Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:12028


This item is only available as the following downloads:


Full Text
AMO XLV. NUMERO 296.
*>"j.'. *'
*

I
I
!-*
i
.
k
)

V
fABA A CAHTAL E 11JGABZS 05DE IAO S FACA FOBTE.
Por :res meze Antados...... --
%%!%!.::.....-----:::::::: S
*.*. .::::::::;;::::;;:; S4S
Por trs mates Jidiantados.
Par seis ditos idm. .
Por don i ditos ideo .
Portan auno. .
QmU FElfU 29 DE DEZEMBRO DE 1869.
TTBfB----r
PAHV DEMTBO I WB1 DA PB0VU.CIA.
6175
IttSQQ
nata
mbm
0
Propriedade de Manoel Figuera de Faria & Filhos.
m*
SAO AGENTES:
O.Srs. Gerardo An*^?^ no Cear; Aotoniodo Lemos Br^noAracatjMoao IM JtafoOmf, noAss; Antonio Mirprf <|a ff, no Nitil; Jos Jo**
em Mamanguape;
em
; Antonie Atexandriuo de Lima* na Parahrba; Antonio Jos Gomes, na Villa di Penha; Befarmino dos Santos tafcSo, em Santo Anto; Domina? Jte da Costa Bttaw,
fluaretn; Francmo Tarares da Costa, em Alago; Dr. Jos Martins Alvos, na Bahia, e Jos Ribeiro Gasparinho, no Bio de Janeiro.
DIARIO DE PERNAMBUCO
RECIPE, 59*E DEZEMBRO DE 1869.
> oficia* da JBaropa.
_Chegaram hontem pea manhia os vapores
ambra, da Jinha de Liverpool, e L<% Plata, da
nnha do Southampton, trazendo cartas o jornaes
-tora datas : de Haraburgo, i, Pars 7, Londres 8,
' Lisboa U do crrente.
-Hespamia.Rcstobmecumnto ios tara ni ios.N-
mearao de urna comt/sso de mquertto ao as-
sum.pt de Iti mis curies,.Candidatura do duque ie Ge-
nova. -Aii(tro carlista.
Kkwcjl-Mimum Has cmaras a 29 de novem-
bro.Discurso pqfr#ito imperadoraprecia-
dlo da imprensa freneeza.Verificarlo d>s po-
eres.Interpellaces dos deputados da opposi-
rao.Proposta da opposico para que o poder
censli'tiinteseja exclusivamente attribuico do
arpo leaislativt.Demisso do ministro m Toar
de Attrerguc.Scheider eleito presidente.Crise
co nutica, luda cnlir os proteccionistas e os ti-
rre-camli/stas apivposito daienooaco dos tra-
tados que caducan, em 1870.Opposictw politica
na pailamemo, crise ministerial. Principe
imperial introduzido nos trabalhos do gabi-
nete imperialCnndemnacao de Carlos Hugo,
pin' artiyos publicados no Rappel.
Jxc.ATfWM.Menos agitacao na Manda ; o go-
vertw fui suspende o habeos corpus.Meeling
em muuketttr a favor dos tratados do commer-
cio com a F. anca.
u k Italia.Abertura do concilio.Regula-
ment a% /Jaulilla i a crise piiristerial na Italia.Encar-
re% ido Sella da organisarao do gabinete.
Allemanbu.Armamentos da Allemanha do or-
ic.lh'sintctUgenciastntre o conde de Bismark
t o re da Prussia.
Missia.Dotara grave do imperador da Russia.
Est a morte o principe de Gorlschakoff.
Osisirrc..4 insurreico da Dalmacia contina.
Procidencias d> governo austraco.nter-
rupeo d'i perseauiedo durante o invern.
Tentativas de conctlitirdo.Abertura das cama-
rus auslri'icas,O Khedive resolveu-sc a acei-
\ar a /timan do snltiio semeondirao.
y.-r.MiM-Vswo.Me-'sagem do presidente Grant
to rougresso. Stjmputhids petos cubanos.O
{jiu-erno americano resolten entregar as canho-
ntt no governo htspanhol.
Poim.fc.w.. Tentativa contra o ministerio e pro-
eidiHcas dn nova-no Minuciosa carta do nos-
.-'> correspondente.
HX3PAHBA.
Comegoa i di-cutir-fp as cmaras o projeclo
!: lei resulwlecendo M garantas.
O Sr. Einiliii Castellar pedio varios documentos
relativos ao aso >.|ue o governo fez da suspensao
jlas ^aramias individuae. parafazer a interpella-
m i;n; ncs.e puno tom aannnciado ; e ama lista
individuos q;e feram deportados para distan-
fora dos limites que marca a eonstitoicao.
O ministro dj remo, respondendo ao Sr. Ocho.i,
1 ;i.iudo earlbta, declara que o governo sabe que
,i i-tas c.';is|iiram aberUmente, e que anda
na ve: pera havian sido disparados algans tiros.em
ama poafio da Navarra, en!re vivas a Carlos
VJ1 e aMMseeMoa que o paiz inteiro, se Carlos
VII vii'--5 a il.-.-pauha o amaldicoarla em lugir de
Na sess) do dia 9 fui approvado o restabe-
leennBM das garantiaa eavimodoBaes:
O alcaide du Madrid informou os directores de
cinco jomaos suspensos, durante a suspensas das
aramia-*, que podiam tornara emprehender as
sU83 |i;iblicai;Vs.
Foi lidu as cortes o rotatorio da commissi
encarnada de dar parecer sobre o negocio da
-lu-appaYicao das joias da corda; conclue o rela-
loflo por propor que se nomeie urna commissao de
lueiito, composta de qontorze individuos, que
luda aus tribunaes os autores do roubo. Tem
-..isaJo grande impressao a deelaragao que fez
K jaerota, de que Jos ifonaparte, D. Chrislina e
D. Isabvl liaviam feito dcsapparecer as joias da
corda. Pigaerola denionstreu a dala em que ellas
principiaran! a existir o a sua aggloaieracao de
i f para res : datam de Filippe II.
Disse queJos Bonapartc harta felto dosappare-
; alf.iias no valor de vintc c dous milboes de
le*, iras que lirarar.i rinda algumas no valor
etnta c oito milbSes que te Jo os tstamen-
os de Fernando Vil perguntado ratnhaD.
Chrislina pelas alfaias, que este dizia em seu tes-
MBto que exisam e se achavam descriptas cm
i. inventari, aquella llie responder que todas
s liiiliam sido roubadas pelus francezes.
, As curtes approvaram as leis de indemnisa-
:.:, s navas dos feridos, emigradas, das insurrei-
iies de I8U6 c 1807.
Approvoa igualmente a cessao manicjpaiida-
Jt de UareeiloBa dos terrenos da cidadella.
- Uiscute-se actualmente o pmjecto de lei 0-
.. iu'11 a oiicla mil bfiiens oeffectivodo ejercito.
( h repaWioaooi combaten) a conscripcao,
Denlro-cm ponco hao de ser publicadas na
Ha as insiriiec'wi para o cumprimento da lei
pm>cripco de dividas.
- O ministro da fazenda deve apresentar em
i tes um projeclo de ici para o pagamento dos
Utos levantados pelas cmaras municipaes pa-
armar soldados contra o exeicito francez na
rra da independeiKia.
IIouve nas cmaras varias perguntas ao go-
r.ii sobre o quosedevia pensar com relajo ao
. jc se Miaste no concilio.
O miniuro dos negocios estrangeiros referio-se
' ni primetro lugar aos temores que tenha prodn
/.. j.i a convocarito do concilio ecumnico nas po-
ias eatliolicas ; hilen da attitude dos bisaos
! Kulda, e da carta do hispo de Orleans, Mgr. Du-
, Aiiloup. e que parece denotar urna especie de
.- .lUii.-ia do ,',i|licamsmo. Occupou-se da circular
. principe llihi-nlohe, ministro dos negocios cs-
iran^ro-da Baviera, a respeito desrecjios que
limar siieilado no governo tavaro certas leuden-
cias dos dire;'tore% do concilio. Dissejue elle ha-
a respondido citada nota circular, explicando
- ae o governo eslava resotvido a oppor-se a qnan-
io fisse contrari*s leis do paz -e ** pnneipios
neaweMKJOS consignados na constituirlo ; qne
neste sentido havfa transmiltido uina noU ao en-
carrrgndo 1o negocios ta Hespanha jnnto ao go-
v;rno untitcio ; que cstavadisposio a aastemar
;iej.'r:.lmente contra tado e contra todos os gran-
des principios da eonstitaijae democrtica de !8<39
.: que se algum fia se Itesso algnma tentativa
contra ellf, o governo os faria respeiiar.
As ci'Ties dwwiKBi o prejflMO'de ammho de
: rio de Ml*rtidaa Rio-Secco-na fcaoteira d^
Portugal, caminho qoe, segundo se diz, offerecera
...unas vantagens, pis, encunar de 260 kilome-
iros o trajelo de Madrid a Lisboa.
Sao contradictorias as hoeias sobre a ean-
didatura do duque de Genova.
Afflrinan osgenovis'^s que esta candidatura faz
- nsideraveis progressos cm Florenca, que a du-
uza,de Henova tove urna contBrenci com el-rei
Vctor Eniiianuel, c que pedio um prazo de tem-
o para medfttr se dve ou nao *dar o sen con-
-enti>nonlo.
O jornal Siberia diz-qao brevemente ser apre-1
.jalada 3*tortcs a candidatura do dnqne de Ge-i
nova.
A Poltica de Ifadrid, diz que o 8r. Otozaga em-
tiaixadnr de Hespanha em Iarls escrevera ao ger
qerol Prins wr.rearia cm qoe pinta cos as edres
mais vivas os inconvenientes e perigos, assim in-
ternos como externos qoe pode levar Hespanha
acclamacao do duque de Genova ; diz que em nc-
huma corle da Europa desdo as margons do Se-
na at s do Vistula, se toma a serio a candidatu-
ra do joven alumno do collegio Harrow, e aceres
ceuta que es hespanboes estao serviado incons-
cientemente a causa do principe Affooso, e con-
clue rogando ao presidente do conselho que pelo
amor de Deus (textual) desista de lio funesto pro-
jecto, que levara indubitavelmente grandes cala-
midades Hespanha.
Diz-se que esta carta pozra o presidente do
conselho de ministros haspanhol em um estado de
confusao, incerteza e desalent incrlvel.
'Falla-se em ser dada a demisso a Oloaaga de
embaixador em Paris, em consequencia de ser ad-
verso candidatura do duque de Genova.
Emilio Castclla combattou nas cortes a candida-
lua do duque de Genova, a casa de Siboya, e-o
compprtamento do governo. Sagasta tomou a pa
iavra en defesa. Prim em resposla negou que se
tentasse um golpe de estado, e diz que a immensa
maioria do paiz approva a candidatura do duque
de Genova; nega a resistencia da duqueza e
acrescenta que o duque ser era breve procla-
mado.
Os jornaes ministeriaes hospanhes negam os
boatos enalbados palas Nocedades e pela poca
de que o governo pense na candidatura de etrci
D. Fernando, e i- que o duque de Saldanha fosse
encarregado de alguun misso nesse sentido, e
aflirmam, que o fiii das Novedades proteger a
candidatura do duque de Montpensier, e a da
poca a candidatura do principe D. Alfonso fllho
de D. Izabel II.
Nas provincias de Hespanha preparam-se mani-
festaQfies a favor da candidatura de Espartero.
Esl j livre de perigo o principe D. Fernando,
filho d is duques de Montpensier.
Os genovistas estavam muito salisfeitos por ter
sido o general Cialdiui encarregado da formacao
do ministerio italian), por ser este estadista muito
affecto candidatura do duque de Genova ao so-
lio liespanhol.
Falla-se em grandes preparativos carlistas para
una prxima canipanba.Os peridicos carlistas
publicara um d icu.nento enviado pela secretaria
do duque do Madrid, e:n que se nega que D. Car-
los tenha alentado a rebellio de Cuba.
A poca diz que os carlistas se reunem e se
agitara continuamente na fronteira franceza ; que
os chefes vao c vom entro, aquello ponto o outros
das montanbas de Santenider, Maestrazgo e Na-
varra ; que ltimamente chegra a Bayona um
individuo de Tortosa, sobrinbo do Cahera; que
este general carlista tem cortos compromisos
com os isabelinos, que tambera proseguem nas
suas machinacoes; que os carlistas haviam com
prado alijUDS cavallos nos povos das vismhancas
de Bayon?, e que se annnncia a prxima sabida
de Genebra do duque de Madrid.
Foram trasladados de C'cidad Real, para as
pr-oes de Madrid o chele carlista Polo, e mais 13
individuos dji mesma procedencia.
Foi desarmado ora Paloncia o batalhao de
voluntarios que all bavia.
0 gnvefho lie=panhol lera at hoje enviado
para Cuba 3i,500 homens para combattej- a revo-
topMt
Acha-se om Lbbda'com licenca do governo
o ministro de Portugal junio corte do Madrid, o
Ilustre estadista e professor Joao do Andradc Cor-
vo. Parece que se em Portugal houver reco.ns-
truegao ministerial ser enearregado de alguma
das pastas.
A Gazela de Madrid publica as circulares
de Hartos aos representantes de Hespanha cm
Munich, e eni Roma acerca do concilio c um de-
creto tornando extensiva a de 11) de- novembro de
1868 s colonias, exceptuando os implicados na
insurreico cubana. O mosmo ministro annun-
ciou s cortes a prxima apresentaeao de um
projecto de lei abolindo a escravidao era Porto
Rico e outpo organisaodo as municipalidades. Fi-
guerola declarou que est realisado parle do em-
prestimo de um milhar de reales a 11 /,e que
espera collocar o resto.
FRANCA.
Abrramse as cmaras francezas no dia 29 de
novembro.
O imperador pronunciou o segrate discurso :
c Srs. senadores e Srs. deputados.Nao fcil
estabelecer em Franca o uso regula* e pacifir ^a
liberdade. Ha alguns mezes, pareca a socieiude
ameacada por paixoes subversivas; a liberdade
comprometida pelos excessos da imprensa e das
reunidos publicas ; todos pergantavain, at onde c
que o governo levara a longanimidade. Porm j
o bom sensopnblieo reagio contra as exaggeracoes
culposas, os impotentes ataques serviram para
mostrar a solidez do edificio fundado pelo suffra-
gio da nacao. Apezar de tudo isso nao pode du-
rar a incerteza e pcrlurbaco que existem nos cs-
pirilos, e a situacao mais que nunca exige fran-
ueza e deciso." preciso fallar sera rodeios e
ter bem alto qual a vontade du paiz.
: A Franca quer liberc.ade, mas cora ordem.
Pela ordem fico eu. Ajudai-me, senhores, a sal-
var a liberdade; para chegara esse lira conserve-
mo-nos a igual distancia da reaegao e da theoriasre-
volucionaria?. Entre os que prelendem tudo con-
servar sem mudanzas e os que aspiram a ludo
derribar ha um lugar glorioso.
Quando propuz o senatus-consultus de *otem-
bro ultimo, como consequencia lgica das prece-
dentes reformas e da deciaraclio feita em meu no-
me pelo ministro de estado em 28 d- junlio, quiz
inaugurar resolutamente urna nova era de recon-
cila<>ao c de progresso ; c vs que me auxiliastes
neste caninho nao quizestes renegar o passado,
desarmar o poder nem abalar o imperio.
A nossA tarefa, consiste paincipalmente ep)
appear os principios que foram estabelecidos, la-
zendo-os entrar nas leis e nos costantes.
t As medidas que os ministros vao apresentar a
vossa approvaca'> teem todo o caracter.sincera-
raente liberal ; ?e as approvardes, realisar-sB-ho
os scguintes.nielhoramentos :
Os maires serao escolhidns nos conselhos mu-
nc.ipaes, pela lei; em Lyon. bem como nas commanas sub
urbanas de Pari, ser entregue ao sntfragio uni-
versal a formaco dessePconselho; era 'aru,on-
de os iuteresses da cidade se ligam y de tuda a
Franca, ser eleito o concerno municipal pelo cor-
no legislativa, j investido do direito de regular o
orcamento extraordinario da capital.
i instituir-se-bao conselhos camonaes princi-
palmente para ligar as (urnas commooas e diri-
gir-lhe o emprego.
c Sern concedidas novas prerogalivas aos con-
selhos geraes.
< As proprias colonias parliciparao dcste njovi-
mento de deseen (ralieacao.
< Finalmente ama lei que alarga o circulo em
qoe se move o suffragio universal, determinar as
funecoes publicas compativeis com o mandato de
deputade.
S5o estudadas outras quostSes importantes,
cuja solocSo anda jio est prxima.
Est termnado""o inqnerito relativo a agricul-
tura, do qual sahirao uteis propostas, log que a
commissao superior aprsenlo o seu relatoriD.
Comecou-se outro inquerilo relativo con-
eessoas.
Ser-vo--ha apresentado um projecto de lei da
alfandega, reproduzindo as tarifas geraes que nao
occasionam nenhama seria conlestaeio ; pelo que
diz respeito s que levantaram vivas reclamacoes
de certas industrias, o governo ni tos far pro-
posia alguma, nemfer todas as bases proprias para
esclarecer as vossas dehieracoes.
A esposico da situacao do imperio aprsen-
la satisfactorios resultados. Os negocios nao pa-
raram e as rendas indirectas cujo augmento na-
tural, nm signal de pro*peridade e de coufiaoca,
deram at hoje 30 railhdes mais do que no anno
passado. Os orcamentos enrrentes offerecem no-
ta veis excelentes ; o o*dc 1871 permittir empre-
hender o melhoramento de varios serviros e dotar
convemeptemente as obras publicas.
t NIo basia, porm, propr reformas, introdu-
lir economas nas flnanras, e fazer boa adminis-
traco ; preciso tambera que por meio de urna
attitnde clara e firme 03 poderes pblicos, de ac-
cordo com o governo, mostrera que, quanto mais
estendemos as vias liberaos, mais estamos resolv-
dos a conservar intactos, cima de tedas as vio-
lencia-j, o interesses da sociedade e os principios
da consiitnico. Um governo, que a legitima
expressao da vontade nacional, lera o dever e o
poder de a fazer respeitar, porque tem a seu fa-
vor o_direto c a forra.
Se do interior eu deitar os olhos para alera
das nossas fronteiras, felieilo-me por ver que as
potencias conservara amigaveis relavoe-s conmosco.
Os soberanos e os povos desojara a paz o oceu-
ptm se com os progressos da civilisacao.
Anda que se fan:n algumas exprobracoes
nossa poca, temos 'comtudo militas razes para
nos orgnlharmos com ella : o novo mundo sup-
prtow a escravatura; a Rnssia liberta os servos ;
a Inglaterra faz justira Irlanda : a_hacia do Me-
diterrneo parece rcordar-se do seu amigo es-
plendor ; e da renniao em Rama de todos os bis-
pos da. christanJade s devenios esperar nina obra
de sabedoria e concdiacao.
_ Os progressos da scicncia a|>pruxiraam as na-
ces. Em qnnto a America une o ocano pacifi-
co ao atlntico, por meio de um caminlio de ferro
de mil leguas do exlonso. por toda a parte se es-
lendem os capitaes, e a intelligcnvia para unirein
entre si, por communicacm s elctricas, os mais
affastados paiie* do gl.ib >. A Franca e a Italia
vio apertar a mao atravz do liinnel dos Alpes ;
ja so confunden! as aguas do Mediterrneo e do
Mar-Vermelho pelo canal de Suez. Toda a Eu-
ropa se fez representar no Egypto na inauguraco
desta gigantesca erapreza, e se lufa a imperalriz
nao asstste abertura das cmaras, porque eu
quiz que, com a sua preseitea n'um paiz, onde ou-
tr'ora se illustraram as nossas armas, ella teste-
monhasse a sympaihia da Franri, por urna obra
devida pjrscverane c ao genio do um francez.
Agora, senhores. Idea eomioinrr a sessao ex-
traordinaria, inferrompida pela apresentaeao do
sealas consultas. A sessao ordinaria comecar
logo depois da verilicaco dos poderes. Teuho s
certeza de que produzir felizes resultados. Os
grandes corpos do slalo, unidos mais intimamen-
te, estar) cm aecrdo para applicar lealmentc as
ultimas modilicagcs feit.is na censtituico.
A parliciparao mais direcia ora seos proprios
negocios, ser' para o imperio una fori;n nova.
As asserablas teem de hoje pira o futuro maipr
parte do responsahilidadc : empreguem-nas era
jirovel da grandeza e prosperidr.de da naco l
Apaguem se as diversas degradarces de opiniGes,
qtiando o inleresso geral o exigir, rovem as c-
maras por suas luzes e patriotismo, que a Planea,
sem recahir era laraenlaveis excessos, capaz de
supportir as instituicocs lvrts. qoe sao a honra
dos paizes eivilisados.
Os jornaes ministeriaes nngratalaa-sa pelo
discurso pronunciado pelo imperador, em consc-
queucia das suas tendencias pacificas e hberaes.
A opposico, porm, ataea-o por todos os modos ;
ma's os artlgos mais notaveis sao o do Sr. de Gi-
rardin, em que depois de notar que em tudo o
mundo tem havido grandes acontecimentos com
que se abrilhanlam os periodos de imperial dis-
curso, lamenta que de Franca nada baja que citar;
respondendo ao Constitutioncl diz :
i Est caneada a Franca de ser mal governada;
est caneada de pagar a um exercito c ama ma-
rraba que a esinagaui, e que na j sao exprossai) de
nenhum pensamentu poltico, como foi alteslado
pela guerra da Crimea, em nomo da manulcncao
dos tratados ; pela guerra da Italia em menoscabo
daquellc; mesmos tratados ; pela expedicao ao
Mxico e pela nossa neulralulade desatienta em
1866, neutralidade quo custou raais, que costar a
guerra, c que foi mais desastrosa que a derrota,
e que o proprio Waterloo.
Est-so a acabar a paciencia Franca. O im-
perio nao tem um minuto a perder se nao quer ver
toda a Franca votar nas futuras eleicoes geraes,
como agora votou Paris.
O resultado do movimentc elcitoral em Fran-
ca foi o segrale :
Sena 1 circulo ;Eleitcres inscriptos 47,197.
.Rpchefrt 1702-Carnot 13,391 Terme 28J7.
Nullos 31 votos :F.lcito Rochefort.
t 3. circnlo.Eleitores inscriptos 44,029Cre-
mieux 28.788 ; l'over (juertier 9.673 ; Duprat
880 ; Haiicel 121; Laya 42 ; Morlin 20 ; nullos
720 ; Eleito Cremieux.
4. circulo. Eleitores inscriptos 42,510 ;
o A estas reformas de ordem administrativa e
poltica, juntar-se-bo medidas leg slativas de raais
immediato interes menio mais rpido da grataidade do eusmo pri-
mario ; diminuicao das custas de justica ; allivio
do meio do dizimo de guerra qoe pesa sobre os
direitos de registro em materia de suecojsao ;
mais far.il accesso das caixas econmicas, e ao
alcance das populacdes ruraes por malo d eon-
curso do* agentes do thesoaro ; mais humano re-
gulamento do trabaiho das creancas nas (ahricas ;
augmento dos pequeos ordenados.
filis Bizoin 13,3;i:i: Alb-n 7,816 :" Brison 6.910;
Barbes 1500 ; Didier462.; diversos e nullos 2,000.
1U empate.
i 8. circulo.Eleitores inscriptos 50.178 ; Ara-
go 21,681 ; Gent 5,273 -; Herold 2,462 ; Flix
l'yat 1,214 ; nulU 1822 ; eleito E. Arago.
i Veiide.Eleitores inscriptos 41,390 ; Alfred
le Roux H,15i : Lava! 4,095 ; tleito le Boux.
i Yienne. Eb-itores inscriptos 26,232 ; Bour-
beau 13,346.Votos perdidos 413 ; oleilo Bour-
bean.
Tomaram, pois, r.ssenlo,na-eamara, um socia-
lista, dous radicaes, sem contar Gais, Bizoin, que
provavelraente ser eleito em segundo escnitiniok
e os dous ministros le Roux e Boarbeaux.
Esperam-se importantes discursos dos prin-
eipaes oradores republicanos, contra os eo^idm
raveis armamontos realisados, pedindo redueco
do coniingeuie do exercito.
Apresentaram-sc varias notas de inlerpellacoes
pelos ltimos actos do governt), o pela suspensao
da sisso extraordinaria do oorpo legislativo, e
nao abertura no dia para isso designado pela cons-
litut.
Hochefort pedio que a guarda nacional fasse
encarregada d'aquiem diaute de guardar a assem-
bla ; disse que os guardas-nacionaes sao os pro-
teclo'es natos da cunara contra qaaesquer sor-
prezss que posnamivir de algum lado, o que sobo
governo actual, se eslava exposto a sorprezas
constantes, porque nao bavia neeessarias garandas
(riso eraalguus!lados da cmara) Gambelt disse
que talvez algom 'da se lamente o ter-se despre-
sado aquella precauco.
O eorpo legislativo coaunana approvacio das
eleicoe. Foram approiradas as Oe Bagu>>l, fira-
nier, Casaagnac, *taon, Bumirail e Saint Her-
raine.
loMo Ca*w apnaatlpu n interpeMaeio an-
nunciada no maaifaato da esquerda e o projecto
do lei Mnfaalo eptu*tram.'.e o poder coasii-
luinte ao eorpo legislativo.. Este projecto foi man
dado para a mesa, apezar da opposifSo do- minis-
tro Foreade de la Boquea-.
O projecto do lei precedido do segwne reia-
lorto, ou exposico do motivos.
' A soberana nacional o principio- em- que
assentam a nossas instituiyoes.
Deleg-se, mas nao pode nem r.lienar se' nem
dividir-se; alienndose enfraqueceria ; dmdio-
do-se. seria elemento de anarchia.
< O autor da consfKuico de 1832. invocando
elle miamo os principae 1789. sujeitou-se a
essa lor fundamental de todas as sociedades livres-.
Todava, depois de se ter feito attribur o po-
der constituate, o peder exteutivo qurr dete-lo e
assim illude vontade de paiz. xerce o por in-
termedio do reinado; que emana d'elle. Modifica a
seu bel-prazer a cmstitaer.o, usurpa o poder le-
gislativo, e gracas a cssa anloridad exhorbilante,
liea soberano senhor das nossas insltnicoes.
Unf tal oslado de cousas a conliscacao da
soberana nacional.
Compromete todo os interesses, destrnindo
toda a seguranea ; enlloca o progresso nao no
voto de lodos, mas na mVo de um s.
O paiz claramente declaren, pelas ultimas
eleigdes, que quer depender de si e nao de urna
pessoa.
E' para se conformar com essa decisao, que
importa voitar aos prinemios. O poder coostituinte
e o poder legislativo, nao pdem pertencer se nao
naco representeda pelos seus mandatarios li-
v remente eMito*.
Nao bastar cst.r nnco- tomar urna parte Ilu-
soria na niud.inei da sua eonstituicao ratificando
por meio de um plebiscito- resoluces tomadas sem
ella. O plebiscito, que sopurime a deliberacao.
fere por isso niesmo gravementa a liberdade da
votaran. U' a forma mais deleitaosa do governo
directo; nun.-a foi seno aatavanca do despo-
lismiv
i Jt a .ipplicaro desses principios que consa-
gra j projecto Ue lei que teatafl, era virtude da
nossjplniciativa, a honra de suJraietter cmara :
-Artigo nico. O poder consiiluinie pertencer
de futuro excliisirtimeate ao cjirpo legislativo.
Bancal. Iwpiiros, Girault, Saint Itilaire. Ferry, Pi-
card, Simn, Tacbard, Bethinont Gamlictha. Gr-
vy, Dorlan, Guyot, Montpayroiis, Ci'mieux, N. de
Clieiseul, Ondiaire, De Kcratry, Pelletan. Mag-
nien, Larvien, le Favre, (ragneur, Desseaux, Gor-
gier Pags, Lecesne, fiampon Marin. Malzieiix.
Os Srs. La Tour d'Auvengae e Masahourg
annenciaram que dudara pedido a demisso de
olllches da corea, porque qiierrin conservar os
nas cadeiras de deputados.
Segundo diz o Gaulois o Sr. Forcade de
La Roquetie ser nomeado senador e pe feito do
Sena, era substituicao do Sr. Hausmann,
Dizem noticias de S. Peteisburgo que o ge-
neral Fleury, embaixador de Franca, tem muito
adiantadas as negociante* para um projecto de al-
lianca entre a Franri, Austria o a Bos.-ia ; os jor-
naes da > a entender caramente que e.tratade Con-
Irabalancar a politica prussiana.
Efljcejanto o embaiador pwissiaoo Wcrlber
cunferencioif cana o ministro dos estrangeiros de
FraHca, assogtirando-lbe novanienle, qn as rela-
{6es do gabinete de, Berln nao deiXarao de ser
amigaveis o cor leaos.
No dia da abertura do eorpo legislativo fran-
cez, un grupo de operarios, entoando i-ancoes pa-
Iroticas, se dirigi pela nra d:i Paz al os boule-
vards, dando vivas a Rucbefart, sem ijuo a polica
se nterpozesse.
Diz-se que ao ser chamado na cmara o de-
putado Bochcfort;para prestar jnramento, estenio
responder. O imperador sarrio-ae e os deputa-
dos da direita levaniaram-si; prorwnpendo em en-
Ihusiasdcos viva*.
A crise ministerial em Franca comecou pela
deniissao do Sr. Latour d'Anvergne, e jnlga-se que
as mudanras se nao liraiiarao a esta."
Foi eleito o candidato prcs'ulercia que con-
taya com matar numero de sympathias, o Sr Sch-
neJerpor267 contia 151 votos-.
Era Franca juntase crise p litica urna cri-
se econmica bastante pronunciada. O governo
pessoal passou por mais um dissabor. Ordenou
um immcrito administrativo para colder dados
para estndar un rgimen coinmercial. e de lodos
os lados se levanta celeuma o se insta por um in-
querilo parlamentar.
Diz a folha offlcial que o inqnerito industrial
aborto pelo conselho superior nao ataca o* direi-
tos do rorpo legislativo, que jtdfa/i o caso om ul-
tima in*tancia.
No dia 25 houvo em Bordeas um meeting livre
cambista, sob a presidencia d->maire daquella ci-
dade. Assistiram 4,000 pessoas. Foi lido e ascla-
mado o manifest da assoeiaejw do Girende.
A imperatriz chegou a Toulon no da 2 de
dezemb'o parlindo no dia seguinte para Paris.
Dizem de S. Petersburgo qup se aclia muito
doenlo o principe do Qortschafcoa.
DesTez-se a uniao dos 116 deputados do err-
|- po legislativo francez. 0issolven-so essa fortuita
aggloraeraco de homens tao diversos pela sua ori-
gein, precedentes polticos, e por suas miras uo
futuro. A matar parte regressoa para a direita,
os outros formaram um grupo entre a direita c a
esquerda.
loi na reunio de 29 de novembro que se verifi-
cou a scisao pela aeco combinada de Emile Oli
vier.Jerme David, e Segr*. Foram adiadas as
inlerpellacoes que erara reclamadas e esperadas
pela opinio publica.
A maioria reconstruida decidi por proposta de
Olivier por 102 votos contra 2-", que. en atteogao
aos deputados nao validados, s seeffectuasscm as
interpellaefics depois da verifica cao dos poderes.
Dizent os amigos de Olivier que este para resta-
beiecer a sua perdida popularidad).' va pronunciar
um discurso liberal, e ate aggressivo contra a pro-
pria direita que a acaia de cleger liara a presi-
dencia da segunda eomrai-so.
Foi abundante em incidentes a primeira se;sao
do oorpo legislativo. O Sr. Forcade de la Ro-
queUe, impugnando a proposla do Sr. Julio Favre
que petlia que fossem conferidos ao eorpo legisla-
tivo os poderes constituales, nao encontrou apota
na maioria. O Sr. Raspad, reclamando coleriea-
ouinte que se mettessem os ministros em processo,
nao enoontrou tp>a algum na esquerda. E' evi-
deute-que nem a matara sympathisa com o poder
feudal, nem a esquerda se quer tancar no caminho
das violencias revolucionarias: ab*tendo-se de
acompanhar o Sr. Raspad e o Sr. Rochejort en
excentricidades parlamentares, a esquerda est to-
dava resolvida a trabaldar emJescanso, o j o
pwivon sobejamente com as-nuraerosv* interpaMa-
5&>s qne pedia para fazer. nao cortando a impor-
tante proposla qne promoveu is iras do Sr. For-
cade de la Roquette.
Por occasioda discussao dos proeessos ele
tnraes de Grenoble, declaren a ministro do Inte-
rior quo o governo imperial qier fundar definiti-
vamente a liberdadeeltitoiat un Fraaca, masque
para isso era precito pradaaaia e-firmeza ; e i*r,-
mmou lemhraado as palacras do imper,iur
Pela ordem respendo ea; ajadam-me os ^eoho
res a salvar a Uburdade >. Foi manto anpuutdidu o
sen diseuro.
O Sr. Forcade foi chamado ao pago e-recaban
as fraVitacoas peta seudjscarso. O (Lsciirsopro-
duaia amia sensa^o uamatarn.
Roebefort protealou bu conpo Ir-gi-talivo coutra
oepHhetoOaaarwaa dado pr f jacto de tai que ello aavia a>Kaaatado.
Roetaitaripi-umuctau u-n vtatanlo-disaursecoa*
tra a n^reaaa.aiiaittt/.l; feqi'" -c* iorasUjUa
minisferiaes declarara que nao se exp5em n consa
alguma escrevendo contra a opiniao publica; em
ananio os- oulros ae expdcm a ir nrisao e a pa-
garen) maltas. Esrc discurso cause* grande afi-
laeo.
Foi adiada a publicacio da Maittmeza doSr.
Rochefort qne doria ter apparecido po dia 8 dfr
dezembro. 2Kio tiveram resultado algum as com-
binacoes para fundir a flarsclkeza com a Commu-
ni, peridico que vai ser publicado por Flix
Os denotados da esquerda resolveram pedir
a abolicio do jurament qne. se abriga a prestar
aos candidatos da dpulacao, e ao mesmo terapo
qne se reduza a tres anuos a duraco do cargo do
depulado.
O centh) da direita adhertaacentro da esquer-
da para propr o desnrmamento militar, a revo-
garao da lei de seguranca puMica, a deseentrali-
saeao administrativa, e o jurv para os deiietos da
imprensa.
t&Srs. Latour e Mamlounr apresentaram a de-
misso dos cargos que ttnham no paco para eviu-
rem a discussao sobre o seto deputados que sao
ao mesmo tempo fidalgos db imperador.
O Uonileur menciona o boato qne corre dos
ministros tsrem pedido a demisso.
flouve pequeos tumultos em Marsellia por
occasiao das illumiaarijes em honra da Immacuia-
da Couceicao. Um grupo de l',500 fiomens per-
correu 9 ras cantando a Marsttheza, e quebrou
os candleiros dcfronle da perfeitura. Fizerara-se
60 pristes.
Era Paris foi eleito em segando escrutinio o
Sr. Glais Bisoin por 10,680 votos contra 3,197 que
leve Barbes, e 1,027 repartidos por outros nomes.
Diz-se que o principe imperial de Franja
comecou a sua educacao politica sob a ireccio
de seu pai. Do 1 de Janeiro em-diante avisar
o principe assiduamente a todos os trabalhos do
gabinete das Tulherias. Diz-se que a partir do
mez de abril ser o dinheiro eunhadb em Franca
com as eQigies juntas do imperador e do seu
filho.
Parece que o Sr. Casal Ribeiro ser nomeado
ministro de Portugal em Paris, em solistituicao do
Sr. duque de Saldanha que pedio a-sua exonera-
cao daquelle imprtame cargo.
Os livre-carabistas resolvern) promover nu-
merosa* inanifestacoes contra os proleccionistas.
Carlos Bago foi eondemnado a 4 mezes de
prisao e multa por artigosno H.'ipnr/; oSensivos
pessoa do imperador.
1M.LATKHBV.
Afflrma o Times que j menos viva a ngilacan
na Irlanda. O Dailu Seirs desmente qae o gover-
no tenha tcncao de suspender na Irlanda o acto de
habeas-corpus _e convocar com esse fhn o parla-
mento emses-o extraordinaria anles do natal.
Luiz Biabe escrevendo acerca da agitacao na Ir-
landa diz : c A Inglaterra tem nm meio fcil de
pacificar a Irlanda : dar a Irlandtr aos rlan-
dez es.
Vao ser provavelraente dadas ao visconde
Stratford de Redcliflc e ao conde Grey as duasjar-
reteira* vagas pela morte do conde de Derby e do
marquez de Westmuister.
tature em Mnchester um grande meeting a
3ue assistiram mais de 4,000 pessoas, manifestan-
o-se a favor da reciprocidade commercial o con-
tra o movimento proteccionista da Franca. Votou-
se urna resolucau convidando o governo a renovar
o tralado de coramercio com a Franca.
BOMA E ITALIA.
A ceremonia da abertura do concilio cvlebrou-se
effertivamente no dia 8 do dezembro. A ceremo-
nia terminou s 3 horas da tarde, tendo comecado
s 7 horas da inanhSa. No da da aberiura foi
destriduido aos mernbros da grande assembla o
Syllabus dos prnjectos de Canon. Cada padre es-
tudar com o seu theologo. inscrevendo-se em se-
guida, segundo o seu asmpto predilecto, ou a sua
aptido, nas coramissoes respectivas, qne se reuni-
rao Irequentemente cada urna de por i, havendo
de tempos a (empos reuniao de todas, sob a presi-
dencia dos delegados do papa, para discutir o pro-
jecto de Canon, e submeite-los a um voto de en-
sata. Quando certo numero de caones tiver re-
cchido a unaniraidade moral de volos nestas ses-
sOi's preliminares, os padres lerao urna sessao ge-
ral preparatoria, s)b a presidencia do papa, sendo
enlo votados definitivamente e promulgados estes
caones. Em Ihese geral s o papa tem a inicia-
tiva dos projectos; os bispos podem propor emen-
das, que nao sero acceitas se o papa o nao
quizer.
Assistiram abertura do concilio 530 bispos.
No discurso de abertura do conoilio o papa con-
gratulare pela chegada dos bispos que vicram a
Boma, para c-nsinar a lodos os homens a palavra
de Deus.ejulgar cora o papa sob os aupicios do
Espirito-Santo, a falsa scienca humana. D.z que
necessarta que a igreja lute cora a conjuraco
da impiedade contra a f, mas que a igreja nada
tem a temer.
A proxina reunio da assembla fixada para
o da da Epiphaoia, aflm de se votaren) e promul-
garem os decretos al ento elaborados pelas res-
pectivas commissoes.
A ordem de Malla abri mire os seus caval-
leiros una subscripcao que se elevou a mais de
47 conios de. res de nossa moeda, pora auxilio das
despezas que se tem de fazer com o concilio.
SM em Roma a rainln Olga do Wurtem-
berg, dama activa, influente e de illustraco pou-
co vulgar. Como seja irma do czar, c como este
nao permittio que os bispos- catdicos polacos fos-
sem ao concilio, suspeita-se que a rainba Olga
est em Boma para ver a marcha da discussao no
concilio. Arainha foi reeebida em audiencia pelo
papa, mas parece que a recepcp fra muito
fria.
Eotregou a sua saalidade as credenciaes que
o acreditam como representante de Portugal junio
.do summo-pontfice a Sr. conde do Lavradio.
Gnota.que o governo portugnez mandou instrnc-
eocs desenvolvidas ao-sen embaixador ceron dos
inierosses do real padreado, para o Sr. conde do
Lavradio advogar junto da santa s as rcgnli3s do
padroeiro, no caso de no concilio os padres da
propaganda levantaren) a questao e queiram
coarelar c-sas regalas.
Cialdini fot nearregado de formar o minis-
terio italiano, e propunha a seguinto cumbinaco:
Sella, fazenda : tParthelo Vulle, guerra ; Bescio,
marinba; Depretis, fomento ; e TotjgpoK agricul-
tura. .Parece,.porm, que esta combuiacao falhou,
o que Claldini desisti de formar ministerio ; as-
sim o asseveram a Gazeta dos Sansptmros a G
zeta do Poto. Asseverase que- se fazem deligan.-
eias para Sella lomar aquelle-encargo, e que eJIco
acceiiou, devendo o ministerio.ser constituido com
a matar bravidarie possivel por taso que se nao
pdc prolongar por mal* tempo a crise que all
existe, sem causar gravea prejowoe.
Nao se realisa a entrevista de Violn Emma-
noel com o imperador tf Austria. A*sogwa.-sc que
io Sr. de Bcus, chanceller de imperio austriaco, par-
tir brevemente paca Florenca.
Inaugurou-se era aples no dia. 7 a assem-
bla ds livnes pensadores.
Falleceu^mlv.takHnham a dnquua de Au-
male. de idade de 47 annos. E flltia do falleci-
do Leopoldo das Duas-Sioilia, ertacipe d Selsr-
no ; casara a Vi de novembra de VtM com Hen-
rique Eugenio Felippe de Oatanns, dnqun de Au-
male, quinto amo deajuiz felippo, .c irmao de-du-
que, de Montpensier.
AUJMMUaA.
O exercito da ccavfodetato da Allemanha do
Nctte clispcK- MMaSBOje do sfgmnlt iu-mmvento :
1,901(000'espmgardas de agulh, 140,000 caraei-
nas d mesmo sierra, e l,i8i cashc. de apa a>
carregar peta enaatra. Em breve estarlo prome-
tas omfcwW.flM*espingardas, 40.0W carabinas, e
482 caniles.
O re eKPrtueia 9tt conde de Bismark nVi con-
segnem enteeier-wAnnna-se o rer em Berlm,
annua-see-chancelfer eni Varzin. .n diz qne
est mal, ontre diz que ao esl melhor. O conde
ita Bismark sao-tencin por ora voitar para Ber-
Ha.
0"Sr. conde-de RHvns foi transferido o cargo
ele ministro de Portugal era S. Petersburgwj para
igual csrgo justo dlrte d& Berln.
res*.
Bita gravemente doente o imperador da Rus-
sia-
0 principe Gortsihakcir ministro dos negecto*
estrangeiros, anda nao falleevu como se dizia,noa
o seu estado critico.
Segando as ultimas n-Ufeias de v.irsoria, o
goveroe russo contina a exereer vexacoes sobre
os catlwiieos polacos.
A Bursia e a Prussia celebrafarn urna cenvea
cao Iliteraria.
CRIBTE.
Chegaranr a Vienna o imperador d'Austria e a>
Sr. de Benst.
Celebron-se sua chegada um importante c&a-
selho de ministros sob a presidencia do imporadox
para trata? a questao da DAlmscia, eaceordar ae
ineos qne devem ein>>regar-se para vencer a in-
surreico.
Preparam-se novos reforcos; eslo j alguus a
caranho para o iheatro da guerra.
Os peridicos da opposirjo aecusam de inepcia,
os chefes militare* que operara na Dalmacia. O
interior do paiz esl todo em-poder dos insurgaa-
tes; lera sido infructferas quantas assaliadas aj
Ibes tora dado em coaseqaeoeia-do p^ssimo tempo
trae tem felo.
Vai agora ser enoarreg.vto d coramando das
tropas austracas na Dalinaeia o morechal Ro
dich. ,-
Parece provavel quo o ministro da guerra ap-
proveitando a actual susoenso dai armis, a
inforraar-se pe-sealmente da latua^o da Dalma:
cia.
A Austria esla resolvida a nso pencegnf as
operares militares, e o invente eapen eiupre-
ga-lo eni negociar a paz cora os in*urjeme-. e
olucr assim bons resultados dn sua t uqiorisa-
?o.
Receiava-se que a insurreico da Dalmacia
fos*e caus) da scisao entr mas o parlamento de Pe?th acaba de |>r dispa-
S50 do governo central o dinheiro e as tropas da.
Hungra.
Abrio-se no dia 11 do dezembro o parlamenta
austraco.
Aflirma-se que a Prussia ne absoluta-
mente estranba aos acmitecimcntos da Dalma-
cia. Diz-se que provecanl) o rei Gullherme e o
Sr. de Bismarli a insurreico que preccupa
actualmente a Europa, quizeram ambos fazer nan-
cer o accidente providencial (temi tppMradn a.
revoluco hespanhola que nao dexon era 1868 a
Franca declarar a guerra Prussia^ que ha de
tirar Aastria a possibilidade de prestar etmcursp
activo s suas anudas, Franca, Rr.r*-ia e Raba, era
caso de conflagrara geral.
A Russia declarou que se oppoc a que os
Austracos oceupem a Dalmacia.
Acaba do etabelecei-so na Iloumania a
liberdade de cultos. lam
Confirma-se a noticia de ter sido pjorto e
roubado em Kasner o principe Gulitzine.
O embaixador de Franca era Constantinopla de-
clarou ao grao visir qu a Franca nao concorda
com a Porta era que a questao eom o Egyplo seja
puramente atenta, que as potencias tem direito a
intervir nclla.
Assegura-se que o vice-rei do Egvpto se-resol*
veu a aceitar o firman sera condices e ordenar a
sua publL'acao ficando desta modo lerininado o
conflicto.
Nota-se um certo r a Dalia e a Turqua, por causa da recepcao qnasi
real, que era Florenca se fez ao khedive quando.
elle ltimamente passou por aquella cidade.
O embaixador do sulto esperado em Florenca
ja ha um pouco de tempo.
AMERHtA..
Leu-se no congresso a meusagera do presidente
firant, dizendo que as relacoes com as potencias
estrangeiras erara gerahnente Iwas; diz arada
mais:Deus abencoou o paiz pela paz; ascearas
foram loxariantos ; as industrias novas c des-
ciMiheeidas nascein e se dcsinvolvem; a admiuis-
traro bem auspiciada ; o commercio renasce :
vai a boni caniinh > a reeonslruceo da uniao. Pe-
de a dtssoluco da legislatura da Georgia que
injustamente exclue os deputados da ra(;a ne-
gra ; aconsclha medidas para o reembolso di
divida, para o que raisler augnieular o impos-
to; lenibra modifteacoes nas paulas; trata da
questao do Cuba, expressando as suas sympathias
pelos Cubanos, accrescenlaneto, porm, que nao
teem ainda o direito de cacara reconlicidos como
beligerantes; c prev prxima e favoravel seto-
cao das difl'u'iildade.- rom os indios, por coja civi-
lisarao faz votos, o promotte a stricla observancia
das leis.
Os Estadas-Unidos i resolvern! eutregar
as canhoneiras ao governo hespanhal.
Cameron ;qrosenlpu ao senado urna petiza) de
30 mil cidadns da PliitaJelpdia, para ser reco-
nheeida a indepandencia.
No raoz de novembro consagrou o governo dos
Estados-laidos a qiwutia de 12:5005, de-oossa,
raoeda ao pagamento da divida americana Den-
tro de tres muzos lera a America diminuido o sen,
passivo no valor de 36,0O0:000.
Annuneia-se coa colisa positiva o clfffmeute
da viuva de Lino In. O Boivo o coude -de
Schneidenbulzcn, eamansta do grau-ducad) da
Badc.
POUTLGAt.
No .da t do corrente uo thealro de D. Mara
II, quando se commemorava o aniversaria d".
independencia do reino, e so levanUvam, vetas
essa festa. houveram alguns espectadores que er-
gueran: um viva ao mareeflal duque de Satuenha,
ifc) qual respnndeu una pateada dada pop entro
grupo de espectadores.
Diversas ofllciaes do exercito, cm creseido nu-
mero, drigirara-lho no dia seguinte maraift>s4airi)cs
de sentimento, nos termos aliaixo :
Marechal. Os eommandanfes das brigadas,
-os coramandantes dos corpos. o os offieiaas da guar-
niere de Lisboa, profundamente indignados petas.
manifeslaees de deseonsjderacao, e falta do res-
peito pelo" illustie nomo de Y. Es,c. pratteados no
thealro de D. Mara II cm a noite do 1 do cor-
rete mez, por agentes mal mencionados, veeni
peraute o seu mais venoraudo general protestar,
solemnemente contra aquella acto, considerando-u
como feito a alies proprios.
< O* referidos ijltaiaes cutio intimamente con-
vencidos que todos os eu.- uaradas tomara
parle activa neste sentiotonto de justa iumgnacin..
1 Wgneso V. Exc- aoceitar ts protestos da, mata
alta eonsideracao daqueltas que Jaulas vezas eee-
duzio so campo da victoria, uo inlerevse da augus-
ta dviiasa reinante, independencia nacional c ti-
bordados patrias.
Esta nnnilestaeo foi lilla pelo guaeral bario 0
Zezere.
Em segnida ,0 Sr. vtacoade de Ueciatau.aaa-
guinte por parle do suprema ooMvno do ptuien,
mtltar,
-
"V"*
<
'-,>


Diario "e PernaniMLCo O ai
de Sezembro de 1869.


- Os vogaes ll0 supremo conselho do justiga ir
filar, de que V ignsslmo presidente
'pecante V. Exe. pn nesta qualtdade, um
tributo derespeito o homcnagem, que Ihe de-
vido como a pnmeira illustragao o gloria mili-
tar deste palz, c pedem respeitosamente a V. Ene*
se digne aceotar os protestos de omita estima,:
profunda respeit, e cnnsderago con <|ue te-
mos a honra de ser de V. Escenmaradas e am't-'
gos.
O governo querendo demonstrar.a sua approva-
^o sernellnntes actos de sedfsubordinadoVdes-
ligou de seus respectivos cargos, mandndolos pa-
ra os pontos infra mencionados aos olllciaes gene-
ral de brigada bario de Zezero. para Vatanga ; o
eommandanle de cagaderos, Affonso de Campos,
para Leiria ; o cominandanlc da nfantaria n. 10,
Damazio Gorja para flieja.
Tendo o pnmeifo dessos offlciaes se recusado a
-seguir, declarndose doente, oi inspeccionado
pela junta medica, e declarado sao ; e, teimando
m nao seguir, foi mandado preso para a fortaleza
de S. Juliao, responder um conselho do guerra.
Omarechal duque de Saldanba dirigi ao Dio-
"t Popular, de Lisboa, urna extensa carta, ex-
plicando os factos, e eoncluindo por declarar que
liana pedido sua deroisso de ministro portuguez
em Pars, que Ihe foi concedida pelo seguinte de-
creto :
Honrado duque do Saldanba, meu sobrinho,
pardo reino, conselheiro de es/ado effectivo, ma-
rechal do exereito, mordorao-mr da minha real
casa, amigo. Eu el-rci vos envi milito saudar
orno aquelle que murto amo o preso. Havendo
vos recusado roas-umir a effec ividade das func-
edes d < meu enviado extraordinario e ministro
Saipotenciario, junto da pessoa de Sua Magesla-
o imperador dos franeczos, que na respectiva
corte exerceis ; hei por bem conceder-ves a exo
neragap do referido cargo. O que me pareceu
communicar vos para vossa mleHigencia,
Dada no paco da Ajnda, aos 7 dedezembro de
1863.EL-nn. Jas da Silva Mendes Ual. Para
o duque de Saldanba, meu sobrinho, par do reino,
conselheiro de estado effeelivo, marechal do exer-
cit->. mordomo-mr da minha real casa.
Nosso coirespondeote nos diz o seguinte :
Nos primeiros dias deste movimenlo failava-
se muito em reeomposicoes ministeriais, como lb"S
contei na inhiba carta de 7 do corrente mez, mas
boje acredia-se geralmente qae nao ser modifi-
cado o gabinete antes de "iberio o parlamento.
Esquecia-me fazsr-lhes notar a crcum-tanci
de alludir, n'uma de roas notaveis cartas, o duque
de Saldanha, a ncupacidade pkyuca, do duque de
Loul. O Jornal do Commercio commentando,
abundan as ideas do duque de Saldanba, quan I
escreveu que nlgons d'entro os proprios collegis
do duque de Loul sao ou foram os primeiros a
divulgar que o Juque nao eslava por sua incapa-
cidade pkysica na* circumstancias de sor prosi-
deate do conselho do ministros. Tudo isto min-
io singular. Sao revelagoes estas que o lempo de-
ve esclarecer, e que em pleno paalamcnto deverao
. soar bem alto, pois para all que por ultima des
aiiou os ministros o marechal Saldanha n'uraa de
suas ultimas epstolas.
Honlem dizia-se que o marechal a para Ro-
ma, regrossando a Lisboa, ou sendo transferido
para outra legaeo n conde de Lavradio I I
t poswvel ?? depoTs da carta que s. ex.* de-
rigiu ao sr. ministro dos negocios estrangeiros,
podo aceaso o marao ministro referendar-lhe um
despacho! i Depois do que o duque de Saldanha
escrevea pode aacase acceitar t deste gabinete >
ama nomcarxi qualquer? Esie boato querero li-
gal-o accas sem o facto do ter o duiuo retirado
antes de honlem a sua nova carta quo ja se eslava
empando as ouVions de um jornal, oi do todos,
para ser publica la como as anteriores '
Nao creio pois que o duque va para Roma
agora; antes reuitoa aereditam, quo se o gabinete
deixar de ter as cmaras apoio seguro e baanaar,
ser o marechal o lierdeiro dasituagao, mas cons-
litacionalmeiite
Em todo o caso, te ai havidoerros graves nes-
tes successos todos.
E*pera\\i p ir ventura o minislro dos negocio*
extrangeiros ( ou antes o gabinete) que o duque,
intimado para sair ue Li>boa para Paria, deixasse
de dar immediatameole a demis-n ? Se nao era
de crer quo o duque saisse de Portugal, para que
se oi provocar a sua recusa formal ? Par gastar
o pre-tigio dj duque ?.....
Ma- nao se gastara tambera o ministerio que
desobedecido e llagellaJo por quein Ihe doixa
obedecer?
i Qae calculo, pois, foi esse do gabinete na
quell passo, o que geralmeute se ignora, sup-
pondo-sc eom ha-tantos fundamentos, gf ando pers
panda e umitas dolos politices, senaem todos
os ministro*, pelo menos cu al^uns, e iuegavel
talenti em quasi tolos el les
Encara la a quost t poi oulro lado, nao
iasolM i f i n dos,nossos harneas de esta la que
pela espada e com a pirana, mais eoncorreratn
para cimentar e estabelerer o rgimen represen-
tativo em Poi liesjonheea que, para derigir-
se ao ministerio COMO supremo censor dos -cus
actos, de ;>ro que tudo depr o carg
do confian'; i m i c m!rvava, visto que taes cen-
suras e acjinioiiia so nao ostentaviMi, no parla-
mento, mas fi.A na imprensa, supimndo inesuii)
quo nunca hoilvo ne;ie iKinenor plano le rcvnlta,
uem tramas de ;,n6osc Nao vin o decano dos nossos esta listas que fa-
'zem tal. io de-aire de Ihe ser lem-
Orada d'i a posieao dependente do go-
vein i que exercia e inti nada mine-
diatafuenta t urdfffn de voitar ipianto antes a ef-
feeti I bu* finches diplomticas ?
t Q. pr iranio assiui ?
(astar no d.s.di>dcceudoas suasnt-
macoes, qne begonia a Brean constitucional alo
fetas sempre c nume la cura ?
Nao antcm o duque de Saldanha que se'gasta-
ria a si mesmo, c .11 .eando se em una posico ano-
mala, e passaria pelo dusabor de Ihe ser dada n
deuiissao, sem se dizer na caria regia que elle a
thiba pedida r
PaasenuM aliante c ajuizc quom quizer do
grinde numero da inconveniencias que se com-
meiteran oestes poucos da?, que esta ja vai Ion-
ga de mais.
A resposta do el-rei quando o duque de Sal-
danha no da 8, deixou a sua casa cheia de olll-
caos superiores que am lesaggrava-lo da patea-
da com quo alguna espectadores no theatro qui-
leram ab^far as aeelamaedH dos seus amigos, o
ui ao paco pedir kS.lL a deraissao do b-
nete, foi nos seguimos termos, segundo referi o
Diario de Noticias :
a Sou re con>iiii,onal, e hei de mostra-lo sem-
pre. Embaracam-ma pouco as demonstrasoes em
jue o marechal me falla. O governo sabe delias e
ar o uso que eaten 1er. O governo afflnna-ine
*]ne tcm elementos para manter a ordem e fazer
respeilar a constiiuieJio ; creio na sua dedaracao
franca e leal. Nao aceito, pois, as indicacOes qae
me faz o marechal. E>inu >atisleiio cora o minis-
terio que merece a minha conflanca ; as praxes
con>lilucionacs mandam-me que eu o conserve, o
conserva-lo-hei dando-lhe todo o apoio de que
elle possa carecer, qualquer que seja a conjectura
em que se ache >
Diz-sc que est nomeado nosso ministro em
Pars o Sr. Casal Ribeiro. Est nomeado o pessoal
administrativo aiinal.
Eis a relaeao d<>s governadores eivis, uns con-
servados, outros novus ;
Aveiro.Claudio Mosquita da Rosa ;
Beja.D. Jos if Alarco ; ,
Braga.Jerouymo Barbosa ;
Braganea.Jacintho A. da Souza Perdigao ;
Castello Branco.GuiHifrmino de Barros ;
a Coimbra.JesFerreira da Cunha ;
Evora.Viseunde de Guedes;
Faro. Jos de Bciies ;
Gufda.Joao Chryso-thomo ;
Leiria.Jacintho Augusto de Freitas o Oli-
veira ;
Lisboa.D. Joao da Cunara ;
Portalegre.Jb3o He.il da Costa Cabra!;
a Porto.Seliasliau do -Canto e Castro ;
Santarm.Guerra (Juare*ma;
Vianna do Castello. Vizconde de Pindella;
Villa-Real.Gouveia O-orio;
Vizeu.Francisco Joaquim de S Camello
Lampreia.
Tein sahdo uestes nllimos dto importantes
reformas para o ultramar, uruanisaca > administra-
tiva e militar, instrucfo publica, sade publica,
obras publicas, mina- colonia- penaes, sao as ulti-
mas que tem sido oflVialinente publicadas. Antes
do hontem o Diario do Governo publicava a refor-
ma da secretaria da marrana e ultramar.
Foi publicado pelo ministerio da lazenda o
reglamelo para a cobranca o scalisacao do
" imposto do sello.
No Io do corrente (lata significativamente
patritica) assignou-se a nwriplara da iustituicao
de ama empreza p.r-acyoes, ten veitar e explorar os terrenos incultos do reino. A
companliia denomina-se Crdito e Progretsa
Agrcola em Portugal. Os signatarios da es-
riptura foram os Srs. Ayres ie S Nogueira (de
^uem 6 o pensaineBto original), A Braaneamp,
viscondes do Oosuella, Carregoso o 01ivaes, b
doMagathaes, Rebollo da-Silva, Antonio Peroira
Ribeiro da Cunha, Jos Mara dos Sanios, Manoel
Igreja, Jos do Mello Gouveia, commondador Leto
Ribeiro, e FranciS'io Iaidoro Vianaa.
As acedes da compaaliia sio de dez libras,
pagaveis urna cada anno, pm prestagoes que po-
dein ate ser semanaes. Esta divisa] tem por ttm
attrahir e aproveitar as pequeas oonomlas. Esta
empreza bem dirigida pelo dar dscellentes
fructos.
Volta brevemente ra Madrid, diz a Gazet
do Pono, o Sr. Corvo, ministro plenipotenciario d
Portugal naquells corte. 0 sen nomo era indigi-
lado, quando se falln em reeomposioSo do minis-( ^3:00!)JOOO.
Procedente doLiwjrpool chegsn, no da 1!> I elogiados, o os premios que Iho valeram suas per
do corrente, com 21 das do viageai, a "barca in- fumarias as eiposjecs PernanAueana o Brasi-
gleza Secn lera, sao verdaderos penhores do sou mrito, e
"Foram transferidos os promotores pblicos : do rengue que vae ganhando sousproduet
Dr. Marliniano .\ees Pereira para a
da capital; Dr. las Janscn Ferreira para a Je
Alcntara; e Dr. las Piros da Fonseca para Gui-
raari
A eompaSa de *n vapor Mara-
ahense terminara a coaUwccia de ; n novo ''
por. de 83 pos de campamento, U p- o t
Sadas de bocea, e i pos de puntal. Este v
ete chamar-ae Gu-uxitltnba, o montar urna u a-
ehina da torga da W cavallos, o custar cerca de
teno.
i Tem causad) seosaeao o assossinato de Cesar
Augusto Po dos Santos o'um veuda de vnho o
alta do Pina (ao pe do comterio do Alto de S
Joao) ora consequeneia de urna desordem entre o
referido Po dos Santos, Manbel Estevo Rodri-
gues, o Artilheiro o os filhos do visconda do Vll.-
Nova do Soltes d*EI-rei. Andam estes nomisiado
pois se diz que um delles- o quo mateu com
urna tacada a Augusto Pi. Este, o fallecido,
linha 40 annos, nascera no Rio de Janeiro, e er;.
filho do almirante Tristao Rio dos Santos.
t A pobre viuva Bca ao desemparo.
Diz-se que o ministro da Hespanha em Lisboa
lelegraphara logo para o seu governo afim de quo
as autoridades locaes sobretuu>Ba fronteira este-
jam prevenidas para se effectuar a captara doi
indiciados, no caso de so terem evadido para
aquelle paz.
E' realmente deploravl qne slguns filhos de
Ilustres familias portuguezas represontcm do
fadistas perdidos e coosummados, adoptando-lhe;i
at os vicios, e nesta triste occorrencia, infela-
mente a l'acilidadc na perpetracao do crime. Pie
era valente e grande iogaaor. Parece, porm, que
levou a facada falsa f indo a evadir-se dos
muitos que o persegniam e ameacavam.
Noticias do marte do imperio
Tarabem chegon honlem o vapor brasileiro Pa
rana, trazendo datas : do Para at 18, do Mar-
nho at 22, do Cear at 2i, do Rio Grande at
26 e da Parahyba at 27 do corrente.
AMAZONAS.
No dia 3 do corrente foi inaugurada a com-
panhia lluvial do Alto Amazonas, sobro o qual ilie
o Correio de Mandas :
Um lauto alnioco foi offerecida abordado JUa-
deira, em regosijo a inauguraeao da companhia.
' Ao raeia dia corapareceu S. Exc. o Sr. presi -
dente da provincia.
Sendo assignado nessa oecasiao por S. Exc. e
pelo gorente o respectivo contrato, com a com pa-
nhia por autorisacao do art, S." | 2. da le n. 181
de 19 de raaio deste anno, subvencionando a com-
panbia".
Scguio-se depois o almoco que era offerecidj
em tres mezas comportando 60 talheres cada urna
c A', abuudanciade manjares o iguarias, foi a
melhor possivel, sendo acompanhado por urna ban-
da de msica que executava excellentes pegas ao
som das qnaos lizerim-se 37 brindes, Qnalisando
s 4 horas da tarde com o brinde de honra feito
pelo Sr. presidente W. de Maltos S. M. o Impe-
rador.
Passando-se depois os convivas para bordo d >
Purs, do at a bocea do Sqlimoes acompanha-
do pelo Arapiranga, de onde volwram as 6 hora*
ua tardo.
A' 29 do passado havia alli chegada, de volta
do Parts, o vapor de guerra Para que alli traba
ido na expedicao ao encontr d.s indios Inna,
tendo estes relirado-se para o centro apenas pre-
sentiram que os seguiam, abandonando o aldo;.-
mento.
Xa da 6 do corrente seguo para o Rio M-
deira o vapor Pars, estabelecondo assima nave-
gado mensal.
A cominissao da praga do commercio da Para
dirigi ao presidente da provincia tenonto-coronel
Joao Wlllrins de Mattos um expressivo voto de
gralidao pidas promptos e enrgicas providencias
por S. Exc. tomadas para garantir a vida c a pro-
priedade dos laboriosos habitantes da alto-Pur-,
atterrorisados com os actos ferozes perpetrados
pelos selvagens Jumas.
tara. '
Pela presidencia da provincia foi-djasignada
o da 8 do fevoreiro prximo para so proceder 1
eleiefio de depntados assemula provincial.
Achava-SQ no porto a crvela de guerra in-
gleza SpeeiweU.
Procod+tnte de Liverpool por Lisbda, cheg m
a 6 da crrente o vapor Cearense, Ja Red Crors
Une.
O vapor Anajnz, da linha fluvial Paraeoso,
irouxe do Amazonas 12,000 @ dfe borracha pata
o ineicaJo do Para.
A alfan lega renden- do 1 a 17 do correte...
988:437*101.
Eslavam carga os navios:_ Mrquez de
S'ttta Cruz para Liverpool; Linrf'i para Lisboa ;
Franck tbnoard, C. K. Wawen Ch. Thompso,
l'Vunk Freit, Colon, Comiatrcie, e S. V. Nicholes
para New YorTf.
MABJiRHQ.
No dia 13 do corrente procedern) os assj;-
nantos da Casa da Praga eleicao da eommissto
directora, que Muas-im organisada : An-lr Nel
sun, Laurinlo Jos Alvos de Oliveira, Maaoel da
cilva Rodrigue', Jos Ferreira da Silva Junio:,
Domingos Francisco Kios, Ignacio Nina o Silvi,
Domingos Tbeotonio Jorge, de Carvalho, Jos Ma-
noel Vinhacs c Robero Antonio Moreira.
Do rotatorio da directora desta corporaca i
transcrevemos os segnintes dados, telativos ; o
auno l'anceiro de 1868-1869 :
A exportaeo do productos nacionaes para
Cora do imperio foi:
Graa-Bretanha. 4.268:4623111
Portugal. 1,353:9903240
Franca. 162:044*106
Hespanha. 154:181*912
Estados Unidos. 136:5033365
Cidades Ilanseatieas. 3:202687
Perdeu-se totalmente, salvando-so so a trijio-
lacao, o hiato francoc Liada, que ia de C.iycnna
para a Parnahvba.
A alfandega rendeu de 1 a 22 do corrente
172:2703935
Lomos no Piz : .
Tireram houlem (20) lugar, como j disse-
mos, na igreja de S. Pantaleao. Foram padi olios
da maoina exposta cm 28 do margo de 1868 o
Sr. Dr. Francisco da Serra Carneiro o sua Exma.
Sra. Te ve o iume de Mara Franciica da Serra
Carneiro.
Do menino exposto em Si de agosto de 1858
o Sr. Sebastio da Serra Pinto e S. Exma. Sra. D
Lucida Eliza Goacalves Pinto. Teve o de Sebas-
tio da Serra Pinto Goncalves.
Da menina oxposta era 1 de dezembro de
1868 o Sr. Jos Mara Barciella Martin? e S. Exma.
Sra. D. Mara Raymunda Rodrigues Martins. Teve
o de Mara Raymunda Barcella Martins.
Da menino exposto em 21 de malo do 1889 o
Sr. Jos Manofl Barbosa o *. E.ma. Sra. D. Hol-
lina Augusta Paes de Vasconeollos Barbosa. Tove
o de Josa Manoel Barbosa de Vasconcellos.
Da menina exposta em 12 de agosto de 1H69
o Sr. majnr Joto da Malta de Morana Reg e S.
Exma. Sra. D. Mana Amalia de Moraes Rogo. Te-
ve o de Maria Amalia Augusta Reg.
Da menino exposto no mez passad) o Sr.
Francisco Ferreira da Silva Santos e S. Exma.
^ra. Teve o de Francisca Jos dos Santos.
O acto foi muito soteeane o concorrido. Den-
tro da igreja esteve o corpa dos edacandos art fi-
ces, e na porta urna guarda de honra do corpa
provisorio. Assislio aos baplisados o Exm. Sr.
presidente da provincia, coma provedor da Santa
Casa da Misericordia, o a mesa administrativa. Os
engeitadinhos comparecern) muito bot) volidos,
o em geral domonstravam ser bem trtalos, d
OSARA. .
Acha-se no exercicio de chefe de polica in-
terino, o Dr. Cordolina Barbosa Cordeiro, juiz de
direito da comarca da Imperatriz.
A lista sxtupla senatorial, pola apuragao dos
votos feita pela cmara municipal da capital, n-
L&iu composta dos Srs. :
Conselheiro Jos Martiniano de Alencar.
Dezembargador Domingos Jos N. Jaguaribo.
Dr. Manoel Fernandos Viera.
Desembargador Francisco Oomingues da Sdva.
Conselheiro Jeronymo M. Figueira de Mello.
Dr. R>ym mdo Ferreira de Araujo Lima.
-^ seu_pedida, foi exonerado d-i chefe da re
parlico das obras publicas, o engenbeiro Dr. Jos
Pomp'eu oV. Atbuquerque Cavalcanie.
Os gneros alimenticios achavam-se por pre-
gos fabulosos. A carne verde ven lia-se de 600
a 13000 o killogramma, a socca a 803 rs. a firi-
nha a 1*000 rs o litro etc.
Da ilha de S. Miguel chegou a escuna por
tugueza Olueira, trasendo 53 coloaos partugue
ios. .
Para promotor publico da camarca do iardim,
loi llameado flr. Antonio Augusta de Arauju
Lima.
Os alumnos da escola pblica da villa de
Pacamba alforriaram um escravinho do Sr. An-
tonio Joaquim de Siqucira, no dia das ferias.
- A commissao libertadora, iorneada pela pro
sidencia da provincia para a cidade do Sobral,
alforriou 7 criangas da sexo femenino, dista
dos cofres pblicos.
A alf indega rendeu uo mez de uovembro
232:3ii730 res, sendo :
Importa cao
Despacho martima'
Exporta gao
Interior
Do Io a 22 do corrento rendeu
gao 215:571*575 rs.
X i pxerciejo de 18061807 arreeadau ssa
repartigao as seguintes sommas :
t8f.3
A importaea directa
foi do
0,078:384*421
5,155:470*696
Differcnca a favor da
exportagao. 922:91 IgfS
< Os dado-que obtve nodestribuemaimporti-
cao pelas suas precedencias, porque os novjs
mappas da alfandega sao actualmente a-sim feitds.
O movimento entre esta e outras pragas do im-
perio foi este :
Exportagao para dentro do impeno :
P..r. 225:247*037
Peruambuco. 63 0i3*255
Ro de Janeiro. 50:210*182
Parnahvba. 45:652*048
Ceara. 24:315*478
Bahia. 20:359*049
Parabyba. 1:355*000
430:188*649
t Importacao de gneros nacionaes :
Rio de Janeiro. 169:938*895
Baha. 100:964*300
Parnahyba. 94:3754780
Pernambuco. v 94:132*481
Oar. 70:327*617
Para. 46:920*037
576 659*110
Mercadors estrangoiras importadas por ca
botagera :
Para. 99:167*575
Pernambuca. 50:040*876
Rio de Janeiro. 25:228*217
Parnahyba. 16:553*391
Baha. 8:531*817
Gara. 3:584*874
Parabyba. 90*000
203:193*750
Navios*entrados do Ia da Janeiro 3 30 de nove li-
bro do crrente anno:
Brasileiros.
Ingleses.
Portuguezes.
Ameneanos.
Francezes.
Hespanhoes.
Norte allemo.
Dinaraarquezes.
Norueguensea.
Sueco.
Hollandez.
26
26
19
13
11
6
5
4
3
1
1
115
Vapores no mesmo periodo :
Brasileiros. 64
17
t de guerra, *ndo 2 monitores.
1 do guerra.
Inglezes.
Peruanos.
Fraacer..
174:80:ioH)
1953900
103:5873416
.3:8973884
essa reparti-
Julho
Agosto
Setcmbro
Outubro
.Nnveiiibro
Dezembro
34:4W#693
27:2003"''
25:729*433
82:f7Sl4
55:782
70:941*832
296:2763902
88
Falleceu, em
Flix da Ro-jh'a.
S. Bento, o coaego Joaquim
1869
.Janeiro 29:*J33|88
Fcverciro 17:701*497
Marga 41:860*639
Abril 10:79 5915
M lio 30:072*877
Jitnlio 2-2;3063309
Arribou ao porto da Fortaleza, com.agua
abena cm consequeneia de abalroamento, no lia
18 do correte, a barca nortc-allemaa Geiice.
procedente le Sorgipe, com 28 dias do viagett).
Fallecern) : na capital, o amista omraer
ciante uortigU''Z Desiderio Antonio de Miranda ;
e era S. Frauchco.o Sr. Ignacio de Suiza Uag*-
Ihaes, inembro importante do partido liberal.
RIO OBANDIt
Grassava em G lyamnha a epedimia a va-
rila, com alguma iniensidade.
PAll.VHYUA.
Escreve-no em 27 da crrante a nosso cor-
resp mdento :
t Guieen rectficando a n itida que Ihe dei do
cortejo do dia 2 do crreme, na palacio da pre-
sidencia da provincia.
Ni) teve lugar o acto qu*lho refer, em com-
meinoragao do anuiversari i nataiio de S. M. o
Imperado;-, par motivos quo iuw veiii ao ca30 re-
ferir.
Confessa quo trinqnei do falso, niy por meu informante, nao sei com guc intento, e,
nao tendo o dom da infailibidude caaio o meu
disfructave! cabrion. que abnlhanta as pagina* de
seu olleg da tarde, accoso-me do peccado, ar-
ticulando o mea culpa.
A proposito, provavel quo somolliaiite Cacto
rndame alguma tremenda catiluiaria do tal pos-
palhao ; como, porem, j e ricuadas procurara darlho o troco pport m-
menle, e em boa e-pecio.
t Nao ha nada, como um dia atraz do outro.
Por aqu estamos em ferias, lieando tudo na
maior calmara ; tratam todos do passar a festa
do melhor modo que podem, o eu e*tou bsondo
o mesmo na dolicio>a praia di Tambad, onde,
alem do mais, estou me regalando com os hi-
ginico* banhos shlgado-s quo muito recommondo
ao meu c'abryon, para suavisar-lhe o nervosoi
i Desdo a minha ultima para c, despachaiam-
se pela alfandega os seguintes navios :
Para Liverpool, barca ingleza Harnet, consig-
nada a Clemente Lima, com 1681 saceas de algo-
dan : dita Atice Roy, dem a tf. U. Camacbo, eom
2000 saceos de assucir e 2,700 saceas de algcdao,
dita Zelora, dem a C. D. dos Santos, com 970
saetas de algodao; dita Isard, dem a Augusto
Gomos 4 c., com 1282 saceas de dito.
t Para o Canal, brigue Florence, consignado a
M. Roubachs Kaka, com 4,950 saceos de asucar;
dito Holiatia, idem a P P. Borges eom 4,000 sac-
eos de assucar lugar Marance, idem ao mesmo,
com 4;200 saceos dito.
o O mercado de gneros fechou vespera de fes-
2a d modo seguinte : algodao de 14*200 a.....
c 4*500, *rie, o assucar bruto de 2*800 a
;*900 rs. arroba.
. Conclp a preento desejando-lhc as melhores
Intas o cnchentes de pro?peridides no novo an-
s.j.
PERNAMBUCO.
REVISTA DIASIA.
' CABELEREIRO^-0 Sr. Jayme Eneas G. di Sil
va, estabeiecido, a ra do Queraado n. 6, eom
un sala) para cortar cabellos o barbear, o piraos
mais mysteres concernentes sua arte, .1caaa.de
fazer passar dito estabelecimento por urna com-
pleta trjosforinacao, que deu em resultado licar o
salao principal muito augmentado o decorado
com luxb.
Depois d'essa reforma ficou sem contradigao
esse estabeleeimet'to o melhor era sou geneto na
provincia, o, pois, t.ligno da publica attenclo.
O Sr. Jayme, bem conhecido ontro nos, mogo
inteligente e estudioso, qne procura elevar-so ho-
nestamente com o eu trshalho e ingenho sobre
seus collegas de arte, e.U*e os quaes j r rima-
Seus trabamos om cabellos liuito procuradas e
o outro lugar deste diario vae publicado um
annuncio do seu estabolecimonto euja leitura re-
coininendamos como pddondo interessar quom
precisar dos seas sorvigos.
DINHEIHAO vapor'Pfli-and trouxe as se-
aaiirtes sommas para os Srs :
Joaa 1 l:mJ9S
i Costa Guimaraos 800il0b
le Oliveira Azevedo & C. 4003000
Fraaelseo An onio R. da Fonseea 2O03O00
Joaquim Jos Goiioho Jnior 1005000
Para o Rio de Janeiro trouxe esse vapor
45:2113680 rs.
ESCilAVOS.Can destino ao Rio de Janeiro
trouxe o Paran, do Norte, 56 eseravos. a entre-
gar.
EM TRANSITO.O vapor inglez Ca Plata trou-
xe da Europa 139 passageiros, sendo 14 para a
Rabia, 50 para o Rio de Janeiro, 21 para Monte-
video, e 54 para Buenos-Ayres.
PARAN'.Para os portes do sul do imperio
tira a mala boje, s 3 horas da tarde, no correc,
este vagor.
GEN'EROS DE ESTIVA.O vapor oglez \La
Plata trouxe os seguintes voluntes: 25 caixas
queijos a Lima Silva & C, 34 a Corga Irmos,
31 a Joao Ignacio da Casta, 25 a J. J. Goncalves
Ballrio, 40 a Thomaz da Aquino F. & C, 45 a
Joao Martins de Barros, 40 a U Alberto Sadr da
Molla, 45 a Fonseea & C, 24 a J. M. da Rosa &
Filho, 10 a ordem, 125 a von Shosten A C, 12 a
Silva A Joaquim Felipi, 12 a Barbosa & C, 3 a
J. M. Palineira, 75 a Carvalho Zenha 4 C. 58 a
Francisco A. Montero Jnior, 5 caixas cha a Joo
Martins de Barros ; 21 caixas e 20 barricas Ogos,
castanhas e outras frtetas a J. C. Braga & C.
MOEDA FALSA. -Da Constituido; jjrual que
so publica na capital do Cear, irnscrovemos o se-
guinte:
Acabamos do ser informado por possa fide-
digna de qui na cidado de Caxiaa do centro do
Maraohao su descobrira haver na circulaeao gran-
de quantida lo de scdulas falsas de 50*003,100*,
200*000 e 5003000 reis.
< A dcscoberta daquelle ousado crime chaman-
do atteocao no commercio deu lugar a que urna
commissao de honrados negociantes nrosudesse a
um exame, e publicasse pela imprensa que nao
obstante seren as seilulas falsas de bonita appa-
rencia c bem acabada tia'ailha, havia entre ellas o
as verdaderas a notavel dilTorenca do serom nes-
las bem visivos os caracteres microscpicos das
valores respectivos, ao passo que as falsas nao o
sao, havendo em lugar delles urna pasta parda-
cenia.
t Deste fasto tendo vindo noticia Unto para o
commercio, como para o chefe do polica da Tno-
resina, capital do Pianhy, a respectiva ihesouraria
verilicou o que j tica relerido, e aquelle magistra-
do remellen paca todos os delegados o competente
aviso com a nota do exaino da tliesouraria.
t Em diversos pontos da provincia d Piauhy
iam apparecendo as referidas se lulas .ilsa3 som
que eutre Unto nada tivesse descoberto sobro seus
introductores.
PIRAPAMA. Este vapor, da campanhia per-
nambucana, seguio uo dia 2J da corrente do porto
da Fortaleza para o da Granja.
FUNDOS BRASILEIROS.Erara assiaj colados
na praga de Londres:
5" % de 1859 83 95
' 5 % de 18GS 84 J/ a 85 ','j
4 /- % 1852-53-60 71 a 77
4 y, o/0 de 1863 72 >/. a 73 (
AMAZON.E-to vapor da linha do Liverpool,
dona tocar em Lisboa cm vagora para o nosso
port-i, de 26 a 29 da corrente.
NAVIOS A' CARGA.Em Lisboa-S. Miguel,
Poiitivo e Jimia para Pernambuca, Flor do Vez.
e A7iflzon xas para Pernambuco, Unido para o Para.
NAVIOS CHEGAB >3.A Lisboa a 28 Ama-
zonas do Para, a 3 Noto S. Louxtnco do Pernam-
buco; ao Partoa 6 Liberal le Pernambnso, Jo-
sephina t Maria Carolina do Maranho. t
NAVIOS SABIDOS.-De Lisboa-a 3 Therezina,
para o Cean't e Parahyba, a 4 Paraeiu: (vapor)
para o,Cear, Maranho o Para.
NOT1.JAS COMMEUCIAES.As das ultimas
datas, das princpaes pragas la Europa sao as se-
guintes :
Londres, 11 s 2 '/z
O algodao procurado com urna alga de '.i d.,
>-endii vendido: o de Pernambuco de 11 '/ja 13
Vs d., o do Parahyba de II /? 4 Vi. > de Ma-
celo de. II '/ a 12, o do Maianhaa do II "A '3
V, o do Itio Graude do 11 Vi 12 Vs. o oda
Cear a 12 '/ d.
O assucar tambora ganhou actividade aos pro-
g-os do 26/ a 28 o braueo, e de 18/ 6 a 24/li,
O cacao contina IiiihXO ao proco do -45 i 5 y.
Os cauros licam frouxos. Catamos: os secos
salgados de 6 '/ a 9 '/; e os salgados verdes de
4 Vi a 5'/i-
A borracha do Para est firme a ty- a fina, e a
Ve a sernamby.
Havre, 11 s 5h dat.
O algodao de Pernambuca Orina a 139 frs.
O ca'-ao do Para calmo a 90 frs.
A I) irradia tina do Para a 8 frs. o 75 azul, pro-
curada.
LOTERA.A quo se acha venda a 132% a
(ionelieio da groja de No.-sa Senhora o Ampa-
ro de (liiiina. que corre no dia 30.
PASSAGEIROS. 0 vapor inglez La PUa,
vindo da Europa, trouxe a seu bordo 102 passa-
geiro-, sendo 23 para esta provincia e 139 para
os dilTerentes portas ila sul.
Sahidos no mesmo vapor :
Ramuu Mjuic y R imam, Joo Cardoso Pialo
Jnior.
Sabido para NewYork na barca ingloza
Imperador :
Nicols-Hartery.
Viadas dos partos do norte no vapar Pa-
ran :
Faustino Fructuoso Ferreira, Isaac Esbon. Dr.
Candido Viera Chaves, 10 eseravos e 1 lilho,
Antonio Pacheco da Silva, Jos Andr de Olivei-
ra Figueireda, Francisco Viera Perdigo, padre
AutiJnio Francisco Arcos, Francia) Ferreira Bor-
ges, Janini Gurseppe, Pansa Gurseppe, padre
Araancio Leto da Sil.-a, Pedro Ferreira Branjao e
1 criada, 1 preso, 2 pragas o o carcoroiro da ca-
cadeia.
Sahi los para o ti na mes \u vapir: |
Rayraundo Ferreira, los Osorio da Costa Sara-
paio, Lafacte y Lima, Dr. A. Leonel e sua senhora,
12 rcerulas e 52 eseravos.
CEM1TERIO PUBLICO.Omuano do dia 2i do
correule :
Francisco Romeiro Cavalcante de Albuqucrque,
Pernambuco, 18 annos, solteiro, S. Jos ; va-
rilas confluentes.
Manoel, ll raezes, S. Jo's; entero-colite.
Moncerrat, Hespanha, 30 annos, solteiro, Recifa;
phlvsica pulmonar.
Virginia Pernambuco, 7 mezes, Santo Antonio;
denticlo.
Jos, frica, 52 annis, solteiro, S. Jos ; Hydro-
pezia.
Mara da Concelcao, K anuos, viuva, Santo Anto-
nio ; diarrhea. *
25
Manoel, Pernambuco, 3 das, Santo Antonio; es-
pasmo.
Alexanlrina Maria da Concegao, Parnambuco, 35
annos, viuva, S. Jos; hepalite chronico.
Maria, Pernambuco, 7 mezes, S. Jos ; eomml-
coes.
Pault> Thomaz do Espirito Santo, Bahi3, 17 anuos,
solteiro, Recife; tubrculos pulmonares.
Jos, Pernambuco, 30 meros, Boa-Vista ; cama-
ras de sangue."
26 ,
Joaquim Antonio do Soccorro, Portugal, 40 anno*,
solteiro, mritiino, Poco,; alegado.
Izidora, Pernambuco, 11 mezes, Santo Antonio ;
diarrhea.
FVauHsca Mara da Luz, 27 annos, casada, S.
Jos; molestia do ulero.
Manod Jos do Nasennento, Pernambuco 49 an-
nos, solteiro, Boa-Vista ; amolecimento cere-
bral.
Josaphina, Pernambuco, 8 meies, S. Jas ; con-
vulces.
Joao. Pernambuco.4 mezes, Recife; diarrhea.
Ignacia Mana das Virgens, Pernambuco, 85 anuos
viuva, Boa-Vista; apoploxia.
87
Maria Pastora da Qneeico, Pernambuco 40 an-
nos, solteira, Boa-Vista; tubrculos pulrao-
nare!>.
Maria Antonia da Concegao, Peruambuco 20 an-
nos, solteira, Boa-Vista ; lezao cradisga.
Fortunato. Santo Anio, 26 annos, solteiro; Boa-
Vista; bexigas.
Manoel Ro.irigues do Carvalho, Parahyba, 34 an-
nos, viuvo, S. Jos; ferimento.
Joanna, Pernambaco, 18 mejtw, BoaVista; inOa
magao no figado.
Benedicto, Pernambuco, 25 anuo?, solteiro, Santo
Antonio ; eodf canute.
Manoel, Pernambuco, 30 annos, solteiro, Santo
Antonio ; bexigas.
Francisca Mria da Psz, Pernambuca-, 46 annos,
casada, Santo Antonio; bronchyte.
ciiRONICA JUDUIIARIA.
rRllllMlL DO COUtlEHCTO
iCTA DA MBB-vO ADMINISTRATIVA DE 27 DE
DEZUKBIIO DE 1869,
RESIDENCIA DO BXtt SR. DBSBXBARQADOB ANSELMC
TOAJICISCO PBHETTI.
As 10 horas da manlta, reunidos os Srs. depil-
ados Rosa, Basto, Miranda Leal e barao de
ruangy, S. Exc o Sr. preside'.'e declarou aber-
ta a sesso. m^km
Foi lida e approvada a acta da sesso de 20.
EXPEDIENTE.
Oflcio do Exm. presidente do tribunal do com-
mercio da Babia, cora data de 13 da corrente, de-
clarando, em solucaa ao pedido que se lbe fizera
por ofllcio de 22 do novembro ultimo, que lbe nao
constava haver-so nterposto recurso do revista
das decisSes por ello proferidas em materia de
aggravo, o que era inadmissivel era face da dis-
posigao do art. 122 da le de 3 de dezembro de
1841, c do aviso n. 231 de 21 do agosto de 1835.
Accuse-se o recebimento.
Oflicios (2) do secretario do tribunal do com-
mercio da capital do imperio de 4 do corrente,
aecusando' o recebimento do offlcio dfe 22 de no-
vembro, e remetiendo a relago das ultimas ma
triculas alli expedidas.Que fossem archivados,
sendo ceusada a recepoTia do que acompanhou a
indicada relaeao.
Ofllcio do secretario do tribunal do commercio
da Bahia, tambera aecusando a recepgao do que
Ihe fra enviado em 22 de novembro.Ao ar-
chivo.
Offlcio do presidente e secretario da junta dos
sorretores, acompanhando a ultima cotagao com-
mercial.Ao archivo.
Jornaes Oficiaes de nmeros 240, e de 286
290.Ao archivo.
Expedram-se eom assguatura do Sr. secreta-
rio os seguintes oflicios :
Ao presidente, secretario e thesoureiro nova-
mente eleitos para funeconarem ua junta de cor-.
retares d 1870.
Ao presidento da actnal junta, comraunicando-
Ihe dita eleigo, aflm de oppurtunamente impos-
sur aos novos funecionarios.
Ao Sr. desembargador fiscal para comparecer
prxima sesso de 7 de Janeiro em que tem do
tratarse da rehabditacao impetrada pelos mera-
broi de que se compunha a firma fallida de Fajo-
zes Jnior de Azevdo.
E ao Sr. deputado suDplente S Letao para vir
sobradita sesso preencher o lugar do Sr. depu
lado Miranda Leal que averbou-se de suspeito na
supracitada rebabiltago.
Aos Srs. deputadis foram distribuidos os se-
euntes livros:Diaria do Rocha Lima & Guima-
re, Copiador do Theodoro Christiansen, Diario e
Copiador de Candido Alberto Sodr da Motta &
C, Diario do Balthazar Pinta de Gouveia, Diario e
Copiador de Antonio Alberto de Souza Aguiar, di-
tos de Maturino Barroso do Mello, Diario de Lyra
& Vianna, ditos de Joaquim de Souza Maia 4 C. o
Copiador da Tasso Irmos & C.
Presentes os livros de protestos de letras, vio-se
que o ultimo protesta com quo encerrara a sua
semana o escrfio Albuqucrque, for? lavrado sob
n. 1.946 em 21 da corrente, e o que o fra pelo
escrivo Brito, u. 1.924 em 23 do mesmo mez.
O Exm. Sr. presidente decida o aggravo nter-
posto do juizo especial desta cidade em que orara :
Aggravante, Antonio Pedro do Mello, e aggn
vados, os curadores hcae* da massa fallida do
dita Mello, negando provnnento, decisao esta que
foi publicada era ma do oserivao do semana.
DESPACHOS.
Requerimento do Dr. Cas no do S Pereira, pa-
ra se Iho registrar a noipoago de seu caixeiro
Manoel uarte Viera Filho.Registre-sc.
. Do Phipps Broihers & C, pediudo que se Ihcs
mando entregar independente de traslado, visto
j ter sido registrada ueste tribunal, a procurago
que jnntaram ao requerimento era que solicita
ram o registro da nomeagao do caixeiro Nicome-
des Maria Freir.Sin), sendo como allega.
De Jos Joaquim da Costa Maciel o Jos Pires
Agr, subniettendo regi?tro o distrato da sua
sociedado cammercial. Vista ao Sr. desembarga-
dor fiscal. i
D Antonio Jos de Castro Azevda, apresen-
tando pana ser registrada a nomeagao do seu cai-
xeiro Joaquim Mendos da Silva.Regstrese.
De Euzebio Raphael ilabello, pedindo para que
se ordeno a junta dos corretores que Ihe attBsto
qual foi o cambio avista sobre Portugal em Iras
da novembro ultimo.Pode atestar.
Do. Jos Ramos da Silva, solicitando o registro
da nomeagao que dora' a Raymund' Nonato de
Andrade Lima para caixeiro de sua taberna ra
do Santa Ritla r. 3.Como roquer.
De Joo Ganes da Cruz, solicitando tambora o
registro da de seu caixeiro Joaquim Garca dos
Santos e Silva.Registre-se.
Da Jos Jaeome Tasso, Jorgo Jacoine Tasso e
Domingos Antones Ferreira naso, pedrada que
se Ules registre o contrato Social que celebraran)
sob a (Irma de Tasso Irmos A CVista ao Sr.
desembargador fiscal.
Do Domingos da Costi Montero, viudo coma
procurarlo bastante que se exigir do signatario
Joaquim Cavalcante de Ilollanda Albuqucrque,
por despacho de 16 do corrente, adra de so dar
baixa no registro di hypnteca da casa da traversa
de S. Joao n. IIComo vquer.
COM IXFOUMAQAO 00 SR. DESEMBARGADOn FISCAL.
Requerimento junto por linhas aos autos da
rehahilitagao impetrada por Joaquim losada Cas
ta Fajozes Jnior e Jos Lurentiuo do Abovedo.
O Sr. deputado Miranda Leal averbou-se d
suspeito, e o Exm. Sr. presidente resortej qae se
conidasso o Sr. deputado snppleule para a
ses-o de 7 do mez prximo vindouro em que te
ra Iflgar o jiilgunento, e que fosse igualmente
convidado o Sr. desembargador fiscal.
De Jos do Reg Boiges e rsula Cardolina
da Rocha Almeida, contrato de sociedade.Regis-
tre-se.
De Jos Manoel Baptista o Manoel Joaquim da
Silva Leaa, socios da firma commercial de los
Manual Baptlsta & C, pedrada matricula.Seja
matriculada a firma.
De Jos Pereira Vianna, socio da firma de Jos
Poreira Vianna & C. da qual faz parle Manoel
Francisca da Silva Novaes j matriculado, pedin
do ser individualmente matriculado para a tirina
social tamnera s-lo.Nao tcm lugar.
Nada mais havendo a despachar, e sendo 11
horas e 1/2 da manha, o Exm. Sr. presidente
encerrou a sesso.
da Silva 'arga di fie ren-
tes gneros ; a ATI it C
Soulhampton e porto- 17 e meio dias,
vapor inglez La P meladas, com-
mandante A. Hale, carga fazch-
das butros gneros ; a Adamsou llowie A C
Govanna 6 horas, vapor nacional Parahyba,
de 104 tonelad, uto Oliveira, equi-
jMMn 14 ; companhja l'ernambucana.
Bppppoal por Lisboa24 dias, sendo 16 do ultimo
fo, vapor inglez Athamln a, da 724 toneladas,
commaodante W. Mee, equpagem 26, carga fa-
zendas o outros gneros ; a SaUnders Brothers
A C.
Liverpool27 dias, lugar inglez Velio. do 199 to-
neladas, capilo Tyrer, equipagem 8, carga car-
vo ; a Saunders Brolbers A C.
Liverpool35 dias, brigue lagtea Crimea, de 175
toneladas, capitae A. Scotl, equipagem 8, carga
varios generes; a Saunders Brothers & C.
Baha12 das, patacho brasileiro Adelin), de 201
toneladas, capilo Joa Manoel Ponte, epupa-
gem 12, carga 8,100 arrobas de carne ; a Oli-
veira Filhos & C.
Navios saludos no mesmo da.
Parahyba=Brigue inglez Mayfihl, cap.itao Thomaz
Rae, cm lastro.
BostonBrigue inglez Janet, captao Daak, carga-
assuc.r.
Philadelphia==Barca iugleza Imperador, capilo
William Heard. carga assucar.
New-YorkPatacho americano Iza, cepilao Wil-
liams, carga assucar.
Rio da Prata e portas intermediosVapor inglez
La Plata, eommaodanto A. Hola.
BarcelonaGalera hespanlioia Nuera Awttlia, ca-
pitn B. Pelayo, carga algodao.
BarcelonaGalera hespanlioia Nuera Aurelia, ca-
pilo B. Pelayo, corga algodao.
Oiserrofrro.
Suspendeu da lamaro para o Ro Grande uV
Norte a escuna norueguense Riga, c.ipito I. H.
Washeman, com o mesmo lastro que trouxe de
Santos.
ECITAES.
COMMERCIO.
ALFANDEGA
.endimenlo de dia 1 a 27. .
dom do dia 23.....
1,223:711*664
41:6321775
1,265 344*439
MOVIMENTO DA ALFANDEGA
'oluraes entrados com fazendas
dem idem com gneros
'olamos sabidos com faxendas
Idem idem com gneros
637
568
----- 1205
221
312
533
Descarregam boje 29 de dezenthro
Barca inglezan-np/nna-^ercadonas.
Kscuna dinamarqnezaAdelaide idem.
Brigue inglezlfrybacalhao,
Brigue inglesMathildebacalhao.
Patacho inglezIdafarioba de trigo.
Brigue inglezCambnon Reliediversos goneros.
Brigue portuguez Triampkodem.
Jumaca hepanhola Ignacilavinhos.
Brigue inglezEdith Mary diversos gneros.
Brigue americanoEcho farinha de trigo.
Vapor inglezAUtambrfazendas.
4b.GEBEDOHIA DE RENDAS INTERNAS E-
RAES DE PERNAMBUCO
(endimento dn dia 1 a 27. 55:479*228
dem do dia 28....... 2:994*015
58473*243
CONSULADO PROVINCIAI
\endimonta do dia 1 a 27. 169:486*414
dem do dia 28....... 12.870*528
1W:056*2
MOVIMENTO DO PORTO.
Navios entrados no dia 28.
Para o portas intermedios10 dias, vapor daflo-
nal Paran, de 8W toneladas, com mandante Jpo
A cmara municipal desta cidade tendo dc-
eontratar o forneciinento das caderas_ que forera
precisas para o proetsso de qualitiesgao na tercei-
ra dominga do mez de Janeiro prximo vindoun.
convida aos fomecedores delias a apresentareio
suas prapostas em carta fechada, no dia 22 do
corrente, indicando logo o menor prega porque for-
necem cada urna diariamente.
Pago da cmara municipal do Recife 15 de de-
zembro de 1869
Ignacio Joaquim de Souza Leo,
Pro-presidente
Francisco Canuto da Roaviagem,
Secretario.
A cmara municipal desta cidaie, lendo de
proceder nos dias 26 e 28 do corrente, no pn-
neiro apuragao geral de votos para um deputa-
do aasembla cral^ legislativa pelo primeiro d;-
Iricto desla provincia, c no segundo para os nove
inembros a assemblca provincial pelo mesmo dis-
tricio, convida pelo presente c d conformidade
com o que est disposto no 12 do arf. 1 do de-
creto n. 842 do 19 de geterabru de 1855, e art. 25
do decreto 2,621 de 22 de agosto de 18G0, aos elei-
tores dos callegas que eompSam o mesmo distric-
to, para assfstirem a referida apnragio nos men-
cionados dias.
Paga da cmara municipal do Rcefc, 22 de de-
zembro de 18GJ.
Ignacio Joaquim da Souza Leo.
Pro-presidente.
Francisco Canuto da Boa-vagein.
Seraytario.
2.a saceai.Secretaria do governo do Pernam-
buco, 20 de dezembro de 1869.Pela 'ecretaria
do governo se faz publico para conheciinento do
quera interessar o elital abaixo transcripto do juiz
municipal e Je orpbaos do termo da Escada, pon-
da em coocurso a serventa v lalieia dos oflicios
de partidor e deatrbuidor do referido termo, de-
vendo os pretcndenles apreseiilar sua^ peligoes
devidaraento instruidas na forma da loi no praxn
de sessenta di is a contar desta dala.O secretario
Dr. Joaquim Correa de Araujo.
iuspe<
AVISOS MARTIMOS.
Companbia americana e brasi-
leira de paquetes a vapor.
At o dia 1 de Janeiro esperado dos porto
solo vapor americano South Amer, ddt-
aois da demora da costume
York, tocando no Par c S. Ti
e passagens trata-se com os ag
A'C, ra do Commercio n. 8.

VICE-CONSULADO DE ESPAA EN PElNAM'
BUCO.
En virtud d6 lo quo dispone el artic." 10 3o de-
ja convencin eonsn ir, celebrada entre los go-
biernos dol Brasil y E-paa, en 9 de febrero de
1863, el infrascrito, vire cnsul do Espaa cu
e>ta provincia, ha > pdbtiCO ipiioin interesar
pueda, qne en el dia 23 del que corsa, falleci en
esta ciudad el subdita e.-pal'D. Antonio Mon-
serrt, El vicecnsul de Espaa, Juan Bnson.
Pernambuco 28 de dici.-nilire de I80.________
VICE-CONSULADO DE HBPANHA EU PER-
H1MBUCO.
Em observancia do que dispde o a:'. M) 3" d.>
eoovancjo consular, celebrad entro 03 govojtsos
do Brasil e da Hespanha, em 9 de fevereirn de
1S63, o infra.'-cript i, vice-ci nsul de Hespanha nes-
la provincia, faz publico a quera interassar possa.
que no dia 2J !a corrente falleceu nesta cidade o
subdito hespanhol D Antonio Monsorrat. 0 vi-
ce-consul de Hespanha, JujnBuson Peruambuco
,28 de d"zeiiL)io la 1869. *__________J____
c!ao do arsenal de
marinha.
Face pnbli o s!e ordem do Exm. Se, inspector
que os dias 23 o 30 do convuto mez, 2 3 de Ja-
neiro prximo vindouro esta venda era basta
puidica, na porta doalmoxarifadodesn r-'parhg.v,
das 11 horas da manba ao meio dh, o casco da
barca quo servia de quartel a cnnipanhia de
aprendizes marinheros, avahado com osobjectos
fixos em iuinhentas mil res.
Inspecgla do arsenal de marinha '.: Pemanihu-
co, 24 do dezembro de 1809.
O secretar.'1,
Ale'xandre Rodrigues dos Anjos.
TribuQiil do c mmercio.
Par esta secretara se faz publico que Acara re-
gistrados :
A escriptura publica de contrato do socedade do
ilermrao Ferreira da Silva e Joaquim de S tuza
Miranda Cauto, estabelecidos nesia cidade com loja
de onrives c podras preciosas, sob a lirmade Cou-
ta & Silva, e o capital do 8:000-1000 farnecidos
por ambos cm obras o movis.
O contrato de sociedadt de Betc!b.'\ Araujo A
C. e Plintos A C firatai soches estibeieoidu nos-
ta cidade cora estabi'leci mentas de compra e venda
de mel e agurdente, cora o capital de 32:0005000
fornecidos por ambos.
Secretaria do tribunal do commorcio de Per-
nambuco 23 de dezembro do 1869.
Servindo do nfllcial-nuior,
Regn Rangel._________
Correio geral.
Relago das cartas registradas vindas do norte
pelo vapor Paran para os senhorc, abaixo de-
clarados .
D. Anna Olimpia do Campos, Atianso Octaviauo
Prato Gpi nares, Dr. Aprigio Justiuiaao da Silva
Guimaraos Dr. Antonio de S aiza Cirne Lima, An-
tonio de Souza o S. Dr. Boa ventura Jos de Cas-
tro, D. Carlota Angusta de Figuoiredo Belforf,
Emilio Torres- A G (Italia), Dr. E-tevaa Cavalcan-
li do Albuqoerque, Eduardo Frederteo Banks,
Elias Pereira frmgalves da Cunha, Fernandos A
Iruio, desembargador Francisco Domingnes da
Silva, Dr. Henrique Pereira de Lucena, Jacintho
Pereira do Reg, Joaquim .B. de Mondonga, Joa-
qun) Marques dos Sanios Souza Mello, Jos Bau-
deira de Mello, Jos G mcalves da Cruz, Dr. Lu/.
Lopes Castalio Branca e silva, Dr. Manat Buarquc,
de Maeedo. ileMerico Araripe de Parias.
;'
l
r
'?
/-!

i


-n>'-^>?i-sr--.i".-'
''<*&'.*V!f>;'t?*z




mlbh
Diario do Pemambiico -^Barra **-
Para Lisboa
A %aren '* devora se-
m 9 Itordo par-
le da caru '- m Oliyei,
-Filhos & C, a ton rpo Samo D. '.', i
andar, ou i:uai o capitn na praca._____
Rio de Janeiro ~~r
Jara o referido porto pretende sahir cora nroita
brevidade o brigue orasileiro Adelaide por ter par-
te de seu carregamento engajado, e para o que
lho falta eescravos a frete, tratase com o conng-
atarlo Joaquim Jos Gonealves eltrao, ra o
Coinmorcii' n. kl. __________
.MFANH1A IM5UNMBUCANA
fe
XaTegco costelra por vapor.
Parahyba, Nata', Macao, Mossor, Ara-
PORTO
Pretende sahir era poucos aiasa harca port-
nn i r ter a maior parte do c.trregamen-
m nrompto: para n resto <|ne llie falla e passaget-
ros para os quacs toni bons commodos, trata-se
com o consignatario Joaquira Jos Goncalves Bel-
tro, roa do Trapiche n, *? :
COMPANHIA PERNAMBlltANA
DE
Xavcgaco costelra por vapor.
Macei escalas e Penedo.
O vapor tiiqut, commandante Cos-
ta, seguir para os portos cima no
dia 31 do crrante as 5' horas da tar-
de Hccebe carga at o dia 30, encommendas,
pagronse dinheiroa frete at as 2- horas da
tarde do da da sahida ; no escriptono do, Forte
do Mattos n. 12.
Ibello'bairrosdestaciddMomando-osememjnto Irmaidilde O- DVllO iSp-
ipr tnellir.rrs ira- Knropn, e rapaz de fazer cm bre-
vo tempo a firtann iiulependente de aem pos
por-se a testa do mesmo o que rito pode r.llU'l' I'" --..i.................... ..Lr^i dxiiua firw n rito Suato.
'EmPRESTIMO
o'uitlmn potMiijol por (aka de Mude. ]'-,,f3'11" *' ,-j ,, ,|,ra de-qfie carece o seu tem-
icomo intil seria enumerar todos i art:g.)=.,uicu- '. devcf. e-(0 ,nnt0 mm ^,-0,0, quanto ihe
Isilios e mais accessotios mdispensaveis, que cnn- CUMipre dir r.#0 a0J Slls.rinios e mata fiis, no
tm um tal eslabelBcimenti, .^._| 8",;?,,,' (en,i,)0 de solicitar suas eoadjuvacoes, afim de
lusa>e>ia empreza que
quanto a rmandado
caty,
Cear, Mandah, Acarac e
Granja.
O vapor pnjura, commandante
M ijra, seguir para os porto*
cima no dia 31 do crrante as o hora;
liecebo carga ate o da 30, encom-
D passagoiros e dinheiro a frete ate a?
5 horas da tarde do dia da sahida no escrito-
rio no Forte do Matts n. 12. '________
di tardo,
mentas, e
COMPANHIA PEUNAAMBUCANA
DK
XaYegaco costelra por vapor.
Mamanguape.
O vapor Mandoln, cewwawdnnt Julio, seguir
para o porto cima no dia 2S tjo orr-nto as b
horas da tardo. Recebo carga, encommendas,
passagoiros o dinheiro a frete at as 3 horas da
tarde, do dia da sahida, escriptorio no Forte do
UailO n. 12. __.____
Vende-se 0 patacho nacional Palma, forrado
do cobre, prompK. a navegar, cojo navio chegou
ha pouco do Rio Grande do Sttl com earregamen-
to do carne secra, a so aclia fundeado no tncora-
dutro respectivo, aonde pode ser examinado poto;
pretndeme* : a tratar com Jos Victorino de I.e-
zcttdo & G, rita da Caileia n. 52. 1 andar.
tm um tal osiar>eiecuiiem-j, wm -"---;: sentido de ollieitar suas c
costosos mrthorameneo de encartamenios rt tigiu habi)i|ar.sc a ., com,|115-
e de gaz incluidos no tote, sappoto q n-J men- d(i e|evjul> Iinc a
clonados estes no inventario respectivo emmaoai dQ diimmjo bHcCi 0 ^......t a.....------
agente, e para cujo exame sao provian}* despendeu com as obras que toram necessanas
vtdados os pretendemos at o da uo itn.10, v> liapa a r(!Conci|ac30 0 nesmo templo; c para que
ter lugar elle fique condigno di magostado da casa do So-
SEXr.t-Fff/i.1 .vjjrf-nirt nitor, e digno do povo do imparto da Santa Cruz,
ao meto da em ponto, no indicado e>.u"ueL""ij' preciso se f*z de oulros recursos atoi dos
advirlindo-sc a vantagem d garanta 110 arrui. ordinariamente "cst. cornoraeao podff dispor.
ment da casa pelos annos que tallain a aecun. 1 para proi)1)la execaeii0 das-obras, a deficiencia
________ dmelos seria motivo'suflkiento para desanimar
AVISOS DIVERSOS.1
OIiIiGIO
Porto.
Rio Grande d Sui
O pat?cho nacional Hemfica propSe-M a seguir
viagem atj porto tetan em duci ; das, por laso
reeobe carga a frete commodo : trata-se cora BaJ-
itrnr Oveira & C, ni do Vigario n. t. 1
Segu com brevidade a voleira e nova barca
portiiRuea Uolina, pan carga e passagetros,
para os quacs lem excellentes commodos, tratase
com os consignatarios Antonio Lutz do Ohveira
Azovedo & C.: rua da Crtu n. 37 1 andar.
Para Lisboa
tem de partir cm breve o bem ccnhcjido lugre
porluguez Julio, de superior marcha : para o res-
ta da carga c passagelros, trata-so com os eooflg-
rimarlos TbOHMI do Aquino FOOMBa & L,., rua uo
Vigario n. 19, 1 andar.
Para Lisboa
A directora desse collegio, Josephina Benymija
da Cunha Sonto Maior competentemente habilitada
pela directora geral da instruecao publica, avh-a
ao respeitavel publico, que acha-so sen collegio
ealabeeeido rua da Impcratriz n. 63, cuja ma-
tricula abrir-se-ha a 10 fleJaneiro prximo futuro,
e offreco seu prestimo aos pais de familia, asse-
verando-lbes scus bons desejos, quer a respeto do
ensino, quer da educaca de suas Ribas. O pto-
gramma dos estatutos leitura, escripta, amme-
tica, svsloma mtrico, litigua nacional, franeez,
geogra'pliia, msica vocal c piano ; para o que
baver professoies e professoras cDinpetotiteineifle
habilitados. Tambera so ensinar bordados, llores
do varias quali lades, inclusive as de coYa^Mlansa.
ilhade S. Migue.
A escuna Pit Das salto com a maior brevila-
de, e para o resto da carga e pass.tgelros, para os
qaae* tem bellos commodos, trata-so com o sen
consignatario Joaodo Rogo Lima, na do Apol-
lo n. 4.
Hlo Para o porto cima pretende seguir com milita
brevidade o brigue bras^eiro Isabel, caqitao Jos
Marques Viamta. por ter parte da carga engajada
e para o resto que Ihe falta trata-se com o< con-
signatarios Antonio Lulz de Olivcira Az vedo & C.%
rua da t'rnz, ti. 57, < andar.________________
Maranhao.
Tara c porto cima pretendo wfcir com muUa
brevidade o hiato brazilelro Jown Arthm; capttao
Traiann, per ter parte da carga.engajada e para o
resto que Ihe falta trata-se tata 08 consignadnos
Vntonio Luiz oe Oveira Aievedo & C4, rua da
Orat, n. 57. i. anfer. ._,_____________
pretendo seguir c.im a maior brevidade o patacho
porluguez JfartaitM II, recebe caiga a passaget-
ros. a quem olTereee os melhores commodos : tra-
ta-so com os consignatarios Thomaz de Aqmm:
Konseca A C, rua do Vigario n. 1 i andar.
ParaoP rto
eguir cem a posslvel presteza a barca portngue-
za Harmona, do I" marcha, para o que tem gran-
de parte de sua carga engajada : para o .restao
e passagoiros, trate-se com os consignatarios tilo-
ma? de Aquino Fonseca & C, na rua do \ igana
n. 19, 1* andar._________;__________._____.
Porto por Lisboa
Com a maior brevidode vai sabir para os refe-
ridos portos a barca portugueza Claudia, de pri
melra marcha e primeira classe, por ter a maior
parte da carga prompta, e para o resto que Ihe
falta e passageiros, trata-se com os consigna-
tarios Veras & Barbedo, ao caes da airandega ve-
Iha n. 2.
7
PARA'
Em poucos den aere eatar aqu, pncedente dos
Estados-Unidos, o brigoe Katie, que if gira ao
porto achia ;. recebe carga e fretes commodos :
a tratar com Tasso Irmaos.________________
COMPANHIA PEUNAMDUaNA
DK
Nccvegagdo costeirapor vapor.
Voo de Gallinhas, Rio Formse e Taman-
dar.
O vapor Parahyba, seguir para os 'portos ci-
ma no dia 31 do crrante, meia noite. Recebe
carga, encommendas passageiros, edinheiro a fic-
to no escriptorio do Forte do Matt 3 n. 12.
M4C4T1
Segu nestes (lias o palhabote Snbrakn-
se, ainda recebe alguma carga frete a tril-
lar com S Leitao & IrmUos, rua da Mi-
dre de Deus r. i. _____
Joaquim Antonio Rodrigues, Bazilto (.ornes 1 e-
reira, Ehza Amella Gomes Pereira, Silvino Anto-
nio Bodrlguos, Felicia Jezuina Rodrigues, Hora
Jezuina Rodrigues e Mara Jezuina Rodrigues, es-
posa, filhos entcados do D. Mara J3M Gomes
Rodrigues, agradecen! cordlalaiente a todas as
pessoas que se dignaran) ir a igreja c acompanliar
ao cemtterio publico os restos mortacs daquella
sonliora, o ao mesmo tempo aproveitam o ensejo
para convidar as mesmas pessoas, seus amigos, pa-
rantes d'elles e da fallecida, para asstsltrem a mis-
sa de rquiem, que no da 29 do correte mandara
celebrar na matriz de S. Fr. Pedro Goncalves, as
7 horas da manhaa, pelo repodo eterno damas-
ina senhora ; pelo.quo tambera antocipam desde
j seus sinceros agradeciraentos.
Prente Vianna & C avisara ao eommercio
desta praca, que a Sra. viuva D. Joanna Baptista
de \zevedo Vianna, desle 30 de novombro prxi-
mo passado deixon de ser commanditaria do sua
casa, retirndose paga de sen capital e tnteresses,
como consta de escriptura publica celebrada as
notas do tabellio Almei la, em 20 do crrante.
Recife 2i de dezemhro de 1869
a mesa regadora, so ella Din reconlieccsse que
o indeferentismo religio "do Crucificado anda I
nao o lypo caracterstico da popnlar;ao pernam-
bucana, nutrindo por isso a tatls robu-ta espe-
ranea na suliieito cV'sejada.
E, pois, aeham-seencarrega&ispara solicitaram
as precisas esmola-, na ft egnezia de P. Fre Pe-
dro Conealves, os Srs. ...
Manoel do Azovedo Andrade, Francisco Ignacio:
Pinto, Jos Guilhernio Gnrrawaes, Thomaz Fer-
jiandcs da Cuaba, Jos Fenvmdes Lima, Antonio
Lop Braga e Manoel Jos de Oliveira.
Na freguezla de Santo Antonio, os !>rs.:
Thomaz Fernandes da Cunha, Custodio Jos Al-
ves Gnimaraes, Antonio Augusto dos Sanios Por-
to, Antonio Francisco dos Santos, Manoel Goncal-
ves Agr, Domingos Jos Antuues Guimaraes, Jos
ogueira de Souza c J^s Fernandes Lima.
a freguezl.t do S. J., ns Sr.:
Pedro Jos da Costa Castello Rranco, Jos Jo;
quim ta Cuqlia, Francisco Moreira da Costa, hm
Rom llamos do Oliveir;., Jos Ignacio Avilar, Jos
da Costa Babia, Antonio Joaquim de Almeida (.ruz,
Joao Ignacio Soarcs do Avilar e Manoel Jos Lar-
neiro Pinto. .
.Na fregoeiia da Boa-Vista, os Srs. :
Joaquim Ignacio Ilibeiro Jnior, Joaijuim Pi-
nhelro Jacomo, Manoel Luiz da Veiga, Francis-
co Bclarmino dos Santos Frailas, Francisco Jos
do Uouto e Joao Francisco Paredes Porto.
Recife, 20 le dezembro de 1869.
O escrivao,
'.ni; Epiphnnto Mauricio.
(SEM LIMITE.)
Na tnvessa da rna
das Crazcs n, 2, pri-
I meiro andar, da-se qnal-
qner qasma sobre onro,
prala c pedras preciosas.
0 dono deste ostabelecrmento,
competentemente autorisado pelo
governo, est as condic5es de ga-
rantir a transacc3o que so zer em
sua casa, prometiendo todo e zelo
e considerago s pessoas que se
dignaren d honra-lo em seu esta-
belecimento.
Na mesma casa compra-se ouro,
prata e brilbantes.
Aluga-se
o 3 andar do sobrado n. 8 i rua" da Impera* :
a tratar com J. I de M. neg, rua do Trarat^
n. 34. ________i
ESCRAVO
Precisa-sc alugar um escravo. das 8 ho-
jas da manhaa as 5 da tarde, na roa da Cn
n. 40, 4 andar._______________________
Methodo Castilho.
Secundino Jos de Faria Slnioes. professor par-
Hcnlar de instruecao elementar pelo methodo Cas-
tilho, avisa ao respeitavel publico e com e'P6"*"
Mdade aos pais de setu alumnos, que no dia 10 de
ianeiro est abena sua aula na rua da Penna n.
25 1- andar ; aonde recebe, pensionistas por pre-
eo commodo. O mesmo professor promette moito
se esmerar no adlantamento do seus aloraos.
fi
alogar urna sala e alcova para um moco solteiro,
rom entrada independente para qualquer hora :
na rua do Imperador n. 46, 1- andar, das da
manhaa as 3 da tarde.
Precisa-se de urna ama para cosinhar
na rua do Queimado n. 34. _________
Precisase de urna ama para duas pessoas
aa rna Augusta n. 7i^____________________
Ama
Precisa-se de urna ama para c?a de duas pes-
soas: na rua de Hortas n. 120. __________
Preeisa-se de quatro trabajadores de mas-
seira ; na rua da Senzala-vclba n. 84.________
Porto.
Vai sahir breve a barca Laura para carga e
passageiros, trata-se com os consignatarios Cana,
lho 4 Nogueira, na rua de Apollo n. 20.
0
sahir com toda a brevidade o palhabote portu-
ruez Villa-Flor tem a maior parte da carga en-
cajada : para o que Ihe falta, podo tratar-se com
David F. BaJtar, rua do Brum n. 92, ou com o ca-
piao do mesmo navio.
LEILOES.
Aluga-so nina casa cm Apipucos, na estrada
one vai para o engenho Dous Irmos, co n 2 sa-
las, o quartos, despensa, cozinha e quarto para
escravo-: a tratar na rua dojrapiche n. 20, ou na
rua Nova.em Apipucos, n. 5,6.
Aluga-se
a casa terrea n. 2 na rua do Socego (Campo Ver-
de) : a tratar n rua do Rangel, taberna n. 7.
IMPERIAL
l D9 81 .
O bacharel Antonio Colnmbano Scraphtco de
\ssls Carvalho hoje o proprielarlo e director
desse instituto. Prehndendo dedtear-se exclust
vamento, e com todo Mloesoltcitudo aos trabalhos
proprlos dessa profis.-ao, espera que os paos dos
actuaes collegiaes o hourarao com sua cotinanca,
c bem assttn que acolherao o seu estebelecnnento
aqdelles que precisar;m de collegio para educacao
de seus filhos ou pro egidos cortos de que o ac-
tual director se esforcar nao s para manter o
bom nomo e crdito, que desde muttos ap.nos goza
o referido Instituto, como tambem para imprimir-
me novos melhoramentos. '
No da 7 de Janeiro do anno vtndouro tera lu-
gar a abertura de tolas as aulas de instruyo
primarla e secundarla.
lli
o 5 o S.
c <-
_ o
I a
ui es
10
b -i p o B B
c SL
CA
O O
> 3 d
S-- P5

Ainda nao fot possivel vencerem-se os j
trabalhos de acabamento da PHOTOGHA-
PHIA IMPERIAL da rua do Cabug n. 18.
os quacs s estarlo terminados no dta 7
de Janeiro de 1870. |
Pedimos indulgencia e paciencia aquel-
las pessoas que se tem dignado esperar
que principiem os. nossos novos trabalhos
photographicos para se fazerem retratar.
Recite, 12 de dezembro de 1869.
J Fer reir Villela.
,<*>
c

o|
I.
2
o
9 >
y.
m
gI>a
v> o a a O
o
ti
=.Fo
LEILAO
da muito acreditada confeitaria e conjunta-
mente o afamado Caf Francez, site
rua da Imperatriz n. 15, a 31 do cor-
rente.
O agente Oveira far leilao em nm so lote, do
grande estabelecimento supra, mobiliado e ador-
nado, com tudo quanto poda torna-lo admirsvel
como apraslvel aos concurrentes n'um dos mais
3" Sf=?w
2 3 co a
u>
Precisa-se de um enado copetro para casa
de hornera solteiro : a tratar na rua da Cadeta do
Heclfe n. 40, Io andar.
Ama
Perdeo-so darmnmperial at aSoledale urna
letra da quaniia de dols contos doris accetta por
Antonio Goncalves Forreira e com recibo no verso
de paga de duzentos o vinte dois mil res em se-
dulas, a pessoa que liver achado e qutzer restituir
derija-se a rua da Imperatriz n. 34 a fallar com
Jos Faustino de Lomos o com o aceeitante na
villa da Eseada a quem pertence laes objectos, que
sera, bem recompensado.
Koife 23 de dezembro de i8b'J._________
Praciaa-se alagar urna escrava de boa con-
duct, para algn* servicos domsticos de urna
c.-.sa de pouca familia e andar com urna enanca,
naTua do torres n. 42.
Precisa-se de urna ama para cozinhar
do Queimado n. 12.
na rua
_ Precisase de urna pauoa !"?"
nma caria de joiasdas nove horas da manhaa at
as tres da tarde, paga-sebem : quem t.ver dtnja-
so a rna do Cabug n. 9, lo]a de relojoeiro.
BJ ___ ^
e?8S
B 3-
Q.2S
6 -i
a. ^
eren -i
O (O
o r.
No escriptorio da Gompanhia Pernombu-
cana precisa-se de criados copeiro3 que te-
nham boa conducta. ________
Ama.
Precisa-sede urna ama para cozinhar e comprar
para casa de pouca familia : a tratar no pateo do
Paralzo n. 1, Io andar.
Na rua velha da Ba-vista n. 17 ha um cna-
dlnho escravo de 12 annos para alugar-se e ah
tambem ha quem engome e lave com perfetcao e
por preco commodo e cora brevidade.
Precisa-so comprar urna escrava de inea
idade : quera ttver e quizer vender, dtnja-se a
loia de calcado da rua da Crnz n. 21.__________
Precisa-se de urna ama de leite, e de orna
- Precisa-se de urna ama de leite sera til lio no
pateo de S. Pedro, n. 3.____________________
Aluga-se tira sitio perro da cidade, com com-
modos para grande familia : a tratar na rua d;
Imperatni n. 72.
so a rna oo ,auu^... .i- --.-- ------ "ITpTedsase de urna ama de leite, e de urna
Irmandade de N. S da Con- ^^^vdecaga: no pat0dQ^
fieiCaO dOS Militares, '-'Aluga-so urna casa cm ltnda, rua ao m
r. .ii n d.i 30 do corrente para a elei- Snccesso, para passar a festa, pelo precfl de o*,
^Sf fnnccionariS que de'em reger esta ,em 5 quatos eH3 salas, com slt.o c arvoredos ear-
?ao 0A 22 n^frnxmTanSo de,1870, em conse- regados de fructo : quem pretender dinja-se a.
?,S^&Pn?we5m;l numero suffl- rul Direita n. 66, no andar,.que achara cora
eS *firmaos no dia 15 do crranlo para ter quera traur.----------------------------------------
Joao do Bego Lima saca sobre a praca de lis-
boa rua de Apollo n. 4.___________________^.
Ama de leite
Preclsa-se de um ama de leite e que nao te-
nhi filnos : na rua da Concordia n. 13.
ugTrYmeaa geral. Becife 28 de dezembro de
O secretario,
Manoel Fonseca de Medeiros.
Aluga-se
I nm criado, um eopeiro e um rapia lodos es-
cravos e de boa cvnducta : na rua Direiu n. w
'l- andar.
EX POS IG A O
DO
DO
JAIME
-4
HIJA DO OUEIMADO W. 6, *. AWDAR
Nto i se .o que pelo prseme ,eo a hor. de con*r ao respeave, pof co desU cid* olTereceodo a.soa ***, ^ desde rom 0 me eoo.pie.o ,impho.
.K^dade^^a-aboradeeoOV:d,,asa,
'i'alheres tic alfenide.
licorciros c galheteiros.
scrvlco* de cha c cestas
para pao.
c'asticaes e palmatorias.
farros, bacas e escarra-
defras,
PoncMelras e balxellas de
mesa.
Artlgos para hoteis e cob-
feltarias.
Escrlvanlabas e palltclr
Candelabros s serpentina
Urnas para refrescos.
A
Na
c marcada em .aua j poia OUa wi>-~--------- --
por elles dotada dos aperfeicoaraentos mais importantes deste seeulo.
Urna duzia de colheres de mesa alfenide...... 20*000
Urna dita de garfos....................... fiSSi
Urna dita de facas..................
M*U^*.^
( n. 0. eo~ ,^ co. essa ^^^^-J ^ Sb^T'^08 VS**, *. *.
TinbeBvendOM"8had8me,borem. PORCELANAS FINAS
A Miiliet Fils t Cj-'t ll representan^ i rlp no Bio -le Jar-i-, a do* o...i vps.
infinirlatie de artigos de crysUi!, nao s para uso domestico, como de phantasia;
I UWfl


m


p).

lio de Petnambuco Quarla feiril 29 ^ d^^j^ de {fm
BASTOS
mmesct^f^^F^ 1uatllidade ,,as vertirs niactoas americana.
jara oescarocaragodao de todos ossystemas e tamanhos seguintes:
42 serras ^ 12 serras
14 dtlas a ditas
5 ditas b dilas
d|las 10 ditas
d'tas 18 ditas
dibs 20 ditas
dtUs 22 ditas
**as 30 ditos
*tas 35 ditas
ditas 40 ditas
as paca se vendem por procos commodus e roga-se as pessoas que dellas faera en
-S"a^- -,guuns tamanl,os- obsequio de as maudarcm busca-las o mais breve pos
vet atan de nao baverem faltas. F
RA DA CADEIA N. 56 A
DAVID WILUAM BOWMAN
Parlecipaaos senhores proprietarios de engenhes, que acontecendo faitrr-lhes
.goa ou ammaes para a moagem durante a prsenle safra, elle tcm vapores promptos
para sentar, sem precisar de obra nova ou demolido de obras existentes, e que
pode botar taes ngenhos a moer oito dias depois de estarem as pecas do vapor no
aogenho, garantindo-se o trabaltio. ^ F
Fuudk;ao, ra do Braro u. 52, passando o chafariz.
16
18
20
22
25
30
as
40
J. Rhigass, successor
55Rua do Imperador55
' Nesta anga e bcmconhecida casa, encontrar-se-ha comooutr'ora aranda sor-
taemo Je pianos construidos expresamente para o clima deste paiz, e Mr.J. R|.?S8
Jeteo trabalado mmtos aonos na cflnstrucco de pianos em Pars, acha-se habilitado
preparar os piauos que vende ora lodos os accesorios indispensaveis nao s sua
JOU'lez, como sua duracao. Todos os pianos sao garantidos.
_. Tambem ba noste estabelecimento, grande varledado de msicas novas e dos
Chores autores, tanto vudas de Pars como do Ro de Janeiro, que se vende mais
arato do qns em ouira qualquer parte ; assim como ha igualmente venda todos o<
ojotos necessanos a contrurcao do pianos. Os concertos e ainacoes de pianos seria
ledos com o maior zelo e cuidad.. fmrm *
I'cde-se aos seguintes senhores, se di<-
m'in comparecer na teja do l'asso rua do
Crespo n. 7 A. a negocio do seu particu-
lar ir.Urcsse: .
Antonio Pereira dje Souza
Bichas haraburgnezas
Neste novo aposito recebo-se por todo* pamie-
eMransianticos.bixas de qiiald;ide -uperior vn-
dese tan caixa oa porcao mais pequea e mais
tiara 10 rtc que qualquer cuta parlo ; na nra da
Cadeia-do Hecire n. ,H, 1 andar.
Advocacia.
Carolino de Lima Sanios, (oOlho)
bacharel em direito acha-se a rua *
estreita do Rosario n. 23 onde pode 8H
ser procurado das 9 horas da ma-
nha s 3 da tarde.
Ama
Precisa-se de urna ama livre ou escrava para
c<*inl>ar, paga-so bem : na rua da Cruz n fifi
Peniambuco & Excelsior cric-
ke< clubstheletic sports.
Tu le hel.J at S' Amaro 6'" january 1870
*<, ^ i ,- op<'" ,0 "ll-omers.
- 1 <;s H,,i nace (entrante lOOO).
U. : Jump. j *^ '
'" YanfcSMJE Hace. d\
I':;:mglM Weighl. a,
'' V ida ilurdle Hace. j'.
'' TaiJ* Native Hace. _
..J:^?, .. (entraen iJOOO).
' v "T,,reeLeggedeRace. d..
Nl V.hl; Fiat Race-. .
r< v.inrr Cricket Rail. ,] o
>'-' ]:<- Wheebbarru Race. d'
JAI \.nds Ccnfolation Race
CASA FELIZ
Aos 20:000*5000
* Rccifc arco da Coucei^on. Z
Os abaixo as>ignados lendo-se habilitado ni
forma, da* tow, loo) exposlo a venda os seas feli-
ces biihetes das loteras do Rio de Janeiro, cacai
cima, aonde se paprio as serles que KtbMn
nos inesmos billietes, com o descomo somenw
08 1C1.
I'RECOS.
Rilhete inteiro 2i000
Meios 121000
. ,tnar'09 iOOO
E de 100* para cima a 22* o hilhet.
. __________Figoeircdo & l^ite.
^ahia luz a coiccfT
de varios rogulamentos.'de impostos altera-
dos c creados pela lei n. i'07 de 2 de
seternbro de 1807,
comprehendendo os de pessoal, escravos, indus-
mas e profissocs, sello (organisado alphabctiea-
menle, explicando cada acto a que sello est =u-
jeilo, se se dore empregar estamtiilha oti verba
no pnmeiro caso qnetn deve inntilisa-la), trans-
missao de propriedade, dizima de chanccllaria
emolumentos, multas applicadas fazenda publica'
abuces' e'" irppfiUl!lC0 d Cfrc de depusifs
notados com as
instruceSes e decisoes posteriores at a
presente publicacao,
r. Dor
Irancisco Augusto de Almeida,
i' cscriplurario -
da rerebedoria do Pernambuco :
vende-se na rua eslreita do Rosario n. 12, a 4
solte.tadores. negociantes e funecionarios pnblicos
a acquisica.) deste traualhn. Aqnelles que aig
naram e w> receberam promptamonle, podem re-
clamar na mesma casa.
Primero introductor dos po$o tubulares
instantneos; da Abyssinea.
( Estes pocos bram espalhados na Euro-
pa, tanto que, qualquer .duvida do seo
grande valor prattea dove desvanecer vis-
ta das grandes vanlagens.
Milhares de cxumplos mostraram que
ellos sao de gi :.nde utilidade aos industriaes,
agricultores e particulares; at em todas
as expedicoes_militares dos altimos tempos
foram usados para procurar sem demora
agua fresca e pura, o tanta quanta se pre-
cisa va.
Em todos os lugares, onde uin poco ca-
vado ou furado (pelo systeraa antigo)'daria
agua, pde-se empregar os pocos tubulares.
EUes facilitam adiar agna' muito mais
depressa, mais cristalina, mais fresca e
mais, barata do que por meio dos pocos
eavados.
0 sj-stema dos pocos tubulares o ni-
co pelo qual se possa obter agua perfeita-
mente pura, livre ce todas as substancias
nocivas e preservad de todas as influen-
cias athmosphericas.
dentmVlan^rr,riSCl!inarmi,,0SmpleS' consislin^ d'um macaco, impelle-se para
Tmt ZiTivZTJn tl' cu^extreraid^e inferior est turada e muSida
a bmbj e fw h fn'neeinnfr qf -S^a mSra "^ no mesmo **+" atarrachar
nnrrln \nL 1 7cuonar- Ao princquo a agua lera substancias arenosas o terreas,
^ O, .S 2J2Sy Cm PUC;' tem|, sabir a8na Patamente limpida. '
utres vaatagons que aprsenla este systema sao:
^v^s^eva^WJ!!^5SG eXeCU,a t0d;J a obra d0 lentamente, que
sL,.f i "22 uma hora' semremoco alguma de Ierra:
caa ^SSZiESSS* q"e e"e irere-Ce de scr *o omento collocado fra da
oasa comotambem.den ro da mesma. rom nao menor facilidade :
^^^^^r50^^3^ datWra ?W semoes,agar
Quarto, a grande quantidade d'agua que elle pode dar :
eos Ga^'a^nTrmt^la^T' "l?is coni pouco tr;,f,aill0> Pr delta os po-
sos cavaoos que roiam estragados pela anta ou por outras cansa,
versos tut,nsunLfraJrnn'C <,Iarit;,lade "8 P^e-se titroduzir na trra di-
tm inn i \ ^S ^ oalros Por meio d'um apparclho cuito imples
teiD?eS^^i^,n,e,,,6 ,"sadas' P**2 fornS bombas de
iwmpressao pata elp.\ar agua c conduz-la aos andares superiores.
iual^erS5^nd>PnCOSitUbUlar03 t.800 U'd pr0veit,so aos fazendeiros, que em
^sssss^s^se'os podcm collwar arranca-ios para *-
todos^sS'L E2 fm Sei^s e te nV ? ^ I Cmn csPecialida<]e empreiteiros, arel, ledos, e*-J
lf^^mS^li9l PreCK,am de lu;,,,lidade d'agua por tempo determinado.
falS ,, '2'!ra bter Cm 1I,KI,|U,er Pnrte qne seja livre de pu-
SAmA! ProTCilos. aos propriclarios de casas e jardins, tanto
para o uso mano como para regar as plaales e capim.
nJSSSP 1 lmliTJV>Trm l!L""'iff com suas encommondas de nos
ca ios meo, L v^mTeP "^''^V? acha 3 a",ia> SSete^r^ftSi^nrjL!^ em T'e especie de carnada se ada a agua
naquene ogai fnan.mentc a qnantidacb d'agira que se pede or hora
i* a SStoJStr *"? d Cmpr:,d0r ^^ndose porm a empre-
^TPf.^^{^^SCS -^'b^ -nvenSo-
os VSabnToeoCacZnlrdlmartlar ,",n:' psS,a ^^ na coI,oca^ d'^* P*
Mas para os lugares lontjmqiios qualquerpessoa hbil ou artsti-
ca podtra colloca-las sem embanco, singmdo-se nicamente as ins-
truccocs que actmpanham as referidas bombas.
tmJm. feI., funccionar a rua da Horent.na, fabrica de cerveja n. 20, cm Bebente m casa d Sr
major Antones, no Caxang no hotel Juo 1 ?onto e no SriTT saTatS
Para encommendas e mais esclareeinicntoa a respeito
]. Germann; roa Nova n. 21.
SESEES
GUSTAVE
CABELLEIREIRO FRMCEZ
olEua da Cadeia do Secife51
fi
DarawanteflS0!? i8ea8 Dnumer os fregnezes, e do respeitavel p-ublico e*
E bantn ITl UbQ]}a dos Preco de casa, os quats sao vinte por ceS
mais paralo do que enuoutro qualquer parte: '
Cabelteira. para senhoras a m, Cadeias para relogio a SI. '
Ditas para homem a 33.5, 400 e 50000o'
32? M*' m' m W*> '"to de cabello, .
230, oO0 e.....500000
Crescentes aJ20,150,180,200, .Curte de cabello eom fricte. .
250, 300 e 32^000 Corle de cabello cora lavagem a
Cachos ou crespos a 30, 40, 50, | champou. .
60, 70,. 80, 95 e. 100000 Crt (ocabelloconilimPez da
Tranca de cabello para annel a j cabeca pela machina electri-
000 e. .... 10000 ca, nica em Pernamboco. .
Tranca para braceletes a 100, Frisado ingleza ou franreza
150, 200, 25 e 3O0ooo Barba. ,
_ ASSIGNflTURAS MENSAS
Jispecialiclade de penleadcs para casamento
A Bailes e solres
O deno do estabelecimento previne s j Recommcnda-se a superior TINTURA l"-
Esmas. Sras. e aos cavalheiros que ba um PONEZA para enegrecer o cabellos e bar
salo para tintura dos cabellos e barba, as- ba> unica admillida na Exposi'co Dnweraal
sim como um empregado smente oceupa- g? ?,SdLcla!lnMd5' po,r Sfr T
do nesse servicn analysada e approvada pelas acade.
nesse semeo. mas de setencias de PARS E LONDRES.

15000*
50
50
1000
50
25
.
c

i r^, Lindf cassas ivncezas de cor 400 rs. o metro, na. taja das Collumnas
do Crespo n. 1^, de Antonio Correa de Vasconceltas.

r
a tmtaf na taja do Sr. F.
rjniiamvs to be made previous ln 4*L
' i.i > iiuuence punctually al 3,30 Pm.
anuary
W. G. Feniullu:
.asRua do Conxnercio.
Hon. Sec.
AVISO
es-
Alog.i-sc o segundo andar da casa da rua
do Amonm n. 21. no Recite : a Iralar na mesma
rua r. a2, armazrm.
_ Na praja da Independencia n. 33 se da di-
nheiro sobre penhores do ouro, prala e pedra*
Preciosa?, soja qnal for a quantia ; e na mesma
casa se compra e vende objectos de ouro e prata
e igualmente se faz toda e qualquer obra de en
i msn'a G 6 qualquer concerto tendente
CASA A FE.
Aos 20000^000.
-JtoSlforiS : rUa d CabU6 *'
Hotel Agui d'Ouro rua
treita do Rossrio n. 23
Xesie estabelecimento so contina a preparar
dorias com asseio e promptidao por preco
i-a mmodo. nao s para aquellas pessoas que quj.
a-rom mandar buscar, como para aquellas que ahi
liiiierem ir, ludo a posto e e intento de seus fre-
goep. E para garanta desla promessa basta
leinl.rar que a direceo desle estabelecimento cor-
ro por coma exclusiva do seu propietario Jos
_________________ Tasw Irmaos.
COSINHEIRO
No Caes do Apolo armazem n, 7, pre-
cisa-se d'um bom cosinheiro de conducta,
paga-so bem agradando.
Precisasede uma ama que cozmhe can
p rt.icm e seja ce bons coslumes, tambem se pre-
Mnpar urna etrnn as memas comlicOes
- iralar na roa p*o Vigario n.S, lerreiro andar
Correspondencia de Portugal.
Os abaixos a?signados previnem aos senhores
f,Znalnf HdC!'r ^retepneiro prximo
futuro em dnte a deslr.buicao ser fita no lar-
L mi po Sa"0' no caf Sr- Pestaa, onde
SLEfT* senhores assignantes msndarao pagar
desde ja a assignatura do auno prximo -quinze
mi res por 4 nmeros contado do numero
futuro i"! i4Pa,Ue,e d? ^ J^elro prximo
ruiuro ao de 11 do janeiro de 1871. Nmeros
avnfeos mil res. Os recibos s5o impressos e flr-
m,af.I!J!L01.abwxos.Migwdo. A dcslribuice
aquef-
Prerisa-w do urna ama de
*ar do Hispo n. 23.
leifo : no Corre-
oipanhia
EHOS^lBKOS
ATTENCO
rec.sa-so fallar com urgencia aos senhores
abaixo declarados, a negocio de seu interesse na
rua Nova n. 12, loja de fazendas :
Antonio Flix da Rocha.
Antonio Pacifico Siinoes o Amaral
Antonio Joaquim Fcrnandes de Azevedo.
Uento Gonc;ilv,s.
Gedeao de Souza Velho.
J"5o Chrisostomo SimSes do Amaral
loao Augusto de l.emos.
Julio Cesan Cavaleanti de Albuquerqce
Jos Rerrardino Pereira de Rrito.
Justino M riins de Almeida.
Joao Soares Pinto.
Joaquim Tarares Rodovalho.
Manoel Alves da Rocha.
I Rufino Martina de Almeida.
Roberto Gomes Pereira de Garvalhn.
9P"SSiP9
c _^x rss
s g srsr
O H *" o s B
BB?B.
9aSB.
'" B 2_S
5.B- Ia 2 3
5 S'- 9 N B
Grande hotel iranraz em
DO
A*
&m ; a* ouivjDa.
ctoria eio convidados
i pera no praao de
1 '' Janeiro
ma B*pr< : 5o de
0
Mo o enhorl
""f" 'segundo andar e sotao da casa da
raa Donia n. 112; *om rgnundat para rande
lia, fresco e com boa vista, (u0 dspenra a
i ATTENCO
I Va rua estrella d Rosario, "*sobrado de um an-
dar n. ">, preparam-se espolias ricas para paco-
ra?, e bouquels para offtrlas com fitas bordadas,
ludo de muito bom gosto e harato, enfeam-so
velas ricas para baptisados, e tem prompms para
vender-se por barato preco, faz-se bolos para
.-...=. .,:,BO, ^r; presentes, enfeitados, pudins e doces de todas as
"', mhnm hwd '''1Sauni porl5 1ue cu- !'? I,,dad('s' baDdas (icl"I<'s "os ^ varias qIIa-
ouz a um bom bantio e excellente. Inlades para casauentos o bailes, bouquets de era-
al o presente n3n i .Ii., J'. _Alug.i-
BENTO MACHADO ft C,
cios vpm riA nvl n?r^ n an,madafcom lo" accolh.mento qae teve cm seas annon-
mento d? hi?!! JJrtlc,far a ^ freguezes, que. acaba de receber um variado sorti-
^ 1 L n^ 8 n ? S qMes. Ser\ vendidos P'jr P^ muito razoaveis, poi
quando fez os seas primeuos annuncios, fo o que assemiron. e sem mdo d Pr-ar
SorrssoCnoIra l2? '^r n5reMM a uma -^" -m^rSaTta %?
S^mJSJ^^l0 VeDderPrpre?os ^niiraveis.-Ch3mapois aatti'-K
Cao ae seus rreguezes para os artigos que possa descrever:
nernlar/iCa?^ tm? ^ ^^ '^^ i Uffl vafiado >rtmcnts de charuteiras e
perola e tartaruga, propnos para missa. nallitoirm rio nni,,
GaraOnhas vaztas proprtaj para prsenles!paMmo$ de P^elana,
^pipucos.
O novo propWotario do aniigo holel de Apinncos
lendo preparado iodos es commodos para ervir
aos que procuran divertir-so nesle lugar avi=a
ao respeitavel publico que sempre lem prompto
todas as qualidades de comidas, bebidas, finetas
etc. etc., nao se incommodand os visitantes de=te'
ao.lecimento para ir tomar banho.'onge, por
coosa de gosto.
Indispensaveis Je palinba e de couro pro-
prios para senhoras o meninas trazer nos
bracos.
Binculos de madreperola, marfim e tar-
taruga todos esmaltadlos.
Cintos largos de setim, cousa inteiramen-
t nova.
Fitas de sarja de todas as cores e larga-
ras para Jacos.
Toucas, sapalinhos meias de seda o mais
pertences para baptisados.
Fitas com inscripcoes proprias para bon-
quet de noiva, '
"Ricos vasos com p do arroz.
Um .variado sortimente de jarros de por-
celana.
Tentos para roltarete.
Bengallas com marfim, cousa especial.
Sa bonetes de alcatro.
Cofres de folbas para dinheiro.
Lindas caixas para costura.
Um completo sortimento de luvas de pe-
lica,
Talagorce para bordar.
Um completo sortimento de enfeifes dc-
seda para vestido.
Perfumaras de todos os autores os mais
acreditados em extractos, pomadas e oleo*
e finalmente cidros muitos objsclos que nliv
e possivel mencionar ; mas com a vista s*-
certiicaro do sorlimento desto
. estabelc-
. Aguia Negra, rua do Cabug n. 8.
quem a p.ssoir do t-"ca?a no'camno oVra'nV i Z' """"''8.' ^Ji-se nao
sar amoaoia mJ"TESJ?" "M estfl anBOndo por mais dias.
lar na rua do Ibngcl n "" J-
nli.a as .T da larde. .
al o presente n5o tara aViMreciri"mm'n'nT;^il's''1"S0 u,,"a 5a8* cnm maitos commode,
or man rfiia \pvi>
-*- Lava .nnima-90 com perl'eico
na traversa do Jisimm v.. 10.
'* iro das II Loras da manbia
(' notorio da comianIiia.
brode II
Joaquii
jrio.
;s 2
Gratilica-so penerusamonte a quem trouxer
", ron Nova n. ;;, uma en-
corllevioho, tenJo os sanaos secuin-
:es : canda cert, doos signaos amarellos porciina
dos odos ao que ciamam vulgarmente matre
Co uma colhcira de mar-
ruado Mm um [afio
.,das'j horas da ma-J -fracasa de TIIEODORO CHIUST
\NSEW, rua da Crnz n. 18, encontram-se
.asertivamente todas as quadadesde viabr-
jgrdftnix, Boqrgogne e dn Rheno.
OlK>n>co-se um moeo nue sabe- psrrintnrar
* partidas degradas para'ajudanTo de g'Sa
livi
r
AMA
Precisase de uma ama livre ou captiva para o
soryeo interno o externo do urna casa de pnura
ramiua, pac-a-se brm, dando garante a sua con-
uucta : a tratar em frente a rua do Vigario n. %
armazem da mnihad
de S. Francisco ce-
Paula.
quem de seos prestimos preci.-ar deriia-so 71 Alu?a-?<> no Ia andar da rua d.> Inmerador
HlJLl?1""1 n M- in- > um *>'a esteirada, toado gaz o ouirs eom-
---------- ,jnnoos : atratar noraesmo andar, entrada pelo
BS4S de 2i do Nweml.ro. y
i ilu um ptqaio btd
tova n. 4C.
Attemjao.
a jerde superior em barris, ancorelas couj viaho do
1 rm,:i-re 3ll,gar un rseravo, dando o sen
.. sna coodtwia, pag>sa 30000: na
fta Prai, n. 7, jwdaria.
Por superior o malvaaa bnaco.
COMPAillflA Collegio
de seguros martimos e terrestres
omArfrpa"1l"a. dC SeUU^0J, F.','].tti(la,J,e es,abelda O bnclnrel Praacisco Josd Rabollo. eoOMCMte-
em Lisboa dsete o anno de 1833, o representada montektUlxin peladirecloria da inq.ucco du-
nd,iePel1' ababo assigna- blica, lem aborto um collegio para eduS nr-
dos, coro plefcautorlsaeao do govenn imperial, maria esecundaria do sexo mascvmio iKm
toma seguros a nsro maritlmo etrntia foao, em u> Barreiras n- 2. No roesmo colirio sepode-
panndMS jinscrever os alumnos -me pretende-
seiimo aune graluilo oiiando tenba seguro seis rem rrpqucnlar o cnr-o das ferlao no aual dV-
eo.isecui.vos. para tratar na na da Cadeia eialmcote se eosinarao as malerins Para os exa-
"lf n- ** ',>,, 1 mes na lacoldade ro mez de marco
Os agen les I ~~"-------------^------;-------------.--------------.
Feliciano Jos.'Geni'is. K'SfiPI'ntcTlll
Thoraaz Pernandes da Cunh.l ,, cn. n ,l\ J
-----------------------------_____________:_!!____ LaA'u?a"sc a Parlc (!a rrcIP ^0 primeiro andar
Na rua da Cadeia 11. 23 casa em cons- *? raa doJ"perador : a n-atar no mesmo s't-
brado.
truefo, of!erece-se y 1 boa cauca, e a~-^
podra?, escapate argamassa pm iogawMBTi6SgAf,Sl.F,*w,s 'aappare
arenosos 1 "'do Ci rro: aicuuios. I ao mesmo engenlio.

r
3
r^


i
11
/
Diario de Pernambuco Quarta. feira 29 de Dezembro de 1869
*
ARMAZEM
EXPOSICAO DE
60--RA DA CADEIA DO RECIFE60
o ,,-,, f*m flC'B*R NESTES das
. '. Pr'?Prictar.o des le cstabe ecimento tendo de partir|muito breve para os Estados Unidos e Europa, faz completa liquidacao nestcs das, para acabar : como
Rodos para camas e janellas cobertores ingle tes finos, calcado de pao, bijoterias d'ouro de 18, como resetas de brilhantes, neis, oalo. Jnelas, trancelins etc., apparelhos
*> netal lo mus fino que ha paraalmoco, bandejas etc., per/amaras de differentes fabricantes, differentes cainfaj, vasias con enfeites mn/io proprias para presentes, caixas
UmoM, ditas cosa pertences para costura, ferro de engomrar, nao sendo preciso carvo nem fogareiro, machinas de dciir batatas, dilas para preparar a carne para gui-
"r3'd,,a3 p3,'-a bater o>os e bollos, grande vanedade de porcelanas, como, vasos para toilette, apearemos para mesa etc., differeotes obyectos de vidro como seia: lustres e
(iibos para saltas. Unte-mas para cima de teosa, escarradores ete, uns excellentes cofres de ferro, espelbos de diversos tamannos da moldura dourada e preta, molduras
ra miadros. ricas caixas nara retratos, dilas. rnm rhe rn nmnriM mn nraonb ma!*B ,u /k,.* k.i-... j j:. r-,._____ ^___ F a
Aos banhos no Mon-
teiro.
Alugase orna pequea raa no flm da levada 4o
Montc-iro junto ao rio, no mellior dos lugares de
banho, coin 2 salas, 3 (fnartos e eozinha, o Mullo
perto da estafa do hotel, propria para monos sol-
taros : a tratar na, ti* nova da estrada d lama-
rao, ou no Rncife, na Nova, luja n. 7.
Hoya-se a quem aehou um litro de oracoes
em fraorrz, ero um do wag0es do raminho dcJ
O'j lh*elfe a Apiparos, o favor de mndalo
entregar na msa da roa da Aurora n. 50.
O Sr. r. Jos Cavaicante de AlDu-
queique Uclia, tem cartas nesta lypogra-
pliia
Aluga-se >
a parte da frente do primeiro andar da roa do
Imperador n. 32 : a iratar no mesmo sobrado.
-______
Aluga-se
o 1 .indar do afibrsdo da ra do Vigario n. 5 com
lions eommodos para familia e para escripiorio : a
tratar no aruiazuiu da travessa do Como Sanie
D. 23
FIO E VEIA'
Barbante
de Rabo Schmetau & C. Corpo
Santo n. 15.
SHEBBT 0L0B0Z0.
Gelo seal.
CO&SAC SiESnVESSYa i
Ein casa de Uabe Sdimettaa C. Corpo
Santo n. 15.
AMR AMA
ttoussillon, caite blanche.
Era casa fle E2abc Sehmetiau $
5. Corpo fa ai n. l>.
'iV,'.kl'J
DE
BQRDEAUX SUPERIOR.
CHATEA LA ROSE.
CHATEAI SIAUZA.W
Em casa de Itabo Schmettau C. Corpo
Santo n. i5.
AMua-sf ama casa milito Creara na Capunga,.'
r.ini eomiuudes para fainia : a tratar no iriesmo
I : i* roa das Crioulas n. -1
de i ni caixa para rap, de tart.irnpa branca,;
jrrmto o milito fornida, da ra ao Rosario da'
Moa vi.ta ra ios Pues, e dalii pela do Corredor
lo !t: -;> i atti a trato d .1 fe de Barros : quem
:;-i: .:i. |.<.|,. entr.'ga-la na ra da Inipcratriz,
l'yi d.t clnpcis. que ser bom iveompensado.
i'cccisa-se alugar urna esefava cosinneira
par casa de familia :j.a tratar na ra do Sebo
11. 21
fj
c^j
r-^S
GOMES DE iTTQS
tendo feito completa mudanza em sen antigo e
acreditado estabelecimento de joias, com o flm de
dar-lhe maiores propones e elegancia, convidam
ao publico em geral e comespeeialidadoasEzms.
Sras. de bom gosto a compareesrem pessoalmente
das 6 horas da manliaa s 9 da noute na
m& 00 CABUGA N. 4
onde encontrarao um completo sortimento bello e precioso em brilhantes, esmeraldas, rubhis u tudo que em obras
de ouro, prata e plana se pode desejar.
SDEREgOS DE BRILHANTES, ESMERALDAS E RBINS
de novos gostos, assim como grande variedad*
prata contrastada e de gosto ainda nao visto,
objctos de prata para uso das igrejas,
Comprara e trocam qualquer joi* ou pedra preciosa
a quaiidade dos objectos vendidos.
le salvas e paliteiros de
e completo sortimento de
garantem
la''" i 11 i
C^
BSTttJDO
uLin~DE PRE
Jos' Soarea do Aievcdo, professor de
igoa e Iiliersltin nacional no gjmna.-io
provincial do Rocile, tem aberto em su
casa, iua Bolla n 37 :
Uno curso completo
de E-hoa lorugaiexa ;
di IJagoa fs-aureza. verses
oraos o escripias ile portiguczpara francez
e rice.tersa, do conformidade como novo
programan do govorno;
de (ncographfa physica, polilica
e astronmica ;
de Historia universal:
de l*ho.sop!ts.i. Racional e iMo-
ral ;
de Rheorlca e Pocct.
As jessoas qae desejarem ficqucntar
qualquer ou qtiaesquer dostas aulas, podem
ilirigir-.-e indicada residencia, de manb3a
at ;is !) horas, e de tarde a qualquer hora.
Joaauim Jos Gon-
A VERDADE
55Ra do ^ueimado5i
A VKRDADE tendo etn deposito graod
quantidade dmmdraaao pcrfnroarias. e-
sejando apurar dinheiroe adqoerir txa fro-
true'zia osla rss.!vda a vemUr muitissira*
barato, ; por essa rataovcowida aorea|-
tavel publico a vir conipcleiitcm;nte muni-
do a soi lir-se do bom e barato. Pois qta-
do a Ycrdade apparafc, tudo mais des-
apparece___
Grande sortimento de bonecos de cera t
massa as mais lindas possiveis vestidas a ca-
rcter.
Abotoaduras modciuas para col
letca .......
Espelhos donrados ptpnenos. .
Agulhas de osso para croxa
IM

GRANDE ARMAZEM DE PIANOS
ANTONIO JOS
_OTA
MSICAS E INSTRUMENTOS
Parteoipa ao respeitavel publico desta cidade
ea, acaba de chegar un grande c esplendido sortimento do
DE AZEVEDO
N. U--RUA NVA-N. 11
paves
8A DO TRAPICHE N. 17, 1." ANDA*
Sacea por todos os paquetes sobre o BaD
;o do Minho, em raga, e sobre os segui
tes logares em Portugal:
Lisboa.
Porto.
Valonea.
Guimaraes.
Coirabra.
Chaves.
Viseo.
Villa do Conde
Arcos do Val de Vez.
Vianna do Castello.
Ponte do Lima.
Villa Real.
Villa-Nova dejFamalico.
Lamcgo.
Lagos.
Covilha.
Vassal (Valpassos).
Miraodella.
Beja.
Barcellos.
Sab de alcatro
para curar as molestias de pe/le,
tacs f orno emplngens, darlhro?, sarna?, comichoes
e mais molestias de pelle, sem occasionar acciden-
tes ; desfaz asmanchis do"corpo, pannos, sardas,
restabelece a cor natural, quanto a cutis, secca,
grosa o amarellenta, occasionado por Iguma
enfermidade, e como desinfectante e preventivo
das molestias contagiosas,
NICO DEPOSITO
Botica.do Pinto, na larga do Rosario n. 10, junto
ao qnariel de polica.
Pentcs p;>ra regai;- com estilas a
Ricos globos para candieiro do gaz a
Cbamir-s a.......
Grande soi t;non!o do objetos de
lo'.ica pan. briiumodo de menino MI
Carrafa com tinta, a. .... 8
Dita.com agua florida verdadeira a lf$lOfi
Dita com .uta dita a i^0>6
Frascocomolcodobdusn a VtOO e 7?
Dito eom apua de Colunia a S e
Garrafa com agtiaivitia a. ^^:, Q
Frasco com extractos li.vs a ||
Lataapeqttcoaacom baub; ranito
fina a li'e ..*.... {}*
Sabonotos de diversas quat lados a
80, ICO, 2iO o...... 3^
Finas escovas para denlos ra 120 a 800
Lindos coques modtruos a. ., 2r
Pavios para paz, duzia a 2i0 o 33tt
Escovas para fado a oCO, G00 e 7( -!
Dilas para cabello a.....
Penles para tirar piorna a tfiO e. **&
Brincos do cores, bonitos a 1(10 e 2GG
Pegas de tranca de 15a com 8
varas por....... 9
Oleo para machina de costura,
frasco a.......... 60*
Pennas d'aco finas caixas a S00 c i'V-
Dita d'ago l'crry, caixa a. ... i
Galo de algodao peca ....
Lindos babadinhos e cntremeios
poca de 500 a......If5(*
2W
: i
&
2W
!
Sf
COMPRAS.
-i i \ioi-a
e das mais provincias visinhas, que o seu grande e bem acreditado armazem de instrumentos para mus-
0 que
afama los e bem conhectdos
,!:*/% IWB
lia de mais moderno, de teclado ftxo e mobile, e com transposig5o ou sem ella
[anos da fabrica do Sr.
de autores os mais acreditados nesta cidade, como sejam : os
BLONDEL
*: I'ins, dd;q(icm o annunciante o o nico agente oesta. cidade, ramo prava com o documento abaixo traoscriolo e ,.,* .i. ,iia s,. u, i i r v-
do. sime ment para o clima deste pa, sao os nicos que ollerecem un garanta segura de d^ Eli S aonTtastltnhSl d^'eS,aP'at^' fab""
,,i ncidado do numc'ra^Hannf o'l S PlM0' "* '' r"l!''S eXginm OCerlilic>do *m **> P**- MW am de provar a sua
AO PUBLICO
dn,*,., ua N^"i,witrSttps%rAs. ^JttLTTS *%?&& ,,rosito ^ra r-- -M
nado por mim 4 S **u* pianos irao actompanhados do um certificado de ortgem assig-
Paris, 2f de julho de 18G9. (Asssignado) Alphonse Blomlel.
O an;iucian:e lambem troca e aluga pianos. E tem o maior e mais explendido sortimento de novas
.HVIICASPAB1 PIAffOM -x
As quaes recebe directamente da Eoropa o do Rio de Janeiro : das acrediladas caas dos Sis >r-linnnn a Trli: > -*-- -^
etc. Tambom tem gran-le sortimento de papel para msica e desenlio ; cerdas pa'ra todos insirumeSos s aVoral auadros na I ^S^f"'. ^f'f & C"
a-> ,,1,0 de salas, neos espelhos dourados, qnadrados e ovacs, caixinhas de costura com msicas t^TStaZoLS^ ^ja ornamentos de saas. oleados para
.-;; ios do todo os lmannos, talagarea. I3as o agrillas para bordar, e muitos outns arligos que bSswSvd oubliS ei2i S' com despertador, v.dros para
"''" Moj Jte at s ) horas da noito afim .las Exmas. familias poderem ir apreciar o? seus pianos P encontrara semprc neste armazem. o qual estar
NHIU
Eua da Matriz n. 20
Este estabelecimento estar aberto das 6 at 0 horas da manhSa.
vomerrte ser aborto tambem a noito, o que se annunciar.
Criadoo criada'
CASA DA MTDIU
Aos 4:000,$
Bilhetes garantidos.
i ra do Crespo n.23 e casas do costumer
AVISO
Compram-se o vendem-se diariampntepars fra
e dentro da provincia escravos de todas as idades,
cores e sexos, com tanto que sejam sadios : no
lerceiro andar do sobrado n. 36, roa das Grmes,
reguezia de Santo Antonio.
Compram-e moedas de ouro e prata de to-
dos os valores, ouro e prata em obras inutilizadas,
brilhantes e mais pedras preciosas : na loja de
ourives do arco da Concejero, no Recite.
0 muzeo de joias
Na roa do Cabug n. 4 compra-se ouro, prata
a pedras preciosas por precos mais vantajosos do
qn em ontra qualqner parte.
Com muito waior vantagem compram-se
moedas do ouro e prata : na loja de joias do Go-
racao de Poro n. 2 D, roa do Cabug.
Corapra-se cobre, na ra do Qneima-
do n. 49, RIVAL SEM SEGUNDO.
IIOJE libras sterlinase ouro de todas as nac5es,
aesim como prata, por maior prego do que em
outra parte : na roa da Cadeia do Recite n. 58,
loja-do azulejo.
VrNDAS.
Vcndem se duas escravys chegadas hontem
do sertio: na na d.t Principe,, n. 22.
-Na trsTWM do Carmo n. I vendem-se 5 es-
cravas, sendo 2 reonlhidas, de idade de 18' a 22
anno?, perfeitas en^.mimadeiras e cozinheiras de
nm tudo, 1 prla da Costa, muito del, quitandeira,
cozinha, lava c engomina, i dita para todo o ser
vico por 800000, 1 bonito mulato de idade 19
annos. preprio para engenhp. ~
Vende-se urna- cscrava moga perfeita eagotn*
madeira e eozinheira ; quem pretender comprarla
dirjase roa Nova, stibrado n. 58, I" andar.
Ditos de louca muito fino a 120 e
Ditos para calca a 1G0. .
Caixa com pa^el amiiade a. .
Ditas com envelopes a. .
Ditas com obreias a.....
Caixa com agulhas fundo dourato
Ditas de dilas ditas a. .
Thesoura para cosluia a 240 e
Caixa com Jinha de marca a .
Linha de cores em covcllos (li-
l>ra) a .r..... 5^
Carreteis de linha Alexaudre de 70
at 200. ....... iO
Grampos muito finos com pasa-
ros, duzia a...... gf<
Cartas porioguezas, duzia a l4tf:
Ditas francezas a. 2fJ200 c ./ 3|0W
Papel almaoo c de peso, resma a
3,5400, 3(5500 c Ijj
uia muito fina para bordar, libra 6&0C
Fita do algodo para dobrum de
sapatos, peca, a..... |8fl
Dilas de la par*debrum de ves-
tido, peca a...... 4*$
Pentes finos para segurar ca-
bello a....... 3^g
Ditos ditos de bfalo para alisar
a 240, 320 e...... ,i(^
Ditos para aparar penna a 168
Rosetas pretas, par a iCfc
Tranca de laa decaracol peca a 40 e 1W
Fita de coz peca a 4S0 e 86*
Alfinetes de latao a..... |Qi
Sapatos de 13a para crianza a 400 e 808
Grvala de sedas de cores a .
Cslcadeiras a....... so
Grande sortimento de rendas das libas.
Um par de suspensorio de borracha -por
100 ris 1! 11111
Ufa Yerdade na do Qneimado
_____________n. 65.
O VAPOR
XOVIDADES
Hua da Imperatriz nnniero 36.
Grande novidadep ra a ftsta.
A' ella antes 'que so acabe.
O propietario d'este suaptaoso e mu acredi-
tado estabolecimenlo, vendo uue se approxima
testa e querendo apresenUr aos seusamaveis (re-
guezes urna novidade. de oue se arimiras?em, en-
vin o seu vapor, isto ,o Arapor das Novitla-
desa todos os paiies da atomada Europa, ati
de procurar e trazer o que de maior gosto e novi-
dade arhasse.
Regressando este, trouxe como alt novidalo,
como de facto o :
Lindo guepare escarate com fmissiino tecido,
e o mais nonito possivei. proprio para camUinba.
e fchus, o qual se vende por prec,o muito com-
modo. .
Grande sortimento de fitas de sarja de optin*
qualidade e de difierentes larguras e cores.
Completo sortimento de fitas assetinadas, penda
estas lizas e escossezas de todas as larguras e da*
mais lindas c6res, ha vendo ntre ellas innito Jai-
gas e proprias para cintos da ultima moda.
Grande quantidade de perfumaras dos primei-
ros perfumantes da Europa.
Alm d'estes objectos vieiara mmtos outrec
tambem de grande novidade.
O proprielario orevie todas as pasme que.
prctenderem alguns dosbjeetos menri..nados, qmi
puderao buscar as amostras no rtfto etfbeleci-
mento, oa indicaran o Ingar da resid ura, purm
tudo isto antes que so acabe a grande novidade.
Loja do vapor das Novidades,
Ra da Iniperatriz n. 30,
de
Henripnede SLeHao
Vendeni-so pipas vusiau em
a retalho ; a tratar na ra da
casa n. {, 2a andar.
em
orcao ou
o Recife,
aAAEMtA SE a propriedadedenomi-
r.atla fnrj do Serinbaem, no littoral da
:. domesmonome com grande hn. S JFi&SgS?g!i STc
ra a recatar mmtos cequeros a -b-ia n. 3:1, prefere-w pessoa que cosinhe^algumu SStU^SS^ST^-S^ *
Pre correnIe m-
do costume.
Pdese ao^enhor que em o da sexta feira, 10
do correnle, as i i\2 horas da tardo entrou na fa-
O abaixo assignado, tendo vendido alm de ou- briCade cigarros, sita a ra Direita n. 50, para
tra3 corles, nm inteiro n. 8tH rom 4:000$ da con,Prar nm maco de cigarros da seda, e por en-
, lotera qne se acabon de extrahir a beneficio da ano 'ev,u u,n cnaPeo de sol do ab.aixo assigna
; groja de S. Juao de Abreu de Una (131a), convida ^ e."e!:oii <> ea, em vista disso tenba a bondade
aos pos?mdores virera receber na conformidade vir Lrura'0' ao conirario eu declaro o nome
( do costnme sem descont nlpr.m Para nao se chamar a ignorancia.
Ac.^"
parte
ipreja
o, alea disto, a excellent.; coasa
rara pSsico lira-mar e b?ira-rio, intei-----------------------------------1'---------------
aprnpriada para mant r-se ahi Aluga-.se
[monto commercial de 11 anda? e infle d- pobrado dn ra da Ca-
(OS : a tratar na na d'Au- d i;l Jo l.!'''lf'' n. 60, ea basl unodoa pa- '
>, ou na do Imperador n. 20.
AMA
i.t tamrii idavel por ser
I e muilo fresco : a tratar no ar-
maiem ds mesmo.
Ac/iam-se a venda os elizes hhctos da 4" \f
ssa ixao mais caDelios brajicos,
1 A tintura japoneza para tingia os cabellos
; da cabeca e da barba, foi a nica admiltida
Exposigo Universal, por ter sido reco-
nhecida superior todas as preparaces ate
hoje existentes, sem alterar a sado.
Vende-se a 1(J900 cada frasco na
Os
Manoel Mariins Fp,"
COMEDORIAS
Fornece-se e*m4oMM para fra de tima caa
-j-------------- fia familia, com todo e promstidan na roa
i I SSRAmnan, v
,na Coni l <--viMBaaa
\ de sen patrio o Sr. Jos dos Santos Oliveira. teu>o.
Una da Cada n. 51,
1. andar,
Preclsa-so de Om criado livra ou eaptivo, ou
mesmo um moleqne cre3cido : na ra da Madre
de Dos a 3.
fp Deseja-se'vender um collegio de meninas
situado em um dos mais agrada veis arrabaldes do
Rio da Janeiro, estabeJecido mais de dez annos,
gozando de grando crdito e reputacao, e que pr..-
duz lisongeiros resultados. Motivos de sade obri-
gam as donas a retirarem-so : quera quizer com-
pra-lo, pode dirigir-se ra do Vigario n. 21, es-
crptorio de Domingos Alves Matheus.
TURA.
Vende-se
urna preta de idade 23 a 25 annos, sadia, do ser-
vido de campo c boa lavadeira : a tratar na ra
estreita do Rosario n. 47, com Rodrigues Almeida
& Companhia.
Armaqo baratissima
>a ra Nova n. 48, vende-e um i ma-
can, pan- da, cautero, 0oa balcOes o
divers.ts ntadue grande, proprios para taberna,
padaria, deposito ou ontro qaalauer i,
qnal se vende por preco barxtissimo aflm de t
rupar a easa ; e juntamente se vendem 4 pipas
vasias arqueadas de ferro.
ana nagrinha de idade 11 ;.
[preta, bmiia :.
j no becco da Vira\'ao n. 9, oilo de Pedro.
Acabam de chegar ao Grande Bazar Universal
ra Nova n. 22Carnero Viannaum comple-
te sortimento de machinas para costura, dos au-
tores mais conhecid, as oaaes e po*i-
caono mesmo Bazar, garantindo-se a snn boaq
lidade, e tambera ensina-se cora perfoicao a
os compradores. Esfa3 maobinas sao Iguae
seu trabalbo ao de 30 eosiureiras diariamente, o*
-ua perfeigao tal como da mellior a de
Paris. Apreientam-m trabalhos exeeni I
mesmas, quo muito devem agratlar at.s pretoii-
dentes. _____________
Vedem-se duas casas om Sanio Amaro di
Jalioaiao, urna na ra de Babeo, prxima f
ti ontra na na da Matriz : a tratar na i ta d.' Iui-
: ir n. 87, entrada O'-lo cae- 2f d.- N .vembrx
Escravas habis.
Vei ,ias escravas com t itiili-
dadea, mt
']fll.ncom 2 IHh*, um. de tLa
a mo :,quom as proteiulei', diri
pico n. 33, e rom bi
tencins Mirarse para Rnrora
^ ViMl!
taxer'oua dadiva : na ra Je Hurlas n.!
i
A


T
__ ... ^
i

Diario de Peinambuco Quarta fei
Je Dezciiibio de 1869.
LIQUiMCM)
O prOpriotana da ar:nj;:en de faz<:nda> djiomiuado AHVRA, ra da Impera-
.rtz n. Ti, declara ao respeilrel publico e seu< in-gu-j/c?, que esta liquidando todas as
azendas o roupas fetal que te,i\ e:n sol eU'k'k'cimonto como se poder ver no seu
innuncio e preco abaixo mencionados,
ChHxs fra acezas mai/ada-
a rs.
Vende-se chitas franc2z;i escaras mitiza-
tis n'iiO rs.o cavado por este preco sna
loia da Aran, ru.i da impenitriz n. 12.
LUZtNHASAiORS.
VVnle-se li/.inlus para vestidos i! se-
ahora a i'iO, 230, 30 e 40G rs. o co-
lado. .
[AtEGES DE L.U A 500 RS.
V\idj-S3bardi?es de 15a comstras para
los de sj:i!iora a 800 c 8W -. o
;ov: I i.
Alpaeas do listras a Stt rs.
Vesie-so alpacis dd lisiras para vesti-
tos d? senhora a 50D rs. o ovado.
CUITAS FIUNCISZ.VS A 289 RS.
Vende-se chitas francezas claras a 2S0rs.
' CORTES DE L.\\ PARA VESTIDOS A
2.SOO.
Vendo-se cortes d: la para vestidos wahoras a.UOO caja ura,
PERCALES A 4 ifl RS. O COVADO.
Vende-sc percales uuiito finos para vis-
ados desenliara a 440 rs. o cavado, mui-
so'linas -brancas finas, a 500 rs. o cavado,
Algodo entestado BOOrs.
Vende-so algodao enfestado proprio para
lences e toallas, 900 rs. o metro, dito
trapeado a l.\ metro.
Chales de nieria y.
ende-Se chales de merino estampados
B .!'*, chales brancos e de cores ad>00
cada um.
CORTES DE BRIM CASTOR PARA CALCA
A 640 RS.
Ve,de-sc umi grande porco de cortes
de brim castor para caiga de homem, G40
rs. cada um.
Graailc porco de retalhos
Vende-se grande porco de retalhos de
caitas e c.a.v-as prelag a 1(50 e OO rs. o
cova lo, retalhos do cusas, la e chitas de
cores baratissimos;
LIQUIDAN A ROUPA FEITA
Vende-se palitots de brim do cores a 2$,
ditos de alpacas de cores a25, dios de
meia casemira a 20 e 2;S00. ditos de pan-
no preto bom a 8$ o 105, caifas do algo-
dao azul para escravos a 040 rs. ditas de
algodo de listras a 800 e 15, camisas de
tascado do listras a 800 rs. cada urna, col-
as mm snAS
ll-EUA DO QUEIMADO--11
flhegaram da Europa pelo ulumo vapor loja de Augusto Porto & C. ricos
Sirtes das mais linda sedas de mimosa^ cores para vestidos proprios para bailes e casa-
mentes. j i- 3 >,
Grande variedade de sedas de listras de diversps precos todas de lindas cores,
gorgurSo de seda preta, e grosdenaple de varias qualidades e gorgurao de seda laa ae
differentes cores. ,.,,,, mno
Novo vestidos brancos de blond para noivas. lindas cohas de seda para camas,
ditas de la e seda, cortinados bordados para camas e janellas, fronhas e toalhas ae
cambraia de linho bordadas.
Lavas novas de Jouvin.e elegantes sombrinhas de s Jas de cor para sennoras.
Espartilhos de 50 at 105, lindos bournous de cachemira de cor para saiua
do baile, basquinos de renda preta, e ditos de croch branco e preto para sennoras.
Grande variedade de camisas bordadas e lisas para homens e meninos.
. Sortimento de muitas fazendas de la, linho e algodao todas por precos muito
mdico. ..
Tapetes grandes para sof, piano e camas, pecas de tapetes o de alcatifa para
forrar saldes ludo em quantidade; e vendem sempre^por menos que em outra qualquer
parte. -
Esteiras da India de 4,5 e 6 palmos de largo.
pi*
I OPAVTLHAO
DA
brilhanlinas de cores, a 440 rs. o covado. lcs ,|e ^r, e fustSo de cores a 15 e 15500,
Balees moderaos de todas as
cores.
Ver.de-s*bi!5es moderno sbranco ede co-
re aA5- 45500e55. .
OOBERTOaCS DE ADGODO A 15500.
V'-ndc-se cobertores de algodo a I >500,
ob irlas de chitas a 15600 e 25 cada ama.
CANGAS PAItA CALCA A 320 RS.
Vende-so ganga para ca!<:a a 320 o cova-
do, brim de cores para calcas de harnero, e
meninos a 400 rs. o covado, casemiras de
'-Ares para caiga e palitots a 25-300 e 35,
o covado, m;ias casemiras enfestadas para
coleles de cesemira decores a 25500 e 35.
e outras militas qnadadcs de roupas feitas
que se vende por baralissimo prego.
Algodo dcJistras a 200 rs.
o corado
Vende-se algodo de listras para roupa
de escravos a 200 rs. o covado.
PECA DE ALGODaO A 45-
Vcndem-se pecas do algodo 45000,
35200, 65000 e 75, para liquidar.
Bales de arcos 105OO.
Vende-se baldes de arcos par senhoras
ALGODAO
LOJA DAS MACHINAS
deaso palitots a 15 o covado, brim pardo pelo baralissimo preco de 15500 cada um,
de todas' as qualidades e brim branco de
todas as qualidades na ra da lmperatriz
n. 72.
Alpacas lizas a 4 rs.
Vende-se alpacas de cores lizas linas a
SM) rs. o covado, tarlatanas de cores a 320
rs. o metro.
MADAPOLN) ENFESTADO A 35500.
Vende-se pecas de madapolo enfestado,
35500. pecas de madapolo inglez de 24
Cortes de eanibrala barras
a 3.HOOO.
Vende-se cor fes de cambraias barrsa a
25 e 35 cada um.
LENCOS DE SEDA A 640 RS.
Vende-se lencos de seda a 640 rs. cada
! um, para liquidar*
CARTEJRA PARA VIAGEM A 15-
Vende-se carteiras para viagem -15
cada una.
ardas a 55, "65400, 75, 85 e 105 a peca.
72. Ra da lmperatriz. 72.
CACHINAS americanas de serrote de todos os tamanhos para descansar algodo, do
mnito conbecido fabricante Eagle Cotton Gin.
MACHINAS ditas, tambero de serrotes e de todos os tamanhos para descarocar, al-
godo do autor New York Cottoa Gin.
tf ACHIN-VS ditas de todos os tamanhos, de carreta de ferro e mais toda a machina.
ACHINAS ditas de Roilr Gins, de cujo trabalho faz obter mais 2.000 em arroba
de algodo.
ACHINAS de faco do fabricante Platt B. 4 C, Obdhan PatentLiverpool.
Todas estas machinas sao de superior qualidade e as melhores que tem
/indo ao mercado ; e para a sua apreciaco convidam-se os senhoras agricultores
irem a exposico das mesmas na ra da Cada do Recife n. 56 A, loja do Rastos, onde
contraro mais o seguinte :
Lourenro Pereira Mondes Guimares, propnetafio do armazem de fazendas
den minado GARiaALM, toara honra tpirlieipar ao respe.tavei publico que tendo
;ice, o diversa^facturas ,U fazendas, de novo gpsto, para a festa, estando a espera de
S?curosttnclaV^Tta^"a^barato doqueem outra qualquer parte, na ra da
famniWM voJ'r\FFSTADO V 35500. | CUITAS PRETAS A 160
Vend se'roia df p^o de ro^dapo- Vende-se .uroa grande porejo de chitas e
So enfestado de 12 jardas a 35500, assim cassas pretas em retalio a 160 o covado
wmop^d^madapolo inglezes de 24 tambero tem retalhos de cintas e lia de co-
^rdasou 20 varas a 55, 55-.00,65,65500 res; que se vende barato
WOO. 85, 95 e 105000
Corpinhos a 200 rs.
CAMBRAIAS VICTORIAS A 5:500
Vende-se pecas de cambraias victorias
Boas a 55500, 65 e 75. Brilhantina bran-
ca ftaa para vestidos de senhoras a 5.00
rs. o covado
ALGODO A 45000
Gangas para calca a 32 rs.
Vendem-sc urna grande porco de gangas
para calca de hom-m e menino a 320 o
covado, cortes de castor para calca a 640
cada um.
Brim de cores a 400rs.
Vende-se urna grande porc de duas
faces para calcas, palitots e colletes de ho-
Oebulhadores para milho
Cylindros para padarias.
Vrados americanos.
Oarrinhos de rao.
Vlachinas para cortar capim
Gannos de chumbo.
Bombas de Japy.
Oitas americanas,
relhas de ferro galvanisadas.
Folhas de zinco finas.
Oitas de cobre e lato.
ierro de todas as qualidades.
reos de ferro.
Folha de Flandres.
Machados americanos.
iaces ditos.
Salaios e cestas de verguinha.
/assouras americanas,
bolles de todos os tamanhos.
Tornos e safras para ferreiros.
Finalmente muitos oatros artig
liversidade seria enfadonho ennumera-los.
Folla de ferro.
Bataneas americanas.
Tinas do madeira americanas.
Ps de ferro ditas.
Baldes de madeira ditos.
Temos de bandejas finas.
Trens completos para cozinha.
Peneiras para padarias.
Baldes galvanisados. \
Correntes de ferro para almunjarras.
Espingardas e rewolvers.
Gnarda comidas. >
Ferros a vapor para engommar.
Moinhos para refinacoes.
Azeite de espermacete, proprio para machi-
nas de todas as qualidades.
Serras avulsas para machinas.
Mancaes e todos os mais pertences para as
mesmas.
Latas de gaz,
ospertencentes lavoura e artes, que pela
iAURORA
i RUADA niPERATRIZ N. 2
Esquina dama da Aurora |
Defronte do Caf lmperatriz. S
Kcsto novo e sumptuoso eslabclecimcn- 3
to (lo fazenda?, encontrarao as Exma?. 9S
familias ludo quanto possam desejar, tan- !
to cm artigos do rigoroso laxo, como om QfJ
todas as mai? qualidades de fazendus de M
FPdas, blonds, alpacas, merinos, laa<,
K19M*, mussulinas, chit.is, madapoloes, f
alpodoes, etc., dernodo a sahir bem ser-
vido desde o mais rico e exigente amador
da moda e do luxo, al o mais modesto M
pai de familia. Alm de se achareni pro- M
vidos do que mtlhor se enconlra neste **
i mercao, inandaram os proprietarios IS
d'estc eslabeleciinento vir dircelaraente M
| o qneem artigas de modas e domis S
i apurado gosio se enconlra em Paris. 9
Uina niedita cpccialnipule orcupadn fl|
, nos irabalhos do PAVILIlA) DA AUltO- S
HA, executar promptanientc e com toda m
a perfeicao qualquer trabalho a capricho, a
para o que .-e aeua habilitada cm nido S
3uanto 6 mister para o booi desempenho gS
e sua missao, o que 6 una grande van- M
tageuj para o bello sexo, que assim S
val encontrar em um s lugar tudo quan jg
o pode desejar. isto 6fazendas do me- |
ihor gosto, modista para perfeita execu- S
cao de qualquer trabalho, perfumarla*, ffi
chapeos, enfrites, miudezas, linas de a
Jouvin c ludo quanto a moda pode exi- g
gir. 8
Aos cavalhoiros igual vantageni s offe- fl
rece, por ter o estabelecimento o mais S
completo sortimento de fazendas para fac- a
tos, e proprias para todas as esiacoes, e a
um hbil alfaiate cncarregadn de execu- 5
tar com promptidao e mestiia qualquer g
cneommenda. .
0> proprietarios do PAVILHAO DA S
AUROHA nao tendo poupado despezas f
| para dotarem esta bella cidade de um 9
; estabelecimento digno d'clla, confiam nos *
i seus esforc/08 e no bom gosto de seus ha- fi
i liitantes, garantindo a maior circumspec- |
5ao c modieidade de precos.
Com a possivel brevidade e em vista da f
proteccao que se dignarem dispensar-lhe, |
este estabelecimento trar militas outras 8
vantagens, primando entre ellas a publi- |
cacao de um jornal gmtuilamente dis- |
tribuido aos seus freguezes, o qual se oe- a
cupar exclusivamente da descripcao das |
modas, acompanhado dos ltimos figuri- |
nos; vanlagem que nthoje anda nenbum I
mestabelccimento offerecen. i
Concluindo, e na impossibilidade de des- I
crever c rico e variado sortimento que i
possiiem, os proprielarios do PAVILHAO \
DA AUROHA respeilosamenle coavidam i
as Exmas. fanjlias a visitar esto espa- |
coso e rico estabelecimento que, alm de i
tudo, est dotado do pessoal necessario i
para vender c levar amostras s casas j
que as pedircm. ^ v ]
Pelo ultimo vapor receberam ricos cor- j
tes de vestidos para casamento, lavas de ]
pelica. ricas chapcnhas para senhoras |
o diversas fazendas modernas.
Aberto das 6 da manha sj
9 da noite.
Vendc-se urna grande p>rc5o de algodao mera e menino, fronda inteiramente nova,
todoTe noa qualidade e Uk 65, Uo 0 Brim pardo hso a 5.^^ rs^o roetro, dito
U e U, a peca de 20 jardas ou 2i trancado fino a 800 e 15000.
far'a. Ciraade lijaldapo de chapeos
AMI^EM-SE D QUE E' BARATO
Charoalotes a 560
Vender chamalotede cores, de algo l*
de sol
Vende-se chapeos de sol de alpaca coro
pequeo defeito a 25 e 30000, ditos finos
para v;tido"de-senhorasa 50 o evado, de li astea ^0, ditos de seda finos
\lnacas lisas a *00 rs de 8 astes a /;>aOi, o^oou, anos ae z e
Vena -se alpacas lisas para vestidos de 16 as tes a 1050(10, para liquidar.
eres, para senhora, a 50rs. ditos incisa-, chitas para eobertas a4f>rs o
das finas a 7z<) o covado Dita* lisas tnui- covado
w lan'is a 640 o covado. Vende-so. chitas francezas para cobertas a
240. 320. 340, e 380 o covado.
ATT11010 LE.ll
Grande armazem de fazendas e roopas feitas ra da lmperatriz
n. 52, porta larga, de Paredes Porto. .
Neste estabelecimento encontrar o respeitavel publico um bonito sortimento
de roupas de todas as qualidades, palitots de alpaca a 30, 30500 at 60. Ditos dt
merino, ditos de casemira de Ores bonitos gostos a 50, 60. 80 e 100, de panno preto
sacos e sobrecasacos. Ditos de brim pardo finos e ordinarios. Ditos de alpaca branca
e de cores de 30500 a 50000. Cakas^brim de cor finas e ordinarias, ditas
brancas de todas as qualidades, ditas de'rim pardo fino e ordinario, ditas de casemira
de cor e preta de 40, 50, 60 a 150. Colletes de todas as qualidades e preco muito
barato. Completo sortimento de camisas francezas de algodao e de linho de 20 at 50
ama. Sortimento de seroulas francezas de algodo, de linho e bramante a 20 e 20500.
Gravatas (mantas) novissimo gosto a todos os procos. Meias sortimento completo a 30.
40 at 70 a duzia.
ROUPAS PARA MENINOS.
ncarrega-se de quaesquer obras de encommenda tanto para homem, como
para meninos, e com brevidade, por isso que tem um bonito sortimento de fazendas de
todas as qualidades tanto em casemiras como brins, pannos finos e outras muitas fa-
zendas.
FAZENDAS
Bramantes de 11 palmos de largura a 10800 o metro.
Cambraias de cor e branca. 9
Alpacas de todas as cores a 640 rs. o covado.
Poil-de-chvre com lista de seda fazenda de gosto a 10200.
Basquines de guipure enfeitadas a 180000.
Sortimento de chitas escuras e claras a 280, 300 e 360 rs.
Madapolo fino a 60500, 70, 80 e 90000.
Algodo peca com 20 jardas a 40500, 50500 e 60000.
Peca de algodo largo a 70500.
E outras muitas fazendas que ser enfadonho mencionar Chcgucm roupa
feita que se est liquidando na loja ra da lmperatriz n. 52 (junto loja de ourives) do
LEAO DA PORTA LARGA
DE
Paredes Porto. -
IiOafA
DO
GALLO VIGILANTE
Rna do Crespo n. 9
Os proprietarios deste bem conhecido estabele-
cimento, alm dos muitos objectos que tinharax-
Sostos a apreciaco do respeitavel publico, man-
aram vir e acabam de receber pelo ultimo vapor
da Europa nm completo e vanado sortimento de
finas e mui delicadas especialidades, s quaes es-
to resolvidos a vender, como de seu costume,
por precos muito baratinhos e commodos para to-
dos, com tanto que o Gallo....
Muito sftperiores ravas de pellica, pretas, brau-
cas e de mui lindas cores.
Hu boas e bonitas gollinhas e punhos para se-
od
CORTES DE PERCALES A 6:000
Vrfden-se ama grande porco de cortes
ie percales de duas saias para vestidos de
senhora, de mnito deli'-ad.ns gostos com
16 V covados a 60 70000.
CAMBRAIAS LISAS DE CORES A 600
Vende-se urna grande porco de cambr.iia
asa de todas as cores para vestidos 600
s. o metro.
CASSAS FRXNCBAS A 240 RS.
Vende-se cassas francezas para vestido
a 240 o covado. ditas muito finas a 400 rs.
assim como percales finas para vestidos a
4 40 o eov*do, v
GRXNDE SORTIMENTO DE MEIAS
Vende-se meias cruas para hornera a
30500, 40. 50. e 65000 a duzia, ditas para
Orz: ibys moderaos a 800 rs. meninos de todos os tamanhos a 30500 e
Vende-seorgandys de cores para fazer 40OO<, ditas para senhoras e meninas a
S'f'dveard.Ua8Sah8'a80ra m0derttS' a,35dVxLbESDE\dRCOS A 1:500
*w is. a vdm. ,Ba)5eg d(j arcos a If350{)) ditog modernos
-JRANDE SORTIMENTO DE CHITAS NOVAS a 4|5ooo.
E BARATAS PARA A FESTA ATTENgO
Vende-se chitas francesas muito finas de Tem.se para xm\er {m grande porco
ares a 280. Ditis raatisadas escuras a 3 ) de roljpag fei|a8 rt(1 hrim ede casemira, de
tftM escuras escocezas a 360. ditas aleo-
loadas a 360, ditas garihaldinas a 360 o
jovadn. Sortimento de chitas como tem o
'laribaldi ha poucas lojas que compilara.
TSTftES PARA VESTIDOS A 400 RS.
todas as qualidades na< se menciona por
er enfadonho. garante-se ao comprador ven-
der mais barato do que era outra qualquer
parte, isto s se podo conhecer com a pre-
senca do comprador e a vista da fazenda i
Vin.e-se rosti de cores para vestidos a 'que se pode conhecer como est liquidando
Machinas vapor de
forca de 3 e 4 ca-
vallos.
Motores para 2 cavallos.
Arados americanos.
Machinas de faco e serrotes para desca-
rocar algodo.
Bataneas para armazem e balco.
Camas de ferro.
Cofres de ferro de Milnez e de Ubit-
field.
Prencas para copiar carlas.
Fogao americano patent
?00 rs. o covado .
COBERTORES A 1:400
Vende-se c/ibertores de algorWo a l'
woertas de chitas f^ita a 10600
Veode-se gnnde
4U 04000006-
por barato preco, o general Garibaldi, ra
da lmperatriz t. 56.
H'hales de merlo* a 9&9GO
Vnnde-pp h il s de Merino de cores es-
lisos a 30500, di
- 5500 6 65000.
RAP! POPULAR
DA
FABRirA NACIONAL OA BAHA
DE
Teixira Uldvrtco Sp C
Acba-se venda este ptimo rana, nico que
pode suppnr falta do priaceza de Lisboa, por ser
de mui agradave) perfume, viajado, e a preco n
mais mndii*n possivi! ; p por l> tem sido assis
ac.olhidii n,i- pr > Janeiro e
em ontrat> do in Joaquim
Jos ( JTCfci nn-
mero 17.
Rheumatismo e moles-
tias syphiliticas.
Arrobe vegetal, xarope de salsaparrilha
do Pai, pilulas e xarope de veame, tin-
tura e xarope de sienpira.
Doenras do ligado e liafo, ane-
mia, opilacao, ele.
Emplasto, oleo, pommada, tintura, pi-
llas, xarope e vinho. da "milagrosa Juru-
beba.
Sezfies on febres intermitentes
As pilulas anti-periodicas de Pinto.
nico deposito destes medicamentos na
pharmacia de seu autor ra larga do Ro-
sario n. 10, junto ao quarlel do corpo de
polica.
NA PHARMCIA DO PINTO RA LARGA DO
ROSARIO N. 10 JUNTO AO QUAR-
TEL DE POLICA.
Acham-se constantemente promplas a
serjm satisfeitas, as prescripcoes dos Srs.
facultativos, e as necessidades dos enfermos
s especialidades da mesma pharmacia.
composta de medicamntos, tanio indge-
nas, como estrangeiros.
Tosses e molestias do peito.
Xaropes de fedegoso, rabo do tat,
Acrio, pao Cardoso, juca, mulung, u.u-
tamba, etc, etc. *____
nhora, neste genero o que ha de mais moderno.
Superiores pentes de tartaruga para coques.
Lindos e riquissimos enfeitcs para cabecas das
Exmas. senhoras. .
Superiores trancas pretas e de cores com vidn-
Ihos e sem elles; esta fazenda o que pode haver
de melhor e mais bonito.
Superiores e bonitos leques de roadreperola,
marfm, sndalo e osso, sendo aqueltes brancos
com lindos desenhos, e e.-tes pretcs.
Muito superiores meias lio de Escossia para se-
nhoras, as quaes sempre se vender m por 30*000
a duziar entretanto que nos as vendemos por 20*,
alm destas, temos tambem grande sortimento de
outras qualidades, entre as quaes algumas muito
finas. 4
Boas bengalas de superior canna da India e
casto de marflm com lindas e encantadoras figu-
ras do mesmo, neste genero 6 o que de melhor se
pode desejar ; alm destas temos tambem grande
3uanudade de outras qualidades, como sejam,ma-
eira, baleia, osso, borracha, etc. etc. etc.
Finos, bonitos e airosos chicotinhos de cadea e
de outras qualidades. ...
Lindas e superiores ligas de seda e borracha
para segurar as meias.
Boas meias de seda para senhora e para meni-
nas de 1 a 12 annos de idade.
Navalhas cabo de marflm e tartaruga parafazer
barba; sao muito boas.e de mais a mais sao ga-
rantidas pelo fabricante, e nos por nossa vez tam-
bem asseguramsis sua qualidade e delicadeza.
Lindas e bellas capellas para noiva.
Superiores agulhas para machina e para crox.
Linha muito boa de peso; frouxa, para encher
labyrintho.
Bons baralhos de cartas para voltaretc, assim
como os tentos para o mesmo fim.
Grande e variado sortimento das melhores per-
fumarias e dos melhores e mais conhecidos per-
fumistas.
COLARES DE ROER.
Elctricos magnticos contra as convnlsSes, e
fa^ilitam a dflMieao das innocentes enancas, ho-
rnos desde muito recebedores destes prodigiosas
collares, e continuamos a recebe-los por todos os
vapores, aflm de que nunca faltem n mercado,
como j tem acontecido, assim pois podero aquel-
les que delles precisarem, vir ao deposito do gallo
vigilante, aonde sempre encontrarao destes verda-
deros collares, e os quaes attendendo-se ao fim
para que sao applicados, so Tenderao cora um mui
diminuto lucro.
Rogamos, pois, avista dos cbjectos que deixauoF
declamados, aos nossos freguezes e amigos a virem
comprar por precos muito razoaveis loja do gallo
vigilante, ra do Crespo n. 7.
Scilifls baratos,
N. 27.- RA DO LIVRAMENTO X 27.
Neste estabelecimento vende-se sellins e
silhoes, de todas as qualidades do melhor
que se pode fabricar no paiz, assim como o
mais arreios pertencentes ao mesmo, ven-
de-se tambem, colxSes, traviceiros, caixi-
hhas com almofadas, proprias para menina
levar para aula. O proprietario deste esta-
belecimento garante a ponttialidade, esme-
ro e zelo de seu trabalho ; nortairto pede ao
respeitavel publico sua prolccr3o, que afBan-
Ca vender tudo pelo mais barato possivel,
e por menos do que em outra qualquer
parte!_________________ '
3 cordeiro providente
Rna do Qiiclmado o. 1G.
Moyo e variado sortimento d perfumara
finas, e outros objectos.
Alm do completo sortimento de perfu-
maras, de que ellectivamente est provida a
loja do Cordeiro Providente, ella acaba de
receber um outro sortimento que se torna
aotavel pela variedade de objectos, superiori-'
iade, qualidades c comraodidades de pro-
cos ; assim, pois, o Cordeiro Providente pede
a espera continuar a merecer a apreciaco
do respeitavel publico em geral e de sua
boa freguezia era particular, nao se afas-
lando elle de sua bem conhecidamansidao
a barateza. Em dita loja encontrarlo o
jpreciadores do bom: .
Agua davina de E. Coudray.
Dita verdadeira de Murray Lamman.
Dita de Colpgne ingleza, americana, fran*
ceza, todas dos melhores e mais acreditado
fabricantes.
Dita de flor de larangeiraa.
Dita dos Alpes, e vilete paratoilet.
Elixir odontalgico para conservac3o do
isseio da bocea.
Cosmetiques de superior qualidade e chei-
ros agradaveis..
Copos e latas, maiores e menores, con
pomada fina para cabello.
Frascos com dita japoneza, transparente
a outras qualidades.
Finos extractos inglezes, americanos
francezes em frascos simples e enfertados.
Essencia imperial do fino e agradavel chei-
ro de violeta.
Outras concentradas e de cheiros igual-
mente finas e agradaveis.
Oleo philocomc verdadeiro.
Extracto d'oleo de superior qualidade,
cora escolhidos cheiros, era frascos de diffe-
rentes tamanhos.
Sabonetes em barras, maiores e menore
para maos.
Ditos transparentes, redondos e em figo-
ras de meninos.
Ditos muito finos em caixinha para barba.
Caixinhas com bonitos sabonetes imitando
fruclas.
Ditas de madeira invernisada contendo fi-
nas perfumaras, muito proprias para pre-
sentes.
Ditas de papelao igualmente bonitas, tam-
bero de perfumaras finas.
Bonitos vasos de metal coloridos, e de
moldes novos e elegantes, com p de arrox
s boneca.
Opiata ingleza e franceza para dentes.
Pos de camphora e outras differente
qualidades tambem para dentes.
Tnico oriental de Kemp.
Alada mal coquea.
Um outro sortimento de coques de no-
vos e bonitos moldes com filets de vidrilhoe
i alguns d'elles ornados de flores e fitas,
sto todos expostos apreciaco de quero
os pretenda comprar.
GOLLINHAS E PUNHOS BORDADOS.
Obras de muito gosto e perfeicao.
Flyellas e Otas para cintos.
Bello e variado sortimento de taes objec
ios, ficando a boa escolha ao gosto do com!
prador.
Sement* de hortalicei chegadas pelo ultimo
V8:u>r : na roa do Livramento n. 38, armazem de
irmihndo-. Hcjtitue-se o importe ao comrrador, uo
naacerem,
Gahrolet Dora t.
O melhor neste genero, o pe feito eslado, ven-
de-se um ; |iara ver na cocheira de Thomaz Lins,
ra de Sanio Amaro, e tratar na rm do Crespo
n. 16, lija, das 8 as 11 horas a manhaa e das 3
as 6 horas da tarde.
Cal de Lisboa
chepada no ultimo navio, lem para vender Joa-
quim Jos Gcdqalves Helirio, no seu escriptorio
ra do Onimercio n. 17.
Vinho do Porto
Vndese superior vinho do Porto engarrafado :
no escriptorio dfl Antonio Luiz de Olivcira Azeve-
do & C., ra da Cruz n. 57, Ia andar.
Fio du algodo.
Vende-se fio de algodao da Babia em saceos de
50 e 100 libras : no escriptorio de Antonio Luiz
de Oiiveira Azevedo & C, ra da Cruz n. 57, 1*
andar.
GAZ HAZ GAZ
Chegou ao antigo deposito de Henry Forster o
C, rna do Irniietador, um carrogamento de ga>
de primeira qualidade; o qual se vende em partida.-
e a retalho por menos preco do que em outr qual
quer parte.
CGM
De superior qualidade da mui accredita-
da fabrica de Bisquit Dubouch & C, em
cognac urna das que mais agurdente de
cognac, fornecem para o consummo do
Reino da Inglaterra.
Vende-se em casa do Th. Just. ra do
commercio n. 32.
CIMENTO
Vende-se verdadeiro cimento; na ra da
Madre de Dos n. 22, arma7em de Jlo
Martins dp Rarros. -
(V i <'p Lisboa
Ramos, o

o*6
GADET
CU RA
.CERTA eINFALLIVEL
eM TRES DAS
Ph^B^Denain7
PAR S
Paris, 36,RnaVlTenne, D
CHABLE medCin
BASBVKRiaDADAS DESSUUAKS, AS im|
C08 CTJTtWEAS.E ALTtaUCOMPO 8AIMOI.
------------------------xtMOatmiuimpmfM
fnutmUu. htrptt, ntm
COMt*OM,MrlMMMI
m, ncMMu 4o
. ; nu, 4 *lttr*tm
o unjrue. (Ktropr vgUl m rcirio).>ey
lomio-M iloui por hmu, wfiad* tnetUMBtB1
ni nraltno : em retido nt> !> aotaast
KU XartM CitneU ti
rm~it CHABLB. m,
i*M4iauatfMlfm
purMfoo, rataMfM,
f ntlidtuk, ifi*"
ente os flttxof < finre* branem* tu !Unw. m
Rsu injecuo benigu sng- coa Xaran A
Citracto 04 ferro.
DDumMu, PobU POMADA ANTIHERPETICA
Contra i u ilTtecoit tvtaruat *om{M*
PILULAS VEGETIS DEPURATIVAS
W"*H, nit trun va! M*ta*;**i4 ti
DEPURATIF
m SANG
PLUS DE
COPAHU
t

i


Diario de Peruambuco Quarla feira 29 de Dezembro de 1869.
- \
DE
A DINHEIRO NA LOJA E ARMAZEM
DE
FEMX PEREIRA BA SIIjVA.
0 proprielario d'este grande eslabelacimento, vendo que se est aproximando o fin-
do anno, e leudo era ser um grande deposito deposito de fazendas; nao fallando em
valladas encommendas que Ihes est5o obrigado todos os dias, tem resolvido liquida-
las por preco muito mais baratos do que em outra qualquer parte ; s eom o fim
de diminuir o deposito e apurar diubeiro. Encontra-se neste estabelecimento do
PAVO, avallado sortimento deiazuidas de luxo e modas; assimcomo de primeira
necessidade. As pessoas que negociara em pequea escala n'osta loja podero surtir-
se vendendo-se-ibes pelos pregos que compram, ns casas inglezas; assim como as ex-
cellentissimas familias podero mandar buscar as amostras de todas as fazendas, ou roan-
dar-se-ha levar pelos caixeiros da mesma loja em suas casas; o estabelecimento se
acha constantemente aberto das 6 horas da manhSa s 9 da noite.
LAZINHAS MODERNAS NA LOJA DO PAVAO
-" ffift*
A
[RGS
h
y i
A 60 QwtlMAP^
Explendido sortimento de
roupas feitas
NA LOJA DO PAVO A RA DA
IMPERATRIZ N. GO
Acha-se este grande estabelecimento com-
pletamente sortido das melhores roupas,
tendo calcas palitts e coletos de casemira,
Cbegou para esto estabelecimento ura grande
sortimento das melhores o mais modernas lazi-
nhas para vestidos, sondo tapadas e transparentes
de todos os precos o qualidades que so vendam
mais barato do que em outra qualquer parte.
Crochs para catleiras' e sofs
O Pvo tem um grande sortimento dos
^inaca o ri torta* mais bonitos crochs propnos para cadei-
de panno, de bnm, de dpaca, e de toaas aimof-irhs pte W assim
as mais fazendas que os compradores pos- '";g a_s' ^^n^!^
Rana deseiar assim como na mesma oa c,omo Pr0Pr,s pa' a coorir presentes, o ven
ZamffiSSeTde pannos .m. barato do,na em ontraqnal-
ras, brins, etc. etc. para se mandar fazeriiuer PdIlt
qnalqaer peca de obra, coma maiorpromp-1 GLACE' A 1:200 PARA VESTIDOS
tido voutade do freguez, e nao sendo q pavao tem esta nova fazenda lisa pro-
obrigados a acceita-las, quando nao stejam pra para vestidos, com as mais delicadas
completamente ao seu contento, assim como cores 0 com mnis.luslrc do que a propria
o'este vasto estabelecimento encontrar o se(ja cora 4 palmos de largura que facilita
respeitavel publico um bello sortimento de fazer-se qualquer vestido com 10 covados
camisas francezas e inglezas, ceroulas de c vende-se pelo baratissimo prego de 1:200
nho e algodo e outros muitos artigos
proprios para horaens e senhoras promet-
tendo-se-lhe vender mais barato do que em
outra qualquer parte. Na ra da Irnpera-
triz n. GO, loja e armazem de Flix Perei-
ra da Silva.
CERA DE CARNAUBA.
Vende-se urna graiid porgao de cera de
carnauba em saceos por preco mais barato
do que em outra qualquer: na loja do
Pavao ra da Imperatriz a. oO. De Flix
Pereira da Silva.
FAZENDAS PARA LUTO
Na loja do Pavao. .\
Encentra o respeitavel publico ueste estabeleci-
mento um grande sortimento do faiendas pretas,
como sejam, cassas francezas e inglezas, cintas
pretas de todas as qualidades, fazenda de laa de
lodas qne tem viudo, proprias para loto, como
sejam, laaziuhas, alpacas lavradas e lisas, cantao,
borabazinas, merino, etc., que tudo se vendo por
preco barato.
AS CASSAS DO PAVAO
, Covado a' 300 rs.
Vendem-se fmissiraas cassas francezas com lia-
dos desenos 8 cores fixas a 300 rs. o covado.
Madapoifio l'raucez a 73000 rs*
Vende-se pocas de madapoln francez
cora 22 metros p;io baratsimo prego de
7^000 a pera, specbncir:
Altas no\idades en sedas
Chegou oto grande sortimento das mais
notoriaspoirpelinas ou gorguias de seda
e linho com os mais elegan.es padres que
tem viudo a este mercado sendo, raiudos e
raudos, tanto em cortes para vestidos como
para vender em covado, assim como /un
bonito sortimento das mus benitas sedas
[tetradas que se venda tudo muito em canta
Grosdeiiaples de cores
Chegou um grande sortimento dos mais
bonitos grosdenaples de todas as cores para
vestidos que se veudem muito mais barato
do que em entra qualquer parte.
GRANDE PECHINCHA A fcOGU KS. PECA DE
Krcaaha
Vende-se pecas de superior bretanha de
algod-i tendo qaatro palmos do largura
.:om 20 varas ou 22 metros rada pega, esta
fazenda seria para costar 85000, a nao ser
a 50OO, cada peca.
m ii m....
I US'NtlAS LUSTROSAS A 100 RS. 0 CO-
VAWX
S o Pavao
randa sortunento das
legantes ISasinbas para
Quartdo a AGUIA RRRNCA, mais precisa scientificar ao respeitavel publico em
geral, e em particular a sua boa freguezia, da immens.dade de objectos Q ^-
te tem receido, justamenteiquando ella menos o pode fazer ejorque essa WU .ovo-
luntaria ella conf.a e espera na benevolencia de todos que '\a a tnderSo e relevarao
continuando portanto a dirigirem-se-a bem conhec.da lejada AGUIA BRANCA roa do
Queimado n. 8, onde sempre8 acharao abundancia era sort.mento de operiondad em
qualidades, modicidade em precos e o seuounca desmentalo AGRADO ES 1NCBWDADB.
Do que cima tica dito se conheceqoe o tempo de que a AGUIA BR.\NC> pode
dispr, empregado apezar de seas custosjjo esempenho de bem servir a aquelles que a
onPram procurando prover-se era dita loja do que necesitara, entrelanto sera ennume-
ar os objectos que por sua natureza sao mais conhecidos aluda resumtdamente indi-
car aquelles cuja importancia, elegancia o novidade os tornara recommendavets, como
bem seja
rs. o covado, pechincha.
Organdys a 30 rs.
Vcnde-se os mais bonitos organdys de
cores com padres miudos egraudos. sen-
do todos de cores fixas, pelos baratos pre-
cos de 3G0 rs. o cova lo.
ALGODO ENTESTADO
Vende-se urna grande porcSo de algod5o-
sinho americano com 8 palmos de largura
proprio para lences e toalbas tendo liso e
ti rucado que se vende por preco muito em
conta.
\iuos (le liuho
Chegou um grande sortimento de pecas
de panno do Ih.lio do Porto que se vendem
de 700 rs. at 15000 a vara, garanlindo-se
que em fazenda de linho nao ha nada me-
Ihor, nem mais proprio-para lences e toa-
llias.
PECHICHA EM CHAPEOS DE SOL
Chegou um grasde sortimento dos me-
hores chapeos de sol de seda, inglezcs ten-
do nesie art go o melhor que' tem vmdo ao
mercado assim como um-i grabdo porco de
ditos de alpacas de indas as coros 0 todos""
se vendem por preco muito mais borato do
que em o ira qualquer paite, por haver
grande percao.
i cacos Iii-aucos
Vende-se um grande sortimento de len-
cos hrancos para homem, sondo a dn/.ia a
!->GiK), 2)SOO0 o 3,?000. ditos abanhados
muito finos a e 65000 a dnzin, ditos de
esffuiio
7#8t),
. -Capellas brancas para meninas.
Grandes sortimento de flores finas.
Fil de seda, preto.
PERFUMARA
Grande e constante sortimento de dita,
sempre melhor quajidade.
Lindos vasos com p do arroz e pinsel,
Caixinhas com ditos aromticos.
Bonitos e modernos pentes dourados
para circular o coque.
Bonitos brincos de plaquee.
Aderecos e- brincos de raadreperolr.
Caivetes finos para abrir latas.
Tbesouras para frisar babadinhos.
Aspas para balo.
Novos stereoscopos com 48 vistas, as
quaes sao movidas por um machinismo
urnas substituem as outras.
Vistas para stereoscopos.
Bonitas caixinhas de vidro enfeitados com
pedras.
Ditas de madeira envernisada com vispo-
ras e com dminos,
Bollas de borracha para brinquedo de
Oorpinhos de cambraia, primorosamente
enfeitados com fitas de setim e obras essas
cuja novidade de molde e'perfeico de ador-
nos rs tornam apreciados.
Fitas roni largas de diversas cores e qua-
lidades para cutios.
Leqaes uesse objecto muito se podem
dizer querendo descreve-los minuciosamente
por suas qualidades, coree e desenhos, tal
o grande o variado sortimento que acaba
de chegar, mas para n3o massar o preten-
diente se lhe apresentar o que poder de
melhor.
Eniremeios em pecas de 12 tiras.
Guipurc branco preto de diversas qua-
Idades e desenhos.
Ditos de algodo .'com flores e lisos.
Veos de seda para chapelinas e monta-
ra.
Meias de seda para noivas.
Ditas abertas de fio descossia.
Costumes ou uniformes para menos.
Enxovacs completos para baptizados.
Touquinhas de fil, sapatinhos bordados enancas.
e meis oara ditos Diversos objectos de porcelana, propnos
" Camisiohas bordadas para ditos. para enfeites de mesa e de lap.nhas.
0 Campos da ra do Imperador n. 28.
no intuito de servir satislatori mente aos
seus innmera veis amigos e fregoezs. em
particular e em geral ao respeitavel publico,
desta cidade ; avisa aos que esUvercm pas-
sando o 4empo calmoso, nos deleitaveis
arrabaldes desta capital, que tem resolvido
vender, de de superior qualidade, a pnros
razoaveis, os seguintes gneros a saber:
PARA CIMA DE APARADORES
Latas com doce em calda de diversas
qualidades nacionaes e estrangeiros.
Ditas com peixe a saber; salmn, ostras
e lagostas.
Ditas com ervilhas francezas e poilugue-
zas.
Ditas com golea franceza.
Cerveja franceza verdadeira Bobee.
Presunto para fiambre e aiambrados.
PAR.V DISPENSAS
Latas com chouricas novas sondo de 8$,
cada urna.
Presuntos de Lamego para tompeiro.
Cuias do Para (pintadas pelos indgenas
daquella provincia.
Copos de vidro com dobradiraetampa
para diversos misteres.
PARA OS QUARTOS DE DORMIOA
Porta-phosphoros cheios de phosphoros
de segnranfa..
PARA SAL
Charutos de S. Flix do afamado fabri-
cante Costa.
Fumo picado do Daniel de S. Joo do
Rio de Novo.
Alm desses gneros, o Campos temcoo*
viccSo de que o seu estabelecimento um
dos que podem satisfazer com garantas as
exigencias bem entendidas, dos Ilustrados
habitantes desta heroica provincia, porquan-
to s acha elle bem prvido de gneros su-
periores, de maneira^a nao desmentir
OC
RO BAZAR DA I0BA
UE
Mi M SOLZA SOARES 1C,
Kua Nova
VENDE-SE MI ITO BARATO PARA LIQUI-
DAR A DINHEIRO.
liiavM-
De pelira Iraoca muito frescas, chegadas
por este ultimo vapor para horneas.- senho-
ras e de coras c pretas para nu-i.inoso
par 2(JKK).
Minhas festas
Lindos objectos para minios, como sejam:
Estojase caixinhas de msica, boleiuhas e
seslinhas, vasos e balainhos do porcelana
dourada, figuras, tinteiros, poit-bouquet,
caixinhas para joias, interesantps conchinbas
com frascos para excencias, ricos quadros
para retratos, iipparelhos de plaqu, cama-
feo e madrepcrola, lindos vasos com perfu-
maras etc. e., e muitos cutios objectos
para este fim.
Chapeo* le sol ou soniferlahas
de setim ricamente eneitados e mais mo-
dernos, que pode haver para seihoras a
I41, IO-> o I8000.
GU1PUKE OU CROCH
preto ou braeo que o pode haver de mais
bonito em padres e superiorern rjualidades
para casad-, cipiulias, corpinhos, meiis
saias etc. e vende-*o muito barato.
LINDAS CAMELIAS
brancas e r.r de-rosa d< dotis tamanbos
cada rosa a IriOO H500.
Chapeos para scutioias,
de palhafinade Italia elegantemente enfei-
tados egostos muito modernos de IW060,
le-se para liquidar a I0,50.b. E" pe-
ven d
chincha.
BRACO
{U A FESTA
Vende-se por menoaXde 10, 20 e 30 [
fazenda muito superior a o -5, 65 e
ERVATIVD
N. 23Largo do Terpo.N. 23.
DE
SIMO DOS SANTOS ft C.
Os prourietarios doste bem sorrtfl^ fti'mazem do secco
Vende-se um
mais modernas o
vestidos, cora as cores mais novas qae tem
vinio a este mercado, sendo com lislrinhas
miadinhas qae parecem de urna s cor e
com tanto lustro que imitara perfeitaraente
s poapelinas de seda, e vendem-.-e pelo
Iwrato preco de 400 rs.
Bretaahas'de rolo a 2-SSOO a
pe?a
Veade-se superior bretanha de rolo ten-
do 10 varas ou II metrus com 4 palmos
de largura pelo barato preco de^ 20300,
pachucha.
Os setius do Pavao
Vende-seos mais botutos setins de cores
e mais encorpados proprios para vestidos
tendo de diversas core6.
V)S PALITTS DO PAVO A 180 e
200000.
Vende-se um bonito sertimento de palit-
ts franceses sendo, sobrecasacados e pro-
priameate sobro-casacos, que se vendem
forrados de alpaca a 185000 e forrados de
*eda a 2O0O, pechincha.
.LCHASDEFUSTAO
Ka loia do tafo vende-se am granJo sortimen-
SL de uta sendo branca e de cores
StwdecrocL para cama* de noiva, assim como
onitoe damaCM de 15a para ctlebas.
lia Iota ao PavSo *endem-se os mais
bonitos chales de verdadeira cachemira de
cor, com os desenhos mais raoiernos, a W,
10 e 12*000. muito barato na roa da im-
peratriznb60bwNAsAi$ooo
Na loia do Pav5o vende-se as mais mo-
dernas basquinas ou manteletes dego.pure,
pelo barato proco de 120000 cada ama.
Cortes de organdys com barras
Pira a loia do P->3o encarara, os mais
bonitos cortes de organdys cora barra, send
cada um em seu carto, com o competente
figarino, muito proprios para f
sentes-
Peehieha eiu easesuieas a ..Q
Vende-se finissimascasemirasde cor com
lisuras ao lado, tendo duas larguras e com
as cores mais nov/is e mais bonitas que tem
vindo ao mercado, pelo baralissimo preco
de 40000 o covado ou 70000, cada corte
de cal^a. >
*
Os baloes do Pavao a 2S000,
Ch^g u um grande sortimento de baes
ou crenolinas do feitio mais moderno muito
proprias para vestidos ennesgados que se
vende pelo baralissimo preco de 20000 ca-
da um grande pechincha.
AS CA BRAIAS DO PAVAO A 1:500 RS.
Vende-se
de linissimas
tes tendo 10 jardas, com
largura pelo baratissimo preco de 40500, a
peca sendo fazenda que nunca se vendeu
por menos de 80000, grande pechincha.
e molhados esto re^
are urna grande dminuicao d pregos as suas mercadorias, como se apro-
xima a testa e sempre se fazein avultflas compras para o centro e praca, por
hso revinem ao respeitavel publico em geral, que maride fazer suas despencas e cer-
tos de que verao a grande differeuca em precos mais do que em outra qualquer parte
e orarantindo-se as superiores quadades. n
G\Z AMERICANO O0.'OO a lata, e 440, SEVADINHA E SAG 280 rs. a libra e
rs a Brrala e 660 rs. o tro. 620 rs. o kilogrammo.. ^tMmi
VNHO VERDADEIRO FIGUEIRA 560 FARINHA DE ARARUTA VERDADEIM
asarrafa, e 10508 a caada e 800 rs o ti- 640 a libra e 15400 o lalogrammo
BOLAX1NHA INGLEZA MUITO isOVA a
iO'O rs. a libra e 8n0rs. n kilogrsmmo.
VELLAS DE ESPARMACETE 720 rs. o
masso. em caita ha abatnente
PHOSPHOROS DO GAZ E DE SEGU-
RANCIA, 280, 400 e 560 rs. o masso,
D LISBOA 3I200 e 60300 a groza.
Ra do Imperador n. 2G .
Neste novo estabelecimento encontra-se
diariamente um variado sortimento de bo
linhos para cha, pastis, podins, bollos in-
glezes, pes de l presuntos, ditos un fiam-
bre, superior cha Hvsson, preto, e miudi-
nho. Vinhos linos de todas as qualidades
conage, licores, conservas, champagne, cer-
veja ingleza, fruclas muito boas, por-
tuguezas e francezas.
Um completo e variado sortimento de
caixinhas de todas os gustos o precos pan
mimosear senhoras, estas calimbas recn-
tenteme enejadas de Paris s3o de primea-
do gosto, ofl'eresse-ino-las aos galanteado: es
do bello sexo pois aellas acbarao nm digno
e serio presente para as-donas dos seus
pensamentos. Tambem os apreciadores da
boa fumaca encontraYSo rharutos d.s me-
lhores fabricantes da Babia e de Havana
sganos do Rio Janeiro etc. el-.
Doces d'ovos soceos, cbristalisados e de
calda, ditos de caj e de outras qualidades.
Ncsla casa recelu-m-se vmmBttoa%^(U*
bailes, casamentos e baptisados e qualquer
encommendas avulss, como se^a p3od i
e bollos enfeitado! v outrgs moius ttataf
eufailonho jneneionar.
o
tro.
DEM DE LISGOA das melhores marcas,
400, 4 40 e 300 rs. a garrafa, a 26800 o
30200 a caada, 660 e 720 rs. o litro.
DEM BRANCO DE LISBOA a 40000.
a ranada e 500 a garrafa, o 810 rs. o litro.
VINAGRE VERDADEIRO
10400,
Papel.
Xa ra fe imperador n. Im'.h.- ;>o de S.
Francisco, atha-o a renda p^jifl tara impr. ...>
grao Jesu; duplo dito,; dd formato do diario, tril-
lo em.fai Ju<. remo i m resma, c mc. pspel para livrus de comnicrcio gran.'-,', .V.,
raisin, carr. ec, Ritme, Hsa epaotOu, liso, e pautado, de &irei gaando, o peqauno, e au-a
grande porcSo de uw papel espaeiAl pela sua si-
da ror, o grande furmatn, papel amis I eaveiope,
6 oatras mullas qcalidaJcs, lodo a pnJmM rast-
vei?. *
2^000
raclciras ae. pfnho ffe abrir c fechar
fo-anaaxxa de Paulo los Gotnei & CUmaeo,
2-2 de Aovemlro n. 28, vtndcmfo caflelras
de pinho americaiio de abrir e frAar, propria? n_a-
raarmazen, assim como, pela fcil oondae pode qualquer pessoa i|:e viaja euudozi-las fena
inromm ido, o ti : m .>-i::i ubi asiento apropriado
para deseando d; viagem; e bem a**lm araBaiea-
da, quena proscnte quadra, pr...-urn usarrabaWes
atini de passarem ata da livrc do "calor da cidade,
pod^m citar sentados debaixn do frondosi' arbus-
tos, saboreandu Fea bavana, s n uet preciso csla-
rem ditados na relva, emh reo io de serero mor-
lid |mr alpum infecto venenoso._____ .
Utna grande porco de pecas L- H2o" o kilogr;
> cambalas brancas ransparen- fap.' lmenl0.
) lardas, com mais de \aia de ,>4K,. nc onn*
AMEIXAS EM LATAS E CACIIINHAb
DE MUITOS TAMANHOS I2S0, 2500
3;>1D0.13500, SdBO a lata e a retalho e li
o ||Kpi
GOMMA DE MILIIO AMERICANA 400 rs
c masso, e em caixa ha ahatiraento.
BATATAS NOVAS DE LISROA GO rs.
a libra, em caixa faz-se abatimento.
SERVEJA INGLEZA MARCA II 5500
a duzia e 500 rs. a garrafa.
DEM BASS, VERDADEIRA IIILERS A
BELL, 800 rs. a garrafa e 95 a dnzia.
VINHO. DO PORTO ENGARRAFADO DE
BANILY DE PORCO DE BALTIMOOR DIVERSAS MARCAS 1,8500, 1(5200, 15 e
720 rs. a libra, o 15500 o kilogrammo, em 800 rs. a garrafa.
200, 250 e 320 rs. a garrafa,
I 800 e 2-5-200 a caada,
AZEITE DOCE DE LISBOA 900 rs. a
garrafa, e a 7? a caada, e 15340 o litro.
MANTEIGA INGLEZA FLOR 15W0 e
15280 a libra, 3f$060 o 25780 o kilo-
grammo.
DITA FRANCEZA 960, 900 e 850 rs.
a hbra, e 25100, 15980 e 1.5860 o kilo-
grammo.
DITA PARA TEMPERO 560 rs. a li
animo, em porcio se
ijuIB
Resta venda utii escolhido sortinento de ol>
ectos de marcineria, como sc;.:un, mobiliaa do Ja
sarand. mogno e auiarco, obra nacional e eatrao-
aa ra cstreita do Itosarlo u. 32. Nesla raesra;
asa fazem-secom perfcigo todos .os trabalhoa d^
jaJhinha, como sejam, enmalhamentoa de lasti"
iara camas, cadeirai e sopnv*.
Passriuhos (lometa! prateado.
Chegi-u nova romesadesses bonito pa?arinn i
de metal prateado ,.-ra stpunr a cn?lura. ;__
^zem da Estrella
'ae* ?S8 ce "oveuja'O b. S-5
NSh ha davida i r Me de rjiprlmi ntos 8 lar-
raras i!-.; madeira do plilho ua-i qne se d \r tm
dfair obras P"is psiste no mrcalo de I!
Si pollpeadas de I: rgur assim com qujdidade-'.,
desde a b/anco | no al o encoun
dodereiip's: purtanto os armazenarios Jeynn
. oc .. r, !-.i>i. t.iu piaiii'io al
;;d pfiiWriU) eoniTinientn para da-la?, '..r. :'.!
laiiiln-iii eiiiiipi''! i sortinii n!o d( pi ico,
para nonvs '' '' em ^ l!''
forro, p;.ra fund de barrica, r-rcfrilvel a entro
qualquer por cansa terjiou<^is nos; wnd -so
de 9 a li a duzia, remoste taia, a mlha < a -
tal para Pirro da navios, c_plegaduras paraos
iii.'sir.o?, tadod ai lado e m ; do
ni rcad : no awijine bem conhecido aro: -.ii'Io
Paulo To.-G nies & rjlmaco.
A ra do Ljvramento n. 6, contina a ha
ver para vender por prreos rasoaveia, '
melhor viuho
mercado.
verde al hoje viudo a esli
AS POUPELIN\S DO PAVO A 500 RS.
Chegaram as mais lindas poupelirias de
la com imitaco das poupelinas de Seda,
um fazenda muito leve cora as mais lin-
das cores, sendo: verdeBismark, rxa,azul
lyrio, c nsento, peroila etc, etc. e vende-se
pelo baratissimo preco de 500 rs.
Fustoes Lrancos para vestidos
Cbegon ura lindo sortioiento dos mais ba-
ratos e bonitos fustoes blancos com listras.
e cordoes, sendo fazenda bastante larga (
flexivel, muito propria para vestidos e mo-
nas de miniaos e veodem-se a 640 o co-
vado. _
BONITAS LftASINHAS
OU ANADINAS A 15000 RS. O COVADO.
Chegou para o Pavo, um grande e va-
riado sortimento desta nova fazenda de 13a
e seda propria para vestidos, com os mais
delicados desen ios e mais modernas cores,
tendo bastante argura que facita fazer-se
nm vestido eom poucos covados, pelo bara-
tissimo preeo de 15OU0 o covado., por j es-
tarem muito prximos da festa.
CRETONES MATISADOS PARA VESTIDOS
A 640 E 800 RS. ,
Para a loja do Pavaa chegaram os mau
bonitos cretones escuros matisadus. prc-
prtos para vestidas, roupo chambres etc.
qo se vendem 800 re. o covado, assim
como a mesma fazenda em padres claros
proprios para vestidos e roapas de meni-
nos a 640 o covado, sendo ospadrQesmas
moderuos que tem vinpo ao mercado.
Chitas francezas
Para a loja do Pavao chegaram as mais
tinas e 'bonitas chitas escuras, prdpiiaraenle
francezas, e vende-se a 300 rs. o covado
porco se far abatimento.
ARROZ DO MARANHAO E DA INDIA
120 e rs. a libra, 260 rs. o kilogrammo e
35400 a arroba.
, ALPI3TA 200 rs. a libra e 440 rs. o
kilogrammo, e 65000 a arroba.
CAFE EM GRAO 63 e 65500 a arroba,
200.240 e 260 rs. a libra, 440 e 520 rs. o
kilogrammo em sacca se far abatimento.
SABO MASSA 240 e 200 rs. a libra,
520 e 440 rs o kilogrammo, em caixa se
faz abatimento.
MASSAS PARA SOPA, MAG4JIRAO, IA-
LHARIN E ALETRIA, 560 rs. a libra.,e
15220 o kilogrammo.
BOLACHINHAS EM LATAS DE DIVER-
SAS QUALIDADES, bem como perohi bri-
Ihante.combination, Francy-cracynel, mixed
Britania. Mdium, Fancy-nic-nac, a, b, c, e
soda a i^OOO e 15400, cada urna lata.
GENEBRA DE HOLANDA E HAMBUR-
GUEZA 75 e 65 a frasqneira, e 500 rs. o
frasco
DEM DE LARANJA DOCE AROMTICA,
115 a frasqneira e 15 o frasco.
QUEIJOS DE DIVERSOS VAPORES,
35<'0O, 25800 e 25400 m caixa ha abati-
mento.
TOUCINHO DE LISBOA MUITO ALTO
400 rs. a libra, e 880 rs. o kilogrammo,
e 115500 a arroba.
LINGUICAS FINAS PROMPTAS EM LA-
TAS 15000 rs. a lata.
LOMBO DE PORCO ASSADO JA PROMP
TO a 15000 rs. a lata.
CHA FINO. GRAUDO E MIUDINHO
35200 e 25800 a libra, e 65100 o kilo-
grammo.
DEM PROPRIO PARA NEGOCIO 25000,
2&20O e 15800, rs. a libra.
Assim como ha outros muitos "gneros, vinho era ancoretas, azeitonas,
mito novas, passas e figos novos, charutos de diversas marcas, marraelada, feita pelos
melhores conservemos em Lisboa, gela de raarmello, pcego, ervilhas, em latas, por-
tugus e francezas, vitfho verde engarrafado retalho, peixe em latas, bem como
pescada, lainha, pajgo, goraz, lula, corvina, yezugo, cavalla, safda e sardinhas de Nan-
tes. Canella, cravo, ervadoce, cominho, pimenta, grandesmolhos de sebolla a 15000.
Finalmente mirto* outros gneros que enfandonho meociona-los.
RA A GLORI1 .l. 5
Olaria do Futido.
Ha sempre nesta olaria grande sortimento de
materiaes, como ti.ls de aivenaria batida, ladri-
Iho, quadrado de 8, 9 e mais pollegadas, telhas e
telhQes, lijlos de tapamentos. O proprielario des-
ta olaria garante a bndade e barro de tacs mate
riaes, como tambem vende-se m*is .barato do que
era outra qualquer pane. _________
- Vende-se um carro de quatro asientos, pare
dous cavaltos, com arreios. Os pretendentes po-
dem v-lo na ra do Hospicio nffiema do Sr. te-
raldo, corneiro, e tratar com Vi.enlol-'orrf ira da
i'osta : na de Hia.'linelo.
Vende-w a casa terrea com sota corrida, ha
pouco construida, sita ra da Camba do Carmo
n. 17 : a tratar na ra larga do Rcfario, armazem
de louca de porta larga.
ffzendt/s.
Na ra Nova n. 48, amia rc-lam alguro ; f.i-
zends que se vetili'in por on-Ais que adi am
a m 1 ; tai la mi is .1 30Q rs., n
rom fe-tas de muito 'as cores a 300 rs.. rhi <
a 200 e 3C0 rti., granda qnaniidade de 'aii brnias
do muito lindis padBes a 300 rs., e outras mul-
las fazendas qu<*pi-la saa b >a
nam reenmreniladas para cas;
firande qnanudade de palrto's 1! sida, de panno
fino, de rasemira, i!e bninbaziiia (pretos e i!-i co-
res) '|no si' viiuicio p< r Ulo o pceo ;i:.ra !i pii-
dar, apruveilem a pnih ncha que est linda
qualidade -
isas de familias.
Da melhor qualidade e tior mei. ir p-eco
que em nutra qualqoer partid, venden Ama-
ral, Moreira, &C. em seu armazem do Caes
da Alfaodfga n. V.-
Vendc-se uoia eserava moca, quitaiMem e
lavadura : na rnadd S, Gonzalo n. 20.
Pinga do Domo.
Felix-Pereira da Silva receben notamente por-
cao de barris do bem conhHcidoe expeliente vinho
puro do Douro, muito proprio para mesa, e vende
por preijo commodo : na ra da Imperatriz nu-
meruCO._________________.
VNDESE ou arrenda-se o engenno
S. Ga&par, ilo na fregui-zia de Serinha^m.
comarca do Rio Formuso, prximo do em-
barque, com grandes partidos de pal e-j
massap i roda da moenda. mattos mangues
para nadeira neressai ia, bom pasto, etc.:
h tratar na ra d'uirora a. 26, ou na do
Imperauor n. 20.
PARA A FESTA
3 portas, 1 ja de fer a^em
53-Eua Direita--53
CEMENTO
PORTLAND.
Vende-se no armazem amareilo de Vicente Fer-
Nesto itranae estabelecimento, ha para vender reir da Costa & Filho, defronte do arco da Con-
uracompfe?, sortimento de feragem, e miudezas ce.cao.em barncas grandes.
finas e grossas, como sejam bandejas cbin^zas -------------------------------------------------------------
qnadradas o ovaes, facas e garfos fle 1 2 bc-
toes, balance inteiro e 1/1 balanco; panellas, :ha-' -
Iheiras, cacarollas, frigideiras, assadeiras,
Bulinpas deeimaes.
tanto Vendem-se bataneas derioiaes de todos oe tama-
de'ferr eono de porcelana, moir.hospara caf de nlios, para engenhos o arma aa de assucar : na
diversos tamanhos do fabricante Japy, peso kilo- casa de Pranle Vianna 4 C.
de latii, metros
Manuel Alves Kerreija Se C, na roa d Mne-
da n. 5, i andar, tem para vender superior viab
do Porto em ancoreras e cabras do duzi.-.s, barril*
zinhos com 400 e WO sardinba* superiores e har-
neas com bago de sabngneiro. potaaM da Russia
e ral de Lisboa.
Companbia Je seguros marti-
mos uiilidade publica.
A direeco de conformidade com os seus estatu-
tos a.l. 19, vfndepor intermedio do ercior Ma
cedo dez accoes da mrsma coiiqianhia : para tra-
tar na xua da Carieia n. 42.
ESCRAVOS FGIDOS.
Fugio no dia 8 do corxento mez do dezem-
bro de IKfiy, do engenho 0'iqui, freguezia da Ss-
cada, o esclavo Paulo, cabra, o idade 40 annos,
llura j onrpo regulare barbado, cabellos cara-
pinlics, pellos e pernas bem cabelludos, cara com
marcas do boxigas, tem marca de chicote pelas
distas com pareocias de pu-imaduras, vestido cora
cal^a do briiii pardo, camisa de madajiolao, cha-
peo de palba de carnauba, foi escravo do padre
Lois, m ir.idor nos Afogados, tendo o mesm > es-
clavo multier e lilhos nme lugar : priga-se I0(<4
di' gratiflcMcao a quera o prender e leva-lo ao do
engolillo, ou na ru; -Jo Cabng n. II ao Sr. Fran-
cisco Antonio do Brito.
Gratificagao de 10(
Ao chegar a esta cidade em sua nltima viagem
os portus do norte o vapor nacional Guar, iugio
de bordo o escravo Sevprino, mulato, de 30 annos
de idade, que do Cear remettiam os Srs. Vii ir i
hgado Souza 4 C. por cnta do Sr. Raynuada
Olunpii G. l'reilas, ao Sr. Dclphiin Ribeiro de
Abreu, no Rio de Janeiro : pede-c, portanto. as
.ntoridades policiaes desta. cidade o aos capu.V s
de campo a raptura do referido escravo, o de en-
ireparem no as abaixo assignados nesta cidade,
ao caes da ;ilf.in.!eua vi-lha o. 2, que so re-|i"nsa-
hiiisam por todas ;is despetas que se lizerem, gra-
tificinJo mais a qualquer capilao do campo com a
quantia cima referida.
Voras & Barhedn
* Na k>ja e armazem] do PavSo rvi da Imperatriz n.
60.
gem, miudezas cntijaria-)
ta se verifica; na ra direita
tas de Maco?! Bento -Jo Oliveira Braga* C-2
n.'o3 loja de 3 per-! Venderse lape lo do pedra de Lisboa :
veneersc lage lo ac peora ae i.isDoa : na
da Cadeia n. 57, eaea de Prente Viaana 4 C.
Repolbo salgsnlo,*->lamw suissos, lanojM^ter,
vinhos hrancos suisso-. yvurnc, villeneuve, nrooy.
cates du Rhnne, beaOfows : na imrenal fabrica
de arveja, rna do Sebo n 3S. _______________
Veade-se urna excel n 5 a iratar na roa l.ara i\ Rozari" n. t5
Jiofica
Vende-so a botica n. li a raa da Cadeia. por
acbar-se doente sen done
Vende-ssrgomma. reijlo e c'ra de carnauba
em saceos : na ra 'i Queimado a. 13, prin
andar.
Vviso s autoridades policiaca
c a qiieui competir
No dia 2^ Ue maio do crreme ar.no,
fgio o escra\-o Bzeqniel, crioulo de ,10 ?
anuos de idade. esttnra regular. r(pr i-Ar tem |eia cabeoa redonda, traja-Va ri
mi a azul e calca le rasaenura ciuzonta:
durante >> dia Cstuma andar ganliando as
mas. uu e/n arilia/eiis d assucar oo t:.s t-
be!"a a conversar e a beber; di ratita *
ibtite n id li -('. teibeiros aberto-, ou po-
fti(tiravei>, ,\ e,asi-1^ loa.-trunn c a ou
quaes |iici- lu^> res. rmdi* se |.
quera o appi i-lu'hder tenlia a beadade i
.indicia a ru fia Aoroia n. 26. mi n,1 do
topera-lur i, -i', uode ser gnlifi-jdo.
t
d9fX7 .*!*t
summm


Diario de Pernambuco Quarla feira 29 de Dezembro de 1869.
WTTERAlUEi


Xotas estradas de fer; o: o sys-
tcma FcH.
(QmclusSo).
Corpe-se oreio central de dous patini
dependentes am do antro por duas travessas
articuladas, formando tudo umparalelogram-
mo, e sendo manobrados por una alavanca,
i Qn.il movida por una parauso.
O systema excclenle o simples; mas
je o trilito medio viesse a rjajtfar-se, ou
s- ficasse abaixado n'utna pasfefem a nivel
no momento de atravessar unCtrem (e p-
de> acontecer ao mais zclnso empreado um
accidente que o impeca de levantar o trilho
a occasao necessaria) o treios ceotraes,
abalroando contra o pedaco de trilho que
segu a lacuaa, romper-so-hiam infallivcl
mente, como j acontecen urna vez. Pa-
rece que liaveria um nvk> simplissimo de
evitar o desastre. Baslari recurvar exter-
namente as duas extremidades de cada um
dos palhu. S a parte mediana chata gar-
rira para prender; mas qn.mdo se che
gasse ao fina do trilho, o cscavamento fir-
mado pela parle dos atins recurvada para
fer, putaa o trilho maneira de, funil e
e obrigafia a passar entre, os palias.
Ha carros de Ia, 2S e 3a classe. As ban
quelas sao parallelas va forrea, e ficara
em frenleu mas das outras. Os vidros pdena
ser coborlos com rotulas de pao. Todos se
municam entre si por meio de portas
corredizas enllocadas as extremida-des; por
consecuencia, ficam frente a frente de nm
a outro carro, de modo que possivel andar
do um outro lado do trem j nao obstante
prudente nao tentado durante a marclia.
Seriadlo para desejar qae as portas (que se
conservara abertas durante o ver5o) fossem
acoiiipanliadas de urna pequea grade que
..mpedisse cahir urna enanca c retivesse ao
mesmo t-mpo os objectos que porventura
wcipassem das raaos dos viajantes, e que,
Botando sobra o cammho nao s ficariam
perlidos, mas at poderiam occasionar um
desastre.
S) boato* os carros de primeira"clas-
se. A lu niados por doas lampadas, con-
tm diMo lugares e sao ornados nos qua-
iro tantos por espelhos de bellissimo
effei'o.
A pissagem do monte Cenis qne as dili-
gencias elTicluavam durante a noite, faz-se
agora de dia, o que d;i lugar a que se apre-
eicm sitios magnficos. Permittir-me-hao
descrever brevemente, ao concluir, o pano-
rama maravilhoso -que so desee rola por
- urna hila manha aos olh>s do viajante
qu;-. vean da Italia para Franca.
algainol o ingrima declive da vertente
pieinwuesa. A nev aecusa a salenca da
ontanha, cojo perfil se recorta no co.
Por traz-vemos duas longas filas parallela-,
urna branca, outra cinzenta. Urna es-
irada, outra a estrada de ferro de Suse a
Turim.
G uiloruimos a verdejante villa de Nova-
lasa segurado audazmente a velba estrada
e deixando ao longo os riscos da estrada
de posta. A' proporco que subimos, as
casas tornam-se mais cspa'hadas, mais
raras, mais humildes e mais pebres.
Costeamos o precipicio vertical. Por
baixo de nos os velhos pinheiros pirecem
grandes hervas que orlam o sop da alta
muralba,
Subimos. Ao passo que pelas janella*
contemplamos a pasagem diante da qual
passamo nos espelhos qne ornam as ex-
tremidades do, carro, como por effeito
d miragem, dJucobrrai'M de um lado a
paisagem que dexaraos atrs de nos, e
de outro a que vamos ver. O effeito
singular c encantador.
Subimos. Depois das habilaces, as
arvores lornam-sc raras c rachitieas. As
cascatas ainontoam se urnas sobre outras.
Filemos una parada na ultima cabana
Graiid'Croix, e continuamos a subir. Desap-
parecem as arvores. A trra lica apenas
coberta por plantas 'herbceas.
As flores alpestres, enchem o ar de per-
fumes penetrantes; as vaccas pascem a.
horva muida.
Aqui, no timo da montanha, arredonda-
se, tomo se fura urna laca, um pequeo
lago azul celeste. Deisa escapar um lio
de agua que corre rpidamente para o
Adritico ; o ultimo ; daqui era diante
todas as torrentes irlo encher o RhodanO,
P"rque chegamos garganta.
Estamos agora mais alto do q ie o Puy-
de-Dome," mais alto que o monte Dor,
mai* alto que o monte Ventoux.
A pesada locomotiva que. segundo os
doutores, devia ficar no valle, tet agn
na regio dos abutres, das aguias e dos
gypaclas.
Deixamos atraz o hospicio que faz
lembrar o lempo anda prximo, em que
nao se poda galgar a montanha sem arris-
car a vida. O ar torna-se fri. Flecos
nevi.entes fluctuam aos nossos ps. Os
vapores do eco mesclam-se aos de nossa
respirado. As geleiras, empurradas pelas
neves superiores, escorregam pelos decli-
nis ; grossas nuvens se aproximara desses
geloj e fundem-se ao su contacto.
Da repeate, torna se invisivcl esse bello
espectculo ; que entramos numa inter-
minavel galera, pela qual atravessamos
a fronteira. Quando Tcapparecc a luz es-
tamos em Franca.
Temos primeiramento d percorrer o
qi)-- se chama le gratul laeet. Do alto
distinguimos at cinco terraros, pren'dendo-
se uns aos outros cm ngulo agudo. O
nosso trem desee cm zig-zag. Chegamos
a Lansleburgo. Aqui temes de sofrer a
ridicula formalidade da visita ; por filiri-
dade. os empregados da alfandega, amigos
do descanco nao visitam nada ; mas nem
por isso deixam de incommodar todos as
viajantes.
Daqui em dianle costeamos o Are, O
rio," de cor branca opaca, quasi lvida,
corre aqui n'um vasto leito de seixos, e
all salta sibre as pedras, fr.rvc e salta
outra vez para transpo-las.
Deixamos direita quatro fortalezas in-
venciveis e no entanto abandonadas. E'
que as fortalezas foram construidas contra
a Franca. Quando a Austria era omni-
potente obrigou o Piemonte a construi-las.
Levantadas em tal lugar, tiveram de costar
um tlinbeiro louco. Hoje pertencem
gens. A- menore* chapadas s*, chi-
vadas, e, por cima d >s cainpo'S feriis,
estendem-se campos de nove de nma bu-
llante alvura. Dentro em pouco estare-
mos em S. Miguel ; mas deixando Modane
olhamos para a esqnerda e entrevemos o
que lia de mais nteressante, nao naquella
estrada, mas diriamos cm toda a torra,
so nSo eslivesse anda cima *o cana
Suez. Notamos u:n monto enorme' de
lascas de rochas pardacenlas, depois orna
fabrica do gaz e machimas hydrauficas.
Ahi est a boca septentrional do tunnel dos
Alpes. Esses destrocis de rocha sao da
excavacao ; essas fabricas fornecem o saz
que Ilumina o sublcrraQeo, o ar compri-
mido que serve pora rasga-lo, a agua que
ajuda o rasgamento.
Nao ha limite ao progresso. Apos a
maravlbosa estrada que acabamos de per-
correr, eis o caminho anda mais maravi-
lhoso por onde iremos amanha.
CARLOS BOISSAY.
Franca, contra a qua! foram erigidas.
Xeiib una bandeira flucta por cima desses
fortes, uo se Ibes v pecas, nenhuma
sentinella est all para gritar : quem vem
? e o viajante francez admira como
jmidor aquelle aspecto piltoresco, no
meio da natureza alpestre.
AproxMoamo-nos do termo da aossa
- i igem na meio das mais esplendidas paisa-
POUCO DE TTTDO.
ORTSCHAKOFF.Anraincou um tele-
gromma de S. Petersburgo datado de 7 de
dezembro o fallecimento do principe de
Gortschakoff, ministro dos negocios cstran-
geiros.
Aexandre Michaelowt>cb Gortschakoff
contava perto de 72 annos, pois nsseera
em principios de i 798.
Este distincto hornera de estado princi-
piou a sua carreira diplomtica nos congres-
sos de Laybach e de Ve roa, como secre
tario do celebn; essekode. Em 18i-foi
norneado secretario da cmbaixada russa eral
Londres, onde se entregou ao csttido das
linguas estrangeiras.
Encarregado de negocios em Florenca
em 1830, dous annos depois era nomeado
secretario da legacao cm Vienna, onde a
doenca e a morte do cmbaixador russo Ihc
derara urna grande influencia.
Em 1841 foi a Stltgard negociar o casa-
mento da gran-doqneza Olga com o princi-
pe real do Wurlemberg, recebando em re-
compensa d'esie servico o titulo de conse-
Iheiro intimo.
Durante osacontecimentos polticos de
1848 e 189 o principe de Gortschakoff
guardou com os estados da \llemanha urna
prudente reserva que Ihe perailiio, como
plenipotenciario, o usar de urna lingua-
gem rauto demorada na dieta germnica,
quando se manifestou a reaeco de 1850.
Na qnesto do Oriente o principe teve
nm dos primeiros papis.
Nomeado em 8 do junbo de 185i em
baixador em Vienna nao pode impedir
concluso do tratado de 2 de dezembro
porm as sua; instancias para com o go
verno russo tiveram ao menos em resulta
do a aceitaco dos quatro pontos e da con-
cluso implcita do traclado de Pars de 30
de marco de 18o6.
No mesmo armo foi nomeado ministro dos
negocios estrangeiros em substituirlo de
Nesselrod.
as qnestes de aples o princip cau-
sou alguma emoc5o na Eiropa com a sua
primeira circular aos agentes diplomticos
iussos, na qual, rollando contra a Franca
e a Inglaterra o principio da independencia
das naces, oppuiihvsc absrlimonto a que
as potencias occidentaes s<5 intromeJtessem
nos negocios internos das Duas Sicilia.
N'essa circurar notava-se tambera a se-
guinte phrase que ficen sendo a divisa da
sua poltica : a.\ Russa nao se sola, recon-
centra o seu espirito.
N''Stes ltimos annos, to fecundos cm
questoes inleruaconaes, a poltica externa
dos Russos, apqzjr das conferencias diplo-
mticas, dos conjressos, das entrevistas de
soberanos, nao parece ler sahido dessa re-
concentraro de espirito.
DESASTRES EM MINAS DE CARVAO.
O anno de 18615 tnrnou-sc nolavel era
Inglaterra pelas>-desgracas occorridas ms
minas de carvao, segundo um rotatorio pu-
blicado recenlemente pelo director geral da
repartico de minas. ,
Elevou-sc a l:i"-4 o numero de vidas
que se perderam entre os 320:603 mineiros
de Inglaterra e Escoca, cujos esforcos reu-
nidos produziram a extraerlo de 100 mi-
Ihoes de toneladas do conbustivel durante
o diferido anuor
E' muito sensvel acrescentar que, segun-
do o relato-o do direemr geral da repart-
Co de minas, 837 d'estas desgracas pode-
riam ter-se evitado, se se tivessem observa-
do as precauces ordinaria*;.
PRESENTE AO PAPA.Po IX acaba de
recebar Dina casula de o uro massico, com
um santo ciborio igualmente de onro massi-
co. Estes dous ob|ectos foram oflerecidos
pelos fiis da Amer.ca do Sul a sua santi-
dade, que dignou-se recebel-os com a mais
viva satisfaco.
Alm d'isso.os bispos di America do Sul,
chegados leventemente a Roma, tambem
levaram a Po IX outro presente, fae no
menos valioso que aquellescento e uito
mil dollars.
A IMPERATRIZ EUGENIA EM ISMAIUA.
Escrevem da nova cidade do lsmailia. no|
Egypto, a seguiite carta datada de 19 de
novembro:
A imperatrz dos francezes. acompa-
nhada do engeulieiro Lesseps. do todos os
princjpaes fuucconarios do |>aiz, dos mem-
bros da companhia do canal e de, urna ca-
valgaia de damas europeas residentes no
Egypto ou vindas para assistr s festas da
inauguracSo, dirigiu- tem a Ll-Guisr. S. M. I. vesta um trage de
amazona dtela mnio fina, e, para con-
formar-se com os usos do paiz. levava sus-
penso do cuito um elegante leque de pal-
ma. Depois de admirar a gran le escava-
no d'onde seextrahiram mais de cinco mi-
llies de metros cbicos de trra e de des-
cansar n'um elegante kioske, a imperatrz cincoenta annos, segundo o calculo
aceitouo almnco que se Ihe tinha prepara- um compositor Francea de 6.000.
tm(am-s9 s pataeios como pw eocaoto
un grande lado dado pelo kbedive. ao
qual assistiram todos os seus hospedes e
un grande ouinsro de convidados A con-
coTencia chegou a ser o cxcessv3, que
den lugar a um TOrdadetro baruho, d*
modo que os apparadores foram invadidos
e saqueados.
t A imperatrz permanecen no baile at
a hora muito avancada o percorreu os
sanes radiante de formosnra ; ao vela nao
poderia cror-se que com nma costituc3o
to delicada, acabava de effectuar lio tonga
vigem. Vesta um elegante irage cor de
ce"cja, coberi do gaze da raesma cor, se-
meado de estrellas, e osUntaa orot grande
pr)fusSo de diamantes. Estava rorddeira'-
mento deslumbradora.
O Sr. Lesseps est salisfeili simo, por
ojia todo lem corrido medida dos seus
de ojos.
NAUFRAGIO.Sbese, diz o Diario de
ft'vre, qne os armadores inglezes que com-
meniam com a China cosiumam organisar
entre o sens meihores vapores verdadei-
ras regatas que teco por campo de com-
petencia nm ospa?o de 0:003 leguas. Cou-
sa nolavel! osles narios que pirtem da Cni-
na logo qne se acaba a coRierta do cla
chegam muilas vzes a Inglaterra'com difie-
re ie3 de algons das, s vezes at de ho-
ra?, uns doi onlros. Ora como na Ingla-
terra ludo pretexto para apostas, ha sem-
pr<3 fabulosas sommas apostadas a favor dos
diversos vasos que entram na carreira.
No atino passado o venccdi>r d'esta gran-
diosa regata foi o cllpper Spindiift, cons-
truido melade de ferio, melado de madei-
ra Este magnifico vasoq e anda nao ti-
rilla feito feno urna viagem i 6iwm acaba
de naufragar as costas inglezas. Largou
de Loiidres no dia 20 de novembro, com
destino a Hong-Kong, com nm carregamen-
to no valor de mais de 200:009 libras,
dia segunde pelas duas hora* da madrugada
lia! o n'um banco de areia situado perto do
pliarol de Dungeness, e descoujunctou-se
Este vaso vala aproximadamente 20:000
libras e ponencia aos Sr. Fenloy & C, de
Glasgow e Londres.
CRIM2 DE PANTIN. O Journal des
Debis refere nos segumos lermos o tr-
gico fim de um infeliz soldado a quem o
drama de Pantin havia feito perder a
razao: %
Um soldado do 4. regiment da guar-
da tinha obtido recenlemente lioenca de al-
guns das para ir assistr na sua aldeia,
nos arredores de Soultz, ao casamenio de
sua iima.
Iufelzmentc no dia segninte ao do ca-
samento o recem casado foi preso pelo cri-
me de roubo.
Ora loda a Abacia est anda preocu-
pada com o ciimede Troppman.
Alguns visinlios dos noivos, querendo
divertir-se a custa da desgraca quo acaba-
va de Ibes acontecer comeearam a dar ao
preso o nomo de Troppman, e por exten-
so ao seu cunbado, o soldado do 4. regi-
ment da guarda'.
Esle supporlou islo ao principio com
alguma paciencia, mas como era de urna
siiplicidade de espirito pouco commum,
acabou por se entristecer, e por se horro-
rizar at com o sinistro nome de Tropp-
man que contnuaraenle soava aos seus
ouvdos.
Voltando para Paris o pobre soldada
logia dos seus companberos, proairava vi-
vero mais soladamente possivel, e, insen
sivelmente, a sua razo alterou-se. Deu
entrada no hospial de Val-de-Gracc, c ao
cabo de um mez jnlgaram-no curado. Mas
a sua iJea fixa perseguia-o de con-
tinuo.
A noute tinha liorrveis pezadellos: va
de continuo ovas abertas c cadveres en-
sanguentados que para a li eram arrojados.
Eitao onviram-n'o gritar com voz sufo-
cada :
Nao son Troppman! no sou Trop-
pman!... Pelo amor de Deus, n5o ine
prendara !
p Anle-honlem s 3 horas da tarde o in-
do om indiridm po? nome Nicot, condem-
lado morte por ter assasjinado umi mu-
ilier de Uanualec que, vollaado do mercado
ile Quimner, o tinha recebido no seu carro.
Por premio d'esto favor Nicot assassinou a
o despojou-a do pooco- dinoerro qua tinha.
N'col, qne desde qne principiou o seu
iwocesso tinha d**> omitas provas de arre-
pendimento, cammliou para o sapplicio com
grande presenca de espirito, aceitando re-
;.gnado esta expfa?5o suprema.
Urna grande multido, na qual abunda-
.am mulberes o crianijas, assistio a esta
exeeofao.
Chegados ao lugar du snpjdicio o sicer-
iote e o condemaido ajoelliaram-se para
.raejtar a ultmi ora;31.
in instanti depois Nicot era confiado as
n3os do carrasco, e a justi'ca bumana Qcava
satisfeita.
GRANDE DESASTRE.Segundo anana-
c.ia a Gazette Hhenzne, a ponte de ferro que
a coapantiia do caminhu de ferro de Berg
Um construir sobre o Rheno abaleu por cau-
sa do choqae de um navio carregado que
'oi de encontr aos cimbres.
Morreram n -ste desastre quarenta e oito
operarios, e vate acarara mais ou menos
gi-avemenle feridos.
IfOVO COMETA.O astrnomo francez
Tempel deser>brio um novo cometa na cons-
tellacao de Pegaso no sabbad O de no-
remhro, segundo dizem os diarios do M*r
selha, que inserem umi carta daquelle as-
trnomo, annunciando a descoberta.
M V8A VILIIAS DA TELEGRAPHIA ELC-
TRICA.Refere o Diario da Havre que o
disenrso com qne NapoteSo III abri a-sos-
sao das cmaras legislalivas foi tranamiltido
de Paris para o Havre por meio do telegra-
pho em 25 minutos.
O discurso cpnsta de 1,259 palavras.
A Iransmisso comecoa 1 hora e 30
minutos da tarde e terminou a umi hora e]
ia minutos.
LE DE LINCH.
que a lei de Linch
nos Estados-Unidos
quencia que nunca
O Times demonstra
se applca actualmente
t ,l\ez com mais fre-
e como prova da sua
asserrjo refere que no primeiro domiigo de
novembro tira grupo do habitantes de Rcb-
mond arrancaram da cada um individuo pre-
so como author de cinco assassinatos e en-
forcaram-no no pateo do tribunal, pondo-lhe
as costas um letreiro que uizia: Prohibe-se
cortar a corda antes de segunda-fera s sote
da manbSSa.
IGREJA CATHOTICV.No da 7 de de-
zembro corrento devia ter lugar no Cairo,
na presenra do principe da Prussia, a collo-
cac3o da primeira pedra para a construeco
de urna igreja calholica.
vezes ao p do escondrijo sotn se so?pei-
lar que fojse all, porque iienbiiin signal
exterior o denunciava.
E a grande pedra ? diris vos. Asse-
vero-vos que so encoatra umasimilbaote de
cem era cem passos. Aereditai-ae, lor
felcidade, mas no moita, considerando o
trabalbo e os esforcos que custoo o desco-
br ment!
A's 11 horas, pois, frma-se o circulo,
os gendarmes e os monteiros manteem a
respeitosa distancia os quinbentos curiosos,
vindos das proximidades; avista-so um.ga-
roto em cima de cada ramo das arvores
mais elevadas. Vieram barris coa* agua,
recipientes, esponjas, orna bussola, um
ihermometro e instrumentos necessarios aos
agrimensores.
E' Hequette qne vem primeiro, s, ca-
var prudentemente. Descobrem-se os ps
que apparecem a alguns centmetros de
profundidade, os joelhos a 30 centimentros
mais abaixo, a caneca a 50 centmetros:
finalmente desenba-se a forma humana co-
berta de trra.
O Dr. Bernard limpou com a esponja
e muita agua as partes expostas ao ar ; a
cabeca sahio bem, os cabellos desprende-
ram-sc e guardaram-se.
- Dascobre-se o estomago, distingue-se
debaixo do paletote da camisola de 15a as
costelas e o sterno, a barriga est mettda
para dentro, as pernas aberlas, os joejbos
dobrados, os calcanhares juntos. A posieio
do corpo na sua improvisadora cova qnasi
de perfil, com o rosto para o norte e os
ps para o meio dia, na parte inclinada do
solo.
O Fgaro d os seguintis pormeno-
res :
A noticia mais importante de hontem
foi a descoberta do cadver de Jo3o Kinck.
Quando tal noticia se espalhou ninguem a
qoiz acreditar. 03 despachos telegrapbcos
que recebemos esta tarde, j n5o deixam
nenhuma duvida a esle respeilo.
t Eis aqui os motivos que fizeram com
que se continuasse as escavanes, que todos
julgavam abandonadas. O Sr. Douet d'Arcq
tinha completamente abandonado o pro-
cesso de Troppman por terem sido rcmetti-
dos os autos para o tribunal compe-
tente.
Foi este tribunal que ordenou que se
fizessem novas pesquizas, e na quirta feira
o Sr. Souveras dexava Pariz.para ir a Al-
sacia, levando um precatorio do tribunal
crimina! para o juiz do instruccao de Bel-
fort.
O empregado de seguranca estava alm
disso munido de novas indicaces sobre a
topographia do sitio e de esclarecmentos
forceados pelo Sr. Kreimp e por Tropp-
man.
Sabendo-se que o cammho percorrido
VAR1EDADE
ASSASSINATO DA FAMILIA KINCK. DES
COBERTA DO CADVER DO PAL
Dos jornaes da Europa, vindos hontem
pelo vapor inglea.-i'jejtrahimos o seguinte :
Sabe se, escrevm de Cemay. com
data de 6 de notfembro, ao Monikar, ,ae
j nao resta duvida alguma sobre o ap[ ire-
cimenlo do cadver de Joao Kinck, o qual
teve lugar boiitem s 11 horas da maima.
P6i um horaem clwmado Hquett?, de Wal-
twller, que lia oito das estava s orden?
do Sr. Souveras e do cymmissaiio de poli-
ca, que o descobrio.
Hqutte um ex-sargento de IT. ba-
talbo de ligeiros e actualmente agente de
polica ha sua communa e ha pouco nomea-
do instructor na guarda movel.
E' natural de mota (sempre o aca-
so !) e ter/i 38 ants. Andava a distancia
de 10 passos do sr. Wittersbach, commis-
sario de Cernay, e nu d ixava urna nica
pedia grande sem cavar por baxo, pois
que erara estas as ordens doSr. Souveras,
que n.1 espe'ra tinha voltado de Paris com
novas aformac9*B dadas pelo proprio
feliz estava de sentinella porta do pavilhao 'li'Oppman.
De repante apparece ura bocado de
fazenda, e um boto de Jato reluz ao reQexo
Donon, no Louvre, e collocindo a boc:a
da sua espingarda, por debaixo da -barba,
soltoa o g4ilho.
A bala atravassou a cabeca e sabio
pela orellia direita. O infeliz cabio barba-
do no seu sangue e privado dos sent'Jos.
< Prevenido d'este successo o respectivo
commiss.ario de po'icia, dngio-se ao posto
do Muztu. onde o ferido fra transportado.
Atiftoa-o agonisante e incapaz de dar al-
guma explicaco, mas respondendo sempre
i benvolas perguntas do magistrado
cora esla phrase :
Nao, eu nao sou Troppam Nao, eu
nio sou Troppman I
- Depois de um exame legal, esla infeliz
\ clima dos brulaes gracejos dosalsacianos
fui enviada para o hospital militar doGros-
Caillon com poueas esperabas de vida.
POBRE DESENHADOR!Parece que na
Dalmacia o mister de correspondente de
jornal nao dos menos arriscados.
Tustemonua-o o infeliz Ludwig Hantur,
desenbador especial da revista illustraea
Gartenlaube de Leipzig.
Era 28 de novembro findo quando elle
eproduzia com o rreiao as ruinas de um3
a.deia, qne os Austracos incendiaram na
rwporai vo-se de repente rodeado por umi
bando de insurgentes dalmatas.
Estes malvados n3o se contenlaram com
roubar o poaco dinhero que tinlia o dse-
naador, cortaram-lhe as duas orelhas, e,
segundo a moda turca, metteram-nas no
bolso.
Ludwig Hantur acaba de cliegar a Vien-
na, e reclama do governq austraco urna
ndemnsac5o.
do sol. Hquette la ga ao ar O bonnet,
e chama ipressadamente todos os trabalha-
dores e as autoridades, e descobrem-se
entao os ps u'o cadver e as mcias. Im-
raediatainente param os trabalhos. O pro-
curador imperial de Belforte o agente Sou
veras enviam logo despachos, este ao tribu-
nal superior, c aquello ao seu ebefe. e re-
solvera nao proseguir r. descobrimento sem
receber^m oras ordens.
Coniam a guarda do sitio a Hquette
com um reforco de alguns homens, sendo
um gendarme, dous monteiros. um agenle
de polica da Cernay o tres irabalhadores:
mandam-lhes comida e clles accendem a
toda a pressa fogaeiras para passar a noute.
De madrugada comecara a affluir a Cer-
nay as carruagens de auguer dos arredo-
res, e s 9 horas todos se encaminham para
Ulfoltz, a 3 kilmetros de Cernay, e ahi
deixam os carros pr ser preciso subir a p
por espaco de urna hora. Emfim, percor-
rido esle camihho, descobre-se o fumo das
fogueiras ao ar livre, distingue se um grupo
formado pems lavradores. que primeiro
chegaram, eeni breve estavam presentes os
magistrados, os agentes e os auxiliares, a
presenga dos quaes S3 tornava necessaria
para se proseguir no iescobrimenlo.
0|iam-se alli o St. Mnnscbein, procu
rador imperial em Belfort ; o Sr. Bardy,
juiz de instruecSo; o Or. Bernard, de
Belfort, encarregado das verieaces med
co jurdicas ; e o Dr. Hauser, meifico dis-
tricial ; os commissarios de polica de Cer-
nay, de Soultz, do Guebwiller; o Sr. Fest.
juiz de paz de Cernay, e seus collejas dos
' linalmente o Sr. Son-
do na secretaria das obras do canal.
a S. M. regiessou a lsmailia montada
n'um dromedario e receben no magn liro
chalet de Lesseps as senhoras de lsmailia.
Momentos depois regressava ao seu yatch
para descansar e mudar de v. sudo.
* Quando ab'andon o calor, S. ti. desom-
barcou e visitou a cidade de lsmailia ao la
do do imperador da Austria, o seguida do
principes dos Paizes-Raixos e da Prussia. O
enthusiasmo foi immenso em lodo o curso
d'este passeio : actualmente esto mais de
50:000 possoas em lsmailia e quasi todas
vicHoriaram os augustos viajantes.
Depois de um sumptuoso baniuete.
houvo n'um novo palacion'este paiz le-
districtos v'sinhos: e
QUE PROFUSO IO numero de operas Kras, agente de seguranca, que em 15
e operetas qne se tem composto nos ultimo*) das percorreu o caminho de Paris quatro
de vezes e que nao cessou de correr as mon-
tanhas, segundo as indicaces falsas e ver-
Calculando que, termo medio, cada par-1 dadeiras do famigerado Troppman.
til ura tenha 20 melodas, ebega-se enorme j O lugar da descooerta est a 300 me-
c fra de 120,000. tros abaixo das ruinas do
Nao portante, possivel affirmar que .'renfluek, na floresta de Uffoltt, aldeia desse
nome cantJO de Schmitten O sitio esco-
mido por Troppman n?io est vista ; pelo
contrario, Oca n'uma pequea malta abaixo
deseucadeou-se sobre.' de um caminho copado de arvores e multo
frequentado.
t O que motivon ao Sr. Souveras as fa-
sijam todas verdaderamente orginaes.
Na madrugada do dia 30
FURACAO.-
dc novembro findo
Piris, om grande fraco, qne causn
giade* estragos no arvoredos, chamins e
telbados dos edificios
Era tal a forca do vento que derrubou al-
gtimas arvores secalares.
EXECUCO.fio i* 2 de dezembro
digas das viagens foi o engao do assassino
que confundi urna faia com um carvalho.
Indicava ama grande arvore d'esta ultima
ramilia, e era Itlttz nma faia que gnelia
dizer, falvez, p >rque mesmo com as molho
tere lug^r'emQiiimper (Franca) a exocncao jres iodicavoos era possiveller passado cem
pelo assassino o sua primeira victima est
situado no meio de urna espess floresta,
onde se cruzam mil caminhos apenas trilha-
dos, pode fcilmente deprehender-se que a
justica se enganou as suas prmeiras pes-
quizas.
As uilimas e claras nformaees dadas
ao Sr. Souveras permttram s autorida-
des irem honlcm a Herenfluob, e seguirem
passo a passo o caminho percorrido por
Troppman e Joo Kinck, e foi sem hesitir
(pie desta vez o juiz de instruccao do can
to de Belfort, o procurador imperial dessa
locaidade, e os terraplanadoresqueos acom-
panliavam, chegaram justamente ao silio
designado pelo assassino de Pantin, onde
devia estar o cadver de Joo Kinck, abaixo
das ruinas do castelt de Herenflucb, entre
dous carvalhos planjados em forma de le-
que.
Para se acreditar na identidade do
cadver descoberto basta saberse qua thba
calcado sapatos o meias sem ps, comple-
tamente iguaes aos dos seus desgracados
(ilbos, desenterrados do campo Lan-
glois.
Sabe-se que Mad. Kinck faza e
meias para toda a sua familia.
A justica entregase neste momento s
mais minuciosas averiguacoes
O cadver ficou debaixo de boa guar-
da durante toda esta ullnia noule no silio
em que foi descoberto o esta raanbiia devia
proceder-se ao respeetivo auto.
Um despacho recebido honlcm a noute
informava o Sr. Douet d'Arcq de que as
visceras de Joo Kinck tnbam sido postas
de parte para serem submeltidas analyse
chimica, e pcrgnntava-lhe o que se devia
fazer com ellas c se quera que fossem para
Pariz.
Em todo o caso, sabemos de pessoa
autborisada que Troppman nao ser levado a
Alsaeia; a sua eondsso torna intil a con
frontaco. i'
A noticia do'xito destas novas pesqui-
zas nao foi, at hora em que escrevemos,
dada ao assassino, que disso sempre que
fogosamente se havia de encontrar o cada-
ver noslio que elle persistia em indi-
car.
Troppman nao procurou senSo ganhar
tempo e demorar a sua apresentacao no
tribanal superior, que conseguid. Para
obler mais demora, comecou hontem um,
novo systcma de defeza ; principia a deixar
entender as suas meias confissoi's, que tem
cumplices, e que tal vez diga os seus no-
mes.
Tora anda a justica paciencia ? E' o
que ignoramos.
Lemos no Droit, de Pars:
c Ante o descobrimento do cadver de
Joao Kinck terminaram todas as vachlacbes
de Troppman, e alm disso, aconsclh pelo seu defensor, tem feito revelafoes que
se julgam positivas o verdadeiras.
t Eis, segundo a sua propria confisso,
todas as peripecias do horrivel drama de
Pantin:
Troppman, conliecedor da simplcida-ie
e ignorancia da familia Kinck e apprvandn
o natural desojo de' Kinck pai, de augmen-
tar afortuna d sem seis flthos," con-
cebeu o plano de esplofal-a, comecando por
attrahir a sua completa confianca. Viva em
toda .a intimidada da familia e inctou Kinck
a cstabeiecer nma grande fabrica na Alsaeia,
casteilo de He-feseu paiz natal, eem Patn, nos arrabaldes
de Pariz. A viagem de Joo Kinck real-
son-se em conforraidade com o itinerario
dado por Troppman, o qual, como disse-
mos, o esperava na estaco. Pozeram-se
a c; minoo, e depois de comerem, comeea-
ram a subir at ao arruinado castollo de
LHerenflucfi. Era em agelo e faza calor.
Prximo de Steinbach e do bosque que o
circuita sentaram-se a descansar, e Tropp-
man tirou urna garrafa "qtfelevava de pre-
vcnco pura amar a s#de. Beteram como
bono amigos; pofftM H trfllmo copo Tropp-
man havia laucado um terrtvel veneno fabri-
cado por elle mejmo, e que Jjib Kifick bo-
beu sem rceeio.
Nesse mesmo instante sentiu os sym-
ptomas do envenenamento e da morle; po-
rcia como esta n3o fosse rajiida e a victima
gritasse, Troppman den-Ihe nma pancada
na nuca que o deiiou instantneamentemorlo.
A curta distancia do sitio da catastrophe.
das antes, os eanoeiros hsviirn arrancado
as raizes de urna arvore e a cova anda es-
tava aborta ; nella Jancou Troppman a sua
victima, depois de a revistar, -nio ibe ea-
contraudo mais que algnmasmoedas de ouro
e o seu livro de ta!5es do banco de Rou-
baix, que nao lbe poda ser de utilidade al-
guma. f
No da seguinJe, imitando a letra de
Kicnk, escreveu a mulher para que man-
dasse a Gueboiller, naturatidade de Kinck,
todos os fundos disponiveis, qie erara
5,500 francos, cora os quaes Tcoppmaa,
segundo declara, havia de se transportar
para a America, renunciando a suj pimei-
ra idea de apropriar-se da fortuna do toda
a familia. A mulher de Kinck remetteu-os
em urna carta registrada; porm os nossos
leitores estarlo lembrados de que tendo-
se apresentado Troppman no correio como
Qlho de Kinck, nlo sendo conbecido com
tal. so negaram a cntregar-lhe a carta.
Foi entlo quando exigi qne Gustavo, II-
Iho mais velho, se pozesse a caminho para
Alsaeia. o que fez por ora telegramma di-
rigido de Paris. Gustavo nada pode tam-
bera retirar do correio, o julgaodo seguir
sempre as ordens de seu pai IraMRi'Utdas
por Troppman, parti para Paris.
Ao chegar a capital do franca disso
ihe Troppman que sen pai tinha partido
a montar a fabrica em Pantin, e qne,.leudo
de permanecer alguns das em Paris, o
encarregava de dizer a Gustavo que es-
crevesso a sua mi para que com todos
os filhos viesse a capital, que ardente-
raente desojavam conhecer. Alm disso.
como para montar a fabrica seriara pre-
cisos fundos e principalmente garantas,
era necessario que trouxesse comsigo as
escripturas das dlfferenles proptiedades
-que a familia possuia. Gustavo, sem ex-
periencia do mundo, nao conhecendo a dis-
tancia entre Pars Pantin e confiado ple-
namente no sou joven amigo Troppman,
esrrovcu a mal no sentido que aquelle "dc-
sejava. N'aquella mesma noute e quando
pelo telegrapho. Troppman teve a cerina
de que a viagem era negocio rcsolvido, foi
assassinado o (ilho mais velho. Eis c mo
se realsou crie segundo acto de lo es-
pantoso drama.
Troppman comprou a p c o cnxado
e enterrou-os no campo Langli$ de Pantin,
sitio que conheci perfeilamento e que sa-
bia ora completamente solitario desde as
dez horas da noute. A esta hora pozeram-
se a caminho em mnibus at chegaram as
forlificacois. Ah apearan] e seguirn a
p o celebre caminho verde, que lantu tom
figurado nosta causa. Chegados ao cam-
po e indo adianie Gustavo pelo estreito
carreiro que nelle havia, deu Ihe com urna
faca de cortador urna lerrivel facada no pos-
coco, que no mesmo instante o dcixou mof-
lo. Victimas, faca, enxada e p, tudo b
enterrado na mesma cova, feila depois d.
crime c coberta como se fo.^se trra lavra-
da, por suas proprias mos.
Dous dias depois chega a familia nes
termos j sabidos. Troppman leva a uim
e o cinco filhos, o maior de trozo annos,
em procura de seu pai e-de seu irmao, e
pretextando nao haver seno um carro de
dous lugares, vis primeiro a mi, a Giba de
dous annos e o filho de seis.
A mai a primeira mortalmente fo-
nda. A filliinha vai dormir, pois meia
noute eos gritos espavoridos do IHbo per-
dern se no espaco. Os cadveres Uearano
campo solitario. Em seguida vrlta Trop-
pman ao carro ; melle nelle os tres li'hos
mais velhos e de una maneira iofei nal con-
segue separa-los e estrangula-los com la-
ces de correr e assassinar o que lbe resis-
te. A urna hora da noute, c em t es
quarlos do hora, abre a cova, sepulta os
cadveres, lanca ao canal prximo os ins-
trumentos do crime, muda de roupa c ao
afnaahecer entra cm Paris.
At agora tem insistido cm que no
tem cumplices, porm deioou escapar gira-
ses que azem crer que algiieui o ajudoa
neste tercero aclo desta espantosa Irag-da.
Espera de certo com as suas revelacoes
prolongar um mez mais a causa. Su ton-
ta tambem que s pensou na completa -
sapparico da familia quando merlos Joao
e Gustavo Kinck, sem que este Ihe produ-
zisse as sommas com que contava para par-
tir para a America e sabondo-sc que rom
ambos havia estado na Alsaeia e cm Paris,
era preciso fazer desapparecer quaNtaa
pessoas da familia tinham o segredo de;tas
relacoes. A filliinha mais nova moiffa as
suas mos, porque deixando-a com vida
no campo do crime, este se tci ia desco-
berto mais depressa. Duvida-se, conriudo,
que tenha dito toda a verdade. Panto
impossivel que nao tenha um cumplir ao
menos c j o ter levado c imsigo w csrrip-
oras da familia prova cxtingumdo-a comu
o Rodin do Judeu errante, era.o seu su-
nho ficar t^erdoiro della nH\merica, fa-
zendo-sc passar por Kinck. Caso provi-
dencial Estas escripturas, com as quaes
foi encontrado no Havre, foram as qne o fi- >
zeram reconhecer.
t Os debates judiciaes prncipiarSo bre-
ve. Para pintar a commoco oom que se
esperam, apesar deque tudo parece j cla-
ro, bast dizer que para um local otuie
apenas cabem duzentas pessoas ha rincoen--
la mil podidos de bilbetes. Ser utna for-
te lula a que tero de sustentar os qoe
qoerem presencia-Ios.
Segundo outras noticias, Troppman
acha-se possuido da maior irrilabiftdade,
como menos e o sen somno torna-se me-
nos tranquillo. Apesar de todo, teve m
rasgo de cruel cyntsmo, ^ual o do ter p'er-
TuniadfMiosguardas e aos seus companbiros
de prislo allndindo a scena de Macbetb com
as bruxas, se quando elle fosse para O infer-
no lite apresntariam para o stormew>r to-
da a familia Kinck espotada Cm 1rtn flo-
rete.
s Outros affirraam que tem feito ra*e-
lacees; porm segando d o jornal desu-
do extraliimos e^Os IpveflMores. ol 6
exacto.
IVr. IM UUA bWCMZES *.
"
r
- -
,
i'


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EZ9G51ZRT_RY5MRK INGEST_TIME 2013-09-14T03:51:07Z PACKAGE AA00011611_12028
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES