Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:12016


This item is only available as the following downloads:


Full Text
L
AKSOm NUMER 284.
------------------------_-__--------------------.________ .
PAMA CAPTA1 E L6ARK OWE IAO S- PAGA PWTK.
rV tres mews atuaudos. ....""............. $*>oo
Por sis tutos idea..................... i2(JOOO
Por fUavanno dem.................... 240QD
ada numero avulso................... .^320
CUNDA FEIRA 13 D DEZMBRO DE 1869.
E r.-^.-n----------------------------------------------ir--------1
rs altados.
PctRBR
3
ifrt

1
I
Fropredade de Manoel Xlgiilfr* Ae Paria & wi.
---------------------

: -------------------
-W.
*>
>

SAO AG
fla Srs. Gerardo Antonio Alves A Filhos, no Para; Goncalvead Pinto, no Maranliao; Joaquim Jos do Olivein, no Cear; Ai
Pcreira d'Alineida, em ojamMguape; Aatonio Alexindrino de Lima, naParahyba; Antonio Jos Gomes,
MH-IVazareth; Franciie Tacaros da Costa, em Alaoas; Dr. Jos Mar
de Leatof jBrag, iW^rtfiaj*- loto Mara Jnlio Chaves, no Ass; Antonio Jfetf&es da" &lvaV nolal; Jos Jastftt
da'Pea/ Beiarmin do'SantM Blelo, em Santo Antao; Domingos Jos Costa Braga,
, w BrA**"," J** Riseiro Gasprinho, ncrtWo de Janeiro.
PARTE OFFKIAL.
ftoverno da provincia.
CSPED1KMT1 ASION.UM> PBLJ 6XM. 8B. DB. ITABOU
B'i HASCIMENTO MACHAD} CORTELLA, VlCti-PRKSI-
CKTC KA i UOTWCIA, EM C DE OUrUBIO DB 1869.
X. 161. Portara ao Exm. 5r. general com-
mandante das armas.Mando V. Ex-. apresentar
ao Dr. eliofo de polica interino, alim de Ibes dar
j destino quo fatigar comntente, os recrutas S >-
coro Remante (tomes, Marro; lavar, s, Manoel Jo-
s do Xascimcnto e Jos S tares de Barros Verde,
viste terem sido jnigados ncapazes do servco do
exorciie, como consta do termo do inspeccao, an-
nexo ao seu oflioto do 4 do corrente sol) n. 593.
X. 162Dita ao niesinr-.-^Boavin que V BKc.
remella a ost- presidencia ateo dia 15 de jantin
vindonro, iinpreterivolmente as informacoes que
tem de prestar para o rotatorio que deve ser aprc-
-entado a assemola legislativa provincial na sua
uro-xma n uniao.
l. 163.Dita ao director do arsenal do guerra
Ficam approvndos os contratos que V. S. cele-
ttrou eotn Manuel Antonia rfc Jess, Joaqnim Al-
ves da Sitm Sea a Hawari Jottminn l**rreira
Estoves, para o forncciniento dos gneros para o
rancho dos aprenlizs menores desse cstabeleci-
monto no trimestre corrente de uutubro a deze.n-
fero, o constante do termo que veio annoxo ao seu
oOoia de 27 de setembro uilimo sob n. 183 ; o
quo declaro a V. S. para seu c'jiihecimcnto c fins
convenientes.
104.Hila ao mesirio. Convm quo V. S.
remella a esta presidencia at o dia 15 Je Janeiro
vidouro, imnreierivelineole as informacTie que
,i do aprosentar essa repartico para o relato-
ij ^uc dove ser apresentadoa asscm1>ta legisla-
iva provincial na sua proxina rennio. Ignaes
io juspeclor do arsenal do ntarinha, c.ipilo do
porto e prosldio de Fernan'lo m".t' N. 163.Dita aocapitlo du poiloEm vista do
que oxpoe o p-iieral comnianduiite das armas no
oflicio n."697 de o do Brrenle,-providencio V. S.
'u ordem a quo seja qtu.tllo antes cdloeado no
lugar pmnetonte, o novo mastro da rortleta de
ftamancl
N. 166.Oila ao eommandante do presidio de
femando de cronha.Xa prinuir.t occasiao op-
portuna, mande Ymc. para esta capital coni ahe-
eessarra Mcanm^a, a ser apreseotado ao Dr. cha-
fe de polica, o sentenciado Joo Francisco Uarlio-
-i. i|ue a reitos. .
N. 167.Dila ao cnsul de Franca.Cm a in
-----
>.r.,
h
-r-^Z,
vlusa copia do oflicio du Sr. Dr. chele de polica c
das Ofonueoesa que se refere, ministiadas pelos
subdelegados das fregnezinsdc S. Jos o lla-Vis-
ta dcsla cidade, respoedo ao oflicio datado de 9
de setembro ultimo, no qoal o Sr. Osmin La porte,
cnsul du Franca, solicita esclareeimenlos aerea
da nacionalidado de Delire PortharlItccWo m
agosto prximo findo. c que foi Bao enm D.
Mari Celestina Paos Barreto. Aojuiz municipal do
termo de Ipujuca, onde resida Delir, recommen-
du nesia dita que me informe o dia do seu fallo-
cimento, e deixo-.i In nleiros t testamento, c se o
sea espolio foi arrcqaddo e o desuno que tivera,
o aguardo lacs informar6-?s para seremremetiiilas
ao iesmo S",consol. Rcuuvo no Sr. cnsul el
protestes de iniuha perfcitn estima edislincta con-
oder..
X. 168.Beliberacao.O ice-presidenlc da pro-
vincia attcndeiido ao'que requereu Gentil llomem
"..i.lriguc dii Soitza, cscrivao do almoxarifado do
presidio de Fernando de Norona, resolv cunee-
der-llie trinia dial de licer.ea com venciinenlos na
forma da !ci para vir a cita capital.
2J s:c?an.
X. 171. Portara ao presidente da re!f%5o.
Infirme V. Exe. sobre o que requernapti-
"i i junta o bacharel Bornardino de Sena Dias
fonier.
X. 17:.Hita ao chefe de polica iaterino.IVr
te do eommandante da armas Ihe serao nian-
3 apresentar os retraas Solero Bernardo Go-
mes, MareosTavar-r, Manm-I Jos do N.isciment >
e Jos Soarcs de Barros-verde, alim de Ihes dar
o destino qne julgar conveniente, visto terem sido
migados iucapa7.es para o servia do exercilo
como consla do termo de insporcau (|ue vem an-
nexo ao oflicio do cjiumaiu'ante das armas du 4 du
-torrente, sob n. 893, recommendanJo a V. S
libcrdaB o de nomcJos Soa
N. 179.Dila ao mesmo.Tendo nesta data ap'
provado os coairatos qud o coronel director ute-
rino do arsenal de guerra celebrou em 25 de se-
tembro ultima com Manoel Antonio de Jesus, Joa-
quim Alves di .Silva Santos e Manoel Joaqnim
Ferreira Estcva para o fornecimonlo dos gneros
para o rancho dos aprendices menores d'aquelle
estabelecuncnto no trimestre de oulubro correntc
a derembro d'csle anno, e eonstanles do termo jun-
to por copia ; asim o cominunlco V. S. para
sea conhecimento.
N. 180.Dila ao inspector da thesouraria pro-
vincial.Em vista do pret nominal junio em du-
plcala, mande V. S. liquidar os vencimentos rela-
tivo' ao mez de setembro ultimo, dos guardas na-
coiiaes destacados na villa da Eseada, e pagar a
sua importancia ao sargento Deomedes Francisco
das Chagas, conforme solicitou o eommandante su-
perior do municipio de Santo Aniao, em oflicio de
2 do corrente.
4' seceo.
N. 181.Portara a cmara municipal da cidade
Ja Victoria.Respondendo aos officios da cmara
da cidado da Victoria d 4 de agosto e 9 de se-,
temliro ltimos, fenho a di/.cr que approvo a arre-
iiKitaeao, que fez a mesma cmara por tempo do 3
anuas do arrendamento de seu patrimonio sito na
vitla do Bonito pela quantia annual de 422i5.
N 8-fil:l a ivimsn iuom..|.l J al-Ai>
Bom Gonselho.Para resolver acerca do que re-
presenta a cmara municipal da villa do Bom Con-
sellio, em oflicio de 18 de setembro prximo Rudo,
compre que a mesma cmara remeta o documen-
to de que trata o seu citado oflicio e que deixou de
a aeompanliar.
X. 183.Dita a cmara municipal da villa do
Cabo.Declaro a cmara municipal da villa do
Gibo em resposta ao seu cilicio de 23 de setembro
protimo lindo, que Reara approvadas as arrema-
tares dos imposto: de que trata o termo de con-
trato que por copia acmnpanbou o seu citado of-
fico.
X. 18i. -Dita aos agente da companhia Brasi-
ieiri do paquetes vaporbs Srs. agentes da
co;npanh*a Brasileira de paquetes, mandein dar
Iraasprte para a corto p"or coata do ministerio da
guerra, no vapor Tacanlins, que se espera do nor-
te ao !' sargento reformado Paulino Candido de
Santiago, que veio a esta provincia rom dous ma-
tea de lieenca, concedidos pelo goveroo impe-
rial.
N. 18">.Delberacao.O vce-presdente da pro-
vincia attendendo m que requeren Mara Leopol-
dina, professora publica noaiead.i para a caleira
da villa do Granito e leudo em vista a informacao
do director eral interino da instruceao publica de
26 tie setembro prximo lindo. s.b n. 315, resjUe
conceder Iba opraso de 39 dias contad os de 30
daquclle mez para entrar no exercico de sua ca-
deira.
N. 186.Dita.-O vice-presidente da provincia
altendendo ao que r|uereu Mariana Lias de Albu-
uerque, proii's-ora publica nomeada para a ca-
eir da villa de Ingazera c tendo em vista a in-
formacao do director geni interino da instruceao
publica de 26 do corrente, sob n.-3J, resolve
conceder-llie o praso de 30 das contarlos de 30
daquclle mez para entrar no exerccio de sua ca-
de ira.
N. 187.Dila.o vice-presidente da provincia
attendendo ao que requereu o profesar publico
Eleutero lloberto lavares do Espirito Santo e ten-
do em vista a informarn do director geral interi-
no ila instruceao publica de 2 do corrente, sob n.
320, roslve mneeder de coitformidade com o art.
23 da lei n. 598 de 13 do maio de 1864 a reijca i
que pedio o referido professor da segunda cadei-
ra da villa de Ciiibre-, para a dapovoacao de Al-
lianca.
KttBMBtm ASSIOXADO PBtO JH. lia. JOAQL1M COB-
nEA> DK aKaOJO, SKOnBTAWP 00 COVEr.NO BU 6 M
ouTi'uno de 1869.
lagecc5o.
communiearj a V. S. para
seccao.
assim o manda
C c%nbecimento.
4' seceso.
V. ImOflicio ao director geial da mstruecSo
pnbllca.S. Exo. o Sr. vice-presidente da provin-
cia tendo por delberacao desta data e em vista
de sna informacao de 2 do corrente, sob n. 320,
resolvido conceder de eonformidade com o artigo
21 da lei n. 398 de 13 de maio do 1864, a remo-
cao que pedio o professor publico Kleutberio Ro-
berto Ta vares do.Espirito Santo da 2' cdeira da
villa de Cimbres para a 4a povoacao de Atlianea;
sim o manda communicar a V, S. para seu co-
nhcimento.
X. 198.-Dito aos directores do gabinete portu-
ajudfewe'dcriferi? nca'rrbgado do
?, 13 DE DEZEMBR0 f>E W8*
o sn."isTii<) n.v Ar.ntcPI.Tt'HX y. a estiuda
DE EKBO DO BBCIFB A S. PlUlfCISCO.
II
Segando o que disse.n-s em nosso pri-
.1. ln.U 10 305 U lectores UO ainimt*-. punu- *_._, ,_,- ,| 10154 non o
guez.-Do ordem de S. Exc. o Sr. vce-presiden- meiro artigo, foM6 ptrtir de 180 que a
te da provincia romeito a Vs. Ss. o incluso exom- estrada de ferro de S. Francisco comecoa
pl.tr da memoria sobre a emigracao chinexa pu-
ilicada por deliberacao do ministerio da agricul-
tura, commercio o obras publicas.
X. 200. Dito ao vico-presidente do impenal
instituto Agrcola Pernambucano De ordem de
S. Exc. o Sr. vice-presidente da provincia remet-
to a V. Hw. o inclaso exemplac da memoria so-
bre a emigraciio chineza publicada por delibera-
gjj do ministerio da agricultura, eommercio e
obras pnblicas.Igual ao instituto archeologico.
X. SOI.Dito ao director gi*a! hilerino da F*-
u..u *, Phvllv. t. Rtf*.B- onlm Jo S.
Exc. o Sr. vice-presidente da provincia remeti a
V. Exc. com destino a bibliotheca dessa faculda-
de o incluso exemplar da memoria sobre a emi-
gracao chineza publicada por delberacao do mi-
nisterio da repartico da agricultura, eommercio e
obra* publicas.
X. 202.Dito ao director geral interino da ins-
trupcao publica.De ordem do S. Exc. o Sr. vice-
presidente da provincia remello a V. S. com des-
lin a bibliotheca provincial o incluso exemplar
do memoria sobre a ftmigracao chineza, publica-
da por deliberacao do minislri 1 di repartico da
agricultura, eommercio e obras publicas.
\. 188.Oflicio ao Exii. Sr. general comman-
nlo das armas.De ordem de S. Exc. o Sr. vi-
ilaui
ce-presidente da provincia declaro a V. Exc. em
Msposta ao sen olli:io n. 597 de 5 do corrente,
que lita expedida a conveniente ordem ao capitn
do porto, para providenciar no sentido de ser col-
locado uo competente lugar, o novo mastro da for-
taleza de Ilamarac como V. Exc. solicitou no seu
.'lado oflicio.
.Y 189.Dito ao mesmo.De ordem de S, Exc.
o Sr. vice presdante da provincia declaro a V.
Exc. em resposta ao seu oflicio de 8 do crreme,
jue ponha logo coi libcrda* o le nomeJos. boa- S(jb n .().; neJ(a d.1|a su 0!tped0 ne(-,.ssana
res de Barros veide,q_ne alm de ser julgado 111- ()|.Jem (ra ser lran>I)ur(,ni|l, |)ara a corle no vapor
a apparecer como emproza econmica. At*
ent5o sua vida era apathiei, e seu futuro
escuro.
De%inuviados os seus liorisontes, abro-se
nessa Mpnc.x para a estrada de ferro de Per-
aambtto urna nova era, cltaia de promes-
sas, que os annos subseqoetiies tAm-sc in-
cumbido de vergfcajve que, ir sempreso
eucatalUMdo paraT^ptuiperiilade compa-
tivel com as regios productoras, que eHa
atravessa, taca sito -bit (lia^ntislicos qae
sna creicente receila apiesenta.
No quinquenio fie 1864 1868 este 0
quadro dn suas rendas brutas:
I8(5i 4*n:28iP18 +
I88 5W:5Sld980
t 1860 Bi7:2jlifwf)
1867 899: M W>
1868 BI5:G36fJ'J0
VVse destos algarismos que, nos tros
primeiros anuos, guardn sempre umai>ro-
porco crescente a renda bruta da estrada,
que dl868 pira 186" houye um decresci-
mento, que deixoQ de existir em 1868
pora dar lugar tira augmento.
E* sabido que em 1866 grande fo. a cp-
Ihel na zona atravesada pela estrada de
ferro; por isso a BttTerenca 'da reccta para
a de 186 sabio h iOi:6994676. Mas e
trualnaeate sabido que, nesso anuo. Iiou-
vorarnrirands endientes nos rios Pirapama
e ou'-ros, que coriam a estrada e banbam
as regioes que ella serve; e que cssas
cheiasi alm dos prejateos inmediatos que
deram .empreza, deslruindo varias obras
enca nao se inge- darte, encierra, ransaratn-lUc jrejuizo na
cita do armo seguinie, o de 18b/, por
DESPACHO DA PnESlDENCt.V DA PROVINCIA D) D!A
9 DE DKZEMBIIO.
Adriano da Silva Fina.Informe o Sr. coronel
eommandante superior Interino da guarda nacio-
nal do municipio do Recife.
Abaixo assignados moradores no becco do peixe
Frito.--informe o Sr. chote interino da repartico
das obras publicas.
Antonio Carlos de Almeila.Informe o Sr. ins-
pector da thesouraria provincial.
Camilla do Carino Torres.Tenia havido.con-
curso poster.ormentd^uelle que a supplieairte
comparecen, e vista da nforraaei do Dr. direc-
tor geral da instruecn publi-ja, iadefendo.
francisco Jos da Silva. Serrino Cesar de Me-
nezes e 011 tros estafetas do correo desta cida-
de.Informe o Sr. inspector da thesouraria de
fazenda -
FreO ''-'iiJiBiif _
re na t.. ^o"a^reB3P'nc os^upilicanles
teem de lornceer illnmfnaflo aos particulares,
salvo porm, a vita do contrato, para nao consan-, ,,,..,,
lir que o mesmo precn seja maior do que aquelle lundaa^e
que estipula lo para os edificios pblicos depen-
dendo o mais do ajuste entre o contratantes.
llomem Roirigues Sbnza.De-so a de
re
que estragaran grande parte da plnntacSo
ora muitos pontos tinft^obre ella a nave-
gaclo.
A' par de 13o grandes entraves eslava
am pessoal omerostssimo, altamente re-
munerado para onerar ocusteio da estrada.
DeDQjs de dizer-se alli que o-goveroo,
rm>rljswido a necessidade de melhorar
ess estado de cotisas, nllo tesltn etn
tazr adoptar medidas que collocassem a
erapreza em p de prestar servicos reaes ao
paiz, accrescenW-se ;
Urna escripturaclk) regular foi estabe-
lecida, urna tarifa liberal adoptada, o pessoal
da estrada reorganisado e reduztdo quasi
ao Indispensavel; todos os mais servicos
regularisados! eis os benficos resultados
das medidas do governo.
A estrada ce ferro de Pemambuco
tem hoje nm grande movimento e produz
urna renda muito uperior A que se Savia
calculado para os primeiro3 annos do seu
trafego.
. Estas palavras bem claramente deixam
ver a causa por que antes de 18(34 tantos def-
ficits 'ppareciam nos balancetes mensaes
e annuaes da empreza.
D'-ssa poca em diante o balando jinnno
da receita e' despeza apresentou sempre
um saldo; e ascontas do custeio se fizeram
nos limites do razoavel, como muito bem
o dizem as prjporcionalidades entre as
despezas c as recebas nos tres primeiros
annos, crescendo a despeza de custeio, mas
em proporcio muito inferior ao cresci-
mento da receita, o que fama descera
proporcionalidade entre as duas.
Em 1867 e 1868 essa proporcionalidade,
porm, augmentou. E' forcoso que eti-
quemos esse augtnenlo.
Sabe-sc qu. a nefasta gnqrra com o Pa-
raguay, que anda nos devora dinheiro e
bracos, produzio urna grande haixa nos
cambios'. A empreza da via frrea tinlia
de mandar sita receita liquida para Lon-
dres; nessas transacrries, sujeitas ao cam-
bio, perdeu ella grandes sommas, e essas
sommas despeito dos protestos do enge-
nheiro fiscal, loram levadas conti do cus-
teio, e fizeramv.rescer consideravelmcnte a
proporeionalklitrfl'i-BlIndida" *
Essas causas juntas aos reparos feitos
llomem Rodrigues de Souza.Como
capaz, provoii isencao lega!.
X. 193.Dita ao eommandante superior interi-
no da guarda nacional do Recife.e eonformida-
de com o disposlo no art fr parle 2.a do decreto
n. 1130 de 12 de marco de 1833, e 110 art. 2d i I"
lo decreto n. 1354 de 6 de abril de 185, provi-
dencia V. S. para que so complete a revisan da
quaiAcacae do 1 UluS da guarda nacional sob
seu nominando superior, nu seja feita no caso de
nao ler ataGa e unecade dita roisao:
X. 174.Ui-.t ao commindanle superior na
guarda nacional da G iranluins. Constando a esta
presidencia que o destacamento des-a villa me
'eve.er segundo aportara de 5 de novembroulti-
mo, d i ofliei:J, I ii.ie.rior Q 20 pracas, conta apena
em electivo Mrvico de? deStaf, de sorte que nao
-1 6ca a cadeia cual guardada, como as respecti-
vas autoridades sem iBOios para poderem diligen-
car a captura do criiuinuso.-, laja V. S. dejnlor-
mar a mpeito, dandi -. razie pela qual nao tem
esse destacamento sempre tdu o numero de pra-
1 a~ oue foi inareadp. ,
>. 175. Dita ao juir. de oiphaos do termo do-
Re'cil'e.Nai lenJo sido posavel dar Uilore to-
das as enancas que foram libertadas em execuyao
lei provincial n. 885 de 23 de jando do corrente
,nii., bem como conseguir que os lutores ja desig-
nados assiguassem os respectivos termos de tutel-
la convido V. S. para comparecer amauhaa ao
mel dia em palacio, alim de receber as carias de
tlforrta d'aquellas crar.cas para entrgalas aos
1 espeetivos tutores, iogo que por.elles tur assicua-
do o referido termo. '
X. 176.Dita ao JmV. municipal .de Tpojuca.
Informe Vmc. o dia am que teve lugar no enge-
nho Grapi desse termo o fallecineuto do subdito
irancez Ftoriano Dezer Portier, que fora casadr
com D. Mara Celestina Paes Brreto, e bem
o o finado deixou herdeiros e testamento, e se
3* seccao.
N 177.Portara ao inspector da ipespuraria
<]e fazenda.TrausiuitU- a V. S. para ositos con- *
venientes, as inclusas cenias dos medicamentos
fornecidos enfermara-militar sob a administra-
.o do conselho econmico do deposito de recru-
Gcnti
r.
Gentil
pede. .
Capitao Joao Pereira Chaves.Lavre-se delibe-
racao cmicedendo a transferencia pedida.
Jos Augusto de Aranio.Informe o Sr. inspec-
tor da thesouraria provincial.
Bacharel Joao Cavalcante de AlhuquerqueIn-
forme o Sr. inspector da thesouraria provincial.
Joao Hannelly.AoSr. Dr. chele de polica para
informar. ,r.
Bacharel Joao Culos Augusto CavalcanteVli-
les. Conceda-se com ordenad), na forma da
lei.
Mamede di. liego Barros Fuseea.Requeira ao
Sr. inspector da thesouraris-tie Tazenda.
Maiheus Aiutln&CInformo oSr. inspector da
thesouraria de Fazenda.
D. Hara Ritta da Cruz Xeves.-Imorme 6 Sr.
inspector da the-ourariade fazenda.
Manoel Damaso Ferreira.Informe o Sr. Dr.
chefe de palicia.
Sania Ca da Misericordia dacidMe de Coyan-
na.Informe o Sr. inspector da thesouraria pro-
vincial.
GNEROS.
t'us pelo pharmaceutico Joaquim Ignacio.Rbeiro
Jnior, nos mezes de jcdho a setembro do corrente
jnno com separacao dos que se forneceraln aos
m-isionelro- de guerra -paraguayo,, e aos recrutas
de marinha que se iraiaram na. referida enferma-
rla noterap.) que.ltea jr.eoci. nado Jw!"^
iransmiOo o atteaUdtt Pftr dupbcata do pnmeiro
cirurgiao honorario enaarregado da onfermana*
eo aoal declara tw.e medicamento fo;am do
boa quabdade, satiS^lp com a precisa proinpfl-
dao, conforme presorere respectivo termo de
(enfermara
D.iWttlV a
o parecer p
lexammo, eacl
fin*
daaafi
presidio de
ta,
0Ota% 6
fcrtnesc
para ser transportau para
ftcanfiiu esperado do norte ao Io sargento refor-
mado Paulino Candido de Santiago.
N. 190.=Dito ao mesmo.De ordem de S. Lxc.
o Sr. vice-presidente da provincia declaro a \.
Exc. em resposta ao seu oflicio de 4 de corrente,
so!) n. 592, que nesta data se man i m satisfazer o
pedido (bcoinmanJante du aepnsilo do reclutas
que veio annexo seu citado ofijio.
2a seccao. '
X. 191.Oflicio ao Dr. ciitfo de polica interino.
O Exm. Sr. vice presidente da provincia manda
declarar a V S. que nesta data se expcdio ordem
ao eommandante do presidio de Fernando do Xo-
ronha. para mandar para esta capital na primeira
occasiao opportuna, e com a precisa seguranza, a
ser-lhe apisentao, o senlecciaio Joao Prand-co
Barbosa, que all se acha o requereu para vir
aqu constituir procurador e prover a seus direitos
com re.lacao a seranea do seu finado pai.
X. 191 Dito ai) eommandante superior^ da
guarda nacional das municipios de Santo Antao e
Eseada. Nesta data auiorisot so a tliesouran
provincial a pagar ao sargento Deomedes Fran-
cisco das Chagas os vencimentos constantes do pret
npmiual que em duplcala veio annexo ao oflicio
de V. S. datado de 2 da corrente, o qual h>u as-im
re.-pondido de ordem do Exm. Sr. vcc-presideute
da provincia.
X. 193.Dito ao juiz municipal da l* vara des-
la cidade.O Exm. Sr. vice-presidente da provin-
cia manda declarar a V. S. que nesta data se expe-
dio ordem ao eommandante do presidio de Fer-
nando para na primeira opportunidade e com a
precisa segnranca mandar para esta cidade, a ser
apreseotado ao Dr. ebele de polica o sentenciado
Joao Francisco Barbosa, que pedio vir aqu cons-
tituir procurador e prover a seus direitos com ro-
lac.io a heranca do sen finado pai.
fr 19i.Dito ao juiz municipal do Garanhuns.
O Exm. Sr. vice-presidente da provincia manda
acensar o recebimento >lo oflicio de V. S. de 22 do
mez iludo, emque comrannica ler nessa data reas-
sum lo o exercim'o do seu cargo,"
3' seccao.
X. 19o.Offlcio ao inspector da thesouraria de
fazenda.O Exm. Sr. vicepresidente da provincia
manda declarar a V. S, para os fins convenientes
aaeseguodo aftVio dojuU municipal o de orpba -
o termo da Garanhuns bacharel Jos Antonio
Colho Ramlbo de 22 do mez1 flndo, nesta data
reassmip elle, o exercicio do #eu cargo.
jj. 196.Dito ao mestho.S. Exc o Sr. vice-
p4Batente da provincia manda,transmiltir a V. S.
a inclusa ordem do tribunal do thesouro nacional
sob n, 156. .
X l97.-DltoAOTnesmo.-S.Ex* o Sr. vice-
DteaidoTrte danrovinta.'Moo'fcorilelmefacao des taente.
ta data e em vista da inf.-nafccao do diraetar geral
interino da instruceao publica de .2 du correte
oh n 3*0 resolvido eoowar de conformida'w
como n!WF^m^ M*" tim<
< renwco jn* pedm *pl*tWipilblii flratfl->
arlo Roberto Ta,we* &tiptn Saatada caen-a
da villa de Cimbrea para % 4* poioacao. a. Al-
Commando las armas.
QUAnTEL-GENEIl.YI, DO C0MMAND0 n.\S ARMAS NA
PROVINCIA DE PERNAMBLCO, 11 DE DEZEMIltlO
DE 1869.
Ordem do dia n. 454.
O brfgadeiru eommandante das armas faz publi-
co, para conhecimento da guarnicfto e devidos hns,
a tabella abaixo uaascripta, do arbitramento a
quo proceden a thesouraria de fazenda, da etape
para as pracas do oxercito oda guarda nacional
destacada nesta provincia, c da forragem para a
cavalhada do deposito especial
semestre viudouro.
de nstruec io n 1
TABELLA de avaliaclo da etape para as pracas de
linliaedaguarda nacional destacadaelorragem
para o semestre do Io de Janeiro a 30 de pinno
do futuro auno de 1867, de eonformidade com
cartas de lei de 2, de setembro de 1828 c 24
de novembro de 1830, e ltimamente mandada
cumprir por aviso do ministerio da guerra de,
23 de outonro de 1332 c organisada noje por
forra de unlro aviso de l'J de novembro de
1862, e i subslituica da quo fot'ol|anisada
cni 8 do corrate mez.
devia verificar-se
nos fins de 18!6 e principios de 1867.
D'ahi proveio a diirerenea para menos
(pie se ola na receita de H67, dilerenca
quo, nao obstante a importancia da avaria
que soffreram os agricullores, apenas foi
de 47:!) 17,5011!
Dados os devidus descorites ve-se, pots,
qne ainda em 18(7 a receila da estrada de
ferro do Recife ao S. Francisco foi nm
tnumpho econmico devido barateza dos
seos transpones.
A prodoccao dos dislriclos que margeam
' a estrada de ferro foi em 1868 muito me-
nor que em 1866; iss", p >rm, nSo servio
de embarace ao seu progresso financeiro,
visio como em I86S a recita elevou-se
sobre a de I8i>7 na importancia de......
l6:3(Hf7i5, sondiodavia inferior de
1866 em 31:61o5-266.
Nos onze mezes do anuo que decorre, de
Janeiro a novemliro, a receita #a estrada
de f-rro i toca 11111:1 cifra superior em..
89:6505174 de 1S ,(. que tinba sido ate
ento a sua maior renda htula. Essa re-
ceita eleva se, pois, 7:16:9010830, e todo
leva a crer que ao terminar o anno ella
a -har-se-ha no apogeo de mus de.......
80l):000000. .'
F.s!r> resultado, altamente esperanzoso, e
o meilior aitcstado do fntun lisongeiro que
a estrada de ferro promelte, resultado de-
vido baratcsn das tarifas, que foram re-
baixadas em 1861 contra a opinio do agen-
te da empreza n'esta provincia.
Essa renda, que allingir nm algarismo
de mais do dobro da receila ile 18t>3, no
curto esparn de 6 anuo?, um fl-iro para
a estrada e um immarcessivcl lomo para o
ths obras da estrada em 1867, cm virtude
dos estragos das chelas de 1866, deram e n
resultado naquelle armo urna relacen de
69, 40 % da despeza para a receita. Fo-
ram ellas, porm, quasi exclusivamente
que contribuirn! pira que essa proporcio-
nalidade subisse 70. 30 /o em I8(8.
Nos mezes decorridos do anuo que est
a Andar, sobem as despezas do custeio a
180:5794777, sendo a rolar entre estas
e a receita de 5", 29 /u.
Este brifhante resultado, tanto man
pan sorprender, quanto as despezas
se achara incluidos 62:5005000. no mez de
maio, provenienles da verba difierencas de
cambio, ja entilo mandadas incluir as cun-
tas de custeio pelo Sr. ministro da agri-
cultura, que nao sabemos em que principios
de equidade se baseou para urna tal reso-
luco.
- Estudados assim os algarismos d* recei-
ta e despeza desde 1804, prosseguiremos
as nessas consideracoes no seguinte a; ligo.
. A quaft1 d* setembroQ\ Vj brado 4a
independencia do Brasil,. foal deve sempre es-
tar na Memoria de todos os brasHeiro*. -,
a A qanuJ de ugustjit* da hjUJcao d.t
aesembla provincial, que por este modo sempre
ai .sera lembrada.
o A eext?a de t/tar^data do jrame* da.
uoHsa conatiiuirao.
A stimade Santa habch*que tairten a
denommaeSo da povoacao.
As oulras nove ras sao perpeirScUare s
primeiras, seguem todas o romo de E-. O1, e der-
mirrar-se-hao :
A primeirara do Cruzeiro,segunda de
Pimenta Bueno,a terceira de ChrisfwSo Co-
tomboi quarta deS. Roquen quinta (tofa-
borahtj^ sexta doSouzn FYancoasotanad
lieiredoa oitava dos Andradase a nona da
Soledade.
Jalgamos dfsneeessario dar explicacoes so-
bre todos estes nomos, porque ningucm derxar
de compreriendelos ; e por isso diremos smene,
que o da ra do Cruzeiro, parque essa ra co-
meea no lugar justamente em qae j est erigida
urna cruz de cantara ; a de S. Roque por ser o-
santo do nomo do deputado que na asscmbta pro-
vincial apresentou o prejecto ; e o ueSoledade
por ser a rna que vai ter ao cemiterio.
c As duas pracas serao a da Matriz e- a do iu>"
perador. __-
* Anres Jo hontem ja foram aforados para mai
de 400 lotes.
A alfandega rendeu no mez de novembo
344:189*459. an
aambo regulava : sobre Londres 20Vi a
21 d'. por 15, sobre Pars 460 e 470 rs., e sobre-
Portugal 170a 175 /. -
O descont na praca faza-se de 10 a 12 "/-
ao anno.
Estavam cariza os navios: FroMtAin Uwir-
ne, C. C. Wawm, o dar* Bunker para Xew-YoiJ|
Mnriptrz de Santa Cruz para Lisboa.
SHKAMIAO.
Comecou a funecionar, no da do corre-
te, o Banco Commcreial. .
A alfandega rendeu no mez de novembro
267:762*189.
Achavam-se no porto da capital : om-vta-
gem para o Para, a carreta de gnerr* ntgleaa
Spefdwett;^ cm vianem para o Rio de Janeiro, a
crvela de guerra brasileira Paraense, tendo a seu
bordo o chefe de divi-o Felippe Jos Ferreira
eommandante do 3'' districto naval.
Foi nomeada, pela presUencia da provincia .
urna commissao medica, composta dos Drs. Santos
Jacinlho, Cesar Marques, Jaulret, Fabio Raima, e
Qcadros, aOm de examinar a causa do augmento
da morlalidadc, e, como a opiniao publica mdigila.
entre outras a posicao am que estn os cerninos
pblicos em retacao s fontes do Apicum, cstudar
a veracdade dossa assenao.
Na festa de S. Jos.; do Desterro, a 28 do
passado, foram allomadas no baptisino lies enan-
cas por seus respectivos senhores.
Nesse mesmo acto clirismaram-so cerca de ion
pessoas. .
Xa capital har escassez de carne verde.
Dorante o mez de novembro vieram a capi-
tal : 3,070 saccas com algodao, 18!l pipai com
agurdente, 1,283 alqoeires de arroz, 7.28.1 saceos
com assucar, 2,302 couros de boi, o 8.070 saceos
com farinha. .
__Ficavam carga os navios : Jamaica. Aune-
WlOiam, Hetomre o E$meraU para Liverpool
e America para o Porto. _
n:\r.A.
Xo dia 2 do corrente proceden-se a entrega
da carta de liberdade 33 eriancis allomadas
com acuantia votada pela asseinblca provincial.
>o de alcuns pai'.icularcs, aeado:
av
2
3-
2
2
I
1
Valores dos Quantida-
Farnha de man-
dioca.........
Carne fresca...
Dita secca.....
Arroz.........
Feijo.....^..
Toucinho......
Sal...........
Lenba.........
1." Especie
a v,......
Termo medio...
Pao para os Uo-
enles no hospi-
tal -.....
Forrage i para
e -po-ltoesiiB
cal Jeloilrac-
CS'.........|
Molhis de ca-
pim.......
Millio......
gneros.
des.
7,000 alq.
6,>e0 Q
3,840 (|
2,-f6- (
:I2,00( alq-
I0,2i0 <)
\90
520
4,072 if
20rs. m.
3,*X) alq.
Ao
t
X
Vo
"ico
Vo
{
alq.
alq.
i
Especie
l.
17.1
2)0
20
4(
5
40
480
1,000
k

2."
175
60
200
Vi
5
40
lo
500
73
iniciador da idea econmica que a produ-
zio.
Passemos agora y despezar
No lilado quinquenio foi este o quao.ro
.las despezas:
181.
1865
1866
1867
1868
3ri6:il6>604
353i024i34
36'.: 1345*09
4I4:77?537
433:37i>691
e o'quadro dis proporcionalidades entre as
despezas e as recatas o segninte:
Solidas do norte do Imperio.
Sabbado chegou o vapor Tocantins, trazendo
Blatas do. Amazonas al 27 do passado, do Para
ate 2. di Maranhao al 4, do Cear al 8. do Rio-
Grande ate 9 e da Parahyba at 10 do corrente.
AMAZOK.V.
Xo da 2 ilo corrente devia ter lugar a au
guracao da navegaca) do rio Amazonas, pela
companhia fluvial dessa denominacao, sondo o
inaumirador do serv50 o vapor Pun.
O EKin. presidente da provincia fura Sil-
ves e Serpa, oule visitou as escolas publicas e as
grejas. .
Proeedou-se eleicao para a organisacao da
lisia-trplice senatorial, no dia 10 do passado, a
qual assim formada : conego Siquera alendes,
desembargaJor Ambrosio Lcilao c commeuJador
Amaral. .
Suioilouse, na freguezia da Pedreira, o
respectivo professor iiublico Antonio Nogueira
Brando, por desposlos de familia.
Houveram algumas tempestades no rio Xe-
gro, que pozeram suas aguas muito agitadas
Exislem actualmente na provincia 591 es-
cravos, sendo 35:1 na comanaa da capital, 161 na
de Parentins c 77 na do Solimes.
pxn.
O Exm. Sr. Dr. Joo Alfredo Cotra de Oli-
veira Andrado assumio as redeas da admitstra-
eao da provincia no dia 2 do corrate.
Xo da i. o Exm. Sr. vice-presidonlo cone-
Siqueira Mends offereceu ao Exm. Sr. Dr.
4804
186o
18f6
1867
1868
e cora o concurso
Pela provincia
Pela commissao
Pelo negociante Jo- Altano
Pelo coronel Joaquim da Cunha
Pelo negociante Jos Antonio Martin*
Pelo agricultor Antonio Cabra! dei Mello
Pelo juiz de direito Dr. Jorge dos Santos
Pelo maior Jos Joaquim Carneiro
Xo aclo da entrega das carias de bberdjide.o
Sr. padre Pompen, presidente da commissao, te?
um discurso, e depoU delle fallou o Sr. bacharel
Torres Portugal. _. ,
A affandeg rendeu no mez de novembro
287:S32jfl73.
Acerca da perda do vapor Frfis Argmtim,
lemos no Pedro II:
. A galeota vipor Felis ArgenUno, coienan-
danto Viscki. sabida de Greenock (Escossia), em .;
de agost ultimo, com destino Buenos-Ayres,ae-
mandou o no-s-j porto para concertar a ma-
china. ,. ,,
Ante-bontem (30), nelte, por rerca de IS
horas, epois deter dobrado a ponta .11 teee.n-
pe e de ter lefia urna mima em diferente ao porto,
Iwieu nos baixos do Maireltes e mn len lora da
barra onrenda lio uran.l avaria. qoe bonlern, ao
amanhecer-do dia, fo a pique, vendo-so de torra
o navio submergir-se at desapparecer de loik>.
. Era de rudas, construido di feroo,ode.i<
toneladas de lotacio.
Salvou-se apmas a iripolaeio o os pape. o
navio, quo trazia bndeira argentina.
Segoin, a 30 do passado, pira Liver[)00l o
vapor inglez Maranhense.
F.illcceu, na capital, a 4 d) corrente, o ne-
gociante Joaqnim Antonio Carneiro do Sonza Aze-
vedo
A junta da Santa Casa de- Misericordia re-
solveu mandar vir quatroinnas de candado,para
lb.es dar a direecao de seu h spit;d_
- Do relalono, apiesentado a presioenctt pelo
inspector da thesouraria provincial, se vo que.
existem actualmente nos cofres 55:3i74o7b *n\
dinheiro, o 13:5395000 cm letras a vencer e c:n
aplleos. i
mo OBANDE.
bro
qr
8-2, 90 /e
65, 07 /o
56, 26 /o
69, 2a/o
70, 30 o/"
No relatorio do engenlreiro fiscal, em
data de 30 de novembro de 1865, lem-se
os seguintes trechos:
* Bam conbecida de todo o paiz a
historia da administrarlo desta estrada.
Mal organisada desde os seus primei-
ros lempos, foi essa administracao urna das
causas capitaes to estado de abatimento e
de deleixo que chegaram os negocios da
estrada.
Sem urna escriptnraeio regular para
a arrecadaco de suas recoltas, sem um
reg-uiamen.o adaptado s conveniencias lo -
caes >ra a percepc das taxis de trans
Por*e Sem urna flscalisacSo severa, a que
icOdedezem-' > mil pretextos ^fJJ^'f^.J
de i-'99.-Fredeco de 'Abtietfo o AiHpw.- estrada e ferro nao resptravsi a neessa-,
rla'conflanca, nem prestava Wt o servio
que seria para desojar, e
go -
Joo Alfredo, em palacio, um lauto banquete.
Com o 11 m de assistir deraareacSo do ter-
reno que deve servir para a fundacao da povoa-
cao do Pinheiro, ltimamente creada pela as'sem
blea provincial, seguio para abi a 21 do passado
o Exm. Sr. conego Siquera Mondes.
Xo Diario de Belm do 1." do corrente lemos o
seguinte: ~ _.
S Exc. o Sr. vicepresidente, conego Siquoi
ra Mendes voilou noTomingo ao Pinheiro, com
o fim de assistir e activar a demarcado
menlo da futura povoacao n'aquellc sitio.
i E com prazer annuueiamos, que ja c*tao d-
marcados e divididos olo quarteiroes com 90 bra-
cada um, cm fronte ao rio Guajara, e seis
cortados por H
fteO
4'
0
*0!
4.' secQao da, theso
eo, O de novembro
te, Jas Candio
1e razenda de Pernam-
Servindo de che-
iitm provisot-
?as
em frente ao fura do Maguary
ras coin 10 bracas de largura cada una, o eo n
2 espaqosas'pravas, que flcarao no interior ua po
V*?D^s 16 ruaa, 7 sao paralllas ao rio Cuajar,
rumo de N. S., sendo consideradas
Cnfere.Antones AnnetMome Prw.
raalnr.
Assicnadoonfuim f^i^p^M Eortg
Conformemifi'ono Ww ^ Mello T
'ambb-
pouca ffiueneia de productos offefedAis
fos seas trinsportes ce preferencia que
Escrevem-no da capital, em 8 do corrente :
t Funccionam, por ora, cm Goyanninha dous
juizes nmnicipaes supptentes, o 2o q c etese re-
dro da Luz e o 5 Antonio Temistocles SmtoneHi.
Aquelle perdeu o lugar por se na ter jura-
mentado no devido tempe, conforme detnmo o pre-
sidente da provincia por acto de 30 de novembro.
e esto, no impedimento dos deraais substitutos, as-
sumio o exercico da vara. Entretanto o snp-
uleote Jos Pedro, apelar da deetsao da presiden-
cia, contina no exercicio de suas fan^f. .<""
o a'rrua- grande detrimento do crvico pnbtieo e do int:-
resse das partes. ,
a O juiz de direito da comarca, Icnge do liar-
monisar essas cousas, reconheco o. 2" supplento
Jo^ Pedro no exercicio tegal de seu carao ; o*
escrives e meirnhos, pwm, rend obedioncla
ao 9 npplente Antonio Tomjstoctes \
t Tal 6 o estado oro, qu, se wha a jnitica de
Goyanninha, cel&bre em tedos os tom>s.
t Hontem embarcou i^tra esy Veinambuco, no
vapor Pimnasao, o.S;. \)t ^^a Estellita Cn-
vilcante Pessoa co.m * * iTrt^ompanhamento. .
*-. *??*' tf-stelliu deixa numerosos amigos,
"^^catftes.
e seguindo -
como as prineipaes e s^ denominarao -jj.
A orimeira-SiiKirrt Mendes-dpflhinaoB
uawuineinente oscolnida pelos cavalbeiros que so
SbavMi em corapanoia de S. Exc cuta.no.no de-
ve cora rasao all ser perpetalo, pela boa^nte.- < 9^ pToVincia S. S. prestou servisosjmpor-
ante ser te'vada ejfcito aquella mamila ,&&
t Asenda-as 4e vi*mfrrarpara teaahr-
ca do da em que foram laucados os, pf^je
ta!*** da povoaoao.
, Atereeira-^ f^^rj.3'. em que foi.
stacetetwdn a le y* andj efe:, a povoafo,
a-
iris
KonriaVda potia, tal era o te e MUdde
ne proenroo feupre desempenhar sen importan-
te logar.
UKft


.easi jo GfiaOijQ jq 21 Asia,
Diario dfl
*' fcOlil < i-------
i
I.
Enlregon. dsposiosio da presidencia 104 re-
crutas qoaado -cesta provincia so lutava coin os
Aejbfjfchegar do S. Goncalo Urna pobre
uHmtTffinoatb babel Mara da Conceieao, que
fat recolhida ao hospital de caridade para ser ira
talados ferimentoscjmmw que solTrra, resaludo
de am tiro que MmJErecJKira um tal Felisardo,
enja prisao. segaflBnsta, tora hontem ffecUia-
la pelo respcctiviflaVgaito t polica.
No luaar l'itnk, duas teguas distante da clda-
de do S. Jos, um grupo de mais do 10 boroens
amados acconimeuen urna esculla de 3 pracas c
tomn do sen peder o preso Manuel da Silva,
guarda-costa de um tal Joaquina Ger|g
por seu genio atrabilariots desurdeiro,
brisado nnquella cktade. '
A alfaadegi rendeu :
Em agoiti 21:7145010
Em setnmbro "7:8736>3
Em outnbro 73:985450
Em novembro 4'J:875314
Di i da i* a 4 de dezembro 2:468*60-2
Da 6 1:001*501
-r
Fmambtteo Seguida friva 13 de Bezen&ro -de 1.869.
Dinamarca
Parti pa Berln urna
nio a recobeo. Afir
oiaistro do reino, mas este
ou se a entregou, o re nio se digno
Depois de grandes esforcos e (Migas
sa quecos diuamarque/.es aleancaram
fue,
cele-
mal ca, coja elasticidade dilUcil de aprecar-se
exactamente.
O conde de Wcther, novo ombaixador da frai-
la cm Pariz foi recebido cm audieacia pele Im-
perador. A folha-ofrieial publica a resposta do im-
perador ao discurso do embaixador da Prussia,
em que diz que apreciava os sonlimenlos da re
da Prussia e que iesejaja^a cpemelo #J
boas relacDes de misado' entro a ous paizei, claracao do mlaistro do reino
tivroando-se desneoeiiariaa as expicacoes po- respustu algn* a dafjt
Jl litio*
O pvo fraaeez e era ge ral teda a Europa espo-
ra ansiedad* o discurso de abertura das
cinaras era Pariz, pdfrquo, segundo se diz, aera
mate explcito do que era de esperar e tratar toilas as qoestoes que ha algara tewpo excita a
ptenlo pofcliea.
Munsenhor Dasnanlot|p, bispo de Ortears, cebea
pnblicou urna carta ao clero da su a aioeose, jai
que se pronuncia contra a oportunidade de se
proclamar agora a infallibilidado do papa. Cen-
sura tambe n esle prelado a imprudencia d>
226:9it*570
l'ARAHTBA.
Nada occorreu digno do niencao.
bllelas da Europa.
Anda sahbado tarde ebegou da Europa o va-'
per lrancez Eclrcmadnre. trazendo datas de Ham-
jargo 20, Pars 2i, Londres 23 o Lisboa 28 do
passado.
Sun.Miz innuguracao do canal de Suezpar-
ta* 11 rhegada a'23 de novembro.
basca.Rleicesvenwam os candidatos ra-
caes qnasi todos. Rachefort, grande alaria.
Crue ministerial. Manifest dos deputados re-
publicano*. Bxplicacoes a Prussia %pelos jeus
mementos. Acolhiinenlo cordial ao novo em-
baucador prnssiano em Paris conde ie Wtrtktr.
Linha lelegraphica entre Po tugal e Brasil.
Rosta e Italia, -Projecta-se a admiso do generat
Kausler de ministro das armas cm Boma. Vic-
iar Manuel em convallescenca. Abertura do
parlamento Cheque ao ministerio Membrea na
eleicao da presidencia. O ministerio pede a sua
demissao. K Lanza encarregado di organisar
oco ynbin-te
Vlvssix.Pmjectada entrevista em Niza, entre
a Imperador da Russin e o imperador Napoleo.
Doenga da imperatriz da Rusta.
AixuiANHA no noKTK.Preparativos bellico* da
Prnssia. Ueclamacoes dos dinamarquezes so-
bre o Slestciz, fundadas no tratado de Praga
Ti ab 11hos de uni/icaco Allema.
Principados Danubianos. Contina ainsurivi-
^ao da D'iUnacia, grandes e sanguinolenta*
lucias com o exercito austraco. Agilacao na
Bulgaria e orovincias turca,6 na Boumanin.
IIespanua.K' recebido o Sr. Corvo, ministro por-
tuguez, Candidatura do daque de Genova;
pea-de tern>nc. r.aivlidatuaa de Espastero. Ka-
nifetto dos diputados republicanos. Moviimnio
carlista em La Bastida. Marte do general Dulce.
AamcA.Morfe de Frunkim Pierce. Reclama-1
roes do pnverM hespanliol. hisiirreiro de Cuba. \
Prezo o bispo de Huraa. Procest aos bspos
de Havana e Sttnlwfpl,
PoTTifc.u,. Carla do motto correspondente.
CANAL DE SUEZ.
Acha-se concluido cora o mais explendido
xito, a grande tentativa deste seculo, a abertura
do canaVde Suez. Xo dia 16 de novembro verili
couse a ceremonia religiosa da bencao do canal
na presenta do khodive, imperatriz dos francezes,
imperador da Au-tria, principes da Hollanda e da
Prussia o do< representantes de todo- as tacOes
do mundo. Houve discursos e acclama^oes, a
multidao era iiumenu.
Xo dia 17 parti a expedican de Port Said che-
gando no da segrale ao lago de Ismaila, onde
esiverain ancorados qnarenta navios. O Sr. Les-
seps pernunciou um discurso em un banqueta
exprimalo o sen scntmenlo p-la resistencia do
governo francei aos projectos de reforma judicial
no Egypio. Aiiniinciou una peticao ao governo
rancez em pro desta reforma indspensavel ao
inleres-es oomrmai da companhia, dos indgenas
e dos estrangoiros, e espera (tue todos os nteres-
eados apiaran esta peticao.
Dz-'in us ornaos francezes que o imperador fi-
coa inuito d -sgo-toso com as aggressies fetas pelo
Sr. Lfsseps contra o gjverno francez.
S'i da 10 parti a expedirn para Suez onde
ebegaram no dia 20. O imperador da Austria par-
to den iva pura o Cairo, donde so devo dirigir
para Pranea. So da 21 aehavamse ancorados
em 8om irinia navios.
A viageni fezse toda sem inejilentc dosagradav I.
O Ciii.il tom bastalo fundo em todos os nlins.
O impera! >r doalraoeeies nome.'iioSr. Los-
sep> gra-rr;-, la Logiin de loiri. 0 parlamonto
-nleii'i! he-paiilml approvon nina mocjto do Sr. Ma-
zan'do, declaran lo Lesscps benemrito da huma-
nidut: Esti propaga fci appMvada por nnam-
tnidale.
As iKilinias da inaagoracin do canal prodnz-
ram inuito b tin cffeiio na Bolsa. As aceoas da
companhia subiram 18 francos.
O Siiit.ii ronancion definitivamente viagera a
Suez depois do consellio que se reuni no da 8 de
novfinliro.
O g'iv.'in 1 torro em vista das radaniacSes das
poteueia< a I iptou ma resolncao nraito impirtan-
te para o commercio martimo. l)e ora em dian-
te todos os navios mercantes poderao sabir de
noute dos D.irdinellos sem necessidade de aulori-
saea 1 ahuma
O Sulla 1 decretou ltimamente urna amnista
para enmes polticos ; os proscriptos turcos, po-
n n querenvacoeilar esjeaeto de clemencia,
por terem de prestar jaramente ao Sulto.
KRAMjA.
Tendo a c inplicar-se a stua^iio europea; o
nenio cora qio a Franca olha os preparativo)
bellcos da I'russia, a tibieza das relajos do Khe-
dive com o Sullao a siluaeao que na Austria ere-
aram o- ai-oniceimenlos da" almacia, e Analmen-
te as derl.nacoes da Prussia ao Montonego, ins-
pirara temi>r"ej de renascer dentro em ponen a
complicada siluaeao de 1866. Tacs sao as ideas
exposia> por alguns homens importantes, segundo
diz um pe iodie.o francez, e que o futuro se oncar-
regar de eonfimar oa de desmentir.
A Franca atm das inquielaeoes que lhe cansam
03 armamentos da Prussia tem de lutar contra a
deraocKicia parisiense, quo tcm prebabilidade de
tomar as-ento na cama/a.
As eleifes correram pacificamente. O impera-
dor o o prncipe imperial passeapam pelas ru*s de
Paris em quanto so verilicaram as elecSes. Na
tarde do dia 23, porm, rcut||ram-so numerosos
grupos nos boulevards; altrararn-se algumas bom-
bas, segundo diz um tclegramma da agencia Ha-
vas, mas nao houve desordem.
No primeiro circulo foi eWlu por urna maioria
do 1,800 votos o celebre republicano, o conde
Henrque de Fiochpforl; no otavo circulo fleon
eleto Arago, por22,110votos; Crcmicux foi elcto
pelo torce! ru circulo.
Lcdin ll..l!in regotou a candidatura que Ibe of
Terecam.
Causou grande .;ansa{ao a cleiciio de Rochefort.
Falla-so cm mudanca de poltica. Correm boatos
4e prxima niodilicco ministorial.
Diz o Public que o Sr. Emite Oliver seria en
arrogado da pasta do interior o o Sr. Pareado de
la Roquelt ua do commercio. ACcrescenta que o
Srimoiro acceitar a pasta do interior com a con-
ieao do corpo legislativo ser dissolvido, depois de
votado o orcamento, o do sorem approvadas urna
nova le oleitoral, c urna nova constitnican para
as municipalidades; sendo ambos os projeclos for-
mulados pela propria cmara. Oliver tem tido
librenles conferencias cora o imperador. Asse
gnra um teiogramma que Oliver declarara que
s ia inaugurar ama nova poltica.
Parece que aleen dos Srs. Olivicr o Forcade de
la Roquottc, se ndigtam os Srs. Segris, Zalhoue.
o Lauvet para fazerem parte do novo gabinete.
Espcra-sc que o ministro da fazen la publique
ama memoria sobro a suacao linanceira da
Franca e anouacie grandes reformas.
Appareceu o manifest dos deputados republi-
canos ; vera assignado por 27 deputados laes
como Gambetta, Bancel Favcz, Picard o outros.
O manifest indica diversos pontos de interpclla-
co qa" clfe? projeclam fazer ao governo, em se
reabrindo o corno legislativo. Reclaman) que soja
ab liria a I -i militar e delegado na vontado nacio-
nal o direo de declarar a guerra. Condemna o
mandato imperativo, o a re.speito lo sohragio
universal diz quo 6 preciso dWmbaraca lo si-
xnnltaneament? dos compromissos monarchicos
que o corrompem c das violencias demaggicas
que o degradam
Henrque'do Rochsfort vae publicar ira noto
periixHeo inlilulado a Marselheza.
O governo francez pedio explicabas a Prus-
sia sobro os grandes armamento* que esta poten
ca est fazendo. O governo prnssiano respon-
den nota Uo ronsro fraaeez, com a maior
ambigoidade, mais em termos do cortez;i diplo-
TS
Apreciando o Interna''-,,1 de Londi
procedinienUdo governa nrussiaso. diz :
acreditara qvti se- usa^^^Blbuagem
povos annexados. Nao Jjfer^e Bi-
pr um aanonu# nao di
Notas, Kftbl
outr
aawm rospssi
Mas isto nao ha de durar setnprc. A Aus-
tria ha de brevemente, murto brevemente termi-
i#recotruego. Cer-
ne
_io
nos
inarlc, e* sen
nifcerir e, ha mais de
outr ooi.-a Europa,
ojtes.. nada disj re-
nao fosse osla :
qne
lia delicada renovado pelas reformas cona
tos peridicos como o nivtno e a C*M
t/iolica que estao Ascatinde | aquella delicada renovado pelas reformas constueionalkjlera
mirstao, projudicano Ueste modo as delil>erac5ealMitio pensar nos negocios externos. Motto bre-
do concilio. ^entente, assim o esperamos, ha de a Franca Um-
Responderam carta algons bispos francezes
A folha ottcial do imperio fraiicec publica a
approvacao do convenio de 16 de maio de 1864
entre a Franca, Portugal, Brasil, Hailv e Italia,
mediante o qaal oncedido a Balestrini o pri-
viegio da liada telegraphica entre Kertugal o os
portes do Brasil.
BLGICA.
Os Estados-nidoe celebraram um tratado com:
a Blgica, para estender um lio elctrico entre
um ponto da Unio o am ponto da costa belga1
qne for designado.
O rei Leopoldo da Blgica, tes -roeebldo, du-
rante a sua demora em Lndres, as maiores de
monstracoes de syntpalhia. Dina, das que mais
o impresionou foi a felicitacao, verdaderamente
nacional, quo lhe foi apresetada, em que appa-
recam assignadas todas as autoridades populares
de Inglaterra. O reiiLeopoldo ; nao regressaria
a Bruselas sem receber as honras de ciaadao de
Londres.
INGLATEBni.
A rainha Victoria fez uraa visite citu de Lon-
dres, bairro uue personifica por excellencia o re-
gimen municipal mglez, cuios limites o soberano
nao pode transpor sem authorisaco das autori-
dades que representara esse regimem municipal.
Este aconteeimenlo foi considerado em Ingla-
terra como um grande faci poltico, pois ha va
dezoito annos que a rainha nao visitava a city.
A rainha foi cnlhusiaslicamente recebida pelo
povo, que lhe tinha levantado arcos, as ras da
passagem com a seguirte inscripca : Veteme,
Victoria ( thy Ufe is dear.
(Bem vinda, victoria I A taa vida estimada.)
A rainha depois de inaugurar o viaducto de
Ilolborn e a punte de Blackpiars, retirou-se, uu-
dada por gritos de enlhu>iasmo. ^^^^~
A raiaha Victoria mandou iransportar para a
America os restos mortaes de l'eabody ; desti
nandose para esse lira a fragata da goerra In-
coiurantr. ,i_.. ;..
Ha desintelligencia entre a rainha Victoria e o
seu lilho o iirincipe de Galles. A rainha obrigon o
principe a vender as suas luxuosas inaiilhas de
caca.
ROMA E ITALIA.
J passam de 180 os prelados estrangeiros que
se achaoi em llum 1 para assistirem ao concilio
ecumnico.
O sacro collogio esta redigindo urna bulla com
as regras quo se bao de seguir no caso de fallecer
sua saniidaJe durante o lempo do concilio, deven-
do-se nesto caso proceder sem demora elevaco
lo seu successor.
U pontifico confero om consistorio o barrete
csrdinaliciu a Moreno.
Descubri a diplomacia o segredo das hesi-
lanoes que se nolaram da parte do governo fran-
cez em enviar o exercito, que expulsou do terri-
torio pontificio a expedicao garibaldina. Emqaan-
to o cardeal Antonelli expeda notas sobre notas
para solliciiar a iniervencio frrarezn, o general
Kausler, .nnslro ds armas visitava o encarroga-
do de negocios da Franca o allirmava-lhe que sob
as suas ordens havia forgas mais po sufllcientes
para ropellir os garibaldinos. S ultima hora re-
cebeu a esquadra francez ordem de potida,
quando o oardeal Antonelli oxpedio para Paris um
lelegramma, dizenda que ia negociar com Vctor
Emmanael, aiim do abrir as portas de Roma ao
exercito rogirrW italiano.
(loando agora se dse ibrirara as causa* daquel-
le iuexiilic
aempre
se e reprehendeu asperament Kaosier, aecusan
do-o do incapacidadc e falso orgnlho, e do se que
rer arrogar as honras de nico salvador do papa.
Jniga-sc que o general Kmler ser demitiido,
mas os cardeaes acham-se divididos emopinifies :
.uns querera que o ministro da guerra seja eccie-
siasUeo, ouiros que seja um militar idneo, e por
sso anda nao fui substituido o general Kansler.
O rei Vctor Emmanael acha-se em conval-
lescenca.
Abnram-se as corles. 0 ministro da justlca leu
na caara dos deputados um dircurso expressau-
do o iigradecimento do rei pelos testemunhos de
affecto que receben durante a sua enfermidade ;
diz que o governo nao julgara conveniente impedir
que os bispos fossein ao concilio e dflsejava ver sa-
bir daqucllaassembla paiavras decnieiliacao para
-atoe para a sc> m-ia ; para ajreligiao e para a ci-
vilisacao. As relaeoes com lodos os estados es-
trangeiros sao moiio satisfactorias.
A naciio nao umi to m nhum sacrificio para sus-
tentar todos os seos comprorais-os. O ministro re-
counuenda a prompta votacao dos orcamentos, e
auniuicia a iramediata apre-nitara de prujecto"
que teem por objocto reformar os impostes e at-
tender s necessidades do ihesouro.
Ha crise ministerial; diziase que o ministerio
Menubrea pedia a sua demissao por sor hostil
candidatura do duque de G -nova para o Himno de
Ilespanha ; mas o motivo da crise ou o pretexto
tomado foi o cheque que o governo levou na ele
ci de presidente da cmara.
Os deputados minisieriacs haviam decidido ele-
ger Masi, mas o resaltado da cleicao foi do 169
votos contra 129, quo atoancou o sea contrario
Lanza.
O re cncarregou Lanza da organisacao do no-
vo gabinete, mas parece que este nao aceite o en-
cargo, senao debaixo de certas condicoes.
Foi fechada a universidade de Turim em
consecuencia de desordens promovidas pelos es-
ludantes que assassinaram um porteiro, que nao
quora acceder aos seus pedidos sobre eliminacao
de faltas. Ia tambern sendo vctima o reilor da
Universidade, quando ia acudir em defeza daquui-
le honesto erapregado.
A parte italiana do tnel do monte Cans que
icm do exlensao 6,110 metros est concluida*.
O baptismo do filho do principe Humberto e
da priuceza Margarida deve verificar-so jia capel-
la do palacio real de aples. O mecino a cujo
nascimento assistiram como testemunhas os gene-
raes Cialdin e Langet, titulares da ornem supe-
rior da Annuncjada, ha de ser levado pia bap-
tismal, em nonte do rei, polos delegados da moni-
cipalidade napolitana Os nomis qne lhe bao de
padri-
beai recunerar a regulainentar as suas lihrdades
seb o rgimen imperial rejuvenecido Ufster-
raado. Desvaoescer-se nao as passagetralfionr-
raecoes, que hoje a perturbara, e, livre daoiiida-
tos internos, ocenpar-se-ha em reconqiStar o
prestigiai_perdido na Europa.
Entao ha Je Pruisia pensar era dar exph-
catfies. Nao hite de ser manfestaco, ptlicSes,
supplicas ; e, queiram, ou nio quOirain, Unto o
re Goilnerme, como o Sr. de Bisinark como o mi-
nistro do remo, como todos os prossianos, se bao
de ver obrigados a responder algum* co*sa.
Dizem de Uern que foi levantado o aiues-
tro.imposto aos corporado a mongrehia prassiai. depois de Sodo-
wa. Renunciara o eleitor aos seus antigoT-direi -
tus sobre o ducado ?
-- Reniincioa os setas direilos de soberana em
favor da Prussia o principe de Schwareba-Uu-
dolfstadt.
Falla-se em casar o principe Guilherme de
Wurtemberg com urna princeza da Prussia. Este
unio poda resolver a questo da annexaco do
Wurtemberg Prussia, quando morresse o rei
actual,...seos warlemberganses estiverem pe-
tos ajustes.
O partido progressista, quo ha na Bavera,
lancou tora a mascara, annuneiando que o seu
intento unifiear a Allwnanha toda, fazendo en-
trar o sul na confederaco do norte.
A segunda cmara do gran-ducado de Ba-
dn, approvou quase unanmente, cm seasao de
18 de novembro, urna le tornando obrigatorios o
registro civil e o casamento civil.
O conde de Bsmark cjnlinna gravemente en
fermo.
- l'R INCITA DOS DA.NL'IIIAN'lS.
As ultimas u*4etes da almacia fazom"*8uppor
que se rocrudesccu a nsurreicao, mas dizem ao
mesmo lempo que o governo auniriaco yae so-
lando os insurgentes das suas duas bases de ope-
rares, a Albania e o Monfcnegro. Destes doas
pontos que os dalmatas tem recebido reoreos
para continuar a lucia.
Falla-se om que foi apresado'um navio marse-
lhez(|ue levava para o Monte-Negro doos mil ki-
logrammas de chumbo para balas.
Entraram em apuracoes contra os insurgentes
mais dous mil homens que desembarcaran) do va-
por Austria as cosas de Dalmacia.
No dia 18 houve ura serio ataquo contra os in-
surgentes, foi sanguinolenta a lucta que persegua
nos desliladeiros de Draga. No da 22 houve,
para torear estes desfiladeros, alguns recontros
em que veoceram as tropas i upemos, ha depo-
rein ser necessario contiuaar os ataques para tor-
ear todos os desfiladeros. As perdas do exercito,
entre morios e fendos, um oOicial do eslado-maior,
muitos officiaes superiores e uns trinta soldados.
Os insurgeutes padecerara muito com o Higo da
artilharia ; foram rechacados em parto para alm
da fronteira.
Segundo noticias officiaes, refngiaram-se no
Monte Negro os principaes chefes da insurreico.
O governo austraco apressou-se a pedir que tos
sem internados. Foram indultados por ordem do
governo austraco os prisioneros Dalmatas, que ti-
nhara sido sentenciados.
Eslo muito agitadas a Bulgaria e as provincias
danubiauas da Turqua. Dizem de Peslh'que se
propaga Houinauia a agilacao que se observa no-
principado* danirfyianos. m
U jornaes-do governo ansiriaeo egam-qne o
iplicavel aconteciraenU o cardeal Anluuelli,, governo intente occapar militarmente as provincias
tai placido o prudente, nao pode conter- turcas limitniplies da almacia e Monte-Negro no
caso de so insurreccionaron! estes pases.
Julga-se inminente a queda do ministerio
austraco Hohenlolie.
ataamia.
O regente recebeu no da 19 em audiencia par-
ticular o coude d'Alio c o Sr. Andrade Corvo. O
Sr. Corvo enlregou S. A. as credeuciaes que o
acredlam como ministro de Portugal em Madrid ;
e o conde d'Alte as credenciaes que o chara am
Portugal.
Dis-e o Ilustre professor Joo de Andrade Cor-
vo, que a historia demonstra que os dous povos da
pennsula pdein engrandecer-so e elevar-se
c,nidic que Ibes pertcnce no mundo eivilisado,
respeilando-so mutuamente, conservando cada
qual a sua independencia e autonoma e esliman-
do-se e confiando reciprocamnnte um no nutro.
Esl persuadido que os lacosentre os dous pa-
zes se ho du estroilar torca da amisade leal e
desnteressada ; espera que augmentem as rea
ces econmicas, tanto quanto o permitan! as cr-
curastancias, por seren fundamento de boa pol-
tica, e declara quo ha de trabalhar neste senlido
O regento respondeu que tanto elle como o go-
verno tem proclamado os desejoS que nutren) de
cliegar esta unidade de vistas e inlere>ses entro
as duas nacoes da pennsula, dando-llie por base a
origem o glora da historia de ambas, e as suas
actuaes conveniencias e legimas aspiracoes de
futuro: Com oslo intento ho de o regente e o
governo hospanhol continuar a fazer esforcos por
cimentar a boa poltica peninsular o por estrellar
os lacos que unem as duas nacoes independemos
c irmaas.
Diz o Telegraplio Autliographo de Paris que
o ministro dos negocios estrangeiros nglcz, en-
viara aos ministros do Inglaterra em Madrid e em
Lisboa urna nota relativa questao ibrica, en-
carregando os de averiguar com a maior exactido
o modo de pensar neste assumplo, dos principaes
nomens polticos do ambos os paizes.
A Patrie Urna a fallar da queoo ibrica : diz
que se pretende que el-rei D. Fernando se obr-
gue a governar Itospanba, por um anno sement
prohe teudo-lhe deixa lo depois ero bordade,
tran-ferindo a corda a sea fillio el-rei D. Luiz, que
seria entao rei de Hespanha o de Portugal, com
residencia em Madrid.
Diz a Patrie que este aceordo sustonMo com
viva instancia pelo marechal Saldanha, que conta
com muitos amigos cm Portugal, e pola vigorosa
defeza do duque do Lould, am dos mais importan-
les homens d'oste paiz ; e accrescenta qne D. Fer-
nando se acha muito assidado por influencias es-
trangeiras, pelo que so ignora o partido definitivo
que lonrr.
A Correspondencia de Hespanha dando conta
d'este artigo da Patrie, diz que podo acerescentar
que D. Fernando se acha boje mais que nunca re
olvido a nao aceitar a coma hespanhol*.
O Times de 20 diz-se aulorisado a afflrmar que
o duque de Genova nao aceitar a cora de Hes-
panha, nem agora, nem nunca.
O Imparcial do Madrid desmento formalmente a
noticia do Times.
O Times de 23 publica urna carta do marquez
de Rapallo, esposo da duqueza de Genova, man-
iendo as negativas ora rclaco a candidatura do
duque do Gonova.
O general Prira havia declarado as orles a 22
que ora falso ter o duque de Genova recusado a
candidatura corta, quo Vctor Emmanuel havia
empenhado a sua palavra de dar o sea consent
ment para quo o- sea sobrrabo aceite o throno
do Hespanha.
Noticias de Floronca tirara todo o valor ao arti-
go do Timet, o a carta do marquez do Rapallo,
(firmando mnito formalmente que o marquez de
Itapallo, padraslo do duque de Genova, nao tem
poderes alguns na questo da candidatura do du-
quo de Genova.
Diz se, porm, que el-rei Vctor Emmanael nao
clara o seu consenlimento, sem primeiro subtneiicr
.s cania ra italianas a questo da candidatura do
duque de Genova.
Est-se assignando urna ropresentacao a favor
da candidatura de Espartero. J conta grande nu-
mero de assignaturas.
Est gravemente doentoo fllho mais veihodo;
duque de Montpensier.
PaWkou-so o manifo*to dos republicanos. O
manifest redigido por Emilio Castellar, o tem
4" assignaturas, declara que defenderam a cepu-
blica federal por todos os metos legaee; que se
^er postoj sao Vctor Manoel Fernando, o
nuo o av, el-rei Vctor Emmanuel.
Assevera-se que a polica napolitana-descobrira
urna conspiraclo raazziaista que tinha por Ara
supprimr o fllho do principe real, herdeiro pre-
suinpvo da corda italiana.
Afllanca-se que o re Vctor Emnunuel ca-
sara morganatcamente in extrema, com a con-
dessa de Mirafiore, e qne participara esle acto aos
principes Humberto, o Amadeu seas Albos. Dizia-
se, porm, que o ro Vctor Emmanuel, j de ha
muito, havia legitimado as suas relaedes com a
condessa do Miraliore, mas qne o casamento reli-
gioso, ato hoje so havia conservado secreto, o que
s agora declarara officialmente aos seas ftlhos as
ligacoos que os prendiam.
russia.
Diz-30 nos circuios ministerlaes de Paris, qne o
general Fleory conseguio resolver o imperador da
Itussia a ter urna entrevista com o imperador dos
francezes em Niza.
Tem-se aggravado a doenja da imperatriz da
Rsela.
ALLEMANHA DO NORTE.
Continuara activamente os irabalhos do tor-
tifleacao as pracas martimas o fronteiras da Ru>-
sia.
Foram mandadas fabricar muitas pecas raiadas
que devero estar promplas antes da primavera.
A Prnssia mandn fortificar Alsen no Sleswig
do norte como se estivesse em vesperas de bata-
lha. Nos fortes esto mettidas em batera as pe-
cas raiadas, o os aprovisionaraentos militaros na-
quella praca sao lo considera veis- quo so rebon-
.'asse actualmente urna guerra mais nada seria
preciso juntar-Ibes.
Vinie e oilo mil dinamarquezes assignaram urna
peticao ao rei da Prussia reclamando a satisfagan
do art. fj" do tratado de Praga, assignado apoz a
batalla de Sedowa.e em virtudo do qual havia de
de-I mis roconhecem f neeessarlts.
Os deputados republicanos deviam aprese-atar-se
as cortes no dia 17.
Teni-se dito por differentes vezes que a in-
surreicSorapublicanaem Hespanha era alimenta-
da por dnibeiro mandado da ilha de Luba. Fo
ram aMimuMote appreheadidos alguns documen-
to que provam este faci, seguado se diz.
As cortes decidiram depois de vivo debato que
ofotemo communique s corles oMocumentos
r provam a connivencia entra os insurgentes da
le Coba e os da pennsula.
Ro foi tts insigniticante como primeiro disse-
rara as felkas hespanholas, o motim carlista era La
Bastida.
Na lutetnlre os habilantes daauella povoacao
e os voluntarios da liberdade de Haro, que foram
all pira r*tabelecer o soeego, flearam doas ho-
mens menos, quatro leridos e outros contu-
sos.
As atoi idaiitis hespanholas descobrram ora
Y van, nafroamfra francesa 0O0 mil faknioantes
para espingardas. Estavam escondidos n'um mon-
te dentro de nma cva.
as corles o Sr. Viador atacou vigorosamente o
goveruo por causa das execucoes dos carlistas em
Montaiegre, e do procedimento Uavido com os car-
listas.
Prim resDondeu que acceiuva a responsabilidade
da rcpresso, exigida pela necessidade e urgencia
de salvar a sociodado, e que ha de proceder do
mesmo modo, todas as vezes que se derem iguaes
circunstancias.
Contina a discutir-se as cortos a nova ki ele
toral.
Sagasta declarou as cortes quo brevomente se-
rao resUbelecidas as garantas. O ministro da
jaslica declama qu as eleicSes s se fario de-
pois de levantado o esiado de sitio e da cleicao das
municipalidades dissolvidas.
Trata-so as cortes da discusso do juramento
dos empregados constituico. Zorruna declarou
que o papa autorisra o governo a exigir o jura-
mento do clero a constituico.
Ura tekigrninraa de Perpignara annunca a
morte do general Dulce na mauha de 23, nos ba-
nhos de Amilie.
^-0 Sr. Layar, ultimaraente noraeado ministro
brilannico era Madrid foi mandado partir imme-
diatamente para seu deslino.
AMERICA.
Os jornaes americanos annunciam a morte de
Frankin Pierce, com porto de 61 annos de idade;
era natural de New Hampshire, feito advogadoein
1827, foi uomcado membso da legislatura depois
representante federal, e depois senador em 1837,
tendo 29 annos de idade. Servio na guerra do
Mxico com a patente de coronel, e depois de ge-
neral de brigada.
Ha ven Jo-se retirado vida p ivada foi eleito pre-
sidente da repblica em 1832, como candidato do
partido democrtico.
Mjstmu randa vigor naa relaeoes externas ;
as quesioes de poltica interior foi o homem do
seu partido, e os estado do sul, que j araeacavam
os republicanos e radicaes do norte tiverara nelle
um ardente defensor.
Quando em em 1856* terminon a sua presiden-
cia retrou-se para Concord, no New Hampshire,
donde nunca mais saho, recusando aceitar os car-
gos que lhe foram offerecdos.
O ministro hespanhol dirigi ao Sr. Fish urna
note recordando os principios proclamados pelo
Sr. Seward na polmica relativa aos belligerautes
do sul. perguntendo-lho como poderiam entao 0-
Estados-Unidos reconhecer os cubanos como bellis
gerantes.
O Sr. Fish respondeu que at agora nao tcm ra-
tengan de os reconheecr como taes.
Diz um telegramma do New-York que o navio
Albany saho com rumo a S. Domingos, com o Am
de se dedicar a corsario, lo depressa como os
E cubanos
Assegura-se que numerosos irlandezos fo-
ram reforjar os insurgentes de Wismis no Ca
nada.
U ministro das colonias leu as cortes um
despacho de Cuba annuneiando que os insurgen
tes haviam sido dermladnsna pane oriental, per-
dendo-se 230 mil homens
Trata-so as cortes hespanholas da consti
inicio de Porto-Rico, estabelecendo-se a liberdade
de cultos, do suflragio dos .que saibam ler e es:
crever. Prepara-se a le da abolico da escrava-
tura. ^^
Joranmetlid|m proeesso os da Ha?
vana e Santiago. 'Wgu a Mndr^. ^^uaixo de
custodia o bispo de Havana que foi expulso da ilha
de Cuba e preso em Cdiz.
Diz um jornal hespanhol ein defeza daquelle
hispo, que os dous mlhdes de reales que o prela-
do trazia para a pennsula, nao ora rr para fomen-
tar planos carlistas, nas para offerecer ao pap-i
como presente do clero e particulares da ilha de
Cuba. 0^,
PORTLT5AL.
Nosso correspondente de Lisboa cscrcvc-nos
o seguidle :
Tem-se fallado ltimamente em projectada*
nogocaooes de um novo emprestimo em Paris, so-
bre, caucan dos bens que vao ser desamortisados.
Entretanto as folhas ministeraes negara o que a
este respeto se tem escripto as da opposieao. O
|ue parece certo, porm, publicar, dentro em
punco o governo o rogulamento da le da desamor-
tisacSo. '
Tarabem so tem insistido ni prxima saluda
do Sr. Anselmo Braaacamp, do niinistoro.
As folhas parcaes do governo desmonten) esta
noticia, e asseveram que se o ministro das finan-
cas houver de deixar a pasta ser depois de reu
nidas a< cortes.
Parece que o governo pensa em consolidar,
oa pagar parte da divida mins do estado. Esta
parle refere-se ao papel-moeda, o ao< ttulos ad-
missiveis na compra dos bens naconaes, e talvez
mais alguroa classe de crditos. Um dos alvilres
receber o documenios des.-as dividas na razo de
SO % do nominal, em pagamento dos foms, censos
e pensos e jur >s de capitaes em divida fazenda,
o qne orear por uns 800 contos nominaos redon-
dos, segundo se diz.
E' de toda' a jaslica que sejam altendidos
aquelles cmdnres, tanto mais quanto a maior par-
te dos que tinham guaes crditos rocoberara ttu-
los de divida con-olidada em pagamento do suas
dividas.' Em 1860 o conde d'Avila. e om 186i o
Sr. Lobo d'Avila pensaran) em consolidar toda a
divida mansa, ma- nao chegou 3 ser con vertido-
em le o prnjecto respectivo.
Foi observado as noites de 12 para 13 e do
13 para 14 do correte o phenomeno das estrellas
cadentes. No observatorio do infante D. Luiz fez-
se rigorosa observacio na noc de 13 para 14,
cujo resultado o seguinte :
9 as 10
~

10
II
12
1
2
3
4
.'>
II
12
1 1
2
3
I
6
Numero total observado
Deixaram grandos traeos
1
fi
16
62
148
276
440
SSO
382
1881
luminosos :
1 s 11
b. 18', 1 i h. 20", 1 1 h. 2o, 4 Ib. 55', 1
2 h., I as 2 20' I s 3 h. 5'.
Foi comraunieado immodiatamanta para Paris
(s 8 h. da manira) o rosu!talo goral do servico.
t Assistiram os observadores e seus ajudasites,
faltando o Sr. Fradesso da Silveira queentroa^ago-
ra em convaleseenca.
No Diario do Governo do 13 do corrento foi
publicado o decreto acerca da redcelo das diocc-
ses. E' do thoor seguinte:
a Art. I. O governo empregar a3 diligencias
necessarias para accordar com a santa s apost-
lica sobre a reduccao nova circnmscrpcao das
dioceses do reino.
Art. Em quanto nao se realisar o aceordo
com a santa s a respeto da redcelo e nova cir-
camserip^o, de quo trata o artigo antecedente, o
govorno nao f3r nomeaco e apresentaco de pre-
lados sonio para as dioceses de Angra, Braga,
Braganca. Coimbra, Evora, Faro, Funchal, Torio,
Lisboa o Vizeu.
No relatorio, diz o Sr. Luciaao de Cas-
tro, ministro da jostica:N3o prrtonde o
ffoverno com este decreto, cujas disposi-
(5es sao puramente transitorias, reduzir o
numero das diocoMS. determinar as que
bao de ficar ou ser supprimidas, e assigoar
limites a cada urna dellas. Excedera tal
intento os poderes qne Ibe forem comme-
.'dos. 0 governo acata o respeita profun ta-
meiite autoridade da santa s, e apenas
deseja com este decreto fixar, emquanto -e
nio procede definitiva divisSa ecclesiastica
nao chegamrn a realisa-la pedirn quo oreieeja n" proccne a aenniliva dmsua eccIesiastiC)
eleito por um plebiscito, condemoan a violencia,] d reioo a icerteza qae ora ha no provimen
to dos bispado;, que se faz, ou deixa de fazer
segando o livre alvedrk) do3 differentes' mi-
nistros, e facilitar a realisaco prxima d
tima reforma t5o uttl groja e ao estado
como reclamada pelas justas instancias da
opiniJo publica.
.Na que hootem Ibes escrevi lhe dizia
ter sido afina! o Sr. Andrade Corvo recebi-
do em audiencia pelo regente de Hespa-
nha.
Parece quesera transferido para Ber-
ln. Nao se diz por ora, quem, dada esta
transferencia, sera comeada por Madrid.
Fallecen o viscondo de Moiifao,
Gonzalo Jos* Vaz de Carvalho cora 90 amos.
* Nascera 17 de setembro de 1779.
Ftii demittido o conde do Alte do
cargo de nosso ministro plenipotenciario
junto de S. Al, s rei da Prussia e da con-
federarlo da Allemanha do Norte-
aNo dia 25 do correle foram assigna-
dos os decretos transferindo o govemador
civil de Leiria para Coimbra ; Horneando o
Sr. Freitas e Oliveira para Leiria, o Sr
Guerra Quaresraa para Santarem e transfe-
rindo o Sr. Jeronymo Barbosa, govemador
civil de Vizeu, para Braga, para Vizeu foi
nomeado o Sr. Francisco Joaquim de S
Camello Sampaio.
Vai ser agraciado com o titulo de
visconde o conselbeiro Alves de Sa, juiz de
supremo tribunal de Justina.
Foi publicado o decreto conceden-
do o titulo de visconde de Paiva Manso ao
Sr. Lvy Mara Jordo, auctordos commen-
tarios ao cdigo penal portuguez, e do
outras obras de jurisprudencia.
Falleceu urna illia do visconde de
Trancoso. Tmba cinco annos de idade.
Foi nomeado commandante da pr-
meira divwie militar (Lisboa) o visconde
de S. Thiago (general Frigueiras).
Foi publicada ba dias na folba official
a reforma do ministerio da gaerra.
A rcducc5o de despezas andara por...
16:000^000.
Dentro em poucos dias ser publicado
o novo regulamento para a le do sello.
Acha-se muito adianlada a reforma di-
plomtica e consolar, o parece que em
breve o.SrvMendes Leal a publicar.
Vai sernomeada una commisso para
rever o projecto do cdigo do processo ci
vil, que o Sr A'exandre Seabra advogado
e jurisconsulto dislincto, concluio ha pouco
tempo. Ser composta a commisso dos
conselheiros Joaquim d- Cam[H)s Heniiqnes.
juiz do supremo tribunal de jaslica ;Fer-
reira Lima, juiz da relaco do Lisboa; Ara
gao Masearenh-s, juiz de Ia instancia ; An-
nibal Achules Marlins, ajudanle do procu-
rador regio ;Caetano de Andrade advoga-
do, servindo de curador geral dos orphaos;
Ignacio Francisco Silveira da Mota, chefe
de urna repartirlo do ministerio da justira
e dos advogados Antonio Alves da Fonseca
e de proprio autor do projecto.
Foi elevado ao grao de ofcal da torre
e espada de valor, lealdade e mrito o Sr.
Innocencio Francisco da Silva, socio effec-
tivo da academia real das sciencias, au'or
uo Dicionario BibUographico Portuguez.
primeiro secretan da commisso central 1'
de dezembro de 1640, e antigo empregadn
no governo civil do districto de Lisboa. 15
nina disiincto por muitos ttulos bem ca-
bida, pois alm de todos os seus servio >s
luteranos pnstou relevantes liberdade de
Portugal.
Falleceu um digno funcionario com a
prematura morte do Dr. Antonio Borges
Leal CfHc Real, chefe de servico da alfan
doga de Angra, em commiss3o no conti-
nente, e que ha pouco deix-iu de exercer o
lugar de director da alfandega de Oiio.
Vai ser estabelecid.o um museo colonial
portuguez no arsenal de marinha.
Falla--e na extinoco da repartico do
deposito publico. Tratam dessa reforma
os Srs. ministro da justiga e Luiz Antonio
Nogueira.
a Foi nomeado vogal do supremo con-
selbo de Justina militar o general Palmei-
rim.
A directo do collegio militar que es-
lava confiada a esle cavallmi o, vai ser dada
ao major Salgado direcior do astjlo dos /t-
Ihos dos soldados eslabelecido em Mura
desde I80. Este asjlo. ou escola de offi-
ciaes inferiores, vai ser supprimido.
Parece confiamar-se a noticia de esta-
rem cimpradas pelo governo portuguez.
30 mil espingardas Aneider, em Inglaterra.
< Realisou-se no dia 11 na Gollegan o
concurso de gado cavailar, por occasiao da
feira de S. Mariinho.
Assegura-se que pela nova organisaco
do exercito, lodos os regimentos das dilfe-
rentes armas serao divididos em bataliioes.
A infamara compdr-se-ha de 15 regimentos
de infamara de linba e 5 de infamara li-
geira. A cav-.llaria de 4 regimentos; a ar-
ultiaria de 3. Cada regiment divide-se
em dous batalhdes commandados por ma
jores, ou chefes de batalho. Cada regi-
ment ter um major e dous ajudanles su
balternos. Os baldbes de cavallaria seracT
divididos em esquadroes cpmmandados pe-
los i'apilaes mais antigos, com a denomi-
naco de chefes de esqadro. Os bata-
llioos poderao destacar e tero escriptura-
cSo separada. E' su primido o posto de
lente cironel.
< Diz-se que a commisso encarregada
das missoes do ultramar tem muito adian-
tado os seos trabalhos, e que propQe a
criaejio de um bispado em Mozambique e
a anni'xagao de Timor a Macau. ouc
Caho Verde seja elevado a raetropole (i-
cando S. Thom e Angola suHraganos; re
duci;3o do numero de couegos, e os que fi-
carera, estaro sujeitos ao onus de ensino;
que nos seminarios se estabelecam cursos
suficientes para educar o clero indgena;
e que os parochos e missionarins sejam,
obrigados a ensinar primeiras letras
seus parochianos.
Prope tambem a commiss5o que baja
no rei o um collegio de raissOes para edu-
car mancebos -que se deslieran ao sacer-
docio no ultramar, e para receber os cc-
closiasticos que se dediquem as missoes.
1 Eslabelecer-se-ha para os alumnos um
juramento solemne de servir as missoes
depois do periodo de om anno de frequen-
cia no collegio, e de obediencia ao supe-
rior do mesmo collegio. O superior ser
nomeado pelo governo. Se portuguezes
podem ser professores do collegio as
missoes i di s seminarios do ultramar.
Vio ser reformadas as pautas. de S.
ah .excetiente trabalho histrico sobte-
a administracao do marquoz do Porahal.
. .0 Grande Oriente Lusitano Unido >
rosolveu, segundo boje contam os jornaes.
a.illurainacoa gaz no dia lde desembro.
a frente da casa apalacada onde o mesmo
Sr. Dr. funeciona na na Nova do Carme.
A frente da casa prestase a urna brilhantr
lluminacHo.
Os moradores de varas raas, como a
do Livrarnento om Alcntara, a dos Ryaes
de S. liento em Lisboa, e' outras na ca-
pital, tcm-se quotisado para fazerem illu-
mnaroes n'aquella noito, e boda aos pobres.
0 sermo na Sj diz-se que ser pre-
gado pelo Rvd. padre Teixeira q ie es-
pontineamcnte se ofereceu Commissfu-
central 1" de dezembro de 1640.
Pela real Associaco de agricitittti*
portugueza,, foi oflerecido am sacho de
prata, com cabo de marfim e encaixe de
ouro ao jardmeiro municipal do Campo
Grande o Sr. Jlo Francisco da Silva, como
brinde pelos servicns por elle prestados
por occasiao da exposifao que a mesma so-
ciedade fez em maio na malta do palacio
Cadaval, onde aquella associaco funeciona.
Assenta o sacho s era elegante pedesia!
de marraore contendo n'uma das faces o
seguinte dislico:
A rea) associaco central d'agricalturo
portuguesa offerece a Joo Francisco da
Silca.18G9.
PERNAMBUCO.
REVISTA DIARIA.
NOVA LLNHA DE VAPOBES.No Pas, jorn;.l
quo se publica no Maranho, leaos o seeuinie :
Nao esl dormitivamente resolvidc, mas ere-
mos que se trata de estabclecer urna lnha de va-
pores de Nova Orleans ou oulro porto do sal dos
lisiados-Uuidns, a qual passando pelas ilbas de
oeste ir ao Ho de Janeiro, tocando nos portes d >
Para, Maranho, Cear, Pernambuco e Babia.
Os vapores sero de 1,000 a 1,300 toneiadada-
c com boas accommodaSe* para carga e passagei-
ros.
1 Absolutamente fallando, nao ha taeilidade de
('nnmuniea^.V) que so nao lleva rnpular como mi:
das loaiores vanlagens para o commercio ; m.i-
para nos a comntunica lados-Unidos, alm dessas vantagers geraes, re-
ne 11 de nos ligar a osse grande mercado, como j;v
estamos ao da Europa pelas daas linhas ingiezas.
IPOJUCA.Este vapor, da Companhia Pernam-
bacana, seguo v.o dia 6 do conente do porto da
Fortaleza para:. da Granja."
PARAENSE K ALIIAMBRA.Estes 2 vapores
das linhas dp Liverpool, eram esperados em Lis-
boa aqnelle de i a i em vingem para o Cear, v
este de 6 a S o corrente para Pernambuco.
ALEXAXDRE IIE11;':ULANO.-Este navio, salu-
do de Li*ba para o nosso porto, a 20 do passado.
t'raz a seguinte carga : 173 pipas e 190 barris vi-
nlio, 12 pipas e 16 barris vinagre, 10 pipas e I2
barris azeito, 41 barricas alpisia, C caixas cer;i
230 ditas e 1000 molhos cebollas, C saces* linha-
ca, 350 barris cal, 8 fardos passas, .315 barricas
sardinhas, 6j peilras de la godo, 117 pecas de cab 1
8 volumes drogas, o 2,025 saceos farello.
FUOS BRASILEROS.Eram assim colad-
na praca de Londres :
5 % de 18.-9 80 9o nom.
5 % de 1805 83 A a 8i.
4 >/j /o de I8353-CO 74 a 78.
4 V /o NOTICIAS G0MMERC1AES.Eta as ullimas das
principaes pracas da Europa :
Lanares, 26 s 3 h. da I.
O algndao (lea irregular. Olamos: Pernam-
buco de 11 >/, a 12 Vi. Parahyba 11 '/, a 11 3 s.
Mocei a 11 Vg, Maranho 11 '/ "> 12, Rio Gran-
de II Va 11 V.-
O assucar isla frnuxo aos preeo de 26/* 2*
o bronno, a 19/6 n SU/* m>r,i> HI10.
O cacan do Pnr .;;\ era apathia dr 45/ a 53,.
O* muro* vendom-so de G V a 7 '/i "* Rece -
salgados, e de 4 3/i a H 1/4 ns sal jados verdes.
Liverpool, 26 s 9 horas da m.
O algodo esi firmo corn una al^-a de Ve se'1'
os precns cima.
A borracha do Para vande-sc : a fina a 3,j
a semainby a Vi-
Barre, QG s 1 h. da t.
O algodo (lea em Daixn. O ordinario de I\i
nambuco vende-so a frs. 137 e 138.
O* couros salgados verdes san colados froc.i-
uienle a frs. 55, eos jjeeos a frs. 82.
. A borracha fina da Para vende-sn a frs. s,-
NAVIOS A- G.Vr.GA.-Em Lisboa-S. Migue'
Positivo e Noria par Pernambuco, Flor do I
pira o Para; no Porto'riumpho e Unido pan
l'ernambuco, Uniio pira u Para.
NAVIOS CUEGADOS.-A*LiabaMana al.
do ernambuco Jixephir.a a 10 do Maranb .
Floral Vez a 18 lo Para.
- NAVIOS SAHIDOi'.De Lisbua 20 Cearcu;-
(vapor) para n Cear, o Alcxandre Herculano para
Pemninlitico, a 20 Anibrose para o Cear.
DUQUE'DE Sii::,-S. M. o imperador d,<-
l"r.iiii'ezes,_depoij '.i competiile pennisso do.
vie-r i dBgypto, tionrou ao Sr. Fernando d
Lesseps, no dia d.i inaueuracn do canal de Suc/.
com o titulo d*rf';. dtSu'ez, alm das honra-
do senador do ipjperio francez.
D1NHEIROO vapor Tocantms Irouxe as s. -
guintes quantias para os Srs.
A. Luiz de O. Azere & C 3:600*00 i
Lehmann frres. :800*0i'.i>
C. A. Sodr da Motta, l:419i3("
Satyro II. dns Santa. I00jl0("">
Para o sul dj >.pcrIo Irouxe elle as segun-
l :i sommas:
Babia 1:7004000
Itio de Janeiro 399:337*510
Esse vapor Ir ;> i Ge aossa praQa :
Para Macei 35:8005000
Para a Baha, SOOOiO
Para o Rio do anc.ro 8:20000
Aieni desta ultiini parceakvou mais 147.00' >
em moeda da ouri
PROCLAMAS.?r..rt dos hontcm na matriz
da froguezia do S ato ^onio os proclamas se-
guintes :-
I. ;.n.ccac3*.
Jovino Fernando* Jt Crnz Pereira Caldas, com
Marianna Jovina Pereira Santos.
Jos Antonio d; Oliveira Senna, com Candida
Chmen8s Mavignior.
l :wn Joanna de Lima d/
Tbom, Cabo Verde, Gui e Angola.
Bissu rlcar;! porto franco.
i Falleceu,> em viagem para a India,
para onde regresMva o Sr. Francisco Luiz
Gomes, depotado em varias legislaturas.
Aioda ba pooco fiofaa publicado em francez
Manoel Pereira c
Azeredo Coutinbo.
Marcos Anlpnii da '^cramenlb, com Mara d>
Patrocinio Correa.
-?.1 agniaahaie.
Renedito Antoni j J, z:-n Luiza Mara da Con-
ceifo.
Tbomaz do AqoitH BONrTa, com Mara Magd. -
lena Leal.
Salustiano Bezerra Jo Mascimento, com Francc-
lina Mara da SoleiaJe.
Heniique Antonio Frayisco Dornellas, com
Alexandrina Luiza ." "aiSares Peixoto.
Herculano Alve^Pereirl dos Santos com Malina
Julia da Gama.
O.1 '.enaaciao.
aos. Joaquim de Gauva Cardeeo, com Mara Isabel
ao Amorim Lima.
Jeronymo Ferrc.n vm Sanios, comConsUncii
Mara da Cruz.
Jos-Marques d'.v iorlmj com Candida MarqU'.-
do Mello Accioli.
Ignacio Thomaz do Preitas, com Mara Francis-
ca da Conceic.5o Fonee*.
Elias Bispo Ani;e:o. com Joanna Mara de Bar-
ros Wandcrley.
Jos Deln ^ Silva, Canralho, com Marii
Guinter.
Olegario Milito ,31 Siia> coq Vessia Filadelphi i.
Mara do Soaza.
LOTERA.A qne acha i venda a 130*, a
beneficio do patrimonio dos orphaos, que corro no
dia 14.
PASSAGEIROS.A tere* Segurara irouxe
seguintes:
Bernardino Lopss AjMro, Joao da Silva Gomes,
Antonio Dias, Jos Alves Joaior. Manorl Alves, J.
Luiz de Freila, Jos i|^a Marlins, Manoel d..
Silva Araujo', Jusno PnraatM* oa Santo, Heori-
qae de Castro Soarea. Hifte* de Atevedo CardeaJ.
Aotojo AugastJ YiJKir* lemardino Jos
SarMa, Joaqnim Gos *atfc Maia, Antonio da Sv<
eUvelra, -LoraVnei <3MS Ustweira, Fwctuo:
Faronde* d^ s v. o# eoaealvee Correi
A
i
i r
I


i
p


>la Vianna, Emilia c 1 till.a,
Copes, Manoel Pinto, Antonio
Joaquim ilo Paiva flfc foiifcr;
b-sa. Bernardina F. -te 1
ta Faustino, M. I
ionio i! Movida, Banool
da Cosa, Jos Marques Burga.-, Afriatiolio .l>0_?_
da Silva, los Amonio Alws, Bento Jos AW
Kilho, Luiz Antonio Gome, Manoel Lopes Alves
IV.reira Tinoco, Manoel Marlins Diniz, Luiz ban-
cal ves do Paro Jnnior, Antonio Fernandas Gayo,
Joao da CunUa Vira, Antonio de ',arvalho, Ma-
noel Gome* da Cosa, Caetano Gomes L., tose de
A. Ramos.
O vapor Exlremadnre trou.v: a seu bordo os
segrales:
dem da ."ii'OO a 8.3500 aduziade
on Botija?.
.Mein a moco de peso de 150 libras de

-A ingleza vomlcu-sc rom 430 por cento
id sobro a helara, i
JaKtkhh.A ingle venden-sede U a 1*060
libra e a franceza d_ 800 a 900 rs.
Massas Venderam-se de 4*300 a 8 a caixa.
Olbo de linhaca.dem a 2*200 por galio.
Passas.dem a 10*300 a caixa.
PBSNTos.-Idem a 18J os 15 kilogrammas.
Qubiios.Os flamengos vendorara-se de 2J5W
a 25700 cada nm. ._. .
Sabvo^-0 inglez venden-se a 170 rs. o o do
Medilterraneo a 240 rs por libra.
Tuiv.iNHO-Vendeu-sc o de Lisboa de a P.V500
Diario j.
_ir
X
=rr
3~
ii>......M
.;. 'in....
7=
Ro Grande do Sel,
Para o referido porto sauir nestes d.*spor
ter iHiiai toda a carga- protaipta barca porw-.
curte .irminda, para o ** que- l* lata n*'e f
tratar->e com David Ferrera Bailar, ra o Brooi i
n. 92
no Fonseca, snasenliora o 1 lilbo, Fredenr Gao-,
tier, Fclippe de S e Albuquerque, Lidia t.ram-
nou, Klu irJ lnhwnn o su. seahora. Cuelplio e
Cailhacar, Jaso de Souza llamo?, Jos da Silva lio-
drigaes, Bernardo Joaqnim Lopos c Joio Lardoso
l'into Jnior.
Seeuem para os portos do sul :
Juan Sergio de M randa, lluury Sharp, Lonpn'.do
J.fffv. Sabino Franeteca Muuiz oDr. Jaetotlw Soa-
i es Hab Ho.
PROTESTO DE LETRAS.O esenvao dos pro-
- fos Marianiio de Albuquerque, esta de se-
mana, a ra de Santo Amaro n. 20. .
CEM1TERIO PUBLICO.-bilaano do da 10 do
corrente : ,
Francisco, Pernambnco, 2 mozos. >. MU ; co-
queluche.
Joaquim Crrela, lVniamaurn, 42 anno*, casa-
do, Boa-vista ; gaslro inlento chronieo.
Placido. Pernaraboco, 2 mezo Santo Antalo;
?*ton. .,...
Ricarda Mara das yrgens.Pernambtia), si an-
Nieaeio, lYrnainbuco, 3 mezes, Boa vista ; in-
''Tuatca. Francisca da Silva, IJjnwnTbnco, 02
annos, viuva, S. Jos gastio intente.
Pi|llCAC01S_AiIPM-
- UteBartemo de VaaBoncenn, propietario
Ao ensenh frtbk. da Serra, (la frognem de. Ipo-
iuca, previne a quem inicivssar possa. nne.. nin-
mem compre os se;i< escravos Antonio Joinna e
Delfn:., quo Ibe cer-ia se adiaroin poer tolla-
noel tenn do W, morador ...a villa da h rada,
uis que os mesnMH eseravos sao de la exclusiva
,,ro|iriedade. c elle est tratando* de aivreliende-
4, i- pade que* que se acliein.
os 13 kilogrammas. .
Vin.vobe.O do Portugal vendeu-se a 1255 a
*vUtos__Os de Portusal vendeMm-se a 230
e o; de outros pftir.es a 2003 por pipa.
Vblas.O pacota de velas do composicao
Tondotirse a 650 rs.. .,.
Des:o>to Durante a semana rcgulou de 10 a
12 por cento ao annrt. ,,
Fbktes.-Do algolfn, deste para o porto de Li-
verpool a 3<'*d. sem capa c nominal. Do assucir
para o Canal 30/ idem idem.
ag, 2 contlos corai.podra o I sof, 1 cama fran-1
ile amafello;.. t marquezan, 1 comritdadel
amarell >, i .onslus. 1 nie-a de anniv.'lo, 1 par'
dffffpcntfas de crvslal, i rico candjeiro paraj
ar, jaros rd-j^ 1 m-jfoppa rol bode ^orce-
1,-ctfa para Jautar, 1 pardo garrafas para vmho, 1
lio- amarello, diversas cadoiras amlsa9 c iniu-
,iU
' rca-bQ I i do corrente.
irtm tara leilao poi- irdem do bu
retirou sft provincia dos nrwrets
da roa do Imperador n. 16, a
lisviMiNTOjdiroRTa
Navios entrados no da 11.
Bordeaos e portos intermedios -17 das, taporfrftn-
cez Hxtrmadare, de 1,279 toneladas, comman-
dante deost, equipagem 118, carga fazeada c
outros genero ; a Tissct l'rere.
Parte porto* intermedios 9 Mas, vapor brasi-
l-iro Tixuntins, de 750 toneladas, commandan-
te Jos Mara Ferre.ra Franco, cqmpagem, 2
Gompanha americana c
ra de paqneles a vapor.
At o dia 15 do corrente esperado de New-
York por S. Thoraaz e Para o vapor americano
South Anvrica, o qual depois da demora do eos-
turne seguir para os porto* do sal, para wetes e
passagens trata-so com os agenles Hcnry rorsier
X- C. ra do Trapiche n. 8._________________
Rio de Janeiro
Segne com brevidade para o poito acma o bfi-
gue nacional Isabel, tem a bordo a maior parte de
cu carregamento; para o resto que Ibe lra/
U-se com os consignatarios Antonio Luiz deUtivei-
ra Azevedo & ('.., ra da Cruzn. 57, 1 andar.
carga
&C.
varios gneros
a A. S. do O: Azevedo
de
PORTO
Porto 33 das, barca portugacia Scaitiwic de
28.) toneladas, eapitao Lmuenco ,>''fnaudcfrdn".
Carino, equipagem 13, earga vmho o outros
Protectora dos familias
Os sonhews contribuintes ;i ($ ossocia-
rr,,,, que prefr m mandar pngat suas.au-
i'iuii!iiiles nestti provincia, podertto dlrlgir-
_e roa do Livramonto n. 1!>. andar.
antes do dia 10 do prximo moz do de-
/..mbro, afim de que os fotidos possam ctte-
. -,'ar na sedo di associa.30, no Rio de Jann-
ro, no seu venciment do 20 a 31 de de-
Kombro d>* I80. Depofe do cuja data pa-
gario a mais da annuWade o}itro quo rttar-
oa o axtigo r! do rcpnlamento.
Kecite 17 de noveml.i-a de I8G0.
frarcito de Vidal.
COMMERCIO.
Sociedade ba caria em com
mandila
Thcodoro Simn # C,
Comprara e vendern por conta pro-
pria melaes, moedas nacionaes, e eatran-
gertt, letras de cambio, sedulas do fo-
\erno e do banco do Bsasil.
Descontara letras da torra e MlTM ti
lulos commerciacs.
Eocarregam-ae por conta alheia das mes-
mas transaccoes, da cobranga de letras da
ierra ftdc outros titaloaicotumcreaos.
' Recb m quaerquer qaSnflas em depo-
fiito, em conta corrento, e a prazo xo.
bro do Pclourinho a. 7
ENGLISH BANK i
O Rio de Janeiro Limited
Descorita ic!'.r:> da praca taxa a con-
vuncioiiar.
Recebe inheiro em conta corrente e a
praso xo. -
Saca vista ou a praso sobre as ctdades
t.ilncipaes da Europa, tem cofrespondentes
na Babia, Buenos-Ayres, Montevideo. New-
.-. Netr-Orleans, e emitte cartS. de crcdt'.o.
para os mosmos lagares.
RL"\ DO COMMKRCIO*. :^'
ALFANDKGa. -SU
endimento dodia : a 10. "f*!ft'^
lm do dia 11..... >:953*
W9:58i*25l
eros ; a Soarcs & Primo.
Ilha de S. Miguel 36 dias, barca portugueza
"zade, de 621 toncadas fe?Sfi
norecs Cabral, eqmpage.h 17, om kMn.>W4o
do Reg Lima. Traz para este porto 10o passa-
81"" Navios saludos no mamo dia.
Mamamauape Vapor brasileiro Nanthtki; com-
iSSSSt Julio Gomes da Silva, carga vanos
Ancatv-Hiato brasileiro A: S. dos Navegantes,
capio Antonio de Souza Castro carga dille-
rento** "fint1 ro*-
[lio da Prata Barca ingleza Borlecham, capitao
Mickav caraa aaaoaar.
P..rloa do Sul Vapor brasileiro T^-mUns, covn-
mandantc Jos Mara Ferrara Franco, carga
diferentes gneros.
Observapio.
Suspenden do lamarao para os portos do Sul a
barca ingleza JPf, capniu i. Ciaig, > ""
carga que trouxo de Trieste.
Navios entrados no da 12.
Havre 27 dias, barca franceza l>rim)W, do
2iO toneladas, capitio Cholour, equipagem i-,
carga mercadorias ; a E. Burle &C
Havre 30 dias, brigue francez Belem. ae i/
toneladas, capitao Eguay. equipagem II, carga
mercadorias ; a Tissot Frere.
New-York 65" dias, escuna dinamarqueza to-
I da*, de 138 toneladas, capitao Pedersnn. equi:
pagem 7, carga madeira e outros gneros ; a
Henry Postar & C. ________ .,
Terra Nova 50 dias, escuna ingleza Belte,c*-
nitao Iones, equipagem 8, carga .536 barricas
com bacalho ; a lolmston Pater & C
Montevideo 30 dias, barca ingleza Less.e L'.sle,
de 370 toneladas, capitao Wello, equipagem i-,
em lastro ; a ordem.
Navio tahido no mesmn da.
Macei Hiate brasileiro Ganbaldi, capitao Cus-
todio Jos Vianna ; carga bacalbao.
Kio da Prata o portos intermedios vapor mo-
cez Exirmmrt, commandante Goost.
Pretende sahir em poucos aias a barca portu-
auezi Social por ter a maior parte do carregamen-
to prompto; para o resto qne Ibe falta c passagei-
ros, para os qnaes tem bons comnwdos, traase
com o consignatario Joaquini Jos Goncalves Uei-
ttia, ra ud Trapiche a,'17._____________,
Tara Lisboa
A barca portugueza rercira Bornes dever se-
guir brevemente para Lisboa, j lera a bordo par-
le da carga, e para o resto trata-se com Oliyeira
Filhos C, ao largo do Corpo Santo n. 19, 1
andar, ou com o capitao na praca.________
Rio Grande do Sul
Segu com brevidado para o porto cima o bri-
gue nacional AmHia : para o resteida cargaqno
Ihe falta trata-se com os canignatanos Antonio
Luiz deOliveira Azevedo A C, ra da Cruz n. o7,
Io andar.
De um bote, valas, vergas, mastros, cabos
e os mais objectos salvados do brigue
francez Bossini. -
iiaarta-feira 15 de dazenabro
aa i* l|t horas.
Oflgente Pinto ar leilao por atitorisacao do
Sr. consol de Franca, em presenca do sea dele-
gado, eom licenca do Inspector da alfandega, com
assistencia de um empregado da mesma repart-
rao para o fim nomeadn o por conta e risc > de
quem pertincer das velas, vergas, mastros, cabos
e outros objeetos salvados d.i brigue francs Ros-
.s-ni, capitn Hollev Williams, taes quaes se acham
no itnnaiem alfandegado do harao do Livramento,
no ces do Apollo aonde se effeciuar o leilao as
!0 1|2 horas do da cima dito._____________
DORIAS
Fornoee-ao emwlortas para lora de urna easa
de familia, com todo o asscio e promptidao na ra
ostreita do Rosario n. 38 sobrado, e tambem se
prepara almocos e jantares avulso ou qwlquer
peca de comida, isto e, sendo encommendada com
tempo._________.________ -.
de da> para
l'reclsa-se de urna mnlhcr
ama de costnlhrr em casa do peqneoa familia: nu
paleo do'6anav, esquina da ra de Santa ^nefliza,
sobrado de um andar. _______ '
PrCclSn-se de um eaixeiro qne tenba ortica
de taberna, de 12 a Itt annos 4e idade, o or de
fiador a sua condocta, paga-ae bem : a tratar na
ma da San Cruz n. 3. Na raesma asa precisa-
se alugar orna preta qne saino, eozinhar o alario
Precisa se de um destilador que se encarre-
gne do trabaltao de urna pequea desiilaqao de en-
garnio : a tratar na roa de Apoilo n. 28, pnraciro
andar. __ .._
mnibus de Oiinda.
Flix Affunsi d Barros, proprietarlo do mni-
bus Encourarado de Ointda, pede as pessoas q
posstiem bjlfietcs de intfresso no' sen omnibas,
queiram vir no praso de oito dias troca-lw, po
que, dessa dala prr diante, fiearo sem valor.
Precisa-te de uai pequeo boleeiro : na
Nova n. 48.
O Sr. Dr.- Jos Uchda Eavalcan* tem
carta vinda do norte nesta lypogaaphia.
urna
0 Sr. Felisberlo llodrignes de OTOirA tem
urna carta, com ausencia ao Sr. Fernando Caela-
no Barrilb, vfada de Lisboa, na ra do Commer-
cio n. 48, 1 andar.
LEILAO
D dividas na Importancia de
9:KeS*ftOO.
OtTa'rta-feira t:> de dezembro as 10 horas
em ponto.
Oiageoto Pinto far leilao a requerimento dos
rurtdiu-es Iiscae3 da massa fallida de omvenuto
Cavalcinti Buarque do Albuquerque c por des-
pacho do lllm. Sr. Dr. juiz especial dn commcrcia
das dividas activas pertencontes a referida massa,
na importancia de 2:862*800, as 10 horas do dia
aeima dito, no escriplorio do referido agente, aou-
do poderiio os preteiidcntes oblar quaesquer
informaijoes.___________________
Declaradlo.
O baixo assignado apressa-se em declarar ao
publico qne nao foi dispensado, e sim dispnsen-
se da proenradoria do retalhamonto do sitio Agoa-
zinha, em Deberibe, a que se refere o annum-io
publicado no Diario de l'emmnbueo de 7 do cor-
rente, e assignado pelo Sr. Joao Tiburcio da Silva
Guimarao. .....
Luiz Antonio da Silveira Tavora.
__Precisa-se de nin menino brasileiro para
eaixeiro : na roa do ltoario da Boa vista n. 2.
D. Maria Amelia Bastos Guerra, Manoel da Sal-
va Has**, D. Joaqnina Correia da Silva Bastos, _-
nel da Silva Bastos hr ior, Aflbnso- Henriqnes i*
silva Bastos e Jos da Silva Bastos, mulher, ogro,
sogra a eonhados do nndo Antonio de Sonxa.
Guerra, fallecido ii" dia 8 do corrente, cordialmen-
te agradecen a todas as pessoas que Ibes Ozerara
o caridoso obsequio do acumpanliar ao eemiterio
publico os restos niirtaus do mismo toado; o des-
de j Ibes rogam assistirem as mimas do setim
dia que se tem de resar na capella do cemteno
publico, as 7 horas da manlia. do rfia 14 do cor-
rente, pelo que desde f protestara o seu reconhe-
ei ment.
Ama
Precisa-se de urna a,ma livre ou rserava para-
eozinhar, paga-se bem : na ra da Cruz n. 6a.
COHPAUHEA
LE1L0
DAS
EDITAES.
-----1347
57 S
20 -----484
MOVIUSNTO DA ALPAXDEGA
Volumes entrados com fiBtcndas M
lem idem com gneros
Vulumes sabidos com f a zondas
Idetii idem ara genero?
Descarrezan hoje 13 de d.-'zembro
l ; iguc inglesMMdeWmercadorias.
Vapor nglezSnpMroidem.
1 escuna inglezaMan James\dsm
Patacho americanoLeonard dem.
Patacho inglezS'.nvj Auna idem.
Barca malezaRosemonddem. _
Barca inginaTalismnfannlia de trigo.
liarcr. inglezaS. Ursala-\m.
t-atacho hollandez- Trtm'nw-idcio.
arca inglezaimperadoridem.
Brigne dinamarqnez-tViris/i.Jii-mjread.irnj.
Patacho _iaamarojoes_iirare* mei cadenas,
lirigue portugu-r-, .'jm;w!/pdem.
Ilrigoe norte-allemao Hechstma lannha de
lirigue 'nomegneasc.Waiiiit'-iiiilalwado.
Patacho americano/radiversos geni ros.
liarca portuguezaSefiranmidem.
Barca inglezaiferan/io-carvao.
l.ECliliKDOlUA DE ^DAS INTERNAS GE-
RAES DEPERNAMBUC
Rudimento do dia 1 a 10. lf*Hl
dem do dia 11........ i.l;*3J5
O Dr. Trislo de Alencar Araripe, offleial da im-
perial ordem da Rosa e juiz de direilo especial
do commcrcio nesla cidade do Recife de Per-
nambuco, por S. M. Imperial a quem Deus
guarde etc. etc. ...
Faca saber aos que o presente edilal virem e
dcllo' noticia tiverem que no dia 11 de feverenn
do anno prximo futuro, se ha de arrematar por
venda a quem mais der em praca publica deste
juizo. depois da respectiva audiencia o seguin-
L ma casa de pedra e cal, sita na freguezia da i
Boa-Vista, becco do Pombal, com l port c 2 ja I
nellas na frente o um alpendre, sala adame e |
atraz, sendo esta mu pequea, 9 quartos peque-
nos, corredor no meio, os quaes quartos sao tres
ao ladu'da sala de aetraz, servindo nm dellcs de
coeinha, eom nm sitio com 18 palmos de frente
e trc asua poucus arvoredos, existmdo em dito sitio
II pequenas meiaguas que nao pertencem ao exe-
cntado; cm vista do estado e de nao pertencereni
ao lio as ditas meiaguas. foi avaldo dito sitio
por 2:000*, a qual casa foi penhorado por exeeu-
^o de Rufino Jos Mara contra Jacintho Jos
('"tlir'il
E as havenao langador que cubra o preco da
anliacio, a nrremalaijao sera eta pelo prc-co da
adjudicacao na forma da lei. .....
E para que ebeguo ao conliccuncnto de todo>
mandei passar o presente, que sera publicado pela
imprensa e afflxado no lugar docostume. Recife,
11 de dezembro de 1860.
En Manoel Mana Rodrigues do Nascimento,
Sacrivao o subscrevi.
Tristuo de Alencar Araripe.
Mcssagerics imperiales.
Al o dia 13 do corrente mes espera-se da Eu-
ropa o vapor francez hUtramadnre, o qual depois
da demora do cosame seguir para Baenos-Ay-
res tocando na Rabia. Rio de Janeiro o Monte-
video.
Para eondc,ocs, freles e passagens trata-se na
agencia ra do Commcrcio n. 9.
At o dia 11 do corrente mes espera-se dos por-
tos do sul o vapor francez Gtronde, capitao H. de
Somer, o qnal depois da demora do costume se-
guir para Brdeos tocando em Dakar (Gore) e
Lisboa.
Para condicoes, frotes o passagens trata-so na
agencia ra do Commercio n. 9._________
Porto.
Segu com brevidade a veleira o nova barca
portugueza Isolina, para carga e nassageiros,
para os quaes tem excellentes commodos, tratase
com os consignatarios Antonio Luiz de Oliveira
Azovodo & gij_rna da Crat S7 l0 andar"
GOHjPANUA PERNAMBUCANA
DE
Navegacdo costara por vapor .
Goyanna. \
lira para o porto.' V
ma, no dia 16 do corrente, as 9 horas da no
Recebe carga, encommendas, pasageuos e di-
nheiro a frete, no escriplorio do Forte do Mat-.
tos n. 12.
To dia 15 do correle as 10 horas.
O agente Martins far leilao por mandado do
I lin. e Exro. Sr. Dr. juiz especial"do commercio
de todos os movis pertencentes a massa railida
de Maia E-pirito Santo existentes no sobrado
n. 1 da ra de Bem Pica, assim como recebe
propostas pira a venda dos eseravos pertencentes
i m-*ina mas.-a, do conformidn-c eom o decrete
n. 169o de 15 do setembro do corrente ana, (
mandado podo ser examinado em mao do dito
agento qne dar qualquer infornucan.
grande fabrica de retinar e crys-
talisar assucar no largo do
Monteiro.
O agente Poolual. competentemente aulorsado,
vender em leilao os gneros di fabrica de refi-
naro crystalsar assacar, no lugar do Montcirw. a
qual estar em exposi'io das 8 horas da manhaa
as S d tarde, desdo o dia 12 a 21. No mesmo es-
tabelecimento encontrarlo as pessoas que o qm-
zerem examinar, pe*103 competente para dar as
explicacoes que queiram exigir
Seguiida-f- ira 21 do cor-
rente.
Daveni ter lagar o leilao no mesmo cstabclocl-
O Sr. Francisco Coraolio de Albuquerque
Almeda tem nma carta vinda do Rio de Janeiro no
escnplfriode Joaquim Jos Goncalves P.elirao, ra
do Commercio n. 17, 1 andar____________
Cozinheiro
Precisa se de nm bom cozinheiro que lenha boa
conducta, para casa de peqnena familia, paga-se
bom aluguel agradando : a tratar no caes de
Apollo n. 69.____________________________
Na fundicao da Aurora se entregar um di-
nheiro que foi achado na ponte do Recife, dando o
portador os signaes certos e pagando este annun-
cio.___________________'_______________
Nova tinturara franceza
25RU\ DAS FLORES25
Otto Wchncider
O proprietario desdo importanlo eatabcleciinento
tem a honra do participar ao respo.iiavel publico,
quo fondo mudado-se da ra do Rosario da 11 .a-
vista para a roa das Flores, achando-se bem mor.
lado com machina e tintas de todas as quahdades
proprias a perfeicao de seu trabalho. Tinge se e
lava-?e com a mior perfeieo toda qualidade de
azendas, em pecas ou em obras, do quaesquer
qne seiam, taes como, 15a. algodae, 4-da, touqmm,
rfaj- de Miro e de manilha, palrf nha de todas
as cores : os senhores negociantes, legistas e par-
licnlares experimentem, que todos adiara) pro-
veito e vantagens.____________^___________
Precisa-se de um portugus para feitor de
um eogenho distante desta praca 12 a Hlegoas :
quem estiver nestas condicoes drija-se a botica da
praca da Boa-visla n. 19.
- Prwisa-se de nm moleque para o servico de
casa de homem solteiro : na ra do Mondego nu-
mero 93.____________.
Aluga-se o segundo andar da casa da ra
do Amorim n. 21. no Recife : a tratar na mesma
ma n. 52, armazem._____________
O vapor Nw^._S^Pj^^ii5M^ s 11 horas.
AVISOS DIVERSOS.
COMPANIHA-R AMBCANA
%'aTesaco costera por vapor.
Parahvba, Natal, Maco, Mossor, Ara-
caty, Cear, Mandah, Aearac o
Granja.
_i*^y O vanor Pirapama, commandantt
J/ll Turres, seguir para os porto?
3nf___ cima no dia 15 do corrente. as 5 hora.'
la tarde. Recebo carga at o dia I i encom-
mendas, o passagoiros e dinbeiro a frete ate as
i horas da tarde do dia .da sahida no escriplo-
rio no Forte do Maltas n. 12. _______ ._
Porto.
ESTITDO
i lllj rlujlllil
Jos Soares de Azevedo, professor de
linoa o tleratura nacional no gymnasio
provincial do Recife^ tem aberto em sua
casa, ra Bella n 37 :
Un> curso completo
de Llusoa porugiieza ; _
d^ Liagoa franceza. versoes
oraes e escriptas dfl porluguez para francez
e vice versa, de conlnrmidadc com o novo
Achouso urna carteira contando certa quan-
tia e bem assim um pequeo embrulho ; a pos-
so a-quem pertencer taes objectos, dan Jo os sig-
naes certos os receber, salisfazendo a despoza do
presehte aiinuncio : a tratar no andar do so-
brado da ra do Pilar n. 131. ____________,
AMA DE LEITE
Preeisa-se de urna ama qne tenha bom leite, e
que nao tenha filho ; na ra do Livramento n. 3b
1 anlar.______________________________
Attencao.
A' na Nova n. 46, preciaa fallar-se ao Sr. Joao
Pitangueira Paes Brrelo, a negocio que nao
ignora. .__________,______________
Na noite ue 30 de noveiubro prc ximo passa-
do furtaram do cercado do engento Araripe de
baixo do termo do Cabo, um cavallo ruco com a
canallas nidadas, dinas o cauda tambem nidada,
em grao, anda baixo brando, e ao me:o um poueo>
atrapaihado, quando furtaram eMava um poBeo
mancjido do quarto esquerdo de ain salee levou, Mado de 8 annos, penco mais ou menee,
taro?nao regular, um tanto pesado ubica, o
espora nao muito ardigo, tem no-espiobaco ca-
bellos dilferentes do una bexiga que teve, n
quarto dircito tem algnns ferros que se ignora,
e cima delles o seguinte K, o esta ventado das
inaos : quem o apprebender ou der noticia certa
no referido cugonho, ser gratificado : pede-sc as
autoridades policiaes qne recommendem a appre-
lienso do referido cavallo._________________
PHARMaCII
ESPECIAL HOMEOPTICA
DO m. SABINO 0. L. PWttO
43Ra Nova43
MI* A DE H%-Ui:
D. Umbelina Rosa de Lima l'inho, viova
do Di-. Sabino Olegario Luugcro Pinbo,
achando-se compelentemenle autorisada
pela inspecc3o de sade pobHca continua
com a botica homeoptica do seu finado ma-
rido, ra Nova n. 43. I ija de marmore,
tendo frente de seu estabeleeimento a
mesma pessoa habilitada que prepara os
medicamentos cora todo o esmero e asseio
como d'aotes ; e ped* a jconfianca de seus
numerosoros freguezes c do respehawt pu-
blico enviando he suas receitas e encom-
mendas que serio preparadas com a maior
promptido e escrpulo e pelo mesmo preco.
Neste importante estabeleeimento acba-se
ludo o que necessario para a pratica da
HOMEOPATHIA: medicamentos em globa-
les, em tintura, carteiras portateis e caixas
de medicamentos em glbulos o era tintara
de diversos taannos.
Vende-se igualmente o THESOURO HO-
MEJPATHICO OU VADE MECTM 00 HO-
MEOPATHA pelo Dr. Sabino, obra de reco-
nbecida necessidade pratica da liomeopa-
thia. t .
Acha-se venda no mesmo estabeleei-
mento ; cli verde a 3$0e0, a libra, cho-
colate a 2;*000, tildo de superior qnalidade.
Attencao.
O Sr Dr. 'Francisco Joao Carneiro da Cimba,
tem ra Nova n. 4G, orna carta para ser-lho
entregue.
Ama ou cosinlieiro
Precisa so; ra flo.Queimado n. $ toja.
Pedido
Vai sabir breve a barca Lnnra ; para carga e
nassageiros, trata-so com os consignatarios Larva,
Iho & Xogueira, na na de Apollo n._0.________
BAIflA
Se"ue para a Dabia impretcrivelmente nestes
:. S:, .__._ jt;,|ana srrt : quem quizer
programma do governo;
de fieographla rrtiysica,
poltica
DECLARACOES.
seis dias a polaca ..
carregar para aproveilar a brevidade, pode <
gir-sc ao consignatario Joaquim Jos Gtica
llcltro, ra do Commercio n. 17.
iliri-
Ives
e astronmica;
de Historia universal:
de Phllosophla, Racional e Mo-
rol
-L de Rhetorlca c Poctic.
As pessoas que desejarem frequentar
qualquer ou quaesquer destas aulas, podem
dirigir-sc indicada residencia, de manhaa
al s horas, e de tarde a qualquer hora.
Pedo-se aos segnntes Srs. se digoem gfePa-
recer na loja do PaCo roa do Crs^jjk7 A, a
negocio de scu particular interesse : Antonio I e-
reira do Souza e Domingos '
Monteiro.
Martins d Barros
AB4CATY
18:493*659
CONSULADO PROVINCIAL
rioDdimentododia l a 10. 8.:B5_
Idem do dia 11.......__8.8i8M
iiV.Ut">5693
PMCA DO RECIFE
EM II DE DZRMBEO DR 1869, 3 HOtU DA TARDE
RKVWT.% SBMAXifc
OvMnto.Solire Londres sacou-sc a 19 .1 s 1
: & e 20 d. por l. Sublndo o total dos saques
.alisados durante a semana para a huropa a
26 10 ,000.
AwoD.vo.-0 de Pernambuco, escollado c: rega-
lar vendeu-se do US a 1300; o de Macelo,
posto a bordo, a ii8'; co da IMrabvha, dem,
.lo lii3300 a 14500 per arroba ou 13 kilogram-
"'Assucar.Vendeu-so o mascavad o pnrgadoiie
....00 a 33700,"c o bruto americano de Jalona
;: 5180 puf arroba.
Aguardb>tr.-Vendeu-se a 90(i Pinina.
Arroz.O pilado da India venden-e do 3*800
t :;& os 15 kilogrammas.
Azkitk-doe.Vendeu-sc o de Lisboa e o do
Kstreito a 4* pr galio. ...,,
BACvLHo.-Em aucado vendeu-s a 19A000 c
amullio d'. 19|t por barrica, cando em
deDosito aerea de 14,000 barncas
VTAT..-Vendeu-sa a U0 o g.go de 3?
in___.-Mem de 5800 aJtfflot arroba.
r..u. -dem de 3*100 a !#W a libra.
Conselho de compras
navaes.
O consrlbo contrata em 13 do corrente nrz,
avista de propostas reeebidas at as 11 boras da
manhaa, e sol as CjndiQoes dieslylo, o foracei-
inento no trimestre prximo vindsuro de Janeiro a
marco de 1870 aos navios da armada e estbala-
ciineiitos do inarnha dos seguintcs objectos de
rardamento. .
Para aprendices artitices.
Bonets dn uniforme, bonets diservieo, blusas de
brim braiKo, blusas de algodo azul, blusas de
panno azi." calcas do brim branco, cateas de al-
godo azul, camisas de algodczinho, cobertores de
la, cobertores de algodo, calcas de panno azul,
eolches de linho cheios de palha, fronlias de al-
godaozinho, lencos de seda preta para gravata,
lences de algodSozmlio, sapates, saceos de gn ir-
dar roupa. e iravesseiros de linho cheios de palia.
Para imperiaes marinheiros c aprendizes
ditos.
Bonets de panno nal, camisas de bnm branco
calcas de algodo azr.l, camisas de algoda > azul,
calcas de panno aznl, calcas de brim branco, ca-
initas de baila azul para imperiaes marinheiros,
tendo 4 l|2 palmos de comprimento no corno e 3
as mangas inclusive os punlms, camisas de baela
azul para aprendizes maiinheiro?, tendo 3 patrios
de comprimento no corpo c 2 as mangas metas!
ve os punbos, rardetas de panno azul, lencos de
seda para gravatas, sapatScs e saceos de lona para
marinhagem. ,
Para artfices avulsos.
Blusas de panno azul, Ilusas de algodao azul,
calcas do brim branco, calcas de panno azu cal-
cas de ateadao azul e camisas de algodaoznno
Tambem o conselho contrata no mencionado da
13 do corrente. por igual forma e tempo indicido,
o forneciraento aos navios da armada e estat ele-
mentos de itiariBha, de lenha em achas e sal.
Sala das sessoes do conselho de campras na-
vaes 9 de dezembro de 1869.
O secretario,
Alexandre Rodrigues dos Alijos.
Seguc nestes dias o palhabote Sobra ten-
se, anda recebe alguma carga frete a ti -a-
lar com S Leito & Irmos, ra da Ma-
dre de Deus n. i.
Na-ruda Mocda n. 5, i" andar, escriplorio
de Manoel Alves Ferris &:G.. vende-se vmho
verde superior em barris ancoris com vmho do
Porto superior e malvazia branco.
Collego de S. Francisco de
Paula.
O bacbarel Fraacisco Jos llabello. competente-
mente habilitada pela directora da instracejo pn-
maria.tem aberto un collegio para educacao pri-
maria e secundaria do sexo masculino, a tra\es?a
dis Barreiras ir No mesmo collego se pone-
rlo desde i nserever os alumnos quo pretende-
nm frequentar o curso das ferias no qoal cape-
cialmente se ensillara > as maferias para os exa-
mes na lacuidade no mea de margo.
AMA
LEiLOES.
Precisa-se de urna ama para casa de pouca fa-
milia ; ua ra das Cruzes n. la.____;________
Eagomndeira.
Precisa-se do urna criada para engommar :
ra do Imperador n. 73, i- andar._________
na
AVISOS MARTIMOS.
LEILAO
Segunda-feira 13 do corrente
De calcado e fazenlas avanadas sob marca
F. A B & C. n. I03ttiL caixa colgado ; A KS
e E A B & C. n. 10157, mesma marca e n.
10359, mesma marca c n. 103363 fardos es
topa ; mesma marca e n. 103711 dito cober-
tores de la. _
' i: A Burle t C. farao leilao por mtervencao
do agente Oliv ira, c por conta o risco de qneai
perton er, dis mercadorias snpra mo.>cionadas,
avariadas d'agua salgada conforme ;a declarado
dos peritos nomeados pelo lllm. Sr. cnsul de
Franca nesa cioade, vindos do Havre pelo navio
Solide, capitao Bern.
HOJE.
as 11 hora da manhaa em ponto, em seu arma-
zem ma da Cruz n. _8._______________
LEILAO
De duas casas terreas sendo urna
com grande sota,
O agente Pontual *competcntemcnto auiorhado
vender; em leilao una casa terrea sita a ra da
praia do Caldeireiro o. 37, solo proprio o grande
quintal, urna dita com urna sof, solo ^orJ^0.>1|,;
ta ra da Palma ns. 90 c 9, a qual rendo 6I__
annuaes. Os Srs. pretendemos poderao examna-
las o concorrerem ao leilao.
Terca-feira 14 do corrente.
No l" andar do sobrado n. 62, ra da Crnz,
as 11 horas.__________________,---------
.MU
Precisa-so de urna ama que engommc b 1
ra casa de pouca familia : na ra da l aiao
Manosl da Silva Jacome Pessoa, convida os
prenles e amigos do finado Antonio de Souza
Guerra, para assistirem a missa que por alma ao
mesmo finado manda celebrar _-W ^J"
Cruz as 7 c mea horas da manhaa do di
corrente.
_ Dase de aluguel para passar-se o tempo da
festa, urna morada de casa de cal e lijlo com um
bom sotao, para tomar-se fresco, tendo dita casa
um bom poco com excellento agua para o uso da
mesma casa, sendo a sobrediU casa .__
Srdt da .rea de N. S. da Boa Hora da dada
deOlinda, en d.reitura da ra do Cabral, defronte
da casa que foi do pharmaceuteo Braz : quem a
pretender para dito passamento da tata, dinJM>
a raesma casa aiinnticiada, onde Tallara com a pes-
"oa que a da de alugnel modianto a quantia de
10*0(10 mensaes. garantndo-se para sso com i-
nheros adantados._____________________
Preciosa publicaqao
juriica.
Commentario do Cdigo Commercial Porta-
guez c Brasileiro.
Vende-se na loja da ra do Crespo n.
_5 A esquina da do Quemadu. a impor-
tante e moderna obra sob o titulo de notaedes ao cdigo do commercio portuguez
em 6 volumes pelo Exm. Sr. cooselbeiro
Dr. Diogo Pereira Forjaz de Sampaio Pt-
mentel, lente cathedratico na universidad-
de Cuimbra. Os subidos crditos de que
goza muito merecidamente aquello eximto-
commercialista por si s bastariatn para re-
commendar to importante obra, quando
nao concorresse mais para isso a grande
vantagem de sor um ptimo commentano
ao cdigo commerc'uil brasileiro (na falta
absoluta que ha de quaqner mitro) pela mo-
\ima homogeneidade de entre multas das
suas disposicocs, e as do mencionado cdi-
go portuguez, que lhe servio de texto.
Cotrei pressurosos, distinda mondade
do 4." anno da Faculdade de Direito desta
cidade e notareis jurisconsultos, a prover-
vos desse poderoso auxiliar para vossos
traballios da scienci, c pelo preco commodo
de 205. toda a obra cnt G vol.
Sublime pnl> leafo literarla
sob o titulo de Memoria lo
llom Jcscis do MouCc, em
Braga.
Acha-ne venda na loja da raa do Cres-
po n. 25 A. esquina da do (Jneimado a pnj
morosa Memoria do Bom Jess do Monte ein
Braga, ornada de gravuras filias, segunde
edicJo, obrada petma de ouro dotnu illus-
trado lente da universidade de Coimbra, o
Exm. Sr. consellieiro Dr. Diogo Pereira
Forjaz de Sampaio P'nnentel. Quem tiver
noticia o% extraordinaria devocao que exis-
te em Portugal para com aquella milagro-
ssima imagem, affluindo .'emprc para o
seu magestoso templo em romaria o nume-
roso povo de todas as parieN desse reino ;
quem souber avahar as brilhantes desenp-
Ces, e o bello estado daquelle consurama-
do jurisconsulto c eximo Iliterario portuguez
nao deixar de procurar, quanto artes pro-
ver-se de um exetnplar da dita menwna,
pelo diminuto preco de 3:5, na luja indica-
da, onde ha pequeo numero bellas.
I
Precisase de una ama para casa de pouca
familia para eozinhar e engommar : a tratar na
ra do^Cabug n. 1, loja de joias.____________
" : csTd fe.
Aos 20:0O00O0.
Bilhetes do Bio venda : ra do Cabnga n. I,
vende Vieira & Bodrigues.______________
Precisi-se de ama ama para casa de pouca
familia : a tratar na travessa de S. Pedro n. 10,
1- andar, entrada pela ra do Fogo.___________
FEITOR.
Quer-se um homem qne entenda bem de
jardim para um pequeo sitio perto desta
cidade; no largo do Corpo Sanio n. 19
goramodidade publica.
is nossoas nuo orecisareni de amas deleite,.
rriaa^feitoVesiardincros,cozinheir)s,bolee.ros, U..^ dese_caininhado d"? letra* que dei Rn em eaiflci0s, morcadonas e mnbihas.
copeTos. caixeirs, tanto para a prata como para Grande do Norle Ihes foram remetdas e ace.tas 4 imento ^ eo
assim como quem precisar
Aluga-se o sitio denominado Olbo de Vidro, em
Parnamerm, com urna excellento casa de morada
de sobrado, cocheira, quarto para eseravos e ei-
tor, casa de fazer farioha, com P^ roda* c*.
cimba com bomba e tanque para banho graade
baixa de capim, ama fonte qne da excellente agua
potavol, muitos, arvoredos Jrucferos, a junde
Srande terreno para planttcao: quem o pretender,
dirja-serua ao Ar.gao n. 31, a ntender-se com
Manoel
Cruz.
Ferreira Ramos, ou com Jos Peres da
SEGUROS
MARTIMOS
CONTRA FOGO.
A Companbia Indemnisadora, estabelectda
_______I _es"ta praca, toma seguros martimos sobre
rme Porto & C. (azem scienteque ten-1 nav0S 6 seus carregamentOS 6 contra OgO
COMPANHIA PEKNAMBUCANA
DE
"Vavegatfio costelra por Ta.or
Macei,.escalas, Peoedoe Aracaj.
O vapor Pottng, commandante Mello, se
unir para os portos cima no dia 15 do corrente
5 boras da tarde. Recebe carea at o d a 14
-n-'o-ninendas. pasjageiros e dinbeiro a lre te ate-
as h .ras da tard do dia dasahida no esenpto-.
rio lo Portado Mattosn. 12.
LEILAO
alugar casas
o mato __,...- H-----r------ ,
tonto na cidade como uo campo, podem desta _
em diaote mandarcm os seus pedidos por esenpto
aos segnintes lugares : ra Nova n. 34, ra aa
Imperatriz n 68. ra da Cadea do Recife n.flo\
em Santo Amaro das Salinas n. 7b.__________
" pelo Sr. Antonio Benevides Seabra djrMeJIo no
data ^!|0r de i:S97E5270, sendo urna de 1:0001 e outra
De urna importante mobilia de jacManda a
Luiz XV com 18 wdeiras de gnarolcao, 4 ditas
de bracos e..n**w.um sofae urna jardineira,
ATTENCAO
de sq7#27 sacadas em 28 do outubro de 1869, a
vencerle cm 8 de abril do 1870 ; se previne a
que ninguea a?a negocio com ditas letusjwr
ficarem estas se.n valor algum, visto que orne mo
Sr Seabra se eompromelte aceitar noyas letras
om subsutuicSo s perdidas. Recife 11 de dezem-
bro de 1861.________________________
Pr^cisa-se d nma ama que
rico piano d. f.b icaote R Bord, um guarda i ros,n|,e pan Casa de pequea familia pre-
roupa de amarrim, t }^SJSVVSJ Wr escrava, a roa do Queimado n. ^
mesa eU'tica de amarello, 1 mobilia de Js .^ran-
d com II eatjeiras de gaarmeao. 2 dito- de bra-12. anflai.
compre e
re-
3_
AlflA
Em Olinda, ra de S. Beato n. 19. precisa-sei de
ama ama para eozinhar com perfeieao, praforin-
do-se ccrava, agradando na) so Heusa ^ boa
1 Pg-
Nao mais cabellos brancos.
A tintura japon-z i para Ungir os cabellos
da cabeca e da barba, foi a nica adraitda
4 Exposico Universa, por ter sido reco-
ntaecida superior todas as prep a vacos ata
boje existentes, sc-m alterar a sade.
Vende-se a lGtK) raia frasco na
Rna a Cada n. 51,
V aadar.


r
o 2
r-'o
2 3
sil 3a?
^" 5 v>
cb os ET. cr
a a o 3 _.
SE" 2J
"S" = O a
Diario de Penatmfcaco Segunda f *3~ de Dcfctok de 1869
& *(
&
s c
00 3 03 H'
i
$
S. o * Vi v> _
>2 2.Sg
g x c w
.O as 3 2
' ? e W
8 ^fP g
1!-S U
go
mmmmmmmmm
V
3 -> g S. c 3. ?*
CB = 3 ST
ce
C. f 03 O
5:<
3 -a
'/l
8
V3 .
o
as
o: g 1 g.aig
is|i8s,



\

(T (y
ir: ^ o = 3
o3 = s J^.3
:ftm*f
3 r* 5\3 Ja 5 & _
35- =sE = a S
^3 = 2.^" o- =L
2 a cu
~ c: -J ra
S-3. .a s* gn
a> M 3
L.. -rf
^

w O ~
O H. **'
p.!fra
1 1
Primeiro introduifor dos po instantneos da Abyssinea.
Estes po^os fofara espalhados na Euro-
pa, tanto guo qualquer duvida do seu
grande vaor pralico deve desvanecer vis-
ta das grandes vantagens.
Militares. de exemplos mostraran! que
elles s3o de grande utilidade aos industriaos,
agricultores e particulares; at em todas
as expedicoes militares dos ltimos tempos
foram usados para procurar sem demora
agua fresca o pura, e tanta quanta -so pre-
cisaba.
En todos os logares, onde um poco ca*
vado ou fnrado (pelo systema antigo) dara
agua, pde-so empregar os pocos tubulares.
Elles facilitare adiar agua muito mais
depressa, mais dristalina, mais fresca e
iftais barata o que por meio dos pocos
cavados.
0 systema dos pocos tubulares o uni-
co pelo quai se possa obter agua perfeita-
mente pura, livre de todas as substancias
nocivas e preservada de todas as influen-
cias athmosphericas.
Por meio de urna machina muito stares, consistindo d'ura macaco, impelle-se para
acBti-o aa trra um ubo d ferro, euja extremidade inferior est furada e munida
d lima ponte d'aco; e logo que a *Mda mostra agua no mesmo, deve-se atarracliar
a bomba e faze-la fenccionar. Ao principio a agua ter substancias arenosas e terreas,
porem logo se clawflca, e em ponen tempo sahir agua perfeitamente lmpida.
Outias vantagens que apre Pnmeiramenle, a promptidio cera^jue se executa toda a obra do assentamento, que
muitas vezes nao-va mais de urna hora, sem remocao alguma de trra:
Segundo, a ommodidade qae elle offere-ce de ser n3o somente collocado fra da
casa, como tanriem dentro da mesma, com nao menor facilidade :
Terceiro. ajfudlidade cok que se tira para fra da trra o poco sera o estragar
para o collocarei noutro lugar:
Quarto, a grande quantidade d'agua que elle pode dnr :
Quinto, a possibilidade de tornar, uleis com pouco t'rabalho, por meio delle os po-
cos cavados qe foram estragada pela ara ou por oulras causas
Pi-ecisanA-se de urna grande qaSnUdadc d'agua pie-se introdusir na trra di-
versos tubos unidos uns aos outros por meio d'um apparelho muito simples.
Lm lagar das bombas aspirantes geralmente usadas, pde-se foruecer bombas de
wmpressao para elevar agua o conduzMa aos andar s superiores.
O emprego dos pocos tubulares 5 sobre ludo proveitoso aos fazendeiros, que em
cpialquer campo onde o gado precisa (Pagua, os podem collocar e arranca-Ios para se-
rem colloca E' tamben de grande utililidade aos fabricantes de ceneja, aos distilladores e a
odos os fabricantes emgeral, c cmn especialidade aos empreiteiros, aj-chitectos, en-
genhciros^ todos aquelles bsie motiioto e o nico para obter em qualpuer parte agua, que seja vre de par-
tculas nocivas, elle e tamfeem nroveitoso aos proprietarios de casas e jardins, tanto
jara o uso diario como pan regar asptealaces e capim.
BORZEGll IHM4D0
Nova loja ie calcado
JOAQUIM DAS DOS SANTOS A C, acabam de abrir om stabelecmeiito de *^
?.doestrang(5iro a ra Nova n. 30, onde o ptfblico cMonlrarJ ludo o qnewstege-
uerode commercio ha de memor e de mais gosto-em Paris e Londres.
Por todos os vapores transatlnticos recetro clles constantemente remeaa9 d-
taicado nevo, pelo que-tera semjffe o eslabelecimento o que a respeito se pode eli-
gir. Ao publico em geral e a seas amigos cm particular, pedem a coopera?, qo*
ibes possam dispensar, certos de que ser5o senidos com lealdade.
GUSTAVE
CABELLEIHEIRO FRANCEZ
51-^Rua da Cadeia do Recife51
Chama a altencao dos seos innmeros freguezes, e do rcspeitavel poMic em
geral, para a seg-nnto tabella dos precos de sua casa, os quaessao violo por cents
mais barato do qae em outra qualquer parte, comecando no 1. de dezembro:
Cabelleiras para senhoras a 2S|JI, Cadeias para relogio a U, 6->
3033,5 e......40000, U, 85, 9,?, \U 8.
Ditas para homem a 33-J, 405 e 50^000'
CoW i!5* m- l8^ *&> Corle de cabello, ....
15.-5OOO
Ciirte de cabello com fricro.
255, 30,5 e..... 30)5000
Crescentes a IU, 155,185,205,
255, 305 e..... 325000 tur,e de cabello com lavagem a
Cachos ou crespos a 35, 45, 55, | cbampou......
G5, 75, 83, 91 e. 105000 Crle dc cal)ellocoin bmpez da
'Rranca de cabello para annel a caneca pela machina electri-
500 e....... 15000 M unica em Pernambuco. .
Tranca para braceletes a 105, Frisado ingleza ou franceza.
155, 205, 25 e.....30-5000 Harba......
SSIGNATURflS MENSAES
Especialidade de penteados para casamento
Bailes e oires
O dono do eslabelecimento previne as | Rccommenda-sa a superior TINTURA JA-
Exmas. Sras. o aos cavaiheiros que ha um PONEZ.V para enegrecer os cabellos e bar-
salSopara tintura dos cabellos e barba, as- ba unica admitlida na Exposinio Universa!
como nao prejudicial saidc, por ser vo-
sim como um empregado smente oceupa- la(i|i analysada e approvada pelas acade-
tcrncssir servtni. mi.is do sc'iencias de 1'AKIS E LONDRES.
Pedimos aquellos que nos qpizerem
honrar com suas encommendas do nos
communicar: l. eU que pi-ofundidadc se acha a agua, o que facilmenle se pode verifi-
car nos pocos ou cacimbas v.sinbas; 2. de que especio sao as carnadas da Ierra da su-
perficie ate a carnada que gatera agua ; 3o em que especie de carnada se acba a agua
iiaqaclle logar: 4. bnanl.nenie a quantidad dagua que se pede por hora.
| A eollocacao do poco Rea por conta do comprador n!Terccendo-se porcra a empre-
sa a emprestar o appareHio de assentamento mediante. una retribuicao a coavencio-
' Mr, a quai s regular pelo lempo que se aehar fra.
i Tambera encarrega-se de mandar urna pessoa hahiRlada na eollocacao d'ess- s po-
jos, pagando o comprador alm do sustento e dfespez.is de viagem (ida e volta) um
lornal previamente convencionado. .-.r
Mas pnra os fayares longmqfqs qtralquer pcnsoa hbil ou artsti-
ca pedir colloca-tas sem embdra^Lsingm'h-se nicamente as ins-
(yurces que nc< mpnnham as rcfmdas bombas.
! As pessoa* que quserm apreciar o trabalno dos referidos pocos, podem ir ver
;f.nccionar i ra da FlooeMoa. fabricada arveja n. 20, em Beber.be era casa do Sr.
Se ""CS' n CaxM8 n-,10,d Junt0 Poule o uo Arraifl^cm casa do annun-
Para encommendas e mais-esciaredmentos a respeito a tratar na loja deSr.F
. Germann; ra Nova n. 21. .'
Gi:-!avo V.Vrtheimer Ura a honro de informar o lllm. publico que muJou o
DEPOSITO DE PIANOS E MSICAS
para a
ttoa Sova n. 08 primeiro andar (casa do Sr. Pinto)
ruw a tor um completo sortimento dos j bom conhecidos pianos da fabrica de Boiselot
'.'' ''muros bflnsautures e de msicas as melhores edires. l'udos os .'on-ertos e
ryn fpiios com -----------v
Toda promptido e perfeipo.
00
3
Q3
LOJA DAS MACHINAS
FABRICA DE PIANOS
DE
J. IGIE
J. Rhigass, successor
55Eua do Imperador55
Nesta antiga e bem conhecida casa, enconlrar-se-ua como outr'ora grande sor-
**meno de pianos construidos expressamente para o clima deste paiz, e Mr. J. Rhijrass
ende trabafnado muitos annos na construccao fie pianos em Paris, acha-se habilitado
^ preparar os pianos que i-ende com todos os accessorios indispensaveis nao so sua
Oudec, como sua durac5o. Todos os pianos sao garantidos.
Tambem ha neste eslabelecimento, grande variedade de msicas novas e dos
menores autores, tanto vindas de Paris como do Rio de Janeiro, que se vende mais
oaratii do qiu em outra qualquer parte; assim como ha igualmente venda todos os
wbjectow necessanos contrucce piano*. Os concertos e afinacoes de pianos sero
fertos com o maior zelo e cuidado. %
Acabam le olir-gar grande quantidade das ertadeiras machinas americana
para tiescarocar algodo de todos os systemas e tamanbos seguintes:
1 serras \i serras
14 ditas 14 (iitas
15 ditas 15 dita8
10 ditas ij ditas
18 ditas i8 djtas
20 ditas 20
2 ditas 92
-2f ditas "8
30 dilas 30
35 ditas 35
O ditas 40 u
clSSl^^iTc^'^'T11101?03,6 re*-Ms Pessoas que deilastizeram en
snfte^^^^ de as mandarem busca-ias mais ** P
ditas
ditas
ditas
ditas
ditas
ditas
RA DA CADEIA N. 56 A
Esta nova loja de miudezas a roa do Calinga n. 8, vena fazer sua apresenta ;
ao publico esperando em breve ter freguezes. Esta loja ter cn.-tanteiiieule por
mteresses e commodo de seus fii.turos freguezes completo sortirnento dos obj&aos
uiais procuradas oeste mercado para o ijut; estando !<-^^|mi' interessi-s a utra cas.i
importadora desta prafa tem i'eito encommendas tic artigo* especiaos como os que abai
xo descreve paro a nomenclatura delles reclama allencao das pessoas que weWsa'rem -.
Lindos coques enfeilados Vestuarios completos para c mesmo firn.
Meias para senhoras (o melhor no ge- 'J'dalhas de labiriathos
ero).
Esportillws hygienicos.
Lindos jarros para flores.
Toucas o sapatinbos de croch,
Entremeios e babadinhos.
Facas garios e comeres.
Carteiras e saceos para via^cm.
Grinaldas flor de larangeira.
Ramos para o peito.
Vis poras (caixa de Jacaranda)."
Aderecos do camafeo.
Fitas brancas com inscripeoes de casa-
mentes.
Chapeos, toucas e sapalinhos* de seda
para baptisados.
i Collarihos, purihos e gollis bordados.
, Hrincos de azeivlche montado em doma-
do arligo que se confundo com o verdade-
ros de ouro- e garanie-se a perleicao e du-
rarn,
I Cintos largos o filas para o mesmo Gn.
Ricas litas cora os necessarios para cin-
I tura.
Lindos aluns para retratos.
Compl to sortirnento de flores, perfuma-
rias dos mepWes fabricantes e muitus
outros artigos que nao podemos ennume-
rar porque temos um espaco limitado no
1)-ario, porem, os nossos freguezes lera*
todas as quinseoas listas de novos arligos.
Aguia Negra-Ra do Cabuga n. 8.
INJECTION BRO
mrtttMt iDfailtvel t rreMrvaUta,
uttnmttfttt botieM i rniMi. (giitr >
i Mu hmlmmi Mrt.u. m
jut cura di licniniiii aduiii*o. V l>u,f
4 ). (NaM H otaUwM.) -< Ptfit; t m
ifl..nm3jifiiqpwi
ARMAZEM
EXPOSICAO DE LONDRES
60--BA DA CADEIA DO RECIF60
, ditas com pertencw para costura, ferro de engommar, nao sendo nreciso carvo nem focareiro. marhin, a* i.Kr h,,J S"PlTaf"P!Lax?s
is, ditas
baler
coa ue.tenVe nara cmn Vm Z'aZ^Z -' o.u_miW, ,,..., u,,, i-iahium. vasias com emeites muito proprias para presentes, caixas
, S? SiS ierro de engommar, nao sendo preciso carao nem fogareiro, machinas de oVfir batatas, ditas para nrenarar a carne nara mii-
lADA CADEIA DO RECIPE ~- 60
C
1
-i
a
500
500
i 000 !
1/5000 i
500 1
250
-
'



I
"Drio d Fernunbtto Segunda teil 13 de Dezembro de 1M.
5
gbande amazem de
_ GOPt
PIANOS, MUECAS E MT
* DE
N. 11--RUA NOVA-N.
*
Partecipa ao respcitavel publico desta cidade e das mais
ca, acaba de cbegaF uta grande c esplendida sortimcnlo de -r__H__T___r __*.___! ___
O que lia de mais moderno, de teclado Seo e mobile, e com transposico ou sera ella, de autores
afasia Jos e bem conheciitos pianos da fabrica do Sr^
provincias visinhas, que o seu grande bem acreditado aroazem de indumentos para
must-
**
K
AFFONSO BLONDEL
osraais acredita-tiesta cidade, como sejam : os
Aluga-se urna casa com grande (fiiiolal, con-
tendo 2 salas, 3 quartus, c ziohi fura,.com grande
copiar fura, caiaua e pintada dnovo, confronte_a
rasa do Sr. Paulo Jos (orno* b "sitio do Sr. Joan
Jos da Cunlia Lages, ua Capunga, ra das Cren-
las n. 28 ; asii cc-mo unia.outra casa no Pt>C"
da Panella, imdo Rio n. 2, corteado cala.-, 3
quartos, cj/.flhji lora c grande qainial, caiada e
pintada di' nevo, muito propria pura passar a fes-
ta : a tratar ua travessa da Madre de Dcoj na
mero 18. _!____________
Ataca-e nina mulata j de idade para leva
meninas eo*a as horas do costume : a trata
uasobradojd sla de danca no largo de S. Pedro-
Na prava da Independencia n. 33 se da di
nbep sata* pejriieres de our^ praia e paraf
preciosas, seja qual ror a quantia ; e na mesm
casa so compra vende objectos de ouro e prata.
e igualmente se fai toda e qualquer obra de en
commenda, e todo e qualquer concert tendenU
mesma .arte.
AVISO.
Aluga-se duas casas na ilha do lletiro (jun-
to a pon da Passagem da Magdalena), lugar mu r l)''
.-adi e fresco, urna della de bastantes commouos, liairaia
mmitm w--_- ^ .n~,n"~^iv7fransfri_lo e a*S2Bado Dlo dito Sr. iUjWldei. listes pianos, laDii- teBdo j banboii* tato para se totoar banhos; a
de Pars, de miera o anunciante o o unko agente neSta cidade, como prova c0***^?**"}^^ EllT sao aqni bastante cenltecidos desde 1841, para que tratar o Sr Una Hanoel Rodrigue Vaienca
rados especialmente para o clima deste paiz, sao os nicos que offerecemurna. g arania segura desua da a ><>* f sao *} do ^se ta a todo8 os caprchos d i rqa das Trlnel.e.ras n. SO, 1- andar.
J. listes pianos, tabri-
Joa.iuini Pereira Arantes, com loja de calcados
aa praea da Independencia ns. 13 e la, roga a to-
dos' os seus dcveui res de contas antigs que vc-
nhjm pagar al o Ihn do anno correte, son pena
de, passando as ferias, entregar a seu procurador
para receber judicialmente.
A
T>-
As suas
soja necssario insistir sobre sua superioridade.
senhores pianistas. __ .,,
Todas as pessoas que compraren* pianos nesta casa, sao rogadaa a
atit nc'tdadc do numero de piano com o de certificado. TYTTinT TflA
ozes Tao Sto flauad-Te idiosas". El.es possuem um teclado qfe se presta
exigirem o certificado de origem
assgnadoJfltfSr. onde!, "afii de pro\ar a sua


do Kecife, < Hl
nado por mitn.
Mr. Alphonse Blondel, fabricante de pianos em PARS, declara' ao.r^speitavel publico de ^^
A NOVA N. II, armazem de Antonio Jos de Azevedo. Outro sini que tedos os seus pianos Wo aucompaanau
uukrt deposito de seus pianos na cidade
um certificado
de origem assig-
de novas
,-tc. Tambera tem grande sortimento de papel para mus,ea e desen ,o ; curdas Vg* J 0SmiS^S o b e'tojos para viag m. nbgics com despertador, vidfoa para
||,o de salas, ricos espedios donrados, qaadrados e ovaes. ca.x.nhas *^^**f^^ enconlrar Le neste arrnazem, o-p.al estar
esoeltws de todos os taraanhos, talatfarg:.. filas c agulhas para bordar, c muttos outr- s rugos.que orespciu y t
aberto todos es das ate s9 boras da noito aim das Exmas. fainflias poderem ir aprecia, os seus pianos-
Allomas casas que precisaran de una en-
jorrmadeira, que engnmma bem roupa para
liomeni c senhoras: dtrija-se a ra de < rtao
n. 86, que serio satisfatoriamente servidos, aaer
na perteicao do trabalbo e quer na commodidade
dos pfcTOs ^.,____ __________.
ATTE
J. Ferrcira Villcla.
rHOTOCSR%PIII.t II1PBRI11
|ga RA tO CAilfi18
./ entrada pelo pateo da matriz.
ESper irnos que os trahnlh )s de reedificado desta
;.!i 4ograuhia que j dorara cra du ih roews,
Bstej un aenbadua at a prkMiRi qniuzcna do mez
. temhro prxima tolur.
o predio em que es.; enllocada essa diotogra-
phra ;.,-!, i-se mu au?mentaJo, e f a parto desti-
nad i so estibelociment.1 ,-un a cinco >alas, inclusive
.!< di lafcuratario. Todos os eoicenM a .inemcn-
''is i-.i.> -!.j (itoi expressamerta parase montar
mvu-nientemeote a pho pgrapbia, o nao se poda
I i melhor mdelo eseolhpr do que a Pkotoaraphia
''' de Sr. !'.-! v Paeltera de llio de Janeiro.
i:neiro photograplio do iasil, o um Jos pri-
uoiros do mundo, legando a opinio dos mai-
abali^ilos mestre?, i >u.va ^intotirapliia aftja-sc
ta e reedificada pelo niesmo plano d.- doSr.
I. Pacheco, a qual foi montad', sohtodas ns regras
ii^ndadas pidos nais di-iinctos professores
il< i ido com as ni dilieaciVs neeesjarias ao clima
i !'.i\i-i\ reconhecidas e e>tudadas pelo habilissi
hralieo Sr. I. Pacheco.
11 o inferior do predA m q"Qfc estt a nossa
|i!vitograpliia foi mudad o de-de a sol.ira da poria
di ra at a coberta tenlo-s-;.demolido todas as
i les interiores paia se tazerem as novas salas,
di:i an i i'. om n iva terraco envldraeado inui
espaeos.) e elegante.
; ni., sahi > lize.mo- ii'" esprossa-
in.T'' acorte para e.N-asninartWt as melhores
ihias d'ali c foi a do Sr. I. Pacheco, a
!,.-.. .i.-ior correspon ten aos nossos desejosc
.lnirrovjs e da qual tnuK-ino- os danos depois
.i n'i'esanuos todo uinfct* exudando e apro-
veitarulo as heoes do tao dhdincto inesirc. Pen-
ni.K que juntando os no-sos aludos e longa
pi-atica de t-' annos de phoiograpWa as utilis>iiuas
tu uldiamente iwer)i4a? d'Sr: f. Pafheco,
b inoatodo a nossa |>hotognpha como se
iieha, poden'oio.s. apenas encelar os nossos novos
irabalhos offerecer ao illnstrado publico desta
.-.a |... e aos nosos. namerosos fregaezes traba-
do ph itograpbia t i perfehos orno m peder
lesejar, e elisio co*eocios esperamos que conti-
ir.ieui a dispensarnos a inema proleccao com
que. a l"i anuos nos lein honrado o ajudado.
y
r.
insuem
G0B1ES BE WATTOS IRM0S
tendo feito completa mudanza em seu aatigo e
acreditado estabelecimento de joias, com o &n de
dar-lhe maiores propor^oes e elegancia, con\ridam
ao publico em geral e com especialidade as Exms.
Sras. de bom g;osto a comparecern pessoalmente j C^
das 6 horas da manha s 9 da noute na
RA DO CABUG N. 4
ondeeiioonlrarao um completo sortimento do que ha de mais elegaute,
bello e precioso em brilhantes, esmeraldas, rubitts e tudo queem.ohnw
de ouro, prata e platina se pode desejaf.
AOERE50S DE BlLHANTES, ESESESLDAS E/kUBIHS
de novos gostos, assiin como giande roxicaad d ilvaS-24paliteiros de
I prata contrastada e de gosto ainda nao visto, e completo sortimento de
' objectos de prata para uso das igrejas,
Compram e trocam qualquer joia ou pedra preciosa e garantan
a quaiidade dos objectos vendidos.
O abalxo ss^icrtindo, encarrepido pelo proprie-
tariodosillo ARoazinlia, em Beberibe, do retalha-
mentodoimiun siti-, por ter Mdo dispensado
des^e servicon Sr. Loiz Automo da silveiraTavo-
ra pode ser procurado pelos pretendentes aos lo-
ti's de trras qne rc>tam vtnder-se, a ra do
Imperador n; 27J andar, escriptono. Aon do
mingos-so encontrar para uuapsquermtormaees
naqui'lle mio > ooeo>-.iij-n Aolonlo ruiniin.no,.
drfjtties ene.
Ileeifo do dexemlMM SO looW.
jlo TilHireio da Suva .uiwaraes.
Olinda,
\luaa-se una exrellrnte casa para grande fa-
milia; a ma de. S. r.enn prximo ao pateo de S.
IVdro-velho, onde px^aou a festa o Kxin. Sr. r.
Braz PTorenlino- a tratar com o Julio da botica,
ri no Vfcm loirro com o Joao Coellio do Rosario de
Mat#*dfHqs. ____^^_^___
A pipo eos :
da Impera-
55Ruado Queimado_55
A VERDADE tendo m deposiu granfc
quantidade deraiudzasc peium.-nas. ** de-
sejando apurar dinheiro o adquerir bia fre-
Ruefia est rssolvida a vender Biiiitissina
bartto, ; por essa razio eoBvida ao resp-
tavel publico a vir competoaienierite unm-
do a sortir-se do borne barato. Poii quan-
do a Ver4d apparece, ludo mais apparece-----
Graado sorlment de boneoos de cr
masa as mais lindas possiveis vestirlas a ca-
rcter.
Abotoaduras moderuas para col-
lotea ......
Espelhos donrados pepnenos. >.
Agulhas de OS5 0 para croxc a '.
Pentes para regac. com esntas a
Ricos globos para candieiro de-gaz a
Chaniins a.......
Grande sortimento do objetos de
louca para brinquodu iL menino
com titila a.....
Dita com agua tloriila verdtdeira a
Dita com "lita dita a .
Frasco com oleo de babosa a 600 e
Dito com agua deColonia a U00
Garrafa com agua divina a. .
Frasco com extractos liuos a ."
Latas pequeas com baiihi ipuito
fina a li"e ......
Sabnnetes de (fvCTiS^Kili iades l
80,100,240 a. ....
Finas cscovas para (lentes de 120 a
Lindos coques modernos a. .
Pavios para gaz^luzia a 240 e .
Escovas para fado a 510, 000 e.
Ditas para cabello a.....
Pentes para tirar piolho a 1(50 c.
Brincos de cores, bonitos a Hit) e
Retas de tranca de laa com 8
i aras por. -. -,
"pa^-onacbinadt c**tiu.
Casa paraalugar
hg*4e nma easa na poyrtarao de
l tnt.ii' na tintraria franceza ra
tnz n. 5JJ /
Ao publico.
O ahaixo assicnadn tenrfo ci mprado a casa com-
inercial da vinva Caldas & C, entende fajer de-
clarar ao pnblico desta cidade que nao se respe
alila por eMto. alnim da mesnia vmva ncni
do seu finado marido Enea* da Silva Caldas.
Cidad-' do As- i* de onlnbrn de 181.0.
Tranquilino da Silva Antones.___
~m_Preeisa-se~do um caixeiro poriuguez de 13
a 10 anuos: na ra do Pilar, em Fura d Porta*,
taberna n. 84. .____,
340
200
200
:o
1684
320
100
800
1W00
l#XO
72>
rm
1^000
160
gfc
aooo-
320
700
500
240
20f
80
' lLI.W III lili I
LIG4
linda est para alagar
Dazem, a ma Nov;i n. 0.
es
te grande ar-
Aiia-se
.una casa em Beberibe : a tratar com J. I. de M
Itejro. ra do Commerdo n \V________________
~~^ Aluga-se una chs i ua ra do Coiovello n.
I : tratase no 2o andar d > inesmo sobrad'.
0 MUSEO DE JOIAS
..-.-i
r:EiSC53S.-
AMA
Na ra Augusta n. 5 precisa-se de nma sma
para casa de poaca familia fra desla cidade, que
sailia eozmhar e eji'jommar algiima eonsa______
Fgto no dia 8 do crrente mez de dezem-
bro de 1869, do cnpenho Giqul, frepuezia da Es-
rada, o esrravo Paulo, cabra, de idade 40 annos.
altura e eorpo regulares, barbado, cabellos enr.v
pinlios, peitos e pomas bem cabelludos, cara com
! iliaca* cosas com parencias de pieimadoras, vestido com
calca de bro, pardo, camisa de madapolao, cha-
peo de palha de carnauba, foi eseravo do padre
Lniz, mirador no* Alogados. tendo o mesmo es-
eravo mnlher e lilhos ne.*se ngar : paga-s 10O
de gratificacao a quem o prender e lvalo ao dito
engenho, ou na rui do Cabug n. 11 ao Sr. Fran-
cisco Antonio de Brito.
CASSAS DE COR
Lindas oassas francezas de cr* 400 rs. o metro, na luja
do Crespo n. 13, de Antonio Correa de Vasconccllos.___________
Ama
Preeisa-se de urna ama que compre e cozinhe
para casa de familia : no Corredor do Bispo n. 23
das Collumnas ra\ ^^^ Jj tenha pratcae
_________________ negocio, e que d fiador sua conducta, para loja
de calcados : n ra da Imperatriz n. 10.
Saliio luz a collecfo
ila vatios regulameutos de impostos altera-
dos o arcados pela lei n. 1507 do 26 de
*eternliro de 1*07.
wipreheudendo os de pessoal, esrravos, indas-
iras o proisso'*, sello (organisado alphabetica-
He, explicaud;) cada acto a que sello est su-
;.-{< >. se M Un empregar estampilha on verba
no primi'iro casi piem deve inntilisa-la), trans-
ni-.ao de propriedade, dizima de chancellarla,
i (lamentos, multas app'.ieadas fazenda publica,
etc., etc., c em appeudice o do cofre de depsitos
pblicos,
notados com as
nstruecoes o decisoes posteriores ate a
presente publicacao,
por
Francisco Augusto de Almcida,
! escripturario
da rerebsdorla de Pernambuco :
reflde-sa na ra estreita do Bo>ario n. 12, ai,
loni i-se de grande uUlidd* ao* Srs. advogado,
*.licitalores. negociantes e funecionarios pnbhcos,
.i acquisicTto desta trahallio. Aquollcs qoe assig
naram o nao rceberain prompiaiuonle, podem re-
el.imarna mesma casa. _____.
COSINHEIRO
Preisa-se do um cozirdieiro que seja perito para
casa de familia, prefere-so eseravo : a tratar na
ra do Amorim n. 39.______________
na ra do Com-
Precisase de um copetro
mercio n. 17, 1' andar.
Aluga-se a cusa n. o sita ra do Soccgo :
a tratar na ra dos Prazeras n. iiO.____________
Ra d3 Concordia padaria, precisa-sede um
amassaiorque venda po ; pagare bem.
O Sr. Custodio Joso da Silva tem urna carta
na ra da Cruz, taberna n. 32.
Precisa-s delim criado para casa d e ho-
mem solteiro : na ra da Camba do Carino n. al,
! andar.
Per iigueiro
Perden-se um cachorro perdipueiro, de ?ext-a
i ira para sabbadn da semana passada, d cor p"-
drez, om grand" s orellia* e mnehas cor de caf
-,: i a* r'i-tas: a pe-soa que o tiver agarrado,
p le i va-io i ra Nova, loja n. II, qu* sera bem
, --onnensa I >.
Aluga-se
o 3 andar do sobrado n. 8 ra da Imperatriz
a tratar com J. I. do M. Reg, ra do Trapiche
n.3l_____________________________
Ao publico.
Em OHnda,ra de S. Bento n. 19, acha-so con-
venientemente preparada urna casa para fnrnecr-r
comidas > oess^-as que quizerem passar um dif,
iu mesmo mensalmente, garntese aseio e prnm-
ptidio. Na mesma casa ha caf toda aa uoites
alsumas distraerles para O mesmo publico.______
Caixeiro
Precisa se alugar urna eserava que
s lilia cosiuhar para imiiia, a tratar na the-
MiM-aria das'loteras, ruado Crespo l.
casa ha mtm
Aos 4:0G0S
IjiQetes irarautWos.
A na do Crespo o. 23 e casas do costume
O abdixo asignado f.-idi vendido alm de ou
ua sortea, dous quarto n 87o conv i':000i| d:>
loMria qae -e aeabou de extrahir a beneficio da
(;,t, hora do O' de Goianna (129).
.->:> la no* pownd tres a virem jeceber na
uistume sein descont alguin .
se a venda os felizes bilhetes da 13'
parle do lotera beitoftl-io do patrimonio dos
urpbiui {'-iO'), (pie so extrair ua t^rea-feira l
. ato iner.
Preeos.
Os do c^stnme.
J||jBt Martius Fiuza.
Prec*a-se de um eaixriroeom pratica de taber-
na : trata-sc na ra Direita 18, loja.______
Precisa-se de um caixeiro com pratica da
taberna: na ra da l'e.nha n 33. ______-
Manoel de Castro omniarae*
Portugal, tratar de sua sde.
ivuia-se pai a
jEMPRESTIMO SOBfiEg
nnms
(SEM LIMITE.)
Na iravessa da ra
das Cruzcs n, 2, pri-
meiro andar, da-se qual-
quer qnantia sobre ouro,
prata e pedias preciosas.
O dono deste estabelecimento,
competentemente autorisadO pelo
governo, est as conditjoes de ga-
rantir a transacc5o que se fizer em
sua casa, promettendo todo e zelo
e consideracao s pessoa9 que se
dignarem de honra-lo om seu esta-
belecimento.
Na mesma casa compr-se ouro,
M prata e brilhantes.
'^i^^iMir'nitT.nt r*
Em casa de THEODOKO CHR1STI
\NSEN, ra da Cruz n. 18, encontram-s
eflectivamente todas as qualidades de vinb
Bordeaux. Imireogne e do Rheno.
Para escriptorio.
Precisa-se alupar urna sala na ra do Impera-
dor ou do Crespo : quem tiver o uizer alugar,
dirija-se a ru/lo tlueima'e n. II, loja.________
Aluga-se una negriuba de 14 annos para o
servieo do casa : na ra do Imperador n. 80, 3
andar._______________________Jt_______
Precisa so d um trabalhad>r : na reflnacan
da ma Imperial n. 51. Na mesma onipram-se
dons scHwns sendit nm de meia idade. _____
Companhia de seguros ulilida-
de publica.
A direccao paga o lo" dividendo de 285000 por
mvao ou 28 0|0 do capital realisado, do meio dia
s 3 horas da urde, em seu escriptorio ruada
Cadeia do Recile n. 42, 1" andar.
Recite i de dezembro de 1869.
Os directores,
Feliciano Jos Gomes.
Thomaz Fernandes da Conha
Precisa-se de um menino de 12 a 14 annos
de idade para oaixeiro : na ra das Cinco Ponas
o. 88.____________________________________1
Botica
Precisa-se do um offlei'al de ptiarmacia com bas
laut habiiaeiw : na roa da Imperatriz n. 77.
eo
frasco a.
Pennas d'aro finas CMxas a 800 e
Dita dX'o Perry, caixa a. ...
Galode algodo peca ''''
Lindos habadinhos c eiiti*t>meios
peca de 500 a.....
Ditos de louca muito fino a 140 .e
Ditos para calca a 10 e. .
Caixa com papel amizade a. |
Ditas ciim envclopes a. ": .
Ditas com obroias a. .
Caixa com agulhas fundo dourado.
Ditas de ditas ditas a.
Thesoura para costura a iOe
Caixa com linlia de marca'a .
Linlia de cores"em D jVelt (H-
bra) a.......I
Cairelis de nlia Alcxandrede-O
al 00. .
Grampos mtiilo finos com |
ros, (Itizi.i a......
Cartas portuguezas, duzia a .
Ditas francezas a 2)5200 e .
Papel almaco e de peso, resma a
-35100, 3BQ0 e
Ja muito fina para bordar, libra
Fita de algodao para debrum de
sapalos, peca a.....
Ditas de 13a para debrum Je ves-
tido, peca a ......
Pentes finos paia segurar ca-
bello a ."......
Ditos ditos de bfalo para alisar
a 210, 320 e......
Ditos para aparar penna a .
Rosetas pn tas. par a
Tranca de 13a decaracol pe;a a 40 e
Fita de coz peca a 480 o .
Alfinetes- de lati a.....
Sapatosde 15a paracrianca a 400e
Gravata de sedas de cores a .
Cslcadeiras a........
Grande sortimento de rendas das libas.
Um par de suspensorio de borracha por
100 res I I!! 11
Xa Verdadc rna do Qnelmad*
n. 55.
650
1A00O
ItHOO
400
1:W
200
24(
700
480
SO
80
*ltt>
390
280
BOi
100
2y
: tao
i*/
4 $300
50C
160
48
320
80>
100 -
100
100
i)6n
100
800
200
80
A 3^000.
O Sr iMencar, odicial de juizo, que
foi ou qije dizem ncha-se presentemen-
te residindo cm Gaaaelleira, qncira vir ou
mandar'dar iluoo sobre o impostes das
carrosas qu se mandou pagar pdo Sr., e
at o presme nrv lera apparecido rom os
documentos j deseja-se nao continuar com
este annuncio por mais dias. ______
AttenciiO.
Na travesa da ra do Ranga) n, W vendera-s.-
batas das iltimas desembarcada* a 1 o gigo.
e garntese urna arroba cada gigo : na ra do
Itangel n Va tiborna.
mgel n VAtibi
Alupa |o u
nto Antonio n.
Santo
n.9,1
andr.
n 2o andar atraz da tnalriz de
23 : a traur na ra das Crines
das 9 horas ao meio dia.
r
1
COMPRAS.
MI X
Comprami-se e vendem-se diariamente para fra
a dentro da provincia escravos de todas as idades.
jores e seses, com tanto que sejam sadios : no
ereeiro andar do sobrado n. 36, ra das Cruzes,
freguezia de Santo Antonio.
Caixeiro.
(>,, ja tonha pratica de
taberna d d fiador a u conduca, prjbrindosa
Jirasyiro : a tratar na ra Imperial n 47.
O Dr. !. B. l'asaooia, pode ser
procurado qualquer hora em seu CNSUL-
romo especial ttOMF.'PATHico, ao Iprgo da
matriz de-jBtp Atonto n. 2. No mesmo
rousultorM Me sempre venda os mais
acri'ditadflJBBRmentoS, de horneo.>ath a
e tu(]>i qllanto necssario,para as pessons
que se "dedicara ao tratamento por ese
systema.
No ennenho Jacar, comarca do Naseretb, e
precisa de dous hornens para seren empregad >s
no nw'-n.o engenho, sendo um para feitor de ("au-
po e outro para urna destilacao, prefere-se portj
gneze< ou liespanbes, ou mesm-* de qualquer ns
cionalidade ; pudendo so dirigir ao mesmo ene-
nho. entenileudo-so primoiramente com os Srs.
Leal & Irmaos no Recife, ra da Cadeia n. !fc
Ia andar._____________ ._______________
Manoel Jos do Araujo tem firmado >ua e-
sideocia em Canguaretama desdeo Io de jurho
ultimo.
Advocacia.
Carmino da Lima Santos, (o Clho)
bacha.biemdireito acha-se a ra
I estrei* doRosaiio q. 23 onde pode
I ser p/orurado das 0 horas da ma-
I nhia V 3 da tarde.
Compram -e inoedas de ouro e prata de to-
los os valores, ouro e prata em obras inutilisadas
rrilhantes e mais podras preciosas : na loja de
lurives (le aren d^Oxiceicao, no Recife.________
0 iauzeo de joitis
Na rna do Cabug n. 4 couipra-se ouro, prai
e pedras preciosas por precos mais vantajosos di
pie em nutra qualquer parte._________________
Um multo maior vaniagem compram-se
noedas de ouro o prata : na loja de joias do Co-
racjmde Ouro u. i l>. rna (!''.aliiigii.__________
Cnrapia-sn (hrc n* nm do Oueima-
ilo n. 10. RIVAL SEM SEGUNDO.
Cha verde de excellente aialidade : na botica
horneen} thica da vluva Jo Dr. Sabino 0. L Pmiiv,
ma Nova n. 43.________________________
Vende-se unicrro do quatroas^cn^os, par'
dous cavallos, c im arreios. Os pretendentes po-
dem vi lo na ra do Hospicio offlrina do Sr. bC-
raldo, Borradlo, o tratar com Vi.ente K-irnia da
(>>sta : ra de Riachuelo. ______________
Vende-so a taberna da ra da Concorda u.
95 : a tratar na mesma. O motivo se dir ao com
prador._______________________'__________
Vr'nde-se
um sitio em Sant'Anna com 140 palmos de frente,
com tostantes rmutos.quo botom pan o terreno do
Chacen, tendo artoredos o terreno fresco : a tra-
tar na ra das Trincheiras a. 21, a qual juer hor.
d<> dia.
- Vendem-se dous (iteiros e d ms raixoes pan
dci)o>it', e um pequeo, um balcao de.13 patai' .
ludo em bom estado : na rna do Amorim n. .IV.
Vendase tres Inte de Ierras as mas lti-
mamente >berus n'Agna H'ria *eb-rne, ond-
brevf passar a linha farrea, cujo< tenenus xa-
de 440 palmos ama dos Clrigos P de 770 i
rna de Santo Antonio, sendo nesu ra 440 palm
pniprio* para capim ou hortaliza por ser urna
boa baixa e fresca em todo o verlo : a fallar na
ra das Tri"ch'*iras n "0.
COMPANHIA
DOS
TRILHOS URBANOS
DO
RFCIPI. A* O-blWDA*
Compra-se travs com o comprime nto de
10, 20 e 30 palmos, e 7 1/2. 8, 8 1/2, 9
pollegadas de grossura e quina viva, das
seguintes madeiras : amareiln, oiticica, Si-
cupira, e outras madeiras de reconhecida
dorac-o para o cha ; a tratar no escripto-
rie da superintendencia da companhia
ru d'Aurora, das 6 horas da manha as
4 da tarde todos os dias uteis.
Escriptette da companhia, 6 de dezera-
bro de 1869,
Superintendente.
' Andr de Abren Porto.
JA FELIZ
As 20.000SOOO
No Bcejjte tormo da r#ncel^o a. 8
Os abaso assignados tendo-se habilitado n
forma .das ps, tem exposto a venda os aeus feli
zes bilhetejas loteria do Rio de Janeiro, na cas.
se pafaro as sortea qne sahiren
bimetes, com o descont soment
PRECQS.
lilhete inteiro 21^000
eos 12*000
jiartos 6*000
E do {OOpara cima a -l o bilbete.
Fi HOJR libras sterlinas e onro detudas as nacocs.
Bwim como prata, por maior preco do que eni
intra parte na*rM da Cadeia do Recife n. 08.
loja do azulejo. :
Do
i los e Arrau
com cinco
; ra do
1 cado por Vi
Perda.
ao Msngoinho, entrada dos Afllic-
perdeu-se urna cor rento do lalo
?es do gavetas:: qnem acnou leve
eoo, olaria n. 13, qne ser gratifi-
lino Jos* lepe?.
M IMPERIAL
fabrica de ceneja dos Srs. Ilciinqne Lei-
den. C ra do Sebo n. 15,
omniam se garrafas vasias proprias para vitfci
do que em qualquer
Vinho de Bucellas
qual dade suberior, em quartos de pipa,
vende-se em casa do Won Sohsteii & C,
ra da Cruz n. 9. ______________
Grande liquidapo
45Rna Bllrclta415
Borzegtnns de senhoras franeczes e d;
humen?, sapalos do senhora de marro-
quitn e de lustro, sapatos de brim pai;-
h'>mem. marroquins, taixa pata sapatos v
hoizcgnins. courinhos de cahra, sola o to-
do siutiraenlo proprio para casas i'uste ne
grtrh. que ludo se vende a dihheiro ^or
ni. nos do sen valor, por ter sido arrema-
tado 1 m leiliio e se querer liquidar cm pu.
eos dias.
55Ra Dirotln*-.________
Vende-se urna taberna propria para princi-
piante por ter poucos fundos : a tratar na ra i
Cotovello n. 2, mi rna do Sebo n. .14.______
pn rVrveja por mafc-r preco
oatra parte
ODAS.
Vende-se una eserava piola, cnoula, de 20
annos com urna rna parda, de II m.zes, a pnja
encema c eosinha, e nao tem vicios nem acha-
ques, o motivo da venda se dir ao comprador,
na Capune ra da~ Crellas n. 10-
- Vendo se ou permnta-se o grande terreno
enente-coron^ Carlw ';;,-,
(tratar na mesma ra n.213.
m que*-lew -
Martin ida, no Monteiro
do ('.ibug-. !!
Farinha de nilho
para cangica, papas, bolos, p*> e iwm mnitos
misten*, acaba de rtiesar algumas barricas desta
BXceHesM farinha, dos Bsladua-Uaidis. e vendo-so
no armazem de Tasso I raos, no caes de Apoll'-
Vendem-se dous excellenfts moleqnes do 12
a 13 anuos do tdade : na ra de S. Cealo nu-
mero 9. _
Vende-se um berco de jacaraoda com [uuc
u Vende-se urna ulMfrna sjU % rna Impei..
n. r95, bem afreguezida, laoto
4


Diano de Pejmunimco $egan4a eiral3 Je Dezembrtf i de 1860.

-
LIQUIDACO
EM IGUAL
1 proprietlrio do armazem la fazendas denominado AIURA, ra da ImpBra-
rf n. 72, dechra ao respeitavel publico e seus ftvguezos, que est liquidando toda* as
-zondas o roupas feitas que tem em seu estauoleoimento como se poder* ver no sen
nnnncio e proco abaiso mencionados,
Chitas francezas matizadas
3*0 rs.
Vende-se chitas francesas escuras matza-
las a 320 is.o covado por este preco so na
loja da Arara, ra da imperatriz n. 72.
lAAZINHAS A 240 RS.
Vende-se tazinlias para vestidos do sc-
inora a 240, 280, 320 e 400 rs. o co-
lado.
BAUECES DE LA\ A 500 RS.
. Vende-se bareges de 15a com liseras para
jsli'lijs do seahora a 500 o 6iO rs. o
.ovado.
Alpacas de Metras a 500 rs.
V< vie-se alpacas do listras para vesti-
ios 'le senliora a 500 rs. o covado.
CHITAS JUANGEZVS A 289 RS.
Vonle-so cuitas francezas claras a '280 rs.
C ivaiio.
TRS DE LA PARA VESTIDOS A
2-5400.
Vende-sc tartes d) lHa para vestidos de
uahoru a 2K cada nm,
PROCALKS A4ii\RG.^AyrAUT/. "~
\ondc-se percales muito finos para vts-
dos de seahora a 440 rs. o covado, mar-
wlmas brancas finas, a 500 rs. o covado,
onllianlinas de cores, a 4fcO rs. o covado.
aloes Moderno de todas as
cres.
Vende-s*ba!3es moderno sbranco e de co-
res a ii, 45500 e 55.
COBERTORES DE ADGODO A 1)500.
Vende-se cobertores de algodSo aM6fL
bertas de chitas a 1600 M w-'J na,
GANGAS PAUA CALCA A 30 RS.
Vende-se ganga para calca a 320 o cova-
do, brim de cores para calcas de harnea e
meninos a 400 rs. o covado, casemiras de
:res para calca e paiitots a 20500 e 3,
o covado, meias casemiras enfestadas para
alease paiitots a 15 o covado, brim pardo
de todas as qualidades e brim branco de
todas as qualidades na ra da Imperatriz
Q. 72.
Alpacas lizas a 10 rs.
Vende-se alpacas do cores lizas linas a
540 rs. ovado, tarlatanas de cores a 320
rs. o metro.
MADAPOLO ENTESTADO A 3,-ioOO.
\>nde-ee pecas de madapolo entestado
3;>500, aecas de madapol3o inglez de 24:
AlgodSo eofestado A 909 rs.
Vende-se algodo entestado proprio para
lenccs e toalhas, 900 rs. o metro, dito
trancado a lJ, metro.
Chales de merino a A.
Vende-sc chales de merino estampidos
a 2-?, chales blancos e de cores a i000
cada un.
CORTES DE BRIM CASTOR PARA CALCA
A 640 RS.
Veiide-se urna grande porcao de cortes
de brim castor para calca de homem, 340
rs. cada um.
(runde poreo deretalhos
Vende-se grande porcao de retalhos de
chitas e cassas pretas a 160 e 00 rs. o
cora lo, retalhos de cassas, 15a e chitas do
cores b.iratissimos.
LIQUIDAN A ROUPA FEITA
Vende-se paiitots do brim do cores a Z$,
ditos de alpacas de cores a 2$, di'os de
meia casemwa ai# e 25500. ditos de pan-
o prcto bom a 8,5 o 0&, calcas de algo-
do azul para escravos a 640 rs. ditas de
algodo do listras a 800 e t&, camisas de
risoado de listras a 800 rs. cada urna, cle-
les de brim c fusto de cores a 1061 #00,
coletos de cesemira de cores a 2 e outras muitas qualidades de roupas feitas
que se vendo por baratissimo preco.
Algodio de listras a SOO rs,
o corado
\enue-so atgodso ao nstras para roupa
de escravos a 200 rs. o covado
PECA DE ALGODaO A 40.
Vendetii-so pecas de algodo 45000,
S02OO. 6^000 e 70, para liquidar.
Baloes de reos A&OO.
Vende-se baloes de arcos pan senhoras
pelo baratissimo preco de 10500 cada om,
Cortes de cambrala barras
a 34000.
Vende-se cortes de cambraias barrsa a
2S e 3 cada um.
LENCOS DE SEDA A 640 RS.
Vende-se lencos de seda a 640 rs. cada
um, para liquidar-
CARTEIRA PARA VIAGEM A 10.
* Vende-se
cada una.
AS US SEDAS
11--EUA DO QUEIMAD0--11
Cliegaram da Europa pelo ultimo vapor loja de Augusto Porto A C. ricos
cortes das mais linda fedas de mimosas cores para vestidos proprios para bailes o casa-
mentas.
Grande variedade de sedas de listras de diversos procos todas de lindas core*,
gorguro de seda preta, e grosdeaple de varas qualidades e. gorguro fle'ieda 13a de
ditlerontes cores.
Novos vestidos brancos de blond para noivas, Kndas cokas de seda para camas-,
ditas do la e si-da, cortinados bordados para camas e janellas, fronhas e toalhas de
cambraia de linho bordadas.
Luvas novas de Jouvin.e elegantes sombrinlias de st'ds de cor para senhoras.
Lspartilhos de 50 at 10#, Jindos bournous de cacliemira de cor para sabida
de baile, "basquinos de renda preta-, fe ditos de croch branco e prcto para senhoras.
Grande variedade de camisas bordadas e lisas para homens e meninos.
Sortimento de muitas fazendas do la, linho e algodo todas por presos muito
mdico. ^
Tapetes grandes para so^piaao e camas, pecas de tapetes o de alcatifa para
forrar sales tudo cm qoantidade; e vendem semprc'por menos que em outra qualquer
parte.
Esteiras da India de 4,5 e 6 palmos de largo.
ALGODAO
LOJA DAS MACHINAS
ASTOS
ACHINAS americanas de serrote d todos os tamanhos para descarocar algodo, do
muito conhecido Jabricaue Eagle Cotton Gin.
vlACHiNAS ditas, tambera de serroes e de todos os tamanhos para descarocar, al-
godo do autor New Yojy Cottoo Gin.
CACHINAS ditas de todos os tamanhos, de carreta de ferro e mais toda a machina.
ACHINAS ditas de Roller Gins, 4e cujo trabalbo faz obter mais 2.000 em arroba
de algodo.
ACHINAS de faco do fabricante Platt B. A C, Obdhan PatentLiverpool.
Todas estas machinas s# de superior qualidade e as melhores que tm
jndo ao mercado ; e para a sua apreciaco convidam-se os senhores agricultores "
nrna a exposicao das mesmas na ras da Cada do Recife n. 56 A, loja do Bastos, onde
incontraro mais o segrate:
'--T-
carteiras para viagem 40
j
ardas a 50, 0400, 70780 e 100 a peca.
72. Ra da Imperatriz. 72.
Oebulhadores para milho.
Cylindros para padarias.
Irados americanos.
Carrinhos de mu.
achinas para cortar capim.
Cannos de chumbo.
Sombas de Japy.
Oitas americanas.
Telhas de ferro galvanisadas.
Folhas de zinco finas.
Oitas de cobre e lato.
Perro de todas as qualidades.
Vrcos de ferror
Folha de Flandres.
achados americanos.
Facoes ditos.
Salaios e cestas de vergiinha.
Vassouras americanas,
bolles de todos os tamanhos.
Tornos e safras para ferreiros.
Finalmente muitos outros artig
liversidade seria enfadonho ennumen-los.
Folla da ferro.
Balanyno americanas.
Tinas de madeira americanas.
Ps de ferro ditas.
Baldes de madeira ditos.
Terno3 de bandejas finas.
Trens completos para cozinha. '
Peneiras para padarias.
Baldes galvanisados.
Correntes de ferro para almanjarras.
Espingardas e rewolvers.
Guarda comidas.
Ferros a vapor para engommar.
Moinhos para refraac5es.
Azeite de espermacete, proprio para machi-
nas de todas as qualidades.
Sorras avulsas para machinas.
Mancaos e lodos os mais pertences para as
mesmas.
Latas de gaz,
osportencentes lavoura e artes, que pela
y^iMBBIM WLM anta*>m>.
i ofAviLrar
IAR0RA!
ht\D\ IMPERATilZX.2 !
Esquina da rtia d Anrora i
Defronte do Caf Imperatriz.
Ueste novo e sumplaoso estabcleciinen-
lo de tazenda?, enconirarao as Exma?. j
familias tado quanio possam desejar, lan-
o em arligos de rigoroso luxo,eoinQ cm j
todas as mais qualidades de fazendas de j
sedas, blonds, alpacas, hutiis, )aa, j
cassas, mussulinas, chilas, madapoloes, j
algodr>es, ele, demodo a sahir bem ser- j
vido desda o mais rico e exijcnte amador j
da moda e do Inxo, al o mais modesto j
pai de familia. Ali'-in do se acharem pro- j
vidos do que mellior se enconlra neste j
mercado, inandaram os propietarios I
d'esie estabelecimenio vir directamente j
o que em arligos do modas e de mais i
aparado gosto se encomra em Paris. j
Urna moditn p-pccialmrnle oceupoda
nostrabalhos dol'AVILHA) DA AL'RO-
RA, executar promptamrnie e com toda j
a perfeicSo qualquer trabalhoa capricho,
para o que se acha habilitada em ludo !
auanto mister pora o hora desempenho J
o sua missao, o que urna grande van- j
lage.ii para o bello sexo, que dssim j
vai encontrar em um s lugar tudo quan ]
o pode desojar, isto fazendas do me- j
ihor gosto, modista para perfeita execu- i
cao de qualquer trabalbo, perfumaras, j
chapeos, enfeiles, miudezas, luvas do j
Jouvin o ludo quanto a moda pode exi- i
gir. i
Aos cavalhciros igual vanlagemseoffo- j
rece, por ter o eslabelecimento o mais 1
completo sortimento de fazendas para fac- j
[ los, e proprias para todas as eslacoes, e j
um hbil alfaiate encarregado de xccu- ]
I lar com promplido e mestria qualquer j
[ encommenda.
Os proprielarios do PAVILHO DA !
[ AURORA nao lendo poupado despezas j
i para dotarem esta bella cidade de um j
i eslabeleciment digno d'ella, confam nos ]
| seas esforc>)S e no bom gosto de seus lia- j
i bitantes, garantindo a maior circumspec- j
\ cao e modicidade de precos.
Com a possivel brevidade e em vista da j
: proleccao que se dignarem dispensar-lbe, j
; este eslabelecimento trar muitas oulras 1
; vantagens, primando entre ellas a publi- j
i cacao de um jornal gratuitamente dis- j
1 tribuido non c-ous frcgupzo;, o quul 8C 00- 1
cupar exclusivamente da descripgao das j
modas, acompanhado dos ltimos fguri- j
nos; vanlagem quo al boje anda nenhum j
meslabelccimcnlo offerecen.
Concluindo, e na impossibilidade de des- i
crever c rico e variado sortimento que !
possuem, os proprietarios do PAVILHO |
DA AURORA respetosamente convidatn j
as Exmas. famlias a visitar este espa- ]
Coso e rico eslabelecimento que, alm de i
tudo, est dolado do pessoal necessario j
para vender e levar amostras 3 casas i
que as pedirem. I
Pelo ultimo vapor receberam ricos cor- {
tes de vestidos para casamento, luvas de !
pelica. ricas chapclinhas para senhoras |
c diversas fazendas modernas.
iAberto das 6 da manha s]
9 da noite.
LIQUIDACAO
.IBM
Lourenco Pereira Mendes Guimaraes, proprietario do armazom de fazendas
'lemininadoGAHiBALDI, tem a honra de pirlicipar ao respeitavel publico que tendo
recebiio diversas facturas da fazer.das.de novo gosto, para a festa, estando a espera de
aovas encommendas que deve estar aqu at o dia lt> do novembro vindouro, e vendo
jue nao tem tempo antes do baianco de vender tantas faendas de encommendas por
;;so resotvea fazer uina liqaidacSo para verso d maior, eslrac-So por isso em vistas das
rcamstaaeiis vender tudo mais barato do que em outra qualquer parte, na ra da
Imperatriz n. 56.
MADIPOLAO ENTESTADO A 35500. | CHITAS PRETAS A 100
Vende-se tima grande porcao de madapo- Vende-se urna grande porfo de chitas e
lo infestado de 12 jardas a 34500, assini cassas pretas em retalho a 160 o covado
comr> p^cas do madapolSo ingiezes de 24 tambem tem retalhos de chilas e laa do c-
jardas ou 20 varas a 55, 5fl-">00, G,$, OjioOO res quo se vende barato.
70000. 86, 93 e 10,5000. daagas para calea a 30 rs.
Gorpinhos a 200 rs. Vendcm-se urna grande pot\ao de gangas
<:M!)ftAIAS VICTORIAS A 5:800 para calca d8 hom-m e menino a 320 o
Vende-w pecas de cambraias victorias covado, cortes de castor para calca a 040
fijas i 3#;)0, 65 e "i?. Brilhantina bran- cada ora.
o lina para vestidos de senhoras a uOO Brim de edres a 400rs.
r. o covado Vende-so urna grnnde porcao de duas
ALGODO A 45000 faces para calcas, paiitots e cohetes de ho-
Vmde-se urna grande p >rcao de algodo m sin e menino, fazenda inteiramente nova.
t;do de noa qualidade e 45. 5$, 0|, -y 0 Brim pardo liso a fi-0 rs. o metro, dito
7S, e 85, a peca de 20 jardas ou 2i trancado fino a 800 e 15000.
M# Grande liquidadlo de chapeos
ITT
II)
ADMIREM-SE DO QUE E' BARATO
Ghamalotes a 560
Vende-ie chamalotode cores, de algo la'
para vAstMoa de senhoras a 560 o covado.
%lpaeas lisas a 500 rs.
Vend -so alpacas lisas para vestidos de
de sol
Vende-se chapeos do sol de alpaca com
pequeo defeito a 25 e 35000, ditos finos
de 1 astes a 4&00, ditos de seda finos
de 8 astes a 750, 85000, ditos de 12 e
16 astes a 105000, para liquidar.
cores, para senhora, a 50) rs ditos matisa- chitas para eobertas a S40 rs o
!as finas a 720 o covado Dtai lisas rani-, covado
iq lagaf a 640 o covado. Vendase chitas francezas para eobertas a
ORTES DE PERGALES A 6:000 240. 30. 340, e 380 o covado.
VenV.n-se urna grande porclo de cortes C\SSAS FRANCEZAS A 240 RS.
4e p-jr-alesde duas saias para vestidos de Vend-i-se cassas francezas para vestido
senhora, de ranito delicados gostos com a 240 o covado, ditas muito finas a 400 rs.
i j '/ covadoa a 65 75000. aim como percales finas para vestidos a
r,\MRR\I\S LISAS DE CORES A 600 ,440 o covado,
.Grande armazem Je'ffoiA v>ronpas feias roa da Inperairb
n. S2, pfHirga, de faredes Porto.
Neste estabelecimento encontrar o respeitavel publico um bonito sortimento
de roupas de todas as qualidades, paiitots de alpaca a 35, 35500 at 65. Ditos de
merm, ditos de casemira de cores bonitos gostos a 55, 65, 85 e 105, de panno preto
sacos e sobrecasacos. Ditos de brim pardo finos e ordinarios. Ditos de alpaca branca
e de cores de 35500 a 55000. Calcas de brim de cor Gnas o ordinarias, ditas
brancas de todas as qualidades, ditas do brim pardo fino e ordinario, ditas de casemira
de cor e preta de 45, 55, 65 a 155. Cohetes de todas as qualidades e preco muito
barato. Completo sortimento de camisas francezas do algodo e de linho de 25 at 55
urna. Sortimento de seroulas francezas de algodo, de linho e bramante a 25 e 25500.
Gravatas (mantas) novissimo gosto a todos os precos. Meias sortimento completo a 35
45 ate 75 a duzia.
ROUPAS PARA MENINOS.
Encarrega-se de quaesquer obras de encommenda tanto para homem, como
para meninos, e com brevidade, por isso que tem um bonito sortimento de fazendas de
todas as qualidades tanto em casemiras como brins, pannos finos e outras muitas fa-
zendas.
FAZENDAS
Bramantes de 11 palmos de largura a 15800 o metro.
Cambraias de cor e branca.
Alpacas de todas as cores a 640 rs. o covado.
Poil-de-chvre com lista de seda fazenda de gosto a 15200.
Basquines de guipure enfeitadas a 185000.
Sortimento de chitas escuras e claras a 280, 300 e 360 rs.
Madapolo fino a 65500, 75, 85 e 95000.
Algodo peca com 20 jardas a 45500, 55500 e 65000
Peca de algodo largo a 75500.
r,-,, E 0U?a.- "ft fazei?dasque ser enfadonho mencionar Cheguem roupa
fefta que se esta liquidando na loja ra da Imperatriz n. 52 (junto loja do ourives) do
LEJO DA PORTA LARGA
DE
Paredes Porto.
MMA
DO
Vetidn-se urna grande porcao de cambraia
i todas as cores para vestidos a 600
ra. o iriefro.
Organbys moderaos a 800 rs.
. Ven ''-se organdys de cores para fazer
v88tidis. de duas saias, agora modernos, a
OO rs. a vara.
GRANDE SORTIMENTO DE CHITAS NOVAS
E BARATAS PARA A FESTA
Vende-ae chitas francesas muito finas de
ores a ?80. Dit8 matisadas scoras a 3*0
Utas p^uras escocezas a 3tf0. ditas aleo
toadas j 360, ditas aribaldinas a 360 o
l*i Sortimento de chitas como tem o
arihidi ha poncas lojas que compitan).
TOES PARA- VESTIDOS A 400 RS.
GRANDE SORTIMENTO DE MEIAS
Vende-se meias cmas para homem a
35500, 45. 55. e 65000 a duza, ditas para
mepino* de todos os tamanhos a 35500 e
45001, ditas para senhoras e meninas a
35500 45, e 55, a dnzia.
BVLOES DE ARCOS A 1:500
Baloes de arcos a 15MK), ditos modernos
a 45(100.
ATTENCAO
"em-se para vender urna grande porcao
de roupas feitas de brim ede casemira, de
ti irlas as qualidades nao se menciona por
>er enfadonho, garante-se ao comprador ven-
. der mais batato do que em outra qualquer
i partid, isto s se pode conhecer com a pre-
.,. anca do comprador e a vista da fazenda
V-n'' se fusto de vires para vestidos a que se pode ronbecer como est liquidando
W n cVdn i ir barato ,)rvco, o general Garibaldi, roa
COBERTORES A 1:400 bnpefMfrfenV6.
\. se Cibertore de algodo a 15400' chales de merino a 9*000
le ..tas frita a 1500. v-.uie-se chales de Verin de cores e<<
Venri se grande porc3o de corpinhos a tampad-.s a 25000. ditos lisos a 35500, di-
i. ',or)OOo6' 'opados finos a 5. 55500 e 65000.
Machinas vapor de
forqa de 3 e 4 ca-
vallos.
Motores para 2 cavalos.
Arados americanos.
Machinas de faco e serrotes rara desca-
rocar-algodo.
Balancas para armazem e balcSo.
Camas de ferro.
Cofres de ferro do Milnez e field.
Prencas para copiar carcas.
Fogo americano patent"

en
S3
\
PE
K
Rheumatismo e moles-
tias syphilitcas.
Arrobe vegetal, xarope de salsaparrilha
do Pai, pilulas e xarope de veame, tin-
tura e xarope de sicopira.
Doencas do ipdo e lian,, ane-
mia, opilado, ele.
Emplasto, oleo, pommada, tintura, pi-
lulas, xarope c vinho da milagrosa Juru-
beba.
Sezoes ou robres iiilermilenles
As pilulas anti-periodicas de Pinto.
nico deposito destes medicamentos na
pharmacia do seu adtor roa larga do Ro-
sario n. 10, junto ao quartel do corpo de
polica.
GALLO VIGILANTE
Rna do Crespo a. 9
Os proprietarios desle bem conhecido eslabele-
cimento, alm dos muitos objeclos que tinluin ex-
postqs a apreciaco do respeilavel publico, man-
daranvir c icabam de receber nejo ultimo va or
da Europa um completo e vanado sortimento de
finas e mu dolicadas especialidades, as quaes es-
to resolvidos a vender, como 6 de seu costume,
por precos muito baratinhos e commodos para to-
dos, cora tanto que o Gallo....
Muito superiores luvas de pellica, pretas, bran-
cas e de mui lindas cores.
Mui boas e bonitas goilinhas e punhos para se-
nhora, neste genero o que ha de mais moderno.
Superiores pentes do tartaruga para coques.
Lindos e riqusimos enfeiles para canecas das
Exmas. senhoras.
Superiores trancas pretas e de cores com vidri-
Ihos e sem elles; esta fazenda o que pode haver
de melhor e mais bonilo.
Superiores e bonilos leques de madreperola,
marfim, sndalo e osso, sendo aquelles brancos
com lindos desenhos, e estes pretos.
Muito superiores meias flo de Escossia para se-
nhoras, as quaes sempre se vender m por 30J000
a duzia, entretanto que nos as vendemos por 208,
alm destas, temos tambem grande sortimento de
outras qualidades, entre as quaes algumas muito
finas.
Boas bengalas de superior canna da India e
casiao de marflm com lindas e encantadoras figu-
ras do mesrao, neste genero o que de mellior se
pode desejar ; alm destas temos tambem grande
quantidade de oatras qualidades, como sejam, ma-
deira, baleia, osso, borracha, etc. etc. etc.
Finos, bonitos e airosos chicotinhos de cadeia e
de outras qualidades.
Lindas e superiores ligas de seda e borracha
para segurar as meias.
Boas meias de seda para senhora e para meni-
nas de 1 a 12 annos de idade.
Navalhas cabo de marfim e tartaruga para fazer
barba ; sao muito boas.e do mais a mais sao ga-
rantidas pelo fabricante, e nos por nossa vez tam-
bem asscgnranias sua qualidade e delicadeza.
Lindas e bellas capellas para noiva.
Superiores agulhas para machina e para crox.
Linha muito boa de peso, frouxa, para encher
labyrintho.
Bons baralhos do cartas para voltarete, assim
como os lentos para o mesmo fim.
Grande e vanado sorlimenlo das melhores per-
fumarias e dos melhores e mais conhecidos per-
fumistas.
COLARES DE ROER.
Elctricos magnticos contra as convulsoes, e
fa'-ilitam a denticSo das innocentes criancas. So-
mos desde muito rocebedores destos prodigiosos
collares, e continuamos a recebe-Ios por todos os
vapores, afim de que nunca faltem no mercado,
eomo j tem acontecido, assim pois podero aquel-
les que delles precisaren!, vir ao deposito-do gallo
vigilante, aonde sempre enconlrarao destes verda-
deros collares, e os quaes altcndendo-se ao fim
rara que sao applicados, se venderlo com um mui
diminuto lucro.
Rogamos, pois, avista dos cbjectos que deixamos
declarados, aos nossos freguezes e amigos a virem
comprar por presos muito razoaveis loja do gallo
vigilante, ra do Crespo n. 7
Scllms baratos,
1. 27.- BADaUVRAMENTO N. 47.
f Neste etabelecimento vendHe sellins e
Iptlboes, de todas as qualidades do melhor
qne se pode fabricar no paiz, assim como o
mais arreios pertencentes ao mesmo, ven-
de-se tambem, colx5es, traviceiros, caixi-
nhas com almofadas, proprias para meninas
levar para aula. 0 proprietario deste esta-
belecimento garante a pontualidade, esme-
ro e zelo de seu trabalho; portanto pede ao
respeitavel publico sua proteccao, que afilan-
Ca vender tudo pelo mais barato possivel,
e por menos do que em outra qualquer
parle.
3 cordeiro previdente
Rna do Quclmado n. I.
Moyo e variado sortimento de perfumara
finas, e outros objectos.
Alm do completo sortimento de perfu-
maras, de que elfectivamentc estprovidaa
loja do Cordeiro Previdente, ella acaba de
receber um outro sortimento que se torna
aotavel pela variedade de objectos, superiori-
lade, qualidades e commodidades de pre-
sos; assim, pois, o Cordeiro Previdente pede
e espera continuar a merecer a apreciacSo
do respeitavel publico em geral e de su
boa freguezia em particular, nao se afas-
tando elle de sua hem conhecida mansid3o
e barateza. Em dita loja encontrarlo o
ipreciadores do bom:
Agua divina de E. Coudray.
Dita verdadeira de Murray A 1.animan.
Dita de Cologne ingleza, americana, fran-
oeza, todas dos"melhores e mais acreditado
fabricantes.
Dita de flor de larangeiraa.
Dita dos Alpes, e vilete para toilet.
Elixir odontalgico para conservaejo do
isseio da bocea.
Cosmetiques de superior qualidade e chei-
ros agradaveis.
Copos e latas, maiores e menores, com
pomada fina para cabello.
Frascos com dita japoneza, transparente
i outras qualidades.
Finos extractos ingiezes, americanos a
francezes em frascos simples e enfeitados.
Esseucia imperial do fino e agradavel chai-
ro de violeta.
Outras concentradas e de cheiros igual-
mente finas e agradaveis.
Oleo philocome verdadeiro.
Extracto d'oleo de superior qualidade,
com escolhidos cheiros, em frascos de diffe-
rentes tamanhos.
Sabonetes em barras, maiores e menore
para mos.
Ditos transparentes, redondos e em fisu-
ras de meniuos.
Ditos muito finos era caixinha para barba.
Caixmhas com bonitos sabonetes imitando
fructas.
Ditas de madeira invernisada contendo fi-
aas perfumaras, muito proprias para pre-
lentes.
Ditas do papelSo Igualmente bonitas, tam-
oem de perfumaras finas.
Bonitos vasos de metal coloridos, e da
moldes novos e elegantes, com p de arroa
i noneca.
Opiata ingleza e franceza para dentes.
Pos de camphora e outras differente
pialidades tambem para dentes.
Tnico oriental de Kemp.
Alada mal* coques.
um uuiro sorumento de coques de no-
vos e bonitos moldes com filis do vidrilho
3 alguns d'elles ornados de flores e fitas,
to todos expostos apreciaco de quem
os pretenda comprar.
GOLLINHAS E PUNHOS BORDADOS.
Obras de muito gosto e perfeicao.
i'lvcllas e Olas para lotos.
Bello e variado sortimento de taes objec
tos, ficando a boa escolba ao gosto do com
orador. ^
Caliriolet Docait.
O mellior neste genero, e pertefto estado, ven-
dc-sc um para ver na cocheira de ThomazLins,
a ra de Santo Amaro, e iratar na rna do Crespo
n. IG, loja, das 8 as 11 horas da manliaa c das 3
as 0 lloras da tarde.
Vinho do "Porto
Vende-se superior vinho do Parto niparrafado
ao cnptoriade Antonio. Lnia dn Oiivoira Azevedo
* L., rna da Lruz n. 57, Io andar.
FITA mi
RIFA 110 CAHUG.t ] *
Cambraias, cassas e organ-
500 rs.
RAP POPU1AK
DA
FABRIf A NACIONAL DA BIA
DE
Teixpira UldwtcoCm
Acha-se venda este ptimo rap, onico
pdc.suppnr falta do princeza de Lial
ile mai agradavel perfume, viajado,
mais mdico pos? i ve]; e por isso le
acolhido as pracas da Babia, do Rio
em outras o imperio : no esc
Jos Goncalves Beltran, roa
tuero 17.
CEMENTO
PORTLAND.
Vende-se no armazem amarello de Vicente Fcr-
reira da Costa & Filho, defronte do arco da Con-
ceiclo, em barricas grandes.
Na ra do Codorniz n. 8 contina a ter um
grande sortimento de doces cm latas e caixOos de
diversos tamanhos, cujo se vende por preco mais
barato de ane em outra a ualauer parle.
GAZ f,AZ GAZ
CADET
GURA
em TRES DAS
Ph^BDenairTr
PAR
Paris, ae.RaaVivieniM, D
que
por ser
a preeo o
sido asss
Janeiro e
J'aijuin
'i'i 111 -
Semenles de hoMalicos chegadas pelo uliimo
vapor : na ra do Livramento n. 38, armazem de
moIhados._ ReJtitue-sc o importe ao comrrador, no
caso de nao nasccrem,
Pao Senteio.
1
Estar venda as tercas e soxtas-feiras, na
padaria allemaa, ru do Lima, em Sa&to Amaro,
no Recife, Recreio CoramTCi'al, em irenie a ru^
dj Vigerio n. 2, ra da Iniperatri n. 80, ra do
Bnim n. 86, e no armazem l imerador.
^ Chegon ao antigo deposito de fienry Forster
<1, rna do Imperador, nm carrMomento de ga:
de primeira qualidade; o qual aaa^mm pirtida-
e a retalhd^tor menos prejodg| pKtr^ qual
quer parte.
CHABLCWEDECiN
\
De superior qualidade. da mui accredita-
da fabrica de Bisrpiit Dabonch 4C, em
cognac rana das que mais agurdente de
cognac, fornecem para o consnmmo do
Reino da Inglaterra.
Vende-se em casa de Th. Jost. rna do
comraerrip'n. 32.
No Hw-riptorin de Joaqnini Jos (oucalves
Beitriio. na do Comnwroin n. 17, existo "p-ira
vender-s.- uw e^cravo crioulo, raoco, oom otBcio
de pedreiro,
BASINFEBIODADAS UESSXUAKS, *s UlUl
CQi:." I UTAWEAS. E ALTEgACOMltn SAMUI.
do **,,. (XArop. >ptai tea MMn0|. .
rlT, wegttm*. UIMM milUM
tO-M dOUS por MU. lifliMo O ITUImS
Dt.-'irnltno : cmpreutdo nu mttmu iIm||m
| K** Iro Citr tt
1 fam. 6 GHA.BLB. tm
Ulule oluxo r fto,;, /vroilOM lita lnje?o fleniftit Mot(i- con o Xinm *
""w*, MiRM ir m tna **.
POMAPA AWtlMERPeTlCA
Contra > n* affecfci tvUmeat
DEPURATif
'.ln SAIVG
PLUS DE
PAHU
1
PILULAS VESETAES OEPURATrVAS
o s> cfcaM*. tii\ ttvtm rl *,nt*t |
UP WI''J.
>



/
I
\

Bkio de Pernambuco -- Segunda eira 13 de Dezembro de 1869.
A DINHEIRO NA LOJA E ARMAZEM
DO
^aoa aa' asaipaiaa'ifaisa* w
DE
FLIX PEREIRV DA SILVA.
O proprietario d'cste grande estabelaciment, vendo que se est aproximando o fin-
do anno, e tonda em ser um grando deposito deposito de fazendas; nao fallando em
avultadas encommendas que Ihcs cst5o obrigado todos os dias, tem resolvido liquida-
las por preco muito mais baratos do que em outra qualquer parlo ; s eom o fim
do diminuir o deposito e apurar dinheiro. Encentra-se neste estabelecimento do
PAVO, avallado sortimento deiaz^ndas de luxo o modas; assim como de primeira
oecessidade. As pessoas quo negociam em pequea escala n'csta loja podero surtir-
se vendeado-se-lhes pelos precos que compram, tus casS inglezas; assim como as ex-
celleatissimas familias poderao mandar buscar as amostras de todas as fazondas, oa man-
dar-se*ha levar pelos caixeiros da sesma loja em suas casas; o eslabelecimento se
acha constantemente aborto das 6 horas da manhas s 9 da noite.
Explendido sortimento de
roupas feitas
NA LOJA DO PAVO A RA DA
IMPERATRIZ tt. 60 ,
Acha-se este grande estabelecimento com-
pletamente sortido das melhores roupas,
sendo calcas palitts e coletes de casemira,
de panno, de brim, de alpaca, e de todas
as mais fazendas que os compradores pos-
sam desojar, assim como na mesma loja
tem um bello sortimento de pannos casemi-
ras, brins, etc. etc. para se mandar fazer
qualquer pe<;a de obra, coma maiorprorap-
lidSo vontade do freguez, e nao sendo mais bonitos crochs proprios para cadei-
obrigados a acceito-las, quando nao stejam ras sofls, mesas, almofadas etc etc., assim
completamente ao seu contento, assim como como proprios para cobrir presentes, o ven-
DAVID WILLIAM BOWMAN
Parteoipaaos senltores propietarios de'engenhos, quo acontecendo fcltar-Ilies
..joa ou anhnacs para a moagem durante a presente safra, elle tem vapore promptos
para assentar, som precisar de obra nova ou demolicao de obras existentes, e que
p6de botar taes t-ngenhos a moer oito dias depois de estarem as pecas do vapor no
agenho, garantindo-se o trabalbo.
Fundiqao, ra do Bram n. 52, passando o chafariz.
ALPACAS BRANCAS LAVRADAS
Chegou para a luja do Pavao um grande sorti-
mento das mais bonitas alpacas brancas lavradas
0 de cordo sendo n'cste genero o melhor e mais
lustroso pue tem vindo ao mercado, tem algumas
tao finas e tilo bonitas que servem para vestidos de
aivas o vondom-se por eoraraodos procos.
LAAZLNHAS MODERNAS NA LOJA DO PAVO
Chegou para osto estabelecimento um grande
sortimento das melhores e mais modernas laazi-
nhas para vestidos, sendo tapadas e transparentes
de todos os precos o qualidades qne se vendam
mais barato do que em oulra qualquer parte.
Crochs para carleiras e sofs
O Pavao tem um grande sortimento dos
n'este vasto estabelecimento encontrar o
respeitavel publico um bello sortimento de
camisas francezas e inglezas, ceroulas de
nho e algodSo e outros muitos artigos
proprios para homens e senhoras promet-
tendo-se-lhe vender mais barato do que em
outra qualquer parte. Na ra da impera-
triz n. 60, loja o armazem de Fehx Perei-
ra da Silva.
CERA DE CARNAUBA.
Vende-se urna grande porclo de cera de
carnauba em saceos por prego mais barato
do que em outra qualquer: na loja do
Pavo ra da Imperatriz a. 30. De Flix
Pereira da Silva.
FAZENDAS PARA LUTO
Na loja do Pavo.
Encontra o respeitavel publico neste estabeleci-
mento um grande sortimento de fazendas pretas,
como sejam, cassas francezas e inglezas, chitas
pretas do todas as qualidades, fazenda de laa de
todas que tem vindo, proprias para luto, corno
sejam, laazinhas, alpacas lavradas e lisas, canto,
bombazinas, merino, etc., que tudo se vende por
preco barato. .
AS CASSAS DO PAVAO
Covado a 300 rs.
Vendem-se fimssimas cassas francezas cora lin-
dos desenhos e cores fixas a 300 rs. o covado.
Matlapolao francez a 7&000 rs-
Vende-se pecas de madapolo francez
com 22 metros pelo baratissimo proco de
7>000 a pera, pecbincha.
Altas noviadcs em sedas
Chegou um grande sortimento das mais
modernas poupelincs ou gorgures de seda
o linho com os mais elegantes padrees que
tem vindo a este mercado sendo, miudos a
^raudos, tanto em cortes para vestidos como
para vender em covado, assim como um
bonito sortimento das mais bonitas sedas
istradas que se vende tudo maito cm canta
Grosdenapies de cores
Chegou um grande sortimento dos mais
bonitos gro-wieoaples de todas as cores para
vestidos que se vendem muito mais barato
do que em outra qualquer parte.
CHAPEOS DE BRIM A 2f?O00 RS.
Chegou urna grande porco de chapeos
de brim para cabeca que se vende pelo ba
ratissimo preco de 2^000, por terem che-
gado com utu pequeo toque de mofo. E'
pechincha. _.
GRANDE PECHINCHA A 5:000 RS. PECA DE
tretanha
Vende-se pecas de superior bretanha de
algod&i tendo'quatro palmos de largura
com 20 varas ou 2i metros cada peca, esta
fazenda seria para custar 85000, a nao ser
^ma grande compra que se fez, e liquida-se
a 55000, cada pe<;a.
Admiravel pechinena
ALPACAS A 400 RS.
DE FUCTA CORES A 400 RS,
ALPACAS A 400 RS.
Vonde-se um grande sortimento das mais
brilnaates alpacas do furta cores eom as
mais lindas e mais modernas cores taran-
do parfeitaraente as sedas de lurta cores
sendo oeste artigo o mais novo que tem
vindo a*> mercado, para vestidos, muito pro-
aria para as senhoras que forem passar
festa no campo-, por ser urna fazenda -de
muita fantasa e pelo barato proco de .00
ts. o covado.
Bretankas de rW a tSSOO a
peca
Vende-se superior bretanha de rolo ten-
do 10 varas ou 11 metros com 4 palmos
de largura poto-barato pre*> de 20800, 6
pecbiacba.
OssetinsdoPavo
Vende-se os oais bonitos setins de cores
e mais eocorpados proprios para vestidos
tendo de diversas ores.
AOS PALITTS DO PAVO A 18? e
9W00O.
Vende-so um bonito sortimento de palit-
ts francezas sondo, sobrecasacados e pro-
priamente sobro-casaco, que se vendem
forrados de a*oaca a 80000 e forrados de
aeda a 20*00, pechincha. .
COUtASDEFUSTAO
Ka Ioia4o Pavo veode-se um grando sortimen-
to de colchas do Bto sendo brancas e de cores
ditas do croch para ama de nona, assim como
Cuntas damascos de fia para tenas,
Na loja ao Pavao
de-so mais barato do que cm outra qual-
quer parle,
GLACE' A 1:00 PARA VESTIDOS
0 Pavao tem esta nova fazenda lisa pro-
pria para vestidos, com as mais delicadas
cores e com mais luslre do que a propria
seda com 4 palmos de largura que facilita
fazer-se qualquer vestido com 10 covados
e vende se pelo baratissimo prero de 1:200
rs. o covado, pechincha.
CRETONE DA INDIA PARA COLCHAS
O Pavo tem esta nova fazenda cretone
propria para colchas, com os mais to ios
padrees chinezes e com as cores inteiramen-
te fixas, teudo largura de chita franceza e
veode-se em conta,
MDALHA A EXPOSIQAO UNIVERSAL DE 1867
Parvo, a Suporioridade d*a
PERFUMERA oriza
Inventada por LE GR AND, Perfumista di Imperador das Fraicewi,
PABIS. m, Han Snf nt-Hoaor, O?. PARS.
CRISME OITIZA.
DE MXON DE LENaOS
Para Aar frescura d elle, dt$lruir a< rugas i tt
eonttrtmr tltrntmtnU a telttz* da jutealult
Ot^IZA. LACT
LKITE ANTEPHEI.irO
h*tra rafritur, hmuqutar t adu(.;r a ptB, faiendt
stesappjtrecer tu *odoa$ t as sardas.
SABAO ontT.A....... D'oma massa tccsTarocne mih e d'nm perfume do mais delicado.
OniZA-C.iRAMKOtsMtse. Massa es|>ccialmenle pr|>arad pirt o banhof e a barba.
OUIZA-I'l.l 11)........ Pomada fonilicaiitcenutriva para conserval oscabctlos cempwlilosde quebrarem.
OniKA l'llll.OCOME.. Tetu de boi c oleo de arda com base dt quii para o rabillos.
OtlIZA-OII........... OIimi finissimo pcrftimailo para lufir* o cabello : empedilo de quebrarem.
ORIBA'BRILLANTliNE- Cistalls;i OU1ZA FLOWERS___ Aroa ncompararcl de um perrume suare e delicado, para forcardo tt pelle.
ORI/A-ACIDULINE... ViuaRr do loucailor, aroma e aiilepliilico.
KSSENCt-ORIZA..... lVtfuino oiiccniradu para oslemos producto mullo delicado. ,,
OHIZA I.YS..........Perfume to bnin lom da alia soeiccade para os lencos.
ORIZA-i'OWDRRS.... Klor He orroi da Carolina pira a c|ra c a belleza da pelle.
ORIZA-DKNTIFHICE.. Para alvejar os denles e conseriar ar&ctnitn.
OIUZA-OI'.NTAIHK.... Nova masa para alvejar o ilculos seui destruir o malte,
. AGUA TNICA DE QUINA E POMADWpE BALSAMO DETANNINO
Pin nafa t vallriiWi 4a ulwp, ;;Gh u wbe'ln, m caajicis tt stair i famdo ture : cacti'..
DEPOSITO GEL\L uu Caza le
K em Caza de todos PerfumUai.do Braz.
msmmmaasmm
-*Sita
UtNCO DE HONRA
Vei'.Jc-se em frascos
D FiGADS FRESCOS BE BACALUAO. .!>..
lares, pbarmacia Hoco,
2, na do Castiglionc,
cm Paria.
mposnoes Mtas eom oleo
, >toi dos aniwlares pecadores,
> --tliitli'iroa uii-u. i. j_J
O Campos da.4! do Imperador, n. 8
no intuito de servir salisfatori mepte aos
seus innumeraveis amigos o fregvezes, cm
particular e em geral ae respoitmel puhlico,
desta cidde ; avisa aos que estivceem pas-
sando o tempo calmoso, nos deleitaveis
arrabaldes desta capital, que tem resolvido
vender, de de superior qualidade, a pregos
razoaveis, os seguintes gneros a saber:
PARA CIMA DE APARADORES
Latas com doce em calda de diversas
qualidades nacionaes e estrangeiros.
Ditas com peixe a saber ; salmn, ostras
e lagostas.
Ditas com ervilhas francezas c portuguc-
zas.
Ditas com gela franceza.
Cerveja franceza' verdadeira Bobee. '
Presunto para ambre e afiambrados.
PAR.V DISPENSAS
Latas com cbouricas novas sendo de 85,
cada urna.
Presuntos de Lamego para tompeiro.
Cuias do Para (pintadas pelos indgenas
daqueHa provincia.
Copos de vidro com dobradiga e lampa
para diversos mistares.
PARA OS QARTOS DE DORMIDA
Porta-phosphoros cheios de phosphoros
de segnranca.
PARA SALA
Chumlos do S. Flix do afamado fahri
cante Cosca.
Fumo picado do Daniel de S. Juo do
Rio de Novo.
Alm desses gneros, o Campos tem con-
vierto de que o seu esfabelecimento um
dos que podem satisfazer com garantas as
exigencias bem entendidas, dos Ilustrados
habitantes desta heroica provincia, porquan-
to s acha elle bem prvido de gneros su-
periores, do maneira a nao desmentir
Ll I
FIO MEYlSIiA
Barbante
Em casa de Rabe Schmetau A C, Corp'-
Santo ti-, 18.
SHERRY 0L0B0E0
Gelo seal.
COai\AC IIENSESSY.
Em case de Rabe Schmettau A C. Corpo
SanV) n. 13.
3 As -iu,ip,j Cnru,
S ,1. pulxtM deiiiniuna, laes como o eaoMfo, a trrila. o p/iura. I
f e intaiin > olrcM veueUc, forain imaginado* Jiar suustiluir os *e
M frts< Je atsteaUM* de Tcrra-XoTa. Estes oteo communs ou eosnceetlanoo so
ti n iiWos ii
p ~i*';. ['i{::<\-~<- ter o^n^iore* cuidados"no'propria lupares das pesca, assim como manda faier !
M noesdcmla o aimodc 5^19. Ea* Ico piwo re Baealhito do Terra-Kova de Haga
rranparam para esto |ircCioso medicamento nina fama universal as molestias do pedo, as a/Teices
sselymphaiica, a mayieta dos meninos,etc.,c por isso.deram lugar a nocivas e des
iniiacona.
. tic Bacanvava c cmt-.^. no w.^. .....*.". o^- .u^vn -,^.,
iiaiiidiMria|tiaraaMaaaiai baixos,oiu M. trlalivsnnHttWUlto caro, visto qne para outel-os frescos e sem mistura, cumprc excrcer
,trr<.( "j^ja. O olea de llega e im fcil do digerir, dUtngue-so entro o outros oleo pela toa
,, .', tiallia, o seo cheiro suave e delicado, o seo gosto de sardinlia fese.
O l-,KLAT0M9 faroravel do cliefo dos traballios chymico da FACLDADE DE MEDICINA DE
! V.is ron. lu: como aeguo: 0 leo c6r de valha de U. Uogg eontem urna terco parte de arta.
cintos mi fats do que os leos pardos e nao aprsenla algum dos inconvenJen/ej que se
re'ini nV.-.'u, quenlo no cheiro e sabor.
Veitde-ae -coa tadaa a pbaruiocla da Vraaea e do. paiici etraaelroa. y
O Campos.
AVISO
Orpndys a 500 rs.
Vende-se os mais bonitos orgaadys de
cores com padioes miudos egraudes. sen-
do ledos de cores fixas, pelos baratos pro-
cos de 360 rs. o cova lo.
ALGODAO ENFESTADO
Vende-se urna grande porgo de aigodo-
sinho americano com 8 palmos de la gura
proprio para lenges e toallias tendo liso e
trnicaoo que se vende por proco muito cm
conta.
aoos de liuho
Chegou um grande sortimento de pecas
de panno de linho do Porto que se vendem
de 700 rs. at 1(5(000 a vara, garantindo-se
que em fazenda de linho nao lia nada me-
lhor, nem mais proprio para lences e toa-
llias.
PECfflCHA EM CHAPEOS DE SOL
Cliegou um grande sortimento dos me-
hores chapeos de sol de seda, inglczes ten-
do nesle art go o melhor que tem vindo ao
mercado assim como urna grande porcSo de
ditos de alpacas de todas as cores e todos
se venitom por preco muito mais barato do
que em oIra qualquer parte, por haver
grande porgo.
i ea^os b raucos
Vcnd6-se um grande sortimento de len-
cos hrancos para homem, sendo a duzia a
1$GOO, 20000 e 3^000, ditos abanhados
muito daos a 40 e 65000 a duzia, ditos de
esttuiSo fazenda muito superior a 5.0, 60 e
70OO.
Pechieua em cacemtras a f :00
Vende-se flnissimascasemirasde cor com
listras ao lado, tendo -duas larguras e com
ss cores mais novas efliais bonitas que tem
vindo ao mercado, pelo baratissirco prego
de 40000 o covado ou 7.5000, cada corte
de caifa.
Gs balSes do Pavao a 2#000,
Chfg n uta grande sortimento de baldes
ou crenolinas do feitio mais moderno muito
proprias para vestidos ennesgados $ue se
vene pelo baratissimo preco de 20OO ca-
da um grande pechincha.
AS Ca BRAIAf DO PAVO A 4:0 RS.
Vsde-se urna grando pnrc5o de pecas
de finissimas caMbraias brancas transparen-
tes terrdo 10 jardas, com mais de vara de
largura pelo baratissimo preco de 40500, a
pc.^a seado fazenda que nunea se vendeu
pof menas de 80080, grande pechincha.
AS POUPELINCS DO PAVO i iOO RS.
Cliegaram as mais lindas poupelinas de
ln com ittttaco das poupelinas de seda,
um fazenda muito leve com as ais lin-
das cares, seado: verde Bismark. rota, azul
SORTIMENTO PARA A FESTA
Yende-se por menos de 10, 20 e 30 io
SO' NO
iiiini cnsnmiTi
N. 23Sargo doer?o.N. 2. *
DE
SMO DOS SANTOS & C.
Os pioprietarios este bem sortido armazem de secco e molhados estao re-
solvidos a fazere urna grande diminu, o de precos as suas mercadorias, como so apro-
xima a festa e semure se fazem avultadas compras para o centre e praca, por
isso tominera ao respeitavel publico em geral. quo mande fazer suas despensa e cer-
cos de que verlo a grande dilerenca em precos mais do que em outra qualquer parte
e garantindo-se as superiores qualidades.
GAZ AMERICANO 90500 a lata, c 4 O
rs. a garrafa e 660 rs. o'litro.
VJKHO VERDADEIRO F1GEIRA G0
a garrafa, c 40500 a caada e 800 rs o ti-
Sl PFRIOR.
RoussiUon, carte blaiiche.
Em casa de Rabe NehmeUau A
G. Corpo Saatti a. .
YIMO
DE
BORDEAUX SUPERIOR.
CIIATEAU LA ROSE.
CHATEAIJ RAV3EAW
Em casa de Rabe Schmettau 4 C. Corro
Santo n. 15.
~ para a rmTA
3 portas, 1 ja de fer u^m
53-Rua Direia53
Neste granito eMabe^oisiMito, ha jiara vfnde-
um comptati) MrnMlRo J: ferragcui, o mhuhaa
(Inas e grossa?, como Mfni htfldjM cIii
quadradas c ova facas e gai f-n 'lo i 2 l -
loes, balanru inteiro e I/i balando; paiidla-. ri;-
Iheiras, camamilas, frigideira^, aadelnH, l
do ferro como de porcelana, inoiiOio* pan ca d
diversos tamaito.* do fabrican!') iapv, petos Wi\o-
groamos, lauto do ferro como da (atao, metro-.
para medir fazenda tanto Je ferro cnino de lalai.
*alitre, breo, barbanle. ensofra, papel i.tarca via-
da, do verdadoiro Pieardo, macliina*. pera aesr-s. -
rocar algodao; alm de outros arhgir de fersa-
gem, miudezas cuiarias unas, quo s er-ni a vsa-
la se rerilica ; na ra dimita ivffl toja i\>\ "
Os proprietarios do BAZAR DA MODA
sito rna Nova, nesta cidade, declaram ao
respeuave [wuuuo v u-m wpouiUiijj.
seus freguezes, que, principiam de hojeem
diante a vender o grande sortimento de
miudezas, perfumaras, quinquilharias, ar-
tigos de moda para hom ns. senhoras e
meninos, com um grande abatimento em
precos para liquidar a dinheiro.
A grande variedade de objectos de gosto
recebidos da Europa, onde os mesmos pro-
prietarios cntretem relacocscom habis cor
respoudentes habilitados a olftreccr as
maiores vantagens possiveis e boje estam
resolvidos a liquidar com poncolucro, icfaa-
ro os compradores urna diffeirnca superior
a 30 por cenlo menos do que cm outra qual-
quer parte.
A PRECO FIXOsao vendidas todas as
mercaduras cooslantes do estabelecimento
e por este systema de negocio podem sem
escrpulo comprar, cerlos de qne n3o se-
rao Iludidos.
Tem empregados promptos a rondnrirem
os objectos ou amostra a qualquer casa que
tas de Mannel Bento iM Olivoira HrasaA fi."
pr-
a taberna da trave-sa da ra das uiea n. 12
quent pretender, dirija-so me com quem tratar.
Sevada
o exija.
Bazar da
ModaIo de d'zembro de
Jos de Smtza Snairr, rfe -7.
Yendc-sj) na ra Direila n. 30, a 3a0(i a ai
ro'oa. _________ ,'________
Proprias para um jaular
Vi'Udcm-se no armazem da companhia Pcrn ;i -
Imcana raizas com una duzia d>; garrafas >j vi-
nho Hadefra, muMm de puro o moiau, o me-
lhor que 6 pussivcl produzir-se ; ha afana* I 'U-
cas caixas.
E8CRAV0S FUE5B0S.
r- Anda e-t fgido o mea escr.ivo Isaac, mu-
lato, dado 20 airaos, imueo mais oa Bwor-, tei.i
no dedo grande da ma duvita don-- unlia-, r
s.> fossem diio* dadits ; na sua sabida fnrjou
SDOa BOOS Pa mocdis de nur >. o foi b.-m vo tidn .
consta-me que U* visto em l'cdsa* d 1' ,' ;
p,'*, s amloridadcs pnKaaes : eapitae^ i
a sua ipp.'Uer.pSo, e que o facam conooz r ra
da Malrit da Una vista u. 33, onde ^erao ::o re
compensados.
Jfzuino de Miranda.
tro.
DEM DE LISBOA das melhores marcas,
400, 440 e 500 rs. a garrafa, a 26800 e
34200 a caada, 660 e 720 rs. o litro.
DEM BRANCO DE LISBOA a 4,3000.
a caada e 560 a garrafa, e S40 rs. o litro.
VINAGRE VERDADEIRO DE LISBOA
200, 240 e 320 rs. a garrafa, 1;>400,
(800 e 23200 a caada,
AZEITE DOCE BE LISBOA -900 r* *
garrafo, e a 7;> a caada, e 4-5340-0 litro.
MANTEIGA INGLEZA FLOR ifil.00 o
U280 a libra, 3060 o 2780 o kilo-
grammo.
DITA FRANCEZA 960, 900 eo0 rs.
a libra, e 23100, 1*080 e 13860 o kilo
gratnmo. '
DITA #ARA TEMHERO 560*6. a h
bra, 13220 o kilogrammo, em porco se
far abatimento.
SEVADINHA E SAG 280 rs. a libra e
020 rs. o kilogrammo.
FARINHA DE ARARUTA VERDADEIRA
640 a libra e 13400 n kilogrammo.
BOLAXTSHA INGLEZA MUITO NOVA a
400 rs. a libra e 8K) rs. n kilogrsmmo.
. VELLAS DE ESPARMACETE 720 rs. o
masso. em caixa ha abatimento.
PHOSPHOROS DO GAZ E DE SEGU-
RANZA, 280, 400 e 560 rs. o masso.
33200 e 63500 a groza.
AMEIXAS EM LATAS E CACHDHAb
DE MUITOS TAMANHOS 13280, 2-3500
3^500. ./IS08, 3>30G a lata e a etalli e 13
a libra.
GOMMA DE MILHO AMERICANA OO rs
o masso, e eai caixa ha abatimento.
BATATAS NOVAS DE LISBOA GO rs.
a libra, em caixa faz-se abatimento.
.feERVEJA INGLEZA MARCA H 53*500
a duzia e 500 re. a garrafa.
DEM bass. verdadeira ihlers
BBLL, 800 rs. a garrafa e 93 a duzia.
VJNHO DO PORTO ENGARRAFADO DE
Ra do Imperador n.26
Neste novo esUbleclmeuto enconlra-se
diariamente um variado sortimeutn de ho
linhos parach, pastei*, podin bollos in-
glezes, pes de lo presuntos, ditos m am-
bre, superior cha Hvsson. preto, e miudi-
nho. Vinhos finos de todas a> qualidades
couage, liatres, conservas champagne. Cer-
veja ingleza, froctas mimo boas, por-
tuguezas e francezas.
Um completo e variado sortimento de
caixinhas de todas os goslos e precos par;
l'u.uio no uia 7 (ti'corrento mc-i de r.'.vi-m-
bro, a escrawa Jnanuiaa,*crfonf, da idadc 40 an-
uos, cor proin, li.iixa s clt ia do corpo, (i ui urna
orelha rasgarla no lugar do brln o. uma peque-
a cicatriz na tosa a un lado, dtu duii n.
fenle abert'i que parece falta ilj um, uia- nan :
esta escrava so oceupava cm rarreg.tr agua no pa-
teo do Tert;o, on lavando rmipa pelos coqoeiros
junto a ra Imperial, o por e*vs Infares < pila cocluraa andar. Ilcpa-so aos Pr?. ca a
rampo a aprchensiri dosta escrava c a I var ;
ra do Qneimadn n. 39 toreeiro andar ou a pi
do Corp Santo n. 17 piimeiro andar, quo;
bem recompansaa*.____________________
Gr:itificn-se.
Ainda est fngidn o ./..fe-cid. cs.'ravo da i alta-
rla lbum da ra d> Lima, em Santo Aj au, c
mnito conhecio por tcrwndito pa-ntc i :. i te
n braco esquerdo rorlsdo, crionfo, )!> '* .
idadc i' niun- vezo- cubre defaMo do braro c. i
rini ptnno inaluaer tomacapha?a 3 falla l 'tai i.
Protcsu-se c-ififra .]ucui o tiwr em sea i' li
a possoa que o qoeira capturar s ra r-T..-..; n-
sada._____________________________________
Negra futida
Apolinnria, enrula, repre.-vni.i ti tamm csia-
tura regalar, andar vacaroso, muito feia ;
mallas marcas de bexgas na rara, >ppcialiiienl
to nar. l''V)u vtstidu de chita r'sa, camisas
aaias, sendo uma de algodftq azul, o panno Ba >'.
la fino com listras encarnadas : |Uem a
|pve-a ao Arraial, sftrn do Pm-to, ou loja n. 'il.
na esquina da ra da Madre de Dojs, que >< r,i
BANIIA E'PORCO >DE BALTLMOOR DIVERSAS MARCAS 13500, 13200, 13e
, alifcra,. 13560 o kilogrammo em Ogy^h. ^^ f ^^^
GUEZA 73 e 63 a frasqueira, o 300 rs. o
vendem-se os mais
bonitoa ebalea de verdadeira cachemira de
cOr, com os deeenhos mais modernos, a b,
10 e 123000. moMirato na roa da Im-
^"iSwJilMMO .
Na loja do Pavio vende-se as mais mo-
deraailbaqainaaoa manleletea de guipare,
oelo tptC0 de 423O00 Gjida urna,, Loja do PavSo,
Na Tj e armazem^doPavao mu da Imperatriz n. 60.
lyrio, e nsenlo, perolla ele, etc. e vende-se
pelo haratissio prego de 5(X) rs.
Fustfiea brancos para vestidos
Chegou um lindo sortimento dos mais ba-
ratos e bonitos fustoes branco6 com listras
ecnrdes, sendo fazenda b-stante larga c
flexivel, rauilo propria para vestidos e rou-
oas de meninos e vendem-se a 610 o co-
lofftS UASINHAS
OU ANADINAS A 15000 BS. O COVADO.
Chegou para o Pavo, um grande o va-
riado sortimento desta nova fazenda de 15a
e seda propria par vestidos, com os mais
delicados desenhos emais modernas cores,
tendo bastante largura que facilita fazer-se
nm vestido com poucos covados, pelo bara-
tissimo precede I#000 o covado, por j es-
tarem muito prximos da festa.
Papel para embrulho
Coropra-ss na roa da Imperatriz n. 60.
porcio se far abatimento.
ARBaOZ :BO MARNH&9 E DA INDIA
120 e rs. a libra, 260 rs. o kilogrammo e
3#i00 a arroba.
ALPKTA 203 rs. a libra e 440 rs. o
kilogrammo, e GOOO a arroba.
OAF EM GRAO 65 e 65500 a arroba,
200.240 e 260 rs. a libra. 440 e 520 rs. o
kilogrammo em sacca se far abatimento.
SABAO MASSA 210 e 200 rs. a libra,
520 e 440 rs o kilogrammo, era caixa se
faz abatimento.
MASSAS PARA SOPA, MACABBO. TA-
LIARIN E ALETMA, 360 rs. a libra o
1A220 o kdugrammo.
OLACHINHAS EM LATAS DE DIVER-
SAS QUALIDADES, bera como peroa bri-
lhante,combinaUon, Francy-cracynel, raixed
Biitata. Mdium, raney-nic-nac, a. b, >', o
soda a liJOOO e 1^400, cada uma Jala.
insco.
DEM DE LARANiA DOCE AROMTICA,
115 a frasqueira e 15 o frasco.
QUEWOS DE DIVERSOS VAPORES,
35000, 2 mento.
TOUQKHO DE LISBOA MUITO ALTO
i 400 rs. a libra, e 880 re. o kilogrammo,
e 115500 a arroba.
UNGUICAS FINAS PROMPTAS EM LA-
TAS i 15000 rs. a lata.
LOMBO DE PORCO ASSADO JA PROMP
TO a 15000 rs. a lata.
CHA FINO. GRAUDO E MIUDINHO
35200 e 2,5800 a libra, e 65100 o kilo-
grammo.
DEM PROPRIO PARA NEGOCIO i 2*000,
25200 e 15800, rs. a libra.
Assim como ha outros muitos gneros, vinho em ancoretas, apitonas,
muilo novas, passas e flgos novos, charutos de diversas marcas, marmelada, eita pelo*
memores conservemos era Lisboa, gela de marmello, pcego, ervilhas, em latas, por-
tuguezas e francezas, vinho verde engarrafado, retalho, peixe em latas, bem como
pescada, tainha, pargo, goraz, lula, conloa, vezugo, cavalla, sarda e sardinhas ue Nan-
tes. Canella. cravo, ervadoce, cominho, piment, grandesmolhos de sebolla aun.
Finalmente muitos outros gneros que enfandonho menciona-los.
A tenciio
Joaquim Rodrigues Tavares de Melloj
tem para vender no seu escriptorio, pra-J
ca do Corpo Santo n. 17 priineiro andar, w
potassa da Russia ltimamente chegada.^j
cal do Lisboa e vinho Bordeaux do supe-f
rior qualidade.
Cal de Lisboa
cltegada no ultimo navio, tem para vendar Jo;
qutm Jos Godgalvos Beltro, no seu escriptorio a
ra do Commercio n. 17.

CIMENTO, t
Vende-a* verdadeiro cimento; na ra da
Madre de Dos n. 22, armazem de Jo*'
.Martina de Barros ____.
fo dlgodo.
de algodao da Babia cr
em saceos de
Oabriolet auienca&o.
Veode-se nm eabriedet amerieano de duas ro
das sbre correias, proprio para lagar di mnita 6011 100 libra : no oscnptorlo de Antonio Ln
ara : os pretendens podem vo-io na cwhcira de Oliveira A^vedo & C-, ra da Cru:n. 57, 1
da roa do Imperador n. 43. iandar.
mimosear senhoras, estas camuas recn-
temptite chegadas de Pars 5o de prim'a-
do gosto, offeresse-mo-las aos^aladteadoies
do bello sexo pois nellas acha rao nm digno
e serio presente para as donas dos sen?
pensamentos. Tambem os apreciadores da
ha fumaca encontiarao iharutos dos me-
lhores fabricantes da Baiiia e de Havana
sganos do Rio de Janeiro etc. efe.
Doces d'ovos seceos, chnstalisados o dt
calda, ditos de caj' e de outras qualidades
Nesta casa recobem-se encinmendas para ,t''-0l"',t-i ________________.-------
bailes, casamentos e baptisados e qualquer J)a_se 50|O()0 encommendas avulss, como seja pao d lo -^
e bollos enfeitados e outros muitas couzas $10
que enfadonho mencionar. Fu?o no Ja 29 do prximo pa*? loo m^z a es-
1 erara do nome Hcrtnlczj, dad.) j annos, poucj
mais ou menos, cor parda, cab ;lio< earapinltos,
pernas gro.-sas, p< seceos, dedos tos pea o da-
niaos cuiniiridos, seto pcqu^n.i, befen crosns,
bocea regular, anda mnito ligeiro. bem tillante,
lovou ve tiJocahec.au de tabyrlnUw o aria lamben;,
ambos brancos, tem um signal Jo um intraz n;t
nuca, do lado direit" nu csinicrdo : ran-Mt, pr-
tanto, as autoridades pidiciaes o '.ipiies dt- cam-
po a apprjnensan da mesma, c feva-la ao Reme-
dio, casa do abaixo assignado.
Antoni'i Menelles Ctiik.ro de Gusmao
Fupio a"dias d<> ntei praxuno pa-.-tido. do
engenho "orno da Cal, os dous e^cravo-, Vidal,
preto motilo, i lalf 40 annos, pneso mai> f>a mo-
nos, de estatura regular, tem barita serrata, der-
confia-se andar por Goianna, visto ter mio do e-
genh > Jaran! ; e Raymundo, abra, klade 21 an-
uos, jiouco mais on menos, [":;i I onita ligura
falla femenina : qu^m os peg;tr e leva-Ios to eit
genho ,i :im^, ser bem recompensado._________
. No ?a 9 do mrrente m;i fOfflo o negro Sc-
bastiao. o .-.ostuma a mudar o nome- para Benedic-
to Jos do S int'Anna. com os signaes segnrnle :
balso e ebei i d i <- 11> >, c-.m martas de bfxip;w,
duas cicatrlics na- liarnga< di* pernas, c tas cos-
tas tambem ek&rii-- e ten-, ama ainda de frese*
as eistr.s. ou sobre um do3 binbMf, j pi
idade SO aanos, ponen mais ou menos, mwitn ro-
Srista : quero o |i> t-r leve o a sen senhor ra
a Paz n. 13 (co'be'ra) ipn- ^or recompensado.
~~ Negrra fngida.
Da Capun?a-nova fupio lmr.ter.1, 0 do corren! .
das 7 para .i- 8 h >ra- di no't.% a oserava 1 au-t
na. crioula, Idade dei?anV, psueo mais cu
menw, de Bslat'iri alta, cor [ola, caa largN,
beico- grossos, dfntes miudos, o .;uando fala pn
rece nao os ter, bracos e mos comprido^, pe-
apalbetado?, e tem una ferMtt n,i peni:, din-ir-j
provenieirte de um arranl":o ; levn vcslii!
chita rftia de 'i-'ris e chalo de -.erind i
muil" cunbecida na cidade le, Oi'na p<:1"' r
vadoSr. Dr. ignello Cmzatfa, e Doti
do Sr Ignacio .m Mica no Terjt: recomnieo,
da-s* a sua appr bw san potloa ou \x qnal-ioor
pc>-o qnedosso -i 'cr ?n quoilp eorangar.
Ll
Reata venda um cscolhido sortimento de ob
lectos de marcincria, como sejam, mobilias de ja-
sarand, mogno earnarollo, obra nacional e cslran-
eir, de apurado gosto e por pra;o< razoaveis :
i ra estreita do Rosario n. 32. Nesta mesma
asa fazem-se eom perfoicao todos os trabalhos dt
jalbinha, como sejam, cmpalhamentos de lastro
tara camas, cdeiras e sopiis. t
A ra do Livramento n. 6. contina a a-
ver para vender por precos rasnaveis, (
melhor vinho verde at hoje viudo a eatf
mercado. ^^______
RIJA DA LORIA % 5
Olaria do Puudao.
Ha sempre nest olaria grande sortimento. dt-
materiaes, como tijolos de arVenaria batida, ladn-
Iho, quadrado de 8, 9 e mais pollegadas telhas t
teih8e* tijolos de- tpamenos. O propietario des-
la olaria garante a bondade o barro de taes male
riaos, comotambent vendi-se ni.is barato do que
em outra qualquer pane._____________________
D&iTUa, S8.ffU i^fi'v'aT' roa do Qu,'!ini> n. 11'.
a 10o". a libra, c & rs. ce 10 libras | S*n C
para a im; na ra Nova n. 60,
muito novo a lOOcs. a libra, ^"-^ i ft^ffi fie, oud kra
1
< L


X



8


Diuio de Pernambuco Segunda feira 13 de Dezembro de 1869.
mmmu.
POTJOO Ufe YUDO.
A VELOCIDADE D VOHTAOE.-Quan-
tosphrapw*optttomentQ, pen-
sa-se ter exprimido o vcc pina ultra da
velocidad!, velocidade de que nafla se pode
aproximar, alguma cousa djlnstaaiajteo,
d ominante. M nma palavra,
lerem prendo I^^H^ole: umerro,
ao menos consftrMdO sob certo ponto
de vista.
O pensamiento, ninguem o contesta
transporta para longc sem ter conta com as
distancias, porque nio-Wis difhcit repre-
sentar ra objedo toftJMo do que am
prximo. Assim en^ilo a quesflo, po-
de-se dizer que o cspca fleo um obsta-
colo ao pensameolo,.ue o uo mcom-
moda. .
O pensamanto, poVm, jmws se origina
mstantaneanWnte sob a fluencia de urna
causa extern; daeorreum tompo aprecia-
yelum ou dous'deoimos de segundo
antes que urna idea *Wja no espirito era
consequeneia de urna -impresso recebida
pelo cerebro, e que a vonlade responda a
essa idea polo mevimonto qualqaer de um
membro. Do mesmo modo, a correte
nervosa, qoe transmiti as sensages ao ce-
rebro e as orden da vontade s extremi-
dades do corpo, lera necessdade de algum
temuo prn preencher seu fim.
As imoressSes, que nos vm do exterior,
nao s5o sentidas no meamo momento em
que se produzem; ellas percorrem ao
ioago dos ervos-rom urna velocidade de
20 a 30 metros por segundo, qoe a mesma
do pombo viajante, do furago e de urna
locomotiva a toda torca, mus muito infe-
rior velocidade de urna bala de artilha-
ria. Recebida -a impresso em um ponto
qualquer do corpo, a excitado se propaga
primeramente at o cerebro; ah se elabo-
ra urna idea, a vontade decide-se a enviar
nma ordem, .esta ordem percorre o longo
dos ervos atchegar ao membro que deve
cumpril-a, e, finalmente, este poe-se em
movimenlo. Todo isto se faz em tres
lempos cuja dtirago muito apaecia-
Vtl.
So em 1850 se fizeram com ulilidade m-
A,.0:C-.a >^>u a*ia jniArpasanle objecto,
Dave-se iste a Mr. Helmholtz, o mais teio-
bre dos physiologistas atlemes. Seu pri-
mero methodo bascado sobre o emprego
do chronoscopio de Mr. Pouillet. Urna
corrente galvnica de muito curta duracao
obra em distancia sobre urna agulha mag-
ntica t separa-a de sua primitiva posigo:
mede-se a grandeza do desvio, e delle, pelo
calculo, a duragao da corrente. Assim
tem-se o meio de medir intervallos de tempo
do valor de miesimos de segundos.
Se trata-se, por excmplo. de conhecer o
tempo que corre entre a deflagrado da pl-
vora em orna espingarda e a sahida da bala,
liga-se o extremo do cano ao cao por meio
de um circuito galvnico, de forma qoe,^
Ixitendosc o cao. o circuito feche e a cor-
rente passe, mas que a bala a interrompa
de novo, corlando o fio. A durago di
cirrente, qoe, neste caso, de cerca de
um centesimo de segundo, aeha-se pela
observagao da agulha magntica que faz
parte do apparelho.
Eiscomu Mr. flelmholtz applicouseu
methodo. Um dos senlos da perna de
urna ra fui fixado por urna extremidade
em urna pin^a, c ligada pelaoutra extremi-
dade a urna pequea alavanca que fazia
parte de um circuito galvnico. Um peso
suspenso na alavanca servia para dar ao
msculo a tenso conveniente. Tudo eslava
disposto, de forma que no momento em que
a corrente se fechava tinha lugar um cho-
que, quer directamente nos msculos, quer
o ervo, do q:ie quando se excita em um
ponto dado de um ervo que se gotava
previamente n.\ ixjcnso de 4 a 5 centme-
tros e que anda adhera por um extremo
ao-i;iuscu!o que dtria animar.
Sob a mlueucia desla excitago, o ms-
culo se contrahia, fazia mover a alavan;a e
interrumpa ajeorrente elctrica que atra-
sava osta-HHlima. O lempo, durante o
qual a corrente circulava, era indicado pela
agona.
Conhecia se entilo que a contractoTbega
mais urde quwo se uaeMitado^dig-
renga mostra a velocidade de taaosmiseaosno
agentenervo99, a qual se reconhecett icr
de 26 metro por segando.
AlmtJissoMr. HelmlMKz demonstrou
m todos os casos, a ontraccSo so
IssM'Ais
que
doum
le ao
tempo igual a um centesimo de segundo,
que elle denomina exewif6o latmla. As
fibras musculares nao etedecera, pois, ins-
tantneamente ao agfJlho da elcctnei-
dade.
Depos destas bellas experiencias, que
pela primeira vez tinham feito conhecer
exactamente qqbio se propaga nos ervos
urna excilacio, Mr. elmholtz iovniloa n,
outro methodo que peunitte analysar-o-phe-
noineno at en seos menores detatnes.
oste ontro meio o mus .uto, na eontracgo,
levanta urna alavanca movel, que tem urna
ponta qoe deixa om trace branco sobre um
cylindro moveKcoberto de negro fem.1
Urna dispbsicao particular faz marcar pela
mesma ponta o instante em que se produz
a excitasHo: desde este momento at que
comece a eentracc3o, a ponta traca ama
linha recta no negro dffumo.
Quando, em seguida, a ponta da alavanca
<,uccfi5sivamcnte'Bm don? pontos
mas, salvo a fnep
ensacoos.
Se, porexemplo. em 'ponto do dedo
jrande do p e aepois omponto da regilo-
inguinal, a differenca das demoras observa-
das representara ,o tempo que a sen-
sag-So leva a subir do p at o meio do
corpo.
De todas estas experiencias resulta -que
a corrente nervosa se propaga com urna
veloridade relativaraeute pooco considera-
vel; A mo que alira urna pedra feudo o
ar cem nma velocidade de 22 metros por
segando, qHte, em ludo e por todo, eo^n-
paravel a jo fluido nervoso; o cayallo de
.arierra, a tabre e o galgo tem a mesma ve-
locidade. A onda arterial, que percorre 9
malros por.sefundo, tem velocidade bes
veas menor.
Do outro lado, o Dr. Jaager medio o
tempo empregado as operaces do cere-
bro, e reconheceu ser de alguns decimos de
segundo.
0 pensamento, ve se, nao origina instan-
tneamente ; um phenomeno natural ro-
jeto as leis do tempo e do espaco.
Entre diversos observadores o tempo
lei
por
mirtina tk
levantada pela tenso do muscnlo, de papdido nao o raesmo ; um sent, refiee
senha urna curva cujo aspecto faz vCr imme-
diatamente todas as diversas phases do mo-
vim^nto de contraeco. Por este meio,
Mr. Helmholtz achou que veloridade da
corrente nervosa era de 27 metros. De-
monstrou elle mais, pelos dous methodos,
que atens5o dos msculos augmenta desde
o momento em que cometa o movnento e
que attinge um mximum de cerca de 5
centesimos de seguudo, decrescendo de
novo at que o msculo tenha ebegado ao
seu estado natural.
O segundo apparelho do Mr. Helmholtz
i ecebeu o nome de myographo. f'oi aper-
feicoado ou antes modificado por muitos
physioiolog stas. A grande dilflculdade
era medir exactamente o tempo correspon-
dente aos diffierentes pontos do iracado
que a pona faz sobre o cylindro. Mr.
Helmholtz fazia mover o cylindro de seu
apparelho por meio de rodas de relo-
joaria que indicava o tempo que durava a
rota?5o.
Este meio nao deixava de ser assaz im-
pelo emprego do dapaso.
Mr. dr. Marey, em seu curso de pliysio-
logia medica, servio-se para este fim de um
diapasao que fazia 500 vibrares simples
por segundo; estas vibracSes eram inscrip-
tas no cylindro ao lado da" curva tracada
pela extremidade do msculo ; bastava con-
tar o numero de vibracoes inscriptas paral-
lelamente a urna parte do tragado mus-
cular para ter inmediatamente o temp
correspondente a esse tracadb. Mr. Marey
achou, por este processo, velocidades de
transmisso que variavam de 10 a 20 me-
tros.
A corrente nervosa so propaga mais len-
tamente as temperaturas balsas do que
as altas. O Dr. Monk reconheceu, de
mais, que a velocidade nao a mesma as
differentos partes de um ervo; nos er-
vos motores, parece ella augmentar no
ponto de imiao do msculo. Emlim, se-
gando Mr. de Berold, esta velocidade di-
minue quando o ervo esl sob atofloencia
de urna corrente elcitrica.
E' agora importante fazer no hoinem as
mesmas eipenriencJas. Eis a maera de
proceder a ellas.
Urna corrente elctrica produz urna lige-
sensaco de d3r em um ponto da pello; o
instante em que a corrente opera marca-
da como procedentemente sobro o
cjrRndro giratorio do chronoscopio. Log>
que a pessoa submellida a experiencia
sent o choque, d un signal por meio*de
urna chave elctrica e de urna nova mar-
ca se. produz sobre o mesmo cylindro. Me-
de-se o ntervallo comprehendido entre as
du is marcas e assim tem-se decorrido entre
asduas mareas
Esto tempo, que um a dous decimos de
segundo, compoe-se de mnitas parles; trate-
misso di impri'ss i exterior ao eereliro,
percepc9i), reflexiio, transmisso da vonta-
de ais | nIos. ifonlracefio muscular que se
segu : si, p>rem *sj proiffiz a excitaeo
FOLHETlia
OS CASACAS METAS
ROMANCE
POR
Paulo Fval
Segunda parte
THE* PATN
(Continuacio do n. 283)
XXXII
E^aasar-c-ha
Em quonfo ao Se. Lecoq, esse nada
sordera da Victoriosa' singeleza Piscava o
i quando se diriga ao bario, e enviava
a Julia gfstos amgaves.
Fui esta quem quebrou o silencio.
Eu nio peraebi quanto acaba de ser
dito, murmurou com voz alterada. Devo-
':reditar quo o Sr. Schwartz leve parte
n'aquelo terrive! acontecimento de Caen ?
lia, ea'lsoltou o Sr. Lecoq, nem
teve nem deixou de ser, peixe e carn?, urna
soasa eoutra.
E como o banqaeiro protestava com ges-
to enrgico:
De certo, de cerlo, estimavel senhora,
eonliuoo. -O senhor baro est innocente
orno imia creancinha que acaba do vir
luz. Dvo-lhe este, testeraunho ; elle na.,
tomou parte cm cousa alguma ; com sabe,
porm, nasce-so com aptides. O senhor
ba ao rea usurario antes de ter um sold
de seo. Eu tive o prazer de Ihe fornecer
o primeiro sido ; t nlia-o na verdadega
nhourn poeeexhinho. As?im qoe se vio se-
flhor d'elle, empresteu o meio por meio
s seraaaas; transaeco qoe e a imagem
siogella e reduzida d'essa cotsa glw.osa
que s chama a banca. Ahi est o qoe foi.
E preciso contar edn as vocagoes. Nao
a synagoga quo faz o judeu,
Tomou a mo do Sr. Schwartz e saca-
o-a, cora consentimento ou sem elle,
a'ira iiup'to de fervorosa cordialidade,
3ndo :
Nao assim, JoSo Bautista ? a cous-
mm* esi por nos. e o principal. Mas
*Ja Je no Iransvarmos. Em qoe esta-
tamos ? A9 Caillardbois respeito dos
Casacas Pretas ? Nao era isso, anda. Es-
tavamosnas razos que descupam a se-
nhora baronefa rom relacao bigamia.
Xao ha culpa nenhuma da parte d'ella, per
cebe, amigo ? Julgava-o morto, e a nica
pessoa a quem deve acensar a si propiio;
julgando o mando morto, casou segunda
vez ; da lei divina e humana, salvo entre
os bengals, jue exigem a comoustib da
viuya do Malabar. Poda ter confessado,
dir ? Nao tanto assim. Aqui onde a v
tem seoslas... slindissimas costas. .
urna condemnac5ozin!ia por contumacia
vinte annos de trabalhos forrados para se-
nhoras.
Mnna mulher! exelamou o baro
como louco.
Nem mais nem menos, respoodeu o
Sr. Lecoq. E, creio en, no m'cu fraco
bestunto, que o csame.".' i Jahn para ella
seu tanto de refugio, sel>:m quo o Joan
Baptista merecesse ser adojado pelos sens
dotes pessoaes... Adevinha qual era o
verdadeiro nomo de Giovanna tteni, nao ?
No quero adevnha-lo ; pronunciou
o baro por entro os dentes serrados.
lissas coasas, emeodou Lecoq soce-
gadamenie, s3o involuntarias,
se ou deixam do se adevinhar. Se Dio
adevinha, amigo, vo ajuda-lo. !So dia em
que receben a divina nota de mil francos,
qualrocentas notas iguaes tinham sido rou-
badas do cafre do Bancelle.
Andr Maynolte, que foi condemnado...
Basta I disse o baro, passando o
lengo pela testa.
verdade, perguntou o Sr. Lecoq.!
que os cabellos d'elle es'avam j;i de todo
brancos, qoaudoseisou oito raezei depois.l
j> encontrn na Iha de Jersey
Basta, repetio afflieto o banqaeiro.
Anda a fatalidade em tudo isto !
A respirago de Julia, silvava-lhe no
peito!
Ahi est um sugeilinho, pwseguio o
Sr. Lecoq, que nao deve inorrer de amores
polo amigo. Nao percamos, porm, o fio
da palestra : continuemos com o qoe diz
respeito-4 senhora baroneza. O amigo ha
de conceder que qnsndo se trata da vida
ou Ja liberdade, ningera deve conflar-se,
nem mesmo do amor.
Sbltaou a oltima palavra com risonha
ironia e proseifoio:
i Julia Maynntte estava positivamen1
n esse caso A condemnacao de AvF
te.e obra mais depressa que oouU-o:
questo de temperamento e de disposigo
lortuita Isto explica as differencas que
sempre tem sido notadas pelos-.astr-
nomos observadores do mesmo pheno-
meno.
Jamis duas pessoas viram a passagem
de urna estrella por detrs de um fio no
mesmo instante ; demais, a differenca en-
tre os instantes notados, ou o que se cha-
ma cijuac-ao pernal de dous astrnomos,
varia mais ou menos, segundo a3 circuns-
tancias, e com o tempo pode augmentar ou
diminuir.
Aeducago do observador tem nsso
muita intervengo ; Mr. Woli' mostrou que
o tempo perdido pode reduzir-s a um m-
nimum por meio de exercco e emprego
de' um apparelho especial quo faz co
nhecer o erro commettido em cada obser-
vago.
Destasexperencias decorre forzosamen-
te urna concluso muito amortante : o flui-
do nervoso nao idntico o fluido oicetn-
ow. a eiectricidade propaga-se nos fios
telegraphicos com urna rapidez incon -ebi-
vel, excede muito a luz c 6 vinte milhes
de vezos mais veloz que o agente nervoso,
lia ainda urna entra differenga capital entre
os dous agentes.
Toda a alterago da st rae tura dos ervos
faz parar a propagago da corrente nervosa
basta pisa-Ios ou queima-los para inter-
romper a transmisso da corrente: urna
vez cortados, nao recobrara mais sua forga
confiadora quando de novo se aproximan!
as extremidades separadas.
Os fios melallicos, ao contrario, condu-
zem a electricidado, apezar de todas as ava-
rras que por ventara soffram.
NAO IIAVEBA MAIS CALOR.Na Alle-
manha trata-se de aperfeigoar urna machina
que muito deve interessar aos povos que
vivem em um clima quenlecomoo nosso.
Dando conheeininto desse til invento, re-
commendamos a nova descoberta nossa
rauuicipalidade, principalmmte porque
pode o uso dessa machiaa entre nos ser de
grande vantagem, sobretodo para as fabri-
cas e par a pobresa que vive abafada
em pequeas casinhoias onde o calor ex-
cessivo, e origina grande numero de en-
fermidades. Jtilgamos a invengo digna de
ser estudada e aproveitada.
E\i a descipeao da machina e de suas
ventager.s:
A invengan desta machina, feita na Alle-
manha,1' ha de prodazir os miiores effeitos
tanto as sciencias como as industrias.
Esta machima applicave as fabricas de
cerveja, nos agougues, em todas s fabricas,
nos theatros, nos pores de oavios, nos
hospitaes, ainda paia a conservagao da
carne, dos couros em viagens transmarinas.
Tar a maior influencia sobro a san le
publica, porque umi pe.|uena
itasta para esfriar a atmosphera
20 casas.
Trar a economa no trabalho human).
difieren- porqtie diminuiodo o calor intenso, qier
uaitirMicas. nos ttscriplorios-quer uas ofi-
dnas adostaes, augmentar* a torga e ener-
gia do operario; assim facilitar a industria
earopu at nos paizes mais qoenlos dos
trpicos.
A mesma machina afluir no malliodo
do curativo de muilis metestias, porqo*
sabido que contra algamas febles nao lia
outro remedio seario o csfcUmonto da
atmospl'tra.
Busca-so a simplcdade nn TOBStroeoia
da machina na applicaro da lei nalu.-al
que o ar comprimido cria calor e que p
ar expandido cria fri. E assim, que pela
representaglo colossal e evidente desta
natural, a machina nunca ser excedida
ontfa.
O fri, produzido por ella illimtlado,
at fiz gelar o mv curio..
Descripco du epfucoet da
tsfri'Uivnt').
A machina loi colloc h em una ofi-
ciaa em que achou-se una outra p.quena
machina a vapor que linha o fim de por
em movimento a machina de esfriamen'.o.
Esta machiaa a vapor tinha' elevado o
calor na oflicina 34'Raumur.
As diversas pegas da machina deesfria-
mento moslravam um calor do i 8 a 201
Raumnr.
Apenas combada a operago, isto ,
logo que a machina vapor poz em movi-
mento a machina de esfriamen'.o, diminua
o calor nn (grtadro de expanso (posto de
machina) de tal maneira que ora 2 minitDs
o thermometro collocado no dito cylindro
j apresenta 10' Raumur de fri, e qm
em 10 minutos apresenta 40 Reanimar de
fri, isto 6, o fri que faz gelar o mer-
curio.
Ahjumas pegas da michina ficam coop-
tas da humidade, quo gela e apresenta umi
crosta de nev ou gelo.
A agua comida em vasos de cobre fa-
zendo parlo da machina e que tinha u*n
calor de 20a Raumur. est goladi parci-
almente cm 10 minutos e totalmente cm
20 minlos, sendo o gelo do mais d.iro
Dossivel.
Logo que todas as pecas da machina
ficam com igual fri gela a agua anda
Com mais pramptido.
Prosegundo-so na experiencia apparoco
o esfriameoto de salas, qnartos, etc. Da
machina de esfriamento segu um tubo de
folru de Flaidres de 6 pollegadas, ma!
guardada do calor exterior, para um
quarto distante 50 ps o cujas dimenses
sao de t,800 ps cbicos.
As paredes e a porta do quarto est)
em mo estado e portanto a cotradi do ar
atmospherico fcil.
Antes do coraego da operago moslra o
thermometro 20" Raumur de calor no
dito quarto.
Apenas comegada a operago fechou-se
a porta, que o nao foi hermticamente, e
passados t minutos tinha cnido q ther-
mometro tO1 Baumur o pa sados \i i
utos 40 Raumur.
A machina respira com forga o ar gela l >
para dentro do quarto e depois de 30 a 40
minutos gela toda a humidade que se acha
no ar e cahe com forma de nev ao cha).
V-se ento como o ar fro sabe do tubo
para o quarto em forma de denso vapor
continuando a operago gela a agua qoe
se acha em vasos no dito quarlo.
Ainda ontro exemplo :
Siipponliamos um quarto com tempera-
tura de 20 Raumur de calor.
Sendo o calor um corpo, e gyrando, es-
coado o calor com toda a adividade me-
chaaica, acontecera que, se se pndesse
comprimir o ar atmospherico comido *o
dito quarto, na metade do espago ou vo-
lumo anterior, elevar-se-hia o calor a 40''
Raumur.
Comprimindo o ar outra metade? doria
80 de calor e assim por dianle.
Comprimindo o ar at urna athmosphera
de presso, achar-se-ho concentrados
cerca de 00 a'tlO' de calor.
O desenvolvimento do calor porem nao
cresce proporciona menie, c cota pressso
de tres atlmosplieras gera-se um calor de
130 a 150" Raumur.
Pe a supposigo que fizomos adhere
cada urna das parcellas de ar comprimido
am calor determinado de 20' Jtaoiaor, a
cada urna tiestas parcellas do ar o conser-
var se tizer-se expandir astear compri-
mido sem fricgjo nem grande pressa.
Se se esfraste, porem, este ar, cumpri-
.mido de umor de cerca 'e tflO*. por
exemplo, em agua de"20* do calor, enlJo
perderiam todas as parcellas de ar, do que
acabamos de fallar, o qiudruplo de seu
calor, primitivo de 20', p-jrqae-assim es-
friava-se a Wtois a qu-mtidade concen-
trada.
Se depois disto deixa se repentinamente
expandir o ar eoncetitrao, assim esfriado,
ter cada urna das parceilas do ar somonte
4 vezes mm >s quantidade de calor, isto
OQfcaNw de 0.
Calculo o calor geral da agua nos trpicos
a 20 Raumur. A machina porm mesmo
com agua de 50'' Raumur produz em 5 mi-
nutos 10* abaixo de zero no cylindro de
ospanslo.
Dasla pescripcSo resulta qne a machina
na) produz seno.o ar mais puro, mais vi-
tal e tambem o gelo mais natural sem
chairo nomoulras desantagens nocivas, por-
que ella comprima somonte o ar vital, es-
fra-o e gera o fro por sua expanao.
O fri que se produz pela machina to
grande e constante que por e^emlp, pode-se
crear at as zonas tropicae3 logares para
patinar.
machina
de 30 a
Maynotle cra-lhc exiensi\^. Em Doacons-
ciencia poda o amigo exigir que ella Ihe
fosso dizer : Menino, eu sou viuva de um
Toreado e Pircada lamb m. QtiAr abrag.ir
vinte annos de trabalhoa pblicos e o mie-
lo do meu hymedeu ? No seu logar, te-
lo-hia feito, Joo Baptista E es seus
peccadilhos, confessou-lh'os talvez ?
E rangeu-lho o riso por entre plmbeo
silencio.
A baronezaconservava-se glida, e pare-
ca urna mulher de bronze. O baro
cada novo guipo ge acurvava mais e mais.
Equem ,'anriouiTestd feira Donnaiula
do casamento V Continuou o Sr. Lecoq,
pegando no cachimbo, que logo poz de par-
te com uan corto/.ia dirigida baroueza. 0
amigo tem urna das mott^res mais deslindas
de Pars. Ha dezesete annos que a idolatra.
Tem-llie ellasatisfeito um lempo o coraco.
e a vaidado fica a perder de vista o amigo,
ricasso collado urna senhora deatincta.
Nao se queixe, que Ihe riem as becheehas.
Nada de fallar de separago : a sua upio
est nulla, o que faz com quo sua Jillia seja.
nem mais, nem menos que bastarda, desde
as pontas dos" bonitos cabellos at aos bk
Adevmham- co^ dos delicados peznhos.
Tudo sso ve.-dade, disse o baro,
tudo isso deve ser verdade, visto que eda
nao protesta.
A baroneza, disso:
Tildo isso verdtde. ,
O peito do baro soltou um gemido.
A penna^i Tres Patas tragou no papel
algumas paUvras, ao |iasso que ella-artica-
lava com singular accento :
s testmunha, escrivo e juiz 1
Blango geral, tomou o Sr. Lecoq
ondo-se cad^ vejynais vontade, embustes
fraudes em raoo por tudo. Pnueiio
emboste do lado do'marido ; segiado em-
buste da parte das senhoras. Misturemos,
e passemos a cousa de muito maior serie-
dade, pense o que pensar este pobre baro,
qoe i iomem e que vejo
Hcai^H l|a ,le trapos mo-
Hiad^BPPIo pn se quer
tirar-ai a salvo. O Gaillardl am po-
Ungo diablico e est co^^Htinh
rasto. capaz de remontar aos mil f
eos da azinhaga. O coronel, seu comn
ditario e sen crente, esta a na his
tria He as gdlla*. A eondessa Corona ';
encantadora. Tudo grave. E tudo isto
nada Andr Maynotle est em Paiis.
Ah I. soltou a baroueza cm invo-
luntaria exclamag).
O baro ergueu os olhos para ella. Nova
angustia Ihe mo lilicava a alicgo.
C a penna ficou-se immovel entre o da-
dos do aleijado.
Andr Maynotle passa admravelmente
na sui importante s^ude, proseguio Lecoq.
cuja desfagatez deixava es .apar leve somDra
de coril'uso. Ah tom o amigo o perigo
principal, o verdadeiro perigo ; Andr May-
nolte um malvado.
Mente interrompeu a baroneza com
voz clara.
Aquella palavra, estremeceu Tres Patas
da cabega at os ps, como se recebera a
descarna de urna pilln voltaica.
O Sr. Lecoq ilmoo-SB agradecendo ir-
nicamente.
Niuguem diante de mim ha de insul-
ar Andr Maynolte disse a baronez, cuja
nobre estatura se erguera.
E o baro balbticiou no excesso da sua
angustia :
Contina ento mulher d'aquelle re-
probo ?
Coatino. resppndeu ella sem hesitar,
sempre o fui do corago
O aleijado segurou com as mos ambas a
desgrenhada cabega.
Nunca me occorrera a idea de dar
um tiro em mim I pensou em voz alia o
bario, cujos olhos osgazeavam.
TROCA DE CVBEgAS.Os filhos de Mi-
nas-Geraes tero pela seguintc curiosa no-
ticia de torna-vagcm, cOnhecimento de um
facto estrondoso passado em sua provincia.
Traduzimodo da Petit Presse, de Pariz, cora
toda possivel lidelidade:
Acabamos de ler na Parri'e de hoje (12
de outubro do 18159) a noticia dd urna ope-
rago ou curativo, que importa a aboligo
implcita da pena de morte.
Voltamos ao tempo dos inlagres. At
aqu tudo tinha sido possivel oa America ;
as pelas mais gigantescas tinham j aira-
vessado os mares, ainda, porm, nao se
oovira fallar em resurreigo. A seguintc
narragao transcripta dos annacs de medeci-
na e cirurgia eslrangeira :
No dia 18 de abril de 1858 leve lugar
na prista de Villa-Rica, provincia deMinas-
Geraos, no Brazil, urna dupla execugo de
pena ultima, as pessoas de Aveiro e Cari-
nes (no Brasil as execuges se fazem no
interior das prisoes. ()
O Dr. Lorenzo y Carmo (*) do Rio de
Janeiro, geralmento conhecido dos boraens
da sciencia, por seus nota veis trabalhos so-
bre a electncidade applicada physiologa,
pela sin habiidado cirurgica e pelos snc-
cessos alcangados as operagoes de auto-
plastia, pidi o obteve a permisso para
aproveitar essa crcumstancia afim do veri -
licar experimentalmente a forga da eleciri-
cidadee demonstrar sua analoga com al-
guns dos phenomenos da vida. At ento
as numerosas experiencias tentadas tinham
tido por objecto a cabega ou o tronco isola-
damente; o Dr. Lorenzo y Carmo lembrou-
se de repetir a experiencia reunindo-os.
A< cabegas dos dous condemnados ca-
hiram ()com pequeo ntervallo e junto
urna da outra. Primeiro a de Carines e
depois a de Aveiro. Inmediatamente de-
pois^la 2a execugo um dos estudanies que
acompanhavam o Dr. Lorenzo, comprimi
foriemente as arterias cartidas de Aveiro,
alim de que cessasse a immorrhagia, e o
corpo foi ento estendido em cima de um
leito, para este effeito preparad '. Um dos
ajudantes agarrou logo em urna das cabegas
que o Dr. Lorenzo applicou tQo exactamen-
te quanto Ihe foi possivel sobre a secgo,
c que fui conservada nessa posigo.
Os alveophoros de urna forte piha elc-
trica foram applicad s na base do pescoco
e db peito, e gragas ao seu influxo vio-se
immediatamente que, como as experiencias
anteriores, os movimentos respiratorios se
efftclujvam. O sangue, que peneirava
com abundancia nos bronchios, ameagava
impedir que o ar penetrarse,por isso o Dr.
Lorenzo pralicou a tracheotomia, e a"Tes-
prago tornou-se 1 >go regular.
A cabega foi reunida ao tronco por meio
de numerosos pontos de sutura e a um
apparelho especial. O physiologista quera
ver p ir quanto tempo poderia elle conser-
var assim artificialmente um simulacro de
vida. Grande foi, poi>, r s a a t,aPT3^
m uaJo, aa c^j i dj J, luras, re ,o'.ijcou
os qu mintinlii pila
influencia ou c mas tamben
qoe a respira certa regulari-
dde ; opalso bata fundamente, mas do
mdo sen-ive!. Canliauou-se sera descanso
na operago.
Pausadas72d)i >j>vori;iou-m as-
othbroum tratajl^o do' sycalrisago eviden-
te, qoe comegafn operarse as bordas d.i
secgo. Um poiwo mais larde os siguaes
de vida maoifesjaiam-se epontaneameot'S
pa cabega e nos meinbros at ento priva-
dos di movimenlo. l'oi nesta occasio q^uo
o director da prisJo entrando pela primeira
ez nasalad,? e.xpiiertcia, reconheceu qoe
gracas a. um singular engao, fillio ta pre-
cipilago, a cabega dd Corins fora tomada
pela de Aveiro ecollocada no corpo deste.
Nao obstante isso, proseguio-so ni opa-
ragi.
< Tres das depois, os movimentos res-
piratorios rtstabeleceram-se por si mesmo e
pode se dispensar a electricidade. O Dr.
Lorenzo y Carmo o seus ajudantes j^tavam
ationitos em preseuga de um resultado to
inesperado o da forga la melle aganlo que
era suas mos restituir a vida em am cor-
po a quo a leitirava o direto A existir.
t O sabio cirurgia), que uo Uvera por
fim seno urna simples experiencia de phy-
siologa, empenhou toda sua habilidad: era
continuar aquelle trabalho qne a setenefo
auxiliada, contra toda a expectativa, eli
nalureza, comecara de um modo to sin-
gular.
Favorecen o trjbalho da cic.itris.igS:>
que se relizou as condg5es as mais Jave-
ra veis; por meio de urna sonda oeophagiana
entroduziram-se no es'omago alimentos l-
quidos.
Ao cabo de tres mezes a ccatrsago
eslava completa e os movimentos, p )Sto
que ainda difficeis, io-se desenvolvendo
Hiviaalm d'isso as suas relagoes com
o coronel.
Ficra o baro apavorado pelas palavras
de L'icoq. porque nao estava int^iramente
puro perante a pronria consi-ienc.i. Ds-
sem-lhe a pureza absoluta, a honra, para
empregarmos a palavra que diz tudo, e
veram alluir o tablado d'aquellas melo-
dramticas ameagas. O le. p irem, a honra
de convenga) substituo aquello slido
abrigo da conscieneia, as ieces mais tibias
adquir. m singular valor.
Aquelle homem, que nao era puro pe
rante a sua conscioncia, julgata-se, pelo
menos at aquella hora, immaculado pe
rante a lei.
Mas s a conscieneia est ao abrigo do
erro. Tudo mais se ensaa).
gradualmente. Emfim, passados 7 \i rae-
zea Avero-Carinspdo levantarse da cam;i
candar, sentindo apenas algum i dfllcul la-
de em mecher o pescoco e alguma fraquczi
nos membros.
Oh l !...
RIQUEZA DO CHEFE DOS MORMO.NS.-
Do lago Eri passemos ao lago Salgado.
E' sabido quo Brigham Yoang, o santo do
ult'mo dia, ou como elle mesmo se chama
t/te Lion oflhe Lord ( o leo do senhor )
possu^ o mais bello harem da America,mas
geralmente se ignora que elle provavel-
mente o homem mais rico do novo
mundo.
Vamos dar urna lista nteressanle das
riquezas de Brigham Yonng, lista que orga-
nisamos segundo os dados do Sr. llepwor-
th Dixon e"outro3 viajantes para ns quaes
o mormonismoj nao tem mysterios.
Eis os bens de raz :
i. Cache Vallen, valle frtil do JO mi-
Ihas-de extensao com ISmlhas de largura:
considerado como o mai^ ricoc producti-
vo do territorio.
2. Riish Yalleij, grande propt iedade, nao
menos frtil que a primeira.
3. Loto Rock Vali-y,. vastas pasta-
gens.
4." 12.000 acres do pastagens no canda-
do de Cash.
5." A norme fila de casas na capital dos
mormons (Sal Lake City) conhecida pelo
nome de Brigbow's Block. Na mesma ci-
dade : um theatro, urna fabrica de dislllar
que monopolisa a industria dos mormons, e
varias caos particulares, tudo avahado em
OTo.OOOdollars.
C. A Union Pecific Rail road deve a
Young 750.000 dolais.
7. OCity Crcck Canyan, qoe urna im-
mensa fl .resta donde a popnlacio lod.i Ira
a sua madeira, fonte de grande renda
para Brigham, visto que elle tem o direto a
cada terceiro tronco queso deita abiixooa
a cadn terceiro carro de madeira. Faz os-
lo 28.000 dollare por aijoo.
8 o Portencem-nSe a^qmtro quintas par-
IM do Trow City, b.:m como plantagTvs do
issa'carnas ilhasSandwick minas de carvao,
la neas de algodo e seda, etc.

O effeito meditado por Lecoq prodozia-se
com assmbrosa violencia. O baro cam-
baleava sob o choque, demasiado brutal
Por aquelle espirito formalista o fri, habi
toado i clculos, nao positivamente valga-
res, mas que nunca sahiam do circulo em
que a algebra da Bolsa encerra as suas en-
genhosas equac5es, passava um como ex-
traordinario deslumbrameoto. Entre as
meagas que o enlouqueciam, um claran
elctrico eslabelecia o rpido v"6 pasmoso,
lampjo. Va ao mesmo tempo o quo
provinha da fatalidade e aqutllo cuja culposa
origm a conscieneia Ihe expj'obava.
Porque de ambas as coasas havia a 3es-
graga d'aquelle homem.
O pftteiro passa na estrada da riqaeza1
feria^lhe a-mamona como a ponta de nma
#a do "coronel. o e.m-jnavallu ; a reminiscencia doacto at o
agora os talentos detalla muer 1 Hftira teier a'tnada era um reroorso;
Quando genio d'aquella se tem engaado
no balanco quasi leal dos seus ajustes de
contas, a le, que o seu riipanso, levant.m-
do-se de golpe em frente d'clles, petrili-
ca-os
O baro Schwartz vio surgir aquella ca-
bega de Medusa: a lei que o abandonava,
a lei que eslava contra elle !
Nada semelbaote se passava no espirito
da baroneza : nao porque faltasse no ma-
go d'aquelle coragao urna voz capaz de
exproba-la, seno porque, pelo contrario,
havia muito que aquella voz so fazia o'lvir.
Um dia, era pouco depo s do nasnmento
de Branca, deslisava plcidamente a vida
d'aquella familia, se bem que Giovanna
fosse sugeita singulares -melancolas ;
nem sequer o elemento affectuoso ali fal-
tava inteiramenle, porque ha sempre em
volta de um hergo que,
atmosphera de lernun
tou-se o Sr. Schwa
que Julia ficava sos.^
encomtnendot urna missa
a qual ninguem foi convidado ; volta d'a-
quella missa aonde chorara copiosamente,
preparou-se para ama jornada. Sabemos
o segredo d'aquella melancola: o outro
Tilhinho estava fopge, o fllho querido adop-
tado pela ama Magdalena. Jalia j nao
'poda resistir: preclsava utn bejo do filho.
Nio era anda Scnwirfz nem''bario nem
mtlllonario. Julia mandou que Ihe trou-
xHssem dma das malas do marido para
viajar peta posta, -ai-l.
A mala tinha aestampilha do paquete de
n8n sei que
dia, asen-
ira vez
. Roqu- e
de finados para
Julia nem era iomenta nem mado i.
O fundo do seu carcter erj a reserva fra
dos que tem algum segredo aguardar,ou
alguna memoria a extinguir. E t'livii
abri a mala com um movimento d febrii
c riosj lado.
Tem a alma o seu inslincto, e o senti-
mento o seu faro.
Ni mala nada havia, seno a.n raassq do
papis sem sello algum u muito euxova-
Ihado.
Tinha, porru, o massonm sobrescripto.
que ialtouaos odios da Sra. Sciwrue
f rio-os como um relmpago.
Desmaioa. Quando recobrou os alelos,
apoderou se domass) com sollreyuido.
Ficoiitodo aquelle dia encerrada no seu
quarlo, a ler o a reler. A' noute parti
para a aldeia da Magdalena. Ao vc-la.
dir-se-hia que se levantara^ de prolongada
enfermidade.
J o menino n'i eslava em casa da ;mw.
Tinham-no roubado duas semanas il-iwis
do casamento da Sra. Schwartz, a quem
a boa da ama cootiauava c amando solnrird
a Sra. Maynolte.
Atl recebeu Julia noticia minuciosa da
visita feiti por Andr; quando vdtmda
ilha do Jersey.
Ao voltar Pars, fechou-se no quarto
por muitos mQzes.
Desde ento sempre a viram paluda e
triste.
Padeca muito, dizia ella, o os lubjis
mdicos que tratavam aconseinaram "gra-
vemente o marido qoe a distrahisse.
Continha o masso a serie eompleta d'a-
qaellas pobres cartas confiadas por Andr
Maynolte a Schwartz por occasio da via-
gem a Jersey emprehendida por esteulU-
mo em persegm^o de um credor nsol-
vavel.
G uvera da parto de Schwartz, tal qual
o conhecemos, traigUo, on apenas delfeixo
egosta ? Sabemos tiupAndr, assaltado
pelo recol de por a jusliga no eucalQO de
Julia, callara o sea segredo. N isto tomo
em tudo, Schwartz4 meio carne, meio yai-
xe, n devia ser nem completamente in-
nocente, nem inteiramento culpado.
r&iUMar-se-ha).
TVf. Mwm-*ammtti<^
*
i
?
*,
"3L
'-* v


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID E1T3WCWWX_IRJVWP INGEST_TIME 2013-09-14T00:48:53Z PACKAGE AA00011611_12016
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES