Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:12055


This item is only available as the following downloads:


Full Text
~~i

sa*.

ANNO XLVI. NUMERO 49




A CAPITAL E LUGARES OHDE HAO SE PASA JjiTE.
Por tres raezcsTantdos ... ....... 'M. GOOO
Por seis ditos idem........ ...... lf. 12,8000
PorunUnno idora..................... 2400
<]da mumero avalso.......-............ 320
OUMTA FEIRA 2 OE MARQO DE 1870.
PABA DEHTRO E FORA DA PROVUCIA.
. Por tres mezes adiantados................. 607
Por seis ditos idem..................
Por nove ditos idem.....................
Porom antio idem...................
MAMBIM
Propriedade de Manoel Fgueira de Faria & Filhos.
SAO AiENlfl^:
Os Sr8. Gerardo Antonio Alves & Filhos. no Para ; Gonfalves & Pinto, no Maranh5o ; Joaqoim Jos de Oliveira, no Cear ;* rjlufio de Lems Braga, no Aracaty ; Jo*o Mar%Julio Chaves, no Ass ; Antonio Maqpes da Silva, no Natal; Jos Justino
Pereira d'Almeida, em Mamanguape; Antonio Alejandrino de Lima, na Parahyba ; Antonio Jos Gomes, lia Villa da P,nha; Belarmino dos Santos Bulco, em Santo Antao; Domingos Josda Costa Braga,
" I em Nazareth ; Francisco Tavares da Costa, em Alagoas; Dr. Jos Martins Alves, na Baha ; e Jos Ribeiro Gasparinho no Rio de Janeiro.
PARTE OFFICIAL.
Ministerio da guerra.
rnuMotAO no ExnnciTO.
A^provando a pnmiocao que por autos de bra-
vura fez o mea muito amalo e prezado genro, o
marechal da exercito conde d*Eu, commandante
tai clwfe do ettrato em operaees no Paraguav,
dos offieiaes, oSiclaes inferieres e cadetes mencio-
nados na relacie que com este baixa, asignada
barao de tnritiba, conselheiro de estado, se-
nador lo imperto, ministro e secretario de estado
ioi negocios da guerra : hoi por bem determinar
que contera antiguidade de 18 de agosto do anno
prximo passado.
0 me?mo ministro e secretario de estado dos
negocios da guerra assim o tenna entendido e fa-
ca executarr
Palacio do Rio de Janeiro, em 2 de feverjjro de
1470, 49 da independencia e do imperio.<4p>m a
rubrica de S. M. o Imperador.Barao de Mari-
tiha.
Baptista ds Siqueira, idem ; Manoel Civalcanti da
Suva Bezerra, idem ; Sebast) Jos Velho Barre-
to, idem ; o 2 calote 2 sargento de cavallaria da
guarda nscion.il Franco da Silva Bueno. dem.
Os alferes de commissao de voluntarios da pa-
tria : Manoel Alexandre Pos-oa de Mello, idem de
7 de dezembro d, 1869 ; Cypriano Arislides dos
Santos Lima, idem ; Alfonso Pinto de Oliveira,
Idem.
Palacio do nio dn Janeiro, em 2 de fovereiro de
l870.-ZJarao de Muritiba.
EXTERIOR.
F.iAcio BOSOKUcutts, oFFicKKs isrKnions E OA-
OKTES PROMOVIDOS POIl ACTOS DE BRAVURA, COM
-i riGUDAOE TB IB DE AGOSTO DE 1869, A Q SE
RFFERE O DECRETO DESTA DATA.
Corpo de estado-maior de -J' classe.
Para alferes, o alferes de commissao Antonio
da Costa Brandao, o lente de commissao
6?rnardino do Senna Dmiz.
Arma de artilharia.
Para 2 tenente, o 1 cadete 2*santen'o Adal-
!> vto Pedro Xavier de Castro.
Arma de cavallaria.
Para capitao, o capitao de commissao Manoel
Jos Pereira.
Para tenente, o 2o tenente de commissao Anto-
nia Jcs Pereira Jnior.
Arma de tafantarin.
Para capitaes, o capitao de commissao Joao Nu-
il- Sarment, os tinentos Jos Geraldo Gomes,
Candido Maria Alves, Pedro Joaquim Alves e T-
burcio Valeriano de Arruda.
Para teoeotes.: os lenles de commissao Mau-
rino Getunes Alves Pereira, Raymundo Ribeiro do
Amaral; os alferes Justino da Silveira, Jos Vi-
ente Luiz da Silva, Lino Pereira Rebouca*, Fran-
c.sco de Paula Almeida Albuquerque, Severiano
Nones, Ignacio Francisco de Albuquerque Figuei-
r-do, Joao Manoel da Silva, Hermes Correa de
Moraes, Hygino Jos dos Anjos, Antonio da Costa
Cirne, Jos Jeronymo Chaves, Gelasio Servulo Al-
ves da Araujo, Procopio Jos Moreira, Chrispim
le Mello Castro, Bibiano Jos da Conceicao, Jo i
Baptista de Souza, Silverio Francisco Alves, Cle-
raentino de Paula de Souza Malagueta, Pedro de
Alcntara Moreira, Pedro Ignacio de Almeiia Gue-
des, Joiquim Apolinario da Costa Doria, Antonio
los Leite, Jos Luiz Rodrigues da Silva, Joaquim
Manoel Martins Moreira, Ernesto de Carvalho An-
irade, Lourenco da Costa Ferreira.
Para alferes : o alferes de commissao Ffederi
co Cardoso da Silva. Julio Cesar dos Res Falco,
Joaquim Arve* Bezerra, Antonio Moreno, Al-
fonso Augusto da Silva Pego, Joaqnim Rodrigues
Pereira, Francisco Ferreira dos Santos Azevdo
Jnior, Annibal Anlio Prisco Servulo, Arnaldo
Adolpho Alvares de Almeida Guimares, Adelmo
Braulio Iguarass Antonio Benedicto de Araujo,
Antonio Dellino de Si jueira, Antonio Felippe Nery
j Antonio Fernandes Lisboa, Belarmino Ferreira
Lima, Cassiano Xavier Montoiro, Claudino Mari-
nho de Oliveira Cruz, Epiphanio de Araujo Caldas,
Francisco Manoel de Brito, Francisco Pinheiro
Ferreira, Frederico Casimiro Rodrigues da Silva,
Gil Antonio* Marques, Jeronymo Antonio Joaquim
de Araujo, Joo Bernardo do Reg Barros, Joa-
quim Alves das Neves, Joaquim Candido de Oli-
veira Marques, Joaquim Fernandes de Aodrade e
Silva, Joaquim Ferreira da Cunha Barbosa. Joa-
quim Goncalves, Joaquim Jorge de Mello Filbo,
Joaquim Cavalcanti da Silva Rezerra, Jos Alves
da Silva Cunha, Jos Ignacio Xavier de Brito, L-
zaro Vieira do Amaral, Luiz Antonio Gonzaga,
ManoeJ Ferreira Guimares, Manuel Joaquim do
Nascineato Machado, Manofl Joaquim da Silva,
Philadelpho Benigno do Amaral Henrique. Porfirio
Augusto de Almeida Porto, Salvador Gomes da
Waixo, Sebasto Cncalves da Costa, Silvestre
GongahAM Pessoa, Thcmaz de Aqnino Villa-Nova,
mu Pareira Pinto de Mello; os sargentos aju-
dantes Joo Ferreira P.masco, Hippolyto da Costa
i'.uimares, Paulino Liborio de Parias Pinho, Ha-
noel Ignacio de Jess ; os 1' sargentos Silvestre
Gomes de Sanl'Anna, Silvino Barroso de Carvalho,
Jos Baptista da silva Teixeira, Simpliciano Tude
Pacheco ; o 2U cadete sargento Hygino Martins
le Almeida ; o i' dito 2 dito Antonio Moreira de
a ; os 2- sargentos: Alfredo Vicente Martins,
t'etronilh'j de Carvajo Rangel; os *" cadetes
Cirios Augusto Ferreira de Assumpcao, Flore-
mundo Collatino de Araujo Gea, Francisco Eva-
rjto de Souza, Henrique de Freitas Lima Antonio
Candido Gomes, Aur^liano Xavier do Valle.
Palacio da Rio de Janeiro, em 2 de fevereiro de
170.Barao de iluritiba.
Rosarla, le ferereiro de
1890.
Embarcara amanhaa os primeiros bataiuoes de
voluntario da patria que se retiram do Paraguay.
Cinco annjs de incessante luta, cinco annos de
honra, a divisa nubrnmente ganha por esses li-
dadores que vao procurar os lares, nao de cane-
co, pois que a elle nunca cederam, mas porque a
sua missao est concluida. O passado desses cor-
pos, a t de offlMo dessas bandeiras, b,ri!hante :
tod) o exercito a conhece. O 40 e 53 batalharam
dia e noite luz da publicidade; nunca _se mos-
traram somenos aos mais valenles. O 17 traba-
Ihou em Mato-Gros-o em e.=phera menos esclare-
cida ; lutou liara assim dizer, na escuridao, mas
nem por isso seus esfercos inerecem menos al-
lencao. Faca-se a luz no seio dos mares e ver-se-
ha b horror dos combates que em silencio travara
os monstros marinhos.
O 17 de voluntarios da patria batalhao todo
composto de mineiros. Formou-se por Joccasiao
do maior enthusiasmo no Brasil em 186j, e rece-
ben a au das cidades do Minas-Gerae?. O seu
pessoal era magnifico, sua disciplina, desde os
primeiros dia3 da creacao, invejavel, grafls ao
espiriio que Ihe infundir o commandante o l-
ente coronel de cmmissao Eneas Galvao. De
Duro Preto marchou para liberaba em jnaio de
1863, en julho reunia-se s forcas expedicionarias
para Mato-Grosso, em dezembro chegou ao Co-
chim, atrave-sou os pantanos de Miranda, nelles
deixou nmeros companheiros, ganhou Nioac, e
allnal foi levado ao Apa, completando 364 leguas
de marcha.
Invadi o Paraguay, regou a ingrata trra com
o sangue de 50 amaradas, retrocedeu at o
Aquidanana e foi chamado a Cuiab, onde P.rMa'-
gara lempo pode descansar, vendo atraz de si on
leguas medidas, durante 2 annos e mezes, sola
de p. Em 1869 o batalhao teve ordem de descer
para Assumpcao ; abi chgou no mez de agosto e
poz-se logo a caminhar. Foi Vilra-Rica, voltou
para Piray e dahi Angostara e Humayt, onde
espera coducao para ir ter ao Rio de Janeirj c a
cidade de Ouro-Preto.
Nesse ponto fecharam um circulo immenso, :u
ja circumferencia se estende pelo interior de um
grande continente e de parte de~um ocano. E'
pelo eirculo que os amigos representavam a eter-
uidaae.
Estes homens caminharam urna ewtniawie. e.
durante essa eterqjdade quantos horrores 71 A
fome no Cochim, em que s houve carne escassa
durante muitos mezes, a fomo do Rio Negro, em
que nem carne havia e disputavam-se cocos as
araras; a fome da retirada, emque se comiam
cardos, quando os havia, em que se matavaui i
rezos para 2.000 pessoas ; as bexigas em Minas^
a paralysia do Tabco, que robou perto de JOO
vidas; "a cholera nos campos de Miranda, que de-
vorou 700 e muito? homens; os combates do 8,
9 e 11 de maio de 1867 e tiroteios incessantes at
conde de Jequitinhonha, cujo cadver deve ser da-
do boje sepultura.
Francisco G Acayaba de Montezuma nasceu na
Baha em 23 de marco de 1794, e indo em 1816
para a universidade de Coimbra onde se formu
em direito, voltou em 1821 patria, c desde en-
lao tQmou parte activa nos mais memoriveis acn
te-infntos polticos. Logo em 1822 foi membro
do governo provisorio que na Baha so poz testa
da revolucSo, e enviado em commissao ao Rio'dc
Janoiro, a pos penosa e arjiscada viagera, parle
por trra at aosllhis, parte n'uma lancha, veio
achar aqu proclamada a independencia, e por oc-
casiao da coroacao do Sr. D. Pedro I foi nomeado
dignitario da ordem do Cruzeiro.
Lidon muit9 na imprensa, redigindo diversos pe-
ridicos, e na-tribuna, onde foi chamado cedo,
sendo eleil. depntado assembja constituinte em
21 de julho de 1823. gu nte era preso com outros deputados, mettidos
na fortaleza da Lage e deportado para a Europa,
d'onde s voltou em 1831, tomando depois asiento
na cmara dos deputados, de que fez parte em
diversas legislaturas. Em 1837. foi ministro da
Justina por espaco de quatro mezes e em 1840 a
1841 representante do Brasil em Londres.
Fundou o instituto dos advogadas ao qual pre-
sidio desde 1813 al 1830, anno em que foi_ no-
meado conselheiro de estado extraordinario, aban-
donando entilo tambem a advocacia era que havia
grangeado nomeadV
No Io de maio de 1831 foi escolhido senador
pela Babia, elevado a visconde de Jequitinhonha
com grandeza a 2 de dezembro de 1834, e nomea-
do eonselheir%de o 20 de agosto de 1839.
De 2 labellib e ecrivao das execuefies civeis e
crina, do termo de S. Bento, na provincia do
l'ernainimco, a Federalino Antonio da Silva Lo-
mos.
Fui nomeado:
Jflfco Manoel pontual Jnior, major commandan-
le do esjuadraode cavallaria da guarda nacio-
nal da provinc de Pemambueo.
dos
9
decretes do 16 do corrente forafn nornea-
Inspecloreir.commissaodathesouraria de Goyaz,
escripl ur.mo do thesouro nacional SalustiaDx>
Ihe ile Ancrade Pessoa.
escriptnrarbUa thesouraria das Alagas, o2
dito Joan Francisco Soares.
Ollcial da sentara da the?ouraria do Paran,
o 2 escriturario da mesma thesouraria, Alfredo
Caetano Munlioz.
l'e
29 daquelle mez, em que s se contava cora o va
"i e a protecao de Dos; oincendio dos
a sede; os paes; a nudez; tudo,
campos
emliin.
O 17 foi o b.italbao-tenacidade. -Nao tuina o
arrojo do 21, paulista, mas possuia essa resigna-
immensa que se firma no dever c nao dobra
cao
cao de seu
Approvando a promotjo, quo por actos de bra-
vura fez o meu muito amado e prezado genro, o
marechal de exercito conde d'liu, commandante
em chete do exercito em operacSes no Paraguay,
. dos offleaes e cadetes dos differentes corpos de
voluntarios da patria e da guarda nacional men-
cionados na relacio que cora este baixa, assgna-
da pelo bario de Muritiba, conselheiro de estado,
-enador do imperio, ministro a secretario de esta-
do dos negocios da guerra : hci por bem, usando
da aulorisaco concedida pel do arL da
le n. 1,588 de 30 de junho do anuo prximo pas-
sado, determinar que sejara elles admittidos no
posto de alferes do exercito, contando antiguidade
Jas datas constantes da referida relacio.
O mesmo ministro e secretario de estado dos
negocios da guerra assim o tenha enteedido e faca
execntar.
Palacio do Rio d Janeiro, em 2 de fevereiro de
1870, 49 da independencia e do imperio.Cora a
rubrica de Sua Magestade o Imperador Bardo
U Muritiba.
r.'XXQ 10 A QUt SE REFERE 0 DKCRETO DESTA DATA
Arma de cavallaria.
O alferes de commissao da guarda nacional Luiz
Perpararo dos Santos Costa, contando antignida-
de do 1* de dezembro de 1869.
Arma de infatuara.
Os capitaes de commissao de voluntarios da pa-
tria Firmo Pereira de Mello, idem ; Jlo de Sou-
za Castello, idem ; os lenles de commissao dito :
Antonio Ernesto Gomes Carneiro, idem; Pompeo
de Soasa Ararigboya, idem; os alferes de com-
missao dito : Gaspar r\ibPro de Almeida Barros,
idem : Paulino Julio de Moraes Carneiro, idem ;
Tbeodosk) Mauricio Wanderley, idem ; Florentino
Jos Martins, idem ; Manoel da Cunha Albuquer-
que. idem ; Antonio Tertuliano de Carvalho, idera;
Francisco Antonio da FoDseca Jnior, idem ; Fran-
cisco Luiz Moreira Janior, idem; Lydio Gomes
Porto, idem; Paalo Pinto Auto Rangel, dem;
Severino Jos da Costa, idera ; Mathias Jos de
Souza Ribeiro, idem ; Wanoei Mauricio Lopes Li-
ma, idem ; Joio Panto de Saat'Anua, idem ; Luiz
Telles da Cunha Sandes, idem; Raymundo Nona-
to Pinheiro de Freitas, idem; Antonio Joao de
Aranjo Coelho, idem ; Felisraino Pinto de Souza
Valen, idem ; Francisco Aqaino de Aguiar Nu-
nes, ideni; Francisco Marques de Oliveira Brito,
idem; Pranclsco Teixeira de Carvalho, idem ;
flMnqM Affoflso de Araujo Macedo, Idera; Jo?
;i serviz ante calamidido alguma.
O 17 de voluntarios fez jus admiracao
paiz. No lempo em quo a gente de Mato-Grosso co-
bria-se de farrapos, causava alegra o cuidado que
dessos frangalhos linlia aquello batalhao.^ As Diu-
sas, as calcas eram rotas, mas limpas. Sahiam os
soldados dos charcos para bu*carem agua um
pouco pura e lavarem suas rqupas.
A banda de, msica era excellente : iodos em
Minas leem vocagao pela divina arte. E* a patria
ili padre Mauricio, cujas mismas o celebre New
koram unlo applaudia. Essa msica fez echoaro
serlao com as mais bellas inspiracoes dos grandes
mestres. Durante a retirada anda entoava bym-
nqs guerreiros; depois calou-se; os msicos mor-
reram uns de bala, outros de cholera, os instru-
mentos perdefam-se. A ultima vez que tocaram
foi junto ao ribeirao das Cruzes. ,
O batalhao chegou a ter 900 pracas. Seus of-
flciaes eram lodos distinctos. O major ^ cenle, o
capitao Juca DuaHe, popular entre todis, morre-
rara de paralysia, esle em Miranda, aquelle no
Tab:o, Juca Borges, valente, incansavoi, hojeo
commandante do corpo; Ereok, que foi capitn
aos 17 annos; Vianna, Tobas, Raymundo Montet-
ro, que anda alferes de commissao^^pfzar de
nove lancai;os recebidos no p-;ito, e muitos outros
guiavam os soldados, ora para romper o circulo
de inimigos ou de fogo no campo, ora para se me-
ter nos alagadcos. Se oo nos falha a memoria,
o batalhao quando voltou do Apa tinha pouco
mais de 200.homens, inclusive os offlciaes.
Investigue-se a historia da expedico de Mato-
Grosso : ella grandiosa.
Volvarao-nos agora para a luz-
Os batall.es 40 e 53 de volaatajios se esforca-
ram sempre juntos; entraram em fugo pela pri-
raeira voz no dia 2 de maio de 1866. Quem foi
o padrinho delles no baptismo de sangne, assigna
hoje a ordem do dia de desoedida. O marechal
Victorino levou-os peleja e, soldado veterano,
estremeceu de orgulho ao ver aquelles soldados
bisonhos.
No dia 24 de mais, na grande batalha de Oso-
rio, o 40 e 53 estiveram soberbos. No dia 16 de
julhj, nessa lata tremenda, ferida pelo inclyto Po-
lydoro, ainda se acharara nos pontos de maiores
apuros. Fizeram parte um da 1 divislo de in-
famara, o outro da 6", e durante sete mezes de
bombarleio seguido susteniaram o flanco esquer-
do da frente de Tayatv, acampado^ nasy trabas.
A marcha de Tuyii-Cu, a de Par-Cu a Palmas,
as batalhaa de dezembro de I868sas de agosto de
1869, foram saccessos presenciado por esses ba-
ulhoes, que poderao como os joldado; de Napo-
leao, dizerahi estive.
Os commandantes dos batalhoes ns. 40 e 33 sao
o.bravos coronis Faria Rocha e Barros Vascon-
celos; este de Pernambueo, aquelle da Baha.
Hoje deipedem-se elles de seos corapaoheiros e
abracara aquelles homens de quem foram ajuda-
dos ou a quem soccorreram tantas
raemos supremos.
Levtm um recadosaudar por
plagas do nosso Brasil I
Das averiguacOes feitas pela antoriSade a res-
peito do faci que noticiamos sob o titulo de ca-
dverresulta o seguinte :
Que uo dia 11 do corrente, s 5 horas da tar-
de no hotelPento Agostinhono Andarahy-P3-
queno, dando-se na occasio do jantar por falta de
um dos hospedes de nome Joaquim Aprigo da
Silva Figueira, que para all fra havia tres das,
foi depois o mesmo encontrado morto no capinzal
dos fundos do referido-hotel, com um grande gol-
pe no pescoco, interessando todos os tecidos e ar-
terias, e com varios outros ferimentos feilos com
instrumento perfurante no peilo e estomago; ten-
do sido encontrado juno ao'cadver urna taca de
mesa do set vco do mesmo holel ensanguentada, e
um pouco distante um pequeo caivete de folha
larga, instrumentos com os quaes se suppSe ter si-
do effeetuada a morte, ou pormo suicida ou'por
assassina.
< Segundo a exposicao do dono do hotel e dos
hospedes, o infeliz Joaquim Figueira veio para o
hotei a 9 do corrente, pedindo que ninguem dis-
sesse que elle all se achava; soube-se, porm, no
dia seguinte, por um amigo de Figueira, que este
havia-se evadido da casa de sade do Dr. Eiras,
ra da Ajuda, onde eslava em tratamen-.o de va-
rios soffrimentos, entre elles o de allenaco men-
tal. '
* Encontrou-se o cadver sem collete e paleto,
obieclos estes que e3lavam a duas bracas do corpo;
cobrindo urna poca de sangue, e tambem bastante
enjanguentados ; a roupa nao mostrava signal de
lercm sido sobre ella empregados os instrumentos
cora que se praticou a morte. No bolso do paleto
foi encoutrado um relogio e em ootas correles a
quantia de 793^000.
De todas as indiga^oes e syndicancias a que
procedeu-se, reconheceu-se que' o infeliz Joaquim
Aprigio da Silva Figueira poz termo existencia
suicidndose, ao que foi levado talvez por um ac-
cesso de alienacao mental >
17 -
Pelo vapor inglez Ptolemy, entrado hontem do
Rio da Prata, recebemos folhas dalli al 10 do
corrente.
Tinham chegado a Montevideo, procedentes do
Paraguay, com os corpos de voluntarios "que j
relerimos, 17. 40 e 53, os transportes Cuyab,
Galgo e S. Jos. A gente do Cuy aba passou se pa-
ra bordo do Vassinon, e este e os outros dous va-
pores fcavam a partir 12 para Sania Catharina,
ondeos voluntarios deviam desembarcar e refres-
car, aguardando as ortivos do governo imperial
para a sua entrada nesta corte. A brigada com-
posta de 1.200a 1,300 homans vem, como disse-
mos conrmandada pelo coronel Faria Bocha. ci-
ma publicamos urna carta do Rosario, em que se
apontam os muitos e grandes servcos prstalos
por estes tres batalhoes de valents, que se reco-
Ihem agora patria, cuja gratidao mereceram.
Outras noticias do Paraguay nao as ha.
VollanJo a Montevideo, um dos primeiros cui-
dados do ministro do governo, Bustaraanle, foi ac-
cusar criminalmente o Dr. Ramire?, redactor do
Siglo, por um artigo injurioso publicado naquella
folha. O aecusado averbou de su-peito o juiz da 1*
vara crime, peranie o qual fra dada a queixa,
e requereu que o processo passasse para a se-
gunda vara.
- 18-
S. M. o Imperador, acomnanhado de seus sema-
narios, visitou hontem as offleinas de machinas do
arsenal de marraba, e em seguida, embarcando na
galeota imperial, foi ilha das Cobras onde exa-
minou as obra? que all e M. dingindo-se depqjs Ponta da Armacao, pro-
cedeu a minucioso exame no aquartelamento alli
estabeleci lo e regressou ao arsenal de guerra a 1 '/i
hora da tarde.
Por decretos d; iG do corrente :
Foram concedidas as segrales pensos monsaes,
que ficam pendentes de approvacao da as.-embla
geral :
A D. Umbelina Addaide da Silva, mai do tenen-
te do 40 corpo de vduntarios da patria Lenidas
Ignacio da Silva, mort* em combate, a de 2100O.
A D. Maria Amalia cb Barros, viuva do lente
exercito e capitao en cornmusao Candido Ro-
es de Barros, alltcido em consequencia de
liento receido em cmbalo, a de 39000.
D. Innocencia" Leopoldina da Silva Villas-boas,
vffiva do major do 12 batalhao de infantria Gal-
dioo da Silva Villas-boas, morto em combale, a de
424000.
A D. Hermenegilda Bcatiiz de Oliveira, viuva do
tenente-coronel em commissao Antonio Pedro de
Oliveira, morto em combate,a de 48000.
Ao alferes honorario do eiercito Marcelino Ro-
drigues Pereira, invalido em consequencia de con-
tusao recebida em campanha, a de 364000.
Foram coucedidas as honras de conego da ca-
pella imperial aos padres Antorio Marques de Cas-
tilho, vigario collado da treguizia de Santo Anto-
nio da capital da provincia de rernambuco, e De-
metrio Leopoldo Machado, vigaiio encoinmendado
da freguezia de Nossa SenhSra da Conceicao de
Tamy, na diocese de S. Paulo.
Por decreto de 16 do corrente bram concedidas
honras de postos militares do exercito aos indivi-
duos abaixo mencionados em attencao aos rele-
vantes servcos prestidos na guerra contra o go-
verno do Paraguay :
De major: o capitao di 30 corpo de volunta-
rios da patria Marcos da Costa Brito
De capitao : Aos capitaes do 24* corpo de volun-
tarios da patria Antonio Virissmo Ivo de Abrou,'*e
do extineto 33 dito Joao Antonio de Oliveira.
De tenente : Aos lenles do 46- cerpo dito Epi-
phanio de Nossa Senhora da F, e do oV- corpo di-
to Raymundo do Carmo Eerreira Chaves.
De alferes : Aos alferes do 32" corpo dito Joa-
3uira Antonio Mattoso Ferraz, do 33 dito Raymun-
o Braule Freir da Silva, e ao 2o cadete 2 sar-
gento do 16 corpo provisorio de cavallari* da
guarda nacional, Joaquim Leite Soares Pinto.
Por dVreto de 14 do corrente foi aberto um cr-
dito de 2,407:220467. para occorrer as despejas
com a estrada de ferro de D. Redro II, no exerct-
co de 1869 a 1870.
Reuniram-se hontem em assembla geral, a con-
vite do Sr. baro de Mau, os commandilarios da
sociedade bancaria Mau, Mac-Gregor A C, repre-
sentando a grande maioria do fundo social. Apo-
sentado o relatorio e mostrando-se lodos os inte-
ressalos satisfe;tos com a oxposcilo do estado da
sociedade, foi lida e unnimemente approvada a
seguinte proposla :
t Proponho que seja acceita a proposla do br.
tari de Mau contida uo relatorio de 14 do cor-
rente. Sala da sessoes, a 17 de fevereiro de 1870.
Eikin Hirae.Estevao Bu-k & C.
L-se na mesma folha de 16 do correte :
A 13 do corrente falleceu na parochia do
Braz, do termo desta capital, o respeitavel cidadao
Leandro Jos Rodrigues, que deixou livres por
declaraco, testamentaria todos os escravos quo
possuia :
Maria Silveira, Joanna, Gabriella, Josepha e
Esolastica.
E mais ainda, deixoulhes pnrcao de Ierras e
casa para sua residencia, dandc-lhes de tal arte
melos de manutenco na vida social. E' mais um
faci que a provincia deve registrar com honra
O juiz municipal do termo de Itaguahy partici-
pou hontem por om telegramraa expedido pre-
sidencia da provincia do Rio de Janeiro, ter sido
capturado na fazenda do Paiol, naquelle termo o
escravo Emiliano, assassno do D. Josepha de An-
drade Baena.
-23
Do Rio da Prata entrou o panudo inglez Domo
com folhas de Buenos-Ayres ate 15 e Montevideo
17 do crreme.
Nenhuma noticia trazem do Paraguay a nao ser
que conlinuavara os preparativos para acliva_ per-
segnieao de Lpez, que errante e fugitivo nao ti-
nha para leiro ctrio, suppondo-se ainda que tra-
tava de passar o Apa talvez para ganhar a Bo-
livla.
Da repblica Argentina nao ha novidade de
vulto. O presidente Sarmiente, de volta da sua ex
cursao, como noticiamos, reassumio a 14 o exer-
cicio do poder executivo. Tratava-se seriaroen'e
de urna estrada de ferro que ligasse Buenos-Ay-
res repblica do Chile, atravessando os Andes,
projecte gigantesco sem duvida, mas que se espe -
rva ver rea Usado em tempo nao muito remoto.
De ficto a republiea a caminhando abertamente
pela senda do prsgresso.
Em Montevideo abriram-se as cmaras a 13. A
mensagem do presidente nao contm passagem
alguma notavel.
A guerra do Paraguay repete-se como tocando
o sea termo. Diz-se que a repblica est em paz
tanto internamente como com todas as outras po
tencias. Observa-se quo a crise monetaria, que ha
dous annos afflge a repblica, s deixar de con-
tinuar a produzir os seus males se as cmaras
atinarera com os moios de faze-la cessar, e pro-
fnette-se que o governo apresentar sobre este as-
sumpto os sea projectos. Embora se nao declare
explcitamente de que natnreza etes tenham do
ser, o Siglo quer ver ama ameaca de inundaco de
papel-moeda as seguales palavras :
t Pelo mioisterio respectivo vos seri apresen-
tados os projectos que no entender do governo,
dando esperas ao paiz e urna* habilitaco de ca-
pital, o levantem da prostracao a que se v redu-
zido. >
Nao tinha havido ainda julgaraento no processo
que o ministro do governo, Bustamante, fazia ao
redactor do Siglo, D. Carlos Ramrez por crime de
calumnia, havendo o aecusado empregado para
isso alguns meios dilatorios. Entretanto ontinua-
vam os dous contendores e gladiar-se pola im
prensa, publicando folhas solas que depois de es-
palhadas em profusaoahda eram no da seguinte
reproducidas era varios periodos. Nao faliarara
mesmo as demonstracoes populares.
Um ajuntamento calculado em 1,500 pessas,
depois de percorrer as ras da cidade, foi casa
do minisiro, e depois do presidente, manifestar a
sua adhe^ao ao governo.
Os proprietaros do Siglo, recejando algum acto
de violencia contra a sua imprensa,metterara gente
armada em casa. A polica, a titulo de urna de-
nuncia de haver alli um deposito de armamenl >
preparado para urna revolucao, deu busca na ly-
pographia e de fajto aprehendpu algumas armas,
mas em numero tao diminuto que nao podiam ser
destinadas senao a defeza propria.
Com isto tudo andavam tao exaltados os nimos
qu3|>riocipava a receiar se alguma grave per-
turbagao da ordem publica.
L-se no Parahybano de 16 do corrente :
No dia 3 do corrente appareceu morto, de-
haixo da ponte que fica dentro do povoado do Rio
Preto, deste termo, o porluguez Antonio de Olivei-
ra Guimares ; e ha toda, presumpcao quo fosse
um assassinato.
c Segundo seguras informaces que nos deram,
o subdelegado nao procedeu logo a corpo de de-
liet), senJolho ordenado a exhumacao do cadver
lelo digno delegido em exercicio o Sr. alferes Nar-
ciso Jos Stares.
19
S. M. o Imperador, acompanhado de seus sema-
narios, chegou lion'em ao arsenal de marrana s
9 1/2 lloras da manhaa e visitou o quartel dos ar-
tfices menores ra de Braganea.
IHTERIOB.
RIO DE itXEIRO
IttDB FEVEREIRO DE i9fb.
Fallecen hontem, aps longa enfermidade de
qne fra debalde procurar cura a Europa, o vis-
Por decretos de 9 do corrente :
Foram nomeados juzes de direito .
O bacharel Jos Ribeiro de Almeida Santos, da
comarca do Rio-Pardo, na provincia de Minas-
Geraes ; Qcando de nenhum effeito o decreto de 15!
de dezembro ultimo, que o noraeou para a de Je-
quitahy, na mesma provincia..
O bacharel Antonio Carlos Monteiro de Moura,
da referida comarca de Jeqaitahy.
Foi reconduzido o bacharel Julio Augusto da
Silva, no lugar de juiz municipal e de orpnios dos
termos reunidos de Valenca e Jequirica, na pro-
vincia da Baha.
Foi remov lo o joiz municipal e de orphos, ba-
charel Trajano Viriato ds Medeiros, do termo da
Granja, para os de Sobral e Santa Quitea, todos
na provincia do Cear, por assim o haver pedido.
Foram nomeados juizes munielpaes e de or-
phao:
O bacharel Pedro Augusto de Moura Carii, do
termo do Rio Claro, na provincia do Rio de Ja-
neiro. .
0 bacharel Ignacio Ferreira de Almeida Guima-
res, do termo de Piranguy, na provincia de Mi-
nas-Geraes.
O bacharel Manoel Gomes Tolentno, do termo do
Patrocinio, na mesma provincia.
O bacharel Joao Martins Franca, do termo do
Cangussii, na provincia do Rio-Grande do Sul.
O bacharel Gerainiano Brasil de Oliveira Goes,
vezes em rao- dos termos reunidos de Lagarto e Campos, na pro-
vincia de Sergipe.
O bachirel Alfredo Affonso Ferreira, do termo
da Escada, na provincia de Pernambueo.
O bacharel Samuel Henriqne Hardmann, dos
termos reundaa de Maioridade, Porto Alegre e
Pao dos Fermn da provincia do Rio-Grande d)
Norte. ... _,
Foi concedida ao bacharel Luiz Antonio Pires a
demssao qne pedio do lugar de juiz municipal e
de orphaos do termo da Escada, na provincia de
Pernambueo.
Fez-se merc da serventa vitalicia do segrate
offlcio :
todos nos as
De Santa Catharina recebeu-se um telegramma
noticiando terem aUi chegado os transporto* Vas-
simn, Galgo e S. los?, que conduzem a briga-
da de voluntarios, compo-ta do seguinte raedo :
o 17, de Minas, com 34 olliciaes e 460 pracas ; o
40 de Pernambueo, com 37 offlciaes e 457 pra-
cas ; o 53, da Baha, com 36 ofbiaes e 433 pra-
?a.s, ao todo 107 offlciaes e 1,332 pr*cas ou 1,459
homens. _. ,
Suppoe-sequechegarao a este porto segunda-
feira prxima.
21
lAse no Ptndamonha9$abense de 6 do cor-
ren le *.
Ha quarenta dias havia sido mordido em urna
das mos por um cao hydrophobo, segundo basca-
das suspeitas, o Sr. Hay nando Anlonio Fernandes.
A lerida foi profundamente cauterisada, e mar-
hou regularmente para a cicatnsacao, nao lan-
do o doeate se queixado de incommodo algum du
ranle esse lapso de tempo.
No dia 3 do corrente, sentindo Raymundo os
mptomas caractersticos da hydrophobia, veio
para esta cidade, onde chegou s 3 horas da tar
de sendo incontinenti visto pelo nosso dslraeto
mdico o Sr. Dr. Brito que, reconhecendo a mo-
lestia, fez as applicaces, que julgou convenientes,
desengaando o doenle em sua prmeira visila.
Foram laes os progressos da molestia que, doze
horas depois de sua chegada, dava Raymundq a
alma ao Creador, no mei) dos mais crueis e horro-
rosos suffri memos para s o para as pessa3 que o
cercavam. .
( Sendo esta molestia sempre mortal, e nao leu-
do sido at hoje descoberto meio algara medica-
mentoso capaz de supera-la, convm ter a maior
cauella com todos os animaes susceptivei* de se-
ren atacados pela re-iva, especialmente o co.
22
Recebemos folhas da capital e de Santos al 20
do corrente. O Gorreio Paulistano de 15 d > cor-
rente noticia o seguinte
c Foram manuraettdos em saa liberdade, por
sentenca do merilissimo Sr. Dr. juiz municipal des-
ta cidade, a parda Helena e seas cinco filhos me-
nores, Alfredo, Elisa, Laura, Adelade e Florlsa,
que pertenciam ao expolio do negociante prus-
siano Jacob Miehelis, ha poucos dias finado e
como taes haviara sido arrolados pelo juizo de au-
sentes.
i A manumi aaao foi requerida e ventilada em
juizo pelo Sr. Luiz Gama.que como ontras pessoa?
acba-se commissionado pela loja maconici Ameri-
ca de proteger peranie os tnbunaes cansas da-
quella ordem.
c E' mais ara titulo qae realca. 03 nobres e fer-
ventes esforcos daqnella offlcuia no. caminho da
I caridade e philantrophia.
Por decreto de 16 do corrente houve S. M. o Im-
perador por bem : 1
Perdoar a Pumpilio Antonio Palomba a pena de
prso perpetua, qual fra condemnado pelo
jury do termo do Serr, na provincia de Minas-
Geraes.
C imuiutar na pena de gales perpetuas a de mor-
te, imposta aos seguintes reos :
Attilo Francisco Simonelle, pelo jury do referido
termo.
Nicolao, escravo de Antonio Jos Soares, pelo
jury do termo de Sabara, na mesma provincia, de-
vendo cumpnr a pona da coramutacao no presidio
de Fernando de Noronha.
Adao, escravo de Jos Goulart da Silva, pelo
jury do termo de S. Miguel, na provincia de San-
la Catharina.
Jo-, Africano, escravo de Bernardo Gaviao Ri-
beiro & Gaviao, pelo jury do termo de Capivary,
na provincia de S. Paulo.
- 24-
Pelo vapor inglez City of Limerick, entrado hon-
tem do Rio da Prata, recemos folhas de Buenos-
Avres e Montevideo at 17 c 18 do corrente.
'Relativamente ao Paraguay o Sr. Carvalho Bor-
ges, ministro residente do Brasil em Buenos-Ay-
res, remetteu ao Sr. ministro da guerra o segua
te telegramma que recebera do Sr. conselheiro Pa-
ranhos :
t Assumpcao, 9 de fevereiro de 1870.Cir-
cula noticia da fuga de Lpez com destino a Bo-
livia.
Nao tenho communicacao de Sua Alteza a
este respeito. O que consta de positivo o se-
guinte :
O general Cmara adquiri conviccao de que
o ex-dictador vai era faga com dreccao ao nosso
districto de Miranda.
Conseqnentcmente, anticipando o seu novo
plano de operaces, pr-se-ha em marcha ama-
nhaa, 10 do corrente, dirigndo-se nossa colonia
dos Dourado-, com o fim de cortar a retirada ao
inirago.
t Outra parte de suas forcas, sob oeommando do
coronel Paranuos, pr-se-ha enflparcha no dia 15
com dreccao aos campos Chingelo, com o fim de
rperenir o caso de que o inimgo contramarcha ao
verse perseguido pelo general Cmara.
Parece que o marechal Victorino tambem em-
p re hendera alguma operacao de accordo cora
aquelle plano do general Cmara. A nosga gente
da Conceicao esta va muito animada e com a espe-
ranea de alcancar o fugitivo, ou faz-lo deixar es-
tas regies.
As folhas do Rio da Prata publicara algumas
correspondencias de Assumpcao com estas mesraas
noticias.
'ama dirigida a Nacin de Buenos-Ayresr
l-se :
A Nacin Argentina, em urna corresponden-
cia da ultima hora, eom data de 9 de fevereiro,
da Assumpcao, publica o seguinte, que o mais
positivo pue encontramos a respeito da noticia do
Paraguay nos jornaes que recebemos:
t Ha parles do general Cmara, e noticias tra-
zidas pelo Sr. Carneiro, que acaba de chegar aa
Concento.
t No da, 6 o general Cmara adiantou t,ow
rezes na dreccao em que pretende seguir a mar-
cha. ,. 0 .
No dia 7 fez marchar as forcas e no da 8 al-
cancoa as. ,
Cantara participa ter conhecimento exacto ae
tado o que se passa entre o niratao, e do caminho
seguido o que se passa entre o Inimgo, c do ca-
l raiaho seguido por Lpez, que se dirige aos Doa-
fados, como tinha as-egurado antes, dovendo pau-
sar o rio Apa por Bella-vista. A causa de nao ter
ainda chegado ao Apa ter de fazer a sua marcha
por caminhos pessimos e a p, nao se contando em
todas as fon-as paraguayas mais de 4 cavados, in-
clusive os de Lpez.
O general Cmara estabelecer a saa base d.*
operaces era Bella-vista (ro Apa) e perseguir.
Lpez at Doorado, 30 leguas mais adianto eco-
mo deve effectuar a sua marcha por ootro cami -
nho melhor do que o quo Lpez segu, er poder
alcanca-lo jjf"
Dos Donrados para litante ha um caminhw-
vamente aberto que vai Bilivia e no qtfiMB en-
corara bstame gado que pode ser guiado e guar-
dado por gente de p, porque a isso est acostu-
mado.
< O general Cmara confirma por lira a noticia
de estar completamente terminada a guerra, em
consequeneia de ser summamente insignificante o
numero da forca que fuge com Lpez em completa
desmoralisacao. *
Da repblica argentina nio ha noticias de impor-
tancia.
Em Montevideo toma va o governo medidas enr-
gicas para reprimir urna revolucao de que se arre-
ceiava. Por isso mandn prender no da 17 aos
Srs. Jos Pedro Ramrez, Carlos Maria Ramrez e
Julio Herrera y Obes. director e redactores do S-
gto; Jos Pedro Varella, director do jornal la Paz :
lo<6 M. Manten, colaborador deste diario, Joao A.
Ramirez, secretario da junta econmica adrarais -
irativa.
O ex-chefe poltico de Canelones Feliciano Vidal
escapou de ter a mesma'sorte porque apressou-se a
sahir da capital.
Outros cstao indignados como cmplices e de-
vora tambem ser presos. O proprio ex-mniatro
da guerra, coronel Rehallo, foi chamado i casado
governo para ser admoesiado por saberse qne es-
tava com os conservadores.
O Siglo publlcou um artigo no dia 18, assignado
pelo gerente, declarando que suspenda toda e
qualquer discussao poltica por hora.
C insta qae a lista dos indigitados de 37 ; des-
tes j 11 esto presos.
Por va de Montevideo recebemos folhas do Rio
Grande do Sul at 12 do corrente.
No dia 8 chegou aquelle porto o vapor Presiden-
te, conduzindo os cascos dos corpos 4 e 5 de ca-
ladores a cavall, sob o commando do tenente-co-
ronel Brilhante. Foram recebides cora grande en-
thusiasmo pela populacao, e seguirm para a ca-
pital da provincia.
A 5 Tora collocada a prmeira pedra para o caes
da alfandega da cidade do Rio Grande.
Por decreto n. 4,479 de 28 do corrente foi con-
cedido a Ulvs>es Humberl Ramos privilegio por 40
annos para fabricar e vender no imperio os relo-
5ios que declaren ter inventado, e que deoomioa
e coi da invisivel com systema de agulhas c me-
chanismo de acertar.
Por decreto n. 4,480 da mesma data foi alterado
o de n. 3,715 do 6 de outubro de 1866, sobre a per-
missao concedida a James Johnson e outro para
a lavra da miua de carvio de pedra do arroio dos
Ratos.
Por decreto n. 4,481 do mesma data foi prolo-
gado por 5 annos o prazo do privilegio concedido
a Jos Porfirio de Lima e Theophilo Duluc para
usaran do systema de calcamento denominado
Seyselito ferruginoso comprimi!).
Por decret de 23 do corrente S. M. o Impera-
dor houve per bem conceder honras do posto de
brigadeiro do exercito ao coronel Francisco Vieira
de Par Bocha ; de coronel ao coronel a comissao
Alexandre de Barros Vasconcellos.ede tenente-co-
ronel ao tenente-coronel de commissao Jos Mara
Borges.
Por decreto de 21 do corrente foi nomeado o
bacharel Joao Cardoso de Menezes ^Soaza, para o
lugar de director geral do contencioso do thesouro
nacional. ^^__^_^_
OlftBIO DE PERNAMBUCO
RECIFE, 2 DE MARCO DE 1870.
Milicias do sul do Imperio.
Chpgou hontem pela manhaa o vapor inglez
Doiiro, trazendo datas do Rio de Janeiro at 24 e
da Bahia at 27 do passado.
Sob as rubricas Parle Official, Interior e Exte-
rior vao per extenso as noticias mais importantes,
alem das quaes apenas encontramos nes jornaes
as que segueni.
GOYAZ.
A cmara municip?! da capital, em sessao
de 28 de Janeiro, resolveu felicitar o providente da
provincia no comeco do anno, o que foi reahsado,
assignando a mensagem de felicitacao todos os ve-
readorrs. Nesse documento compendiou a cma-
ra todos os servcos feitos pelo presidente pro-
vincia de Goyaz.
s. PAULO.
Alcancam a 13 do passado as datas desta
provincia.
Funccionava a assembla provincial, onde se
discutiam varios projectos sobre estrrdas dr
ferro. .
Em alguns municipios os lavradores tmbam lei-
to reunies jom o fim de consideraren! nos meio?
de prolongar-se a via frrea. Ao Correio Paulis-
tan Aproveito a occasio j)ara notlciar-lhe urna
grande mudanca na opiniao publica. A* frieza
succedeu ara grande enthusiasmo pela idea de
proloDgar-se a estrada do ferro de Campias eRio
Claro. S se falla no grande numero de acues
3ue toma este ou aquelle. Pelos clculos, tirados
a conversacao com pessoas importantes desta ci-
dade, podem aqai, assigoar amas 9,000 accoes.
que, juntos as de Limeira, Capella do Patrocinio.
Bethlem, S. Carlos. Brotas, Jahu, etc., etc., pro
vavel que seja mais que sufflcleote para formar
um capital capaz de realisar a estrada de
ferrro.
t Se isto est assim bem disposto, quanfo maior
nao ser o enthusiasmo se o presidente aqu vier,
e souber fazer o enthusiasmo que excilou ern
lt ? O baro de Araquara convidou pessoas dis-
tinctas desta, e das localidades virJnhas, para ama
raunio em saa casa no dia 20 deste, aura de leva-
rtm avante lio til idea. Consto que nesta rea-
nio se pretende convidar o Exm. presidente da
provincia para que venha auxiliar-nos. Elle qua
nio ebstou em caminhar para lt, e qne se aeha
animado dos raelhores desejos, por eerto nao dei-
xar escapar mais este florao para sua cora do
beneficios feitos esta provincia.
t Todos por estes lados bem dirao seu nome,reu-
nir-se-bao em torno delle, sem distinecan de parti-
do como em Itu, para tomar urna realidade em-
preza de estrada de ferro de Campias e Rio Claro
per Limeira. _
c Pelos clculos, Limeira, Capella do Patrocinio
e Rio Claro, exportam por anno um milhao e Pre-
sentas mil arrobas de cal; e hade exportar mati
em breve, porque ha muitos cafezaea novo.
RIO DE JANF-rRO.
Eserevem de Campos ao Jornal do "-
mercio : !
Foi assassinado por um seo eacravo
proprietario o fazendeiro Miguel Jos
l Conteiro. -

y-
o neo
Ferreini



KarU de Pernatobuoo Ouarta feira 2 de Mar<# de 1870.
t O Monitor Campista'notic'n assim este assas-
sioalo:
Sabemos que indo o infeliz assassinado de
urna su? faiend ein Cacimbas para a serrana
que tinha etu uuira fazenda, lamben) sua, aquelle
seu esrravo que premeditadamente fugira daFa-
zend.i-Crande, margem do rio Parahvba* (p^s-
sesso do mesiassinadn), informando-se do
que lhe convinha sabir, pr curou eocontrar-se
com seu senhor, o'quo effeeluuu na estrada de
Marcos Porto; estranhando este v-lo lao longo de
onde o uppnha, depjis de pergunlar-lhe a que
viera, ao quoj esc.avo respouderia, de certo, ein
terina* do satufazer a perguota, mandou-lba que
inmediatamente fosae para a fazenda d'onde rie-
ra : a dando de ri dea ao cavado, quande o escra
volhe atiru, a Ira icio, mna formidavel pancada
na parte posterior da cabera com um pao qae
affcicoara para esse fin; e como cahjsso do ca-
vallo, atordoa jo por effeito di: lao brutal pancada,
o malvado, armando-^ com urna fana, lhe rasgou
cruelmente o corpo, a;abaudo a-sini a vida ao
misero senhor.
O assassino foi preso e recolbido a cadeia de
S. Joao da Barra.
I'r .rediu-sc na provincia a eleicao de depu-
lados a a-sombia respectiva.
Pelo 3 ditlrirto foram eleilos; Sayao Lobato
Sobrinlio, Honorio Blitao, Neves Lelo, Candi"'
Borg.-s. Romardino A. Machado, Souza Lopes,. D
quo-lMrada Teixeira, J. N. Ca-ttioto, Marinho da
tAioh:', Lopes da Corta, Monteen da Luz, A. Au
gusto Ribeiro de Almeida, Vleira Souto, L. J. G.
ds Mello JJattns, o padre Luiz Alves dos Santos.
los outros dlstrictos nao havia resultado defi-
nitivo.
De um mappa demonstraiivo do movimento
da Caixa.Economica oxtraliimos o seguale:
No segundo semestre de 1869 abriram-se :l,i8
coalas ; elfeitiuarani-so 31.951 entradas de dnih.i-
ro, sendo 3,283 entrada* de 1-3 a 3; 2,lift ditas
deC a lOi; 717 ditas de I a Vil; 1,86 tas
dolG20; 717 dilas de zl a 2o ; 1,403 di-
las de 26 a 304 ; balitas Je 3l a 3o ; 927
la* de 3 a40; 21 i ditas de il a io ;
20,220 oias de 4l> a 50 J. Importaram estas en-
tradas en 1,2u3:lO, ipie junios ao saldo do se
mesire anterior, 3,161:8134990 e aos juros venci-
dos no eguu.lo semestre Je 1869, elevaram a
rehila a4,4oi:3H287.
As onias salda-las no mesmo semestre foram
en n.i o-sro lo 2 10 i. A-i retira las ds depsitos
1 impo.-uram om 973:Oil8y.
Paswam para o auno crrenlo 16,318 contas
na importancia do 3,491 :IH9fii38, assim distribui-
da: iiollwsouro n.irional 3,450:021*793, no Monte
do Soccorro 41:27i*643,#
Eis as noticia; commerciaes da ultima dala
(23):
IniJuindo iransaceoes ein cambio effeetnadas
hoje, regulares sobro Londres a 19 3/4 e 19 7-8 d
p*|K>l b.incario, o a 20 e 20 1/8 d. papel par icular
o. insignificantes sobro Franca a 4*0 e 482 rs. por
franco, sommain os saques para o paquete inglez
h i a i o :
Sobre Londres crea de 290,000 19 3/4 e
19.7/8 i. papel bancal io, e 19. 7/8, 20 e 20 1,8 d.
pape! particular.
Sobre franca croa de francos 1,860,000 aos
estreios da 472 a 483 rs. por-fr.
S ibrd 11 a nbnrgo cerca do II 60,000 a 888 e
89U r* por B
Sobre Lisboa e Pono vigorou o premio da
'ab.ia que demos na nossallevistado hon-
teni.
Seociarun-se hoje 5,000 sobrano3 a.....
Vendaran) se tambeni boje varios lotes de
apolices graes de 6 /o a 81 3/4 e 82 0; l'K)
accw do banco do Brasil a 159 a dinueiro, 200
ditas a ICO*" para I de marca prximo, 150 ditas
ao mesmo precj >.
De 6 a 23 do correrte exportaran)-se as
s giinle somma- :
Ein ouro. 671:904*700
prata. 12:1834000
bfero. 1. 004000
papel. 1,276:9850000
Seu 11 esta exportado para o llio da Prata, Eu-
ropa, e provincias tu iiuptirio.
A alfaudega da corlo rondeu de 1 a 23 do
paasado l,52i:6938?8.
Saliiram para Pornambico : a 16. brigue
nortc-alUiiiaoCo/ir/Vc; a 17,barca rasaa Atlanta;
e a 19, brigue oriental Adelaide.
A presidencia da Drovio/ia uonieou vice-diree-
!>r o ri-'t.in i gitratda instruccao pnblioaaos
irs. Ssbjstiio Pial, ,|,. Car rain i c Ant- nio fiarci.
I'aeiieeo raudo.
Xodi 6 i-. i mi JS jotfuaa prepralo-
Ja aateawia provincial.
A cmara municipal da capital publicou a
Boffamteproslam.eiu :
A cmara uiunieip.il d'osta leal e vabtrosa
Babia de tojos os Santos a
do o autor do crime, Fellppclfory do Sant'ABna,
fui elle recolhido cadeia da cvilade de Maragogi-
pe, e se lhe inslaiirou proce^so.
O cambio regulava ? sobre Londres 1% a 21
1/2 d., sobr; Paris 46"i a 470 rs., sobte Hamburgo
880 rs., e sobre Portugal a 168-/-
O descont regnUvade 12a 15*"/ nos ban-
cos e pailieulares.
Sahirain para Peraambuco, a 24 do passado,
o patacho inglez Qr.pray, o o brigue brasiieiro -Wn-
i-hiAo III.
PERNAMBUCO.
o on
REVISTA DIARIA.
MINISTERIO DA FAZENDA.Por aviso de 17
de Janeiro foi communic\do ao presidente de Per-
nambuco, que o tribunal do tnesouro deferio q re-
curso interposto por Jos Manoel do Araujo 4
Innao e Jo> Antonio de Araujo, da decisio da
dita thesouraria, confirmatoria da da respectiva
alfandega que negou-lhes a isencSo de dircitos do
expediente para o algodo procedenie das Alagas;
e ordenando quo reslitua aos recorrentes o que
pagaran por 1234 saceos do referido geuero,
nanto, segundo a orfcom n. 590 de 20 de#e-
bro de I86 e consulta do conselho de esla4<>
de 10 de nvembro d > citado anno, estava tal
mercad iia Uenta daqaellej dwreitos, como foi
considerada na aliaudeg i deila corte, pola portara
de 19 de juuho de 1863, e.n virlde d 3.", excepco' 6.a do regulamento das alfandegas,
que comprehende o presente caso.
MINISTERIO DA GUERHA.-En 14 de Janeiro
foi expelida un circular as presidencias das
provincias, exigindo coin urgencia relaces dos
voluntarios di patria vindos de cida urna d.i-
mesmas; d >s guardas naciooaes, nao so equipi-
radoa aos io- voluntario!), cmn dos que vieram
forjados a servir no exerciio; do< guardas poli-
eiaes que tamben) vieram com > voluntarios; d s
recruus para o exerciio, e, finalmente, dos
libertos o substituios, a coular lulo di principio
da guerra actual; e determinando que laes rela-
ces sejaai n minaes e com declaracao do anno, e,
se possivel for dos inezes eni que os riiesmos
vieram.
MINISTEUIO DA AGRICULTRA.-Em H, 14
e 16 de feveiviro foram expedidos avisos :
Ao presidente de Pernamhuco, aecusando o re-
cebimenlo do seu oflcio do 2) Jo prximo passado
o do relalorio do cogeoheiro fiscal da estrada de
ferro da mesma provincia, citc-*.rnenle a.s traba
Ihos do mez Je dezcnibro, e requisiian io do (nes-
mo enjjenlieiro informac"ies precisas solire as es-
taco 's da estrada do ferro que carecem de raolho-
ramentos e sobro a naturea de;tes; alim de re-
solver como mais conveniente f >r.
Aq ministerio da fazeada, communicando que
presidencia de Pernambuco se expede ordem para
na eonfiirmida-le da inf irmacao do director geral
dos cirrei^is. mandar proceder tomada de eonta-
ao almini-ti.i lur aposentado do correio de Per-
nambueo Domingos dos Passos Miranda pelos do-
cumentos que l'orem apresentados respectiva
tbes iiirar.a da faz.mda, e lazar cffeclivaa respon-
asbJidado de quaesqner empregados da adminis-
trarao do referido correio que hajajn prevaricado.
Que era lodo o camlnho ha um t rio, o
Aguarahy, sobre o qual izeram ponte* para pas-
Que as desercoes sao diariamente e em nu-
mero consideravel.
Que a mai de Lpez est presa e em
adiarte.
Que Venancio Lope lamben) est preso e
nao pode viver milito tempo pelos mos tratos
que tem soffndo.
Que o pai do tenerte coronel Gamillo csj
preso, e que a mai e innao fogiram para c exejk
cito brasiieiro. ^
Dizque vaqueano somonte dos< lugares por
onde andou.
Nada mais disse.
t Reparticao do deputado do ajudaplc '-eneral
junto ao commandoem chufe, quartel general no
Rosario 28 de Janeiro de 1870. En, tenerte An-
tonio Raymundo Miranda de Carvalho que o es-
orevi
TUEATRO DA GUERRA E VOLUXTARJOS.-
Felizmente j se vai rerifiildo a retirada de nosso
exerciio dos campos onde se desenvolrcu a nefasta
guerra ao snl do imperio. No da, V do passado
chegaram ao Rio de Janeiro os primeuoa bata-
IhSes de volunlarios d'annella procedencia, e no
di 23 daram sua entrada solo nae na corte, 0
meio do mais vivo cathusiasmo.
Sendo um
d'csta pro vi n
fe lejos condignos desse punbado tartos louros conquistou para sua patria, dndo-
se lhe as.im urna inequvoca pro va do alto preco
em que os tem Pernambuco, seu feliz berco naul.
A respeito da entrada d'esses corpas de volunta-
tari >i, en on'.ramos n> Jorn:i do Connercio o se-
guinto :
Hontem (22) s 10 horas da manhaa entraran)
nossa barra os transporte^ S. Jo VassimoiLe
Galgo, conduzin lo os tres batalhoes db voluntarios
esperados. Ao passarom pela fortaleza de Santa
Cruz, den esta urna salva de 21 tiros.
S. M. o Imperad >r, aconpauhado de eus se-
manarios, embareou as II horas na galeota upfc-
rial e foi visitar aquelles transportes. Depols se-
guio na mesma galeota pan a Assumpeo, e all
assistio ao desembarque e aquartelanenl do batai
Ihao de Pernambuco. Em seguida 5ua Magiistadf
dirigio-se para S. Christovo, e tantem all assis-
tio ao aquarlclamento dos balalhes da Rabia e
Minas, que Se recolheram ao:estaiilecim:uto ou-
tr'ora denominado Corlme.
Seguido nos foi communisad) pala secrelaria
ARCEBISPO DA BAHIA.-Deve seguir para a
Enropa, bordo do vapor francez Uruguay, que
deve tocar em nosso porto de 8 a II do correrte,
o Exm. e Rvm. Sr. conde de S. Salvador, primaz
da igreja brasileira, allm de tomar parto nos tra-
balhos do concilio ecumnico.
ALFANDEGA.Esta reparticao arrecadon no
mez de fevereiro a quantia de 932:2164016.
IMPOSTO MUNICIPAL.-,!? no correrte mez que
deve ser pago o imposto municipal sobre os esta-
betecimenlos de porta abena.
FERNANDO DE NORONHA.-Segue para este
presidio, no dia 5 do correle, o vapor Coruripe,
da compaobia Pernambucaua.
DINHEIRO.O vapor DonnArouxe as seguin-
tes quantias para os Srs.:
J. Carrre. 110 4005000
Pereira, Carneiro 4 C. 65:000*000
Oliveira Filhos 4 C. 38:000*000
J. da S. Loyo, Filho & C. 30i0n0000
Bailar, Oliveira & C. 15:000*000
Tasso Irmaos. 5:000400n
Monte! ro, Gregorio & C. 200 &
Sahidos para a Europa, no vapor Douro :
Anna Anglica, George W. Elliot, Antonio In-
acencio Cantsano, Nicola Crispino, Innocencio
Dmenico, Jos Rodrigues Ferraz, ManoeK Antonio
uq conta corrente bi
>aea
n dos batalhoes viudos do Paniguav" da ^EbJ08* arlmf Sv*' JeInymo Fran:
beta, faz-se mister qn. so preparen. *" Fere,,ri. Manoel Francisco Ferr.ra, Jos
.dignos desse punbado l bravos que "orftfs Pacieco- J:'i. V!"'" Gaspar, Anton.o A.
Coeiho de Lemos, Antonio Henrique Rodrigues e
sua senhora.
ci de 18 de setembro do anno passado, relativa
mente ao pedido feito por Pedro Vllete Fdh >,
pira lhe seiem restituidos nns terrenos concedi-
dos em 1882, na estrada da Braganea, a ex-praca
do exerciio, allegando acharen) se elle* incluidos
nos fundos de ierras que adquirir por compra ;
declarou-so que nao se tornada lolher ao inicies
sado os matoa de legitima nenie defender os seas
direilos convm, como propoe o conselheiro pro-
procurador di corta no parecer junio por copia,
mandar suspender o procosso das medices, e
ordeuar ao juiz commissario daqueile" muni-
cipio, que intime tao (nencinnaiM Vllete Filtra
liara, em um praso rasoavel exibir os sus ttulos
de aforantonta das trras questionadas, certo de
que nao of.izeudo, proseguirn as roloriJas medi-
cos embora use do recursos estabelecidos admi
iiistralivaunute ou peranto o poder judiciario.
Ao director peral dos correios para intimar a
compaobia brasileira de paquetes a vapor, a lint
de recolher ao thesouro pnolico nacional, dentro
lo Brazo do 10 dias. contados da data da intima
cao, a quantia de i 10:87.'i47o0, importancia dos
lacros liquidas excedentes do dividendo da 12 /0
distribuido aos accionistas no auno de 1863 o asr-
tencenles n oslada na forma do an. 13 do can-
tracto de 17 de dozembro de 185^, nos termos do
'aviso nosta data espedido ao ministerio da fa-
zenda.
eidado lo Salvador
eusmunici|i-1;
RauMiios O governo da provincia nos d a
noticia dr. prxima volta ao seio da patria
i> parte d'essa pbajog de hroes qae suf-
voluokiria aos reclamos de nossa bohml sobar-
do c i-aieueiraoionte enda peio dspota do Pa-
ra:: iav.
- Apiii a heroica resipaa^ao era atroces solfri-
is aaquelle paiz inhspito e selvagem, o>
; bravos com o valor indomavel do soldado
tnol deixam vingada a honra de nossa han
, o anda mais porn sublime abnegacao, S3l-
reataseaparsosda pieile povo infeliz, dei
i Qrmaja sua naei.ma.lid ole que o dspota
proonrava anulquillar nos recessis das
'-, para onde foge agora espavorido sem
ii-.'..
rio da gloria que suas cicalrizes altcsiam,
eile.i vem restituir .i patria seus invictos estandar-
tes cni testeiiMiobo da heroica bravura com quo os
- nio. rain rlefender no ar limento das refregas com
u:n poro allucmada por s.niguin:irio fanatismo.
Ci.npatriotas I A cmara n.unicipal nao pre
lealcdlfpjrtar o #bsso u coafceeinienlo qae todos devenios ao incitamanki
y.duntario e patritico com que os nossos bravos
irmaos omprehendenua e sustenta rain as glorias
do uossa provincia, e o polec o, renome do impe-
rio ante a pnilosophia e emlisacao do seculo.
Sim.A muoicipalidade dest-ja aci.mpauliar-vos
as demonstrares de ragosijo publico, associan-
do so comvosco na illumioacio geral de toda a ci-
dade, no ornato das casas por onde fr designada
peto governo a estrada triuuiphaJ, no e^pargnuenio
de llores e sandaces patriticas, e em todas as
effuses de coracao que o pstriolismo disperta
com o icntimento.ito or.4iu, e que a propria gran-
deza da cansa nos inspira.
Abracemos em nosso jubilo esses primejros
dos nossos bravo> que voltam a patria, elevando
ni nosso fevor patritico as saudacoes quo me-
recen).
Vivara os v.Junlarios da Patria I
* Paco-la munieipalidada da Babia, 2o de le-
v. rciro de 1870 Jos de Barros Res Dr. Eloy
Jos Jor.-ie.Antonio Dias de Magalhes.Manoel
in-i(far.'ia. Raymundo Francisco da MaceJo
Magar.u).
A sociedade Caminereio elegeu a sua nova
dirotoiia,que ticou asrtim coinuosla :
Mesa.
Presidente.Gabriel Ozono de Barros.
'i Vice-presidpoieManual Fiancifcode Anei~j
Secrelartoa-Js da Silva Bastos Jos Ra-
dngues de Larvalba
OMMaiseo de cortan.
MINISTERIO DOiESTRANGEIR03. Pelo de-
creto n. 4473 de 10 de fevereiro ultimo foi pro-
mulgada a convenoo celebrada em 16 de maio
iie 1864 entre .i Brasil e outras naeOes, para o es-
CHRONICA JDMARIA.
TKIIII VAL D.4 IIS'I. \<; iO.
SESSO EM 26 DE FEVEREIRO DE 1870
PRESIDESCIA DO EXM. SR. C0.NSKLHE1H0 CA.ETAWC
SANTIAGO.
As 10 horas da manha, presentes os Srs. d
bargadores Gitirana, Guerra procurador da co
lOurenco Santiago, Almeida Albuquerque, Motta,
Assis, Domingues da Silva.Regueira Costa e Souza
Leao, abri se a sessao.*'
Passados os feltos, dera:n-so os seguintes julga-
mentos :
Recursos crimks.Reccorreate, o juizo; reccor-
rida, Isabel Mara.Relator o Sr. desombargador
\-sis, sorteados os Srs. deserabargadores Regueira
Costa, Souza Leao e Lourenjo Sanli||0.Improce-
dente Rcccorrente, o juizo^reccorrid, Agosli-
nbo Francisco de Moraes.Rmator o Sr. desem-
bargador Assis, sorteados osSrs.desembargadores
Domingos da Silva, Almeida Albuquerque.Im-
procedente. Reccorrcnte.ojuizo; reccorrido, Jos
Joaquim Marianno.Relator o Sr. desombargador
Souza Leao, sorteados os Srs. desemb rga lores
Almeida Albuquerque, Molla e Gitirana.Impro-
cedente.
Appei.l.vq5es civeis.Appellante, o curador da
massa de Amaro Goncalves; appellado, Manoel
Joaquim Baptista.Confirmada a sentenca. Ap-
pella te, Antonio Ferreira da SJva; appellado,
Manoel Dotra de Souza Dasprezaram os en)bar
gos. Appellante, Antonio Fernandos Ribeiro; ap-
pellados, os herdeiros do Manoel Rufino de Olivei
raConfirmada a sentenca. Appellante, Jos An
ionio de OliVfra; appellado, Franceuro Laurenti-
nodo Bomfim.Ile-eberam os embargos Apnl-
lante, JosTeweira Machado ; appellado, Joo Luiz
de Vasconcellos.Confirmada a sentenca Appel-
lante, Jos Barbosa de Moraes; appellado, Joao
Jos Rezerra da Meoczes.Annullaram o procos
so. Appellante, Jos Samico; appellado, Pedro da
Costa e Silva.Receberam os embargos. Appel-
lante, Jos de Souza Nunes Braga; apprilados,
Francisco Gonf;alos Serano e outr .Reforma la
a senlenca. Appellante, bacharel Rento Jos da
Cosa; appellada, a irmandade de Saot'An-
a.Bespresaam os embargos. Appellante, Anto-
nio Ferretea Lima; appellado, Manoel Ferreira
dos Alijos Civ.iic.inte. Confirmada a senten-
ca. Appellante, Carlos H dms ; appeliaJo, Man iel
Marques de Oliveira.Confirmada a sentenca. Ap-
pellante, Man iel Florentino dos Santos; appellado,
Bartholomeu Bran lao Sbral.Confirmada a sen
'enea. Appoll me, r'elfciana Maria Olympia ;,ap-
pellado, Jos Ferreira Co.lio.Reformada a sen-
tenga. Appellaule, Manoel Alves Maciel; appolla
do, Luiz Francisco Barbosa Caruan.Reformada
a seateoca. Appellante, Manoel de Azi ved.) Pjn-
les: appellado, Joao de Deus Guimares. -Con ir
mada a senienga. Appellante. Francisco JosLei
te; apllalo, Joo Baptista Gunes Pen'.a.D-s-
loado encalhado. em cansequencia -la vasan- ( presados es embargos. Appallantes, Joo Baptista
te. o< vapores que transportavam de S. Chns'.ovS i u...*-;
da guerra, o desembarque dos valunlarios no ar-
senal de inarinln, a execug) do programma
que publicamos, lera lugar luje, s 4 horas da
tarde, se o tempo o permillir.
Hotitem (23) tarde teve lugar, na forma do
programma que publicamos, a entrada solemne
na cidade do 1" coiitin.c' nte de voluntarios da
patria, qae regressaram do tleatio do truena.
Afin de receber de modo digno os ravesque
com lanto donodo e abncacao sustentaram a
honra do paiz nossa porliosa campanha, que feliz-
mente toca ao seu termo, acapital vestio galas,
edibios pblicos e prticuhre< enfeitaram-se o
bandeiras, c ilchas, llores e folhagem.
t Entre outros distingua-?e o arsenal do-mari-
nha, queseachava ornad com elegancia. Difron-
- '1 nl|,P')^^t5', levanlava'ie un a/c de triompho,
Ao presidente do Para, ein sol cao ao seo offi- ",. J i eS anter,jre PMtonor navia calos
"IR*
ub
do anno paasado. constando-rae ua V ma llahia
Pedro Brralo de Mello Reg, miiife '
ista* intentava a pedid
HgiPm, pan seas fins\ requerer a minna re-
mocao ; dei-ma pressa ein dir gir-lhe urna carta
por um proario, preveoindo-p para nao io>aar
parte ne-se negocio ; assim como offlciei ao Exm
Sr. presidente-da provincia e ao II Im. Sr. director
geral da instruccao publica, participando Ib s o
qire havia relativamente quelle ardil, armado
contra mim por algum patoteiro ; advertindo, po-
rm, quo presumo ter-se Iludido a boa l do Sr.
Mello Reg, de quem faco melhor conceito : en-
tretanto, por mais seguranca e para evitar se du-
vidas, pon nao pedi nem quero remo?o para esse
ou aquelle lugar, e se a pretender, sei requerer e
empelharine eu proprio per oulros canaes re-
solv dar ao prelo a integra dos mencionados offl-
cios; os quaes, bem como a caria, foram entre-
gues s dita? pessoas, e pouco depjis um amigo,
hninem dislinclo por sua illustracao, arobidade e
alta pos^o social, tive occasio de relatar-lhes o
que occorrra acerca de lao indecoroso manejo.
Vertentes, 2i de evereiro de 1870.
Manoel Joaquim Xavier Ribeiro.
a praso sobre as cidades
a. tem crrespondeDlea
eoos-Ayres, Martevido, New-
^ New-Orleaos, e emitte cartas de crdito^
1 para os mesraos lugares.
RA DO COMMERCIO N. 3-
OfHco.Vertentes; 3 de julho d 1869.Illm. e
Exm. Sr.Corre-me o dever de levar ao alto co-
nhecimeento de v. Rxc, ,|Ue> so lhe for apresen
tada alguma peticao solicitando a minha remojao
d'esta para outra tadeira, nao a delira, pois nao
acto meu.
Con^ta-me que por intermedio do Sr. Joaquim
Pedro Brrelo de Mello Reg, a quem nao conheco
e com quem nunca live relac5es, se promove esse
negocio. Neste momento dirijo-me a elle declaran-
do-lhe quo nao se envolva nisso o que participo
V. Exc. para sua intelligencia, e com todo o em-
|H>nho peco V. Exc se digne dar as providencias
que o caso exige. Igual particpaco faco Desta
date ao director geral da instruccao publica.
Deu3 guarde V. ExcIllm. e Exm. Sr. pre-
sidente d'esta provincia.O profewor publico,
Manoel Joaquim Xavier Ribeiro.
onde se lia
.4 patria aijiadecidn
A's phalangts victoriosa*.
Va frente -lo arce lia-se o distilo :
Viva S. M. o Imp radar do Brasil'.
' De nm e oulro Indo do arco seguiam-sc em li-
nha vinte e ofto col.wwas, sobre cada urna das
quaes deseanava una espliera armillar com o no-
me de urna das provinjjas do Imperio. Na base das
columnas octava* trerjptas datas memorareis
d'esta guerra e nones dos bracos que noli i I n
distinguido.
O arco e o jardim c-tavam brilhantemente
Iluminados a gaz.
Formavam guarda de hoara porta do arse-
nal os invalidorda patria e dentro do pateo n
duas companhiis de aprendzes e o batalno
naval.
S. M: o Imperador, o ministerio, a ofliciada-
de do exerciio, da mannha e d_a guarda nacional,
e grande numero de cidadaos csperava'nmo arse-
nal de mannha os bravos voluntarios.
Os navios le guerra surtos no portoesveram
embanleira los em arcos durarte todo o da.
n Commendadorcs Antonio Franefsco de Laeer-
da, los Lopes da'Sirva Lima, ManovUis Bastos.
A canhoneira rnssa .Itmom, segnira para o
lito da Prata.
- O vaflur francez .litiiii, da linha de Bordeara,
guio da Rabia para Marsema em drteiluf*.
-*4*m no Jornal: pora ir a Sern-Cnra, hnMo n'p'aaM anSrafcv,
No Astricto de Rom Jasas, t^rmo de Caetit, aqne-para alli chocar tevt de^nassar urna niead
i)., da 4 de iont prximo pa-ado. |>elas 4 lio- <1 tres kgaas. ^^ p
i tarde >i m-irlo em acto dio resistencia a D Agaaraby para Serro-Gor-eshae-nmani-
pn-io. ocmnmaso Jos Anfoiiw Dias. o subirte"} da de legua c raeia que tai sabir m Mftn-
pectivo juiz moni- IDassii.
UbaMcimenio da linha leleRrvphica transatlanlica,
de que empresario Pier Alberto Balosirini, e o
acto de aceeitaeru da respectiva acces da Dinamarca.
PARAGUAY.Damos em seguida diversos in-
terro^atorio? retios a prisioneiros pa'ragunyas :
luleriogaiono feito ao paragua\o Firmino' Melga-
rejo praticante de cirur^ia, o dia lo ti.e Janeiro
de 1870 em Taeuaty.
Declara que a;hava-se emoregado no hospital
do Panadero, donde parti ha seis das cora desu-
no a este porto. Ne*e dia tinha partido daqueH-
lugar o coronel Souja levando comsigo o batalho
n. 11 (|ue consta de :> praeas.'o o baUlhao p. 23
que.s tem :I0 piaras. No Panadero nao ficaram
mais torcas, os doeutes foram abandonados nos
bnepitae; a anilharia tinha sido retirada.
Na margem do Aguarahy abandonaran) as
quitro boceas de figo com que guarnecan) o
passo. Lpez se rotirara para Serro-Cor. As de-
sercoes das Mas (breas se augmeniavam assim
como a tome que fa/.ia um sem numero do vic-
timas.
Interrogatorio feito ao sargento paraguayo Mar-
tin Guerreiro em Tacuatv, no dia 13 de Janeiro
de 1870, empregado no "hospital geral.
Declara que em Paaden donde sahira ha
sete dias ja nao havia mais tropa e nem no passo
do Aguarahy, tondo sib .meada- neste arroio as
quatrd pecas que oxisam no passo, operacao
lena na noite em que ello so evadir.
Os hospitaes haviam sido abandonados com
os enfermos, sem meiow de aJimcnlaco, e Lpez
com pouca gente se retirara passando o Aguarahy
para o Serr Torin on Cora, deixando as carretas
e so levando comsigo os carros de suas baga-
gens.
Declara mais que DelvaHe com o batalho 9,
composto de certo e poucas, pravas, ia fazendo
a retaguarda do r duiiJissiino exerciio de Lpez.
As luuiheros quasi todas ficaram c se dirigem
para nosso lado > para Igatimy.
a Eraiu frequentes as deerjoes as torcas ioi-
migan. -
Interrogatorio feito ao paraguayo passado Fran-
cisco Coronel, soldado artesao, idade 40 annos,
casado, natural de Assumpco.
Diz que tendo seguido com Lpez e sen exer-
cito para Serro-Cor, desertou depois de quatro
dias do via^em do lugar denominado Nhogiassit.
Diz que acompanharam Lopet cerca da 1,000
twmens, sendo a maior parle crianzas, levando
conmigo alguma? pea oa peaaaao atibre, cujo
numero nao sabe precisar.
Diz qae a arttmaria d groso calibre foi
uaadada lanzar no rio Agnaraby, por aia-poder
ser conduzida. '
pizque a mator parta da forra aneacompa-
nha. Lopea vai dt-4*nada e em osado de;)loravel
pula sime o miseria que passam.
a Suppoe que de Panadero a Serro-Cor ha 14
leguas.
Diz que Lope? tomn a dire?a> de Igaiimy
g.hi lo diMrir.trenviou ao respectivo jt
o auto to reswtenriapara en vista delle ser
m-ianiado i rompetenle proeesso.
N i dia (0 te teverer'.'. no logar denominado
i. udii, em S. Fhlippe, tem> de Mamr.^ipe, pe-
la- <>it, Imras da manha.i, *.s Bernardo dos Saa-
oinpauhado d.- Manoel Lat p stu mnlher e
', cu'ilaram i Man el Antonio Soares-, a
le noine Joao Soar s, e i cirHtior rf.^te,
do Manoel Aotoniiin d mesmo
i -nbdelefait' aproenw-si> no logar do at-
rpo do delicio, o con-





ra, no sitio
[ente, ns?as-
1 ao iugar, pro-
j do ler si-
DixqueoV NUHgaans* par* Sero-oro alo
ha picada-, segumLi onvio dizer, e sim boa es-
irada fir meio do um cainiw.
Dzqti.i l ,. levoa tres carretas que, se-
gundo u.ziam, opadmem muirles, estas nnrnm
m Piadas e qu.imiadft.'
Dizqn ,w do i'aaalr para Serr-
uorte transita vi por carretas.
.' ^ a for^a qa. arominnhn
nao rbegara a berro-Cora, pela estajo da miseria
os balnlhdc* da Babia e Minas, o desembarqoo ?
teve lugar s 0 horas o 40 minutos.
Ltgo que teve lugar o desembarque. S. M. o
Imperador proferto peante os comniauJarrte- o
olll-iaes superiores, precedidos das respectivas
bandeiras, a segrate alloeocifl :
Srs. Mmmandante de brgaa e eomniandantis
de baialfioes de voluntarios.
Aceilai este abraco, que trniismiiiireis a vo-
sos uaradas, em tstemanho do meu jubila ao
vr-vos de voll, com tanta gloria, nossa patria.
' Queira Deus que este "suecesso soja o feliz
preniinrio da breve terminacao da guerra, romo
lanto tnerecera os Bra>ilciros por seus constantes
etforos em defeza da honra nacional.
Vivam os voluntarios da patria I
t Vivan) o exerciio e rmala nacionaes !>
t O Sr. coronel Paria Rocha, commovido, agra-
decen por si e em nomo dos seus companheiros as
benvolas expressoes de Sua Magestade.
Em seguida o contingente desfllou pelo portao
do arsenal nj meio de enthusiasticos vivas levan-
tados pelas pessoas alli reunidas, e pelo povo que
se atopeiava em frente do arsenal. Os voluntarios
iam bein farlado, armados e sustentando com le-
gitimo orgulno suas bandeiras rasgadas pelas balas
paraguayas.
Aps os voluntario, seguirn) os invlidos da
patria eos artistas do arsenal de guerra prece-
didos de bandas de msica e acompanhados por
numeroso concurso de povo.
Seguindo o itinerario marcado no programma,
t> contingente percorreu diversas ras, onde o ac-
Ibiam acclamacoes de arderte enthusiasmo.
A praca do commercio achava-so oraacia com
mnito costo. No terraco estavam desfraldadas
numerosas bandeiras ; as columnas do atrio sus-
tentavam bonitos escudos em que liam os Domes
das cidades, villas e campos do Paraguay qm as
victorias dos alijados tornaran) afamadas para
sempre. Ahi numerosas senhoras cobrlram
do flores os gloriosos estandartes e os seus
valentes defensores. O Sr. Dr. Pinto Jnior reciten
alli orna sandacao potica aos voluntarios da pa-
ma. Na ra da Constituicao o Sr. Mignel Feital
recitou tambem urca poesia.
No quartel do campo da. Acclamacao, na c-
mara municipal, em todas as mas por ende passa-J
vam os vjlantarios foram receidos com vivas de-
monstrac<5es de prazer pela populacao, que Ibes
pagava assim parte de suas gloriosas fadigas e pe-
rigos, e saudava ao mesmo tempo a aurora da paz.
Em frente ao paeada cidade, onde ja'so
achava S. M. o Imperador, os balalbdes pararan);
as bandas de msica exocataram o hymtw naeiu
nal e ergueram-se vivas ae exerclto, a armad, ao
Imperador e naca brasileira.
Em seguida marchou o contingente para o
arsenal de guerra, ende embarcaran) os batalhoes
com destino a seas- quarteis. >
VILCA DO CABO.Na preseote quaresma ba-
vrrio predicas, em todos os domingos noite; na
matriz do Cai, sendo orador o Rvm. Leonardo
Joia 6rgp.
ADMINISTRACO DO CORREIO.-Em virinde
de aUtorisaQao do Sr. Dr. director geral dos cor-
reios do impe'io, foram hoiiicm nomeados, pelo
Sr. administrador do correio desta provincia, pra-
ticfhtes supra-numerarios os Srs. Amaro Ggmes
da Silva-Ramos e Antonio Jos Ferreira, amigos
carteiros dessa reparticao.
PARA A EUROPA.-Com 19 recebidos em nosso
parlo levou o Dour para a Europa 106 passa-
geiros.
FEBJMENTOS.No domingo s 9 hora* da n>u-1
te, prximo ao leatro de Sa- Ui Antonio, Antonio
Joaqun Geraldes leriogravavinte Antonio Jua
i^oim Francisco de Alm, vio lado esquerdo. 0-
Srs. IW6. AUrio e Ualaquuis izoraa o corpo.de
lelicu. O feriJo o o deliquente. sao menores de
18 annos.
Rodrigues de Souza e oulros; appellada, Josepha
Leopoldina de Mello Marinho.Confirmada a son-
tenca. Appellaule, Joaquim Jos Ferreira da Cu-
nta ; appellado, Jos Ferreira de Almeida.Con-
lateada a sentenca. Appellante, Dr. Manoel Nico-
Regueira Pinlo da Souza; appellado, Emilio
lao
e desanimo aete'.
Diz que constava entre a
. tropa que I^jpez de
Serrn-Gorn paleara a Bohvij. '
' Qne-Lopoe levara anda Tin* cartefts prtcha-
das por duas juntas de Iwis cada ama, e qiie
eta carretas marcliavam adianto; chepiram a
' ponto. i-nas ah. e voliaram os
paralevraar Tpwficacom
eic.to, por
carne paraW
VOLTA DftS VOLUNTARIOS.Picava sabir
da corta para a nossa provincia a Kr> batalho
le voluntarios da patria, sob o cummando do -ir
eorane* honorario do exerciio Atexaadre de
ros Vasconcellos, que marchou para a campanha
como eommandante do corpo de polica.
Apeo o vapor fr avistad i d^ Ierra, as torres
do eoUegio a do arsenal de inarinha icarao en)
galkardeie eaearnadn no alto do masinet afinvii
que se pre pareas os festejos paran receptan.
Segundo carta> da corte, qoe vimos, deve o ha-
'talhio vir n'um iraospoirte d gnerra ^(lalvez o $.
Jat qae o trouxe de A-umpeao), e chapar n
nosso parto nestes tras a quatro dis.
LOTCT!A.-A que seaeba renda 43" a
dacdo-se uMnqaar***' neflc.o da matriz de Caraaril' I pelo novp plano,
Pereira de Arauio.Reformada a seutenga. Ap
penarte, Joaquim Salvador de Sequeira Cavalcan
le; appellado, JosDmunguo: Maia.Confirmada
a sentenc Appellante, Lacia luaquim de Olivei-
ra; appellado. Dimingos Jos Dias de Olivei-
ra.Reformada a sentenca. Appellante, Joaquim
Jos do Almeida; appellado, Francisco Cactano de
Abreu.Receberam os embargos.
Da de APPanECER.Appellado, Jo3o deAzevedj
Pereira; appellante. Arcenso Luiz Ooncalves Fer-
reira.Desorta a appellaco.
Appellacao chime.Appellante, Joaiuim Rodri-
gues Cavaleante; appellaJa, a juslica.Nullo o
processo.
PASSAGENS.
Do Sr. desembargado!- Gitirana ao Sr. desem-
bargador Guerra. Appellacoc3 civeis: appellan-
te, Manool de Souza Silva Serolio: appellados,
Francisco Pereira e outros. Appellante, Simao
Barbosa Cordeiro ; appellada, D. Joaquina Moreira
Taborda. Appellante, padre Jos Gomes dos Reis
Lima ; appellado, p*dre Josd'd'Annnciaco Son-
z.i. Appellante, Vicente Ferreira da Silva"; appel-
lado, Miguel de Albuquerque Lima. Appellante,
Salustiano por seu curador ; appellado. Urbano
Barb sa da Silva. Appellante, Jos" Gomes Rodri-
gues de Albuquerque: appellados, Maria c Manoel
esrravos.
Do Sr. desembargador Lourenco Santiago, ao
Sr. desembargador Almeida Albuquerque. Ap
pcllaco crime :" appellante, u juizo; appellado,
Antonio, escrava. Appellaco civel: appellanles,
Joao do Como Silva e outros; appella ios, Jeronyino
Paz Rarbosa e outro.
Do Sr. desembargador Almeida Albuquerque ao
Sr. desembargador Motta.- Appellaco civel: ap-
pellanles, os herdeiros do baro de Bujary; appel-
lado, Francisco Xavier Pessoa de Albuquer-
que. Appellaco crime : appellante, Podro de Al-
cantara Muuiz; appellado, Antonio Pereira de
Araujo.
Do Sr desembargador Motta ao Sr. desem bar-
gador Assis.Appellaco crime: appellante, o jui-
zo : appellado, Antonio Gomes da Cunha. Appel-
laco civel: appellante, AntonUMFrancisco Mariins
de Miranda; appellada, a fazenda.
Do Sr. desembargador Assis ao Sr. desembarga-
dor Domingues da Silva. Appellaces crimes:
appellante, o juizo; appellado, Joaquim Francis-
co. Appellante. Antonio Jos Borba; appellada, a
justica.
Do Sr. desembargador Domingues da Silva ao
'Sr. deseranargador Regueira Costa. Appellagoes
civeis: appellante, Manuel Gomes da Cunha Li-
ma ; appellado, Bento Qorra Lima. Appellante,
Manoel de Mesquita Carnoso; appelladns, Ignacio
Pedro das Neves e oulros. Appellante, a parda
Angela; appellada, Virginia Zenandes Ferrei-
ra. Appellaco crime : appellante, o juizo ; ap-
pellado, Maii.*l Ignacio de Sant'Anna,
Da Sr'. de-emharpador Regueira Costa ao Sr.
desembargador Souza Lea..Appellado crime;
8|pe!!aute, o juizo; appellado, Juio Manoel Fia-
Do Sr. desembargador Souza Lea-i ao Sr. des
embargad ir Gitirana. Appellacoes civeis: appei-
taote GV.rg.nio Jos Vlanna; appellado, Miguel
r-s Alijos GaIdas. AppellauH, Jos Antonio d.-
bant., Ohvt-ira ; appellaiiH., Fraflciseo Severiauo
| Mirra es Correa.
Dbliobjcia eivrlAo Dr. curador cera!; a
pelante, i;,,|,n-l GeMnino de A M.mtarroyo-.; ap-
ir balo. Esevo Jos Pai Bunelto. Appellant-.
Artoo Lopes de Agui -r; -ppellado, Luiz Antonio
il3 ?V|iV;i,
DiaioBNciA cni.Mi:.A.. Sr. deseroirargadnr pw-
1 da jo-:..;,: ,,,,pe|iai,te. Lni- Francisco Fer
'M Silva; appettadMf, a iu-tica. Appellaul-,
a josf.ea ; apoellada, Miria, escrava.
-igi^ni-se ,ij., |,,ir;l ni|..,im,.nt0 dos seguirte'
APPKi.ncr.Ks rjuiiis. -Apellante, o joizo f ap-
pel.nl'. un. ni i; ,pes. ApVllante, o
; appe|t|.v, An,,,,,,,, t, p?f,|^ ratIj0. Apv
!le> juizo : Sfba^in Aires A
im. Ap|>H:,rite. Manoel Fl-bpp.- do^Na
app-llal., M ., :iaudiaoo ios Sar
Apmli veisAppellante, SeverinaAn-
dva: appeHai. RerrneneyiWo
Bdaardn d. 11*^, en>|,o. App^llanie, Jba
ippellado, Joao. Mauricio Car-
dos.
A' tuna har o mofa da tarde cnearrou-
Custodise.
Ora vvala o Sr. Chtslodios detarroso !
entai) j pnsava que os seus patlicolares
amigos nao vinliam mais saber de sia sa-
dd ? De forma nenlmma; se nos nao appar-
cemos esles aias foi porque esiivemos
entretidos a ver jogar o entrudo, e mesm-),
piirqud nao quizemos vir distrahir o Sr.
Cusiod os do seu pueril jugo de limas a'lira-
las com muita elegancia e certeza sobre os
alvos vestidos de encantadoras m"nininas...
Agora, porm, que o iirincalb'o do deus
momo j nos disse adeus, agora qe ve-
rnos atravessar um periodo de 40 dias de
penitencia, vamos tratar, e tratar cuidadosa-
mente dos negocios que lhe tocam t5o pro-
fundamente.
Para que nao percamos o fio da narra-
co que encetamos sob o titulo de ja
Vai i logo depois 15:00050K),> e ago-
ra Custodise, que perdurar at que tenba-
inos dado cumprimento a esta tarefa, da
qual enrmal I nos incumbimos.
PortanlH sentemo-nos, e vamos eutrar
.in materia.
Qjando foi que o Sr. Gnshxlim deixoo
de sor socio .lo nosso (Mimavei amigo, o Sr.
B.--, e com quanlo sabio .'
Em 1805, e sabi com 14:01X^000, dos
quaes, 0: 00# 00, dei-os a meu primo,
Deus lhe falle n'alma que m'os havia
emprestado para comprar o sobrado da ra
qw nao estreita.
E quando o' Sr, Ctistodios comprou o
predio da ra que nao larga, nao pedio
.1:000^000, a seu primo ?Pedi..
E pagou-lh'os emqanto elle foi vivo, ou
j depois de estar em mel lor vida*'
Homem, isso agora que n5o me lem-
bra bem.
Por .oiisegninte, resumamos : dissolveu
a sociedade em 1885, sabio enm o .apital
de 14:000(5000, ganhou em ospeiuilacoes
antes de ir para Tarroso uns 3:0 >0000.
qae, addi;ionando, prefaz a quautiade...
17:600)5000 ; diz quo emprestou Deus
lie falle n'alma logo depois que elhi deu
alma ao creador, Iko i0r>0iX). resta-lhs sem
falta mathemalica, unn fortuna de onze
Contos e quinhentos mil ris !....
Estimam.-se os seus bens em mais de
50:000;S(000, donde diabo Ibe veio o resto?
Magan3o e mandava pedir dinheiro
para a senhora D.- cerner, e o senhor
custodise tambem I...
Ingrato f tem tirado lio boas ninhadas
de pintos, tem pechineliado tao boas mcbjmi-
ras, e nem sequer nos tn uxe de l um
salamim de castanlus, para fozerrnos um
magosto em noite do Natal!...
Oulra cousa: a hypothecasita foi assig
nada pela defnncla em qoauto viva ou de-
pois de mora ? S.fa que vosss sao nns
causiicadores dos di bos I Scio :... nao f.il!e
no diabo, porque estamos na quaresma
Est bem f deixem-me, pr boje... Conce-
demos-lhe licencia al amanh, oavio ?!
O masso /LFAlftEGA.
deadimentodcdlal ." .
29?8i7#IIX
MOVIMBNTO KFANDEGA
/olumes entrados com fazenda 340
dem dem com genero i 462
"inmes sahidos com f.izenea.9 5!
dem dem coro generoi 220
8i
571
Descarregam hoje 2 de marco
Barca ingieraGfW/femereadorias.
Barca americanaCasco dem.
Barca ingleza-S'n/fa F/oridn-idem.
Batea ingleza-7?/ia Strerrsidem.
Barca franceza-Fgaro idem.
Barca ingleza-Moi-t/CooV-farinha de trigo
Brigue nortc-ailemo Ludeidem.
Patacho dinamarqu^zIFi/ArrimBemercaioriaa
Patacho hollandgzRedileidem.
Hiale americanoMary Witkenifom.
Brigue portuguezUniao idem.
"Barca ingieraMeleorbacalho.
Brigue inglezSaron idem.
Brigue francez /Wwfromercadorias.
iliUSBEDORlA OE IIENDAS INTERNAS GF-
RAES DE PERNAMBUCO.
vendimonto do dia 1 2:032J;V!i.
CONSULADO
wndnnerto do dia 1 .
PRUVINCAL
4:138***
MOVIMENTO DO PORTO.
--------------------------------*,----------
Navios sahidos no dia 28.
ValparasoVapor inglez Lota, eomman-
dante Gook, carga a mesma que trouxe
de" Liverpool.
Observando.
StisMpdeu do lamaro para Bahia o pa-
tacho w|flez Alici'i. capit5o Stuans com a
mesma carga qoe trouxe de Tarragona.
Navios filtrados no dia 1 de marro.
Itio de Janeiro7 das, gala/a portuguexa
Lisboa, de 915 toneladas. Capitn Antonio
Augusto de Oliveira, carnj*lifferentes g-
neros.
Rio de Janeiro e Babia5 dias, vapor mglez
Oneida, do 8'i toneladas, eommandante
Tnuvaiio, equipagera 130, carga dlffern-
tes gneros ; Adamson Howre dr C.
Havre30 dias, brigue francez Palestra.
de 03 toneladas, capilo Leigranlet,
eqoipagem !), carga dilTerentes gneros ;
Ordem.
Rio de Jmeiro19 dias, briguo iDglez
Flrotliers, de 173 toneladas, capilo J A.
Veberi. equipagem 8, em lastro ; Sawn-
ders Brothers A C.
Navios saludos uo mesmo dia.
Macci Barca iogleza Cnsmarant, capita<>
A. Jjhnson, em lastro.
Sowihatnplon e porto? intermediosVapor
inglez Douro, eommandante Thevaetes.
QEOLARAGOES.
Consulado de Portugal em Pernambuco.
Por esto consulado se faz publico, em cumpri-
mento da lei, que havendo fallecido era viagetu
liara o Cear a borde do rapor Ipojuca o subdito
portuguez Joao Antonif Dtiarle Jnior, sao pelo
presente convidados todos os credores do dito fal-
lecido a apresentarem bum oontaa dentro do praso
de 30 dias para depois de verificada* serem paga'i^
Consulado de Portugal em Pernambuco 23 e
fevereiro de 1870o Per ordem do Sr. cnsul,
Arhur A. Ferreira Braga
Canceller interino.
Santa Casa da iMisericordi
do Recife.
A filma, jaula administrativa da Sarta Casa da
Misericordia do Recife, na sala das suas sessoes, a
3 horas da larde do Jia 3 de marco vindouro. re-
cebe propostas para a arreiratacao da renda do
armazem reedificado i ra Diroita n. 3\ perleor-
cento aos estabeleciiuenlos de caridaae. servmdo
de base o preco de 600A0O0 auouaes, dando-s*
preferencia quelle que, alem desla, outras vaala-
gens offerecer.
Secretaria da Santa Casa de Misericordia do
Recife, 24 de fevereiro de 1870.
O escrivao,
_________________Pedro Rodrigue* de Sokhi.
No dia 2 de marco (em de ir praca por
venda e depoi* da audiencia da Illm. Sr. Dr. inw
municipal da 2* vara, a sobrado de dous andares
sito ra das Co<-o Portas n. 27, avahado por
8 OOO3OOO, a requerimento de 1). Francisca Morei-
j ra Reis Lolx, na qualidade de inventariarte do*
bens deixados por morte de seu marido Mano.-!
Izidoro de Oliveira Lobo. Os licitantes podam com-
parecer 110 dia cima as 11 horas, na saladas
udiencias.
Xarope mineral sulfu-
roso de Crofenier.
Medicamento precioso p"ara combater a
tosse, caiharro pulmonar, asthma, coquelu-
che, broachites.
E' um composto das substancias bals-
micas as mais aconselhadas* o dos princi-
pios das aguas sulfurosas dos Pyrineos, em
dses mu concentradas.
Toma-se na d e de urna comer de sJpaj
pela manhaa e outra tarde.
Cala iMal d Uaueo lo Bra-
sil em l'ertiambuco, em liqul
daeSo, t5 de jnuelro de 18
Dooidemdi directorra d Banco doBra
sil se faz publico que desta data a 30 dias
ser publicada pelos joroes a lista dos de-
vedores desta caixa e annonciado o leifao
dos ttulos em liquidar >.
As pessoas que pretenderam concorrer ao
leilo ou entrarem em alguma convencao,
podero na mesma caixa examinar a refi-
rida lista e entender-se mm o liquidante.
Juizo dos feitos da fa-
zenda nacional
Do dia 13 de marco prximo futuro eu
.diante, ter lugar na comarca de Goiamw,
Pharmaca Central, ra do Imperador a venda empraga publica desle juuo, das.
n. 38.
(4
COMMERCIO.
^ftOA DO RECIFR |1 DK MARCO
Ofi I 70.
S 3 1/2 HORAS OA TAHDfc
\ssoear Caaal2800 p t Id kil.-(bontem).
AJpoaao sem inspeceo953 r. por k.
amtne. **mv> Loadme M d|. 9ft 1|4 e i9 i|2
P^r ^ee.
toaea 1 lo Joe 1 Alfonso,
PfMeMeaet
Jwqnila Jnior,
Seoeetario
cimento;
Caisa Filial do Baaco do BraaiJ
em ernamtuco, tm liqpi-
dRQao, 7 de feverei o d1
1870.
Por ordeta da diretoria do Banco lo Bra-
, i contar da presente data senao levado* i j;::
leilfio os ttulos em liquidac*) c nidrw
Jas constantes- da relajo que existe m
mm* CTia. iad8 podwsar mammada. i
los pretendeijUM.
vmm bam
") Rio de Janeiro tiautecii
DeewuU letras da praija tan a cor>
enrionar.
comprebensoes da cxtinclo encapillado de-
Itamb. sendo a de nrme KngehoNovo, ava-
llado por 50:000000, a de nome Paugau
[por la:OO0OO0, e a de nome Cumbe pos
OrOOOJOoO : accetlac-s ha nessa occaaia
propostas para venda dos escrvos Basibo-
1 (tardo, com 2tt annos, avaliadt) por .
I :t.00fliOO0, Concordia, parda escura coa*
15 annos, por 600-5000. Aquilina, parda,
com annos, por *>O6O0O, er Damiana, pa>-
da. com, 6 raezes, por !00(000 nos tei -
raoa da l sado, e em seguida lera lugar na villa Itamb, o arrebenlo em hasta publica
Kpor^aan!iidQ8 lerrenos em que seacham
situadas dita villae pov..ac C'imalaaga, assim como tambem. a vend
"le rfaas- partes da romprebensao Once,
.iepois de dividida a mesma comprehens
era. manores loes. -.atbrme o i 4o do a
das. iastpucces da 30 de dwzembr dq.-
; Recie, 17 do fcvemro de 1870,
O scrivl..,
Lvkb Fi b. ile A huido.
0 inspector, iaierino dj'aifanaega faz uablc-
.uc no. dia 5 de marc. viudouro, n* porta
1.1a repastico, e depois do meto dia, s.
a liasla,pib'ica, vre M dirairos ao
uih (juiodaste e tima porca, .'de fojnaa de
declarado?, qae, foram ostrahi
re doalfeodo que S'j,acbacec-i
a tq ataeao dependente
prldfente Cro guindaste avahado em 40*000.

\
/
\
t
lili ti


Icario de Pernambuco Quaria feira 2 de Margo de 1870.
t
f
1$ina pqri
avaliada
Altaadega1
1870.
I
DCO '.]


86 dO
-Santa Casa de Miserico^H o age* Poma* cSJLeUi.
do Recife
A Illma. junta administrativa da santa rasa de
-iiserieordia do Rccifa precisa oontraiar com
*\mxh por mei a obra ae Mo 'obrado n. .7, p rindole ao patiimoaio dos
nelecimentoi de*an lado, sito a ra da Moeda.
Esaa obra consisto n. freutt anteriorU a frente posterior e de par-
'o do oitao palotedinBo nas:eHte at o lugar em
ras munieipaes em vigor.
O pavimento terrea everj ter tres portadas
*oin soleiras de pedra e porUs de costadinho de
nmarello para o lado da ra, e para o do fundo
soleira de pedra, sendo a mideira igualmente de
ostadinj de amarello, e todo o ladrilho de tijolo
de al vena a batida.
O primeiro andar dever.i ter tres portadas com
sacadas, lastro de amare!!.-., varandas de ferro,
caisilhos e partas tambem de amarello para o la-
do da frente, e para o do laudo tres jancllas de
tioitonl cara vidracas e portas de dita madoira,
^endocada q a dellas nunca menos de 5 palmo*
te largura e 7 l|2 de altara.
A otea em ambas as frontes dever ter tres
janellas igualmente rom Mxllhos e portas.
No trivejamento dn primeiro andar e do solio
somente-s empregarao travs de qualidade, ten-
do cada uta 12po:egada-> quadrdas de grossu-
ra, e os i'esper-tivos soalhos ser i construidos de
'UHaretloou louro. Asescadas serlo do amarello.
O prirniro andar dever ficar em salo, c a sota
ser repartida da mnneira que for dnterminada
pela ota can. Os rehoe guarnreidos de cal branca.
O C'-ntraumo poder ai roveitar as telhas. cai-
tiro*. iflMter-. soalhos .. travs que se acharem
;in |ttrfefio estado juizo dos unliores mordamos
de oredios.
Telo o material de ferrajens ser fornecido pelo
.(KHratante, a rujo cargo li -ara tambem a caiac.au.
O- pretendentes devorad presentar sts pro
;to?tis nm cartas fabadas na secretaria at o da
40 le marco do oorrents.
Secretaria da Santa Caja de Misericordia do I
fe, I de marco do 1870.
O escrifio,
Pedro P.odnaues de>~ Souza.

Tires n,
competeateioBir j|Unrisado,
cima,
tende na mesma grande quanrWade de ferramen-
ta. fer*us, dous bancos para carpina e muito;
tros obeji'dos visto ter de reiirar-se sen prot
ou-
. proprie-
tano para fora do Imperio para tratar de sua
avade.
IIOJE.
O leilo ser effeclaado na
11 horas.
mesma offleina. as
LEILO
Porto.
Vai sabir breve a Larca Murp para carga i
paesageiios, traia-se com os'consignatarios Carva.
Iho & N'ogneira na roa de Apollo n. JO.
Para Maranho e Pa r
O brigue nacional Santa Amaro, capillo Caeta-
no Alves Uvas, pretende seguir com amaior bre-
vidade pos-ivel para Marsnhao e Para, por ter
parte da carga promta, engaja-se a que precisa
e recebo passageiros, a tratar com os consignata-
rios Ma rimes Barros A C, m largo do Corpo
Santo o. C, 2o andar.
O agente Pontual competentemente autorlsado
rara leilao dos objeclns abaixo declarados da fa-
brica de assucar do Monteiro perlencente a Ange-
lino Jos dos. Santos Andrade.
Qulnta-feira, 3 de marco
LEILAO
De farinha do uigo avahada
a 3 do crreme
O agente Wiveira rara leiiao por ordem e em
presenca do Illm. Sr. cnsul dos Estados Unidos,
B por conta e risco de quem pertencer, de cerca
de 700 barricas de rarinha de trigo avahada a
bordo do brigue americano John Crustel recento-
mente ehegado do porto de Richmond.
Quinta feira
as 11 horas em ponto, no armazemDeposito de
farinhano caes 22 de novembro n. 5.
COMPAvNHIA PERNAMBUCAINA
DE
\'aveg;nco costeira por vapor.
Macei escalas e Penedo.
O vapor Toteag, commandante Mello, se-
guir para os portos cima no dia 2 de marco
as & horas da tarde, decebe carga at o dia 1,
encommendas, passageiros e dinneiro a frete at
as i horas da tard do dia da sahida no e'scripto-
rio do Forte do Mattos n. It.
Para o Porto.
A barca portuga^a Flix' pretende sabir com
muita brevidade e pa* carga e passageiros trata-
se com os con>ignatarios Thomaz d'Aquiao Fon-
seca & C. : ra do Vigario n. 19, 1' andar*
AViSOS MARTIMOS.
Pela contadona da cmara municipal desta
idade, se declara aos propriet ros de eslabclo-
acntos Je ["'ra berta, sujeitos ao pagamento
lo imposto municipal, que no mez de maree pro-
ihao vindouro, principia a arreeadacao-a bocea
Contadoria da cantara municipal do Rcife, ,28
de fevereno de 1870.
O contador,
^lypolito C:issiano de Vaswnceos A. Maranho.
santa gisa da misericordia d
RECIPE.
A lrna. junta administrativa da Santa Casa de
incordia do Recifo manda fazer publico que
-da de toas sessoas, no da 3 de margo, pelas
ras da tarde, tem de ser arrematadas a quem
- van'.ageas offerecaf, pe i lempo de um a Irs
'iinos, as remlas dos predios em >eguida declara-
E8TABBLEWMEMT BE CAWDADE.
itua i!.i Alegra.
i terrea n. 7, por auno. ;i60000
PATRFMGMO !W)S oRPHOS.
Roa do Vigario.
aeiro andar do sobrado n. 27 2l0 jOOO
Roa < Rangel,
n 5 no Forno da Cal. 0 lodOOO
ademes ilc to presenlar no acto da
aire. las suas lian r- ou compfecerem
: ti vos Dadores.
i tria (11 Sania Casa d.i Misericordia do Re-
: 70.
Tivo, '
Pedro Rodrvjufs dt Smu
wmxm
DE
Paquetes a vapor.
Dos portos do sul esperado
al o (lia 8 de margo o vapor
Guar, c.ommondante o capit.o-
tenente P II. Duarte; o qual
depo.is da demora do costume
seguir para os portos do norte.
Desde ja recebem-se passageiros e engaja-se :
:arga que o vapor poder conduzir, a qual deven
kt embarcada no dia de suachegada. Encornmen
las e dinheiro a frete at as 2 horas do dia da su;,
sahida.
Nao se recebem como encommendas seno ob
ectos de pequeo valor e que nao excedam a dua
trrobasde peso ou 8 palmos cbicos de medica.,
rudo quepassar destes limites dever ser enibar
cado remo carga.
Previne-se aos Srs. passageiros, que sua< as-
*agens s se recebem na agencia raa da Crin
n. 57 primeiro andar, escriptorio de Anfc-nio Luiz
le OPveira Azovede A C.
Para o Porto
a barca portngueza Novo Silencio seguir cot
a brovidde possive); para carga e passageiros.
trata-se cora os consignatarios Oliveira Filhos &
C, no largo do Corpo Santo n. 19, ou com o ca-
pitao na praca do commercio.
TRILHOS URBANOS
DO
Recife a Apipucos.
A yenda dos bilhetes ncw carros conti-
nuara t o dia O de marco entretanto
roga-se ao* Srs. pissapeiros o favor de
compraren, os seas hithetes as estacos
antes de embarcaren) dos Ir ns.
A conduccao de bagagem principiar boje
parlni.loo trem do^lleci Apipucos ao
meto da, e de Apipucos ao Recife a I li. t
5ra. da^tarde..
A bagageia.pifa os pontos de Soledade,
lome de Uca, Jaqueira, Parna-meirim
binl'Anna e Porta d-Agua, s ser recobida
com a condiceso do remllente manda-lo
receber na ocomAq da passagt-m do trem
por r,ao haver ali qoem o recolha nem es-
tacos proprias para esse fim.
Escriptorio da compaubia, Io de marco
de 1870.
W Bawlinson,
f__ Gerente.
Ilha fie S. Miguel.
O patacho-poringues Jeorgense segnecom mui-
ta brevidsde para o porto cima ; anda recebe
alguma carga frete, bem como passageiros pa-
ra os quies tem bellos commodos : a tratar com
o seu consignatario, Jcu do llego Lima ra do
A|K)llo n. 4-
Pira l'orO
a barca J7or de S, Simao sahir brevmente, por-
que ja tem parte da carga engajada : para o restf
e passagens, trata se com os consignatarios Car-
valho & Nngueira* na roa do Apollo n. 20.
Hotel de llespanha
Neste novo hotel acha-se todos os dias de ma-
nha papa de variadas qualidades, assim como
tambem s acham comednrias de todo o gosto, e
viohos de tod?s as qnalidades, recebem-se en-
commendas (de presuntos para enfeitar flamhre
ac. ; admiltemse asjignaturas para eomedorias
apagar por mez, tudo com muito asseio, a precos
commodos : na ra eslre-ita do Ro ario n, 36, ho-
tel de Hesj-anha.
SaataCasa (le .Misericordia
do Recife.
A Plma. jauta administrativa da santa casa de
rdia lo Recife na sala de saas sessoes,
i-i tarde do dia 3 de marco, recebe
. o forneciuiQnto do assucar que li-
li nos metes de
s abril e mai i rindouros, pagando-m rmn di-
i (i vista : sendo assocar hrancj relinado de
lado sanenos.
propoitass irS al irl is no dia designado em
' qtuws averio ir ao
rtal aflu de verem a. qualidade do assucar
que a li >e. gasta.
ira da Santa Casa de Misericordia do Re
fevereiro de 1870.
O escrivao,
"es de Souza.
Santa casa da misericordia
do Recife.
A Illma. junta da sania casa de misericordia do
lecife, pelas 3 horas da larde do dia 3 do corren-
>'. na sala de sua sesgoes, recebe pro >ostas para
ficimerKo de carne verde que ti verem de con-
unir todas os eslaneleciir cntos pios seu cargo,
io roei de margo correnl -.
n*etaria da >a de misericordia'do Re-
rife i it marco de 1870.
O escrivao,
Pedro Rodrigue.-1, de Souza.
LEILOES.
a laberaaslta ao pateo do Ter-
co u. tt.
IHOJE.
A requerimento do depositario da massa falli-
da de Manoel Miranda da I'jdra e por espaeho
do Illm. Sr. Dr. juiz especia! do commercio o
agente I'estana far leilo Idos gneros, armacao
e mata ntencilios exi-tentas na taberna sita no
pateo o Terc3 n. *>8, cuo!i oibjectos fazem parte
da massa fall.da de Maii^l Miranda da Pedra,
acliam-se bem acondicionados, garante-se a cha-
ve da casa onde a acha o estabelecimento e o
leilo ser eflestuado no dia quarta-feira 2 de
marotis 11 horas da manha na mesma taberna,
o baunco acha-se em mo do agente.
JMPAM1A IIBISILEII
DE
Paquetes a vapor.
Dos portos do norte esperad'.
at o dia li do crreme o vBpoi
ro di S'tl, commandante J
P. Guedes Alcoforado, o qual
depnis da demora do costume se-
. para os portos do sul.
Desde j recebem-se passageiros e engaja-se .
carga que o vapor poder conduzir, a qual d
ierembarcada no dia de suachegada. Encon">ii,
das c dinneiro a frete at as duas horas do dia d.
toa manida.
NSo se recebem como encommendas seno b
lectos depequer.o valore que nao excedam a :
arrobas de peso ou 8 palmos cbicos de medi-
ca o.
rudo que, pasear destes limites dever se
embarcado como carga.
P'"' Srs. passageiros que suas passa
gens s se recebem na agencia ra da Cruz n. M
f andir, escriptorio de Antonio Luiz de 0i
Azevedo & C.
AVISOS DIVERSOS.
Attenolo
Rerdeu-se hontem da ra elreita do Rosa-
rio o pateo do T-reo. n na carieira, onieudo nel-
la a qaantia de setenta mil res : n ga se a pessoa
que achou-a o f-vor de restituir so seu dono, na
Typmgraphia Universal, ra do In e ador n. 5'2.
que ser gratificado.
Precisa-so Ue urna ama para ama s pessoa
na ra de Hurlas n 88.
28__Camboa do Carmo__28
Das ses e meia hrns da tarde as onze da noute.
Nicolati Pungilorc tem a honra de annunciar ao respeHivel anblico desta ca-
piial, que do da *6 do correnle em diante estar berto a ^neorrencia publica na.
grande cosmiama com variadas vistas e passagens dignas da alinelo de todos po>
acharem se entre ellas as dilTerentos balalfm dadas pelas forcas allradas contra o go-
verno do Paraguay, bem como a fuga .lo dictador Lpez'para as cordilbetras. u st
morte do general Flores
O annunciante lem emprpgado todos os seus exforfos para que o respeitavel
publico encontr alli um bello passatempo mediante urna pequea exportula, tendo
esta entretanto uireito a im objecto, gratis, de roais ou menos valor.
2#Cambo- do Carmo28
DAS SEIS E MEIA HORAS DA TARDE AS ONZE DA NOUTE.
4MA
?recsa-se ife urna preU escrava que cozinhe e
compre para iniade urna casa de pequea fami-
lia : a tratar na ra larga do Rosario n. 34, bo-
tica.
Para o P rto
Pretende seguir o mais breve pos3ivel, para o
Porto, a barca oortugueza S Mano-I II e
Jos Antonio dos Santos : recebe carga freie e
passageiros : trattr com Marques, Barros it ft
na praca d i Corpo Santo n. 6, 2" andar, ou c
capitao bordo.
O abaixo asaignado avisa ao publico que tendo
nbtido licenra do Eim. Sr. conselheiro inspector
da Ihesouraria da lazenda geral, para vender es-
tamtiilhas em seu estabr-lecimento rna do Crespo
n. 23. pelos inesmos procos que se vendem na re-
cebedoria geral ; assim" pois, podem as pessoas
residentes nesta cidade e fra della dingirem ao
abaixo assigado, suas encommendas em quslquer
quantidade que sera proBiptamente satisffeitas.
Manoel Martins Fiuza.
O abaixo assigado faz scienle ao corpo do
commercio, qne nao effectuou a venda do seu es-
labelecimento daCimboa. do Carmo n. 3, como
M publicado n i iark de 28 do irez findo.
______________Jos Miguel Barbosarfiamos.
Antonio Jorge dos Santos Ca sciente ao res-
peiiavel publico e com es^ecialidade ao corpo do
commercio, i|ue tem contratado vender com con-
si'ntimento de sena credores, e para pagamento
desles, ao Sr. Beni.i J Cordeira. a sua taberna
da travessa dos expo.-.os, livre e desembaracada :
srt alguemse jul^ar com direito a empedlr* este
negocio tenha a bondade dedirglr-se ao Sr. Vic-
torino de Mmeida RabeJIo ra" de S. Francisco
n. 70, no praso de tres Olas, entregando sua con
taao mesma seobornara ser conferida, Recife
2S de fevereiro da 1870.
Caixeiro
Precisa-se de un rarxeiroo.ue tenha pralica de
taberna : na rna u Brnm n. 6o.
Precisa-se de a ama para coztnhar para
casa de n mea familia: na ra do Mondego nu-
mero 61. _________
~compa.nhia'I:rxambucana.
o" D-VIDEN00.
De ordem do cense!!)., d- direccao se communica
aos Srs accionistas qne o pagamento do quinto di-
videndo razo do-10 por uto, ter lugar do dia
8 de mareo prximo vinDooro em dianle, no es-
criptorio da companlia uo ces da Assembia
n. 12.
O gerente,
F. t\ Ilorges.
Oompanhii americana e brasi-
leira de paquetes a vapor.
At o dia 2 de marco esperado dos portos do
soto vapor americano Mminuich; o qual denota
da demora do costume seguir para New-York
locando no Rara e S. Thomaz, para fretes e pas-
sagens trata se com os agentes Henry Forsler A
C, ra do Commercio n. 8.
C0MPANH1A PERNAMBUCANA
DE
Navegando costeirapor vapor.
Fernando de Noronlia.
-Tb/ O vapor Coruripe command.u. e
*JL Silva seguir para o porto cima no
3E9BBBdia o de nureo, ao meio dia. Receio
carga at o dia 4, encommendas, passageiro; e
dinheiro' a frete, at as" 10 horas do dia da sabi-
da no escriptorio do Forte do Mattos n. 12:
Precisa se para o Rio Grande do Norte um bera
fprneiro. paga-sebom ordenado : a Halar no
do Apollo, armazem de, Jos Duarte das Neves.
0 CIRl'RfilA!) DENTISTA
Fraderieo Maya
Tem a honra de soientiScar ao respeita-
vei publico em geral, e aos sens clientes
em particular que eile mrfdon o seu gabi
netedi) consultas da rna Dircita n. \-2 para"
ta do Queimado n. 31 primeiro andar, com
a entrada pelo paleo de Pedru 11, onde p-
lle ser procurado para os misteres de sua
proQsso, lodos os dia ttteis das 9 horas
da manha s 3 da tarde.
Tambem previno, que contina a prestar-
se a vtade dos clientes nao s na cidade
como nos seus suburbios, para onde as
idas sero precedidas de ajuste. Elle ga-
rante o bom desempenho e a perfeic3o de
se rJ3 trabamos, oque j bem, conhecido,
assim como as ommodidades dos presos.
A pessoa que lem em seu poder por em-
lirestimo a collecgae de Janeiro setembro de 186C
Diario, queira mandar restitui-la no escrip-
torio da typographia.
Uasa de commissao de escravos.
Na antiga casi de commisso de escravos, d
ina-se a nceber n o mato como da praca para serem vendidos, i
:aranie-se o bom trataroenlo o prompta venda
iara o que sa emprega loflos os esfor^os alim d<
otisfazer em ludo j pessoas que o quizerem non-
n sua'confl.inca. Nesta casa ha sempn
tara vender escravo* <\- ambos os sexos, voltios
socos, aasim eomo h:i t da segnranea para os ter
Antonio Jos V. de Souza.
Precisa-se
para todo servico
alagar um atoleaue que sirva
: na ra do Rangel n. '18.
COMPANHIA PERNAMBUCANA
DE
.%'arega^So costelra por vapor.
Parahyba, Natai, Maco, Mossor, Ara-
caty, Cear, Mandah, Acarac e
"Granja.
"^ffib O vapor Ipojvca, commandante
fj/jX. Moura, seguir para os por^
jBHB cima no dia 2 de marco as 5 hora:
Ja tarde. Recebe carga at o dia 1, encom-
mendas, e passageiros e dinheiro a frete at a.'
2 horas da tarde do dia da sahida no escripto-
rio do Forte do Mattos n. 12._____________
""Tara1
Pretende seguir em poneos dias pare o.indicado
porto a barca porlugueza Despique II, por ler a
maior parte de seu carregamento prompto, e para
o restoqoe llie falta, que recebe a tretei muito ba-
rate: trata-se com o consignatario Joquim Jos"
Goncal#s Reltro, rua do Commercio n. 17.
Precisa-se de una ama para casa de pouca i ibaixo assigado, ra do Imperador n. 43, conti
familia para cozinhsr e comprar na ra : a tratar
na ra da Caldeireiro n. 52.
CASA DA FMTIM
Aos 5:0001
Bilhetes garantidos.
A rna do Crespo n.23 e casas do cosame
O abaixo assigado, tendo vendido alm de nu-
tras sorles, 1 inteiro n. 275 com i:OOOO0!> da
lotera que se acabou de extrahir a beneficio ;
da igreja de Nossa Senhora do Livramenlo do Rio!
Formoso (138") convida aos possutdores \irem '
receber na conformidade do costume sem descon-
t algum.
Acbam-30 a venda os felizes bilhetes garan-
tidos da 3* parte da lotera beneficio ds igrej.i
mairiz de Carnar (139'). que se extrahir terca-
feira 8 do corrente mez, peto novo plano.
Precos
Bilhetc fi|000
Meio 3J000
Quarto 1 jSOO
Em 3<)ie5o de 100 para cima.
. Bilhete 5JM0
Meio IPSO
Quarto 15375
Manoel Martins Fiuza.
tira a cara certa Vis tossa antigs e recentes, catarrbos pulmonar, asihma; tos^e aoiviba, catana*
Sronehijs. o em ;ral cootra todos os sotTrimentos in rias respiwtoris.
DEPOSITO GERAL,
SOTICA E DROGARA 0-
3i, RA URCA DO ROZaRIO, 31
PERNAMBUCO
Mainel Narciso da Co la faz publico que
t tem cuntala lo vender com consentimento de seus
credores, ao Sr. Manoel Tavares da Costa Rmeiro,
a taberna que possue mi do Rangel- n. 41 : se
algaem se julgar om direito a quali|er reclama-
cao, ditija-se a mesn;a taberna no praso do tres
hi. Recife 26 de fevtr ro de 1870.
Ama"
Precisa-so de urna ama para
urna casa de pequea familia :
do Imperador n. 79, toja.
todo o servico de
a tratar na ra
O abaixo assigado deixou de effectuar a
compra da taberna da Camboa di Carmo n..3, por
falta de comprimenje de palavra do Sr. Jos Mi-
guel Barbosa Ramos.
loaquim Fernanes de Oliveira.
I'recisa-se de urna ajna para casa de hornera
solleiro : na ra da Praia n. 42
Precisa-se de urna ama, preferese escrava,
e esta que seja de maior idade. para casa de urna
senhora sem filhos a tratar na ra da Praia de
Santa Ritan.'12, confronte a serrara de Vicente
Alves Machado.
I're isa--e de urna ama par casa de pouca
familia : na ra Pireta n. 43, .ndar.
Precisa-se alagar duas ama*, urna que sai-
ba cozinhar e engomar, e ootra que sirva para
andar com um menino de anno e meio : a datar
na ra Formosa n. 12.
Ama.
Na ra do Cordoniz n.' 8, procsa-so de urna
ama que saiba cozinhar._______
a rna ua Concordia, podara n. 9, se prc-
csa de nma ama.____________________________
Aulonio Henrique Roilr gues nao tendo lem-
po, pela rapidez de sua viagein, despedir-se de to-
das as pessoas que o honram com a sua araizade,
vem pelo prsenle pedir descuipa desta falta invo
luntaria, e ao moomo tempo offerecer o seu limita-
do presumo na cidade de Lisboi durante o tempo
que alli residir._________________________
Na ra estreila doJjisano n. 3o, Io andar,
alugamse dous pardinhosjaara criados : quem os
pretender procure das 9 hora- as 3 da tarde.
O advogado Manoel Joaquim Silveira pode
ser procurado para os misieres de sua prosso
em sea escriptorio ra do Cuspo n. 12, 1 an
dar, das 10 horas da manha s 3 da tarde. Beside
ra da. Conquista (Soledade) n. 4.
A therapeutica das diversas molestias do peito.desde
i pharjngite ou mal da garganta ate a tubcrculofia
pulmonar, passando pelas diwrsas bronchites calarrhaes
t o emphysema acaba de ser enreqoecida com mais
este medicamento, que tomara a primeira ordem entre
lodos at boje conhecidos. O jarope Vegetal Americano,
garantindo paramente vegetal, nao conlm em sua
composico um s tomo de opio, e sim somente snc-
cos de plantas indigenas, cojas propriedades benelicas
aa cura da molestias qne pertencem aos orgos de res-
pirarlo foram por dos observadas por longo tempo,
com ptimos resollados cada vez mais crcscenles; pelo
que nos julgamos autorisados a compor o tarop que
igora apresentamos, e oflerece lo aos mdicos e so
publico. Pro vamos com os attesiados abaixo o que le-
vamos dito, e contamos que o conceito de que ji gosa
o jarope Vegetal Americano crescera de dia a dia,
deixando muito apt de si todos os peitoraes en voga.
Illm. Sr. Barthalomeo i C.-O tarop Vegetal Ame-
ricano, preparado em soa conceituadissima pbarmacia,
um ntil remedio para combater A terrivel asibma.
Sofra eo aquella molestia ba qmtro mezes, sem linda
ler combalido os ataques mensaes que tioba; este ultimo
que tive foi fonissimo qne me proston por 8 dias, usei,
Sorem o sea milagroso zarope, tomando apenas tres
Aces, e at o presente nao fui de novo atacado. Prese
Deas, qne eu fiqu ruubelecido por ana vez. Bando-
Ihe, pois os meiisagrdecimenlos per me ler aliviad lo horrivel mal. Com a mais significativa grIiu
snbscreo-me deVmcs. alfccluoee e rccoahccids criado
Seoerino Duartt.Sua Casa 14 defenreir* ik tSCA
Illms Srs Bartholomeo c C. De|>ois de quaa *
metes de sofTrimento com urna tosse iucessanla. tn-'.i*
extraordinario, expectoraro de um calarrbe emanite-
do, e perda total das torcas, que o menor peiiew
me faligava completamente, cansado de tomar rouise.
tros remedios sem resoltado tive a felicidade de nb't o
Vmcs. preparavam o xaropc Vegetal Americano, e cav
eile, gracas a Dens, me acho restabelecido ha mal *t
dois mexes, e robusto como se nada livesse seffneA. *
gratido me Torca a esta declara;Ao, que podero Va:.
fazer o uso que quizerem. Sou com ealinia deVnaex
muilos respcitador e criado. Antonio Jnapam V
Calro t Silva. Recife 8 de fevereiro da I86S.
Atiesto qoe osei do zarope Vegewl Americ-He, eV
composicAo dos Srs Bartbolomce k C. p^ra chacen
forte deOuxo qoe me troupe ama renqoidAn, que me aA*
fazia idtender, inflamma;lo e dor na garganta, leas
grande falla de respira;Ao, e linuei eomplelamenU rtv
tabelecido com nm s vidro do mesmo xarop*-, p>
qoe Ibes protesto eterna gratido. tiecife 10 dt ;o
neiro de 1868. Jcjuh frnra irant$*Jvimr. -
Esto reconbecidoa.
CARVAO DE BELLOC
PARI|
ipprovado e recommendado pela Academia miyonal de medicina de Parz para a
cura da gastralgia e em geral de todas as doencas nervosas do estomago e dos intestinos.
t egualmente ^ remedio por excellencia contra a relenco de ventre. Finalmente ea
razio de saas propriedades absorventes, recommendado como verdadeiro remedio oca
cazos de diarrhea e cholerina. O nii 4a elivx toma-te na occasiao daa coinidavs
sob a forma de pos oa de pastilhas.
Davotito em Rio-Jimo, DuponehelU; Chevolot. En Pibrahiuco, Uaurer I C".
mmmmmmmmmmmmmmmmmaam
LDEOIJ
ttll
-IEO
_______dk as CAMBIA 0?
Este importante estabelecimento no sea genero, tem sei&pre nm sortmento sem ignal*! esquina |J
Ida rna larira d0 v*n?* Pr P*6'08 ^e nenhumA outra casa Pde vender. L .^
I ; A vista da qualidade e do pre Rosario. Oarante-se ser tudo de lei. Compra-se ouro, prata e piedras finas por precos multo ele- Eosaricu j
A loga est aberta at 4s 9 horas da noute.
y.) i'-*
j
mam



Diario de Peraambut Quarta feira 2 de Marqo de 1870

A ESMERALDA
PERFUME INEXTINGUIVEL.
Para o Lempo, Toucador, e Bamio.
AO ARMAZEM
DO
CABELLlffiffiO FRANCEZ
51Ra da Cadeia do Recife51
LOJA DE JMAS
ac
Este antigo estabelecimento, completa-
mente reformado de novo, est as condi-
foes de servir ventajosamente os seus fre-
gnezes, visto que.acha-se prvido com um
axolendido sortimento de obras de (raro e
prata de lei, assim como brilhantes e ou-
tras pedras preciosas, cujos presos sao os
mais mdicos que se pode encontrar.
As joias compradas nesta casa recebem-
6 em troca ou compram-se com pequeo
*bate. .
11Ra do Queimado.....11*
\UGUSTO P()RTO, tenflo recebido directamente da Europa riquissin-os cor-
M de vestidos de blond para noivas os Mp5e v nda pelos raais mdicos precos. No
aesmo eslabc.cci_nto ba constantemente cooiD'.eto sortimento de faz indas finas como
Cortes de setim d cores e ditos de seda dos mais elegantes gostos.
Colchas do seia de cores, ditas de damasco e la, ditas do crochs e de
oslobranco para camas todas milito libias.
Cortinados bordados para camas e janellas de maltas cualidades o procos.
Vestidos brancos bordados, c _braias bordadas, filos, laiiatanas e cambraias
ms e transparentes de muitas qualidades. -
GorguiHo pn-to pan vestidos-, groadenaples da todas as qualidades, merinos
aritos, alpac usinas, pretas, pannos pretoa e aaoes, casemiras pretas e de cores
orando variedad*; de todas as I./.cuelas tanto para a praoa cuma para o niatto.
Fronhas de cambraia de linbo bordadas, e toaas dccambraia do Imbo borda-
la scom muito gosto. t ,
Algodo liso e trancado, azal c de listras, madapoln, cintas e todas ss razen-
_ para fabricas de encomio as quaes vendan a diub- iro. peos precos das casas m-
Siezas, Esnc te estabelecimento ba simpie o mais esplendido sortimento de
Esleirs da India para forrar sala-, que se vende mis barato
do que em outra qualquer parte.
\MUI AFAMADA
AGUA de florida,
DE
URIfY ft L1SAX.
He o mais delicado e mimoso e ao raes-
mo tempo o mais cstavel de .todos os per-
fumes e encerra em no seu maior auge
de excellencia, o propino aroma das verda-
deras flores, quando ainda na sua flores-
cencia e fragancia natural. Como urameio
se cabeca, nervosidade, debilidade, desmaio,
flatos, assim como contra todas as turmas
ordinarias de accidentes bystericos; de
summa eflicacia e nao tem nutro que o
i-male. Igualmente, quando> destemperada
com agua, torha-se um denuncio o mais
agradavel e encllente, dando aos denles,
aquella alvurae aperolada apparencia to
altamente apreciada- e desejda pelas Se-
nhoras. ...
Como um remedio contra o mau hlito
da boca, depois de diluida em agua,
summamente excellente, faz remover neu-
tralizar todas as materias impuras qpe se
criam roda dos dentes e das gengivas,
tornando-as duras, sadias e dtima linda cor
encarnada. Quanto a delicadeza, riqotza
e permanencia do seu fragrant aroma, ella
por certo nao tem igual; e a sua supe-
rioridade sem rival. E1U igualmente tor-
na-se um meio mui excellente, para fazer
remover de sobre a pelle do rosto, toda a
qualidade de brotoejas, ebulices, sardas,
pannos, manchas, impgero e espinhas.
Quando se queir'a servir dejla como reme-
dio para fazer desaparecer qualquer um
destes disfiguramentos, e que tanto destei-
amalindas feiees o bello sexo; devera-
se usal-a n'um estao de dillun.-an, destem-
perando-a n'uma pouca d'agua ; poriirnc
tratamento de quaiquer espmha, usar-se-lu
della pura em toda a sua forca. Final-
mente como um admiravel meio de com-
municar as feices trigueiras e palhdas,
urna pelle mana e d'uma transparente al-
vina, dando-bie urna linda cor de rosa :,
para um tal fon, ella leva a palma a todos
os perfumes que se teem inventado at bo-
je, e existe em plena soberana sem rival.
Bem entendido tudo isto se refere nica-
mente a Agua e Florida de Murray A
Lanman. .
As iiuiuices que se temfeito na Franca.
Allemanha, ossim como em outras partes
sao inleiramente imitis e invaliosas ; por-
tante recommenda-se mui especialmente
s senhoras, que tenbam toda a preeaucao
e cuidado, de quando 'compraran, e^jam
certas que compram.
A, GENI INA
AGUA DE FLORIDA
* DE
MUKRAY A- LANMAN,
A qual preparada smente pelos nicos
Propietarios,
LANMANN & KEMP, DE OVA YORK.
\cha-se a venda nos cstabelecimentos de
A. Caors,J. da C. Bravo, 4 C. P.
rer & C. A. A. Barbosa.Bartholoni' <
Feicor.
Preci.-a-so de um trabajador pan Katar de
um sitio peqoeoo, paga-.se a secco, e i
Rna Xova o. 3,
acaba de chegar pelos ltimos vapores novas re-
messas dos segeiotea :
Calcado francez
Para senhoras.Botinas braneas, pretas, e de ou-
tras multas differenles cores i ultima
moda.
Para meninas.Botinas das mesmas cores e qua-
lidadis cima.
Para homens.Bolinas de eordavao. bezerro, ver-
niz, pellica, o melhor sortimento que se
pode desejar.
Para meninos.Botinas das mesmas qualidades
mencionadas para homens.
Para homens.Botas qpcianas, meias-bolas e per-
neiras.
Pjra homens, senhoras e meninos.Sapatos de
ta|te, aveluddos, charlte, casemira
preta, tranca de Lisboa etc. etc.
Para meninos o meninas. Abotinados fortes de
muitasjqualidades.
Qinquilharias
Finos artigos de Paris, de gosto e phantazia,
como sejam, leques. espelhos, luvas de Jouvin,
caixinhas de costura com msica.', joias de ouro
bom de lei, ditas de plaqu, cofres de seda e bol-
cinhas para braco, estojos para viagens, bengalas,
chicotinhos de baleia, oculos, lunetas, correntes de
relonos, e perfumaras deCondray e de Piver.
Brinquedos para crianQas
Carrinhos de 3 e de 4 rodas para passeios, eos-
moramas e realejos de diversos tamanhos, e um
cem numero de brinquedos francezes e allemaes
para entreter" menin js.
Para evitar massante leitura de tantos artigos
expostos venda neste estabeleeimenlo, o dono
pede ao publico em geral que se digne entrar de
passeio afim de verilicarem nao s a grande va-
ridade como os precos baratissiraos por serem
todos chegados de corita propria.
Chama a attencSo dos seus innmeros freguezes, e do respeitavel publico ei
geral, para a segante tabella dos precos de sua casa, os quats sao vate por cent
mais barato do que em outra qualquer parte:
Cabelleiras para senhoras a ii$,
m, 35/ e......405000
Ditas para hornera a 355, 40$ e 505000
Coques a I5, 155, 185, 205,
255, 305 e.....3000
Crescentes a 125,155,185,205,
255, 305 e......325000
Caobos ou crespos a 35, 45, 55,
65, H, 85, 91 e. 105000
Tranca de 'cabello"para annel a
500 e....... 15000
Tranca para braceletes a 105,
155, 205, 25 e 305000
Cadeias para re
75. 85, 95,
155001
50I-
501
Corte de cahello,
Corte de cabello com fricc5o. .
Corte de cabello com lavigem a
champou...... i 5001
Corte de cabello com limpez da
cabera pela machina elactri-
ca, nica em PernambuccL .
Frisado ingleza ou francera.
idOGI
501
25f
ASIGNATURAS MENSAES
Especialidade de penteados para casamento
Bailes e solres
0 dono do estabelecimento previne s
Exmas. Sras. e aos eavalheiros que ha um
salo para tintura dos cabellos e barba, as-
sim como um empregado smente oceupa-
do nesse servico.
Recommenda-se a superior TINTURA JA
PONEZA para enegrecer os cabellos e bar-
ba, nica admituda na ExposicJb Universai
como nSo prejudicial sade, por ser vc
lalil, analysada e approvada pelas acadj
mias de sciencias de PARS E LONDREf
Praca do Corpo Santi n. 17 primeiro
andar cscriptorio de Joaquim Bodrigues
Tavares de Mello, tem para vender :
Fumo em folha de superior qualidade.
Vinho Bordeaux de superior qualidade.
Farinha de mandioca em grande por-
cao e boa qualidade.
Cal de Lisboa muito nova.
Potassa da Bussia.
Methodo Castilho.
Manoel Jos de Faria SimSes, professor particu-
lar do instruc^ao ellemeniar pelo methodo Cas-
tilho, tendo chegado do mato, onde foi tratar de
sua saudc, avisa aos paos de seus alumnos e ao
respeitavel publico que uo dia 24 do corren'.c
abre de novo a sua aula, na ra da Sen tala Ve-
Iha n. 121, segundo andar. Em dita aula ecebe-
se alumnos internos e txternos.
TEZOURA DE OURO
DO ________
A' roa do Queimado 11. 6, primpiro andar
8 pessoas para o servico e o maior acceio nos trabalhos de barbeamentc.
0 sal3o estar aberto, nos das uteis das 0 horas da manbaa s 9 da |ot-
e, e nos das santificados das 7 a 1 hora da.tarfle.
AMA
Precisa se de una ama para o servico interno
Je pe mena familia : na ra do Vigario n. 5, ter-
eeiro andar.
0MAKAVILH0S0BEMEDIOD0
. DR. CHAS. DE GRATH.
IG 0 F
0 RE
CTRiCO
PlN
Trilho urbanos do Recife
Olinda.
Conlinua-se a comprar durmentes de sicupira,
oiticica, araarello e outras madeiras de duracao
para o chao, com as dimensoes seguintes : 10 pal-
mos de comprmeme e 3 III p degadas de grossa-
rj.de 7 t|2de largura : para tratar, no telheiro
' la roa da Aurora, desdo as 6 horas da manha s
(lili l mi- i'iriui'ii iiMi," .' --------------/
casado : a tratar na roa Nova n. l'J, Io andar
PEDIDO
Pede-se encar-cidamente aos Srs. Domi
Theodoro Bigueira e Anstides Floreonu Caval-
canti de Albquenpac (dt Senn ;nham
ra do Vigario n. ii, a negocio que se precisa
ultimar. ?
PAIA USO UTEHXO K KXTI5RSO.
Cura cholera e cholera morbus.
Dor as costas e nos lados, em dez mi-
nutos.
Tosses perigosas e refriados em um dia.
Pluercsia, em um dia.
Surdez c a^tlinn.
Hemorrhoidas e brnchites,
Imfldmsyao nos rins.
Dyspep^ia, erysipelas.
Molestia do figado.
Diarrhet, ibixo do sangue, em nm dia.
Dores do cabega, e dores do ouvido em
ti es mirr
Dor de dentes, em um minuto,
^euvraigia, em cinco minutos.
Deslocaces, em vinte minutos.
Gargantas indiadas, em dez minutos.
GolfealicolvulsSes, em cinco minatos. -
Rheumaiismo, em um dia. ^
Febre c febre intermitente, em um dia. Palpitado de :orac3o.
Reson sempre este remedio na sua familia
5kS DOEXCAS SE APRESENTAM. QUANDC MENOS SE ESPERAM.
OLEO ELCTRICO O King of Pain (O Rei da dor) aquieta e positivamente dis-
sipa mais de differenles molestias e dores, c allivia mais os soffrimentos e produz uro
mais perfeilo equilibrio no systema humano, o que nao se pode effeituar no mesmo tem
po, com qualquer outro remedio medicinal.
Esto muito popular rem dio est agora usando-sc geralmente, pela razao que
raimares de pessoas se tem curado gratis com o dito remedio pelo Dr. Grath e outros
mais. t ...
Este importante remedio nao se offerece para curar todas as doengas, porm
to somonte pan aquellas estipuladas as nossas direccSes.
Est operando nos principios da cbimica e da eletricidade e por isso, est
jpplicave! para o caramente e para a restaurado da accSo natural dos orgos que so-
ffrem da irregular circulac3o dos fluxos dos principaes ervos. Oleo elctrico O King
of Pain opera directamente nos absorventes, fazendHlesaparecer aa. incbacoes das
glndulas ele em um tempo incrivol; breve sem perigo do seu uso debaixo de qualquer
circumstancia.
O remedio urna medecina para o uso externo e interno, composlo dos ele-
mentos curativos, r3zes, liervas e cascas, taes como se tem usado dos nossos antepas-
sados, e das quaes tem grandes exigencias no mando, para curar todas as molestia?
rnenle s.lnjndo-se quaes ellas s3o. -
Pol um grande e especial dfljejo da facoldade de medicina durante muitos an-
*oc de ex 1 para aprender osIBflhores modos que se deviam adojtar para curar
as 'trnin'.es doencasi eque proporgocs de medicina se devia usar.
NICO DEPOSITO M PERNSWIBUCO
NA PHARHACtA E DROGARA DE
Bartholomeu & C.
$4Ruh Larga do Rosario34
INSTANTNEOS"
Travessa do Corpo Sanio n. 2o
ARMAZEM
Ra Nova n. 38, loja.
Randeira, Machado A C avisam'ao espeitavel
publico que nos lugares cima encontrara no
mo-semprc grande (|nantidade de ditos pufos, e
qu se acharo habilitados para vender por menos
que outro qualquer, por isso que os receben) di-
rectamente do fabricante Norton, de Londres.
As vantagens quo offetecem os pocos instant-
neos sao : prhneiro, podercm ser colocados den-
tro de casa ou fra, com o trati ia a duas
horas; segundo, forneccrem o n>i .pu-
ra e abundante, pdenlo attem removidos do um
para outro lugar, optando asirn ronvier.
Os annunciantes s roceb-r.i- riancia dos
referidos pocos dcpr.is di iiistazendo
espectativa do comprador.
Nao inais 'cabellos brancos.
A tintura japoneza para lingia os cabellos
da cabega e da barba, foi a nica admittida
Exposicao fc'ajjersfl/, por ter sidoreco-
| rhecida superior todas as prep.arac5es at
i da larde.
O snperitendente,
Andr de Abren Porto.
" V1 FALQUE
rTESTA ANTIGA E CREDITATA
FABRICA
mCOHTli II C0RST1RTE1IRTB lili COIPLIIO I0IT1IERT6 Di
i
CHAPEOS DE SOL:
De todas as qualidades I
De todos os feitios I
De todas os presos I
RA DO CRESPO
Ha travessa da raa
das Crnzes n, 2, pri
Bielro andar, fla-sc di-
nlielro sobre penhores
de ouro, prala ckrilhan-
_ les, soja qual for a quan-
i tia. Na nicsnia casa com-
prani-se os mesmos me-
^ taes e pedras.
9 RA DA IMPERATRIZ 9
O proprietario (leste eslabi-lecimento acaba de roceber um completo soiiiuit -
to de pianos do afamado fabricante Berx, entre os quaes tem alguns pianos*de grande
formato e conten mais de que sete oitavos.
0 proprietario deste estabeleeimenlo oerecfl co pub>ico maiores van!;:
que oulro qualquer, fazem-se todas as qualidades de roncertes e aflnafoes segn,!
melhor systema com o miior esmero e promptidSo po.ssivel. iktmqm Vogeley
AMA DELEITE
Precisase de urna ama de leite : na rna
Queimado n. 49.
do
aoje existentes, sem alterar a sade.
Vende-se a i 000 cada frasco na
Rna da Cada n. 51.
1. andar.
Advoffacia.
O advopado Ayrcs Gama contina ter
seu escriftorio na ra larga do Hosario
n. 26.
Grammaca nacional
Primitivo de Miranda, esiudante do 5 anno, d
li?5es ra da Conceicao n. 12 ; pode tambem
ser procurado no escriptorio do Dr. Jacobina, ra
do Queimado n. 33.
CAMA DA FE.
:000$000.
Attenpo
Alujra-se ou ejompra.se urna ca?a terrea que
tenha bastantes commodos e bom quintal, ainda
mesmo que fenba de faier-se con-ertos, porem
que seja nos seguintes lugares : Sotedade, Lam'
nho-novo, Hospicio e Principe : a tratar na ra
do "Crespo n. 7, loja do galo vigillante. _____
20:000^000.
A casa feliz do arco a Conceicao acaba de ven-
der pota quarta vei nos seus muito felizes bhete?,
um bilhete inteiro n. 4332 a sorte de 20:000*000,
e alera desta-mais algumas de 200* v de 100*.
Figueiiedo & Uit*-
Bilhetes do Rio venda : rna do Cabug n. \
?nde Vieira & Rodrigues.__________________
Na praca da Independencia n. 33 se da di-
heiro sobre penhores de ouro, prata e pedras
ireciosas, seja qual for a quantia; e na mesms
asa se compra e vende objettos de ouro e prata
j igualmente se faz toda e qualquer obra de en
jommenda, e todo e qualquer concert tendent
i mesma arte.
O dono deste estabelecimento tinge, limpa e achamalota com a maior
perfbicao possivfel todo e qualquer objectode seda, la, algodSo, em pecas
ou em obras, chapeos de feltro, palba e manilha etc., tira mofo das fazen-
das e faz todo o mais concerner.te sua nroGss5o, rudo com brevidade, visto
como se acha prvido dos necessarios machinismos e petrochos.
Ota Schneider.
-j l)r. Luiz Jos Correia de S contl-
..aa no exerciciu de sua profissai meJi-
cj, e reside ra das Nymphat, (S)ledade) |
n. 17, onde peder ser procurada.
mnibus de Ca-
changa'
Para &:
boje Mi'diai
partir para Caebm
Aluga-se o Io andar do sobrado n. 5 da ra
Imperial : a tratar no andar terreo.___________
Precisa-se de urna ama cozinheira para casa
de familia : a tratar na travessa do Queimado n.
18 B, loja de miodezas.
Collegio de Sania Genoveva
Rna do Hospicio ns. 8 e t4.
As aulas deste estabelecimento admittem tam-
bem estudantes externos e estarao completas des
de o dia 3 de marco. >
Alero de instruccao primaria ensina-se" as se
guinles linguas:
Portngueza.
Latina.
Franceza.
Ingleza.
Arithmeliea e geometra.
Geographia e historia universal.
Fhjl'isuphia e rhetorica.__________________
Correspondencia de Portugal
Os Srs. que ainda deveni suas assignaturas de
nm, dous, e at 3 anno*, nao obstante a deligen-
ca que ve ha feito para reSeber, queiram mandar
pagar no escriptorio de Tasso, Irmaos & C. at o
i de Margo, quando ser enviado so
na folha uraa \^J> dos devedores
qne nao o tenhatn feito at aquella data.
-
-* do pbarraac/-1 na roa do Imperad"
--_n ? 'OWW'H
nJ 'lin_x
3 18 iuaT|| KmqwMUd ? ss*H I n-cuonodny
%ounc '! 'IH3UJ "I 'I*** <
oiiso.iaa
suoj rp vuptpjut p. jviudm
vmvpwy vj9d tojwaudo wvmJ topt^iuvoip^1 *** S0V.l "CSIAV
mnpai op wiuopwv
nad sopwaid oonod sop um tmnirab wioiuud ap 9 oand opauwS
-^Hiaaa 30 ovhivovs aa oavou 3a obio
-I f t op esop i 'juBf op Ofistwo iu sspsuioi I3J3S "d n TI8
-ua 9Mtn*0Mm P ovio*l ns ara r.uassnaix Josonjiud 0 -utuora aa
op VNIXH:-3U3HX 30 IOM3tS3 30 SW10U3J St|ad SBpjnO Ofs |UW
_ so-ion saiop R supo o -otu. 'soaocnnoi 'wn!* omm rrt
-seprai mso.p ovnd jo.mu v 'V9IX38 Vd SVI1S310
ouiirab op oiBjins oc osisp
-aj onb ssSuun son.?! s bjii3 opMl t mo ? opu*>jdK o ibJjoj sjqj
-opntp 'ooiuoosoibauoo so o*?o rabiou osos mos 'omamb op oicr^
-a_ oojoqjoui tsp um o 'oiuojsuoo piiowS 9 oc5i>od.uo3 ftio soonod
sop nm 'oqu|A ojSH tnktJJ^ir p niNlfl5 30 OHMIA
8;|O0 jo
___d n* W*Px ptuoimijrifn m

e Bn8,-P tieus
otm rao td bw.p om* ara *M"--n> ia '3QOU 30 Od
131inowou o opo-J! mo, orniij epoo -_na 10 nnw 1^
,,,;_%*_ o woo sopnoqraoo oidu.* ojs sosou.Sru^op oJn
opU10J1SS9MU oabsojuaoim^ i a 230lllVcl V WllMaNV
_El1T)'IK -3H*3XI svifusJ mpd BiwuitoidM spedrs
-^opsoctaojnnsa W01V1A3N !SV03nOtfXN3
iHinird uta DO qd rao 0011 30'oillta oiad !P soonod i_ _o
-OV5VdllSNOO OOVWOiSB.0S01M3WWJOS
.,' A-'IT***
MUTILADO


Diario de Pernamfcuco Quarta feira 2 de Mar<;o de 1870.
h
/

-*-

?3
AGUIA.NEGRA
_
... -*CJ
BENTO MACHADO ft C,
A AGUIA NEGRA animada com o bom accolhimento que te ve em seus annun
Cios, vem novo participar a seus Treguezes que, acaba de receber um variado sorti-
mento de objectos de gosto os qoaes ser3o vendidos por precos muito razoaveis, pois
quando fez os seas primeiros annucios, foi. o que assegurou, e sem modo de errar,
porque como j disse osla interesses ligada a urna crea importadoradesta praca, e
por isso poder ter tudo especial e vender por precos admiraveis.Chama pois a atten
fio de seus freguezes para os arttgos possa descrevcr:
Livros com o tampo de marfim, madre- Um variado sortiments ,de charuteiras e
perola e tartaruga, proprios para raissa. palliteiros de porcelana,
^u3saradfilhaSstVaZaS PrPra PaPa preSent6S Tentos Para vollarete.
^Indisp^nSs de palinha e de courg pro- Bongallas com marfim, cousa especial.
prios para senhoras e meninas trazer nos Sabonetes de alcatro.
bracos. Cofres de follias para dinheiro.
Binculo? di madreperola, marfim e tar- Lindas cacas para costura.
'araga todos esmaltados. | m complelo sortmento de lavas de pe-
Cintos largos de setim, cousa inteiramen- ,-, "
t* nova. # i1M"
Fitas de sarja de todas as cores e largu-1 Talagorce para bordar.
as para lacos. Um completo sortimento de enfeites de
Toacas, sapatinhos meias de seda e mais seda para vestido.
oertences para baptisados. Perfumaras de todos os autores os mais
Fitas com inscrpcBes proprias para bou- acreditados em oxtractos, pomadas e leos
fnet de noiva, e finalmente outros muitos objectos que nao
Ricos vasos com p do arroz. possivel mencionar ; mas com a vista se
Um variado sortimente de jarros de por- certificarlo do sortimento deste estabele-
celana. cimento.
Aguia Negra, ra do Cabug n. 8.
m wmmmmwmmmm mwmmvmmmw wmmmn
* CT P rrj c-=: O RE. 35
JH a, S ^ BsM> -.
a Ef.. 2 s ^ag tO
ti O B H r2 *w
Travessa de Corpo Santo n. 25.
Os acreditados cylindros americanos para padaria, por "ous differentes systemas.
Machinas para descarocar algodo pelos memores fabricantes de New York.
Machinas de vapor systema de locomova e polias p3ra as mesmas.
Carrinhos americanos para trasportar volumes em arraazens. Tudo por pre
'eos razoaveis. ,
TRAVESSA DO CORPO SANTO H. ti
! LOJA DAS MACHINAS
BASTOS
Acabam de ebegar grande qifflntidadG das verdadeiras machnis amencanai
ara descarocar algodo de todos os systemas e tamanhos seguintes:
12 serras 12 serras
14 ditas 14 ditas
15 ditas 15 ditas
16 ditas 16 ditas
18 ditas 18 ditas
20 ditas ^ 20 ditas
22 ditas 22 ditas
25 ditas 25 ditas
30 ditas 30 ditas
35 ditas 35 ditas
40 ditas 40 ditas
\% quaes se vendem por precos commodos e roga-se as pessoas que dellas fizeram en
sommendas de alguns tamanhos, obsequio de as mandaren) busca-las o mais breve pos
vel afim de nao haverem faltas.
RA DA CAMA N. 56 A
si o o __ a
i~ a rs c
9 3 o 5"3j? g sr a
3
a
a
S. 2. B g erg
S O 9 01 C.
QJ 111 9
3ja So E3 -.
Sg? |
.es o
cp||3|S
H S. o.
11 Hl
~ -. Crt < X
o -o re &> 15 .
S fi i O n
o <-5 3 5 p
Ia* I i
3 S -
" B a S _
2

O
-Ra da Imperatriz-
F. Gautier, propietario deste importante estabeleciraento tem a honra
de participar ao respeitavel publico que acaba de chegar da Europa para on-
de tinha ido especialmente para contratar peritos officiaes e que conseguio
contrata-Ios na primeira r^isa de Paris, por isto julga que todos ficaro satis-
feitos dos trabalhos do seu estabelecimento cu jo excellente material ainda
foi augmentado cora novas machinas que ja'recebeu e tambemmuitas drogas
novas corn as quaes se oblem estas maravilhosas cores modernas t3o apreci-
das em Franca e .em lodo o mundo,
Tinge, lava, limpa, lustra, achamalota com a maior perfeicSo fazendas
em pecase em obras de todas as quaiidades como sejam: seda, la, algodo,
linhas, chapees de feltro edapalha etc., etc.
Tira nodoas e limpa secco sem molhar os tecidos, conservando assim
todo o brilho da fazenda.
Impressoes sobre tecidos
com este novo systema, os vestidos de seda enutras fazendas que at agora so
podiam tingir-se decores lisas, podem receber vum bonito desenho de cor
diversa, a' escolha, o que realca a fazenda#e lhe d mais merecimento.
Tintura preta, terqas e sextas-feiras
As pessoas das provincias limitrophes que quierem utilisar se do seu
estabelecimento podero mandar o que tiverem, na certeza de srem t3o bem
servidas como no Rio de Janeiro ou na Enropa, e com mais prestesa por
causa da distancia.
s
: o re a -
ggSg
o a.
Q5 3 7!

SO
63




f : .': '' 5..?-yi :
*~ 09 P M VF
*' N 01 > B
c
i\
...eo&t;
niiiiiii vdont^r MMeUdot pnt crcdrtjr.
P
VERDADEIRAS
n m
C
OE
BLANCARD
COe ->.DO FERRO INALTERAVEL
)VADAS P -. ; MA DE MEDICINA DE PARS, ETa
"-oprieda : do rtrro, con vem especialmente as Affeccos
,a (raqueta dt temperamento a tambero nos easos St
un precisa reagih "obre o sangub seja para restituir
i. ou para provocar regular o seu curso peridico.
i nm medicamento infiel, sPS r\
.. ... iitade dai rerdadeiraa M- jfLf OU
'iiir oosm aeil* de prata reaelira %y/c^70t/t^}
Ja,_qp sa acha na parte inferior de db r ipYy'"*\
I
SO.
Falt. >-a
Ib* a o
N. B. O
hritant. Ce
|Wh BU.
L no**o Irma, aqai
^^ratala de. lit. o-na atscofiar dat falsil":*x;os.
M ;;;>rlic3<*o e ofl > hevs bstame doente de urna consii|iacao, que
rf uilp.irs oblillo^ petas pemoas^ae se diciiramso efl-
i Kira : psique san MBpre'M
ntMiloa^ e h oe)|rt que l3g;o
BMuaeaBrlaianitain- mas ni
raiTi, oiv'ji .
ii's. osteeiii'f poWiear nKBife^tMKo-lba
i) |irla Mlen(in. ef, teiiuto
i i, e acacilac q:ie tea i fa-
euie <,. tte Miope. ttartaolaaiM i C.
latei-aeen toxii aa akanareir,____Phnrm-.eniUee, ru Menmpmrt, 40, P*rU
AD.
IRaK. Si. Nrtfe!<>aii-o ft ('. R com a msi
[vpe Ami .,
. :


i
he Vi
-
legetaj Americano, de na composirlo, qoando m<
r tiiniou conipl^t;!mcnie roucit ( que trouxe urna fort*
in<- tuip's-intlitnii de ciimpriros neus deveiet
de ranlor da einpfza lyrica, vou agradecer-Ibes mea
eonpl lo resiabeiciimenio, que obiivc com um s vidr*
du mismo larope. depois de liaver recorrido a milito
tratatiiuntns. Duseiarei que oatros como cu recorran
a sen isrope para se erem aliviados de to terri'e!
iaeoinaMea, lio fatal oeste paii. Com malnr conside-
niicno a ser de Vv. Ss. atiento, renersdor <
a. Luiz Ciemona. Rccile 25 de setembrr
M IMiN.
IIIihs Srs flarlholomeo ftC 0 larope Vegetal Ame-
riaao que V'.. Soda Uaaalo i cnda i do toda efl-
ira o coratTo dasiima, canforme obserrei ap-
-" a mea lilhn Ji^qoiin. menor de qoatri
vicina d'ease flan*llo. qne ate enlJopnr espac*
Q i pof Vv. Sn. ceeitar >
r il." men recn;i!ieeimenln a
ka p.'i'siaiam coa o ii ii;cad
riada.
rxtttc de endoofa.
ELEPHANTE COM BOTAS
GBANDE AMAZEH DE PIANOS, MSICAS E INSTRUMENTOS
ANTONIO JOS DE AZEVEDO
N. 11-RUA NVA--N. 11
Partecipa ao respeitavel pablico desta citiade e das mais provincias visiflhas,que cy*eu.grande o bem acreditado armazem de instrumentos para mnsi-
fiamos
O Jamados e bem conhecidos pianos fabrica do Sr.
AFFONSO BLQNDEL
ie Parts, de qaem o annuniante o nico agiote nesta cidade, como prova com o documento abaixo transcripto e assignado pelo dito Sr. Brondel. Estes pianos, fabri-
sados especialmeole para o clima deste paiz, sao os unieos que fferecem orna garanta segura de ua durStcSo. Elle;; s5o aqu bastante conhecidos desde I84i, para que
leja ecessario insistir sobre aua superioridade; As suag vozes s3o muito flaa'adas e melodiosas. Elles possuem m teclado que se presta a todos os caprichos do
lanhores pianistas. ,.-., .,nt-
Todffl as pessoas que coiimrarcm pianos ncsla, casa, *. i exigirem o certificado de origem assignado pelo Sr. Bloodel, afim de provar a sua
lotencidade do numero de piano com o de cerneado.
AO PUBLICO
Ao pubico.
Por uTiica resposta ao artigo do D
nambuco de hoi
claro ao publico, qui ata res
ponsabilidade o amor ou .el do mesmd
arlig), visto como tenho ta toa maauton-
cio de rainha honra, como quaquer qne se pre-
suma honrado, tal vez somenle porque a sorto lhe
tem sido rmis prospera. Recito t" de marco de
1870.
Antonio Jos Gomes.
Nutrimento
MEDICINA!
I'REPARADO POR
!. i timan dcKemp
PARA
1 isica e toda a
qualidade de do-
encas, querseja
na garganta, pei-
to ou bofes.
E x pt e s s a-
mente scolhido
dos meihores fi-
gados dos quaes
se extrahe o
leo, no banco
da Terra Nova.
purificado chi-
niicahnente, e
suas
P ropriedades
conservadas
com todo o ch-
dado, em todo o
frasco, se garan-
te perfeitamen-
le puro.
Este olee tem
sido submettido
a um exame
muitosevero, pelos chiraicos de .mais tale-n
ot, do governo hespanhol em (iuba.foi di-
vulgado por elle e contem
MAIOR POR(?AO D"lODlNA
do que outro qualquer oleo, que elle tem
examinado
IODINO E'M PODER SALVADOR
Emtodo o oleo de figado de bacalluio.
e naquelle no qual contm a maior porejo
d'esta invaluavel propriedade o nico
meio para curar todas as doencas de
GARGANTA, PE1T0, B0FES,F1GAD0,
Tsica, bronchites, asma, catarrho, tosse.
resfriamentos,etc.
Uns poneos frascos d carnes ao nwito
magro que seja, clarea a visla.e d vigor a
todo o orpo. Nenhum outro artigo co-
nhecido na medicinaflou sciencia, d anto
nutrimento ao sysloma e encommodando
quasi nada o estomago
As pessoas cuja organisacSo tem sido
destruida pelas ffecees das
ESCRFULAS OU RHEU.MATISMO
e todas aquellas cujadigosto se achacom-
pletameht.1 destrranjada.devem tomar
O OLEO DE FIGADO DE BACALHAO
DE
l.annian A Ekeitip.
Se que desejam ver-sel i vivs eexepasuj
de enfermidades
^3
^ ^B
9 0 Dr. U Moiu de valia de jua va-
_ .geni da Europa onde dedicou-sc s mo ~
y$ lenllM de senhoras, a partos e alTec^as j,
^ de pelle, p;le. ser procurado em ana cao y>,
(Z ra da Imperatriz n. D> cnnsullas Ct
@ das 10 horas ao meio ilia, s-ondo i;rati3 >K
^ para os pobres. t^
Preciosa ublicacao
juriica,
Commentatio do Cdigo Commercial Porl"
gttez c Brasileiro.
Vende-se na luja da rita do Crespo n.
o A esquina da do Queimadu, a impor-
tante f moderna obra sota o titulo de on-
nota(ocs ao cdigo do commerdo portuguez
em 6vohim.es polo Exm. Sr. conselheiro
Dr. Diogo Pereira Forjaz de SaropaioPi-
jientel, lente cathedialico na ui>v,rsi
de C'i'iibr Os subid .
goza muito meriidamenle aqoelle eximii
commercialisia por si s baslariam para re-
cnmmendar 15o impoilaide obra, qoaodi
n3o concorrsse tffais para isso a grande
vanlagem de ser om oprimo commenlario
ao cdigo conrmertial brasileiro (na falt
absoluta que ha de, qua qner ootro) plamo
xma homogencdade de entre moitas dai
suas disposifoes, e as do mencionado i
~go portoffiez, que lhe servio de texto.
oirei pressurosos, distinrta mi
do fc armo da FaColdado de Direito i
cidade e notareis jurisconsultos, a prver-
vos desse poderoso auxiliar p3ra vossos
trnbalhos da sciencia, e pelft pre?p aaaaodf
de 203. toda a obra em 6 vol.
Mubfuie |Gb)ca^o SiiUcrara
sob o ululo de Memoria do
Bom fcstis do Hoae, em
lirada.
Acha-ne venda na loja da ra do Cres-
po n. 25 A, esquina da do Queimado a pri-
morosa Memoria do Bom Jess d< Motile em
Braga, ornada de gravuras finas, segunde
edi^o, obra da penna de ouro do muj Ilus-
trado lente da uuiversidadt; d..- Coimbra, i
Fkm. Sr. conselheiro Dr. Diogo Pereira
Forjaz de Sampaio Pimentol. (Juera ti ver
noticia da extraordinaria devoiao que exis-
te em Portugal para aun aquella milagro-
sissima imagem, aflluindo sempre para o
seu msgestoso templo em ronnria o nume-
roso povo de todas as panes desse reino ;
queni soober avallar as bri!haites desenp-
coee, e q bello e,studo daquelle consumma-
do jurisconsulto e eximo Iliterario porlugue?
nao deixar de prQgpnar. quaulo artes pro
vit-s- do um exemplar da dita memoria,
pelo diminuto preco de :i-S. nn livja indica
da,, onde ha pequeo numero deltas.
Na mesma loja cima ha ondas esumoa.
muiio perfeitas e grandes do dito Setor
Bom Jess de Braga, por pro ;o com modo
200^000
tem m
olhos afogut'ailo<, tinl
nho Leocadio Vi
do Sr. capilar] Francisco Ro i
Pesqueira, linlia vind
zes e tem la urna milhor,
as serras do Sinhar.i |
e capiiM de caiaiw, a captuia
zer iiu Recito a s
na ra da /ngueta n. 8. O mesma |
tra qual|iier pessoa qm r! tenlin *
tiflea-se com duzenlos itiil reia quem o aprese
tar, ao dito seu senlu r
AnENCAO
o
Symphronio Oiimpfo de Qneiroga ropobd- i
senhnra vinva e fiio do finado Florencio Jojo-C-r-
nelro Monteiro. que inexacto qne o respoad
prop.izesse accio para converter om renda o
do terreno em quefatao edificadas as coche!
casinhas, etc, do sitio da Porta d'Agaa,' per'!
dito terreno nao foi nem foreir*-; que a .'
que existe em juizo pe i carlono do Sr. ewrl
Cunha, 6 para de&apropriaco-das bemfeii
j foram avahadas; assim como, que ge .
recolliida a deposite a importancia, da
terrono, nenhirma sciencia do tal deposito Mni
o respondente : e bem ajsim nao tem n
gumacom o terreno de qne se tr;iia,aouira q
tao que esl para ser dcci.da no iribjmal
relacao.
Nada mais responderei, aguardanJo-rae par i,
pelos meips competentes, ventilar o mcu diteiu .'
Precisa-se de urna ama para pou
familia : na ra dos Copiares' ou oit'_ -
mente LobeHon. 1, primeiro andar.
COMPRAS.
Conipra-se
duas ou tres veneziauas era segicda ma>>.p
que estejam perfeits : a tratar na loja da ra '
n. 45.
Casa terrea.
Compra-s urna casa terrea : tratar na
da Madre de Dens n. 16, loj.
Comprare-se raoedas de ouro o prata de i'.-
los os valores, ouro e prata e*
irilhantes e mais pedras preciosas: na I
ulives do arco daConceicao, no Peeifc.
O nmzeo de joias
Na raa do Cabug n. 4 comprase our
i pedras preciosas por pr icos mai vajltaj
ue em outra qualquer parle.
EgCRAVOg
Ci mpram-se e venden: pai a
j dentro da provincia escravos de totas al
ores e sexos, com t?nto que sejam radi
ereeiro and i n. 36, i na dita Crnie?,
reficzia de Santo Antonio.
Lom muito Kiaiu
noedas de ouro e prata : na toja de jolas di
&c5o de Ouro n. 2 D, rna do i'
Compra se no arinazi in Ptrqambucano a r .
das Cinco Ponas n. 86 garrafas e hoja- vasi
60C0 o cento.
i loja do Pass
Os requissimos corles de 1
la e capella pi ra cas ito, -endo nesi .
ligo o que pode d Dietbor e mais m
le no, lambein chegaraoi os eort s de seda de d>
res novidade, e i ntn de goft<
que clicgaram pelo ultimo v. p r .'r.iKv'z, so
l loja do Payo a ra do Crespo n. 7 A.
' m m m
Chegou ao ontigo deposito do Henry Forster a
., ra do Imperador, um carregamenlo de gaz
de primeira qualidade; o qnal se vende em partida
e a retal o por menos preco do que em outr trnaJ
qner par,te.
Vci *. '
:os ci r.r.t
Ca ri >oa
1 iscarre ll ,.in s, na i ; i
t. mi
Et m
2n : Bicos eeooi rada um. . ,
Vende so um engenha l'agna dislanie
praca tres legnas, moenle e crreme, fi m on,.-.
s::fra fundad para mais de dous mil pit
vaneas fiesras e de niuia producto, e \
mnitas propor;6>f, que se m.-!rjr ao c
dor : es pretendrntes dirijam-=e ao bain
Recife enteqder-$e com o Exni. S-, baria da &
ledade.
Fi rinhi do manlioca
le superior qualidade, ecm sacco grandes :
Je-5e noarniazem n. li da CotnpannJ Pernal
cana, caes da assembla.
i'S$.,a dec^rj^ap resppitavel pubco de Perna-iibuijo. 'l''^ o nico deposito do seus- pianos na cidade
sita gne tedos os seas pianos irq acompanhadosde um certificado-de origem assig-
Mr'.Alpbonse Bloodel, fabfeanto de p*
I Becife, RA NOVA T. II, armazem fi'Antonio
Paris i de juiho de IcW. aMu^^oj Aphouse Bloudel.
\s tambem troc|^^luga pt ni.ior mais esplendido sortimentotde i
sbe directam da Mwm. do Mtfktifc\r' Napoleio & C,
i patWiPS8'^ vraamewo? oleados para
irados, ^P^^^^^^^^V. i'iMweM i>8em Na-^estojos part \iag.-m, relogios com idor, vidros para
ampre nest? armazem, o qnal estar
la noite ai
urna esorava parda de bonita figura e atoantes
habilidades : na ra das Trincheiras n.fift
Boa pinga do Dou>o 32^000.
Flix Pereira da Silva, ra da Impera-
tiiz n. 60, acaba de receber urna nova
remessa do sen mnito acreditado vil
puro do Douro, e muito proprio para e
clima por nao ter cmfeieao e vene
barris de 10 a .125000.
* | ___
Yoiide-se lies paite do sitio di I
ta d'Agua do MonUiro para Apipucus
casa de vi venda, grande baixa de ea|
olaria, qu.ih.'S ara escr vos c feilor.'
-iK'ir, esibatia e mais duns casas
alegar para a ftta ; a tratar no mesm".
tio,
Cigarros da imperial
fabrica de S. Joao
MMIJIMOS
CO\Tfi(AFOGO.
A Companhia Indemrsadura, oslabelecid;
testa praca, toma seguros marimos sobrt
avios^e sbvjs carreganent
m fjdificios,' mercadorias
na
1NSC
sflectiva
fyrdt
(Je Nicllierov
l'.iico di psito coi Pe
lega vel ta o. 2, Io ac
ITTEMao


6
Diario de Pernambuco Quarta eira 2 Je Marqo de 1070.

MiiiiiiiLimii
A RITA 1K4 IMPER *TRI% !, *
Esquina da ra da Aurora, era frente do caf Imperatriz.
N'este novo sumptooso estabelecimento de fazendas encontrarn as Exmas.
familia* tudo (pianlopossam desejar, tanto emartigos do mais rigoroso luxo, como em todas
* mais cualidades de fazendas,
Alem de se taran prvidos do que de melhor se encontra neste mercado,
P>r lodos os paquetes da Europa, recebera directamente o que em artigos de moda'e
o mai* apunulo^ gosto se oncpnlra em Pars, o que vem cada da augmentar s propor-
c.._'s de que dispoe este estabelecimento para bem servir sua numerosa freguezin.
godo
sO
Algodo largo para, Icnces e toalhas de
olas as qualidadesquecostoma vir aomer-
cado.
Alpacas de todos o padroes c qualida-
des Ufo variadas que se ulo podem descrever.
Albunscom.msicas para collocar retratos,
laucado presente para qualq er pessoa de
es.ima.
Atoaluado de linho e algodo, branco e
da cores proprios para toalhas.
Bas juinas de seda pretas e muito moder-
nas, bem como de crochet, lulo de apurado
gosio o fi'itiO.
Baldes de muselina, madapoljio, brancos
e de cores, para senhora e meninas,
Bareges de cores variado sortimento.
Babadinbos ou liras bordadas em todas as
larguras.
lelbutina de todas as cores.
Bolsas de tapete para viagem, grande
rariadade de tamanhos e gostos.
3ombazina preta de todas as qualidades.
Bramante de linho de 11 palmos de lar-
gura, e. todas rts mais qualidades.
Bretanhas de linho e algod5o, grande sor-
tiiDento.
Brins de linho branco e de cores, do mais
commodo ao mais caro emqualidade, aflian-
. gando o que ha de melhor na especie.
Brins d'algodo completo sortimento e
variedado de'pre;os.
Cassas de cures, o maior sortimento, pri-
mando pelo bom gosto e barateza, atientas
13 qualidades.
Ca nimias brancas,, tapadas, e transparen-
tes de todas as qualidades e procos.
Camisinhas cambraia de linho e cassa
bordadas ricamente enfeitados para Sras.
misas para homens e meninos, tao va-
riado sor! Miqntoque vai do mais ordinario
madapolao ao mais perfeilo bordado de li-
q!io e cambraia.
Camisas de meia, de flanella, braneas e
de cores para homem.
Casemiras pelas e de cores, o mellior
r prova o grande consummo dolas na
' Alucina da rasa.
Capailas desflores, para noivas e bailes,
de a mais candida flor de larangeira at
irais nteressinte grhalda.
tnpelinhas do m; lhorgosto.de todas as
is hoja preferidas pelas scnhoras de
mais apurado rigor na moda.
Chapeos piv.tos de velludo, para scnhoras,
imo gosto de Paria.
Chapeos de sol, para s nhorase borneas,
todos os presos e variados gostos.
baly cora ricos padroes para vestid
Cuales de todas as qualidades, avultado
limero e nao menos vanedade do gostos,
Chitas, impossivl descrever o sortimen-
variedade de padroes e novos gostos,
ha neste artigo tudo quanto se pode desejar.
Cintos para senhoras o que se pode ima-
g;aar de melhor.
Coques, o mellior no gosto e nos entei-
. varios tamanhos.
lebasde seda com borlas, o mais apu-
I ..gusto elavor.
as de fusilo branco e
jos comraodos.
Corpinhos de cambraia, ricamente borda-
i 3 para senhoras.
rtinados de cambraia bordados e de
) que de m Ihorse pode desejar.
ilarinhos de linho bordados e lisos, o
uiior sortimento.
CD
Damasco de 15a de 9 palmos.de largura
as cores e ricos 'padroes.
o&
Espartilhos bramos e de coros, para se-
: toras e meninas, o melhor neste genero ;
huma Sra. deixar por certo de manir
e de tao precioso auxiliar perfeico de
nm corpo delicado.
Entremeios bordados.
Escomilha pMa.
Enteites para cabeca, ultima moda de
Paris, recebida no ultimo paquete.
Esguio de linho, completo sortimento de
I los os nmeros.
Fitas largas escocesas para cintos, vare-
iide de gostos e lindos padroes,
Fi ;tins de crochet, modernos com cintos
e apas, o que ha de melhor.
Fil de seda, linho e algodo, de todos
os goslds e padroes.
Fostao de todas as cores e qualiiades
grande sortimento.
Flanella branca e de cores.
Flores, o que ha de mais rico, quer cas ao bom gosto do nosso fornecedor em
aoltas, -quer em ramos, tem o PAVILHa ) Paris, podemos garantir que ninguem neste
DA AURORA am permanente jardim a genero o possue melhor, nem mais em
disposicjo das Exmas. familias. conta.
E' dispondo d tifo grande e variado sortimento que os proprietarios do PA-
VZLUAO DA AURORA se apresentam ao publico declarando desde j que asincerida-
de e o bom go6too movel nico de seus negocios.
Prvidos de ludo e promptos sempre a prover-se do que por ventara lhe
tej necessarlo, os proprietarios deste sumptuoso estabelecimento recommendam-se
sorn receio de serem contradictos e proteslam esforcar-se por continuar a merecer
protecao qu se Ibes tem dispensado ; certos de que do seu estabelecimento nao sahira
o freguez descontente.
Contina sempre a oficina de alfaiate dirigida por um dos mais habis artis-
ta:-, prompto execotar c< m promptido e bom gosto qoalquer trabalho que lhe seja
confiado, ma modista especialmente oceupada nos trabalhos do PA VILHAO D l AU-
RORA, duige os que lhe sao concernentes, garante por seu apurado gosto e promptido
na jexecuco e a mais completa perfeico nos seus trabalhos.
A numerosa freguezia qoe nos honra urna prova de que merecemos o con-
,toque se dispensa ao nosso estabelecimento, conceito que procuraremos firmar cada
lis. Para facilitar aioda a concecuco do fim que nos propomos, temos no nosso
asi ment os ltimos flgurinos de Paris, que recebemos por todos os paquetes, os
i aremos para serem vistos as familias nossas freguezas, afim de escolhorem,
ini o padro da fazenda o gosto na forma.
Na offieina d6 alfaiate, jnnto ao estabelecimento, ba igualmente os fignrinos
i homens que por todos os vapores se recbem.
E' eate o modo porque nos apresentamos pedindo a proteceo do illastrado
i e com a mais prolbndo resolta convidamos s exceentissimas Sras. a visi-
ra o nosso estabelecimento, certa^H^
todo que podem desejar.
aremos caixeiros levar as fazendas a amostras onde forem pedidas, visto
a.- s especificar tudo quanto temos.
Joao lAtiz,yobrtnko A C.
Abtrto das 6 s 9 horas da noite.
Cua-
case com listras de s-.da e flores, fazen-
da inteiramente nova para vestidos de baile.
Gravatas p.ra senhoras e Jiomens, o mais
completo sortimento que se pode desejar.
Guipure preto e branco,' diversas larga-
ras e diFerentes gostos. '
Collas e pininos bordados para senhoras.
Guardanapos de linho pequeos e gran-
des.
GorgurSode seda preto e de cores.
Grosdenaples preto o de cores, haven-
do diversas qualidades e gostos.
Japonezes para seoh iras, o melhor gos-
to, e fazenda propria para as festas nos ar-
rabaldes e passeios a tarde.
LSazinhas de todas as qualidades, cores
e gostos, nao fleando nada a desejar, tal
o sortimento que existe para escolher.
Lencos, tudo quanto pode havor desde
esguiao ao algodo commum.
Leques de madreperola e .osso, o mais va-
riado sortimento.
Ligas d seda, bordadas, para senhora.
Lu vas de Jouvin, cheg.ulas por todos os va-
pores, sempre novo sortimento, quer em
pellica para homens e senhoras, quer em fio
d'Escocia, brancas e de cores.
VSLJt
Madapolao; indescriptivel o grande sor-
timento que ha neste genero, desde o mais
elevado proco ao menor, que se vende em
pega e retalho por menos do que em ou-
tra qualquer parte.
Mantas de blondo para noivas : o apurado
gosto dos nossos correspondentes em Paris
habilita-nos a dizer que temos em nosso
estabelecimento o que de melhor se dse-
j* para vestir e ornar urna noiva.
Mantas prelas de blond.
Mantas para carros, com lindas pinturas.
Merinos pretos, trancados e lisos.
Musselina branca e de edres, lindos u va-
riados padroes.
Pannos pretos o du cores, desdo o mais
barato ao mais superior, por proco muito
commodo.
Pannos de crochet, para cadeiras e sofs.
Ditas de casemira muito finos para
mesa.
Paitos bordados de linho, lisos e do al-
para camisa.
Pancetas pretas e de cores.
Popelina do seda e linho, com (ateas e
flores; fazenda lindissima.
Pellierinas para senhoras, do ultimo
gosto.
' Perfumaras; os mais finos extractos o
que de melhor e mais agradavel se pode
encontrar neste genero, e de mais fragaut:
e suave no olpbato, tem o PA VILHAO DA
AURORA, desde a verdadeira agua Flori-
il i at o mai-, fino Bouquel d'Amour, tiaal-
mento ludo quanto devo oceupar o moca-
dor do urna senhora do gosto.
Saias bordadas, brancas, lisas e de c
com folhos e sem ellos, o melhor possivei,
Sabidas de baile, de todas as coros.
Sodas pretas, de quadros, lavradas, lisas.
de cores por' de listras de todas as cores e qualidades c
o mais batato possivol.
Saraelini do todas as cores e qualidades.
Tapetes grandes, lindas pinturas para 8
cadeiras, mais pequeos e de todos os ta-
manhos desejaveis, e em peca para co-
vados.
Toalhas de labyrialho, -do maior e mais
fino trabalho ao mais barato.
. Toalhas de linho e algodo de todos os
tamanhos, li-as e felpudas.
Tarlatana branca com palmas e de cores,
fasenda muito no/a, e gostos delicados pro-
pria para baile.
Vistuarios bordados de fusto brancos e
IOJA
DO
GALLO VIGILANTE
Raa A Creepo a. 9
Os proprietarios deste befa conbeeidv
cimento, alm dos militas o&joctoB postos a apreciacao do raspeilavet publico, man-
daram vir e acabam d, receber pelo ultimo vapir
da Europa un completo e vahado sortimento de
finas e mui Tlecadas especialidade*, as qna-
tao resolvidos a vender, como de sen costrue,
por precos muito baratinhos e commodos para to-
dos, com tanto que o Gallo....
Muito superiores lavas de pellica, prelas, bfau-
cas e de mui lindas cores.
Mui boas e bonitas gollinhas e punhos para se-
nhora, neste genero o que ha de mais moderno,
r a|PPer'ore8 lente de tartaruga para coqnes.
Clndos e Hquissirnos enfeites para cabecas das
Bxfnas. seiilroras.
Superiores trancas pretas e de rres com vidri-
Ihos e sem elles; "esta fazenda o que pode ha ver
de melhor e mais bonito.
Superiores e bonitos leques de madroperola,
marlii, sndalo e osso, sendo aquellos brancos
com lindos desenhos, e estes pretos.
Muito superiores aoeias tto d'J Escossia para se-
nhoras, as quaes sempre se venderaia por 30000
a duzia, entretanto que nos as vendemos por 20<,
alm destas, temo tambem grande sortimento de
outras qualidades, entre as quaes algunas muito
unas.
Boas bengalas de superior eanna da India e
castao de marftm eum Irndas e encantadoras figu-
ras do mesmo, neste genero o que de melhor s <
pode deseja/ ; alm destas temos tambem grandi
Juantidade de oatras qualidades, como sejam, ma
eir, baleia, osso, borracha, etc. etc. etc.
Finos, bonito"? e airoso chicotinhos de cadeia e
de outras qualidades.
Lindas e superiores ligas de seda e borracha
para segurar as meias.
Boas meias da seda para senhora e para meni-
nas de 1 a 12 annos de idade.
NavaJhas cali de marfim c tartaruga pira fazer
barba ; sao muito boas, e de mais a mais sao ga-
rantidas pelo fabricante, e nos por uc.ssa vez tam-
bem asseguram-s sua qualidade e delicadeza.
Lindas e bellas capellas para noiva.
Superiores agulhas para machina epara crox.
Linha muito i>oa do peso, frouxa. para encher
labyrintho.
- Boas baralhof de cartas para vollarete, assim
como os tentos para o mesmo fim
Grande e variado sortimento das raeloores per-
fumarias o dos molliores'e mais conhecidos per-
fumistas.
COLARES DE ROER.
Elctricos magnticos contra as convulsoes, e
f.viiitam a denticao das innocentes enancas. So-
mos desde muito recebedores desles prodicivMos
collares, e continuamos a recebe-lo por toaos as
vapores, aflm de que nunca faltem no mercado,
tomo j tem acontecido, assim pois poderao aquel-
les que delles precisarem. vir ao deposito do gallo
vigilante, aonde sempre encontraro destes verda-
deros collares, e os quaes attendendo-se ao fim
para que sao applicados, se vendero com um mui
diminuto lucro.
Rogamos, pois, avista dos objectos que deixamos
declarados, aos nossos Treguezes o amigos a vire
comprar por precos uiuito rawavcis toja do gallo
vigilante, ra do Crespo n. 7.
A VERDADE
55Ra do Queimado5
A VEHADE tendo em deposito gran'
quantidade de miudezas e- perfumaras, e dt
sejando apurar tiinheiio u adquerir boa fr<
uezia est rssolvida a vender muitissiw
barato, ; por essa razo convida aoresp*
tavel publico a vir competentemente mun
do a sortir-se do bom e barato. Pois quai
do a Vei*t!a appareae-----
Grande sortimento de bonecos de cera
massa as mais lindas possiveis vestidas a a
radar.
Abotoaduras moderuas para col
letea....... 32i
I ios donrados pepnenos. 2*
Agulhas de osso para crox a 20
Feotes para regac-i com esntas a 3
Ricos globos para candieiro de gaz a. 1(580
Chamins a....... 32(
Grande sortimento de objetos de
louca para brinquedo de menino lOt
Garrafa com tinta a..... 80
Dita com agua florida verdadeira a 1^30
Dita com dita dita a v. l$Q&
Frasco com oleo de babosa a 500 e fto
Dito com agua de Colonia a 300 o '50
Gatrafa com agua divina a. .'. 1)550
Frasco com extractos finos a ijJOO
LaU.s pequeas com banha muito
fina a !2Re...... 16'
Sabonetes de diversas qualidades a
80, 160,240 e...... 32v
Finas escovas para dentes de 120 a 60t
Lindos coques modernos a. 2tOO
l'avios para gaz, duzia a 240 e 32(
Escovas para fado a 500, 600 e 7(K
Ditas para cabello a..... 501
Pentes para tirar piolho a 160 e. 24(
Brincos de cores, bonitos a 160 e 20(
Grande anuazem e fazendas e roupas feiias roa da Imperatrn
n. &i prta larga, de Paredes Porto.
Neste estabelecimento encontrar o respeitavel publico um bonito sortimento
de roupas de todas as qualidades, palitots de alpaca a 3, 3,5500 at 6#. Ditos df
merino, ditos de casemira dexres bonitos gostos a 50, 60, 80 e 100, da panno preto
sacos e sobrecasacos. Ditos de brim pardo finos e ordinarios. Ditos de alpaca branca
e do cores de 30500 a 50000. Calcas de brim de cor finas a ordinarias, diU
brancas de todas as qualidades, ditas de brim pardo fino a ordinario, ditas da casemira
de cor e preta d 40, 50, 60 a 150. Colletes de todas as qualidades *e preco muito
barato. Completo sortimento de camisas francezas de algodSo e de liriho de 20 at 50
urna. Sortimento de saioulas francezas de algodo, de linho e bramante a 20 e 20500.
Gravatas (mantas) novissimo gosto a lodos os precos. Meias sortimento completo a 30.
40 at 70 a duzia.
ROUPAS PARA MENINOS.
- Encarrega-se de quaesquer obras do encommenda tanto para homem, como
para meninos,a e com brevidade, por isso que tem um bonito sortimento de fazenda de
todas as qualidades tanto em casemiras como brins, pannos finos e ootras muitas fa-
zendas.
/ FAZENDAS
Bramantes de 11 palmos de largura a 10800 o metro.
Camhraias de cor e branca.
Alpacas de todas as cores a 640 rs. o covado.
Poif-de-cbvre com lista de seda fazenda de gosto a 10200
Basquines de guipure enfeitadas a 180000.
Sortimento de chitas escuras e claras a 280, 300 e 360 rs.
Madapolao lino a 60500, 70, 80 e 90000.
Algodo pega com 20 jardas a 40500, 50500 e 60000.
Pega de algodo largo a 70500.
E ootras muitas fazendas que ser enfadonho mencionar Chegnem i roopa
feila que'se est liquidando na loja ra da Imperatriz n. 52 (junto loja de ourives) do
LESO DA PORTA LARGA
+
DE
Paredes Porto.
Mikroskope achroma-1 OVx^v
tiaehen. Objetiv Lia- ^^\^
Barmetro o termos
metro. Centgrado
e reuumeure.
BISCOFICQS
crystal de rocha do Brasil.
F. 5. Ccriuaui. recommenda ao publico, seus vidros periscpicos aperfeicoa
dos; porque, cora estos vidros, a vista descansa, fortifica-se e nao a canga como com
os vidros ordinarios. Urna vez escomido um vidro, pode durar dez annos, emqaanto
jue; com os vidros ordinarios se est obngado a nuda-los todos os annos e os ter
cada vez mais grossos, o que altera-o cryatalmo do !ho e determina quasi sempre do-
res de cabeca. O alcance ordinario da vista perto de 30 centmetros do lho, e,
todas as vezesque o objecto est mais perto ou mais lo ig i, os raios que expelle sao
mui convergentes ou mui divergentes e a visao nao perfeita.. Um grande numero de
pessoas tem o debito do fazer convergir muito de sorte que a viso nao distincta.
Com a applicarao de meus vidros pdese venjer estas difflculdades. Para os que tem
a vista curta e cujo crystalino c mui convexo (o que faz ver bem, de perto, e mal de
longe), oque se chama myope, porotera do um vidro cncavo affasta^eo ponto d-
vista, o que faz divergir os objectos e deixa ver tao longe como as outras vistas. Quan-
do o crystalino muito chato, o que succede aos que tem chegado a urna corta idade,
o que se chama presbyta, vem mtdior do longe que de perto, e nao enxergam senao
um nevoeiro na distancia ordinaria da vista; com um vidro convexo, estes enxergaro
(Se distinctamente como na idade d l anuos Sorrindo-se destes vidros quando e
vista principia eufraquecer, previne-se o mal.
F. J. CJerfionnu encarrega-se pela sua exponencia, tendente aos olhos, a e s
cother, a primeira vista, soja qual for a i^Jucle egro dd vista, oculos proprios para
qualquer pessoa,
Para que sao fabricados estes vidros ? ?
de cores para meninos, do cambraia para Pegas de tranga de la com 8
Para a vista myope, (vista curta).
Para vista que se cobre de nnvens.
Para a vista quo por momentos, v es-
voagar pequeos pontos"negros.
Para a vista que as paipebras tremem
de fraqueza.
Para a vista que os olhos saodesiguaes.
Para a vista que se turva com o traba-
lliii e a leitura.
Para a vista presbyta (vistagalon ).
Para a vista que nao supporla os raios
solares nem grande claridade.
Para a vista operada da catarata.
Para a vista que as paipebras esto cer
cadas do sangue.
Para a vista que um dos olhos myop
e o oulro presbyto.
Para evitar finalmente que o crystalino
do olho se cobra de catarata.
baptizados, o que de melhor tem viado a
este mercado.
Vestidos de la escocza de 2 saias,
novidade pelopadro, gosto eforma; ditos
de linho com barras de cores, e de cam-
braia de cores com 2 saias, tudo inteira
novidade, trazem os modellos juntos para
mostrar a forma de os fazer.
Veos de blond para noivas e pretosj para
lulo.
Vestidos de blond para noivas: podemos
asseverar as nossas Exmas. freguezas, que
somos os nicos em Pernambuco que pode-
mos offerecer ao Ilustrado publico, o mais
apurado gosto em semelhanto materia, gra-
8l
de oostura,
800 e
60
1000
1040
40(
lancontrarem nelle pelo mencr prec,p possive-
varas por.
Oleo para machina
frasco a......
Pennas d'ago finas caixas a
Dita d'ago Perry, caixa a. .
Galo de algodo pega ....
Lindos babadinbos e entremeios
pega de 500 a......1050
Ditos de louga muito fino a 120 e 20t
Ditos para caiga a 160 e. 24(
Caixa com papel amizade a. 7(H
Ditas com envelopes a. 48-
Ditas com obreias a. 0-. 4i
Caixa com agulhas funde dourado 28<
Ditas de ditas ditas a..... 16<
Thesoura para costura a 240 e 50
Caixa com linha de marca a 28<
Linha de cores em novellos (li-
bra) a....... .
Carreteis de linha Alexandre de 70
at 200. ,.....
Grampos muito finos com passa-
ros, duzia a......
Cartas portuguezas, duzia a .
Ditas francezas a 20200 e .
Papel almago e de peso, resma a
30400, 30500 e .
La muito fina para bordar, libra
Fita de algodo para debrum de
sapatos, pega a..... 16f
Ditas de la para debrum de ves-
tido, pega a...... 48(
Pentes finos para segurar ca-
bello a ....... 32(
Ditos ditos de bfalo para alisar
a 240, 320 e. .... 50
Ditos para aparar pennl a 10
Rosetas pretas, par a ... IfX
Tranga de la decaracol peca a 40 e 1(K
Fita de coz paga a 480 e 56(
Alfinetes do lato a..... 106
Sapatos de la para crianga a 400e 80
Gravata de sedas de cores a 20
Calgadeiras a....... 8<
Grande sortimento de rendas das Unas.
Um par de suspensorio de borracha po'
lOOrialIflll
No Terdade roa do Qneinadt
b. *4.
501
10
2
1040
3000
4050
60501
Sortimento de binculos
para theatro,*e oculos de
alcance para o campo e ma-
rraba. ^ 1:^^.
Lunetas, pince-nez e
face--main, ouro, prata,
tartaroga, bfalo, ago,
etc., etc.
Tem tambem grande sortimento de relogios para parede, que do horas e para
cima de mesa dos mais lindos modelo Relogios para algbeira, de ouro, prata, prata
dourada efoleada, inglezes, suissos e orisontaes dos melhores e mais afamados fabri-
cantes.
Vendas em grosso e a retalho. Em Pernambuco.
N.21=Ri Nova. 21.
PRODUCTOS de J.-P. LAROZE
PBWucaunco, l, ME oes ums-shiit-mul, pars.
XAROPE DEPURATIVO
DE CASCAS DE LARANJAS AMARGAS
Cm* isi;atETo d raTAggia
O iodvret* A pataleo u Trdadero alteranle, am depurador de incoatttvl effl-
cmu; eombioad* coa o xarop* de oasoea de Uranjae amargas, e orado
em perUrbtclo alguu pelo* temperamenio ot mais racoa, tem alterar as funecoe
o eatomago. As doses matbematieas que el I e conten permlRem aos medios At reeeitate
para tedas as eomplieaeoes as affecc6es nnrirornluee. tuberouJoeaa, oOT
roaaa e nos aooideutes Intermittentea e teroeiros; aMm 4'isse, 4 t
geste o mais poderoso costra as doengas rheomatioas.
XIROPE TNICO AMTI-MERVOSO HROPE FERRUGINOSO
eoo isresiss sala !
E' sob a forma liqsida qse mais facHmes-
te se assimila o ferro; n'estt forma prefe-
rirel as puntase pastilbasen lodosos casos
em qoe sio f rescriptos os ferraginosos.
es oaaeaa Uauajmm
U annos de sneeessos attesUo a ana effi-
eaeia para curar: ai iomtft mrvetat,
fssai ou rhronicat, ai fattriUt, futral-
ftst; t facilitar a iigutio.
DENTIFRICIOS LAROZE
COM QUIMA, PTKITIdO I GAIACO
s4i SMtiTtbU, pan a airara con- i *k iiBiaTilini, com bese Aa siSfwssso
T*?0 deates, coreado as dores 1 para a hrara e ceaserraolo sea desle.
n- i
senraco des dentes, corando as dore I para
i eaaasdaa peU oari oa produMa salo j prev
[ costad.dssalorneo fro ISSre
MbbbI
js
fC,tm
:&
ra\
Dcordeiro providente
liwa lo tHcimado u. la.
perfuman*
Alm ortimento de perfa-
alarias, deque eoectivuroento est prvida
loja do Cordeiro Previdente, ella acaba da
recebar ora oulro iwlimenlo rpie se torna
notavel pela variedade de objectos, superiori
dada, anualidades ecomaioaidades de pre
coa; assim, pois, oCordeiroPrevidente peo
e espera continuar a merecer a apreciaci
do respeitavel publico em geral e de sn*
boa freguezra em particular, n3o se aa*
tan do elle de sua bem conbecida mausidi
e barateza. Em dita loja encontrarlo v.
apreciadores do bom:
Agua divina de E. Coudray.
Dita verdadeira de Murray Lammao.
Dita do Gologne ingleza, americana, fra
caza, todas dos molhores e mais acreditado
fabricantes.
Dita de flor de larangeiraa.
Dita dos Alpes, e vilete para toilet.
Elixir odontalgico para conservacio d
isseio da bocea.
Cosmetiqnes de superior quadada a chai
roa agrada veis.
Copos e latas, maiores e menores, co*
pomada fina para cabello.
Frascos com dita japoneza, tranaparenu
e oatras qualidades.
Finos ex irados inglezes, americano*
(rancezes em frascos simples e enfeitados.
Essencia imperial do fino e agradavel cha*
'o de violeta.
Oatras concentradas e de cheiroa igual-
mente finas e agrada veis.
Oleo poilocome verdadeiro. *^
Extracto d'oleo de superior qoafidad*
com escolhidos obeiros, em frascos d difl
rentes tamanhos.
Sabonetes em barras, maiores a menor,
para mos.
Ditos transparentes, redondos e em fig?
ras de meninos.
Ditos muito finos em caixinha para barba
Caixinhas com bonitos sabonetes imita&oV
fructas.
Ditas de madeira invernisada contendo kV
oas perfumaras, muito proprias para prt
sen tes.
Ditas de papelao igualmente bonitas, \im
Oem de perfumaras finas.
Ronitos vasos de metal coloridos, e 4
aaoldes novos e elegantes, com p de ar?*
i boneca.
Opiata ingleza e franceza para dentes.
Pos de camphora e outras different
qualidades tambem para dentes.
Tnico oriental de Kemp.
Aluda niaia coquea.
Um outro sortimento de coques de ne
os e bonitos moldes com filets de vidrilh.
4 alguns d'elles ornados de flores e fitas
-;sto todos expostos apreciadlo de qrM
>s pretenda comprar.
GOLLINHAS E PUNHOS BORDADOS.
Obras de muito gosto e perfeico.
Fivelas e filas para ciatos.
Bello e variado sortimento de taes obja
ios, ficando a boa escolha ao goslo do eos
prdor.
FABRirA IUMU DA BAHA
DE
Teixeira ldurwo C.
Acha-se vnida cso ptimo rap, nnico qse
pdc supjinr fi'.lta do prineeza i t.ta\m, po ,*
de mui apradavcl perfnmo, viajado, e a preeo t
maii mdico possive); e por isso tem sido ais*,
acolhido as pravas da Bahia, do Rio de JaBr
cm outras do imperio : co eseriptorio de Joaqni
Jos Gongalves Beltrao, ra do Comaiereio co-
mpro 17
TASSOIRMAOS a* C.
Vendem em swis armazens, no eaes do Apoli?
n. 7, Eseadinba n. le ra d.) Aiorim n. 37, oe
seguintes trencros :
Aro de Milao.
Milho em saetas grandes.
Parello em ueeaa de 90 libras.
Chumbo de munigao surtido.
Meuil "amaiello para forro de navios.|
Machinas para aescarocar algodo de li, 16 e I
serras.
Kerosene em latas de 5 galSes.
Champagne do afamado fabricante Krug.
Hormoulh.
Vinho do Porto engarrafado.
Coac do afamado fabricante GaMicr Frrse.
Fugo da China, caixinhas, 40 cartas n. i. Extra.
Geebra ingleza -Od ton
Cimento Romano.
Cimento Hidrulico.
Cimento Portland.
Ges;o para estuques,
f.annos de barro para esgotos.
Gradeamentos de ferro para jardins, calcadas etc
Carros de mo para serviros de armazens.
Garrafoes com 5 galfies de vinagre tinto.
dem com 3 galoes de vinagre tinto.
Chumbo em barra. __________
Pepos tubulares ins-
tantneos.
Heitor lina Nova u. 38.
Os annunriantes acabam de preparar algn*
Dogos tubulares Instantneos, mais jperfeieoaos
do que os vindos de fra do pan, os qoaes ven-
dem por prego muito mais commodo, encarregnn-
do-se do seu assentamenlo at funecionar. Um
dos rfielhoramentos feitos poder serVir qnalqoer
bomba. As pessoas que quizerem comprar ntu
ou mais desses tubos devem dirigirse offieina
dos annunciantes : ra Nova n. 38.
Xarqp-s refr geranles
Groselhe, abach, orehata c goma-arabica :
confeilaria dos ananaze?.
na
Sementes
De hortalieas novas e sag a 120 res a libra,
no Balisa, ra do Livramento n. 38.

LKssf
CADET
CU RA
em TRES DAS
[PlfrB
i


^
1
^

BBBBBSBB


Diario de Pernambuco Qaarta feira 2 de Mar<*o de 1870.
----
!


*

l

I
t
/
DE
BARATAS, NUOJAE ARMAZEM
DE
FEIilX FERKIU M SIE.VA.
Ra da Impera'iz n. 60.
O prnprielni o (leste grande estabelecimento, tendo dado bataneo no im do
anno, como de, csftffM e vendo qnr> tinlia um grande deposito de fazendas, e iuntan-
,5JL!2S&omr"8 m",las O08 lhe m chegad0 este ann0> tpm resolvido fazer urna LI-
JumACAO por procos milito mais baratos com o fim de diminuir quantidade c apurar
O re?peilavel publico cnconlra neste estabelecimento, nao so um grande sor-
timento do mais apurado gosto e luxo, assim como todas as fazendas de prmVira ne-
iessidade, e do todas se dao as amostras com penhor : as pessoas que negeciam cm pe-
quena cscalla, nesta casa podem sortir-se de um ludo, vendendo-se-llies pelos mesmos
precos das casas inglezas.
fixplendido sortimento de
roupas feitas
NA LOJA DO PAVO A RA DA
IMPERATRIZ N. CO
Acha-se este grande estabelecimento com-
oletameute sorlido das melbores roupas,
*endo caifas palitots o coletes de casemira,
le pagoo, de brim, de alpaca, e de todas
<8 mais fazendas que os compradores pos-
tara desejar, assim como na mesma loja
?$&, brins, etc. etc. para se mandar fazer
jualquer pe?a de obra, com a maior promp-
ydSo vontade do freguez, e nao sendo
Crochs para cadeiras e sofs
O Pavo tem um grande sortimento dos
mais' bonitos crochs proprios para_cadei-
ras sofs, mesas, almofadas etc etc.," assim
como proprios para cobrir presentes, e ven-
de-se mais barato do que em outra qual-
quer parte,
^ ALGODAO ENFESTADO *
Vende-se urna grande porreo de algodao-
sinho americano com 8 palmos de largura
proprio para lencoes e toalhas tendo liso e
trrncado que so vende por preco muito em
conta.
anos de Ifuho
tetados a acceita-las, quando nao stejam J^^g^i0!?1*0 de P'Cas
-ompletamente ao seu contento, assim como %2 deJ.,ri,h.^ Prt0 < se vendem
ZL .. .nh.i.Mmm.t L^n,^i /0 ate 000 a vara, garantindo-se
que em fazenda de linho n3o ha nada rae-
lhor, nem mais proprio para lences e toa
lhas.
PECHICHA EM CHAPEOS DE SOL
Chegou um graade sortimento dos me-
hores chapeos de sol de seda, inglzes ten-
do neste artigo o melhor que tem vmdo-ao
mercado assim como urna grande porcSo de
ditos de alpacas de todas as cores e todos
se vendera por preco muito mais barato do
que em oilra qualqucr parte, por haver
grande porcSo.
Os baldes do Pavo a 21000,
Cheg. u um grande sortimento de baloes
ou crenolinas do fcitio mais moderno muito
proprias para vestidos ennesgados que se
vende pelo baratissimo preco de tfOOO ca-
da um grande pechincha
CRETONES MAUSADOS PARA VESTIDOS
A 640 E 800 RS.
Para a loja do PavSa chegaram os mais
bonitos crotones escuros matisados, pro-
prios para vestidos, roupao chambres etc.
que so vendem S00 rs. o covado, assim
como a mesma fazenda cm padrees claros
proprios para vestidos e roupas de meni-
nos a 640 o covado, sendo os padroes mais
moderuos que tem vinpo ao mercado.
, m n mil ras ds
lAASINHAS LUSTROSAS A 400 RS. O CO-
VABO.
grande nomde
Quaado a AGUIA RRRNC\, mais precisa scientificar ao respeitavel publico em
geral, e em particular a sua boa freguesa, da immesidade de objectos queultimamen-
tteni recebido. justamente'quando elfa menos o pode fazer e porque essa falta invo-
luntaria ella conlia e espera na benevolencia de todos^ que" fh'a attenderSo e relevarlo,
continuando portanto a dirigirem-se a bem conhecida'Uja da AGUIA BRANCA ra do
Queimado n. 8, onde sempre acharao abundancia em sortimento de superioridado em
qualidades, modicidade em precos e o sdbtynca desmenido AGRADO E S1NCERIDADE
Do que cima fica dito se coiheceque o tempo ie que a AGUIA BRAJCV pode
dispr, empregado apezar de seus cusios no desempenbo de bem servir a aquelles que a
honram procurando prover-se em dita loja do que necessitam,'entretanto sera ennumo-
rar os objectos que por saa natnreza sao mais conhecidos ali, ella resumidamente indi-
car aquelles cuja importancia, elegancia o novidade os tornara recommendaveis, como
b> m seja >
Veste vasto estabelecimento encontrar o
respeitavel publico um bello sortimento de
tamisas francezas e inglezas, ceroutas de
iano e algodo e outros rauitos artigos
proprios para homens e senhoras promet-
eodo-se-lho vender mais barato do que em
utra qualquer parte. Na ra da Impera-
r n. 60, loja e armazem de Flix Perei-
* da Silva.
Pechincha a 2^000
Para lentjes.
*a loja do Pavao vende-so superior bramante
zm 10 palmos de largura, dando ti largura o coin-
.rimento do Icncl, sendo apenas precio) para
ada lenc.pl um e mojo, ou um c um quarto me;
:ros ; afm desta aplicagao tem outras muitas
.ira arranjos de familias e. vende se pelo barato
n3 do 23000 o metro Na loja do Pavao, ra
i* Imperatnz n. 60. De Flix Pereira da Silva.
Ganga de liuhu
Vende-so gangas de linho com qua Jrinhos
amito boa fazenda, para roupa de homens
i meninos e vende-se pelo barato preco de
VX) rs o covado:
?ECHIXCHA EM PANW PRETO A 2:i00.
O Pav3o vende superior panno preto fino,
para pallitots, calcas, colletes, etc., pelo ba-
ali^simo prego de 2:40$, o covado, gran-
e- p6'-hinolia.
urics de cascuilra prcta a 4500
O Pavo vende os superiores cortes te
asetairas pelas en/estadas, pelo barato
.'i-eco de ii.jOO, pechincha.
."SCmXCBA, ALGODOSIMIO A 4;000,
O PavSo Cita veiulcndo pecas de algo-
siaho francez, tendo 4 palmos de largu-
-a com 11 metros cada peca, pelo barato
ireco de 4000.
Pecas de naadapolo a 3:500.
O Pavo vende pecas de muito bom ma-
apolao teudo 12 jardas cada urna pelo ba-
rato preco de 3:500.
GROSDENAPLES PRETOS.
Chegou para a loja do Pavo um grande
fortnenlo de grosdenaples pretos, tendo
ie iOOat 5#000 o covado neste genero
os raelhors e mais largos que tem vmdo ao
mercado, assim como bonitas sedas pretas
avradas, rroireantiquesetc, todas esias fa-
c-endas, \ndem-se mais barato do que em
jira qcaquer parte, por haver grande
^orco.
PERCALLAS E CHITAS BARATAS.
O Pavo rendo um grande sortimento
las mais bonitas chitas claras e escuras, mais
53ratodqut! era outra qualquer parte.
< assas a 2 EO rs.
Vende*-se na loja do Pavo bonitas cas-
tas de cores fixas a 240, 280 e 300 rs. o
covado.
Caai!irala8 brancas a I:0W) a peca.
S o Pavo vende pecas de cambraia
branca transparente, tendo mais de vara de
argura, com 10 jardas cada peca, fazenda
sue sempre se vendeu a 7#000 e 8d600,
.^uida-se pelo barato preco de 4/J000.
Alpacas forilhantes a I.. e soe.
O Pavo tem o mais bello sortimento de
alpacas lavrdas cora as cores mais delica-
das que teca viudo ao mercado e tendo bas-
xaatc larguaa, vendem-se pelo barato preco
de ljjlOOO, e800 rs. o covado.
Corpinhos de cambraia, primorcsmente
enfeitados com fitas de setim e obras essas
cuja novidade de molde e perfeicao de ador-
no fts tornam apreciados.
Fitas mni largas de diversas cores e qua-
lidades para cinto?.
Leques uesSB objecto muito se poderia
dizer querendo descreve-los minuciosamente
por suas qualidades, coree e desenhos, tal
o grande e variado sortimento que acaba para circular o coque,
de chegar, mas para nn masw o preten- i Bonitos brincos de plaquee,
dente se lhe presentar o qu poder de
melhor.
Entremeios em pecas de 12 liras.
("uipare branco e prclo de diversas qua-
lidades e desenhos.
Capellas brancas para meninas.
Grandes sortimento de flores finas.
Fil de seda, preto.
PERFUMARA
Grande e constante sortimento de dita,
sempre melhor quajidade.
Lindos vasos com po do arroz e pinsel,
Caixinhas com ditos aromticos.
Bonitos o modernos pentes 'dourados
Ditos de algodo com flores e"lisos.
Veos de seda para chapelinas e monta-
na.
Meias de seda para noivas.
Ditas abertas de fio de Escossia.
Costumes ou uniformes para meninos.
Enxovaes completos para baptisados.
Tonquinhas de fil, sapatinhos bordados
e meis paia ditos.
Camisinhas bordadas para ditos.
Aderecos e brincos de madreperolr.
Caivetes finos para abrir latas.
Thesouras para frisar babadmhos.
Aspas para balo.
Noves stercoscopos com 48 vistas, as
quaes sao movidas por um machinismo
urnas substituem as outras.
Vistas para stnreoscopos.
Bonitas caixinhas de vidro enfeitados com
podras.
Ditas de raadoira envernisaua com vispo-
ras e com dminos,
Bollas de borracha para brinquedo de
enancas.
L Diversos objectos de porcelana, proprios
para enfeites de mesa e de lapinhas.
Vende-se por menos de 10, 20 e 30 ic
SO' NO
N. 23Largo do Ter?o.N. 23.
DE
S o Pavo
Boa pinga do Douro
A 30eO
Flix Pert'ira da Silta, ra da Imperatrir n
t), araba de rereber urna nova remessa do seu
auio aireditado vinho- paro do Douro, e muit<>
pr.)prio para este clin por nao ter conec^ao, e
vende em barris de 10* a 324.
Estampilhas.
Veodo-se na ra da Cruz n 8, i0 andar.
fSTASdcPElTO
HYPF
f3
t^
i^CHURCHlLL-
XAHOPE de HYPOPHOSPHrrOdeSObA
Xt HOPEde HYPOPUQSPHJTO de CAL
JL ASdeKrPOPMOSPHITOde QUININO
i AMEMIA
LIOAS
ISTOITO de FERRO
n vcnouncDurrftj


Vende-se um grande sortimenlo das
mais modernas e -legantes lasinhas para
/estidos, com as cores mais novas que tem
indo a este mercado, sendo com listn'has
naiudinhas que pa recera de urna s cor e
:om tanto lustro que imitam perfeitamente
s poupeliaas de seda, e vendem-se pelo
Mrato preco de 400 rs.
OssetinsdoPavao
Vende-se os mais bonitos setins de cores
s mais encorpados proprios para vestidos
;endo de diversas cores.
FAZENDAS PARA LUTO
Na loja do Pavao.
Encontra o rejpeitavel publico nesto estabeleci-
aeoto ura gra4P ?ormento de fazendas pretas,
orno sejaru, cassas francezas e inglezas, chitas
)retas de todas as qualidades, fazenda de laa de
odas que tem vindo, proprias para Into, como
jam, lazinhas, alpacas lavrdas e lisas, cantao,
ombazinas, meric, etc., que tudo se vende por
reco barato.
Madapolao francez a 7$000 rs-
Vende-se pefas de madapolao francez
om 22 metros pelo baratissimo preco de
'tSOOO a peca, pechincha.
Altas novidades em sedas
Chegou ura grande sortimento das mais
Qoderaas poupelinas ou gorgurSes de seda
linho com os mais elegantes padr5es que
f m vtndo a este mercado sendio, miodos e
{raudos, tanto em cortes para vestidos como
jara vender em covado, assim como um
>onito sortimento das mais bonitas sdas
listradas que se vende tudo muito em conta
CEBA DE CARNAUBA.
Vende-se urna grande porcSo de cera de
araauba em saceos por preco mais barato
lo qae em outra qualquer: na loja do
'avao.raa da hnperatriz \n. 50. De Flix
'eraira da Silva.
ALPACAS LAVRDAS
Vende-se a- mais bonitas alpacas lavrdas
com os melhore gostos a,640, 800 e fiJOrtO,
o covado, alpacas lisas de todas as cores a
6HOe7ao-rs., alpacas brancas lavrdas li*
sas e de cordo.
Con palmas de seda a I AO# rs.
Para a loja do Pavo chegou ura- rico
sortimento das" mais bonitas lasinhas com
palmas de seda tendo- de todas as core*
padroes, sendo ftizenda baatante- larga e
vende-se a l|0O n covado.
AS CHITAS DO PAVO
Yeate uto brHhante sortimento de
chitw clarase escaras por preco* mais ba-
ratos do qqe em outra qoalqwr parte*
Rrapa para eseravos
Vende so n hija do PavSo, um boaito
sortimento de roupa par eseravos.
VS PRJP8LINA8 DO PATAO A 30 HS.
Ghegaram as mais Imdas poapelinS de-
ia com mhaclo d podpelinas de seda;
rar fazenda muito FeW cora as mais IftK
las corea, sondo: verdtTOsmark, rAxa, ara
5"?Vcn,9!& trolla etc, ete.e vender
PASTlLfiAS PECTOfUES.r OHIOBU
Btiirir par os xaroprn a frita quadroiattm
iuu m producto a asnignatura do 0** Chv>-
ijli>l^ o llfeaho coa marca de fabrica da
Hiareaciaa-WAWN., ra CutiHem$. PARS
loj e ormatMi do Pftvftc roa d* Imperatriz n.
preco de more.
MerltW de corrfo
Vende-se merino preto de cordSo pro-
palitnt-, e colttc*, poto
atisimo prefio.ffe 14000, o cdvdd,
69.
S1MA0 DOS SANTOS C.
Os proprietarios deste bem sortido armazem de secco e mdhados e&tao re-
solvidos a fazere urna grande dirainuico de precos as suas mercadorias, como se apro-
xima a festa o sempre se fazem avultadas compras para o centro e praca, por
isso previoem ao respeitavel publico em geral, que mande fazer suas despenca e cer-
tos de que vero a grande differenca em precos mais do que em outra qualquer parte
e garantipdo-se as superiores qualidades.
GAZ AMERICANO 90500 a lata, e 440, SEVA D1NHA E SAG 280 rs. a libra e
rs. a garrafa e C60 rs. o litro. 620 rs. o kilogrammo.
VINHO VERDADEIRO F1GUEIRA i60 FARINHA DE ARARTA VERDADEIRA
a garrafa, e 40300 a caada e 800 rs n ti- 640a libra e 10400 o kilogrammo.
tro. BHlAXINHA 1NGLEZA MUITO NOVA a
DEM DE LISBOA das melhores marcas, 400 rs. a libra e 800 rs. o kilogrsmmo.
400, 440 e 500 rs. a garrafa, a 20800 e VELLAS DE ESPARMACETE 720 rs. o
30200 a caada, 660 e 720 rs. o litro. jmasso, em caixa ha abatimento.
DEM BRANCO DE LISBOA a 40000.1 PtOSPHOROS DO GAZ E DE SEG-
canada e 560 a garrafa, e 840 rs. o litro. RANCA, i 280, 400 o 560 rs. o masso,
VINAGRE VERDADEIRO DE LISBOA 30200 e 60500 a groza.
AMEIXAS EM LATAS E CACHINHAS
DE MIJITOS TAMANHOS i 10280, 20500
30500,40500, 30500 a lata e a retalho o 10
a libra.
GOMMA DE M1LHO AMERICANA 400 rs
o masso, e em caixa ha abatimento.
BATATAS NOVAS DE LISBOA 60 rs.
a libra, em caixa faz-se abatimento.
SERVEJA INGLEZA MARCA II 50500
a duzia e 500 rs. a garrafa.
DEM BASS, VERDADEIRA IHLERS
mum m 6Rosso
PARA NEGOCIO
POR PRECOS MU1 BARATOS
NO BAZAR DA MODA
Hua Nova n. 50
Coques imilacSo de cabello,
guarnecidos de bellos enfeites
ultima moda, a duzia 40000
Papel superior de quadrinhos,
em caixas com 20 cademos a. 640
Envdopes por, riana, muto boa
fazenda o tnillieiros em caixi- .
nhasdelOO..... 70500
Botoes de osso bem pulidos para
calcas, a grosa 220
Ditos cobertos de superior setim
de todos aa cores, a grosa dos
pequeos a 3i5O00,e dos gran-
drs a....... 4r)000
Ditos com interessantes photo- .
graphias para puubos a duzia
de pares a...... ;jy 00
Ditos de osso imitando o marfim
com letlras a duzia 80500
Ditos lizos muito boa fazenda a
duzia....... 30500
Abotuaduras para camisa sendo :
2 botoes para os punhos, 3
para abertura e 1 para o co!-
larinho braucos, escarlalates,
e pretos a dir/.ia .... 80000
Brincos de cores a balo, cousa
muito chique a duzia de pares. I000
Lindos frasqu'iihos empalhados
:om bom extracto para lenco
.a duzia....... 80000
Ditos em bonitas -caixinhas ca-
da frasco a duzia. ... 60900
Tinta para marcar roupa, muito
superior cada frasco em sua
caxinlia a duzia. 60000
Livrinhos eom n>pa de metal
dourado e cotj bonitas orocoes
para a musa a duzia. Z05OO
Sabonetes do amendoas amaa-
gas espcrilidde do BAZAR
DA MUDA, a iuzia ... 20309
Lapis pretos de superior quali-
dade, oitavados a grosa 30 e 10000
Escovas finas para denles a do-
ziaal0tiOOe..... 3^00
Alinett.-s muo bons, brancos e
pretos, aduzia de caixinhas a 20800
Pentes pretos-de muito boa qua-
lidade s grandes para alisar
a duzia. ...... 20700
Ditos amarellos fazenda superior,
para alisar, a duzia. 1-5700
Ditos de borrachaotn costas de
metal para repassar, a duzia. 20400
Ditos enfeitados com contas de
cores a duzia a 40. 50 o. 6.->000
Intorsssantes coquinhos capri-
chosamente escultidos dentro
wmtmvbnm e lindo rosario
a duzia 100, t20 e 140000
Grande sortimento demiudesas.
Grande sortimento de quinquilleras.
Grande sortimento de perfumaras.
Pagamento reahsado no mesmo mez da
compra com descont de 40 o/0, ou letra
acceita a seis mezes de praso.
Jos Soaret de Sonza & C.
Para a quaresma.
Ka loja do I\inm>
Os proprielario- Ce te infNntante
to recefcero pelo ulmno vapor fian
tilhoes de gurgurao preto limito bem enfeita
inter3meDt(3 noridade, sedas e g' rpuroe i)i
temos sortlmfDto compet, o melli<>r a
Dirijam se, p<.--, todas as pessoa" (|iie pri
comprar estes artigos, ra do Cn-jpo n. .
Scientes de que, em procos nao fp dnixsr de fa-
zer negodo, istormi tiv.o peln*mu'o
que temos.
fttlilMS l>
COSTURA
Acabara de chegar- ao GRANDE BAZAR
UNIVERSAL, \ ua Nova n. 22carnkipo
viAis.NA--um completo sortimento de ma-
chinas para costura, dos autores mais co-
nhecidos, as quaes mesmo Bazar, garanlindo-se a sita boa qiu-
lidade. e tambera ensma-fe- cora peifelrSo
a todos os cempr; (ores. Estas machinas
sao iguaes no seu Irabalho ao de 30 costo-
reiras diariamente, e a sua perfeicSo t,ii
como da melhor costureira de Paris. Api -
sentam-se trabalhos executados pelas mi -
mas, que muito deyem agradar aus prcl
denles.
COGiNAC.
10400,
200, 240 e 320 rs. a garrafa,
10800 e 20200 a caada,
AZEITE DOCE DE LISBOA 900 rs. a
garrafa, e a 70 a caada, e 10340 o litro.
MANTEIGA INGLEZA FLOR 10400 e
10280 a libra, 30060 6 20780 o kilo-
grammo.
DITA FRANCEZA 960, 900 e 830 rs.
a libra, e 20100, 10980 8 10860 o kilo-
grammo.
DITA PARA TEMPERO 560 rs. a li
bra, 10220 o kilogrammo, era porelo se BELL, 800 rs. a garrafa e 90 a duzia.
far abatimento. VINHO DO PORTO ENGARRAFADO DE
BANHA DE PORCO DE BALTIMOOR DIVERSAS MARCAS 10500, 10200, 10 e
720 rs. a libra, o 10360 o kilogrammo, em 800 rs. a garrafa,
porcao se far abatimento. GENEBRA DE HOLANDA E HAMBUR-
ARROZ DO MARANHO E DA INDIA GUEZA 70 o 60 a frasqoeira, e 500 rs. o
o kilogrammo e
e 440 rs. o
120 e rs. a libra, 260 rs.
30400 a arroba.
ALPISTA 200 rs. a libra
kilogrammo, e 60000 a arroba.
liAF EM GRAO 60 e 60500 a arroba,
200.240 e 260 rs. a libra, 440 e 520ra. o
kilogrammo era sacca se far abatimento.
SABO MA9SA 2*0 a 208 rs. a libra,
520 e 440 rs. o kilogrammo, em caixa se a 110500 a arroba.
faz abatimento.
MASSAS PARA SOPA, MACARRO, TA-
LHARIN E ALETRIA, 560 rs. a libra>
10220 o kilogrammo.
BOLACfflNHAS EM LATAS DE DIVER-
SAS QUALIDADES, bem como parola bri-
Ihante, combiBtion, Francy-cracynel, mixed
Britania. Mdium, Fancy-nic-nac, a, b, c, o
soda a 10000 e 10400, cada urna lata.
Asara como ha outros mu tos
frasco,
DEM DE LARANJA DOCE AROMTICA,
110 a frasqueira e 10 o frasco.
QUEIJOS DE D1KERSOS VAPORES,
30000, 24800 e 20400 em caixa ha abati-
mento.
TOUCINHO DE LISBOA MIHTO ALTO
i 400 rs. a libra, e 880 rsvo kilogrammo,
UNGUICAS FINAS PROMPTAS EM LA-
TAS i 10000 rs. a lata.
LOMBO DE PORCO ASSADO JA PROMP
TO a 10000 rs. a lata.
CHA FINO, GRAUDO 8 MJUDINHO
30200 e 20800 libra, e 6#00 o lao-
grammo.
PDEM PROPRIO PARA NEGOCIO 20000.
25800 a 10800, rs. a libra,
gneros, vinho em ancoretas, azeitooas,
muito novas, passas e figos novos, charutos da diversa* marcas, mar-melada, feita pelos
melhores conserveiros em Lisboa, gela d nwrmelkv. pcego, ervilhas, em latas, por-
tugoezas e francezas, vinho verde engarrafado retalho, peixe em latas, bem como
pescada, tainha, pargo, goraz, lula, corvina, vezugo, ca valla, sarda e sardinAas de Nan
tes. Canalla, cravo, ervadoco, comiuhov pineota, grandasmorhos de sebolla 10400.
FAMlneMa muitos outros eeaerosqaoeofaaaonho A menciona-los.
1 ---------------------------------------------------------------1--------------1-----1.....----------- :------.-----Uii----r*------------_________1
PARA A.-FESTA
3 portap, lega de fyrf agem
53-Rua Direita5a
. Hat grande estabeieisimerUo, ha. para veaiitr
oa eoiapfete aormanip ^e-ferragem, e miudza.-
flas groaaaa, como sejarn bandejas cbineza
quadrada* e ovaes, fato e^arrb d 1 a bo*
mt, bahncftinieiro o 1/2 bataneo; pandlat, eba-
Ifchina cataralas, MigHean^, assaderas, tantf'
df fer cmo 4e porcelana, oioiakoSpara ca:
divorsp &maotQ8 i fabricante Jap'y,_pe3os 1
srrafl'mos. ttfltdffferrt) eoo: de laai; melrt'
parnM*r ta*hda tanda (ferro carao ,Ij laia,
r afDoapi lh de ontros rngos de teVfiP
gen), miaderss eotifarias Anas, qute- mcam*^-
t t ttrtflca; tu ro *reta n. 93 loja de 3 por-
tas de Mauoel Beato de Oveira Braga* C.
CESTO
Veod-se no armazem amarillo de Vicente Per-
teira Ja )?ta A Filho, dpfronte do ara da Go-
*rncar-tfrhod|'.i
VENDE SE iTOtMa^W'eiMtfN
. a^par. sito na fregowa .fe Serinhaem
comarca do Rh> Formos, prximo d *m
barque.'com grandes partldrls de paxrt .
massap toda da -ufieu,iw|jtos mattgaet
para madera ecssarr, lK ^sto ec.
i a tratar rta'roa d'Aorora -gPWO} ou n* d<
tperrdor n. 20.
De superior qualidade da mui accrediu
da fabrica de Bisquit Dubouch d C, en
cognac urna das que mais agurdente d<
cognac, fornecem para o consummo di
Reino da Inglaterra.
Vende-se em casa de Tu. Just. ra di
oramercio n. 32.
AO CAMPOS
Na ra do Imperador n. 28, vnde-se
os segnintes gneros de operior qual Jad?,
a saber:
Presuntos ngttzes (para (laitbrO).
Qneijos inglezes (muito mtvos.) '
A verdadeira gomma de ararut.1.
Copos lapidlos (muito finos.)
Latas com la^ostas a CO rs.
Licor (aya pana).
Ovas do sertfto.
E urna tranca de ceblas por 60 rs. .
S uo armazrin do
Campos.
Ruarlo lrnj) ni'lor u.
28
1
i
Em casa de.Mills Latham *: U. fin da Craz n.
38, vendein-fe chumbo de mucica.:, alen di' lm!|-
Cf, lona c saceos vasio.
ESCRAVOS FGIDOS.
BRACO
Ra do Imperador n. 26
Neste novo estabelecimento encontra-sr
diariamente um variado sortimeuto de bo
linhos para cha, pastis, podins bollos in-
glezes, p3es de l. presnntos, ditos im fiam-
bre, superior cha Hvsson, preto, e miudi-
nho. Vinhos linos de todas as qualidade
conage, licores, conservas, champagne, cer-
veja ingleza, fructas muito boas, por-
tuguezas e francezas.
Um completo e variado sortimento de
caixinhas de todas os gostos e precos par*
mimosear senhoras, estas ^caixinhas recen-
teraente chegadas de Paris s5o de primora-
do gosto, offeresse-mo-las aos galanteadore
do bello sexo pois nellas achar5o nm dignr-
e serio presente para as donas dos seu;
pensamentos. Tambem os apreciadores di
boa fumaca encontrro charutos dos me-
lhores fabricantes da. Babia e de Havam
sganos do Rio de Janeiro etc. etc.
Doces d'ovos seceos, christalisados e dt
calda, ditos de caj, e de outras qualidades
Nesta casa.recehem-se encommendas para
bailes, casamentes e baptisados e qualquer
encommendas avulss, como seja p3o d" le
e bollos enfeitados e outros muitas coozaf
ojue eu&donho. mencionar.
O verdadeiro portland.
ra da Madre de Deus n.
Mo Martins de Barros.
S se vende m
22, armazem dt
J.A.
m constantemente em e^armazom, ra da
_rujn. 20, om ''ompletusorturterJo de
aalancas deeimac*.
Dita* nriaotuae*.
Patos de ferro pelo >yieroa decimal.
Boiibas California para'poc/w, as melbores que
reaf apparefilo ate ttoje.
(Ihamin< de vidro para candieiron a gax
Lima- de todas as quajid.idei.
Ag> Qori*a.
Graita em oiO"? n. 97.
Vidros pSra vidragi.
romo mperiak
Le'ju de madrepprila com eda, e todos di
niadrependa, mnito pr-prio para n^i as, chega
Iran a loja do Passo a roa do Crespo n. 7 A, a
ra.donw re^utefimos cbaies de touquira d to
as as cores, vestuarios bordados de cambrai;
-, meias de escocia (novidade) muF
to btrarfaifrara asExmas. Sras. que goslam aadar
ide Mpattnho raso a ouiaoainwos artiga de go
||p que os propietarios desto estabeleeunepto tee
l^a^edo VDAam^e as escravis, ambas d laida
Veide-a iaed^paja cacada. aramiaas per sirgaras co:n algntni haWH-
prego commodo : na rua> ao Apoll n. i. Froa; ira rtHr a Paz a. 3i*
Fupio el 1 sngcnhli Camarasilio na frege.
de Serinhaoui pi'rlenccntes a Gaspar Mam
Wanderlcy ok escraja spguintes : Saamel r'.e lo baixo. grwV), n ter sidoc. mprado pi-queno. Jlo Caboculo Se m-
ili iriiila e lanti s anuos, ps chads. ventas ..< 11--
bitadas, estatura b:.ixa, cor Vixa a. poura b. rl ?.
e BSla pa p< nln do qpeixo, Fdippe mulato de id;
do de 16 annos pirtfeo mais ou meo baix,
se, sem defyilo algum, leve bteos em pequeo, po
rm pouco apparece ; por,isso pede se as autori-
dades policiaca c c-pitaes de cainpi a captura dt-s
mesmos o levaros no mesmo coj,'enlio <.u ua 11,1
da Mueda n. o, 8" andar escripterio de Manoel Ai-
ves ferreira A u qim sefao giaiin.^.i r.
Fugio no dia 10 do corronlc mez a cabra Se-
venna, com os signaos segninies : altura regular,
chcia do corpn, testa esireila, oliios peq tan
beicos bastante roxos, tem o dedo minipi" da ruin
esquerda um pouco dobradopara a palma damo.
representa lor 40 annos pouco mais u menos ,
levou vestido d rbia ftv'arnada, co:n um ch.?i:. >'
de chita com baria azul ; tem o andar nm pno<<
e;i)pr..di) para a livntd : dfiscojjua-sc qua eslea
occulla em algama casa, pelo rjaio so prolesla cnn.
tra a pessoa que a tiver em casa, iihrtyrando ie. pa
gar os dias de servido : roga-so as autondadi s
caplae3 de campo que apprt'licndam-a e Icvem-n'a
ra do Sebo n 2!, ou ra do Afhorim n. 39,
que ser generosamente recompenado.
Fugio doergenbo Boa vista, na c marca (!;
Camaragibe, provincia d,is Alaguas, o nscravo Ni-
colao, de id.le ,'H annos, altura regular, gro~s<
do corpo, andar banzeiro. tem falta de den tea na
frente, rusto largo, barbado, costuma as vetes fa-
zer toda a barba, tem urna cicatriz na testa, e o*
ps grossos ; este eseravo anda fgido desde o dia
16 de Janeiro do corrente anno : n>ga se portan >
s autoridades policiaes e aos capites de campo a
apprehenso d;sse eseravot a entregar no enge-
nho acim mencionado, on nesta praca ruado
Vigario u. 12, outra vessa do. Corpn Santo n. Sft,
Io andar, que st gratiliciir generosamente.
50;00e RS.
Fugio no dia 22 do corrente o
escravo de nome Antonio; naVtttl
A'V.'' do Buique, que era ltimamente es-
c\f cravo de Antonio Loiz de Mello, d>
^r.fiJ"-. engenho Jatb na, esteve tambem
em Pao d'Alho, o qual tem os signaes seguintes :
cxa de una perna por ter urna das juntas dos
ps desmentida, tem urna boa snrra as nadegas
e as costas, dada pelo ex-aenlior uliimamente, '
alto, bem corpolento, os ps bem grossos, leveu
vestido calca e camisa de algedio maito soja, cha-
peo de leltro da cna redonda, muito qequeno,
com abas viradas para cima : este e>erao mam
cembyeirt e irjtitaia-se por Antonio Candela, 0.
levou om psndBIro de fclha par, sambar: qqem
o encontrar poder trazer ra Sova n Ift ujj'.
alem ba oferta-ajada, ser recompensado gfttefo-
samente.
Fugio no dia 3 do dmente mez, do-eogenb)
Mauvilb da comarca do l^moeiro, o escravo Ma,la-
quws c,r(iuo, cgm uuis de 40 aiuos de idade,al-
tura regular, falta de dfeates na !rWte,--iearrh>t*
de nma >erna. tai urna tra em otrtrav hid.i
com camisa, sarollah de paBo de aigodw, escravo perlanfa ao a^aixo assignado. pn>l,Heteri.
(jo di engeiihp : quehj capturar dito escrav >
oonduza-o do referido engenho, on no Rerife
Sr. Joan LuizPererr Hihiro, a ru-i daSaotaCraz
n 10, wm swi penteroaamenle gmiifiMOo.
EngKObe Hu*vifia< Wdefevereino de 1830.
Jus (Jae^ano, Pereira d Queifoz.
Arlw-a fiMe***0 e*.-rivo fiiaqpi^o. ftaxU.,.
Idade 20 annos mais 011 menos, Com de eifo er..
orna pero; e braco, este escravo veio ha pane
do Sobral, rntlfro ladino, eneutea-so dftfhrr..
de-confia-si' estar acontado, o que deede j se
lerta'contra floeto o wer (eito. Gffll^Citr.se a
r^ucm o levar, ou delle der noticia na r.ua aa M
flre de Des b. 3, Candar.
ealio Pa^a'
Deste rffcftailK) PaD, AectteMifle Ipojuca, aei
no dia 2t dor)Traot e Foaq
crionio, da idaOf de 20. aonqs, boa &ura,
.i.cab'eca-redonda, dentes limados, wt cr
L'uiz Antonio Monlerro, da fazenda da Bifla,
gnezia da Pedra, f.i venido ao Sr. noel Ca-
valcanti 4 AitaavprqiH Baii.
Bobrinho Jos Alves Marinlio i
houve por cojai
n}3&, on nesta'arac* ra da be-1
Jok Yateltioi Ywtra de %ilo.


Diario de Pcrnnaibuco Quarta Jeira
de 1870

UTTERATMiL
Rete rdaco do < lub.
* Ma bienvenue an joui me vil
dc.m tnutt les >lux-
.1. Chenirr.
Tu Yiucei'li e pura,
nala da il aurora m frescura
Em -l'l ,
Tu y'ici (I i .ir -n:i il'orvalhacta IV;
ili'S leus un
p meca uiieaal.

ios ; raylliicas ondinas,
brilho, em grai^i to'eelreltas peregrina*
* Quo vagam petos C
!; i|ual Hberana Ja* regiS"; sonhada?,
Tu eiillaminas nmiUs i-renuas apagadas
Co a luz Jos ollu tuus.
Vseosle ao som das celestes harteona>.
E tlorma respirando as gratas ambrosias
Que pa3sam nos vergel?;
E;n la fronte brilha a luz d'um diadema,
Era leu sorriso sinto a for$i quc.ln'ilgem.
Curvando- me a leus ps. JF
ijiis te fez bella pra asordar do somno
Vitos curvados pjr fajjil tlescrenga,
Deu* te fez bella pra retratar na trra
Do amor, da grac.a a seduclo mmensa.
Deus le fez bella p'ra mitigar 'os pranlo-,
\ dr, 'jue soffre a bumanidaJe ainda,
H le fe2 bella pra resumir n*nra todo
A- sata$ edres da belleza infinta.
Deus te fez bella p'ra construir o sceptro,
C n (|ue dominas a vastidaj do espaco,
Deus te fez bella p'ra eslreitar na trra
amore o bello em ttremoso abraso.
Deus e fez bella p'ra arrancar bem vivo?
Das lyras d'ouro estremecidos sons,
te fez bella p'ra levantar o throno
!e relusem os teus reaes brasSes,
7 te fez bella p'ra rasgar as trevas
'um co nublado de soffrimento e dr,
Deus te faz bella p'ra proclamar bem all >
O offeclo, o sonho, a poesa, o amor.
qutilu il ; ibitata na ra do
Santo Uuuoraig ; seu ina-ido, alacido de
paralysia, dorraitava. n'uma poltrona ao pe
do fugao. jto;
De repente, MR-se a porta do quarto e
entra o criad co. Vinha n'un es-
tado de violento excitaro, occasionado pela
embriaguez. .
A S..i. l. .;..! ...1 urdenou ao criado em
termos rispidos, que se retiraste ; mas elle,
tiuvexdtf dbed erj lancoo-se sobre sua
ama de faca-era ponto, e encheu-a de gol-
pe:..
Aos gritos da victima, acudi ramos mqui-
I
ce
lies annos.
primeira victima, co.-reu para venca, c
agarraado-a pelos cabellos a para corla- as
cuelas, quando ella ergueu as roaos, rece-
bendo apenas profondos golpes nos bra-
linos lodos: a primeira pessoa que app ceuf '.uma cosmlieira de vinte a
o assassino mal a vio, largot a
voltou-
e agi-
sepa-
muito
o furioso e le-
itecife, fevereiro de 1870.
C. V.
I
POUCO DE TUDO.
\I VIS DOIS AS5AS5INIOS EM PARIS.-
i.t am commetlidos mais dois assassinios
em Pars. O Ganlois traz os seguintes por-
'ores desses crimes:
No 3." andar do predio n. 28 da ra
de Santo Honorato, morava havia seis me-
aes urna rapariga chamada Josephina His-
pa!, cujo irregular pr )cedimenlo j moti-
ra dilTerentes qneixas dos inquilinos.
A rapariga tinha um amante, que a v-
3 lava regularmente todas as noites.
Chama-se elle Eugenio Durand, tem 48
annos, e mora no becco de Rouce, era Me-
'lilmontant, onde exerce a proissao de em-
;iacolador. Diz-se que casado e pai de
oiiia ; tem um filho de 21 aunos.
Pareca extremamente irascivel, e te-
L-.iiam-n'o muito.
Hontem noite, Durand devia ir como
de costume, hora de jantar. Demorou-se
lais; a rapariga espera va-o. Quando elle
.ppareceu s oito horas, devoras embria-
gado, censurou-o ella, e essas censuras fo-
ram mal recebidas.
Durand fo1 cosinha, tirou urna navalha
da algibeira, e amollou-a com toda a pre-
senca de espirito na borda do fogareiro.
Feilo isto, vltou ao quarto, poz-se a pro-
ferif terriveis ameacas, brandindo a arma.
A menina Rispal, atterrorisada, fugio para a
escada, e foi peair o soccorro do^ por-
teira,
Depois. cousa inexplicavel, a rapariga, de
certo cheia de horror, com a cabeca per-
dida, tornou a subir a escada. Enconirou
Durand que descia, cada vez mais furioso,
nava ha em punho.
Agarrou a desgranada pelo braco, e deu-
oe primeiro urna facada no lado esquerdo
do pescoco, e depois duas nos seios. Um
golpes foi na regi5o do coraco, e como
fei bastante fundo, determinou a morte
quasi instantnea. A victima cabio sem
soltar um grito, e o assassino, lilieralmente
coberto de sangue, em mangas de camisa,
que s ve lo mettia horror, desceu a esca-
da, e gritou para o porteiro :
Matei-a! V chamar a polica !
Nao tentou fugr. A polica appareceu
inmediatamente.
Ocorpo da infeliz Rispal, que 'se jolga
esta grvida, foi depositado na MrjrgUe para
>e fazer a autopsia.
Tinha vinte cinco annos do dade.
O outro assassinio alv* orojou um da
des todo o bairro do E' ,seu.
A Sra Lombard, espo ia 0 antga con
Cos.
Francisco, raivoso e sanguinario,
se outra vez para a Six Lombard,
lando a faca violentamente,, quasi Ihe
rou a cabeca do tronco.
Chegaram afinal os policas, .que a
custo conseguirn) dominar
va-l para a estaro.
Os mdicos mmi'diatamente chamados,
declanram a moite da Sr. Lombard ; a co-
smlieira ainda lera uns dias de bospital,
O assassino tem 27 annos, e filho da
Blgica.
Est na piiso da Conciergena, e j se lbe
fizeram os primeiros interrogatorios.
O Figuro d alguns pormenores res-
pectivos acerca de Francisco Dathauvers, o
assassino, e acerca da Sra. Lombard, a sua
victima. .
t Francisco Lathanvers tem de idade lo
anuos e de origem belga. E' de raea-
na estatura, fro e socegado como todos os
habitantes do norte, mas as pessoas qu
lidavam com elle, a cosinheira da Sra. Lom-
bard entre outro*, dizem que era violento
em certas occasoes.
Na tarde do crime affiaucaui algunas
testemunha que LUhauvers se embriagara ;
todava, quando o interrogaran!, pareca so-
cegado e completamente desembriagado.
A's cinco e meia que pareca n5o estar
bom de cabeca, qaando foi cosinha bus-
car um candifciro para levar seus amos.
Emquanio o accendia, Lathauvers pergun-
tou Felicia, a cosinheira:
Ento, que tal ? Est contente comi-
go ? Ser verdad* eu ter bebido ?
Felicia responden:
Porque me pergunta isso ? Voc n3o
est ao raeu servjc, e n5o tenho direto
para estar contente ou descontente com-
sigo.
Ah !...
E Francisco' foi se, dizendo :
Pois bem! vou perguntar patroa se
est contente cora4*) meu servico f
Pelas seis horas, o criado voltoo (jomo
um furioso cosinha, fecbou a porta atraz
de si, e com urna facada na mo cheia de
sangue, atirou-se sua desgranada compa-
nheira e quiz corlar-lhe o pescoco.
Felicia, gritando por soccorro, defenteu-
se enrgicamente, agarrou oaggressor com
o braco direto, emqoanto com a mo
esquerda tentava segurar a faca ameapa-
dora.
Conseguio-o. effectivamente, mas como
batesse com a m5o no corte, fez um golpe
profundo. .
Aos desesperados gritos de Febea, e de
um pequeo que eslava ao p delta, aecu-
diram primeiro o cosinbeiro da Sra. vis-
condessa de Fitz James, inquillina do 2o an-
dar, e a mulher do porteiro, que reconhe-
cera a voz do tilho.
Estas duas mulheres arrombaram a por-
ta, e eucontrarara-se m presenca do assas-
sino e da sua segunda victima, Francisco
mal vio isto, largou Felicia, e precipitoo-se
para a criada da viscondeasa.
as ltimos pormenores que traz o
Fiqaro, parece que se encerra a expRcafao
tin .1 do sancrento drama do arrabatde de
Santo Honorato. Io de lembrar-se qu
a cosinbeira da Sra. Lombard, Felicw Mol,
ferida gravemente, s pude fornecer, no pri-
meiro instante, expii!lcoes confusas. .0 ir-
mo dessa valerosa rapariga foi ao escrito-
rio da redaeco do Fgaro levar urna verda-
deira stcnograpliia da relaco muito cir-
cumstanciada do caso, e de supporque o
depoimento fei'.o por ella ao magistrado
nessa conformidade, dar ao enroe de
Francisco Lathauvers urna pliysionomia sin-
gular.
Francisco anda va tomando maneiras ater-
radoras. Um dia tinha contado que dera
urna facada no irm3o.
No dia do crime, emquanio a Sra. Lom-
bard f6ra visitar sua neta, no collego de
Neuilly, Francisco entran em casae fecbou-
se por dentro chave. Feciajjuiz entrar
e n3o pOde abrir. Bateu muits vezes, e
fez notar a Sra. Estevao, inquclina do
predio, o tempo que o diado levava para
abrir*.
Porque motivo se fecha deste modo,
Francisco? pergontou FfSicia.
Vocemegc nao tem nada com isso,
respondeu elle. As fechaduras foram fe tas
para a gente se servir dellas.
Nao acho isso bonito, eu direi pa-
iran.
Francisco foi buscar azeite cosinha, e
sem se preoecupar das observacoes de Fe-
licia pozse a beeuntar a fcbadurae tornou
a dar volta chave.
Quando a Sra. Lombard voltou, Fe|-
ca peio- Ihe licenca para sahir um peda-
nho. volta disse-lhe a ama na casa de
jantar:
Fui i dispensa. Contei as garrafas do
vinho. Francisco rouba-me.
Felicia contou Ihe o incidente da fechadu-
ra. Chcgou ent5o Francisco.
Diga-lhe que se v-deilar, recommen-
dou a Sr. Lombard cosinheira.
Felicia vpltou para cosinha; Francis
co foi atraz della, e fallou-lhe com modos
seceos:
Que Ihe disse a patrn ? t
Disse-me que o mandasse deitar.
Eu n5o estou borracho, e se ella
fosse...
Estavam alli duas amigas da cosinheira,
Pois sim, v se deitar, disso urna
dellas.
J dsse que bem se o que faco, e
estou capaz de...
Sabiram as duas amigas; deram ento
pela immundicia em que eslava o sobrado da
cosinha, e que s poderit resultar das boas
obras de rnneisco. Felicia acompanhou
as raparigas at ao quarto da p-rteira,
quem deu urna cana para r entregar da
parte da Sra. Lombard. A carta era diri-
gida a filha da victima. Pedia que Ihe man
dasse o seu criado della deitar o Sr. Lom-
bard. visto o estado de embriaguez de Fran-
cisco.
Quando Felicia sobio, que se deu ontre
ella e o assassino o dialogo que referi-
mos.
Francisco acsendeuumcandieiro e levou-
o para o quarto, dizendo com modos amea-
cadores: '
Eu c vou ver se a patra esta con-
tente commigo.
N'este cmenos, mandava a portetra
seu filho cosinha, como lh'o pedir Fe-
Meia hora depois, Francisco fechoo com
violencia a porta do quarto, Felicia abrio-
Ihe a cosinha.
De repente precipitou-se sobro ella, de
faca aleada.
Desta vez, bradoq elle, bei de ma-
ta-la !
Voc est doudo, Francisco I...
E com admiravel presenca de espirit es-
condeu a crianca atraz de si, e entrou a pe-
dir S0CCOIT0.
O assassino voltou-se, fecbou a porta
tirou a clave, pcVla sobre o fogareiro, avaa-
cou para Felicia e agarrou-a pelos cabel-
los. A infeliz agarrou a lamina que Int
ameacava o pescoco, onao a largou mais.
Quiz enSo esgana-la com a m&> direita,
e arrancou-tbe um brinco.
Emquaple- isto se passava, chegaram a
porteira e a cosinheira Mara, ao servico la
senhora Fizt-James, que arrombaram a
porta. ,
Que fez voc, Francisco! braou
Mbria. ?.
Estou assassinaudo t estou assassi-
nando! uivon o miserawel, lancando-se
victima com mais furor.
Mara atirou-se ao assassino agarrando-o
polas costas, emquanio a porteira levava o
tiliio para fra.
O resto j e-sabido.
Chegar-se-ba agora a cooliecer com que
fian Francisco Lathauvers se fechara em
casa ?
Aquello hornera j militas vezes dera in-
dicios da mais baixa maldade.
Quando a Sra. Lombard andava por fo-
ra, divertia-se elle cruelmente insultando o
pobre paralylico.
At um dia em que
inte com as
seu amo, este arramwi-vfP
unbas.
Francisco-no dia seppte cortn-Ihas a
brula. Tambera j linha-cortndo as unhas
de um gato que o arrannara.
Notou-se que l-i assassino tinha como
Trauppmao, m5os enormes e espatulosas.
O que o Sr. Lombard privado do jui
zo, refere aceita do caso, est era op-
posicSo s de laracSes de Felicia e varias
observacoes feitas rejentemente.
O Sr. Limbard n3o tem podido dormir
desde que se commetteu o crime. Chora
qaando recebe alguma visita. Tenia esten-
der a dbil m3o quem Ihe falla. Com-
prelienderia acaso o drama horrendo que
diante delle se desenvolver ?...
E este outro pormenor de cortar
o coraco. Quando se levanlou o cor-
po da Sra. Lombard, eslava elle de la-
do, e os olhos virados para o paralylico.
E este tinha o olhar flto na cabeca da mor-
a !-.
A autopsia do cadver foi feita pelos Drs.
Tardieu, Pietri e Bergeron.
Travou-se nova lula, e as tres mulheres
n'ella tomavam parte conseguiram ar-
ri|r o assassino para o patamar. N'este
sillo cabio a criada da viscondessa, em
consequencia de abundante perda de sangue.
Tinha urna ferida profunda no pescoco, e
outra na mo esquerda.
Quando se prendeu o criado ao fim da
escada, lornou-sc manso como um. cor-
deiro.
Toda a gente gnorava ainla, esse tem-
po, o assassinio da Sra. Lombard ; s
ojiando o commissaiio de polica foi pro-
ceder ao aclo do corpo de delicto, que
se descobrio o cadver no meio de um
quarto pequeo, deilado n'ura lago de
sangue.
A (erila da victima normal; a ca-
beca s est presa ao iroaco pela nuca e
pelas verlefras cervicaes.
' Todas 33 partes mollea foram cortadas
com incrivel certeza o segurancia de mo,
e a morte havia de ser inslantanea.
Quardo o commissario entrou ao quarto,
eslava l um homem, assentado n'uraa pol-
trona, socegado e immovel, era oSr. Lom-
bard. ,
As experiencias j feitas teem provado
que o Sr. Lombard est privado de todas
as suas faculdades intellectuaes, e que fra
testemuuha inconsciente do assassioio de
sua esposa.
Francisco Lathauvers contou com o
os menores incidentes do
eos cuidados vSo faltar ao pobre ma-

niatar a
maior socego
Lseu crime.
J to senhor de si, que ao chegar a es-
taco da ra de Anjou, pedio com frieza
agua para lavar as mos.
Quando apertam com elle para explicar
os motivos do abominavel crime, responde:
A patroa dsse que eu lbe tinha rou-
bdo orna garrafa, que eu estava em-
briagado. Nao podia consentir que se dis-
sesse de mim semelhante cousa, e por isso
lbe cortei o pescoco.
N'ontro numero do Gaulots amda se le
mais
estava deitando

FOI IriETIWI
illHiMiMfOLlllSIla
POB
lie Berthet
(Continuaco do n. 48.)
XIII
O regreaso.
navemoa lembrar-nos de que, quando
Anionio Robin e Gertrudes am comecar a
suafrug refero, se ouvira bater a porta
to5BSo' corren a abrir, e de repente tres
gritos de sorpreza e alegra acolheram o
? cem-ebegado Era Leonardo O pven
mineiro trajava o seo falo acetado, que fa
admiracao e inveja do seu camarada
ainda um pooo palltdo,
restablecido, a julgar pelo
vai I'ois nao ouviste dizer que desde o
diada nossa ida mina cessaram os traba
Ihos ? O Sr. Van-Best est
do director para se infowaarem do estado
da fllha.
. Affirmam-nos que o assassino ja desde
maito tempo que andava vigiado pela po-
A Sra. Lombard s tomara Francisco
aeu servico para obaquiar algumae reli-
giosas de Gharenton que o protegan.
A Sra. Lombard sempre mostrara para
com elle grande benevolencia; nunca o
reprehender, e so na seita noite, i que
se resotveu a despedi-lo, por ve-lo com-
pletamente embriagado. .
O Dr. Dalpias julga que o assassino tez
tudo aqoillo sob o imperio de urna loucura
uriosa, provocada por grande abuso de
absintho. Todava o Dr. acredita que desde
muito tempo havia de Francisco ter alguns
resentimentos contra sua ama.
Acerca do motivo do crime, espalhou-se
em Pars esta outra vers5o :
O assassino nao tinha por cosame
beber abainlho. e no dia do enme, em-
briagra-se com vinbo tinto..
Parece at que disse patroa
lbe ao mesmo tempo :
Cuida ento que Ihe roubo o
vnho para me emborrachar f
No interrogatorio^ respondeu Francisco:
Nao Hie pesa o ter commettido seme-
lhante crime ?
Nao.
Vocemec nao quena matar o s>r.
Lombard ? n
Oh! nao, nunca me fez mal. e se. tas-
limo a morto.-da Sra. Lombard, por que
Isso no motivo acudi a paraly-
tica.--Agora j posso ftcar s ; tenhopen-
- E por quo motivo qu?iia
cosinheira da Sra. Lombard ?
Por julgar Tjue ella rae qu E a cosinheira do visconde de Fitz o
James ?
A' essa n3o quero eu mal, por que
ella nunca m fez nada. Feri-a, para me
defpnder.
Francisco foi condemnado em 1863, pelo
tribunal de Bntxellas, dons annos de
prislo, e privaco do3 seus direitos c-
vicos durante cinco annos por alternado ao
pudor.
Diz que servio como criado na casa de
aUienados situada em Uccle, pequea aldea
nos arredares de Bruxellas.
Desta confissJ poderia inferir-se que
Francisco nao o uvera por criado em Uccle,
mas sim como allienado.
Eis ( s curiosos pormenores dados pelo
Fgaro acerca do Sr. e da Sra. Lombard :
A Sra. Lombard era viuva em pri-
meiras nupcias de Garlos Dar nd, redactor
em chefe do Capialc, o primeiro peridico
imperialista que se publicou no tempo da
monarchia dejulho,
O seu segundo marido era notavel entre
o partido bonapartista.
Julio Bartholomeu Lombird era cirurgio
do hospital militar de Slrasburgo ao tempo
da primeira tentativa do principe Luiz Na-
poleo ; tomou n'ella urna parte activa,
foi levado ao tribunal e absolvido com todos
os demais ro3. Posto logo em liberdade,
tralou do que poderia realisar o bom xito
da causa bonapartista. Tomou natural-
mente urna parte na expedigSo de Bolonha,
onde Ihe foi restituido o posto de porta-
bandera ; bateu com a haste da bandeira
no sub-prefeito Le Bovoat de Launay, e foi
arvorar o seu estandarte na grimpa da
columna elevada ao grande exordio, e ah
o aprisionaran!.
Lombard comparecen perante o tribunal
dos pares, nos mesmos bancos qu o prin-
cipe Luiz Napoleo; foi condemnado vinte
annos de priso. Cumprio a sentenca era
Doullens, onde esteve encarcerado al a
amnytia de 1845, que Ihe restituio a li-
berdade. Admittiram-n'o ento nos es-
critorios de Carlos Lafiie, onde esteve
empregado algum tempo.
Quando rebentou a revoluco de fevereiro
Lombard tomou n'ella urna parte considera-
vel; era dos que forcaram a entrada da
cmara dos depulados, e cujas demonstra-
CSes determinaram a nomeacao d'um go-
verno provisorio. Pouco depois parti
para Roma, oade foi tenente de Ganbaldi.
Voliando Franca, Lombard oble ve a
muito custo entrar na can eir consular. Aa<
suas estreias foram difficeis; o seu pri-
meiro lugar de vice-consul em Monterey
dava-lhe t3o insufficientes recursos, que
se vio obrigado a amestrar cavallos selva-
gens para ter de que viver.
Nomeado cnsul em Calcutl, sentro ao
fkn d'abjuns annos os effeitos d'esse desas-
trado clima. Teve ora alaque de apoplexia
e voltou Franca paralytico, prostrado,
com a luz da intelligencia apagada.
Americas se submergram por ordem dos
almirantes hespanhol e francez na baha ae
Vigo em 1702 vista da esquadra ingieza
e hollan lezi. ...__
Os busios, e orna parte do macbmismo
spropriado para laes emprezas, segundo as
nllimas noticias jcomecou a funccionar com,
exilo, pois nos dizem que at ao da 46 de
Janeiro ji se tinham encontrado tres dos ga-
I tiSc s.
Se certo que os quatirze galees sub-
racrgidos o foram comendo uns 1:500 mi-
Ihoes de reales em moeda cunhada e em
barras de oiro e prata (tufl trbulo de am-
bas as Americas dos annos de 1700 3 4701)
e agora se onaegue salva los, vai realizar-
se aqu um dos contos das Mil e urna nites,
pois a companhia auferir Anides mteresses
visto as forcas do contracto pelo qual o go-
verno hespanhol s receber dos salvados
43 o/o, isto ficar empresa 850 milhoes.
Acerca dos tres galeSes j encontrados
nos do is seguintes pormenores:
Os busios penetraran, as profundidades ,
do mar revestidos com o aparelho chamado
scufenrtrtt: primeiramenjte descobriram doas
ga ees V'depois um terceiro. Dizem os
buzios que os galees esto mui bem con-
servados, e que todos os tres estao eovol-
tos era urna especie de couraca de conchas ;
dos d'elles tem signaes de fogo.
Logo que o mar se acalme, os buzios pe-
nelraro no interior dos galeBes, e com a
ajuda de lampadas submarinas alumiadas
por luz elctrica, examinarlo o que ha, e ou
enconirarao um ihesouro on um desengao.
O engenheiro fwn'ez que dirige os tra-
balhos, e urna notabiiidade nestas ope-
racOes est cada vez mais persuadido de
poder salvar os galees e os objectos pre-
ciosos que encerrem.
medida que se vo descobrindo ga-
lees, se colloca em cima d'elles super-
ficie urna boia.
ISABEL H.A' proposito do aoniver-
sario da tentativa de homicidio commettido
na pessoa de Isabel, segunda do nome, o
Gatdois faz os seguintes reparos :
Foi o crime commettido no segundo da
d segundo Miz do anno de 185*, segunda
metade do seculo XFX : foi n'uma terca
feira, segunda dia da semana, s Utas ho-
ras depois do meio dia.
' O assassino era o segundo padre cora o
nome de Mermo, que teve nomeada em Hes-
panba. O primeiro foi o lamoso guerrilhei-
ro Nferino.
O assassino tinha 62 aenos, e deu duas
punhaladas na ex-rainha, na occasio em
que sabia da capella real, onde fra apre-
se..tar antoos altares, a saa segunda' filha.
a infanta D. Isabel, que ent3o tinha dois
batendo-
seu
mezes de idade.
Isabel II centava 22 annee-.
O assassino que morreu> com o maior
sangue fri, foi suppliciado no dia 22 de
fevereiro s i horas, e gastou duas horas
no .amnho doearcere pana o cadafalso.
Viva na ra do Arco do Tnumpho-n. 2,
2o andar. ^
NO*FUNDO DO MAR. Muitas riquezas
esto sepultadas no seio das aguas. Emlles-
pai'ha j' comedn os seos trabalbos urna
companhia que se formo para a e*tra,-.cao
do fundo do mar de quatorze galees que,
carrogados de oiro e prata de ambas as
GRANDE CORAGEM. Um jornal estran-
geiro d conta de um facto digno dos maio-
res elogios. Eieclivamente se nao fra um
coiajoso soldado, mais ama vez teriamosde
mencionar um d'esses enrans que, attento
o flm com que se praticam, sao quasi sem-
pre acompanbados de incidentes mais ou
menos barbaros, earruinam familias inteiras.
Eis como a Patrie de Bruges, refere as
circumstancias do facto:
Pelas dez horas e meia da noute de
sabbado fez-se urna tentativa de arromba -
meato com m3o armada, no domicilio do
capio de infamara Mr. Reding, em SlyfeBe,
a qual provavelmenie tinha por fim o roubo.
A habitaco de Mr. Reding, situada pou-
ca distancia do estabelecimento Tivoli, li-
mitada ao oeslo por um jatdim cercado de
muros pouco elevados. hora cima in-
dicada, estava o capito em servico na -
dade, e sua esposa acompasada de sene
albos tinha-se reeolhido ao qaarto de traba-
Iho, onde se achava tambem a-camarada do
caprto, que vigiava at que- esto vottasse.
Sentiu-se algum ruido no jardim, e o ca-
marada, julgando ser produzid* por alguns
gatos que tivesser saltado o iro, pegou
n'um cabo de vassoora e dirigile ao pateo
para os por em fgida.
Apenas o soldado abru a porte- do pateo,
deparou com um individuo que- o agarrou
pot pescoco ; alm d'este, mais dous se
apftmptaram a auxinnr o sen companheiro.
Apezar d'isso nao perde o sangue fro e
desembaracando-se dos seus aggressores,
prtcipita-se sobre elles-com toda lorca, fa-
zendo sarho com o cabo de vassotfra, des-
trbuindo pancadas ao acaso-e nao cessando
thi gritar, quanto os pulmoes llv'opermit-
tiam: Capito, capito, ao assassino, atire
dncima!-
A Sra. Reding, n3o menos corajosa, mu-
nida de um rewolver qjie nao estova car-
regado, corren em sen-auxilio.
:ia a
Apreseniava-se
arriso Sanco que Ihe iluminava o rosto.
Antonio apertou-o nos bracos a ponto de
quasi o suffocar e exclamou;
Ora al que voltaste I Que tens ei-
to ? Por onde andaste ? Porque n3o nes
dste nocias toas ? Temos soffrido tanto
>po da toa partida Quanto estimamos
ver-te! ., ,
Gertrudes e a velha fizeram-lbe igualmen-
te a melbor recepcSo, a que elle correspon-
den commovido, e, depois de tomar lugar
iVuma cadeira, disse com a mais intima
cordialidade
Perdoem-me, meas ai
silencio. Qaando ha dita m
fallido ; os
Merarios'acham'se morreado de fome ;ns
mesmos aiuda agora... Mas emfira n3o te
queremos affligir. S te posso assegorar
.,ue, se cootavas echar trabalho na mina,
le eganasie. porque nao vens aqu ei
trar se i5o miseria !
Ora adeus Tudo se ha de arranjar
pelo melbor. Estou certo de que nao de
vir melhores lempos.
E, dito isto, ouvo se bater a porta, en-
trando em seguida urna camponeza com
um cesto cabeca, do qual Leonardo co
mecoua tirar variadas comidas, e, depois
de fazer assentar mesa Antonio e Gertru-
des, deram comeco refeico.
Leonardo, porm, que mostrara ter
grande appetite, mal coma. Afinal per-
8QJ>Porque motivo a menina Van-Best,,
q>M pareca t* laula afeifo pelas pessoas
a'eata casa, nao tem vndo emseu aux lio
durante estai crise ?
Ah I r. Leonardo.-respondeu a ve-
lha amargamente-creio que ella nos aban
onou I Diz-se que seu Peattfc.
exasperado contra os operarios e talvez Ihe
.t-. ,-r.r, a MdA. minha mi. A
-'Igorartse_L*.rdo- vestir "^^SStfS2
eom Antonio.
oteufato doraingueiro
Antonio, todo envergonhado, teve de con-
Tessaro destino que lbe-dra.
Eolio Leonardo disse-lne que no da se-
guilo irain resgatar o fato, e que por agora
visto serem elles de estatura muito seme-
lhante, o acompanbasse- ao seu qoarlel,
onde se poderia arraojar com alguma roup*
en 3
Ah sim, vaes recorrer taa volt-
m>'sa mala.
Leonardo sorro-se e disse-me :
Sim, a essa mala que tanto te deu
que pensar. Pois prometto-te que veras
um dia tudo o que ella coolm.
Os dous mancebos sabiram.
Passado um quarto de hora bateram a
porta. Era Amelia Van-Best.
Depois dos mais cordiaes cumprimentos,
a joven explicou as circumstaoaas
havam
Ento os malfeitores assustaixto-se, fa-
giram, mas nao sem deixarem o b avo mi-
litar ferdo com urna Sicada em um bra?o.
A polica emprega ledos os estceos afim
de empolgar os culpados.
POLICA ENGRAGADA Secado se le
rjuma (oHia de Hespanha, a emancipacao
da mulher e a sua elevaco aos aargos mas-
culinos ji= vai chegando Constan inopia,
a director da polica de Stambni acaba de
nomear agentes de polica Iros senhora?.
E momentos depois as das joven ca-
mnhavam alegres em direceo ao arraial.
De camiuho Amelia perguntou-lhe:
Sabes se Leonardo regressoo com idea
de trabalhar na mina t
,_ Curtamente. Que outro motivo o
trara aqu, a sao ser o desejo de ganhar a
vida pelo sea trabalho ?
porque a coincidencia do sea re-
resso com ama outra circomslaocia faz-rae
supoor... talvez urna I ucura da miaba
parle ; con tuda* se o encoojnmos, quero
fallar-le
Amelia*Van-Best, talvez seas querer, ex-
oriraira as preoecupacoes qoa nutria ifirc
de Leonardo, o qua Gertrodes ouvio sor-
prendida. Nao oostante, como a sua per-
tnrharo a imoedira de ouvir o que se
joven explicou as crcumsiai -. ^S entre^Leonardo e Amelia por occa-
vamdado recentemente, em virtudedas passou entret^^f aaD^zqaea
comecar
alegra da
ao onvirem
eu
Z
a casa do Sr. ,Van-Best, acbava-me eu no
mais lastimoso estado e cooservei-mejinda
Nao essa a razo, minha
menina Van-Best est doente, o qoe se;i por
ver entrar para l todos os dias o medico,
e estou certo de que ella ainda nao sah.o
de casa desde o dia da sospensao dos tra-
Doente ? interrompeu Leonardo em
E talvez perigosamente I..
possivel que td ntio tenhas
saber do sea estado pessoal-
ets-rae
eocios imporlansaimos. Agora
l3toeprompto a recomvx os meas
bos na mina,
mina ?repetio
sobresalto.
Mas como
procurado
mente ?
Antonio fez Ihe
ver o melindre qoe n'isso
""JntloS
Antonio, abrindo
redmente o's oibos. Ora essa l
vene da loa I Ignoras o que por c
siderada com intoitode pedir alguma cousa^
e persuadi Leonardo a ir elle agora a casa
do Sr. Van-Beat. { .
Terminada a reeicao, Leonardo con*
doa Antonio a irem ao arraial, combinndo-
se qae depois triam passar laow da casa
quaes os trabalbos da mina um
Seria imposs.vel descrever a
velha Robin e de Gertrudes
tll Loavado seja Deas 1 -exclamava esta.
At que emfim vo acabar os nossos soffn-
mentosl J Antonio ter que fazer!
Gracas, mea Deus I Gracas, Santa
Virgem I -dzia aquella, fazeodo o s.gnal
da cruz.-Bem dizia*no que aos voluva a
felcidade desde o momento em que aquella
excellente pessoa de Leonardo aqu '
trra I
Pois Leonardo j regressou
Amelia, fazendo-se corada.
Gertrudes explicou-lhe o motivo porque
Leonardo sahira com Antonio.
Ah I redarguio Amelia vjsto que
elle se dirigi ^fraUI, ^ f "L
tabelecdo toPa admira-me que n3o se
dirTgiss'rpri'meiro... Ora pois, Gertrudes
porque nao iremos lambem ao arraial ? Eu
tenho que ir encontrar-me com meupai.
Desejava acompaoha-la, porm ja es-
Uve milito tempo ausente de minha lia,
sio da catastrophe da mina, sappoz que
joven quera fallar agora com Leonardo so-
mente para Ihe dirigir novos agraa>cimen-
tos pelos servaos qoe elleenlao lhespres
lra, talvta mesmo para lbe entregar al-
guma recompensa pecuniaria, e por estas
razes achou muito natural o desejo da so.
companheira.
XIV.*
en-
Idisse
k testa da aldela.
Van-Best, tendo deixado a filha, que
mostrara viva impaciencia de visitar os seus
protegido, a velha Roiin e Gertrudes, diri-
gir se pela ra principal de Polignes.
Com o seo casaco preto abotoado, que
mal Ihe comprima o rotundo abdomen, de
bengala debaixo do braco, com o chapeo de
largas abas am pouc ncliaado sobre a
orelha, caminbava com aspecto orgelhoso e
alegre. N'aqnella occasBo pones gente
gyrava por ali e a maior parte das casas
acbavam-se fechadas. N5o obsUnte, algu-
mas portas e janetlas se abriram a sqa pas-
sagem, deixando ver algumas physionomias
paludas e espantadas.
Van-Best era saudado em silencio e al-
guns como que se inierrogavam a si pro-
prios sobre se aquella visita em taes cir
ciwnstancias Do seria um insulto feito
desgraca da gente da aldeia.
Van-Beste nao quiz que um tal equtvoso
se prolongasse, e por isso communicoa a
um operario sen coubecido o prximo re-
comeco dos trabalbos.
Como o operario nao podesse convencer-
se da veracidade de tal noticia, participou-i
igualmente pobre mulher de um mineiro,
toda esSarrapada, que se lbe approximou,
saudaado-o huoMldemepto, e, tendo ele
gratificado a ambos ccm%lgumas moedas de
prata, nao Ihes reslod ernao duvida algu-
ma sobre a inesperada rnudanca de fortuna
do director.
Desde logo a grande nova se espainou
com a rapidez, de am rastilho de plvora.
Urna multidao ruidosa sahio das casas, ate
ali fechadas e silenciosas. .,
Posto que o sucesso passasse j de doc-
ca em bocea, f^i mister qoe Van-Resi o
confirmasss a cada um era parlicular. En-
to rebentou por toda a parte ama acclaraa
Cao estrepitosa : uns nam, outros cboravam
de alegra, e todos testemunhavam ao in-
dustrial o mais expansivo rexonbecnnento
Cobriam-no de heneaos, bei|avam-lhe as
raaos e as abas do casaco.
O homem achava-se coofaodido com tal
ovaco e- lagrimas copiosas Ihe cornam
pelas faces. ,_.^_
Gooseguio afinal abrir cammho atravez
da multido, porque elles tambem tinham
pressa de transmittir acuella boa nova aos
seas prenles, e por isse cala omfoi cor-
rendo em diversa^ drecces. Agora era
am pequeo cortejo que a^ojapphava Van-
Best; mas, proporco que elle caminbava,
o squito ia engrossando.
Na praca os operarios de t< das as dasses
carpinteiros, mineiros, machi >s*--
reoaiam em gropos e consultavam-
si. Os regosijos do arrala! pararam
mente s hayiam. cessado a? dawas J
timbancos estavam imraoves sobre os ta-
blados e a msica barbara das- seas orches-
tra emmude:era. Nao se oavia mais do
que' urna estrepitosa griUria motivada pelo
regosijo popular.
Em breve Van-Best se acbou rodeado de
lodos es operarios de Palignies e suas fami-
lias. O-vellio Topfer e Nicolao havom-se
approximado do seu antigo patro, como
para o proteger distas tufbulenas demons-
tracoes. _, ..
Tornra-se necessano. que Van-Best di-
rigisse urna allocaco aquella muHido agi-
tada, e inmediatamente alguns officiosos
trouxeram um bnnco> sobre o qtal Ihe pe-
dram que subase.-. Van-Best, reconbecen-
ao-a sua insuficiencia oratoria, offt'ecea
repugnancia ; mas, cedendo e instencias
rdtis circumstaates, snbio ao banco e indi-
cou por um gesto qoe ia fallar.
Houve enUto profundo silencio.
Meus.aaai|OS,disse Van Best, todo
vervelho s em >uoresj sabem de que se
trati. Concedo-Ibes o augmento de salario
pedido e amanha comecarSo os trabalbos
na mina de Plignis.
Prolongados applasos acolberam esta
ntrodocco ao discurso.
O |ordo Van-Best proseguio mais ani-
mado:
Meus. amigos, bem veem qoe eu pre-
ciso dos seas servicos, como todos care-
cem dos meus. Fiqne^os por urna vez
convencidos d'istq. e uto t^^
gentes uns para com M."H!?* ... JL^m
livrede quem deseja rr peUs Jgseu
semelhante I... Agoc% qoe jete *J de
accordo, devo dizer-lb*s W.***<:
racter de adiantamentos por feoteida pro-
xiraa quinzeoa, falle com Mayer, que lem
orden ara i so. Demais, segando apra-
annos anteriores, v -Ihes orna
ntnSo"n'este dia
olote*?-Topfcr e Nicolao para que estes
facam a distribuico d elle.
(Owrtianor-se-Ao.)
HA VIS B0IE8 N
r
\

V

.-
t
X
\


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID ET0Q0OQMS_2PBMPE INGEST_TIME 2013-09-13T22:15:28Z PACKAGE AA00011611_12055
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES