Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:12023


This item is only available as the following downloads:


Full Text
ANUO til NUMERO 291.

L
M
r1
n un i wr oiK no sr ratfron
Parfeatazasadjutiuos.
*aa



aunroaviM
6*000
124000
244000
4320
ls(
TEB6A FEiftA 21 DE DEZEMBRO DE 1869.

PAJA BOXEO I NBA DA PEOVBCll
l*ortKsn^8iiamlw............
Por svuOjio! 0.................'
Ssit**................
'""i...................



Propriedade de
Figrieira de loria, & lhoB.
BJM

'
GeWd P^d?I^ ?*% *?*hSt *** *** Oir.rM.Ceari; A<**o de Lemos *, no Ana*? JMMMt MfoOn^oiM- Antonio iinu da fl no Natal Jn*
Prora .Atad, ea Mamajjpwpe;Antn Alextndhoo de L.ma, naPinhfl; Antonio Jos Gonm, na Villa da ft^;Trtwmto& MdT-flOHMSi^- '
- _______________________em Najwetn; Franoao Tarara da Costa em Aiagu; Dr. Jos Martas Alraa, na Babia, n Jo* Rfcejro Gaiaariabo, a**ie de Jine^T
*-..
">
Domingos Jos da Costa Braga,
PAKPEWTICIAl.
V
#ft prarlatia.
F-XVCMR.VTK ASSISKASO KlA *SM. SH. DH. MANUEL DO
1USCWKVTO MACHADO P11RTBM.A, VHJE-raKISN-
TK DA PMTUIC1&. BM MtMi mjTUBBO DE 186'J.
1* seccao.
"V. 538. Portara ao Sun. Sr. genera* eom-
naodanfe das amas.rW^-Sf-'Wr~ po'.r
^^??^83f de Paula Alves c Ma,'
1 -' rrimiseo da Siaoeira, deixando de ir o de
.lome G lidias Manuel da Costo, per ter requeri'
meato pendente da dfiaiu final desta presiden-
Ca*
X. 5W.Bita ao cauta do portoMande V.
S. apresentar ao Dr. rh>e de polica, afim de por
<-m liberdadeo recrala Luciano Ferreira da Pai-
^iio) que fui julgado apio, e roandei seguir para a
>rte porotlleio.de 11 do urente, viste ter prova-
do iscncSo legal.
N. oo2Mande V. S. apresentar ao Dr. chefe
de polica, visto torera, sido julgados incapazes do
-crvco da armada os recrujas Jos Fructuoso de
Vasconcellos, Itulino Gomes, Sebastio Lopes de
Lacerda e Manoel Jos de Sant'Auna, devondo fa-
/.er seguir somonte dos julgados aptos, o do norae
Miguel Ferreira dos Sanios, tem como Manoel
Ferreira da Costa, que se aclia a bordo do bri-
cie barca Itamaraci, para o que ficam expedidas
as convenientes orden.
N. *>6.{.Dil;i ao wii'smo.Mane V. S. por em
liberdade o recruja Domingos de Gusmao Almei-
di, visto ter provado iseneiio legal, o qual se ada
contemplado aos que devein seguir hoje para a
nirto no vapor Tocantins.
X. 961.Dito ao commaodanle do presidio de
Fernando.-l'rocedendo Vmc. as necesarias ave-
viguae/teseem vista das respectivas guias, infor-
me a que proviucaj perteucem e em que termos
foram julgados os sentenciados mencionados na
-i lacio junta por copia.
2' secrfio.
N. ."iiio.Portara ao Dr. chefe de polica interi-
no. Por prirte do capitao do porto serao apresen -
tados a V. S., afim de Ibes dar o destino que jul-
unr conveniente os remita? Jo- Fructuoso de Vas-
- medios. Pufino (iomes, Sebastian Lopes do La-
eeida e Manoel J'Sc de Sant Amia, vislo terem si-
do julgados incapazet do servifjo da armada em
inspeccao desaiide.
. 506.Dita ai mesmo.Por parle do capitao
da parlo lht> ser apresentado o reoruta Luciano
Ferreira daPaixao, aflm de que V. S. o panii i
ni lherdade, visto ter provado isencao legal.
.N. ."67. Dita ao commandante superior da
guarda nacional de Garanhuus.Ao capitn da 7"
companbia do batalhio n. 31 de infamara da
guarda nacional do municipio de lluique, Severi-
in itodrigue Lins e ao alteres da V" do mesmo ba-
talhao Constantino Udrgucs Lias de Albuquer-
que, qne fix.iram residencia no municipio do Pur-
to da Follia da provincia das Alagdas, e a que al-
inde a fila informacao-n. 1G de 27 d.eagste ultimo
niaadc V. S. dar a guia de que tra'ta o art. 45 do
decreto n. 1,130 de 12 de marco de 1853.
N. 568. Circular a lodos os juizes de dreto
v,mi al"umasuiudificai-oes aos da primeira ese-
-nuda m desta capital.)Para que esta presi-
dencia posa ter normaces completas para o re-
latorio que tero de apresentar assembla legis-
Ja ti va provincial, ronvm que at o ultimo de de-
zembro vindouro V. S. ministre os seguintes es-
!ai .cinentos: 1.* Se tem sido regularmente ob-
servado nessa comarca o art. i" do decreto n. 83i
de de oatubro de 1851, e quando teve lugar a
ultima eorreico de cada termo ; 2." Quantas ses-
ses do jury iouveram em cada um dollos no cor-
i ente auno, quanlos reos foram nella julgados,
quantos absolvidos e quaotos cundemnados e por-
que crimes ; 3." Quats os ofllciaes de justica exis-
'entes nessa comarca o se est3o todos prvidos;
V. Se os respectivos senentuaros *ao elTectivos
u temporarios, por qaeme quando foram Hornea-
dos, se >crvem com Ululo ou sem elle e no caso
negativo desde quando e porque, enviando um
mappa nominal neste sentido : 5. Em que data se
installon ah o registro geral de hypothecas. 6."
tjual o tabellio eacrregado desse servioo, desde
(I liando foi para iso designado e por quem, e se
receben todos os livros que o governo imperial
mandou fornecer para esse fim de conformidade
un o ilecrelo u. 3,433 de 26 do abril de 1863 ; 7o.
Jndfl funecionam ostribuaaese se a casa para sao
lestioada tom a necessaria decencia e coiqmoi-
dade ; 8." Quantos disirctos de paz tem cada urna
das fivguezias dessa comarca a que districtos de
subdelegada correspondein, e se conveniente a
dvisao existente ; 9. Se. exislem ah pusej as
.ondieoes dos arts, H e 87 do decreto n. 1,318 de
30 de j.weiro de 1850 com deciaracap dos nomes
ilu-s respectivos possiros ; 10." Rnalmente quaes
as necessidades mais urgentes dessa localidade, e
as medidas que covenbam adodtor-se para oseu
dosenvoWimenlo e melhor admtDtftracao da justi-
a. Espero que V. S. satisfar as vistas da admi-
riistracao de modo a liabllita-la a propor o que fr
a bem dessa comarca.
N. 569.Portara ao juiz municipal do tormo do
^tamb. Coostando-me oflicialmente que o ser-
.eniuaro, que esteercendo interinamente e no
impedimento de seu irmao Francisco de Araujo
Lima, o lugar de segundo tabellio e escrivo das
'\eeucoos civeis e crimes de menor uiade, imja
Vmc. de informar- a resuelto, cumprindo que
n'omcie lugo pessa ktooea par-v exercer uterina-
nente aquelle officio, senverinear a exaelidao do
que fica cima dito.
jl. 570.Dito ao- juii municipal e da orphaos
Antonio Fernandee Trigo-de IiOureiro.Tendo Sua
Alagestale o Imperador pelo decreto ibcIuso de 8
do corrente, removido a Vmc. como pedio do ter-
mo .le Fiuique paia o de Lences na provincia da
bina ; assim lh'o-ooainunco reeomraendando que
-i/a oi:n l'revlade o seu destino.
N. 571.Dita ao commandante do, corpo provi-
iori i ile nolioiaRemeta Vmc. a esta presiden-
ea at 13 defeveretro \indoure, as infdrmac/ws
.iua Ineeumprc-minisirar para o.relator a-as-
s'embla legislatura provincial, em.sua prxima
vunvo, acoaipai)|jadaso>u>api.gejiaida>forca do
Pino sob seu comraanao,
X. 572. Dlroerae>o. O vice-presioVnlo da
rovineia auendendo qfce Ihe reqoema o pro-
motor publico da eamarca do RkJFormoao,. ba-
Uarel Jow: Manoel do Barro Waottorley, resolve
.-onceder-lhe vinje dias de-licenca contados do da
U do correnU', com os seo' vencimeBtoa na for-
ma da lei, para tratar de sua saiide.
ti. 573.Bita, ao vice-preaWenlfl d provincia
attonddfl-M .oiupanbia do batttfia n, 3) de infntaria da
suarda nacionaldo municipio de Buiqne, Severi-
i Rodrigues Lins de Alooquerque, e em vista do
pie inlurmou o coBimandante soperior respectivo
ottieo h. 76 de27dagoto ultimo, resolve
Ihe seia dada a gua de qqe trata o art. 43 do
-lo n. 1,130 de 12 de marco de 18S3; para-o
nicipio de PortaeFilha d provincia das Ala-
is onde liouna,reidBBix
' ,- 571.Dito.O vicepresidente da provmoia
iirtendoao.CBW.Ib requareuo aJferesda"
.laiibia batolbao n. 31 de infantana da
,rda naciioablkl.mBDicip da Baiqta, Gens-
,utio Rc^fig^lit^j^iJIwo^ei^ae^j^ vis;
lectivoernl VW'dragos uhimo,
vsoiw qiie8aijt1lata a cuto d nwtcato o
a*t. 45 4o decaMo n. 1,130 de 12 de maO> d
I8o3, para o municipio de Porto de Folna da.pra-
vincto de Alagoaj onde flxou sua residencia.
3 scelo.
N. 575. Portara ao inspector da thesouraria
de razenda.Communieo a V. S. para seu conhe-
cimento e fins convenientes que por deliberacao
de 45 do coirenle. concedi tres mozos de lioenca
ua forma da-lai,para.ir ao tormo de Serinhem
ao enfermeiro^nr db hospital mllur desla cda-
de, Joao Carlos dos Santos, cando no exereieto
OJSftrt*t^. djirtnto a v- ^,-A. odda.
dao Joaqun Marcelino deart*mo, proposto pai-a
e*f 0* peto bnga4iro commandante das armas
N. 576.Dita ao mesmo.Para os fins conve
uientes, communico a V. S. que, seguado-paaici-
pacao do Dr. chefe de polica interino, datada de
15 do crrente, o destacamento da guarda nacio-
nal do termo de Cimbres, esteve cohipleto em todo
mez de setembro ultimo.
N. 577.Dita as mesmo.Beeommendo a V. S.
que em vista das foluas. relacoes nooiinaes e prets
juntos era duplcala, mande liquidar es vencimen-
tos relativos aos meses de agosto e setembro des-
le anno, do offlclal o praoas da guarda nacional
destacadas na villa de Flores e pagar a sua imp >r-
tancia ao capilao Antonio Gomes de Campos Piu-
co, conforme sotctou o commandante superior
interino daquelle municipio em ofncio de 29 do ci-
tado mez de setembro. Nos termos deste ofllco
deve V. S. mandar satisfazer ao mencionado cap-'
too, se o nao tiver feilo ao alferes Joaquim Rodri-
gues Florencio, os veucimentos do referido desta-
camento, correspondentes aos mezes de junho a
julho prximo fiado, e cujos documentos acompa-
nliarain a minna portara de 30 do predito mez de
agosto.
N. 578.Dita ao inspector da thesouraria pro-
vincial.Transmiti a V. S. para seu conhecimen-
to e lins invenientes, vinte exemplares mpressos
do regula ment, dado em 31 de marco deste anno,
em vi linde do ,n t. 51 da lei provincial n. 852 de
5 de junho do anno prximo passado, para a co-
branza dos direitos de gneros de produccan desta
provincia, que forem exportados da de Alagoas e
Parahyba.
N. 579.Dita ao mesmoPela verba respectiva
innilia V. S. a disposicao do Dr. procurador fiscal
dessa thesouraria, a quantia de 25:000* para a
compra que o aulorise a realsar.-de um predio
destinado ao asylo de mendicidade.
N. 580.Dita ao mesmo.Em vista de sua In-
formaco de 16 do corrente sob n. 6iC, autoriso
V. S. a mandar por em arrematacao os reparos
dos atierros do Anjo, servuido de base a essa arre-
maiacan as clausulas c i uva ment juntos por copia
que na importancia de i:7305 viciara annexos ao
ollicio que me dirigi o chefe da rupartico das
obras publicas em 22 de setembro prximo passado
u. 322.
N. 581.Dita ao mesmo.Nos -termos de sua
iuformacao de 16 do correnta sob n. 647, com re-
ferencia a da contadora dessa thesouraria, mande
V. S. pagar a quantia de 34642, com que foi
contemplada a professora da 2'cadeira de inslrue-
eao primara de Coya una, Mana Adeiaide de Bar-
ros e Silva, na relacao de exeroicos lindos, que
se refere o art. 44 da le do ornamento vigente.
N. 582.Dita ao mesmo.transmuto por copia
a V. S. para seu conhecimento o fins convenientes
o incluso plano approvado nesta data por esta
presidencia para a extraccao das loteras da pro-
vincia.
N. 583.Dita ao procurador fiscal da thesoura-
ria.provincial.Tendo a eommissao eocarregada
de promover o eslabelecimento do asylo de men-
dicidade, e mais negocios a elle relativos, mu de-
clarado em oflico de 15 do corrente mez, que nao
i neonirara outro predio que mais commodos offe-
recesse para o estabeleciment do mesmo asylo,
do que o qne pertence ao comraendador Antonio
Gomes Netlo, situado na errada de Olinda, pel
qual elle pede a quantia de 25.0 '05. quantia com
qual ailinna a eommissao que nao pode-se
construir um edificio igual, recommende a V.
que procedendo as deligencias do estylo e tendo
em vista os ttulos que Ihe forem apresentados
pcoraova a compra daquelle predio para o referido
lira, certo de que nesta data exped ordem ao Sr.
inspector da thesouraria provincial para ser-lhe
entregue aquella quantia.
N. 584.Dito ao chefe da reparticao das obras
publicas.Declaro a Vmc. para seu conhecimento
e direccao, que em vista do resultado do concurso,
que se procedeu nessa reparticao em 1 i do
corrente resolv, por deliberarlo de 16 desle mez
nomear a Daro Cavalcante do Reg e Albuquer-
que para o lugar vago de escrevente da rnesma
reparticao.
N. 585.Dito ao mesmo.Nesta data recom-
mendo ao inspector da thesouraria provincial que
mande por em praca os reparos dos atterros do
Anjo, servindo dolase a essa arrematara as
clausulas e orcameutos, que vierais annexos ao
officio que Vmc. me dirigi em 22 de setembro
ultimo sob n. 322, o que fica assim respondido.
4,'seecao.
N. 587.Dito ao presidente da provincia da Pa-
rahyba.Remeti ao V. Exc. 10 exemplares do
regulamento expedido por esta presidencia ein 31
de marco ultimo, de que trato o ollicio de V. Exc.
de 46 de setembro prximo fiado.
N 588 Portara I a cmara municipal da villa
dd Tacarat.Para se poder resolver acerca do
que expoz a cmara municipal da villa de Taca-
rala m seu ofllco de 15 de setembro prximo
Irado, informo a mesma cmara qual o melhora-
mento que mais commodamentopdc ser feilo na
serra de Tacaic de que traa o citado officio, afim
de prestar-se ao planto, bem como que quanlia
faz-sa preciso despender com o mesmo melhora-
mento.
N. 589.Dito a cmara municipal da villa do
Cabo. Declaro a cmara municipal da villa do
Cabo que em vista do aviso de 8 de marco de 1867
vai ser suhroettida a assembla legislativa provin-
cial em sua prxima reuniao para resolver a ma-
teria de seu ofikio de 8 de abril do corrente
anno.
N. 590. Dita ao thosoureiro das loteras.Ten-
do nesta dato approvado o plano que Vmc. me n-
metteu com o seu officio ue 6 do corrente para a
extraccao das loteras da provincia ; assim. ih'o
communico para seu conhecimento, enviando-lhe
copia do referid plano para ter a divida execu-
cao.
N. 591.Dito aqs agentes da companbia Brasi-
leira de Paquae a Vapor.Os Srs. agentes da com-
panbia Bnwteira de Paquetes a Vapor, mandan
dar transporte para a corte por conta do ministe-
rio da guerra, no vapor TocputiiM, aos dou re-
crutas Francisco de Pauto Alve3, e Manoel Fran-
cisco de Siqueira.
N. 591Dita aos mesmo.Os Sr. agentes da
companbia Brasilea de Paquete, a Vapor man-
dem dar transporte para a corte, hoje no vapor
Tocantins, por cunta da ministerio da marinha aos
raeratas Miguel Ferreira dos Santos etMaaoel Fer-
reira da Costa,
N. 593.Dita aos mesraos Etn resposto ao seu
ofliaio da#to data, toaJio adizer-llie que ao. capitao
Manoel Joaquim Beflo que segu hoj para a cor-
le, recommend o alllenado. de que trata o citado
officio.
EXPKDEJtr ASSICtADO PKL0 R. DR. 10AQW* CORREA
n. 62?, que s comnjuaicou ao inspector da the-
sourara de fazenda a licenca de I res mezes que
obtorn para ir ao termo de SeriObera, a enfer-
meiro-mr do hospital militar desla dade, JoSLo
Cario.1; dos Santos, fleando no exercico daqnelle
lugar durante sua ausencia o cidadio Joaquim
Marctno de Carvalboproposto.pata esse fita, por
V. Ex. .---------
F l^PJ>T*?y&f4vincia, declaro a V.
uusuj uata .se concedeu 10 dios da.pru par pro-
var isencao legal'ao cecruto Galdiiio Manoel da
Costo.
%.' soepo.
N. 396.Olflcio ao commandante superior da
guardi nacioJttl dojlecito.O Exm. Sr.vica-pre-
sidentsjLi pWncia, env resposu ao ollicio de V.
S. de lo do corronte manda commuuicar-lhe, que
nesta data expedio-se ordem ao director do arse-
nal deguerra para ter alli a disposicao do teen-
te-coronel commandante cto 4' batalhao de infan-
taria da guarda nacional os objectos solicitados
pelo mesmo no olDcio de 8 do corrente, que acora-
panhoa aquelle deV. S. j citado, e que o referido
director esta autorisado a recebar as 130 espin-
gardas existentes no rreconado batalhao.
N. 9f.Di ao merao.~iDe ordem de S. Exc.
O Sr. vice-presidente da propnela, communico al
V."S. que nesta dala expedio-se ordem aodirectar
Vio arsenal de guerra pala ter all a disposicao do
commandante do batalhao de arlllha'ra da
guarda nacional deste municipio, como solicitou
V. S. a 15 do corrente, os objetos bellicos pedidos
pelo referido commandante, no ofllco do 12 deste
mez, ene acompanhou ao de V. S. | citado
N. 598.Dito ao mesmo.S. Exc. o Sr. vice-
presidente da provincia, manda cominuticar a V.
S., em resposta ao seu officio de 13 do correute.
que nesta data expedio ordem ao director do ar-
senal ile guerra para fornecer-lhe os objectos soli-
citados naquelle ollicio para uso dos inferiles do
3* batalhao da guarda nacional desle municipio,
como pedio o respectivo teneiUe-coronel comman-
dante no de4 de setembro ultimo, nue acompanhou
ao de V. *. r
N. 599.Dito ao commandaute superior da
guarda nacional do Flores.O Exm. Sr. voe-pre
sidente da pravncia, manda declarar a V. S. em
resposta ao officio de 29 Ue setembro ultimo, que
a thesouraria de fazenda tem ordem para nagar
de conformidade com a citado oficio os vencimen-
tos a que elle se refere.
3"seccao.
N. 600.Officio ao inspector da tliosourarto de
fazenda.S. Exc. o Sr. vice-presioVnte da provin-
cia, manda communicar a V. i que nota data
concedo ao promotor publico do Rio Pormo*o ba-
charel Jos Manoel di Barros Wanderley, 2* dias
de liennea contados de 11 do corrente cuPbns
vencimentos na forma da lei.
N. 601.Dito ao Sr. Daniel Cesar Hamos secre-
tario da direccao da Associacao Commercial Bene-
licente.Acaba de ser enviado au Exm. Sr. minis-
tro da fazenda o ollicio que para ter esse destino,
acompanhou ao que V. S. mv dirig ora a al
de ho(e. Aproveit o ensejo para assegnrar a V.
S. os protestos de minha estima e considera-
cao .
EXPEDIENTE ASSIGNADO l'KLO EUI. SR. DR. MANOEL D'i
NASCIMBNTO MACHADO PORTELLA, RVICE-PESIOEN-
TE HA PROVINCIA, EM 19 DE OUTUbltO DE 1869.
1" seccao.
N. 602.Portara ao Exm: Sr. general comman-
dante das armas.Com o officio de V. Exc. n. 177
de 9 di corrente, me foram entregues 12 senleu
ciados, que veram ni crvela a vapor Reeife o
proraramcao legal ao recrui LeopaWino Domin- Bopr qor a aatoridade poltoial lome conheci-
gue#TriDdade. fS**1* d8,te tesapparecer eme Joco do in-
v cu /w- Aecr'l'' *cencias, como- geralmente sn'ser ess?9 intit-
lelo ao Dr. chefe de poticia interino, iaoa presepio. Esto comea s reato depois de
=r
DMaa aorta come-riso maaifesto- de iHinJir a poli
ela^ que ordiaanwneBte cosOhm dormir aates
deaaa dora.
nn\ B.i rj4
mar
S. Ea. o Sr. vce-presdjnt d provincia ras*
pondendo ais offletos de V. S. datado* de 16 e 18
do orraate, sob ns. 1505 e 1513, mmto declarar
&^StX^^nJ^T'- *- "^ ?"A B-4- P*-<|aa nrito Ib** ca-
[TCf1' ^^ tfcWunfK3, 4)r,J*nwal cuanta de -nin mtMitolbiniai.....iinf i amli '"nr
i N tU5.-^aocom,n,ndjto4UpericM-DtortaJte
da guarda naeiodo Kueife.De iIiiii ln dasTauS? ^^
^r. '.-ice.-uraajdanto til provioHa commun a v
- o qne detbnnjoou a raodificacao-nns
ous primeiros devia ser obligatorio- para o-se-
gnndo de ti. 6, se, con|i%sttrainios, teve-se era
vsu alargar a ra nadnelle local, ande ella se
furca.
Para est irregulardade chamamos a atiene)
da IHraa. cmara, visto como aromos qoe anda
temoo de ementar a nao f-''
OBRAS PUBLICAS.A corapanhia d iimpeza
a esgoto dacidale j coraecon o man tmenlo do
respectivo encanamento, descalcando para isse as
ras por onde tem de nacessariamento.passar.
Cumore n^partico obras publicas uao olvi-
dar a obrigaco que Ibensaan de veriiicar qne se
reponliam as podras mm-parfeicao no son lugar,
sB-n que liquem os costumeiros altoe e baxos no
laicamente, a pos a operacao do entrramento dos
canos.
SOC1EDADE UBERALUNIOBEMEFICENTC.
Domingo ultimo levo lugar a posse da mesa ad -
minisirativa desta sociedade, que se compe dos
Srs. : Carlos Eduardo Mutilen, presidente; T.tr-
nuato Jos Menteiro, vice-dito; Augusto Casar
Cousseiro de Mallos, e Jos Joaquim de Sant'Auna,
secretarios; Angosto Cyrilto VHas-bs, tbesou-
reiro; Manoel Lopes Ferreira, procurador-; M
noel Theodoro do Nascfnwnlu, Marcolino Ferreira
Soares, Antonio Getuli Villas-be*s, Severano-
Barbosa da Silva, e Manoel Caetano Pinto, consc
Iheiros.
CORRECCAO INDISPENSAVELNo officio do
3r. director do arsenal do guerra, hontem publi-
cado, onde se le :Ao sahirem ambns, me disseo
sargento que quera inteirar-se etc., deve ler-se o-
segundo (Costa e Sa) etc.
PASSAMEXTO.Falleceu e sepultou-se nontera*
victima de urna preumonia, o Sr. capitao Henri-
ques Manoel M.ilbeiro de Mello, com fii aonos de
idade.
Cidadao probo e prestioiaso deixa ioconsolavel
urna numerosa familia, a quem apresentamos os
nossos sentidos psames.
STIMO DA.Pedea-nos que lembremos aos
parantes e amigos do fallecido Domingos da Sil
Campos que ter lugar as exequias que por
K-e-uresklento
S. respjfl o>aga)Hjfeia de 12 do
que seaandH ajb do Dr. ebefe 4*poUcii
de 16 deste mee,Desla ultima dato oguanla Af-
fonso Cecilio Febamo, que se aohava reoolbtdfl
para reeruta do eavreito, foi posto em boertada,
como soliciiou o respectivo cummandajajto no> ofll-
co, que acompanhou o de V. S. supraaado.
N. 616. Dito ao eninmandaute superior da
guarda nacional de TrarntiLS. Exc. o Sr. vice-
presidente da provincia manda declarar a V. S.
em resposta ao seu oIBc do l- do corrente, que a
thesouraria de fazenda tom ordem para pagar ao
sargento Apohnario Gomes da Silva os vencimen-
tos constantes do citado ofiico.
N. 617.Dito ao juiz de dreito presideole do
jury.S. Exc. o Sr. vice-presidenio da provincia
manda communicar a V. Si em resposta ao seu of-
fica de hontem datado, que nesta dato expedio or-
dem ao comraan lanle do corpo provisorio de polica
para mandar apresentir diariamente nesse tribu-
nal, acontar de boje e sc;m"'e s'.) 1/2'horas de>
dia a guarda do eostuinc solicitada no citado of-
ficio.
' Df^PACHO DA PRESIOBKCU D-rUOVIMCJA DO DA
17 di; Di-:zrc.tMHo.
Dr. Ernesto Feliciano da Silva .Tavares, Infor-
me o Sr. inspector da .thesouraria de fazenda
Francisco Carlos da Silva Fragoso. Sira, pa*-
samlo recibo.
Ignez Mara de Mello Reg. Infor.ne o Sr. De-
sembargado!- provedor da Santa C isa de Miseri-
cordia.
Joao Antonio de Almcidj. vista das infor-
raacoes, nao tem lugar o que reqner.
Jiivno de Barros Correia. Seja removido.
Joao Alves da Cruz. Volte ao Sr. inspector da
thesouraria Je fazenda com o requerinieato ante-
ritr pira informar.
Alferes Manoel da Gama Romeira. Concda-
se.
Mafia Adeiaide de Carros e Silva. Requera
por intermedio do Sr. Dr. director garal da initrue-
"ica. -
Marcelina de Abneala.< Remllalo ao
lor .la thesouraria provincial para man-
r a supplicante os tres dias que pede.
partido da polica.
2'aateao.Secretaria da polica de Pernamhu-
(-tlezi
DE ARAUJO, SBORETAHIO DO GOVKJCTO, Ha 15 Di
otiruaro de 18(59.
1'seccao.
N, 894.--Ofllco ao Exm. Sr. general comman-
dante das armasDe ordem de S. EkB. o Sr. vi-
ce-presidente da provmciai dWaraa V; Ex,c. em
resposta ao seu oflfete m *8 do- correte' so>.
quau opportnnamcnte serao enviados para o pre-
sidio de Pernando. *
2* secgio.
N. (03.Portara ao Dr. chefe de polica interi-
no.Ilespondendo o officio de 17 de agosto ulti-
mo n. 160, que V. S. dirigio-rae com a copia do de
29 de julho do corrente -anno do delegado do ter-
mo de Villa-Bella, com relacao ao contrato feilo
com e cirurgo Goncalo da Costa Lima a razan de
\ 5i.hh diarios para incumbir-sc de tratamento dos
pobres accoraraetlidos da febres que alli reinara,
tenho a dizer-lhe que approvo o referido con-
trato.
N. (iOi.Dita ao commandante do corpo #rovi-
sono le polica.Em deferimento ao que reque-
ren o cabo do esquadra do corpo sob seu com-
mando Felppe Pedro Cavalcante o a vista do re-
sultado da inspeccao de saiide a que foi submelti-
do pode Vmc. dar-lhe a baixa pedida.
N. 005.Dita ao mesmo.Satisfazendo a requi-
sicao do juiz de dreiio presdante do tribunal do
jury recommend a Vmc. que mande apresentar
no mesmo tribunat diariamente pelas 9 1/2 horas
do dia a contar de hoje a guarda que de cos-
turae.
N. 006. Dita ao mesmo.Tendo sido Julgado
apto para o servico do corpo sob seu commando o
paisano Jos Antonio de Faria effectue o respecti-
vo engajamentn, como pretende elle e solicito Vmc.
em ollicio de hontem datado.
N. 607. Deliberaeao O vise-presidente da
provincia attendendo ao que requereu Sabino Joa-
quim da Silva Corad) capilao da 6* companhia do
1* baaihao de artilharia da guarda nacional deste
inuni ;ipin. resolve conceder-lhe 6 mezes de- ticen-
ca entrando o supplicante- no gozo detta quando
tiver de ausentar-se para tratar de seus rnleresses
fora da provincia.
3.* seccao.
N. 608.Portera ao insqeotor da thesouraria
de fa;enda.Maaalc.V. S. liquidar- em.-vistotlas fo-
llse. prets nominaes juntos em dupliata os ven-
cimentos a contar de 16 de junho a 30 de setem-
bro desle anno, do official e pracas destacadas na
villa le Tacarat e pagar a sua importancia-ao
sargento Apolinario Gomes da-Silva conforme so-
licitou o commandante superior daquelle muuicipio
em o'Jiciq do Io do corrente.
N. 609.Dita ao mesmo. Em vista das contas.
jnntas em duplcala a que se refere o ofllco do Dr.
chefe de polic'a interino datadp de 16 dd -corrente
e sot n.lSOo.mandeV.S.liquidaorpagaroque jus-
tamente se estver a dever ddfornecmentode luz e
aguafi-ito noqnarel do dstacai^anto|da cidade de
Goyanna a Contar de jala a nelinibro deste
anno.
N. 610.Bita ao ospeelr- da thssouraria pro-
vinc al -A Fraaccbne Aagusto de Hftltonda Cha-
cn mande V. S. pagar, era vista ,dejrecibo junte
em duplcala, que me remelteu o Dr^ cb^efe de po-
lica interino-coro bfOlo'de hontem, so'' n. 1513 a
quantia de 30*000 proveniente do> abagftel venci-
do de abril setembro deste anno. do. quarto con-
tiguo a caeia da villa de Tcarat e que serte de
pristo s mutoert.
N 011.Parlar aos atentas da. aompanhia
liras lei r a da paquetes vapar^Pado Vmos. fa-
zar iieguir paraos n-orlos do sul, o vapor Tocan-
tins hoje a hora indicada em seu ot&cio de hon-
tom
| N 612.Dita ao gerente da oompaabJaPeanarai-,
buenna.O-Sr. gerente da compatoa Peroambn-
ic,ani mande dar urna pa*a*gea,de estado aj Aca-
rara a proa do vaor qiw le* de seguir para o
or a a Jos Furtaoo de Menttooca.
EXPtDIENTB ASSIGMADO BBJAM. MV lOAQUIM,. Ca
U-.A DE AKAUO, SECaETWUOBOOSygHio EAt ISdE
otrrwRODKi&w,
K 613.-Offlcto4G
1 l. Exc. o Sr. vio.
tbiin iV. S. para,seu:?
pac iio desta d jo, apnjb dezembro de 1860.
N. 177i.Illm. e Exm. Sr. Levo ao conheci-
mento de V. Exc. que, segundo consta das parli-
cipacoes recebidas hoje n'esto reparticao, foram
recolhido3 casa de detencao os seguintes indivi-
duos :
No dia 18 do corrente, ordem di subdelegado
de Santo Antonio, Francisco escravo de D. Auna
de Tal, por crime de feriraentos.
A' ordem do de S. Jos, Manoel Jos Gomos, por
oflensas a moral publica ; Alexandrina Maria, por
disturbios; c Tito, e-cravo de D. Ervira de Mo-
raes Carvalho, por crime de furto.
No dia 19, ordem do subdelegada do Reeife,
Martinuo, escravo de Jos Basilio Camello, a re-
querinientn do procurador deste.
A' ordem do de S. Jos, Jesuno Guilherrae
Dias, por embriaguez e disturbios.
A' ordem do do Poco, Alfonso, escravo de Ma-
noel Francisco Colho, a requerimento deste.
Por officio de li do corrente, participou-me o
subdelegado de Calende que na madiugada do dia
12 um individuo de norae Manoel Antonio, mora-
dor no sitio Travessia do engenho Alegre daquel-
le districto, estando no terreno de su casa rece-
ben um tiro que Ihe fora desfeioliado de embos-
cada, do qual falleieu no da seguate ; que logo
que teve noticia de seraelhanie facto dirigi se im-
mediatamente a casa do offendido, onde, encon-
trndolo anda vivo, passou a interroga lo acerca
desse atteuiado, tendo em resposta que nao co-
nheceu a |iessoa que Ihe desfeichira o tiro e nem
poda suspeitar quera ella fosse ; par is.-o que nao
tinha inimigo algura e'era liem-piisto n'aquello
lugar, depois do que o mesmo subdelegado proce-
den a competente vistoria.
Que das indagacoos a que procedeu posterior-
mente acerca desse crime, verifico qzie por enga
no fia o tiro desfeichado na peasoa do referido
Manoel Antonio, pois era para uiu dos irraaos. de
um fulano Torres, que ha poucos dias fora assas-
sinado as mattas de Japaraoduba do districto
d'Agua-Preta, e que os autores desse crime (que
em numero de 6 a 8 vivera hojaisiados as referi-
das malta-) sao os nicos comprometlidos na mor-
te de Manoel Antonio, contra os quaes ia prece-
der nos ulteriores termos da lei.
Deus guardo a V, Exc^Utav e Exm. Sr. se-
nador Fredereo de Alraeida, e Aibuqueriuje, pre-
sidente da provincto^ O chefe de polica,
Anfon/o Fernanda Pinhea.
So d
.-/aleda provincia,d-
KacimeBl u* pojr d *-
60Tl5'^B.dpr amanbaa s 7 horas dandis a groja da frdem
Terceira de S. Francisco.
PASSAE1R0S.O vapor Coruripe trox os se-
guintes :
Bernaran de barros dmuci, muooI j>-- Ha
SHva, Frederlco Cftavs, IPanoel. de Mesqnimiaa
to, Anlonio EHziaro da Silva. Camoes o Manoel
Lopes Angelo.
LOTERA.A que se acha venda a 131', a
beneficio da igreja de S. Joao de Abren de Una,
que corre hoje.
CEMITEKIO PUBLICO.Obituario do dia 18 do
corrente :
Elias. Pernambuco, 3 annos, Santo Antonio ;
convulsdes.
Julia, Pernambuco, 2 1/2;anno-, Boa-Visto;.en-
torile.
Geraldo, Pernambuco, 3 mezes, Santo Antonio ;
espasmo.
Antonio Jos Enes Braga, portuguez, 50 annos,
soltoiro, Santo Antonio ; congestao pulmonar.
Joao, Pernambuco, 1 anno, Santo Antonio ; va-
rilas,
Josephina, Pernambuco, 3 mezes, Santo Anto-
nio ; tumor.
Manoel Goncalves Pereira, Pernambuco, 2i an-
nos, solteiro, Poco; tubrculos pulmonares.
49
Antonio Izaias da Cunha, Pernambuco, lo an-
nos, solteiro, Poco ; pulmona
IJalina Maria Marcolina dos Res, Pernambuco,
27 annos, solteira, S. Jos ; metrte.
Mara do Rosario,'Pernambuco, 85 anuos, viu-
va, Boa-Vista ; bydropesia.
Antonia Maria da Conceicao, Pernambuco, 50
annos, solteira, S. Jos; inflammaco no li-
gado.
Auna Selina de Castro, Pernambuco, 35 annos,
solteira, Boa-Visto ; tubrculos pulmonares.
Antonio, Pernambuco, 13 mezes, Boa-Visto ;
hemorrhagia.
-20-
Ermina Francelioa Xavier dos Santos, Pernam-
buco, 2i annos, casada, Recite ; tubrculos pul-
monares.
Francisca Marta da Conceicao, Pernambuco, 22
annos, solteira, S. Jos ; paremia com derrama-
ment.
Joanna Francisca, Pernambuco, 5 mcaes, Santo
Antonio; rebre maligna.
Jos Severo Rodrigues, Limoeiro, 60 annos, viu-
vo, Boa-Vista ; tubrculos pulmonares..
Josepha, Pernambuco, 3 mezes, S. Jo* -r coque-
lucbe.
Mjor Henrique Manoel Malhero de Mello, Per-
nambuco, 65 annos, casado, Boa-Vtoto ; pneu-
moma-
tHROM A JlroiruRii.
nilBlXlL DO COMERtiO.
LCftDAS^-0 AfiMJNISTRAltVA DE 16 DE
DEZEMBRO DE 1869.
PBB9IDK1 Fiumnsco PEBsrm.
A9 IOi horas da manba, reunidos os Srs. depn.-
Iidos Miaanda Leal, Basto e baraode uruangy, (al-
Smdo com parcipaeao o- 8r. seeretario Rosa, e
epois dB nomeado o Sr. Leal para servir no.im-
edimento do mesmo Sr. tosaeomo secreurioj S.
o-Sc presidente dectorou aberu i sessao.
i, depois de lina, approrada \ acto da seae
de 3;
EXPBDIK1TE. -
oi/ presente um volme da eolleeeio oVwias
fegularaentos sobre knpostos cora as alteraeoes
supervenientes compauas pelo 1-' esoriplurario
rennioes fanubares, ambas mni eoncorridas, oude } recebadsria Francisco Augusto de Ahnelda.
biiiou a maior cordialidad harmonia. Mandou-se archivar depoi de. pago o san- imperte.
A casa onde fanettooa, poeto queide pequeas fc Foram a rubrica os seguintes livrw:Diarto
proporcoas, satistai a neeessiM da instituicao^ Guimaraes & Freitas, dito de PoatooVBas,
iferecendo aos respaottvoat soos aiguroashu** l ki doc entretemmento. As salas e toilette esta ~ despachos.
domadas com a decencia precisa, e o servida, Requerimento de Jos Pereira Vtonna, mosltan-
faz regnlarment. |0i ,.om a dectaracao ora feita, cor satlaftia a
Todos os sabbados ba reamao familiar. exigencia fiseal mandada cumprir por ikpcbo
TOU.HOS URBANOS DE APIPtCOS. Le piam-nos a conveoienciB, de sewn'lranalneaa' iogistro de seu contrato de soetedade cominaadi-
Aas 11 horas, para a meto noe dos sabad;as. feria.Soja registrado, sendo a declaraco acerca
fwrtidas dos ulliinos irens de Apipaicpt. Bato |a 6 oondico assignada por ambo os qu as-
u udanca, sali.-fazendo os freqoentaaies do Ctohj jgaaram a contrato.
m nada prejndiaajmab passoaa.ojue-toaoslana De Luiz Jos da CosU Amim. para re-
quellas horas nos trena;} nar isa, aproaentamotla. gstraj-se-lhes a nomeacao- de sau oaixeiro Manoel
' o gerente da erapreza alm de qji, tornaade-a na. Thomaz- da Costa.Come, requeram.
evida consideraba, satoto> a raMMei "
ido. .
tuabnente Francisco Lionidio Teixeira Gama-
raesVista xf Sr. desembargador0*6*1.
De Fancm Augusto oV rlortanda Chacn
amanuense da secretaria ooste tribunal, aaJbMo'
quo se consulto ao govern-i sobre a gcaiicacaii. *
que lem-direrto conforme o disposto ao art. (T J.'
parte, do regalamento 738 de 23 de aovetnr'
Je 1850.-Cen9utle.se.
De Domingos da Costa Moatairo, p^tniaOr la
casa n. 11 da travessa de S. Joao o qne a acbav*
IRothocada a Joao Baptista de Moraes, cojo a*-
trumto :'i regisaraJo oesie "trba'naJ, iotS-*
qoe se d bawneese registro, visto se aena? Sk-
iratada dito b^patbeca.O qoe assigaou coK
procurador, junte profane.
De Jos Raraorda SHva, apresentando ajiomear
@o que dera a'Raymuudb Nonato de Andrajti-
Lima para caixeico do soa taberna ra 4 Sjbta.
Ritla n. 3 afim de-ser mudada registrar.O que
assignoucomo procurador, junte procurara..
De Joao Gamo* da Cruz, no mesmo sentido do
antecedente, quanto de seu caixeiro Joaquirar
Garcia dos Santos e Silva.O mesmo despach i.
Do Jos de Mello- Itrindade, com tabernas a roa
imperial nmeros H e i5, pra lambem registrar-
se-lhe a nomeacao que dera a Antonio Flix Pe-
reira Jnior e Gercno Prente de Oliveira Firmo
para caixeiros de tito* esubeleeimeotos.tlegis-
tre'se. .
Das firmas sociaes Bbtelbo, Araujo & C, e Poa-
tes & ., para ser adiaittido registro o seu xu-r
trato social.Vista ao Sr. desembargador fiscal .
De Joaquim Gerardo- di; llustus, pan mandarse
a junto de corretores certiliiar se uostuuie su-
rera fe tas por intermedio de qualquer de sCus
membros as transaccocs cambiaos entre esto' pla-
ga e a d Ilha de S. Mlgiu-l, ao caso affirmaturo
<|ual o eambio cntfe ellas em 46 da abril de 18oV
ou no dia mais prximo anterior ou posterior
mencionada data. CerlilHie.
De Amonio Pedro de Sonsa Stares, para se. cer-
tificar se adiara se ou nao registrados no anno de
1868 os seus caixeros Anusio Baptisa Braga e
.Manoel Jos de Araujo.Certifiquc-se.
De Joaijijira da Alraeida Queiroz, para registro
da nomeacao de seu caixeiro Manoel Antonio Ce-
sar.Como pede.
Da viuva de Joaquim do Panla Lopes, para re-
gistro tambern da de seu caixeiro Paterniauo Fer-
reira de Jess.Como reqner.
De Pinto da Silva & Cacao, para ser tambera
registtada a de seu caixeiro Joao Baptisto Fernan-
des Pojas.Deferido.
De Phipps Brothers & C, para igualmente re-
gistonr-s-lboi a de seu caixeiro Nicomedes Maria
Freir.Sm.
De t3iaves & Vianna, para certificar se-lhcs se
;V'a ato> ou nao matriculad > sau caixeiro F-r-fnim
-rasaisi das Dores.CenaUgao-aa.
GOil.NFOnkUr.AO DO Sil. OKSKWUHGADR riSCAL.
r>ticao de Serafim Alves Rodrigues, Joao Pauto
VR Santos e Domingos de S.uxi Rodrigues, re-
gistro do seu contrato sotral.Como requerem.
De Antonio de Souza Braz e Lourenco Poggi
regisiro tambera de seu contrato social.Na for-
ma requerida.
Nada imtis Itov, nd> 4*pat>u-, o pmt.i II
horas e 3/4 da manhaa, o Exm. Sr. presidente
encerrou a sessao.
imiCipS A PEDIDO
O ISaro de Ara^agy a* corpa
eleitoral do 3.a districto.
Nao podendo presentemente ir pessoal mente
agridecer a cada um dos Srs. eleitores dos ditfe-
rentes collegos, que compoem o 3.* districto elei-
toral, a subida honra, que me fizeram, dndome
seus votos para depulado geral na vaga deixada
pelo Exm. comselheiro Js liento da Cunha Fi-
gueiredo, venbo, para prole-tar-lhes pela imprensa
o meu sincero agradecimento, e de novo amanear
que, no desemoenho do arduo c diflScil mandato,
que acaba de me ser confiado, hei de empregar
todos os esfreos para corresponder a conttanca
em mm depositada pelo di ti neto corpo eleitoral
do 3 districto.
Aproveito a opportunidade para tambera agra-
decer ao nobre e i Ilustrado directorio do partido
conservadav a lembranca que do meu nome teve
e a proveitosa recominendacao que deUe fez aaa-
eleitores do 3." districto.
Rio Formoso 46 de.dezembro de 1869.
Barao de Araragy.
SE VISTA DIARIA.
ASSASSINATO.-No.lagar Travessia doenge-
nho Alegre, do districto de titeado, na madrugada
Ido dia 12 do corrente, estando Mnoer Antonio no
herraco de sua casa, recebeu um tiro, dado de emboscada, do qual fallecen no dia se-
jguinte.
Das pesquizas que proceden o respectivo sub-
Kftlegado, e do nterrogatoriao fallecto, feito logo
depois do ferimento, verificoa s ter o tiro si
dado por engao, pois que se destinava um Tor
jre?, sendo o auto/ um dos ti .'ualfeTores qne
ivivem homisiados as maltas desse logar.
1 CLUB DO MONTEIRXKBsla, sociedade, depoisi
do.sarodansantode iaangiaojto> tem feilo dua
A'tengdo.
O Ltbtrat de hoje ( 20 do corrente) traz na su*
parte noticiosa um artigo sob o tilmo Hnpto, no
qual diz que os bolieiros da coxeira do Sr. Pinto-a
roa Nova haviam raptado dnas menores que ha-
b lavara n.'urna casa a aquella mesma ra.
E* falsa e falcissima sentelhante noticia. Essas
duas creancas, consla-no* que toram obrigadas
por cevieias a fugr da casa onde se aehavam e
que abandonando-se a ra foram d'abi guiadas
por urna raiber de m vida levadas para-ama
casa o boceo do Sarapatel.
O Sr. subdelegado fez as pescisas deligeaoias e
avisto das respostas das referidas mocas inandeu-
as em. paz; nao nos cabendo indagar se- oST.
ju de orphaos foi mais ou menos aetiv qw
Sr. subdelegado.
O que porm afisneamos que os bolieiros d
Sr. Pinte, quer por si, qur petos principios aa-
tores de seu patrio sabem respeitar a todo* e sao
incapazes de invadir o santuario da lamina "con
tao volnntariamente diz o Liberal.
Cumpra a polica o seu dever, nao se pense ni
dono de casa habilitado a maltratar aqneHs qne
lera era sua casa, e esses facfos- sena darfia.
Por nossa parte lamentamos o facto e nada te-
mos com elle.
Recito, 20 de dezembro de 4Bttt
Paulino todrigues de Souza.
Domingos GoncaWes da Silva.
Cypriano Bruno de Oliveira.
Manoel Burili da Itoaevides.
Joaquiav Tbomoa Ferreira Snr.
Manoel Gmeseos Santos.
Joao ilenriques.
Jos JoaquiuMte Sam'iaaa,
Todos bulieros da coxeira do Sr. Pbato, a rya
Nava.
igua de Florida de Eupai
e Lauman.
que iuraa*et .o ao-
nm novo bataOa
gentil e baOn
PRESEPIO.Informar-!, qoe^xisto^ sob esto j
Rnb, ama casa d sanaba 14, para as banda ibis f
peroedios em urna, olariai Sato. Vi pr
De Ramos A Temporal, para aao so se averbar
respeativa rarta (to iwrfatoo-baverem compra-
_ a D\ Anna Velloso da Sitoaira Lima a parta
ne ella liaba no patacho nacional Nossa Senhow
p. Wmt, com te raadadj' de me*lr qne ac-
Na verdad cousa mais
denmoa contribnir, oa acbar
raeo de deleitavel prazer para
sexo, ___
Lanman t kjmp por sem duvida alguna,
segnirim esse desejado Itm, introdaimdo a
florida de Murray e La*man (cojo artigo bokbb
de vinte annos tem ido a consiante favorito, pava.
o toucador em toda America Itosfombotab a ca-
ohecimento das senhoras dast pait. ____
Na sin pois s as senhora que aaotoax aaco-
nheddns e obligadas para com' aqueta, firma.
euiprel>mdedara, pois "qoe, se o artigD b^aa-
tou outorga e dA bo lan?o de tt,abfaiji
fragancia deliciara e sammaraento '
s unta alvura doce e joven, ella
possb a rara effleacla e viaa
?r a aidWa causada daabi Iba atarb.

S

i
[


.-

.6381 3Q 0fi8M3S3fl 3Q l Afltil M& de Pemunbuco Tere .U 21 de Dezembro.de 1869. M3U -Vi OIM

4.
assim como
*er _
Desdi
veito
dando ai
ABoi poli _
lodis estas vantagons, indis]
poasair-se a real e precii
Murray e Lanman, e
dsave

torna o
ida de
precinta Agua e Baria'
i Mgffuto ouirMH^b.
i. im i
>pot?
fumaeas dum charuto. tras partes de terreno, qne nao se prcslAftlavoflr ^BKWol.qu.do, dem.
s, serVeelh
vacao* dos denlos e?ent;vcs, Ceuiprehensio denominado Cimibe, conv im.
um costo.suave .o agradavol. quar-to de logua-detestada, e meia legua de innwi
- youQo mais. ou menos, sendo oarte, do. terrenp
acarraseado, e outra parto proprio para fundar
orna pUnta de 800 paes de assucar, pouco ou mais
ENGLiSlIfiNf
i da~praf,
rafa I
e
con-
Of Rio 9
Descoata lettras
veocionar.
Receb dinheiro em conta corrente e a
praso Oxo.
Saca vista ou a praso sobre as cidades
prlncipaes da Europa, tem correspondentes
na Babia, Biienos-Ayres, Montevideo, New-
e New-Orleans, e emitte cartas de crdito.
para os manos 'aigara*. .
RA DO COMMERCIO N. 36"
S^etedae bancaria era cora
mandita
Theodoro Simn $ C, .
Comprara a vender por coala pro*
pra metaes moedas naciooaes, e esiran-
geiras, letras de cambio, sedulas da go-
veroo e do banco do Bsasil.
Desceutam letras da lena e oulros ti
tatos commerciacs.
lWsnnsu^% W SSpL aj^eia dasjney
mas transaegoes, da cobranca de letras da
Ierra e de oulros ltalos comraerciaes.
Recebem quaerquer quanlias em depo-
sito, em conta corrente, e a prazo fixo.
Largo do Pelourinho n. 7
ALFANDEGa.
Rendimento do dia I a 18. 37i:5o0#t58
Uta o dia 20..... 103:671^606
<>77:230l7Gi
tferfda,' raem.
JU**cr eariBi.Mide.-n.
l|iaii.*JeiicjfaMft p, idem.
Avenca, idem.
llagas de ziubo, idem.


da mesma comprehensao e engenho em bom
do, com todas as suas bemfeilorias e *
valiada por 50:000*000.
Damian.1, parda, de 5 mezes de idad, por 1001000.
Aquilina, parda, com 4 annos de idade, pouco
mais ou menos, valiada por 2001000.
evendo a arrematacao ter effeKo na cidade de
Goyanna, depois de afrontados pelos breos das
avallacoes os respectivos posseiros, Ba forma do
It de corvisat, idem.
Xarope^do Bourgois, idem.
Dito de esjwrgo, vidro.
Dito do Quv, dem.
Dito de hyodureto de Gibert, idem
Dito de jufubeba, idem.
Dito de Labellony, idea.
idei
lina
quizerctn
ntar suas
e dar fiadoi
cumprinienti
deeb n. 77 de'fl desMBgprta:ieM.
o as cMalas iastrueoot
S^dpW&b Bti
Jenzi
ie_
Borrachas sortidas com pipos, dnzia.
Uotoes de rosas rubras, killogramma.
^^revidade
Ib de seu
Misericoitfa do Red fe, 13 de de-
S
Pedro Red
Catara, idem.
Oaixas para pipulas, grosa.
Cal vlrgem, killogramma
Calomelano inglez, idem.
Clices de vidros graduados n. 2. um.
Camphor*, killogramma.
j^paala a cupabiba, caixa..
nato de magnesia, killograinjna.
"Mr'pomssa, idm.
dito do soda, idem.
"Caroba, idem.
Centaura' mener, idem.
I )ra atnarella, dem.
' Dita branca em grumo, idem.
Cevada, idem.
Cevadinha. Idera.
{'hicoria, idem, *n*i
Clralo de passa, idem.
J. Glir^Mudo,.dem. .
Colla de flandres, ideBr
Confeitos lactato de ferro, amia,
iflremortartaro era p, killogramma.
arrv
MOVIMENTO DA ALFANDEGA
Voluraes entrados com fazendas
dem idem com gneros
Volnmes sahidos com fazendas
lie idein com gneros
678
1934
- 2632
538
794
otea*
vaadov=o iw pfocefso 9Wp,nslriiCc5e;
F. para que chegue a noticia ao conpecimenlg
de todos mandei passar o prsehie' eclrta; qne era
alixado nesta capital nos lugares do cestume. e na
cidade de Govanna, e publicada nina vez cada se-
mana duraat os referidos 3 mezes em todas as
folhas da provincia e as de maior circulacao da
corte. ,
Dado e paswdo nesta cidade do Recrfe, capital
da p"ovincia de Pernamboco aos 13 de dezemoro
de 1869E en Lol Francisco Barreto de Almei-
da esrrivao subscrevl. Pagou a final 800 ris de
selio. Luiz de Ataida.
. r-- tatJo toe Tavares da SUta.,
j&Tjr. Tristao de Alentar Armripe, offleial da im-
pi-rial ordem da Hpsa o jti de direito especia p
do commereio dest cidade d^teeife- e sea BLSSL^-
mot capital da provincia d Pernamboco, pd *ll1a,
S. M. imperial e constitacional o Sr. d. Pedro I,
a quem Deus guarde,te. etc. -
Fago saber aos qne o presente edital virem e
delle noticia tiverem, que por parte de Jos Peres
da Cruz, foi dirigida ao meu antecessor a segra-
te peticao: ..'..
lllm. Sr. Dr. juiz do commereio.Diz Jos Pe-
res da Craz que serido-lbe devedor Jos de Mello
Albuquerque Monte Negro de ama lettra de seu
aceite da quanha de 700* sacada no dia ti de
julho de 1864 a vencer no. dia 23 de novembro
vindouro, e tom os juros estipulados de 2 /0 ao
mez, e como quer qua estoja a lindar o praso de
o annos, o supplicante ajar interromper a pres-
ciipcao de dita lettra, ;teni requerer a V. S. que
so digne mandar tomar por termo seu protesto de
Nauta casa da MUcricordla m
Amnuuiantaadnrtnhtrath'a da Santa Caffl da
tfWicordia do Recife manda fazer pubnco que na
sala de suas sessoes, no] dia 23 de dezembro4pelas
quatro horas da tere, tem de ser arrematadas
uem nais vantagens efferecer, pelo tempo de um
tres amos, as rendas dos predios em seguida de-
clarados :
ESTjUBBLOGnlBNVO DE CARIDABE.
Ra ao Calabouco
Casa teirea a 10, aer aano ... .242*000
PATRIMOMO DOS ORPHAOS.
Roa do Vigario.
Primetro andar de sobrado n. 27. 240*000
toa do Pilar.
Casa terrea n. 98.......203*000
Sitio n. 5 noForno da Cal........... 150*000
Gspretendentes deverio apresentar no acto da
arrematacao as suas naneas, on compareceris
acompanhados dos respectivos fiadores.
Secretaria da Santa Casa da Misericordia do Be-
cife, 2% 4a Svembro de 1^9.
O escrivao.
Pudro Boiigtu* de-Snuza
Descarregam hoje 21 de d^zembro
Barca franceza Viridinnamercadorias.
Escuna americanaS. C. Enrnsmeroadori
Vapor IngleO.'/adrtidem.
Hiate americano -J. P. Augnidem.
Escusa dinamarqnezaCorianidein.
Barca portugneza Segnranqnidem.
Barca portuguezailwianna IIidem.
Brigae poTluguez -lexandre Hercnlano -idem.
Escuna inamarqnezaAdelaide idem.
Brigtw trancezW?/emidera.''
RECEBED01UA DE RENDAS INTERNAS GE-
RAES DE PRRNAMBCO.
Rendiraemo do dia 1 a 18. 3!:746*366
dem do dia 20. ....... 4:183*200
36:899*766
CONSULADO PROVINCIAL
Rendlmento do dia 1 a IS. 111:7275011
dem do dia 2)...... 13.633*362
127:3601376
MOVIMENTO DO PORTO,
Vario sah/do no dia 10.
Rio da Prata Brigue brasileiro S. Paulo, cnpi-
to Manoel Marctano Ferreira, carga assucar
agurdente
Navios entrados no dia 20.
Swntoa i ma, patacno miez AiMViea, de
189 tonetedas, canitSo I. Joi.es, equipagem 8,
carga carvao ; Bawnders Brothers & C.
Mimauguipj13 horas, vapor brasileiro Corori-
pe, de 222 toneladas, comraandaote Jos Hsnri-
que da Silva, equipigem 17, carga 331 fardos
de algedao a rompaahia Pernambacana.
Aracaty5 dias hiate brasileiro Deus te guarde
de%(i loneiados, oapiao Mmoel Caetano da
Cosa, equipagom 8, carga 607 fardos com al-
godo e outros gneros; a Darlholomeu Lju-
renco.
Xavios sahidos no mesmo dia.
Canal Patacho inglez llaimibal, capitio Sain-
thole, carga assucar.
Canal Brigue francez Maurieie, capitao Poeeson,
carg assucar.
CanalBrigue inglez Adela, capitao Symon, car-
ga assucar.
Rio de JaneiroBarca ingleza Talismn, capilo
Anderson, carga parte da que trouxe de New-
York.
EGITAES.
Faculdade de Direito
do Recife.
De ordem do Exm. Sr. director faro publico
qne, acontar de Janeiro prximo vindouro em
diante, sero observadas nos exames preparato-
rios as Msiruocoesv que baixaram com o decreci
n. 4,43. \
Assn pois, do conformidade com as mesma
instruccSee, s baver em fevereiro o marco exa-
mes de setencias, em novembro de linguas. Quer
em urna, quer em oulro pocba de exaues, nin-
guem ser oelles admitlido sem previamente
inscrever-se m tantas listas, quaatas forem as
materias em que pretender examinar-se. A ins-
crpcao para cid um dos exames ser eflecluado na
secretaria da. tacotdade por uwio de reqaerimenio
eecripto e assigaado por extenso pelo examinando
e logo ahaixo da assignatura deste atiestar di-
rector do collegio ou professor, que bouver. diri-
gido seas estados, estar elle habilitado para o
exame requerido, e ser a lettra da peticau a assig-
natura do proprio aonbo do examinando. A ins-
criBeo para os exames de scieocia comeca no
dia 10 de Janeiro e Gnda no dia 22 do mesmo
mez, para os exames de liuguas se effectuar de
3 13 de novembro.
Secretaria da Faculdade de Direito do Refe.
17 de dezembro de 1869.
O secretario.
_____________Jos Honorio B. do Moraa.
A cmara municipal desta cidade tendo de
contratar o ornecimento das cadeiras que forem
precisas ara o proeesso de qualincaco na tercei-
ra dominga do mez de Janeiro prximo vindouro,
convida aos fornecedores dallas a apresentarem
snas propostas em carta fechada, no dia 22 do
corrate, indicando logo o menor preco porque for-
necem cada urna diariamente.
Paco da cmara municipal do Recife 13 de ds-
re abro de 1069
Ignacio Joaquim de Sonza Leo,
Pro-presidente.
Francisco Canuto da Boaviagem,
Secretario.
TD^TbuT^e|aTarsT^Svarott1cK!r^Tnv
'perial ordem m Rosa, juiz privativo dos feitos
4a faieoda nacional por S. M. Imperador e cons-
titucional o Sr. D Pedro II, a quem. Deus guar-
de, etc. *
Faco saber aos que o presente edital virem, que
eai cumplimento da oniom do tbesouro de 30 de
dezembro de 1863, e em observancia das instruc-
S^ique com a mesma baixanm na mesma data,
la o praso de 3 mezes. a contar da data da pu-
Wicatao deate, isaraa arrematados e vendidos em
hasta publica, celebrada na sede da comarca de
Govanna, a quem maior preco olTerecer, a vista
on a raso, at 10 aanos, quando muito aecumu-
laiido-se ao preco da arrematacao o Juro de 6 %
palo (ompo dj inora, s tres cemprehensoes do
laeapaHado de itainb, e escravos, a saber :
Gesaareaensao denominada Pangani, cum aex-
teaie aproximad amonta de meia legua de testada,
e tres coarto de legua de fundo, poaeo mais ou
awaoi, com grande parte de terreno de vanea
a qual poder-sena fundar ama planta da 2*>X>
Dulcamara, idem.
de cicuiu, idem.
Dito de atplilao gomado, idem.
Dito commum, idem.
Esptulas de ac sortidas, urna.
Essencia de aniz, gramma.
Dita de cagalla, idem.
Dita de eidm, idem.
ia de flor Dita de hortela pinenta, idem.
Dita de rosas, idem.
Dita de salsa parrilha, vidro.
Dita de theberentina, garrafa.
Dita de vergamota, gramma.
Eigotina, idem.
Ether clorydrico, idem.
Dito sulfrico, killogramma.
orescripcao para na forma da lei ser intimado ao; g' D^|uc,0'^aem.
supplicauo que se acha nesta praca. i.'..i h .^i
S. defeftaierito. E receber jnered.
Recife, 13 de outubro de 1869. Caetano Perei-
ra de Brilo.
Bstava sellada com a respectiva cstampilua. Na
qual se va o seguinte despacho :. Tome-se.
Cidade do Recife, 19 de outubro de 1869. Neiva.
Depois foi dirigida a seguite replica: -
lllm. Sr. Dr. juiz do commereio.O supplican-
te vera com a certidao junta requerer a V. S. quo
se dijine mandar que seja justificada a ausencia
do supplicado depois do que citado por editos para
o Um requerido na peticao retro. Pede aV.S.
deferimento. E receber merco. Caetano Pereira
de Brillo.
Na qual dei o seguinte dospacho :
JustiQque a ausencia no dia 24 do corrente mez
as 11 horas da manhaa.
Recife, 22 de novembro de 1868. Alencor Ara-
ripe.
E sendo a peticao destribnida ao escrivao deste
juizo Manool Mana Rodrigues do Nasnmento fi-
zera lav/.ir o seguiulo termo de proteste.
Aos i'J das do mez W outubro de 1869, nesta
cidade do Rc;ifo em rilen cartorio appareceu o
supplicante por seu bastante procurador o soli-
^ejlador Caetano de Britto, e disse porante mim e
I Bstemunlias infra assignadas que reduzia a
aatcsto o coniedo de sua peticao retro a qual
fereeja cenno parto, do presente que fica sendo e
I |e eiMiassim o disse e protestou lavrei esto ter-
uo qual depois de lido se firmn com as ditas
teetemunhas: eu.Secundino Eliodoro da Cuaba
escrevnnte juramentado o e.screvi.
En Manru! Mar; Uodr.^uo.- Jo No->emooto a
crivao o subscrevi. Caetaii^ Pereira de Britto,
Melquades Anlunes de-AImpida. Francisco Gur-
gel do Araaral.
E londo o supplicante produzido suas teslemu-
nhas, sellados e preparados os autos subiram a
inlnha concluso e nelles dei a seguinte sentenfa :
H''i por justificada a ausencia, e mando que o
supp -ado seja citado por editos de 30 dias, para
o fim requerido, pagas as cusUis ex-caosa.
Heeife, 27 de novembro de 1869. Tristao de
Alencar Araripe.
Pelo theor da qual chamo cito e hei por intima-
do o referido supplicado para que compareca
neste julzo dentro do indicado praso afim de alie
gar o que for de juslica.
E para que chegue ao conhecimento de todo;
mandei passar o presente que ser publicado pela
imprensa, e alixado o lugar do costume.
Recife, 30 de novembro de 1869.
Eu Manoel Maria Rodrigues do Nascimento es-
erivao o subscrevi.
Recife. 6 de dezembro de 1869.
Manoel Maria Rodrigues do Nascimento escri-
vao, o subscrevi.
Tristao de Alencar Araripe.

DECLABACOES.
Consu ado provincial.
Pela adrainistraQo do consulado provincial faz-
se publico aos respectivos contribuintes, que
d'amaanhaa por diante corneca a correr o prazo
dos 30 dias uteis, marcados no art. 21 do regula-
ren to de 16 de abril de 1842, para a cobranca i
hocca do cofre do prlmelro semestre dos impos-
to s da decima urbana e de 5 por cento sobre a
reda dos bens de raz pertencentes s corpora
edes da mao morta, no corrente exerciem de 1869
70, correndo na multa de 6 por cento aquelles
dos contribuintes que nao os satisfizerem nesse
prazo.
Consulado provincial, 30 de novembro de HW59.
Servado de adminiclrador, .1. Witruvio Pinto
Bandeira e Aceia de Vasconeellot.
O liscal da.freguezia de Santo Antonio co-
tinda a avisar aos donos de estabeleciinentos, quiW
manden) varrer e irrogar, das 6 s 7 horas da ou
nlia, as testadas de snas casas, sob pena de se-
rem multados, como determinam as postaras da
Illma. cmara municipal. Outro sim, prohbidc'
lancarem agua das varandas a qualquer hora do
dia ou da noite, quer >eja limpa, de sanae on pu
trida, sob pena de seren os infractores multados
em 6*. 8* e 10*000, eamo marcara as pgsfaras.
O fiscal da Aregoecia da Boa-vista faz scienU
a aaem interessar possa, que acham-se depositada,
duas vaccas, nma bezerra, as quaes foram appre-
beadidas no sitio do Mearon, destrundo as plantas:
quero se julgar com direito s masmas, campare-
ga, que jirovando nesta liscaiisacao, e satisfazeudo
o (Uspoeto no art. 119, lit. 9 das posturas de 3t
de junho de 1849, Ihe sero entregues.
Santa. Casa de Misericordia do
Recife.
A IIIia. junu adnriaiitrativa da Santa Casa de
Misericordia do Becife, manda fzer publico, que
precisa contratar o forn"ecrtnento dos. medicamen-
tos abaixo declarados pa va o% mezes de Janeiro
marco vindouro, saber :
Ahsintho, killogramma.
Acido actico puro, idem.
Dito cetrico pnro, dem.
Dito marrano, idem.
Dito ntrico puro, idem.
Dito oxlico, idem
Dito sulfrico, idem.
Dito tartrico, idem.
Ac preparado, onca.
Acnito, idem.
Agua Me colonia, dusia.
Dita flor de larangeiras, idera.
Dita de rosas, idem.
Dita de Sditt, garrafa.
Dita de Vichy, idem.
Dita ingleza de L sboa, iJom. t
Alcool de 36 araos, litro.
Aleerim, billngramma.
Aliazema, dem.
Algalias inftesas do R*. 1 a 2, di!5.>.
Aloes, killograjr.
Alvaiade, idem.
Extracto de-acnito, grarama.
Dito de alcassts, idem.
Dito de belladona, idem.
Dito de camonilla, idem.
Dito de cicuta, idem.
Dito de favas de caiabar, idera.
Dito de fumaria, idem.
Dito de genciana, idem.
Dito de jurubeba, idem.
Dito de uoz-vomica. idem.
Dito do opio goramoso, idem.
Dito de salsa-parrilha, dem.
Dito de tridacio, idem.
Dito de valeriana, dem.
Fesos de ouro, killogramma.
Flor de rnica, idem.
Dita de borragens, idem.
Dita de enxofre, idem.
Dita de malvas, ideur.
Dita de sabugueiro, idem
Dita de tilia, idera.
Figado de enxofre, killogramma.
Fumaria, idem.
Funiz de vidro n. 2, um.
Genciana, killogramma,
Ciiirerlna branca, ftlom.
Gomina de batata, idem.-
Dita purgativa, 'delta
Dita arbica escollada, idem.
Dita em p, idem.
Graes de porcelana n. 1, um par.
Dito do vidro n. 1, idem.
Herva terresire, killogramma.
Uvdiurlnrnto de iTi:irfV,rauima,
Hysopo, killograminii.
Insenso puro, idem.
Iode puro, idem.
lodureto potassio, idem.
Ipepacunha preta, idem.
Jalapa era p, dem.
Kernes mineral', gramma. v
Lieor de labarraque, garrafa.
Linhaca em p, kilogramma.
Dita inleira, idem.
Macella gallega, idem.
Magnesia calcinada, idem.
D ia de Henry, vidro.
Mann commum, killogramma.
Dita lagrimas, idem.
Manjteiga di cacao, idem.
Massa caustica, idem.
Mel de abelhas, garrafa.
Mercurio doce, killogramma. ,,
Meseriao, idem.
Mostarda, idem. .
Musgo islndico, idem.
Nitrato de prata em lapis bronco, gramma.
Nitro pnro, killogramma.
Noz moscada, idem.
Oleo branco de Chevier, vidros de Roncas.
Dito de alfazema, killogramma.
Dito de amendoa inglez, idem.
Dito de batipot, dem.
Dito de cravo, gramma.
Dito de figado de bacalho, garrafa.
Dito de bacalbo ferruginoso, vidro de 8>
Dito de linhaga, killogrampia.
Dito de ricino, idem.
Dito de vermfugo, idem.
Parietarias, iilom.
Papel azul para embrulho, resma.
Dito branco, idem.
Pasia de jjuba, killogramma.
Pasulbas de Belloc, caixa.
Ditas de Kemp, idem.
Ditas de Naff, caixa.
Pedra ume, killogramma.
Pepeira de cabello, urna.
Dita de seda, idem.
Perchlorureto de ferro, killegramma.
Ps de borgonha, idera.
Phosphato de ferro de Leras, vidro.
Ptalas de Allissons (verdadeiras), caixa.
Ditas de Valet, vidro de 30 plalas.
Poligula senega, killogramma.
Polpa de tamarindos, Idem.,
Pomada mercurial, idem.
Ponas de viada calcinadas, idea
Pos de RoggVvidra.
Polassa caustica, killogramma.
Potes de 1 a 8 oocas, duzia.
Precipitado robra de meneara, den.
Protoiodureto de mercurio, gramma.
Purgaiie de Le Roy francez, garrafa a 61 oa?
Quacia, killogramma.
Quina em casca, Idem.
Quina em p, Idem.
Raz de alcaess, dem.
Ditas de altea, idem.
Ditas de espargo, dem.
Resina de angico, idem.
Dita de batata, idem.
Dita de guiaco, idem.
Ruibarbo em p, idem.
Sabao branco amvdallno, idem.
Dito de opodeldok, idem. '
Sabonetes de alcatrab (Antonio Kaaes da Cantal
duzia.
Sal amargo, killogramma.
Salsa horlence, idem.
Salmparrilha, arroba.
Saeeharnreto de oleo de bacalbo, carxa.
SaasarJo, killogramma.
Scetla, idem.
Senne, idem.
Sement} de angelim, idem.
Serpentaria, idsui.
Spermcete era rama, idem.
Sotueao de protaiodureto de-ferro, idom.
Stramonio, idem.
Subnitrato de bismiith, idem.
Saceo de grozellas francez, garrafa.
Sulfato de ferro, killogramma.
Dito de soda, idem
Dito da neutro atropina, gramma.
Suspensorios oscrotaes, duzia.
Tapsagem, killogramma, ,
Vidroaeora rollas de 1 a 4, duzia.
Dilwde opoTdeldok, idera.
Vomitorio de le roy francez, vidro,
iras.
Santa c(isa ch misericordia o '
Recife
A Illma. junta administrativa da Santa Casa em
sessao do da 23 do corrente recebepropostas pe-
as 4 horas da tardo para o fornecitaanto de carne
verde qne houverem de consumir"* estabeleci-
mentos pos a sea cargo, tanto desta cidade como
da de Olinda, no trimestre de Janeiro a marco de
1870.
Secretaria da Santa Casa de Misericordia do Re-
cife 13 de dezembro de 1869.
O escrivao,
Pedro Rodrigues de Sozua
TITO
Esi
porto cima,
| Baratar c
isa-
Ihe falta e axcravos a frete, trata-!
atario Joa^H Joi&Goiicajajp i
Commercio^F7. Jfr j ____
Para Lisboa
tem de paMir em breve o bem cenheuido lugre
ptrfajgillr^to, de superior marcha : para o res-
to da carge passageiros, trata-sc com os consig-
natarios Thoraaz de Aquino
Vigario n. 19, Io andar.
Fonseca 4 C, ra do
Para Lisboa
pretende seguir com a maior brevidade o patacho
portuguez Marianna II, recebe carga o passagei
ros, a quem oflereee os melhores comraodos: tra-
ta-se cora os consignatarios Thomaz de Aquino
Fonseca & C, ra do Vigario n. 19, andar.
Para o Porto
seguir cem apossivel presteza a barca portugue-
za Harmona, do I* marcha, para o que tem gran-
de parte de sua carga engajada : para o restante
e passageiros, trata-se com os consignatarios Tlio
maz de Aquino Fonseca & C, na ra do Vigario
n. 19, Io andar.
^ AVISOS MARTIMOS.
COMPAMA BRASILEIRA
DE
Paquetes a vapor.
Dos portes do sal esperado
at o dia 21 do corrente, o vapor
Cruzeiro do Sul, commandante J
P. Guedes Alcoforado, o qual
depois da demora do costume se-
os portbs'do norte.
Desde j recebein-se passageiros e engaja-se a
carga que o vapor poder conduzir, a qual dever
ser embarcada no dia de suachegada. Encommen-
das e dinheiro a frete at o dia da sua sabida as 1
horas.
Nao se recebem como encomraendas senao ob
jeetos de pequeo valor e que nao excedam a dua
arrobas de peso ou 8 palmos cbicos de medicao
Tuda que passar destes limites dever ser embar
calo como carga.
Prvine-se aos Srs. passageiros, que suas pas-
sagens s se recebem na agencia ra da Cruz
n. 57 primeiro andar, escriptorio de Antonio Luiz
do Oliveira Azevedc & C
ilhade 3. Migue i.
A escuna Port Dias sahe com .1 maior brevida-
de, e para o rosto ojj carga e passageiros. para os
72.C-. Vcm bellos eommo Jos, trata-se cotn o seu
consigualario Joo do Reg Lima, ra do Apol-
lo n. 4.
tendo 12 ca-
tem pedias, 2
as TOnrrSfp! e sof, mu "obla do ama-
relio com 12 cadoras de guarni<;3o, 2 de bracos,
2 de balanco, 2 consollos o 1 jardineira, ludo a
Luiz XV, 1 guarda roupa de amarello, 1 guarda
louca, 1 commoda, um cadeira de Abrir, mesa
elstica, 1 cama franceza de amarello, cadeiras
de amarello avulsas, maKjuetes, marquezas-, 1
commoda de .Jacaranda, 1 grande espelho, i car-
teira do amarello, 1 meza grando para engomado
1 piano e muitos oulros objectos.
Quintaifeira 23 do crranle,
' fragenie Martms far lcflSo por ordem de una
familia que Feretirou desta provincia, dos mo-
vis cima no armazem da ra do Imperador n.
16 s 11 horas do dia
AVISOS DIVERSOS.
LEILOES.
LEIliO
era liquidando,
Differentes apparelhos de louca parajantar, di-
tos para almoco, vidros linos, figuras, porta cas-
licaes de visita, rewolvers, espingardas de um e
dous canos e outros objectos todos novos e de
apurado gosto.
HOJE.
Por intervencao do agente Pinto no 2o andar do
sobrado da ra do Trapiche n.-40.
O abaixo seigoado declara que desta data
em diante loin mudado a sua residencia da pro-
vincia do Bio Grande do Norte para esta. Rcif-
14dedezombrodel869.
_________Paulino Carrilho doBego Barros. _
Boga o abaixo assigoado ao lllm. Sr. tbesou-
relro d o igterias que nao pague, caso saiam pre-
miados, os dou quartos fl-. ^ c 1323, os quae-
foram subtrahidos da mao de 'oa menor, e se
acbam assignados as Costas, este W .Q_npmc de
Amelia e aqueile com o de Umbelina.
Ildefonso Jos dos Santos .
l'reclsa-se (Je urna
na ra Augusta n. Tk,
ama para duas pessoas
Sab de alcatrao
para curar as molestias de pelle,
tacs romo empingens, darihros, sarnas, coraiclioe-
e mais molestias de pelle, sem occasionar acciden-
tes ; desfaz as manchas do corpo, panno, sardas,
restabelece a ccr natural, quanto a cutis, secca,
grossa e amarcllenla, occasionado por algumu
enfermidade, e como desinfectante c preventivo
das molestias cor.taiiosas,
NICO DEPOSITO
Botica do Pinto, ru:i larga do Rosario 11. 10, junt.-
o quartel de polica.
LEIL40
OIIPAXIA BRASILER1
DE
Paquetes a vapor.
Dos portos do norte esperado
at o dia 27 do corrente o vapor
Paran, commandante J. S. Mo-
raes, o qual depois da demora
jdo ctTitume swgnir para os por-
de j recebem-se passageiros e engaja-se 1
carga que o vapor poder conduzir, a qual dever
ser embarcada no dia de suaehegada. Encommen
das e dinheiro a frete at as duas horas do dia da
sua sabida.
No%e recebem como encommendas senao ob-
leclos de pequeo valor e que nao excedam a i
arrobas de peso ou 8 palmos cbicos de medi-
cao.
Tudo me passar destes limites dever ser
embar -ado como cargj.
Previne-se aos Srs. passageiros que suas passa
?ens s se recebem na agencia ra da Cruz n. 37
andar, escriptorio de Antonio Luiz de Oliveira
Azevedo & C.
DE
Urna moblia de raz do amarello com um sof,
urna meza oval, dous consolos, duas cadeiras de
bracos, duas de balanco, dezoito de guarnieao,
urna mesa elstica com quatro laboas.
HOJE.
Xo segundo andar do sobrado da ra do Tra-
piche n. 40 onde haver leilo de movis e ou-
tros objectos.
LEILAO
De urna moblia de mogno nova, 1 dita.de raz de
amarello (perfeita), I guarda vestido com espe-
lho, 1 bilhar com todos seus pertences, 1 jogo
de bagatela, 6 descmeos de ps, 2 ditos doura-
os, 1 mesa de jantar,2 etereoscopos com vistas,
1 rewolver, 1 machina de lavar roupa, l caixa
paragelo, 1 veneziana 1 reJoma, clices eco-
pos, 1 armario, tapete para forro de sala, 1 me-
sa redonda, 1 costureira, louca para cha e jan-
tar e outros objectos.
HOJE.
Terca-feira 21 de dezembro ao 2o andar do
sobrado da ra do Trapice n. 40.
O .igente Pinto levar a leilo por conta e or-
dem de diversos os objectos cima mencionados
exiitootoi no 2 andar do sobrado da ra do Tra-
piche n. 40.
0 leilo principiar as 10 horas.
GOMPANHIA PEKNAMBUCANA
DE
\aves;a?:io eostelra por vapor.
Macei em direitura, e Penedo,
O vapor iquia, commandante Cos-
ta, segui:" para os portos cima no
da 22 do corrente as 4 horas da lar-
de. Recebe carga it o da 21, encommendas,
passagens e dinheiro a frete at as 2 boros da
tarde do da da sahid; no escriptorio do Forte
do Mallos n. 12.
COMPANH1A PERNAAMBGANA
DE
Savegavo coutelra por vapor.
Marxiaogtiape.
O vapor Mandona, commandante Julio, seguir
para o porto cima no dia 28 do corrente as 6
horas da tarde. .Recebe carga, encommendas,
passageiros e dinheiro a frete at as 3 horas da
tarde do dia da sabida, escriptorio no Forte do
Matos n. 11
PORTO
Pretende sabir em iucos aias a barca portu-
gueza Social por ter a maior parte do carregamen-
to prorapto; para o rusto qne Ihe falta e passagei-
ros, para os quaes tara boas comraodos, trata-se
com o consignatario Joaquim Jos Goncalves Bel-
tro, ra do Trapiche n, 17.
Para Lisboa
A barca portuguea P*r*ira Borges dever se-
guir brevoniouw) para Lisboa, j tem a bordo par-
te da carga, e pan a resto trata-se com Oliveira,
Mlbos & C., ao largo do Corpo Santo n. 19, 1
andar, ou com o capitio na praca.
FSa
Segu com brevidude a Teleira e nova barca
portugueza llina, para carga passageiros,
para os quaes tem expelientes cqmmodos, trata-se
com os consignatanoii Antonio Luiz de Oliveira
Azevedo & C; roa da Cruz n. 57 1* andar.
7
ARACATY
Segu aMteg das o palhabote Sobrale-
se, ainda recebe aljfoma carga frete a tra-
tar com Si f,eito & Irmaos, ra da Ma-
dre de Dan r. 4.
LEILAO
Da barca nacional' ADELAIDE com mas-
treacSo, veame, cordoalha, ancoras e
'. crtenles e mais pertences,
A 22 do corrente.
0 agente Oliveira far leilo publico a reque-
rimento dos curadores flseaes da massa fallida
de Maia Je Espirito Santo, o por mandado do lllm.
Sr. Dr. iuz de direito especial do commereio des-
ta cidaue, da supradila barca Adelaide, com sua
mastreacao. veame, cordoalha, ancoras e co Tren-
tes e mais pertences, tai qual_so acha surto neste
porto, onda os pretendentes sao convidados a 1
mina-la com antecipacSo as im como o respecti-
vo uve la. o em mao do indicado agente.
Quarta-feira 22 do corrente
ao meio dia em poni, no sa|ao de entrada da as-
sciaco C|iimercial Benefitente desta praca
Logo em seguida e no mesmo dia se far
LEILAO
de i30 tonelladas inglezas de carvao de pedra
existentes a bordo da supradila barca, por conta
de quem pertencer.
sabir com toda a brevidade o palhanote portu-
guez Villa-Flor tem a maior parte da carga en-
gajada : para o que Ir e falta, 6d tratar-se com
David F.,Balmr, ra d) BruraB.92, ou com o ca-
pitiyao meamo navio.
Porto*
Vai sabir bpev a barca Laura ; pira earg* e
passagettw, tr.itt-se com os consignatarios Cerva,
Iho & Nogueir, na ra de Apollo n. 10.
Vinho de juruboba, garrafa.
Rio Grande do .Sul
Para o referido porv- ^ahir. rftsles dias ppr ter
quasi toda aj:arga pn.mpta, a barca portugueza
Arminda ; para a resto qe Ihu falla, pode tratar-
se eom David FWreira Bailar, roa Q9 TBrra Da-
mero 9.
LEILAO
DE
Movis, loupa e vidros
A SABER
Sala de entrada,
Um sof, 2 cadeiras de abrir e 18 cadeiras de
faia, 1 secretaria de mogno, 1 mesa redonda, 2
descancos de ps, 4 tapetes, 1 candieiro a gaz e i
mappa do Brasil.
Safa de visita.
Urna moblia Luiz XIII, 2 grandes espelhos, 4
cortinados, 4 descancos de ps, 2 oandieiros a gaz,
4 casticaes e mangas, 1 tapete de sof a 4 me-
nores.
Sala de recreio.
Um sof, 2 cadeiras de braco 6 de guarnicao
Luiz XIII, 2 jardineiras, 1 candieiro gaz de
suspetuao, 2 tapetes, 1 costureira e i bilhar.
' Primeiro swarlo.
Dous grandes espelhos, 2 cabidas, 2 transparen-
tes, 1 tometjl candieiro a gaz e 1 guarda-ves-
tidos.
Semno quarto. ,m
Urna cama"de ferro e cortinados, 1 mesa de
cama, 1 lavatorio eom pedra, louca para o mesmo,
2 tapetes, 2 cabidos 1 caixa privada
Tercttro aare.
lima commoda, 1 lavatorio de mogno com pe-
dra, louca, 1 marqueta, 1 cama para menino, 1
mesa decama, 1 lamnarina, 1; jarros e 2 eabides.
Quarto quarto.
Uro guarda roupa, 2 cesta, I lavatorio de ferro
e lonca, 1 mesa, 1 perno, 1 marqoatao, 1 caixa
privada, 1 cabfde, 1 lampartaa, 1 garrafa e copos.
Sata A/n*tar.
Urna mesa elstica, 1 rico aparador, 1 guarda-
louca, It cadeiras. 1 quartloheira, cadeiras para
menino-, 1 relogio de parede, 1 porta reme, 1
porta-licor, 1 apparelho para jantar, opos, callees,
garrafa, compoteiras, fracteiras, 1 poru-queijos e
outros objectos.
Despensa e cozinha.
m temo de baadeiias, flandres. 1 mesa o taboa
de engommar, trern de eoznba, 2 mesas, 6 eadei-
t e outros objeelos:
t^aarta-relra tt # eorreatte
CASA N. 2 DA RA DA ai^CITEIllA
Popo da Panella
O agente Pinto, atilorisado pelo Sr. Dr. Bartho-
Souza e SJro (o qpal
PROTESTO
O abaixo assignada, procurador de Antonio da
Silva Mello, vera fazer soiente ao respeilavel pu-
blico que desde j protesta empregar lodo o rigor
da lei con(ra quem sem eenca cortar madeias
as matas do engenho Belraonie da corcarca de
Nazanth. assim como tambem de haver o Importe
de prejuizos e dainos daquelles que por ventura
irabalharem em trras do mesmo engenho, sem a
previa autorisaejo de seu dono. Peruambuco 21
de dezembro de' 1869.
Duarle Borges da Silva.
ATTENCO.
Pede-se encarecidamente a lodos os irmos da
irmandade da Cnnceiclo dos Militares a bondade
de apparecorem hoje 21, as 6 horas da tarde, u>
raesnu consistorio, para presenciarem um lelo
o mais revoltante quo se pode imaginar.
___________Um militar.__________r
PERFUME INEXTINll IVEL.
Para o Le;co, Tcugadou, e Banho.
lomeo Torquato de Souza e Sjlva (o qpafjsjja
Eoropa com sua famill), fr4 laigo dos moy* e
mais obyectos da casa de sua residencia, no Poco
da Paolla.
* concujTentes a leilo ew."lr
ras e SQ mininos do dia cima >^ta.
gratis, aa esfjw dos trillioa urbanos" 0
Apipucos.
.liarla s 10 e meia hora?.
A MU AFAMADA
AGUA DE FLORIDA,
I V.
' UIHRAY & LAXMA3.
He 0 mais delicado e mimoso c ao mes-
mo tempo ornis es&vel de todos os per-
fumes, e encerra em?, no seu maior auge
de escellencia, o propio aroma das verda-
deiras llores, quando anda na sua flores-
cencia e fragancia rat.iral. Lomo um meio
seguro e rpido allivio contra as dores de
canee, nervosnlade, dtbiidade, desmaios,
Natas assim oomo Gente todas as formas
ordinarias de accidentes histricos; de
summa efficacin e rao tem outro que o
iguale. Igualmeme, j.iando destemperada
com agua, torna-ae um dentifruiu o mais
agradavel c excellente, dando aos dentes,
aquella alvurae apci ciada apparenoia 13o
altamente apreciada e desejada pelas Se-
tihoras.
Como um remedio contra o man lialito
da boca, depois de diluida em agua,
sumnaamente excellente, faz remover neu-
tralizar todas as materias impuras que se
criam roda *los denles e das gengivas,
tornando-as duras, sadias e d'uma linda cor
encarnada. Quanto a delicadeza, riqueza
e permanencia do seu fragrant aroma, ella
por certo nao tan igual; e a sua supe-
rioridade sera rival. Ella igualmente tor-
na-seum meiomui exilente, para fazer
remover de sabr a pelie do rosto, toda a
qualidadede brotoejas, ebuliroes, sardas,
pannos, manchas, 'mpigeiw e espinhas.
Quando se queira servir della como reme-
dio para lazer desaparecer qualqaer um
destes disfigurwiieirios, qoa tanto desfei-
amas*ndas feir^cs d Wlo sexo; devela-
se usal-a n'um ead e dUIuicSo, destem-
perando-a n'uma pouoa- 'agoa ; porm ne
tratamento de qualquer espinha, usar-se-hi
della pura em toda a ^ua forca. Final-
mente como um admirav^ meio de com-
inunicar as feiooes igueiras "e paludas,
urna pelle macia e d'maa transparente al-
uira, danrh>4he urna linda eflr e rosa .
para um tal Gm, eiia lev a palma a todos
os perfumee que se teenv inventado at bu-
je, e existe em plenanofenania sem rival.
Bem entendido tudo i to se reitere nica-
mente a Agua dMPlobid de Mvrrat A
Lanman.
As hnitacoeB .Vllemanha, assim cerno em outras partes ;
sao inteamente inteis c invaliosas ; pr-
tanlo reeommeuda--e rnui specialinenie
s senhoras, que t^nham toda a precauc"
e cuidado estejam
certas que compra
A ftNt INA
AGl
MRR
A qnal preparada smmU^m un
i'ivjpritttr
Aflha-sea \
A. Caor, p. Mau-
A C. A. A artwloineu, & C.
ih
f
.y
i>
i
'
f^
y
j


-.,-jK-. - mH
Diaria de Pernaroboco Terqa feira 21 de Dezembro de 1069.
9Hi\\

FiLOI
AJfflGA E CJIEDITATA
* wjw JJ
nciTi ti COSSIi.lTIlHTI IDI COIPLIT SHillSIT II
CHAPEOS DE r\0V.
De todas as quadadet I
De todos De todas os presos I
RA DO CRESPO N* 4
s

\

i
SOFFRWENTOS DESTOMAGO, CONSTIPAQAO.
.-lira ein pone- (lias pelo CARvIo OC BELLOO em p ou eni paslillias.
ENXAQUECAS; NEVRALGIAS. EssuaOcccaasao dis-
sipartas rpidamente pilas perolas D'ETHE* M'CUITM.
ANEMIA, A PALLIDEZ c o wffi montosque necessitim do
vtSTO dos ferruginosos sSo seropre combatidos com o melhor resultado
petos PIHUAS DE VSLLET. Cada Pilula tcm incravado o iiome VILLtT.
PO DE ROG. Basta dissolver ubi frasco d'este p em roeio
garrofa d"upua pan e obt-r urna limonada apradavel que purga sem ta-
lar clica.
VINHO DE QUINIUM de Abarraque. Este rinho, uro dos
ponecs cuja cimipusiglo 6 garantida constante, urna das melhores pre-
poiai^M* de quinina, seni acclo notavel obre os convalescentes, dando-
Ihi-s (breas c atristando i *olta a saurie. Cura as febres antigs qua re-
tstao ao sulfato i!e quii: 10.
MOLESTIAS DA BEXIGA. A maior parte d'estas moles-
tias, como as sci-ilicsa, lumbagos, catarros, e todas as dores nervosas em
feral sSo curadas pelas PEROLAS DE ESSEHCU OE THEPESENTIM* do
Or. Clertan. O prolissor Trousscau em sea Tratado de theropeulica acon-
selba as para seren tomadas na occasiio de jautar, na dose de 4 i 12.
OLEO DE FIGADO DE BACALHAO DE BERTH.
r.anintiJo puro c <(c primeira qualidade, mu dos poucos aprovados pela
Academia de medicina.
AVISO. Todos estes medicamentos feram aprovados pela Academia
imperial de medicina de Pars.
DEPOSITO
En rtrli, X.. FKERJE, I, roa Jarak
iio-Jat.ei.-o. Duroxcn-iie ; H.iuhxx i l'ernambuco. Mimm et O.
iMli'm.. .
SOFFOCACAO
reroias Trtiirr no dodtor Clvrtab approvadas pela Academia imperial
d: medicina de l'ariz acalinam quasi sempre instantneamente os ataques d'asma,
o|i|ir'ssao, solocacio, assim romo as dores de cabera e enxaquecas. suB-
fieute na occasiao em que apparecrx o mal, o engolir-se urna ou duas perolas
rom uina poun d'ogoa. com certeza o medicamento mais fcil de tomar para
u4e genero do docncas.
As Perniaa de terehentkina do r.oinoR Clbbtan sao imprecadas diariamente
com grande xito para a cura das nevralgias, rfaeumatispio, sciatico e catarrhos
da bexiga, Lslas perolas fortn sempre recommendadas por um grande numero
de mdicos e especialmente pelo Doutor Trousseau, que indica este medica-
mento como o mais .-.Dicaz. conveniente tomar de 4 at 8 na occasie das
comidas.
A approvacao da Academia imperial de medicina sem duvida a melhor
garanta da boa preparacao d'stes medicamentos e de sua efficacia.
Duponito cm H.it-J*ntiM, Ditpnnr.helk; Chemlot Ein Pbuiaxmjoo, Mauret k C".
ms*4mLm
VEGETAL AMERICANO
z sal da de
BARTHOLOMEO & C?
fu a cara certa das lossc antigs e recentes, eatarrta pulmonar, asilima; tos convulsa, eatarrha*
Hronchias, o en eral contra todos o soffrimentos das vial respiratorias.
DEPOSITO ERAL
O A. E2
Gi.FlIiV
34, RA URG DO R0ZARI0, 34
PERNAMBUCO
K therspeulica das diversas molestias do peito,desde
a pliaryugite ou nal da garganta al a lobercutaco
pulmonar, passaodo pelas diversas bronchites catarrbaes
e o emphysema acaba da ser enrequecida com mais
esle meilicameilo, que tomara a primeira ordem eatre
-.odos ate hoje eonliecidos. O xaropa Vegetal Americano,
.arantiudo paramente vegetal, no canten em sua
:ompoico um sd tomo de opio, e sim somente sue-
cos de plantas indgenas, cujss propriededes benficas
ua cura da molestias que perlencem aos orgos de res-
piracio foram por nos observadas sor longo lempo,
com ptimos resultados cada vez mais crcenles; pelo
que nos julgsmos autorsados a compor o xaropa qua
agora aprcseuUSMS, a a oflerece lo aei mdicos e ao
pablico, Provmo com os allestsdos abaixo o que le-
vamos dios, a contamos que o eoncaho o xaropa Vegetal Americano erescart de dia s da,
denando muito apos de ai todos as peitoraas em voga.
Illa. Sr. Barthalomeo *C,O xaropa Vegetal Ame-
ricano, preparado em na oonceiiuadieaima pbarmacia,
um ntil remedio para combate: A termel asthma.
Sofria en aquella molestia na qnatro mezas, sem anda
tr combatido os auqaea menees que tinna ; este ultimo
qua tiva foi forlissimo qne me prostou por 8 das, use,
Sorm a sen milagroso xaropa. tomando apenas tres
oses, a ate o presaste nao fui de novo atacado Prasa
Daos, so* W Iqs* rssulMlscids per ama vez. Rendo-
Pa^a-se bem
Precisa! de nma ama do-meta idade
eacauwae^etodo oserjiQo
a Ja swIibbVm"
"-"rVacsal
IwvIvC
n. 21,1 teSr.
MU
Joaquim sJpsdGwg
palves Beltrao
RA DO TRAPICHE N."17, 1. 'ANDAR
Sacca por todos os paquetes sobre o Buj-
eo db Minho, em Braga, e sobre os sesnin-
tes logares em Portugal:
Lisboa.
Porto.
Valenca.
GuhnarSes.
Coimbra.
Chaves.
Viseo.
Villa do Conde
Arcos de Val de Vei. .
Vianna do Castello.
Ponte do Lima.
Villa Real.
Villa-Nova de]Famalic3o.
Lamego.
Lagos.
Covilh3a.
Vassal (Valpassos).
Mirandella.
Beja.
Barcellos.
Preciosa publicaco
jurdica,
Commentario do Cdigo Commercial Portu
f guez e Brasileiro.
Venderse na loja da ra do Crespo n.
2o A esquina da do Queimado, a impor-
tante e moderna obra sob o titulo de an-
notaedes ao cdigo do commercio portugtiez
em G voluntes pelo Exm. Sr. conselheiro
Dr. Diogo Pereira Forjaz de Sampaio Pi-
mente!, lente cathedratico na universidade
de Coimbra. Os subidos crditos de que
goza muito merecidamente aquello eximio
commercialista por si s bastariam para r
commendar to importante obra, qaando
n5o concorresse mais para isso a grande
vantagem de ser um ptimo commentario
ao cdigo commercial brasileiro (na falta
absoluta que ha de qua'quer outro) pelamo-
xima homogeneidade de entre muitas das
r-uas disposires, e as do mencionado cdi-
go portuguez, que lhe servio de texto.
Correi pressurosos, distincta mocidade
do 4. anno da Facoldade de Direito desta
cidade e notareis jurisconsultos, a prover-
vos desse poderoso auxiliar para vossos
trabalhos da sciencia, e pelo preco commodo
do 200, toda a obra em 6 vol.
MASSA e XAROPE
DECODEINADEBERTHEI
Preconisados por todo* os mdicos contra osl
DEKLUXOS. CATHABROS, E TODAS AS|
IRRITAQOES DO PEITO.
K. B. O Xarope 4* Codeina ave mereci a I
konra, aliat sem rara entre a* Uediramentoil
noto; at* ter registrado temo nm dot medica-1
mentoi ofliciaet do Imperio Franca diipcma j
qualquer elogio.
AVISO. Por cansa da teprehensivel falsi-l
ficaco que ten suscitado felii rpsnlta*) do I
Xampe e massa de Bi-rih somna forcado al
lemlirar que estes medcarnalos tadjusiaaaeBlejj
conceituados so se
VtMIlItlli cu caimn
has c frascos levando
a assignalura em
frente.
46, Rut det eutei, e na Pharmacia Central!
de Franca, 7, fie de Jony, em Pmii, c cml
lodas as l'harmacias principaes drfBiaiil.
^C;"!*'"'! :r''
t>tiym
lhe, pois os meus agrdeetmentos por me ter aliviado i>
lio borrivel mal. Com a mais significativa gratidao
subscr*vo-me deVmcs. affectuoso a reconhecido criado
Sewrino uarte.Sua Casa 14 da fevereiro de 1868
Illma Srs Bartholomeo *C. Depois de quasi seii
mexes de soflnmeuto com urna tosse incessanle, faslie
extraordinario, expectoradlo de um catarrbo amarelh-
do, a perda total daa torcas, que o menor passeii
me faligava completamente, cansado de tomar mus ou-
tros remedios sem resollado livea felicidadedesaberqnt
Vmcs. preparavam xarope Vegetal Amerieauo, e com
elle, gra?as a Deus, me aeno restabelecido ha mais dt
dois mezes, e robusto como se nada tivesse sofi'i ido. A
gratidao me (orea a esta declaradlo, que poderao Vmcs
taxer o uso qo* quixerem.So tom estima de Vmcs
mulloa"napeiudor o criado. Antonio Jnaqutm t
Catira Silva. Recite 8 da fevereiro de 1868.
Attesto qss usei do laropa Vegetal Americano, da
composieo dos Srs Bartholomeo k C. para cura de na
forte defluxo qne me troni* n/aa rouquidAo,qua me ntt
fatia adtender, infiamma^A e dor na gargania, toas*
grande falta de respirar. Houei completamente re
tabelecido com um s^vidro uo mesmo xarope; pe'.i
que Ihes protasto eterna gralido. Recite 10 de Ja-
neiro da 18(8. Jooqutm Pereira Aroais*-Jnior. -
Esto rseobeci>,i.
FOLHINHAS
Acnbfta le ahlr lu e aea-"e
venda na
LIVBARIA FRANGEZA
Ttim ao Crespo, N 9.
ai afanadas Foltahas
PARA 0 ATOO DE 1870
PREGO R.3 3 5 0
> yarararra t a a u a a 4M '* '* Tf
. 0^Jjp|L91iJltth3
Ainda n3o /ui uossive vencerem-se oa
trabalhos d e'abaient da PHTOGRA-
PHIA IMPERJAL di ra do Cabuga n. 1,
os quaes s estarlo terminados no dia 7
de Janeiro de 1870
Pedimos indulgencia e paciencia aquel-
las pessoas que se tem dignado esperar
que principiemos uossos novos trabalkos
photographicos para 9e fazerem retratar.
Rectfe, 12 de deembro de 1869.
J. Ferreira Villela.
Ir/Ka
/tai

ESVUDO
j iaa>Miaaa m/ su a blosi .. H VllIVtr
Jos Soars de Azevedo, professor de
liagoa e litterattira nacional no gymnaio
provincial do Recife, tem aberto em soa
casa, ra Bella n. 37 :
Um curso completo
de Lluco sorugliieza;
de Liagoa fraaceza, versSes
oraes e escripias de portuguez para franeez
e viceversa, de corfoimidade eom o novn
programma do goverao;
de 4e*>grapb!a physrca, poltica
e astronmica..;
de Historia universal:
de Philosophia, Racional e Mo-
ral;
de Rhetorica e Poek?.
As pessoas que desejarem freqtientar
qualquer ou quaesquer destas aulas, podem
dirigir-se indicada residenciaL.de manba
al s 9 horas, e de tarde a quilquer hura.
Ama.
Prerisa-se alugar ama escrava que saiba cozi-
nhar e engommar para casa de familia : na na
do Qaeimado n, 69.
Mugase o 3o andar do sobrado sito ra
pstreita do Rosario n. ti, eom bastantes eommoos
para familia : a tratar no armnzem do mesmo.
Precia-se de una ama (|Ut; sai ha euzinhar o
diario para nma casa de familia : na ra do Cres-
po n. i se dir quem precisa.
Aluga-se urna escrava
Queimado n. 61.
a tratar ua ra do
Ra Nova n. 32, precisa de
costureiras.
Na ra da Moeda n. 5, % andar, escriptorio
de Manoel Alves Ferrer & G., vndese vinho
verde superior era barris, ancoretas com vinho do
Porto snperi >r e mal vari a branco.______________
Na roa da Cadena n. '-\ casa em cons-
trueco, offerece-se porcSo de boa calica e
pedras, excedente argamassa para lugares
arenosos.
Carolina Mara Campos, Custodio Jos Alves Gu-
rnaraes, Antonio Jos Cordeiro SiraSe, Maria da
Silva Campos Guimariies e Senhorinba da Silva
Campos Simos agradecen) cordialmMte a todas
as pessoas que Gzeram o caridoso obsequio de as-
aUirom *o oicajmic p aivtmpanMrom an rpmilprio
os restos mortaes de sen esposo, sogro e pai Do-
mingos da Silva Campos; peto presento de novo
pedem aos amigos do mesmo a honra de se dig-
naren de assistir as missas memento que tem
de se fazer na quarta-feira 22 do corrente, pelas 7
horas da manhaa, stimo dia de seu fallecimenlo,
na ordem terceira de S.'Francisco, por cajo espe-
cial obsequio desde j aatectpam o seu eterno
agradecimento.
Os Rvms. sacerdotes que quizerem celebrar
missas por alma do referido finado com a asmla
de 4*. poderao se dirigir dita groja__________
AMA.
Precisa-se de urna ama para cozinliare fazer
compras : a tratar na ra da Cadeia, sobrado n.
34. P andar.
- Precisase da um criado livre ou ca
rna da Madre Deas n. 3.
itivo: ua
J? fij


-i-----------
Aluga-se
a frente superior do i" andar do sobraste da ra*
do Vigario n. 26, constando de urna boa .va !
boa alcova, pintado de prximo, sendo mnifc) fres.,
co, proprio para algara horaetn solteiro, o o all- a prinielvo andar do sobrado da roa- de Vigario
fue mdico : a tratar na mesma casa- j n. 3, eom boas coroirwdos para familia c para-es-
cnpmrin ^ tratar no aruiazei da travest do>
ALGA-SE
Precisa-se de urna ama de lete : no Qrre-
dor do Bispo n. 23.________________
= Aluga-se al o "m de marc; prximo vin
douro urna casa na pcvoacao de Apipuco : a tra
lar no armazem do Campos, ruado Imperador nu
mero 28.
AMA
Precisa-se de nma ama livra ou captiva para o
servlco interno e externo de una casa de pouca
familia, paga-se bem, dando garante a rsua con-
ducta : a tratar em frente a ra do Vigarto-n. 2,
armazem de molhados.______________
Para passar a festa
Aluga-se para passar a festa urna exoellenle
casa em Jabeatao com bons commidos para fami-
lia, botando os fundos para o dito rio Jaboatao,
aonde tem um excellente banho : a tratar em ly-
gipi defronle da igreja. _________^___
ALERTA!
Fugio de Santo Amaro das Salinas a escrava
Thomazia, fula, alta, magra, bonita figura, e aiMa
quasi sempre asseada, costuma mudar o nomo
proprio para o di Mara dos Prazeres, Mara i
Rosario, etc. : quem a apprehender dirija-so ao
logar cima n. 5.____________________________
Collegto de S. Francisca tle
Paula.
0 bacharcl Fraacsco Jo3 Rabello. competente-.
mente habilitado pela directora da inslrncco pu-
blica, tem aberto um collegio para edueacao iri-
maria e secundaria do sexo mascolino, atraves'sa
das Barreiras n- 2. No mesmo collegio se pode-
rlo desde j inscrever os alumnos quo pfWendtf-
rem frequentar o cur.-o das ferias no (pal esjvC-
cialmente ?e ensinarao as materias "para o< oxa-
mes na laculdade no mez de margo.
Alvaro Augusto de Alraeida & (1, desp<*di-
ram o seu caxeiro Huguliuo Machado da i: i.
lio je i\. ________________
"C0MED0R1AS
Fornece-se comedorias para fra de urna ca da familia, com todo o asseio e proraptidao na ra
estreita do Rosario n. 35 sobrado, e tambe;:) se
prepara almo
peca de cami
iempo.
SA4'It> A" LUZ A lBRA SEAUl.NTE
DICIONARIO
1>K
mi wam AccEssoms
contando a dtscr'Mt^v Oas cmsM, syniptoroas-*
iralnmnto bs inoaBsito, mu rewwmio especial
para pada iole-Hal e msvtes ronhecimeutos ulfis,
4 itlirnii) .
refirmada e coiisUltiavoliiiCiiie augmentada
PEU> DI.
Pedro hm Sa|)oie* Clicnom
D:t> grossos vtiliiinos. encadernaateg, conteado-
a materia de qaatra nrftai"" urfciflw, com um
Mal >'< 2,S8 paginasBtM Bgnrae nott-xts : ven-
u'v-f na lr*ari:ta Jaas lt.ul.osu doMullf, ra da.
Erogn. :iJ: pn-^i :1(300iD._______________
Alujase nma casa mrJito fresca naCapunga
r n miMt 'dos para familia : a tratar n inesm
lusnr rna ilss Crioufcas n. >.
_______ \\W
_..hor que en <> di-- -
Rosario n. 3o sobrado, e tambera se d lWrtn,P as -2 m ras .la larde.euSraa na fa-
ocos e jamares avulso ou qualqtwr hrira *, cigarros, suroa, D.reita 4 30, para
nda, isto e, sendo encommenda>la cm. ,.,,,,..,,. ,.;,, ,r!(v>,),, ^nmi ,\ Q,.(ia, o por en-
-..., i...--i i.> f>K*i,iVi dn caI t\e\ hit'rn ascirntr.
Itoil-*t> ao ^euhor *\\k e* da exla<^feira, 10
AMA
Precisa-se de ama ama. preferindo-se escrava,
que faca todo o servico interno e externo de urna
Ido familia cranosla de duas pessoas : quem
ou quizer, diriia-se a rna larga do (osario n.
> andar, qne achara com quem tratar a' qnal-
hora Caixeiro
Niv' ntn rhajipo rjp -v>t i!o attawd assigna-
.1 : ilorx ;t o en, tn vista, lissn tonha abondade
i vir rn-ra-lo. do contraria en declare o nome
ira n-V. se .-In-nar a i^inu-anna.
iuga-sa
Precisa-se de um caixeiro qae tenha pratica dt ,
negocio, e que d fiador saa conducta, para loja
de calcados : na ra da Imperatriz a. iO. f
AHENCAlF
Furtaram hontem da bolea do carro da fi M"i
de cerveja, qaando se acbava no Forte do Jaatto,
a carteira de tiracol io boleeiro que tnha Ri\t'JO|j pmcm-amIo urna ama i^b cozahe eom per-
no mesmo lugar cima, tendo dentro wm reque- f..i;, |1; n Ca
i o 3* swbr do sobrado n. 8a rna. da Imperatriz :
i a tratar coto J. !. re s> Reg, rea do Trapiche
I n. 3A.
ma-
Que! v-M <'< wtas..
Caixeiro
Precisa-se de um menino portuguez que.= tenha
pratca de molhados e d fiador a sua conducta :
110 armasem da SstreHa, largo do Paraizo a. i A.
Caixeo'Qe oxmfteiro
riraonto feite cmara, atyuns- btlhete* d
chambomba, e perto de t:000S000 de reei
mesirta fabrica : roga-se aos senhores a quem or
apresentadds ditos recibos de nao pagarem,.' ajres- pr,-cisa-? de nm caLxeii'O [vara tomar costa de
soa que aachar ou dor noticia, ser gratiltca.li. nma ubertia, .vsmv t.voiwm du um coiinheiro,
Precisa so de um caixeiro com prati ..-.i- d pref. ..-,130/0?. pratic-'. de casa de pas-
taberna : na ra da Gua n. 36. to.: 11 a : t 1 da Lapa u. ti,
ajiaavwf- awanaam rfeW'ttn paar.
ir a
EO
esquina
Eate importante estabeledmento no sen genero, tem sempJB nm sortimento sem igual
i GABUtiA
e fade por precos que nenhuma outra casa pode vender. -a-an m ra iargadoj
da rna larga do" k ^ ^ qualidad e do preco das jolas cada nm pder*e-ha convencer da variado.!
Rosario. Garante-se ser tndo de id. Comprtwe onro, prata- e pedras finas por precos nmifc c.?- B.r>3ari6.
" i loja est berta at & 9 horas da noutfy
1 "."yt*^>c?^?crpn5
sm .*& '.Vf |
Uaai




K
X

I
Diario d Pemaiubuco Terina feira 21 de DezembfQ de 1869
LOJA J>AS MACHINAS
BASTOS
Acabam de chegar grande quantidade das verdadeiras machinas americana
para descansar algodo da todos os iystenus e lamanhos seguintes:
12 serras 12 serras
14 dilas '4 ditas
lo ditas 15 ditas
10 ditas 16 ditas
18 dilas 18 ditas
20 ditas 20 ditas
22 dttas 22 ditas
25 ditas 25 ditas
:t() ditas 30 ditas
35 ditas 35 ditas
40 ditas ^^ 40 ditas
as quaes se vendem por precos eommodos uimmendas de alguns tamaahos, obsequio de as mandarem busca-las o mais breve, pos
fc\e! alia de nSo baverem fallas.
RA DA CADEIA N. 56 A
-*.

DAVID WILLIAM BOWMAN
Partecipa aos senhoresr proprietario6 de igenhos, que acontecendo faltar-thes
agoa ou animaes para a moagem durante a prsenle safra, elle tem vapores proraptos
p?ra assentar, sem precisar de obra nova ou demolico de obras existentes, e que
pode botar taes tngenbcs a moer oito dias dopois de estarem as pecas do vapor no
igeuho, garantindo-se o trabafho. *
Fuivdiqao, ra d Bram n. 52, passando o ehafara.
MM
^m
FABRICA DE PIANOS
DE
J. Rhtgass, saccessor
55Ra do Imperador55
Nesta antiga e bem cotihecrd* casa, encontrar-se-ha como outr'ora grande sor-
imento de pianos construidos expressameute-para o clima deste paiz, a Mr. J. Rhigass
lendo trabalhado rauitos annos na -oonstru/cio de pianos era Pars, acaa-se habilitado
a preparar os pianos que vende cora todos os accessorios indispensaveis nao s sua
tiidez, como sua durado. Todos os pianos sao garantidos.
Tambera ha neste estabeteciinento, grande variedade de msicas novas e dos
.memores autores, tanto vndas de Pars cono do Rjo de Janeiro, que se vende mais
brato Jo qua em outra qualquer parte; assim como ha igualmente venda todos os
objectos necessarios contruccSo de pianos. Os concertos e ainacoes de pianos sero
te tos con o maior zele e cuidado.
Ao publico.
Em Olinda.rua deS. Iknlo n. 19, acha-se-txm-
< otomente preparada tina casa para fornewr
Comtt pessoas que ipizerein pulsar um dia,
on mrsmo mensalmente, garante se asseio o prom-
plido. .Va mesma casa ha caf todas as nuiles o
aL'nmas dislracoes para o mesmo publico.
Aluga-se urna casa na ra do Cotovello n.
I : trata-se no 2* andar do mesioo sobrado.
O Sr. Or. Jos Cavalcante de Albu-
r(u?rque l'cba, tem cartas nesta typogra-
phia.
Precisa-se de uat pequeo boieeiro : na ra;
.Vovan. 4G.
usa da furtiva
Aos 4:00<*>$
Bilhetes garantidos.
A ra do Crespo a. 23 e casas docoetome.
v imiau a-iguaon, fondo vellido ateni de ou-
:r;i3 surtes, dous quarlos n. S80I com 4iG0#a da
tu que se aerbou de exlranir a beneficio do
patrimonio dos orphios (130*), convida aos pos-
-;i;dorrs vireni receber na conformidode do
cosame sem descont algum.
Acham-se a venda es felize< bilhetes da 3*
arte da lotera fceneficio 'da igreja de*. Joao
Je Abreu de Una >i:)l ), que se extrahir na ter.
.d-feira 21 do eotrente mez. -
Precoi.
Os do eostume. -
________________Manoel Martina F\v*.
mm
Pede-se aos seguintes enhores, se nem comparecer na loja do Passo ra do
.ivspo*n. 7 A. a negocio do #eu parlicu-
ar ulerease:
Antonio Pereira de Souza.
Domingos Martins de Barros .Monteiro.
CASA FELIZ
Aos 20:000^000
Xo liedle arco da CoacelcSo u. S
Os abaixo assignados tondo-se habilitado na
forma das leis, tem exposto a venda os seus feli-
es bilhetes das loteras do Rio de Janeiro, na casa
cima, aonde se pagario as serles que sahirem
nos mesmos bilhetes, com o descomo soinente
da lei.
PRESOS.
Bilhete inteiro 21*000
Meios 12*000
Quartos C*O
Ede i00* para cima a tU o bilhete.
Figueired & Leite.
Sahio luz a collerro
de varios regulamentos|de impostos altera-
dos e creados nula le n IKY7 ra -iQ fa
steBbro de -I8G7,
comprebendendo os de pessoal, escravos, indus-
trias e proflssoes, sello (orginisado alpliabetica-
mente, explicando cada acto a que ello est su-
jeito, ^e se deve empregar estamnilba ou verba,
no primeiro caso qnem deve inulilisa-Ja), trans-
rnissao de proprjedade, dizima dy chancellara,
emolumentos, mullas applicadas fazeada publica,
etc., etc., c em apP'iudice o do cofre de depsitos
pblicos,
notados com as
instrucoes e decisStis posteriores at a
presente publicacao,
por
Francisco Augusto de Almeida,
1* escripturario
da reeebedoru de Pernambucp :
vende-se na ra estreiu do Rosario, n. 12, a 4f.
Torna-se de grande utldade aos Srs. advogados,
solicitadores, negociantes e unecionarios pblicos,
a aeqnisieao deste trabalho. Aquelles que assig-
naram e nao receheram promplamonte, podem re-
clamar na mesma casa.
Primro Introductor dos pe? tilmlrcs
manteneos da SSbyssiQa.
Sstes pe^8ora,m espalbados na Euro-
pa, tanto que, qualquer duvda do seu
grande valor pralico deve desvanecer vis-
ta das grandes vantagens.
Milhares de excmplos mostraram que
elles sao de grande utldade aos industrlaes,
agiieultores e particulares; at em todas
as expedicSes militares dos ltimos tempos
foram usados para procurar sem demora
agua fresca e pura, e tanta quanta se pre-
cisa va.
Em todos os lugares, onde um poco ca-
vado ou turado (pelo syslema antigo) daria
agua, pode-so empregar s pocos tubulares.
Elles facilitara achar, agua muilo mais
depressa, mais cristalina, mais fresca e
mais barata do que por meio dos pocos
cavados.
O systema dos pocos tubulares o ni-
co pelo qual se possa obter agua perfeita-
mente pura, livre de todas as substancias
nocivas e preservada de todas as influen-
cias atbmospbericas.
'Por mcio de urna macbinamuito simples, consistindo d'um macaco, iiapelle-se para
dentro da trra uta tubo da ierro, cuja extremidade inferior est turada e munida
(fuma ponta d'a$o; e logo que a sonda mostra agna-ao mesmb, deve-se atarracbar
a 'bomba e faze-la funecionar. Ao principio a agua ter substpncias arenosas e terreas,
porm Togo "se clarifica, e era pono lejnpo satura agua perfeitamente lunpia.
Outras vantagens que apresenta'ste systema s^o: R? >
Primeiramenle, a proraptidao cm'que se executa toda a obra do asseutamento, que
muitas veaes alo leva mais de urna hora, sem rnmoco alguraa de tena:
Segunoo, a commodidade que elle cffere-ce de ser nao somente collocado fra da
casa, como tantbem dentro da mesma. com nao menor facilidade :
Terceiros a facilidade com que se tira para ra da trra o poco sem o estragar
para o collOcarem noutro lugar:
Quarto, a grande quanbdade d'agua que elle pode dar :
Quinto, a pnssibdade de tornar, uteis coni pouco trabalho, por meio delle es po-
Cs cavados quo foram estragados pela rea oiy)or outras causas.
Precisaedo-se de urna grande quantidade d'agua pdo-se introduzir na trra
verso tubos unidos uns aos outros por meio d'um apparelho muito simples.
Em lugar das bombas aspirantes geralmeolo usadas, pde-se fornecer bombas de
compressao para elevar agua e conduzi-la aos andares-superiores.
O omprego dos pocos tubulares sobre tudo prveitoso aos fazendeiros, que em
qualquerjcampo onde o gado precisa d'agua, os podem collocar e arranca-Ios para se-
rem collocados onde melbor Ihes convier.
E' tambera de grande tlilidade aos fabricantes de cen'eja, aos distilladores e a
todos os fabricantes em geral, e com especialidade aos enipreiteiros, architectos, en-
genheirfs e todos aquellos que precisara de quantidade d'agua por tempo determinado.
Este melliodo o nico para obter em qualpuer parte agua, que seja livre de par-
tculas nocivas, elle tambera prveitoso aos proprielarios de casas e jardins, tanto
para o uso diario como para regar as plantacoes a capim.
Pedimos a aquelles que nos quizerum honrar com suas encoramendas de nos
commwcar: 1. em que profundidade se aclia a agua, o que fcilmente se pode verifi-
car nos pocos ou cacimbas visinhas'; ".0 de que-especie sao as carnadas da Ierra da su-
perficie at a carnada que contmagua ; 3o enV que especie d carnada se ach'a a agua
naquele logar: 4." finanlmente aquantidad* d'agua que se, pede por hora.
A collocacodo poce tica por cunta do comprador oiierecendo-.se porm a empre-
sa a emprestar o apparelho de asseutamento mediante -urna retribui'cao a convencio-
nar, a qual s?..regulara pelo tempo que se achar fra.
Tambem encarrega-se de mandar urna peSSa habilitada na colIoeacSo d'essps po-
cos, pagando o comprador altn do sustento e despezas de viagem (ida e volta) um
jornal previamente convenciOBado.
Mas para os lugares l'ongiftquos qualquer pessoa hbil ou artisti
capocUr colloca-las sem embar.ago, singindo-se nicamente as ins-
\truccoes Que acempanham as prendas bombas.
As*pessoas que quizerem apreciar o trabalho dos referidos pocos, podem ir ven
funecionar ra da Florentina, fabrica de cerveza n. 20, em Bebenbe em casa do Sr.
major Antunes,. no Casanga no hotel junto a poute e no Arraial em casa do annun-
ciante.
Para encoramendas e mais esclarecimenlos
j. Germaon; ra Nova n. 21.
ILLEIBHHO
51Ra da Cadfeia do Recife 51
Chima a attencSo dos seu nnujrieroe fre^fcezes, e do ^eepea^M pobDco e
, para a segiiiete tabella do* .pregos e sua caaa, os quaet to Mi por cent*
mais barato do que em outra qualquer parte, comecando no 1. de dezembro:
d-
a respeito a tratar na loja do Sr. F.
Cabellaras para sehoras a 2S|,
30,5, 35^ e......40000
Ditas para homem a 3;.->, 405 e S8OO0
Coques a 123, 15,?, m, 205,
25, 30* e ..... 500000
Crescentes a 123,15,-5,48,5,203,
255, 305 e.....325000
Cachos ou clespos a 33, 45, 53,
63, 75, 83, O e. 103000
Tranca de cabello para anne! a
500 e.
Tranca
153,
13000
a braceletes a 103,
23 e.....
Cadeias para relogio a 55, 65.
73, 83, 93, i 25 e. 153000
Curte de cabello,..... 500
Corte de cabello com friccao. 500
Corle de cabello com lavagent a
cbampou...... 1300C
Corte de cabello com limpez da
cabeca pela machina elctri-
ca, nica em Pernam,buco. 1500*)
Frisado ingleza ou i franceza. 50
Barba......... 25C
305000
r ASIGNATURAS MENSAES
Especialitlade de penteados para casameuto
Bailes e olres
0 dono do estabelecimento previne s j Recoramenda-se a superior TINTURA A-
Exrais. Sraev e aos cavalheiros que'ha um PONEZA para enegrecer os cabellos e baF-
salSopara tintura dos cabellos e barba, as- ba. on'ca admittida na Exposir.3o Universal
como nao prejudicial saude, por ser vo
sim i(omo um empregado smente oceupa- lalii, analysada e approvada pelas acade-
do nesse servico. mias de scieneias de PARS E LONDRES.
CASSAS DE COR
Lindas cassas francezas de cor 400 rs. o metro, na loja das Collumnas rsa.
do Crespo n. 13, da Antonio Correa de Vasconcellos.
\
!
Alnga-se no 1" andar da casa n. 57
i ra do Imperador, urna sala espacosa for-
jada de papel, teodo gaz. A fallar no mes-
mo andar.
O major Lciz Cintra, esomo dos feitos fazenda provincial, tem o seu tarlorio i ra 4o
i aperador n. 33. 1*. andar. ___________
--- abalxo assigaado vem prevenir ao publico
.in geral e ao corpo dj commercio ^ue nao facam
ni.-g icio ou qualquer Iransaecao, quer seja por
compra ou venda, quer por dinneiro de empreitti-
.no, u mesmo a Ululo de truco como j aconte-
eu, com qualquer pessoa, em aome do roesmo
abaixo assignado, aliro de nao dar lugar a quo e
|;i'i-en conforme a Id por ser prohibido neg
ciar cen llllio familia ou eseravo etc.
1L P. Lentos.
Aluja-so o segundo andar da casa da rna
do Amorim n. 21. no Recife : a tratar na mesma
ra n. 52, armazem.
Na praca da Independencia n. 33 se da di-
nheiro sobre penbores de onro, prata e pedra;
preciosas, seja qual tor a qoantis ; e na mesma
casa se compra e vende objectos de ouro e prata.
e igualmente se faz toda e qualquer obra de en-
commeoda, e todo e quafqur concert tendente
i mesma arte.
- Na rna da Imperatriz n. 9 segundo andar,
i>ieci>a.se de um co9inbero liberto ou captivo.
Bam Jess das Portas.
Aos devotos do Senhor Bom Jess das Portas da
\tincta cqpella do arco das portas ora na igreja
da Madre del>eii3, se avisa que da de natal, 25
do orrente.principia o setenario, sendo a fsla
dia de anno bom do Janeiro de 1870, aesim
contu pelo presento sao convidados os irniios para
3istrem ao' setenario, fetta e Te-deum.
Precisa -se de uma ama para ca*a de pouca
familia : a tratar na travessa de S. Pedro n. 10,
1* andar, entrada pela rna do Fogo.
Precisa-se de nm menino para aprender o,
officio de charuleiro : o pai ou mii oje quizer
mandar em-ioa-to, dirjale a Jabrica de cigarros e
charutos, rna DtreiU n. Sfr __________
para a noita do resta, o melbor e o mais bem feilo
que se pode desejar ; pfeparam-se de encommen-
da e dao-se de veuda^am .roa da Detenc^ nu-
CASA DA FB. ~
Aos 2QKKKMD00.
Bilhetes do Rio venda : roa do Cabus
WMdeYeiM 4 Rodrigue. *m#>
Btsas hamburguezas.
Nf ste novo deposite recebe-?e por todos paque-
tes tranlantlcos bisas de qualidade superior, vea-
de-se em ito de auc nuahpier nutra parte ; na rui 4a
Oadeia do Recife n. SI, 1" andar.
Oemeo de Nossa Senhora da Luz, erecta
un ijreja de S. Jos de Riba-mar.
Os abaixo agnados ex-juiz e ex-thesourero
padrucira, ne d 21 de Bovembro prximo passa-
do, acradecem eerdialmente ao respeitavel pnUico
o auxilio que prertou-lue. Anciosos convidamaf
todos aquelles que e julgarem credores durante
a .sua adfoiiiistracu, a aposentarem suas cont?
para prptnptamente sefem pagas rua do Noguei-
ra n. 23, no praso de tres dias, a contar de boje ;
ale:n d que julgam nada lever relatvamenle a
esta llevarlo. Os abaixo assignados nao se res-
p iiL-a iili^aiii por debito algum contrahido desde
odia 19 d
i; !<-ifa a ,ie dezembro de 1869.
Francisco Pereira de Meirelle,
Ex juiz.
Antonio Marques de Oliveia,
~s-th
Correspondencia ele Portugal.
Os abarxos assgnado9%evoptn ao9 sebows
assignantes deste Jornal, que de Janeiro prximo
fnturo em dnte a destribuico ser feita o. br-
go do Corpo Santp, no cat do Sr. Pestaa, oat
o mesmos seobores assignantes msndaro sogar
desde j a assignatura do anno prximo quinze
mil res por 24 nmeros caBjttdo da pa
aue cooAmir o poqueie de 28 d>bneif^rox
faloro aar4e 14 janoiro da |87.tKm_
avntsos m rei. O recibos do impressos e W^
mados pelos abaixos aasignado. A destribuiei)
do jornal para os assigiantes s m far a aqacl
les que teuham i pago sua aonnijidade.
Procisa-se d uma ama
Apoilo B. ite: na rui
Ex-thesonreiro.
\ siciedado Omciliacao convida a todos os
i! Liubros e a familia de seu tinado socio IJar-
Marhado par assistirem urna missa que
'brar na igreja matriz da Boa-vista,
ra, ti do correqte, as 8 horas da ma
O secretario interino,
Antonio da Cesta Neg Lima.
Aluga-se
iravo proprio para criado ou outra qualquer'
: > : a tratar na praca do Corpo Sanio n. 17,
1 indar.
ATTENCAO
Precisa-so fallar com urgencia aoe senhores
aha4MQV4TMdoj,a,iie0etqeseu Bttress;-
ra Nova i 12, lOj U fazendas: ^
Antonio Pelix da Rocha.
Antonio Pacifico Sim3es do Amara!.
Antonio Joaqnim Fernandes de Azevedt.
Beolo Bonam.
Gedeao de Snuia VeHto.
Joao Cbri^ostomo SJmoes do Amaral.
Joao Augusto de Llno.
Julio Cesar Cavalcanti de Albuquerque.
Jos Rernardino Pereira de Brito.
Justino Mrtins de Almeida.
Joao Soares Pinto.
Joaquim lavares Rodovalho.
Manoel Alves da Rocha.
Rufino Martins de Almeida.
Roberto Gomes Pereira de Carvalho.
Precisa-se alugar uma escrava cosinheira
para rasa de familia: a tratar na ra do Sebo
n. 28.
5S
tB N ^3
re 5 -y.
rere
re cu
3 -c K
re w a
SO
St3
re o-
*
coa
eis
* t o '^ 9
O S u O qj C
S Q
re 5
l*e*i
e a c
V.
_o
o
o O
8 i s S "
o 2^
-C f> a"a3-3
= S-o.
filil
8 9 .13.
a o 2 *i-
B
ire
S''0
|1
i-
O re
|j
u
ti
i I
i
i.l
"s-l^si*
> ? O c re S
o. 5 S .r.

-o
5o2-

Be a;u
- M .re,c
g S>2 g S
O -!*^ 3 9 a &
O-O o-C* B re
%3
s
ESTABELECIDa EM JAREffiO DE Wfl, SOB A
DIRCCO DE
Mianoel Aires Viaima
7%Ra de S. Frandseo 72
REABERTIRA DAS AULAS7 JANEIRO DE 187.
Ensina^se: primeiras letLras, lingtia nacional, laiim, francea^tBeorica e pri-
camente, isto a lr, escrever, traduir e fallaringlez. arilhmotica e geornelria, guo-
graphia e historia universal, pbilosophia, thatorica, olfejo, piano, flauta, desenno r
danca. Recebase afumos pensionistas, me"pensionistas e externos.
A AGUIA NEGpA animada tom o bf m accolhmento que tare em seusapau
em de novo Dawpa^i seus fremiezes, que, acaba de receber um variada- sprti-
,de objectos do gosio, osquaes sarjo vendidos por presos muito razoavdjs, pois-
fez os seus primeiros annuncios, foi o que assegurou, e sem rado de errar.
pe orno j dissatt ligada por interesaos a ama cao iinpoj#lora4tato iraca, e
ssa poder ter tui|o esfldal e veader por presos admiraveis.<3ttapois\at;n-
de ieus freguezes"para S'artigoa ijae possa descrever :
Livros com o tampo de marfim, madre- Um variado sortimepjs de cbarajeips e-
Mota e tartaruga, propro para fssa. paihteifos da percabaa,
GaraBnnas vazras propnas para presentes' TtmU. ZF.' US&T
cousa -tifosto. t !.*?'
Indispenaaveis de palinba e de coure pro-
1 marfitu.
Bengallas com marfinj, cousa sacUI..
Sabonetes de alcatrao.
Cofres de folhas para dinheiro..
Lindas cif^VWfo-ora.
Um completo sortimento da luva de pe-
prw pirr sehoras e meninas trazer nos
bracos. #___ r~
Binculos de madreperola, maffim e tar-
taruga todus esmattados.
Cintos largos rde s8lhn, cousa inien^en- j
t*) noya. i
Fta's de sarja de todas as cores e larga- Talagorce para Jjordar.
ras par, lacas. *'m completo sortimento- de enfjettes dp
Toccasi sapalinhos meias de seda e mais seda para vestid-
pertences para baptisados. Perfumarlas de todos os autor
Fitas com inscripces proprias para boa- acreditados em extractos,
quet de noiva, # finalmente outros muitos
Ricos vasos com p<> do arroz. possivel mencionar ; mas
Um variado sorumeote do jarros de por- certificarlo do sortimento detta
celana. cimento.
Aguia Negra, ra do"Cabug& n, 8.


Diario de Peruambco Tfer L
*
'

DE LONDRES
60--RA DA
CADSIA DO RECFE60
PIRA ACABAR NESTES DAS
O propietario deste estabelecimento tendo de partiifmuito breve para os Estados Unidos e Europa, faz completa liquidagab nestes dias, para acabar ; como
'>rUnarlos para mas e janellas cobertores ingleses finos, calcado de pao, bijoterias d'ooro de 18, como rosetas de brilhantes, aneis, oculos, lunetas, trancelins etc., apparelbos
4* roetel do mais fino que ha para almoco, bandejas etc., perfumaras de differentes fabricantes, diferentes caixinhis, vasias com enfdjN&muito. nropriat par presentes, caixas
4 msicas, ditas com pertencea para costura, ferro de engommar, nao sendo preciso carvao nem fogreiro, machinas de delir batatas, ditas para jtoeparar a ame par gni-
9os, ditas para bater ovos e bollos, grande variedade de porcelanas, como, vasos para toilette, apparelhbs para mesa-etc., differenlj&objectos de vidro como seja: lustrse
globos para saldes, lanterns para cima da mesa, escarradores etc., uns expelientes cofres de ferro, espelhos de diversos tamanhos de moldura dourada e preta, molduras
Twra quadros, ricas caixas para retratos, ditas com cheiros proprias para presentes, mesas de charo, bandejas de-dito. Estampas fio para quadros talagarsa
bordada para almeladas dita para tapetes e para deitar vasos em cima da mesa, relogio para cima de mesa, de parede e de ouro para algmeira, stereoscopos de diversos
'*Tanhos, cosmortma, Janternas mgicas para divertimento em salas, qnadros com finas figuras de porcelana, ditos com movimentos, figuras bronsadas para enfeites de mesas
Iva-vidas para se tomar bauhos no mar ou rio. lencos de linhos finos para algibeiras, ricas gravatas de seda, variado sortimento de miudezas e brinquedos para crianza,
w*, bandallas, camas de ferro de differentes tamanhos, lavatorios, stereocospos, cosmoramas etc. etc., quesera patente ao comprador; e amitos outros argos qne se vender3o
Grande iiquida^ao
' 45-Riia BU>kJ-S*>
Borzeguins do seiihoras fraqcezes e de
liomens, sapatos de senaora. de marro-
quim c de lustro, sapatot do brim para
liomem, manroqutas, taita para sapatos e
borzeguins, coortehns de cabra, sola e to-
do sorl/Dicnto pr'oprio para casas deste ne-
gocio, que ludo se vende a dinheiro por
menos do sen valor, por ter sido arrema-
tado em leilao e se querer liquidar em pou.
eos dias.
55Ra Direita.45.__________
Nfto mais cabellos brancos,
A tintura japoneza para tingir os cabello?
da cabera e da barba, fei a nica admiltida
i Ekcposifo Universal, por ter sido reco-
nhecida superior todas as preparaces at
boje existentes, sem alterar a sade.
Vende-se a 1|00 cada frasco na
Rna da Cada n. 51,
1. andar.
Ama
Quem precisar de urna ama para eozinhar e
comprar, dirjalo a ra da Cadeia n; 29.
Q to barato para inteiramente acabar, no armazem EXPSITO DE LONDRES
60-RA DA CADEIA DO.REG
60
h .3
0 MUSEO DE JOIAS
zn
GOMES DE MATTOS IRMAOS
tendo feito completa nmdanpa em sen antigo e
acreditado estabelecimento de joias, com o fim de
dar-lhe maiores propor ao publico em geral e com espeeialidade as Exms.
Sras. de bom gosto a comparecerem pessoalmente
das 6 horas da manha s 9 da noute na
RA DO CABUGA N. 4
onde encontrarao um completo sortimento do que ba de mais elegante,
bello e precioso em brilhantes, esmeraldas, rubiris e tudo que em obras
de ouro, prata e platina se pode desejar.
ADERECOS DE BRILHANTES, ESMERALDAS E RUBINS
de novos gostos, assim como grande variedade de salvas e paliteiros de
prata contrastada e de gosto anda nao visto, e completo sortimento de

objectos de prata para uso dias igrejas,
Compram e trocam qualquer jeia ou pedra preciosa
a qualidade dosobjectos vendidos.
e girantem
.1.1
CXi
MUSEO DE JOLAS
;mprest IYI0 SOBRE!
P
(SEM ETMITE.)
Sa travessa da rna
das Cruzcs n, 2, pri-
meiro andar, da-se qnal-
quer qiiania sobre ouro,
prata e pedras preciosas.
O dono deste estabelecimento,
competentemente autorisado pelo
governo, est as condic3es de ga-
rantir a transaeco que se fizer em
sua casa, promettendo todo e zelo
e considerarlo s pessoas que se
dignarem de boortMO1 en sen sta-
' belecimento.
Na mesma casa compra-se ouro,
prata e brilhantes.
Advocada.
i.
Caroliro de Lima Sanios,, (o fillio)
bacbarel em direito acha-se a ra
estreita do Rasarte n. 23 onde pede 1
ser procurado das 9 horas da ma- j
nhSa s 3 da tai-de.
Gllllifll*!
wSmtm
A ESMERALDA
-t
m
a*.
1.
X
PHARMACIA
ESPECIAL HO.MEO FATIGA
wix no r iim o. l. hsd
43Ra Nova43
LiOdM BE HARHOKi:
D. Umbelina Rosa de Lima Pinho, uva
do Dr. Sabino Olegario Ludugero Plnbo,
achando-se cotapeteateniente autorisada
lela insperelo de sade publica continua
Precisa.se de uma ama jue cosinhe com
perfeicao e seja de boas costumes, tambera se pre-
fefsa alugar mnaescrva as mesmas corldic$oes:
a tratar na roa-Jo Vicario tii fy 3* andar.
Ama
Precisa-se de uma ama livre ou eserav para
eozinhar, paga-se bem : ama da Cruz n. 66.
" #agente Marcos eiu euraprimento ao mandado
dofMm. ExmSr. Dr.jaiz de* direito especial do
commereio, recete aropoetts em cartas fechadas
cora a botica borneo palenlo seu tinado ma- por paco de W dias a eonur do da 13 do cor.
de
com
j Fartaranijlo %ngeihc'Cuieira, freguezia
0iiJ AntSoj-wr { eo crrente, um cava lio c
os sigoaea efuiotes: ineado, canda e cliia bran
cas, cara branca; um p eunwmao braneot o
joelho; do lado &s olhos, amarellos, j moeu em
engenko, tm -miarca de peitoral. alem de algn?
Ierro- mais que tem, tem mais uma cruz no quar-
to direito e outra na pi estando esta apagada,
grande, de idade de 12 anuos, castrado queni
delte der noticta na ma do- Calbeirgir n. 48, ou
no mesmo engeatto, ser generosamente recom-
pensado.
L0J4 DE JOIAS
CE
i
Este antigo estabelecimento, completa-
mente reformado de novo, est as condi-
^rteies, visto que acha-se prvido com mn
esplendido sortimento de obras de ouro e
prata de lei, asem como brilhantes e ou-
tr^i pedras preciosas, ^ujos prepos sao os
mais mdicos que se pode encontrar.
AS joias compradas nesta casa recebem-
gtj gp treea m fion^pram-se oom pequeo
*sta.
rido, ra Nova n. 43. loja de marmore,
i tendo frente de seu estabeleermenw a
i mesma nessoa babilitada que prepara os
medicamentos com todo o esmero e asseio
como (fantes; e pede a onlianca de seus-j
numeroso ros freguezes 4o respeilavel pth
blico enviando llie suas receitas e encea-
mendas que serao preparada con-a uiaior
promptidao e escrpulo e pelo mesan prefo. ,
Neste importante estabelecimento actuue) 5?* "I0,?l*;cora !an""' Por
tudo o que e necessano para a pratica da
IIOMEPATHIA: uiedioawentos em gloliu- -o ps ~[w"mm{, ci
los, a tintura, cartoirw prtateos e caixas
de medicamentos em glbulos e era tintara
de diversos Carnaubas.
Vende-se igualmeote fr THBSOFHO Ho*
ME0PATH1CO OU VADE MECM DO H0-
\IEOPATHA pelo Dr. Sabino, obrada rtc-
nbecida necessidade pratica da homeopa-
iia.
Aeba-s i vet* no mesmo- estcete*
ment ; cb**r eolatg-a^Q, -ufo dnteperforqualidade.
os-
i
N. S MA DO
US
TRILH0S nillOS
o
REC1FK A9 GUmmA
Gw(pMe travs com nnwnruiHJn
i*0, (O ^pataoi,. ? ifflY, *i/fc 9
^poUega degrossura eqpiM ib das
seguintes madeiras : araarello, oiticjcn, Si-
cupira, e outras madeiras
duracopira o, okSo ; a trttar. no escripto-
rio da iipef iattndenoia d. mpaohia i
roa d'Adrora, das 6 horas Ha manhaa as
da tarde todos os dias uteu.
Escrifttorio da compa*Aia> 6 de dezeo>-
bro de 1869, ,
... n
aassat. ___
EtUttmmM
ipWlifO i
eniio
i. 'd
licuj
eslas deperfftTJi. fem lepn, u ^P%p. herp, i
te elle refrem a msim do sangoe .eoiucBda *nmi_
"mt tm i di corrimeotos arii^'* w> Ttctmt |
f i S:
~**timeau
foiou,tqftd|ep
te residrdo em Gam'
mandar carrosas que se mandou pagar
al o presente nao te
documentos; deaejaae nao-
este apnoaao, py ijgig djas.
ri mm TM
rente, para a venda a quem mais ofTerecer pelos
segutes escravos pertencentes a massa fallida
W-Maia & Espirito-Santo ; sendo Zeferino de na-
yo com SO anios:de idade sorTrendb de asthma,
fUiado por O#i00O, MaMet oroslo, com 45
tonos, por 1:000000, Domiacas deoacao, sorTren-
do dos palmes com i5 aahos, por 1:000000,
Atereoita cora O aarws, por W0OO, Felicia-
na ertoula detJ ainos sen offleio; por 1:100*000,
DetGaa crimi* eooi 34 aunes, por-uro 1:0004060,1
- iliacrioula cm 28 annos, por 1:100*000, Jo-
- criotua com 13 nnos, por 60b/0OO, Catha-
jBa.rtttlala'eom" 30 autos- enfommadeira, porl
I-MIMOO, Lniz denacacom 40 ancos soffrend
venda ser effectuad
rmaaue determina o art. Io do decret
de 13 de BetembTb d corretote armo, ttW
irojota serao dirigidas ao mesmo illmj
entitBes'aoWito ageate.
LIGA
a est para atagar este grande ar-
&Ug9mwd^ka,
feWlsa-se de urna crflta para'engommar
n^ Imperador n. 73, a* andar.
o
1MHS
ras, e
ludo de
rn-se cap
para oferue ce
bom gusta e nwuo,. eafn-sef
wlaa ricae para baptisadn, e tam- prewprparl
eflder-e por barato preco, faiise bok pan
presentes, ertfeHado?, pudins e doces e tbd>s ai
quadades, bandejas de bolos linos de variaoiejii
lidaespara eaBafnentos ebaies, bouqoetsd^cra'
voa naluraes para catanenloe, no lilas konU i..
a ouro, e Ijoaijuets para enfeites de b^los.
GrUiiiu hoteHctmcez et
Apipoies.
pR uiufiluufto mugo Wel de ^pueaW
teae prearado todw oswjrtmio$38 para aervr
ao% que pfourrat divejtir-e neat Inga, avisa.
* apeualBOl> eu- eetapia lem
I itm i&ESSt+rmTUtoL bj^aa,
etc. etc., upaj m wcomm
estatecupento- ppra ir ttnjar banho loaao,
aBMo de cata om portao jpi co
a amflMfcteino e excellente.
Prda-M da ra da TcflppeSestacai l
fftsfparsfta:
aleo remano, ropreseixindo urna loba : a pesac tt
qoe Uvar aekado pod< entregar ao Sr. Nabuc *
ae o UTer acaado adt entregar ao Sr. Nao
Prcisa se aburar uma escrava
Hwr uma escrava qub
saibarajppjnbar paiafimiilia, a trauma tht
Ent'cin rda TffiBRO CHRIS'
\NSEN, ra da Gnu o. 16, enoontram-K
efectivamente todas as qualidades de ato
Bordeaux, Bourgogne e o _>*teiariJaicm httM. umodo,
W ceae bov de Santo Amaro n. I a trata
na. rna, das Unnos n m de 9ouf
*!6V0S,

COMPRAS.
SSCHAYOS
Comprain-se e vendem-se diariamente para fra
e dentro da provincia osera vos de todas as idades,
:ores e sexos, com tanto que sejam sadios : no
terceiro andar d > sobrado n. 36, ra das Crnzes,
frfroczia de Santo Antonio.
Compram-so moedas de ouro e prata de to-
los os valores, ouro e prata ern obras iuutilisadas,
brilhantes e mais .pedras preciosas : na loja de
mriyesdo arco d;/Concdcao, no Beclfe.
niuzeo de joias
Na ra do Cabug n. 4 compra-se onro, prata
a pedras preciosas por preces mais vantajosos do
|ue em outra dualquer parte.
Lom inuito maior vantagein compram-se
moedas da ouro e prata : na loja de joias do Co-
rarlo de Ooro n.'2 D. rna do Cabuf .
Compra-se cobre, na ra do (Jueima-
do n. 49, RIVAL SEM SEGUNDO.
HOJE libras sterlinas e ouro do todas as naqoes,
assim como prata, por maior preco do que em
outra parte : na rna da Cadeia do Becife n. 56,
loja do azulejo. ______^^^
Cumpram -tu 12 cadeiras em bom uso : quem
quier vender annnncie.
Compram-se am tanque de ferro para 8 ou
10 pipas de agua : a tratar na travessa da Madre
de Dos o. 14, armazem de Candido Alberto Sodr
da Motta. T ff .7
VP:NDAS.
Deseja-e vender um colicgio de meninas,
situado em um dis mais agj-adaveis arrabaldedo
Rio da Janeiro, estabelecido mais de dea anuos,
gozando de grande crdito e reputaco, c qu pru-
duz lisongeiros resultados. Motivos de sade obri-
gam as donas a rellrarem-se : quem quizer com-
pra-lo, pode dirigirse ra do Vigario n. 21, es-
critorio de Domingos Al ves Matheus.
Pinga do Douro.
Flix Pereira da Silva receben novamente por-
cio de barris do bem conhecido e excellente vinho
puro do Douro, muito propro para mesa, e vende
por preco commodo : na ra da Imperatriz nu-
mero 60.
Laoedo de Lisboa.
Vende-se laseJo de pedra de Lisboa : na roa
da Cadeia n. 37, ca*a de Prente Vianna t C.
Vinhos puros
Henriqne &. Azevedo, em seu armazem a ra da
tdeia n. 34, teem para vender vinhos das seguin-
tes qualidades :
" lares em ancoretaa.
rrada dem,
idetn.
anco hora em caixotes de urna duzia, engarra-
. fada
pairrada idem idem idem.
nto idem idem dem.
Baato idem idem idem."
Vade-se um cavallo rudado de marca pe-
Iuena, proprio para menino, muito manso, anda
e baixo a meio : na cocheiri da ra do Sol nu-
mero 8& .
Vende-se uma mulatinha perfeita engomma"
detra, costureira e cozinheira : a traur na ra de
'IfclrfaW 94, sobrado.
Pipel.
N-Ta- d iieerador n. 15 defronto de S.
Francisco; aeba-se a venda papel para impressao
grao Jesu, duplo dito, e do formato do diario, tan-
ta .em fardos, como em resmas, e mesmo em mos,
papel pira livros de conimereio grande, Jesi,
raisin, carr, ec, liume, liso e pautado, de linho
liso, e paaiado, da cores gaande, e pequeo, enma
grande porcao de um papel espesial pela sua lin-
da cor, e grande forrao, papel amigarte enveiope,
b ootras inditas qualidades, tudo a procos rasoa-
PMbV
o vapoe
DAS
fOviIllDEN
Una da kteperatriz nmnero 36.
XSrdndenovuiadep reta festn.
Af el ltante* que se acabe.
O proprietano d'este sumptuoso e mui acredi-
tado estabelecimento, vendo que se approxima a
eKpa*o1lo*ai!ie*ar a< seo* asna veis f re -
Mta-ttuvidado.de.qua.se admirassem, en-
o- sea vapor, istoe,o wpar das Noida-
desa todos os paizes da afamada Europa, aflm
de procurar e irazer o quede maior gosto e novi-
datW debaase.
ftaa/essaado este, trouxe como alta novidale,
como-defacto o :
Liodb awpure escarfate conr fiosslme tecido,
mi'ltd bonUo,powlteL pwpTfo pita caralsnhas
e fchus, o qual se vende por pra^o muito ooro-
A VERADE
55~ftua dor twimado5o
A VERDADB tendo esa depusito grande
qtiantidadB de miudezas e perfumaria, e de-
sando apupar dinheire e adqnefir boa fre-
pezia est rssolvida a wnder niuitissimo
barato, ; por essa raxo convida ao respet-
tavel publico a vir ctimpeteBlementc muni-
do a sortir-se do boa e barato, l'ois quan-
do a Yerdaele apparece, tudo mais des-
apparece....
Grande sortimento debonecos de cera e
massa as mais lindas possi veis vestidas a ca-
rcter.
Abotoaduras moderuas para coi
letea........, 318
Espelhos donrados pepnenos. 2W
Agulhas de osso para crox a 20(i
Peutes para regap. com esntas a 329
Ricos globos para candieiro de gaz a l 800
Cbamins a....... 326
Grande sortimento da objetos de
lou^a para bt inquedo de meoino 10C
Garrafa com tinta a..... 8U0
Dita com agua florida verdadeira a liJBOtl
Dita com lta dita a .... 40C0
Frasco comoleo de babosa a 50U e 720
Dito com agua de Colonia a 300 e 5
Gatrafa com agua divina a. loM
Frasco com extractos finos a 10000
LaUs pequeas com banba muito
na a 12iie...... M
Sabonetes de diversasqoali lades a
80,I60,240e...... 32v
Finas escovas para denles de 120 a 606
Lindos roques moderno a. 2fJ00ft
Pavios para gaz, dazia a 240 e 321
Eaoevag par faato a 300, 800 e 70ft
Ditas para cabello a..... 500
Peutes para tirar piolbo a 100 e. 2fc*
Brincos de cores, bonitos a 160 e 209
Pecas de tranca de Ha com 8
varas por....... 88
Oleo para machina de costura,
frasco a........ 600
Peonas d'aco Anas caixas a 800 e l$00t>
Dita d'aco Perry, caixa a. *. l,$4O0
Galo de algodo peca .... 400
Lindos babadinhos e entremetos
peca de 500 a...... i#itf
Ditos de louca muito fino 120 e :
Ditos para caiga a 160 e. 249
Caixa com papel amizade a. 700
Ditas com envelopes a. 4P!)
Ditas com obreias a..... 0
Caixa com agulhas fundo dourado 283
Dttas de ditas ditas a. .... 169
Thesoura para costura a 240 e 600
Caixa com linha de marca a K..
Linha de cores em novellos (li-
bra) a........ 50(>
Carreteis de linha AJexandre de O
. at 200. .,-,.. ..-, 106
Grampos muito fiaos com pasea-
ros, duzia a...... %*,
Cartas portuguezas, duzia a 1>400
Ditas francezas a 20200 e 30000
Papel almaco e de peso, resma a
. 30400, 30500 e 40501
i*5a muito fina para bordar, libra 605OC
Fita de algodo para debrum de
sapatos, peca a..... ICO
Ditas de 12a para debrum de ves-
tido, peca a...... 480
Pentes Unos para segurar ca-
bello a....... 32
Ditos ditos de bfalo para alisar
a 240, 320 e...... 5
Ditos para aparar penna a 109
Rosetas pretas, par a ... 109
Traocadelad Fita de coz peca a 480 ... 569
Alnetes de Tatao a..... 100
Sapatos de lia pa ra crianca a 400 e 800
Gravata de sadas de teres a 200-
Calcadeiras a....... 8J)
Grande sortimento de renda* das Ilhas.
Um par de suspensorio de borracha \ 100 ris I! I f!! f
IVa Verdad rna do dfcueiaiatac
________ H. A*.________
Fio de algodo.
Vende-se fio de algodo da Babia em saceos di
50e 100 libras : no escriptorio de Antonio Le
de Ollveira Aievedo C, rna da Crcz n. 57, i*
andar.__________________________________
Vende-se um carrmbo americano de quatMi
rodas, de dous eqoatro asaentos, e ero muito bom
estado : para ver tratar, na ra da Florentina.
olHcina do Sr. Orosjean.

Vendem-se dnas casas em Santo Amaro ili
Jaboatao, uma na rna de Baixo, prxima fekj,
e outra na rna da Matriz : a tratar na ra do Im-
perador n. 57, i andar, etMraa pelo caos 32 de
Vovembro.
VE*lfB-WaE
a reflnacao da ra do Ara gao n. 19 : quem pre-
tende-la, dnja-se tratar na
Lt> sotfiaeflD de Otas da arja de ptima
MMmI e,de dilTawates larguias cores.
Coniftolo sortimento de fitas assetinadas, sendo
estaallas e eseossezas de toda* as larguras e das
mais ndas cores, havendo entre ellas muito lar-
ga* e- pnaprias para oiofcw da Nfm moda.
Grande quanlidade de perfumarias dos primei-
ros peffamentes da Europa.
Atm d estas objectos vieram muitos outros
tama* de grsnd mndade.
O proprietario nrevine todas as paeaaai que
prelenderem nlguxtsdeobjectos mencionados, qqe
pode rao buscar as amostras no dito estabelecl-
nsento, ou indicarem o logar da rosidencia, pnrm
ludo isto antes qae ae acate a grano* aovidade,
Uja do. vapor daa Nurldades,
Ra da Imperatriz n. 36, t
Henripuede S LeMio
Vendem-se duas pipa- arqueadas de ferro,
groaras par deposito de lquidos : a traur na na
da Raagel n. 37, acougue^____________________
VHntxi-so dnns -ofres de ferro com algum
uso, de afamados fabricantes em Pars : m ra
da Cpaamercio n. 9. t" andar. ^^^^
Vendo-so urna bonita preta peca do 15 an-
uos, de habilidades e com uma cria de um anno
lambem prctr, na ra de II ras n. 96, na mesma
Masa ha outros escravos para vender-se.
TURA.
Acabatn de chegar ao Grama* Basar Unweuna
ra Nova n. 22Carneiro Viannaum comple-
to sartttneMo de machinas para costura, di au
tores mais conhecidos, as qqaes estao em expo^i-
cao no mesmo BzaF, gra_tmdo-se a sua boa qur-
fidade, e tambem enataa^e*. un perfbi^ao a todov
os compradores, gatas sjtafliinas sS,, uaa-jm
seu trabalho ao de Tnl)iiifIM iliiai........, e a
sua perfeicio tal Vo^Wttfmr eostnreira tk
l'aris. Aprcseatam'?^ triifrtUl exentadas peb
mesmas, qte motev dvet- agradar aos prct--
demea. ________
- Vende-se nmbmm4*<&m asseotoa,.frc
dous cavatlos, couv arreiaav 0* preteodentes po-
dem v-h) na rtta'Ho Hospicio offlrina do Sr. Ge-
raldo, corneiro, e tratar com Vicente Fcrreira da
Goau:. raa dw,ate*aa>te^
Bkkoeas (tecitoaes.
VendnHft Wanat (ftatea hos, DratiB^MtnoS jnaa'eb de assfacar : ra
cas* de PW*afB- Vsanoa- C
X
I l
CU* aerde- (llM'lir4> alidade : na teijra
bomeepatoic d vlova do-;Br. Sabido 0. L Rnh..
ra Nov o, 43.
1 anima aaiirva.
Maaoel. Joa AJstn .
om litiabadauirra:
mazem oe earne sMMk
BE
_*__oeo
la.'n. m,\<-
dos anaiaae, vm da Gmz .
lia pretuntos notas de suae*r qualidad,), di'
em llana re, recete-sa tanatea pan preparar.
doces de frucias seceos e ero ciw, vinhos Bno,
e toda e qualquer encomrnaaa eoaeerncnle a esm
ncgicio.__________________________________
- Vende-.-* a casa terrea com solea corrida, Ij
pouco construida, sita ra da Gambo* do C
n. 17 : a tratar na raa larga dfl Rosario, arro.
de louca de porta larga.


J,iar8e,?efwtetf s& Sra HMr, is flssfflls&^S&a
O proprietario do armazem e fazendas denominado ARARA, ra da Impera-
ba n. 72, declara ao re*peitavel pabli e seus fregnezeS, que est* liquidando lodas as
aseadas e ro.ipas feitas qae tem ai seu esiabelecimento como sepoder ver no seu
mnuneio e p:eco abaisemencionados,
ism.
11 RA DO QUEIMA
Chita fraacezas matizad*'*
3 3 O rs.
Vendse .'Jaitas francezas escuras Htfiiu-
lasa.li) rs. o covado por este palco sdna
ioja da Arara, ra da imperatriz n. 12.
LAZ1NHAS A -40 AS.
Vende-se aazinhas para vestidos de se-
niora a 2i0, 280, 30 e 400 rs. o co-
lado.
BAREGR5 DE LAYA 500-RS.
Venle-sabaroges de 13a comlis;ra para
elids de soaltora a .500 ft 040 rs. o
ovado.
Alpaca? de listras a 590 r.
Vende-se-alpacas de listras para vest-
tos de seniora a 500 rs. o covado.
CHITAS L'RVNGEZAS A 89 RS.
Vonle-se cattae francezas claras a SSOrs.
> co\ ido.
CORTES DS L.U PARA VESTIDOS A
20400. .
Yeaie-so orles ds la para vestidos de
techaras a 2>i00 cada um,
PERCALES A 440 RS.O COVADO.
-Vende-se percales muito finos para vts-
ilos de seohart a 4i0 rs. o fcovado, mar-
molinas brancas finas, a 500 rs. o covado,
orilhantinas de cores, a 440 rs. o covado.
Haldas modernos de todas as
cores.
Ve n de-s abalos moderno sbranco ede co-
res aifi. SdOeo.
COBERTORES DE ADGODO A I ->300.
Vende-se cobertores de algodao a ViOO,
bertas de chitas a 40600 e U cadatmra,
GANGAS PARA CALCA A 320 KS.
Vende-se ganga para calca a 320 o cova-
do, brim de cores para caifas de tantea e
meninos a 400 rs. o covado, casernirs de
rtres para calca e palitots a 23500 e 3,
> covado, meta casemiras enfiestadas para
alcase palitots a 45 o covado, brim pardo
le todas as qualidades e brim branco de
odas as qualidades na ra da Imperatriz
n.-72.
Alpacas lizas a H4 rs.
Vende-se alpacas de cores lizas finas a
fiM) rs. o covado, tarlatanas de cores a 320
rs. o metro.
MADAPOLO ENFESTADO A 35500.
Vende-se pecas de madapolo entestado
35500, pecas de madapolo inglez de 24
Algodo enfestado ftOOOrs.
Vende-se algodao. enastado proprio para
tences e toalhas. lJQQ rs. o metro, dito
trancado a 1$, metro.
Chales de iiicrlu i*.
Vendo-se eludes de merino estampados
a i>, cuales brancos e de cores a liJOOO
cada mu.
CORTES DE BRIM CASTOR PARA CALCA
rj A 640 RS.
Veode-sc una grande porcSo de cortes
de brim castor para calca de hotnem, 640
rs. cada um.
Ciraudeporco deretalhos
Vende-se grande porcSo de retalhos de
chitas e cassas prelas a 160 e 200 rs. o
sova lo, retalhos de cassas, 15a e chitas de
cores harattatmos".
LIQUIDAN A ROUPA FETTA
Vende-se palitots de brim de cores a tfr,
ditos de alpacas da cores a20, dios de
meia casemira a 20 e 23500. ditos de pan-
no-preto bom.a 8-> e 10-5, calcas de algo-
dao azul para escnvns a 640 rs. ditas de
algodao de listras a 800 e 4,3, camisas de
riscado de listras a 800 rs. cada urna, cole-
tes de brim e fustao de cores a 45e 13500,
coletes de cese mira de cores a 20500 e 3&
e mitras militas qualidades de roupas feitaa-
que se vende por baratissimo preco.
Algodao de listras a O r.
o covado
Vende-se algodao de listras para roup*
de escravos a 200 rs. o covado.
PECA DE ALGODaO A 40.
Vendem-se pecas de algod5o 40000;
53200, 60000 e 70, para liquidar.
Baldes de reos 1500.
Vende-se balees de arcos para senhoras-
pelo baratissimo preco de 40500 cada ua*i
Cortes de cmbrala barra
a 3*000.
Vende-se cortes de cambraias barra- a
i-) e 30 cada um.
LENCOS DE SEDA A 640 RS.
Vende-se lencos de seda a 640 rs. ead
um, para liquidar-
CARTEIRA PARA VIAGEH A 1<0L.
Vende-se carteiras para viagem a i0>
cada Aima.
odas de lindas cores,
rao d**eda 13a de
Chegaram da Europa pelo ultimo vapor Ioja de A"u
cortes das mais linda sedas de mimosas-cores para vestidos pr>
meatos.
Grande variedade de sedas de listras de diversos prec
gorgarSo de seda preta, e grosdenaple de varias qualidades e
tflforcntes cCres B -- *H
Novos vestidos brantos de btond para norvas, linda coIhs de sltop^ra ditas de laa e seda, cortinados bordados para camas e janellas, fronhas e loaTTias cainbraia de linho bordadas. .rifH.. Lh^Bi
Luvas novas de Joovin.eelegantesombrinhai de se las de cor para entioras._
Espartilhos deitfat 103, lindos bournons de cache wra de cor para saina*
de baile, basqninos de renda ppet, e ditos de croch branco e preto para sraboras.
Grande variedade de tamisas bardadas tusas pava homens e meamos.
Sortiment de muitas hiendas de lia, liniro e algwMo todas- por pre?os nraito
Tapetes grandes para sof, piano e camas, pecas de topetes o de alcatifa para
foiTar saltes todo em qiwnidade; e vendem sempre^r meos que em outra quaRjaer
parte.
Esteiras da India de 4,5 e 6 palmos de largo.
* -**r*W^tf0Cttf^Ktffttt i^;^ r%
LOJA
ALGODAO
DAS MACHINAS
auk<3HR%Ml americanas de serrote do todoe os tamaako para descaroear algoso, do
muito conhecido fabricante Eagle Cotton Sin.
BClGHJ?ttS ditas, tambera de serrotes e de todos es tamanhos para descaroear,. al-
godao do autor New Yopk CottfKj Gin.
MVCHI?ttS ditas As "todos m tamaohos, de jarret de Ierro e taais toda a macbaa.
MACHWi ditas de Rollar Gins, de cui>> trabalho fa obter mais 2.000 em arroba
de algodSo.
MiVCHIM de faco do fabiwante Watt. JtC, Obdban Patena-Liverpool.
Todas estas machinas sao (te superior qualidade e as- mefhores qne tan
viudo ae- mercado i e para a sua apreciacSo convidara-se os senhores agricuttares
vi-era a oaposicao das mesme na roa da Caa do eftn. 56 A. Ioja do^BastoSvOnde
occontrarao mais o seguinte:-'
a
ardas a 50, 60400, 70, 80 e 100 a peca
.72. Ba da Imperatriz. 72.
Dubulhadbres para milho.
Cylindroo para padanas.
Arados americanos.
Carrinboo de mo.
Machinas para costar capim
Cannos de chumbo.
B3mbas do-Japy.
Ditas americanas.
Telhas de-ferro galvaaisadas.
Folhas de zinco finas.
Ciitas de obre e lata*.
Ferro do todas*as qaalidades^
Arcos de ferro.
Folha de Flandres.
Machados americanos.
F'aces ditos.
calaios e costas de verguinha*.
Vassouras americanas.
Folies de todos os tnjannos.
Tornos o safras para ferreiroo*
Finalmente muitos outros artig
lliversidade seria enfedonho eaaumera-los.
LIQUIDACAO
NO
Folha de ferro.
Balaucas americana*.
Tinas do madbirai americanas.
P de ferro ditas.
Baldes de madeina- ftos.
Temos debaadejae finas.
Tren completos- pa*a cozinbav.
Peneira par* padoriae.
Baldes galvanisado*.
Correntes de ferro para alraanjarraa.
Espingarda erewolver.
Suarda comida.
Ferros a vapor para engommar.
Moiaho para refinacSes.
Azeite deaspermasete, proprio para machi-
nas de todas a qualidades.
Serra avulsas pana machinas.
Mancaos e todos os mais pertenGes. para as
mesmas.
Latas dogaz,
ospertencentas lavoura o artes (pie pela
KAM llUTIIZ H. 2
Is^nlua da rita da Aurora
Mefronte da Ca*fr Imperatriz.
SesJelWn e snimjtiiosn .'srnhftPcimen'' \
to de fazenda?, eneontraro as Exma?.
nIiMiido qgaot* possara desejar, tan-
tt) wn aftigos de ri^prnsn laxo, cno em
toda a* mais quali.-vdes Se faiendts de j
sedas, fclond?, alpacas, merinos, as, j
cas, nassulioas, cwan,- malapo!*^, i
alpoSe, etc., demndo safcr bein ser-
vido Scsvt! o mais rico c ea*ttte amador I
ta mod e- do tn^o, al t mais modesto j
kei de fanMia. Alm'd seacbarem pro- i
\1dos do que melhor se encorara nester;
mercado, mandaram os proprietarios ;
'eM estalSeleeimento vir reciamente
S o que em artigo tle modas e de mais
I apttf ado goeio se encoatra era Pari?.
Slrma modista' especialmente orenpada
nos trabamos do PSVlLHAO DA- AURO-
RA, executar promptamente e cero toda i
I a porfeic5o ?K para o que se aelia halililada et tndo
B quanto e mister para o bom desempenho S
n de sna? missao, o qne- nma gran* van- g
! tagein para o beHo- sexo, que *sim 2
1 vai enctmtrar em ora s lugar tutto^iMn fl
o pode desejar, isto faiendas d*o me- B
Ihor gosto, modista para pprfeita exeew- 2
gao de ipttlquer trat", perfontaiiasij
chapeos, enfeites, mraiezas, luvas de I
Ji.nvin e lodo quante-a-moda pode ni- 2
cir.
Aos caiwros igua'TMilapem se ote--|
rece, por ler o estabeleeimenlo o mais 5
completo swlimento de (Brandas, para far- i
tos, e propris para todus as estacoes, e i
um'hbil: atAiate eocarregado de exect- 5
tar com propidab e n>estria qualqow I
encommenda. ,_'
Os propw*tn'os do PAIflLIIAO DA!
AOROHA nao tendo poopado despee*!
para dotare esta bella cidade de un i
estabelecimeMo digno d'ett, eondam nos-!
seus esforcos- e no bom goe+o de seus ha- J
hitantes, garawtirrdo a maier eircnmsnec-j
o e modicidad* de preens.
Cora a possivel brevidade e em vista da \
proteefiu que- se dgnarenvd9pensaHhei,|
este esiabeleeiiRenlo trar roaitas outra-}
vantagens, primando entra ellas a publi
eacao de um jarnat grarlamente dis-j
trif)iiido aos seus freguezesyo qualse oe-
aupar. exclusivamente d;i dewripcao das
modas, acoimwnhado dos uilimos figuri-
nos; vantage que at hoa anda nenbum!
mesUbelecitaeto offerece*.
Concloindo,ena impessiWHdade de des~j
rever c ricac variado sortiuienlo que*
.'ILHA#J
miio 16 LEU
Grande armazem de fazenda e ronpas feitas roa da Imperatriz
n. 52, porta toga, e farades Porte.
Neste esiabelecimento encontrar o respeitavel publico um bonito sortiment
de roupas de todas as qualidades palitots de alpaa a U, 3)>50O al 60.
possuem, os proprietarios-do fAVI
DA AURORA respeitosamenle convidam.
as Exmas. famtia a r.8*ar este esp*.
ooso e rico estabeteeimen que, alera d
ludo, est dolado do pessoal necessario
pan, vender e levar amostras- s casas
que as pcdiwin."*
Pelo ultimo vapor receberam ricos civ.
, tes de vestios fiara casamento, luvas de
pelica, ricas- ehapolmhas para senhoros
' e diversas- fazendas moerna.
Abertot-ras6(la manh
9. da uoite.
liOalA
DO
GALLO VIGILANTE
proprietario do armazem
>W^oG^!^wi^.,MnoTO08to. Para a festa, estando a espera de
.embro vmdouro, e vendo
as de eacomniendas por
tracSo por isso em vistas das
[^^'^S,0} Vende-S'^ffio^e
Vende-se urna grande porjao d > madapo^ v em retalho a 160 a covado
rao enfestado de 12 jardas ass.rn ^ P Uws de chitas e l3a de ^
orao pecai.de madapolSo ingezes JjMj se veQde barat0.
Gangas para eal^a a atO rs.
lezes de
ardas ou 20 varas a 5$,
75000. 80, n e 100000.
Corpinhos a 200 rs.
(AMBRAIAS VICTORIAS A 5:500
Vende-se pecas de cambraias victorias
iias a 80300, 60 e 70. Brilhantna bran-
a flpa para vestidos de senhoras a 500
rs. b covado
ALGODAO-V 40000
Vende-se ama grande p>rco de algodao
todo de boa qaadade e 40, 30,150, 60-j :0
70, e 80, a pega de 20 jardas ou 2*
ADMIR.EM-SE DO QUE E' BARATO
Chamalotes a 560
Vende-se chamalotede cores, dealgoda'
aara vestidos de senhoras a 50 o covado.
Alpacas lisas a 500 rs.
Venda-so alpacas lisas para vestidos de
tfres, para senhora, a 500 rs. ditos matisa-
das finas a 720 o covado. Ditas lisas mui-
w largas a 640 o covado.
CORTES DE PERALES A 6:000
Veden-se urna grande porco de cortes
le percales de duas saias para vestidos de
senhora, de maito delgados gostos com
16 Vi covados a 60 70000.
CAMBRAIAS LEAS DE CORES A 600
Vende-se urna grande pora<>de cambraia
jsa de todas a> cqces para vestidos a 600
rs. o metro." ..
Orgaobys Modernos a 80 rs.
Vende-se Organdys de cores para/ fazer
7estidos, de duas saias, agora modernos, a
S'JO rs. a
Ifl VNDE SORTIMENT DE CHITAS NOVAS
E BARATAS PARA A FESTA
Vende-se chitas .francesas muito finas de
res a 280. DiliS matisadas escuras a 320
ditas escuras escocia a 360, ditas alco-
loadas a 360, ditaS garibaldmas a 360 o
avado. Sortiment de chitas como tem o
iaribaldi ha poucas lojas que compitam.
?U3TBS PARA VESTIDOS A 400 RS.
Vene-se fusto de cores para vestidos a
i rs. o covado.
COBERTORES A 1:400
Vende-se cobertores de algodSo a 10100
rtas de chitas feita a 10600.
Vendem-se ama grande porgo de gangas
para calca de homem e menino a 320 o
covado, cortes de castor para calca a 6i0
cada um. ^^
Brim de cores a 400rs.
Vende-se urna grande porc-So de duas
faces para calcas, palitots e colletes de bo-
mem e menino, fazenda inteiramente nova.
Brim pardo liso a 500 rs. o metro, dito
trancado lino a 800 e 10000.
Grande ll|uidaeo de chapeos
de sol
Vende-se chapeos de'soj de alpaca com
pequeo defeito a 20 e 30000, ditos finos
de 12 astes a 40500, ditos de seda finos
de 8 astes a 70500, 80000, ditos de 12 e
16 astes a 100000, para liquidar.
Chitas para cobertas a 140 rs o
corado
Vende-se chitas francezas para cobertas a
240, 320, 340, e 380 o covado.
CASSAS FRANCEZAS A 240 RS.
Vende-se 'Cassas francezas para vestido
a 210 o covado, ditas muito finas a 400' rs.
assim como percales finas para vestidos a
440 o covado,
GRANDE SORTIMENT DE MEIAS
Vende-se meias croas para homem a
30500, 40, 50, e 60000 a duzia, dita* para
meninos de todos os tamanhos a 30500
40000, ditas para senhoras e meninas
30300 40, e 50, a duzia.
BALOES DE ARCOS A 1:500
aloes de arcos a 10500, ditos modernos
a 40000. *.
ATTENCAQ .
Tem-se para vender urna grande porcaxi
de roupas feitas de brim ede casemira, dti
todas as qualidades n5o se menciona por
ser enfadonho. garaote-se ao comprador ven-
der mais "barato do que em outra qoalquer
parte, isto s se pode conhecer com a pre-
sene do comprador e a vista da fazenda jfi
que se pode conhecer como^st liquidando
por barato preco, o general Garibaldi, ru'
da Imperatriz n. 56.
Chales de merino a *O0
Ditos de
merm, ditos de casemira de coras bonitos gostos a 50, 60, 80 e 100, de panno preto
saces -i sobrecasacos. Ditos de brim pardo finos e ordinarios. Ditos de alpaca branca
ti de cores de 30500 a 50000. Calcas de brim de cor fina e ordinarias, ditas
brancas de todas as qualidades, ditas de brim pardo fino e ordiaario, ditas de casemira
ie cor e preta de 40, 50, 60 a 150. Colletes de todas as qoahdades e preco muito
aarato. Completo sortiment de camisas franceaas de algodao e de linho de 20 at 5
urna. Sortiment de seroulas francezas de algodo, de linho e bramante a 20 e 20500,
Gravatas (mantas) novissimo gosto a todos os precos. Meias sortiment completo a 30..
'i0 at 70/ a duzia.
ROUPAS PARA MENINOS.
Encarrega-se de quaesquer obras de encommenda tanto para homem, como
para meninos, e com brevidade, por isso que tem um bonito sortiment de fazeodas de
todas as qualidades tanto em casemiras como brins, pannos finos e ootras matas fa-
zendas.
FAZENDAS
Bramantes de 11 palmos de largura a 10800 o metro.
Cambraias de cor e branca.
Alpacas de todas as edres a 610 rs. o covado.
Poil-de-chvre com lista de seda fazenda de gosto a 10200.
Basquines de guipure enfeitadas a 180000.
Sortiment de chitas escuras e claras a 280, 300 e 360 rs.
Madapolo fino a 60500, 70, 80 e 90000.
Algodo peca com 20 jardas a 40500, 50560 e 60000.
Peca de algodo largo a 70300.
E outras muitas fazendas que ser enfadonho mencionar Cheguem roupa
feita que se est liquidando na Ioja roa da Imperatriz n. 52 Gunfca Ioja de ourives) do
.._ do Crespo nw 1
0& proprietarios deste bem conhecido eslabele-
cimente, alm.dos muitc objecto* que tinoam ex-
posios a apneeiacio do nespeitavsl publico, man-
daram vir e acabam de receber pelo ultimo vapor
da Europa um compWto e vanado sortimeato de
finas e- niui delicadas especialidades, as quaes es-
to resolvidos a vender, come de seu costume,
por procos.muito baRttinhos e oommMtos para to-
dos, com tonto flue Gallo..-
Muito superiores luvas de pellica, pretas, braiv
cas e de mui lindas cotes.
Mu boas e bonitas golunhas e punhos para
lora, neste centro o que ha de raais moa
Jerno.
i
LEAO DA PORTA LARGA
DE
Paredes Porto.
i.
Machinas & vapor de
forpa de 3 e 4ca-
vallos.
Motores para 2 cavalloe.
Arados americanos.
Machinas de faco e serrotes para desca-
roear algodo.
Bataneas para armazem e baldo.
CamaeMe ferro.
Cofres de ferro de Milnez e de Ubit-
field.
Prencas para copiar carias.
Fogo americano patent
Rheumatismo e moles-
tias syphiticas.
Arrobe vegetal, sirope do salsaparrilha
do Para, pilulas e sarope de veame, tin-
tura e xarope de sicupira.
Doen^as do ligado e bafo, ane-
mia, opilado, ele.
Emplasto, oleo, pommada, tintura, pi-
lulas, xarope e vinho da milagrosa Juru-
Sez&es oh Mires intermitentes
1 *4B^SMImti-p#rioJicas -de Pinto.
nico deposito distes medicamentos na
pharmacia de seu a Uor na larga do 'Ro-
sario n. 10, junto ao quartel do corpo de
polica.
Vende-se chales de Merino de cores es-
-se grande porcSo da corpinhos a tampados a 20000, ditos lisos a 30500, di
4d*fi40000o6* 18 -stampado-, finos a 50. 50500 60080
. ----- --------------: r-
RAP POPUIi 11
DA
FABRICA NACIONAL A BAHA
DE ,
Teixeira UldurtCofyC.
Acha-M venda este ptimo rap, nico que
pode suppnr- falta do piinceza de Lisboa, por ser
de mui agradavel perfume, viajado, e a preoo o
mais mdico possivel; e por isso tem std% as-iis
acolhido as pravas da Babia, do Rio de Janeiro e
em outras do imperio : no escrlptorio de Joaquim
Jos Goncalves Beltro, na do Commercio nu-
mero 17,
ahora, neste genero
Superiores peiles de tartaruga para coques.
Lindos e riquissimos enfeites para cabecas das
Exmas. senhoias.
Superiores ancas pretas e de cores com vidri-
Ihos e sem etles; esta fazenda o que pode haver
de melhor e maia bonito.
Superiores e' bonitos leques de mareperola,
marlim, sndalo e osso, sendo aquelles brancos
com lindos desenhos, e estes pretos.
Muito superiores meias fio de Escossia para se-
nhoras, as quaes sempre se venderam por 30J000
a duzia, entretanto que nos as vendemos por 50*,
alera destas, temos tambera grande sortiment de
outras qualidades, entre as quaes algumas muito
Anas. .
Boas bengalas de superior canna da India e
casto de marfim com lindas e encantadoras figu-
ras d(j mesmo, ueste genero o que de melhor se
pode desejar ; alm destas temos tambem grande
Juantidade de outras qualidades, como sejam, ma-
eira, baleia, osso, borracha, etc. etc. etc.
Finos, bonitos -e airosos chicotinhos de cadea e
de outras qualidades.
Lindas e superiores ligas de seda e borracha
para segurar as meias.
* Boas meias de seda para senhora e para meni-
nas de 1 a 12 annos de idade.
Navalhas cabo do marflm o tartaruga para fazer
barba ; sao muito boas.e de mais a. mais sao ga-
rantidas pelo fabricante, e nos por nossa vez tam-
bem asseguranws sua qualidade e delicadeza.
Lindas e bellas capellas para noiva.
Superiores agulhas para machina epara croi.
Linha muito boa de peso, frouxa, para encher
labvrintho.
Bons baralhos de cartas para voltarete, assim
como os tentos para o mesmo flm.
Grande e vanado aprtimento das meiores por-
mmarias e dos miftores e mais conheciios pux-
fumistas. :
COLARES DE BOER. .
Electriee* magnticos contra as convulsoes, e
facilitara a denti^ao das innocentes enancas. So-
mos desde muito receaedores destes prodiBhwos
collares, e-continuamos a recebe-tos por todas os
vapores-, afim do que nuuc* altem no mercado.
tomar tem acontecido, assim poir- poderlo aquel-
les que delles precisarum, vir ao depsito do gallo
vigilante; aonde sempre encontrarlo destes verda-
deros collares, e os'quaes attendendo-se ao lim
pan que sao applicadoe, se Tendero cena um mui
dimmuk luero.
Rogamos, pois, avista discbjectos que^deixaraos
deejarailos, aos nossos freguezos e amMojf a virtim
comprar por precos multo razoaveis Ioja do" gallo
figitante, ra do Cfeapo n. 7
--------------'--------r. ri-----., 1 ..
SelIlM i^at^ .
% 'ti.- ftA DT^mWO X 27.
Neste esiabelecimento vendase seHins e'
silhe, de todas as qualidades do melhor
que se pd/Je fabricar no paiz, assim como ee
mais arreios pertencentes ao mesmo, vea-
dc-se tambem, colxes, traviceiros, caixi-
nhas com lmofada, proprias para meninas
levar para aula. O proprietaTio deste esta
belecimento garante a pontnalidade, esme-
ro e zete d seo trabalbo; nortauto pede ao
fespeitafe+publieo stra proteccSo; que afBan-
ca vender tudo pelo mais barato possivel,
6 por menos do que em outra qualqoer
part*_________________________.________
J cordeiro presidente
Raa lQiirfMad> o. f O.
$e*e e variado sortiment de perfumara
finas, e outros objecids.
Alm do completo sortiment de perfu-
maras, de que efectivamente est provida
Ioja do Cordeiro Providente, ella acaba de
receber um outro sortiment que se tora
aotavel- pela variedade de obj>ctos, superiori-
dade, qualidades e-eommodidades d* pre-
ios; assim, pois, o Cordeiro PJevdente= pede
e espera continuar a merecer a apreciac3o-
do respeitavel publico em geral e de su
boa fregnezia em particular, lo se afas-
tasdo elle de sua bea conhecida mansidio
i bdratez. Em dita toja eneontraro o
apjeciadore do bom:
Agua dir de E. Ccdray.
Bita verdadiDin de Mtarray 4 B.amman.
Dita de O. logue ingles, ameosna, fran-
oez, todas de melhore e mais aereditado
fabricantes:
Dila de flor de larangiraa.
Di! do Alpes, e violet para taiet.
Ebor odoctalgieo para conserTaelo do
seioda boc*
Coswetiques de- superof quabdade e chei-
ros agradaveis.
Copae e latas-,, auiores e menop, con
pomada fine pan cabello.
Fraseos- com dita japera* transparente
a outraa-qualidfcs.
i Fino extracto mgleze*. amerbaeos
(rancezae-em frasees simptes*e enftedos.
Essc-3aamprB* do -fino->agrada %\ chei-
ro de wleta.
Oatraconceitwda e d cheiros igual-
mente teas e agia&veis.
Oleo peilocc* verdadero.
Extracto d'oje de superior qauliiade,
jom esolhidos Ghwros-, en frascos Jediffe-
rentes temanhos..
Sabcaetes e1.bwras> maiores e meeore
para rolos.
Ditos- transparentes, redoados e e figu-
ras de enioos _
Ditoo-moito faeemxaicsDha psra barba.
Cairaba co>bonitos sattonetes-imitando
fructas
Dita de madein inverwada costeado fi-
aas perfnmarias muito pvoprias para pre-
sentes
Dita de papafio igualneote bonita, tam-
bem de perfuaaaas fina*.
Bonito vaso de metati coloridos, e de
molde novo e elegantes com t de arroz
s boneca.
Opiata ingiea e franeexa para, deates.
Pos de camphora outra dierente
qualidades tambem para dente.
Tnico oental de lemp.
%tada Haaa.ajawal
Um outro sortimeato de coques de no-
vos e bonitos moldes com filete de vidrilho
a algun&aVelles ornados de flores e fitas.
'3S0o todos expostos apceciacio de quem>
os pretenda cbmprar.
GOLLINHAB E PUNHOS BOBDADOS.
Obras de muitogosto e perfeico.
Plvellas e Btas para cintos..
Bello e variado sortiment de taes o'ajee
tos, ficando a boa escelha ao gosto do eom
prador.

CEMENTO
portland.
ide-se no armazem amarello de Vicente Fer-
da fiosta 4 Filho, defronte do arco da Gon-
Veude'
reir
ceicio, em harneas grandes,
--------.jJka "
. Sementes de hortalices chegadas pelo uUirao
vapor : na ra do Llvramento n. 38, armazem de
molhados. Restirne-se o importe ao comrrador, uo
caso de nao nascerem,
CIMENTO,
Vende-se verdadeiro cimento; na ra di
Madre de Dos n, 22, armazem de Jo~,
Martina de Barro?,

Cahriolet Boca t.
O melhor nste genero, e perfeito e-irJo, vn
de-se um ; para ver na cocieira de Tin maz'Lins,
ra de Santo Amaro, e tratar na roa do Crespo
n. 16, Ioja, das 8 as 11 horas ta inanhia e das 3
as 6 horas, da tarde. ___________^^
Cal de Lisboa
chegada no ultimo navio, lem para vender Joa-
quim Jos 6od$atves Beltro, no seu escriptorio a
ra do Commercio n. 17.
Vinho de Encellas
qnal'dade superior, em quartos de pipa,
vende-se em casa de Won Sohsten 4 C,
ra da Cruz n. 9.
Farinha de milho
para cangicas, papas, bolos, pao e outros mnitos
misteres, acaba de chegar alcumas barricas desta
excellente farinha, dos Estados-Unidos, e vende-se
no armazem de Tasso Irmaos, no caes.do Apollo
GAZ litZ litZ
Chejforrao antigo deposito de Henry Forster
.;., ra do Impecador, om carregaroento de ga;
de primeiraqiiandade;o<}ual se venda em parta!
e a retalho por menos preco do que em outr> qual
quer parte._______'
kwt COGNAC^OTwq,
De superior qualidade da mui accredita
da fabrica de Bisquit Duboocb 4C, em
cognac urna das.que mais agurdente dd
cognac, fornecejn pira 0 oonsunimo do]
Reino da Inglaterra.
Vende-se em casa do Th. Just. ra de
commerrio n. 32.

CADET
CU RA
.CERTAeINFALUVEL
ev TRCS OAS
Ph^TBbeein?
f'ARlS
PaWii, 36,Raa VlrUnne, IV
l

1
CHABLEmepfcin
j
Na roa da Praia n. 34, annwem de Antonio
Fenundes Ramos de Oliwira, vende se em nor-
gao e a retalho fa.rioha de mandioca da trra d.1
muito hna n.Vi^li<];tJp. por pregns commo tos.
Pri9savirihos re metal prateado.
Cha bonit" passann'
de metal prateado para segurar a (ostura. --'
JuiravxaiDASAs oissixtfiEs, isAfiaat
cois ctjtaiois.k ALTnueouaoauva/
DEPURATIF
i.i SANG
**
PLUS DE
COPA"
a*o tcmgiu. (Xaroprvtc^UI in rairi'- ,**#*'
rsUras vegtrtMa tMlln r A?JJ
lomo-Ndouip
DemmUtvo i < i.rttd m r u*eT5S*
g-t, " atoja aune *
Ista ialaer /teri ariWiaaa m ylaarM^
Cracr <* kaalp mfrr^t mIM a Ianae .
ev j i F*m>
.wnMu, famtit. qu u aira ai <
POMADA AMTIHERPETICA
Qitxi aa mfftoe/m iuUn$*t t
?PILULAS VEGETAES DEPURATIVA!
la w CiMtMa, aM tai i "


.1"
+

<
.6081 .' '.fui -O m fk liel r\ oofid. *f Diario de PeruamLuoa Ter .
, .-
..

_*-
~
i '......* '''.- ........i1 -rrr-

^
2E
-* -r-zz
ac
Ol



A DlttHEIRO NA LOJA E ARMAZEM

J Bk
DO


DI
FJEIIX PERIRI DI SHaVA.

0 proprtetario d'este grande estabeiacimento, vendo que se est aproximando o fin
o anno, e tendo em ser um grande deposito deposito de fazendas ; nao Fallando emj
avultadas encommendas que Ibes esto obrigado todos os dis, tem resolvido liquida-
las por preco muito mais baratos do que em carra qualquer parte ; so com o fin
de diminuir o deposito PAVO, cvultado sortimento deiazendas de luxo e modas; assim como de primeirajj
necessidade. As ps*ow que 'negociam em pequea escaa n'esta toja poderao surtir-
se vendends-se-lhes petos precos que comprim, nts casas inglezas; assim como as e*-
celtentissimas familias poderlo mandar buscar as amostraste todas as tazendas, ou meo-
dar-se-ha levar pelos acna constantemente aberto das 6 horas da manliaa s 9 da uoite.
Explendido sortimento d
roupas feites
KA LOJA DO PAVO A RA DA
IMPERATKIZ'H.60
Acha-se este grande eststjelecimeatocom-
ptotemente softido das aelhores roupas,
endo calcas pjriitts e cotetes de casemira,
de panno, de brim, de tlpaca, e de todas
as mais fax4as que os compradores pos-
m desojar, assim como na mesma toja
tem um bello sortimento de pannos casemi-
ras, brins, Ve. 6tc. para se mandar fazer
qualquer pepa de obra, com a matorpromp- LACE1 A : PARA VESTIDOS
".idao voittoe do freguez, e nao sendo iQ Pav3o emesia nova fazenda lisa pre-
obrigados a acceita-Ias, quando uJo stejam frii para vestidos, .com as mais delicadas
completamente ao seo contento, assim como; ^res e ^a, mais Jus/re do que a propra
n'este vasto estbatecimento newitrar o ^j, com 4 ,palmos de largara que facilita
respeiUvel publico um bello 80Ptimento4iriater.se qualquer vestido oom 10 covados
camisas francesas-e inglezas, ceroulas.de, e vende-se pelobaratissimo prego de 1:209
LAAZINHAS MODEUXAS XA LOIA DOPATO
Chegou ^ar* este estabetecimento um grande
sortimento das melgares mais modernas fazi-
nhas para vestidos, -tonda tapadas .e transparentes
de todos os precos. e qnalidades que se vendara
mais barato do que em ontra qualquer parto.
Crodfes para cadeiras e ofas
O Tv8o tem um -grande sortmeato dos
mais 'bonitos crochr'js proprios para cadei-
ras sofas, mesas, tanofadas ele etc., assim
como proprios para cobrir presentes, e ven-
der mais barato do que mootra qual-*
qtwr parte,
fiUNK M0VIB4DE.
Quancto a AOUIA BRRNaV, mais precisa scientifiar ao respeavel publico em
gen!, e em particular a sua boa fregaezia, da immensidade de objectas que ltimamen-
te tem rocebtdo, justamentefqaand* ella menos o podefazer e porque essa falta trrvo-
lmtaria ella confia e espera na benevolencia de todos q*e ln*a attooderao e relevado,
continuando portanto a dirigirm-se a bemoehecidalcja da AGtHA BRANCA ra do
Queimado n. 8, onde sempre acharSo abundancia em sortimento de superiondade em
qualidades, modicidade em precos e o sed nanea desmenttido AGRADO E SINGERIBADE.
IBoqoe cima Oca dito se conhece-qaeo teapo de queaAGUIA BRANGVpde
dispr, o empr^ado aperar de seus custso desempenho de bem servir a aquelres que a
honram procurando prover-seem dita Taja do que iecessitaro, entretanto sem nnume-
rar osobjectos qoe porstia natareza s8e tnais aoaiecidos ali, ella resumidamente indi-:
cara aquelles cuja importancia, elegancia e novtdade os-tomm recommendaveis, como:
bem seja :
Oorpinlios de cafflbrara, primoresamento
enfeitadoseom Otas de aetim e obras-essas
coja noviade de molde e-perfeicao deador-
nos es tornam apreciados.
Fitas ma'i largas de dive^as cores e qna-
lidades parra cintos.
Leones uesse objeeto muito 'sepodena
dizer quarendo deserevetos minuciosamentii
jipor suas qualidades,'Cdreee deseimos, tal
o grande e variado aorlimento qae acaba pa ra circoter^ o coqu.5
linho e algodo e outros mitos artigos
proprios para horneas e senneres promet-
lendo-se-lhe vender mais barato do que eal
outraqualquer parte. Na ra ta Impera-
triz n. C, loja e ahnazem deTelix Perei-
ra da SHva.
CERA DS CARNAfti.
Vende-se urna grande porcao de cera de
carnauba em saceos por preoo mais barato,
do que em outra qualquer: na toja do
Pavao ra da Imperatriz |n. SO. De Flix
Pereirada Silva.
FAZKXftAS PARA LOTO
Na Jeja do Pavao.
Eneontrr. o re5peitvel publico ueste estabeleoi-
mento um grande sartimeato de fcuendas pretas,
como sejam, cassas francezas e ir.glezas, chitas
pretas de todas as qcalidades, fweBda de la de
'.odas que tem vi oda, proprias para lato, como
sejam, laaiiahas, alpa:as lavradas e lisas, caolao,
oombaiinas, merino, etc., que tado se vende pr
preco barata
AS CASSAS DO PAVAO
O.vaflo a 300 ra.
Vendem-ee finissimas cassas francezas com lis-
dos desenhes e cores fixas a 300 rs. o covado.
Mada plo fraiicez a 7^000 rs*
Vende-se pefas de madapolio francez
com :' metros pelo baratissimo preco de-
7 (JOOO a p$a, p*bincl i a.
Alias aovidMes em sedas
Chegou ca grande sortimento das mais
moder.ias poupelina ou gorgures de seda
e linho com os mais elegantes padroes que
tem vindss a este merczdo sendo, miudos e
graudos, tanto em cortes para vestidos como
oara vender em covado, assim como um
bonito sort;maato das mais bonitas sedas
stradas que se vende todo muito em cenia
Grosdeuaples de coces
Chegou um grande sortimento das mais
bonitos grosdenaples de todas as cores para
vestidos qae se -vendem muito mais barato
do que em outra qualquer parte.
GRANDE PEGHIMCBA A 5:000 RS. PECA DE
Bretunha
Vende-se pecas, do superior bretanha de
algod3 > tendo quatro palmos de largura
;om 20 varas ou 22 metros cada peca, esta
t'azenda seria para costar 85000, a nao ser
':ma graade compra que se fez, e liquida-se
a 550OO, cada peca.
m n mil m\m de
L.USINH.S LUSTROSAS A 400 RS. o co-
VAfeK).
S o Pavao
Vende-se uro grande sortimento das
mais modernas e elegantes lasinhas para
vestidos, com as cores mais novas que tem
vindo a este mercado, sedo coaistrinhas
miudinhas que .parecem de urna s cor e
com tanto lustro que imitam perfeitamente
s poupeliaas de seda, e vendera-se peto
barato prco de 400 rs.
HretznhM" de rolo a tftOO a
Veadese jperior krenha de rol* ten-;
do 10 varas u 11 metros com 4 palmos
de largura peto barato preco de 2*500,
pechincba.
OssetnsdoPavao
Vende-seos mais bonitos etins de cores
e mais encerpados proprios para vestidos
tendo de diversas cores.
AOS PALITOTS DO PAVO A 1W e
20000.
Vende-se omtooito sortimento de palito-
ts francezes sendo, sobrecasacados e pro-
riamente sobre-casacos, que se veodem
forrados de atoaca a 18/W00 e forrados de
seda a 20*000, pecoincha.
COLCHAS DE PSTAO
Na loiado Pavio^ende-se um grande sortimen-
to de colchas de fuMo endo brancas e de cores
ditas de erocU para atoa de nota, assim como
oonitos damaseo de lia para colchas.
Na loja 09 PavSo vendem-se os mais
bonitos dkales de rerdadeira cachemira de
cor.com os^e&eihosmais modernos, a W,
JO e 120000,^ omito barato Da roa da Im-
Na loja do Pav5* jende-se as mats mo-
derna*iba*iMsou m^ototete deguipure,
pelolStto piDCO de 12KKKda urna.
Cortes de organdvs com barras
Para 3 loja do Pavao chegarant, os mais
bonitos Ciertos de orgapdys com barra, sendo
cada um ei* sed (artao, com o con;neteote
figurino, mOi\> proprios para fazor F&
sentes*
rs. o covado, pecbinclia.
|pgandj a 560 rs.
Vende-se os mss bonitos organdys d5
oSres oamtpadroes miudos egraudos. sen-
do todos de cores fixas, pelos baratos pre-
?os de 3G0 rs. o eovaio.
ALGODAO ENFESADO
Vende-6e urna gpande por^So de algodSe-
sinho americano com 8 palmos de largura
proprio para lenc,es e toalbas tendo liso e
trrncaflto que se veade por preco muito en
conta.
anos de liaho
Chegou um grande sortimento de pecas
de panno de linho do Porto que se vendem
de 700 rs. at UOOO a vara, garantindo-se
que em fazenda de inho nao ba nada me-
llior, nem raais proprio para lences e toa-
Ihas.
PECHiGHA EM CIUPEOS DE SOL
Cliegou um grande sortimento dos me-
mores chapeas do sol de seda, inglezes ten-
do ueste artigo o melhor que tem vmdo ao
mercado Mim como urna grande porgap de
ditos de alpacas de todas as cores e todos
se vendem por preco muito mais barato do
,qu5 em oitea qualquor parle, por haver
grande perco.
es?os iMKancos
Vende-se um grande sortimento ;le len-
cos brancos para hornera, sendo a dnzia a
^UA
ft6 JtMA^
a
Gapellas'brancas para meninas.
'Tandes sertwnento de flores finas,
fil de seda, preto.
PERFUMARA
Grande e constante sortimento de GKa,
eecipre elbor quajise.
Lindos vasos com p de arroz e piasel,
Caixinhas com ditos aromticos.
"Bonitos e modernos peotes dowados
de eheg*r, mas para rifio massar o preten-
derte -se lhe apresentar o que poder v
melbor.
Entrwneios empeces de 12 tiras.
Goipure branco e preto de diversas qua-
lidades e desenhes.
Ditos de algodo com- flores, e lisos.
Veos de seda para chapeliaas e monta-
ra.
Meias de seda para noivas.
Ditas abortas deas de Escoseia.
Coetumes ou uniformes para meninos.
Enxovaes completes para baptisados.
Bonitos brincos de plaquee.
Adereoos e brincos demadreperolr.
Canetos finos para abrir latas.
Thesouras para frisar-babadinhos.
Aspas para balo.
Noves -stereoscopos ^eom 48 ristas, as
quaes 85o movidas por um macbinismo
urnas sobstituem as Mitras.
Vistaspara stereocopos.
Bonitas caixinhas levidro enfettedos com
pedras.
Ditos de madeira envernisada cem vispo-
ras e com dminos,
Bollas-de borracha para brioquedo de
Touquinbas d fil, sapatinhs bordados enancas.
meis para ditos. Diversos objectos de porcelana, proprios
Caintsinhas bordadas para ditss. para eafeites de mesa e de lapinhas.
Q Campos da ra do Imperador n. 28
no intuito de servir .^-faloir-mcute aos
seus innnmeraveis amigos o fi em
particular e em geral favel publico,
desta cidade ; avisa aos, que ostheiempas-
sando o tempo cabnpso, nos dteitaveis
arrabatds desta capitai, que lem resolvido
vender, de de superior qua}tdlade, a precos
razoaveis, os seguiutes gneros a saber:
PARA CIMA DE APARADORES
Latas com dure < m calila de diversas
qnalidadesnacionaes e estiangeiros.
Ditas com petxe a saber ; salmn, ostras
e tagostas.
Ditas com crvlbas frahoezas e portugue-
xas.
Ditas com gela frar.oeza.
Cerveja franceza verdadeira Bobfie.
Presunto para fiambre e a fiambrados.
PARA DISPENSAS
Latas com cbouricas novas sendo de 8^,
cada urna.
Presuntos e Lameg para tompeiro.
Cuias do Para (piutaUs pelos indgenas
daquella provincia.
Copos de vidro com dotradira e tampa
para diversos mistere
PARA OS QUARTOS DE DORMIDA
Porta-jpbosphoros ebeios de phosphoros
de segnranca.
PARA SALA
'Charutos de S. Fclix do afamado fabri
cante 'Costa.
Fumo picado do Daniel de S. Joao do
Rio 4e Novo.
Alm desses gneros, o Campos tem con-
ticcao de que o seu estabelecimento um
dos que podem satisfacer com garantas as
exigencias bem entendidas, dos Ilustrados
balitantes desta heroica provincia, porquan-
to se acha eUe 'bem prvido de gneros su-
periores, de maneira a nao desmentir
53Thfitta Dweita53
XcMr- ,acde ertabelecimento, ha para vender
um fon:plertj sortimento de-.l*nigffl,), iiMezas
Obs e gtosas, como .ajau>. baunja chioc?as
(ydrad.'S c ovae, ac.i- 12h
tes. Lsia panellas, cha-
moins. nHtoV wdelras, tanto
de forre como de porcelana, moinbospara caf, le
|rs( -. tamanho gra.i >- u.nto de fen.) cuino de laiao, metros
mj, nda tanto de Corro como de latao.
,-alro. breu, barbante, enxofre, pa|.el marea va-
do, do vert Sdeiro Pieardo, machinaj para desta-
rorar aJfodao; alm de outros ar^gos de furra-
gen, luiudfSM culilarias Cqu, t|ne ta c U se vwtfca ; na ra d'.reita n. 53 loja do 3 per-
las de V.inoel Bento dn Oliveira Brava* C.'_____
Bartholomeu & C,

O Campos.
?"TO
S0R11ECT0 PARA A FESTA
Veade-se oer menos de 10, 20-e 30
SC-' NO
OT-
A1HAZ1H UISUTATITI
N. 23Largo do TerQO.N. 23.
SI1\0 DOS
antos a- C.
mOO, 2,)KS00*.e 35000, ditos absortados! 0,\Z AMERICANO i i>500 a lata, e 440
muito finos a 80 e 65000 z duzia, di'.os de rs. a
te propoetarios deste btu sordo armazem de secco e molhados esto re-
6ohidos a facer urna grande diminuico de precos nrissuas mercidorias, como se apro-
xima a festa e SHiapre se fazeta' avultadas compras para o centro e praca, por
isso previnsmao respeitavel (iiibco em gera!. que mande fazer suas despencase cer-
toe de que vtsro a grande differenca em preoes mais do que em outra qualquer parte
e -garantiad<*-se as superiores qualidades.
esgueo
7f?000,
fazeada muito superior a 5k 6! e
garrafa e 660 rs. o litro.
ViNHO VESDADtlfiO PIGUE1RA i 560
a garrafa, e 4&X) a cacada e 800 rs o ti-
irf>.
DEM DE LfSBOA das memores marcas,
400, 440 e 500 rs. a farraffa, a 268G0 e
3^200 a caada, 660 e 720 rs. o litro.
DEM BRANGO DE LISBOA a 40009.
pelo baratissimo preco I a canada e 560 a garrafa, e 840 rs. o litro.
Pechichaem asentir*? a 4:0
Vende-se fmissrcaascasemirasde cor com
listras ao lado, tendo duas toguras e com
as cores mais noves e mais bonitas que tem
vmdo ao mercado,
de 4/jOOS o covado
de cal^a.
ou 7f100G, cada corle
Os balSes do ;Favao a 2#000,
Cheg u tan grande sortimento e ba!5es
ou crenolinas do feitio mais moderno muito
proprias para vestidos ennesgados que se
vende pelo baratissimo preco de 2$0Q0 ca-
da um grande pechincia.
AS CA'iBRAIAS DO PAVO A S:"00 RS.
Vendc-se urna grande porcao de pecas
de finissimas cambraias brancas transparen-
tes tendo 10 jardas, com mais de vara de
largura pelo baras6mo preco de 4^500, a
pega sendo fazeoda que nunca se venden
por menos de 80QQG, grande pechincba.
AS POPELIN4S DO' PAVAO A 300 RS.
Chegaram as mais liadas poupeiinas de
VhNAGRE TEfiDADEIRO DE LISBOA
200, 2-40 e 320 rs. a garrafa, 104OG,
{1800 e 25200 a canada,
AZEITE DOCE E LISBOA )00 rs. a
i garrafa, e a 70 a cacada, t> i<53iO o litro.
M.VKTEGA LNGLEZA FLOR 10400 e
028O a libra, 3G60 e 20780 o kilo-
grammo.
DITA FRANCEZA 960, 900 e 830 rs.
aUjra, e 20400, I08O e 10860 o kilo-
grammo.
DITA PARA TEMPERO 560 rs. ,a li
bra, 10220 o kilogrammo, em porcao se
far abatimento.
BAttIA DE PORCO -DE BALTIMOOR i
720 rs. a libra, t 056O o ilogrammo, em 800 rs. a garrafa.
EVADINIIA E SAG 280 rs. a Bbra e
626 rs. o ktogrammo.
FARINIIA DE ARARUTA VERDADEIR\
640 a libra e 1040} o kilogrammo.
BflLAXlNHA JNGLEZA MUfTO NOVA a
400 rs. a libra e 800 rs. <> kilogrsmmo.
VfiLLAS DE ESPARMAGGTfi 720 rs. o
masso. em caixa ba abatimento.
PHOSPHOROS DO GAZ E DE SEGU-
RANZA, 280, 400 e 560 rs. o masso,
30200 e 60500 a groza.
AJffetXAS EM LATAS E CAOHNHAS
DE MUITOS TAMAiNHOS 10280. 20500
30500. 45500, 50500 a lata e a retamo e 40
a libra.
GOMMA DE MILHO AMERICANA 400 rs
e masso. e em caixa ha abatimento.
BATATAS NOVAS DE LISBOA 60 rs.
a fibra, em caixa fas:-se abatimento.
SERVEJA INGLESA MARCA U 50500
a dttzia e 500 rs. a garrafa.
ffifiM BASS, VERDADEIRA IHLERS
BELL, 800 rs. a garrafa e 90 a duzia.
VINHO DO PORTO ENGARRAFADO DE
DIVERSAS MARCAS 10500, 10200, 10 e
porcao se far abatimento.
ARROZ DO MARANHAOE DA INDIA
120 e rs. a libra, 260 rs. o biogrammo e
15a com imitaco das ponpelinas de seda,. 30400 a arroba.
um* fazenda muito leve eom as mais lin- ALPISTA 200 rs. z libra s 440 rs. o
das cores, sendo: verde Rismark, rw, azul kilogrammo, e 60000 a arroba.
1yrio, c nsento, peroa ele, etc. e vende-se
pelo baratissiaw) preco de 500 rs.
Fustoes braticos para vestidos
Chegou um lindo sortimento dos mais ba-
ralos e bonitos fustes brancos cora listras
e cordoes, sendo fazenda bastante larga e
flexive!, muito propra para vestidos e rtu-
pas de meninos e veodem-se a 640 o co-
vado.
BONITAS LASINHAS
OU ANADINAS A 10090 RS. 0 COVADO.
rande
UAF EM GfiO 60 e 60500 a arroba,
200.240 e 260 rs. a libra. 440 e 520 rs. o
kilogrammo em ucea se faia a batimento.
SABAO MASSA 240 200 rs. a libra,
520 e 440 rs o kilogrammo, em caisa se
faz abatimento.
RUSSAS PkRA. SOPA, MACAfiRAO, TA-
LflARrN E ALETRIA, i 560 rs. a librare
10220 o kilogrammo.
BOLACHINHAS EM LATAS DE DIVER-
SAS QUALIDADES, hem como aerla bri-
Ihante.combiBation, Francy-cracynel, mixed
Biitania. Mdium, Faney-nic-uac. a. b, e. e
soda a 10000 e 10400, cada urna lata.
Assim como ha outros amitos
.GENESBA DE HOLANDA E HAMBUR-
.GJEZA 70 e 60 a frastjueira, e 500 rs. o
frasco.
JDEM DE URANIA DOCE AROMTICA,
i 10 a frasqueira a 10 o frasco.
fUEUOS DE DrVERSOS VAPORES,
30'iQO, 10800 e 20400 em caixa ba abati-
mento.
TOCCWHO DE LISBOA MUTTO ALTO
400 rs. a libra, e 880 rs. o kilogrammo,
e 110500 a arroba.
LINGUICAS FINAS PRUMPTAS EM LA-
TAS 10000 rs. a lata.
LOMBO.DS PORGO ASSADO JA PROMP-
TO a 10000 rs. a lala,
CHA FINO. GRAUDO E MIUDINHO
30200 e 20800 a libra, e 60WO o kilo-
grammo.
ffJEM PROPRIO PARA NEGOCIO 20000,
2.2O0e 10800. rs. libra.
gneros, vinho em ancoretas, azaitooas.
Os proprietarios do BAZAR DA MODA
'ito roa Nova, nesta cidade, declaram ao
respeitavel pbSco e com especialidade aos
eus freguezes, que, principiam de boje em
diante a vender o grande sortimento de
miudezas, peflfumrigs, quinquilharias, ar-
tigos de moda para bomms, senhoras e
meninos, com unt .grande abatimento cm
precos para liquidar a dinheiro.
A grande variedade de objectos de gosto
recebidos da-Europa1, onde os mesmos pro-
prietarios entrevera relaces :om habis cor
respondenles habilitados a offerecer as
maiores vantagens possiveis e boje estam
resolvidos a-liquidar com poueo lucro, acha-
r3o os compradores urna dillerenca superior,
a 30 por centeraenos do que cm outra qual-
quer parte.
A PRECO FIXOs5o vendidas todas as
mercadorias constantes do estabelecimento
e por este systema de negocio podem sem.
escrpulo comprar, eerfos de que nao s-
r5o Iludidos.
Tem empregados promptos a conduzirem
os objectos ou amostra a qualqaef casa que
o exija.
Bazar d ModaIo de dezembr de
Jos de Sonza Soares & C.
X.:;::>, Pill'l.\?,X\ho?e e Ti-;cra
de .Iv:-.:.^^;da SI-VPLES e ?rjuw..'- J30;
Oleo, Pom.uus E:-:pl\stR'/ oa vxsm*
plan : a preparados por.
6ARTH0L0JO & C
P ".A?. M A.C E UTICOS- l'n (> PEK\4.HICKO
A Ji-r-rVti : iiiheci!i
com: o Ba.s |iileruo lomeo, couio u 1L5IU0!
des:,l,s(:uii:.l,eaii..j :tn|'j"|icis u^; ruiecuoeii.'ui
do ik' ba?o, h;.:: vs, duresas, I :L'iore> nilfr-
no. ej*cialoietjUj Jo alero, br.ito.^-ias, erj-
piiM| -U.". oiao .0 fsrru e ul:i tas |>dIUdas
roes e fit t rfiSulrUi ,'.., deMrrau-
jos do 5looi|i>, ele, e a <\ot diseicos llc:U,
loauc:era> cura K|Oitaules obbdas ? :u nossos
5reparados ja htm coubecidos e usados ,wioa man
isliactos mediooado pait Porlueal. Lm lodo o.-
noss.-'j d?ositof distribualos ftttit lolhetos aui
nalkpr ij^em conhccer a Jarubcba KOf resullado-
appl.cajia.

BRACO
Ra do Imperador n. 26
Neste novo estabelecimen'.? cnconlra-se
diariamente um variado sortimeuto de bo-
linhos para cha, pastis, podios bollos in-
glezes, pes de l, presuntos, ditos tm fiam-
bre, superior cha Hysson, preto, c miudi-
1iho. Viohos finos de todas as qualidades
conage, licores, conserva?, cbampagne. cer-
veja ingleza, fructas muito boas, por-
tuguezas e francezas.
Um completo e variado sortimento de
caixinhas de todas os gpstos e precos paro
mimosear senhoras, estas caixinhas recen-
temente chegadas de Pars, sao de primora-
do .gosto, olTeresse-mo-las aos galanteado; es
do bello sexo pois nellas acharo nm digno
e serio presente para as donas dos seus
pensamentos. Tambera os apreciadores da
boa fumaca encontraro charutos dos me-
Ihores fabricantes da Babia e de Havana
sganos do Rio de Janeiro etc. etc.
Doces d'ovos seceos, christalisados e de
calda, ditos de caj e de outras qualidades.
Nesta casa recebem-se encommendas para
bailes, casamentos e baptisados e qualquer
encommendas avulss, como seja p5o de \t
e bollos enfeilados e outros muitas couzas
que enfadonbo mencionar.
ESCRAVOS FUGIEOS.
Fu?io r.r (lia 7 do corrente mei de Bovem-
bro, aet-.-rava Joaijuina, orh,ul.t, de idado 4r.-
dos, eflr iiela, batxa e ia Jo coipo, leu: iiun
orefha rasgada no lagar do bilneo. uma p.;iiuf-
na ric.-'i-i.: a testa a i') lado, dous denles i
frente atMIM que pirece latta de um, ina- nao :
esta escrava so uceupava ein carragai agua no pa>
leo do i....... pu lavaudu rooj-a pcis ciju
junto a ra Imperial, e por estes ligares iuo
efla-coswr i ;.i -l.ir. l!opa-se a' Sr ^iilisdi
campos a>rcliensio desta .esnava e a ievar s
ra do QiMsawkiB. ."t3 ten^iru aad.tr ou a |iac,
doCortKj SLio n. 17 pii:ue|rb andar, que .-
bem recempecsadoi.
Cu>
Fugio no d;;t 20 do prximo pp jado mu a -
crava di-i.': r,ertolezj, iJ.-.J. 2j'annos, peueo
unais ou r- i::?_. cor parda, Patetlos carapinhos.
peritas pre*?fl w de!-? (Iv pos e ti:
comprttos, wio pbqimq, & w
boocaiepular, anua uil.i1* lti-.t beui faltai I '.
levou ve t'mij caLco de Ijtnih'.b i o saiatau i
ambos bramos, ti m um siialae um ?. :r-
nuca, de b<}( dr.oilo on ot|nerdo : i'Offa-se, ;
uiutM, as Itnttriaades policiats e mpties de
p i a ;i|'|v'-;i. uo di meiia, e I jva-l.i ao i:
(iij, casa db'j
____ Ar'-r: : ':" i (>;-d< i"' -lo Queman.
FllSiO to .i R tt.> i- !Ti :. .
IjIm do ISfi9. fio engenho Gitfai, ,. :. ia da ..
ead, 11 -iTT.- Pauio, cabra, e i.i;, le ') ai.
aiiura o cwpa regul.-ir.s. barjnd >, eabllo c;. -
.-, peilo* ipecnas bem cal el; \'. s, cara r i
marcas de Le>;i.is, lio m.n-.. : chicote |
costas poin pareners de ^eimadora-, vestido cok.
calca le I u, ,131-1!), camisa de madapolao, c .
peo de paiba de carnauba, Fui escravo o
jjiz, morad i iis ajc;. Ij>. leud omaso
d lrnosnesse logar : paga-sc 100/
de graltf?iiM$o a oaem o prender e leva-lo ao dito
engcoho, ou nr ni do Cabug n. t ao Sr. 1:
cisce A:.' d riio.
---------------------------!----------------------------------1-!-----------------------------------------
liHMKIII
Chegou para o Pavlo, um grande e va-
riado sortimento desta nova fazenda de 13a
e seda propria para vestidos, cora os mais muto novas, passas e figos novos, cbarutos de diversas marcas, marmelada. fwita pelos
delicados desenhos emais modernas cores, memores conserveirs em Lisboa, geta de marmello, pcego, ervilhas, em lata, por-
tendo bastante largura-que facilita" azer-se tuguezas e francezas, vinbo verde enganafado i retalho, peis? ero latas, bem omn
nm vestidocompoacoscovados, pelo bara- pescada, tainha, pargo. goraz, bjia, corvina, vesugo, caviHa, sari e sardinhas de Nan
tes. OaooH. cravo. ervadoce. cominho, pimffli*, graderoolh de ehnlla ^ Mhon
finalmente nn--v i""" t...r- oiv- "pf r.^i-tn t m >< '
tissimo preco de liJOOO o covado, por j es-
tarem muito prximos da festa.
CRETONES MATISADOS PARA VESTDOS
A 640 E 800 RS.
Para a loja do PavSa chegaram os raais
bonitos cretonos escuros matisados, pro-
prios para vestidos, roupo chambres etc.
que se vendem 800 rs. o covado, assim
como a mesma fazenda em padroes claros
proprios para vestidos e roupas de meni-
nos a 640 o covado, sendo os padres rnis
moderuos que tem vinpo ao mercado,
Chitas francezas
Para a loja do PavSo chegarara mais
finas e bonitas bitas escuras, propii3mea,
francezas, e vende-se a 600 rs. o cvfc>V
ATtenco
Joaquim Rodrigues Tavares de Mello!
tem para vender no seu escriptorrat pra-I
Qa do Corpo Santo n. 17 primeiro andar!
potassa da Hussia ltimamente chegada.J
cal de Lisboa e vinho Bordeaux de supe-f
rior qualidade.
il
LI
Resta i venda nm escolhido sortimento de ob
jeetos de marcineria, como sejam, mobllias de ja-
iarand, mogno eamarello, obra nacional e estran-
{eir, de apurado gosto e por prejfo< razoaveis:
oa ra estreita do Rosario n. 31 Nesta mesma
jasa faiem-se cora perfeicao todos os trabaJhos de
MlWha, com sefam, empalhamentos de lastro?
oara camas, cadairas e sopns.
Gratificase a quera pegar o cscravo loa", c- -
onecido pof Joao marcineiro, prt>. crionlo, re-
presenta ter 30 e Untos a unos de iv.ale, eiHfl (
sigoes seguintes : altnta popular, bastante ma-
gro, poneo barbado, e falto de denles na fren! .
andar apressado, levou caica e camisa de alg
azul, chapeo de pallia ordinario, m uto regrieta.
Esta preto loi criad) n> Capun^a, em casa df Jo:":o
Evangelista, e vendido para a ra o Livraioenlo
e depois para a ra Direila ; e, antes de ser ven-
dido, trabalhava de marcineiro desdi pequeo, t-r.i
u na lilba em Ponte de UcMa, e ltimamente se
empregava vondendo agua nos pateos do Terco e
Carmo, faz dias que est oceulto : recommenda-
se a algum marcineiro desta cidade ou a qnnl pi r
pessoa que o ptgar, leva-!o ra Direila n. 133 ;
assim como protestase contra qaem o'tiver oc-
culto.
GR VTIFICA SE BEM
Fugio no dia 30 de setembro o escra\o
Joao, creoulo, conhecido poi" Joo Bal ir. de
idade 40 a 45 annos, tem falta de denles,
falla moderado, multo ladino, tem uma
grande ulcera em uma pema, pelo que tai-
vez ande mendigando ; pede-se as autori-
dades peliciaes e espilles de campo a ap-
prehenso do mesmo, e leva-lo no enge-
nho S. Joao em Gamelleira, ou- nesta cida-
de ao Sr. Domingos Jos da Costa Guima-
res.
r.
' Na loja e rmazemjdo Pavao rvi da Imperatriz n.
VEEDADEIRAS
PILULAS
DE
COM lODUNETO MFIfcllO INALTtRAVEL
APPROVADAS PILA ACADEMIA DB MEDICINA DI PARB, ETC.
Poeaoindo u propriedades do Ue a do forre, oonvam especialmente as imeeoit
ncaoruLOSAS, a Tsica no principio,* fraque** a* temperamento tambera nos casos da
Falta di cor, AJBNORi.REA.ein que precisa reacia obri o sangos seja para restituir
Iba a aua riqueza a abundenda narmies, ou para paayuear a ragular a aau curso periodleo.
A*. B. O iadjrMa da Ana tepwo oa turado ra mttraann UM,
IrriUBU. Como prova de pnt o do ntbmeidado du vewUdeirM W-
rtM BXaBura, aT-M iifir nosio alto o> pratn liana I
-obmbm, qi narodarida, ao. Wartar do ata
ria ***, Doro- dtoafla> d Adincapaa.
afln aaa #4 jlia>Briiaa> Ptommutiee, tta Amaaarto, 40, Parit
A ra do Livramento n. 6, contina a ha-
vr para vender por precos rasoaveis, o
oielbor vinbo verde at hoja vindo a este
aereado. ____________ m
RIJA DA GIOHIA *f. 5
Otaria do Fundao.
Ha sempre nesta otaria grande .sortimento de
ateriaes, como tiiolos de alvenaria' batida, ladri-
llo, quadrado de 8, 9 e mais pollegadas, tolhas e
'Ihss tijolos de tapamentos. O ppiprieiario des-
. m otaria garante a bnndade e baran de taes mate-
iaes, como tabibem vende-se mais tiaralo do que
o outra qulqner parte

.
Sag, sag
muito nova' a 100 rs. a libra, o 80r?. de !0 libras
, u'ara im; n roa ^ova n. >"/), armazefti da Liga
No dia 12 de dezembr fugio do eogenbo Pi-
tiinb da comarca do Cabo o escra/o crioulo, de
nomo Domingos, cor prcta, de i Jada de 18 a O
annos pouco mais ou menos, cheio do corpo, an-
dar banieiro, tem todos os denles, suppe-se estar
ac.oitado em Apipucos, por ter sido daquellc lugar,
e foi comprado o anno pastado aiSr. barao de
Nazareth : pede-aaV*tiridad63 |>oJciaeb e ca-
pios do campo a captura do mesmo o ootrega-k>
no mesmo engenho ao Sr. Domingos Marlins Fe-
reira Monitiro, on no Ttecif rea da Moeda n. 5 >
anar, escripterio de Man Ftorreira A G.,
que serao gratitkado!.
Desappareeeti
no dia 1. de desembro do engenho California,
em Seriuliaem,o escravo Grigviio, moteque criou-
lo, de lo ara 16 annos de. ihdj, car prcta, fei-
c3es regulares, testa redonda,' 'ol;os vivos; _co<-
tuma sempre a andar rindo-so; tem flta de nra
ou dous denles aa frente do lado de cima, com
uma marca de ju-omadura naaflLriga, e era uma
das cusas uma marca de estrej5|Ba que lhe varou
a cosa de um para outro laflojiem ps pequeo;,
limpos de bixos, e os dedos dos pos cortos, ou a-
parados; nunca fugio; presume-se ter sido sedu?i
do, ou feriado por a*gU"in, e dezemcamiobado pa-
ra o.lado de Porto Calvo, em Alagas. Dito escra-
vo desappareceu pelas tt horas'de dito dia,
noute consta ter sid< visto n) engcuhoTrcs-lirar. .
da frepneria da Rscada. c ueouuma outra moftr.;
lem dalle apparecido at a prn ate d.il.i
testi-se desde ja >ntra qi
nha desemeaminhado, e no
o poderao rondiizir a dita
pnedide do lente corone!.-Jete rii.reni
valoontedo Atbuquerqua, | a etn pra^a ja
daPraia n. 31 n^ casa d ino Junic,
pelo que seragenerosaraeo:: i .....meuaado;
'"***PF-
ILHMl



8
Diario de Pernambuco Terca feira 21 de Bezembro de 18&9.
- .. | ....! ^.......------ i W..------.....1
--_--
----------------1

LUTERATURA.
K tf*
Osdifferentessjstemas d moe-
da ifAeriiaoional.
Na qwestSoaaeaataiie. -pela forma por
que boje ella ae ha coilocada, ha dous
potitos de vista a attender : o ponto de
vista francez e o ponto de vista internaco-
nc!.
J da primeira especie tratamos- em nm
artigo publicado nesia Rmtta ; combaten-
do o duplo padto, e optando pelo padrao
do ooro nicamente, iaspirarao-nos sobre-
tudo no interesse francez. Dissemos enlio
que pedera haverdesvantegena para o nosso
paiz m continuaco <*0 systema qae deixa
icoopar em circulagio ora um ora outro
metal atis depaeciado, conforme as oscil-
tagocs do mercado.
Urna vez qoe temos hoje os meios de
aossoir aquelle qae mais nos convm, o
euro, o qual eati mais em relaclo conos
progressos da civilisagac-, por que motivo
esse estado de cousas nao ser consagrado
por ama lei, a prata ni deixa de ser a
moeda principal da Franca ?
Nisto nao pode faaver nenhum inconve-
niente, porquant todo o servico que nos
presta a moeda uc prata ha de ser presta-
do pela rapada do ouro.
Se traiaVmos com paizes que nio pos-
suem o padrio do prata, esses paizes j
aceitam o nosso ouro, e at o fazem com fa-
eilidade maior do que com a nossa prata,
quando esta nio do mesmo toque que a
Se consideram a ecessidade de pessuir
esse metal a am de ser le remettdo i*
paragens onda nao se conhece e nem se
recebe outro, pde-se ler a certeza que,
como toda a mercadoria que tem utilidade
e serventa prepria, sempre se o encontrara,
em barras, tanto quanto se queira.
A Inglaterra fornece-nos a prova: esse paz
so tem o padrao de ouro, e todava quem
mais trafica com os povos que apenas tem
a moeda de prata; com o extremo Oriente
sobretudo e o certo que a Inglaterra nao
soffre o menor embaraco nos seus paga-
mentos. Amrma-se. certo que ella apoia-
se na reserva metellica da Franca, e que
eos fornecemos-lhe toda a prata de que
eila precisa, sendo provavel que, desappa-
recendo a nos,sa reserva pela suppressio do
duplo padrao, a propria Inglaterra sentina
os maiores apuros.
O argumento singular: curioso ouvir
dizer qoe nos conservamos o padrao de
prata. para maior incremento dos interesses
inglezcs, o anda mais curioso se moslrem
o pouco reconbecidos ao servico que nos
Eazemos-lhes. .
Elles sao os prmeiros que nos instigam
a desfazermo-oos do padrio duplo, como
sendo esse um systema inteiramente gasto.
Com efeito. nio pode entrar seriamente
no espirito de pessoa alguma, que, no dia
em que a prata for desmoedada, na Franca
e em outras parles, ella deixe de ser en-
contrada como mercadoria. Mas ella licar
despreciada, dizem, urna vez que perca a
forma monetaria. Sem duvida que ella se
depreciar, sobretudo se a medida genera-
isar-se ; mas que remedio ha vera urna vez
que isso resulta da maior utilidade da moe-
da do ooro, do desenvolvimento que esta
ser obrigada a tomar! E' possivel lular
contra a forca das cousas 1
Acreditarse ha que, pelo fado de insis-
tirmos, com grandes prejuizos, em abrir o
nosso mercado a moeda de prata, que im-
pediremos assim que appareca a deprecia-
cao ? "Fra o mesmo que assegurar a possi-
bilidade de deter um rio em sea curso
oppondo-lhe um dique, mais ou menos ele-
vado: o rio sempre se estender, eos obs-
tculos artificiaes que Ihe forem antepos-
tos apenas faro que elle afunde tudo quanto
8 cerca.
E.' igual a esse o perigo com que o pa-
drao duplo nos ameaca. As outras nacoes,
mais avisadas, desamoedaram a prata, a
aossa custe., e. urrv bello dia, teremos a
nundaco dosse metal, o qual apenas entre
nos que ter valor legal.
E'.uma perspectiva grave, a qual se nao
pde'submetter um governo cauteloso, que
jala dos interesses do paiz, e que tem o
senmento da *ua r
o ponto de vista francez da auestip.
Ha, par, um oulro nio meaos me-
ressante, eque, ha afcans aunas,*apreoc-
capacho de muitos escrjptores; r*|ra moeda internacional.
A adopciode um padrao nico o indis-
pensavel prelimnar para urna reforma desse
genero. Pde-se discutir acerca demerito
delta, mas, urna vez admittindo-a, qaalquer
que seja o systema propostp para reali-
sal-a, reconbece se que a primeira cousa a
fazer ebegar a um accoido para a adqp-
gio de um nico padrao. Com os dous
fica-se sujeito a todas as variages resul-
tantes da differenga das relacSes entre si, e
nunca se tem urna b; se certa.
goai. Tufo isso o imposto* (aneado* Itede quo negociara em roseo, sobretodo
sobre prejuizos e sobre a ignorancia.
Nao vamos tio longe que afirmemos, a
suppressio do cambio, caso aanvesai am
todos os paizes a aaeaaa atoada, e qna ai
Pars, a libra asMUaa wteria sempre i'
francos o *) centesimos, am totmte
Hollanda t francos e tS eentaeimos, visto aaallaria
Esta verdade n3o precisa ser demonstra-
da, por isso que ella salta s vistas ; .veja-
mos quaes sao as vantagens da moeda In-
ternacional.
I
como a taxa do cambio resulta de mu* jpMeOfreaeoe o ajesmo lempo, enconr
dos banqueiros e cambistas. So eu tiver
de lazer um pagamento de 1.000 ou de.. -
tritS faaacos, em Londres, poderei acaso
multar pan l mu barra metellica? Nao
bapequenaafaraJi#v^af.
>OlS%*orra, qaa^fve de nter.
Bteessoas, qfJb pode sacar
A primeira vantagem, que inconteg-
tavel, consiste na grande fedjfdade ,torne
cida ao commercio exterior.
E' evidente que, se em, todos os. Iqgare.
houver urna moeda semelhante, um mesept
typo de valor, ao qual sejam referidos g<
preco das cousa3, todas as peasoas .anten-'
der-se-hiam melhormente em todos os mer:
cados do mundo.
Saber se-hia melhor onde se pode com-
prar e vender. Quandoum negociante'fran-
cez l em um jornal que o preco tto caf
em Cuba de 20 piastras fortes o quintal'
ou 100 kilogrammas, e que o preco doal-
godo em Nova-Orleans de 80 dolan o
fardo de 145 kilogrammas, elle obrigado
a azer o celculo de reduce*) flessas me-
das em moedas franceies, e ca jnoito eai_>
baracado do que se conbecesse logo. pri-
meira vista que trata-se de 116 francos para
o caf e de 424 francos para o ajgo--
do.
Por isso o commercio com o estrangeiro
para toda parte quasi que o monopolio
das grandes casas, precisamente porque
ellas tem meios que fattam #s outras, e
podem carregar com as despezas d sala-
rios a caixeiros especiaes, que traduzem os
presos correntes do exteqor.
Ellas servem-se desse monopolio para
augmentar o preco de seus servicos. Se a
apreciacQdesses precos correntes estivesse
ao alcance de todos, nao ha vera, necessida-
de de intermediarios e as vendas e encom-
mendas far-se-hiam directamente. Resul-
tara nos precos urna paisa .calculada,-nao
smente por causa da economa com esses
caixeiros especiaesjeomo tambera pelos ellei-
tos ordinarios da concurrencia.
O commercio exterior se democratisari?,
tornando-se assim de mais proveito para
maior numero de pessoas. De pnssagem
mencionarei urna outra vantagem da moeda
internacional, que vem a ser a possibidade
de organisarem-se pela mesma forma todr?
as contas financeiras, commerciaes e sta-
tisticas.
Comprehende-se que isso seria mais com-
modo, por isso que, em vez de dizer-se,
por exemplo, que o orcameuto da Inglater-
ra 6 de 70 milhoes de libras esterlinas, o
da Austria de 437 mlnes de dorios, o da
Prussia de 160 milhoes de thaiers, e o da
Franca de dous milhoes de francos, expri-
mir-se-bia tudo pelos mesmos algarismos,
e mais depressa se fara a comparado.
Toco no maior argumenta em favor da
moeda internacional, argumento que, ind'3-
pendente de oulros, bastante para deter-
minar a adopcSo da medida : ella stipprime
os gastos do cambio, resultantes da diffo-
renca das moedas entre si.
O delegado americano na conferencia de
1867, O Sr. Rugles, em um relatorio :io
seu governo, disse que os cambistas que
negociavam com esses trocos tirawam cada
anuo do mundo commercial urna somma de
dous milhoes de dollars, mais de dous mi-
francos, e elle acresscenlava que tanto ha-
veria custar o refundiremse todos os syste-
mas monetarios, pela adopeo de um nico
typo.
Essa declaraco, mais ou menos exacta
nos algarismos, verdadeira no fundo. Jia
com effeito pessoas que vivem dos obstcu-
los antepostos livre cireulaeo da moeda;
assim como ha outras que vivem dos peda-
gos e portagens pagos as fronteiras dos
Estados, ou onde ha diversidade de lin-
elementos. A differenca di moeda 6 das
elementos, porna, nio o aajat; prailV
so metler em cunta Hajfcem oe gaatoe da
transporte com o nmaararo auaaado para
fra, os riscos f uo e.lleflarre'faando se (aa^
um saque py o *range1ro, sobretujo
ijuando elle com lengo pa para o ven
cimento.
Estas consideracoes farSo sempre variar
a taxa do cambio, mas elle baixaria forzo-
samente, se cada pesaoe anvasie a mesma i
moeda: se esta fosse recebida en toda a
parte sem passar.por-unw re(uodica. com
as despezas qoe isso acarreta. Por tal for-
ma, a libra esterina, que iqtrinsecamente
vale 25 francos p 20 oeatesimos, nSo
raoebida em nossa casa da moeda se nao
por SD.fraojos ou W eeitesimos, conforme
a tarrta. Acerescanta'ae, isio a perda 'le
wros durante o lempo neceaeario a refua-,
dicio, que pouco rom ou menos imporia-
r em ."i centesimos, isio com um des-
falque de meio por ce uto, nicamente pela
(mTerenca do typo monetario dos dous pai-
Ues. Acontece o mesmo com a nossa moe-
da de prata, na Allemanha, e com a nossa
moeda de ouro, na Inglaterra. iEsse facto
explica o porque pagamos s vews 25 fran-
cos e 3'i e 40 centesimos por libra esterli-
na, e o motivo por qoe soffremo* urna re-
duccao de 1 l/i. i /O na couverso dos
nossos francos ea ftorins. Nos preferimos
comprar um saque com semelhante laxa,
antes do que faaer urna remessa 'dse ouro
ou peala, que com as despezas do trans-
ir urna aarta que ecfaponda a essa quan
tia e oaaserva pan si os lucros proven-
anles de pagamente frito por semelhante
modo. A barra, perianto, nao a soluc5o
4o problema; olla tanto satisfaz s exigen-
cias da airculac5o jnjjta>a;a internacional
.cunan os b'daalair do freneo, de S 000 c de
lt>A>(*> fraaaos, sao por si s capazes de
fazerera face a todas as exigencias dacircur
lacSo fiduciaria. E' necessario alguma coli-
sa que mamar corresponda s minuciosida-
des transaqcSoe, que, em definitiva,
sao oa mais omerosas e consideraveia.
Nao se pde meaditr barras etallicas pa-
ra toda parte ; ser fcil romettel-as para
as pragas da Pars. Londres, New-Tfork,
Amsterdam, ou Honbourg, mas nao acon-
tecer o mesmo as cidades secundarias,
onde nao ha ver miita gente que as receba.
B" preciso, rois, un typo monetario, que
seja aceito em toda parte, que em todos os
lugares sirva para desempenhar os compro-
rnissos.
A unidade desse typo ser mais ou me-
nos ferie, conforme o ponto de vista pelo
qual tenha elle de ser considerado, mas
convm que sirva tantopaara os pequeos
pagamentos como para os grandes.
Um imprtame negociante de Bradford
e-de Maacbesiar, o Sr. Behrends, fez, no a-'
quorito ingles, declarages qne mostrara os
incovinientes'do cambio actual.
Tendo elle de cflectunar um pagamento
de 07 libras esterlinas em Luxemburg, e
nao asbendo exactamente qual era a moeda
impor a muitoi povs a perturjacSo que ^objeccao. tocarei na qae refere anenornoa
forcosamente accasiona urna modaoca e imporUricia, qae diz^m ler a adopco da
* moeda iniaroacionali-iap* taz que nao se
pottsua nm boco systema. de pezos e rae-
oidas; sendo qaajs "coveniaote tratar pri-
meiro dessa medida, dallando para depois
reforma monetaria, qoe dhtio vira mais
utilmente.
E' wto qua o progre&so seria mais. com-
pleto ae fosse possivel abter as duas cou-
sas, aaa oeste mondo todo n3 sa faz ao
mesmo lempo, e a experiencia ensina que
as melhores e mais .seguras reformas sao
aquellas que se reaKsam passo a passo. O
porte e as da nova cunhagera, aauito jnis ^ paiz, elle, a principio, remetleu
charo nos teria de flear. Este ineoovenit n- .'suqae em francos, sujeito ao cambio ,.
te j se manifesta por tal.modo, que, pila essa converso. O banqueiro, ao qual elle
um
por
forga das circumstancias, como, que so ha
creado urna especie de moeda internacional,
empregando as barras de metal. Sao ellas
usadas para os grandes pagamentos, e faci-
lita a permuta de um modo coaaideravel.
Os mappas.otlieiaes demonstris que em
Franca, no auno de 1868, sendo a impor-
taco do ouro de 491 milbes, 200 vieram
sob a forma de barras.
Quanto prata a propDrcao de 04 mi-
lhoes em barras sobre 127 em moeda.
Os resultados da exportaco sao seasivel-
mente menores relativamente ao ouro; 22
milboes em barras contra 266 em moeda ;
a exportaco da prata foi de 52 milhoes em
moeda contra 22 em barras. Foi isto, po-
rm, devitio a necesidades especiaes da
Italia.
Ha alguns annos que, entre os, domina
a exportaco em barras; em 1867 ella foi
de 4o milhoes contra 18 em numerario, e,
em 1866, de 111 milhees, em barras, con-
tra 93 em moedas. E' muilo fcil apeasen-
tar os motivos de semelhante facto.
Nos somos grandes consumidores do oo-
ro, e temos moito iateresse em amoedfrlo.
nao s para a nossa circulacao, que cada
anno mais se avoluma, como tambem por-
que a nossa moeda cada vez se torna rnais
aceitavel nos differentes paizes da Europa.
D-se o contrario com a prata: enviamnos
muitas barras e nos mandamos menos moe-
das.
Isso prova, como j o deaisnstrei em um
um trabalho anterior, que sempre que a
prata nao tem por fra a mesma exlracco,
ella reflue "para a Franca, em virtude do va-
lor legal que nos sempre mantembs. Este
exemplo significativo, e deveria fazer com
que os defensores do padrao duplo reflec-
lissem nos perigos de um tal systema.
A prata em barra existe aqu em abun-
dancia, cada vez menos, a vamos amoe-
dando.
Na America, essa transmisso das barras
metallicas feita em larga escala ; vai-se
mesmo conferilas, como peso e como ttu-
los, as casas da moeda, afim de qae ellas
circulem mais fcilmente. Este expediente
por certo til, porque simplifica militas
operaciMS de cambio, mas nao pude substi-
tuir a moeda internacional. Serve apenas
para os pagamentos avultados; mi pode
ser usado por todos, e torna-se o monopo-
FOLHETIM
OS CASACAS PRETAS
ROMANCE
POR
Paulo Fval
Tcrceira parle
4FL.OHE&T4 E PARS
(Continuaco don. 200)
III
escobarla da vaeclna,
Foi inglez Ed. Jenner quem dotou o
nuodo com eie curioso e bomeopathio
preservativo. Votou-lhe o parlamento urna
recompensa nacional de vinte mil libras es-
terlinas, e nio foi de certo caro resgatar
por tao diminuto preco a vida de tantos
vars e a formosura de tantas donas.
Pela m'isnw descoberta, Echalot, inven-
tor, e Similor seu ajudante, s obtiveram
rigorosamente direito tres francos e meio,
Com isto niogaem possivel assegurar o
porvir.
Trahidos iocessanlemente pela fortuna
iiiimiga, e n5o podendo ebegar a commet-
ter nenhum d'csses crimes que no theatro
valem figuras habis e dissimnlados
enormes riquezas e a. mal erapregada con-
5derc5o do seu bairro, aquelles dous ex-
cellentcs rapares davam-se perros, ex-
cavando coQiiauameale os milos: Similor,
eom um fina de egosta amhico, Echaloi
para Similor, e principalmente para o Sa-
tadim, a teora creatnrinha, de quem era
ama de cria.
Por nm instante, a esperanc-a Ibes pe-
netrara o anjft; a esperanca seguida do
seu cortejo de fagueiros devaneios. Ti-
nham elles enjergado a possibitidade de
matar a mulhr.
Os dous mocos vzinho8, ateeados pela
lepra lb-*atral sob outro aspecto, tinham
Udo a crueldade de Ibes zombar das mo-
destas pretencoos ; porque, podem acre
dita-lo, Echaktt a Similor nio pediriam caro
p^r matar o tnttlher. E afinal de contas
aavia de custar-ihes, que eram elles do-
tados de animo sensivel.
Besde enlio, que a vida se Ibes apr-
sela va sob negro aspecto. Para se ebe-
gar a querer malar a mulher, preciso
vencer forca de argumentos a proprio
alveario. Qoando, effectuando este labor
de espirito e coraco, e um vez valenlf,
seria, profundamente resolutos a mulber
vem a faltar, o vacuo da existencia appa-
rece de chfre ; v-se ento, ponto de
nao restar duvida, que a vida um mons-
truoso acervo de illusoes, e que n'este
mundo cousa alguma verdadeira, senio
a miseria.
Tal era o caso de Echalot e Similor,
llaviam ellefi passado a noute de domingo
para seguada-feira entregues sonhe^s
febris, prenhes de aspiracoes impassiveis :'
Similor, espojando-so com o arrebatamiento!
da rica compleigo no meio das mais ri-
malbuJas bachanaes, Echalot. preparando
imaginaria casinha e metiendo na clxa
econmica o prego da malanga, effettuada
em condicoes respeitaveis.
Para um era a barreira, esse vineo pa-
raso de garrafas partidas, mulberes ex-
peitoradas a dana das salas, os rivaes
esmurrados, o enebriante chairo da coz -
nha, o fumo dos cachimbos: esplendido
garganteio trinado pela sua opulenta jmi-
ginaro. Esse s via a sua enlidade. IWa
para o amigo fiel, cousa alguma para o
innocente pmpolho. Assim sio estes pi-
tuscos.
Para o outro era a casa, leaces no ber-
co, dous litros flanqueando em cima da
mesa coposo pratalhaz de,carne salpicad!,
um poucochinlio -de lume em boa ostufa,
duas ouras de tabaco ao fundo de un vaso
de barro a urna mancheia de praMs no
bolso do clete ; Similor feliz, o; Saladiin
a dormir ou escancarando n*ura sorriso
rasgadissima bocea lamboada de leil
aguado.
Vejam a differenca que r-le existir er
tre duas orgauisac5es simplices. formad*
na escota do infortunio.
ponto de partida era o mesmo : a ma-
langa da mulher ; mas que uso tao onpo:
to faziam Echalot e Similor dos |dim<
lacros obtidos I
Ao acordar. Echalot passoa revista nua
trapeira. O Saladim berrava, no seu ei\r\
nastrel. O Similor, abrindo os olhoSj vf
riicou que n#m ali havia garrafas neta
raulheres. Sao bem amargos ues instaatas|
Os preparativos dos nossos dous am'6s
foi remeltido, deixou de aceita-lo, porque
a moeda do paiz era o theler prussiano.
Tornou-se precisa urna segunda conver-
so, e o resultado foi urna nova despesa de
45 francos.
O presidente do inquirito pergnntoii se o
Sr. Behrends teria evitado esse cambio ex-
orbitante com urna moeda internacional.
Seguramente, disse elle, eu teria immedia-
tamente sacado nessa moeda o valor de
2,425 francos, correspondente a 97 libras
esterlinas, e nada mais teria a pagar.
Este exemplo fricante; elle.Ilumina a
questiio, e, salvo a differenca das propor-
Ces, vemol-o reproduzido oa maior parte
dos pagamentos que temos de azer no ex-
terior.
O cambio asscmelha-se ao direito de
barreira, que se obrigado a pagar para
passar de um pai/. a outro.
E' notavel qoe os inglczes, que sio os
que mostreo maior resistencia adopcam de
urna moeda internacional (a menos, que nao
soja a que elles possuem) sao as maiores
vietimas da diffemaca dos typo* moneta-
rios. A libra esterlina que vale intrnseca-
mente 23 francos o 20 centesimos, na"o
aceita, etn Franca, se n-i por 21* francos e
10 centesimos, isso quer seja na casa da
moeda, quer em mi dos cambistas. Quan-
do se a offereco directamente as relaces
commerciaes, ou se a emprega em despezas
de viagem no continente, ella apenas re-
cebida no valor de 25 francos, e soffre um
prejuizo de tres quartos por cento. O re-
latorio do inquirilo inglez nos declara igual-
mente que, as negociacoes feitas entre o
governo inglez e o governo francez, duran-
te a ultima ex posicio de 1867, a libra es-
terlina s era aceita valendo 25 francos.
O mesmo acontece com o thaler, e o florn
da Allemanha, un referencia nossa moe-
da, exceptoando-;;e apenas os Estados que
adheriram a convenci de 1865.
Nos dentis paizes a moeda de 10 on de
20 francos( sem fallarmos as moedas de
prata) soffre urna depreciacao que nio tem
outra causa alui da differenca do typo mo-
netario. Dizem, porm, que o numero dos
qne negociio com o estrangeiro, e dos que
viajam milito restricto, comparado com o
numero dos que nio viajam e nem tio pou-
co commerciam com o estrangeiro.
Convir, para sa'iisfazer a algumas pessoas
nao eram geralnaenteoperacio complicada.
Similor liona sua garridice ; n'elle, porm,
nunca esta virtude deitava s lavagens.
Desembaracava os cabellos com o auxilio
de repeliente fragmento de pente, e canoava
os frangalhos forca de eseova-los; e nada
mais. Echalot, asseiado por naiureza,
sacuda o avental e raspava as mos com a
folha de urna facca velha, que lbe servia
lamben para o arranjo das botas. Nin-
gnem pode vencer as suas repugnancias ;
a agua borrosisava-os.
E intil accrescentar que dormiam de
grande uniforme, parle o chapeo pardo
e o cbapo de palha, que folgavam durante
a notrte.
Vamos, disse o Similor com profun-
do ai, que Uve uns sonlios magnficos
Sim, mas quaado urna pessoa acor-
da esvaem-se como o fumo, replicn o
Echalot com a maior resignacio.
D'e8ta vez ainda aquella patifa esca-
pou I resmungou o ea-mestre de dansa.
fi bem de ver qae e tratava da-mulher
que deviam malar.
Bchalot poz-se de pe para
berreiro do Salad ira.
Acuella tem sete folegoe I snspirou.
O', raSloo, !
C'iega-Uie um calor, aconselhou o
Similor.
Melhor ser qoe tu lbe chegues' al-
guna cousa para coneprar leks, Amadeu.
O pequeo nio tara colpa das nossas lor-
iaras.
. O Similor nao se dignou responder. Pro-
curou adormecer outra vez ; mae o estoma-
go fazia-lhe como o Saladira, berrava. N9o
podendo pregar olhos, levantou-se tambem
I
ver se
acudir ao
podesse vender,
afitala*"m i^balfnerite
.epalha|t% 1>ub#. i^OtM
IQT! t Pcaaeet paPma tr.m-
com palaAMi^am^as., ffrw
srdadeifAnatoni^ia aqueJlAnxMvaflaiue ,
>Te d
ialot era iftpai,
nossa
moeda ? 'Imtaremos danto am pouco
dessa perttraacSo, qoe to recaiada e
ella incoataatewal, poram aa vantofeas,
que serio i eoaBeqaeacia da reforma lar-
se-ho sentir ate meamo entre aquelles qux
nio deveriam experimentar os secs ef-
feitos. A adopgio de urna moeda interna-
cional diminuira as despezas necessarias
para salisfazar-se uma divid no exterior;
ora toda dminuicio de despezas, quer
na-relaces exteriores, quer naarllacoes
interiores, d era peaultado o desenvolvi-
mento do commercio,
motivo pedio-se com tanto ardor a dimi
nuigio e at metan a suppraaaio dos d-
reitos da alfaldega, a a abllelo dos paa-
sa portes ? Por que razio tem-se tornado
as correspondencias menos dispendiosas,
por meio de convengSes postaes entre aa
iiages ? Por que motivo as conferen-
cias^ entre delegados das differentes as-
iradas de ferro europeas, tem-se estabe-
lecido taxas uniformes e tio reduzidas
quanto possivel faze-las ?
Sente-se evidentemente que com o pro-
gresso da civilisagio preciso dar ao de-
senvolvimento das transaegoes toda a faci-
lidade. Alguem pensar, por ventura, que
essa diminuigio nos direitos das alfande-
gas, que essas convenges postaes, e re-
daegio de tarifas das estradas de ferro s
aproveitam aos que viajara e nos qae re-
oebem e enviara mercaduras para o estran
geiro ? Seria um grande erro imaginar
tal cousa. O provinciano, que nunca deixou
e nao deixar o olo natal, que nio tem
correspondencias com o estrangeiro, e nem
mercaduras qae vio ter s alfandegas,
esse individuo lucrar alante como os outras.
Elle vender os seus productos por um
prego mais alto, esse abastecer com mais
facilidade e milito mais em conta. Pois
acontecer o mesmo cora os effeitos da
moeda internacional, por isso que ella trar
novas facilidades as rejacos exteiioraes.
e assim ser proveitosa oara todos. Dizem
tambem qae causar periurbagio nos h-
bitos existentes ; isso possivel, mas,
qual tem sido o progresso que nao trooxe
perturbacio em eomego ?
As estradas de ferro, o mais fecund^j
de todos 03 progressos, ajjalou as relaces
econmicas, sem fallar dos antigos meios
de transporte que ellas arruinaran! mais
ou menos. Ellas deslo -aram as riquezas,
levaram-nos onde ellas nio panetravam
com detrimento as vezeS de oulros paizes,
e tinham o meopolio de certas sahidas.
Comtodo, quem ha, que nio applauda
hoje a creagio das estradas de ferro ?
Passou.o receo, e cada um aprecia os
beneficios immensos ; e durayeis com os
quaes ellas dotaram as nacoes.
Cortamente que uma nova moeda, qae
ninguem conhece poste em competencia
com aquella com que j se est acoslu-
mado, ha de causar, nos prmeiros tempos
algum ombarago, mas nos nio temos receio
de affirmar que esse embaraco ser mo-
mentneo, .e que, em poaco, elle ha de
desapparecer. Nio ha nada capaz de tri -
umphar mais fcilmente dos obstculos
do que ama utilidade bem reconhecida.
Uma das teslemunhas do inquerito inglez.
disse, que, por occasiio de assimilar-se a
moeda da Irlanda moeda ingleza, a pri-
meira perda um penny por schilling, mais
de 8 1/2 /-; todava a assimilacao se
fez sera diflfculdade, e, no fim de um aono,
nio se falla va mais ni-so.
Nos mesmos vimos, na primeira parte
deste seculo, as pecas de 24 e de 48
francos, em ouro. circulando conjuncta-
mente com as de 20 e com as de 40
francos; as de 6 francos, 3 francos, as de
30 e as de 15 sidos, em prata, circulando
conjunctamente com as de ti, de 2 e de 1
franco, e mesmo com as de 50 centesimos.
As moedas mais uteis e mais conformes
com o progresso tomaram a dianteira e
hoje ninguem mais se recorda do antigo
systema ; em rauto pouco lempo habi-
tuaran)-se com o novo.
Nao ex.agereu.os portento as difliuldades
a supperar, por causa dos hbitos adquiri-
das, afim de fazer com que o povo adpte
uma moeda nova, isso mais fcil do que
se pensa.
Como eu nao quero omiltir uma nica
#t P0,!^ fespirito mais se habita "s pequeas mu-
dangas do que s grandes, e, como uma re-
forma tata outra, o progresso geral da hu-
manidade completa-se sem abalos e com
um carcter duradouro. Nao examinarei
se conviria mais comegar peto systema dos
pesos e medidas ou se pelas moedas : pro-
ponan a reforma destas per parecer-me que
neste momento, um tal assumpto prende
mais aa attengoes.
(Continar-u-ha).
goloso, madrago, prejudicial, idolo da po-
bre mai desancada ; o pai, orgulho e fa-
talidadc d'essa iadigencia, qae elle vai gan-
grenando e de que nunca morre.
Echalot era a mii, isto o amor, a de-
dicacio, a virtude. Porque ha virtude no
fundo d'estas assorabrosas e grotescas inve-
rosemethangas, qne so a propria verdade.
Nio a virtade das regies possiveis, e,
tal qual vai percorrendo o seu singular
caminbo envolta nos andrajos de deplora-
vel entrndada; mas uma virtude. Tra-
balham, mortifleara-se, servem. Desde
que o mundo mundo, nanea as diversas
leis moraes exigiram mais que isso. A
differenca consiste em ser preciso enten-
der-noe aobre o sentido da palavra tro-
balhar.
E assim mesmo, estejam oertos de que
se lbe dssem a escolha, o Echalot antes
quizera agotar qas matar a tauUwr.
Echalot era a mai ; estremeca com igual
ternura o Similor e o Saladim.- -Suppor
tava sem se queixar a viciosa inutilidade do
artista ; ensooerbecia-se do engenho, das
gracas, da formosua d'elte ; mantinha-se,
como cumpre a toda esposa modelo,
n'um estado de inferioridade relativa ; ti*
nha alera dlsso todas aa modestias do
sexo que adoptara, mas tambem loe nio
faltavam todos os. lelos, e qoando Similor
se nio comaortava) bem para com o. pe-
qoeao, aquelle borrego traosforraava-se
em leio.
Similor poz banda o sea chapeo pardo,
sobre o^empaslados cabellos, e dase:
Voo dar uma volta. pelos meatros,
porque c est o negro para mourejar, em
quanto pira abi le regulas cora o pequea.
II aaia^i ipaa m lajfn ipajitn boa
encontra\ajAfaf|ivfdji, tourraurou con um nadn%-de amar-
gura o Echalot.
0viptj|p mistra* do.; ia|l|encQJheu os
tjomafo^a dirigic-e paaa %porta, chu-
jandan'nanjpinta- danirui, quj nio
ojlii a^ndy.
^Vi^difS^q^fidialot, se-achares
'alosma ceuj. tfaze amj pinga d| leite ;
"Qli^!lttW^^oil'tBlto..W,Uteivi5 TWStfjiaz. O
Ua7H#-.SMnI4r-bo. ^ l|e um
la a4agaa.qaor>ia tem, baqo antes da.sabtraa, rapas pirque o
.a* teaMvaM aataaga*
saglo, o pai frfkata,
O- aimilr- aoarcaa-8 d m >vap|tade, O
'appftcoa o^aWnjarTwa<#'?^aalBe)uja d*
creanca, que gruihio, picado pelas asper-
rimas barbas d'aquella escova.
Feio bicho I resmungou.
Vieram as lagrimas aos olhos de Efhalot,
que pegou no Saladim no c illo e acalen-
lou-o.
Dar uma volta pelos teatros industria
que talvez nenhum dos nossos leitores
exerceu. Para qualquer se entregar ella
nao indisponsavel diploma.
A' porta dos tbeatros agglomera-se todos
os dias, antes de coraecar o espectculo,
grande numero de pessoas. Essa mal ti
dio,, tomando a caixa como cabeca, forma
a cauda do theatro. E' depois da cauda
desfeita, de noute, ou mesmo no dia se-
guirte pela madrugada, qae se da urna
volta. Cousa de dous ou tres rail francos
em dinheiro miado entraram e sahiram
pelos dous postigos. Pode ser qu; algumas
gulas, d'aquelle man tenham cabido, e por
isso os empregados que levantara as dit
viso/ias prqcuram o acham frequentemente
no cilio cobre e prata. Esse sao os cal-
feiroar
Depois vem os respigadores. No lem-
po era que florescia o boulevard do Crime,
a volta omagava na Porta de S. Jaa/linlio
e acaban*, no Petit-Lazari. Os ganai^iroj
iam enfileirados como forraigaa, percorren-
do as casas dramticas, e jamis algaem
ver mais miseranda procissao I Quautos
rabiscam pontea de charuto ali eram repre-
sentado', a mulher dos selvagens, os rapa-
ses vadioa, e os elegantes do janotismo
subterrneo. Alguns deram durante dez
aimos aquelle celebre gyro, sem encontrar
com sombra de dinheiro ; houve, porm,
predestinados que cliegarara a adiar meio
franco.
Sabe-se isso. Di-Io a lenda. Pode a^
sorte vir. O diab i nio tio feio como o
pintajn.
Tendo ficado i sos, poz-se Echalot a
acalentar o Saladim, qoe estava com seu
appetite e nao se contentaVa com festas.
^ra aquella pobre creanga rija como uma
podra ; a abstinencia, porm, tem lmites.
O Saladim berrava como uro possesso; o
tico corpHo sacadia-se-lbe ea-coevulses;
subira-lha a faces qoanto san^ue lbe res-
tava, a deafazja-se am esgaraa verdadeira-
maote diablicos.
Ohd, h, meo menino^oh, dizia Ecba-
POUCO DE TUDO.
.tnaer e razio.
O amor que se atavia
Com o sorrir do cortesio
Para, descrendo de todo,
Nio se curvar razio ;
O amor qoe no egosmo
Se afoga por contricgio.t
Nio vendo, atm de si mesmo,
Senio oatro coragio ;
O amor que desde o bergo
P5e a atma em confasio,
Tornando ccas cabecas
Onde imperava a razio ;
Nio pode ser amor serio,
Amor que duro infinito,
Amor de esposdS amantes,
Amor santo, amor bemdito !
Nao pode, nio, qae a ventura,
Que deve unir coragoes,
Forga que dure mais
Do que frageis sensages.
E amor assim tio iouco
Nao pido ser durador ; y
fogo do palha... arJencia...
tudo, mas nio amor.
E quando se ama de veras
Com amor, puro, inelfavel,
Se o peito dizlenho fe
A razio ajumaestvel.
n'esse doce consorcio
Da razio com o coragio
Que existe a nobre altivez
De quem presta adoragio ;
A'Joragao sem lisonja,
Sera laxido ou baixeza ;
Adoragio qne um hymno,
llymnoinsenso de pureaa.
Esses amores violentos
Que deitam fogo razio.
Quando nao matam, devorara
Alma, vida e coragio.
por isso que, razio
Sempre pediudo um abrigo,
A' todos dou de consejho
Que cream no que lhes digo :
Amor sera razio vicio,
Razio sem amorlacuna ;
Convm que ao amor sincero
A razio clara se una. i
S assim em doce efluvio
Poderio almas amantes
Gosar perenes venturas
Sem amargores constantes.
Recife1869dezembro.
1 ? ?
lot apiegando a voz e com pgsmosa pa-
cienta. O raeu menino rauito boaifo.
sim seolior, e muilo amiguinh < da m una,
sim ? Nio chore nao, o pap j vem, j
traz o l-l ao menino. Oh, h.
Era positivamente o que o Saladim que-
ra, esem mais demora; era o lulo.
Quantas vetes nio baviam os votos de
Echalot clamado pelo milagro de uma Irans-
forraagiono sexo! Quantas vezes, Iludi-
do por um sonbo sublime, se nio liaba
elle visto abrindo a vesta pharmacduca
para dar o peito ao pequerruchp Nos
passtiosolbava envejosamente para as amas.
E, por terna associagio de ideas, contem-
piava tambem gosloso os militares, que sio
o recreio daa amas- Sublime;- dissemos.
fallando de Echalot. que queriametter-se a
salteador e nio podia I Cora os ps na
fnguaira sustentaramos ainda J> dito. Echa-
lot era sublime I Eno eacoolrarSfo de coi-
to, em recanto algum do gh>bo, tao curio-
sos animalejos como os da floresta de Pai s!
Calle-se o raeujno, ealle-se. O pap
Amadeu assim quando os negocios nao
correm direitos ; mas tem bom coragio.
tem. O l-l-t, sim senhor, le le, meu
menino olar, beb, ole I
Levautava agora nos bragos acuna ti.
cabeca o Saladira e fazia-o descer rpida-
mente. E' uto excelloole brinquedo para
craocas fartas. Enfezado com era, ti*-
nha o Saladim uma voz do estrugir, Vu-
oiferava com.dobrada abundancia, e ator-
doava os ouvidos do triste Echalot.
Foi so no fim de bol meia hora que
este desesperen.
-T- O' patito, disse pondo-o no cljio, alna
que a assanto em dma de ti, acredita
que asiento. Apoqueja-me ouvfr-te assim
ciwrommgar. Nao te juroi j qoe nio ti-
nha qoe te dar ? E tu a dras-lbe. Cal:
las o bico, ou nio ? Vma,.. duas.
Cada vez o Saladim brrala mais.
Paciencia I exclamen Batato! mur-
ciando i idea 4 rabete-! r ae m autori-
dades, me ejaji^au,, ffi-to.. Veo
baixarvme. a pedur esraola.
TVP. DO DIARI9RCA VAS CBVZSS *" .
.


\
"t

1


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID ELP2QILTX_WIPSG3 INGEST_TIME 2013-09-14T02:45:24Z PACKAGE AA00011611_12023
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES