Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:12030


This item is only available as the following downloads:


Full Text
'33^
nln im-tiltrr iTl
-i-1.
.tato.,
ll lUllf I ll
t
r
MNO XLV. NUMERO 298.
PABA A CAHTA1 E ITCAKS QflDS IA0 SE PAGA POT1X.
or tas aes aflamados........... ..-a-
Por seis ditos dem...... ......... .S000
Por ron mnn i ............... 20OO
tfOOO
1310
Por um anuo idem. .
Cada numero valso........ f.\

...
SEXTA FEIRA 31 D DEZEMBRO DE IS69.
f
PABA DOTTHO E TORA DA PBOVIICIA.
Por tres mezes atirantados.....
orsci ditos idem...........'.'.'.'.'..'.' !
Por op ditos dem...............
forrAiiao.........
DIARIO DE P
e#7
13J50Q
20#2W
Propriedede de, loasoel Fgneira de Faria & Filhos.
~^
K' I
SAO AGESTE*:
OaSrs. Gerardo Antonio Abres* Filhos, noParajGoofabes* Pinto M Maranblo; Joaqoim los de Oveira, no Ceari; Antonio de temos Brajja, no Aracaty; Jle Mara Jnlio Chaves, no Assn Antonio m^om rfa *iv nA
Perora d Almeja, em Maman^ape; Antonio Alettndrino de Luna, na Parahyba; Antonio ios* Gonies, na Villa da Penba; Wmino 72SZJSS& emiZZm^J^LttL
_____________-__________________________** Nareth; Pranciao Tavares da Costo, em Alagas; Dr. Jos Martins Alves, na Bahis, e Jos Ribe.ro Gasparnlio, no Rio de Janeiro. KOS MS* m %AMX waga'
Natal; Jos Justino
PARTE oitcial.
averno da provincia.
DESPACIOS UA PRK3IMINCIA DA PnOVWCIA DO DA
2R DR DKZEMBRO.
Domingo? Affunso Ferreira.Concdase a li-
cenea requerida com ordenado, na forma da lei.
Elias Francisco Mindello.Conceda-se com ven-
intentos na forma da lei.
Kiigenhciro William I. Lindsey.Aguarde a dc-
ci*ao d > gt vernu imparta!.
IJaclinrel lleraclio Vespasiano Fiock Romano.
-informe Sr. Dr. director geral da instruecao pu-
blica.
Capitio Joaqttai Jos Gomm de Ohveira.Ao
.->r. inspector da thesouraria provincial com a
portara d'esta dula.
*% Mara Gesar do Amaral Jnior.Em vista j ""f? ^? *.f debido como aprimeira
las itifonuagocs.nao lem lugar o que requer.
Joio Francisco Lopes Loureiro.Expega-se or-
len) para ser entregue ao supasicante o Hitto que
reclama.
Lui Francisco Brrelo de Almeida.Informe o
Sr. inspector da thesotiraria de fazenda.
Mara Jocpha.Informe o Sr. Dr. chafe da po-
lica.
- Alvaro l'clnVt Cavaleanti.Informe o Sr. ins-
-torda thesouraria' provincial
llamncza de Vera CruzDeetare a quem pre-
tendo transferir o dominio fetil de parte do torre-
uo d* mantilla n. 87 lt.
J oaquim los de Sant'Anna.Concedo.
Lu/. Francisco Uarreto de Al.-neiJa.Dirija-se
m Sr. ins|iert..r da thesouraria de fazenda.
Mara Ra do Reg. Nao tem lugar o que re-
jucr, am vista das informaces.
l'aii'ini Antonio Ramos.Declare o prego por
;ue pretende effecluar a transferencia.
Viseoadc de Loores.Nao tem lugar o que re-
per, a vista das hafnrmaedes.
Commaudo das armas.
>ruU'KI.-<;i:\EltV.n0C0MM.\Nl)0DA.S ARMAS NA
riiOVINTi \ K PKBNAMBl CO, 29BE DEZEMBRO
m mo.
Oriicm rio din n. 486.
O brgadeiro rommandante das armas faz publi-
co p;ira eoulu-cimento da guarnigoe dovdos llns,
que o sr. alteres do 1 regiment de cavallaria
ligeira Amaro Francisco deMmra resignou o resto
la licenea eonl que so achava nesta provincia
para tratar d soa >ade, a 3. t seguio para a
'll.' no wpor Tocanttns a 11, ludo do corrente,
iiim ile reunir-se o seu regiment.
Outro siin, determina, que na manla do dia :>
le Janeiro rindooro se passe revista de mostra,
'ni seos respetivos quarteis, a couipanliia de
i| nrafka militares do arsenal de guerra e depo
-iins existentes nesta provincia, pela seguinte
"dem :
As (i horas a companhia de operarios, as 6 1/2
ao dipj.itu especial do instruecao, as 7 ao dos
H'crutas e as 7 1,2 ao dos prisioneiros de guerra
paraguay*
Asignado Jom/nim lote QoHfQlvet Fontes.
Confomi' Emiliana BriUtte de Mrllo Tambn-
"ii. lente ajndante de ordena encarregado do
leUlhc.
EXTERIOR.
t'orre.s|ioiidencla do Diario de
aV'riiambiie .
LBBOA, 8 DK MIWB
H i -rise ministerial.. Fallava-se hontcm noi-
' i que o gabinete seria modilicado saindo os
'I hl mado dniiistro da guerra), Braancamp
itistro da Calenda), e talvez Mendos Leal (mu
msiro dos negocios estrangeiros) e correu a se-
le listaqae ara dos jornaes hoje publicou :
Duque de Loul presidente do conselho, som
i isla ( o actoal presidente do conselho e minis-
tro lo reln i), mas largaril a pasta do reino ao Sr.:
Antonio Rodrigues Stuipaio (antigo redactor
da HervIitrAo di" Setmbro.)
Loo d'Arila fazenda ( o actual ministro das
obras publicas.)
Jou de Andrde Corvo ohras publicas ( o em-
kdor 'in Madrid, o qual depois de resolvidas
s iiilli''M'laili's etiqueta diplomtica, foi rece-
.-' em audiencia solame, em fina do mea pas-
sad i. pela regente deHospanlia, BOOo nanunha ul-
Ibes di-c Acha-se ha di.is em Lisboa, e
liz-se que portador de umi mensagem poltica de
11 a importancia do regente para o governo
portugoae.)
Kontes Pereira de Mello, guerra (resiabeleeido
inca is de ama grave enfermidade, indigita-se o
nome deste estadista como elemento podoroso da
mp icio. o caso do Sr. Fontes nio aceitar
i pasta da guerra, noria interinamente della en-
i 'reg ido o Sr. Loso d'Avila. E" o que se diz.
')- -s. liubeiloda Silva (inannha) e Jos Lucia-
Castro (usiicas) licariain com as pastas.
I' le ser que a hora que llies eslou escrevendo
: n lite estoja sorveno alguma outra versao
"i Misada, entretanto, se ao fechar da ma-
tivif ros>lvidj a crise, nao deixarei de apon-
Mi oqueuouver para que os nossos leitores le-
i as ultimas noticias.
Antes de uutar-lhes alguns commentarios sobro
roas apparentos ou latentes da crise, crise
que t:n seu tanto ou quanto do inesperada as
tras de abrir o parlamento, permiltain-me que
II i transcreva do iivto Popular de hontem (6)
nica (ulna das segunlas-feiras, a narrativa dos
te ilecimentos de domingo. Sigo nisto o exem-
le tod i- a- lillias de Lisboa, que hoje repro-
izi im aq telie artigo.
E-lo :
- ib -'t que sabbido a noite se reuniram al-
- superiores do exercito e offlciaes ge-
- a eoneordaraa em ir hontem cumprimen-
tar o Sr. duque do Saldanha e testemunhar-lhe o
i deagotto pela desconsideraeao que alguns es-
pectdores tinliam feito ao nome do duque por
.-a-iao de tr sido acclamado no thoatro de D.
"1 ria ra noute do l" de dezembro.
O governo reunido em conelho ne=sa mesma
noute resoWeu mandar para Valenca, o8r. general
bario do Rio Zezcre, para Leiria o Sr. tonente-co-
rouel commandantc de cacadores 5 Affonso de
Campos, e para Bcja o Sr. commandantede infama-
ra 10 Dmaso Gorjao.
. Hontem de manha ohegara Lisboa o mare-
chai viudo de Cintra. Depois da missa ajgans
nimandantes de corpos dirigirn)-se aos seus of-
il'-iacs, cmimumcando-mes a resolncao em que
stavam e mostrando desajos de que os aeompa
nliassem ; poncoa annuram.
Pela 1 hora oa tarde reuuirani-se em casa do
sr. iluqii" do Saldanha, os commanlantes dos cor-
pos com exce.pi;3j Jos de infamara S, 7, 16, guar-
da municipal, o artilharia ; ottetaes do esiado-
maior a artlheria, tendo soa frente o general
.rao de tasare que leu a seguate mamfesta-
c-io :
c Mare.*,hal : os commandanti's das brigadas,
os commantlantes dos coraos, c offlciaos da guar
nielo de Lis*ni, profundamente indignados pelas
rnifestao-s le desconndatacio, e ralta de res-
|Vito pelo illusti noon-d ?. Etc., praticados no
Uieatro de D. dara H em a noute do 1* do corrente
mez, por agentes mal intencionados, vem perante o
seu mais venerando general protestar solemne-
mente contra aquelle acto, considerando-o como fei-
to a ellos proprios.
cidos que todos os seus caraaradas tomaram par-
te acti a neste sentimento de Justa indignacio.
t Digne-se V. Exc. a?eitar os protestos da mais
alia eonsideracao d'aquolles que tantas vezes con-
duzio ao campo da victoria, no inlerosse da augo-
ta dynastia reinante, independencia, nacional e li-
berdades patrias.
O Sr. visconde de Lacea acompanhado dos
membros do supremo conselho do justea militar
leu i'-ta maaifestaeao.
Illm. e Exm. Sr.Os vogaes do supremo con-
selho de justica militar, de que V. Exc. dign-
simo presidente, vea) perante V. Exc. prestar-lhe
nesta qualidade, um tributo de respeito e home-
najeo) que Ihe devido como aprimeira Ilustra
aoe glora mflitar deste paiz; e pedem respetosa-
mente a V. Exc. se digne aceitar os protestos da
muita estima, profundo respeito e considerado
com qiie temos a honra pe ser de V. Exc.
enmaradas, subditos e amigos.
t Finda esta loitura o mareclial Saldanha con-
gratulvu-se com es seus amigos eompanheiros de
armas pelas provas de dedicacao que acaba va m
de dar-lhe, feheitando-se por ver reunid-js tan-
tos bravos em torno de si depois de largos afi-
nos.
Por esta declararan) alguns dos ofliciaes pre-
sentes que por este acto de dedicacao, que na
sua opniao em cousa alguma atacava a disciplina
do exercito, ncm to pouco as prerogativas do po-
der ex'cuvo, haviam recebido o injusto castigo
de scrcra deportadon para dilTerentes pontos do
reino.
O mareclial resolveu dirigir-so a el-rei com o
fim de commuiiicar-llie o occorrido, assentando os
ofliciaes em esperar a volta de S. Exc.
t El-rei presida ao conselho de ministros de
onde saiu para recabar o marechal.
Introduzi lo o duque presenca de el-rei,
com toda a dignid-ide que Ihe propria apresan-
toii a Sua Magostado o estado em que se acha o
paiz, advogando ao mesmo terrpo a causa dos
seus cantaradas, allegando a el-rei que na expo-
sico destes nada bavia que uitrapassasse os limi-
tes da legalidade.
Parece que tamben) pedio a demssiio do mi-
nisterio em nome destes principios e dos seus ca-
maradas.
O Sr. D. I.uiz I respundeu com louvavel fir-
meza que, sendo re constitucional, saberla cum-
plir com os seus deveres. Accrescentou ministerio mereca a sua conflanca e que nao via
motivo constitucional para demillil-o.
Depois de mus algumas palavras, o marechal
declarou que se retravae que iacommunicar aos
seus camaralasas palavras de Sua Magostado, tendo
conlanca em que elles saberiam respeilar os prin-
cipies da stiboniinaco e da disciplina. El-Rei dis-
se que assim o es'perava e em conselho declarou
aos ministros que podam contar com o leal apoio
da cora.
O duque saiu do paco e dirigio-se a sua casa,
onde encontrando os militares all reunidos Ihcs
referi qual fora a resposta de el-rei. Todos se
separaram.
Depois de tomarem breve descanco, e tendo
voltado larde do paco, os ministros reuniram-se
ao anoulecer em conselho na casa do Sr. Braam-
camp e all chamaran) varias pessoas influente-,
bem como os cominandanles da divisao e da guar-
da municipal, o governador civil, commissario ge-
ra ,ie polica e outres funecionarios. O Sr. Lobo
d Avila parti para o paco e all eslava anda
hora em que escrevenios (meia noite passadal.
As tropas em virtu Je das ordens que receberam,
continuaram reunidas nos quarteis. Toda a for-
ca de'infantaria e cavaHara da muuicpal se reu-
ox\ no quartel do Carmo. Detra-se expedir or-
dem para que a corveta S/cphania, tomando a seu
bordo toda a-forra disponivcl de marinheiros mi-
litares, fosse s ordens do Sr. Jos BaptMa de
Andrad fundear defronte de Belem. A guarda
do paco foi reforcada e o Sr. infante D. Augusto
derla apresentar-se no quartel de lanceiros, so
fosse preciso. O governo tinha fundados motivos
para contar com a subordinacao da tropa e deu
todas as necessarias providencias para nao ser al-
terada a ordem.
Ao anouleccr spalhava-6e que de noute se
insubordinaran) alguns corpos, mas at esta ho-
ra (:5 da noute) tem-se mantido a ordem e a
subordinacao, e nao eremos que soffram quebra.
Tsmbm se dizia que alguns offlciaes iinham
resolvido ir boje ao ministerio da guerra, pedir
para lereq a mesma sorte que os S3us camara-
das mandados para a provincia.
Em todo o caso parece-nos que o governo,
auxi iado pela opniao e pelo bom espirito do exer-
cito, tem todos us elementos neeessarios para
manter a ordem ea obediencia lei.
Assim Pie ser para que fique provado que
neste paiz, nenhuin cidado, qunesquer que se-
jam os seus servidos c a suaposicao social, pode
exlmir-se ao imperio das leis.
As cortes vo reunir-se. A ellas cumpre jul-
rar o governo e tomar as providencias que as
circumstancas exigem.
O gabinete deve ser agora lao enorgco e de-
cidido, como terminada a crise, indulgente e ben-
volo. Assim corresponder aos sentimentos da
itt{o.
Dizia se ultima hora que 03 ofliciaes que
receberam ordem de marcha, recusariam cun-'
pri-la.
No eremos que possa ser certo. O gaver-
no mandou pata as provincias as ordens conve-
nientes.
O Sr. Andrade Corvo assistio ao conselho de
ministros.
i ira a desconsideraeao a que se allude nesta nar-
rativa, o da qual pretendern) os ofliciaes mencio-
nados desaggravar o aareckal Saldanha, foi como
ah se diz no theatro de I). Mara II na noute de
quarta-feira 1 de dezembro-
Represontava-se all, para solemnisar o ani-
versario da independencia nacional, emquanlo no
palacio dos condes d'Alada, a Cemmissao 1 de
dftmbro de / rativa de tiio gloriosa dala, com discursos patriti-
cos, illumnacoes, msicas e innumeraveis convi-
dados. Tanto no theatro de D. Mara, como nos de
s. Carlos, Condes/Principe Real, etc., as plateas
pediam c hymo da mlependeneia que foi ouvido
de p, com muitos applasos.
No meio do enlbusiasmo geral cm D. Mara, al-
guns amigos do marechal que se achavam n'um
camarote, d3ram-Iho vivawo que alguns espec-
tadores da platea (diz-se ojitros negam que poli-
ca paisana) respondern) cora estrondosa pa-
teada. Um dos amigos do marecjial, o Sr. De mar-
dio Martins da Silva, veio no dia seguinte com
urna carta aos jornaes explicar o caso. Foi por-
tanto em desaggravo desta manifestacao que os
offlciaes mencionados no artigo- do Diario Popu-
lar fizeram a soa remara pacifica a casa do ma-
rechal.
A Gazeta do Pono de hontem (folha' ministerial)
deitou sopplemento tarde, como que em respos-
ta s noticias do Popular
E' curiosa a linguagmn do supplemento, vsi-
vClmente escripto sobre a inspiracao dos ministros.
Gomo peca justiflcatira, julgo Ihes rio ser in-
liTerente conhecerem-na, pois quem sabe onde ir
parar esta sriede acontec memos, que a mmtos
-se aMgtira prologo de suceessoe de mais dilatado
alcance.
Espilharam-se hontem pela cidade, com gran-
de insistencia, os mais encontrados e absurdos
boatos.
Dizh-se que o exercito se pronunciara em fa-
vor do laarecal Saldanha, para o desaggravar,
aggredindo os ministros, pela reprevacao com que
a maioria do publico, no espectculo'na noute do
Io de detsambm no theatro de D. Maria, acolhera
os vivas intempestivos, levantados por alguns nti-
mos do mesmo nobre marechal.
Dizia-se de novo, como se tinha dita naquel-
le dia, que o governo recebera a detnissao. Pro-
cura va-se por todos os modos desvairar a opi
niao. "
Estjis rumores sobresaltara naturalmente a
populacab pacffica, e poe em susto e ein perigo es
mais graves tnteresses do estado.
E nosso dever prevenir contra elles as pes-
soas sen-atas e o povo laberioso.
A fortuna publica nao pJe estar assim j
merc do nenhuraa especulara') poltica.
O governo tem a conflanca da cora, porque
nenhum;. indicaco constitucional collocou el-rei
na neces.idade de Ihe retirar essa conflanca. Est
livre a icaprensa ; e as cunaras legislativas esto
prxima; a abrir-se.
E' a)i que as opimojs se embatem e se deci-
den) pacificamente. E' ah que as partidos podem
disputar o poder na espitara constitucional. Tudo
que se affastassc dessas regras e dessas praxes se-
na um procedimento inqualificavel, tao funesto ao
povo conw funesto s nsutuicoft, que nenhnma
razao justificara. Qnalquer medida que haja a
propr a bem da nacao piiJe ser apresentada ao
parlamento, que 6 a legitima representacao na-
cional.
Fora dessa esphera nao ha senao cmhasea-
das, a qn.> a forca leal jamis se prestara, e de
que nunca se faria curnplice a cora no seu pro-
aria detrimBlo.
Esteban, pois, todos precitados contra os fal-
sos boatos.
O ge remo esl no seu posto constitucional.
decidido a manter enrgicamente a ordem, e com
os meios suflicientes de a fazer respeitar. O exer-
eito |io]rti(guez.tem dado suflicientes provas da sua
inabalav*J lideltdado ao throno, patria e ai ins
tituices, pata ter direito a nao ser manchado com
suspeilas que sao injurias
E' para nos doloroso que o nome do marechal
seja neste oso invocado por amigos imprudentes,
? invocado de ara modo que o compromette.
T) marechal. tem graides servirs liberdadc,
mas esses meemos serviros o obrigam a re?pella-
la. Je certo bao ajndos elle fl ganlia-la com a es-
pada para derriba-la eom a espada. Nao ha nes-
ta trra ingaam superior l"i e nenlmns servi-
eos prestados podetii ser motivo- para vergaras
instituces em imaginarias oensas.
Niiifuen descousiderou nem quiz desconsi-
dera; o marechal duque ce Saldanha. O pretexto
que invoca um sentimentalismo ficticio, nao passa
de vulgar sophisnja. O dilemma poltico inventadu
agora feduz-se a sio :
Acclamaudo-sc marechal n'am theatrose
a accIamacSo Correspondida, entregue-se-lhe o
governo m nome dessa o rar/io preparadase
mal acce'la, entregue-se-ibe ogoverno em ^"-a jmjm
gravo.
De ambos os modos, a manifestacao produz o
mesmo resultado ; sanecionado este" principio, a
governacao publica nao oslara dependente do vo-
to popule r era das conveniencias geraes, nem da
pratica lt al da constituicao, mas nica e exclusi-
vamente de um dasses conluos sem nome, a que
sem duv.da o bom sonso e a moral publica fizem
justica.
Seria insultar o povo, snppr que elle ap-
plaudc semelhantes irregularidades. Seria afrmi-
tar a narao imaginar que ella se submetteria a
taes eslalegemas. Do governo, na la diremos
Elle tem o seu caminno trarado pelo seu dever ;
que o siga e ser com ello paiz.
Por emquante.e emquanlo nae tivermos provas
irrccusa"es, em nome do propro marechal que
protestaremos contra tudo que se Ihe assaca. Por
mais que se diga, nao acreditamos que S. Exc.
possa par algum modo autorisar o que indiscre-
tamente, indiscretamente para elle sobre tudo, se
tem procurad o propalar, e a que nao queremos
Jar pnbl.cidade, pois que nao Ihe podemos dar
crdito.
Seria rebaixarmuitoas condiroes do governo
represen atvo. subordina-lo a semelbantes subter-
fugios.
Acelannu quem quiz, reprovou a acclamacao
quem quiz. O direito era igual. Se os segundos,
ossem censuraveis, s-lo-hiam tambem os priraei-
ros e mais anda estes por serem os provoca-
dores.
Se nao precisavam que a opniao se manifes-
tare, porque appellaram para ella? Escusam-se
dizendo que as provas do desagrado foram man-
dadas dar pelo governo. Dessa calumnia atroz,
ou dessa astucia mais atroz anda, appellamos
para a grande maioria do publico imparcial que
nessa noite encina o theatro de D. Maria II.
Camela, repetimos, com os boatos cujo fin
evidente.
Confien) no governo todos os homens dedica-
dos su i patria, c s institucoes liberaes, como o
governo joulla nelles.
Este artigo fez impressiio e realmente ha certas
praxes c mslitucionaes de que se nao pode pres-
cindir. As palmas, ou pateadas nos theatros nao
podem ser bussola para a cora n'um governo re-
presentado e regular, aftm de, segundo essas
ovacoes ou desagrados, conceder ou retirar a sua
conflanca aos ministros ou aos que pretendan)
s-lo.
Corra hontem que as curtes seram convocadas
para lo lo corrente, em vez de esperar-se para o
da 2 de Janeiro.
Em todos os jornaes de hoje (7) vem urna
extensa carta do duque de Saldanha dirigida ao
Diario Popular, mas en* todos os demais publica-
da, excepto na Bevolugao de Setembro.
As deprtaces a varios offlciaes foram as se-
guimos : general de brigada barao do Zezere (ge-
neral Joaquim Bunio) para a praca de Valenca ;
o Sr. Alliso de Campos, comraaudante de caca-
dores S, para Leiria ; o Sr. Damasio Gurjao, com-
mandant; de infamara 10, para Beja. Parece que
foi resul ado das providencias que o governo em
conselho de ministros decidir na vespera adop-
tar, para manler a ordem. O barao do Zezere
allegou que por mo estado de sade, s d'alli a
dous di is poderia marchar. Foi submettido a
urna Junta de sartde, que entendeu poder ir sera
que perigasse a sua vida. Foi, bem como foram
para os seus respectivos destinos, os outros com-
mandanies.
Fallase em diversas transferencias de offlciaes
militares. O numero dos que estiveram em casa
do marechal Saldanha foi de 36. Os commaodan-
tes dos (orpos que figuraran) na manifestacao, lo-
tam logo substituidos.
Honlem noite cstavam qnasi desvanecidos os
boatos circulado, paralysando as transaceoes commer-
ciaes, e aviam cessado os receios. Gomtndo a
tropa Qbju us quarteis, e os postes foram refor-
cados.
O Sr. Jfendes Leal, como ministro Jos nef ocios
estrange ros, nftteiou ao marechal Saldanha fazen-
do-lhe sentir a conveniencia de ir j para o seu
posto diplomtico, Pars. O marechal dea a sua
detnissao, o n5o parti para Paria.
A carta dmarechal, coinquinto longo, um
docume )to notse!, nao s. pela importancia de
quem escrovo, mas como aera justificativa, destes
acontec memos. Todos os jornaes de hoje, como
disse, a trazem. Ei-la :
Sr. redactor do Diario Pbpular.X serta im-
portancia dos Ciclos que se passaram hontem na
capital, e asjtpreciacdes errneas quedelles lalvez
fafa a opniao publica, como pode depreheader-se
da leitura do seu jornal, nico publicado hoje, le
vam-me a laucar miio da penna para agora, como
em todas as eccasies solemnes da minba j dila-
tada vida poltica, expr leal e desassombra la-
mente nasio os motivos poderosos que influiram
no mea anto, ictando-me o procedimento qne
-1entdi dew sagrar. Aproveitarei a occasio
1** Jtectiflanr alguns factos que nao me parecen)
exacumenWffefe.ridos, o anda nao sao menos bem
apreciados.
t Val em tres quartos de seonlo guc enlrei na
vida pnbNe'ie julgo-me com o direito de snppf'ir
tjaa eiMio-tiatad) periodo poneos de estadote-
ro mas constante e dedicadamente consagrado a
Jid e-todos:os interesses defeza da patria o da
liherdada. Por ellas arrisqnei a vida nos campos
a batata, pr*llas lu'.ei firme e sem descanso
lando tantos desanimnvam, e nem j no propro
lasesparo eeontravam forras para arrestar os
furores da guerra, o martyrio e desalent do exi-
lio, da lome e da miseria, e os golpes terriveis
Se nn flagello mais assolador que a propria me-
traiha.
Proclama o voto unisono da Europa e do paiz,
que se neste reino alguem leve parte principal no
empenho nobilissirao de implantar e radicar as pu-
blicas liberdades, c todas as conquistas da civilisa-
co moderna, esse, abaixo do glorioso imperador
que a morte, em mal I to c lo ceifou, esse fai
eu, posso com ufana dize-lo, sem falsa modestia,
3ue seria hypocrisia, nem temor de que venham
csmtJntir me. Soldado, general e homem de es-
tado nio receio dizer com a mo na consciencia,
que em todas as horas de perigo o de provacao,
estivo sempre ende me chamaran o dever, a hon-
ra c o bem da naco, cuja me honro de ser fllho,
e nunca calculei prejuizo'ou beneficios quando a
grande voz da patria invocava o auxilio do meu
braco ou da minba rabeea. Nos campos de bata-
lla ao iroar do caiilio, ou n >s conse'hss da cora,
entre o perigo e as lulas da pololea, se lenho er-
rado como liomom, nao me parece ter dado nunca
motive para serem acoimadas de snspeilas a leal -
dade das miabas meneos, ou ,t ininha dedicacao
constante causa da "patria e da liberdadc, e
dynastia de D. Pedro IV, que amparei as lulas e
coadjuvei adulta e vigorosa quanto a intefligencia
e as Coreas, m'o permitl-am. Hoje que as cans me
coram a fronte, quando a idade avanzada me
apona o descanso eterno uV una vida corlada de
iraballo o de aflribulacoes, agora que entrevejo
j o Supremd Juiz, prximo de julgar os meus
actos c as mjehas intenoes, crejo.de.ver a mim e
ao paiz, que me vio nas'cer, um protesto soteoine
conlra os fttdastos designios qu > ss pai\e.; parti-
darias i; as mbiCHL's Taceioras pretenden) attri-
buir-no.
^fc se ir sen qne levante bom alto a uaba
vot, UUfrr-tjfcui'. de: SaManha leudo na adoles-
cencfT^ j>jMjgilidad4 sido o camoeo dedicado da
libetB! da dynasaa riiwto mlentou na vo-
~^^BU mas da sua historia, 1^-
vamffW&MSB'^TrlFislnstftu^e? frbraes
do sen paiz e deipedacar com a espada a corte e
o cdigo liberal qne com ella afudor. a conquis-
tar. Preciso pTovar que o meo ore-ente nao Iota
contra o meu passao, e que nao esqueco agora
os grandes principios que sempre me tem servido
de norma. Esle o raen intento, e porque seja
tao justo e sagradj, espero que Y. e os seus Icito-
res me pordein a importunidade.
Nao carfeco de recordar agora os successos
di dia 1 de dezembro, ncm a manifestacao de
allecto, qne, pela menean, ura lera reconhecido,
mas que, pd i ensej >, nw foi opp'rluua. Sabe a
cidade iuteira que, noticiados pelos jornaes os
lirojectns a <#se respeito formados, me abslive
(wmpletamente de comporecer em qualqucr lugar
publico onde a minha presenca podesse ser to-
mada como incitamento, e saben) os meus amigos
quantos esfircos einpregiiei para t'.esaconselhar
quaesquer maniteslafoas que nao fossem as pro-
pras do da e da solemnidade que a naco inleira
celebra va
Por muito que eu podesso apreciar as pro-
vas de estima e dedicacao que me pretendan) dar,
entenda e entendo boje anda que o dia 1 de de-
zembro nao polia ser consagrado a outro fim, que
nao fosse a cominemeracao da era gloriosa da in-
dependencia nacional. Os helos foram porem su-
periores minha' voolade, e a manifestacao fez-se.
-Nao ignora tambem V. Sr. redactor, e omo V.
sabe a cidade imaira que agentes de polica, do
que eu tenho rjeflisHo conlieenoento, apostados na
platea do theatro de D. Maria II. tentaram com
manifestaeoes de desagrado suffocar as provas de
nTeicaoe estima queme eslavam sendo dadas. Pas-
so de leve sobre este ponto, nao obstante elle ser o
motivo occasional de quanto depois suecedeu, e
assim proced.) nao s porque tenho vivido mui-
ta entre poderosas tempestades para me commo-
ver a agitaco de qualquer riacho poltico, como
porque bem conhecida a mo que mandou os
seus agentes, que eram fem grande maioria con-
forme o sen jornal noticiou.
Muitus, porim, dos bravos cantaradas que s
minhas ordens combaleram pela causa da naco
e da liberdade, deram aos successos referidos va-
lor que elles nao tinham; pensaran em desalron-
lar-me d'um aggrevo que realmente nao me fe-
rira.
Espalhouse a idea e ganhou proslitos entre
os meus vclhos e leaes amigos e i-amaradas, que
na minha-ausencia pmesraai a respehavel mani-
festacao de domingo, queeu muflo de coracio Ihes
agradeco, mas qne nao estraulio porque sei quo
valiosas sao estas amisades fraternaes nascidas nos
vaevens de batallias e as agruras do exilio e ci-
mentadas por communs revezes e triumphos. Sei
que pulsam naquelles peilos coraces nobres,
leaes e dedicados al o sacrificio, como elles sa-
bera quao reronhecida e entranhada affeicao Ibes
consagro. Avaho-os como mereeem, e nelles o em
muitos outros tem o reino Albos com quem pode
contar em qualquer hora.de perigo. Vi-as afron-
tar impvidos a melralha e aprend a conhee-los
na escola da adversidade onde os nimos, os en-
genhos e es coragoes melhor se pfovam. Cjmbi-
naram, pois entre si manifestar mais urna vez a
sna airrisade e dedicacao, uns ao general que com
elles combatra, outros ao vlho companneiro de
emigracao, estes ao presidente do alto tribunal
que cora as virtudes saber rtlustram, aquetlcs
ae militar encanecido que as tradicoes belliras Ihes
eosinarara a conhecar.
A manifestacao projeaUda nao linba nenhum
despeito poltico, nem se pode citar da parte do
meus amigos palavra proferida ou escripia, que
de leve alludisoe ao estado afilienvn do reino ou
ao procedimento poltico do gabinete, qne pela
alta conflanca de l-rei exerce o poder executivo.
Nao se tratava de ntervir por qualquer forma no
governo da repblica, era o fMternnl abraco de
amigos que viuhara dar-me o rotrigerio de urna
nobre e leal affeicao no momento em que mo jul-
gavam pesaroso e anicto.
t- Nao quiz assim comprobende-lo o governo de
sna magestade, victima de terrores ptreris e pre
orcuptdo eom phantasmas que a sus propria ima-
ginaran evocara do nada. Antes a bem ames de
se realizar a manifeslaoao, foram disent las. pon
deradas e- exyressas emfim. orden depnitand.
para fra da capital, tres dos offlciaes ue so moa
travatn meus affeicoados.A so* aifcifSo era u
seu cria.
Rcuojram-se era miot
das as graduaetijes e de
aquelles a quem a idade
tem militar as e;
casa militares de to-
lodas as armas, lamo
boseada, como Ihe chamain alladjndo a onlra ( dV
O de outubro) que fitou histrica, pebs accla-
maeoea- no Jlieatro, & etore qne se muddU de U6-
guez, como os qw, j canea* dos anos e ear-lS^ mSril'l *?2Z!? T ****"
Udos das fadigas, ainda prtau> nacf.o o servco ff SahlanhT* d ","e"
m\SJSfSZ 'M&iS'r: .. P9 que este segundo aclo levav,se
tnanifestacoes que o- seu jornol puMicou, e que
devo apenas recordar para qu ninguem esqueca
quao longe andava d'eilas quaSpu-r dea de pol-
tica partidaria. Respond como me cumpra, agra-
decendo lo alta prova de esima, de amisade c
deoVacao, e ento, s6emSo, fainformolo do acto
e tumultuaria violeaeta que o governo praticra.
A revdacao trarava-ma elaramtnle o dever de
honra que devia curaorr, e nao sou dos que, pe-
rante tao sagradas obrigaapes, costumam hesitar.
Dirig- me, pois, aop^, o alli respeitosatnenle
ta !W?!'r a el're' 9**0, *fa violento o arbitrio
tomado pelos conselheiros responsaveis da cora.
Era o recurso nico, pie as cireometaneias me
permittiam nos limites da legiliJado darante a ti-
lerrupcao da sessoes parlamentare*,. Tire no de-
curso da audiencia, com que sua magestade me
bonrou, occasio de diaer-lhe a miaba opiniao sa-
br .os negi>cios pblicos to franca c leal como
em vista realisar, com appnn-neias paciticas, um
mov memo qu; tinha pnr tltn tornar o exercito
instrumento dcil dos manejo preparados, e Cue-
lo- collaborador aumpiiee Ihe chaman) as felhas
ministeriaes.. .} de urna tran^pareate nuchina^iu
eontra as institucoes, qaeaeaato gravemtBte ^f-
tendidas por am. golpe de esttdu, sera graode ex-
pliracao, as vesperas de abrir-se o paramento.
S. (brea confessar tambem qne ntotto* "dos offi-
cAis que foram cuqjprimentar o marechal, o ft.
zeram de boa f, manifistando-lho a indivtlaal-
aaenle o sen entimonto pel> desgosto que ihes
diziam elle ter soflrido.,
s nossos rqgulamento* natitares prohibem as
manifstacoes conectivas, a por isso s indm-
'hialmentes podim manifelar se. As mensageas,
por'm, foram collectivas," comr> cima se leu.
l>este. incidente se qoic tirar partido tambem
fpara a deposico do gabinete, Ognrando-se
usosemora dt-la mivh- *i *~"" a aeP0?1ao pwnete, guranao-se o
se da minha lealdade e ranqnex* nut-que-
ram accasar^,a,cceito o repto pprqutwonto cida-
do nariugue* lenbo o pleno direito, qualquer que
dos
Ha Kis-
to urna coincidencia :
, As noticias que vem. publicadaa em diversas ra-
lbas baepaohoias ebegadas nos ltimos das ( es-
eja a niinha condico ocia., de ?eonselbar ffiSf Sfff pS to^fb?
a e medrada- mas o nienos.sme.la \ ^ Vraare,n3, ;i! ,,. Vlria a p anate de
fn1L?TCM dC ""T d? m,r0Spe' fra- s,'a resuludb de cerlos compromiso e
)ndeu-me sua magestade el-rei, como ,eria m* m _-_.._ Mm mMbnr '^
e como duque de Saldanha d^vo augusta pite
de D. Pedro IV parlicularissimo amar, aorao de
quem a vio tao fraca e menin i, e hoje a contem-
pla vigorosa
aos tramas e
cies. Respond
soberano constitucional, e logo me dei pressa de
communicar aos meus amigos c caraaradas a de-
ciso de sua magestade, recommendando o que
necessario nao era ; respeito lei. obediencia aos
poderes conslituidos, dedicacao casa real, e
amor patria. Es o que se passou, os a causa
dos infundados terrores do governo, cora que ac-
cordou sobresaltada toda a cidade, como se al-
gum perigo immeoso ameacasse a patria e as ins-
tiluicoes.
Fui nascido e creado ontre o fumo dos cam-
pos bellicos, o fragor das tempestades polticas e
sos repentes das lulas civis. Encanec comraan-
dando xercitos, governando a nat;o e exercendo
altas funecoes diplomticas em paizes convulsos c
afilados pelas procellas revolucionarias. Tenho
vivido muito, e se nao me privou Deus de toua a
agudeza de entendihiento, muito devo ter apren-
dido em to largo trato dos homens e dos factos
polticos e spciaes. Se eu pretendesse erguer mao
violenta conlra qualquer dos poderes constituidos,
e contra s nstihiieies do meu paiz, se como af-
lirmam estavam minha disposico alguns dos
meflires corpos da guarnirn da cidade, quem
me impeda de marchar repentinamente com el-
les, e tomando de sobresalto todos os incautos, se-
nhorear-tne n'um raomento da capital sem resis-
tencia phssival?
To inhbil general, ou imprevldcnie poltico
me julgara, que nao me conceden) ao menos as
honras do inventar o plano que logo occorreria ao
mais nexperente. Bem outros eram porra na
meus intentos, e com a mao na consciencia repito,
que do que fiz, nao me arrependo.
Qaiz defender os oppri-nidos cr.m o arbitrio
violento e desptico, inspirado por meJos infantis,
que a Europa culta ha de espantarse de lerera
germinado no governo portuguez em tal paiz e em
tul poca. Velei honlem pelos fracos e pelos ty-
rtraisados, como em 18ol arrancando a naco do
abatimento e da oppressao, cerrei a era das lulas
civis, e curando as chagas das revolucoes, inau-
gurei o futuro da paz, progresso e liberdade. Ago-
ra como ento em quanto Deus me der vida e
alent pugna re com igual ahVtteza e pertinaz in-
sistencia pelas liberdades que ajudei a conquistar.
E' o meu dever, o meu timbre e o mote da minha
bandeira.
Liberdade, ordem e desenvolvmento de todas
as Coreas vivas deste formoso paiz.Di on: m:
Saldakba.
E' Cacto que o marechal Saldanha nao concor-
reu nem aos theatros, nem ao Te-Deum na S pa-
iriarchal no dia 1. de dezembro, nem noite s
salas da commisso patritica no palacioAliada
para que tivera especial convite, nem a ontro
qualquer lugar publico onde a sua presenca po-
desse dar pretexto a manifstacoes, ou altera-
ran da ordem publica.
Ora, diga-se a verdade, na semana passada es-
pantaran)-se fortissimos rumores de desunio no
spo do gabinete e ha mesmo quem diga que dous
dos ministros iara de aacordo em o marechal, ou
com os amigos delle, para sobrenadaren) ao cata-
clysmo do actual ministerio, se a presidencia do
novo gabinete em perspectiva fosse dada ao duque
de Saldanha.
No 1." de dezembro, de tarde espalhou-se pela
cidade com grande profuso urna folha avulsa,
anonyma, com o titulo de Ca tu ao Erm. ma-
rechal duque de Saldanha carta que me custa
a resistir ao desejo de transcrever aqu, porque
bastante o lem sido j hoje as transc ipcoes, mas
que, apesar de nao vir assgnada, e sem indicaco
de typographia, completamente anonyma, nao dei-
xa de lei" certa importancia porque como que o
programla poltico da situacao que pareca ter
em vista preparar-se com as manifstacoes, de
que tal caria fazia parto evidentemente.
Milhares de exemplares' foram distribuidos em
poucas horas pela capital e se expedirn) oelo
correio, segundo constou. Rcmctto-lh'a em sepa-
rado, e se o julgarem a proposito, ou tiverem es-
paco para ella no jornal, a publicaro tarabem,
como documento ou pega justificativa da narrar
destes aconlecimentos, os quaes repito, podem li-
mitarse apenas a este acto de energa constitu-
cional da cora e do gabinete, nao acceitando as
imposiroes de urna parte da ofkialidadc do exer-
cito que segundo e >rreu, quera a todoj transe
o re.-iaheleclmenao immadiato do enramando em
chefe do exeraito, para o marechalmas aguar-
dando como Ihe cumpria a prxima reuniao das
curtes, afim de Ihe dar conlas dos seus actos, e
cahir pprlamentarraemp, se nao tiver maioria, o
que bem peder succeder pois tem sido infeliz, j
as providenciair de .carcter militar, j as di-
plomticas.
Podem porra estes suocesses e tentativas alwr-
ldas (boje) ter niaiores e mais graves ronsequen-
cias, e ento seria ama falta para quera desejas-
se, abi de longe, seguir o fio dos aconlecimentos,
nao ter mo a pegas prineipaes d? entre as
que disem respeito a i-lo que as folhas nniste-
riaes bojechamam incidente militar.
O ministerio effectivamente havia assentado
que a reslaurago do commando em chefe, sobre
nao ser actualmente necessara, s poderia ser
efTesluada pelas cortes por urna proposta de le,
agundose reputasseconveniente.
Foi ento que varios agentes conhecidos pro-
clamaran) que na noute do 1* de dezembro o ma-
recnal serla acejamado .nos theatros, e o ministe-
rio, dpposl, em seguida !
claro que havia aecordo e combinacao no
j plan", e qne a tal earta anonyma que intiraava os
ministros a largaren) as paslas, instando com n
marechal para assumir o. poder, fazia parle
mesmo do plano.
Segundo aquelLas folhas, que se referen, a
carias enviadas de Lisboa (ntese nem) em da-
tas njorto anteriores ao I do d-zembro, a eleva-
teria ^r fim renovar com melhor exilo a candi-
datura do Sr. D. Fernando ao throno da Respa-
nha. As folhas que aliudimos sao .4 poca e .ls
Nocediules ; quem quizer |>oder all verificar a
exactido d'e>sas referencias.
Mencionando aquellas folhas (diz a Colha mi-
nisterial citada ) para mostrar como em tuda par-
te e j anticipadamente se da va carcter poltico
ao movimento projectado, estamos longe de rrer
em tudo o qne nellas so diz. Repugna acreditar
3ue o Sr. duque de Saldanha se ftzesse agente dr.
esignios de tal ordem. Njo o fez de certo, por-
que de nenhum modo o poderia fazer. A lem de
todas as mais consideaces, sobre as'quaes uta
queremos pour, o marechal nao pode ignorar
que a candidatura do Sr. D. Fernando hoje
como sompre lem sido, absoi.utamentk i\iim>si-
VEL.
A alludid.i lolba segu protestando eortezmenle
em nome do propro marechal, entra os intuitos
que Ihe foram attribuidos pelas folhas de Madrid.
A Gazeta do Povo, orgo do gabinete, prere lti
a carta do marechal, que cima transcrevi, de re-
flexoes, em que tratando-n com a maior urbani-
dade e respeilo, Ihe recorda os seus 79 annos (! )
o anaJisa algumas phrases menos maduramente
pensadas que na dita epstola o marechal deixot
cahir na o>iitactejI M**tmit9e- -.
Desalent qw-o Sr. AJdrad 4aVaaB5 as
sistido ao conselho'de ministro?. Diz qn.i tendo
ee i'liegdo de-Madrid, fura' procarar o ministro
dos negocios extrangeiros que eslava com os seus
collegas, e pae ponca lempo se demerou alli com
o Sr. Mendes Leal .
A fytorro de Setembro, qae tamlM'in defende
os actos do miuisleri> actual, contando como as
cousas se pnssVaR ; deplora que o exercito se
envolvesse em que;toes de paleadas e palmas.
dizia que el-re tez bem dando forra ag^abMM'tf
Om meinor fora cuidarmos da qts*sXX#l*> ih/hU
e de assegurar a nossa inaepeaenci, .1 qaa
esfa I frmacos por causa de-otiina pau-ada. Con-
cille assim : Envergonhemo-nos todos e cuide-
mos de coiisas serias.
Nio publicou a caria do marechal Saldanha,
como julgo ter-lhes dito j.
Hoje alguns boatos circmlaram a respeito da
attitude do Porio, ai s.ite'renvse l estas noricJis
O Porlo mais de aeco que de palavras. Ama-
nha sabei -se-ba o que occorreu, se ainda heu-
ver tempe, sabe-lo bao tambem os nossosH*eitures.
Entretanto pe! > telcnrapho, nada constoae aPstts-
tador.
Duas palavras sobren flaiat de dezembro de lf40 :
Tinha esta sociedade nomeado nma commisso
especial para se entender com o governo sobre oa
meios de activar o qn diz respeito aos nietos de
defeza. Infhlciiieros e baldados al hoje tem sido
os passos te commisso, por pie dw'ininitroa '
tem obtido pronwssas e boas^fiavras.
No sabbado ii) foi reforeada a sub-c*mmtssao
com doUs ou tres vugaes alim daffkosegittivni m
seus esforoos, enor preposta de um de seus vo-
gaes effectivos, pprovoit-se naartinieiaVente que s*
at prxima reuniao das corles, o governo no-
tivesse tomado medidas positivas e enrgicas em
relago ans meios de defeza do paiz, a mesa da
Commisso Central de dctetnhro e 1640 cdh-
vidasse todos os deputados e pares de reino de
todas as cores poUtjeas, para conjunctamente vwn
a commisso) assenrarem fio qu mais conven*
fazer nesse sentido.
claro, que, instando a opraijfo publica porque
laes providencias se ffocWenl?*fe-achando-se a
commisso 1' ife dezembro ailaplbmeltid;i com o
paiz no desempenho de urna alia misso que nao
pode reduzir-se a Costejos, discursos eoinmemora-
tivos, luminarias e Te-Deum, e tendo empregado
todos os meios ao seu alcance na rbita legal,
lgico e conveniente qne recorra aos representan-
tes da nagao para que estes, tomando em conside-
racSo as suas ponderacoes e slbrcos, levem legal
e constitucionalmcuti; o poder executivo a realisar
o que todo o paiz desej, nio s para nos par ao
abrigo de qualquer desaire hostil, mas para que.
setnelhanca do que se lem pratica Jo n'ontrcs
paizes, mesmo sera apprehensftes de guerra ex-
terna, se encontr a nacao com os meios de defe-
sa, que sao o primtro fundamento da sita inde-
pendencia.
A esta resolacao da patritica commisso f de
dezembro se referram os jornaes portuguezes nes-
tes ltimos das, c nomeadamente o Diario Pi pu-
tar o o Jornal do Commercio.
Embarcaras) antes de hontem pira, o Havr*
as senhnras le Aveire de que tanto se lora oceu-
pado a imprensa nesles ltimos 15 das. Estas
senlxtras tinham viudo para Lisboa, para o hospi-
cio de S. Patricio de qne director o RvL padre-
Beiro, contra o qual diversos jornaes se lem pre-
nunciado por andar angarlando senhoras, que vio
para Franca ser rraas de rardade, guando tao.
presladios e editicativos seram o seu allecto e cui-
dados no sk-o das. suas proprias familias
muito noiavtl um folheln de Pinhoiro Cha-
gas sobre esle assumpto na Gazeta do Peco de ha
poneos das, oom o titulo' deA cariiade e a Fu-
*t/*.
Foi publicado no Diario do Gwtrm um de-
creto regiameutar para a cobranca e fiscalisafSo
do impo/ lo do sel a
0"s telegrammas que hoje chegaram tes pro-
vime's, diz o Diario de Noticias, do o paiz em
soca/^o apezsr de terera l recibido honlem teue-
bre.sa's noticias da capital.
Decretou-se a suppresso das collegiadas do
reino, que ainda subsistirem depois da le dei
I de jalao de 18i8, seudo applirado 03 seus *- *
i___.__.. .r.. ,i i.ltn o <)a Iota u flfhal3 OCU.
MELHOR EXEMPLAR ENGHIRADO |
iio teudw vogado,o plano i\ sorpresa, oa r.- Uuslentac do culto e do clero, e *verw>< 8mft
MastaBjanaan


*
#




* t
i



^ar.
Dhitto d Pe/namfeitco I Sexta leva 31 de (Deaembro de 1869
'*
eral ao fundo da dotace do cuno o do cloro os para maular pastar a caria regia rjmeando m
tkuios de divida publica fundada, actualmente commandanto cm cliefe d exercUo: n'essa me-
avrtoados s collegaJas, e aqualles que forera de raa note rVe a visita de un dos collega* de V.
futuro subrogados aos bens dellas, anda nao des- Exc e por ella soubo que o ministerio tinha ex-
amortisados. posto a el-rei que nao p*di sasfaior a sua o -
Nota o relatorio que precede o decreto, para dem porque era contra lei.
mostrar a desigualdade dos rendimentos destas Sr. Mondes Leal, V. Exc sabe qual 6 o or-
*
eorporaedes, que ao lado da collcgiada de Santo
Eatevo de Valenca que tem 6004 em inscripefos,
existe a de S. Joo Uaplisu da Villa do Corueke
que tem 183:750*.
O valor dos bens inventariados, pertencentes
apenas a qualro collegiadas, eleva-se a 230:7305
e o dos que esto por desamortisar deve exceder
omito esta quantia.
O governo julga obter cora esta medida larga
redueco nos encargos pblicos.. __
Est quasi concluida a impresso do nata
Hernia iva la btgisIacOo riovistitua contprekenden-
do os annos de 1833 re 1868 corttpilado pelo Sr.
Francisco de Lencastre.
JioJormlde Jurisprudencia a. 12, quo se publica
em Coimbra vem um elogio muito justo ao traba-
iho do Sr. Lencastre. Custa, creio, t J300 avul*-
Para os assignantes o proco foi apenas de 1A200.I
Tem mais de 'i00 paginas em duas columnas, bom
typo e nida impressao.
O Gremio Popular annuocia urna seno de pre-
leccoes gratuitas o populares, dadas por diversos
professores que .lindaba poneos annos eram alum-
nos da escola uonnal de Lisboa .(Marvilla.) Sao
sSr*.Sim5es Raposo fcoje provisor da casa pa
de Belm e presidente do conselhe de instruccoes
do Gremio, e os Srs. Barradas, Alfaia, Soares Frei-
r, Silva, T..eopltilo Ferreira, etc.
F sobremaneira honroso para a escola normal
o aperieieoa.nentn de lio competentes moc/W para
leccionarem s elasses laboriosas da capital um
quadro tde cunhecfmcntos, o mais completo pos-
siveL
Ainda se nao decretou o novo regulamento
da escola normal de Marvilla, nem se abri o ur-
so do actual anno lectivo.
A quinta anuexa vai ser subarrendada pelo go-
bern. A praca no dia 9. .
No 1" dedezernbro, quando aeabou de cle-
me dos qoe nao dizem a verdade ao rei':i a
verdade que a lei de agosto ultimo autorisa o
governe a reformaros semeos de todas as renai-
ticoes d.) estado, seta augmentar a respectiva dei-
peza. O commando em rhefe, em vet de auf -
mentrosla, irla dimmni-U no valor de mais lie
tres cont^s de ris, conforme documentos qie
inandarei publicar, sendo necessario.
Accresce que naoite do Io de dezembro
maadou o governo, fr agentes reconltecidos a
autoridade administrativa, desacatar no theatro
de O. Mara II o nome do marechai Saldanha.
Isto sabido at soeiedade.
Os mais disnctos offlciaes do exercito portu-
goez, como o baro de Zezere, Carlos eneventi-
to Casimiro, comraaudautes das das brigadas ca
guaruico do Lisboa, a mxima parte des, com-
mandantes ^de corpos e offlciaes superiores, os
inembros do conseibo de Justina milatar e-inuilo-
etrtros offlciaes, procurararo, na legal exposi^io
que corre mpressa, desaggravar-me daafirona
que se pretendeu fazer-me, e que de coracao bem
digo, porque ao cabo de tantos atino?, os meus
cama radas deram mais um documento de que rio
coracao do exercito portuguez aempre viva e
iaalteravet a dedicaeo ao sea velho compinheiro
de armas, de infortunios, de* trabalhos e de glo-
rias.
Hootem por duas vezes pedi e instei com el-
rei para que me deixasse na sua presenta ir fal-
lar ao ministerio, que eslava reunido no palacio
da Ajada. Se sua magestade tivesse annuilo io
mea desejo, eu loria feta ver aos ministros o gra-
ve erro que estavam conimetieBdo conservando o
poder. Nislo est V. Exc de aecordo com os seus
collegas das obras publicas e de marinha, pois
todos tres, por mais de urna vez me afflmaram
que era impossivel que o governo podesse conti-
nuar, em consequeneia' da eompleta impossibili-
hrar-sc no Porto, no rnagestoso templo da S, um, fa0 physica do presdeme do conseiho, duque de
Te-Ikum em accio de gracas pela restauraba/) na-
cional reuniam-se em caaa do Sr. Dr. Joaquim de
Santa Clara Souta Pinto Jnte da Academia Poly-
teehnlCa alguns eavalheiroj que tinham conven-
cionado a organisaco de un gremio patritico.
Iastalloa-sc pois o referido gremio com o titulo de
Independencia-Nacional que se aprsenla com a
ndole de urna escola tendente a reparar o povo
pawrmxercer condignamente us se deveres, e ier
na devida cohta a importancia dos seu direitos, e
a influir IfVrcmentak taa* com mdderacao para a
discreta admioistrac^jidoj negocios pblicos. As
bases do programina do novo gremio patritico
portuense, si i publicadas pelas folhas dauuella
cidade com urna cartazo socio o Sr. Joao Cesar
Pinto Guim3rcs. | >
Ei-las :
de mod ja pira qualquer eventaliila esteia preparado para a boa defeza ,
Creagio do escola. de tiro nacional em todos os
coneelbos do n;
Orgaoisacdes da faze3a publica, equilibrando
qaanto possivel a de-peza com a-receila ,
Smpliflcaca i de todos os servicos. lieando Bxa-
dos os qudros de todas as repartiro, tendo sem-
pre em vista a harmona das circunstancias do
thesflnro com as necessidades dos mesnwajjter-
Dwcentralisacao administrativa, feta de-aiodo
que o estado fique alliviado" de encargos qae Ihe
nai sao proprios e de maneira que se anime a vi-
da dos municipios;
Creaeao de molestas escolas de agricultura ac-
cessiveis ao Ir.vr.ul r, sustentadas pelos municipios
e subsiiadas pelo governo, sondo a sua ndole
principal o en.-ino pratico da.scricullura;
Eitabeleciinento de bancos industnaes e
agrenlas com es meios proveuientes de parte da
desamoi tisacao dos bens de mao mora para este
ira tornada obligatoria; .
Edicacao de bairros para apranos o fami-
lias niio abastadas;
Augmento de ordenado dos professores de
instruccao primara, para que a retrbuicao con-
digna possa altrahir as habilitacoe?, devendo o
ordenado icar a cargo dos municipios, e devendo
todas as escolas w subsi'liadas pelo governo ;
Ensino da importancia dos direitos polticos
o do conii cimento Jos devara, dnpendendo a
conservacao das garantas da observancia escru-
pulosa das obrigai-oes lgaos;
Explicarjoos do direito elejtocaJ;
Necessidadd da escolha de representantes
condignos para que a vonlade publica esteja re-
presentada no paciainauto, o (hiverno seja do po-
vo para o pavo i^,
A-pftosvrm dfciTicado a tado o governo ho-
nesto, liberal o paTrintco, vjii6mmova em todos
os ramos de mmistracao piiblca. osolli ira-
mentos reclamflos petopaz;
Direccao do povo, para que a opapscao po-
ltica seja feita illustrada e legalmenitv sqm Ua-
que a ordeni, nom oBensa autoridade publica;
Eo'siemais meios i|ue se julgarem pKijl-
cuos uara o conseguinant!' do pi .* assuciacao
. No Te-lkam celebrado em Lisboa* no Io de
' dezembro com toda a pompa, esiweraui todos os
miuistro?,4fccasaca como simples cidadaoa, ape-
sa de oflUparcm lugar distincto; *lguns lidal-
gos d -.-,',id.'iites .-do*estauradores dJ6iO, os
vog i /' de dezembro na su.t grao-
deinaidva. rpr.senlantes da irhprensa poltica,
centillca e liiteoaria, delegados dos gremios e
associaeOes, mutas damas ecreansas dos asylos
e assoc'iases de crtlade, etc., etc. Pregou
P,v4, padre TcixeirajJGhocu de talento e muito
lluente. A'uoite as salas da commissao 1 de
dezembro fo dada a palavra aos Sis. Pereira de
Miranda (deuutado por Lisboa e vogal da eommis-
^o;Osoga de VasccmcellosPmheiro Chagas
e Mello e Taro tambem deputado as cortes.
O Sr. Eugenio dodMtiko, filho mais n. vo do
Sr. Amonio Felicia de*^astilbo, recitou urna
bella poesa patritica de sua composi^o. Foram
todos mu calorosamente victorados.
Tinham sido convidados atgons outros cava-
valheiros para orar, os qtlaes por varios impedi-
mentos nao Mnpareceram. Esteve. um escolhi-
do auditorio de maja de 360 pessoas,; havia gran-
de numero de damas. ^ ..
Os jonues tmaconselhadii,no3 uilimwdias
que se trate qaanto antes de autorisar e promover
um alistamento de volimtaiis ttIndependencia
nacional.
A occasiao nio poda ser mais favoravnl por
ter amadarecdo esta idea no espirito publico. Ve-
ja-so, por exemplo-'qual a corrente da opino as
provincias do norte, de que o Porto centro e
alma I
Lela-se aquell programnia do novo gremio pa-
tritico, e all se encontra a mesma idea.
Coa vera advertir que a commissao central 1*
de dezembro cm *lsboa, procara por tgdos os
meios realizar orticamente muilas daquellas
idea do programma portuense, e uisso trabalha
ha muito.
E* de esperar que, depoi da projecttda reumao
com os inembros do parlamento, consiga obter do
governo o apoio indis pensavel para a sua realisa-
cao. So o governo hesitar e o parlamento persis-
tir no bom camnho,ojdos sabem o que ndicam as
praxes consti ucionaaes I
S.Post icriptum,Alguas minutos, apenas
"O que me resta para lites dar idea do mais que
ooeoMoa.
Toda a imprensa publica outra carU que pelo
duque de Saldanha foi dirigida ao Sr. Mendes Leal,
ministro dos negocio estrangeiros recusando ir
para Pars, bem como a do ministro em-resposta
ao marechal. Sao muito notaveis as revelacde
do duque de Saldanha. Por ellas se v- que o
proprio rei quera o restabelecimento do com-
mando em chefe do exercito. Eis as cartas:
lllm. e Exm. Sr.Recebo o offlco de V. Exc.
com data de boje e nao demore a resposta.
Nao sei que precedente da minha vida possa
autorisar a V. Exc. a suppor-me tao infame, que
comroetiesse a baixesa de obedecer a sua intima-
ao para sabir de Portugal. Nao saioe pode
v. Exc. dispor do lugar de enviado extraordinario
ministro plenipotenciario de sua mageslade na
corte de Pars, do qual me demtto agora.
Onze vezes em minba vida tenho regeitado o
neargo de formar ministerio. Ha 13 annos que,
apezar das mais reiteradas instancias dos homens
mais notaveis d'esta trra, me acho separado da
vida poltica, e assim continuara estar, se o
nosso Augusto soberano, julgando pouca vida na
actual adniiiiistracao pelos motivos que x*e dignou
dizer, me nao tivesse tornado impossivel resistir
aos seus desees de que Ihe promettesse o aceitar
a formaejio do gabinete logo que o actual C de-
mi ttisse. Urna vez resolvido a aceitar a forma cao
do futuro gabinete, conhecendo sua magestaJe
qaal era a situaco actual, e para me conformai
com os seas desejos, lembrei o ser ou Borneado
*oftoandan*.o em chefe do exercito. El-rei dig-
'aadar mmedialamente chamar pelo te-
*rapno>n1iiro da guerra-e deu-lhe ordom
Loul.
t A conservacao Jas pastas com tal persuacao,
na terrivel cnse"nanceira que atravessamos; no
completo estado do desorgansaco da defeza do
reino ; na presenta da situaco actual da Europa,
a maior das obcecacoes e dos perigos, porque
nos expoe a perJer a nossa nUependencia. pela
tfoal todos os portugueses estao proinplos a derra-
mar o sangue.
t O-ministero desprez os clamores da impren-
sa i Ilustrada, e daopimao publica; panda afast.ir
de Portugal o general que durante vinte e duas
campanhasOem pdla misericordia divina, condu-
zco os portuguezes victoria, e por e te acto to-
yna sobre si gsavissima responsabtldado, da qual
outea qualquer nac^ao qu,nlb l'osse a bondosa na-
> i i. J rao pirlugueza.lheVtomaria severas contas.
Orgauiseao do exercito e creacao deS1 Imbay q, proeedimeato do ministerio para, com al-
guns dos meusu:aoiaratlas punindo os por terom
tomado como propra a otfesa queme foi feta,
obriga-me; pela saolsacao Sb exercUo, a sabir das
regras ostanelecidas e a mandar para a imprenta
copia de "t Bus. gaartle a V. Exc. Lisboa, 6 de dezem-
bro de ISOOjs-IHm. e Exm. Sr. ministro, e secre-
tario de estado djs noooijs'e3trangeito5.Duque
de'Sittdtfh'. *>
IMia e Exm. Sr.Cerca das duas horas da
n mto de hofiteni, 6, recebi a resposta ao offlco,
que, em data do respectivo dia, tive a honra de
dirigir a V. Exc. pela secretara de estado dos ne-
gocios estrangeiros.
c Posto que tal resposta saia do todas as praxis
estabelccidas, em deferencia elevada posicao Jo
V. Exc, tomare a liberdado de retorquir-ll e,
com a deiorosa consisp que me impde o dever
e a serendade de animo que vem de ama consci-
eucia tranquilla.
Rra-me licilo,, creio, convidar V. Exc. a ir
oceupar o seu posto em Pars, polas superiores
razdes e nos convenientes termos constantes Jo
citado offlco, pois que V. Exc. uai tinha julgalo
a proposito exonerar-se das rdnecoes inherentes a
missao que all exor.'ia.
Sc, Sr. duque de Saldanha, qual e o crine
dos que nao dizem a verdade ao re, e por isso a
tenho dito e a drei se'mpre, mormente quando e la
seja, alm de obrgacao de homem eondicao lo
cargo. _
t Permiua-se-me esperar a demonstracao docu-
mental, que V. Exc. iiffereee, para reconhecer a
economa resultante da restaurado do ounTmaqlo
em ch' fe, e a sua conveniencia as actuaes cir-
cumstancias.
t S pode ser flha de um profundo e uivocu o
-ingular preoecupacao, a insnnaijao que V. I'.:av
me dirige, o aos meus collegas os Srs. ministros
da marinha e obras publicas, relativamente xo so-
bre presidente do conseiho. Wda-me o respeito
de mm niesmo o ir mais longo em tal materia, e
o mesmo eiilendem o Joclaram os referidos meus
collegas.
Nao menos infundada tambem a persuacao
era que V. Exc. parece estar acerca do acontecido
no theatro de D. Mara II, na noute do 1." de de-
zembro. Enrgicamente protestara contra seme
Ihante imputacao, se nio foram superlluos os pro-
testos onde est o testemunho de um publico n-
teiio.
t Nunca se affrontou, nem por nenhum molo
se affronta o governo com quaesquer legaes dc-
nwnstracoes de alecto dadas pelos membros do
exerclo a um general Ilustre, comtanto que de
taes demonstracoes se nao qneira tirar pretcclo
para exigir a gvernacao publica, violando as ins-
ltuicoes lberaes e os foros parlamentares; ;ior
que a anarchia interna jamis poderia assegurar
a indMpendencia nacional.
Quanto aos deioais pontos de que V. Exc.
aprouve oceupar-se, consnta qae o nao acompa-
nhe em regioes def'zas pela consttucao a quass-
quer debates.
Pois que V. Exc. julgou opportuao Jar publici-
dade a sua correspondencia, nao extranhar que
eu siga o mesmo cxemplo.
Deus guarde a V. Exc. Em 7 do dezembro
de 1869. lllm. e Exm. Sr. duque de Saldanha,
etc., los da Silca Mendes Le;/.
Bz-se que o Sr. general Maldonado pedir a*
exoneracao da pasta da guerra e que fia interi-
namente encarregado o Sr. Lobo de Avila, rai.iis-
tro das obras publicas, e que por isso se espera-
va m actos de extremo rigor.
Foi mandado recolher o general de divsao ba-
rao do Zezenere (Joaquim Benedicto) torro do S.
Juliao da Barra, por nao ter marchado para Va-
lenca, tendo-o a junta da saude dado pronipto
para marchar. Assim pugna o ministro da guer-
ra pelo respeito ;i disciplina, mas o quo dizem as
folhas da opposicao que no aano passado por
este lempo, conspiravam ambos! Valha a ver-
dade, e que por isso quo o barao fora deportado
entao, bem como o actual ministro da guerra
para os Acores, mas como eommandante de urna
diviso militar.
^Espera-se que hoje entre a grande esquadra
ingle*a.
Houve hontem rebate falso de Bomarda, prove-
niente o equvoco de um destacamento que veio
pelo carainho de ferro e conduzio alguns presos da
provincia para as cadeias do Limoeiro. O tocar
dos tambores paz tuda em alarma I
Do Porto, o telegrapho tem dado socego,
extrema ancedade por noticias de Lisboa.
L.
Rio de Janeiro, 20 de dezemnro de 1869.I Im
o Exm. Sr.-*- Approvo a deotsao dada por V. Exc.
consulta, do carador gcral de orphos de torra
a Cliristiua, oessn provincia, de nao hav^r, -
compatibilidade em servirem no mesmo fro dStis,
irmaos, um como advagado e oulro comoescrivao
ou labeUiao ; ^orquimto, de conformdade om a*
ord. vro !., til. 48, g 29, s prohibid* o e.ver-
cicio da advocacia peante ojuiz, que pai, iruwo
ou cunhado.
Deus guarde a V. Exc. Jos Xtrliniaiio
letu-ar. == Sr. presidente da provieia do Mi
Geraes. j*>
GUAHDAHACIONAL.Por dellbcraco de"H
tem foram lomeados para o 1* batalhao de ni
Diaria des municipio os seguales olll iaus:
l.u leneote-quartel-mestre, Haiod do Souxa
Cordeiro Stmes Jnior.
2. teaeote-porta-baodeira, Joio B: pVii da
Craz.
1. tenente da 1" companhia, Manoel Goncalves
Ferreira Cosa.
i." tenentes da 2' companhia, Francisco Carbi-
niano de Arantes Franco e Marcellra Jos Gon-
calves da Fonte Jnior.
1." tenente da 4* companhia, Eustaquio Zeferi-
no da Silva Braga.
2." tenente da 4' companhia, Manoel Domiugues
da Silva Jnior. *
1.a teoente da 5- companhia, Joaquim Pedro da
Costa Moreira. H
2.0 tenente da ti* companhia, Jos Francisco
Cardoso Ayres.
ASSASSINATO.No lugar Queimada-Grande,
do termo de S. Beato, foi assassinado, no dia 24
do correte, o pardo Carlos, escravo de Joo Jos
de Farias, por Jos Loutenco da Silva, que logrou
evadir-se.
MORTE CASUAL.-No dia 29 do corrente falle-
ceu repentinamenle, d'uma congeslo cerebral, o
croulo Luiz de Franca, morador a ra do Cisco,
da fregueza da Boa-Vista.
TRILHOS URBANOS DE APIPUCOS.- EsU em-
preza augmeotou o numero de seus iraas e tomou
as providencias constantes de sea anadncio publi-
cado no lugar competente deste Diat^p, para evi-
tar as aglomeracfies de passagairos enrsa'as e"fta-
cues durante os das de anno bom e domingo
immediato.
Resta que a polica auxilie eficazmente a com
panhia na manuteneo da ordem no embarque i
desembarque dos passageiros e mesmo durante o
seu irajecto, alim deque se nao replam as scenas^
desagradaveis que se deram nos dous ltimos das
santificados.
A's pessoas qae costuraam transitar na lnba
rocommendamos toda a prudencia e moderacao,
visto como nao possivel quo, no estado actual da
empreza, possa esta satisfazer todas as exigencias
le rapidez nes transportes, o que serrrmuito para
desejar.
Da parte da emprfez torea que se envide
todos os meios possveis e compaliveis com o seu
estado para bem servir os passageiros, tendo em
vista o proverbio: nao pie colkec iiom frveto
quem semeou m sement.
ENTRE O CEU E A TERRA.E' o ltalo de
urna obra publicada no Maranhlo, sob o monymp
Flavio ieimar, de gue nos foi obsequiosamente
offereedo pelo autor um exemplar. O pseudni-
mo, bem conhecido as patrias lettras, ensobre
um nome de um hornera talentoso, cujos escriptos
sao vantajosamente apreciados. Esta nova pro-
duceo veo augmentar os louros ao Iliterato, e
mis Ihe damos os devidos emboras, agradi.'cendo
a offerta.
mas
PEMAMBCO.
REVISTA DIARIA.
INCOMPATIBILIDADES. Pelo mnlsteric da
juKtica foram expedidos em 11 e 20 do corrente,
os don seguntes avises:
Hio doTonero em It ie dezembro de 1869.
lllm. e Exm. Sr.. Sendo contradi tortas as deci-
soes do governo sobre se deixa o exerciclo de sea
cargo o vereador qae tem de assamir a vara de
juiz municipal, mandn Sua Magestade o Impera-
dor qae as secones do imperio o justca do conseiho
de estado consaltassem sobro a regra que couv-
nha estabeleeer.
Em consulta de 13 de outubro do anno ti ido,
foro as ditas secedes de parecer que, de confer-
midade com o decreto n. 429 de 9 de agosto de
1845. e avisos n. 378 de 21 de outubro de 1857 e
n. 161 de 6 de julho de 1859, so devia adoptar o
principio de que o vereador deixa o exercicio de
seu cargo em qaanto exerco o lugar de juiz ina-
aicipal.
O mesmo Augusto Senhor conformou-se com
este parecer, por sna immediata resoloco de 3
de marco ultimo: o qae eommunico a V. xc para
o^ lins convenientes.
> Deu guardo a V. ExcPa/Mr.0 Jos Soires
^uza. = Sr. presdante da provincia do .... >
PUBLICARES A PEDIDO.
______---------------------
Devoqie lo senhor santo chris-
to bos milagres que se vene-
na igreja do dvino espiri-
to.
erpetuo e administrador do altar,
el publico, e especialmente aos
oncorrido com snas mensalida-
e madrugada nos domingos e
i* de Janeiro prximo
de continuar a celebra-
por se ter despedido da
lote qae as celebrava, e
je queira contratar na ac
o. -,ni-dianie,
vndourwitas mis
cao das' ruteVUd. s
capellana o^^ 'i'"1
pao haver oulro*
tualidade.
Recife, 30 de dex
T de^869.
COMMtlCIO.
TRILHOS URBANOS DE OLIND.VCom o praso
de lo das comecados acontar de 2 de Janeiro
prximo, sao chamados os accionis as desla em-
preza a fazerem a entrad^ da sexta prestacao do
capital subscripto, na razao de iez por cento.
SANTX CASADA MISERICORDIA. Nao pu-
dendo contnnarem nos estabeleoimentos em que
se acham, por terem attngido a dado, do 21 annos,
duas edacandas, urna do colleglo das orphas e
outra da casa dosexpostos. a junta administrativa
da Santa Casn da Micercordia convida alguma
familia que dellas precise para o servicu interno
de casa, a requerer afim do poder ella deliberar,
e ser assignado orespectivo conlralp.
FESTA NA VARZEA.Amanha celebra-se, na
fregoena da Varzea, a fosta do Menino Deus, com
aquelle exolendor de coiumc. nnndo'ao Evange-
Iho d ao Te eum o Rvm. Antonio de Mello o Al-
buquerqae. A' tarde haver corridas de novadas,
e noute ser quemado um lindo fbgo de arti-
ficio.
VILLA DO CARO.-Oebraise, amanba tiesta
vlk
ao I
i a festa de Nossa Senliora do Rosadlo orando
Cvangelho o Rvm. Jos Esteves Viaon.
PESTIVIDADE.-Festeja-se amanhaa. na igreja
da Madre de Deus, o Senhor Bom Josus da* Por-
tas, sendo oradores ao Evangelho o'Rvm. C'pnego
Joaquim Ferreira dos Santos, ao Te Deum o
Rvm. Leonardo Joo Grego. A imagem do Senhor
B un Jess ficar em exposoo at 10 horas da
noute dei-se da.
IMPORTANTES CAPTORAS.-Da cidade da Na-
zareth nos escrevem, em data de 28 do corrente
mez:
i Acha-se. afinal preso o famigerad Tihurtino
dos Santos, hroe de nrftmeros crimes, e o me-
Ihor executor de encmmendat (mortes) ni saa
gyria !t
Quando se suppanha esse assassimtem trras
da Parahyba, eis qne elle aqui apparece no dia 24
do corrente. indo entregar-se o Sr. tenente-coro-
nel Jos Cabral de Oliveira Mello, em oseu entre
nho Verteules, proposito de me se arrependeu
logo em seguida, pondo-se era faga.
' O tenente-coronel Jos Cabral, porm, nao
go3tou da gracaye pz-se em campo ^om gente
sua ; e tanto bateu o mallo, que conseguo capta-
ra-lo, entregandeo hoje i; 8 horas da manha
ao tenente do enrpo de polica Joaquim da Motta
e Silva, subdelegado do 2* dislricto
Mil parabens ao Exm Sr. presidente da pro-
vincia, por ver capturado o assassno que ame-
drontava osti comarca o as visinbas. e louvores
sem lim ao Sr. tenente-corondl JcSr Cabral, pela
energa e zelo cora que proceden. >
TENTATIVA DE ASSASSINATO. Em offlco
de 16 do corrente coinmunica o oelegado de Ga
ranhuns que no dia 8 de-te mesmo mez Sabino
Pinto Soares de Oliveira, armado com um clavino-
to, urna pistola e uraa faca de ponta se dirigi a
casa de seu proprio lio Joo Ferreira Chaves, col-
lector do municipio e residente naqaella villa, cora
p lim de assassina-lo, por nao querer Chave
dar-lhe a quantia de t.000, como indemnisaco,
segundo diz Sabino, das perseguiede e dainos
que ha mais de dous anno* tem solTrido, tuco islo
promovido por seu dito to; nao podendo, porm
levar a effeito o seu perverso intento, por ter aecu-
dido em soccorro de Joo Ferreira o Dr. promotor
publico acompanhado de mais algumas pessoas;
que sendo avisado do qae se passava ni casa de
Joao Ferreira, para ali se dirigir immediatamen-
te e conseguir capturar o delnqueme depois da
mais tenaz resistencia da parto desle, no acto da
anal ferio levemente com um tiro de pistola a
lanoel Francisco Goncalves de Medeiros, c;,bo da
patrulba qae diligenciara effectaar a su4 priso;
que o deliquente fleava recolhldo a respectiva
cadeia, e a ser proeessado.
LOTERA.A que se acha venda a 133*. a
DeneGco da igreja de Nossa Senhora da Conceicao
dos Militares, que corre no dia 13.
BILHBTES OPFERECIDOS. Numerario dos
bilhetes da lotera 133* offereedo pelo thesourei-
ro 'fflts loteras para auxilio das dejpezas da
guerra:
Bilhetes ns. 2Q8 a 277.
Producto dos bilhetes offerecidos at hoje
7:834*200.
PASSAGEIROS.Do vapoi*Wara, sahldi para
o sul;
Joao Joaquim Alves, Deolioda Mara do Livra-
ment,'Joaquim F. de Castro Delgado. Manoel \r-
chanjo da Silva A., Pedro Zanoni, Josepb Hem
chel, Joaquim de Albuquerqae Mello, Heriry Jo-
seph Qunz, Joo Pereira da Costa, 1 HIHo e 1 es-
cravo, Thomax Jos de Souza, Francisc da Silva
Costa, Arminio Ma-s e Eduardo (africanos). Beli-
zaro (africano iiberto), 1 escravo de Jeronymo
Jos Fgueira de Mello Joo Basto de Mello Go-
mes, Aprgo Jos da Silva e 1 escravo, recruta
Manoel Joaquim de Soaze Tavares, John Domel-
ley, Joo Ferreira Leite de Souza e i eseravo, Gal-
di'na Eulalia da Silva e 2 filhas, Dr. Francisco de
Paula Lima do< Goiraares Peixoto, Dr. Lauriano
Duarte D., primeiro cadete Antonio Pinto N., vo-
luntarios Joo Claudio de Oliveira e Craz, Antonio
Caudino de Oliveira e Cruz, Antonio Valnelo
dos Santos Neves, recruta Jacob Luiz da Costa,
Manoel Bautista Monteiro, Manoel Joaquim Rodri-
gues da3 Neves, JoSo Antonio M. Novaes e I cria
3a, Manoel Ferrreira de Andrade. Andr Aguiar.
PRAGA DO RECIFgr.30 DE EZEMRRO
... DE 169.
AS 3 1/2 H IRAS DA TARDK
Couros seceos salgados do norte366 rs. por kil.
Apolices da divida publica80 0(0
Acroes da companhia Pernambucaoa ao par
it J. Silveifa
Presidente.
LealSeve
Secrotano.
ENGLISH BANK
Of Rio de Janeiro Limited
Descoata lettras da praga taxa a con-
vencional'.
Recebe dinheiro em coota corrente e a
praso fixo. :
Saca vista ou a praso sobre as ctdades
prlncipaes da Europa, tem correspondentes
na Baha, Buenos-Ayres, Montevideo, New-
8 New-Orleans, e emitte cartas de crdito,
para os raesmos lugares.
ItA DO GOMMERCIO N. 36-
ociedade Laucara em com
ni and i ta
Theodoro Simn Sr C,
Compram e vendem por conta pro-
pria metaes, moedas nacionaes, e estran-
geiras, letras de cambio, sedulas do go-
verno e do- banco do Bsasil.
Descontam letras da trra e outros ti
tolos commerciaes
Encarregam-se por conta albeia das mes-
mas transaccSes, da cobranfa de letras da
trra e de oulros ttulos comraerciaes.
Recebara quaerquer quanlias em depo-
rto, em conta corrente, e a prazo fixo.
Largo do Pelourinho n. 7
ALFANDEGA;
dendimenio do dia 1 a 29. **
'dom do dia 30 .... ".
IM por escravo nesta a'dade, no corrate anno fl-
nanceiro de 1869-70. todos aquelles escravos gue
anteriormente se acham matriculados para o im-
posto de 52 por escravos ganhadores e emprea-
dos em armazens
Consulado provincial 29 de dezembro de 1869.
ty administrador,
_ A. Camero Machado Ros.
De ordem doJUin. Sr. conseliieiro inspector
da thesou/aria de fazendf desla provincia se ftz
publico para conhecimento de quem interessar.
que no da 15 de Janeiro prximo vndouro, as 2
horas da tarde, ir i praca para serem arremata-
das perante a junta da mesma thesonraria por
quem por menos flzer as obra da coostrueco da
ponte do trapiche do algodo desla capiial, e de
urna fachada sobre o largo >ta assembfa, oreadas
em l*t 7703"*), conforme as flautas e orcamento
que ero franqueados aos pretendentes na secre-
tara da thesouraria. O licitantes devero mos-
trar-rse aalnenticamente desembarazados e quites,
tanto com a fazenda geral como cora a provincial,
As pessoas a quera conver a arremataco deve-
ro comparecer na referida theouraria no dia e
hora indicados. ~^
Secretaria da thesonraria de Pernambuco em
29 de dezembro de 1869.
^,-s. Serrado de official-maior,
" Jos Pinto,
luspe^co do arsenal de
marluha.
Faz-se publico que a commissao de peritos,
examinando na forma determinada no regulamento
annexo ao decreto n. 1321 de 5 de evereiro de
1854, osaseos, machinas, caldeiras, apparelhos,
mastreacoe?, velames, amarras e ancoras dos va-
pores Giqui, Manai e Jaguaribe da companhia
Pernambucana de navega?o costeira, achou que
os vapores Mandak e Giqui estao em estado de
coutinuar a navegar ; e que o vapor Jaguaribe
nao pode navegar em quaoto nao coueluir os con-
certos da macnina.
Inspecco do arsenal de marinha de Pernambu-
00 28 de dezembro de 1869.
O inspector,
H. A- Barbosa de Almeida
Cose
compras
navaes.
*.
l,3Io:31i*3'8
8o:S789()2
I,00:793280
MOVIMENTO DA ALFANDEGA
283
331
----- 637
160
300
-----560
/oluraes entrados cora fazendas
dem dem com gneros
olumes sahidos cora fazendas
dem id*m cora tunero
Descarregam heje 31 dedezernbro
Barca inglezaSeraphinamercadonas.
Vapor inglezAlhambradem.
Briguo inglezWa/Adebacalho.
Brigue inglezCambnon ellediversos gneros
Rngue portuguezTrtamphodem.
Patacho inglez Idadem.
Sumaca hespanholaIgnacitavnhos.
Brigae inglezEdith Marij diversos gneros.
Brigue americanoEcho faruih de trigo..
Sumaca hespanholaDoloresvinhps.
Lugar inglezCauque mercadorias.
*EGEBEI>0R1A DE RENDAS INTERNAS GE-
. RAES DE PERNAMBUCO.
AendSraento do dia 1 a 29. 62:510*01*
dem do dia 30....... 4:513*389
O conseiho, no dia S de Janeiro prximo vndou-
ro, vista de propostas recebidas at as 11 horas
da manha e sob as condicoes do estyle, contrata o
forneciraento de lenha, sal, cobertores de la, co-
bertores de algodao, lencos de seda preta, e de sa-
paiSes para completo. do de vveres e do farda-
ment aos navios da armada e estabelecimentos de
marinha no trimestre tambem prximo vndouro
de. Janeiro marco ; bem como promove a com-
pra dos objectos do material da armada segun-
tes : i libras de cera em arehote> 20 arrobas de
estipa de algodo, 8 arrobas de merlim, 8 arro-
ba! de malhar branco, 10 libras de obreias fran
cezas, 2 oculos de alcance, 2 terrinas de ferro es
taohado, 20 tira-linhas, 1.000 lijlos de fogo, e 20
arrobas de verde francez.
Sala das sessoes do conseiho de carapras na-
vaes 30 de dezembro de 1869.
- O secretario,
Alexandre Rodrigues dos Anjos.

Para Lisboa
pretendo seguir cora a malar brevdade o patacho
portuguez Marianna II, recebe carga e passagei-
ros, a quem offerece os mnlhores commodos : tra-
ta-se com os consignatarios Thomaz de Aquino
l'onseca & C, rna do Vigaro n. 19, Io andar.
Para o P rto
seguir cem a possivel presteza a tarea portuguu-
za Harmona,.o 1* marcha, para o que tem gran-
de parte de sua carga engajada : para o.restante
o passageiros, tratase com os consignatarios Tho-
maz de Aquino Fonseea 4 C, na roa do Vigario
n. 19, 1 andar.
* mamia mmm
DE
Paquetes a vapor*
Dos portos do sul esperado
at o dia 9 de Janeiro o vapor
Guur, eommandante o capitao-
tenenle P. H. Duarte, o qual de-
pois da demora do cosame se-
guir para os portos do norte.
Desde j recebera-se passageiros e engaja-se a.
carga que o vapor poder conduzir, a qual devera
ser embarcada no dia.de sua chegada. Eacommen-
das e dinheiro a fele at as duas horas do (ha da
sua sahida.
Nao se recebem como encommendas seno ob
lectos de pequeo valor e que nao excedan a i
arrobas de peso ou 8 palmos cbicos do medi-
cao.
Tudo que passar destes limites dever sor
embarcado como carga.
Previne-se ao Srs. passageiros que snas passa-
(ens s se recebem na agencowua da Cruz n. 57,
andar, escriptorio de Antonio Luiz- de Oliveira
Azevedo &.C. '
COMPANHIA BBASILEIRA ~
DI! v .#
Paquetes a vapor.
Dos portos do nerte esperado
at o dia 8 de Janeiro, o vapor
Cruzeiro do Sul, eommandante J.
P. Guedes AlcWbrado, o qual
depois da demora do costme se-
guir para Vrportos do sul.
Desde j recebera-se passageiros e engaja-se a
carga que o vapor poder cttnduzir. a qual dever
ser enmarcada no dio de snachegada. Encommen-
das e dinheiro a freto at as 2 horas do dia da sua
sabida.
Nao se recebem como eeotnmendas seno ob-
lectos de pequeo valor e que nao excedatn a duas
arrobas de neso ou 8 palmos cbicos dj) ojedco.
Tudo que passar destes limites devoro Sr enibar-
ialo como carga. *
Previne-se aos Srs. passageiros, (fae suas pas-
sagens s se recebpm na agencia ra da Cruz
n. 57 prtmeiro andar, escriptorio de Anti nio Luiz
do Oliveira Azevedo & u.
Porto.
67 023*403
CONSULADO PROVINCIAL
tendimeuto do dia 1 a 29. 190:109o20
dem do dia 30 ..... 4:599*911
194:7095431
MOVIMENTO JO PORTO.
Navios entrados no dia 30.
New-Yoik49 dias, patacho inglez Brande, de
195 toneladas, capito Card, equipagera 8, car-
445 barricas com farinha de trigo e outros g-
neros ; a Tasso Irmo.
Haniburgo37 dias, lugar inglez Cazique, de 180
toneladas, capito Decent, equipagera 8, carga
differentes gneros; a Candido A. Sodr da
Motta.
Westervk48 dias, logar sueco Freya, de 264
toneladas, capito Pettersson, equipagem 9, car-
ga madeira; a Rabe Schmettan & C.
Navios sabidos no mesmo dia.
Rio da PrataBarca portugueza Novo Elizio, ca-
pito Luiz Felippe da Cunta, carga assucar e
outros gneros.
Rio da PrataEscuna norte allema Emmanuel,
capito Mar Kmann, carga assucar.
EDITAES.
('ominando das armas.
Faz-se publico para sciencia dos interessados,
que conforme declarou o E ajudante general do exercito, era offlco n. 22,387
de 16 de dezembro corrente, foram remettidos a
secretara do estado dos negocios da guerja, cora
destino thesouraria de fazenda desta provincia,
as urovisoes de reforma dos soldados Se ver ia no
Jos dos Reis e Albino Jos da Silva.
Secretaria do commando das armas de Pernam-
buco, 30 de dezembro de 1869.
Francisco Camero Pessoa de Laceria,
. Tenente-coronel secretario.
DECLABACOES.
Consu ado provinciel.
Pela administraco do consulado provincial faz-
se publico aos respectivos contribuintes, que
d'amaanhaa por diante comeca a correr o prazo
dos 30 dias atis, marcados no art 21 do regala-
meato de 16 de abril de 1842, para a cobranca
bocea do cofre do primeiro semestre dos impos-
rtos da dcima urbana e de 5 por cento sobre a
renda dos bens de raz pertencentes as corpora
edes da mo raorta, no correte exercicra de 1869-
70, incorrendo na multa de 6 por cento aquelles
dos contribuintes que nao os salisfizeiem nesse
prazo.
Consulado provincial, 30 de novembro de 1869.
Servindo de administrador, A. Witrueio Pinto
Bandeara e Accioli de Vasconcellos.
A Illma. junta da Santa Casa de Misericor-
dia do Recite contrata com os pai de familias,
que quizerem tomar por contrato pai a o servico
interno de suas cusas, duas mofas, urna da casa
dos expostos e outra do collegio das orphas, vis-
to ao poderem ellas coutinuar nos respectivos
estabelecimentos, por j terem mais de vinte e nm
annos de idade, corno dispoe o art. 85 do com-
promiso, e nao terom prenles que as reclamen).
Secretarla da Recife, 28 de dezembro de 1869.
O e6crivo
_________________P. R. de Souza._______
Consulado provincial.
Pelo consalado provincial se declara a quem in-
teressar po?sa, que foram coraprehendido3 no res-
pectivo lan^amento para poreepeo do imposto do
THEATRO
Gymnasio Dramtico.
( No Monteiro )
Hh a dlrecco do artista
De-Giov,inni.
Quarta-feira 5 de Janeiro de 1870.
Inangtirar-se ha, com todo o brilhantismo pos-
sivel, o novo theatro Gymnasio Dramtico.
0 programma do espectculo, ser opportuna-
mente annnnciado.
Os bilhetes acham-se, desde j, na casa n. 38
raa Bella o no escriptorio do theatro.
As pessoas que se dignaram adsignar camaro-
tes e cadeiras, tero a bondade de mandar buscar
os seus mgressos, em qualquer dos lugares ci-
ma designados, vito a primeira recita ser do as-
signatura.
AVISOS MARTIMOS.
Companhia americana e brasi-
leira de paquetes a vapor.
At o dia 1" de Janeiro esperado dos portos do
sul o vapor americano South America, o qual de-
pois da demora do co.-tume seguir para New-
York, tocando no Para e S. Thomaz : para fretes
e^iassagens trata-se.com os agentes Henry Forsler
& C:, na do Commrcio n. 8.
Rio de Janeiro
Para o referido porto pretende whir com muita
brevidade o brigue orasileiro Adelaide por ter par-
te de seu carregamento engajado, e para o que
Ihe falta e escravos a frete, trata-se com o consig-
natario Joaquim Jos Gongalves Beltrao, ra do
Commrcio n. 17.
nio Graude do Sul.
Para o porto cima pretende seguir com muita
brevidade o brigue nacional Amelia, capito Mi-
guel Vieira, por ter parte da carga engajada e para
o resto que Ihe falta trata se com os consignatarios
Antonio Luis de Oliveira Azevedo A C", ra da
Cruz n. 57, 1." andar.
Rio de Janeiro.
Para o porto cima pretende seguir cora muita
brevidade o brigue brasileiro Izabel, caqito Jos
Marques Vianna, por ter parte da carga engajada
e para o resto que Ihe falta trata-se com os con-
signatarios Antonio Luiz de Oliveira Azevedo & C',
ra da Craz, n. 57,1. andar.
M a ran luto.
Para o porto cima pretende sabir com muita
brevidade o hiate brazileiro Joven Artkur, capito
Trajano, por ter parte da carga engajada e para o
resto qae Ihe falta trata-se com os consignatarios
Antonio Luiz ae Oliveira Azevedo & C.*, ra da
Cruz, n. 57, 1. andar.
PARA'
Em pou.'.os dia; deve estar aqui, precedente dos
Estados-Unidos, o brigue Katre, que seguir ao
porto cima ; recebe carga e fretes commodos 4
a tratar com Tasso Irmos.
9
satura com toda a brevidade o palhabote portu-
guez ViUu-Flor tem a maior parte da carga en-
gajada : para o qae Ihe falta, pode tratar-se com
David F. Bailar, raa do Brum n. 92, ou com o ca-
pito do mesmo navio.
PORTO
Pretende sahir em pdeos aias a barca portu-
gueza Social por ter maior parte do carregamen-
to prompto; para o resto qne Ihe falta-e passagei-
ros, para o quaes tem bons commodos, trata-se
com o consignatario Joaquim Jos Goncalves Bel-
trao, ra do Trapiche n, 17. .
Para Lisboa
tem de partir em breve o bem cenbecido lugre
portuguez Julio, de superior marcha : para o res-
to da carga e passageiros, trata-se com os consig-
natarios Thomaz de Aquino Fonseea & C, roa do
Vigario n. 19,1 andar.____________________
Porto por Lisboa
Com a maior brevidode vai sahir pera os refe-
ridos portos a barca portugueza Claudia, o pri
raeira nareba e primeira ciaste, por ter a maior
parto da carga prompta, e para o resto que ibe
falta e passageiros, trata-se com os consigna-
tarios Veras A Barbedo, ao caes' da alfandega ve-
Iba 3. 2.
Vai sahir breve a barca Laura para carga e
passageiros, trata-se com os consignatarios.Carva,
Iho & Nogueira, na ra de Apollo n. 20.
Vende-se o patacho nacional Pu/uittjforrado
de cobre, prompto a navegar, cajo navidffchegoru
ha pouco do Rio Grande do Sul oom carregamep-
to de carne secca, e se acha, fundeado m ancora-
douro respectivo, aonde pode ser examinado pefcs
pretendentes : a tratar eom Jos Victorino de Re-
zende & C, ra oa Cadeia n. 52, Io andar.
/
LEILOES.
-.
da muito acreditarte confeitaria c efinj une la-
mente o afamado Caf Fxaocez, sito
ra da Imperatriz n. l#a 31 do cor-
rente.
, HOJE.
O agente Oliveira far leilao cm um s lote, do
grande estabelecimento suma, mobiliadoe ador-
nado, com tudo manto pedia torna-lo admiravel
como aprasivel aos concurrentes n'nm dos mais
bellos bairros desta cidade, tornando-o semelhanle
aos melhores da Europa, e capaz de fazer em bre-
ve tempo a fortuna independen!* de quem possa
pr-se (esta do mesmo, o que ro pode conseguir
o ultimo possuidor pnrlalta de sade. Enfadonho
como intil seria enumerar todos os artigos, uten-
silios e mais accesso; ios iadispensavris, qde con-
tera um tal eslabelecimentJ, como os grandes e
custosos melhoramentos de onrafimen'.os d'agua
e de gaz incluidos no lote, supposto que na i men-
cionados estes no inventario respectivo em mao do
agente, e para cojo exame ^3o previamente con-
vidados os pretendentes at o dia do leilao, que
lera lugar >
SEXTA-FEIHA
ao meio dia era ponto, no indicado estabelecimento,
advirtindo-se a vanlagem da garanta da arrenda-
mento da casa pelos annos que faltara a decorrer
AVISOS DEVERSOS.
COLIiEttlO
O
A directora desse collegio, Josephraa Benvind.i
da Cunba Souto-Maior. competentemente habilitada
pela directofia geral da inslracco publica, avisa
ao respeitavol publico, que acha-se sen collegio
estabelerido ra da Imperatriz n. G3, cuja ma-
tricula abrir-se-ha a 10 de Janeiro prximo futuro,
e offerece seu prestmo aos pas de familia, asse-
verando-lhes seus bons desejos, quer a resp -ito do
ensino, quer da educaeo de suas filhas. O pro-
gramma dos estatutos leitura, escripia, arithme-
tica, systema meinco, lingua nacional, francez,
geograpbia, msica vocal e piano ; para o que
haver professoies e professoras competeniement<-
habilitados. Tambem se ensinar bordados, flores
de varias qualidades, inclusive as de cra. e dansa.
Da ra da Concordia at os Alegados, per-
deu-se urna rabeca noile de festa ; quem achou-a
e quizer restituir dirjase a mesma roa n. 15, que
ser recom[>ensado._______________________
Programma da festa do .Venino
leos, na lg-eja matriz da
Vare.
As 6 horas da tardo em ponto do dia 31 do cor-
rente, ser arvorado o estandarte do Menino Dos,
e aos harmoniosos sons da msica militar do i"
batalhao da guarda nacional desta capital, da qual
digno director o Sr. Mendonc, o de grande
quantidade de fogo do ar.logo em continaaco sc-
guir-se-ha as vesperas.
Ai 6 horas da manha do dia 1* do Janeiro sol-
tar-se-ha ama salva real, demonstrando ser esse
o da de grande jubile para os habitantes deste
logar por ser o dia da festa. As 11 horas em
ponto entrara a festa, na qual se cantar a solem-
ne missao Dogma da Conceicoque ser regi-
da pelo digno maestro CoJaes lilho, sendo os soles
cantados pelos senhores Tobas, Floriano, Coelho e
Sabino; orar na festa o muito digno padre Mello,
precedendo ao sermo urna linda sympbonia obli-
gada a flauta, que ser desempenhada pelo muito
distincto professor Candido: dando lira o acto com
a sobida de varios baldes, urna salva real e gran-
de quantidade de fogo ; haver durante o gloria
distribuico de Hados registros da efligied Mi-
nino Dos, offerecidos por um devoto.
A 6 horas da larde ter principio o Te-Deuro,
sendo orador o Rvm. Sr. Albuquerqae, Ando o
qual subir de novo ao ar differentes baldes e
quantidado de fogo, sendo nessa occasiao entregue
a bandeira futura juiza.
As 4 horas da tarde dar principio o diverti-
mento de cavalhadas, que confiado a direccao do
Sr. Jos Jaques, satisfar completamente a espec-
tativa publica, pelo grande conhecimento e praii-
ca qae tem de semelhaotes divertimentos. Depois
doTe*Deom, porm, arrematar o festim era hon-
ra do Dos Menino cura um bem combinado fog >
de vista, sendo ambos estes divertiraeotos preen-
cbidos os intervallos com maviosos sons de msi-
ca militar.
Precisa se de urna ama quo coznbe co.i
perfeio e seja de bons coelumes, tambem se pr-
cisa alagar ama escrava as memas coodicCer
a tratar na ra do Vigario a. 5, terceiro andar.
Preeisa-se de urna ama de leite : no Corr -
Uor do Bispo n. .
lUGIL

v.

V
4
fenr


-A,.
Diario de
___________--_________i<
PernamiSiieo Sexto feira 31 de Pfezenbro de 1869.

Urgencia.
l'nv: n-pft c ima ama livre ou serava para o
-i de duas pessoas, pa;:a-e
tien: : a tr.itarfBBBB {Eva n. 'ili. toja.
IMA
L
Precisa-se alagar un escrava ou urna ama
forra que cozmhe, engomme e faca as compra?,
-para ea? de pequea familia, paga-se bem : na
Tin d3 caes do C.apibaribe, casa uova com grade
I ferru na fenle e pirto ao lado.
Joaquim Manir da Silva tendo de mandar ce-
lebrar urna mls-a pelu eterno repouso de sua mui-
to presida mi i D. Rita Mara de Jczus, fallecida
na cidade do Parto, roga a>>s seos parentes e
amigos para assistirem a esse acto de caridade,
segunda-feira. 't de Janeiro, na matriz do Santo
Antonio, as 7 horas da manhSa. ___________
- Aluga-58 ama casa em Jaboalao, no pateo da
feira, com bastantes com modos para familia, por
doos mez >: Janeiro e fevereiro. e prego razoavel :
n tratar na na das Flore nLi7. _________
Precisa-se de una ama : na ra de Hurtas
II. 30, sobrado.
Aluga-se a casa do Mondego n. 36 para
grande familia, com peqiii-no sitio e cacimba d'
boa agua, bomba e banheiro : a tratar na na da
Cruz do Recjfo n. 31.
Club do Monteiro
A reunio familiar d'esti semana ter
lupar na sexta-feira 31 do corrate.
Havera coniiuc.Tio da linia frrea meia
noite.
0 empresario.
P. J. Layme.
Amas.
TIULHOS
Proeisa-se de dua amas para o servico de casa,
sendo urna para casa* de pouca. familia, que saiba
cozfntiar e engominar, e outra par cozmliar'.o-
coniprar : trata-se na ra das xrineheiras^ysb
brado n. 48.
Recife Apipucos.
Alm dos trens marcados na tabella, ha
hoje 31 um que parte do Recife a Apipucos
a 1 hera e 30', tocando em todos os pon-
tos, o outro s 10 e 30' da noute, que de ve
vollar de Apipucos meia noute.
No dia Io de Janeiro prximo principiaro
os trens do Recife .s 6 horas da manh3a, e
conlinuaro a sahir de hora em hora al
meia-noute.
Para acommodacoes das. pessoas que via-
jaron at a Jaqueira,. e para evitar que osf
trens cheguem nesse ponto na volta sem
mais lugar, como aconieceu no dia 25, ha-
vera trem especial do Recife, tocando em
todos os ponto?, at all, de hora em hora,
das 3 da tarde as 10 da nout<\
Escriptorio da companliia, 31 de dezem-
bro de 180!).
W. fawlinson,
Gereote._______
Club Pernambucano
e 2 de Janeiro estar fechado
/
boa
oao-do Reg Lima saca sobre a /praca.4e Lis-
ia ra de Apollo n. i.. / '
Nos das 1
o club.
O empresario.
P. J. Lat/me.
PBOOURADORIA
O sollicitad>r jturgos Poiico du Len, 88*
i ega-se doquaesquer queMoei civeis, jg|
crilMB e comnierciaes, comoascclesiis- cao
ticas, das quaes ion urna longa pratica de gg
qnihze annos, e se-acba competentemente g
provisionado pelo Exm. e Kvru. Sr. Bispo a
diocesano. i
Elle continuarluMnpregar todos sens
e.-fcrcGs, alm de manter a inesma con- n
li'inca que lera merecido de seus digaos 0
cone,;. ,..,..
, rocurado das seis as nove 5
hora Ja mauhaae das quatro da larde a
em dianie, em ^a casa, da ra dasTrin- |
eheiras, junto aocartorio do Sr. escrivao a
Hotta, e fura de-tas boras as salas das o
audiencias
Aluga-se
o 3* andar do sobrado n. 8 ra da Imperatriz .
a tratar com J. I. de M. Reg, ra do Trapichf
n. 31.
Anda nao fot posivel vencerem-se os
trabalhos de acbamelo da PHOTOGRA-
PHIA IMPERIAL da roa do Cabug n. 18,
os quaes s estarao terminados no dia 7
de japeirode 870.
Pedimos, indulgencia e paciencia aquel-
las pessoas que se tem dignado esperar
qui! principiem os nossos novos trabalhos
photographicos para se fazerem retratar.
Recife, 12 de dezembro de 1800.
J Ferrara Vil lela.
AVISO
Precisa-se alugar urna mulher d; meia ida-
de e boa conducta para servir e fcuer companhia
a duas pessoas : a tratar na ra do Queimado n.
43, prmeiro anJar. ___________
Dinheiro a juros
D-se 70O000 juros sob tirinas a contento :
na ra das Trincheiras, sobrado n. 48, dir-se-ha
quem di.
IMPERIAL
INSTITUTO
i\. uo m muid.
O bac*arelAntonio Ciolumbano Seraphico de
Assis Cirvalbo boje o propietario e director
desse instituto. Pretendendo dedicar-se exclusi-
vamente, e com tolo zelo e solicitude aos trabalhos
proprios dessa |JRfisso, espera que os paes dos
actuaes collegiaes o honrarao com sua confianza,
c bem assim que aeolharao o seu estabelecimnto
quelles que precisarem de collegio para educaeo
4e seos filhos ou protegidos, certos de que o ac-
tual director 3e esforzar nao s para inauter o
boin nomee crdito, que desde muitos annos goza
- referido Instituto, como tambem para imprimir-
llie novos melhoramentos.
No dia 7 de Janeiro do anno vindouro ter lu-
gar a abertura de todas as aulas de nstru.vao
primaria e secundaria^_____________^_^__
Ama.
Precisa-sede urna ama para cozinhar e comprar
para casa de pouca familia : a tratar no pateo do
Paraizo n. 1, i" andar.
Popos tubulares ins-
tantneos.
Traversa do Corpo Kaato n. 95,
artnazcui, e ra \ova n. 38,
loja.
Bandeira, Machado & C avi^am ao respeitarel
publico que nos lugares cima encontrar no tffcs-
mo sempre grande quantidade de ditos po?os, e
que se acham habilitados para vender por menos
que outro qualquer, por isso que os recebem di-
rectamente do fabricante Norton, de Londres.
As vantagens que offerecem os pocos- instant-
neos sao : primeiro, poderem ser collocados den-
tro de casa ou lora, com o trabalho de urna a duas
horas; segundo, fornecerem os mesmos agua pu-
ra e abundante, podendo serem removidos de um
para ontro lugar, quando assim convier.
Os annunciantes so reeebcrao a importancia dos
referidos pocos depois de collocados, satistazendo
espectativa do comprador. _______
ATTENCAO
Na rna estreita do Rosario, sobrado de um an-
dar n. 35, preparam-se capeltas ricas para pasto-
ras, e bouqnets para offertas com litas bordada?,
tudo de muito bom gosto e barato, enfeitam-se
velas ricas para baptisados, o tem promptas para
vender-se por barato preco, faz-se bolos para
presentes, enfeitado, pudins e doces de todas as
qualidades, bandejas de bolos finos de varias qua-
lidades para pasamentos e bailes, bouqueis de era-
vos naturaes para casamentos cora tilas bordadas
a ouro, e bouqnets para enfeites de bolo?.
Aluga-se urna ca^a com muitos commodos,
na cidade nova de Santo Amaro n. 4 a tratar
na ra das Cruzes n. 36 com Joaquim de Souza
Neves._________________________
AJtIA
Precisa se de urna ama livre ou captiva para o
servico interno e externo de urna casa de pouca
familia, paga-se bem, dando garante a sua con-
ducta : a tratar em frente a ra do Vigario n. 2,
armazem de molhados.
Attenpo.
Precisa-se alugar um escravo, dando o senhor
flanea sua conducta, paga-se 30000 : na ra
da Praia n. 47, padaria.
Fugio no dia 24 do corrate mez de dezembro
dp sitio da Ponte de choa, o escravo Victorino,
lilhodo serto do Ico, preto filia, babeo, idade 17
a 18 annos, vestido com calca branca, blusa tie
algodaozinho curta, chapea do ebylo de aba larga.
6 bastante ladino, costum a embreagar-se. falla
com bumildade : pede-se, portanto, as autorida-
des peliciaes e aos capites de campo a captura
de referido escravo, e de entregar no sitio da Pon-
te de Uchoa, de Jos Morcira Lopes, que recobera
OOJ de gratifleacao._______________________
Precisa-se de urna ama de leite sem lilao no
pateo de S. Pedro, n. 3.____________________
Desaopareceram do poder do s baixo assig-
nado seis letras da quantia de 500000 cada urna,
acetas por Jaciulho Affunso de Mello, a favor do
abaixo assignado, cujas letras sao provenientos do
an endamenio do mea engenho Illia Grande, e
venjen-se a primeira em maio deste anno, e as
de mais no mestno mez dos annos sucoessivos :
rogo, portanto, a qualquer pessoa que as achar,
que as entregue na roa das Calcadas n. 10, ao
Sr. Sehastio Antonio da Silva Raixa, que recom-
pensar an portador*
Joao Francisce Alves Pereira de Vasconcellos
CASA DA FORTUNA
Aos 4:0005
Bilhetes garantidos.
A rna do Crespo n.23 e casas do costume.
O abaixo assignado, tendo vendido alm de ou-
tras sorles, um meio n. 185 com 4:000JI da
lotera que se acabou de extrahir a beneficio da
igreja de N. S. do .Amparo de Goyanna (132*),
convida aos posmidores a virom receber na oon-
farmidadedo costume sem descont algum.
Acbam-se a venda os felizes bilhetes da 4*
parte da lotera beneficio da igreja de Nossa
Senhora da Crmceicao dos Militares do Recife (133*)
que se extrabir na qninta-feira 13 do mez vin-
douro.
Precos
Os do costme.
Manoel Martins Fp.t.
Furtaram hontem da obra do Sr. Maia na
ra da Aurora, da algibeica de um eoJIete um re-
logio de prata com o dourado gasto, de n. 80,438
cylindro, com urna cadeia de dons eordons de
ouro com dous passadores, sendo que na tran-
queta que prende ao cohete est machacada ama
pequea bola que a ella se liga. A qoem for of-
ferecido ou delle der noticia certa ser gratificado
na ra da Senzalla n. 130 :
freposifrie pao e eesfs, na rna
^^wrga do Rosarlo it 31
Este- estftelecimento acaba de seraopprido com
um dos melhores soriimentos de obras de palha
(cestas finas) propria sonjente p:ira cortura de
seahoras meninas de escola. O bem acabado
dastas cesta de modelos inlcirameate nevos, nos
facilitar (o qne desejamo) sua prompta extrac-
Tio. AiftdafcUor esta vez solicitamos dos nossos
:r|aee3 sna coadjaracao para concluir-se o
anto antes o sortimento de obras de vime che-
gadas de Lisboa em novembro passado. Conven-
cido de ser o nosso estabelerimento o nico nesta
cidade que constantemente recebe da Europa 11-
das as variedades de obras de palha e vhne, offe-
recemo* tudo e em todas as pocas pelos menores
precos que poMlvel; sempre adoptamos o sysle-
ma de vender nutito o locrar panero
Na ra da Moeda n. a, i- andar, escriptorio
de* Manoel Alves Ferreira & C, vende-se vinho
verde superior em barris, ancorela? com vinho do
Porto snperiirc malvazia hranco.____________
Pernambuco & Excelsior cric-
ket clubstheletic sports.
To be held al S1 Amaro 6,k january 1870.
Open (ro all-comers.
i'O Yards Fiat Race (entrance 1^000).
Wide Jump. d.
100 Yards Sack Race. d.
Piiitinsttte Weighl. d.
100 Yards Hurdle Race. d.
300 Yards Native Race.
Higb Jump. (entrance 13000).
120 Yards Tbree Leggedc Race. d.
100 Yards Fiat Race. d.
Throwino Cricket Rail. d.'
100 Yards Wttecbbirrou Race. d.
200 Yards Consolation Race.
Entrances to be made previons to 4 january.
Will commence pnnctuallv at 3,30 Pm.
W. G. Fenwlly.
38Ra do Coinmercio.
Hon. Ser.
* Gratiflca-se generosamente a quem trouxer
pharmacia franceza, rqa Nova n. 23, urna ca-
pliorrinha cor de vinho, tendo os signaes segnin-
les : cauda coto, dous sigoaes amarellos por cima
dos olhos ao que chaoiam vulgarmente quatro
olhos, e levando no pescoco urna colheira de mar-
roquim encarnado com um guiso de lalo._____
Precisa-se de quatro trabajadores de mas-
seira : na ra da Senzala-velha n. 84.
COMPANHIA
DOS
TIULHOS URBANOS
DO
RECIFE A' OlilVIlA.
Por ordeiiv da directora sao convidados
os senhores accionistas para no praso de
10 das, contados do din 3 de Janeiro pro
ximo futuro, ellectuarem a G* prestaco de
suas acfes na razo de 10 0/0.
Para esse fim ser encontrado o senhor
thesoureiro das I i horas da manha s 2
4a tarde no escriotorio da companhia.
Recife, 29 de dezembro de 1869.
Joo Joaquim Aloes,
V secretario.
Aluga-se a casa da ra da Gloria n. 79. com
4 quartos, quintal e cacimba caiada e pintada ; a
ra do Queimado n 69.
Liquidaqo de ouro e prata.
O abaixo assignado comprou a loja de ourives
da ra da Imperatriz n. 73, que foi do fallecido
Jos Ferreira lavares, tem resolvido liquidar por
isso vende por menos de sem valores, cadeias do
relogios, trancelins, eacoletas, pulceiras, brincos,
rosetas, aneis, pecinez, relogios e outras omitas
obras, todas do ultimo gosto e tambera algama de
prata.
Recife, 30 de dezembro de 1869.
Francisco Pedro Advincula.
AInga-se urna expeliente escrava parda para
eugoramar o fazar o servico interne em casa de
familia: quem precisar, diriia-se em Santo Ama-
ro, ao sobrado'jrnito do eeraUerio raglec.
" Qaem" precisar de urna ama que tem pratica
do todo o servico de urna casa de familia, diriia-
se rna da Cruz do Recife, sobrado amareo,
qiarto andar. ________________________
Methodo Castilho,
Secundino Jof de Farra Smiles, professor par-
ticular de instrnecao elementar pelo, methodo Cas-
trllw, avisa ao respeitaref puWico e com espeeja-
I idade aos pas de seas alumnos, qne no dia 10 de
ianeiro est abena sua aula na ra da Penha n.
25, f andar ; aonde recebe pensionistas por pre-
co commodo. O mesrio professor proraette muito
se esmerar no adiantamento do ens alumnos.
)
alugar urna sala e alcova para om moco solteiro.
com entrada independenle para qualquer hora :
na ra do-Imperador n. 46, 1 andar, das 9 da
manha a 3 da tarde.
a.-K, n
as -i
ni
~
e 2. O v
5=- cj
P3
3
l
t
*K I

* a' !d


r*
enn
as f ^_
-sl.f5.JL
as 2.- S 35
m o a> g'O
" 3.P 0
f 05 S fl) *
2> 3 3 CC
S as n 5=
ea
as ,-
F8
c 2

1870
FOLHINHAS
Arabio ale aahlr Imb e aclio-ae
tenda m
LIVRARIA FRANCEZA
Ra Ao CfMpo, W O.
u afintdu Toftiihu
E
PARA 0 ANUO DE 1870
PRE90 As O
1J
COSINHEIRO
No Caes do Apolo armazem n, 71, pre-
oisa-se (Tum bom cosihheiro de conducta,
paga-se bem agradando.
Pede-se aos seguintes senhores, se dig-
nem comparecer na loja do Passo ra do
Crespo n. 7 A. a negocio do seu particu-
lar interesse:
Antonio Pereira de Souza.
Bichas haraburg^iezas
Neste novo deposito recebe-se por todos paque-
tes translanlicos bixas de qoalidade superior, ven-
de-se em caixa ou porfo mais pequea e mais
barato de que qualquer outra parte ; na ra da
Cadeia do Recife n. 51, 1 andar.
Ama
Precisa-se de urna ama livre ou escrava para
.uinhar, paga-se bem : na ra da Cruz n. 66.
Advertencia
.Manoel Archanjo da Silva Antunes vai a Macei
tratar de negocios seus, e pas isso obteve licenga
de sen patrio o Sr. Jos dos Santos Oliveira.
Precisa-se comprar urna escrava de meia
idade : quem tiver e quizer vender, dirija-so a
loja de calcado da ra da Crmn. H._________
Precisa se de nma passoa para carregar
nma caixa de joias das nove horas da manha at
as tres da tarde, paga-se bem : quem tiver dirja-
se a rna do Cabug n. 9, loja de relojoeiro.
Offerece-se um moco que sabe escriptirar
em partidas dobradas para ajudante de guarda
Iivros; quem de seus prestimos precisar derija-se
a ra da Palma', n. 00.____________________
Aluga-se
a casa terrea n. 2 na ra do Socego (Campo Ver-
de) : a tratar na ra do Hangel, taberna n. 7.




VERJADEIRO LE R'JJ
de iitvoaiiT, DiHlcir-M.--i.riii
Ru de Scine, 51, tt. PAH1S.
m
Em cada g.n na, ral, mire i r.ilh n rawH i.-hI
que Ir omru ilurlr, inu rolui.i imprr ... n imt-
relluc.in o Mi.lo Imau. n Civi":v,, ruK\t i.
rf K H. I ru.rt-
S~ls7* ~------. r* -trud.witiralil'.r
hrtParis.Mntattl
1 Ou '.J ilr V lia.
om 'Xiui..,^i>i.i'ic
d.i ai i 111 -nt ril
naior .IrsciDln
OOCTEUR-MDECIN
JT PHARMACIEN
PILULES
DE VALLET
As FfhdM de Talle, approvadas pela
Academia imperial de medicina de Parix,
saO empregadas com o maior
xito para curar a chlorosis,
e fortificar ai constituice*
Iracas. Nunca este ferrugi-
noso ennegrece os denles.
Para a garanta da sua avtbenticidade,
o nome do inventor vai gravado an cada
pikiia como i margem.
taaita MB t|l-'u'D",> Ditpnettile; CheieltL
^ I em rimvnco, Mttrer l C1*.

-
Talheres de alfcnidc.
lilcoreiros e galheteiros.
crfieos de eh e eesfas
para pao.
dastleaes e palmatorias.
farros, bacas e esearra-
.H'deiras.
Ponchearas e batidlas d
mesa.
Artigo para hotels c con-
feitarlas. 4
Rscrfranlalias e paHtciros
Candelabros s serpentina
irnas paraTrefrescos.
Ra da Imperatriz n. 47, L aidar.
e marcada .
por elles dotada dos aperfeigoamentos mais importantes deste seculo.
I
ella conten,
iristofle & C.
Urna duzia de colheres de mesa alfenide...... tOjJOOO
Urna dita de garfos...................... 2S0OO
Urna dita de facas.......v.i............. 2lt?60U


Os representantes em]Pernambuco para corresponderem importancia da industria que represntate, obrigam-se a receber em qualquer lempo os talheres>ndidos]por:elles,pela metade^o^eu valor em troca de novos

IIEIUT
A Milliet Fils 4 C. cont'rataram tambem com essafgrande fabrica a sua representacSo em Pernambuco,.' am de porem an alcance do consumidor de bom gosto urna infinidade de artigos de crystal, nao s para uso domestico, como de ph|jjhwia:
Vasos para flores, lustres, candelabros, servidos de sobremesa, etc. ete.
Tambem vende o que ba de melhor em ___ ^____^^ ..
PORCELANA
Z ZSet Fils & c- s3 representantes acreditados destas duas fabricas no Rio de Janeiro, 8 rna dos Ourives.

RIJA
t|0O
a CABG
I esquina
Inda ra larga do
|f| Rosario.
AO ANNEL DE 011W
RM
EO
CABUG
v esquina'
DE
Este importante estabelecimnto no seu genero, tem sempre umfflRrtimento sem igual,
e vende por prepos que nenhuma outra casa pode vender. ^ raa j^aa do
vista da qualidade e do prepo das joias cada um pder-se-ha convencer daverdade.!
Garante-se ser tudo de le Compra-se ouro, prata e pedras finas por prepos muito ele- Rosario,
vados.
Al loja est aberta at as 9 horas da noute.
/

ILEEtVH 1
Pi "
"m
E?
BSSSSSm I
^^^gBHBD^I


E^HBHIHr
. ... -.,_,
... ., ., _;-:

/^ -r"'
^
Diario de Pernambuoo Sexta feira 31 de D'^embro de U9
=
-m
-----
DAVID WILLIAM BOWMAN
Parlecipaaos seuhores proprietarios de tngenhos, que acontecendo Saltar-Ibes
agoa cu animaes pan a moagem durante a presente safra, elle tem vapores promptos
para asseotar, sem precisar de obra nova ou demolilo ode botar taes mgenhos a moer oito tlias depois de estarera as pecas do vapor no
HWilio, gtrantindo-se o trabalho.
Fundiqao, ra do Bran n. 52, passando o chafariz.

>>

Mikroskope achrema-
Useheo. Ot^tirLin-^^
Barometre e termo--
metre. Oentigrade*
ereumneure.
3 3 < CSC
es _. ~
^|ol2SlwSf >|3|
vi a s a
IBS
*&
"> o.
'|I|t
i < i =r
o 3
Sts
o -i o-
-5 "i
P 9-:
? 3
5-3 5at
oas2.n
~> sr-
o
5 o
t3
3 =o
= S tt>
a o o pa
a
u o u
a
* q, 2. w c -yj
o
O
O
>

r3
3
=,-= l 1C u-
---O. Q
u o O
a sr*
38
* o a S
3 =? O-HS
< ggf 3 2.
s '.
" B a-o a.
o. f **a ^
o n o ?
llifE
3^Sg? 3
s
ai
a

5
9
en
So
*
>

>
DE,
OGULQS PERISCPICOS
E crystal de rocha do Brasil.
F^ di. .imanm. necommenda ao publico, seus viuW periscpicos apereicoa-
dos; porque, com estei vidros, a vista descansa, fortifica-se e nao a canea como com
os vidros ordinarios, lima vez escolhido um vidro, pode durar dez annos, emquanto
que, com os vidros ordinarios se est obligado a muda-Ios todos os annos e ter
cada ves mais groases, o que altera o crystalino do-lho e determina quasi sempre do-
res de oabca. 0 alcance urdinario da vista perto de 30 cenumeta*8 do lho, e,
todas as vezes que o objecto est mais perto ou mais looge, os raios que expelle sao
mui convergentes ou aaui divergentes e a vis3o n5o pereita. Um grande numero de
pesseas tem o defeito de fazee convergir muito d sorte que a vis3o n3o /distincta.
Com a appiicacao de meus vidros pde-se vencer estas difficuldades. Para os que tem
a vista curta e cujo crystalino mui convexo (o que faz ver bem, de perto, e mal de
longe), b que se chama myopr, por meio de um vidro concavo affasta-se o ponto de
vista, o que faz divergir os objectos-ie deixa ver t3o longe como as outras vistas. Quan-
do o crystalino muito .chato, o que succde aos que tem chegado a urna certa idade,
o que se chama presbyta, vem raelhor de longe que de perto, e nao enxergam senao
um nevoeiro na distancia ordinaria da vista; cora um vidro convexo, estes enxergarao
tac distinetamente como najdade de 15 annos. Servindo-se desles vidros quando e
vista principia eufraquecer, previne-se o mal.
F. df. Gerkuaoa eucarrega-se pela sua experiencia, tendente aos olhos, a es-
colber, a primeira vista, seja qual for a idade e grao de vista, oculos proprios para
qualquer pessoa,
Para que sao fabricados estes vidros ? ?
Para a vista myope, (vista curta).
Para vista que se cobre de nuvens.
Para a vista que por momentos, v es-
voacar pequeos pontos negros.
Para a vista quu as palpebras tremem
de fraqueza.
Para a vista que os olhos sae desiguaes.
Para a vista que se turva com o traba-
lho e a o i tura.
Para a vista presbyta (vistagalon ).
Para a vista que n3o snppora os raios
solares nem grande clardade.
Para a vista operada da catarata.
Para a vista que as palpebras estao ce r
cadas de saugue.
Para a vista que um dos olhos myop
e o outro presbyto.
Para evitar finalmente que o crystalino
do olho se cobra de catarata.
GUSTAVE
CABELLEffiEIRO FRANCEZ
51Rua da Cadeia do Recife51
Chama a attenco dos seus innmeros freguezes, e do respeitavel publico en
geral, para a segiinle tabella dos precos de sua casa, os quaes sao vinte por cent
mais barato do que em outra qualquer parte:
Cabellaras para senhoras a 25#, Cadeias para relogio a 50, 6-3,
U, B4, W, 124t e.
15,5004
300, 350 e......400000
Ditas para hornera a 350, 10* e 500000
Coquetea 120, 150, 180, 200, ^ Corto de cabello,..... 500
CreL'ntefl, 130,'180, 20 ^^ Crte de cabe,to com friccSo- 30C
250, 300 e..... 320000 ^vle de cabello com lavagem a
Cachos ou crespos a 30, 40, 50, I champou...... 10OO)
60, 70, 83, 91 e. 100000 Crle de cabe!locom hmpez da
Tranca de cabello para annel a cabeca pela machina electri-
500 e....... 10000 ca, nica em Pernambuco. 10(K)fe
Tranca para braceletes a 100, Frisado ingina ou franceza. 500
150, 200, 25 e.....300000 Barba. ...... 254).
ASIGNATURAS MENSAES
Especialidade de ponteados para qasaroento
Bailes e *oorces
0 dono do estabelecimento previne s. Recommenda-se a superior TINTURA XV*
Exma-s. Sras. e aos eavalheiros que ha um PONEZA para enegrecer os cabellos e bar-
salo para tintura dos cabellos e barba, as- Da' unica dmitda na Exposicaol'niversa)
como nao prejudicial sade, por ser vo-
sim comoum empregado smente oceupa- (jaui, analysada e approvada pelas acade
do nesse servico. I mas de sciencias de PARS E LONDRES
Sortimento
para theatro,
de binculos
e oculos de
alcance para
rinha.
o campo e ma-
BfcMft
Lunetas, pince-nez e
face--main, ouro, prata,
tartaruga, bfalo, ac,
etc., etc.
Tem tambem grande sortimento de relogios para parede, que dao horas e para
cima de mesa dos mais lindos modelo Relogio para algibeira, de ouro, prata, prata
domada efoleada, inglezes, susos e orisonlaes dos memores e mais afamados fabri-
santes.
Vendas em grosso e a relalho. Em Pernambuco.
N. 21=Rua (avaN. 21.
CASSAS DE COR
Lindas cassas franeezas de cor i 400 rs. o metro, na loja das Collumnas rus
do Crespo n. 13, de Antonio Correa de Vasconcellos.
-= "> b wc2 ^
_ m -a k 3 .
"
: a o g a
a <5 S
en
O
co
o 2 g
o o 25S
o .o.
o s a"32
c 'Sj-"
E o .jH
~ a o 2
i as
i-f!ii|,-
en
*3 c
QJ OQ
es "O
2^
s
3
9
V
s
te'
9
3)
S2S
2 o
Jui20^2.2
L.2s
- S. B r s o
* E fl o != _"z
.z, 3 o w
j -a u" o b co
AGUIA NEGRA
LOJA DAS MACHINAS


>
BASTOS
BENTO MACHADO a C,
A AGUIA NEGRA, animada cora o bom accoihiatento que teve era seos anco.:-
cios, vm de novo participar a seus freguezes, que, acaba de receber um variado sorti-
mento de objectos de gosto, os quaes ser3o vendidos por procos muito razoaveis, pois
quando fea es seus piimeiros annuncios, foi o que assegurou, e sem mdo de errar,
porque amo j disse est ligada por interesses a urna casa importadora desta praca, ?
per isse podcE tar tudo especial e vender por precos admiraveis.Chama pois a alien-
cao de seus freguezes para os artigos que possa descrever:
Livros com o tampo de marlim, madre- Um variado sortiments de charuteiras e
perola e tartaruga, proptios par missa. paltoiros do porcelana,
Garafinhas vazja proprws para presentes TenU)g para voHarete.
n
VERDADEIRAS
^
PILULAS de BLANCARD
COM iODURETO DO FHHO INALTAWEL
APPROVADAS PEU ACADEMIA DE MEWCINA DE PARS, ETC.
P quinto is propriedades do lodo I do .ferro, eoon ecpeeiahmnte aw Aftkccob
vTSZrS*:* f no PriI,ciPio'a fray"**de timptnmnto lambemnos casos de
palta pe cor, AMWORRHEA.em que precisaRRACia "\mx o sangub seja para restitalr
'Tpieza e abundenda normaos, ou para provocare regular o seucuno peridico
N. B. O wanreU da ferro impnro en alterado nm mdicamente infiel,
irritante. Como proT de pnrea de anthencidade daa v*v ^* **_ 'eerd, deve-se eiifir nosso aclt* 4e prata rcaetir* e
eonao Onm, aqai reprodaiiJa, trae te <-ha a parte inferior de
ra^'e er*e. Cere-ea deeeonflar da* faltifleatoi.
*!L*!l!jjHM*rlo>_^W^ fue jemgrto. e. P~a
Acabaai i cargar grande quantidade das verdadeiras macbiBas
Mra descarofar algodio de todos ns i systemas tamanhos seguintes:
IX serras 12 serras
14 ditas 14 ditas
15 dita* 15 ditas
16 ditas 16 ditas
18 ditas 18 ditas
0 ditas ?0 ditas
ti' atas 22 ditas
25 ditas 25 ditas
30 ditas 30 ditas
ditas 3 ditas
40 ditas 40 ditas
araertcaaai
is quaes se vendem por precos comnvod6 e roga-se as pessoas que dess fizeram en
ommewjas de alguns tamanhos, obsequio de as mandarem busca-las o mais breve pos
=ive afim de alo bawrem faltas.
RA DA CADEIA N. 56 A
Musa de gosto.
Indispensaveis de palinha e de couro pro-
prios para senhoras e meninas trazer nos
bracos.
Binculos de madreperola, marfim e tar-
taruga todos esmaltados.
Cintos largos de setim, oeusa ifUeiramefl-
t nova.
Fitas de sarja de todas as cores e largu-
ras para latos.
Bengalla3 com mariim, cousa especial.
Sabonetes de alcatro.'
Cofres de folhas para dinheiro.
Lindas caixas para costura.
Um completo sortimento da la\as de pe^
h'ca,
Talagorce para bordar.
Um completo sortimento de enfeites dt-
Toocac, sapatinbos meia* de seda emais seda para vestido,
perteacea para baptisados. Perfumaras de todos os autores os mate
Filas eom inscripceprpri para boa- acreditados em extractos, pomadas e elfos
quet de noiva, j e (nalmente outros muitos objectos que tic.
Ricos vasos com p da arroz. poesivel mencionar ; mas com a vista c
Um variado sortimente de jarros de por- certiflearao do sortimento deste estabelc-
celana. cimento.
Aguia Negra, ra do Cabug n. 8.

INJECTION BRO
lBfalHl e Preaervatffe, akMluUa>M> unwu s.*eurawui iwlbum atlinuvo. V.
r*J^f*?-b?tL'!M. *'!' ( J""I- *> .) ( U eXeteMia.) Par*., es *
O) awewer o*. atHerari eaate. H.
r^f

COMPMHIA
de seguro raaritiro8 e terrestres
A companhia de seguro Fidelidado estabeleeida
eui Uaboa drsdu o auno de l23, o representada
nesla cidaile pelos MM am'iUes aliaixo assigna-
dos, com plena antorisaclo do governo imperial,
torna seguro? a li-co tnariiimo e contra lego, em
predios e estaftelecimentos, dando ao segurado o
stimo auno gratuito uuano ten lia seguro seis
anuos consecutivos, para tratar na ra da Cndeia
do Recife n. i2, escriptnrio.
Os agen'i-
Feliciano Jos Genios.
Thomaz Fernandes daJ^unha.
Collegio de S. Francisco ir
Paula.
O hachare! Francisco Jos Babello. competjniej
ment habilitado pela directora da instruecij
Mica, tera aberto um collegio para educaJT
maria eserundaria do sexo wioeNno, a tra|
das Barreiras n- 2. No mesmo coltegio s* |
rio desde ja inscrever os alumnos qoo pr
re frequentar o corso das ferias no qual
para os
Na ra da Cadeia n. 23 casa em cons-
truccSo, olTerece-se j n;"iii de boa calida e
pedras, encllente argaraassa para lugares
arenosos.
cialmrnte se ensinariio as materias
mes na lacaldade no mez de marco.
Escriptorio
Aluga-se a parle da (rento do primnim anear 9.
.12 da ra do Imperador.: a tratar do mesmo s-
brado.
No engenho S. Fraucisco da Vanea appof
( ceu um boi de carro: qnetn for seu dono dertj
, ao mesmo engenho.


TtiiHU i I
ni 11.
ilttimri
MaMMaM
/
Diario de Pernambuco Sexta felfa 31 de Uezembro de 1869.
t
c
gfH^rfjfTr
ARMAZEM
60- -RA DA CADEIA DO RGfFE
' PARA ACABAR NESTES DAS ,
O proprietario deste'estabelecimenlo tendo de partir|muilo breve para os Estados Unidos e Europa, faz completa liqutdacao nesles dias, para acatar ; como
wtinidos para camas e janollas cobertores inglees finos, calcado de pao, bijoterias d'ouro de iS, como rosetas de brilhanles, aiieis, oculo, lunetas, trancelins etc., apparelhos
ele m-ial do mais Boa que ha para almoco, bandejas etc., perfumaras de differentes fabricantes, differentes caixinhas, vastas com enfeites muito proprias para presentes, caixas
ia msicas, ditas com pertences para costura, ferro de engommar, nao sendo preciso carvo nem fogareiro, machinas de deir batatas, ditas para preparar a carne para gui-
ulos, ditas para bater ovos e bollos, grande variedad de porcelanas, como, vasos para toilette, apparelhos para mesa etc., differentes objectos de vidro como seja: lustrse
lobos p3ra salces, lanternas para cima de mesa, escarradores etc. uns excellentes cofres de ferro, espelbos de diversos tama ribos 4&i moldara dourada e preta, molduras
para q'iadros, ricas caixas para retratos, ditas com. cheiros proprias para presentes, mesas de charlo, bandejas de dito. Estampas finas para quadros talagarsa
bordada para almofadas dita para tapetes e para deitar vasos em cima da mesa, relogio para cima de mesa, de parede e de ouro para algibeira, stereoscopos de diversos
a-iau!ios, cosmorama, laaternas mgicas para divertimento em salas, qnadros com finas figuras de porcelana, ditos com movimentos, figuras bronseadas para enfeites de mesas
il va-vidas para se tomar bauhos no mar ou rio, lencos de nhos finos para algibeiras, ricas grvalas de seda, variado sorlirqento de miudezas e brinquedos para crianfa,
t.:. bengallas, camas de ferro de differentes taannos, lavatorios, stereocospos, cosmoramas etc. "IW^ que ser patente ao comprador; a muitos outros artigos qoe se vender*)
<9ato barato para inteiramente acabar, no armazem EXPOSICAO. DE LONDRES 0
60-BUA DA CADEIA-DO RECIPE-60
Aos bauhos no Mon-
teiro,
-Aluga-se urna-pequena casa no firn da levada do
Monteiro junto m rio, no inclhor dos lugares de
banbo, com i -atas, : quartos c cozinha, o muito
peno da e-tacu do hotel, propria para mocos gol-
le i ral a tratar na casa nova da estrada do lama-
rao, ou no ItiM'ife, na Nova, loja n. 7.
---------------------------------------------- i
Aluga-se
um criado, mu oopairo e um carapina, todos es-
eniwM de tai -induca : na ra Direita n. 10
Io andar.
MARTIMOS
tO\IMFOftO
A Companhia Indemnisadora, estabelecid;
iesta-praca; toma seguros martimos sobrt
navios c seus carregamentos e contra fog(
em edificios, mercaduras e mobilias: i
roa do Viganon. 4, pavimento ter eo.
lEMPRESTIMO SOBRE
m
i
0
JOIAS
(SEM LIMITE.)
M Iravessa da na
das Grases n, 2< pri-
raciro andar, da-se qual-
qacr qoaniia-sobre ouro,
praa e podras preciosas.
O dono deste estabelecimento,
competentemente autorisado pelo
gover^o, estaas condices de ga-
rantir a transcc-o que se fizer em
sua casa, promettendo todo e zelo
e consideraflo s pessoas que se
dignaran de honra-lo em seu esta-
belecimento.
Na mesnia casa compra-se ouro,
prata e brilharrtes.
IOD
BfQ
Correspondencia de Portugal.
-l> abis os asignados previnem aos senhores
.u-siu'iiaittea destn jornal, que de Janeiro prximo
toiiiro em ftante a destribuiclo ser feita no lar-
i do ixirpo Sanio, no caf do Sr. Pestaa, onde
< inesinos senhores asignantes mandaro pagar
<< -i!t- j a assjgnatura do anno prximo quinze
mil re por nmeros .-.miado do numero
"i K oonduzir o paquete de 28 de Janeiro prximo
I atara ao de 14 de Janeiro de 167-1. Nmeros
avuUtni| res. Os recibos sao impressos e lir-
mados peln abaixos assignados. A destribuicao
do i -.rn.il para os assipiautes s6 se far a arrael-
los que feibarn j pt'co sua annnajidade.
Ta C*2
GOfiES DE MATTOS IRMiQS
eno feito completa mudanpa em seu antigo e
acreditado estabelecmento de joias, com o fim de
dar-lhe maiores propon?oes e elegancia, convidam
ao publico em geral e com especialidade as Exms.
Sras. de bom gesto a compareceris pessoalmente
das 6 horas da manha s 9 da noute na
RA DO CABGA N. 4
onde encontraro um completo sortimenlo do que lia de mais elegante,
bello e precioso em Brilhantes, esmeraldas, rufins e tudo que em obras
de ouro, prata e platina se pode desejar.
ADEREQOS DE BRILHANTES, ESMERALDAS E RUBINS
de novos gostos, assim como grande variedad de salvas e paliteiros de
prata contrastada e de gosto ainda nao visto, e completo sortimento e
objectos de prata para uso das igre^as,
Compram e tocam qualquer joia ou pedra preciosa e garantem
a qualidade dos objectos vendidos. .
C/2
Na praja da Independencia n. 33 se da di
nheiro sobre penhores de ouro, praa e pedra>
preciosa?,'seja ijnal for a quantia ; e na mesma
casa se compra e vende objectos de onro e prata
e igualmente se fai (oda e qualquer obra de en
commenda, e todo e qualquer concert tendentf
mrema arte.
POS DE ROG
Approvados pela Academia imperial
de medicina de Pariz
Dm frasco do Pos de Bog, dissolvido
em ama garrafa d'agua, d urna limonada
agradavel, que purga rpidamente e de
um modo cerio, sem causar, a menor
irrilaco como acontece con a maior
parte dos outros purgantes. Os Pos da
Itite. sao inalteraveis por isso empre-
gam-be fcilmente em viagem.
D'MJU I i"'r,'"-,,**<*-D*Pm*l"H';Ckepi>t.
em I'ui.iubuco, Murer t C".
"
PILULES
JNDES
PURGATIVES
11
C^
0 MUSEO DE JOIAS
^.*.'ji>rr*.4
*, kMtattnl MkuiofoL hrb.
Isl precioso rorgalKo Tf etal Uo commodo
como grdvel e o remedio mais inallivel ptn des-
inir 11 eoUi;e, u crralgla, u mais re-
beldes, usin como i tilla e a vlaeoaUadea
Elle erScaz nal aaatrUla, ofeatreeeoe* enxa-
oeeaa, aMkaaa, aerea, eatarrtaa, ematacaa,
aoua rbewaiaUaaaaa.
O merecimento dai Minias cannia pode resu-
mir-te aeatas palarrat: ealabcleerr ou coaser-
tbt a uiit.
Ellas nlo pedem nem resgoardo na cernida nem
bebida -, am dote laianle e depmratli'a, usase tomar
ellas sai refeecftes: em dote ami-gailra de nnite ao
deiiarae.
faraasstato r MU. IW al O.
LEPHANTE COM BOTAS
GRANDE ARMAZEM DE PIANOS, MSICAS E INSMJMENTOS
ANTONIO
N. 11- RA NVA-N. 11.
Partecipa ao respeiUvel publico desta cidade e das mais provincias visinhas, que o seu grande e bem acreditado armazem df ioslroeptos paramusi-
ta, acaba d :.egar um grande e
exalendido sortimento de
O le ha de, mais moderno, de teclado
afamados e bem oonhecidos pianos da fabrica do Sr.
ito e mobile, e com transposico ou sera ella, de autores os mais acreditados nesta cidide, como sejam: os
> i'.tri, de qem o annunciaole o nico agente nesta. cidada, como prava com o documento abaMraoscrigto-e. asaignado pelo dito Sr. Brondej. Estes piaaos fabii-
i a<1 i>s especiartaente-para o clima deste paiz, sao os nicos que offerecem urna garanta segura de sua duracao. Elles s3o aqui bastante conhecidos dsete 1844, para que
s*ja necssario 'insistir sobre sua superioridade. As suas vozes s3e mnito flautadas e melodiosas. Elles possqenj um teclado que se presta a todos os caprichos do
Kcnliores pianisjtas.
Todas as pessoas que compraren pianos nesta casa, sao rogadas a exigirem, o certificado da origem. assignado pelo Sr. Blondel, aum de provar a
i i.lade do numero d* piano com o de certificado
Joaqum Jos Gon-
palves Beltro
RITA DO TB,\PICHE N. 17, 1. ANDAD
Sacca por todos os paquetes sobre o Ban
co do Minho, em Braga, e sobre os se tes logares em Portugal:
Lisboa.
k Porto.
Valenc?.
Guimares.
Coimbra.
Cluve*.
Vmo.
Villa do Conde
reos de Val de Vei.
Vianna do Castalio.
Ponte do Lima.
Vla Real.
Villa-Nova de]FamaIc5o.
Lamego.
Lagos.
Covilhaa.
Vassa! (^7alpassos).
Mrandelta.
Beja.
Barcellos.
Saba de alcatro
pora curar as molestias de pelle,
laos romo empingens, darthros, sarna?, comichoes
e mais molestias de pelle, sem occasionat acciden-
tes; desfaz as manchks do^corpo, paanos, sardas,
restabelece a cor natural, quanto a cutis, secca,
grp>sa e amarillentas occasionado por alguma
enferraidade, e como desinfectante e preventivo
das molestia; contagiosa?,
NICO DEPOSITO
Bottca Uo Pinto, ra larga do Rosario n. 10, junto
ao (juartel de policia.
" COMPRAS.
Oorapram-se moedas de ouro e prata de to-
do os valores, ouro e prata em obras mntilisadas,
brilhanles e mais pedias preciosas: na loja de
ourTM do arco da Conceicao, bo Recife.________
0 muzeo de joias
Na ra do Cabng n. 4 compra-se ouro, prata
pedras preciosas por precos mais vantajosos do
(up em ostra iiahiuer parte.
. Oom muito mator vantagem compram-se
moedas de ouro e prata: na loja de joias do Ce
raclode Onro a. S D, ra do Cabng.
sua
10 PUBLICO
i.
Mr. Alphonse Blondel, fabricante de pianos em PARS, declai-a ao reapeitavei publico de-Prnambuco, que o nico deposito de seut pianos, na cidade
".i.cU'e, RA NOVA N. II,- armazem de Antonio Jos de Azevedo. Outro sim que tedos os seus pianos irio accompanhados de em certitati(h de origem assig-
nado por mim.
Pars, -l de julho de 1869. (Asssignado) Ak>hoae Bloailcl.
O annucianle tambem troca e aluga pianos. E tera a maior e mais exuiendklc sortimeotd de nevas
MSICAS IAIII ri \\oi
.Vs quaes recebe directamente da Europa e do Rio de Janeiro ; d-a6 acreditadas casas dos Srs. Felippona A TornaghJ, Narciso, Artbui* Napoleao . Tambera tera grande sortimento de papel para msica e desenbo ; cordas para todos instrumentos, ricas gravuras e quadros para ornamentos de salas, oleados para
tattw te salas, ricos espelhos ourados. quadrados e ovaes, caimhas de oostura com .msicas e sem ella, estojas paca viagem, relogics, com despertador, videos para
Ihos de todos os tamarwos, talagarsa, Igas e agulhas para bordar, e muitos outr. s artigos que o respeitavel publico encontrar senipre. ueste armazem, o qual estaca
atrto tixlos os dias at s 9 horas da noite aura das Exmas. familias podeiem ir apreciar os seus piaflos.
Ra da Matriz n. 20
il te estabelecmento estar aberto das 6 at 9 horas da roaphSa.
Brevemente ser aberto tambem a noite, o que se annunciar.
CMEDftRIAS
Farece-se c>me4i>rias para lora do urna eaea
dt famiha, com tod*o asseio proiB)ti(Jao aa ra
estrea do Buaarb a. 35 sobrad, lanbeo se
prepara almocos c jantarea avu^oou qualquer
IWSO
CASA FELIZ
Aos 20.000^000
ARRENDA SE a propriedade denomi-
na Barra de SeriobSem, no liltoral da,
rreguezia domesmonome com gr?nderen-
rra l recebar e muitos coqueiros a!
dwfn.-.tar ; tendo, alm disto, a excellente'
rara nsico beira-mar e beira-rio, inlei- NoRccIfcarcoda Coacel?5on. *
nr- ramenie apropnada para mantr-se atn [oraa da leistem exposto a venda os seus feli-
.'Stabelecimento commercial de K$ bilhets das loteras do Ilio de Janeiro, na cas
s i nos mesmos bilhetcs, com o descosto emente
!da 1
PRECOS.
rn. -Mi, ou na" do Imperador n. 20.
Aos 20:000^000.
O Rif venda : roa VWr* & Rodrigue?.
Rilhele inteiro 2i000
Meios 12^000
Quartos 6000
EJde 10O# para cima a 22 o bilhet^.
Figueircdo & Leite.
icos
>ei; de comida, isto e, sendo encoinmcadada com' brica de cigarros, sita rt
empo.
Pode a ao senhor qiM m <* da sia-lnua, 10
do cocrenle, as 2 1)2 toras da tatde entrou. na fa-
Direita n. SO, para
comprar qm maca de cigarros *ida. Q,|Pr en-
gao lev>B um chapeo.de sol do Sujt assiena
, do e deixou o sea, em vista disso tenba a bondad^
Fugiram dus owravos do engera, Bosque da ^ ^ ^^ a^wv m declaro o B8BH
para nao se cnaiaar a enrancia.
iSrt Bosi,
Bonifacio, ca-
a, auo representa ter de 0 a 2z annos de idada, _____
m Ici^des regalares, puuca barba, carpo regu- \R/\
r, tanto na altura eomo em grasura, est com !'l*^
trt gu-zia da Escada, uui de u-vao
Ira.
tem
lar
o cabello cortado rente ; e outr de nome Rcgi-
na>! i. pardo, que representa ter de 39 a 3ct annos
de idade, tem nariz afilado, cabellos corridos, cor- ,
po regular, tu os oiiwa eocov^oa. a soasado, Exposifao &vr_, por ter sido reco-
raiu mansa c fina, aecaaia-.se tor seguido para nheeida superior tedas as preparaces at
Cruar, om virtude d Bonifacia tr sida de l : hoie existentes, sem alterar a sade.
qnem os pegar pede levar ao dito eogenbo. ou
nesta prai;a, na ra do Ancllo n, M,. t andar,
quasor recoinp^n^ado com i'nerjsiad'.'.
mais cabellos braucos.
A tintura japoneza para tingia os cabellos
da cabeca e da barba, fei a nica anmittida
Aluga-se
o Ia andar do sobrado da rea do Vinario n. 3 con)
bons c>mmodos para Camili. e para esoriptojio : a
tratar no armazem da travesea do Corno Sant
n. 25.
Vende-sc a 1,5000 cada frasco na
Rna da Cada n. 51,
1. andar.
Precisa-sa de um criado livre ou captivo, ou
mesmo um njoleque cre3cido : na ra da Madre
de Dos a. 3.
Vendem-se duas escravas chegadas bontem
do sertao: na rna do Princrpe,, n. 2_.
Gal de Lisboa
chegada no ultimo navio, tem para vender Joa-
qmm Jos Goda Ivs Beltrao, no seu escriptorio i
roa (ta-Commreio n. 17.
Vende-se. urna pruphedade. na cidade de
Oiinda, colIeca>1 a da maneara seguate : na frenta
da igreja de N. S. do Carmo, tendo na mi sma
una lida campia, boa vista para o mar e recife
muito pert aus bauhos saludos, radiada aos pri -
meiros templo* aquella, eafide ; o dito predio
um sobrado- duas grandes familia, cotn dons ppalfi* de ferro
grandes, skio t do murado, alguna, arvor-dos,
com baixa para 'apira, e lavoura tanto de inver-
n como de verao por tw Hstent goa com nm
nlhode agua '
cocueira pa
wrreno-para"
sembarafaila : quera. dade d Oiinda. no sobrado fa piteo do Carmo
a 2, que achara com quem tratar.
A VERAM
55Ruado Queimado5o
A VEHDADE tendo em deposito grande
quantidade demiuderase perdm;irias, e di^
sejando apurar dinlieiroe adquerir ba fre-
guezia est rssolvida a vender muitissime
barato, ; por essa razao convida ao resper-
tavel publico a vir cwPBfeteMtemento muni-
do a sortir-se do borne barato. Pois queri-
do a Verdad* apparece, tudo mais tk-s-
apparece------
Grande sortimento de bonecos de cre -*
massa as mais lindas possiveis vestidas a ca-
racter.
Abotoaduras moderuas para col-
letea....... 320
Espelhos donrados penenos. 2k
Agulhas de osso para crox a 200
Pentes p?ra regar;. com estilas a o?<
Ricos globos para candieiro de gaz a i^8^<
Gbamins a....... i>'<
Grande sortimento de objetos de
Iou?a para brinqued de menino KiO
Garrafa com tintaA .... 8*J
Ditajcom agua lloi# veidadeita a 1^300
Dita com ilita dita' a 1(K'0
Fraseo com oleo de babosa a .500 e 796
Dito eom agua de Colonia a 300 e /K*
Gairafa com agua divina a. l&SQt
Frasco com extractos linos a i$(*jQ
Latas pequeas com banha rmiilo
fina a 120 e...... tO
Sabonetes de diversas quali lades a
80, i0,2S0e...... 'i"
Finas escovas para denles de 120 a GOf
Lindos coques modernos a. 20O'
Pavios para gaz, dazia a 240 e ''H
Esccvas para facto a 50, G00 e
Dilas'para cabello a..... jf",*
Pentes para tirar piolbo a lj^.e. 24d
Brincos de cores, bonitos a 16D e 206
Pefas de tranca d 13a comttJ
varas por......7
Oleo para, machina do costura,
frasco a. .. 000
Pennas d'ago tinas raixas a 800 e L'
Dita d'aco Pny, caixa a. ... 14*(Ki
Gal2ode alg^aapeca .... 406
Lindos .babTdiuhos e ntremeos
peca de 50Q a...... 1;v'i
Ditos de louc muito fiBO a 120 e 20j8
Ditos para calca a 100 e. 24B
Caxa com papel amizade a. 7fK-
Ditas com envelopes a. 4,ai
Ditas com obreias a..... -0
Caixa com agulbas fundo dourado 280
Ditas de ditas ditas a. .... ICO
Thesoura para costuia a 240 e bC
Caixa com linha de marca a 80
Linba de cores em novellos (li-
bra) a........ 5W
Cairelis de linba Alexandre de 70
at 200........ OC
Grampos muito tinos com passa-
ros, duzia a...... i
Carlas portuguezas, duzia a lrVfo
Ditas francezas a 2)5200 e 3^'-
Papel almaco e de peso, resma a
30400, 33500 e: 43 :
Jaz. muito fina para bordar, libra Cr
Fita de algodo para debrum de
sapatos, peca a..... lK-
Ditas de 13a para debrum de ves-
tido, peca a...... kH-
Pentes finos para segurar ca-
bello a....... 30
Ditos ditos de bfalo para alisar
a 240, 320 e......i W
Ditos para aparar penna a 100
Rosetas pretas, par a ... 10
Trancadeliadecaracolpe^aaiOe 100
Fita de coz peca a 480 e '. B8G
Alfinetes de lato a..... 100
Sapatos de laa para crianca a 400e 800
Gravata de sedas decores a 20f
Calcadeiras a ...... 8C
Grande sortimento-de rendas das libas.
Um par de suspensoria de borracha por
100 ris IILJI!
Xa verdade ra o <|He!utatS
_____ o.5.
0 VOR
DAS ""fcfc
\OVIIIAK^
Ra da Iinpcratrlz oMMrs 3C
Grande novidgdep rmfestn.
A'silaanteT^gtie se acabe.
0 prprjetan.0 d'este^mptaoso e mni acri^f-
tado estaniecieatQ, vendo festa e querendonresentar a> ftos ama veis fre-
guez* urna poviii^e d* que c admiraMtJtn, e*
viou o sea vapor, isto.e.'-o vapor das Ruvida-
desa todis os paizes da afamada Europa, arl de procurar < tria o qas4e nuur gasto e nrr-
dade- actnase.
Regressandq esta, trauxa coma, alta noviJjj.
como defac.ta,p. :
Lindo guepure escarate ebra flnissimn tecio;.
e o mais bonito possivel, proprio ptka cainisinl.a-
e fcbus, o qual se vesdejwr pre?o ou.
modo.
Compl
estas lizas e escossezas de todas. 4lfguras e Ja-
mis lindMtaf havafl^antce. fias muito lar-
gas e propnagjpara cintos, jjfulfima moda".
Grande quantidade de 'enSnaris dos prin<<
ros perfumSte'di Europi. '
Aim d'este'objectos viertaP muitos ouu
tambem de gjapde nuyidade.
O proprietano previm todas as pessoas qc
;rem a|guns.d08oMectos or-
podero bua^afy'^
indicaren
pretenderem a|gunsfdp8p|ectos mencionados qp.
i as. np.**^ esfatcle?
rdi reSidenoi. por
ment, ou
tudo isto antei
Loja
Ra
a
m o
s acte'a grande novtdade.
k, vaffl. da J<*vidides,
da Imperatriz n. 36.
Honripne de SLeitan
Izjdoro Bastos A C. ra da Cruz n. i, tem
em seu armatem superior viuho velhp engarrafa
do. q mais puro q,ue tem vindo a este mercado :
roga-se aos senhores chen-s de familia o obsequio
dp iretn ver sua qualidade, o qual se torna re-
comraendavel por nao ter confeccao alguma.
Labyriutho.
CUegaram a ra do Crespo n. 10,
grades de labyrintho do Ccar, que
muito em conia.
superiores
se vendem
iliVUIUIi
Vende-so 12 cadeiras nova, teonsolos, i mesa
redonda, 1 dita de jantnr, I relogio de ima d^
masa, 1 par de lanternas d i vidro-, .1 candieiro de
gaz e 1 parqueza, ludo de amarello, por preqo
commodo o ama espada : rna da Iinperatriz
n. 73.
Na trayessa do Carmo n. i vendem se 5 es-
cravas, sendo S- r80olki4a.s de idade de l|i
annos, perfrta eflMMtadtiras. e cozinlieiras *.'
um tudo, tr preta da,Costa, muito fu-I, quilandehv.
cozinba, laya, e eogomna, 1 dita pia tofl o set
vko por WTJaOOO; t bc*no mulato de idade I
annos. proprio para eogenbo.
Deseja-se vendtf um oatlegjo. de menmar
situado tn nm dos mais agradaveis arrabahl.
Rio da Janeiro, estabeleeidn mais de df-z^nn -
gozando de grande crdito e reputacao, e que pf,.-
auz lisongeiros resnlladoa. Hotivos de sade bit-
gam as donas a retrarem-se : qoem ouizer com-
pra-lo, pode dirigir se ra dq Ygariori.2!, es-
criptorie de Domingos Alves Matheus,
tiAZ AZ GAZ
Cbegon ao antigo deposito de Henry Forster A
C, roa do Imperador, um carregamento de ex
de primeira qualidade; o qtial te vende em partid
e a retalbo por menos precje do que em outr qual-
quer parte.
Vende-se nm pe-iueno sitio murado, con:
ca>a de sobrado, casa para ftDr, eocheira, i .
baria, boa agua de bel>er, grande cacimba to:n
bomba e tanijuo paratianno para lavar rm
mnilos arvoredo de differentes analldade.
>ituad i ;i Boira do rio. n i oonto mais alto da T i
e o "mais saudaveJ dos arredore-* desta ctdaJe : -
tratar na roa Nova n. i>, i* andar.
-

m
~

\


m
^mmt^-'
Diario de Pemambueo Sexk feifa"*3l Je Dezemkro de 1869.

h 01HHEIR0 M LOJA E ARMAZEM
DE
FLIX PEUIWI DA SWMVA.
,A ** $UttMA6
^VAOnUnlta rv. .au, avadado sortimento doiaz^ndns do
uecessidada.
Galantemente aberlo das Loras da manha s 9 di noite
axolendido sortimento de LAr)z,NHAS modernas xa loja do pavo
. .. negou para esto estabelecimenio um jrrande
rOllaS GltlS sn"ne,,l das niPlhores e irais modernas fiazi-
r\tA 1 .m nfiDivin bit nk '5 Jinia v,,Ilu0S>eDdo opadas e transparentes
A VA0 A RA DA le lo* ns procos P qualidade* qne so vendan)
IMPERATRIZ N. GO : *ls barato do que ero owtra quaqoer parte.
Aiii;.-se este grande ostabelecimeuto com-' r u/ j r>
-atcente sortido das melliores nmpas, | ^roche8 Para deiras e solas
wndo jifas palitts e coletes de casimira,! 9 P:'vi50 em l,m grande sortimento dos
i> panno, de brim, de alpaca, e de todjs,ma'8 bonitos crochs proerios- para cadei-
as mais fazendas que os compradores pos- ,as so^s' mes, almofada* efc efe., assim
sam desdar, assim como na mesma loja mim IwprioMpe a enbrir presentas, e ven-
ia umbsllo sortimento de pannos casemi- i de*!tc ****** barato do que em outra qual-
ns, arias, etc. etc. para se mandar fazar 19uer Parte,
44gner paca de obra, com a maior promp-: -gi tny- .^y,, p^, vPETmno
.-<:speit.a-o; pjjb,ico urabelIo .ort^ de "*" &%&I^ 2?LS3
omisas Tranclas e malezas acidas del S Q*J^w veto> com Osovadosr
p.upnos para homens e senhoras prsraet-1
lendo-se-lne vender mais barswdo que em
'< itramialquer paite. Na rna da Impera-
I
Quarido a AGA BRRNCA, mais precisa scientiflear ao respcilavel pnblico em
ge ral, e em particular a sua boa freguezia, da immensidade de objectos que ltimamen-
te tem recebido. justamentejquando ella menos opodefazere porque essa falla invo-
luntaria ella conQa e espera na benevolencia de todos que Ih'a atlenderao e relevarao,
continuando portanto a dirigiiem-ae a bem conbecida kja da AGUA RANGA ra do
Queiraado n. 8, onde sempre achara abundancia em sortimento de superioridade em
qualidades, modicidade era precos e o seu nunca desmeoltido AGRADO E S1NCERIDADE.
Do que cima fie dito se conbeceque o tepo de que a AG&IA BRANCV pode
clispr, empregado apezar deseas cusios do desempembo de bem servir aquelles que a
honrara procurando prover-se em dita loja do que neressitam, entretanfo sera erniame-
rar os objectos qne por sua naloreza sao n>at*ouhecicos ali, ella rrnmilhpnajlr indi-
car aquelles caja- importancia, elegancia1 e aoiidade os orna recommenow'eis, coao
bem seja :
Corpinbos de rsmbraia, pr i more emente
\
1IIUUI
0 Campos da ra do Imperador ti. 8,
no intuito deservir satisfatori mente aos
seus innameraveis amigos e freguezes, em
TURA.
Acabam de chefar ao Grande Batmr OnivtruH
ra Nova n. ti Carneiro Viannaara comple-
enfejados com itrw de seim o obra* essas
cuja no-vidade de mslde e perfeigo deador-
nos o tornam ipre'tJbdV.
Fita mu largas de diversa cores e qw-
lidades para cintos.
Leque uesse objeef muito se podem
dizer querentf descreve-ios minsciosamenie"'
Capellas brancas- para meninas-.
Grandes sortimento de flore? fims.
f'Ab de sed*, preto.
PCRFMb\RIA
Grande e constante swtimento de dita,
serapre melbor quapdade.
nffcs- vasos com p de 'arroz e piosel,
eaixinbes com dittos aromticos.
por suas (jaalidades. cicee deaenbos, taPi Bonitos- e modernos- pentes doursdbs
o grande evariado sorlraentt que acabarpa cirealfer o coqu.
t.iz n. 60, loja e armazem de Flix Pf^/e^
ti da Silva.
CERA DCARNAUBA.
Vende-so ama graade porclo de cera de
arutAa em saceos. jr pre^o inais barato i
Vende-so os hws bonito orga"n>ff de
cores cdni'padres mhidos egraodos. sen-
do todos de cdres-fiMS, pelos baratos pre-
$os de 360 rs. o'ovado.
'que em outra qi-ilqder: na !>ja do
Pavo ra da Imperatri^in. 50. De Flix
Contra da Silva.
FAZEXDAS PAKJbLUI
Na loja do Pav3o.
facontrao repeilavel publia^este -atabeleci-
fftf un> j^de sortimento de fazendas pretas,
jomo sejam, cassas francezas e infelezas, cintas
oretas de todas as qualidades, fazcada de la de
idas que tem vindo, proprias para lato, como
tr.jam, liazinhas, alpacas lavradas c lita, canto,
aooibazinas, merino, etc., que tudo se vende por
jreco barato.
AS CASSAS DO PAVAO
Covado a 300 rs.
Vendem-se flniseimas eassas francezas com' lin-
y desenhos e cores flxaa a 300 rs. o covado.
IVIadapoIo francez a 711000 rs*
Vende-se pecas de madapolSo francez
som 22 metros pelo baratissimo preco de
75000 a peca, pechincha.
Altas navidades em sedas
Cbegou um grande sortimento das mais
noderaas poupelinas ou gorguroes de seda
Hoho com os mais elegames padres que
tem vindo a este mercado sendo, miudos e
graudos, tanto em corte para vestidos como
i^ra vender em covado, assim como um
>)nito sortimento das mais bonitas sedas
idas que se vende tudo muito em esota
Grosdenaples d^ coros
Ohegou um grande sortimento dos mais
tos gro'sdeDaples de todas as cores para
isido? a.;e se vendem fnuito mais barato
do que em outra qualaqer parte.
iB ANDE PECIiINCHAik^pOO RS. FEfA DE
Kretanha
Yende-se pect de superior bretaaba de
i .rodSo ten quatro palmos de largura
m 20 varal ou^ metros cada peca, esta
fizenda seria para custar 8^000, a nao ser
yma grande compra que s^fez, e Uquida-se
i 3)5000, cada peca. JB
m 20 il mm BE
ALGDA ENFESTA9*
1 Vende-se urna grate porcSo- de algodlo-
srflho americano cora 8 palmos de largura
prpro> para lences- e toalhas Cand liso e
tittjcatftp que se vende? por pneo> amito em
conta:
Panos d linho
Chegc-a um grande sortimento de pecas
de panftode linbo do Porto qoe sr vendem
de 700 rs. at 1)9000 a vara, garas*tedo-se
que em fsenda de linho nao ha nada me-
lbor, nem mais propro para lenco* e toa-
lbas.
PECFJICHA EM CHFEOS DE S9L
Cbegou um grande sorttmanto das^aw-
Ihores chapeos de sol de setla, ingteaes-iaD-'
do neste artigo o melhor qae te vndb>ao
mercado assim como urna grande por?a^de
ditos de alpncas de todas as-cores e-todo
se vendem por preco muito mais barte'lo-
que ea oetra' qualquer parte, porliawer
grande pcrgSo.
.aneos ttraiia
Vende-'. um-grande sortimento dWfe-
cos brancos- para Iwmem, senda a dmio a
t,5600, 25JOO e WOOO, ditos abantados,
muito unos a e 6)J000 a dar, ditas de
esguio fazenda muito superior a 5)5, 6* o-
75000,
d' diegar, iki& para nao isassar. o preten-
dente se Ihe a-presentar a que peder de
melher.
Entremeios eat Guipare branco e preto de diversas- qua-
lidades e desenhoe.
Ditos-db algodaV) eom flores e lisos.
Veos e sedh para chapeliowemdetSi-
ria.
Meias de seda para" noivas.
Ditas abertas de fio-de Escoss*
Costumee-ou uniformes para ajeamos.
Enxovaes- completos- para'baptisads.
Bonitos brincos de plaquee.
Aderefoe-e brincos d madreperolr.
Caivetes- anos par abrir tetas.
Ibesouras- para irisar Uabadlnbos.
Aspas para-balo.
I^jvos stereeseopos cam' i9 vistas, ej
quaes sao movidas por om> macbinismo-
urnas* substtnera as outras>.
Vistas para s*reoscopos.
Bopitas caixmbav de viilro-enfeitedos com j
pedras-.
Dita d mBdeira-envernisad^oom vispo-
rase cena dminos,
Bolla de borraena para brinqsedo de
:, to sortimento de machinas para costnra. dos au-
particular e em geral ao respeitavel public% wres mais conhecidos, asijuaes estio em exppsi-
desta ctdade ; avisa aos que estiverem pas- "
sando o lempo calmoso, nos deleitaveis
arrabaldes desta capital, que tem resolvido
vender, de de superior qualidade, a precos
-razoaveis, os guintes gneros a saber:
PARA CIMA DE APARADORES
Latas com doce em calda de diversas
qualidades nacionaes e estrangeiros.
Ditas com peixe a saber; salmn, ostras
e lagostas.
Ditas com ervilhas francezas e portngue-
zas.
Ditas com gela franeeza.
Ceneja franeeza verdadeira Bobee.
Presunto para fiambre e afiambrados*
PARA DISPENSAS
Latas com chouriras nova* sendo de 8#,
cada urna.
Presuntos de Lamego para lompeiro.
Cuias do Para (pintadas pele* indgenas
daquella. provincia.
topos de vidre eom dobradifa1 e tampa
para diversos misteres.
PARA OS QCARTOS DE DORiWDA
Porfe-phosphwes cheios de pliosphoros
de segnranca.
PAM SALA
Churucos d S. Felta do afamado {fabri-
cante Cusa.
Fumo pisado do Daniel de S. Joo- do
R de Novo.
Alm desses gneros1, o Campos tem cca-
vieco de que o seu eitbelecimento om
dos que poden salisfazer com garantas a
exigencias bem' entendidas-, di Ilustrados-
habitantes desta heroica provincia, porquan-
to se acba elle bem provittede gneros su-
periores, de maneira a nao desmentir
O Campo.

cao no mesino Bazar, garantindo-se a sua boa qua-
lidade, e tambera ensina-se com perfeicao todos
os compradores. Estas machinas sao ignaes bo
sea traballio ao de 30 costureiras diariamente, e a
sua perfeicao tal como da melhor costurara de
Pars. Apreentam-se trbalhos cxeclitados pela?
mesmas, qne muito derera agradar aos preten-
dents.________________________
Armazem da Estrella
tac 22 de \oienhro 98
Nb ha duvida por falta de comprimentos e lar-
guras de nmdeiras de pinno, nao qne se deixam
de fazer obras pois existe no mercado de 13 at
24 pollegadas de largor assim como qualidades.
desde o branco pinno- americano at- o encooraca-
do de rezina : portanto os armazenaris deven
aproveitar a occasio, pois tem prauehoes at de
oO palmos de coraprmento para da-las, havendo
tambera completo sortimento dt piuho- do bltico.
para convs de navios, e serrado en* tabeas de
forro, para fundos de barrica, preferivet a- ontro
qualquer por causa de ter poucos nos; vende-se
de 9 a 10 a duzia. remos de faia, e tullas deine-
fal para forro de navios, e pregaduras para os
nwsmos, tudo de coaormidade com os jwecos do
mereado : no antigoe he ronheido armoam de
Panto Jos Gomes t-Clinvaco.
^1*%.
Touquinh39 d fil, wpatinhos bnrdadoss; enancas,
e'ineis para ditos. Diversos objectos-de porcelana? prepnos
Camisinhas- bordadas> paradltos^ 1 para enfHes de rota_e de lapshfc;
I i VSINHAS LUSTROSAS A WO RS. O CO
VADO.
S o Pavo
Vende-se um grande." sortimento das
siais modernas e legantes lasinhas para
vestidos, com as cores mais novas que tem
vindo a este mercado, sendo comlistrinbas
miudinli-s que prec*m de urna s cor e
. m lano lustro que imitanf perfeitamente
; poupeHnt de seda, e vendem-sc pelo
iiaralo preco de *00 rs. 'j^-^
Bretanhas de col* a *#00 a
peca
Vende-se superior bretanha de rolo ten-
do 10 varas ou 14 metros cem 4 palmos
de largura pelo barato preco de 2500,
pechincha. .
Os setins OP PavSo
Vende-se os mais bonitos setins de cores
e mais encorpados proprios para vestidos
tendo de diversas cores.
AOS PALITTS DO PAVAO A 180 e
2W1000.
Vende-se um bonito sortimento de palito-
tK francezes sendo, sobreeasacados e pro-
oriamente sobre-casacos, que se vendem
forrados de alpaca a ISfiOOO e forrados de
seda a 20)5000, pecbiacha.
COLCHAS DE FSTAO
Na loia do Pavo vende-se um grande sortimeu-
t de cotehas de fusao sendo brancas e de cores
ditas de croch para camas de ooiva, assim como
gnitos damascos de la* para colchas.
Na loja ao Pavio vendem-se os mais
b >aitoa chales de verdadeira cachemira de
cr com os desanos mais modernos, a 00,
10 e 12*000, amito barato na ra da Im-
P'iratrix n. 60.
BASQUINAS A 120000
Na loja do Pav5o vende-se as mais mo-
dernas basquinas on manteletes de guipure,
polo barato preco de 120000 cada orna.
Cortes de organdys com barras
Para a loja do PavSo chenaram, os mais
bonitos cortes de organdys com barra, sendo
cada um em seu cartao, com o competente
figurino, muito proprios para fazer pre-
Pechselia ca caseinlrasa <
Vendc-se Snissimas cascmlrap sle cor eom
listras ao lado, tendo duas largaras e com
as cores mais novas e mais benitas qne tem
vindo ao mercado, pelo barassiroo- preco
de 45000 o covado ou 70000, cada corte
de calca.
Os baloes do Pavao a 2#W)0,
Cheg u um grande sortimento de balees
ou crenonas do feilio mais moderna- muito
proprias para vestidos ennestadoe- que se
vende pelo baratissimo preco de 2|000 ca-
da um grande pechincha.
AS CAIBRAIAS DO PAVO A 4:500 RS.
Vende-se urna grande porcaa de pecas
definissimas cambraias brancas, transparen-j
tes tendo 10 jardas, com mais de vara de
SOiUMYR) PAR A FES1A
Vende-se por renos (te lOr20-e 30%,
so* m
&BHAZEH niSDTiTlTI
NI aS-^argO/dairpo--1L9S
Os preprietaries ssete bem sortrdo armazem de secco e melbades eetin re-
sofndos a fazere urna gj-anda-dmnui^o de precos as suaa-mercadbrias, comn-ee apro-
xima a festa e sempre se-- fazem- afuDadae- compras para o centro e praofry por
sjo previnem ae -respeitawli pabiieo em geral, qne manda fazer si?as despendas e cer-
to de que vern- a. grande dMereaca em preeoe-mais do qan em .ooara qeahjner parte
e ;arantindo-se as superiores- qualidades.
SEVADINH&-.E SAG* 280 rs. abara e
620 rs. o kilogrammov
RARINHA DE ARAHJTA VERDADEIRA
640 a librae 10400 o kilogramma.
BOLAXINIftiv INGLIZA MUITO NOVA a
4fl0 rs. a libra e 800is, o kiloginmmo.
VELLAS BBESPAiai\CETE-7*)rs. 0
masso. em caixa ba aaalimenUv.
PHOSPIIOtOS DO GAZ E BE SEGU-
iAl AMERICANO' 9|6 a lata, e 440
rs. a garrafa e OSO rs. o- litro.
"flNHO VERBn-EIRQ- FIGUBIRA. i< 580
a gurrafa, e 40BOO a caada a 800 re- o ti-
tro.
DEM DE LISBOA das memores marcas,
OO, 440 e 50 rs. a. garrafa, a 20800 e
30SOO a caada, 660 e 720 re. o litro.
DEM BRANGO DE LISBOA a 40OQO.J ,
a caada e 560 a garrafa, e 840 ra.otro. aA9?A' 280 4OO-a560 re. o masso,
VINAGRE VERADE1RO DE MSBOA A ;**T,S-6it30Sa. g.r(^' ,l,,.,.1
200, 240 e 320 rs. a garrafa, 10100, AMERAS EM LATAS E CACBINHAS
S0 e 200 a caada DE MUITOS- TAMANHOS 028O, 20508
^lZEITE DOCE N USBOA 900 rs. a, *f*>> *** 5^50& a ,ata e a^e,U,0 e **
1**0 a libra, 30060 e 20780 o ki^. -so, ^cajg b-b^manto.^ ^
1)ITa"fRANCEZA 960, 960-e 850re. a libra' Mxa **** ^batimento,
a libra, e 2)J100, 10880 e 44860 o kilo- SERVE1A INGLIZA MARGA H 50500
grammo '* a ^uzia e ^ rs. a garraa.
DITA* PARA TEMPERO i 560 re. ali DEM BASS, VERDADEIRA IHLSRSd:
ora, 10220 o kflogrammo, em porcJo se BELL, 800 rs. a garrafa a 90 a dnzia.
fari abatimento. VINBO DO PORTO ENGARRAFADO DE
BANHA DE PORGO DEBALTIMOOR DTVE1SAS MARCAS 40500, 10200, 10 e
largura pelo baratissimo preco de 40500, a 72,)rs. a.libra, o *056O o kilogrammo, em 800 rs. a garrafa,
pega sendo fazenda que nunca se vendar'
por menos de 80000, grande pecbincaa.
AS POUPELINAS DO PAVO A 500aRS.
Chegaram as mais lindaspoupelinas.de
13a com imitaco das poupelinas de seda,
ama fazenda muito leve com, as mais lin-
das cores, sendo: verde Bismark, rxa, azul
lyrio, c nsento, perolla etc, etc, e vende-se
pelo baratissimo preco de 500 rs,
Fustes traucos para vestidle
Chegoo um lindo sortimentados mais ba-
ratos e bonitos fustes brancas com Ustras
e cordoes, sendo fazenda bstanle larga e
flexivel, moito propria para vestidos e re-
nas de meninos e vendem-se a 640 o co-
vado.
BONITAS UUStttHAS
OU ANADINAS A 10000 RS. O COVADO.
Chegou para o PavJto, um grande e va-
riado sormento desta nova fazenda de 13a
e seda propria'para vestidos, com os mais
delicadas desechos, emais modernas cores,
tendo bastante larguiyioe facilita fazer-se
nm vestido com poucos covudos, pelo bara-
tissimo preco de 10000 o covado, por j es-
tarem muito prximos da festa.
CRETONES MATISADOS PARA VESTIDOS
A 640 E 800 RS.
Para a loja do Pavaa chegaram os mais
bonitos cretones escuros matisados, pro-
prios para vestidos, roup5o chambres etc.
que se vendem 800 rs. o covado, assim
como a mesma fazenda em padres claros
proprios para vestidos e roupas de meni-
nos a 6lo o covado, sendo os padres mais
moderuos que tem vinpo ao mercado.
Chitas francezas
Para a loja do Pavao chegaram as mais
Anas e bonitas chitas escoras, propriamente
francezas, e vende-se a 500 rs. o covado.
porco se far abatimento.
ARROZ DO MARANHAO E DA INDIA
120 e rs. a libra, 260 rs, o kilogrammo e
30100 a arroba.
ALPISTA 200 ra, a libra a 440 rs. o
kilogrammo, e 65000 a arroba.
AF EM GRAO 60 e 60500 a arroba,
200,240 e 260 rs, a libra, 440 e 520 rs. o
kilogrammo em sacca se fari abatimento.
SABO MASSA 240 e 200 re. a libra,
520 e 440 re. o kilogrammo, em eaixa se
fax abatimento.
MASSAS PARA SOPA, MACARRO, TA-
LHAR1N E ALETRIA, 4 560 m. a librare
10220 o kilogrammo.
ROLACHffMAS EM UTAS DE DIVER-
SAS QUALIDADES, bem como perola bri-
lbante, combinatioa, Francy-cracynel, mixed
Britaoia. Mdium, Fancy-njc-oac, a, b, c, e
soda a 10060 % 104.09, cada ama lata.
Assim como ba outros muitos
GINEBRA E HOLANDA E HAMBUR-
GUESA 70 e 60 a frasqueira, e 500 rs, e
frasco.
M)EM DE LARAN1A DOCE AROMTICA,
i 110 a frasqueira e 10 o frasco.
QUEIJOS DE DIVERSOS VAPORES,
30000, 20800 e 20-100 em caixa ba abati-
mento.
TOUQNHO DE LISBOA MUCTO ALTO
400 rs. a libra, e 880 rs. o kilogrammo,
e 1.10500 a arroba.
LINGUICAS FINAS PROMPTAS EM LA-
TAS 10000 rs. a lata,
LOMBGE PORCO ASSADO JA PROMP-
TO a 10000 rs. a lata." m | Ti
CHA FINO. GRAUDO E MIUDINHO
30200 e 20800 a libra, e 60100 o kilo-
grammo.
DEM PROPRO PARA NEGOCIO 20000,
20200 e 10800, rs. a libra,
gneros, vinho em ancorlas, azeitonas,
CEMENTO
S'ti tes-
' Na loja e armazem'do Pavo rvi da Imperatriz n, 60.
muito novas, passas e figos no'vos, charutos de diversas marcas, marmelada, feita pelos
melhores conserveb*os em Lisboa, gela de marmello, pcego, ervbas, em lataa, por-
tuguezas e franceaas, vmho verde engarrafado retamo, peixe em latas, bem como
poscada, tainha, pargo, gocaz, lula, corvina, vezugo," cavalla, sarda e sardinhas de Nan-
tes. Canella, cravo, ervadoce, cominbo, pimenta, grandesmolbos de sebolla 10500.
Finalmente muitos outros gneros que enfandonho menciona-los.
PARA A FESTA f
3 portad, loja de fcr agem
OORna JL/ir61ta-"0u Vende-seno armazem amarello de Tcente Fer-
Neste rande eslabelecimonto, ha para vender reir da Costa & Fitho, defronte do arco da Con-
uin completo sortimento de ferragem, e miudezas ceicao, em barricas grandes._______________
finas e gr'ossas, como sejam bandejas chineis -rj nnnri i 'mnAO
qladradas e ovaes, facas e garfos ae 1 -2 bo-, DtanCS deClUiaeS.
tees, balanco inteiro e 1/3 balanco; panellas, cha- Yendem-se balancas declmaes de todos os tama-
Iheiras, cacarolla, fngideiras, assadeiras, unto nhos, paraengenhos earmaem de assucar: na
d diversos lmannos do fabricante Japy, pesos kilo- -.:----------i------------- -----------------
grasimos. tanto de ferro como de lati, metros L/agedo de Liisboa.
pira medir fazenda tanto de ferro como de lati, Vonrto .. i,?o a* ,wir e I ihoa na rna
;i.itre, bren barbante enxofre, pape, marca vi.- J^a^^glSema Vianm. t C
d), do verdadeiro Picardo, machinas para desea- --------!--------.-------------------------j-
recar algodao; alm de outros artigos de ferra- Vedem-se duas cusas em Santo Amaro ae
gem. miudezas cotilarU Anas, q ip s com a vis- Jaboatio, urna na roa de Bahto, prxima a reir,
la dtrU n r3 luja d 3 ptT- e outra na rna da Matriz: a tratar na ra on un-
ir. CMivetra rag& C perador n. 57, entrada peto caes 23 de ^ovemro.
UFETMI
DO
gRACO m 0110,
Rna<^>ImpeMdOr nv-96
Neste novo- estabelecaento eneonlra-se
diariamente ca variado swtimetti' de bo-
liches para chai pastis, podios, beHO ia-
gfeies, paes da-t. presuna, ditos t fiam-
bra, superior at H.vssoHi preto, e raiodi-
nb.- Vinhos finos de tedas as quaMades
conage, licores,-conservas-.- ehampagw. cer-
ve)a- ingleza, ."rectas nui basr per-
lugueaas e franaetas.
a completo1 variada" sortimea' de
caixiobas de todbe-os gosla-e preco para
mimosear senhocaa,- estas innas veoea-
teroente cheradae-d Pars sae d primora-
do gesto, offeressenno-las aesgalauteadoies
do bello sexo poie-nellas acharao nm digno
e serio presente pera as .tonas dos seas
peneamentos. Tambom oeepreciadoros-da
boa tanaca encoEfctaro caaretos dos-me-
Ihores--fabricantes- da Bata e de Huvana
sigan os do Rio d Janeiro eesv etc.
Dos d'ovos seeeos, cbwstalisados e de
calda, ditos de cape de ostras-qualidadea.
Nastaeasa recebem-se enoommendas-para
bailes,- casamentos-e baptieados e qoaiquer
ensommeodas aveifls, como--seja pao de 16
e bollos enfeitades e outrss-nsuitas cousas
qtae enfadonho mencionar.
IMIIftlA,
Resta venda un. escolhidD-sovtimente. d ob-
jetos de iaarcineria, como sejam, mobiliaa-d ja-
sarand,iBogno earaawllo, okra. nacional a-estran-
jeira,daparado g>to e par-pr^co.* razoaveis:
na ra astreita do Rosario n. 33. "Nesta mesma
casa famn-se com perfeicao todos os trafcajos de
aalhinbo, como sejam, empalhanwmtos de lastros
:jara camas, cadeiras e sopns. _______m
A ra do Livraraenta n. 6, contina a ba-
ver para vendar por precos rasoaveis, o
melhor vinho verde at hoje viado a este
mercado.
RA I>A GliORI V A. 5
Ohiria 0 Fundi.
Ha sempre. nesta otaria grande sortimento
nateriaes, como tyolos.de al venarte batida, rad-
Ibo, qaadrado de 8> e- mais pollagads, tellta e
temdes, tijotoe- de tapamentos. O proprietarioaes-
ta olaria garante a boadade e har.ro de taes naate-
riaes, como umbem veade-se mars barato da que
em outra uualquer parte.
Pinga do Doaro.
Felir. Pereira dn Silva receben novameote por-
cao de-barris do-hem conhecidne excetlente vinho
puro do Donro, muito proprio para mesa, e vende
por freco conunodo : na ra da Imporatriz nu
mero 60.
r VENDE-SE ou acrenda-se o engenuo
S Gaspar, sito na freguezia de Serinhem,
comarca do Rio Formoso, prximo do em-
barque, com grandes partidos de paal e
massap i roda da moenda, mattos mangues
para uadeira necssaria, bom pasto, etc.:
a tratar na ra d'Aarora a. 26, ou na do
Imperador n. 20. __________
Manoel Alves" Kerreija & C, na ruada Moe-
da n. 5, 2 andar, tert para vender superior vinho
do,Porto em ancoretas e caixas de dalias, barril-
zinhos com 400 300 sardinhas superiores e bar-
ricas com bago de sabugneiro. pntassa da Russia
e cal de Lisboa.
Companbia de seguros marti-
mos utilidade publica.
A direccao de eonformidade com os seus estatu-
tos ait. 19, vende por intermedio do correlor Ma-
cedo dez accSes da mesma oompanhia : para tra-
tar na roa da Gadeia o. 41.
Vende-se gomma, feijo e cera de carnauba
em saceos: na ra do Queimada n. 13, primeiro
andar.___________
2^000
Cadeiras depinho de abrir e fechar
No armazem de Piulo Jos Gomes & Climaco.
caes 28 de Sovembro n. S8, vendem-se cadeiras
de pinho americano de abrir e fechar, proprias pa-
ra armazens, assim como, pela fcil conduccao,
pode qualquer pessoa que viaja condazi-lasjwn
incommodo, e terem assim um assento apropnado
para descanso da viagem; e bem assim aranazea-
da que na presente qnadra, procuraos arrabaldes
Sfl'm de passarem uui dia livre do calor da cidade,
nodem estar sentados debaixo de frondosos arbus-
tos saboreando seu havana, sem ser preciso esta-
rem deitados na re va, com receio de serem mor-
didos por algum infecto venenosa
Vendem-se pipa vasias em p, em norcao ou
a retalho ; a tratar na ra da Cadoia do Recife,
i. 1. 'Standar.
Em tempoe-modernos nenlua descubp
ment operoo maior revolucSo nu modo de
earar anteriormente em voga rfpm o
ITJTOKW DE AACMIITA
TANTO JrOi TRATAMENTf A
TOSSE, CROPO,
ASTHMA, ntlSICA,
nOUQf-lDOr RESFBIA.ME?W8e.
mmamrs,
T08SB 605TLSA,
rKWBB-DErtrro, "
r.xPEcn ;ao se sam.ue-
Cawo em todaa,grande,Verie de entermi-
dadbsda GAncAsr*, dorerree dos-osGaos
da sflm>rRACo, que tan4o> atormentam e fa-
zem safter a humamdada. A maneira an-
tiga d curar conststia geralmente naiappli-
cacaede vesicatorias-, saagrias^sarjar oa ap-
plicarexteiiormente ungaentos fortisimos
compastos de substancia* vesicantes, alm
de prodnzir empelbas; eajas differentesmo-
dos d curar, nae *faaiam seno enfhme-
cer e-diminuir as- frcaa do pobre deente,
contrftwindo por eeta forma d'uma.raaaeira
mais-faeil e certaipara aenfermidaae ades-
tfuirShinevitavcte smi-nktiaia Quem-dif-
ferente pois o effeito adaravel do
PEITORAL DE ANACAHITA I
KM VEZ-DE IIIR1TAK, MOttTmCAR E CAUIAR
INAIDJTOS SOFFRIMEMme AO DOEVTSy
OALMA, MODIFICA E 9TAVI7.A A DOR.
ALLmA A IRItVPACXO
DESEMVOiflfE KNT*:XDIMENTO, v
FORTIFICA 0>ettPO
e faz com que a systema
Desaloje d'uaoa maneira prompta e rpida
at ultimo vestigio da erfermidade: Os
raelhares votos em medicina da Europ (os
Lentes dos Coilegios de Medicina de Bbrlim)
testifieam seremexactas>e verdadeiras-estas
relaaes analgicas, oaatm disso'a experi-
enoia de millares de pessoas da America
Hespanhola, as quaes leram curadas- com
este maravithoso remedio, sao mais- que
satficientes para sustentarem a opinio do
PEITORAL DE ANACAHUTA I
Deve-se rxtar que este remedio so acba
iateiramente izento da venenos, tanto mine-
naes, como vegetaes, em quanto que porm,
alguns d'estes ultimes, e particularmente
aquelles que sao dados sob a forma de Opio
e Acido Hydrocianico, formam a base da
maior parte dos Xaropes, com os quaes t5o
fcilmente se engalla a credulidade do pu-
blico. A ComposioSo de Anacahaila Peito-
a acha-se linda e curiosamente engarrafadas
m frascos da medida de cerca de meios
quartilha cada um^.e como a dose que se to-
ma s d'uma colher pequea: basta ge-
ralmente a applicacao d'um ou dus frascos
para effectuacao.de qualquer csra.
Bkeumtismo e moles-
tias syphiliticas.
Arrobe vegetal, xarope de salsaparrilha
d Para, pilulas e xarope de veame, tin-
tara e xarope de sicopira.
Doencas do ligado & kafo. ane-
mia, opilad de.
Emplasto,' oleo, pomraada, tintura, pi-
lulas, xarorje e vinho da milagrosa Jura-
beba.
Scftes on robres- inleroiitenles
As pilulas anti-periodicas de Pinto.
nico deposito destes medicamentos na
pharmacia do seu autor ra larga do Ro-
sario n. 10, junto ao quartel do carpo de
polica.
NA PIIARMCIA DO PINTO RA LARGA DO
ROSARIO N- 10 JUNTO AO 'AR-
TEL DE POLICA.
Acham-se constantemente promptas a
senm satisfeilas, as prescripcees dos Srs.
facultativos, e as necessidades dos enfermos
s especialidades da mesma pharmacia.
composta de medicamentos, tanio indge-
nas, como estrangeiros.
Tosses e molestias do peito.
Xaropes de fedegoso, rabo de tat,
Agrio, pao Caldoso, juca, mulungo, n.o-
tamba, etc, etc.
COGNAC.
De superior qualidade da mu accredita-
da fabrica de Bisqtnt Dubouch 4C, em
cognac urna das que mais agurdente da
cognac, fornecem para consummo do
Reino da Inglaterra.
Vende-se em casa de Th. JHSt. rna do
oommercio n. 32.
^-> *
Y~
r'
Antonio d? Costa Melto, tendo de relirar-se
para a Europa, vende sua casa e nadara no po-
voado doslilontes,coja casa se acha b.m afre-
guezala e propria para qualquer principiante, e
txmbem se faz negocio a prszo : i tratar do
mt> povoado ou na ra das Cii 12. x
"al



I



Diario de PernmbOO '*- Sexla feira 31 de Dezembro 4e 1869.
LaniDi:
AS NWS SEDAS,
11-EUA DO QUEIMADO--11
Ghegaram da Europa pelo ultimo vapor toja de Augusto Porto C. ricos
cortes das mais linda sedas de.mimosas cores para festidos propnos para bailes e casa-
mentes. 'V 1
Grande variedade de sedas de listras (^diversos procos tolas, de lindas cores,
gorgurlo de soda prela, e grosdenaple de varias qualidades e gorgurjb de seda 13a de
differeotes cdres. "
Novos vestidos brancos de blond para noivas, lindas colxas dtf'seda para camas,
ditas de 13a e seda, cortinados bordados para camas e janeas, fronhas e toalhas de
cambraia de linho bordadas.
Lavas novas de Jouvia, e elegantes sombrinhas de sedas de cor para scnnoras.
Espartilhos de 50 at 100, lindo* bownons de cachemira de cor para sahida
de baile, basquiaos de renda preta, e ditos de croch branco e preto para senhoras.
Grande variedad*de camisas bordadas e lisas para,bomens e meninos.
Sortimento da omitasazeodas de 13a, linho e algod3o todas por precos moito
mdico. ...
* Tapetes grandes para sof, piano e camas, pecas de tapetes o de alcatifa para
forrar saftes tudo em tjaantidade; e vetdem sempre^or meno*s que era outra qualquer
parle.
Esteiras da India de 4,5 e 6 palmos de largo.
-
1
i
-

toande anuzcm de azeodas e roigas feitas i roa da Impcftlm
n. Si porta larga, te Paredes wto.
Neste estabelecimento encontrar o respeitavel publico um bonito sormeato
de roopas de todas as qualidades, palitots 4e alpaca a U, 30500 at 60. Ditos d*
merino, ditos de casemira de cores bonitos gostos a 50, 60, 80 e *O0, de panno preto
sacos e sobrecasacos. Bitos de brim pardo finos e ordinarios. Ditos de alpaca branca
e de cres de 305GO a 50OOQ. Calcas de brim de cor Gnas e ordinarias, ditas
brancas de todas as qualidades, ditas de bwm pardo fino e ordinario, ditas de casemira
de cor e preta de 4$, 50, 60 a 150. Crtletes de todas as qualidades e prego rautto
oarato. Completo sortimento de camisas francezas de algodSo e de linho He 20 at 50
ua. Sortimento de -seroiiias fcancezas de algod3o, de linho e bramarRe t 20 e 20300.
Gravarlas (antas) -novissimo goto a todos os precos. Meias sortimento osmpleto a 30,
at "7j5 a dozia. i __
ROUPAS PARA MENIROS.
ncarrega-se de quaesquer obras de encoramenda Unto para hornera, como
teninos, e com brevidade, por isso que temnm bonito sortimento 4e fazentfes de
as
qualidades tanto era casemiras como bris, pannos feos e o * FAZENDAS
Bramares de 11 palmos de largura a 15800 o metro.
Cambra'ias de cor e branca.
Alpacas de todas as cores a 640 rs. o covado.
Poil-de-chvre com lista de seda fazenda de gosto a 10200.
Basquiaes de guipure enfekadas a I8#000.
Sortimento de chitas escuras e claras a 280, 300 e 360 rs.
GALLO YIGIUNTE
Una do Crespo n.
Os proprietarios deate bem conhcidMtaabcl*
cimert, alm do amitos oljectos (p^ttoBt x-
postos a apreciacao do respeitxvql publico, n
daram vir e acabam de receber pelo ultimo vl>ur
da Europa um completo e variado sortimento
finas e mui delicadas especialidades, as quaes. es-1
lio nsolvidos a veedor, coiuo de seu costume, |
por presos muito barauues e coromodps pira te-
dos, com tanto que o Gallo....
Muito superiores luvas de peluca, pretas, bran-
cas e de mui lindas cores.
Mui boas o bonitas gollinhas e pnnhos para.s*-
nhora, neste genero o que ha de mais moderno.
Sujeriorespentes de tartaruga para coque3.
Luidos e riquissimos enfeites para canecas das
Exms. senhoras.
Superiores tran^s pretas e de cores com ridn-
Ihos 8 sem elles; esta fazenda o que pode haver
de elhor e mas bonito.
Superiores c bonitos leqnes de madreperola,
mariim, sanib'.o e osso, sonto aqttenes brantos
com lindos esenhos e estes pretos.
Muito soperiores moias fio de Escossia para se-
nhoras, as quaes sempre se venderam por 30*690
a diitia, entretanto odre os as vendemos por 204,
alm estas, temos tambe grande sortimento de
outrus qualidades, Are as qnaes algumas muo
unas. :
Boas bengalas de snperior canna da Indiae
castSo de marflm oom iradas e uncantaOotas figu-
ras o mesmo, neSte enero e o que de meiberse
pode desejar ; *l('-m destas temos tambern grande
qntutidade de oaww^naWades, como sejan, ma-
derr., baleia, asso,.borradla, etc. ete. ete.
finos, bonitos e"Virosffs chicotinhos de'Cadeae
de oatras qurtHdades. .
Lindas e stpertotes ligas deseda-e borracfca
para segurvr m meias.
Boas nietns de sed para scAora e f ara meni-
nas de t a 14 annos'de idade.
N:ivalhes cabo de marflm etartanif,a parafaier
barba; sfe mnlto toas.e de-mais a mais sao a-
rantnas--pelo f*Brante, e vs. por ossa vei Um-
bem *ss3guramBSa quattlade e delicadeza.
Liadas e bellaspcapellas f ara noiva.
Stportores agilbas par?, machin* e para <*ox.
Liaba maito boa de peso, frousa, para escher
labyrtalho _,.
B cono os tentos para o naesmo flm.
rande e arlado soTrtmento as melhores per-
mwtrias e os meUtares e mais conheeios par-
UKistas.
COLASSDEER.
estrieos magners contsa as conraIs5eSg e
ftrilitem ^enticattfas mnoeeatcs enancas. So-
os des*(muto ^leebedwe destes prodiciosos
oollaces, ..-continaamos a reeefee-les por toaos os
vapores, flm de ^ae nunct 1'altem no mercado,
como j em aconeddo, assiir. pois poderao aquel-
Tes que 4?tles precirarem, vir ao deposito do gallo
D cordeir providente RQ BAZAR DA MODA | UQUiDAGO
Una do Quelntado n. 16
Novo e variado sortimento de perfumara!
finaste outros objettos.
jtm do completo sortimento de perro
arfas, de que eilectvamente est provida;
uCordeiro Previdente, ella acaba dt
lr aoiavel pfe.^'nriedade de objectos, superiori
4ade, qualidades e commodidades de pre
-joaorasim, pois, o CbrderrPrevidente pedt
a ospeJaWranuar a merecer a apreciac3(
do refpitovel publico em geral e de su;
be a fregtnwa em particular, n3o se afas
taudo elle de^oa bem conhecida mansida(
a barateza. Enr..dita loja encontrarao o
iprciadores do bljm:
Agua divina de E.'^|ndray.
~de Mr:
E
JOSfc DE mik SOARES & G,
Ra Nova
YENDE-SE 5UITO BARATO PARA LIQUI-
DAR A DINHEIRO.
iMXVk.
De pelica branca muito frescas, ebegdas
por este ultimo vapor pantbomens. senbn-
ras e de cores e pretas para meninoso
par 2^000.
Minhas festas !!
Lindos objectw para miraos, como sejam:
Estojse cainifibas de msica, bolcnhas"fc
sesftbas, vasos e balainhos de -porcelana
donrada, flgnras, tinteiros, port-bouquet,
" 7-".- Ana 0thnr9 m.6atit9rlfu f,com frascos para excencias, ricos quadtos
para retratos, appareliios de plaque, cama-
feo e madreperola, lindi.s vasos com perfu-
Lmariasftc. etc, e muitos outros objectos
para este fim.
Cfe*po* de sol ou somhrlnbas
de setim ricamente enfeitads e mas mo-
dernos que pode haver para senhoras a
&, 16,5 e 18fi000.
GUIPURE OU CHOCHE
preto ou branco que o pode haver de mais
bonito em^adroes e superior em qualidades
para casacos, pinhas, corpinlios, meias
saiasetc. eveofle-se muito barato.
UNDfLCA MECAS
brancas e Tjr de rosa cada roa-a 15200 e 1->o00.
Ohaweospara sean oras,
de pallr.a Dna ele Italia elegantemente ento-
tados-e gostos muito moderna de l.>r)0OO.
vende-se -para liquidar a IO;jO00.\fc pe-
chincha. _____________^
de fezendas.
Na roa Seva n. t, anida retaai algmoas f.v
tendas que o vendwn i^r pr>^)S x;iw aumn
como sejam Sw^hiTs a 300 re., y>o?sami;;
com lista? dp muito lindas cores 300 rs., eniiw
a 200 o 300 rs., grande quantidade d eamoraiat
de mttTto liidcs padrOes a 300 r., e entras ir.;.!-
tas izeadas- qr.o pela ma boa qnaudade se tor-
nan rccvf'meniJadas para casas e Swniliai.
Grande qnantidade d* paletots do seda, do pan.^"
lino, de rasemira, de Sombatina (preloa e de te-
res) que se vundem pur todo o pie; parali jut-
dar aprovcitejnpehjncJw_quo_eil Undaj
ClIBfO
Da meihor qnalidade e por menor pn ,o
que em oulra qualquer parte, venden Ama-
ral, Moreira & C. em seuarmazemdo Caos
da lfandega n. 7.
vigilante, aonde sempre eneoatrarao iestes verda-
>deiros ollares, -os quaes attendeo-se ao fim
cara que sao appicados, se^wndero cora um moi
dimintrto lnero.
Rogamos, pois, ista dosebjectos ^ne deixamos
declarlos, aos390fregxes e awigos a virem
cexa, todas dos melhores e m^saareditadoi
fabricantes.
Dita de flor.de larangeiraa.
Dita dos Alpes, e vilete para loiftL
Elixir odontalgico para cosservac dt
isseio da bocea.
Cosmetiques de superior ^ualidade ecbei
ros agradaveis.
Copos e latas, maiores e menores, con
p-jnvatla fina para cabelto.
FVascos oom dita japoneza, transparenti
a utras quididades.
Finos extractos in^ezes, aatricanos
francezes em frascos imples etfcitados.
Essenca imperial o fino e agrada vel che i-
ro de vioteta.
Oatras concentratSas e de dheiros igual-
mente finas e agradaveis.
Oleo philocome verdadeir*.
Eitracto d'oloo de soporior qualidade
com escomidos cheiros, m frascos de dife-
rentes tamanhos.
Sbonetes em barras, maiores e menpre
paro mos. ,
Bitos transparentes, redondos e em figo
ras de meninos.
Dltos-muito fines em eaixinha para barba
Caixinhas com-bonitos sabonotes tandi
(rucias.
Ditas de madra invernisada contendo &
aas perfumaras, muito proprias para pre{
lentes.
Ditas de papelo igualmente bonitas, tana
bem de perfumaras finas.
Arma Ka ra Nova n. Uf vende-se uoiMrani ^ i a
cao, parte envidraba cantaros, dons balwe -8
diversos caixdes grandes, propri. para iab""--
padaria, deposito ou outro ^'wrnn^K'fla.
qual sevende for preco baraUssimo aflm. d desc
cupar a ca=a; e Juntamente se vendem 4 pip..
vasias arqueadas de ferro.________________.
Familia, da *terci
Manoel
Al
Ierra para vender:
k^jootimia a
tnw da Praia n. 38.
fer farinla \:
Repottio salgado, salame
virrtws bracos nissos, yvorne
ates dnHkone, beaujulais :
, e -cerveja, ra do Se' '
Madapollo fino a 6,5(500, 7,5, 8-5 e 90000.
Ugodo paca com 20 jardas a 43500, 5#500 e 6^000.
Peca do algodo largo a 7,5500. J comprar por precos muitomzoaveis a loja do gato
E oatras muius fazendas que ser enfadonho mencionar CUeguetn i roupa j vallante, ma do Crespo a. 7.______________
ie'w que se etiquidando na loja ra daImperatriz n. 52(junto aloja de oariws)4o
LEaO da porta larga
DE
Paredes Porto.
Machinas vapor de
forpa de 3 e 4 c-
vanos.
Motores paca 2 cavados. :
Arados americanos.
Machinas de aco o-oerrota* ,pai*a desca-
rocar algodo.
-Bataneas- para armasen e baicio. .
Camas de ferro. 1
Cafres de farro de Milnezede Uhit-
fiehi 4
Prongas para copiar carcas.
Fogo americano patent
Fuaio no da 8 do eorrente mez de dew ni-
bro de 861, do eugenlio Giqui, freguozia da} -
cada o esc avo Paulo, cabra, de idade 40 ani ios,
altura e enrpo regulares, barbado, bellos iv ,ra-
pinhn*. pvitos e pernas bem cabelludas, cara cem
niarcas de bexigas, tcm marra d; chiclo pelas
costas com parenciasde i|iioiniadui.'i?, vesiid --m
calca de brim pardo, cainita de.nutlapol;.o r\..-
po'de palba de carnauba, - Lniz, morador nos Afogaos, tenJo o me :;i --
: j,,-u, i:mdjacgw, | crav0 mul.er e lilhos m ^;o n^rar : paga-s e poa
onve, crepWe gratifica.-ao a quam o pwndcr e leva-k ;, ^ dito
fabrica 'e^enho, ou na ni* do tabug u. 11 ao f jr.Fr.in-
we Antouio deDiito._____________
lf
de:
*
Os verdadeiros OOIXAHKS B.OTER, os nicos approrados pela
Acadtnii de Medicina, tem assim como os meos oulros productos
attrahido a cupidei dos falsificadores, que para facilitar sua criminan
industria nao se pejao, nem receia annunciar vender falsos Couiui
com Maro nohi. En previno as familias para interesse de seus Clhos
que, para evitar falsificaccs, devem exigir, que mes Comus lhes
sejao vendidas era caixas de tambas de encalle e corredias ccberlas
por 4 etliquetas com a ninna Baarca de fabrica e encerrando nos
jodipecto circunstanciado, e selladas por urna medalha com o lettrcire.
COLLAI ROYER, Rae Sl-BartH, 221 Pars.

(M
nova
chegnda no ultimo navio
t.ma., naua da Cruz-n.
de Lisboa
vend Joaquini 3os
Bonitos vasos de metal coloridos, e da
moldes novos e elegantes, com p5 de arro:
e boneea.
Opiata tngleza e franceza para dentes.
Pos de camphora e outras differente
qualidades tambem para dentes.
Tonieo oriental de Kemp.
Ataada mais coqueo.
Um outro sortimento de coques de no
vos e bonitos moldes com filets de vidrilho.
i alguns d'elles ornados de Cores e fitas
-isto todos expostos apreciacao de queD
os pretenda comprar.
GOLLINHAS E-PUNHOS BORDADOS.
Obras de muito gosto e perfeicSo.
Flvellas e litas para cintos.
Bello e variado sortimento de taes obje>
tos, ficando a boa escolha ao gosto de con
orador.
l %Fft POPULAR
DA
. m^ nmmumik
DE
- Teitefra Umrto$.
'. Acha-se venda este ptimo rap, nico qtv*
pode sup'prir faltado priaeeade Lisboa,- por ser
de mui aRraavel perfome, viajado, c a preco o
iiais mdico possivel; e por isso tem sido assr
aoethfdo as pravas da Bata, do Rio de Janeiro e
em outras do imperio : no escriptorio de Joaquim
Jos Goncalves Boltrao, -roa-do Commercio nu-
mero 17 ________________
*- Vende-se um carro de quatro aisentos, para
dofis-eavailos, eonc arreios. Os pretndanles po-
den v-lo na roa do Hospicio offleina do Sr. e-
raldo, eorneiro, e tratar com Vicente Ferreira da
Costa: roa de Riachuelo.
^m
CADET
CURA
PCERTAeINFALUVEL
em tres das
Ph^BDenain7
P A R LS
Varis, 36, RaTivienne, D
CHABLC MEDECIN
%atifica$to de lOf
Ao chgbv a uia eidade em ?na ult
'porlos d oerte rrVspfir nacwnal <
de bordo o e*rav ^overino, mulato,
autoridades pEiaes tk* MsAa
de'campo aoaptuia do referido.
treearem no ans abatxo assignao
ao cae d lfandega vclha u. ~\
bilisam ror fodas as despeas qu
tincando mais a qualquer capilar
quanlia a;lua referida
'iail.vdj.
ge tr
%to '
,-Sr JJ;'
mira
Jnur. liibeir.) ..
Portanta
2 ;" ca.
ravo, e de an-
15 ncta efade
fi fe-wrcm,
' ^ ca,,.,
Viras *

DEPURATIF
IV. SANG
BAf5KNEllMlADASDESSEXUAES, ASTntk
gOES CUTNEAS. E ALTERACOESDO SANOUX,
^3O00Ocurtsdatmpnjfiii
mstulcu, herptt, urna
omixoet,aerimomaj i
erfocs, ciciotoi do mm>
virv, aluroiou
tdo tungue. (Xarope vegetal sem mercurio). Bep<
! vecetaca BlHOf MI1FR1SI
kanao-se dous aor (enana, segnindo o traetameatf
Dcimra'.wo : mrregado ais mesmu molestia*.
Ebte Xsrope Citraeta O
ferro de CHaBLB. can
immediatameste qaalqter
puroafoo, rilaxasat,
debilidad*, e igua>
enU os ftuxoM e flores branca* das mclhtres.-
FtU iajeocao benigna emprega-a* coa o Xtrcpa O
Cilracto d* Ferro
PLUS DE
COPAHU
.*
M*
Pomada %* a* cara te tras da*
POMADA ANTIHERPETiCA
Castra i bu affeetou tutanea $ comisa**
ULULAS iSGETAES OEPURATIVAI
i .-a cttemEc, Mda frast* *hi uw&itti 6
.* Aviso s aiiiftVi^ies pa\mm
e a quem tmhir
No da 29 de maio do correrla a- ,
fugio o escwo Ezeqnie!- Griovlojk 5o ;J '
annos de idad, estatura regu,^ reforcado
cor bem prea. cabeca redoticla, traiava ca-
misa azul e calsa de 'cassemira cinzeni"
durante o d'u costuma andar ganbaado Das
ras, ou em armazens de aasocar ou n
bernas a conversar e ;t nm," daraote a
noite recollie-se a telheiros abetns, oa pd-
nelraveis, a casas em toastroccSo c a orj
quaesquer lucrares, ond^ se pssa abriga
quera o appcehender teutia a bondade-i
conrluzia a rus da Aurora n. 2(3, ou na
Imperador n. ** nada ser gratficaic.
Fugio a Siie dezembr ,: ,
Joao, crionlo; pedrro, Pdade 80 ann rs,
regular, cabe'kw brancas, narii chato, di
boeeagrande,'pooeabarba; rofta-se asanl
J.'S, oapilae do campo, c a qnalcn u *s a
povo, a captura do seu referid, ascravo, co 11
loa raa du Imperador n. W, qau ,-_
. Fugio ds siif>. Mgti..-r: :iZ :>
pnmeinB dian de n ivembro, urna escrava -
me Luiza, cri;;iila-, Jmixa do corpo, necea, ba-iii >-
la, P^pequervSjrfiipiopaiM uo jr paiar a V
dizem estar a-ondioa, foi ,-ompradj li.i j .,
t'-mpo aaSr. I <, IVdro, morad.r rara? do ,-
vrameato^fcrwciB a dita escrava p-: t. a
casa dftcorTniiffc para jar rendida, uu a;
cima, ^era genMsainM| recompensado.

1
LISTA GERAL
DOS PREMIOS DA
4.

PARTE DA LOTERA CONCEDIDA POR LE PROVINCIAL N. *37, A BENEFICIO DA IREJA DE NOSSA SENIIORA DO AMPARO DE GOIANNA,' EXTRAHIDA EM 30 DE DEZBMttO
S. -EMS. NS. PREM8.INS. PREMS. NS. PREMS. NS. PREMS. R9. PREMS. NS. PRILMS. NS. PREMS

3 i m
9 79
12 H 83
i:; U 86
16 87
23 95
25 -Ofl 96
33 ti 99
46 300
47 >
51 _ 8
5
71
80
85
88
96
111
18
22
24
So
JO
28
iA
16
5i
i>-
68
K

79
8j
91
>03
9
7
8
16
17
18
.28
36
37
39
42
15
68
m
8*
M
81
v000#
4a
20
21
27
28
33
31
35
36
:I9
41
32
63
39
61
67
73
71
79
83
85
88
91
97
404
M
O
11
14
17
18
19
22
33
38
40
44
46
4J5 458
59
66
73
75
78
82
__ 90
mm 92
502
_ 9
10
14
17
18
22
> 29
iO 34
4a 35
8 65
i* 70
__ 74
8#
i*
86
88
92
93
603
8
12
26
27
31
32
37
38
41
45
32
4*
40*
4*
8*
41
2024 59
43 66
__ 72
_ 73
_ 74
79
&* 87
4* 91
93
696
99
703
6
7
8
9
31
35
38
46
48
49
53
56
57
58
59
62
67
72
76
82
85
89
93
99
801
6
9
13
15
16
18
23
39
48
53
63
66
68"
71
71
84.
.*
89
93
98
90U
U
sa
4a
4a
917
23
27
29
32
44
48
64
70
72
82
84
85
92
95
98
(004
5
12
15
16
18
20
23
24
41
46
55
60
63
70
71
81
85
1102
11
16
30
46
* 61
68
83
88
95
98
1203
6
1Q
15
4
U
ti
8a
8a
4a
ioa
4*
1427
28
32
Vi
38
39
44
35
o'J
60
61
76
78
83
8C
87
90
93
90
1503
5
12
20
35
37
38
44
48
53
36
59
04
65
70
83
91
f603
4
9
11
17
23
24
26
28
29
30
38
51
**
NS. PREMS. NS. PREMS.|NS. PREMS. NS, PREMS. NS.
1636
62
65
71
76
78
79
20J 1707
48
i
8a
10
H
12
19
20
22
34
37
43
48
49
5S*
57
65
76
83
90
91
8 '
99
1801
6
7
11
12
15
19
22
32
47
52
56
59
63
5
73
74
75
80
81
93
204
4a
sa
4a
1894
99
1903
5
7
10
12
13
15
16
20
24
25
27
31
32
30
38
41
47
50
37
67
73
85
93
95
2000
4
14
15
19
23
26
43
44
51
68
70
72
78
84
87
93
2100
11
16
M
24
4a
_
2123
26
28
33
42
49
56
38
63
73
74
75
84
92
2303
12
. 18
31
40
42
43
59
63
66
68
78
79
81
82
83
89
94
230o
22
27
29
80
36
59
61
74
73
81
89
n
95
98
4*
-'2413
8a
4*
8a
4
2418
20
21
30
42
53
63
67
68
73
76
,77
78
82
84
86
87
99
2301
11
12
14
1S
24
29
30
34
35
38
40
41
.51
57
63
66
68
69
81
8)
97
282
3
14
l 15
18
24
30
38
39
4a
20*
4a
4*
^-*
2638
14
75
76
78
80
95
99
3701
7
10
12
*
21
22
24
"26
44
51'
82
m
7
PREMS. NS. PREMS. NS. TREIIS.
4a
70
J- -
81
81
*5-
96
98
2802
7
8
10
12
18
27
32
33
35
43
44
83
66
68
71
NS.
3977
9*
4002
6
8
0
10
18
20
l
M
31
33
38
* 39
40
12
_ 49
_ 36
__ 61
66
72
204 80
44 88 .
92
4101
12
^ 16 __
~~ 17 -----
22
23
29
47
48
60
62
63
72
74
78
80
91
92
99
4202 3
_
10
18
- 8
4302
7
10
17
20
21
36
29
30
^1
32
36
37
40
47
49
58
59
60
69
74
75
81
89
94
4400
7
8
!>
11
42
_
84
44
24
25
31
33
36
39
40
41
53
55
56
60
63
66
77
83
89
91
93
95
96
4621
24
34
44
50
51
53
54
84
44
84
44
A
-..:, -.infc.1..


a
"""
.Lfi
<
Diario de Pernambuc Sexta (eir 31 eje frezmbro de 1869,
*m


^
raRATORA.


A MAI ENTERNECIDA,
i mmi in.MAs.
Filha das minbas entranhas
Ouve a cao que te dou,
Que as mais jarnos sao estrankas
A ^era ss-u seio rreou.
Ouve esse ter no conselno
Q<:o vou dar-tc como espelho
De leus anuos no correr:
Que a vida nem sempre sonho
De painel lindo e risonho
Gheio 4 mago prater I. ...
\yh no ando todo pasea
Gomo o vento qoe esvoaca !
A. par das horas ditosas
Seguidas de mil encantos,
Outras correm amargosas,
Aorapaobadas de prantos...
Do terapo a pndula varia
N'um s instante desvair
Dos mortaes a triste serte___
Se hoje a ventura nos-prende,
Amaoha nosjorpwebendt
0. negro espectro- da aorta ;
Pois no mundo mdo p;rssa
Ofcno o vento que esvoaca !
Dizem que um ofcn de flores
E' a gentil niocMade,
RisonJta quadra de amores,
Repinta de -fliridade;
Va nesta estaca florida
Ha muita toma perdida,
Myrrados Jjtu'os de amor,
II i mu Jindas borboletas.
fine roubam das violetas
O brilho, perfume e corf...
Ali no Hipado tudo passa
Como o velo que esvoaca !
i, Slha, laWT borbotlas,
S5o di vida as illusoes,
Qm vn poisar inquietas
as flores dos coraces:
Cbimras que se ara
E nossas alra?s povoam
No arrebol dsessas ida*
Mas que depois se
E paja nos apfareee
Toreadas em realidades
Pois no orando tudo paisa
Como o vento que esvoaca I
S cautelosa, pr.rtanto,
Filha das- minhas entranhas ;
' Nao tedeixes levar tanto
Helas magias estranhas.
Que o mundo nos seus engaos
Trar no volver dos-annos
Ao tea brotar da paixao ;
Pois que todo vaa mentira,
E do mal se o genio inspira,
E" somente a perdicao !
Sim no mundo tudo. passa
Como o valo qoe esvoaca !
Dcixa esla louea vaidade
Que doira-le a juventude
B esse orgnlho de beldade,
Triste, medonbo, atade,
Onde os nubres sentimentos
Yo em bem curtos momentos
Tornar- espectros de horror;
Pois desta vida a ventura
E' ter-se um'ahna bem pura
Cheia ele pejo e pudor,
Que o mais no mundo se passa
Como o vento que esvoaca
Nao sejas no sentimento
Voluvef, qual mariposa,
Que vai tomar novo^ento.
Em cada flor em qo^pousa:
Nern deixes indierente
Cshir o veo de innocente
Que robre o leu coi-acto,
Que tu'alma abencoada
Ser de todos amada *
Com mais lirine gralidlo,
o ijii iio mundo nao tssa
Como o vento que rffcp !
V. Godttfredo de A. Autran.
Chogando o menino Baiiv, tapio-g*
-'piessadaracnle uergutou rui lugar
onde a agua eslava .larva por causa do ac-
cidente Ambas as crianfas tinham desap-
parecido, porm depois de consideravel fa-
diga conseguio acha-los irate-les .a lona
d agua. Tmha um em cada braco, de .oda
insensiveis.
Seu salvador eslava muilo exhausto aara
conduzi-los a margen, porm consegua
conserva-Ios cima (Tagua al que aclou-
so urna escada pela qual os tres foram WU
muita difficuldade suspensos entre os ap-
plausos dos assistenies.
Ooutrocaso foi de um menino de 14
annos chamado Charles Brovvn, que sal-
vou um corapanheiro chamado Dewar de
ahogar se. Diversos meninos.banlwvapi se
juntos emTerry Piez, quando Dewar.cahio
n um pero. Brown vndo o perigo .mr-
reu emsoccorro e nao obsUnte;ps cm-
vulsivos esforgos dq,nutro, conseguio wl-
OS TELEGRAPBOS NOS ESTADOS UW
DOSPublicou o Sr. Orion, prejidpnte d;i
companhia de Western Union Telcgra >h.
um relatorio que traz a respailo das Un las
telegraphicas dos Estados-Unidos informa.
C5es minuciosas, medanle as quaes pp-l#
mos apreciar o valor do syslema vigente
naquelle paiz.
Desde 1831, as diflerenles companh 3s
telegraphicas, que se formaran %te cnto
entre os principaes ceniro. emmerciaes,
foram na mor parle absorvidas pela Wes-
tern Union eessa tran*fonnacIio contribtio
poderosamente para.o'desenvolvimcnto das
Imhas telegraphicas que ligara actiulmer te
os pontos mais Vastados do ten nono >ii
Unilo, inelutive as provincias fcriaicas da
Nova Escia e do Nove Brunswick o ccr-
respoudendo directamente com s.linhis
estrwgoiras e os cabos transatlnticos.
O Sr. Orion calcula era C6.2C3 militas a
nsao explorada pela sua companl.h,
i Ibas de lios totegj-aphicos
dado as corapanliias
-jJh* W algarismoce
/milhas. e O.WO-.mi!has de lios e :W7
:oes, segue-sj que o conjunto das li-
Jeifgraphicas nos Kslailos-Unidos
comprehende 73.B3 militas do exten-
Ua ouilia^Jfl^H,029
fflwnfts.-bispo de Toroe!; monsenhor Ma^
rajaga, bispo de Tine c Micon; monsenlior
Granada, bispo de Troade.
Desles-1000 prelados mais ou menos,
contando os cardeacs diconos, esp^ra-se
que 700 estejam em Roma no dia 8 de De-
zembro prximo. Basta este numero para
per o concilio do Vaticano na priraeira ordera
das assemblasecumnicas.
Os bispos da Asia Menor e os da Ame;
rica do Sul, sao esperados no fim do mez.
Arainlia.de Wurtemberg, igualmente an-
nunciou a sua chegada nessa poca. Nao
duvidoso que no mez que vera, seja Boma
o centro da high-Ufc real da Europa, por
que urna quantidade de altezas j mandaran
tomar aposentos.
llevando o rosto-ner sal*feito dpois do en-
saia.o oiro.
ncSo terrivel, e Brenrwn morreu qV
COBRE Qtm CONTEM OS ALIMENTOS.
A mr^wrte da suplantas encerram co-
bre ; variado qu ara kllogramma de
planta-: seccas s pode dar alguns milli-
gra.nmas sabios chcateos reconberam -que se podia
oncontral-o em todos os alimentos. O trigo
contlo gr..00*56 de cobre por kilo-
grafwrta ; o metal existe as semeas e nao
na parte amylacea, de maneira que o pao
feito com a farinha mais grossa o qm
fionim mais cobre. Resulta, pois, que
todos os das inlrodozny cobre no nosso
corpo, pois que o ha no elemento de pri-
meira necessidade.
No espaco de 50 annos, parece que um
homem come 6 gr. 09 de cobre ; esta qaan-
lidade pode inspirar receios pela sade. .
Segrmdo um ehimico, subiwo a quanli-
dade de pao consumido diariamente em
Franca a 18 milbes de kogrammas, Ira
10 kilogranunas de cobre comid por dia.
oo 3,0 por anw>; e como, pef oufro
lado, o peso do trigo necessario "> atinen-"
tac3o da Franca, (faraute nm anno, maw
ou menos de 1 billioes 300 milbes- de
kilogrammas, resida- qoe 34 railhr.es
61.800 granunas de cobre sao aiinualnenlwF
INCENDIO DO STONEWALL.As cor-
respondencias do S. Luiz dizem que se con-
seguiu coMer. una vmte corpos calcinados
das infelaes vicumas do SUmewall, qnei-
mado no mar. Tomamos da poca, de
Nova-Orleans, os segoiotes pormenores dessa
calastrophe :
Na occasio em que augmenta va o n-
cendio, annunciando j bastante o desastre
que se preparava, a equipagem e os passa-
geiros, os da enlrj ponte especialmente,
que serianHfchomens. mutherese criancas,
tinham-se lancadu horrorisados pira a proa
do navio, obstruindo-a completamente. O
terror havia-os tornado loucos. e a confusSo
causada por aqnefle mvencivel sentimento
havia de apressar-Ihes aj>erda. A bordo
havia mudos cvanos e bollas; estes ani-
mae, amedrtados pebs chmroa?, que
om crescendo, crescendo sempre, lmbam
quebnado as arreaas e buscando urna saida
tinham-s laucado por inslinelo para o lado
da lurba que e amonloava a proa, como
dissemos. Ma^ aquella barreir viva, bo>
mana, tomnva o que Uie .pareca ser o ca-
minlio da salvacSo. e carillos e mallas gal-
gavan a todo o galope pelo meio da mul-
tido, e principiaran! com os seus destrocos
a obra que breve jeviaro concluir o fogo c a
agua.
Alguns passageiros flearam t5o esrmga-
dos, lo amarrotadosv < consequencia
daqirellas correr/as-, epte- ftes oi imposNfv^l
a fazer qualquer movinwM ^ra fugirem
aquella raorte, par a quaf nmvptravam as
cbammas do desgr?ado nwio'.je as vagra
MATRICIDA. L-se no Diario *
lalemra o seguro* fado qae horro-
risa :
fcj nos vemos na dora precSSo de
ter que- registrar na chronica criminal um
desses acorttecmientos1 qae T)rovanmnito
do rio-inundo a fwco e pewo oSUw- dolorosameme a falta de moraliS em
na EaMinorte um^-^mm-n'* dles ^ie se .irhtt o povo hepwihol sZZ
pois.
O SR. BURG.Ha mais de trinla annos,
queoillustre medico o Sr. Burg, procla-
ma a influencia propbylaclica e curativa
do cobre contra a cholera. Aquello facul-
tativo aeaba de submelter a academia de
Pars a conclus3o do relatorio aprsen-
lo Pel Sr.^p-nois no conselho de
hyg/ene MyBBrdade do Sena sobre a
pveservafMoJerarios que trabalhavam
em cobre afi^fTa epidemia de 1865
1806.
Dos oprenos que trabalham em metaes
o uquerito achou as seguintes proporces
dos casos de cholera em relac5o ao nume-
ro de individuo :
Joalheiros e oorives que tra-
balhavam em ouro e prata 4 por 709
Trabalbadores em casqui-
nba, gravadore* em. co-
bre, polidores, laminado-
res e moedeiros..,..... 1 por 1:000
fundidores, ampistes, abri-
dores, lorneiros em bron-
ze e fabricantes de atfe-
recosfahjo..........,. i por iXM
Cal'dereros, fobrcantes de
instrumentos- de cobre .pa- -~/~
ra msica a polidores a
seeco.....,..........0
nato de polassa) que se eslenile rom um
pincel na madeira. ri que ella atlinja a
cor que se desoja; chico minutos Bastara
para a operaco. A pereira c gingeira, lin-
gemse mais rpidamente ; mas o ptnho
leva mais lempo o tomar er, por causa da
resina que conten.
Lava-se depois n'algomas aguas os ol>-
jectos tintse deixam-seseccar, a fim do
pulh-os, ou dar-selhes oleo. -
Explicaro:
O bypernianganato'de potassa po9flo a
propriedade de decompor-se com o contac-
to das fibras vegetaes; e estas precipitan
um peroxydo escuro de manganesio que
potassa faz fixar quando d'eIJe se separa
Areceita da.Waateru Uak graph,
desde 1." de Janeiro de 186!).* rnastra um
lucro liquido de mais de 210.000 dollars
por mez, je o custo da colloca nhas varia do ISO a 1.000 lollars, cora
ote termo medio de 3 a 10 lios para os
pontos mais importantes.
E' bom notar que a imprensa americana,
que conlribue largamente para o rcunmen-
mento das .companhias telegraphicas, pd.j
gracas a sua simplifkarao na traii>misso
dos despachos, expedir 360.503.O30 pala-
vras, em 1866, mediante urna retribui-
do que nao passou de 8S3.509 dellars eo.-'
papel.
HIERARCHIA CATI10EICA.Escrevo.
de Roma em data de 14 de outubro:
No momento de reuniese o onciho,
verio os nossos leitores com. .interesse a<
seguintes informac-js olliciaes relativas a
hierarchia calholica.- Compoe-se ella-dos
prelados seguintes :
Patriarchas, arcebispos, e bispos
residentes .:............. 766
Patriarchas, arcebispos e bispos
in parlibus iu/idelium...... 2*8
tirados ao solo.
Esta enorme quantferade prova a nbun'-
dancia e a extrema diviso do cobro no
solo.
O caf contm 8 miJIionesimas partes
do seu peso de cobre; mos esse metal ca
inteiraraente iw borra do cale'torrado que
*': se melle n'agoa* do maneira qe a bebla
servida a mesa nao contm -cobro. O con-
sumo do caf do- Europa sobe a 70 milhoes
de kilogrammas^ o peso' do cobre comido
nesses 10 milhoes de graos exticos de
560 kilogrammas; por consequencia urna
massa de cobre do 560-lilogrammas ii>-
cluido no' solo europeo.
apro*inwr-s' por-torkM-es- \9m. Lugabre
Tiaufragio. e mnito m'# hopfcver por estr
a trra a|ka< dois passo/- JScw a trra
vida.
Miwtea- pa^vageiros se decidimm a ati-
MER0ISM1 D
sociedade
ferio cera
nios, al
que salv
coragea
mado Ri'>
nos -de 5 II
lo da ponte
Siiis gritos
visinhaajpf 'c
r/.m ao'lugar
'..: ;'.::?tado : cala um
sado.
TUDO.
CRIANCA.A real
d* Londres con-
mcdalha a dois me-
16 annos, outro de H,
jdas dando provas de nina
ana ^jrimeiro cha-
lhilj'lJt' dois meni-
anuos pk*BCBcavam.pei-
liwfo'k e caftiram no rio.
fe socorro asanstaram a
uns viateJ0eitos acodi-
N.uihumtraxili porm
pareca paraly-
ROMANCE r
* POR *
Paulo Fval
Tercetra parte
M FI.OIBAT4 DE PAI114
(Continuac5o don. 296)
V
Funeral de mu Justo.
Aps o horror d'estas noutes, accende o
so! o-aeufatho, como se tal n5o fra. Des-
pertara os alegres passarihhos da floresta,
ustamente, no momento em que as fras
recolhera aos covis. Pela manha, havia
no banco fatal tres mocinbas cheias de
graca e gentileza, que partiam nozes com
os seus dedinlios saos e rijos. Urna d'ellas
dizia ao ver algunas gotas de sangue na
trra:
Fai talvez uvada qua o pap deu i
roami.
Nao isto gyria, senSo o cbilrar um
tanto rouco das andorinhas da floresta. as
familias silvestres, dar uvada, esmurrar
amigaveknente com um bom sficco as ven
tas de urna companheira peccadora ou ra-
bngenta.
N3o se de pao.
Ostentando a pittoresca sem-ceremonia
dos seus trajo, levantavam os varredores
de minos os sexo- nuvens e nuvens de
poera ; os tapetes mostravam as janellas
abenas os bnlhantM matizes, em quanio
oas sacadas prximas as m5is de familia
Total. 994
Essas dignidades dividem-so da se-
grate maneira: 12 patriarchas, 75 arce-
bispos do rito latino, rtjMeatas; 25 arce
bispos dos diflerenles ritos, residentes; 35
arcebispos m ptuthu, 609 bispos latinos,
residentes; i5 bispos do diversos ritos, re-
sidentes ; 103 bispos m Ktrtibti*. A estes
conven ajunlar 8 cardeaesdiconos 3 va-
rios outros cardeaes da orden dos padres,
que nao tem bispados.
A idade dos prelados caja lisia aca-
bamos de dar, dividi-so assia: tres bispos
com 03 annos, dous com 90, 20 de 80>a
85, 16 (le 75 a 80, 79 de 70 a 75, 16i de
60 a 65 annos, 133 de 55 a 60 annos, *05
de 50 a 55 annos, 82 de 45 a 50, 43 de
iO a 45 annos, 2 i de 38 a 40 annos, 13
de 35 a 38 annos, 7 de 30 a 35 annos.
Nao se sabe a idade de 127 bispos residen-
tes, nem a de 105 bispos in parlibus.
t Os tres prelados mais velhos sao: mon-
senhor Bombini, bispo de Cassauo; mon-
senhor Goyeneche, arcebispo do Lima, e
monsenhor Cavi, administrador de Livorno,
todos tres nascidosem 1775.
Os sete prelados mais mocos sao:
monsenhor Mellus, bispo de Akrachald;
monsenhor Melchisedekiam, bispos de Er-
seroun (Armenia);, monsenhor Ordanez,
bispo do Rio Bamba; monsenhor Lacerda,
bispo do Rio de Janeiro ; monsenhor X-
PHKMIO A ANTIGO PA jornaas de Vienoa publiean os nemes de'
11 coznheiras o riadas que, por ocoasia:
do aaoiversirio do imperador Francisca
Jos, receberan* da admirwstracio- ama gra>-|
tiflcac%>-em'recompensa Ai seus-lengos a
liis servicos-nao-casas- das mesmas pos
soas; algumas iNan e3thieran 45y 44 41
39 e 36 annos aa mesm&csa, ia*o- qne-i
nao era raro naanliga sneiedade,- rews qu-3-
se tornou raro nestes teoapas de-tarta enti^
o traSalho e O capital.
rar-se ao fio; mas aiwte alii, por urna
tsorrivel talidaoV, havanv de encontrar as
mollas e os cavaos, e sob-as palas-d'elles
soccambiram' moitos nadadores, habis an-
da assim.
As maei:possuJas Dla loncura pelo
desespero, arava as Mho a?oa, e s
na morte seHbesitonwvam a jeonuv
r Dez homens, cuidando st de si, met-
teram*se n'om boter qne poderia conter
cinceenta peseoas e aftstarame inexora-
veis.
c Entre estes- ianm'homiror que per
denoV todos o* sentimentos, menos o ch>[
Segunde
nos escrercmi de Uldecona, foi ferida- mor-
talmente do tres pnnhalados urna infel ve-
rHadaquell* villa. O agg*e5>sor, que-foi
preso levando anda sua roopa mancha-
d;tdc sangue, era o proprio flllio da viel-
mp,- e perpetros o delicto r occasiiSo em
que se achava1 ausente seu pai. A causa
que motivon 15o- espantoso erme foi uma
dispma sobre interesses.
MT40 IPEMAL A FERNANDO DJt{
LESSEPS.O beroe da festa E^ypcia rece
CREANCrNIIA.~Na Ganaba, povoocftr
do coocelho d'Ollwro, era Portugal existe
uma craaaemba, por norae Joannn Gramat-
ta, que canta a bagatella de 108 nm.
Nascen em 1761, e casoo do* vete; leve
do priraeiro consorcio #f fllhos de ambo os
sexos, e tambem alguns- do segundo. Tem
actualmente 80 netos; contando o mofe
novo 19 annos.
Quasi lodos os habitante de Gafanba so
descendentes de Joanaa Gramaila, que
all venerada eoiao uma soberana, nao s
pela sua avanzada idade. como tambem
pela condesceiieaca que usa para com os
noivos, que Ihe &a pedir o su consenti-
mento, para se uatrein pelos lacoe do mi-
fraaomo.
lia ama curiosa anedocta com jespeilo i
boa velhinha.
Um rapaz de( Gatonba foi pedir conseHios
Jbaana. e lamben me d'nma ireta.
e vimm velhinha deo-lhe logo 9 sim,
coawcoslomava.
A rapariga, porm, ao qoiz conberer as
bellszas do matrimonio,, e nao acceder *i
pedfb' do aoivo. #
Joanna; qne deplorara- a sua vinmr a
que t?mia ne-achar um satelifte ao se
pnmeiro'marido, cb'amooa-noivo, tpaw^-
rou-lh*- a'parvoice da rapariga, e BVreac-j-
Ihe 9 n^fe.-qoe- rapaz acowieii jubiloso.
Das depois c&saiva o rapaz oomaquella <&
antes qsizera par arv.
Gramatfa'fuma como pact, e toma cafar
como ura. tuffnj Ascigarrilhae de 10 r'eh*
1

beu da mo da soberana dosfrancezes unr,JesaPPareoem-'h'** as mies-, o caf so-
m3gnirko donativoj me-se n'8qoella Bocea, rugc?ii boje, que
E' um primor de orivesaria *) qual p- '**nlos beijDsdposa*fr()ite doa seus des-
egoisai, deixira a bosrto a esposa suppfi*
cante.
de chanar-se a Tem de Suez.
Daidea^eral qoe presidio aexecucao
desta obra d a Franev os segoiwtes por-
menores-:
Tem forma de- aario sem mastros,
com umi s ordem de remos. Empu-
Qfej& a Pnovidenciav pormvj|ue eto nbam-nos duas serfe agachadas setre um
se salwasse. e-quando iw praia eattetrou ej banco adornado de conebinhas. Un destas
marido 2o qz reconbece-lo. Onom seras representa o .lledSterraneo e a ou-
d'elle era Guwvi, um italiano. Tinha ahra o Mar Vermelho.
bordo do Scw'w/a mfi( o pai, a muUierf A popa aesentam-s-rascencia s a indus-
do ria, tendo arvorado um signculo-onde se
e seto trmaos e rmas. Na ocot*So
perigo esqoece>e a todos-e t^s-morra
ram, excepto soa esposa^, qoe o- easligou
pelo dasprezo.
Toda esta ineliz famifta. a paro Nova-
Orteanat
Dwrse, e Jtemente se comprehnd,.
que nada era mais lameB&wel, maia-afliig-
IMPORTANT DESCaBERfA..Os iin- Aur, do que a tecla, no sai das vajras, en-
naes- da.Austraa publieam noSuia de uultre os aaimaes e oshomeiaf as mciiieres e
dcscobrimeoU)-^ nico romundo^ ffectcwi
do as minas 4b oiro de Miagne, a ct>
multas de DiKKiity, que o para mas rice*
em vas, aurifaras. Ocie- mineiros cbanaa*-
dos-Joaa Deaaon, e Bigardo Dates, tral- .aflicta de 4so isto, pisos estrideetes,

sorviam, de vestido branco, o caf matutino.
Recolbia, baloucando a apagada lanterna,
um trapeiro moroso, e o vinhelo branco
corra em lodos os armazens; os fiacres
formavara em lileira ao longo dos passeios;
e, levantando o panno do se wigwara,
beche mostrava os srdidos negruraes
seu gyneceu.
Erara nove horas da manira. J se
carambolava no caf Turco, ao passo qoe
os botequins especiaes dos theatros fecha-
vam os olhos como mochos que s3o. As
damas pertencenles esi calhegoria, a que
os escriptores da moda que passou chamam
estudos, desfilavam em carros de praca ou
regressavam pedestremente ao intimo san-
tuario, depois do nocturno vivar.
Os caixeiros, essas flores animadas, for-
mavam em todo o comprimenlo do boule-
vard um canleiro sallilante da coleles ver-
naes e grvalas garridas. Corriam para a
gal coramercial, debicando
dita ; trocavanr os cocoeiros dos mnibus
cortez venia ao crosaren ^tela primeira
vez, e o genio da columna de julho, novi-
nho em folha, quebravaas^ureas cadeias:
singular emblema da liberdado eslylita,
condemnda a ter-se eternamente n'ura p
80.
Que mais ? Jeiteiras na gateira das por-
tas, jumentas trazendo as tetas atguaias
semanas de demora phtysica. carrogadas
de ramalhetes, de macis, de sardas,eo
homem potente que traz s cosas o pro-
prio annuncio: uma pyramide, ama mon-
tanba de cabazes I
Tudo rindo, tudo entoando a cancho das
ras de Pars, composta de berros exquisi-
ttssiinos e de extravagantes modil^es ;
tudo vivendo, formigando, armando aos
centesimos ou aos luizes de oaro...
Ib; vam a peujena dista acia de un sitio cha-
mado Vavinasis Roed.
Estes dois-pobres diabos, que-havia m
annos, ganliavam conv dil'licuade para sa-
t'fazerem pa mais urgentes, iteeessidad^s-
ea quem o>dono da taberna em que eo-
miam, nao fiava o valor de alguns reees,
nao tinhara perdido, o animo.
E razac-tinliam cHes, por isso qoe Dea-
son, que cavava per entre as raizes de uma
arvore, sentiu de repente forte rewstencia,
nao pod&ndo a poata da sua picareta- rom-
per conUra um objecto darissimo. Oaetes
l'oi em auxilio, ito-seu companheiro,. e pas-
sado aigom teiapo. extreiram um enorme
I'udarj de oiro que pesaba 210 libras. Sem
as creaeas. Mdanbo bsFbnrinho.incrivel
confusj na quai se dispotavam saceos de
palha, peda?os dc-madeira, quaesqper des-
troc v^e-podasse utilisar ao salvamento.
afflictivos, e lapois, de Sempo a tepo,
um grito superno, indicando qiia-a. tocta
acabara para aigom infelisv e que a-s niorte
o veacera.
rWmeio iesie drama sHumiade, pelos
clarSes do mcemlio, vijtasMe qsatro ho-
rnees que, na-, agua, dispulavam eeire si
umawlho de-eno. Do repente omd'etesj
sentiodo-se o.mais frac,.vendo qua lhe vai
fallar o apoo,. brande uma faca e-aterra-a
no- coraco 4% m. inicia .naufrago; nesle
cmenos,-jorm, o mlho-qne jaellejul-
gva conqaistado, afuna-se de-.repe*te, e
o^homem scjne-se para sempre com.a vic-
tima n'uma onda, de sangue.
. J contamos os horrores e.desastre.
dizer uma, nica palavra os mineiros Indiquemos agora dois- bellos rasaos.
dirigiram-se a banco de Dunallji, aonde o
pedaco de oiro foi pesado, licaodo exposta
curiosidad- publica soba vigiiiHcia de um
polica.
No dia sagunte dau-se comeco disou-
go do oiro, sendo corlado, em diversos |k.
dacos, para ma's fcilmente se fundir. Este
trabalho durou mais.de cinco horas, e o
resultado foi o iegoinle : peso bruto 2:268
oac-as, 40 grammas,4 graos de oiro fino,
sem contar uma libra de eob^e desiribuida
em pequeos bocados, que foram distribui-
dos pelos amigos de Deason e de= Gates.
O banco do Doeally adiantou a somma
de 9:000 libras esterlinas aos dois mineiros,
Um preto laneeurse espontanea e
corojosamerjte n'uma frgil canoa, qne po
dera conter- seis pessoas. Arriscndose a
ver voltar-se o esq\yfe sob o. peso dos mo-
ribundos,, que de certo ali iran, agarra-
se,*Gorre- para o cenlro dos nufragos, e
pode anda salvar vinle d'elles,
Umiriandez,. que coa, mais alguns ho-
mens conseguir alcancar a, praia. pea^o
aos companheiros para se meMcrem com
elle n'uma canoa- e tentaren safcar alguem.
Rficusaram. Embarcou-e emito ssinho,
sera remo, e salvou cneo. desgra jados. Foi
ello quem conseguio levar para torra Franck
[JJrennan, de Glaveston.. Infelizmente ypro-
levanta o genio alado da civilisacio-como
ai de Tog a aoraolar-lbe a fronte e
segurando nae raaos a conwcopia e o ca-
duceo.
Na pro* brilham as iosignias jmperiaes
mani, scepro e coroa. cima da-espo-
ra de bronaa que separa os contiaaates,
a Fama, en-aecao a-caminhar ivaate e
embocando a-taba relaaiante, annwncta as
n.?es qoe a nova- Argos se dispoe
a franquear o estreit de Gibralta'; nen-
ale.
Nada meUtor acabada, segundo se v,
ne mais eagenhosa e nobramente Gooce-
bidodo que-esta allegaria. Atlribaindo-a
a m. M. Fanawre, dispensa-se a FxtmeAe
tlizer comquaoto esmero e arte sao anzo-
ladas as figuras que a-compem, sendo
que, o qua mais particularmente lhe
den. na visto- a excedente harnounia do
toda.
Em cousas de ourivesarja, era sempre
a e*r e o tem geral M>aaiposic*preou-
pn-em demaaa o artista. Os ingiezes, a pe-
sar da sua. grande haiMlidade, cao curam
(testa parte essencial aos traballi&~ de tal
ordem.
Melhor avisados andaa neste ponto os
artistas francezes e do-aprimoradfc.goslo no
eraprego simultaneo de diversos metaes
tastemunUo.HTerragai'el, no parecer da fo-
Iba alludida, o precioso donatiw)- do que
ora se trata
| O. Egjplo pode gabar-se de ter, ha cer-
ca de trssou.quatro mil annos. produzido
alguma cusa de escolente no. labor dos
metaes. preciosos.
Por sua vez -agora chamada a patria
dos paaras a saudar a arte franceza em
todo seu esplendor.
ceDdentes..
A idade nH enfraquece ae (a/c-'S de-
Joanna Gramatla, o inda no c&sametiio di
'fiarla net*dancon.6ndangfl|ae umstu
terceiro neto locave na viola.
Joanna lembra-se-dos prlncifies succes-
ss porquePortiga|i tem pasad uestes
ctfmos 80 roaos..
TERREMeTO.i-JTito pjbbca as seguintes inJormacBes- fHatjv
mente ao teiremoto que se sentie-ao sul da
provincia de- Constante :
3 Em Sidi Okba, aboteram vr;-ca*s. e
mctes outrae-ticaram daaaoicada.
Em Gunte, um lenco das- casaa-afealeu ;
ha motas pessoas martes, e sete feriflos.
Todos os araMsens fisaram destriiwtoe, ten-
da >si*o eaterrado o trigo e a cevidk
<- Em Throda abatewmlres casaa e moi-
tas-oatras se vem damoifieads.
EraDrobvcaliiao doas casa&s-e todas
as-outras ofiBrecem i-mnMente riss.
* 6 camiho de X'thoooech pera- Edista
ficoo nterronapido palee violentea- aba los
das montantes.
Em Seti, senti-se um ligeia abalo no
ia 16, depois do meia, atas nao consta que
tenba havida-nenhum- incidente oeiawel n'a-
q-oelia cidada nem r-:-campo.
E boa razao tinbam de certo as graciosas
mochhas para continuaren a partir nozes,
sem se porem a scismar em crimes. S
faziam mal de nao lavar raelhor- as mitos.
Um crime! que proposito ? Isso bom
de noute, hora dos pesadellos. Os cri-
mes pertencera tgdes, *%&& da Torre
de Nesle, emque as ras eram.eslreitas e
privadas de gaz. &e^3o pa<*,c, ficam
os crimes encerrados corar* fiSraes n'essas
jaulas de m catadura, afumadas, vergo-
nhosas, tristes apenas Ihes" falta a guarn-
Cao de lampeoes, e que. s;^ha^nani thea-
tros.
De dia, e ao jubilo, s cancBes. A propria entrada
das cavernas disfarcada por balsas ri-
dentes.
Pelas dez horas tornara^ mais nc-
merosos os transeaoiea ; as dez e meia,
havia mullido. A nel^rjjfl t amaespe-
humaaa,' na passagem. ProHM esta opa-
quadrado da mullido, que *0
aperto e a baratanda, soberano receio pa-
risiense.
A's onze horas, abafava alegremente
chusca desde a porta de S. Dinia at
Baslilha.
A chusma nem sempre sabe porque ra-
zio se accumulou. Aecumula se primeiro e
informa se depois,-tal ^ual comoamotim,
seu primo co-irmo, que vence Itatethas s
tegas e vai no dia segninte perguW aos
vencidos o camiabo para sabir da ,vtitoria.
Actualmente, alguma cousa se sabia, e
jisso era muilo : sabia-se que passar
o enterro do coronel.
Que coronel era esse 9 o coronel Bozzo.
Que mais 7 um iigurlo. Era que sentido ?
t-scolham. Segundo os das, o estado do
na foliz pa- ce de rdea
mesma
r*cio o
lempo, o ar qoe circula, pode o funeral
de um coronel, figuro soja em que sen-
tido fr, attrahir um triste milheiro cte cu-
riosos ou vinte mil espectadores. Depen-
de isso da maneira por que a bola de nev
formada.
O tempo era de feico ; a massa prin-
cipal, o ncleo, subir escolente ; havia
alera disso pessoas qne parecan agrupa-
das de casa pensado, n'oraa palavra, ex-
traordinaria. A chusma espumava magn-
ficamente. 0 prestito proraettia ser ama-
vel, alegre, folgazao e merecedjf deacom
panhamento dos amadores.
Pelas onze horas e om qoarto, onvio-se
msica marcial, o que a multldpo explicou
lembrando que o defanto era millionario.
Ani est om posto que toda a gente co
nhece.
Quando a msica cessou, "podia-sej
ver as mmodiacSes do caf Turco, aonde
estamos, um tarro emplumado cmo o do-
cel do Corpus Christi e tirado por cavallos
que pareciam orgulhosos de pertenceren
s pompas fuiebres.
De tempos lempos, era a marcha lenta
e processional cortada pelo som sardo, l-
gubre, dado s pelos tambores, cobertos de
crep.
Na chusma, trocavam-se estas observa-
coes, dignas de nota :
Dizem que tinha cente e sete annos.
w C mo o rhum de lio Lathuille !
h mais ama reliquia das nossas an-
tigs glorias que desapparece.
Tiro defeca nunca elle ouvio.
\ Era coronel de oossacos.
0 Braager vem ao squito.
Eu prefiro o Dsaagers, esl rf mais
no mei1 goslo.
( Entao s estes padres I
RKCEUA IMPORTANTE.-^O Cosmos pu-
blica a seguinlo receita pari dar aos movis
de madeira clara o aspecto de palissandra
(vulgo pao santo) oudecarvalho antigo.
Dessolve-so em agua moma at saluracao
completa, camele3o mineral (hypermanga-
UMA AiTORIDAfiA INIMIGA iA MI
SCA.O maire da communa Mlireval.
a departamente daHerault, publicou uma
resolucao qne nma obra priaa :
Mmluco Mtmistrativav
NOS maire da. communa de ilireval.
-Em vista das leis. etc., etc.
Considerando que a mosiia instru-
mental nma prsvocacao -consUn-te de-.
sordem, uma excitecao ao odio dos cida-
d5os uns- contra osooiros, e qua convem,
no interasse da seguranca pofclca, acabar
com os seus effeitos.
Resolvemos o que se segw :
Art. 1. E' prohibido tocar msica
na aldaa, em botequins e outros lugares,
pblicos, sem nossa lioenca.
-Art. 2o. E' tambem prohibido dai
bailes, saraos, concerlos nes-mesmos lu-
gares, sem nossa autorisacao.
. Art. 3*. Sero autoadaa as pessoas.
que nfringirem esta resoluco e os dunos-
dos eslabelecimenlos que as toleran m.
Art. 4. O commissario de polica a o-
gaarda campestre (carao encarregados- da
^execuco da presente resolucao.
Mireval, 26 de setembro de tGV.
'

E pouca_ tropa I Tire o chapeo, i
amigo I. ^.. para pedir queWe sugeito
que quoira ter a bondade de. se descu-
brir.
Olha, olha: lest o Alberto. 0'
Alberto, chega-te. Minha raulher est
aqu.
0' Sophia, e*i nao gosto de aperlos :
ha gente muito grosseira.
Ou delicada de mais.
Toca a msica !
Passou o coche, alto como uma d'essas
gloriosas carradas de eno, que so o or-
gulho da Normandia. Seguravam os cor-
des personagens conhecidos e respeitaveis;
o Sr. Elyseo Lotard, philantropo europeu;
o Sr. Conten Un de la Lourdevlle, cujo no-
rae pode passar para nos sem epitheto
laudatorio; o erudito e estimadissmo
doutor Lunat ; e Savinien Larcin, anda
moco, mas j altamente collocado as le-
tras 1
Atraz do coche, alguns senadores das
pompas fnebre*, todos amigos vaudevl-
Iislas, haviara envergado a imponente tea-
jo da instituico, e desempeahavam o papel
de carpidouras, cuja origem se perde na
noute das ceremonias antigs.
Depois seguia-se a berlinda do clero,
depois um grupo de seis pessoas, p, de
luto petado, entre as quaes haviamos de
connecero Sr. Lecoqe todos os rostes que
vimas pela primeira vez em votta do leito
do coronel
Aps anda, longo e largo squito, em
que as classes sociaes' erara representadas,
e que ia na maior tmpnn/aplb. L se viam
os Srs. Cocotte e Piquepuce ; e tambem
o to Rabot, porteiro da casa santa, e tara-
qem muitos dos frequentaaores do bote -
lW.
quira da Espiga Cafada. Via-se Euhall
tendo no rosto os vesiigios"fle ma vida agi-
tada e 'debaxo do braca o Saladim ; nou-
ya-se Similor, superioc s circumstancias e
j restabelecido dos abafos da notada.
Atra* de tudo, finalmente, erare duas
alas do soldados, dasfilava vagarosamente
immensa ,flleira de carruagens, terminada,
que em tio o cmico se mettevpelocabaz
de Tres Patas, tirado por un canzarrao.
. Teem agora os defuntos o boulevard do
principe Eugenio, commodissmo para so
irem direitinhos para o Paire Lachaise.
ITaquelle lempo, era preciso dar urna votta
enorme e ir temar Rastilha a ra de li
Roquette. Vamos reprodozir algumas das.
palestras que lomaran menos sensivel o en-
fado de to tonga viagem.
Na stima carruagea de do, que vinha
antes da carruagem vasia do bario Scbwar-
tz, iam reunidos dous homens de gravo
apparenca, ambos passados do termo me-
dio da vida. Kra o prmeiroo aotigo com-
missario.de polica Sohwartz, pai de Mauri-
cio, ao presante chefe de divisan na pre-
fetura; o segundo era o Sr. Roland, pai de
Estevo, conselheiro na tribunal real de
Pars.
Nao deviam a sua prosenca n'aquella ce-
remonia e a sua reuaio na raesma carrua-
gem ser attrinuidas ao acaso, de qoe o ro-
mance abusa. Estavam di convocados por
uma recordafao e reunidos por uota vonta-
de mystenoaa. Havia Meseta annos que
se nao Callavam.
I
i


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID ES1G44EJ7_8LV5CI INGEST_TIME 2013-09-14T04:14:19Z PACKAGE AA00011611_12030
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES