Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:12037


This item is only available as the following downloads:


Full Text
ANNO XLVI. NUMERO 31.
V

"

PARA A CAPITAL E LDGABES 09DE HAO SE fAGA POML
Por tres raezos adiantados......... ...... 000
seis ditos iJetn................... ^OOO
4vor um auno i den..................... 240UOO
Cada mumero avulso ............... 320
FEIRA 9 DE FEVBEIBO DE IR0.
PARA DEITBO E PORA DA PROVINCIA.
Pop tres mezes adiantados................. 6750
Pop seis ditos ideo.................... 130500
Por nove ditos dem.................. 20JJ250
Por um anno-ieiQ ...... ..... 27i000
DIARIO DE PMAMBIM
Propriedade de Manoel Figueira de Fara & Filhos.
SAO ACEXTE:
Os Srs. Gerardo Antonio Alves Filhos, no Para ; Goncalves & Pioto. no Maralo ; Joa Pereira d'AIraeida, em Mamanguape; Antonio Alejandrino de Lima, na Parahyba ; Antonio Jos Gomes, na Villa da Penha; Belarmino dos Santos Buleao, em Santo Antao;. Domingos Jos da Cesta Braga,
em Nazareth ; Francisco Tavares da Costa, era Alagoas; Dr. Jos Martins Alves, na Babia ; e Jos Ribeiro Gasparinbo no Rio de Janeiro.
=
PAUTE OITICIAL.
ACTOS DO PODER EXKLTIYU.
a licenea, sim i|iie so tenha celebrado o contrato,
a que se referir, Atar ella sem effeilo ; o que nao
inhibo Je so reju-rer outra mediante a dbndicoes
JTonriptai nest) regulamento.
Art. 19. Para que se faca o ncces3aria registro,
ftt.. 10 N. '*,'l.">3 DS 12 bl JANEIRO DE 1870.
I regulamenlo para execrado do decreto n. 1223
de 2" de agosto de 1861, e do art. U da le n.
36 do 18 de scteinbro da 1845.
Para boa exceuco do decret r. 1,22o" de 20 de
agosto de 1804 o do art. 'ti da lu n. 369 de 18 de
?etembro de 1845 : he por bein determinar que
-e observe o segrate
REGILAnEXTO.
TITULO I.
CAPITULO NICO.
Dos bens possuidos pelas corporaeoes de mao-mor-
ta at a dala em que conloa a vigorar o de-
cirlo n. JOS.
Art. 1. Os bens de raz lagalmente adquiridos
/olas corporaeoes de mo-morta al a djita em
que eomecou a vigorar o decreto n. 1.225 de 20
de agosto de 1864, anda que cali los em commi?-
.'O, aeham-sc garantido* pola? palavras linaes do
ut. i.' do mesmo decreto, e podem ser conserva-
dos iridependentemente do licenea do governo.
Art. 2. Xa directora f ral das rendas do the-
>ouro nacional e as thesonrarias de fazenda ha
ver am registro de todos e3ses bens.
0 registro ser feito por comarcas, e deve con-
ter a descripco geral, situacao e destino dos bens,
a data c o titulo de sua acquisico, e seu valor
aproximado.
Para o-mesmo registro serao logo aproveitadas
as rolaroes que, nos termos do 8." do art. 44 do
egulamento n. 814 de 2 de nombro de 1851, os
juizes de direito devem remettcr ao thesouro na-
cional no lint de cada correicao.
Art 3." Logo que comear a vigorar este regu-
lamento, o ministro do imperio na corte e os pre-
sidentes as provincias exigirlo dos juizes prove-
dores das capellas, dos preladoa das ordens regu-
lares, e do qnem mais convier, os esclarecimentos
uecessarios para que o registro se faca cora a
makrr exactidao.
Art. 4.* No mez de Janeiro de anno prximo
s indciuro os inspectores das thesourarias de fazen-
la reraettero ao ministro do imperio om resumo
do que constar dos livros de registro, communi
cando-lhe d'alli em diante quaesquer alteracSes
ine se derem oo inesmo registro.
Arl 5." As corporaeoes de ma-morta, qoe ob-
tiveram do poder legislativo dispensa da lei de
amortisacao para adquirir era bens de raiz al de-
terminada quantia, nao potero invocar essa con-
i-essao para as acquisicoes que fizerem lepois que
comecuu a vigorar o decreto n. 1,225, por cujas
dispusieres se devem regular taes acquisicies.
Art. C. Os bens, de que trata o art. 1., pode-
Jilo ser permutados por apolices da divida publi-
ca interna fundada, as quaes sero intransferiveis,
pagando ximente melado do importo de transmis-
so de propriedade devida por taes perrautacoes
art. 44 da 1ei o. 369 de 18 de setembro de 1845).
Art. "." Logo que se effectuar a permuU, de
que trata o artigo antecedente, as admini_strac5es
das corporacoj do mao-morta e os escrives, que
lavrarer.i as oscripturas, sob pena de responsabili-
dade, o communicaro ao provedor das capellas.
este ao ministro do imperio na corte, e aos pre-
-identes as provincias, para que e facam as
or ptenles notas nos livms de registro.
TITULO II.
DOS BENS ADQUIRIDOS PILAS CORPOIUrOES DE MA0-
MOHTA DEP0IS DO DECIIKTO N. 1225.
CAPITULO I.
Dos bens adquiridos na c-mformiiade da ord. fie.
a. tu. xnu i i'.
Art. 8. As corporaeoes do mi-morta nao po-
dorara, sob as peaas" da ord. Iiv. 2. tit. 18 J 1.,
adquirir bsai de raiz, se n previa licenca do go-
ii, seolo nos casos e^p^;liados na inesma or-
donacao.
Art. 9.0 0> D3nassim adquiridos ser) alliea-
das no praso do seis laeua c mtads de sua entre-
ga, e:eu producto convertido, dentro do me mu >
pra-o en ujlieus intcansferiweis da divida publi-
ca i nenia randada.
Art. 10. Si o ministro do imperio, presidentes de
provincia, inspectores de tlosourarias. procurado
i-i-.ies, jiiizcs de direito e.u correicao e ju le
t*ro'vl tres dai capellas tivoreu) noticia, por qual
|ut (orina, de |ue no sae ca BprWlas as disposi-
.Oes dos dius artigos antecedentes, procurarlo
cerlicar-sc do facto, e fara) proceder s diligencias
legae para q te ;j loni-m elfectivas as peaa- da
citada ordenaba i cjm rolac.i) aos bens lie?alien-
te adquiridos ou conservados alm do praso do
art. 9..
Art. 11. Quando as corporagSes de jjo-morta
1 i'iirirem bens do raiz u cofonnidade da ord.
i. 2." ut. 1S l i.", as respetivas admioistracoes
{UL-M pru ved ores das capellas fari as cum
muiicacoes, qae determina o final do arl. 7., e
proe i ao competen;o registro pela forma
indicada no tul 2..
CAPITULO II.
los bens de raiz que poden, conx licenga i gover-
no, ser conservados pelas corporages de
mao-morta.
Art. 12. Ouaudo as corporaeoes do mo-mona
quizerem coiservaralgnm d sbetis do raiz adqui-
ridos na eonformidade da ord. Iiv. 2. tU. 18 g 1.,
ou ad |iiiril-)s por outro titulo, devero solicitar
licenga do governo, pelo ministerio do imperio,
mo-itrando que essjs bens sao necessarios para o
servico das mesinas corporaoes, ou para edifica
! igrejas, capellas, c?m.terios extra-muros,
h )spitaes, casas do educado a. de asylo, e quaes-
|ior outros estabele'imontos pblicos.
Art. 13. Si e tratar da c. wervagao de bens de
raiz adquiridos o.i cooiormS UJe daquella ordena-
5ao, a peii;io dover ser instruida :
l." Com certido ou publica forma dos ttulos
era virtude dos qaaes as corporaeoes de mao-mor-
ta possuem esses bens.
{i 2. Cara a declara$o dos lugares, em que es-
tivorem situados, o de todas as suas coafrontacoes,
si nao houver essa declarac^o nos ttulos, a que se
jvlero o paragrapbo antecedente.
Art. 1*. Si se tratar da acjaisigao de beis de
luzpor outro titulo, o reaerimento sera ias-
truido:
J t Com documoutos que provam os meios de
que as corporaeoes dispSem para fazer a acquisi-
i;4j e que as possuidore* dos bens concordara na
;'il enajao.
i. Com a doclaralo dos lugares, em que os
bens forera situados, c dj todas as suas oonfron-
3* 0)m a avalia?5) dos bans feita a requer-
manto das corporales peranta o juz municipal
dd trm), em quo estiv assistencia do
i.iocurador fiscal, ou de quera suas vezes lzer.
Art. 15. Os requerimentos de ficenca fetos as
provincias serio enviado ao governo porinterme-
los preaidente*, os qaaas, quando os remette-
lom, intormarao sobr- ,roumstneuda-
ute. _,_^..
Arl. 16. O govsni equerWfcOtos e
I )s doenmeato 6 taformogdw que os acompanna:
ran, conceder ou negara a liee&ca, ou raaaaara
proceder i outras indaga5es que julgar necessa-
r as. ,.
Art. 17. 'Quando o g*ro9 oaceder a hcewja
r querida, declarar o naxirao d preco por que
podro os bans ser adquiridos, poder determi-
nar as segurancas, com qie atender que deve-se
aos contratos.
Art. 18 concedida
com as esnccilkacoes constantes do arl. 2., o mi -Iguatemy e varado a erra de Maracaj, chegando
nistro do imperio commnnicar as licenas que
conceder ao ministro da fazenla, si se tratar de
corporaeoes existentes na corte, c aos presidentes,
si se referirem s provincias ; de vendo neste ca?o
reinetter aos mesaos presidentes as respectivas
portarlas as quaes serao entregues aos nteressa-
dos, depois de pag03 os direitos devidos.
Art. 20 Logo que, obtida a licenea do governo,
as corporaeoes de mao-morta tiverem celebrado
os cntralos para que forom autonsadas, delles en-
viaro traslados na corte ao ministro do imperio,
e as provincias aos presidentes para se tazerem
os convenientes lancaraentos nos livros de registro.
Art. 21. Os tabelliris e escrives competentes
nao lararao oncripturas dos contratos que, no;
termos deste regula'Oentj, dependerem de licenga
do governo, sera Ihes sor apresenlada a dita licen-
ea, que ser transcripta as mesmas escripluras ;
e, sob pmia de re.sponsabilidade, daro conhjci-
meuto das pie lizerera aos provedores das capellas
para o effeiu d'-teraiinado no final do arl. 20.
Art. 22. Sao nullos os c mtratos, -le que trata o
artigo precedente, celebrados sem observancia da
clausulas cora que fr concedida licenga do go-
verno.
Art. 23. As disposicoes do prsenle regulamen-
to ni pr-judicara as do decreto n. 655 de 28 de
n >verabro de 1849 relativas s ordens religiosas.
Paulino Jos Soares de Souza, do raeu eonselho,
ministro e secretario de estado dos negocios do
imoerio, assim o tenha entendido e faca executar.
Palacio do Rio de Janeiro, era 12 de Janeiro de
1870, 49. na independencia e do imperio.
Com a rubrica de sua magestade o imperador.
Paulino Jos Soares de Souza.
tendo-o sempre, e cortando-lke os escassos recur-
sos que anda Ihe restam.
A prova de que este systema o nico a se-
guir-so hoje o facto de ter ltimamente o te-
nente-coronol Moura, cara 40 horaens, partid-i de
Governo da provincia.
ESPACHOS DA PRRSIDKNCIA DA PROVINCIA DOS DI* S
5 R 7 DE FEVEREIRO.
Argemiro Pere^ Ferreira.No tcm lugar o que
requer em vista das ordens em vigor.
Dr. An'onio Jos de Moraes Sarment.Conce-
da-so 15 dias com ordenado sraente.
Antonio dos Santos Falco Fica expedida a
conveniente ordem.
2 tenente Anto Maria Pereira Lago.Expla-
se ordera para a admissao do irmo do suppli-
cante.
Companhia Pernembucana.Dirija-se a theson-
raria de fazenda.
Padra Camillo de Mendonca Furtado.Informe
o Sr. inspector da thesouraria provincial.
Gompany Dranwgc Limited.Sasfapa o despa-
cho dessa presidencia de 27 de julho doannopas-
sado.
Camilli Augusto Kerreira da Silva.Informe o
Sr. Dr. ehefe do polica.
Deocleciano Ferreira dos Santos.Dirija-so ao
Sr. inspector da thesouraria provincial
Francelina Carolina da Silva.Volte ao Sr. Dr.
chefe de polica para ouvir o delegado do Io dis-
iricto do termo dcsta capital, por quem foi recru-
tade o marido da snpplicante em agosto de 1867.
Francisca Moura do Carmo.informe o Sr. Dr.
chefe de polica
Francisca Ititieiro de Oliveira.Informe com
urgencia o Sr. coronel comraandante superior da
guarda nacional deste municipio.
Jos Izidoro Pereira dos Re>.Informe o Sr.
inspector da thesouraria de lazenda.
Joo Feliciano da Motta e Albuquerque.Con-
ceda- se a exoneracao pedida.
Joaquim Lucillo de Siqueira Varejo.Nao tem
lugar o que requer vista das informacoes.
Joo Jos de Souza.A visia das informacries,
requeira ao governo imperial.
Jos Auguslo de Araii|o.Volte ao Sr. engenhei-
r em vista as consideracoes feilas pelo engenheiro
ajudante da rnpartica das obras publicas.
Landelino de Luna Fr. re.Seja nomeado o sup-
plicantc.
Padre Leonardo JorwGrego.-Conceda-sc aexo-
relo requerida.
Laurentino Alves da Fonseca.Informe com ur-
gencia o Sr. coronel commandante superior inte-
rino da guara nacional do municipio do Ite-
cife.
Manoel Joao Ribeiro.- Informe o Sr. Dr. chefode
polcia.
Sidronio Lydio de OliveiaMaeallics.Nao tem
lugar o que requer por havor outro escripturario
mais amigo, segundo consta das informacoes da
rep.irtico resjectiva.
Thomaz do Carvalho Soares Brando.Informe
o Sr. engenheiro encarregado das obras geraes.
EXTERIOR.
ASSfMPgAO, 13 DE JANEIRO DE 1870.
Temos de registrar mais un brilhante triura-
plio obtido pelo infatigavel general Cmara, que
tem acossado a fera em todos os seus refugios do
lado do rio Paraguay.
Sem p irmoaores recebemos a 13 noticia de que
este general batora e destrocara completamente
no dia 11 do correte a forca paraguaya com-
mandada pelo coronel Genes, que substituio o der-
rotado Romero : esta torca inimiga compunlia-se
de mais de 600 homens, e o seu chefe era corres-
pondencia interceptada pelos nossos dizia, dias
antes, que ia ludo muito bem e que j tinha as-
sassinado alguns traidores (piraguayos), entre os
quaes a utn pobre velho, que tomaram por ouiro
individuo de nome Faicon.
O combate leve lugar as proximidades da vil-
la de S. Pedro, sendo insignificantes as nossas per-
das e grandes as do inimigo.
Antes desle feito de armas teve lugar outro
realizado pelas forcas sob o coraraando do mosmo
general.
Na madrugada do dia 2 do crreme foi a trin-
cheira do Rio Verde assaltada e tomada de sor-
preza pelo coronel Joo Nunes da Silva Tavares,
3ue se houve nessa occasio com a sua costuraa-
a pericia e intrepidez, e foi to feliz qne nao teve
ura s dos seus soldados fra de combate. Vinte e
nove homens do inimigo cahiramem nosso podar,
entre os qnaes acha-se o capito que commanda-
va a forca e o tenente sea inmediato.
Segando as declara^oes dos prisioneros, Lpez
achava-se anda no Panadero, mas iratava de re-
tirar-se para o norte.
O general Cmara expeda immediatamente as
convenientes ordens e avisos ao coronel Prannos,
qne ficara commandando as forcas na Concop-
cion, c ao tenente coronel Bento Martins, que est
gaardando a picada do Chingelo, para frustrar
o plano do inimigo.
Depois do combate de S. Pedro segua o general
Cmara para a Concepcin a reunir-se ao coronel
Prannos, aSm de ir com toda as forcas sobre o
Panadero.
Tem esto geral comprehendido bera o systema
de guerra qoe nos poda asegurar brevemente a
captura de Lpez ou a sus fuga, se nao quizer-
mos esperar que a fera suecumba mingna e pe-
lo abandono de todos os seos.
O general Cmara prepara pequeas partidas,
comeleraeaios da raobilidade, espera ocoasio op-
portuna e cabe de improviso sobre o Inimigo, ba-
at ao passo do Espadio, sem eucontrar a monor
resistencia.
Neste ponto encontrn o nosso dislinclo offlcial
mais de 1,000 pessdas, mulheres e enancas, em
horrivel oslado de mUeria, das quaes poda trazer
urnas 400, Ocando outras a morrer do fome, por-
que seu estado de fraqueza j era lal que nao po-
diam acompanhar nossa genis.
Tod)o loago caramho por onde atravessou o
tenente-coronel Moura eslava juncado de cadve-
res de mulheres e enancas moras fome. dego-
ladas ou lanceadas pelos espas de Lpez. Desses
barbaros agarrou o dito offlcial brasileiro 12, que
com o maior cynisrao se empregavara em sua ne-
fanda tarefa I
Entre as pessas libertadas pelas nossas forcas
contam-se a vi uva de Leite Pereira, Alba do Sr.
cnsul portugnez Madruga, que em seu nome, an-
da apresentmdo exageradsimas reclamacoes ao
governo imperial como valor dos auxilios presta-
dos por seu genro aos nossos infelizes compa-
triotas prisioneros de Matto-Grosso, a mi do bs-
po Palacios, e urna neta do Sr. baro de Mel-
8a5- .
Li os depoimentos prestados pelas duas primei-
ras, e confosso que j cansa repetir os lorrores
porque tora passado tantos miniares de victimas
do mais cruel tyranno qne o mundo ha visto, e
que, para vergoha da humanidade, anda encon
ira defensores como o celebre Sr. Mac-Mahon que,
segundo vejo da correspondencia dos Estados-
Unidos, publicada no Jornal do Commercio. por
alli anda advogando a cansa de Lpez.
A miseria entre as destinadas do Espadim chc-
gou a ponto qne nimias comerara sapos e outras
cobras venenosas para escaparcm por este novo
raeio de suicidio ao cruel martyrio de morrer de
lome I
O systema de Lipez de arrebanhar e levar com-
sigo em snas constantes fugas, as familias para-
guayas, poda al certo lempo ter urna explica-
Qi-: deixar sempre ante nos o deserto, e impedir
pelos lacos da familia as deserc5es de snas filei-
ras, pelo terror que inspiravam as execoc5es de
todas as parelas dos qoe desertavam. Hoje, po-
rm, que todo o Paraguay est livre do seu poder,
que a maior parle das familias paraguayas e es-
trangeiras forain libertadas, que as qie restam
captivas e pertcncera as melhores do paz lera vis-
to o espingardeamento ou lan?amento de todos os
seus prenles a eontinnacao de seraelhanle syste-
ma so tem explicacao nos ferozes instinctos de
Lpez, estimulados pela embriaguez, que actual-
mente, segando afflrinara, osea estado normal.
Alguns ospias do inimigo, agarrados pelas nos-
sas forcas, declaran) que Lpez Ihes recommen-
dara que cv proenrassem pelo lados do Apa, que
a forca deste acha-se Tcduzid a 1,500 homens.
qne Romero lora fnzilado, assim como outros ofli-
caes paraguayos, e que csto presas a mi e as
irmas do Lpez.
Ao acampamento de Sua Alteza, em Curuguaty,
se apresentaram tres caciques indios da tribu que
aqui chamam Crelos. Declararan! que tinham re-
jeitado tedas as propostas de Lpez, e prometie-
ran) nao s prestar-nos auxilio como obter o dos
indios Tambcus c do grande cacique da serra de
Maracaj.
V sto cora vista a alguns topistas de Buenos-
Ayres, que j fallavam de afiance entre Lpez c
os indios, nao se lerabrando ou lingindo ignorar o
odio tradicional que os indgenas votara aos para-
guayos.
Deserten para o nosso acampamento o major
commandante do corpo da rifleros com doze pra-
cas. Este Tacto muito importante, pois mostrou
que a propria garde di corps do tiranno o est
abandonando.
Em minha ultima carta disse qno Sua Aleza se-
guira de Curugaaty para Igalemy, donde mar
eharia sobre o Panadero. Agora sei que o princi-
pe, tendo deixado guarnecidos os dous primefrof
pontos, regressou para o Locarlo, onde chegou no
da 13.
Parece que o nosso commandante era chafo re-
conheceu que ha-cria grandes dilllculdades ein ir
de Igalemy para o Panadero, resolveu ir Con
ceic). marchando dahi com o general Cmara
sobro o dito ponto onde se contina a dizer que
se acha Lpez. Nao sel se Sua Alteza seguir logo
do Rosario para a Coneeicao, ou se vira a esta
capital antes disso.
Por ora nao ouco fallar na retirada de torcas,
que, como j disse as minhas anlerores, me pa-
rece a que>tao vital para o Brasil. Tal vez a vi ida
da Sua Alteza para o litoral lenha relacao cora este
importante assumpto.
Acabo le saber que se retira brevemente para
a corte o general Polydoro. Este benemrito e I
lustre general, nao podondo por miis teirtpo resis-
tir a este clima e ao aturado trabalh>, que tem
aggravado os seus padecimentos, pedio c ubteve
de Sua Alteza liceAea para ir para o Brasil. Os
servicos prestados ao pall por esle typo dos gene-
raos brasileiros grangearam-lhc o incontestavel
direito gratido e respeito de todos os seus con-
cidados
Nao careeo enumerar os servias e as qnaiida-
des deste veterano : o exercito e o Brasil inteiro
bem conhecem quem o general Pqlydoro. taza-
mos sinceros votos para que prospera seja a via
gem de S. Exc. e no seio de sua familia encontr
completo reslabeleciraento de seus males.
O governo dessa repblica contina a fazer
quanto pode para dar de comer e vestir aos mi-
lhares de pessdas que, no maior estado de miseria,
Ihe tem cabido sobre os hombros. Escassos sao,
porm, os seus recursos, e ltimamente resolveu
que um dos seus merabro-, o Sr. D. J >se Dias de
Bedoya, fosse a Buenos-Ayres tratar de contrahir
um eraprestirao.
Tomou outra resolu?o que ba de augmentar a
sua ronda, e foi passar da municipalidaae para o
ministeri) da fazenda a arrecada^ao dos alaguis
da casas do estado, que sao aqui muito numero-
sas e collocadas as raelhoros localidades. Tam-
bera modinc'tu, attendendo a algumas justss re-
clamafSes, o imposto de patentes, e regulou me-
lhoro do sello, que deve dar alguma renda.
O governo argentino resolveu cedfr o producto
da herva-mate, tomado as cordilheiras. Com-
pre, porm, notar aqui o segrale : o Brasil entre-
gou ao governo paraguayo a herva-mate, os cou-
ros e o fumo tomados ao inimigo. A repblica
Argentina s ceden o mate. O mate brasileiro
vendido pelo governo paraguayo produzio mais de
cento e trinta mil pataedes. O governo argentino
raandou entregar 32,000 patacoes, como producto
da venda da maior parto do mato, c entregar em
ser 200 tercos de m qualidade, em que so apurou
uns 8,000 pataces ; perianto, tolal da h dida pelo governo argentino 40,000 pitaces. J
se v que cedemos muito mais, e que o governo
provisorio venden melhor do que os agentes ar-
gentinos a herva-mate que Ihe entregamos. O go-
verno oriental deelarou nao poder prestar esto an-
xilio aos to necessitadoj paraguayos.
Acabo de saber que o coronel paraguayo Genes
de que icioaa fallo, cahio prisioneiro dos nossos
COMTO, 16 OS JANEIRO DE 1870.
Em m de Assumpcao a data desta do Cerri-
to, ponrae vira observar com os proprios olhos o
theatro da funesta catastfopbe que teve lugar ne-
te porte no da 2 de Janeiro r
Neste dia pelas II horas da manha passava
eu por Ctirazu, gosando de ama licenea por meus
incommodos de sade, quando ouvimos ura horro-
roso estampido.
Estavamor ku% do al moco. O commandante
do vapor Anmta, qm era o em que vinhamos, le-
vantou-se da mesa, e todos o acompanhamos. Vi-
mos ento Vlevar-se para a altura do Passo da Pa-
tria urna Rolnronn de fumo, alta, espessa, alterra-
dora, quo apnesentava e vardadeiro aspecto de
urna arvore com todos os seus galbos e ramos, co-
mo se estivessera cobortos de nev, representando
as arvores da Europa no outono. Passamos depois
relo Carrito, meia hora depois do meio-dia. era
vestigios da csa de plvora vimos mais Vimos
quo muilos marinheiros tratavam de reparar al-
gumas avarias nos tres couragados que ahi se
acham. S muito depois soube a verdadeira cansa,
qne consta deste ofllcio :
Directora do estabecimento naval da esqua-
dra na Iba do Cerrito, 2 de Janeiro de 1870.
Illm. Sr.Cora profundo pezar dou a V. S. conhe-
ei nento da urna lamentavel oceurrencia que aca-
ba de ter lugar luje s 11 horas da manha as
proximidades deste ostabelecimento. O patacho
nacional Pinto, que se achava junto ao ponte
Qaicltstepp, e que haviaeooelnido s 7 e meia ho-
ras da mtokaa o recebimento da plvora que ti-
nha de conduzir para o Rio de Janeiro, recebimen-
to effectuado sob a direceo do empregado da
commo de lazenda que se acha no estabeleci-
menlo, desappareceu por combusto creio que ac-
cidental da mesrna plvora, e com elle o pontao,
o paiol e ama chata deposito que junto se achava
e da qual se havia retirado para o patache a pl-
vora que continha. Pereceu todo o pessoal qne
alli se eacontrava constante do oito pessoas da tri-
polacto do patacho, a mulher e nma filha dn.capi-
to do mesmo, e nove operario?, flor das officinas
de constnierlo naval, os quaes se achavam a bor-
do do patacho conclulndo o. pequeo fabrico da
popa ordenado pelo commando em chefe da esqna-
dra, afira de partir as pnraeiras horas do dia de
anianha a reboque do vapor Beberibe, segundo
eslava eonvencionado com o Sr. capillo de mar e
guerra, tommandante da 2a divisao, e conse-
quencia da baixa do ro, que comecou a ter lugar
a 29 do passado. Escapon a esse infortnnio o ca-
pito do patacho, Jos Domingos Guerreiro, que
se achava nesse momento no quartel da minha re-
sidencia,* r;cebia do mim as ultimas ordens.
Perden-se per consecuencia cerca de 25,000 ar-
robas de plvora, inclusive toda a munioo do Ta-
maniar, depositada em cofres no paiol, parte da
do monitor Alagoas em barns e a que estava a
cargo do offlcial de fazenda do estabelecimento. As
cmaras da tolda dos monitores Para, Alagoas e
Cear soffreram :m parte ; flcou atilisado um
escaler do monitor Para, o pontSo Guilhermina.
condemnado por intil e que estava era secco na
beira da barranca a 300 brajas de distancia do lu-
Sar da c-vloso, rolou o profundou no rio ; era
istancia 3e 600 btncas fui a pique pelo rerolvi-
mento das aguas urna chata bombardeira, qne se
trata de wspender ; os armazens do Eslabeleci
ment desabaro em parte pelo delineamento da
uiassa atmospherica, os qnarteis soffreram mais
ou menos inclusive o meu ; das embarcacoes per-
didas apenas restara pequeos fragmentos de ma-
delra que fluctan) nos remansos : no lugar do
paiol atiesta o sinistro uraa especie de dique cir-
cular de 60 ps de dimetro sobre 15 de pmfun-
didade : as officinas de machinas deram-se al-
guns prejuizos de pouca importancia, e finalmen-
te dos mirtos nao apparece o mais leve vestigio.
Qual seja a verdadeira origen) desse inciden-
te, nao posso declinar a V. S., por nao hrver pes
soa alguma presente sobrevivido a elle : sei ape-
nas por informagoes do commandanto do monitor
Alagoas, que neste momento eslava na tolda do
navio em acto de mostra, que detonou ora r^riinei-
ro lugar o patacho e em seguida o pontao e o
paiol, eo que sao contestes algumas pessoas qu-*
na occasio e achavam a visti d> lugar do sinn-
tro : c assim deveria ter sido, porquanto n > pon-
tao, cujas escotilhas estavam fechadas, nao h.via
pessoa alguma, por torera sabido os guardas para
almocar, o paiol conservava-st igualmente fecha-
do ea chave em poder do offlcial do fazenda do
Estabelecimeiito, entretanto que as detonares fo-
ram distinctamente tres, sendo a segunda mais
forte. Por seu turno o capito cft patacho assegu-
ra que sahiddo de borlo dentara a eseotilh do
porto fechada e com encorado corrido e o convs
do navio baldeado. Inclusa remello a V. S a re-
lacao dos operarios fallecidos, os quaes, como bons
operarios que eram, deixaram um grande vacuo
no Estabelecimento, sendo qno alguns delles o
acompanhavara d-sde a sua funiacao.
Deus guarde a V. S. Illm. Sr. Eduardo
Wandenkok, capi'o-tenenle, chefe do estado-maior
da esqualra. Jos Marqiirs Guitnaraes capilo de
fragata director.
II >je, pela raaoha, fui examinar do perto o lu
gar des-e triste desastre. Cansn-me profunda
impresso. Toda a floresta circumvizinha ao lugar
da catasirophe est derrabada e quennada. As ar-
vores, por mais altas e grossas que sejam, foram
lascadas pelos esiilhacos da madeira dos navios
que lesappirecerara.
O lugar era que estas'a a casa da plvora bo-
je como um dique profundo. Dessa casa reslam
apenas aqu e acola estilhacos da madeira e do
zinco que a cobria.
Dos estilhacos de madeira do navio ha pedacos
desde o 'tamanho de duas bracas at migalhas de
pao alcatroado. Alguns podicos de panno e cor-
doalha, bem como do camisas de marinheiros se
encon'.rc Das infelizes vict mas desse triste suc-
cesso nada, porm, se enconirou, oem era trra,
nem no rio. Afflrmo me os dignos offlciaes de
marinha, com qudth conversei, os quaes, na occa-
sio do desastre, correram para aqnelle poeto,
que nao poderam descobrir era vestigios dos cada-
veres. Encontraram, porra.naquelle mesmo dia,
ainda a grande distancia do ponto da funesta ex-
ploso, muilos peixes morios e semi-vivos sobre a
barranca.
Immensa quantidade de passaros foi tambem
encontrada em grande extenso da floresta incen-
diada. O que raais rae adrairou foi a ancora do
patacho ter sido achada depois do lado de Itapi-
r. Jnnto a porta do Sr. ajudante do inspector,
que mora dentro do arsenal, veio cahir o macho
do lema do mesmo patacho.
Pela leitura do ofllcio que junto, se ver o nume-
ro de victimas qne fez esse fatal sinistro, e ontrps
pormenores interessantes. A casa do Sr. capio
de fragata Guiraar'S teve as vidracas quebradas
e as portas arrancadas.
No commercio todas as casas liveram garrafas
e ulencilios quebrados. 0 vapor Taquary, que se
achava tundeado muito abaixo do lugar da explo-
sae, teve todo o cavilhamo despedacado. O rio
pareceu mover-se como o ocano em uraa tor-
menta. Foi un verdadeiro terremoto.
Qnem nao assstio aos terremotos das cidades
que banha o Pacifico faria justa idea delles se es-
tivesse no Cerrito naqnella occasio.
Essa visita que flz ao Cerrito veio corroborar
em meu espirito a convieco qne nutre de conser-
varse aqnelle ponto para um arsenal de marinha,
o nviccio que j tenho sustentado em minhas cor-
respondencias desde 1867. Quando o visconde de
Tamandar, cujo nebre coracao sempre inspira-
do pelo raals decidido patriotismo, escolheu aquello
ponto em 1866 para nelle esubeleeer seu arsenal
de marinha, saudei aquello pensamenlo coma de
fecunlissimo alcance.
Quem contempla hoje as magniScas obras qne
i :i5a fnit*a u nfl)cinas de. mafthinas a cnn-
truefao naval, o immenso material que tem no
Cerrito o Imperio, nao pode dHxar le a4vogar a
permanencia desse e-tabeleciraento ahi, ao menos
pelos cinco anuos era quo se conservaren no Pa-
raguay nossas forcas.
Nossa esquadra toda te?n sido- ahi reparada e
concertada; oestes qnatro annos, ainda mesmo na-
vios que lera sido destinados para a provincia de
Matto-Grosso, como seja o Cltug. O capito de
fragata Jos Marques Guimare es' conslruindo
agora dentro do arsonal um ferro-carril, que mu
lo facilita o trabalho. Tora frito tamben obras
liydraolicastti generis, para maaler a duraco e
seguranra do cerro onde esl o arsenal. Eu nao
vejo rarao neahuma para nao proeurarmos manter
o Cerrito pelo maior lempo que patennos. Assim
como a Inglaterra tem em seu hymno o Rool, fin-
tannia, rool Ihe waves. assim tambera em respeito
dos ros da baca do Prata e do Amazonas devo-
raos dizer nosa brilhante esquadra: fool,
Brasil, rool Ihe eivers. Creio que a opinio no
imperio deve compreheender o alcance dessas pa
lavras.
A discussao havida entre Mitre e Gomes revelou
mnita eoosa importante. Mure, em sua ultima
carta da polmica nterrompeu a discussao, pro-
metiendo oceupar-se dapois detidamente do as-
sumpto.
Tomaran) parte nesta discussao Joo Carlos Go-
mes, Mitre, Marmol e Ehzal K O propno minis
tro actual de relances exteriores Marianno Varella,
lomando parte na discussao cmn Mitre por ura in-
cidente, deelarou em respeito allianca que a con-
siderava um acto forcoso e necessario.
Parecem-me digno de atienen do imperio os
segnintos tpico jue exirahi dn urna carta im-
pressa na Capital do Rosario por ngel Floso
Cista :
1." A guerra cora o Paraguay que trouxe a al-
lianija com o Brasil pedia prever-se e evitar se?
2. Prevista e na imposstDilidadc, era inevitavel
a allianca cora o Brasil?-
3. E, assentado ipie a. ailian^a houvesse chega-
du a ser inevitavel, ho guardado as repblicas do
Prata, nella, a attitude poltica que cumpria s
tradceoes de gloria dos pnvos do Prata?
4." Tem preponderado durante a guerra e a al -
li.mca a poltica hrasileira, ou a repblica argen-
tina' ou oriental, apezar de ser o general dos exer-
citos alliados ujn chefe argentino, o presidente de
urna repblica americana?
5." Teria podido aecelerar-se com outra poltica,
cora outro accordo m-iis sincero entre os alliados,
a conclusao da guerra, e ponpar-se os sacrificios
de sangue e dinhelro que ella ainda reclama d >s
poneos alliados ?
6. Sao justas ou vergonhosas para as duas re-
publicas as estipulacoes do tratado da allianca ?
Sao, ao menos, convenientes ?
7. Estaremos hvre* de toda complieacao no fu-
turo com o Brasil, chegado o momento da orga-
oisacao do Paraguay, caso, como de esperar-se,
nao abandone elle sua tradiccao poltica?
8." Abandonar o Brasil sua poltica de prepon-
derancia e absorpeo a respeito do governo para-
guayo, hoje, que est obligado a resarcir se dos
ingentes sacrificios e dos quebrantos provideneiaes
que Ihe cnsta a guerra ?
Quanto s nossas operaeOes, continuara com o
mesmo aspecto efflcaz as sortidas feilas sobre as
forcas de Lpez.
J devem estai publicados ahi os telegrammas
que referen) os resultados das duas sortidas do 2i
de dezembro e de 2 de Janeiro.
Na pnmoira foram libertadas do poder do ini-
migo a mai do finado bspo Palacios, a irma do
general Barrios e a senhora de Decaud, que c ho-
je o chefe poltico de Asumpeo. bem como o
foram tres Frsncezas, tres Hespanholas e algumas
Correntinas, entre as quaes as viuvas dos dous
membros da junta governativa de Corrientes na
poca da oceupacao paraguaya. Wnf< roso Caceres
e Theodoro Ganna. Foi tambera libertada ento
urna Brasileira que se diz ser neta do baro de
Melgaco. Na madrugada do dia 2 de Janeiro a
oceupacao da trinchiir do Rio-Verde trouxe ain-
da ignaes resultados. Toda a (orea inimiga ficou
em nosso poder, c libertamos umitas familias pa-
raguayas das decentes, como se diz ncsas rep-
blicas.
De Lpez se diz que prepara canoas para fngir.
A segunda divisao da esquadra conta cinco na-
vios e contina a prestar seus servicos no alto
Paran.
E' commandante desta divisa o capilao de mar
e guerra Fernandos, que se acha na Itajaluj na>
Tres Bocas.
A leviandade c. mentina anda espalhando que
o Estados-Unidos v) dar dinheiro e 12 cournca-
dos repblica Argentina para fizerem agora a
guerra ao Brasil por causa do Faraguay. Ouvi
essas revelaees de um Corrientino do nome Ma-
noel Cunia, livreiro, a quem fui comprar mappas
da repblica Argentina. E' um descoco.
seguir para a sCoucei~io afim de proseguir agora,
por aquella linha nas suas opera^Oes de perseguir
Lpez. OSr. geaeral Polydoro vira-se obrigadt
pelo sea stado de snde a pedir liceaca para se
retirar do-Paraguay, licenea que lite fbi concedida
louvando se-lho e agradeeendo-se-lhc pr esto oc-
casio os seas muilos e relevantes servicos. Em
embarqriu do voluntarios que ninguem fallava
anda; eomtudo a recente publicarlo nesta corte
de um pcogramn. para recep^es de sBCcessiTOS
contingentes pareria deixar suppor quo se boaves-
sem expedido ordens neste sentido.
Relativamente s duas repblicas i> Prata nada,
trazem ds interesse as follias de Ituanos-Ayres e
Montevideo que cbegain a 21 e 22 do corrento.
S. M. o rmperailor, acorapanhado da seus sema-
narios, eh*(.ou bonicm ao arsenal de marinha s
9 Vi horas daraanlia, e visitou as officinas do ma-
chinas. Era seguida orabarcou na galeota impe-
rial o [ui visitar o hospital da Jurujuba, e deseca-
ba rcou
tarde.
no arsenal d> guerra s 2 '/2 horas da
Por cartas imperiaes de 26 do corrento ;
Foi nomeado cavalleiro da orderr. de Cbristo o
capito Thomaz Treloar, subdito de S. M. BriUtt-
nici.
Koram naturab-aili-s :
O- subditos porlngnezes Antonio Teixeira de
Oliveira, Jos Antonio de Freilas e Joaquim Gomes-
de Oliveira.
Por docrctos da mosma data :
Foi concedida ao padre Jos Domingas dos San-
tos, paroclm c diado na grvja parochial de Santo
Amonio de Urub, do arcebispado da Babia, an
honras de conego da cathedral metrpoli tana.
Foi apresentado o padre Antonio Jos Goncalves
era urna cadeira de conego que se acha vaga a
cathedral da diocese de S. Paulo.
Foram concedidas as seguintes ptnsoes naen-
saes :.
De 60 ao capito do 39 corpo de voluntarios-
da palria Alfonso Fagundes do Nascimento.
De 30S a D. Senhorinha Virgioia do Amaral,
mi d>> capito do 41* dito dito Jos Bou icio do
Am iral, morto em combate.
Qe 36 ao alferes honorario do sxercito Ellsia-
rio Jos Ribeiro.
De 18 j a D. Amanda de Souza Duarto, viuva
do alferes da guarda nacional da provincia do Rio-
Grandc do Sul Seratim Antonio Santos.
Por decretos de 22 :
Foi concedida ao juiz de direito Francisco Leite,
da Costa Belm a exoneracao qno pedio do cargo
de chefe de polica da provincia d Minas-Geraes-
Foram nomeados:
O iuiz de direito Joaquim Castao daSilvaGoi-
maraes, para o referido cargo.
Foram reconduzdos :
O bacharel Claudio Herculano Duarto no lugar
de juiz municipal c de urphSos do tormo de Jacu-
hy. na provincia de Minas-Geraes. *
O bacharel Antonio Pereira Camello no lugar de
juiz municipal e de orphos dos termos reuuidos
de Anadia, Palmcira e Coruripe, na provincia das
Alagoas.
Por decreto de 2 do correte mez fui refor-
mado :
0 Io tenente Colaiino Marques de Souza, con) ti
vigsimas qnintas parles do respectivo sold, na
ci.nlormidade d) art. 4 % Io da lei n. 641 de 31 de
julho de 1852, visto ter completado 22 annos de.
servico c soffrer molestias incuiaveis.
Por outro decreto de 25 foi promovido a l" te-
nente, contando antiguidade do dia 2 de dezembro
do auno passado, o 2 dito Jos Antonio de Oliveira
Freitas.
Por decretos datados de do corralo foi no-
meado pbarmaceutico alferes do corpo de salida
do exercito o pharmaceutico alferes era eommis-
so Damio Jos Soares ; c liveram honras de pos-
tos do exercito, era altear aos relevantes servi-
cos prestados na guerra contra o governo do Pa-
raguay, os seguintes individuos:
De major, o capito do 23" corpo de voluntarios
da pairia Galdino Antonio da MWaPrelre.
Du eapo, o eapitio de voluntarios da patria
Luiovii!) Jos Eleuterio.
De !cnente; o lente de voluntarios da patria
Antonio Damasccno dos Sanios.
Por portara de 26 de Janeiro de 1870 concedeu-
se licenea para residir na provincia de Pernarabu-
ro ao alferes honorario do exercito Francisco
Correa do Mallos.
INTERIOR.
RIO DE JAMURO
27 DE 1ANF.IRO DE 1870.
Por titulo de 26 Jo corrento foi nomeado Frede-
rco Julio da Silva Traniueir para o lugar de co-
brador da recebedori do Rio de Janeiro, em subs-
lituco de Geraldo Jos Ignacio dos Santos, que
na iiiesnia data foi demiilido, a seu pedido.
ahi eslo feitas, as offleina3 de machinas e coq-
Publicou-se na typographia nacional, por ordem
do Sr. ministro do imperio, o primeiro volume de
urna collecgo de consultos do conselho de estado
sobre negocios ecclesiasticos.
As consullas publicadas versan) sobre doze pon-
tos differentes e interessantes, discutidos pelos Srs.
bspo de Aoemuria, Bernardo Pereira de Vascon-
celos, marquez de Paran, marquaz do Olinda,
visconde de Marangoape, etc., sobresanando, pela
uatureza do assumpto, as tres primeiras sobre ea-
samentos mixtos o cathoheos, de nma das quaes
foi relator o Sr. Paulino Jos Soares do Sooza
(viscondo do Uruguay), da outra o Sr. Euaebio de
Queiroz Coutinho Mattoso Cmara, e da teroeira o
Sr viscondo de Sapucahy. Os homens estudiosos
c o publico em geral devem ter conhecimento de
trabalhos serios como os de qne se trata, quo at
agora teem estado entregues a traca era nossas se-
cretarias de estado.
Referindo-se ao estado que fez dos trabalhos de
nosso conselho do estado o das disenssoes do par-
lamento, disse o Sr. visconde do Uruguay na iu-
troducoao do urna de suas obras :" Tivc militas
vezes occasio de deplorar a desamor com que
tratamos o que nosso, deixando de estuda-lo,
para somento ler superficialmente e citar cousas
alheia?, despropiado a experiencia que transluz
em opinioes e apreciacoes de estadistas nossos. >
O actual Sr. minis! do imperio comeca a ar-
rancar do p esses importantes documentos, cons-
tando nos que a despean feita foi sraente a da
impresso. Esperamos que to ntil pubhcacao
nao Gque nesto primeiro volunic.
Tarabem eotrou hontem o transporte de guerra
Leopoldina, sahido da Assampcao a lo do correr
te. Asearlas referen) todas as noticias di inte-
resse, entro as quaes as de mais alguns tollos ne
armas das forcas do general Cmara, qne anda
ltimamente derrotaran) e aprisionaran) oeoronel
paraguayo Gomes, que as immediaooes oe 3. ro
dro andavaom uns 600 horneas.
S. A. o Sr, conde d'Eu voltou ao Rosario, d onde
Por portar de 26 do corrento concedeu-se exo-
neracao a Eduardo Frederico Lanteja de Oliveira
do logar de engenheiro de seceo, encarregado do
dislricto toleeiapliico do sul.
SO-
Por portaria de 26 d corrale foi declarada do
nenhum elfeto a de 4 de setembro do anno pr-
ximo lindo, qne privn o bacharel Francisco do.
Paula Fernandos Rabello do cargo do juiz munici-
pal e de irphos do tormo de Santo Luzia, ni pro-
vincia de Minas-Geraes, c em vigor o decreto do
SO de fevereiro do mesmo anno, que o numcou
para aqnelle cargo, visio ter entrado em exereiek
das respectivas funccSes dentro do prazo legal.
Por lilulos de 26 c 27 do corrento foram nomea-
dos : .
Bento Jos Riboiro Chrysostomo para o iugar do
escrivo da mesa de rendas geraes do Tabatinga,
provincia do Amazonas. .
Antonio Bernardino ilc Araujo para o da admi-
nistrador do S. Jos do Norte, provincia do S. Po-
jse Carlos Pereira para o de escrivo da de Pe-
llas, na dita provincia de S. Pedro.
Por decreto de 27 fui concedida, a exoneracao
que pedio Pedro de Sant'Anna Lopes do lugar da
offlcial da repartico das trras publicas, na pro-
vincia do Espirito-Santo. ___. .
Por portara do 27 foi exonerado o engeheun
Antonio Rodrigues da Cost do lugar ^ chrfe dan
coraraissaes de medir e discriminar trras devolu-
tas na provincia do Rio de Janeiro, por assim con-
vr ao servico publico.
Por portaras datad de 28 do coi rente foram
nomeado Candido Francisco do Oliveira, para o
Car de amanuense de 1- classe da almoxarifado
do arsenal de guerra- da corte, e o caprino da
uarda nacional Jos Maria das Chagas Fernandes
de Brito, para o de aminuense do escritorio das
officinas do mesmo arsenal.
No dia 22 do correte, s 6 '/ horas da tard,
foi recebido por S. M. o Imperador, em audiencia
publica, o Sr. conde Lndolf, ministro residente da
\ustria' nesta corte, para apresentar ao raesmo
augusto senhor a caria pela qual dea elevado ao
carcter de enviado extraordinario e ministro ple-
nipotenciario de S. M. I. e R. Apostlica.
Nessa oooasiao proferto o conde Lndolf a se-
aurate allocucao :
Senhor-8. M. o Imperador e ro, meuMJ-
gusto amo, dignou-se cenceder-me "W^
enviado extraordinario e ministro P^'W^i;
e acreditar-rae nesta nova qualidade na corto a.
V. M. Imperial.
,omo o-mea nuf
tado testomnnhar p
aprero que d ai dcsonvoln'
ter antes de
licu medida o alto


*
Diarlo de Pernambuco Ouarla feira 9 de Fevereiro de 1870.
i- nwn- r

Ucoes de araizade e parentesco que to felizmente
subsisten) entre as duas Ilustres cortes, ftearoi,
mais do que nunca, compenetrado do dever de
tornar-mc tambem na minha nova poficao, era to-
das as occasioes interprete desses seuti-
mealos. ....
Soobor.Dignai-vos acreditar na sincendade
dostraidadosque hei de consagrar a este encargo,
tinto mais que me sao dictados por urna profunda
vcneracao para com V. M. Imperial e sua anguila
vasa, bem como por viva graudio minha em con-
sequencia da insigne benevolencia que V. li. tem-
tnc prodigalisado at agora, e cuja conservacuo
nio cessar de ser enjerto, de ninhas mais caras
ambieoes.
Aprescntando-vos mui respeitdSftmente, ae-
char, a carta de meu augusto g, berano e amo, to-
no ainda a liberdade de reiterar a V. M. Imperial
a expressio de meas mais ardentes votos pela Ili-
mitada prosperidade de seu reinado, pela ventura
de sua Ilustre casa, e pelo glorioso futuro do seu
vasto imperio.
S. M. o Imperador respondeu :
Son mut sensivel a esta nova prova da ami-
zade de meu carissimo Irmo e primo o Imperador
da Austria, e espero, Sr. conde Ludalf. que conti-
nuareis a merecer a ir inlu benevolencia e a do
govereo brasileiro.
31
SS. 1M. eS. Aluza Imprtaos acompanhados
de seas semanarios, embarcaran) hofltem na ga-
leota a remes c desembarcaran) na ponte de S.
Domingas. Em seguida Suas Magostadas foram a
Seto Pontos e ao asylo de Santa Leopoldina, onde
assistiram fe-ta do padroeiro do mesmo asylo, S.
Vicente de Paula. SS. MM. e Alteza desembarca-
ran), de volta, as 4 I,-i horas da tarde no arsenal
de marraba. .
So Ctab Fluminense teve lugr hontem urna lin-
da Testa, a que a presenca de muitas pessoas gra-
das, Portuguezes e Brasileiro, deu uin ar so-
lemne.
Os socios da pa instltuicao portogueza Caica
de Soccorros de K Petbv V, querendo manifestar
ao commendador Leonardo Caetano de Aran jo o
aproan em que tinham os importantes servicos
pir elle prestados Catsa de Soccorros, delibemu
em sessio da asamblea geral de G dezembro de
1868, que se mandasse tirar o retrato do seu be-
naraerito consocio, e fosse este retrato collocaJo
na sala das sessoe da Caita, alio) de. lerabrar nao
a os servidos prestados pelo commendador Leo-
nar l.>. como tambera a gratido dos sucios.
Numerosos cavallMiros olfcreceram se -entao
para executar essa leliberacio, e nomearam d'eu-
tre si uma commisslo de cinco membros que le-
va*^ a effeilo tio generoso pensamenlo.
A camraissao, composta dos Srs. Jos Joaqun)
Ferreira da Cusa Braga, padre Jas Luiz de Al-
meida Martin<. Francisco Coelho Bastos, Jos Fran-
cisco da Costa nas e J. Joaqun) Godnho, den
cabal dasempeabo aoque Ibe tora incumbido. Cora-
prehendendo que todos os Portuguezes residentes
no Brasil, apreciando devidameute os rancies be-
neficios que tem prestado e presta Caita de Soc-
corros eslimiriain coucorrer para uma manifesta-
rlo de apreco e do reeonhecimento 20 seu compa-
triota, que tanto t rabal har para a cranlo e pros-
peridade di caridosa nstiinicio, convidou os a
sabscreverem seus noiues era listas, que breve-
mente se endura m.
C nelaido o retrato, julgou n*eo.iimissio que
devia. antes do colloea-lo lia ala das s's~3es da
Caixa, apresenta-lo em acto publico e solemue,
nao s aquellos que promptamoi te (libara acu-li-
do aoseu appello, cmio tambem aos numerosos
araiios da instituido o do Sr. commendador Leo-
nardo.
E, -endo de diroensSas relativamente acanhadas
a sala das tasados da Cai.xa, resol veu a commis-
sao fazer nauguracio do retrato no Ciub Flumi-
nense.
Para este (1 n achavam-sc hontem elegantemen-
te ornados a entrada e' o salo principal do C ub
estando ueste reunidos numerosos convidados.
Acbavam-se presentes, olera de muitas senporaa,
c entre varias pes-oas gradas os Srs. ministro de
Portugal e cnsul portuguez nesta corle e chan-
chcller Dr. Daniel.
A's 10 1/2 oras da manilla, correram-se as
cortinas de se la encarnada, que oceultavam o
quadro. Representa este o commendador Leo-
nar lo attendendo a uma viuva e a um cg >, que
implorara os soccorros da Caita ; no fundo v-se
a estatua do rei D. Pedro V e a do u na mnlher
abrigando duas eriancas c symbolisando a canda-
de. O quadro dovido ao pincel do Sr. Rucha
Fragoso.
O Sr. ministro Jo Portugal, levantndose en'.,
li-.-o que nesta qualidade ai-cedra ao convite da
commisslo e viera aquella festa cu seu carcter
oficial, por isso que se tratava de dar uin te-te-
munho de convideracao a um edadao prestante.
Di-p.Ms de algumas eloquenles palavras e de votos
pela harmona que d>-ve unir em um grupo todos
os P-irtuguiize-i do Bra-il, concluio felicitando se
por ver reunidos naquella manife>tacio tantos
BrasileiroS e Portuguezes, dando aspira raais uma
prova da confraternidade que liga os dous povos.
a discurso do Sr. ministro le Portugal segu
ram *i varios outros, em que foram renJidos os
merecido- louvores instituidlo da Caixa de Soc-
eortm d: I). Pedro Fe ao Sr. commenJador Leo-
liar I.
Paitaran) neste sentido os Srs. Cista Braga,
|ir.!sidente da commisao, dando cutir dos traba-
i'i.K desu; Dr. (]orri do Azoved, fr. Loqo Di*
niz. Ainselbeiro Dr. Vicbrio, Dr. Monteiro da Luz,
1:1 it -to Cibrln, Dr. Frederico de Almeida Reg,
padre los Luiz de Almeida Martins; Dias da Sil-
, jiKla sociedade Flor Jo Conde d'Eu ; Jlo Eli-
M.irm A.itunes, plo Retiro Litterario; Antonia Ma-
) i: IVmra de Azurar.
I .jms deste discurso o Sr. ministro decJarou
que, auhando-se incomraodado, ia com pezar re-
tirar se; felicitou os oradores que o tinhara pre-
ro.in e seotw uao poder ouvir os que ainda se
U'-iuvaw acriplos.
Insisti na necessidade de se unirem os Portu-
gm-zes e de se estreitarem os tacos de amizade
entre estes e o* lirasileiros.
lVpois do ministro fallaran) os Srs. Benigno Sal-
gado, em norae da sociedade D. Fernando, e Bar
res>. por parte dos artistas portuguezes.
Filialmente, o Sr. commendador Leonardo agr
dec"ii aquella mani' qne, posto fosse ella iinmeraci ia, era entretanto
grata ao seu coracao; mais grata ainda por sig-
nificar antes le todo uma homeoagem 4 memoria
de D. Pedro Vea sublime virtude da caridad*
Terminou esta festa c un a rjwcueao dos hyra-
nos brasileiro e portuguez, executadaa pelas ban-
das de msicas das sociedades portuguezas A/otvi
Aurora, Flor do CondeiEu e Dms Coreas,eque
muto contribuiram para o bnihaatismo daquella
soleranidadc.
I." DE n;VEREIBO.
Pelo paquete ingiez Araueanaa, da linha d 1
Pacifico^ recebemos hontem folbas do Rio da Pra-
ta ate 26 d > passado.
O presidente Sarmiento tinba encontrado no
Bosario magnifica t entbusiastica re^pcao; a 27
devia seguir par o Uruguay.
O ministro do governo do Bstalo Oriental, Bus-
Uraante, achava-se em Payssand.
DoParaguay nenhuma noticia encontramos.
termo de Nova Friburgo, na provincia do Rio de
Janeiro.
Ao roo Raphael, eser&vo de Jos Carneiro da
Fontoura, peto jury do termo de S. Jerouvroo, na
provincia de S. Pedro do Rio-Grande do Su!.
Ao reo Eleuter, escravo de Joaquim Antonio
Rodrigues, pelo Jury do termo da Limeira na pro-
vincia de S. Paulo, seudo a commutacao pra este
reo iwm a clausula de cumprlr a pena no presidio
de Fernando de Noronha.
t m trra, at que em matado de dezembro, elevan-
do- sbitamente 'is graos de temperatura a pon-
to de manar o thermometro 88* alternando com
diuvai que punco imditicavan o excesso da tem-
?eratura, .e ceincidndo Isto cora a chegada de
tnaior potlo de immigrantes, principiou ella a vo e doloroso.
Rennio-se hontem no sallo da praca do coo-
mercio, sob a presidencia do Sr. veador Lima e
Silva, a assembla geral dos membros da Asso-
ciacio Cnmmercial do Rio de Janeiro.
Polo Sr. commendador Manocl Salgado Zenha
loi lido o seguinie parecer :
Srs. socios.A commisslo que vos dignarles
elegor vem hoje dar-vos conta de lionroso man-
dato que Ibe confiastes.
Pela leitura do relatorio e documentos que o
inslruem sao evidentes os servicos importantes
prestados pela direccao nossa associaclo e ao
commercio em geral.
t E' para sentir que algumas das relanwces
de interesse commercial, Jevadas pela direcelo
aos altos poderes do Estado, nao tenham at agora
tido soltcao.
Consolidar a posse, hoje incontestavel, de
nosso actual edflicio, fui, sem duvida alguma rele-
vante servico prestado associagao.
Nio permitlinde os recursos da nossa asso-
ciaclo que fossem .publicados todos es trabalhos
de cstatistica, eatende a coinmisi) que muito
bem proceden a direccao mandando organisar
registros ca, que incontestavelmente serio um valioso auxi-
liar para os commerciantes que necessitem con-
sulti-l.is. A jarte, que foi pulili ada e appensa
ao relatorio bastante til, e demonstra a atten-
cio que esta especialidae raereceu direccao.
Com praier so associa a commisslo ao favo-
ravel conceito em que a direccao tem os servicos
prestados peiu Sr. Carlos Jlo Kunhardt, porque
tealo examinado a escripturacao e documentos re-
lativos, ludo encontrou na raelhor or lera e com a
desejavel nitidez.
u Teado a commisslo verificado a exactidio das
comas apreseotadas, conclue propondo :
i.' Que sejam approvadas as contas da di-
reccao.
2.* Que a assembla geral roconbecendo o
zelo e dedieacio com que se bouve a direccio,
llie J un voto de louvor.
Rio de Janeiro, 31 de Janeiro do 1870.Xa-
noc Salgado Zenha.Stanley Youle.Fernando
Augusto da locha. >
Su lii nei tido vo tacan o parecer, foram appio-
vadas unnimemente ascuas cene! uso es.
Em seguida proc:deu-se eleicao da nova di-
rectora da a>sociaclo, a qual licoii com posta dos
seguimos senl)ures negociantes :
lirasileiros : veador Jos Joaquim de Lima o
Silva Sobriubo, Dr. Caetano Furquim de Almeida
e Jos Machado Coelho.
Portuguezes: conde de S Mamede e Jos Ri-
beiro Gasparinho.
iuglezes: Alfredo Mac lurnell e Joao Hollo-
cube.
Francezos : A. Lehericy e A. S. Schmulle.
Alleraao Carlos Guilherme Gross.
Dinamarquez : Luiz A Prylz.
Hespanhol: D. Antonio de Aranaga.
Norte-Americano : Carlos J. Ilarrah.
Argentino : D. Jos M. Frias.
Belga : L. Laureys.
uccommetter amas pessoas era trra, entre as
;|uaes grande partedesses recem-cnegados, assira
lomo alguas individuos vindos do Interior. Bem
lepressa o mesmo facto se reprodnzo no ancora-
louro, e a cifra Ja morialidade comecou a
sabir.
Em vista destes acontecimentos dirigi-me
pessoalraente ao digno chefe de polica, solicilan-
do-lhe que por meio de seus delegados tizesse por
em execucao as Medidas hygienicas empregadas
per occasiao da invaio do cholera em 1867 ; di-
rigi-me tambera pessoalmeute ao sWpresidente
da lllraa. cmara municipal, recia mando iguaes
providencias; e bem assim socitei das corarais-
ues parociuaes, creadas em 1863, e que to va-
lioso auxilio tem prestado aos trabalhos da junta,
para que ainda uma nz a auxiliassem no penoso
encargo que lhes incumbe por seu regulamento; e
folgo de dizer que algumas teem encelado seas tra-
balhos na visita dos estabelecimentos pblicos e
particulares de onde pode provir damno saude
publica.
Agora pelo que respetta marcha da epide-
mia sem, querer occultar o que pode acontecer, ;c
porventura a estacao continuar como tem ido; dlrei
que por ora nao ha motivos para o grande terror
que mostra a populadlo, sem duvida em virtude
Jas noticias exageradas espalbadas por alguna in-
dividuos, que parecem ter prazer em incutir o
errur e o susto entre seus concidadaos, coafessa-
rei que, como sempre, algumas victimas impor-
tantes tem feito, sobretudo entre jieasoas nao acli-
matadas, ou quechegam do interior,mas que entre-
tanto nao lia lugar ainda para esse terror, olhan-
Jo-se para a cifra da mortalidade, e pira o movi-
raento dos hospitaes e casas de saude, para onde
se recolbem aquellos que se queres tratar sua
custa, e cujo direito nao lhes pode sir contestado
pela autoridade sanitaria, como alguns pensam e
luerera qu ella pralique, como se esta tivess%o
direito de coartar a liberdade e vontade do doente
em aceitar mlico contra a sua escolba e conflan-
ip, quando elle so nao quer utilisar, porque nao
precisa dos meios que Ibe offerece a caridado pu-
blica, sobretudo quando dessa medida nao provm
garanta saude publica, como acontecera se a
molestia nao existisse j-i entra nos.
Voltaudu, porm, ao ponto relativo 1 marcha
o iatencidaile da epidatnia, uirei que nao ha ainda
m tivos jusbficAtivos do terror que >e tem espa-
Ihado, attendendo-se aos muvimenius dos hospitaes
a casas de saude; pois que, alm do se nao ter
dado nm facto em nossos hospitaes militares,
accrescc que no hospital da Gamboa, onde estive
ainda no da 22 do corrente, apenas linbnm entra
do durante este anno 1 iO Joenles, legitimas ou
suspeitos, nio f do ancoradouro, como de todos
os pontos donde aKuem para o hospital da Mise-
ricordia o que d uma media diaria de seis e uma
Iraccao, numero quo ninguem ir por ex
cessivo.
Isto quo se nota no hospital da Gamboa
OIARIO DE PERNAMBUCO
RECIFE, 9 DE FEVEREIRO DE 1870.
Xotlela* do sul do Imperio.
Chegou Iwntem o vapor Arinos, trazendojornaes
da corte at o 1, da Jlahia al i e de Maeei ate
7 do corrente.
Vio publicadas |wr extenso, sob as rubricas
Parte Qfkaal, Fxterwr e Interior, as noticias mais
importante; alm das quaea apenas encontramos
nos jurnaes as que seguem
MATT0-GB0SSO.
Recebemos jornaes de Cuyab at 7 de
novembro do auno pascado.
Da Situuciio, de 2i de ouluboojranscrovemos o
seguale:
a 9 do corrente fra assaadnado com duas
lacadas, no lugar denominado Goanandy, Joao Ltriz
da Costa, vulgo Ca na-Quente, que mil desordens
commetteu ueta ci te. Nao se sabe por ora quem foi o asnassino,
pois encoiitraram-o morto e no lugar em que d.ir
mia; provavelmente aproveitaram essa iircums-
tancia do somno par* consumar o Jalicto.
Grasa novamente epidemia das bexigas em
Cormnb; as canoas procedentes daquelle lugar
sio, requisico do inspector de saude, sujetas a
nm exame e desinfectadas antes de chegaretn ao
porto dcsta cidade.
Bem triste foi a quadra porque passamo em
a experiencia fui do loro 53, o por isso nao
Lemas no Diario :
Ainda sio muito tristes as qadeias que nos
chegaram do sertio sobro a secca. Em Taip,
Sanl' Anna e outros lugares do centro de.-ta pro-
cia a fome vai assollando do um modo afflict
A' este respeta nos cscrevem de Aguas-Bel-
las ;
t Estamos luctando cora grande secca; oa gene-
ros alimenticios esto por altos preces ; a farinha
a 2*560 e 3#2O0 reis a cnia-o feijio a 4*000 t.
o milho a258ff; a carne secca do Rio-Grande
(que por aqu se chama de cear) a 500 rs. a libra
e assim todos os raais gneros.
Este lugar um dos sertSes d'onde nunca
jnngra ninguem as oulras seccas que tem havi-
do, mas neste anno j se tem retirado e vio reti-
rando muitas pessoas : todos os dias passam reti-
rantes ; hontera patsarara aqu duas ou tres fa-
milias com 22 meninos, todos chorando com fome.
Ha raja grande mizeria: se Deus nao fizer appa
recerem chuvas brevemente tem de morrer mui-
ta gente de fome e sede; aqu mesmo j vai fal-
tando agua para os animaes, e estao abrindo ca-
cimba porifue seccou o olho d'agua que sempre
abundava ; finalmente, nio se pode descrever a
mizeria que vai por estes lugares.
Participou o delegado de Anadia que no da
16 do Janeiro ultimo, dando-se um conflicto na
povoacao da Pindoba, resultou a morte de 5 indi-
viduos e o ferimento de 3. Aquella autoridade
policial, logo que soube desse acmtecmenlo reu
nio algumas pracas e mandou o subdelegado co-
nhecer do facto occorrido e prender os culpados.
Pirare tambem capturados os 3 feridos, um dos
uaes j morreu e os dous esto em tralamente.
o instaurado o competente processo. >
< Da Imperairiz corainunicam-nos que o nosso
prji-timoso amigo e crrelgionario o advogado
Lucio Soares da Albuquerque Eustaquio, no da
19 de dezembro ultimo por occasilo do encelar
os trabalhos de um seu engenho, que all fabricou,
emancioou a uma sua escrava de nome Franco-
lina. >
PERNAMBUCO.
REVISTA DIARIA.
1867,
Pordeeretos de 29 do corrente foi concedida a
Antn Honorio Ferreira a deraissao que pedio
do lagar de inspector da flMMorana de Goyaz.
Foi aomeado chefa descele da theseararla do
Pianhy o 3" escripturario da de S. Paulo Saturni-
Mftsquita de Lorero Moraei.
Por decretos datados de 29 do passado :
Furam concedida as honras do posto de toaea-
le do exercito ao atieres do I4*corpo de ca valla-
ra da guarda nacional da previo ta do Rio-Gran-
de do Sul, Fructuoso los de Leivas, em attonclo
aos relevantes *ervi$os por elle paestados na guar-
a contra o g-verno do Paraguay.
Pordeeretos de-26 do corrente:
Fui reeonduzido o baebarel Ernesto Julio Ban-
aira de Mello no lugar do Juk municipal' e do or-
pha-ts do Batana!, ua provincia de S. Paulo.
Foraia nmneados:
O tonente-coronel bacharel Antonio Cesar de
Jl vrv-li coronel eoawnaadanto i>nperior da guar-
da aaciouai do municipios de Itapicart-mirim e
Anaj itubi, da provincia, do Maralo.
Q ioaj/ir Rayinuado Nogqeira da Cruz o Castro
toaou e coronal ehefe do e^tado-raaiar do con-
mando auperior aa guarda nacional dos mesaos
zuaniciiiios.
Foip^rdoada ao bacharol Antonio Agostinho
J.j ta Silva a peona de 37 dias i/2 de prisa e
da impoz, cm grao do appel laclo, o
joic Je dirarto ta comarca do Rio das Murtes, na
provincia de Minas Gcrao?, por crimo do uso Je
araw defeza.
Foram eoinauriadas sobre consultas da secca*!
Je jastica do dhuelho de astado na pena, do gata
perjietu is a de morte impost :
> Wenceslao, escravo dos oerdeiros de
francisco Ui Soares do Castro, pelo Jury do!
havor desculpa para aqueUes i|ue tendo atra
vessado inclumes tio luiuosa poca, continuem
ainda huje a despresar a vaccina, nico preserva
tivo de tao tramenda enferimdade. >
I'.VIUN.
Alcancam a 20 do ^tfrln os jornaes tiesta
proviuaa.
O Desmov* de Dezembro dessa data refere
que no da 10, no lugar Bom-Snccesso, do distric-
lo da colonia ilo.A>sunguy, por occasiao de ser
capturado Joaquim Vital de Godoy, que se intitula
sanio, di*pamu este um tiro sobre a escolla, do
qual resultou a morte de Antonio Ferreiisi Araujo,
couhecido por Antonio Mineiro.
Por seu turno fez a escolta fogo feriado a
Godoy.
A autoridade fez corpo de delicio no citaver, e
tratava dq instaurar o competente processo.
s. PAULO.
Chegam a 30 da jaaeiro ultimo as datas de
Santos.
No da 27 comecaram as sessoes preparatorias
da assombli provincial.
Pareca provavel que, reparados o estragos
causados pelos desmoronamentos na serra, reco-
luecasse o traego entre Santos c S. Paulo no da
S do corrente.
A Imprenta de SaHtos noticia o seguate :
a Coiiimunicanj-nos que no da f, pelas 11
boras da noute, tres individuos, sondo dous resi-
dentes nesta cidade e todos tres Iuglezes, por desat-
teuder a uraa patrulha forara levadas i prosenca
do subdelegado, gt Joao Freir, morador na ra
Birota, e que este apesar do desrespeitoso cora
portaniento desses individuos autoridade poli-
cial, mandara, rao sabemos porque motivo, qne
se retirasem para suas casas; mas que esses,
apanbando-se soltis aa ra, continnaram a Mas
pliemar contra a polica, e que ara delles, mesmo
a frente da porta do subdelgalo, dera cora um
revulwer que trazia consigo dous tiros, qnebrmio
a bala de um as vutneus da casafronteira.. Eis
como o facto nos foi communicado por diversas
pessoas.
A sensacio que este acontecimento causeu no
puMieu fu grande, e nao sabemos w em oonse
quencmdella ou se oatrw inavoaboove quert-
olveram a polica a fazer na terca-feira noute
a pnsao dedouj dos maneianados indivdao) 04
ato, pois, parece ser vari fceo
RIO DB MNBWO.
Tendo.se spalbado aa corto notieias atterra-:
doras sobre o desenvolvioieato da febra imiraHi
itfe a popoiaeio, o presidente da jirata central
de b.ygioae publica dirigi ao aiinisuri* do mpe.
rio o apunte idkio, narrando a acoomdo
Uta. e Exitt. ir. -^endo^ae naslas ultimo*
diw e-paihado naticias atterradoras acerca da
febre amarella queiaf iizmaote gcassa nos ta cap-
tal, rainnre-rae, -em di-imalar a mate que nos
pode acarrear um^aelbaale (lagnllo, ie.nbraa
do-nos di aeoei^ciiBOBtus de iSad e de outr.w
anno, ora que esta temad-nvitestia grassou nesta
capital, expdr cora verdade os fados que teem
occorrido.
Como V. Exe. sabe, a febre amareda, que em
principio Ja aiinl da ana dado, importada pela
barca italiana Crela del Plata, coraeaoa a appa-
rocer no ancoradouro da *mk*m Prainha. e as
ras mai* prximas de litoral, augmentou de7r.
quenea emmaio ejunlm, apoto de Mpproxi-
raar-se de nm estado epideaito, obrigando a lo
mar-se a medida ds vsitar-se os navios, fuodea-
dos no ancoradouro citado para reeeber os doan-
les affeetados da molestia, e leva-Ios ao hospital
Ja Gamboa, onda foram tratados nio so estes,
peaje alguas outn* qiu appareeerara em teira; e
nwn- aiin era algumas jasas de saude que os
roctena.
Gem estes raptes preoaocles, e tal vez arada
au pelas condicdes fawjrawn da estarlo, a mo-
les camine m ranidamuato pina a declina ;lo,
demudo que eta uulubro fui dispensada a visita
por se dar apena nm (aso suspeite era todo e-to
mez. Aoesar, p irm, diste, o oouario contiauou
a registrar um outro facto occorrido sem duvida
anda mais nolavel as casas de saude, onde teem
sido reeebidos algons doentes, como sejam as do
Bom-Jesus, Nossa Senhora da Gloria, da Ajuda e
Tavano, cuja media diaria nao ebega a dous at o
presente; omlim, que poucos ou ^uasi nenliuas
doentes teem recebido o* hospitaes civis, nio obs-
lanie nao ser pequauo o movimeute mensal dos
inasmos.
t Pelo que acabo Je expor, conhece-se que,
tendo cm vista a gravidade das epidemias de febre
amarella que teem devastado- varios paize%nlo se
pode por ora considerar dosanimadires os fados
que se passam entre ntis; e'~c de esperar que,
gracas a Divina Providencia, a molestia, nao tome
as proporcoes de outras pocas, om vista dos me-
llioraraontos que tem experimontado a hygeue
IiUblica, sobretudo se o governo inparlal e a au-
tendade sanitaria forera auxiliados pela populadlo
na grauda e importante erapreza da salvadlo pu-
Uca.
Dous guarde a V. ExcIllm. e Exm. Sr. con-
selheiro Dr. Paulino Jos Soares de iouza, diguis-
simo ministro o secretario de estado des negocios
do imperio.Dr. Jos Peretra Rea.
A alfandega da corte rendeu no mez de
Janeiro ultimo 2,401:333}t.
(cambio sobre Lmdres rogulava de 19 3/4
a 20 d, c sobre Pars 48a e 483 rs.
As aplleos geraes de 6 % vendam-so a
80 / ^
Sahirara para Pernambuco: a 27 a barca
franeeza It.wul; e a 30 a barca portugueja Ami-
sade, conduzindo 28 passagairos.
Ficavam a carga pt ra Pernambuco: brigue
Tigre, barca Lealdads, o galera Fortuna, todos
portuguezes.
baha.
A directora da compan!iia Je seguros Bom
Cimceito flcou assira composta ;
Prtisidente.Commendador Manoel Jos Lopes
da Silva Lima.
Secretarias. Commendador Manoel Joaquim
Rodrigues, o Jos Joaquim Pereira.
Direccao.
Jos Joaquim Ferreira Machado, commendador
Francisco fexaira Ribeiro e Bernardino da Costa
Rodrigues Vianna.
Coumiissi) JB coatas.
Antonio Carvalho ta Siivi Loal, commendador
. Fernando Pereira ta Ciuha^e Jos Joaquim. Leite
Borgos.
Fallecen o amigo constructor do arsenal dt
iarinha. Manoel de Santa Ursula,
Procedentes Je Bret ior Prau, tinham che-
gado as canhtaieiras ruseas, a vapor, Bojarim e
Gaydomak. em viagem para o Japao.
A alfandega-Ja capta! rendeu no anno de
1869 a sotan de 9,2o'7i31d,701, sendo .
Janeiro
Feverairo
Marco
Abril
Mam
Jueho
Julho
Agosto
Setembro
Outubro
Novembro
Dezembro
843:432i3i
710:2605982
791:834*237
819:537*490
737:^53*393
1,222:831*489
461.190*333
597:855*779
622,837*447
706:624*747
711:0764841
1 032:376*709
. Na mez de Janeiro ultimo renden ella, reis
810:275*973.
O cambio regulava : sabr Londres 20 e 20
10 d.
SCRS1PC.
Recebemos jomaos a 29 do passado.
O presidente da provincia foi ne da 18 a Ja-
paratuba, onde so estabnlacea a reparticao ta Bar-
rena.
Fez-se uma altcraclo no regnlaroento da the-
souraria provincial.
Parara supprimldas provisoriamente as sub-
veucSesao hospital da -cidade de S. Chrtovlo
o a erapreza dramtica.
O governo da provincia autorisoa o adiania-
raanto a diversas exaclorlas do pinerario preciso
para pagamento Jo vooeimattfr dos profassoras
patdieq8, as localidades ora que eltes residem.
Na dra II dejanoiro btrave um ineeao no
enteoho Paty do termo a Larangeiras proprie-
dadedo major Antonio Luiz de Aranjo Maciel, s
3 bH-as ta tarta, em occasilo em que se desearo-
cava algodlo n'uia vi> da casa de purgar dodito
eugMM> nieuilestea-eo tm iwcendlo na respectiva
raa hiaa de dosearocar, prodosita en por algara
pboipkoro, oa paira de encontrn* sorras da fer-
ro, e qual logo eamaiuiMceo-se a alguma la, que
e>tata pnoxiraa, o ao dilioio, que ficon quehnadu
-eaa.
Fnlizmente provdeaciaadn-se com > premetidab
p wae onseRteir a Ma*e*ticlo,
Citeala-oda'aperdaem4:00f*00 maisoOi
mam.
A cmara municipal da villa dos Campos
eotnmunicuH a presidancia-a -estado de panuria a
que obegara a elasse desvelOda do muaiaiaio era
enosoejneneia da secca que-all produz terrivais
tlWWMi
O goversn abri sob sua responsabilidad*
am crdito de 590*086 para compra de gaBf-
alimenticios,^ e n imeeu roa coranassae oawoau
lo presi lente d'aeeeira eerperaeio-, do vigarie da
fregueziae do delogado tto-termo aSm de se an-
carregarera da distritiui^odwaooterros- a todos
a (uelles que por suas eandiet>es esUverem no caso
de os merecer.
O vigario da fraguada do Porto da Folha
comraanicon a preeidenala-que a* eovoada- do
mesa nomee sua '-ImaeMaftes durairtlta.*
cora Btemldada uma sDfe **^*"**^itmiiiirrt.
tendo jlalMtt) oto poueoadiea n vtettaMa,
aUHMF
Alcanea-n a 7 os jomaos.
O presidente da prwhwla volteo, na noute
de 23 do. paatado, &muf gadto, 1 Impenirix.
Assembla, Palraeira, Anadia e Atalaia, afim de
estudar as providencias a dar para melhorar a
sorte dos emigrados do sertao.
IMPOSTO DE 20 POR CENTO.Amanhaa en-
eerra-se o recebimento do imposte provincia! de
20 por cento sobre diversos estabelecimentos, per-
teneente ' mente effectoa se no consulado cora guia da sec-
rao do contencioso da thesonrria provincial
O devedor que nio satisflzer o seu debito, ser
compellido a isto por via judicial d'ahi por diante,
uma vez qae nio quiz aproveilar-se do favor con-
cedido pela le.
ESTdADA DE FERRO DE S. FRANCISCO
Por aviso do ministerio da agricultura, de 27 do
mez passado, declarou se ao Exm. Sr. presidente
Je Pernambuco, que sobre a flscals3cao da des-
peza proveniente das diffcrenc,as de cambios leva-
dos cnta do custeio Ja estrada de ferro do rio
S. Francisco, dave ser raantida a doutrina dos
avisos do 30 de jaoeire e 22 de julho do anno
passado, de acedrdo com as instruccoes Ai 22 de.
agosto do 1861, e com o determinado no aviso n.
130 de 2 de abril de 1862 sobre a tomada de
contas.
RIO GRANDE DO NORTE.-Cartas ta corto d-
zetn achar-se numaado presidente para o Rio Gran
Je do Norte, o Sr. Dr. Silvino Elvidio Carneiro da
Cunta.
THESOURARIA PROVINCIAL.Por doiberacl
da presidencia ta provincia, dj 5 do corrate, foi
do iieadn 2" escripturario da ibesouraria provincial
o (erceiro Landelinode Luna Fruir.
CEMITERIO PUBLICO.-Por delmeraclo da pre
sidenoia, de 9 do corrente, foi concedida a exone-
raban pedida pelo ivm. Leonardo Jlo Grcgo, d
lugar de capelln doeemiterio publico.
CONEGO HONORARIO.-O ultimo vapor vind)
la Europa, trouxo a nuineacao de conego honora
rio da cathetlral de Jerusalm, para o Rvm. Sr.
Dr. Luiz Ferreira Nobre Pelinca, digno censor do
gymnasio provincial. Damos os nossos emboras a>i
Sr Or. Pelinca pela subid honra que Ihe acaba
de ser conferida por um dos maiores patriarebas
do Oriente.
PASSAMENTO.Deu bontem, .altea ao Creador
o Sr. capillo Antonio Jos Ua Costa e Silva, socio
da firn commercial de nossa praca Costa Irmios
&C.
RAVO DA PATRIA Veio hontem doi campos
do Paraguay bordo do Arinos, o dh-tincto capillo
de fragata Francisco Romn Stapple da Suva, um
do- nossos comprovincianos que muito se distin-
gui na actual campanha contra o Paraguay. Veio
repousar no seio de sua familia das adigas da
guerra, e procurar allivio a alguns soffi nncnlo-
ganhos nos temveis pantanaes do Paraguay. Fe-
licitaino-lo por sua chegada, o desejamos-lbe
pronipto restabelecunento.
FERNANDO DE NORONHA. Deste presidio
chegou hontem o vapor Cururipe, da companhia
Per lambucana. Nio occorreu novidade que me-
reca mencao.
CAPTURA.Pelo delegado-do termo de Inga-
zeira foi preso Manoel Ferreira Sobral, como cri-
minoso de morte no termo de Mlzericordia da pro-
viaeia ta Parabflb*.
FERIMENTO LEVE.No dia 3 do correte, no
engenta Monjaps. ta freguezia de Iguarass, do
prupriedade ta Baroneza de Vera Cr.iz, um es-
cravo ferio levemente ao administrador do cogen
no, Joaquim Francisco de Mello Ca, sendo preso
era cantinate o recomido i cadda da Olinta.
PONTE DA ESCADA. Iteclaraam d'iiquelte
ponto, providencias sobre o es ado em que se aeha
a ponte all construida nio ha muito,coja titilo ou
estivado um precipicio abertc a quem per ella
transita ; pois diversas estivas esto podres, tendo
j algumas d ellas cabido, da modo que ha diffe-
rentes buracos no mesmo estivado.
Do exponte resolta, que davem apparecer promp-
tas medidas no sentido de se fazerem os conve-
nientes reparos ; e ceame* que o digno Sr. di-
rector das obras publicas ter atiselo ao que ahi
se reclama por nosso nteres w.
RA DO GABUGA'Reaurgem as velhasre-
clamacdej de moradores d'essa roa contra o eos-
tumo lie atguera, que ahi tambem morando, en-
tend) dever fazer da ra o porto de despejo de
aguas ftidas c ptridas, que ajunta em sua hab
t fio, para delicia do ni facto dos vizinhos.
Ao Sr. dscal recommenda-se essa roidencia, e
se espera que nio tolerar seraethante pratici em
contra versan das posturas mnnicipaes.
ESPECTCULO PASTORIL.Ter lugar ama-
nhaa no tneatro da Capunga a quarta n ubima re-
cita da assignatura. Para melbor coinraodo dos
apreciadores deste recreio infantil, o seu director
contratou com a companhia um trera especial as
boras em que frotar o espectculo.
BAZAR DA MODA.A' este armazem de quis-
quillaras e mmdezas, sito roa Nova n. 50,
acaba de chegar nm variado rnriimtiilu dess'-s
gneros, digno de ter* apreciado pelos amadores de
que bom.
ARINOSEste vapor, chegado hentem dos por-
tes do sol, tira a mala hoje para os do norte do
imperio s 3 horas da tarde, no correiro.
DTNHEJRO.-tC\vapor Corunpe trmue do Fer-
nando de Norooba as seguales quantias para os
Srs.:
Joao Fraadsoo deSnuza
Franeiso Jlo de Barro Jnior
Rernardino da Silva Costa Campos
Poeas&fi.
Vera di-Barbedo
HeafjaueJos' Vteira da Silva
I^yoSobfiqlio&C.
O vapor Arinos trouxo do sul do Imperte as
segui.itas sommaa para os Srs.:
Pereira, Carneiro & C
Francisco Ribeiro Pinto Guimaries
Granar, Frcy i C.
Lahnmua trres
Bank o Bao de Janeiro
Aotonio fioioes Nelto
Antonio Gonealves de Barros
Joaquim Gerardo de Basto
fara as provincias do norte trouxe eraa> va-
por ;
Para 268:461*910
Maranbo 6:700*000
Cear 27:Od4*500
Paranyba 400*000
Ll8RIA.Aaoae aeha vendada I3J, a
beneficio da ordem teraeira do Carino, para fuu-
uaco de au hospital, ouaeorre no dte 10 palo
plawi.'noM.
MAfMMA LTNeH.-Lemos no Jornal do Cm-
mrelo^ da forte, o segointe :
.< Em nn de dezarabro ult'roo foi julgata em
Edimburgo um canoso processo em que figura a
celebre Mrae. Lynch, favorita de Lp z.
Deu otigem ao processo o seguinte :
t O Or. William Stewart, que residi no Para-
Ruay desde 1857 al 1869 como medico de Solano
Lpez, saceou em 8 de malo de 1867 tres letras no
valor teta! de S 4,000 contra ara seu irmao resi-
dente na Escossia e a aver de ^me, Lynch.
Estas letras, apresentadas por um corto Antonio
Gelot, quo se suppoe ser nm agente de Mme.
Lynch, nio foram a otas pelo Irraio do Dr. Ste-
wart.
E-te, tendo cahdo prisioaeiro dos altados no
combate de 27 de dezembro, veio a asta corte e
d'aqui seguio para a Inglaterra, onde, apenas che
gado, citen peante o jury Antonio Gelot. AI legn
ue, tendo assignado aquellas lettraa sob pressiio ^0^901 filiantera~vonddo em leUao pubiic,
fJ?"5aAq"el=? *^..M^.P>^..^cim.,ren' como constis da cscriptura que tambera apre-
dlstrate qoe eetebraram da sociedade que tinham
na loja de fazeodas a ra do Queimado o. 11.
Vita ao Sr. dc^embargador fiscal.
De Candido Moreira da Cosa e Manoel Mureira
da Costa Paesos, apeesentailo, pira sereno junto
aos autos de sua rebabilitaclo commercial, os do-
cumentos exigidos Mo Sr. desembaxgador fiscal.
Cotoo, requeren, dando-ee vista ao Sr. deseai-
bargador fiscal.
Dos procuraderes *eaes da raassa fallida ta
Maia & Bsprite-ftutto, aprwenliooo, para ser ar-
chivada depoii de feitas as avtreacoes do estjte,
a carta de registro que se expedir ao brigue Al-
ado de que, se nao cedesse tal imposicao, seria
infallivelmente morto por ordem de Lpez, nao se
julgava responsavel pelo pagamento.
A imprensajragleza publicou detalhadameate
ete processo, e o nosso correspondente de Lon-
dres, na earta que breve publicaremos, oceupa-se
tambem extensamente com este assumpto.
O Gaulois, fiJha diaria de Pars, publicou a
tal respeito o seguinte :
Ainda ninguem se lembron, em presenca da
prolongada agona da nacionalidade india no Pa-
raguay, de fazer a irnica pergnata de nm magis-
trado do antgo rgimen : Ubi femina ? Onde est
a mulher ? Entretanto a pergunta era bem cabi-
da ; a presenca da mulher na guerra do Paraguay
acaba de ser-nos revelada por um curiosissimo
processo. Recebemos algumas informagoes inte-
ressantes sobre a primeira intervenrao do coque
na questio paraguaya.
Lpez veio a Paris ainda em vida de seu pai,
que era entao dictador.
Em 1857 vultou para o seu paiz natal, levan-
do comsign, como fructo da educacao franceza,
duas preciosidades : o uniforme do soldado fran-
cez para o seu exercito de indios, e ama amante.
com quera se relacionara no mundo equivoco de
Paris.
Esta mulher, chamada Elosa Lynch, de
origem irlaudez e uascda em Franja. Era casada
com um cirurgiao do exercito franeez, que amda
vive, mas de cujo uome ella nio usava.
a Sendo admiravelmente bella, produzio nos
poyos riUeinnhos do Prau o eneito que faria ama
visio sobrenatural ; nspiron-lhe supertieinsa ad-
miraclo. Foi elli quem fez to dictador de uma re-
publica um outro Theodoro, mixto de hroe, de
carrasco e de maniaco.
Parece que esta nova Pompadour de exporta-
cao alo muito escrupulosa em questoes de di-
nheiro. Uraa das suas victimas foi um medico de
Lpez, a quem tomn por emprestimo em um
bellti dia eem mil francos, aroeacando mandado
fuzilar dentro de 24 boras se elle tilo aceitasso le-
tras por aquella importancia, as quaes fossem pa-
gas na Europa, onde a amanto de Lpez tem um
agente que Ibe prepara o nioho para quando r
preciso. Neste* lempos calamitosos os imperios e
as presideacas ni) andam muito firmes.
E' na verdade para admirar que o doutor to-
masse ao serio a ameaca ; talvez, porm, que se
lembrasse de quo um Franeez morrJra na cadeia
por ter dito quo a favorita usava de cabellos pos-
ticos, trian de lesa-belleza, que Mme. Lynch cas-
tigou segundo a lei do seu nome, ste vingando-
se por suas mos.
t Cora o doutor ingiez o caso 6 difterente. Teve
elle a feJieidade fie cahir prisioneiro dos Brasi-
leiros. Vidteu para a Inglaterra, e ha dias citou
peranto o jury civil, em. Edimburgo, o Sr. Antonio
Gelot. de Paris, em cujas raaos se achavam as le-
tras saccadas no Paraguay pelo doutor, que poda
ser exonerado da responsablitade preveniente
d'aquclles ttulos, subscriptos sob ameaca de
morte.
sutam.Vista ao Sr. desembargaddr fheal.
De Maximino Goncalves dos Sanios & Silva, no-
gociantes estabelecidos na praca do Cear, requi^-
reudo o registro de seu contrate social.Visia ao
Sr. desembargador fiscal.
De Mello & Girio, contrato de sociedade para
ser registrado.Vista ao Sr. de-embargador fiscal
Replica de Francisco Ferreira Baltar juntando,
em cumprimento la 1.' parte do despaclip de 20
de Janeiro prximo passado a pn curadlo do socio
ausente Henrique Bernardo de Oliveira, e ponta-
rando nio lhe ser possivel comprir a ultima parte
de dte despacito.Vista ao Sr. desembargada
fiscal.
COM INFOIIMACA0 DO SU. DBSEM5AR0ADOR FISCAL.
Requerimento da corapanhia Liverpool and Lor-
don Globe Insurance insistmlo pela allegada pro-
cedencia do deposito venceudo juros para os ca-
sos de registro do estatutos de companhias aoo-
nymas.A'vista do parecer fiscal, nio tem lugar.
De Innocencia SmolU, registra ta dcclaracao
feita por Jos Mara Bamonda do recebimento da
quantia de u.n cont de reis com qae augmentara
o capital da sociedade Ramooda & Sttite.Sim.
depois de registrado o contrato social de Ramonda
& Sttite.
De Jlo Lnz Ferreira Ribeiro e Virginio Freir
de Oliveira, regijro de distrato social.Regis-
tre-s&
De Luiz Al ir; do do Moraes e Jos Candido do
Moraes, regisiro do seu contrato social.Regi-
lre-se.
Do bario da Soledade, para re;olher-se ao ar
chivo a carta d; regisiro do patacho Atice.Como
reouer.
Nada mais havendo a desparhar, encerrou n
Exm. Sr. presi-jeote a sesslo 4s 11 horas e mm
do dia.
SBSSO JDICIARIAEM 7 LIS FEVERRIRO DF.
1870.
nusoBMcu no rxv. sn. deseudargador a. r. tu-
r.KTTI.
Servindo de entuno, R.yo Bangcl.
Ao meio dia estando reunidos os Srs. dse:
bargadores Silv;. Gnimaracs, llos e Silva, e Acci -
li, e deputades os Sr?. Rosa, Basto, Miranda 1
bario de Cruangy e Candido Alcoforado, S. Ex..
o Sr. presidente ceclaron aberra 3 sonad.
Lida, foi apprcvaoa a acta h ultima sessao.
O cscrivao Alvos de Brito registrou o tiltiui
proteste do letra em 3 do corrente, sob n. 1956, o
o livro do escrio Alliuqnerquc conservava i
mesuia un ni erarlo e data do menciautdo da 3.
rOLGAMEMOS.
Juizo especial do commenio : appellantc cm -
bargaute o Dr. Ignacio Jnai|tiim de Souza Lea-,
liquidante da caixa Cjial do Raneo do Brasil nesi 1
cidade, appellado embargado Jo! > Carlos Bastid
Je Oliveira ; juites os Srs. IV is e Silva, Acci jb .
Miranda Leal e Basto.Foram expresados os era-
ba rgo's.
dem : appeanto reo Cirios Corbctt, appellado-.
Forara ouvidos como testemunhas o Sr. Mas-! autores Luiz flibciro da Cunta A Sobrinhos; jai-
termann, medico ingiez, qae servio no exercito pa- zes os Srs. Accioly. Silva GuiDJirae*. Uiraud:
raguavo ; o Sr. Coclielet, ex-coosul franeez no! L*al e Bario de Cruangy.Foi confirmada a sen.
Paraguay, e varios outros individuos qae tinham
tido a dejgrac Je ver de portoJtfmo. Lynch o o
seu tigre familiar.
O jury deu gando de causa ao Dr Stewart.
Este negocio nao foi talvez o raais rendoso do
que Mme. Lynch tem feito.
PASSAGEIROS.Vierara dos portes do sul no
paquete brasileiro Arinos:
Jos A. Machad >, Joaquira J. de A. e Silva, Luiz
C. de Avellar, Aduplm L. de Souza e Franeelioa
M. dos Prazires, Adelina do Cuate, Sarameope
Salvateoe, Nicolao PiBgltnnonato, Francisco R. S.
da Silva e 1 criado, Jos J. da S. Araujo Jnior,
Manoel de Souza, Avelioo A. da Silva, Alfredo V.
G. da Silva, Jote A dos S. Coelho, Dr. Francisco
T. da Maga I liles el escravo, Jo vi no da Cunha
Felisbelta M. Co-ta, Jos E. C. Albuquerque, Guiseppo Barllio-
Imnei, lean Vidal, Francisco B. Lopes, Pedro (li-
berto) Valeriano A. dos Santos (liberto) Jos A.
dos S. Coelho Jnior, Rodrigo C. de Araujo, Anta
nio A fio Nascimeeto, AHredn G. Suifl, William
Richard, M. Aoiberg. Jos Guedes Nogueira J-
nior. Pedro A. da Silva, Francisco J. de.0. Ma-
chado, i-raneelino B. Figueiredo, Frrncisco M. da
Cista, Antonio J. da Fonseca, Joao L. Vieira. Joa-
quim J. de Faria, Manoel M. do F. Maio, Manoel
F. da Costa, Antonio F. Porto, Manoel Rocha, Jlo
A. A guiar. Candida dos Santos Lima Rocha, Fran
cisco da R. Santos, Jos Belisario Pereira, Bene-
dicto L. Romano, Ayres J. Diniz, 1 cadete o JO
pracas.
Seguem para o norte:
Agostinho dos Santos e I liiha, capillo Oaymnn-
do R. d Mello, Manuel J. Ribeiro, Teta Jos Pes-
soa, Ammo P. (Nognetra, Seran ta Wveira.
tente Tiberio dos Santos Monteiro e 43 ex -pra-
cas.
Vierara de Goyanna no vapor brasileiro Pu-
rakyba :
Jeintbo de Mello, Damin Dias, Francisco So-
lom, Francisco dos Santos, Jos Martins Das,
Antonio da Silva, Manoel de Albuuquerque, Dr,
Agaiar com sua familia (16 pessnat).
Vteram da liba do Fernando no vapor bra-
sileiro Cururipe:
Domingos Lega, Antonio Angosto Parsira da
Silva, 8 guardas nacionaes, D pracas do polica, 2
sentenciados, 1 raumer e 1 filho menor.
CEMITERiO PUBLICO.Ootuano do dia 8 de
fevereiro de 1870.
Ricardo Antonio de Lima, Pernambuco, 30 an-
nos, solteiro, Bda-Vista ; tubrculos pulmonares.
Mara, Baha, 60 annos, solteira, Boa-Viste; hy-
prtfMphw no corad*.
Tbomaz, PenHaibuoo, 3 roetes, Boa-Vista ; es-
pasmo.
Goncallo, Pernambuco, 3 dias, Santo Antonio ;
hemorragia umbelical.
Antonio. Pcrnambaco, 7 annos, Varzea; esclo-
p bolas.
Manoel, Pernambuco, 2 annos, Hecie ; entorile
agudo.
tenca appellnda.
Ideai: appellantc autor l'r. Itanct.-eo de S. Boa-
ventara, appellado reo Mauoel Ribeiro Bius ;
juizes os Srs. Reis c Silva, Accioly, Rosa e Miran-
da Lcai.- Foi reformada a senteuca appeljad,i,
sendo o autor julgado ptss:iapta", e admittid >
como creJor i-hitographariu.
dem: appell.-.otes embargados Gamaraes &
Oliveira, em liquidadlo, appcilados embargant.-
0 presidente e directores da caixa filial do Banco
do Brasil nesta cidade; juizes -t Srs. Silva Sui
maraes, Reis e Silva, Miranda Leal e Candido Al-
coforado.Foram de-presndos os embargos, send)
o Sr. Miranda Leal voto vencido.
dem : app liantes autores Tasso Irmios, appel-
j lados ros Manoel Nones Pereira & C ; juizes o-
I Srs. Accioly, Silva Guimaries, Basto e Miran K
I Leal.Foi remonnada em parte a senlenca appel
I lada com o voto do Exm. Sr. presidente, send
vencidos os votos dos Srs. desecinargadur Accijh
depuiado Basto.
DlSTBlDligO.
A Sr. desembargador Accioly: appollante Jos
Targoo Goocaivcs, por si o por cu filho mgftw.
appellado Joaquim Ignacio Ribeiro Juuior.
Nada raais ho-.ive, o o Sr. presidt-nte cncerrou
a sessie uma hura e 25 minutos da larde.
L3G73620
l:00ti00a
1:
::000*000
8:000#"00.
2:600*O9lO
2.000*000
2:000*000
1:200*000
200*000
84*000
CHROiMCA Jl 1>< Ukl\.
riiuii \ vi. do < <>tiui:it( 10
ACTA DA SES80 ADMINISTRATIVA DB 7 Dfi
FEVEHKIKO DE 70.
UESHIENCU DO MUI.. SR. DESEMBABGADOR ASL
FRANCISCO PERETfl.
As 10 horas ta raanhaa, reunida* os Srs. depu-
ados Rosa, Basto, Miranda Leal e baraa de :rean-
gy, S. Exc. o Sr. presideote daolaiwu abena .-.
sesslo.
Poi lida o approvada a acta da sessie de 3.
EXPEDIENTE.
Officio do Dr. jais de direito especial da com-
mercio, remetiendo a relaelo das faHencias pro-
cessadas no juizo durante o anno de t809.-*-A se-
cretaria, e acciise-se o recebimento.
Oficio da direccao da associaclo commercial
Benelieeote de 8 do corrente, respendendo ae que
se lhe dirigir em 20 de Janeiro prximo findo.
I A' secretaria.
Boletim commercial da juntados correterei.
Ao archivo.
Aos Srs. diputado* foram destribuidesws livros
que se seguem. O piador de Julo Martins de
Barros, Diaria e Copiador de Moraes & Irmao, di-
tos de Joao Martin da Silva Vilella.
Vista o livro da correspondencia aehou-se o re-
gistro em da o feito com reguteridade.
S. Exc. o Sr. presidente assigtwu om oficio que
dirigi ao Exm. 8r. prcsdlente da provraeia t*n-
viandoos esclarecimentos, per -ora obtidos, rela-
tivamente ao movimeato das diversas sociedades
anonymas e agencias estabeJecida nesta praca.-
E o Sr. secretario assignou om <>nVio em qneac-
casou a rerepelo do que lhe dirigir o secretario
Jo tribunal do cnmmercio da Bahie eobrrndo a re-
lacio dos commercimues all inatricalados no eor-
rtr do 2." semesire do anno prximo passado.
Foram aswgnaitas as cartas de matricnla dos
rommerciantes Pranoiaeo Ferrara Baltr Jnior o
Jos Ferreira Bailar.
DBSr-ACWW.
I Requerimento de Domingos RtflKM de Aranjo
Pereira o Manoel Casar Barerra. apiwoisindo pa
ra ser registra*) o wn contrate social o a ma*
Ja Ramo A Cesar.Vwu ao Sr.-deamnFfdr
Qscal.
De Augusto Frederico dos Santos
TKIHtrXAJL DA m:i. 1*.10.
SESSO EME FEVEREIRO DE 1870
riussiDEJiciA da exm. Bit ConUEMBR) caetam
AirtLVOO.
As 10 horas da manha, presantes os Srs.deeem-
bargadores Gihrena-, AlmeWa Albuqiorwie, Matt>,
Domingues da Silva,e Souza Leso, faltando os -Srs.
dest-intargadiire* trra pmofador da coraa.
Loureoco Santiago, Assis, Doria, Regi?lra Costa >
Uchoa Cavaleanta, abrio-so a soio.
Passados os feitos deram-sc os seguintes julga-
mentos :
Rocunsos cniM2s.-*Reccorroute, o joizo; rece o -
riti, Manoel Ferreira do Nasciinonto. Relator >>
Sr. desembargader Omningucs da Rilv3, sortead, s
os Srs. desenibargadures Gitirana, Boxita Lelo <
Mntta.Iraprocedeato. Rece rreute, o promotor ;
reccorrido, Tbomaz Fructuoso Fon. o ja.RMatov
o Sr. desombargader Bomingues daSitea, sorte,i
dos os Sr?. desembargadores Souza Lelo, Ataiet v
Albuquerque e MeHa.-^lmorocedente. Iteccoi-
rente, o padroJoio David Madeira; rec*rdos.
Joaquim Domingucs Vianna o outros.Relator
Sr. desernbargadorOomlogues da Sirva sorteada
os Srs. dese-nbargadore Almeida Albuqnerqur.
Gitrana o Motta.-dmpreccdentc-
Habeas :ohpi.Coueedcram soltura ao oren
loio, escravo; negaram a Francisco Aaastacio d.i
Cruz, e adiarain adecislo quanto a>paciente Fe.
lix Pestaa da Costa, para oifta-8 docorreot.'
mez.
Dra.1r.EK1a \ rivu,.Ao Sr. Josembargedar pro-
curador da corda.: apprilante, a /azonda appfila-
do, Antonio Neves Sraireb.
Assignoa-se da para jn!gam-:j .'3a segurot'-s
feitos:
Ai'PEt,i..\eii:s f ivEts.Appeliante, Fraoclseo J>i
Leite; appellado, Jlo Burlista OroeaPenaa. Ap-
peliante, Jns Joaquim Pereira Je Mundonra; ap-
pellado, Dr. Pedro de Aiiaydo L. Moseese.
r-aasAOENs.
Do Sr. desembargador GhJtaaa ao Sr^eaei-
bargador Guerra.-Appellac'ies civeis : a(ipenaii-
te, Dr. Francisco Lins Caldas ; apellada,- Juaquin
Jos de Abroa. AppWlank-, Di JoaojahM FraOeiH-
ca JeSa; appellado,. Jos Fartidu'aa1lieefd.i
Jnior Appeliante, Pedro Fornandes- da Silva;
appellado, Francisco' Joe'ttoPariaa
Do Sr. desembargade/ Multa ao 9r. dweajnai -
gador Assis. Appallacoes crimes: appellanti,
Anna Linda do AnMro-Mvino; apaettadin, rsabri
Mara de Jess o fllhaa. Apoetlantu, Joaquim J
de Srat'Anna; spelteda, ajustiea. Appallani..
Mignel Ferreira dadva; app*llid.x, Monosl O.
me* da Silva. AppeUante, Referi Pereira 1
Silva; appellada, a jwlica. Appeia'ja <*ret: .ap-
peliante, o desembargador l'igueira do Mella;
appellada. D. Ruta de 'Cana* ,Bata de
drade.
Ao Sr. desembargador Ifemioftif da fi
va.Appellacoes citis: acjtellanto. JosepayJV-
ria da Sant'Aana; appeado, Jos Carral de
vira-Meta. AppeHaate, V Dr. Gaspaavdo Itonmi*
Drunniond; appellados, os hordetrw de .:
llenriquos da Silva.
A raeio-diaoncarrou-sc a csso,
PUBUCACOES A PEDIDO.
o MhfitariftrsMtor n
no noticiar! do 1
OMBllOPi*
Liberal
SobT#' m refere cm retaco a aeta.il atkaujisjraiji
.mitorio pufciico, nao posso por enquantu d.
ienao, qae aguardo tranquillo o resulta!
vaadg^r doe ftwtoa .pealas, ule d> nina
naacMiproprinenteditajina>am orna ca
nyeta dii*|ida- ^an Sr. are pro danto (1.,
imiotelpal; trMwpaHiiauta nc
dade de semelliante denuncia.
Quando, in*Ud>>, accnilei cargo de nJministt.;-
dor do lemiterio, c-mtava com essn- manejos, eu: >
Porto e Jos I m parcebo, mas nio deixo ser attingJ ..
Pereira Baste, apreaentaudo pira o menuo fia o I Nao ha mew possivel de teatar-me rpterac
v.o


Diario de Rernambuco Quara fera 9 de Fevereiro de 1870.
i
4icemtterw, quealguem, coBOando em extremo
nos obsequios que aua frequeoie a profusamente,
c aos quaes tantos se aeoslumaram, reputava n-
nafla... Nem a oruloag ai eom o mea concur-
so, nem eo jima Ibe seguirei o oxeraplo.
Quanto ao que ferobjeeto de urna representado
admiimtraeje da Santa Casa da Misericordia, e
obre a quil eu j informai, eompre aguardar a
ansio qmv respeito ha de ser proferida.
Podera acontecer <;ue, o moa proeoder seji de-
sappeora lo : mas nao temo o re*,inhcclmento de
que am motivo pouco digno me levara a td-lo.
No enmprimento de raeus oeveres de funeciona-
>io publico pode havor erros; mas urna accao que
.int aliene o bjni cunceito da ineus conterrneos,
nunca se a podar mostrar.
No terreno da honra, ningnem se me antepdo :
listo toen timbre, que, espero tut Deus, jamis
ii desmaWldo.
ftwifo. 8 de fevereiro de 187C-
Antonio Augmio ia Fonceca.
Gabinete portuguez de leitura.
Domingo 6 do correBte,uouvo como eslava annun-
eiado. rcunio da asscinbla gtral. Esteve muito
runcorrida.
Fulgimos da registrar a boa vontade e criterio
eom que os Ilustres membros asn assembla
'iiolheram a nossa lcrabrana, a qual tinha por
nico ment o ser inspirada pe: desejo quo te-
dio de ver prosperar a mai* civi-isadora institui-
do portugueza eur Pernambuco.
Alm de dous ou tres socios inais recalcitrantes,
todos os inais concordaran! em urna medida, cuja
ntiiidade nao carece de demonstrarlo.
Nao esqueceremos o Sr. Jos Joa juim Rodrigues
da Costa. Fui este senbor quera apreseotou o re-
{uerimento pedindo acontinunc^) da actual ad-
ministraeao, susteutando-o com v, .itagem.
A resoluco da assembla geral do dia 6, alm
4c traduzir o arrysolado amor 'ae os llustres
membros dessa ajseiobla dsdisani ao nosso esla-
iiuleci'iicuto, fi! uuia bella prov.i da confianca que
(da a sociedade deposita na actual directo c con-
MlBO.
Na devem, pois, estas corporajte deixar de
envidar os muiores esforcos, allm de que no prazo
f-eal se eflferlaem as elettjoes.
IV isto quo cheios de confi.-raca eiperamos.
iluOcs socios.
aa Baha,' Buenos-Ayres, Montevideo, New- para desazer escripia : Unimentejia casa de de-1
teucao se acha recoluidn por fgido o preto Jaeeb (
que diz ser escravo de Jos Ignacio da Lar: quera
se jolgar com dfreito a taes ohjectos.' provando,
llie scro entregues.
Becife 4 de fevereiro de 1870.
O subdelegado,
_____^__ Antonio M.reir de Mendonca-
3 New-Orleans, e emita cartas ce crdito,
para os mesmos lugares.
IlUA DO COMMERCIO N. 36'
Caixa Filial do Banco do Brasil
era Pernambuco, em Jiqui-
dacjio, 7 de fevereiro de
1870.
Por ordem da dfretoria do Banco do Bra-
sil se faz publico que no praso de trinta dias
a contar da presente data serio levados i
leilao os ttulos m liquidares e inais divi-
das constantes da relagaa que existe na
mesn.a caixa aftm de serem examinadas
pretendentes.
ALFANDEGa.
Rendimentododiala 7 2li:li6jS8i
(dem do dia 8...... 40:831*048
Coagulado provincial.
Pelo consulado provincial avisa-se aos abano
nomeados, que devem vir realisar o pagamento do
imposto do 100 por mase; te estrangeiro, a que
eslao sujeitos no presente anno flnanceirode 1869-
1870, devendo faze-lo no corrente mez, sob as pe-
nas da lei.
Elias Barone.
Miguel Pelegrini.
Miguel Stefane.
Loccorso Tropeiano.
Antonio Meho.
Benjamim Bisanto.
Braz Peixoto. 4
Consulado provincial 1 de fevereiro de 1870.
Servindo de administrador,
A. Witruvio Pinto Bandeira A. do Vasconeellos.
5*............... um
rutea................. 1*000
ai?.]??88 acharo;so desde' j renda na casa
^,.fl0S"' roaxfo SaHii *** n. 13 e uo dia
do esKtaento.no ttt%ttc
Jf. B.Haver um espocJaJ, dopois do esperta-
X
s
M
culo.
Principiar as 8 horas.
AVISOrMARITIMOS.
Ilha de Faial
E? esperada nestes poucos das abarca portu-
gueza Auuzade, tem a pii pouca demora : Dar
passagpiros, para os quaes te n bellos coromodo
trau-te com Joao do Hego Lima, ra do Anoll
numero 4. "*~""
ELEIft
dos j uizes, j u izas e mais devotos
quehao de concorrer para a
festa de N. S. da Boa-viagem,
no anuo de 1871.
Juiz por eleicSo.
O Sr. Joao Man. el Pontual Jnior.
Juiza por eleicSc
A Exma. Sra. D. Thereza Portelia Je Souza Leao.
Juiz por devocac.
O Sr. Cac-tano de Queiroz MonteirD.
Juizn por devogao.
A Exma. Sra. D. Felicidada Perpetua da Silva.
Eserifio por eleco.
O Sr. D-. Joaqoim Corra de Araujo.
Escrivaa por elec3o.
A Exma. Sra. P. Clara de Barros itego.
Bscrivao por devogao.
( Sr. Dr. francisco Jus da Sih a.
Eacciraa por devoro.
a Exma, Sra. D. Anna de Horaes e Silva.
Mcrdomos.
Os Srs. :
Dr. Prxedes <; jes do Souza Fiangn.-
ir. Hawel Ai.ur Cavalcanto de Albuqucrquc.
ir. Anlonii Krancisco Borrn do Araujo.
Ur. Elias l-'roderico de Almeida o Albuquerauc.
~)>r. Fiancisc fechada Portelia.
Othon Xavier de Oliveira.
JostVOiiveira de Castro.
fr. Pdiippe de l'igueiroa Furia.
iOr. Prnaciseo do liego Baptista.
Jos Tlminaz Pires Machado Por:;.
' n Uendee de Freitas.
'". FrauciscoToireirado Si.
Mordomas.
As Fxma?. Sr.-.s. :
>. Candida Gonon^a de Ovoira.
1 Edmunda Caldas Brrelo.
n. Olympia i< Almeida o Albnq^rque.
). Joanna Joaquina Machado Portilla.
D. Bita Pires Portelia Tamarindo.
D. Emilia Carolina da Costa Porttlla.
). Josepha Barro} de Almoida.
I>. Mara CaiuJa de Olivoira.
Si. Clara, espesa do Sr. Dr. Francisco Jos Alvcs.
I). Francisca, esposa do Sr. Caetano Jos Uendes.
)>. Anlaia Ftaza de Oliveira.
*). Maria das P( res Lins e MeHo.
I. Leocadia Je Siquetra Cavakante.
MOVIMENTO DA ALFANDEGA
Volumes entrados com fazendas 143
dem dem com gneros 784
Volumes sahidos com fazendas 99
dem idem com gneros 232
=== Fiscalisaqo da fregus:a de
Descarregam hoje 9 de fevereiro.
Bngue inglezSo/yi)emercadorias.
oto americanaAtariidem.
Barca inglezaCounorantdorraentos.
Barca fraocezaCj/ffnj/mercadorias.
PaUcho inglezAfcnzebacallio.
Patacho inglezLuize mercadorias.
Escuna norte-allemaBetlyidem.
Hiate americanoJ. F. Farlmtarinlia de trigo.
PaUcho inglez -Edtthmeruadorias.
Patache portngnezGeorgensedem.
Lugar iuglez Sararkidem.
Brigue portuguezOvarenceidem.
Brigue inglezGrec HECEBEDORJA DE RENDAS INTEBNAS G8-
RAES DE PERNAJfflUCO.
RaMiniento do dia 1 a 7 13:247*298
(dem do dia 8....... 2:170*4fti
S. Pedro Martyr de Oliada.
Acha-se no deposito um' cavallo, qne foi
927 aprehendido na planta de capim do sr. Mes-
quita no lugar denominado FundSo, quem
331 for seu dono apresenle-se -nesta fiscalisa-
cHo, que pagando as despesas, Ibe ser en-
tregue.
O fiscal,
Correa de Oliveira.
15:417*763
.tt&dimento do dia
fdem do dia 8 .
COS'SCLADO PROVINCAL
1 a7
34:202*671
8:2i9:i33
42.45200i
Porto por Lisboa
Com a maior brevidode vai sabir para os refe-
ridos portos a barca portugueza CfoitaVa, de pri
meira marcha e primeira ciaste, por ter a maior
parte da carga prompta, e para o resto qne tlx
falta e passageiros, trau-se com os consigna
uri03 veras & Barbedo, ao caes da alfandega ve
lian.-2.
Portos d'Africa Occidental.
Est a sahir nestes dias o patacho portuguez
Boa Ft, recelw alguma carga e passageiros : a
tratar no eserlptorio do consignatario Joaquim Ge-
rardo de Bastos, ra do Vi-ario n. 16.
O abaixo assigoado, ttscal da freguezia de
S. Jos, previne a todas as pessoas qne tiverem
eslabelecimentos em dita freguezia, que pela ma-
nha varram as testadas Jos meamos, e durante a
esucao calorosa irriguem tambem pela inanha
as frentes dos referidos esubelecimentos, sob pe-
na de 54 de multa.
Recife, 7 de fevereiro de 1870.
O fiscal.
________Eroeatino Cavaicante de Albtiquerqne.
No dia 9 do correle depois da audiencia do
Sr. Dr. juiz municipal da 2* vara se ha de arre-
matar diversos movis por execneao de Gabriel
Antonio como tutor de orpbo filho de Manoel do
Hego Lima contra Goncalo Augusto da Graoa e
Mello conforme o escripto que se acha em poder
do porteiro.
Rio de/aneiro
Sane para o referido porto em piucos dias o
patacho Gmlhtrmiita per ter ouasi todo o seo car-
|regamento engajado, podendo anda receber o
pouco que llie falta c raiudezas, assim con e*
cravos a fret* : a traUr com o consignaterto Joa-
quim Jos Golcarres Beltro ra do Commercio
n. 17.
Fara o Porto
a barca Flor' de S, Simao sabir brevmente, por-
gue j tem parte da carga engajada : para e reste
e passagens, trau ae com os consiguatrio Car-
valho A Nogueira, na ra do Apollo n. 90.
COMPNHIA PERNAMBCANA
DB
Navegagdo costtirapor vapor.
Porto de Galnaas, Rio Formte e Tamau
dar.
O vapor Parakyba, seguir para os portos ci-
ma no da 10 da corrente meia noite. Recebe
rga, encommendas, passageiros e dnketro a fre-
eno escriptorio do Forte do Mattos n. 12.
Qutala-ferrt W de fetereiro k 40 Iwrae.
0 agente Pinto far Icllio a reqnerimento p
depositario da masaa fallida de l.uiz de O iveira
Lima J&nior e por mandado do IHm. Sr, Dr. iniz
eapeeial do camitcrcio dos bons cima mencio-
nados pertencentes a referida massa e existentes
na casa da rna do Corredor do Bispo n. 37, onde
se clfectuar o leilao as 10 horas do da
dito.
Para o Porto
iDarcaportugneaiNovo Silencio seguir ce
aorevidadepossivel; para caiga e passageirot,
irau-se com os consignatarios Oliveira Pilho i
**, no largo do Corno Santo n. 19, ou com o ca-
puao na praca do commercio.
COJIPAYHIl
.
has
COMMERCIO.
PRAGA DO RECIFE 8 DE FEVEREIRO
DE 1870.
A1- 1 1/2 HORAS DA TARDE
bO ur.adres90 jv. 20 1|8 por UOOO
(heje c lioctem).
Ititu sabr dito 90 d[v. 20 3|1C por U (hoje).
Cambio sobre l .rtugal 60 d;v. 160 0i0 de premio
Goncallc Jos Alfonso,
. Presidente.
Mosquita Jnior,
Secreuno.
Sociedade bancaria
em eommandita
Iheodoro Simn fip C,
Compram e vendem por conta pro-
pria metaos, moedas nacionaes, e estran-
freiras, letras de cambio, sedulas do go-
veruo e do banco do Bsasil.
Descontara letras da trra e outros ti
tulas commerciaes.
Encarregam-se por conta alheia das mes-
mas transares, da cobran^ de letras da
lejra e de outros ttulos commerciaes.
P.ecebem quaerqaer quaatias em depo-
tito, em conla corrente, e a prazo fixo.
Largo do Peloarifiho n. 7
ENGLISH BANK
Of Rio de Janeiro Limited
Dfscoita lettras da pra;a taxa a con-
veaciocar.
Recebe dtibeiro em cc^ta corrente ea
-raso feo.
Saca vista ou a praso obre as cidades
prlcipaea da Europa, tem correspondentes
MOVIMENTO DO PORTO.
Nados entrados no dia 8.
Terra Nova19 dias, barca ingleza Fleeteting, de
2i'i toneladas, capilao Henrv Baiiev, equipagem
12, carga 3,323 barrisas com bacalbo;"a
Saundrs Brothers & C
Terra Nova33 dias, barca ingleza I.ady Mihw,
de 30i toneladas, capilao I. Bougard, equipa-
gem 11, carga 4,000 barricas com bacalho e
3 ditas com farinha de trigo ; u Sempson Du-
der A C.
Terra Nova33 dias, lugar ingW. Zizim; de 177
toneladas, capilao E. Harnden, equipagem 8,
carga 2,07ci barricas com bacalho; a Juhnston
Pater & C.
Torra Nova2i dias, patacho inglez (Jspmj, de
2i toneladas capilao M. C. Tavlor, equipagem
. 8. carga 3,200 barricas com bacalho ; a Saun-
ders Brotlu-rs C.
Terra Nova23 dias, brigue inglez Ncr toneladas, capilao Ienkins, equipagem 13, car-
ga :,b0o harneas com bacalho ; a Jolmston
I'ater & C.
Rio de Janeiro e porlos intermediosC dias, va-
per brasijeiro Arimot, de 600 toneladas, com-
roandante J. C. Duarle, equipagem 52, carga dif-
ferentes gneros : a A. L do O. Azevedo & C.
filia d fornando46 horas, vapor brasileirxi Cti-
ruripc, de 222 toneladas, commaudantc Jos
lienrique da Silva, equipagem 17, om lastro ; a
companhia Pernambucana.
Goyanr.a- C horas, vapor brasileiro Parahgbi, de
li tonrladas, comraandante Oliveira, equipa-
gem 14, carga assucar; a companhia Pernam-
L-acana.
Rio do JaneiroBrigue brasileiro Santo Amaro,
de 11 toneladas, capito Caetano Alves Uvas,
equipagem H, em lastro; a Marques Bar-
Narlos sahidos no mesmo dia.
Rio da Prata-Pat?cho inglez Mure Ann, capilao
Jores, carga assucar.
CanalBrigue inglez Crimeo, capilao Scott, carga
assucar.
Penedo por MaceiVapor brasileiro Giqui, com-
maudantc Costa, carga differentes gneros.
Dcordem do lllm. Sr. conselheiro inspector
da thesouraria de fazenda desla provincia se faz
publico, que em virtude do offlco da presidencia
de 4 do corrente ser arrematada em hasta pu-
blica, perante a junta da inesma thesouraria, no
dia 26 dejle mesmo mez, as 2 horas da tarde, por
quem maior preco offerecer, urnas terrss que de-
moram no lugar d nominado Braco do Meio, do
municipio do Bunito, cuja compra foi requerida
por Leandro Gomes de Mello Cavalcanli, correndo
por coma do comprador todas as despezas de me-
dicao o demarcaco,
As pessoas a quem convier, devero comparecer
no referido dia e hora indicados.
Secretaria da thesouraria de fazenda de Per-
nambuco 8 de fovoreiro de |870.
Servindo de offlcial maior,
MaRoel Jos Pinto.
EDITAES.
inspictor interino da ilfandega. faz publi-
co, que achando-sc di>positados no trapiche al-
faudegado Baro do Livramenlo, seis caixoes da
marca L. D. nmeros 26, 30 e 32. contendo um
moinho e seus pertences, vindo do Havre na bar-
ca franceza Sanio Andr, entrada neste porto em
6 de noverabro de 1868, o consignadas a Len
Despres o seu dono ou consignatario dever des
pacha-las no pras*o de 30 dias, sob pena de findo
elle, seren vendidos por sua conta, sem que Ibe
Gque competindo allegar contra os effeitos desta
venda.
A'.andega de Pernambuco, S de fevereiro de
1870.
O insqector interino,
Luiz de Carvalho Paes de Andrade.
Adminislrafo do correio de Pernambuco,
0 de fevereiro de 1870.
Mala pelo vapor Arinos da Companhia Brasileira.
A correspondencia que tem de ser expedida hoje
pelo vapor cima mencionado para os portos do
norte, ser recebida pela maneira seguinte :
Magos de jaranea, impressos de qualquer natu-
reza, e carias a regisirar al as 2 horas da tarde,
cartas ordinarias at as 3 horas, e estas at as 3
1/2 pagando o porte duplo.
O administrador,
______________A/fonso do {rijo Barros.
Tribunal do commercio.
Por esta secretaria se faz publico que nesta dala
foram inscriptos no livro da matricula dos com-
mcrciantes os Srs. Frauciseo Furreira Bailar J-
nior e Jos Ferreira Bailar, cidados brasileiros,
estabelecidos nesla cidade com casa de commercio
do groefo trato c commissoes.
Secretaria do tribunal do commercio de Per-
nambuco 8 de fevereiro de 1870.
Servindo deofllcial-maior,
llego Rangel.
Messageries imperiales.
At o dia 13 do correle mez espera-se da Eu-
ropa o vapor francez Uruguay, o qaal depois da
demora do costume seguir para Buenos-Avre
tocando na Baha, Rio de Janeiro e Montevideo
Para condices, frates e passagens trata-se na
agencia ra do Commercio u 9.
At o dia 14 do corrente mez espera-se dos
portos do sul o vapor francez Amazone, o qual
depois da demora do costme seguir para Br-
deos locando em Dakar (Gor.-e)- e Lisboa.
Para eoodkVJes, fretes e passagens trala-se na
agencia ra do Commercio n. '..
. COMPANHIA PEKN.IBUCANA
DB
\avc2n,iSo costelra por vapor.
Parahyba, Natal. Maco, Mossor, Ara-
caty, Cear, Mandah, Acarac e
Granja.
O vapor Virapann, commandante
AioAedo, seguir para os portos
cima no dia lo do corrente as 5 hora-1
Recebe carga at o dia 14, encom
. passageiros o dinheiro a frete at a
i horas da Urde do dia da sahida no escripto-
rio no Foriedo Matts ti. 12.
PARA LISBOA
a barca portugueza Gratidao dever seguir com
a menor demora possivel ; para carga e passagei-
ros, trata-se com os consignatarios Oliveira Filhos
& C, no largo do Gorpo Santo n. 19, ou com o
capilao na praaa do commercio.
Porto.
Vai sahir breve a barca iAtura ; para carga e
passageiros, trata-se cora os consignatarios Carva
fho A Nogueira, na ra de Apollo n. 20.
de dmdas na importancia de 14:7d5J05ft
Sexta-feira. 11 de fevereiro
s 11 horas.
O agente Pinto far leilao a reqnerimento do-en-
radur fiscal da massa fallida de Miguel Gomes da
silva, por despacho do Bhn. Sr. Dr. juiz rarrial
do commercio, da divida activa pertencente ra-
wria massa na importancia de t4:753j050, s 11
aoras do da cima dito, no escriptorio da referido
agente, a roa da Cruz n. ML onde poderlo os
pretendemes examinar a relacao da mesma divida.
DOS
Norte
LEILOES.
Ja tarde.
mendas, e
COMPANBIA PEHNAMBCANA
tu
Navegando costea por vapor
Mamanguape.
O vapor Mandah, commandante Julio, seguir
para o porto cima no dia 12 do corrento as 6
horas da tarde. Recebe carga, encommendas.
passageiros edinheiro a rete at as 3 horas da
tarde do dia da sahida, escriptorio no Forte de
Ma..s n. 12.
CflPASIlA
DECLARAGOES.
Pela recebedoria de rendas internas geraes
se far publico que neste mez e no de fevereiro
droximo futuro que tem lugar o pagamente, sem
multa, boeca do cofre da taxa de eseravos do
exeroicio corrente de 1869 a 1870, cujos donos ou
administradores morem as freguezias desta cida-
de e as de fura, a saber: Aflbgados, S. Amaro
Jahoatao, Poco da Panella, Varzea S. Lonrenco
da Uatta e Muribeca; e que findo o referido praso
ser cobrada com a multa de 6 7.
Recebedoria de Pernambuco, 7 de Janeiro de
1870
O administrador,
Manoel Carneiro de Souza hacer da
Pela subdelegada de polica da freguezia de
S. Jos do Recife se faz publico que se acha em
deposito um burro, urna setla, um freio, que foram
appreliendidos por suspeita de serem furtados :
como larobem foram apprehendidos 8 duzias de
lapis para sancos, e 2112 duzias de borrachas
THEATR
DA
CAPUNGA.
Grande e variado
ESPECTACILO PASTORIL
Sob a (lirecfo
no
Artista dramtico
PEDRO BAPTISTA DE SANTA ROSA
Oiiinta-feira iO de fevereiro.
4* E ULTIMA RECITA DA ASSIGNATRA.
Log que a orchestra. (dirigida pelo assas dis-
fincto professor Francisco Libanio Colas Filho)
ti ver executado urna de suas mais brilhantesOu-
ve turas abrirse-ha ascena como toque de alvora-
da desempenhado pela mesma orchestra, no fim
do qual subir a scena o VAUDEVILLE PASTORIL
de grande espectculo, ornado de arias, coros e
dancas em dous aclos e o mesmo que foi scena
no the tro de Santa Isabel em 18C3, que tantos
applausos mereceu,
Neste vaudeville tomam parto todas as pastoras
e cada urna canta a sua aria.
PKRSOSAGENS. JOVENS.
Rsquel, pastora---- D. Rosa Emilia.
Ruth, idem........ D. Lourenca Justina.
Judit, idem........ D. Annunciada.
Aleina, idem....... D. Antonia Elisa.
Tirse, idem ....%.. D. Laura das Neves.
Cecilia, idem...... D. Maria dos Res.
Dalioa, idem....... D. Maria Carolina.
Ismene, dem...... D. Francisca de Paula.
Flora, dem........ I). Joaquina Peixeto.
Laura, idem...... 1). lgnez Maria.
Esther, velha..... Sr. Santa Rosa Filho.
Booz, pastor....... Sr. Guilherme Ferreira.
Um anjo.......... D. Gliceria F. Pascboa.
Em um dos intervallos todas as pastoras dansa-
ro urna linda contradanza campestre ensaiada
caprichosamente pelo Sr. Manoel Baptista de
Souza.
Terminar o espectculo com o coro da despe-
dida.
PRECO DOS BILIIETES.
Camarotes de 1' ordem.. 8*000
Ditos de 2" ordem....... 8*000
BMSILEIRA
DE
Paquetes a vapor.
Dos portos do norte esperade
at o dia 9 de Jevereiro o vapor
Tocattms, commandante J. M. F.
Franco, o qual depois da demo-
ra do costume seguir para o.1
porlos do sul.
Desde j recebrai-se passageiros e engaja-se i
carga que o vapor poder conduzr, a qual deven
ser embarcada uo dia d >suachegada. Encommen
das e diftheiro arete t as dna3 horas do dia di
sua sahida.
Nao se eeebem como encommendas senao ob-
leetos de pequeo valor e que nao excedam a 5
arrobas de peec ou 8 palmos cbicos de medi-
cao.
Tudo que pnraii1 dectes limites dever sci
embarcado como carga.
Previe-se aos Srs. passageiros que suas passa
gens s se recebem na agencia ra da Cruz n. 57
I* andar, escriptorio de Antonio Luiz de Olivein
Azevedo A C.
_Previne-s) aos interessados que na agencia
nao se recebem carias.
LEILAO
Do 2 cabriolis americanos de 4 rodas tendo nm
assenlo para 4 possoas, forrad s o pintados de
novo com as competentes > ouertas. urna mobi-
lia de Jacaranda com 12 cadeiras de guarnicao,
2 de bracos, 2 debalanco, 2 consolos e jardi-
neira com pedra, 1 sof, 1 cama franceza de
Jacaranda moderna, t commoda de Jacaranda. 1
guarda vestidos, 1 mesa elstica, 1 commoda
de amarello, I toalhete de Jacaranda, 1 marqne-
zao, 1 mobilia de mogno com 12 cadeiras de
guarnicao, 2 de bracos, 1 sof, 2 consolos c urna
jardineira cora pedra, 1 carteira d-^ amarello, 1
papeleira antiga do Jacaranda, 1 prateleira, 5
bae*, 2 mesas grandes para cusinha, 1 cadei-
ra de abrir, 1 grade de amarello para escripto-
rio, cadeiras avulsas usadas e consolos.
.HOJE
Jus Emlgdio Pereirado Lago tendo de retirar-
se desta provincia f.ir leilao dos movis cima
mencionados pur ntervencao do agente Martins,
os quaes sero transportados para o arraazera da
ra do Imperador n. 16, onde ter lugar o leilao
sa 11 horas do dia cima.
Salvados da.barca ing'eza Gt-
bava.
No da 21 de fevereiro corrente irio praca no
cidade do Natal, provincia do Rio Grande do Nor-
te, 23 eaixas rom mobilia, 4024 taboas e praachoc*
de pinho, 4000 portas de pinho, 400 eaixaa coa
therebentina, gaz o banha, 10 eaixaa eom vetoci-
pedes, 123 ditas com conservas de lagostas e os-
tras, 10 ditas com cabidos, 1 dita com objectos para
photographia,84 ditas com ferragens.H ditas com>
tachas de cobre, 75 barris com pregos, 144 eaixaa
com salsiparrilha c lomeo oriental, 21 eaixaa con*
luinquilharias, 20 barris com carne -algada, a-
porcao de objectos nao qualilicados.
AVISOS DIVERSOS.
LEILAO
De urna casa terrea por acabar faltando a pe
as encaibrar e ripar, tendo terreno 90 pal-
mos de frente e 50(! de fundo, solo proprio, sita
na Baixa Verde (Capunga) a qual se vender
pelo maior proco.
HOJE.
Pelo agente Martins no armazsm da ra do Im-
perador n. 10, as II horas do dia. Na mesma
occasio se vendero 100 cobertores de la mui
lo bons proprios para e-cravos.
LEILAO
ME FAZEtfHAS
avarladas.
HOJE.
Quarta-feira 0 de fevereiro as H horas.
O agente Pinto far leilao por conta o r seo de
quem penen ;er de um fardo de algodao T marca
diamante LW n. 693 avariado a bordo do vapor
inglez Olinda, em continuacao vender tambem
differentes fazendas limpas para fechamento de
contas, quarta-feira 9 do conente em seu escrip-
torio ra da Cruz o. 38.
t
D. Maria da Invencao da Santa Cruz Muraes e
D. Luzia Alexandrina de Moraes, agradecer s to-
das as pessoas que acompanharam para o- eoraite-
rio publico os restos moraos de sua chara irma.
D. Anna Joaquina de Moraes e de ivo as convi-
dan) para asi.-tirem a inissa do stimo dia, quo
se ha de celebrar no convento de S. Francisco
desla cidade as 6 horas da manha do dia 12. As
raesmas faltaran aos deveres de gratidao se nes-
ta occasio de lao grande dor nao aggradeceseeni
do intimo de suas almas a todas a pessoas que
se prestaran) nos seus recemos traballios, com es-
pecialidade aos Srs. Manoel Rodrigues Teixeira,
Antonio Marques Favier e capilao Eutiqaio Ifem-
dim Pestaa, c bem assim a suas caridosas con-
sortes, o disvello o dedica can que Ibes mostraran!
durante a molestia e morte da finada, obsequios-
em quo muito so destinguio o Sr. Rodrigues Tei-
xeira, pondo mais urna vez em relevo os cQvilos
de seu cora cao bemfauBjo.
- D. Marganda Cfiulula da Cooba Al-
meida, viuva do capilao Jos Joaquim Lo-
pes de Almeida, convida as pessoas, que
se consideraren! ciedores do seu finado
marido para que no praso de 8 dias apre-
senlem os titules de obrigaco, ou as con-
tas delles a ra do Varadouro n. 5 em Olio-
da, ou a ra do Queimado n. 20 lo], no
Recife, afim de se proceder a respectiva
verificaco, e tratar se do seo pagamento.
Olinda, II de fevereiro de 1870.
Margarida Candi-hi da Cunka Almeida.
Manoel Juvencio de Satwia, lendo de mandar
celebrar urna nnssa na Ordem Terceira do Crs
mo, por alma de seu mui presado sgro Francis-
co Geraldo Morcira Temporal, Irigessimo dia do
seu fallecknentn, convida aos seus prenles o ami -
gos a comparecrcm a mesma igreja s 7 hora-
da manha, do dia 10 do corrente pel que Ihes
ficar eternamente grato._________
Be
Para o Eio Grande do Sul
pretende sabir com a maior brevidade possivel o
iiriguo porluiriuz Bealidade, de Ia classe c mar-
cha, por ja ter parte do cirregamento engajado:
para o roanlo trata-sc com os consignatarios
Baltar, Oliveira it C, roa do Vigario n. 1.
- Para-o Porto
pretende seguir com a maior brevidade possivel
a barca' portugueza Ciauina. de primeira mar
cha, por j ter grande parte do carregamenlo en-
gajado : para o resto e passageiros, aos quaes
offerece ricos e excejleutes commodos, trata-se
com os consignatarios Cunha Irmos & C., ra
da Madre de Dos n. 34, ou com o capito a bordo.
Baha
Segu com ferevidade para o porto cima o pa-
tacho inglez J Bcwley, recebo carga a frete cora-
mdo : a tratar com os consignatarios Lempson
Duder A C
Rio Grande de Snl
Para o referid j porto vai sahir com toda a
presteza a barca portugueza ftdmar por ter a
maior parte da carga prompta : para a que Ibe
falta, pode traiar-se com David A Baltar. rna do
Brum n. 92.
rara Lltboa.
O brigue portugne Orartnse, capito A. B. Car-
neiro, recebe carga e passageiros: -trata-se com
os consignatarios E. B. Rabello & C, roa do Com |
merclo n. 48. _______
Tina de 8. Miguel "
Nestes'poueosfdias segu a escuna portugneaa
Serevra : para earga e encommendas trata-so con
o sen oonsignatario Joao do Reg Lima, ra do
Apollo n. 4.
LEILAO
De 4 carros de passeio e 7 cavallos per-
tencentes a cocheira sita a ra do Sol
esquina da ra das Flores n. 2".
QUINTA FEIRA 10 Di CORRENTE.
O agente Pestaa legalmente autorisado far
leilao dos carros e cavallos cima mencionados
em um ou mais lotes quiutafera 10 do correnle
as 11 horas da manha na cocheira sita na ra
do Sol esquina da rna das Flores n. 27.
LEILAO
Da armacao, gneros e pertences da taberna da
ra de S. Gonzalo n 27, caixoes para depsi-
tos e um encanameuto, registro de gaz e can-
dleiro.
O agente M irlins far leilao da armacao gaz,
caixoes e um balco envernisado jxistentes na
taberna cima que se vender em lotes a von'ade
dos compradores
Quinta-feira 10 do correno
as 11 horas do dia na mesma taberna.
LEILAO
De urna mobilia de Jacaranda, 2 p'ares de lantca-
nas, S escarraderas, 5 tapetes, 1 lavalortn, 1
tocador, 1 berco, 2 apparadores, 12 cadeiras,
1 mesa elstica, 1 sof, 1 guarda louca, louea
para cha e jamar, 6 copos, 2- fructeiras, 1 car-
teira, 1 guarda roupa, 1 jarra, 2 mesas, 1 ar
mano, 1 guarda comida, ama casa terrea da
ra do Corredor do Bispo n. 39, differentes joias
e tres eseravos sendo Lourenco idade 40 annos,
Valentina, 22 annos e Domingos 3 annos, os
quaes sero vendidos segundo as disposicocs da
nova lei.
Joaquina Benedicta Vii ira da Silva e seus lillios
Firmino dos Sanios Vieira e Candila Senhorinha
Vieira Lasserc, tenda de manJar celebrar algn-
mas mistas na capella do cemiterio publico, pe-
las 6, 7 e 9 Iteras da manha de quarta-feira 9
do_ corrente, por alma de seu fallecido tilho e ir-
mo Luiz Antonio Vieira, ennvidam as pessoas de
sua amizade o as d'aquelle finado, pan atsistirem
a este acto religioso, pelo que desde j se confes-
sain eternamente ratos.
fmmmmmammmammamaam
jerony.no Salgado de C. Accioly, hachare
formado desde 182. advogado do tribunal da re-
lacao e mais auditorios desla cidade tem escrip-
torio de advocacia ra do Imperador n. 41, 1*
andar, onde pdc ser procurado para quaesqner
causas, elveis, crimos, commerciaes e ecclesiasti-
cas, das 10 horas da manha as 3 d tarde. Fra
dessas horas, na sua residencia ra Direiu n.
58, 2 andar. Aceita qualquer defesa perante o
jury em cortos termos vNinhos desta capital, me-
diante razoavel ajuste. No jury desla cidade de-
fend- os presos pobres gratuitamente.
O Sr. Dr. Joao demandes Cavaicante
de Albuqnerque, tem urna carta remettida
da Baha pelo Sr. Dr, Jos Marlms Alves,
nesta typographia.
Desappareceu pela tarde do dia 6 do crren-
le, do sitio que foi do Xico Manguind, e no qual
reside o abaixo assignad, urna vac?a f astanha es-
cora, bargada, com um bezerro ca'tanho amarello
que tem um signal branco na testa, e ambos estes
animaesesto gordos. Desconfa-se com razo (me-
dita vacca foi pegada por algucm de mo costme,
que depois de a estenuarem, e que nao der mais
leile enviarem-na para algum deposito pobbeo :
previne-se, portanto, a esle alguera, que mande
restituir o seu a seu dono, corto de quo seo nao
fizer, 3er descoberto.
Joaquim S. P. de Siquera Cavaleaati.
Professor.
Em nm engeaho da comarca de Pao d'Albopre-
cisa-sc de um professor que saiba p erfeitamente
lingua nacional, arithmetica, latim, francez e mu-
sica: tratar na rna do Aptllo. n. 40._________
Btigommadeira.
Precisa-se alugar urna ama que saiba engnnv
mar bora : tratar na ra do Amorn n. 35, l*
andar.
Este importante estabelecimento no seu genero, tem sempre nm sorttmento sem ignal,| esqnina
bA por prepos qne nenhnma entra casa pode vender. L
vista da qnalidade e do pre?o das joias cada nm pdese-ha oonvencer Ai ^erdade.r* m lar8ra
ser todo cto lei. XJompwhse onro, puta e podras finas jor presos milito de- Rosario.
A toja es liberta sl M M koiag i noate..
H


Diario de Pernamb awo Quarta feira 9 de Ferereiro de 1870
A ESMERALDA
POCOS TU
[INSTANTNEOS
Travessa doCwf Sate h. 23
ARM>*M
Ra Nova n. 38, laja.
Bandeira, Machado & C, avisam. ao respcitavel
publico que nos lugares cima encontrar no mcs-
no sempre frande quniitidade de ditos pocos, e
qae se acham habilitlos para vender por menos
que outro fualcroer, por isso que rectamente do fabricante Norton, de Londres.
As vantagens que offerecem os .pocos, instanta-
oeos fio : primeiro, poderejn ser eaUoCtdos den-
tro de casa ou fra, cora o trabalho-do uina a duas
horas; segundo, fornecerem os meemos agua pu-
ra e abuuiante, podendo serem removidos do um
para outro lugar, quando assim convier.
Os annnociantes s reeebrrao a importancia dos
referidos poe,os depois de collocados, sastazendo
espectativa do comprador.
DMA DE MAS
DB
ac.
Este antigo estabelecimento, completa-
mente reformado ie novo, est as condi-
$>es de servir vantajosaraente os seus fre-
gnezes, visto que acha-se prvido com um
xplendido sortimento de obras de ouro e
jnrata de lei, assim como brilhantes e ou
tras pedras preciosas, ujos precos sao o
mais mdicos que se pode encontrar.
As joias compradas nesta casa recebem-
me em troca ou compram-se com pequeo
*bate.
UA 110 GANGA
os
No fliais cabellos braneos.
A tintura japoneza para tingia os cabellos
da cab&ca e da barba, fei a nica admittida
Expoatco Universal, por ter 6ido reco-
hecida uperior todas as preparaces at
boje exigientes, sem alterar a sade.
Yende-sc a 141060 cada frasco na
Rna da Cada n. 51,
1. andar.
AMA
comprar e cozinhar para duas pessoas : no pri-
meiro andar do sobrado dfronte da igreja do
Para izo, esquina. _________ i______
Joaquim Jos Gon-
(jalves Beltro
RA DO TRAPICHE N. i7, 1. ANDAJv,
Sacca por todos os paquetes sobre o Bu-
co do Minho, era Braga, e sobre os bckud
tes logares em Portugal:
Lisboa.
Porto.
Valenca.
Gu maraes.
Coimbra.
Chaves.
Viseo.
Villa do Conde-
Arcos de Val de Vez.
Vianna do Castello.
Ponte do lima.
Villa Real.
Villa-Nova de]Fa_alic3o.
Lamego.
Lagos. i
CovilhSa.
Vassal (Valpassos).
Mirandella.
Beja.
GUSTAVE
CABELLEIKEIRII FIUNCEZ
51-----Ra da Cadeia do Recife51
Chama a atencSo. dos seus innmeros freguezes, e do respeitavelprjbli:o en
geral, para a segninle tabella dos presos de sua casa, os quaes sao vinte por :entt
mais barato do que era outra qualquer parte:
Cabelleiras para senhoras a "ifi,
30(5, 350 e. '. 405000
DTtas para hornera a 35,?, 405 o 500000
Coques a lz& 15,5, 185, 200,
250, 300 e.....500000
Crescentes a 120,150,180,200,
250, 300 e.....320000 Corle de c306"0 com lavagem a
Cachos ou crespos a 30, 40, 50, champou
Cadeias para relogio a 50, 60,
70,80, 90, 120 e. .
Corte de cabello,.....
Corte de cabello com frcelo. .
150OC*
501
50*
14001
60, 70, 80, 90 e. .
Tranca de 'cabello para arrael a
500 e.......
Tranca para braceletes a 100,
150, 200, 25 e.....
100000 ^rt ^e caDe"ocom limpez da
| cabeca pela machina elctri-
ca, nica em Pernambuco. I OOft
10000
Aluga-se
O segundo e terceiro andar do sobrado ra
do Amorim n. 39 com muitos commodojjiara fa-
milia : a tratar na armazem do mesmo.
mmmm
11Ra do Queimado.....11
AUGUSTO PoRTO. tundo rceebMo directamente da Rtifvpa nquissiiuos cor-
tes de vestidos mesmo estabe eam-mio lia constantemente completo surtinvnto de faz indas tinas como
seiam :
Corles de setim d cores e ditos de seda dos mais elegantes goslos.
Colcha de sea de corea, ditas de d. masco e lu, ditas de crochs e de
Justo bnnee para cam-s todas muito linfas.
Coriinados bordados para c m?s e janellas le nanitas qualidades e precos.
Vestidos iii;rncos bordadi, embraias bordadas, tilos, tarlatnnas e cambalas
lisas o trampa rentes de muitas qiialidades.
Oorgu ~v< prrto para vestidos, grosdenaples do pretos. arparas, nombasinas, pretas. pannospretQs e zoes, casemiras protas e decores
e grande vare lade de tudas as f zendas tanto para a pra$a como para o matto.
Frondas de cambraia de linio bordadas, e toalhas decawbraia de linho borda-
ba scora mnito goto.
Algnda liso c trancado, azul o de listras, madapolo, chitas e todas as fazen-
das para fabricas d engentio. as quaes vvndem a dinh- iro, pe:os presos das casas n-
glezas Esie.-U ettabelecimei >to lia simpie o mais esplendido sortimento de
steiras da India p.ra folTUT sala que se vmde mais barato
do que em outra qualquer paite*.
travessa da ra
das Cnszes n, 2, pri-
meiro andar, da-se di-
nhelro sobre penhores
de ouro, prata e brilhan-
tes, seja qnal for a qoan-
tia. Na mesilla casa com-
pram-sc os mesmos me-
laes e pedias.
SEGUROS
MARTIMOS
CO\TRAFOGO
A Companhia Indemmsadora, estabelecid.
testa praca, toma seguros maritimos sobn
aavios e seos carregamentos e contra fog<
em edificios, mercadorias e mobilias: i
oa do Vigarion. 4, pa^'imento ter eo.
ATTENCAO
o
Tendo o abaixo assignado remettidono dia quin-
ta-feira 27 do corrente, para a cidade de Naza-
reth onde reside, diversos fardos de fazendas em
um carro, acontccca desaparecer em caminho um
dos fardos, o qual continha as seguintes fazendas:
urna po?a de casemira preta, 12 mantas de tapete
pa ra cavallo, 3 pecas de cambraia de cores, 12
chales de mirino lisos, 6 ditos pretos estampados,
e outras muitas fazendas.
O abaixo assignado pede as autoridades poli-
ciaes que se dignem tomar em coosideracao o seu
annnncio afim de apprchender-se ditas fazendas
'ju descubrir quem as furtou ; assim como offere-
ce urna gratifleacao a quem levar noticias exac-
tas dessa- fazendas no Recife na loja dos Srs. Per-
diga Oliveira & '.. ra da Cadeh n. 33, ou na
cidade do Nazaretu em casa do annucianle.
.Nazarelh, 29 de janpiro de 1870.
Antonio Aureliano Lopes Coutinho Jnior.
ATTENCAO
As senhoras que tivcrem aiguma menina ou
cria, querendo mandar ensinar a toda qualidadr
de costara e bordados, marca e toda qualidade de
flores, por barato preco de 3|000 por mez, vindu
ellas lmocadas e ir jantar em suas casas : na ra
estreita do" Rosario n. 35. 1 andar.
Frisado ingiera ou franceza.
30,5000 Barba...... .
ASIGNATURAS MENSAES
Especialidade de penteados para casamento
Bailes e colorees
O dono do estabelecimento previne s
Exmas. Sras. e aos cavalheiros que ha um
salao para tintura dos cabellos e barba, as-
sim como um empregado smente oceupa-
do nesse servico.
O
251
Kecommenda-se a superior TINTURA JA'
PONEZA para enepreccr os cabellos e bar-
ba, onica admittida na ExposicSo Universa i
como n5o prejudicial sade, por serve*
latil, analysada e approvada pelas acadO
mias de sriencias de PARS E LONDREfi
TEZOURA DE OURO
mwm -sana m mmmmsm
DO
A van do Qu^imafo n. 6. prim ir and'tr
8 pessoas para o servico e o maior necio nos trabalhos de barbeamento.
O sal3o estar aberto, nos dia? hps das G horas da manhSa s 9 da nou-
e, e nos dias santificados das 7 a 1 hora da tard".
Bolachinha inglez a 4$
a barrica, e a 240 rs.-a libra : no armazi-iu da es
trcRa, largo A l'aiaizn n. 14._______________
< ux. nh 10
T'recisa-sp. de um bom coiinheiro, ou alguma
uiulher de boa cenducta que saiba cozinhar, para
c&m de pequenafainilia : na ra da Croz do Re-
<-.ifen. 38, 2 amlai._______________________
Precisa->e de um ftMtir que tenha as habili-
tardes oocessarias para administrar um sitio, da-
se-toe mesa o 4U0J por anuo : dj escriptorio des-
%o Diario se dir quem.____________________
Na ra do fay-and na Passagem n. 40, ou
BOLIEIRO.
Offerece-se um rapaz ltimamente chogado, com
as precisas habilitae-, para casa particular : a
tratar na ra do Cmara n. 13. __________
Piecisa-se de una ama para casa de pouca
familia : a tratar na na !. Gahug n. 1 lja.
Arlia-se fugi>lu u escr*vo Fraootoeu. pardo,
idade 20 anuos mais ou menos, rom deleito em
urna perna e braco, este escravu veio ha poucu
do Sobral, omito ladino, enculca-se do forr,
desconia-se estar acoutad, o que desde ja se pro-
tosta contra quem o livor frito. Gratifica-se a
quem o levar ou cb-ll" der noticia na ra da Ma-
dre de Deus n. 5, Ia andar.____________
ay-an
Rosa
ama estn-ita do Rosario n. 2, Io andar, precisa-
se o um criado que *ej tambera baliciro, j^aer
forro oue^cn.vo, e paga-so bem ; como tambem
sec rupra algum que esteja nestas confu nnd;i-
dcs : a tratar im Rtrifr das 10 as 3 da tarde.
Declara-se que pt-rdeu se urna letra da quan-
tiade i:13d000, saccada en .28 de Janeiro ulti-
ido, pelos 8rs. Jos Victorino do Rezende & C. o
.acoerta pelo abaixo assignado, cuja letra Sea sem
efieito por ter sido substituida por outra. previ-
ae-se portanio que ninguem (ac transacao al-
guma coro acuelle documento.
Antonio Dcmingues de Almeida Poyas.
Ciub p. pular da cidade do Re-
cfe.
*ek> presente sao convidados todos .os raembros
deats ssociagaoa se reunircn em asserabla geral
no dia 10 do crrente, pelas horas da imite,
para o fin de se proceder a leitora o rea torio
mmenul do respectivo presidente, e para serem
adoptadas quaesquer medidas que forem apresen-
ladase jugadas conducentes ao fin, para que fui
iMtitnla.a mesma sssociarao.
Secretaria do club popular em i de everetro
-e1870.
Jos Joaquim de Almeida Nobre,
1 >ecretario provisorio.
Precisa se de servente na fuudico do Bo\y-
man r ra do Brum n. 5. passanlo o chafariz.
Jus Francisco da Paula Cavaicanto pede, ao
Sr. Euiebio do Paula Pinto queira dirigir-se ao
hotel central a negocio de suu interesse, at o
dia 10 do corrate.
Na ra do commercio n.
precisa-se de um copeiro.
Copeiro.
il, Hotel de Franca,
zinhar
Precwa-se de uto caix on pralica de taberna : cm 01 inda, noi Quatro
Cantos n. 3 A.
oga-se ao Sr. capitio Estevao Jos Paes
"Barrlo que apparega na na do Alecrira n. 4,
visto liaver negocie que o nMemo senbtr nio ig-
jiora, e veja o que Ux.____________________
precisa-8e de
Na ra de Hurtas, casa n
nm caixeiro para o baMao.
1,
rrecisa-se de um eaixeiro para urna taberna"
na Victoria a tratar na roa do Queimado n. W.
* O Sr. Franciseo Pereira de Arroda
lenha a ondade de dirigr-se
Prcisa-S'
Precisa-se alugar um escravo para servido dt
hotel : ra das Cruzes n. 39.
s
Advogacia,
0 advogado Ayres Gama continua ter
seu escriptorio na ra larga do Rosario
n. 26. '
s
ecisa-so aiugai
a ra da Gad
WBiiHi fUf'rff
asar urna n ulher que sama co-
que :
eia do Recife n. 15.
Crespo n. 47. t negocio.
DECLRAA0.
JPassea cumpataatdante i.abiliuda, prqpde-se a
leacloaar primeiras letras, lingua nacional e al-
fiac preparatorios nesta capiulounos suburbios,
M cenham transporte pelas \1as-ferreas, median-
uovel aosorazio ; a tratar no paleo do Pa
raizo o. 16, ni traVessa da roa Bella n. 10, e na
niidasCruzrtS a. 37, leja.
fracaj
borpo Santin. i
_ rpo sut4 n. 17 primeiro
I andar escriptorio de Joaquim Rodrigues
Tavares de Mello, totn para vender :
Pumo em folba de superior qualidade.
Vinho Bordeaux de supsrior qualidade.
le mandioca era grande por-
sboa runa
Precisa-se alugar urna casa terrea grande, oo
um sobrado na cidade de linda; e que seja eo
urna dessas ras, S. Beato, ou roa do Amptro,
porm que sejam boas e que tenham commodos.
a pessoa que tiver e quizer alugar deise carta fe-
chada com as nniciaes L P. F. nesta typographia
on annuncie para ser procurado._______
Pelo presente declaramos que teodo-se de-
sencamiahado um saque a nossa ordem, praltcado
em 17 do mez Godo por Manoel da Costa Lima, de
M; nangoape, da quantia do rs. 2:G6666 a 20
d(v., e sobre os Sr<. Marques Barros 4 C., que o
aceitaran sob n. 9,403 em 21 do mesmo para M
do crrante, dea este de nenhuma ralidade, aonde
quer que se acNe, visto como j os aceitantes nos
anteciparam boje eu pagameoto mediaale reca-
bo nosso.
Recife 5 de feverairo de 1870.
Juao da Silva Faria & Irm>,
~
_
DE IMPORTA gAO F. RX PORTADO
J.CiRRERE
Escriptorio, ra do Vigario n
1 ANDAR.
.J.
FUMO CAPOKAL.
Cbegado pelo ultimo paquete.
Marra af.ivette \
Livraria fraucaza,
,------------------------------------------------#t-------------- ,
ra^a-se \wm .
Precisa-se de urna ama forra ou escrava qua
saiba engomar bem : ra do Crespo u. 23
Ao publico.
O abaixo assignado declara que tendo as habili-
tacSe nei-essaras para faz-r encanamento d'agua
e gaz offerece encanamei^is de porcelana e gal
vanisados por menos do que outro qualquer, as-
sim romo a mao d'obra : qneiu se qnizer uiili-ar
dirija-se a ra do Queimano n. 32, ou a ra da
Imperatriz n. 84.
HTLO^IOS AMEH-GAHtiS
49Ra fia Cadeia do Rcife49
a, \. a__93(_a_
RELOJOKIRO
acaba de receber um glande srlimento de relo-
gios americanos para paredes e cima de mesas
de cerda de oito dias por presos razoaveis.
^saaflMHHHvWHMBbkiaiMilMHHBL->
luga se un n. 28 : quem pretender dirja--e a ra do Ara-
: !'
a. 18
gao n. 18, que achara com quem tratar.
(JASA A FORTUNA
Aos 5:0005
Bilhetes garantidos.
rna do Crespo n.23 e casas do costumn
0 abaixo assignado, tendo vendido alm de ou-
iras sorles, um mmo n. 1816 com 4:000^ d;'
oteria que se acabmi de exirahir a beneficio do
patrimonio dos orphaos (135') convida aos pos
-nidores virem recebar na conformidade d"
coslumo sem descont algum.
Acbam-se a venda os felizes bilbetes da 6a
parte da lotera beneficio d oraem 3" do
Carao do ftteife (136*) que se extrahir quinta-
feiri 10 do corrente mez pelo novo plano.
Precos.
Bilhele. 6000
Mei). 35000
Qu.irto. UoOO
Eoilporcao 'ie 100,4000 para cima.
- Bilhete. SJ800
Meio. 2|750
Quarto. U375
Manoel Martin Fmza.
D. Anna Moui iiro da Costa e Silva, D. Caetana
do Faria Costa, Luiz Jos da Costa e Silva, Joa-
3uim Jos da Costa e Silva e D. Francisca Fhila-
elpla da Costa e Silva, mulher, mi e irmans do
fallecido Ant mi Jos da Costa e Silva, convidan)
aos emigo do mesmo fallecido para assistirem a<>s
ltimos suffragios que se Ihe tem de celebrar lije
pelas 4 horas da tarde, na igreja da ordem tercei-
ra do S. Francisco, d*onde ser caaduzdo ao ce-
miterio publico ; pelo que desde j antesipam
agradecimentiis.
AMA.
Prccisa-se de urna ama para casa da piuca fa-
milia : na ra das Cruzes n. 25._____________
"ATTENCAO
Manoel Ignacio de Olioeira Mar-
tina,, -.-
estalielecido com loja de pintor na ra da Impera-
triz n. 82. avisa a todas as pessoas que tem iraa-
gens mandadas encarnar em sua officioa ha mais
de um, deus e tres anuos, que maodem buscar
dentro do praso de 15 dias, para as pessoas resi-
dentes nesta cidade, e de 30 dias de fra da cid: -
de ; que lindo os referidos prasos dispon aellas
para sea pagamento, sem que possam depois dos
oras js fazerem reclamalo aiguma. Recife 7 de
lvereiro de 1870. ,
Os Srs. Mearon & C fabric;_tes d rap, na
rna do Mondego n. 107, precisan; de algumas ma
Iheres para trabalhar na sua fatfica : a quem
convier pode dirigir-se mesm* fabrica para
tratar.
ie__3_i_
ra li
caixeirode 1
taberna.
Preci
a do Rosario
a 16 wmo,
CARRI8 l>E FERRO
n
Recife Jaboatao.
0 bacharel Bento Jos da Costa Jnior,
empresario da estrada de ferro desta cida-
de povoaco de JaboatSo, tendo encarre-
gadoo engenbeiro Manoel de Barros Brre-
lo de dar andamento mesma empreza e
proEiouer-rha todo o iocremeote, peto pre-
sento declara aos senhores, que subscreve-
ram para ser accionistas e as pessoas qae
quiztjrem subi*ciwer, e bem assim s incum-
bida das respectivas lisias, queiram eotcn-
cooi o referido engenhei
taro de I
Bento Jos da Costa Junior.
Antonio J-ise Rinlrigues de Souza precisa
alugar'uma muilvr forra ou escrava quo saiba
bem cozinhar : a tratar na thesnuraria das loteras
ou em seo siti.-i, no Monieiro. |unto a igreja
Norberto Mnniz Teixetra Guimares encar-
rega-se de despachar e dar andamento aos reque-
rimentds dirigidos a amara mnnicip.il, como scia
lirenca de cordeacao, edificaban, conrertos e ou-
tros, tendentes a municipalidade, e para isto pode
ser procurado no Corredor do Rispo n. 51. ou ra
da Concordia n. 64.
AO AHMAZEM
DO
Rna Xova ii 9,
acaba de chegar pelos ullimos vapores novas re-
messas dos seguinte? :
Calcado francez
Para senhoras.Botinas brancas, pretas, e de ou-
tras multas differentes cores i ultima
moda.
Para meninas.Botinas das mesmas cores c qua-
lidad'.s cima.
Para homens.Botinas de cordavo. bezerro, ver-
niz, pellica, o melhor sortimento que se
pode desejar.
Para meninos.Botinas das mesmas qualidades
mencionadas para homens.
Para horneas.Botas rucianas, metas-botas e por-
neiras.
Para homens, senhoras e meninos.Sapatos de
tapete, aveludados, charlte, casemira
preta, tranca de Lisboa etc. etc.
Para meninos e meninas. Abotinados fortos de
muitas qualidades.
uinquilharias
Finos artigos de Paris, de gosto c phantazia,
cumo,sejam,leqBes. espettos, luvas de Jouvin,
caixinfaas do costura com msica.', joias de ouro
bem de lej, ditas de plaqu, cofres de seda e bol-
e__t paya braco, estojos para viagens, bengalas,
chicolinhos de baleia, oculos, lunetas, correntes de
relogios, e perfumaras de Condray e de Piver.
Brnquedos para crianzas
Carriohes de 3 e de 4 rodas para passeios, eos-
moramas o realejos de diversos tamanhos, e nm
cem numero de brinquedos francezes e altemaes
para enlreter nenin >t.
Para evitar A massante leitora de tonto artigos
es lelos venda Mete esubelecimense, o dono
pede ao puWleo em getal qae se digne entrar de
panseio afim de verificaren! nao s a grande va-
riedade como os precos baralisstmos por serem
todos chegado- de c-nta pmpria._____________
Feljlw, gonma e cer ue carnauba em sac-
eos, vende-se por precos coi
Madre de Dos n. O, 1* andar.
commodos: na rna da
O dono desie estabelecimento tinge, limpa o actumaiita cora a maior
perlVica possivel todo e q.iaiquer objecto de seda, la. algnrlo, em pefaa
ou em obras, ch-pi s de feliro, palha i manilha etc:, tira mfn das fazen-
das e faz todo o mais concernen!- sua rotisao, tudo com brevidaJc, visto
como Se acba prvido dos necessanos roachinismns e peire-hos.
Otfo Schneidcr.
CAttA UA FE.
Aos 20:000^000.
Bilhetes do Rio venda : ra do Cabug n. J
'ende Vieira & Rodrigues.
aiiii deleite.
III II
Precisa-se de urna ama que saiba cozinhar o
diario de una casa, prefere-se escrava : a tratar
na ra do Imperador n. 12, escript-irio.
O advogadu Manoel Joaquim Silveira pode
ser procurad" para os mistares de sua proflsslo
em eu escriptorio ra do C.tspo n. 12, I" an-
dar, das 10 huras da manhaa s 3 da tarde. Reside
ra da Conquista (Soledade) n. 4.
Prcrisa se de una ama deleite : na ra Din ila
numero 8.
Precisa-se de una ama que saiba engommar
e cozinhar, para caa de pnuea familia na rui
de Aragao, l'oa-vista, casa n. 7.
Aluga^e urna loja na ra da Concordia n
94, propna para jualqoer uegoeio : a tratar na
ra larga do Rosar', nadara n. lt.
Precisase de un caixeiio quo tenlia pratic;
de taberna, de l a 18 anoos Jo idade : a tratar
na ra do Apullo n. 17
Muga-so a jasa da ra d^ ilenriiue Lias n.
16, vulgarmente cnnhecida por Estancia : a tratar
na ra da Cadeia n. 39;
Precisa-se ao um eunaheiro ou cezinheira
u ra do Imperador n. 73, 2 andar.
Ama.
Precia-se do urna ama para casa de dua> pes-
soas : rna de Hurtas n. 120._______________
O bacharel 1> rge l) rni'lias abrir no dia 15
do corrente um cursi' de lingoa portugueza, adnp
lando os compendios do imperial collegio Pedro II
Acba se aberta a respectiva inscripcao na ra do
Imperador n. 45, 2o andar.
O Dr. Aprigio Justiniano da Silva Gui-
mares continua com seu escriptorio
ra do Imperador n. 27, e resida ra
do Seve (ilha dos Rafos) n. 22.
l
il
ra
Na ra Direila n. 101 lava-se
com perfeico e proniptidao.
Precisa-se de um criado que entenda de bo
lear : na ra estreita do Rosario n. 2, andar,
ou na Passagem da Magdalena n. 40. ____
Precisa-se d) urna ama para cozinhar e fa-
zer servic/i de casa de urna familia pequea : na
travessa das Cruzes, loja de sapatos n. 4.
Precisa se de una ama que compre e coz-
uho para urna casa de pouca familia: na ra nova
de Santa Rita n. 39.
Amassador
Precisa-se do nm amassador de padaria
praca do erctio.
Grande remesaa de borracha para o fabrico de
limas para o entrado, da melhor que aqui tem
vindo, na ru Direta n. 53, e na ra Nova n. 39
e 16, por menos preco do que em onlra qualquer
parte._______________________________
Precisa-te.
De um cozinhelro acceiado t que cosinho a in-
glez que seja soce?ado e se encarregue das com-
pras : ruado Crespo n. 20.__________
Precisa se de um feitor para engenbo, casa-
do e com pouca familia : na ra da Cadeia do Re
cife n. 56.______________________________
Na pra$a da Independencia n. 33 se da di-
ibeiro sobre penhores de pro, prata e podra.'
jreciosas, seja qnal for a quantia; e na mesm*
asa se compra e vende objectos de ouro e prata
i igualmente se faz toda e qualquer obra de en
sommanda, e todo e qualquer concert tendente
i mesma arte.
_]
do seu multo prezado finado ir'mao e lio Luiz An-
tonio Vieira para assistirem a missa do stimo dia
que mandam celebrar na capella do eemiterio pu
buco, pelas 8 horas da manhaa do dia 9 do cor
rente ; pelo que desde j se confesiam sumraa
mente grat*
AMA
Cfadm ubc-ux de novo certifica ao publico
de.-fa ndade que nao se repon>abilisa por qual-
quer debito que o Ma Glho Jf)s>3 Claudio Cubeuv
ptvwa contraSir.
Ama deleite.
ama de bit; :
na ra da
Prccisa-S! da ama
Ponte-velha n. 6.
Aluga-se un rapaz que sirva para compra
o mais ervicj ds ca*a : na ra dj Inperadwr n
73, > andar._________________
mu puliia Pernambuc^na
De ordem do conselho de direccao s3o convi
dad s ns Srs. arcionMas para reunirer^-se cm as-
sembla geral no dia 15 do corranlo, pelas 12 ho-
ras da manhaa, no primeiro andar do edificio de
?ua pmpriedade aoci-s d'Aswmbla n. 14, afim
de Ihes ser apresentado o relatorio o balanjo iv
anno prximo lindo.
Escriptorio da Companbia Pernamb'jcaua & de
fevereiro de 1870
______O gerenteF,. F. Purgas.
Precisa-se alugar por mez uir.a preta que
ingomme bem : na ra Nova, sobrado n. 39
FRT.
Furtaram do engenho Comporta? ca nonio do
31 de Janeiro tros cavallos todos aiasSes, sendo
um castrado com tres ps calcador, freale aberta.
urna bexiga no espinaaco, anda baisj o mel e
tem dozc annos do idade : ontro grande bastante,
tres ps calcados e frente aberta, anda baixo mal,
esquipa tambem mal, e outro com urna ma'hinha
branca junto ao casco do pe esquerdo, urna lislra
na testa, anda balxo e galopa ero : quem o le-
var ao mesmo engenho ou ra da Praia n. 43,
ser generosamente recompensado.
Na ra da Concordia, padaria n. 9, pretlsa-so
de nina 3ma.____________________________
Precisa- se de urna ama para cosan* ea-
ommar para duas pessoas : ra da Cadeia do
ecife n. 50 A.
O abaixo assignado tendo visto as participa-
ees da polica no dia S de corrento oro de igual
como Atnnio Jos da Silva preso por erfcM de es-
telionato, nao se emende com o filfvo da Miguel
Jos da Silva o desta data em diante aesifnar-so-
ba por Antonio Josc da Silva Costa".
Antonio Jos da Silva
Aluga-se o grande sitio OthnJa Vtfn, en>
Ponte de Ueba, com graado sbralo, bol fcaixa
de capra, basbntes arvoreos de todos oa netos,
cacimba, bomba o tanqoa para bnno; qham o
pretender alugar entenda-se com Moootl Ferris
Ramos, na ra do Aragao n. 31, on em soflil
ra.do Crespo n. %i._______
Caixeiro
ir
Anda so precisa da um caixeiro Je ,_de de 14
a 16 aunes, qae leona pratita de ta>rna 46 nan-
ga a sua conducta : na roa ios Guarapw Home-
ro 14.__________________jk_
"- Precisa- se ahajar.!*, da-M baia Qrit-
nade agradando : na roa de Hortas, caa .
^^ryecisa-se do cm bom cozinbeiro
nboira. forro ou captivo de afiancad
:a-so brn agradando : travessa da
.11, armazem de Fernandas a
Na roa do Tor: ^h
_;
"I


Diario de Periuiubuco Quaa feira efe Feverei de- 1870.
AGUIA NEGRA
C ti '
*3<~> -! -i en
{fifi.
e"g^
u 13
BENTO MACHADO ft C,
A AGUIA NEGRA animada com o bom accolhimeiito que te ve em seus annun-
cios, vem novo participar a seus freguezes que. acaba de receber um vanado sor
ment de objectos de gosto os qi\aes serao vendidos por precos rouilo razoaveis, pois
quando fe os seas primeiros annucios, foi o que assegurou, e sem mdo de errar,
porque como j disse oda interesses ligada a urna casa irnportadoradesta praca, e
por isso poder ter tudo especial e vender por precos admiraveis.Chama pois a atten
#0 de seus freguezes para os arltgos possa descrever:
Livtos com o tampo de marm, madre- Um variado sortiments ,de charuteiras e
perota e tartaruga, proprios para missa.
Garaflnhas vazias propnaj para presentes
caasa de gosto.
Indispensaveis de palinha e de couro pro-
trios para senhoras e meninas trazer nos
ratos.
Binculos da madreperola, marfim e tar-
taruga todos esmaltados.
Cintos largos de setim, cousa inteiramen- yC3j
te nova. '
X& d6 'daS 8S *" Ure"- SX"L,o enrei.es *
Toucas. apatinhos meias de seda e mais seda para vestido,
pertences para baptisados. Perfumaras de todos os autores os mais
Fitas com inscripcSes proprias para bou- acreditados em oxtractos, pomadas e oleo?
fGet de noiva, e finalmente outros muitos objectos que n5o
Ricos vasos com p do arroz. possivel mencionar ; mas com a vista se
Um variado sortimente de jarros de por- certificarlo do sortimento deste estabele-
celana. cimento.
Aguia Negra, ra do Cabug n. 8.
palliteiros de porcelana,
lentos para voltrete.
Bugallas com marfim, cousa especial.
Sabonetes de alcatrao.
Cofres de folhas para dinheiro.
Lindas caixas para costura.
Um completo sortimento de luvas de pe-
sr i s a "i =
BBD020
"i
I
-5i
M
I-
O !13
O. S
W rt>
St3
ce B
03 Vi.
1
W
U>

B te n
e o =J>,

y-
ce 2 -i o
. >( B si 5'
IU&
g l g S ?
.5 = 09
52 S" d en ar
0>- M 0> O)
O
?o
O
el
e-f-
i-
*3
O
ff o
V P
* 96 P-
51. O
1 1'
A p-
a/ W s cc>
* ~ \
P1< ^ or/
vw^r 0 w
11 p.
e cr>
1 0 0
* - P"
*o

s
i
Precisa-se
alugar na e= :ravo : na ra do Queiraado n. O,;
1 M
Tr
Imperador n.
de uiua cuznheira
, i" iiodar.
na ra de
A
;
FABRICA DE PUOS
DE
.. VIGWE
LOJA DAS MACHINAS
BASTOS
Acabara de ebegar gran 9*ra descansar algodao de todos os svstemas e tanwnhus seguintcs :
12 serras 12 serras
14 ditas 14 ditas
ditas 15 ditas
ditas 16 ditas
ditas 18 ditas
ditas 20 ditas
dttas % 22 ditas
ditas 25 ditas
ditas 30 ditas
ditas 35 ditas
ditas 40 ditas
qaaes se vendem por precos commodos e roga-se *s pessoas que dellas eram et
:ommendas de alguns tamanhos, obsequio de as mandaren) busca-las o mais breve pof-
vel afim de nao haverem faltas.
J. Rhigass, successor
55Ra do Imperador55
Nesta antiga e bem conhecida casa, encontrar-se-ha como outr'ora grande ^or-
;imento de pianos construidos expressamente para o clima deste paiz, e Mr. J. Rhigass
.endo trabalhado muitos annos na mstruoco de pianos em Paris, acha-se babiitado
i preparar os pianos que ende com lodos os accessorios indispensaveis nao s sua
olidez, como sua duraco. Toaos os piaaos sao garantidos.
Tambera ha neste cstabeledmento, grande variedade de msicas no'vas e dos
nelhon autores, lauto vindas de Pars como do Rio de Janeiro, que se vende mais
jarato do qua em outra qualquer parte; assim como ha igualmente venda todos o*
)bjectos necessarios contrario de pianos. Os concertos e afinacoes de pianos sero
itns com o maior zelo e cuidado.
O CIRIlflfl DENTISTA
Frederico Maya
Tcm a honra de scienlitlcar ao respeila-
vei publico em geral, e aos seus cfltatfe
em particular que elle mudou o s^u gabi,
neto de consultas da na Direila n. 12 para
a do Qucimado o. 31 primeiro andar, com
a entrada pelo pateo de Pedro II. onde po-
de Ser procurado para os misteres de sua
profissao, todos os dia uteis das 9 horas
da manha s 3 da tarde.
Tambera, previne, qne contina a prestar-
se a vontade dos clientes n5o s na cidade
como nos seus suburbios, para onde as
idas ser5o precedidas de ajuste. Ble ga-
rante o bom desempenho e a perfeicflo de
seus trabados, o que j bem wmhecido,
assim como as commodidades des precos
De clara cao.
O abaixo assigndo avls ao rrspeitavel pulilico
que sendo aecnitante d atan letra da quanlia de
um cunto seis ceios e cincoenta mil reis, a (r.or
doSr. Mauool Bail^a (fc> Silva,a qual laiiib.m
garantida pelo Sr. capia Caetano C'irreia de
Queirnz Monteiro, e se ada vencida desde o dia
ii da miembro do smjo prximo passado, euj;\
letra segundo .z o esmo Sr. Barbosa da Silva
se pfrdeu de taafp, sendo nesta data papa
pelo abaiio assinado soa importancia, o mermo
ebaxo a^signadn para prevenir duvidas filiaras
faz publicar o recib' que se jegue. o qual servo
para iBiitili^ir o .iTeito da dita l.-tra em ooder de
quem quer qoa sej, que casualmente a pos em virlude da cipcumsuix-ias cima referida.
Recife, 5 de fevereiro de 1870.
Uanoel loo Ferreira de Miraes.
Hecebi do Sr. Manoel loio Ferreira de Moraes
a quanlia de um cont sois cento9 e cincoenta mil
res, importancia de urna letra, acceila pelo mes-
mo senlior, vn<:da no dia ii de roivembro do
anno prximo passado, cuja letra deixo de entre-
gar por se haver perdido e pelo presente me obri-
go a fazer d'ella entrega em qualquer lempo que
por ventura achar assim como hca ella desde j
15
16
18
20
22
25
30
35
40
RA DA CAEIA N. 56 A
Lindas e superiores barcas de cor, de quadro e de istras, para vestidas t>
gindo seda. po<- baiatissimo preco de 800 e 040 rs. o covado.
Assim como superiores cassas franoezas de cor padroes de mui4o gosto i *0t
e 600 rs. o metro, na loja das Collumnas ra do Crespo n. 13, de Antonio Correa d.
Vascoocellos.
CARVO DE BELLOC
PARS
55Sua da Imperatriz55
F. Gautier, propietario deste importante estahelecimento tem a honra
ardpar ao ropeitavel publico que acaba d ebegar da Europa para on-
de- tinha ido fspccialmr-nte para contratar peritos officiaes e que.conseguio
c^.trata-Io- na primeira casa de Paris, por islo julga que todos ticar5o satis-
fnttos dos trshalhos do seu estabelecimrnto cojo encllente material ainda
foi augmentado com novns machinas qu ja recebeu e tambero nanitas drogas
nenas coro asqttaes'se oblem estas maravilhosas cores modernas t5o apreci-
daf em Frawa e em iodo o mundo.
Tinge, lava, limpa, lustra, acliamalota com a maior perfeic3o fazendas
em pecase em obras de todas asqualidade-s como sejam: seda. Iaa, algodao,
linhas, chapeos le fellro e de palia etc., etc.
Tira nodoas e hmpa secco sem molharos tecidos, conservando assim
toda o brilln da fazenda.
Impressoes sobre tecidos
com este novo systema, os vestidos de seda e outras fazendas que at agora s
podiasn tiogir-se de cores lisas, podem n'ceber um bonito desenlio de cor
diversa, a escolha, o que realca a fazenda e Ibe d mais merecimento.
Tintura preta, tercas e sextas-feiras
As pe-- >as das provincias limitroplies que quiterem ntilisar so do seu
estahelecimento podero mandar o que tivreM, na certeza t> srem to bem
servidas como no Hio de Janeiro ou na Europa,' e com mais presi<-sa por
ansa da dtanria.
VA'VV'
Approvado recommendado pela Academia imperial de medicina de Parii para a
or a da gastralgia e em geral de toda as doencas nervosas do estomago e dos intestinos.
& egualmente o remedio por eicellencia contra a retencSo de ventre Finalmente em
radio de suas propriedades absorTentes, recommendado como erdadeiro remedio nos
cazos de diarrnea e cholerina. wvfto 4* Sello tcma-se na occasiio das comidas
sob a fcrma de pos ou de paslilnas.
DepKo em Rio-Jiimo. Duponchelle; Ckevolot. Em Pummicgo, Maurer t C*.
VERDADEIRAS
PILULASDEBLAN
cardI
COM IO0UHETO DO FCRRO INALTEflAVEL
AFPROVADAS PEU ACADEMIA DE MEDICINA DE PARS, ETC.
F-ossalndo as propriedades do lodo et do /rro, con vem especialmente as AmccoS
scnoFULOSAS, a Tsica no principio, a [raqueta dt temperamento tambem nos casos da
Falta di con, AmsnonnHEA.em que precisa reagii "obri o sakgue seja para restituir
Jba a sua riqueza e abundencia normaes, ou para provoear regular o sea curso peridico.
N. B. O iodareu trrlunt. Come prova de paretn de aithencidade das weifmttomm IM-
" Smi 4* mtmmamr*, dere-s* exigir nosse tl\ u prata rcaaNva
amao trata, aqni reproduida, qne te aeha na parta inferior da asa
arela. Itere- ie deeconflar u faliificacos.
Pktrm a a wHea, usa 1aaarle, 40, PmrU
< momo tr
ELEPHANTE COM BOTAS
GRANDE ARMAZEM DE PIANOS, MSICAS E INSTRUMENTOS
ANTONIO JOS DE AZEVEDO
N. H~ RIJA NOVA-N. 11
Partecip ao respeitavel publico desta cidade e das mais provincias vi;-tahas, que o seu grande o bem acreditado armazem de instrumentos para musi-
ta, acaba d ebegar ara grande e esplendido sortimento de _^^ ^^ _^^ ^^^^ ^
0 que ha de mais moderno, de teclado fixo e mobile, e com transposijaooa sem ella, de autores os mais acreditados nesta cidade, como sejam :
ajamados 6 bem conbectdos pianos da fabrica do Sr.
os
AFFONSO BLONDEL
s, de quem o annunctante o anico agente nesta cidade, como prova com o documento abaixo transcripto e asaignado pe lo. dOo ^^del Estes pi^oMabr.-
^3mrio insistir sobre sua superioridade. As soas voies so moito flautadas e melodiosas. Elles poMoem um teclado que se presU a tocios os, capridios do
IMhoree planist ^^ ^ ^^^ ^ COmprarem pianos nesta casa, fio rojadasa exigirem o certificado de' origem assignado pelo Sr. Blondel, afim de provar a sua
tntencidade do numero de piano com o de certificado.
AO PUBLICO
lado dot miiQ.
is, 24 de julho de 1869.(Assaigiado) Jklpkm> Blmll. ~ ^
. _aaa:in tambem troca a alugajianos. E teiivo maior e mais expieodido s^Mnentofde novas
!^' lWafTttVH'1 Att pin | S*W % ^a^^a
be directamente da Europa e do Rio de Jaeiro: das fciemURiatfC*M Srs. Felipponl A Traagui, Narciso, Artburf Napoleio A- C,
ento'de papel para msica e desenho ; cordas para todos iustrumil40l, fk*s -gravaras o quadrosopaca ornamentos -le salas, oleados para
Ibos doorados quadrados e vaes, caixmhas de costora com msicas e sem jjyMlBhyHJgg,T' -re^'08 Com despftrtador-
----------------- -----------------------------------
re da doi
jptrar sempre neste armaiem, o qua! estar
%berto todos os das t i 9 liaras da uoite afim dai Exilias, familia, poderem ir apreciar on seus pianos.
por .
sem vallor algn por ter recebido cu sua impor-
tancia.
Recife, '> do fvereiro da 1870.
Manoel Barbosa da Silva.
Cuino ttiemunliaFirmino Correia Pessoa de
M-llo._________________________________
scrava fgida em S.
Miguel de Campos.
I"ngio a cabra Juanua, da caa de seu tnbor.
em S. Mipuel da Campo*, comprada poooos me
zes, ao Sr. Joao Jaiiathn do Medeims Be>ode,
seas signae >o .lado ;(0 ana f, cor de titpiuea
estatura alia, corpnleaU), descarada, tem falta de
denles na frente, rosto eheio, cw alanns pannos,
o feia: qacm :i levar a fea senbor alwx assig-
nado en 6. Miguel di* Campas, ou em Madi i ao
Sr Antonio ? Dnarte da Silva Braga e no Re-
cite a Carfalho Zi nliat C, largo d;i alfandega
n. 4, ser generosamente gratifica |o.
3-:
260
2(K
S
32'
10.
m
Compram se moedas de otiro e prata de (o-
los os valores, ouro e prata em obras inntilisadas,
irilhantcs e mais podras preciosas : na loja urives do aivo da Conceicao, no Reoifo. ___
0 liiuzeo de joias
Na ra do Cabuga n. 4 compra-se ouro, prate
pedras preciosas por precos mais vantajn-n ].
\a> ni outra qualoi'er narie.
Com muito maior vantagem foinprain-si'
ooedas de ouro e prata : na loja de oas do Co-
scan de Onro n. 2 0. rna do Caboa.
SR0
Compram- aodem-se diariamente para fra
a dentro da pr cravoe de todas as uk
ores e sesos, com t.^ulo que sejam sadios : no
erceiro andar do sobrado n. 36, ra das Crnzes,
rnguezia de Santo Antonio.
Cabellos
Na roa do Qneimaeio n. 6, Io andar, safio de
rabeiielreiro, conipra-se contmuadtmento Cabellos
coiiiprid-s.
(tlLHERVE AlliLSTO K CASA HE C0MMI5S0ES E CONSIG.N'ACOES,
JL1KISOA
Ii ua do tmparo.
Compra & venda de gneros, cncommendas, e
papis de crdito, movimento de fundos, expedi-
cao de telegranimas, cobrancas, liquidarse?, etc.
VINDAS.
Vende-se WH sobrados, sendo doos
no bairro de Santo Antonio e em boas ras
e um no bairro do Recife : quem preten
der dirija-c j ra da? Cruzes typographia
di) liiarto.
Vinhos puros.
Henrique Azevedo, em seu armazem ra da
Cadeia n. 3i, teem para vender vinlios das seguin-
les qnalidades :
Collares em ancorlas.
Bairrada idem dem.
Bucellas idem idem.
Branco bou. em caixas do urna dozia, engarrafado.
Bairrada idem dem.
Porto idem idem.
Bastos idem idem.
Vende-se una excelleols mai-hina de costu-
ra, ebegadaha pou:os dias do Rio, e troca-se um
calvario com rica imagem do Seuhor Crucilicado,
em madeira. obra perfeitissima, por preco rasoa-
?el : no Corredor do Bispo n. 55, defronte do pa-
lacio do tiispo.
na ra das Cruzes n. 21, palbinba para empalhar
cadeiraf a 2*200 a libra.
Vende-se um n olato peca com 28 annos,
sadio e sem achaques, de muita foT, e acosyi-
mado a serviros pesados, como bem os de alfan-
dega, entende de forneiro, mestre de masseira e
taiubem sabe bolear : na ra do Cotovolk) nume-
ro 23.
Medidas do novo sys-
tema.
Vendcm-se ternos de medidas IftuMiae.de ma-
deira, o pesos, bera como avnlsos fia ra da Jm
peratrit a. 73.__________________'
Vende-se a metade de om sitio no lugar
Cruz do Rebouco, na estrada de Iguarass, tica
urna legoa pequea quem da villa, o qual tem
urna excedente casa de pedra e cal fita ha quatro
annos, e tem muitos arvoredos de fructo, como
larangeiras, c; fezeiros, etc., e bastante torra para
roca e plantario de canna. Esso sitio foi do falle-
cido Bento de Carvaiho Bastos: quom ^uuer com
prar a metade, dirija-se a ra do Livrrmenlo, Io]a
n t.__________________________________
Vende-se urna escrava de ida* ft annos,
com muilo boa figura, e cora as sofnintcs habili-
dades : engumma, cozinba e lava, o fatnbam tom
urini-ipio de costura : a tratar na praca da Boa*
vista, Toj de cera, das 7 hora da raanhaa as 10,
e das 2 da lardeas 4 horas________"
Sementes
de hortolices auito novas ; na ra da Cruz nu-
moro 13.
oEui do ueiniado51
A VEHDADR tendo em flejiosito grand-
quantidade demiudezasc perfumarias. e d-
sejando apurar dinheiro e adqnerir boa frt
auezia est rssolvida a vender n.itissini-,
bu-ato, ;por essa raiSo coovid i
lavel publico a vir competenlemei
do a sortir-sfl do bom o barato. Tois q
do a Verdade agpaece, lodo mais
apparece..
Grande softimeiito de bonecoa de-cp
massa as mais liadas possiveis vestidas a es
racter.
Abotoaduras moderuas para col
Idea.......
Espelhos donrados pepnenos. .
Agulhas de osso para rrox a
Volites para rega<; com esntas a
Ricos globos para candieiro de ga?. a
Cbamins a......
Grande sortimento do objetos de
louc-a para brinquedo de menino
Garrafa com tinta a.....
Dita cora agua florida verdadeira a
Dita com dita dita a
Frascocomoleo debabosa a 500 0
Dito com agua de Colonia a 300 e
Gatrafa com agua divina a. .
Frasco com extractos linos a .
Latas pequeas com banha muilo
fina a 12"e ...
Sabonetes de diversas quali ladea a
80, 160,240 e.....
Finas escovas para denles di; i 20.a
Lindos coques modernos'a. .
I'avius para gaz, dnzia a 24,0. c .
Escovas para fado a 5*'0, G00 e
Ditas para cabello a.....
Penles para tirar piollio a IliO e.
Brincos de cores, bonitos a 100 o
Pecas de tranca de Iaa com 8
varas por.......
Oleo para machina do costura,
frasco a........
Pennas (Vaco linas caixas a 800 o
Dita d'aco Perry, caixa a .
Galn de algodao peca ....
Lindos babadinhos e enpemci
peca de 5U0 a......
Ditos de louca muilo fino a liOe
Ditos para calca a 1< 0 e. .
Qaiu com papel ymizade a. .
Ditas com cnvclopes a. .
Dilas com obrejas a.....
Caixa comagulhas fundo dourado
Dilas de ditas (lilas a.....
Tliesoura para costura a 2406
Caixa com linha de marca a .
Liiiha de cores tm novellos (li-
bra) a......, ,
Cairelis de linha Alexandre de "0
16'.
32'
, 60
Uo
3St
70C
50
24
20*:
Si
eo-
i*
40:
70:
16
.
10
at -200.
Graropos muito finos com passa-
nis, dola a......
Carlas portugoezas, ('uz'a a
Ditas francezas a 200 o .
Panel almaco e de peso, resma a
3(51400, ; .a muilo lina para bordar, libra
Fita de algodao para debrum sapatos, peca a.....
Dilas de. Iaa para dei.rui!) cu ves-
tido, paca a......
Pentes Gnos para segurar i a-
bello a.......
Ditos ditos de bfalo par alisar
a 210, 320 e......
Ditos para aparar nenea a .
Etosotas presas, par a .
Tranca rie Iaa] caracolj
Fila de coz peca a 480 e .
Alinctes de lafto a.....
Sapatos de ISa para criunea a iOOe
Grvala de se"as.cle rores a .
Calcadeiras a..... .
Grande sortimento de rendas das Iihas.
L'm par de suspensorio de burrada p(
100 reis!!!!!!!
.\*a Verdadc ra d guelmadi
u. ,
VK
LOi
3^000
1G
4S:
32
10:
10.
80
20
Se
\ nde-se um pretil nffirial de a areineiro f
envernisador, na ra do Imperador a. IS, teroeiri
andar.
vil
II
u
fl
'I
Aluga-se rico? dminos prolns de 203 He 60
completos costumes do phon-ia .le iO- r.A V)
e vende-se caigas do nia eoearnadas o braocas :
ra Relia n. "49 sobrado.
MILHII
Vende-se no trapiche Bario do Livrament sac;
eos com milho, oda saccaria e por menos do que
emontraqualquer parle.__________________
Farinhade mandioca
em saceos grandes c de superior cjulidade : ven-
de-se nos armazens da Companhia Pernambncaj i.
Caes da Assembla n. ti.
IjI
.111
Aeha-se exposto venda em todas a* iivrari 13
o almanak administrativo, mercantil, industrial c
agrcola desta provincia pelo preco de 5.
Vende-se um terreno ji com iHcerees, coi:
proporedes para urna baa casa, rna do Gaz
quem o pretender, dirija-so a rna do Bartholome.'
n. G7, leja, que achara com quea tratar.______
para foixar conta nma chapa para commendador
ou official da ordem da rosa, pois tem a coroa par.
commendador, e se tira para oflkial, p:lo diminu
lo preco de 25|000 : na ra do Cabag, laja A)
Sr. Morcira & Doarle.__________
Tfusica.
Na ra da Cruz n. 13 ainda tem para vendei
algnns exemplaros do combate de reachoellc,
e para canto o Jasmim, musieas aceitas por Saa^
Magestades Impenaes.
Venderse urna eto#ar*i de lo para W annos,
sem vicios nem achanqa^j^nJn na pouco do ma
to, muito propria para misttiUtr a> ervir-
casa de familia : a tratar na ra da Concordia
numero 6. "
Acha-se exposto a venda od Mas a*
livrariaso almanack desta provincia pelo
prego de 2JT<00. ___________.
Maia & Laudorino.
Vende saceos com farinha de mandioca, pU'-
menos preco qne em outra qnslqaer parlo: u.\
ra do Qneimado .leda n. l^que volta para a ra
estreita do Rosario ______
Cobre.
Urna scnbora qoo
t. 33, fead sea Bem coofceaido'e'eKelleote P
de 3 cordas com pouco aso, de jacarandj e a
derna. um bom e grande baah| taoj de r
piando, com so
cobre pan-aqower agu
demos paraeagoramad-, ; -tos indi.-
pensavcis n'uma casa.



6
Diario de Pernambuco Quarta feira 9 Ip JcVereffS de 1870
rilllllIBI IEMII
A RCA DI ITIPERiTRIX M *
Esquina da ra da Aurora, em frente do caf Imperatriz.
__m A N',iSte.novo e sumptuoso estabelecimento de fazendas encontrarlo as Exma.
familiar Judo quanto possam desejar, tanto em artigos do mus rigoroso luxo, como em toda
as oais qualidades de fazendas,
Alm de se acharem prvidos do que de melhor se encontra neste mercado,
por todos os paquetes da Europa, recuera directamente o que em artigos de moda e
do man apurado gosto se encontra era Pars, o que vem cadadia augmentar s propor-
c>s de que dispoe este estabelecimento para bem servir sua numerosa freguezia.
__
Algodo largo para lences e toalbas de
todas as qualidades que costuma vir ao mer-
cado.
Alpacas de todos o padrees e qualida-
des to variadas que se nao podem descrever.
Albtwscom msicas para collocar retratos,
delicado presente para qualqaer pessoa de
sima.
Atoalhado de linho e algodo, branco e
de cores proprios para toalhas.
Bas juinas de seda pretas e muito moder-
nas, bem como de crochet, ludo de apurado
gosto e feitio.
Bales de muselina, madapolao, brancos
e de cores, para seniora e meninas,
Bareges de cores variado sortimento.
Babadinhos ou tiras bordadas em todas as
larguras.
Belbutina de. todas as cores.
Bolsas de tapete para viagem. grande
variadade de tamanlios e gostos.
Bombazina preta de todas as qualidades.
Bramante de linho de 11 palmos de lar-
gura, e todas as mais qualidades.
Bretanhas de linho e algodo, grande sor-
tmat.
Brins de linho branco e de cores, do mais
commodo ao mais caro em qoalidade, aflian-
gaudo o que ha de melhor na especie.
Brins d'algodo completo sortimento e
variedade de pre;os.
OB
Cassas de cores, o maior sortimento, pri-
mando pelo bom gosto e barateza, atientas
as qualidades.
Ca nbraias brancas, tapadas, e transparen-
tes de todas as qualidades e precos.
Camisinhas de cambraia de linho e cassa
bordadas ricamente enfeitados para Sras.
Camisas para homens e meninos, tfio va-
riado sortimento que vai do mais ordinario
madapolao ao mais perfeito bordado do 1-
oho e cambraia.
Camisas de raeia, de flanella, braneas e
de cores para bomem.
Casemiras pretas e de cores, o melhor
que se pode imaginar, sendo d'isso a me-
lhor prova o grande consummo dellas na
officina da casa.
Capellas de flores, para noivas e bailes,
esde a mais candida flor de larangeira at
t mais nteressante grioalda.
Chapelinhas no melhorgosto.de todas as
c&res hoje preferidas pelas senhoras de
mais apurado rigor na moda.
Chapos pretos de velludo, para senhoras,
altimo gosto de Pars.
Chapos de sol, para snhoras e homens,
de todos os pre ;os e variados gostos.
Chaly rom ricos padroes para vestidos.
Chales de todas as qualidades, avultado
numero e nao menos variedade de gostos,
Chitas, impossivel descrever o sortimen-
to e variedade. de padroes e novos gostos,
ha nnste artigo tudo quanto se pode desejar.
Cintos para senhoras o que se pode ima-
giiar de melhor.
Coques, o melhor no gosto e nos enfei-
tes, varios tamanhos.
Colchas de seda com borlas, o mais apu-
rado g..stoelavor.
Ditas de fusto branco e
precos commodos.
Corpinnos de cambraia, ricamente borda-
dos para senhoras.
Cortinados de cambraia bordados e de
ftl.o que de melhor se pode desejar.
Colarinhos de linho bordados e lisos, o
maior sortimento.
OD
Damasco de laa de 9 palmos de largura
lindas cores e ricos padroes.
ta
Espartilhos bramos e de coros, para se-
nhoras o meninas, o melhor neste genero ;
nenhnma Sra. dcixar por certo de muir
se de t3n precioso auxiliar perfeiQao de
om corpo delicado.
ntremelos bordados.
Escomilha preta.
Enfeites para cabeca,*"ultima moda de
Pars, recebida no ultimo paquete.
Esgui3o de linho, completo sortimento de
todos os nmeros.
Gase com listras de seda e flores, fazen-
da inteiramente nova para vestidos do baile.
Grvalas p^ra sentioras e homens, o mais
completo sortimento que se pode desejar.
Guipure prelo e branco, diversas largo-
ras e diferentes gostos.
Gollas e punbos bordados para senhoras.
Guardanapos de linho pequeos, egran^
des.
GorgurJo do seda preto e de cores.
Grosdenaples preto e de cores, aavon-
do diversas qualidades e gostos.
c_T
Japonezes para seoh ras, o melhor gos-
to, e fazenda propria p1 ara as festas nos ar-
rabales e passeios a tarde.
Q_
Lazinhas de todas as qualidades, cores
e gostos, nao ficando nada a desejar, tal
o sortimento que existe para escolher.
Lencos, tudo quanto pode haver desde
esguiao ao algodo commum.
Leques de madreperola e osso, o mais -va-
riado sortimento.
Ligas d seda, bordadas, para senbora.
Luvas de Jouvio, chegadas por todos os va-
pores, sempre novo sortimento, quer em
pellica para homens e senhoras, quer em fio
d'Escocia, brancas e de cores.
Ea
Madapolao; indesciiptivel o grande sor-
timento que ha neste genero, desde o mais
elevado prego ao menor, que se vende em
peca e retalho por menos do que em ou-
tra qualquer parte.
Manas de blunde para noivas : o apurado
gosto dos nossos correspondentes em Paris
habilita-nos a dizer que temos em nosso
estabelecimento o que de melhor se dese-
ja para vestir e ornar urna noiva.
Mantas pretas de blond.
Mantas para carros, com lindas pintaras.
Merinos pretos, trancados e lisos.
Musselina branca e de cores, lindos e va-
riados padroes.
33
Pannos pretos e de cores, desde o mais
barato ao mais superior, por preco muito
commodo.
Pannos de crochet, para caderas e sofs.
Ditas de casemira muito finos para
mesa.
Peitos bordados de linho, lisos e de al-
godo para camisa.
Pnncctas pretas e de cores.
Popelina do seda e linho, com listras e
llores; fuzenda lindissima.
Pelherinas para senhoras, do ultimo
gosto.
Perfumaras ; os mais finos extractos o
(pie de melhor c mais agradavel se pode
encontrar neste genero, e de mais fragante
e suave no olptialo, tem o PAVILIIO DA
AUIIOBA, desde a verdadeira agua Flori-
da at o mais fino Bouquet d'Amour, final-
mente, tudo quanto deve oceupar o touca-
dor de urna senbora do gosto.
MMA
Saias bordadas, brancas, lisas e de cores
com folhos e sem altes, o melhor possivel,
Sahidas de baile, de todas as cores.
Sedas pretas, do quadros, lavradas, lisas,
de cores por de listras de todas as cores e qualidades e
o mais barato possivel.
Sarcelim de todas as cores e qualidades.
O
Tapetes grandes, lindas pinturas para 8
cadeiras, mais pequeos e de todos os ta-
manhos desejaveis, e em pega para co-
vados.
Toalhas de labyrintho, do maior e mais
fino trabaiho ao mais barato.
Toalhas de linho e algodo do todos os
tamanhos, li as e felpudas.
Tarlatana branca com palmas e de cores,
fasenda muito nova, e gostos delicados pro-
pria para baile.
Yistuarios bordados do fusto brancos e
de c&res para meninos, de cambraia para
baptizados, o que de melhor tem vindo a
este mercado.
Vestidos de la escoceza de 2 saiasi
novidade pelo padro, gosto e forma; ditos
de linho com barras de c&res, e de cam-
braia de c&res com 2 saias, tudo inleira
para
DO
GALLO VIGILANTE
ma do Crespo n.
Os propnetarios deste bem conhecido estabele-
cimento, alm dos muitos objeetos que Unham ex-
SDstos a apreciacao do respeitavel publico, man-
aram vir e acabam de receber pelo altimo vapor
da Europa un completo e vanado sortimento de
finas e mui delicadas especialidades, aa quaes es-
to resolvidos a vender, como de sea costume,
por precos amito baratinhos e commodos para to-'
dos, com tanto que o Gallo....
Muito superiores luvas de pellica, pretas brau-
cas e de mui lindas cores.
Mu boas e bonitas goiluihas e punhos para se-
nhora, aeste genero o que ha do mais moderno.
Superiores peates de tartaruga para coques.
Liados e nquissimos eneites para cabecas da=
Exnus. senhoras. "
Superiores trangas pretas e de cjrescora ridri-
Ihos o sem elles; esta fazenda o que pode haver
de raellior e mais bonito.
Superiores e bonitos leques de madreperoJa,
marfim, sndalo e osso, seado aquejes brancos
com liados desenhos, e cates pretos.
Muito superiores meias fio de Eseossia para se-
nhoras, as quaes sempre se venderam por 30000
a duzia, entretanto que nos as vendemos por 20
alm destas, temos tambem grande sortimento de'
outrag qualidades, entre as quaes algumas muito
finas.
Boas bengalas de superior canna da India e
castao de marfim com liadas e encantadoras figu-
ras do mesmo, neste genero o que de melhor se
pode desejar ; alm destas temos tambem grande
Suanndade de outras qualidades, como sejam, ma-
eira, baleia, osso, borracha, etc. etc. etc.
Finos, bonitos c airosos cnicotinhos de cadeia e
de ootras qualidades.
Lindas e superiores ligas de seda e borracha
para segurar as meias.
Boas meias de seda para seuhora e para meni-
nas de 1 a 12 annos de idade.
Navalhas cabo de marfim e tartaruga para fazer
barba; sao muito boas,e de mais a mais sao ga-
rantidas pelo fabricante, e nos por nossa ves tam-
bem assegurames sua qualidade e delicadeza.
Liadas e bollas capellas para noiva.
Superiores agulhas para machina e para crox.
Liuha muito boa de peso, fronxa, para encher
labyrintho.
Bons baralhos de cartas para voltarcte, assim
como os tontos para o mesmo fim.
Grande e vanado sortimento das melhores per-
fumarias e dos melhores e mais conhecidos per-
fumistas.
COLARES DE ROER.
Elctricos magnticos contra as convulsdes, e
fatilitaui a denticao das innocentes enancas. So-
mos desde muito recebedores destes prodigiosos
collares, e continuamos a recebe-los por todos os
vapores, aflm de que nanea faltem uo mercado,
tomo j tem acontecido, assim pois poderlo aquel-
les que delles precisarem, vir ao deposito do gallo
vigilante, aonde sempre encontraro destes verda-
deros cofiares, e 03 quaes attendendo-se ao fim
para que sao applicados, se venderlo com um mui
diminuto lucro.
Rogamos, pois, avista dos enjertos qae deixamos
declarados, aos nosss freguezes e amigos a virem
comprar por pre?os muito razoaveis laja do gallo
vigilante, ra do Crespo a 7.
armazem de fazendas e ronpas fcilas i roa da Imperatriz
n. 52, porta larga, de Paredes Porto.
Neste estabelecimento encontrar o respeitavel publico om bonito sortinnoto
de ronpas de todas as qualidades, palitots de alpaca a U, 30500 at 6d. Ditos dt
merino, ditos de casemira de cores bonitos gostos a 50, U, 80 e 100, de panno preto
sacos e sobrecasaeos. Ditos de brim pardo finos e ordinarios. Ditos de alpaca branca
e de c&res de 30500 a 50000. Calcas de brim de cor finas e ordinarias, ditas
brancas de todas as qualidades, ditas de brim pardo fino e ordinario, ditas d casen**
de cor e preta de 40, 5,5, 60 a 150. Colletes de todas as qualidades e areoo amito
barato. Completo sortimento de camisas francezas do algodo e de linho de 20 at 50
urna. Sortimento de seroulas francezas de algodo, de linho e bramante a 20 e 20500.
Grvalas (mantas) novisstmo gosto a todos os precos. Meias sortimento completo a 30.
40 at 70 a duz. r
ROUPAS PARA MENINOS.
Encarrega-se de quaesquer obras de encommenda tanto para homem, como
para meninos, e com brevidade, por isso que tem um bonito sortimento de fazendas de
todas as qualidades tanto em casemiras como brins, pannos finos e outras mnitas fa-
zendas.
FAZENDAS
Bramantes de 11 palmos de largura a 10800 o metro.
Cambraias de cor e branca.
Alpacas de todas as c&res a 640 rs. o covado.
Poil-ds-ehvre com lista de seda fazenda de gosto a 10200.
Basquines de guipure enfeitadas a 180000.
Sortimento de chitas escuras e claras a 280, 300 e 360 rs.
Madapolao fino a 60500, 70, 80 e 90000.
AlgodSo peca com 20 jardas a 40500, 50500 e 60000.
Peca de algodo largo a 70500.
E outras mnitas fazendas que ser enfadonho mencionar Cheguem roupa
fetta que se est liquidando na loja ra da Imperatriz n. 52 (junto loja de ourives) do
LEAO DI PORTA LARGA
DE
Paredes Porto.
Mikroskope
Machinas vapor de
forpa de 3 e 4ca-
vallos.
Motores para 2 cavallos.
Arados americanos.
"^Machinas de faco e serrotes para desca-
ro?ar algodo.
Balances para armazem e balcao.
Camas de ferro.
Cofres de ferro de Milnez e de Ubit-
eld.
Prencas para copiar carias.
Fogo americano patent
Barmetro e termos
metre. Centgrado
e reuumeure.
OCULOS f EBISCOPIGOS
E crystal de rocha do Brasil.
Cal nova de Lisboa
chegada no ultimo navio : vende Joaquim Jos
Ramos, na roa da Cruz n. 8. Io andar.
F. i. Germano, recommenda ao publico, seus vidros periscpicos aperfeicoa
dos; porque, com estes vidros, a vista descancaj fortifica-se e nao a canea como com j
os vidros ordinarios. Urna vez escolhido um vidro, pode durar dez annos, emquanto
que, com os vidros ordinarios se est obrigado a muda-los todos os annos e os ter
cada vez mais grossos, o quo altera o crystalino do lho e determina quasi sempre do-
res de cabeca. O alcance ordinario da vista perto de 30 centmetros do lho, e,
todas as vezes que o objecto est mais perto ou mais looge, os raios que expelle sao
mui convergentes ou mui divergentes e a viso nSo perfeita. Um grande numero de
pessoas tem o defeito de fazer convergir muito de softe que a vis3o nao distincta.
Com a applicaco de meus> vidros pde-se venser estas difficuldades. Para os que tem
a vista curta e cujo crystalino mui convexo (o que faz ver bem, de perto, e mal de
longe), o 'que se chama rayo pe, por meio de om vidro concavo affasta-se o ponto de
vista, o que faz divergir os objeetos e deixa ver to longe como as outras vistas. Quan-
do o crystalino muito chato, o que saccede aos que tem chegado a urna certa idade,
o que se chama presbyta, vem melhor de longe quo de perto, e nao enxergara sen5o
um nevoeiro na distancia ordinaria da vista; com um vidro convexo, estes enxergaro
tac distinctamente como na idade de 15 annos. Servindo-se destes vidros quando e
vis.ta principia eufraquecer, previ ne-se o mal.
P. I. Germano encarrega-se pela sua experiencia, tendente aos olhos, a e s
colher, a primeira vista, seja qual for a idade egro de vista, oculos proprios para
qualquer pessoa,
Para que sao fabricados estes vidros ? ?
D cordeiro previdente
na do tuelaaado a. 1.
Novo e variado sortimento de perfuman*:
finas, e outi tos.
Alm do completo sortimento de perfn
marias, de que euectivamente est prvida 1
loja do Cordeiro Previdente, ella acaba dt
receber om tttro sortimento que se torna
aoutvi] pela .variedade de objeetos, superior
dade, qualidades e cenandidades de pre-
tos ; assim, pois, o Cordeiro Previdente peda
e espera couBwr a merecer a apreciacia
do respeitavel publico em geral e de su
boa freguezia em particular, nio se afat
tando elle de sua bem conhecida mansidSa
barateza. Em dita loja encontrarlo o
apreciadores do bom:
Agua divina de E. Coudray.
Dita verdadeira de Murray 6 Lamman.
Dita de Cologne ingleza, americana, fran
ceza, todas dos memores e mais acreditado
fabricantes.
Dita de flor de larangeiraa.
Dita dos Alpes, e vilete para toilet.
Elixir odontalgico para conservacio da
asseio da bocea.
Cosmetiques de superior qualidade e che
ros agradaveis.
Copos e latas, maiores e menores, co
pomada fina para cabello.
Frascos com dita japoneza, transparente
e outras qualidades.
Finos extractos inglezes, americanos'
francezes em frascos simples e enfeitados.
Essencia imperial do fino e agradavel chai-
ro de violeta.
Outras concentradas e de cheiros igual-
mente finas e agradaveis.
Oleo philoeome verdadeiro.-
Extracto d'oleo de superior qnatidad,
com escolhidos cheiros, em frascos de diH
rentes tamanhos.
Sabohetes em barras, maiores e menore
para mos.
Ditos transparentes, redondos e em figo
ras de meninos.
Ditos muito finos em caixinha para barba.
Caixinlias com bonitos sabonetes imitanda
fructas.
Ditas de madeira invernisada contendo i-
aas perfumaras, muito proprias para pra
sen tes.
Ditas de papelo igualmente bonitas, tan
bem de perfumaras finas.
Bonitos vasos de metal coloridos, e dt
moldes novos e elegantes, com p de arro?
e boneca.
Opiata ingleza e franceza para denles.
Pos de caraphora e outras diferente-
qualidades tambem para dentes.
Torneo oriental de Kemp.
Anda mais ooqnrs.
Um outro sortimento de coques de no
vos e bonitos moldes com filets de vidrilh
e alguns d'elles ornados de flores e fitas.
esto todos expostos apreciado de ques
os pretenda comprar.
GOLLINHAS E PUNHOS BOBDADOS.
Obras de muito gosto e perfeico.
Flvellas e fitas para cintos.
Bello e variado sortimento de taes objes
tos, ficando a boa escolha ao gosto do con
prador.
3^
Fitas largas escocesas para cintos, vari- novidade, trazem os modelos juntos
dade de gostos e lindos padroes, I mostrar a forma de os fazer.
Fi shas de crochet, modernos com cintos' Veos de blond para noivas o pretos para
e capas, o que ha de melhor. j luto.
Fil de seda, linho e algodo, de todos Vestidos de blond para noivas: podemos
os gostos e padroes. asseveraras nossas Exmas. freguezas, tjue
Fusto de todis as cores e qualidades somos os nicos em Pernambuco que pode-
grandesorlraento. roos offerecer ao Ilustrado publico, o mais
Flanella branca e de c&res. apurado gosjto em semillante materia, gra-
Flores, o que ha de mais rico, quer cas ao bom gosto do nosso fomecedor em
soltas, quer em ramos, tem o PAVILHa ) Paris, podemos garantir que ninguem neste
DA AURORA ora permanente jardim a genero o possue melhor, nem mais em
disposico das Exmas. familias. conta. ,^> ,
E' dispondo d to grande e variado sortimento qne 0% propnetarios do PA-
VILTIO DA AURORA se apresentam ao publico declarando desde i que a siocerida-
de e o bom gostoo movel nico de seus negocios.
Prvidos de tudo e promptos sempre a prover-se do que por ventura Ihe
seja necessario, os proprietarios deste suroptuoso estabelecimento recommeudam-se
sem receio de serem cootradictos e protestara esforcar-se por continuar a merecer
prote^ao que se Ihes tem dispensado ; certos de que do seu estabelecimento nao sahira
o freguez descontente.
Contina sempre a oLleina de alfaiale dirigida por um dos mais habis artis-
tas, prompto exeeutar c confiado. Urna modista especialmente oceupada nos trabalhos do PAV1LHA0 D V AU-
RORA, dirige osque loe sao concernentes, garante por seu apurado gosto e promptido
na eiecagao e a'mais eompleu ^erfeico oes seus trabalhos.
A rmmwosa freguezia que uns honra urna prova de qne merecemos o con-
ceito que se dispensa ao nosso estabelecimento, conceito que procuraremos firmar cada
vez jwis. Para jarthtor anda a concecuco do fim que nos propomos, temoaoo nosso
estabelecimento os ltimos figurinos de Paris, que recebemos por todos os paquetes, os
quaes onviaremos para serem vistos as familias nossas.fregnezas, afim de escolberem,
com a padro da fazenda o gosto na forma.
Na officina de alfaiate, junto ao estabelecimento, ha igualmente os figurinos
para homens que por todos os vapores se receben.
E' este o modo parque -nos apresentamos pedtndo a proteecSo do ilhutrado
publico e com o mais prorando respeito convidamos s excellentissimas Sras. a visi-
tarern o inmo estabelecimento, certas deenconlra-m neile pelo menor preottnssive-
todo qae podn Ajanar. r v ^^^
iQBvaaaaaaaaVwr Uido qaaato tomos.
JMotmiz. SobrtnKo A C.
LOJA DE FAZENDAS
DO
1
Ra di Imptraii/ n. 5.
CORTES Di: CASKMtKA PHETA A 3 3300.
^ aadc-.se coiles d casemira preta para calcas
a 35500, 4 000, 50Q0 e 6000 rs. ditos casemi-
ra de corea com lisias do lado a o e 64 o corle:
ra da Imperatriz n. 86.
GROSENAPLE PRETO A *45e0 COVADO.
Vende-se groadenaple preto para vestidos de
scQhora a Hii), 34000 e 333U0 o covado.
PANNO PRETO A I100 O COVABO.
Vende-se paBao preto para cateas e palitots a
2*200, 24300, ;iQ0O, 3500, 4*000 e 5^000 o co-
vado.
CUITAS FRANCEZAS A 280 O COVADO.
Vende-se chitas francezas finas para vestidos a
280, 320 e 360 o covado.
MADAPOLAO ENTESTADO A 3*300.
Vende-se pessas de mailapolo infestado com
12 jardas a 3*,'O0, e pessas de dito com 24 jar-
das a 5*000, 500, 6J, 7*, 8* e 9*.
CASSAS FRANCEZAS A 240 O COVADO.
Vende-se cassas francezas finas para vestidos
a 240 o covado.
ALGODOSINHO A 4*000 A PECA.
Vende-se petas de algodaosinho a 4*, 6*, 65 e
7*000.
GANGA PARA CALCAS A 320 O COVADO
Vende-sfl ganaas para calcas e palitots a 320 o
covado, e brim de cores com listas do lado a 4* o
covado.
ALPACAS DE CORES PARA VESTIDOS A 500.
Vendo-se alpaca de cures para vestidos a 500 e
640 o covado, e outras mnitas fazendas que se li-
quidam para fixar comas, sem reserva de preco :
a ra da Imperatriz, ioja do Garibaldi n. 56.
Para a vista myopc, (vista curta).
Para vista que se. cobre de nuvens.
Para a vista que por momentos, v es-
voacar pequeos pontos negros.
Para a vista que as palpebras tremem
de fraquesa.
Para a vista que os olhos sao desiguaes.
Para a vista que se turva com o traba-
iho e a leitura.
Para a vista presbyta (vislagalon ).
Para a vista que nao supporta os raios
solares nem grande claridade.
Para a vista operada da catarata.
Para a vista que as palpebras esto cer
cadas de saugue.
Para a vista que um dos olhos mvop
e o outro presbyto.
Para evitar finalmente que o crystalino
do olho se cobra de catarata.
Aberto das 6 s 9 horas da noite.
GAZ SAZ CAZ
Sortimento de binculos
para tbeatro, e oculos de
alcance para o campo e ma-
rinha.
Lunetas, piace-nez e
fece--main, ouro, prata,
tartaruga, blalo, ac,
etc., etc.
Tem tambem grande sortimento de relogios para parede noe do horas a nara
cima danesa dos mais lindos modelo Relogios para agibeiraJlfoaro pSS ora a
doorad. efoleada, inglezes, suissos e orisontaes dos melhores emTafaSdosE-
Vendas em grosso e a retalho. Em Pernambuco.
N.21==Rua Nova. 21.
rape: pop j, vb
DA
FABRIfA RACIMAL DA BAflIA
DE
Teixeira UldurtcofyC.
Acha-se venda este ptimo rap, nico qu
pode suppnr falta do princeza de Lisboa, por se?
de mui agradavel perfume, viajado, e a preco
mais mdico possivel; e por isso tem sido assp
acolhido as pracas da Babia, do Rio de Janeiro t.
em outras do imperio : no escriptorio de Joaquia
Jos Goncalves Beltrao, rna do Commercio nu-
mero 17.
Landido Alberto Sodr da Motta Jt (1, cora
escriptorio e armazem na travessa da Madre d
Dos n. 14 tem-para vender o segnnte :
Cemento I'uriland de 1' qnalidade o meihor qn
tem vindo ao roercado,barricas de 2a 14 arroba>
por 104000.
Vioho Bordoaux das seguinte3 qualidades:
St. Julin.
Fronsac.
Lormant.
St. Emilion.
Margans.
Cliateau de Boycherelle.
St. Lambert.
Lalonbere.
Duplessis.
Cauor.
Dearsesai.
Vinho do Porto qualidade muito especial.
Azejle doco refinado em caixas de 12 garrafas
Vinagre superior em garrafes pequeos.
^ Farelo haniburguez, saceos de 90 libras, pot
0*000.
Farinha de trigo de superior qualidade.
Rarris com alcatrao, de arcos de ferro.
Fumos de todas as qualidades, se encontrar
nesle estabelecimento em latas, rolos e fardos.
Papel de todas as qualidades, proprio para ci-
garros.
CEMENTO
O verdadetro portland. S se vende na
ra da Madre de Deus n. 22, armazem da
Ji-3o Martins de Barros.
t Chegon ao antgo deposito de Henry Porster
<-.., roa do Imperador, um carregamento de ga;
de primeira qoalidade; o qual se vende em partida*
a retalho por menos preco do qne em outr qual
qner parte.
QUINIUM LABARRAQUE
Vende-se o engenno Estrella d'Alva, (d'agna)
oo termo de Agita'Preta, om meia legua de .tr-
ras pouco mais ou menos, e esta de superior pro-
dcele de canna ; teca varzeas coberUi, as ladei-
ras sao de proSnccao superior a mnitas varzeas ;
as obras do engenno sao todas novas, tem pro-
porcoes para safrejar annualmente, safra muito
superior a tres ni pies, e os partidos perto do
engenho; vende-se tambem com a nova safra, se
convenctonar-se, a, qnal se sape sapetior a tres
m paw :4mt,iki *&*&**#**) para de se deposilam os assueares, pouco mais de 2 le-
guas : a pessoa que o pretender pode dirigir-t*
ao mesmo engenho, a tratar com o seu proprleta
rio o tenente-coronel Jo^ Antonio Serfico de As-
sis Carvatho.
APPBOVAOO PELA ACADEMIA DE MEDICINA
Oolniasn L*b.rr tnico e febrfugo dere ser
cau
umiiur
nambnoaaa
.lifinnevi.
no.iMcriptorio
SS
pwpnMna
rV jf, PAW2
O
|Jido todas n ootras prepmcoes de quina.
06^ ako.de quina onliariamente empregade, na medicina preparante
aJTTJI Va* "* TTKU m Principios CUTOS extremamenle
J parte disee, em mSo de aeo modo de preparado, estes vinhos eon-
n JSM. ^ e P"110^0 ac'oa, em proporse. sempre variaveia.
Jh 7!TmnL!ifW*,M, aW*0,,tdo Pal Academia de medidna, cao.
ue pela eonirario m medicamento de eomposicao determinada, rica en
IVMa^v<>, ecomomial os medicse oadoentes podem sempre contar.
jj-lK1*", ,i*a*fnnn pwlpsu. em grande ento s pessoes* fracas,
dehb,tad^ jej. por ^mm^amm d'e**amento Mj. por gu moteV
tufaos adulto* fatiga, por. um rpida cenca. as menina, qui tem dBl
S?uS!f tTm^tmm*m* *ttw- dap^dntfartaai n* aH
eiifrwiuecido. fela edade ou doenca.
Nacuejtoebtorew, anemia, iTruii mi laaas r j.
LffnWimrMlaMti
WOneiitL; CfliTOLOT. PsmaMtttee. lilTKU et Caixa Filial do Bineo do Bra-
sil en Pernaanbnco, om llqnl
daeo 2& de Janeiro de f 8JO
A Caixa filial vende o grande e excelen-
te sobrado sito ra Imperial n. 64, com
accomodacces para grande familia, e tam-
bem venda a casa terrea contigua n. 68 :
-tratar na mesma caixa ra do Commer-
cio n. 34.___________________
TASSOIRMAGS&C.
Apl.
37, o
Vendem em seus armazens, no caes do
n. 7, Escadinha n. 1 e rna do Amorto n.
seguintes gneros :
Ac de Mhao.
Milho em saccas grandes.
Parello em saccas de 90 libras.
Cbumbo de municap sonido.
Metal amarello para forro de navios.1
Machinas para descarocar algodo de i4, 16 e U
serras.
Kerosene em latas de S galdes.
Champagne do afamado fabricante Krng.
Horraonth.
Vinho do Porto engarrafado.
Coac do afamado fornicante Gantter Freas.
Fogo da China, catxinhas, 40 cartas n. i. Extra.
Gonebr* ingleza tQ}d ton.
Cimento Romano.
Cimento Hidrulico.
Omento Portland.
Gesso para estaques.
Cantos de barro para cigotos.
Gradeamentos de ferro para jardins, calcadas ele.
Carros de mao paca .enrieos de rmateos.
Garrafea eom S Idw'de vinagre tinto.
Mea con 3 aldm' Cbumbo em barra.
< I
i.asAV l|aaaa



i
i



Diario de Pernambuco "Quarta eira 9 de Fevereiro de 1870.
'*
cum
A DINHEIRO NA LOJ E ARMAZEM
DO
'* 60 QUEtMAB
(JUNDE NOVIDADE
Ouando a AGUIA BRRNCA, mais precisa scientificar ao respeitavel publico em
geral, e em partieoUr a sua boa freguesa, da iminensidade de objectos queultimamen-
m-swja ida ra^aa^s52=a m
DE
FLIX PEREIRA HA SILVA.
0 proprietario d"ste grande estabelacmento, vendo que se est aproximando o fin-
io anoo, a tendo em ser un* grande deposito deposito defazendas; nao fallando em tetem reeebido, justamentelquandb ella menos podefazere porqueessa falta inyo-
vnhadas encommenda6 que Ibes esto obrigado todos os dias, tem resolvido liquida-
os por preco muito mais baratos do que em outra qualquer parte ; so com o fim
de dimJouir o deposito e apurar dinheiro. Encontra-se neste estabelecimento do
PAVO, avultado sortimento de iaz^ndas de luxo e modas; assim como de primeira
aecossidade. As pessoas quo negociam em pequea escala n'esta loja poderao surtir-
le vendeodo-se-lhes pelos precos qae compram, us casas inglezas; assim como as ex-
sellentissimas familias poderlo mandar buscar as amostras de todas as fazendas, ou man-
4ar-se-aa levar pelos caixeiros da mesma loja em suas casas; o estabelecimento se
icba constantemente aberlo das 6 horas da manha s 9 da noite.
Crochs oara cadeiras e sofs
Explendido sortimento de
roupas feitas
NA LOJA DO PAVO A RA DA
IMPERATRIZ N. 60
Acha-se esto grande estabelecimento com-
pletamente sortido das melbores roupas,
endo calcas palitots e coletos de casemira,
.a mais fazendas que os compradores pos-
Nin desejar, assim como na mesma loja
tem nm bello sorfrmento dr pannos casemi-
ras, brins, etc. etc. para se maadar fazer
qualquer peca de obra, coma marorpromp-
dSo vontade do fregnez, e nao sendo
obligados a acceita-las, qnando nao stejam
completamente ao seu contento, assim como
a'este vasto estabelecimento encontrar o
para caaeiras e
0 Pavo tem um grande sortimento dos
mais bonitos crochs proprios para cadei-
ras sofs, mesas, almofadas etc etc., assim
como proprios para cobrir presentes, e ven-
de-se mais barato do que em outra qual-
quer parte,
GLACE' A 1:200 PARA VESTIDOS
0 Pavo tem esta nova fazenda lisa pro-
pria para vestidos, com as mais delicadas
cores e com mais luslre do que a propria
seda com 4 palmos de largura qa facilita
fazer-se qualquer vestido com 10 covados
e vende se pelo baratissimo prego de 1:200
rs. o covado, pechincha.
ALGODAO ENFESTADO
Vende-se urna grande porco de algodo-
sinho americano com 8 palmos de largura
luntaria ella confia e espera na benevolencia de todos que lh'a atlendero e relevarlo,
continuando portanto a dirigirera-se a bem conhecida leja da AGUIA BRANCA ra do
Queimado n. 8, onde sempre actaaro abundancia em sortimento de superioridade em
qualidades. modiciade em precos e o seu nunca desmenttido AGRADO E SINCER1DADE.
Do que cima fica dito se couhece que o tempo le que a AGUIA BRANCA pode
dispr, empregado*apezar deseos cusios no desempenho de bem servir a aquellos que a
honram procurando prover-se em dita loja do que necessitam, entretanto sem ennume-
rar os objectos que por sua natureza sao mais conhecidos ali, ella resumidamente indi-
car aquellos cuja importancia, elegancia e novidade os tornam recommendaveis, como
btm seja
respeitavel publico urabeo sortimento de pr0pro para lences o toalbas tendo liso e
Irrncado que se vende por preco muito em
conta.
anos de liuho
Chegou um grande sortimento de pegas
de panno de liubo do Porto que se vendem
de 700 rs. at 1(5(000 a vara, garantindo-se
que em fazenda de linho nio ha nada me-
Ihor, nem mais proprio para lences e toa-
lhas.
PECHICHA EM CHAPEOS DE SOL
Chegou um grap.de sortimento dos me-
'hores chapeos de sol de seda, inglezes ten-
do. neste art'go o melhor que tem vmdoao
mercado assim como urna grande porco de
ditos de alpacas de todas as cores e todos
se vendem por preco muito mais barato do
que em outra qualquer parte, por haver
grande porco.
cu vos b raucos
Vende-se um grande sortimento de len-
cos brancos para homem, sendo a duzia a
1,J600, 2000 e 3^000, ditos abanhados
muito finos a 40 o 6000 a duzia, ditos de
sfruio fazenda muito superior a 5& 60 e
70000,
Os balfies do Pavao a 25000.
Cheg. u nm grande sortimento de bales
ou crenolinas do feitio mais moderno muito
proprias para vestidos ennesgados que se
vende pelo baratissimo preco de 20000 ca-
da um grande pechincha
Fustdes brancos para vestidos
Chegou um lindo sortimento dos mais ba-
ratos e bonitos fustoe* brancos com listras
e cordoes, sendo fazenda bastante larga e
flexrvel, moito propria para vestidos e rou-
pas de meninos e vendem-se a 640 o co-
vado.
CRETONES MATISADOS PARA VESTIDOS
A640E 800 R8.
Para a loja do Pava chegaram 0% mais
bonitos cretones escuros inatisados, pro-
prios para vestidos, roupo chambres etc.
que se vendem 800 rs. o covado, assim
como a mesma fazenda em padroes claros
proprios para vestidos e roupas de meni-
nos a 640 o covado, sendo os padroes mais
modernos que tem vinpo ao mercado.
AOS 2 MIL COVADOS BE
LASINHAS LUSTROSAS A 400 RS. O CO-
VABQ.
ranusas francezas e inglezas, ceroulas do
inho e algodo e ou'ros muitos artigos
proprios para homens o senboras proroet-
tendo-se-lhe vender mais barato do que em
outra qualquer parte. Na ra da Impera-
triz n. 60, loja e armazem de Flix Perei-
ra da Silva.
Pechincha a 2^000
Para lences.
Na loja do Pavao vende-se superior bramante
cora 10 palmos de largura, dando a largara o com-
primento do lencl, sendo apenas preciso para
cada lencol um e raeio, ou.u-o e um quarto me-
tros ; alm desta aplicacao tem outras umitas
para arraojos de familias e vende se pelo barato
Sreco de 2<000 o metro Na loja do Pavao, ra
a Imperatnz n. 60. De Flix Pereira da Silva.
Cianeas de liuho
Vende-se gangas do linho com qua irinhos
muito boa fazenda, para roupa de homens
e meninos e vende-se pelo barato preco de
500 rs o covado:
PECHINCHA EM PANN'O PRETO A 2:400.
O Pavo vende superior panno preto fino,
para pallitots, oalcas. colletes, etc., pelo ba-
ratissimo preco de 2:403, o covado, gran-
de pechincha.
Cortes de ea*einira pela a I .i.tJO
O Pavao vende os superiores cortes de
casemiras prcas enfestadas, pelo barato
prego de 4:800, pcebincba.
PARA O CARNAVAL
Ver bato na aio rs.
0 Pavo vende bonitas verbutinas de co-
res para dminos e outros tragos de mas-
caras pelo baratissimo preco de 610 rs. o
covado.
PECHINCHA, ALGODOSINHO A 4;000,
O Pavo est vendeodo pecas de algo-
dosinbo fraocez, tendo 4 palmos de largu-
ra com 11 metros cada peca, pelo barato
preco de 4^000.
Pecas de HMlapnl a :i:oe>.
O Pavo sede peca* d*> muito bou mav
dapolo tendo 12 jardas cada urna pelo ba-
rato preco de :t:500.
GROSDENAPLES PRETOS.
Chegou para a loja do Pavo um grande
sortimento de grosdenaptes pretos, tendo
de 14300 at 5/JOOO o covado neste genero
os melhors e mas largos que tem viudo ay
mercado, assim como bonitas sedas pretas
avradas, moireantiques etc^, todas estas fa-
zendas, vendem-se mais barato do qne em
ootra qualquer parte, por haver grande
porco.
PERCALLAS E CHITAS BARATAS.
O Pavo vende um grande sortimento
das maisbonitas cbitas clarase escuras, mais
barato do que em outra qualquer parte.
Cassas a 4 rs.
Vende-se na loja do Pavao bonitas cas-
sas do cores fixas a 240, 26de300rs. o
covado.
Camfc raas braacaa a-1:000 a peca.
S o Pavo vende pecas de cambraia
branca transparente, tendo mais de vara de
largura, cora 10 jardas cada peca, fazenda
que sempre se vendeu a 7*000 e 84000,
liqutda-se pelo barato preco de 4i5000.
AOpaeas brOlhantes a 4. e HM.
O Pavo tem o mais bello sortimento de
alpacas lavradas com as cores mais delica-
das que tem vindo ao mercado e lando bs-
tanle larguaa, rendem-se pelo barato preco
de 44080, e0O rs. o covado.
Corpinhos de cambraia, primorosamente
enfeitados com fitas de setim e obras essas
cuja novidade de molde e perfeiejo de ador-
nos os tornam apreciados.
fitas mni largas de diversas cores o qua-
lidades para cintos.
Leques uesse objecto muito se poderia
dizer querendo descreve-los minuciosamente
por suas qualidades, caree e desenhos, tal
o grande e variado sortimento que acaba
de chegar, mas para nao massar o prcten-
dente so lhe apresentar o que poder de
melhor.
ntremelos em pecas de 12 tiras.
Guipure branco c preto de diversas qua-
lidades e desenhos.
Ditos de algodo com flores e lisos.
Veos de seda para cbapelinas c monta-
ra.
Meias de seda para noivas.
Ditas abortas de fio de Escossia.
Costomes ou uniformes para menioos.
Enxovaes completos para baptisados.
Capellas brancas para meninas.
Grandes sortimento de llores finas.
Fil de seda, preto.
PERFUMARA
Grande e constante sortimento de dita,
sempre melhor quajidade.
Lindos vasos com p de arroz e pinsel,
Caixinhas com ditos aromticos.
Bonitos e modernos pentes dourados
para circular o coque.
Bonitos brincos de plaquee.
Aderefos e brincos- de madreperolr.
Caivetes finos para abrir latas.
The90oras para frisar babadinhos.
Aspas para balao.
No vos stereoscopos com 48 vistas, as
quaes sao movidas por um machinisrno
urnas substituem as outras.
Vistas para stereoscopos.
Bonitas caixinhas devidro enfeitados com
pedras.
Ditas de madeira envemisada com vispo-
ras e com dminos.
Bollas de borradla para brinquedo de
0 Campos da ra do Imperador n. 28
no intuito de servir satisfatori mente aos
seus innumeraveis amigos e freguezes, ?m
particular e em geral ao respeitavel publico,
desta cidade ; avisaaos que ostiverempas-
sando o tempo calmoso, nos deleitaveis
rrabaldes desta capital, que tem resolvido
vender, de de superior qualidade, a preco.*
razoaveis, os seguintes gneros a saber:
PARA CIMA DE APARADORES
Latas com doce em calda de diversa.
qualidades nacionaes e estrangeiros.
Ditas com peixe a saber; salmn, ostras
e lagostas.
Ditas com ervilhas francezas e portugue-
zas.
Ditas com gela franceza.
Cerveja franceza verdadeira Bobee.
Presunto para fiambre e ahambrados.
PARA DISPENSAS
Latas com choudcas novas sendo de 80.
cada urna.
Presuntos de Lamego para tompeiro.
Cuias do Para (pintadas pelos indgenas
daquella provincia.
Copos de vidro com dobradica e tampa
para diversos misteres.
PARA OS QUARTOS.DE DORMIDA
Porta-phsphoros cheios de phosphoros
de segnranca.
PARA SALA
Churutos de S. Flix do afamado fabri
cante Costa.
Fumo picado do Daniel de S. Joo do
Rio de Novo.
Alera desses gneros, o Campos tem con-
viccao de que o seu estabelecimento um
dos que podem satisfazer com garantas as
exigencias bem entendidas, dos Ilustrados
habitantes desta heroica provincia, porquan
to se acha elle bem prvido de gneros su-
periores, de maneira a nao desmentir
Loque de madreperola cora seda, e todos de
madrepen.la, muito proprio para ni as, rbega-
rnin a loja do Passo a ra do Crespo n. 7 A, as-
sim omo requissimos chales de touqoim de t oas as cores, vestuarios bordados de cambraia
para baptizados, meias de escocia (novidade) mui-
to bonitas para asExmas. Sras. que goslam andar
du.apaiinho raso e outros toitOB artigos de gos-
to que os propietarios deste estobeli-cimento teera
recebMo.
0 Campos.
Touquinhas de fil, sapatinhos bordados' enancas.
meis para ditos. Diversos objectos de porcelana, proprios
Camisinhas bordadas para ditos. para enfeites de mesa e de lapinhas.
Merlo de cordato
Vende-se merino preto de cordo pro-
prio para caicas, palitU., e colletes, pelo
baratsimo preco da 1,5000, o.covado,
AS POUPELIN^S DO PAVO A 500 S.
Cbogaram as mais hadas poupeJmas de
lia cora imitacao das poupelinas de seda,
nm fazenda muito lev com as mais lin-
das eres, sendo: verde Bismark, rxa, azul
lvrio, cnseoto, perella etc, etc. e vende-se
pelo baratissimo sreco do 500 re.
BONITAS LAASINHAS
OU ANADHWS A itfOOO RS. O COVADO.
Chegou para o Pavao, um grande e va-
riado sortimento desta nova fazenda de las
e seda propria para vestidos, com os mais
delicados desenhos emais modernas cores,
tendo bastante largura que facilita fazer-ee
nm vestido com poueos covados, pele bara-
tissimo preso de 44000 o eovedo, por j es- "
larem maito proximes da festa.
S o Pavo
\reode-se um grande sortimento das
nais -modernas e elegantes lasiabas para
estidos, com as cores mais novas que tem
indo a este mercado, sendo com listrinhas
miudnhas que parecem de urna s cor e
,om tanto lustro que imitam perfeitamente
is poupelinas de seda, e vendem-se pelo
carato preco do 400 rs.
OssetinsdoPavao
Vende-se os mais bonitos setiae de cores
a mais encorpados proprios para vestidos
tendo de diversas cores.
AOS PAUTOTS DO PAVO A 18 e
20*000.
Vende-se um bonito sortimento de palito-
e fraacezes ando, sobrecasacados e pro-
jriamente sobre-casacos, que se vendem
orrados de alpaca a 18*000 e forrados de
wda a 20|WOO, pechiacha.
FAEKDAS PABA LUTO
N* loja do Pvo.
EncoBtra o respeitavel pobico ueste eaubaiaci-
oeoto un grande sorumento de.(aseadaspretas,
omo sejaiu, eassaa francezas e mjteas, cbitas
tretas de todas,as qualidade*. tazeada de lia de
odas que ten vindo, propriae para lato, como
tejam, fiUdnuas, alpacas lavradas e laaa, cantao,
HMabaoas, merino, etc., quo tud se vende por
freaetaftlo.
Vladapolao francez a 74000 rs:
Vende-se pecas de madapolSo francez
'amq 22 metros pelo baratissimo preco de
W)Q0 a peca, pechincha.
SMTIHOTO PARA t FESTA
Vende-se por menos de 10, 20 e 30 l
SO' NO
ARMAZEM UIHlf ATITI
N. 23Largo do Ter^o.N. 28.
DE
SIMAO DOS SANTOS ir C.
Os proprietarios deste bem sortido armazem de secco e molhados esto re-
solvidos a f'izere urna grande diminuico de precos as suas naercadorias, como se apro-
xima a festa e sempre se fazem avultadas compras para o centro o praca, por
isso previnem ao respeitavel publico em geral, que mande fazer suas despencas e cer-
tas de que verlo a grande differeoca em presos mais do que em outra qualquer parte
e garantindo-so as superiores qualidades.
GAZ AMERICANO 9,5800 a lata, e 410, SEVADINHA E SA6 280 rs. a libra e
rs. a garrafa e 860 rs. o- litro. 620 rs. o kilogrammo.
VINHO VERDADEIRO FIGEIRA 560' FARINHA DE ARARUTA VERDADEIRA
a garrafa, e 4)J5O0 a caada e 800 rs o ti- 640 a libra e i BRACO
tro.
DEM DE LISBOA das melhores marcas,
400, 440 e 500 rs. a garrafa, a 20800 e
3*200 a cacada, 660 e 720 rs. o litro.
DEM BRANCO DE LISBOA a 4000.
a casada e 160 a garrafa, e 840 rs. o litro.
VINAGRE VERDADEIRO DE LISBOA
200, 240 e 320 rs. a garrafa, 1,5400,
1*800 e 2*200 a caada,
AZEITEDOCE DE LISBOA 900 rs. a
garrafa, e a 7* a caada, e 1*340 o litro.
MANTEIGA INGLEZA FLOR 1*400 e
1*280 a libra, 3*060 o 2*780 o kilo-
grammo.
WTA FRANCEZA 960, 900 e 850 rs.
a libra, e 2*106, t*980 e 1*860 o kilo-
grammo
DITA PAAA TEMPERO 560 rs. a li
bra, 1*220 o kilogrammo, era. porco se
far abatiment.
BANDA DE PORGO DE BALTIMOOR
720 rs. a libra, o 1*560 o kilogrammo, em 800 rs. a garrafa.
BOLAXINHA IN6LEZA MITO NOVA a
400 rs. a Hbra e 800 rs. o kilogrsmmo.
VELLAS DE ESPARMACETE TStn. o
masso. em caixa ha abatimento.
PHO^PHOROS DO GJlZ E DE SEG-
RANC.\ 280, 400e560 rs. o masso,
3*200 e 6*500 a groza.
AMEIXAS EM LATAS E CACHINHAS
DE MITOS TAMANHOS 4*280, 2*600
3*500,40500, 5*500 a lata e a retalbo e 1*
a |ibra.
GOMMA DE M1LH0 AMERICANA 400 rs
o masso, e em caixa ba abatimento.
BATATAS NOVAS DE LISBOA 60 rs.
a libra, em cajxa faz-se abatimento.
SERVEJA INGLEZA MARCA W 5*500
a duzia e 500 rs. a garrafa.
DEM BASS, VERDADEIRA IHLpSA
BELL, 800 rs. a garrafa e 9* a duzia.
VINHO DO PORTO ENGARRAFADO DE
DIVERSAS MARCAS 1*500, 1*200, l*e
porco se- far abatimento.
ARROZ DO MARANHAO E DA INDIA a
120e rs. a libra, 260 rs. o kilogrammo o
3*400 a anx>ba.
ALPISTA 200 rs. a libra e 440 rs. o
kilogrammo, e 6*000 a arroba.
CAF EM GRO 6* e 6*500 a arroba,
200.240 260 rs. a libra, 440 e 520 rs. o
kilogrammo em salea se far abatimento.
SABO MASSA 240 200 re. a libra,
520 e 440 rs o kilogrammo,
faz abatimento.
MASSAS PARA SOPA, MACARHO, TA-
LLARN E ALETUIA, 560 re. a lUiraja
1*220 o kiligramrao.
BOLACHINIIAS EM LATAS DE DIVER-
SAS QUALIDADES, be*, ojdo pereia bri-
Ihante, combination, Francy-crecynel, raiied grammo.
GENEBR IJB HOLANDA E HAMBUR-
GUEZA 7* e 6* a frasqeira, o 500 rs. o
Td&CO
dem de laranja doce aromtica,
H* a frasquera e 1* o frasco.
QEHOS DE DIVERSOS VAPORES,
3*000,; 2*800. o 2*4>0 em caixa ha abati-
mento.
TOUCINHO DE LISBOA MITQ AL^O
i 400 rs. a. Sbra. a ^rs. o kilogrammo,
em caixa saLa 41jS500a arroba.
LINGIGAS. FINAS, PROMPTAS EM U-
TAS 1*000^ a. |at.
LOMfiO DE PORS0.ASSADO JA PRflp,
Tp,al*000,rs. a,lata,
CHA FINO, GfiADO E MAJPLNHO
3*200 e 2*800 a fibra, e 6*100o kilo-
EMPRWa PARANEGOCIO 2*QO0.
2*200 e lOOO. ^s.aUbra,
Britauia. Mdium, Fancy-nic-nac, a, b, c, e
seda a 4*600 e 1*400, cada uma lata.
Assim como ha outros muitos gneros, vnbo em, aocoretas, azeitonas,
muito novas, passas e figos novos, charutos.de diversas marcas, marmelada, feita pelos
melbores onserveiros em Lisboa, gela de manaeHo, pcego, ervilba, em latas, pqr-
tuguzas e francezas, vinho verde engarrafado retalbo, peixe em latas, bem como
pescada, tainba, pargo, goraz, lola, corvina, vezego, cavalla, .sarda, e.'sardinhs de Nan-
tes. Oaaeila, cravo, ervsdoce, comjohe, pimenta, grandeJraelhos de sebolla a 1*500.
Finalneate muitos outros: goteros que nfandeabo rasncMeaj-les.
ifwwue Ha lo)* do-laaVijdeeum graode tottimtnr
tedeookihaa.de hnOo sendo braoAadecoMB
dittadeeroehmr camas de noiva, asaim como
%oBitoe damaeco d m para oolcttas.
AUas novidades em sedas
Cbegou un grande sortimento das mais
noderoas poupelinas oo gorgurees de seda
i linbo com os mais elegantes padroes que
em vindo a este meroade 9endo, miudos e
(raudos, tanto em cortes para vestidos como
>ara vender em covado, assim como um
vonito sortimento des, mais bonitas sedas
listradas que se vende todo moho em conta
CERA DE CARNAUBA.
Vende-se urna grande percho de cera de
tarnaaba em saceos por preco mais barato
iotqae em euirt qu*qoer: na toja do
*avao ra da unperatria |n. 50. De Feb
^eeia da Silva.
,do Pavio -3fiMt da Imperatria a. 60.
PARA A FE8TA
3 portas, 1 ja fie fer a?em
53~R.ua Direita--53
Neste grande estabelecimonto, ba para vender
am compleu sortimento de ferragem, e tnindezas
Anas e grwwag, eqrao ejatn bandejas chinetas
qnadndaY *> vaes, /ac e garfoe de i 2 bo-
tfiea, baiaacijateiro e 1/2 baUnfio; panellas, cbfl-
Ihoiras, cafiiirollAs, frigi^iras, assadeiras, tanto
de ferro corno de porcelana, meiuhp para caf de
diversos tamaabo do fabrieante Jpy, petos kHo-
*-**
Vende-se no armaiwn amreo e Vicente Fer-
reirada-CMU&rttho, defronte do arco da Co-
ceicio,emdrn Vende se
fioa da muito acejedi-
fraiiw* tto de lento
para miir faseoda taauute toro
Z^J; tada marcaP & C, em lotes de 10 barris
le farro como de lati, para,cima, mais barato do que em outra
*Uue, oto, Urbana eBWfrVppel marca va- qjialgoflr parte : em casa de Naton Nash A
do,do vetdndero Pioardo, BJacWna* par* deea- r ra* An"Ci,mmrr\ n 40
rocar algodo; alm de outros argoTde tem- L"^'ao**fflrFs?<*- aera, miodAia* colilaria fin**, qae eom a vis- Vende.se par baralo pieon um carrinjio
ta se verifica : na, ra direita n. 53 loja de 3 por- americana de 2 e i asssntos : a tratar na roa da
i tas de Man! Beato de Oreira Braga* G. Florentina, offleina do Bti Gctsjeao.
Ra do Imperador n. 26
Nesto novo estabelecimento encontra-se
diariamente um variado sortimento de bo
linhos para cha, pastis, podin*. bollos in-
glezes, pes de lo, presuntos, ditosm-fiam-
bre, superior cha Hysson, preto, e miudi-
nho. Vinhos finos de todas as qualidades
conage, licores, conservas champagne, cer-
veja ingleza, fructas muito b3s, por-
tuguezas e francezas.
Um completo e variado sortimento de
caixinhas de todas os gustos e precos par-
mimosear senhoras, estas caixinnas recen-
temente chegadas de Paris s5o de prirnora-
do gosto, offeresse-mo-las aos galanteadoi e.1
do bello sexo pois nellas acharo nm digno
o serio presente para as donas dos seus
pensamentos. Tambera os apreciadores d>
boa fumaca encontrarlo charutos dos me-
lhores fabricantes da Bahia e de Havan>
sganos do Ro de Janeiro etc. etc.
Doces d'ovos seceos, christalisados e de
calda, ditos de caj e de outras qualidades
Nesta casa recebem-se enc bailes,pasamentos e baptisados e qualquer
encommendas avulss, como seja pao d- k'
e bollos enfeitados e outros muitas couzas
que enfadonho mencionar.
lumiii
Resta venda um escolhido sortimento de ob
lectos de marcineria, como sejam, mobilias de ja-
iuwi, mogno eamarello, obra nacional e estran
eir, de apurado gosto e por prt;o- razoaveis
oa roa estreita do Rosario n. 32. Nesta mesim
:asa fazem-se com perfeicao todos os trabalbos di
jalliinba, como sejam, empalhamentos de lastro
>ara camas, cadeiras e: sopeas.
cdGfc;
De superior qualidade da mui accrediu
da fabrica de Bsqmit Dubouch d- C, en
cognac uma das que mais agurdente d.
cognac, foraecem para o consummo d*
Reino da Inglaterra.
Vnde-se em casa delVJust. ra d>
;ommercio n. 32.
Vende-se
farinha da trra a 560 rs. meio decalitro, a G' oo
a sacca, fetjan mnlaliotio a 2 a cui- : uo arma-
zem tndependencia. ra do tbngel n. 3.
borracha: na ra da Palma n. 37. a 280 a li-
bra ; de boa qualidade, e ensina-se o processo
de fazer limas.
Escrava
Vende-se uma escrava crmula de bonita figura,
coziuha muito bem, wigomma e faz todo o ervico
(|uem pretender, dirija- se a roa Imperial n. 67.
2* andar.
XAROPEOEFr.D CO 0, DO PINTO
K' de umarnicnciaverdadeiraaienle niara-
vi I hosa como caln.aniedosystema nervsoe
applicado contra a paralisirt, aslhma, tosse
convuku ou coqueluche,tos!e ri-centee oii an-
tigs sujibcnci'-s', catnrrnns bnonchicos, etol e
a final contra lodc* os sbft-imentos das Sriae
respiratorias, e na phtisica pi 11 monar, sua vi r-
tude contrao ttano ou espasmos, e convnlooes
incontestavel e ningem ha qup o nico deposito, ruejarga do Rpssrio.'n. Ib,
junto.ao quflrle^l.fle ppicia. Vecni.mJbuco.
Conllnuadairepte se nos apresntam novos
tesUmunlios q> efOcacia dotcfiego8o Peram-
CPILULAS, VINHO E XAROPK
DE J1 Kl RKB\
PBUi-iDjs piui poufucniTico
JOAQLI.M E ALUEID* PUTO
As pri;pai-u voes.de jurubenafo boje vanta-
joaanaenle conhecidas o preconibadas relos
mais iabqis.medicos, tanto da Europa como
do paiz, pela sua fitflcacTa nos-casos de anemia,
chlorpze, hydropesia, obstrucoaado abderaea,
e tambera iros de mena t ruaoao difkil, cakbarro
oa be*xiga, ele. etc.
Vnndem-Be em porco e a retalho na eidad*
do Recifi' pharmaciadp seuoaajppaiter, ra
larga do Rosario, n. 10, jiuito ao quartel de
polica.
PINTO PHARMACHrUTrCO
XAWJPE DE SAIM W8A I PARA
EPRiXlTOnoSA-NGUE
Usadas as molestias de -Palle, insigeM, doea
riifumaticas-e livraa vwjeiva*.
ttl A LAHA 0O 1US1UI, t. la).
a ioja do toso
Os reqnissimos cortes Jo blonda de seda cora
manta e capella para casamento, si-ndo nc?te ar-
tigo o que s. pode desojar de melh'T e mais mo-
derno, tambem ebegaram os curtid de seda do co-
res novidade, e outras muitas tazmas de go.-t"
que chegaram pelo ultimo vpor francez, : para
a loja do Passo a run do Cre*po n. 7 A.
umvDAH
1^000 o cento.
Ra da Madre Deus n. 7.
Anima es a venda,
x\o cnponho Boa-vista. Irefnea do Cabn. ven-
de se animaes crinlo, altlo ao si-rviro do roda e
por i'oimnodn prec.
Farinh de mandi
Vende-se farinha de mandioca nova e muito su-
perior, rhegada ltimamente de Sania C*lhari:ia.
a bordo do lucre Margaridu, fnndeado dffronte do
trapiche do Exm.
tratar
Joaijuim Jo> Gimcalves Beltro.
Ca vallo para cab ioelT
Vende-se um escolente cavallo para cabrinlet
por preco coininndo na estrada de Joo de Bar-
ros u I ultimo sitio.
Baro do Livrameuto ; e para
ra do Oimmercio n. 17. oscriptorio dt
Attenqo.
Vendem-sc duas cirrocas em bom oslada e jun-
tamente dous bnis para as mestnas : a tratar a&
na Direita n. 101.
VEiNDE SE ou arrenda-se o eugentKi
S. Ga.par, lo.na fregueza de Scrrihooi,
comarca do Rio Formoso, proxiu o do em-
barque, com grandes partidos de pal
tnassapc roda da moenda, mattos manguei
para madeira necssaria, bom pasto, etc.:
a tratar na ra d'Aurora n. 26, ou nado
Imperador n. 20.
MUSAl
CASTORA
Acabara de chegar a GRANDE BAZAR
UNIVERSAL, ra Nova n. 22 cabnkiho
viA.NNA--um completo sonimnito de ma-
ehiDas para costuia, dos autores mais co-
ndecidos, as quaes esto em oxposiejo no
mosmo Bazar, gnrantindo-se a sua boa qua-
idade, e tambem ensina-sc rom Dftffeicao
1 iodos os ccmpndores. Ritas tita binas
sao iguaes no seu trabalhd ao de 'JO corta-
reiras diariamente, e a sua perfeio la:
como da melhor costureita de Taris. Api-
sentam-se trahalhos executados pelas mes-
mas, que muito devera agradar aos pretn-
deme.*.
x
ESCBAVOS FUCICOS.
Aviso s autoridades policie>
e a quorn competir
No dia 29 de maio do corrente anne
fugio o escravo Ezeqniel, crionlo de ^0 3;
anuos de idade, estatura regular, reforcadt
cor bem pela, cabera redonda, trajava es
m a azul e calca de cassemtra cinzenta
durante ti da costuma andar ganliaudo nai
ras, ou em armazens dn assucar ou as t
bernas a conversar e a beber; durante
noite recolhe-se a telheirns abertos, ou pe
netraveis, a casas em cnstroccSo e a utro
quaesquer lugares, onde se possa abrigar
quem o appiehender tenha a bondade de (
onduzia a ra da Aurora n. 26, ou na d*
Imperador n, 2<, onde- ser gratificado.
50^000 de gratifi-
capo
Fugio no dia i do crrante um moleque de ne-
me Sabino, fulo, de l'annos de Idade, Batatar
regular, creio do corpo, e foi comprado no Pirhni,
ermo de Bananeiras, provincia da Parhyba. Ten
abaixo lo olho direito orna cicatriz proveniente de
pin ronco de cavallo, o que fnz com que ande com
a caneca rbida um piuco, para o lado direitc,
levnu camiM t calaiirancas, paletut de1 alpaca
parda e ehipoi mas pardo, intiiula-se forro e
tem andado muito para o sul de-ta pinvincia,
acompanhando aseus aenhores Hermano Blum&
S. em mscateac;o de ioii$ ; quem o Icve casa
iis mesnms a rna da Cruz u
tifie: cao cima.
re 21, ropeber a gra-
Acba-se fra da casa de sua Nbor* es-
cravo Fortunato, com ti aanos de idade, crionlo,
estatura regular, corpo reforcado, rom algooias
marcas de bexigas unt pouco apagadits- no roto,
denles bons, 6tAm grossns e rumbndnts cotn na
ta cousa no fallar, qne bem- se nv pode definir, e
segundo parece com bitas de cabello na eabeca m
sem barba aIguma. Indo com cargas de as-ncr.r
do engenho ConeercSo de Muribeca para o Bferfe,
a part m- ?e do comboy para ir a ca*a de tn seu
iiadri'iho na ru da lmp raltiz n. 47, dcsapiare-
cendo desdo eoio recoimneuda-se a ?ua captu-
boa recompensa a quem a levar
mihrki <)
n rudo
Alecrim. prxiestMdo-se qod ?e proceda;, iurdh-
na|inaic,contra qaenj.qner que o taaba atontado.
L'vUUU uqeuu i^uou t^viutnaw*-. m i
rafc e prmu<^U*-se boa recompensa a que,
ao dito engenho Cdnceit^o. ou dello der
Sr. Manoef filtuterio do Hego Barros, n
Iaade 15 annos.
Fugio do engenho Camnrinzinroi no.dia. 26 do
dczewbrodo tS9, um: njolatta- edr a^a'da mes-
ma c6r os cabellos e-carnpinbados. pes grandes
tem calor de ligado per bixo,'uma twtflt jon'v
do svaco, na ocrsiio de converror fciu-eite!."'.
para a gente, foi vto en) Caruar nos primeim
dias dote inez, >'nBna-se que foss cuiriuzd-i
para o Reeife : pede-se as atoridadea a capiur:;
de dito mulatinho oornesrlo aos eapirlVs de
eampo. Orarinracao de ()b a qnero entregar
n.- ennenh-- f>inirnsibo, nu na Fecir au pT.
Genuino Jos da Rosa na ra da Praia n. 43.
- ui -.i- um to rte jhiuu du ana passad > quo
infrio de casa do abaixo a>signado o preto Foa-
qoim crioulo, de 24 au/jt? de idade, efjo pserav
' t-re-- mi imini.c3o (Jo *c'urV. pro\incia do
Rio-Grande do Norte, no* itio Gafgasta, por Ote-
giiio Aineiico Mana do Araujo, i qual andbl*
rirtii furo, e teido ea.:?ieet dte, ^a*. a. diu
iirovinria o eOeaivamenW-noxe din, e
tornou a fugir da pbrbif ttd
dtengeili
Gra desta provincia freguezia d Luz, foi rtfo-
'- cVfulii lib e chedo corpa, 'canalla
'.|Onmofl.1ptiuaa;barba, elbosgra
mado
as, pV,
m, olhos espantados levou vestido
akrodSozinho.ia a?ado, serolfta cemprMaeme ai
g. dao 1 hender elowr a ililo ODgenlio sera.1/,
cum gneiwidade, ou oa ra da. Cuucl.
1 da Boa-vista.


8
Diario de Pernambuco *- Quarla feira 9 de Feveieiip de 187.
'
__UTmATOA.
O chapeo 4e
Ir Nyaoaa Smor-
01 h
II
{Continua rao)
Sir Nysom Smorflib era hornera de sego ;
porm dessa aegao olma rdlectida, ira c
forte, que pensar; sonda, p-'sa, invena., jun-
io de urna secivi ra do bano encru.\tadd
- de Cubre doura'lo, manda galopar correio&
estradas, eippa dez mil horneas' era
duas lloras e lauca esqaadras atravez%)S
eceanos.
(Juinzo das depois de sua en rda cm
/uncres mandara enfoccar, era urna so ia-
i h3 Me primavera, quarenia e tres tlWgs,
O chibatar urna duzia de zenidars (collecto-
resgeraes) e de patlels (especie de mai're*
de aldea) convictos de cumpliciOade.
Nao tratiu me bor os dacoits : vinte c
dous de entre elles foram doportados, de-
I de serem fustigados como mangas.
Os tres amigos, pbansigar, gbouds o da-
coit, que tinbam assistido entrada tiium-
phal de seu novo oppressor, tinham-.se -oui-
pletamonte engaado sobre seu carcter e
costumes.
O carnciro tinha dente, e garras de loan.
No entanto, como n canbamo e as verdas-
cas tinhara subi de prego na presidencia
te Calcuta, os nossos cuidaram muito seria-
i ule em riscar sir Nysom SmorQib do na-
i ,ro d< s vivos
Pliarim escidheu entre os seus mais ha-
eslranguladores um verdadeiro artista.
Que encarregoa dessa misso de confianza.
O phaasigar disfargado em quitandeirode
v..duras clit-gou urna manhinos jardins do
i .lacio, bora em que sir Nysom dorma
a sob a folhagem
O pseudo lu>riel3o arrastou-se at elle, e
lancoa Ibe o lace a volta do pescoco.
Se Sua Honra nao livesse n duplo acaso
de trater m collariiiho mudo alto, forrado
Je a^o sexta vertebra cervical, e divertir-
se a recortar um palito com um caivete.
!~ast India Company ticaria nos seus gastos
de inslallacao.
Sir Nysom cortou o lago e mandn fuzi-
tar no mesmo instante o seu as>assino.
Um mezdepnis, umagillinhola recheiada
de veneno fui servida por tiovu "creado de
1 ca na mesa do govniador.
Sir Nysom nao senlia apetitte nesse dia.
Trinchou com cuidado os ps e o pescoco
a ave, e den-as a seu king's-dog.
Pobre animal 1 n3o devias mais gair em
Ierras nglezas. Arrebentou pela meia nou-
le, como um sapo enterrado em um frasco
je rap.
Di ididamente sir Nysom linha um ta-
lismn.
unry, que passava por sabio, propliel
jipirado pas revelacoa |,u> dapo8
uc er conferenc ado por muit'. lempo com
c grande idolo, declarou em urna asamblea
+ loma, presidida porPliariu, que elle co-
* !:ecia o talismn do feringb.
O talismn nao era mais do que o famo-
a chapeo branco, de abas largas forradas
de seda verde.
Em lembranca de indio, nunca governa-
"obrira a nuca cora seraelbante.
Sor ingwt v*
cousa. tn
A declarago de amry foi urna revene)
..-ara todos.
O chapeo talismn foi condemoado a una-
nimiiiade, e entregue Mika e e sua qua-
rilba.
Mika que nada fizera a bera da associa-
ro, pareceu satisfeitissimo por essa prova
deconfianca que ia dar-lbe certa importan-
cia no conselho.
A' noute seguinte, o chefe dos dacoits
c-scalou com seu sobrinho, encantador mo-
cinho de deseseis annos, os muros do pa-
i io do governador.
Emquanto esgueiravam-se como duas ser
I-entes, sobre a persiana de urna jauella
berta, urna sentnella postada em um mas
,, bradou formidavel lohoistlierc1! E fez
i.go. ,
O s-ibrnho cabla sobre urna toceira de
i wiras que regou com o seu sanguc.
A bala ngbza erapalara-o lateralmente.
O lio entrou s no aposento.
A sua boa estrella conduzra ao gabinete
vestir! de sir Nysom.
M.ka viu o chapeo talismn pendurado
m um cabide, cima dos calces de ganga.
' Dirima.para elle mo tmida e irresoluta
como se o feltro Iho fosse communicar elc-
trica commogo.
<"k>m grande pasmo seu, ntio sahiu delle
a menor scewlelha.
Se Sua 'Honra que resonara no quarto
visinho se acordas'se, Mika tentara o rou-
bo-boa Hdule! Tinha tal confianca no talis-
mn chapeo. me cobriu-se afl'oulamente
com elle passando diante dos cipayos qoe
goardavam a perta principal.
Peoeawa ter-se tornado invisivel. A sua
impudencia toroava o simplesmente fami-
liar entre os.mais descondados.
O fuliz ladran voliu ao seu arraial a todo
, o gilope do cavallo. sempre coherto com o
[ chaen como D. Quicbote com a celada de
Manbrin.
O censo ho esperava-o com impaciente an-
ciedade.
Quando cada um de seus membros avis-
tou de longe o casquete inglez, Parmi pe-
dio a seus amigos que deliberassem sobre
o destino que teria.
Mika bem vonade tinha degardal-o para
seu uso particular, masa sua rel?i5ooppu-
nha-se por tal forma a essa especularlo, qoe
forca Ihe foi sacrilicar seu interesse pessoal
ao culto de Kati e a associacao.
A maioria foi de opini3oquesecollocasse
o infortunado chapeo soDre urna pyra de pao
sndalo, e que se espalhasse mais cinzas ao
vento.
O mesmo fim que Hercules!
Dous ou tres islamistas mais engenhosos
propozeram encerral-o em um sacco com
nm galo e uina serpete, e lancal-o no Hon-
gly ; exactamenw como urna sultana favorrt
que tivesse as bondades algum joven e
bello jardineiro do Chifre de ouro.
Porm Mika que guardara reservado pen-
sam nto egosta, declarou doutamento qoe
os talismans e outros feilicos, renascendo de
suas cinzas e boiando n>s aguas dos rios e
dos nares, de 'ia-se encerrar em um cofre
Ofspirito queosanimava, e tel-o prisioneiro
por cein annos.
Prevaleceu a ultima opinio : o chapeo de
sir Nysom, lacrado em urna caixinha de pao
ferro, foi atirado em um pooo secco, sobre
cuja boca rolavam, a ferca de bracos, pe-
daco de pedra que bem pesava dez to-
neladas.
Thug. ghondo e lecoit sentiram um alli-
vio, um bem estar interior, urna alegra in-
tima qun se eu*. uaram no dia seguinte por
cinco assassinatos e urna duzia de roubos
mao armada.
Rcnascia a confianca.
III
Tornou-se em breve t3o expansiva a con-
fianca des-es bons indios que revoltaram-se
alguma cousa, em urna sexta-feira, dia de
feira, e degollaran dous kesrnanaagars (I)
dos governado* ui>a duzia de tehaoukidars
(i) que correram a apasiguaro motim.
O tumulto ia j degenerando em alvoroto,
e as bala3 de calibre principiavam a ago-
biar canco de morte, quando sir Nysom
Smorih appareceu na outra extremidade
do mercado, montado em um cavallo alto e|
preto 15o magro e to ossudo como elle.
Milagre. .
Sua Honra tinha na cabeca o ternvel cha-
peo branco de abas largas torradas de verde.
Cem canhoes, vomitan >o ao mesmo lem-
po sua carga do metralha, nao varreriam
melhor os insurgentos do que o tal chapeo
endiabrado.
Foi geral a derrota. Os mais crentes cor-
riam ainda na estrada, a cinco
forie Wdliam.
Abria-w deprsa a boca do poco
fantico dedicou-se. Descerara-o noabysmo
por raeio de urna corda.
Transformra-se o chapeo no cofre de pao
ferro, como o boneco sob a taca do pelo-
tiqueiro.
Ent3o os islamitas, que foram de opin o
de mandal-o navegar em companUia de um
gato e de urna serpete, propuzeram um
meio de destruido mais sorprendedor.
chapeo corlado e picado erapedac.nhos como
espinaf-es, foi misturado a rarao de um
porco immundo que devorou-o sera o menot
escrpulo. ,
Guando o animal 5cou saciado, venle-
ram-o por algumas pecas a um negociante
francez, cao de feringh.
No 3mtanlo, sir Nysom SmorWlt P ^an-
do revista na guarmeo, sob nm oen0 ol
va ainda e sempre a" immensa
Oliva do inglez. -
V.
fronte
milbas do
um
matutino, os descontentos fie^.-am estupe-
factos vista do castor br*(jnc0t que som-
(1) Creados enr ados do servco da
mesa.
(2) Esper e de achinan indgena.
Um dacoit, muito prejudicado pelo pre-
ceder do governador inglez, submetteu ao
conseibo novo piano de batalha.
Tencionava sir Nysom passar dous dias
por semana em urna chcara occulia como
ninho de rouxinol no meio de am oasis de
palmeiras.
Na ausencia de S. Ex., a casa era con-
fiada guarda de um vel.ho criado muito
inclinado agurdente da trra.
O nosso dacoit apresentou-se a elle com
urna garrafa de cognac de marca excellente;
e quando John Bull perded a consclencia
das cores e dos nmeros, um barrilsinho
de plvora pesando 52 libras, ornado de
comprida mecha enxofrada, fui collocado na
adega de refrescar, exactamente cima da
cama de S. Ex.
A mecha enxofrada mergulbava por urna
extremidade no batoque do barril, tendo a
outra livre na boca do respiradooro que se
abra para a borla.
Sir Nysom Smorfith veio nessa noute
sua casa de campo, e deitou-se depois de
ter bebido o grog e lido o limes.
Sir Henri Darnley nio menos conanca
mostrara, quando se dertou sobre o paiol
que, segundo se diz, mantiou preparar Ma-
ra Stuart.
Ao priraeiro toqoe de meia nonte, Sua
Honra ronca va como tubo de orgo.
Ao sexto, S. Ex. estava mudo e immovel.
Ao seikno abriu ell o olho esquerdo.
Ao dcimo, erguia-se lentamente, mec-
nicamente, calcava os chinellos, tomava da
verdasca de ervo de rhinocerontee abra
sem ruido a porta do seu quarto de eami.
Ao duodcimo toque, atravessava o jar-
dim em diagonal, e ia paaseiar magestos-a-
mente as margan floridas de umeorrego,
que ento tinhvi mais jacars do que agua
doce.
Nessa hora suprema, um hornera fogia
por entre a hort, e a mecha'incendiaria cre-
pitava na noute desprendendoazulado pailn.-
Dez minutos depois a trra tremeu: tro-
voada de chammae, furaaca e ruido* abri
a ierra e ergueu-so para o co como uta
bgo de artificio.
Sir. Nysom Smorfith, que- acbav^a ent5o^
a quinheutos metros da miati, sollou o
grito e cabio a sentado em ama poca de
agua.
Toda a tribu dos-jacars, despertada es
sobresalto, fugio espavorida para os juncos^
onde deliberou sobre o incidente.
Pela madrugad o 47. de- granadeiroft
que chegou ao lugar' do sioietro tocando
carga, achou Sr. Njysom Smorfith que pre
curava o seu chapeo no meio- dos destro-
ces fumegantes.
S Exc. estava en (radas de camisa e de
chinellas de raarroqfim verde.
O 17 de graMMeirospriocipioo. por ves-
tir o seu governador, depois do que mettea
mos obra.
Ojardim e o vergel estavam litteral-
raente cobertos de vigas, e pedras ealc'raa-
das, movis e u&ncilios-qpeerados, e mem-
bros partidos.
Toda a criadagem de S. Exc. fra despe-
dazada. N3o se achou oem- o menor frag-
mento do celebre chapeo.
Yes! dieseS. Exc. ao coronelloodt
do 47 de graoadeiros. Fui na verdad
feliz em ser somnmbulo t
O negocio deu todava que pensar a sir
Nysom, porque desde o dia seguinte poz
em campo- os seus. mais finos espides, e as-
sentou-se diante da sua secretaria de ba-
no, para estudar a questao.
Porm S. Exc. a cada passo perda o fio
de Ariadne. A iei de Kali prohiba aos
Thugs matar a sua victima por outra meio
que nao fosse o lago. Quaato aos Ghoods,
0 seu ferro infanticida nao poda ser suspei-
lado. S os Dacoits poderiam o ter sido au-
tores do at'entado. Mas, a fe de juiz, nunca
essa IwiKtisa associa?3a se envolver em se-
melhar,te aventura.
Havia em ludo sao impenetravel rayste-
rio. que quasi arrebentava o machinismo do
1 seu cerebro... e depois, com que fim Ihe
terim roubado o chapeo ? De um .hoque,
pod-ria sabir a lu. Houve esse choque
entre os thugs e os Gh mds, a proposito de
duas creancas que os sacrificadores tinbam
-| roubado aos phnsigars.
Os dacoits, axcellentes pais de familia,
logo tremeram. pela propria prole el
FOLHETIM
MlliiUieiMMy,SIIS
por.,
e B"drthet
III
A lanilla Roblo.
(Continuac3o don. 30.)
houve um momento de silencio.
A claridade crepuscular ia 13o adiantada,
nue as pessoas d'esta scena mal se viam.
Amelia poz a mantilha e ergum-so.
__Heu pai espera-me disse ella e
d certo est impaciente por saber como
os operarios receheram a sua recusa. Pois
itera. Antonio, n3o esqoeca as minhas re-
commendacoes, e aprovete com zelo e per-
severaoca a carta dilac5o que nos conce-
den!... Virei aqu todas as tardes infor-
nar-me do occorrido. Se n3oobtiver nada,
cont por mim mesma tentar urna expe-
i-encia qoe taivez produza bora effeito.
Ora essa Iexclamou Antonio espan-
tado. Qual o sea projecto ?
Sabe-lo-ha opportooamente, pois ca-
rece do sea auxilio para o por em pratica
E, sem mais explicacoes.^despedo-se da
enferma e de Gertrudes, e, dirigindo um
^tgnai affectuoso aos dous operarios, sabio.
Depois d'isso Leonardo poaco sedemo-
ram o partido de seus amigos phansigars:
d'afa, fdplora e estrangulares na estrada
real.
Sir Nysom Smorfith era pai de quatro
altas miss, do nomes Harcielt, Linda, Beizy
e Vitoria, que tinham ficado em um boar-
ding-shceol do continente.
Suas entranhas de pai e seu coraco de
governador revoltar?m-se, e deu immeda-
tamente aos Ghonds lugar de honra em urna
lista de proscripto e forca.
Em urna manha era que elle depois do
almoco jogava urna partida dexadrez com o
seu secretario particular, receben a visita
de um velho fakir a qoem a East India
Company votar cinc lenta garrafas de rhum
animalmente para malsinxr seus irm3os.
Era dia- de relatorio.
Sir Sysom que conbecia de ha muito a
nullidade desse agente, cojo espirito na-
dava sempre em alcoolico banho, contiauou
a sua partida.
Apoiado em orna bengala de oalmera, o
fakir ficou immovel e raudo a quatro passos
do xadrez, acompanhando'o movimento dis
pecas com singular interesse.
Sir Nysom era da primeira forca no xa-
drez ; mas, para nao desanimar completa-
mente o seu adversario qu todas as ma-
nbas venca, commetteu nesse dia dous ou
tres erros e perdeu voluntariamnie a par-
tida. Essa derrota parecen satisfazer o fa-
kir cojo olhar brilbou cora reflexo met-
lico.
Pharim mais forte do qne o .frer-
nigu nrarmarou ellev muito mais forte t
O governador aesentou-se erafi junto de
sua secretaria, abri- un mago de paptis e
molhou a penna ns tio'.a para tomar no-
tas.
V. Exc. possue todos os segredos da
scieoaia doaadrez, disse olakir com respei
tosa convieco.
Sir Nyso, que sabia que entre oy ho-
mens dessa casta haviajogidures de primei-
ra ordem, aceitou o curaprintento.
Ab! disee elle com un> sorriso que se
gelou nos ngulos da boca, queris pr >por-
me urna partida.
m de proposito para seo.
9. Etc. encostou a nwndibuia- na m3> es-
querda, e pergootou sua dtgnidade de
governador se pennittiria ella aeertar seme-
ihante proposita. O fa&ir adevihhou-lhe-o
pensamento.
N3o centra mim qae V. Exc. jogar*
se aceitar o dfcsaoo que rae enarregarafl
de propor-lhe..
Mm desafio! disse sir Nysem. cuj-{
fronte calva tingio-se de cor de rosa.
lm desafie- poltico,, replicoo o fakir
em voz-mais balsa : a pasada de vosso adt-
versar ser o maior chefe dos- Ghonds>
Arary, e seus priocipaes agentes que vos-
sero eotregues se ganhardes.
-Is perer?" disse-sir Nyson coK
calma..
de V. Ex, perder^ contnuou o fa-
kir co certa hesitaco, dever azer una;
sacrificio, um grande sacrificio.
Ab!-
- O deseuch apeo qiu entregar pessoal
mente ao mea adversar;.
Sir Syeom dw um puto na pottrona, e
dardejou- suas^fulvas pupilas no- rosto de-
brooze dohindon.
Elle estava serio come um idoto, e ne-
nhuma nuvea alcoolica. embaciava as face-
tas, te sea imellecto.
E o Ul jogadort perguntoa o gover-
nador.
Chama-se Pharim.
O chafe dos estranguladores do Boa-
elkund!
Sira..
Conbeceis a&outras coadicoes de par-
tida?
Set jogada entre V. Exc. e elle, no
prado de Barrakpeor. Grandes tapetes
quadrados de cachemira branca e verme-
lha formavam as.casa< de xadrez. As pe-
gas do logo, Rainha, M, Loucoz, Gaval-
leiros. Torres e Pedes, sero seres vivos.
Toda a pega tomada ser mora, no mesm
instante.
Devil! disse sir Nysom que se encar-
regara de fomneer o Jogo.
Pharim jogar com os phansigars.
Porm eu ?
Os ghonds com prazer vos vendero
as pegas de vosso jogo.
Compro-as tmmediatamento, exclameu
sir Nysom, e Ibes pagar.. vinte e cinco
libras.
Er. justamente o dohro da quantia que o
fakir tencionava pedir-lbc.
u. Pareca muito preoecupado ; com
tudo pedio agenciosamente ta Robn per-
miti de voKar a ve-la e disse algumas
palavras graciosas a Gertroies, deixando
ambas encantadas com o novo amigo da fa-
Autotuo quiz acompanhar Leonardo sua
ctfftJtfetada na outra extremidade da al-
ti ,** hem de anute, e viam-se brilhar
as Has chamies do fornos do coke e das
machinas de vapor, como pbares espa-
Ihado pelo campo. .
Ao passarem prximo do beqom da
ta Bichette, os doos mineiros oaviram
grande oomero de pessoas qae diBpat|vam
nibaitasmadas.
L esto os bulhentos e borrachees
fazendo ainda a sua segunda-feira tdisse
Antonio amarguradamente. Com apara
isto ? Muito mal, receio eu I.. Ah! Leo-
nardo, escolheste bem ra occasiao para vir
trabalhar as minas de Pohgnies !
Leonardo, sem responder proseguio seu
caminho, e. como se nada tivesse ouvido,-
disse afinal:
Pois nao verda.de que a menina
Van-Best a mais formosa, intelligente e
corajosa rapariga que pode haver ?
Antonio ficou-se a oibar para elle admi-
rado, m ta, apertou-lhe a mo e disse precipitada-
mente : *
At amanhSa, Antonio. Encontrar-
nos-hemos l em baixo na mina.
Em seguida recoiheu-se a casa.
Tambem os dous mineiros n5o tardaram
em despedir-se de Gertrudes e da ta Ro-
bn.
Leonardo, acompanhando Antonio ao seu
quarto, dizia-lhe : .
Deitadas bem as contas, a visita da
menina Van-Best mina n3o me agrada
muito. Ao primeiro intuito a resolug3o
cavalheiresca d'esU nobre joven fascinou
me, porm agora oSo posso abster-me de
algumas apprehensoes. _
Qoaes sao ellas, Leonardo ?
En sei ? Podem succeder tantas
contingencias no interior de urna mina I..
Ests iouco I Ha mais de seis me-
zes qoe ha nossa mina nao ha am desmo-
ronamento, urna erupg3o de aguas ou in-
flammagao de gaz.' Seria singular que es-
tivesse reservado am incidente qualquer
para o momento exactamente em'que aquel-
las duas pobres creaturas estivessefn na
mina !
Tens razio, dez vezes razio, Antonio,
mas eu nio posso desterrar de mim certos
receios... Esls disposto a tudo, mesmo
a sacrificar a vida, no caso de urgencia,
Van-Best, ama vez
' Aceitou lio presuroso que S. Exc. des.*
confina lelle.
Ser lado ? flisse elle com calma".
N3o deveis entregar em refens dous
de vossos secretarios, e o3o dirigir-vos ao
jogo com urna escolta de nais de dez ca-
valleiros.
Yes, disse sir Nysom depois de um
momento de reflexa'o. Von re ligir desde
j o regularaento e as convences da cau-
sa, que levareis era duplcala ajpasierPln-
rim.
-* Que dia escolhe V. Exc ?
Sexta feira, 13 de junbo, ao nascer
do sol,
S3o quatro das para a acquisigo de mi-
nhas pegas. Oh I 6 na verdade prodigio-
so : conlinooa sir Nysom principiando a lan
gar em bella Mira estas palavras no alto
de urna folha em branco: Entre mim, srr
Nysom Smorftb, governador da preside acia
de Calcuta, contratado pela companliia das
Indias, etc., ele.
VH
Na sexta-feira 13 de junbo, ao nascer
do sol, as brilhantos pecas de um gigantes-
co xadrez de cera passos quidrados, so-
bresahia no tapete verde do prado de Bar
rakpoor.
Doas tendas erabandeiradas estavam col-
loca las n'S- flancos do xadrez.
Todas as pegas estavam as respectivas
casas.
Sir Nysom, .do grande uniforme, o cha-
peo branco na eabega, montando em um
cavalfo de bataW, achava-se immovel atraz
dos brancas qfle commandava; Pbarim.
envolvklo em urna comprida cachemira,
trepado* entre as corcundis de um camel-
lo, conver.-ava en voz baixa com a sna
'Rainha eermelha. Os doo* jugadores-1-
nnam na* m3o compridas varas de juaco,
por meio das quaes devia mover as saas
pegas.
\s pegaste sir Nys
deirola oranca, as de Pharim urna bandea
rola vermelR
A descripcaV das pegas qoe apenas-
liftoriam as- cores e armamento, a se
guite :
A Rainha branca era-orna moca ndiar
assentada em am soberbo howdbh, col-
Inead do dorso de ara etephant branco.
Um jaguar de caea dorraiw deitadoeo fun-
do ib hnwdalV Um maholte a caval-
lo no pescogo- le eiephanie, dvia gover-
na-lo;
A ratona do campo phamigar.. paluda
como o- lar, cw grandes olnos negros
vellado por compridas pestaas, era 'le-
sas bellezas de fett dos Gomias d mH i
una noHtet.
Trazw, como as dangarinas da India, pe-
queo cotpraho de tecido de ouro, que dei-
xava-lne va* os bracos, pa*oc> e flttncos.
t',algas e comprida saia demussetiea bor-
dada de ouro completavain o seu vestuario. I
Aunis de-diainaiite e rubios scintitlantes'
em suas- orelhas, no nariz, aos punbos, nos
tornozeftos.
Essa maravilhos* ereatupaera acamante
de Pharim. Qaiaen, expondo-se a ter-
livel mrte, dar a seu- amante ama
prova nae equivoca de fanatismo e de
amor.
O Rti.montad*.era um cavallo nagnifi-
camenia ajaezado.traaia um largo kandjar,
atravessado no cinto
0$ Rugues, escfdbtd-S entre os-saUimban-
cos, eogolidores- e sabres e domado-
res da najas ttnham um chicote na
mo.
Os oavaMrw, montados-era pequiras do
NepaaL estavam armados da langa hindou*
de baste de caana e ferro embeoido do ve-
neno de serpente. .
Grandes depilantes carregav** as torres.
Oe pedes combatiam com espadas javaoe-
zas de laminas largas e eurvas, cajo ago
corta o ferro t3o fcilmente como o ferro
corta o pinho.
A excepgo da Riinha e dos buffes, to-
dos os horneas do jogo dos Thugs estavam
armados com o lago de couro de boi com
bolas de chumbo.
As dez testemunhas dos dous adversarios
sahiram emfimda tenda ingleza, ondf se
tinbam reunido para tirar a sorte quem
principiara a partida. O norae de Pharim
foi o primeiro que sahio da urna. Ouvio-
se entaoumadenotacSo, e nuveas do fuma-
ga passaram por cima do xadrez. Esse ti-
ro de pega annunejava a Cal.ut que a
partida bia principiar,
Depois de peosax por algons instantes,
Pbarim sollou um grito acre e profundo
como o rugido da parAera; e foi tocar com
a varinha pedo dese Rei, qae avancoa
duas casas. 9lr Nysom metteu o cavahoa
passo, entrou por sea turno no xa#ez,je
mandou executar a mesma manobra por
seu peo do Rei. Pharim sustentou en-
to o seu peao com o da rainha. Sir Ny-
som fez um signal a sjea cavalleiro da es-
querda, que incitando o cavallo, fe-to pu-
tar por cima do peiio que se acbava na sua
frente, .e foi collocar-se na_ casa vermelha
para defender o peo do seu Rei.
Pliar m mandou logo avangar duas casas
ao seu buffo vcrmelho. -
Echec ao fei! exclamou o buffo
branco de sir Nysom ao rei vermelho inimi-
go, e voltando-so para sobre si mesmo,
caho como um clown na quarla casa em
frente do monarcha.
Risosinho disfargado passou pelo lhar
velado de Pharim que fez avangar mais urna
casa ao peo de seu bu/fio vermelho, qae
fez vibrar seu lago cima da eabega do buf-
fo branco iaglnz. O infeliz lancou para
sir Nysom to lamentoso olhar, qae elle
permiito-lhe recuar om passo sua di-
reita.
Desse vez o servco do chefe de Lhansr-
gars desenhou-se em riso que tornon sa-
liente a sua deniega branca entre seus la-
bios semi-fechados; chamon o peo da
Rainha, qoe deu outro passo a frente e
achou-se cara a cara com o buffo inglez
que indreitava a ponta do chicote.
Sir Nysom morde*' os beigos e reflectio
durante dea minutos antes de tomar enr-
gica medida; decidio-se emm a atirar o
seu peo do Rei sobre- o peo da Rainha-
bindeoe..
O peo levantou o braco ; relmpago azu-
lado airavessou sibilante no ar, e ama ea-
bega rolou no taboleiro. O veucedor re-
pellio com o p o cadver do pbassigar e
tomn- o seu 1gar. cavaftroda esquer-
da de Pharim mettea ento o seu cavallo
a passo e veio coHocar-se na casa vermelha
da tere-a lite, de onde lancoo urna
ameaga ao assassmo.
A-variaba deair Nysom esiendeu- se de
novo sobre o peSe-aangainario, que ergaeu
pela segunda vez o alfange e mattou o peao
Jo buTo cujo lugar occopou.
Mas apenas pozara o p sobre a casa,
quando o cavalleiro da direita do campo
hansigar langou-lheo lago em volta do pes-
coco estrangulando*o ao primeiro bote.
Sir NvSitm atravessouo tBboleiro a trote
er langou ajgamas palsvras de passagem ao
cavalleiro da sua Rainha, que veio collo-
car-se na casa onde anda jaxia o cadver
do primen* pe3o indio.
{Continaat^e-ha)
MTW..
Respirar earinboso da brza-
os meus cantos de amor, escame,
E a vizo de mmh'alma enu segrsdq
Suas notas sentidas, dictae.
S3o harpejos das cordas-da ryra
Que o amor easinou-rae vibrar
Quando a trra fugimte das trvas
V a luz n'crente brilhar.
Quando aurora da co se debroga
Sobre o ito azulado do mar :
Quando briBcam as vagas na praa,
E as auras sussurram no- ar.
Obedego a ama Iei do infinito
No regace da trra cabida,
Essa Iei, eto santo que prende
A immensa cadeia da vida.
Ergo um templo ao amor, a innocoacia-
De tn'atma, ornamento divino,
Do cortejo dos anjos tim culto,
E des harpas Eolias um hymntf.
Porque, tu, Pasilbea na graca.
E Hebe no encanto tambem,
__ Nao te abates vendendo tu'alma
Pelo brilho, que o ouro contem.
E nao ouves, oh Venus miraoza.
Dos Trites o sen canto de horror
F'ois s segnes a luz da esparanga,
E s vives dos sonhos de amor.
Janeiro1870.
A. V.
verdade, e tu amas Gertrudes co-
mo. Pis bem," Autonio, seremos bas-
tante fortes para as protegerraos contra
todas as fatafidades Qeixemos caminhar
as cousas e couuvmos .em Deu* !
Fallando assim, Leonardo estacionara
.liante da pa Ha da mina dependurada na
parede do quurto.
Esta planta est exacta ? porguntou
elle.
M dto exacta, ainda que um pouco
antiga. Algumas galeras recentem nte aber-
tas nao eslo abi descripias, porm as an-
tigs, actualmente abandonadas, acham-se
designadas cora perfec3o.
N'esse caso, se nao te oppoes, levo
esla planta para a estudar e restituir t a-
hei cora as novas galeras todas tragadas.
Pois que 1 Tambem sabes levantar
urna planta ?exclamou AntoBio admirado.
Leonardo sorrio-se, e, enrolando o map-
pa as varas que o suspend am, levou-o
comsigo. .
Durante a noute que se seguio n3o se
apafou a luz no quarto do mancebo, e por
essa occasi3o dizia a patroa d'elle qae nao
havia n aldeia de P ligoies quem gasUsse
mais azeite o velas do que o sea hospede.
A machia do da seguinte decorreu tran-
quillaraente, e chegou a bora em que os
operarios d?s galeras subterrneas, como
os que trabalhavam superficie do slo,
costumavam repousar. Era tambem a hora
designada pela Jien Van-Best para a exe-
jugo do sen projecto.
Quando a aineta da mina deu.signal de
descanso, Leonardo e Antonio" dlrigiram-se
para o ponto do pogo grande, onde deviam
reunir-se-lhes Amelia e a saa companheira.
Este edificio, bastante alto, cMtruido
de litlos, linha janellas abobadadas como
as de urna igreja. Alera do poco, havia
ali machina* de exlracc3o e d esgoto L
dentro tudo era negro e ttrico :, ouvia-se
semeessar o ruido das rodas, o sussurro
do vapor e o billar das bombas capaz de
causar ver'igens a nm novato, mas o qae
yttt
^Tda^Sam^tanto nu
Q^SSS^SSkm de r'ma qu"e ainsa garganta aborta, do tundo da qual
riS^^a-!S .. lidiar affectar Shrciammirsussarros mab estranhos am-
o perigo a qoe ama
igualmente a outra.
se sugeitar afTectar SBrgiam
da, e aoncU se engolphavaln com o estre-
pito das correntes enfiadas de wagonetes
sobrepostos, destinados a conterem o car-
vio de pedra, e alguoscheios de mineiros.
Este espectculo, por^m, era rani fami-
liar para LHonardo e Antonio para que elles
Ihe dssem attengio; alm de que, n'a-
quelle mora nto poucas machinas funce o-
navam, reinando um socego relativo do ves-
tbulo (lamina.
Os dous mancebos approximaran?-se de
um macbmista que, assentado sobre urnas
taboas, proceda sua modesta collago e
mterrogaram-no em voz baixa.
De certo ficaram satisfeitos com a res-
posta, porque logo se aastaram para o
lado, afim de evitarem s vistas dos ope-
rarios em descanso, que formavam grupos
nm roda do pogo.
Antonio tinba as suas roupas de trabalho
negras do carvio, como de ordinario. Leo
nardo vesta tambem o falo habitual dos
mineiros, de panno gro o ciato de couro, mas esie vestuario era
de um aceiotal, que pareca inteiramente
novo.
Este escrupuloso aceio causaya espanto
e impaciencia a Antonio, que ditia com-
sigo :
Como far elle sto ?.. Ah I se eu
me podesse apresentar assim diante de
Gertrudes, como ella me amaria !.. A f
de quem ou, affirmaria que elle muda de
fato todos oa das I... Aqu est a expli-
cago d'aquella grande mala t3o cuidadosa-
mente fechada!.. Os danos me levem
se eu posso com prebende r o mysterio que
envolve este rapaz!
As duas jovens n3o tardaram a appare-
cer.
Amelia reunir ao seu lato habitual um
pequeo chapeo de palba preta, semelhan-
te na forma ao barrete dos mineiros, e am
cabegio de seda para a resguardar dos
pingos de agua qae gotejam frequentemente
as galeras das minas.
Genrades emmoldu ara o travesso rosto
n'uma especie de mantilha hespanhola de
tecido delia, ao aso das aldeas da Flan-
dres.
Ambas n'aqaelte momento pareciam so.-
bresaltadas, otas em quanto a commoco
de Amelia sedenunciava por urna esfoi cada
reserva egravidade, a de Gt-rlredes maui-
festava-se por um sonr nervoso e exqui-
sito.
Leonardo e Antonio, apresentando-se a
Amelia, perguntaram-lhe :
Ento sempre se acba disposta ?
E porque nao ? NSo me este pro-
cedmento imposto por urna imperiosa ne
cessidade ?
Esl decidido!
E Leonardo oceupou-se dos ltimos pre-
parativos.
N5o sabe, menina, disse rertrudes
que,' chegando ao fundo da mina, deve
mos ir visitar urna figura de carvao, a que
os mineiros chamam A Virgem Negra ?...
Quem ali vai n3o deixa de resar um Padn-
Nosso e orna Ave-Maria diante da Virgem
Negra, e os mineiros censurar nos-hiam.
se o nao fizessemos igualmente.
verdadeaccrescentou Antonio com
toda a sua singeleza aldea. Seria dispr
mal os camaradas, se nos n3o mostrassemos
devotos para com a Virgem Negra, que,
segundo contam, tem feito milagres.
Sem duvida iremos orar padroeira
da minadisse Amelia, suspirando.Oxa-
l ouca ella os votos fervorosos que eu con-
t dirigir Iht!
Durante este dialogo, Leonardo impellira
sobre os carris, oe em todos os sentidos
crosavam o slo, um dVsses wogonetes de
que j fallamos, e que servem ao mesmo
t'empo para transportar gente ao fundo da
mina a extrabir o mineral. Approximouo.
pois, da bocea do poco e a um signal dado
os enganchadores suspendern) no as ca-
deias da machina de extracciQ. Este
wagonete pareca ter sido cuidadosamente
limpo para o effeito e tinham-se-lhe addi-
cionado duas taboas para servirem de as-
sentos s duas senhoras.
Obrigada, Antoniodisse Gertrudes.
D'esta vez fosle cuidadoso... N3o
Xo da outra vez em que eu desci mina
a carro Uto cheio de p de carvao, que
fiquei com tosse para oito dias !
Confesso-te que nlo foi minha a idea,
mas sim de Leonardo, qae passou ama
parte d?. mantisa a preparar asan o carro.
Agradeco-lhe muito, Leonardobal-
buciou a menina Van-Best.
Ento os dous rotieiros dirigiram-separa
um ngulo da casa, onde estavam as lam-
padas. Ali, em um nicho empoeirado,
via-se urna figura de nwdeira. cuja cor pri-
mitiva desapparecera pelas carnadas de fa-
mo e p Essa imagem era de Suta Bar-
bara, que inspira va aos mineiros pai titular
veneragu.Antfi ella arda noute e da urna
lampada, Da qual se acendiam as dos mi-
neiros, juando desciaui ao poco.
Foi, pois, a esta luz consagrada que em '
homem especialmente encariegado de se-
melhanie tarefa acendeu quatro laniernas
avy, cuj" involucro metallico fechou cui-
dadosamente, afim de prevenir urna d'essas
explosoes muito frequentes oas minas de
carvao de pedra. Antonio e Leonardo
collocarara as suas nos estojos de couro
sobrepostos aos chapeos, e as duas outras
forara entregues a Amelia e Gerlrudes,
que as deveriam conservar na mo durante
a sua excurs3o subterrnea.
Acabados estes preparativos, Leonardo "e
Vntonio puebaram para si o car o, suspenso
sobre o poco, e ajudaram as duas jovens
a assentarem-se n'elle. Ambas tremiam,
posto que se nio atrevessem a manifestar
o susto. Dirigiram machinalmente os olhos
para a luz do dia, que iam dexar, e a qual
penetrava pelas largas janellas do edniuto.
e em seguida fizeram o signal da cruz.
Leonardo pareca dirigir em voz baixa
ao macbinista algumas recommendacoes.ins-
tantes, quando a um signal dado se oavio
um agudo silvo e o carro se poz em oscil-
lagio. As duas jovens, aterradas por
noverem junto de s os seus dous pro-
tectores, soltaram um grito, mas de re-
pente Lftonardo e Antonio, que se tinbam
agarrado s correntes, se acnaram de p
sobre a borda do wagonete, promptos a
effectuarem a descida n-aquelli pengosa
nosicao. Amelia e Gertrudes qoiaeram aop-
blicar-lhes qae se assentassem ^onto d'elias,
porm faltoo-lbes a voz asotram-se rpi-
damente internadas pela mina abaixo.
{Continmr~se-ka.).

i
.
i


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EJ9EW11C5_NL3G5M INGEST_TIME 2013-09-14T02:18:59Z PACKAGE AA00011611_12037
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES