Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:12011


This item is only available as the following downloads:


Full Text
IPVB^^^^^^H
H^HHH

'
ANNO XLV. NUMERO 279.
PARA A CAPBPAl B LUGAHES OUWS *i0 S PAGA POSTE.
*or tms mazos aflautados........
' ftw seis ditos dan............. ....
Por uai< anuo dem......!!!.*. '"* *
-Cadaaumewairuiso......'.'..'.'..'. .....
000
1*0000
244000
,5320
ffiWIQA FElfU 6 DE DEZEMBRO DE 1869.
PA
A DEITHO E FOBir BA nOVUCIA.
Por tifcs mozes adiartfados. ....
, Por seis dito* dem.......
Por wat ditos idem.....
Por amarino.........

H
Propriedade de Manoel Fi
de Fara & Flhcs.

-----;
A
Oa Srs. Gerardo Antonio Arves A Filhos, no Para ; Ganfalves Pinto, no Maraahlo; Joaqnim Jos de Oliveira, no Cear; Antonip de leaos Braga, no raeaty,- Jo3e Mara Julio Chaves, no Aas Antonio Marones da Silva, m Natal; Jos Justo
Pereira (FAlmeida, em ManvtogRape; Antonio Alexandrino d em Nazareth; Francino Tabres da Costa, em Alagos; Dr. Jos Marfos Al ves, 'fe Bahia; e .fos Ribeiro Gasfl^ho, no Rio de Janeiro.

=x:
=
PARTE 0FFKIA1.
verao da provincia
JX*ENFKTE ASSKJ.N.U PELO EXM. Stt. DH. MANOEL
00 JfASCIMKKTO MACHADO PORTELLA, VIGS-PUSSI-
OESrg lA PUOJJiCIA, EM 20 DE SETEMBllO DK 1869.
l'seeeaii.
N. 767.Portara so Bxm. Sr. general comman-
dante das armas.Seguido declarou-mo o juiz
iHiwiMi|ial>ipptculi>' da !. vara em offido de 23
-do crranle, se acha a disposicao de V. Exc. 2
sentenciados existentes na casa dedelenjao, Fran-
dsoo Gome do Pana* a Marceltino Francisco de
N. 63i.Dita ao mesmo.Em vista da inclusa
coala documentada, mande V. S. liquidar o pagar
ao gerenta da eotnnanhia Pernambucana o que
justamente se dever proveniente de transporte e
passagens dadas, por conta do ministerio da gaerra
no vapor Coraript, na yiagera que ultimatqente fez
ao presidio de Fernando.
N. 783.Ditaomesmo.Tomando em Conside-
rarlo o que expuz o ciiefe da reparticao das obras
publieas em offido de hontem, n. 324, recorrt-
niendo a V. S. que mande entregar ao thesourero
d'aquella reparticao a quantia da 2:4015200 res
para occorrer as despezar c m os reparos do 6*
lauco da ramifteacao do Cabo, jjpe estao sendo
executados por administradlo e foram occasona
Souza, a(i:u de serera empregados no servico da
-.'rlatela do llriim, e quartel do deposito dos re-
brutas como V. Rxo. solicitou em sous ofcios de
-7 d_crrente sob numeres 6'58 e 560
N. 76S.Dita ao conselho de oorapras do arse-
nal de guerra.-Antoriso o conselho de compras
-.lo arsenal do guerra a promover a compra dos
objeetos constantes do pedido, junto, para prori-
jpenta do nlmnxarlfado do mcsiu.arsenal.
2* secr-ao.
N. 770.Porttil ao chafe de polica interino.
-Em resposta ao officio do V. 1 n. 1.398 de b >u-
m Jalado, arompanbado de copia Jo que em 9
lo correlo mez me dirigi o ddegado de polica
le villa Bella, participando o brbaro asesinato
lo siibji'gadi di) Saigueiro Mauoel ngel i de
Arauj i Pila, liein como que o assas^ino Jos Bar-
bosa reunir sous idelas e com ellcs se achava
armado, nao so por temer a accio da justica, co-
mo a idwpjnra dos parantes d'quelle subdelga-
lo, tenliu a di/.er-lhe que tiesta, dala expeli ordein
ao e.iminandante do oorpo provisorio de polica
liara mandar destacar em Villa Bella vinte pracas,
ni capia o um alferes, e no Saigueiro um l-
enle e trinta pracas do mesmo corito a disposi-
cao dos respectivos d'legados, convimio que V. S.
recouimenife aus referidos delegados que saiisfa-
;am f|uali(ii>r re.|ui:ifao de fonja que recebam
los reapectivos juizoi de direito, o proeurem en-
lender-se com osles para de joeordo ordeuafem
|uali|i;;r deligencia, quu se torne precisa. Sen-
t ciinveniente a bo da ordem publica, que nao
mo que nao coiilinuem impunes tantos crimino-
09, cumpre que V. S. determine que quando em
teligencia fr preciso sabir a forca de um termo \
ara outro, ailm de realisar a prisa de algum
.riminoso que procure evaJir-sc, o possa azer,
;iuin-i|iindn as MSOPCtUsas autoridades, alim de
.ser pie udo o auxilie de que ella carecer. Re-
ouuaeitUo V. S. as autorudej poiiciaes que pe
l s hteos ao sea alcaacc procure n elfectuar a
piisa i do assassino Jos Barbosa e d'aquelles qu
Com cites eslso armados, ameacand) assiu. a or-
i. n n'aquellas loeaJfaatjes.
V. 771.liita ao commandante superior iuteri-
It guarda naci.nial do Becifc Keuvlta-me
'.'. S. com urgencia um mappa do toda a f.irc.i da
guarda nacional sob seu coinmaudo superior que
se acha acuartelada, com especilkacao do modo
|iurqu< so ada de.striimida, providenciando ao
mesmo lempo para que diariameute S" <11 a esta presidencia um mappa semclhanle do
N. 771'Jila m Dr. Paulo Martn* do Almeida,
de diviio de Flores.Constando do offieto que
me dirigi o juiz municipal do termo do Klme-
un 3 do correte mez que na tardo do da1 fo-
raiii aasasaiaadoi* u'aquel'a villa d >us italianos,
i "ii com i do qu>< com dita de houiem me din
gio o Dr. ch"fo de polica qie no termo de Sal-
r ruca asgaasinado u subdelega lo Manoel An-
il i AraaL) 1'iia por Jos IJarliosa que imnie-
, ataiente retirra-su para a comarca de Flores.
id: est armado con giros anadinos, mandei
destacar em Villa Bella um alfares e vinte pracas
do corpo provisorio de polica. E como conve-
ii'iT.to a presenca do V. S. na comarca de. Flores,
onuii ndo-lho que com brevidaJe para alii se
dirija, e asatuniooo o exercicio do seu cargo or-
! >ua todas as ileligen^ias que se Bieran precisa*
para prisi dos criminosos, protid^diaado assitn
liara que nao continu elles inspirando recei is
habitaatos il'aq ''. S. rcniiiciai a lieaoca de que c.Mii gozando e
|U q tanto antes seguir para prestir os servicos
uie tanto carece aquella comarca.
N. 773.Dita ao juiz de direito Ja comarca le
t'ibr >ho. Partiriiiaitdo-inc o Dr. cli-'fo de polica
por oliicio n 1,398 de hontem datado que o sub
lelegado da villa d i Salguciro Manoel Anido de
Aranjo Pita '-ra assassinad) por tui Barbosa, h
iue est-! se evadir para a comarca de Paje de
?res, onde se acha reunido a outros criminoso*,
tiesta dala providencio para que v$" destacar em
villa Itella um caidiin, um dferes e vinte pracas
do eorpo provisorio do polica, c sipa para e-s.i
comarca como delegado do termo do Salgueiro o
itiu Paulino Teixiira do Carvalho, acompanba-
do de um deitacainento do trinta pracas e um ie-
nenie do mesmo corpo. Fazendo a V. S. esta
oiiiick;.! i cha sn 'sua attencao para aquello
-iiteniailo,. o recommeudo-lb toda a dehgencia
a que elle nao fiquu impune, devendo cominu-
i ine o que for eccorrendo e solicitar qual-
ir i>rovidenriu qoa fr necessaria alm das ac-
menconada*.
N. 77fe Dita ao commandante do corpo provi-
io de p.ilicia.Pode Vine engajar no corpo
ob o s u caminando ao paisano Candido Alves
<".inrado, de que trata o seu oflico n. 410 do ii
elle tiver a a^cos-a'-ia nioralida le.
N. 773.Bita ai mesmo.De-igne Vmc. um
Vi do corpo sob o seu commando, afnn de
dr em companoU do juiz de direito Paulo
M;ii lins de. Almeida, para a comarca de Flore-, e
por e te emprcgado aas dalgoacias que forcm
nlejlea.
.N. 776 Dita ao ntesmo.Mande Vmc. com
icia destacar em Villa Bella a disposiciio d i
p.'i livo dJ-'gado de poWcia UJl capil., ttm
i ; un! di-res e ciacoenla pracas do corpo
-ob ^eu commando.
.Y 777.--Delib'rac". O vic-presidente da
incia rrdve conceder ao badtarel Piburci
Rayniundo da Silva Tavares a exoneracAo por el
pndida do cargo de promotor publico da co-
piare i de CibriMi.
N. 778. O v oe presidente da provincia resolve
n im Mr o bacharol Joaquim Antonio do Siiveira
1 mor para p cargo du promotor publico da co-
, i rea de Cabrob.'
3' |eceao.
N. 780.P.irtaria ao inspector da thesouraria
Je fazenda. Bncommondo a V. S. que, em vista
4a rdaci.) nominal e pret junto*, liraaifc venci-
mos para nina escolta de guarda* nacronaes
i.ue conmizio de Caruarii para esta capital quairo
i iminosos e don* recrutas, mande liquidar taes
i -ncimentos e pagar a parte relativa aos menciona-
dos pela endiente do rio Capibaribe em 21 de mai>i
i!os remitas, que se destinaram ao aervieo d
rritn a Antonio Jo? de Arantes 4c G., para a**
m Hmlflos p do capito commandante mermo
>:o b'tll'a" n 2? doiabntaxiad'aquell municipio,
offlcio q>,S5jde afojt* iiltipo, devendo o rea-,
cinta ser i#i pata *esiiraria provinmal.
Para supprir a W* do dupcata que se d eui
i.-ie* dpcumaito*, nunpro (pie V. S. mande tira/
njM repa0aap oifta de cada um d'Ues.
V. 781. Dito ao ma*mo.T-Tende tiesta data au
>.jrsa> a con ra, a promorer a compra toojjeto doostantes
.lo pedid jttotu iwr o&ia, WJ tfio nece**a-
arseiwyWii p enmmmitca n v. tapara seu ce-
d'este anno, devoio essa quantta ser tirada do
crdito votado esta provincia no actual exerci-
cio para a verbaObras geraes e auxilio s pro-
vincia,como .se ddermino em viso do mi-
nUtoriu da agricultura, commercio c obras publi-
cas datado de tS do junho ultimo e sob n. 19, o
qu.il ai-ompanhou por Apta a portara d'esta pre-
sidencia de 22 de julho prximo Ando.
V. 781.Dita ao inspector da thesouraria pro-
vineial.Declaro V. S. para seu conhecimenlo
e devidos efleilo<, que o ebefe da reparticao das
obras publicas participou-me em offlcio de hon-
tem, sob n. 325, que, achandQ-se os empreitoiros
da estrada do norte com direito urna prestaran
de IO.O0*, mandou lavrar o respectivo certifi-
cado.
N.78o. Dita ao inesrni.:Em vista da inclusa
conta, mande V. S. pagar Manoel Joaquim de
Miranda e Sonta a quana do 297 que se ihe
st a dever proveniente de livros que foroeceu
secretaria do governo e encaderoacoes eilas para
a mesma secretaria.
N 786 Dita ao mesmo.Tomando em cons-
deracao o que expoz no incluso requerimento do-
cumentado, o alferes Amador de Aranjo Pessa,
recoimendo V. S que, de, conformidade com o
parecer da contadura des*a thesonraria escripto
no verso de um de taes documentos, mande pa-
gar aosupplicante, na qnalidade de procurador do
soldado do corpo provisorio de polica, Pedro Al
ves de Araujo, que se acha em servico no exercito
era operaeos contra o governo da repblica do
Paraguay, o que so estiver a dever essa praca
proveniente da graliticago que venceu nos termos
da le n. 611.
N. 787.Dita ao mesmo.Transmiti V. S.
os p e's nominaos juntos em duplcala, que ine
remelteu o commandante superior interino do mu-
nicipio de Serinhem com oflicio de 15 do corren-
te, sob n. 29, aflu de que mando liquidar c pagar
a importancia dos vcncimcnlos relativos aos me-
zcs de julho n agosto deste anno, dos guardas na-
conaes destacados naquella villa.
N. 788. Dita ao mesmo.Allendendo ao que
solicitou o chefe de polica interino em offkio de
honteiii oh n. 139 autoriso V S. a mandar pa-
gar ao Dr. Joao da Silva Ramos, em vista dos tn
clusos documentos a quantia de 2700O0 em que
iinp.irtam as despexas feilas com o tratainentp na
casa do saude di) imnine Dr.' dos pres > Firmino
Jo# Montciro de Seuza, Joaquim Antonio de Bri-
Io, Pedro e Franci-co este e-cravo de Luiz C\ -
riaco le Carvalho Moreira e aquello de Goncalo do
Nascimpnto. os quaes estando recolhidos casa
de detencao foram acconunetiidos di varila.
N. 789.Dita ao mesmo.Rewmmendo a V.
3. que em vista da relaca > nominal e pret juntos,
liudo veiicimentos pata una escolta de guarnas
iiaciniae* quereonduzio de ("amar para esta ca-
pital quatro criminosos e dous ncrutas, mande
liquidar taes vencinientos e pagar a parte relativa
aos mencionados Criminosos a Antonio Jos Aran-
les & C- para esse fim indicado pelo capitao com
mandante interico do batalhao n. 7 do infantaria
da luellc monicipio em ofTicio d" 2o de agosto ul-
timo, de.voqdo o restante ser satMeito pela thesou-
raria de fazenda.
N. 790. Dita ao mesmo.Annui lo ao que
- ilicitu o ciiefe da reparticao das obras publicas,
em offlcio de hontem sub n. 326. recomimndo a
V. S. que mande entregar ao thesoureiro daquel-
la leparticao a q.tantia de 2:4333000 em que im-
portaram os reparos que estn sendo sxecutados
por administrarlo na cadeia da cdade da Vic-
toria.
4.* seccao i
N. 792.Portara ao vice-presidente do insti-
tuto agrcola.Adiando-se anda no arsenal de
marina as 4 barricas com sement de algodao.
le vieram da corte com de agrcola de coiiiiiiendagao que llz em iiieui* offlcios de 26 de
mato e 12 de ulho ultim *, al) n de terem as so-
bre bus barricas o conveniente destino.
V. 793. -Dita a cmara municipal do Rec.ife. -
Recommendn a cmara muniaipal do Recife. que
com urgencia informe se a casa da ra do H ispi-
;io em que funeciona a Faculd^de de Direilo des
la cid ule tem de ser desapropriada para a aber-
tura da ra do Principe, como consta do seu offl-
cio de 18 do mez pagado, se ral i que assoverou-
me o engenheiro dejsa camal, que nao faz-se pre-
ciso seinelnante desapropriaiao, por que nao ttn
de pn*a! ah a ra do Prioci 10 csim tuuito mais
ao sul.
F.XPF.DIF.NTr: ALIONADO PPLO Sil OR- IOAQOIM COK
REA Pl AHAL/O, SECUCTAIUO DO GOVBBitO EM.I3 DE
SKTEXBRO DE 1869.
2' seccao.
N. 794.Offieioao.Dr. dwfc de nolicia interino.
-S. Exc. o Sr. vice-pre*ideolo da provincia, man-
da declarar a V. S. em respobla ao seu offlcio dr
limitein sob n. 1394, que acaba de auiorisar a the-
souraria provincial a pagar ao Dr. Joao da Silva
Hunos a quantia do 2703000, coustante do citado
Difiri.
N. 795.Dito ao commandante superior interi-
no da guarda nacional de Serinhem. Exin.
sr. vire-presidente da provincia, resp ondele ao
officio de V. S. laudo de 15 do correute e sb n.
29, manda declarar que a tliesouraria provincial
leui ordem para pagar os veflcimenlus con^tantes
dos >rct< nominaos, que em dupliuta vieram ac-
nexos ao citado offlcio.
N. 796.Dito ao juiz de ditvito da comarca di
Cabru.De ordem do Sr. vicepresidente da
provincia communico a V. que por deliberac/i..
Tibarriit Raymundo da Silva Tavares do cargo do
prouvifur pubhco dessa counrea e nomeado para
o substituir o b*cfc*rel Joaquim Antonio d Sil vt ira
Juaiur.
N. 797.Dito ao juiz de direito interino de Ga-
ranto ins 0 Exm. Sr. vico-presidente da provin-
cia, manda acensar o r-cebimento do ofJkiu de V
S. de 17 do correte, em que da conia do* traba-j
Ihos do jury do termo do Buique, cuja sesau Frc-
sidio no impedimeBlo do juiz de direilo da ce
rnara.
. 798.Diio ae juiz de direito da cr-.tn&rfla dt-
Garanhuns.O Exm. Sr. vicc-urwsidente d pro-
viuda, uiaud' accunar o r*c*>bimento do cilicio
de V. S. da 16 do corrcnle, em que cominunica
ter nessa dala reasumido o exercicio das func-
coes do seu cargo.
{1. 7W.ttyti ao capitao commandanti ipterinc
do batataao n. 27 de infantaria da guarda uacii-
nsl do Bonito.S. Exc. o ir. vice-presi'iente da
provincia, manda declarar a V. S. em resposta ao
sen ofteie de t de agosto ulipiio, que as tnesuu-
rarias gerai a arovfui'ial tem oraem para pagar
Antonio Jos de Arantes & C, os vencimos tos
Silveira Junior.-^to secretaria do govjg^ so
commtinica ao SrWadiard Joaquim Annio da
Silv:ira Juqior, que por deliber.tcao desla data
foi 8. S. nomeado promotor publico da comarca
de Cabrob.
3*seccao.
N. 801.Oflicio a) inspector da thesouraria de
lazenda.Q Exm. Sr. vice-presidente da provin-
cia manda declarar a V. S. para os devidos fin
que por deliberco deliberacao desla dala Ibi
exonerado a seu pedido o bacliarel Tibtircio Hay-
muado da Silva Tavares' do c'rrg'o de promotor
pullico da comarca Je Cab'obo nomeado para
o substituir o hachare]' Joquitri Antonio da Silvei-
ra lunior.
^. 802.Dito ao msmo.O Exm. Sr. vice-pre-
sid ule da provincia, manda declarar a V. S. para
os lins convenientes, que segundo parlicipacao du
juii de direito de Garanhuns' bcharel Antonio
Matine! d Modeiros Furtadb, de 15 do correute
nessa data reassumo elle o exercicio do seu cargo.
N. 803.Dito ao ce'fe da reparticao das obras
publicas.S. Exc. o Sr. vice-presiuente da pro-
vincia manda declarar a V. S. em resposta aos
sen offlejos de hontem sob ns 324 c 326, que
acaba do expedir'as convenientes ordens para que
>eja adiantada ao Ihesouretio dessa reparticao
pela thesouraria provincial, a quantia de 2:4533
e pela de fazenda .a de 2:401.3 tOO, constantes de
taes offlcios.
V. 804.Dito o mesmo.O Exm. Sr. vice-pre-
sidente da provincia manda declarar a V. S. em
res oosia no seu oflicio de hontem sob n. 323, que
ftca inleirado de se h;iver passado o competente
erltflcad da presiacao de 10:0003, a que tem
direito os cpipreiteiros da estrada do norte, c disto
dei. sciencia a thesouraria provincial, para os
de\ idos elTeitos.
KXI'EDIE.XTE ASSIOXADO TEI.0 EXM. SU. DU. M.VNOEL DO
NASCIMENTO MACHADO PORTELLA Vir.E-PRKSmENTE
DA PROVUNUA, Eli 27 DE SETEMURO DE 1809.
I' seccao.
N. 807.Portara ao Exm. 'Sr. general comman-
dante das arma*.Expeca V. Exc. as sua* ordens
para que ao juiz municipal da 2' van* deste ter-
mo sea apre-entada, urna praca montada para
roiidnzir aos diversos subdelegados de polica du
municipio, os oflicio* para a convocaei) da suegao
jndiciana do jury desta capital. i
N..808.-rDita ao 'director do arsenal de guer-
ra. Expeca V. 5. as suas ordens para que nesse
ar(hal sjam concertados oarinimento e scus
pe lencos constantes das relacoes junta* por co-
pia, (pie para esse finser-lhe-lio apresentado*
da parte do commandante do corpo provisorio de
polica, que assii o pedio em ofJlcio n. 443 de 24
do corrcnle.
's. 809..Dita ao inspector do arsenal de mari-
nh i.Nos termos do sua infonuac^ao de 23 do
coiTente sub n. 1828, acerca do requerimento de
Luisa Maria da Boa-llora, autoriso V. S. a man
dar desligar d compatihi de aprendizes mar -
nuciros detse arsenal o menor "liiho 'da supphcan-
te Je nome Manoel Antonio do Sasciuiento, indem-
nsando a sunpiicanle provia^kenle a fazenda
nacional dajf^espezas feitas com o referido me-
r.o-.
S. 810.- Dita ao mesmo.Deconformidadc.com
na iuforniacao de 24 do correte sob nt 1829,
acerca do re(|uerimento que devolvo com os d au-
mentos a elle annex do Felippa Maria da Con-
ceigao. autoriso V. S. a mandar alistar na cumpa-
ulna de aprendizes artfices de-se arsenal o menor
fillio natural da supplcantede nome Leobino.
2.a seccao.
N. 813.Portara ao juiz de direito da comarca
le Cabrob.Constando de offlcio que em data de
24 do mez passado, dirisiu-tnc ojaiz municipil
do termo de Caprob e dos oflicios qne em 23 do
mesmo mez o em 3 do corrento o delegado do ter-
mo de Ex dirigi ao chele de polica, que o Capi-
tn Antonio Pereira de Carvalho, pronunciado no
arl. j do co ligo penal, conseguindo evitar a
pri>ao deligenciada pe i mesmo delegado, e aconi-
uanadb do um squito de ladros e criminosus
lo mirle incendiara diversos cercado* do com-
inindante superior da guarda nacional, do proino-
lor publico interino o de outros creadores, relu-
giira-sc na* maltas da fazenda do teucnto-coro-
m I Florencio do Alencar, e d'alii seguir com o
mesmo sequilo matando rezos daquelles creadores.
cercando a casa do mesn# proin >tor para ma-
ta-'O, e alinal refugiando-se, guando perseguidos
pela fr(a publi'-a, no termo do Dar loo di pro
vieta do Cear, cabe-me chamar a attencao de
V. S. sobre taes fados, aflu de que providencie
em ordem a ser in>taurado o respectivo procoso,
faier-se efcdva .i prisao do criminosos, edar-s.-
toda a garanta ao cidadaos que estao am"acados
segundo consta do* citados offlcios, por aquello
m cpiito. Mesla dala dirijo-me ao Exm. presidente
do Cear, ex|iondn-lhe o occerrido para que pro-
videncie a respeito.
3' seccao.
N. 814.Portara ao in-pector da thssouraria
de lazenda.Recommendo a V. S. que, em vista
das relacoes nominaos e preis. juntos em duplcala
cando liquidar os venciuie.nlo< relativos aos me-
zes de mam a agosto de-le anno, dos guardas
nacionaes destacados na villa do Bom-C inselno, e
pagar a sua importancia a Francisco P.-reira de
Y.endonoa & C, conforme solicitou o commandan-
te superior do municipio de Garaniuns em offlcios
Je 7 do correte sob ns. 80 c 81.
N. 815.Dita ao mesmo.Na conformidade do
8viso do ministerio da gueira de 31 de ago-to
iiltimo, do qual Ihe renu'lti copia om 17 do cor-
rente, providencie V. S. para que los Teixeira
I asios recolha aos cofres dessa thesouraria, como
ri'sponsavi'l legal na qualidade de tutor do
i x-mancebo da 'omprinhia de qmirarios do ar i.:d de guerra Emilio Baplista oe Souza segundo
te v da nformaeo do respectivo diredor por
copia inclusa a quaniia de 8383357, muorUqds
Cu debito de que tem carga o inesnio mancebo,
contrahido no lempo que pertopreu a referida
coinpaimia da qoal foi escusa por soffrer de
(a'gueira.
N. 816.-Dita .ao Inspector da thesouraria pro-
vincial.Picando Inteirado do quanto V. S. exp z
em sua informacio de 24 do correte, sob o. 589,
com referencia a do procurador fiscal dessa the
Miuraria. relativameute a desappropriaro Jo tef-
cito necesario a construccao do a(ude da ciJado
la Victona, devoWo Ihe os documentos que vieram
aunexos a sua citada informac2o.
N. 817.Dita ao chefe da reparticao da; obras
jubh.ca* ^-Eoa rA-posU ao offlcio que Vmc. me
lirigio em 30 de "agosto uUitnn, sob n. 300, relati-
iaiueiifc a desappnipria^io do terreno ncessario
a construccSi do acude da cnladc da Victoria, le-
nfyi a dizer que, seguqdo informa o prorurador
fiscal da the-ouraria provincial, e>ta elle dando
.ndamenlo a e N. 818.D-iiberacid. O Vice-prenidentc da
provincia leudo em vtsia oque requeren o prati-
viocia a.tend
da de Mello !
cao primaria
S, Frei Ped
iliaco do di
blica do 21
del Ihe dous
mente para ti'
XI'EDIEM'K
1IA DE AH
HE SBTEUUI
N. 32.-OI
O Exm. Sr
declarar a
Exm. Sr. n
dar as noces!
criminosos
homisiados i
o seu offlcio
N. 23.-
nicipio de G
da provincia
aos offlcios de
a thesouraria
Francisco Pen
tos constante
N. 82.-U
sidonte da pro
llci.'U inleirado
lindo das provii
ri nenio das
os mappas o
ao que requereu Emilia Caiidi-r,
ta prufesson publica du mstruM
^. segn la caleira Ja freguezia """.
incahes e t-nflo m vista a infor-
r geral interino Ja instrucc,4optt-
Hite,' sob u. 307, resolve cooe6;
tes dr! Ucijica com ordenado so-1
de .sia saude.
pklo sn. DU. lox^t'iu OW-
I, SECJlET.ia.10 DO govbr.no. cu 27
1869,
2' socgiio.
fao Dr. chefe de polica interino.
presidenl'j da provlnckmaod.v
que nosta dala se afr
lle da provipcia do ^^^1
providencias para a captura dos
[agidos dests! provincia, se acharo
jo do Barbalhi) e dos quaestratll
il de 53 d i carrete!
fao eommanlarite superior do'mp.- ,
Hiims. O'Exm. Sr. vice-presidente
ida declarar a V. S. em respoMa
(|. Severo
"i?.do Esp
Antonio
Ju venc'
vo de.Fr
s,>b tu. 0 e 81, que .Antonio Pereira da Silva Caslello Braneo, idem.
So correute,
fazendi tem
de Menionga ji'C. os venrimen- .fcfcopoldo Ceznr de Berrdo, idem.
'taes
ordem para pagar a
s oflicio<.
nicsma 0 Exm. Sr. vice-prc-
manda declarar a V. S. que
seu alucio n. 74 de 20 do mez
i as por V S. dadas para ocum-
ns expedidas q:ianto a remessa
lificacio di guarda nacional sob
o seu couimandl superior.
N. 823. Dito 'ao juiz municipal de Garanhuns
interino de ihrejfcO Exm. Sr. vice-pjesidente da
provincia nianMdeelarar-lao ([ic ficou inleirado
pelo seu oliicio peli do correute, do que V. S.
Ihe participa co retaca i a sesso do jury do ter-
mo de Buique. lp<|iial presidio, no impedimento
do juiz de direijt efectivo Ja comarca, e bem as-
sim que deixa de sor enviado ao juiz municipal do
ter.no do Rom Conselho o. registro do sello que
pede, por nao htvor exemplar algum disponivel
nesia swretaria. |
N. 826.Dito so juiz mu licipal da 2' vara des-
ta cdade. O Exm. Sr. vicepresidente da provin-
cia manda declarar V. S. quenesta data se exps
dio ordem para Ifcc it apresentada a praca mon-
ta la que podio m oflicio de 23 do correte.
Ct. 827.Dito ao. rommaiidanlc do corpc*nrov-
sorio de iiolica.U Exm. Sr. vice preesideme da
provincia iiiauladeduar V. S. t|ri nesla data
so expedio urde.n ae directer do arsenal de. gU'T-
ra para mandar recolher e concertar oaquellc ar-
senal, o armamento de que traa o sen officio n.
4U do 2 do curfeqie.
DESPACHO DA PaEJlENdA DA PIIOVISCIA DO DA
Io DE bEZI..MUBO.
Frei Augusto da Iuiinaculada Coucoicao Alves.
Expega-so ordem.
Bacliarel Cbrktuvao dos Sanios Cavalcanli.
Junto ao requerimento aniew. informen Sr ins-
pector da thesourtrim da faz uda.
Camilla do Car-no Torrus.Informe otir. Dr 4ra#-se livre e deseinpftdHto^.^
director geral aa tnstruccao publica.
admintsirati\a di i?reja de Soaso
ios, i
ida.
.Mirtins S^lra, Man
petes, e Aiexahire e'scra-
da Costa,
te direilo dolarou quebrada a
Uetandre, powtao^ter iaapon chamada; bem como cjndeiunQU, a 8 das de
'jMsan todas as testemunh dos prossos apre-
entados, que nao comparecern).
;r j u I gamento, o .pocasjo,
^p e reo preso jfanoel
uncido como e&tetiio-
ADB DE DIREITOFizeram acto ns
zembro :
t/S' anuo.
eir afeudes, plenamente.
i----------------------------------------------------
'wm uNicipit.
4ESSAOEX iBBR Ignaelb-'fessa,
iprtTabrjHM a i-
I da anweeaenle.
OS ST.
com causa
OWflll.'
,m
Alfreda
uiz Dnarte da Silva, idem.
Fruntuoso Lios Cavaicante de Albuquerque idem.
PROCLAMAS. Foram lidos hontem na matriz
da freguezia de Santo Antonio o proclamas se~
guntes :
1." denunclacSo.
Joaquim de Gouva Cardoso, com Maria Isabel
de Auiorim Lima.
Joronymo Forreira dos Santos, com Constancia
Mana da Cruz.
Jos Marques d'Ainorim, com Candida Marques
de Mello Accioli.
Ignacio 'i'liomaz de Freits, com Ma'ria Frahcts-
ca d Coacei.ao Fons>'ca.
Jo^ Ignacio de Medefros, com Luiza Maria da
Conceicao.
Elias Bispo Aniceto, cora Joanna Maria de Bar-
ros Wanderley.
Jos Delfluii da Silva Carvallio, com Maria
GuiQter.
2/ denunciaeo.
Francisco Bapusta dos Santos, pom Luiza Maria
da Conceicao.
Josdfloao do Amorim Jnior, Coai-Marianaa do-
Prazen-s Leal Luyo.
Joo Jos Gomes da Silva com Asna Felicia de
Senta.
Antonio Viera de Melle, com Maria Felicia da
Conceicao.
Joao Baptista dos Santos, com Maria Leocadia
de Mello Reges.
Antonio Fortunato Barbosa, cora Francisca Maria
do Nasjimento.
Joao Pinto de Mello, com Carolina- Francisca
Alves Forreira.
3." donuncacao
O badin 1 Manoel Gontil da Costa Alves, com
Luzia Otlnlia Marraba.
O bacbarel Manoel de S e Souza, quer mos-
Co.nimssao
Senhora do Rosario da fn jueiia da Boa-vista.
Informe o Sr. in-peetor da thosiuraria provincia'.
Francisco Jos di Silva, Sevorino Cesar de Mene-
zes o outros.informe o Sr. administrador inte-
rino da reparticao do turnio. -,
Padre Francisco Alves de branle.-.Encami-
nhe-se.
('rancheo Mathias Pon ira Diniz.Informe c Sr.
coronel commandante >U|rior interino da guarda
nacinoal do municipio do lecife.
Jos Augus de Araujo. Junte o certificado do
que faz mencio
J)- Euzebio Rodrigues.Iadeferido, vista da
informara o.
S.'ara d'Ascencao Cavalcanli d'Albuque.\olte
ao Sr. inspector do Utenal de mariuha. para in-
formar cun o resultado la inspceo.
Octavio Affonso de Mello.De-st.
Romualdo Estevao.Infi rnie o Sr. coronel com
mandante superior
mkiiuo da guarda nacional do
inuuicipio do Recife.
Repartido da polica.
2' seccao.Secretaria da polica de Pernambu-
m, 4 de dezembru de 18f 9.
N. 16'ii.Illra. o Exm. Sr. Levo ao copieci-
ment de V. Exc. que, segando consta das part-
c.ipacocs recebidas n'osta reparticao. foram boa-
tem recolliidos casa de detencao os seguimos in-
dividuos :
innha ordem, Martiniano, escravo do Francis
co Manuel Cnrneiro da Cunta, porfugido._
A* ordein do subdelegado do Hecife, J iao Anto-
nio Virgolino, porinsullos ; e Firnimo, escravo de
Joaquim Forreira dos Santos, a requerimento
de-te.
A ordem do de Saato Antonio, Jos I rancisco de
Helo, pir embriaguez.
A' ordein do de S. Jos, Caetano Barbalho e Ra-
miro Jos de Oliveira, por disturbio c embria-
guez.
Communicou-me o delgado da Escada por oni-
cio do 1" deste mez, que no dia 30 do mez passa-
do. em ierras doeng-nh"Scte Ranchos no 1" dis-
tri;to daqudla villa Manoel Francisco dos Aojos,
Francisco dos Aojos Gomes e Antonio Francisco
da "Silva, assassmaram a Miguel Archnjo dos An-
jos e len lo sido presos, ia responder ao processo
que naquella mesma dala passava a instau-
ra''-Ihe.
Deus guarde a V. ExcIilm. o Exm. Sr. se-
lador Fredcric.o do Alme.da o Albuquerque, pr-
ndenle da provincia. O ee/O Se .pulida, Luiz
inlnnio Ftraoiulex Pinkeiro.
m
PERHAlfBUCO.
:ta de guardas nacionaes, constante' do r-
ante da reparticao das obras publica* Francisco
Araerico de Araga< Rabell p bc,m aslm o q^e a
eito respeito informou o respectfto chefe em ofJi.
de 16 do corrente, sob p. 3W,' re>ofve d|{ceder-
(h.e dous mezas 4e li^sea eoqi ordenado spmente,
para tratar do sa saude.
4.* seccao.
N. 820,Porua ao gerente da companiaPer-
nmbhcana.O'Sr. gefenlfl da cnmtWjiaPor-
narnbucana, mande dar passatm de estado a r
at a Parhyba,_no vapo^ c fera de p|
BEVTSTA DIARIA.
ACTOS OFFIta.VES.-I'ur deliberado da presi-
dpncia de 28 d novembro ulti no to suspenso da
*Jreutia dii* offlcio* de primeiro tabeho e escri-
v'io de orphos do leniu do Bom Conselho, por
nao ha ver tirado o respectivo niul', o cidado Jos
Secismundo de Albuquerque Maraulmo.
for outra de igual data obtuve passagem
para o servico da reserva o alferes aggrgado do
b-ilalho n."43 do Serh)haa#m Jo Zeforipo de
Vascoiicellos. .
Por outra datada de 30 do mesmo mez, fot no-
qieado) o cidado Francisco.los da Silva Atnorim,
delegado do term da Boa Vista.
Por deliberacao. do 1 do corrente foi noraoa-.
dosibilelegado' do *> distncto da fregueia de
Sajare o latiente do eorpo provisorio w pulira,
Jjaquiu da Multa e Silva.
Por outra igual foi exonerado n sen pedido
o tuente-oorooej Manoel Silvera Cavajcajtte de
_Jir par
alli a Ignacio Forreira Serranil, escriptaxAro da.
thesouraria daquell provincia 'o dus pSsoas de
Isua familia.
Dito so bach*rol Joaqnlnptoni.0 $a t '{l'Wrj-^ltierae^.--^Tree-prMld^pjo^pr^
kloujoerque do'Wrgo^ de delegad,o de *?fk:^
fA3meadoparao.spb^Uiir o
TRIBUNAL DO IUR\.-Sabbado natajMK*oa
l* sessAo dit crtente auno *Hto triMmL sub a
tresidfl'Beia do Sr. Dr. Francisco do AssiofHWir3
Ma -iel, juiz de direito da t* vara, opm asfiuwqcia
ilu 39 jnizos de tacto.
Cooiparecea o Dr. juta puuticiBal da S' vara, e,
da awwaentou preparados para nafrarem emjftlga-
14 processos, comprch'mdijndo 13 reos .piejos e
3 afflac>idos.
s ros nrw wo: Manoel Francisco das Ona
Joo Nepomucenn C'ilho da Silva, com Senho^
rinha Thereza de Almeida.
Horacio Francisco Tavares, com Floriana Per-
petua da Gloria.
Antonio da Fonseca, com Maria Isabel de 8ouza
Magalhes.
Antonio Domngues Alves Maia, coft>Antona
Francisca de Je-us Villar.
Constantino Jos do Mello, com Amasile Mara
Pacheco.
Antonio Francisco do Bomflm, com Maria Jordo-
Una Caulidiana de Souza.
Mauoel Folippe de Gouva Cavalcante, com Ma-
ra Theodora do Albuquerque Larangeira.
Chistovao Pereira Piulo, com Rita Candida do
Freitas.
Francisco Jos -de Carvalho, com Paulina de
Souza Negreiro.
Firmino Mariano da Silva, com Mara Magdalena
do Espirito-Santo.
Balduino de Souza Teixeira, com Emilia de
Oliveira Coragem.
HOSPITAL PORTUGEZ.Hontom procedeu-sp
a eleirao deste cstabehcimento, e foram eleitos:
Provedor
Conitiiendador Jos da Silva Loyo.
Vi' e provedor
Candido Alberto Sodr da Motta.
Io secretario
Joaquim Xavier Vieira Ligo.
2o secretario
Alfredo Cardoso Pereira.
E-moler
Commendador Jos Joaquim de Lima Batro.
Mordemos
Francisco Jos Le te.
Joaquim Antonio Pereira.
Francisco Jos dos Passos Guiraaraes.
Jos Antonio de Souza Basto.
Manuel Jos Quedes de Magalhaes.
Antonio Lope* Braga.
Flix Pereira da Si.va. ,
Bernardin da Silva Costa Campos.
Manoel Jos Moreira.
J.fio Luiz Forreira Ribeiro. *
Antonio Alberto do Souza Aguiar.
Edna-do Moraos.
Manuel Jos Machado. ,
Ji&i Vieira de Azevedo.
Manoel Jos de Souza.
Majioel Marques de Oliveira.
Jo Dirra Braga.
Mantel Francisco de Azevedo.
Comraissao de exarac de contas
Miguel Jo* Alves."
Jua i Jos R.rfrigues Mendes.
Joao Quirmo do Aguillar.
LOTERA.A que se acha a venda 6 a 129"',
Oeneflrio da igreja de N->s Goyanna. que corre no dia 7.
LKILAO.- O agente Martins faz hoje leilao de
um esplindido si.rtiraenlo de fazendas, contundo
de madapoloes, chitas, algodosiuhos, caubraia*.
camisa* para homeus, e muitos arligos que serao
vendidos em lote* air correr do martello, no arma-
zem da ra Nova n. 4S, das II horas da manhaa
as 2 da urde e das 4 as 6.
LE LOES.Conforme est enounoiado, afleclua?
r (boje) o ageute Piulo o le la de movis no Io
and^r dospbrad da ra da emperatriz u. 2, onde
tnorou o coneg Pinto do Campo-.
ftrlflBlW &) effectuar o mesmo agente a
venda de diUereftlej baeud:s o midezeas, a varia-
das bordiMTW navio francs.
Em conUiuiacSie a 1 h.ira'datarde vende-
r o meara agente o casco do briguo francez fies-
$hi, nofragam noata porto.
CEMITERIO fBUCa-Qbituario do dia 4 do
SaVeoiior Bapdso la Cmara, Rio Grande do
Korte, 24 annos, solteira, Boa-visu ; 1 ryngtte
tuberculosa. ..
I-Antonio los doa Ret, Pernamhuco, 40 anoop,
tiavo. 8. Jo* ; c^ngestao cerebral.
Joao Ribero daCosU, Pernarabuco, 36 anuos, sol-
JeaaS'lm aco de SantTAonvPernamboco, 40
annos, soltero, Boa-visia;
NOKENTE.
Wtm orphos, detfroV our-
:o*qoe na mesma data, por rao-
jtssou o exercicio a pMroeiro
la,
idotogalo do eguoxto disirioto da
dos Afogados, acensando a rejepcsDfoV
da enmara de 3 do corrate, acerca m'm-
torramenio-de um avallo, eabe-lhe resp
urna vez que-a mesrai reconhece que Ih
te, em vista- do-disposto no arl. 3o do tit- i'd*s
postfitas dei30de junhoda ISifl, pagar seinelhon-
nao pode om til dever dosaypa reoer,
tol dispoilcao flear prejudinad a peto
de na-i ter ido fono o entorramento
agentes -tos fiscaes) pete uoica raawde
precidido sua autorisacio.
i* algumis pouderacoos a respei-
indo que se mande pagar a desp-
pOMa que so encarregon di realinr
do que" w tem oecupado.loto*-
Outro do advogado, rcspondenJo a coasalta ver-
bal que Ihe foi feita acerca da arrematacjii da-;
aferic3o,;declaro qUoptocesso da especiaitsacao
requerida pelo arremataole e ,seu. fiador, ni \>-
de p'rogriit craquantoni-iastUter lavrado o 'Con-
trato, porqiie sera este ou sem escriptura de jby
potbeca, nao ple baver prenotacjio o especialBa,-
caw-no*-erino~ da lei. Para obviar essa dilFiculda-
aslha 3 maneira d; lavrar o termo do con-
trato. Posto em dWcussao, o sondo aiiresi-ntada.
urna peticSo do arrematante do dit iop sto 6e-
affrJca<), requerend.) quo se raanda**e_ fazer o
termo de contrato, visto como sem elle nao podi*
ialisar os bens olterecidos para a Panga, de-
liberou-se mandar lavrar o tucsmu termo de con-
formidade com o parecer do advogado, oVpois
de as-igoa4o e dsse copia para o ra ex posu.
Outro do adimtmtradiir do ceroitoria publico,
pedindo esclarecimentos acerca do que dis|n'iu os
arts. 21 e 2-1 do respectivo regula meato.A com-
raissao do mea rao comiterio.
Outro do pn'curador, informando sobre o re-
querimento do I. Maiirer A C. relativamente ao
pagamento da quantia de GW0)0 proveniente de
bolas que forucceu aos fiscaes ; declara que com
quanto nao fosse o fornecimeuto feito em sou tem-
po, todava entetide que lora elle direito ao paga-
mento* visto adiar se a conta legalizada com os
pedidos.Muidou se pagar.
Outro do engeuhoro cordeador, informando
requerimento de Candido Jos da Fpnseca, decla-
ra quo nada tem a opp.ir, execuUndo o suppli-
caBte asidlas de conformidade com as posturas*
Ctnaeinu no. .
Outro do mesmo, informando o requerimento de
Vicente Ferreira Lima, cumpre-lhc dizer que nao
ha incoveniente na construcc,o do tultieiro, urna
vez que nao seja o rae posturas em vigr nao permitiera casas de. taip;i
na freguezia da Boa-Vista.Concedeu-se, asig-
nando termo em que se r spotisabili^e nao desti-
nar o toiheir -e nao para deposito de materiaes.
Outro do mesnn, iniormano o rei|uerimenlo de
Antonio da Silva lampos, cumpre Ihe declarar qui-
nada tem a oppr,daudo-lhe a cerdearan Man-
tuberculoa pulmo-
juco, n annos, solteira, S. Jos
miSdttuetro. Pernamboco,88anftj>:
"> AntoBto ;men66iiecbronico.
r'-' \
dou-se cordear.
Outro do tnesmo, informando o requerimento
de Jos da Silva Noves, declara quo nada tem a
oppr, dando se-lhe a competente cordeacao.
Manlou-se cordear. .
Outro do mesmo, informando o requerimento o>
Jos Caetano de Carvalho, declara que nada tem
a oppr a pretenso do supplicante, cxorulando
elle as obras de conformidade com as posttiras. .
Concedeu-se.
Outro do mesmo, informando o requerimento de
Manoel dos Santos Souza, declara que o lugar
ende o supplicaute quer construir a casa, faz
parte da povoaeo da Casa Forte, onde pnua pos-
turas em vigor iiio se pode fazer casas de taipa.
Indefirio-se.
Outro do mr*mn, informando o rcqueriiiteru'i fle
Rodrigo Pinto Moreira, tem a dizer que nada so
Ihe uierece a oppr, dandose-lhc previamente a
cordeacao.Marntou se cordear.
Outro do mesmo. informando sobre o requon-
mento do Woerviiw Avelno Fiuzt, declara qm-
nao ha inconveniente em coneeder-se o que pode
o supplicante.Concedeu se.
Outro di mesmo, informando sobre o requeri-
mento de loa Ignacio de Avilla, diz que lala se
Ihe olTerece a oppr, dndose Ihe a cordear;.
Maidou-se cordear.
Outro do mesmo. informando o rcquerimeiil de
Joaqnim Ferreira Ramos. >vudco do reei>lln:i*n-
tu de Nossa Senhora da Gloria, eabe-lhe dizer qne
o passe da casa n. 14, do doz ceutimetrus de
altura, e na i admitte cano* por baixo, leirbra to-
dava o Materna de canos quadrad.s, cujo unoJel-
lo aprsenla c que admiitido com vauJagem em
militas cidadrs da Europa e mesnio no Rio de la-
neiro, Conceden se de conformidade com o pa-
recer do engfnheiro.
Oniro do mesnio. mformando o requi riinenfo ite
Josp Caetano de Carvalho, tem a d./ pas-
seios das casas de que traa o suppltrant sao
muiio bnixos o u*idintloni canos de bal r.>. mas
os pas^etus dJnve#sa dn Pscrabo podem ser al-
teados sem prejudicar as casas, parece que seria
conveniente esperar-se para depois do constrnia
0 calcaineut, se exigir o que deleruiinan as pos-
turas.-Ouanto a cm-lruceio dos canos d i* ca*
da praeota iti Concordia o largo da L> es-
pa?u-se para quando es*as ras bissinn calcadas,
e quanto a lrave>sa do Poctnao. su|i,ihc in'e fo-
vaiilas>e o- passoios, que. aJnittran os caius.
(kiir- do mesmo, informando o requenmnito itf
Paul.. l*o Gomes, declara que nada tem a oppor-
Conceiieu-se '
Outro d mesmo, intormando o requerimento uV
Thoinaz do Carvalho Soares BranJo S .tomlio.
arreuiaUnte da punte da estrada do reun, ri < pn-
Idifi, decljtra que o supplicaute tem direito -ir, -
cebar prhneira piestacao de seu contrato.Van-
doU-se pufiar. .
Ouiro d sobre re luerinento de Luiz Wft1*
Amorim, para fozer os rncenos do que precisa o
seu sobrado o. 26 da ra do Vigario, rom frente
Umbein para a do Encantamento, oVcUra (lrt',a,
lia inconveniente na concossao podida, do ve i id ni-
zer nat duas frentes cornija e colforar im ambos
caos internados as pareuVs. Gocedcu-fO do
cimformidade com a in,forroasp>
Outro d" ioe>mo, couimuoicanJo pavor ahatnif
parla do calcameoto do caes da LinsoCTa m mna
a asso'fac5" cumuiereial, rosultatido ni>t" o appn-
recimento de ora n| pequen bpraco. qiv e con-
veniente reparar-*, bem como que as sarg( tas a
cannos de esgot da tua da Cruz i ra d ApoUo,
1 acharase dextraidas e obstruids de forma a cao
poderem tei esgoto; pedo que se premova pela
respw*vreparticaoo reparo nesjessj;.tjef
iiSieias.se a presidencia
Outro do Bscal da freguezia da 4p*vta> rtmal-
tedo o termo do vestoria feito 0 BootCilvalcanto Clera?3M^^^Eu^
Outro to mesmo, ^'']w^^^^mF*~
Id^oleiqaira^rwkriod -raaM Oa Tramo.
"-
i
.*
JH



D\ario e Psinarabuc ^ Segunda feira 6 de Dezembro de 1869.
m
4
io 90 para 21 do corrate, com Tai
pedivi'" Itera um muro cOtn 40 palmos de ex-
lenslo e 8 de altura na travessa que vai da estra-
da ti os para a travessa' do Pombal-,
sem lieen^a e ,-., lugar pnr onde passa mua c-tra-
da de ka mallos anuos, pelo que, chegaudo a
eoatoecimento o /acto, dirigise ao mesnio lugar,
acampaohado do subdelegado e escrivo, e all fui
(sito o termo de infrarco, o qual remeti. Ao
procarador para dar o destn
Esleve em praea a obra da construccao das ca-
tacumbas do eemiterio publico, e foi arrematadas
por Nnrberlo Francisco das Chagas pela miantia
de 2:000*000, e sob llanca do conmeudador Tito-
wat de Aqu no Poneeca.
Desparharam seas petiedes da Antonio Ferreira
Braga, Antonio Henriquo Rodrigues, Antonio da
Silva Azevedo, Anasiacio Pacheao de Almeida, An-
tonio Jos da Costa Reg i), Antonio di Silva
Campo?, Antonio dv Miranda A C, Antonio Jos
Rodrigues de Souza, Bernardo Poreira Ramos, Bar-
ros, & Santos, Candido Jos da Fonceca, Ciara Ce-
mehlraa Carlota de Brito, Dr. Christovo dos San-
toa Cavalcanie, Feliciano Marques Vianna, Fran-
cisco Alves Mooleiro Jnior, Francisco Jos Alber-
to Braga, Francisco Jos de Souza, Gregorio Jas
Garca, Izidoro Gonzaga Lima, Joan Jos Marques,
Jos Cordi'iro do Reg Puntes, Jos Antonio Fer-
rara, o engenheiro Joaquim Pires Carneiro Mon-
leiro, Jos Antnno Pereira da Silva Joaqun Can-
dido da Silva, Dr. Joaqun Jos de Miranda, Joa-
qun Dominjiues Fernando?, J). Joanna do Rosario
Guimaraes, Jos Ignacio Avila, Jos Caetano de
Caralho, Jos da Silva Neves, Lait.do Franca
Soares, Manoel Ribero Bastos, Manuel Card>so,
Manoel dos Santos Souza, Sorberlo Muniz Texeira
Guimaraes. Olio Sclunder, P. Maurer & C, Rodri-
f Pinto Morera, Tomaz de Aquino Fonceca,
bomaz de Carvalho Soares Brsndio, Vicente Fer-
rara de Oliveira e levantou-se a %)&o-
Eu Francisco Canuto da Bo-Vugra, secretan
o escrevi.
Ignacio Joaquim de Sonsa Ixo, pro-presidente.
Dr. Pedio e Alliayde Loba. Moscoso.Manoel
de Barros Bm reto.Dr. Praxe'ies Gomes de Souza
Pitonga.Flix Francisco de Souza Magalhaes.
LONDON Al BRASHIAN BANK, (LIMITED.)
Capital do Banco 15,000 accoos
de 100................. 10.333:333*330
Accoes emittid.is 13,000...... 11,'i
Capital pago a 43 por accoes. 5,200:000*000
MCdkgO DA CAIXA FILIAL KM ERKAMBUCO EM 30 DE
N0VMHRO DE 1869.
Activo. _
Letras descontadas.......... 1,171:139*880
Oredito8diveisos,outrosbancos
e eaixas filiaes........... ,i:304*7fl0
Caixa:
Em iuoeda corrente......... 337:861^990
Rs.
2,941.300*130
Passiro.
Capital fornecdo pela caixa
matriz...................
Depsitos:
Em conta cor-
rente...... 804:6 1*930
Aprasoflxo.. 309:647*400
Crditos sobro diversosoutros
bancos e eaixas luais.....
888:888*890
1,314:239*330
738:138*210
Rs.
2,941:306-3430
S. E. e O.
Pcruambuco, 4 do deiembro de 1869.
T. Wilkinson,'
Acc'Untant.
PUBLICACOES A PEDIDO.
Ao Liberal.
Engaase o redactor do Liberal, quando aflian-
ca que na casa do detenrao se fazem negocios mais
ou nienus illictos.
Se na melle estabelecimento so trahalha, por
que o scu administrador zeloso como pelo res-
peito, silencio e disciplina necessaria a um estabe-
lecimento daqtiella ordem, precisa manter all a
ordem necessaria e de tal modo dirigir aqaclletra-
balho que, evitando entondas, evita tamben a
ociosidad)1, garantindo a cada preso pelo seu pro-
prio traball aqnillo que lhe cabe no mais justo e
discreto pagamento.
Para que ha de o Liberal fallar do todo, se a sua
gente da motivo para fallar de todos os quo com-
pocm a sua relnecao ?
Querura saber se o Sf. Dr. Rulino come T
perguniem a todos esses presos que ahi se levan-
tan) depiis de sollos, reconhecendo no Sr. Dr.
Rulino Augusto de Almeida um amigo c um
pai I
E depois digan : quem rouba mais ? so quem
enmpre com os seus deveres, ou so quem nao Ire-
mo diante da mentira.
OSr. Dr. Rufino, tan um nome ; elle lhe basta,
e nao precisa de caudatarios que se inculquen para
venderse a dinbeiro.
Basta.
Dizer. o Dr. Rufino Augusto de Almeida di-
sero empregado zeloso, o homem honrado, o ci-
dado dis.tincto.
M. S. J. P.
o Sr. Dr. Por
de inbos
trumphariam, iso que certeza t vesse
que o govorno imperial nao no neasse presilente.
anda mesrao admitlinJo quo de tudo isto tivesse
certeza nao sei por que motivo poderia l,r pri-
vado de acceitar o patrocinio de qualquor causa
antes de entrar para a administracao.
A prevalecer tal | argumentaco, saria :one-
luonte que boje, que sabido ser o aetual presi
lente membro do senado, e que otSr. desembar-
gador nao apenas au candidato, mas popula-
Jo, que ambos nostos poueos mezes naturalmen-
te segu rao a tomar] ausento era sua respetivas
cmaras nao. pode o' Sr. Dr. Manoel Portella en-
carreg^r-se de quahluer causa, porque ha possi-
bitidadc de reassumr a administrando I
Argumentacao do tal natureta nao corres|>onde
a grravidade da aecusacao.
Nao menos especiosa a qae o Sr. Dr. Belfort
deduz do faci do estar comigo constituido na mes-
ma procurado o Dr. Olympio Marques ; cireums-
lancia que so ten dado em quasi todas as rTucu-
ra coes em que tenlio sido consiituido advogaio
em diferentes causas.
Mas emfim, outra cousa nao podia fazet o Sr
Dr. Bplfort, desdo qae provada a calumnia i a ae-
cusacao, nao tinha olle nielo algn para susten-
tar a falsidade que aventurara.
Reagindo contra a evidencia da prova, soc jrre-
se ao eh ivonotoriedad* publica recurso favori-
to dos Calumniadores, e a forca de dizer que
notorio ter o Sr. Dr. Portella continuado a ser of
advogado de Varejo, procura esquecer as menti-
rosas assorctjes que fez.
E' anda sob allegagao de notoriedadequo o
Sr. Dr. Uelfor, acreseenta Que embaixadoivt de
tice-presidente foran acreditados perante 0;t jui-
zes para oomegwrem seus votos em favor de Va-
rej&o um faci notorio, masno declinamos
nones porque improprio de nos.
Se proprio do Sr. Dr. toer accu3ae5e- ca-
lumniosas; se anda proprio delle aventurar, sob
a capa defacto notoriolerem ha vilo emiaixa-
dores acreditados, parece que s proprio do Dr.
Belf irt nao declinar nomes, porque se o faesse
seria tao bom confundida e bem qualiflcada essa
fal-idade, como foram 03 oulros do artigo a que
respond.
Verdade que S. S. acreseenta quo foi a este
respeito informado por jpessoa ni que confia:
como succedera a respeito das aceusacei cuja
falsidade provamos; tem razo o Dr. em acautel-
lar-se em tal notoriedade, para que nao passe pelo
dissabflr de ser dejmentido como foi naquellas
Todava lhe di re que em quanto nao declinar
os nomos dos taes -emba c (lores, para quo possa
ser apreciada a sua assercao, nao podera escapar
esla a qualifieacao que da os d-mais, e cem que
tanto, e sem razao mnstrou-se offendido.
Concluirei fazendo sentir quo se a reciprocida-
de no iratamento fosse para o Sr. Dr. Belfort urna
norma de conducta, cortamente seria inexpliea-
ve o sou procodiojenlo para com o Sr. Dr. Por-
tella que nao me consta haver faltado para com
S. S. com a justica e verbosidade; emhora o con-
trario diga o Sr. Dr. Belfolt, sem que conluilo do-
clinasse a aatureza da injustica e falla de erbo-
sidide, o que teria sido conveniente para que o
publico ajuizassed offenra que S. S. diz recebera
daquelle aquem lao injusto e descommunalmente
acensa.
Recife, 4 de dezembro de 1869,
Adolplio Lam-nha L'ms.
O vapor Jaguaribe leva a seu bordo para o nor-
te do imperio o nosso comprovinciano o Di. Ma-
noel Caldas Uarrelo e sua Exm esposa.
Esse moco tendo-se dedicado carreirada ma-
gistratura, logo depois de sua formatura, nao que-
rendo annuir as propostas que a poltica decahda
lhe offerecra para acceitar empregos nesta sua
provincia, preferio antes ser como quo expatriado
acceilando o lugar do juiz municipal m* ennfins
do imperio, as provincias do Amazonas e Sergi-
pe, do que aberrar dos principios com que a na-
tureza o ligava aos seus mais proxim >s ptenles
directores do partido conservador, assim conser-
vou-so nesta especio de deportacao pelo longo es-
paco de mais de sote annos, quando agora tendo-
se arhado entre nos, nao so pelo motivo de ver a
sua familia, como para sondar os meios de apro-
ximarse a sous lares, visto achart-m-se no poder
aquellos por quem sempre se dedicou.
Agora triste se retira com o espirito abatido
pela decepcao que solTren na sua candidatura nas
elciees que so acabain de l'azer para deputad s
provnciaes, decepcao nao pelo resultado do pleito
por ser muilo ordinario a todos os preponen tes,
mas pelo modo com que foi corlado por aquellos
que jnlgava serem os seus verdadeiros amigo, por
aqnelles que deram agora bem a conheoer que ja-
mis consentirn quo apparecam vultos junto a es
tatas que adoram.
Porem nos felicitamos ao nosso amigo por essa
derrota que exprime antes o seu conceito entre
mis, visto que a grande quantdade de votns que
oblevc s foram filhos da expoutanea anizade de
quem Ih'os deu, e despido de toda a impoiieao.
Anda nos Ibes felicitamos por essa derrota, por
ser ella urna fecunda licao para o desenvolvimen-
to de sua intelligcucia na carreira poltica que
segu.
O Liberal de 19 do mez passado havia a^severa
do quo o Sr. Dr Manoel Portella foi encarregado
da rtefoza de Varejo quando j eslava i:a admi-
nisliacao da provincia, e que eflectvamente foi
constituido advogado em 19 de abril
A es-a aecusacao responda pelo Diario de 25,
mostrando ser calumnia em face de documentos e
varia* consideracoes, fazendo tambem formal pro-
vocacao para que fossetB explicadas algumas
insinuac6e maliciosas.
A redacto do Liberal nao replicando, parece
haver reconheeido a procedencia da resposta;
mas o Sr. Di. Belfort a quem nao me havia refe-
rido, e qne eu ignorava, fizesse parte d'aquella
redaccao, ah aparece no Liberal de honlem, da
forma, porm, a mais triste qao se poderia es-
perar.
Confessando a autora do artigo a que respond,
o Sr. Dr. Belfort, longe de vir provar as asse-
veraepes quo mo>trei serem calumnias, o respon-
der as consideraeSes por mim apresentadas, ati-
ra-se contra mim, cora express5es que revelara a
sua fina educacao expande-se em consideracoes
banaes sobre a' hypocnsia e oulros alusivos do
Correio Pernambucano.
Nao desccrei a apreciar as amabilidades com
.que honroume o.Sr. Dr. Belfort: seria improprio
de mim retribu-las; partindo de S. S. reputo-as
como nao escripias: E ncm tamben me faco
cargo de acorapanha-lo em snas consideracoe.*
sobre a hypocrisa. Mnha misiao outra e muto
differonle.
>^Ao Sr. Dr. Belfort, como autor do artigo corra
a obrigaclo do provar as a*sercdes nelle contidas,
nao o fez; e na impossibildade de fazo lo, declara
que tora elle escripto pnrinfvmacdese, que a
questao de procuraro, nrmenle en materia cri-
minal secundaria!
Quem leu aquello artigo e vio quo seu autor as-
severou que o Sr. Dr. Portella foi procurado para
a defeza no Varejo quando esta va na presidencia
da provincia, tanto que em proeuracao passada
em 19 de abril foi constituido advogado, nao pode
deixar de-ficar surprehendido que o autor do
menino artigo, agora sob sua asignatura, diga
que foi levado por informacoes e que a questao de
proeuracao secundaria I
O publico quo ajuise da facilidade com qne o
Sr. Dr. Belfort acceiton a< informacdvs que diz
recebpra e aquilate o criterio com que a questao
de proeuracao elevada a toda a altura, a ponto de
pkatUasiar-se urna data para tal proeuracao foi de
prumpto rebaixada a questao secundaria I
O que porm no menos sorprehende, o certa-
mente seria adrairavcl se nao partisso do Sr. Dr.
Belfort, que elle nao pretendendo mais qne o
Sr. Dr. Portella fora procurado para a defesa do
"Varejo, quando estava na presidencia, e sim em
faverciro, (dous mezes antes de assumi-la) ainda
qneira insistir na aecusacao porque :j nesse
. lempo havia sido o Sr. Dr. Portella nomeado vice-
presidente, j se sabia que o Sr. desembargado)'
Assis era candidato pela Parahyba e ira para a
cmara, e que portanto por occaslo do jura-
mento de Varejao (cousa principal) ja estarla
-Sr. Dr. Portella na administracao I
Era verdade 6 at onde pode chegar o espirito
conjectural de to ingente aggr>s-or I
^Se podesBC prevalecer to estranha argumenta-
do, a conclusa seria que desde* julbo do anno
passado em que o Sr Dr. Portella ti nomeado 2
fice presidente nao podia encarregarsn de qaal-
quer cansa c muto menos criminal porque dtvia
freter qoe o presidente, o Sr. conde i-. Baependy,
lomara assonto na cmara ou mesm no senado,
oquoeSr. desembagador Assis tomara assento
on qualquor urna das cmaras.
A elclcao daqyollC3 seubores Um lugar em
Esmolas at hoje agenciadas pelo vicario
d Gatnelleira para as obras de sua
matriz.
Manoel Goncalves Pereira Lima 30^000
Teen te coronel Cincinato Velloso da Sil-
veira ;i'*000
Felippe Benico Alves Ferreira 3CArj0O
Jos de Castro Paes Barreio i0|uO0
/oo BaptNU Paes Brrelo 10-3000
Felippe Ravmundo de Lima 20*000
Joo Denlo de fiouveia 90*000
Manoel Tom de Jezus 10^000
Producto da beneao de uai sino de Ri-
beirao 36*000
Producto de um espectculo 25*000
RS. 271*000
Despezas documentadas feitas com o altar-
mr da mesm a matriz.
Tres milheiros do tijolos de alvenaria 63 5000
Mais quinhentos tijolos de dita 11-jOOO
Quatrocenlos tijolos de ladrilho 14 JO'K)
23 caibros e quatro po< grandes 251000
Ao mestre Jos Valerio duas ferias 102*i00
Um preto Jos (servente) liOOO
Ao carapna Joao 1*1500
Um burro alugado para dar 35 baldes
d'agoa 3:J600
Pregos para urna escada o um simples 2,i Duasenxadas 2*000
Oito pecas de corda a 60 r<. 481'
Conducyo de tres milheiros e meio de
tijolos (sendo meio do cemiterio) e ara
. ENGLISH BANK
Rio de Janeiro Limited
da praca taxa a lion-
era, conta 'orronto ea
Of
Descoca leitras
vencin a r.
Recebe dinheiro
praso fixo.
Saca vista ou a praso sobrV as cidsdes
prlncipaes da Europa, tem cojsponde
na Dahia, Buenos-Ayres, MonleviMo. Netr-
a New-Orleans, e emitte cartas de crdito,
para os mesmos lugat<
HA O COAIMERCIO N. 3"
ALPANDEGa.
dendimento do da 1 a 3 .
(dem do da 4.....
144:004*416
67:524*7(53
211:529*179
MOVIHENTO DA.ALFANDEGA
'olumes ontrados com fazendas
dem dem com gneros
Voluntes sabidos com fazendas
fdem dem com gneros
674
741
------1415
320
9
&
21*400
248*980
Gatnelleira 2 do dezembro de 1869.
Protectora das familias
Os senhores contribuintes essa associa-
c3o, qne prefer m mandar pagar suas au-
nudaue8 nesta provincia, porierSo dirigir-
se ra do Livramento n. 19, i andar,
antes do da 10 do prximo mez de de-
zembro, alim de que os fuudos possam che-
gar na sde da associaejo, do Rio do Janei-
ro, no seu vencimento de 20 a 31 de de-
zembro d 1869. Depois de cuja data pa
garo a mais da annuidade o juro que mar-
ca o artigo 24 do regulamento.
Recife 17 denovembra de 1869.
Nnrcisa de Vidal.
COMMERCIO.
Sociedade bancaria em com
mandita
Thcodoro Simo Sp C,
Comprara e vender por conta pro-
pria metaos, moedas nacionaes, e estran-
geiras, letras de cambio, sedulas do go-
verno e do banco do Bsasil.
Descontam letras da trra e outros ti
talos commerciaes.
Encan-fgam-se por conta albeia das mes-
las transaccSes, da cobranza de ltrait da
trra e de outros titalos commerciaes.
Receb m quaerquer quamias em depo-
sito, em conta- correte, e a prazo fixo.
Largo do Pelournho n. 7
322
Descarregam hoje 6 de dezembro
Patacho dinamarquez.l/nn/arfA mercadorias.
Brigue inglezQuea of lhe Acnmercaderas.
Barca ingleza Slaranho dem.
Barca francezaReine de Margarchidcm.
Barca inglezaRio Grande idem.
Patacho inglez Slary Annaidem.
Brigue norte allcmaoffertAafarinha de trigo.
Brigue dinamarquozVhristian mcrcadorias.
Barca ingleza Rosemondidem.
Barca inglezaHelene rsi6,i=bacallo-
Brnue inglezO/i'nrfibai-alho.
Hiate americanoR. W. Cco/imercadorias.
Vapor iuglez Saphiraidem.
Brigue noruegnenseMandarmfaboado.
Barca ingleza/mpradnrfariata e gaz.
Brigue inglez.tfs.i/Mimercaom.-.
Barca fraucezaSplieredem.
Patacho americano Izaidem.
Patacho inglezAune Ingra taboado.
lui|>or(a<-o.
Barca franceza phkf. vituld do Havre, con-
signada a Tisset frres, manifesbu :
493 barris e 790 meios manteiga. 500 gigos ha-
tatas 100 ditos cerveja, 5 barris cemento, 15 Uitos
drogas, 1 dito e 4 eaixas cubre, iO ditas papel; a
Tisset frres,
3 dilas calcado e quinquilharias, 10 barris e 15
meios manteiga; a J. A. MoreiraDias,.
2 barricas o 2 eaixas rame ; a A. J. da Costa e
Silva.
18 dilas calcado e chapeos ; a Jleniiquc & Aze-
vedo.
11 ditas e 1 barrica ferragens* miudezas c per-
fumarias ; a Otto Bohres.
7 eaixas tecidos de algodao elle laa; a Fuers-
teniberg, Flack & C.
4 ditis ditos de dita e chapeos de sot; a Joao
Fernandos Lopes.
8 ditaSTjuinquilharias ; a madama AJour.
3 ditas panos; a J. Rhigass. *
3 ditas movis ; a J. Ramos.
4 dilas cachimbos; a J. Bernardo dos Res.
1 dita vdros; a Cunha limaos & C.
1 dita tecidos divorsos; a Pinto da Silva & tas-
cao.
Idita ditos ditos ; a Magalhaes & Iranio.
15 ditas ditos ditos e calcado; a Mello, Lobo
& C
52 ditas o 16 barricas drogas, vinagre, calcado,
marroqums, vidros arreios, araros de lustre, fer-
ragens, sollins, porcelana e biscoutos ; a Bernel.
1 dita e 6 eaixas vidros c porcelana ; a Duarte,
Pereira & C.
1 dita iniudczaj o chapeos; a Anna de Meira
Hollanda (Parahyba).
1 dita um piano; a Daniel C. Ramos.
2 ditos quinquilharias; a Prenle Vianna & C
12 dilase 1 barril urna machina lythograpbca e
tinta; a F. II. Caris.
50 barricas farinha de trigo: a E. R. Pabel'o.
12 ditas e 8 eaixas drogas; a Bartiiuloraeu & C.
3 ditas ditas; a A. Caors.
2 ditas dilas ; a Martins & Tesdcschi (Para).
2 ditos ditas; a Moraes 4 Majheiros (Para).
1 dita tecidos de laa ; a Th. Chrisiiansen.
2 ditas chapeos de sol; a Manuel & C.
50 ditas sardinhas: a Manoel Duarte Rodrigues.
150 cigos champagne; a Saunders Brothers
C
2 harneas e 9 eaixas objeclos para escriploro;
a Lailhaear & C.
1 dita ditos para dito ; a Nogucra & Me-
deiros.
2 ditas monhos ; a F. Dubarry.
17 ditas^raiudezas, graixaj llores e perfumaras:
a Ed. de Moraes & C.
22 ditas e 11 barricas miudezas, ferragens, mar-
roques, perfumarias o tecidos diversos ; a Vaz &
Lea!.
lo barricas e 150 meios manteiga ; a Curga
Irmao.
4 fardos e 33 eaixas tecidos diversos: a Keller
&C.
40 ditas sardinhas, 30 barris e 30 meios man-
teiga ; J. Gerardo do Basto?.
1 fardo e 4 eaixas tecidos diversos ; a Carlos
Pinto de Lemos C.
24 dilas ditfs ditos; a Carneiro & Nogueira.
8 ditas ditos ditos c espoletas; a Monard. Met-
tlerjSe C.
35 ditas couro de lustre diversos tecidos; a Cra-
mer, Frey & C.
4 ditas ditos ditos; a Joaqun Lopes Machado
& C.
6 ditas ditos ditos; a J. Carrere.
3 ditas ditos ditos ; a Adriano, Castro & C.
10 ditas ditos ditos e chapeos ; a Linden, Weyd-
man A C.
12 ditas tecidos diversos, 23 barris e 50 meios
manteiga ; a H. Leger.
6 eaixas perfumarias e tecidos diversos; a Silva
& Cardlo.
2 ditas espoletas o chapos; a Costa Iruiaos
1 dita sellins e arreios; a Domingos Jos Fer-
reira.
4 ditas chapeos ; a Manoel Moreira de Sooza.
t dita ditos ; a Christiani Irmao.
2 ditas ditos ; a J. de Souza Mala & C.
1 dita piano; a L. A. Siqueira.
6 dilas papel, marroqums o tecidos diversos, 25
barris e 23 meios manteiga ; a Izidoro, Bastos
& C.
2 fardis, 2 barricas e 3 eaixas drogas ; a P.
Maurer Jt C.
10 ditas armamento; a Xaef & Naedler.
29 ditas vinhos, papel c calcado ; a iL Wilnier.
2 ditas perfumarias ; a Th. Just.
2 dilas calcado o chapos ; a J. do Almeida
&C.
4 ditas miudezas e marroques ; a D. P. Wild.
2 ditas drogas ; a J. M. da Cruz Correa.
2 ditas vidros ; a A. D. Carneiro Vianna i C.
2 ditas e 4 barricas ditos e porcelana ; a J. A.
Pereira A Sobrinho.
10 barris e 10 meios manteiga; a Joao Joaquim
Alves.
100 barris e 100 meios dita, 100 eaixas vinho;
a C. A. Sodr da Molla.
2 ditas calcado e ferragens; a Viauua & Gui-
maraes.
4 ditas arreios, perfumaras, instrumentos de
msica; a .*. Roberto & Filhos.
12 ditas o 2 barricas papel, perfumaras, miu-
dezas, ferragens e marroquns; a Joaquim A. de
Araujo & C.
4 fardos o 28 eaixas perfumarias, chapeos, ben-
galas, chapeo de sol, o tecidos diversos;' a Mon-
leiro A Irmao.
1 dita miudezas j a Bourgard A Faria.
4 ditas chapeos; a H. Oettli & C.
4 dilas calcado e brinquedos ; a Satyro Soraflra
da Silva.
1 dita teeidos de algodao ; a Manoel Alcofo-
rado.
1 dita dito de dito ; a tuimaraes Pontos & C.
, 7 ditas dilos do lnho o chapos; a Cunha
AC.
3 ditas marroquios e miudezas ; a Domingos T.
Bastos.
9 ditas ditas e chapeos; a Jos Luiz Goncalves
Ferreira A C.
' 200 gigos batatas, 20 meios barris manteiga; a
1*i i Irmao.
40 fardos e 30 caixa* papel, piiudezas, flores,
chaboj, espoletas, roupa, e tetidos diversos ; a
Alvo & C.
500 gigos batatas, 30 barris o 40 meios mantei-
ga, 49 eaixas roupa, calcado, edapos, porcelana.
crystac, perfwnarias, miudezas, I couro de lustre,
e arreios; ;i orden.
Unidades.
. duzia
. kllog.
kilog.*
una
TABELLA dos r-REQOS nos gneros suraros a di
BKITO DK EXPOBTACAO. SEMANA N0 A 11 DE
DEZEMBRO DF. 1869.
Mcrcadorl
Abanos .......
Algodao em caro jo .
Idem em rama o i em laa.
Carnciros vivos.....
Poreos idee......
Arroz com casca. .
Idem descascado ou pilado
Assucar bWico ....
dem ma*
nfis/elBado.....
Gallinhaj......
Papagaioe.......
Azeite de amendoim ou men-
dobim......... litro
(dem de coco ......
dem do mamona. ..'...
Batatas alimenticias..... kiloir.
Bauuillia.......
Bebidas espirituosas e Tormentadas:
Agurdente cachaca..... litr.
dem de canna .".....
Idem genebra .....
dem restilada......
dem alcool........
Idem cerveja.......
Idamfinagre........
dem vinlio de caj......
Bolacha lina, con:prehendidos os
biscoit s. ....... kilog.
(dem ordinaria, propria para
embarque......^_
Cale bom.....Q. >
dem escolha ou restolho.
dem torrado ou rnoide. ...
Cal branca........
dem prcta........
Carne secca ( xarque ).
Carvao vegetal.......
Cera araarella.......
dem de carnauba em bruto.
dem dem em velas, ....
Cha.......... a
Cocos seceos....... cento
Colla.......... kilog.
Oraros de boi, seceos salgados.
dem dem espichados....
dem idem verde-.....
dem de cabras cortidos um
dem de onea.......
Doces em calda...... kilog.
Idem em gela ou massa.
Idem seceos.......
Bspanadores de pennas grndes duzia.
dem pequenos......
(em de palha.......
Esteiras de carnauba .... cento
dem propria para forroou estiva
de navio........
Estopa nacional...... kilog.
Farinha de ararula ......
dem de mandioca.....
Feijao de qualquor qualidade.
Fumo charutos...... centro
Idem cigarros......
Idem em l'olha bom
dem em folha, ordinario ou res-
tolho.........
Idera era rulo c en- latas bom
dem, ordinario oureslolho.
Rap .........
Gomma de mandioca, (poh'ilho).
Ipecacuanha ( raz ).....
ngico (toros)...... .duzia
Caibros........ um
Enxams.......
Frechaes........
Jacaranda (coucoeiras) duzia
Lenha em achas. ..... cento
dem e*m toros......
Li libas e esios...... um
Lour s (pranchoes).....
Pao Brasil....... kilog.
Idem de jangada...... um
Quirs ,........ duzia
V'nliatieo costadinho de 25 a 30
[milmetros de grossura. .
dem pranch5es de dous costa-
dos al 50 millimetros de gros-
sura .........
Idem taboado de menos de 23
millimetros de grossura .
Taboado diverso.......
Tatajuba........ kilog.
Travs......... urna
Varas para pescar..... du ia
Idera para aicuilhadas ...
dem para canoa*..... urna
Cavernas de sucupira(em obra)
Fixosd-ccupira para carro. par
SHaeo......... kilog.
Mel de abelha.......
Mil lio...........
Ossos......, >
Palha de carnauba..... mullios
Pechury......... kilog.
Podras de amolar.....
Idem de filtrar......
dem de rebollo
Pennas de ema. ......
Piassava......... molhos
Pontas ou chifres de novilho ou
vacca......... eento
Sabao......... kilog.
Sal........... a
Salsaparrillia....... t
Sapatos de couro branco par
Sebo ou graxa em rama kilog.
Idem em velas. .*....
Sola e vaqueta.......
Tapioca.........
Unhas de boi....... cento
Vaesouras de carnauba duzia
Idera de piassava ..... i
dem de timb
kilog,
um
duzia
Valores.
30U
238
910
4500(1
21000
68
177
320
216
436
1*000
54000
937
67S
525
102
54450
195
390
330
300
337
600
300
660
476
204
476
442
959
39
27
258
168
442
436
763
11980
4*000
14438
500
640
330
350
lOOOO
14133
784
24180
483000
24SOOO
123000
165000
124000
136
681
92
272
35000
320
14090
613
681
545
24180
170
14703
604000
360
14500
55000
953000
33000
123000
63000
105000
102
53000
64000
163000
204000
1444000
965000
33
63000
23400
63000
14000
33500
163000
50
320
68
16
14000
817
31
18
34
44796
160
23800
438
10
2304.)
800
340
476
13200
204
380
768
uno
960
Alfandega de Pernamhuco, 4 de dezembro de
1869.
O 1." conferente, Florencio D. da Silva.
O 2." dito. //. Cesar Oltom
Approvo. Alfandega de Pernamhuco, 4 de
dezemVro de 1869.Paes deAndrade.
Conformo.Joaquim Tertuliano de Medeiros
RECEBEDORA DE RENDAS INTERNA! GE-
RAES DE PERNAMBCO.
rtendimento do dia 1 a ) 3:2204582
ldemdodia4. ;..... 1:7624394
4:9834176
CONSULADO PROVINCIAL~~
tlendimento do dia 1 a 3. 12:9884878
dem do dia i....... 5:274|55
18:2634430
PRAA DO RECIFE
SM 4 DE DEZEMBRO. DE 1869, S 3 HORAS DA TARDE.
REVISTA SEMANAL.
Cambio.Sobre Londres sacou-se de 19 3/4 a
20 d. por 14- Sendo o total dos saques realisados
no decurso da semana para a Europa de 6.....
70,000.
Algodao.O de Pernamhuco, escolbido c regu-
lar vendeu-se de 134700 a 143200 por arroba ou
15 kilogrammas.
Asscab.O branco regulou de 44900 a 55800,
o somenos de 45600 a 45800, o mascavado pur-
gado de 34300 a 35600, o bruto de 34250 a 34400
e o do Canal a 34 por arroba.
Aruoj.O pilado da India vondeu-so a 34000
os 13 kilogrammas. -
Azbits-docb.Vendcu-sa o de Lisboa o o do
Estreito a 34830 por galo.
Bacalho.Em atacado veqdeu-se a 195000 e
a rctalho d 194 a 205 por barrica, ficando em
deposito cerca de 9,000 barricas.
BATATA9.T-rVendeu-se a 14200 o gigo de 32
libras.
CafIdera de 54800 a 64800 a arroba.
Cha.dem de 24200 a 24850 a libra.
Cerveja.dem de 54500 a 94 a duzia de garra-
fas ou botijas.
Fbijao.dem o sacco do peso de 150 libras a
134.
Louca A ingleza vendeu-se com 435 por cento
de premio sobre a factura.
Mauteiga.A ingleza veudeu-so a 14 a libra
o a franceza a 900 rs.
aussAS.Veoderam-se a 84 a caixa.
leo de UKH.VQA.dem a 24200 por galio.
Passas.dem a 104500 a caixa.
Presuntos.dem a 183 os 15 kilogrammas.
QuBuos.Os f&mengos venderam-so de 24500
a 24800 cada un
Sabao.O inglez vendeu-so a 170 rs. e o do
Mediterrneo a 340 rs. por libra.
Toucinho.VenJeu-se o de Lisboa.de 84 a 104
os 15 kilogrammas.
Vinagm.-O de Portugal vendeu-se a 1254 1
pipa.
ViniwsOs de Portugal venderam-so do 2204
a 2604, e os do outros paizes do OO3 a 2104 por
pipa.
Velas.O, pcete de. 6*velas de composicTio
vendi-se a 6o rs..
Ksi:oNTo.-i5)uranle a semana regulou do 12 a
"M por cento ao anuo.
Prbtes.Dtf algodao, deste para o porto de Li-
verpool, a vapor, 1/2 d. e 3 %, a vela. 3/8 e 5
% Do assucar, para o mesmo porto. 15; e 5 %;
para o Canaca 30/ sera capa; pata Marscriio.-o/
idem; da Parahyba para o Canal a 32/6 o 5 %
MOVIMENTO DO PORTO.
Navios entrados no dia 4.
Havre35 dias, barca franceza Sphere, do 325 to-
, neladas, eapitao Bnganlh, equipagem 14, carga
^ differentes mercadorias ; a Tisset frre.
New-York41 (Has, patacho americano Iza, de
280 toneladas, capito William, equipagem 8,
carga 500 barricas com farinha de trigo e oulros
genero ; a Henry Forsler A C.
Montevideo24 dias, brigue inglez Sou venir, de
179 toneladas, capito Diacon, equipagem 8, era
lastro ; a Johnston Pater & C.
Navio sahido no mesmo dia.
Canal Escuna ingleza Zuave, eapitao J. Cranch,
carga assucar.

EDITAES.
O inspeetsr interino da alfandega faz publi-
co que no dia 7 do corrente moz, depois do
meio dia e a porta da mesma reparticao, scro lo
vadas a hasta publica, livre de direitosao arrema-
tante, qnatro eaixas com 46 garrafas de vinho es
pumoso medrado 32 litro: no valor de 864400; as
quaes foram apprehendidas pelo guarda desla re
partcao Adolpho A. G. Alcoforado ao italiano Au-
Ionio Gandolpho.
Alfandega de Pernamhuco 3 dj dezembro de
1669.
O nspeator interino
Lu: de Gurvalho P. de Andrade.
OECLARACOES.
Consuado provincial.
Pela administracao do consulado provincial faz-
se publico aos respectivos contrhuintes, que
d'amaanhaa por diante comeca a correr o prazo
dos 30 dias uteis, marcados no arL 21 do regula-
uento de 16 de abril de 1842, para a cobranca
occa do cofre do primer semestre dos impos-
tes da dcima urbana e de 5 por cento sobre a
renda dos bens de raz pertonantes s corpnra-
edes da man murta, no corrente exerciem do 1869-
70, inenrreodo na multa do 6 por cento aquelles
dos contribuales que nao os satisQzei em nesse
prazo.
Consulado provincial. 30 de novembro de 1869.
Servindo de administrador, A. Wdruvio Pinto
Bandera e Accioli de Vnsconcello*.
O administrador da recebedoria de rendas
intprnas geraes avisa oos contrhuintes dos impos-
tes (aneados, relativos ao exercicio de 1868-69
em liqudacao, a saber : renda dos proprios na-
cionaes, foros de terrenos e de marinhas, decima
addiconal de rao mora, imposto sobre lujas, ca-
sas de descont etc., dito sobre casas de movis,
roupa, etc., fabricado em paiz eslrangeiro, laxa
dos escravos e imposto pessoal, que 110 corrente
mez de dezembro expira o praso da cobranca dos
referidos impostes, promovida pelos cobradores
nos domicilios dos devedores, que tambera os pdc
vir pagar na reparticao, e qne ffndo o dito mez e
proceder, a cobranca exeeutiva.
Recebedoria de Pernamhuco 3 do dezembro de
1869.
Manoel Carneiro de Snnza Lncerds.
Juizode orphfos.
Terca-feira, 7 do corrente, ao meio dia, depois
da audiencia do juizo de orpliaos, serao arremata-
das por venda duas casas terreas ns. II e 13, de
pedra e cal, sitas na Baixa-verde da Capunga,
freguezia la Boa-vista, com abate da quinta parte
do valor da avaliacao, isto por 1:2003000 cada
urna ; e na mesma conformidade dous terrenos
contiguos s mesmas casas, um por 9044000 e ou-
iro por 4323000; bem como a quaria parte da
casa n. 6, de pedra e cal, sita na ra da Esperan-
ca, frejtuczia da Boa-vista, cuja avaliacao iccu
reduzida a quantia de 7004.
JUIZO DE ORPHAOS.
Vao i praga am.nnha.-i, 7 do corrente. com o
anatimento da quinta parte obre 2:3003108, os
dous caix5es de casas ns. 30 e 32 ra dos Ossos,
divididos em seis mei agoas. com quintal murado
ecacimba,_que rendem 373000 nn-nsaes; cuja
arrematacao se faz com autirisacao do respectivo
juizo, para occorrer despezas do inventario do (I-
uado Sebastian Jos Gomes Penna, e oulras de na-
turoza preveligiada-s.
AVISOS MARTIMOS.
\avcsafiio cosicira por vapor.
Macei era direilura e Penerlo.
*S"j v O vapor tiiqma, commandante Aze-
,Jb\\. v?^0' seHu'|'a para os portes cima no
de. Recebe carga at o dia 6, encommendas.
passagetis e dinheiro a frele at as 2 horas da
tarde do da da sahida ; no escriptorio do Forte
do Mattos n. 12.________
COMPANHIA PEILNAMBUCANr-
DR
\avc;aoo costera por vapor.
Parahyba, Natal, Maco, Mossor, Axa-
caty, Cear, Mandah, Acarac e
Granja.
^?W O vapor Pirapama, commandant
14 Torres, seguir para os porto>
4BBBJB cima 110 dia lodo corrente as 5 llra-
la tarde. Recebe carga at o dia 14 encom-
iendas, e passageiros e dinheiro a frete at af
i horas da tarde do dia da sahida no escripto-
rio no Forte do Mattos n. 12.
COMPAWHIA
DAS
Nessageries imperiales.
At o dia 13 do corrente mez espera-se da Eu-
ropa o vapor francez Estramadure, o qual depois
da demora do costme seguir para Buenos-Ay-
res tocando na Babia, Rio de Janeiro e Monte-
video.
Para condicoes, fretes e passagens trata-sena
agencia ra do Commercio d. 9.
At odia 14 do corrente mez espera-se dos por-
tos do sul o vapor francez Gironde, capito H. de
Somer, o qual depois da demora do costume se-
guir para Bordos tocando em Dakar (Gore) e
Lisboa.
Para condicoes, fretes e passagens trata-so na
agencia roa do Commercio n. 9.
C0MPA11A BRASILEIRF
DK
Paquetes a vapor.
Dos portes do norte esperado
at o da 11 do correnro o vapor
rocfltirt'ns, commandante J. F.
Franco, o qual depois da demo-
ra do costume seguir para os
os portes do ul.
Desde j"recebem-se passageiros e engaja-se i
arga que o vapor poder condurir, a mu dever?
r embarcada no dia de suachegada. ncommen
las e dinheiro a frete at o dia da sua sabida as i
horas.
Nao se receben como encommendas senio ob
lectosde pequeo valor e que nao excedan a dua>
arrobas de peso ou 8 palmos cbicos de medican,
rudo que passar destes limites dever ser embar-
a lo como carga. .
Previne-se aos Srs. passageiros, qne suas pas-
sagens s se receben na agencia rna da Craz
n. 57 primero andar, escriptorio de Anh no Lui?
do Oliveira Azeved A C.
Rio de Janeiro
Segu com brevidade para o poito cima o bri-
gue nacional Isabel, tem a bordo maior parte de
-eu cfrregamonto; para o rarlo que lhe falla tra-
la-se com os coasignatarios Antonio Luiz d Olivei-
ra Azevedo A (?., ra da Cruz d. 57, andar.
Para Lisboa
A barca .ponagueza feuira Borgts devera se-
guir brevemente para Li-boa, j tem a bordo par-
te da carga, e para o 'ta-se con)'Oliveira.
Filhos A C, ao largo do Corpo Samo n. 19, ir
andar, ou cogLaJapi^jto na prava.________
[do Sul" '
Hrto cima o bri-
1 resto da carga que
iWignatarios Antonio
1, ra da Croa n. 57.
___________
EllSAMBL'CANA
fJ F.
Navegando costcira por vapor
Coyanna.
O vapor Parahyba, commandante Mello, segui-
r para o porto cima, no dia 6 do corrente, s !?
horas da noite. Recebe carga, encommendas, pas-
sageiros e dinheiro frete, uo escriptorio do
Forte do Maltes n. 12.
Seg
gue nai
lhe /alta
Luiz de
1* andar.
CO.MPArmiA
(MAMA BRASILEIiLl
DE
Paquetes a vapor.
Dos portos do sul esperado
at o da* 8 do corrente o vapor
Paran, commandante J. S. Mo-
raes, o ipial d.-|Kiis da demora
do costme seguir para os por-
Desde j recebem-se pas:agcros e engaja-se a
carga que o vapor poder ccuiiuzir, a qual devera
w embarcada no dia de suachegada. Encommen-
das e dinheiro a frete at as duas' horas do dia da
4ua sahida.
Nao se recebem como encommendas seno ob-
lectos do pequeo valor e quo nao eAcedam a 2
arrobas de peso ou 8 piimos cbicos d- med-
cao.
Tudo que passar destes imites dever ser
embarcado como carga.
Previne-se aos Srs. passageiros >me suas passa-
ens s se recebem na agencia ra da Cruz n. 57,
andar, escriptorio de Antonio Luiz de Oliveira
Azevedo A C.
Porto.
Seguo com brevidade a vek-ira e nova barca
portugueza Isolina, pan carga e passageiros.
para os quaes tem excellcutcs coramodos, trata s.-
com os consignatanos Antonio Luiz de Oliveira
Azevedo & C.; ra da Cruz n. '7 Ia andar.
BAHA
Segu para a Baha impreterivelmente neste
seis dias a polaca italiana S-ira : quera quizei
carregar para aproveitar a brevidade, pode diri-
elr-se ao consignatario Joaipiim Jos Goncalves
Beltro, ra d Commercio 11. 17.
P0RTO
Pretendo sahir em poner? dfs a barca prrtu-
gueza Social, por ter a maior parto do carrega-
mento pr -mpto ; para o resto qae lhe falta e pas-
sageiros, para os quaes tem bons commolos, tra-
ta-so com o consignatario Joaquim Jos Goncalve-
Bclirao, ra do Trapiche n. 17.
COMPANHIA PERNAMBUCANA
DB
Navcgagtto costcira por vapor.
Porto de Galiinhas, Rio Formse e Tamari-
dar.
O vapor Parahyba, commandante Mello, seguir
para os portes cima no d!a 10 do corrente, a
meia noite. Recebo carga, encommendas, passagei-
ros, o dinheiro a freto no escriptorio do Forte d<>
Matt 3 n. 12__________________ .
COMPANHIA pt^NAMBCAM
DE
Xavega^o esleir por vapor.
Mamamguape.
O vapor Mnndnh, commandante Julio, seguir
para o porto cima no dia 11 o corrente as C
horas da tarde. Recebo carga, encommendas.
passageiros e dinheiro a frete ato as 3 horas da-
tarde do dia da sahida escriptorio no Forte 4)
Maltes 11. 12.
Porto.
Vai sahir breve a barca passageiros, trata-se rom os '"insignatarios Car va,
Ihn A NViijiiPr na ni d*> Apollo n. 20.
LEILOES.
LEIL.10
De/azciidas em lotes send madnpolCes, chla>.
cambraias, algcdes, roupa feita, mcias para
liomcns e senhoras, algoalozinho americano
a militas mitras fazendas propinas para fest;i
o um grando sorlimento de ::iinisas inglezas
c franceza?.
O agento Martins far '.cii"; '.3 um esplendido
sortimento de fazendas do todas as qualidade*
em grandes ou Boqueaos lotes para chegar para
todos, e convida aefl seus fregueses o pas de fa-
milia a viren ao leilao pos comprarlo fazenda^
com grande vantagem nos presos.
HOJE..
No grande armazn da ru Nova n. 48, as 11
horas do di e continuando o cilio das 4 horas
da tarde as 6.
"Tetlao-
De ama mobilia de Jacaranda com I sof,
I mesa redonda, 2 consolos o 16 ca-,
. deiras, i candelabro, casticaes e man-
gas, i mesa, 1 rjadeira de balanco, i
mesa elstica, I guarda loiica, I sof de
amarello, 18 cadeir.ns Jo gnarnic3o, 2
consolos e outros objecti s,
IIOJC.
qo primeiro andar do sobrado da rna da
Imperalriz n 2.
O agente Pinto far leilao por conta de urna
pessoa que retiren se desla provincia dos movis
e mais obiectos cima descriptes existentes no
1" andar do sobrado da ra Ja Imperatriz n. 2,
onde se efectuar o leilao.
Principiar as 10 hora".
LEILAO
De unta caixa de papel pautado
TVrca-fe'ua 7.de dezembro as H horas.
O agento Pinto far leilao a reqoerimento do
Jos A. Moreira Dias, por a.r.r-ma^a do conui
de Franca e por conta e risco da quem aortencer
de urna caixa marca Dias n. id, com papel para
e*creyer, avariado a bordo do navio francez St.
A dr, as II horas do da cima dito em seu os-
criptono ra da Cruzn. 38.
Be 3* saceos com rha.
Terca-feira 7 do correle.
O agente Pestaa far lelo por conta e risen
de quem pertencer de 30 sceos com rClhas, as
quaes serao vendidas em ir- co mais lotes a
vontado, tsrca-foira 7 do cerrealo pelas 11 horas
da manha no armazem do .Vanos tiefronte da al-
fandega.
LEILAO
Da loja de apalos da rna Direi-
ta n. 4.
O agento Martins levar nsvameofe a leilao por
despacho do laxo. Sr. Dr. ^ut?. de dlret> da pri-
raeira vara crime o sub'titao do do commereio
loja de sapatos cima pert^ueeale a massa fal-
lida de Antonio Marta O'Couneit Jeis*y.
Terca-feira 7 do cerrante.
As 11 aarasdodia t leja.
(\
(


iario d Pernambnco
Segunda feira


Para passar anfcsti
?tw eireii
te 140 tfuzia* de Itivns.
\$ 0 agente
do cnsul ae! _
ro 4 liman
orde oni com 140
duzias de lavas ^B* a hnrdo
lo navio francez Soitefe, as ii .&* do da cima
lito em seu esctiptono, ra da Cruz n. 38.
Km coatlnuaco
vender-se-ha
1 caixa com molas variadas, 1 dita com 50
i'hapK do Clivle, 30 pecas de nejas, CO ditas de
litas, 12 dazias A i lencos, li pare? de sapatos, 30
caetas c 57 cachimbos e outros objecto?.
LEIL40
ta
ro junto ac
Dr. A banho no'fun-
i4a, ecom com-
mlv familia : a irafir no mesmo,
a. 26, toja do diamante.
Precisa-?e ile uiu pequeo boleeiro : na ra
Nova n. 46.______________- __________
Irmandade do Seuhor Bom
Jezus das Portas.
Pelo presente sao convidados os ineaos da ir-
mandade do Senhor Bom Jesns das Portas com-
(larecerem no dia 8 do corrente, as 10 Iwras da
manhaa, no consistorio da igreja da Madro de
Dos, aflu de se elege a nova mesa que tem de
dirigir a innandade no futuro anno do 1870 a 1871
H.cife 3 de dezembro de 1869.
O secretario,
Manoel Moreira Campos.
Do casco s brigue tarace* ROSSINI, m.is-
tros reos, I corrente ilo 80 bracas. 45
kilogramma latas com conservas, 500
ditas filen mvo, alguns maslroa e ver-
gas de-raaerva, linio em nm s lolo e
tal qual se ada encalliado nos arreciles,
onde naufragou no dia ''> do corrente.
Tcrca-feira 1 Ic dczcaibro
a l hora' da larde porta da Associaco
Commeicial.
O aironto Pinto levars leilio por autorisacao
en presenta do Sr. entreo de Franca e por cunta
< risco de quem pertooer, om um s lote, o cas-
co, mastros roaos e maia objectos cima metido-
nados do navio francez Rostini, capillo Holley
AVilliams c existente no mesmo migue, tal qual
O acha encailiado nos arrecifes, onde naufragou
no da 3 do correte mez, o Icilao ser clTecluado
a i hora do dia cima dito em fronte a Associa-
i-'io Commercial.
nina caixa com cobertores
(com alaria.)
TttKtrffira 7 de dezembro a* 10 horas.
O agente Pinto f.ir leil i. a re |uermen*.o do
Liadea Wevdmw & C, par autori>aeio o om
i.resenca do Sr. confu da Blgica, pur conta c
risco d quem perteneer, de urna caixa marca L.
W. & C ii, 38 com 107 cobertores de algoJao ava-
riados, abordo d) navio francez So/i: o leilao
era effeclaado as 10 Inris d > da acuna, no e>-
riptorio do referido agenta, ra da Cruz n. 38.
na ai'iuaco. balen. *eglstro d
gaz efazcudas da foja da ra
Quinta-feira 9 de dezembro as 11 horas.
O agente Pinto levara a leilao precedida a com-
ptente aatorisael, a armaejw e fazeodas da luja
la ra da Imperatrizn. 20 do Marques it Fillio,
ni um s lote constando de um grande sorti-
inunto de fazenda- de lei c de conformidade com
o inventario existente em poder do mesmo agen-
le, Rendo que o leilau ser effectuado as 11 ho-
i- ilo dia cima dio na referida toja.
L1G4
Anda esta" para alugar este grande ar-
azem, a uta Nova n. tiO.
Sociedade Monte Pi Bra-
sileiro.
De ordem do Illm. Sr. director provisorio faco
scieutea todos os socios efectivos desla socieda-
de, que segiinda-leira, 13 do corrente mez, as 6
horas da Urde, ha sesso de assembla geral para
entrarmos com as jotos para o cofre da respectiva
sociedade, alim de levarmos a nossa iei ao conhe-
cim.mto do Exm. Sr. presidente da provincia, pe-
dindo-lhc a 80.a approvaeio.
Secretaria do Monte Po lirasiieiro 3 de dtzem-
bro do 1869.
O 1 secreta i io provisorio,
Manoel do Miranda Castro.
Precisa-se
De urna ama para cosinhar
casa de urna familia pequea :
Cruz n. 19, 1 andar.
o engommar, para
a Iratar na ra da
Irmandade de Santa Cecilia do
convento do carmo.
De ordem da mesa regedora, convida -se n **"
os irmos prufossores. e'pariicu'-fcs oa mesma ir-
mandade, para <-,."-,>... .eriem no da bdenrente
j io i.orascio dia no mesmo consistorio, alim de em
niesa geral elegermos os novos funccionarios que
tem de reger o anno de 09 70. Consistorio da
irmandade de Santa Cecilia erecta no convento do
ca mo, 3 de dezembro de 18G9.
Candido Francisrn Diniz,
Secretario interino.
Per Jigueiro
Pcrden-se um cac.-orro perdiguen
fiara par sabbado da trema na
ilti% com grandes orelhas o nunol
sobro as costas : a pessoa que o tiver agarrado,
pode- leva-lo -rua Nova, lo/a n. II, que ser bem
recompensado. ____________
aviso ao commercio.
Antonio Ago9*inho Seixas da Fonseea, leudo no
Mario de hoje um atmnncio de Porfirio Antonio
Pereira, participando ao comn^rcio desla cidade
que ninguem tizasse negocio com o eslabelecimen
to do annunciante, em se entender primeirameote
com ello Porfirio, obrlga o annunclan'.o a declarar
que deve ; isto Coi condemnndo pelo rn^retissi
mo Dr. juiz do commercio a pajar loOOOO ao
dito Porrio, e que nao pagou aquella quantia
porque ainda tinha o qne oppr na execncao. O
supplieante tem de fundos no seu estabelecimeuto
cerca de 6:000*000, o assim o annuncio fallado
s lem por fim injuriar o annunciante, e boje pro-
ceden criminalmente contra o responsavel de tal
annoncio._________________________
CASA DA FORTUNA
Aos 4:000$
Bilhetes garantidos. *
\ na do Crespo n.23 e casas do costme.
O abaixo assigjudo, tendo vendido alm de ou-
iras serles, umWio n. 3S32 com 4:0001 da k)
teria que se acabou do extrahir a benellcio do
patrimonio dos orphos (I281), convida aos pos-
suidores virem receber na conformidado do
costume sem descont algum
Acbara-se a venda os (lites bilhetes da 1"
parte da lotera benelno da nutriz do Noss.i
Senhora do O' de Goianna (129'), que so ex.traliir
terc,a-feira 7 do mez vindouro.
Procos.
Os do costume.
Manoel Marlins Fmza.
Precisa-so
alugar
urna escrava que
De movis e objectos de'escrip-
torio.
A saber :
Um piano, I mobilia de Jacaranda, 2 sifs de
imirello, 4 censlos, i bancas, differentes mesi-
has, iradeiras de bataneo, ditas de mogno, difTe-
, entes bracos com globos |de gaz, jarros c vjsos
para flores, 1 machina de costura, 1 relogio de
mesa, "$ transparentes, 2 cspclhos, 1 mesa elsti-
ca, i apparad^r, 1 guarda louea e 1 apparelho
de louea branca para jantar. 1 estante para li-
vi-os, 1 arteira, 1 mesa de advogado e ouiros ac-
cessorios.
SnxU-fetra 10 da dezembro
no primeiro andar do sobrado da ra do
imperador n. .*i7. p ir cima do antigo arma-
zem Progressui polcada pelo caes.
O agente Pinto autorisado par urna pessoa que
inudou de residencia far leilao dos movis e
maN objectos cima mencionados as 10 horas do
dia cima dito do primeiro andar do sobrado da
i ua do Imperador n. 37. entrada pelo <-aes.
PMRMACIA
ESPECIAL HOMKOPATICA
UTA DO D!l. SABIM 0. I, PIMO
43Ra Nova43
I,OJA DE .11AI&II03&I3
D. L'mbeiina Rosa de Lima Pinito, viuva
do Dr. Sabino Olegario Ltidugero Piulio,
achando->e compcienlemente autorisada
pela iospecelo de sade publica ^continua
com a botica homeoptica di> seu finado ma-
rido, roa Nova n. 43. 1 >ja de marmore,
tendo frente de seu cstabelecimenio a
mesma pessoa habilitada que prepara os
medicamentos cm todo o esmero e asseio
como d'antes ; o pede a confianen de eus
numer.isoros fceguezes e do respeitavel pu-
blico enviando lhe suas receilas e encom-
mendas que seo preparadas com a maior
promptidoe escrpulo e pelo mesmo preco.
Neste iraporlante estabelecimento acba-se
ludo o que necessario para a pratic.a da
IIOMEPATIII.V : medicamentos em glbu-
los, em tintura, carteiras portateis e caixas
de medicamentos em glbulos e em tintura
de diversos tamaitos.
Vende se igualmente o THESOURO HO-
ME (PATHICO OU VADE MECUM JO UO-
MEOPATIIA pelo Dr. Sabino, obra de reco-
nhecida necessidade pratica da bomeopa-
thia.
Acha-se venda no mesmo estabeleci-
mento ; cha verde a 35000, a libra, cbo--
roate a r$000. turto de superior qualidade.
saiba cosinhar para familia, a tratar na tli<;-
souraria das lolerias, ra do r.r^t"^ l;>-
IrmaniiMo oo Senhor Bom
Jezus das Portas.
Em virtude do convite que a esta irmandade
dirigi a sociedade Liberal Uniai Bem'ficente, con-
vido a nossos irmins para, encorporados, >^r-
mos a missa do anniversario, que aquella socieda-
de manda celebrar em nos igreja no da 8 do
corrente, as 9 horas da manhaa.
l'ecifo 3 de dezembro de 1869.
O secretario,
Manoel Moreira Caninos. -
J. Fcrrcira Villela.
pllOTOCin tPHIi IllPERIAL
48A RA DO CABUGA-----18
A entrada wh pateo da matriz.
Espera nw, i;. ti iullDsdereedificachodesta
pbotographia q : j f.uram cerca de dez mezts,
ostej.'.m aeasr. st a primeira quinzena do mez
de dbiemnro prximo futuro.
O predio em que est collocada essa photogra-
phia acha-so mui augmentado, e s a parte desti-
nada ao estiibeleelnwnto onta cinco >alas, inclusive
as do laboratorio. Todos os concertos e augmen-
tes tendo sido feitoi expressamenlo para se montar
convenientemente a pio ogrnpbia, c nao so poden-
do mellwr modelo eseolher do que a Photograph/a
Imperial do Sr. lasley Pacheco do Rio de Janeiro,
o primeiro pbotographo do Brasil, e um jos pri-
moiros do mundo, segundo a opiniio dos mais
abalisados mestn's, a nossa photographia acha-se
disposta e reedificada pelo mesmo plano da.do Sr.
I. Pacheco, a qual foi montada tota todas as repras
recommendadas pelos mais distinctos professores
de acord cooi as m'odilicacoes noces arias ao clima
do Brasil, reconhecidas e eslndadas pelo habilissi-
mo e pralico Sr. I. Pacheco.
Todo o interior do predio em que est a nossa
photographia foi mudado dede a soleira da perla
da ra at a Coberta iendo-se demolido todas as
pareies interiores pata se fazerem as novas sala;,
ediflfianOO-so' um novo lerraco envidracado mui
espacoso e elegante.
(k-no sabido lizcmos urna viagem expressa-
mentc acorte para examinarmos as mclhores
pbotograpuias d'ali, c foi a do Sr. I. Pacheco, a
que inellior corresponleu aos nossos desojes e
asniracSes, e da qual Irouxeinos os planos depois
de ali eslarmos todo nm mez cstudando e apn>-
vertando as IMOW de tao disiincto n.<.-.rc. ivn.
sanios quoJuumto, o^-;p^&Sm
?"t? ^.nSienlo ivceoidas do Sr. I. Pacheeo,
V7- .iioalado a nossa photographia como se
acha, poderemos, apenas encelar os nossos novo?
trabalhos offerecer ao Ilustrado publico desta
cidade, e aos nossos numerosos freguezes traba-
lhos de photographia tao perfeitos como se peder
desojar, e disto convencidos esperamos que conli-
nnem a dispensar-nos a mema proteecao com
que a lo anuos nos ton honrado c ajudado.
Aufra-se
una casa em Beberibc : a tratar com J. I. de M.
llego, ra do Commercio n. 34. ____________
Sociedade Liberal Tinio Be-
neficonte.
1 Esta sociedade tendo de solcmnisar o 2o anni-
versario de sua instituicao, no dia 8 de dezembro
prximo, consuma missa solemne sua excelsa
padroeira a immaculada Coneecao, celebrada na
greja da Madre de Dos, as 9 horas do dia, lindo
este santo sacrificio, s*air-se-ha na sala de suas
funecoes, ra do Vigario n. 18, n sessao magna :
tem a honra de convidar as pessoas que decente-
mente a elles queiram dignarse comparecer, j
com sua nresenca, como com a autorisada pala-
vra ; assim cono activa as circulares j distribui-
das ? distinctas corporaOes o socios, da qual
tamben) pede suas desculpas, se por acaso deixou
de chegar sedes socies o sen convite. Picando
desde j pela pnblieacao desto convidadas. A noi-
te a casa estar exposicao publica, havendo al-
gunas peijas do msica.
Secretaria da Sociedade Liberal Uniao Bcnci-
cont 3 de dezembro de 1869.
1. Secretario,
Tlieophilo Pfdro do Rosario.
Eiigommadeirn.
Precisa-so de una criada para engommar
ra do Imperador n. 73, 2o andar._______
na
AMA
1
Precisa-so do urna ama para rasa .de ponca fa-
milia na ra da Cadeia do Recife n. 21, loja de
miudeza. ___
AVISOS DIVERSOS.
Companhia. de seguros utilida-
de publica.
A direecSo paga o 13" dividendo de 2800> por
iceo ou 2H 0|0 do capital realisado, de raeio dia
as 3 horas da tarde, em sen escriptorio rinda
Cadeia do liecite n. 1' andar.
Itecife i de dezembro do 18J9.
Os directores,
Policiano Jo.- Gomes.
Thomaz Fernandesda Cunha
Attenpao.
Livro perdido.
Urna pessoa que foi ouvir missa na rapella do
cemiterio, deixou ficar no carro que a condiizio,
um hvro de oracSes ; se der os. signaos do livro
na cocheira da ra do Sol n. 23 ser-lhe-ha resti-
tuido. ____
Na ra da Moeda n. 5, 2- andar, escriptorio
de Manoel Alvos Ferrer* & C, vndese vinho
verde superior em barris, ancoretas com vinho do
Porto superior e malvazia branco.
pift ^IflH
AMA
Piecisa-se de urna ama que engomme bem pa-
ra casa de pouca familia : na ra da Uniao
n.23.
AMA
Prcc^a-so de urna ama para casa de pouca fa
milia : na ra das Crnzcs n. 23.
Precisa-so de urna mulhor de mcia idade que
ente da de costura o engomme, para casa do ho
mem solteiro : a tratar na ra da Gloria n. 17.
Precisase de um caixeiro que tenlia praica
de padaria ou mesmo de taberna : a tratar no
pateo do Tere > n. 63. ;_______
Protesto.
Pede-se ao Sr. prof.X:jm v ou mande
raEdo ftsatisfazeruempenhode honra que
conirahio a um anno, tres maios e tantos das, que
nio igual ao da uberna da ra di Concordit..
irregnlaridade Jo conduela no empregado o expoe
ao suspensorio! E. S. Mi. j esteve em suspen-
sorio ; e se depus cobrou foi por..., coi quanto nao
vier, senhor empregad>, farci de S. Me. um ar-
>aalde aun incios do Ierra e de
__________Mar. .________
A pessoa que levou por engao, sabbado 27
dopassalo, de mn dos w.igoos da raachainbomb
uim caixinlia d'pap-li cim u:n vestidinlio de
chita, 3 varas do ico de crox e.7 varas do ga-
lio brando, querend i restituir, pode entregar na
ra da Cruz n. 53, 3" andar. ___________
AMA
Procisa-se de urna ama para casa de pW! fa-
milia : na roa das Crozes n. .
Lniz Dias Moreira. inventarame dos bens de sua
fallecida av D. Catharina Rila de S. Jos Annes,
vera pelo presente protestar contra quem qur
que tenha en sin poder os soguintes escravos :
Mariana, preta, idade 43 anno?, cheia do corpo,
lavadeira da caixa d'agua na B la-vista, e nesse
lugar multo conhecida ; Damio, prcto, idade 18
annos. trabalhon milito lompo no armazem do fal-
lecido Annes, e ltimamente eslava alugado um
esmngeiro na Pa&ogem, d'onde o tiraram em 30
de setembro prximo pas-ado ; Cypnna, preta,
idade 20 annos, muito baixinha, corpo recular (esta
preta sempre estove recolhiia) os quaes eslao
oceultos desde 1 do oulubro flndi, e pertencom
ao- lien* cima
Estes escravos eetavam om poder da her-
deira Ermllla Fejnandes da Silva,moradora na ra
de Santa Hila, Sobrado de 3 andares, terceiro an-
dar, e estavam em seu poder ha mais de cinco an-
nos, como publico o sabido de toda a visinhanca ;
por isso roga o annunciante aos domis herdeiros
que se dignein coadjuva lo na pricura dos mes-
illas, certos de que nao tem o nem poupar esfor-
cis, e que est requerendo contra essa herdeira
pelo juize de orphos escrivlo Brito a entrega dos
diloi e-cravos, vi-te como declara com toda a sem
ceremonia que elle- fugiram no dia em que que-
ra tira-Ios de sua companhia, nao obstante ter
leilo ella, depois da declmelo subir para o supe-
rior tribunal da relacao um aggravo em que con-
testo'.! odireito que tenho de toma los na qualida-
de do inventariante, o qual foi pelo meretlssirao
tribunal jul.Mdo improcedente.
As autoridades pede o annoneiante se sirvan)
ordenar a captura dos mesmos, assim como toda
e qu dquer pessoa que saiba onle cstao os ditos
escravos, o favor de prende-los ou leva los ao so
gund i andar do sobrado cima, na certeza de quo
onde qur que se achem os mosmos escravos, pro-
ceder conforme a lei.______________
Manoel Espindola de Mendonca convida a
todis os sus amigo* a assistirem a missa e me-
mento que manda celebrar por alma de seu rife
l7, fllho Manoel F.spidola de Mondonga Jnior, ler-
oa-feira, 7 do corrate, as 8 horas da manhaa, na
matriz do Corpo Santo, por cu]o favor desde j so
coufessa grato
EMPRESTIMO SOBRE?
ES
(SEM LIMITE.)
Na lravessa da na
das Cruzcs n, 2, pri-
meiro andar, da-se qual-
quer quantia sobre onro,
prata e pedras preciosas.
O dono deste estabelecimento,
competentemente autorisado pelo
governo, est as condices de ga-
rantir a transacc5o que se fizer em
sua casa, promettendo todo e zelo
e considerago s pessoas que se
dignarem de honra-lo em seu esta-
belecimento.
Na mesma casa compra-se ouro,
prata e brilhantes.
Ama de leite
Precisase de una ama que tenha bom c abun-
dante leilo: a tratar na ra do Hospicio n. 47.
Precisa-so de urna ama para casa de pouca
familia para cozinhar e engommar: a tratar na
ra do Cabng.. n. 1, luja de joias.____________
P/ecisa-se alugar urna preta escrava que
saiba engom nar na ra ih Santa Cruz n. 1^.
Aos senhores /fictaes de sapatetro
Chegon a antiga l ja de calcado d ra da Cruz
n. 21 (sobrado amarello) um sorlimcnto de ferra-
meuta para sapateiro, a qual so vende por menos
creco d* que em nutra qualquer parte._______'__
CAS.4 DA FE.
Aos 20:000^000.
Bilhetes do Rio venda : ra do Cabug n. 2,
vende Vieira & Rodrigues.____________
Precisa-se de urna ama livre ou escrava que
saiba cozinhar e engommar para casa do pouca
familia : na ra do Cabug n. 11, 2o andar.
Pre'cis; -se de urna ama para casa de pouca
familia : a tratar na travssa do S. Pedro n. 10,
Io andar,-entrada pela roa di Fugo. %_________
Da-se 50,1000 de gratifica-
do
Fugii no da 29 do prximo pausado mez a es-
crava de nomo Ucrtolcza, idade 25 annos, pouco
mais ou menos, cor parda, cabellos carapinhos,
pernas grossas, pos seceos, dedos dos ps e das
mos compridos, scio pequeo, beicos grosso,
bocea regular, anda muito ligeiro. bem fallante,
levou ve tido cabecao de lahyrinlho c saiatambem,
ambos brancos, tem um signal de- um anlraz na
nuca, do lado direito ou esquerdo : roga-sc, per-
ianto, as autoridades policiaes c capitacs de cam-
po a appi'enenso da mesma, e lova-la ao Reme-
dio, casa do abaixo assignado.
Antonio Menellcs Cordeiro de Gnsmao.
Precisa-se alugar um moleque, agradando
papa-se bem : na ra do Commercio n. 3, pri-
ineirn andar.________________
Aluga-so a casa n. 5 sita ra do Socego :
a tratar na ra dos frazeres n 50.
Casa no Caxang
Aluga-se por anno, ou s para passar a festa,
urna casa situada no Ambol. com bastantes com-
modos, e (rio do banho; a tratar com seu dono
Antonio Carnelro Leo, morador no mesmo lugar.
Engommadeira
Precisa-sede urna mulher ique engomme e en
sabop, para casa de familia : a tratar na ra
Cadeia do Recife n. 18. 2" andar.__________
Feltor.
, Precisa-se de um moqo para caixeiro de ta-
berna, com pratica ou sem ella : a tratar n ra
do Hospicio n. 26.
1TTM"
Widow Raymund & C. pede a alguns dos se us
| devedores, que tem sido renitentes em pagamen-
i los de suas contas, o favor de o fazer amigavel-
mente at o fim de dezembro do corrente anno, do
contrario se vero obrigados a entrega-las a sen
procurador, para sercm recebidas amigave! ou
judicialmente.______________________
Aluga-se o 3 andar do sobrado sito ra
Na ra do Mondego'o.Ti" precisa-sede urafei- estreita do Rosario n. 31. com bastantes exnnio-
ter para tratar de um quintal. dos : a tratar no armaxera do mesmo.
da
mm*.
s

<0

m
n
TZ*1
--
\,
As Peroiiu. Voiiier co nocin Ci.rBTAS npprovadas pela Academia imperid
do medicina de Pariz acalmain quasi sempre instantneamente os ataques d'asnia,
oppresso, sofToca<;ao, assim como as ddros de cabeca c enxaquecas. suffi-
ciefttc na occasiio cin que oppaivcer o mal, o engolir-sc una ou duas perolas
com una pouca d'agoa. com certeza o medicamento mais fcil do tomar para
esto genero de docn^as.
Aa Perolas de lerebcntblna DO DOCTOR ClERTAN iSO impregarlas diariaiiiClle
com grande xito para a cura das nevralgias, rheumatismo, sciatico e catarrhos
da bexiga, Estas perolas foram sempre recommendadas por um grande numero
de mdicos e especialmente pelo Doutor Trousseau, que indica esto medica-
mento como o mais eflicaz. conveniente tomar de 4 at 8 na oceasiSo das
comidas.
A approvacjo da Academia imperial de medicina sem duvida a melhor
garanta da boa preparado d'stes medicamentos e de sua effkacia.
Deposito cni Rio-Janeiro, Duponckd'c; Qievolot EmPrasunoco, /a,uvr 4 O".
Vende-se cm fraseos
DE FIGADOS FRESCOS DE BACALHAOemo.ofr.scosui.ngu.
lares, pliarniaci. IIogg,
S, ra de Cas'.is'.ior.o,
em Pars.
As contrafaoeAes, es leos pardos, il'um c c mais cumposicocs feitas cem leos
i\cs tmanos, taes como o etlflUde, a anda, o phoca, a liza, os oros ilo aiaitores }**cailorts.
uno W oleo vegetan, fo.-am imaginados para substituir os verdnel.-os oleo*, de liyado
frseos de Baeallio de Trrrn-!\'ova. Este, leos communs Ou seos sueerdeos s5t.-
M. l!opg dosde O anuo de 1810. Batel oleo- pii.ro de Racatho de Terra-Xova de liogg
e ingcaran pira esto, precioso WCdleament urna fama universal nas molestias ilo peilu, as afc.foet .
se lymphalkat, amagiea dos meninos,me,c por isso,deram lugar nocivas e acsleaes
v ,','.' J_ o oleo de Hogg mili fcil de digerir, di:.tngne-se entre os outros oleoa pela
cOr c paHis, o seo cheiro suaic o delicado, e seo gosto de sardinlia fresca.___^ ____
O l'.l l.\THIO fai'oravel do cliefe dos trab.llios ehymico. da FAGLDADE DE MI.DIUNA DS
, UAUiS conrliM como segu : 0 oleo eOnle palha de 47. Hogg contem urna trra paite de prla- ,
1 el> rr'i'i "'estes, aturdo ao tieiro c sabor.
Vende-se eui todas as pharmaclaa dn Franea e dos patn estranuelros
BIJA.
CABG4
esquina
da ra larga do
Rosario.
BIJA
,___^_ 1IES____
Este importante estabelecimento no sen genero, tem sempre nm sortimento sem ignal,
e vende por prepos qne nenhuma ontr^ casa pode vender.
k vista da qualidade e do preqo das joias cada nm pder-se-ha convencer da verdade.l
Garante-se ser tndo de lei. Compra-se ouro, prata e pedras finas por prepos mmto ele-
vados.
A loja est aberta at s 9 horas dar noute.
esquina
da ra largado
Rosario. *


___.__jmM<^XM
1
-Diaito de Pern&tubaco Segn la feira 6 de Dezembro de 1869
\*
I
l im
IH DOMADO
Primeiro introductor dos po instantneos da Abyssinea.
Estes pocos foram cspalhados na Euro-
pa, tanto que, qualquer duvida do seu
grande valor pratico deve desvanecer vis-
ta das grandes vantagens.
Mi loares de exemplos mostraram que
elles s3o de grande utilidade aos industriaes,
agricultores' e particulares; at em todas
as expedices militares dos ltimos lempos
foram usados_para procurar sem demora
agua fresca e^)ura, e tanta quanta se pre-
cisava.
Em todos os lugares, onde ara poco ca-
vado ou furado (pelo systema antigo) daria
agua, pde-su empregar os pocos tubulares.
Elles faciltam adiar agua muito raais
depressa, mais cristalina, mais fresca e
mais barata do que por tnm dos pocos
cavados.
O systema dos pocos tubulares o uni-
co pelo qual se possa obter agua perfecta-
mente pura, livre de todas as substancias
nocivas e preservada de todas as influen-
cias athmosphericas.
Por moo de urna machina muito simples, consistindo d'ura macaco, impelle-se para
toufcro ta trra u*. .i,o mo> cja extremidade inferior est furada e munida
juma pona d ac; e logo ,, a sonda mostra agua no mesmo, deve-se alarracliar
bomba e faze-la funccionar. Ao pn..nj0 a aua ler SUDstancias arenosas e terreas,
porm logo se clarifica, e em pouc.T tempo sauua .,,, perfeitamcnte lmpida.
Outras vanlagens que apresenta este systema sao:
Primeiramente, a promptidao com que se executa toda a obra do ontsrnento, que
muitas vezes nao leva mais de urna hora, sem remcao alguraa de trra:
Segundo, a couimodiclade que elle offere-ce de ser nao somentc collocado fra da
casa, como tambera dentro da mesma, com nao menor facilidade :
Terceiro, a facilidade com que se tira para fra da trra o poco sem o estragar
para o collocarem noutro lugar:
Quarto, a grande quantidade d'agua que elle pode dar:
Quinto, a possibilidade de tornar, uteis com pouco trabalho, por meio delle os po-
cos cavados que foram estragados pela ara ou por outras causas.
Precisando-se de urna grande quantidade d'agua pde-se introduzir na trra di-
versos tubos unidos uns aos oulros-por meio d'um apparelho muito > imples.
Em lugar das bombas aspirantes geralmente usadas, pde-se fornecer bombas de
compresso para elevar agua e conduzi-la aos andar-s superiores.
O emprego dos pocos tubulares sobre tudo proveitoso aos fazendeiros, que em
qualquer campo onde o gado precisa d'agua, os podem collocar e arranca-Ios para se-
rem cotiocados onde melhor Ibes convier.
E' lambem de grande utililidade aos fabricantes de cerveja, aos distilladores e a
todos os fabricantes em geral, e com especialidade aos empreiteiros, architectos, en-
genheiros c todos aquelles que precisara de quantidade d'agua por tempo determinado.
Este methodo o nico para obter em qualpuer parte agua, que seja livre de par-
tculas nocirs, elle tambera proveitoso aos propietarios de casas e jardins, tanto
para o uso diario como para regar as plantaces e capim.
Pedimos aquellos que nos quizerem honrar com suas encommendas de nos
communicar: 1. em que profundidade S3 ada a agua, o que fcilmente se pode verifi-
camadas da trra da su-
que especio de carnada se acha a agua
naquelle logar: i." finanlmvnte a quantidad d'agua que re pede por hora.
A collocacao do poco fica por conta do comprador o.'ereceodo-se porm a empre-
za a emprestar o apparelho de assentamento mediante urna retribuico a convCnco-
oar, a qual s regular pelo tempo que se achar fra.
Tambera encarrega-se de mandar urna pessoa habilitada na collocacao d'esscs po-
cos, pagando o comprador alm do sustento e despezas de viagem (ida e volta) um
jornal previamente convencionado.
As pessoas que quizerem apreciar o trabalho dos referidos pocos, podem ir ver
funecionar ra da Florentina, fabrica de cerveja n. 20, em Beberibe era casa do Sr.
jmajor Anlunes, no Caxang no hotel junto a poete e no Arraial em casa do annun-
ciante.
Para encommendas e mais esclarecimcntos
i. Germann; ra Nova n. 21.
Nova loja ie calcado
JOAQUIMDIAS DOS SANTOS & C. acabam de abri tabelecimento de eai-
Cado estraogeiro a ra Nova n. 30, onde o public cucoqtrar tudo o qae neste ge-
nero d commercio ha de melhor de mais gosto em Pars c Londres.
Por todas os vapores transatlnticos recebero elles constantemente remessas d*
calcado novo, pelo que ter sempre o estabelecimento o que a respeito se pode ex>
gir- Ao publico em geral e a seus amigos em particular, pedem a cooperaco, qo*
Ihes possam dispensar, cortos de que sero servidos com loaldade.
car nos pocos ou cacimbas visinhas; 2. de que especie sao as
perficieatc a carnada que contmagoa ; {\"em que especio de
MUDANCA
Gustavo Vertlicimer (em a honra de informar o Illm. publico que mudou o
DEPOSITO DE PIANOS E MSICAS
PARA A
Ra Nova n. !IH primeiro andar (casa do Sr. Pinto)

oade contina a ter nm completo sorlimento dos j bem conhecido* pianos
fiis Jt C, e de entres bons autores e de msicas as meluores edicoes.
alna^oos i-erao frito* com
da fabrica de Boisselot
Todos os concertos e
a respeito a tratar na loja do Sr. F.
COLLEGIO INFANTIL
51Ra de Santa Martha67
LISBOA
Este esiabelecimento de educacao, que oceupa nm grandioso e bem apropriado paaer>
proporciona todas as coudii.'oos de bygiuiie e couiniqdidades para o inlcrnato dos alumnos. As aula.-
e dormitorios bem preparados em vastos o magficos saldes satisfazom plenamente aos Pms para qu>
se destina m.
Os jardins e passeio permittem aos alumnos til e proveitoso recreio. A instruecao primar
e toda a secundaria, curso commercial o as bellas artes sao professadas nesta escola por illustrados *
respeitaveis cavalheiros, que alm de legalmente habilitados, malores considerables tem obtiik w
magisterio publieo ou particular.
A secejio collegio infantil, destinada aos alumnos qne pela -sua tenra idade nao conven
estejam em communidade com os mais adultos, est confiada a duas distinctas e intelligentes senhoras
urna porlugueza outra franceza, que a par dos cuidados maternacs com que os velain, Ibes ensinara
os rudimentos de educara mor; I, Iliteraria c social, familiar:sando-os ao mesmo tempo pela pratio
as linguas portugueza, franceza e inglcza.
N. B. Dam-se ampios eselarecimentos aqoi, na pliarmacia dos Srs. Barlhobmen & C.
ra larga do Rosario n. :)i, ou cm Lisboa no escriptorio do Sr. Guilherme Settc, ra do Ampa*?
n. 66.
O director da escola,
'________ Joo Antonio de'Barros Preseur-v
LOJA DAS MACHINAS
BASTOS
las verddeiras machinas americs-rjan
tamaitos seguintes :
12 serras
14 ditas
15 ditas
K ditas
48 ditas
20 ditas
22 ditas
~."> ditas
:io ditas
35 ditas
40 ditas
s qnaes se vendem por precos commodos e roga-se as pessoas que dellas fizeram ez>
commendas de alguns tamanhos, obsequio de as mandarem busca-las o mais breve pe*
sivel aflra de nao haverem faltas.
Acabam de chi- gar grande quantidade
para descarocar algodo de todos os systemas e
12 serras
14 ditas
15 ditas
16 ditas
18 ditas
20 ditas
22 dUas
25 ditas -
30 ditas
35 ditas
40 ditas
Toda promptidao e perfeipo.
FABRICA DE PIANOS
DE
j- mnrawm^fi*
55
J. Rhigass, successor
Ba do Imperador55
Nesta anttga e bem conbecida casa, encontrar-se-ha como outr'ora graBde sor-
timento de pianos construidos expressamente para o clima deste paiz, e Mr. J. Rhigass
tendo trabalhado amitos annos na coostrueco de pianos em Paris, acha-se habilitado
a preparar os pianos que vende com todos os accessorios indispensaveis nlo s sua
oJez, como sua duracao. Todos os pianos sao garantidos.
Tambem ha neste esiabelecimento, grande vriedade de msicas novas e dos
melnares autores, tanto vindas de Paris como do Rio de Janeiro, qae se vende mais
barato do qu em outra qualquer parte; assim como ha igualmente venda todos os
objectos necessarios contruccSo de pianoe. Os concertos e afinaces de pianos serio
eitos com o maior zelo c cuidado.
Salt hill, perto de Windsor.
COLLEGIO CATHOLICODE HUMANIDADES, EILtltRIi
Sob o patrocinio especial de
Sua f.uim:.nglv o cardeal wiseman, arcebispo de westsunster, dos exms. rvms. srs. dr
AMHRMr, HISPO DE NORTH.VMPTON, DR. GRANT, BISPO DE SOTHWARK, E DO RVM. DR
WAIir.IM;.
Os Srs.James & WilliamBntt.assistidos de um capello residente na casa dt
aptos professores, dirigem o esiabelecimento cima mencionado. O enrso de educac^c
encerra as linguas, latina, grega, ingleza e franceza ; algebra, arithmetica, calligrapbia e
escripturacSo mercantil.
penso de emeoenta guineos, Os lugares na capella (a qaal faz parte da
casa) bera como o dinheiro, que os alumnos tiverem de receber, sao pagos parte. A
pens5o paga seis mezes adiantada, e no caso que os pais on correspondentes deseja-
rem que seus lhos ou recommendados se relirem do estabelecimento, terSo a bondad
de avisar os Srs. directores tres mezes antes da sabida dos sobreditos. As ferias do
vero comceam no da 21 de junho, e acabam no fim do mez de julbo;" as do Natal co-
mecara no dia 21 de dezembro e acabam no dia 6 de Janeiro. Desenho, msica, dansa
e esgrima sao ensinados por professores modernos.
A $ituac5o, como, bem se sabe, muito sadia : cincoenta geiras de trra per-
teocem casa, a qual espacosa e commoia ; simada perto da estac3o de Slough.
nma das da grande estrada de ferro do este, (Great Western Railway.
Para melbores nstruccoes queira-se dirigir aos cima m ncionados ; ao Rvm. R
Conego Shepberd, Priory Street, Colchester; ao Rvm. J. Ramber, ThnrndoD, Essex :
ao Rvm, John Butt, Arundel; ao Illm. Sr. A. Buter, 6, Austin Friars. Londres, ou ao?
directores os Srs. James 4 Willian Butt, e no Brasil provincia de Ptrnambuco, a Antonk
Luiz dos Santos.
_-/-. -\ _
ou" i_ji Tiiijinri^ji
^p*
____RA M CADEI4 N. 56 A __
GUSTAVE
CABELLEIKE1R0 FRANCEZ
51Eua da Cadeia do Becife51
Chama a attenco dos seus innmeros freguezes, e do respeitavel publico era
geral, para a seg'iinle tabella das precos d sua casa, os qua^s sao vinte por ccdVs>
mais barato do que em outra qualquer parte, comecando no I. de dezembro:
Cabelleiras para senhoras a 25,-?,
305, 350 e......405000
Ditas para homem a 35, 403 e 50$000
Coques a !*& 15??, 18;?, 20,S,
25^, m e...... 50000
Crescentes a Ity, 15^i, 185, O$,
25j, 30,$ e.....32,^000
Cachos ou crespos a 3#, i-$, 5l,
6$, U, 83, 9* e. lo000
Tranca de cabello para annel a
500 e....... 1;>000
Tranca para braceletes a 10J,
15)5, 20,51, 25 e.....30.-5OOO
. iSSIGNATRAS MENSAES
Especialidade de penteados para casamento
IBailcs e soires
0 dono do estabelecimento previne s I Recommcnda-se a superior TI.NTLRA IV
Exraas. Sras. e aos cavalheiros que ha um PONEZA pata enegrecer os cabellos e bar-
salio para tintura dos cabellos e barba, as- ba- UDca a , como n5o prejudicial sade, por ser vo-
sim como um empTegado somepte oceupa- latil, analysada e approvada pelas acaV^
do nesse servico. mas de sciencias de PAB1S E LONDRES-.
AGIA NEGRA
Cadeias para relogio a 5S, 6,
n, 8^, w, m e. . ir^b
500
Corte de cabello com fricciio. . 500
Corle de cabello com lavagem a
champot...... LJOOfe
Corte de cabello com limpez da
cabeca pela machina elctri-
ca, nica em Pernambuco. . IJOQ
Frisado ingleza ou franceza. 500
Barba......... V

ARMAZEM
EXPOSICO DE LONDRES
60RA DA CADEIA DO RECIFE60
OHL4kJJNmE] IJEQUIDACAO '
n M. PARA^ AC48W ESTES DAS
O propneuno deste estabelecimento tendo de partir|muito breve para os Estados Unidos e Europa, fax-completa liquidacSo nestes das, para acabar ; como
jortraado* para camas e jnellas cobertores nglue finos, calcado de pao, bijolerias d'onro de 18, romo nietas de brilhantes, aneis, oculos, lunetas, trancelms etc., aorreUios
M metal do mais fino que ha para almoco, baedejas etc., perfumaras de differentes fabricantes, differentes caixinhas, vasias com enfeites muito proprias para presentes, caixas
O*i auncas, ditas com pertences para costura, ferro de engommar, n5o sendo preciso carvSo nem fogareiro, machinas de delir balitas, ditas para preparar a carne para cui-
^os.d.ta para bater ovos e bollos, grande vanedade de porcelanas, como, vasos para toilette, apparelhos para mesa etc., diferentes objectos de vidro como seja: lustrse
^tobos para saiops. Iantern3s para cima de mesa, escarradores ele, nos excellentes cofres de ferro, espelbos de diversos tamanhos de moldura dourada e pmta, molduras
i cuadros, ncas caixas para retratos, dilas com cheiros proprias para presehtes, mesas de coarto, bandejas de dito. Estampas finas para qoadros talagarsa
!fLPLamm fLo ta ^ntopern e, parai datar vasos em ama da mesa, relono pera cima de mesa, de pareds e de ouro para algibeira, stercoscopos de diversos
bos. ^-f.'antems mgicas para diyermento em sas qnadros com finas fiaras de porcelana, ditos enm-motimeotos. figuras brnnseadas para enfeites de mesa,
moa no. mar ou rio lencos de lmbos finos para alg.beiras, Meas grvalas de seda, variado sortimeoto de mhidezas e brinquedos para crianCas
as tamanhos, laratorir.s;- trwcospos, cosmorama etc. etc., quesera patente ao comprador ; e muiloa ootros artigos qne se venderao
fifi?
DENT MACHADO ft C.
oo
Esta nova loja de miudezas a ra do Cabug n. 8, vem fazer sua aprsenla
ao publico esperando em breve ter freguezes. Esta loja ter coostantemeute por sj^fr
inieresses e commodo de seus fucturos fregueses completo sorlimento dos objecu
mais procuradas neste mercado para o que estando ligada por nteresses a uroa cm
importadora desta praca tem feito enromnendas xo descreve paro a nomenclatura delles reclama atti-nciio das pessoas que precisarem -
jaira-vidas
ile bengallas, camas de ferro d
tito barato para inteiramente acahar, no
( Lindos coques enfeitados,
Meias para senhoras (o melhor o ge-
nero).
E8portilhos bygienicos.
Lindos jarros para flnres.
Toucas e sapatinhns de croch,
ntremelos e babadinhos.
Paras garfos e colheres.
Cartfjns o saceos para viagem.
Grinaldas flor de larangeira.
Ramos para o pedo.
Vis|ioras.(caixa da j-icarand).
Aderi'COS do camafni.
; -Fitas brancas cora hisciipcs de casa-
Bientos.
< hapeos, toucas e sapatiuhos de seda
para baptisads.
Aguia Negra-Ra
Vestuarios completos para e mesmo fim.
Toalhas de Ubirinthos.
Collai inhos, punhos e gollas bordados.
Brincos de azeiviche montado em doura-
do artigo que se confuudo com o verdaSt
ros de oro e garante-se a pgrfeicao e da-
raco,
Cintos largos e fitas para o mesmo fara.
Rjcas fitas com os necessarios para ci
tura.
Lindos alhuns para retratos.
Compl ito sortimerfto de Dores, perfoma-
ihs dus mtdnores fabricanies e mui
nutros arl'gus que nao podemos ennume-
rar porque temos um espaco limiado
D'ario, orem os nossos freguezes le
as quinsenas listas de no
do Cabuga n. 8.
\ -


H
msM
"I
Diario de Pernambuco Segundu feira 6 de Dezembro de 1869.
L0J4 DE JOIiS
Bolos para casamentos
35-Rua eatreita do Rosario-35
* No primeiro andar, preparam-se bai>deja:;
differentes armarles, bolinhosde diUmFqttalida-
do>, enfeitados ao ultimo gosto, com boqueta e fi-
tas, cora dsticos a ouro; assiin coran preparam-
se doces de todas as qualidades comperferao e
esmero, pedlns, hilos inglezes, pndelos, e as de-
mais iguarias proprins de dias festivos nu presan-
tes, ornados ou simples. Tambem so fabricam flo-
res do todas as qualidades, quer sejam de panno1
ou cera, e tudo quanto for tendente a flores artll-
eiacs, desdo a roa at o arcos para ornamento
de imagens, iuclnsive ornamento de velas para
baptisades ; armara boqueta de cravos ou flores
nnturaes para casamentos com fitas ou sem ellas,
etc. ele. : os pretendentcs devem vir cm tempo
lzer as cncommendas, que ser "garantida a per-
l'eicao exigida e por commodo prego.
O r. I. B. Casaaova, pod sor
procurado qualquer hora em sea cnsul-
ronio especial iioMEoPATiiico, ao IpTgo da
matriz de Santo Alonio n. 2. No me9mo
consultorio acha-se sempre venda os mais
acreditados medicamentos, de homeooathia
3 tudo quanto necessario para as pessoa
joe se da&icam ao tratamento por este
-yslema.
Ama
Precisase de uma ama
paracaa do fam*a
qnc compre o cozinhe
rredordo Bispon. 23.
AVISO.
Precisa-se de uma ama para cozinhar: a tratar
na ra do Crespo n. W, andar.
Caixeko
Precisa-se de um caixiro quo tenba pratiea de
Knegocio, e que d fiador i sua conducta, para toja
de calcados : na ra da Imperatriz n. 10.
Ala
Urg Dcia,
Desejase saber a pessoa que tem uma ordem
vinda do norte (Rio Grande do Norte ou Piauhv),
para Horacio da Silva Ilabello Castro, ra larga
do Rosario, hotel Oriente.
Moleque
Precisa-se de nm moleque de 13 a 13 annos
na ra Nova n. 19, | andar.
Ahijase,
uma casa na ra de S." Pedro-novo, em Olinda,
junto ao Pacu Castelhano n. lo, retilicada de novo,
>ala do frente. 4 quarlos, sala de jantar, cozinha,
loja e qntotal feom porto ao lado : a tratar na
Joaquina Preira Arantes, com leja de calcados
na praga da Independencia ns. 13 o 15, roga a to-
dos os seus devedi i es de contas autigas que ve-
nham pagar at o lira do anno correte, seo pena
de, passando as ferias, entregar a seu procurador
para receber judicialmente.
CASA FELIZ
Aos 20.-000^000
%o Recife arco da Cnncelco n. 3
Os ab.-.ixo assignados temise habilitado n;.
forma das leis, tcm ex posto a venda os seus feli
zas bilhetes das loteras do Rio de Janeiro, na cas*
jeinia, ann.de se pagarao as sortes que sahirerr.
nos mesmos bilhetes, com o descont somentr
da le.
PRESOS.
Rilhcte inteiro 2i000
Heos 12000
Ojiarlos 6/000
E de 100* para cima a 22* o Bilhete.
Figueiredo & Leite.
escadinha, armazem n. 3, das
manha.
8 as 11 horas da
Goltschalk
DE
&c
Este antigo estabelecimento, completa-
mente reformado de novo, est as condi-
$oas de servir vantajosamente os seus fre-
guezes, visto que acha-se prvido eom um
expendido sortimento de obras de ouro e
prata de lei, assim como brilhantes e ou-
tras pedras preciosas, ujos presos sao os
mais mdicos que se pode encontrar.
As joias compradas nesta casa recebem-
ou compram-se com pequeo
se em
abate.
troca
11 DO MUGA \ 5
DAVID WiLLIAM BOWMAN
Partecipa aos senliores proprietarios de engenhos, que acontecendo fallar-Ibes
agoa ou animaes pnra a moagem durante a prsenle safra, elle tem vapores promptos
para assentar, sem precisar de obra nova ou dcnv>]iro de obras existentes, o que
pode botar taes ngenhos a moer oito dias depois de estarem as pecas do vapor no
engenho, garantindn-so o trabalho.
FundiQo, ra do Bram n. 52,. passando o chafariz.
PRODUCTOS de J.-P. LAROZE
PHARMACEUTICO, 2, IUE OU LIONS-SAINT-PAUL, PARS.
XAROPE DEPURATIVO
DE CASCAS DE LArUNJAB AMARGAS
Cm IODl'RETO de POH8SIO
O Iodureto de potassio um verdadeiro altrame, um depurador de incontestavel effi-
cacia; combinado com o xarope de cascas de laranjaa amargas, e aturado
sem perturbaclo alguma pelos temperamento* os mais fracos, sem alterar as funcedes
do estomago. Aa doses mathematicas que elle conten permitlem aos mdicos de reeeital-o
para todas as complicarles as aiferc's escrofulosas, tuberculosas, cauce
rosas e nos accidentes intermitientes e terceiron; aleo d'isso, o
agente o mais poderoso contra as detengas rheumaticas.
XAROPE TNICO ANTI-NERVOSO
de ca.ca* de laranjas amargas.
35 annos de successos aitestao a sua efti-
cacia para curar: as Heneas nervotas,
agudas ou rhronicat, as gastritis, gastral-
gias ; e facilitar a digesto.
XAROPE FERRUGINOSO
de cascas de laranjaa e quassla amarga.
E' sob a forma liquida qne mais fcilmen-
te se assimila o ferro; n'esta forma 6 prefe-
rivel as pilulase paslilhas en todos os casos
cm que sao proscriptos os ferruginosos.
DENTIFRICIOS LAROZE
OH QD1HA, PYRETHRO E GAIACO
*6 dentifrieio, com base de magnesia
Iliiir dotfrloio, para a alvura e con-
servaco dos denles, curando as dores
causadas pela caria ou produdas pelo
contado do ealor ou do fri
ag
para a alvura e conservacio dos denles,
provenindo a descarnadura, provocando o
trtaro de que empede a reproducao.
Deposito em Rio di Janeiro, B. Chcolot, em Pernambuco, r Maurer c C; em Maceio,
rale Diu, em Pelotas, ster* Letras; em Sanio. Da Racha, em Porto Alegre, j
Sella; em Mitranhio Ferrelra e C'\ em Ouro Preto, C. J. V. Weleraaai em Sania Cata-
v nna, 8. Sebulel; em Montevideo, G. latherl; em Buenoi-Ayre, Elcaeparrbarria
II
t* Antonio Jos de Azevedo, encarregado
ft pelos Srs. Narciso, ArtharNauoleon 4 C.
'p; do Rio de Janeiro, tem aberto em seu
,' armazem do pianos c msicas, a ra
;'** Nova n. II, uma lista nara assigwiturs
IM de 8 pecas de musicarpara piano, inedi-
'# tas, composiclo do celebre pianista
i? Goltschalk, que tanto furor tem feito na
:M corto. A assigflalura custa 20i, que |
ji serao pagos na occasiao da entrega das Si
9 msicas. ~r-#v'-vi
,\i
ATTENCAO
m
mmmm
Multa attencao
Preiemk-se duas boas e perfeitas criadas na-
e.onaes ou estrangeiras para o servigo interno de
ama casa particular, sendo uma pan servieo de
cozinha e ouira para engmniaar e tratar de dous
neninos com todo o desveUo : a pessoa que csti-
vor neste caso, pode dirigir-se ra do Imperador
n. 6 para se tratar (o ajuste._____________
Precisa-se alngar uma caii!c Io andar ou ter-
Bua-vista, nao J?e faz
na ra da Palma n.
rea, que tenlia quintal, na
duvida darse urnas luvas :
o7 so dir quem pneiende.
AVISO
-o oongr-gacao Po,;a tumpnro a1^o'"8
O escrivaoila ir"ndade de N.
a inv- *" yngrejacS" Pra cul
i) compromiso da mesma irmandade, convida a
seus ctrissimos irmans para no domiugo o do cr-
rante inez, reunirem-se no consistorio da mesm?
igreja.as 9 horas do da, para em mesa geral ele
gerem os mesaras que tem de reger a rmandau\
no anno de 1870.
Attencao.
veudem-se
**" o gigo,
na ra do
Na travssa da ra do Itangel n, 49
batatas das ultimas desembarcadas a
e garante-se urna arroba cada gigo :
F.angel n 49, tiberna.
Alup-a-se
r sobrado c sitio da Mangabeira, com commodos
cara grande, familia, 3 salas de frente, sala de
jtntar, 8 quartos, sendo um para banho, 3 lojas, e
com muitos arvoredos de fructo, como sejam,
nangaba, sapoti, manga de superior qualidade.
agoa muilo boa, sendo para gasto ; a casa terrea
c im 3 quartos grandes, sala de frente e de jantar,
cozinha, o muitos arvoredos de frucio iguaes ao
) sobrad i : a tratar na escadinha, armazem n, 3,
das 8 as II horas da manhaa.
Joaqiiiin Ferreira dos
S;mtos
professor do dansa, natural de Portugal, chegado
pouco da Europa com sua esposa esta provin-
cia, tem a honra de participar aos seus Ilustres
habitantes e mui principalmente aos pais de fami-
lia, que contina a leccionar em dansas com todas
as regra as tercas e quinlas-feiras, das o horas
da tarde as 10 da noite, em sua casa na ra es-
trella do Rosario n. 31, 2o andar, e nos domingos
de manhaa para todas as pessnas que naopodem
1 vir nos oiitros dias, sendo a licao aos domingos a
noite geral para lodos. Tambein se proraptiiiea
; ir aos collegius e casas particulares uos outros
das.
Advocada.
Cozinhcira
Precisa se de uma cozmheira cscrava ou forra,
para casa de familia : a tratar no armazem da
travssa do Gorpo Santo n. 23, das 10 as 4 horas
do da._____________________________________
Engommadeira
Em S. Jos do Manguinho, casa n. 2, paga-se
:.0000 mensaes pelo aluguel de uma e?crava
para ser empregada nicamente em engommado,
{:arantindo-se lhes uom tratamento. Na mesm
casa precisa se tambem deoatra de 14 annos para
servico domestico, pagando-se a aluguel conforme
o seu merecimento.
Aluga-se
Imperial Instituto de
N. S. do Bom Con-
selho.
Curso de ferias.
IIoje-(3) abrem-se as aulas do curso. Os senho-
ras e-tudantes que ainda mi se inscreveram po-
dem faze-lo at o dia 8.
Precisa-sede uira ama forra ou cscrava:
na ra do Aragao, fabrica de charutos de J. A.
dos Res.
Lotera do. Rio de Ja-
neiro.
O abaixo assjgnado tendo comprado aos Srs. Fi
gueiredo & Leus, o meio bilhete u."862 da 08 (3W)
terta concedida para as obras que tenham por
lim melhorar o estado sanitario da capital e mais
povoac,oes do imperio, e assim um quarto 2253
da mesma lotera, acontece que os referidas bilhe-
tes se desencaminharam de seu poder; portanto,
o abaixo issgaado, pede pessea que os achon
de leva-Ios ra da Cadeia do Recife, loja n. 5.
Ou tro sim. o abaixo assignado, desde j protesta
por qualqner transaccao que se faca com os mes-
mos bilhetes, caso saiam" premiados, e aproveita-
e deste meio para pedir aos senil >res vendedores
a mais pessoas que negociam com bilhetes de lote-
ras de fazer valer o seu direito, fe por ventura Ihe
foreln elles aprsenteos.
Sabipo Jos de Almcida.
i-spraM
luteruatu de Berna
Eslo abertas durante as ferias asau^
las de pbilosophia, rketorica e geometra,'
que funecionarao durante o anno lectivo.
o 3* andar do sobrado n. 8 ra da Imperatriz :
a tratar com J. I. de M. Reg, ra do Trapiche
n. 34.____________________________________ i
O Sr. Rubens Jane acabou de ser caixeiro;
da agencia geral, e portanto nao est mti auto-1
risado de fazer negocio algum por conta daquelle,
e-tabelecimento. Recife 3 de dezembro de 1869.
AVISO
Precisa-sc de um feilor para um sitio, que ens
tenda de jardim c mais plantacoes : a tratar no
Corredor do Bispo n. 43._____________________
Alugase a casa dos leoVs sita a ra Uos fr-
eres n. 48, com grandes commodos.
Casa no P(?o.
Um sobradinho com commodos para pequea
Tarailia on rapazes jngarem urna cariada e lerem
una noite fresca, com agoa de beber, quintal mu-
rado, muilo frasco e com boa vista, defronte da
Yirgem da Saude : trala-se na mesma, ou na
travssa do Remedio.
Alugam-se o Io c 2o andares do sobrado n.
10 da ra do Aragao, com bastantes arnimodos
para familia : a tratar na ra de Henrique Dias,
conhecida como ra da Estancia, casa n. i.
Carono de Lira a Santos, (o fjllio)
bacliarel em direito acha-se a ra
estreila do Rosario n. 23 onde pode
ser procurado das 9 horas da ma-
nha s 3 da tarde.
m mmwm
Joaquim Jos Gon-
palves Beltrao
aUA DO TRAPICHE N. i7, 1." ANDAR
Sacca por todos os paquetes sobre o BaD
je do Minho, em Braga, e sobre os setmin
tes logares em Portugal:
Lisboa.
Bj>rto.
Valenga.
Girimaraes.
Coimbra.
Chaves.
Viseo.
Villa do Conde
Arcos de Val de V).
Vianna do Castello.
Ponte do Lima.
Villa Real.
Villa-Nova deJFamalicIo.
Lamogo.
Lagos.
Covilhaa.
Vassal (Valpassos).
Mirandella.
Beja.
Barcellos.
Alaga-se daas casr na ilha do Reliro (jun-
to a ponte da Passagem da Magdalena), lugar mui
sadio e fresco, urna delta de bastantes commodos,
tendo j banheiro feito para se tornar banhos; a
tratar com o Sr. Luiz Manoel Rodrigues Valenga
ra das Trincheiras n. SO, Io andar.
A agencia geral
precisa alugar silios, casas e criados domesti-
cas, etc.
Para escriptorio.
Precisa-se alngar uma sala na ra do Impera-
dor ou do Crespo : quem tiver e quizer alugar,
dirja-se a ruado Queiraaia n. II, loja.________
ESTUIM
r Precisa-so de um cupsiro
mercio d. 17, Io andar.
na ra do Com-
B DE JOIAS
zn
c^
GOMES DE MATTOS IRMlCIS
tendo feito completa mudanza em sen antigo e
acreditado estabelecimento de joias. com o fim de
dar-lhe maiores proporpoes e elegancia, convidam
ao publico em geral e com especialidade as Exms.
Sras. de bom gosto a cmparecerem pessoalmente j ^C
das 6 horas da manhaa s 9 da noute na
RA DO CABUGA N. 4
onde enontraro um completo sortimento do que ha d mais elegante, | lym^,
bello e precioso em brilhantes, esmeraldas, rubins e tudo. que em obras J
de ouro, prata e platina se pode desejar.
ADEREMOS DE BRILHANTES, ESMERALDAS E RUBINS
de Q0VQ gostos, assim como grande variedade de jaivas e paliteiros de
prata contrastada e de gosto ainda nao visto, e completo sortimento de
objectos de prata. para uso das igrejas,
Compram e trocam qualquer joia ou pedra preciosa e garantem
a qualidade dos objectos vendidos.
0 MUSEO DE JOLAS
C0S1NHE1RA
Precisa-se d uma ajna de bons coslu-
mes, livre ou escrava, que seja peifeila
cosinbeira, para uma casa de pouca familia.
Drigir-se ra Bella n. 37, sobrado de
2 andares.
Algumas casas que precisaren] de uma en-
gon madeira, que engomma bera roupa para
homem o senlwras: dirja-se a ra. de II rtac
n. 86, que serlo satisfatoriamente servidos, quer
na,perfeeao do trabaUo e quer na commodidade
dos precos.
**m
E
Liadas cassas franceza9 e orgamljs dn cotes, pelo baratissiroo prego de 500 rs. o metro qaa corresponde a 320
i. o coao: si toja da Columnas, na ra do Crespo u. 13, de Antonio Correa de Vasconcellos.
ALUGA-SE
o pr'meiro andar do sobrado do cae* do Apollo
n. 75, com commodos para grande familia e por
barato prego: a tratar rom Luiz L. dos, Guimares
Peixoio na botica da na larga do Iluario n. .'14.
Precisase de uma ama livre ou escrava que
cozinhe com perfeicao : na ra do Vgariu n. 5,
3 andar.
Nio mais cabelbs brancos.
A tintura japoniza para lingir os-oai^elloi-
da cabeca e da barba, foi a uaica admittida
Exposipo Universal, por ter sido reco-
nhecida superior 4 tadas as preparaces al
boje existentes, sem alterar a sade.
Vende-se a I 060 cada frasco na
fina da Cada n. 51,
1, andar.
H uimi
Jos Soares do Azevedo, professor de
lingoa e Btteratnra nacional no gymnasio
provincial do Recife, tem aberto em sua
casa, ra Bella n 37 :
Uuj curso completo
de I.iaioa porugtueza ;
d-i IJagoa franceza, versoes
oraes e escriptas de portuguez para francez
a tice versa, de conformi'lade com o novo
programma do governo ;
de Cieographla pbysica, poltica
e astronmica ;
de Historia universal;
de Philosophla, Racional e Mo-
ral ;
de Rhetoriea e Poelic-.
As pessoas que desejarem freqttentar
ijualquer ou qnaesquer destas aulas, podem
dirigir-se indicada residencia, de maulia
at s 9 horas, e de tarde a qualquer hura.
ALUGA-SE
c vende-se tambem a casa terrea sita na cidad<
nova de Santo Amaro, com bastantes commodos :
a tralar com Antonio Jos Gomos, Jnior em San-
to Amaro.
A VERDAI1E
55Ruado Queimado-^5
A VERDADE tendo em dopo;i ^r4
quantidade de miudezas e perfumaras, dte-
sejando apurar dinheiro e adqm rit lia fce-
guezia est rssolvida a vender inuilissa
barato, ; por essa razo convida aw reep-
tavel publico a vir competentemente mota-
do a sortir-se do bom e barato. Pois qam-
do a Verdadc apparece, tudo mais &r
apparece
Grande sortimento de bonecos de cera
massa as mais lindas possiveis vestidas a ca-
rcter.
Abotoaduras moderuas para col
letea....... 3
ICspelbos donrados pepnenos. 9t*
Agulhas de osso para crox a ?.
Pentes para rega; com esotas a 32
Ricos globos para candigjro de gaz a i $&Jk
Cbaniins a....... 36
Grande sortimento de objetos de
louc-a para brtnqnedo de meemo
Garrafa com tinta a.....
Dita com agua florida ferdttteira a
Dita com dita dita a .
Frasco com oleo de babosa a !i')) e
Dito com agua de Colonia a 300 c
Garrafa com ago#dvna a. .
Frasco com ex irados tinos a .
Latas pequeas cora banhj muilo
aanweifls ol ofversas quaii Jades a
80,IG0,240e.....
Finas escovas para denles de 120 a
Lindos foques modernos a. .
Pavios para gaz, duzia a 240 e .
Escovas para fado a oe.0, 600 e
Ditas para cabello a.....
Pentes para tirar piolho a 160 e.
Brincos de cores, bonitos a 160 e
Pe^as de tranca de Ia com 8
varas por. .
Oleo para machina de costura,
frasco a........
Pennas d'aco finas caixas a 800 e
Dita d'ago Perry, caixa a. .
Galo de algodo peca ....
Lindos babadinhos e ntremelos
peca de 500 a.......
Ditos de louca muilo fino a 120 e
Ditos para calca a ItiO e. .
Caixa cora papel amizade a. .
Ditas com' envelopes a. .
Dftas com obreas a.....
Caixa cora agulhas fundo domado
Ditas de ditas ditas a.....
Thesoura para costuia a 240 e
Caixa com linha de marca a .
Linha de cores em novellos {li-
bra) a........
Carreteis de linha Alexandre al 200. .,,....
Grampos muilo finos com passa-
ros, duzia a......
Carlas portuguezas, duzia a .
Ditas francezas a 2/J200 e .
Papel almaco e de peso, resma a
UHOO, 3#00 e .
ua muito Ana para bordar, libra
Fita de algodo para debrum do
sapatos, peca a.....
Ditas de 15a para debrum de ves-
tido, peca a ......
Pentes finos para segurar ca-
bello a.......
Ditos ditos de bfalo para alisar
a 210, 320 e......
Ditos para aparar penna a .
Rosetas pretas, par a .
Tranca do Ia decaracol peca a 40 e
Fita de coz peca a 480 e .
AI fine tes de latao a.....
Sapatos de laa para crianca a 400 o
Grvala de sedas de cores a .
fclcadeiras a.......
Grande sortimento de rendas das libas.
Um par de suspensorio de borracha por
lOOrisl!!!!!!
Xa Verdade ra do Que losad*
u. 55.
m
m
t0U)
m
3
i 90*
foae
tev.
Si.
titf.
2s*
391
70*
50ft
11^
CM
m
60*
14000
tjit:
40C
i9isnii
US
2&
70*
im
?m
166
ggp
Mi
M
1^400
3OOfc
4^308
6?OC
Ha
3M
STjii
m,
ios
I0
m
IGt
8oe
2C
86
COMPRAS.
QnnipraiH-8e e vendem-se diariamente para fra
adentro da provincia escravos de odas as idades,
res e sexos, com tanto que sejam sadios : no
erceiro andar do sobrado n. 36, ra das Crozes,
reguezia de Santo Antonio.___________________
Comprara mj uiuedas de ouro o prata de lo-
dos os .valores, ouro e prata em obras inuiilsada\
orilhanles e mais pedras preciosas : na loja de
ourives do arco da Conceigao, no Recife.________
0 muzeo de joias
Na ra do Cabug n. 4 conipra-se ouro, prata
a pedras preciosas por presos mais vantajoses do
jue em outraquabnier parte^_________________
Asia
Precisa-se de urna ama que saina engonimar-
,a ra dCrur n. 57, 2" aHdar.
Caixeiro
No largo do Carino n. I precisa-se de um ho-
rnera portuguez para caixeiro de um dos melhures
. ertgenhog, muo pri.xiinoda-estacSo de Frexeiras,
do oaminho de ferro.
Aluga-se uma mulata j de iHade para levar
meninas- a eeola s huras docoslume: a tratai
no sobrado da sala de (anca nolarg" de S. Pedro.
Na praca da ladi^pendencia n. 33 se da di
nheiro sobre peohores de ouro, prata e pedra*
preciosas, seja. qual for a quantia ; e na inesoia
casa se compra e vende objectos de ouro e rala
e igualmente se faz toda e qualquer obra da en
eommenda, e todo e.qualquer concert tendeot*
a mesma arlo.
- Em casa de THEODORO CHIUSTI
UiSEN, ra da Crtu n. 18, eneeatram-
Jflectivarnente todas aa qualidade da viht
fordeaux, Bourgogne e do Rheno.
Lora muito maior vantagoin compram-se
moedas de ouro e prata : na loja de joias do Co-
racao de Qnro n. 2 D. rna do i'abng.
Compra-se cobre, na ra do Queima-
do n. 41). UV\L SEM SEGUNDO.
Compram-se aceto- da conipanliia de Be e-
riba: na ra da Imperalriz n. 39 se dir com
quera s traa. __________^_________
HOJE libras sterlinas e ouro de todas as naques,
assim como prata, por maior prego do que em
-nutra parte : na ra da Cadeia do Recife n. 58,
loja do azulejo. __________^__________
Compra-se
na ra da Hospicio n. 38 ama escrava coainbeira;
e na mesma casa precisa-se alugar uma escrava
para lodo a servico.
Papel para embrulho
Compra-ss na ra da Imperatriz n. 60.
Loja do Patio.
VrMDAS.
- Vende-se nm carro de qnatro assentos, pars
dous cavalloi, c ira arreios. Os pretendentes po-
dem velo na ra do Ho-picio illcina do Sr. ue-
raldo, corneim, e tratar com Vi ente Ferreira da
itost: rea d* Rannoslo. _______^^^^
Ca de Lisboa
chenada ltimamente pelo brigue portuguez Flo-
rituki ; vende-se no armarem de Jo- da Silva
L >v<- Fdho, no P-Tte do M-M'._______________
Vende-se uma ras de taipa n^.s Afogd's :
a tratar no largo de 9. Pedro, sala de danca ; e o
jHrwy raalt eommodo. __________________
Libras sterlinas
Vende Joaquira Jos Ramos na ra da Cruz
n, 8, i* andar.
illlUI
O Campos da ra do Imperador n. 23.
no intuito de servir satisfetori menw aor
seus innumeraveis amigos e fioguezcs, o
particular b cm geral ao respeitavei publica
desta cidade ; avisa aos que rstiverera p?s-
sando o tempo calmoso, nos deleita
arrabaldes desta capital, que tem resolvi
vender, de da superior qualidade, a procos
razoaveis. os seguintes gneros a saber:
PARA CIMA DE APARADORES
Latas com doce em calda de diversas
qualidades nactonaes e estrangeiros.
Ditas com peixe a saber; salmn, ostrst
e lagostas.
, Ditas com ervilhas francezas e portugue-
zas.
Ditas com golea franceza,
Cerveja franceza verdadelra Bbe.
Presunto para fiambre e fiambrado?.
PARA DISPENSAS
Latas com cbouricas novas sendo de 8&
cada uma.
Presuntos de La mego para tompeiro.
Cuias do Para (pintadas pelos indgena*
daqueHa provincia.
Copos de vidfocom dobradica e la ja
para diversos misteres.
PARA OS QUARTOS DB DORMIDA
Port*-pbo&phros ebeios do: pbosphoioa
de segnranca. *
PARA SALA
Churutos de S. Flix do afamado fabri-
cante Costa.
Fumo picado do Oaoiei do S. Joao da
Rio de Novo.
Alm desses gneros, o Campos tem con-
vieco de que o seu estabeJecinvnto um
dos que podem satisfazer com garantas as
exigencias bem entendidas, dos illustrad-^
habitantes desta heroica provincia, porquan-
to se acha elle bem prvido de gneros su-
periores, de maoeira a nao desmentir
O Campos.
Na travssa do ('.armo n. t vendem-se 3 Ira-
das escrava reco hidas, do ida4e 16 a 20 annoc,
i-iim as melhorus habilidades, { bonin mulato dt
idade 20 annos, I negro de meta idade. I negra 4t
meia idade e boa qniandeira, por 3W. e i boa
escrava de naci Cusa, insigne intian-W ira.
A 8^000.
Cha verde de excellente qnaldade : na V
lion.iep; thica da vluva do Dr. Sabino O. L Pinto*
rna .Nova n. 43._____________________________
Sag, ag
muito novo a H
cima : na ra Nofl
r1

l



6
Diario d< Petiambcu Segunda letra 6 J UefwiaWo de 1869.
SEM IGUAL
O oroorietarit) do armazem do faaendis diiomioado AIUR.V. ra-da Ira
minado ARARA, ra da Irapera-
!<;,i7.es, (|uo osla' liquidando /odas as
na seu
O proprietario do armazem
I hm ao respeitavel publico
idis c ronpis feitas que tora ai s Iccirnenfo como scpo'der ver
nuncio o preco abaixn mencionados,
ChSias fr.incezn matizada--;
3O rs.
?eodO-se -hilas Brtocexas escuras r
3J9 rs. o covado por este preco sna
i >ja da Arara, ra da imperatriz n. i.
LAAZ1NHASA iO RS.
Venlo-se laziohas para vestidos
mora a 210, 80, 320 e 400 rs. o co-
ado.
BAREGfiS'BE L\\ A 500 RS.
Ven lo-.'. bangos cte !aa com listra
i los dd sj:ihora* .'!)0 e 6i0 i-, o
- *-ido.
Alpaca! de listras a 50 rs.
V ende-se alpacas de listras para vcsii-
s do sonhnra a 8 I) rs. o covado.
CHITAS r-'.lx.XGKZYS A 289 RS.
Veale-se chitas francezas claras a 289 rs.
CORTES DE Lia PA.&1JK3T1D03 A
ioe.
Ve i' j-m cortes d la para vest
i >j00 cada nm.
Ven le-se percales miito tinos par
senhora a iiO rs. o covado tour-
.-onas brancas finas, a 500 rs. o covado,
Ugodo enfestado BOO rs.
Vende-sc algodSo enfostado proprio para
toncos e toalhas, 900 rs. o metro, dito
trancado a 1J, metro.
Clines de uicrlu & 3*.
Vendo-se chales de merino estampados
i -2 \ ohal.'-s brancos e de coros a 46000
cada um.
CORTES DE BRIM CASTOR
A 640 RS.
Voidc-se uma grande porcSo de cortes
de brim castor para calca de "hornera, 640
rs. cada um.
Graadeporco deretalhos
Vendo-se grande porco de retalhos de
chitas e casjai pretas a lf.O e 00 rs. o
-i lo, retalhos de cassas, 15a e chitas de
oftros baratsimos.
LIQUIDAS! A ROUPA FEITA
Vendo*M palitols de brim de cores a 2$,
ditos de alpacas da cures a2), dios de
meia casemira a i& e 2d:>00. ditos de pan
dito azul para escravos a G40 rs. ditas de
algodo de listras .i 800 e !& camisas de
iscado do listras a 800 rs. cada urna, cole-
;>n!liaitinas de cores, a 440 rs. o covado. tes de brim o fustao de cores a el 0600,
tttiles moderaos de todas as; cpleles de ceseraira de cores a 25500 e 3$.
cdr.es. o outras militas qualidades de roupas feitas
Vendes -balites moderno sbranco e .le c- que se vende por baratissrmo *re?o,
resal. 4A'iO0c5\
OBERTORBS DE ADGODAO
A I
v.iio-se cobertores de algodo at,->K)0,
i tenis de chitas 15000 c So cadauma,
CANGAS PARA CALCA A 320 US.
Ven le-se ganga para calca a 320 o cova-
Algodo de listras a 800 rs.
o corado
Vcnde-se algodo de listras para roupa
de 'escravos a 200 rs. o covado.
PECA DE ALGODaO A 45.
Vendeot-sfl pecas de algodo 45000,
io, brim de cores para caigas de ham une um 6.-,oooo7, para liquidar,
meninos a 400 rs o covado, casemiras de ._ t -*.
Ares para calca e palitots a 25500 o a >,
' cova-lo. moias casemiras enfestadas para
BSalSes de arcos 1&509.
Vende-so balos do arcos pan senhoras
se palitots a 1$ o covado, brim pardo pelo baralissimo preco de 1^500 cada um,
le todas as qualidades e brim branca de Cortes de cambraia barras
Odas as qualidades na ra da lmr a <|9000.
i. 72.
Alpacas lizas a 4 rs.
V nde-^e, alpacas do cores lizas II;
'0 rs. o covado, tarlatanas de ccs a
s. o metro
3S a
320
I ,1)A1'0L0 ENTESTADO A 3fl!
Vende-se pecas de madapolSo eni
j 3)J500, pecas de madapolao inglet de 2 i
ard a 5#, OiOO, 7:-;>, 8 e 10-5 a peca
72. Hua da Imperatriz. 72.
Vend se corles de cambraias barrsa a
2;? e 35 cada um.
LENCOS DE SEDA A 040 RS.
Vende-se lencos de sedo a 640 rs. cada
um, para liquidar-
CARTEIRA PAPA VIAGEM A l&.
Vende-se carteiras para viagem 1)5
cada uma.


::
r*
MJL.mW
SM4SSMS
11--RUA DO aEIMADO-ll
Chegaram da Europa pelo ultimo vap corles das mais linda sedas de mimosas cores para vestidos proprios para bailes e casa-
mentos. '
Grande variedade de sedas de listras (e diversos procos todas de lindas cores,
gor?urSo de seda preta, e grosdenaple de varias qualidades e gorguro de seda 15a do
dilfarentes cores.
Novos vestidos brancos de blond para-noivas. lindas coisas de sfida para camas,
ditas de 13a e seda, cortinados bordados para1 camas e janellas, trochas e toalhas de
cambraia de linho bordadas.
Luvas novas de Jouvin.eelegantes sombrinhas de sodas de cor para senhoras.
Espartilhos de 50 at 100, lindos bournous de cachemira de cor para sahida
de baile, basqninos de, renda preta, e ditos de croch brancoe preto para senhoras.
Grande variedade de camisas bordadas e lisas para bombos o mininos.
Soi timento de muitas fazendas de la, linho e algodo todas por preeos mudo
mdico.
Tapetes grandes para sof, prano e camas, pecas de tapeflfc o de alcatifa para
forrar sales tudo em quantidade; e vendem sempre'por menos que em outra qualquer
Esteiras da India de 4,5 e 6 palmos de largo,
ALGODO */"
LOJA DAS lACIUNAS
ASTOS
CACHINAS amercacias do serrote de todos os tamanhos para dejrocar ^godo1, do
mmto cor.becido fabricante Eagle Cotton Gin.
CACHINAS ditas, tambera de serrotes e de todos os tamanhos para desnrocar, ai-
gcdo do autor New York Cottoo Gin.
vi ACHINAS ditas de todos os tamanhos, de carreta de ferro e mais toda a machina.
MACHINAS ditas de Roller Gins, de cujo trabalho faz obter orm 2.000 em arroba
de algoo*3o.
vfACHINAS de faco d& fabricante Plan B. C, Obdhan PatentLiverpool.
Todas estas machinas sHo de superior qualidade e as melhores qae tm
'indo ao mercado ; e p&ra a sua apreciado convidam-se os senhores agricultores 2
drem a exposico das mesmas na rna da Gada do Reeife n. 56 A, l>$a do Bastos^onde
incontrarSo mais o seguinte-:
i OPAVILHAO
eoulhadorcs para milho.
]ylindros para padarias.
Vridos americanos.
larrinhos de mo.
da chinas para cortar capim.
Pannos de chumbo.
iombas de Japy.
Jilas americanas.
Feaas de ferro galvanisadas.
7olhas de zinco Anas.
litas de cobre e latSo.
"eiro de todas as qualidades.
vrcos de ferro.
7olha de Flandres.
Machados americanos.
7*;5es ditos.
ialaios o cestas de verguinha.
/assouras americanas.
7oilcs de todos os tamanhos.
Tornos e safras para ferreiros.
Finalmente muitos outres- artig
tiversidade seria enfadonho ennumera-kos.
Folha de ferro.
Balancas americanas.
Tinas de mareira ameriana-.
Ps de ferro ditas.
Baldes de inadeira ditos.
Ternos de bandejas finas.
Trens completos para cozinha.
Peneiras para padarias.
Baldes galvanisadOs.
Correntes de ferro para almanjsrras.
Espingardas e rcwolvers.
Guarda comidas.
Ferros a vapor para engommar-
Moinhos para refinaces.
Azeite do espermacote, proprio p&ra machi-
nas de todas as qualidades. '
Serras avulsas para- machinas.
Mancaos- e todos os mais. perteness $ara as
mesmas.
Latas de gaz,
ospertencentes lavoura e artes,, qae pela
Lourenco Pereira Mondes Guimires, proprietario do airnazem de fazendas
leo iaado GARIBALDi teai a honra de pirticipar ao respeitavel publico que tendo
diversas facturas da fazeadas, de novo goslo, para a testa, estando a espera de
novas 'coramondas que deve estar aaai at o da I-'i de novembro vmdouro. e vendo
i-ni nao tem tempo antes do balaceo ca vender tantas fazendas de encorn: endas p r
i.sso resolveu fazer urna liqaidacao pan ver se d maior, estragJopor issoem vistas das
rcumstancia vender tudo usis barato do que cm outra qualquer parle, na ra da
Imneratriz n. 50.
' fADAPOLAO ENTESTADO A 35300. I CHITAS PRETAS A 100
Veode-se ama grande porcSo de m td ipo- Vende-se urna grane purc^o de chitas e
ISo -r/fistado de l lardas a 3050), assim cassas prelas cm retalho a 100 o covado
iotao pecas de midaoolo ingtezes de 24 tambera tem retalhos de chitas e 15a de co-
irdas o 20 varas ^ 5-5. 5-5-iOO, G-S, 60500 res que se vende barato.
Gangas para calca a 390 rs.
Vendem-se urna*grande porco de gangas
p ira calca de hom m e menino a 30 o
invado, cortes de castor para calca a 640
70000, K>. 95 e 40000.
Cprpiabos a 200 rs.
C LMBRAAS VICTORIAS A BOOO
Veode-se pepas de cambraias victorias
anas a BfOO, 05 e 76. Brbantina braa- cada um. .
fina para vestidos de senhoras a 800 B*m de cores a 400rs.
rs o covado Vende-se urna gnnde porc5o de dnas
ALGODO A 45000 faces para calcas, palitots e colletes de ho-
V i/.e-se urna grande p>rio de toa q-.alidade c 4,5. 5. Gal, 6a 0 Brim pardo liso a 5^0 rs. o metro, dito
e 8-5, a peca de 20 jardas oa 2i trancado lino a 800 .i loOOO.
Uranile lqiiSilaco de chapeos
de sol
Vende-se chapeos de sol de alpa1 ;om
pequeo defeito a 25 e 35000. ditos finos
di! liastes a 45500, ditos dn seda finos
de 8 astes a 7 varas.
/ l)MC\EM-SE Di) QUE E' BARATO
Cfiamaloies a 500
W:idc-*e chamalotede OOKMW dealgo 15 *
^>:ra vestidos de senhoras a 5<> o covado.
tlpaea lisas a &OO rs
Vond-e .li.ar.as lisas para vestidos de 16 astes a 105000, para liquidar,
vi es. para senhora. a 50 irs ditos matisa- Chitas para cobertas a 340rs
das linas a 7n D>ta* lisas mui-
U largas a 640 o covado.
CORTES OE PERCALES A 6:000
V tden-86 u>na groado porelo de orles
le percates de dais s*ias para vestidos de
senhora, de mnito delicados gostos com
16 V covado a 65 7W>f.
CAMBRAIAS LISXS OE CORES A 600
Vende-se urna grande porcao de cambraia
asa de todas as cores para vestidos a 600
,-3. o metro.
Organbys moderaos a SOO rs.
Voode-se organdys de cores para fazer
"astH'is, de dnas saias, agora modernos, a
*00 rs. a vara.
R ANDE SORTIMENT< OE CHITAS NOVAS
E BARATAS PARA A FESTA
le-se chitas fnnesas milito tinas de
OfW a 280. Dil'S malisad utas escuras eewicefai a MO. ditas aleo
loadas a 360, ditas aribatdinas a 360 o
Ovado. Sortimenio de .-.hilas como tem o
Jaribaldi ha fooam kata que oompiUm.
Vende-se chitas francezas para cobertas a
240. 320. 340, e 380 o covado.
CASSAS l-RANCE/AS A 240 RS.
Vend'-se cassas franozas para vestido
a 40 o covado. ditas mnito finas a 400 rs
a 440 o covado,
GR\NDE SORTIMENTO DE MEIAS
Veode-se meias croas para homem a
35500, 55. e 65000 a duzia, ditas para
meninos de todos os tamanhos a 35500 e
45001, ditas para senhoras e meninas a
35500 45. 55, a duzia.
B ALOES DE ARCOS A 1:500
Baloes de arcos a 1500, ditos modernos
a 45000.
ATTENCAO
Tem-se para vender uma grande porc3o
do roupas feitas de brim edecasemira, de
todas as qualidades nao so menciona por
>er enfad inho! garaute-so ao comprador ven-
der mais bailo do qw em outra qualquer
parte, isto s se podo conhecer com a pre
Grande annazem de fazendas e roupas feitas na da Imperalri?
n. '2, porta larga, de Paredes Porto.
Neste estabelecimento encontrar o respeitavel publico um bonito sortimenti
de roupas de todas as qualidades, palitots de alpaca a 3->, 3^560 at tif>. Ditos 0)
merino, ditos de casemira de cores bonitos gostos a 5$, G.->. 8| e iD-ji, de panno pret<
sacos e sobrecasacos. Ditos de brim pardo finos e ordinarios. Ditas de alpaca branca
e decores de 30500 a 5#000. Calcas de brim de cor finas e ordinarias, dita^
brancas de todas as qualidades, ditas de brim pardo fino e ordinario, ditas de casemira
de cor e preta de 4$. 5#, 6$ a 155. Colletes de todas as qualidades e preco muilo
barato. Completo sortimeiito de camisas franeczas de algodo e de linho de 2 at 56
uma. Sortimento de seroulas francezas de algodo. de linho e braraante a 25 e 25500
Grsvatas (mantas) novissimo gosto a tojos os preeos. Meias serlimatito completo a 35
4.5 at 75 a duzia.
ROUPAS PARA MENINOS.
Encarrega-se de quaesquer obras de encommenda tanto para homem, com
para meninos, e com brevidade, por isso que tem um bonito sortraseoto de fazendas de
todas as~ qualidades tanto em casemras como brins, pannos Cnos o nutras matas fa-
zenjas.
FAZENDAS
Bramantes de II palmos de largura a 1*5800 o metro.
Cambraias de cor e branca.
Alpacas de todas as cores a 640 rs. o covado.
Poil-de-chvre^jpm lista dB seda fazenda de gosto a t52Q0.
Basquines de guipure enfeitadas a 185000.
Sorlimento de chitas escuras e claras a 280, 300 e- 360 i-s.
Madapolao fino a 65500> 75/85 e 95000.
Algodo peca com 20 jardas a 45500, 55500 e 6000.
Peca de algodo largo a 75500.
E outras moitas fazendas que ser enfadonho mencionar Chegaem roupa
feiti qao se est liquidando na loja ra da Imperatriz n. 52 (junto loja de eurives) de
LESO DA PORTA LARGA
DE
Paredes Porto.
?UST0ES PARA VESTIDOS A 400 RS. senea d amqnadnr a vista da fazenda
V-tu le-se fusto de .-ores para vestidas a que. se pode conhucer como est liquidando
tOO rs. o covado I por twrato pr^ci, o eneral Garibaldi, ra
COBERTD ES A 1:400 da Imper.iirizn. 56.
Venle-se Cobrtnr-w dn alg-l5. a 15400 t'h;!" e nsr| a *
obertas de chitas Ma a 15*100. | j chaW de Merino decores es-
Vende-se grande porcSo de corpmhos a tam|M. a 25000. ditos litot^35TOO^d.-
.O00 'ditNKi ,ns stamPartos finos a 55, 55500 e C&000.
Machinas vapor de
farpa de 3 e 4ca-
vallos.
Motores para 2 cavallos.
/irados americanos.
Machinas de faco e serrotes para desca-
rojjiP algodo.
Balancas para armazem e balco.
Camas de ferro.
Cofres de ferro de Milnez e de Utiit-
field.
Francas para copiar carcas.
'ogo americano patent
Eheumatismo e moles-
tias syphiliticas.
Arrobe vegetil, xaro|>e de salsaparrilha
do Pa>, pilulas e xarope de veame, tin-
tura e xarope. de s-apira.
Doencas do figado e baeo, ane-
mia,' opilado, ele.
Feaplastd, oleo, pommada tintra, pi-
IuIs, xarope e vinho da milagrosa Juru-
beba.
Scxftes on febres intermitentes
As pillas anti-periodicas do Pinto,
tnico deposito destes medicamentos na
pharmacia do seu autor roa larga do Ro-
sario n. 10, junto ao quartel do corpo de
polio a.
AURORA
A M IMPERAT1UZ12
Es(|iilna da ra da Aurora
^frote do Caf Imperatriz.
BB Keste novo e sumptaoO c^!al)olecmen-
lo de fazenda?, encontrarlo as Exmas.
s familias Indo quanto possam desejar, tan
S$ lo cm artigo do rigomso luxo, como em
8 todas a mais qualidades do fazendas de
S sedas, blonda, alpaca?, merin-s, litas,
Wa cassas, mnssulinas, chitas. madapoRes,
Ai aiizodoes, etc., demudo a saliir Lom ?er-
3 vido desde o mais rico c exigente amador
SH da moda e do Inxo, atd o mais mudcio
jgji pni de familia. Alm de se acharen! pro-
ra velos do que millior se encentra neste
$8 mercado, mandarm os proprietarios t
Sd'cste estabelecimento vir directamente g
o qno em arlipos de modas e de mais 8
apurado gosto se encentra cm Pars.
Uma modista especialmente oceupada 3
_ nos irabalhos do PAVLHAO DA Al'RO- g
HA, executar promplainpntcc com luda 1
a perfeicaoqualipicr trabalho a capricho, t|
para o que se acha liallitaihi em tudo
3uanto mister para o bom desempenho }S
e sua missao, o qnc 6 una grande van-
tage.i. para o bello sexo, que dssiin S
vai encotinr em nm s lugar uidoqoan Js
o pode desejar. isto "fazendas do me-
l'nor gosto, modista para perfeita excen- 2
cao de qualquer trabalho, perfnmarias, g
chapeos, enfeiies, miodezss, luvas do
Jouvin e ludo quanto a moda pode exi- jj
gir. I
Aos cavaltieiros gnal vanlagem sa offe- 9
rece, por ler o estabelecimento o mais 2
completo sorlimento de fazendas para fac- g
los, e proprias para todas aseslacoes, e
um hbil alfatale encarrcgadii de execu- 5
tar eom promptilSu e mestria qualquer 0
kM~mTnenda.
Os propri.ar.oo do PAVH.HAO DA S
AUIIOHA nao lendo poupodo para dolarem esla bella cidade o um a
estabctpcimcnto digno d'clla, coiifiam nos S
seus esforcos e no b&m gusto de seus ha- g
hitantes,, garandado ;t maior circumspec- |
cao c modicidade de pree
Com a possivel brevidade e em vista da t
proteccao-que se dignaren) disperisar-lhe, jjj
este estabelecimento traca muitas outras- a
vantagens, primando entre ellas a publi- |
caQo de um jornal gratuitamente dis- |
tribnido aos seus ftvguezes, o qualse oc- S
cupar cxcinsivauentc da descripcao das |
modas, acompanliado dos ultimes figuri- I
nos; vantagem que at lioje anda nenhum
mestabelpcimento offereceu.
Concluindo, c na impnssihilidade de des- j
crevere ricc variado sorlimento que S
possuem, o* proprietarios de PAVILIIAO |
DA AUROHA rvspi'itesamcnt.3 convidan)
as Exmas. fainlias a visitar esto espa- i
coso e rico estabetecimento qae, alm de |
ludo, est dotado do pessoal necessario
para vender e lerar amostras 3 casas !
que as pedircm.
Pelo ultimo vapor receberam ricos cor- fj
tes de vestidos para casamenta, luvas de !
pelica ricas ehapelmhas para senhoras |
c diversas fazendas modernas.
Aberto da 6 da manftua st
9 a noite.
IOJI
DO
GALLO VIGILANTE
II na d< Crespo n. 9
O proprietarios desfe bem conheeido estabele-
cimento, alm dos mui loe objectus que tinham ex-
posios a apreciacao do respeitavel pufclico, man-
daran vir e aeabam f recehpr pelo ritimo vapor
da Europa um completo e vanado sorlimento de
fina e mui delicadas especialidades, as quaes es-
tao resolvidos a vender, como de- sen costume,
por procos muito baratmnos e commsdos para to-
dos com tanto que GaHo....
Milito superiores Vftvas de pellica, pretas, brau-
cas c de mui lindas cores.
Hu boas e bom'las- gollinhas o puahos para se-
nhsra, neste gcnci-o o que ha de mai> moderno.
Superiores pentes de tartaruga para coques.
Lindos e riquissiiaos enfeitcs para canecas das
Exmas. senhoras.
Superiores trancas pretas e de cores- com vidri-
ihoft e sem ellos; esta Cazenda o q-ja pode haver
de me.Hior e mais bonito.
Superiores c banitos lanos de madreperola,
masfir, santlalo e osso, sendo aqaeltes brancos
com lindos desenhos, e estes pretos.
Muito superiores meias o de; Escoasia para se-1
nhoras, as quaes sempre se vendeampor 30fOQO
a duia, entretanto que nos as vendemos por 205,
alm destas, temos tambem grande sortimento de
outras qualidades,.entre as quaes aigumas muita
finas.
Boas tngalas de superior canoa da India e
caslao de marfu ewn lindas e encantadoras figu-
ras do niesnio, neste genero o que de melhor se
pede desejar ; alm oestas temos tambem gramte
quantidade de oalras qualidades, como sejam, ma-
acki-a, baleia, osso, borracha, etc. etc. etc.
Finos, bonitos e airosos chicotinhos de cadeia e
de outras qualidades.
Lindas e superiores ligas de seda e borracha
para segurar as meias.
Boas meias do seda para senhora e para meni-
nas de 1 a 12 annos de idade.
Navalhas cabo de marfim c tartaruga para fazer
barba; sao muito boas.e de mais a mais s3o ga-
rantidas pelo fabricante, e nos por nossa vez tam
bem asseguranws sua qualidade e delicadeza.
Lindas e bellas capellas para noiva.
Superiores- agulbas para machina e para crox.
Linha muittThoa do poso frouxa, para encher
labyrintho.
B'ons baralhos de cartas para voltarete, assim
como os tantos para o mosmo flm.
Grande o vanado sorlimento das memores per-
fumarias e dos melbores e mais conhecidos per-
fumistas.
COLAHES DE ROER.
Electrices magnetices contra as convulsoes, e
facilitara a denticao das innocentes enancas. So-
mos desde muito reesbedores destes prodigiosos
collar*:*, e continuamos a recebc-les por todos os
vapores, afim de qae nunca.falem no mercado,
eomoj tem acontecido, assim po. poder! aquel
les ijue delles precisaren), vir ao deposito do gallo
vigiUnle, aonde sempre encontrarao distes verda-
den>s collares, e os qaaes atdendo-8e ao flm
para qnc sao appticados, se vonderao com um mm
diminuto lucro.
Rogamos, pois, avista dOSObjecto* que doixamos
declarados, aos nossos fregaeze? e amigos a virem
comprar pnr pcecos muito razoaveis loja do gallo
vigilante, ra, do Crespo n. 7
8ellins baratos,.
N. 27. RL'A DO LIVIi AMENTO N. 27.
Neste eatabelecimnio vende-se sellins e
silhoes, de todas as qualidades do.melhor
que se pode fabricar no paiz, assim como o
mais arreios pertencentes o mesmo, vaa
dc-se tambem, colxBes, traviceiios, caiii-
nhas com almofadas, proprian para meninaa
levar, para aula. 0 proprietario deste esta-
belecimento garante a ponluahdade, esme-
ro e zelo de seu trabalho; portanto pede ao
respeitavel publico sua proteccSo, que affiafi-
ca vender tudo pelo mah barato possivel,
e por menos do que em outra qualqoe*
parte. ^^ '
J cordeiro prevdente
Ra do tnelnsado n. 1 .
Sovo e variado sortimento de perfuaria
finas, e outros objectos.
Alm do completo sortimento de perfo-
jjarias, de que etlectivamente est provida a
loja do Cordeiro Previderrte, ella acaba do
receber um outro sortimento que se torna
otave] pela variedade-de objectos, superior>
tade, qualidades e coamodidades de pre^
;os; assim, pois, o Cordeiro Presidente pedo
i espera continuar a merecer a apreciacSo
io respeitavel publico em gerai e de su
boa fregnezia em particular, n3o se afas-
undo elle de sna bem coriiecida-mansidao
- barateza. Eto dita loja encontrarlo os
tpreciadores do bom:
Agua divina de E. Coudray.
Dita verdadeira de Murray tamnem.
Dita de Cologne ingleza, americana, fran-
oeza, todas dos melbores e mais acreditado*
'abocantes.
Dita de flor de larangeiraa.
Dita dos Alpes, e vilete para tcilev.
Elixir odontaigico para consen^cSo da
isseio da bocea.
Cosmetiques do superior qualidad6"0 ebei^
-f- acradaveis.
Copos e latos, raaiores e menores,-con
jomada fina para cabello.
Frascos com dita japonesa, transparant*
i outras qualidades.
Finos extractos inglezes, americanos
franceras em frascos simples *efeitados.
Essenoia imperial do- fino e agradavel chei*
o de violeta.
jOutras- concentradas e de efeairos igual--
nente fim e agradave.
Oleo pHilocome verdadeiro.
Extracto d'oleo de superior qaalidade,
om escolhidos cheiros, em fra-wo de diffe-
-entes tamanhos.
Sabonetas em barras, maioros a-menore
oara maos.
Ditos transparentes, redondos e 3m figu-
ras de meninos.
Ditos muHo finos em carxiaba par barba.
Caixinhas eom bonitos sazneles imitando
frucias.
Ditas de madeira inverrisada comeado fi-
nas perfumaras, muito proprias para pre-
sentes.
Ditas de ppela igualmente bonita,, tam-
bem de perfuraarias finas..
Bonitos vasos de metal coloridos* e de
atoides novos e elegantes, eom p de arroz
* boneca.
Opiata ingleza e francez.?iara dentes.
Pos de camphora e oatras diUerestea
palidades tambem para (Jantes.
Tnico oriental de Kemr>.
Aliada aaafs ceajaes.
Um oulro sortimento ie coques da- no-
vo e bonitos moldes cora filis de vidrimoa
a- alguns d'eltes ornados <| flores o fitas,
isfio todos expostos aprciacao do qoem
os-pretenda comprar.
GOLLINHA E PUNHl BOBDADOS.
Obras de nruito gosto e pe*-feicao.
FIvellae Utas para cinto.
Bello e variado sortimento de taes-objec-
ios, ficando a boa escolha ?.*, gosto do com-
prador.
Vendem-se duas escravis p(}f"ita< cozinheiras
cinco moleqBes-pecasde \\ *A1 annos, e-nm ca-
sal de escravus de meia idad^n-bustns epruprios
para nualquer-servi^o : no > andar do sobrada
n-. 36 da ra das Crn7.es.
Cabriolet.
Vende-se om eabriolet d* dous c qualro assen
tos, o que ha de melbor vmte genero, com bom
cavallo e arreios, ou sem cite : na ra de Santo
Amaro, cochura, de Thom: U'ns.
OahrioleFBoca TT
O melhor. neate genero, e perfeiio estad, ven-
de-se um ; para ver na coeheira deTJjoroai Lins,
a ra de Santo Amaro, c-tratar na roa do Crespo
n. 16, luja, das 8 as H horas oa manhaa o das 3
as 6 horas da tarde.
Yialio do Porto
Vende-se superior ano do P rto engarrafado :
no esecipterine Antoni Lniz de Oliv, ira Azevedo
4 C., ma da Cruz n. 57, 1 andar.
ti%PB3 POPUIi IR
DA
FABRirA NACIOm DA BABIA
DE
- Teixeira Uldurtco fif C.
Acha-sc venda este ptimo ran, nnico que
pod' suppnr falta do princeza de Lisboa, por ser
de mui agradavel perfume, viajado, e a preco o
rnain mdico possivel; e por isso tem sido asss
acolhido as pracas da Babia, do Rio de Janeiro e
em oatras do imperio : no eseriptorio de Joaqnim
Jos Goncalves Beltrao, roa > Commercio nu-
mero 17.
Liquidando
A commi*sio encarregada da liquidagao da so-
ciedade musical Nova Harmona, vende os perten-
ces da mesma; alem de muitos instrumentos, uma
pancadarla completamente nova. A commissaD
convida ao ra da Praia n. 44.
CEMENTO
PORTLAND.
Vende-se no armazem am ircllo de Vicente Fer^-
reir da Costa & Fimo, defionte do arco da Con-
ceiclo, em harneas grandes.
Sesete. de hortalices rhegadas pelo ultimo
vauor : na ma do Livrameuto n. 38, armazem de
moldado-. Re*titue-se o importe ao comrrador, uo
caso de nao nascerem,
Na raa do Codorniz n. 8 contina a ter nm
grande sortimento de doces em latas e caixSe-s de
diversos lamanhns, cujo se vende por preco mais
barato de ane nm outra a ualaner parte._______
I.4Z m AZ
Chegon ao amigo deposito de Henry Forster .-
C, rna do Imperador, um carrogamento de ga
de primeira qualidade; o qual se vend em partidar
e a retalho por menos preco do que em outr croa1
quer parte.
COGNAC.
Do srcpcrior qualidade da mui fecredita
da fabrica de Bisquit. Dubonch A C, em
cognac uma das que mais agurdente de
cognac, fornecem para o consummo do
Reino da Inglaterra.
Vende-se em cas?. de.Th. Just. ra do
opmmerc'o n. 32._________________
'vendem-se dc.us bois, sendo um de carraca
o outro um novilho tonrino da mais pura raea :
na cocheira do pateo do Paraizo, que foi de carros
fnebres, se "lira quem os vende.
CADET
CURA
em TRES DAS
Ph^BDenain?
PA RIS ,
Pars, 36,RuaVivlenne, f
CHABIEmdccin
aASENTERMIUADAS UESSfcXi.A^s. A.S UTWOi
COES 'UTANKAS.E ALTKRACOKSDUSANeOB.
|100e0caru \nutut comixott, nrlwiin^rt
|'-fM, oiciotat do mm
do ..!/.. < Wope Tgelil ten nnreirio). <*-
ratita trerun BAIVMttl HimUBI
toraio-sf itoun por aemtna. fundo o incua|
Df' ibi regido ou iniu boImm. ,
EsU Xinjm Citraei* 4*
trro di CHaBI.K tira
iBBidiiUneiiiqiilfm
purpaoao. ralitifH.
debtltad. jaiV
Rente os luxoi r. flortt branea$ il* mulbint.-w
Rsta iajeccio baaigni luprefi n o o Ximm m
Citracto dt Ferro.
Heo-.n-rcMaa. Pomdi qii i.i eim om tu,
POMADA ANTlHeRPETICA
Coutrai mi /feccoii eutanta it hu
PILULAS VGBTAE8 DEPURATIVA*
io chuhi% w4 uik ni MMiMMt ib fclnato.
DEPURATiF
n SAIVG
PLUS oe
COPAHU
I
;
11
' --1


Diario de Peniambuco Segunda feira 6 de Dezembro de 18G9.

A DINHEIRO NA LOJA E ARMAZEI
aaoa a& asaipaQftwaiaia, d
DE
FEE.IX PREIK1 111 HWSiJTA.
O proprietario d'eslo graaO^S-tabolacimonto, vendo quo so est aproximando o fin"
do armo, o tendo em ser um grande deposito deposito de fazendas; nao fallando em
avultadas ensomnieadas que Ins esto obrigado todos os dias, tcm resolvido liquida-
las por preco rauito raais baratos <\ que em outra qualquer parte ; s com o tim
de diminuir o deposito e apot dinhciro. Encontrase neste estbelecimento do
PAVO, avultado sortimento oecessidade. As pessoas que negaciam em pequea escala n'esta loja poderao sm tir-
so vendendo-se-lhes pelos precos quo compran, n.s casas inglezas; assirn como as ex-
cellentissnnas familias poderao mandar bascar as amostras de todas as fazendas oa man-
dar-se-ha levar pelos caixeiros da mesma loja em suas casas; o estbelecimento se
acba constantemente aberto das 6 horas da manliaa as 9 da noite.
Explendido sortimento de
roupas feitas
ALPACAS BRANCAS LAVRADAS
Chegou para a loja do Pavao um grando sorti-
monto das mais bonitas al|iaca3 branca? lavraas
o de cordao sondo n"es,io genero o melhor erris
lustroso puojein vin.lo ao mercado, len sganlas
lao Hitas e lio bonitas que ser'vem para vestidos do
noivas e vondom-se por commodos presos.
LAAZLMIAS MODERNAS NA LOJA DO PAVAO
Chegou para este estbelecimento ara grande
sortimento das melliores e mais modernas laazf-
ribas para vestidos, sendo tapadas e" transparente
de todos os precos e qualidades on "-uoam
mais barato do quo em "**- 4uaiquer parte.
duches para carleiras e sofs
O Pavo tem um grande sortimento:dos
mais bonitos crochs proprios para cadii-
obrigados a acceita-las, quando n5o stejam ras sofas, mesas, almofadas etc etc., assim
completamente ao seu contento, assim cerno como proptios para cobrir presentes, o ven-
n'este vasto estbelecimento encontrar o de-se mais barato do que em outra qual-
respeitavel publico um bello sortimento de quer parte,
camisas francezas e inglezas, ceroulas de
nho e algodao e outros muitos artigos
proprios para homens e senhoras promel-
NA LOJA DO PAVO A RA DA
IMPERATRIZ N. 60
Acha-se este grande estbelecimento com-
pletamente sortido das melliores roupas,
sendo caifas palitts e coletos de casemira,
de panno, de brim, de alpaca, e de todas
as mais fazendas que os compradores pos-
fiam desojar, assim como na mesma loja
tem um bello sortimento do pannos case mi-
ras, brins, etc. etc. para se mandar fa3or
qualquer pe?a de obra, com a inaior promp-
tidao vontade do freguez, e nao sendo
to$ $tIEIMAB6
A AGUIA BRANCA tem convicio de que a abundancia de objectos de novidade-
em seu constante e completo sortimento, a boa escolha no gosto delles, a superioridas
de de qualidades, e a limitacao de seus precos, estao na op niao do respeitavel publico
em geral, o na de sua boa freguezia em particular ; mas ainda assim ella julga de seu
dever scientificar a todos, da retepcJo d'aquellcs objectos que estao.alera do commum,
como bom sejam
tendo-so-ilie vender mais barato do que em
outra qualquer parte. Na ra da Impera-
triz n. (50, loja e armazem de Flix Perei-
ra da Silva.
CERA DE CARNAUBA.
Vende-so urna grande porgSo de cera de
carnauba em saecos por prego mais barato
do que em outra qualquer: na loja do
Pavao ra da Imperatriz ,n. 50. De Flix
Pereira da Silva.
FAZENDAS PARA LUTO
Na Joja do Pavao.
Encontra o respeitavel publico neste estbeleci-
mento um grande sortimento de fazendas pretas,
como sejam, cassas francezas e inglezas, chitas
pretas de todas as qualidades, fazenda de la de
todas que tem vindo, proprias para luto, como
sejam, lazinhas, alpacas lavradas e lisas, cantao,
borabaziuas, merino, etc., que ludo se vende por
preco barato.
AS CASSAS DO PAVAO
Covad a 300 rs.
Vendem-sc nissimas cassas francezas com lin-
dos desenhos e cores fixas a 300 rs. o covado.
Madapolao francez a 7$000 rs-
Vende-se pecas de madapolao francez
com ii metros pelo baratissimo preco de
7WOO a peca, pechincha. %
Altas iiovidades cid sedas
Chegou ota grande sortimento das mais
modernas poupclinas ou gorgures de seda
e liuho com os mais elegames padroes que
tem vindo a este mercado sendo, miudos e
graudos, tanto em cortes para vestidos como
para vender em covado, assim como um
bonito sortimento das mais bonitas sedas
listradas que se vende tudo muito em canta
Grosdcnaples de cores
Chegou um grande sortimento dos mais
bonitos grosdenaples de todas as cores para
vestidos que se vendem muito mais barato
do que em outra qualquer parte.
CHAPEOS DE BRIM A 25000 RS.
Chegou urna grande porco de chapeos
de brim para cabeca que se vendo pelo ba
ratissitno preco de 2$000, por terem che-
gado com am pequeo toque de mofo. E'
pechinrha. ,
GUINDE PECHINCHA A 5:000 RS. PECA DE
Bretanha
Vende-so pecas de superior bretanha de
algoda- tendo quatro palmos de largura
com 20 varas ou 22 metros cada peca, esta
fazenda seria para custar 8-OOO, a n5o ser
\ma grande compra que se fez, e liquida-se
a 55600, cada pera.
Admiravel pechincha
ALPACAS A 400 RS.
DE FURTA CORES A 400 RS,
ALPACAS A 400 RS.
Vende-se um grande sortimento das mais
brhantes alpacas de furta cores com as
mais lindas e mais modernas cores imitan-
do perfeitamente as sedas de (urta cores
sendo neste artigo o raais novo que tem
vindo ao mercado, para vestidos, muito pro-
pria para as senhoras que forem passar
festa no campo, por ser urna fazenda de
mnita fantasa e pelo barato preco de 400
rs. o covado.
Bretahae' de rolo a t&00 a
peea
Vende-se superior bretanha de r&lo ten-
do 10 varas ou 11 metros com 4 palmos
de largura pelo barato preco de 20500,
pechincha.
OssetinsdoPavo
Vende-sc os mais bonitos setins de cores
e mais encorpados proprios para vestidos
tendo de diversas cores.
AOS PALITTS DO PAVO A 18 e
205000.
Vende-6e um bonito sortimento de palit-
ts franceses sendo, sobrecasacados e pro-
priamente sobre-casacos, que se vendem
forrados de alpaca a 180000 e forrados de
seda a 2O000, pechincha.
COLCHAS DE FUSTAO
Na loja do Pavao vende-se um grande sortimen-
to de coletas de fastqp sendo brancas o de cores
dita de croch para camas de noiva, assim como
qonilos damascos de la para colchas.
Na loja ae Pavao vendem-se os mais
bonitos Chales de verdadeira cachemira de
cor, com os desenhos mais modernos, a tt#,
10 e 124000. muito barato na roa da Im-
peratriz d. 60.
BASQUINAS A 12<>000
Na loja do Pavao vende-so 'as mais mo-
dernas basquinas ou manteletes, de guipare,
pelo barato pre^o do 128000 cada ama
GLACE' A 1:200 PARA VESTIDOS
O P-*v3o tem esta nova fazenda lisa pro-
pria para vestidos, com as mais delicadas
cores e com mais lustre do que a propria
seda com 4'palmos de largura que facilita
fazer-se qualquer vestido com 10 covados
o vende se pelo baratissimo preco de 1:200
rs. o covado, pechincha.
CRETONE DA INDIA PARA COLCHAS
O Patito tem esta nova fazenda cretone
propria para colchas, com os mais lin os
padroes chinezes e com as cures inteiramen-
te Bxas, leudo largura de chita franceza e
vende-se em conta,
j a 300 rs.
Vende-se os mais bonitos orgauttys de
cores com padroes miudos egraudos. sen-
do todos de cres'fixas, pelos baratos pre-
cos de 300 rs. o cova lo.
ALGODO ENFESTADO
Vende-se urna grande porcjto de algodo-
sinho americano com 8 palmos de la gura
proprio para lences e toalhas leido liso e
trrncao que se vende por'preco muito em
conta.
!*anos de liuho
Chegou um gr^iidn sortimento de pecas
de panno de lii.ho do Porto que se vendem
de 700 rs. at I<5000 a vara, garantndo-se
que em fazenda de linho nao ha nada nie-
Ihor, era raais proprio para lences e toa-
ilias.
PECHICHA EM CHAPEOS DE SOL
'Chegou um grande sortimento dos me-
ihores chapeos de sol de seda, inglezes ten-
do nesle art go o melhor que tcm vindo ao
mercado assim como urna grande porcao de
ditos de alpacas de oda-s as cores e todos
se vendem por preco muito mais barato do
quo em o tra qualquer parte, por haver
grande poirao.
Lencos braueos
Vende-se um grande sortimento Je len-
cos brancos para hornera, sendo a dr.zia a
lr)G00,25000 o 3000, ditos abanhados
muito tinos a 45 o GoOOO a duzia, ditos de
escuiao fazenda muito superior a 5$, G o
7,5000,
Bonitas caixinhas de madeiras envernisa-
das, contendo navalhs e os mais necessarios
para viagem, servindo ellas de carteira
piando abortas
Outras^onforme aquellas, proprias para
senhoras.
Outras raachetadas, com thesouras e os
mais necessarios dourados e de madrepe-
rola para costura, obras de apurado gosto
e perfeico, proprias paro um'bello pre-
sente, tendo algumas com msica.
Estojos ou carteiras de couroj;om nava-
lhs, e os mais necessarios paf a viagens.
ESCOVAS DE MARFIM
Para unhas. dentes, cabello o roupa.
Outras do balea com mache'!"1"0 '* *ua*
drepetaBr/c^SREPEROLA
ticques, escovas para dentes, caetas,
didaes, brincos, alflnetes etc. etc.
Ricas capellas com veos para noivas.
Cintos de brim, com elstico para se-
nhoras.
Voltas de grossos aljofaes de cores,
para circular os coques.
Outras igualmente bonitas, o com pin-
gentes para o pescoco.
Outras cora aljofares coloridos, e tran-
selin dourado.
Botes com ancora, e P. II. para fardas
e colletes.
\botoaduras d'aventurine com o pede
prata dourada, para colletes, cada um W.
Botes de cristal, encastoados em prata,
para punhos, 4f) o par.
Camisas de flanella para homem, a me-
lhor qualidade que tem vindo a este mer-
cado,
Meias de 15a para homens, senhoras e
creancas
Pannos de crochet, para cadeiras.
Novo sortimento de toalhas de labyrin-
tho, para baptizados.
Renda e bico de guipar, branco
preto.
Fil preto, de seda, com salpicos.
Pequeos e delicados espanadores de
pennas coloridas, proprios para piannos,
oratorios, etc.
Bonitos passarinhos de metal prateados,
para segurar costuras, tendo almofadinhas,
do velludo para agulhas e alflnetes.
Thesouras de 1naa. trea quatro e cinco
pernas para fri831' babadinhos.
'AGULHAS NN-PLUSULTRA
Tal a qualidade d'essas agulhas, que
mereceu ao fabricante o pomposo titulo de
Non-plusultra, merece a Aguia Branca as
honras d'um annuncio, e sem duvida me-
recer das intelligentes senhoras, a devida
estima por sua apreciavel qualidade.
At agora nada se tinha visto de tao bom
em tal genero, o ainda assim custa cada
papel apens 200 rs.
Provavelmente d'aqui a pouco abundarlo
as falsificadas para seren vendidas barata-
mente, porm as verdadeiras continuaro a
vir especialmente para a loja da Aguia
Branca.
Descrever minuciosamente por seus no-
mes e qualidades a infinidade d'objectos
que constantemente se acham venda na
loja da Aguia Branca, seria seno impossi-
vel ao menos infadonho por isso ella con-
fia na constancia de sua boa e antiga fre-
quezia, e pede aos que de novo queiram
reconhecer a commodidade de seus precos
e a cinceridade de seu agrado, que nao se
loja d'Aguia
Ditas de dita, lecido de borracha, para esquecam de comparecer lo
era soffre de inchaco as pernas. Branca ra do Quoimado n. 8.
quem
S0RT1H0 PARA A FESTA
Vende-se por menos de 10, 20 e 30 i0
SO* NO
'ii CIISDYATITI
N. 23Largo do Terpo.N. 23.
DE
SIMO DOS SANTOS & C.
Os proprietarios deste bem sortido armazem de secco e molhados esto re-
solvidos 3 fazere urna grande diminuico de precos as suas mercadorias, como se apro-
xima a festa e seinpre se fazem avultadas compras para o centro e praca, por
isso previnemao respeitavel publico em geral, quo mande fszer suas despencas e cer-
tos de que vero a grande diflerenca em precos mais do que em outra qualquer parte
e jarantindo-sc as superiores qualidades.
Peckicha em cascmii'as a 4:000
Vende-se finissimas casemiras de cor com
listras ao lado, tendo duas larguras e com
as cores mais novas e mais bonitas que tsm
vindo ao mercado, pelo baratissimo prego
de 4^000 o covado ou 7/5000, cada corto
de calca.
Os baldes do Pavao a 2O0O,
Chpg u nm grande sortimento do bales
ou crenolinas do feitio mais moderno muito
proprias para vestidos ennesgados que se
vende pelo baratissimo preco de 2>000 ca-
da um grande pechincha.

AS CA BRAIAS DO PAVA<) A 4:500 RS.
Vende-se urna grande porc3o de pegas
de finissimas carabraias brancas transparen-
tes tendo 10 jardas, com mais de vara de
largura- polo baratissimo preco de 4500, a
pe?a sendo fazenda que nunca se vendeu
por menos de 8000, grande pechincha.
AS POUPEUN4S DO PAVAO A 300 RS.
Chegaram as mais lindas poupclinas do
15a com hnitaco das poupelinas do seda,
um fazenda muito leve com as mais lin-
das cores, sendo: verde Bismark, rftxa, azul
lyrio, c nsento, perol la etc, etc. e vende-se
pelo baratissimo preco de oOO rs.
Fustes trancos para vestidos
Chegou um lindo sortimento dos mais ba-
ratos e bonitos fustes brancos com listras
e cordes, sondo fazenda b -stante lar;;a e
flexivel, muito propria para vestidos a roq
oas de meninos o vendem-se a 640 o co-
vado.
BONITAS LIASINHAS
OU ANADINAS A 1.5000 RS. O COVADO.
Chegou para o Pav3o, um grande e va-
riado sortimento desta nova fazenda de la
e seda propria para vestdos,eom os mais
delicados desenhos e mais modernas cores,
tendo bastante largura que facilila fazer-se
nm vestido com poacos covados, pelo bara-
tissimo proco de !# o covado, por j es-
tarem muito prximos da fe>ta.
GAZ AMERICANO 9500 a lata, e 4i0
rs. a garrafa e 6G0 rs. o litro.
VINHO VERDADE1RO FiGUEIRA 560
a garrafa, e 4S500 a caada e 800 rs o li-
tro.
DEM DE LISBOA das melliores marcas,
400, 440 e 500 rs. a garrafa, a 26800 e
3*200 a caada, 060 e 720 rs. o litro.
DEM BRANCO DE LISBOA a 4*000.
a caada e 560 a garrafa, e 840 rs. o litro.
VINAGRE VERDADEIRO DE LISBOA
200, 240 e 320 rs. a garrafa, 1*400,
1>800 e 23200 a caada,
AZEITE DOCE DE LISBOA a 900 rs. a
garrafa, e a 7* a caada, o 1*340 o litro.
MANTEIGA INGLEZA FLOR 1*400 e
1*280 a libra, 3*060 e 2*780 o kilo-
grammo.
DITA FRANCEZA 960, 900 e 850 rs.
a libra, e 2*100, 1*980 e 1*860 o kilo-
grammo.
DITA PARA TEMPERO 560 rs. a 1
SEVADINHA E SAG 280 rs. a
620 rs. o kilogrammo.
FARINHA DE ARARUTA VERDADEIRA
640 a libra e 1*400 o kilogrammo
BOLAXINHA INGLEZA MUITO NOVA a
400 rs. a libra e 800 rs. o kilogrsmmo.
VELLAS DE ESPARMACETE 720 rs. o
masso. em caixa ha abatimento.
PHOSPHOROS DO GAZ E DE SEGU-
RANZA, 280, 400 e 560 rs. o masso,
3*200 e 6*500 a groza.
AMEIXAS EM LATAS E CACHINHAS
DE MUITOS TAMANHOS 1*280, 2*500
3A500,4*500, 5*500 a lata e a retalho e 1*
a libra.
GOMMA DE MILHO AMERICANA 400 rs
o masso, e em caixa ha abatimento.
BATATAS NOVAS DE LISBOA 60 rs.
a libra, em caixa faz-se abatimento.
SERVEJA INGLEZA MARCA II 5*500
a duzia e 500 rs. a garrafa.
DEM BASS, VERDADEIRA IHLERS A
AVISO
Os proprjearios do BAZAR DA MODA
III ||| '(peilnvl publico e cora
VUllU) seus freguezes, que, princip:;;m di I
Ruado Imperador n. 26 nte a \cndeV o
Neste novo estbelecimento encontra- ,efs-' l^rfomarfas, qofn |uimarlas, ai
diariamente ara variado soriimeuto de lo ^ cle 1110(I'1 Pa" '"o"", .senhoi
linhos para cha. jasteis podin*bollos .. nenuios, com om grande
glezes, pes de l. presuatoa, ditos m fiara- Pr^08 Pa' "H1 :,'',a l'ml r'.,,'; ,
hre, superior tii Hvason, preto, e nnudi- \-r1a!i,|i1' "''"'- icc'os de
nho. Vinl.os finos de todas as qualidades i '^-"^s Europa, onde os mesara
conage, licores, conservas, chmpame, cer- pnetarjos entivtem n un I abis coi-
veja ingleza, limetas muito boas, por-. ^pendentes babriiladbs a
tuguezasTe francezas. jmate-res vantagens posslve
Um completo o
caixinhas de todas os
r ser,lioras, t_.
Bhagadasde Paris sao de primoa- !UL.'.Jl?,1.,'.';. ,,,v.-,
. oll'ercsse-mn-las nosffalanlRadniAsi A I RLU) rl\0
01 erecer a-i
o boje esl m
mimosear
teniente c
do gosto,olieresse-mo-las aosgalanteadoies A P?EV '"^O-sao vnetos tod;
do bello sexo pois nellas acharao nm digno :,ncrcadon;is cousiautos do eslabclecini
e serio presente para as donas dos seosre !"or y,0ma 1 '"'"'^J0 'd:!'''''
pensamentos. Tambem os apreciadores ^ e?crapulo comprar.^rios do me ntg ..-
boa fumaba encontrariio charutos dos me- i 'ar' l,lil('il'o-
Ihores fabricantes da Baha e de Havana! Tem emprfgados promptos a conJuz.rcm
sganos do Rio de Janeiro etc. etc. M bJect0S aI ameSlraa qualoiicr casa qu
Dooes d'ovos seceos, christalisados e de .xlJa- ,. ,, ., .
calda, ditos de caj e de outras qualidades. Bazar da Moda!" fle dezembro A
Nesta casa iecehem-se encnmmendas para
bailes, casamentos e baptisados e qualquer
encommendas avnlss, como soja pao d-- l&
e bollos enieitados e outros muitas couzas
que enfadonho mencionar.
A tenoilo
M Joaquim Rodrigues Tavares de MelloS:
1 tem para vender no seu csariptorio, pra-JB|
ca do Corpo Sanlj n. 17 primeiro andar,,,
m potassa da Ru?sa ltimamente chegada
OT cal de Lisboa e vinho Bordeaux de supe-
Sil rior qualidade.
- Vende-sc a taberna da nu a. 'Jauta Rita ..
a trat-r na mamna.
Barholomeu & C,
r ~

:-:

Resta venda um escolhido sortimento de ob-
lectos de marcineria, como sejam, mobilias de ja-
:arand,mognoeamarello, obra nacional e estran- .
(eir, de apurado gosto e por prgr;o< raiaveis :
na ra estrella do Rosario n. 'i. Nesta musnia I
sa fazem-se com perfeico todos os trabalhos df :
lalhinha, como sejam, empalhamentos de lastros
>ara camas, cadeiras e sophs.
Vinho, I-'ilulas, Xahopb b :'.
T.F. JunCQEHH BIUM.HS PERIll G
. Pomada! Baifiuimrno c.\ bsmj
PLANTA PHBPAKA008 POn
PRIVEIRO E SEIi:\D0 LIVROS
DE
C
LEITURA
PARAUSO DA
INFANCIA
PELO
BRASILEIAA.
Dr. A. Casar Borges.
(21 EDPO XU1TO 11KLU0RADA E
* AUGMENTADA)
Estes dous livrus, resultado de grande expe-
riencia e estados especiaes do nutor, vieram sa-
tisfazer a una das mais instantes necessidadi i da
instruc^ao pJ^Daria, e por lal forma que, pelos
governos de (|uasi todas as provincias tee:n sido
adoptadas para as escolas publicas, assim como
por grande numero Je professores pai liculares.
O primeiio /uro ( absolutamente diverso da?
cartas vulgarmente eonhocidaa pelo nome de A
B C) e eomposto segundo um systema natural.
philosophico e ameno que nos meninos fcritlla
extraordinariamente o conhrcimento da leitura.
tornando-lhes muito mais rpidos, e uito meaos
penosos, seus primeitos, tmidos e vacilantes pas-
sos na vida Iliteraria.
O segundo Itero consta do muitos artigos, con-
tos etc., todo tan breves como coovein fogaz
atten^ao das criancis, e escriptos em linguagcn,
e eslylo apropriauos franqueza do sua inteli-
gencia.
E de maneira combinadas ncll; se acham a?
materias que, ao mesmo passo que rttamenta in-
uressam c nleitam os peqoenoa leilores, lewro-
Ihes e implantan! Ihes no espirito e no coracSo fe-
cundos preceitos de moral, inspirando-Ihes, desde
logo, com o gosto da leitura, o amor da virtud
e a repugnancia da !o vici".
Sao ambos estes ivi nitidamente inpreasos t
elegantemente ciicadernados em Paris, e conten
estampas finas representando os assnmptos du
coutos ; o que os toma mais convidaiiyos aos me-
ninos e muito proprios para presentes ou premios
dos me-mos.
Contem domis o segundo dona bellos hymnos
com nuisica para o eomi'CO o lm da escola.
Recommendamo-Ios pon confiadamente aos se-
nhoras pais de familia, e professores que ainda os
nao connecem.
Primeiro livro. OO
Segundo 2000
A VENDA NA
Livraria francaza,
9-RA DO CRESPO9
BARTHOLOMEO &
P i i a u m a c': u t i c o s J) 11 o a u: : .\ s
l'Ea.V4.1BKL:( O
A JvrutolM : 'su (i-iUi Ii"j-: re
:ouio o uia:s |HMleroSQ I'IDICA. OKOO 0 ."ictji^r
ifetoh-lrn ..- o me ni *|>| faA* mi *
Id !i;-:.!^e blfu, UspKUIat, .IuioS>. .. ni -lor-
'.'.-* >. liT'ro|i.-v.Kj erysi-
pilj-, :-.; a nitfuc lili vi fto : ulil .. s ptllldu
BOfos, eblorofol f fjltn .te uculr,; ;:<>, Icstim-
ya do estouiafaj, lie., < u .u* Jiseiuoj UtaMi
toiiu ra .. mporTaaies otiiulas coa Boston
pr difacloj UMdicMiio pan a l'onugal. Ua lodos
toMoi dmosnos distribuimos gratis folbatot ooa
nji-lb fjuj coohecer a Jurubtba socs resifUdoa
a ippilcafia.
m i d,bq? :;
W de
vilio6n como eolruinli o j ,: n 111.- r
appii ntra n tan Lhn a.
convulsa i u i qucl
lipis BUffoCJ'CG -. '
a liiil ci i il
ruspira ;''... i i n i mor,
Ludec< ntrnol ,econv U.-o;
incftnteslovelonir ;em }):\r':: >'. : o h
nicodeptsilo, ri c Inr pidoP rio
junto no qunrlel i!p '. iKcm % v .1; o.
Conlinu, \d -, i..
lestumunb atai .,' '. do bd so Pernac>
Luco.
UTAS, VMIO E XR0P2

I
bra, 13220 o kilogrammo, em portfo se BELL, ^00 rs. a garrafa e 95 a dnzia.
far abatimento. VINHO DO PORTO ENGARRAFADO DE
BANHA DE PORGO DE BALTIMOOR DIVERSAS MARCAS 10500, i200, le
720 rs. a libra, c Iio60 o kilogrammo, cm 800 rs. a garrafa.
porco se far abatimento.
ARROZ DO MARANHAO E DA INDLV
120 e rs. a libra, 260 rs. o kilogrammo e
3>i00 a arroba.
ALPISTA 200 rs. a libra e 440 rs. o
kilogrammo, e 65000 a arroba.
OAF EM GRAO U e 6^500 a arroba,
200,240 e 260 rs. a libra. 440 e 520rs. o
kilogrammo ^m sacca -se far abatimento.
SABAO MASSA 240 e 200 rs. a libra,
520 3 440 rs o kilogrammo, em caixa se
laz abatimento.
MASSAS PARA SOPA, MACARRO, TA-
LIIARIN E ALETRIA, oOO rs. a librare
13220 o kilogrammo.
BOLACHINHAS EM LATAS DE DIVER-
SAS QUALIDADES, bm como perol bri-
lliante.combination, Francy-cracynel, mixed
Britania. Mdium, Facy-nic-nac, a, b, c, e
soda a 15000- e 15400, cada urna lata.
Assim como ba outros muitos
N k>ja e armazem do Pavfto rvi da Imperatriz n. 00.
GENEBRA DE HOLANDA E HAMBUR-
GUEZA 73 e 63 a frasqueira, e 500 rs. o
frasco.
dem de laranja doce aromtica,
115 a frasqueira e 15 o frasco.
? QUEIJOS DE- DIVERSOS VAPORES,
35000, 25800 e 25400 em caixa ba abati-
mento.
TOUCINHO DE LISBOA MUITO ALTO
400 rs. a libra, e 880 rs. o kilogrammo,
e 115500 a arroba.
LINGUICAS FINAS PROMPTAS EM LA-
TAS 13000 rs. a lata.
LOMBO DE PORCO ASSADO JA PROMP
TO a 15000 rs. a lata.
CHA FINO. GRAUDO E MlDINHO
33200 e 25800 a Ubra, e 63100 o kilo-
grammo.
IDEMPROPRIO PARA NEGOCIO 23000,
23200e 13800, rs. a libra,
gneros, vinho em ancoreta?, azeitonas,
A ra do Livraraento n. 6, coutinira a ha-
ver para vender por precos rasoaveis, o
melhor vinho verde at hoje viudo a este
mercado.
i B
. \ i reto i uaMMcttmca
A.< prep :'"' 'dejurubebasohojevantii-
', ecidns c precor. irados el
mnia a lieos, Ionio ta Europa corno
do-pni, pela sua ulBcoia nos casos de anemia
hloi siajObatrnefiaodoaboVimea
itnml L'mnosdemenslruacflodU'flciljialli
.:. be,\gn, i : (; C.
V -ndi-i-so un porga o c a retalho na (dadf
!i enlaciado seu compositor, ru
", ii o, n. 10, junto ao quartel di
ticio.
PINTO PHA.B3IACBOTICO
XAilOFE DE SALSA PARMIHA 60 PARA
DEPURATIVO DO SAKGUE
Usadas r.as molcsti.-.s .!n Pcllc, impgens, iiorc-
lili iMiuii.'.as, < ulceras vmu reas.
Esa.A j.acr.i.a ido kokacho, m. i o
muito novas, passas e figos novos, charutos de diversas marcas, marmelada, feita pelos
melliores conserveiros em Lisba, gela de marmello, pcego, ervilbas, em latas, por-
tuguezas e francezas, vinho verde engarrafado i retalho, peixe em latas, bem como
pescada, tainha, pargo, goraz, lula, corvina, vezugo, cavalla, sarda e sardinhas de Nan-
tes. Canella, cravo, ervadoce, cominho, pimenta, grandesmolhos de sebolla 13500.
Finalmente muitos outros gneros que enfandouho menciona-los.
RIJA Di LORIA *. 5
Olaria do Fundao.
Ha serapre nesta olaria grande sortimento de
materiaes, como tiiolos de alvenaria batida, ladri-
iho, quadrado de 8, 9 e mais pollcgadas, tenas e
telhoes, tijolos de tapamentos. O proprietario dos-
ta olaria garante a hondade e barro do Laes ma'.e-
riaes, como tambem vende-se m3 iiariito do que
em outra qualquer parle. ,______________
paraTafesta
3 portas, loja de fer a^em
53-Bua Direita--53
Neste granuo estabeledmnlo, lia para vender
um completo sortimento de ferragem, t> uiiudcz-is
finas e grossas, como sejam banilojas c.hinezas
quadradas e ovaos, foca* e garfas de 1 2 bo-
tos, balanco inleiro a l/J balando; panfila?, cha-
lliciras, cagarollas, :"ripideira>, a-sadi-irai", tanto
de ferro como de porcelana, rouinh para caf de
diversos tamaitos do i'abricanto J.ipy, pesos kilo-
gra-omos, tanto a ferro como de falSo, n
para medir fazenda tanto de ferro cnmo de lat ,
salitre, breu, barban!;, ciixnfie. papel marca fia
do, do verdadeira Picard, machina? para dcscu-
mear algodo; alm do outros artigos de forra-
gei, miudezas culilarias finas, que s cu. a vis-
la se verifica ; na ra dirnta n. .13 loja da 3 pi r-
tas de,Mannel Rento \<' Oliveira Rraga de O._____
CoTeitaria dos Ananazcs
16Ra da Cruz16
Doces scceo?, o ehristalisarto-;. ditos em calda,
caixinhas com amondoas econfoilos, ha bonitas
figuras pata bandejas, arnpo3 de noivado, baude
jas, bollos e pae3 de le decorados, sonviite com
trabalho de assucar.
E3CBAV0S FG.i OS.
Ainda i? t fgido o met escravo Isaac, m-j-
lato, idado'0 anuos, pouco mais ou menos. I n
no dedo grande da inao direila duas unhas. rous
se fossom dutH dedos ; na sua sabida forlon-iw
500a CC05 em moedas de o-ir >, e foi iK'm TBstidn.
consla-mo que foi visto em Cedras d* l'i go : pr-c.
pois, s auioriJades policiaes capiaei de cu>p
a sua app.ehensao, e que o l'acam conduzir ra
da Matriz da Doa-vista n. 33, onde scro bem re
compensados.
Jezuino de Miranda.
l-'ugio no dia 7 do crrante niez de n>
bro, a eserava Joaquina, crioula, do idade 40an-
nos, c"r prela, baixa e ch ia do cerpo, leiu um.
orelha rasgada no lugar do brinco, urna peque-
a cicatriz na lesia a um lado, dous d>nii-n
frente abertos que parece falta de um, roa" nio :
esta e-rrava M oceupava em carregaragua no pa-
leo do Terco, ou lavando roupa pelee roquel
junto a ra ImpiTial, e por estes lagares cjjl'i
ella co.-tuma andar. Roga-se aos Srs. Apila
campo a aprohensao de.
ra do Qifeimadon. 3!) terceiro andar ou a praca
do Corpo Santo n. 17 primeiro andar, que er
bem recompensados.
POR METADE
de sea valor vende-se na loja do Triumpho
a ra do Qneimado n. 7.
Las de bonito^ padroes a 3i0 e 400 rs.
o covado.
E outras muitas fazendas de pbantaaia por
preco muito commodo e breve lera annuo-
ciado seu esplendido sortimato.
LOJA DO TRIUMPHO,
CIMENm
Vende-se verdadeiro cimento; na roa da
Madre de Dos n. 22, armazem de Joao
Martins de Barros.
Fio d lgodo.
Vende-se flo do algodao da Baha em saceos de
oO e 100 libras : no escrlptorio de Antonio Luiz
de Olifeira Azevedo A C., ra da Cruz n. 57, 1"
andar.
Vende-se
um silio na estrada nova le Retwribe, na ra de
Santo Antonio, Telia Jo pedra e cal, tcm os restos
des materiaes dentro, plantado de nevn, leffl arvo-
redos em ponto pequeo de todas as qualidades.
tem de frente 440 palmos h de fundo i72 ;' quem
quizr fazor negocio dirija-so ao becco dos Fcr-
relres n. i!, _________________________
Vende-so p>r HQOiOOO (ultimo piveo), uraa
serva sadia, de bonidade, que faz aljj'unjMii
viijo de casa o ptima quitanrMra no 3-albir
do sobrado u. 30 Ja raa das Cinzes.
50^000 de Gratifl"
caqo.
Po di?, l-'i do correnle fugio do eogenho S. rV-
dro da freguezia da Escada, o escravo Berrardj,
de 30 annos de idade. altura regular, rhem dV
corpo. tem bons dentes, nariz chato, testa gran ;;
olhos regulares, olhar de porco, risooh. '"ni o
andar embalan^ado e embalanca muito < n iii
braijiis quando anda, carreiru" e muito ^sprlu,
bem feito o robusto, fallante c muito H ta. tem
o cabello bom tratado, o cor da pello,, o do cabello
hem preto. Foi rumprado no Recife ao Sr Kra-t-
c9*,o Marinio Falcao, residente hoje en> Agoa-
l'rela : quera o apprebender o conduzir o eoge.
ho cima mencionado, ao Rea senhor. en no Rn
cifeao Sr Bernardioo de Sena Pontua, na -ua Senzala-neva a. 38 recebera a gratnafix nricn :
mencienada.
Gratiflcn-s.
Ainda os' fugido o Jos-col, escravo da pa*fe-
rla allimSa da ra do Lima, em Santo Amai
omito mnlvcido por ter vendido p3n de M"1 o V*
o braco esquerdn corlado, crionlcy X">nnoK oNi
ida'le o muitas veze* cobro n defeilo dob- >$> Pon
um panno qualquer. tomaca-Juga o falla b tfr,u.
Prut.-ti-o contra quc r i *
a pesiea i i captT '^i -
sada.
j
I


a
Diario le Pernmbuco Segunda feira 6 de Dezembro de 1869.
LITTERATM.
rusia scenndarie na Europa.
(Cutinnaco)
SKk a juarda respeitavel desse conselho,
dirwg > la escola parleace aquelle om
sendo cnamado ha Inglaterra h^at rnaswr.
rfg-.jrcs, ou em Franca se chamara o prin-
cipal ou ivitur. Dem longa de ser de
lodo preoccupado com a* tarefo adminis-
trativa, o principal ou reitor do collegio
*> exercc apenassn3o funcges pedago-
las, sendo de JWPuie ser elle mesmo
wd emrito professor do prima, o que nlo
9 enibaraga de iaspecionar os estndos das
cbsses novicas. Q> professores gozam.
a suas cathedraes lectivas, de urna iade-
pMdeuek absoluta; pois que, n3o ha-
eodo programmas de estuios, todo
regul do smente gelas tradigoes, de que
ao licito desviar-se. O principal ou
rector, quera nomeia os professores, e
lamhem orde demitti-los ; mas essas de-
aaVoes sao mui raras; porque taes es-
oolkts s5o feitas com cordura e s in-
gjezos, con ninguem ignora, respeitam
Mirto os direitos adquiridos. Na falta de
rao escoia n >rmal superior, ou de outra
. iostituigSo, que isso vallia, so foi "obriga-
*>, para preencher as vagas, que occor-
. rem as cadeiras do professorado, a pre-
\atecer-3e de licenciados de Oxford e de
Cambridge, os quaes, antes de entrarem
para a corporajao universitaria, deyem ter
corsa lo os esiudos do collegio de Eton
i&otl^iWtSi^S,3^3, M.v-en.s e lem
a didctica, custa da propria experi-
aacia e exeinplificando-se com seus colie-
gas usis amigos, adquirem a habilidade
pn.fessional. Demais, o professorado na
kngliterra urna profiss5o 15o bem remu-
aerada, que nio Ihe faltam as capacidades
de primor. Tanto em emolumentos regu-
lares, como em beneficios accessorios,
am professor de estados classicos em Eton
che^a a Conseguir urna renda annual de
O.000 francos r o principal ou reitor, re
cebo 120.000-francos, e mencionam-se s-
fenos anda mais avantijados em outras
cademias.
Passando-se agora a examinar o qne sao
os exudantes desse magnifico estabeleci-
mcnto, piimeramente lia os porcionistas,
os estudanles regios (kings scholars). sto
, pensionarios que cobram do bolsinho do
re. Era em pro! desses que outr'ora o
collegio fura creado, mas desdo muito
tirapo el les esto n'umn condigo mais se-
cundaria ; pois que moram n'um edificio
separado, trajr.m vestimenta especale vi-
um tao segregados das outras classes
de estudiles que n3o brincara, nem
mesmo as horas de recreo-geral, seno
enm os cmpanheiros da sua grei : tara-
feem se diz que ellos estudam com par-
ticular applieago. Os outros estudanles
xactamei te fallando, sao externos, bem
que f.n cnndices mu differentes das dos
tjetos francezcs. ma escola universita-
ria ingleza se parece com urna aldea ; no
centro est o edificio para as diversas
das, e mu torno desse se agrupain a ca-
pella, a bibliotbeca que de da sempre
3t aberta, a casa do reitor, o al"jamenlo
dos porcionistar, c as moradas dos profes-
ares. Esses, quasi todos. est5o autori-
sados a m;nter seus pensinalos pirlicu-
i'i es, em que recebem. uns seis alumno*
e outros de 40 at 50. os quaes alumnos,
Mado considerados como pupillos. fram
hospedados as moradas desses taes seus
tutores de educago. que os alimentam,
xelam e instruem, durante todo o lempo
do curso de estados. O menino assim
idmittido na casa de um prof ssor, que
ile logo fica sendo sea t-dor e expli
ador, ah raspara a vida de familia e goza
agacalhn lo cariohoso, como em casa
de seas pas. Sentase mesa de coramum
com a esposa e lilhos de seu mestre.
Cada um de lies pencionistas ocenpa um
cubculo, em que de nonte dorme c tra-
oalua de da, e onde pode receber seus
enmaradas, tendo toda a liberdade desamr
e entrar, pois que- nunca se fecha a porta.
Fra das horas pontuaes de refegSo, de
aula e de eiplicacSo, os estodantes seu
talante brincam quand y qnercm e estudam
as occasiSes mais commodas. Um dos
detelos dessa organisago escolstica con-
siste em custar to cara a edncacSo, que o
collegio de Eton dio acccssvel seno aos
filhos das familias opulentas Tudo com-
prebendido, a -despeza annual do estudante
excede de 5.000 francos. Os proprios
porcionist lm por diversas causas de
pagar por anuo 1.200 francos pelo menos;
Dessa maneira, os discpulos le Eton s
sahem da classe soperior da sociedade br-
tannica. Pergunta-se se taes jovens para
all v3o com iotencao de se appliearern e
de se consummarem no que costuma-se
chamar estu-los profundos ? Isso tanto
mais que s vezes os pas do bem pouca
importancia instrucc5o. Mandara seus
lilhos para Eton com o proposito dos meni-
nos l receberem a educarlo de um gentli-
man, ou cavalheiro da alta sociedade, con-
trahirem relacoes que Ihe vira a ser uteis
no curso da vida, formarcm o carcter e,
por assim dizer, se encarnarem com as
tradicoes da grei aristocrtica. S5o s os
porcionistas, que as universidades e nos
concursos sustentan a honrosa nomeada
do collegio. Na falta de urna cultura intel-
lectual, que fosse esmerada, essa mocida-
de. que j esl iniciada na existencia, al-
gum tanto frivola, da alta sociedade, dedi-
ca-se com fervor aos exercicios athleticos.
O- di vertimentos sedentarios dos saldes, e
severamente probibdbsT mas "outros al2
vertimentos, que se exercem fra de casa,
como os jogos da pella e principalmente do
cricket, o que vem a ser o arremessarem-
se a certos pontos bolas de pao por meio
de especie de grandes palmatorias, mami-
seadas* pelos jogadores, e mais o sollarem-
se bales aerostticos e o competir-se em
regatas, todos s5o acoro^oados pelos pro
fessores mesmos e gastam muitas horas do
dia. N3o que taes divertimentos estejam
facultados pelo estalut< collegial; mas urna
usanza inveterada mpe a lodo o esludan-
te o dever de a isso' se prestar com assi-
duidade. Duas ou tres vezes por semana,
ao meio dia cessara os estudos e se empre-
ga o resto do dia em exercicios corporaes.
Urna vez por anno, as principis escolas
acadmicas da Inglaterra se emprazam para
as ribas do Tamisa, onde, como em circo
de torneio, rivalisam urnas contra as ou-
tras, quer na liga relvada do jogo cricket,
quer pelas regatas no rio, e os jsvens,
que sahem vencedores dessas lulas solem-
nes, tornam-se em hroes daquella actuali-
dade e ficam sendo tanto ou talvez mais
invejados do que os laureados as palestras
philologicas.
Parecera urgente haver nesta sociedade
infantil, urna disciplina tanto mais severa
quanto maior a liberdade de que gozam
os educandos. Importa em primeiro lugar
observar que se engaar ejjem, |wla n-
dole dos meninos das mais nacoes," pre-
tender ajnizar dos costumes das escolas
inglezas. Os calouros de Eton j che-
gam escola compenetrados de um res-
poito innato da entidade de regulamento,
o que um dos traeos caractersticos da
naciio; e por isso se pode dizer que nao
se da alalo de transico no fado do meni-
no passar de sua casa paterna para a do
tutor pedaggico, o.qual contina com as
usanzas de fannlia, procedendo smente
com certa firmeza, quando fr necessario
s vezes. Entretanto, sempre mister que
de ceno modo baja alguma superintenden-
cia. SSo os mesmos estudanles, que se
viiiiam uns aos outros, tendo os mais ve
Ihos autoridade sobre os novatos. Os rao-
niuires ou decures, sao alumnos de classe
mais adiantada e discpulos immetiiatos do
reito n qual gcralraente Ihes te.n ia-
fundido o seu espirito de reger. Essa
ephemera aul'ridade, conferida a algn-*
pnn^io istas, nao pen >sa, nem contraria
o melindre dos seus camaradas ; pois que
os qne ora'sito'inferiores, dalii a um ou
duui a;;;ios virio a se.- chefs. O que nao
deixa.de parecer um pouco estranhavel,
que 0 systema monitorial seja ellicaz, ou
que, se na reaWade o. nlo degenera em
urna tyranDia, que seria mui vexatoria, pois
qu5 s exercra a puro arbitrio e sem re-
pressSo.
LTm outro abuso, o fagging cuja deplo-
ravel existencia flcou-bpr evidenciada no
inquerlo da ultima commiSsSo, no serro
una consequencia toda natural desse rgi-
men de lib.'.rdade. Todo o estodante de
anias novis terea outro condisciptHo -raais provecto, e por-
tanto desempenha os rec#dfes de sen amo,
iiacf3o do gemetra grego, qne est ad-
inltida, ou o moilificar-se a forma da li--
gura, a que a demonstraco se refere, aos
olhos de professor seria urna falta. As
sciencia* physicas anda'sao tratadas peior;
pas que, guiza de recreac*) deltas se
ftsWbam experimentos eafeaia quinta-feo
ra. Um prof ssor-,.cosluma vr de Lon-
dres da proposito para dar aos discpulos,
queiem paga/, urna preleceo, ora so
!ir<) a ptica, orfobre atlectrecidid
mj-
carrega-lhe os livros para a ula, escm-
Ihe a roupa, e, o que muilo p ior, du-
rante as horas de recreio assiste, como
humilde pagora, aos exercicios athleticos.
Peta mais leve infracc3t> desse cdigo de
cortezana escolstica, sanceionado pelos
avoengos, o coitado do fag espanca lo
sem* poupanca. E' isso mais um abuso de
dircos de antguidade, que n5o mero
trLumpho da forga bruta, nem por sso
deitar de ser urna sujeto abominavel.
Porm os mestres, em parte, n5o sero
causa dos mos tratamentos, que os pro-
vectos praticam nara com seus condiscpu-
los mais novatos ? Em Franoa, os castig s
corporaes s3o reprovados, porque conside-
ram-nos aviltradores: mis na Inglaterra
semelhante pralic conservada com ona
especie de veneraejio. Anda uo ha muito
tempo que os pedagogos, mais bem on-
ceituados, sustaotav|m que a surra de azor
sl^o mais equitativo,' que s(
0*
experimentos eoBflituem a maior impor-
taeia disso, que so pode chamar scenarios
de physica divertida; raase se basca qual
seja o proveto, que os ewelaros de Et n
ptwsam aufeiir de utii ensinan^a scentifica
de-seaielhante genero, ento se deve conj-
fessar que os segredos da naturezajjMiUr
uinro a Ihes ftcar recoiulitos. IjR is8
tanto, como se Ihes livesse entreodo
vros scenlificos, Ilustrados com csUi0(paa,^
coloridas. 'mdit
doutriiws inilliemacas l n?o lo
nusprez il), colti ;'i; SV a!ii res.
A escola de Rugby, que se remonta
era d rainha Isabel, em 1587 do dro-
guista Louronco Sheriff, teve a doacSo de
um terren d oito geiras, situad na*
vzinhangas de Londres, e cujo producto
n3o passava ent3o de oito libras esterli-
nas. Hjje em dia a escola cobra desse
mesmo terreno, e de -outras proprieda les
de menos valor, umav"renda de IiO.000
francos, cuja vinteua na conformi adfl
dos estatutos, empregdda na minutenrao
de 12 decrpitos indigentes. Ni Inglaterra
se encontrara a cada passo seraelhanles ex-
emplos de onus de obn pa, impostas
em legados de varios gneros. Oe me-
diocre escola rural, como comec>u o col-
legio de Rugby, tornou-se um instituto
opulento, a que concorrem, principalmente
" hos de familias abastadas di classe
a da sociedade. Contam-si all 500
e o casws?t dbh qunauvu, que se
niigii. !>--prudencia, ^ --k^ (jp
FOLHETIIW
OS CASACAS PRETAS
aOMANCE
fin.
Paulo Fval
Segunda parte
TI6Ki PlTtH
XXIX
I iii filial jo q:ic se presta.
'(iuitiiiuaco do n. 278
Ora, proseguio o Sr. Lecoflj eu nit t
iiro os meas luiz-s pela jandia fra. H
una rousa, meu charo seuhor, que deve
oinigo: que me nao quero impr como
pbil.tntropo. Eu n3o tenho o miuimo de-
de l ruar o senhor rn irquez feliz. A
ladfl que a felicidade do senhor mar-
/ que est por conquistar, faz com qne
mu pie um ponto : so quer, apro-
it'-se
O que eu quera, resmungou o mar-
ajnez. era que, se Ihe fosse possivel, fal-
e claro e intHlligivel, ao menos urna
ia vida ; sena o meio de nos enten-
-' Tmos, seria urna expheaco.
Ao sou dispr. Expcagao alg-brica.
se ve ; porque, nao tendo privilegio,
i eeo-me muito das fraudes, la eu.
los, diz^ndo que o rei dos francezps, com
mu grandes dotes, possue tambera cenas
[uezas. Entre estas fraque/.as, a me-
ibor disposta a paixo que elle nutre de
iiir i todocusto e chamar si os par-
uios dispersos da legi'imidadu...
Isso alta poltica iuierrorapen Gal-
ardbos com nm sorriso.
S'-r tudo que queira. Eu disse pai
tao : a palavra nao. me parece forte de
tois ; nao aeba ? porque ah est:'1 o senhor
.Huqunz desfruclanto verdadeiro crdito
a'aquelhs altas regies, s por |ue ftoge ter
'cnegado a sua fe...
Senhor Lecuq !... sollou o Qdalg >
rgu'otlo o ailo.
Queira permittir. .Eu disse : fingir ;
ofa ft nlo renegn cousa alguma, isso
evidente. Nao ha renegados polticos. Os
que se ven lem, para empregar a vulgar
express2o d s que nfnenera quer comprpr,
tem o bom juizo de nunca quebrar certos
egos. Refliota, e Iw de ver que Mo
ais lama prova da paixio do r i, pml
io sincera. Uto tao lorie, que se entre-
ttn em affagar ama sotsbr*, falta
waldie.
-------"- ""O-- -' \tl-U*^"Vlwi ---- ----ni (j^
reselter que o monopolio (tessa correccao
brutal ficasse reservado s para o reitor.
Parece bem certo que, grac-as ao progres-
so dos costnmes pblicos, nm tal oso ir
dcah'mdo cada dia mais at em breve se
acabar de todo.
Tendo-se acabado de ver o qne, como
rgimen interno, a escola mais celebre
da Gran-Bretanha : convm p.issar-se a di-
:er quaes os resultados obtidos por um tal
modo de educaco. Prioeiramente, seja
lembrado qoe os estudos alli conservam
com cega fidelidade, as felces sedicas a
idade media.
0 ensioo tem por ponto de partida os
seguintes principios: em primeiro lugar,
que a edncaco deve ser geral e nao pro-
tissooal. Em segundo lugar, que a litie-
ratura e nao as seencias, que deve ser
della a base : e em terceiro lugar, final-
mente, que o mlhor instrumento de urna
edueiQo Iliteraria a lilteratura grega e a
litteratura latina. Sendo, pois, o latina c
0 grego o fundo do ensino, a nica par-
le dos estndos, que professores e disc-
pulos tratara com honroso acatamento;
mas anda assim essas linguas sao ensilla-
das por raethodos imporleitos. A> lingua-*
vivas, e a propria lingua nacional, sao"
abandonadas a estudos livres, a que por
acaso os esludantes se applicarem volunta-
riamente. O escolar de Eton traduz de im
proviso quasi todas as grandes obras da
antiguidade, mas nenhum professor Ihe falla
de Sliakspcare nem de Byron. l'ortanto, nao
de admirar que s date de 1851 o terem
as sciencias mathematicas sido admittidas no
regular e obrigatoriocursiculo de estud >s.
Tambera anda ha b^m'pouco lempo qo^os
professores de sciencias aicanc-aram ser equi-
parados aos seus collegas de bellas letras,
os quaes Ihes negavam o jus de trajar beca
magistral. TaUez que. u mencionar disso
parega urna minuciosidde de muita bagate-
la, mus n'um paiz. onde as formalidades
valera de tanto, essa tal bagatela signifi-
cativa. Ouanto s mais, a ensinanca sien-
tifica tal qual a entender osase venerando
instituto no hm nada de espavorir s Jra-
dcres ciassicas. A arthmelica liiuita-sc
1 montonos exercicios de cuntas, e a geo-
metra respetosamente se neerra no velho
texto de EuclHes, que o discpulo aprende
de cor, resultando disso sua memoria
mais honra do que proveto sua intelli-
gencia. O mudar-se urna palavra da tra-
Se ao que fica dito so accresccnta qne
as universidades continuara, em escala um
pouco mais elevada, com a emperrada san-
ca estacionara das- escolas secundarias,
pasmar saber-se que os homens, mais
recommendaveis da Gran-Bretanha, se con-
tentan com essa ensinanga. Entretanto, os
juvens que de taes estabelecirafhtos sahem
na idade pouco mais ou menos de dezoito
airaos, anda n3o se acham cabalmente pre-
parados para cursar os estudos universita-
rios : o psimeiro anno de entrada em Ox-
ford ou Cambridge passa-se em preencher
as lacuuas, provenientes da previa ensi-
nanga preparatoria de instruceo secunda-
ria. 0 alumno de Eton. quando sahe do
collegio, apenas sabe latim, um pouco de
iiran aprendeti de cor o seu compendio
de antnnrciici ,)runs theorcmas de Eu-
endes, e nada mais, w tanto nao est
em estado de poder se matricula Md ai-an-
dcs escolas do governo, como Wiiotnlu e
Smdhurst, nem sabir-se lera de tim exame
de sufiiciengia, que Ihe proporcionara ac-
cesso a certos cargos do servico publico.
Em contraposieSo de taes carencias, elle
recebeu a melhor educacao que se possa
conceber, tendo bera arreigados em seu
animo osentimentos de obediencia lei,
da lealdade. e da estima de si mesmo.
Pde-se dizer que anda um menino, lie
quem o constante exerccio de jogos athle-
ticos e o habito de gozar de liberdade
n'uma associago restringida tornaro um
homem. Se a escola nao foi para elle
urna temporada de estado, ao menos ser-
vio-lhe de aprendizagem para gozar da
vida.
Eu pens, Sr. Lecoq. pronunciou em
voz baixa o fidalgo, que nao tem inteuco
de escaudalisar-ine.
Isto conversar, senhor mirquez. E
do mea iuteresse dexar-lhe entrever a ex-
ireuia importancia daaiinha idea, se-
nhor admiti a paxao ao rei tal qual eu a
defin ?
Se isso Ihe pode ser grato...
Qaira dizer : sim ou nao. Disso
depende aquillo que o senhor toda a vida
tem procurado semach.tr : a fortuna.
Se a eloqoenea 6 nicamente o dona de
persuadir, havia verda leira eloi|iteticia na
vista la do Sr. Lecoq, na exprsso fra
e dura, em tod- a sua pessoa emftm. 0
Sr. de Gaillardbois conservon-se por um
instante pensativo ; depois respondeu com
ar de professor interrogado que trata de
galibar o seu salario
Effectivamentc, ninguem melhor que
en pode informado. Conbeco o re Ha
n'eile alguma cousa do que disse. Creio
que dara muito para extinguir certos
olios. Dos republicanos mofa elle ; nao
acredita na opposigao radical. Ha mais :
o re pensa que a opposigo radical urna
necessiila le do seu governo. E um prin
cipe estudioso e que procura nos livros a
sciencia de reinar. Os -cus princpaes pon-
tos de comparago busen-os elle'na Ingla-
terra e na America : talvez nao faga bem.
Era lodo o caso, e apezard aquella correte
de ideas bberaes que se esforga, que sobre
ludo se jacta de percorrer, o carcter, a
tendencia natural domina-o c arrasta-o
umitas vezes.
A escola philosophica* que sua raages-
lade pertence,' varilla muito, porque o seu
principio o tnezzo termine : corda esti-
lada filtre duas ideas, a velba e a no a,
lio do rame sobre o qual se caramba com
espessa carnada de gis as solas das botas
e mu maromba entre os dedos. A' hso
eo propriam nlc Sua Magestade um no-
me : o Jnslo-Meio, appellido osaal do
ecletismo. Sua Magestadu alegra se quan-
do Ihe dizera que e hbil, e isso urna
grande desgraga, porque a habilidade est
abaixo do throao e a chusma compe-se de
pequemos meios, que nao ficam bem seno
gente mesquioha. Sua Magestadc ^al-
hefe de governo. Procura burguezot}fla
fazer que loe perdoera a aua fortuca, aad
s a Eui-opa, son3o aioda a Franca. A
Franca gosla de res que sujana rei.s. O
re n3o bastante re. Entr osse*s.*J-
uistros ba magnficas intlgen as, e ajle
oprio urna iotelligencia notavel; as, jguntou Gaillardbois
os miui#roa nao elle se ontowkub
por duas razoes : a primeira porque o
rei trata a poltica como puro negocio de
familia, que s livesse por fim a prosperi -
dade do seu estabeleeiraenlo privado ; esse
que c o vicio dos seus dotes ; bom pai.
tiom esposo, como sabe, n'ele o homem
oltrapassa mui c.msideravelmeote o sobe-
rano ...
A segunda, que o rgimen tod" ba-
seado n'um compromisso, menos que isso.
porque o comDrnmisso nunca f>i assigna-
do : sobre urna >ub leza. Aquillo parece-
se, uao direi com um palacio, porque m
corle quasi legit ma a modestia val at
humilda'le, mas urna casa enorme cojas
paredes de cantara descansassem sobre
urna estacara caronchosa. Ali o5o ha f,
porque, nao ha do/ma. Vai-se vivendo
como Deus servido ; faze por se con-
vencer qne oSHjAr a suprema sriencia,
e que um tluNim com o andar do tempo,
se prescreve como um campo. Rigorosa-
mente, nao impossivel, porque o mundo
muito velho e vaj outra vez eahindo na
meninice. Oca, nis primeiras idades do
inundo, o sceptro nao passava de u oa al-
faa para a qual a posse longa valia de
titulo. O q-io nos yarece erro, talvez Uao
seja mais que lapso. Eu ohego a duvi lar
e observo. Se esta realesa, urna vez maior.
crescesse suliilamiuite at ao absolutismo?..
Mis estuu divagando, e o senhor n i m*
persiuntou pelo artigo que o Jornal dos
Debates faria no da inmediato urna re-
volugSo.
Deteve-se de sbito. 0 Sr. Lecoq, que o
ouvira com attengo notavel, dirigio-ilie com
a cabega om 'evo aceno protewor.
Pelo contrario, o senaor marquez dese
bocadinhos de ouro, alrraou elle. Esto*i
vendo era V. Exc. legitimista de hontem...
E o republicano de amanhaa, ia
dizer T inlerrorapeu o fidalgo, que abri a
charutoia cora gesto desemh iracado. Eu-
gana-se ; sou homem de sangue ; vou p
ou tico em casa, de preferencia a metter-
rne n'uia oronirjbs.
A mo -Jo Sr. i ecoq poasoirlhe no brago.
As opinies. disse-lhe elle rindo, res
peito-as... e curvme ante ellas. Seja a
rei o que fr, pouco me imparta; rei por
>mquauto, e is.sjioi) pasta O enhor mar-
vez mais om excellente negociador que ara. ijaez te rasio, o rei pnaco caso faz dos
republicanos ; s teta urna espinha as
Hctes, o bairro de 8. Germano. Pei.s.
eu liie digo : t ribo o instrumento preciso
para cortar, de meio a meio o bairro de S.
Gorman/}.
Como entende o senhor isso ? per
Eu emendo cortar como se corta
Harrow como Eton, urna escola aris-
tocrtica, que no numero de seus antigs
alumnos conta personagens, como Shridan,
llyron, Boberto Peel, lord Palmerstcn. Si-
tuada a 13 kilmetros do Londres, as
condiges as mais favoraveis de salubri-
da.de e mais commodidades. foi fundada
por um modesto proprietaro da aldea,
(pie empregoa boa parte de seus teres na
creago de urna escola graluida para a
rapazada da paroebia e para o cusieio de
estradas, tendentes a Londres. S;is mor-
doraos fide-commissarios administram esta
doaco por legado, a qual tambera se
acha affecta a dous usos que o doador
Ihe determinou. Deu-se smente que a
escola gratuita veo a se tornar n'um es-
tabeleeiraenlo de ioslroccao secuodaiia,
que tem sido frequentado pelos desen-
lenles das melliores familias. Como os
dei-commissarlos sejara pesaras da so-
ciedade distincta, que poucoenlendem de
piesles escolsticas, o principal, ou reitor.
fica assim sendo o regedor quasi absoluto
da es ola. Sondo ah a tradieco univer-
sitaria seguida com todo o rigor, H rrow,
a lodos os sentidos cora puuraissiraa
alleragao a imagem de Eton : a inesma
dstributgo de alumnos nos intrnalos dos
professores. a mesma franqueza de excur-
ses. a mesma paixo pelos exercicios cor-
poraes, e tambera a inesma repugnancia
dogmtica contra innovagoes no estatuto
de estudos. Comtu.to, a ensinanga das
educandos, numero esso, que com peque-
a diminuigSo de Harrow, o passo
qu Eton conta o dobro. A despeza an-
nual do ediwaudo, posto que n3> t3o
cara como em Eton, nunca inferior de
3.000 francos. Em veneracao pela von-
tade do fundador, os meninos da cidade
esiSo sentos dj pagar dspezas de estu-
dos, com/) os que nao sao urbanitas; e
em virtude disso, quantidade de familias,
menos favorecidas de bens da fortuna,
vem-se estabelecer em Rugby, para asse-
gurarem a seus litos urna educag3o que
custar barato.
Esse collegio teve a boa sorte de ser
regido desde 1828 at 181z, por um
r-itor o r. Thoraaz Arnold, o qual ef-
fectaou urna vferdadeira reforma no rgi-
men interno das principaes escolas inglezas.
Pateen que at entJo os estudautes passa-
vam das marcas em abusar da franqueza
D" >viirsocs. da qual gozavam, e quo
como turbuieiivoo .Virt eram e indisciplina-
dos que estavam, os mais torta* ivranni-
savam aos mais fracos ; provindo sem ou-
vida, de tal estado de indocilidade. muito
detrimento aos estudos. De preferencia a
suometier os seus escolares ao rgimen
austero de um lyceu franez, o reitor
Arnold emprehendeu reformi-los, uns
por intermedio de outros. Gomo pro-
fessor de cathegona superior, e outro sim
capello do cstabelecimento, elle fe-Ios
entrar em seus deveres por meio da per-
Miaso e da firmeza de seu carcter, e con
seguio moralisar a essa turba juvenil, que
era mui travessa, sem ter tido necessidade
de outros instrumentos, seno o presumo
d s mais alentados de seus mesmos pu-
pillos.
Assim que boje era dia Rugby, nao
to smente urna das escolas, q te a dis-
ciplina, seja melhor regulada, mas sim
tambera onde o cursiculo de estudos dio-
gride discretamente. A lilteratura classi-
ca te sua antiga primazia, porera as
ensinangas de raathemaca, de physica, di
linguas vivas e de desenlio, bem que aiuda
mui restringidas, se vo ampliando cada
lia mais.
J existem, um laboratorio o cursos de
sciencias naturaes, que sao obligatorios, o
que urna grave infraego dos program
mas das outras escolas.
Afora os tres grandes estabeleciinentos
de Eton. Harrow e Rugby, de que se ac
bou de tratar,'anda existem muas inst
tniges do mesmo genero, as quaes, nao
ionio ate agora merecido as sympathias das
familias notaveis, sao consideradas de se-
gunrlo oplem nao s era raz3o do diminu"
numero de alumnos como pela pooqaidade
de estudos. A collegiada cannonical de
Westminster, cuja renda territorial monta
a fiO.OO libras esterlinas, c obrigada por
seus estatutos a miuter 40 pensionistas e
i professores: isso o ncleo de urna es-
cola, que como que se encobre sombra
da velha cathedral. Ou seja que a resi
dmcia em Londres nao agrade s familis
ou que Westminster persista tenazmente na
ensinanga sediga da. idade media, ou seja
Analmente mnin i ;tfrna intrn^
di escoto, o uuiunro ii seus d scipulos vai
diminuindo cada dia mtis. Em I. vulres, os
externatos convm melhor aoi costumes da
popula^, e por itso as priacipaos escolas
s recebem discpulos extern is, como a-on-
tece na escola da catuedral d S. Paulo.
0 Dr. Collctt, qiw era dea* dessa S e
foi amigo d i Erasmo, no seolo XVI fun-
dn peno da igreja urna escola livre, cujo*
alumnos deviarri ser 153, em memoria da-
poscaria niiraculosa dos apostlos, e con-
riou a gerencia della classe incorporada
de mercieiros, ou mercidores de lecidos.
Os honrados memUros dessa corporago
tiveratt muito cuidado em nao alterar nada
absolatameute das prescripges do funda-
dor. At boje anda ha 153 alumnos, e
nem mais um sequer; smente, como tf
patrimonio fundado consiste de trras, e que
o rendimento dessas tenha-se augmentado
multo, pois excede actualmente de 200.000
francos, os mercieiros mantem a pretengo
de se apreptaret do excedente. S. Paulo
asseraelba-se a um instituto particular miis
do que urna escola publica. A adtmssSo
a el* 'Npuito solicitada; porque, alm dos
estud.vSerem gratuitos, os alumnos esto
quasi seguros de, ao acabar tal tirocinio
escolar, alcangar orna matricula de pensio-
nista na universidade; deraas, os professo-
res, todos sendo .licenciados de Oxford o
Cambridge, so'excellentes; comludo os
estudos est3olonge de ser brilhantes;
porpfte em vez dos meninos surera ad-
raitlidos mediante concurso, como se pra-
tica em outras escolas, so-o por simples'
nomeago dos administradores da corpo-
ragao. os quaes usamdessa faculdade para,
cada um delles por seo turnojremacconv
modando os seus protegidos. Devc-se
aqui mencionar urna feigo caracterstica
da organisagSo escolstica da Gran-Bretanha:
ha muitas do que commuraentc l se rtiama.
bolsas, ou penses alimenticiis pagas a es-
ludantes, instituidas tanto as escolas como
as uni-onsidades, mas nao se imagine que
taes dotagoes concedidas, como nos ootros
paizes aos filhos de familias necessitadas.
On s30 dadas por empenho, ou sao postas
a concurso, e em qualqoer de ambos esses
casos tanto podem obtel-as os ricos como
os pobres. Assim o menino logo desde a
tenra idade aprende a ganhar diubeiro pelo
seu trabalho.
As escolas de grammatica, de cujo espi-
rito e methodo se aprecia, pelo que a tal
respeito j ficou ponderado, sao numero-
sas na Inglaterra: muitas possuera ricas
dotagoes e s3o mantdas pela pujantsima
inlu-ncia da tradgo. Entretanto, diz se
geralmente que vo declinando. O grande
vicio dolas consiste em os programmas
do estudo nao cerresporulerem s necessi-
dades da poca. Deve-se mesmo presum:
que a ensinanga classica, qne to obstina-
damente exercem, nao teria permanecido
at agora se j ba mais tempo livesse esta-
do no caso de passar por urna syndicancia
publica. Naquella parte da grande ilba da
Mincha a instrucg3o secundaria nao oza
de toros de sanego offical: quer o alumno
tenha frepientado o curso intero dos es-
tudos. ou t9nba sabido da escola ants do
tempo, quer elle tenha com muita applk;-
gao estudado a litteratura grega ou dedi-
cado todo o seu fervor ao aristocrtico fugo
do cricket, nao ha nenhum livro de aaaaa-
tamento, que tal certifique : sendo estii-
dante, que fui de Eton. de Harrow on de
Rugby, s isso lite basta para seu uni
ttulo acadmico. La nao ooaeaaria,
como na Franga, a acqnsico previa do
grao de bicharel em letras. E' verdade
que as universidades conferem oto td
grao; mas ellas s dio aos seus estudan-
les matriculados, e nunca la ream eslu-
dantes externos.
flMf lanar afta)
fazer de urna flauta dous pedaros mudos,
de um homem urna cabega que rebola e um
co'po morto.
O re desconfa das invenges...
murraurou o fidalgo.
O instrumento nao nenhuraa inven-
gan. .. O ram espirito un tanto vaga-
bundo. Vol'emos aos Casacas Pretas.
O mirquez liona o charuto ii'mai das
mus o phosphoro na oirtra. Assim se
conservou a olhar bo jui-aberto para o Sr.
Leco j.
Ser alguma associagao poltica ? bal-
buciou.
Quanto Ibe valora isso, meu charo
senhor ?
Gaillardbois crou at s alvas dos olhos.
e chegou o fogo ao charuto, para manter
certa rpnlineoja.
0 senhor, pronunciou lentamente o
Sr. Lecoq.
Em certas profundidades sociaes, f iz essa
meia palavra parle da linguaifera crrenle.
Nos raysterios, nunca os iniciados pronuo-
ciavarn o nomo do deus. Aqu urna
d rasa que respetosamente se vela : ser
significa pertcncer polica secreta.
A vermelhidSo que cohria as faces do
fidalgo abri lo^ar palli le/..
Nao ha olJficio tolo, contir.uou o Sr.
Lecoj. Sahia isso de tempo immemora-
vel. A floresta de P iris o meo dominio ;
ludo ah conuco: monteros e caga. Sin
tfiilarissiraa tapada, onde a lebre que se-
gu o rastro dos caes .. porpje o meu
charo senhor marquez nunca poderla acre-
ditar quanto aquellos paules sao mais la-
dinos que os senhores todos. O homem
que acaba de fallecer davaAft; sessenta
anuos as ventas do lodos o aofiengos d >
Europa ;raorreu m sua caraa.e creio bem
pie a forga arraida Ihe ha deassistir em
peso ao espl ndido funeral.
Ento' o senh r traba iateresse om o
dio denaoeiar ? interrogou G uJlardbois.
Era o melhor freguez da ovnha agen-
cia., e talvez que eu ignoras... 0
senaor sorn ? coov teoho a honra de
Ih'o daer. Os senhores busuam constan-
t mente, e nunca acham ; eu acnei s-rai
procurar : o q'ie b-a'iss> que eauso es-
panto ? Perguatava se a associagao ara
poliiica ? Nam, por someras. .Mas isso
n3 ? obsta q,w haja na aasociafo algura
paraonagem polilico. Foi n'ell que -u
achei o instrum nto qne o ba de- faz'*
prefeito a setaor, e ? mim, se eu quizer,
ministro.
V. Exc, dista OaiuardboiSi que reas-
samira a aei aaugu fri sarcaakco, cooti-
ouari ate tnal a fattaMBt em parbolas ?
Eu digo, n'este momento, justa e cla-
ramente o quo quero dizer, replico!) o Sr.
Lecoq. O insiruraent dnqu:.. .
Um duque mettido n'isso !
4 m iis que du pie. M -u charo Sr. mar-
quez, a casa Lecoq urna teia de aranha
que tem o dimetro de Pars com os afra.-
baldes e at mais alguma cousa. Tem jus-
tamente a inesma circiimfercn:a iue a pie
fetura dos senhores; mis n'essa sao mer-
cenarios os que operara; e, pelo contrario,
aqui san creaturas excellentes que anda
me trazem dinheiro Calcule a' enorm*
differenca I Eu era como o s acreditava nos Casacas Pretas. Nao acre
iltar a cousa miis estpida que pode ln-
ver. Tildo o atheo um pyramidal pirvo.
Vcreditar reservar urna prohabilidade.
Antes de negar, cumpre procurar a explica-
gao do en\gma. Um boll dia troux':-m>'
o vento a primeira syliaba do conceito :
urna formula cabalstica, como existem em
tod is os antros : Romper o dia aminha ?
Romper o dia amanhia repeli
Gaillardbois f- Onde ouvi eu isso ?
Por toda a parte ; filo de senhas B
como as canges. galgam Pars n'um aorir
o fechar dos olhos. O rapazio brin a por
ah com isso. Mis, diga-me. um puuhal
embota a ponta por ter servido de briu-
quedo urna creanga ? Rmpcrd o di'i
amanhaa foi senha que me chegou aos pu
vidos por urna d'essas crcanras e fez^li
ir dar com a mulher de um 'lanquciro m-
lionario qm se enconlra algures com o an-
ligo secretario do marido. Aud.ivau niss i
tantos Casacas Pretas como na palma da
minlia mo. Mis o secretario partidla <<
aiojamento de d-es creangolas qua fabrcam
raelodrarais, e pedem dinheiro emprestado
um ferro velho usurario, que protege
urna meslra de piano, a qual tem umajni
meia douda que possne um bragal de ac.
Repire n'i que a se iha. Por outro lado, a meslra de
piano a dnlcinea do antgo secretario e
d liges fiha da mulher do bmqueiro...
Com os diabos I excamou Gaillnnl-
bois en -bagando o suor da testa. Q ih
qa>w dizer semelhante erabrulbada ? Faz-
rae perder a tramontana.
o veo, respoaleu socegidamonte
e St. Lwoq.
E aomte vai ello dar ?
Vi dar ao improviso, vai dar aopo-
manesco. *i dar a sublimo do genero.
E* o aeohor homem para se onthosasaMr
com um primor d'arte Ando na pista de
am roaba monumental.
aitt-ife ^stfHoa Ganlardfcols, s-no*
longe da-'foBcte I
Ouga, meu charo, senhor marquez.
ouca; eu -stou vendo desabrochar aquel-
lo diabo d'aquelle roub). V ra o afagando
e acalentaudo com amor. Nao se illuda :
ol|ie que um roubo que ha de fazer
poca ; um roubo de escannhos e gavetas
com prologo e epilogo : um roubo de
mudos milhoes, cuo-eufro foi engordado
pelos homens da arte, ant do mesmo modo que os golotes sopeara
os ligados dos patos para os eiiehcrem-
de trufas ; am roubo cal rotado algbrica-
mente como orna manobra do campo de
Marle, solido e munido de arliculages de
sobresaliente como um plano de baialha,
um roubo combinado, machinjario, monta-
do melhor que urna mgica de trinla c seis
(oadros e duzentos persooagens. Palavra
que o progresso caminha. V sim a prova cabal. Ha entre este rou-
bo e essas pieguices a que d'antes chi-
raavara roubos, a mesma d fferenga que
existe entre ura arenque das diligencias e.
urna locomotiva. Eolhe que Ihe tenho
visto os preparavivos. a desiribiiigo d
papis, a disposi?ao dos accessorios ; le-
nho acouipiiiliado os eps^ios e 'cora que.
prazer I E meu este primor d'arte. per-
cebe ? pertence-me ; coi., urna palavra s
india puiverisar-lhe o adraimel machrais-
rao.
Nao caa em tal exclamou impetuo- t
smente o marquez.
Tciciram urna vista d'olhos. Os do
marquez desdiziam j a exclamago que
soltara; os do Sr. Lecoq perforavam eir-
culando como urna verruma.
Sorrio, e pegou no hocal^de mai fim, que
soltara um shvo prolongado.
Bera v que pronunciou pela se-
gunda vez, Daixinho e-"cora ioOexao aguei-
ra.
Ao masmo tempo aproxmou do puvdo^
o tubo acstico, que s disse esle aome :
Tres Patas.
Mudou loga de aspecto epw-se em.p
precipitadamaasa.
E u resumo, disse offerecendo ao de
Gaillardbois am aperto de m3o, que era
urna despedida formal : tr^zt-ntos Uiizes
or urna audiencia do rei, com partci-
pacSo no uegosioqiie se seguir, e caodo
na sua mo a poata da corda qa voa pas-
sar ao pescooi eos aisaea$ Pretas. Cofi-
vra-lhft?
Graven, nespoadfiu o marquez.
Ento, ha de receba* um mf'a
para o-aoterro. AUno mnum. At a iris-
Ha.

c

indw 1
r
i


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EXF0S750O_MEPKJA INGEST_TIME 2013-09-13T23:27:08Z PACKAGE AA00011611_12011
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES