Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:12043


This item is only available as the following downloads:


Full Text
ANNO JtLVI. NUMERO 37.
PARA A CAPITAL E LUGARES ONDE IAO SE PAGA PORTE.
V.) tres mezes adiantados...... ..... ti000
l'or seis ditos dem......... .... 42000
i'orunaanao iikm........... .... 24(K)0
Cada mumero avulso............. ygtf
DIARIO
QUARTA FEJRA 16 DE FEVEREIRO DE 1870.
PARA lEITRO E PORA. Q PROTIRCIA.
Por tres mezes adiantados
Por seis ditos idera, .
Por nove ditos dem .
Por twt anno dem .
6*750
43*500
20*250
27*000
MAMBUCO

Propriedade de fflanoel Figueira Be Faria & Flhos.
SAO AGESTES:
Os Srs. Gerardo Antonio Alves A Filbos, no Para ; Goncalves & Pinto, no MaranMo ; Joaquim Jos de OUveira, no Cear ; Antonio de Lemos Braga, no Aracaty ; Joao Maria Julio Chaves, no Ass ; Antowo Marques da Silva, no Natal; Jos Justino
Pereira d'AImeida, cm Mamanguape; Antonio Alexandrino de Lima, na Parahyba ; Antonio Jos Gomes, na Villa da Penha; Belarmino dos Santos Bulco, em Santo Ant3o; Domingos Jos da Costa Braga
em Nazareth ; Francisco Tavares da Costa, cm Alagoas ; Dr. Jos Martins Alves, na Babia ; e Jos Ribeiro Gaspariohono Rio de Janeiro.
PARTE OFFICIAL.
itEJLa TORIO
< '.iad Portrlli visten a admiit'Slrac/io desta
.proiinct'i ao Ex. S. senador .Untada e Al-
buq"-nic.
(Continuara )
ESTRADA DE FERRO.
iiei lui'iiiente s nfnrmagoes aprcscntadas pe
nveq antecessor Assembla Provincial, esta es-
inda sotfreu considerareis dainos emconsequcn-
*ia das Bchenles do3 rios Pirapama, Jaboatan,
Si riuhiem o Ru Prcto, que tiveram lugar nos
Has 13 r2l do maio prximo Irado.
No dia 15 do citado inez a va permanente da
i seecTm f"i inundada tnlre a ponte do Pirapama
a estaj da villa do Cabi. Por este tacto o
" cata cidade, e o transito ficou interromptdo em
t ida a seccii >. No dia seguinte estava restabele-
ido o traject j. Crescendo entretanto as aguas, e
i ..nand con>i Jora re volume na noite de 20 II-
caram no dia 21 interrompilas todas as comniun-
i*a;5es, tunceionando apenas a linha tclegraphica
L'.re a> estace d: Una c Eseada. Anda na Ia
v;ceao as aguas destruirn) grande extensao de
obras de trra. Entre a pinte de Jaboato o a
etago da lllia fui levado todo o lastro di -via per
manenle em quatro pontos o na exteugo de 372
metros, llcando deslocados os trilitos o donnentes.
! ntro ponte do Pirapama c o lugar denominado
Carito, o lastro foi amatado e rampeu-se a linha
em divoi !) pontos. Entre Caxito e a villa do
'.abo boove differentes estragos do pequea impor-
tancia.
As otra? darte desta seccio conservaram-se
m segnranei.
Na i' rag tambern foram sensiveis os dai-
nos causados pelas aguas.
Com a endiente de I "i de maio esboroou-se u:n
dos taludes da escavac i prxima ao tnel do Pa-
lo e inuudim-.se o leito da estrada entre o mes-
mo tonel e a estagao de Ipojuca. Maiores foram
os prejuuos causados pelas aguas em 21 do cita-
do inez. O rio Pirapama nlluto o talude do aterro
io Bartallio na extonga de cerca de 30 metros.
Itompeu-.s;.' em urna extengao de 33 metros e na
fofundidade de 3, o atterro prximo a entrada
10 sul do tonel. Rolou do alto d'uma mintanna
prxima a estaglo de Olinda um bloco de pedra
dqconsderavef volunte.
Na ftsetrie nao foram lio importantes os estragos
'ausados. En Aripib foi destruido o aterro pro-
.imo a pafafm a nivel na extensao de cerca de
139 metros e na profundidade do 1,50. Em Bello
Monte as aguas invadiram a linha levando o lastra
la extensao de 132 metros. Pequea parte do
lerm da ponte do Duas Barras foi escavada,
lenhurc Anuo, porem, suffreu a ponte.
Na 4 seeeao deram se alguns esboroamentos
nos taludes dos corles; as aguas romperam o ater-
ra do Brejo na extensao de 30 metros e arrasti-
ram o lastro em outros pontos. 0 atierro da
iwnte de Serinliaem, foi alluido pelas aguas sem
qoe d'alii resultasse maiordamno a mesma ponte.
Por todos esses accidentes, foi interrompldo o
transito da estrada em t.da a sua extensao, por
quatro das e por cinco as tres ultimas. As
mais promptas providencias foram dadas para
que se fizessem serios reparos provisorios, e o
pequeo espago de lempo d'entro do qual foram
"lle rcalisados, revela a aetivida.de com que fo-
i un emprebendidos.
Actualmente estn feitos quasi tolos os reparos,
p construida urna grande parte das obras novas.
Na i* soeco foi levantado o leito da estrada e
tizeram-se ern diversos pontosespacosos pontlhes
to a urna onsideravel massa d'agua.
Abriram-se outras saidns- trata-se de alargar e
.'profundar un grande vallado que as enchentes
.auxilia a rasan da? aguas do Pirapama.
Eflectuadosos reparos, o consolidada a via per-
manente, a eoiiscrvago fez se com toda a regula-
i idade.
Substituirani-se na referida secgao nos mezes
de marco a gosto448 dormentesde madeira e 27
dos de greve.
Gmserrau-se em bom estado as estacoes int;r-
medias da Ia seccao.
Quanto a c-taco terminal de Cinco Pontas, 11-
zram-se do respetivo edificio alguns trabalhos
supplementarcs, que augmontaram os seus com-
uiodos, moa que sin ainda insuffleienles para o
servic.i da mesma eataeSo e inovimeiito da es-
trada.
Na 2' seccao lizeram-se todos os reparos que exi-
iam v obras de torra. Couvem ainda desbastar
os taludes de alguns cortes, remover algumas pe-
ilras, que podem-se despicnder do alto ds monta-
idias e rir obre a linha. E' tambem indispensa-
vi;l re\is:ir o taludo d i atterro do Barballlo, ba
nliado pelo rio Pirapama. Informa-me o enge-
niieiro liscal, que todos estes trabalhos j foram
por elle exigidos e serao brevemente execnlados,
scdtio que alguns d'elles j estio em andamento.
Quanto as obras d'art; eslai em geral em bom
estado.' Ainda nao leve comeco a construc^ao do
novo boeiro, ou do pontilliao que deve substituir
ao ^tie da cscoamento s aguas no atterro ao sul
lo tnel, c que nao tem scegao sufllcicnte; todava
istodadas as necussarias providencias para que
usa obra tenha o devido impulso.
Qaanto a cons^rvacao d'esta secijao fez-se sem
manir irr;gularidade. Substitalranj-se nos mezes
iudos de inan-o agostj 'OO dormentes de ma-
neira.
ConrlODrim sem alteracao os edificios das csta-
coea.
E' de absoluta necessidade a construefao de
um arniazem para mercaduras na estacan inter-
media iie Olinda. Estou informado que vo ser
sub-tituidos por outros de alvenaria os actuaes
annaaens de madeira da estacao da Escada.
Na 3* seccao fizeram-so logo depois do iecres-
cimonto das aguas, quasi lodos os reparos da
luna, que em sua mxima parte eram. insignifi-
cantes.
Ornis importanted'esses trabalhjs foi a cons-
irttcao do prolongamento de urna das alas da
i .'iite de Duas Barras, que se acba- concluida.
RmU- coucluir um pontilhao que o eogenheiro
liscal reputa necessario, prximo a estaco de Ari-
I ihi. ir^
A dnscrvaco da via permanente fez-se em
i. a ordo i n. m
Substiluiram-se durante o periodo a
fmho referid) 'i92 dormentes.
Nada de ootavel se me offerece dizer quanto aos
i ii das eslacOes, que se aeham bem conser-
E uir.bcm conveniente construir um armazem
para i readoriu na eslar;io intermedia de Ari-
:cao estao cmplelamcnte reparados os
ii i|o eaasadea pelas aguas. Oque
dertiJM iioportantc est por fazer e o desbasta-
do? i dudes das escavagdes.
F. i Higomas d'estis urgente que este trabalho
i l)i grande Lita de lastro n'esta parle
da estrada. O incurre para isso o facto de ficar
la lastreacao durante os mezes
tras pela iisufBciencia do trem rodante.
C 'Otra seinclliante falta tem representado cons-
tantemente o igenhetro fiscal, e nos termos do
1, queme foi dirigido pelo mi-
i.'iilt'ira chanici a atlerrco do su-
perintendente por okie io lo de maio sobre esse
e outros' objectos, '
Siilistituiram-se nis mezes de margo a agosto
loo dormentes de madeira.
<)s edificios das estacoes nao soffreram alte-
ra cao.
Ncnhu:na nutra interrupeo, alm "da que moti-
varam as endientes, se deu no trafego da estra-
da de ferro.
A reeeita da ostrada nos referidos mezes de mar-
ico a agosto lindos, foi de 397,56ol20 proveniente
das soguintes verbas :
Passageiros....................
Bagagem......................
Animaes......................
Mcrcadorias....................
Armazenagem,.................
Transportes do governo.........
Telegrapho...................
Juros de dinheiros depositados...
Iteceitas diversas...............
A despeza de cosreio relativa ao mesmo perio-
do foi de 26l:!)i84i8o distribuida pela seguinte
forma :
Conservao d* via permanente...
Fraccao.......................'
Trafego..............___.....
Reparos de carros e wagons.....
Ad:iiinistraeao.................
Telegrapho....................
Ajudas de cusi................
Itidemnisajdes.................
Dilferencas de cambio...........
Despezas jndiciaes..............
Ditas sanitarias................
Ditas geraes...................
A verba djfferencas de cambio
tranha ao costeio da estrada pelo
cal e como tal por elle glosada foi palo governo
imperial mandada contemplar as con tas do mes-
mo costeio ; embora o aviso de 22 de julbo bou-
resse sujeitad > a Qscalisacao do engenheiro as ope-
racoes de cambio, todava aquella facto fez avul-
lar as despezas, que nao obstante elle deixaram
urna renda liquida de 132:616*833 a favor da
garanta de juros.
Circularam nos trens 97,924 passageiros das di-
versas classes, e foram transportados 422,618 ki-
logrammos de bagagem 29,030:82o kilogrammas
de mercaduras.
A commissao encarregada do exame das contas
procedeu a liquidar i da garanta de juros cor-
respondente ao siraestre de Janeiro a junho lti-
mos. Por essa liquidacao e pe? do simesire ante-
rior v se que no annu flnanceiro de 1868 a 1869
o estado e a provincia pagaram as sommas cons-
tantes da seguinte demonstradlo :
Semestre de junho a dezerobro de 1868.
Juros devidos................... 232:687*487
Senda :
Goveruo geral 5 /.- 201:913*205
dem provincial 2 / 39:765*282
Semestre de Janeiro a junho de 186.
Juros devidos................... 191:043*774
Sendo :
Governo geral 5 % 136:459*838
dem provincial 2 % 54:583*936
128:659*960
17:282*860
7:198*580
234:776*160
2:363*820
1:4825380
2:746*500
1:990620
1:0645040
56:123*687
66:469*936
49:436*845
16:8965316
5:292*190
4:3723190
286*112
109*380
62:500*000
1:100*000
33*000
2:327*864
considerada es-
engenheiro fis-
que me
A divida provincial proveniente da quantia ad-
dicional de 1,481:601*956.
O prolongamento da estrada para o centro des-
ta cidade necessidade desdo muito sentida e ca-
da vez mais re:onhecida. Sobre este objecto nada
tenho accrescentar ao que tive occasio de infor-
mar ao governo imperial
INSTITUTO AGRCOLA.
Nao tem funecionado o Instituto Agrcola. 0
digno Sr.. Conde de Baependy reconhecendo a ne-
cessidade de dar animara o a lo til instituicao, I
havia feito nomeacao do differentes cidados para
proencherem as vagas existentes em sua direceo ;
mas nem mesmo assim tem elle dado signal de
vida, o que muito e profundamente lamento.
Para serem distribuidas pelos agricultores rece-
bi do Sr. ministro da agricultura em 28 de abril,
quatro barricas com sementes de algodao : offl-
ciei em 26 de maio ao digno Vice-Presidente do
Instituto para recebe-las e faze-las distribuir, c
nao tendo tido resposla e nem sido ellas recebidas
reiterei em 23 de selembro a recomniendacao.
C0.MMERC10.
Mais feliz nesta parte 6 o commerrio que bem
se tem feito representar pela Associacao Gommer-
cial Beneficente, cuja direccio tem sempre mos-
trado zelo pelos interesses da importante e honra-
da praca da provincia.
Reelegeu a associacao para o anno de 1869 a
1870 a mesma direccao composta do Barao da So-
ledade, Presidente ; Jos Jacome Tasso, Vice-Pre-
sidente ; Baniel C. Bamos, Secretario; E. W.
Landan, Thesoureiro ; Frederico Wegelin, Jos de
S Leilao Jnior, Antonio Gomes de Miranda Leal
e Pedro Mrtir Maury, Directores ; conforme com-
muQicou-me em offlcio do 10 de agosto ultimo.
O melboramento do porto e o telegrapho elec-
tricoal o Rio de Janeiro sao as ideas, cuja rea-
lisaeao mais de perto interessa actualmente ao
commercio c nao menos ao progresso da provin-
cia. Dependen) ambas dos poderes geraes.
CO.NTRACTO-MORNAY.
O emprezario dos tramways, Edoardo de Mor-
nay, dirigio-me urna |ieticao fazendo sentir que
tendo meu antecessor de accordo cr-m a cummis-
san que nomeara para examinar differentes con-
tractos, se mostrado disposto a rescindir o con-
tracto, que com elle celebrara a provincia, exi-
gindo de seu procurador procuradlo em forma,
era esta apresentada para que eu dsse urna sol'i-
fao do modo qne podesse elle o dar execacio ao
contracto, ou haver indemnisacao divida, no ca-
so de resciso, propondo a referencia desta solu-
gao ao Ministro do Brasil em Londres, declarando
estar sposto a aecdtar outro qualquer accordo
rasoavoi, que resolvesse o negocio nos termos e
condicoes do mesmo contracto, e concluindo tfue
no caso do falta do solucao protestara por perdas
e dainos, alm das indemnisacoes, e acautelara
o seu direito pelos meios competentes.
Do relatorio de meo antecessor nao consta que
elle bouvesse resolvido rescindir o contracto e
nem que a cnmmisso houvesse opinado pela res-
ciso. E, pois, tomando em consideradlo aquella
petigao, rerifiquei o seguinte : 1 que o contracto
nao ainda obrigatorio, visto como ainda nao foi
satisfeita a condigao 31* quo expressa em decla-
rar que s elle obrigatorio, quando a o cessiona-
rio obtiver dos poderes geraes os favores sobre
Isencao de direitos, recrutamento, recabimento
de passageiros e mercadorias dentro da zona do
t privilegio da estrada de Rocife a S. Francisco e
porcentagem sobre o transporte na mesma es-
t Irada, de que trata o projecto de lei apresenta-
< do este anno na Cmara dos Srs. Depulados.
Nao tendo havido esse accordo e nem aquella
resolugaodp poder legislativo c manifest qoe fal-
ta a condigao essencial para que a provincia to-
me a si o onus inherente ao contracto, sendo cor-
to que aquella condigao relativa apenas ao
emprezario e njo a provincia, de modo que soja o
contracto obrigatorio para esta e nao para aquel-
lo, pelo n5o cumprimenlo da referida condigao ;
2^ que os trabalhos offerecidos pelo emprezario,
sao no juizo do director das obras publicas, do
ajudante do engonheiro fiscal da estrada de ferro
e no da maioria e minora da commissao lio im*
perfeitos e deficientes que nao podem habilitar o
governo a ajuizar do custo das onras, e portanto da
quota com que para ellas tem a provincia de con-
correr. _
Posto qne em geral se emenda qne o contrato
muito oneroso para a provincia e qne alm disto
o estado dos cofres nao comporta a despeza a mim
como administrador, nao cumpra senao gniar-me
pelos documentos offlciaes e nees nao encontrei
nenhuma baso para resolver pela resciso. E as-
sim por despacho de 14 de outubro declarei ao
emprezario que aprsenlas? e os orgamentos deta-
Ihados a que se obrigara para oque marquei-lho
novo prascr Contra Bsta decisao representou-me
ha poucos das o emprezario pela poligJo, que V.
Exc. lera de apreciar para resolver comer mais
conveniente entender.
COMPANHIA DE BEBBRIBE.
Acha-se a umpreza construindo um segundo en-
menlo, em razao do ser o nico que exslia
insuficiente para o abastecimento d'agua aconte-
eendo as vezes nlo a fornecerem algons chafer-
zes principalmente na freguezia de S. Fre Pedro
Gongalves do Recife.
Esta obra j est muito adiantada, e a empreza
espera concluida at o flm do anno, bem como o
passadieo pelo qual deve passar o encanamento do
bairro de Santo Antonio para o do Recife.
Tendo a Associago Commercial nesta provincia
me dirigido urna representagao sobre o pouco es-
pago cutre os esteios e a altura com qu estava
sendo feito aquello passadigo, o que trazia difflcul-
dade e risco para a passagem das alvarengas, en-
tendi-me a respeito com o ilirector da companhia,
.o qual posto que declarasse estar sendo a obra
feita_de accordo com o contrate, conservando.se
os vaos e a altura, que tmha a amigo ponte, toda-
va prometleu-me que seria attendida a reclama1
gao da Associago Commercial, doixando-se al-
guns vaos maiores e dando-se mais altura ao pas-
sadigo.
Atiendendo ao que requereram alguns morado-
res dos pcvoados de Api pucos e Monteiro, e tendo
em vista as ofonnages prestadas pela Thesoura-
ria Provincial e pela mesma companhia de Bebe-
ribe autorisei por deliberagoos de 28 de julho e 2
de novembro, a conslrucgao de um ch/arz em
cada um daquelles povoados, mediante a proroga-
gao de que trata o | 6o do art. 2 da lei provincial
n. 46 de junho de 1837.
No l* do inez passado principiou a funecionar o
chafariz enllocado no povoado de Appucos.
TRILHOS URBANOS DO RECIFE AO APIPCOS.
Por decreto n. 437I, de 16 de maio do corrente
anno foram approvados os estatutos da companhia
a que pertencu hoje a empreza, e que se denomina
Brazlian Street Rei Iway Company (Limeted).
O trafeg* tem sido feito regularmente, havendq
apenas falta do alguns trens rodantes, que vai ser
satisfeita com 8 carros, que vieram ltimamente c
urna locomotiva, que esperada da Europa, segun-
do informa o gerente.
Existem actualmente 5 machinas, 9 carros de 1'
classe fechados, 7 abortos, 9 de 2" classe, 4 para a
conduccao de matenaes, e 1 carro coberlo para
carga. .
E ennvenente que a companhia promova a ac-
qusgao de inaior numero do carros de carga,
alim de poder observar o dlsposto no art. 13 do
regulamenlo do 1 do abril deste anno.
O servico das oficinas feito com regularidade,
e consta-nie que ehegou, ha pouco da Inglaterra
um machinismo movido vapor necessario para
com promptdao preparar-sequalqnercencerlo das
locomotivas ou carros.
A linha se acba bem conservada, ha endo a pre-
cisa seguranca as ponles e atorros.
Nos dia- 21, 2 e 23 de maio, em consequencia
de copiosas churas, s funcionaram os trens at o
Camnho Novo no 1* dia e at Sant'Anna uos ou-
tros.
Tendo a companhia de Beberihe mandado enllo-
car novos caoaos para abastedmento d'agua pola-
vel flcou impedida a passagem dos trens no lugar
denominado Jaqueira desde o dia 9 at o dia
18 de setembro, durante os quacs o servico foi
feito por dous trens, conduzndo um os passagei-
ros at a Jaqueira e outro d'ahi ao Appucos.
Tendo por diversas vezes acontecido cahirem ao
ro pessoas que lentam passar pela ponte da ra
da Aurora, recommendei ao engenheiro fiscal que
fizesse a empieza enllocar 2 guardas, um em cada
lado da ponte afim de prohibir o transito.
Em virtude do disposto no art. 5" Io do con-
trato de 30 de dezembro de 1863, recommendei a
cmara municipal desta cidade, quo formulasse a
postura reguladora do transito. E-la providencia
necossaria.ainda nao foi satisfeita.
A eleragao dos triihos sobre o leito das ras e
estradas reclama providencias, por quanto dificul-
ta o transito ordinario que nellas se faz.
Nao me foi possivel attender a pretendi que
leve a emprez i de ser applicada a Jesapropriago
dos predios silos nos lugares da Casa Forte e Ca-
rnario a quantia de 4:000*000 votada pulo 19 do
art. 13 da lei provincial n. 852 de 5 de junho do
anno passado. A' tal desapropriagao nao se obri-
gara a provincia, e sendo ella do interesse da em-
preza para evitar as curvas que os triihos tem em
frente das referidas casas a empreza e nao a pro-
vincia cabe faw-la, como tndo expuz na decisao
que profer sobre aquella pretendi.
E' merecedor de atlengo o facto de ser conser-
vado em circulagao como moeda grande numero
de bilhetes de riagem nos trens da empreza.
Ao r. chote de polica fiz as precisas n-com-
mendacoesa-esle respeilo afim de que pelos meios
ao seu alcance prohibisse tal circulagao, que nao
obstante contina sem que possa ser responsab'li-
sada a empreza, que nio pode recusar a venda de
seus bilhetes conforme a procura, sendo certo
que por falla de tioeos a populagao recorre a taes
bjjheles de pequeo valor. Em quanto a empreza
nao alterar o systema de seus bilhetes de modo
que sejam carimbados por semana ou ao monos
por mez, nao endo val ir, passado o praso do ca-
rimbo, nao ser possivel evitarse o abuso de Uos
hilhote3 na circulagao.
No 1 semestre deste anno fez a empreza um di-
videndo a razao de 10 %
- O rendimento desse semestre foi de 108:130*120,
tendo o Io semestre do anno passad > rendido___
82:337*197.
TRILHOS URBANOS PARA OLINDA.
Depois (le ouvir o engenheiro chefe da repart-
gao das obras publicas resolv em 13 de abril
prorogar por teis mezes, como foi reqnerido pela
empreza o praso no qual devam ter comego as
obras.
Por deliberr gao de 14 de agosto approvei, de
accordo com o parecer daquelle. ongenheir i e da
cmara municipal da cidade de Olinda. a modifi-
cagao proposth pela empreza n plmta primitiva
da linha direcriz de modo a passar esta pelo Sal-
gadinbo e por lado dos Arromba.los.
Por debbertgao de 2 do outubro tendo ourid > a
cmara municipal desta cidade e o engenbeiri
chefe da repartigao das obras publicas approvei
de accordo com a opiniao deste a m Hfieacao pe-
dida pela empreza ni oaosma planta de mudo a
passarem os triihos pela ra do Principe e nao
pela de l'.iacl.aello.
A approvagio que a planta geni da linha havia
sido dada em 25 de junho do anuo passado II
dependente d.s condicoes mencionadas do respee
tivo acto de aiiprovagao, mas boje dit'mitiva ral -
estaren) sastUas aquel!' Jes, como e li-
ta do ofllcio do chefe da repartigao ds obra-
publicas de 30 de setembro.
Segundo sau informado a empresa fez encom-
raendas de triihos, carros e locomotiva* e pretende
em breve dar ceinego as obra.
TRILHOS URBANOS PAKA SANTO AMARO DE
JABOATAO.
Seseado informa o concesionario Dr. Ilouto Jos
Ja Costa a Jas qnasi toda1- as
acgej e aguardava elle a appruvagao no senado
do projecto de lei isemplanlo do pagamento de
direitos o material da ostrada para convocar urna
reunio dos accionistas, afim de eleger a directora
e organsar os estatutos, quando Ihe foi mimado
por parto da companhia. da estrada de ferro de S.
Francisco um protesto contra a direccao do trago
di estrada pela povoagao dos AlTogados, pelo que
tnrnaram-se necessanus novos cstudus por diver-
sas localidades.
Pelo traen
indicado por estC3 novos estudos a
estrada tem de passar pelos povoados da Magdale-
na e Remedios, cojos terrenos sao mui baixos e
exigeui obras darte mais dispendiosas o portanto
inaior capital para a empreza, do que e> anterior-
mente cahulado, fazondo-se por isso preciso maor
numero do aegoas, enja dslnbugao est sendo
promovida pelo mesmo concessonario.
Os esludos graphicos para a jonclusao das plantas
segundo o novo tragadn acham-se promptos.
As plantas organisadas primitivamente foram
submatlidas a approvacao no devido praso, e ten-
do-as reineltdo ao engenheiro chele da repartido
das obras publicas para informar o que se (he
nfferecesse, anda nao foi aprsenlain o seu pa-
rficer
G0LOXISAC0 AMERICANA.
Ao que referi o meu antecessor apenas cum-
pre-ma ac^rescentar que consta do offlcio do ins-
pector da thdsouraria de fazenda datado de 10 de
julho, que no Io desse mez findou o praso para
recolhimento da 1" prestadlo que deve ser satis-
feita para indemnisacao- da quantia de 5:914*220,
que foi adiantada pela mesma thesouraria aos co-
lonos, que aqu se acbam esiabelccidos.
COMPANHIA DE REBOQUE
Em cumplimento ao disposto no art. 60 da lei
do orgarhento approvei era 29 de setembro a ta-
bella apresentada pela companhia com a reduego
determinada naquelle artigo para que podesse ella
perceber a subvengan de que trata o referido
rt.60.
Tendo recebido, do Sr. ministro da agricultura,
para informar, um requerimento om que a com-
itaaha pedia prorogago do seu privilegio respon-
d em 10 de junho develvendo o requerimento cora
o meu parecer, ao qual nada tenho a aceres-
centar.
A companhia tem actualmente dous vapores que
fazem o sen servico.
COMPANHIA PERNAMBUCANA.
A companhia Pcrnambucana contina a prestar
i ncon testa veis ser vicos nao s ao commercio como
a provincia.
Grande o trafego nos 10 vapores qus ella
possue e que sao conservados em bom estado de
asseio e expedidos com pontuahdade.
O estado baixd das aguas no rio S. Francisco
tem sido a causa, segundo informa o gerente da
companhia de se nao ter podido incelar a navega-
gao contratada pela companhia com a provincia
en 17 (fejulbo 4o anno passado.
Este Contrato foi approvalo pela lei n. 868 de
12 Janho do corrente asno.
ILLUMINAgO PUBLICA.
Era vista ao que me requereram diversos pr-
prietaros da travessa do Cordeiro da Passagem
da Magdalena raandei a 20 de maio transferir para
all os seis lampeos gaz, que se achavam collo-
cados na ponte provisoria ltimamente demo-
lida.
Em 7 de agosto e 28 de setembro mandei tam-
bem collocar, de conformidade com o art. 22 da
lei doorcaraento vigente 4 lampeos na travessa
de Joo Fernandos vieira, 12 na ra da Esperan-
ga e 50 na estrada de Appucos da Ponte de Uchoa
at o Monteiro.
Tendo a empreza requerido que o pagamento do
gaz consumido nos eslabelecimentos pblicos e
particulares fosse feito i conformilale coma
condigno 10* do respectivi contrato, visto o grave
prejuzo que tem tido pela baixa do cambio, indej
feri e-se requerimento por entender que aquella
condigao 10' regula o modo do pagamento do pre-
go da illuminagao pnblica e nenhuma clausula do
contrato a torna extensiva ao. pagamento do prego
da illuminagao dos estabelecimentos particulares,
nao devendo confundir-se o prero com o modo do
seu pagamento; aqaelle esta regulado, quer para
a iliuminagao dos estabelecimentos pblicos, quer
para a dos particulares polas condicoes 2" e 6',
este, porm, s foi regulado para a'illuminagao
publica pela condigao* 10."
Em data de 8 de julho exped ordem as repart-
goes publicas cm que existe a canalisacao de gaz
para que um empregado habilitado assis'ta ao exa-
me e nota mensalmenle feito pela companhia de
illuminagao desta cidade.
Era esta urna providencia necessara em vista
das differengas que intci as contis de gaz consu-
mido em tn s estabelecunento por differentes
mezes.
Nao ten lo sido effectuado pelo meu antecessor
nenhum contrato para a illuminagao a gaz das ci-
dades de Olinda, Rio-Formnso c Goyanna, para
quo havia sido aborta concurrencia, e parecen-
do-mo que easa illuminagao nao seria mais nnere-
sa para os cofres prnvinciaes dn que a actualmen-
te feu com azeite, abr do no va a concurrencia
em 28 de abril e ndo o prao foram apresentadas
duaspropostis, urna da companhia da iluminadlo
desta cidade e n nutra do engenheiro Joaquim Pi-
res Carneirii Monteiro, sobre as quaes, oem como
sobre a que posteriormente foi apresentada por
Adolpho Cavalcanie de Oliveira Maciel, mandei
ouvir a directora das obras publicas e a thesoura-
ria as informagoes j foram prestadas, restando
apenas resolver sobro o que mais convenha.
KMPRMA DE ESCOTO E ASSEIO DA GIADE.
foi^WHMn do 24 de maio d>-ste anno o Gnver-
no IroperiaOJoneedeu a companhia nglezaReci-
f- Dramigo Company Limited, a qnem hoje
pertetice a empreza de esgoto c asseio da cidade,
autorisaeao para funecionar.
Prossgue a companhia na execugo de suas
obras, e j so acba aterra lo o largo das Cinco
Pontas, onde vo ser constru los os edificios para
elevago d'agua, e transmisoao dos e encanamento geral.
Est tambera sendo construido o edificio para
as caldeiras, e deposito de carvo : duas das mes-
mascaldeiras j esto collucalis nos convenientes
lugares e uina quasi prompta a funecionar.
s armazen- da companhia existe quasi todo o
material de que ella neeessita para dur andamen-
to as obras que es'tai sen lo feitas com a precisa
solide*.
Em 3 do crreme mez approvei a planta para o
edificio das machinas de esgoto.
SECRETARIA DO GOVERNO.
No pessoal da secretara, que contina sob a
direccao do muito digno Secretario Dr. Joaquim
larrea de Araujo, houveram as sacoimes altera-
ges : "
Etn 26 de ma foi, Secuodino PredclianoGomes
de Oliveira, exenerado do lugar de praticante e
nomeado para o substituir Livino- Augusto de
Hollanda Chacn.
Por deliberadlo de 18 de unbo conced ao es-
cripturario Joo Manoel de Castro a aposentadora
que podio (;ior ter mais de 30 annos de servico)
nos termos do art. I S 2 da le provincial n. 2*76
do 7 de abril de 1851.
Para o substituir foi na mesma data nomeado o
amanuense Sfcinoel Jos de Campos Barbosa, e
para o luf r deste foi nomeado o collaborador
Silvino Antonio Rodrigues.
Em lugar deste ultimo foram nomeadns: Miner
vino Jefferson Pereira de Oliveira o Ovidio Per-
gentino de Souza com a gratifieacao de 600*
annuaes para cada um.
Na mesma data foi dispensado o colloborador
Traja no Osas Gomes dos Santos e para o subsii
luir foi nomeado Joaquim Francisco Burges
Uchoa.
Era 20 de julho fni nomeado Thomaz Lns Ribei-
ro Guiniares para o lugar >, colloborador do que
trata o 5 5' dn art. 3* da lei u. 89Lde 25 de junhn
dn corrente anno.
Em 31 de agosto fni exonerado a seo pedido o
praticante Miguel Arcbanjo Pereira do Reg, e
para o substituir foi em 3 de setembro nomeado
Manoel Javme Rodrigms do Nascimento.
Era 15 de selembro foi chamado para collobora-
dor, Joao Goncalves dos Santos Jnior em lugar
de Joaquim Francisco Borges Uchoa por ter sido
este nomeado porteirn da repartigao-da polica.
Manoel do Nascimento Machado Porlella.
5* companhia.
2* dito da 4' J. aquim Pedro
V
EMC\NAMENTO IVAIUA POTAVEL PARA A
CIOADE DE OLINDA.
Autorisado pela lei n. 888 do 23 de junho do
enrente nno a contratar com Justino Jos de
S -tiza Campos oj com quem inellures vanlagens
ollereceMO, o eucanamento d'agua p itaval para a
Cidade de Olinda. "te'iT U:i> (lie por editl fos-
sem convida tas as peaawaj que qulzessem obter o
pnviiegin a ^presentar pr.|X)stas ate 6 de outubro
prximo flil i
Apre-entar on-se 3 co a essa empre-
za George BasnuMO-Aagnsto Bhrhtrd, Alvaro Au-
gusto de \lm.-nla e Justino Jos de Souaa Cam-
pos.-Examinadas s uropnslas resnlvi, de accor-
ilo cora o chefe da repartigao das oln-as publicas
fizer o contrato^ a o ultimo d'ajuellcs propo-
nen'.'-s. nMdiwoie ;n clausulas constantes do termo
que se lavrou em 20 de outubro.
Ci 'iiao do contrato fi*a satisfeita urna
das mais urgentes me L- do
01 i ni a
XPED1ENTE ASSIX.UK) PELO EXM. SR. SENADOR FR8-
DERICO DE ALMEIDA E ALBUQU8R0UE, PRESIDENTE
DA PROVINCIA, EU 31 DE DEZBMBIIO DE 1869.
1' seccao.
N. 729.Portara ao Exm. Sr. general coraraan
dante das armas.Constando-de aviso da repart-
cao da guerra, de 21 do corrente, que foi posto
uisposigio desta presidencia para ser empregado,
como convier ao servigo, o Io tenente do corpo de
engenheiros, Jos Tiburci > Pereira de Magalhes;
assim o communico a V. Exc. para seu conbeci-
mento.
N. 730.Dila ao mesmo.Transmiti a V. Exc.
copia do aviso da repartigao da guerra, de 21 do
correte, afim de que faga seguir para a corte, o
Paraguayo Romn Betenez.
N. 73.Dila ao mesmo.Mande V. Exc. por
em liberdade os remitas Jos Justino da Cruz e
Manoel Cyrillo do Nascimento, visto terem sido
julgados ineapazes do servico de exercilo, como
consta do termo de inspeegio", que veio anoexo ao
seu offlcio desta dala, sob n. 742. ^
N. 732.Dita ao director do arsenal de guerra?
Ficam approvados os contractos qne fez V. S.
com Joaquim Alves da Silva Santos, Manoel An-
tonio de /esos e Manoel Joaquim Ferreira Estoves,
parafornecimento de gneros ao rancho dos npren-
dzes menores d'esse estabelecmento, no trimestre
de Janeiro a margo prximo vindouro, e constan-
tes do termo annexo ao seu offlcio de 18 do cor-
rente, sob n. 239; o que declaro para seu confie
cimento. Outrosim, tica tambera approvada a la-
bella do rancho dos referidos menores, organisada
segundo o regulamcato, e que acompanhou o dia-
do offlcio.
N. 733.Dita ao inspector do arsenal de mari-
nea.Transmiti a V, S. para seu conhecimento e
fins convenientes o incluso exemplar impresso do
aviso de 3 deste mez, que estabelece regras para
o pagamento a bordo dos navios do Estado, o qual
me foi remettido pela secretara de estado dos ne-
gocios da marraba, em 16 do corrcnlo.
2' secgao.
N. 736.Dito ao presidente do supremo tribu-
nal de justiga.Levo ao conhecimento de V. Exc.
que, por deliberago desta data, resolv prorogar
por 30 das, com ordenado, na forma da le, a li-
cenga que por delitierago do 19 de novembro ul-
timo foi concedida ao bacharel Marcos Correa da
Cmara Tamarindo, juiz de direito da comarca de
Rio Furmoso, visto continuar doente.
N. 737.Portara ao Dr. chefe de polica.Em
resposta ao offlcio de V. S. de 24 do mez findo, sob
n. 1661, tenho a dizer-lhe que, segundo declara o
aviso do ministerio da jusiici, de 23 deste mez,
nao pode ser approvado o pedido que faz em dilo
offlcio de um escaler privativo para o servico da
polica do Porto, por nao o permittirem as" cir-
cunstancias actuaes do paz, devendo portanto con-
tinuar a ser elle feito no escaler que tambem serve
repartigao da sado.
N. 738Dita ao cammandanle superior nlerino
da guarda nacional do muoieoio do Recife.Ten-
do por deliberago desta data, de conformidade
Com a sua informagao de 29 do corrente, sob n.
273, nomeado para o i batalho de arlilharia da
guarda nacional sob seu command > superior os
offlciaes constantes da inclusa relagao; assim o
communico a V. S. para seu conhecmenio e di-
recgo
N. 739.Dita ao commandante superior da guar-,
da nacirtnal do municipio de Garanhuns.Commu-
nico a V. S. para os fins convenientes que, segundo
consta do diario ofllcial n. 248, de 19 do mez de
outubro ullmo, por decreto de 16 do dito mez foi
reintegrado no commando do S esquadrao de ca-
vallana da guarda nacional do munidpio do S.
Bento o majar Bcnto Jos Alves de Oliveira.
rS. 740. -Dita ao juiz de direito da comarca de
Pao d'Alho.Em vista do que Vmc. expoz em seu
offlcio de 1 deste mez Ihe envi o incluso involucro,
contendo dous tubos espillares e quatro pares de
laminas com fluido vaccinieo, para ser ahi conve-
nientemente applicado.
N. 741.Dita ao commandante do corpo provi-
sorio de polica.Expeca Vmc. as suas e rdens pa-
ra que seja dispensado de servir no corpo sob o
seu commando o soldado Nameriano Francisco de
Oliveira, engajando como seu substituto pelo resto
de tempo que Ihe falta para completar o engaja-
mento, o paisano Joo Baptista Bezerra, a quera
allude o seu offlcio n. 581, de 29 deste mez, so para
isso t ver a moral idade necessara.
N. 742.Deliberago.O presidente da provin-
cia, tendo em visla a proposta do tenente-coronel
commandante do 1 batalho de arlilharia da guar-
da nacional deste municipio, e o que a rospeito
informon o respectivo commandante superior inte-
rino, em offlcio de hontem datado, sob n. 273, re-
sol ve noraear para o referido batalho os seguintes
offlciaes :
Estado- maior.
! tenente quartel-mestre, o i tenente da 1*
compan ia Manoel de Souza Cordeiro Simos J-
nior.
2. tenente porta-bandera, J9I0 Baptista da
Crut.
.1' companhia.
Io tenente, o 2* dito da 6" Minoel Gonsalves Fer-
reira Costa.
2* companhia.
2 tenente, o 2a tenente porla-bandeira Francisco
Corbiniano de Arantes Franco.-
2o dilo, Marcelino Jos Gonsalves da Fonle Ju-
mo r. .
4* companhia.
1' tenente, o 2* dito da 2' Eustaquio Zelirino da
Silva Braga.
2" dito, Manoel Domingues da Silva Jnior.
Io tenente, o
Costa Moreira.
6* companhia.
2 lente, Jos Francisco Cardoso Ayres.
N. 743.Dita. O presidente da provincia aiten-
dendo ao que Ihe requ. reu o bacharel Marcos Cor-
rea da Cmara Tamarindo, juiz de direito da co-
marca de Rio Formoso, resolve prorogar por 30
das, cora vencimeatos, na forma da lei, a lieenea
que Ihe foi concedida por deliebragao de 19 da
novembro ultimo
-3" secgao.
iY 744 Portara ao inspector da thesouraria
de fazenda.Censtando de aviso da repartigio da
gnerra de 21 do corrente, que foi posto a dispost-
go desta pretidencia para ser empregado como
convier ao servigo o 1 lente do corpo de enjje-
nbeiros Jos Tiburcio' Pereira de Magalhes, as-
sim o communico a V. S. para seu conhecimento.
IV 745.Dita ao mesmoTendo nosta dala ap-
provado os contractos que o majar director de ar-
senal de guerra, colebrou em 17 do corrente com
Joaquim Alves da Silva Sanios, Manoel Antonio
de Jess o Manoel Joaquim Ferreira Estoves para
o foroecimento dos gneros para o rancho dos
aprendizes menores daquelle estabelecmento no
trimestre de Janeiro a margo prximo vindooro e
constantes dn termo junto por copia ; assim o
communico a V. S. para sen conhecimento. Ou-
tro sim approvei tambem a tabella que aqu junto
por copia, dus ranchos dos referidos menores or-
ganisada segundo o respectivo regniamenlo.
N. 746.Dila ao mesmo.Transmiti a V. S.
para seu conhecimento e execugo o incluso
exemplar impresso da aviso de 3 deste mez, qne
estabelece regras para o pagamento a bardo dos
navios d'estado o qual me fni remedido pela se-
cretaria d'estado dos negocios da marraba em 16
do corrente.
N. 757.Dila ao mesmo.Para os flns conve
nientes transmuto a V. S. copia do aviso do 15
deste mez em que o Exm. Sr. ministro da agricul-
tura, commercio e obras publicas coinraunicando
ter dirigido aviso ao da fazenda sobre o augmen-
to de 8:128*580 no crdito destribuido em 28 de
maio do corrente anno, para as despezas com a
verba obras publicas, geraes e auxilio s provin-
cias ao actual exercicio, declara ter sido o crdi-
to de 15 c nao de 18:764* como se v dademons-
iragao que acompanhou o offlcio dessa thesoura.-
rana n. 16 de 26 de novembro ultimo.
N. 748.Dita ao inspector da thesouraria pro-
vincial.Tendo provado los Araat como so vedo
requerimento que incluso dovolvo, e a que se re-
fere a sua informadlo de 15 do corrente sob n.
745 haver na qualidade de emprezario da compa-
nhia Lyrica do thealro de Santa Izabcl dado doze
espectculos tmente, quando de conformidade
cora o seu contrato celebrado em 12 de julho do
1867 era obrigado a dar 24 para poder haver'
dessa thesouraria a subvengan de 20:000* votada
pela assembla provincial e tendo j recebido pot
adiamntenlo a quantia de 10.000*, evidente %_
que se acha o mesmo emprezario pago do seu-^-
trabalho visto nao poder comluar esse coiratn
era consequencia do sinistro que teve lugar, n'a-
quelle theatro. Cunvm pois que V. S. mande pa-
gar ao baro do Livramento procurador do predi-
(o emprezario a quantia de 5:000* a que tem elle
direito, pertencentes a exercicios lindos e para o
qual votou crdito a mencionada assembk'a.
N. '749.Dita ao mesmo.Transmiti por copia
V S. para seu conhecimento e fins conveniente
o rarjnso plano aiprovado nesla data para a ex-
traego das loteras da provincia.
N. 750.Dita ao mesmo.Acenso recebido o
adido de hontem sob n. 767, em que V. S. partki-
pou haver o bacharel Joaquim Ferreira da Rocha
fnnior dando por fiador Jos Lopes Rosa, arrema-
tado com o abate de 1 % nos pregos da tabella
ltimamente approvada, o fornecimnto na semes-
tre de Janeiro a junho deste anno do eustento do-.
prezos pobres da casa de detengo e em resposla
tenho a dizer que approvo essa arremaiago.
N. 731.Dita ao mesmo.Inleirado pelo offlcio
que V. S. me dirigi hontem sob n. 768 de haver
Jos Augusto de Araujo dando por fiador Jos Ig-
nacio d'Avila, arrematado por um anne a illumi-
nagao publica da cidade do Goyanna, a razao de
28 rs. por cada lampeo, teuho a dizer em res-
posla que approvo essa arrematago. '
N. 752.Dila ao mesmo.Em vista do que so-
licitou o tenente-coronel commandante. da ourpo
provisorio de polica, em offlcio de 29 do corrente,
sob n. 592 recommendoa V. S. que mande adian-
tar tres mezes do veneimentos a contar do Io deste
ao alteres Antonin Henrques de Miranda, que vai
destacar na villa de S. Bento e abonar-lho a quan-
tia de 70* como ajuda de custo de ida c volta.
4." secgao.
N. 534. Portara ao inspector da sade do
ixirlo.Em observancia do aviso do ministerio
da justiga de 23 deste mez, declaro a Vmc. que
deve continuar a prestar-se cumulativamente ao
servigo da visita do porto o escaler que servo a
repartigao a seu cargo.
N. 555.Dita a cmara municipal do Recife.
De conformidade com o que foi determinado em
aviso dn ministerio da marraba do 10 deste mez, e
no intuito de remover as causas que concorrem
para obstruccao do porto desta cidade, cumpro*
que a cmara munidpal desta cidade procuro
evitar que se continu a tancar lxo no fio e praias-
do ancoradro.
N. 736.Dila ao gerente da companhia Pernara-
bucana.De conformidade com o dspolo na-3*
das con Jiges annexas ao decreto n. 2311 de I i
de dezembra de 1859, mando o Sr. gerente da
companhia Pernambucana dar passagem a proa
at o Cear a Antonio Jos da Silva.
N. 737. Dita ao mesmo. De conformidade
com o disposto na 3a das eondigos, aanexas aa
decreto n. 2511 de 14 de dezembro de 1859, man-
de o Sr. gerente da companhia Pernambucana dar
passagem a proa at o Cear a Manoel Antonio di
Costa.
N. 738.Dito ao thesoureiro das loteras.Ten-
do n'esta data approvado o plano que Vmc. rao
remellen com o seu ofllcio de 10 deste mez, para
a extraco das loteras da provincia ; assim li.
communico para seu conhecimento, enviando Ihe
copia do referido plano para ter a devida execu-
go.
EXPEDIENTE ASSIONADO PELO SR. DR. JOAQUIM C0BB.EA
DE ABAUJO, SECRETARIO DO GOTOBNO, EM 31 DE
DEZEMBRO DE 1869.
2* secgao.
N. 759.Offlcio ao commandrnte do corpo pro-
visorio de polica.O Exm. Sr. presidente da pro-
vincia, manda declarar a V. S. em resposta ao sen
offlcio de 29 do errenta, sob n. 592, que a thesou-
raria provincia tem ordem para abonar ao ala-
res Antonio Henrique da Miranda, os veneimentos
e ajuda de custo de qoe trata o citado ofliei).
3." secgao.
N. 760.Offlcio ao inspector da thelbi:.
fazenda.S. Exc. o Sr. presidente da provincia,
manda transmittir a V. S as 9 inclusas orden--
sendo 0 do thesouro nacional, sob ns. 237, 245.
216, 247. 249 ; 252 e 300 do ministerio da guerra.
datadas de 20 e 22 do corrente.
N. 761.Dita ao mesmo.S. Exc. o Sr. pn
dente da provincia, maada transmitir a V. S. <
incluso offlcio da repartigao fiscal, anaexa a se
taria de estado dos negocios da guerra datado do
2 do corrente.
DESPACHOS DA PBIISIBtflCIA DAPaOVWCIA DO BU II
K 12 DE KJSVERB1RO.
Autouio Presciliauo Ferreira Pa i
.-


fu9- 'f-y-i
Diario de Pernambuco < Quarta felfa 16 de Fevereiro de 1870
Sr. dosembargadcr provedor
Mi-ericordia.
da Sania Casa de
Antonio Lewurdo de Menezes Amorim.Enea- titnto desta Facaldade, no lagar que servia o
de abril prwtimo o praao para a inseHpco dos
candidatos ao concurso da cadeira de lenie snns
minhe-se.
Padre Antonio Oneroso Bafideira.Nao tem lu-
gar o que requer- vista da informaoao.
Bario do Livramento. Expedio-se ordem no
sentido que requer. *
Cwaelio Cario- Peixoto.de Alencar runo,In-
forme o Sr. inspector da trtee*arari| de fazenda.
Erne.-to de Carvalho. Paaa de Andrade. Nao
pode ter lugar por ora o qoe requer.
F lix Hamos LienttwrInforme o Sr. inspector
4a tbesouraria provincial.
Fra icisca Mara do larrao. Dirija ao Sr.
desemDargador proredor da Santa Caa de Miseri-
cordia em sessao da juma.
Francisca Lni* Wanderley.Informe eom bre-
vidado o Sr. inspector da inesourajia provincial.
Hilodoro Femaudes da Cruz. Intime o Sr.
inspector da thesouraria de fazenda ouvindo o da
alfandega.
Irmandadc do senhor Bom Jess das Dores em
S. Gnc,alo.A' vista da raforrnaco nao tem lu-
taro nuetequT:
Jos Cirispiniann da Silva.Informe o Sr. major
-director do arseaal de guerra.
Bacharel Joaquim Pontes do Miranda. Pago*
tos papis ao Sr. inspector da thesouraria de fa-
zenda para os Has convenientes.
Joaquina Maria da Oncetco. Junte eertidao
de sen casamento com o sentenciado Manoel Joa-
da Silva. .
Jn.- Augusto de Arujo.-Informeo Sr. inspec-
tor da thesouraria de fazenda, ouvindo o Dr. pro-
curador liscal sibre a ultima parte deste offlcio.
Padre Lourenco do Albuquerque Loyella;Dl-
rija-se ao Sr. inspector da thesouraria provincial.
Manoel Felippe de Santa Cruz Ao Sr. Dr. che-
fe de polica para informar.
Manoel Barbosa de Moura.Informe o Sr. eom-
missario de medicao de ierras do muuicipio do
Bonito.
Manuel Figueira de Faria & Filhos.Dinja-se
ao Sr. inspector da ibesouraria provincial.
Manuel Lupos Rodrigues de Barros. Dinja-se
a Sr. inspector da .thesouraria do fazenda pro
viiirwl.
Maria Hila da Cruz Nevos. Pagos os direitos
que for.ni dvidos como nquer remetindose es-
tes papis ao Sr. inspector da thesauraria de fa-
zenda para os fina convenientes.
Mu Pedro Manoul da Silva Burgos.Dinja-se
ao inspector da thesouraria provincial. .
Tiioiu Lopes do Semia.Informe o Sr. inspec-
t'.T Co arsenal do mariiiha.
Repartidlo da polica.
S* scelo.' Secretaria da polica fle Pernarobu-
co, 13 do fevereiro de 1870.
N. J3.-IIIm. e Exm. Sr.-Levo ao couheci
ment -le V. Exc. que, segupdo consta das parti-
cipados receiiidas hoje nesta repartieao, loram
recomidos hontem casa do detcnco, os segra-
les inlividuos :
A' minUa ordem, Martiniano, escravo de Bellar-
inin Al ves Acacha, por fngido.
A'ordem do Hilidelejadi do Rotife, Candida
Maria Fermina, por disturbios.
A' ordem do de S. lose, Raymuado Henriquc
da Silva pura recruta; Jos, escravo de Domar-
dio de tal, por ser encontrado de,jois das O horas
da Boole setn bilhote desea senhor.
A' ordem de d:i Boa-Vista, Manoel Joaquim de
Saiu'Anua e Cyriaco, escravo de Manoel Pereira
Li'iins por briga.
Oimnunicoumo -o del-gado di) termo de Hin-
que cm dala do 2!) do. mz passado, que no .da
antecedente pelas 11 horas da noute lizera,eaptu
rar o escravo Felippe, pertenecnte ao capito An-
tonio de Araujo Cavaloante, por se achar pronun-
ciado no art. 203 do cdigo criminal, eixando
tambera lo sor preso aro seu parceiro, parque
na oeca-ii nJo fura encontrado no lugar.
Por offlcio d'esta data parlicipnu-me o subdele-
gado do distrieto do S. Jos, que hontem proivn-
cira no art. 193 do referido cdigo, o red Joo
Aunes Ferreira da Assumpcao, que se ada preso
na rasa Je deteneo, por' ter assassinado no dia
26 de dezembro ultimo, na na da Concordia, ao
par lo Mainel Rodrigues de Carvalho, oonhocido
por Manoel Bemtivi, o que cominuniqnei a V. Exc.
em ininh.. parte do da 27 'aquelle mea.
Em offlcio do is2u.it data, deu-me parte o Dr.
subdelegado de Sant > Antonio de que hoje ama-
nhorra morra no caes 22 de Xovembro nina pre-
t.i africana, enjo nomo ignorava ; e que prnse-
d:Tido como Iho enmprh, comptenle vi-t-oia
no cadver, dacianram os facultativos do ter. sido
a minie o resultad de nin ataque de apoplexia
fulminante.
Dein guarde V. ExcIlm. o, Exm. Sr. se-
nador t?rcderieo de Almeida e Albuquerqu, pre-
sidente da provincia. O chefe do polica, Lui:
iiimiio Fernandes Piubriro.
EF
^-^
PERNAMBUCO.
REVISTA DIARIA.
IN.vriTtJTO ARCHE6L0G1C0 E CE)';ilAPHI-
(~aReunime li-..ntein esta sociodade, sull a pre-
; ia do Exm. conelheru inonsenhorMnniz
T*vaVe#, com a-M-ienri.i doe Srs. rs. Juaqui n
i'.Uc.i', Cii-vasio C;unpello, Fonseca de Albuquer-
que, a os Srs. padre Lino do Monte Carpidlo, ti
i i S Ivador llenrique.
Sao lidis eappiovadas a acia da sessao ordina-
rii de i'.\ de Janeiro, e a da assembia geral de 27
O'i inosiiio.
3 se aehando preente o Sr. secretario perpe-
loo, o Sr. 2' s'ocrelario passa a toimitui-lo, b cm
ri'v'tiJa d conla do saguiuie expedieote :
Un IBcio do Sr. secretario perpetuo, .ininu-
nicaada nao poder comparecer soscao, j>or se
adiar juco opado na Faculdade de Dircito cora os
exaoics preparatorios.luteirado.
OutrodoExm coronel-Antonio Gomes Leal,
< 'hiiu undo haver sido nomeado eiMuiaudaue
ias aruiis da provincia da Baha, e odbrecendo os
seos servii; is. luteirado.
atra do Sr. Dr. Aprigio GaioureS) communi-
cand-.t nao poder comparecer, por doento, pre-
sente sessao.Inteirado.
Oalro do Sr. m;.jor Luiz Augusto Coelho Cintra,
nUeclaodo diverso* obiecios ao Instituto.luteira-
do. sen.lo rebebida a olferla com especia! agrado.
O no- mo Sr. v jccretarip menciona as segua-
les effei tas :
Varios ns. do Diario de,?muafn]nifi pelo con-
socio Dr, Figueira ; alguns ns. da Ufinij .Sucio-
nal o, Assuense pelas respectivas reiL-ocScs; tiro
exeuiplar mpresso, cootondo o ili-nirs,-; lid pelo
Dr. Apricio (uimaraes na ses^ai nnniversaria do
Iprign
Gabinete Portuguez do Leimra do anno, lindo, oller
tadu polo mj)mo senhor; uro volumc hrocburado
Ja i lira Etiquencia, Porlica e Critica LUteraria,
pelo conojo Dr'. Manoel da Costa Iloiarato, pelo
ivi i flertade; um ^xomplar do Alnuwak Ai-
minittrutiw, Merctuit, / '.ustrial Apcola da
Brorjui't de RernanjbucT, pa'ri o moriente auno
le 1870, ol rudo por sen amor Francisco Pacifi-
co do Amaral; as$eguin'.e- pferJas pelo Sr. na-
jar Luiz Augusto Coelho Cintra : uiua instrucoao
de iiifanlaria, encontrada no Tebiquary, um reu-
lamento militar de guerra encputrado no Inane,
urna ordein impressa assignada pelo general Res-
qnfl e. mi retacan ao? pri-ioieros da.allianQa, um
numero do Cabkhui trazendo o desenlio da espada
do honra olTereeida-ao general L"oez peljis senli i-
ras d*Assumpcao, dous bolotins da poerra
i~) dando a derrota dos Brasiii ;n s em diub.
retid'* nibates, alguns a^. do btm'tiiwin d'As-
Mioip^io, tres meilailiis do honra doseojnbntojs de
23 de iiuio (Corrientes), 18 de.jqlh i (rotwiro Pi-
res) i'3 de novembro (Tuynly), mas bolas Je 5
pesos, ambas do banco nacional o'.'.-.sump^lii, di-
versas notas de diffrente.s casas bancrias ilol'ra-
1a, ama poesa paraguaya intitulada Q.testamento
le Mure, urna tctica elementar infantara pa-
raguaya impressa eiu Passo l'aeii i(3, duas ins
le agentes da oilieja secreta ile L''pcz,,
ao a dous injivjduos, ura emb^eradi
unpean, una rsu la fi i'aila noenm-
I i do inaio do. fS(}C, um i bala de podra
alibre i atirada sibn a vanguafila hrasileira n >
.na i o daqu
cebidas com agrado e iiiaiidam-se ar-
Ictfund .s e orgaracn-
.ida no 3"
1870.
ni o paro-
orc-ameato, o balan-
iso<|ueneift

.osoia para
! i, 1150 de 1
!r. f
i 1 ti 11
pelos sor: otes n indico
^ no archivo do Instituto.
DE DE DIRElTO.-Finda-so nodia
consolheiro Jos Liberato Brrroso.
INSTRUeCO PUBLICA.Pela directoria geral
d inslrucao publica provincial fa convidadas
todos os directores de collegios e professores par-
ticulares, tanto do sexo mascolino como do feme-
niao, a remetterom repartieao competento os
manta do movimento de seos estabelecimentos e
eseoa*, dentro do mais curto prazo, alun de evi-
tareiua mulla que a lei impSe.
COMPANHIA PERNAMBUCANA.Reuniram-se
hoatem os accionistas da Companhia Pernambu-
o a na de navegaco eosleira por vapor, em assem-
bia geral, representando 3,007 aecoes, soba pre-
sideMia do Exm. Sr. viscondode Cam?ragibe..
X5 se aehando presente o secretario oecupou
este logar o Sr. major Thomax Jos da Silva.Goa-
rnao.
Depois de lda e approvada a acta da sessao ao-
tecedento, foi dispensada a Icitura do relalono por
se achar publicado no Diario de hontem, e passou-
so ao parecer da commissao de exame de cintas, o.
qual bera como o relalono foi approvado unni-
memente. .
Em seguida procedeu-se -a eleicio para um di-
rector, em substituteao aos Srs. Tasso. & Irmaos.
cuja sabida foi designada pela sorte na forma do
art. 13 dos estatuto?, c foi elelo por unanimidado
de votos o Exm. Sr. barao da Soledado.
Nada mais havendo a tratar, levanlou-se a ses-
sao a 1 '/i nora da tarde.
PRONUNCIA.Pelo subdelegado do 2o dislric'.o
de Jaboatao foi pronunciado as penas do art. 219
do eodigo criminal, Hilario Jos da Silva.
CAPTURA.Aohando-se pronunciado no art.
205 do cdigo criminal o preto Felippe, escravo le
Antonio Je Araujo Cavalcane, hi cerca de tres
annos, foi capturado a 28 do passado palo delega-
do do t rnm de ituique.
MALVADEZ.Hontem amanhoccu arrombadaa
porta da pequea estacan da Torre, da via-ferrea
de Apipuoos, apparecendo igualmente arrancadas
e quebradas algumas das taboas que a forman).
E" at onde pode chegar o espirito maligno da
destruicao!
CADVER.Sobre o caes 22do~i\'ovombroama-
nhocea hontem o cadver de urna preta africana
com algn sangue.na bocea, 110 nariz.o sobre os
vestidos, O Sr. subdelegado de Sanio Antonio pro-
codeu a competente vestoria, declarando os,pert>
ler occahoiiado a.morte urna apopiexia fuluainan-
te. Por maiores deligencias que tenha empregado
a polica nao eonsegio saber-lhe o uoc, neui as
qualidades etc. etc.
POCOS TUB.IJUBES.-0 Srs. Hoitor 4 Sam-
paio, ii ra Nova n. 38, acabara de preparar al-
guns pocos tubulares iustanUmeos, em a sua fa-
brica, com oiellioramentos nwWVfis e que muitas
vntagens trazoni ao comprador ; leudo j um
dclles l'unccionado em Beberibe com ioleira satis-
faoai do pro|iriefario Sendo reaos essos meiho-
rainentosj e seu pttfa nwis commndo. parece ra-
zoavol que sejam comprados de preferencia.
Di.NIIEIItOO vapor Potengi, sabido hontem
dpsta para a raca Je Macei levou a quantia do
lioDO-jOOO.
O Pirapamu conduzio para os portes do
norte :
Para o Natal.. 12:0004000
Para o Cear.. 400*000
ESPECTCULO PASTORIL.0 thcatro da Ca-
punga d hoje o so.u ultimo espectculo pastoril.
NAVOS ENCONTRADOS.Commuoicou o Sr.
Militan do brigtie norte-allemjii Anna, chegado
hontem de Bnenos-Ayros, ifae encontrn om via-
lem os sefnintes naviut durante eslcmez : a 8 e
na Jai. S. 19 e omg. O. do G. JuV o brigu hollau-
de.z Caik.irin.i, indo do Bi'i-Orande d Sul para
Falmoulli ; a 9 o na lal. S. 21 o Ion?. O. de G. 30
a barca franceza A:t4 Iquique (Peiti) com 484ias de> viagem ; a II o in
lat. S. 17J e loof. O. de G. 3a" o-bngue inalea Town
Livi'ii>h4 indo de Gibraltar paro Valparaizo
0.0111 .'!li ili.i na lat S.'.)' e long. O.kcG. 34o 40' o brigueinglez
Nai-tlmn, indj de Liverpool nana o Ro da Janeiro
com 40 das de viagem. Tudo ia bem a bord 1
Oestes navios.
Conmunienu lambem o Sr. capilao da ha rea
franceza Adeie, chegada hontem do Havre, que en-
contrn no dia 30 dojaueiivi ultimo e na lat. N.
23-e long. O. de P. i83 o brigue francoz Cear.
indo do Havre para o Rio Grande do Sul com 30
das de navegaco, e a 4 d'este inez e na lat. N.
3* c long. O. de' P. 29' a golea hespanhola Tama
ria em viagem da Corunha para Mon'.cvUo,
condiund omigraute:.
amb*m communoou o Sr. canUao da escuna
iiorle-alieinaa Dclphnn, procedente do (lio Gran.le
do Sul, que encontrn a II d'esie mez.e na lat. S.
14" 30* e long.' 0. de G, Sj- lo' o brigue mglez
Ilnho-.a, quo ia de CardilT para Santa Citharna
com 40 das da viagem. Tambero bordo d'este
navio tud 1 ia l)*m.
CEMITER O PUnUCO.Obtuario do dia 13 de
fevoreiro d 1870.
Henrique, frica, 73 annos, solteiro, Boa-vista ;
velhL-o.
Jopj liamaceno, Babia, 08 annos, solteiro, Boa-
vista, hospital Pedro II; insnfflciencia das vul-
vulas.
Antonio Moreira, Pernambuco, 30 annos, soltei-
ro, Hoa-\is'.a hospital l>edro II; hypertrophia no
coracao.
Antonio Joaquni da Silva, Pernambuco, 36 an-
nos, solteiro, Roa-vsu, hospital Pedro II ; tubr-
culos pulmonares.
Alexandrina Maria da Silva, Pernambuco, 33 an-
no?, solteiro, Boa-vista, hospital Pedro II ; tubr-
culos p'ilinonare.'.
Josepha Maria do Espirito-Santo, Pernambuco,
20 annos, solteira, Boa-vista, hospital Pedro II ;
tubrculos pulmonares.
Jos Ferretra Xavier, Olinda. 68 anno?, solteiro,
Boa-vi-ta. hospital Pedro Ii?; anemia.
Henrique. Pernambuco, 18 mezes, Boa-vista ;
miente.
Jos, Pernambuco, i mezes, S. Jos : bron-
chite.
Anna, Pernambuco, l horas, Boa-vista ; es-
pasmo.
Lniza Francisca Varella, Pernambuco, 32 an-
nos, vinva, Bon-visla ; parto.
Dimiana, Pernambuco, 3 mezes, S. Jos ; es-
treitamen'o orgnico.
Joo, Pernamliuco, 2 mezes, Boa-visLi ; es-
pasmo.
Padre Manoel Adriano de Albuquerque Mello,
Pernambuco, 52 annos, S. Jos ; hopatite chro-
nico.
Wkpachos.
Reqaerimento do Candido de Carvalho Neves.
liquldatarki da tlrma commercial de Neves & Cruz,
pedindo, que, oxemplo do que se tem dado para
cora outros, se Iho permita continuar a escrever
nos livros ipie perteticerain a mencionada firma.
Como requer.
De Justino Francisco Honriquo, que lendo-se
associado a Delphim Lopes do Carvalho, apresen-
lava registro o seu coafrato social.A dnplicau
do contrato nao tem o sello devidn.
De Manoel Pransi. Benlo Rodrigues de Soasa, pedindo o registro de
seu contra*) social.Vista ao Sr. desemfcargador
fiscal.
Do Manoel Jos Tiaoce do Souza e Manoel Joa-
quim Rodrigues Ferreira, petodo inbem o re-
gstr> de seu contrato social.Voltem depois de
pago o seVe devido.
De Azerdo Basto, pedindo que se admita
registro o contrato de.disirauwiue apresentam,
da sobrdita Rrma, celebrado em 31 de dezembr
do anw prfrxmw-passWo.Vista ao Sr. desem-
bargador fisc:.
De Domingos Joagnim Ferreira Cruz e Candido
Carvalho .\'e es, pedindo o registro da,papel de
dissolucao da firma que compuzeram de Neves &
Cruz, no armazem da ra Direita n. 16.Vista
ao Sr. desemtiargad'.r .fiscal.
De Sotiz Ihslo i C pediado.o do. contrato so-
cial, que para esse lira apresentam.Vista ao Sr.
desembargadiu' liscal.
D-j Joo Jacintbi de Medoiros Rezende, pedindo
o dosdocuinonlos, que junta, contendo o distrato
da hypolhcca e-pecial quo fizera a seus credores
Matheus Auslin A C, Joto Querino de Aguilar A
C. c Tasso Inniis.Mostr o supplicante que pa-
goa o sello proporcional, conforme o disposto na
tabella da Ia elasse do decreto n. 4,334.
De Jos Joaquim da Cnha, cidado portuguez,
de idade de 47 annos, domiciliado e estabelecido
nesta cidade com armazem de carne secca e es
criptnro de commissoes de eonla propria e alheia,
ra da Praia nmeros 14 c 16, pedindo ser ad-
mittido matrcula, c junta um at.lestado firmado
pelos commerciantes Fraoetsco Jos da Costa
Araajo, Francisco Ferreira Baltar Jnior e Anto-
nio Ignacio do Reg Medeiros, abouando seu cr-
dito comnMicial. Vista ao Sr. deserabargador
fiscal.
De Manoel Antonio Soares da Silva pedindo
que se Ihe registre a sua nomeaco de caixeiro
despachante da casa commercial de Soares Pri-
mos, Reghstre-se.
De Joaquim da Suva Nogueira e Domingos de
S Pereira Jnior, socios responsaveis, Manoel
Jos Carneiro e Manoel da Silva Noguera, socios
cominan lita ros da firma Nogueira & O, pedindo
o registro do disirato de dita firma.Visla ao Sr.
desembnrpador ftsr.il.
Da companhia Liverpool aud LondouGlobo In.
su ranee, requerendo, d conformidade com o di
posto no firrelo n. 4,394 de 19 de julho de 1869,
que se Iho nao registre os seus estatutos, entre
gmdo-se-llie- os mesmos para trahir una copia
que deve ficar irchlrada neste tribunal.Vista
ao Sr. deseiubargadiir fiscal.
Dada a hora He meia da manhSa), e nao ha-
vendo mais i|l|e ;>-spichar, S. Exc. o Sr. prest-
dente encerrou a sessao.
SESSOJUDICIARIAEMUDE FEVEREIRO DE
1870.
"BESTOENCIA DO EXM. SR. DKSEMBABGADOR A. F. rt-
ETTI.
Secretario, Julio Guimaraes.
As onze horas e meia da inanhaa. declama-se
aborta a sessao estando reunidos os Srs. desem
bargadores Silva Guimares, Res e Suva e AccKili
e os Srs. dofiutados Rosa, Basto, Miranda Leal e
barao de Cra.iogy,
Lida, foi approVad a acta da ultima sessao.
O escrivao Albuj|uerque registrou o ultimo pro-
testo de letra a 11 do crrente mez sob o numero
1,999 ; e o e*e.rivo.Alves de Bnto a 8 do inesmo
mez ob o numero 1,958.
ACCOnD.IOS A3SIGNADOS.
Appellant',s. Tisso Irma-ts; appellados, Manoel
Nunes Parreira & C : appellante, Carlos Corbelt;
aipeHados, Luiz Ribero da Cunha A SoDrinhs.
AGGRAVO.
Juizo especial do emninnrcio : a?gravanle?, os
administradores da m.wa fallida de Seve-Filhos & !
C. : aggravadiis, Krisan Triltt* & C.
O Exm. Sr.'prest.lente negou provimento.
Nada mais havendo a tratar, foi encerrada a
sessan ao meio dia.
(HRONITA JtDHAKIA.
IIIIIU \\l. no COHMEBICIO
ACTA DA SESSaO ADMINISTRATIVA DE i DE
FEVEREIRO DE 1870.
'KSIDE.\'CI\ JJO EX1I. SR. DESBM0AJU5ADO ASSBUil
' FR.ViCISCO PBRETTI.
As 10 horas da manbaa, reunidos os Srs. depu-
tidos Rosa, Batto, Miranda Leal c baio de
iruangy, S. Exc. o Sr. presidente declamu iberia
a sessao.'
Foi lida o apprpva,da a aejada sessao do, 10.
EXPEDIMTE.
Offlcio do coaseHieiro director eral da secreta-
ria e e-iido d is negocios da justioa de 27 de Ja-
neiro ultimo, acoiiipajihaado os aulosde reliabdi-
taoi ilo fallid 1 J.o Jo- Leile Guiiuaiaes, cujo
recurso ex-olcio fintuUdo W3 jugado.prqco
'dente ajinullando se a robaiiil.iaeao concedida.:
U tribunal fio m inteirado e que se coounuoicasa,-
a Sr. de-eml-ai^ador fiscid afim de eqitcrer w
que f'r oonviniente.
Okio do secretario do tribunal do comniereio
di corte, 'roalo do 3 do .convine, envjaudo a
relacao do* comiucrciaiitc.matricidados em o mei
prximo .'iodo.Aceuse-se e ai'chi,yi
OfDcio Jo pn>den te o secreto rio dajuftt*,dos
corrjelores. Groudo de 12 do correte, apre
tandi o b .iletlm couimercial da s.;uiuua pijAuia
linda.Ao archivo.
Ofllcio dos oeMiios fuucciwnarios, o da 1110-na
data, dizenlo |iie em vista da resulueao d -- tri-
bunal de mandar vigorar o art. 4 ilo decreto 11
808 do 28 do juliio de 18.'l j nosto em oxee:
vinliain lazo' sentir a urgente noces-idade da aun
o iv 1 regiment, visto que o quo regla a junta
tem diversas lacuaa<|ue priicisam ser alteadla
O tribunal resolved que *e respundesse qoe
10 tribunal nada mais iizera que por em exe-
i'-ugo urna di.aposieao do decreto eirol. a qual ha-
via cabillo em olvido, aecr scen'ando que res-
peito Jas lacunas quo a uosma jauta di/, haver no
regiment, a junta formule um novo e appre.-ente
e>tc tribiaal' pa'ra^imar coneciinciuj Jo ines-
mo e api iliiazer as altoiaces qoe jul-
gar convenlehies.
Jornal' )//;../-numei\>:i 27, 28, 29 o 30. Ao
archivo.
Aos Srs. d potados firam distribuid is 01
giiiutes livros : Diario lo Manuel Fernande
Costa St C, Copiador de Rabo Schmettaii A C.
COMMERCIO.
PRA^A DO RECIPE 13 DK FEVEREIRO
DE 1870.
k 3 1/2 HOBA DA TARI
Assncar bruto americano 3*000 rs por 15 kil.
(hontem).
lambo sotara Londres 90 d|v. 20 1(8 e 20.
1)4 por 1*000 (hontem).
Dito sobre dito 90 d|v. 20 1|4 (hoje).
Descont de letras12 0/0 ao anno.
Frote de assncar para Marseille 2o francos e 5
OJO de capa (hontem).
Goncallo Jos Alfonso,
Presidente.
Mosquita Jnior,
Secretario.
Caixa Filial do Banco do Brasil
em Pernambuco, em liqui-
dacao, 7 de fevoreiro df
Por ordem da ditetoria da Banco do Bra-
sil se faz publico qde no praso de trinta das
i contar da presente data serio levados
leilo os ttulos em liquidarlo e mais divi-
das constantes da relacio qae existe na
mesma catxa aonde poder .ser examinadas
oelos pretenden tes.
ENGLISH BANK
O Rio de /aneiro Limited
Deseoita lettras da praca taxa a con-
encionar.
Recebe dinheiro em conta correte hia
i raso flxo.
Saca vista ou a praso sobre as cidades
tirlncipaes da Europa, tem correspondentes
ia Bahia, Benos-Ayres, Montevideo, New
a New-Ofleans, e emitte cartas de crdito
para os mesmos lugares.
RIJA DO COMMERCIO N. 36-
Sociedade trancara
em coni man lita
Iheodoto Simen C,
Comprara e vendem por conta pro-,
jria inetaes, moedas nacinaes, e estran-
^eiras, letras de cambio, sedulas do go-
.Descontara letras da trra e ontros ti
.tilos commerciaes.
Encarregam-se por conta albeia das mes-
nas transacedes, da cobranza de letras da
erra e. de uros titalos commerciaes.
Receb^-m -quaerquer quanlias em depo-
ito, emeonta corrente, e a prazo xo.
Largo do Pelourinho n. 7
ALPANDBGa.
Aendimentodcdiala 14. ... 4S<:522i433
dem do dia l 38:300*7*2
dos que pretenderen! eoneorrer ao lugar do lenle
substituto d'esU Facaldade, que servia o conse-
Iheiro Jos Liberato Barroso, e que foi declarado
vago, na forma do art. 10 de 28 de abril do 1831,
era virtude da resolucao imperial de 4 do correte,
tomada sobre consulla da seccao doj negocios do
Recife, em roen orrtorio, perante mime as teste>
munhas inra assignad: te por sen procurador Manoel Lute da Veiga, o
or-este foi dite que reduzia a termo o eonteudo
de sua peticao reiro que oBereei eomo parte d*
509-. 823a 173
MWUlNTO DA ALFANDKGA
/olutnes eatrades eomfazecdas
dem dem com gneros
/orme sabidos com faiendas
dem dem coro gneros
f
PBLCACOES A PEDIDO.
-------------1|p.i .. .
G.ime] eir.
Os falsarios nolteiadores da pulicia deGam
ra apresenlam-sc com imposturas o ameacas no
Litoral de3 o 4 do correte, desejandoasim nvr-
der ao pubtolegrlo Carlos Lenidas do Reg Bar-
ros. Porque nao apreseniam >aas aseigsMuras,
sendo- para isto de?a(ladn flo D'arm de Pernam-
buco de 21 do Janeiro prximo passado. Kstaro
estes noUeiador*s ju>tinVados ladroes de mvftHos
uu liberaesf listes pusilnimes bem reconheeem
suas mcala, motivo pelo qual cohibem-o de
apresentar em publico stus Armas.
Cabe-me, porlanhv kzer uina adverten'ia m
maural major. Mussaiigana.para dispertar os un
e pides de poli :nr que nlhem o recruta do Bonito,
pois pude fazer ressuseilar a parda Bastiana a exi-
gir os seu" espolios, o a fazenda nacional o sold
dos guardas niicionaes nvisiveis qne apresonta-
ram na marcha de Pao d'Alho, eomo tambera o
dinheiro dos voluntarios de. curdas, e fazendasda
negra Lniza, e mais particulares que se achara
recolhklos a caixinha das almas, etc. etc.
Advertinde mais io Sr. major Massangana qne
nao respeito aus homens pelus mnitos assussinatos
que mandam fazer, nem ped sea orgulho sira.
por seu merecimentos.
.4. C. B. U.
136
335
-----341
m
400
-t-- .wl
Desearregam hoje 16 de fevereiro.
Patacho ingles--Mz--inercadoria9.
i Vapor KiziozSaladim i tem.
I Patacho portnguezGeargent*.dem.
' Lugar izjezSararhidem.
Barca inglezaBrillante idtm.
Patacho inglez-rA/ntx/alarinba de .trigo.
HEGE3EDOR1A DE B8NDAS iNTEKNAS GE-
BAESDE PKRN'AMBUGO.
lendimento do dia 1 a 14. 32:778*481
dem do dia. 13....... 1:432*683
Faltara
agradecer
Agi'jidecimento,
31:2311164
CONSULADO PRQVINCAL
i.-nd-rrentododia 1 a Ii. 8&308i>38
dem do dia 13...... 7:9275421
9i:436*ll
MOVIMENTO DO PORTO.
a um imperioso dever, se deixas-e de
do alio da imprensa ao inuito disno e
iiilelligente meibco, o Illm. Sr. Dr. Carolmo Kran-
efteo de Luna Santos, o cuidado^ pericia e a de-
licadeza com que proco leu era mim a operaco
reclamada pelo estreitament da urethra, de que
tanto sulfria. Venho, pois, te?temunhar a esse be-
nemrito da hunianidade, o moa profundo reco-
nhecimento por essa bppra(o com quo rae rost
Nanos entrado* na dia Jo.
Baha8 dias, barca ingleca Sea Amo, de- 404 to-
neladas, capitn S. C. Clarke, e.juipageui 15 em
lastro ; a Thomaz Jefferies A C.
Bio-Grande do Sul20 das, patacho norte allo-
ma) Delphin, de 188 toneladas, capilap.I. W.
Litientbol, erruipagetn 7, carga 10,275 arrebis
de carne; a Ofiveira & Filhos.
Havre36 das, barca, franceza Adele, de372, to-
neladas, capito llernault, equipageh 15, car-
ga fazendas outros gneros a Tess t Freres.
Bueiios-Ayres21 das, brigue norte alleiuao Aun
de 180 toneladas, capito Brockwoldt, equipa-
gf m 8. em lastro; a ordem.
Rio de Janeiro21 dias, brigue norto allemao
teres, de 317 toneladas, capito Iluho, equpa-
lo, em lastro; a ordem.
Navios sahidos no mesmo dia.
Aracaj e portes intermediosVapor ibrasilejro
Potenqi, cominandante Mello, carga varios g-
neros.
Granja e portos intermediosVapor brasileiro Pat-
raa, coinmandaute Azevodo, carga diflvrantes
gneros.
JJsboa Escuna noruguense, Oal, capito Baker,
carga caf.
ObservaQes
tuio a sad, pelo assiduoe solicito, tratamentoque uspendeu do larnarao para Melbourn agalera
me prestou, e pela caridade e dcsintoresse com! ,n8,ez'1 PercU> WilW Co"Per cmft us iaos^Mi
que sedignou dispensar sobre .o valor do mea cu- passageiros que trouxe de Plymoutto. .
rativo a quantia do cem mil ri<. EfpQrojueoj Wem ideo) pura West Indies a bar ja or ue-
Illm. Sr. Dr.Carolino, aceitando esta dojnon-'.raga,Suei,se W, capito C E. Beck, com o mesmo
domen agradecimento, acrediUr na sinceridado lastr "IQe trouxe de Santos,
com que me exprimo. | mmmmmwtmmmm^t
I.u'z Jos de Franri.
ECITAES.
Xarope mineral sulfu-
roso de Crosnier.
Medicamento precioso para combater a
losse, catbaiTo pulmonar, astbma, coquelu-
che, bronebites.
E* um: cDiposto das substancias bate*-
mica vas mais nconseihadas e dos princi-
pias das aguai sulfurosas dos Pyrineos, em
llses mui concentradas.
Toma-sena d c de. urna colher de spa
pela uianliaa e ontra tarde.
Pharmacia Central,- ra do Imperador
tV 38. (4
i. secrjiosecretarla da presidfncia tle Pernam-
buco, em 14 do fevereiro de 1870.
Pela secretaria da presidencia se convida aos
senhores que apresentaram propostas para esta
beleeimenio de carris d ferro entre esta capital e
seus suburbios, a comparecerem no palacio da,
mesroa presidencia no dia 16 do correte, ao rano
dia afim de assistirem a abertura das mismas
propostas.
No impedimento do secretario, o olDcial maior,
Antonio Annes Jacome Pires.
prelendentes ao dito lugar se poderao apresenur
desde j na secretaria d esta Faeuldade para ias-
rrever seus mes-uo livro compeleTHe, o qne
Ibes permiilido fazer por procuraeW, se esltve-
rem mais de vinte leguas d'esta cidade, ou live
rem justo impedimento. Sao, porm, obrigados a
apresentar documentos que-mostrem sua qaalida-
de de cidado brasileiro. e do que esli no- goio
de seus direitos civis e politieos. cerlidaode bap
tismo, folha corrida do lugar de seus domicilios e
diploma de doutor por urna das Faculdados do
imperio, ou publica forma, justificando a impossi-
bilidade da apresentaco do original, e na juesma
occasio poderao entregar qaaesquer documentas
que. jalg_arem con venientes, ou como titules o\
habditaifao, ou como provas de servicos prestados
ao estado, humanidade, ou scienca, dos quaes
se Ibes passar recibo : tudo de conformidad com
o art*. 36 e 37 do decreto n. 1286 de 28 de abril
de 163i e 111 e seguales do de n. 1368 de 24 de
feveceiro de 1833.
E para quo chegue ao onheclmenlo de todos
roandou o mesmo Exm. Sr. director interino atu-
sar o presente, que ser publicado as folhas d:esta
cidado e as da corte.
Secretoria da Faeuldade de Direito do Recife.
24 de agosto de 1869.O secretario, Jos Honorio
Berrra de Menezes.
Secretarla da Faeuldade de Direito do Recife, 13
de fevereiro de 1870.O secretario, Josc Honorio
Bezerrjt de Menezes.
Pela secretaria Ou tribuual do comtnercio se faz
publico, que foran registrados os seguimos con-
tratos e distratos de sociedades:
Contratos.
Antonio Verssimo ^erreira Gomes e Jos deFa-
rki Machado, portuguezes, domiciliados nesta cida-
de, associados por quatro annos sob a firma de Fa-
ria & Gomes em sua casa de coramercio de fazen-
das retalho. sita ruado Queimadon.40, com o
capital de 4":000, fornecidos 28:000a pelo pri-
meiro e 12:000.1 pelo segundo, coropetindo a am-
bos o aso da fu ma social.
Manoel da Costa Campos e Lino Marlins /.eferi-
no, nortugnezes, domiciliados nesta ciliado com
sua casa de com mere i o de gneros de estiva re-
talho, sita roa Imperial n. 234, sob a lirma de
Campos & Marlins, da cuja firma usar o primeiro.
e su na ausencia d'este o segdndo, com o capital
de 6:200$, sendo 6:000 fornecidos peta socio
Campos o 20 pelo socio Zeferino, devendo a so-
ciedade durar por espaco de 3 annos.
Manoel da Costa Campos e Jwaquim Jos da Sil-
ra Azevodo, portuguezes, domiciliados e eslabele-
cidos nesta ridadu sob a firma de Campos A Silva,
com commercio de gneros de estiva relalbo
na estrella do Rosario n. 42, e-mi o capital de
3:208*894 rs., fornecidos 4:246*507 D*. pelo socio
Campos o 902387 rs. pelo sucio Silva Azevedo,
ufando esto da firma social smenle na ausoueia
do sucio Campos e devendo dita sociedade durar
pur espai;o do 3 annos.
Jos Lupes Alheiro, Antonio Lopes de. Aevedo e
Manoel deOliveira Jnior, portuguezes, associados
por 3 anuos, suba lirma de Alheiro, Oliveira A C,
da qual u ara o priraetro socio e o outros cm seu
impedimento ; sendoofim da sociedade a compra
e venda, relallu. de generoi de estiva c.u seu
estabeleimento ra da lmperalriz n. 42, cora o
capital de 53:000*, seado .10:1645776 rs. forneci-
dus iielo socio Alheiro, ld:381!187 rs. pelo socio
Azevedo e 10:934*037 rs, por.Oliveira Jnior.
Luiz Alfredo do Moracs e Jos Candido de Ma-
raes, brasileiros associados com o caoiial de.....
50:000* inrnecido em
m esle termo.
En ManoelSilvino de Barro Falco, escrivao s-
terino escrerVUnJoel \jtt WvW'W, Amaro.
Joaaotai da FoaMca. Aalalio Arres da FoaMra
Jnior. E passaado-se o rspectito mandado para
por elle : er o nipplie;do intimado deste protesto
nao foi encontrado, era consequencia do que ma
fez o supplicante a segrate petiro :
nim. Sr. Dr. juiz de direito especial do- om-
mercio.Diz Joio Pereira do Reg liqudala rio da>
extracta lirma Goimares & Rege, que havendo
feilo o incluso protesto contra Antonio dos Santo
de Sousa Leo, ara que r-o ^rsecreva a letra de-
que Ihe devedor na importancia de 800*000 rs.
vencida em 15 de marco de 1863 ; e nao tendo
fido encontrado o seu dito devedor para Ihe ser
intimado o protesto sendo incerto e desconhecida
o lugar de su i actuid residencia, segundo .us-
a da cerlido do ofllcial exarada no incluso man-
dado, o supplicante vera re-iuerer a V. S. srva-
se admitirlo a ju-tficar aauzencia do spplicio\>
para que possa ter lugar a intimacao do o lo pro-
teso por carta do editos na forma da lei e do es-
lylo.^-Pede a V. S. defferimento.E. B. M.Es-
lava o sello estampilha de duzenios re-.
Becife, 19 de de;.embro de 1869.Manoel Lata
da.Veiga.
Sim, justificando no dia 28 do corrente roer,
na salla das audiencias.
Becife, 20 de deiembro de 1869. Tristao da
A'eucar Araripe.
Depois do que nroduzio o supplicante, suas tes-
temunhas no dia designado as quaes sob juramen-
to dos Santos Evangelhos depozeram con eniente-
mene acerca da auzencia do supplicado, e faeen-
do o respectivo cscrivlo autoar, sellare preparar
os autos, me o fez conclusos, e nos quaes dei ;*
sentenca do iheor seguinte.-F-Proceda a justifica
c.ao : e mando, que o supplicado auzente seja ci-
tado por editos de 30 dias para o Gm requerido,.
a folhas duas, pagas aa costas ex causa.
Reeife, 5 de feveroiro de 1870. Tristao d*>
Alencar Araripe.
E por forca desta minha sentenca o eserrr >
fez passar o presente edital, pelo ihpi.r do qual
chamo cito e hei por citado ao referido supplica-
do auzeute, afim de que no praso de 30 dias eoni-
pareca ante este juizo por si ou por sea precara -
dor all gando eprovando o ipie for a bem de seu
direito e justica. sob pena de rev ia.: e para qm>
o suppficado auenlc nao fique indefeso toda
qualquer pessoa prente, amigo ou conhecido Ihe
poder fazer ciente de todo o expendido.
E para que chegue ao conheciraento de todo-i
niandei pausar o prsenle; que ser publicado pela
imprensa e aflfaado no lugar do costme.
Dado e passado nesta cidade do Recife de Per-
nambuco aos I i do fevereiro de 1870.
En, Maaoel Silvino de Barros Falco, escriv;*)
interino, p fubscrevi.
Trtstlo de Alencar Araripe.
DECtARACGES.
Pela recebedoria de rendas internas geracs
*e faz publico que oeste iiipz e no de fevereiro
droximo futuro que lerr; lugar o pagamento, seni
multa, bocea do cofre da taxa de escravos de
exerefeio corrente de 1869 a 1870, cajos donos ou
administradores morem as freguezias desta cida-
de e as do fra, a saber : A (Tugados, S. Amaro-
lahoafao, 1*1150 da Panella, Varzea S. Lourenco
da Malta e Muribeca; e que (Indo o referido praso
partes iguaes, por teuino 1 ser cobrada com a multa de 6 "'
indeterminado, sendo o ubjuclo social a compia e
venda de gneros do paiz c eslrangetros por conta
propria e cnsiguocaa
Distritos.
De Manoul Ib Iri^iie.s da Silva, Joo Darbcsa de
Lima e Manoel l'mdiigues da Silva Bllho, sob a fir-
ma de Barbosa & C, ra do Qu>-imri d u. )>i.
repeliendo o socio commanditario.Silva IO:9!i3s'Jli"
rs. de sen capital e lucros. Silva Fdho 430*112 rs.
tambera de seu capital e lucros, e passand a per-
tencer o respectivo eslabelecimejito (do miudezas
a Joo Barbosa de Lima.
De Joo Fernandas Lopes, Manoel Jos da Silva
Maia, Bicardo Barbosa Monteiro e Joo Francisco
Maia, sob a lirma de Maia, Monteiro A C, lleando
o activo e pas.tivi perteocendo aos dous primeiros
socios comrosnditariQS. por cuja conta correr a
liquidar 10, da qual far parle o terreiro associado,
e o qnarlo livre de qualquer responsaOidade e
pag da parte que Ihe entibe no< lucros soches.
De Augusto Frederico dos Santos Porto e Jos*^
Pereira Bastas, sob a lirma de Augu-liv Porto A
C, ra do Queimado n 11, ficando P socio Porto
ncarregado da hquidaco, e o oulro livre de res-
ponsabilidade e pago de seu oapal e lucros.
De J.ioLuiz FerreiraHibeiroo Virginio Freir
de Oliveira, sob a lirma de Joo Luiz & Virginio,
na da Santa Cruz n. 4, fieando cargo do socio
Virginio a liquiciacao da activo e pissiro social.
Secretaria do tribunal do commercio de Per-
nambuco, 14 de fevereiro de 1870.
O ofllcial m;>iir,
Julio Guunanls.
Recebedoria de Pernambuco, 7 de Janeiro do
1870.
O administrador,
Manoel Carneiro de Souza Ijicerj*
Do ordem Illm Sr. eomelheiro inspecfc*
da lliesouiaria de (azroda desia provincia so fac
publico que em virtude do idDcio da presidencia
de 10 do corrale ser novamente arrematada em.
hasta oublica peanlo a merina thesouraria no
dia 26 do corrente as duas horas da tarde pvr
quera maior preco olferecer as mil biabas qaa-
dr^das das trras devulutas que demorara na o-
inarea do Palmares. As pessoas a quera onvier
dorio comparecer oa dila tbe^our.-nia no refe-
rido dia e hora mareado.
Thesouraria de fazenda de Pernambuco, cm II-
de fevereiro de 1870.
Servindo de ofllcial- maior.
Manoel lose Pinto.
*9iita Casa la misericordia dtp
Recife.
A Illma. junta administrativa da Santa Casida
Misericordia do Recita manda (azor publico i|uenr>
saJa de suas sessoes, no|dia 16 de fevereiro,. pei
ipiatro hojas da trdo, tem do ser arrematads \
luea raais vantagens olferecer, pelo lempo de iviv
i tres anuos, as rendas dos predios em seguida d*
clarados :
ESTABELEGIMENTO DE CARIDADE.
Ba ao Calabuuco
Casa terrea n. 20, por anuo .
liua da Alegra,
olicial Casa terrea 11.7. .
ttua da (.lona.
Casa terrea n. 25......
PATRIMONIO DOS ORPIIAOS.
Ba do Vigario.
Primeiro andar do sobrado n. 27. .
Rangel.
Cas- terrea d. 38......
Amorim.
Casa terrea n. 20.......
Sitio n. 5 noForno da Cal...........
Os pretendentes devero apresentar
O Dr. Tristao de Alencar Araripe,
da imperial ordem da Rosa ejuiz especial
do cmmemo nesta cidade do llecifode
Pernambuco, por S. Al. Imperial e dos
titofcional o Sr. D. Pedro II, a 'juem
Deus guarde, etc.
Fa<;o sa >cr aos quo o presente edital i-
rem e delle noticia liverem que no dia i i
marco do corrente anno, se nao de arrema-
por venda a quera mais der cm pcafia ptibh- arremala5o as SUas fiancas, ou compareoeron
442*090
360*000
1680lH>
;co*ooo
844000'
1504000-
no acti) d;v
Agua de Flori la de Mu'rray
& Laamin.
Mal sabem aquellas sonhoras que fazera requsnT
te UU" d'esses intdulidos empricos.
Aformoseadores do dia, qu' ellas eslo lenta e
seguramente i'TtrMtfr* e arroinando a sua sade
e mais que lud, a sua delicada eouipleigo. Des-
de o itmnemoravel lempo das Borgias ata o pre-
sente dia, foi sempre perfeitaraenle sabido pelos
bem iniciadas, que a pura essencia de fresca- e
fragrants Q'>rc, promotora da formosura. N-
laboriosa prepaiacjko e.d>dicada composigao d'est
afamada o deliciosa agua de cheiro, nao se emprer-
ga ou usa outroiralgun) composto mais, do
aromticos botos de llores o certas folhas de.urna
.itureza ollameite saudaveis. Em adi^o,, pois,
sua exqeJIenciu como um perfume prm3roso, olla
enperra cm si a virtudo do pnrijiear e alv,
eiiopleico, reniovado da pello (oda a
eboliofi -s eroptjes ou mculas, lumando o resto
me-i 1 o mimoso d mdo-lhe tima liada iraasparen-
efa lustrosa e elasticidade natural.
Por esta secretaria e de Ordem do Exm. Sr.
Dr. director geral da irrslrticco publica faz-se
constar aos directores de rollegios e prefesnres
particulares, tahte de um como d outro sexo, que
anda nao remetterara os mappas, do movimento de
eu- estabelecmentos e escolas, que devem re-
mette-los quanto antes, sob as penas da lei, afim
de se pudor satisfazer as nformacoes indiadas no
aviso do ministerio do imperio de 2o do Janeiro
ultimo.
Secretaria da instrueco publica do Pernambu-
co, 1 i de fevereiro de 1870.
0 secretario,
Aureliano A. P. de Caroalh,
ca deste juizo depois da resperjiva audien-
cia o seguinte:
f- Um sitio denominado Zumbi, silo na es-
trada de Belem, foreiro, com telheiio tendo
dous quai'tos e acerce para casa com al-
guns arvoredos de fnieto corn pequea mal-
la, divide, pela
Belm, palo nascente. com p sitio dos lier-
deiros de Paulino da Silva Miadello, pelo
poente com o sitio dos herdeiros di
Manoel Antonio Carneiro de Oliveira. eoelo
Iundo cora o sitio do mesmo Manoel Anto-
Carn-iro de Oiveira, e com o ti Zombi
avahado por 2.0KU000, o qual foi penho-
rado por execm,a) de Antonio Martins de
Carvallto Azevedo, como testamenten-) de
Thoolonio de Oliveira Neves, contra Domc-
trio Azevedo 'noiitn.
E nao havendo lanzador que cubra o
prefo da araliada 3rromataco ser foita
pelo preco da adjulicacao na forma da lei.
E pata que clwguc ao confiedme;,lj de
todos mandei passar o presente que- ser
pu licado pela mprensa eaflisadono lugar
d" costume, Recife, l'i de feveiciio Je
I87.
En, Manoel Maria Rodrigues do Nasci-
mento escrivao, o subscrivi.
Recife, 15 de fevereiro.de 1870.
Tristuo.de Alencar Araripe,
, FACULDADB DE DllllilTO.
pe ordem do Exm. Sr. director se deelara por
esta secretaria, que a inscrinco para n segund
concurso do lugar de substituto d'estn Facilidades
innunciado em edital de .21 Je agosto do anno ps-
>aJo, dever ser encerrada no dia de abril pr-
ximo vmdouro, vis|o e.im o pran de seis mnzes
.marcado para a mesma insrripr.fi) dewria tor eo-
.do a eorrer dj dia 2 de outubro doanno-pas-
sado, conforme dispSa o art. 12:1 do reglamento
ilemilenwntar. Abaixo se repele o edital relativo
aD meama concurso, e pip subsiste era vigor, me-
canlo ao prazo da inscripci.
ordem do Eira. Sr. din ctor interino, conse-
Iheiro Or. Pedro Autran da Malta e Albnquerqoe,
e emexeciico ao aviso imperial de 14 do,corrente,
aeo pnblieo que (lea marcado o pnz > do seis
3 contados da dala d'este para a inscripeo
acoiiipanhados dos respectivos fiadores.
Secretaria da Santa Casa da Misericordia do Re-
cife, o de fevereiro de 1870.
O escrivao.
Pedro Rodriaues dr Ss-hib
C'oalado provincial
Pelo consulado provincial avisa-se aos abes o
trente com 8 estrada ue noraeado?, qoe devem vir reallsar o pagamento do
imposto de I0O5 por mase, te estrangeiro, a qnc
esto sujeitns no presente anno financ,eiro de 186.0-
1870, devendo faze-lo no corrente ttUX, sob a? pe:
as da lei.
Elias Barone.
Miguel Pelegrini.
Miguel Stefano.
Loccorso Tropeiano.
Antonio MehQ.
Benjamim Bisante.
Braz Peinlo.
Consulado provincial l*.dd fevereiro de 1870.
Servindo de ad:iiintra,dur,
A. WitruvioPintoBandria A. de Vas--inci-os
Consulado provincial
Por e-ta repartieao *fat-se sciente aos conai-
loiintis de iinpstos proviuciaes,. (lertencentee a >
anno flnaneotro corrente de 186970, que d/< dia
I" de fe ven iro orosiroo, cmica a correr o prao-
de 30 di.is utei-para o recebimento a boca do co-
fre das sr;uin'.'s imposiroos: 2<1 e 4% sobre
diversos esUbeleciroeulos 'commerciaes e mdus-
triaes; 8 '>, sobra consultorios, escriptorios e car-
inos; fe/n,sobre a venda dft.cajim; consumo
de agurdenle (Io semestre); 400* por casas
operacGes nanearas, companlnas anonyua
agencias; 200 por casas de cambio e de peuho-
res; 100 por luja que venden roupa feita, selltim
offi-ial uU "Dras do jnarcvuaria estrangeiras; iOMfon
mscate estraiigoiro; 100* por corrector com-
mercial, aponte de leudes o casas de compra o
venda de e-eravos; 30* por corredor ou ioeal-
cadra-de escravos; 30 por casa do moeda; '*Sf
por casa do biliar.; 30* por escravo empregHl
em servico de alvarengas e jtodas; '., por bote;
l por tonrlada de alvarenga e canos abeW
$JS por cada escravo na cidade do Becife; 16* par
carro particular di^ 4 rodas; 105 por dito 1
-roda; Vi;, |n.r carro do aluguel; 2o* por mni-
bus a carro fnebre; l> por carrosas, o 10 p c
eayallo de aluguel.
Aquellos dos coitirilmiiitcs que nai> satisfice
nesse praso a quota da sua contribuieo, Incor:
oa .multado 6 %
Cunsalauu provincial, S'J de Janeiro de 1870.
C.iccnrl,! ra nriviirn.lfliinr
0 l)r. Tristao de Alenoor Araripe,
da imperial ordem da Rosa, e juiz de di-
reito especial do commercio. nesta cidade
do Recife de Pernambuco por S. M. Im-
perial e Coustiiuciooal o Sr. D. Pedro II
a quero Dos guarde etc.
Face saber pelo presente, quo Joo Pereira do
Regoy hqtiidatario da lirma Guimares A Reg,
por seu orocurad.T me fez a seguinte peticao.
Illm. Sr. Dr, Mi de direito do comnien-io.J> Si
Pereira do Reg, liquidaterie da extincla tirina
Guimares & Reg", quei* protestar ha forma do
artigo 443 lo odljjo do commercio, para nao
prescrevor .1 letra devida par AntmM do. Santos
do Son I.efi 1, da guina de 8005000 rti-, ven-
cida no dia 15 de niara de 1863. requer, ponan-
to, a V. S. se digne mandar tomar por termo o
seu protesto, pascando o rseiivo mandadj para
iitimaco d'ele ao supplicado q ador'
no enperilw Jftcunda dafreguezia do Santo Ama-
ro de Jaboato dfesto termo.Pede a V. S. se tif-
ne de assim o mandar.E R M. Man;"1! Luiz
da Veiga, procurador'.Despacho, si
II de marco de. 1S63.Tristo de Alen-
dar Ararips.
G sendo fila a di-tribuicao ao efcrivo desto
juizo Paes de Andrade, o e-crivo interino l.iv;oq
o tnrmo de protesl 1 -eguint:
Aos 11 de marco do dito anno noHi cida.'e do
Servindo de administrador,
A. Wih-Hrh Pinto Bandea a Accioli de Ynuemmlkr
Santa Casa de Misericordii
do Reeife
A IIlTia, jiinja administrativa da sania ca..
mise.icord'ia rio Recife precisa eonirakr com qi
obra cons -to na di-molieo de psrto da frente ar-
teror, de toda a fren.e posterior e de parlo du o-
J IMf^BWi*
l\
'




<#fario de Pen**ibuco Qaaria. Irira J6 de Fevereiro de
1870.
tao pelo lado do nueeote at o lugar era que se
da a parede wnhda. .e roeonstruindo o predio
le uqi su andar e sot coafcr.ne as posturas mu-
nieipaes cm igor. O pavimento terreo deveri ler
tres portadsi comaoleiras de pedra e -porta de
c.ostadinho de aroarel|i> para o lado da ra, e para
o no fondo hj janeilas o urna porta no centro
tamben cora oleira du pedia, sendo a madeira
*!nlnienio de eostadinbo da.amarelio, e todo o
adrho de lijlo de alvenaria batida. O primeiro
rrtar d -.era ter tros portada* co:n sacadas, lastro
tarabew de amareH*para o lado da. frote, e para
o 4o feudo tres janellas de peitoril cono vidracas e
portas de dita madeira, leudo cada ama ellas
anea menos de 3 palmos do largura e?l|ide
altura. A sota em ambas as frontes devera ter
tres janellas igualmente eom caixilnos e portas. No
travejaoienlo do primeiro andar e do sotap aomen-
la te empregarao travs de qualidade, tendo cada
noa 12 poiegadas quadradas de grossura, eos
respectivos soalhos serlo construidos de auoarello
ou louro. As escjdaj sero de atarello. 0 pri
wieiro andar dever fiear ero sali, e a solea ser
repartida da maneira quo for determinada pela
MU casa. Os rebocos exteriores sarao guarne-
idos de ca branca. O contratante peder apro-
veitar as 'ejoas, caibros, eneaaroeis, soalhos e
travs, que se acharem em perfeito estalo a juiao
de, ferragens era forneeido polo contratante,
cujo carg licar lamber.) a cataco.
Os pretenden.es daveriio anrentar as snas pro-
postas en cartas fechadas na secretaria at O'dia
12* do correnle.
Secretaria da Santa Casa de Miaaricordia do
Ilecife, 12 de fevereiro de 1870.
O.eacrivao,
Pedro Rodrigues de Souza.
no the 'tro de Sanu Isabel em 1863, qne tantos
appbjusos mereceu
udeville tomar parte todas as pastoras
e cada ama canta a su ana.
r-ERSOKAOF JOVEKS.
Rafael, pastora.... D. Rosa Emilia.
Ruth, Mein........ D. Lonren^a Justina.
Jadit, ideal........ D. ftnnunciada.
Aleioa, dem....... D. Amonta Eiea.
Tfrso, dem....... D. Laura das Noves.
JciHa. idem...... D. "MaYia doslUis.
Dalina, idem....... D. Mara Carolina.
lamene. dem...
Flora, idem........
Laura, idem......
Esrter, volha.....
Beoc, pastor.......
LTm anjo..........
Manta (Jasa da Misericordia
do Reeife.
A IMma. junta administrativa da santa casa de
;ni*ercnrdia do Reeife, na sala de soas sessoes,
telas 3 luas da tarde do dia 1? do correte mez,
recebe (reposta para o foroecimenlo de assucr,
que tiver de precisar o hospital Pedro H, no mez
de mere i vindouro.
Secrataria da Sanu Casa du Misericordia do
neejfe, 18 to fevereiro do 1870.
O eserivao,
_______________________Pedro Rodrigue* de Souza
Pea subdelegada do Peres se' faz publico
cria : quem for seu dono se aprsente, que dando
os signaos llie ser entregue.
Conselho de compras
navaes.
O conselho promove no dia 19 do corrente mez
avistad* propostas recebidas at as 11 horas da
m nliiia, a compra, s ob as comlicoes do esjylo, dos
ibjectos dn material da armada segorales : 40
arrobas de almager, 4 bandeiras nacionaes de 4
liws, i bandeiras nacionaes de 6 pannos, 12
tarriohos de mao. 200 .*'l<|ueires de cal preta. 100
.il'incii de i-.il branca, 120bracas de corrente
di ferro de l|i polegada reforjada, 20 arrobas de
-tipa Ae alg idao, 10 llamla de navio, 10 focha-
lara* ti,- tno para porta, de broca, 20 lencoes de
ferro de l|i de grossura, 6 pi de comprmanlo
c 4 ditos de larguia, 6 jarras de-madeira para
agni dr 30 polegajas de altura, 30 de dimetro no
ionio e 2i na bocea, 10 duzas dr. limas chatas de
4 a lo polfgadas. Ib duzias de limas nieiacanna,
5 arrobas de merlm, 8 arrobas de mialhar, 100
arrotas de olea de linhaca, 10 libras do obreias
rariceza?, 2oculos de alcance, 6 arrobas de pregos
le cobro de 4 plegadas. C00 libras de pregadur.n
'I- tMbrei 2 pedra< de amolar de 3 ps de dame
iro eC8 p llegadas de grossura, 10 salinmetros de
metal, 10 salinmetro! de vidro, c 1,009 lijlos de
! |0.
Sala di>:-essoe.s do cmemo de campras na-
vaes ido fevereiro de 1870.
O secretario,
Alexandrc Rodriguea dos Anjos.
D. Francisca de Paula,
. Joaquina Peixeto.
D.'lguez Mara.
Sr. Saota Rosa Pilbo.
Sr. Guilberme Ferrcira.
D. Gliceria F. Pascoa.
_Em um dos intervallos todas as pastoras daosa
rao-ama hnda contradanza campestre ensaiada
caprichosamente pelo Sr. Manol Baptisla de
Souza.
Terminar o espectculo com o curo da 'despe-
dida.
PRCCO DOS BILHETES.
. Camarotes de 1" erdom.. 8*000
Ditos de 'ordem....... 8*000
Cadeiras............... 2*000
Platea................. 1*000
Os bilhetes achara-se desde j renda a casan
da Santa Rosa, ra de Santa Isabel n. 13 ediano
do espectculo no thoitro.
Principiar as 8 rneia boras.
THEATRO
GIMNASIO DRAMATIGO
(No fflonteiro)
SOB A DIBKC(.0 DO AnTISTA
Qointn-feira i 7 de fevereiro.
5." RECITA DE ASSIGNATURA
Estreia dos. adtniravcis aerbatas italianos
Ceaar e viceate
ApplaudWos ealhusiaslicamenw em quasi toda
a Fnrepa.
Dopois de urna escolhida ouvertura, a compa-
nhia dramtica representar o excellente drama
em doti actos, ornado de mnsica, intitulado :
ARV1IUR
DE8ESEB AMOS DEP0I8
O importante |iapelde Arthur, aspirante da na-
rirtha real de Inglaterra, ser desmpenbado pela
Sra. D. Jesuina.
No intervallo do Io e 2 acto os aeobratas Ce-
sar e Vicente executarao o exercicio de agHda-
de e forca, denominado:
A barra fixa.
Seguindo-s pela Sra. D. Jesuina, a pedido, a
muitt applaadida cansoneia :
' 0 CaF CANTANTE.
Finaa a qual os acrbatas Cesar e Vicente exe-
cutarao o lindo exercicio, inti ulado :
A tran#i americana.
Em seguida o Sr. Flaviano desempenhar a gra-
ciosa scena cmica :
O matute aparvalhado
Terminar o espectculo com
COMA
DB
Paquetes a vipor.
Dos portos do serte esperado
al o da 27 de fevereiro o vapor
Arimos, eommeadaote o primei-
ro-ieneote> J C. Daarte, o qual
depois da demora do costme
seguir para os portos do sul.
Desde j recebem-se passaoeiros e engaja-se t
carga ue o vapor peder oondozir, a qual deveri
sr embarcada no dia de sua chegada. Encomroen-
ias e dinheiro a (rete at as 2 horas do diada sua
sabida.
Nioae receben como encommendas seno ob-
lectos de peajseao valor e que nao excodam a dua
arrobas de pe ou 8 palmos eubioos de medicao.
rudo que pasaar destes limites dever ser embar-
ealo como carga.
PiWhM-8o-ab-Sr8.pa*iagM8 qne soa pas-
sagens so se recebem na agencia ra da Cru
n. 57 primeiro andar, escriptorio de Astcnio Luiz
do Ohreira A-iCTedrr & C.
Na agenda niu so igfBMi cartas,
interesgadoa devera levadlas- ao-correto.
Rio de/aneiro
n referid! porto em pmcos das c
pata. ,.mitm ^r1pr f(oo so0 car
S!?7to1naH. lendo anda receber'c
S2?~ i i? -J*.: ? intiT "am u eonslajnaurio Joa-
quina lose Goj^v^ (W|rio rua ^n.^ercic
Aracatv
/.,?^B *m &***>! br*l(lfJe o imlhabole So-
oraiente, capuao Pcreira, anda recebe
?5.*rei'3 :,a ,MUr c,,m Si Leiti0
rua aa Madre de Dos n. 1.
alloma
Irmfios i
mmm bmsiim
DE
Paquetes a vapor.
Dos portos do sql esperado
al o dia21 doeerrenteo vapor
Cruzeiro do Sul, commandante J
P. Guedes Aleoforado, o qual
depois da demora do costume se
gira para os portos do norte.
Desde j reoebem-se passaaeiros e engaja-se j
carga que o vapor poder conouzir, a qual deven
ler embarcada no dia de suaehogada. Encommen
das e dinheiro a frote at as doas horas do dia d;
i ua saluda.
Nao se reeeliem como encommendas senao ob-
lectos de pequeo valor e que nao excedara a 5
arrobas de peso o 8 palmos' cbicos de modi-
cao.
Tudo que passar destes limites dever soi
embarcado corno carga.
Previne-se aos Srs. passageiros que as passa
gens so se recebem na agencia rua da Cruz n. 57
I* andar, escriptorio de Antonio fcuii de Oliveir.
Azevedo A C.
Previne-S) aos interessados que na ageneia
nao se recebem cartas.
Na agencia nao se r.-cebom cartas os inters-
asilos devem leva-las a > correio
' I>e I saceos de farlnfca de
mandroea avavldas.
m ME
o agewe Pestaa tora leilaotie 217 saceos com
taruma de mandioca com toque de avaria chega^
(tos ltimamente donerle do imperio, em um ou
nuis lotes a vontade do comprador, onarta-feira
lo do-eorream as 11 horas em | ponto no trapiche
aitandegado do bario d > Livramento no Forte do
Matos.
0 MARVILHOSO REMEDIO DO
DE. CHAS. DE GEATH.
OLEO ELCTRICO
KINGOF PAIN
0 IEI-M I0B
PAMA 1 W> ITTfillMO i; i:\TERMO.
Cura cholera e cholera morbos.
Warrliea, flux o do sangue, em n rara Lisboa.
O brigue porlnguez Ovarewe, capillo A. B. Car-
neiro, recebe cirga e passasniros : tratase com
os consignatarios E. R. Rabello & C, rua do Com
merejo n. 48.
Para o'Prto
Sshir at 2o do corrente a barca portugueza
Claudina, de marcha, anda recebe alguma car
ga e passageiros, para os quaes tem excel lentes
coramodos : a tratar com Cunha Irmiios & C,
rua da Madre do Dcos n. 3i, ou com o capitao a
bordo.
De predios e terrenos
Urna casa terrea n. 11 sita na Baixa Verde Capun-
ga com 1 rtorta e 1 japalla de frente, 2 salas, 2
' quartos, cosinha frn, quinfal murado, s lo
propro.
Urna dita dita n. 13 contigua a ca-a cima com 2
, salas, 1 quarto, cosihl fra, quintal murado,
solo proprio..
Um terreno proprio no i-esmo lugar sendo parte
alagado do a contar do oltao da-ras n. 11.
Um dito no mesmo lugar, todo aterrado com 56
1|3 palmos de frente el de fundo a contar
do alinhametito-ila estrada at ebecar ao oitao
da casa n. 1.1 e
Urna qnrrta paite da ca a terrea n 6 sita na rua
.da Esperaifa no lugar do Caminho Novo, em
solo proprio.
O agwtc artins far lelro por mandado do
lllm.Sr Dr. juiz de orphaos dos predi s e ter-
mos rima para pagamento dos eredoros ao ca-
sal do finado Izidoro dos Anjos da Porcuucula. "
" Quiatafeira I7du estrrente.
No armazeiu da rua do Imperador u. 10, as 11
horas do dia.
Sores de calseca, e dores do outido em
.(res minutos.
Dor de denles, era um minlo.
Neuvralgia, em araco-uiniitos.
Desloca^es, em'viole minutos.
Gargantas notadas, em dez minlos.
Clica e colvalses, enucinco minatos.
Rheumrjismo,\em urania.
Febre e febre intermitente, em um dia.
I
^wa o Porto.
Vai sabir com brevidade a barca Portugueza
Amelia, de prneira marcha, por j ter grande
parle da carga engajada : para o restaute e pas-
sageiros trala-fe com Uallhar Oliveira & C, rua
do Vigario n. 1.
0 doble Imposto
il.:s cutas registradas vindus do sul e
pxistenles na administracao do correio
Uo!ac\i
norte
deMa cidaio.
Alfredo E. de Oliveina, Antonio Jos Rodrigues
dos Cotias. Antonio Gomos Neto, Antonio Francis-
co das ('.hagas, Antonio E. da Silvcira, Antonio
Pedro Ferreira Lima, Bailar Oiveira & C, Canii-
da TaT-a Vilelia Ros, Cosme de S Pereira.
Oros Augusto Lino de S id, Cypriano T. G. Al-
eoforado, Canuda l,loa do Espirito Santo. Emilio
leronvmo Ferreira, Emilia Nobre de Almeida cas-
ero, Francisco de Assis Penna, Francisca Candida
da Silva Yaz, Francisco Htniz da Silva Ferraz,
i'ranc-ce de Peala Corroa deAraujo, Fabricio
Gomes Pedrosa, Hermogenes S. Tavares do Vas-
ilos, Hermenegildo Antonio R. de Almeida,
leoriqae da Silva Ferreira Rabello, Jnaquim de
i ira Maia Jnior, Joaqturn Candido Ferreira
i, Joiquim Pires Hachado Porlella, Joao Jos
W i lerlejr, loe Chrisostomo G. Rosa, Jos
n de S.siza Limoeiro,Jos Mendos Vieira.
-osephina de Oliveira Cabral, Jos Augusto de
Aranjo, Jjs Duarte Pereira, Jos Ribeiro de Bri-
o. J s Gomes Villr, Jos Pinto do Magalhiies,
T. Gwcalves FialUo, Jos da Silva Loyo &
i Victorino de Rezende A C. Jos Tibor-
reir de Magalhaes, Lino do Monte Carmello
- toe! de Almei Carioso, Leandro Mar-
I ^ii iras. Mearon i C, Marciano G. da Ro-
Uanoel dos Santos N\ Oliveira, Nicols Italia-
no, Narciso Francisco Vidal, Pereira di Cunha,
i y. Maury, Pedro O. de Sijueira, Pedro Fer-,
reir Brando, Paulino Rodrigues Fernandes Cha-
ces, Prxedes da Silva Gusr.io (2), Seraphim E.
'. dos Anjos, Thotii Lopes de Semia.
THEATRO
DA
CAPU1VGA.
Grande e variado
ESPECTACILO PASTORIL
ob a direc^o
no
Artista dramtico
PBR0 BAPTISTA DE SANTA ROSA
Quarta-feira, 10 do corrente.
1ECITA EXTRAORDINARIA E ULTIMA.
.'( que a orchestra. (dirigida pelo assas dis-
fessor Francisco Libanio Colas Filho)
tiver cxe:utado urna de suas mais brilhantesOu
tras abrir-se-lia a scena com o toque de alvora-
I .'sempenhado pela mesma orchestra, no fim
nal subir a scena o VAl'DEVILLE PASTORIL
logrando espectculo, ornado de arias, coros e
iiiifai era dous- actos o mesmo fue foi scena
K-cecutado pelos artistas Cesar o Vicente.
Us acrbatas cfsar o Victnte, fazeirr parte da
companhia equeslre do Sr. Marcos Casali, que
se acha de passagem nesta capital. Para satisfa-
zereai a innmeros pedidos, prestam-se, com o
consonlimento do seu digno director, a tomar par-
le neste espectculo exhibindo alguns de seas na-
raviraoso trabalhos, certos de que o rcspeilavel
publico Pernambucano, tan Ilustrado como o das
pnneipaes cidades da Europa, nao deixar de
apreciar os seos dillicois o arriscados exerccio.
O resto de bilhetes de camarotes, cadeiras o
geraos acham-se na estacao do llocfe pelos presos
ixlabt-lecidos, ha vendo tr m'depois do espectcu-
lo, cup toca en iodos os pontos doeslylo.
O divertimento principiar ;u ', horas e tiet
qu:rtos.
Ordem do espectculo.
1".Primeiro acto de Arthur.
2oTrabalhos acrobticos.
/ ''Segundo acto de Arthur.
4oTrabalhos acrooaticos.
Si"Caf cantante.
6oO matnto aparvalhado.
Trabadlos acrobticos^
Porto.
Vai sahir breve a barca Laura para oarga t
passageiro"!, trata-se com os consignatarios Ccrva
Iho & Nogueira. na rua de Apollo n. 20.
~>ara o l'orto
a barca 7or d.r S, Simao sahir brevraente, por-
que j tem parte da carga engajada ; para o resti
e passagens, trata se com os consignatarios Car
va Iho A Nogueira, na rua do Apollo n. 20.
Illia de Faial
E' esperada uestes poucos dtas a barca portu-
gueza miade, tem a mi pouca demora ; e para
passageiros, para os quaes te n bellos commodos.
trata-ie eom Juo do Reg Lima, rua do Apoll
numero 4.
De 8o queljos de Minas c 9 di-
toa grandes fflitases,
Quinla-feira 17 do oriente.
0 ajenie Pestaa fani leilo por conta e risco
de quem pertencer de 80 ipi.-ij ti de Minas e 2 di-
tos suissos em lotes-a vontade : quinta-feira 17 do
corrente as 11 horas da minlia no largo da al-
fandega,
AVISOS MARTIMOS.
COMPANHIA PERNAMBCANA
DE
\';tvega?o costeira por vapor
Mamanguape.
0 vapor Mandtih, commandante
Julio, seguir para o porto ec tna no
dia 28 do corrente as 6 horas da
tarde. Recebe carga, encommendas, passagei-
r s e dinheiro a frete al as 3 horas da -larde
do d a da sahida : escriptorio ro Forte do Malos
n. 12.
COMPAMUA PERNAMRUCAiNA
DB
Navegagdo costeirapor vapor.
Porto- de Galliohas, Rio Formse e Taman-
dar.
O vapor Parahyba, seguir para os portos ci-
ma no dia 20 do corrente meia noite. Recebr
carga, encommendas, passageiros e dinheiro a fre
to no e?eriptorio do Forte do Mattos n. 12.
Porto por Lisboa _
Com a maior Lrevidode vai sabir para os refa
ridos portos a barca'portugueza Claudia, de pri
meira marcha u primeira classe, por ter a-maiot
parto da carga prompta, e para o resto que ih<
falta e passageiros, Irata-se com os consigna-
tarios Veras & Barbedo, ao caes da alfundega ve
Iha n. 2. ._________________________-
PARA LISBOA
a barca portugueza Gratidao dever seguir eorr-
a menor demora possivei ; para cartn o passagei-
ros; trata-se ci.n o? consignatarios Oliveira Filbf
4 C.,_no largo do Corpo Santo n. 19, ou com v
capitn na praga do commercio.
Para Maranhao eFar
O brigue nacional Santo Amaro, caplao Caeta
no Alves Uvas, pretende seguir com a maior bre
vidade possivei para Mamiho c Para, por ter
parle da carga prorata, engaja-se a que precisa
e rerebe passageiros, a tratar com os consgnala
rios Marques Barros & C, no largo do Corpo
Santo o. 6, 2 andar.
Para o l'oio.
Pretende seguir o mais breve possiv.-l para o
Porto a barca poriu ueza S. Manoel ti, capitao
Jos Antonio dos Santos, recebe carga a frete e
pnaageins, a tratar com Marques, ilarros & C,.
na praca do Corpo Santo n. C, 2 andar ou com
o capitao a bordo.
Da armacao e ntencilios di relioaco da rua Im-
perial n. 201, constando de taixas, pipis para
caldo, banca, moiuho, balaooae e pesos o mais
pertences para o fabrico doassncar cuja rvlina-
cao seachabam coilocada tanto pira as com-
pras dos assucares na porta contj para as ven-
das do mesmo.
Sexta-feira 18 do corrchle.
O agente Manins competenteinente autorisado
far leilo da-reftnacio actnfa as H horas do su-
pradi'o dia.
2L
COMPANHIA PEttNAMMUCAiXA
DB
\avcgvo costeira por vapor.
Goianna.
O vapr r Parahyba, seguir para e
porto cima no dia 16 do corrente,
as 9 horas da noite.
II cebe carga, encommendas, pa sageros e di-
nheiro a frete no esGriptorio do Forte do Mallos
n.H.____________________________.
COMPANHIA PERNAMBCANA
DE
Vivesa?5o costelra por vapor.
Macei escalas, Peoedo eAracaj.
O vapor Potemgt, commandante Mello, se-
guir para os portos cima no dia 15 do corrente
as 5 horas da tarde. Recebe carga at o dia 14,
encommendas, passageiros e dinheiro a frete at
as 2 horas da tard do dia da sahida no escripto-
rio do Forte.do Mattos n. 12.
Para'
Pretendo seguir em poneos dias pare o indicado
porto a barca portugueza Despique 11, por ter a
maior parte deveu carregamento prompto, epara
o restoque Iho, falla, quo recebe a tretei muilo ba-
rato: trata se cora o consignatario Joaquim Jos
Goncalvcs Beltro, rua do Commercio n. 17.
Part o Rio Grande do Sul
pretende sahir com a maior brevWade possivei o
brigue potjuguui Rtalidade, de.Ia classe e mar-
cha, por ja ter parte do carregamento engajado:
Sara o reftanM trata-se com os consignatariof
altar, Oliveira & C, rua do Vigario n. 1.
Para o Porto
a barca portugueza Novo Silencio seguir con
a brevidade possivei; para carga e passageiros.
trata-se com os consignatarios Oliveira Filhos a.
C.,_no largo do Corpo Santo n. 19, ou com o ca-
pitao na praca do commercio.
NO
Bi rancie do Xorte
DOS
Salvados da barca ingleza Gat-
bava.
No dia 21 de fevereiro corrente rao praca na
eidade do Natal, provtneia do Rio Grande d Nor-
te, 23 caas cr.m mooilia, 4021 taboas o pranchijes
de pinho. 4008 pcrus de pinho. 400caixas com
therebentina, gaz e banha, 10 c.iixas com velcci-
pedej, 125 ditas cot eonsorvae de laiistas e os-
tras, 10 ditas com eabides, 1 dila com objeclos para
photographia, 8i ditas com ferragims, li ditas com
tachas de cobre, "."i barris cem prego, 144 caixas
eom sais; parrIba e Inico oriental, 21 caixas com
quinquilbarias, 20 barris rom carne salgada, e
porejio de-objectos nao qoalilicados.
Dalos.
Toases perigosas e fados em un dia
Pioctcsia, etn m dia.
Sutdez e astbna.
. Hemorrhoidat e broncliites,
Imllamacio nos ros.
Dyspepsia, eryjipelas.
Molestia de* Agirlo.
Palpitacio de. carasio.
Resee semp este remedio na sua familia
AS DOENCAS SE AHESENTMI, Q'JAND MENOS SE ESPERAM.
OLEO ELE(?ffiIGO'0 ^Dg of Pam (O 9ei di dor) quinta e positivamerXe dis-
sipa mais do dilTerentes molestias e doresj e aliivia mais os soffrimentos e prodoz nm
mais parcito eqwlihrio no syatema bomano, e que nao ge pode elwuar be mesmo ttm
po, con#qualqnor ouiro reaediomedicinal.
"Esto muid i popular rcm dio est'agora ueando-sc garalmfnle. peta razao ir
mtlbares de pessoas se tem turado gratis com o dUa.remedio rielo Dr. Grath e ouiros
mais.
Este importante renfldio nao se olerece-.para curar todas as dooncas, porm
to somente para aquellas estipuladas as nossas direecoes.
Est operando nos principios da cnanica e da eletricidade e por jsso, est
applicavel para o curamento e para a restaurado da aegao' natural dos orgos que so-
ffrem da irregular circuiarSo dos fluxos dos principaes ervos. Oleo elctrico O Kiop
of Pain opera directamente nos absorventes, fzendo desaparecer as inchacCes" das
glndulas etc. em um tempo incrivel, breve sem perigo do sea oso debaixo de qoahjuer
circumstancia.
O remedio nma medecina para o uso externo e interno, cnmjollo eos ele-
mentos curativos, rai/es, iietvas e cascas, laes como se tem usado dos nosos anfepas-
sados, e dis quaes tem grandes existencias no mando, par turar todas ae.molestia
somente snliendo-se qnaus ellas sa\>.
Foi um grande p npecM desejo da faculdade de medicina duranto|jjmfto>9 an-
nos de experiencia para aprender os melliorcs modos que-se deviam adoptar para curar
as Sfgiiintes diienras. eqne proporedes do medicina su di-via usar.
NICO DEPOSITO EM PERNAMBUCO
NA PHARMACIA E DttOG.MtIA fK
Bartholomeu & C.
34Rua Larga do Rosario34
Aloga se umi, sen
muito lefia : a trat.-,r
Ama- do lcito,
i p'cravi. :inm lln n i;om
a rna d> Omc* n. 2t)

Ama,
Atten(?ao.
Precisa-se de ama ama para casa de pouca fa-
milia : na rua da Cadeia do Reeife n. 17.
Antonio do llego Medeims com estabeleci-
mento de molhados, sito a estrada niva de Santo
Amaro n. 60, declara ao corpo do commercio, que
lendo de fazer uina viagem Europa, admettio
como socio de sua casa seu primo o Sr. Lniz Ca-
bral de Medeiros, gyrando de boje em diante sob
a razio social de llego & Cabral. ecifo lo de
fevereiro d 1870,
Antonio do llego Medeiros, com cstbeleei-
mento de molhadoj na estrada nova de Santo Ama-
ro n. 66, declara pelo preseuto que jnlga nada de-
yer nesti pracae noni fra della ; e so algucm se
julgar credor, queira apresentar sua conta para
ser pago immediatamente.
Hospital Poriugiiez de Beneflc^n-
cia em rernainhiico.
Em curaprimento do que dspoi os estatutos
que regern e.-ta associadao, cabe-mo o dever de
convidar, rogando a todos os genitores socios do
Hospital Portugucz de Beneficencia em Pernam-
buco para se rjunirem domingo, 20 do corrente
mez de fevereiro, as 10 hora da msnlia, na casa
das respectivas sessoes e sitio do referid > Hospital
denominado Cajueiro, afirn de constituida a assem
blca geral, proceder-so de conhrmidade com os
irte 29, 30 e % 17 do art. 39 de? indicados estatu-
tos, a posse da nova junta administrativa, quo
tem de funecioaar no presente an-io do 1870.
Secretaria do Hospital Portnguez do Benecen-
eia em Pernambuco 15 de fevereiro do 1870.
Francisco ioo do Barros,
Provedor.
PBECISO.
Na raa larga do Rosario n. 31, precisa-se de
nm caixeira de 4 a 16 annus, que tenha
de taberna.
pratica
!() abaixo assignado avisa ao publico que se
acha autorisado pelo Exm. Sr. coaselheiro inspec-
tor da Ihesourana da lazenda geral, para vender
cm seu estabelecimento roa. do Crespo n. 23,
cstampilhas para sello pelos mesrno3 precos ven
didos ua recebedoria geral; pelo que o publico
sempre encontrar a quantidade ijne quizer de
lodos os precos ; podondo a pessoa residente fra
da eidade dingir-se ao abaixo assipnado, fazendo
os seus [jedidos, que serao promp/amenle satis-
feitos.
Manacl Marlins Fiuza.
Assoeiaqao Commercial Benefi-
cente.
Os senhorc pocio da Assoriacao Cimmercial
Beneliciente e que sao consenh< res. di) eJilicio, pelo
prestnte sao convidados a recebe.rem do Sr. the-
soureiro Williim Otto (de l at 3 horas da tarde
e munidos com os respectivos documentos) o divi-
dendo de 5 o" sobre a imprtasela das partes que
liverem no mesmo edideio.
Associacao Commercial BcneQconte 15 de fe-
vereiro de 1870.
t Daniel Ramos,
Secretario.
Ausentous ae-30-de jan -tro passado, da ca-
sa de Jos Ignacio, livrador do engenho Noruega
da fregu;ia da Escada. o escravo de nona, Ma-
noel Baela, iJade de Vi annos, baixo, cheio do
corpo, nariz chato, falta da dentes, e olhui bas-
tantes afoRueados, lovanlo camisa e serolla da al-
Kodao da Rahia e chapeo de biela pirdo e j ve-
Iho, la tempo fugio ello e foi agarrad) nesta ei-
dade. Q;iem o capturar leve-o ao referido enge-
nho Noruega, ou a Albino fosa Furreira da Cu-
nha no largo de S. Padro n. 17 qua ser genero-
samente recompensado.
O abaixo assignado lendo da ir a Europa
tratar do sua saudo, doixa como seus procurado-
res, em lugar seu socio e primo o Sr. Luz Ca-
bral da Medeiros, cm 2 o Sr. Jis do Rago Bor-
ges e em 3o o Sr. Manoe! Jos da Silva Oliveira.
Itecife, 10 de fovoroiro de 1870.
______ Antonio do Reg Medeiros.
Fugio no dia 10 do corrente mez a cabra Se-
venna, com os sigoaes seguintes : altura regular,
cheia do corpo, testa estreita, olhos pcqjenos o
tieijos bastante rxos, tem o dedo minim i da mao
esquerda am pouco dobrado para a palma da rao,
representa ler 40 anuos pouco mais ou menos ;
levou vestido de chita eniarnad:i, com urr challes
de chita com barra azul ; tem o andar um pouco
empanado para a frento : dasconli-so que esleja
occulla em alguma casa, pelo que se protesta con-
tra a pessoa que a tiver om casa, obrigan'l) se pa-
gar os dias de servido : roga-sj s autoridadis e
capites do campo que appreliendun-a e levem-n'a
rua do Sobo n 29, ou rua do Amorim n. 39,
que ser generosamente recompensado.
Alugase urna preta escrava, boa coziuhoira^
a tratar na rua da Concordia n. 38.
Al':...'a-se ou vndese urna casa com baslanle
commodos \\& eidade nnva ile Sanio Amaro: ta-
lar eom Joaquim de Sotua Nevea : rua dis Cru-
zo n. 0,
Precisa-se de urna ama. livroou escrava,
para o servida interno de urna casa de.nouca fd-
milia tratar na rua Dirciln n. 88, 2J Indar.
Na traveasa da rua das Crines n. 2, 1- an-
dar, precisase fallar ao Sr. Porfirio Antonia Pe-
reira a negocio de ?eu interesse.
AMJl
Precira-se de tima ama para cozinhar epi casa^
do pessoas solteras : na rua da Madre de Dos
n. 3i.___________________________________
Farinha de manioea
Vende-so superior farinha de mandioca em sac-
eos : no escriptorio do Antonio Luiz de Oliveira
Azevedo & C, rua da Cruz n. 57, 1 andar.
Na prac,a da Boa-vista n. 2, 2" andar, pree-
sa-se de urna ama de lcito que *eja escrava, paga-
se muito liem se agradar.
Em re-sposta ao aimuncio de Sr. Dr. Antonio
Borge* da Fonseca, como procurador do Sr. Ma-
noel Duarte Rodrigues Pinto, em conle.-tacao ao
nosso annuncio de 11 do mez corrente; temosa
dizer quo o Sr. Manoel Duarte Rodrigues Pinto
compra moeda, nao ha duvida, mas por m #
considerada a venda ft ita moeda nao excedenda
a 40 dias, e o Sr. Pinto devo saber, pois i*to pra-
clie nossa, e mesmo pelo que Ihe temos dito, e por
compra que dinelameiile j nos fez, de levar
fazenda c nao a pagar loer-, Descnlpenos
Manuel Duarte Rodrigues Pinto so se offendeu coui
o nosso annuncio, ao que vamos dar uo-^sa ordem
para ser retirado. Sanemos que o senhor hu-
menvde hem e honrado, o nos merece toda a cb-
fianca, e tem crdito para o que quizer comprar
en Bom casa, e por esles motivos temos precen-
dido de documentos, como ce.stuinamos lser com
muilos em idnticas circumstancas ; mas espera-
mos que o senhor, como e homoin de bom no tem-
po competente, satisfaca o que tratoii verblmcn-
te.C-irtn Irmos.
Precisa-so alugar urna casa lerrea ou um so-
brado com coramodos, na eidade de Olinda, om al-
! gnmas das seguintes ras : S. liento, ladeira da
Ribeira, ladeira da Misericordia, e rua do Ampa-
ro, nao se duvida dar bom aluguel se agradar :
quem tiver deixe carta fechada cora Ss iniciare
J. A. F. nesta typographia, on annuncie.
COMPANHIA PERNAMBCANA.
5 OlVIDK.Nno.
Do ordem do conselho d direceao se communica
aos Srs accionistas que o pagamento do quinto di-
videndo razo de 10 por cont, ter lugar do dia
8 de marco prximo vindouro em diante, no es-
criptorio da companhia no caes da Assembla
n. 12.
O gerente,
V. F. Borges.
Sociedade Patritica Doze de
Setembro.
A reuniao desta sooiedado marcada para boje
16 do correle, boa transferida para o dia 18, vis-
to achar-se o salao do Club Pernambucano t>ccu-
pado cora os trabalhos de outra sociedade.
Secretaria da sociedade patritica Doza de Se-
tembro, 15 do fevereiro de 1870.
A. Lamenha,
Secretario.
esquina
rua l$rga do
Rosario.
M^O*MA M1KC JtBM^LS
Este importante estabelecimento no sen genero, tem sempre nm sortimento sem ignal,
e vende por presos qne nenhijtma outra casa pode vender.
vista da qualidade e do pre Oarante-se ser tudo de le. Compra-se ouro, prata e pedras finas por prepos muito ele-
vados.
A loja est aberta at as 9 horas da noute.
esquina
da rua largado
Rosario.


Diario de PernanAuco A ESMERALDA
i
LOJA DE JOIIS
DI
&C
[INSTANTNEOS
Travessa do Corpo Santo tuSo
ARMAZEM
Ba Nova n. 38, toja.
Band eir, Machado 9c C, avisan ao respeitavel
publieoqHe non lugares cima encontrar* no roes-
mo sempre grande quantidade de ditos pocos, e
que e acham habilitados para vender por nonos
quo oatro qualqoer, por isso que os receben} di-
rectamente do fabricante Norton, de Londres.
As vanlagens que offerecern os pocos instant-
neos sao : primeiro, poderem ser coHoeados den-
tro de casa ou (ora, cora o traballio de ama a dnaa
horas; segando, fornecerem os mesmos agua pa-
ra e abuedante, podeodo seren removidos de uin
pan outro lagar, quando asshn comier.
Os .anunciantes s reeebxro a importancia dos
referaos pocos depois de collocados, satistazendo
espeftativa do comprador._________
No mais cabellos brancs.
A tintura japoneza para lingia os cabellos
da cabera e da barba, fei a nica admiltida
Expostfo Universal, por ter sido reco-
nbecida superior todas as preparacbes at
boje existentes, sem alterar a sade.
Vende-se a 1$000 cada frasco na
Rtia da Cada n. 51,
1. andar.
aTTENCa)
Tendo o abaixo assignado remettido no ia quin-
u-folra t7 do correte, para* cidade de Naza-
reen, onde reside, diversos fardos de fazendas em
am carro, conteceu desaparecer cu caminho um
dos fardos, o qaal contralla as seguales lazendas:
urna pega de casemira preta, 12 mantas de tapete
pa ra cavallo, 3 pecas de cambraia de cores, 12
chales de mirin lisos, 6-ditos pretos estampados,
e outras muitas fazendas.
O abaixo assignado peda as autoridades poti-
ciaes que se dignem tomar em eonsideracao o seu
anauncio aQm de apprehender-se ditas fasendas
ou descobrir quem as furtou ; assim como offere-
ce urna gratificaco a quem levar noticias exac-
tas dessas fazendas noRecife na loja dos Srs. Per-
digan Oliveira & '".. roa da Gadeia n. 33, ou na
cidade de Nazareth em casa do anunciante.
Nazareth, 29 de Janeiro de 1870.
Antonio Aureliano Lopes Coutinho Jnior.
Este antigo estabelecimento, completa-
mente reformado le novo, est as cond-
$oes de servir ventajosamente os seus fre-
fnezes, visto qne acha-se prvido com um
plendido sortimento de obras de onro e
rata de lei, assim como brilhantes e ou-
tras pedras preciosas, ujos preqos sao os
mais mdicos que se pode encontrar.
As joias compradas nesta casa recebem-
*e em troca ou compram-se com pequeo
abate.
IDA DO CAIDliA \ 5
Aluga-se
O segundo e terceiro andar do sobrado ra
do Amorim n. 39 com muitos comniudoj para fa-
milia : a tratar na armazem do menino.
ATTENQhO
As senhoras quo tiverem aiguma menina ou
cria, querendo mandar ensinar a toda qualidade
de costara e bordado*, marca e toda qualidade de
flores, por fcarato preco de 3*000 por mez, vindo
ellas almocadas e ir jantar em suas casas : na ra
estreita do Rosario n. 35, 1 andar.
Aluga-su ama casa na ra de Aguas-verdes
n. 28 : quera pretender dirija-se a rna do Ara-
gao n. 18, que achara com quem tratar._____-
so*
Na travessa da ra
das Cruzes n, % pri-
meiro andar, da-se di-
nhelre sobre penhores
de ooro, prala e brilhan-
tes, seja qital for aqnan-
tia. Na mesma casa com-
pram-se os mesmos me-
taos e pedras.
11Ra do Queimado-11
AUGUSTO PORTO, ten<1o recebido directamente da Europa riquissiiuos cor-
ita de vestidos ftV blond para w-ivas os pxpoV v na pelos mais mdicos .presos. No
aesmo cstabe eciin >nto lia constantemente completo sortimento de .faz indas Gnas como
ajara :
Cortes de setim d cores e ditos de seda dos mais legantes gostos.
Colchas de se-a de corva, ditas de damasco e laa, ditas de croehs e de
*ost_o branca pura eatttai todas muilo lin ias
Gortiaados bordados p--ra c mas e janellas de militas qualidades e precos.
Vestidos brancos bordados, c rnbraias bordadas, Qls, tarlatanas e cambraias
isas e transparentes de muitas qualidades.
Gorgueo prrto para wMii'o.s, grosdenaptes de todas as qualidades, merinos
-pretos. alpacas, bomhasinas, pretas. pannos pretos e zoes, csemiras pelas e de cores
a grande vari lade de. todas as f zondas tanto para a prafa como para o matto.
Fionhas de cambraia de linh bordadas, e toalhas de cambraia de linbo borda-
da scom muilo gasto.
AlgodS liso e trancado, azote de lislras, madapolao, chitas e todas 88 fazeji-
>as para fabricas de engeniio as quaes venden) a dinli.iro. pe os precos das casas in-
glezas, Este.^te e^tabetcimt.toha Seropre o mais esplendido sortimento do
Ssteiras da India p ra forrar sala, que se wnde mais barato
do que em outra qualquer p;;rte.
55Ra da Imperatriz55
F. Gautier, propiietaiio deste importante estabelecimento tem a honra
de participar ao respeitavel publico que acaba de ebegar da Europa para on-
de linha ido especialmente para contratar peritos officiaes e que conseguio
conrata-lo- fia pnmeira casa de Pars, por isto julga que todos ficaro satis-
feitos dos irabalhos do seu estabelecimento cojo excellente materjal ainda
fot augmentado com novas machinas que ja recobeu e tambem muitas drogas
novas cono as quaes se obtem estas maravilhosas cores modernas t5o apreci-
das em Franca e em todo o mundo,
Tinge, lava, limpa, lustra, achamalota cora a maior perfeico fazendas
em pecase em obras de todas as qualidades como sejam: seda, la, algodao,
iinlias, chapees de feltro e depaiha etc., etc.
Tira nodoas e limpasecco sem raoihar os-tecidos,conservando assim
todo o brilho da fazenda.
Impressoes sobre tecidos
com este novo syslema, os vestidos de seda e outras fazendas que al agora s
podiam titrgir-se'de cores lisas, podem receber -um bonito desenlio de cor
diversa, a eseolha, o que realca a fazenda e lite d mais merecimento.
Tintura; preta, terqas e sextas-feiras
As pessoas das provincias limilrophes que quiterem'utilisar se do seu
estabelecimento podero mandar o que tiverem, na certeza de srem tao bem
servidas como no Rio de Janeiro ou na Europa, e com mais prestesa por
causa da distancia.
ma l"
I re
9a-:l
I
DECLAHAQAO. 05
Pessoa competentemente habilitada, 2
I>rope-so a leccionar primeiras letras,
ingua nacional e alguna preparatorios
nesta eapital ou nos suburbios,' que lo-
nham transporte pelas vias-ferreas, uie-
dianto razoavel honorario : a tratar no
pateo do Para izo n. 16, na travessa da
roa BeKa n 10, c na ra das Cruzes
k-37, loja.
AMA.
Precisa-se de uma ama para casa de pou^a fa-
milia : na ra das Cruze? n. 2-i.
Precisase de serventes na nindirao do Bw-
man : ra 1^ Brum n. !ii, pascando'o chafariz.
CASA
DE IMPORTADO E EXPORTACO
J9 C AltRERE
Escriptorio, ra do Vigario n. 5,
1- ANDAR.
Advocada.
9B O advogado Ayn s Gama contina ter fg]
35 seu escriptorio na ra larga do Rosario 52
n n. se. m.
mmmm mmmmrn mmmm
AVSO
O* Srs. Meuron 4 C, fabricantes do rap, na
ra do Mondego n. 107, precisan) de algumas mu-
Iberas para trabalhar na sua fabrica : a quem
ronvicr pode dirigirse mesma fabrica para
tratar. _______.
D. Francisca Lado, Hespanhola, retira-se
para fra do imperio.
Precisa-se de urna ama para pouea
familia : na ra dos Copiares ou anttg-
menle Lobaton. I, primeiro andar.
AO ARMAZEM
DO
Rna Nova u 9,
acaba de chegar pelos ltimos vapores novas re-
messas dos seguintej :
Calcado francez
Para senhoras.Botinas brancas, pretas, e de ou-
tras muitas dtfferentes cores i ultima
moda.
Para meninas.Botinas das mesmas cores e qua-
lidad cima.
Para bomens.Botinas de cordavao. bezerro, ver-
niz, pellica, o melhor sortimento que se
pode desejar.
Para meninos.Botinas das mesmas qualidades
mencionadas para homens.
Para homens.Bolas rucianas, raoias-botas e per-
neiras.
Para homon?, senhoras e meninos.Sapatos de
tapete, aveludados, charlte, casemira
preta, tranca de Lisboa etc. etc.
Para meninos e meninas. Abotinados fortes de
muitas qualidades.
Qumquilharias
Finos nrtigos de Paris, de gosto e phantazia,
como sejam, leqnes. cspelhos, luvas de Jouvin,
caixinhas de costura com msicas, joias de ouro
bora de lei, ditas de plaqu,'cofres de seda e bol-
cinhas para braco, estojos para viagens, 4>engala>,
cbicotinhos de baleia, oculos, lunetas, correntes de
relogios, e perfumaras de Condray e de Piver.
Brinpedos para -enancas
Carrinhos de 3 e de 4 rodas para passeios, eos-
moramas e realejos de diversos lmannos, e un
cem numero de brinquedos francezes e alleraaes
para entreter menin js.
Para evitar massante leitura do tantos srtigos
exwstos venda neste estabelecimento, o dono
pede ao publico .em geral quo se digne entrar de
passeio aflm de verilkarem nao s a grande va-
ridade como os precos baratsimos por serem
todos chegados de cora propria.
imi-iii
Praea^lo Corpo Santo n. 17 primeiro g
andar escriptorio de Joaquim Rodrigues ^
Tavares de Mello, tem para vender :
SFumo em folha de superior qualidade. M
juj V/nho Bordeoux de superior qualidade. *JB
JB Fannha de mandioca em grande por- w
3A ^ao e boa qualidade.
H Gal de Lisboa muifo nova.
3{ Potassa da Kussia. ts
Bolachinha inglezA a 4$
i barrica, e a 240 rs. a libra : no armazem da o>
:rella, largo do Paraizo n. 14.
GUSTAVE
CABELLEIREIRO FRANCEZ
51Ra da Gadeia do Recife51
Chama a attencSo dos seus innmeros freguezes, e do respeltavel publico m
geral, para a seg'iinte tabella dos precos de sua casa, os qoaes s5o vinte por cei'i
mais barato do que em outra qualqoer parte:
Cabelleiras para senhoras a 25)5, Cadeias para relogio a 55, 6,
m, W e......405000 75, 8, 95, 125 e. .
Ditas parahomem a 355, 405 e 505000'
Coques a 1^5, 155, 185, 205, Corte de cabello......
255, 305 e.....505000 r. ... .. .
Crescentes a 125,'155,185,205, '?* *e cabel, com fr,cC0-
255, 305 e.....325000 C01*16 de cabello com lavagem a
Cachos ou crespos a 35, 45, 55, champou. ...... 500t
105000 cabello com limpez da
cabeca pela machina electri-
15000 ca> unica em Pernambaco. ty00*
Frisado ingleza ou franceza. f j#
.... 305000 Barba......... *5I
SSIGNATURAS MENSAES
Especialidade de penteados para casamento
Bailes e solres
O dono do estabelecimento previne s Recommenda-se a superior UNTURA A
Exmas. Sras. e aos cavalheiros que ha um PONEZA para enegrecer os cabellos e l ir
sa!5opara tintura dos cabellos e barba, as- ba- Duica admittida na ExposicSo Univem)
como n5o prejudicial sade, por ser c.
stm como nm empregado smente oceupa- |alj|t analysada e approvada pelas mt)
do nesse servieo. _______ mias de sciencias de PARS E LONDF.E?
TEZOURA DE OURO
DO
65, 75, 83, 95 e. .
Tranca de cabello para annel a
500 e.......
Tranca para braceletes a 105,
155, 205, 25 e
A' roa do Quistado n. 6. primero andar
* 8 pessoas para o servieo e o maior scceio nos trabalhos de barbeamento.
O sal5o estar aberto, nos dias uteis das C horas da manhaa s 9 da nou-
e nos dias santificados das 7 a 1 hora da tard<\
BOLIEIRO.
Offerece-se um rapaz ltimamente chegado, com
>s precisas habilitacoes, para casa particular : a
ratar na ra do Carnario n. 13.
Imperial Instituto de
. S. d Bom (Jonselko.
Arba-se aberta a matricula das aulas de lingua
portugneza, latina, franceza, ingleza, pliil sophia.
rbeteriea, gcngraphia e liisturia, arithmetica, alge-
hra e gp'inietria.
O bacliarel Joao Joaquim Funscca do
Almiquerquo tem aberto o son escripto-
rio deadrcacia em casa de ^ua residen
ra .i na d;is Cruzes n. 30, segundo r.n -
dar, onde podar ser encontrado da 10
huras da manhaa s i da tarde ; o bem
assim cncarrega-se s no jury da eapital como fra delto,
nina vez que hajl eommoda e fcil con11
d uct^o.
Precisa-se de una ama para csiuliar; na
ra de Santa Ruta, serrara a vapor.
Precisji-se de duas amas, na ra do Vigario
o. 26 primeiro andar; sendo urna para cosinhar
o outra para tratar de meninos em casa de peque-
a familia.
Precisa-se de urna va para o servieo de
nnia crianca : no pateo do Carmo n. 5, i" andar.
Attenpao
Casa de commisso de escravos.
Na anliga casa de commissio de escravos, d(
abaixo assignado, ma .do Imperador n. 43, coali
aaa-se a n cebr escravos por eoramissao, tanu
4o malo eotno da fira^a para serem vendidos,
garanio-so o bom irata.nento e prompta venda
jura o que Sd emprega todos os esforcos afim d
-nnfiTiir em ludo s pessoas que o quizerem hon-
rar com sua conaaga. Nesta casa ha sempn
para vender escravos 4e ambos os sexos, velhos <
mocos, assim como ha t da seguranci para os ter
Antonio Jos \. de Souza.
Bichas hamburguezas
Keste novo deposito recebe se por todos paqae-
Mttraoslaoticoc bixas de qualidade superior, ven-
Je-seem cai?a ou porcio mai9 peqnena e mah
'j)rau> de quo qualquer nuir. parte ; na ra da
Ca fe n. 51, i" andar.
Preci?a-se paca o Rio Grande do Xorte de um
bom forneiro e um mestre de tnasseira, /ue -ejaro
ambos peritos neste trabalho, embora se pague
bem : a tratar com Tasso Irmos & C., raa do
Amorim o. 37.
O Sr._ Joaquim Jos de Satit'Anna morador
na povoaco de Sedro, mando ou venha tomar con-
ta de um casal do escravos que appareecu na ra
do Fogo n. 18 2o andar, dizendo que visha procu-
rar quem os comprasse ; declaro mais que nio
me respon>abiliso por mortc ou fuga dos ditos es-
cravos.
Recife, 9 de fevereiro e 1870.
Joao Miguel de Oliteira Beranh.
Acha-se fgido do eogenhu Forno da Cal, w
Olind^, os dous escravos Vicente o Vidal, o pri-
meiro cabra, baixo, cheio do corpo, tem um.lo-
binho em um dos dedos, tem 18 annos de idade,
nuco mais ou mens; e o spgundo preto, tem
0 annos, pouco mais ou menos, altura regular,
e secco do corpo : (ratificase cum 100 a quem
pegar o Vicente, e 50#000 pelo Vidal.
COMPANHIA
DOS
TRILHOS URBANOS
DO
ftucura: a9 oIIMDa.
Por ordfm da directora s3o conviiLnlos
os Srs. accidnistas para, no praso de 10 dias
contados do dia 15 do correnle, effectua-
rem a 7a prestarlo de suas acroes na ra
zao de lu/o-
Para esse lim, ser;? enconlraduo Sr. the-
soitreiro, das H huras da manhaa as 2 da
tarde de todos'os dias, no escriptorio da
companhia, roa Pfova n. 35 Io andar, en-
trada pela ru das Flores n. 14.
Keiife, 12 de Fevereiro de 1870'.
Joo Joaquim Aires,
t secretario.
Precisase de um menino |ra caixeiro de
padaria, sendo de 12 a 14 annos de idade, cem
urtica ou sera ella : rna das Cinco Ponas nu
ruero 38.
Aluga-se o f andar do sobrado n. 10 da ra
dn Aragao, bastante fresco e com excellente com-
modo e pintado de novo: tratar na loja de cha-
rutos que tica por baixo do mesino sobrado.
Leiam.
'.-..!...,
Ama.
Xo sobrado a. 3o da ra estrella do Rosario,
precisa-se alugar alguns moleques e uma prctn
que seja cozinheira e saia a ra ; advertQ:se que
os moleques sio para todo o servieo de casa e ra;
na mesma casa fonape-se a I moco e jantar para
fra com asseio e promotidao.
Precisase 'de uma ama para o servi-o do-
mestico : na roa estreita a Rosario n, 4-'J, primei-
ro andar.
ATTENCAI)
CoWiniia a estar fgido o e>cravo |jreto de no
me Jos, idaae 40 annos, estatura regular, corpo
a proporco, pouca barba, alguns cabellos tran-
cos na cabeca, leai unto a J>.icca no peseoco do
lado direito signal do um arranhao cuja cor
mais clara que a I peUe em consoqueacia do ter
sarado ha pouco, lerou chapeo cinzento de feltro,
camisa de chita rxa e ou ra branca e duas cal-
ca parda*, foi cscravo do Sr. Manoel Pereira
Vianna morador no ravat : quem o capturar
lve.o ra do Apollo n. 14, que ser gem-ro*-
mente recompensado
CLUBX
De ordem do Illm. Sr. presidente, convi
do os Srs. socios a reunirem-se em assem-
bla geral quarta-feira 16 do correnle s
horas da noite no lugar do costume afim
de ser apresentada mesma assembla a
demi s3o da directora.
Recife, 13 do fevereiro de 1870.
O secretario.
Miguel C. y Raggi.
CAIXEIRO
Preeisa-se de um caixeiro para casa de pasto :
trata-se a rna do Cordoniz n. 9.
Pre".isa-se de urna creada livre ou eserava
para o ssrvico intorno e pxterno do hospital da
veneravel Urdem 3' do S. Francisco desta cidade.
tratar com o Sr. ministro na ra larga do Rosa-
rio n. 20.
Aluga-se am grande sitio, com muitos arvo-
redns, d >us viveinis, casa, banhoiro e ontros com-
modos para grande familia, porto da e*tacao d->
Manguinho, en1 rada do beco do Espinheiro com
muro e portan : tratar na ra do Apollo n. 30.
ou no mi'smo -itio das 3 horas da tarde era diante
Precisa se de uma ama que compre ecozi
nhe para nma casa de pouca familia: na ra nova
de Santa Hita r. 39.
Precisa-se de um fetor para engenho, qne
seja portugus, paga-se bem : no escriptorij de
Leal & Irmao : ra da Cadeia n. 80.
Ama de leite
'om Criado.
Precia se de um criada de boa
ra de Ssnta Bits n

---- O Sr. PRANCSCO PEREIKA
DE ARRVDA CMARA, (senrior de
engMiho) tenlia a b <1irijir-se ru do Crespo n
17, a negocio, *
Precisa-se d'mna ama de Wte na ra do
nado n. 49, Rival sem segundo.
Qnei-
3RA DAS H0BES-2:>
O duno deste estabelecimento tinge, limpa e achamalota com a maior
perfeigav possivel tudo e quaiquer objectode seda, 13a, algodao, em pecas
oa em obras, chnpi s de feltro, palha e manilha etc., tira mofo das fazen-
das e faz todo o mais concernente sua oroflesSo, tudo com brevidade, visto
como se acha prvido dos necessarios raachinismos e petrcihos.
* Otto Sclmeider,
CAAA DA E.
Aos 20:000^000.
Bilhetes do Rio venda : ra do Cabug n. 1
nde Vieira A Rodrigues
Ama de leite.
Precisa-se do uma ama que saiba cozinhar o
diario de uma casa, prefere-se eserava : a tratar
na ra do Imperador n. 12, escriptorio.
O advogado Manoel Joaquim Silveira pode
-er procurado para os misteres do sua proassio
em seu escriptorio rna do C.fspo n. 12, 1 an-
dar, das 10 horas da manhaa s 3 da tarde. Reside
ra da Conquista (Solcdade) n. 4.
Precisa-se de um cozinheiro ou ceziuheira :
1a ra do Imperador n. 73, 2* andar.
rffl-l
m
O Dr. Aprigio Justiniano da Silva Gol* m
maraes cuntiua com ttn escriptorio J
ra do Imperador n. 27, e resido ra .
do Seve (ilha dos (tafos) n. 22.
Xa ra Dircita n. 101 lava-sc e engomma-sc
cun perfei(o e pnmptidao.
G4EM VaL
Grande rcmessa de borracha para o fabrico do
limas para e entrado, da melhir que aqu tem
vindo, na ru Dircita n. 53, c na ra Nova n. 39
e 16, por menos preco do que em outra qualquer
parte.
Na prac da Independencia n. 33 se da di-
iheiro sobre penhores de ouro, prata e pedra:
ireciosas, seja qual for a quanlia; e na iesm
'asa se compra e vende objectos de ouro e prata
i igualmente se faz toda e qualquer obra de en
-.oinraenda, e todo e qualquer concorto tendentt
mesma arte.
Precisa se de uma ama de leite : na ra Din ita
Quinero 8.
Aluga-se um rapaz qne sirva para coinrias
c mais servigo di casa : na ra do Imperad-.: n.
73, 2- andar!_________________________
Precisa-so de uma cozinheira : na ra do
Imperador o. 73, 2 andar______________
Senhores barcaceiros
on doiios de barcada-.
Em dias de aVienibro do nnno pa*sado
luoii--e um embarque na escadmha ila alfindega
para o Pilar na barcaca Flor das Alagoa, entre
oulrus gneros einbarcou-se um barril de quarto
em pipa de banha de. porco ; c como no rhegas-
?o ao son destino presnine-se ter embarcado em
alguma das muitas barracas que estavan earga
DaqueHa occase : quem estiver de pd*ft dell? ou
do sen valor, querendo restituir para leMDrargo
de con'ciencia, en tend-se no escrint i i de Tasso
limaos & C, q ie est > autorisados a gratificar
com ppneio>iilade.________________________
_ Precisase do uma criada que tenha viajado
para acoinpaniar urna familia at Portugal, c tra-
tar de ama crianca : qoeifl estiver not;,s condi-
(3es, dirija se a fu estrella do Rosario n. 47.
Peljo, gomma e cera eos, vende-se por precos commodos: na ra di
Madre do Dos n. S, Io andar.
Os abtaos assignado?, attendendo a qae mu!
pessoas para nao tem as e^tacoes publicas, d-
sejavam ter nm ponto commemal, onde podesseni
proverem se de e?tampilhas do salto adbe:-ivi
para juas traniaQues ; reslveram te las cm sen
tslabelccimenlo. para o que se acham autorisa-
dos pelo Exm. conselheiro inspector da '.hesoura-
ria de fazenda. Por tanto, quem d'cllas precisar
pode dirigir-sc ra do Oneimado n. fi, ondea-
acharan de todos os valores, sem a^oressimo no
seu custo primitivo.
Recife, 10 de fevereiro de 1870.
Bastos & Irnvv;s.
AMA
Na ra do Torres n. 16, 2o andac, precisa se de
uma ama que cozinhe, compre e eagommo para
nma pessoa._______________
USADA FORTUNA
Aos 5:0001
Bilhetes garantidos.
\ raa do Crespo n. 23 e casas do costume.
O abaixo assignado, tendo vendido alm de ou-
iras sorles, um inteiro n. 1500 com 5:000^ da
lotera que se acabon de extrahir a beneficio da
oraem 3' do Carmo do Recife para fundacao de
um hospital (13ii'), convida aos possnidores a
virem receber na conformidade do costume som
descont algnm.
Acham-se a venda os elizes bilhetes garan-
tido* da 2* parte da lotera beneficio di Igreja
de N. S. do Livramento de Pao d'Alho (137') que
se ejtrabir qninta-feira 1-^do corrente mez.
Precos.
Os do costume.
Manoel Marlins Ftuza.
' CRIADA.
Precisa se fie uma criada para o servi;o interno
de urna casa-de humera solteiro : a tra'.ir na roa
larga do Rosario n. 24, 2o andar.
Precisa-s
Precisa-se alagar nm escravo para servieo de
hotel : ra das Cruzes n. 39.
Engenho a' arrendar
Arroda se o engenho Estrella ou Machado, de
inimae*, moeTHe e corrente, junto i Furmoso, eom "mbarqse na porta ; bom como o
engenho Mimiivto, as rwemas condi^oes, junto
ao povoado de Ip ) n. 19.
Precisa-se alugar am pequeo sitio
aos arrabaldes desta cidade : na ra da
Cruz n. 55._____
Aviso aos carregadores.
A barcada Bo Esperanza, mestre Jos Luiz da
Trinilade que segua deste porto para Mamangua-
pe, perdeu se no da 12 do. corrente em Pao-Ama-
n lio, com uma relega de vento : os carregadores
podem mandar tomar conta dos salvados, ao mes-
rao porta, que se acham entregues ao canaiaz.
ATTENCAO
Ignorando-o a morada da pessoa (apesar de
saber-s o seu neme) quo levou p ir eapresiiiuo,
de Domingos da Silva Cajnpos, o sogundo volume
da obra Flos-Sanctorum, de novo rogvs o ebs,-
quio de o levar a ma do Crespo n. 9, para evit.-: i
que se publique o seu nonio pr extensa, o que
faremos se a issi Tormos obrigados.
Precisa-se de urna pessoa que queira vender
pao com um preto na ra, medanle nm ordenado
oa vendagem, se for portugae: melhcr sera, e tam-
bem de um preto quo sirva pan andar com o pa-
nacit : a tratar na padaria da Floresta em Olinda.
O Sr. F. J. & S. venh- a ra to Aragao c.
18, pagar os dons. ezes e doze dias, rae lcou
de fiador pe Matildes Mara da Ccneeico, do
cootrario ver o seu nomo por ext-nsa e ser cha-
mado ajuis(v_v_.______________________
Molto necessita so fallar ao Sr. Antobja Ma-
rinho Paes Brrelo, a negocio de sen interes.-o
queira dirigir-sc na cidade de Olinda no sobrade
ultimo do Varad raro onde cxUe umi fabrica di.
cigarros.__________________________
^-flojeaso~oras a manhaa, prit iro anni-
versario'do fallecimenl) de Gulhero.o
Guimare. manda a sua esposa D. Um
bania de Lemos Gnimanie* cebfhrar i
igreja d> Espirite S rato, pelo rep
do seu sempre chorado marido.
da Silva
-e'ina I.i
- Precisa-se de tima ama, nn ru o
I. Na mosma ea^a comprara se joma-
brulho a 40.
~ Precha-se
SolriJado n. t.
' *l
A

r
. nciro : na pada


iafio de Prtifnbc Quarta feira 16 de Fvrero de 1870.
AGIA NEGRA
jinnisnK
erg o
o 2.

BENTO MACHADO & C,
A AGIA NEGRA animada cora o bora accolhimento que teve em seus annun-
O vem novo participar a seus freguezes que. acaba de peceber um variado sorti-
mento de objectos de gosto os q&aes sero vendidos pur precos muito razoaveis, pois
quando fez os seas primeirs aonucios* foi o que assegurou, e sem mdo de errar,
porque como j dase osla int'eresses ligada a urna casa imporladoradesta praca, e
por sso poder ter ludo especial e vender por precos admiraveis.Chama pois a alien
cao de seas freguezes para os arttgos possa descrever:
Um variado sortiments jie charuleiras e
palliteiros de porcelana,
Tontos para voltarete.
BcngaHas cora marfim, cousa especial.
Sabonetes de alcatrao.
Cofres de folhas para dinheiro.
Lindas caixas para costura.
Um completo sortimento de luvas de pe-
Livros com o lampo de marfim,..nadre-
Derola e tartaruga, proprio3 para missa.
Garafinhas vazias propriai para presentes
ousa de gosto.
Indispensaveis ie paliaba e de couro pro-
prios para senuoras e meninas traicr nos
orai;os.
Binculos d madreperola, marfim e tar-
taruga todos esmaltados.
Caitos largos de setim, cousa inteiramen- ,s "
i* nova. uca'
Fitas de sarja de todas as cores e larga- Talagorce parabordar.
Toacas, sapatinhos meias de seda e mais soda para vestido,
pertenece para baptizados. Perfamarias de todos os autores os mai
Fitas com inscripcSes proprias para bou- acreditados em oxtractos, pomadas e oleo*
^oet de noivar e finalmente outros muitos objectos que o5o
Rices vasos com p do arroz. possivel mencionar ; mas cora a vista se
Um variado sortiiaente de jarros de por- certificarlo do sortimento deste estabele-
celaoa. cimento.
Aguia Negra, ra do Cabug n. 8.
28 5E
w a
55 S
a
E, o
o c?
u
a B
2?
S B J 33
-o o
s o- o c
o 3 "2 u -o
"'"bJ^
a
o c
a. a
Soasa
V B
r- 05
0.0 3
=1.
."B
s
2 o
B
og
ce "^
2 -*
a."
a
Si
*"I
CA
O
" a o ^ o
d e-M a- 9!
o jg ." *
g Bgl3*9
* S. 2. B s o- 3
8*
J O ce
iS-.ffS.
sr o b -.
* o B
a i.
1^
3 ce d
a> S
s!bS I
b 3
s>
x a* S 51"
t c o
l.3sri
g5-Bg:
s-S-ga
Sc3^
n < B a
iih4
B B 2 -
ce ce ^
>3ilg
2 2 56
ce 2.S.." 5
SaTB-
n a> a
aa


s
Lindas superiores tareges d cor, de -quadro e do listras, para vestidos fin-
gindo seda, pem byatissimo pre?o de 300 e 64* rs. o covsdo.
Assim como supeweres cassas francezas ^e cor psdres d meHo gosto 4fl<
e 600 rs. o metro, na loja das Cdllumnas ruao Crespo n. 13, de Antonio Correa d<
Vasconoellos.
Attenqao.
O abiixo asignado pede t todos os devedoros
da exacte firma Braga Viliaga o faw>' de vi-
rem satisfazer fabrica da rim do Brum n. Si.
Rtjoife, 10 de fevtrciro n 1870
Manoel do Santos Vlaca.
O bsreharel Jorgo D irnHa9 altNr no
dia lo do corrate um curso de liogoa "
porluguoza, aduplnndo os compendios .lo i^j|
; imporia! toieglo Pedro II. Ada ?e aberia SB
l a respecllva in^cripcao na ra d Impe- ||
ador n. iS, 2o andar
Aluu-se.
Alaga-so e H andar d sobrado da ra da Ma-
dre de etis uv 3 iscriptorio : ra da 6ww n. 8, Io andar.
Precisa se de un foilor que ontenda de hur-
licuBura : a Miar na ra da Praia a*. 13 e 15,
armnzem.
Antonio da Costa .Mello, sua senliora e liilios,
retram-?e para a ICuropa.
ESTADA
FERRO
Como procurador do Sr. Manoel Duarte R-
drigues Pinto, na ausenta* do mesmo, que se acba
no ara estabof eimiiito, no P050 da Panella. eMou
autorisado a eonlestar o C4>ntra-anijimcio dos Srs.
Corga Irma>s, qife se acha na quinta pasmado
Diario de PerxQ-nbii.ro de 12 do crranla n. 3. de-
clarando que o Sr. Duarte hato nao fez compra
alguma do gneros aas mesmos seakores ; poia
como tirando gneros algum dos armazens sem (pie fique
immediatamenU) pag; sendo irwpossiVel aos Srs.
Corga Irmaos provarem o contrario. Hecilo li
do ferereiro ___ Dr. Antonio Borgos da l'onsn.-a
Sitio para alugar.
Aluga-se um sitio no Cajueirn, na entrada do
Hospital fiflot/. 11. l. m, murado, com casa
para grande familia, arando seotala com diverso^
quartos e coclwira. bastante arliorisado e jardim
na frente, toado agua de cltafariz com ajadan-
;ia encanada com depsitos: a tratar na roa da'
Aurora n. 0.
b nrawnai wmwmmwm iiaiinuii
ODUUAS PARA UVAS
As mais lindas que tem vindo a esto mercado, c um variado sortimento de
flores finas acabara de chegar pelo ultimo vapor francez, e vtnde-so nicamente em
casa decab elletreiro JAY*E : roa du Queimado 0. 6, primeiro andar.
Oabaixo asstgnado faz scieote ao publico
iue os trabalhos lectivos da aula publica da latmi
la freguezia de S Jos desta cidade, comec/irom
no dia 3do corrente, e que oontii.sia a estar aber-
ta a matricula da mesma : no largo da ribeira de
S. Jos n. -5.
O profewor.
M. P. m
&
m
IRMANDADE DO AVNTISSIMO SACRA-
MENTO DO BAIRKO DE SANTO
ANTONIO.
^ A irmandade do Santissirao Sacramen- ^S
9 to de Santo Antnh), lendo de mandar fa- <
}QC zer mais 10 pares de catacumbas no ce- $$
^rtf. miterio publico convida a qurm <|ueira ^j-
9 se encarregar da dita obra a apresentar w
)fiC sua proposta na ra do Queimado botica ^
' n. 15. w
O escrivao, >*?
^ Modesto do R. Baptista. *
COMPRAS.
O muzeo de joias
Na roa do Cabug n. 4 compra-se ouro, prata
1 pedras preciosas por procos mais vantajosos do
rae em outra qualqoer parte.
Lom muito maiqr vantagem compram-se
noedas de ouro e prata : na loja de joias do Co-
acaode Ouro n. i D, ra do Cabup. ".
\l-
1 w
El
Compram-se e vendemse diariamente para (ora
i dentro da provincia escravos de todas as idades,
ores e sexos, com tanto qbe sejam sadios ; no
erceiro andar do sobrado n. 36, ra das Cruzes,
reguezia de Santo Antonio.
Cabellos
Na ra do Queimado n. G, 1 andar, salao de
cabellelreiro, compra-sc cotitinuadsmente cabellos
compridos.
Compra-se urna carrera que esteja em bom
estado : na ra Nova, loja n. 7.
Travessa do Gorpo Santo n. 25.
Os acreditados cylindros americanos para paaria, por dous differentes s^temas.
Machinas para descarocar algodo pelos raelhores fabricantes de New York.
Machinas de vapor systema de locomoiiva e poas para as mesmas.
- ?os razoaveis.
TBAVESSA 00 CORPO SANTO N. 25
Compran-se escravos de ambos os sexos :
na ra do Imperador n. 75, 2o andar, das 8 da
manbaa as k da tarde. _. _________
Compram-se moedas de ouro e prata de to-
los os valores, ouro e prata em obras inulilisadas,
orilhantes e mais pedras preciosas : na loja de
rarives do arco da Conceicao, no Recife.
Gasa terrea
Compra-se m\ casa terrea : a tratar na ra da
Madre de Dees u. 16, loja.
V1NDAS.
Eecie Jaboato.
Manoel ^e Barros larreto, dosejnndo
convocaros accionistas da eslrada de fewo
do Jabouto. ulim do elcg- r-se a' directora ij
da compachia, roga as pnssoas que tivernm
a bomiadit do inenmbir-se" do agenciar subs-
criptores Aurora n, io. a ra do <'.rcsp" n. 9, ou na
ra Novan. % a ivlaco dos subscriptores,
para poder marcar so o dia para a convo-
Celo dos accionistas.
Recebe-sc linda al o ini do corrale
mez asignaturas ,i novas aceites nos lu-
gares cima mencionados e no escriptono
do corredor (iongalo Jos Aliso, to largo
do Corpa-S mo.
Recife, U de fevereiro de 1870.
Manoel de Barros Bturelo.
ATTOCAO
A abaixo asslgnada na qnalidado de adminisii -
dora do seu casal eom o Uado Jos Lniz de Al >-
vedo Maia, declara aos devedoresdo mesmo casal,
que est precdeda o inventario pelo juizo de,
oriihaos sena debiiini portanto >i conveniente que os mes-
tnos deved )ies do casal venhain ajusfar e liquidar
Reo* dbitos a.n de evitar depais reclamarles. Ou-
tro sim, fazsciente.a mesma abarlo a-signada, que
o ?r. Simplicio da Silva Coolito deixou de ser seu
caixeiro desde '.iOdenoveijtbro.de 1860, o que
mogiicm a elle ddver pagar quantia atgtima, o
sim a abaixo assignda, a nica competente para
reeeber c dar quilas?. >.
Cindida B3ptisla de Azevedo Maia.
LOJA DAS MACHINAS
BASTOS
Acabfip do chogar grande quanttdado das verdadeiras raacteinas amertc&na
sera descaro?arigodo de todos os systemas e tamanbos seguinles :
12 serras 12 serras
14 ditas IV ditas
ditas 15 ditas
dita 16 ditas
ditas 18 ditas
ditas 20 ditas
dita* 22
das 25
ditas 30
ditas 35
ditas 40
oaaet se vasem por preces-commodi o roga-seas pessoas quo dellas fteeram! en
MimenAa^'do a^uns tamaahoe, obsequie Se as maadapem busca-las o mais breve pof
mi aSm de-nSe feaverem atlas.
"S
Vendo-se urna boa taberna na ra do Ran-
gei, com poucos fundos e propria para qualquer
principiante.: tratar na ra da Madre de Deus
n. 8-_______________________
Vende-se nina pela, boa quilandeira, lava
de sabo e varrelh, e tem principio de coiinha :
para ver na raa do S. Goncalo n. 20 confronto ao
chafa riz.
Vcude.-e una taberna no pateo de S. Jos
n. 51, bemafreguezada para a trra e com pencos
fundos : a tratar na mesma.
Liquidaqo
.1 rtigos |ara Piordar.
Seda fW;a, froco lino, termal, talagarea, dse-
nhos, o Si de todas as cores a i(i00 a libra : na
ruaNovi n. 9, loja do Domont
A VEltDADE
55Ruado Queimado5i
A VERDADE tendo em deposito grand
qnantidade de mindezas c perfumarias, e d
sejando apurar dinheiro^-adquerir bfltrc
guezia est rssoivida a vender mutiasinv
barato, ; por cssa razSo convida ao respe-
tavcl publico a vir competentemente mnn
do" a ?nrtir-se do bom e barato. Pois quat
do a Verdadc apparece, ludo mais ct
apparece------
Grande sortimento de bonecos de cera *
massa as mais lindas possiveis vestidas ac
racter.
Abotoaduras moderuas para gol-
letea ..... 320
Espelhos donrados pepnenos. 26i
Agulhas de osso para crox a 201
Peutes para regat com csnlas a 32
Ricos globos para candieiro de gaz a I 80
Gbamins a....... 32(
Grande sortimento de objetos de
louca para btinquedo de menino I0(
Garrafa com tinta a..... 80<
Dita com agua florida rerdadeir a 130(
Dita com dita dita a ... 1|500(
Frasco cora oleo de babosa a 50Q e 72(
Dilo com agua de Colonia a 300 e 50.
Gairafa com agua divina a. tWtov
Frasco com extractos finos a IcJOOi
LaUs pequeas cora banha muito
tina a 12" e ... -16(
Sabonetes de 0versas quali lades a
80, 160,240 e. 32c
Finas escovas para dentcs de 120 a 600
Lindos coques modernos a. 20000-
Pavios para gaz, duzia a 240 e 320
Esccvas para faci a 500, 600 e 70C
Ditas para cabello a..... 500
Pentes para tirar piolho a ICO e. 240
Grincos de coros, bonitos a 160 e 20C
Pecas de tranca de 15a com 8
varas por....... 80
Oleo para machina de costura,
frasco a......*.
Peanas d'aco finas caixas a 800 e IdOOC
Dita d'aco Pcrry, caixa a. tfi-WC
Galio de algodo pefa .... 400
Lindos habadinhos e enlremeios
peca de 500 a....... W*0C,.
Ditos de louca muito fino a 120 e
Ditos para caica a IfiO e. 2W
Caixa com papel amizade a. .. .
Ditas com effvelopes a. 480
Ditas com obreus a..... W-.
Caixa com agulhas fundo dourado 280
Ditas de ditas ditas a. .... 16(
thesoura para cosida a 240e. 500
Caixa com linlia da marca a 280
Liaba de coros em novellos '-
bra) a........ 50(
Carreteis de liaba Alexandre de 7fl
at 200. ........ ICO
Grampos muito finos com passa-
ros, duzia a ^2X
Cartas portrtfpitns, duzia a >40C
Ditas francezas a 25200 e 3500C
Papel altnaco e e pesov resma a
l.ll'l .111,.c.
3f>400,.
3||500 e
15
16
18
20
22
25
30
35
40
ditas
ditas
ditas
ditas
ditas
(I
N.
BELLOC
PARS
Appsavado -ecommendado e cura da gastralgia e em geral de todas as doencaG*eryosas do estomago e des intestino*.
E eguahaente o remedio por exoeHencia contra a relencSo de tentre Finalmente em
razio de uas prepriedades absoeventes, recomraendado come verdadeiro remedio noa
tazas de diarrhea cholerina. M-aw < Boiloe tema-M na occasiSo das comidas
aob a fortaa lie pos ou de pa-rtHhaB
Deposito em Ri-Janbuio. DuponcheUe; Chevolot. Em Prnmihico, Maurer a O
OIEfti A r
"iNo armazem ilo Campos da rua do hn
parador n. 28, ha grande poi\o de ceblas
e linguas seccas que se vende
reiaIbo por dimiooto pceo
Un.i D^ua por 240 rs. !!!......
Quando tuna libra de carne custa 320 i
460 rs.uma (tagua por I i viatens M.....
e realmente ra ota economa domestica !..
UMA LLNGA POR DUSE V1NTENS
S m aininztiiii lo
Campos.
,3a muito. fina para bordar, libra
rita de algodo para debrum de
sapatos, poga a......
Ditas de ia para debram de vc-
tido, peca a......
Pentes unos para segosar ca-
bello a........
455C
WRK'
icr
4Sv
32i
Ditos ditos'da Lualo. & ;
3 240, 3-20 e, ;
Ha grosso e fOitos pw'a jrf piifla a.
Rosetas pretas. par a ,
franca de 18a di*'Sracol p^a a (^ q
Uta de ecz pefafl if-Oe''. .
Alfinetos do laHTe a: .
Sapattisde rsa-par erfabea a lOOo
Gravata d cas da cores a .
GaJcadeiras a.......
Grande sdrtmenf de ronda:? das Hhas.
Um par de fle boi
lOOrcis!!!!!!! A
Xa Vi >;e rera d ctKeiotad
. n. 55.
ico
iOf
8C
ELEPHANTE COM BOTAS
GRANDE ARMAZEM DE PIANOS, MSICAS E MKIMENTOS
DE A1UME
DE CERA "
DE SEDA
DB MASSA

Farinhade mandioc
-'' !ea e de fnperi ir miadade : ven-
W-o :i da CompDhia Poroan
Caes da la n. I \.
Cav;ilio para cab idet
Vende se um eoenleoH cvallo pan cabriolr*
11 na eeO-ada de loio de Bar-
rns o |, iliimo -
Ven*: UTocae m b. n estafe e jnr.-
tament? dens bola ura as dmnus : a tratar
na Divita o. 10.
Em grande quaotldadf a pnvos haritissimo
e :unda com ab-i;imciitos do dnzi para cima : no
nrmazem do vapr fram-cz, roa Sova n. 7
Vendle una, arniaoao com seus nitaciltos
eju : quem _quizcr dirjase a. ra .do Pharol n
10, que achara com quem tratar.
ANTONIO JOS DE AZEVEDO
N. 11-fiUA NVA-N. 11
Taberna
Vale-so a taberna da ra do Rfngel n. 41
hatarte afreRiiez. da para o mato o para a trra'
com beMos eommodos para morar familia ; o mo-
tivo da venda te dir a., pretndeme : a tratar ua
mesma.
Parteis* ao respcitavel pubtico desta cidade
a, acaba <-?gar um grande e esplendido sortento do
e das attis provincias virabas, que io seu grande e J*em acreditado arraazcm det instrumentos para mus-

CIGARROS
0 que ha de mais moderno, de tetado ko e mobe, e com iraaspsicSo oa sem ella, de autores os mm acreditados nesti cidade, como sejam : os
amados t lesa, cos&ucidos pianos i fabrica do Sr.
AFFONSO 6LQNDEL
da aip rltal fabrica 4e X e hery.
t.nicu dep to em Pernambnco, caes da alfan
dega vtlhan. 2, Io andar.
Pop
WiS PAR
COSTURA
Acaban de chegar ao CHANDE BAZA"-
UNIVERSAL, ra Nova o. 22 carner1.:
viA.v\A--um cempielo sortimento chinas para cuslura, dos autores mais co
mecidos, as qoaes eslo em exposign
mesmo Bazar, garantindo-se a sua boa fjB*
lidade, o tambora etatoa-et r.nm pefti
a todos os compradores. L'slm ma:l;
sao iguaes no seu trabalho ao do :>0 em
reiras ditriameolfl. e a na pnrfoi.;o
como da meibor costureita de Parts. Apr.
sentam^-se traba'hos execuiarlns pelas n
mas, que tnty'.o deven agradar aos preien-
dento?.
4e Pars, -i: faem o annuaciante c o nico agente'aesta cidade, como prova com o documento abaiio transcripto e assignado pelo dito Sr. Brondel. Estes pianos, fabri-
ados esp&cvMMQte para o clima deste paiz, sao os nicos que olerecem urna garanta segura de ua durai;o. Riles sao aqui bastante conhecidos desde 1844, para quo
teja necssajrio insistir gobre sua superioridade. As suas vozes sao mailo flautad;.? e melodiosas. Ees posstwm um teclado que se presta a todos os caprichos do
lenhores jitmsus.
Todas as pessoas que comprarera pltios nesta casa, s3o fiigadag a exigirenj o certificado de origen assignado pelo Sr. Blondel, afim de provar a sua
tatencidade -io numero de piano com o de certificado.
AO PUBLICO
Mr. Alphouse Blondel, fabricante de pianos era PAPJS, declara ao respeiavel publico de Peroambuco, que o nico depsito do seus pianos na cidade
io Hecife, UA NOVA N. 11, armazem de Antonio Jos de Az9\redo. Oulro sim que brdos os seus pianos ir5o accompanhados de um certificado de origem assig-
tado por Esi:
Paris, 24 de julho de 1860. (Asssignado) Alphouse Rlondel.
O aonaciana tambera troca e alnga planos. E tem o maior e mais expieadido ortirai-nio'de novas
HUSICAS PARA PIAMOS
As qoaes recebe, directamente da Europa e do Rio de Janeiro; das acreditadas casas* dos Srs. Felippone & Trnagni, Narciso, Arthur Napole3o d C.,
ttc. jande sortimenlo de papel para msica e desenho ; corda paralados ins'rumerilos, ricas gravaras e qr.adrbsopai-a ornamenios do salas, oleados para
usoalho s espelhos dourados, quadrados e ovaes, caixinbas de costura com msicas e em ella, estojos para viag'-m. r-dogios com despertador, vidros para
Kpolboa i os tamanhos, talagarea, las e agulhas para bordar, e muitos outr.s jtie o rsspfiilavel pubcq encontrar sempre nesto armazero, 0 qual estart
iberto todos oa dia3 at as 9 iteras da noile afim das Ernas, familias poderem ir apreciar os nos.
os tubulares ins-
tantneos.
Heitor & Sampayo.
Una \ova a. 9S.
Oa annunciantn acabam de preparar algun-
pocos tubulares instantneos mais tperfeado
do <|ue os vindos de (ora do paiz, os ques ven
dem por preco muito mais'commodo, encarroan
dn-se do seu assentaraenlo at fnnecionar. Um
dos inelbnramcnto* feilos poder servir riaalqtier
bomba. Ap?ssoa jue qaizeram comprar uui
on mais dosses tubos devom dirigir se nffieina
do* anniinciniiMs : na Nova n. 38.
Vende-so a offlciiia do ferreiro. na travo m
dea Piros h. ;; : a tratar com Jos Jacintlio Tho-
inaa. na me-na.
IrfqtM d.; madreperola com sadb, o todo* ,U
madr.'p->rola, muito prnjirio para n-i ->, <+f
rain a lja ifo Passo a na do Crespo n. 7 a av
sim eomo p juis-imos chiles de ton ji: m -i.
aas as r -rea, votmnos borda'' do
para toptizjda?, mfliaa do escocia novidide^wi-
to bonita, para asExmas. Sras. me aostaaa Mdt
de aapatino rasj e outros muitos ariiaeT*- *
tomco3 rwprletarlo drste o
recibido.
Refinapo
Vende-?e a reflnaclo da ra Dirctta n. 2, heni
afregoezada, vendo mais %4arroa< do assucar
diarianenle. e^t bena montada, e o motivo se dir
ao enropraricr.
Vende-so 1 preo pe, carrsiroTIdadc ii
amos, 2 moloques pc?as de idde 19 a 20 anno?,
I escrava com um lindo filho de idade 4 a:
I dita de idade 30 8nnos, ngemma bnm e
nlm, 2 lindas molecas di jdailc 13 a ti onnos :
na travesa do Carr.; n. I.
lkiiij
a loja do Passo
O reqimsnw cortes de blondo de sed*.
manta e capea para >
ligo o rie se pjdo desejar de mefbor e man bm-
aerno, tatiibT.i .'hcgaran os cortes de seda de cu-
res no\
que. eh. Li'.nim pelo ultimo d par.
a loja
umm

agrie-


Diario de Feraambuco Ouarla eira 16 Je Fevereiro de 1870.

irmmiiuvi
A RCJA DimPERATRIZ M, *
Esquina da ra da Aurora, em frente do caf Imperatriz.
N'este novo e sumptuoso estabelecimento de faiendas encontrarn as Exmas.
familias tudo quanto possam desejar,tanto emartigos domis rigoroso taxo, como em todas
s mais qualidades de fazendas,
Aletn de se acljarem prvidos do que do melhor se encontra neste mercado,
por lodos os paquetes da Europa, receben! directamente o que em artigos de moda e
do mais apurado gosto se encontra em Pars, o que vem cada dia augmentar s propor-
cfs de que dispe este estabelecitnento para bem servir sua numerosa fregaezi.
Algodo largo pan lences e toalhas de
'odas as qualidades que costuma vir ao mer-
cado.
Alpacas de todos 05 padroes e qualida-
des to variadas que se nao podem descrever.
Albuns cora msicas para enllocar retratos,
delicado presente para qualquer pessoa de
es ima.
Atoalhado de linho e algod5o, branco e
de cores proprios para toalhas.
GL3
Bas juinas de seda pretas e muito moder-
nas, bem como de crochet, Unto de apurado
gosto e feitio.
Baloes de muselina, madapolao, brancos
e de cores, para senhora e meninas,
Bareges de cores variado sorimento.
Babadinhos ou tiras bordadas em todas as
larguras.
Belbutina de todas as cores.
Boisas de tapete para viagem, grande
variadadu de tamanhos e gostos.
Bombazina preta de todas as qualidades.
Bramante de linho do II palmos de lar-
gura, e todas Bretanhas de linho e algodo, grande sor-
timento.
Brins d linho branco e de cores, do mais
commodo ao mais caro em qualidade, afDan-
eando o que ha de melhor na especie.
Brins d'lgodo completo sortimento e
variedade de pre;os.
CS5
Cassas de cores, o maior sortimento, pri-
mando pelo bora gosto e barateza, alientas
as qualidades.
Caoabraias brancas, tapadas, e transparen-
tes de todas as qualidades e precos.
Camisinhas de cambraia de linho e cassa
bordadas ricamente enfeitados para Sras.
Camisas para heneas e meninos, to va-
-iailo sortnnento que vai do mais ordinario
35adapol3o ao mais perfeito bordado de 1-
iho e cambraia.
Camisas de meia, de flanella, braneas e
ie cores para homem.
Casemiras prclas e de cores, o melhor
que se pode imaginar, sendo d'isso a me-
lhor prova o grande consummo dellas na
>3icina da casa.
Capellas de flores, para nnivas e bailes,
desde a mais candida flor de larangeira at
t mais inieressante grinalda.
Chapelinhas no mellior gosto.de todas as
cores hoje prefinidas pelas senhoras de
mais apurado rigor na moda.
Chapeos pretos de velludo, para senhoras,
ultimo gosto de Paris.
Chapeos de so!, para senhoras e horneis,
de lodosos pre"os e variados gostos.
Chaly com ricos padroes para vestidos.
esa-
Gase com listras de seda e flores, fazen-
da inteiramente nova para vestidos de.baile.
Gravatas p?ra senhoras e bomehs, o mais
completo sortimento que se pode desejar.
Guipure pretd e krnco, diversas largu-
ras e differentes gostos. '
Gollas e pwnhos bordados para senhoras.
Guardanapos de linho pequeos e gran-
des.
Gorgurao de seda preto e do cores.
Grosdenaples preto e de cores, baven-
do diversas qualidades e gostos.
<*
Japonezes para seuh ras, o melhor gos-
to, efazenda propria para as festas nos ar-
rabaldes e passeios a tarde.
a
Lazinhas de todas as qualidades, cores
e gostos, n3o ficado nada a desejar, tal
o sortimento que existe para escolher.
Lencos, tudo quanto pode baver desde
esguio ao algodo coimoum.
Leques de madrepsrola e osso, o mais va-
riado sortimento.
Ligas d seda, bordadas, para senhora.
Luvas de Jouvin, chegadas por lodosos va-
pores, sempre novo sortimento, quer em
pellica para horneas e senhoras, quer em Go
d'Escocia, brancas e de cores.
SXS
Madapol5o; indescriptivel o grande sor-
timento que ha neste genero, desde o mais
elevado preco ao menor, que se Vende em
pe?a e retalho por menos do que era ou-
tra qualquer parte.
Manas de blonde para oas: o apurada
gosto dos nossos correspondentes em Pai is
rrabifta-nos a dizer que temos em nosso
estabelecimento o que de melhor se dse-
ja para vestir e ornar urna noiva.
Mantas pretas de b!nd.
Mantas para carros, com lindas pinturas.
Merinos pretos, trancados e lisos.
Musselina branca e de cores, lindos e va-
riados padroes.
Pannos pretos e de cores, desde o mais
barato ao mais superior, por preco muito
commodo. '
Pannos de crochet, para cadeiras e sofs.
Ditas de casemira muito finos para
mesa.
Peitos bordados de linho, lisos e do al-
godo para camisa.
Princetas pretas e de cores.
Popelina do seda e linho, cora listras.e
flores; f.izenda lindissima.
Pelberiaoe para senhoras, do ultimo
gosto.
Perfumaras; os mais finos extractos o
que de melhor e mais agradavcl se pode
Chafes de todas "as qualidades, avuliado encontrar nesle genero, e do mais fragante
DO
GALLO VIGILANTE
lina do Crespo a. 1
Os propinados deste bcra conheciAireitabele-
cimento, alera dos mniios objectos que mtfiam ex-
SDstos a af rociaclo do respeitavel publico, nian-
aranVvir e acabam de roceber pelo uMno vapor
da Europa um completo e vanado sortimento de
toas e mu delicadas especialidades, as'jpues es-
li resolvimos a veuder, orno de sea eostume,
S:>r precos muito baratinbas e coramodos para to-
os, com trato que o Gallo....
Muito superiores luwis-de pellica, pretas, brau-
cas e de ami lindas cores.
Mu boa e bonitas goUinhas e punhos para se~
Bhorepwiifl genero o que-Jia de mais moderno.
Superiores pontea de tswaruga. parachoques.
Linios ( riquissitnos eaeites pira .tabeflthdas
Ex mas. senhoras.
Superiores trancas pretas e 'de e#reV*ont vidri-
tfios e semilles; esta fajada o$ua-!ppde-kavr
do mefhor mais'bonfto.
Snpwtares e bonitos Jeques fe aaidrdptrot,
marfim, sndalo ft osso, -sendo fuetes Uxaaco3
com lindos desenhas, e eftes pretos*
Maao superiores meiarflo de Escossfa para se-
nhora*, as-quaes sempre Se venderam por 3000
a duaia, entretanto que ns as vendemos por 20J,
alem detasj temos tamben grande sortimento de
outras qualidades, entre as quaes alguaias muito
finas.
Uoas bengalas de superior canna da India e
castao de marlim Com liadas e encantadoras figu-
ras do mcfui", neste genero e o que de-melhor se
pode *e?ejar ; em destas temos tamltea grande
auanthhdo de oatras qualidades, como*j*m, raa-
eira,iwlefa, osso, borracha, etc. etc. efe.
Finos, toan i tos e airosos chicolinhos de cadeia e
de ootras^ualidades. /
Linda e superiores ligas de seda 3 borracha
para segurar as meias.
Boas metas de seda para senhora .para meni-
nas de i a 12 annos de idade.
Navalhas cabo de marfim e tartaruga para fazer
barba; sao muito boas, o de mais a mais sao ga-
rantidas polo fabricante, e nos por rwswi vez tam-
bem assqjaramt sua qualidada e delicadeza.
Lindas e bdlas capailas para noiva,
S*periorei agtihrpass machina |lara,ci Linlia rauito boa\ ie-peso, Iratuca,. pera enchr
labyriuthp.
Bon* nrafhos d-*a!l( para votatete, assim
como os tcntos para o nvesmo fim.
Grande e variado sortimento das memores per-
fumaras e dos memores e mais coilhecidos per-
fumistas.
COLARES DE ROER.
Elctricos magnticos contra as convulsoes, e
fa--itam a denticao das iniweeates criancas. So-
mos desde mult rerebedores destes prodigiosos
collares, e cootinnanios a recebi-los por todos os
vapores, aim de que nunca <cm no mercado,
cogi ja tem-BContecioy assm pois poderlo aquel-
las que dellas precisarem, vir ao deposito do gallo
vigilante, aonde seinpre encontraro destes verda-
deiros collares, e os quaes attendendo-se ao tim
para que sao applieados, se venderao com mu mui
diminuto lara C
Rogamos, pois, avista dos cbjectos que deixamos
declarados, aos nossos flregaezes e amigos a virem
comprar por presos rauito razoaveis loja do j^allo
vigilante, ra do Crespo n. 7.
LU
numero e nao meno-. variedade de gosl^s,
Chitas, impossivei des'crever o sortimen-
to e variedade de padroes e novos gostos,
ha neste artigo tudo quanto se pode desejar.
Cinlos para senhoras o que se pode ima-
ginar de melhor.
Coques, o melhor no gosto e nos ental-
les, varios tamanhos.
Colchas de seda com borlas, o mais apu-
rado gusto e lavor.
Ditas de fnsto branco
precos commodos.
Gorpinhos de cambraia, ricamente borda-
dos para senhoras.
Cortinados de cambraia bordados e de
5l,o que de melhor se pode desejar.
Colarinhos de linho bordados e lisos, o
maior sortimento.
Damasco de ifta de palmos de
l'p.das cores e ricos padroes.
US
Espartilhos brancos e de cores, para se-
nhoras c meninas, o melhor neste genero ;
oeotioma Sra. deixar por certo de muir
se de tao precioso auxiliar .perfeicaode
am corpo delicado.
Entremeios bordados.
Escomilba preta. *
Enteites para cabera, ultima moda de
Paris, recebida no ultimo paquete.'
Esguio de linho, completo sortimento de
todos os nmeros.
Fitas largas escocesas para cintos, varie-
dade de gostos e lindos padr5es,
Fi ;hs de crochet, modernos com cintos!
e suave no olphato, tena o PAVILIIAO DA
AURORA, desde a verdadeira agua Flori-
da at o mais fino Bouquet d'Amour, final-
mente tudo quanto deve oceupar o touca-
dor de urna senhora de gosto.
. 3
Saias bordadas, brancas, lisas e de cores
com folhos e sera eiles, o melhor possivel,
Sabidas de baile, de todas as cores.
Sedas pretas, de quadros, lavradas, lisas",
e de cores por de listras de todas as cores e qualidades e
o mais barato possivel.
Sareelim de todas as cores e qualidades.
Tapetes grandes, lindas pinturas para 8
cadeiras, mais pequeos, e de todos os ta-
manhos desejaveis, e cm peca para co-
vados.
Toalhas de labyrintho, do maior e mais
fino trabalho ao mais barato.
Toalhas de linho e algodo de todos os
tamanhos, li-as e felpudas.
Tarlatana branca com palmase de cores,
fasenda muito nova, e gostos delicados pro-
pria para baile.
Yistuarios bordados de ftislo brancos e
de cures para meninos, de cambraia para
bapti-ados, o que de melhor tera vindo a
este mercado.
Vestidos de la cscoceza de 2 saias,
novidade pelo,padro, gosto e forma; dilos
de linho com barras de cores, e de cam-
braia do cores cora 2 sai is, tudo inleira
novidade, trazem os modellos juntos para
mostrar a forma de os fazer.
Veos de blond para noivas e pretos para
largura
luto.
Vestidos de blond para noivas: podemos
e capas, o que ha de melhor.
Fil de seda, linho e algodo, de todos
os gostos e padroes. asseverar as nossas Exmas. fiORuezas, que
Fusto de todis as cores e qualidades somos os nicos em Pernambnco que pode-
grande sortimento. mos offerecer ao Ilustrado publico, o mais
Flanella branca e decores. apurado gosto em semelbante materia, gra-
Flores, o que ha de mais rico, quer cas ao bom gosto do nosso fornecedor em
solas, quer em ramos, temoPAVLHAO Paris, podemos garantir que niuguem neste
DA AURORA om permanente jardim a genero o possue melhor, nem mais em
tosico das Exmas. familias. conta.
E' dispondo d lo grande e variado sortimento que os propri. tarios do PA-
VLHAO DA AURORA se apresentam ao publico declarando- desde j quo a sincerida-
de e o bom gosloo movel nico de seus negocios.
Prvidos de tudo e promptos sempre a prover-se do quo por ventura Ihe
soja necessario, os proprietarios deste sumptuoso estabelecimento recorameudam-se
sem receio de rem contradictos e proteslam esforcar-se por continuar a merecer
proteco que se Ihes tem dispensado ; eertos de que do seu estabelecimento nao sahira
o freguez descontente.
Contina sempre a officina de alfaiate dirigida por ura dos mais habis artis-
tas, prompto executar com prompdo e bom gosto qualquer trabalho que lhe seja
confiado. Urna modista especialmente oceupada nos trabalhos do PAVILHAO D V AU-
RORA, dirgeos que lhe sao coneernentes, garante porseu aparado gosto epromptido
aa execucao e a mais completa perfec5o nos seos trabalhos.
A .numerosa freguezia que nos honra urna prova de que merecemos o con-
que so dispensa ao nosso estabelecimento, conceito que procuraremos firmar cada
v'% mais. Para {acuitar ainda a concecuco do fim que nos propomos, temos no nosso
e;tabelecimfintoos ltimos figurinos de Paris, que recebemos por todos os paquetes, os
enviremos para seren vistos as familias nossas freguezas, afim de escolherem,
com o pdro da fazenda o gosto na forma.
Na dfficina de alfaiate, junto ao estabelecimento, ha igualmente Os figurinos
pira homens que por todos os vapores se recebem.
E' este o modo porque nos apresentamos pedindo a proteccao do Ilustrado
publico e com o mais profundo respeit convidamos s exceentissimas Sras. a visi-
taren! o nosso estabelecimento, certas de encontrarem nelle pelo menor preco possive-
que podem desejar.
idaremos caixeiros levar as fazendas e amostras onde forem pedidas, visto
;>oderraos especificar tudo quanto temos.
JoaLuiz, Sobrtnho & C.
Aberto das 6 s 9 horas da noite.
Machinas vaporde
forqa de 3 e 4 c-
vanos.
Motores para 2 cavallos.
Aradas americanos.
Machinas de faci e serrotes para desca-
rocar algodo.
Balanzas para armazem o balco.
Camas de ferro.
Cofres de" ferro de MHaez e de Uhit-
field.
Prencas para copiar carlas
Fogo americano patcnt
m


Cal nova de Lisboa
chegada no ultimo navio : vendo Joaqum Jos
Ramos, na ra da Cnu n. 8, t andar.
LOJA DE FAZENDAS
DO
ARlBAIiDI
Ra la Bmpcratrix u.,56.
COMES DE CASEMIRA PRETA A 300.
Vende-.-e cortes de casemira preta para calcas
a-3*300, 4*000, 5*000 e 6*000 rs. ditos casemi-
ra 'de cores enm listas do lado a 3* e 6* o corte:
ra da Imperatriz n. 30
GROSDENAPLE PRETO A 2*300 COVADO.
Vndese grosdenaple prcto para vestidos de
senhora a 2,1300, 3*000 e 3*500 o covado.
PAN.NO PRETO A 2*200 O COVADO.
Vende-se panno preto para calcas c palitots a
2*200, 2*500, 3*000, 3*500, 4*000 e 5*000 o co-
vado.
CHITAS FRANCEZAS A 280 O COVADO.
Vende-se chitas francezas finas para "vestidos a
280, 320 e 360 o covado.
MADAPOLO ENTESTADO A 3*300.
Vende-se iwssas de madapolo fnfestado com
12 jardas a 3*500, o pwsas de dito con 24 jar-
das a 5*000,5,3300. .$, 75, 8*.e 9*.
CASSAS FR*NCEZAS A 240 O COVADO.
Vende-se cassas*francezas finas para vestidos
a 240 o covado.
ALGODOSI.NHO A 4*000 A PECA.
Vende-se pegas de algodaosinho a 4*, 5*, 63 e
7 IKK).
GANGA PARA CALCAS A 320 O COVADO
Vende-se gangas para calcas e palitots a 320 o
covado, e brim de cores com listas do lado a 4* o
covado.
ALPACAS DE CORES PARA VESTIDOS A 500.
Vende-se alpaca de cores para vestido* a 300 e
CO o covado. o outras rauias fazendas que se li-
quidara para Oxar contas, sem reserva de preco :
a ra da Imp,;ratriz, ioja do Garibaldi n. 56.
GAZ AZ CAZ
i Chegou ao amigo deposito de Henry Forster 6
, raa do Imperador, um carregamento de ga;
ae primeira qualidade; o qnal se vende em partida*
e a retalho por menos preco do que em outr qnal
qner parte.
Genuino vinho da Madeira em barris de 4"
e 8o, e em caixas de duzia de garrafas, tendo cada
caixa qaatroditTerente^ qualidades, propnas para
um jantar : no escriptorio da Companhia Per-"
nambucana.
Crande armazem de faiendas c roupas feilas ra da Imperatriz
n. 52, porta larga, de Paredes Porto.
Neste estabelecimento encontrar o respeitavel publico um bonito sortimantc
de roops de todas as qualidades, palitots de alpaca a 30, 3jj500 at 60. Dito 4*
merinfr, ditos de casemira de cores bonitos gostos a 50, 60, S e40#, dt> panno prelo
sacos e sobrecasacos. Ditos de brim pardo unos e ordinarios. Ditos dfHM bwiea
e de cores do 34500 a 50000. Calcas de brto de cor finas e ordinarias, ditas
brancas de todas as qualidades, ditas de brim pardo fino e ordinariOi ditas da casemira.
de cor e preta de 40, 50, 60 a 150. Colletes de todas as qualidades e lymeytito:
barato. Completo sortimemo de camisas francezas de algodo e de liaho de>S|**-5p
urna. Sortimento de seroulas francezas de algodo, de linho e bramante a 20 e 20500.
Gravatas (mantas) novissimo gosto a todos os precos. Meias sortimento completo a 30.
40 at-70 a duxia.
ROUPAS PARA MENINOS.
Encarrega-se- de qoaesquer obras de encommenda tanto para homem, como
para manios, e con brevidade, por isso que tem um bonito sortimeBtO'da frzendas de
todals qualidades tanto em casemiras como brins, panno* finos e outrae muitas far
zendas.
FAZENDAS
Bfamantes de 11 palmos do largura a 10800 o metro.
Cambraias de cor e branca.
Alpacas de todas as cores a 640 rs. o covado.
Poil-de-ebvre com lista de seda fazenda de gosto a 10200.
Basqutoes de guipure enfeitadas a 180000.
Sortimento de chitas escuras e claras a 280, 300 e 360 rs.
Madapolio fino-a 60500, 70, 80 e 90000.
Algodo peca com 20 jardas a 40500, 50300 e 60000.
Peca de algodo largo a 70500.
E outras muitas fazendas que ser eafadonho- mencionar Cheguem a roopa
feila que'se est liquidando na loja ra da Imperatriz n. 52 (junto loja de onrives) do
LEAO DA PORTA LARGA
DE
Paredes Porto.
geni a**
ir. rito w rfa
Mikroskope
^tisehen. ObjetivLin-
e termos
Centigrade
OCULQS PERISCPICOS
E crystal de rocha do Brasil.
F. J. Germana, recommenda ao publico/seus vidros periscpicos aperfeicoa
dos; porque, cora estes vidros, a vista descansa, forttfica-se e n3o a canea como com
os vidros ordinarios. Urna vez escolhido um vidro, pode durar dez annos, emqoanto
que, com os vidros ordinarios se est obrigado a muda-Ios todos os annos e os ter
cada vez mais grossos, o que altera o crystalino do lho e determina quasi sempre do-
res decabeea. O alecnce ordinario da vista perto de 30 centmetros do olho, e,
todas as vezes que o objecto est mais perto ou mais loaga, os raios que expelle s5o
mui convergentes ou anu divergentes e a viso n3o perfeita. Um grande numero de
pessoas tem o defeito de fazer convergir muito de sorte que a viso nao distincta.
Com a apalicaco de raeus vidros pdese vencer estas dilculdades. Para os que tem
a vista curta e cujo crystalino mui convexo (o que faz ver bem, de perto, e mal de
longe), o que se chama myope, por mtio de um vidro concavo affasta-se o ponto de
vista, o que faz divergir os objectos e deixa ver to longe como as outras vistas. Quan-
do o crystalino muito chato, o que suceede aos que tem chegado a urna certa idade,
o que se chama presbyta, vem meibor de longe que de perto, e nao enxergam seno
um nevoeiro na distancia ordinaria da vista; cora um vidro convexo, estes enxergaro
to distinclamente como na idade dd 15 annos. Servindo-se destes vidros quando e
vista principia eufraquecer, previne-se o mal.
P. I. Germano encarrega-se pela sua experiencia, tendente aos olhos, a e s
colher, a primeira vista, seja qual for a idade egro de vista, oculos proprios para
qualquer pessoa,
Para que sao fabricados estes vidros ? ?
Para a vista myope, (vista curta). i Para a vista que nao supporta os raios
Para vista que se cobre de nuvens. polares nem grande claridade.
Para a vista que por momentos, v es-
3 cordeiro prevident*
ala di* tiieinaado a. .
Novo e variado sartiento de i
fiar. lajele.
Alem docooaWeaorajMoto de.
otarias, de que effcct ament eati prvida a
toja do Cordeiro Providente, eBa acaaa
receber om oatro sortimcn'o qm
aotavel pela variedade d* objr.-tm,
dade, qualidades e eeaMaedidade*
f0; assim,fH)i9,-e(iQrdeJrorYeMaaaa aaia
eeaperacoaljBqar amerecer
do respeitavel publico
boa fvegaezia em paiticalar,
pHBide-elle de sua bam coche
e barateza. Em dita- loja
ipreciadorw do bom:
Agua divina de E. Cocdray.
Dita verdadeira de Murray I
Dita de Cologne mgleza,
ceza, toda dos memore a mais
fabricantes.
Dita da flor da larangdraa.
Dita dos Alpes, vilete paral
Elixir odontalgico
asseieda bocea.
Cosmetiques de soparior l
ros agradaveis.
Copos e latas, maiores ei
pomada fina para cabello.
Frascos com dita japoneza,
e outras qualidades.
Finos extracto inglexes,
francezes em frascos simples eeafeitodcs.
Essencia imperial do fino e agradare! cha
ro de violeta.
Outras concentradas e de eheiros
mente finas e agradaveis.
Oleo philocome verdadeiro.
Extracto d'oleo de superior
com escolhidos eheiros, em fraseos
rentes tamanhos.
Sabonetes em barras, maiores a :
para mos.
Ditos transparentes, redondos e asa fifs
ras de meninos.
Ditos muito finos em cariinha para barba
Caixinhas com bonitos saooaetea aataait
fructas.
Ditas de madeira invernisada coosnde A
oas perfumarias, muito proprias para paa
entes.
Ditas de papelo igualmente bonitas, Uaa
bem de perfumaras finas.
- Bonitos vasos de metal tetoridea, a l
moldes novos e elegantes, cosa p da arra*
9 noneca.
Opiata ingleza e francesa para denles.
Pos de camphora e entraj dferenfts
qualidades tambera para denles.
Torneo oriental de^Kemp.
Ainda mais enejatea.
Um outro sort ment de coquea da aa
vos e bonitos moldes com filets da ndriua
a alguns d'elles ornados de flores s Atas
estao todos expostos apreciaco da faav
os pretenda comprar.
G0LL1NHAS E PUNHOS BORDADOS.
Obras de muito gosto e perieeAa.
FlTcllas e filas para elaafaa.
Bello e variado sortimentp de taes objai
ios, ficando a boa escolha ao gesto do cea
orador.___________________
BAPfi POPUIi IB
DA
voacar pequeos pontos negros.
Para a vista que as palpebras remem
de fraqueza.
Para a vista que os olhos sodesiguaes.
Para a vista que se turva com o traba-
lho e a leitura.
Para a vista presbyta (vistagalon ).
Para a vista operada da catarata.
Para a vista que as palpebras esto cer
cadas de saugue.
Para a vista que um dos olhos myop
e o outro presbyto.
Para evitar finalmente quo o crystalino
do olho se cobra de catarata.
Sortimento de binculos
para theatro, e oculos de
alcance para o campo e ma
rinha. Rt^
Lonetas, pince-nez e
face--maia, ooro, prata,
tartaruga, bnfalo, ac,
etc., etc.
Tm tambem grande Sortimento de relogios para parede,' que do horas e nara
cima de mesa dos mais lindos modelo Relogios para algibeira, de ouro, prata, prata
ouraaa efoleada, inglezes, suissos e orisontas dos melhores e mais afamados fabri-
choces.
a Vendas em grosso e a retalho. Em Pernambuco.
N.21=Rua Nova. 21.
FABWfA NACIOIUI DA BA5L4
DE
Tet'xeira UlduncofyC
Achn-.-i' venda OM ptimo rap, nka aa>
pode supprir Taita do prneeza de liw, por
de mui agradavel perfume, viajado, a rao
mais mdico possivel; e por isso ton sido an
acoihido as praras da Babia, do Rio iti imn -
em outras do impero : do estriptorio de Jaaaa
Jos'Goocalvc3 Beltrao, roa do Comadreo m
mero J7.
^Candido Alhco SM da Hsal C- en
escriploro c armazem Da iraressa da Ban *
Deo.-! n. 14 tem para vender o .."gniatt :
Cemento Porlland de 1* qnalidade matou -i
tem vindo ao mercao.barrcas de lia 14 arroo
por 100O0.
Vicho Bordeaux das segaictes qnaUMai:
St. Julin.
Fronsac.
Lormant.
Si. Emilion.
Marganii,
Chateau de Bovcherelle.
St. l.ainbiTi.
Lalonbere.
Dapleasis.
Caar.
Dearsesai.
Vinho do Porto qnnlidade moito especia!.
Azcile doce refinado em raias de II garrate
Vinagre superior em garrafoes peaaaaa.
Fardo hamburguer, saceos de 90 libras, pe-
Farinha de trigo do superior qnalidade.
Barris com alcatro, de arcos de farro.
Fumes de Indas as qualidades, se aasaaan
neste etabele<-mento em latas, rotos e (aran.
Papel de todas as qualidades, proario
garros.
Vende-se um grande sitio sem casa, terreno
proprio, no principio da estrada do Rosarinho por
onde pas?a a ejtrada de ferro de Olinda, com mui-
tas arvores de fructo de diversas qualidades e bai-
xa para capim : na ra dos Pires n. 32, casa de
Cecilio.
Vende-se a metade de um sitio no lugar
Cruz do Kebouco, na estrada de Iguarass, fica
urna legoa peqaena qoem da villa, o qual tem
urna excellente casa de pedra e cal feta ha quatro
annos, e tem niuitos arvoredos de fructo, como
larangeiras, c; 'ezeiros, etc., e bastante trra para
roca e plantacao de eanna. Esse sitio foi do falle-
cido Bento de (Urvalho Bastos: quem quizer com
prar a metade, dirija-se a ra do Livrrmento, loja
n. io.
Veodem-!e escravos de ambo3 os sexos: na
ra do Imperador n. 75, 2 andar, das 8 da ma-
nhaa os i da t;.rde.
QUINUM LABARRAQUE
APPROVAOO PELA ACADEMIA OE MEDICINA DE PARO
O Qqiniun Labarraqna, eminentemente tnico e febrfugo deve ser
preferido i todas as outras preparagOes de quina.
Os Tiahos de quina ordinariamente empregados na medicina preparam-se
com cseas de quina cuja riqueza em principios activos extremamente
vanavel; parte disso, em ratao de seu modo de preparacSo, estes vinhos con-
n Ve8tig,0s de Principios activos, e em proporeflas sempre variaras.
) Qnlalam Labarraqna, approvado pela Academia de medicina, con.
atitue pela contrario um medicamento de composicao determinada, rica em
principios activos, e com o qual os mdicos e os doentes podem sempre contar.
A"****11'**-1"*"**** PMscripto com grande xito s pessoas tracas,
delibiUdas, seja por diversas cansas d'esgotamento, seja por antigs moles_
tas; aos adultos fatigados por urna rpida crescenca, s meninas qui tem dif
cuWade em se formar e desenvolver; s mulheres depois dos partos; aos velhos
enfraquecidos pela edade ou doenca.
No caza de chlorosis, anemia, cores plidas, este vinfco um poderoso
mliar dos ferruginosos. Tomado junto, por exemplo, com aa punas ds
*ua, produi effeitos maravilhosos, pela sua rpida acclo.
Deposito sa Paris, L FUERE, IS, ros Jacob
JWirin., BDPOMCBLLB; BKTOLOT. Ptnunkue,, MADRE1 (?
CEMENTO
O verdadeiro portland. S se
ra da Madre de Deus n. 22,
Joo Ma'tins de Barros.
C aixa Filial dio Uaeo ala
sil em Pernnmbnea, em llaaf-
da^So SS de jaaelra de 18 3e>.
A Caixa filial vende o grande e exilien-
te sobrado sito ra Imperial n. 64, ceas
accomodaccoes para grande familia, e uav
bem venda a casa terrea contigua a. 6f :
tratar na mesma caixa i roa do Gaaaasr-
cio n. 34.
TASSOIRMAOSa-C.
iaah
Vendem em seus srniazen, no eaes do
n. 7, Escadinha n. 1 e roa do Amorim
seguintes gneros :
Ac de Miio.
Mil lio em saccas grandes.
Farello em saccas de 90 libras.
Chumbo de munirao surtido.
Metal amarello para forro de naviosJ
Machinas para descaroijar algodo de 14, |< 0
serras.
Kerosene em latas de 5 galota.
Champagno do afamado fabricante Eruc.
Hormoutb.
Vinho do Porto engarrafado. >
Coac do afamado fabricante Gadtfer
Fogo da China, caixinhas, 40 earas a. I.
GeDebra ingleza i01d ton
Cimento Humano.
Cimento Hidrulico.
Cimento Portland.
Gesso para estuques.
Cannos de barro para esfotos.
Cradeamentos de ferro para ja
Carros de mao para servicus As
Garrafoes com 5 galdes de vinagre G
dem com 3 galoes de vinagre unto.
Chumbo em barra.
Especial para maa.
Em porcao e a retalho, ws sa ao
de pianos e msicas do Aatvedo, raa [
[mero 11.


I
Diario de Pernambuco Quarta fera 16 de Fevereiro de 1870.
ii
i

A DINHEIRO NA LOJA E ARMAZEM
DE
FEMX PEREIIM DA HTLWA.
0 proprietario d'e3te grande estabelcimcnto, vendo que se esl aproximando o fin-
'.o auno, e tendo em ser um grande deposito deposito de fazendas; nao fallando em
irritadas encommendas que Ibes esto obrigado todos os das, tem resolvido liquid-
is por preco muito mais baratos do que em outra qualquer parte ; s eom o fim
4e diainair o deposito e apurar dinheiro. Enconlra-se neste estabelecimento do
PA-VO, avoltado sortimento deiazndas de laxo e modas; assim como de primeira
'eeesi-idade. As pessoas quo negociara em pequea escala n'esta loja podero surtir-
jewndendo-se-lbes pelos preCos que compram, n elkinssimas familias podero mandar buscar as amostras do todas as fazendas, ou raan-
iar-se-ha levar pelos caixeiros da mesma loja em suas eisas; o estabelecimento se
cha constantemente aborto das 6 boras da manba s 9 da noitc.
SxplendidO SOrtmentO de Crochs para cadeiras e soas
roupas feitas
*S CJIMAU
NA LOJA DO PAVAO RA DA
IMPERATRIZ N. 60
Aeha-se este grande estabelecimento com-
pletamente sortido das raelbores roupas,
du calcas pautte e coletos de casemira,
e -panno, de brim, de alpaca, e de todas
o mais fazendas que os compradores pos-
ea-desejar," assim como na mesma loja
; '39, brins, etc. etc. para se mandar fazer
jnalquer peca do obra, com a maiorpromp- e
idio vontad do fregnez, e nao sendo
bridados a acceita-las, quando nao c-stejam
para cadeiras e
O Psvo tem um grande sortimento dos
mais bonitos crochs proprios para cadei-
ras jsofs, mesas, almofadas etc etc., assim
como proprios para cobrir presentes, e ven-
de-so mais barato do que em outra qual-
quer parte,
GLACE' A 1:200 PARA VESTIDOS
OPavo tem esta nova fazenda-lisa pro-
pria para vestidos, com as mais delicadas
cores e com mais lusfre do que a propria
seda com 4 palmos de largura que facilita
fazer-se qualquer vestido com 10 covados
vende se pelo baratissimo preco de 1:200
rs. o covado, pechincha.
ALGODO ENFESTADO
'Xrcletaraente ao sen contento, assim como Vende-se orna grando porcao de algodo-
a'esto vasto estabelec!toe.nto encontrar o snh0 americano com 8 palmos de largura
respeitml publico um bello sortimento de propr0 para iences e loalbas tendo]isoc
franeczas e inglezas, ceroulas de trrncauo que se vende por preco muito em
Mo o alod3o e outros muitos artigos
proprios para homen9 e senhoras promet-
'do-se-llie vender mais barato do que em
irra qualquer parte. Na ra da Irapera-
'jtz n. 60, loja e armazem de Flix Perei-
' da Silva.
Pechincha a 2^000
Para leuqes.
>"* luja do Pavao vende-so superior bramante
? n 10 palmos de largura, dando a largura com-
n'm.-nlo do lencl, sendo apenas preciso para
-ada .'en col un e nieie, ou u-n a u:n quartu me-
nea ; alm desta aplicaco tem muras muitas
. j a.Tanjos de familias a. vende-se pclojbarato
- prko de 2^000 o mclro a loja do Pavao, ra
a fir.peratriz n. 60. De Fefra Pereira da Silva.
Ctangaflde linho
Vende-se gangas de linho com qna irinhos
muito boa fazenda, para roupa de bomens
e meninos e vende-sc pelo barato proco de
SOtir* o covado:
IIN'CHA EM PANTO PRETO A 2:J00.
0 Pavo vendo superior panno preto fino>
i pallitots, calcas, rolletes, etc., pelo ba-
ratsimo preco de 2:400, o covado, gran-
jchincba.
Cortes de casemira prctaa 4&00
OPavp vende os superiores cortes de
gemirs pretas entestadas, pelo, barato
f.s'W de 4:500, pechincha.
PARA O CARNAVAL
Verbutina a640 rs.
T) Pava vende bonitas vei botinas de co-
lara dminos e outros trages de mas-
mas pelo baralissimo prego de iO rs. o
i'KCHINCIIA, ALGODAOSINHO V i;0O0,
O Pavao et vendendo pecas de algo-
aasiolio francez, tendo 4 palmos de largu-
ra com i l metros cada peca, pelo barato
: 0>de 4(J000.
l*eeas de- madapolo a :t:.0O.
O Pavjfe vende pecas de muito bom ma-
dapoln tendo 12 jardas cada urna, pelo ba-
~alo preco de 3:500.
(ROSDENAPLES PRETOS.
Chegou para a loja do Pavao um grande
"tiLimonte de grosdenaples pretos, tendo
'a 153O at 5#000 o covado neste genero
os melhors e mais largos que tem vindo ao
mercado, assim como bonitas sedas pretas
lavradaSo iroireantiquesetc, todas esias fa-
fodia, vendem-se mais barato do qne em
:jtra quafquer parte, por lia ver grande
porco.
PERCALLVS E CHITAS BARATAS.
O Pavao venile um grande sortimento
*!as mais bonitas chitas claras e escoras, mais
)doque em outra qualquer parte.
assas a Z 1 rs.
Vende-te na loja do Pav8o bonitas cas-
laa de cores fixas a 240, 280e300 rs. o
1 lo.
r.amhraias brancas a 1:000 a 'pra.
S o Pivo vende pecs de cambraia
brtea transparente, tendo mais de vara de
ira, com 10 jardas cada peca, fazenda
' stmpre se venden a 7/JO00 e 8SK)00,
l nda-se pelo barato preco de 40000.
ASpaccs brllhaotes a fi. e HOO.
O Pa\fn) tem o mais bello sortimento de
i pas la viadas com as cores mais delica-
das que tem vindo ao mercado o tendo bas-
iRte laiguaa, vendem-e pelo barato preco
de i $000,' e 800 rs. o covado.
Merino de cordo
Vonde-sa merino preto de cordo pro-
i para calcas, palittt, e colletes, pelo
-simo preco de 10000, o covado,
AS P!)UPELIN\S DO PAVAO A 500 RS.
Cbegaram as mais lindas poupelinas de
" ;i com imitaco das poupelinas de seda,
-:n fazenda muito leve com as mais lin-
CB88, sendo: verde Bismark, rxa, azul
>, c asento, perolU etc, etc. e vende-se
iratissirao preco de oitO rs.
BONITAS LlSIIHftS
ANADINAS A idOOO RS. O COVADO.
Cbegou para o Pavao, um grande e va-
< sorliment desta nova fazenda de la
e seda propria para vestidos,- com os mais
oikados deseubos e mais modernas cores,
-eno bastante largura que facilita fazer-so
. vestido com poneos covados, pelo bara-
tsimo pi-ego de 14000 o covado, por j es-
ja muito prximos da festa.
COLCHAS DE FUSTAO
Ka loja do Pavao vnde-se um grande sortimen-
a de c&hu de (tutao sendo brancas e de core?
las da croch para camas de noiva, assim como
**.8 dauascos de lia para colcha?.
con la.
s'aaos de llnho
Cbegou um grande sortimento de pecas
de panno de linbo do Porto quo se vendem
de 700 rs. at liJOOO a vara, garantindo-se
que em fazenda de linho n3o ha nada me-
Ihor, nem mais proprio para leaces etoa-
Ihas.
PBGHKHA EM CHAPEOS DE SO.
Cbegou um graade sortimento dos me-
jores chapeos de sol de seda, ingiezes ten-
do neste artigo o melhor qne tem vindo ao
mercado assim como urna grando porfo de
ditos de alpacas de todas as cores e todos
so vendem por preco muito mais barato do
que em ootra qualquer parte, po baver
grande pere3o.
i ene os ?>ra Vende-se um grande sortimento de len-
cos brancos para homem, sendo a dnzia a
1600, 2JOO0 e 3??00O, ditos abanhados
muito finos a U e 6^000 a duzia, ditos de
espuio fazenda muito superior a 5(J, 6j5 c
7*000,
Os balOes do Pavao a 2#000,
Clieg- u um grande sortimento de bales
ou creQoiinas do feitio mais moderno muito
proprias para vestidos ennesgados que se
vende pelo baratissimo preco de 2)5000 ca-
da um grande pechincba
Fugies Lratieos para vestidos
Chegou um lindo sortimento dos mais ba-
ratos e bonitos fustes brancos com listras
e crdoes, sendo fazenda bastante larga e
flesivel, muito propria para vestidos e rou-
pas do meninos e vondem-so a 640 o co-
vado.
CRETONES MATISADOS PARA VESTIDOS
A 640 E 800 RS.
Para a loja do Pav5a chegaram os mais
bonitos cretones escuros matisados, pro-
prios para vestidos, roupao chambres etc.
que se vendem 800 rs. o covado, assim
como a mesma fazonda em padroes ciaros
proprios para vestidos o roupas de meni-
nos a 640 o covado, sendo os padroes mais
moderaos que tem vinpo ao mercado.
m n SIL CAYABOS DI
LASINHAS LUSTROSAS A4O0RS. O CO-
VADO.
Corpinhos de cambraia, primorosamente
enfeitados com fitas do setim e obras essas
cuja novidad de molde eperfeicao de ador-
nos rs tornara apreciados.
Titas mni largas de diversas cores e qua-
lidados para cintos.
Leques uesse objecto muito se poderia
dizer querendo descreve-los minuciosamenie
por suas qualidades, coree e desenhos, tal
o grande e variado sortimento que acaba
de chegar, mas para nao massar o pretn-
deme se Iba ^presentar o que poder de
melhor.
Entremeios em pecas de 12 tiras.
Guipure branco e preto de diversas qua-
lidades e desenhos.
Ditos de algodSo com flores o lisos.
Veos do seda para chapelicas e monta-
ra.
Meias de seda para noivas.
Ditas abortas de fio de Escc-sia.
Costumes ou uniformes, para meninos.
Enxovaes completos para baptisados.
Toucroinhas de fil, sapatinhos bordados
e meis para ditos.
Camisinhas bordadas para ditos.
Qoanao a AGUIA BRRNG\, mais precisa scienlificar ao rospeitavet publico em
geral, e em particular a sua boa freguezia, da immensidade de objectos que ltimamen-
te tem recebido, justamentojquando ella-menos o pode fazer o porque essa falta inTO-
lunlaria ella confia e espera na benevolencia de todos que Ih'a altenderao e relevarSo,
continuando portanto a dirigirem-se a bem conhecidalr ja da AGUIA BRANCA ra do
Quoimado n. 8, onde sempre achariio abundancia em sortimento de soperioridado em
qualidades. modicidade em precose o seu nunca desmenttido AGRADO B SINCEPID.*-':'"
Do que cima fica dito se conhece que o lempo le que a AGUIA HRAISC\ pu.io
dispr, empregado apezardesetis costos nodesempenbo de bem servir a aquelles que a
honram procurando prover-se em dita loja do que necessitara, entretanto sem ennumo-
rar os objectos que por sua natureza s'io mais conhecidos ali, ella resumidamente indi-
car aquelles cuja imporUncia, elegncia o novidado os tornara recommendaveis, como
b- m seja
Capellas brancas para meninas.
Grandes sortimento de flores finas.
Fil de seda, preto.
PERFUMARA
Grande e constante sortimento do dita,
sempre melhor quajidade.
Lindos vasos com p de arroz e pinsel,
Caixinbas com ditos aromticos.
Bonitos e modernos pentcs dourados
para circular o coque.
Bonitos brincos de plaquee.
Aderecos e brincos de madreperolr.
Caivetes finos para abrir latas.
Tliesouras para frisar babadinhos.
Aspas para balo.
No vos stereoscopos com 48 vistas, as
quaes sao movidas por um machinismo
urnas substituem as outras.
Vistas para stereoscopos.
Bonitas caixinhas de vidro enfeilados co
pedras.
Ditas de rcndcira envernisada com vispo-
ras e com dminos,
Bollas de borradla para brinquedo de
criancas.
Diversos objectos de porcelana, proprios
para enfeites de mesa e de lapinhas.
^Tende-se por menos de 10, 20 e 30
SO'. NO
S o Pavao
Vende-se um grande sortimento das
nais modernas o elegantes laasiohas para
vestidos, com as cores majs novas que tem
jndq a este mercado, sendo com lislrinhas
aaiudinhas quo" parecem de urna s cor e
x>m tanto lustro que imitam perfeitamente
is poupelinas de seda, e vendom-se pelo
aarato preco de 400 rs.
OssetinsdoPavao
Vende-seos mais bonitossetins de cores
i mais encorpalo8 proprios para vestidos
tendo de diversas coras.
AOS PALTOTS DO PAVAO A 18 e
200000.
Vende-so um bonito sortimento de palito-
s francezes sendo, sobrecasacados e pro-
piamente sobre-casacos, que se vendem
'oriados de alpaca a 186000 e forrados de
FAZENDAS PARA LUTO
Na loja do Pavao.
Encontra o respoitavel publico neste cstabeleci-
oento um grande sortimento de fazendas pretas,
orno aejam, eassas francews e ingieras, chita
retas de toda as o^uadadef, fazenda de la de
odas qne tem- vindo, proprias para luto, como
ejam, tiazinhas, alpacas lavradas e lis, eantio,
lombazinas, merino, etc., qne tndo se reode por
reo>barato.
Vladapolao francez a 7*000 rs-
Vende-se pecas de madapolSo francez
.ora 2 metros pelo baratissimo preco de
WOa peca, pechincha.
Altas navidades em sedas
Chegou urn grande sortimento das mais
aoderoas poupelinas ou gorguroes de seda
linho com os mais eleganes padroes que
em vindo a este mercado sendo, miudos e
rranflo8, tanto em cortes para vestidos como
ara vender em covado, assim como um
wiiito sortimento das mais- bonitas sedas
letradas que se vende todo muito em conta
CERA DE CARNAUBA.
Vende-se urna grande prfiSo de cera de
arnauba em saceos por preco mais barato
k> que em ou.ua qualquer: na loja do
Jav3o roa 4a Imperatriz |n. SO. De Flix
JerSira da Silva.
N. 23Largro do Terpo.N. 23.
DE
SIMAO DOS SANTOS ft C.
Os^proprietar'ws deste bem sortido armazem desecco e raolhados estSore-
solvidos a fazere urna grande diminuicSo de preces.as suas'mereadorias, como se apro-
xima a festa e sempre se fazem avultadas compras para o centro e pracaj por
isso previnem ao respeitavel publico em geral, que mande fazer suas despeneas e cer-
tos de que vero a grande ditlerenfa em pj-ecos mais do que em outra qualquer parte
e garantindo-se as superiores qualidades.
GAZ AMEBICANO 9,5500 a lata, e 440
rs. a garrafa e G60 rs. o litro.
VINHO VERDADE1RO F1GEIM 560
a garrafa, e 4#500 a caada e 800 rs o li-
tro.
DEM DE LISBOA das raelbores mar-cas,
400, 440 e 500 rs. a garrafa, a 2800 el
SEVAD1NIIA E SAG -280 rs. a libra e
020 rs. o kilogrammo.
FARINHA DE ARARUTA VERDADE1M
640 a Fibra e 45400 o kilogrammo.
BOLAXINHA INGLEZA MUITO NOVA a
400 rs. a libra e 8 VELLAS DE ESPARMACETE 720 rs. o
WODIMS EM fiROSSO
BASA NEGOCIO
POR PRECOS MUITO BARATOS
NO BAZAR DA MODA
Ba Nova n. 50
Coques imitaco de cabello,
guai necidos de bellos enfeites
ultima moda, a duzia i000
Papel superior de quadrinhos,
era caixas com 20 cadernos a. 640
Envlo'pes porcelana, muito boa
fazenda o milheiros em caixi-
nhas de 100 ..... 7$506
Botoes de osso bem pulidos para
calcas, a grosa 220
Ditos cobertos de superior setim
de todas as cores, a grosa dos
pequeos a 3,5000, e dos.gran-
dts a. ."..... 4^000
Ditos com interessantes pholo-
graphias para puntos a duzia
de pares a...... .'y 00
Ditos de osso imitando o marflm
com lettras a duzia 8^500
Ditos lizos muito boa fazenda a
duzia........ 35500
Abotuadurs para camisa sendo :
2 botoes ara os punhos, 3
para abertura e 1 para o col-
larinho brancos, escarlales,
e pretos a duzia .... 8f>000
Brincos de c'rcs a ba!5o, cousa
mu lo cbijue a duzia d pares. 150O0
Lindos frasqninhos empalbados
com bom extracto para lenco .
.a dzia....... 85000
Ditos ein bonitas caixinhas ca-
da frasco a dnzia. 6|0OO
Tinta para marcar roupa, muito
superior cada frasco em sua
caxrab a duzia. ->000
Livrinbos com capa de metal
dourado c com bonitas oroces
para a missa a duzia. 75506
Sabonetes de amendoas amaa-
gas esp|ciafid:de do BAZAR
UA MODA, a "dnzia 25508
tapis pretos de superior quall- ,
dade, oitavados a grosa 3.$ e 4.-000
Escovas finas para denles a du-
zia a 15600 c..... 3S0OO
Altinctes muiio bons, brancos e
pretos, a duzia de caixinbas a 25800
Pemes pretos de muito boa qua-
lidade s grandes para alisar
a duzia....... 4J7O0
Ditos marellos fazenda superior,
para alisar, a duzia. i 15700
Ditos de borracha i om costas de
metal para repassar, a duzia. 25400
Ditos enfeitados com contas de
cores a duzia a 45 3*5 e. C>tf)00
Interfssantcs coquinbos capri-
chosamente escoltlos dentro
cora um bom e lindo rosario
a dnzia 105, 125 e 145000
Grande sortimento de miudesas.
Grande sorlknento de quinquiiharias.
Grande sortimento de perfumaras.
Pagamento reabsado no mesmo mez da
compra com descont de 10 o/0, ou letra
acceitaaseis mezes de praso.
Jos Soaret de Souza & C.
Borro para vender
Vende-M nm taw para carrea e um raa4T>
de sella : n.i fabrica rto ga.
Vende-uni tabriolft i->vo' ** ta mi*.
pur prejo imito rummudo; na cflkna ioGei-
Iherme ra Jasmim n. 20.
Alupa-se ricos dminos prelns 904 ztA St
couiplelos rostumes de phanU-ia de 104 al Ml
e vende-se calcns de meia encarnada.* e braoea
a rus Bella n. 49 snbrail... 9
Vendo-si)

a anrarao de li.uro nova, -rae (uto
no pavimento terreo doseirado a. 7 u.. a roa 6
S. Gonealo. o todos os peru-nn y* me-
dulas de lquidos e mdhados (j aferoai r m n-
cellente braco Kmao & C, com as.-..nci,i
amar lio ; veude se para lirar eJo .,
scualujiueJ mdico, e garanto ><>. a ra*a.qa_ er-
vo nao < pala laberna c.iiiko un algumdtps*i< .
ou fabrica de einnw, como ja lew, ei|ae 111*.
alrcpiieraiU, assim ci;mo um can liciro de ra/
sistro e cuca naca.., o dea pa ar_
quiadas de ferro r n. torneiras .1 me;. I : a iraUf
no bcrco das ItarrAiras, cafa irrrn i
tranci.'cn Jfc Rllniro IJrapa r .m I..I
cigarros c charutos na na DilV :.i n o letm
pre para vender cigarros '.' i 'i.il.ikJtt*
e de muitos b>i fiiuos : a#im mu clwroi^ fa-
bricado- com fumos da Bahi, .1 ;.;.~ i, s. !-ri-
nh'j. e cojos se vendem p.-l> s prego* de lij, |jj
e 16j rs. o inilheiro, baralisfimo .i risti qunlidade, o ^prompla-se tamben. enr..;:uner:*H,
vonude dos reguezes e por pr>-cs ii.u.i raa*-
veis.
Anida esia para so vender o siik. da u
sa doa Remedios u. 21, m frepneoa d..i AiT.-g.-
dos (no estado em que se acha) : <-,'. m pret.
emenda se cop sm K'prielarK. o. m
ra de S. Francisco u. 10.
Farinhu de mandioca
I)e superior qualidadn o em sarco* erandac,
venJe-se no* arm,vens da compinh-a P. rail
oann. nm da A.wmble.i.
Para- o carnaval
Na ra oslreia do Horario n. 3:, 1 andaf. i
um graude sortimento de veshMriuc de fitnci-e
bordados a miro e a seda e lia, lodu *> nllr.
gosto e baratos, todo novo, v^nde c e alag..-
tem um grande sortimento de dminos \ ,de velludo e s-eda. t:ido novo, a vender ^ r
gar-se ; vrsidanof para mcateo. ttatm tmbid
muito posto e barato ; f/-s tambein qiahaarr
vestuario a caraciere a gost.de sen d> i,->-. |pn
grande sortimento de dnanos dt lib nv it.> I.
los para vender-fe o aWgir ,e. vesiuirt-^ nc. .
para quein tiver gc.-to, proprios pira
passeios.
I
Resta 4 venda um escothido sortimento de ob
(ectos de marcmeria, como sejam, mobilias de ja-
earand, mogno e amarello, obra nacional e estran-
jeira, da apurado gasto e por prego* razoaveis :
tu ra estreita do Rosario n. 32. Nesta mesmi
jasa fazem-se com perfeicao todos os trabalhos d
(Mtlinha, como sejam, empalhamentos do lastro'
lara camas, cadeiras e sophs.
i echnc/ui
Vende-se a dinheiro ou a itrsso nma b .:.-. -
maco luda de ainarcJIo o onndrae:. la.
para qual.jier estabelecimento,, l-m todos os w
cilios para taberna, e garntese a casa, aeaxto e::i
um do> melhores loeae d.i Ito.i-vista, rui '\ U.
peratriz n. 39 : a tratar n?. me*ma n. V.
" Mii.iin
Vendo-se no trapicho Baran do Lirrametrto sne
eos com milho, l)a saccaria e por Mal
Mn_oulra qualquer parle.
Acha-se exposlo a venda em todas M
livrariaso almaoack desta pioxiru pelo
prego de 2^00.
Vende se a casa n. 18, da roa de S. i>cd.,
2 quarlos, a tratar na ra do Caldeireiro n. t,
3i5200 a caada. 060 o 720 rs. o litro.
\WM BRANCO DE LISBOA a 40000.
a caada e 580 a garrafa, e S iO rs. o litro.
VINAGRE VERDADEIRO DE LISBOA
200, 240 e 320 rs. a garrafa,- 10400,
10800 e 25200 a caada,
AZEITE DOCE DE LISBOA 900 rs. a
garrafa, e a 70 a caada, e 10340 o litro.
MANTE1GA INGLEZA FLOR 10400 e
10280 a libra, 30060 e 30780 o kilo-
grammo.
DITA FRANCEZA 980, 900 6 850 rs.
a libra, e 2|00, U980 e 10880 o kilo-
grammo.
DITA PARA TEMPERO 560 rs. ali
bra, 10220 o kildgrammo,
far abatimento.
masso, em eaixa lia abatimento.
PHOSPHOROS DO GAZ E DE SEGI>
RANGA, 280, 400 e 660 rs. o masso,
3200 e 60500 a groza.
AMEXAS EM LATAS E CACH1NHAS
DE MUITOS TAMANHOS 10280, 20500
30500,40500, 50500 a lata e a retalho e 10
a libra.
GOMMA DE MILHO AMERICANA 00 rs
o masso, e emcaixaha abatimento.
BATATAS NOVAS DE LISBOA 60 rs.
a libra, em caixa faz-se abatimento.
SERVEJA INGLEZA MARCA U 4 50500
a duzia e 500 rs. a garrafa.
DEM BASS, VERDADEIBA IHLERSi
cm porcio se BELL, 800 rs. a garrafa e 90 a duzia.
VINHO DO PORTO ENGARRAFADO DE
COGNAC.
De superior qoadade da mui accrediU-
da fabrica de Bisquit Dubouch de C., en
cognac urna das que mais agurdente d>
cognac, .fornecem para o coosummo di
Reino da Inglaterra.
Vende-se em casa de Th. Jnst. ru di
;ommercio n. 32.
BANHA DE PORCO DE BALTIMOOR DIVERSAS MARCAS 10500, 10200, 106
720 rs. a libra, o 10560 o kilogrammo; em 800re. a garrafa.
GENEBBA DE HOLANDA E HAMBUR-
GUEZA 70 o 60 a frasqoeira, e 500 rs. o
porgao se far abatimento.
ARROZ DO MARANHAO E DA INDIA i
120e rs. a libra, 260 rs. o kilogrammo e
30400 a arroba.
ALPISTA 200 rs. a libra e 440 rs. o
kilogrammo, e 60000 a arroba.
GAF EM GRAO 60 e 60500 a arroba,
200,240 e 260 rs. a libra. 440 e 520 rs. o
kilogrammo em sacca se far abatimento.
SABO MASSA 240 e 200 rs. a libra,
320 e 440 rs o kilogrammo, em caixa se
faz abatimento.
MASSAS PARA-SOPA, MACARRO, TA-
LHARIN E ALETRJA, 560 rs. a librare
10220 o kilogrammo.
BOLACHINHVSEM LATAS DE DIVER-
SAS QUALIDAI>ES, bem como perola bri-
Ihante, combination, Francy-cracynel, mixed
Britania. Mdium, Fancy-nif>nac, a, b, c, e
soda a 10000 e 10400, cada nma lata.
Assim como ba outros muitos
frasco.
DEM DE LARANJA DOCE AROMTICA,
110 a frasqneira e 10 o frasee.
QUEIJOS DE DIVERSOS VAPORES,
30000, 20800 o 20400 era caixa ha abati-
mento.
TOUCINHO DE LISBOA MUITO ALTO
400 rs. a libra, e 880 rs. o kilogrammo,
e 110500 a arroba.
LfNGUICAS FINAS PROMPTAS EM LA-
TAS 10000 rs. a lata.
LOMBODE PORCO ASSADO JAPROMP
TOval0OOOrs. a lata.
CHA FINO. GRAUDO E MIUDINHO
30200 e 20800 a libra, e 60100 o kilo-
grammo.
DEM PROPRIO PARA NEGOCIO 20000,
20200 e 10800, rs. a libra,
gneros, vinho em ancoretas, azeitOnas,
Farinh de mandioca
Vende-se farinha de mandioca nova e muito su-
perior, ebegada ltimamente de Santa Catbarina.
a bordo d lugre JUargarida, fundeado defronte do
trapiche do Exm. Darao do Livramento ; e para
iratar ra do C^mmercio n. 17, cscriptorio de
Joaquim Jos Goncalvcs Beltrao.
Maia & Landeiino.
Vende saceos com farinha de-mandioca, por
menos preco que em oulra qualquer parte: na
ra do Queimado loja n. 18, que volta para a ra
estreita da Rosario
BRACO
multo novas, passas e figos novos, charutos de diversas marcas, marmelada, feita pelos
melhores conservemos em Lisboa, gelea de marmello, pcego, ervilhas, em latas, por-
tugus e francezas, \inho verde engarrafado retalho, peixe em latas, bem como
pescada, tainha, pargo, goraz, lula, corvina, vezugo, cavalla, sarda e sardinhffl de Nan-
tes. CaneHa, cravo, ervadoce, cominho, pimenta, grande'smolbos de sebolla 10500.
Finalmente mbito? outros gneros que enfandonho menciona-los.
PORTLAND.
Vende-se no armazem amarello de Vicenie Fej*
Na ldja e armazem do Pavao tw da Imperatriz n. 0.
PARA A jFESTA
3 portas, l 53-Eita Direita--53
Neste *rande estabeleeiment, ha para vender i reillndaaKwtnF'l!!2l ^efroBt do nu> da Con-
nm completo sorimentode fewagan,: -e miadezas I m^'era barrMas frandes
Anas e grossas, como sejam bandejas cbiuezas
quadradas e ovaes, facas e garfbs do 1 2 bo-
t5es, balaaeo iaKiro e- 1/2 balando; panells, cha-
Ibelras, cajaratli.s, friflidelra, assadetras, tanto,
de ferro eomo do porcolana, moinbos para caf de,
diversos tamanhe-s do fabricante Japy, pesos kilo-
gra-imos. tanto d& ferro como de latao, metros
para'medir farouta tanto de ferro como de lati,
Ra do Imperador n. 26
Neste novo estabelecimento encontra-sf
diariamente um variado sortimento de bo
linhos para cha, pastis, podim, bollos in-
glezes, pes de l. presuntos, ditos mi fiam-
bre, superior cha Hysson, preto, e miudi-
Dho. Vinhos finos de todas as qualidades
conage, licores, conservas, champagne, cer-
veja mgleza, fructas muito boas, por-
tuguezas e franeezas.
Um completo e variado sortimento de
caixinhas de todas os gostos e precos pan
mimosear senhoras, estas caixinhas recen-
temente chegadas de Pars s5o de primera-
> gosto, offeresse-mo-las aos galanteador
do bello sexo pois nellas acharlo nm dignr
e serio presente para as donas dos seu
pensamentos. Tambera os apreciadores i
ha fumaca encontrarlo charutos dos me-
lhores fabricantes da Babia e de Havan&
sganos do Rio de Janeiro etc. etc.
Doces d'ovos seceos, christalisados e dt
calda, ditos de caj e de outras qualidades
Nesta casa recebem-se encummendas par
bailes, casamontos e baptisados t> qualquer
encommendas avulss, como seja pao d" \(
e bollos enfeitados e outros murtas couza
qne enfadonho mencionar.
'alttro, bren, barhata,alafre, papel marca -via-
do, do verdadein.Kcardo, maofainas para desea-
rucar alpodao; outros artigos de ferra-
ge'm, mkideras citnarfa"- ftnas, qne s cora a vis-
ta se veriflea; ni rea dlreita n. 53 loja de 3 poi>
Us do Manoel Bect de OHveira Braga* C.
VENDE SE narrenda-se o eogeam
S. Gaspar, sito na frejjuezia de SeriobtTE
comarca do Rio Fnrmoso, prximo do em
bar-qne, com grandes partidos -de pal t
massap # roda damoenda. mattosmanguei
para madeira nerssaria, tiom pasto, etc.
atra.tarnaruad'Auro?a-n. 26, ou na d'
Imperador o. 20.
. Sevada,
Vende-se na ra Din iu n. 30, k i* arraba.
Vinhos puros.
Henrique A Azevedo, cm seu armarem i ra da
Caleta n, 34, leempara vender vinhos das segUin-
'.os '(nulidades : I
Callares em ancoretas.
Bnirrada idem dem.
Itcellas idem idem.
Brancu bou em caixas de urna duzia, engarrafado.
Bsiirrada idem dem.
Pnrt'i M*m idem.
Bastus idem idem. '_______
Vende-se mn bom cao de Ola : iratar no
Var;'.douro em Ohuda.
ESCBAVOS FUGiBOS,
Aviso s autoridades poriac,
e a quem coii.pplir
No dia 2 de naio do corrente arno.
fugio o escravo Ezeqniel, crioulo de UO 3a
anuos de idade, estatura* regida.-, refcrcac
cor bem prcta. cabeca redot da, traja', a ca- *
mi a azul e calca de rassemra ciitzenta
durante < dia costuma andar anbando na
ras, ou em armazens d>- asscar ou n s >
bermas a conversar e a bebrr; dirante j
noite recolhe-se a telheiros 'abertu?, ou pn
nelravcis, a casas em construcrao e a ontuv
quaesquer lugares, onde se pnssa abrigar
quem o apprehender tenha a hondade de t
conduzia a ra da Aurora n. 26, ou na
Imperador n, 20, onde ser yratnVad.
Desde o dia 20 de julho do ann pascad jiro""
fugio de casa do abaixo asignado o preto Jon-
quim crioulo, de 24 annos de idade. rujo esm?
f i preso no municipio do aenry. provin-'ia
Rio Grande do Norte, no sitio Garganta, por Qc
gario Americo Manado #nnj<> qnal andav.
como forro, e tendo eu 'Ciencia rii-*o, fui a mi i
provincia e effectivamente t.oxe ilitii escravo ipn
lornou a fugir da poru ira do serrado do raga
Cruz desta provincia freguezia da Lur, M :
mado cor fula, alio e cheio do corno, caneilas fi-
nas, pos pei|iuninos, pouca barba, olbos grandi
e avermelliados, orelhas pepoeila, cahef!
dos, olbos espantados, levou vestido nmiw
algodnzinho j usado, serollas compridas de M-
gedao da trra e diapo de ecur- : quem oa{re-
bender e levar a dito engenho rr.i -ruf-.-dn
com generosidade, ou na roa da Concedi i
da Bi a-visl.i.
Escrava fgida em S.
Miguel de Campes.
Fugio a cabra J<>nnna, ~da~ casa de rrn ewknt,
em S. Miguel de Camno?, comprada a poucos
zes, ao Sr. Jola Ja:iiiilio de Med
seus signaos >ao idade 30 aun' s. cn
estatura alia, corpotefita, d>?pora denles na l>ente| resto chalo, qn M*pannie.
e feia : quem a levar a seu senlmr :.baxti,aMHg
nado era S. Migo! de- Campos u om 3.'
Sr. Antonio J"e Durte da Silva Brrfgn et Re
rife a earvaHtu Zenhat A ft, largo da alftniaa.
n. i, ser enonsmenle gratitra-n. .
Acha-se ftigMoo ew>rvo hwh, PMtfn
idada 20 anuos maia n raeno, un deteiw
una pero* e braoo, esto escrav.. vei.i lia p-,
do Sobral. muito ladiuo, enrulca d^ fhrrf,
desconffa-se eslar acoutado-, o q>ie **4eM te-pre-
testa contra qoern o tiwr eiu>. f.raika*
quem o levar ou drlle der aoticn a ra da Ua-
dro de Deaa n. 5, Io andar.
Fnai doaogenb*CamanKl%e na frefuta*
dr Sennhaen pertencantes-.a Gaspar Mauf
Wanderley os escravus segnint-'s : Sain:
lo haixo. meo, n^riz chato, diz *h da fVwta- p.r
ter sidn o mpradn peqwno. Jiclo4o Ka-
de rrinta e tanti s annos, ps chai.s veMae arr-
bitadas, eslalura bwpa, crf.ixaJa. peora barba
t esta na-pi nta do queixu, Felijij* metal. daldi-
de de t atinos punco mais nti nnii >s, bahe,fft*.
so. sem dcfidto algum, tiv> b'i* em a4|amvi. po
ivm pnuco aanatace; por i*-.an> s as aa4an-
dades polwiass e apitaes doeamp a captura d
mesuiiis e lvalos no mesmo engenho on na i
da MueJa n. 5, 2" andar escripv.irio de Mantel
ves Ferreira o. que serin igralialaatfos.
M(leque fgido.
Esl fgido o molepie Loi (por ipBellfc'
cblmbn), lade 13 annovnariaarrean*',
tortas, devj ser encontrado
on em algnma Testa : quen
di co de Card'iso A trtalo, a rea d Bnnv. n, tw,
qao se recompensara.
\
R


8
Diario de Pornambco Quarla feira 16 de Fevereiro de 187

uiwrtmr-^cxt
UTTEBATRA
POUCO DE TUDO.
JURY EMFRANCA O peridico trun-
coz o Parlamentv publicou o testo do re-
(atorio dirigido pelo ministro da juslica ao
imperador, a respeito do n/qject de le re-
lativo jarisdiccSo do jury em assumptos
d- imprensa. E-se rel<*torio seguido iIjs
duas redac$ues entre as qoaea BtnHio Olli
\ier parece ainda hesitar. Eis o realo-
torio:
- t Senlior.Teir a honra de pedir ;>
Voss Magostado a autorisacO para enviar
ao xmsHho de elado un pi ojelo d; ei
qae tem por lim submelter ao jury es de-
l.jlos especiaos corumellidos por meio da
imprcosa
O meu filo, propondo esta providencia
e associar c*aa vez inais o paiz a defensa
dos seos ioteresses polticos e sociaes.
Pondo a magistratura alheia a discos-
ftoea de ordem puramente pol.tica, a le pro-
i Lada nao poder diminuir o prestigio, a
auloridade e a independencia de que deve
indar rodeado esse poder conservador.
de esperar que os grandes co pos
de estado compartilhem d'esle modo do ver
o adoplem o projecto junto.
Son comornis profundo respeito, se-
nhor, de Vossa Magestade o dedicado ser-
vidor. O guarda sellos, ministro dajuslica
e dos cuilos, assignado. Emita Ollivicr.
" Approvado. Assignado, Napoleo.
i este o projecto de le .
t Primara -edacco.
Artigo Io O conheciraento dos delictos
polticos commettidos por meio da impren-
ta perteocer ao tury.
Art. 2o At ser determinado de outro
modo a rastrocco e o processo farse-ho
- pelas formas ordinarias.
* Art. 3o A citaco poder ser dada di-
rectamente a requerimento do procurador
geral, nos termos dos ar igos 182 e seguiu-
, ts do cdigo de instrucco criminal.
Secunda redacto,
t Artigo 1' das atiribuicoes dos tri
bonaes de primeira instancia o canhecimen-
todos delictos commettidos por amados
. raeios do peblicaco annunciados no artigo
: 1 da le ds 17 de maio de 1819
As. raformacees, injurias e outros de-
. tictos coatra particulares ficam sendo, as-
sim como as contravences. da competen-
cia dos tribunaes correcionaes. salvo os
casos attribuidos aos tribunaes de simples
. polica.
< Art. 2o Sero observadas as disposi-
Ces dos arligos 20, 21. 22, 23 e 2i da
ite* de 26 de maio de 1819.
Art. 3. -Se, no caso de difamafo, pre-
cito pelo artigo 20 da lei de 26 de maio
de 1819, o tribunal d 1.a instancia fr to-
rnado por meio de citaco directa da parte
do ministerio publico, essa citaco ser
dada n'om espaco do vmte dias pelo menos.
O reo que quizer ser admittido prova
dos fados iever, nos oito dias que se se-
nuirfm ana ,rt i>iiu>n f-i-m.. ... -::i:___rr...
guirem aos da citaco. fazer as sigrificaces
^rescriptas pelo artigo 21 da lei de 2* de
maio de 1819.
Nos oito dias seguintes, o queixoso
conformar-se ha com o artigo 22 da raesma
lei.
Art. 4." A citaco poder ser dada di-
rectamente a requerimento do procurador
.geral, na conforraidade dos artigos 182 e
184 do cdigo de instrucco criminal.
Art. 5. No caso previsto pelo artigo
precedente, a Jiberdade provisoria de
direito se o reo foi preso.
O reo que, compareceu nao pode
tornar a vollar.
Art. 6. Os delictos mencionados no
l."8 do artigo 1., que ainda nao esli-
verem julgad.s no tempo em que se tomar
cxecutoria a presente ei, sero julgados
segundo as formas que ella estabelece.
VARIEDADE
Carla do Dr. Pin el sobre a
goil botina.
(Conclusao)
Se a cabeca Se uun decapitado nao expri-
tae por nenbum movimento os horrores
espantosos e indescriptiveis da sua situa-
rlo, pela impossibilidade physica ; 6 por-,
que os ervos de transmiss5o do cere-
bro para o tronco eslo cortados fia sua
origen!.
Mas ficam os ervos do ouvido, do olfato
e da vista, urna parte do terceiro par e todo
O piarto completo.
Estudai-os hbilmentee elles demons-
trado que essa cabera vive e pensa, mas
FOLHETIM
quod5o podendo evpor o seu pcnsamen-
to imroovel, u morle e o eterno
cimento.
Dr. Pinel.
O dente de ouro.
-----Q.ovio-se, emfim, o estridulo e ar-
gentino som da campainlia do presidente.
Os irinta e oilo membros da sociedade
Dente de ouro, que conversavam no sal5o
ou fuuiavam. enlraraiii no salSo e assenta-
ram-se nos bancos colocados em frente da
mesa.
O S". Virditeve tocou a campainha para
pedir silencio.
. Senhores e queridos collegas, dissa
elle depois de er ensogado as fontes e o
crneo com seu lenco encarnado, aqu est,
a acta da sesso de ontem, 22 de foverei
ro de 1856.
As trala e oilo caberas dos trinta e oito
membros da sociedade oscillar*n nos dille-
rentes raios da rosa dos ventos ; urna du-
zia de ali! ali! dous muito bem I >
e cinco ou seis t onc-amos! subiram at
o presidente.
O'Sr. Verscha>ve recebeu das mos do
secretario da sociedade urna folha mafius-
cripta e leu em voz alta:
O Sr. Van Mans&ovcn de Turnh-
honle premiado, comeu dorante hora e meia,
duzenlas e cincuenta e cinco gramma de
pao, un presunto de duas kilogrammas,
um prato de chicoreas pesando urna kilo-
gramma e bi-ben quatro litros de faro.
Total, sete kilogrammas e um quarto.
Tres ou quatro tmidos applausos 3C0-
Iherain essa leitura.
. O pobre Van Manshoven baixou de
perto duas kilogrammas sobre o seu con-
curso do anno passado ; disse o cerveijeiro
Bosscher ao ouvido de seu'visinho.
Silencio f bradou o secretario.
t O capillo Cappellemans (mais mofo)
contnuou o prssidente, a quem julgasfes
dever conceder por excepclo, e fra de
nossos estatutos, urna men$o honrosa no
ultimo concurso: o capiao .Cappellemans
(mais moro) comeu em qnatro boras: duas
kilogrammas de salmao, cem grarnmas de
molho genebrine, urna perna de earneiro
de tres kilogrammas, um guizado > gal-
ilnbollas pesando trezentas gramma; um
plum-pudding de quinhentas gramm; e
emtim bebeu cinco litros de rtabo de Bor-
deaux ; pouco mais ou meno3 dz kilogram-
mas e meio .e quatrocentas grammas.
Bravos prolongados partiram dos ha
eos, e algumas mos se estenderam para o-
capito Cappellemans (mais moco) que oc-
cupava o penltimo lugar no ultimo banco.
O Sr. Jansen, terceiro conenirente,
tendo tomado antes do concurso nn clice
de azeite aoce, fraude prevista pelo- artigo
347 dos nossos estatutos, foi elinsinsdo
Por consequencia. o S. Cappellsmans (mais
moco) obteve o dente de ouro na sessiode
1856.
Novos applausos soaram mais estrepito-
sos e prolongados.
secretario perpetuo entregou ao preei-
dente um pequeo estojo de velludo-pur-
pura coQtendo um dente de ooro, peodi*
como os chifres do (Trabo, e ernado eom
urna correntinha de ooro> para ser presa-na
casa da casaca ; ligeira e feliz innova?!
que o Sr. X... oorives frnecedor da s-
ciedade, pensou accreseentar ao modelo ve-
gulamentar.
O capitao CappeileaMn (mn moco) di*
rigise para o estrada do presidente, afk
de receber a insignia bonorifica que tao va*
lentemente gndara pona do garfo.
llisonbo, mas comnovido. a soa attitude
era a de um homem conscio- de soa sope-
rioridade.
O tal Sams3o gastreoomicr> neta por isso
tinlia a apparencia de- um Gargautua ; ora
um homemsinbo de cerca de- trila e cinco-i
annos, magro a gelarem-se-lhe- os ossos uo
invern, com rosto da forma>de raspadeira^
olhos pelos, espertos e redsndos, duplica
dos em grossura pelos vidros convexos de
seus oculgs de ouro. Sua cafeeca vergando*
sob enorme cabelleira hirsuta, oscilava a
direita para a esquerda, come o- badalo um sino.
Depois de um qoarto de hora de cum*
primemos e apertos de mo> o capitao Cap-
pellemans, commandante da goleta belga
Gudtda (Antwerpen) fez um sigDal a um in-
dividuo de apparencia modesta, que se con-
servara por detrs deiie durante a sessei
Os dous bomens esqui vara m-se por am.
corredor que servia de vestiaria, chegaram
rpidamente praoa Grande, e entraram.no
botequim de ota, onde pairam orna ca-
ada de faro.
Querido Van Sctioor,. disse enta o
capitao Cappellemans (mais moco) com voz
commovida a seu companheiro, a vos que
devo a honrosa distinc?2o que me acaba-de
ser outorgaia.
O companheiro escorrepiebon a sua meia
caada, e disse apoz algum tempo,
O meo molho genebrine n3o tjoba
mui'a pimenta da India : estou mais con-
tente com o guizado de galiioha.
Ah que delicioso plum-pudiog I fun-
dindo-se como um sorvete, odirifero como
um ramalhtte .
Tinha duas canecas de cravo de majs,
disse Van Schoor, sentido.
De voras! disse o capitao.
E' um engao... para o futuro n3o
confiarei tanto no cravo da Guyina: o seu
aroma um tanto acre nao sendo assim o
do craveiro de Bourbon. A noz-moscada
que termo tambem nSo me satisfaz, julgo
que me servrei desovo com a noz mosca-
(a verde : o seu arilho, menos forte, s'iga
melhor o oleo adstringente da amendoa.
Que homens! que admiravel- cosi-
nheiro pensou Cappellemans.
MIlSSIBOSDEPOLI(i\IES
JPOB
filie Berthet
VII
A porla de veatllacao.
(Continuacao do n. 36.)
Amelia.e Gertrudes acercaram se de Leo-
cardo, mas com grande espanto n3o viram
*iais do que a parede tmcessivel. O pro-
ario Antonio, olhaodo em roda exclamou :
Onde est a passagem ? Tu sonhas
por certo I .,
N5o vs estes rodados? Sao evi-
dentemente os vestigios dos carrinbos que
aates da invenc3o dos carris de ferro ser
viam para a extracto do carvSo. E esta,
pois, a antiga galera de transporte. De-
ves tambem notar que os vestigios das ro-
das desapparecem ali debaixo do entulbo,
o que motra termos diante de nos um
rntigo desmoronamento, o qual, segando
a sondagem que acabo de fazer, de pou
ca espessura. Nos ambos, com algumas
horas de trabalho, desobstruiremos a en-
trada da galera qae elle nos veda.
Antonio ficou attonito com a sagacidade
do seu amigo.
Entao onde soppSe aue nos levara
essa galera 1perguntou Amelia.
Nloposao diier, mas supponno que a
ialvacao 1 Vamos, Antonio, nao ha tempo
a. perder, e, visto que no podemos tra-
balbar ao mesmo tempo, revezar-nos-hemos.
Fu comee : da-me a tua picareta.
E principiou com ardor a escavar o des-
abamento.
Ameba dizia eno ;
Se o resoltado depende de vigor e
Uigencia, em brete estaremos salvos I
Gontm, meus amigos, que meu pai lhea
recompensar a soa dedicado !
Um mez depois desse dia memoraveL o
honrado premiado da sociedade Denle de
ouro apparelhava-se para S. Francisco, com
orna carregaco de papis pintados, quin-
quilharias, e vinte caixas de roupa velha
destinada aos inmigrantes nllemes.
O Sr. Cappellemans (mais moco) capitao
armador, entrava pela terca parte na espe-
culaco.
A Gudtda fra frelada pela casa SimeSo
Harraro, de Anvers. A tripolaco compo-
nha-se de um immedwto, doSr. Van Schoor,
cosinheiro do capitao e de seis marinhei-
ros.
A monographia do coTamoniante da Git-
dula, monographia que me cumpre aqu
esbozar, era al ento das menos interes-
santes.
Viuvo e sem berdeiro, c Sr. Cappelle-
mans, mais moco (esto adjecttvo fura enca-
deado ao seu noioe para disnguil-o de
outro capitao Cappe&emans do- porto de
Flessiugue) oSr. Cippellemans mais mo?o
<'.n o mais apurado gastrnomo do Reino
da Blgica. A mesa en a sua nica oceu-
pacSo, o unic movel da oa vida ; era pela
mesa que navegava, trabalhavae tenBava'en-
riqueeer-se.
Mesre Van Schoor, o mais Ilustre- dos
Ilustres qae leen subscripto em um pratb
de macaroni com tutano, tinha a alta admi-
nistrar dessa masa, celebra no circulo
dos gioices.
E&celleate chimico (fra por seis annos
ebefe de um laboratorio em BfeTin), Va
Schoor praheava na cozinha com formula
algebrices, a de costume componba os
pnalos novos com a pasaa na uis.
A^ B=X como uao astrnomo qe des-
cohrisse estreB*s de terceira grandaza pela
for?a dos agarismos. Mestre a patro
tinbeai entre si mutua atleiro.
Era quesl de gosto em Cappellemans
e de amor proario em Van Schoor, que
dispanda da catsa a seu bei-prazer, pedia
lanpp-ae no ardor de seu genio creer.
Emquaarto o eapitio viga a o carrega-
mento-da Gudut&t Van-Schoor arrumara
a bord orna estrebaria para daas vaccas,
quatro- vitolas e doze cara iros; mand&va
fazer capooiras para gallinbae, casinholas
para eoethos^ gaiolas para os faises,
gallinhola e perdizes que o cacaders
furtivas qoetidiammente Ib traziam.
A GitdHh paresia a arca a-No.
O fruteiro trasbordava de froctas, lego^-
mes e eonservas; e o paiol de vinhos valia
por si s metade do earregamanto.
Pousas- milhas de m -nos, a- Ondula a
rodear a-nossa esphera e Van Schoor a
quera ser- pilhado em falta.
Cappellemans eslava contaUesimo coo
o seu amigo Van Schoor e sememaatc ao
gre d fetit PonceU es balidos e ocaea-
rejar de toda aqueMa alimaa desenhava-
em seu w>eto de coura da Ruseia o sor-
riso -la- lelieidade.
Quanto s provisoes destinada* tripola-
eo, erara ellas pouct* abundantes-a de pea-]
sima qaalidade.
Mesue Van Schoor^ encarregalo dessa
tarefa, tratava-a cem capillo negreira.
Homem tal orno elle, uao poda fiscalsar
mont5es dacouve o barricas de carnes
salgadas.
No entanio tud foi opmanwnte ao-
primeiro. mez de viage-m ; o tempo eslava
magnifico,, o vento- excedente,- a Gudaia
voava como urna aadorin a.
Mas as-cousas mad-iram de figura, de-
pois de- d obrado o abo da loa-Espera no;.
O co passode- azul ferrete ao cinzento.
e o vento a gyrar orno um pii. cancaneo
o navio e estafando a tripolacSd.
Os dous mineiros trabaJIiaram ora um,
ora outro, e cora a maiar actividades do-
rante urna ha- a. Leonardo nao se enga-
ara nos seus clculos. medida queavan-
Cavam, ia-se descolando o tecto a pare-
des de urna galera. O entulbo, nao con-
tendo maleriaes qie eslabelecessem. grande
adherencia entre si, cedia sem difficuldade
aos esforcos reunidos dos dous robustos
mancebos e a abertura dilatrva-se rpida-
mente.
J Leonardo, introdnzindo a lanterna na
abertura, reconhecera que a gaieria estava
desembaracada, quando se oavio um grito
afflictivo.
Amelia Van-BesL enfraqpecida pela fa-
diga e sobre tudo pelas impressSes pungen-
tes, acabava de desmairnos bracos de Ger-
frades
Ento Leonardo entreg^a a pteareta a
Antonio, recommendando-lhe qae conti-
naasse, porque os instantes ^ram preciosos,
e correu para a joven, que se achava sem
sentidos. Gertrodes sustinba-a, mas com
difficuldade, quando Leonardo chegau. Este
ajoelhou-se e &obstituio-a na.tarefa de sos-
ter aqaella farinosa cabeca, de olhos cer-
rados e feicSes mmoveis. Entretanto foi
Gertrudes mergulhar um lenco na agua
que corra de um ponto da abobada e rao-
Ihou a fronte de Amelia, a qoal se sentio
reanimada, e, quando abri os olhos, Qtou
Leonardo, que a contemplava com ancie-
dade, e n'este estado, entre um sorriso
qae se lhe deslisoa nos labios desmaiados,
balbuciou :
Obrgada, meu amigo ; sinto-me me-
lhor, j estou boa I
Fez a diligencia por se levantar. Leo-
nardo, receiando outro accesso de debilida-
de oa nao desejando talvez desemb?.racar-
se ainda do seu precioso fardo, nao se af-
fastava ; quer fosse, porm, illus3o, quer
realidade, julgoa sentir urna mao geada
aportar a soa.
Esta prova furtiva de reconheeimento,
aquellas paiavras meu aiaigi. que a fer-
mosa e casta juveo acabava de pronun-
ciar, iinham-u>> commovida profunda-
mente.
Foi ento quo Antonia grit'io :
- Leonardo* j se pode sabir 1
Eulao vatflos, sse Gertrudis se
acaeo a nossa. amiga est^em estado de ca-
Biabar.
Sim, estou mai'murou Ameba.
Apezar do seus e-iforc, as peanas, ver-
gavam-Ihe. Leonardo offereceu-lne o.brar
?o : ella nao. accwftou, e, tomand o de
Gertrudes, encaminharam-se para o poutu
da aberutra.
Effectivaminte- eslava deseooarac>te a
passagum e Autooio j entrara na gaJena.
O ar al i n. era de t ido impuro ; a .luz da
lameros, ana uifallivel signa!,- apenas Unba
empallideciW um pouco. Poda, pois, en-
trar-se para a)i sem difficuldade e as du.s
raparigas lutroduziram-se igualmente na ga-
lena.
Era, com ffelo, o que Lejmardr. pre-
vira: a galena de raaspnrto, que. cavada,
nao em carvo. mas em rocha, resistir
aeco do tempo, nao havendo ali signaes
alguns de des oamento.
Caminharaoi, pois, com a pressa compa-
tivel com as Torcas do Amelia. As \e.zes o
corredor era toJUito ettreito e Amelia va se
obrgada a amparar-se a Ge-trudes, e j
desaiiiiiiadr. peguntara :
Onde vamos ?
CreiodissH Leonardoque nosen-
camiuliamos a>- poco das escadase que em
breve nos H ngo.
Tenha bonSaoca ero Leonardo dis e
Antonio.Bvn vio cono ellesflapeita a
uustoncia il'esta sabida deseonhecida.
I'or i5rt(j -acudi ella qae lhe s*--
rei mernamenle recOnheeida.
Leonardi, api-zar da sua iiresenca 'le
espirito apparente, qo tinha grande espe-
ranza de st acharem salvos, e por isso ca-
0 immediato e os seus marinheiros pas-
saram 72 horas na coberla.
O callao Cappel'emins nom por sso
eixava d rias e o perfume dos fais5es aasados su-
biam em rolos al ao ultimo vellaclio.
Algans murmurios soaram na proa. Mi
guel, um dos seis marinheiros, de forca
e appetlite hercleos, queixou-se em alta
voz ao immediato em tormos mu' pouco
parlamentares, reclamando relo dupla de
agurdente para ello c seus companheiros.
O immediato dih'gio-se ao frege-mosca?
eocarregado da distiibuicSo. dos vveres.
Van Schoor, ubsorvido na confeceo de
tortas diabos.
Miguel com um socco esmagou as lorias
e formas; Van Sishoor exasperado com se-
mellianje brutalidade dosembainhou o faco;
mas Miguel desarmou-o e lomando as va-
rinltas de que se servia o cozinheiro para
hateros ovos, m.innaturalibus urna sova
menos m.
Q .ando o capitSo, que correr aos ge-
midos de sju servidor, entrou na coziaua,
Van Schoor estava sem voz e quasi que
sem sentidos.
Os polos aectico e antrctico do seu
todo tinham-se tingido da cor das beler-
rabas.
Cappellemans (mais moco) condemnou de
prorapto Miguel a oilo dia de prisa*.
Miguel quiz reclamar, o capitao dobrou
a pena.
Mas o immediato precisava muito efito
de bracos para prvr-se dos servidos de
um homem que fazi por si s mais tra-
balho do que seus tres companliriros.
Miguel foi" sollo depois de algumas
h oras.
Foi um erro, erro grave, irrepravel
que pouco depois acabou em urna eat-is-
tropbe.
A tripoacao, j inclinad; a alvorotar-se,
s vio no peroo concedid')' a Miguel um
acto de capifulacao e de flaqueza.
Por cutrolado-, os mos Inatfnclos, o de-
implado rancor de Miguel, o ascendente
que a sua forca physica e seas conheci-
raentos praticos davam-lhe sobre seus ca-
maradas, o tratamiento por deraais frugal
de bordo e os fesins egostas do capitao
fiaeram rebentar a- revolta.
Em noute sem mar, os seis marinheiros
apoderararmse do espito e do mniediato,
e deseeram-os ao fundo do poro.
Miguel, ncmeado capitao por usanimi-
dader ordeno que conduaissem sa pre-
senca mestre Van Sshoor.
| Tomo-tea meu serviecs marot,disse
elle esfregando-lhe a orelbas; vais-nos
temperar quanto antes- um rega bofe a
Balthazar, que seja couea superior.
Nanea, exolamou ^1 Scbcoor in-
dignado.
Trafam-me as varinha que esto
penduradaa atraz da poeta da cozicha,
disse Miguelencreaando a^sobrancelbada
como o Jpiter tonaate.
Trouxeram-lhe a3 varinhas-.
Qere oa n^ aprometar-aos o quie-
tte?
^pn Schoar fez ta gesto dtesesperade e-
foi acender o forno.
Por espaco de oito dias tnaneformaram-
a Ondula em restaumnPcasa de pasto-;
desde os Argonautas jma" a amargas
onda viram taes pagades
Cogou Van-Schoor envenenar em globo
todos- wses baadidos ; mas Miguel na pre-
viso o accidente, avisara-o qqe'aprimeira
cambaa de estomago,- mandawi-o picar*
como am coel!v> ensopado.
O desespero dbfrege obegooa' Da4 pontos.
que na- imperiosa sede de vingaoca que
senta, resolvere acabar aom os pbiiisteus
Em carta manaaa, em que o< navio es-
corado a quatro ancoras,.jamle um grupo
de IhaSj.- a quatrocentas braoas- -de um de
coral, a tripolaco fetejava na cobertav
escurripiclia-o a Champagae e Perto aos-j
copazios-, tomou do seu mais altado faco-
a corto os cabe* das ancorasv
ImpellMlo pela maro, o navio parti como<
um galgo e foi espetar-se -em tuna aguihai
de 'conrfi
To violento fot o cheque que o autor
do naufragio role pela oobertei
O navio partio-se em tleus- pedacos e os-
mastroa. e as vergas cabiram. no. mar como
sarava.
A tripolaco bobada a oahir,.exlialou [re-
fundo gemido e nem mesmo ttjve forca para
subir a.eoberta. Van Schoor precipitoa-
se noporio para soltar o-capio e o imme-
diato.
Oe escaleree quebrades. ao carregados
deixavm-os sem commuaicaeao com ter-
miniava freole de sjbr'olhos carregados,
diligenciando por descubrir o lerma- d'a-
quf-Ua mysleriosa gaieria.
Assim caminbaram uos eem passas. O
ar era sempre espesso o que denokava fal-
ta de ventilaco. 0> sobresalto de Leonar-
do ragmeutava progressivamente, quando
de sbito um novo obstculo sa lhe ds-
parou.
A gaieria eslava vedada por- ama porta,
um pouco caruncbosa, hermticamente fe-
chada. Todos pararam e Leonardo exa-
mmou o portal minuciosamente. Tondo-
Ibe balido com, o cabo do machado, envi-
se um. som prolongado, que denuncia va
grande vacuo da parte exterior.
urna aorta de venlifocao t disse
Antuuio, todo contente. ^ Esto certo de
que temos em frente o poco das osea-
das.
sera duvida udm porta de ventila-
Corihsse Leonardo a nao presumo que
d sobre o poco, mas antes sobre emantigo
tiili > de mineral.. Ora repara.
Cmu effeito, urna liaba negra na parede
da galera ntostrava que n'aquee sitio o
slo variava de aatoreza e qae a galera
airavessava de novo um veio de carvo.
Antonio recoolveceu a veracidade d'esta
observadlo.
E que importa ? prosegaio elle.
Com essa machada depressa metiremos a
p na dentro, bem como oulra qualquer
qae provavelrae ite ainda encontremos. Em
toio ocaso, o pnci das escadas nao po-
ltra estar muito distante.
Para Tizer -oraprehender ao leitor a si-
luaco dos nossos persor.agens, devemos
rtuuai era alguos promenores sobre orn-
lo porque se operava a ventilaco na mina
le P.iiignies.
H >-is (jHcosde igual grandeza, situados
em cida uma das extremidades da mina,
serviampara a renovacSo do ar. Acor-
rente atmospherica entrava pelo poco prin-
cipal, atravessava as galeras e talhoes era
ra, forcando-os a^sperar a vasanta para ga-
n, a praia a pe* entulo.
Misos nufragos lniam sido avistados
pelas aborignes, que pularam para as pi-
rogas de erable e a (orea de romos aproxi-
maram-se do casco.
Urna hora depois, a flotilha abordava a
Gudula por estibordp e um ban lo de hor-
rendos selvagens pintados de vermelho, pre-
to e verde, pulava na coberla.
Horror l exclamou o Sr. Cappelle-
mans volandeo rost com asmaos; sao
indgenas das Hhas Tonga... os mais foro-
zes cannibaes da Oeeania Estamos devo-
rados, pobre Van Schoor, devorados at a
medulla dos ossos /
Os tongatab tinos principiara ra por agar-
rar os tres amigos, amarramlo-os de ps e
mos como vitellos, e os baldearam para a
piroga real, oode os beberri da coberla
nao tardarara muito em llies irem fazer com-
pauhia.
Seguro e enforcado I Diz certo di-
tado que de boa vontade attrihuire ao com-
padre D. Luiz XI. Logo que desembar-
caran) os lorigalabiiinos acoenderam im-'
mensa fogueira bera esperta e chmme-
jante, sob um espelo do uimanho de duas
varas.
A tripolaco da tiudala, acocorada na
rea, jogava o mais desenvolvido jogo da
argolinha que se tenlia dado no nosso pla-
neta.
Os tongatabuinos deliberaran, por espa-
Co de dez minutos, depois efisso, um del
les armado de om faco de fabrico inglez
(improved patent) dirigi-se lentamente ao
grupo dos prsioneiros que reristou em cir-
culo. A situarSo era suprema.
O sinistro exaroTaador evidentemente pro-
cura va uma victima no monte.
De repente Miguel, que ainda- nao cosi-
nbara de ttido, entoou com voz rouqnenba
a ean^o da Mere Mffkel:
C'est la mere Micbel
Qu'a perdo sorv chai,
Griant par la fntre
Qui qui lu rendra.
O Toagatabouioo estremeceae olhou* de
re vez para o cantor...
E' oseii' canto de roerte que elle soi-
W;ja para escarnecer de ira. pensou eMe
no seu intimo de selvagem..-. De mais e
raais gordo da sucia... Estera tenro como-
o rvalho db Grande Espirito.
E dando hu saho como gito- do mator
precipitou-se sobre o pobre diabo corlan-
do-lbe rente a'segjonda copla do romance,
entra a sexta e a-ultima vertebra lombrar...
Cric,- crac I
Itorrivel grrtodesprendern os-petos eu-
ropeos, e tdaa as pa*pebras ahaixaram-se
sobra-as pupiltae-atorradas.
V*nr Schoor qoa- ainda se resenta do que
lhe lizera Miguet em ama parta do seu to-
do, foi. o primeiro-a arriscar un orne.
O caimibal que truridara o iofehe- Miguel
era u col! ga..o-firege moscaa-da hor-
rivel trossa, n hvi que duvidar f Ou-
tro selvagem- que desempenhava* aslonc-
Coes db* lmpa-aratosv* trouxwa-lhe um
mense cangirae-e esa*riarias desconhe-
cidas.
Van Shoor comprehewdeu qae-se trata-
va de om ensopado de morinheiro.
Pou e-a pouco o amor pela arta cidiaa-
ria venaeu-o medo,- e efe insensivelmeote
foi se iatoressanda-cada vez maia-na-ope-
racSo.
O Vatafi Tngatabeino nem meemo eo-
ohecia comis elementares principios da
eosinha usual.
A coriasidade ie Van- Schoor paesou
a impaeieacia e da impaciencia a irulig
naco.
Quo pedaco- d'snoit que naval
envenenador ?... Nio-o- mandaria-deshru-
gar o menor legume..
Uma idea ou astee gigantesca concepeo
assomoe-ihe ao espirito.
Se> augariasse a suc confian:a sedu-
zindo-lhao estomago!' disse elle consigo.
Que inspiraco! Oh l debaixo l olv! ve-
Ihole de barba branca!' exclamou elle er-
guendo-se nos cctovellosv
Cinco ou se* gaenreiros, e entre elles
um chufe-, pergantaraavlhe em toogatabui-
no o que elle quera.
Van S*boor seUen meia duri* de hon I
hon radicando com o queixo o cosinheiro
a inarraia, o ftltaro ensopado a o fogo :
depois- eotalon ae-quenadas e esearron com
gesto-de enjoo.
O homem de-barba branca qae era um
sabio-a semelhafica das sabios da historia
de Tetemaco, cemprehendeu o sentido dessa
pantonima, e mando cortar-lbe as cordas.
Com os movimentos livres, Van Schoor
exoloraco ; depois> attrahida por um enor-
me fogo, que arda constantemente no poco
das oseadas, suba superficie do slo,
levando comsigo os gazes detelerios ioeos-
santemente exhalados do car.vo.
Eram esta mesmas as disposicoes da
mina para.a.circulaco do ar no tumpoera
que aquello ponto fra explorado, porm
mais tarde, esgotado o veio superior, quiz
se impedir que a correnta- se desviasse sem
utilidade pelos talhoes desertas, tornando-a
assim muiciente no andar superior, onde
trabalhava t3o grande numero de operarios,
e por isso se eslabetecerara em algumas
galeras abandonadas ama e mais porUs
de vedaco, que, opnondo-se passagem
do ar, o faziam convergir nos logares de
maior concurrencia de trabathadores.
Entodis30 Antonioporque espe-
ras ? forcoso que se abra esta porta :
se resistir, arroraba-la-hemoe ; se ests fa-
tigado, d c a machada, que eu n'um mo-
mento o conseguirei.
N'am momento!
algumas precauces.
Que precauc5es '
cousa ?
E se por detraa d'esta
gaz inflammavel '.'
Pois que, imiginas...
Antonio, tu s mineiro- como ea e
deves ter notado qoanto o ar j era im-
puro na gaieria da Virgen Negra, quando
anda elle ali chegava em liberdade antes
do desmoronamento. Que haver, portanto,
a esperar n'am lagar ha tanto tempo fecha-
do como este ? Talvez ah haja bastante
gaz inflammavel para nos asphixiar e at
fulminar !
Isso nao impossivel, dizes bem. Tu
realmente tudo prevs !
Esta conversa Uvera lugar em voz baixa,
com tudo Amelia e erlrudes perceberam
que os seos compaaheiros nao estavarn sa-
tisfeitos. pedido de Leonardo assenta-
ram-se ambas o os doas mineiros proc*
preciso tomar
Receias alguma
porta houver
3u vira no thcalro da moeda o bailado
a inora mal vigiada, explcoa entlo cla-
ramente em trese compassos e desenove
figuras, que se o deixsssem a bordo do
navio naufragado, dete traria aacellentes vi-
veres e Ibes apromptaria om guizado de
lamberse os dedos por quinze dias.
Desta vez, o velho chafe comprehendea
perfeitamente. Mandoo qae o cosinneiro
tongataboino ficas?e de sentinella ao enso-
pado, e conduzio o emolo de Vatel a bordo
da Gudula.
Van Schoor empregou os vinte selvagens
que o tinliam acompanhado em mudar a soa
eosinha e o paiol das provisoes.
Quando sahiram de bordo, nio va
mais uma cabeca de cravo nos flancos do
navio.
Vol lando a trra, Van Schor ciogio os
rins deurnavental branco, e enfiou na ca-
beca a carapuca de algodio, enterrando-a
at os olhos.
Esse novo trajo inspirou ao principio
alguma descoafianca aos tongatabaiaoa;
mas essa impressao" foi apenas pasaa-
geira.
Van Schoor molleo mos a obra, e na*
occasio em que o dUio do sol extingui
se na ondas do occeano, elle espetara oito
perdizes rechiadas, e serva em uma enor-
me cuia um thalharira a italiana, verdadei-
ra obra de mestre.
Os tongatabuinos oomerawa farta, regan-
do a caca com um- bordeaos de terna-via-
gem' de 1>M5.
Q jando chegou o quarto de hora dos pa-
litos, toda a kanda dansou um galope infer-
nal ao redor do grande cosinheiro. Os
mais entousiastae, ialo os mais golosos
beijaram as botas do grande homem.
Van Sehoor servio-se desde logo- de soa
influencia para mandar desamarrar seas
companheiros que foram mettidos eaa
uma choca assim swviodo de gaarda-co-
mida.
Nenhum dos prsioneiros peasou em co-
mer nessa noatc ; a aoka idea de comi-
da causa va enjos aos mais valente est-
magos.
Durante a aoate, nonee de angustias, o
cozinheiro maadou-enterrar oinfaliz Miguel,
e explicou aos eompanhek os- o segredo do
se comportamento.
Aquesto redozia-se a* transformar o
costme dos abomieaveis aannieaes, entre
cojos d--ntes linaam cahide,- isA incitar*
lhe o gosto pela carne... de segunda ca-
thegoria; a po-lcsera infusao-no mais enr-
gicos alcoolicos, finalmente roubar-lnea uma
das maiores pirojas e nella fagirem para o
archioelago prximo, habitada-por ptimos
selvagens.
OSr. Capelleraane (mais moeo^atroo-se
res-bracos do seutosinheiro- que por mui-
to tempo apertou junto ao peito/ f amansa-
mente eommovido para poder exprkniMhe
s-ia admiraco e reconheeimento, liroa do
soio o femoso dent'd ouro qae traaia como
uaM- Oga, a sus pende-o no pescofo com
a digtdade de umr*i de Hespanh entre-
gando o coHar doloso de Ooro a-oeupri
ineiro ministro.
Oohaoeo dos toogaaabaioos !o dos mais
fc*gas5s.
Vn Schoor servialbe um raagnifleo ro-
dovaraocom molhoa^hotendezaecostelle-
tas-a roaoeza.
Progredffi a paesee agtgantaos- n con-
fianoa des- selvageaar
Na nouto do quinto da*, am nario apon-
tou -no honsonte, recortando o seo-perfil
nessa listr de verde e ao) que nao a- nem
co nem agua ; co dia segrate ao- meio
dia^belta. fragata ingle ancoravava orna
mha da-eosta.
As a I moa los naufrago scnt:ram-se re-
pletas- de immensa alegri*.
Albora, ara solemne; Van Scheor eingio
maie-urna vez o avant-dr metteu r> faco na
cintura e naos a obra-.
Tratavar-se de offerecer aos longatabainos
urna I mece de despedida-de que se fallara
meio-seenlo ap^, almoro regada.-ou an-
tes afogado em bom Bourgogne o Cham-
pagne.
Os boogatabuinos, aftas, tinham bom ap-
paite, tendo oa-principaes deltes levado
toda a manha na .caca. O illnslre Van
SshoofrealsoumaraTilbas cnlinariasv
Depeis de p6n os pratos em. alvatoalha
de asa, equaudo os incenla se aeocora-
ram. foi buscar, seus. companheiros de in-
forttmio e traasformao-os em serventes.
Opasseio das garrafas assemelhoa-se
cadwa de baldes- em um grande incen-
dio-.
(Continuar-ie-hm.)
deram tentativa de abertura da porta com
todas as precauces exigida*.peta pruden-
cia. Priiaeiraraente desobstruirn com a
enchada ama grande porcode ierra endu-
recida, que poderia obstar, a, qne a porta
d-pois deabert, gyrasse sobre osgonzos ;
depois, assegurando-se de que nada impe-
dira o movimento d'ea. para se poder
tornar, a fechar no caso de necessidade,
atacaaam a {echadura s macbadadas. Esta
fechaduraera solida, reas os prego* eofer-
rujados em breve cedoram ao primeiro
esforc.0. e ella cabio ao6 ps dos trabalha-
dores,
Ento Leonardo ordenou ao companheiro.
que se pozesse distante e em precaucao.
HHe entre-abrio um bocado a porta, o, bas-
tante para introducir um braco com a lan-
terna e fazer a sua inspeceo.
A luz mergulbada n'aquella nova, aimos-
phera lomou rpidamente uma cor azul
carregada e adquiri to prodigioao tama-
nho, \q& pareca querer rebeniar dentro
do involucro metallico. A esta luz saistra
destinguio Leonardo uma gatera bstanle
espacosa, com pilares derrib-ulo' e made-
ras destrocadas, offerecendo +do um aspec-
to aterrador. Urna circumsu/icia o sor-
prendeu : ionio do tecto vi-se uraa espe-
cie de bolhas redondas transparente, que
pareciam a|itar-se no ar ; ao mesmo tempo
experimonC u uma sensaca. dos olhus, se-
melhanie que Iho poderia causar o con-
tacto de uma lea de aranlu. Esta sensa-
Co. a presenca d'estas bolaas na r-xbala-
c5es mephiticas, a chammatla luz engros-
sada e azula la, todo tinha uraa signilkacJo
terrivel : o lalho onde iam entrar eslava
repleto do gaz inflammavel. sendo por isso
impossivel penetrar ali som c'orrer-se gra-
vissmo perigo.

(Continuar se-ha.)
Tf P. DO DUIHh-BUA DAS C-RV2I8 M.
i

udB


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EYZ2HSJO3_LNQOG3 INGEST_TIME 2013-09-14T03:36:08Z PACKAGE AA00011611_12043
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES