<%BANNER%>

Diario de Pernambuco ( Tuesday, March 08, 1870 )

Permanent Link: http://ufdc.ufl.edu/AA00011611/12060

Material Information

Title: Diario de Pernambuco
Physical Description: Newspaper
Language: Portuguese
Publication Date: Tuesday, March 08, 1870

Subjects

Genre: newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage: Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract: The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding: Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation: Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities: Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution: University of Florida
Holding Location: UF Latin American Collections
Rights Management: Applicable rights reserved.
Resource Identifier: aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID: AA00011611:12060

Permanent Link: http://ufdc.ufl.edu/AA00011611/12060

Material Information

Title: Diario de Pernambuco
Physical Description: Newspaper
Language: Portuguese
Publication Date: Tuesday, March 08, 1870

Subjects

Genre: newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage: Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract: The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding: Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation: Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities: Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution: University of Florida
Holding Location: UF Latin American Collections
Rights Management: Applicable rights reserved.
Resource Identifier: aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID: AA00011611:12060

Full Text
ANNO XLVI. NUMERO 54
PARA A CAPITAL E LUGARES ODE RAO SE PAGA PORTE.
Por tres mezes achantados.......',..........
Por seis ditos iJeai ........B........
Por um armo dem..........*............
Cada mumero a\obo.........
TERQA FEIRA 8 DE MARCO DE 1870.
PARA OEITRO FORA DA PROVHCIA.
6AO00
124000
24*000
20
tres mezes adiantados
Por mis ditos idea.

Por nove ditos idm
Por ooi armo idem

W750
134800
20*260
27|f000
DIARICT DE
LMAMBUCO
Propriedade de Manoel XigueiiM de Faria & Filhos.
SAO ACENTU:
Os Srs. Gerardo Antonio Alves Filhos, no Par ; Gongalves Pinto, no MarMhao ; Joaqaim Jos de Oliveira, no Cear ; Antonio
Pereira d'AIraeida, cm Mamanfruape; Antonio Alexandrino de Lima, na Parahyba ; Antonio Jos Gomes, na".'
em Nazareth ; Francisco Tawes da Costa, em Alagoas; Dr. Jos Martins Alves,
parte ornciAi.
Goverao da proviucia.
lAPgMEWTK ASSIGNAW) PKLO r.XM. SR. SENADOR Km-
DBWCO DK ALMEIDA K'ALBIQURRQUE, PRESIDENTE
DA PROVINCIA, EM 28 DE JANEIRO D" 1870.
1- scelo.
ti. 7oUPortatta ao Kxin. Sr. genera! comman-
Jjffi das armas.Reeommen 1o a V. Exc. que nao
iJo>na retacan dos remitas que iiverem de ser
remettido, para a curie no vapor no se espera do
norto, o de nomo Pedro Alexandrirn Gimes de
O vcint qtft. Mo fi>i apre tenalo pelo Br. chefe
de polica, eom offlcio de fi do corrate, visto que
lein requerimento penden!" de decislj final desta
presidencia.
X. 75I.Dita ao mesmo. Espeja V". Exc. as
-onvenientes ordens, para que sejam posto* em
liberdade os guardas nacionaes Jlo Baptista Gi-
mes da Luz c Jlo Jos do Xascimoirto, este do 2"
batalhao de infamara c aquello do Io do artilha-
ria dests municipio, osquaes segundo officos do
respectivo :u:n.nandante superior de 28 des te moz
sob ns. 22 e 13, foram presos para reeruta pelo
mbeleg ido da freguezia de S. Jos.
X. 7-iDita aa inspector Jo arsenal de mari-
nha.Mande V. S. postar amanilla no ces Furto
.do do vapor que tein do seguir para o presidio de
Fernando de Xoronha, tres sentn .indos do justi-
<;a e una escolta de cinco pa jas, segundo oillcio
do Dr. ebefe de'policia de h >j dUulo sol) n. 512.
N. 753.Dita ao commandante do presidio de
Fernando.-No vapor Curitnpc que para atuse
ue amanilla, faja Vino, vir a esta capital eom se-
nca se forem sentenciados fc testemunhas
que depozeram no conselho de investigaco ni*
laurado nesse presid ao guarJa d2' utalhlo
i\- nfantaria Joao Baptista dos Santos, poraotw
de indeaciplina e insubordinadlo que deram lugar
i -eu regreiio e do oulros cm novombra do anuo
passado.
. 73i.Poliberaclo.O presidente da provin-
cia altendendo ao que requoreu Manoel Joaquim
de Paiva, resolve conccdcrlhe licenca para em-
barcar para e presidio do Fernando rio vapor Cu-
rurpe da conipanbia Pernambucana, os gneros
constantes da relaco junta, assignada pelo secre-
tario interino do governe, nao podendo, porm,
Efectuar o desembarque dos mesmos gneros, sem
que por parte do commandante daquelle presidio,
-e proceda a exame, afim de verificar se ha aguar-
'lente ououtra qualquer bobida espirituosa
3* secca".
N\ 757.Dito ao Exm. presidente do supremo
tribunal dejustiga.Levo ao eonhecimento de V.
Exc. que, segundo participou o juiz de direito
lolo Clemente Pessoa de Mello, em oflleio de 5 do
frrente, nessa data reassumio elle o exercicio do
dito cargo na comarca de Tacarat, seguramente
por nao ter ainda receido communicaeao offlcial
I? sua ramoco para a coma rea do Jarim na pro-
vincia do Cear, da qual nesta data Ihe mando se-
gunda via.
X. 758.Portara ao Dr. chefe di p ilicia.Ex-
peca V. S. as convenientes ordens, para que seja
posto em liberdade o soldado do t" balalhao de
arlilharia da guarda nac mal deste municipio Jos
I! .rnardo Correa dos Reis, que segundo declara o
respectivo commandante superior em offlcio n. 20
Ue 27 do frrente, foi preso pan reeruta pela
subdelegaeia da freguezia de S. Jos.
X. 739.Dita ao commandante superior interi-
no da guarda nacional do liecife. Expeca V. S.
as suas ordens, para que seja sello o guarda Joao
ISaptista dos Santo, do 2 i>atalhl de infamara
da guarda nacional deste municipio, de que trata
a sua informarlo n. 19 de 26 do correte, e que
-indo posto a"disposicao desse ominando supe-
rior por officio aosta presidencia de 10 de novem-
bro ultimo, para ser punido na forma da lei, c se
aeha preso no deposito dos recrutas, certo de que
nesla data providencio, para que sejam aprsenla-
ilas as tes'.emunhas que devem depor no consellio
d disciplina a que tem de ser submettido o refe-
i ido guarda. Convm, porm, que V. S. informe
om urgencia se ainda esto presos os guardas
'ai Baptista Gomes da Luz, Joao Joaquim Jos
Je Sant'Anna e Laurentino Alves da Fonseca, que
na mesma dala foram eom aquellos postos a dis-
posicao do V. S. para o mesmo li-n, destarando
qual o estado do respectivo proeesso, e reraetten-
do relaco das testemnnhas que contra ellos de-
pozeram no presidio de Fernando para se provi-
denclar.
N. 760.Deliberacao. O presiden!'' Ja provn-
ia em vista do ofikio do chefe de polica n. 130
Je 26 do crrante, resolve conceder aoeidadao An-
tonio Benci i Cavalcanti de Albuquerque, a exo-
neraclo-que pedio do cargo de subdelegado do
disirict le Pedra do termo de Buique.
N. 76L.Dita.O presidente da provincia cun-
fermando-se eom a proposta do chefe de policis
em offlcio de 26 do crreme sob n. 130, resolve
nomear para o cargo de subdelegado do districto
da Pedra, do termo de Baiifue o cidadao Jjo Sal-
gado Cavalcanti. *L
3' seceao.
X. 762.Portara ao inspector da thesonraria
d tazenda.Communieo V. S. para os dovidos
lin?, que segando participou o juiz de direito Joao
Clemente P.-reira de Mello, em oflleio de 5 do p .r
rente, riessa data reassumio elle o ejercicio desse
cargo na comarca de Tacarat.
N. 763.Dita ao inspector da tliesouraria pro-
vincial. Intoirado dj cometido de sua infornac
de li do crrante, sob n. 17, a acerca do pagamen-
to da quantia de 39#9i3 proveniente de parte dos
N'Ocimeato- de urna escolta que conduzio recrutas
e criminosos do termo do l.imoeiro para esta ca-
pital, tenho a dizer que a folha e pret comproba
torios 4asa despoza I iran devolvidos a essa the-
sonraria em 7 de junlw do ando prximo passa
do, por occasio de resolver e a duvida por V.
S. apraseotada era oflkio de 4 do citado mez de
iunho sob n. 318, e por isso mande elTectuar esse
Pagamento na importancia de 37723, conforme
s detrminon no precitado dia 7.
N. 76*.Dita ao eagenhero chele das obras
publicas.Reconamendo a Vm:. toda a brevidade
n\ remessa do ivo raappa exigido por aviso do
ministerio da juslica de 15 de outubro do anno
prximo passadu n. 4.7i5 e de oue trata o offlcio
desta presidencia de 25 d'aquelle' rne.
N. 766.Dito o gerente da Companhia Per-
nambucana.O Sr. gerente da Companhia Per-
nambucana mande dar transporta para o preiMio
de Fernando por conta do ministerio da guerra no
declaro a Vmc. em resposta ao seu offlcio de 17
do correte que, nao podendo prolongarse taes
motivos at a segn la reunao da mesma junta
devo ella fazerse na respectiva matriz, com pAa,
eeiluam o art. 4 da lei n. 387 de 19 de agosto de
1846, e os avisos numero* 38 de 8 le marco d"
1847 e 8i de 27 de abril di mesmo ann) 18
fixandi-se edital neste sentidj para eonheci-
mento dos inleressaJo'.
expediente AssMi.NADo T.i/i .-i. DR. Ei.iAS FRBosRico < reparo} oreados nessa importancia da parte
K-nnmE nprorcnoiT, s.i.iiiiAKiu-niiiviiw, -a edrfrcio oceupad^ pela FacuUade de*Oireito
de licenca para tratar de sua sade nesta pro-
vincia.
3a seccao.
N. 783.Portara ao inspector da thesouraria
de fazenda.-Constando de aviso da reparticao do
imperio de *7 de dezembro prximo Ando unto
pur copia ter sido autonsado,,peia veTba obras es-
peeiaes do ministerio do imperio do exarcicio de
1369 a 1870 o crdito de 12:7445600, par*oceorrer
DO GJVEKNO, EM 2" DE I&KtiRO DE 1870.
2.* seccao.
K. 769. Ollicio ao Kxm. Sr. general comman-
dante das armas.De orJem de S. lxc. o Sr. pre-
sidente da pievineia declaro a V. Exc. em respes-
11 ao seu offlcio desta data sob n. 55, que fica ex-
pedid a conteniente ordem para ser transportad.
para o presidio de Fernando o tambor do 1 bala-
lhao de artilharia da guarda nacional deste muni-
cipio Pedro Paulo Mauricio, de que trata o seu
citado offlcio.
reio.
X. 778.Offlcio ao Dr. chefe de polica.O
Exm". Sr. presidente da provincia manda trans-
mitir a V. S. o titulo junto de noroeaco do cida-
dao Joao Salgdo Civalcante para ocargodesub
delegado do districto de Pedra, do termo de Bui-
que.
N. 771.Dito ao mesmo.De ordem do Exm.
Sr. presdeme da provincia communio a V. S.
quo nesta data se expediram as convenientes or-
dens para sor postada amanhaa no cae? do Forte
do Mallos a lancha para o transporte dos senten
ciados que seguem para o presidio de FernandoiSalgueiro para o pagamento do aluguelde caval-
do Noronha, constante- do offlcio de V. S. de hoje los que conJuziram para all 3 cargas de arma-
memo, devendo essa imlemnisacao ser elfecluada
por conta do ministerio da justiea. pas que o ar-
vapor Coruripe ao tambor do i. batalhio de arti-1 facha
Miara da guarda nacional deste municipio, Pedro
Paulo Mauricio que evaJio-se do mesmo presidio
onde se achava destacado.
N. 767.Dito ao mesmo.O Sr. gerente da
Gjrapanhia Pernambucana expeca suas ordens pa-
r i que a bordo do vapor Ipojuo?. sejam recebidos
transportados pira a Parahyba a serem entre
gues ao inspector das rendas provnciaes duas ba-
Iancas grandes deeimaes, um caixao eom papel e
miudezas e um caixote eom tinta para uso i- re-
pirticoes publicas,ferto de que esses objectos
ao enviados pelo agenta fiscal d aquella, provincia
residente nesta, sendo a despeza do respectivo fro-
te all paga.
N. 768.Dito ao juiz de paz presidente da jun-
ta de qualifleaco da treguezia do Rio Formozo.
Certo dos motivos que aeram lagar a reaniao da
I unta de q aliflcacjio dessa fragaezia, no edificio
ji que funeelona a cmara wunWpal dessa villa,
datado.
N. 772.Dito ao mesmo.Em resposta ao ofll-
eio que Vr. S. me dirigi no 1. de dezembro do
anno prximo pasSado sob n. 1,695, acerca do pa
gamento di quantia de 1305257 proveniente dos
vencimentos de urna escolta quo conduzio recru-
tas e criminosos do termo do Limoeiro para esta
capital, e nao de despezas eom recrutas orno se
declara no citado offlcio, tenho a dizer-lhe que
desde 2i de mao d'aquelle anno se expodio or-
dens as thesouraras eral e provincial para sor
effectuado reparadamente esse pagamento-e se
gundo irforraa a 1." dessas reparticoes, ]'%i aa-
ga a Jos Mara Ferrera da Cunha a parte que
Ihe oubo. Quanto a thesouraria provincial reite-
ra-se nesta data a ordem j expedida.
X. 773.Dito ao commandante superior interi-
no da guarda nacional do Recife.O Exm. Sr.
presidente da provincia manda declarar a V. S.
em resposta ao sea officio de 27 deste mez sob n.
20 que nesta dala se ex pedio as convenientes or-
dens para ser posto em liberdade o guarda Jos
Bernardo Correa dos Reis do 1. batalhao de arti
Diaria deste municipio, de quera trata o seu dito
offleio.
N. 774.Dito ao mesmo.O Exm. Sr. presiden-
te da provincia manda declarar a V. S. que nesta
data se expediram as convenientes ordens para
ser postos em liberdade os guardas Joao Baptista
Gome? da Luz e Joao Jos to Xasci ment, de
quem tratam os seos officios numeres ?2 e 20" le
hoje datados.
X 775.Dito ao juiz de direilo da comarca do
Palmares. _o Fxra. Sr. presidente da provincia
manda aecusar o rerMnente do offlcio de V. S.
de 26 deste mez em que participa ter a 18 do cor-
rente reassumdo o exercicio do respectivo cargo
de juiz municipal e de orphaos do termo de Agua
Prela o bacharel Pedro Gaudano de rtatis e Silva.
X. 776.Dito ao agenle da provincia da Para-
hyba residente nesta cidado.Sua Exc. o Sr. pre-
sidente da provincia manda transmittir a V. S. a
inclusa portarla para o transporte at a Parahyba
das balancas e caixoes, consumes do seu offlcio
de hoje, o qual fica assim respondido.
EXPEDIENTE A->Iil.NADO PELO KXM. SR. SENADOR FBE"-
DERICO DE ALMEIDA E ALBCqiJRRQl'E, PRESIDENTE
DA PROVINCIA. KM 20 DE JANEIRO DE 1870.
.1* scelo.
N. 778.Portara ao Exm. Sr. general fpmman-
dante das armas.Communieo a V. Exc. para seu
eonhecimento e afim de que faca constar ao"l-
ente reformdq do exercito Francisco de Paula
S Pelxoto, que na secretaria do governo se acha
para Ihe ser entregue depols de satisfeito os direi-
tos exigidos por lei a portara de licenca que ub-
teve do governo imperial para ir a provincia da
Parahyba do Norte, c nella conservarse o tempo
que Ihe convier.
N. 779.Dita ac mesmo.Tendo por despacho
desta dala concedido 15 das de praso para provar
isenco legal ao reeruta Pedro Francisco Jos da
Rocha; assim o communieo a V. Exc. para seu
eonhecimento e fins convenientes.
N. 780.Dita ao mesmo.Para poder dar cum
primeutd a nota lancada no incluso requerimento
do teeente do estad i maior da 2" classe Jos Joa-
qun Pinto de Azevedo, queira V. Exc. informar
acerca do que elle pede no mencionado requeri-
mento.
X. 781.Dita ao mesmo.Para poder dar com-
prmanlo ao que exige o aviso circular do min>s-
terii' da guerra de 14 do crrante, junio por copia,
reinetta-me V. Exc. na rolacao dos voluntarios da
palria desta provincia, remetlidos para a corle, dos
guardas nacionaes nao s equiparados aos ditos
Vluntaries como dos que vieram Coreado a servir
no exercito dos guardis potieiaes, que tambera
vieram como voluntarios, dos recrutas para o exer-
cito e finalmente dos libertos e substitalos, tudo a
contar do urincipio da guerra actual, devendo taes
relacoes ser nominaes e cora declaraco do anno,
e dos mezes em que foram enviados se fdr isso
possivel.
N. 782.Dita ao mesmo.Mande V. Exc. por
em liberdale os recrutas Joao Jos Pereira, Luiz
Manoel Amancio, Manoel Albino Marinho, Ludgero
Brasilino da Costa Xogueira, e Joao Baptista Go-
mes da Luz, visto terem sido migados incapazes
do servico do exercito, como consta do termo de
inspeccao que vejo anaexo ao sea offlcio de 28 do
crrente sob n. 57.
X. 783.Dita ao mesmo. -Manae V. Exc. por
era liberdade o recrula Candido Alexandre Ramos,
viste ter provado isenco legal.
X. 784.Dita ao capito do portoCommunieo
a V. S. para seu eonhecimento, que por despacho
desta data conced 20 dias de praso para provar
isenco legal ao reeruta de nome Beato Jos dos
Anjos.
X. 785.Dita ao commandante do Fernando.
Seguem hoje para essepre*idiu no vapor Coruripe
os sentenciados Manoel Francisco de Alraeida e
Manoel Pereira de Senna, cujas guias i ahi se
m e eom a que remeti inclusa o do nome
Maoeel Alexandre da Costa.
N. 786.Diliberaco.O presidente da provin-
cia attendendo ao qu requereu Antonio Francisco
Cavalcante guarda dos apren lizes menores do ar-
senal de guerra resolve conceder-lnc 6 mezes de
licenca para tratar de sua sade, nos termos do
aviso do ministerio da guerra de 88 do outubro
do anno prximo passado junto DOMnpia, devendo
esta ser apresentada ao rospe director e ao
inspector da thesouraria de fazenda.
N. 787.Dita.O presidente da provincia at-
tendendo ao que requereu o Io cirargio do corpo
de sade do exercito Dr. Joao Honorio Bezorra de
Menezes, e tende a vista a informacao do brigadei-
ro comra/tudante das armas de 28 do crrante, sob
O- 56, e. parecer da junta de sade, resolve de con-
brmidade eom o art. 5 1 do decreto n, 3579 de
:\
3 fte Janeiro de 1866 e nos termos dos arls. i 1"
h % 2" do raesr.o docret". cqtLfcj^H^^Haezei
desta cjdade que foi* encendiada, assim o commu-
nieo* V. S. para sen cenhecime6to em resposta
ao seu officio de 9 de agosto do auno pasado, afim
do djhetmande por em praca essa, obra. "
NT 7o61-Dita ao mesmo.Communieo -V. S.
para seu eonhecimento que segundo consta de
aviso da repart ;ao do imperio de 18 do crrante
foi concedida pela verba despezas diversas e ven-
tilaos do- exercico de 1869 a 1870 o crdito de
4 600 para cobrr a despeza feta nessa importan-
cia como transporte dado nos trens da estrada de
ferro di Recife ao S. Franciso, o um cavallo para
onduccao da praca da cavallaria que levou offl-
eius a cmara municipal de Agua Prela para reu-
nio do collegio eleitoral ltimamente all cread >.
X. 790.Dita ao mesmo.Em vjsia de sua in-
formaeo de 27 do crrante, s.ob n. 5.6, eom refe-
rencia a da contadoria dessa thesouraria autoriso
V. S. a mandar iodemnsar o delegado "de Villa
Bella majir Joaquim Pereira di Silva Tintao da
quantia de 18000 que segundo oflkio do chefo
de polica datado de 16 de dezembro do anno pr-
ximo passado e sob n. 1739, fra entregue ao de
namento foi destinado a guarda naaoaal.
X. 791.Dila ao mesmo.Remeti por copia
_V. S. para seu eonhecimento o aviso da reparti-
cao do imperio expedido em 17 do correte, auto-
risando o augmento na importancia de 492935
rs. para a verbaBispados e rolacao metropolitana
ao exercicio de 1868 a 1869.
N. 792.Dita ao inspector da thesouraria pro-
vincial.Depois de liquidados, em vista da folha,
relaco nominal e pret juntos em duplcala, os
vencimentos de urna escolla de guardas nacionao-
que conduzio criminosos do termo de Caruarti
para esta capital, manda V. S. pagar a sua im-
portancia ao alferes commandante da mesma es-
colta, Gervasio Pinto de Paiva, conforme solicitou
o commandante superior do municipio do Bonito,
em offlcio de hontem.
N. 793.Dila ao mesmo.Mande V. S. pagar a
los Maria Ferreira da Cunha, depois de liquida-
dos, era vista do incluso pret nominal que rae re-
metleu o commandante superior do municipio do
Lmoeirj eom offlcio de 3 do crreme, os venci-
mentos correspondentes ao mez de dezembro do
anno prximo passado, dos guardas nacionaes
destacados n'aquela villa.
X. 794.Dita ao mesmo.Recommendo a V. S.
que, em vista das duas inclusas contas, mande pa-
gar jompanhia de Beberibc a quantisda 86S8O0
rs., proveniente do fornecimento de agria potavel
secretara do gjverno e a reparticao das obras pu-
blicas, no semestre de julho a dezembro do anno
prximo passado.
X. 79o.=Dita ao chefe da reparticao das obras
publicas.Remello por copia V. S. para seu eo-
nhecimento a inclu?3 deliberacao d'esta data, pela
qual resolv que na direceo geral da linlfa dos tn-
Iha urbams d'esta cidade para a deOlnda, se faca
a mi'Mcacao indicada pelo traen encarnado da
plaa parcial tambera junta por'cdpiae oraap-
provada.
X. 796.Deliberacao.O presidente da provin-
cia, tendo em vista ( 'jue requereu Htnnque de
Miranda, reao|ve oomea lo, de conformidade eom
a informacao do chefe da reparticao dasobflrpabli-
cas, datada de 27 doporrante, sob n. 20, pira exer-
cerinterraamente o Tugar vago de pratiesnte d'a-
quella reparticao.
4* seccao.
N. 800.Portara ao Exm. Sr. deserabargador
provedor da Santa Casa de Misericordia. -Atten-
dendo ao que requeren Maria Rita do Reg e ton-
do em vista a sua infurmacao de 28 de dezembro
prximo flndo, sob n. 2346, autoriso V. Exc. a
mandar admttir no collegio das orphaas, qnamio
houver vaga, a menor Maria, liiha da supplicanle,
de que trata a inclusa certidao de dade.
N 801.-Jita ao director geral interino da ins
truccao publica.Attendendo ao que requereu
Luiz Jaeques Brunet, autoriso V. Exc. a mandar
admith'r no Gymnasio Provincial, corno alumno in-
terno gratuito, quando houyer vaga, e se eslver
as condicoes da lei, o filho do snpplicante de no-
me Manoel de S Brunet.
X. 802.Dita cmara municipal do Recife.
Remeti por copia cmara municipal do Rec fe
para seu eonhecimento, a inclusa deliberacao d'esta
data, pela qual refolvl que na dreecao geral da
lnha dos trilhos urbanos d'esta cidade de Olinda,
se faca a modilicaco indicada polo traco encarna-
do da planta parcial, tambe junta por copia, e
ora approvada.Igual aos directores da compa-
nhia dos trilhos urbanos do Recife Olinda.
X. 803.Dita ao gerente da companaii Pernam-
bucanaO S-. gerente da compannia Pernambu-
cana mande dar transporto para o presidio de Fer-
nando, por conta do ministerio da guerra, no va
por Coruripe, que segu hoje para all, aos guar-
das nacionaes do primeiro balalhao de infantera
deste municipio Dolisio da Rocha l.ins, e Manoel
Jos da Cunha Barbosa, que vo substituir a ou-
lros guardas do mesmo batalhao.
N. 804Dita ao mesmo.O Sr. gerente da com-
panhia Pernambucana mande dar transporte no
vapor pojuca, at a Parabiba, aonde devera ser
entregues ao inspector das randas provnciaes, as
quatro chapas de ferro fundido, as quaes serlo
enviadas para bordo do mesmo vapor, jor parte do
agente fiscal d'aquella provincia, residente ne-ia
capital, e devendo o respectivo frete ser pago all.
X. 803 Dita ao mesmoO Sr. gerente da com-
panhia Pernambucana mande transportar para o
presidio de Fernando no vapor Coruripe e por
centa do ministerio da justiea, aos tres sentencia-
dos de justiea Manoel Alexandre da Costa, Manoel
Francisco de Alraeida e Manoel Pereira de Sena,
assim como as quatro pracas e um cabo que os
vo escollando.
X. 806. Deliberacao.O presidente da provincia,
attendendo ao que requereu o conselheiro desem-
barga ior Jeronymo Martiniano Figueira de Millo e
Francisco de Paula Correa de Ar?jo, contenhores
do predio sito ra do Hospicio n. 14 e tendo em
vista as ioformaoSes que raimstraram a companhia
dos trilhos urbanos do Recite Olinda, o chefe da
reparticao das obra publicas e a cmara nuw'.ci-
pal esia cidade,. em 8, 19 e 21 do correte, re-
solve que na direc$65 geral da linba dos referidos
trilhos se faca a modilicaco indicada pelo traco
encarnado da planta parcial apresentada pela re-
particao das obras publicas em olcio n. 13, dj
19, e ora approvada. ^
X. 807.Dita.O presidente da provincia, at-
tendendo ao que requereu a professora publica da
cadeira de instruccao primaria da povoacao de
Santo Anttro das Salinas, Maria Florentina Seraneo
de Assis (Mrvalho, e tendo em vista a inforinacao
do director geral interino da instruccao publica,
de 22 do correte, sob n. 40, resolve. usando da
autorisaco que Ibe foi conferida pela lei n. 895,
de 25 de juoho do anno passado, conceder mes-
ma professora tres mezes de licenca eom todos os
sous veuounentos, para tratar de sua sade ooiJf
Ihe convier.
s liraga, no Aracaty ; Joo Maria Julio Chaves, no Ass ; Antonio Marques da Silva, no Natal; Jos Justino
Penha ; Belarmino dos Santos BuleSo, em Santo Antao; Domingos Jos da Costa Braga,
e Jos Iiibeiro Gasparinho no Rio de Janeiro.
ASjjNADO PELO Sil. I>n. ELtA^rniDE-
ALWEWA E ALDIVl-Elii.-lX, -MCHUTA-
0 O0OVLK.Y,, EM 29 DE lASglRQ DE
1.' eceao.
ci ao Exm. Sr. general comraan-
.6e ordem de S. Exc. o Sr. presi
lucia, declaro V. Exc. em resposta ao
data, sob n. 58, que fica expedida a
para serem transportado! para
rnando no vapor Coruripe da Com
ana, os dous guardas nacionaes
infantara desle municipio que
a diros nodestacamentj do mesmo
BXPEIIENTI
R1CC
RIO IV
187C
N. m.
Jante dis
dente da
seu offle
convena
o presi
panha
do Io ba
vo substil
presidio.
M ann ^' SCCgaO.
N. 809Offlcio acDr. chefe de polica.O Exm.
Sr. presidente da provincia manda declarar aV. S.,
em resposta ao seu ifflcio de 16 de dezembro do
anno prximo passado sob n. 1739, que a thesou-
raria de fazenda tem oidem para indemnisar odele
gado de Villa Bella, rn#or JoaquinrPereira da Sil-
va "Meta) fla quantia dt 18J000 constante do cita-
do offlcio. -
X. 8l0.-J)ito ao conmaadante superior da
guarda nacional do munig'pio do Limoeiro.Xesta
data autorisoa-se a thesouraria provincial pagar
a Jos Maria Ferrera da Cunha os vencimentos
constantes do oflleio de V.?., datado de 3 do co*
rente, o qual fica assim respondido, de ordem do
Exm. Sr. presidente da provincia.
X. 811.Dito ao comniandinte superior da guar-
da nacional do municipio do onito.S. Exc. o Sr.
presidente dar-provincia raan^i declarar V. S.,
em resposta ao seu officio de lontem, que a the-
souraria prwiiocial tem ordem para pagar ao al-
feres Gervasio Pires de Paiva os vencimentos cons-
tantes do citado offlcio.
3a seccao.
X. 812.Offlcio ao agente fisi.il da Parahyba
residente nesta capital.O Exm. &r. presidente da
provincia manda remetter V. S. a inclusa porta-
ra para o transporte at a Paralnba das qnatro
cnapas de ferro fundido de que tra'a o offlcio de
hoje, o qul fica assim respondido.
4" scelo.
X. 813Offlcio ao superintendente da estrada
de ferro do Recife ao S. FranciscoPela secreta-
ra do governo se comraunica ao Sr. superinten-
dente da estrada de ferro do Recife S. Francisco
que, segundo consta de aviso da reparticao do
imperio, de 18 do crrante, foi concedido pela
verba despezas diversas e eventuaes do exercicio
de 18691870 o crdito de 43600, para cobrr a
despeza feita nessa importancia com o transporte
dado nos trens da mesma entrada a um cavallo
para condcelo de praca de cavallaria que levou
offlcio cmara municipal de Agua Preta.
DBSPACHOS DA PRESIDENCIA DA PROVINCIA DO DIA 3
de MAnr.o.
Ant&nio Augusto Pereira da Silva.Passe por-
tara nos termas do estylo.
Companhia ,Pernambucana.Ao Sr. inspector
da tbesenrana" do fazenda eom a portara desta
data.
Francisco Xavier Cavalcante Lin?.Dinja-se ao
Sr. inspector da thesouraria provincial.
Tenente Joao Deoclecio da Silva Paula.Informe
o Sr. tenente coronel commandante do corpo pro-
visorio de polica.
Manoel Joaquim de Paiva.Passe portara nos
termos do regulamento respectivo.
Maria Gomes de Mello.Concedo o praso re-
querido. '
Sabino Orgeucir de Lima.Ao Sr. inspector do
arsenal de marraba.
Thom Lopes de Senna.Ao Sr. inspector do
arsenal de raarinha com a portara desta data.
Antonio Rodrigues de Oliveira.Informe o Sr.
Dr. cheie de polica.
Conselheiro Felippe Lopes Xelto.Pagos os di-
retos devidos o apresentando a planta de que tra-
ta o decreto n. 4105 de 22 de fevereiro de 1868,
antes depassar-se o titulo respectiva, qomo requer,
remetindose "para essj flm estes papis ao Sr.
inspector da thesouraria de fazenda.
Fonseca 4 Santos.informe o Sr. Dr. chofe de
polica.
Joo Francisco de Souza.Passe portara nos
termos do rejulaiapnlo do presidio.
Joaquim Manoel da Silva MendesPasse do
que constar nao havando inconveniente.
Luiz Ferreira Maciel Pinheiro, e Thomaz Fer-
reira Maciel-^Pinheiro.Pagos os direitos devidos,
como requer,-sendo para isso remettido estes pa-
pis ao Sr. inspector da thesouraria de fazenda
Pocas & C.Informe o Sr. Dr. chefe de po-
icia.
Dia 4.
Alexandrido Soarea-de Almeida.Informe o Sr.
coronel commandante superior interino da guarda
nacional do municipio do Recife.
Antonio Augusto da Fonseca.Ao Sr. inspector
da thesouraria provincial com a portara desla
nata.
Augusto Rodrigues de Oliveira.Passe portara
nos termos do regulamento do presidio, vista da
informacao.
Teneme Angelo da Costa Mello Rosal.Informe
o Sr. coronel commandante superior interino da
guarda nacional do municipio do Recife.
Bernardino da Silva Costa Campos.Passe por-
tara nos termos do regulamento do presidio.
Damina Maria da Luz.PJc seguir com seus
dous filhos.
Eduardo Antunes de Albuquerque Mello.Con-
ceda se a licenca requerida
Eduardo Antunes de Albuquerque Mello.Re-
valide e sello do requerimento que indereca ao
governo imperial.
Francisca Mana da Conceicb.Informe o Sr.
tenente coronel commandante do corpo provisorio
de polica.
Felippe Alves de Souza.D se passagem a
proa.
Fonseca & Sanios.Passe portara nos termos
do regulamento do presidio.
Fonseca do regulamento do presidio.
Francisca' Rosa dos Santos Barros.Passe por-
Uria nos termos do regulamento do presidio.
Joao Dornelly.A' vista da informacao nlo \em
lugar o qne requer.
Julo da Stlvoira Borges Tavora.Expedio-se
ordem ao commandante do presidio, para que o
offlcial de justiea* nao encontr embanco no cum-
primelo do sen dever.
Candida Rosa Sampaio da Porcinncala. Dirja-
se ao Sr. deserabargador da Santa Osa de miseri-
cordia em sesso da junta.
JooGualberto Ilenriques PereiraIntorme o
Sr. inspector da thesouraria provincial.
Jos Lucio de Albuquerque Mello.Informe o
Sr. engenheiro chefe da reparticao das obras pu-
blicas.
Jos Antonio de Lelo.Ao Sr. nsjector da the-
souraria de fazenda com a portara aesla data.
Manoel Antonio de Souza Chaves.O snpplican-
te fui inspeccionado j se expedio ordem para se
Ihe dar baixa.
Maria I-abel, da Encarnacao.Passe portarla
nos termos do regulamento Jo presidio.
Manoel Joaqaim Baptista.InfoBbe o Sr. ins-
pector A.theiourara de fazenda.
Pocas,& CPasse portara nos~termos do. regu-
lamento do presidio.
Padre Vicente azzi.Conceda e a licenca re-
querida.
Reparticao da polica.
V secco.-Secretaria da polica de Pernambu-
a), 7 de marco de 1870.
Xt 320.Illm. e Exm. S.Levo ao conhec
nento de V. Exc. qne, segando consta das parti-
.ipacoes recebidas hoje nesla reparticao, foram
recolhidos hentem casa de detoncao; os segura-
tes individuos :
Xo da 5, ordem do subdelegado do Recite,
Jos e Leocadi >, escravos. este de Antonio Alves
Barbosa e aquelle de Manoel Colho Pmheiro,
ambos requerimento de seus senhores.
A' ordem do de Santo Antonio. Francisco Bar-
roira e Luiz eseraflos do Miguel Ferreira Pinto.
por desordem, Domingo?, escravo. de Manoel Vel-
loso, como indiciado em crime de firimentos.
_ A ordem do de S. Jos. Joaquim. escrato do
Dr. Virginio Caroeiro da Cuaha Aliuiquerque,
requerimento deste. ^
A' ordem do da Boa Vista, Antonio Simdes de
Oliveira e Msael Joaquim Colho por disturbios.
- A' i rdem do da Magdalena, Justino, escravo de
Joaquim de Azevedo, a requerimeoUi deste.
.Ni dia 6, ordem do subdelegado de Santo An-
tonio, Tiajano, escravo de liamos & Temporal,
requerimento d'esies, e Manoel, ercravo de Joa-
quim Antonio Carneiro, por crime ae furto.
Por offlcios de 3_do crrante participou-me o
delegado de Serjdhem que pronunciara a Floria-
no Mirco? da Silva como inenrso as penas do art.
205 do codig#frim.,e a Dionisio Barbosa da Silva
as penas do art. 192 combinado cora o artigo 34
do mesmo cdigo.
Deas guarde V. Exc.Illm. o Exm. Sr. se-
aador Frederico de Almeida e Albuquerque, pr-
ndente da provincia. O chefe de polica. Lui2
intonio Fernandet Pinheiro.

PERNAMBUCO.
REVISTA DIARIA.
PROXUXCIA.Pelo delegado do termo de Seri-
nhera foram pronunciados, como incurso as pe-
nas do art. 205 do cdigo criminal Floriano Mar-
ques da Silva, e as do art. 192 combinado com o
art. 34 Dionizio Barbosa da Silva.
ESTRADA DE FERRO DO RECIFE AO S.
FRANCISCO. Convm que declaremos que os do-
cumentos publicados hontem como annexos ao
coramunicado do nosso collega de redaeco Dr.
F. de Figueiroa, foram-n'o por ordem e autorisa-
co do Exm. Sr. presidente da provincia, vindo da
secretaria do governo as respectivas copias.
FESTEJOS.Cora satisfaclo .annunciamos que
atgumas das ras do itinerario dos voluntarios se
achara em via de orname.itaco para a recepeo
d'esses bravos pornambucanos* Entre outras as
ras Direita e das Cinco Ponas esto erigndo
arcos de folhas e crelos para bandas de msicas.
A municipalidade tambera enceton hontem alguna
adornos na frente do edificio onde funeciona, bera
quojulguemo-lo pouco na sua altura. A Associa-
cao Commercial igualmente est a bracos com a
tarefa dos embelezamentos do seu palacete. Emfira
j se vai sentindo alguma anraaco, e parece que
a recepelo dos volanla ros nao far fiasco.
SOCORROS.Os Srs. Jos Goncalves d'Albu-
querqae, agente das rendas das Alagoas e Adolpho
Koop, administrador do trapiche da companhia,
acham-se proinovcndo entre os recebedores de as-
sacar das Alagoas urna subscripeo em beneficia
da pobreza do centro que de presente lula com a
miseria por causa da secca que e-l assolando o
sertao das Alagoas. Braveraente o producto da
mesma subscripeo ser remettido ao Exm. presi-
dente d'aqui'lla provincia.
Assignaram hontem os Srs. :
Jos da Silva Lavo & Filho 200000
Joaquim Rodrigues lavares djj Mello 2003000
Jos Antonio Fernandes Fradique 503000
Alfredo & Barbosa 50000
Bellarmno Andr de Avelino Lobo, eom dan
Floriaoa de Araujo Lima.
Hygino Real de Araujo, com mbelina Goncal-
ves de Souza.
Joo Rodrigues da Silva Duarte, com Ursnla d-j
Siqoeira Brto.
LE1LOHojeas 10 horas em ponto efiectua
o agente Pinto em seu escriptorio a ra da Cruz
n 38 o leilo de fazendas avariada conforme o
annonci'i inserido notogar competente.
LOTERA.A que se" acha venda a 139*, a
beneficio da matriz de Caruar, que corre boje,
pelo novo plano.
CEMJTERiO PUBLICO-Obtuano do dia 5 de
marco de 1870.
Feliciana Almeida dasCbagas, Pernambuco, 20
annos, solteira, S. Jos ; febre typhoide.
Feliciana Mara da l]onceico,' Pernambuco, 60
anuos, vuva, S. Jos ; menete
llegino Ribeiro de Figueiredo, Pernambuco, 40
ennos. soltoro, Recife; febre perniciosa.
Eugenio, Pernambuco, 3 mezes, Santo Antonio;
convulsoes.
Mara, Pernambuco, 9 mezes, Santo Antonio ;
convulsoes.
Josepha de Brito Vianna, Pernambuco, 24 an-
nos, solteira Recife; tubrculos pulmonares.
6
Mara Francisca do Espirito Santo, 40 annos,
solteira. Boa-vista ; darhoa.
Manoel, Pernambuco, receranascdo, Boa-vista ;
inviabilidnde.
Ignez Francisca de Jess, Pernambuco, 62 an-
nos, solteira, Olinda ; intente.
Alfredo, Pernambuco, 3 annos, Boa-vista ; bi-
drocephalo.
7
Bernardino Antonio, Pernambuco, 3 dias, S.
Jos ; espasmo.
Reremnascido, Manoel, Pernambuco, S. Jos .
hermorragia.
Antonio, Pernambuco, 10 mezes, Recife ; con-
vulsoes.
Joaquina Ignacia Mavigue Ferreira, Pornam-
nuco, 79 annos, vuva, Santo Antonio : araoleei-
mento cerebral.
Maria, Pernambuco, 7 mezes, Recife; cont!
coes.
5003000
A' MS HORAS.Observamos hontem ao meio
da que esl ivan varreado a ra do Imperador.
Nao pode ha ver mor deslempero do que e-se de
varrer ras ao meio dia, quando o calor intenso
e s por si capaz de asphyxiar I A melhor occa-
sio para esse myster sem duvida pela madru-
gadinha, q jando' lia pouco movimento as ras
i- o calor quasi nulo. Attenda a raunicpaldade
esta rasoavel reclamaco.
THEATRO DE SANTO ANTONIO.O proprie-
tario deste theatro, em regosijp pela volta dos
bravos Pernambucanos, que fazem parto de 53
btattiao de voluntarios da patria, tem resolvido
dar um baile in seu elegante sallo, para oque
nad tem poupado, ja nos ornatis do sallo, e j
,pa escoiha de urna boa banda de msica. Para
melhor brlhantisra > o Sr. Jos Colho Barbosa
cantar o hymno brasileiro e, a banda de msica
executar o hymno da victoria, seguindo-se ao
depois o baila.
ERRATA Xo offlcio n. 5 do engenheiro fiscal
hontem publicado, onde se dizntima harmona
la-seinteiM harmona.
HOSPITAL PORTUrtJJEZ.O mordomo que est
de semana neste estaWleciraento; o Sr. Jlo
Vieira de Azevedo.}
HOSPITAL DA ORDEM TERCEIRA DO CAR-
MO.Acha-se nomeado medico d'esto hospital o
Sr. Dr. Ignacio Alcibiades Velloso.
HOSPITAL PEDRO IIO movimento desse esta-
belecmenlo de 28 ae fevereiro, a 6 de marco alm
de 242 doentes existentes, entraran! 30, sabir un
22. fallecern) 8, exislem 242, sendo 144 horaens,
e 98 mulheres.
Advertencia.Foram visitada? as enfermaras
estes dias as 6 1/2, 6 1/2, 6 1/1,7. 6 I/i, 7, 61/2,
pelo Dr. Ramos; as 9, 8 i/2,111/2, 12 1/2,10, 12
9 1/ pelo Dr. Sarment.
Fallecidos.
Francisco ; Ostulas vesicaes.
Cecilia ; tubrculos pulmonares.
Benedicta ; febre puerperal.
Agostinha Maria da Conceiclo ; tubrculos pul-
monares
Maria Rita Pereira Lima ; tubrculos pulmonares.
Estevlo Florido ; febre typhoide.
Romana; tubrculos pulmonares.
Anna ; tubrculos pulmonares.
PROCLAMAS.Foram lidos ante-honlem na
matriz da freguezia de Santo Antonio os proclamas
seguintes:
i.* denunoiacao.
Francisco Gomes da Costa, com Ignacia Martha
de Hollanda.
Francisco da Co;ta Ramos, cora Serafina Mara
da Caoba.
Leonel Raphael da Moraeso' Silva, cora France-
lila Amelia Muniz da Cruz.
2.* denunciaclo.
Jle Evangelista da Silva, com Daraiana Pru-
dencia da Trradade.
Francisco Rufino Vctor Pereira, com Emilia
Fiuza de Oliveira.
Manoel Flix da Trindade, com Genoveva Mara1 wfcre 13 de comprido, termos medjj
Januara
F.nniw, Mariana Menees da SiUa, ee FtUni'
na Marta Soares.
3.* denuncia^ao.
Joaquim Luiz Custodio, com Maria Hennenegil-
aa dit^^Bk
PUBLICACOES A PEDIDO.
A cmara municipal e o cemite-
rio pub ico.
Senhores rtdactores.Tendo chepado ao meu
eonhecimento que se agita presentemente perantc
a cmara municipal questao acerca das dimensoes,
que deve guardar um terreno destinado cons-
trucclo de urna sepultura perpetuidade, se pro-
curando desl'arte firmar capitulo de aecusacoes e
censuras ao ex-administrador do cemilerio publi-
co e se involvendo o meu humilde neme, como
engenheiro que fui da cmara, por ha ver declara-
do em um regulamento do cemilerio, que possue
o distini lo ex-administrador, quaes as dimensoes
observar-se nessas construccoes, isto , que to-
riam 12 palmos de largo sobre 15 de comprido,
vejo-me forcasamente obrigado dizer alguma
cousa respeilo.
A existencia do cemilerio publico atiesta alia e
brilhanlemeute a robustez do pasamento elevado,
\ energa de vontade do finado marquez do Para-
n, secundado poderosamente pela commisso
cumposta dos fallecidos Srs. Drs. Jos Eustaquio
Gomes Joaquim d'Aquino Fonseca, e Jos Joaquim
de Moraes Sarment e do finado engenheiro Dr.
Jos Mamede Alves Ferreira, sendo o seu plano e
planta approvados em 25 de marco de 1850 por
to nolavel estadista, que enlo presidia os desli-
nos a provincia.
'A lirmeza decaracler, a perseveranca, a anima-
q!o decidida desse magestoso vulto pllico, so
deve a execucao dessa construcclo, para o que
ordenou a cmara municipal contrahisse o em-
preslimo de 50:0003 dos cofres provnciaes, enear-
re ton ao engenheiro Dr. Jos Manede Alves Fer-
reira da sua direcelo superior, e do architetto
\\\ Iiv Willsa da mestranca dos trabalhcs de cons-
truccao.
Xoineado o commendador Manoel Lniz Viraes
para o caigo de administrador do cemilerio publi-
co, desde logo desenvolveu evidentemente actvi-
dade, aelo e intelligenca, manifestando vocacan
essa especialidade do fuccionalisino pnblico, ni>
exclusivamente so para a gesilo do negocio da
administraeco que verdaderamente Iba competa,
mas ainda mostrando habilidade, pericia e dedica-
cao na inspeccao das obras,- que ahi se fzerarn,
sendo demais, quasi sempre, o iniciador dos aper-
feicoamentos e embellesamentos, que all se nota,
de sorte que o p de grandeza e riqneza qne ten*
altmgido esse estabecimento atiesta incontestavef-
raente os seus secvicos prestado* provincia, e*
particularmente muinicipalidade.
O tinado marquez de Paran >abi3mente deter-
minou que na morada dos morios houvesse igual-
dade perfeita, nao permittindo a construcclo de*
catacumbas e menos de masnlens, e carteiros,
como entlo geralmcnie se dizia.
Os hbitos da pnputaclo, os interesses de algn-
mas corporacoes offereceram re-istencia conser-
vacao dessa medida: urna reacio pacifica e perse-
verante obteve do presidente da provincia de enllu
o Exm. Sr. senador Souza liamos a approvacao de
uma outra planta em 14 de maro de 1851, qne
prejudicou cooseguintemente a primeira, por pie a
alterara visivel e sensivelmenle, eoncedendo a
construcclo da3 catacumbas.
Enlo pretende a cmara construir algumas ca-
tacumbas para si, e as irmandades levantarem as
suas em os terrenos, qne Ihe foram concedidos,
gratuitamente em roda dos 4 muros, que firma o
permetro do ceraterio, e nos alinhamenios oppos-
tos das 4 mas respectivamente parallelas e mais
prximas dos referidos muros.
Para esie effeito ainda approvados pela cma-
ra municipal um plano e planta aos 20 de outubn
de 1851, e pelo presidente da provincia de entao o
Exm. Sr. Vctor de Oliveira em 23 do mesmo rae/,
e anno, ficando conseguintemente modificada a 2-
planta approvada pelo Exm. Sr. senador Souza
Ramos.
Em 1854 pretenden o finado bario de Capibar
be construir um tumule perpetuidade flora si e
sua familia; fui convidado pelo veveador encarre-
gado dos negocios do cemilerio o fallecido tenen-
te-coronel Luiz Francisco Maciel Vianna, cidadao
distracto e honrado para ir ao cemilerio afim de
aeeordo cera elle fixar as dimensoes do terreno
preciso uma sepultura perpetua.
Ahi vindo fiz as seguintes consideraeees, qn*
servirn para a determinacao das diuie'n-oes di-
12 palmos de largo sobre 15 de comprido para u
terreno ama sepultura perpetuidade.
As msosicOes do arts. 21, %i o 25 da regula-
mente do ceraiterlo nao estabelecem sufQciente-
mente trae urna sepultura perpetuidade seja.
igual em dimensdes uma sepultura comraum,
que se deduz da planta approvada pelo Exm. Sr.
sonador Souza Raucos serem 6 palmos de larg
kos. A plaa.
approvada em 23" de outubro ae lofl Pe)i 8r. Vctor de Oliveira flxa 9 palmos sobre 15 para
as dimensoes das Catacumbas e 11 owe io para
as dos ngulos das mas. ..,niwi.
A sepultura perpetuidade requel^>--^
solida e eojowguiotemente dedesonwvi basel




. Hfl JT > ':'..;
*'':*".'
'JSr-A-^- v'
''' '' :!'. *'-'' >' .':" .," '" '.-\.. .*'.* v


Diario d Periiatnbuco -^ffero. foia 8 de Marqo de 1870
d Coili-
lortes paredes raestras, isto na > possivel t"
terreno do o palmos da lugo sobre 13 *
arilo.
Entretanto leudo Acta da *> "
nicipal do SldURo .-**o da ctfKi mu
ie Pemimbutnl -'i'O pi-blijada. no.O"'"'
Sr. vereaJ velo, que o
Brrelo, <*- *fenheifo*Dr.Mahaer de Barros
ceuv' -. tjao a vista da dtscusso da plaa do
.rio approvada pclrrttwv S4H^B9Hi
4 de came graphico, 'i^^^^H^^^V'U "*
-'' -oosia, sercm as d djs terrenos paara
-" nma sepultura do 5 pufos da largo sobre 10 de
s**~ comprimen! >. j
0 Perde-niu V. S., contesto com toda foroa, V. 3.
se caganoa redondamente
Nao me comprometi JcITonder tuJo quanto
3A se f''z, po/em o ponto atacad) suceptivel de
fcil e brilhln'e defeza.
Faca-so apparecer o plano c planta anrovado*
Din 23 le oatabro de 18*l pelo Exm. Sr. Viciar
"* de hvoira, que sii> a base reguladora, que dove
justificar a existencia dossas construccoes, estando
porfcitamcrite em vigor, o&ca-so alguns juriscon
.acerca da tnelhor ntelligencia dos arts. i\,
21 e 15 do regulainento do cemilerio, combinadas
jadiei^ss monto suas respectivas disposteoes, que
cu uta presento de vtseira levantada o llrraa na
atacada 4 deteuder o mea acto.
r.Hrapro accresc-Hitar que dos vareados cncarre-
gados de eonimissae da cmara recebia ordinaria-
mente nrdens verhaes, as quaes salisfazendo, ver-
talmente tambe n d iva coala aos ir.esmos verea-
lares; portanto, nao sei se encontrarei alguma
cousa escnp'a respaila.
Parece-nie cue >o o enge.nlieiro da cmara an
ilasse melhor'ac niselhailo em ver de so ocenpar
constantemente cora subsiituie* de frcjchaes, ter-
cas e caralraras, eollocaca de soleiras e taombrev
" ras, e rasgamento de jaoollas e p irlas, como se v
, da publica*;!) das actas das sosses no Diario de
PernjMb%;o, se interessasse irais viva e seria-
uvate pelas cousas municipaes, mostrando ntelli-
gencia dedica cao, talvez pufesso dissipa." tera-
pattdea, que as vezes so deseaban! na alhmosphera
municipal, ministran!) oppojliiRa e conveniente
mente-oselarecimeutos precisos e sufflcientes.
O distiacto e Ilustrado Br. Joaquim de Aquino
Foaseca, tomando parte nessas accusaQoes ao
ox-admini-tnulor, prumove a defeza de sen digoo
irmo o administrador actual do cemilerio pu-
blico.
Agn en respos a aa qae se me nforraou que
avanzara dizer o Sr. vereador Br. Lobo Mosceso a
me i respeito, dcsab mando minha capacidade, tai-
vez mesmo minha ntelligencia, direi que outros
mais habilitad is hilo manifestado opinio contraria,
-o eu affirmo que na > teuho Cabrion em nenhnm
Jos presenta? engenheires da provincia, perantc
iodos, ou quasi todos teaho servido, cles que o
digam.
Ha 13 annos eston desempregado, vivo lutando
rom toda sorie de privacio, potm ten lio sustenta-
do dignidade, fazendo esforcos titnicos para ser
independente, til, zoeiedade, e especialment
inioha crescida familia, ha portanto injustir** e
mesmo crueldade se oceuparem de minha indivi
dnalidale exclusivamente para exercer-se perse-
fruico.
Em resumo, direi qae hoaveram trasplantas no
cemiterio publico, como cima se v, a 1" pelo
Exm. marquez de Paran, qae icou inatilisada
pela 2* approvada pelo Exm. Sr. Sonza Hamos, da
qual se v s haverem sepulturas no chao sendo
suas dimcnses43 palmos de eomprilo sobre 6 de
largo, e a # ipprovada pelo Exm. Sr. Victor de
Oliveira antorisando catacumbas e mausoleos, com
as dimeosoes cima mencionada?.
Mas me impeHem, pois bem, oceupar-me-hei
.,.. com a cmara e de sen engenheiro, conforme per-
uiittirem ineuj recursos.
O engsnheiro,
A. F. Rodrigues Se'te.
ELElCiO
dos juizes, juizas, escrives e
mais mordomos que teem de
festejar oSenhor Bom Jess
do-? Navegantes, no convento
daPielade, fr gueziadeMu-
r i beca, em 1871.
Jniz por cleirao.
iilm. Sr. Joao Mondes da Sfra.
Juiza' pnr Wtto.
A Exma. Sra. D. Caetana dos Praeeres Reg
Lima.
Juiz por devocao
o lilm. Sr. Hermenegildo Eduardo da Kego Mon-
f-'ro.
Juiza jwr devocao
A Rxiaa. Sra. . Esmeria Mana Bamos.
Escrivaes
Os lllms. Srs. :
Jos.- da (osla Reg Lima.
;Vane-lino Olympio Pereira de Olivara.
Escrivas
As Kxm." Sr.*1:
I). J >viia Autonia Barreto llosas.
J. Dmdida Kosa I'aes Brrelo.
Mordomos
" > lilms. Srs. :
MwU'iiaoo Jo.Fernandos.
Fi auris'ro Al ves 4Jetto.
to Barreto Paes de Mello.
\utmiio Cyoriano da Silva Fragoso.
Minervino JeiTerson Pereira de Oliveira.
x .loaquim Luiz Fanruira.
Majar Joaquim de Albuquerque Mello.
Fr. Beato do Monte Carmello Floros.
t)r. Francisco Gomes Prenle.
Dr.dfrancuco Odilon Tavare^ Lima.
Br. Francisco Lucas de Souza Raugel.
Juan i is de Araujo Cesar.
('uillienne Augusto de Alhayde.
Mano.l Maria Rodrigues do Nascimento.
Francisco Landelinu da Silva.
Man id Ribeiro Bastas.
Marciiino Bornellaa Cmara.
Capit. i Jos Mariano de Albuquerque.
Manuel do llego Molla.
Manuel Jos da Molla.
Major Pedro Tertuliano da Cunha.
Manon! Joaquim Baplista.
octano Pereira de Boto.
Or. Luiz Lopes Castella Branco.
Cussy Juvenaldo Reg.
l)r. viix de Figuelroa Faria.
A tomo los da Rocha.
Alexaadre Jos da Silva.
Mordomas
As Exia." Sr." :
I. Maria Sabina da Silva, esposa do lllra. Gr. o
Rudriguos da Silva Raoaa.
I). I oiviina, esposa do Blm. Sr. Augusto Caadido
de Alhiyde Smxas.
!). Paula namas de Souza fego.
O. Mana Marques, esposa calves da Silva Brito.
It.JUria, lillu do Jllm. Sr. Antonio Joaquim Pe
reir de Oliveira.
n. Hara das Bares Costa Rege Lima.
Juizes protaatores
Us Mms. Srs.:
Br. Feiippe de Figueira Faria.
Fr. Jorge de Sant'Anaa Locio.
- Joizas protectora
\ Kxm.MSr.M:
t. M. < >lina,esposa do Wm. Sr.Eento Eleoteriode
Souza Castro,
D. Nm.'ha, esposa do lUm. Sr. Francisco Antonio
P imal Jnior.
Procurador*
ns. Srs. :
Uiin- 'rartoiseo Lopes.
Julia i Francisco Ferreiri.
O prior,
Frei l'elix
Jadas por devoeSo.
As Exraas. Sras.:
D. Olindioa, esposa do Exm. Sr. Br. Manoe
- mentinu Carneiro da Qanha.
Majia da Paz Teixei, senbora do ei
Rosario.
D. Mara, esposa do mm/Sf.'Dr. Luii Pelippe de
_ Souza Leao. ,.
r B. lUMNa, llllia do ttxm. Sr. oammoadM* A e
ra-Cru/ ^^ .
B. Emilia, esposa do film. Sr. tente Jaao tnn
suslorao do Senn.t Tapioca.
I). Maria, espo-a do lllm. Sr. tente Florenlinoae
Albuquerque. .... ..
. Hita, esposa do lllm. Sr. capitao Jos Ignacio
de Loyolla.
Juize bemfeltores.
OsWms. Srs.:
Antonio BapiHta Teixeira.
M ilor Bernardo Ferreira do Barros Campello.
Major Luiz da Costa Porto-Carreiro.
Major Augusto Bu >rat.
Br. Manoel Buarque de Macedo.
Commendador Joaquim Francisco Paes Barreto.
Alferes AITonso do Reg Barros.
Juizas bemfeitoras.
As Exmas. Sras. :
0. Anua Belfini Paes Brrelo. ___
B. Anua da Costa Ferreira, liiha do lllm. br. tenen-
le-c >ronel Jo do Moraes Gomos Ferreira.
t). Anna Leopoldina de Siqueira Ferreira.
D. Sophia, esposa do lllm. Sr. capitao Paulino Pi-
res Falcao.
D. Anna, esposa do lllm. Sr. capitao Antonio Car-
neiro Lins e Mello. ... .
D. Rutin i, esposa do lllm. Sr. capitao Manoel Jos
de Sant'Anna Araujo. *
A Exma. Sra. esposa do lllm. Sr. Bomragos Mar-
ti ns Pereira Monteiro.
Escrivaes por eleieao.
Os lllms. Srs.:
Br. Andr Cavalcanle de Albnquerque.
Dr. Joaquim Francisco Paes Brrelo.
Tenente Joao llulino Ferreira.
Capiao Firmino Jos de Oliveira.
Virgilio Molla.
Br. Juaquim Francisco da Barro3 Brrelo.
Tenenio Taciano Leopoldo Mavignier de Araujo.
Esrrivias por eleieao.
As Exmas. Sras.:
D. Maria Puilomeua de Novaes Cirdeal.
L) (>eildina, esposa do lllm. Sr. icnontc Jos Ge-
nuino Ferreira.
Ihas, c estimado por toda a populacS Lmerica
i preferencia a toda as HHs essen
ifA s a pouco vimse a ser
liualment f pela vez primfct neste
depoia de tao larjos annos de existeWias I O
aflinco e loiivavel promplido que as noaas bellas
patricias moslramm na adopucao de mauna, pro-
va que as senhoras bea|MBB|a. aa es a pre-
ferem n propria > dio mais
de que um just apM^^H mreza do
artigo.
ALFANDBQa
aendlmento do dia 1 a 5
dem do dia 7 .
193:467113*
45:331*630
COMMERCIO.
3%:7r98*76
M0V1MJ2NT0 DA ALFANDEGA
PRAgA 00 RECIPE 7 OKltCO
OB 18T0. "T v
AS 3 l/l HORA DA TAJtoBJ
^unhio sobro Londres 90 djv. 2 ii? d. por
I 000.
Descont de letras12 0/0 ao a&no. .,
Goncallo Jos Alonso,
Presiden je.
Mesqnita Jnnioft
Secretario.
.,onB
)f Rio de /aneiro Limited
Descosta lettras da prafa laxa a con-
Aiicjonar.
Receba dinheiro em c^lU correte lita
irasoxo.
Sac^^'ita ou a prasoalfcre as ciades
^rlncipaes da Europa, tem correspondentes
ia Baha, Buenos-Ayres, Montevideo, New-
) New-rleans, e eraitte cartas de ciedito,
tara os rnesmos lugares.
RA DO COMMERCIO N.
/oluaes entrados com faaa6as
dem idem com graeros
Mames sabidos com f azendas
dem idea com gneros
84
416
4
146
Dscarregam hoje 8 de marca
liOO
56i
HEICiO
Hortencia ile Araujo lastro.
t. C.rulina Magalhies.
B. Maria Felismiua de-Aguiar, esposa do Lira. Sr.
Jo< Thomaz de \guiar.
A Exma. Sra. esposa do lllm. Sr. tenento-coroael
Joao Paulo Carneiro de Souza Baudeira.
Mordomos.
Os lllms. Srs. :
Tenente Emiliano Ernesto de Mello Tambonm.
Tenente-oronel Theodoro Machado Freir Pereira
da Silva.
Tenente Severino Jos dos Santos Aguiar.
Tenente Marcolino Henrique de Figqlredo.
Capitao los (Uidopiano dos Santos.
Tenenie Joaquim Manoel de Castro Santos.
Antonio Jos Vaz Salgado.
Jos Antonio da Cuulia.
Joao Xavier Mondes da Silva.
Joaquim Clementrao Ribeiro de Brito.
Alferes Francisco Vctor Pereira de Camino.
Alferes Ignacio Jos da; Silva.
Matheus Vieira da Costa1.
Alferes Francisco Rufino Ferreira.
Teneute Eriie'5'td FerVeira do Barros Campello.
Francisco de Souza Marlins.
Tenente Julio F.-niandin de Mello.
Jos da Silva Nevos.
Jos AITonso Honorato da Silva Basto?.
Tenente-coronel Francisco Carneiro Machado Ros.
Br. Flix Ribeiro de Carvalho.
Alferes Maviaei Marques da Silva.
Manoel de Siqueira Cavalcanle.
Tenente Victorino Antonio de Alcntara.
Berdardo G .mea Ivs dos Santos.
Joao Trava>so"s.
Mordomas.
As Exmas. Sras. : .
D. Julia, lha do lllm. Sr. major Jos Paulo do
Reg Barreto. , .
A Exm. Sra. esposa do lllm. Sr. alferes Joao do
Reg Barros.
D. Emilia, esposa do lllm. Sr. Teaente Manool Li-
vino de Amorim T.ima.
A Exm. Sn. esposa do lllm. Sr. tenente tornando
Stpple.
O. Ricarda, esposa do lllm. Sr. Paiva.
D. Isabel, esposa do lllm. Sr. Sancho.
D. Margarina AiTonso Ferreira.
D. Adelaide, esposa do lllm. Sr. Antonio Marlins-
D. Isabel, esp.sa do lllm. Sr. Flix Ribeiro de
Carvalho. _,
D. Ignacia, esposa do lllm. Sr. capitao Josi Eioy
de Paiva.
D. Antonia, esposa dq lllm. Sr. capitao Francisco
Cainillo de Paula Pacheco.
A Exma. esposa do lllm. Sr. Manoel da Rocha.
Procurador geral.
O lllm. Sr. Manoel Ferreira de Barros Cam-
pello.
Procuradores.
Os lllms. Srs. :
Manoel Marques da Silva.
Jos Marques Al ves..
Antonio Pereira do MoMe.
Jos Gomes de Maraes.
Jos Fidelis Bezcrra.
Thezoureiro.
O lllm. Sr. Major Miguel Bernardo Qu'raleiro.
O vi gario,
Jos Luiz Pereira de Quoirox.
Rocambole.
Este sobesbo drama, dividido era cinco actos,
sate quadros e um prologo, compost pelos exi-
mios escriptres dramticos os Srs. Anicet Bour
geois, Ponsondu Terrail eErnest Blum, represen-
tado para cima de cein veies, em Pari>, e sem-
pre com geraes applausos, acaba de ser tradiuido
em portuguez,e vaf em breve ser publicado nes-
U cidade. em cajas livrariaj ha prospecton para
quem quizer assignar esta magnifica peca drama-
tica, pelo diminuto preco de 3*006 res cada
exemplar (a pica iateira), em!4, e com mais de
200 paginas.
Podendo acontecer que alguem confunda esta
ebra (como algutnas pssoas j cenfundiram) com
os Dramas de taris que actualmente esto sendo
publicados no conceituado Jemal 4o Reciff, sob
o titulo Rocambole, acharaos de somma convenien-
cia o declararmos que este drama nao tem rela-
cao nem paridad nenhoma com os Brunas de
Partz, os quaes.fotmam a primeira parte do taro-
bem interessanle remance Rocambole, fcscripto pelo
illeslre Sr. visoonde Ponsondu TerraiL
Monte Pi Portugal.
*<. redaclore*.A aridade praticada por quem
fluer que seja para com o neces.-itado, nao dve
ncar em olvidio e nem ignorada. Um d'estes fados
acaba de ser praJicado p?la illuMre directoria do
MontePW Portugae, apenas foi levado ao seoo-
nhecimento qae o socio gravemente enfermo Do
mingos Martins dos Santos, morador roa da Aa
pa, se aebava entregue -ou abandonado, e a bra
eos com a rqiseria, em ao menos san domicilio
ler as accoeimodaeoea cea venientes para ser tra-
tado. Tal era, Srs. redactores, infelizmente, a si-
tuacao do enfermo ; p irn ni*) se fez tardar que
devido aos esforz do cobrador da mesnia aseocia-
{ao e do espinto caridoso do Sr. Jlo da Silva Lo-
pes, se conseguio obrar urna pessna que eeate-
nienteaente tratasse e tomasse coota do mesmo
[enfermo, levando-o para sna companhia, delibe-
rando a predita aasociacao que urna men#sdid*de
Ine fosse dada. Tal , Srs. redactores, b faet hu-
manitario exereido por parte daquelfa assodarao,
3ue desneeessario ieeer-lhe elegios, e "digamos
e vir inserir em seu acreditado jornal.
O observador.
Barca ngleaai-GMc/temercadorlas.
Patacho dtaamarquezIFtIArrmine mercal oriaa
Brigue (naittt^PQlrstromercadoria<.
Escuna inglezaCitradmprcadorias.
Barca inglezaS'rata Floridaidem.
Baica inglza Riba Strerris\dtm.
Brigue portuguezUnidoidem.
Hiate americanohac Olivierieta.
Polaca hespanholaCariosaidem.
Escna inglezaElena P. idem.
Brigue inglezMari/ bacalho.
Escana Inglezafc'ritWem.
RECEBEBORIA DE RENDAS INTERNAS GE-
RAES DE PERNAMBUCO.
. 19f8S7^8i9
. 7-583*678
tendlmonto do dia I a 3 .
dem do dia 7 ... .
7:441 #307
CONSULADO PROVINCAL
Hendiraenlo do dia 1 a 5
dem do dia 7 .
SO.\"15#?66
12:8:i2#723
33:3485289
TABELLA DO RENDIMENTO DA ALFAJTOEGA DE PERNAMBUCO DO MEZ DE FEVEREIRO DO
CBRENTE ASNO FlXANflHRO, COMPARADO COM QBE IGUAES MEZES DOS DOUS
ANNOS l'LTLMOS.
-ii
Import't'dn
Direitos de consumo......................
Dito de augmento de iO %...............
Dito de dito de30/o-.....................
Ditos addicionaes de 5 %.................
talos addictonses de 2 %.................
i tos de baldea cao o reexforta^ao.........
Ditos de dita e reexportteao para a Bosta
d'frica...............'...............
Exnedieule dos gneros eHrangeiros naveg-
is por cabolagem....................
Ditos de 12 ,'n dos geaeros do paiz.......
Ditos de 3 % .los geners livres............
Ditos de 5% dem........................
Armazenagem..........................
Premios dos assignadis...................
Qespadt) martimo
\ncoragcm.
b'xportarao
Direitos de I "i , do pao brasil...
Ditos de 9 % J* exportacao----
Ditos de 2 0'8 idam.............
Dito de 1 % d> OOTQ em barra.
Ditos de '/ "o dos diamantes
Expediento das capatazas......
Interior
Sello adhesivo..........................
Dito do papel flxo.......................
Dito do papel proporcional................
Emolumentos...........................
Imposto dos despachantes.................
Dito de 3 e la 0,'0 de transmissao de pro-
priedade......................".......
Extraordinaria
Receita eventual (mullas).
Dizimo da provincia das AlagAas..........
Dilo da provincia da Paraayna............
Dito da provincia do Rio Grande do Norte.
ContribuicSo de eardade..................
1869 1810
403:8295702
98-96JI59
1:5043028
74:4803987
6*812
174250
4:9163458
5943464
8:427#O00
333:387 866
I.
1:8303800
1443600
2O0#63O
111 >O
7693S10
932:2563040
10:6213278
20:9693954
370#fi68
904:2174843
18G8 1869
584:255860
78:1013193
2073234
7983261
3793082
3:0723o lo
1:8343481
7235220
3:000#510
221:2763862
969 t3M
7I9*70<
230090
2S)1'200
i3i#a;ki
1:0063922
896:7573720
11:7981637
HMtOB
18:757*940
842*775
935:1163375
1867 ttb68
209:3813308
27:7203349
2123844
93i3l
9663969
3:5093332
429S825
385#090
4:1223240
229:9213418
1:0473950
6283840
3434048
3240O
100 3000
4375797
480:4133041
10:0013551
S:350fi776
314387
3143380
497:0114135
All'aiul'ga de Pernambuco, 1" de marco de 1870.
Servindo de chafe da 2* seccap,
.-lNaeJmo Jos Piulo de'Sonza.
MOVIMENTO DO PORTO.
Navios saludos no dia 6.
MaranhaoE-cuna brasiteira Georgiana, capitao
Manoel FrankHn do Amaral, carga varios g-
neros.
Barbadoes e S. Thomaz Lugar inglez Sarak
Smeth, capitii') Grelg, em latro.
Navios entrados no da 7.
Baha13 das, brigue brasileiro P't, de 158to-
neladas, capitao Venceslao Ferreira Braga, equi-
pagem i 1, carga 6000 arrobas de carne; a Oli-
veira Filhos & C.
Rio de Janeiro30 das, barca ingleza Patriota.
de 263 toneladas, capitao A. M. William, equi-
prgem 9, em lastro; a oram. Segofo para
Macei.
Baha9 dias, patacho inglet ljnatf, de 198 to-
neladas, capitn Taylor, eqnipagera 8, em las-
tro ; a Sauoders Brotners k C. Seguio para
West Indies.
Buenos-Ayres37 dias, patacho ingler Patho, de
139 toneladas, capitao George Hanaar, equioa-
gem 6, em lastro; a H. de la Grange
Montevideo47 dia?, barca austraco Barron KH-
tur, de 389 toneladas, capitao Geubicky, equi-
pagem 12, carga couros a laa; ao mesmo ca-
pitao. Veio refrescar e seguio para Amberes.
Richraond66 dias, brigne inglez Rulk, de 199
toneladas, capitn \V. Dyer, equipagem 8, car-
I g 2242 barricas com farinha de trigo; a John?-
ton, Pater & C.
Navios sonidos no mesnn 8te.
IlamburgoBrigne norte aHamao J. H. Spping,
capitao Bulow. carga algodao.
MarselbaBarca anstriaea Attila, capitao Carlos
Quedar, carga assncar.
IlamburgoPatacho norte allemao Vemttti, capi-
tao Ehlert, carga algodao.
i ii
avaliada por 200,3000, Damiana, parda co,
G raees de dada avalada por 100;>
todos perteneentes ao dito encapallado.
E cumpriado co clulr-se as arrematage3
que tiveram logar m abril do anno passa-
do, as qqaes foram ullimaraenie asprovadas
pelo gtmrw): faco iguatmente saber aos
arremtfrntes praso que-fentro de 30 dias
contar de 15 de marco prximo futuro,
devem elles, para poderem obler as compe-
tentes cartas de arremataijo, prestar hipo
theca coBvencional; a qtial ser celebrada
por escrjptura publica, e inscripta no lugar
da situado dos beus bypothecados, nos
termos da supradita ordem do Ibasoaro,
exhibindoos mesmos arrematante^pievia-
raente, perante este juizo os dootiraentos
necessarios que provena a idofidade e
sofciencia dos beos que d8o para garanta
dos valores porque sao responsaveis e tsto
sob pena de Gcarcm sera effeito as roes-
mas arrematacSes.
Compre tambera que os arrematantes a
dinheiro, dentro do mesmo praso e sob a
mesma coinminac5o, recomam a estaco
competente o restante do preso porque
compraram as comprehenses de que se
achara de posse solicitando as respectivas
cartas de arreraatatJo,
E para que ebegue ao cenhecimeeto de
todos mandei passar o presente edita) que
ser publicado pela imprensa e aflhado nos
lugares do costurae, bem como as comar-
cas de Goanna e tamb, e seus povoados.
Dado e passado nesta cidade do Rectfe
de Pernambuco, aos 17 de fevereire de
1870. Eu, Luiz Francisco Barreto de AI-
meida, escrivo o escrivi. Pagar afina!
400 rs. de sello.Lora de Almeida.
Abilio Jos favores d Silva.
dos '.uizes e mais devotos que
ai de festeijar o glorioso
:u iyr S. -cbasiiaofia ViHa
lo ^abo. no anno de 18f ,
Juiz
01 j.Sr. Joafjuii
eietcao.
uqaer-
.. Sra.

.ao.
:trOd
Agua de Lechelle
Poderoso rlemostatico, peitoral renovador
do sangue.
Mu vantajoso jias hemorragias polrawha*
res, do estomago, li ote/fo e de qua'qaer
outro orgSo.
Deve ser asada nadse de daas eotberes
de sopa tres vezes por dia.
Pharmacia Cenlraf, ra do* Imperador
i. 3. (3
da Cuaba
Leao.
irissaca)
__rnelr.i Leao.
^Tda Silva Gusmao (Pinpama)
0 Dr. Abilio Jase Tavares da Silva, oflieial
da Imperial ordem da Rosa, e juiz dos
feitos da fazenda nacional desta^rovm-
cia de Pernaabuco, por S. M. Impbrial e
Con-Hituicioaal a quem Deus guarde, etc.
Faco saber que em viriude no art. 6* da
ordem do thesonre de 13 Je dezembro-de
1869, em quaWo nlo iverem desuno cfs
terreos da puvodCio de Tirabab* e Coinu-
taaga e da villa de tamb, prtrteacestes aa
oncapellad deste nome, serti *lles arren-
dados em hasta puboa, pnr esp.code 5
aunos na forma do art. 4o d.s iostruoces
e 39 de dezembflO re 1865, segando a
avalicat) trov prevl'*fu"tit^ ter \ jugar, deven-
do ser feita a raestna arremnljjo por lotea
aa villa d Itami) h eaiiu d(l dia 15 de
mareo prximo futuro en km**, e quanto
a eotnprebeesao denominada Cavie proce-
ili-r-si'-ba a sua divtsSu em diversos e me-
nores lotes, segundo for mais coaveniente *Q "*onheeitnent ma
aos intH-rtss"S da ftaoMiil wto em virtud e
de auturisacao. rouctidi'la.pvla presidencia,
de conforotade c'nm , 5 i do art. Io
das iftstritfces diadas.
Outro simna arremaucin qoeroidina
ie FterUa m Marray e
Lauai.
Va vardade coma estrtnbi e para adi
f e este dtate e precioso perfame.
Buaafactarado a mais de SO annss exci
M nara oe mercadea d'Aaaerica do Su!, e d s Anli-
mente se ha do azer das. comprehenses
engenho Noj^ P-ingau e Curhe, no dia
13 do.-aasojHbiez, e acceitario, bob ter-
mos da le de 15 de etembro do ame
^irnifpiwado, prop^stas para yenda dos
escravos, Baziiio, pardo* com 26 annos de
tdade, arrsiro, avliado por itOOdOe*,
O Dr. Manoefclos; imperial ordem da Besa, Cavalheiro da de Chris-
to e jnia de direto da 2' vara criminal desta co-
marca do Recife, por S M. o Importdor, etc.
ra saber, que pelo Dr. juiz do direito da en-
marca da cidado do Natal, da provincia do Rfc-
Grande doNbrte, Ihefoi dirigido por carta preca-
lona de 32 de fevereiro flfldo, reeebido nesla data
o edltal do theor segninte :
0 Br. Sebasnao do Reg Barros de Lacerda, jttra
de direito da comarca do c:dade do Natal, por
S. M. Impenal e constitacional, a quem Dos
iroarde etc.
Faz *aoer que no dia 10 de marco vindonro as
10 horas da manhia, na casa da cmara munici-
pal esala das audiencias, t m de ser julgado o
processo le responsabilidad? em que'ro ojnir
municipal deste termo Dr. Jo.-rmim Maria Carnei-
ro Vlllia;*qiie se acha auseute *e para qn che-
gne aosen eonheeinseato inaadJppassar o presen-
te qae ser lido e aftaado n i rogar mais puhiic
desU capital, afini de que comprela nste Jniwi
dia, insar e hora cima designados, para
*o sen iulgameato, sob pena de revelia w
recodo.
d Natal, 2 de feverefro de 1870.
Eu Joauuim Jrs de Sant'Anna Marn escri-
v3oo escrivi.Seoasti3o' do K<*fe Bai*de La
c&tn.
Ji para m ebegno ao1 eonheerrnfito dWnere-
aado, tnaidou o dito juiz passir D-preseme que
saca aflftado no logar do costme a publicado
pela nnprensa.
. fiSfo e passado neara cidade do Recife, ao? 3 de
marco ie W70. %
DECLARACOES.
Santo Casa da Misericordia
do Recife.
Dintel o & vista.
A lllma. jiuMniKinistnanra da saata" caaa dr
misericordia raPRccife. na sala de snaa soaaies,
pelas 3 b.oaas di tarde do dia 10 de marco conti
ta a rfcel*r pr.[i bla< para o fornerimento d>
assncar quotiver do consumir o hospital Pedr^
II nos mezes do marco, abril e malo vindouro, pa-
Cmdo se rom dinheiro vista ; sendo aaraeai
raneo refinado de l-.sorte, e retinafio someoos.
- As propostas seo abenas no dia designado em
presenca dos proponenles. os quaes devero ir ao
hospiul. alim de vercm a qualidado' do aasuear
que all se gasta. *
Secretaria da Santa Casa de Misericordia d.
Heeifo, 8 de marco de 1870.
O eseriva,
Pedro Rndrigttes de Souza
SANTA' CASA DA MISEKICORDIA DO
RKCIFE.
A lllma. junta administrativa da Santa Casa de
Misericordia do Recife manda fazer publico que
na sala de suas sesses, no da 10 de marco, pelis
' h >ras da tarde, tem de rer arrematadas a quem
ntais vantagens ofTreor, trnlo lempo de um a trns
annos, as rendas dos predios em seguida declara-
dos :
ESTABELEC1MEMTO DE CARIDADE.
lina da Alegra.
Casa terrea n. 7, por anno. .
PATRIMGNiO DOS ORPIlAOS.
Ra do Vigario.
Primeiro andar do sobrado n. 27 .
Ra do RangeJ.
Casa terrea n. 58.....0 .
Sitio n. 5 no Pomo da Cal. 0 .
Os preleudenles devero apresentar no acto da
arrematacao das sua< llancas ou comparecerem
acompanhados dos respectivos fiadores.
Secrataria da Santa Casa da Misericordia do Re
eife, 5 de fevereiro de 1870.
O escrivo,
Pedro Rodrigues de Souza,
300*000
2103000
3C04000
1)000
Olllm. Sr. inspector da thrsouraria defazend>
desta provincia, em virtude das ordena em vigor
manda fazer publico que tem maread o da ">
de abril prximo vindouro para o concorso que
se tem de abrir na mesma thesouraria para pre-
enchimento das vagas nella "existentes do praii-
cantes da mesma, asshn como da alfandega e da
rec bedoria de rendas : versar o exanie sobr*
as materias de que trata o ! do artigo 1 d.
decreto n. 31 li de 27 de junho de 18IW. a saber:
leitura, analyse prammatical e orthojjraphia, ari-
thmetica e suas applicacfles ao commercio, com
especialidade reduccao de moedas, pesos e me-
didas, calclo de descont, juros -imples e com-
postos, theoria de cambios e suas applicaces. 0-
concurrentes deveao previamente apresentar seu>
requerimentos instruidos de documentos qne pro
vem idade completa de 18 annos, aMQAo do pe-
na o culpa e bom comportamento na forma do
art. 3 do decreto n. 2549 de 14 de marco de
1860.
Secretaria da thesouraria de faienda de Per
nambuco, '* de marco de 1870, .
Serviodo de >!ucial-mar,
Manoel Jos Pinto.
Pela recebedoria de rendas internas se fa:
publico qne nefl corrente mez e no de abril
prximo futuro, que os contribninles do imposte
sobre industrias e proftsses teem de pasa-lo, li
vre de multa, e que lindo o referido praso ser
cobrado ooH a multa de 6 0|0.
ReceJudria de Pernambuco, 3 de raarjo de
187.
O administrador,
Manool Carneiro de S'-uza Lacerda.
A festa sori dividido em tres partes:
O hyaano nanonal.
2."
O bymno da victoria d^eado ao Sr. duque d>-
Caxias, executado peU msica marcial.
3>
0 baile.
Prtaairi'iai- a *oraa. *ir "BBT
N. B. o prctramma sera pitrlameule annu-
ciad.
PAVILHiO
Companhia equestr-' dinstica e acrobtica
do palacio de chi-ysttl do Porto.
DIRECTOR
D. Marcos Casali, primeiro funmbulo italiano,
nico rival do celebre Rlondln, e artista que
pertenceu companhia de Mr. Priz.
O director desta companhia, desejaudo solem-
nisar a volta & esta provincia Jo heroice batalh >
de voluntarios pornambncains, pretenda dar um
grande o variado espectculo gymnaslico e acro-
btico dedicado ofllcialidade o roeamo bata-
Iho, ilevendo ter lugar um espectculo na nout--
do dia segumte ao da cheg,da do vapor' qui
trouxer os voluntario?.
I'llOGRiHl
PRIMFIRA PARTE
i." O Ira pesio, exerricios de equilibrio e do tor-
ca, pelo guBoaatuo Vicente.
2 A taboa equilibrada sobro a ponte elaslii-a
pelo artista Sr. Luiz Casali.
3, O director da companhia etaentar sorpre-
heudentes equilibrios com urna cadeira sobre a
corda tirante.
Intervallo de SO minutos
SEGUNDA PARTE
1." O pao voador, pelo artista Vicente.
2 Joos indios pela Sigmrila AnnaCasali.
3. A barra lisa, txcrcicios de agilldade e forra
pelos irmans Cesar c Vicente.
Intervallo de 15 minutos.
LERCEiRA PAFTE
Finalisar-se-ha o cspecta:nlo com o baile ca-
ricato
Santa Casa de Misericordia
do Recife
A lllma. junta administrativa da sania casa dt
misericordia do Recife precisa contratar com
quoni por menor preco fuer a obra de que preci
sa o obrado n, 37, prtencento ao patrimonio dos
estabelecimentos de caridade, sito a ra da Moeda.
Essa obra consiste na demolieo de parte da
frente anterior de toda a frente posterior e de par-
te do oilo pelo lado do nascente at o lugar em
que se acha a parede tendida, o reconstMundo o
predio de um s endar e sota conforme as postu-
ras municipaes em vigor.
0 pavimento terrea dever ter tres portadas
com soleiras de pedra e portas de costadinho de
amarello para o lado da ra, e para o do fundo
duas janeilas e urna porta no centro tambem com
soleira de pedra, sendo a madeira .igualmente de
costadinho de amarello, e todo o ladrilho de tijolo
de alvena a batida.
O primeiro andar dever ter tres portadas com
sacadas, lastro de amarello, varan das de ferro.
caixilbos e portas tambem de amarello para o la-
do da' frtnle, e para o do fundo tres janeas de
peitonl com vidracas e portas de dita madoira.
teudo cada u a dellas nunca menos de S palmes
de largura e 7 1|2 de altura.
A sota em ambas as frentes dever ter tres
janellas igualmente com caixiihos e portas.
No travejaiuento do prhneiro andar e do sotio
somente s empregarao travs de qualidade, ten-
do cada urna 12 poiegadas quadradas de grossu-
ra, e os respectivos soalhos sero construidos de
amarello ou louro. As escadas serio do amarello.
0 primeiro andar dever ficar em salo, e a sota
ser repartida da maneira oue for determinada
pela santa ca3a. Os rehocos exteriores serio
guarnecidos de cal branca.
O contratante poder aproveitar as telhas. cai
bros, enchams, soalhos e travs que se acharem
em perfeito estado juizo dos senhores mordomos
de predios.
Todo o material de ferragens ser fornecido-iielo
contratante, cujo cargo fiear tambem a eaiacao.
Os preteudentes devero apresentar suas pro-
postas em cartas fechadas na secretaria at o dia
10 de marco do correte.
Secretaria da Santa Casa de Misericord:a do
Recife, l* de marco de 1870.
O escrivo,
Pedro Rodrigues de Souza.
Pela eontadoria da cmara munwipai desta
cidade, se declara aos propriet rios de estabele-
cimentos de porta aborta, sujeitos ao pagamento
do imisto municipal, que no mez de mar?' pr-
ximo vindouro, principia a arrecadacio bocea
do cofre do mesmo imposto
Contaoria da cmara municipal do Recife, 28
de fevereiro de 1870.
O contador,
Bvpolito Cassano d# Vasconcellos A. Maranhao.
il...
Precos:
Camarolc com f. entradas 11*000
Codeiras 23000
N, B. Os intercilios sfrlo preenchidos com
culhiuas pecas t-xecntadas pela banda de msica
do 1 batalho de infamara.
O director da companhia avisa ao respeitavel
publico que em breve vao ter logar no Pavilbao
de Santa Isabel importantes melhoram(nlos>Jde
modo a poder es-te comportar maior numero de
espectadores.
Principiar as 8 hora?.
KAlTEH
DO
iiiEs do itvnos.
Q proprietari e administrador destes saloes
declara ao respeitavel publico, que o baile que
mesn offerece ao respi'.tavel publico (gratis), em
regocijo da chegad do corpo de veluntarias, tera
lugar no dia do desembarque do dito c-rpo; oulro
sim, desde j, vem por meio deste agradecer ao
lllm. Sr commandante .-uperior inlenno, a boa
vontade com que se prasica a conceder-lhe ama
banda de musisa para tocar no leferido baile,
pola que aceces desta crien) s sao dignas de co-
racoes verdadeiros patriotas, como do sua 'se-
nhona.
o
AVISOS MARTIMOS.
Relaco das cartas registradas vindas do norte a
sul existentes na adunislracao do correio.
Antonio Euclides da Silvefra, Antonio Marinbo
da Silva, .Anna Eugenia de Quelmga, Henrlque
Ernesto Martins, Joaqnim Goncalves Vieira Gui-
maraes, Joao Fernandes Cavalcaoti de Albuquer-
que, Jos LeHao (padre), Jote Soarea de Azevedo
Maria da Conceico Pilgneiras, Mathias de Ave*-
do Villarouco, Manoel Firmino Ferreir*, Raymatf-
de B. de Lima Pires.

COMPAMILA l'ERNAMBUCANa
DI
%aveia;a^3 costelra per vapor.
Parahyba, Nata', Maco, Mossor, Ara-
caty, CearS, Mandahi, Acarac e
Granja.
>*nv O vapr Pirapama, comiuaadanii
hji Azeedo, seguir para os porto
OsUbUL cima no dia 15 do corrento as 5 horas
la tarde. Recebe carga at o dia 14, encom-
aiendas, e passageir .s e dinheiro a frote at as
2 horas da tarde do dia da sabida no escripto-
riodo Forte do Matt* n. 12.
i
COMPANHIA 1 >i:KNAMBUCAIf A
\avegavao costeira par vapor.
Gc'.annth
**S>w O vaprr Parahyba,-seguir para *
^M_h Por[0 *c;'ra no di 16 do correw>.
MA as 9 horas da nuite.
R cebe carga, enconim'ndas, passafeiros e di-
nheiro a frete no esorirtorto do Forte do Matts
n. 12.___________________[___________
COMPANHIA PERNAMMJCANA
t
Navegando costetropor vopor
.Macei, escala?, Penedo e Arcaj.
O vapor Qiqui, ci'.niiandante Costa, segui-
r'para os portos cima no dia 15 do correte,
s horas da tarde. Recebe carga at o dia li,
encommendas^ pi=sapei?:iros e dinheiro a fret
iat s 2 horas da tard do dia da saluda, no es-
criptorio do Forte do Matios o. 12. __
COMPANHIA 'ERNAMBf CAfC"
DE
%avcsaco ooslelra por vapor.
Porto de Gallnhas, Rio Formse e TUan-
dar.-
O.vaporParafttrfxi, seguir para o portos ci-
ma no dia 10 do corren:? meia aoite. Recebo
carga, erreommendas, passageiros e dinheiro a fre-
te no escritorio do Forte do Matios a. VL
: COMPANHIA I'ERNAMKCANA
Vavega^o casi eir par vapor.
Mamansuape.
O vapor Mandnh, eommamfante
Julio, segur.! para o port acmano
r-m, dia 12 do correte as 6 boato d*
Recebe carga, encommendas, passag*-
t s* dinheiro a frete at 3 horas da tartw
d_o d*a da sabida : escriptorio i c Forte do Matos
'tiar-de. Reci
t
13.
Porto.
*~
Concordia, parda eoewly com, avaliada ,4Jv.f^^onM Correa, escrivo interina
or 80QI0QO, ^uina, parda, com 4 anuos i tauoel Jos d* Silva Seiva. ,
THEATRi)
DE
Para strsfezer a urna distincta coramlssio de
brasilelros e portuguezos, que nos honrowconf
pedido de um festim coramemorativos dos granieS
triomplios que corearam os inchtos volun
da pava, qae devera a qualquer hora, cneffr
do sul, ' qne era j dese|0 lonco em nos, cftje
todava, privados dos recursos passado*, sentf-
mo-nos sneumbir, contemplando o theatrinbo do
Santo Antonio, e lembrandi no3 do rhetrtr d'
Santa Isabel, ende por tantas vezes mnife;tamos,
ento condl-jnamente a nossa admira ci o gratldao',
p ir esses coryphebs do pai:; resnlverrms solBiO-
nisar o dia da ctegada dos voluntarios pernant
bacanos com um esplendido bailo no salad diste.
theatro, o qual romiror com o hymno naekmal
cantado pelo Sf^jfcji Coelbe Bar6osa, disllncio.
tenor, com aCoaMnaoiento de um coro do me-
ninas, e exeeutado grande orebstra.
O sali achar-se-ba.adornado com toda o| tts-
picador, trlWi, Ooroi ote.
Urna banda de nmsica marcial tocar dnrafl o
baile.
Naoionaaa e estrangelros nae quizren, i
eonsiaeracid aquella comuissSo o ao enipf<
ja per deraonstracio de just aprece, coni
to expawra restividae, poderlo desde
gir-ae ao theatro de Same Antonio a mtt?)
dos respectivos candes.
?al sahir breva a barca bmra para ear|
issageiros, trara-se com os JnsigwHaMos r.rva,
iHji*"rfctroeira, na ma de ApoHo O. ?*.
Paraoltlo l.raadr d SF
acha-se proposto o bripna portugus Uurao : pan*
dar|a e passageiros, trata se cow o^ coiisif nt i-
"os Thomaz de Aqnioo F-nseca C, ra aV v -
ran, 19, 1* andar.
mmxm
DE
mtm\
Paquetes a vapor.
Dos pc-rtos dn norfr ''' "pera-lo
todi-.li do c.*rei"e o *:ij>*t
Ghtzmro (Jo Sul, cummandante L
P. Gucdes AlfforadO, o qQal
depoi.s di demora do cosfume se-
os portos do til,
jfecebem-se r3.;;weiros o engaja-se
OTapof poder conatuir, a qaal d.
fcda o* dia do smchegda. EtcoiiM
treiro afrere at? a? dnas boras do dia ta
da. Mm__
_ se reeebemcomo eaftJpnJendas eno pr-
tttos de pequeo valore qao aSo excedam a 1
rrobas ae peso oa o pahsis eafcieos de raedl-
passa* desty Hrttds dever ar
como carga,
seao Srs. passafoiros qoosuas pajua-!
ie fecehem na agencia roa da r
andaf, oscrlptcflo de .Wcttlirtnlt d? Oliv
^ovedo t C
M


/
Diario de Prmmbttop .Terg. fera 8 de ajarlo He 1870
* Para piRio de Janeiro
vai sahir por eoB^Bt feue portuguez CuW\
'-^puao JorflpBHn da Cos,], anda recebe al -
-urna crga miu : trai os consignata-
r, E ra do Lommercio n. 48,
'U eom o
i'ara o Porta
Dm adir no di.> a harca por-
Jugucia til'lHi. d p: .'meira class-; e marcha por
r proopMtgUs lud a sua carga ; para o
eo que Ihetrfa e passageiros, os quaes offe-
ia te
I oneo qae me i^na c passageiros, os q
i eee os meliior 9 Cum os'con-
Hgnatarios Biliar Ollveira & c., ra do Vicario
n. 1, primeiro andar.
KMfiira para forro de san, 1 m
a mnitoJ oulroi objectos que
preiendenles
HOJE.
O agenta Martina f*r leilao por ordem de urna
um/liaque se retira para Europa dos imprtan-
les movis cima descrieos e transportados para
' ;irmaaeoa d* ra di liberador n, lo, aonde te
lu*ar a leilao as 10 oras do da aetma.
O "igenle Pitoleva? iSpJSida* /com-1lU0rUC$O. prilMrk part-f
$ Pono por Lisboa.
Cem muitopmica demora duver seguir viagera
a galera portugus Lisboa, de primeira marcha,
. ctassiicada era pr: meira classe : para alguma
<\irga qae lhe falta, e passageiros, aos qaaes oflV-
reee magnficos commodos, trata-se com Soares
Primo, a rua-do Viga rio n. 9.
Para o P rto
Pretenda..seguir i luaia breva possivel, para o
Porto, a barca portuguesa . Mano-1 II capitao
Jos Antonio dos Santos; recebe carga frete e
Itassageiros :.atraa, com .Marque*. Uarros & C.
na praca do Corpo Santo n. 6, 2' andar, ou com o
capuao bordit.
Paray
Pretende seguir em poneos das pare o indiealo
porto a barca portuguesa Despique II, por ter a
inaior parte de seu earrcgmeuto prompto, epara
o restoque lhe faa, que recebe a .rotei muito ba
rale: trata-se com o e msignatario Joaquiui Jos
(oncalves Beltrao, ;'< ra do Commercin n. 17.
de farinha de trigo.
ptente aulorisaeik), os movoi, 0115a, vidros, pra-
la, onro, camas e mais objectos cima menciona-
dos, exitenics na casa que servio de residencia do
Sr. Luiz Antonio Vieira, roa do* Guararapes n.
"6, ende se effectittr o leilao no (lia cima dito.
^ leilao principiar s 16 horas em ponto, por
seren nimios '
mojE.
ao meio dia.
O ageute Pjnto levar a lelio por conta e risco
Je quem pertencer, 200 borricas com farinha de
trigo, vmdas de New-York na escuna Mary A.
Wilhav, ao meio da do dia aeiiua dito, no arma-
zem dos Srs. Joao Qnirino de Agnilar & C, caes
do Apollo n. 07.
na
DAS
Messagmes imperiales.
At o dial i do cerrante mei esperase dos
furtos do snl o mpnr francs Urngnay, com
mandante Masseiut. o ipnl depois da demora do
.ostiiiiie seguira^tra Bordas tj.-..>ado em Dakar
Sore) e Lwboa.
Paracotuiede*jfre:as.e passagens trata--e na
agencia ra do C inmercio n. 9.
AM o dia l.' do orrento mea espora-se da Eu-
0 vapor fr.iri.v: G.'.vnd', o. r'uil depois da
demora o costme seguir para Bueno*-Ayres
tocando na Babia, Rio de Janeiro a .Mmtt video. '
Paraeoodiefcj. fieles epaesagnn trata-se na
agencia roa do Cummereio n. 9.
DE
a vapor.
los pr"-..- '' 'Ul esppradi
at o da H i- marco o vapor
Gttrd, eommoedante o caDitao
" P H ftaarte, o qua
mis da den-ira do costume
uira para os porto* do norte.
Desde ja roe. ,.... e engauf-* .
rga que o vapor poder condnzir, a qual nen
lao dia deaaelveg*Ja. Encotomen
ia.i e dinheirc a fr;-u at as 2 *ioras do dia da sua
n!a.
Naosoreeebei emendas sendo ob
nat ->^cedam a dua
arrobas de p so en r- palriKts cnbicoa de medio
Todo jnc pas?ar (testes linatts dewr ser einiar
cade romo ca
ProTtne-se aosSre. passagein, que suas pa>
bbs s ?e rece1)-.'. na a ; ra da Crin
11 57 primeiro andar, e-Tipl-.ru> fie Antonio Lni;
iin Oliveira Azeve'ie {< C.
Para fiaranhao e Para
O brg|e oacieaal Santo Amara, rapiao Saeta
no Al ves Dvas, pr. lene segim c un a maior bre
vidade possivel para Haranho e Para, por tei
parte da carga promta, ei a .me precisa
recebe passageiros, a tratar com os consgnala
nos Marques Barros >^ C, no largo do Corpo
Santo n. G. 2" andar.
de fazentjas avanailas.
Hoje 8 de mateo as (O horas era ponto.
O ag ote Pin'o far leilao por conta e risco de
3uem pertencer de maJapoloes avariados a bordo
o vapor inglez Cognac, em .-ontinuaao vender
lambem algodoes e 12 pecas de brim branco, as
10 horas de hoje 8 do correte em fea escriplo-
rio ra da Cruz n. 38.
HE PREIftlO*
Uva sobrado de 2 andares o sotio n. 70 da
das Aguas Verdes, solo foreiro, reade 860# por
anno.
m dito de um andar n. 28 da ra de Hortas,
solo foreiro, rende 6i0j.
Urna casa terrea n. i da ra de Santa Thcreza,
solo foreiro, rende 26JS.
Urna dita dita n. 21 da rus do Nogaeira, solo fo-
reiro, rende 30'j.
Urna dita dita n l da roa das Agnas Verdes, so-
f lo tambern foreiro, rende'SOOj.
Sextafeira II do crrante.
O agente Martms far leilao por autorisacao-do
Sr. Francisco Guedes de Aranj procurador de
Joao Fernandes Duarte berdeiro universal de seo
fallecido fliho Antonio Fermmdes Duarte de Al-
meida, dos predios cima, porta do predio que
foi Associacao Commercial no largo do Corpo San-
to, as 11 horas do. dia, es pretendentes podem
obter qualqucr infrmacSo do referido agente.
LEILAO
De IO panelros cojj tapioca
ararla ia.
HOJE.
O agente Pestaa ar leilao por canta e rirco
de quem pertencer de 10 paneos com ta|toca
avariada < s.r vendida em leilao boje as 11 ho-
ras da manhaa no trapiche bafao do Livramenlo
no Forte do Matos.
DE
Ferragens e selKns
O agente Pontual, competentemente kntorisaa,
randerl en leq per conta e risco de qu^n per-
tencer, duas caix i> com limas sortidas, com to-
que de avaria. marea S P J ns 1/2, vinoas de Ham-
burso no navio Brttij. Na mesma ocrasfV) ven-
iter-sp-ha r:n.-' ci^.s om seflins pUMM sendo
rom meia bel rach 1 > lizos e caivetes de diveisos
amanlio?, qoadades o uios, para fechar fac-
uas
Quarfe-feira 9 dn corrente.
No Brmazt*ni d^fSr Samuel'P. lohnsteo, a ra
oa Sen.ila.N.iva 11. 2. s J1 fi-.ra-:.
DE
PREDIOS
O agente Puntual vender em leilao, por auto-
risaeSo do Sr. Francisco Guedes de Arojo, como
b-.stnte procursdor do Sr. Joao Fernandes Duar-
te (residente em Portugal) am magnitteo predio de
dous andares, sito ra do Queimado n. 7, sola
foreiro, e melado do predio de dous andaros sito
ruada Cruz do Recifen. 64.
Terca-feira, 1S do corrate,
no 1 andar do sobrado n. 62, ra da Cruz, s
11 horas.
cular.
tJmZftW**? M"D,e!ro J'essa, cmpetenle-
inene^abilitata, de conformidade com os despacho?
r,^irT?oe,i! d#rev">o < 23, e ds directora
dk ms.roccao poblica de 2 -de fevereiro nl-
r^, ros^Dla aos choces paLs o mais cliefes de
urania a su uta pnica lar que se acha a berta em
rJ- ? yuM9 D-ll- land8r. *as 9 horas da
manhaa as 8da tarde.
. 1 Materias deensi.io.
pitara, antbmetica, escrip.-, etc. ,
p hiTi Jodas as 'lnlid;'d>s: ponto de mar-
fuA 1,$.' d,v*r<"s (inclusive de ouroi, labvrm-
1110, e utakneBie floi.
Alumnas externas oOOO mensnes.
rtA?Ue a seDhore3 1"e residirein dratcnle da ci-
1~?' ,poflem'. luerendo, confiar moma profes-
sora_>u; fidts, tuteladas, ct:. que ser'*} tratadas
?, ro^'.or Wado, zelo e esmero qe fr pos-
wel, mediante previo ajuste.
iiouie.
28Camboa do Carmo28
Das se e meia horas a tardeasonze^da
NfeabD Pungilore tera a honra da annunciar ao respeilavcli'-pabco desla ca-
ptlal que diariamente estar abcrlo a concorrencia publica nm winde cosmorama conr
variada* vistas e pasaagens dignas da attenc5o de todos por acharem-se entre ellas
as differenle? batalbas dadas pelas foffas aJHadas contra o overno do- Paragnar como
abai.to se vera, * s t> -nu
O annonciaile lem erapregado todos os seus exforecs pira que o resaetUvet
publico enoontre all um bello passatempo mediante urna pequea exportla tando
earetanto direito a un nbjecto, gratis, de mais on menos valor.
..iT^?*13'^'*6 **u:n e-'"xciro com prafiea de
nmlSt.0 'ICIe-',,'' 9a*ra sna conducta : na ra
*"t-------------- .
Ama
Xa ra da Cadera do Reate n. 50, precisa-se
a^_?J5a_ajna Para cozinhar eengommar.
sabbados.
(lasa
Precisa-se-a|fcarma casa terrea ou de sobra
do, no bairro Ja Boa-viste : quem livor dirqa-se
a ra do-Livramcnto. loja n. t>.
Uffi
AVISOS DIVERaTisr
Precisa-se de urna ama para pouca
lamtlia : no pateo do Terco n. i, taborna
Consta-nos que prepara-se um explendido
taile no theatro de Santo Antonio, ra da Floren-
tina, em roijosiio : cheg.-ida dos voluntarios da
p.-tria, e espera-se que e byaso nacional ser
cantado pelo insigne artiMa o Sr. Jo? Coelho e
correspondido por um coro de virgen.
^ O apologista.
Nao mais cabellos brancos
A tintura japoneza para tjngia os cabellos
da campea e da barba, fot a onca admittids
Exposico Universal, por ter sido reco-
nhecida_ superior todas as preparacoes at
hoje exisienie8, sem alterar a sade.
Vende-se a ,?O0G cada frasco na
Bna da Cada n. 51,
_____1. andar,
_Precisa se alujar urna casa oas inimedia-
coes da Ponte de Uehja at Apipucos, pr< fere-sc
cafa com soto ou sobrado ; quem ti ver c quizer
slugar, avise na ra la Cadeia do Itecifj n. 35, ou
por este Diario para ser procurado.
Todas as vista sero mudada oas fezes- por semana, ndo as qjrtasi
BRASILRio de Janeiro e Jfaa das Cobras.
PORTUGALPrafa do Commercro- em Lisboa.
PARAGUAYPassagans das Mercedes.
HKSfANHA-Barcetena.
FRA1CAPars, scena t opera de Pars baile1 da Trentela.
JTALI\Preaa de Paterno e da cathedral en WI3j.
CRIiMEAAsalto e presa da fortaleza de Sebastopol.
28Camboa do Carnio=.28
I>AS SiSS E MEIA HORAS DA TARK AS OPB Da NOBTE.
Pre-isa->e de um;. no Caes de Capfbiri-
be n. 30. ou a rita da Cadeia do Recite n.
33. Paga se bem.
Roga-se e especial favor ao passapeiro que
recebeu-uma lata com seatentes de Alores da nao
do Sr. Bentu Fernandes Alfctoo, vioda de Lisboa
no vapor francer Prut/turf, entrado a 10 de fisve-
reiro'paseado, e quereno retiini-la, dirija-se ; ra Nova n. 69, ou em Olinda, m> Viradouro, aon- '
de mora, para ser procurado.
_________ io> Jtiaquim Silva Pereira.
O'Sr. Frauci-co Pereira de Arruda Cmara
(senhor de engenho), tenha bondade de dirigir-
se raa do Crespo n. 17. a negocio.
Farinha saceos
Vendem Pocas & C na ra estreHa do Rosario
n. 8, junto a groja.
em
AS u pipas m IL
Precisa se d>; um ca'xeiro oara venda,
roa da Irilo n. .15, no Mor* Vieil.int'.
na
l) arta-fi'ira !l marco.
J. Carrere (ir da por intervencSo do agente
Pint de um c-.'Bpl-n.i s- rt nicjjt. de 'azendas
ir.u.(vzasp',.pri.\-,i. mero do, em conriquencia
da pr K>ma njudanei d. s.-u ar azem 1" andar
ilo sobrad a ni o Vijrario n. ;i, para o armi-
em do largo (i Pe .urinhj n. 7, o Ieilo princi-
lara as lo hocsu i Io anla do sobra o da ra
do Vig.-in i). ;.
- "Cosinhe ro.
Precisa se alugar um preto que cosinlie repu-
laru ente : a tratar na ra do Commcreio n. 48.
ou na ra da Amisade n. 18 (Capunga).
LE1LI0
Para o Porto
a bajea portuguen Novo Silencia seguir con
a brefidade poakel; para carga e passageiros
.--.ua-se edtn esonsignatarios veira Filhos-A
t"..,_no larga ) gorpo Santo u. 1:-, on com o ca-
pitao na praca do commercio
mhu
O patacho portuguez Mana, cupitSo P. M. Bran-
co vai sabir com brevida.le o recibe carga fre-
io ; Irau-se oom os consignatarios E. R. Rabello
& C. ra do C/immerco n. 48.
Ilha rtc S. Miguel.
O patacho portuguez Jeorgensc segu eom mui-
i brevidde para o porto aciuu ; anda recebo
alguma carga frete, bem coma pasaegelroa pa-
ra os quacs tern bellos commodo: a tratar com
o seu consignatario, Joao do llego Lima ra do
Vpollo n. 4-
Para o Porto-
barca Flor- & S. Sn \> saiiir brevmente, por-
que j tem parte da carga engajada : para o restr
< passagens,trata se com os coc.-iguatarios Car-
valho & iXogneira, na rna do Apollo n. 20.
Oca ararla.
Qiiirja.feira 10 de marco as 10 horas.
O agente Pinto levar a leifeo a requnrimento
de ubrisuani & irmiot, por autonsaga. dn cnsul
de FraiiCa em presenca do seu chaneeller, e por
conta e risco de quem pertencer, urna caixa
marca C F n. 7 com 50 duz as de chapeos de dif-
rentes qualidades, avariados a bordo do navio
francez Adelc. capitao Hernault na sua ultima
viagem do Havre a este porto o leilao ser ef-
ectuado as 10 horas do dia cima dito no Io an-
dar do si-Lra/lo dn na Nova n. 44.
LEILAO
la taberna skta na pracs da lio i-
vfgta n 3t.
0 agente Ma lins far leilao por conta e risco
I iiiom pertencer da taberna cima em um ou
lotes, a prazo ou a dinheiro conforme se con
-endonar no seto do leilao, cuja venda se acha
muito leu. localizada.
Quinta-feira 10 do corrente.
As 11 horas do dia na mesma taberna.
mui/viiiiL
35-RUA ESTREITA DO ROSARIO 33
Fcrn. ce-se comidas para fura eom asseio
e promptldfo c manda se. levar em suas
casas na rna estreita do Rosario n. 85, ca-
sa particular confronte a casa do Darbiro.
a iiiesma caa faz.m se flores para en-
feites (le anjos para procissoes, sipos de
l res, rosas, capacetes enfeit'dbs, e todas
l; llores de panno e papel para ornamen-
to de igreja? c andores indo por barato
preco, oqoets para noivas com fitas bor-
dadas a doto, ba idcjasde b los finos c->m
armacao para casamentas o bailes, pudins,
pao de 16 ealeitado para presantes e toda
a qualidade de doces de ovos tambern en-
feitados, valias ricas para baptisadus por
b rato preco, bouqnets de flores de cera
para < nfeites de bollos e para offertas.
Ama
Precisante de ama nuiilier para tomar cenia de
urna rasa de um hornem o um nenio i, e fazer o
serv-^o de casa e comprar : oa ra "de Hortas n.
120".
Ama de leite.
Precisa-se de urna ana can leite aera filho, pa-
ga-so vime mil reis neniaos na ra da Palma nu-
mero 79.
lnunndu'L- do Divino Espirito
Santo, da igreja do Colegio
Nos domingo- da presente quaresma bvero os
e.cicioj da Vla-Sacra, rom-.indo sempre as
0 horas e meia da tarde, para caj u aOos, de or
dem do Irinao julz, convicto a lodos os nossos ir-
mao.-.
O sertvao,
Luiz fpifanio Maurirea.
nrnare. rna da Cntxcs
n. lt.
O artista Samitlo achase estabeleridu na easa
adma. onde pode ser procurado para todos os
misteres de soa prncis-ao.
Aluga-se un case oa travessa~dolVMtto u
68, contendo 5 qnarto*. 2 8a|a, cozinha fra
quntale cacimba, por 2.> ao mez.
Joaquim *>< do* Saolos Ailuyl. tdzscieute
ao respeitavel publico e principalmente ao corpo.
oo eomraereio qe de*de o dia 7 do correte dei-
xou de ser caixeiro de J aqni n Bernardo dos
Res; e agradece ao mesmo o bem tratameoto nue
lhe den.
Ama
Precisa-se de una am i que saiba cozinhar o
comprar: trata-se Da ra do Qjeima4o, toja
Vendo-se ra das Cinco Pontjs n. 150.
. Joao Jariuiho de Medeiros Rezends, retira se n. 18 A.
para Europa, deixando ptr seu< procuradores,: ., n 7~r-r-------
S^,"^l^wr,^i,,5n^eT^Agui,ar':^|w rorlnpez de BeneSfeff-
em segund Mamiel da Costa Das Jnior, e em
terceiro Francis'O de Oliveira Praneo.
ca em Prnamtoco.
A provedoria deste hospital manda convidar aos
senhores asociados, aos prenles e amigos do
| Aado Fr. Antonio de Santa Anglica, a assistirem.
Precisa se de uma'^a b'.. cosinh-ira profeit- 2 "?0^rS8n,|U" Por.a!n" ^ n"do man-
ee eserava, |,aga-ee bem; na ra do Pires sobndo i ??, a n Q "/i ,?r]" n 27 10 do crrente, as C 1|2 I oras damanbaa.
---------------------------------------------------' S;cretara do Hospinl Portuguez d> Reneficen-
Gia 'm Pernambuco 7 *to n arco de 1870.
O 1 secretarlo,
"" Joaqnm Xavier Vieira Ligo.
i
PiT.-i comprar e "osiifiar p ra duas pessoas; na ra
Aus-'u-t. ii. 70.
Ao publico
Clenientino GencaJves d-- Paria tem eontratado-
vender seu pstabelecim'M detaberaa daruad'
Rangel n. 3i. #-
Attenpo.
Aluga-se ou vende-se urna casa com bastantes
conmiodos, na cidade nova de Santo Amaro :
tratar com Joaqaim de Souza Nevos, a ruadas
Cruzes n. 36.
Ia loro Calvo
precisa-se de um caix.-iro que tenha alguma pra-
tlca de fazendas e molh.:do : a tr. lar no eserip
lorio de Joaquim Kodrignes Tavares' de 'Mello,
largo d.) Corp.. Santo n. 17. I'andar. M
No segundo andar do sobrado n. o da ra
estreita do Rosario, precsase de una ama forra
ou osera va, paga se bem.
LEILOES.
De urna raobilia de Jacaranda com 12 cadeiras
de guarnieao, % ditas de bracos, 2 ditas de balan-
do, 2 censlos, 1 jardineira cora pedra marmore
' I sof, 2 spelbos cooi ricas molduras doma-
das, 2 pares de baten;, 2 banquinhas para p
de cama. I coatureira da Jacaranda, 2 toalhetes
de jacaran1.-l guarda vaso? de Jacaranda com
pedra, 1 bi.H 1 (apele para forro de sala 4 di-
tos pequeos, 1 dito para sof, 1 eabide de faia,
i dito de auarello, 1 cama franceza de jacaran-
do. 2 dpseancos para ps, i apparador, 1 lvalo
rio eom espelho, 1 marquesa, 1 moldura doura-
da, i m 'sa de jntar, I jarra de pedra, 1 gualda
roitpa de araarello, 1 guarda vestido do dito,
4 mesa elstica, 1 teeia commoda de amareHo
sala, 2 camas de ferro com coU&es de mola, 3
armarios, i mobilia de araarello, i fogao de fer-
LEILAO
Importante de ricos movis, boa lou^a, fi-
nos crysttaes, obas de prata e ouro com
brilbantes e peclas, um carro e urna
victoria, a saber:
Um pianno forte, 1 mobilia* de Jacaranda, i sof,
1 me.-a. 2 consolos com pedras. grandes espelhos,
16 cadeiras de guarnieao, 1 cadeira de bracos, 1
poltrona, 1 cadeira de balanco e 2 sofs estufados
torrados de damasco encarnado,, 1 cadeira para
pianno, 1 lustre, 1 candelabro e 2 serpentinas, 4
casticaee de eleetroplate com mangas opacas, jar-
ros, frascos e tapetes.
, Urna cama francaza, 1 mesa de cabeceira, 1
giianda louea e guarda vestido de mognoe iguaes,
1 rico espeho com columnas, 1 tocador, i relogio
eom figura e redoma, 1 cobido*2 sofs de jaca-
randa, i mesa oval, 2 bancas de jogo, 1 candieiro
gaz, 10 cadeiras o 1 jardineira.
Urna mesa elstica, 1 guarda louea, 1 apardor,
1 sof de jacarani e 10 cadeiras, 2 ditas de ba-
taneo, 1 relogio de pa-ode, 1 caixa para cha.
lira apparelho de porcelana dourada para jan-
tar, 1 dita para almoco, 2 noria queijos, 4 com-
poteiras, *garrafas: 21 cauces, 20 copos e4 frnc-
teiras.
Urna burra de ferro (cofre, i realejo e 1 gamao,
t adereco com brilhantes e peroles, i apparelho
para cha, de prata, 4 caslicae?, 1 salva, eolheres,
garfos e facas tudo do prata.
lima exeeliente victoria com arreios, 1 coup e
1 par de laeternas para cama (obra do goato).
Sr vi a-fe Ira. ti de mareo
Feitor e c iao.
OiTercce-se dotis horaens, um para feitor
de algum sitio, e outro pura criado de qaal-
quer cas.T, d5o fiador de sua contacta:
nesta typoraphia se dir.
Pedro Vasques, subdito bespanfiil, morador
ra larga do Rosario n :!:t, relira-so para Eu-
ropa a tratar de sua saude : quem se julgar seu
credor, aprsente 9ua conta no pra-o de tres dias
para str conferida e paga. Rtclft 7 Je niarc) de
18/0.
Ama
Preeiji-se 3c ama am para casado pou a fa-
milia ; na ra das Cruzes n. 25.
- ?iii mmm mrnm
O Dr. Luiz Jos Orreia de S conti-I
mia no exercici i do ma profissao medi- fi
cj, e reside a ra da* Nymphaf (Soledade) i
n. 17, onde peder ser procurado.
mnibus de Ca-
changa,
Para melhor commodidade das passageiros, de
boje em dianle o mnibus denominado Passagcm
partir para Cachanp a- 4 horas da tarde, c dt
manha vira as 7 1|2 para o Deeife.
O proprietario,
Antoni.' Jos Coelho Carneiro.
O abaixo assignado avisa ao publico que tendo
oMido licenca do Rxm. Sr. conselbeiro inspector
da thesourana da tazenda geral, para vender es-
tampilhas em seu estabeleciitjenlo a rna do Crespo
n. 23. pelos niesmos prejos que se vendem na re-
cebedoria gral : asiih pdjs, podem as pessoas
resWenies Besta cidade e fra della dingirem ao
abaixo assignado, suas enrommendas em qualqner
quantidade que ser prumptamante saeffeilas.
Manoel Uartins Fiuza.
IV'viiie-se
um cerlo procurador que, repeliendo a
dousaunqs urna lema firmada por um func-
cionarit do foro d IVazarelh, para promo-
ver a cobranea amigive, at hoje nao res
(it:> esse titulo e nm mais se entendeu
com o seu constitunte,-iue em prasq breve,
vem este negocio Sr li../.ido a imprensa,
em loda>as ciicuinslao-dse co;: declara-
gao (1 ts n mes das pessoas as quaes dita
transaeco uleressa.
O abaixo assignado perdoii um quarto n.
2233 da 312' loteria do Rio de Janeiro, o qual se
acha firmado pelos Srs. Figueirdo 4 Leite, pelo
que previne e pede aos niesmos senli ires e a ou-
tros quem por ventura fr dito bilhole apresen-
tado nSo.pagnem qual pier premio que lire sem
urna necessari.i justiticacSo. P.ocife 6 de marco
de 1870.
Li/dio Mariano "Albuuerque.
Xa ra' Nova n. 43, ha para alujar urna es-
crava boa cosinheira e engummadeira.
Phenix Pernambu-
cana
Os senhores accionistas^ da companliia.de segu-
ros martimos e terrestres Phenix Pernantbucana,
sao convidados a virem realisar ato o dia 15 do
corrente mez, no escriplorio da companhia, ra
do Commercio n. 31, vinte por cento do capital das
acedes que subscreveram de accord i com o dis-
posto no artigo lo dos estatutos.
Pernambuco 7 de marco de 1870.
Pela companhia Phenix Pernambucana
J. J. Tasso.
F. F. Borges.
J. H. Trindade
Iflillil
Iriiiaud.-tde de \issa tti'uhor*
d;i Soledade da aToa-Vista
A mesa iv lora d,i irmanlade di^ N^a Se-
nhora da Soledade convida pelo presehta os Srs.
uie.-tres de .opinas e pedreiro8| que qoizer m en-
carregar-se das otras de dous altares, rese' Precisa-se alujar un pr" o de meia idade on
forrt da ipi>ja, a apresentarein suas praoostasem moleque at 16# por mez : na ra da Praia nu-
carta fechada em mesa, quinta reir 17 do cor-1 mero 27.
Precis -se de urna ama para casa de ponen
familia : na ra do Livramento a. 23, ! ai lar.
Magua portagaeza
Miguel Archanjo Mindello, professor
da BC'a Normal desta provincia, ensina
,S parrlcolarmente lingua portugueza, das 3 a
a<5 horas da larde, ra da Conceigao i
I da Boa-vista n. 4.
mmwmm-mmmmmmm
reule mez, pudendo para isso consultar as plantas
que se achara cm poder do guarda da mesma li-
man lade.
isistnrio da irmandade de Nossa Senhora da
Soledade 7 de marco de 1870.
Manoel Barbosa de Aranjo
^^^^^^^ Secretario interino.
Anda lugido dci-de 2b' do fevereiro pmxi-
aio passado o escravo J.iao, preto, estatura baixa,
t-du picado de bexigas pelo rosioe falta de den-
tes : l.'vi.u'vestido camisa branca, e lovou mais
ontra de riscado de litlae, (joem o pesar leve-o a
praca da independencia loja de Porto A Basto?,
que sera recompensado.
De-apoareceu no dia 4 do corrente. do en-
Eenho Pimentel la comarca do Cal, o escravo
ala, catinnha, de 17 a 18 annos, alto, sosco, de
bonita figura, todos os dentes, tem as pernas
unas s irnas seccas, psgrandes, fallas mansas,
olhos vivos, nariz grosso, hocca pequea, andar
apressado, levou calca e jaqueta de brim pardo,
'camisa de chita e chap > de bata ; liHii do lu-
gar Cacimba-Nova da t'reguezia de Inducir da
comarca de Pajeii de Flores, sendo quo foi all
escravo do Sr. paulino Raplnel da Silva Cruz, e
foi por este vendido a sea irmo o tenente Joa-
quim Raphael da Cruz, que tambera o vendeu
nesta cidade oSr. capitao Francisco de Paula de
Allmquirque Lima, senhor daquelle engenlio, que
roga s autoridades policiaes a capluia do dito
escravo, e a suienttvgi no dito engenho, ou nes-
ta cidade ao Exm. barao de Naziretb, que tem
ordem para gratificar generosamente a quem o
apresentar. ^_______________
O abaix.. assihm&o faz seienle ao publico,
que ?e desoedio da casa do Illra. Sr. Dr. Joaquim
Jos da Fonscca no dia 7 de marco do corrente
anno ; agradecendo ao mesmo tempo o tratamen
to q'ie recebeu durante nove annos e tantos me-
zet. do mesmo senhor e de sua Esma. familia.
Recife 7 de marco de 1870.
Manoe| Domingos de Sant'Vnna.
O leiieTmnTrneM^mnuu^T[!r^
da guarda nacional d'este municipio e suaoffleiali-
dade desojando dar urna prova do apreco e consi-
deracao, em qoesempro tiveram o seu companhei-
ro, o caidto Antonio Jos da Costa e Silvj. man-
dara celebrar urna missa por sua alma, na igreja
de S. Francisco, no dia 10 do corrente s 8 horas
da manhaa, trige.-imo de seu fallecimento, o para
o que convidam a familia, parentes e amigos do
mesmo capitao.
euilo I*hilo>iophico e J.Ke-
rarlo.
De ordem do presidente do Gremio Philosophico
e Litterario convido os senhores socoj do mesmo
a comparecerem na quarta-feira, 9 do corrente,
na casa do costume, pelas 10 horas da manha,
para a primeira sesso prepara loria.
0 Io secretario,
Arthur Aunes.
Na r a Direita n. 6i, existe urna cara para
ser entregue ao Sr. Juvencio Paulino da Silva.
Offerece-se urna ama de leite na ra Bella
n.43.
Joaqun Rodrigues Tavares deMdi, prar.i
do Corpo Santi n. 17, Io andar, venia cal de
Lisboa e p >ta*sa da mais n iva, o vinh > R .r.l -aux
de ! qualidade,
ASA DA NRTII1U
Aos 5:0GO|
Bilhetes gtfratitid'is.
k ra do Crespo n. 23 e casas io cof turne.
O abaixo asignado, tendo vendido alm le- ou-
tras sortes, 1 iuteiro n. 275 com 4:00000f> da
loteria que se acaben de extrahii a beottM
da igreja de Nossa Senhora do Livramenlo do- Bio
Formse (138') convida ao; possnidores vircm
receber na conformidade do costume sera descos-
to algum
Acham-se a vunda os fe!izs bilhetes gi.ran-
tidos da 3" parte da loteria beneficio d; igreja
matriz de Caruar (130'), que se extrahir terea-
feira 8 do corrente mez, pelo novo plano.
Precos
Bilhete 6*000
M.io 3#000
Quarto Iftgoo
Em porcao de I00 para cima.
Bilhete SaoOO
Meio USSO
Quarto 1*375
Manoel Marlins Fiuia
SEGURO
MARTIMOS
E
CONTRA FOC;0.
A Companhia Indemnisadora, estabetecid*
testa praca, toma seguros maritimos sobre
avios e seus carregamentos e contra fago
am edificios, mercaderas e mobiiias: a
na do Vigarion. 4, pavimento ter eo.
~ Em casa de THEODORO CHRIST1-
INSEN, ra da Cruz n. 48, encontraawa
jflectivamente todas as qualidades de vino
Bordeara, Bourgogne e do Rheno.
COMPANHIA PERNAMBCCANA.
5o DIVIDENDO.
De ordem do conselho de direccao seeommuniea
aos Srs accionistas que o pagamento do .piint> di-
videndo razao do 10- por cont, lera lugar do dia
8 de marco prximo vWidouro era diante, no es-
criplorio da companhia no caes da Assembta,
n.12.
O g^ente,
F. F. Borges.
BC4
DO
tanto estabelecimento no seu genero, tem sempre um sortmento
CABUG
esquina __________^
i^ maiai-pa jj$* w* ? fi^s que nenhuma outra caaa'pode vender. L
^^^ A vista da qualidade e do prepo das joiaseada um podter-ae-lia oonveneer da verub^r^ rm *"**
Eosario. Oarante-se ser tudo de tei. Compra-se ouro, prata e pedras finas por presos muito te-' Besario,

A loja est aberta at s 9 hows da noute.
eWiOS.


Diario de Priambuco -4 Ter^a feira 8 de Marco de 1870
A ESMERALDA
PERFUME INEXTINGUIV
Para o Lexco, Toucadob, e BAjhio.
i 4K
IM BE JOUS
C
Este antigo estabelecimento, completa-
mente reformado le novo, est as condi-
joes de servir vantajosaraente os seus *e-
$uezes, visto que acha-se prvido com um
olendido sortimento de obras de ouro e
puta de lei, assim como brilhantes e ou-
tras pedras preciosas, eujos presos sao os
mais mdicos que se pode encontrar.
As joias compradas nesta casa recebem-
os em troca ou compram-se com pequeo
lbate
V. 5 RUA 0 CABUfiA J___
No armazem da ifavessa do Corpo Santo
sotiinunto de objectos para carros, o que se vcndempor presos muito
sejam: ...
Vaquetas de lustros, grandes c muito boas.
Solas idem dito.
Oleado preto e de cores.
Cnlleras de lustro o que ba de melhor.
Goarnjcfos de finolato para a reos, completos.
Lanternas e vellas para as mesmas
Eixos patentes para sebo.
sempre um comploto
rasoaveis, como
O MAIAVLHOSO REMEDIO DO
DE. CHAS. DE GRATH.
OLEO ELCTRICO
KINGOF PAIN
O RE D.t DOK
A MU AFAMADA
aGUA DE FLORJDA,
DE
He o mais delicado e mimoso e ao mes-
mo telhpo o mais estavel de todos os per-
fumes, e encerra em si, no seu maior auge
de excellncia, o proprio aroma das verda-
deras flores, quando ainda na sua flores-
cencia e fragancia natural. Coiioummeio
seguro e rpido allivio contra a$ dores de
cabeca.'nenosidade, debilidade, desmaios.
flatos, assim como contra todas as formas
ordinarias de accidentes hystericos; de
summa efficacia e nao Kan outro que o
iguale. Igualmente, quando destomperada
com agua, torna-seum dentifricio o mais
agradavel e excellente, dando aos dentes,
aquella alvura e aperolada apparencia tao
altamente apreciada e desejada pelas Se-
nhoras. *
Como um remedio contra o man hlito
da boca, depois de diluida em agua,
summamete excellente, fa remover neu-
tralizar todas as materias impuras que se
criam roda dos dentes e das gengivas.
tornando-as duras, sadias e d'uma linda cor
encarnada. Quanto a delicadeza, riqueza
e permanencia do seu fragrant-aroma, ella
por certo nao tem igual: e a sua supe-
rioridade sem rival. Ella igualmente tor-
na-se um meio mui fxcellente, para fazer
remover de sobre a pelle do rosto, toda a
qualidade de brotoejas, ebulices, sardas,
pannos, manchas, impigens e espinhas.
Quando se queira servir della como reme-
dio para fazer desaparecer qualquer um
destes disiguraientos, e que tanto desfei-
am as lindas feioes do bello sexo; devera-
se usal-a n'um estado de dilluic3o, destem-
perando-a n'uma pouca d'agua ; porm nc
tratamento de qualquer espinhar, usar-se-ha
della pura em toda a sua forca. Final-
mente como um admiravel meio de com-
municar as feices trigueiras e paludas,
urna pelle macia e d'uma transparente al-
vura, dando-lhe urna linda cor de rosa :
para um tal fim, ella leva a palma a todos
os perfumes que se teem inventado at bo-
je, e existe em plena soberana sem rival.
Bem entendido tudo isto se refere nica-
mente a Agua he Florida de Murray &
L ansian.
As imitaees que se tem feito na Franca,
Allemanba, assim como em outras partes ;
sao inteiramente 1101015" e inyaliosas ; por-
tanto recommenda-se mui especialmente
s senhoras, que tenham toda a preraucao
e cuidado, de quando compraren!, cstejam
certas que compram.
A Genuna
AGUA DE FLORIDA
DE
MURRAY & LAIN'MAN,
A qual preparada smente pelos nicos
Proprieta rios,
LANMANN KEMP, DE OVA YORK.
Acha-se a venda nos estabelecimentos de
A. Caors, J. da C. Bravo, & C. P. Mau-
rer & C. A. A. Barboza Bartholomeu. 4 C.
AO ARMAZEM
DO
Ra Xova n. 9,
acaba de chegar pelos ltimos vapores novas re-
messas dos seguintej :
Calcado rranoez
Para senhora9.Botinas brancas, pretas, e de ou-
tras multas difiranles cores i ultima
moda.
Para meninas.Botinas das mesmas cores e qua-
lidad;s cima.
Para horoens.Botinas de cordavao. beierro, ver-
niz, pellica, o melhor sortimento que se
pode desojar.
Para meninos.Botinas das mesmas qualidades
mencionadas para homens.
Para horoens.Bous rucianas, meias-botas e per-
neras.
Para homens, senhoras e meninos.Sapatos de
tapete, aveludados, charlte, casemira
preu, tranca de Lisboa ele. etc.
Para meninos e meninas. Abotinados fortes de
muitasflualidades.
Quinquilharias
Finos artigos de Paris, de gosto e phantazia,
como sejam, leqnes. espelhos, luvas de Jouvm,
caixinhas de costura com msica.', joias de ouro
bom de lei, ditas de plaqu, cofres de seda e bol-
cinhas para braco, estojos para viagens, bengalas,
chicotinhos de baleia, oculos, lunetas, correntes de
relogins.e perfumaras de Condray ete Piver.
Brinquedos para enancas
Carrinhos de 3 e de 4 rodas para passeios, eos-
moramas e realejos de diversos umanhos, e um
cem numero de brinquedos francezes e allemaes
para entreter meninjs.
Para evitar massante leitura de tanto* artigos
expostos venda neste estabelecimento, o dono
pede ao publico em g^eral que se digne entrar de
passeio afim de verilicarem nao s a grande va
ridade como os precos baratissimos por serem
todos chegados de conta propria.______
Methodo Castilho.
GUSTAYE
CABELLEIKEIRO FRANCEZ
51Ra da Cadeia do Recife-151
Chama a attencSo dos seus innmeros regnezes, e do respeitavel publico ei
geral, para a seg'iinte tabella dos presos de sua casa, os quaes s5o vinte por cents
mais barato do que em outra qualquer parte:
Cabelleiras para senhoras a 230, Cadeia para relogio a 5$, 60,
300, 350 e. 400000
Ditas para homem a 350, 400 e 500000
Coques a 1*0, 150, 180, 200,
250, 300 e.....500000
Crescentesal20,150,180,2O0,
250, 300 e .... .
Cachos ou crespos a30, i0, 50,
60, 70, 80, 90 e. 100000
Tranca de cabello?para annel a
500 e. ..... 10000
Tranca para braceletes a 100,
155, 200, 25 e
70, 80, 90, 120 e.
Corte de cabello,.....
Corte de cabello com riaco. .
Ooo Corte de cabello com lavagem a
champou......
Corte de cabello com limpez da
cabeca pela machina ele: tri-
ca, nica em Pernambuco. .
Frisado ingleza ou fraaceza.
150001
501
501
10001
1*00
5C4
2M
Manoel Jos de Faria Simdes, professor particu
lar do instruccK) ellemeniar pelo methodo Cas-
tilho, tendo chegado do mato, onde foi tratar de
sua saude, avisa aos paes de seus alumnos e ao
respeitavel publico que uo da 24 do corren
abre de novo a sua aula, Jia ra da Sentala Ve-
Iha n. 124, segundo andar. Ero dita aula ecebe-
se ^alumnos internos e xiernos.
300000 Barba. ......
ASIGNATURAS IY1ENSAES
Especialidade de penteados para casamento .
Bailes e sol r ees
O dono do estabelecimento previne s j Recommenda-se a superior TINTURA JA'
Exmas. Sras. e aos cavalheiros que ha um PONEZA para enegrecer os cabellos e bar
. v i! u.u iba, nica .admittida na Exposic5o Universa)
salao para tintura dos cabellos e barba, as- ^ n_o prejodicial Mfde> por ser vc.
sim como um [empregado smente oceupa-j ]_ai|t analysada e approvada pelas acadt
do nesse servico. TEZOUM DE OLKU
ansias s&sA m (BaasaasaiaaiiiaQ
DO____________.
A' rua do Queimado n. 6. prtm^iro andar
8 pessoas para oservigo e o maior acceio nos trabamos de barbeamento.
O salao estar aberto, nos dias uteis das 6 horas da manh3a s 9 da nou-
e, e nos tlias santieadn das 7 a 1 hora da tarde.
<
t
AMA
Precisa-sede urna ama para o servico interno
de pe mena familia : na rua do Vigario n. 5, ter-
ceiro andar.________________________________
Trilhob urbanos do Recife
OHnda.
Continuase a comprar dorraenles do sioupira,
oiticica, amarello e outras madeiras de duracan
para o chao, com as dimenses seguintes : 10 pal-
mus de comprimento e 3 112 p llegadas de grossti-
ri.de 7 l|2de largura : para tratar, no telhelro
da rua da Aurora, desde as 6 horas d^i manhaa as
i da tarde.
O superitendente,
Andr de Abreu Porto.
Jr.
FALIII
ANTIGA E CREDITATA
FABRICA
DI
Advogacia.
m
O advogado Ayrts Gama contina ter
seu escriptorio "na rua larga do Rosario
n. 26.
P\H.\ t/ IWBBSO E EXTERJO.
Cura citolera e chol-ra morbus.
Diarrhea, Iluso do sangue, em um dia.
Dores de cabeca, o dores do ouvido em
tres minutos.
Doc de denles, em um minuto.
Nduvraltfia, em ci ico minutos.
Deslocacoes, em vinte minutos.
Gargantas indiada*, em del minutos.
frca e colvul'sSes, em cinco minutos.
Rheumaiismo, em um dia.
Febre e febre intermitente, em um dia.
cm dez mi-
Dor as costas e nos lados,
utos.
Tosses perigosas o refriados em um dia.
Plueresia, em um dia.
Surdez e aribOM.
Hemorrhoidas e bronchites,
Iniflamafao nos rius.
Dyspepuia, erysipelas.
Mulestia do figado.
Palpitaco de
Cirammatica nacional
Primitivo de Mianda, enrodante do 5* anno, d
licoes rua da Conreicao n. 12 ; pode tambero
ser procurado no escriptorio do Dr. Jacobina, rua
do Queimado n. 33.___________________
soracao.
torniin este remedio na sua familia
AS DOENC\S SE APRESENTAM, QUANDO MENOS SE ESPERAN!.
OLEO ELCTRICO 0 Kiug uf Pain (0 R^i da dor) aquieta e positivamente dis
warnais de differwites molestias e dores, e allivia mais os soffrimentos e produz um
mais perfeito equilibrio no systema humano, o que nao se pude effeituar no mesmo tem
no, com qualquer outro remedio medi inal.
Este muito popular rem dio esta agora usando-se geralmente, pela raz5o que
militares de pessoas se tem curado gratis cora o dito remedio pelo Dr. Gralh e outros
mais. ,
Este importante remedio nao se offerece para curar todas as doemjas, porem
lio somente para aquellas estipuladas as nossas direccoes.
Est operando nos principios da chimica e da eletncidade o por isso, esta
applkavel para o curamento e para a restauraco da aeco natural dos orgaos que so-
ffrm da irregular circulacio dos fluxos d s principaes ervos. Oleo elctrico O King
of Pain opera directamente nos absorventes, fazendo desaparecer as mchacoes das
glndulas etc. em um tempo incrivel, breve sem perigo do seu uso debaixo de qualquer
circumstancia. .
O remedio urna medecina para o uso externo e interno, composto dos ele-
mentos curativos, railes, hervas e cascas, taes como se tem usado dos nossos antepas-
sados, o das quaes tem grandes existencias no mando, para curar todas as molesUas
somente sabendo-se quaes ellas sao. .
Foi um grande e especial desejo da faculdade de medicina durante amitos an-
uos de experiencia para aprender os melhores modos que se deviam adoptar para curar
as sfquintes duermas, e que proporces de medicina se devia u,sar.
NICO DEPOSITO EM PERNIMBUCO
NA PHARMACIA E DROGARA DE
Bartholomeu & C.
34Rua Lar INSTANTNEOS
Travessa do Corpo Santo n. 25
ARMAZEM
Rua Nova n. 28, loia Antonio
Pf dro de Souza Soares.
Bandeira, Machado & C, avisam ao respeitavel
publico que no? lugares cima encontrar no mes-
mo aempre grande quantidade de ditos pocos, e
que se acham habilitados para vender por menos
qne outro qualquer, por is3o que os reeehem di-
rectamente do fabricante Norton, de Londres.
As vantagens que offerecem os pocos instant-
neos sao : primeiro, poderem ser colloeadus den-
tro de casa ou lora, com o trabaIho de urna a duas
horas; segundo, fornecerem os mesmos apua pu-
ra e abundante, podeudo serem removidos de um
para outro lugar, quando assim convier.
Os annunciantes sreeeb. rao a importancia dos
referidos pocs depois de collocados, satistazendo
espectativa do comprador._______
Aluga-se urna boa eserava para servico de
casa, e um ollicial z carapina : na rua da Penha
n. 11, 1 andar._______________
Fugio do engenho Minhocas, da comarca dj
Sa*i Anlo, no da 20 de jnnho do anno passad ;
0 esfravo de nome Francelino, representa er 3o
annos de idade, com os signaes seguintes : cor
prets, baixo, corpo reforjado, cara larga, bastante
i arbado, olhos pequeo?, nartt muito afi'ado, boti-
ca regular, denlas curto* e limndof, muito prosis-
ta e andar apressado ; consta andar p bios da cidado de Olinda, engenho Fragoso, Caiu-
1 Jos de Sart'ABpa, -eu irmio liberto, o qual tem
em sua ompanhia urna cabtclha e fllhos da mes-
ma, e por outro irmo de nome Jos Bagoia, quf
o conduzlra para o? lugares cima inndicado>,
alem do um outro so:io de nome Jo* Zachanas
da Silva, conhecido por Jc- Paje, por ter vindo
daquella comarca. Roga-.-e > autoridades e ca-
pitaes de campo que o apprehendam e o levero
rua do Rangel n. 17, ou no engenho Minhocas, a
entregar a seu senhor Joao Correia de Queiroz
Monleiro, que serao generosamente gratiflcad-s.
CAHA II PE.
Aos 20:000^000.
Bilhetes do Rio venda : rua do Cabug n. 1
'onde Vieira & Bodrigues._____________
Aluga-se o Io andar'do sobrado o. 5 da rua
Imperial : a tratar no andar terreo.
Grande sitio para
alujar.
Aluga-se nm grande sitio na estra-
da do Rosarioho, o qual tem muitos
arvoredos e grande baixa para ca-
pim ou creacio de gado, podendo
sustentar20 vaccas por ter um grande
hreio no fundo que vai quazi estrada veiha de
Beberibe no lugar Agua-Fria, tfndo o sitio urna
grande frente para a nova estrada de Beberibe
fazendo quina na ponte, que alli existe. A casa
nova, tem dua* salla* e qnatro quartos, grande
copia ,quarto de creado, cocueira e estribara, tu-
do de pedra e cal e edificada ha pouco tempo.
Qaem pretender queira entnier-se com o seu
proprieiario o comniendador Tasso, em seu sitio
na Cruz das Almas at > 9 horas da manhaa e
depois no seu escriptorio na rua do Auiorim nu-
mero 37. ____
@_-,5>0-()3 S)l_ 32
CUHTMTIIIRTI 101 C01PLIII 1611111X1
CHAPEOS DE Sl:
De todaa as qualidadei I
De todos os feitios I
De todas os presos I
RUA DO CRESPO N' 4
TO n fimos
Precisa se de urna ama : no paleo do Parai
zo n.29, defronte da igreja. Io andar, es mina.
9 -RUA QA IMPERATRIZ- 9
0 proprieiario deste eslabelecimcnlo acaba de receber um completo sortimen-
to de pianos do afamado fabricante Herz, entre os quaes tem alguna pianos de grande
frmalo e contem mais de que sele oitavos.
0 proprieiario deste estabelecimnlo offerece ao publico maiores vantager.s
que outro qualquer, fazem-se todas as qualidades de concertos c afinjjCoes segundo
melhor systema com o maior esmero e promptidao posstvel. Iknrtque \ogeley
TINTA DE
&C0RES E LA-
VAt.KM
TODOS OS
DAS
O padre Antonio da Cunha Barbisa, ex co-
adiulor da fregaezia do Cabo, vai a Portugal ira
lar de sua saude; despedo-fe seus amigos e col-
legas agradecendo a todos o honroso acolhimento
e tantas llnezas de que lhes devedor._________
Attenclo
Alufa e umacasa nos Arr> mbados, om Olinda
com commodos para grande familia, com qoiotal
murado e cacimba : a tratar na rua da Hoda n.
4i, sobrado. ._________
UQOS SURI VERDE
IESTINCTIV PATRITICO
_ n i I .n*>4 .1a i1il\_illAla_f>n
Vsnde-se a roa do Qnemi.id
n 6.ea do CabelWrero.
OURA DE OURO
Lindas o superiores bareges de cor, de qtudroe de listras, para vestidos fin-
v.la nao baratisslmo preco de 300 e 640 rs. e covado.
jlS ua uiiiiiinm *m*'nrr~v *i rttr-*~- de m.oit goat 40(
PEDIDO
Pede-so encarecidamente aos Srs. Domingos
Theodoro Rigueira 9 Arlstide* Florentino Caval-
canti de Albuquerq e (de Sennhcm), que venham
rua do Vigario n. 14, mogoeio que se precisa
l,u,y-______m-------
Casa de commissao tie escrav^s
Ife fatiga easa da commissao de eseravos, d
ibalx* assigeado, raa do Imperador n. 45, conti
ma-se a nceber iscravos por commissae, tant'
lo mato coma da praca para serem vendidos,
'arantej* o bom tratamento e prompu yenda
ara OTO so-em prega todos os eelorcos aflr d4
ausfaicr em todo S peJoas que o qotzerem Don-
ar com &ua confiaca. Neet^-casa ha sempr.
>ara vendur eseravos 3? ameet-sos sexos, vemos
docos. assim confe ha t da segoranca para os tei
Antonio Jos v de Souxa.
,f4wi
Na rua do Cordonii n. 8, preeisa-se ae
que sartwi cozinhru
orna
o de nm |u alance sua
toVsaa : na na d? fTrrflffl _
TRILHOS URBANOS
DO
Recife a Apipucos.
A venda dos bilhetes nos carros conti-
nuar at o dia 20 de marco entretanto
ruga-se aos Srs. passageiros o favor de
comprarem os seas bilhetes as estacos
antes de embarcaren) nos tr ns.
A condcelo de bagagem principiar boje
partindo o trem do Rec fe Apipucos ao
meio dia, e de Apipucos ao Recife a 1 h. e
15 m. da tarde.
Recebe-se bagagem- e carga nos dias uteis
das 6 horas da manhaa as 6 da tarde nos
seguintes pontos:
Recife.
Officinas.
Manguinbo.
S. Jos (casa defronte da igreja).
Torre.
Casa Forte.
Caldereiro.
Monteiro (no hotel).
Apipucos.
A bagagem para os poutos de Soledade,
Ponte de Uchda, Jaqueira, Parna-meirim
Sant'Anna e Porta d'Agua, s ser receida
com a condicc5o do remettente macda-lo
receber na occasio da passagem do trem
por n5o haver ali quem o recolha nem es-
tacos proprias para esse fim.
Qualquer reclamaco dirigida por escrip-
to ao gerente tei immediata attencSo.
Da segunda-feira 7 do corrente em dian
te haver alm fio carro de 2a cas*?, o-
tro da Ia classe acompanhando o trem de
bagagem. Escriptorio da empresa, 5 de
marco de 1870.W. Rawlinson.Gerente.
Escriptorio da companbia. 1 de marco
de 1870.
W. Bawttnso.
Gerente._________
a da Concordia, pdaria nW, se pre-
-RE DAS FLORES25
O dono deste estabelecimento tinge, limpa c achamalota com a maior
perfeicav. possivel todo e qualquer objectode seda, la, algodjto, em pecas
ou em obras, chapes de feliro, palha e manilha etc., tira mofo das tazen-
das e faz todo o mais concerner.te sua Drofiss5o, tudo com brevidade, visto
como se acba prvido dos necessarios machinismos e petrechos.
Otto Sckneider.
Essa affectes sao dis-
tl'CLEBUH.
Na
cisa de
SOFFRIMENTOS DESTOMAGO, COMSTIPAQO.-
Cur em poucos dias pelo Cnwio oc KLioc ero p ou em pastdb.
ENXAQUECAS; NEVRALGIAS.
sipadas rpidamente pelas PEROLA D-ETHE''
ANEMIA A PALLIDEZ e -frimmU pe neceasltam do
pelas P.LUt*s O* VALUET. (Ma Pula tem mcravado o nome ?ilUT.
P DE ROG. Baata dissolrer um fraseo d'estc p en meia
rrat tfaua Pw se obtr urna Hmonada agradavel que purga sem fe-
icr clicas.
VINHO DE QUINIUM Labarraque. Este vinito, nm dos
poucos caja coavStio & garantida matante, um. das melhores pre-
raraeoeTd. quinto, sem aeflio notatel sobre oa conralescentes, dando-
B foTca* e apressando toIU a te. Cura a. febr ant^a qM r^
bsUo ao sulfato de quinina.
MOLESTIAS DA BEXIGA. A a** parte d'aata moks-
tLAComo aa sciaticas, tombagos, catarm, tedu aa dfires nervosu em
5^ wl o curadas pelas PEBOLAS 0E tSUNCU K THMtt TlliA I ~ a 4- Sr ertan. 0 protaaor Irousseau em.sen Trefe* "f**"** f*-
selha as para ser tomadas na occasiio do jantar, aa dse de i II.
^ OLEO DE FIGADO DE BACALHAO DE BERTMst-
sJSS"poro e de pmieira quadadA ft do. pesM T*? P*
r ladciiiia de medicina.
AVISO Todos vtm tnmtc*m*H<*for*m aprwados pe* Acamv
imperial de. mediata de Pam.

BMtneir.
mu rwu, v. rncsiB, se>, *
Dsmaiui; Ama ?
TsSBOBB. ,. ^rm
lUassetC'.
G$ere.
ama.


Diario de Pernambuco Tercja fera 8 de Mar^o de 1870.

AGUIA NEGRA
co
te
O
&
BENTO MACHADO fr C,
A AGUIA NEGRA animada cora o bom accolliimento que te ve em seas annun-
tos, vem novo participar a seos freguezes que. acaba de receber om variado sorti-
neoto de objectos de gosto os quaes serlo vendidos por preces muito razoaveis, pois
qoaado fez os seas priraeiros annucios, foi o que assegurou, e sem mdo de errar,
porque como j disse osla ioteresses ligada a urna casa importadoradesta piara, e
por isso poder ter tudo especial e vender por precos admiraveis.Chama pois a atten-
Co de seus freguezes para os arttgos possa descrever
Livros com p tampo de marfim, raadre-
oerola e tartaruga, proprios para missa.
Garafinhas vazias proprias para presentes
cousa de gosto.
Indispensaveis ie palinha e de couro pro-
arios para senhoras e meninas trazer nos
bracos.
Binculos de madreperola, marfim e tr-
taro ?a todos esmaltados.
Cintos largos de setim, cousa inteiramen-
t nova.
Fitas de sarja de todas as cores e largu-
ras para lacos.
Um variado sortiments .de charuteiras e
palliteiros de porcelana,
Tentos para voltarete.
Bengallas com marfim, cousa especial.
Sabonetes de alcatrao.
Cofres de folhas para dinheiro.x
Lindas caixas para costura.
Um completo sortimento de luyas de pe-
lica,
Talagoree para-bordar.
Um completo sortimento de enfeites de
Toncas, sapatinhos meias de seda e mais seda para vestido,
pertences para baptisados. | Perfumaras de todos os autores os mais
Fitas coro inscripc5es proprias para bou- acreditados em oxtractos, pomadas e leos
fuet de noiva, e finalmente outros muitos objectos que nao
Ricos vasos com p do arroz. possivel mencionar ; mas com a vista se
Um variado sortimente de jarros de por- certificarlo do sortimento deste eslabele-
elana.
cimento.
Agida Negra, ra do Cabug n. 8.
i wmmmmmmmm mmmummmmam mwtmmmmi
2. B1?? 3
5=D. =
K o M
u <" ?- h
2 P *'cg o , 2 S <
a
O ui "


!/3
3 3-
SSS3|-|b3S
o o
I'l
O- ai 2. _
sg-"S
% O
M S O "*2 oa
o
I
03 <-
0=1
ips
.r

g
P
O
>~
9
S
3
2 OT
g o
o
9-3
N
O cj
o."
lV a
do en
f *
'
en
6
O -' ss g
&.
zj te j_ CD
3-q So g _.
3 B g OH
a-g BgS
s*-I.i
x 2? S ffi S *
OO
s
i


so

25
^
B
O
O*
s .
o
B B
0i"O
-1 O o
2. O
Bgg.
9 C
O 3
B g" -> ** *'
b o n o
BK.S'g'lSo
en oo

&
p.
i
o
3
o
M
o
es
cu
CD

<- CD
3 -/-
ra
3*
< ia, ^-
U' N U 09 9 V
HBnBpniPW Ml|^|9 r.
PILULAS
RDADEIRAS ~^H
DE BLANCARD
COM IOOURETO DO FCRRO INMLTCMVEL
APPROVADAS PELA ACADEfflA DE MEDICINA DE PARS, ETC.
Possuindo as propriedades do lodo el do ftrro, con vera es peclalmente as Amccots
BJCofut.osas, a Tsica do principio,a fragela d$ temperamento tambera nos casos da
Falta db cor, amenorrhea, em que precisa reagii'obrx o saugub seja para restituir
Iba a aua riqueza e ahundencia normaes, ou para proToear regular o seu curso peridico.
If. B. O iedunte de ferro imporo on alterado 4 im edicunent* infle),
irritante. Como prora de parein de aBtheneidade dai vet-^adriraa Pi-
* * Maral, dere-se exigir notM ella ala arata reactiva
aatto anata, aqai reprodniida, que a acha na parte inferior de
ratalo varae. Deve-ie desconflar daa falcifieacoi.
fharmaetutiet, mi lew erre, 10,
A O Dr. .isla Mulla de voha de sua va- f
J? gpm da Europa ondo dedirouse as mo
[eolias de senhura, a partos e afTei'jfies Q(
de pelle, pode sor proeurado em ua ca-i "
ra da Imperatriz n. 9. Da consullas cgL
das 10 horas ao meio da, sendo gratis f&L
para o* pobres. n%
Travessa do Corpo Santo n. 25.
Os acreditados cylindros americanos para nadara, por dous differentes systemas.
Machinas para descarocar algod5o pelos melhores fabricantes de New York.
Machinas de vapor systema de locomo iva e polias para as mesmas.
Cwinhos americanos para tra&sportar volumes em armazens. Tudo por pre
eos ra2oaveis.
TRAVESSA DO CORPO SANTO N. 25
LOJA DAS MACHINAS
BASTOS
Acabam de chegar grande quantidade das verdadeiras machinas amencanai
.ara descarocar aigod5o de todos os systemas e tamanhos seguintes:
42 serras 12 sorras
14 ditas i l ditas
ditas 1S ditas
ditas 16 ditas
ditas i 8 ditas
ditas O ditas
dttas 22 ditas
ditas 25 ditas
ditas 30 ditas
ditas 35 ditas
. ditas 40 ditas
13 quaes se vendem por precos commodos e roga-se as pessoas que dellas fizeram cd
iommendas de alguns tamanhos, obsequio de as mandarem busca-las o mais breve pos
vel afirn de nao haverem faltas.
15
16
18
20
22
25
30
35
40
Selecta brasilense.
Acaba de pubcar-so o segando e ultimo lomo
d'esta obra, 1 volume 8- br. "JOOO, contera bi>
graphias trechos de autores naciur.a-. "
Livraria Franrcza. _______
Pede-ie ao Sr..... que com tna cubora e
e urna menina aqui eutraram Osonipraram cor-
tos objectos ncsle deposito de lou-a do ilabo
ra dss Cruzes n. 2. e que depois mandou bus-
car por urna escrava mais um alguidar npr M e
urna doceira por 800 rs, moradores ;i ra do
Qneimado, qnciram mandar satisracer e?te re>tsn-
te de i#800 reis que talvez, p.>r esquecim^n:!) o
nao tenham feilo, e como j faca tampo sul:ien-
te por isso iembro por meio deste.____________
Precisase de urna ama de leite .ue seja
*.dia, na pra^a do Corpo Santo n. 17. segundo
andar.________________________________
Fugin no dia 4 de marco o escravo Antonio
preto. de idade 18 aoms, ollos grandes, recr-
eado, lera todos os denles, sem barba, foi vestido
de jaquel parda, camisa branca, cal^a de case-
mira amarella cora vivos chapeo d3 iellro com
fila larga e flvella, foi comprado ao Sr. teiwnte-
coronel *ndr Cavaieante de Albuquerque Ar-
co-verde do Bnique, para one se sup5e ter lu-
cido : quem o pegar e lvalo a rti3 Direita n.
3, a Jcaquim Hugulino da Silva fragoso, que
Ma cem recompensado.
Fago ver ao pblico, que tendo um passa-
geiro de seguir no vapor para a lscada, e levan-
do comslgo meia dnzia de .veos vaifos para
despachar na eslacao d>s Affogados, o danio-lbe
o dinheiro 30 chee para o despacho nao Ihe
quiz despachar deixando em ierra, o que Ihe
cauzou o dcarranjo da sua felicidad* e preci-
so que a companhia tome nisto consideradlo, o
qual muitas pes>oas disto se tem qaoixado, al
, ,do cartas assignadas, essas mesmas as tem nega-
do o que lem eauzado prejuizos.
RA DA CAEIA N. 56 A
9
55Rua da Imperatriz55
F. Gautier, propiietario deste importante estabelecimento tem a honra
de participar ao respeitavel publico que acaba de chegar da Europa para on-
de linha ido especialmente para contratar peritos officiaes e que conseguio
contrata-Ios na primeira casa de Paris, por isto julga que todos Ocaro satis-
feitos dos trabalhos do seu estabelecimento enjo escolente material anda
foi augmentado com novas machinas que ja recebeu e tambem militas drogas
novas cora as quaes se obtem estas maravhosas cores modernas t5o aprec-
elas em Franca e em todo o mundo,
Tinge, lava, limpa, lustra, achamalota com a maior perfeiejo fazendas
em pecase em obras de todas as qualidades como sejam: seda, la, algodo,
linhas, chapeos de feltro e depalha etc., etc.
Tira nodoas e limpa secco sem molhar os tecidos, conservando assira
todo o brilho da fazenda.
Impressoes sobre tecidos
com este novo systema, os vestidos de seda e outras fazendas que at agora s
podiam tingir-se de cores lisas, podem receber um bonito desenho de cor
diversa, a escolha, o que realca a fazenda e Ihe d mais merecimento.
Tintura preta, terqas e sextas-feiras
As pessoas das provincias limitrophes que quuerem utilisarse do seu
estabelecimento poder5o mandar o que tiverem, na certeza de srem t5o bem
servidas como no Rio de Janeiro ou na Enropa, e com mais prestesa por
cansa da distancia.
Na ra Nova n. 43, ha para alagar urna o$-
erava boa cosinheira e engommadeira.
Ama
Precisa-se de ama ama para todo o serrico de
urna casa de pequea familia : a tratar na' rira
do Imperador n. 79. loja.
0 Dr. Luiz Vieira de Rezende e Silva queira
apparecer no becco da Boia n0 10, a concluir
aquelle negecio que nao ignora.
Esc avo
Precisa-se alugar um escravo para serviijo nter-
no e externo de uina casa de homem silleiro, pa-
ga-se bem : na ra da Cadeia n. 20.
34, RA LARCA 00 ROSARIO.34.
O Dr. J. S. Rehello, medico homoopa- S
ffij iba, reside no 2 andar da casa n. 32 da 1
g| Praca da Bao-visla, onde o podem cnsul- g
gj-j tar. oit mandar chamar, lodas a> pessoas, 2
91 que o hor.'in'm com a sua confuir. I
ff -Hi-iMa Mff i
Popos tubulares ins-
tantneos.
Heitor & Sampayo.
Ra \ova n. 9H.
Os annuncianl s acabam de preparar algnito
po^os tubulares ln-tanianeos mais 4perfei{ado^
do que os viudos de fra do paiz, os quaes ven-
dem por preco muito mais commodo, ucarregan
do-se do seu assentamento al funecionar. Un
dos melhoramentos feilos poder servir q'jalqner
bomba. As pessoas que quizerem comprar un.
ou mais desses tubos devem dirigir so a jfllcina
dos annunciantes : ra Nova n. 38.
MILHO
Vende-se co trapicha BarSo do Livramento s..<-
cos com milho, boa saccaria e por menos do qu*
em outra qualquer parte.
Cal nova de Lisboa
descafrrgado. iinje do patacho Mirra ; e venoe
Joaquim Jos Ramiis, na ra da Cruz u. 8, ar-
n eiro andar. ___________________
??? 13 por cen!o de pe o norata ITl
Et fumo dar lucem
29 -RA DOIMPEADOR -20
Ricos econmicos, da boa luz, do 500 a 1OCO t?,
cada um.
Friiiha de maraloca
de superior qnalidade. e em acco? grandes : ven-
'le-e Doarmaxem n. li da Companhia PerDamfci-
eana, caes : afsenbla.
Sementes
De hortalizas novas e sag a 12t) reis a lifcra.
no Ralisa, na do Livramento n. 38.
Estampilhas.
Vendo-se na ra da Cruz n 8, Io audsr.
Vento so urna cscravi preta, -le idade <&
annos, propna para mucama : na ra Direita .
3, 2* andar.
Vende-se una mobilia deiacarandi a Lnu
XV novinha em folha, e cuidadosamente emp--
pellada : tratar na ra das Cinco Pontas n. 4*
AO CAMPOS
Na ra do Imperador n. 28, vende-se-
os seguintes gneros de superior qualtf
a saber:
Presuntos ingleses (para fiambro).
Queijos inglezes imtiilo novos.)
A verdarleira gomma o aramia.
Copos lapidados imuio linos.
Latas com lagoelas i 8fl0 rs.
Licor (aya pana).
Ovas do seriv..
E urna tranca de ceblas por (ii-0 rs. II!.
H no armazeni do
Campos.
Ruado Imperador n. 28
Vende-se pvrejto de pedras de ojptaha ci
pedacos, proprias para paredoes ou caes ; a ira-
lar com o juiz ca irmandade do Divino Bspir '.
Sanio da igreja do Collegio.
Barra 6rap.de-
Vende o lente-coronel Joao Haptista Aecio!/,
cinco sitios com coqueires, tendo um dellcs b"..i
casa de vivenda, os pretndanles queiram dirigir-
se ao ditf lugar, que Dio duvidar vndelos:
prazo.
Cabrioiet e cavallos.
Vendem-se dous cavados e um cabriole', co i
arreios : a tratar na ruada Cadeia n. 57, ar-
maten.
Drogara
NnA costutnamo procoror atteitados para acreditar
aos-os preparados, e deiatnos que sua apphcayfio k os
resultados efettdos pelas pesoas que te dignen ni acceita-
tos. Ibes deen crdito e vega ; porque sao sempre oa
ettestados eonsiderados gratuitos, e lolles que lan;a
nio o charlatanismo; oas ni qnerendo ofleader as pes-
aoas que espentaDeaoiente oes offereceram, os qae abkiio
vio transcriptos, os razemoe publicar manifestando-Ibes
oossa gratnilo pe* attenfo, esperando qae Tenham
elles corroborar o coneeito, e acceitacio qae tem mere-
cido nesso sarope. Barlio/omfo C.
ntataMa,
Illms. Srs. Bartholomeo A C. coto ais subida
Mtisfajo que declaro ser o xarope Americano de urna
efGcacia extraordinaria, pete que suOreniio ha das de
intensa tosse. 1 ponto de neo poder dormir noite
despeilo mesmo de medieamenlos qae toma va, a elie
recorri e na recira cother fui alliviado, e de todo me
iche boje reelabelecido cem o uso sement de qtiasi
meio frasco; ^rnto pois cese resultado manifest a
ir, Ss. mea rcconliecimeeto. De V. S. amigo, re-
3er:.d.ji- e obrigtdo. Maaael Antonio Viegas Jnior.
ua ca?a '0 de ^bril de 1Kfi8.
nims. Srs. Borlliolonieo c C. Penhoradisaimocom
Tator qna me lii;ram de aronselhero use c-o tarop
Vegetal Americano, de sua composii.o, quando mi
arheva baslaute doente de urna constipacao, qae mi
tomoa completsmenie rouco e que trouxe ama forlt
tosse. e me irapnssibiliton decumpriros :neus dereiei
de cantor da empreza lyrica, vou agradecer-Ibes mei
completo reslabelccimemo, qne oblive com um so vidrt
do uesmo xarope, depois de haver recurrido a rnuitoa
tratamentos. Desejarei qae oatros como en recorran
ao seo xarope pan se verem aliviados de to terrivel
mcommodo, to fatal neste paiz. Cem maior conside-
rado contino a ser de Vv. Ss. atiento, venerador e
obrigado. Luiz Cremona. Recite 25 de setembrs
do 1868.
Illms Srs Bartholomeo *CO xarope Vegetal Ame*
rieain qae Vv. Ss. tm exposto i venda de toda effl-
cacia para o curativo d'asihma, canforme obeerrei p-
piirando-o a meo lllho Joaquim. menor de qnatri
aiinns; victima d'esse flagdlo, qae at entlopor espaee
excedente a dons annos bavia resistido a oatros xaropet
de grande nomeada. Qoeiram pois Vv. Ss. acceitar (
expressao altamente sincera de meo reconhecimento ae
meritorio serrico que Ihe prestaran) com o indicad*
xarope, acreditndome para sempre de Vt. Ss. criada,
atiento e obrigado. Atnertoo Netto de Mcodonce.
Ilecife 2 de outubro de 1868.
ELEPHANTE COM BOTAS
GRANDE ARMAZFil DE PIANOS, MSICAS E INSTRUMENTOS
Vende se a loja de ealfado sita a rua Direi
la n. U, a qual esta bem aoregaenda tanto para
a pra(a como para o matto e s se vende por
sua dona se retirar de>ta praca, qurm pretender
dirija-so a mesma que adiar com qm'tn ti atar
e tem tambem ba-lanles commodos para nume-
ro*! familia por bular de rua a rua e por rr.'co
muito rasoavel que admira.
A pessoa que tem em seu poder por em-
presumo a c illeccaode Janeiro setetnbro de 1866
diste Diario, queira mandar resiitui-h no escri-
torio da typocraphia.
' orrespondencm de Portugal
Os Srs. que inda deven^suas assignataras Se
un. dous, e at 3 nnnn-, nao obstante a delip'n-
cia que >e ha fei'o para rweber. queiram mandat
papar no escripturio de Tasso, Irmios A C. al o
lim do mez de Marco, quando sera eovadi fo
editor da moma Mha urna lisia dos devedoref
que nao o tenbam fpito t aonella Os abaixo assi>nado- nocai-irn pelo presente
ao respeilav 1 corpo do conimcrc , que por in-
commodos de sautlc do s> rio Floree, amigavelmen
te dissolveram a socie ade que linliam na loja de
fazendas rua do Cabnp n. 10, que gyrava sob a
firma de Flores t C, (icando todo o a:tiv> e pas-
sivo da moma sociedade a carpo do primeiro
iabaixo assignailo, bavcnito o st cando retirado o
i seu capital e lucros que Ihe perii nciatn. Os ab..
i xo assignados naJa dntcm nesta praja nem fra
! della ; entretanto se algueni julgar-se credor,
j convidado a ir om predita loja para M pago, isto
dentro do praso de tres dias, a contar da pnblica-
cao do prsenle aviso. Recite 3 de marco de 1870
Antonio Joaquim Vaz de Miranda.
.1' o de Snnza Leal Fl'Ufg._______
Voluntarios da patria.
Consta-nos que no Monti iro se pretende fazer
um grande festejo pela chpgada dos bravos volun-
tarios. Lonvorea sejam dados a quera para isto
eoncorrer, pois muito merecem eslea J'gno'J com-
patriotas.
E-pecial homeopalhiea.
RUA NOVA N. 43.
Acaba de receber urna remessa especial de
colaie bomeopalhico a 25 a libra.
Livros para chimica homcopathica, propri..-
para apanhamcr.'.o de symatomas etc. ii por cadi
exemplar.
Vende si a par brado da rua D
reita n. 177 : n Iratar ni roa das Larangcir -
n. 31____ __________
Vende se om grande sitio seto casa, ierra i
propno, no principio da estrada di Rosarinho pr-i
onda passa a estrada do Ierro de Olinda, 6n tnni
tas ardores de 'neto de diTersas qnadadea e
baixa p racapim : a roa dos lim o, 3S, ra .'
de Cecilio.
Tr((devino do plvora.
Cirei, Pe.rnambacaaor. ;i rua imperial n. ~'.,.
e comprai fngo do ar para festejar a volta do*
briosos volontanos, 'i^ no campo da honra nnnr.t
desmentiram o nnme dos l'rasileirts, e fjne ii -
coberios decicatrizes veen Ascanpar nos :
lares.
ANTONIO JOS DE AZEVEDO
. 11-RUA NOVA-N. t
Parecipa ao respeitavel publico tiesta cidae e as mais provincias visinhas, que o seu grande c bem acreditado arofzttn de inslramenlos para wn-
i. acaba de ehegar um grande o explendido sortiaeuto ce
PIAMOS
0 que ba de mais moderno, de tejado fixo e mobile, e com transposfao oa sea ella, deaatores os mais acremUdos rje?U cidade.l.como sejam ^os
aamados e bem conreados pianos da fabrica do Sr.
Milho avariado
a yoihIh.
O agenie Oliveira v<>nde por otila de quem per-
len-er prca ti 'enadonrilni atariido,
em poreO- ..... , recente-
mente importado* de New i*ik p-lo iiiate ame-
ri'.-ano 1- Olivera c c.\isti'nte; no armazeri
de farinba a i i ios 22 de n ubi por barxa -
G I : ' ' mi.z, citirlf pi'nk -. t examinado.
lo.
Vende se um .ii c ni ios para tu.'
q'ie se qm ira ,.,... i nmitas a:-
vores de frm1: : ,,'ii..!-. Jons pranl. *
vivi'iro- grande aa do -Vbrado, cocaeira e car-*
para feitor, (a contigo i asta cidac e tem por
todo desembarque : a Iratar-se no largo do tra-
piche da companhia, em casa dj Alfreda &
Cunha.
COMPRAS.
AFFONSO BLONDEL
superioridado
Estes pianos, fabri-
para que
caprichos do
Mja
Hrihores piaoiitas.
Todas as pessoas que comprarem pia05 oesta casa, sao ragvhs a exigirem o certificado de origem assignado pelo Sr. Btonda!, afim de provar a sua
iutencidade do numero de piano com o de certtfi'ado.
AO PUBLICO

*
Mr. Aiphonse Bloudel, abrjcanto e ^os em PA.BJS, declara ao respeitavel publico de Pernambuco, que o nico dp;^o de seus pianos na cidade
lo Reefe, RU\ NOVA N. U, armazem de Antonio Jos de Azevedo. Outro sim que todos os seus pianos ir5o accompanhndos de zx cerfltcado de origem assig-
udo por mtm.
Parts, 24 de julho de 1869. (Asssignado) Alphonne Blondel.
0 annacianie tambem troca e alaga pianos. E tem o maior e mais expiendido sortimeotof de novas
MSICAS PARA PIAMOS ^{
As qrja#j recebe directamente da Europa e do Rio de Janeiro; das acreditadas casas dos Srs. Felippone A Tmaglii, arteoy Arthur Napoleid C.
Me Tambea (MMada^rtimento de papel para msica e desenho ; cordas para todos instrumentos, ricas gravaras e quadrosopara ornamentos de salas, oleados para
lOjoalho des > dourados, quadrados e ovaes, sspelbos de todos oe taaDtroe, talajarfa, 15as e agulhas para bordar, e muitos oatr< s artigos qae o respeitavel publico encontrar sempre usste .-irmazeur, o qual estar
iberio todos os dias at ! floras da noite afim das Eimas. familias [loderem ir apreciar os s*us pianos.
CoDipra-sc
duas oo tres veneiianas em segunda ;iio.porem
que estejatn perfeilas : a tratar na loja ?a roa .'''ova
n. 45.______________________
Casa terrea.
Compra-se urna casa terrea : mtar na rua
Ja Madre de Deus n. 16. loja._______________
Compram-se moedas de ouro e prata de to-
los os valores, ooi'o prata em obras inutilisadas,
orlhantes e mais pedras nroeosas : na loja de
arives do arco da Conceicao, no Itei-ife.
Compram-se e vendem-se diariamente para fra
i dentro da provincia escravos de todas as idades,
ores e sexos, com tanto qne sf jam -adis : no
ereeiro andar do sobrado n. , i roa daa Crozes.
reguezia de Santo Antonio.
Loro muito maior vantagem compram-se
noedas de ouro e prata : na loja de joias do Co-
acaode Onro ti.O, rna do Cahng._________
Compra se no armazem Pernambuoano rua
das Cinco Ponas n. 8G. garrafas c botija sias, a
6000 o cente._________
0 muzeo de joias
Na rua dr Cabng n. 4 compra-so ouro, prata
> pedras preciosas por precos mais vaatajosa do
rae- em ontra qnafqoer oarte._______________
Compra se urna esertrania do praia boa, e
estando em perfeiio estado : quem liver annanrie
Vendem se duas machinas nuiilo bonitas,
chegadas pan urna ene mtnmda no ultitni vapor
e duas ricas imigons, una o crucificado, e a ima-
!.-ei da Conceicao. Na mesma casa vende-se ba
nhacon'ra a guada dos cabellos, e um uropc
peeial para molestias do petto, vindo do serta
que j tem sido experimentado : :io Corredor
Blspo n. .
Engenho.
VrNDAS.
\
--------------__- -
Vt^de-v.uma taberna no |teo de S. Jos
n. SI, Bem freguenna para trra com poneos
fundos : ratar na mesa.
Vend-se o engenho Ferrioosa, nina das primo
ras propriedades agrcolas da comarca de Por.
Calvo, muito bom d'agua. boas obras e situad";
unlo a estaco Ja companhia Pornambncana, en
larra Grande, a entregar cm maio prximo d
sembar cado : quem o pretender dirija-se ao lar
go do trapiche da Companhia, casa de Alfredo A
Cunha._____________________________
Aosdcpulad spmv.nciaes.
Ven Je-se as eoiiecces das leis provinciaea des -
de o primeiro anno "de 18JS ate 1857 por pre; i
commido. E" mu ac(uii;ao para os novos eleitc-i
da provincia e para os aifogados : DI rua do Irp-
porador n. lo. defronte de S. Francisco
Vmde so metade do sitio distante d'esti
praca dona leguas em l'reguatia de Mamanguar>
avallado ai 5.-Q001, o (|ual limita-so ao nasoen:.>.
oom o rio da Santa, confronte ao rio Doce, ao so),
com trra* da Santa, ao norte oom o rio Paratbc.
hoje denominado Pauiisla, o o siiio Cobu, ao poen
le com o sitio Meloes de Cima. Tem bnas ierra*
para ulantacao em ledo o anno, e bom pasto para
crea ca i de gado : qiif-m o pretender, dirija se -s
Jos Joa-rohn da Silva, cm Olinda, rna do Por:,'
Segoro : os pretendentes poderso ir ver e lera.
teda expcacan necessarin.
TSfAJPILil
dos lio adhesivo
A' venda na roa do Vicario n. I, primejro ai.-
dar.
Venda de urna casa no povoado
dos Motr*. .
Vend-i-se ao;'. roa Xuv.1, r
povnad) dos Montes -. de taipa, cbb;ru de lelhas
com a frent" de lijle, lonifo esta 7nle painfl.
bre60 de fundo, spndo.o solo fjirim a pr^oried'
do Montas : tratar a rua da Cadeia do Re
rio. _ __
Vende um cabrioiet de .jai rod>- p-
pateme ingi'i; na rua do Uang;
I


Diario de Pemfunbuoo Terqa feirb de Marqo de 1870.
A RA 11A EMPERATRIZ "Xm *
Esquinada rua ca Aurbra, em frente do caf Imperatriz.
, N'este novo c suraptuoso estabelecimento de fazendas encontrarlo as Exmas.
femili.;.s tndo quanto possam desejar,tanto em artigos do mais rigoroso luxo, como em todas
s mais qualidades de tondas,
Alm dse iciiarem prvidos do quo de melhor se enGontra neste mercado,
oer todos os paquetes da Europ;i, recebem directamente o que em artigos de modaio
do mais apurado gosto se cncontra emParis, o que vem cadadia augmentar s propor-
cu.'g de que dispoe este estabelecimenlo para bem servir sua numerosa freguezia.
EO.IA
WGBLANH
Algodo largo para lences e toalhas de
odas as qualidades que costuma vir ao mer-
do.
Alpacas de todos o padroes e qualida-
des tao variadas que se n5o podem descrever.
Albuns com msicas para collocar retratos,
akeado presente para qualquer pessoa de
sima.
Atoalhado de Iiuho e algodlo, branco e
decores proprios para toalhas.
Bas juinas de seda pretas e muito moder-
nas, bem como de crochel, lulo de apurado
gosto e feitie.
Bates de mu-selina, madapolo, brancos
de cores, para senhora e meninas,
Bareges de cores variado sortimento.
ikbadinhos ou tiras bordadas em todas as
.arguras.
JtJIbotin de todas as cores.
Bolsas de tapete pai-a viagem, grande
ramdade do tamantios e gostos.
Bombaxma pretade todas as qualidades.
Bramante do linho de \ I palmos de lar-
gura, e todas as mais qualidades.
Br-'tanhas de inho e algodo, grande sor-
u'm
Bruta de linho branco e de cores, do mais
comalido ao mais caro em qaalidade, aman-
eando o que ha de melhor na especie.
Briaa d'algodo completo sortimento e
r:'dade de pre;os.
ja
Cassas de cores, o maior sortimento, pri-
ido pelo bom gosto e baiat*za, ltenlas
jinlidades.
Ca abraias brancas, tapadas, e transparen-
S ' todas as qualidades e presos.
Camisinhas de cambraia de linho e cassa
las ricamente enfeilados para Sras.
(..misas para born-ns e meninos, t3o va-
au sfitt ment que va i do mais ordinario
olio ao mais perfeitu bardado de li-
ebo cambraia.
lisas de meia, ln flaoefla, branrase
: cflivs para liomem.
miras pelas e de cores, o nieluor
i i; pode imaginar, sendo d'isso a me-
rova o giande consummo dellas na
da casa.
: ellas de flores, para noivas e bailes,
- a mais candida flor de larangeira at
niieressaate griaalda.
C lapelinhas no melhor gosto, de todas as
sores boje prefer las pelas senhoras de
mais apurado rigor na moda.
Chapeo* pretos de velludo, para senhoras,
Bost de Paris.
Guape s de sol, para s nhoras e homens,
lodos os pre;us e variados gustos.
ly com reos padroes para vestidos,
de todas as qualidades, avultado
e nao menos variedade do gostos,
Obi! , impossifel descrever o sortimen-
'o e variedade de padroes e novos ?osios,
artigo ludo quanto se pode desejar.
Cintos para senhoras o que se podo ima-
ginar de mulhor.
Coques, o melhor no gosto e nos enfei-
tes, varios tamanhos.
Colchas de soda com borlas, o mais apu-
stoelavor.
\s de bati branco e de cores por
presos commodos.
Carpianos d-> cambraia, ricamente borda-
dos para senhoras.
Cortinados de cambraia bordados e de
5!d,o que de m-dhor se pode desejar.
Colarinhos de linho bordados e lisos, o
maior sortimento.
9TJD
Damasco de 13a de 9 palmos|de largura
liadas cores e ricos padroes.
ca
Espartilhosbranios e de cores, para se-
nhoras e meninas, o melhor neste genero ;
nenhuma Sra. deixar por certo de muir
se de t5o precioso auxiliar perfeicao de
am corpo delicado.
Entremeios bordados.
Escorailha p'r- ta.
Enfeites para cabeca, ultima*moda de
Paris, recebida do ultimo paquete.
Esguio de linho, completo sortimento de
todos os nmeros.
Fitas largas escocesas para cintos, varie-
dade de goslos e lindos padroes,
Fi mus de crochet, modernos com cintos
e capas, o que ba de melhor.
Fil de seda, linho e algodo, de todos
os gastos e padrSes.
Fusto dn todas as cores e qualidades
grande sortimento.
Flanella branca c de cores.
Flores, o que ba de mais rico, quer
sobas, quer em ramos, tem o PAVILHa 1 -Paris, podemos garantir que nnguem neste
DA AURORA am permanente jardim a genero o possue melhor, lem mais em
rtisposiejo das Exmas. familias. conta.
E' dispondo d t3o grande e variado sortimento que os propietarios do PA-
VILHO DA- AURORA se apresentam ao publico declarando desde j que a sincerida-
de e o bom gostoo movel nico de seus negocios.
Prvidos de tudo e promptos sempre a prover-se do qoe por ventwa llie
leja necessario, os proprietarios de8te sumptuoso estabelecimento recommeudaoi-se
em receio de serem contradictos e protestam esforcar-se por continuar a merecer
protecao qu se Ibes tem dispensado ; ce(los de que do sea estabelecimento u3o sahira
a-fragnes descontente.
Contina sempre a ofllcina de alfaiate dirigida por um dos mais habis artis-
tas, prompto ,execular cora promptidao e bom gosto qualquer trabalno que lho seja
eonado. Urna modista especialmente oceupada os trabalhos do PAYILHAO DV AU-
RORA, d'iige os que Ihe s5o concernentes, garante porseu apurado gosto e promptidao
aaexecuc5o e a mais completa perfeicSo nos seus trabalhos.
A numerosa freguezia qae nos honra ama prova de qoe merecemos o con-
ceito qoe se dispensa ao nosso estabelecimento, conceito qne procuraremos firmar cada
iw. Para facilitar ainda a concecucao do flm qoe nos propomos, temos no nosso
neqlo es ltimos figurinos de Paris, qae recebemos por todos os paquetes, os
raos para sorem vistos as familias nossas fregoezas, aflm de escolhercoi,
com o padrlo da fazenda o gosto na forma.
Na oBcina de alfaiate, junio ao csabelecimento, ha igualmente os figorinos
pan bomens qne_por todos os vapores se recebem.
E' este o modo porque nos apresentamos pedindo a proteccrn? do iHostrado
poirrri e com o mais profundo respeto convidamos s exceilentissimas Sras. a visi-
utd estabelecimento, certas de encntrarem nelle pelo menor preco possive-
%ttio qae podem desejar.
i caixeiros levar as fazendas e amostras onde frem pedidas, visto
pdennos especificar todo quinto tMPr
Joo Luifjftaktuho db C.
Aberto das 6 s |9 horas da noite.
esa- l
Gase com listras de seda e flores, fazwi-
da inteiramente nova para vestidos de baile.
Gravatas para senhoras e homens, o mais
completo sortimento que so pode desejar.
Guipure preto e branco, diversas largu-
ras e differentes gostos.
Gollas e punhos bordados para senhoras.
Guardanapos de Huho pequeos e gran-
des.
GorgurSo de seda preto e de cores.
Grosdenaples preto e de edres, haven-
do diversas qualidades e gostos.
Japonezes para senh iras, o melhor gos-
to, e fazenda propria para as festas nos ar-
rabaldes e passeios a tarde.
L5azinhas de todas as qua'idades, cores
e gostos, n3o fleaodo nada a desejar, tal c
o sortimento que existe para escolher.
Lencos, tudo quanto pode haver desde
esguiSo ao algodo comunial.
Leques de madreperola e osso, o mais va-
riado sortimento.
Ligas d seda, bordadas, para senhora.
Luvas de Joavin, chegadas por todos os va-
pores, sempre novo sortimento, quer em
pellica para homens e senhoras, quer em fio
d'Escocia, brancase.de cores.
Madapol5o; indesciipiivel o grande sor-
timento que ha neste genero, desde o mais
elevado preco ao menor, que se vende em
peca e relalho por menos do que em ou-
tra qualquer parte.
Mamas de blonde para-noivas: o apurado
gosto dos nossos correspondentes em Paris
habilita-nos a dizer que temos em nosso
i stabelecimento o que de melhor se deso-
ja para vestir e ornar urna noiva.
Mantas pretas de blond.
Manas para carros, com lindas pinturas?
Merinos pretos, trancados e lisos.
Musselma branca e de cores, lindos e va-
riados padroes.
Pannos pretos e de cores, desdo o mais
barato a mais superior, pur proco muito
citnmodo.
Panno.- de crochet, para ca deiras e sofs.
Ditas de casemira imiilo linos para
mesa.
Peitos bordados de linho, lisos e do al-
godo para camisa.
Pnncetas pretas e de cores.
Popelina do seda e linho, com listras e
flores; fazenda lindsima.
Peluerinas para senhoras, do ultimo
gosto.
Perfumaras ; os mais finos extractos o
que de melhor e mais agradase! se pode
encontrar neste genero, e de mais fragante
suave no olpliato, lem o PAVILHO DA
AURORA, desde a verdadeira agua Flori-
da at o mais fino Bouquel d'Amour, final-
mente tudo quanto deve oceupar o touca-
dor de urna senhora de gosto.
SO
Saias bordadas, brancas, lisas e de cores
com folhos e sem elles, o melhor possivel,
Sabidas de baile, de todas aa cores.
Sedas pretas, de qnadros, lavradas, lisas,
de listras de todas as cores e qualidades e
o mais barato possivel.
Sarselim de todas as cores e qualidades.
Tapetes grandes, lindas-pinturas para 8
cadeiras, mais pequeos e de todos os ta-
manhos desejaveis, e em peca para co-
vados.
Toalhas de labyrintho, do maior c mais
fino trabalho ao mais barato.
Toalhas de linho e algodo de todos os
tamanhos, li-as e felpudas.
Tarlatana branca com palmas c de cores,
fasenda muito nova, e gostos delicados pro-
pria para baile.
Vistuarios bordados de fusto brancos e
decores para meninos, de cambraia para
baptbados, o que de melhor tem vindo a
este mercado.
Vestidos de 15a escoceza de 2 saias,
novidade pelo padro, gosto e forma; ditos
de linho com barras de cores, e de cam-
braia de cores com 2 saias, tudo inleira
novidade, trazem os modellos juntos para
mostrar a forma de os fazer.
Vosde blond para noivas e pretos para
luto.
Vestidos de blond para noivas: podemos
asseverar as nossas Exmas. frepuezas, que
somos os nicos em Pernambuco que pode-
mos offerecer ao Ilustrado publico, o mais
apurado gosto em semelhante materia, gra-
cas ao bom gosto do nosso fornecedor m
Raadlo Crespo
Os pr cimente, lmdoiuhes
postos a aprociacao do respeitavel publico, mn -
darara vir c acabam do receber pelo ultimo vapor
da Europa am completo e variado sortimento de
finas e mui dfli^das e*j)ecialid*ls, as qnaaa es-
to resoJvidos a vender, como Je san costuine,
por precos inuito baratinos e commodos para to-
do?, com tanto que o Gallo....
Muito superiores luvas de pellica, pretas, bran-
cas e de mui lindas cores.
Mui boas e bonitas gollinhas e punhos para se-
nhora, nesje.genero o que ha de mais moderno.
Superiores peatos de Jartapigu para coques.
jj^iiidos e riquiSJnos enfeites p;'ra cabecas das
fttwas. senhoras.
Superiores trancas protas e de cores cem vidri-
Ihos e sem elles; esla fazend o que pode haver
de tueloor e mais bonito.
Snporiores e bgbi|ps leques de mareperola,
mar/ira, san4*lo o oso,. sendo aquellos brancos
com lindos desenho?, estes pretos.
Muito superiores meias fio..4o Escossia para se-
nhoras, as quaes sempre se venderainjior 304000
a dazia, entretanto que pos as vendemos por 20J,
alm deslas, temos tambe ni grande sortimento de
outras qualidades, entre as quaes algunos muito
finas.
Boas bengalas de superior canna da India e
castao de marfim com lindas e encantadoras figu-
ras do mesmo, nosle genero o que' de melhor s i
pode desejar ; alm destas temos tambem grandi
3uantidade de outras qualidades, como sejam, ma
cira, baleia, osso, borracha, etc. etc. etc.
Finos, bonitos e airosos chicotiohos de cadeia e
de outras qualidades.
Lindas e superiores tifas de seda e borracha
para segurar as me'ias.
Boas meias de soda para senjiora e para meni-
nas de 1 a 12 annos de idade.
Navalhas cabo de marfim e tartaruga ^ara fazer
barba; sao muito boas.e de mai- a mais sio pa-
ramadas pelo fabricante, o nos por nossa vez tam-
bem asscguram*;s sea qualidado e delicadeza.
Lindas e bellas capellas para noiva.
Superiores agu has para maeaina epara crox
Lin'ua muito boa de puso, frouxa, para encher
labyrintho.
Bous baralho? de carta" para voltarete, assim
como os tentos para o esmo tiin.
Grande e ranado aOrtimento das raclhores per-
famarias e fumistas.
COLARES DE ROER.
Elctricos magnetieds contra as convnlsoes, e
fai*ililam a dentieao das*i'inocente* criaacas. So-
mos desde muito roceoedores dostes prodigiosos
collares, e continuamos a recbelos por todos os
vapores, afim de qne auaca fallcm no mercado,
tomo j tem acontecido, ssim po3 poderao aquel-
tes que delles precisarem, vir ao deposito do gallo
vigilante, aonde aenipre enconirarao detes verda-
deiros coMares, e os quaes attendendo-se ao fim
Sara que sao applicados, se venderao cora nm mui
minuto lucro.
Rogamos, pois, avista do? cbjectos que deixamos
declarados, aos nossos freguezes e amigos a virein
comprar por prego? milito razoaveis loja do gallo
vigiianle, rua do Crespo n. 7.
Grande mmm de fawftdiis e roupas feilas rua dalnperalru
n. &2, pwia larga, de Paredes Porto.
Neste estabelecimento encontrar o respeitavel publico am bonito sortimaki
e roupas de todas *s qualidades, palitots de alpaca a U, 34500 at 60. Ditos
merino, ditos de casemira-de cores bonitos gostos a 54, 6, 80 e W, de panno preto
os e sobrecasacos. Ditos de b'rim paido Unos e ordinarios. Ditos de alpaea branca
:ores de 3^500 a 5)5000. Calcas de brim de cor finas e ordinarias," ditas
le todas as qualidades, ditas de brim pardo fino e ordinario, ditas de casemira
de cor e prota de 4(5, 5#, 6# a 155. Golletes de todas as qualidades e oreeo moto
sacos e sobrecasacos. Ditos de brim paido'nose ordinarios!'
Ores laicas a hrim Ho
brancas d
prota de U, 5,^1, 6 a 5. Golletes "de todas asquadades e pref
barato. Completo sortimento de camisas francezas de algodJo e de linho de 2 at
urna. Sorumento de seroulas francezas de algodSo. de linho e bramante a 4 e 2500.
Gravatas (mantas) novissimo gosto a lodos os precos. Meias sortimento completo a 3d.
W at 7)5 a dueiV1'"* '
ROUPAS PARA MENINOS.
Encarrega-se, de quaesquer obras de encomraenda tanto para omem, como
para meninos, e com brijviilade, por isso que tem um bonito sortimento de fazendas de
todas as qualidades tanto em casemiras como brins, pannos finos e outras muitas fa-
zendas.
FAZENDAS
Bramantes de ^ i palmos de largura a 10800 o metro.
Cambraias de cor e branca.
Alpacas de todas as cores a 640 rs. o covado.
Pil-de-chvre com lista de seda fazenda de gosto a 10200.
Basquines de guipure enfejtadas a 18,5000.
Sortimento de chitas escuras e claras a 280, 300 e 360 rs.
Madapolo fino a 60500, 70, 80 e 90000.
. Algodo peca com 20 jard.is a 40500, 50500 e 60000.
Peca de algodo largo a 70500.
E outras muitas fazendas que ser enfadonho mencionar Chegnem roupa
leita querse est liquidando na loja rua da Imperatriz n. 52 (junto loja de oarives) do
LEftO DA PORTA LARGA
DE
Paredes Porto.
sen.
A VElDADE
55Rua do Queiinado5?
A VEUDAE tendo em deposito grand
quantidade de raiudezas e perfumaras, e d-
sejando apurar didieiro e aoNp}erir boa rt<
guezia est issolvida a vender muitissim
barato, ; por essa razo convida ao respe
tavel publico a vii competentemente mmi'
do a sortir-se do bom e barato. Pois quai
do a Verdade apparece, tudo mais d&-
apparece___
Grande sortimento de nonecos de cera r
massa as mais lindas-possi veis vestidas ac*
racter.
Abotoaduras moderurs para col-
Jetea '.......
Espelhos donrados pepneuos. .
Agulhas de osso para crox a .
Peiites para rega?-. com esntas a
Ricos globos para candieiro de gaa
Chamins a.......
Grande sortimento de objetos d
louga para brinquedo de menino
Garrafa com tinta a.....
Dita com agua florida verd'adeira- a
Dita com dita dita a . .
Frasco com oleo de babosa a 500 e
Dito com agua de Colonia a 300 o
Gairafa com agua divina a. .
Frasco com es tractos finos a ..
Latas pequeas com banba muiSo
fina a 12 e......
Sabonetes de diversa qualiiados-a
80, *60,240e.....
Finas escovas para dentes delira
Lindos coques modernos a. .
Pavius para gaz, duzia a 240 e .
Escovas para facto a 5e
Ditas para cabello a. .. ..
Pentes para tirar piorno a 160^0.
Brincos de cores, benitos a 160 e
Pecas de tranca de lia com 8
varas por. .......
Oleo para machina de costara
frasco a........
Penuas d'aco finas cateas a 800 e
Dita d!aco Perry, catea a. ...
GaJao de algodo pfia ....
Lindos babadinhos e entremeios
peca de 900 a......405O
32
26(
20
32
1080
321
> 10(
80
1030
i0OU(
72(
50t
05O
4000
16(
32i
60t
2000
32(
70
50(
24
20(
&.
601
40OO(
10iO<
40
Mikroskope achroma-
tiseheu. ObjetivLin-' V^
Barmetro e termos
metre. Centigrade
e reuumeore.
E crystal de rocha do Brasil.
F. J. Cermann. 'reciniunenda atpubtieo< seas vidros periscpicos aperfei^pa
dos; porque, com este vidros, a vista deshanca, fortifica-^e e nao a canea como com
os vidrus ordinarios. Urna vez escolbko um vjdro, pode durar dez annos, emquacto
que, com os vidros ordinarios se est obrigado a muda-Ios tudos os annos e os ter
cada vez- mais grossos,.o qui altera o fiystalino do Jho e determina quasi sempre do-
res de caneca. O alcance ordinario da vta perto de 30 centmetros do &ibo, e,
todas as vezes que o objecto est mais perto ou mais- loofe, os raios que expelle silo
mui convergentes wt uui divergentes 9 a vieSo nao perfeita. Um grande numero de
pessoas tem o defeito de fazer convergir muito de sorte que a viso nao distincta.
Com a applicacSo de meus vidros pdese ven -er estas dilficuldades. Para os que tem
a vista curta e cujo crysfalino mui cixivexo (o quo faz ver bem, de perto, .e mal de
I longo), o que se chama myooe, por mvio de um vidro concavo affesta-seo ponto dd
Vista, o que faz divergir os objeclos e detea ver to longe como as outras vistas. Quan-
do o crystalino muito chato, o que suc;ede aos que tem chegado a urna certa idade,
o que se chama presbyta, vm mdior do longe que de perto, e naoenxergam seno
um nevoeiro na distancia ordinaria da vista; com um vidro convexo, estes enxergaro
tac distinctamente como na idade d.' 13 anuos. Servindo-se desles vidros quando e
vista principia eufraquecer, previae-se o roa!.
F. I. Ciermaaa enoarrega-se pela sua experiencia, tendente aos olhos, a e s
colher, a primeira vista, seja qual for a idade e grao de vista, oculos proprios para
qualquer pessoa,
Para que sao fabricados estes vidros ? ?
3 cordata prevldente
Usada i,tu mad n. ia.
Novo e variad o de perfumirir
Alm do c ..ortiKoulo de peiff
marias^jjle ijae em olivar, ite est provida;
l0ia doCanJairo.Prevideiite, ella acaba d'
receber q^^^^Htt|irjQC ni o que se torna
aotavel pela vartedaiM^jectos, superiorv
MbL qualidades occaanodidades de prv
toalMsim, pois, oCerdciro Piwidente ped#
aespera coatinuar a,merecer a apreciaO
do respaHavel publico em ge#al e de sai
oa :ftegoeia. em particular, 3o se afaa
lando Be de sua bem conheddamansia
e barateza. Em dita loja encontrar
ipreciadores do bom:
Agua divina de E. Coudray.
Dita yeijdadera..a>,Murray & Lamman.
Dita de Cologne. ipfleza, americana, fr
ceza, todas dos melltores e mais acreditado*
fabricantes.
Dita de flor de larangeiraa.
Dita dos Alpes, e vilete para toilet.
Elixir odontalgico para conservasi 4*
asseio da bocea.
Cosmetiqaes do superior qualidade ete>
ros agradaveis.
Copos e latas, maiores e menores, coa
pomada fina para cabello.
Frascos com dita japoneza, transpiren
e outras qualidades.
Finos extractos inglezes, americanos i
francezes em frascos simples eeneitados.
Essencia imperial do fino e agradavel che?
o de violeta.
Outras concentradas e de cheiros igual-
mente finas e agradaveis.
Oleo phi locme verdadeiro.
Extracto d'oleo de superior qaalidadt
om escolbidos cheiros, em frascos- de dife-
rentes tamanhos.
Sabonetes em barras, maiores e menor*
para mos.
Ditos transparentes, redondos e em fife-
ras de meninos.
Ditos muito finos em caixinha paja barix..
Caixinhas com bonitos saboaeies imitan*
(rucias.
Ditas de madeira invernisada conteado a
aas perfumarias, muito propriai para pre-
sentes.
Ditas de papelo igualmente bonitas, ta
<>em de perfumarias finas.
Bonitos vasos de metal coloridos, e a*
moldes novos e elegantes, cem p de trr*e
boneca.
Opiata ingleza e franceza para deatet.
Pos de camphora e outra3 dlfierent
jualidades tambem para dentes.
Tnico oriental de Kemp.
Aleda mais coques.
Um outro sortimento do coques de n
os e bonitos moldes com filets de vidfliw
alguns d'elles ornados de flores e fita*.
'st5o todos expostos apreciado de qpey
8 pretenda comprar.
GOLLINHAS E PUNrOS B0RDAD06.
Obras de muito gosto e perfeicao.
Fivellas c Utas para cinoa.
Bello e variado sortimento do taes obja?
os, ficando a boa escolha ao gosto do eos
pr^dor.
Ditos de louca muito fino a 120 e
Ditos para calca- a H0 o. .
Gaisa com papel amizado a .
Ditas com env&lopes a. .
Ditas com obreias a.....
Caixa com agulhas fundo doorado
Ditas de ditas ditas a. .
Thesoura para costara a 240 e
Caixa com linha de marca a .
Linha de caes em novellos (li-
bra) a .......
Carreteis da linha Ataandre de TO
at 200. .,,....
Grampos muito fiaos com passa-
ros, duzia a .. .
Cartas portugueaa&,, duzia a .
Ditas francezas a 20200 e .
Papel ahnaco o de peso, resma a
30400, 30300 e .
-.aa muito Boa para bordar, libra
Fita de algodSo para debrum de
sapatos, peca a.....
Ditas de Ba par?, debrum de ves-
tido, pea a......
Pentes finos para segurar ca-
bello a.......
Ditos ditos de bfalo para alisar
a 210, 320 e......
Ditos ^ara aparar penna a .
Rosetas pretas, par a .
Tranca de laa de caracol peca a 40 e
Fita de coz peca a 480 e .
Alfiletes de latao a.....
Sapatos de 13a para .enanca a 400e
Grvala de sedas de cores a .
Calcadeiras a'.......
Grande sortimento de rendas das libas.
Um par de suspensorio de aorracha po
100 res! t! I M I
ra verdade raa do etiaade
. a.
20
24
70(
48

28f
16(
50!
28
501
10
9M
1540
30OO
405(X
605O
16(
48(
32(
50
10(
I O
40
56t
10
80(
20(
81
Para a vista myope, (vista curta).
Para vista que so cobre de nuvens.
Para a vista que por momentos, v es-
voacar pequeos pontos negros.
Para a vista que as palpebras tremem
de fraqueza.
Para a vista que os olhos sao desiguaes.
Para a vista qne se turva com o traba-
lho e a lcitura.
Para a vista presbyta (vistagalon ).
Para a vista que nao supporla os raios
solares era grande claridade.
Para a vista operada da catarata.
Para a vista que as palpebras esto cer
cadas de sangue.
Para a vista quo nm dos olhos myep
o o outro presbyto.
Para evitar finalmente que o crystano-
^o o!lio se cobra de catarata.
DA
FABBfA MflOMl M Mk
DE
Terxetra durtco C
Acha-se venda este ptimo rap, nico m
pode supprir falta do prineeza do Lisboa, por &
de mni agrada vel perfume, viajado, e a preco <
mais mdico possivel; o por isso tem sido asaa,
acolhido as pracas da Bahia, do Rio de Janeiro
em ontras do imperio : no eseriptorio de Joftquii
Jos Goucalves Beltrao, rua do Commercio na
mero 17.
Sortimento de binculos
para theatro, e oculos de
alcance para o campo e ma-
rinha.
Lonetas, pinco-nez e
face--main, ouro, prata,
tartaruga, bnfalo, *co,
etc., etc.
Tem tambem grande sortimento de relogios para parede, qae do horas e para
cima de mesa dos mais lindos modelo Relogios para algibeira, de aro, prata, prata
doorada efofeada, inglezes, suissos e orfeohte dos melhores 0 Bis afamados fabri-
cantes.
Vendas em grosso e a retalho. Em Pernambaco.
N.21=Rua Nova. 21.
------------------_
TASSMRMAOSarC.
\endemem seus armazens, do caes do Apoiic
n. 7, Escadintia a. I e rua 4 Amorim a. 37, o.
seguintes neneros:
Acj de Milo.
Mitho em sacca? grandes.
Farello em suecas do 90 libras.
Chumbo de muBicao sonido.
Meial araarello para fono de aavos.|
Machiuas para descarojar algodo da 14. {6 e i*
serras.
Kerosene em Litas de 5 palees.
Cliampapo do afamado fabricante Krng.
Hormoutb.
Vinho do Porto eofrarrafado.
Coac do afamado ftbrieairie Cautier Frres.
Fogo da China, caixinh::?, 40 cartas n. i. Extra.
Genebra ingleza >0ld Ion
Cimento Rumano.
Cimento Hidrulico.
Cimento Purtland.
Gesseparaeslucjics.
Cannos de barro para esgotos.
Gradeamentos de ferro para jardins,' calutu eu
Carros de mo para servicos de armaaeos.
Garrafoes eom S falftes de vinagre thno.
dem com 3 galoes de vinagre tinto.
Chumbo em barra.
Bichas hamburguezas
Neste novo-deposito recebe-se por todos paje-
as translantfew boas de qoalidade superior, ven-
le-se em caixa m poreln mais peqnena e mais
barato de que qualquer ontra parte ; na ru* da
Cadeia do Reclfe n. Si, f andar.
SMS PKTAS PAMA flUIHU
11-Boa do Queimado.....11
AUGUSTO PORTO acaba de receber pelo ultimo vapor da Europa, superiores
sedas pretas proprias para os actos- da quaresma sendo:
Gorgno preto de seda o qoe na de melhor.
Grosdenaples pret de diversas larguras e qualidades.
Mantas pretas de blond muito lidas para senhoras.
Pannos e casemiras pretas, pannos azus merinos, bombasmas, priucetas e alpa-
cas pretas e i!h cores.
Basqumos de seda e guipure pretos dasmais moderis.
Vestidos de blohd com manta e capella para noivas, fronbas de esguSo e cam-
braia le linho bordadas, colchas de seda, ditas de seda e 15a, cortinados bordados para
camas e janellas, vestidos para baptisados, enxovaes para enancas e superiores satas
bordadas. *^
Cortes do setim de cores e ditos de seda dos Dais modernos.
Poup.'linis de seda linho liso* com listras gostos elegantes.
Luyas do pelica pretas, de cores e brancas para homem e senhoras.
Malas do cooro de todos os tamanhos para vageiw,
Camisas bordadas o-lisas para homens e meninos.
Grande sortimento de fazendas proprias pira ftbrics de ehgenho (roe se ven-
demmoito barato, confiando ter sempre as afamadas
Esteira da India-faro fofcar safes, a tapetes de inuita* qu*.
dade*.
Cigarros da imperial
fabrica de S. Joo
He Nictheroy.
nico depo?in em Pernambuco caes da alfan-
dega velha n. 2. i anda.
Vende se um engenho d'agna distante desU
praca tres legoas, moente e corrate, com urna
safra fundada para iiisi de dous mil paos, b> as
vaneas frescas e de muita, produCeS-t, e outras
muitas prop'ireci''?, que se ruusirar ao compra-
dor : os pretendentes (firiiam-se ao bairro di
Recife entender-se coc o Exm. Sr. bario da So-
ledade.
CADET
CU R
[CfftTAElNFALLlVEL]
m TRES DAS
SSSD

#111 .


^^^1

i
N
Diario de Pernambuco. Terca feira 8 de Marqo de 1870.
DE
BARATAS, NA LOJHARAAZENI
DO
DE
FHLIX PEREIR1 DI SIIiVA.
Ra da Imperatriz n. 60.
0 proptietario dcste grande cstabeleciutenlo, tendo dado balanco no Gm dft
anno, como de costtime e vendo qtm tinha nm grando deposito de fazendas, e juulau-
lo a essas outras militas que Ihe tem chegado este anno. tem resolvido fazer urna LI-
;>UIDA.\0 por presos omito mais baratos com o flm de diminuir a quaniidade e apurar
INHEIRO.
O respeitavel publico encontra neste cstabelecimento.'no so um grande sor-
iimento do mais apurado gosto e luxo, assim como todas Js fazendas de primara ne-
:essidado, e do todas se dao as amostras com peohor: as pessoas que negociara eui pe-
pena escalla, nesta casa podem sortir-se de um tudo, vcadendo-se-lhes pelos mesmos
sirceos das casas inglczas.
SxpledidO SOrtmentO de Crochs para cadeiras e sofs
rOUDStS fcif lS 9 P*v3o tem um grande sortimento dos
NA LOJA DO PAVO A RA DA
IMPERATRIZ N. 60
i mais bonitos crochs proprios para cadei-
ras sofs, raesas almofadas etc etc., assim
como proprios para cobrir presentes, e ven-
Acha-se este grande estabelccimento cora-|de.se majs bat0 doquJ em oulraqual.
a8> quer parte,
^lelamente sortido das melhores
veado caifas palitts e coletes de casemira,
e panno, de brim, de alpaca, e de todas
8 mais fazendas que os compradores pos-
tm desejar, assim carao na mesma loja
ALGODAO ENFESTADO
Veode-se urna grande porco de aigodao-
sinho americano com 8 palmos de laigura
proprio para lences o toaluas tendo liso e
cem umbeflo sortimonto de pannos casemi- trTncao\|ue M *ende por prer mul0 ^
!-, brms, etc. etc. para se mandar fazer Mula> v F
jtaflqrjer peca deofcra, coras maiorpromp- Panos Od vontade de frflgJM* e Jo sendo CR ^ sortj d
.bngadesaacceite-las, erando nao stejara de ^ de ^ doPorto seve^em
ompletamente ae seu contento, assim como de 700 t {(m J* ffararnndn-v
ST vasto esfcbe.eetraanto ^^^o^^^^^^tamt
jsru^.wrsss: Enera mais proprio para ,encos s toa-
inho e algodo e huiros muites artigo
soroprios para homens o senhoras promet
3ndo-se-lne vender masa barato do qne em
jotraqnalquer parte. Na ra da Impera-
riz n. 60, teja e armazem de Flix Perci-
ba da Silva.
Pechincha a 2*1000
rara lenqes.
Na loja da Wivao vonde-se suporior bramante
som 10 palmos do largura, dando a largara o com-
rmenlo do lenco!, sendo apenas preciso para
ros ; alca desta aplicacao tem outras militas
jara arraajos de familias e vende-so pelo barato
treco do 25000 o metro Na loja do Pavo, raa
ix Imperatriz n. C0. DeVelix Pereira da Silva,
angas de llulw
Vendo-se gangas de linbo com qaairinhos
muito boa fazenda, paca roopa de homens
e meninos e vende-se poto barato prego de
800 rs o covado:
PECHINCHA Efc PAXN'O PRETO A 2:kQ0.
O Pavao vende superior panno preto 6no,
jara pallitots, calcas, cotletes, etc., pelo ba-
atissimo preco de 2:40r>, o covado, gran-
ie pechincha.
Crtea de sem Ira 9*e a a t*O0
O Pavao vende os superiores cortee de
aserraras preas entestadas, pelo barato
jrecu de 4:500, pechincha.
PECHINCHA, ALGODOSiNHO A 45OOO,
Oavao esti tendeado #ecas de algo-
iaosinho franeez, tendo i palmos de hrgo-
-a eom II metro9cada peca, pelo barato
oreeo de 4*090.
Pecas de atadapol* a 9:&00.
O Pav3o vende pe^a do muito bom raa-
-iapolao tendo i 2 jardas cada nma pelo ba-
rat preco de .'1:300.
GR09DENAPLES tETOS.
Cbegou para a loja do Pav3o um grande
ertimento de grosdenaples pretos, tendo
le 1*509 at 5*000 a covado neste genero
jS mefoors e mais largos qee tem vindo ao
aereado, assim como bonitas sedas gretas
:avradas, HiOireaotiquesetc., todas esas fa-
lendae. vendem-ee mais barato do qne era
,utra qaalqoer parte, por haver grande
30r?a<>.
PEKALLA8 E QilTAS BARATAS.
O Pavo vende um grande sortmiento
'.as maisbunilas oilas clarase escoras,mais
'jarato do que nm outra qual Caasae a IO rs.
Vende-e na lojef'tio Pavo bonitas eas-
ovado.
Camlcaiag bravas a 1:000 a ptp.
S o Pavo vende pecas de cambraia
.-.ranea transparente, tendo mais de vara de
argura, com 40 jardas cada peca, fazenda
le sempre se vende* a 7^000 e 8*000,
iquida-se pelo barato preco de 4*000.
Upaeas brilhaates a 14. e .
O Pa\o tem o mate bello sortimento de
pacas lavradas com as cores mais dedca-
las que tem vindo ao mercado e leudo bas-
cante largoaa, veodem-se pelo barato preco
ia i*000, e800 rs. o cotado.
Boa pinga do Douro
Flix Pereira da Silva,' ro da Imperari n
i% ataba de Mcobar nma nova nnaetn do sea
nuifi acreditado vinho puro do Dooro, e moilo
proprio para ete clima por nao ter confeccJo, e
*ede em harrin de iO*' 3it.
i'<*m palmita de seda a 1 Para a k^a do Pavo chegou um rico
sortimento da? mais bonitas laasinbas com
palmas le suda tendo de todas as cores e
-mIi.s, suoi fazenda bastante larga e
< 6ode-ee a I jOO o ovado.
AS CUITAS DO PAVO
Jren le se nn brilbanta sortimento de
ilutas clarase escuras por irecos maisba-
ntcs do que. ^m^ulra qualqn-.r parte.
Stoupn para eaerave
V de si .... loja do i.-.vo, um bonito
i' ow ia\oo.
S HOUP DO PA\'\0 A .00RS.
aiais V.ido. r;.,upcinas de
.oda pon|,eiin;-8 de seda,
'Ui* me. tto leva f>ai as .mais lin-
inuirkasa, azul
), perora c'A ilo baralisiiuio prego de tkX) rs.
J.iAaSLAVBADAS
Vemle-se a^ majahenilisialpacas lavradas
om os m-inores gostos a640, 800 e i*0 > aoas lisas^^i^MS cores a
J40 o 720 rs., atpacas Sranea- lavradas li-
sas e de cordSo.
PECHICHA EM CHAPEOS DE SOL
Chegou um grande sortimento dos me-
lhores chapos de sol de seda, inglezes ten-
do oeste artigo o melhor que tem vmdo ao
mercado assim como urna grande poncio de
ditos de alpacas de todas as cores e todos
se vendem por preco muito mais barato do
que era outra quakjuer parte, por haver
grande pcrc2o.
Os bates do Pava a 2S000,
Cheg( um grande sortimento de bal5e?
on crenelinas do feitio mais moderno muito
proprias para vestidos ermesgados que se
vende pelo baratissimo preco de 2*000 ca-
da um grande pechincha
CRETONES MATSADOS 9ARA VESTIDOS
A 640 E 800 RS.
Para a loja do Pav3a ebegaram os mais
bonitos cretones escuros matisados, pro-
prios para vestidos, roupo chambres etc.
que se vendem 800 rs. o covado, assim
como-e mesma fazenda em padrees claros
propries para vestidos e roupas de meni-
nos a 40 o corado, sendo os padrn mais
modernos que tem vinpo ao mercado.
, 10$ 2 MIL ovilles I
LASNHAS LUSTROSAS A 4 00 US. 0 CO-
VABO.
S o Pava
Veade-se un grande sortimento das
mais modernas e elegantes laasrahas para
vestidos, com as cores mais novas que tem
vindo a este mercado, sendo comistrinhas
miudiiihas que parecera de urna s cor e
cota-tanto lustro que inWtam perfeitamenU.
as poupeiinas de seda, e vendeB-se pelo
barato preco de 400 rs.
0ssetmsdePav8o
Vende-se os mais bonitos setine 'de cores
9 neis ocorpados proprios para vestidos
tendo de diversas cores.
FAZEKDAS PARA LUTO
Na loja do Pa-vo.
Snconirs o respeavel publieo neste es'abeleci-
nento um fraude sortimento de fazendas preta,
xhbo sejan, cassae francezas e inglezas, chitas
neta* de tedas as qualidades, fazenda de lia de
:odas que tem vindo, proprias para luta, como
tejatn, laaiuihas, alpacas lavradas e lisas, antao,
xnabaiinas, merino, etc., que nido se ven por
ir^co barate.
VLadapoiao Crancez a 70O0 rs-
Vende-se pecas de madapolSo fcancez
xtm 22 metros peto barasamo preco de
'*000 a peca, pechincha.
AJtes uovida^s ei sedas
Cbegou um grande sortimento das mais
aoderaas poupelinas ou gorgures de seda
i lioso om os mais elegantes padrSes qse
'en vindo a este mercado sendo, miudos e
^raudos, tanto em cortes para vestidos como
para vender em covado, assim como um
bonito sortimento das mais bonitas sedas
listradas que se ve&de todo muito em conta
CEUA DE CARNAUBA.
Vende-se ana grande porc5o de cra de
^rnauba ea saceos, por preco mais barato
loque em ontra qalquer: na loja de
?mo roa da Imperatriz ;n 50. De Flix
Cereira da Suva.
Heran de eordia
Veode-se merino preto de cor dio pro-
prio para calcas, palit t. e colletes, pelo
baratissimo preco de 1*000, o covado,
* QtlIMABfi
MM \0VIDADE
Quanao a AGUIA BRRNCV, mais precisa scientiBcar ao respeitavel publico em
geral, e em particular a sua boa freguezia, da immensidade de objectos que ltimamen-
te, tem recebtdo, justamentefquando ella monos o pode fazer e porque cssa falla invo-
luntaria ella confia e espera na benevolencia de todos que Ih'a altenderSo e relevarSo,
continuando portanto a dirigirera-se a bem conhecid'kja da AGUIA BRANCA ra do
Queimado n. 8, onde sempre acharao abundancia em sortimento do superioridade em
qualidade.s. modicidade em presos e o seu nunca desmenttido AGRADO E S1NCERIDADE.
Do que cima Oca dito se couhece que o lempo le que a AGUIA RRANC \ pode
dispr, empregado apezar de seus castos no desempenho de bem servir a aqnelles que a
honram procurando prover-se em dita loja do que necessitam, entretanto sem ennurae-
rar os objectos que por sua natureza sao mais conheeidos ali, ella resumidamente indi-
car aquelles cuja importancia, elegancia e novidade os tornam recommendaveis, como
b> m soja :
Corpinhos de cambraia, primorosamente
enfeitados com fitas de setim o obras essas
cuja novidade de molde e perfeiejo de ador-
nos os tornam apreciados.
I itas mni largas de diversas cores e qua-
lidades para cintos.
Leques uesse objecto muito se poderja
dizer querendo descreve-los minuciosamente
por suas qualidades, coree e desenhos, tal
o grande e variado sortimento que acaba
de chegar, mas para nao massar o pretn-
deme se lhe aprcsentai o que podtr^le
melhor.
Entremcios em pecas de 12 tiras.
Guipure branco o preto de diversas qua-
lidades e desenhos.
Ditos de algodo com flores e lisos.
Veos de seda para chapelinas e monta-
na.
Meias de seda para noivas.
Ditas 'bertas de fio de Escossia.
Costtrmes ou uniformes para meninos.
Enxovaes completos para baptisados.
Capellas brancas para meninas.
Grandes sortimento de flores Onas.
Fil de seda, preto.
PERFUMARA
Grande e constante sortimento de dita,
sempre melhor quajidade.
Lindos vasos com p de arroz e pinsel,
Caixinhas com ditos aromticos.
Bonitos e modernos pontos dourados
para circular o coque.
Bonitos brincos de plaquee.
Adereces e brincos de raadreperolr.
Caivetes finos para abrir latas.
Thesouras para frisar Jabadinhos.
Aspas para bailo.
Novos stereoscopos com 18 vistas, as
quaes s5o movidas por um machimsmo
urnas substituem as outras.
Vistas para stereoscopos.
Bonitas caixinhas de vidro enfeitados com
pedras.
Ditas de raadeira envernisada com vispo-
ras e com dminos,
Bollas de borracha para brinqoedo de
Touqnmhas de fil, sapatinhos bordados crianzas.
e meis para ditos. Diversos objectos de porcelana, proprios
Camistnhas bordadas para ditos. para enfeites de mesa e de lapinhas.
U..ENT0 PARA A FESTA
Vende-se por menos de 10, 20 e- 30 o
SO' NO
kklM UlilITATITI
N. 23Largo do Tenjo.N, 23.
DE
SIMAO DOS SANTOS C.
Os proprietarios deste bem sortido armazem de secco e mofeados esto re-
vidos a fazere urna grande dkninuico de precosaassuas mercadorias, como se apro-
aima a festa e sempre se fazera av*ltadas compras para o centro e praca, por
iso previnem ao respeitavel publico em eral, que mande fazer suas despencas e cer-
tes de que vero a grande differenca em precos mais do que em outra qalquer parte
e garantindo-se as superiores qualidades.
GAZ AMERICANO 9*500 a lata, e 4O. SEVADINHA E SAG 280 rs. a libra e
rs. a garrafa e 660 rs. o litro. 620 rs. o kilogrammo.
VLNHO VERDADBRO FIGUEIRA 560 FAMNHA DE ARARUTA VERDADEIBA
e garrafa, e 1*500 a caada e 800 rs o ti-
tilo.
DEM DE LISBOA das meh#res marcw,
400, 440 e 500 rs. a garrafa, a 2*808*
SfiOO a caada, 668 e 720 re. o litro.
DEM BRANCO DE LISBOA a 4*006.
a caada e 60 a garrafa, e 848 rs. o litro.
VINAGRE VERDA&EIRO DE LISBOA i
280, 240 e 320 re. a garraa, 1*408,
1*800 e 2*200 a caada,
AZEITE DOCE DE LISBOA i 900 rs. a
garrafa, e a 7* a casada, e 1 *:< W o litro.
MANTEIGA INGLEZA FLOR 1*400*
1*280 a libra, 3*880 e 2*360 o kilo-
graa>mo.
DITA FRANCEZA i 860, 900 e 850 re.
a libra, e 2*W0, 1*988 e 1*860 o kilo-
640 a libra e 1*400 o Mogrammo.
BOLAXINHA INGLEZA MUITO NOVA a
480 rs. a libra e 800 rs. o k'rlogrsmmo.
VEULAS DECSPARMACETE 720 rs. o
masso, em caixa ha abatimento.
PHOSPHOROS DO GAZ E DE SEG-
RANQA, 280, 400 e 360 rs. o masso,
3*200 e 6*600 a groza.
AMERAS Eli UTAS E CACHKHAb
DE MU1TOS TAMANHOS 1*280, 2*500
3*500,4*500, 5*500 a lata e a retalho e 1*
a libra.
GOMMA DE BHLHO AMEfUCANA 400 rs
o masso, e em caixa ha abatimento.
BATATAS NOVAS DE LISBOA 60 rs.
a libra, em caixa faz-s abatimento.
SERVEJA INGLEZA MARCA II 5*500
graismo. a duzia e 500 rs. a garrafa.
WTA PARA TEMPERO 560 rs. a DEM tASS, VERDADEIRA IHLERS
ora, 1*220 o kilogrammo, era percao se BELL, 800 rs. a garrafa e 8* a dnzia.
far abatimento. i VTNHO DO PORTO ENGARR.VFADO DE
BANHA DE TORCO DE BALTIMOOR DIVERSAS MARCAS 1*500, 1*200, l*e
720 rs. a libra, e 1*560 o kilogrammo, em 800 rs. a garrafa.
porc5o se far abatimento. GEMEBRA DE HOLANDA E HAMBUR-
ARROZ DO MARANHO E DA INDIA GUEZA 75 e 6* a frtsqueira, e 500 rs. o
MOLESTIAS doPEITO
HYP0PHOSPWT0S
doDrCHURCHILL
XAROPE de H YPOPHQSPHITfl de SOOA
XAHOPEde H YP0PH0SPHITO de CAL
PILULASdeHYPOPHOSPHITOde^irlWNO
GHLOROSE ANEMIA
,?Gb.Rt.S PLIDAS
XAROPEdeHYPOPHOSPfilTO deFW
PH.yiASdeHYfOPHOSPtilT0del(IAgAWfSII
TOSSE RR
P ASTILIAS PKTfltES w OnfiBU
toitnotftouctof attmiiUt da IH oiMt.
a, *awtw> ce MwwalHia <>
nwamr,u,fiwCaiHKiMi.PiiRa
120 e rs. a libra, 260 rs. o kilograeamo e
3*400 a arroba.
ALPISTA 200 rs. a libra e 410 rs. o
kilogrammo, e 6*000 a arroba.
GAF EM GRAO 6* e 6*500 a arroba,
200,240 e 200 rs. a libra, 440 e 520 rs. o
kilogrammo em sacca se far abatimento.
SARAO MASSA 240 e 200 rs. a libra,
520 e 440 rs o kilogrammo, em caixa se
faz abatimento.
MASSAS PARA SOPA, MACARRO, TA-
LHARJN E ALETRIA. 560 rs. a libra e
1*220 o kilogrammo.
BOLACHINHAS EM UTAS DE DIVER-
SAS QUALIDADES, bem como perola bn-
lhante, combination, Francy-cracynel, mixed
Britania. Mdium, Fancy-nic-nac, a, b, c, e
Soda a 1*000 e 1*400, cada urna lata.
Assim. como ba outros muitos
muito novas, passas e figos novos, charutos d>* diversas marcas, marmelada, feita pelos
melhores conserveiros em Lisboa, gela de narmello, pcego, ervilhas, em latas, por-
tuguezas e francezas, vinho verde engarrafado retalho. peixe em latas, bem como
pescada, fcaoba, pargo, goraz, lula, corvina, wzugo, cavalla, sarda e s^rdinhas de Nan-
tes. Canelia,, cravo, ervadoce, cominho, pim.nia, grandesmolhos de sebolla 1*300.
Finalmente muitos outros gneros que enf:indi>nho menciona-los.
frasco.
TOEM DE LARANJA DOCE AR03L\TIC\,
11* a frasqueira e 1* o frasco.
QOEIJOS DE DIVERSOS VAPORES,
3*000, 2*800 e 2*100 em caixa ha abati-
mento.
T0UC3NH0 DE LISBOA MUITO ALTO
400 rs. a libra, e 880 rs. o kilograrame.
e 11*500 a arroba.
LINGUICAS FINAS PROMPTAS EM LA-
TAS 1*000 rs. a lata.
LOMBO DE PORCO ASSADO JAPROMP-
TO a 1*000 rs. a lata.
CHA FINO. GRAUDO E MIUDDHO i
3*200 e 2*800 a libra, e 6*100 o kilo-
grammo.
DEM PROPRIO PARA NEGOGO 2*000,
2*200 e 1*800, rs. a libra,
gneros, vinho em ancor'-tas, azeitonas,
ff a loja e arma lo Pavao njB da Imperatriz n. 60.
USEKTO
rARA A TESTA
3 portas, Lgst o fer rt^em
53-Rua Direita-53
Arm gfciAa) Mao-sejam bandejas chinezas, VNDESE oh arrenda-seo engeaftt
- S. Gaspar, silo na fre^uea de Serinhea^
i umarea do Rio Formoeo, prximo do em
grandes partidos de
P0RT7.AND.
v>nde-se no armaza acoarello da Vioanie inf-
riara da- Cosa A l'ilt, defronto do areo da Cco-
qnadradas- o ovaes, facas 'e garfos de 1 2 bo-
tes, balanco inteiro e 1/2 bataneo; paneai, cha-
lMhi,'ca4j6rolki WdTa!>, aswdeiras, tanto,.
de 1tamo o> pornnav moWios para oaf de barque^ com
dtwnalaiuaa)M do (abrieaate Japy.peao kilo-
gcajafflaa,. lanto, ferro carao da Jalao, metros
piratMdlr fazenda tanto de ferro como de lati,
sMT^toen******, rtofw. pafel marca va-
do, do verdadeiro Picarde onotUas para ilaaea-
ro^aratnda; aMa da aatroi aatigoa de ferra-
gem, miadezas catifarias fioaa, qqa s com a vis-
ta se verica; na roa dirtmr nTWloja de 3 por-
ta* de MaBoe) Bulo de Oreira Braf aA C.
mwm ei bosso
PARA NEGOCIO
BOR PRECOS MUITO DArATOS
RO BAZAR DA MODA
Ra Nova n. 50
Coques imilaro de cabello,
guarnecidos do bellos enfeites
a* ultima moda, a duzia . 40*00
Papel superior de quadrinhos,
em caixas rom 20 cadernos a. 640
Envdopcs p' nelana, mu to boa
fazenda o milheiros em caixi-
nhas d 100 ..... 7*500
Rotoes da sso bem pulidos para
calcas, a giosa . ... 220
Ditos cobertos de superior setim
de todas as cores, a grosa dos
pequeos a 30000, e dos gran-
des a....... 4*000
Ditos com intcressatites pbolo-
graphias para puuhos a duzia
de pares a...... 5*' 00
Ditos de osso imitando o marfim
com lettras a duzia 8*500
Ditos lizos muito nea fazenda a
duzia....... 3*500
Abotuadur.s para camisa sendo :
2 boloes para os punhos, 3
para abertura e 1 para o col-
larinho beticos, escarlalates,
o pretos a duzia .... 8*000
Rrincos de cores a balo, cousa
muito chique a duzia depares. 1*C00
Lindos frasquinhos empalhados
com bom extracto para lenco
a duzia....... 8*000
Ditos em bonitas caixinhas ca-
0da frasco a duzia. 6*0=>
Tinta para marcar roupa, muito
superior cada frasco em sua
i a xinha a duzia. 6*000
Liviiuhos com capa de metal
douradoe com bonitas orooes
para a missa a duzia. . 7*500
Sabonetes de amendoas araaa-
gas especialidnde do BAZAR
DA MODA, a duzia . 2*509
Lnpis pretos de superior quali-
dade, oitavados a grosa 3* e 4j000
Escovas finas cara denles a du-
zia a 1*600 e..... 3*000
Aliinetes muiio bons, brancos e
pretos, a duzia de caixinhas a 2*800
Penies pretos de muito boa qua-
lidade s grandes para alisar
a duzia....... 2*700
Ditos mareilos fazenda superior,
para piolhos, a duzia. . 1*700
Ditos de borracha rom costas de
metal para repassar, a duzia. 2*400
Ditos enfeitados com contas de
cores a duzia a 4*. 5*e. 6*000
Intcrr-sssantes coquinhos capri-
chosamente escullidos dentro
com um bom e lindo rosario
a duzia 10*, 12* e 14*000
Grande sortimento de miudesas.
Grande sortimento de quinquilbarias.
Grande sortimento de perfumaras.
Pagamento reahsado no mesmo mez da
compra com descont de 10 o/0, ou letra
acceita a seis mezes de praso.
Jos Soaret de Souza efe C.
COGNAC.
De superior qualidade da mui accrediU
da fabrica de Bisquit Dubouch C, en
cognac orna das que mais agurdente di
cognac, fornecem para o consummo di
Reino da Inglaterra.
Vende-se em casa de Th. Just. ra di
ommercio n. "32.
BRACO
Ra do Imperador u. 26
Neste novo estabelecimento encontra-st
diariamente um variado sortimento de bo
linhos para cha, pastis, podins, bollos in-
glezes, pes de l, presuntos, ditos em fiam-
bre, superior chi Hysson, preto, e miudi-
nho. Vinhos finos de todas as qualidade
conage, licores, conservas, champagne, cer-
veja ingleza, fructas muito boas, por-
tuguezas e francezas.
Um completo e variado sortimento di
caixinhas de todas os gosto e precos par
mimosear senhoras, estas caixinhas recen-
temente chegadas de Parts sao de primora-
de gosto, oferesse-mo-las aos galanteadores
do bello sexo pois nellas acbarao nm digne
e serio presente para as donas dos sew
pensamentos. Tambera os apreciadores di
boa fumaca encontrarao charutos dos me-
lhores fabricantes da Babia e de Havana
sganos do Rio de Janeiro etc. etc.
Doces d'ovos seceos, christalisados e t
calda, ditos de caj e de outras qualidades
Nesta casa recebem-se encommendas par
bailes, casamentos e baptisados e qnalquer
encommendas avulss, como seja pao de l
e bollos enfeitados e outros muitas couza
que enfadonbo mencionar.
CEMENTO
0 verdadefro porttarr. S se vende ro
ra da Madre de Deus n. 22, armazem *
Joao Martins de Barros.
partidos de paoi <
raassap i rodadaaoenda.ratttoamang^:
part aadeita neeessaria bom pasto, etc.
a tratar na ra d'Aa/ora n. 26, ou. m dt.
Imperador n. 24.
lUgedo .
Vende-se ragedtrpara calcadas e- irmazi?n! flor
prego coinmod: na roa do ApoUo a. i.
J.A.MOREIRADIAS
tem constantemente em sen armazem, rna da
Crnz n. 26, nm eompteto .oriiment de
Balanzas deemae?.
Ditas orisaMaM.
Pesos de ferro paJo systema decimal.
Bombas California_para poc/is, as merhores que
tem fpparetdo a#hoje-.
C i lminos de vidro para candieiroa a gai.
Loaas de todas as qualidades.
Apna fljrida.
Grait em- oiJes n. 91.
Viilros para vidraca.
Taniro iiifieriai._______________________
Vrnfl. o nm bol bora e gordo, eom um car-
ri'ra h ra do Pilar n. 137, que achaj com quem tratar.
Para a qnarpsma.
\ leja ilo Fimo
0< proprietarios da'-te importante r'.'t-'hplprimaa-
lo reeeberao pelo obimo vapor fincei ricos n*-
tilliSes de gorgurao preto muito pem rofriti
inteiramente novidade, ftl.is ef{pro>4 pn
Ifmos sortimento romp'eto. o mellior i
Dirijam-se, pois, tod.;s as pe-foas (rae preeijmi oe
i'omprsr estfs artigos, rna do Crfjtpn n. 7 \.
Sefeirtes de que, em precos nSo .e delftra de r.
zer negocio, isto m> tivdo pelo muito NMlimeote
(pie temos.
Leque do. mulreprola -ouliMfltv.e.
JM .i.
Acabara de chegar ao GRANDE BAZA
LN1VKRSAL, ra Novan. at UMtiai o
viA.\.\\--um i-umplciu on-ini'titd <> ma-
chinas para costura, dos asieres mais ee-
nliecidos, as quaes esla em exposjcao no
mesmo Bazar, garautindo-se a :iio bda qua-
lidade, e tambera m.-ii:.i-e' tem (n-ifcjro
a lodos os ctnipriion s. *>hs mad mas
s3o iguaes no si:u trabtwe at de 3 cotu-
reiras diariamente, e a sua pe fi rao tai
como da melhor costun ira de Paria. Api
sentam-se tiabalhos executados palas n.i -
mas, que muito dtvem agradar aos picleii-
dentes.
requttsfm..
aw-aa-coiva, veswaiwos portados: part taftfxaaot, meiss de esosoi-(nHida44
lo bonHas para aaExmaa. Sras. qujpttxa,J
d sapatinbo raso outros muitos arufos fle
t qne os iiroprietarios deslewtaW^crawiite
recebtdo.
a loja do Passo
Os requisamos cortes de blonda de s_-la-coa
manta e capella p:na cassirento, srbdo neste a1-
ligo o que se pode de?ejar de melbrr e m i-
derno, lambem chegaram os d.rtes de Bfa d
res novidade, e ontras n.uitas fMSkiaa v pan,
que chegaram peln ultimo v;por franeez, si para
a loja do Passo a na do Crespo n. 7 A
m ai m
Chefou ao antigo deposito de Ilenry l-'nrster 6
C, ra do Imperador, um carregamento de gal
do primeira qualidade; o qual sevondeem par;u;
e a retalho por menos prec) do que eio aatt* ijua-
quer parta.________________
Milho novo
Vende-se em saceos grandes, c por meno- i r
qo do que em outra qua'quer parle ; para ver r:o
trapiche Dantas para tratar, roa do Api lio.
Agenciam Pernambuco
Do Dr. Ayer
Peitoral de Cereja
Cura a phthysiea e todas as mwfctias
fta sa purrllha
Cura ulceras e chaps antigs, impigens e dar-
tros.
Tnico
Conserva e liinpa o< cabello?.
Pilnlas cat'rticas.
Puramente vegetaes c sein mercurio, ."._r-i sv
zoes, curam e pnriflnrm todo o sys-tema bnmati'
Vende-se elTedivamente em cas de. Samaste
Johnstoo & C, ra da Sanzalla Nova n. 41
Milho novo chegado
da America.
Vendem-se saceos com milho da afeitar ou.'i-
dade, e ltimamente descarregado : no rmate
de farinba do caes 22 de Xovouibro, por fcsiso t >
abinete Portugnez.
ESCBAVOS fgidos.
Fugio do engenho Camaragibc ra fregttetu)
de Sennhaera pertencentes a Oaspar Mat
Wanderley os escravos seguintes : Samuel cren-
lo baixo. groco, nariz chato, diz ser dto Cesta | i
ter sido comprado pequeo, Joo Caboculo de iJ<>-
de trinta e tantos anno?, ps chatos, ventas :
hitadas, estatura baixa, cor feixada, penca xirba
e esta na ponta do queixo, Folippe mulato de da-
de de 16 annos punco mais ou monos, baixo, gres
so, sem defeito algum, teve bixos em pejpKQo. p i
rm pouco apparece; por isso pede se as autonV
dades policiaos e capites de campo a captura dos
mesmos e lvalos no mesmo engenbo cu na rifa
da Moeda n. 5, H andar escriptorio de Man -e! Av
ves Ferreira Li. que serao gjaltflcados.
Fugio do engenho Boa- vista, na c marca de
Camaragibe, provincia dss Alagoas, o escravo S<
eolo. de idde 3i anoos, altara regalar, gro>:t
do corpo, andar banzeiro. tem falta de denles r i
freute, rusto largo, barbado, costnma as vezes fo -
zer toda a barba, tem urna, cicatriz, na testa, e <-<
ps grossos ; este escravo anda fgido desde o d:a
16 de Janeiro do corrate anno : roga se portanto
s autoridades policiaes e at}s capiles de campo a
apprehenso desse escravo, a entregar no enge-
nto cima mencionado, oa nesta praca ra'Jo
Vigario n. 12, ou travessa do Corpo SanU n. 25,
! andar, que sf gratificar generosamente.
Acha-se fgido o eseravo Frant. , pardo,
idade 20 annos mais ou menos, com oefrito em
nma perna e braco, este escravo veio ha ponu
do Sobral, maito ladino, cuculoa-se < tori.-.
desconfla-se estar acoutado.'o que desde J se pro-
testa contra quem o tiver feto. Graiica-se *
3uem o lvar ou delle der noticia na ra da M
re de Deus o. S, 1 andar.
Engenho Para'
Deste engento Para, freguezia de In-juca. ugfc
no dia 21 da correte mez o escravo J'oaqotk
efioulo, de idada de 20. ancos, boa figura, rtt
bsrbs, cabera redonda, dentes limados, f i eria tfe
Lua AnUmk) Monteiro, da fazenda da Hici, frr-
gnezj da Pe4ra, fti vendido ao Sr. Manoil Ca"-
valcaati de Albnanerque Bairio, e de-te ao mes
sobrinbo o Alves afarinho Fatcio, de #
hnnve por cempr : qnem o levar em dito f n(p>-
tibo, on se?ta praca i roa da Cruz n. X<\, rerntoi
boa grattfieaeao. *
Jos Valentim Vieira de M<-!l'.
Fbho a die 26 ao leven iro, *in i- . i..
eecrava criouli de bodo Balizara t\ut: ti ni. sen!
terWanBos, estatura balxa, eoui gnr.de i fo
denres e com nma slcarii de qnvirradar-' '- It--
oo direito. femoMvaoa doo Rhali um
vterde e oulro listado de azul c bnac i ;
a capturar sirva-se levaba a i
itie de Joao Jos Bodrigoes .\fe.n es, n n
da Madre m Cm n. 28,-qne'-tr ^.ner
recompensado.
X

Fugio do fngeoho Bicho horr.
do Bonita, no dta 28 do tVvsreir <#rea%i
dov o escravo ie nomo Zanarias, com pf
seguiotes : cor fula, asrz tM*l>, b'K
urna pequea marca ae bwuga
estatura K'ixn, ebeio do rorpo,
feltos, tde !- WaWMe peueo mw"
levando vnsiOoTtJalf f ada, camisa de
apto ohap^o de baota#alo._ ^tjlMAi
escravo ter incido por sedapcajJe
* ser moraiRT do engento piar
IBJfem, Mqii-na destoan5a
oaano. Bea*a*iiaoBSrs.-ca#t.
olevarem ao hgenho acii
r. .\ntonio GoncalVes. ferrefri
|TUaaah:n:"3(ViqiK!
recompensado.
t>
'U I
:ilg-
: >



9
Diario de Pernambuco Terqa feira 8 de Marq de 1870.
i
UTCERATRA.
Deseante ae !nr.
Si a la. sorgindo por traz da cortina
Azul-saphirina que adorna o nascente,
Em horas tardas, serenas, soturnas.
Ouvisseasnocturnas caneos ': descieote,
Que sent e trescalla.
Ni escalla d
A dor, que na*yrr.
Suspira em'ard-"1:
Eu creio, mimosa,
Gentil, casta rosa,
Q ie toda jihorosa
Te iria adorar,
Depondo-te um beijo
Na faco, que almejo,
Coberta de pjo,
De prautos barrhar;
, bello archanji), das noaies sem fim,
> braido-te^m azas de algn) seraphim,
tente virias sorrir para mim.
Janeiro de 1810.
! AhiCTO do mctTRSO de Mr. Julio simn'
no conpo legislativo Fiunoez, acerca
i>\ UBBSAtC DO COMMEBCIO.
(Conclusao).
Pelas razoes expostas, prnfun la a
>ha conviccao, de que sem prejudicar
i ;nguem, dos Mocamos conquista da li-
l.erdade commercial. E francamente con-
sso que, indagando o tratado do com-
.ercio houvesse causado males n'estos l-
timos annos, nem assim eu deixaria de ser
.postolo arde ate dos principios que o inspi-
raran! ; pois que coisa nenhuma, nem os
desastres commerciaes, me fariam recuar
urna pollegada quando se trata de ganhar
ata i liberdade
Encaremos agora o assumpto de oulro
lado. Vejamos, se, n3o fallando n'este mo-
mento da experiencia dos ltimos dez annos,
i Franca pode reputar-se em condices de
litar com as industrias estrangeiras. O
ponto fundamental d'esta questo, economi-
rnente considerada, n5o consiste em com-
parar a importado com a exportado du -
ante dez annos. n5o saber se as raachi-
i as da origem franceza correm sobre as
i lillas frreas de Inglaterra, nem se em
Londres se vendem estofos de Pars. Estas
particularidades slio pouco conclusivas e
quasi sempre contradictorias. O essencial
e comparar em um e outro paiz as condices
eraes da luda e seus diversos elementos.
E quaes sao estes ? S3o as desbezas de es-
ibelecimento ou fundago o combustivel
a materia primeirao director do tra
Lalhoe o operario.
Se pode demonstrarse que em Franca e
ern Inglaterra estes elementos sSo de egual
alor, preciso concluir que os dois parzes
-sto capazes de laclar nm contra outro, e
quando vamos proteger com os direitos das
pautas a um dalles, a esse fazemos urna
injuria grave e inmerecida.
Quanto ao primeiro ponto, as despezas
de I'uodac5o, alguem [sustenta que ha urna
iiffei'enca de 40 por cento contra a Franca.
examinemos esta assercSo. As despezas de
1 rimero estabelecimento coraprhendem a
Lompra de terreno, a construcc5o sobre elle,
cquisicSo de machinas motoras e mais ins
.umentos e utensilios. Na compra do solo
vantagem est do lado da Franca: em
Inglaterra todas as grandes offieinas se acham
na mesma regio. S5o bem conhecidas as
i aizagens, onde o fumo que se levanta dos como para mumeresi e era Inglaterra
iltoa fornos toma o espago do cea, e onde
is chamins seerguem 3 se apertam como
rearas da floresta, e sobre as quaes se
*~\"M 0 0nC!)O de chammas, ou de espesso
JfflO.
em fsU concntrago vantagem com
i peitc aos transportes e ao preco do cora-
tiwl, mas d'ahi mesmo nasce o valor
uaior do terreno Em' Franca, se ha m
N-to numero de districtos onde a industria
-e condensa, tarabem temos muilos estabe-
I cimentos solitarios.
Para a construyo servimo-nos em Fran-
i de pedra e lijlo mais barato, principal,
r.ente depois que nos servimos di) forno de'
lioffmann para a dessecaco do lijlo ; este
processo, que d urna economa de 60 por
cento, mal conhecido em Inglaterra.
demos ainda contar quanto ao processo de
desser.r'o com a superioridade do nosso
clima.
A m5o d'obra tambem mais barata em
Franca. as machinas motoras estamos
abaixo dos inglezes, porque eles tecm ferro
mais barato : mas relativamente ao cobre
j nSo acontece o mesmo.
V. ainda a vantagem da nossa parle no
que t ca a direceao dos trabadlos. Os nos
sos engeoheiros, do que n5o devemos li-
songear-nos, sao m nos retribuidos que os
agieses. Se, portanto, n3o ha egualdade
perteita entre os dois'paizes, quanto s des-
pezas de fundacoes, a differenca n5o , se-
guramente, de 40 por cento contra a Franca.
i) c irvSo de pedra pe a Franca era p;io
res condices. A despeza de combustivel
para as fabricas de tecidos e icao tres
vetes maior para nos e para os estabeleci
mentes metallurgicos, e duas vezes mais
consideravel que em Inglaierra.
Em certas materias primeiras, e particu
larmente as materias textis, p^reita a
egualdade. O Hvre ha de tornar-se um
mercado etfual a Liverpool para os algodes.
Se avaliarmos agora o mrito [dos ope-
rarios, n'este ponto nSo possivel ceder
Tenho por rauito tempo estudado 03 ope-
rarios dos diversos paizes, e convenc-me
da superioridade real do operario francez.
O operario inglez dotado de mais forga
muscular, adquirida pelo rgimen do bee-
fsieack, possue admiravel persistencia, no
trabalho, e repele cora invencivel paciencia
sempre a mesma causa, sem desfallecer
no cx-rcicio do seu mister penoso. Se o
considerarraos como um marlello, declara-
lo-hemos mai; duro, e mais resistente que
o martelo francez.
O operario francez tem grandes qualida-
des moraes, tem coragem e presenta de es-
pirito, e -einpro sabe, como se costuma
dizer, para que lado se ha de voltar, por-
que capaz de mu diversos misteres.
O operario inglez, se ba urna tranforma-
<;o .na industria em que elles se oceu-
pava, segu a sorte do cavalheiro da edade
media todo coberio de ferro, que era in-
vencive! emquanlo o seu cavallo podi con-
dizilo, mas se este cania, o hornera, ca-
bido cera e!K nao podia mais levantar-se
e murria victima da couraca que devia sei -
vir-Irie de defeza.
O operario francez, mui differente d'aquel-
le, como o nosso soldado de hoje, sempre
vivo, u fatiga ve I, e alegre no meio de todos
08 perigos: hoje militar, amanha operario,
quera ha ah, que como elle desempenhe
igualmente bem ou o aervico heroico
(Ui campanhas. ou a tarefa modesta o hu-
milde das '.idiomas ? O aprendizato quasi
desnecessario para elle.
Esta circumstancia minora a magoa qne
acompanha ostriumplios da sciencia, quando
a avnelo de urna nova machina desar-
ruma nma porefo de bracos. Nessas
0 cursos, e por isso mesmo que o fabri-
cante em Franca pode, quando Ibe convein,
dalribQir o seu exercio por forma mui di-
versa.
Os operarios francezes s3o pois intelli-
genles, espirituosos, cheios de coragem.
facis em aprender, anima-os o senliment
do dever sao sobrios e salisazera-se
cora um mdico salario. Bom seria que
este salario se elevasse. mas por agora
forcoso reconbecer que a mo d'obra
em Franca mais barata que- em biglaterra.
As estilsticas demonstram que a mo
d'obra a mema nos dous paizes. mas
as horas de trabalbo que s5o desi-
guaes.
Em Franca, a durarlo do trabalho de
r0 lioras por seraaua, tanto para bomens
as
Po-
raullieres, que sao muitas as fabricas
da industria textil, s ahi trabalbam 57
horas
Por esta occasiao, opportuoo observar
que muito* fabricantes du Leeds e de Mao-
chester teem declarado, que n3o era cusa
do peeda a diraiuuico, dentro em cerlos-
limites, das horas de trabalho das raulhores
e das enancas.
Quando Mr. do Foureade era ministro
das obras publicas, preparou sobre o tra-
balho das criancas as odiaras urna le
de que eu nSo despregava as vistas, e que
ainda a ora espero com a maior impaci-
encia. Urna lei sobre semillante nuteria
seria grande servico prestado a huraaoi-
dade. O fabricante perder o trabalho
de alguraas horas, que todava pagou ;
FOLHETIM
osaiMiRosk
POR
lie Berthet
XV
Os sondadores.
(Continuaco do n. 53.)
De repente ouvio^e um ruido de passos
e vozes do lado do lalhao da Virgem Ne
era. Leonardo, suppondo que se t ve se
dado algum acoatecimeoto de que os ope
ranos quizessem dar-lhe conta, foi-lhes ao
encontr. Grande Leopoldo seguio-o por
;;jriosidade.
Ao atravessar o talb5o onde houvera a
e>.plos3o do gaz inammavel, enconiraram
anco ou seis operarios conversando anima-
damente, m d'elles, o carpinteiro Pas-
choal, tioba na mo urna machada com o
cabo quebrado. Ao reconhecerem o mes
ffc sondador, calaram-se, lancaudo-lbe olha-
res desconfiados: nenhum So atreveu a
dirigir-lae palavra ; ''aschoal que diss-e a
Leonardo com ar embarafado :
At que emm < ncontrei a minlia ma
ciada, aquella que Grande-Leopoldo me
tirara.
E onde estava ?
No meio do entalho. Eocontramo-la
Ui qual.
E a tua ?
Ha tao pceos annos me sirvo eu
d'ella para que a nao recoobeca, apezar
mesmo de ter o cabo partido ?
Houve ent3o um silencia profundo.
Grande Leopoldo, nao obstante a sua ha-
bitual audacia, tremia a bom tremer.
Esperavamos encontrar aqui o Sr.
Yan-Best,disse Nicolao, que fazia parte
do grupo-afim de Ibe pedirmo para que
nos desembarace de certos tratiates que
abi ha... Nao queremos aMWaioos as
minas de Polignies I
O Sr.. Van-Best oi agora para cima
disse Leonardo. Mas que sso de as
sassinos V Entre nos nao ba assassinos I
Pensa isso ? Pois enlo olbe para
traz de si e ver um I
E com um gesto enrgico designou Gran-
de-Leop Ido, cuja postura niio annuaciava
muita tranqaillidade de consciencia
forcoso jue seja expulso, alias ae-
nhom de nos Irabalhar aqoi 1exclamou
Paschoal.
-i- Expolsa-lo-bemos os mesmosacu
dio um outro.Nao nos queremos mistu-
rados com um malvado t
O mestre sondador pareca aterrado ;
com todo balbuciou:
Mas que isso ? Eu nao compre-
bendo nada... Sempre fui bom camarada.
dedicado aos amigos.
Qupths fazer-te innocente ? inter-
rompeu Nicolao r- Ao principio julgamos-te
innocente e defendemos-te, mas agora nao
nos resta duvi u I... No dia do sinistro
vio Paschoal que tu lancaste rao da sua
machada ; momentos depois Sr Leonar-
do, Aatooio Robin e as duas meninas ou-
viram o choque de macbada coutra os em
madeiramentos; e agora acaba de encon-
trarse essa mesma ferrameoU de Paschoal
misturada no entulho... Qoerem-no mais
claro ? Quizeste sem duvida vingar-te do
Sr. Leonardo, que te sovra bm na pre-
senca dos collegas I... Nao serias, pois,
o nico culpade, se todas essas pessoas li
vessem sido victimas ? O que tu merecas
que te abrissera a cabeca com a machada
que roubasle!
Todos os mineiros presentes, aos quaes
Antonio e os dous sondadores attrahidos
pelo barulbo se juntaran igualmente, ma-
nifestaran) a sua indignac9o de urna ma-
oeira enrgica.
Grande-Leopoldo, faltando-lhe outro meio
de se E quera e que me vio fazer isso ?
um conluio dos ricos contra mim 1
Uinoardo proseguio plcidamente :
Nao se precipitem, meus amigos, em
proouaciarem um senlenca de tal ordem.
A deacoberta da machada de Paschoal de-
aaiio do desmoronamento , com effeito,
SPcio serio, que muito depoe contra o mes-
mas a forca nacional ha de gantiar. Se
poupaes a enanca, fortificaes o hornera.
Sd obstaes a que a criang-a se extenu
durante 8 ou 10 lloras na atmospliera cor
rompida das oiBcaas, nao "acharis de-
pois no soiieia para o servico militar
tantos mancebos debis e entesados, e
tantos' horaens que so o s5o pela vonlade
e pela energa, mas que nao pdem se-lo
pila validez nem pelas forgas plifsicas.
D'esse modo prepararemos mais robustas
as novas gerac. es, e podemos alem d'isso
estar seguros que dimmuindo as h >ras
de trabalho, pdame* obiei igual resultado
mil. Assim. em Inglaterra com o~ horas
por semana obtera-se unja soraraa de tra-
balho que n3o inferior que produzm
em Franga o emprego de G6 oras.
E' pois a minha opiuiu, fuilado uas
razes que teuho oxpjslo, quo a Franca
est em condicoes de lutar conj todos os
paizes do mundo.
N3o somos inferiores a nealiura as des*
pezas de eslabelecimentos de direcg3o, ou
de mo de obra, e quanto qualidade dos
operarios, nossa a superioridade.
S no carvao estamos abaixo dos ingle-
zes, pois que, comorespe') ueste artigo,
as diliouldades naturaes accrescem as le-
gis, nascidas do direito que pesa sobre
este combustivel, e na minha opinio,
muito para lastimar. As machinas como
os homens sao tanto possanies quanto
mais era nutridas sao, quando o estado
diminuir este direito e per.nittir que o
carvo so venda miis barato, ento con-
seguiremos unb consideravel deset>vy!v-
meato de todasSaipdustrijs, cbtendo- ao
mesmo tempo fres ujuicnles para- a
marraba mercante.
Falta-me ain ia fallar dosvflt'Ssos meios
de conimuncag3o e de traosperte. Temos
neste ramo felo alguns jjRhramentos.
mas anda assim ni acliamo.5'a'um estado
deploravel. Somos la > rir.d."fo descom-
munaes os nossos orgaraenior?, que na ver-
dade deviamos fazer alguma cowa em fa-
vor dos nossos rios, e das nossas ribei
ras.
Nao smente deixamos de fazer do novo,
senao que deixamos perder os elementos de
viabilidade.
da rnnito lempo que existe o.csnal do
Meio Dia ; esta cora foi urna das ir.aiores
(dorias da Franca, e hoje preciso tratar
este canat como se fosse e do isthmo-de
Suez, e de constituir urna cooipanlii^para
estabelecer a peseagem que-eonduza do Me-
diterrano} ao Ocano.
Estoni tarabem muito convencido de qne
um melhoramento de grande ireportaocia
para o comraercio seria diminuir as distan-
cias, sto , o prero dos traesportes pelos
caminhos-de ferro.
Passo agora a discutir a queslSo aob
outro aspecto-. E' a Franga um povo in-
dastrial? Nao digo-que s nos-con vi n ha ser
agricultores, e que nao devara3 auxiliar as
industrias existentes-. Mas se me pergun-
tam : a Franca industrial oa agrcola ?
respndete: Enlendt-qu principalmente
agrcola.
lia dois modos da-provar esta asser^o:
o primeiro pelo modo porque- est *s-
tribuida a nossa poveafao: o- sagondo de-
riva-se da propria e9tructura> da Frasca.
Basta langar as vistas sobre o- nosso paiz,
para logo aosconverec-mos- que elle-fei
formado para ser agrcola. W impojsivel
negar esta-verdada, qoandu seattenta uesaes
lois mares, nos rios- que cortara o so!o, e
na natufeza do terreno, 13o fecuodo de pro-
ductos de todas as especies eqae muito mais
productivo seria air.da, se noe dssemes ao
trabalho de o cultivar conveeotcmen'-e.
Se reraen*armos poca em que Arthur
Young viajou na Franjea, poueo tempe' an-
tes da revolucSo, acharemos com espanto,
que este paiz era estril e misera ve 1. Era
porque enio a agricultura na i era entre
nos coaprehendida, e estava sujeita a leis
e regularnentos que lhe reprimiam e im-
pulso.
Perccrram-se boje esses tiistrictos> que
Young considerava estereisve 'el-os-bemos
cobert-s de ricas caras e or toda a parte,
a imprfr*r;*o e a doraestieago de aaimaes,
que sao para a agricultunt fonfe de grande
prosperidade.
A nossa. agrieultura ha de anda crescer,
e neste ramo nio temos- que recelar dos es-
trangeiras. Poderamos tlvez ser batidos
oa industria do algod3o; nunca seremos
vencidos na produc3o dos cereaes, se son-
bermos e quizermos enripregar todos os
tre sondador ; com todo consideremos o
fado sob um outro aspecto. Adrailiindo
que Leopoldo se quiaesse vingar de mim,
n3o seria urna loucura buscar um meio do
qual elle poderia ser a primeira victima ?
0 mestre sondador olhou para Leonardo
cora adrairaco, nao comprebendendo que
d'ali podesse vix-Iha auxilio ; todaia, apro-
veitando se do argumento allegad em seu.
favor* disse ;
Isso a que eu j disse Seria na
estupidez extraordinaria da minha parte !
Ora essa ! interrompeu Nicolao,
Nos examinamos bem o negocio e sabemos
como a cousa correo. O desmoronamento
verificou-se por duas. vezes ou antes bouve
dous desmornamelos rstinctos. Deve
lembrar-se, Sr. Leonardo, que entrada
do uttiio da Virgem Negra havia um arco
de alvenaria, o qual era considerado com
a precisa solidez para susteotr o tecto da
galena. 0 malvado deveu collocar-se sob
a proteccSo d'esse arco para atacar os es-
teios, que estavam podres, como se sabe.
Ao primeiro abalo as travs cederam e deu-
se o desmoronamento do talhSo. O nosso
hornera, recuando alguns passos, julgou-se
era seguranza, mas eis que por detraz d elle
do oulro lado do arco, o tecto da galera,
abalado pela deslocacao das trras, araea-
cou tambem desabar. Advertido disto pro
vavelmente pelo ranger das madeiras ou
por algumas pedras que comecaram a cah de cima, largou a machada e poz-se ao
fresco. Escapou milagrosamente, ver-
dade, mas emrim conseguio salvar-se. Eu
n3o presenciei o caso, porm metteria as
m3 a verdade Conhece-se perfeilamente que
o desabamento se realisra em dous pontos
separados e a machada de Paschoal encon-
trarao-la mesmo debaixo do arco. Se o
veihaco }ue se acha presente quizesse fallar
a verdado, reconbeceria a exactidao da mi-
nha suspeita.
- Leonardo tinba razoes sobajas para se
conformar com estas expllcaces (embra-
va se de que no m meato da cata&trophe
ouvira diversos abalos uns aps outros a a
descoberta da machada no lugar iudicado
explicava-se {lelas cofijecluras de Nieolo.
ai
nossos recursos, e nunca ninguem opsar
lutar comnosco sobre a producgSi dos vi-
olios, urna das nossas maiores rique-
zas.
Ueferi-me ba pouco ao modo porque se
dislribue a nossa povoaclo. Citirei alguns
algarsraos, qne me sao fornecros por mr.
Wolokski.
O numero de pesso que directa ou in-
directamente vivem d*-industiia era Franca
de 10 milhes e 959:031. Separo des-
les, 3 milhes e 245:000, que se erapre-
gara na industria dos vestidos, na qual jun-
tamente com os chimados arligos de Paris.
no tememos oncorrencia. Ficam 7 mi-
lli&es e 714:091. Neste numero eitra a
industria textil, extractiva c metallurgica
por I milho e I40:75: ao passo quo as
pessoas oceupadas pela agricultura montara
a 19 milhes e 598:113.
as outras industrias, principalmente
na extractiva e metallurgica, as mulheres
nao teem emprego; pelo contrario, na
agricultura toda a gente trabadla: mu-
Iher, marido, lilhos, logo que padem fazer
alguma cousa, rendeiro, propriclario, todos
teera lugar na cultura da trra.
Mas deve isto ser motivo para sacrificar
a industria aos interesses da agricultu-
ra? Nao: mas com menos razio ainda
ba veramos de molar as convenien-
cias industriaes a nossa prosperidade agr-
cola.
Agora adTrta-se bem, para dar sabida
aos seus productos, a agricultura tem fie
cessdade dos mercados estrangeiros; e se,
para proteger a industria, lan;amos exor-
bitan'es- direitf sobre f os productos da
ni nufacuras das outras nages, ellas h3o
de vingar-se dificultando a entrada dos ge
eros di nossa agricultura, qae tambem sao
productos manufacturados.
A >^uperkridade dos nossos vinbos n3o
depende exclusivamente das propriedades
do nosso solo; se os bespanhes-e italianos
souijessem tratar a vinha como nos, teriara
vmwr iguaes- aos nossos. E' o talento que
faz-aqui a superioridade: nao se- a'vinha
que superior, tambera o homem'que a
cotKn.
Attendamos pots ao interease do maior
numero, que tambem aq o da nossa pri-
meira industria.
Desde que se dbale esta quostao, temos
visto o norte e "roeio-da, ou para- rae-
Ihor dizer,- e interesse indosUial e o agr-
cola \m em face do ouiro. De urna e ou-
tra parle s renenpara expora suasitua-
C3o, df.r a conhecer as suas fMcessidades
e demonstrar com algar smoc aa suas aser-
Ces.
A soeiedade iadoatrial e eomwercial de
Reiras expoz os segnintes resaltados : em
1861 a qaantiiadc de garrafas de vinho de
Champagne espumoso exportad era de 6
milhes e 904:715; era 1868 Alba subido
a 12 milhes e 810:194.
De oirtras rtgens provm oniros faetce.
A expediaSo de vinbe por Bordeas elevoa-
se em 8681i um miltio e 16->ci20e hecto*J
litros.
As reeiesas direetas para-- Inglaterra
era 1857 nao- passav:a*da 49^80 hecto-
litros; era 1868 asceadiam a 230:071 he-
ctolitros.
A grane rirjaeza dos-regies viahaleirae
impelle- paraa lidepdade do coramercio
poique santera a necesaidade db mercado
universal. O desejo da ser protegido, a
prova inconlestavel dte-pobresa permauen-
te, ou de fraq*>eza natural. A viticultura e
a produego dos cereaes sao li?res-camb3-
tae- porque s3o ricas.
Mas nao s ao productor que nesta ma-
teria de vemos atienden ; o consumidor t-'ni
iguaes dyeitos a que n-'eile tarabeas pense-
mos. O fisco faz as- vezes generosidadesj
que. sao realmente de pasmar. Era Paris,
por exeraplo, a municipalidade dispensa do
imposto todas as rendas de casas inferiores
a 400 francos. Mas c esses mesmoe a quera
se faz esta esmola ostentosa,. arranca-se.
por outros imposlos- sobre os- alimentos
pelo menos 100 francas ananaes por cada
estomago-t'
E' um imposto terrivel I
Os imposlos das aitandega&sao da mesma
na tu rea.
As prkicipaes importagoes nao sao de
objectoG de luxo. Ha cem aooos, nos cam-
pos, milita gente viviasem camisa, som sa-
pa tos, a sera lencoes as cama*.
A forca principal do rendiraento das al-
fandegas, e paga pelos obyectos de primeira
necessidade. O luxo produa pouco. '
portanto a custa de muilos milhes de po
bre que nos protegemos alguns ricos in-
dustiiaes, e que prolongamos a existencia
artificial de algumas industrias incapazes de
viver por si.
Em consequencia do que tenho ex posto,
posso concluir que o interesse do povo, a
justga, o futuro, a os principios est3o da
nosso lado.
E ainda perguntarai: O que significara as
vossas pautas ?
Se ellas fossem apenas ura imposto fisc i
ainda assim as-combloria como adversario
que sou d >s impostas indirectos, e p que
quizara um impsto nico. Vos leudes este
systeina por impossivel, e eu apenas o julgo
aifflcil. Mas as pautas nao sao um impisto
fiscal, pr tenjem ser urna balanra.
Vos arrogaes o direito de repanir, de dis-
tribuir a riqueza: pretendis fazer a fortuna
'. Kiiuen e de Mulhouse, mas as aomraas
que daes a essas cidades sao arrancadas aos
campos empobrecidos.
Nao vossa msso substituir os des'g-
niosda Providencia, e quandofa tanto vosalia--
lancaes-, quando pretendis darou tirar tra-
balbo a esta ou aquella industria, qne haveis-
de responder ao operario que vier pedir-vos
ou exigir oceupago ? .
Vos n3o tendes que responder; eu sim
porque so livre cambista. En dir-lhe-hia
que d sejo nmnter para todos a liberdade do
trabalho, mas- que n3o sou eu q e o distri-
buo, e que nao quero pela proiGulgacao de
leis ficticias tornar-me urna caricatura gro-
tesca da Providencia.
Aqui concluir. Todas as Hberdades sao
irms. Se alc;incarmos a libeMiade do com-
mercio couseguirerao as mitras, e conse-
guil-as bamos era favoraveis coodiges, por-
n>ie o lionim que trabalha, alfeigoa-se a vei
dadeira bberdade, a liberdade 'mseparavet
da- ordem.
Esta lngoagem n3o tos pode odmirar.na
ininha-bocea: iodos os diasa repito,
E todos oa que eslo'de accorda comigo
sao levados necessariaraente as mesraas con-
cluses. Iste prova como fecund*a liber-
dade, e como todas as libardades 9&o inse
paraveis,
Como en, todos querema4iberdade, e rom
ella a paz que e sua coniVao ins paravel:
Era quanto nos tivermos na'fronteira um ex-
ercito te guarda e llscaes di alfandega, a
fraterrodade dos povos ha de ser impossivel.
Qtindo, porm, os p >vo3rem vez d' ioi-
raigos, forem coucorrent-s, quera ha de azer
a guerra? E' na liberdede do commercio-que
aesentarcraos o futuro da liberdade, ser? flor
ella que a-guerra hade desapparecer.
POUCO BE TUDO.
COBPO LEGISLATIVO FRANCEZ. A
Frtmce publica h seguinte lista geral das
prepostas de lei apresentadas ao- exarae da
coraraisso de iniciativa, com o>nomes dos
diputados da quem diraanam:
Julio Favre, Ar igo e autros:- Lei cerea
d poder coaetiiumte.
Raspad:Accusac*')' do minieterio.
Raspad e Rochefort; Lei relativa 3
cornalinas, ao-orpo leajbtivo, as financas
e ao exercito.
Maoy : Lei estabeleendo a inalienabi-
lidade do dominio publico sem uraa lei;
Ferry, Garabetla'e Arago:Lei eleitoral.
Julio Favre Grvy, etc: Eli^io dos
tnares para os eonsebos municipaes.
Julio Favia? Grvy, eic.: Revoga^o do
amigo 75 da constituicao do auno 8t?
Steenackers, Pkard, ete:Abaliijio da
lei- de segurastja.
Muenijens, Reyonose, ate:Lai- acerca
des direitos de barreira a sobre as-bebidas.
Gocbery: Lei a respaito da el'iic dos
juizes consulares.
Hratry: li^i eleitoral.
Pi ard, Julio Favre, etc: Revogacao do
dGreto de 11 de Janeiro de 1852.
Raspad : AbolicSo do juramento.
Raspad:Designa' o de urna cemraiss3o
de trinta raembros para apurar as contas
lia cidade de. Pars.
Grmieuet:Lei acerba da formaco do
jury.
Soubeyran: Lei coneernente ao modo
de pagamento das subvencoes ana cami-
naos de ferro.
II. de Ghoiseul: Eleico dos maires
pelo suffragio univer?aJ..
Julio Simn., Garnier,.Pagos, etc: Abo-
lifo da pena de morta.
C'mieux, Arago, etc:I,ei acerca das-
eleices municipaes de Paris c Byon..
Gambeila a Bancel: Addicao de um ar-
tigo Id precedente.
Picard, Ramprfn, etc: Organftlo d
cmaras de agrieultari, de nm conselho ge-
ral agrcola a de comicios.
Lefvre, P.mtalis, Taasi, etc : Publl-
cidade dos processos da imprensa.
INTERESSANTE PLEITO. A Gazeta
d$s Tribunaes de Franja d noticia de um
jalgamento correcci nal inleresaanle.
Ura operario chamado Dubois, dono de
urna pequea casa em Montmarlre, que tem
um jardira adjaeeate, ara accosado de haver
cacado em poca prohibida, isto , em lem-
po de nev.
De ordinario o aecusador nestes proces-
sos um gendarme ou um guarda rural,
mas esta >ez foi urna earidosa senaora a
vmva An delicio que o tribunal tinba a julgar.
O presidente perguntoo lestemimba qual
era a sua profisso.
A vi uva: Vivo dos meus modestos ren-
dimentos, e como n3o tenho rauito que fa-
zer, ioscrevi-mena soeiedade protectora dos
atiimaes. Quando ando passeando n3oolbo
senao para elles. Se vejo c5es a Brigar faco
todas as diligencia para os separar; se tejo
criancas perseguindo ura gato, metto-me
" igo de perraeio para defender o pobre ani-
mal ; as criancas d8o*me mais que faser quo
os gatos e os c2es, s3o mais teimesas e
malvolas qu os irracionaes,
O reu : Bella occupacSo! proteger o ani-
maos e perseguir os bomens e as cranlas.
Vi uva: Nao-ha tal, ea n5o persigo pas-
sa lignina, lomo o partido domis fraoo;
quando um caoaarrao abusa da sua forfa
para morder um> e) pequeo aoo a pri-
meira a alirar-lhe urna pedra.
P.esidente : T almente, mas vamos causa.
Viuva: No fim do mez de dezemfero tive
muito que- fazer. Como tinba cado muita
nev passava os diaa a correr os campos,
os-trrenos abertos- e outros logares de
Mnlmartre, para desmanchar e tirar as ar-
madilbas feitas aos paesaros. No dia 28 de
desembro dissero-me- que o Sr. Dubois
tinha |>osto uraa armaOilha no seu jardim
na ra de S. Vicente ; quiz veri:car o facto,
dirigi-roe quelte sitio, a effectivamenta vi
urna pequea a-imadilhawom trigo no meio
para tentar as pobres aves do ceu, qoa
morriara de fom no campo. Fui immeia-
tameate ao comraissario de polica para ver
se era possivel tirar a arraadilha.
Presidente : Vio alguem do jaidro ?
Viuva : Nao sentoor, ne vi ningaera.
Reo: Astiun devia ser, porque eu n3o es-
tava la n'csse dia,. s vim paraos i s 10
oras da- noite. 4
Presidente : Quena poz ectSa a arreadilha?
Reu:-Ta'vez fosse miaba mulher, que
para entreter os peajuenos a pozesse n'um'
canto do jardim ; maa estava-rao mal arran-
jada, que na cairia a'ella cem o mais es-
tpido dos pardaes.
Viuva : Se-julga qaa o pardai estupido,
est muito engaado, nao o ceohece i o
passaro mais manhoso- que ta.
Reu : Se tao manhoso eono diz, nao
precisa d suafrotece3o, deixe-o tratar da
sua vida, e a mim tratar da minha.
A viuva cora dignidade: Coma socia da
soeiedade protectora dos aniraacs, hei de
oamprir- os meus deveres,
O tribunal deu raza-i-- carrdoaa senbora,
o conderoaou? Dubois era 5*> feancos de
aulla, as cuotas e na -parda daarmadilha.
Nao obstante, proseguio com ar conciliad.r:
Em toda o caso, aada se pode provar
e Leopoldo sustenta que aingui-m. presen-
ciou o facto que lhe atlribueui. Paschoal
insiste em que a macaad a sua, porm
eu estou no meu dimito de duvidar as
ma hadas que se usara na miaa sao tolas
da mesma marca. Esta tem o cabo que-
brado : mais urna razan para, poder haver
equivoco. Em vista do exposto, nao ha
razo bastante paca acusaren) um camara-
da de tao odioso, crime, irapondo-tbe assim
o cunho da reprovaco e acarretando talvez
sobre elle o rigor da jusuca !
Os circumstantes, ao ouvirem assim Leo-
nardo defender o mestre sondador, ficaram
erabas bacados. Este jalgamento proferido
porum hornera cuja s^gacidadee inteireza
de carcter conheciam, langava a duvida as
suas intelugencias; cora tudo nao se mos-
traram '-xMivencidos e Nicolao redarguio :
Ento que mais provas quer, Sr. Leo-
nardo ? NSo est a tralantada lio. clara
como a luz do dia ? NSo foi o senhor o
primeiro que teve iguaes suspeitas ? Se
Grande-Leopoldo houvesse logrado o seu
iutento, onde estara o senhor agora ?
Por isso mesmo que eslive em risco
de perder a vida n'essa catastrophe que
as minhas suspeitas sobre o caso s3o me-
nos dignas de considefacSo. Quando se
est sob as primeiras impresses de um pe-
rigo ou de colera, nao se podem apreciar
conscienciosamente fados j de si confusos.
Por ultimo, declara que o fado que consi-
deran) resultado de um crime pode, pelo
coucurso de determinadas circomstancias,
ser obra do acaso
A convcc3o dos operarios, ainda ba pou-
co tao completa, estava agora vacillante.
Palavra qae te nao entendo, Leonar-
do 1disse Antonio. Pois n3o m'o dis
seste tu mesmo ?
Poder-me-hei ter euganado, meu charo
Antonio respoodeu Leonardo, janeando-
lhe um olbar significativo.Confias em mim
n3o verdade ? Pois er-me quando te
alSrmo que nao ba razSo bastante para ac-
cusar Graude-Leopoldo.
Visto que o aflirmas, assim deve ser,
por quanto sabes, muito.
iri**1]'.---.'. ft E Aalonio desviou-se para a retaguarda,
como quem renunciaba a qualquer idea ag-
gresswa em relac3o ao culpado.
Os deraais operarios n3o ousarara persis-
tir na sua opinio e ficarara calados.
Ola, camaradas, proseguio Leonar-
do, vendo-os retirarem-se nao espalbem
boatos desfavor a veis a respeito de Grande-
Leopoldo. A rsputac3o de um operario
nao cousa de ponca importancia; perdida
ella, morrer de fome, porque ninguem n
admittir no trabalho!
Nicolao e os companheiros fizeram sig-
nal de approvacSo.
E,, se alguem se atrever comigo,
interrompeu Grande-Leopoldo, cobrando a
sua arrogancia quebrar-lbe-hei as cos-
tellas t
Os operarios forara-se retiraado e con-
versando em voz buxa, e Antonio, acora-
pan adodosdous sondadores, voltaram
sua tarefa.
Giande Leopoldo, tendo cado s como
conductor de trabalhos, disseloe, esregan-
do as oi3os:
Sempra s levado da breca, Leonar-
do I Como diabo os fizaste chegar a ra-
zo ? C por mim, nao temo u/a era dez:
mas, alirando-se todos a mim, de certo nao
levara a melhor t Portaato, obrigado Se
quizares vir beber orna pinga comigo no
botequira...
Beber comtigo, miseravel ? disse
Leonardo em tora severo.Antes morrer
sede I... Agora b3o me resta a menor
duvida sobre o teu :rime !
O mestre sondador estremeceo.
Mas tu ainda agora dizias e persua-
das o contrario aos outros...
Aquillo urna pobre gante que acre-
dita fcilmente na minba palavra, mas nao
imagines que a justica seja igualmente cr-
dula I
Grande-Leopoldo teve calefrios. Leo-
nardo prosegBK:
A descoberta da madwda da Paschoal
debaixo do desmoronamento uma prova
decisiva. Es um malvado 0 eu deveria
abandonar-te justica da lei ou pelo menos
dos leus camaradas 1 Quii, porm-, evi-
tar o escndalo que causara, aqu a revelacao
LEFEL2URS WELY. Morrsn o catabre
organista Mr. Lefeleure Wely. Era tido
o)MO o melhor organista conhecido desde
Sebastian Baeb. A imprensa fraaceza, ar-
tistica e poltica, dedica- artigos a memoria
te lio celebrado artista.
OPERAftOVAS. Sagundo- refere um
peridico, durante o passado anm de 1869
deram-se na Europa tema e duas oj eras
novas de maestros itah'aaos, das- quaes qua-
ro nicamente alcancaaaai xitosatisfaUrio.
Das deraais, vinte e quatro agradaram
pouco, tres nao prestarave duas- fizeram eo
lassal fia.t'o.
BEETOVEN. Macea na AUamanba a
7 de dezembro de 1770. No crrante
anno deve ser o sen centenario feteado
com urna-grande festa musical, na< qjial se-
rlo executadas, durante tres das, todas
as obras do immortal maestro^
da verdade na esperdnea tambera de que
ters completo arregendlnenlo. i?ar. ultimo,
tendo eu sido o miis arriscado a soffrer os
effeitos da tua maWade, entend ajjae tinha
o direito.de me mostrar generosa- .. Eis-
aqui a razo p> rq-ie acabo de afistarde ti.
as legitimas suspeitas, roas.a mioha indul-
gencia nao pode ir at ao panto do te con-
sentir aq-ii, e, portanto, deix-ars o mais bre-
va possivel as minas de Polignies, comore-
sotucao d ten notu proprio. D'esta forma
nao rjcars desacreditado e poders achar
trabalho em outra qualquer mina.
E que tempo poderei ainda conser-
va^me aqui Y pergunton elle humilde-
mente.
Oito trata de nSo. offender ninguem, por quanto
os operarios moslram-se muito indispostos
contra li e parece-me mesmo que bao de
custar a supportar a tua prasenpa por mais
oito diaa.
Grande Leopoldo nao ousou retorquir,
Leonardo conlmoou com ar indifferente :
Agora toma conta do teu trabaloo or-
dinario am companhia dos dous sondado-
res. Antonio va i comigo. ajodar-me nos
servidos que passo a eroprebeoder.
Mas, se acaso Uveros de proceder a
alguns trabalbos de soudngem, redarguio
o mestre sondador eu c estou prompto
para ajudar. NSo seja obstculo a brinca-
deira que fiz depois ao patrio ; cora' os ami-
gos o mea proceder oatro.
NSo careco dos teos servicos repli-
cou Leonardo seccamente.
E, voltando4he as costas, foi ter com.
Antonio.
Grande-Leopoldo, ficando s, nio se
pode cooter que nio dissesse :
Oito das e depois partir... Nos
veremos... D'aqui at l Irinda se pode
arranjar algum laeo. Da primeira vez errei
o golpe, maa agora hei de segurar-me, e
ainda quetenbade cdeixar a pelle, hei de
vingar-me de todos os meus inimigos I...
(Continuar-se-ha.)
TIT. DO MAIW-IIA VAS OL9ZE9 ! %