Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:12024


This item is only available as the following downloads:


Full Text
mm
^^^^mm
ASNO ILlf. NUMERO 292.
TOft A ClWTil B IGABES 09DS FAD"SmSi PQ8TE.
es adianlado...........
Por seis ditos Mea...... .........

CadanumaroavulM.............
320
QUAATI FEIM 22 OE DEZEMBR DE 1869.
fABA DflfTBO E fORA DA PBOVDCIA.
Por tramas litados,
l'or sds ditos idem. .
Per no\* ditos idem .
Por ara amo. .
817
13*300
ttintt
I7J0O
Propri
Os Srs. Gerardo ^^^^^^^^^^ no M*ranMbT Tvpm Jos de Oiveira, no Cear; Antao de Lomos fea*, no Aracatj; Jlo Mara Julio Chsm, no Ano; Antonio Marqnes da Silva, no Natal; Jos* Justino
fereira a Aimoida, em MamangDape; Aotmo Alejandrino de Luna, na tonhyb*; Antonio Jos-Gomes, na Villa da Penha; Belarmino dos Santos Baldo, em Santo AntSo; Domingos Jos da Costa Braca,
______________________________________ "W"! Frtncino Tavares da Costa, era Alagoas; Dr. Jos Marfons Altes, na Bahia, e Jos Ribeiro Oasparinho, no Rio de Janeiro.
i


.
P AJtTE OFFICIAL
1littitrri do Imperta.
.: laqao dos officugs da aumada, condecorados
eon decreto dr 2 ao coiumuits, em micjunkiia-
JAO IE SERVAOS PUESTADOS KA KSUt.MMU EM
Jt'KBAgOKS.
O/vie imperial do Crazeiro
'Cavalleiros.! lente Antonio Pedro Alvos do
'arres, pela 2* passagem de Humayt e passa-
ens de Tcbiquarr e Angostura, sendo nestes le-
a lo.
~ cnenles Jos Porfirio de Sonza Lobo, Rodri-
go Nuncs da Crista, Augusto .le Andrada Valdeta-
io e Manuel Jos Aivs Barbosa, pelos importan-
es servir k prestado no Chaco, na llotila de es-
lieres que irapedio a fuga dos ltimos defenso-
res de Humayt; Alfredo t'ereira de Arauto Ne-
ves, pela defesa da abordagem do encouracado
ilnrroso, no Tayi ; Alfonso Augusto Rodrigues de
Yaneoncellcs, pela 1 passagem de Humayl, na
Uial debaixo de foge ajudou a dar nevos cabos
Je reboque .'.o monitor. Piauhy.
('edita de Christo ,
Civalleiros.Cipito-tenente Jos Luiz leixeira,
pelas passagens daTimb o Angostura.
i" lente Antonio FrlDeisco Velho Junbr, pe-
las duas passagens de Angostura.
i"' tener! s Adnlpfio Paula do Borasuccesso Ga-
ihardo, pela passagem do Tebiquary ; Simplicio
-une/ilvi's de Ohveira, pela defe-a da ahurdagem
do monitor Hio Grande, no Tayi; Ja Pedro Al-
ies de Sarnas, pela passagem do Timb, na qual
>i contuso.
Ordcm da Rosa.
i'.ommend.idor. Capitn de fragata Augusto
Osar Pires de Miranda, pela passagem de Angos-
lura.
Oftciaes. Capilcs-tenentes Eduardo Wandea-
kolk, pela segunda passagem de Humayt. reeo*
nhecimento d* Tebiquary o expedieao de Jejuy ;
Odos da Silvcra Bastos Varela, pela passagem
do Angostura, em que foi ferido.
1- lenles Manuel do Naseimunto Castro e Sil-
va, idem ;
PraueNco Fefix da Fonceca Pereira Pinto, pelas
passagi-ns do Teliiquary e Angostura ; Joaquina
Itaymndo de Lamer Sobrinlio, pela defesa da
ilaortlagem do Barivso, o Taxi; Jos Carlos Pal-
mi'ira, pela passagem de Angostura.
Cavalleiros.! tibiante Pedro Pinto da Veiga,
pela pas-agem do TeMquaYy.
-i lenles Manual Ma lia de Carvalho e Mar-
os Augusto Pntente!, pela segunda passagem do
lumayt e passagens do Tebiquary e de Angostu-
ra; Vctor tendido Brrelo, pela passagem de
v agostara.
Cioverno da provincia.
"110 D.\ ,'nrStbENClA DA PROVINCIA DO DA
18 DE DEZMMlO.
Antonio iloniz Machado.Junto ao requernuon-
' > antedi r, era que'fel lanrado o despacho de 2
l novcmliro, inlonue o Sr. coronel commandan-.
e superior interino da guarda nacional do mani-
,-iii(i d Recite.
Arinilino de Mello Ctrnairo.Informe o Sr. co-
ronel comaMadante superior interino da guarda
laciooaJ do municipio do llecife.
Antonio Jos Vioira da Cunha.Como requer.
brsziliano Hecriques da Cunha Cavalcanli de
Ml'iiq:ier.|ue.A' \i*ts das infonnacoes nao lera
lupar o que requ Basilio Luiz Coelho A visU da inl'ormacjio nao
Hem lugar c que rcqc.er o supplicante.
Coiitiuissao adiaioislraiiva da igreja de Nossa
Senliora do Rosario da Boa-Vista.Dirija-se ao Sr.
inspector Ja thesolrana provincial a quera se ex-
pede ordem para entregar a quantia con.-iguada
uel i S "i do art. 16 da lei do oreamento vigente.
Racharel Francisco de Carvalho Soares Brandao.
Ao .Sr. inspector da thesouraria de fazenda pa-
i atteoder ao supplicante no que requer.
Feliciano Jese unronji tofiiniH o Sr. coronel
commandanto superior iuterin da guarda uacio-
iiial do municipio do Recife,
IIacharel Antonio Cermano Rigueira Piulo de
-a.Infirme o Sr. Dr. juizde direito especial
la e iminercio.
Ignacio de Barros Lios Wanderley. -Informe o
Sr. inspector da ihesouiaria Je fazeuda, onvindo o
Dr. procurador BsoL
I i" l'ereira de Gosveia Torres Galindo.=Infor-
vie a cmara municipal da villa de S. Bento.
luao Marcelino Rodiigues da Silva.loiocme o
Sr. tonente-corouel coimuandanto do corpo de po-
icia.
Bacharel Jos do Patrocinio Pereira e Silva.
Cor.ceda-se dous ces cora ordenado na forma
di lei.
J< So Jos da Cunha.Mandou-se por em liber-
lad o lilho do supplicante.
Jos Policarpo de Freilas Jnior. Remetla-se
ao Sr. commaudantedo batalhao n. 7 de reserva
!;i guarda nacional do niunicipi de linda, para
iiiendcr ao supplicante como frde ju3tica.
Manuel Valeniim dos Santos. Informe o Sr.
i org ral ks indios.
EXTERIOR.
viam faltar-lhe informaces valiosas de seus pro-
Mionaci.
Diiem-ae, porm, que inluio nesta resolucao a
competencia que tera cora ellas feito os vapores
das outras llniaa, que cuegam ao Rio da Prata to-
dos os mazes carregados de inmigrantes, fazendo
cora isto pingues recetlas, a que o desejo de part-
Ihar dos raesmos lucros Ihes aeonsjlhou a altera-
cao. Julgo que esta causa nao devia ser a nica a
considerar-se. Seja como fr, a mudanea prejudica
moral e materialmente aa imperio, edeve facer-
nos prestar mais atlencao a esta quaatio de irarai-
gracao, que em_dez annos pode alterar profunda-
mente a cndilo poltica a*cstes paiies om rola-
cao a n?.
Para que se possa apreciar o qoanto ella deve
influir nos futuros deslinos do Rio da Prata, nao
necessilo mais do que observar que so a inmigra-
cao italiana foi era Buenos-Ayres, neates ltimos
Sanaos, de 7S,28i individuos. Os vasos coacorrem
com um numero quasi igual, e estabeleceram sua
corrente do populacho robusta, e inurigerada que
cada da engrossa raais.
E' negocio serio e muito serio, o, na phfae-es-
pirituosa do Sr: barao de Coleg pe, uip de te-
mar-se tent com elle
No inuo ile ilS a immigracoem aquelHH|
obsUnte as esperanzas que ellos alimeruam deudos na sua fuga, deixaram I morto c 3 prisionci-
tal foi de 3,000 almas ; om 1868 sextuplicoorMt soldeos para sua causa, e era qualquer povoaeao
mi-.tf.vidro, S6 rr. tovemhrod 1869.
de algn annos de experiencia, a real
e, atlingio o algarismo de 30,000 almas ; no anuo
queAnda esto algarismo elevou-se a 40,000 alma I
Nesu progressao ascendente que transfonna-
(atnio devem sorprehendernos ? E note-seque
o governo do Sr. Sarmiento dedica muito nteresse
a este objeeto, e acaba de publicar urna le de na-
turalisacao tao liberal, que basta o estrangeiro ca-
sar com urna argentina, para adquirir a carta de
cidado, sto em um paiz onde onaluralisado pode
al exercer funecoes municipaes I
Vm dos obstculos m*s fortes para a imraigr?-
o dos paizes protestantes era a opposicao <]uo a
igreja fazia aos casamentos catholicos. Este mes-
ura acaba de ser removido pelo Ilustrado presi-
dente da con federa cao, que commssionou aobispo
de Cuzo para obter as concessoes necessariae era
Roma, sendo este compltamenle feliz em sua mis-
sao, segunde acaba de participar.
Noticia o Nactbnnl, que a empreza Mtmtravel,
doPcfro Carril do Uruguay, que deve subiracima
dos saltos d'esto rio, para atlrahir aos mercados do
Prata todo o commercio brasileiro, isto do Rio
Grande do Sul, obtuve om Londres um xito ira
menso, siibssrovendo para ello diversos accionistas
por um railho e oitocentas mil libras.
Eraquanto aqu se procede d'esle modo, para
converter o Ro da Prata em o emporio de todo o
commercio da America.do Sul, nao obstante.! in-
erioridade de seus porlos, entre nos faz so o con-
trario, tirando toda a importancia as raaguicas
bacas que possumos. Preside os nossos actos um
espirito que parece raais argentino do que brasi-
leiro, e para provar que nao declamo cito s a lera-
branca do minisiro de agricultura, commercio o
obras publicas, querendo subvencionar urna linha
de paq letes para Matto-Grosso, que parla de Bue
nos-Ayres, islo auxiliando rana empreza que
garanta a Buenos-Ayres o menopeiio de todo o
commercio, nao s 'aquella provincia-brasileira
como da repblica do Paraguay I
Que a, linha tenha sua sede no Rio de Janeiro ;
qive d'aln partam vapores regulares que cheguem
al Montevideo ; e que eslejam era connexa > com
outros que subam os ros, comprehende-se bem ;
mas que fique entregue a paquetes estrangeiros
em algumas seccoes ; que coraece era porto es-
trangemo tambera, teta immediala coinmunica-
cao com essa corte, nao entendo. D'este modo,
com a linha de estraua de ferro do Rosario
Cordova, que brevemente se encontrar do Pa-
cifico, com a linha do Alto Uruguay, com a nave-
garn a vapor parlindo de Buenos-Ayres, quer
para o ocano, monopolisam os Argentinos inlelli-
gentemonie todas as arterias do commercio, e
nosso.- magnficos portes se transformaro apenas
em esealas de transito, perdendo a importancia
que a naturnza Ihes garanti por tulpa nica-
mente dos bomens.
Qucm governa nao deve nicamente pensar no
presente ; o futuro deve preoccupa-lolalvez mais;
porque., quando o paiz reconhece e colhc os
fructos cuja sementeira tiver sido feila. Quando
vej, por exemplo, os nobres esforcos do Sr. conse-
IheiiM Paran bes, no Paraguay, para ganhar as
sympalhas do povo d'esta repblica, applaudo
essa poltica generosa, que procura restabelecer a
coneodia e harmona entre os dous estados em
bases solidas, isto na eslima reciproca.
Agora raesrao, por occasio de nslallarem-se as
escolas municipaes, alguns Brasileiros distinctos
se associarara aos Paraguayos nesta obra civilisa-
dora, e entre elles o Dr. Symphronio, medico da
armada, rectou urna nellissima poesa, que foi
muito apreciada pelo seu mrito.
Se olhassemos para o futuro cuidaramos boje,
que o Paraguay renasce para a vida poltica, e quo
se transforma "completamente em urna nacto rrvre,
de preparar a nova geracao que vai surgir para
que nos respete e estime. Estes meninos que ora
ve beber os primeiros rudimentos de instruccao
as escolas municipaes, e quo pertencem s fami-
lias mais respeilaveis da repblica, serao seus ci-
dado eminentes, e provavelm ^nte seus primeiros
magistrados. Se desde a escola aprendessein a
amar-nos, a fazer urna justa aprecia sao de nosso
carcter, roo ha davina de q, era qualquer po-
sico a que mais tarde cheguem, elles se consii-
luirao o mais dedicados respoltadores do Brasil.
Se, porm, Ins eosiaarem a despresar-nos, dando-
lies livros de historia adulterados, e piulan lo-nos
como um povo degradado, o que alias se pratca
aqui e na Confederado Argentina, os fruclos se-
rao correspondentes e*la educacao, e produzi-
vencer as eleices na campanba, ando est, traba
Ibaulo activamente, o general Caraballo, cr-sege
ramente que o governo triumphar, tanto all,
con na capital. Poneos dias falta para. isso.
Jj da 2i encerrou-se a seaso extraordinaria
da Asomblea geral.
IIontem reuni o Sr. presidente da repblica em
seu gabinete cerca de 3t) negociantes dos mais no-
tave s desta praja, e Ibes presenten o projecto,
por lle formulado, de um banco que se encarre-
gue da converso das notas em eireulaeja, teodo
o privilegio de emttir bilbeles de pequeo valor.
Esta idea foi ben acceita geralmeale, e boje de-
ve haver novareunio para se cliegar a um ac-
cordo sobre este importante assumpto. E' tempo
de decid! lo; porque em marco uUima-se o prazo
da conversante o governo anda nao lera ra ios de
rcalisala.
Do ?'araguay a noticia mais agradavel que-se
considera alli inleiramente a guora concluida. Ja
nao ha razo plausvel para que o lirasl continu
a im|HJr-seao pesados sacri(icios que tem suppor-
tado at agora.
Lpez nao merece mais ter era sua perseguido
um (xercito ; ainda que.volte sobre seus passos,
nao ?e sentindo acossado, nao tem onde recrutap
importante, em que ebegar ha de ser repellido pela
forca que a ffcar guarnecendo. Esta mesma ten-
tativa elhs a noJ'ar. Hoje elle nao deposita a
mnima confianca em nenhum dos hmeos que o
cercara, c receia a cada momento encontrar um
nssasino que livre a hnraanidado de sua pre-
senca.
O terror com que at agora se fazia proteger, c
que tora sido a arma com que ha feito os prodigios
quo ninguem esperan da rana paraguaya, j per-
deu todo o prestigio. Lpez desraoralisado um
vilo que nao custar muito castigar. Elle o co-
nhece, e portante nao pensar mais seno em es-
capar-se.
Assun, nossos bravos, e o Hustre princine o
mais etoefes podem vollar ao Brasil tranquillos
para gozar dos seus iouros, porque a insso
que a patria Ibes deu est honrosamente desera-
peuhada.
ompanhia de paquetes inglezes, assira como a
ceza des mmageries impriuks, resolvern)
alterar o seu servjo, supprimindo a linha*ubsi-
laria entre o flii de Janeiro e t Ro da Prata, e
lazando seus grandes vapores chegar al Monle-
>!do e Buenos-Ayres. Foi o Douro quem n-
:-aioa este novo syslema, e a lie seguio-se o Gi-
:/-, que voltou ha pouco de sua viageny-
l'aia os passageiros de primeira classe esta alie-
iiiiporla era um grande racommodo, porque mes validos em todos os cursos superiores do itn-
:'-1 "origa, tanto em Montevideo, como era Buenos-1 prio, seria a meu ver, de nina inllue'ncia benfica
ASSCMpgAO, 30 DE NOVEMBUU DE lg69.
Coraprehenlendo, como bom brasileiro, que a
questo vital para o nosso bello paiz dnidiminui-
co da correntez, j que nao se pode efcer a es-
tagna(;o completa do rio de n:iiw. queia cinco
annos, corne' do Brasil para o Rio da Pcata e Para-
guay, comecarei esta corresptMidenca dando a
grata noticia de que no da i'i do 'orrenle assig-
nou-so nesta cidade, por parte do Brasil, represen-
tado pelo Sr. onselheiro Prannos e di repblica
Argeniina, representa la pelo Sr. D. Mariano V-
rela, ministro ile relacoes exteriores, um accordo
para a retirada de parle dos exeretos ajilados.
Referindo-me ao Brasil, que tem carregado sera
duvida alguma com 90 por cont dos onus desia
desastrosa guerra, parece-me claro que a reducao,
pelo menos e motade do nosso exercito, era a
medida mais prudente que se poda tomar. Lope
hojj o ph&ntasma, cuja nica esperanca s pode
ser a ruina do nosso thesouro, que se fosse possi-
vel o arrefeemento do patriolsmo brasileiro, nos
farn perder os sacrificios de cinco annos as glo-
rias obtidas a csse prego. A queslo, portante,
hoje, reduzr as despezas desta guerra, se poatd-
vel for, ao nosso oreamento ordinario, fazendo re-
tirar para o imperio*a mai >rparto do nosso exer-
cito, o reduzmdo as torcas que aqu fiearem ao
numero sirielamenle necessano para com peque-
as expedces perseguirem o qnilombola quo boje
j nao pode offerecer resistencia, e s confia as
distancias quo delle nos separara, na falta de re-
cursos do seu devastado paiz e no nossa cansaco.
!'. pois, na mnha opinio, um beneficio para o
Brasil o accordo a que me refiro.
Para celebra-lo veo de Buenos-Ayres o Sr. V-
rela, que aqui ebegou no da 19 do crrenle. Im-
mediatamente traou S. Exc. de entender-so cora
Sr. conselheiro Paranhos sobre o importante, as-
sumpto da sua viagem s inhspitas praas do Pa-
raguay, e finnou se o importante accordo.
Segundo ouvi, lcou all estipulado que os gene-
raes era ebefe brasileiro e argentioo concordariam
entre si sobre o numero da reduc, que, natural
mente, comecar pelos voluntarios da patria e
guardas nacionaes.
C onstaine que ficou assentado que a divso
oriental se retirar toda, como pedio o seu gover-
no, entregando ao governo provisorio desla rep-
blica os paraguayos, de que, era quasi sua lota'.i-
dade, se compe. Essa forca j nao prestava ser-
vico algum.
O movraento de retirada de nossas tonta deve
causar boa irapresso no Brasil, e convencer os
incrdulos e agilas de que nao ha mal que sem-
pre dure. Reduzihdo-se as nossas enormes des-
pezas, com mais um erapurro r a caixa ao
pora.
Durante a sua estada nesta cidade entreteje o
Sr. Vrela as raais cordiaes relacoes com o nsso
ministro era misso especial, que Ihe offerec u um
banquete no da de sua retirada para a repblica
Argentina, 26 do corrente. O Sr. ministro argen-
tino foi na occasio do seu embarque acompanha-
fln al lugar do mesmo pelos Srs. conselheiro
Paranhos e general Polyd/iro, membros do gover
no provisorio e grande "numero de ofBclaes argn
linos e pessoa? gradas da mesma nacmnalidade e
brasi letras.
Agora passo a dar notieia de Iheatro das ope-
ra ciies.
.Sua alteza achava-te anda, as ultimas datas
ros, alm.de 5 que fe apresentaram.
Tivemos a foriuna de liburtar mais algumas ro-
felizes e tomamos algumas, rezes e 50 cavados.
Suppije-se que.o gado o cavados forara tirados
do nosso territorio da Mato-iirosso, porque as tor-
cas iniraig.is desiroijadas ante; neto tenonte-coro-
nel Guerrciro tioliam licado conpletammrte a
P-
Consta da correspondencia appreliendida nessa
occasio que o major Franco tinha do ser condu-
zldo preso presenea ue Lpez, por.deuuocia qut>
contra elle dr.i o padre Sorgos.
Hoje recebem s, sem porraenore-. a noticia o>
que o general Cmara marchara da Oraccico con
3,000 horneas. Crasla-me apenas que este movi-
mento foi determinado por urna denuncia que ti-
vra o nossogeneral de ipie urna torca paraguaya
marchava para ceno ponto (Tacualy, creio.eu)
c.)in o fim de serpreu-ler outra nossa, que suppu-
nha alli acharse, mas que ha tempos se retirara.
C"eus quetrajue o nos-' general consiga destro-
car maiaHBda*-quadrias d>s Abbruzos para-
guayos. "lt
Cuifiirmoannunciei em minia nltima carta, o
Se conselheiro Paranhos parti no da lo do cor-
ren! com o nosso almirante Elsario para o fto-
saro e Concoii,o. Xcsses pontos conferenciarara
Ss. Excs. com os generaes Victorino e Cmara, e
se informaram das necessidjdes das forcas que se
achara naqueJIes pontos, regressando lio dia 18
tio'tc.
O nosso ministro, o Sr. general Polydoro e o Sr.
almirante Klisiario continuara a prestar, jiesle ch-
ina boje quasi Insupp>rtavel, os raais relevantes
scn'icos ao Brasil.
Deu-se a.riliante honlem nm facto,quemo abs-
terc de eorameniar, narrando suceimaincnle.
O celebre Sr. Cb.iperou ex consol italiano acre-
ditado junto ao governo de Lpez, ito qu.il fallei
em minha ultima carta, nao se jufgaml i seguro em
Ierra, visla dos insultos qu pela iu>prensa Ibe
forara dirigidos, < das rerlamaees quo contra elle
se intentarara por deposites que Ibe haviaui sido
confiados, nrandou-se mudar com familia a baga-
gera para bordo dacanhoneira italiana Arita, qu
se acha ne.-te porto, e que, segando consto de va-
rios depoiaontos de estrangeiro^ e nacionaes,
quando pof ton ;esso gracio-a do nosso general,
passou asjjnhas d;) bloqne.i >, finiesen a Lpez
genero-; iW luda a especie, abusando assim da |wr-
oiir-o qut'sa boa le Ihe f'ira coneedida.
Dejiois ijh pss guerra alais ds pretenda o Sr. Chapernn se-
gu r aguas tuaix-i o mandara pa-sr a sua pesada
Dagagom pira bordo do vapor mercante italiano
Vmucia, que devia .-ahii para Bnenns-Ayros no
referid i da. Mas a polica paraguaya, que tradi-
thi i lmente nao d.irme, ten 11 noticia das inten-
edes do Sr. Chaperon, mandn apprehender a bor-
do do Veneta a sua bsgagem. Trcuxe para ierra
jualro baluts, enjo pesa faz desconfiar i|ue seja
metlico o seu cometido : mas quando era segunda
viagem vinha o escaler da capitana do porto
coi i mais dous balnis da mesma bagagem, foi
alh rdtdo por outr tcator da Ardita, que aprio-
nou o paraguayo, levando para seu bordo presos
os dnu soldados que o tripolavaiii. O comman-
danto da canhoneira prendeu o do vapor Venecia
por ter deixado sabir os bahiR
Nestc ponto est o negocio ; mas creioque tudo
se arranjar amigavelmente.
0 general Milre, rondando-te era um dos arti-
o- do datado da triplico alhanca, que reconhece
a repnhhca Argeniina a nosso de lodo o.Chaco,
mandn oceupar por furris snas Villa Occidental,
amiga colonia francesa fundada pjr Lpez pal,
quasi om lenle desti cidade. sob o uome de Mo-
valtordos. Esla re.solueao fii cinimunic.ida olli-
nalmentc a Sr. almirante lisiaro e ao Sr. cunselheiro Para-
nhos, que respondern! era termos a nigaveis sem
participar da re-ponsabildade do acto. Parece
qiu o Sr. Vrela databa percelier ao governo pro-
visorio que o govurno argentino modificar o ri-
gor do procedimento do seu general.
lisie Chaco que, se fosse meu, cu o vradera
por dez res de niel coado, cubicado por tres na-
Qoes : o Paraguay o chama a si pelo direito do //"
possidetis, mcontestado ha mais de ineo secuto ; a
repblica Argeniina diz que ihe iwrtence, nao sei
porque principio ; e a Bolivia sustenta que seu
esse pedaco da America, porque, fazia parte do vi-
ce reinado hespaohol do Peni, a que a actual re-
publica pertenceu.
Aceresce a este embroijlio que os Indios, que
no eniendeni de diplomacia, com o poderoso ar-
gumento do arco e Hecha, s admitiera alli quem
traa coinsigo torea imponente.
Ao fechar esta sou informado de iwe acaba do
aqui chegar o general viseando do Herval, /pie se
passou para bordo do Abce, no qual segu para o
Rio-Grande do Sul. S. Exc.,, tondo peioraio dos
seus incommodos, bleve um. liceoca do sua alte-
za para ir ao Brasil.
Tambera cliegou a esta cidade o Sr. DjTAdoI-
pho Rodrguez, ministro das relaeoes exteriores da
repblica oriental do Uruguay.
INTERIOR.
rao os males que so devem esperar, consltuindo
mais um povo nesta regia.) nosso liga Jal inimgt
0 estahefeclmento de nm coegio de in-trucc,c
secundaria em Assumpco, dirigido por Brasileiro* Ique o babiliassem a marchar,
iljfyres, protegido pelo Brasil eoin eon,:ess8e>? vise sobre Curuguaty,. que
raz'Vivis, como, por exemplo, de verem sous exa nova base de operaooos. Enti
Avres, a fazer urna nova vingem, mais pengosa
d<" iue a do Atlntico, unicaraonle para desembar-
.reni. Cora eleilo, aqui, esles grandes vapores
podem passar do ancoradouro das fragatas,
'gur.iniento a 3 mimas de torra. Se fosse era
un puto manso, como o sei de Abraho do Rio
' e Janeiro, esta distancia nao assostaria. Mas, na
hahia aberto que temas, exposta. a quasi todos os
venios, e arralada horriveTraente pc!o< suestes
. npeiros, ella concorre para augnteniar os po-
ngos de um desembarque etn paragem inhspita.
o porto de, Buenos-Ayres alada peior. Os va-
pores para sahirem era um du eerto, necessitam
-ervar-se em franqua, isto nao passar dos
Outnes, para evitar o taboteito, banco que nao
rio a navios de mais de 15 ps de calado, se-
rV*o om certas crcumstancas, quando appareoem
lo mar. Ora, os Quilines distara da cidade
a s milhas, o os pobres passagerosteem de
-n-iuLordar-se [ara um gadahoou pequeo va-
, coin risco pelo menos da motilar toda a sua
igaflu, aliiu de desembarcarem no molbe dn
Esta viagem era circnmstaneias felizes nr>
i em menos de duas horas, e por olla paga
passageiro tanto como do Montevideo para
tuen H-Ayres, en, tira magnJ* vapor, com todo
o conforto.
Se as duas corapauhias livessem principiado por
*tc ensato; depco- estabetecesteavo servlc tal
c^imo se achava, eu cas emprwhenderia.; mas, ilei-
xarera a meiher pratica, para adoptare aj>eior,
jurece inaereditvo' i quem reflecte que nao de
quo posstio em Capivary, onde j chesra o coro
nel Hermes com-lodos as forcas que esliveram oc
copando S. Jnai|uHi. O nosso commandante em
O estohelecimento de trm collegio de tosti;uci;o | ebefe conlinuava a organitar deposito de vveres
sem reotie de pro-
pareee destinada
peragoos. Entretanto sua vanguar-
da, ao cominando do coronel Pidelis, nao eslava
inactiva, e seguir onra alera daqnelle ponto.
As forcas quo eslao ao norte do Jejnv coum-
nuam, sob a intclligento dirtocao do general C-
mara, a preslar grandes servioos.
O ajorlanins, pertencente quoa divisa,
com uiua1forga.'apenaft da 40 hoawas, oonsegoto
alcaBaride novo o coronel Caete, que tivera or-
dem para voltar ao nwsrao ponto, onde lera ante-
riormente batido.
Caete nao tere animo de bator-rte ; ahaodonea
armamento, municoes, o, o que m*o rata im-
portante, tuda a correspondencia de Lopgz, escrip-
ta desde Cnraguatahy, .i medida que fugta. DeKa
consta-o seu plano do retirado, e o desespero- eni
que so a?ba pea desmoralisaco da sin gente e
falta de vi veres. O tyranao ordena va quo. se (uzi-
lasse todo o eliefn (JjMMi(ia que uto tfiebanhas.-
se polo menos OU ebecas ae ga,do.
Posteriormi-ntc a ftto'suocessiv deram as forcas,
ilo general 'Limara un *vo golpe "*, got'f gen
te qne e conservava aos mates pata,. Heir os
disimos dos ltimos recontro3 e sirebauliar
gado.
0 levente-coronel Joaqun) TvUtira de MoUo,
informado por dons desertores qgo o. otior pa
Suayo Franco baria pasiudo o rio Aqoidabaa' no
a 13, fai no seu encalco e enconrou-o no arroio
Guaj, -com urna forca de 150 pracas, qu elle
comoandavn. Com elle se achavut-. os offir-ine-
Urbiela, Prez, Silva, Hermosa, fauno*, Canda,
JoAjie^ Herrera, Ibarra e Lara. Acompaohava-os
om padre Borgos.
Nao ousaram resistir nossa gente, ? per^tgui
incatculavel iras rel?oes dos dous,.paizes. Os Pa-
raguayos formados em medieWS; em dfrWto1, em
engenharia, em qnalquer sciencia, emfim, nfi Bra-
sil, voltariam a seu paiz com reBordaefigs gratas da
hospitalidadc que entre nos receberam, e ento
fiirmarism ni retagnarda dos- Estados do Prata
nm centro- de residencia s klas que d'elles se
propa-rou contra nos.
Era-ama sympattia robusto, urna amizde fir-
me que depararamos d'aqu anuos, era vez dof
odios qne ha vemos de encontrar, se abandonarmos
as coosas a stn curso, e n i contaminar-no 4
propaganda anU-brasileira. Pauso que lia alguma
cousa para reOeel oo que acabo de escrever m-
propriamenW tni ama eorrespimdencia, e que s
tem cabdb nefla xtaRa absotuta 3e materia, isto
, de noticias.
as duas rot.rgenS do Prata nao se hida ac
tualmonte senao de elelgoes. Era Buenos-Ayres
resuscitam os clase *eB>os organbam-se novos,
agrupara'se os corabatenleb em torso dos chofes
que olrigem a acc,ao e qiie-uTspntam o iriumphoJ
0 general Mitre, em desospercfda oppos5
presidente Sarmiento, nao pimpa esforcos para
elevar legislatura creaturas que Ihe sejara dedi-
cadas.
Aqui tambem ha grande raovimento poltico
para o mesmo lim. As eleteSes tero lugar no
dia -JO, e os Ramrez, unidos a Varella, procurara
supplantar o ministro do governo Bosiamente.
Para isto reaniram-se es clubs presididos uar;
aq'uelles sonhores, .que estavam *viditk)s. io
rio de \m:iiio
i DH DEZEMHHO DE 180'J. i
Pelo paiuete iugtoz ftttagoiii, d* linha do Po-
eifieo, entrado hoetem do Rio da Prata, recebemos
tolhas de Buenos-Azres o Montevideo at 25 o 20
do passado:
As ultimas noticias do Paraguay resumem-se
nesegointe teiegramma expodido pelo Sr. conse-
lheiro Paranhos ao Sr. iarvalho Borges :
Atsntopoj 20 de notemhro de 1889.-S. A.
o Sr. marcohel do oxercito conde d'Eu, Oca a
ponto de fazer marchar de Curuguaty, urna-das
bases das nossas opera?5es,;a expeditjo qae deve
perseguir o inimigo. O general Cmara, toraou
por baso das suas operares a Coneeico^couse-
gnio corlar os recursos d gado que Lopex brava
do norte, nicos que Ibe estavam.
i O major Martina, com urna torc deiO bo-
rneas, akancou outra vez o coronoi Camote, que
linha ordem da tornar ao mesmo ponto. Nao se
aireveu este a balar se, abandonando o armamen-
to, municSes, e, quo inuito m3- vale, toda a
correspondencia de Lpa. escripia dos le C;wa-
guataby, i medida que la l'ugimlo.
> Uclhi vo-so 9 plano do rorada e a desespe-
radlo em que est Lpez pela desmoralisaco da
su gente e falto do viveros. Ordena va effe qu;
se espingardeasse o chufe de pa tida que nao ar-
rebanhasse pelo meaos lt* rezes.
Xas repblicas plaUnas nada oceorrwa de HB-
pnrtaueia, e das do Pacilkn tambem pouco inte-
resse tm as noticias. o l'eru dUsoive-seo
ministerio por disseafSoo iotesUnae, o orgaiiison-
se novo gabinete, sendo presidente du cousellio^c
ministro da guerra D. Juan Frantiscc Dalla, mi-
nistro de estrangeiros D. Mariano Dorado, do in-
terior D. Francisco do Paula Secoda, 'h jnstica 0.
Mariano P. da Paz Sold*, interino da iaiendi 1*.
Mariano ngulo.
0 governo peruano. e\paJo carta revocatoria
ao sou representan le no Brasil e ropublicts. do
Prata, D. Jos M. La torro Bueno. Dotase que*
motivo fura ler-se este es*iado do too* das suas
instruectaes em algumas explioaoes dadas aa go-
verno brasileiro.
novembro prximo pretrito foram promovido a
guardas-raarinha: Affonso Estovan Eduardo Mar-
tins, Albino Pinto de Carvalho, Antonio Manoe*
Crespo, Manoel Goncalves do Valle Gumeres,
Jos Hanoel Pereira de Sampaio, Prederico Fer-
reira do bveira, Joaqum Pedro Arves de Barros,
Consume Gomes 'Sodro, Fernando Lourenco Car-
los do Almeida, Salvador Moutinho Ribo, Alfredo
Augusto de Lima Barros, Julio Carneiro da Silva
Braga, Almiro I^andro da Silva Ribeirp, Sirvino
Jos de Carvalho Rocha.
4
S. M. o Imperador, aeompanhado de seus sema-
narios, visitn honlem a escola mlilar na praia
Vermelha, percorrendo todo o edilicie e suas de-
pendencias, e assistndo aos exercicios de esgrima
a aula dos prisionoiros de guerra paraguayos.
Tendo dMgado s 10 horas e meia da raanha,
retrou-se meia liora depois do meo dia.
Entro liontem proceilent da Assampcao* As
datas sao anteriores s qus tinliames ; recebemos,
porm, a nossa coiTespondencia que brevemente
publicaremos tanto de Montevideo, como da capi-
tal paraguaya, e da forca expedicionaria sola- o
estimando inmediato de S. A. o Sr. conde d'Eu
O coramand.inte em ebefe havia feilo contramar
char para o Rosario os batalhoes de volutuntaros
que o acompanbavam. tornando assim de mais
mabilisai-ao as forcas que conserva e que se repu-
tan aroplamente sulficientes para perseguir os
destrocados restos do poder de Lpez.
Por decretos de i do corrente :
Fez-se merco da serventa vitalicia dos segra-
les oulcios :
De escrivo do civil e crime da capital do Ma-
ranho, a Joao Raymundo Pereira.
Do escrivo de orphos da capital do Para, o
Joaquim Martin da Silva.
7
O vapor Gmtpor, entrado honlem dos portes do
sul, trouxe datas de Porto-Alegre at 29 do passa-
do, Rio-Grande 1 o Saota-Galharina 3 do corrente.
O presidente da provincia de S. Pedro, tendo vi-
sitado as cidades di Pelotas, Jaguaro e Rio-Gran-
de, regressra no dia 29 capital.
As folhas da mosma capital dao as seguinte? no-
ticias :
Foi encontrada morta cora 20 facadas no cor-
po, ora sua pmpria casa, no distrcto lo Couto,
era Rio-Pardo, Marta Luza de Oiveira, estando
junto ao cadver una sua lilha menor cota 4 fe-
riraentos leves.
O subdelegado proceden a auto de coipo de
delicio, e de accordo com o delegado lomaram to-
das as previ lancina para ser preso Belisario Ma-
nees de Arevedo, marido da assassinada, por ser
encontrado junto ao cadver, anda tinla de san-
gue, a sua faca, o chapeo e arreios de seu uso,
indi:io da preciptacao cora que fugio. >
O eugonho de serrar madeiras, tocado a agua,
pertencente ao eopito Joaquim da Silva Brando>
sito no dislrclo de S. Joao Baplista de Camaquam
e que se achava arrendado ao Allemo Christiano
Schnerarer, ficou reduzido a cinzas na noite de 13
do corrente, inclusive vinte e tantas duzias de ta-
huas,
Um brbaro crime se deu no dia 6 do cor-
rente, no lugar denominado Jacubyzinho, 4. dis-
trcto do Passo-Fundo.
Ao anoitecer do referido da chegou Ange-
lo de tal, moco branco do 19 a 21 annos de idade,
casa do Portuguez Jos Joaquim Martins Cassa,
e sendo convidado para ceiar, aceitou : elle era
conhecido do Casso, por j ter sido seu a-sala-
riado.
i Xa occasio da ceia, e emqnanto D. Luza de
Jess Esleves do Carvalho foi aceommodar nina
crcanca, Angelo, falsa f, deu em Casso dous
grandes golpes com una adaga mu junto clav-
cula direita e outro na regan do coraco, pene-
trando aquelle dous palmos em diroeco perpen-
dicular, o este nao so pode verificar a prafundida-
de, produzrado ambos morte instantnea.
A inulher do assassnado, acudindo a seu ma-
rido, lutou com o assassino, recebendo nessa oc-
casio quinze fenraentos, sendo apenas tres de al-
guma gravidade, os quaes, porm, a prostraram.
O assassino, jnlgando-a morta, abandonou-a
e tratou de por fugo casa, que, sendo de capim,
nao lardou a ameacar a vida'do tres innocentes
ereaneas, lilhos do aasassinado.
A infeliz rai conheceu o perigo que corriara
seus lilhos, fez esforcos, consogulo levantar-sc, sal-
var seus lillunhos/arrastar para o pateo o cada-
ver de seu marido, e, assim fenda e exhausta de
forcas, carainhou um quarto de legua, conduzin-
do aquelles enteznhos at casa do vizinho-raais
prximo, onde narrou o trgico fim de seu ma-
rido.
< A casa, que era grande, ficou reduzida a um
monto do cinzas, como tudo o mais que ella.con-
tra ha.
t A autoridade policial, tendo feito auto de cor-
po de delicio, deu as mais enrgicas providencias
liara prender o criminoso, que anda foragido, e
nutre esperancas de que a justica triumpbar.
N t No da 19 da corrente mez o tenenle-coronel
Joao Pereira de Almeida, de Santa Maria da Bac-
ca do Monte, libertou quatro eseravos de sua pro-
pnedade, or ser o aoniversario natalicio de urna
sua lilha. Destes quatro, dous eram de todo o
servieo, e duas crenlas urna de 11, e outra de 4
annos de idade. >
Fallecer o amigo empregado da thesouraria de
tazenda provincial Joaquim Furtado.
Tinha eheg.ido ao Rio-Grande, vindo do Para-
guay, o brgadeiro Carlos Resin.
A- Rtfeneruem de Santa-Catharina noticia em
dato de 1 :
ItoiMem chegaram a esta capital cerca de 230
colonos que fomm de Teresopolis e Santa Isabel,
e marchando engropados viertra postar-se era
freale so palacio da presidencia.
< Por intermedio do cnsul da AWemanha e do
agente de eelonisacoo drigiram a S. Exc. a rc-
i-tamar.'uw ju viuaiu luier do pagaueula de
servicias foitos era lempo das cotonas.
a onstanos ter-lhes sido respondido que cs;e
pagamento Ih^s seria feito SKTOntaTfoVso o quo
tambem ao governo deviam elles; mas nao estan-
do por isso, nada quzuram recober seaao iate-
ajaJjoente, o licaram na cidade, onde se conscr-
v;un, nao aunundo a se retirarem pafa suas re-
sMeneias.
A guama nacional foi maneada aquartelar, a
gio do corpo de saiide do exercito Dr. Pedro
Mauricio da Conjeicin Embira***; visto achar-tr
eomprehendido as disposices do J I. art 9. da*
lei n. 64U de 18 do agost de 18K2, por sotfref
raofestia incuravel quoio torna incapaz de conti-
nuar no servieo.
Pi reformado, na conf.armidade da imperia
resolucao de de novembro lindo, tomada sobre
consulto do conseibo supremo militar, e das dis-
posicies do i t.' do art. 9. da lei n. 6W de lR.de
agosto de 1852, com o respectivo sold por intei-
ro, o lente do f0. batalbao do infamara, Sabi-
no Jos' Ferreira ila Silva, visto achar-se inulllisa-
do para o servicu do exercito em consoraencii de
feriraento recebido em combate.
Foi concedida ao capelln alteres da i-epsrticw
occlesiastica do exercito padre Belarmin i Frncbv
co Martins Gafanholo a demissao que pedia do
servigo do raesrao exercito.
Por carra imperial do 4 do corrento foi natura-
lisado o subdito allemo Bruno do Sperling.
Piar decretos da mesma data :
Foi noneado cootmendador da ordem de S .
Bento de Aviz o marecual de campo Victorino Jo-
s C?rnero Momero.
Forara ciraodidaa as seguintes penques, que &
cara pendentes da approvacu daassembla geral:
A D. Anoa Joaquina Leopoldina Ferreira, ma
do teuente-eoronel do exercito Jos Fomra de
Acevdo, a de iSjOOO mensaes, sen prejuizo do
meio sold que llie lili api lil
A D: Francisca t'orlii ia de Faria, viuva do ca-
pito do 20. ciarpo de voluntarios da patria Doi-
rairo Porfirio de Paria, a do 30JOOO mensaes, sera
prejuizo do molo sold que Ihe competir.
A D. Emilia Cedala Ferreira Bueno, viuva do
tenente do 8^ batalhao de infanUria Gregorio Al
ves de Siqueira Bueno, a d: I j">(X) mensaes, sem
prejuizo do ineio sold que Ihe competir.
Pbr decreto ile ;X) de novembro ultimo fui refor-
mado o olllcial de 1." classe do corpo de fazeuda
Luiz Antonio Ferreira Guimaraes, cora a grailua-
cao de capital de fragata, o o respectivo sold
por intero, na conformidado do alvar de Ifide
dezerabro de 1790, o do decreto n. 4,173 de t de
raaio do anuo passado.
8
Trmiiiaram o curso de engenharia civil us Srs
baclKiruis Miguel Noel Nasi-enlo Burnier, Geraldo
Candido Mariins, Joo Augusto Cesar de Souza
Alexandre Freiio da Mai.i itiencourt, Jao Pinto
Goncalves Jnior, Paula Freitas de S, Joao Jos
doS. Paulo, Jos Ayrosa Gal va a, Luiz Cavalcanli
de Campos Mello, Christovi Pereira Mascarenbae
e Alexandre Pereira de Pava.
9.-
Einlio Draga Poli la, vi ovo, morador em Henifi-
ca, lomon antc-hontcm s II horas do dia urna
porfo do verde-pariz. Apezar doMecerrido
promptamente pelos Drs. Carlos Pereira de Azeve-
do e Manuel tgnacio Figueiredo Jaymes, o infeliz
suecumbio s 8 horas da noite. Das ndagacoes
feitas pela autoridade resulta que Braga foi Uva-
do a praticar a piellc acto por desavenga eoa
urna iiKillier cora quem viva.
- 10
Por titulo de 7 do corrente foi nomeado Durva
Ribeiro da Rocha para o lugar de corrcio a p do
thesouro nacional.
11
S. M. o Imperador aeompanhado de seus sema-
narios, chegou honlem ao arsenal de marinlia s
9 l/ horas da manha, e visitn as officinas de
machinas; em seguida embarcou na galeota im-
perial e foi a illi i do Bom-Jesn-, onde visitn a
asylo de Invlidos da patria, e regressou s 2 ho-
ras da tarde desembarcando no arsenal de guerra
polica posto era armas, bem como 200 das pra-
$as. do exercito que aqui se acbam.
S". A o Sr. prncipe D. Ftelippe parti hontom
no vapor S. Jote para e porto- do Santos, donde
seguir a visitar as princieaes povoaes da pro-
vincia do S. Paplo.
Por decreto de i do eorrento forara eoneedidas
as honras de postos militaros do exercito aos te-
lividuos abaixo mencionados, em lUtoncao aos re-
lavantes servipos prestados na guerra contra o go.-
Wflu do Paraguay,
De capite. aos capilSes. do corpo de eaval-
laria da guarda nacional do Ro-Grande do Sol
Jas 4e Sousa Silva o Aquino, iaM." cura.de
yblnntaros da patria Raymundo do Espirito-Santo
rSBtenelle. wl
Do slftres, a atferas do -* corpo dfrvobratt-
k dt patria Maroelht Bgnrignes Pareipa,
Por decreto da masioa data :
Foi reformado, a?. coOformidade da imgaral re-
^oliiono de1 e novenibrd fitio tomada sobre
teLicc dos pinatos-gata'.nof avisa*>*!<*consulla do cotaethosopramo ttltaTi afc* tirar
Fo-nos coinmunicado houtem o seguinte teie-
gramma :
ii BulTou hontem 9 do corrente no Desterro
procedente de Montevideo, o transjaarte Galgo, que
llall sabio (Montevideo) a o do con ente, e iraz as
noticias abaixo.
Assnrapco 30.O general Cmara linha par-
tido da Coneeico com mais 2,000 homens, para
destrocar urna torca inmga de 1,300 homens, ao
mando do coronel Romero, qne viera com o fin
de sorpreender parte de nossas toreas e arreba-
nhar gado na Pedernala.
< Sua alteza era esperad* no Rosario.
O tenenle-coronel Guerreiro oceupava Beilt-
Visl.i, margeni do Apa.
Dizem os ltimos passados que Lpez eslava
exhausto de recursos, niantondo-se de farinha de
coco e do caca, e que est a trrs leguas do tgna-
temy, entre os Fndtos, com 2,500 homens, em geral
mal armados e nmniciados : a sua sitna;o tris-
tissma.
a Por accordo do Sr. conselheiro Prannos com
o minisiro argentino Dr. Varella a o general Poly
doro reduziiido as nossas forcas.
t O Dr. Varella tinha regressado a Buenos-Ay-
res.
No porto da Assump.ao tinha so dado um
confitte viva forca entre o governo provisorio
e a canhoneira italiana ArdUa, onde e-t homi-ja-
do o ex cnsul Chapson, quo tentau embarcar
para Buenos Ayrcs no vapor Veneza, levando pe-
sado; babas, os quaes foram apprebendidos para
serein examinados, por se desconfiar qne eneer-
ram diuheiro .e preciosidades que o Sr. Chapsoa
eharaou a si, sendo simples eposilario. A ins-
prensa disio a aecusou.
0 commandanto do Ardita segundo ditent,
ameaeou bombardear awminaananj recusando eit-
tender-se com o governo Paraguayo, retendo a
bordo ura cscaler dos agentes da capiuna do
porto.
t 0 general Osoro eslava em Assumpco o se-
gua no Aiite para Montevideo, onde reina so-
cego.
Por despacho de 24 do mez passado fot demifti-
do Ubaldino Joaquim Correa do lugar de amnen-
se da secretoria da thesoiraria do Paran.
\- 12 --
Por decreto de 10 do corrente mez foi concedida
% dualista que pedio Joaquim Bueno Pitalaga
Cayap do carga de dueetur geral des .indion
prevtoe d* (>ya*.
Por portara de 6 do oriente foi concomo* a
Htttoat Angelo Hamos a deinssao o/ao-podie du
ugar de praticante porteirn da administraba da
correo da provincia do Sergiiie.
Por portara da ursina dada Sai nomeado Ave-
lino Martins de Jess Tapagcm para o referid'
lugar, cora o vpncimenla da tabella a que sa-re-
fere o arl. 25 da lei n. 930 de 2ti de aetonbM da
1861.
- 13-
EoJrou honlem da Assurapeaa o- Istasparte tto
gU8rra
passado, o folhas de Montevideo .Hita no correte
, tarda
As noticias, do Paraguay ja im> tia,viamsido Iraa*-
ralidas tflegraphicamenie do Destarra quando o
transporto alta locou; entretanto os loitores as
encontrardroais desenvolvidas na eowerinaiadau-
cia da Asswopgaa cima puMicsda Nata vtrao
tambem mais claramente exposto, do que no talo-
grainma o conmeto que ss deu eatra o governo
ptraeuayo e a conhueira italiana Ardua, e .confir-
mados os fados que ltimamente nnastaato
^ respeito ta prematura oocuapacao da Gh>j gatos
I Argentinos, como do ajuste para retirada jtpart
da* torcas albadas quo se achara na Paragnay.
TBste ajuste U sssigado n'oni BTotoeaw da que




kfii *Dl#rVde Pernambuco Quarta feira 22 de Dezembro de'1869.
nosso correspondente da AswnpSh i
pode traBsotmir copia, namr.il:nenie por
pe
nwrans uas Minas uu ili
ta, p. ihem sabemos que foi nltima-
creto, mas las f.ilrtas do Rio da Pa-
mente asdpwd.nesta curte.mu tratado de extra
li^So coai a repuhliea Argentina.' O protocollo
loi pulilir lidu desle documentos:
Buenos-Ayrcs, 1 de deiem'bro de 1869.
Sr. minisiroTenbjfjrlvtiira da ceniaunicar a
V. Exc. para ijiw sejtjva leva-lo ao conbetimeato
inei a Missao de qjfc
jinvfar-uie; fin* o pro|>-
toado nu ABUBpe!>
(in. Sr. eonsclhaJN J*
Faranhos, ministro (Jonipoten
do Sr. presidente,
S. Exc. se dipnoa
eolio quo foi cele
a ti do passado
Mara da Suva
iade 23u> novembro urtfrao foram
bdldg* doos mozee de luenga com o "eaej-
mento da lei ae -chete de sectfo da secretaria fla
agricultura, o ommendador lose Martms Pereira
de Alcacastre, para tratar de sua saiide.
EtTetuou-se hontem ni faculdade de medicina
o na presenea de SS. MU. o AA Imponaos, a colla-
co do grao 4 mtpt em medicina nos eeguiutani
alumnos : Ji... _J 1
ario e enviajo ei^(rdmano de S. M. o Impera-
dor do Brasil, tar*i*tdiu-cao dasorcas.-de-cxer-
cito alliado m r -impauha contra o dietador do
Paraguay. Baasetto Igualmente **. tae. copla
Jas iastruccoes que deiao Sr. brigadelro general
D. Emilio Mitre enrarregando-o de dar impr-
menlo ao protocollo na parte relativa i redcelo
doexercilo argentino. Verbalmento recommendei
ao dltj general a maior actividade no desompenho
desta operara, imperiosamente exigida pelas ne-
eessiiTadc do'nosso paiz e redamada peta situacao
do inirnigo.
A redcelo do exercito brasilciro ja coraecou.
As torcas do general Porlinho mareharain sobre
Itapua para* seren licenciadas. O numero de na-
vios da esiprulra foi consideravelmente diminuido
a actualmente nao oxistem as aguas do Paran e
Paraguay sena i os indispensaveis para o servico
do exercito e oeenpacao de Matto-Grosso.
Espero que S. Exc. o Sr. presidente approvara o
mea procedimento ni ludo, conforme os inslruc-
$es que roeehi a partir de Buenos-Ayres.
Aproveit oceasiio, oteMariano Vrela.
A S. Exc. o Sr. ministro da fazenda da repbli-
ca Argentina Dr. B. Jos B. Gorostiaga, encarrega-
do do ministerio dos negocio, estrangeiros.
Boenos-Avre-, 1 de dezembro de 4869.
Ippmiil Mi U prucedinieulo do Sr. miuislro dos
negocios csirangeH-us Dr.B. UarianoVarela.de que
d cunta no sea olVio precedente; agradeca-se-
lhe em nomo de governo pela inteligencia o relo
na imprtame missao que Iho fra conliada e pu-
blique-se. Sarmiento. Jos lienjamim Goros-
tiofa.
Protocollo.
Reunidos na cidado de Assumpcao do Paraguay,
aos 21 de novembro do 1869, S. Exc. o Sr. minis-
tro dos iiegoctus estrangeiros da repblica Argen-
tina Dr. D. Mariano Vrela, e S. Exc. o Sr. coo-
selneiro Jos Mara da Silva Pananos, enviado ex
traordinari. o ministro plenipotenciario do Brasil
em missao especial, trataran) do por se de accordo
sobre a proposta foita pelo governo argentino aos
seus alliados, para a redcelo das respectivas tor-
cas em operaces no Paraguay.
. S. Exc. o Sr. ministro argentino isse : que gra-
tas aos inftrrojuii triumplios das armas all adas
qnc teeinro-iuiido oinimigoa um insignificante nu-
mero do soldados wcapazes de olTereeer resistencia
seria e ugindo por bosques c deserlos.oseu governo
julgava (Segada a opportunidade de diminuir com
vantagem para a allianca os pesados onus que
teem snpporado as tres'naeoes com as dospezas
da gurra, e eniprcgo nella de boa parte da sua
popuiaclo.
Accreicen'on que para o scu governo nao era
esta medida una c nveniencia do que fcilmente
pdese prescindir, mas urna necessidade altamen-
te rechinada as circunstancias da repblica Ar-
genlina, neds-ida.le que esta somenle desattende-
ria se o exigissem os lius da allianqa, como jan-
leriunnente ^rovou com o facto de devolver ao
exercito de nperaroes para o ataque de Peribe^ uy
e Ascurra l a cas a baviam sido definitivamente
rctiraJas delle*. Que o governo Oriental nao s
concordava cum a proposta reduccao, mas al rei-
teravarom amis viva instancia o scu anterior
pedido para que se ilie peiniiltissc retirar toda a
divi-ao oriental, como se vd pela sua nota dirigida
a 3 do Brrenla ne governo argentino.
S. Exc. o Sr. ministro brasileiro declarou : que
nao raen is que os seus llianos desojaba o gover-
no do Brasil paitar aworar os grande taanflcios
que a guerra ac;ial llio lem imposto, e que infor-
mado das disposieecs eai que se acham osgover-
nos argentino o urtcn^l, se tinha apressado a au-
torisar"o solicitado ajuste, urna vez que S. A. Real
o marecbal .le ejercito conde d'Eu, general em
chafe das i" .nvi-. ararale-ras, nao n-se grave in-
convenien i dos ejrcitos adiados no
estado aeltt^tidflpfiOTniaiilia ; e que sendo feliz
mente conf rfgB'-'wt'ominuns desej >s o parecer lo
mesmo augq^Bi^rinrine, elle mmislro brasilciro
adhera emii-jfBzor a proposta de que se trata.
Adiniuihet pmscipi.) a conveniencia de urna
reduccao nos^xwcito.s alliados, concordaram os
Srs ministros en qne o qntmtun della, pelo que
toca sforcas argentinas e brasileiras, devia ficar
ao prudente arbitrio Jos respectivos generae em
chefe.
Declarou entretanto o Sr. ministro argentino que
tremiendo ao estipulado rio ait 2 do tratado da
triplico ailianca, e achando-se actualmente em
campaiiha a matar parto do exercito argentino, o
sen averno desoja retirar iminedialamenle a
gnard.-i naei mal, e o Sr. ministro brareiro ilisse
que era tatbeni iatencao de S. A. B. o Sr. conde
d'Eu principiar a redriceo das torcas brasileiras
pela rt-tirada dos corpos de voluntarios da patria
e de guardas nacion.aes.
Quanto retirada de toda a diviso oriental, j
muito rednzida hoje, conveio-se em annuir plena-
mente ao podido do governo Oriental, sendo os Pa-
raguayos que tem feito parte desta divisao postos
onle n d.i governo provisorio desta repblica.
Ainda, porm, que esta medida j tive;se o eon-
sentimento do governo da repblica Oriental do
Uruguay na rcenle nota cima cidade e em outras
declaracoes anteriores, entendern) os Srs. repre-
scnlantss da repblica Argentitu e do imperio de
Brasil <;ue deviam antes solicitar novo e expresso
assenticiento por parte daquelle governo.
Julgaudo que o presente aecerdo sati-faz as in-
tencoes.amigaveis dos gevernos,.a maior confianza
recproca e o inais linue eiapenbo em preencher
todos osns da jilllaaMM. tt Excs. os Sr minis-
tros decam por concluida a sua conferencia e fl-
zeram lavrar o preseate protocollo que assigna-
rain em dous autograplios. -(L. S.) Mariano Va-
rrla{L. i't h Mana da Silva tiaranhos.
Sciiiiada .um telegrania de Buenos-Ayres eram
all esperados a lo do crreme, de wlta do Para-
guay, S. A. o Sr. conde. Eu e o couseilieiro Pra-
nnos. Oioie.'raiiuna reero-ea cartas chegadas
da Assumpcbo. mas cujo valur ignoramos. go-
verno argentino creou ana inedalna de ouro e
prata para *is ofikiaes e soldadas-da-guarda na-
cional que lifc'rain a (uiinpaoha.do Paraguay.
Na provincia argentina de Manliago liove urna
tentativa de asassinato contra .os celebres Taboa-
das. la proceder-e i inquero judicial sobre o
Jacto. No Botafiio de Santa V rebentou ama re-
-volo^o que fui autfocada pelo govanno psovincial.
O governo de Montevideo foi autorisado pelo
Iruecao de pharoes so cabo de Sama Mara e no
tonco ngiez, cobrndose para o tea ust >um
imposto de quatro centesimos por toadada fyje os
navios pagarao para cada pharl.
Ai
4or decrotos de 11 do corren te foraia omea-
dos
Oficial da secretaria da thesouraria do Mara-
lo o chele de scelo da thesouraria do Piauhv
Manoel Antonio Rodriguea Pinhelro.
Chelo de seccao da thesoueara de Alagaa 1
escripturario Rozendo de Araujo Ferraz.
1* escripturario da do Goyaz o 2 dito Urbaa
Marque.Lopes Fogacj.
Por titolos da menina data araui tambem no-
meados :
los Mauricio Lopes da Silva para o lujar de
administrador da mesa do rendas geraes de Itaja-
by, na provincia de Santa Calhariaa, o Verissimo
Antonio de Soasa Jnior para o de serivao da da
viha da Barra do Rio de Contas, na provincia da
Baha
Por decreto de 6 do e arrente mes foraai refor-
mados
zembro de 18G8 foratn sea duvida bellos e
v>rnl:: ms j nao tiultao Brasil caren-
cia d'ellespara engfinaldar sua fronte, ncm
ucaBQ elle que la varara de scu pavilliSo a
odoa que lites cospto a serpente, que
presidia os deslinos do Paraguay.
Se u'apiella poca consideramos um erro
continuapao da luta*cum um inirnigo com-
jjletamenle deinorafi?aio e que ruga sem-
jtft vergoiihQsamenie .lote as nossas cohor-
ls vencedoras: hoje pouco nos rosta para
que chamemos crimiaoga a kla da conti-
uuacaoda guerra.
E' pos, de coraclo que esposamos o
votn doHle^a do Diario do lio, jorque
Vente Cipriano da Maia, natural do Rio Graflj
de do Snl; Fraari^co de Patria Menezos, dem M
Rio.de Jan*: Jos Climaco de OCIvelra Agmar,
Idefkideni ; Joo Antonio Machado Res, idom,
de Portugal : Augusto de Paira' Magalhaes Lilftl,
dem do llio de Janeiro ; Joan Alexandre BapUsla
Cbral, i lem, dem; Manoel onlarte de Soum,
dem do Ksnirlto Santo; Silrino Jos de Alraenla
Jiiuior, dem do llio cu Janeiro ; AtUooio Aws
TeWeiradc Son/a. i ; l->aqnim Joseile esfl vola h lo no iba i de de
Figueiredo Jnior, dem, dem ; Joaquim de Al- Je J868.
ies, dem, dem,; ^tVH m artigOiT^
^...^^^^a!,.: vida do prime
incida Manillas Simo-.-
Casado Accioli de Litni-,
drigo de Araujo Villano va, idem do Rio Grande
do Sul ; Hermogeo Pereira da Silva, idem do Rio.
do Janeiro; Antonio Teixeira de Sousa Alvos,
i lem, idm ; Antonio Jos da Costa o S, idem,
idem : Jos Guilhermo Kemnilz, idom de Minas-
Ge raes ; Jlo Alvares do Azevodo Macedo Jnior,
idom do llio de Janeiro ; Pedro Affbnso de Carva-
Ibo Franco, dem, Idem ; Henri-iuo Carlos da Ro-
cha Lima, idem, idem ; Joao Marinho de Azevcdo,
idem, idem ;. Guilhorme de Paiva Magalhaes Cai-
rel, idem, idem ; Cvprlano da Franca Masca re-
nhas, idem do Rio Grande do Sul; Joao de Sonsa
Dias Meneses, idem do Rio de Janeiro ; Jos Viei-
ra de Maitos, idem, idem ; Jos Ferroira Aojo
Outiuho, idem, idem ; Podro Dias Carneiro, dem
do Maranhao ; Domingos AI ves da Motta Ferraz,
idem do Mi de Janeiro ; Jos Ribeiro dos Santos
Zamith, idom ; Francisco Furquim Werneck de
Almeida, idem; Marido Menies Vianna, dem do
Maranhao ; Arthur Barbosa Rodrigues, idem de
Minas-Geraes ; Antonio Noguera de Mendonca,
idem do Rio de Janeiro.
Todos os doutorandos forana approvados plena-
mente em anas theses, excepto o ultimo, que foi
por tres votos contri um segundo escrutinio.
Antes da collacao do grao prestaran) juramento
de phrmaceutico os s- guintes alumno? :
Tristao de S Cherem, natural do Rio de Janei-
ro ; Bahhaur llenrique Ferroira de Caaui, idem
do Rio de Janeiro ; Jos Antonio de Audrade Bas-
t s, idem do Rio do Janeiro ; Umilio Ernesto Her-
mann-Seelinger, idem da Baviera ; Luiz Augusto
de Car va Iho, idem do Rio do Janeiro; Francisco
Antonio Machado, dem do Espirito Santo; Tneo-
philo Barsaulpho da Fonseca,idem de S. Paulo ;
Abel Pereira Guimaraes, idem do Rio de Janeiro ;
Prancisco Maria de Mello e Olivora, idem do Cea-
r ; darlos Pinto de S, idem do Rio de Janeiro;
Joao Aprigio Aguirra, idem do Espirito Santo ; Ju-
lio Casar Correa de Moraes Fernandes, idem de
S. Paulo ; Jaeintho de Sonza e Silva, idem do Rio
de Janeiro ; Ernesto Rodrigues de Oliveira Vere-
za, dem do Rio de Janeiro ; Fernando Soares de
Gouvea, idem do Minas Geraes ; Luiz Joaquim
Halfeld, idem de Minas-Geraes ; Fernando Caeta-
no do Valle, dem do Rio de Janeiro; Joaquim Tur-
quato Soares da Cmara, idem do Maranhao ; Al-
bino Jos do Amaral, idem do Rio de Janeiro;
Joao Luiz Tararas da Silva, idem do Cear.
Terminada a collacao do grao, o novo phrma-
ceutico o Sr. Ernesto Rodrigues de Oliveira Vero-,
za, coiDinissionado por seus collegas, pronunciou
junto dos pharmaceuHcos, um discurso allusivo ao
acto, depois do queoSr. conselheiro director, Dr.
Jos Martins da Cruz Jobim, pronunciou um dis-
curso relativo solemnidade do dia; seguindo-so
outro discurso do novo doutor o Sr. Antonio Al-
ves Teixeira de Sonza, commissionado pelos seas
collegas, con) o que leu-se por findo o acto e ler
minou a ceremonia.
< 6.*Trabalhos geographicos.
Dr. Olympio E. A. Galvao.
Dr. Magathes Basto
Dr. J. I. de Araujo.
7*Subsidiaria.
Dr. Possidonio de C. Moreira. <-|t
Dr. Euthiquio C. de C. Gama.
Dr. Antonio J. de Sonza Paraso.
X.'Admissie de tocios.
Vigario P.Mxoto Duarte.
Dr. Roberto Callieiros de Mello.
Dr. Jos Angelo.
Pesquisas de manase ripios o monu-
mentos histricos.
Dr. I. \. Dias de Moura.
Carlos de Mrnav.
Dr. Olympio E. de A. Galvao.
Apos lonsa enfermidade falleceu hontem o on-
sul geral do Brasil na repblica Argentina Joao
Carlos Pereira Pinto lira um funecionario distinc-
to pela sua inielligencia e por nao poucos servi-
003 prestados ao paiz.
Desempenhou o cargo de cnsul naquella rep-
blica por epaco de dezoito annos, sendo geral-
meute bemquisto por todos os partidos nella mili-
tantes, nao obstante baver sido por diversas yeses
incumbido de graves quesloes dlplomoticas junto
ao respectivo governo.
Servio antas 'le ser Horneado cnsul no exercito
imperial e tea a campanba do sul no tempo da re-
beliao, sendo promovido e condecorado na accao
de Ponche Verde pela maneira porque alli se
portn.
Era apreciado por todos os ministros de estran-
geiro* com quem servio e pelos chefes delegaco
no Rio da Praia. Empregado ltimamente o em
cominisslo no exercito em operacoes contra o Pa-
raguay e em otitra de subida importancia no Alto
Uruguay, contrabio taires naquelles sities os ger-
raens da enfermidade que Ihe cortou a existencia.
13
S. M. o Imperador, acompanhado de seussema-
narios, visitou hnitem s 9 horas da manha o ex-
trnalo do imperial eillcgio de Pedro II, o aisistio
s arovas oraos de franez, inglez e portuguez,
dos exaniinindos enpnpanoribs. Sua Magesta-
de reiirou-se s 3 horas da tarde.
prlmeiro representante da nacao,
de seu chefe, defensor perpetuo, do Imperador
ciuQm, c o mais precioso penhor da ordem o da
liberdade constitucional, e o anniversano do seu
natalicio um dia de esperanzas ipie se prolongam,
e de alegras que so renovam.
t Quaudo certo numerode dcadas passam pela
fronto do homein, o que se petde do vigor da
mocidado compensado nsa largamente com a fe-
cunda liciio da experiencia. O tempo, se o mais
duro dos mes tres, tamben) o mais seguro, seno
iiifaUivei.
Se os annos nao corren) em vio sobre a viito
do cidadao, o muito directamente influcm em"
suas esperancas, sentimentos e ideas, produzindo
transformagei completas, imaginemos que accao
nlo devem exercer na alma daquelle que tem o
sea nome ligado historia da patria, obrigado a
defender das proprias paixoos, supremo dominio,
e guardar da traicoeira lisonja, rara fortaleza, a
mais de-lurabranle, porm, cu verdade, a mais
pesada heranca, a coroa !
. Na maier altura do poder, superior s lulas
que dividen) os cldadaos, qual o pharol que Ilu-
mina todos os navegantes, qualquer que seja a
procedencia ou o norte, indicando Ihe o maior
dos perigos : investir para o foco de luz. E' como
sol quo aclara as arenas e fas brilhar as armas
dos guerreiros, mas nlo pende para este ou acuel-
le campo.
' Esta sublime imparcialidade ds goyern>_ mo-
narchico constitucional, a principa! razio de
preferencia qualquer ouira forma poltica, que
em iheoriapareca mais simples, ou antes seduc-
tora. A absteoco do chefe supremo nos conflic-
tos das opinides polticas resolve pacllleamente
toda as crises, que em outros goveraos termi-
nam, ou pela anarclia ou despotismo.
Duas grandes ideas predominara na familia
brasileira : a unidade do imperio, e a monarchia
corisiitucional, i|ue a sna condicao indspensavel.
A monarchia a grande forca que concentra em
bella harmona a brilhante coastellaelo poltica
das rite estrellas.
Neste festivo dia, ousamis faser um veto, que
est na conscienca de todos os brasileiros : cum-
pre encerrar as portas de Janu?, por um termo
a esla guerra j sem ebjeeto, c o que mais sem
inirnigo.
O castigo do dictador do Paraguay, se elle
vivv, a solidlo quo o rodela, a indignarlo do
genero humano, a maldiclo das victimas, a des-
graca de seu pais, a ruina do sua familia, e a sua
impotencia, extremo despero dos tyranos.
i Abandonemos o fugitivo seus crueis desti-
nos, consolidemos o governo provisorio, e resti-
ramos patria saudosa os restos desse grande o
intrpido exercito, exeniplo glorioso de abnega-
gao o patrioti.-mo, assim cu no larguemos no ocea
no a famosa esquadra que sarprenieu as graades
marinlias do mundo por sita inerivel audacia.
t Que este pensamento de pas ou antes de ces-
sacao da guerra, seja a olerenda que o Impera-
dor no dia do seu natalicio deposite nos altares
do Deus vivo.
Nos, com a franquesa do cidadao livre, sau-
damos o Imperador, imagen) viva da patria unida,
e grande como a talbra a mo poderosa de Deus,
e a juraran) seus illustres fuodadores.
Por cartas imperiaes de 11 do corrente:
Foi natnralisado o subdito portugus Raphacl
Fortunato Ribeiro.
Foi nomeado cavlleiro da ordem da Rosa o con
sul do llrasil em Guatemala e outras repblicas da
America Central, George John Hockmeyer.
Por decretos da mesma data:
Foi nomeado cavalleiro da ordem do S Rento
de Avis o crurgio de divisao da armada nacional
Dr J')lo Jos Damasio.
Foi apresentado o padre Gervasio Antonio No-
guera em ura dos beneficios da ordem presbyte-
ral que se acham vagos na calnedral do Maranhao.
Faram concedidas as seguiofi* pente, qao fl-
cam pendentes da approveclo da aseembla geral:
Ao capillo do li. corno provisorio de caval-
ria da guarda nacional Bernardino da Gosta Pacbe
co a de t600 mensaes,
Ao aiferes do 33. corpo de voluntarios da patria
Olympio Luiz Goocalves de Noronha, a do 36>OO0
mensaes.
Declarou-se que PedroSoares de Mello Alvim
Cesao o verdadeiro nomo do offlcial tallecido no
Paraguav, corrigiudo-se nessa parle o decreto de
22 de abril de 1868, que coneedeu pensao sua
ra e sua llba.
Par deareto de i do correle foi removido o ju-
iz municipal e de orphlos bacharel Jai da Cu-
nha Pereira Bcltiio, do termo do Mar de Hespanlia
na provincia de Minas-Geraes, para o de Sant'Au-
na da Livrauento, na de S. Pedro do Rio Grande
do Sol, par assim havar pedido.
Por decretos de II:
Foi removido o juiz municipal e de orphlos ba-
eharel Francisco Goncatees da Silva, dos tsenos
reunidos de S. Sebaaliao e Villa-Belia, na provin-
cia de S. Paulo, para o do Cabo-Fro, na do Rio de
Janeiro, por assim o lia ver pedido.
Foi nomeado o cap to Sehasuao Jos de Maga-
lhaes Lopiu, raajor ajudanled'ordens do comraan
do snperior aguarda nacional do municipio de
Flores, na provincia de Pernauafeuco.
Fez-so merco a Joaquim Ignacio Bueno do Baria
4a serventa vitalicia dos aflictas de tabello a es-
erivao do juiso municipal e de orphlos do termo
do Iguass, na provincia do Rio de Janeiro.
MARIO DE PERNaMBUCO
RECITE, 22 DE DEZEMBRO DE UMf,
TraMcrevendo sdb o nosso titulo priva-
do o artigo de redaeco que o Diario do Mi
de Janeiro puWicou do dia 2 do correte,
satisfazemos o compromsseo que em igoai
da tomamos no prximo passado anno,
O I-sargento do corpo do imperiaes mariahei-1 quando avenamos a idea da conclusao da
ros Manoel Francisco Stimo, o f dito do mesmo por dtiaaia procrastinada guerra com a re-
corpo, Adelino Jos Dinz o imperial deprimei
ra classe Jeronymo Leopoldino Rufino, todos eom
metade do respectivo sido, na conformidade da
parte final do art. 29 do re^ulamen anne:,o ao
decreto n. ttt'A de 5 de junho de 184S.
Por outro da mesma data fui promovido a pri-
nielro pharmaeomico do corno de sade da arma-
da o segundo, Peinto Elisio Pmhelro, na eonformi-
dale do plano annexo ao decreto n. 1,961 do 30 de
setembro do 1857,
Por portarias do tO do corrente foram nomoa-
dos:
Antonio Jos de Asevado Vello pira o lugar
de porteiro daprimeira seer^ao do almoxarifado da
marinha.
Migncl Tibttrcio Ribolro da Rocha par o da
segunda.
Dominas de Axerclo Coatinh') para o da-ter-
eirx
publica do Paraguay.
Rigosija-nos ver quo, embora um ann)
mais tarde, achdi echo n'um jorsai de vulto
da corte aquella idea.
Nao se pode contestar com fundamento
que, no decurso do anno que pasou apis
aqullo nosso artigo.pooco resultado obteve]
o Braail n'essa Inta com o Paraguay.
Se e quizer ver no governo provisorio de
AssumpcSo nm bom fructo, diremos que
elle*r zonado, sdb o imperio de ideas menos
guerrejras, esemo grvame que mais ni
anno de campanba que mais um anno de
titnicos sacrificios nos troosc.
RECIFE, 22 DE DEZEMBRO DE 1869.
Noticias Jo sul do imperio.
Chegou hontem pela inanhaa o vapor Cruzeiro
do Sul, com ditas do Rio de Janeiro-at 13, da
Bahia at 18 e do Alagoas al 20 do corrente.
Sobas rubricas Parle Ofkial, Ex'q-ior a Me
rior encontrarlo os leitores por extenso as rua-
das mais importantes, tanto da guerra, coma da
corte; e em seguida as domis.
PAHAN.
No dia 20 do passado cbegira a Paranagu e
seguir no dia 23 para a capit;d o Sr. Dr. Anto-
nio Luiz Alfonso de Carvalho, presidente nomea-
do para a provincia.
O Sr. Dr. Antonio Pereira Reboticas Filho
barra concluido os trabalhos de exploracl) da
estrada para Matto Grosso e Ivahy.
s. PAULO.
No dia 29 do passado, 'ira assassinado no
bairro da Consolacao o marmorista italiano Aleixo
Decaussau por ani seu companheiro. Achava-se
preso como cumplice nesse crime Antonio Domin-
gos Pereira. Ainda nao eram conbecidos porme-
nores do acontec ment.
A Revista Coinmercial de Santos de 28 do
passado noticia qne encalhara no dia 27, entre a
ilha de Jos Menino e a Punta de Itapii, o brigue
hespanhol .Varia Assunta. Constara que na tar-
de do mesmo dia o navio eslava livre li prigo,
nlo tendo soffrido avaria alguma.
; BIO DE J.VN'ElllO.
A alfandega da corte rendeu de 1 t ao
corrente t,34t:68i617. .
Eis as noticias commerciaes da ultima data :
O cambio
rac.loa
e 19 3/, d- para o" particular; boje ica mais fir-
me, constando que so negociou papel bincario a
19 '/z d. As transaccoes para o paquete Gironde.
realisadas depois da'nossa revista, i'oram insigni-
ficantes, e por toe nlo alteramos o algarismo que
ntlo demos. .
Os soberanos ficam frouxos a menos de.....
400 : as apatice* geraes de O % 83 /0 e as
do empre: tinao aaoional de 1838 a ?8.jf o 80 de
prern.
a taxa do descont no banco do Brasil nlo
saflreu alteracao.
No mercado de iretes houve pequeo movi-
nseuto para a Europa, sendo qoasi todos os freta-
inen! >s elTectualos com destino aos Estados-Uni-
dos. Colamos ;
Esudos-Oaidoe, Norte. 20 a 2o s.
Dito, Sul i3 a 30 s.
Canal 20 s.
a Mediterrneo 30 s.
Procedente de Pemerebu:<> ch^ou, no dia 9
do corrate, a barca portagueza & Joo.
Para Pernambnco wiram : a 1 do corren-
te ; barca portuguesa Flor de S. SimSo; e a 12,
barca portagueza Corea.
Estaram carga para Pernambaeo : barcas
portaguezas Claudina, Amelia e Noca Sympathia.
BAHA
Nada occorreu que mereija mengao.
A alfandega renden de 1 a 17 do corrente
.171:1391352.
O cambio egalava : sobre Pars 482 res, o
sobre Londres 19 Vi d.
Sabio a 16 do corrate, para Pernambuco, o
patacho Adelina,
1LAG0A?.
Lemos no Diario :
' No dia 17 houve a prirrtera seasao eraaria
do Instituto Archoologieo Geographieo Alagoano,
achando-e presentes 1S socio, sob a presidencia
do Exm. Sr. Dr. Araujo Jorge.
Depon do approvada a aeu da inattllacao,
proceden-se a eleicao das diversas eommissoes de
que tratam os estatutos provisorios, icaodo estas
assim organisadas:
l."-^Fundos o or{amento.
Dr. Possidonio do Carvalho Moreira
Inspector, Leandro F. Campos.
Dr. Rolierto Calheiros de Mello.
t'Redaeco da-Revista do instituto.
Dr. Olyrnpto E. do A. Galvao.
Vigario Prancisco Plxoto Duarte.
Dr. Jos Angela
Dr. Magalhaes Basto.
Dr. Luiz B. Corraia de Menezc?.
3.Rtvisdes da manuscripDs.
Dr. los A. Dias de Moura.
Dr. Joaquim Jos de Araujo.
Professor, Jos Francisco Soares.
# i*.Trabalhos histricos e archaobeicos.
Padre A. Procouio da Costa.
T. RoUrto Calheiros de MjIIj.
Jos Alejandre paw.
6*subsidiaria.
..-------^-irptt
Os loaros collltdoa depois de 2 da d0-|Dr. LuIzB. Crrela de Menezcs.
PINPCO..__
REVISTA DIARIA;
AUTORIDADFS POLtCIAE5.-Por deliberarlo
de 20 do corrente, foram nomeados :
Subdelegado do *> districlo de Gamalleira, Jlo
de Barros e Silva.
1., 2' e 3o supplentes do subdelogado de Cur-
suipe -Joaquim Lucio Monteiro da Franca, Manoel
Paulo de Souza, e Ernesto Emiliano da Silveira
Lessa.
1., 2' e 3* supplentes do subdelgalo do 1 dis
trelo d'Agua-Prea Francisco Machado Teixeira
Gavalcante, Djmiugos Rogerio Lias, e Francisco
Alfonso Ferreira.
GUAUDA NAC10NAL.-P.>r deliberacao do 20
do corrente, foi nomeado Joaquim Cesario Rosa
aiferes da 1* compaabia do batailrlo n. 10 de in-
famara-, do municipio de Olinda.
EXAMSS DE PREPARATORIOS.Pelo minis-
terio do imperio, em 6 do corrente, foi expedido o
segninte aviso aos directores das Faculdades do
Direito de S. Paulo c llecife : ,
tllm. e Exm. Sr.Versando somonte sobre
sciencias os exames de preparatorios que se tem
de faier nessa Faculdade em fevereiro de 1870,
vista di que dispde o art. 1, parte 1* das instruc-
coes de 30 de outubro ultm-t, as quaes tem ah
execucao de Janeiro de 1870 em dante, em vrtu-
de do art. 3o do decreto n. 4131 da mesma dala, e
podendo acontecer que algun esludantes deixem
de matricular-se por alo terem feito exame de
linguas, flraV. Exc.autorisado para^ermittir quo
smente aquelles a quem faltarem estos prepara-
torios para a matricula sejam admittdos em feve-
reiro a taes exame*- que serlo feitos pelo systema
seguido anteriormente.
LICEXCA.Por portaria do ministerio de impe-
rio, de 13 do corrente, concedeu-se ao Dr. Fran-
cisco Pinto Possoa- professor substituto das aulas
Rreparatorias anrexas Faculdade de Direito do
ecife, prorogacao por seis mezes, tres com orde-
nado por inteiro a tres com meio ordenado, da
brenca que pelo tempo de tres inezes Ihe foi dada
pelo presidente da provincia do Pernambuco, para
tratar desqa saude onde Iho convier.
E.NGLISH BANK OF RIO DE JANEIRO.-A
assembla geral, dos accionistas, em Londres, de-
clarou um dividendo interino de 4 %, ou oito
shillings por accao, livre de imposto, sobre o capi-
tal realisado do banco, que de S 300,000.
ORDEM FRANCISCANA.-No dia 4 do corrente
celebroa-sc, na capital da Baha, o capitulo da
provincia do Santo Antonio do imperio do Brasil,
sob a presidencia do rivm. fre Joao de Santa Too-
reza de Jess.
Foram eleitos:
Ministro provincial, o Rvm. frei Francisco de
Nossa Senhora da Penna.
Casto lio, o Rvm. fre Raymundo Nonato da
Madre de Deus Puntes.
Definidor perpetuo, o Rvm. frei Antonio de Sao
Pedro Celestino.
Definidores, os Rvm. frei Jlo da Natividade,
frei Jos dos Desposorios, frei Luiz do Santa Ma-
falda, e frei Candido da Virgein Mana. *
Secretario da provincia, o Rvm. frei Jos dos
Desposorios.
Gaardiao e porteiro do convento do Recite, os
Rvms. frei Lourenco da Immaculada Conocilo,
e frei Constantino de Santa Maria dos Anjos.
Guardilo e porteiro do convento de Olinda, os
Rvms. frei Antonio de S. Gamillo, e frei Luiz da
Encarnacio.
Guardilo e porteiro do convento de Ipojuca, os
Rvms. Irei Jeronymo do Patrocinio de S. Jo?, o
frei Jos de S. Domingos.
Guardilo e porteiro do eonveto de Sernblem,
os Rvm-. frei Manoel do Amor Divino, o frei Jos
de S. Tnomaz de Aquno.
A-sistente do hospicio da Boa-viagem, o Rvm.
frei Francisco da Porciuncula.
Guardilo e porteiro do convento das Neves na
Parahyba, es Rvms. frei Francisco de Jess Maria,
e frei Francisco do Santissimo Nome de Maria.
Commissario e vice-cummissario dos terceiros
do Recite, os Rvms. frei Ludgero do Santissimo
Nome de Miria, e fre Manoel de Nossa Senhora
da Saude.
Procuradores geraes da cidade do Recife, os
Rvms. frei Nicolao do B nnfim, e frei Jlo da Ma-
ternidad-.}.
FALLEC MENT.O paquete brasileiro Cruzei-
ro do Sul, entrado hontem dos portos lo sul, trou-
xe-nos a infausta noticia de um prematuro passa-
mento, que muito nos compungi.
No dia 6 do corrente falleceu na corte o Dr.
Pedro Barbalho Ucha Cavalcante, dislincto enge-
nheiro pela escola de Pontea e Calcadas de Pa-
rs.
Joven, Cheto de vida e esperancas que Ihe sor-
riam, o Dr. Pedro Ucha baixou campa quando
mais encantos Ihe tinha a exisianca, deixando
duas familias inconsolaveis, a sua, e a que se
devia unir pelos lacos do hymeneo.
Era dotado de inteligencia robusta e viva, per-
cppclo prompta e fcil, e tinha maneiras affaveis
rtiio sabr Londres conservou-se sem alte- eme Hie conquistavam sympathias onde quer que
19 Vi d. para o papel bancario e a 19 Vs! elle estivesse. Modesto e estudioso, o Dr. Pedro
Uchoa promeltia um futuro brilhante si mesmo
e ao seu paiz, que nelle conliava.
A' sua extremosa familia, e especialmente scu
prestimoso pai o Exm. Sr. desembargador Alvaro
Barbalho Uchoa Cavalcante, damos os nossos sen-
tidos pezames pelo profundo golpe, que, ferindo o
seu amor de pai, ferio tambem o coraclo de seus
amigos o oeifou muitas esperancas da provincia
que o vio naseer.
NAVIO PERDIDO.No esparracho de S. Roque
em frente aos baixos das Carcas, no Rio-Grande
do Norte, perdeu-se, no dia 10 do corrente, a es-
cuna hamburgueza Jacobus, que vinha de Ham-
bnrgo para o nosso porto, e que ja tinha longa
viagem. A tnpolaca >, ajudada pela geate ida da
capital do Rio-Grande, procuravam salvar parle
da carga, visto acbar-se o navio totalmente per-
dido.
CRUZEIRO DO SUL.Esto vapor sai hoje I
tarde para os portos do norte do imperio, tirando
a mala no correio s 3horas da tarde.
TWUIOS URBANOS DE APIPUCOS.No dia 24
do corrente, alm dos trens ordinarios do cosiume.
haverlo ais dous, que partirlo do Recife para
Apipucos meia ora depois do meio-dia e s 10
horas e meia da nouie. Desde essa hora at s
3 e meia da raanhaa haverao trens do meia em
meia tiara de Recife para o Apipucos.
No dia Ih haverao trens ordiaarios desde o horas
da manhaa at meia-noate.
Todos os treos pararais em lodos os pontos.
DINHEIRO.Os vapores Ipojuca e Cruaoiro do
Sul trouxerara para a nossa praca as seguinteo
sommas, para:
Bank of Rio de Jawiro. 1S3-.0><0000
Pereira, Carneiro k C. 74.500*000
Amorira Irmlos A C 20:000*000
Prancisco Ribeiro Pisto Colimarles. 12:0001000
Prente Vtanna & C. 40 000*000
Francisoa Jos da Costa Araujo. tkOOOaOOO
Saunders Brothers & a 5:287*230
Manoel Fernandes da Costa & C. 3:730*000
Comes de Matto 4 Irmio. 2:0Of atiOO
Rosa & Irmao. 2:**0*tl
Manoel Gomes da Cruz & C. 1:54*000
llaaoel da Silva Pontos Guimaraes, 1:438*000 m
Luiz A. Siqueira. 1:000*000
Jeaqaira A. de Araujo & C 902*000
Antonio da Srtva P. Guimaraes. 800*000
Chalaca A Rabello. 720*000
J..s da C. Oliveira Figueiredo. 000*000
Jos L. Soares R. da Cmara. 420*000
A. Alberto de Sonza Aguiar. 400*000
Fraga & Bocha. 40*000
Joio Walfredo de Medoiros. 102*000
Jos J. Dias Fernandes. MM*000
Antonio Teixeira Pinto Jnior. 50*000
O Cruuiro do Sul trouxa mais as segtrises
sommas:
Para a Parahyba. 481*000
> o Co^H 46:080*000
> oMBo. 33:5*3*000
o Para. 8:374*300
JPOJUCA- hegou hootm esto vapor da com-
paohia Pernmhaana, da Granja c postos Interme-
dio?.
--------i-------h--------
Os jornaes do Cear, que recebemos, nada
dizem que mereea mencio.
Nenhuma noticia recebemos do Rio-Grande
e Parahyba.
LEILO. Hoje s 9 e 30 minutos liarte um
trem (pansagem gratis) com os conenrrentes ao*
leilo dos movis, loaca o mais objectos da casa
de residencia oVDr. ItaLikiuieo ""P-jftda >>a-
rne|la.
LOTERA.A que fe aeha venda 132", a
beneficio da groja de Nossa Senhora de Olinda
e que rorro no dia 30.
DIL1IETES (WERECIDOS. Nnmeracao dos
bilhetes da lotera 132' ollerecdns pelo thosourei-
ro das loteras para auxilio das durezas da
guerra :
Bilhetes rw. 4,016 a 4,023
PASSAGETOOS.0 paquete naeional Crmeiro
do Sul trouxe a seu bordo os seguales:
Severiano de Almeida .Leal, Dr. Giacomo de
Paula Dafltlsta, aiferes Poifiro Jlendes Marlins,
Joao Luiz-f a vares da Silva, Ernesto JUbreigniu,
Salvador Alhanazo, FraHcisco Athanazio, tenente
Jos Maria Marques de Carvalho, Adolfo Estanis-
lau da Costa, Jos Cipriano Avilas, Antonio Jos
Gomes, Joao Garren, sua raulher e nm filho, Lu-
iz Jos Cmara, Alfredo Andrade Paes Lemos e
um chalo, Anacleto de Paula Gttvn, Onofrio Jo-
s Suares Jnior, Francisco Jos Soares Nelto,
Frei Manoel do Amor Divino de Chrislo, Frei Joao
ile Santa Thereza Virgem Mrtir, Pedro Gomes da
Costa, Jastino Xavier Soares, Carlos Cubelele, J-
lo Albuquerque Mello, Pedro Barlholomeu, Do-
mingos Jos Machado, Domingos Ramos de Arau-
jo, Joaquim Francisco dos Santos, Joaquim Fa-
gundes de Castro, Jaeintho da Costa, Manoel Saiol,
Manoel Baptisla Monteiro, Nicolau Ojien, Fran-
cisco Antonio de Carvalho, An onio Pinto Borges,
Seguem para o Norte: 56 pracs invalida*, 6
offlciaes, Mariano Joaquim da Costa Jos Fran-
cisco da Silva, Augusto Gurgcl, sua mullier c 2
criados.
= Do vapor Ipojuca entrado da Granja e por-
tos intermedios :
Dr. Joaquim Pires Gon jal ves da Silva e 1 cs-
cravo, Dr Jos Rufino Pessoa o sua familia, Fran-
cisco de Carvalho Jnior e 3 escraves, Jorge Ja-
cob, sua senhora e 3 escravos, J. C. Linhares
Antonio Jo^ da Iva, Manuel Antonio da Costa,
Antonio Jeronymo Vecbi, Curial August, Luiz
Martins de araujo. Candido M. Monteiro, Aagelo
Rodrigues da Rocha, M. Modesto Pereira do Lr,go,
Jos Virginio do Sacramento, Virginio Pidelis
Ramos, Florentino da Silva Ramalho, Aotbnio
Ignacio dos Santos, Joao Pereira da Costa o 1 fi-
lho, Manoel do Nascimento Ribeiro, t praca de
polica, 8 escravos a entregar.
^
COMMRCIO.
MIAGADO RECIFE 21 DE DEZEMBRO
DE 1860.
AS 3 1/2 HORAS DA TABDB
Assucar bruto americano 3*200 e 35230 por
13 kil. (hontem).
Cambio sobre Londres90 d/v. 19 7r8 por 1*.
Dito sobre dito -10 d|v. 1$-7S e 20 d. por 13.
Algouao da Parahyba 1* sorre1*021 rs. por kil.
posto a bordo, frele de 5|8 e 3 0|0
dem idem dem 13031 rs. por kil. fretc de 1|2
e5 0|0
F. J. Silveira
Presidente.
Leal Seve
Secretario
ALFANDEGA.
endimealo de dia 1 a 20. .
lem do' dia 21.....
977:230i7fi4
48:9iUG3i
1,026:172*398
MOVIMENTO DA ALFANDEGA
'olumes entrados com fazendas
Idem idem com gneros
'ultimes sabidos com fazendas
dem idem com gneros
617
1234
------1831
319
800
----1119
Descarregam hoje 22 de dezembro
Barca franceza Viridianamercaderas.
Escuna americanaS. C. Evansmercadoras. .
Vapor inglezOlindaidem.
Hiato americano -J. P. Augeridem.
Barca portuguezaSegurancaidem.
Barca portuguezaMarianna //idem.
Brigue portuguezAlexnndre Htrcnlam -idem.
Escuna dipamarqueza Adelaide -idem.
Brigue francezplemidem.
tECEBEDOMA DE ItENDAS INTERNAS GE-
RAES DE PERNAMBUCO.
endimento do dia 1 a 20. 36:899*766
.lem do dia 21.....' 1:732*766
38:652*332
CONSULADO PROVINCIA!,
uudimento do dia 1 a 20. -127:3G0S3S0
dem do dia 21 8.759*613
136:119599.-)
MOVIMENTO 00 PORTO.
Ajo preparado, onca.
Acnito, idem.
Agua de colunia, dusia.
Dita flor de larangeras, idem.
Dita do rosas, idem.
Dita de Sdiliit, garrafa.
Dita do Vicbv, dem.
Alecrtoi, biltogramma. i
Aitaieoia, ideofc
Algalias inglesas de ns. 1 a 12, ddsia.
Aloes, kilogramnra.
Alvaiadefc idem.
Ameixas passadas> Id
Aminomaco liquido, idem
Arsnico, idem.
Assafetida, i.lem.
Assucir mdi, dem.
Dito de leito em p, idem.
Avenen, Idem,
Bagas de zinho, idem.
Baisaiuo de copaliiba, idem.
Dito de jioravauli, idem.
Dito de tol, dem.
Dito de peruviano, dem.
Dito tranquillo, idem.
Banha de porco, idem.
Barbante lino, dem.
Bejuim de Lisboa, idem.
Belladona, idem.
Benzina, idem.
Iticabornato de soda, dem.
Borrachas sorlidas com pipos, duzia-.
Botoes abras, kiilograuina.
Broaiursto de palasaa, dem,
Cabcoas da papoulas, idem.
Cainca, idem.
Caixas para pipulas, grosa.
Cal virgem, killogramma
CalomeTano inglez, idem.
Clices de vidros graduados n. 2. um.
Camphori, killogramma.
Cantridas em po, idem.
Capsula do cupahiba, catea.
Carbonato de magnesia, killogramma.-
Dito de potassa, dem.
Dilo de soda, idem.
Camba, idem.
Centaura mener, idem.
Cera amarella, dem.
Dita branca em grumo, idem.
Cevada, idem.
Cevadinha, idem.
Chicoria, dem,
Clorato de potassa, idem.
Cloroformio, dem.
Colla de flandres, idem.
Confeos lclalo de ferro, duzia.
Cremortartaro em p, killogramma.
Cubebas efn p, idem.
Digitalis, idem.
Dulcamara, idem.
Emplastro de cicuita, idem.
Dilo de aquilio gomado, idem.
Dito commum, idem.
Esptulas do aro sortidas, ama.
Essencia de sniz, gramma.
Dita de camila, idem.
Dita de cidra, dem.
Dita de 4lor de laranja, idem.
Dita de hortelaa pimenta, idem.
Dita de rosas, idem.
Dita de sal-a pan ilha, vidro.
Dita de theberentina, garrafa.
Dita de vergamota, gramma.
Ergotina, dem.
Ether clorvlrico. idem.
Dito sulfrico, killogramma.
Dito ntrico, Idem.
Extracto de .conilo. gramma.
Dito de alcasss, idem.
Dilo de belladona, dem.
Dito de camonilla, idem.
Dito de cicula, dem.
Dito de (Javas de caiabar, idem.
Dito de fumara, idem.
Dito de genciana, idem. fc
Dito de jurubeba, idern.
Dito de uoz-vmica, idem.
Dito de opio gommoso, idem.
Dito de salsa-parrilha, dem.
Dito de tridacio, idem.
Dilo de valeriana, dem.
Foses do ouro, killugramraa.
Flor de rnica, idem.
Dita de borragens, ideo.
Dita de enxnfre, idem.
Dila de malva?, dem.
Dita de sabugueiro, dem
Dita de tilia, idem.
Figado de enxofre, killogramma.
Fumaria, dem.
Funis de vidro n. 2. um.
Genciana, killogramma,
Glicerina branca, dem.
Gomma de batata, idem.
Dila purgativa, dem.
Dra arbica escolhida, idem.
Dita em p, idem.
Graos de porcelana n. I, um par.
Dito de vidro n. 1, idem.
Herva terrestre, killogramma.
Hydr.icl rato de marlim, granif
Hysopo, kHogrammu.
Insenso puro, dem.
Iodo puro, idem.
lodureto potassio, idem.
Ipepacunha prea, idem.
Jalapa em p, dem.
Kernes mineral, gramma. -
jleor de labarraque, garrafa.
^'


?
'
i
- J
Navios entrados no dia 21.
&io de Janeiro e portos intermedios6 dias, va-
por nacional CrNsarVo do Sul de lili tela-, Lnh kilogsamma.
da, commandante Joaquim de P. Gueues Aleo-' n, ntp;r.. aL,,
forado, equipagem61, carga varios gneros; m .,." j
Antonio Luiz de Oliveira Azevedo & C. WanuMia^ataualdeai
Granja e portos intennedios-7 dias, vapor brasi-; JP5?h3S vidroj
% i?'^'"^' Moura, equipagem 30 carga ranos gcnepjs, a
companhia Pernambucana.
Navios sahidos no mesmo da.
Rio de Janeiro pela BahiaCrvela a vapor Pa-
raense, commandinte capito-fenente Francisco
Jos de Freilas.
BarcelonaPatacho hespanhol Themotto II, capi-
tn Ezaquiel Pages, carga algodo.
AracatyHiate brasileiro Nova Esperanza, capi-
llo /alies, carga varios gneros.
ECITAES.
A cmara municipal desta cidade tendo de
contratar o fornecimento das cadeiras que forem
precisas para o proeesso de qualilicnclo na tercei-
ra dominga do mez de Janeiro prximo vindouro,
convida aos fornecedores dellas a apresenlarem
suas propostas eVk carta fechada, no dia 22 do
corrente, indicando logo o menor preep porque for-
oecein cada urna diariamente.
Paco da cmara municipal do Recife 15 do de- Dito branco, idem.
Dila lagrimas, idem.
Manteiga de cacao, idem.
Massa caustica, idem.
Mol de abelbas, garrafa.
Mercurio doce, killogramma.
Msenlo, idem.
Hostarda. idem.
Musgo islndico, idem.
Nitrato de prata em lapis brajeo, graiamn
Nitro puro, killogramma.
Noz moscada, idem.
Oleo branco de Chevier, vidre-s-ce 8 oncas.
Dito de alfazema, killogramma. -
Dito de amendoa ioglez, idem.
Dito de batiput, idem. f
Dito de cravo, gramma.
Dito de ligado de bacalbo, garrefa.
Dito de bacalbo ferruginj;;, ': > *3 8
Dito de hnhaca, killogramma.
Dito de ricino, idem.
Dito de vermfugo, idem.
Parietarias, idern.
Papel azul para embrulho, rc-'-.a.
\\
on?as.
lembro de 1869
Ignacio Joaquim de Souza Lelo,
Pro-presideute."
Francisco Canuto da Boaviagem,
Secretario.
Pasa dejujuba, killogram-..-.
: Pastilhas de Belioc, caixa.
1 Ditas de Kemp, idem.
i Ditas de Naff, caixa.
Pedra ame, killogramma.
I Peneira de cabello, urna.
Dita'de seda. idem.
Perchlonireto de ferro, kil! -,-. : a.
(omnando alas aranas.
Faz-ee publico para sciencia dos mteressados,
que segundo constou de offleins do Exm. Sr. con-
selbeiro ajudante general datodos de 1, 6, e 7 do j s de borgonha, Idem.
corrente mez, forao remettidas pelo mesmo Exm. I 0PQai0 e.,,erro ?e L^ra.0). ":J/-
Sr. a secretaria da guerra com destino a thesou Pimas de Allissons (vordadeiras, :aixa.
incia, s carras de pen- 5'r?s de Va,e'' Vldr? j2 ; :'jla9.
raria de fazenda desta provincia
sao da Sra. D. Auna Joaquina de Puntes Marinho,
a do 1 sargento Miguel Gabriel Pereira de Lira;
bem como que lera entregue na corte ao Sr.
Honriqne'do Reg Barros a carta de pensao da
Sra. D. Mana Paraguass d'Albuquerque Mara-
nhao, viuva do Sr. major d'infantana Timoleao
Peres d'Albuqnera.ue Maranhao. Secretara do
commando das Armas de pernambuco 21 de de-
zembro de 1869.
Francisco Camello Pessoa de Lacerda.
Tenente Coronel Secretario.
Sr. Carlos do Mprnay.
r. Eu
Euthiquio C de C Gama.
DECLAMCOE?.
an& Ca dq'Misericordia do
Recife.
A Illma. juflia administrativa da Santa Casa de
Misericordia do iSocfe, manda azer pnblico, que
precisa contratar f> ftrne.^imeato dos medicamen-
tos abaixo declaradas para o roetes do Janeiro
mar jo vindonro, sabr :
Absintho, killogramma.
Acido actico puro, idem.
Dito cetrico puro, dem.
Dilo marinho, idem.
Dito ntrico puro, idem.
Dito oxlico, idem
Dito sulfrico, idom.
Dita tariario, dem.
Polgala sonega, kiltog>amr.:-
Polpa de tamarindos, dem.
Pomada mercurial, idem.
Pontas de viado calcinadas,..'- a.
Pos de Roggc, vidro.
Potassa caustica, killogramma.
Potes do 1 a 6 oncas, duzia.
Precipitado rubro de mercurio, '(km.
Protowdureto de mercurio, graama.
Purgante de- Le Roy franco;, garra fa a 6.1 odv
Qnaca, killogramma.
Quina em casca, idem.
(Juina em p, idem.
Raz de alcasss, idem.
Ditas de altea, idem.
Ditas de espargo, idem.
Resina de angico, idem.
Dita de batata, idem.
Dita de guiaco, idem.
Ruibarbo em p, idem.
Sabio branco amydalino,
Dito de opodc Idok, id
Sabonetcs de alcatrao (A
duzia.
Sal amargo, killogramma
Salsa hortence, idem.
Saisaparriiha, arroba
Saecnarureto de oleo
Sassafrao, killogramm.i.
Sceua, idem.
Senne, idem.
Sement de angelim
Sarpenlaria, idem.
'tves da Co< )
'i'M-
V
ILE6B:
srrz


T
I/ianv UV m m

T--
i'.l 'A>
+: :
-;-;
rfc
X
-rr t;' i
I
Sperraaeete w rama, dem.
Soluto de protoioiilreto oV Ierro, dem.
Subnitrato delNR
Sueco d; giozojjM^pa*, garran.
Sulfato flr ferrfflPttt
Kilo de soda,ulna* I
Dito de neutifc MWplia, grMWia.
Suspensorios escjotat-t, dui.
Tansagem, Idlqft-ama. 1
Vidros eom tilias d#l al, dufia.
Ditos de opofdfldok.idem.
Vomitorio de le roy francez, vidro.
Vinho de jurubeba,^arrafi.
o-oti de corvisat, ido
Xaropc de Bourgois, dem.
Dito de egpargo, vidro.
Dito de fioy, dem.
Dito de hydureto de Gibert, idem.
Dito de juruhelia, idem.
Dito de Labellony, idem.
Dito de Lamoureaux, idem.
Ditodo afie, idem.
Dito pci toral inglcz. idem.
Dito de quina rerragiirva de (rimaut, idem.
As pessoa1* qne qiiizercm fazer dito forneeimen-
lo, devem apresentar suas prapostas at o dia 23
4lr presente inez, e dar fiadores que se rcspjiisa-
bilisem pelo Del cumpr'uncnto do contrato.
Santa Casa de Misericordia do Rccife, 13 de do-
zembro do 18D9.
O escrivau,
Pedro Rodrigues de Souza,
laviagom^Or. Francisco .Manoel Raposo de Al-
i-ida, n 1a Ga-
Boav
me
ma. lliCIL^f^1' Lim CflgLdo A adrad
Vichado Ros, Dr. Gv
hni I |>*ho da Cantara, Dr. Ignacio- Fir-
mo Jtavler, Joitiino < i Cunha, Justiniano
AoBo Alves Soares, secretario o Imperial Ins-
tituto Peraambncano, Dr. Joaquim Jos da Ponse-
ca, Dr. Joaquina Pinto de Campo, Joaquim Porfi-
rio de Araujo, J.aquim Antonio Teixeira, Jos
Candido de Moraes, Dr. Jos Ignacio do Ajidrade
Lima, padre Jos Francisco Borges, Jos Augusto
da Araujo, Jos Mara Ferreira da Cunha, Josepha
Mara ds Saatos, Dr. Joao Baymundo Pereira da
Srlv, Dr. Joa da Slva Ramos, Dr. JoSo Hireano
Alves Maciel, Joo Joaqoim Alvos, Joao de Azedias
Machado, Joi Moa-ira da Silva Braga, Luiz Anto-
nio do Siqueira, LUiz di Veiga Possoa, Luiz Ro-
drigues Villares, Lourenco Justiniano da Ftocha
Ferreira, Luiz do Souza Monteiro de Barros, Dr.
Luiz Jos Correia de S, Manoel Joaquim de Mi-
randa e Sonza, Manoel Jos Luiz Ribeiro, Manoel
Ignarin de Carvalh> M-n lonr>, Manoel Jos da
Costa. Manoel do Nascimento Costa Monteiro, Dr.
M.ixiraiano Lopes Maebado.Fr. KicnlodnDomfim.
Dr. Olimpio Marque-; da Silva, Olimpio da Silva
Cosa, Pedro Paulo Ros, Pedro de Araujo Bel-
trao, |)r. Tnsiio de A. Ararip'e (ij, Dr. Tobas Rar-
rito de Meoezes (ii, Trjano Olimpio de Carralho
Mendooca.
anta Casa da misericordia do
Reeife.
A Illma. junta administrativa da Santa Casa da
Misericordia do Reeifemanda fazer publico quena
sala de suas seseoes, nodia 23 de dezeinbro,|pelas
quatro horas da trae, tem de ser arrematadas
<|iiem mata vantagens olTerecer, pelo trmpo de um
tres annos, as rendas dos predios em seguida de-
'Clarados :
ESTABEI.ECIMENTO DE CARIDADE.
Ra uu Calaboueo
Casa terrea n. 20, por anuo' 2123000
rATillMOMO DOS ORPHAOS.
Ra do Vigario.
Primeiro andar do sobrado n. 27. 210^000
Ra do Pilar.
Casa torrea n. 98........ 203 000
Sitio n. fi noForno da Cal........... 150*000
Os pretendentes devero apresentar no acto da
arrema'.aco as suas llancas, ou comparecerem
acompanhados dos respectivos fiadores.
Secretaria da Santa Casa da Misericordia" do Re
cife, 2 de noverabro de 1889.
O escrivao,
Pedro Rodrigues dr Umita
Scnta casa da misericordia do
Recifc
A Illma. junta administrativa da Santa Casa em
sessao do dia 23 do crrente recebe propostas pe-
las 4 horas da tarde para o fornecimento de carne
verde que houverem de consumir os estabelcci-
mentos pios a sen cargo, tanto desta cidade como
da de-Olinda, no trimestre de Janeiro a margo de
1870.
Secretaria da Santa Basa de Misericordia do Re-
eife 13 de dozembro de 1869.
O escriviio,
Pedro Rodrigues de Sozna
O fiscal da frepuezia da Boa-visU faz scienle
a uuem interessarpos'sa, queacham-se depositadas
duas raers, urna bezerra, as quaes focara apprc-
hendidas no sitio do Meuron, desfrutado as plantas:
quetn se julgar rom direito as mesmas, rempare-
ca, que provando nesta lisealisaeo, e satisfazendo
o disposlo no art. 119, tit. 9* das posturas de 30
de junho de 1819, lhe sordo entregues.________
CORREIO 6E.IAL
Pela administracao do correio desta cidade se
faz publico que beje (22) fechar-e-hao as malas
que o vapor Cruzeiro do Sul tem de conduzir para
os portos do norte.
Os jornaes serio recebidos at ao meio dia, as
cartas a registrar at 1 hora, e as ordinarias at
as 3, e at as 3 1(2 horas da larde pagando porte
duplo.
Administracao do correio de Pernambnco 22 de
dozembro de 1869.
O administrador interino,
Alfonso do Reg Barros.
ATTENC40
o
R'tlacao das cartas registradas viadas do sul e nor-
te pelos vapores Cruzeiro do Sul, e costeiro Cu-
ruripe, para os senhores abaixo declarados :
Arseaio Cuim Atu, Antonio Gomes de Araujo
S, Alvaro Cchoa Vieirs Brasil, Alexandrino Dias
Ouimaraes, Andr de Abreu Porto, Antonio Lopes
Braga, Amelia Teixeira Pinto Jnior, Anna Floren-
cia de Almeida eSilva, Bario do Livramento, Cal-
das 4 C, C letano Xavier Pereira de Brito, Candi-
da Rosa das N'eves, Curios Pinto de Lemos & C,
Director da Faculdade de Direito, Frederico Maia,
Fraga & Rocha, Fabricio Gomes Pedrosa, Fernan-
des A Irmaos, Dr. Francisco Muniz Tatares, Dr.
Francisco Luiz Corr.'ia de Andrade, Francisco
Lucio de Castro, alferes Francisco Eduardo Ben-
jamim, Francisco Lopes da Silva, Gustavo Jos do
Hego, Gustavo A. Wallbaum, Henriipie Vieira da
Cunha (devolvida da corte), r. Hdoriqae Mamede
de Almeida, teuente-corouel Hemeterio Jos Vel-
loso da Silveira (2A Izidoro Flaqne (2), Ma Perry,
JaCiBttM Paz de Menim^a, Dr. Joao Jjs Ferreira
d Agoiar, Joanna Fbrinda Lobo Vital, J is dos
Santos Miranda, Jos Pereira Viaimu, Jos Carlos
Miyrink Pires Naburo de Araujo, Jos Ribeiro da
l'oseca, Jos Djmingiies doCarn) e Silva. Jos
Morcira da Silva, io< Joaquim t.oellu, Dr. Jos
Ricardo Gomes uc Cirvalho, Jos lo Azedias Ma-
chado, Joaquim de Pontea. Marinho. Joaquim Be-
o vides Raposo, majar Joaqutm Antonio- Pientze-
naux, Luiz Manoel de Oliveira Meudes, Loureneo
I. da Roclia Ferreira, Manoel Gomes de Mello, Ma-
noel do Reg Barros de Souza Leao, Narciso Fran-
cisco Vidal, Dr. Paulina Rodrigues Fernandes Cha-
ves, Dr. Pedrb Auiran da Mal a Albuquerque, co-
roiiel Itodolpho Jolc Barat de Almeida, Viseonde
d Camaraf'ibe. Mm ru,
AVISOS MARTIMOS.
CllPAlIA BRASILEIRl
DE
Paquetes a vapor.
Dos portos do norte esperado
at o dia 27 do corrente o vapor
Paran, commandante J. S. Mo-
ra es, o qual dejis da demora
docostume seguir para os por-
tos do sul.
Desde j recebem-se passageiros e engaja-se t
arga que o vapor poder conduzir, a qual deveri
las c dinheiro a frete at as duas horas do dia da
itu sahida.
Nao se recebem como encommendis senao ob-
lectos de pequeo valor e que nao excedam a 2
arrobas de peso ou 8 palmos cbicos de medi-
cao.
" Tudo que passar destes limites dever ser
embarcado como carga.
Previne-se aos Srs. passageiros que suas passa-
eens s se recebem na agencia ra da Cruz n. 57.
( andar, escriptorio de Antonio Luiz de Oliveira
Vzevedo 4 C.
CQMPAN1IIA PERIS.\MBCANA .
DE
\'avea?So costelra por vapor.
Parahyba, Nata', Maco, Mossor, Ara-
caty, Cear, Mahdah, Acarac e
Granja.
*^y%y O vapor Ipojuca, eommandante
^iaL Mura, seguir para os portos
tfHrf cima no dia 31 do corrente as o hora.'
la tarde. Recebe carga at o dia 30, encom-
iendas, e passageiros e dinheiro a frote at as
i horas da tarde do dia da sahida no escripto-
rio no Forte do Mattoa n. 12. ____________
. COMPANHIA PERNAAMBUCANA
DE
Xa vegada o costelra por vapor
Mamanguape.
O vapor Mandah, commandante Julio, seguir
para o porto cima no dia 28 do corrente as 6
lloras da tarde. Recebe carga, encommendas,
passageiros edinheiro a frete at as 3 horas da
larde do dia da sahida, escriptorio no Porte do
Maitos n. 12.
PORTO
Pretende sahir em poucos aias a barca portu-
gueza Social por ter a maior parte do earregamen-
to prompto; para o resto qne lhe falta e passagei-
ros, para os quaes tem bons comtnodos, trata-se
com o consignatario Joaquim Jos Gonclves Bel-
tro, ra do Trapiche n, 17.
Para Lisboa
A barca portugueza Pereira Borges dever se-
guir brevemente para Lisboa, j tem a bordo par-
te da carga, e para o resto trata-se com Oliveira,
Filhos 4 C, ao largo do Corpo Santo n. 19, !
andar, ou com o capito na praca.
Porto.
Segu com brevidade a veleira e nova barca
portugueza Isolina, para carga e passageiros,
para os quaes tem exeellentes comliodos, trata-se
com os consignatarios Antonio Luiz de Oliveira
Azevedo & C.; ra da Cruz n. 37 Io andar.
7
IRAC4TV
Segu nestes das o palhabote Sobralen-
se, ainda recebe algum; carga frete a tra-
tar com S Lcito & Irmaos, ra da Ma-
dre de Deus r. i.
Relarji') das cartas registradas existentes na aJ-
ministracao do correio desu eidade para os se-
nli ris abaixo rt-rlarados :
Antonio de Sifliza.e Sa, Alfonso O. Pin'o Guima
raes, Anna Joaquina de4ezns, Antonio Rodrigues
de Albuquerqoe, Antonio Pinto B. de Azevedo, pa-
dre Antonio de SMI: Albuque"qn. Antor>lo Duar-
que de Gusmao, AdrianovXovi i de Itro,
D. Antonio Suoia > ,s, Dr.
i'.risolilo F r.omes Pereira, Cari wSr de Brito,
Crio; Ernesto Mvs.-ju1i .lel'nm Rosada
Silveira, Dr. Brnoito Ferr i Jnior, pa-
WL____________
m
B RA
|D0
fi CABUGi
esquina
gafeira com toda a brevidade o palhabote porlu-
gnez Villa-Flor tem a maior parte da carga en-
p ijada : para o que lhe falta, pode tratar-se com
David F. Bailar, ra do Brumn. 92, ou com o ca-
pillo do mesmo navio.
Porto.
Vai sahir breve a barca Laura ; para carga e
passageiros trata-se com os consignatarios Carva,
lito 4 Nogueira, na ra do Apollo n. 30.
Eio Grande do Sul
Para o referido porto satura nestes dias por ter
quasi toda a earga prompta, a barca portugueza
Aflniida ; para o reste que Iho falta, pode tratar-
se com David Ferreira Bailar, ra do Brum nu-
mero 92.

PARA
j muitos outros objectos que eslrSo pten-
los ao concurrentes, luje as t-f Moras da
tittftiiado largp^na^puRf 6arX
pouQoa- dia; (1 aipii, p tados-nidw, o brigue.'fff, rp sfjguir ao
irlo cima ; recebe carga e fretes commodos :
a tratar com Tasso Irmaos.
Rio de Janeiro
Para o referido port pretende sahir com muita
b'evidade o brigue brasileiro .-Idodcpor tor par-
te de seu careegaroeuto engajado, e pava o que
lhe falta e escravos a frete-, trata-se com o eousig-
nitario Joaquim Jos Conexivos Ueltrau, ra do
CJinmercitf n. 17._________________________
Para Lisboa
tem do partir em breve o bem eenhecido lugre
poriuguez Mi, de superior marcha : para o res-
to da carga e passageiros, trata-se aora os cons8-
nalarios Thomai-de Aquino Fonseca 4 C, ra do
Vigario n. 19, Io andar.
DA TABERNA DA BA DO COTOVEIiK\J.
O agente Martins Eir leilo da armario, gne-
ros e pertences da taberna cima em um ou raais
lotes a vontade dos compradores*
MOJE.
As 11 horas do dia na mesma taberna.
Para Lisboa
pretendo seguir com a maior brevidade o patacho
poriuguez Marianna II, recebo carga o passagei-
ros, a quem olTereco os meUioros commodos: tra-
ta-se com os consignatarios Ttiomaz de Aquino
Fonseca 4 C, ra do Vigario n. 19, 1* andar.
Para o Porto
seguir cem a possivel presteza a barca portupue-
zi Harmona, de 1* marcha, para o que tem gran-
do parte de sua carga engajada : para o restante
o passageiros, trata-se eom os consignatarios Tho
maz de Aquino Fonseca 4 C, na ra do Vigario
n. 19, l" andar.
Dr- urna mobilia de Jacaranda, contendo ti ea-
deiras de gnarnico, 2 consollos enm pedras, 2
cadeiras de bracos e sof, urna mobilia db ama-
relio com 12 cadioras de punrnicaq, 2 de hracoe,
i de bataneo, consollos e 1 jardiiinira,, indo -a
Luiz XV, I guarda rouna de amaiello, 1 guarda
laura, 1 comntoda, um cadeira de :.brir, 1 mesa
elstica, I cama franceza de amarello, cadeiras
de amarello avulsas, marquezes, inarquezas, 1
commoda do Jacaranda, 1 grande espelho, 1 car-
teira de amarello, 1 meza grande para engomado
1 piano e muitos outros objectos.
Qninia-feira 23 do corrente.
O agente Marims far leilo por orden de urna
familia que se retirou desta provincia, dos mo-
vis cima no armazem da ra do Imperador n.
16 as II horas do dia
LEILOES.
LEILAO
Da barca nacional ADELA1DE com mas-
treacSo, veame, cordoalba, ancoras e
correles e mais pertences,
A 22 do corrente.
O agente Oliveira far leilo publica a reque-
rimento dos curadores flscaos- da massa fallida
do Maia 4 Espirito Santo, o por mandado do IIIm.
Sr.Dr. iuiz de direito especial do commcrcio des-
ta cidade, da supradila barca Adelante, com sua
mastreacao. veame, cordoalba, ancoras e co Tren-
tes e mais penences, tal qual se acha surto ueste
porto, onde os pretendentes sao convidados a exa-
mina-la com anlecipacao as. vo i ave ta. io em mo do indicado agente.
HOJE. -
ao meio dia em ponto, no salo do entrada da as-
soeiacao Commercial Beneiconte desta praca
Logo em seguida e no meshio dia se far
LEllAO
de 290 tonelladas inglezas de carvo de podra
existentes a bordo da supradita barca, por conta
de quem perlencer.
LEILAO
DE
Movis, louca e vidros
A SABER
San de entrada.
Um sof, 2 cadeiras de abrir e 18 cadeiras de
faia, i secretaria de mogno, 1 mesa redonda, 2
descancos de ps, 4 tapetes, 1 candieirc a gaz e 1
mappa do Brasil.
Sflfa de visita.
Urna mobilia Luiz XIII, 2 grandes espetaos, 4
coi tinados, 4 descancos de ps, 2 candieiros a gaz,
4 c asticaes e mangas, 1 tapeto de sof e 4 me-
nores.
Sala de recreio.
Um sof, 2 cadeiras de braco e 6 de guarnico
Luiz XIII, 2 jardineiras, 1 candieiro gaz da
su'tpenso, 2 tapetes, 1 costureira e 1 bilbar.
Primeiro quarto.
Dous grandes espetaos, 2 cabides, 2 transparen-
tes, 1 toilletjl candieiro a gaz e 1 guarda-ves-
tidos.
Segundo quarto.
Urna cama"de ferro e cortinados, 1 mesa de
cama, 1 lavatorio com pedra, louca para o mesmo,
2 tapetes, 2 cabides e 1 caixa privada.
Terceiro quarto.
Urna commoda, 1 lavatorio de mogno com pe-
dra, louca, 1 marqueza, 1 cama para menino, 1
mfsa de cama, 1 lamparina, 2 jarros e 2 cabides.'
Quarto quarto.
Jm guarda ronpa, 2 cestas, 1 lavatorio de ferro
e louca, 1 mesa. 1 espelho, 1 marquezao, 1 caixa
pri vada, 1 cabido, 1 lamparina, 1 garrafa e copos.
Sala dejantar.
Urna mesa elstica, 1 rico aparador, 1 guarda-
louca, 12 cadeiras. 1 quarnheira, 2 cadeiras para
montaos, 1 relogio de parede, 1 porta crme, 1
porta-licor, 1 apparelho para jantar, copos, clices,
garrafas, compoteiras, fructeiras, 1 porta-queijos e
outros objectos.
Despensa ecozinha.
Um terno de bandeijas, (landres, 1 mesa e taboa
de engommar, trem de cozinha, 2 mesas, C cadei-
ra:s e outros objectos.
HOJE.
CASA N. 2 DA RA DA MANGCEIRA ^,-
Poro da Panella.
O agente Pinto, autorisado pelo Sr. Dr. Bartho-
loino'Torquato de Souza e Silva (o qual vai
Europa com sua familia), far leilo dos movis e
mais objectos da casa de sa residencia, no Poco
da Panella.
Os concurrentes ao leilo encoatrarao s 9 ho-
ras e 60 minutos uo dia cima dito, conduecao
gratis, na estaco dos trunos urbanos do Becife
Apipueos.
O leilo principiar as 10 e meia horas.

LEILAO
I)r?brigttii bra-filein ALBERTO, com seus
nppnrelhos e mais pertences, prumpto a
navegar.
A 21 do corrente.
O agente Oliveira levar a leilo publico a re-
querimeuto dos curadoras liscaes da massa falli-
da do Maia 4 E-pirito Santo, e por mandado do
Illm. Sr Dr. jniz de direito emecial do comnier-
cio desta cidad;, o supradilo briguo Alberto, com
mastreacao, veame, cordoalha, ancoras e mais
pertences tal qual se acha aparelnado e surto
neste porto prompto a navegar.
Sexta-feira 2i do corrente
ao meio dia em ponto no salo de entrada da as-
sociaco Commercial Benelicente desta praca.
O agente Martins em cninpiinieiito ao mandado
do Illm. e E\m Sr. Dr. juiz de direito especial do
commercio, recebo propostas em cartas fechadas
por espaco de 30 dias a contar do dia lo do cor-
rente, paia a venda a quem mais olTerecer pelos
segninles escravos 'pertencenles a massa fallida
le Maia A; Espirito-Santo ; sendo Zeferino de na-
ci com 50 annos do idade solTrendo de asthma,
viliado por SOOOOO, Manoel cranlo, com 45
annos, por 1:000000, Domingas de naeao, solTren-
do dos pulmoos com 4o annos, por 1:0003000,
Ado creoulo com 10 annos, por OOOOO, Felicia-
na crioula de 22 annos sem otncio, por 1:1003000,
Dellina crioula com "Ji annos, por um 1:000*000,
Rasilia crioula com 28 annos, por 1:1003000, Jo-
anna crioula com I'i annos, por 600300'J, Catha-
ria mulata com 30 annos engommadeira, por
1:1003000, Luiza de naca j com 40 annos solTrendo
dos ps por 800300o.; cuja venda ser cffecluada
pela forma que determina o arl. I" do decreto n.
1695 de 15 do setembro do correnle anno, sendo
que as prapostas seio dirigidas ao mesmo Illm.
Sr. e entregues ao dito agente.
AVISOS DIVERSOS.
O abaixo assignado declara que desta data
em diante tem mudado a sua residencia da pro-
vincia do Bio Grande do Norte para esta. Becife
14dedezombrodel8t)9.
Paulino Carrilho do Bego Barros,
PROTESTO
O abaixo assignada, procurador da Antonio da
Silva Mello, vero fazer scienle ao respeitavel pu-
blico que desde j protesta empregar todo o rigor
da lei contra quem sem brenca curiar madeiras
as matas do engenho Belmonle da con arca de
Nazaretb, assim como tambem de haver o importe
de prejuizos e damnos daquelles que por ventura
.rabalharem em Ierras do mesmo engenho, sem a
previa autorisaclo de seq dono. Pernambuco 21
de dezembro de 1869.
Duarte Borges da Silva.
ATTENCAO.
Pede-se encarecidamente a todos os irmaos da
irmndad da Conceicao dos Militares a bandado
de appareccrem hoje 21, as 6 horas da tarde, no
mesmo consistorio, para presenciaran um facto
o mais revoltante que se pode imaginar.
I'ni militar.
AVISO
Rio Grande d Sul
O patpcbo nacional Bemfica propoe-se a seguir I
viagem ao porto cima em paucos dias, por isso
recebe carga a frete commorto : trata-se com Bal-
thar Oliveira 4 C,-ra do Vigario n. 1, 1 andar.'
Illiade S. Migue..
A escuna Poit Dias sabe com a maior breviJa-
de, e para o resto da carga e passageiros, para os
quaes tem bellos commodos, trata-se com o seu
consignatario Joo do Bego Lima, ra do Apol-
lo n. 4.
De objectos ie navio
Fugio no dia 13 do dezembro do corrente anno
do engenho Santos Mendes da comarca de Na-
zareth da Malta, urna serava pertencente a Lau-
renlino Gomes da Cunha Pereira Beltro, de no-
me Maria. crioula, idade 46 anuos pouco mais ou
menos, baixa e grossa, cor preta, cara redonda,
tem era um c outro canto do queixo cabellos que
ella pode raspar, canellas fina?, ps seceos c es-
parralhados, tendo o dedo grosso dos ps muito
maior que os outros, e bem ladina, gostando de
beber agurdente e de assistir a qualqoer diver-
timeuto qne encontr : rogase as authoridades o
capiles de campo e aqualquer pessoa a captura
da dita escrava sendo entregue no meampange-
nho ou no Becife aos Srs. Oliveira Filttos 4 C,
pra^a do Corpo Santo n. 19, Io andar, que sera
bem gratilicado.__________^_______^_____
Aluga-so
a frente superior do 2 andar do sobrado da ra
do Vigario n. 26, constando de urna boa sala e
boa ali-qva, pintado de prximo, sendo multo fres-
co, proprio para algum homem solteiro,^ 0 alu-
gue mdico : a tratar na mesma casa. '
AS 11 HORAS DA MANHAA.
O agente Pestaa far leil5o por conta e
risco de quem perlencer de 1 bolinete, 1
guincho, l porcSo de cabo para estapa', \
virador, 1 cabo de (jDatro cordas, 1 ferro,
: ancorelas, 2 escovens, 15 bigotas alcia-
u de ferro, 2 pegas de ferro, 1 p de
gallirma, % chapas de artigadas, 1 bigornia,
Fug no dia 18 do eorrenfe mea e de?
oro a osen va de uonie M^jtiiliii, de :M) n 'iH an-
uos de idade, crpfota, teado-os signa i
falta de dcnti's na fronte, HMgva, canallar-'
pe seceos, Jesfa pequea, wia escrava .
orada a Manoel Crispim dos Passos, moraftt
Goit deguarabira cidade da I*arahyba, por tanto
roga-se as autoridades e capes de campo a apre-
encao da mesma eserava, e entrega-la na ra Di-
reita n. 25, l." andar aJoSo Paulo do Sou, ou
na ra do Queimado, loja de fazrndaa do Sr. Ma-
noel Hibeiro Bastos, que ser bem gratificado.
_______ Joo Panto de Suma
Aluga-se
a parte da frente do primeiro andar da ra do Im-
perador n. 32 : a tratar no mesmo sobrado.
AVISO
Manoel Jos Marques da Silva, comprou a ta-
berna sita do pateo de S Pedro n. 1, livre e de-
sembarazada de todos e quaes quer onus que pos-
sa api arecer, e caso julgue-se alguem prejudica-
do, pd apresentar-se no espaco le tres dias.
Becife. 21 de dezembro de 1869.
Precisa-se de um caixeiro de 12 a 14 annos
com pratira de taberna, dando Oidor de sua con-
duela : a tratar na ra de Santo Amaro n. 2, jun-
ta a estaco dos trilhos urbanos.
Ainda nao foi possivel vencerem-se os
irabalhos de acubamento da PIJ0T0GRA,-
HHIA IMPERIAL da ra do Obug n. 18.
os quaes s.i estarlo terminados do dia 7
de Janeiro i! 1870.
Pedimos indulgencia e paciencia aquel-
las pessoas que se tem digoado esperar
que principien) os nossos novos trabalhos
photographicos para se fazerem retratar.
Reeife, 12 de dezembro de 18G).
J Ferreira Ytllela.
Ama.
l'rcrisa-se alugar orna escrava que saiba cozi-
nhar e engommar para casa de familia : na ra.
do Queimado n, 69.
Na ra da Imperatrlz n. 41, tem alguns hu-
men* ltimamente chegados das Ilhis para ser-
virhi em qualquer servico.
Precisa-e ile urna ama : na ra da Floren-
lina n. 1, que cozinhe, para casa de familia.
Precisa se de una ama que cozinhe eom
perfeico e seja do bons costumes, tambem se pre-
cisa alagar una escrava as momias .condicGes :
a tratar na na do Vigario n. 3, terceiro andar.
TRILHOS URBANOS
DO
Reeife Apipueos.
No dia 24 do corrente, alm dos Irens
ordinarios, ha ver um s 12 horas e 30' do
dia, do Reeife a Apipueos, o outro s 10 e
30' da noute ; e da meia noute at as 3 e
30' harer de meia em meia hora.
No dia 25 de 5 horas da manhaa at meia
noute os trens andar5o de hora em hora :
tanto estes como os do dia 24 tocarao em
todos os pontos.
Escriptorio da companhia, 21 de dezem-
bro de 1869.
W. awlnson,f
Gerente.
AMA
Prccisa-se de urna ama de meia idade para todo
o servido de urna casa de rapaz solteiro (menos
sahir roa); na praca da Boa-vista n. 7, segn
do andar.
Na ra do Bangel n. 69, 1 andar, precisa-
se de urna ama para comprar e cozinhar para
casa de familia.
Escravo.
Precisa-se alugar um escravo para ser oceupa-
do em servico interno de um estabelecimenlo, pa-
ga-so bem : a tratar na ra larga do Bosario n.
34, botica. ___
Ra Nova n. 32, precisa de
costureiras.
Na ra da Moeda n. a, 2o andar, escriptorio
de Manoel Alves Ferreira 4 C, vndese vinho
verde superior em barris, ancorelas com vinho do
Pono superi >re malvazia branco.
Na ra da Cudeia n. 23 casa em cuns-
trucco, offerece-so porco de boa cauca e
pedras, exceente argamassa para lugares
arenosos.
AMA.
Precisa-se de urna ama para cozinhar e fazer
compras : a tratar na ra da Cadeia, sobrado n.
34, 2 andar._________________________
Precisase il um criado livre ou captivo: na-
ra da Madre Den* n. :i._____
Precisa-so de una ama de le le : no Corre-
dor do Bispo n. 23.
= Aloga-se ale o llm de marr.. prximo vin-
douro urna casa na pevoaeo de Apipueos : a tra-
tar no armazem do ampos, ra do Imperador nu-
mero 28. _______________________
AMA
Precisa se de urna ama livre ou captiva para o
servico interno c externo de urna casa de poura
familia, paga-se bem, dando garante a sua con-
ducta : a tratar em fronte a ra do Vigario n. 2,
armazem de moldados.
lili
Ama
Precisa-se de urna ama para casa de duas pes-
soas : na ra de Hortas n. 120.
Precisa-se alugar urna ama que cozinhe para
casa de pouca familia ^na ra de Hortas n. 74.
Aluga-se no 1" andar da ra do Imperador
n. 57, urna sala esteirada, tendo gaz o outros com-
modos : a tratar-no mesmo andar, entrada pelo
caes de 22 de Novembro.
.CASA A FORTUNA
Aos 4:0O0H
Bilhetes garantidos;
\\ ra do Crespo n.23 e casas do costme.
O abaixo assignado, tendo vendido alm de ou-
tras sorles, um inteiro n. 2251 com 4:000 da
lotera que se acabou- de extrabir a beneficio da
igreja de S. Joo de Abreu de Una (131*), convida
aos possnidores virem receber na conformidade
do eostume sem descont algum
Aeharn-se a venda os felizes bilhetes da 4"
parte da lotera beneficio da igreja de Nossa
Senhora do Amparo "de Goanna (132'), que se
extrabir na quinta-feira 30 do corrente mez.
Precos.
Os do eostume.
Manoel Martins F,"'*>
Collogio de S. Francisco de
Paula.
O hachare! Francisco los Rabclln. competente-
mente habilitado pela directora da insiruccSo pu-
blica, tem aberto um collegio para edueaco pri-
maria e secundaria do sexo mascolino, tUnkvessa
das Barrgiras n* 2. No mesmo collegio se pode-
rlo desde j ioscrever os alumnos que pretende-
rem frequenlar o curso das ferias no qiial "espe-
cialmente se enslnaro as materias para os exa-
fnes na laenldade no mez de marco. t .
LIQ1DAQA0
de fazendas.
Xa ra Nova n. 48, ainia restara algumas fa-
zendas que se venden) por precos que admirara
como sejarn lazmhas a 300 "rs., mossamblque
com listas de muito lindas cores a 300 rs., chitas
a 200 e 300 rs., grande quantidade de cambraas
de muito lindos padroes a 300 rs., e outras mui-
tas lazendas qifc pela sua boa qualdade se tur-
nara recnmmendadas para casas de familias.
Grande quanldade de paletots de seda, de panno
fino, de caseraira, de bombaztaa (pretos e de ce-
res) que se vendem por todo o preco para liqui-
dar, aproveitem a pechincha que est lindando.
ATTENCAO
Furlaram hontem da bolea do carro da fabrica
de cerveja, quando se achava no Forte do Mattos,
a carteira de tiracol do boleero qne tintn Picado
no mesmo lugar acuna, tendo dentro um roque-
rmenlo feito cmara, alguns bilhetes de ma-
chambomba, e-perto de 1:000|000 de recibos ja
mesma fabrica : roga-se aos senhores a qoem for
apresentados ditos recibos do nao pagarem, a pes-
soa que a achar ou der ncticia. ser gratificada.
Precisa-se de urna ama. prefetindo se escrava,
que faca todo o servico interno e externo de urna
casa de familia composta de duas pessoas : quem
tiver ou quizer, dirija-se a na larga do Bosario d.
38, 2" andar, que achara com qnem tratar a qual-
quer hora do dia._____________________^^
Caixeiro
Precisa-fe de um menino portuguez que tenha
pratira de molbados e d fiador a sua conduela :
no armazem da Estrella, largo do Panizo n. 14.
Paga-se heai
Precisa-se de urna ama de meia idade ano se
encarregue de todo o servico de urna casa le poo-
ca familia : na ra do Imperador n. 54, 4 andar.
Precisa-se de um criado ou criada |>ara casa-
de homem solteiro : na ra da Camba do Crm
n. 21, Io andr.
mmm mwm msm mmwmm
EMPRESTIMO S0BRE|
(SEM LIMITE.)
Na travessa da ma
das Cruzes n, 2, pri- m
raeiro andar, da-se qual- S
qner quanlia sobre oaro, m
prata c pedras preciosas. S
O dono deste estahelecimentn, ^
competentemente autorisado pelo 9
governo, est as condicoes de ga- -^l
rantir a trarisaeco que se fizer em [
sua casa, protnettendo todo e zelo g|
e considerarlo s pessoas que se
dignarem de onra-lo em seu esta-
belecimenlo.
Na mesma casa compra-se ouro,
prata e brilhr.nles.
Aluga-so una casa muito fresca na Capunga,
cora commodos para familia : a tratar no mesmo
lugar ra das Criolitas n. 5.
AVISO
Pede-se ao senlior que em o dia sexta f;ra, 10
do corrente, as 2 1|2 turas da lanb cnfrot na fa-
brica de cigarros, sila ra Direita n. 50, para
comprar um majo da cigarros de seda, c por en-
gao levou um chapeo de sol do abaixo assigna-
do e deixou o seu, em vista disso lento a bondade
de vir trocado, do contrario cndeclar> o nomo
para nao se chamar a ignorancia.
Aluga-se
o 3o andar do sobrado n. 8 i ra da Impera triz :
a tratar com J. 1. de M. Bego, ra do Trapiche
n. 34.
AMA
Precisa-se de urna ama que cozml"1 com per-
f>>icao para casa de homem solteiro1: na ra do
Queimado n. SI, loja das 6 portas.
AO AIVNEL DE OURO
Este importante estabelecimento no sen genero, tem sempre um sortimento sem igual,
, e vende por precos que nenhuma outra casa pode vender.
da ra larga ao ^ ^^ da qnaae e pre(?0 ag j0]-Las caa ^j^ P6der-se-ha convencer da verdade.
HA
EO
Rosario.
esquina
da ra larga do
Compra-se ouro, prata e pedras finas por prepos muito ele- Rosario.
CABUG
%
Garante-se ser tudo de lei.
vados.
k loja esta aberta at s 9 horas da noute.


**




V

Ouarta fera %% de Dezembro de 1S69
fcAS MACHINAS I
BASTOS
Acabam dechegar grande quantidade das verdadeiras machinas americana*
para descaro$ar algodSo de todos os systbas o tamanhos seguintes:
12 sorras 12 serras
44 ditos 14 dUs
15 ditas 15 ditas
l(i ditas 1G Tlilas
18 dras 18 ditas
20 ditas 20 ditas
22 ditas 22 ditas
25 ditas 25 ditas
30 ditas 30 ditas
35 ditas 35 ditas '
40 ditas 40 ditas
as qnaes se vendem por procos commodos e roga-se as pessoas que dellas fizram en
^.miiieiitlas de alguns tautanhos, obsequio de as mandaren) basca-las o mais breve pos
sivel aiim de nao haverem faltas.
RA DA CADEIA N. 56 A
' m 1
I'
DAVID WILUANI BOWMAN
Partecipaaos senliores proprietarios de engenhos, que acontPcendo faUsr-lbes
goa ou aniraaes para a moagem durante a presente safra, elle tem vapores promptos
para assentar, sera precisar de obra nova ou detnolicao de obras existentes} e que
pode botar taes ngenhos a moer oito das depois de estarem as pecas do vapor no
engenho, garantindo-se o trabalho.
Fandiqao, ra do Bram n. 52, passando o chafariz.
FABRICA DE PUOS
DE
J. Rhigass, successor
55Ra do Imperador55
Nesta anga, e bem conjiecida casa, encontrar-se-ha como outr'ora grande sor
meato de pianos construidos expressameute para o clima deste paiz, e Mr. J. Rhigass
iendo trabalbado muilos annos na construccSo de pianos em Paris, acha-se habilitado
a preparar os pianos que vende com todos os accessorios indispensaveis nao s sua
*iiiez, como sua duraco. Todos os pianos sao garantidos.
Tambem ha neste eslabelecimento, grande variedade de msicas novas e dos
jmelhores autores, tanto vindas de Paris como do R)o de Janeiro, que se vende mais
barato do qu em outra qual objectos necessarios contrueco de pianos. Os concertos e a&nac5es de pianos serao
leitos com o maior zelo- e cuidado.
Ao publico.
Em Olinda, ra de S. liento n. 19, acha-se con-
venientemente preparada nina casa para furncecr
wrnidas t iH'.-soas que quizerem passar um din,
011 mesmo mensalmenie, garante-se a-seio e prom-
-piid.m Na mesma casa na caf todas as nuiles e
alpninas distrac<>s para o mesmo publico.______
Aluga-se urna casa na ra do Colovellon.
i : tral.i-se no 2o and:ir do mesmo sobrado.
O Sr. Dr. Jos Cavalcaa.te. de Albu-
ouerquo Uch.i, tem cartas nesta iypogra-
pliia
Precisa-se de uai pequeo boleeiro : na rui
Nova n. ifi.
PEDIDO
Pede-se aos- seguintes senliores, se dig-
ne m comparecer na Inja do Passo ra do
Crespn. 7 A. a negocio do 6eu parlicu-
lar interesse:
Antonio Pereira de Souza.
Domingos Martins de Barros Monteiro.
CASA FELIZ
Aos 20:000^000
No Recife arco da Cni<*ccon. Os abaixo assignados tendose habilitado m
lorma das leis, tem esposto a venda os seas feli-
zes bilhetes das loteras u Rio de Janeiro, na cass
cima, aonde se pagarao as sones que sahirer:
nos mesmos bilhetes, com o descomo somenl'
da le.
PREOOS.
Rilhete inteiro 2'jjOOO
Meios 12/000
(Juartos 6/000
E de 100/ para cima a 22/ o bilhete.
Flguciredo 4 Leite.
o abaixo assignado vem prevenir ao public
em gerale ao corpo i coimuereio. que nao facam
negocio ou qualqucr transaeeSo, quer seja por
compra ou venda, quer por dinheiru de empresti
ino, oj mesmo a titulo de troco como ja aconte-
ccu. com qualqucr pessoa, em nome do mesmo
abaixo assignado, alim de nao dar lugar a que o
preceda conforme a lei por ser prohibido nego-
ciar com tillio familia ou escravo etc.
M. P. Leinos.
Na ra da I:nperatriz n. 0 segundo andar,
precisa-se de um eosinlieiro liberto ou captivo.
Bom Jesus das Portas.
Aos devotos do Senhor Bom Jess das Portas aa
ex! neta capella do arco das portas ora na igreja
di Madre de Detn, se avisa que dia de natal, 3
dii frrente principia o setenario, sendo a festa
dia do anno bnin 1J de Janeiro de 1870, assim
boom pelo presente sao convidados os innaos para
lasistirein ao setenario, festa e Te-deom.
Bichas haraburguezas
Nste novo deposito recebe-se por todos paquea
tes translanlicos bixas de qualidade superior, ven-
de-?e em eaixa ou porraa mais pequea e mais
barato de que qualquer'outra parte ; na rui da
Cadcia di Recite b. 31. 1* andar.
IPcoco de Nossa Senkora da Luz, erecto
na iyreja de S. Jos de Riba-mar.
Os bixo assignados ex-juiz e ex-thesoureim
a
de varios rcgulamentosde impostos altera
dose creados pela lei n. 1507 de 26 d
setembro de 1807,
comprehendendo os de pessoal, escravos, indos.
trias o. piMiisjoes, sello (organisado alphabetics
mente, explicando cada acto a que sello est su-
jaito, se se deve empregar e&tampiiba ou verbn,
no primeiro caso qnem dev inutilisa-la), trans-
missao de propriedade, diurna de chancellara,
emolnmeutos, multas applicadas fazenda publica,
etc., etc., c in appdice o do cofre de depsitos
pblicos,
notados com as
instruesoes e decisoes posieriores at a
presente publicado,
por
Francisco Augusto de Almeida,
1* escrrptnrario
da recebedoria de -Pernambuco :
vndese na ra estreita do Hotano n. 12, a4/.
Torna-sc de grande ntilidade aos Srs. advogados,
solicitadores, negociantes e funecionarios publico?,
a acquisigao deste trabalho. Aquelles que assig
naram e nao recelieram promptamonte. podem re-
clamar na mesma rasa.
desta devoco, lendo feito a
e
festa de
sua. excelsa
Sadmira, do dia 21 de novembro prximopassj,
o, agradecem cordialmente ao respeitavel jinblico
o auxilio que prestou-lbe. Anciosos convidam ;i
todos aquelles que se julgarem credores durante
a sua administrarlo, a apr>scntarem suas conta.s
para promptamente seren pagas ra do Noguoi-
ra n. 29, uo praso de tres das, a contar de boje ;
alem de que julgam nada dever relativamente u
esta devuco. Os abaixo assignados nao se rel=
ponsabilisam por debito aJgnm contrahido desda
o dia 19 do corrente em diante.
Recite 21 le dezeabro de 1869.
Francisco Pereira de Meirelles,
Ex-juiz.
Antonio Marques de Oliveira,
Ex-iesoureiro.
A soejedade Conciliacao convida a todos os
seas membros c a familia de sen finado socio Nar-
ciso Jos Machado para assistirem urna musa que-
mandan celebrar na igreja matriz da Boa-vista,
quarta- leira, 22 do corrente, as 8 horas da na- *
hia.
O secretario interino,
_____ Antonio da Costa llego Lima.
Aluga-se o segundo andar da casa da rna
do Amorim n. 21. no Recife : a tratar ua mesma
ra n. 52, armazem.
Na praja da Independencia n. 33 se da di-
nheiro sobre penhores 4o ouro, prata e pedra'
preciosas, seja qual for a quantia ; e na mesma
casa se compra e vende objectos de our e prata.
e igualmente se faz toda e qualquer obra de en
commeuda, e todo e qualquer coneerto tendent
i mesma arte.
~ Prcis. -se de urna ama para ca.-a de pouc;
familia : a Iralar na travessa de S. Pedro n. 10
i andar, entrada pela rua.dV) Fogo.
Preeisa-se de um meuino para aprender cj
offlcio de tharateiro : o pai ou rtiai qne qtrzei
mandar encina-lo, dirija-se, a fabrica dp cigarros i
charutos, na Direila n. 60.
Pastis
para a naife do festa, o methor e o mais bem fet<
rae se pode desejar; preparanvse Je eneommen
da e dao-se de vendagem ra da Detancao nu
mero 41.
CANA DA FE.
Aos 20:00(^000.
Bilhetes do Rio venda : ra do Cabug n. J
vde Vieira k Rodrigues.
Aluga-se
nr;i es :ravo prnprio para criado ou outro qualter
-rvie.) : a tratar na praea do Corpo Santa 17,
l andar.
fillli W&WB& "ItffiffT
Advocada.
Carono de Lima Santos, (ofilho) L
bai'harel em direito aeha-se a rna
ostreita do Rosario n. 23 onde pode
ser procurado das 9 horas da ma-
nha s '.] da tarde.
a
Ama
i-.-e de orna a 1"aJ,u'*
iz n. rimeiro introductor dos po(jo6 tubulares
instantneos da Abyssinea.
Estes pocos foram espaHiados na Euro-
pa, tanto que, qualquer duvida do eeu
grande valor pratico deve desvanecer vis-
ta das grandes vantagens.
Mhures de exemplos jaostraram que
elles sao de grande utiltdade aos industriaos,
agricultores e particulares; at em todas
as espedic5es militares dos ltimos tempos
foram usados para procurar sem demora
agua fresca e pura, e lana quanta se pre-
cisa va.
Em todos os lugares, onde ora poco ca-
vado ou furado (pelo systema antigo) daria
agua, pode-so empregar os posos tubulares.
Elles facilita.n achar agua milito mais
depressa, mais cristalina, mais fresca e
mais barata do que por meio dos pocos
cavados.
0 systema dos pocos tubulares o ni-
co pelo qual se possa bter agua perfecta-
mente pura, livre de todas as substancias
nocivas, e preservada de todas as influen-
cias athmospherjcas.
Por meio de urna machina mnito simples, consistindo d'um macaco, impelle-se para
dentro da trra um tubo do ferr, cuja extremidade inferior est turada e munida
d'uma ponta d'aco; o logo que a sonda moslra agua no mesne, deve-se atarrachar
a bomba e faze-la funeciooar. Ao principio a agua ter substancias arenosas e terreas,
porm logo se clariQca, e em pouc< tempo sahir agna perfeitamente lmpida.
Otilras vantagens que apresenta este systema sSo:
i'i-imeiramente, a promptidao com que se exucuta toda a obra do assenlamento, que
muitas vezes nao leva mais de urna hora, sem rcmocSo alguma de trra:
Segundo, a commodidade que elle offere-ce de ser nao somente collocado fra da
casa, como tambem dentro da mesma, com nao menor facilidade :
Terceiro, a facilidade com que se tira para fra da trra o poco sem o estragar
para o collocarem noutro lugar:
Quarto, a grande quantidade d'agua que elle pode dar :
Quinto, a possibilidade de tornar, uteis com pouco trabalho, por meio delle &s po-
cos cavados que foram estragados pela ara ou por outras cau;;as.
Precisando-sc de urna grande quantidade d'agua pde-se introduzir na trra di-
versos tubos unidos uns aos outros por meio d'um apparelho muito .'imples.
'Em lugar das bombas aspirantes geralmento usadas, pde-se fornecer bombas de
compresso para elevar agua e conduzi-la aos andares superiores.
O em prego dos pocos tubulares sobre ludo proveitoso aos fazendeiros, que em
qualquei campo onde o gado precisa d'agua, os podem collocar e arranca-Ios para se-
rem coHocados onde melhor lhes convier.
E' tambem de grande uliliiidade aos fabricantes de cerveja, aos distilladores e a
todos os fabricantes em geral, c com especialidade aos enmreiteiros, arcliitectos, en-
genheiros e todos aquelles que precisara de quantidade d'ngoa por tempo determinado.
Este metliodo o nico para obter em qualpuer parte jgua, qqe seja livre de-par-
tculas nocivas, elle tambem proveitoso aos proprietarios de casas e jardins, tanto
para o uso dinno como para regar as plantacoes e capim.
Pedimos a aquelles que nos quizerem honr;u* com suas encommendas de nos
communicar: i." em que prof'undidade se aclia a agua, o que fcilmente se pode verifi-
car nos pocos qn cacimbas visinhas; 2." de que especie sao as carnadas da Ierra da su-
perficie at a carnada que contm agua; 3o em que especie de carnada se acha a agua
naquelle logar: 4." fiuanlmenle a quanlidad-*. d'agua que se pede por hora.
A cllocaco do poco Dea por conta do comprador oll'erecendo-se porm a empre-
za a emprestar o apparelho de assenlamento mediante urna relribuico a convencio-
aar, a qual s regulaii pelo tempo que se achar ora.
Tambem encarrega-se de mandar urna pessoa habilitada na collocac5o d'ess^s po-
cos, pagando o comprador alera do sustento e despezas de viagem (ida e volta) um
jorqil previamente" convencionado.
Mas para os lugares lonyinquos qualquer pessoa hbil ou artsti-
ca podfr colloca-las sem 'tmbaraeo, singindo-se nicamente as ins-
truccocs que aa mpanluim as referidas bombas.
As pessoas que quizerem apreciar o trabalho dos referidos pocos, podem ir ver
fnnecionar ra da Florentina, fabrica de cerveja n. 20, em Uebenbe em casa do Sr.
major Antuncs, noCasanga no hotel junio a ponte e no Arnial em casa do annun-
ciante.
Para encommendas e mais esclarecimentos a respeilo a tratar na loja do Sr. F.
j. Germarm; ra Nova n. 21.
GUSTAVE
ffiABELLElMRO FRANCEZ
51na da Cadeia do Recife51
Chama a Bttenc3o dos seus innmeros freguezes, e do respeifcwel publico en
geral, para a seg'iinte tabella dos pregos de sua casa, os quats sao vinte por cent*
mais barato do que em outra qualquer parte:
Cabellaras para senhoras a 250, | Cadeias para relogio a 50, 6%
n, 85, n, i2 e. .
Caixeiro
Correspondencia de PortiaaJ.
Os abaixos assignados previnam jos tcabaft
assignaotes deste jornal, que de Janeiro prximo
futuro em dnte a destribui^ao ser fe i la no lar-
go do Corpo Sanio, no caf do Sr. Pestaa,, ono^
peamos saibores asignantes mindarao pagar
le ja a asignatura do anno prximo quinzt
mil res por nmeros rfjihfltr do nuMV'
que conduzir o paquete de i8 da iajwiro nroxiinti
futuro ao de li dn Janeiro de MM- numero
avubos mil res. Os recibos sao iflprej06 e fir-
mados pelos abaixos assignados. A doaGrifeuicioJ Precisa-se de um oaixeiru
do jornal para os assignaptes s se Ara a aquel- .taberna : na roa da Guia n. 30.
les o/je tcabam j pago sua annuaiidade.
Ta^aa armaos.
ama deleite: na ruad
4 A
O
s"?a
* 9

if?f
IHffa
mi
Precisa-se e um caixeiro negocio, e de calcadoa : na ra da Imperatriz n. iO.
cae) pratica de
I
m : na rna da Cruz
Procisa-se de urna
Apollo n. 35, i" andar.
1TTENCA0
i
Precisa-se
fallar com
urgencia
aos senhares-
LIGA
'iuda (c-i.i para alugar
m, a rna Nov;, n
este grande ar-
En^omadeira.
iisa-se de urna criada para engommar
ra do In'ppradnr n. 73, S*-andar.
i.-. m ae bffia i w pedas
a i ua Augura o. 74,
ra Nova n. 11, luja de fraamlM:
Antonio Flix da llocha.
Antonio Pacifico Snnoes do Amara!.
Antonio Jn?.quim Fcrnandes de Azevedo.
Beato Gcn.jalvos.
Gedeio de Suoia Vclho.
Joao Clirisostomo Siiudes do Ama;
j Juo Augusto de Lemoa.
I Julio Cesar Cavalcanti de Albuqeer- ..
Jos Rernardinn Pereira dfl Bri! i.
Justino Hirtlns de Almoida.
Jio Surrcs Pinto.
Jnaquim i'.ivares l\ndovalho.
Manuel Alves da Rnrfea.
Huflno Marlins de Almeida.
na iiberto Gomes Pereira de Carvalho.
Precisa-so airear urna i^sinhcira
para casa de familia : a Iralar ama do fibo
Gruit'K hotel iranee? em
Api pucos.
O novo propriotano do anllgo note! de Apipucos
tendo preparado lodos os commodos para servir
aos qiia procuram divertir-se nesle lugar, avisa
ao.ivsBeuvelpiibliC(i que seruajaj tem
todas aa qValMades de comalas,'enidas,
ATUENDO
fia estreita 4o osarlo, obrado Ae um -an-
dar n. 35, preparam-S"' capailas ricas para na^o-
ras, touqudts para nffertas com tas bardadas
tudjae muito biw goste Darato, enfe*ja-se
vela-ajicas para bapUsados, tem proaiptas para
veaier-se pur barato prgj, faz-ee aelos para
Corte de cabello,
15,500*
50
300
30*, 3U e. .- 40I0OQ1
Ditas para homem a 355, 405 e 505000
Coques a 180, 15,$, 180, 205,
255, 300 e.....505000 -.
CrescentesTl24,155,185,205, i ^ dc Caube com fricc3'
255, 30* e.....325000 Crle de cabell m lavagem a
Cachos ou crespos a 35, 45, 55, champou. ... ttfOtw
65, 75, 85, 95 e. .
de cabello para annel a
e.......
Tranca para braceletes a 105,
155, 200, 25 e.....
M
m
Tranca
500
1500*
500
2.f*
105000 "^orte de ca')e"ocom limpez da
[ cbela pela machina electrt-
10000 ca> un'ca era Pernambuco. .
Frisado ingteza ou franceza.
3050OO Barba.........
ASSIGNATURAS MENSAES
Especialidade de penteados para casament
Bailes e torees
0 dono do estabeleciment previne s I Hecommenda-se a superior TINTURA JAr
Exmas. Sras. e aos cavalheiros que ha um PONEZA para enegrecer os cabellos e bar-
saI5opara tintura dos cabellos e barba, as- ba unica admittida na Exposico Universal
. como nao prejudicial sade, por spr vo-
sim como um empregado somente oceupa- iat|t analysada e approvada pelas acade-
do ness. servieo. Imiasde sciencias de PARS E LONDRES.
GASSAS DE COR
Lindas cassas Iranceaas de cor a 400 rs. o metro, na loja das Gollumnas ro*
do Crespo n. 13, de Antonio Correa de Yasfoncellos.
-^ re n a _
s g-^O |
SSl-3 2^
O o c
C"0 o 5 63
' s
O re u p a> c
lis"0
"S o-$ S o-8
O ?^
re
S *
BJ
_o
"5
h
M
YC re
o. g
re
reT3
O
SJ
So .JS
ai tn en re
v= re o> as c
Ufe*!
re^= SO
re So ^
I
OJ
re
3
*
\

3 O

re
3
_ i
=.*
es n. re re
re .
>
3&
r re
COLLKlt Dil
ESTABELECIDd O JABEIRO DE B67, SOI t
WRECCAO DE
Manoel Alves Vianna
72 Ra de S. Francisco 72
REABERTURA DAS AULAS7 JANEIRO DE 1870.
Ensina-se: primeiras leltras, liugua nacional, latim, francez'Iheorica e praii-
camente, isto a lr, escrever, traduzir e fallaringlez. arkhrnetica e geomelria, geu-
graphia e historia universal, philosophia, ihetorica, solfejo, piano, flauta, desenbo t
danga. Recebe-se alumnos pensionistas, meio pensionistas e externos.
y
mm MACHAfiO t
A ACUIA NEGRA simada cota o bom accolhimento que teve em seus apnmr-
cios, ven de novo participar a seus freguezes, que, acaba de receber um variado son
ment de objectos de gesto, os quaes serie vendidos por precos muito razoaveis, pw
quaudo fe/, os seus pritaeiros aonuncios, foi o que assegurou, e sem mdo de erra/,
porque o mo j disse este ligad* por interesses a urna casa jmportsdera desla pitea,
pur iaee poder ter tude especial e vender por precos admirareis.Chama pois ajiteii-
priaamr, enfeitados, polios e doces de todas as cao d seus freguezes para os artigos que possa descrever
'
quattdades, bandejas le bolo tinos de tarjes qua
lidade para casamentas e bailes, bouijuetade cla-
vos naturaea para cas; meetos com fitas bordadas
a oum, e beuquets para epfeiles de bolos.
I JBHer4i-se da ra 4 frem|e stace da
prompo Soiedade, e dahi em vhpap aoirema a eelacao
mala, da Peale de tienda, un dMeete de pae ero roo-
ele, etc., nao se meoramodando os visitantes .Jmiio declarado', a negocio de toa rotrtsse, Ml ^taorttetaento para ir mor banbefe*ge, ^.queelrterotado pdf ntrenr ao <5r.MW
-amo tero no rondo de ea?a oro porto que con- oro loja ra\>va, qne s.'rTref,ompensaiior
dz a nni bom banbo c exceilepie.
O Sr. Alencar, oflicial de juizo, aue
foi ou que dizem acha-se presentemtio-
te residindo em Gamelleira. queira vir ou
mandar dar seju^o sobre o impostos das
carro;as que se mandn pagar pelo Sr., e
al o prsenle n5o tem apparecido com os
documentos; deseja-se nao continuar com
este anrtnncio pomtais das.
treciea se alagar urna estrava que
saiba cosiphar para familia, a tratar na the-
soirariadas loteras^rua d Cresp n. i$.
a. 28.
Em casa de TMEODORO" CHRISV
ANSEN, ra da Cruz n. 18, encontram--
festivamente todas as qualidades de virbt
Bordeaux, Bourgogne e do Rheoo.
Aluga-se um sili > perto da cidade com cot^-
modos para fraude fainllia : a tratar na roa '
tmppratrirn. 7ft*
%
Alti^-se una esa com inuitos commodos,
na cidade nova de Santo Amaro n. 12 a tratar
oa ra das Grozes n. 36 cora Juaqaioi de Souza
Nevi's.
Livrus com o tampo de marfim, .nadre-
nerola e tartaruga, proprios pera missa.
Garainhas vazias proprias para presentes
eeusa de fosto.
Indispensaveis de paliuba e de couro pro-
prios para senhoras e meninas trazer nos
iiracos. \mtk*
llmoculoj d-i madreperola, marfim e tar-
taruga todos esmaltados, *fasn\J
Cintos largos de setim, cesa iiteiraaen-
,td nava.
Fitas de sarja de todas as cores e largu-
ras para lacos.
Um variado sortiments de charutelras .
palliteiros'de porcelara,
Tentos .para voltaretu
UengaHas com marfim, tousa e.:peow'.
Sabonetes de alcatro.
Cofres de falas para dioheiro.
Lindas caixas para costura.
Um completo sortimento deluvas deiie-
lica,
Talagorce para bordar.
Um completo sorUmea de enfeifcs d.
!
Opparo e cozuJieiro
Precisa-se do om t lixeiro para tomar conta de celara.
urna taberna, asim tambem de um cozinoeiro,
preferiud'-se com ilgtwa prattea de casa de pas-
to : ua ra da Lapa n. 11. |
Toncas, sapatinhos rafias de S3da e mais -seda para vestido.
pertences.para baptisados. | porrumarias de todos os autores oa au-
Filas com inscnpcSes propnas para bon- arredilados em oxtractos, pomadas e?c
quet de noiva, p finalmente outros mnitos objectos q
Ricos vasos com p do arroz. 6 pnssivel mencionar.; mas com a
Um variado soriiaente de jarros de por- orrtif'cnrSo do sortimento deste eslal
cimi-nto.
Aguia Negra, ra do Cabug n. 8.
J
.- ..


Diario de Pemambuco Quarta leira 5z de i/ezeuiuro .ue w
4
i
Grande liquidado
4S-nna MJrelta45
Borzeguins de senhoras franceses e de
homens, sapinos de senliora do marro-
quim c de lustro, sapatos de brim para
hornera, marroquins, laixa para sapatos C
borz-'gUins, cooiifiliQS de cabr, Suia e to-
do soilmenlo proprio pira casas dcsle ne-
gocio, que tudu ie vende a dinheiru por
menos do sen*valor, por teredo arrema-
tada (m reiliio e se querer liquidar em pou.
COS dias.
55-Ra Direila45.
20:000^000
A ova feliz do arco Ja Conceicjb vendeu nos
seas f^Iizcs bilhetea a swle grande da lotera 303,
n. i'.il e outros premios de tfti e 1003.
COMPRAS.
m ih-i i
E!
Gompram-se e vendem se diariarentapara fra
e teatro da provincia escravos de odas as idades.
enres e sexos, com tanto que sejam sadios : no
iwwiro andar do sobrado n. 36, ra das Cruzes,
Irfpicim do SautcAutonio.
Oeaipram so moedis de ouro e prata de to-
**s os valorea, ouro e prala em obras inutiiisadas,
brtlhantcs e mais pedras jirecisas: na loja de
-nriyos do arco da Conceicao, no Itecifo.
O muzeo de joias
Va rn& do Cabug n. 4 compra-se ouro, prata
e l*-dras preciosas por precos mais vantajosos do
ru em outra Qualquer parte.
(-om muito maior vantagem compram-se
amias ryao de Onro n. 2 D, na do Cabug
Compra-se cobro, na ra do (Jueiraa*
do n. i!>, RIVAL SE.\I SEGUNDO.
K IR libras sterlinns e ooro Je todas a9 aches,
.t<-iin como prata, por maior preco do que cm
1 parta: na ruadaCadeia do Recite n. 08,
loja da azulejo.
VENDAS.
Papel.
Na ra do imperador n. Vi fronte de S.
V;i!i:-;--n, acha-se a Tend papel para impressao
gra Jissii, duplo dito, e da formato do diario, tan-
to em tardos, como em resmas, e mesmo era mitos,
l para livros de cominerr). grande, Je-u,
rann, earr, e, (lome, liso e pautado, de linbo
liso, aaatado, de cores gaande, e pequeo, euma
gnmU porcia de um papel espejial pela sua Im-
  • u auras umitas qualidales, tudo a preces rasoa-
    Laged de Lisboa.
    VmAe-aa lagelo de pedra- de LUboa : na ra
    da ii.iieia 11. 57, casa do Prente Vianna 4 C
    Vende-se urna escrava de 18 a 19 annos sein
    * Ova i-oaiiha : a tratar em Santo Amaro das Sa-
    liiias n. M. ________
    TfTfNCAO
    \ oafe .. la, com grandea com modos para familia, si-
    ti) arbftrisado, l'ruteiras e bastantes ps de flores,
    en l) slai disto diviso* suflleientes para dous
    osUiwlstimentos : < asubradada, mede sessenla e
    doa< pahnos J^ frente e ten'.a de fundo. : quem
    pretender compra-la lirija-se a ra do Queimalo
    :'. 12, luja de Silva Hucha & Machado, que estes
    -iii'i;nartu a pessa que qaer venle-la.
    110 BAZAR DA MODA
    DE
    m b wm soares k c
    Ra Nova
    VEMS-SB MIJITO BARVTO PARA UQI-
    DAR \ BINHEIRO.
    Luvas.
    bis pelica bran :a muito frescas, chegadas
    este ultimo vapor para homens. senho-
    m> e do coros e preias para roeniaoso
    wr :?j000.
    Minhas festas !!
    lindos objectos pa.a mimos, como sejam:
    1 e eaisiahaj da msica, baldabas e
    sestiimas, vasos h balainhos de ^oroelana
    <1-Mt;ada, figuras, tinteiros, port-bouquel,
    a-.-' >nasparaj -tas, iRlaresantes conchinlias
    .-.'iii fiSCOS para esencias, ricos qiiBdios
    para retratos, apparehios de plaqu, cama
    h ) e midreperofa. linios vasos com perfu-
    ouiiaa ta. rtc, o uititcs outros objectos
    paradle tiro.
    <:h*p" de s tu sombrlnkas
    l 3li!U ricam-iit; unleita.tos e. mais KO-
    Leroed i]M p*xle bi-or para sanhora6 a
    *$, lfU 185000.
    GUIPRE OIj -CR0QI
    pn-to oti branco que o pede haver de mais
    imito empadras e superior emqualidades
    para sacos, capinUas, corpinhos, meias
    .: et:. e vend-se mutto barato.
    LINDAS CAMELIAS
    raneas a c6r4e rosa de dous lamanhos
    i-da rosa .1 lOO e 4#m.
    kapeos para i*eafcoras.
    d- palba una de Italia elegantemente enfei-
    Udos e gostos muito moalernos de 1 orJfXK),
    i.vk!.'-so para liquidar a IO400O. E' pe-
    tiir.ctai.
    CIMENTO
    a iimUm- qualidade -a .por meaor pre.;o
    ;ik' cm rmtra ^i>alqoer parte, -vendatn Ama>
    tal, oreira V C. era seoarmazemnio Caes
    la ', 'jud^g ft. 7. '
    Viiho vr-lho
    V..Ja*so vina, do Porto engarrafado ha doza
    : na nw D.reita a. 9i. ________ :
    .^.-in-se duas casis aa 8nto Amaro da'
    ,..\i, oaiaJta 01a de,Baiiy, pr^iima Mra,
    ., -r;tr. na rna na 9itrft: -a1 tratar Ta TUa Mo Ira-
    r,n- ?,> <**** Novembro.
    Jt^u^JlaM&Mftm'mm boas ruaa
    u*->no!', a trrtur n;i roAdoGratpovn. 12, i>
    .Wht, , '-inti jUm f-Vrreija 4 C, n* rflaii Moe>
    i n. -., -i' andar, i-m. a*ra voudor superior vinbo.
    i'ir.i em ni-- i.-etis e cafxas dn donas, barril-i
    s ,vwi 100 e 500 sjrdinlMts supertoras o bar-!
    o ba< lo sibugiieiro, potassa da Hussia'
    :'. a>liliiia. ____:
    W*A 2HB31DAS
    h QNHEIRO NA LOJA E ARMAZEM
    DO .^,
    t)&aa & BQHpaaairiaia 9
    DE
    FEIIX PEHEIR1 DA SELVA.
    0 propietario d'esle grande estabelaciment, vendo que se est aproximando o fin-
    io anno, e tendo em ser um grande deposito deposito do fazeudas'; nao fallando em
    tvultadas eacommendas que lhes estio obrigado todos os dias, tem resolvido hquida-
    !as por preco muito mais baratos do que em outra qualquer parte ; s eom o fim
    le diminuir o deposito e apurar dinhoiro. Encontta-se neste estabelecimento do
    PAYO, avultado sortimento de azadas de duxo e modas; assimeomo de primeira
    aecessidade. As pessoas que negociam sm pequea escala n'esta loja podero surtir-
    le vendondo-se-lhes pelos pregos que comprara, nis casas inglezas; assim como as-ex-
    iellentissimas familias poderlo mandar buscar as amostras de todas as fazendas, ou man-
    iar-se-ha levar pelos caixeiros da mesma loja em suas casas; o estabelecimento 'se
    jeba constantemente aborto das 6 horas da manlfSa s 0 da noite.
    EVnlarnlidn nrfiTiiAntn Hp l.vazinhas modernas xa lojadopavao
    CjApiJIlOlUO SUI lllUClltU Ut! Cnegou |)ara nl0 estabelecimento um grande
    roupas feitas
    NA LOJA DO PAVO RA DA
    IMPERATRIZ N. 60
    Acha-se este grande estabelecimento com- !n u irlpina p sofi?
    pletamente sertido das melhores roupas,;1"'0^ Para cadeiras e solas
    sendo calcas nalitts e coletes de casemira,' 9 Pav3 tem ,,ra 8rande sortimento dos
    de panno, de brim, de alpaca, e de todas m bon.tos crochs propnos para cadei-
    is mais fazendas que os compradores pos-.ias sofas mtsas almofadas etc etc., assim
    sam deseiar, assim como na mesma loja como propnos para cobnr presentes, e ven-
    em um bello sortimento de pannos casemi-, de-se mais barato do que cm outra qual-
    ras, brins, etc. etc. para se mandar fazor^11*51" Parle
    jualquer peca de obra, com a maior promp-' GLACE' A 1:200 PARA VESTIDOS
    iido vontade do freguez, e nao sendo q Pavao tem esta nova fazenda lisa pro-
    Chegou para esto estabelecimento um
    sortimento das melhores e mais modernas laazi
    nhas para vestidos, sendo tapada? e transparentes
    de todos os precos e qnalidades que se vendam
    l mais barato do que- em outra qualquer parte.
    Tbngados a acceit-las, -quando nao estetam pi.a 1>ara vestti0S) com as mas delicadas
    :owpletainente ao seu contento, assim como cores e eom mais |llsfre ,]0 que a pr0prja
    a'este vasto estabelecimento encontrar o seda com 4 pa|mos de |argura qu0 faci|ila
    espeitavel publico umbeo sortimento de fazer.se qualquer vestido com 10 covados
    e vndese pelo baratissimo preco de 1:200
    '.!.**ma esrava tiioqa, perfeiu eagnm
    .oaiaheiM : a Iroar na mn Han, loja

    iiiv.i vead.j li>aquim Jos
    i. S, IJ andar.__________
    :is caifleiros moito ordos e
    na raa Jj loutr d. JO, lj 3e funi-
    '_____________
    triolets araeiicaao, dous
    ,!,,-( r, um de dous asientos : a
    irv
    Vmy- a 3, leuda de lnfttm.
    :amisas fraeezas e inglezas, ceroulas de
    inho e algodo e outros muitos artigos
    proprios para homens e senhoras promet-
    lendo-se-lhe vender mais barato do que em
    outra qualquer parte. Na ra da Empera-
    triz n. 60, loja e armazem de Flix Perei-
    ra da Silva.
    CERA DE CARNAUBA.
    Vende-se urna grande porcao de cera de
    ;arnauba em saceos por preco mais -barato
    lo que em outra qualquer: na loja do
    Pavo ra da Emperatriz la. 50. De Flix
    Pereira da Silva.
    FAZENDAS PARA LUTO
    24a loja do Payao.
    Encontra o respeitavel publico neste estabe'eci-
    nento um grande sortimento de fazendas pretasr
    ;omo sojam, cassas francezas e inglezas, cliitas
    Dretas de todas as qualidaoes, fazenda de laa de
    iodas que tem vindo, proprias para luto, como
    ejam, laazinhas, alpacas lanadas e lisas, canto,
    Dombazinas, merino, etc., que tudo se vende por
    areco barato.
    AS CASSAS DO PAVAO
    Covido a 300 rs.
    Vendenvse finissimas cassas francezas cora Hi-
    los desenhos e cores fixas a 300 rs. o covado.
    Vtadapolao francez a 7#000 rs*
    Vende-se pecas de madapolo franctiz
    ;om 22 metros pelo baratissimo preco de
    75000 a peca, pechincha.
    Altas novidades m sedas
    Chegou um grande sortimento das mais
    afoderuas poupelinas ou gorgures de seda
    linho cora os mais elegantes padres que
    tem vindo a este mercado sendo, miudos e
    graudos, tanto em cortes para vestidos como
    para vender em covado, assim como uoo
    bonito sortimento das mais bonitas seekis
    estradas que se vende tudo muito em centa
    (Srosdenaples de cores
    Chegou um grande sortimento dos mais
    lonitos grOsdeoapIee de todas as cores para
    estidos que se vendem muito mais barato
    1o que em outra qualquer parte.
    BRANDE PECHINCHA A 5:000 KS.PECADE
    Bretanha
    Vende-se pe?as 4e uperior bretanha de
    ilgodS tendo quatro palmos de largara|
    ^im 20 varas ou 22 metros cada pesa, osla'
    fazenda seria para custar 8^800, a nao ser
    jia grande compra que se fez, e liquida-se,
    i 53600, cada peca.
    m n mil mm i
    LASINHl-S LUSTROSAS A 400 RS. O CO-
    VA0O.
    S o PavSo
    Vende-se um grande sortimento Jas']
    mais modernas e -legantes lasinhas para;
    vestidos, c as cores mais novas que tem-
    vindo a este mercado, sendo com listrinhas;
    miudinhas que parece do urna s cor e
    com tanto lastro que iaitam perfectamente
    s poupelinas de seda, e vendeai-se peloj
    barato preco de 400 rs.
    Kretanhasde rato a #*00 a
    pe-?
    Vende-se supeYior bretaaha de r&lo lev-
    do 10 varas ou 11 metros com 4 palmos!
    ie largara pelo barato preco de 2-5G0,
    pechincha.
    Os setins do PavSo
    Vende-se os mais bonitos setins de cores
    s mais encorpados proprios para vestidos
    tendo de diversas cores.
    AOS PALITOTS DO PAVO A t& e
    205000.
    Vende-se am bonito sortimento de palito-
    ts francezes sendo, sobreaasacados e pro-
    priamente sobre-casacos, que se vendem
    forrados de alpaca a 184000 e forrados de
    seda a 20*000, pechiacba.
    COLCHAS DE R'STAO
    Na loja do Paiao vende-se am grane tjortmxm-
    ta de colchas de fuatao sendo brancas e de cores
    litas de croch para camas de noiva, assim como
    jomus damascos de lia para colchas.
    Na loja no PavSo vndeme 06 mais
    bonitos chales de verdadeira cachemira de
    :6r, com os desenhos mais modernos, -a t#,
    10 e 12*1000, raaito barato na ra da Im-
    peratriz n. 60.
    BASQUINAS A ISiJOOO
    Na loja do Pavao vende-se as mais mo-
    dernas ^basquinas ou manteletes de guipare,;
    pelo barato preco de 121000 cada una.
    Cortes Para a loja do Pavo ebegaram, os mais
    bonitos curtes de organdys.com barra, sewl
    da um em seu earttu, com o competente-
    ligurino, muito proprios para fazor pre-
    setfa*
    rs. o covado, pechincha.
    Organdys a 360 rs.
    Vende-se os mais bonitos organdys de
    cores com padrSes miudos egraados. sen-
    do todos de cores lisas, pelos baratos pre-
    cos de 300 rs. o covalo.
    ALGODO ENFESTADO
    Vende-se urna grande porejw de aigodo-
    sinho americano com 8 palmos de largura
    proprio para lences e toalhas tendo liso c
    trrttcao que se vende por preco muito em
    conta.
    Panos de llano
    Chegou um grande sortimento de pecas
    de panno de linho do Porto que se vendem
    de 700 rs. ate 1*000 a vara, garantindo-se
    que em fazenda de linho nao ha nada rae-
    lhor, nem mais proprio para lences e toa-
    has.
    PECHICHA EM CHAPEOS DE SOL
    Chegou um grande sortimento dos me.
    ihores chapeos de sal de seda.-ingtezes ten-
    do neste art-go o nwlhor que tem vindo ao
    mercado assim como urna grcwde porcao de
    ditos de alpacas de todas, as edres e todos
    se vendem por preco muito mais barato do
    que era outra qualquer parte, por haver
    grande pcrcSo.
    I.eneas branca
    Vende-se um grande sortimento de len-
    cos hrancos para iwmem, sendo a duzia a
    1(5600,2*KR) e 34000, ditos abanhadns
    muito finos a 4d" e 6d000 a dutia, ditos 4e
    esguo fazeada muito superior a 5d, t$ e
    7,3000,
    Peehlcha em asentirs a 4:090
    Vende-se finissimas casemirasde cor com
    lisiras ao lado, tendo duas larguras e ana
    as coris mais^nows e mais bonitas que tem
    vindo ao mercado, pelo baratissimo preso
    de 4i000 o covado ou 70090, cada corte
    de calca.
    Os fcales do Pavao a 2IOOO,
    Cheg u um grawle sortimento de batees
    ou crenolinas do 'eitio mais moderno muito
    proprias para vestidos ennesgados que e
    i| vende pelo baratissimo preco de 2i$080 ca-
    da um grande pechincha.
    AS CAMDRAIAS DO PAVO A.>:500 fiS.
    -Vende-* urna grande potco de pecas
    de finiseiaias cambratas braoeas traasfiarett-
    tes tendo 10 jaedas, com mais de vara de
    largaTapelffbaratissiuiOjprBoo *0*dKK), a
    peca sendo fazenda que nunca e venden'
    por menos de 85000, grande pecbincba?
    AS POUPELINAS DO PAVO A 500 RS.
    Chegarara as mais lindas poupelinas Tia com Hni4*;5o das poupelinas deiseda,
    uta- fazenda.amito leve com as jnais lin-
    das cores, wda: verda Bismarlc, *exa, azul
    lyrto, cnsentu, .perolla ete, ele, a vende-se
    pelo baratissitno pw@o de oOO rs.
    Fustdes brauoos pao vestido*
    Chegon um lindo sortimento dos ais ba-
    ratos e bonitos lustSee 'brancos-eam listras
    e cordoes, sendb faienda b^ttante larga e
    flexivel, mnito propri8para vestiV* reu-
    pas de meninos e endem'se a *M* e eo-
    vado. m
    BOffITftS iHSWrUS
    O ANDiNAS k 1W00RS. -OGaVADO.
    Chegou para o Pavlo, um-grande e-va-
    riaido'sormnento destnovaasenda de "Ha
    e 'seda propria para vestidos, eom os mais
    delicados desenhos e mais modernas cores,
    tendo Dastante largara que acilita -fteser-se
    nm vestid com poucos cafados, ipelo bara-
    tissimo preso ieai4uO0o eaviido, por j es-
    tatera muito prximos da festa.
    CRETONES MATSADOS PARA VESTIDOS
    A 640 fi 00-R6.
    Para a loja do Pa\aa ebegaram os mais
    bonitos crotones oscuros matisad'is, pro-
    prios para esdi*, ioupo chambres etc.
    que se enflem i06"rs. covao, a?sim
    como a mesma faenda em-padroes claros
    proprios para vestidos e rtupas de-meni-
    nos a R4n r covado, sendo oa*adroH.s matiS
    modertos que tem vinpo ao msttMo.
    Chitas fraeezas
    Para a liij.i io Pavo chugaam as mais
    finas o bonitas liitasie6Cura8,.propriam3[iie
    francezas, o tonde-se a 5430rs. o covado.

    h* !r?SSS^8'
    Quaado a AGUIA RRRNCA, mais precisa gcieDtidcar ao respeitavel publico em
    geral, e em particular a sua boa freguezia, da immensidade de objectos que ltimamen-
    te tem recebido, justameiUe|quando ella menos o pode fazer c porque essa falta invo-
    luntaria ella conlif e espera na benevolencia de todos que Ih'a attendero e relevarlo,
    continuando portaoto a dirigiremse a bem conhecida k ja da AGUIA RRANCA ra do
    Queimado n. 8, onde sempre acharao abuadancia em sortimento de superioridade em
    cualidades, taqdicidade em precos e o seu nunca desmenttido AGRADO E SINCERIDADE.
    Do que cima dea dito se conhece que o tempo ie que a AGUIA RRANC V pode
    dispr, einpregado ape'zar deseas custosnodesempenho de bem servir a aquelles que a
    hoaram procuranco provur-se era dita loja do que necessilam, entretanto sera ennume
    rar os objectos quj por sua natureza sao mais conhecidos ali, ella resumidamente indi-
    car aquelles cuja importancia, elegincia c novidade os torntm recommendaveis, como
    euja
    b m seja :
    Corpinhes de cambraia, primorc smente
    enfeitados com fitas de setim e obras essas
    cuja novidade de molde e perleico de ador-
    nos . Fitas mni largas de diversas cores e qua-
    lidades para cintos.
    Leques uesse objecto muito se poderia
    dizer querendo des.creve-los minuciosamente'
    por suas (jualidades, coreee desenhos, tal!
    e o grande e variado sortimento que. acaba
    de ehegar, mas para nao raassar o pretn-
    deme se lhe apreseutai o que poder de
    melbor.
    Entremeios em pecas de 12 tiras.
    Goipure branco e preto de diversas cua-
    lidades e desenhos.
    Ditos de algodao com llores e lisos.
    Veos de seda para chapelioas e monta-
    ra.
    Meias de seda para noivas.
    Ditas abertas de fio de Escos-in.
    Costumes ou uniformes para meniaos.
    Enxovaes completos para baptisados.
    Touquinhas de i li, sapatinhos bordados
    meis para ditos.
    Camisinhas bordadas para ditos.
    Capellas brancas para meninas.
    1 Grandes sortimento de flores finas.
    Fil de seda, preto.
    PERFUMARA
    Grande e constante sortimento de dita,
    sempre melhor quajidade.
    Lindos vasos com p de arroz e pinsel,
    Caixinhas com ditos aromticos.
    Bonitos e modernos pentes dourados
    para circular o coque.
    Bonitos brincos de plaquee.
    Adreos e btincos de madreperolr..
    Caivetes tinos para abrir latas.
    Thesouras para frisar babadinhos.
    Aspas para balo.
    Novos stereoscppos com 48 vistas, as
    quaes sao movidas por um machinismo
    urnas substilucm as outras.
    Vistas para storeoscopos.
    Bonitas caixinhas de vidro enfeitados com
    pedras.
    I Ditas de madeira envernisada com vispo-
    ras e com dminos,
    Bollas de borracha para brinquedo de
    eriancaa.
    Diversos objectos de porcelana, proprios
    para enfeite de mesa e de lapinhas.
    SMTBEMO PARA A FESTA
    Vende-se por menos de 10, 20 e 30 i,l.
    O /\1 TkT/\
    SO' NO
    ARMAZEM CONSERVATIVO
    fi
    N. 23Largo do Terpo.N. 23.
    DE
    simio dos santos a c.
    Os propiaetarios deste bem sortido armazem de secco e molhados esto re-
    soividos a fizere urna grande diminuico de preces as suas'mercadorias, como se apro-
    xima a festa e sempre so faaem avultadas compras para o centro e praca, por
    isso previnem ao respeitavel publico em geral, que mande fazer suaa despencas e cer-
    tos de que vero a grande difl'ereaca era preces mais do que em outra qualquer parte
    e L'arautiado-se as superiores qualidades.
    GAZ AMERICANO 90500 a lata, e 440; SEVADINHA E SAG a 280 rs. a libra e
    rs. a garrafa e 660 rs. o lUro. 620 rs. o kilogrammo.
    VVNHO VERDADEIRO FIGUEIR a 360
    O Canws da ra d Imperador n. 28.
    no intuan de servir satisfatori menie aot
    seus innimeraveis angos e fregue/.es, oaa
    particular e sm geral ao respeitavel pirbliro.
    desta cidade ; avisa aos que estiverem pau-
    sando o tempo calmoso, nos deltitavea
    arrabaldes desta capital, que t^m resolvid
    vender, de de superior qualidaih', a presos
    razoaveis, os seguintes gneros a sabor:
    PARA CIMA DE APARADORES
    Latas com doce em calda de diverac
    qualidades nacionaes e estrangeiros.
    Ditas com peixe a saber; salmn, slrac
    e lagostas.
    Ditas com ervilhas francezas e portogse-
    IIV
    Ditas com gela franceza.
    Cerveja franceza verdadeira Bbe.
    Presunto para fiambre e fiambrados.
    PARA DISPENSAS
    Latas com chouricas novas sendo de i,
    cada urna.
    Presuntos de Laraego para tnmpeiro.
    Cuias do Para (pintadas pelos iudigenaf
    daquella provincia.
    Copos de vidro com duLradica e taaqa
    para diversos midieres.
    PARA OS QUARTOS DE DORMIDA
    Porta-phosphoros clieios de phosphorot
    de segnranca.
    PARA SALA
    Churutos de S. Flix do afamado fabri-
    cante Costa.
    Fumo picado do Daniel de S. Joo do
    Rio de Novo.
    Alm desses gneros, o Campos tem.con-
    viccao de que o seu estabelecimento ui&
    dos que podem salisfazer com garantas
    exigencias bem entendidas, dos illusirad<
    habitantes desta heroica provincia, porqu:n-
    to s" acha elle bem prvido de gneros su-
    periores, de maneira a nao desmentir
    O Campos.
    BRACO
    a garrafa, e 45500 a caada e 800 rs o U-
    tro.
    DEM DE LISBOA das melhores marcas,
    400, 440 e 500 rs. a garrafa, a 26800 e
    3200 a caada, 660 e 720 rs. o litro.
    DEM BRANCO DE LISBOA a 44000.
    a caada e 560 a garrafa, e 840 rs. o litro.
    VINAGRE VER0ADE1RO DE LISBOA i
    200, 240 e 320 rs. a garrafa, 1*400,
    MftOO e 2200 a caada,
    AZEITE DOCE DE LISBOA 900 rs. a
    garrafa, e a '74 a caada, e 14340' o litro.
    MANTEIGA 1NGLEZA' FLOR 14400 e
    14280 a libra, 3|060 e 24780 o kilo-
    FAR1NHA DE ARARUTA VERDADEIRA
    640 a libra e 14400 o kilogrammo.
    BOLAXINHA INGLEZA MUITO NOVA a
    400 rs. a libra e 800 rs. o kilogrsmmo.
    VELLAS DE ESPARMACETE 720 rs. o
    masso. em carxa ha abatimento.
    PHOSPHOROS DO GAff E DE SEGU-
    RANZA, 280, 400 e 560 rs. o masso,
    34200 e 64500 a groza.
    AMEIXAS EM LATAS E CACHINHAS
    DE MUTTOS TAMANHOS 14280, 24500
    3500, i 4500, 54500 a lata e a retalho e 14
    a libra.
    GOMMA DE MILHO AMERICANA 400 rs
    c masso, e era caixa ha abatimento.
    BATATAS NOVAS DE LISBOA 60 rs.
    abatimento.
    * DITA FRANCEZA 80, 900 e 850 rs. a 1bra' em caixa faI*fle
    a libra, o 24100, 14980 e 14M0 o kilo- SERVEJA INGLEZA MARCA H 54500
    OTamiao a duzia e 500 rs. a garrafa.
    DITA'PARA TEMPERO 560 rs. ali I JpKM BASS, VERDADEIRA IITLERS &
    bra, 290 o kilogrammo, em porco se BELL, 800 rs. a garrafa e 94 a diuia.
    far abatnenlo. >HNHO DO PORTO ENGARRAFADO DE
    BaNHA DE PORCODE BALTJMOOR ..DIVERSAS MARCAS 14500, 14200, 14e
    70ra. aibra, u 14560 o kilogrammo, em 800rs. a garrafa,
    .porcao se far abatimento. GEMEBRA DE HOLANDA J HAMB
    ARROZ DO MARANHO E DA INDIA
    120 e rs. a libra, 260 rs. o kilogrammo e
    34400 a arroba.
    ALWSTA 200 rs. a librr e 440 r$. o
    kilogrammo, e 64000 a arroba.
    tf EM GflO 64 6*WO a airoba,
    200.240 e 260 rs. a libra. 440 520rs. o
    kilogrammo em sacca se fari abatimento.
    SABO MASSA 2*0 e 200 rs. a libra,
    520 e 440 rs o kilogrammo, m caixa se
    faz abatimento
    MASSAS PARA SOPA, MACAS&JLO, TA-
    LHAR1N ALETRIA, i 560 rs. a librare
    14220 o kdogramrao. '',' ^>.
    BOLACHINHAS EM LATAS JE DIVER-
    SAS QUALIDADES, bem como perola *r>j
    Ihante.combination, FxaBcy-cracyoel. Jffl;
    Britania. Mdium, Fatfiy-ic-aac, a, b, C e
    soda a 14000 e 14400, cada urna lata.
    Assim como ha outros muitos
    GUEZA 74 e 64 a frasqueira, e 500 rs. o
    frasco.
    DEM DE LARANJA DOCE AROMTICA,
    114 a frasqueira e 14 o frasco.
    QUEIJOS DE DIVERSOS VAPORES^
    MQQO, 24800 e 24400 em caixa b* abati-
    mento.
    TQUCINIIO DE LISBOA MUITO ALTO
    400 rs. a libra, e 880 n. o kilogrammo,
    e 114500 a arroba.
    UNGUICAS FINAS PROMPTAS EM LA-
    TAS 14000 rs. a lata.
    LOMBO DE PORCO ASSADO JA PROMP
    TO a 14000 r. a lata.
    CHA FINO. GRAWDO E MUDINHO
    34200 e 24800 a libra, e 64100 o kilo-
    grammo.
    DEM PROPRIO PARAWJGOCIO 24000,
    24800 e 14800, rs. a libra,
    gneros, vinho em ancorlas, azeitonas,
    Ra do Imperador u.26
    Neste novo estabelecimento encoilra-sc
    diariamente um variado sortimento de !?-*-
    linhos para cha, pastis, podio-, bollos in-
    gleses, ies de l. presuntos, ditos tm fiam-
    bre, superior cha Hyssun, preto, e miudi-
    nbo. Vinhos finos.-de todas as quadad'-r.
    conage, licores, conservas, champagne. c<-
    veja ingleza, fruclas muile Mas, por-
    tuguezas e francezas.
    Um completo e variado -sortimento de
    caixinhas de todas os gostos e precos para
    mimosear senhoras, estas caixinnas rec-i.-
    lemonte chegadas de Paris sao de (friinoia-
    do goslo, olleresse-mo-las aos galantea loi*:>:
    do bello sexo pois nellas acharao nm digiMi
    e serio presente para as donas dos sett
    pensamentos. Tambera os apreciadores da
    boa fumaca encontraro charutos dos me-
    lhores fabricantes da Babia e de Havat.-
    siganos do Rio de Janeiro etc. etc.
    Do^es d'ovos seceos, christalisados e tk
    calda, ditos de caj ede outras qualidades
    Nesta casa reeebem-se encommendas pac
    bailes, casamentos c baptisados e qualquer
    encommendas avulss, como seja pao d* US
    e bollos enfeitados e outros muitas coozas
    que enfadonho mencionar.
    A'tenQilo
    Joatraim Rodrigue* Cavares de Molln^
    tem para vender no seu escriptorio, pra-jjgS
    5a do Corpo Santo a. 17 primeiro a:idr, j
    potassa da Hussia ltimamente chegada,^
    cal de Lisboa e vinho Bordeaos do sspo- '.1
    rior qualidade. ^
    l
    Resta venda um escMliido sortimento rie (tf-
    lectos de mareineria, como sejam, mnliiiiaa de p-
    sarand, raogno eamarelk), obra nacional e estran-
    ;eira, de apurado gosto o por pr^o- razoave:
    aa roa aatreita do Rosario n. 32. Nesta mesma
    usa faiem-se com perfeico todos os trabaihos dr
    jalbinna, como sejam, enmalbaraefltos de lastra
    >ara camas, cadeiras sopbs.
    muito nova, l^ssas e fi^Wovos, chaThtos-ee diversas manca, mermelada, falta pelos
    metieres oonserveiros emitehoa. gela de marmello, pcego, ervilhas, em latas, por-
    tugo*sa e fcanceas, vfcbo verde engarrafado reulho, .paisa a latas, bem como
    pescada, tainha, pari, goraz, Jjjla, cowina, veango, cavaba, sarda sardanas de Nan-
    tes. OanHkoavo, a* cenritme, pimenta, gfandbaswlboaMde sebolla a 14500.
    Finalmeateimrttos oatros gene)*oSrqaa dnfaddonbo menciona-toa.
    3 portiis, 1 ja de fer agem
    53--Rua Direita--53
    Farinha % trra.
    Maooel Jos Aires tem para vender 300 saceos
    cora farinha da tofra : aa ra da Prala n. 88, ar-
    mazem de carne secca.
    Cruz
    Na loja e armazem]do PavSo rv\ >}n Tmperatts n. 60.
    este gYfc(i# estnhehviment, ha pa vert9r
    um completo sortimento > ferragem, o mindexas.
    linas e gro.sas, como sejam bandeja.' cbineas;
    quadradas e o vaos, facas e garfee *- 2 be-
    toes, balanco Inteiro a /l balanco; panela, cha- fj^g VliaiiaZe8, Tlia
    Iheiras, ca^arollas, frigMeiras, assadeiras, tanto
    de ferro cono de po.crtana, moinhos-para cafe de j]t [^),
    diversos tamanfio* do fabricanto jH-pa"^- iIn prcIUQl08 n0v0S de superior qn.ilida.le, ditt*
    graamos ttntorte erro co.no d(^^V"^ em fiambre, recebe-so tamhem para preparar ;
    ^J^^^XST^S^^& doces de fructas seceos eem calda, vlnh3S linos.
    IS? *" e l0,la e nt|aor encommenda conccrnenle a este
    do Ierra- riegx'p.
    do, dovenliiileirn Pi-ardo, machinan para eaea-
    A ra do Lmameoto n. 6, contina a I.-
    ver para vender por precos rasoaveis.
    melhor vinho verde at boje vindo a este
    mercado.
    RITA DA GliOiU 4 V 5
    Olaria do Fuudo.
    Ha sempre nesta otara grande sortimento fe
    materiaes, como jolos de alvenaiia batida, ladrf-
    Iho, quadrado dea, 9 o mais poUegadas, tetha. f
    telhdes,lijlos de tapatnealos. O prvprietariodi-
    ta olaria garante a bos^ade e barro de t.u-s maie-
    riaes, comotambem veade-se mais barato do ni,*
    em otra qaalejOer "piHle.
    SsLgu sag
    muito novo-a Xi' '
    para a -, Venate-se mea#fo;e~iyiatro a>M.'iiii'.^ pan
    dous cavaUoe, coaa arreias. Os prelei']nies po-
    dem v-lo na raa la Hoapieio olllrina do Sr. (je-
    raido, corneiro, e tratar com Vicente Tcrreira da
    i>ta: roa de WftHihaelo.___________
    Vende-fle n casalerrea com s'>lAa corrida, lia
    pnuco construida, KaA roa da Gamboa do Can
    n. 17 : a irawr na ruaJarfa do Rourk>. araiazt
    de louca de porta larga. ________^_^
    Vende-ae ama bonita preia peca de io ao-
    nos, de habilidades e com urna cria de um anp..
    tambem preta, u raa de n<>rlas n. 96, 11a mema
    'caaAaaiM^cyff paaa vender-a<:.________
    VhifioB ouros
    Henriqne de Azevedo, em seu armaiam a rua Cadeia n. 34, teem para vender vohos das segu
    tes qualidades :
    Collares eavaaeoretai.
    Raimada dem.
    Bueellas idem.
    Branco bom em caixotes de urna duaia, eng.
    fado.
    Bairrada idem dem idem.
    Porto idem Idem ittjn.
    Bastos idem ideal fdwn.
    focar algodo ; ali*m de outros--------------------------------------------------------
    gflfn, miudezas cutilarias finas, qne s com a vis- Vwdem-se, dis cofres de ferro con algum
    la so verifica : na ra direila n. ."3 loja de 3 fer-. uso, de afamados fabricanas cm Pars : nn
    las de SbooeJ liento do Olivara Draga* C.j do Commercio n. 9, l' andar.
    Vende-se um avallo redado de marca f"-
    3nena, proprio para menino, muito man o, am -
    e baixo a meio,: na eochdra da ra d S A .<
    mero 35.________________________
    Piuga-do Doiiro.
    Flix Pereira 4a Silva reeebeu nova mente
    cao de barris do bem conbcidc excelb-ni
    puro o Douro, moito proprio para 1
    ; ir pr*eo commodo : Ha ra da I
    mero 60.
    i



    M
    m
    *
    utpia ,cua ^
    ae iJtKcniDl'0'
    ae
    su-
    co-
    para
    0 propriotarid do armazem d is denominado ASURA, ra da Impera
    r .".. 71 decl ira ao.tesp8Uav*l public froguezes, que est liquidando rodas as
    azendas e roupas fritas que tem e;n s; 'lecimcnto como se poder ver no seu
    tn.inncio e preco ahaixo mencionados,
    Chitas francesas matizadas a V!-jodii cafestado a OOO r.
    -,, 4 3? PS* Vende-se algodo eiffestado proprio para
    ^ enrV-se cintas francezas escuras matiza- encoe8 e t0.,||)aS) ^ rs 0Fraetr0; dit0
    jsa3^J rs.o covado por este prero sana 'raneado a 1$, metro.
    Ion da Arara, ra da imperatriz n. 72.
    LAZINHAS A 2KHIS.
    Vende-se ISazinhas para vestidos d
    -ahora a 240, 280, 320 e 4fJ0 rs. o
    vado.
    BAREG^S DE LA A 500 RS.
    Vende-so bardgas d I5a corcusirs
    :l).; (1! sonhor a 500 e GiO rs.o
    .ovado.
    Alpacas de listras a 59 rs.
    Vende-se alpacas de listras para vest-
    los de. sen!) ira a 500 rs. o covado.
    CHITAS FiUN'CEZAS A 289 RS.
    Vende-se chitas francezas claras a 2S0 rs.
    > co\ i i.
    CnTES DS L\\ PARA VESTIDOS A
    2*400.
    Vend-se cortead) Ta para vest'n! >s de
    souboras a2-1 00 cada um,
    PERCALES A 440 RS.O COVADO.
    Veodd-sc percales muito finos para ves-
    os de-se.ilnra.a 440 rs. o covado, jnur- a|godo do listras a 800 e 1-3, camisas de
    dlmas brancas linas, a 500 rs. o covado,. ,.sca(lo do |j;.tras a g^ rs cada uma co,e.
    Dii:hantinas de coros, a 440 rs. o covado. U^ de brim e fustno rte ttres a |ef&>00,
    B.-iIes moderaos de todas as; colotes de cesemira de cores a 20500 e 33,
    cores. e outras militas qualidades^de roupas feitas
    Vende s baldes moderno sbranco edeci- que se vende por baratissimo preco.
    ros a \&: 4(5500 C 53. j |w0f|5ft ,1- \utri* a SOO rs
    COBERTORES DE ADGODO A I 500. a aovado
    Vende-se cobertores de algodao al*o0t', Vende-se algodSo de listras para roupa
    Chales leiucrSa 2.%.
    Vende-so clia! a 23, dalos brancos e de cores a-1 5000
    [Cada u:n.
    CORTES DE BRIM CASTOR PARA CALCA
    A 640 RS.
    Veride-sc uma grande porc3o de cortes
    de brim castor para calca de homem, 640
    rs. cada um.
    Grande poreao de retalhos
    Vende-se grande porcSo de retalhos de
    chitas e cassas pretas a 160 e 200 r3. o
    cava lo, retalhos do cassas, 15a e chitas de
    cures baratsimos.
    LIQUIDAM A ROUPA FEITA
    Vende-so palilots de brim de cores a 23,
    ditos de alpacas de cores a 20, di'os de
    meia casemira a 23 e 23500. ditos de pan-
    no preto bom a 83 o 103, calcas do algo-
    io azul para escravos a 640 rs. ditas de
    Jobortas de chitas a 43600 e 23 cada tima,
    CANGAS PARA CALCA A 320 US.
    Vende-se ganga para calca a 320 o cova-j
    Jo, brim de cores para calcas dehamem
    -meninos a 400 rs. o covado, casemiras de
    cores para caifa e palilots a 23500 e 3-5,
    o covado, meias casemiras enfestadas para
    de
    escravos a 200 rs. o covado.
    PECA DE ALGODaO A 43.
    Vendem-se pecas de algodao 43000,
    50*08, 63000 o 73, para liquidar.
    Ka I oes de arcos 1.00.
    Vende-se balSes de arcos para senhoras
    a ...
    alease palitot* a 13 o covado, brim pudo,pelo baratissimo preco de 13500 cada um,
    le todas as qualidades e brim branco de. Cortes de canalrala barras
    todas as qualida les na raa da Imperatriz
    n. 72.
    iliacas lizas a 4 rs.
    Vende-se alpacas de cores lizas finas a
    AO rs. o covado, larlatanas de cores a 320
    rs. o metro.
    MADAPOLAO ENFESTADO A 33503.
    Vende-se pe;as de madapolao enfestado I
    i. a :s.90o.
    Vende-se corles de cambraias barrsa a
    123 e 33 cada um.
    LENCOS DE SEDA A 640 RS.
    Vende-se lencos de seda a 640 rs. cada
    : um, para liquidar-
    CARTEIRA PARA VIAGEM A 13-
    * 33500, pecas de madapolao inglez de 24 Vende-se carteiras para viagem 43
    gardas a 53, 63400, 73, 83 e 103 a peca- cada uma.
    7% Rua da Imperatriz. 72.
    LIQUIDACO
    Lou en?,o Pereira Mendes Guimaraes, proprietario do armazem de fazendas
    ion m.nvlo GARIBALDI, tem a honra do pirticipar ao rwpeitavel publico que tendo
    recat Jo diversas facturas de fazendas.'de novo gosto, para a festa, estando a espera de
    aovas en^onsiendas que deve estar aqui al o dia 15 do novembro vindouro, e vendo
    le au lo*p t>npo antes do balanjo de vender tantas fazendas do encomrcendas por
    so resolved "fazer uma liqaidac-o para ver se d maior, estracappor issoem vistas das
    ;ircumstancias vender ludo mais barato do quo em outra qualqaer parte, na rua da
    'TaDA^AO^ENFESTADO A 33500. I CHITAS PRETAS A iGQ
    Vende-so urna grande porcao de madapo- Vende-se uma grande porcao de chitas e
    lo enfestado de 12 jardas a 33500, assim cassas pretas em retalho a 160 o covado
    de madapolao inglezes do 24 tambomlem relalhos de chitas e laa de co-
    ' res que se veade barato.
    Gangas para calca a 3O rs.
    Vendem-se uma grande porc3o de gangas
    para calca de homom e menino a 320 o
    covado, cortos de castor para cal?a a 640
    cada um.
    Brim de cores a 400rs.
    Vende-se uma grande porcSo de duas
    faces para calcas, palitots e colletes de bo-
    ro, em e menino, fazonda inteiramente nova.
    Brim pardo liso a 500 rs. o metro, dito
    tranrado fino a 800 e 13000.
    Chande Uqnldacao de chapos
    de sol
    VcncTe-se chapeos de sol de alpaca com
    pequeo dofeilo a 23 e 33000, ditos finos
    de 12 astes a 43500, ditos de seda finos
    de 8 astes a 73500, 83000, ditos de 12 e
    16 astes a 103000, para liquidar.
    Chitas para cobertas a 340 rs o
    corado
    Vende-se chitas francezas para cobertas a
    240. 320, 340, e 380 o covado.
    CVSSAS FRANCEZAS A 240 RS.
    Vendo-so cassas francezas para vestido
    ^ 240 o covado, ditas muito finas a 400 rs.
    a ira como percales finas para vestidos a
    440 o covado,.
    GRANDE SORTIMENTO DE MEIAS
    Vende-se meias croas para bomem a
    33500, 43. 53, e 63000 a duzia, ditas para
    meninos de todos os tamanbos a 33500. e
    4300i, ditas para senhoras e meninas a
    33500 43, e 53, a duzia.
    BALOES DE ARCOS A 1:500
    Bales de arcos a 13500, ditos modernos
    a 43000.
    ATTENCO
    Tem-se para vender uma grande porc3o
    de roupas feitas de brim e de casemira, de
    todas as qualidades nao se menciona por
    cer enfadonho, garante-se ao comprador ven-
    der mais barato do que em ontra qualquer
    parte-, isto so se podo conhecer com a pre-
    senta do comprador e a vista da fazenda 6
    que se pode conhecer come est liquidando
    por barato preco, o general Garibaldi, rua
    da Imperatriz n. 56.
    Chales de merino a tAOOO
    Vende-se chales de Merino de cores es-
    tampados a 23000, ditos lisos a 33500, di-
    los lampados finos a 53, 53500 e 63000,
    uno pe^ai
    lardas ou 20 varas a 53, 53500, G|, 63500
    73000. 83, 03 e 103000.
    Corpinhos a 200 rs.
    CAMBRAIAS VICTORIAS A 5:500
    Vende-so pecas de cambraias victorias
    3.I3S a 5,?i00, 63 e 73. Brillantina bran-
    a fina para vestidos de senhoras a 500
    rs. o covado
    /LGODAOA43000
    Vtnde-se uma grande pirfao de als*l5o
    '.ndo de boa qaalidado o 43. 53, 63, G '.
    73, e 83, a peca de 20 jardas ou 24
    viras.
    ADMIREM-SE DO QUE E' BARATO
    Chmateles a 500
    Vende-se chamalote de cores, de algo Ir
    para vestidos de senhoras a 560 o covado.
    Alpacas Usas a 500 rs.
    Vonda-se alpacas lisas para vestidos de
    cores, para senhora, a BOJ rs. ditos matisa-
    das finas a 720 o covado Dita lisas mui-
    to largas a 640 o covado.
    CORTES DE PERCALES A 6:000
    Vddon-se uma grande porclo de cites
    ie percales de duas saia* para vestidos de
    senhora, de mnito delicados goslos com
    i 6 A covados a 63 73000.
    CAMBRAIAS LISAS DE CORES A 600
    Vende-se uma grande porcao de cambraia
    lisa de todas as cores para vestidos a 600
    rs. o metro.
    Organbys moderaos, a SO rs.
    Vende-se organdys de cores para fazer
    vestidos, de duas saias, agora modernos, a
    300 rs. a vara.
    JRANDE SORTHHENTO DE CHITAS NOVAS
    E BARATAS PARA A FESTA
    Vende-se chitas francesas muito finas de"
    lores a 280. Ditts raatisadas escuras a 320
    litas escuras escocezas a 360. ditas alco-
    xoadas a 360, ditas garibaldinas a 300 o
    sotado. Sorlimento de chitas como tem o
    'aribaldi ha pnucas lojas que compilam.
    rSTOES PARA VESTIDOS A 400 RS.
    Vene-se fustao de cores para vestidos a
    100 rs. o covado.
    CORERTORESA 1:400
    Vende-se cobertores de algodo a 13400
    loberas de chitas feita a 13600.
    Veode-se grande porclo de corpinhos a
    4d-DiOOOOo6-
    I*
    AS NOVAS SEDAS
    11-BUA DO QUEMADO-11
    y
    mammmmmm..
    PAVILHAO
    Chegaram da Europa pelo ultimo vapor loja de Augusto Porto C. ricos
    cortes das mais linda sedas de mimosas cores para vestidos proprios para bailes e casa-- f
    mentos. -, -.y
    Grande variedade de sedas de listras de diversos precos todas de jindas cores,
    gorgwSo de seda preta, e grosdenaple de varias qaalidades e gorguro de seda 13a de
    differentes cores. >
    i Nvos vestidos brancos de blond para noivas, lindas celxas de seda para camas,
    d tas de l e seda, cortinados bordados para camas e janellas, fronhas e toahas de
    cjmbraia de linho, hondadas.
    Luvasodvasde louvin,eelegantes sombrinbas de sias de cor para senhoras.
    Espa'rlilhos de 53 at J03, lindos bournous de cachemira de cor para sahida
    de baile, sasquinos de renda preta, e 'ditos de croeh branco e preto para senhoras.
    Grande variedade de camisas bordadas e lisas para horneo* e meninos-.
    Sortimento de muitas fazendas de 13a, Imho e algod3o todas por presos muito
    mdico.
    Tapetes grandes para sof, piano e camas, pecas de tapetes o de alcatifa para
    forrar sal5es todo em qantidade; e veadeai sempre^por menos que e outra qualquer
    parte.
    Esteiras da India de 4.5 e 6 palmos de larga,
    ALGODAO
    LOJA DAS MACHINAS
    -o
    al-
    ylACHINAS americanas d serrote de lodos os tamanbos para ctesearofar algodBo,
    muito conhecidfe fabricante Eagle Cotton Gin.
    CACHINAS ditas, tamben* de serrotes e de todos os tamanhos para descarocar,
    god3o do autor Wew Yorl: Cotton Gin.
    CACHINAS ditas de todos tamanbos, de carreta d* ferro e mais Soda a machina.
    MACHINAS ditas de Roller Gins, de cajo trabalbs faz obter mai*' 2.000 em arroba
    tj algodao.
    VLACHINAS de faco do abrironte Platt R. & C, Obdsan PatentLwerpool.
    Todas estas machioas sao de superior qnalidade e as melhores que tm
    m&> ao roetcado ; e para a sua apreciacSo convid-wn-se os senheres agricultores "
    rem a expoeieSo das mesara sa rua da Cadea do Reeife n. 56 A, leja do Bastos, ende
    mcontrarao mas o seguinte r
    Dobulhadores para milbo.
    drlindros para podaras.
    Vrados amerieanos.
    Carrinhos de nao.
    Machinas para- cortar capim.
    Caonos de clnimbo.
    Bombas de Japy.
    Oitas americanos-,
    relhas de ferro- galvanisadas.
    Folhas de oco teas.
    Ditas de cobre e- rato.
    Perro de todas as qualidade*.
    Arcos de ferro.
    Folha de Ftandres.
    Machados americanos.
    Faces ditos.
    Balaios e costas de verguinbav
    /assouras americanas.
    Folies de todos os tamanhos.
    Tornos e safras para ferreiros.
    Finalmente muitos ootvee artig
    liversidade seria enfadonho ennuaera-los.
    Folha de ferro,
    Balancas americanas.
    Tinas de madeira americaiMS.
    Ps de ferro ditas.
    Baldes de madeira ditos.
    Temos de bandejas finas.
    Trens completos para cozinha.
    Peneiras para padarias.
    Baldes galvanisadhs.
    Gorrentes de ferro para almonjarras.
    Espingardas e rewolvers.
    Guarda comkte&.
    Ferros a vapor para engommar.
    Moinhos para refinacoes.
    Aceite de espermacete, proprio para maca-
    nas- de toda as qualidades-.
    Sorras avulsas para machinas-.
    Muflaes e todas os mais pertences para as-
    raesma8.
    Latas de gaz,
    ospertencente* 'lavoura e artes-, que pelo
    ilTTICltt 1(1 u:\(i
    Grande armazem it fazendas e rtupas feitas roa da bnperalriz
    n. 52, porta larga, de Paredes Porto.
    Neste estabeleeimento encontrar o respeitavel publico um bonito sortimento
    de roupas de todas as qualidades, palitots de alpaca a 3$, 33500 at 63- Ditos de
    merino, ditos de casemira de cores bonitos gostos a 53, 63, 83 e 103v d panno preto
    sacos e sobrecasacos. Ditos de brim pardo finos e ordinarios. Ditos de alpaca branca
    e de cores de 33500 a 53000. Caifas de brim brancas de todas as qualidades, ditas de brim pardo fino e ordinario, ditas de casemira
    de cor e preta de 43, 53, 63 a 153* Colletes de todas as qualidades e preco muito
    barato. Completo sortimento de camisas francezas de algodao e de hnho de 2 at 53
    uma. Sortimento de seroulas francezas de algodao, de linho e bramante a 23 e 23500.
    Gravatas (mantas) novissimo gosto a todos os precos. Meias sortimento completo a 33,
    43 at 73 a duzia.
    ROUPAS PARA MENINOS.
    Encarrega-se de qnaesquer obras de encommenda tanto para homem, como
    para meninos, e com brevidade, por isso que tem um bonito sortimento de fazendas de
    todas as qualidades tanto em casemiras como brins, pannos finos e outras muitas fa-
    zendas.
    FAZENDAS
    Bramantes de 11 palmos de largura a 13800 o metro.
    Cambraias de cor e branca.
    Alpacas de todas as cores a 640 rs. o covado.
    Poil-de-chvre com lista de seda fazenda de gosto a 13200.
    Basquines de guipure enfeitadas a 183000.
    Sortimento de chitas escuras e claras a 280, 300 e 360 rs. .
    Madapol3o fino a 63500, 73, 8 e 93000.
    AlgodSo pega com 20 jardas a 43500, 53500 e 63000.
    Peca de algod3o largo a 73500.
    E outras muitas fazendas que ser enfadonho mencionar Cheguera roupa
    feita que se est liquidando na loja rua da Imperatriz n. 52 (junto loja de ourives) do
    LEAO DA PORTA LARGA
    DE
    Paredes Porto.
    Machinas a vapor de
    forpa de 3 e 4ca-
    vallos.
    Motores para 2 cavallos.
    Arados americanos.
    Machinas de fac3o e serrotes para desca-
    rocar algodSo.
    Balanzas para armazem e balcSo.
    Camas de ferro.
    Cofres de ferro de Milnez e de Uhit-
    field.
    Prendas para copiar carias.
    Fog3o americano patent
    Rheumatismo e moles-
    tias syphiliticas.
    Arrobe vegetal, xarope de salsaparrilha
    do Para, pilulas e xarope de veame, tin-
    tura e xarope de sicupin.
    Doencas do ligado e baro, ane-
    mia, opilado, ele.
    Emplasto, oleo, poramada, tintura, pi-
    lulas, xarope e yinho da milagrosa Juru-
    beba.
    Sozftes ou febres intermitentes
    As pilulas anti-periodicas de Pinto.
    Laico deposito rosles medicamentos na
    pharmacia do seu autor rua larga do Ro-
    sario n. 10, junto ao quartel do corpo de
    polica.
    IVA M IMPERATRIZ l i
    Esquina da rua da Aurora
    Defronte do Caf Imperatriz.
    fiaste novo e sumptuoso osiabetefflmen-
    fo de fazendas, ewonirarao a? Exmas.
    familias indo quanlo- possam desejw, lan-
    o en> artigos de rigoroso luxo, como em
    todas a* mais qnalicfcwles de fazendas do
    sed*?, Llonds, alpacas, merinos, fijas,
    I cassas, mnssulinas, cuitas, madapolSes,
    j alsodes, etc., demndo a salr bem s?r-
    vdo des da moda e do luxo, al' o mais modesla 1
    | pi do familia. Alm d'e se arh.irem pro'
    vjdos V que melhor so- enconlra nesle *
    I mercado, uiandaram os propriettrfoa i
    | dVste estabeleeimento vir directamente |
    o que ni artigos de mod; e de mais |
    i apurado geio se cMontra em Paris.
    (Urna modi>ta e^pccialincnc oceupada E
    . nos trabalhos- do PAVILHAO BA AURO- 5
    i RA, execntap promplamente e eom toda ]
    i a perfeico qtwlqticr trabalhn capricho, |
    J para o que se aeha liabiliuida em ludo
    auanto e mister para o bom desempenho |
    e sua misso, o que 6 urna gramde van- f
    ! lage:ii para o- bello sexo, que assim !
    I vai encontrar era um s lugar mdoquan |
    ) o pode desejar, isto fazendas do me- S
    t, Bior gosto, modista nara perfeita execu-r !
    eao de qualquer trabalbo, pcrftimarias, |
    ' napos, enfeites-, miudezas, luvas de i
    Jluivin e ludo qusnto a moda pode exi- !
    1 %* I
    j Aus cavalheiros ipnal vantagem seofte- I
    c reeo, por ter o estabeleeimento o mais i
    ] completo sorlimenlo | tos-, e proprias para* todas as eslacees, e u
    um-hbil alfaiale enarregad I lar eom promptidao o mestria qualquer jj
    eneommenda.
    , Os propnetarios de PAVILHAO DA !
    i AURORA nao tendo noupado despezas 1
    I para dotarem esta IwHa cidade de nm I
    s estabeleeimento digno d'ella, eonfam nos !
    I seo esforcos e no bom goslo do seus ha- |
    I hitantes, garantindoa-inaicrcircumspee- i
    ! cao e modicidade de preces.
    I Com a possivel brevidade e era vista da |
    1 proiserao que se dignarem dispensar-fke, j
    5 este estabeleeimento' twr muitas outpas- i
    3 vanlagens, primando entre ellas a pubti ]
    8 cacao de um jornal gratuitamente dis-j
    tribuido aos seus froguexes, o qual se oe-
    i cupar^exclusivainente-da descripeo dte-|
    8moda*,.acompanhailo ites-ltimos liguw--j
    _ nos; v-3iila|eni que al boje anda nenhum
    g mestabelecimento offereoen.
    Concloindo, e na impossibiKdade de des- j
    j ereverc rico c variad sorlimonto que !
    | possaem, os proprietaiws-do PAVII.IL'99 |
    .DA MTRORA respeitosamente convidan) j
    as Exmas. famlias a visitar este espa-
    coso e rico estabclceimoDto que, alm de
    tudo, est dotado do pessoat necessaiio
    para vender e levar amostras s casas
    que as-pedirem.
    Pelo ultimo vapor reeoberam ricos cor-
    tes de vestidos para casamento, luvas d
    pelica. ricas chapel>nbas para senhoras
    e diversas fazendas modernas.
    iAberto das 6 da manhaa s
    9 da imite.
    IUP POPUIi IR
    DA
    FABRFA IH DA BABIA
    DE
    Teixeim Uldurtco fy C.
    Acha-se i veuda este ptimo rao, nico qne
    pode suppnr falta do "princeza de Lisboa, por ser
    de mui
    mais
    iui agradavel perfume, viajado, e a preco o
    mdico possivel; e por isso tem sido assa?
    acolhido as pracas da Baha, do Rio Je Janeiro e
    no escriptorioide Joaquim
    wn outras do imperio
    fo= Goncalve? Deliran,
    mero 17,
    rua dQ Cornmerclo mi-
    CEMENTO
    PORTLAKD.
    Vende-se no armazem araarello de Vicente Fer-
    reir da Cos 4 Filho, defronte do arco da Con-
    reicao, em harneas grandes.
    Sementes de' horlalices chegadas pelo ultimo
    vapor : na roa do Livramento n. 38, armazem de
    raolhados^Rejtituese o importe ao comrrador, ao
    cato de nao nascerern,
    CIMENTO
    Vende-se verdadeiro cimento ; na roa da
    Madre de Dos n. 22. armazem de JoaY
    Vlartins de Barros,
    DO.
    GALLO VMANTE
    Rua de Craspo- n. 9
    Os proortetarios deste bem conhecido estabele-
    cimi'nte, alm dos muitos-objeltos que tiobam ex-
    postos 3> apreciacao do respeitavel publico, man-
    daram vir e aeabam de reeeber pelo ultimo vapor
    da Europa um completo e variado sortimento de
    finas e mui delicadas especialidades, as quaes es-
    to resolvidos a vender, como de sou eostume,
    por preeos muito baralinhos e commodOs para to-
    dos, com. tanto que o Gallo....
    Muito superiores lavas de pellica, pretas, brau-
    cas p de mui lindas cOres.
    Mui boas e bonitas- gollinhas e pnahos para se-
    nhora, neste genero o*que ha de mais moderno.
    Superiores pentes de tartaruga para coques.
    Lindos e riquissimos enfeites paat caberas das
    Exmas. senhoras.
    Seperiores trancas pretas e de cores cora vidri-
    lhose sera elles; esta fazenda o-que pode'haver.
    de melhor e mais bonito.
    Superiores e bonitos leqnes de madreperola,
    marfim, sndalo e osso, sendo aquelles braneos
    com lindos deserAos, e estes pros.
    Muito saperioses meias fio do Escossia para, se-
    nioras, as quaes sempre se veaderam por 30.SOO0
    a duzia, entretanto que nos as vendemos por 205.
    alm destas, temos tambem grande sortimeato de
    outras qualidades, entre as qaaes algumas muito
    finas.
    Roas bengalas de superior canna da India e
    castao de mariim com luidas e encantadoras figu-
    ras do mesrao, neste genero o que de atelhor se
    pode d Vejar; alm destas'temos tambsm. grandr
    Saantidade de oatras qualidades, como sejam, ma
    eir, baloia, osso, bortacha, etc. etc. ec.
    Pinos, bonitos e airosos chicotinhos de cadeia e
    de outras qualidades.
    Lindas e superiores ligas de seda, e borracha
    para segarar as meias.
    Roas metas de seda para senhora e-para meni-
    nas do i a 12 anuos de idade.
    Navalhas cabo de mariim e tartaruga para fazer
    barba ; silo, murta boas,e de mais a mais sao ga-
    rantidas pelo fabricante, e nos por nnssa vez tam-
    bem asseguramss sua qnalidade e delicadeza.
    Lmdas e bellas espolias para noiva.
    Superiores agulhas para machina e para crox.
    LiSha muito boa de peso, frouxa, para encher
    labyrintho.
    Bons baralhos de carias para voltarete, a3sia
    como os tentos para o mesago liui.
    Grande e vanado sortimento das melhores per-
    fumarias e dos melhores o mais conhecidos per-
    fumistas.
    COLARES DE ROER.
    Elctricos magnticos contra as convubSes, e
    faWlitam a donticao das anuientes criancas. So-
    mos desde muito recebedores destes prodigiosos
    collares, e continuamos a recebe-los por todos os
    vapores, atlm de qne nunca faltem ao mercado,
    tomo j tem acontecido, assim pois noderao aquel-
    les que delles preeisarein, vir ao deposito do gallo
    vigilante, sonde sempre encontrarlo destes verda-
    deros collares, e os quaes attendendo-se ao fim
    Sara que sao applicados, se vendorao com am mai
    minuto lucro.
    Rogamos, pois, avista dos objectos qne deixamos
    declarados, aos nossos freguezes e amigos a virem
    comprar por prego? muito razoaveis loja do gallo
    vigilante, rua do Crespo n. 7
    Selliiw baraos,
    . 27. Rt9DOLI\Tl.\?i;NTr> N. 27.
    .Neste estabetectBenlo vende-se sefliM e
    siilies, de todas as qualidad.es do melhor
    qm se pode fabricar no' paiz, assim como o#
    mais arreios pertencentes ao'mesmo, ven-
    de-se tambem, colx5es, traviceiros, caixi
    nbrs com almofadas, proprias para meninas
    levar para avia. O proprietario deste esta-
    ftelecBnento garante a pwitrjalidade, esme-
    ro e zeto de sen trabalbo ; Dortanto pede ao
    respertarel' publico sua proteec3o, queaffian-
    ?a vender tudo pelo mais barato possivel,
    e por menos do que em outra qualqner
    parte.________________________
    3 eordeiro previdente
    Raa d> (qvo e variado sortimento de perfumara'
    finas, e outros objectos.
    Alero do completo sortimento d perfo-
    maras, de que efectivamente est prvida a
    loja do Cordeiro Previdente, ella acaba d
    reeeber oro ontro sortimento que se* torna
    aotavel peta variedade de efectos, superiori'
    lade, quaSdades e eommodidades de* pre-
    sos ; assim, pois, o Cordeiro-Previdente pede
    e espera continuar a merecer a apreciafSo
    io respeitavsl publico em geral e de sna
    boa freguezia* em partienlar, nao se afes-
    ar.do elle de sua bem conseda mansidf
    > barateza. I;m dita loja- encontrarlo aa
    tpwciadores dt> bom:
    Agua divina d* E. Coudray.
    Rita verdadeir de Murray dV Lamman.
    Dita de Cologae ingleza, americana, fran
    oeza, todas dos memores e Hatsaereditado
    fabricantes.
    Dita de flor de torangeiraa.
    Dra dos Alpes, e vilete psratoilet.
    Ebr odontalgia) para co-jserra^ao do
    sseioda bocea.
    Cosmetiques de superior quriWafe e chei-
    ros agradaveis.
    Copos e latas, matares e mesares, com
    pomada fina para cabello.
    Frascos com dita japoneza, transparenU
    outras qualidades.
    Finos- extractos i.Tgkzes, anetrieanos
    francez- em frascos simples e etfritados.
    Essencta imperial db fino e agrr-ftevel ebet-
    o de violeta.
    Outras- concentradas o de cbeiws igual-
    mente finas e agradaveis.
    Oleo philocome veraMeiro.
    Extraeto d'oleo de superior -pobiade,
    com est-oihidos cheiro,em frascos-de diffe-
    rentes tamanbos.
    Sabonetas n barra*) maiores y aseore
    para maos.
    Ditos transparentes, redondos o-em figu-
    ras de BMuinos.
    Ditos muito finos emcixinba pan barba.
    Caixiahas com bomms-sabonettvimitando
    (nietas.
    Ditas-da madeira irwemisada aas perfumaras, muiso*proprias pan pre-
    sentes.
    Ditas-de papelSo igsalmante b^Mtaa tam-
    bem da perfumaras finas.
    Bonitos vasos de metal coloridos, e da
    moldes-novos e elegantes, com pd* ama
    a boneoa.
    Opiata ingleza e franeeza para, deotes.
    Pos-de camphora e outras- daaerente*
    qualidades tambem tara dente
    Tnico oriental da-Kemp.
    Alada mal coques.
    Um otro sortimanto de coques- de no-
    vos a bonitos moldas com filete de vidrilho
    e algnus d'elles ornados de flores e fitas,
    estia todos expostos apreiiaco de quen
    o pretenda comprar.
    GOLUNHAS EPNHOS BORDADOS.
    Obras de muitogosto e parfeicao.
    rFrelias e Atas pasa, ciatos.
    Bello e variada sortimento de taes objec
    los, ficando a boa escolhaao gosto do com:
    prador.
    i..4Z m az
    Chegon ao antigo deposito de Henry Porster A
    .:., rua do Imnerador, um carregamento de ga>
    de primeira qualidade; o qual se vende em partida
    e a retalho por menos preco do que em outr qual
    quer parte.
    Cahriolet Ita@a> t.
    O melhor nesta genero, e percito estado, vec-
    dn-se um ; para, ver na cocaeiro d* Thomaz',Linsv
    ?ua de Santo Amaro, e tnatar na roa do Crespo
    n. 16, loja, das 8 as 11 horas^ia manha e das 3
    as 6 horas da larde.
    Cal de Lisboa
    chegada no llimo navio,, tem para vender loa
    quim Jos Godgalves B*ltrao, so seu escripterio >
    rua do Coramercio n. Vt.
    Vinho de Bucellas
    qual dade superior, om quartos de pipa,
    vende-se em casa dfe Won Sohstca & C,
    ma dji Cruz n. 9,
    Fia dttlg'odo.
    Vende-se fio. dB .gr,dao da Bahia em saecos de
    50 e 100 libra* : an vscriptorio de Antonio Laiz
    de Oliveira Aaevsdo & C., rua da Cruz n. 87, !
    andar.
    COGNAC.
    De saperior qualidade da mui accredita-
    da fabrica de' Bisquit DuboucJa 4 C, em
    cognac urna das que mais agurdente da
    cognac, fornecem para o dinsummo do
    Remo da Inglaterra.
    Vende-se em casa de Th. Just. rua do
    commerro n. 3.
    ATTENGAO
    Na rua da Praia n. 34, armazem de Antonio
    Fernandos Ramos de Oliveira, vende c era por-
    qo e a ratalho farlnha de mandioca da trra de
    mnito boa RuaNdad** por projn commolos.
    Pttjsnrinhos fie ir>>tal nralado.
    i Cli
    'IU14.
    GADET
    CURA
    em TRES DAS
    P A R I S
    Parte, 36,RnlTlenne, IV
    CHABLEmcoccin
    aAsamaamAiMj dessexuaes, asammi
    COK CPTAHKAS, E ALTEBACOE8DO SAWOP*.
    0 awcuaiidUMipinfMI
    wtaau. Wbm, ni*
    Verpo. ikmhi i m*.
    -----------------tg*i etnit, arafM
    4o $nngut. iXirop* Tpltl mm tretrio).
    ratiT*. tennw amn miiBf a
    toaao-w ilous por teman. Mftiadt truummtt
    Dtvurativo : wpw|rii mas smaa atolaatia*
    Bata Xana* Citnto *
    farro 4a CHABLI. m
    iaiBadiauaaaaua^ulfM
    pnrufoo. r$lmxa(.
    i d*t>ilid*d$, a ifiaaf
    DEPURATIF
    SANG
    PLUS DE
    COPAHU
    anta oa fttacoi $ font ercueaa 4u atalkarM.^
    SU injacea aaaipi amarao-aa ao* Xaroa* a>
    Ctlmeto dt ferro.
    rraMaa. Pasada POMADA ANTIHERPETICA
    Contra- ou mffecfott tuuuua t omtmtmt
    PILULAS VESETAE8 CSPURATIVAJ
    ii ci*t, wi frast* m i
    ta hito*
    i
    >'

    l
    **



    I*.
    Diario de PenamlnK Quarla feira 22 de ezembro de 1869.

    :i pi liEwmn'i^ m,l_ 1Mlj^|lfMl
    ARMA
    EXPOSICAO DE LONDRES
    60RA M
    CAMA DO RECIFE60
    O propalarlo deste-estabelecimento tendo d7p!l.f muMreve para os Estados Unidos e Europa faz cwnpkU liqu.dacs dra^ pa cCab'r reZ
    nados para tamas e jadas cobertores ingles finos, calcado de pao, bijoterias d'oiiro de 18. como resetas ^J^^;t^t^^^l^^^^%^
    de msicas, ditas com pertences para Costura, ferro -de engommar. ne sendo preciso canto nem fogarerro,-^^^^^1'^^^^^^^^
    ados, ditas para bater oVos e bollos, grande variedade de porcelanas, como, vasos para toHelle, apparelbos para mesa etc^^.^Z^^^J^'^^
    lobos paralices, lantcrnasparacim.de mesa, escarradores etc., s excellentes cofres de ferro, espelhos de diversos^f*^*
    Sara quadres, ricas caas para retratos, ditas osm cheiros parias para prese otes, mesas de cW. bande as d Ato. E^^^ ^o^^e a!S!5
    Wdada para almofadas dito para tapetes e para deilar vasos em uro da mesa, relogio para ama de mesa, de \ Fp.Pj n.ju osjbmj
    amanos, osraorama
    salva-vidas para se temar
    te, bengallas, camas de fe..
    alto barato para isteiramente acatar, no armaacm EXPOSICAO DE LONDRES
    Ditos para calca a 160 e. .
    Caixa com papel amizado a.. .
    Ditas com emelopes a. .
    Ditas com brelas a.....
    Catea com agulhas fundo dourado
    Ditas de ditas ditas a..
    Thesoora para costura* a 240 e
    Caixa com linha de marca a .
    Linha de coros em novellos (li-
    bra) a........
    'Carreteis de linha Alcxandre de 70
    at 00. .......
    Grampos mnito finos com passa-
    ros, dazia a......
    Cartas portuguezas', duzia a .
    Ditas francezas a 2200 e.. .
    Papel almaco e de peso, resma a
    35400, 3#>0O e .
    L5a muito fina para bordar, libra
    Fita de algodao para debrum do
    spatos, peca a.....
    Ditas de 13a para debrum de ves-
    tido, peca a......
    Pentes finos para segurar ca-
    24C
    70(
    480
    40
    280
    160
    500
    280
    5C(
    10(
    PC
    Bcthmns ecim
    r.lws, itaraflugeiih-is a ara
    de Prenle Yianna l
    i : na
    C.
    Cha verde de relenle qf na lx.ti>a
    f>piibtca da vluva do Dr. Sah'no O. I. Pi
    ra .Nova n. 13.
    ESCHffiiFU0BOS.
    Fngio no dia 7 d> correte ir.ei de oovem-
    > ",*n m*, eir pela, liaixa h ch-i*. do coipu, Ion uiua
    ann. M*a rasgada no lugar ,1o hflqcp. urna peqitf-
    dptAli ,,i o.c.iii i ua tesia a um lado, dons din'.cs na
    que parece falta d ton, na.- nao 6 :
    *9O0
    m
    480
    esta eserava se octopava el&va regar agua ni
    leo do Tareo, ou lavando nropa pilos coi|iicir";
    junto i ra Imperial, e por estes lugares 4 qm
    ella co.-lmua andar, lloga-se aos Srs. capiun
    can;po a aprehendo de-ta eserava c a levar a
    rea do Qneimadon. 39 tereciro andar en a praca
    do Orpo Santo n. 17 primeiro ;;ndar, que -
    bom recompensados.__________
    7S .pa.ra -.T? .ca: Ik-SB 50|000 de gratifica-
    60 Hit
    M C4DEIA DO RECIFE-60

    i
    n
    G^
    GOfflES DE AHOS ffillSOS
    tendo feito completa mudanza em sen antigo e
    acreditado estabelecimento de joias, com o fim de
    dar-lhe maiores propor^oes e elegancia, cojividam
    ao publico em geral com especialidade as Exms.
    Sras. de bom gosto a comparecerem pessoalmente
    das 6 horas da manMa s 9 da nente na
    RU&D0 CABUGA N. 4
    onde encontrarao um Completo aartimento do que ha de iwiis elegante,
    bello e precioso ern -ferilhantes, esmeraldas, rubins e tudo que em obrase
    de ouro, prata e platina se pode desejar.
    ADEREQ8S DE SRILHANTES, ESKE^LOAS E RUBINS
    OP

    grande variedade de -salva3 e paliteiros de
    nao visto, e completo aortimento de
    de novos gostos, assim como
    prata contrastada e de gosto anda
    objectog de prota para so das igras,
    Compram e troeam quaf^s^r jota ou pedra preciosa e garantem
    | a qualidade dosobjectos vendidos.
    Ditos ditos de bofalo para alisar
    a 240, 320 e......
    Ditos para aparar penna a .
    Rosetas pretas, par a .
    Tranca da I3a'decaracol pega a 40 e
    Fita de ciz peca a 480 e .
    Alfinetes de latSo a.....
    Sapatosde laa para crianca a 400e
    Gravata de sedas de cores a .
    {ialcadeiras a.
    #10
    'i O'
    ,nr Fupio no da K do prximo-pa-sado me a -
    "r crava do nume Uertole/.!, idadu 28 >nnw, oooco
    0(i tnftjj 0u menos, cor parda, rebollos carapinhos,
    iO' pernas gro> tt{\ maos cimpridos, "ccio pequen^, beigos gro?os
    ' bocea regular, anda muito lgeim. bem rallante,
    lewu ve tidocabeeao dolaliyriniho o ^ialair.betn,
    ambos trancos, tem um >ignal do um untn.z na
    I0C

    i*I3
    ti*- t.-,r>-- m\ iHHIm iM^MH
    f
    ra^i'Ji<>;MjimiiiiiJiigirlgiirflTjaaifc
    Bseja-so vender um coitegto de meninas,
    situado em um dos mns agradareis arralialdes do
    Rio da Jaseiro, estabolecido mais de dez anuos, e oura c.i roa da Matriz : a tratar na
    /
    tozando de grande erudito e reputarao, c que pro-,
    ituz lisongeiros resultados. Motivos de salido obri-
    gam as donas a retirarem-se : quem gibar com-
    pra-lo, pode dirigirse rua do Vigafio.u. 2, es*
    riptorio ie Domingos Ahes Matlieus.
    VenJem-se dar.- aaa^ em Santo Awaro de
    Jaboatao, nina na ra Jy Bar.:o, prxima. feira,
    ra do Im-
    caes 2 de
    perador n. 7,1
    ovemMU
    anJr.r, enrsda pilo
    Venda-ce ama malauLa perfeita engoiuma"
    d ira, codaoaiaa c tratar ua ra de
    i Sartas n. 9, tatjraJi.
    a ro2na(;5o da ra do Aragao n. 19:: miem
    teedi-la* dinja-se tratar na luesma.
    pre-
    Vndese um earrinbo americano de quatro
    roda?, de dous e quatro assentos, e era muito bom
    eatado : para ver eralar, na ra da Eltirentina,
    ffkina do Sr. Groscan.
    A VERDADE
    55Ruado Queimado5o
    A VERDADE tendo em deposito grandt
    qnaniidade demiudezase perfumaras, ede*
    sejando apurar dinheiro e adquerir boa fre-
    guezia est rssolvida a vender muitissimo
    barato, ; por essa raz5o convida ao respei-
    tavel publico a vir. competentemente rauni-
    ^do a sortir-se do bom e barato. Pois quan
    "do a Verdadc apparece, tudo mais des-
    apparece-----
    Grande sorlimenta de bonecos de cera e
    massa as mais lindas possiveis vestidas a ca-
    rcter.
    Abotoauras moderuas para col-
    | letea....... 320
    ; Espelhos donrados pepnenos. 2t0
    1 Agulhas de osso para crox a 200
    : Pentes para regac com esntas a 320
    Ricos globos para candieiro de gaz a i >800
    Chamins a....... 32(
    Grande sortimento de objetos de
    louca para brinquedo de menino i0(
    Garrafa com tinta a..... 80(
    Dita com agua florida verdadeira a 1 30(:
    Dita com dita dita a ... IflOK
    Frasco comoleo de babosa a 500 e 72(
    Dito com agua de Colonia a 300 e 50(
    Gamfa com agaa divina a. l^SOt
    Frasco com extractos finos a 10OO(
    Latas pequeas com banha muito
    fina a 120 e...... 160
    Sabonetes de diversas quali lades a
    i 80,40,240e..... 32v
    Finas escovas para dentes de 120 a 60--I
    Lindos coques modernos a. 2&000
    Pavios para gaz, dazia a 240 e 32(
    Escovas para facto a '500, 600 e 700
    'Ditas para cabello a..... 50(
    Pontes para tirar piolho a 160 e. 24(
    Brincos de eores, bonitos a 160'e 2(K
    Pecas de tranca de lia com 8
    varas por....... 8<
    Oleo para machina de costura,
    frasco a........ 601
    Pensas d'aco finas carias a 800 e 1<$00(
    Dita d'aco Perry, cajxa a. lj$40
    Gal5o de algod5o pe?a .... 40C
    Lindos babadinbos e entremeios
    peca de 500 a......150(
    Ditos de louca muito fino a 120 e 200
    800
    200 anca, dolado dfreii ou esuerdo : nga-sc, poi-
    gf lauto, as autoridades polielaes e c;-pila de
    do a anprehensao da inesma. e leva-la so Reme-
    Grande sortimento de rendas das Unas. ^:o J, Jo abaixo j^jgnado.
    Um par de suspensorio de borracha por """ Anmriio Meoelles Cordeiro do r.csmo.
    100 ris !!! I 1 Fugio no dia 8 do oorn-nie mes de dezein-
    Ma Verdde rna do Quelaiado Lro de 1869, do engenho Giqui, frepuia .'.a 1^-
    u. ... ca^ai escravn Paulo, cabra, de idade 40 .
    ! altura c corpo regulares, barhadi, eabel enra-
    I pinlios, peitos e pernas bem cabellmiD?, cara c h
    I marcas de bexigas, tem narra de c! cete
    DAS .costas com patencias de (hicinlc'ura', veslido c: ,<
    calca de brim pard peo de pallia de carnauba, foi escravo dn ;
    Luiz, morador nos Alagados, londn o :ee-m-.i es-
    cravo mulber e lilbos msse lugr.r : paga-so tOtf
    0 VAPOR
    . de gr.'tifiereao a qcem 0 pnnler e 'eva-lo ao di'.o
    engenho, ou na rtM lo Cabng n. II ao f>r. !'Y o-
    cisco Antonio de Bril".
    Rna da Imperatriz numero 36.
    Grande novtdadep va a festa.
    A' ella antes que se acabe.
    O proprietano d'este sumptuoso e mni acredi-
    tado estabelecimento, vendo que so approxiina a
    fesla e qierendo apresenlar aos seus amaveis fre-
    guezc? urna novidade de que se admirassem, en-
    viou o seu vapor, isto ,o vapor das Novida-
    desa todos os paizes da afamada Europa, afini
    de procurar e traar o que de maior gosto e novi- j GrMiliea se a_ quem pegar o escravo .' ao r^'-
    dade achasse nhecido por Joao marcineiro, prclii, erionl', rr-
    Regressando este, trouxe como alUijDvidale,.presenta ter 30oli.nlos ann? de Jado, cmi ,s
    como de facto o : *"{ a""S. xTul,lr' ,''i: 'v ;5
    Lindo guepure escarate com flnissimo tecido.! m P-wo l>rb.ilo, e ial o de cntes oa fi
    e o mais bonito possiveL proprio para camistoba I andar apressado, levou calen e oam^a de algoda
    e fchus, o qual se vende por prego muito com-1 chapeo do palba ordinario, muito i
    modo.
    Grande sortimento de fitas de sarja de ptima
    qualidade e de diferentes larguras e core.-.
    Completo sortimento de fitas assetinadas, sendo
    estas lizas e eseussezas do todas as larguras o da:
    mais lindas efires, havendo enire ellas muito lar-
    gas e proprias para einlos da ultima moda.
    Grande quantilale de'perfumaras dos primei-
    ros perfumantes da Europa.
    Alm d'estej objectos vieran inultos
    tamben de grande novidade.
    O proprietario previne todas as possoas que
    pretenderen! algnns dosobjeetjs niencicnados. qnc
    poderao buscar as amostras no rlito estaboleci- i
    ment, ou indicarem o lugar da residencia, porm
    ludo isto antes que se acabe a grande noviJade.
    Loja do vapor das Novidades,
    Ra da Iuiparatnz n. 36,
    de
    HenripuedeSLeitao
    M8PAR4C0S-
    TURA.
    Acabam de c'.iegar ao Grande Bazar y ij
    ra Nova n. 2 Carneiro Viannaum comple
    (azul.
    E>ie pelo fui criado na Capuriga, em ca a de j.o
    | Evangelista, e vendido para a run do f.ivram< ni i
    > e dej.eis para a na Dimita ; t. latea de !:i ven-
    ! dido, traballiava dein.ircineiro ded-Hiequinii, t- m
    I u i.a fiiha em Punlc de UeiOa, e ultiraai ifnte
    ', empn gava von-lendo acna nos paltos do '('- r
    ' Carmo, Gil Aias que e*t r ecnlio : rec ::i>
    se a aljjimi marcineiro desia cklnde ou a qnalqncr
    \ ncssra que o pf^ar, leva-.'o na Direa r.. 13'! ;
    jutres1 assim romo protestase contra quera otiveroc-
    eultJt________________________________________________
    GRATIFCASE BEM
    Fugio no dia 30 rt setombro o escr
    Joo, creoulo, conhecido por Joao Bah, de
    dado 40 a 45 annos, tem JVsta de denles,
    falla moderado, muito ladino, tem orna
    grande ulcera em trina perna, pelo que I
    vez andempniHpndo'; pedn-^e as aotfri-
    dadespoliciaes ecapitSes detanipo a
    prehensSo do mesmo, e li.va-lo no eiijif-
    nlio S. Jo5o em Gamelleirt, n nesta chla-
    de ao Sr. Domingos Jos dn Costa
    raes.
    to sortimento de machinas para costura, d-is au-
    tores mais conhecid, as quaes e.-ta > em esposa
    No ia 12 de dez mljro fugi i Jo vj r.h -
    tinili da comarca do n,-i!io o p'scravo .
    cao no mesuro >;..'.r, >garanliiulo--.!^sna iJ^'l^'; nnn:" jininges, rr preKI,
    lidade, e tambera ensina-se com perfei;ao a iodos
    os compradores. Estas machinas sao Iguaes no
    seu trabalho ao.de 30 costureiras diariamente, e a
    sua perfeic^o tal como da melhor costur .-ira de
    Pars. Apreseatam-M trabalhos exeeutadus oclas
    mesmas, jne mnito devem agradar aos preten-
    dentes._________________________________
    Vendem-sc daas pipas arqueadas de farro.
    vroprias par depoxito de lquidos: a tralsr ^a ra
    do Rangel n. 37, acoogue.
    edr prcM, de 1 annos ponco mais ou menos, thm do corpo, -. -
    dar l.pn7eiro, lera lodos os den!e.;, supi
    do em Aplpacos, por ter sida danuclle In -
    e foi comprado o anno passado ao^r. larao : i
    Xazarelli: pede-so s autoridades pnH.'r.es c -
    pitaes de campo a captura do mesnio u entn
    no rrt*mo engenlxi aaSr< fcuningns Martins
    reir M'mteiro, ou no Rotfe rna da Mo.-!\ u. .''
    andar, escriptorid de Mauoel Aires Fcrreira & '.,
    que srrao gratificados.
    I
    J -
    I
    '
    LISTA GERAL
    151

    DOS PREMIOS DA
    2.
    PARTE DA LOTERA CONCEDIDA POR LE PROVINCIAL N. 60o, A BENEFICIO DA IGREJA DE S. JOAO DE ABREU DE UNA, EXTiWHIDA EM 21 DE DEZEMBliO DE 1869.
    N3. rREMS. NS. PREM5.I.NS. PREMS.1NS. PREMS. NS. PREMS. S5. PREMS. NS. PREMS. US. PRJSM9.
    3 U 268
    9 70
    11 u 78
    2b M 85
    23 88
    29 90
    35 94
    15 302
    >6 5
    59 6
    2 17
    63 20
    es 29
    71 33
    81 39
    85 40
    93 45
    99 50
    104 52
    6 59
    17 60
    19 61
    29 03
    31 64
    32 .72
    3i 82
    W m 86
    72. u 88
    71 92
    73 99
    79 400
    2 4
    i 15
    92 T7
    99 19
    203 41
    43
    7 49
    9 55
    21 2024 56
    22 1 62
    24 68
    28 71
    32 75
    3C 79
    41 -* 81
    9 510
    67 . 24
    6 33
    *
    204
    41
    8*
    535
    39
    45
    47
    52
    57
    61
    62
    65
    68
    75
    81
    97
    99
    600
    2
    18
    21
    29
    39
    42
    44
    47
    50
    75
    77
    78
    80
    82
    89
    94
    99
    702
    26
    36
    W
    51
    66
    68
    80
    81
    83
    86
    90
    91
    94
    97
    98
    8
    13 803
    -i
    II
    17
    20
    29
    32
    41
    42
    47
    51
    M
    56
    58
    68
    70
    78
    80
    81
    87
    H
    7004
    4*
    84
    1*
    90
    96
    97
    907
    8
    9
    27
    32
    33
    37
    38
    40
    43
    47
    53
    51
    58
    63
    64
    83
    91
    98
    99
    1000
    9
    11
    19
    004
    44
    84
    44
    1020
    2't
    37
    39
    40
    41
    46
    47
    49
    52
    51
    59
    62
    64
    65
    60
    69
    70
    78
    81
    82
    85
    1103
    16
    35
    30
    37
    38
    39
    42
    46
    83
    14
    56
    58
    59
    61
    77
    78
    83
    91
    92
    94
    96
    98
    1200
    18
    19
    20
    30
    84
    44
    81
    44
    84
    44
    404
    84
    44
    1231
    33
    38
    11
    i'j
    10
    50
    35
    63
    76
    81
    S3
    87
    t362
    13
    19
    20
    23
    26
    39
    42
    45
    48
    31
    y,
    69
    :o
    79
    90
    9Sr
    1105
    12
    21
    23
    38
    39
    41
    12
    46
    51
    57
    01
    62
    67
    70
    73
    79
    80
    88
    14
    84
    1191
    95
    96
    98
    99
    1306
    7
    11
    13
    36
    14, 40
    41
    43
    47
    49
    33
    58
    60
    61
    68
    78
    81
    83
    90
    1601
    8
    13
    15
    17
    18
    26
    31
    30
    81
    31
    56
    58
    66
    74
    80
    81
    86

    91
    91
    1700
    10
    13
    4
    *"*,
    404
    44
    84
    44
    NS. PREMS. NS. PBEMS. NS. PREMS. NS. PREMS. NS. PREMS. XS. PREMS. NS. PREMS. NS. PREMS
    1719
    22
    24
    33
    37
    46
    49
    53
    56
    60
    65
    78
    79
    80
    83
    90
    97
    99.
    1800
    10
    12
    22
    26
    28
    34
    33
    - 48
    53
    61
    70
    71
    79
    81
    82
    81
    93
    M
    S.7
    99
    1901
    4
    6
    11
    13
    JS
    21
    23
    204
    44
    44
    204
    1*
    1930
    40
    42
    41
    47
    48
    57
    63
    69
    77
    82
    87
    t 90
    te
    8
    10
    12
    19
    28
    32
    35 "
    42
    18
    56
    57
    59
    60
    71
    73
    99
    [2116
    17
    21
    24
    32
    31
    33
    36.
    46
    :o
    52
    5o
    .18
    I
    63
    71
    77
    -.\
    i o*
    89
    44
    84
    44
    104
    44
    84
    44
    84
    44
    I!
    2190
    2201
    8
    9
    12
    11
    21
    21
    29
    31
    36
    40
    42
    43
    45
    W
    51
    53
    62
    67
    71
    86
    87
    93
    64
    2300
    1
    2
    3
    7
    1
    17
    28
    30
    35
    12
    53
    61
    87
    74
    83
    81
    91
    94
    98
    2401
    n
    13
    17
    44

    4:0004
    4$
    84
    45
    84
    41
    84
    44
    2119
    23
    26
    28
    48
    50
    51
    56
    58
    64
    71
    74
    76
    78
    95
    2501
    S
    8
    16
    19
    20
    21
    27
    30
    31
    37
    -45
    46
    51
    54
    56
    59
    70
    83
    86
    87
    88
    91
    98
    2602
    0
    19
    27
    31
    34
    40
    13
    44
    44
    2659
    65
    66
    74
    78
    79
    86
    97
    2702
    3
    11
    12
    15
    21
    25
    26
    28
    29
    30
    31
    41
    51
    55
    56
    5/
    66 -
    85
    84
    44
    71
    75
    78
    83
    81
    94
    97
    99
    15 2802
    3
    5
    19
    21
    23
    30
    31
    16
    47
    51
    5i
    84
    44
    204
    44
    84
    44
    2857
    59
    64
    66
    77
    80
    84
    90
    98
    -2904
    18
    20
    27
    33
    33
    36
    38*
    46
    54
    61
    63
    65
    66
    67
    70
    74
    76
    81
    93
    90
    3000
    9
    44
    13
    14
    17
    26
    '33
    44
    30
    09
    71
    76
    83
    PO
    3101
    5
    i
    2U
    3127
    28
    30
    32
    33
    34
    36
    37
    40
    52
    53
    34
    59
    61
    63
    66
    68
    72
    73
    74
    80
    81
    83
    85
    90
    93
    93
    97
    98
    3200
    3
    3
    12
    29
    30
    30
    ;,.
    m
    61
    65
    70
    :i
    81
    3303
    13
    U
    17
    18
    44
    84
    44
    84
    44
    204
    44
    83
    13
    3320
    23
    36
    38
    47
    60
    84
    .83
    87
    3407
    9
    12
    16
    28
    30
    31
    34'
    36
    r 39
    41
    42
    48
    54
    65
    68
    73
    76
    86
    88
    95
    97
    3303
    7
    II
    13
    16
    17
    18
    19
    22
    26
    32
    43
    45
    50
    oo
    57
    59
    71
    44
    84
    44
    8/
    44
    3379 44
    80
    87
    88
    91
    98
    3601
    8
    21
    22
    29
    32
    33
    31
    33
    36
    42
    17
    48
    ,50
    61
    70
    81
    82
    89
    96
    98
    (3702
    44
    84
    41
    204
    43
    84
    44
    1
    9,
    12
    13
    13
    10
    17
    19
    29
    32
    36
    37
    39
    40
    16
    17
    50
    76
    81
    88
    81
    3801
    10
    11
    26
    28
    29
    35
    11
    43
    46
    60
    63
    61
    66
    70
    82
    89
    96
    3902
    1
    6
    12
    13
    15
    17
    19
    24
    26
    27
    29
    30
    33
    42
    46
    50
    54
    61
    68
    09
    72
    80
    81
    89
    95
    96
    4000
    5
    11
    18
    14
    84
    204
    i;
    34
    5
    021
    27
    29
    30
    10
    43
    58
    59
    '63
    63
    09
    71
    72
    73
    71
    76
    77
    79
    80
    82
    87
    89
    93
    1107
    8
    21
    25
    28
    JO
    31
    37
    42
    31
    70.
    78
    83
    81
    87
    93
    97
    4206
    9
    15
    16
    19
    is-
    as
    30
    36
    rs. NS. PREMS. NS. WtEJlS.
    44 1237 14 51 ii
    38 53
    40 39
    49 _ 00
    60 _ 66
    61 _ 73
    61 __ 82
    81 __ 83
    82 87
    86 __ 91
    84 88. 96
    44 93 4315
    1300 26
    1 _ 32
    3 _ 36
    9 H, 38
    12 _ 47-
    * 20 49
    21 __ 50
    21 51
    2f -- 52
    31 --- 58
    33 67
    36 -- 78
    10 85
    42 __ 91
    43 - 93
    SI --- 4605
    33 7
    61 -- 10
    63 12 .
    % 68' --- 21
    70 22
    73 26
    78 32 .
    80 37
    83 38 ,
    88 30
    91 --- 42
    93 43
    104 4401 47
    43 9 --- 53
    21 --- 53
    22 *- 5G
    23 87
    33 60
    14 67
    *. W
    30


    Diario de Pernambuco Quarta- feira 22 de Dezeinbro de 1869.
    UmtATRA.

    ssystema de dlfTerentes moe-
    das nter nacionaeti,
    fdantMafS)
    II.
    E' qnesto disentida todos os das, o que
    a fot coro urna certa solemnidade na confe-
    nci? internacional de- 1867, em Pars.
    Mem disso a moeda representa h"je, as
    retacos internacionaes, um papel queiran-
    to nao llie caba.
    O metaos preciosos vio sendo trocados
    a pmporcOes consideraveis. Una autor,
    qoe eu j tive occasiao de citar com elogios
    * Sr. Clement Juglar deraonstrou-nos qae,
    * periodo de 18*1 a 1817, o movimento
    *js metaes preciososetn Franca,foi, termo
    medio por anno, de 216 292 milhoes ;
    no anno de 1866 elle elevou-se a 4554 mi-
    mees, sendo mais de don? tercos em moeda
    metlica, isto era moeda, qae, para entrar
    a circulacio do paiz onde chega, precisa
    traustormar-se, soffreodo os prejuizos inhe-
    leotes a essa transtormacao.
    Por isto pde-se julgar da importancia e
    ergencia da reforma, e nlo extranbavel
    fue se Ihe di' a preferencia sobre a unida -
    de dos pezos e- medidas. De mais esta
    nilima j ronsaguada legalmente por 300
    milhoes de individuos que adoptarn o nosso
    systema mtrico, e, desde que a lei n8o se
    appuztr ao maior ou menor nso desse sys-
    toma, elle ser* usado completamente. A
    eoidade monetaria, tal como resulta da
    renveoco 4e 48a*,-ola tem mais do que
    WO milhoes de anherentes : assim pois
    *>bre esse ponto que coswem dirigir os mais
    instantes esfurcos.
    Muitos syslemas se tem apresentado para
    ealisar esta nidade.
    Nos temos o proposito da examinar as
    principaia. comecando pelo mais radical,
    por aquello que consiste era n8o levar em
    conti as moedas actuaes, tomando o peso
    orno a base da reforma. A unidade de
    jeso, segundo o systema mtrico, a gram-
    4i i com os sous mltiplos e submlti-
    plos.
    Applicando-sc esse systema moeda, e
    onhaudo-sc pecas de ouro com o peso de
    Mina gramo, elles ficarao muito peque-
    as e terlo o valor de 3 francos aproxi-
    madamente ; pelo menos de 5 ou lOgram-
    mas, ou menos d 2 que ellas devem ser
    eitas, visto como sendo menores, conser-
    var-se-hia a mosda de prata. Com esse
    y.Ucoia tambera se acha opportuno fabricar
    moedas de prala de ura peso e titulo de-
    terminados sem curso legal; conferindo-se
    tambera barras do mesmo metal, e Qcando
    cada um livre para estipular em seas con-
    tractos qual dos dous metaes prefere para
    * seo pagamento. Dessa maneira d-se
    salisfaco qecllcs que pretendem que se
    ao pode rejeitr absolutamente a piala, a
    qual desempernas um til papel na circula-
    do ; esse systema de mais lgico e qua-
    dra com o conjunetto do nosso systema de-
    cimal.
    Aeredita-se que nlo baveria difliculdades
    mu faze!-o adoptar, c que trocar-sc-hia fa-
    lmente um hectolitro de trigo por 0 grana-
    mos e 151- milligrammas de ouro, que
    koje valen 20 francos.
    E>te systema, posta era voga pelo Sr.
    Len, cngenttdiro director de pontes e cal-
    ladas, foi muito particularmente sustentado
    por urn economista eminente, que tem con-
    quistado grande competencia nestas mate-
    ruis, e que sempre d muita autoridade as
    ;das que ello patrocina, fallo do Sr. Mi-
    guel Chevefcer. Elle merece, portento,
    ser examinado muito seriamente.
    A primeira objecelo que se Ihe oppem
    i de ordem a nao ser esperada. Apresen-
    la-se esse systema como sendo conciliatorio
    perante todas as susceptibilidades nacionaes,
    iuscepbilidades que despertam a escolha
    da moeda universal.
    Os inglezes nao querem o nosso franco,
    as nao queremos o soberano delles; os
    americanos de boa vontade propem o seu
    dolar, e os allomaos o seu thaler.
    Como ebegar a um accordo em meio de
    to diversas pretencoes? A unidade de peso
    parece ludo conciliar, porque repousa so-
    bre una base que nao pertence a ninguem,
    u antes que pertence a todos; todava res-
    pondera, do outro lado do estrello, que nao
    ha unidade de peso e de medida absoluta,
    H'-ie por si mesmo se iraponha, assim como
    o ouro c a prata se impoem como signaes
    monerarios.
    FOLHETIWI
    OS CASACAS PRETAS
    ROMANCE
    POE
    Paulo Fval
    Terceira parte
    i S^OnBT.4 DE PAR
    III
    ifteseohcrta da vaeclna
    (Continuaco don. 291)
    Sahio extremamente commovido, porque
    no careca de ogulho, e o pensamento de
    .tender a mo huralhava-e mais nao
    'poder ser. Felizmente nao teve precisan
    He chtgar la! extremo. Esta va no grao
    de nma1 porta o alraoco de urna visinha
    eonfiado probidade publica, Ecbalot so-
    prott-o, para empregar esse termo fagueiro
    que atavia e exalta, a idea de roubo. Es-
    tove ya i nao val exclamando como no thea-
    tro : E para meo filhhn, Senhor!
    Brota va, porm. n'olle o orgulho do ofl-
    cio, e disse corrtsigo ao voltar ao covil.
    Vanan nos ejercitando. Hoi de con-
    ta-lo ao Amndou.
    Assim como assim, prosegoio dando
    de beber ao S iladim, que se callou apenas
    hc chegoo o leifa ao toco, j que me re-
    dnzram isso, preciso saber do ofGcio,
    rao verdade, fllho*? Como isto beba,
    ?jam l, vejam como bebe I Olha que te
    eogasgas. niaroto. Por onde passa engor
    4a, heim? qo^ di^es, meo ratazarta ?
    Estava radiante, e toda a paralo mater-
    bb lh brilhava nos olhos.
    Anda qoeafinal, a vizinha n3o ricaf
    ~Bea, que contva educar o Safcidim na
    senda da honra, cora o meus pos de taco.
    Gra, que tem ? No primeiro negocio que
    se fizer, restitue-se t vizinha o dinhoirt
    4 leite. E nurrea o pequeo tber por
    O mstrofqee o ponto do partida de
    todo o systema, urna medida de cor,
    fo. Para estabeUcel-o toraou-se a qtfa-
    dragesima millionesima parle do meridiano
    terrestre, passando pela Franca, entre
    Dunkerque e Fromentera; porm a esoo-
    Iha dessa unidade foi arbitraria. Os ingle-
    zes vos dizem quo a sua jarda, como me-
    dida de extensSo.Oa sua libra (suboNvidida mt faz retrogradar a crril$*$So?- Ae-
    em graos), como medida de peso, slo *>] m uVpeso perteneeas sociedades primitivas
    racionaes como o nosso metro e a nossa
    gramma, e rauito -mais usuaes do quel
    elles.
    Acrescentam mais que a nossa gramma,
    introdozida no systema mtrico por ser a
    centesima parte de um metro cubico-do
    agua distillada na temperatura de 4 graos
    cima de zero, nao medida menos arbi-
    traria.
    Seguramente qae n3o nos constituire-
    mos o echo das qoeixas contra o systema
    mtrico; acreditamos que elle prevalecer
    apezar de tudo, pois nio menos certo que
    elle foi concebido por inleiro muito acien-
    tilicamente. N5o se tem investigado por
    miado das cansas e antigos usos que for-
    Caram a estabelecer-se esse systema no-
    ta-se qae as unidades sobre as quaes elle
    repousa s3o, ou muito fortes ou muito fra-
    cas, para os usos ordinarios.
    A gramma, como unidade de peso, in-
    contestavelmente muito fraca, e por isso
    com muito trabralho que ella ntroduz-se na
    pratica, onde quasi que se conta por libras
    e por oncas,
    Essas medidas slo mais naluracs, ellas
    correspondem, com muito pequeas diffe-
    rencas as que se acham em uso entre a
    maior parte das naces (I). Nlo foi o acaso
    qae fez laes approximacoes, (orara as ne-
    cessidades.
    Acontece o mesmo com o p comparado
    eom o metro, esta ultima medida muito
    forte.
    Finalmente o litro nao subslitue fcilmente
    a garrafa, e a geira subsiste ao lado da are
    e do hectare. O systema, portante, nio re-
    presenta o ideal e presta-so muito critica;
    mas apezar disso elle tera urna vantagem,
    que ninguem contesta: a dcciinadade. Com
    elle pde-se, alterando simplesmwite a col-
    locaclo da virgala, calcular muito rpida
    mente sommas consideraveis. Toda ques-
    to 6 saber se poderemos obter essa van-
    tagem com as moedas actuaes, e isso nlo
    padece duvida. Com cffeito, pouco importa
    que ellas correspondan! em peso a um al-
    garsmo inleiro, ou a um algarismo fraccio-
    nario; basLi que ellas entrera no systema
    decimal, e que se possam multiplicar e di-
    vidir por 10 e por 100.
    O franco nao corresponde a um algaris-
    mo redondo, como peso ; elle representa 4
    grammts e meia de prata pura. A peca
    de ouro de 10 francos pesa 3 grararaas
    225, e a de 20 francos pesa G para as
    e 451. Isto, porm, nao impede que
    ellas 'sejam perfeitamente decJmftes.
    O que e que falta ao florim, a libra es-
    terlina e ao thaler para que o sejam igual-
    mente ? F.ilta-lhes ler mltiplos e sub-
    mltiplos expressos em moeda. O dollar
    americano 6 decimal, porque existe urna
    moeda fraccionada chamada o cen, que
    a centesima parle do dollar. Por con-
    segninte o systema da gramma nada simpli-
    fica, antes apresenta-se como urna compli-
    cacao de mais, por isso que elle nlo com-
    pletamente decimal.
    Portanto nao se podei a fabricar moedas
    adoptando essa unidade; e ainda menos
    fahricar-se-hiam com o decigramma ou o
    centigramma. Qnantoas moedas divisiveis
    de prata, rilo ha nenhuma que sejaem peso
    exactamente a decima parto da moeda da
    ouro.
    0 valor do decigramma de ouro re-
    presentado por um peso de I gFamma c 55
    centgrammas de piala.
    I>rzcm Tmvrwij systema o rt^^^^H
    primeira.ivt.u- na abenans o que signifi-
    ca a lgica qnando se traa de sdticias
    soeiaes que sb applicam'quillo que ha de
    mais relativo, e que deve levar em
    conta
    Cbes.-
    Em segundo
    gastos, os hbitos o as tradi-
    lugar, que lgica essa
    (I) Sao estes os padres de
    differentes paizes, comparados
    logramma-:
    Austria e Baviera........
    Bohemia...............
    Francfort.........,___
    Dinamarca.............
    Hanovere Hollanda......
    Hamburgo e Suissa.
    antiga.
    Franca
    Hespanha e Pru sia.
    Saxonia...............
    Inglaterra e Portugl
    Hussia...............
    O p corno medida de
    igual em quasi todos os paizes ; vana
    30 a 33 centmetros.
    qmdo acesario quo cada um proceda
    rifkatao por si me sin >, por falta dega-
    raotia derivMa.dm (iscasar*) do estado:
    anda ella usada na China,,onde cadapes-
    soa tem a sua balanca para pesar as barra*
    melallicas que recebe.
    A medida que a vilisago progride, a
    moeda d pw desapparece para dar lagar
    a mocik'de'mYvem|S, isto, anata moeda
    mais simples, devidamente certificada pelo
    estado, e que lodos aceitam com a fe de se-
    inellianle garanta Ella tem sobre a ou-
    tra a mesraa vahtig.m que, em urna
    lingua, tem a palavra sobre o signa!.
    Tahcz que o signal 9*>Ja mais expressivo,
    porm menos rapldi); e qnmdo nos nos
    entendemos por meio da palavra, o oniro
    meio lOrna-se intil. O mesmo acontece
    edm a moeda de convenci: sabendo-se
    qianto ella vate em relaclb a tal ou qaal
    mercadoria, isso bastante.
    Finalmente, parece que a idea da gram-
    ma tem se apresentado como dettlfflcil ap-
    plicaclo, porquanto al o presente ella tem
    adquirido poneos adherentes. eapenas foi
    indicada na conferencia de 1887, deixando
    de ser sustentada no ultimo Inquerilo in-
    gle*
    Vejamos agora um ontro systema; aquel-
    le que tomou a dlanteira oa confereacia de
    IW, conferencia quo, como se sabe, fui,
    om grande apparalo, presidida pelo prin-
    cipe Napfileao.e provocada pelo Sr. P.irieo
    que ja HMi o me*ito de ligar o s-m nomo a
    primeira base da unidade, rva convenci de
    1865.
    A conferencia era composta de homens
    os mais competentes da Europa, delegi-
    dos por todos os paizes; perdoe-se-me a
    exprossao, mas nesses debates andou se um
    pouco as cgas. Disctio-se som que nada
    fosse de ante-mo preparado, receiavam as
    resistencias quo as innovaces muito radi-
    caos pudessem levantar, e procurou-se urna
    soluclo que saiislizesse a todo o mundo.
    Foi proposta a moeda de 25 francos, aim
    de agradar a Inglaterra, a de 15 para com-
    prazer com a Allemanha, fallou-se na moe-
    di de 10 francos, c chegou-se at a de 5
    francos, por ser um divisor commum ato-
    mis as outras.
    Separaram-se todos para referir aos dif-
    ferentes governos desses prelijninares, m is
    quando depois as cominisses tiveram de
    estjdar o oslado da questlo, vio-se que a
    moeda de 5 francos nao linha urna nica
    vantagem essencial.e que nlo atlirigia ao lira
    que se linha em vista.
    Primeiramente ella nao decimal por si
    mesui;i, ella nao senao o mltiplo de urna
    unidade decimal, o franco, demais ella em
    ralos estados, representa ura algarismo
    muito fraco, nlo estando em relaclo com
    o progresso da riqueza, que agora se con-
    ta por milhares de milhoes e nem lio pouco
    com os desenvolvimentos econmicos de to-
    da a especie. '
    Esta objecrlo foi sobro todas apresenta-
    da pelos inglezes que declararam tambem
    que a libra esterlina apenas linha contra si
    o ser muito forte.
    Nos observamos que um paiz do norte,
    a Suecia, pelo relatorio do seu delegado na
    conferencia, propoz que se estabelecesse
    a moeda de ouro de 10 francos como aquel-
    la que consliluisse a unidade monetaria do
    paiz.
    Finalmente, no ponto de vista da ^ircu-
    lacSo, fez-se a moeda de 5 francos una
    _ ultima objecejio, dizendo-se que, cunhado
    pesos, de em ouro, ella ficaria'muilo pequea, fcil de
    com o k- ser extraviada, e muito susceptivel de dete-
    riorarlo.
    Um dislincto economista inglez, o Sr. Je-
    vons, eslabeleceu ltimamente ura calculo
    rauito curioso.
    Elle comparo os soberanos e meios so-
    beranos que se a:ham na circulacio a um
    certo numero de anuos, e verificou que os
    meio soberanos gastavam-se mais depressa
    do que a m teda inleira; que esta poda per-
    manecer na e'R-cufaelo, sem diminoir o pe-
    so legal, por espaco de 18 annos, ao passo
    que a outras moedas nlo permanecan) in-
    tactas por mais de 10 annos.
    Esta experiencia prova que, com a moe-
    da de 5 francos a deterlorac-lo seria ainda
    0,56
    0,51
    0,50
    0,49
    0,49
    0,48
    0,48
    0,46
    0,46
    0,i5
    0,41
    comprimento,
    que artes diablicas Ihe preparara as ri-
    quezas de que no futuro ha de gbsar.
    Tinha fome ; vasou todava" religiosa-
    mente para dentro da garrafa o resto do
    almoco do Saladim, que dorraia j bom
    dormir.
    Nunca urna dita vem s. O prefendioso
    falsete de Similor executou volatas na es-
    tada. Violenta esperanca comprimi 6 eo-
    rai;ao de Ecbalot, que pensou :
    Talvez que os do quarto aAdar Ihe
    fallassom para a mulher.
    Similor entrn com ar tr i amplan te e
    atirou para cima da mesa orna mancheia de
    cobre.
    da volta ? pergnntou deslumhrado
    Eclialot.
    Se nlo fosse eu, que seria de w'is
    todos 1 J a casa tinha viudo abaixo.
    As ventas *o bx-pharmaceutico dilata-
    ram-sc-lhe com suspeitosa wlupia.
    Tu Debeste aguardeate, Amadeo !
    pronunciou baixinho.
    Ento, e depois ?
    Tinbamos feito juramento de que na-
    da tomaramos s escomlidia e una sem o
    outro.
    Suspende amigo I Para urna pessoa
    fazer negocios preciso tratar com o su-
    geito, nao verdade ?
    assim, Amadcti, ih*se seroaada a
    dbna da casa. Qual sugeto ?
    Para tratar com o sugeil entrase
    n'um caf, n'um bilhar...
    Qundo ha com qua, Amadeu.
    E se o ontro quam offerete *
    Estis bem hora, palavra qu esls !
    exclamou Echafot cora a Imiraeo inveja.
    Nao erara ires meios para dous que
    obtrnham esse resultado sbre ura lomem
    da minha tempera Pega* tu no dfiapffb";
    filo tarda que a gente saiba o que venl a
    sre em (pae vem a parar os taes mysle-
    ros de romperlo dia etminha ? tfoufros
    qte taes. P go duas salchitias e, a' Compe-
    tente pinga.
    Gracas. meu Deusl m'armurotr Echa-
    of Veremos lfim luttr pira nds lias
    Similor apoiou esta exclamacao, que roe
    recordsva mais de um qninto acto. A
    cofisciencia que traba dos seds recursos
    pafiha-o de excellente feiclo.
    Ha um Ente supremo para o vnlgo,
    disse ; isso 'nld soffre duvWa ; mas quera
    tem trnmpho sabe tornar-so superior pela
    audacia. Isto de honra orna historia ;
    quetn se deixa levar por semelbarites petas
    apodrecetoda vida na miseria. Se nlo
    fossem ssas fraqueftas no principio da mi-
    nha careira, oceasioes nlo all-ram, e j
    asta hora poda ter repelBdo para longe
    a indigencia, qua atse oppo aos negocios;
    porque, na ordem social, se es pobre, com-
    mettem a injustica de te deaprtrar; peto
    cf'ntfario, se pt'ocuraste a abastanca por
    tedia' a asta de infidelidadesr a rrzinhanca
    ti a-e o chapea. isto verdade ou nlo* ?
    verdade, respondec EAalot, flu
    pe sea va na-cama un farrapitos hidescrip-
    ti.eis e os ia amontoando.
    Assumira Similor a sua attitude orato-
    ria. Nao podemos affirmar que se pare-
    ce sse com o archnjo cahido arengando ao
    leante da sua infernal cohorte ; illumina-
    va-me, porm, a fronte abatida o singello
    orgulho dos revoltosos, e fema-lbe piscar
    os olhos enfermos. Na misera e heteHo-
    cl,fta pbysionoma, linba elle estampado un
    tudo nada da graca parisiense, viveza na^
    Uva que a raar crescente das parvoicos
    ersiaadas nlo ptfe afogar inteiramente.
    Similor nlo era do pavo : o> pavo traba-
    da ; partencia s vagas catbegorias, cujo
    perlgos' e burlesco conjunte designado
    pil norae de bohemia : eryiipefa que traz
    era continuo proriJo a pello dagrande ci
    d.ide e que deliciosos poetas- tem cantado.
    Prevnolos de auto um recencemento da
    betiemil, dirigido com escrpulo, havia de
    causar espanto om Pars, mirnida ou se-
    benta, poltica, financeira, litteraria, ar-
    tistica. pBilosophlca, religiosa,piwque ha
    be hernia religiosa, e o sen representante d
    que fallar ; quar penetre as salas,
    queY escandaliseos palraloris, quer apenn
    chafurde no rio, a bohemia a mmemia :
    una lepra. Do alto baixo da sua desor-
    'tr.m rpida, e que as ntees perleriara ca-
    da ni i nma som n i mu.t i c msid 'ravel
    somante com esse prejuizo da uweda in-
    ternacional. Os inconvenientes'da m oda
    de 5 francos slo to geratmante sentidos
    qu3, no inquerito que so acaba de proceder
    em Eranca, aceita do padro dopla, a
    maior parle das autoridades consultadas
    enUmderam de ver exclu la, pronuncindo-
    se lodos os votos era favor da moeda de
    .ouro. Tod >s aquellos que lem sida forca*|
    dos a jeolner a moeda de 5 francos, o fa-
    zem por snppor que ella melhorse adapta-
    r as moedas que tora curso actualmente
    nos dierenos natna, pela racfifle s-r eHa
    urna diviso Ma libra es erlmlj reduzUa a
    25 francos, o igualmente um dos termos
    da ofluaeaoqne os allcrnies estdietoceram
    m 1857, afim da gradnarmn a proporcao
    de suas moedas. Essa equajSb era pela
    segninte forma: i thalrs. O florins do snl,
    7 llorn.s do norte, 15 francos da moeda
    franceza. Tambem a moeda dj 5 frincos
    parece aprox^mir se do dollar americano e
    da piastra hespanhola, visto nao Havw
    grande dflcnidade em ftindi-los junta-
    mente.
    Entretanto nlo se havia refle:tido que
    essa asshnclo era raais apparenlc do que
    real, que cnstru o mesmo quo crear um
    outro typo monetario e dar a libra crter-
    na o valor de 25 francos; por isso que f6-
    ra preciso refund-la, e os inglezes nlo se
    achara disposlos a subtrahirem a menor
    fracelo de suv libra esterlina^ que a base
    de todos os centrados. O mesmo aconte-
    ce com q dollar americano, ipie vale 5
    francos c 50 centesimos, e com a pis-
    tra hespanhola, que lem ignal valor.
    Demai-, com semethante system nlo se
    estabelece a anidado. Qaal a primeira
    vantagem quo ella d ;vd trazar ? E' que
    todas as coalas serlo eitas p:la mesma
    forma e com os mesinos algansmos; ora.
    so uns podem usar da anidada de 25
    flancos, oatros da 15 francos, o oulros da
    de 10, serlo semp:e precisos no vos cii-
    culos, para redozir ludo ao divisor com-
    mum de 5 francos.
    Por mais simples e facis que sejam
    esses calcu'os, elles si > sempre um obst-
    culo identi lade absoluta das contas, que
    nlo poderlo ser comparadas enlre si, ao
    primeiro lance de vista.
    Alem de ludo isso; consideran lo-se que
    as subdivises da moeda de 5 francos
    nlo correspondem a nenhuma das moedas
    existentes (excapia as do grupo dos adhe-
    rentes convenci de I8U5), ninguem
    se entendera, acerca dos valores inferio-
    res a essa cifra, e faltara mios pira in-
    dica los todos da mesma mineira.
    Como todos sabem, esses valores slo
    era definitiva, os mais numerosos o inte
    ressanles ; pois slo elles os que, as cir-
    culares e preces crrenles, indicam o
    preco das mercadorias.
    Convem qu-} a unidade nlo seja feita
    nicamente para as contas de altos valores.
    mas tambera para as pequeas contas.
    Sao essas as objeeoe? que inmediata-
    mente appareccrlo, quasi em tolos os
    paizes, contra a moeda de 5 francos, que
    foi logo arredada da discusso. De culo
    em diante nao houve raais systema, que
    se pos"sa diter que tenha urna autoridade
    quasi official ; cada ura ficou cora a sua
    propria iiKpiraclo, e por isso qae v,nos
    boje reproduzir-se o systema da gramma
    (acerca do qual j traamos), e depois dclle
    um systema, exclusivamente inglez, o qual
    passamos a examinar.
    Esse systema, apresentado no Economista
    e sustentado por um hornera importante, a
    Sr. Walter Bagehot, director dessa revista,
    nao tera por (im realisar a unidade absoluta;
    ref rc-se a raca anglo saxonia, a qual
    propc wna opinilo monetaria, smente
    para ella, salvo o caso dos outros^ povos
    tambem adoptarem o systema. por acga-lo
    conveniente. Eis ahi qual seria o plano :
    A libra esterlina, tal como existe, nlo
    decimal ; nlo ha na moeda ingleza, diviso
    por 10, por 100 ou por 1,000, qual
    ella corresponda. Convem, portanto, faze-la
    decimal; urna vantagem essen :ial para
    a simplicidade das contas, que os inglezes
    como todos bom o i-econhecem.
    Far-se-hia decimal a libra esterlina, to-
    mando por base o farlkini, que a
    menor moeda ingleza, assim como o quarto
    de um penng.
    Mas, a libra esterlina s vale boje 960
    fartbings, e, portanto, para ella valer 1,000,
    preciso aogirtentar-lhe 10 dinheiros ou
    40. fartbings, o que um augmento de
    pouco mais de 4 /0. Feito isso (que bre
    yemanto vorenm sea oa coasa faU), os iCttflnrf e ^ w renreseirtada pelos *n
    inglezes se entenderlo com os amencanis, apntou. EAS^iv-r-se-ln I libra aer-
    diztiodo-thes: A nossa libra esterlina,
    augmentada com mais 10 dinheiros, equi-
    vale ex aclmenle a non moeda qae possu-
    isse, o que ser a unidade monetaria, a
    maia-agoia da 5 ottars : e como, em
    fsla de um acfb do nossa congresso, o
    dollar vale 4 shellings, e 2 dinheiros ;
    os 5 dol ara serio a representaeao exacta
    da nossa libra esterlina. Podereis, por
    tanto, conservar todo o vosso systema rao
    netario, e o vosso cent, qua a centesima
    parle do dollar, ser a quinquagesima
    parle da unidade, Essa mudada ser di-
    vdala por 10 o'por 100, tomando, em
    cada diviso, urna-moeda correspondente.
    Demais, o cent ser o eqnivaleote do
    Itf-peni.y- inglez, e assim, tanto as sabdi-
    visoes, como na moeda principal, a assi-
    milagaq ser completa e os dous paizes se
    eritendero perfartamente.
    Qaanto'aos inglezes, se elles s3o obriga-
    dos a modificar a libra esterlina, consr-
    vala ao menos as suas moedas miudas,
    o penmj sobretudo, qae a alma do sys-
    tema inglez, e qu3 muilo apreciado por
    todos.
    Os que propem esse plano reconbecem
    que elle nlo tem muitas probabilidades de
    ser adoptado pela rac latina, mas ellas
    dizem que a raca anglo-saxonia a mais
    industriosa e commerciante, a que faz
    maior nomero de. negocios, e, ajsimpois,
    logo que ella possua a unilo monetaria, o
    problema se acha qaad resolvido, nao
    sendo cousa de grande" importancia a di-
    sidencia das outras nacoas.
    No exame deste systema, nos pretende-
    mos rtesembaracar-nos de qualqaer idea
    franceza e sappor que nao pertencemos a
    essa raca latina, tida em lio pouca conta,
    a tira de vermos se, no ponto de vista
    inglez o americano, o systema tera todas
    as quali lides apregoadas.
    Primeiramente sa alhrma aos americanos
    que nenhuma raodificacla se Ibes pede
    deixando-se no statu quo o seu systema
    monetario ; isso um erro. Os america-
    nos, com effeito, possuem 'o dollar" que,
    por um acto do congresso, vale 4- shillings
    e 2 dinheiros, mas o dollar de prata o
    qual j pouco existe na circulacio e tende
    a desapparecer de todo. O dollar de ouro,
    que a moeda usual, nlo vale 4 shillings
    e 2 dinheiros, porem sim 4 sb llings e l
    dinheir. Provena essa diferenca de ser,
    na America, ooitro taxado legalmente por
    um preco que dezaseis vezes o da prata,
    e cora esse valor superior ao que elle re-
    almente tem, o dollar do oaronao o equi-
    valente do dollar de prata da mesma forma
    que, em Franca, a peca de ouro de 5
    franco: nlo vale no coinraercio o mesmo
    que a moeda de prata do valor de 5 francos.
    E' preciso, portanto, que os americanos
    angmentem um pouco o valor do dollar de
    ouro, augmento que de 2 0/0, para pl-o
    de harmona com o novo systema.
    Para isso elles s tm um mel, que
    refundir tanto as aguias, como as metas
    aguias, accrescentando-lhes um pmmj, que
    quanto Ibes falla. Ora, semelhante pro-
    cesso trahalhoso, e, os Inglezes que se
    mostrara to susceptfveis acerca da integri
    dado de seus contractos, empre que se tra-
    ta de diminuir alguns centesimos na libra
    ganisaclo, o proprio da bohemia julgar-
    se sagaz e ser bolonia al ao excesso. Tu
    do nega, salvo o que nlo devera affirmar.
    S acredita no absurdo, que para ella
    palladium e sacramento. Os letrados da
    tribu chamara aquele idolo o paradoxo.
    Os outros servem-n'o sem saber como, e
    assim vao vi/endo sem dar por tal.
    Todos elles tem urna liuguagem especial,
    ama gyria, composta de frangafhos litte-

    rarios cozldos uns aos outros pelo systema
    dos alfaiafes -de arleqoim. E justamente
    aquella linguagera que o trahe que de-
    nuncia a origem litteraria da sua enfermi-
    dade. Nio trio de encontrar nm nico
    bohemio que nlo tenha libado o veneno
    puraseologico.
    Ha algtms que receiam Voltaire, outros
    escorchara Bossuet. ItebaixandO assim a
    es;ala daVintleHigencias'.sobrepem-'se estes
    desgracadOs etn innmeras carnadas, das
    quaes algumafS desvarara com a oppost-vo
    dos almanacks, o cliiste das farcas e o
    sentimento dos ineio-dramas.
    A' ponto tal-, que profundando este sin-
    gular assumpto, chega-se inesperada con-
    vicco de que Prud'nomme ura bohemio
    e todos oa bohemios slo Prud'homens.
    Por cosequencia, coatinuou Similor,
    tmpulsiBdo o opulento repertorio das
    suas reminiscencias, a sociedade franceza
    omposta- de parvos e espertalbes-que sa-
    bem tirar com todo o geito o p do Iodo.
    Os primeiros slo logrados, pelos outros,
    como de jostica, gemendo sempre na op-
    jresslo do Hypocrita, que tem afranjado
    muit i bem e seu farnel, e diz : Isto por-
    tence-me, nlo quero que Ihe hulam I Ahi
    lene o que a lei, fita pelo primeiro que
    itafulbou as algibeiras. Queres enlo con -
    Liervar-te ao poprobrio da pobreza e nun-
    da teres ae Iba cousa com qae te possas
    entregar ao mnimo p/azr f
    Nao, nio, replcela Ecbalot, que en-
    'rouxava Irapagem. Csnvieraos j em
    que s deviam desprazar os vlos preicoa-
    ceitos da fionra.
    Toca a andar, xclanaou Similor. Ao
    tenos '-tyreeiso aprdveitar-noa dot nossos
    esterlina, parece que nlo fazem rauito caso
    da perlurbaclo que querera causar na Ame-
    rica, e isso para obter urna unidade parcial,
    simplesmente a unidade da raca anglo sa-
    xonia.
    A proposta dos Inglezei tambem nlo
    fcil de ser realisada na parte que Ibes diz
    respeito.
    Augmentar-se-ha 10 .dinheiros na libra
    esterlina, ficando ella valendo 1.000 ar-
    things em vez de 960, para quo ella possa
    ter divisoes decimaes; mas esses 10 di-
    nheiros obrigara a urna completa refundilo
    do systema monetario. Primeiramente des-
    apparece a libra esterlina, esta antiga moe-
    da to conhecida, e que por si s regula
    (como elles dizem altivamente) um maior
    numero de transaeces do que todas as de-
    mais moedas do mundo. Em segundo lu-
    gar, o qae fica sendo o sbilling ? ao que
    elle corresponder ? Nlo ser mais, assim
    come boje a vigsima parte da libra; fi-
    car sendo a vigsima parte e 10 duodci-
    mos ; isto nlo ter miis relaco com a
    libra esterlina.
    Ficam apenas o penny e o farthing. Sem
    duvida, para remediar esses inconvenientes,
    que slo. consideraveis, far-se-ha da nova
    moeda una unidade de conta, que nlo fi-
    gura na circulacio, que nlo necessario
    Que qaeres tu fazer d'esses tra-
    enmes.
    pos ? _
    a roupa saja, Amadeu. Vou ao
    canal lavar as fraldinbas do Saladim.
    Ah Bem podia a historia d'aquelle
    terno Ecbalot imitutar-se tambem a Qtct'da
    de um Anjo 1
    Pegou na trouxa", e lan'cou ralo do Sa-
    ladim e da garrafa. A idea de papar urna
    salchicha cingia-lhe a fronte rom re-plan-
    decente aurol'. Similor, carcter mais
    mandano, ia um tanto envergonhado da
    tronxa e muito do rapaz. No pensar d'ellc,
    a innocente creatora prejudicava-o para cora
    as-damas.
    certo que a miseria nada tem de c-
    mico, e sobre ludo quando atira com umi
    alma boa para abysmo. Experimentamos
    urna especie de phdor ao pintar esta' fa-
    milia macha circulando em Pars. Ecbalot
    carregado com o trplice fardo e tirando
    certa meiguice e modestia das soas miilhe-
    rengasfunecoes. yimjlr, sempre gentil,
    sempre altivo, caramba ndo de cane'Ha afiam-
    brda, cora a ponte do raarotinho fura da
    algibena, requebrtrado-se com o seu pa-
    letot amarellado, levando banda o caapo
    ciflzenlo, disparando olhos matadores atra-
    vz das vidracas das lojas e afastando-se
    gustosamente do amigo para ftier acredi-
    tar que era solteiro.
    Assentaram-se em austera taberna,
    defronte de una mesa de pinho, negra co-
    mo o peite e oade; descansaba um saleiro
    ao lado de urna njoslardeira. O Saladim,
    i trouxa e a garrafa, foram pendurados
    na pareie, com o auxilio de una escpula
    que faZia as vezas de cabido. Voio -ervi-
    los desconfiada urna velha, que devia al i
    estar espiando bem imperdoaveis atien-
    ta dos.
    O modo de segurarmos o nosso fu-
    turo nrcarreira docrlrae, disse o Similor,
    como quem traa de. negocios., graves, vai
    ser-te comraunicada.com a maneira de nos
    servirme* do romptri o dia amanha ? e
    outras causas mais. Foi. o Piquepuce
    quem esta manhSa pagou a, mi vida.
    lina, o sbilling e 10 dinheiros todas as vexes
    que se qoizer exprimir a no,-a libra, e tudo
    perinanecer como est. Conlinnar-se-ha a
    ter libras esterlinas c shillings como moedas
    usuaes, e cada pessoa poisuir ama tabella
    de conversa para a anidado iniernacioaaf.
    Por certo quo um tal plano nao Milu
    praticavel.
    Pois tora-so ama moeda da conta, para-
    mente convencional, e sem representafj
    efectiva? Nao so cachar a meada quo
    seja equiva'enta'a essa 1 libra, o sbilling o
    10 dinheiros ? Sa tal ousa pissivel, en-
    t8o torna-se intil intoraraodar os povos,
    pedindo-lhes que creera um novo typo mo-
    netario; modilcaado nm pouco as moedas
    de qae usam.
    Basta propr urna unidade de convenci,
    que cada um fica autorisado a representar
    em sua propria moada. Supponhamos. por
    exemplo, qae essa unidade seja 50 francos :
    os Inglezes oxprimMa-lr5o por urna libra
    esterlina, 19 sbilling* e oito pence; o Ame-
    ricano por nove dollars e 49 ces, ou no-
    ve dola rs e meio; os Russos por 12 rublos
    meio; os Prassos por \'i thalers e 16
    grs, os Alleraaes do soi por 25 (lorias.
    Cortamente que por essa forma todos so
    entenderan) as questes do estatistica, na>
    contas orcamentarias, e mesmo nos valores
    commerciaes, mas nao estariam resolvidas
    as difliculdades quo existem na actual siioa-
    Clo. Nlo ae tena urna mesraa moeda para
    transmittir de um paiz a outro, e seria pre-
    ciso, como boje, recorrer aos cambistas to-
    das as vezes que fosse necessario atravessar
    as fronteiras. Por conseguate, a unidade
    fecunda, essa de qae todos carecem. BSo
    estara ainda fundada. Haveria urna unida-
    de de convenci, qae, com muito trabaIho.
    se pedera manter aperante os embaraces
    suscitados por ella mesraa. Pde-se consi-
    derar como corlo, que se os Inglezes con -
    seguissem levar avante o systema exposto,
    elles acabariam por cunliar todas as suas
    moedas com excepelo do penny e do far-
    thing.
    Estarlo elles disposlos a um tal sacrifi-
    cio ? Se ao menos fosse para fundar a
    unidade absoluta, alim de todos os povos
    iearera de accordo, o designio seria gran-
    de, e os nossos visinhos mereceran) louvo-
    res por fazerem essa modilieaclo na libra
    esterlina ; porm simplesmente para obter
    a unilo da rara anglo-saxonia, deixando
    parte o resto da Europa, e assignaladaxei-
    te o grupo da raca latina, que conta 100
    milhoes de adherentes, e que digam o qae
    quizerem, nunca adoptar semelhante sys-
    tema. os Inglezes pensarlo duas vezes an-
    tes de prem em pratica nma tal concep-
    Clo.
    111
    Feita a critica de lodos syslemas que lm
    sido propostos, acbamo-nos de frente com
    a unidifde dos 100 milhoes de adherentes
    convenci de 1805, isto da unidade do
    nosso paiz, tendo o franco por base.
    Ser essa a que ha de vir a triumphar f
    Bem que o desojramos, por isso que nao
    mudara em nad i o nosso systema ; nrs,
    se a moeda de 5 francos, indicada pela con-
    ferencia de 1867, pareceu nma iinidado
    muito fraca, e se, do outro lado do estreito,
    acham a li ra esterlina apenas sufficiente, o
    franco presta-se ainda a outras obejec&es.
    Nunea os inglezes se resignaran) a cscre-
    ver que o orcamento da Inglaterra do rail
    milhoes, 764 milhoes de francos, em vez
    dizer que elle do 70 milhoes de libras es-
    terlinas. O mesmo se d com os demais
    .paizes.
    E' o mesmo que a adopelo de pollegi-
    das, em vez do metro on da loeza, para a
    mericlo de superficies consideraveis ; as
    contas seriam muito complicadas, e um dos
    effeitos da unidade monetaria a simpli-
    caclo das comas.
    Convem, pois, renunciar a fazer do ran-
    eo a baso da .nidade; entretanto pde-se
    encontrar, neste mesmo systema, urna com-
    binaclo que satisfaca a todos os inte
    renos.
    Essa combinaclo seria adopelo d.i moeda
    de 10 francos, que completamente deci-
    mal em seus mltiplos e submltiplos. Ella
    representa urna unidado bastante forte para
    acudir a muitas necessidades, e, demab,
    est cm relaco rauito exacta com as divi-
    soes monetarias, existentes em varios
    paizes.
    Emfim, ella gosa de urna certa notorie-
    dade, por ser urna das moedas do grupo
    dos adherentes! convenci de I86.'.
    (Ctmtmar-se-kaj.
    joven Psych in-
    r amor. Similor
    y
    n
    O Sr. Piquepuco exclamou Echalot
    maravilhado.
    Falla cora prudencia. Estas cousas
    nlo costumeapregoa-tes alto ebom som;
    alm de que, todos os horneas sao igoaes.
    Olha quo eu cooheci o Piquepuce- tao pre-
    cisado como nos estamos.
    L isse verdade, confes}ou o an-
    tigo pbarmaceutieo. Est famosa a sal-
    chicha.
    Est soffrivel ; ha de vir lempo era
    que a gpnte se ha de dar outraqualida-
    d de banquetes ; mas, vollando ao mys-
    frio em qu vamos' cooperar, a cousa s
    para qa^rta-feira.
    Que ram a ser isso 9 prguntou
    Echalot.
    Assim representara a
    terrugando wvtanaraente
    poz ura dedo na bocea.
    Tomos, portanto, ainda dbus das
    enormes para vivermosi custa dos pio-
    prios recursos, tornou. J nao tolero q n
    rae falle cousa alguma nem tu Uto pou:o.
    Cabe-nos reearrer nossa astucia para re-
    solver o problema.
    Encheu o cepo da EcSarot, que affagava
    cernea vista a-meio IHr coroado pelaro-
    eha espuma.
    A chas qae con) vate cinco francos,
    persegua Similor, dallaramos at* quartu-
    feira ?
    Echalot limpou ababa eom as costas da
    talo. Quareala e oito horas de apuimciar
    Pola enUo, j escohri um partida.
    Sdlvo um alagado e n cebamos vinte cinco
    francos de ramio. Que dizes l
    Echalot olhou para elfo-com ar aparva-
    Ihado.
    E onde vaes tu buscar o afegado ?
    p Ora essa. I s tumasmo. la tu mes-
    mo. T es que s o afopdo e cu o sal-
    vador : uo acbas urna partida calila ?
    (hddmars84b.)
    TVP. DO DttBlO^ KBA 0AS CRCbS K
    i
    r
    H


  • Full Text
    xml version 1.0 encoding UTF-8
    REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
    INGEST IEID E1SENKKN3_0QRFN1 INGEST_TIME 2013-09-14T03:32:39Z PACKAGE AA00011611_12024
    AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
    FILES