a .
Papel almaco e de peso, rasma a
:,-$i0a, 34500 e .
ba muito fina para bordar, libra
Fita do algodo para debrum da
sapatos, peca a .... .
Ditas de 12a para debrum do ves-
tido, peca a ..... .
Pentes finos para segurar ta-
bello a.......
Dito:- ditos de boulo para alisar
a 40, 320 e......
Ditos para aparar peona a .
Rosetas pretas,-par a *
i de 15a dec*a$ol paga a 40 e
Fita de coz paca480e .
Alfiletes de lati a.....
Sapatos de lia para criaooa a 400a
Gravita de sedas decoras a .
Cslcadeiraa a.
m
14001
14401
40(
44501
20t
24(
m
481
4(
28(
16(
m
m
50(
101
20t
1440(
340K
4450
645
16(
Aborto das 6 aa 0 hoiaa da noite.
48(
32X
501
101
10(
10(
56(
101
801
20(
8t
ICILB PERISCPICOS
E erystal de rocha do Brasil.
JF. J. eraiaan, reconmienda ao publico, seus vidros periscpicos aperfeicoa
dos; porque, com estes vidros, a vista dascanc, fortilica-se o nao a canea como com
os vidros ord'raarios. Urna vez escolnido um vidro, pode durar dez annos, emqaanto
que, com os vidros ordinaii ^ se ost obrigado a-muda-los todos os annos eoster
cada vez mais grossos, o que altera o crystaliuo do lho e determina quni semare do-
res de cabeca. O alcance ordinario da vista perto de 30 centimetrea do orno, a,
todas as vezes qve o objecto est maia perto ou mais longe, os raios qae expelle sao
mui convergentes ou aiui divergentes e a visio nao perfeita. Bm grande numero de
pessoas tem o deleito de fazer convergir muito de sorte que a visSo aio distincta.
Com a applicaco de meus vidros pdese vencer esas difficuldades. Para oa que tem
a vista curta e rajo crystaiino mui convexo (o qjae faz ver bea, de perto, e mal de
longe), o que se chama myope, por meio de om vidro concavo affasta-se o ponto de
vista, o que f; do o crystalino rauito chato, o que snecede aos que tem chegado a urna certa idade,
o que se chama presbyta, vem medrar de longe que de perto, e nao enxergam senao
om nevoeiro na distancia ordinaria da vista; com um vidro convexo, estes enxergaro
t5c distinclamente como na idade de 15 annos. Servindo-se destes vidros miando e
vista principia eufraquecer, previne-se o mal.
F. el. Cienaanu encarrega-se pela sua experiencia, tendente aos olbos, aes
colher, a priraeira vista, seja qual for a idade egro de vista, oculos proprios para
qualquer pessoa,
Para que sao fabricados estes vidros 7 ?
a %
roa
Copos a latas
aoaada fin
riBae esH"icios av^eaas
francezes em frascos snate* a
Outras concentradas
aoente fiaos e af
Oleo pbitocona'
itrain er aiaa aa
eom escolbidos cheiros, ea
raatastaaanaof.
Sabonetas ea barras, i
aira naos.
Dfe
nsda
Ditos muito flaat en ca
Caixmbas com bonitos
Cructas.
Ditas de madeira invemisada
aas perfmnarias, amito propriaa
antes
Ditas da papero ijni^aiaH'Baiiaa, i
tan de perfumaras
moldea aoves e elegaaan, aaa po-1
Opiata ingleza e fraaeeza para
Pos da rarapbora a oatras
qualidades taarosn para dantos.
Tnico oriental de Rtnp.
Alaiela anal
Um outro sortimento *
vos a bonitos aoldes coa filas de
e aigaas d'ellea ornados da feral aTj
estao todos expastos apreciado df I
oa pretenda comprar.
GOLLINHAS E PUNB6 BOHDAOI
Obras de moito gosto e porfeirae.
Fivellaae lita para ataaai
Bello e variado sortimento de tan i
tos, ficando a boa esco'h.i ao gosto
pradar. ______________________
RIPfi POPITL %
DA
FAMllfA NACIOM DA BAR
DE
Teixeira Uldvnco 0r O.
Ai'ha-sc veada este oattrae rap,
pdc sappnr fatta io praeen de Lisboa,
de nini agradavel perfume, viajada, e aj
mai? modi<*o possivel; e por isso lem
aeolhldo as praeas da Baha, do Rio e .
em outras do imperio : ao e^eripiorio de
Jos Goncalves Belirao, rna do Connnetal"
mero 17.
Para a vista myope, (vista curta).
Para vista que se cobre de nuvens.
Para a vista que por momentos, v es-
voacar pequeos pontos negros.
Para a viste que as palpebras tremem
de fraqueza.
Para a vista que os olhqs sao desiguaes.
Para a vista que se turva com o traba-
iho e a leitura.
Para a vista presbyta (vistagalon ).
Para a vista que nao supporta os raras
solares nem grande claridade.
Para a vista operada da catarata.
Para a vista que as palpebras est5o cer
cadas de saugue.
Para a vista que om dos olhos myop
e o outro presbyto.
Para evitar finalmente que o crystalino
do olbo se cobra de catarata.
Sortimento
para theatro,
alcance para
rinha.
de binculos
e oculos de
o campo e ma-
Tem tambem grande sorlimento de relogios para
cima de mesa dos mais lindos modelo Relogios pan i
dourada
cantes.
Lonetas, pince-nez a
face--maia, ouro, prata,
tartaruga, bfalo, ac,
etc., ate.
qua dio horas e para
a, de ouro, prata, prata
efoleada, inglezes, suissos e orisontaes dos natbores a mais afamados abri-
Vendas em grosso e a retalho. Em Pernambuco.
N. 21Raa Nova. 21.


-i-
--------
il
,-------------
i PARA A
11-Etia do Quemado11
da Europa, superiores
TASSOIRMOSaC
Vendem em sens armaieo. ao caes do Aaefc.
D. 7, Escadinha n. i e ra do Anoriai a a, <>
seguales gneros :
Ac de Milao.
Milho em ?acca3 grandes.
Parello em saccasde 90 libra.-.
Chumbo de muirn sortdo.
Metal amarello para forro de navios.
Machinas para desoarucar algodo de ?* *
serras.
Kerosene em latas de 5 gatoes.
Champagne do afamado fa>i cante Ktaa%
Hormonth.
Vinho do Porto engarrafado.
iConac do afamado fabricaste Gantier 9reres.
Fogo da Cbiaa, caixinhas, 40 cartas n. 1. Extra.
Gencbra inglea Od ton
Cimento Romano.
Cimento Hidrulico.
Cimento Pcrand.
Gesso para estaques.
Cannos de barro para esgotos.
Gradeamentos de ferro para jardins, calcada* eta-
Carros de mo para serv eos de ara anas.
Can aloes com o galdes de vinagre tinto,
dem eom 3 paloes de vinagre lalo.
Chumbo em barra.
f
Bichas hamburgnezas
Grande 8ortimanto da randa* u fifias.
Um par do suspensorio da barrada pa
lOOrisi 1 !M!!
Na verdaAe 1 rata !
a. *.
AUGUSTO PORTO acaba de -recebar pelo ultimo vapor
sedas pretas proprias paca os actos da qnaresma sendo :
GorilaJjreto do seda o que ha.-de melhor. .
Grosdenaples preto de ni versas larguras e qualidadJOOiOSJ 9*Jy 08 5SOSi39*I
Mantas pretas de blond muito lidas para senhoras. AAfaJ
Pannos e casemiras pretas, pannos azues merinos, bombasinas, princetas e alpa-
cas pretas e de corea.
Basqames de seda e guipure preto* das mais modernas.
Vestidos de blond com manta e capaila para noivas, fronbas de esguSo e cam-
braia de linho bordadas, colchas de se Ja, ditas de seda a Ib, cortinados bordados para
camas e janeilaa, vestidos para baptizados, enzovaas paa erianeas a superiores saias
bordadas.
Corta da sam de coras a di tos s seda dos mais modernos.
Poapalinas de seda lialio lisos coa tistraa goatas elajaala.
Luvas de pelia preta, de cores e brancas para homem e senhoras.
Vtias'ida caun> de tpdos os tamanhos para via^ens,
Caan aardadn ollaas inra hoaens e meninos.
Cania soraeato de fazendas proprias pira aVicas de eogenho que sa veo
dem maito barato, oonflando ter sempre t& afamadas
Eatetras v}a lo^ja pra forrar salas, e tptea de mui ti* qa
liUades.
H.....M do fifimJi41
Neste novo deposito recebe-se aor todos aaqne-
es translanticos nixas de qnalidaae snporiar, ven-
le-s^ cm caixa on porcie ma pequea a mais
jarato de que qualquer entra parte ; na ra* d*
^d>la do Hectfe n. 5i. i* andar.___________
Cigarro da imperial
fabrica de S. Joo
de Nictberoy.
nico depojito em Pernambuco caes
dega velha n. 2, i" anda.
Sitio.
Vende ?o um tio com proporcoes
que se quira naquelle genero por le
vores de trurto de toda a qualidade, dou
viveiros grande rasa de sobrado, cochi
para feitor, fiea conliguo a esta cidade e
4o de desembarque : a tratar-se no lrgalo
piche da eompanhia, em casa do Anad
Cnnha.
UHRL


^
Difib d Perambuco Quinta fera 10 de
. .

de mo.


Afta*
litro
i
BARATAS, NA LOJA E ARMAZEM
_|------------
~w
i .. m -
UdlHAV
;; i, l(lP =c

'" ^HBjfcj*
ob >oii *
J
*
\f.
DO
DE

FEIIX PERE1RA DA SILVA.
Ra da Imperatriz n. 60.
O proprieiario deste grande estabelecimento, temi dado balanco no nm do
too, como de eostome e vendo do a essas ontras multas que Ihe tem chegado este anno, tem resolvido fazer unta LI-
QUIDAf.XO por precos muito mais baratos cora o fim de diminuir a ejnaotidade e apurar
DINflElRO.
O respeftavel publico enrontra neste estabelecimento,' nlo so um grande sor-
timento do mais apurado gosto e luto, assim como todas as fazeoilas de prineira ne-
cessidade, e de todas se dio as amostras com peohor: as pessoas que negocian cm pe-
quena escalfa, wsta casa podem sortir-se de um ludo, ven jeodo-se-lbes pelos raesmos
precos das casas mglezas.
Sxplendido SOrtimentO de Crochs paca cadeiras e sofs
roupas fetas
NA LOIA DO PAVO A RA DA
IMPERATRK N. 60
aiba-se este grande estatelecmenCo com-
iiJulimoirtn sortido das s*sthores t (jupas,
tajado calcas palitots o cotetes de cisemira,
4e panno, de bm, q alpaca, e de todas
a aais fazendas que os compradores pos-
mo ilwejar, assim como na tnesma leja
amn bello serimeito de pannos casemi-
/, %rins, ele. ele. pira se andar fazer
mtaer peca de obra, coma, maiorpromp-
tidl vontade ylo freguex,.e nao sendo
O Pv3o tem um grande Bortiraento dos
mais bonitos crochs proprios para cadei-
ras sofs, mesas, almofadas etc ote, assim
como proprios para cobrir presentes, e ven-
de-se mais barato do que em -ostra qual-
eraer parte,
ALGODO ENFESTADO
Vende-se urna grande porcSo de atgodio-
smo americano com 8 palmos de largura
f roprio para leaces e toalhas tendo liso e
irrncade que se vende por preco muito em
conta.
antm de liaaho
Chegou um grande sortimento de pecas
tetados a Mi*fl, qwtojo nao stejm,de p^ de tute do Porto qne sendera
**p**^?^^^r^:to'X*n. at 1900O a vara, garantindtHW
'este vasto tatele liliefll MlWtertM^ em fazenda de linhon3o g ^ESZ
^pe.tavel puto un bolo ***** Je fh nem mars proprio para lencoes etoa-
anisas francesas e ingtozas, ceroulas de it,
nbo e alpodo e cutre3 muitos artigos
!>roori08 para'bemeus e sfinhoras promet-
:eado-se-raevender mais barato deque em
outraqualquer parte. Na ra da Impera-
triz n, 00, loja e arsaaaem de Flix Perei-
a da Silva.
Fechincha a 2^000
f*am fenqes.
Na loja do Pavio *erde-se superior bramaste
com 10 palmos de largara, dando a 'largara o cok-
erimealo do leocl, sendo apeuas preciso para
cada loncol m e meto, oiiirae *m quarto me-
tros ; afm desta ajdicaco tem ontras rmfcas
otra-arranjes de familias e vaade-se pelo barato
preco de S000 o bksto Na taja do Pavae,\rua
la Imperatriz n. 60. De'Felix Pereira da SAw.
liangas de Hateo
. Vendo-se gangas de linhooomqualrinhos
amito boa fazenda, para roepa de bomens
a meninos e vende-se pelo barato proco de
100 rs o covado:
PECBTNCHA EM PANTO RETO A 2tO0.
O PavSo vende snperiorpanuo preto fino,
para pallitots, cclcas, coletes, etc., pelo ba-
ratissimo prego de 2:406, o covado, gran-
de pecbincha.
Cortes de ecsemirafrctaa 4900
Ofavlo vende os superiores corles'de
casemiras pretas entestadas, pelo Mwrato
oreoo de iiOO, pecliiacha.
PEdNCHA, ALG 04Pav3o est vendendo pecas de algo-
3o8liho franeez, tendo 4 palmos de largu-
ra cem 1 i netros cada peca, pelo barato
preco de 44000.
Pecas de tnatlapwto a 3SOO.
O Pavao veide pecas de muito bom ma-
lapelo tendo l-jardas-cada urna pelo ba-
rato preco de 3:500.
GR09DENAPLES PRETOS.
Chegou para a loja do Pavo um grande
oriniento de grosdeoapies pretos, tendo
de 4 f 300 at 3^000 o cavado neste genero
)s melhors emais largos que tem -vindo ao
mercado, assim como bonitas sedas gretas
avraas|ft{BOreanttqiiesetc., todas gus fa-
.endas, vendem-.se mais barato do qne em
outra qualquer parte, por haver grande
porcSo.
PERCALLAS E CHITAS BARATAS-
O Pav5o vende um grande sortneoto
das mais benitas chitas ciaras e escuras,ais
oaratodoque em outraqualquer parte.
C'asftas a *40 rs.
Vende-sena loja do Pavo bonitas cis-
cas de cores Hus a 240, 280 e 300 t. o
covado.
tsudraiasraneas .* AMO a.(ie$a.
S o Pavo vende pecas de canto rata
araaca transparente, tendo mais de vaca de
largura, com 40 jardas cada peca, fazenda
que sinpre se vendeu a -OOt > e OQQ,
Jquida-se pelo batato preeo de 4^000.
Alpacas brtlhaates a 1* eSOO.
O Pavo tem o mais bello sortimento de
das que tem vindo ao mercado e tendo bas-
ante larguaa, vendem-so pelo barato preeo
4e 14000, e800 rs. o covado.
Boa pinga do Douro
A S*0<*0
FeMx Pereira da Wlva, i-ru- da Imperatriz n
40, acaba de receber ama im va remevKa do seu
nuitoacreditado Tinho paro do Dearo^ e muito
proprio parj este clima por-o&o ter (pniecqip, e
i en barris de 10* a 32/.
r(w>"
8tt

"' '9
A 60 $UIMAt>
Quaao a AGUIA BRRNCA, mais precisa scienliflear ao respeitavel publico em
geral, e em particular a sua boa freguezia, da immensidade de objectos que ltimamen-
te tem" rerebido, justamentefquando ella menos q pode fazer e porque essa falta invo-
luntaria ella conQa e espera na benevolencia de todos que Ih'a altenderao e relevarSo,
continuando portanto a dirigirem^se a bemeonhecidalja da'AGULA BRANCA ra do
Queimado n. 8, onde sempre acharo abundancia era sortimento de superioridade em
qualidades, modicidade em precos e o seu nunca desraenttido AGRADO E SINCERID.VDE.
Do que cima fica dito se conhece que o tmpo de que a AGULV BRANCV pode
dispr, empregado apeiar deseus custos no desempenho d bem servir a aquelles qne a
honram procurando prover-so em dia loja do que neeessilam, entretanto %em ennurae-
rar os objectos que por sua natureta sao mais conhecidos ali, ella resumidamente indi-
car aquellos cuja importancia, elegancia e novidade os tornam recommendaveis, como
Ibas.
PECHICHA EM CHAPEOS DE SOL
Chegoa um grande sortimento dos me-
foores cbapos de sol-de seda, ingtezes ten-
fto neste artigo o melhor que tem vmdo ao
mercado assim como urna grande ponco de
ditos de alpacas de todas as cores e todos
se venden por preco muito mais 'barato do
que em eutra qalquer parte, por baver
grande porcSo.
Os bd&es do Pavao a "2S000,
Chegm um grande sortimento de baloes
ou crenolinas do feitio mais moderno muito
proprias para vestidos ennesgaos que se
vende pelo baratissimo preco de 2(J000 ca-
da um grande pecbincba
CRET0NES MATfSADOS PARA "VESTIDOS
A 640 E 800 RS.
Para a loja do favSa cnegarsm os mais
bonites cretones escuros matisados, pro-
priospara vestidos, roapSo chambres etc
que se vendem 800 rs. o covado, assim
como a mesma fazenda em pedroes claros
proprios para vestidos e reupas de meni-
nos a 640 o covado, sendo os padres mais
moderuos que tem vinpo ao mercado.
m n mil ow di
LASINHAS UKTROSAS A 400 RS. O GQ-
VABO.
S o Pavao
Veride-se uk grande sortimento des
mais modernas e elegantes lasinhas para
vestidos, com as cores mais novas que teB
vindo a este mercado, sendo eom listrinhas
miodtahas que parecer de ma s cor e
cora-tanto lustro que imitam perfeitameate
rs poapenas de seda, o veedem-s peij
barato preco de 400 rs.
Os sems do Pas&o
Vende-so os areis bonitos etias de cores
a mais encorpados proprios para vestido*
odo de diversas cores.
FAZENBAS PARA LUCO
Na 4eja do Pavo.
Eacoctra o respeitc^el publico aesle estabeleei-
tteato un grande sorment de (azoadas pretas,
jomo eejara, cascas antas ido todas es qualidades, Eazeade de iaade;
odas qu8 tem Tindo, propria? para-hato, como j ^280
tejan, laxinhas, alpacas lavradas iiaas, canlao,
aosakazinas, merino, Kt., que tudo se vende por
jreco tralo.
Vadapolao fcamcez a 7*00 rs-
Vende-ee pecas e madapolio franeez
;om .-metros pelo baratissimo preco de
* Altas novidaes en wm
Cbegou um grande sortimento das mais
aoderaas peapelinas ou gorgueos de seda
) linho coui 3s mais elegantes padres que
tem vindo ageste mercado sendo, miados e
^raudos, tanto em cortea para vestidos cerno
para vender *m covado, assim como Jim
eonito sortimeao das a&ais bonitas sedas
Itetradas que ^e vende tudo muito em conta
CERA DE CARSAL'BA.
Vende-se urna grande .pea-cSo de cera de
aruauba em saceos por pceco mais barato
lo.a/ie em ouWa qualquer: na loja do
av5o rna da Imperatriz n. SO. De Flix
6reka.da Silva.
bm seja
Gorpiabos de cambraia, primorcsmente
eufeitados com Otas de settm e obras essas
cuja povKlade de moldo e perfeic5o de ador-
nos es tornam apreciados.
Fitas mni largas de diversas cores e qua-
lidades para cintos.
Loques uesse objecto muito se poderia
dizer querendo descreve4os minuciosamente
por suas qualidades, crele desanos, tal
-o grande e variado sortimento que acaba
de ct^egar, mas para ro massar o pretn-
deme se lhe apresontar o que poder de
melhor.
Entremeios em .pecas de 42 liras.
Guipure branco e preto do diversas qua-
lidades e desenos.
Ditos de algodao com flores e lisos.
Veos de seda para cbapelinas e monta-
ra.
Metas de -soda para notvas.
Ditas abertas de fio de Escossia.
Cestumes ou uniformes para mentiros.
Enxovaes completos para baptisados.
Capellas brancas para meninas.
Grandes sortimento de flores unas.
Fil de seda, preto.
PERFUMARA
Grande e constante sortimento de dita,
sempre melhor quajidade.
Lindos vasos com p de arroz e pinsel,
Caixinhas com .ditos aromticos.
Bonitos e modernos pentes domados
para circular o coque.
Bonitos brincos de plaquee.
Aderemos e brincos de madreperolr.
Caivetes finos para abrir latas.
Tbesouras para frisar babadinhos.
Aspas para bailo.
Novos stereoscopos com 48 vistas, as
quaes sao movidas por um raad.inismo
ornas substituem as outras.
Vistas para stereoscopos.
Bonitas caixinhas devidro enfeitados com
pedras.
Bitas de madeira envcro'isaJa com vispo-
ras e com dminos,
Bollas de borracha para brinquedo de
Touquinhas de fil, sapatinhos bordados ortancas.
rais para ditos. Diversos objectos de porcelana, proprios
Camisinhas bordadat para ditos. pa enfeites de mesa e de lapinhas.
A
Venle-se por menos de 10, 20 e 30
SO' NO
o
N. 33largo do Ter?o.N. 23.
DE
simo DOS santos a c.
Os propwetarios deete bem sorakio armazem de seceo e molhados estao re-
solvides a fazere ama grande 4iminuioo de preftos>nas suas mercadorias, como se apro-
xima festa e s-jtnpre se fazem avuttadas compras para o centro e .praca, por
isso previnem ao vespeitavel publico em geral, que mande fazer suas despencas e cer-
tas de que vero a grande diSarenca em precos mais do que em oytra qualquer parte
e garaatmdo-se as superiores qualidades.
SEVADINHA E SAG 280 rs. a libra e
630 rs. o kilograiemo.
EABJNHA DE MARUTA VEREADEIRA
(MU a libra e i&tOO o kiiogrammo.
BOLAXINHA 1NGLEZA ML'ITO NOVA a
400 rs. a libra e 800 rs. o kiiogrammo.
VELLiVS DE ESPARMACETE 70 rs. o
masso, em caixa ha a batimento.
PHOSPHOROS BO GAZ E DE SEGU-
a caada e 560 a.^arrafa, e 84 rs. o litro. RANCA, 280, 400 e 560 rs. o masso,
VINAGRE VEROA?>EIRO DE LISBOA 35200 e 41500 a gwza.
200, .240 e 320 rs. a garrfa, 1*400, AMEXAS EM LATAS E CACHLNHAb
1^800 e 20-200 a caada, DE MUITOS TAMAKHOS 1*280, 2*500
AZEIfE DOCE DE LISBOA 00 rs. a 3^-4*500' 5*80d a lata e a retalho e *
garrafa, e a 7* a caada, e 1*34 o litro. Urbm nv Mn ^ AMPiriNi i iftn r
MANTBIGA INGLEZA FLORd 4*400 e GOMMA CE MILH AMERICANA A 400 rs
a tih-a 3vW*60 e 2*780 o kilo- o masso, e em caixaba abatimeuto.
a' BATATAS NOVAS BE LISBOA 60
ILMiS EM GROSSO
PARA NEGOCIO
POR PRECOS .\fUIT0 BARATOS
NO BAZAR DA I0DA
Ra Nova n. 50
Coques ratac3o de cabello,
gaarnecidos de bellos enfeites
' ultima moda, a duzia 40*00
Papel superior de qoadrinhos,
em cantas com 20 cadernos a. 640
Envelopes pnrrclana, maito boa
fazenda o milbeiros em caixi-
nhas de OO'..... 7*500
Botes de osso bem pulidos para
calcas, a grosa 220
Ditos cobertos de superior setim
de todas as cores, a grosa dos
pequeos a 3*000, e dos gran-
des a....... 43000
Ditos com iuteressantes pbolo-
graphias para punhos a duzia
de pares a...... 5*r00
Ditos de osso imitando o marfim
com lettras a duzia. 8*500
Ditos tizos muito boa fazenda a
duzia 3*500
Abotuaduras para camisa sendo :
2 boles para os punhos, 3
para abertura e l para o col-
larinho brancos, escarlalates,
o pretos a duzia .... 8*000
Brincos de cores a balao, eousa
muito chique a duzia de pares. 1*000
Lindos frasquinhos empalhados
com bom extracto para lenco
a duzia....... 8*000
Ditos em bonitas caixinhas ca-
da frasco a duzia.... 6$0o
Tinta para marcar roupa, muito
superior eada frasco em sua .
caainha a duzia. 6*000
Livrinlios com capa de metal
domado e con bonitas oroces
para a mtssa a duzia. 7*500
Sabonetes de amendoas amaa-
gas especialidade do BAZAR
DA MODA, a duzia 2*509
Lapis pretos de superior quali-
dade, oitavados a grosa 3* e 4t5000
Escovas finas para dentes a du-
zia a 1.9600 e..... 3-$000
Alfinetes muiio bons, brancos e
pretos, a duzia de caixinhas a 2#800
Pentes pretos de muito boa qua-
lidade s grandes para alisar
a duzia....... 2>700
Ditos amarellos fazenda superior,
para piolbos, a dozia. 1*700
Ditos de borracha com costas de
metal para repassar, a duzia. BpMO
Ditas enfeitados com contas de
cores a duzia a 4*. 5* e. '. 6*000
Interesssantes coquinhos capri-
chosamente escnltidos dentro
com um bom e lindo rosario
a duzia 10*, 12* e 14*000
Grande sortimento de miudesas.
Grande sortimento de quinquilharias.
Grande sortimento de perfumaras.
Pagamento realisado no mesmo mez da
compra cora descont de 10 o/0, ou letra
acceita a seis mezes de praso.
Jos Soaret de Souza & C.
GAZ AMERICANO 9*500 a lata, e 4&0
rs. a garrafa e 6*0 rs. o litro.
VINfiO VERDAfiEIRO FIGLEIRA 3C0
a garrafe, e 4*500 a caada e 800 rs Mi-
tro.
IDBK DE LISBOA das molieres marcae,
400, 440 e 500 m. a garrae, a 2*800.
3*200 a caada, d0e 720 rs. o litro.
IDEK BRANCO DE LISBOA a 4*00&
^rammo.
MdfeSTIAS:doPEITO
iYPPHOSPHITOS
B r CK ti RH ILL
XAHiJPLdeHYPOPHOSPHITQdeSflDA
XARnr-FdeHYPOPHOSPHH0.de GAL
PILU-'.: dcHVPOPflGSPHlTOdOUmWO
palmas de seda a f Para a loja do Pavo cbeon um rico
sortimento das mais bonitas laasiobas com
Taimas de seda tendo de tods a* cores e
padres, sendo fasenda bastante larga e
vende-se a 1*00 o covado.
AS CHITAS DO PAVAO
Voode se um brilhante sortimonto e\
.,-fcJUs claras e escuras por prci;,ni mais ba-
ratos do que em outia qual(.i. r alte.
Eimipa para escravoA
Vende se na bija do Patri-.. om bnnito
aornento de roupa par oseraus.
A* POUFKUNAS. DO PAV.VO \ 500 RS.
Cbegairfiii as mais lindas papalinas de
lia com imitafiio das poofMm de seda,
im fazenda maulo leve com a mais lin-
laatres. sendo: ^^e^de Bism ; l rxa, azul
jrie* o asento, perolla etc, d. e vende-se
pelo ba/alisfiimo preco da d(*0 w.
ALPACAS LAVRADAS
Vende-se 3 mais bonit* alpacas lavradas
iom os melbores go?tos a 640, 800 e 1 #)00,
a eovat, alpacas lisas de todas as ores a
840e720rs., alpacas brancas lavradas Ji-
sas de cordo.
Na loja e armazem doFavao T* da Imperairb n, $0,
HerliW le cordSo
Vende-se merino ,preto de cordao pro-
jrio para calcas, palit)t-, e colletes, pelo
baratissimo preco de 1*000, o covado,
Ra do Imperador n. 26
Neste novo estabelecimento enconlra-sf
diariamente um variado sortimeuto de bo
linhos para cha, pastis, podins, bollos in-
gleses, pies de l, presuntos, ditos tm fiam-
bre, superior cha Hysson, preto, e miudi-
nho. Vinhos finos de todas as qualidades
eooagc, licores, conservas, champagne, cer-
veja ingleza, fructas mmto boas, por-
DITA VBANCEZA i -60, 000 < 850 rs. bbra' em 'caixa faz-M abamento. tuguezas* e francezas.
a libra, e 2*100, l*l0 e 1*860 o kilo- SERVEA INGLEZA MARCA II 5*500 Um empleto e variado sortimento dt
grammo. a duzia e 500 rs. a gacrafa._______caixinhas de todas os gostos e precos pan
HACHEAS Pm
COSTURA
Acabara de chegar ao GRANDE VJOfr-,
UNIVERSAL, ra Nova n. iic.sxm
vianna-um completo scrmento ile^M^
chinas para costura, dos at!t9reavmaisa
nhecidos, as quaes eslao em expo^r; w
mesmo Bazar, garantindo-se a soafcoa^Ba-
Hdade, e tambera eaaina-se com paifisaf
a todos os compradores. Bsfad imuaoa*
s5o iguaes no seo trabalho a o de SOousla-
reiras diariamente, e a sa petfeico como da melhor coblureira de Paiis. Apt-
sentam-se trabalhos OTccuialos pelas ta-
mas, que muito devem agradar a os pre5-
dentes.
ii ii-
ESCRAVflS FUaiDOS.
Fugio do engenho imarapibc na frepuaw
de Senuhaem pprlencpw^ a jac|r Maueo;
Wandorley os escravos seguioles : Sairnie! rria-
lo baixo. groen, nariz chalo, diz pt da GosU v ter sido comprado pequeo, Joao Caboruln C-. .'
de trinta e lantts anno, ps cbatw, utas ari*
hitadas, estatura balsa, er feixada. pou
e esta na ponta do quoixo, Felippe mulato -
de de 16 anuos pouco mais ou lomos, ba*\ / *
so. sem dtt'tiio algum, tere bttes em iwquei!... ju-
rera pouco apparece ; por isso p4e-ea jHb-
dades policiacs e i'*ptfees. de campo a caftiir &*
mesmos e lvalos no mesmo engedho oi a
da Meeda n. o, 2" andar esciiptorio to Man j-' a*-
res Perreira & L. que serao gratifiendop. _^
Fngio do eneenho Ba vista, iu nmrei'4k
Camaragibe, provincia ds Algoas, o esrrnvr %
colo, de idide 34 annos, aliura regular, gi-*
do corpo, andar banzeiro. tem* falta do dcr.ossa
frente, rusto largo, barbado, costuma as vaos f-
zer toda a barba, Wm urna cicatriz ha ttst*, e. <
ps grossos ; este escravo anda fgido lel a &a
16 de Janeiro do corrente anno : roga as autoridades policiaes e a apprehensao dsse pseravo, a entregar no ec>-
nho cima mencionado, ou nesta pra^a m& Vigarion. t2,-ou travc*sa do Curpo Stnto a. 43,
! andar, que st graWicar gen.i f j;:e.
COGNAC.
Acha-se fugiiloo escravo Frr.t.c :a p .
vdade SO annosmais ou menos, rem',i.?Vito
urna perna e-braco, este eeeravo vpio ha. p
do Sobral, muito ladino, oi:i-ul"i ?o i:.i t-cv-
desconfia-se eatar acontado, o^aid 'sd i ; o
testa contra quern o tiver fel. Graliflcs-sa,
quem o levar ou delle der noticia na roa da J>
dre de Deus n. 5, 1 andar.
De superior qualidade da mui accredita
da fabrica de Bisquit Dubouch & C, en
cognac urna das que mais agurdente d<
cognac, forneoem para o consummo di
Reino da Inglaterra..
Vende-se em casa de Th. Just. ra di
commercio q. zi.
Engenho Para' ,
Deste engenho Para, frep,uezia Je [pf'Jo< '!
no da 21 do corrente mez o crav.i k)aqua.
crioulo. de idade de O amios, boa -ii*
barba, cabe?a redomla, dentes limados. '" i ris >\
Lulz Antonio Jonteiro, da fazenda da Rica, t>;
guezia*da Pedra, fii vendido .ao ?r lawlC
valcanti de Albunnerque- Bairao. e deajUKava
sobrinho Jos AWes Marinho Fatcao, ds que^a e
houve per compra : quem o levar em dUo%*i-
nbo, ou nesta prac^ a ra da Cruz n. ii, tetfAk
boa gratificacao.
Jos Valenlim Vieira de Miitln
Fugio no dia O dofevereiro, pea 2* iw, a
escrava crioula de nomei.Belizaria (pie rpp.ip?t!^
ter 40 annns. estatura baisa, eom grande fala d* ,
dentes e con nma sicatriz de qoeimadura n> Im
50 direito, tendo levado dous chales, sendo en
verde e outro listado ddfizul e brano ; que
a captnrar sirva-se leva la a Ponte Je JcIk'jb
sitio de Joao Jos Rodrigues Mandes, oa a raa
da Madre de Deus n. 28, ajM ser geuerosaihu>
recompensado.
BBACO
rs.
DITA PiLV TEMPERO 560 s. a 1 DEM BA6S, VERBADETRA mXMBS &
bra, 1*220 -o kiiogrammo, em po*co se WHA, 800 rs. a garrafa e 9* a dniia.
far abatimetto. VINHO M PORTO ENGARRAFADO DE
BANHA RE PORCO BE BALTIMOOR DFVDRSAS MARCAS 4*500, 1*200, l*e
720 rs. a Hbre, o 1*560 o kiiogrammo, em 800 rs. a garrafa,
porfo se far abatnente. GEWEBRA DE HOLANBA E HAMBOR-
AROZ DO MARANHOC DA INBA GUEKA ?* e a frasqaeira, e 500 rs. o
120 e rs. a libca, 260 rs. o kiiogrammo e
3*400 a arroba,
ALPISTA 200 rs. a libra e 450 a, o
kilogrsmmo, e 6*000 a arroba.
CAFE EM GRiO 6* e 6*500 a arroba,
200,240 e 260 rs. a libra, 440 e 520 rs. e
kiiogrammo em saoea se far atamento.
SABO MASSA 240 e 200 rs. a libra,
520 e 440 rs o kiiogrammo, em caixa se
faz abatimento.
MASSAS PARA SOPA, MACARRG, TA-
LKARIN E ALETRU.i560rs. a librare
1*220 o kiiogrammo.
BOLACRTNHAS EM UTAS DE DIVER-
SAS QUALIDADES, bem como perola bri-
lhante, ombination, Franey-cracynel, mixed
Britania. Mdium, Fancy-nic-nac, a, b, e, e
soda a 1*000 e 4*400, cada urna lata.
Assim como ha outros muitos
frasco.
DEM DE LARANJA DOCE AROMTICA,
II* a frasqaeira e 1* o frasco.
mimosear senhoras, estas caixinhas recen-
temente chegadas de Paris sao de primora-
do gosto, offeresse-mo-las aos galanteadoie}
do bello sexo pois nellas acbarao nm digno
e serio presente para as donas dos sen.'
pensamentos. Tambem os apreciadores di
boa fumaca encontrarao charutos dos-me-
lbores fabricantes da Babia e de Havana
sganos do Rio de Janeiro etc. etc.
Doces d'ovos seceos, christalisados e de
QUINOS DE WVERSOS VAPORES, ; calda, ditos de caj ede outras qualidades
30000, 2S800 e 2*400 em caiaa ha abati-
mento.
TOCIKttO DE LISBOA MOTO ALTO
400 rs. a libra, e 880 rs. o kilogramme,
e 11*500 a arroba.
LING1CAS FINAS PROMPTAS EM LA-,
TAS 1*000 rs. a lata.
LOMEO DE PORCO ASSADO JA PROMP
TOa 1*000 rs. a lata.
CHA FINO. GRAUDO E MIUDINHO
3*200 e 2*800 a libra, e 6*100 o kiio-
grammo.
DEM PROPRIO PARA NEGOCIO 2*000.
25200 e 1*800, rs. a libra,
gneros, vinho em ancoretas, azeitonas.
XAHf'tdBWOPHOSPHIT de FERRO
PiUH^saftfjNypDnfoSPMFrCMe MANGAMESaUt
^e brmchi's
PASTIiflAS PECTeR^ES^CHRCHl
Exigir para os xarepet o fruteo quadraio tm
todos 01 proittot a atsfgnttura do 0" CXV&-
oma., e 0 letretro cen a ane* e kMca da
PhvaatU WkW-MMfB, It, ruaCutiiU-t. PAW8
muito novas, passas e figos novos, charutos de diversas marcas, marmelada, feita pelos
maihores conservemos em Lisboa, gela de marmello, pcego, ervilbas, em latas, por-
tuguesas e franeeras, vinho verde engarrafado i retalho, peixe em latas, bem om"
pescada, tainha, parg,,goraz, lula, corvina, vezogo, cavalla. sarda e sardinhas de Nan-
tes. Oanella, cravo, ervadoce, cominho, pimenta, grandesmolhos de sebolla 1*500.
Finalmente amitos outros gneros que enfandonho mencioua-los.
PARA A FESTA
Sportas, lja de feragem
53-Jftua Direita--53
Ne9te graado estabefecimmtto, ha para vender
un comptato artimeto de lerragem, e miudezas
finas e grata, como njfta bandejas chinea*
mudradas e ovaes, facas e garios de 1 2 bo-
tes, balando inteiro e VS balanco; pauellas, cha-,
lheiras, cacarollas, frigidetras, assadeiras, tanto
de ferro como de porei-lana, noiohos para caf de
dtversoa tamaitos do Ihbneaate Japy, pesos kilo-
grasunof, Unto de- ferro como de iatao, metros
para medir fazenda unto de ferro como de Iatao,
salitre, brea, barbante, eoxofre, papel marca va-
do, do feftfeM Pfeario, machinas para desea-
irocar algodio; alm da oobrae artigos de ferra-
I genvmiudezas cutilarias Snas, que so com a vis-
u so verlfloa: na rna dfmta n. 83 loja de 3 por-
tas de MapoeJ Banto de Ovetra Braga* &
CEMENTO
PORTLA^t.
Vad-se no armatem ataarHo de VTeeme Per-
reba-dt-Oo** & filho, defronte doareod^Ca.
wcio, en harnea grandes
VNDESE ou arrenda-se o engeani
S. Gaspar, sito na freguezia de Serinhacn.
tomarca do Rio Formoso, prximo do tm
barqoe, com grandes partidos de pal .
massapd roda da tnoenda, raattos mangue
para madeira necssaria, bom pasto, etc.:
a tratar na ra d'Aurora n. 26, ou na di
Imaarador o. 20.
Lagedo
para calcad
preco commodo ; na ra do Apollo n. i.
Nesta casa'recebem-se encommendas par
bailes, casamentse baptisados equalquer
encommendas avulss, como seja pao de-l
bollos erifeitndos e outros matas couzas
que enfadonho mencionar.
O verdadeiro portland. S se vende n;
ra da Madre de Deus n. 22, armazem t
Jo3o Martins do Barros.
J. A. M0RER4 MAS
tem constantemente em seu arroajem, ra da
Cruz n. -2t;. um completo sortimento de
Balancas decipiaes.
Ditas nriSonteB.
Peso d ferro pc-in nystema decimal.
Bombas California para pocos, as melhores que
ten ipi*iir<.-cjil,i at boje.
Charnin li para candieiros a gaz.
Lonas de ludas as qualidades.
Agua tloiit.
Graixi em .oieia 97.
Vidr.w piri-a vidra^a.
T,lU",,""""'al- ________________-ui-------
Lf.qn lreperola com seda, e todo? d.
niadrepe-' pnpro para n-i as, ebega-
'rarn atoja a ra do Crespo ir. 7 A, -as
sim cerno requissimo* cheles ile toutoi de to
das as cores, vestuario* bordado*.d^ cantbra
para baptizados, moias de escocia (uovidade) rnpi
tn bonitas para as.Exmas. Sr'a. que goslam Snda?
de sapatttho ras -e otfros muidos artfgbs lie gos-
to que os proprieUrios dtle estabetecaento teetr'
recebido.
se uoja preu boa quitaadeire, lava de
varrella.e toja principio de cozinlia : para
vende-so lagedo para calcadas e armazec3 por | ver na ra de S, Goncalo n. 80 coufronte aoefia-
Jariz.
Fugio do engenho Bicbo-horaen,
28
do Hai-t
do Bonito, no dia 28 de ferereiro prximo pausa-
do, o escravo de nome 'Zacaras, com os fi.una*
seguintes : cor fula, narcbato, beico* pro?? .
urna pequeua marca debexiga no alto it joto.
estalusa btixa, chefci do corpo, ps grossos m*J
feitos, idade *<' a J8 anoos aoaco mais sn n
levando vestido calca parda, camisa da ..!
zinho chap-ii de bata pardo. Julge-?' :.mvov
escravo ter i Jgido por seduecodo um honaem '?>
diz ser morador no engenho.Diamante,'. .i' S
riohaem, e que ha descenliam-a de ieailr< fui *
mesmo. Pede-si; aos Srs. eapitaes de ojfnp' b
autoridades policiae, a captura de dito e^iavo.
eo levarem ao engenho cima, ou em c un
Sr. Antonio Goncaives Ferreira Cascan qi. P :&
na ra da Cruz n. 30, que ser genera^amer?*
recompensado.
Fugio no dia 4 de marc> o escravo tonUn*-
preto, -de idade M) aants, ollios raoAas, re
fado, tem todos os dentes, sem barba, fui sea
de jaqueta parda, camisa branca, alca de ?:i=v-
mira amarella com vivos chapeo Jo WhYo
fita larga c*ii.'fila, foi comprado ao Sr. teera
coronel .Andr Gavaleantc de Albaquerquc A
co-Terde dofirrqne, para onde se nrpOe t l >
gido : quem o pegar e 4ewli> a rtu Dinim ;.
'), a Jcaqnim ifogulino da Silva fragoso, ir
ser cem recompensado.
De>appareceu o dia i do eorrente, do *
genho tmente! da coma rea do Calo, o c-cra"*
Laiz, cabiinha, de l" a 18 annos, ski, sed *
bonita figura, todos os dentes, tem as ,
urnas sarnas secca9, ps grandes, fallas i ansa%
olhos vivos, nariz grosso, bocea pequeua, i: ->
apressado, levan ralea ejaquea de brii'
camisa de chita e chapeo de bata ; < rimo ti : -
gar Cacimba-Nova da freguezia dettlipseira ,a
comarca de Paje de Flores, rendo que f i
escravo do Sr. Paulino faptutel da Silva Ci
foi por este vendido a jen ioo <> leoei1 Jo*-
qnini Raphael da Cruz, que tamhim^" '.
nesta cidade a*Sr. cepillo Francisco'dfc l*Jlr>a *.
Albccrrrqoe Uva, senhor-daquelle np^eiio q
roga as aut-ridades rxJiciaes a captura ii :
cravo, e a sua eqlrega no dito eqgeuhq, ou
ta cidde tolftti. bar.o de Nazufetb, q.'
ordem para
apreseetar.
V
gratificar geiierosamette a ijpn t
200^000.

n Fogto em 13 da Janeiro do lfl o icard it
thous ee meia idadfl, cAr reUAf <'!,*. rpjea.q^a- *
eui
Fiiita>, mi i'.aqneir, -nba viad^tt* u
aponeos uii-jus o tem la urna mullnr.
se qne ahd.-nas'ierras dt' StinAi : ii-h,
autridMlPs e cSpitfies de t'npf a 'V '
escravo'e )r.wt > Hrlfe 0' tni,fl*ii-r :r-
Canlowdj ^, ruada-Ltngiiflta,n.
i>' i''-ia contra qualquer estpftjUM^u'.;'>> '*"
lid.) gratifica ae 'oin W't Wb-' :jr '
1ara.^flnM*n'enhV>r.
FMsri.r^TMgrjRo ((, s
S.-mto MfMo, B" da JOdeotitio do
o t*vav ,.i: ". i1h. com, os aignaff ?>#*
on","., Uii'ko, corpo r<
nrhsrtrt, 'Mfiis'peuewis, nMihrwWfc^f*^
a regul,lr,-*.
ia e andar apiBS*ado coasia : ed
IHo- Ui ria ca, Bet>erilc na Apipucns, aconta .
Jos a Sai t'tma. Vn TrmJo llberr
ora wa cempartliia mb **> h^e fl\\m ti <
rba, e por outro irwaode.none Josd il-'
o conduztra para os luga*' acUj^
ale de nm putro so/o de nomo Juu
da Silva.cotfliedido por Jos P^
daquella omarea. legaje fetfciri* I
pita da eaaw:qoe o aapreheiidam o a
ruadoRaagei* 17,oubo engent,
entregar a s sBMfer Joao Corr' -
Monteiro, yae seravgeoerosaniente iraitaioa

aaaa
IliG.VEL



8
Diario de Pernamb
(K8 neo -- Quinta eira 10 de Marco de 180
oh 01 infel )ii;nV____s_ i..JV. ..'* T
UTTHttTEA.
HA DO SR. COROACTy
DRAMTICO FURTADO
l-lilf NO RIO DE JAN
KM RKQOSIJO PELA
PATRIA.
Q'un 11 di pa'rtS voz, quei
f! drdainjnritvHBM i
' ais daqu 'Ha tvgt
ITADA PBLO ARTISTA
NO TB8ATM i>:: S.
PMCTAODLa UADO
iVOLCMTAStdS DA
triste 0 311) CU,
s-seus chair.ou,
Mb move o a^ila
H j cada ara fiilioleu un, fcvaatou '
7 patria o* vio p.-.rlir, sereno?, c.-iIiim
! anus, mais quo a espida, levando o oowffi i
t q m Un litwftar fm.poto, altl-n, de crav ,..
1 a^ilo a n'loa impresas na face da na
1 pitria os vio p\rtir.' ocerU da vieturi.i,
longfl abenenava os, erjuendo as 50'.)$ ,i en
I ijuauto eal.i um co'a espada oseraa a hbt >r
patria, a cada golpe &lc,audj-lhc ac traplia I
4 patria o santo arrnr guiavaos! Ai paj j-3iisam.
1 i j; im m-.irts I > i h \a .- Vu, 'nj ii;i.'.
a importa Ihes a inorle, se ten um co aa wncTn
-queJIa que os gerou p'ra nunca iniis tomb.i'r".
mporta-lhes a raorte, e os claros na fueira r
vio golpes que enaobrecetn. morte que nao de:
v .. gloria em ter mortalha as dobras da bandeo.
cada homem que morre nasce um novj.heroe f
Ei-lo agora de rada
Ao soto da raai querida,
Em troca de ouja vida
A vida forana expr!
Naqaelles rostes queimad,
Oo peito as cicairizes
Vede que samas raizes
Do seu santo e p;.trio amor !
Olhai os pannos rasgado?,
Partido em varias partes,
Desses nobres estandartes
Q.i'r-nnobreeem a naco:
Em cada mancha que vedes,
Em cada tira que pende
i ma victoria se prende,
Escrpta em cada rasgo I
Ei-los de volta I a victoria
Foi dees, que a conquistaran: !
Cumprida a missan, voltaram
Trazendo patria os brazos,
Olhai, pois, reverentes,
Esses vuUos legendarios !
Da patria sao voluntarios.
Sao da patria pav iludes I
E patria, terna raai, que innunda a lu-iia loria
'.;.3rta agradecida ao seio os fllhos seas,
K ^i nomes registrando-lhes no livro da historia,
' revO voluntarios da patria Bria rets!
Biographla de nuia rsa.
NOCURNO.
A umpiam-itit.
I.
A rosa de que eu trato fez a saa entrada
,a saldes fluminenses entro os folhos asse-
?...ados do vestido d'Ctla.
Era urna dessas flores raras, magnificas,
uplendidas, cuja natureza extica tentam
s balde analysar e compreheuder todos os
j ./dineiros da trra. Magna flor i na pitra-
; de Linoeo.
Era ama rosa rabia como o labio de urna
?..spanhoJa, homida como a bocea de Jalieta,
"fumada como as suaves emanares que
0 amor respira as trancas da mulher ado-
ada.
Dir-se-ia que no seio dessa admiravel flor
1 .Ipitava um coracio do mulber, um divino
uoracio de virgem, mal aberto anda as em-
iagantes caricias da primavera 3 da pai
>.o.
Quando ella entrou nos sales do baile, o
1 :bro das ptalas da rosa passou todo para
suas faces.
Notavel coincidencia! A rosa tornou-se
v dlida e curvou mysteriosaraente a cora
r .tre as nuvens do vestido rocogante.
H
Lu amei essa menina, essa menina branca
- triste como a estrella d'alva, pensativa
Cuino Vesper, e mais para que todos os ly-
)5 da primavera.
Foi um amor qae....
III.
A orchestra deu sigoal de ama valsa.
\. ia, recostada grade do terrado, con-
iraplava looganente o azul profundo do
?ijnsonte Iluminado. As arvores afllavam
catre os arvoredos, e a voz do mar, como
t..n presentimento de morte, vinha morrer
a seus ouvidos.. EHa segua a loz trmula
js astros a ondula?5o de sua alma vir-
C6m, como os astros se reviara na formo
;-ara della.
Eu amav essa menina, essa menina
t.anca e triste como a estrella d'alva, pen-
saivac imo Vesper e mais pura .que todos
Go lyrios da primavera.
A orchestra dera o signa! de urna
valsa.
FOLHETIM
%\ \\mm\mwM\
lie Berthet
(Continuacio do n. 55.)
XVI
A reTclace*.
Van-Best nlo comprebeodia a razio d'is
t., e, cobrindo Amelia de caricias, dizia-
IC3 :
Vamos, que isso ? Parece qae esse
Casameoto ja cousa decidida e que te que-
ea impor um marido, como fazem os
i aea as comedias I So nao te agradar o
*r. de Beaucourt, nao te obligo a casar
com elle : s senhora da toa vontade n'es.
te negocio... Alm de qu. u3o me pare-
ce muito rasMvel declarares-te assim ad
\ersa a um mancebo que nio conbeces ou
: quem pelo menos nao conservas, como
dzes, idea alguna... Ora' diz-me : se as
6021 boas qoalidades, os servicos que los
(em prestado e os que anda prestar ebe-
grem a ienpressionar o tea coracio, &3o
horas a primeara a arrepender-te das tuas
I svonces anticipadas ?
Nao conbeco o Sr. de Beaucourt
plicoo Amelia. possivel qae elle terina
todo o merecimento, todas as qualidades
que se Ihe attribuem : eu nao Ine resuso
os sentimentot de gratidao a que lem di-
r.Xo da nossa parte, mas n2o passarei d'isso
e peco-lbe, mea pai, que nao insista mais
__N'esse caso, o meo associado conten-
se-ha com o tea reconhecimento ; mas
a fallar a verdade, jalgaodo pela toa per
tmacia, suppor-se-ba que tu j fizaste a tua
ecolba sem dar parte a nmguem.
Amelia fwi-ae corada.
Meo pai, accrescontou ellarepito-
#Skd que o nlo posso deizar... Que tarta
ceo pai ten mas ? Qoanto i escolba em
que falla, sao possivel oilpsaio preva-
Em que pwatvts tti, alma de Mal-
0I0( ^ IV ffA
Nos voavamos juntos, perdidos no tarbi-
Iho vortiginoso. A rosa ergueu a fronte
melanclica er.te as cambraias idees. Eu
senta o aroma da flor e morra exttico be-
beodo os aromis diaquelles cabellos tenta-
dores.
Oh o ar, a luz, a msica, toroavam-se
mais doces ao contacto da sombra della. A
wjlsa abiia as azas chammejantes, e o amor,
como o sol oascentc, !evalava-se no hori-
sonie tranquillo (Je seus olbos apaixo-
nados.
Nos voavamos jorilos, perdidos no tur-
bill3o vertigruoso.
V.
Daquella noute reblam-me apenas a morte
na alma e em mir.has raaos trmulas urna
ptala da rosa, que se aninbava no arminho
do regaco delia.
Urna ptala de rosa! Guardo-a no mesmo
cofre em que esto as cartas de miaba mli
e os cabellos de minba irmia. Urna ptala
de rosa. Ab nessa pequea ptala de
rosa est escripto com lagrimas o meu pas-
sado inteiro I
Quando elia tsa-pareceu de meus olhos
eu cuide! morrc de desespero e de loucu-
ra. Procurei-a por toda a parte com a sof-
fregoido do mineiro que cava um diamante
ou como o mergult.ador oflegante que ar-
ranca a perola do seio convulso do mar
emquanto a tempestade e os ventos gemem
sobre a sua cabeca.
Os susurros o mundo passavam por
mira como a furia das vagas e eu recebia-os
com a impassibdidade das r chas:nada
turbava a limpidez melanclica da imagem
d'Ella, esculpida na minba alma.
Onde estas ? Onde ests ? Onde ests ?
flor, fer.te, sombra, ao sol nascente
e aos crepsculos da tarde, natureza in-
teira, pedia eu noticias d'Ella e a respos
ta era a solidao eterna, a resposta era a
saudade tremenda que me est-angulava im-
piedosa.
Pobre creatura sublime I Eras luminosa
de mais para vveres oas tre vas deste mundo.
Virgem da trra,.as tuas azas de anjo le-
varam te para o cu ?
VI
A petla da rosa que se aninbava no re-
gaco d'Ella conserva anda hoje o aroma
suave das ilu;oes perdidas.
Quando a nouie clara e o vento mur-
mura as arvores orvalhadas, eu cuido ou-
vir o meu ncr:,-; repetido pelos seus labios
sinceros e innocentes.
Atravessei de bovo louco alravessei
Je novo os saldes da festa ruidosa 6 atroa-
dora.
As lnzes eram frias, a orchestra... A or-
chestra preludiou cboraado aquella Wdlsa....
Fugi desse legar Iluminado e estivo, que
apresentava-me o aspecto de urna cmara
ardente.
Dir-so a que "a sombra d'Ella agradeca-
me em nome do passado.
As luzes ersm frias, a orchestra...
A orchestra preludiara chorando ajuella
valsa.
VII
Foi no aiio da raorte que eu enontrei
os vestigios d'Ella.
O cemterio guaidava aquelle corpo ado-
rado, surdo para sempre as delirantes
emocoes da existencia, emqaanto a alma
cumpria no cea o destino que Dos reserva
aos esp.riU' emanados dos anjos.
Nos tristes ramos dos cyprestes gema o
vento da tarde ; as aodorinhas retalbavam
a atmosphera transparente, e um virginal
emblema de mar-more erguase sobre a se-
pultura.
Junto da sepultura ia crescendo urna rosa
semelhante rosa que ella trazia ao seio
naquella noute do baile e da separacao eterna
Sobre a pedra do tmulo eu li 0....
VIII.
Eis ah, meu amigo, a historia da rosa,
cuja ptala marcha viste-ma honlem beijar
com o respeitc com que se boija urna reli-
quia sagrada.
Findou-se c nocturno. Podes agora en
tregar-te todo s harmonas de teu piano
inspirado.

Lt'IZ CIMARES JNIOtl.
vel ? Nao sabe que vivemos aqu em
completa insulaco, oceupados nicamente
dos negocios da mina e sem relaces com
pessoa algaras ?
O argumento nao de todo mi...
Saja, porm, como for. mioha Giba, acre-
dita que jamis te contrariarei sobre mate-
ria de casamento. Poderei avahar as tuas
preferencias, mas sm te impor a minba
vontade.
Obrigada, meu pai... E assegura-
me que nao se compromelteu com o Sr.
R...?
De certo que n5o. Fiz que o5o o
comprehendora bem e Acarnos em vagas ge-
neralidades.
Das provavel que elle volte ao as-
snmpto e onto...
Entio ditar-me-has tu mesma a ros-
posta mas, por quem s, antes de assim
despresares o meu novo associado, deverias
ver se elle tem os olhos vesgos ou o nariz
torso I
Seja como for, detesto-o I... Pec-
me que alo fallemos mais d'isso.
Van-Bdst poz-se a gracejar com a filha,
apezar de ser visivel o seu desagrado pela
prevengo de Amelia contra o Sr. de Beau-
court.
Achavam-se n'estes termo j, quando ap-
pareceu Leonardo.
O joven mineiro pareca vir da mina, pois
trazia o falo do trabalho ; mas, como era
de uso,sabia sempre preservar admiravel
mente do p do carv3o as suas brancas
mos e bello rosto. De resto, n'este mo-
mento vinha desassombradamenle e era a
presera de Amelia o impressiooou : o rosto
denoneiava alegra e conflanca. Tirando o
sea chapeo de couro, disse paraVanBest,
ao mesmo lempo que olbava para Amelia :
Consegu o meu flm, senhor I Des-
cobri afioal o veio Real I
Mas esta grande oovidade, que das antes
faria a fortuna do Sr. Van-Best, nio Ihe
causou entio impressio.
Sim t de que lado ?
Na poco das escadas, como en pre-
vira.
Dos usos do
Relatorio ao
sobre os uifi^ parla
M. Mourl-Dttpeyr
redactores do corprf
(Contmmsao)
APRE5K\TAc;.\0 K DISGSSO D> BOTEi
iM-: i.rj.
Os projectos de le ti'm, na J glaterra,
urna origem dupla; si) aoresW^wolo
governo, ou emirTfm *'l inia*tu inuivl-'
dual dos morabros das /ls -amans:'
A iniciativa da camira dos commuas' Tf)i
mesmo por m-iito lempo a nica origem
de todas as leis inglesa*. Os contornas as
preparavam. e apreseolavaaMi'as dep&s ao
soberano sob a forma de petigSo. Diva-
Ihes o s berano a sua adhesio, e erar suc-
cessivamente aiada no estado de simp'es re-
solucSes, registradas nos rolls do parlamento
c m a resposta real, para serem no flm de
cada legislatura convertidas, sob urna forma
determinada, em estatutos pelos jnizes.
Eram entio insertas nos statuts rolls. Hoje
que o parlamento est de posse do poder
legislativo pleno o inteiro, o bil tornoa-se
a forma moderna da lei.
O direito exclusivo que pertence cmara
dos conruaos de conceder os subsidios e
impor os encargos do povo, teve em re-
sultado que a maior parte dos bilis foi in-
troduzca nesta cmara. Os bilis qaecontem
penalidade tem origem, pelo contrario, oa
cmara dos lors.
Ha dous gneros de bilis: os de iateres-
se geral (pitblic poliey) qu; sio introduzid >s
directamente peha m?mbros das cmaras
ou gwerno, eos bilis de iateresse particular
(n-icate bilis) que sio fuidado3 sobre pe-
ticSes de partes interessa las. Estes sio
submeltidos no parlamento a um processo
especial, em coja explicar)) nio entrarei.
Eis aqu como sio apresentados e discutidos
os bilis pblicos.
Na cmara dos hrds, os pares apresen-
tam e mandara mesa os projectos de bilis
sem autorisacio: na cmara dos comnuns,
porem, currrpre primeiro obter permissao,
Pedindo-a, d-so conhecimento do titulo,
objecto e motivos do bil, sem desenvolv-
mentos, e o projecto deve ser apaiadv) par
um membro (seconded).
A cmara, se concede a autorisacio pe-
dida, ordena que o bil seja preparado e
redigido as formas por seu autor e pelo
membro que o apoiou. Juntam-se Ihes alguns
outros membros. Um delles faz o- relatorio
do bil', algumas vezes na me>ma sessio.
Para isso, conforme um velho costume, di-
rige-se elle barra, barreira que fecha a
sala, na altura de encost, do lado opposto
ao da cadeira do speaker. Este interpella-o.
O membro annuwia um bil. Convidado
a aprsenla lo, leva-o mesa, e entrega*o >
um dos escreventes, que l, o titulo em
alta voz, e a cmara ordena, cot >, sem
discussioo a primeira leitura.
Esta autorisacio de primeira leitura
raras vezes rocusaaa, e s pode se lo pela
mais solemne votaco da cmara, a votacio
por divisao.
A primeira leitura consiste oesta simples
formalidade : o escrevente l em voz alta
o titulo do bil, a cmara fita depois um
da para a seguida leitura.
No dia flxado para a segunda leitura, o
bil entra pela sua classificacio na ord9m
do dia.
O membro competente pede q.ie esta se-
gunda leitura tenha agora lugar. Entio a
opposicio, e esta a forma oais cortez
de rejeicio, pode paopor, por emanda a
esta peticio. o adtamenlo por tres ou seis
mezes, ou a qualquer outra poca qae v
alem da duracio provavel da sessio. A
seguada leitura a principal phase (stage)
que um bil tero de atravessar. Se a c-
mara decide que se proceda log) segunda
leitura, tem entio lagar a discusscio geral
(for its whole principie), sob a presidencia
do speaker, O principio, mas o principio
smente alopiado.
E' tam tem na segunda leitura, quando o
carcter do bil reclama ou justifica a au ti-
enda das partes interessadas, que ordina-
riamente sio ouvidos os representantes
barra.
Depos que o bil foi discutido e adopta-
do em principio na segunda leitura, a c-
mara, as mais das vezes sm discussio, or-
dena que elle v commissao, isto
cmara deliberante em commissio of the
whole houst sob a presidencia de chairman.
para que os seus artigos sejam examinados
um por um. Eatl discusii) por artigos
da toda a caraira nio a
atestac. intermedario:
veaj^|)operante a ca-
jKtp para a 4fcfcuss5o em
geral, e tero queB speaker an-
ia que deixa a cadeira para ceder a pre-
st Jencia ao chairman, a opposijo p 1e anda
como emenda, pedir que a ommisso para
o exame do bil seja adiad 1 por tres ou seis
mezes. ^** .,
Quando nao hi oppisigu remsssa
lOmmissu o sp*ik"'r ratir^se, a maga
paita debis > da mjsa, o chairman va sen-
lat-sfraaTado dos escreventes, e a cmara,
transformada em commissio sob sua pres-
Iden-ja, cornaca o esara; do bil, artigo por
artigo. Eolio os oradoras, com j se
disse, poden, fallar muitas vezes sobre o
mestno ponto.
E' nessa occasiao que pe'.a primeira vez
sio apresenhdas as emendas do bil. A<
q te puderam ser apresentadas at all, pe-
dindo o adiamento a tres ou seis mezes, nio
eram, como vimos, mais do que meios de
rejeicio. Se nenhuma emenda se apresenta
cerc do projecto, o chairman pe a vot-as
successivamente os artigos. Se ha emendas,
sem autores as desenv .ivem, habitualmente
de ama maneira breve, pois que a facul-
dade de tomar entio muitas vezes a pala-
vra torna inaleis os discursos longos, alem
de ser o fim da discussio em commissio
a precisio minaciosa. O chairman p5e de-
pois a votos cada artigo, nos termos em
que cada emenda prope, que seja redigido,
e se esia* rejeitada, pia votos-o uroprio
artigo nos termos da redac?io primitiva.
Durante esta discussio de artigos a cora-
misso fide, como a'camara durante a dts-
cussio geral, ouvir barra os representan-
tes d<>s interesses discutidos.
Quando se acha terminado o exame dos
artig is e emendas, o chairman dexa a mesa,
o speaker toma de novo a saa cadeira, a
commissao torna-se cmara, e o chairman
annuncia que a commissio concluio o esta-
do do bil, com emendas oa sem ellas
Porquanto neste processo, um pouco artifi-
cial, em que a cmara ora cmara, ou
ommisso, suppe-se q-ie acamara ignora
o que ella acaba de fazer em commissio.
Tendo assim voltado o- bil ante a cmara
presidida pelo speaker, esta consultada
sobre a questio a saber se haver terceira
Fleitura. esta proposicao de terceira lei-
tura pde-se anda urna ves oppr o pedido
de adiamento de tre? ou de seis mez 's. Ma
commummente, sobretudo no fim das
sesses, esta terceira leitura tem lugar na
mesma sessio, quando a commissio nio in-
troduzio emenda no bil.
Se o bil foi emendado em muitos artigos,
- de costume faze-lo reimprimir e distribuir
antes de ser 1 lo pela terceira vez. Na ter-
ceira leitura afioal, o bil inteiro, principio
\> artigos, acha-se de novo- submj.ttido ao
esame (upen nsitlralion ): exerce-se ain-
da'O direito de emenda, e o bil pode ser
reenviado pela cmara, seganda e terceira
vez commissio. Ha exemplos de seis
sete remessas successivas.
Depois da terceira leitura, o speaker
p#ope a questio da adopcio definitiva do
bW (thas this till do pass), e tem lugar
votaciQ.
Tal a marcha (progress) dos bilis pu
bheos. Ter-se ha notado que o parlamento
inglez nao tem nem gabinetes, nem com-
nsses discutindo primeiro a portas fecha-
das os projectos de leis: aro bil, desde o
raonento em que apresentado, at aquello
era que adoptado definitivamente, fica,
durante todo esse longo processo, pe-
ralte a cmara intuir o peraote o publico
nenhuma parte do trabalho legislativo, sal
'o rarissimos casos, tem; lugar sera publi-
cidade, ou perante urna fraccSo smente da
cmara.
As tres leitaras, bem como o stage inter-
mediario do committee of tfte tt/tole house,
sio discusses publicas ante loda a cmara.
Mas este processo em sj mesmo longo
e complicado, e o bil que tem terminado o
seu curso aerante urna das cmaras, deve
recomecar perante a outra, o mesmo mo-vi-
mento de transalo.
Em Franca, ol lando ao fundo das cousas,
tarabem temos, sob ouiras formas, aquellas
tres leituras.
Com etfeito, nao- exame summario
dos projectos de 'eis nos gabinetes, a pri-
meira leitura ? o longo exame que so ihe
succede no seio das commissoes nao a
Por certo na altura do antigo veio ?
Nio, senhor ; trala metros mais ci-
ma. Mas oio ha a menor duvida sobre a
sua identidade.
Bem ; fizeste a descoberta e isso
importante. Qae me, porm, empre-
gaste ?
-r- Muito simples. Conteotei-me, como
Ihe disse, em fazer levantar algumas pran-
chas do l'osso do poco, e-a analyse das ca-
rnadas do slo bastoume para contrastar a
existencia al do veio Real.
E est visivel ?
Pelo contrario, mal se distingue ata
delgado filete de carvio.
Ests cacoando comigo ? .Como pode
esse filete ser o prolongamento do veto
Real, que nio tem menos do dous metros
de espessara ?
impossivel ter-me ea engaado I
Proceden do-se sondagem e abena a ga-
leria/'acbaremos |o veio t3r> rico como elle
era."
Pareces-me avancar muito. Os rapa-
zes sio assim crdulos. O que temos agora
ver se a realidade confirma as tuas vai-
dosas -previs5es.
Eolio Amelia interveio dizendd :
assim que mea pai recebe a nova
de lia importante successo ? assim que
relribue ao Sr. Leonardo o resallado de
lio difficil emproaa ? A descoberta do veio
Real nio para si e para os seus associa-
dos um verdadeiro lance de felicdade ?
Ni 1 receia qae o Sr. Leonardo o acense de
ingrato, insistindo meu pai assim n'essa
duvida e mostrando ama tal indifferenca ?
i'ela miaba parte nio sei se hei de admirar
mais a sua extraordinaria sabedoria, oa o
estranho acaso jue o faz inlervir directa ou
iudireclamente em todos os successos, para
nos felizes I
Agradecido I balbocioa Leonardo
em voz baixa. Essa a minha melhor re-
compensa I
Van-Best flcou por um momento atrapa-
palhado ouvindo o enthusasmo da Alba,
isas logo replicn com ?.r de gracejo:
Ora eis me convencido da tnais negra
ingratidio por nio dar logo crdito a um
facto que pode considerar-se maravilhoso I
Porm tranquillisa-te, meu bom-Leonardo,
que eu oio sou tir> indfferente como mi-
n a filha imagina. Nao te falur a promettida
recompensa, mas demnstrame por outra
forma que nio sejam as afllrmacoes de ora-
calo e regras sctentiQcas de que nada en-
tendo que descobriste, com effeito, um veio
de carvio, e que esse o d-sejado e fa-
moso veio Real. Quando eu. o vir com os
meas proprios olhos, quando Ihe tocar com
as ra ohas proprias! mos, entio poderei re-
gozijar-me, agradeier-te e recompensar-te
como mereces.
Leonardo contenloa-se com sorrir-se.
Visto que se) nio convence senio pela
evidencia, autorisa-me abrir desde j urna
galera qae me pprmiMir contrastar % ri-
queza da nova carnada de minerio ?
:s bastante prudente para
intilmente a tio grandes
?ssa galera dever ser
Consmto.
que me exponhas
daspezas... E
muito longa ?
- De algans
bietros apenas.... No fim
te dous oa tres di is de trabalho darei in-
formacSes do resultado.
EotSo dentro de tres dias podereilr
tirar a prova do resultado ?"
Comprometto-me a isso.
E leve-o a effeito, Sr. Leonardo
disse Amelia alegremente.Quando o sabio
engenheira de minas, cuja prxima eegada
nos annanciam, iuspeocionar os trabalbos,
achara terminada a grande obra que elle
se jactava de fazer.
Leonardo como que fazia a diligencia por
interpretar o sentido d'estas palavras.
Ora valba-me Deas Idisse Van Best.
Q aeres bem mal ao mea innocente asso-
ciado. que nio me consta que te baja offen-
dido em coosa alguma t
" Pois. raen chan) pai, nio faco com
isto mais do que imitar os sentimentos qie
a respeito d'ee mea pai natria aiada non-
tena ..
Van-Best fez um ameaco de mao filha,
acompantiado de um sorriso.
ve'rdae, Leonardo, 1 prosegnio
segnnda leitura ? a discasso em sessio pu-
blica i-nin, nao a ^rcajial 'f ff IHP
A dillereoca princijU i e&Ja t lln nls,
a ultima phase seil|(l ifscajisfo pu-
blica, e feta perante tola *a da mira1; as
duas primeiras nio o sio.
D'abi resulta qae em Franca o publico,
que nio va lodo a rabaio te&irtm.^
que as nossas cmaras sio muito mais la
borioslst que as-teglezas, ssnilo tesisTjortas
as nossas sesses put>U&as> adJicione-se.
porm, 4 te rapo e o tralulbo dos nopsos
gabiseies, das nosias commissoes, das nos-
taa sessoes publicas, isto de nossas tres
leituras, e arhar-se-na que entre Os para-
mentos dos dous piizes a dille renga de es-
forcos mais apparente do que real.
Q lando se organisou o parlanvnto italia-
no, tendo a escqlher entre o regulamento
francez e os usos inglafs. eacoHeu pridwi
rammte o regulamento francez : o regula-
mmto provisorio della catfHM dei deputati,
pie tenho aate os olhos, nio passa com ef-
feito de urna miniatura, a'gaims vezes litte-
ral, do nosso; mas, o anno passado, o par-
lamento italiano renunciou nosso duplo m-
cbioismo de gabinetes e commissoes, para
se aproximar do systema inglez.
A maneira de discutir as leis em Ingla-
terra e em Franca; offerece anda esta do-
pla differenca; primeiraroente em teglaterra,
os projectos apresentaos pelo govarno, bem
como.os que emano de iniciativa individu-
al, nao sio precedidos de exposigio de mo-
motivo-qualquer; limtio-se a ajtmtar-lhe
sob o nome de accovnts, papers and re
cords, documentos para serem consultados,
relativos ao commercio, s- financas, s ma-
terias de interesse gral oa local; demais
nio ha sobre os proiectos de leis relatorios
escriptos, redigidos por commissoes e *er-
vind 1 de base ir discussio publica perante
a cmara. O parlamento inglez s tem em
vista o texto dos bilis, apoiado em pecas
justificativas ; todo o processo parlamentar
oral.
Quando ha o habito das nossas discussSes,
sobre exposices de motivos e relatorios de
commissoes, sente-seem presenca das c-
maras inglezas o que quer que seja da sor-
presa, que sentira baje em ama audiencia
a nossa justica loda oral, um velho advoga-
do'do seculo passado, acostumado aos ar-
rozoados por memorias, sorpresa que ex-
perimentrio, e muito viva, ao qae dizem,
os jaizes e advogados da Saboia aotempo
da annexagio.
Quando eu fallava em' Inglaterra da van-
tagem que offerecem as-nossas commissoes
de facilitar as transaccoes amigavelmente
e de poupar assim muitas discussoes na
cmara, respondiam-me com o duplo prin-
oipio que inspirou todos os usos parlamen-
tares ingleses :liberdade t publicidad* t
hberdade, isto direito de propor tudo
e dizer tudo perante o parlamento inteiro;
oublicidade, isto direito de saber todo
fra delle-.
VOTAOESi
O parlamento tem duas miar-aras- de
votar.
O voto per tai e por ni>, e o voto por
divisio.
Na cmara dos comrauns o speailer,
quando a discussio encerrada, ergue-se
e pe a questio sobre que se tem de
votar, nestes termos:quelles que sio
do parecer da adopcio digar sim (aye)
e depois :aquellos qae sio de parecer
contrario digam nao (no). As vezes res-
pondem alterna da mente na dous sentidos,
o speaker aprecia de que lado est a maio-
ria, e annuocia assim o resultado :pens
que vence os stns ou os naos (Bkink
the ayes 00 Ihe noes httve it). Na c-
mara dos lords a questio posta nestes
termos:Aquel les que sio do parecer de
adoptar, digam conten Io depois: aquel-
los qae sao de parecer contrario, digam
not conten fresponde-se: conten fno/
conten !e o lord chanceller proclama o
resultado da votacio, segundo a sua apre-
ciacio.
as duas cmaras se esta apreciarlo con-
testada, o. demais, era todas as circamstan-
cias importantes, procde-se votacio por
divisao.
S tem direito a tornar parte na votacao
por divisio os membros qae pstavam presen-
tes quando a questio foi posta pelo presi-
dente. Todos os membros presentes sao
obrigadosa votar. Em.diversas circumstan-
cas, os membros que se baviam abstido tesa
sido chamados mesa, requeridos para se
pronuuciarem.
Eis-aqui quaes sio as formalidades do voto
por divisao.
Van-Bestnio te esquecas, abrindo a ga-
lera, de tomar todas as pre .-aoces, afim de
nio arriscar a solides do poco. A madeira
dos- espeques est velba, eaa partes podre,
e deve ter-se attenc-io para qae nio baja
algura desabameato.
- Conbeco operigo, sanhor, e hrei por
me precaver. As madeiras estio eftectva-
mente deterioradas e preciso repara-las
Ser urna despeza- grande... Ora
diz-me, se nio confia completamente em
ti, poderias consultar oengenheiro Bernier.
verdade qiae ji o desped para evitar que
sa encontr com o me novo associado, mas
emfim elle bora bamem, conhece bem o
interior da mina e alo deixar de ajudar-
nos.
Se- m'o permille, senhor, tomo sobre
mim toda a responsabilidad*.
E de certo que assames moito gran-
de, e em attencSo toa pooca idade, tal vez
en devesse...
N'este momento umampregado veio cha-
mar o Sr. Van-Best, afina de assgnar al-
guns papis argentes que tiuham de partir
no correio.
Espera-me, qae j volto disse Van-
Best a Leonardo.
E seguio o empregado, deixaodo Leo-
nardo Amelia no terraco. Conser varara-
se por nm instante calados em face um do
outro. Afinal Amelia disse-lbe em voz bai-
xa e commovida :
Coragem, Sr. Leonardo 1 Creio sin-
cerameate no bom resaltado da sua empre-
za, porque a par dos oonhecimentos 'lem
talento e perseveranea.
Quanto Ihe agradeco a sua benevo-
lencia em me restituir urna esperanza que
eu perder I Anda ba poneos das se
mostrara lio severa e indfferente para co-
migo... e, todava, nio ignora o motivo
porque ea desejo conseguir bom xito para
a minha empreza e que preciosa recom-
pensa reclamarei, obtido elle.
O senhor de certo nio conhece o ca-
rcter de meo pai, pode em certas occa-
sioes ser Inflexivel como ama barra de
ferro, k, conversa qae acabo de ter cojp
Al estes
m retir
mp,
ltimos lempos, os esfrauhos
o a cmara iu votar
algans annos, devem
penque nioembaracem
co. O Pcrnvente sentado a mesa,
volta, por ordem do presidente, ama ampo-
Iheta dridoos minutos. Emquanto estacorre,
03 guantaf das portas das salas tocamtima
.-mera. a sinetadas daa^ws, qaejBuve
em todas as partes do palacio, bibliotheca,
laeberete,. salas de espera,ottde possaio
acharase membros. Asimadvertidos deque
rai ter lugar urna votacio por dlwsSo-, v*
lies chegando, e logj que a ampulheta est
va a o homem do armas, por ordem do pre-
sidente, vai fechar o ferrelb as portas da sala
das sessoes.
Os membros que se apreseotam dejo i?
das portas fechad is nio sio mafs admittidos.
O presidente pe entio segunda vez a ques-
tio sobre que se trata de votar, alim deu 1
os membros que nao estavamna sala, quando
foiposiaaquesi) pela primeira xez, seachem
em regra, e a votaco tem lugar da maneira
seguale :
Todos os membros sahem da sala das ses-
ses peia extremidade opposta aquella em
que est o presidente, isto pelo lado da
barra e seencaminbamdividindo-se : os que
querem adoptar, para um bollo e largo cor-
redor (lobby) que acompaoha extenrmente
a sala, direita, e os que querem rojoRar,
para um corredor igual que existe eqfcer-
da. No fim d\ cada um desses corredores,
do lado opposto aquelle por onde atli se en
tra, est um amanuense en> p junto a urna
barreira, tendo ianle dos olbos lisias im-
pt essa dos nomes de todos os memb-*os:
medida que estes descendo o eorredor vena
um por om passar pela abertura da barreira.
o escrevente faz corodapis um sigral no nome
resiaectivo; depois, por Irs do escrevente,
na sahida de cada corredor, dous nnabros
da cmara collocados-p-lo presidente samo
contadores (tellers) contam o numero dos
votantes, qae viudo dos- corredores da ta e da esqtavda tornam a entrar na sala
das sessoes pela extremidade opposta aquella
por ond 1 sabiram:
Estes quatro tellers 9o sempr-a tirados
dous d'entre ossmrou content)e dow eatfe
os naos (on not conten) & re partidos de ma-
neira que um passa fiscaKsar o outro
Quando todo < os membros dos docs par-
tidos se achara recomidos sala das sesses,
os hlkrs aproximam-se da n>9a, e um (Ufes
pertencerrte maioria roe aaba de ser' ve-
rificada, faz conhecer os nmeros do& votos
ao speaker, que os-proclama.
Acontece murtas vezes qae-nm membro,
por inadvertencia, sa engaa d corredor, e
vai, por exemplo. pelo da dimita, que a a
da approvacio, em vez de tomar pelodies-
querda, pora onde s$ de ver dirigir can a
opposicio. Estabelecem 09 precedentes qpe
era serailhante caso, o voto desencaminhado
pertenca a opiniio com a qual se fez contar.
Se os votes sio de ambos os lados em nu-
mero igual, o presidente que d'outro modo
nunca vota, desempata -dando o seu.
Os nomos dos membros que tomaram
parte na votacio de divisio sio impressos e
distribuidos, no dia soguinte, cora a ordem
do dia.
Na cmara dos lords, os pares ausentes
podem votar por procuracio (byproxy.) Os
membros que tem interesse directo e pes-
soal em urna questio, nio podm temar
parte na votacio. O caso apresenta-se om-
mummente na discussio dos bilis de inte-
resse privado.
Urna votacio por dfvisap dura de ordina-
rio urna dezena de minutos, quando nao ha
na sala mais que urna centena de membros,
e de 25 a 30 minutos, pelo menos miando
ha 500 a 600 a contar. E' exactamente a
antiga votacio -do senado romano : m sen-
tcntiam pedibus ir. Nossa votacio por es-
crutino, em que os valos sio recolhWos por
bilhetes zoes e brancos em urnas levadas
de banco em banco pelos continiGs, ao
mesmo lempo mais rpida e mais simples,
bem como a nossa votacio por sentados
oa levantados mais fcil de verificar do que
a de exelamacao'ave!no!
(Contimtar-se^ia)
elle provou-me quanto est longe das suas
ideas..
Mas nio poderei en esperar da sus
influencia sobre sea pai alguma intercessio
em meu favor?- Ah I se en podasse espe-
rar a- reuniio dos seas aos meas esteraos
para vencer a resstesela do Sr. Van-Best.
ao menos teria animo para arrestar com
mais essa difliculdade da empreza queme
foi. confiada!
Que poderei eu fazer? redargoio
.Amelia amargaradamente. Nio poderia
nunca ir contra a vontade de meu pai, e,
alm d'isso, dia-me a razao que iuvenci-
vel o abysmo que a sociedade abri entes
nos Com ludo crea que nio sou indf-
ferente sua generosa afleicao e qae nio
esquoco os seas assignaiados servicos. Vou.
pois, renovar aqui um compromisso que
j tome n'outra occasiio : se eu nio poder
um dia ser sua, oio pertencerei a nenbom
outro... Faco este solemne juramento!
Leonardo nao caba en si de algala:
pegn na mi de Amelia e cobrio-a da sei-
jos.
Poderei contar com o seo amor, nao
obstante a minha pobre e humilde condi-
fio?
r- Nao sei que Ihe diga, respoodeu
Amelia, retirando a mi e toda confesa
mas despedaca-se-me o coracio por o ver
soffrer I
N'este momento apparecia no terraco o
Sr. Van Best. Os dous jovens aflastaram
se p'ecpitamenteora do outro, como
receiava ter sido visto por elle, ta^H
rector vinha muito dtrabido para p
perceber a comraocio delles. Prosego
as suas rocommendacoes relativamente
abertnrs da nova galera ; Amelia retiroo-
se toda assustada, mas nio sem lascar 1
Leenardo um volver de olbos, que qoaria
dizer :
Animo, que. Deas te ajadara I
( Continuar se-ha.)
T.D0BIAllf-BrAA8tWZESI. .


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EQIUUU5RU_IS8MP3 INGEST_TIME 2013-09-14T03:08:19Z PACKAGE AA00011611_12062
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES