Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:11995


This item is only available as the following downloads:


Full Text
m IVi. NUMERO 263;

\
r
i mtm r mwm mb m u
adtaatadoj.
dem. ,
rkf
PORTE.
IHHIIMMIll...................
3*
UWUMA rtinn 1/ ul nuiLinonu ul iuuu.
PABl DEITEO E FORA
Por trtsmczcs adiantados.
Por seis ditos kiem. .
Por nov ditos idea .
Por amanso. .

Propriedade de Manoel Figneira de Faria & Filhos.
'
.
%A AI11(
O Sr*. Gerardo ^^jJ^J*!!^^ no-MMaobati; Jpaquim Jos do OHteira, no Cear; Antonio da Lemo* Braga, no Aracaty; Joao Mara Jno Chayes, no Ass; Antonio Marques da Silva, no Natal; Jos festn
Pereira d'Almeida, en
Atonio Aiexandrino de Lima, na1 Pwaoyba,;, Antonio Jos Gomes, na VM da Penha; Belurmino dos Santos BnJcIo, em Santo Antio; Domingos Jos da Costa Braga,
awren; Francino Tavaros da Costa, em Alagdas; Dr. Jos Marfins Alves-, na Baha; e Jos ftj'beiro Gasparinho, no Rio de Janeiro.
pe;
emNastretn
pakpe erneiL.


.ll'KDIKCTE ASSIOSADO fKLO tlM. SR. BR. SIA.KOM. 00
NASCIMK.NTO MACHADO PORTILLA V1CK-P11ESII>B.\TE
DA P110VINCIA, EM $7 DE AGOSTO DB 1859.
1* sengij.
N. 767.Portara ao Rxm. general comraan-
danlo das armas.Transmuto a V. Exc. para seu.
roalieciinento, copia do aviso do inioi&terio da
guerra de 1 i do crranle, aconta abado de outro
da fazenda da 28 de jullio ultu, indicando o que
quanto alguraa providencia o for turnada em
ortm a remover a nauivanianiej que resulun
da ahv de um fuiociaaariu oatpatante e para
passar procurarn e nter r ns traasagoos que
dependan de instrumento publico, e bem assim da
ueceesidade de sellar papis sujetos a esta im-
posto.
N. 783.Dita ao commandanto do presidio de
Pcrnaudo.Transmiti a Vrac. para os devidos
cITeitos copia do aviso da ministerio da guerra de
11 do corrente, acompanbado de outro da foseada
de 38 de julho ultimo, indicando o que se deve
observar nessu presidio, emquaBto nlguai.i provi-
dencia nao for tomada otn ordem a remover os in-
convenientes que resullam da falia de um funecio-
iiai-H. compleme par* passar procuracao e inler-
vir nas Ir.tusai.-otis, que dependera* de insirl-
menlo publico, o bem assim da necessidade de
sellar papis sujeitos a este imposto, j
2* seecao.
N. 776.Dito ao presidente do supremo tribu-
nal de Justina.Transmiti a V. Exc. o oflkio jun-
to quo I he dirigi o juiz de direito da comarca de
Palmares, bacharel Jlo Francisco da Silva Braga
Mi cainprimenlo da portara sobre a redamaciio
de autiguidade do juiz do direito Antonio Marcel-
lino Nunes Goncalves.
N. 771.Diu ao mesin).Transmiti a V. Exc.
o offlcio junto que Ihe dirigen juiz de direito da
comarca do Bonito bacharel Joao Rodrigues Cha-
ves em eumprunento da portara de 11 do julho
prximo Ando, sobre a reclamadlo 4s antiguidade
do juiz de direito Antonio Uarcellino Nunes Goa-
gatvea.
N. 774. Portara ao commandante do corpo
provisorio de polica.Mande Vine, dar baixa do
corpo sob o sen eommando ao cabo Antonio Jos
Ja Silva, visto, como informa em offlcio n. 337 de
23 do carrate, lar elle completado o tempo do
segundo engajamento e niio querer continuar a
servir.
N. 77o.Dita ao mesm >.Concedo a autorsa-
cao por Vmc pedida em offlcio de 26 do corren-
te, sol) n. :J90, para desligar do corpo so!) o seu
eommando, os soldados Manoel Gomes de S e
Alexaudre Gomes de S, visto tercm si.lo julga-
dos httantan* de serrino por molestia.
H. 77(5.Diia ao niesmo.Pode Vmc. ens.tjar
no corp i sob o seu eommando o paisano Fran-
cisco Nunes de Paula, a que alude o seu oflieio
386 de 23 do corrente, caso tenha elle a niorali-
dade precisa para o servieo.
3" sceao.
N. 778.Portara a inspector da thesouraria de
fazenda Annuindo io que solieitou o chefe de
polieia interino em offlcio de hontem sob n. 7195,
leeoinmendo a V. S., que era visia dos inclusos
recibos, mande pagar a Taomaz de Alineida.Antu-
nes a ^naniia de JOi despendida pelo delegado du
termo do Urejo
N. 779.Dila ao -mesmo.Transmiti a V. S.
para seu conliorimento e devkl is (lcitos, copia do
aviso do ministerio da guerra de 11 do corrente,
ir uBjnnbado de outro do da fazenda indicando o I
que se deve observar no presidio de Fernand) de
notante, em quanlo nao fr lomada algiuna prt"
videncia em ordem de remover os inconvenientes
que resultam da falla de um funecionario compe-
tcule para passar prueiiracao e intervir as tran-
saeoes que depeiidem de instrumento publico, e
bem as lira da necessidade do sellar papis sujeitos,
a este impo.-io.
N. 780.Dila ao inspector da thesouraria pro-
vincial. Transmitto a V. S. a inclusa conla, aflm
de que mande pagar ao Manoel l'igueira de Paria,
* Filaos, a quautia de 23 proveniente de iir-
liressoes feilas para a secretaria da provincia,
cerno se ve" da mencionada coala,
i." seecao.
N. 781. Portara a cmara municipal do Red-
(e.Itequerendo-mo Antonio Margues da Silva o
abate da quinlfH||art do prego porque arremitou
o imp isio de lvrs. por carga de farinha njao vier
'ao mercado dcsta capital, que a le provincial
n. ltti da 2' de juuho do corrente anuo, autorisou
esta presidencia a con^eder-llie, recommendo a
ea oara municipal doltceife, que informe eireums-
lanciadaineue o qae a tal re-peito boa ver occui i-
do; assim como o que convier e se lhe olTereccr
acerca de semelhante preteacao.
N. 782 Dita a mesma.Transmitto por copia
a cmara municipal do Recite para seu emorn-
ment e flus convenientes o acto desia data pe.
qual resolv approvar provisoriamente nos termos
do art. 2'do decreto de 23 ie outubro do 1-31 a
postura addicional a que SIS refero o oflieio da
mema cmara de 25 ao comale so n 73.
N. 781.Dita a eaaiara municipal de OuricOf
ry. Declaro a cmara muui'ipal da villa do u
ncury, que approvo a arrematagao dos impostes
de que ti ala o seu Oeio de 12 de julho ultimo,
tani c uno i defiberaglo que tomoa do augmen-
laf para 2 > o pagamento aonual por cada lavra-
.lor em Urras loreiras. Quanlo, porin, ao aug-
mento do orleado do secretaria deqoetnla o
citado offlcio nao pode ser anpmvada por nao ler
sid i aulorisado pela assenfblea legislativa provin-
cial em vista da doutriiia do aviso n. 30 de 30 de
Janeiro do 1861.
N. 78i.Dita ao gerente da companhia Pernam-
bucana.O Sr. gerente na compauliia Pemambtt-
cana, man.le dar urna passagem dn estad i a f liD
vapor Ipujucu, at M i--o a i ur if-ssor polilicn
da provincia do Itio-Gr.onl.! do !Sorie, Miui.-rvi.iii
Alves Affons'i.
N. 785.DeberacSjLO Exm. Sr. vieo-pr
denle da provincia, tendo em vista a infiirmajiap
[0i'-:aJ.i p ;.i cam.-H-a municipal da cidaJa d o H'
Exc. de 25 do corrate, sol), rife em 18 do corrente mea relativa ao o Revi di>
CfTefttr la- prtnlucia.
re aMiorado phi.o kxm. sr. dr. mamel
D NASrJMtWTD MACHADO PORTBLLA, VIOB-PRKSI-
OBMTE. DA PBOVIMm, KM 26 DB AGOSTO DB 1869.
! seceao.
N. 7*iiPorttria ao Bicm. Sr. geaeral com-
^Mduta **.M-masManee V. Exc. apresentar
a r afcefc a polieia mlha de lhe dar o dastino
ipM #attar-eoirMi8M() os retratas Joa Alaxan-
Ormt ttiw* Jase Panlioo de Metsias, v*o le-
vnn *b-t*f 1 >s: pa*w *, mmieii a^a.ai
to, can se1 vd do- teaaao de iaspecgio que veio
anaexo ao seu oflieio de 2o do corrente sob o.
3*1.
N. 716.Diu ao inspector do arsenal do mari-
nh.rMande V. S. fazer nesse arsenal os coneer
tos de que precisa a canda destinada ao servigo
vala para ahi por parle do respectivo eomman-
dante.
N. 780.Dita ao eaptao do porto. Sirva-se V.
S. de ordenar ao capataz de Tamandar que pres-
te dez canoeiros aflm de, aaxiliados prias 2 pra-
vas do destacamento a! existente, conduzirem da
prai, onile se acha, para a fortaleza d'aquellc
usina e eolloear nt seu lugar, o mastro destinado
a liiudor.i da referida torta loza.
N 731.Dita .to mesma.Podo V. S. fazer se-
juir nara a corte no prxima-vapor, para o que
team expedid is as convenientes ordens, os recru-
as H-nri | e Vianna da Paz, Jos Ignacio de Sant'-
Arnia e Serajtai Valen ino Francisco de Paula que
i'oi-in coiHiderados aptos, mandando apresentar
a i Dr. c!i (< de pocia aflm de dar-lbe o conve-
niente destino o de nome Jos Antonio Manoel do
M mb; que f.ii reputado incapaz, segundo se ve
do termo de inspaeio annexa ao offt -io de V. S.
le 2o do eorrento sob n. 109, a que respondo.
2.' secgao.
N. 733.Portara ao chefe de pjlcia interino.
P.ir pana do Exm. Sr. commandante das armas
^.r man lado apresentar a V. S., alim de ante
1!ies di? o conveniente destino os reeruias Jo'
Aiexandrino da Silva e Jos Paulino de Bsalas,
v 11 lerem sido jnlgados incapazes do servieo do
t-xi-rcito, como me declaran o mosmo Exr. Sr.
'vnnandantejdis armas em offlcio de 23 do cr-
rente so'j n. SU.
N. 75. Ditvao mesmo."or parte do capital
Ihe o destino que entender conveniente o recruta
Jos Anlonio Manoel do Mmte, que foi considera-
dlo incapaz do servieo da armada. *
3." secgao.
N. 753. Portara ao inspector da thesouraria
h fazenda.Devolve a V. S. a inclusa guia do
isonlenciddo Manoel Teixeira de Carvailio Ruldo
'lu de que de conformidaJe com a sua inforraa-
:i da contadoria dossa thesouraria mande pagar a
desieta que se fez com o sustento desse senten-
otado, durante o lo.npo, em que esliver recolhido
a casa de detenga >.
N. 755.Dita' ao inspector da thesouraria pro-
vhfi.il.Declaro i" **^tara sen conh.'Cfmento
direeci'i que confarmanao-mc com a proposia
do prooarador haaal detsa thesouraria coatHa em
ill'io de 23 do corrente sob n. 31, reso'.vi nomear
. hachara! Manoel Joaqoim Ferreira BUDva Ju-
uior para o lugar di ajndante do mesmo pneura-
i r B ii n '. marca de Garuara.
N. 757.Dita ao diere do repartnjSo Jas obras
publicas.-Tend'i Beata dala declarado ao eagft-
nhoiro fiscal da estrada de ferro que poda ser
an^fer 11 da ponto provisoria do Itecife para a
kii minada 7 de setembro a lio talegraphieo que
nlli e*tl collicado com tanto que es-a nova collo-
caglo nao prejulique a segunda das avncionada-
{untes ficando a sua exccugiio sujeia a inspecgo
i reparlicao c as pre-criges que ella julgar
infeste', assim o communico a V. S. para seu
o! i.
.\. 788.Deliberago. O vice-presidenle da
provincia conformando-sc com a proposta do pro-
ulnf fiscal da thesouraria provincial, couti la
Tici i de 21 do correle sob n. 33 reslve no-
mear o i)::-: irel Man^ud loaquim Perreira Bateves
luni >r paca o lugar de ajanante do mesmo pro-
na comarca d> Caruai.
4J secgao.
\. 759.Portarla ao engeaheiro fiscal da c--
trada de Ierro.Respondendo ao .eu oflieio ds
2i do corrento, tenho a dizer-ihe que pode ser
tr.iesi'rW i da ponte provisoria do Rocile para 'o
i. I vo ainada Seto de Setembro o lio lelegraphtea,
illi est collocado, com tantique essa nova
collocaga i nao prejudique a segunda das mencin-
nadas ponte?, ficando a sua execucaosuje.itaa ins-
\i (I i re.iarligao das obras publicas, e as
[jrttieripfo h i te ella julgar conveniente.
X. 760.Dria aos agentas da oaolpanaio Bra-
iileira da Pa ueies.O- Srs agentes da conipa-
lii.a Brasileisa de Paquetes, mandeni transpoi lar
a cuate por eonta do ministerio da marinha os re-
orntas da armada Henrique Vianna da Paz, Jos
!;-n. .i Auna e Seraphim Valeriano Fran-
N 761.Dita aogerente dacompioliia Peruam-
Ir.icana.O :^r. gerente da coinpaubia Pernambo-
eaha mande dar ama passafem de estado aproa
i. apar Poiraai .al Penedo, a Florentino Barbo-
-a do S uca Ferraz.
OUHH ASSIO.\.kDO PRI.OSn. DR. JOAQ!. 1M e.ORRF.\
DR Al'.MJI. SROBBTABIO DO GOVKllNo, EU 26 DB
.-TO DE I89.
1." secgSo.
N. 7G2.Offlcio ao ganeral conimandante das
10*.Do ordem de S. Exc. o Sr. vice-presi-
leiit iro a V. Exc. em re-posta
:< > se.
rento, sob n. 507, quo
.er o pedido do eoin-
, quo velo annexo ao
Exc. o Sr. vice-
d'-tennina-mop-ejue res-
k-h" que nesta data se reeom-
i do |)orlo a expedir) d<; suas
os no capots le llamarac para que preste
precisos para cnnduzir a fortaleza
daqneNe n me e eolloear em seu lugar o mastro
destnalo a respectiva bandeir.
N. 76i.-Ditoao mesmo.S. Exc o Sr. vice-
presiilento da prorincia autorisando -o inspector
do arsenal de intmza rnaadar fazer os con-
ertoi de que precisa a, canoa do servigo do forte
liuraew, assim o manda oVIarar a V. Exc. em
i'iosla ao sep olflcio de honlem dalado sab
n,50.
V secgao.
N. 763.Offlcio ao Dr. chefe de pocia interino.
-O Exm. Sr. vice-presidenle da provincia manda
toclarar a V. S. m resposta ao seu oflieio n. 931
de 26 de junbo ultimo, que segundo informa o
ongenheiro em chefe da repartigiio das obras pu-
tjlicas esl feilo o fojzja.de que trata o administra-
d r ..ollcia da 8.
' secgao,
N. 766.Offlcio %.procurador fiacl da tbesop-
taria provincial.S. Exc o Sr. vice-presidente da
provincia manda declarar a-V. S. para seu.conhe-
eimento e aflm de que faca constar a quera c m-
pelir que nnfur"? mii>.a com-a sua proposta cun-
tida eu offlcio da 28 do cairente, sob n. 33, resol-
v nomear o baobarel Maaoel Joaquim Ferreira.
Biicves Jnior para o lugar do ajudaute deas
^c-oratlaria na comarca de Caruar.
Dr. chefe de polica do 28 do inez passado, re-ol-
vo a bem do servigo publico demittir Manoel Luiz
Viraos do cargo de administrador do cemiterki
publico desia eidade.
M. 786.Dita.O Exi. Sr. vice-presidonto da
provincia, resol ve nomear para o lugar de admi-
nistrador do cemiterio publico desta eidade a An-
tonio Augusto da Fonseca.
N. 787.Dita.U Exm. Sr. vice-president:' da
provincia, atleiidondo ao que requoreu Fernandi-
na Palatina da Silva piofessora publica da povoa-
gao da Boa-ViagMm o em vista da informagao do
director geral nterin da instruegab publica ue
23 do oarreate sob n. 269, rosolve conceder l|e
um mez de Heenca com ordenado smento para,
tratar de sua sade.
N. 788.Dita. Exm. Sr. vice-presrnt da
provincia, leudo em vista o que ponderou o-camii-
i a municipal do Hecifa em offlcio de 2o do cori
te sob n. 75, resolve approvar provisonamen*',
nos termos do art. 2 do decreta de 23 da outubro
de 1831, os artigos de posturas addiaidaaes abaito
=s.r......'.......;..... .....=
N is- rus em qae bm hoarar passeio a aerea
nao poJer ler mais d'ura metro.
An. 2. Minauem podei depositar materiaes
de quak|uar ajualidade que sejam na fronte das
casas (in*cn*trcgaoioaeoBurt,ji9r mais de 24
horas, para serem refnovidos sop pena, de pagar
15* de aulla e o dubra aa-reioaidimcij.
> Art. 3, Niaguam poder dapositar as tuas,
pragas publicas, caes ou rampas obioeto atgum,
nem mesmo materiaes de conslrucgao, devendo
tan* ob jacios serem renuaido a medula o* farem
desear,-egados ou desembarca*, satMe luga-
res deigaados pela, cmara municipal nos quaes
podara o os mesinos ohjectos deinorar at 3 das,
bom coo. os objectos mereauth desembaragados
ou Sabidos da alfandoga, mi o quo Uverem de ser
embarcados, e que sendo valumosos km pussam
ser r.'colhidos iminediatamiinte. Os infractores
pagariioioSde multa por cada objecto c o dobm
na reincidencia podendb os mesmns objeelas serem
reniov dos a cusa do dono pira o deposito publico
ou o ligar que for designado pela cmara.
Ai1. 4." Fieain revogadas as disposigoes em
contrario.
BXPRDINTK ASSICXADO PEI.0 SR. DR. JOAQUIM COR-
REA DE ARAUJO, SECRETARIO DO G0VERN0, ESI 27
DE AGOSTO DE t869.
f.* secgao.
N. 7i9.Offlcio ao Dr. chefe de polieia interi-
no.S Exc. o Sr. vice-presidente da provincia,
manda declarar a V. S. em resposta ao seu offlcio
de hontem sob n. 7166, que a thesouraria de fa-
zenda \em ordem para pagar a Ttio naz de Ahiei-
da Anlunes a quantia do 30 constante do citado
offlcio.
X. 790.Dito ao mesmo.S. Exc. o Sr. vice-pre-
sidente da provincia, por deliberagao desta data e
em vista do que informou a cmara municipal do
Recifo em offlcio dn 18 do corrente, acerca do
offlcio de V. S. de 28 do julho ultimo, resolveu
deiniltir a Manoel Laiz Viraos dn cargo de admi-
nistra!, or do cemiterio publico desta eidade e para
o subsiituir nomeou aeidadio Antonio Augusto da>
Fonseca r o qie a V. S. communico de ordem do
inesinr Exm. Sr. para seu conhecimeato.
N. '.'91.Dito ao commandanto superior da
guarda nacional de Garanhuns.O Exm. Sr. vi-
ce-presidente da provincia, manda declarar a V.
S. que fieou inteirado pelo seu ofll'io de o do
corrente, das providencias dadas relativamente ao
consellio de revisao da qualilicagao do liatalho
n. 30 da guarda nacional sob o* suu commaado
superior.
2.1 seecao.
X. 7)2. Ooffleio ao inspector da thesnnrarin de
fazenda.S. Exc. o Sr. viee-piosidente da provin-
cia, manda devolver V. S. coiiipetenteuiente.des-
pachado o incluso requerimeota de Antonio Perei-
ra do Monte, a que se refere a sua iformagSo de
24 do corrente sob n. 585.
4." secgao.
N. 93 Offlcia a carama municipal do Dcci-
fe.S. Exc. o Sr. vice-presidente da provincia,
manda coinmuniear a cmara municipal do Iteci-
fe para seu Conhecimcnto c flus convenienie, que
em vista de sua inmrmacao de 11 do crrenlo sob
ii. 71, icrea do offlcio do Dr. diefe de polica de
28 de ..iliu ultimo, resolveu por deliberagao desta
data a bem do servieo puDlico demittir a Manoel
Luiz Viriles do cargo' de administrador do remite-
rio publico dra eidade en enear para o substi-
tuirao cidad*TXntonio Angust) da Fonseca.
SXPBD, SXT* SSHJItADO I'Kl.O EXM. SB. BR, JU.NOSL 1)0
xas: a ai :mm machado po:rsLL\. vicb-prbsidBntb
DA PnOVIKCIA, EM 28 DK AGOSTO DE 1869.
Ia secgin.
N. 96.-Portara ao Ex.n. Sr. general cointnan-
dante Jas armas.Ite-pondo .10 w-io de V. Use.
de 29 de julho ultimo sob 11. VOt, dizendo qae se-
gmdo declara o inspector da lliesouraria de fa-
zenda em sua informagao de 23 diiorrente sob 11.
592, cj.'i referencia a da respectiva enntadftrl,
periencendo ao aseretcio j oneerradn de ff a
1868 i divida do sollado invalido do 51 corpo de
voluntarios da patria Jeroaymo Manricio dn Sarmoj
fui ella processada e acha se dependente da deci-
sao do thesouro nacional.
X. :r97.Dita ao mesmo.-Mande V. Exc. por,
'em liberdade- o recruta Joao Ricardo da Silva, vis-
to ler provado isengao legal.
N. /!<.Dita ao inspector dfl arsenal de mari-
nha. Xos termos de sua inforni.ieao de 26 do eor<
rente ;ob 11. 1,811, acerca do equeiioi uto de Si-I-
verio .loa 1 rfeponoceno Bastos,. autoriso V. S. a
m:ml: r le-ligir da companhia de aprendizes ar
lilices des indemnsindo o supprante previamente a fazenda
naci; al das despezas feilas con) o referido menor.
.Y :)'J.Dita ao capitao do porto.Declaro a
V. S. em additamento a portara de 26 do con, li-
te quf o mastro a que alludi, pertenee a fortaleza
do llamarae, pelo que devem ser presfados pelo
capataz desta loealidnde o nao pelo de Tamauda ,
como por engao se disse aa citada portara, os
canoe ros precisos para auxiliarem a conducrao da
refralo mastro para aquella fortaleza.
X. 300. Delibcrago. O vice-presidente da
provincia allendendi.au que requer u o capilao do
8"bi!!lliao de- infantaria do exereito Jos l.ongui-
nbo da Costa Lcite, a tendo a vista a informagao
dn brigadeirn commandante das armas, datada de
21 do corrente, sob n. 500,' e parecer da junta da
sande, resolva do conformldade com o art. i 2"
do de reto n. 3,579 do 3 de Janeiro de 1866, con-
celer-llie 3 mezs de licenea, com os veneimentos
dn ai;. 5o do citado acrelo para tratar de
sua saudo uestt) |i.ovineia.
2' secgao.
X. 80*.Portara ao Dr. chefe de- pocia nte-
rin 1.Con''odo autoiisigo para ser alunada urna
casa na privoagSo du N. S. do.0' de Goianna. para
servir de prisao aos reos datante a forinagao da
J.colp;i pelo alugucl de 1003000 por anoo, lfcando
1 1 espondido o afflcio de V. S. n. 1240 de 26
d 'su mez.
X. 801 Dita ao oiesnjAJin) nspoeU ao ofli-
rt. do V. S. de 48 du mez flwjo sob n. i/lM), t
ol 1 1 djzer-llie, um daiermiqc V. S. ao delegado-
do t 1: :i 1 i!j Olinda, qti'e matlde por a disposigao
jo- mbdelegado do iistiielo de Ma rangua pe, urna
prag do de-tacainento existente naquelle termo,
ficando assim satisfeita a sua requisigao.
X. 801.-Dila ao inesmo.T-Transmitto a V. S: a
inclusa ordem do provednr*ia Santa Casa de Mi-
sereoMla irniaa Dandiga para Vr reculhida-an
hospital Padre H, a mendigo J'iaqantade-qnotra
ta o seu offlcio n 1,223 do 23 do corrente.
N. 8X13. Dita ao. juiz de direiio da c.oinarxa da
Ganmhuns.Respondeudp o offlcio de V. S. de 1?
do torrente, recommendo a remesa dos mappa?
esta istlcos de ns. 18, 2d e 21 commerciaas, djo^
juiz municipal do termo do Buique, porque o re-
ceidos com o..oflkio da V. S de 26 de juiu, cor-
:i lentes aos mencionados nmeros sao todos
eivi-is
N 806.Dita ao commandante do corpo arovi-
fwrio de polica.Era neuaski a ogkiu dniVmc.'
de 2? do crrente, sub n,. 394, tenho a,dizar quea
2S" (!este* mez lhe foi communicada inormacab,
que presin o director do arsenal de guerra quap-
to aa fornocimento das baionetas, de qu*trtaio
dito offloja, convindo.qpe Vmc. meada concn
am
trauserrgtos-:
a Art- i." Km. qualquor obra, qpe se eaicar, maquile arsenal a qpe ti ver
reedificar, demolir, concertar na freR,?, oiiees, corno sob: o-sCu eommando.
mure*, preetsande de anilaimes, ou toda vez qae P'.'807. Delihoraco.0"Vi
se ramillar aovo qoajqner caaa, far 11 ia* prarinoi do eoa*rni*a* aam .
cerca, de niadaira. oa talas, ou outro qualqnf r, otttfa de polieia anvoOUHi 1432
material que abraaja toda a largura do uassa4 rante.-relve nomear para os luga
t ida.a.freute du. predia de mudo que Qqui) o tran- f < 3* sappjeptes do subdetejade
publico, antembacafiado e sa evito u/ulaner Pnianri 'de temw da oSoafta- ao 01
'tBitffWkv I indicados m orem de aa* eottoaaga
Basilio 4*4iastro Souza, Antunio Francisco Leal e
Polv'tuupo Jas de Saiu'Anna.
X. 808.Dita.O vice-presideate da.provincia
de cunformidade com a proposta do Dr. chefe de
polieia em offlcio n. 1.339 de !6 do crrente, re-
solvc exonerar do cargo de 2" supplente do dele-
aedu do lernaa-do Bonita ao ciiladao Anlonio Jos
de Mello.
X. 809.Dita.0 vice-pres dente da provincia
eonfomiiMBilo-se com a pnposia do Dr. chefe de
polica, oa/fficio n. 1,139 de % ,o crrente, ra-
solve nomear para o lugar de !!* supplente do do-
legad-4 tarmo dc.Bouibi ao edadao Jusi Ribei-
ro Ribas. ,
3J suegao.
N. 8II.portara ao inspector da thesouraria
de lazenda.r>rran-mtto a YJs para os lilis coa-
vnieute-; asinclus,s contasmlicjimentadai da re-
ceita e despeza da enfermara nilitar desta eidade,
.no mez de julho ultimo sob administragao do con-
seibo econmico do deposito de recrutas e respec-
tiva pareorcui duplcala da ju.Ua militar de sade
que aehou-as couforma e reg ares.
N. 812.Dila ao mesrno.Mando V S. no dia
1* de setembro vindouro. s i horas da manhaa
passar revista de mostra ao 2o batalho le infan-
taria da guprda nacional ueste municipio, que t'im
de desaquartcllar nesse dia sendo substituido pelo
3* da mesma arma.
X. 813.-Dita ao inspector c'a thesouraria pro-
vincial.Recommendo a V. S.. que, depon, do li-
quidados em vista, do |iKct iunto em duplcala,
mande pagar ao sargento Benariiiiho de' Aquino
Lopes, c,mlorme solieitou o Dr. chele de polica
em olll-io de hnje, sob 11. I,2*i3 os veneimentos de
nina esculla de guardas naritnacs que veio de
tinianna, canduzindo 6 presos que se acham reco-
Ihi'os a casa de detenga.
X. 814. -Dila ao niesmo.Dvolvendo a V. S.
a conla junta em duplcala a ua se refero o seu
oflieio do 27 de julho ultimo, sol) n. 431, na impor-
tancia de (OJOOO Oblativa ao aluguel vencido no
senie.-lre do Janeiro junbo leste auno, da-tasa
que serve de priste e de qu.11 el aa destacamento
na povoaclo de Santo Amaro Ai tabaadk, tenho a
dizer em re-posta no citado nlllrio,,que mande ef-
fecluar 0 pagamenlo dessa qu; lirio, pois que se-
gundo cumia de informagao do Dr. chefe de poli-
ca interino eom.ro/erencia a do delegado do 2o
districto desta capital a mencionada casaalpi de
servir de pri-ao, leffl sido ocei!|iada pelas pracas
de poiicia all existent's.
N. 815.Dita ao mesmo.Podo V. S. conforme
indica em sxa infoi inaeao de i3 do corrente, sub
n. 180, maifdar paga* a quanti;' de 180^0; a que
tem direito o conti.atante das cArag da estrada do
norte bacharel Joao Cav.1lr.1nlc de Albuquorquc,
proveniente de um graileamento que demais fez em
virtude de anioisacao que leve, na ponte sobre o
ro Tracuahaem, 11a varzea diengenho Bujary,
devendo esse pagamento .ser elec'uado ao procu-
rador do niesmo babarel o coronel Joaquim Ca-
valcaaie de Albuquerque, que assim o reque-
reu.
4.' sccgihr
N. 816.Oflieio ao Exm. Sr. presidente da pro-
vincia da ParahybaDesojando designar o cmsu-
lailo dessaprovinca parajiolle ler lugar a cobran-
- dtreiToVde o e traja o art. 10 da regul*-
mentojun jior copia,do 31 de marea de-te auno
rogo a V. Exc. que se digne de conceder a necoa-
saria .iuloiis:.eao para e.-.-c nn o expodindo logo as
convenientes ordens ncate siutido.
X. 817.Dili ao Exm. Sr. aresidente da pro-
vin.ia das'Alagas.D-seiando designar o consu-
lado dessa provincia para nuile ter lii-'ar a eoioau-
ga dS lireitos deque trata o art. 10 do regula-
ieiiio de 31 de marco de te inno que por copia
acoiiijiaiiliou o meo oflieio de IS de junlm ultimo,
rogo a V. Bsc. qti' '' '"!i|1' '''''r a mwes-
-H11 .r,i oiisag 1 para asa li 1, axpadudo lago as
enientes ordens no-te sentido.
#818.Portara ao Exm. Sr. desem' argador
o-o'.-edor da SiuKa Casa a M crieordia.Dign-
se V. Exc. expedir as sna nr lins para que soja
vioUiid o ao liospiciii dos aniados o lonco lu i 1
MarA-iiQO Jas de Saui'Anna ipto segundo oflieio
do Dr. Cbef depliei.i de li..jo .I.-.t:idO, sob n. 1281,
vi i 1 ds mmiicipio deGuyanna, e su acha na casa
de detenga-i, onde pelo ven e-tallo nao pode cen-
servjr-au.
a SllDito a caiu.i. a miuiicipal da eidade da
Victoria.Para poder resolver acerca da arrema-
lacja das rendas do autrimMtlo de que trata a c-
mara municipal di eidade da Victoria em seu o-
da 4 do c urente inisier (pie a mesma ca-
mn dtffirrc porque quanlia e tempo foram an-
leri 'miente anomaindas a- 11 ice-sa.rias rendas.
N 820.Dita a cmara uinnie'.pal do Pao d'A-
II10. Bninelta-me a can ara m nieip.d da villa do
l'a.i d'Alio urna rolara > nominal dos juizes de paz
o sopplenti's dos diversas districtos da fregue/.ia
de Sossa Senbora da Lu d:s>e municipio para o
actual quatriennio con declaraca 1 das respectivas
ni oemeoes o denoiniiagoes.
N. 821. Deliberagao.0 vice-presiilente da
provincia attendendo ao que requeren o Dr. Fian-
eisco Piulo Pes-oa, professor substituto de- litio),
francez o inglez do collogiq, d.ts artes, e tendo em
vista a Inforuftgao do directoi interino da Facnl-
daile de Direito desta eidade de 25 do corrente,
resol vo conceder -lhe tres mozos de licenea com
oidenado na oroia da lei par., tr^ur de sua saude
lora da provincia.
EXW.Ult.irtE ASSIGNAM PELO Sil. Dfl. J0AQIM COn-
iiead:: au.ujo, secretario do gpver.no, em 28
De agosto di: 1869. .
1* secgao.
X 822. Offtcio ao Exm. Se. general comman-
donle das armasS. Exc. o S,\ vice-presidente
da [iroviucia manda declarar a V. Exc. em reposta
10 seu oLkio de 2o do corrente, sob n. 90j, que li
cou scieule de ter o capellao contratado da forla-
Kkde llamarac padre Joao Vicente Guedes Pa-
cbeearfncarregado ao padre Ignacio Bozerr A
Uii leza, em quanto esliver elle em Iguarass em coni-
missao, e por autcri.-acao do Exm. c Rvmo. bispo
dioce ano.
X. 843.Dito ao mesmo.De ordem de S. Exc.
o ftr. vipe-praeidenle da provne|a. declaro a-V.
Exc. api respet ao seu ollko de 26 do corrente,
sob n. 512, que not-la daU se mapdau satisfazer o
pedid do aviso da enfermatiu militar, que veio
annexo ao-seu citado oflieio.
2* secgao.
N. 8J4.Olflcio ao Dr. ojele de polica uteri-
no.O-Exm. Sr. vicepresidente da provincia man-
da, declarar a V. S. quo nesla data se ofteou ao-
provedor da Santa Casa de Msjrjcordia, para ser
recolhido ao hospicio de abanados o lonco Marce-
tmo Jos de Sant'Auoa, de que lala o.seu offlcio,
de boje dalado, sob ik 1234.
Nv 82a.-Dita ao mesmo.0 Exra. Sr. vice.-pre-
jidenle da provincia manda declarar a V. S. em
fesposta ao seu offlcio do boje, sob n. 1253, que a.
Hwsonfana priaiaaial una oedam. poraniiagaj; ao
argento BelfeiwMp da Ajiiw-Lopes os venci-
laaotos da rtiji de guardas uacionaes de que
4rata o citado otnaio. .
Ditoao eommancante superior intenno
naejpnal da Recite.-O Exm. Sr. vice*
mcia mpdA declarar a v. bv
xpetlidas as convenientes
Io de setembro rindouro se pag-
ilra ao f batalbao de inaiHario,
des,la data,, resolveu conceder a Joao Alves Praga-
na, a exonerago par elle pedida do cargo de 5o
suppentc do juiz municipal dessa termo.
X. 828.Dito ao iuiz municipal do Goyanna.O
Exm. Sr. vice-presidente da provincia manila de-
clarar a'V. S. que por deliberagao desta dala re-
solveu conceder a Jlo Alves Pragaua, a exonera-
gao por ello pedida do cargo de o" supplente desse
juizo.
N. 8J9.Dito ao presidente c raembros do con-
selhe de revisao da guarda nacional de Pao a'Alho.
-O Exm. Sr. yioe-presidente da provincia manda
declarar a Vv. s. que flcou inteirado pelo seu of-
lieio de 17 de junuu ultima, de ha ver nossa dala
concluido os respectivos trabalhos o cooselbo do
revisan da guarda nacional dessa paroch'udo qual
flzeram Vv. Ss. parte.
N. 830.Dito ao inspector da thesouraria pro-
vincial.S. Exc. o Sr. viee-presdento da provincia
tendo por despacho desta data e em vlsia, de sua
informagao de 23 do corrente o da que deu o di-
rector geral da instruccao publica em 5 deste mez,
rosolvido relevar o professor publico da cadeira
de Malhadinha Jlo Hermenegildo Xavier de Sal-
les da multa de 50J000 que lhe tai imposta pelo
mesmo director por ter deixado at o presente, de
tomar posse daqueila cadeira, para a qual foi re-
movido : assim o manda coinmuniear a V.S. para
seu conhccjmento e fins convenientes.
N. 831.Edital.Pela secretaria do governo se
faz publico para conhecimento de quem interessar
possa, que o Exm. Sr. vice-presidente da provin-
cia, tepdo em vista o que requeren Jos do Vas-
concellos, resolveu por despacho de boje, prorogar
par 60 das e praso marcado no edital de 16 do ju-
lho ultimo, publicado neste jornal para a apresen-
tagao ao mesmo Exm. Sr. das propostas relativa*
a construegao de urna estrada de ferro desta ca-
pital a villa do Lmoeiro, com dous ramaes para
Xazareth e Victoria.
4* seecao.
N. 832.Offlcio a cmara municipal de Goyan-
na.O Exm. Sr. vice-presidente da provincia
manda eouimunicaracamaranwnieipalde Goyan-
na, que por deliberagao desta dala, resolveu con-
ceder a Joao Alves Pragana, exonerago por el-
le pedida do cargo de. 5 supplente di juiz muni-
cipal do dito municipio.
X. 833.-rDto ao director geral interino da os-
truego publica.S. Exc. o Sr. vicepresidente da
provincia tendo por despacho desta data e em vis-
ta de sua inforraacao do 5 (i) eorrento e da qn l
deu o inspector da thesouraria provincial em 23
deste mez resol vida relevar ao professor publico
de instruegao primaria d 1 cadeira de Malhadinha
Joao Hermenegildo Xavier de Salles da mulla de
505000 que Uie foi Imposta por nilo ler al o pro
i-ente tomado posse daquolla cadeira para a qual
foi removido; assim o manda communicar a V. S.
para seu conhecimento.
despachos da presidencia do dia i3 db novembro
dr 1869.
Capitiio Anlonio Manoel Gaao.Instru o sup-
plicante o requermento, nos tormos do art. 86 do
decreto n. 722 de 23 de outubro de 1830.
Antonio Jacntho Borges.Informe o Sr. inspec-
tor da thesouraria de fazenda.
Antni.. do Barros Rogo.Informo o Sr. inspec-
tor da thesouraria de fazenda.
Francisco Josc Pereira Cavalcanli de Albuquer-
que.D se.
Joao Roniarico de Azevedo Campas.Como re-
quer. Expega-se ordem.
Manoel Alves Barbosa.Xo tem lugar o que
requer, vista la informagao.
Mara Joaquina da Conceigao.Informe o Sr.
inspector da lliesoiiraria de fazenda.
Octavio Aoiiso de Mello.Como requer.
Irmiindaie de S. Pedro desta eidade.Fica a
supplicanle autorisr.da a despender at a quanlia
de 86I10 (em que importa o benelicio), com a
constiucean das obras de que traa, e obrigando-
se a prestar cuntas antes e ser mdemnisaJa.
0 Vice-Presidente da provincia,^ tendo
em vista a lei provincial 0. 777 de- i I d
julho du 1887, tesolve qtie no Asjlo de
MendiciJade (Insta pr viuoia, creado'como
enl>rmaria de nvali los na Augusta Presen-
va de Sua Mafieslado 0 Imper dor 3 3 do
seguinte
dezerabro de 1850, se observe o
IlEGl'LAMENTO.
Art. 1. 0 Asilo de Mendicidade ser
e tabelecido em Santo Amaro das Salinas,
no predio n l, seBdo Santo Anumio o
seu padroeiro.
Ait. 2." Tena por Qm abrigar mendi-
gos de um e outro sixo, que forem aprsen-
telos coiio/dem escripia do chefe de poli-
ca, nao podendo ser admiltido os que
soffreren molestias contagiosas, ou que
pelo sen estado de sade devam ser reco-
Ibidos ao Hospital Pedro II.
Art. 3. Os mendigos tero trabalbo
proporcional s soas forcas, o producto do
qual ser applioado s despezas do e>tabe-
lecimento.
Art 4." Constitue patrimonio do Asylo
as qaaniias. obtidas por subscripeo e que
eslao sob a gerencia, da Associago Gom-
mercial Benelicente desta provincia, bem
como o producto do imposto creado para
este lira pela toi n. 777.de 11 de julho de
1867, e todas as doages que llie tiverem
sido ou lhe forem feitas.
Art, 5. 0 Asylo, bem como o seu patri-
monio, licasob a administragao da Santa
Casa de Misericordia, nos termos do com-
promisso approvado pela lei provincial n
:i3I de 9 de junbo de 1b62.
Art. 6. Para governo e economa do
mesmo Asylo haver: um director, um ca-
pelln um mediGO, um mordomo, um ama-
nuense e una porteiro.
- Art. 7." Ao director compete :
l. Execotar a fazer executar o pre-
senta regulamento.
%," Dstribuir e regular os trabamos
do* mendigos, o valar aobre o seu proce-
dimento. .
I 3, ManUr a ordem e disciplina no-
cotsarias ao esAabolecimenlo.
*q Nornoar e demittir os empregados
que n|o forera de nomeaco do governo.
J S. Dirigir a escripturacSo do estabe-
lectmento, e-fawr escrever o livro de en-
trada e- sabida dos mendigos.
|- tt. k ana correspondencia com o pre-
sidente da ptftvineia a cbefo.de-policiaseri
dirigida por intonaed do provedor da
S 8.a Pedir mensalmente Sauta Casa
de Misericordia a quantia necessaria par
as despezas do estabelecimento, prestando
no principio do mez seguinte a sua ootjta
corrente de df.'pezas, alia de ser auprova-
da, tendo recurso para a presidencia no
caso de ser impugnada.
9 Remetter mensalmente i Santa Casa
de Misericordia um raappa dos mendigos
existentes, com informacos a ;erca do pro-
cedimento de cada um, e apresentar para
serremettido ao presidenta da provincia,
no principio de ch anno, tim ratatorao do
estado do estabelecimento, indiRate> as
providencias que forem precisas.
S 10. Participar ao chefe de pobcia a
ausencia ou fuga de qualquer mendigo, moa-
cionando as circumstanctas que tiverem
occorrido.
Art 8.a Ao capello compete :
1.' Celebrar missas em todos os 4o-
mingos e das santificados, bem corao no
dia 43 de junho e no .anniversario da irtr-
lallaco do Asylo.
% 2." Explicar aos domingos, depois da.
missa, os principio!' de moral evaageticaie
dotrina christa.
3." Prestar aos mendigos os soceor-
ros espirituaes, que esliverem ao seu al-
cance.
Art. 9* Ao'medico compete:
I.' Visitar o estabelecimento duas
vezes por semana, e sempre que fr cha-
mado pelo director.
i." Fazer observar os preceitos hi-
ginicos, de mido a conservar o estabe-
lecimento no melhor estado desalabri-
dade.
3." Observar o procedimento do en.-
fonneir.K no cumprimeuto de suas ordens,
dando parte de qualquer falta ao director.
I i.* Apresentar, 110 fim de cada se-
mestre, um relatorio do estado sanitario
do Asylo, indicando o numero dos dotn-
tes e as ptovidencias que julgar necessa-
rias.
Art 10. Ao mordomo compete:
1." Inspeccionar, segundo as ordens
do diredor, todos os empregados e ser-
ventes internos.
2." Cuidar do refeitorio, cosinha tt
rotipa do estabelecimento.
3." Faitr as c mpras e despezas-
que forera ordenadas polo director, i
quem deve prestir cantas_j&djs as se-
manas,
Art. II. Ao amanuense compete :
I azer a escripturacao doesiabelecimento-
Art. 12. Ao porteiro compete:
Abrir fecharas ponas do estabelec-
mento, entregando as claves ao director,
bem como o mais servigo que lhe fr por
este ordenado.
Ait. 13. 0 director escomer, entre os
mendigos, os serventes e enfermeiros de
que precisar o estabelecimento; s em
mita absoluta, poder admit r para tal m
pessoas estranhas, devendo pata isso pe-
dir autorisaco junta da Santa Casa de
Misericordia", quo marcar o devido sa-
lario.
Art. 14. Sob proposta do director, o
presidente da p ovincia auUirisar a crca-
1 '. 1 das ollicinas que forem necessarias
o estabelecimento. Os mestres destis
ollicinas rito nomcados pelo director, e
tero o salario que fur determinado pela
junta da Santi Casa.
Art. lo. A junla da Santa Casa provi-
denciar sobre a venda do producto do
trabalbo, qie nao for preciso ao estabe-
lecimento.
Art. Mi. Todos os empregidos, c-x-
cept.-o do medico, enpeWh e amanaen-
se, devem morar no estabelecimento. O
mordomo, potm, s obrigado a estar
presente das seis horas da manba s
nov da notite.
Art. 17. 0 director submetter ap-
provaco do presidetib) o regulamento in-
terno do estabelecimHiito.
Art. 18. 0 director, medico, capellSo,
mordomo, amanuense c porteiro sera
nomeados e deudtlidos pelo pre.-idente da
provincia.
Art 19. No impedimento do director,
far suas vezes quem fr designado pelo
provedor da Sania Casa de Misericordia.
Art. 20. O director poder suspender
at quinze das o mordomo e o porteiro.
remore que commetterem faltas.
Art. 21. Nenbum dos empregadus do
estabelecimento teta direito aposcnla-
doria.
Art. 2. 0 director ter de ordenado
2:000 pello 00001* 0; o mordomo 8t0iMKH>;
o amanuense 7,00*000; e o porteiro 60W-
Art. 23. 0 mordomo prestar.urna fianca
de 2:01)00000.
Art. 24. Ao. mendigos podero ser im-
postas pelo director as seguimos penas:
Reprehenso particular e em publica ;
privado de urna das refeicoes do da; tra-
balbo solado : e prio at tres dias.
Art 26. O presante reglamete a#r
snbm>ttido approwcio da AsswbW1-'*
Legislativa Provincial.
Palacio do Governo de Pernamboeo. em
21 de outubro da 4809. Dr. Mimod
do Nmmmto Machado Perteita.
lir
rt^,flndoa8Mmraapoa*4o Santa Casa, salva os casos .urgentes, parte
ajundi tefaina m
Mi
de hoie iatadp. otpanteiteUvia ao mesaio^^ provedor.
5 7. Inoim aaBejaa estabolecidas neste
Rcpnrtieo da pUHaV
J* secoao.SrmUBa! da polieia de Pernamka-
co, i6 de ooTcrabru e 1869.
S. MTitr-iUm. e BxjavSr. 1- Lbtqj
manto da V. Etc. qu* aapjalo
fai?a(Sea raoaaidu boje naatt
:i
*


ario de Pernambuco QuarU eira 17 da Novenbrd de 186$.

3X
iMBlem recolhidos casa, de detencaoos V
A' orden l.sub'_elej.ad>le S. Jos,
eerave de HaAoel Pidho de Albu |uerque, come
indiciado em-erin* do fm
A' ordem VI Boa-Vista, Royen. Kmg, por cri-
ne la tarto ; John Klail o George Goudhall, por
Deas guardo a V. Bxr\Illm. o Exm.- S. "ta-
sador Frederico de Almeida e Albuquerqne, pre-
fliAeato da provincia. 0 chafe de polica, Luiz
Antonio Fernandes PMteiro.

1a Oda.
PERNAMBUCO.
retirar a mascara, aprosentando so done ib
.TAPIARA.
FACLDADE DE OlUEITO.Fizcram acto no
Va 16 do correte :
3 annO.
Joaquim Pacheco Mendes, plenamente.
Jos Izidro da Silva Galvo, dem.
Jalo Fnrrrin -In Araujo Pinito, dem.
Benjamn Aristides Ferreira Bandeira, dem.
Ant>mio Francisco de Souza Braga, idem.
Jas Pereira Maia, idem.
4* anuo.
Qoiulino Ferrcira da Silva, plenamente.
Manoel Tertuliano Travasso de Arruda, idem.
Domingos Goncalves Cearense, idom.
ilvaro Fragoso de Albuquerque, idem.
Antonio Manopl de So tiza Oliveira, idem.
Francisco Antonio do Oliveira Subrinho, dem.
Augusto Crlos Leraistrc, idom.
Hearique Knpke Jnior, idem.
5 orino.
Josa Eustaquio de Oliveira e Silva, plenamente.
Francisco Augusto da Fonseca e Silva, idem.
Samuel Goncalves Ayres, idem.
BIVr.f.1110.Os vapores Polengi e Ptrapama
levaram anle-lmniom as ^guinmsjommas :
Para
Aracaj
Macelo
a Parahyba
Maeo.
Natal
a Fortaleza
NAVIO DE GUERRA.Do
a
0:800*000
20:000000
t&OOOJflOO
l:M9jaM
5:000ill00
41 931*530
Rio de Janeiro, em
-viagem para a provincia do Amazonas, chegou
hontem o vapor de guerra inglez Speetwrll, com-
mandante Jones Parry, montando 5 pecas, e com
urna guarnida de 79 borneas. Nada adianta em
olicia*, por trazer i7 dias deviagem.
FESTIVJDADE.Domingo festeja-se, na igreja
da Pilar, enl Pora de Porta, Nos Seuhora do
Bem Soeces* dos Navegantes, com a pomba e
brilhantismo ilo cnstnme. Na noite do dia 19 sera
basteado o cstandarie annunciador.
UULIDADE PUBLICA.Reuniram se, no dia 5
do corren te, em assembla peral 1 socios da eom-
panhia de seguros Ulilidade Pubt'ca, representan-
do !20 aceces, para ouvirem leilura do rotatoria
aunuo, e e'legerem a eoiiunissao de exame de con
las, que lie.ai comosla dos Srs. Luiz do Nonas
Gomes Ferreira, .nao Jos Rodrigues Menes, e
Francisco Joao de Barros.
Nao lendo comparecido o presidente e o vice-
presidente, os -oeiopresenles elegeram para pre-
sidir aos trabamos da sesso ao Sr. Dr. Jos Ber-
nardo Silvio Alcoforado.
CLUB RADICALlia sesso.Inje as horas
da tarde, ra das Cruzes n. 32, primein, andar.
SUFFRAGIO.Alvaro Henea Cavalcanti manda
celebrar na nutriz da villa da Escada, quinta-fei-
Ta prxima, IS do correle, pnmeiro anniversario
do pmameMo de sita presada mulrter, urna inissa
rosada, c para assisti-la, convida todos os seus
parentes o amigos. ... ,
A missa ser celebrada depois da chegada do
irem na estacan da Escada, poden lo as pessas
que'sedignarem all eomparecei, voltar para esta
cidade no mes ir u dia.
CALCAMENTO.Pedem-nos a seguinte publica-
se0 A
< A ra do Hospicio resente-se em extremo de
somelhnto falta. Tendo os habitantes da mesma
roa solicitado o ealcaii.enlo a alguns mezes, a sen-
do determinado que se tizesso logo que fosse pos-
sivel, cumpiv-ins lembrar ao respectivo encarre-
gad que nao p le permanecer ella por mais lem
pon estado em que se acha.
B' tal a qiKintidade de p pelo crescido movi-
miento dos mnibus, carros para o emit to c di-
versos uniros pontos, que os telbados de algumas
casas acham-se completamente cobertosde poeira
orno fcil verse, os habitantes sao forjados a
conservar seus predios fechados, e mewBo assim
aoffren os movis, e o que peior, solTrc a salo-
hriJadd pubtka.
pe novo insumes paraqne se leve a eTeito o
csfcainenlo da referida ra, que consideramos de
|mv rene a e urgente.
LEILAO Conforme e>l annnneiado, deve ama-
nb i ter hogar o lejlto da .irnucao e fazendas da
massa folli I.. de Costa & Castro, e por utervenca.
do apete Pinto.
En continua 3n vender o meama agente difle-
reate- l'ai'!i las'com toque de avaria, Mu em seu
escriptorio ra da Cruz n. 38, s 11 horas da
manira.
LOTERA.A que se acha a venda a 127a, a
beneficio do patrimonio dos orphos, que corre
no dia 20.
PASS USEIR03. Sabidos para o norte no vapor
Pirapama :
Dr. Tobas A. dos Res c Silva, Antonio d A.
Garca, Dr. Josa Lopes P. Costa, Dr. Calisto A S.
tima, Dr. ManoH G. Silva, 1 irnio e 1 criado,
lffmsoR. Ailniquerque, Manoel Rodrigues Paiva,
C. It. Bezorra, M. M. Dantas, M. N. Pinto, Auf?1 sl"
Christiansen, Dr. A. Osar do Almeida e 1 criado,
vigario Antonio Rodrigues Silva e Souza e 2 cria-
dos, Domingos Olvmpio Braga, Manoel B. Brrelo.
MoCordeiro e 1 criado. J. R. Pinheiro, ManoH R.
Pinheiro o 1 criado A X. M. Arago, Joao X. O.
Haciel, Francisco L. Miranda, Francisco Jos P.
Cavalcanti. A. M. Vinhas e 1 escravo, Manoel Cor-
rea Lima, Fraiu-ise.il Fernandas Vieira, A. P. A. Pe-
queo, vigario J. A. G. Mello e 1 escravo, Jos C.
F. Sahova, coronel P. Jos Freitas, M M. Cama-
eh'>, F. T. Araujo Jnior, sua seuhora, i (Mos e 2
criados, Puente Joaqmm do Reg Barros, Sebas-
ti) de Mello Reg, Alejandrino Chri>tiano de Oli-
veira e parle de sua familia, Domingos Joao C
Lago, Malaquias Maciel Pinheiro, J. L- M., Alexan-
re Recitares. Antonio A. Lima e 1 filho, Antonio
Fausto Aranjo, Dr. Francisco Paula Silva Primo,
padre Anuncio Leite Silva, Manoel Joao Carneiro.
Saludos para o sul no vapor Polengi :
Dr. Americo A. Guimaraes, 1 fllho, 1 lilha e 3
criados, Francisco A. V. Caldas, inajor Asaras A.
Carvalho R., J.s Francisco Soares. major Jos
Guedes Nofc'ueira, Thomaz Jos Gusmao Lira, sua
senhora e 2 criados, Dr. Mainel M. Gusmao Lira e
i criado, Joaquim Silva T., Manoel L. Colho, Ma-
aoel Jes O., Antonio A. L. Braga, Joanna M. J->-
aos, major Jos P. C. Cunha e 1 criado, S. L. Vi-
dal e sua senhora, vigario A. J. 0., Jos Francisco
Taboca, Dr. Jos M. C. Albuquerque, Dr. B. M. L
Sicupira, J. Manoel de Araujo, Manoel Francisco
Tourinho, A. TeixeiraJunior, J. Vieira Mello.
Vindos do Aracaj e escalas, no vapor na-
cional Jaguaribe:
Dr. Araonco Militao de Freitas Gnimaraes, I
menino e 2 criados, Dr. Antonio Buarque do Gus-
anao, Jos Braulio i dos Sanios, Luiz Antonio das
Dores, Flix Umbelino da Silva, D. Joanna do Oli-
veira, 2 pracas o 2 esoravos.
CEMITERIO PUBLICO.Obituario do dia 18 do
crreme :
Antonio, Pernambuco, 7 dias, Boa-vista ; ttano.
Mara da Costa, frica, 90 annos, solteira, Boa-
vista ; intente chromco.
Mara, Pernambuco, 7 dias, Boa-vista; es-
pasmo.
Amelia. Pernambuco, 5 dias, S. Jos ; espasmo.
Benedicto. Pernambuco, 48 annos, .sdlteiro, Re-
eife; hepatite.
Rita, frica, 60 annos, solteira, Boa-vsta. gas-
tro intente ehronico.
Camilla Bessone do Almeida, Pernambuco, 36
annos, casada, Boa-vista ; tubrculos pulmonares.
(HRO.MCA JUDICLIRM.
TRIBIWL DO COMMKRCIO
ACTA DA SESS.1O ADMINISTRATIVA DE 15 DE
NOVBuBitO DE 1869.
IESoDE-NCIA DO BXM. SB. DBSEMBARGADOR A-ISELIK
FRANCISCO PERKTTI.
As 10 horas da manhaa, reunidos os Srs. depu
tados Rosa, Basto, Miranda Leal e barao de
Ouangy, S. Exc. o Sr. presidente declarou aberta
Foi, depois de lida, approvada a acta da sessao
do II.
HXrBDIENTR.
*3fflcio do secretario do tribunal do coinmercio
4a capital do imperio, mrluindo a retaceo do-
commerciantes all matriculados durante o mee de
utnhro prximo passado.Accose-se a receiicao
Odseio do presidente o secretario da junta dos
jrretores, Armado de 13 di crrente, remetiendo
le Manoel Silviao de Barros JW4o.com-
mnnicando tor sido nomeado escrivo raterlno do
juo ospecial do cormaercio na vaga que dol:ra
o fallecido escrivo Manuel de.Cacvalbo Eaes.de
Andra lo.Aceuse-se o recebiraento.
O Exm. Sr. presidente poz o cumpra-se-na
portarla, da presi ieneia, que concedan ttes u ezes
de licenca ao oUlcial maior dcsle tribunal Dr. Ju
lio Aogusto da CuaUa Guimaraes, oaisigi'on o
offlcio dirigido a mesma presidencia informar do a
pretendo de licenca do amanuense interprct).
Ans Srs. deputados oram destribaidos os se-
gujntes livros Diario de Manoel de Mirama da
Pedra A C, Copi.tdor de Atves A C, Diario e Co-
piador de Fuerstemberg Hach A C, o Diario de
B.istos Irmaos.
Compareceu Joaqom de Albnquerque Mello,
como bastante procurador de Nuina Pompilio
Passos, assignou o termo d juramento que pres _
tou de ser bem servido peto seu consiiiointe ) of-
flcio do corretor geral da praca de Matei.
Expedio-se a carta de rehabilitacao do con mer-
ciante Irindo Januario do Oliveira.
DESPACHOS.
Requerimcnto de Bortholino A d, pedindo para
ser admillida registro a nomeacao que l'ueram
do Joaquim Duarte da Silv para caixeirp de seu
estabelecimonta roa Nova n.'3.Registre-so.
De Antonio Barbota do Moran Cabral, mos-
trando com a juslificacao, que juirta, ler satisfeilo
o despacho de 18 de ouiubro prximo pausado
exarado no requorimento em que solicita ser no-
meado agente de leudes di praca de Mac.eio.-r-
Prcstada a llanca na forma da le no valar de
5:000J000, volte para se passar titulo.
Du Feliciano Jos Gomes, pe lindo para sor an-
notado o registro da nomeacao do caixOirc Jos
Rodrigues dos Santos no sentid > de no o ser
mais, visto t-lo demolido em 18 de julho ultimo.
Corno requer.
Do Joao Francisco Pontos, assgnado por Tasso
Irmaos propietario do hiato nacional otu limaos,
juntando a procuracao, exigida em despacho de
28 do passado, na qaal eooferM poderes a Tasso
Innaos, para requercrem a mudanca do no ne de
dilo hiate para o de Pernambucano.Co-.m re-
quer, sendo que qtnn lo o supplicante fez a pre-
sente peticao, ainda nao tinha poderes para o que
requere 1, visto como a procuracao junta, data-
da de 13 do crreme.
De Christiano Jos Tavares, pedindo ene se
Ihe manda passar por certidao se est ou nao ma;
triculado como caixeiro de seu cstabeleclmjnlo
ra do Imperador n. 47 o seu lilho Manoel da Sil-
va Tavares.Como requer.
Replica do Antonio Fernandos do Fguairdo
Paiva (adiada da sesso prxima pa>sada).Con-
'ni'u.
Summario contra o agento do leiles Bernardi-
no do Senna da Silva 'Guimaraes.D-se vista ao
Sr. desembargador fiscal.
Nada mais sendo submeltido despacho, S.
Exc. o Sr. presidente encerrou a sessSo as 11 ho-
ras e mcia do dia.
para que eu conheca qual o adversario com
1 de fular, c desl'arto llio nao falte
10 p irveniura Ihe forem devidas
friirio .tesde j protesto o mais pronunciado
ci. Qneiram. Srs. redactores, dar publicidade a
estas linhas do seu antigo assgnante Antonio
Pinto de Barrot.
' Rccfo, 16 de novembro de
Fernando de Noronha.
Grato animopiosequi nomen be-
ne de nobis tneiiti. -Ce.
A publicidade das acedes meritorias, que revela
a alma philantropiea o o coracao bomdoso de quem
as pralica, ura dever, embora iiuperfeitamenie ;
mas que roostra a gralidao sincera daquelle que
encontrou na adversidade o no infortunio a pro-
tecQo caridosa e christa, infelizmente lio rara, e
por iss1) mosino nolavel.
NS) preiendo niTeoder a modestW do actual
comraandanto deste presidio, o mu digno o dis-
tinelo Sr. tenente-coronel Scbastio Antonio do
Reg Barros ; mas os actos de sua actual admi-
nistrado sao dignos de todo o elogio.
A prece que Mibe todos os dias ao throno de
Deus, balbuciada pelo recenhecimenlo, e ditada
pelo ooraco, a lembraoca eterna, sao ttulos que
devem possuir aquellos "que enmprem, verdadei-
ros chrslaas, una das mais santas doutrinas da
religiao do calvarioa candado.
a quarta vez que este digno ancio o brioso
militar commanda este presidio, e, como cirur-
gio prudente, quo com o balsamo n'uma mao e o
ferro n'outra, os applica alicrnati vamente, como a
necessidade o exige : assim o muto Ilustre e dig
no commandanto tem sabido, sabia e justiceira-
mente administrar.
Tndo marcha ptimamente nc3te presidio.
V-sc grandes concertos nos edillcios mais im-
portantes. .1
V sea disciplina o a moralidadc inclume.
Vd-so a harmona o a ordem reinar entre a*
empregados, officiaes. guarnigao e geralinenic en-
tre os mais habitantes.
V-se a satisfao gravada na corado dos inre-
lizes sentenciados, que reconuecem no digno com-
mandaue, uin pai prudente que castiga o tillio
Ir ivesso, (iue relucta, resiste, pernea, implora o
soccorro, "mas nadadisto embaraca o castigo, c
acabada a punigo, fiea o crime castigado c o fllho
perdeado.
Assim pratica para com esses infelizes que un-
sonos almejam ao seu commandante, a sua cari-
nbosa, humana, dslincla e bomdosa esposa o mais
pessas de sua illu.slre familia o mais brilhantc
porvir.
Sirvam-se, Srs. redactores, mandar njserir estas
linhas em seu acroJiladissimo jornal, que multo
rato Ihe ser seu respeitador.
O cidadao B. 1. P.
Acc3es da companbia Pernambucanado 100*000
ao par.
lie sobre Portugal3 d|v. 170 0|0 de premio,
into de letras11 e l O'O ao auno,
ucar 20i 0(0 por tonelada.
~^m Rio Grando do Norte para
iL e o 0|0 por libra.
" "Rio Grande do Norte para Li-
0(0 por tonelada.
t. i. Silveira
Prosideute.
Leal Seve
Secrolano.
Sociedade Laucara era com
inaudita
Theodoro Simn 8? C,
Comprara e vendera por coDta pro-
pria metae3, moeias nacinaes, e estran-
verno e do banco do Bsasil.
Descentam letras da trra e outr os ti
talos commerciaes.
Encarregam-se por conta alheia das mes-
aias transaegoes, da cobranca de letras da
trra e de outros ttulos commerciaes.
Receb m querquer quantias em depo-
sito, em conta corrente, e a prazo fixo.
Largo do Pelourinho n. 7
ENGLIS BANK
Of Rio de Janeiro Limited
Deseo ita lettras da pra^a taxa a con-
vencionar.
Recebe dinbeiro i em conta rretito e a
praso fixo.
Saca vista oa a praso sobre as cidades
prlncipaes da Europa, lem correspondentes
na Bahia, Buenos-Ayres, Montevideo. New-
e New-Orleans, e emitte cartas de crdito,
para os raesmos lugares.
IlUA DO CO.MMERCIO N. 36.
alkandega.
dendimeuto do dia 1 a 15. 607:o90i"3i
dem do dia .16......79:103i2i3
SESSO JDICIAHIA EM 15 DE NOVEMBUO DE
1869.
PUKSIDK.NCIA DO E\JI. Sn. DESBMBAnGADOn' A. F. PE-
HETTI.
.Yo impedimento do secretario Reg R-tn(,el.
Ao meio dia deelarou-se aberu a sessao, estando
reunidos os Srs. desembargadores Silva Guima-
raes, e Befa e Silva, deputados Rosa, Itasio, Mi-
randa Leal, barao de Cruangj o supplente S Lei-
lao, faltando com partecipacao o Sr. desembarga-
dor Accioli.
Lida, fui approvada a acta da precedente sessao.
S. Exc. o Sr. presidente poz o cumpr.i-so na
portara do licenca que da presidencia ubttve o
Sr. secretario, e da qual entrou hoje no g*o.
O escrivo Albuquerque registrn o ultimo pro-
testo de letra a 9 do corrente sob o n. 18>2 ; c o
escrivo Alvos de Brita a 13 do inosmo nez sob
n. 1884.
ACCOBDAO ASSIGHADO.
Appellante autora a C impanbia Vigilante por
seu gerente, appellado reo ioaquun Jos ijoneal-
ves Beltiao.
JOl.GAMENTOS.
Juizo especial: appellantcs autores o Dr. Ma-
nuel do Plgueirda Faiia ; appellado reo;o Dr. Ga-
briel Raposo Soares da Cmara : juizes os Srs.
Silva Guimaraes, Reis e Silva, Miranda Leal e
barao de Cruagy- "No se receberam os em-
bargos do deiaraca.
Appellante autor o Dr. Ignacio Joaquim do
Souza Loa o, liquidalario da caixa ITIil du banco
do Brasil nesta ridado, appellado res Joao Crios
d'Oiiveira.Addialo a pedido de outro Sr. depu-
tado.
Por nao estar presente o Sr. desembargado!-
Accioli nao foram propostos os faites entre parles:
iranios aiipellados autores Oliveir.. Filhos
hrulho n. 218, vindo de Soulhampton o
vapor inglez Douro; idem' com amostras, a
^. A. Atoa 4 Fillios.
Hom diamante L. V. A C m.1 caix
n. 971-vinda do Havre na barca franceza
Joao Baptista em 4 de maio, com chales de
15a, a Henry Leger.
Armazem n. 3.
Marca diamanto S S J D H.Quatorze
caixas ns. 3 a 16 viadas de Liverpool na
barca ingleza Floaling Claud em 9 de mar-
co com a.oostras de IQa, a Jonslon Pater
G.
Armazem n. 10.
Marca J. J. A.Urna caixa n. 5 Vmda
de Hamburgo na escuna Borle-allem5a Em-
manuel em l de abril com carne famada,
a Tbeodoro Justo.
Alfandega de Pernambuco 11 de novem-
bro de i869.
0 inspector interino,
Luiz de Carvalho Paes de Androide.
O Illm. Sr. inspector da lliesouraria de fa-
zenda d'esla provincia, em vrtude de ordem da
presidencia, manda fazer publico que no dia 37
do corrente, asiduas horas di larde, irao praca
para seren arrematados por quem menos flzer,
os concertos de quecarecem as columnas da pon-
te de ferro denominadaSele de setembro.O er-
camento e clausulas para o contrato, sera) fran-
queados na .secretara da mesma thesouraria aos
pretendeutes.
As pessoas quem convier a arrematacao, de-
verlo comparecer no referido dia e hora indi-
cados.
Secretaria da thesauraria de fazenda de Per-
nambuco, 12 de novembro de 1869.
Scrvndo de offlcial-maior,
Manoei Jos Pinto.
respectivo lancamcoio, relativo ao sano corrente
do 1160-70, e enectuar-se apercopcao' do imposta
oV 51000 por cada i otado no g 38, art.
48dalei n. 891,dvendo es rontribuBtfes faie-fb
por njolo.de nina nota declarativa do nom e qna-
iidade do escravo, bem orno de quem seja o en
legitimo proprietario.
Consulado provincial S de Nftihbro de 1866,
O .administrador,
A. Carneira Machado Rios.
686:693*97
MOVIMENTO DA ALFANDEGA
embargantes apuelb
& C, embargado appellante reo Jos *'arlis Ti-
xeira. Embargantes emD iru'ados simultneamen-
te a viuva o herdeiros de Manoel Goncalves da
silva, e autora D. Claudios S. Vieira de Carvalho.
distribuicOes.
Ao Sr. de-ombirgalor Suva Gnimaraes appel-
lantes Francisco Moreira de Souza e sua mulher,
appellados Francisco Cullio da Fonceca e Jo>
Antonio do Amaral. Appellante Feliciam do Ke-
go Barros Araujo por s o como tutor de seus li-
Ihos, appellado Jw Francisco Lavra Penta.
o Sr. desembargador liis e Silva : appellante
0 maior Jos Nunes de Barros Leite, a ipellado
Luiz QWtMM da Si,va, Campo-'.
Ao Sr. desembargador Accioly : app;llante o
randa Manoel Toquilo Ramos, appellaco o ca-
pit'o Ikntono Ulisses de Carvalho. Nao recebeu
por nao estar presente.
AGf.n.WO.
Juizo especial do coiniuerco: aggravantc Beato
Jos de Macda Pocas, aggravado Autouio de Aze-
vedo Neves.
O Exm. Sr. presidente deu provimento.
Nada mais houve, e fo encerrada a sessao
1 hora e mcia da tarde.
Aos dignos eleitores do segundo
districto
Dcsta vez, felizmente, o distinelo gremio do par-
tido conservador faculta pleitear a eleicao pro-
vincial.
O eleitorado vai ganhando a sua anliga liberda-
de e independencia. Congratulo me com elle por
urna lal prova de conlianca, alientas as BOWas
presentes circunstancias.
Desla vez, tambem, cont triumphar em minha
justa prelencao e legitima aspiracao, pela pri-
meira voz representar, ao menos na assembla
provincial, a minha provincia natal.
Mediante o concurso, quo solicito o espero de
meus dignos comrcaos e dos distinclos eleitorc
das de mais Licalidanes d> segundo districto, i
meo triuiiipho ser corto, se por ventura tal per-
inisso nao for lo apparenU', quanto conQo que
nao seja.
Aperto-lhes a mo desde j em signal de eterna
gratidao. Dou-lhes minlia palavra de homein
honrado o sincero do que serei fatal e perseverante
no cuinprnnento do meus sagrados deveres.
Disto hei dado prova nos poucos caYgos pbli-
cos, que tenho exercido.
Em urna palavn, convencidos fiquem todos os
eleitores, que me lumrarem com os seus suffra-
gos, de que serei solicito e (el no legitimo e hon-
roso descinpenhu de suas ordens particulares.
Recife, 10 de novembro do 1869.
O bacharel, Francisco Luiz Correa de Andrade.
Lenibraraos aos Srs. eleitores do
Io circulo, os cidadaos abaixo
declarados.
Dr. Joaquim de Souza LeV.
Dr. Francisco Leopoldino Cusma Lobo.
Dr. Antonia Domingues Pinto.
Dr. Manoel Arihnr de Hollanda Cavalcanti.
Dr. Francisco Teixeira de S.
Dr. Jos Bernardo Alcoforado Filho.
Dr. Jo- Nicolao Tolentino d Carvalho.
Dr. Felippe de Figueiroa Faria.
Dr. Miguel Lucio d'Albuqu.-rque
/olumes entrados com fazondas
dem idem com gneros
^olumes sabidos cora fazenda*
Idem idem cora gneros
76i
481
-----1245
175
U9
----- 624
O inspector interino da alfandega faz publi-
co, que existid no trapicheDaulasos volu-
mes abaixo declarados, no case d<- seren arrema-
tados para consumo de confurmidade com o dis-
posto no cap. 6* lit. 3o do regulamento de 19 de
setembro de 1860, os s<"us donosou consignatarios
deverio despacha-los no prazo do trinta dias, sob
pena de Ando elle, serem vendidos por sua conta
sein que Ihes fique compelindo allegar Contra os
effeitos desia venda.
MarcaW. S.Tros caixas, vindas do Rio de
Janeiro no brigne pertuguez Acaso, entrado em
30 de marco do corrente anno, contendo vesti-
mentas velhas de lita e algodo para cmico, em
pessmo estado, pertencentes a Tasso Irmaos.
Alfandega'do Pernambuco, 11 do novembro de
1869.
O inspector interino,
Luiz de Carvalho Paes de Andrade.
Descarregam hoje 17 do ontubro
Vapor inglez -Saladinmercaderas.
Barca inglezaCur/dcAoumercadorias.
Barca hespanhola Centra de Exportacaovinhos
Bhaue inalezAqaila farinha de trigo.
HEGBBEUOKIA OE HENAS INTEIl.NAS GK-
RAES DE PERNAMBUCO.
lendimenlo do dia 1 a 15. 34:432168o
demdodia 16........ 2:6711444
37:104*121
CONSULADO PROVINCIAL
dendimento do dia i a 15.
dem do dia 16.
31:481-5-40-
5:425036
56:906*441
PUBLICACOES
Filho.
Lcmbmmos aos Srs. eleitores do
Io crculo os cidadaos abaixo
deelarndos.
Dr. Joaquim Jos de Campos da Costa Medeiro.
Albuquerque.
Dr. J i- Nicolao Tolentino de Carvalho.
Dr. Antonio Goncalves Ferreira,
Dr. Felippe de Figueiroa Faria.
Dr. Manoel Barbosa de Araujo.
Dr. IVrgentino Saraiva de Araujo Galvao.
Dr. Miguel Jii-6 de Almeida Pernambuco.
Dr. Antonio Domingos Pinto.
Dr. Joo Maria Seve.
Um ehtor da, Bda-Vista.
Ao publico.
Srs. redactores.Urna publicacao no Diario
de Pernambuco de 5 do crreme, sob a asigna-
tura de Joao Francisco de Salles, condecido por
Joo Casadinho, o qual deseja morder a minha
reputaco, faz-me recorrer s paginas d'este Dia-
rio, nao para disputar cun aquello assignante.
mas para despertar quem o conhece p'lo nome
de Casadinho, como tambem a polica, que dizem
assim ter o procurado, e fazer esclarecer usleilo
res, que este individuo seivindo de Menina, cru-
zou nina publicacao que saino ao prelo ni Diario
de 21 de setembro prximo passado ; l-so nutra
no de 28 do mesmo mez, contrariando o c ue ha va
dito ; agora apparece esta tereeira, de i do cor-
rente, dizendo ser Iludido e nao sabe o que assig-
nou. O Sr. Salles e seu mentor ou adepto, sabe
que ao despreso entreguei suas pubiicaeiies, por-
que estando eu no exercicio de subdelegado e este
detido minha disposicao qnando sahio a segunda
publicacao, qual o motivo do nao obter por raim a
liberdade, a qual podo alcancar pelo delegado do
termo para onde acompanhou sead vi gado. O
Sr. Salles nao foi admittido em minha en a e nem
ser, em virlude da boa recommendacao de adiar-
se indiciado em furuis de cavallos, pes.-ndo sus-
peitas de crime de morte, como se collige dos au-
tos de perguntas feitas ao me-mo Sr Salles, e
mais dous individuos que vicrara minha presen.a
com participaca offlcial, como tambem exuberan-
temente provara nao ter moradia certs o tal Sr.
Salle-, sim vi ver pelo mundo ven lendo cavallos
motivo que o torna fcil de assignar pipis que
Ihe apresentam, como confessa, e qu) este seu
mentor falla em pri3o Ilegal. Para qu) nao re-
correrara s autoridades superiores? Nao veio do
Recife um procurador ? 0 que fez ? Par:, que nao
desengarrafaram os arts. e paragrapbos que cita-
ra m na ultima publicacao ? Justidcou n Sr. Salles
se existo ou nao sna mulher e qual o Um d'ella T
Estou que nao. Sao estes quo leem o arrojo do
censurar os meus actos.
O que d motivo estas censaras o seprate :
entrando eu no exercicio de subdelegada d'este 1*
districto de Ga nelleira no principio le mar^o do
correnle anno, onde os furtos de cavallos oevain-
se com todo o escndalo; e ten lo os t-ie- nego-
ciantes plena liberdade. a ti/, cohibir, motivo pelo
3ual dizem que tenho coibido o direitu de lber-
ade, e a-sim infringido as leis do paiz.
O publico sensato ajuizar, e o desprezo ser
respo-u das pubheacfcs do Sr. Salles e eos asso-
ciados.
Recife, 11 de novembro de 1869.
Carlos Lenidas Reg Barros.
ANTONIO PINTO DE BARROS E O OBS 1RVADOR
DO JORNAL O RECIFE.
Srs. redactares.Aerlo lo va gne me offerece
Observaiur do Jornal do Recife de 15 do corren-
MiBez, seo Oburtaior djgnar-se de sua parte
CHAPA PHOVINCIAL PARA O Io DISTRICTO, 0F-
FKIUXIDA POH L'M EI.EITOR AO DESTINCTO
CORTO EI.K1TORAI..
Dr. Manoel Arthur de Hollanda Cavalcanti.
Dr. Felippe de Figueiroa Faria.
Dr. Francisco Leopoldino de Gusmao Lobo.
Dr. Ignacio Joaquim do Souza Leo.
Dr. MigueUo.- de Almeida Pernambuco.
Dr. Joaquim Jos de Campos da Costa de Medei-
ros e Albuquerque.
Dr. Manoel de Caldas Barreto.
Dr. Joao Mara Seve.
Dr. Francisco Teixeira de S.
O figado de todos os bacalhos
daTerra-Nova, conteem um
elemento medicinal de inesti-
mavel valor.
E de baixo da forma do oleo puro medicinal de
figado de bacalho, de Lnaman t Kemp, possui-
mos este balsamo martimo em toda a sua exce-
lencia nativa, com todas as suas propriedades cu-
rativas, puras e sem alteracao, tal qual nos foi
transmettido pelo creador. ,
As curas que esta preparncao esta- fazendo,
quer no paiz, quer no estrangeiro, o nos-'fasos de
phtvsca, escrfulas, affecco do figado assim
cuino todas as mais molestias agudas e ebronicas
que os orgaos da respirajo se acham expostos;
sao as suas memores credencaes.
Tantas fraudes se teem commettido com o oleo
de figado de bacalho ; to extensa e vwapnbosa-
meotetem sido diluid' adulterado e falaifieado,
que o publico ea autoridade medica; saudam
rom jubilosa alegra, urna preparacao hygienica
pura, na qual se pode confiar com toda a segu-
ranza.
Os que desejam obter nm artigo de supprior ex
cellencia, adaptado todos os climas e sem rival
para a cura da tosse, resfriamento, e enferuiida
des conseguintes devem pedir o oleo pnro med
cinal de figado de bacalho, de Lnamandt Kemp.
e reiorar bem se no letreiro e na capa se acha
estmpala a firma desta casa.
Acha-se a venda por t paes lojas de drogas e boticas.
MOVIMENTO DO PORTO.
Navios entrados no dia 16
Rio Grande do Sul28 das, barca inglesa There-
za, de 287 toneladas, capilo Jos Antonio Mar-
ques, eqnipagem II, carga 12400 ambas de
carne ; a Bailar & Oliveira.
Rio du Janeiro17 dias, brigua inglez Florence,
de 195 Lindada, capillo John Lloyd, equipa-
gem 8, em lastro ; a Thomaz Iefferiei & C.
Rio de Janeiro10 das, barca ingleza Eugma,
de 669 toneladas, capitao Z. Chasco, equipagem
15, em lastro; a rdcm.
Montevideo25 dias, barca Ingleza Lisie, do 434
toneladas, capitn W, Clack, eqnipagem 12, em
laslm; a Wilson & llelt.
Rosario de Santa Pe30 dias patacho inglez Lif-
tle Fury, de 350 toneladas, capitao I. C Cun-
nengha, equipagein 9, cm lastro; a Henry Fors-
ter- & C.
Ro de Janeiro 20 dis, escuna norte-allemaa Co-
me!, de 238 toneladas, capitao H Hu fot, equH
pagem 0. em lastro ; a Borstelman 4 C. Se-
guio para Marei.
Rio de Janeiro13 dia, barc franceza Izard, de
336 toneladas, capilo Eqnilbec, cquipagem 13
era lastro; a J bnslaa Pater & C.
Hamburgo70 das, briuue norte alternan Caroli-
na, capiao Augvun Appcn, equipagein 9. carga
differentes gneros; a Prenlo Vianna & C.
Rio de Janeiro17 dias, vapor inglez Spiedwell,
roinm ndanie Jones Parry.
Terra Nova46 dia-, escuna ing'eza Zauave, de
126 toneladas, eqnipagem 7, carga 1844 barri-
cas cora bacalho ; a D. C. & Simpson >\ C.
Penedo por Macd -20 dia*, vapor brasileiro Ge-
quid, de 223 toneladas, commandante Azevedo;
a companhi Pernambucana.
Aracaj e purtnt intermediosVapor brasileiro
Jaguaribe, de 2?3 toneladas, commandante Cas-
tro, equipagein 30; a companbia Pernambu-
cana.
Rio de Janeiro16 dias, brigue sueco Fyrus, de
220 toneladas, capitao A. Hallgren, equipagein
10, em lastro; a Thomaz lefferies & C.
Navio sabido no mesmo dia.
Goyanna-Hiate brasileiro Probidad.;, capitao Ma-
nuel Marques da Paciencia, carga varios g-
neros.
Qbservacao.
Suspenden do Untaran para a Parahyba, o bri-
gue inglez Fearless, capillo Wheaton, com o mes-
mo lairo que irouxe da Bahia.
0 Dr. Manoel Jos da Silva Neiva, juiz de
direito da segunda vara do crime, e subs-
tituto da do commercio nesta cidade do
Recife de Pernambuco'seu termo por S.
M. o Imperador que Deus guarde etc.
Faco saber aos que o presente ediial viren e
d'elle*noticia tiverein que no dia 19 de novembro
do crrente anno, pelas 10 hora- da manla, ter
lugar na sala dos auditorios a reunio dos credo-
res da massa fallida de Antonio Pedro de Mello,
afim de seren compridas as disposicSes dos arts.
812, e segrales do cdigo cominercial. sendo que
nunhum credor ser admeltido por procurador,
se este nao ti ver poderes especiaes para o acto,
nem a procuracao poder ser dada a pessoa que
seja devedorc ao fallido, e nem um mesmo procu-
rador representar por dous diversos credores, e
que no caso do fallido propr projecto de concor-
data, sera considerados como adlierenies a con-
cess da mesma concordata os votos daquelles
credores que nao coinparcecrem a dita reunio.
E para que cheguc ao conheciineiilo de lodos,
mandei passar o presente, quo ser publicado pela
imprensa c afJQxaao'no lugar do costme.
Cidade do Recife de Pernambuco, 10 de setem-
bro de 1869.
Eu, Landelino Heliodoro da Caoba, escreventc
juramentado, o escrevi.
Eu Manoel Maria Rodrigues do Nascimento, es-
crivo o subscrevi.
Manoel Jos da Silva Neiva.
anta Casa da Misericordia do
Recife.
A Illraa. jnnta administrativa da Santa Casa da
Misericordia do Recife manda fazer publico quena
sala de suas sessdes, no dia 18 do novembro, pelas
quatro horas da tarde, tem de ser arrematadas
quem maia vantagens offerecer, pelo tempo de ura
a tres annos, as rendas dos predios em seguida de-
clarados :
PATRIMONIO DOS ORPHAOS.
Ra ao Calabouco
Casa terrea n. 20, por anno 242*000
Ra do Pilar.
Casa terrea n. 105 ................ 1504000
Sitio n. 5 no Forno da Cal........... 150*000
Os pretendentes deverao apresentar no acto da
arrematacao as suas flaneas, ou compareceris
acorapanhados dos respectivos fiadores.
Secretaria da Santa Casa da Misericordia do Re-
cife, 8 de novembro de 1869.
O escrivio.
Pedro Rodrigues drS^nza
Conselho de compras
navaes.
O conseibo proraove no da 20 do' corrente mea
v4a de propostas recebidas at as 11 boras pa
manha, e sob as condiedes do esty!", a compra
dos segrales nbjectos do material da armada :
12 libras de cera em archotes. 700 eaibros de 35
a 40 palmos de comprimento, 20 arrobas de esto-
pa de algodo, 10 arrobas de graxa do Rio -Gran-
de, 40 duzas de lapio, 8 arrobas de mcrlim, 8
arrobas de mialhar braneo, 10 libras de nhreias
fraoeezas, 2 oculos de alcance, 10 arrollas de pre-
gos de cobro de batel, 10 arrobas de pregos ripaes
de cobre, 10 duzia< de tabeas de pinho de i pol-
legada, 10 duzias de tabeas do pinho de 1 l|2 pel-
legada, 2 terrinas de ferro eslanhado, 20 tira-li-
nhas, 1,000 lijlos de fogo e 20 arrobas de verde
francez.
Sala das sossoes do conselho de compras navaes
16 de novembro de 1869.
O secretario
Alexandre Rodrigues dos Anjos
Correio geral.
Relacao das carias registradas existentes na ad-
minislraio do correio desta cidade para os se-
nhores abaixo declarados :
Dr. Ayres de Albuquerque Gama. Antonio S.
Veras, Bemjamin Contstantino B. da Cunha Salles,
Baro de Una, Chrlstuvo Gomes Pereira, Eduardo
J. Carroll, Flix Pereira da Silva, coronel Fran-
cisco Carneiro Machado Rios, major Francisco
Raphael de Mello Reg, Getulio M. de Castro Lima,
D. Ignacia Joaquina Lopes da Silva, Jadntho Fer-
nandes Piubeiro, D Joaquina Maria do Sacramen-
to, Joaquim Antonio Teixeira, Joaquim Feliciano
Gomes, padre Joaquim Graciano de Araujo (i),
Joaquim Jos Goncalves Beltrao, Joaquim Marques
dos Santos Souza e Mello, O. Joann i Francisca
Seve Navarro, Jos Mende? Vieira, Lniz Amavel
Dubourcq Jnior, Manoel Cesar do S, coronel
Manoel Jos da Casta, Palmeira & Beltrao, Pedro
Paulo Rosa, Rogino Ferreira de Carvalho.Qa'urni-
no Ferreira de Carvalh >. Thomaz Antonio Espina-
ca, Tobas Brrelo de Menezes.
CELARACOES.
O administrador da recebedoria de rencas
internas geraes faz certo aos contribuintes do im-
posto pessoal do exercicio corrente de 1869-70,
residentes as freguezias desla cidade e as dos
Afagados, Varzea, Puco da Panella, Munbeca, Ja-
boalio e S. Lourengo da Matia, que neste mez de
novembro finda-se o praso do pagamento sen
multa do Ia semestre do referido imposto, depois
go que ser pago com a mulla de 6 0|0
Recebedoria de Pernambuco 2 de novembro de
1869.
Manoel Carneiro de Soma La cerda.
Inspecco do irseual de
raarinha.
Faz-se publico que a comnisso de peritos,
examinando na forma determinada no regulamento
annexo ao decreto n. 1324 de 5 de feverciro de
1854, os casco-, machinas, caldeiras, apparelhns.
mastreaedes, velamos, amarras e ancora* dos va-
pores Potengi e Pirapama da companhi Pernam-
bucana de navegaco costeira, achou lodos esses
objectos eiu estado de poderem os vapores na-
vegar.
Inspeccao do arsenal de marnha de Pernambu-
co 12 de novembro de 1869. A
O inspwtor,
H. A. Barbosa de Almeida
De ordem da camar.. municipal faO pobtie
que os donos dos eatabelccimentos de-ta freguezia
dovein varrer c agoarem as frentes de seus csta-
belecimentos, das 6 s 8 horas da manhaa, sub
pena de multa.
Fiscalisacao da freguezia do Santo Antonio 15
de novembro de 1869.
O fi-cal.
Joaiuim Francisco Torres Galindo
AVISOS MABITtMOS.
COMPANHI BRASILEIRO
DE
Paquetes a vapor.
Do? portos do Mil esperado
at o dia 21 do correnle o vapor
'''mitins, commandante J. M. F.
Franco, o qual depois da demo-
ra do costume seguir para os-
os portos do norte.
Desdo j recebem-sc passageiros c cu;jja-s9 a
carga que o vapor poder conduzir, a qual devera
ser embarcada no (la de sua chegada. Encommen-
ias e dinheiro a frete at o dia da sua sabida as 2
loras.
Nao se reeebem como encommendas seno ob-
lectosde pequeo valor equeuoexcedam a duas
irrobas de peso ou 8 palmos cbicos de medice.
rudo que passar destes limites dever ser embar-
a lo como carga.
Prevne-se aos Srs. passageiros, quo suas pas-
sagens s se receben na agencia a ra da Cruz
n. 57 primeiro andar, escriptorio de Anb-nio Luiz
de Oliveira Azevedn A C.
gira para os
EDITAES.
COMMERCIO.
PRACA DO HECIFE 15 DK NOVJJMBBO ]
DE 1869.
AS 3 1/2 ROBAS DA TAHDB
Assuear bruto americano 3i 100 por \K kil.
(hontem).
Algodo de Pernambuco I' sorte 139 rs.
or kil.
\lgouao da Parahyba 1' sorte ~ IjOOO por kil.
posto a bordo, frete de ."bA d. a f0|0
dem idem idem1#014 por kil. posto a bordo,
frete de 5,8 d. e 5 0|0
AccSej dos trilhos urbanos de OMndaao par.
O inspector interino da alfandega faz
publico, que acbando-seas mercaduras co-
udas nos voluntes abaixo declarados, no
caso do serem arrematadas para consumo,
nos termos do cap. 6o tit. 3o do regula-
mento de 19 de setembro de 1860, os seus
donos ou consignatarios dever despacba-
a no prazo do.30 dias, sob pena de lindo
ellos, serem vend das por sua conta, sem
que Ibes fique competindo allegar contra os
effeitos desla venda.
Armazem n. 1.
Marca J. A.Ura embrulho n. 30 4/10
com amostras vinda de Bordeaux no vapor
iugiei La Plata entrado era 11 do abril do
correnle anno, consignado a J. Antonio de
Araujo 4 C.
Sem marca.Um sacco sem n. viudo de
Liverpool na barca ingleza Floaling Claud
em 15. ignor-se o con'edo e a consigna-
ca<.
Sem marca.Um volme sem n. com
amostras vinda de Liverpool na barca ingle
zo Barlachou, idem ignora-se a consigna-
c3o.
dem diamante F P.Urna caixa cb n.
23 dem no vapor inglez Gladiadcr, a D. C
Se C. Simpson dr C.
dem G. T. E.Um embrulho n. 5 yin-
Jo de. Antuerpia no brigue inglez Botina,
em U. a Keller & C, ignora-se o eon-
ttdo.
dem J M d CUm dilo n. 27/9 com
amostras idem a Linden Weydman d C.
I lem A. F Urna caixa n. 127/135 vinda
do Liverpool no lagar ioglez Ana Weston
loVm ignora-se o conteado o consignacSn
Idea C L R.Urna dita n. 147 vinda
do Havro na barca francezaflJoo apttata
a 27 com araros, a H. Lager.
dem G. A. Alvea d Filhos.Um em-
COMPANHI
DO _____
BEBERIBE
O caixa desta companbia, commend^dor
Thomaz' d'Aquino Fouceca, acha-se autori-
sado a pagar no seu escriptorio, ra do
Vigario n. 19, das 10 boras s 3 da tarde,
o 43 dividendo desta companhi, na pro-
porcao de 3000 por cada arro.
Escriptorio da Companbia do Beboribe,
13 de novembro de 1809.
O secretario,
Df. Prxedes Gomes de Souza Pitanga.
thesoo'raria do fa-
O Illm. Sr. inspector da
zenda desta provincia, em vrtude do offlcio di
Exm. Sr. presidente de II do correntomez, man-
da fazer publico, que no dia 24 do mesmo s duas
horas da tarde ir a praca para ser arrematado
por quem maar lanco olferecer, o dominio mil de
cncoenta palmos do terreno de marinha, silu do
entre a ra da Saudade e a projerlada em segui-
mento a travess dos Ferreirus, na freguezia da
Boa-Vista desta cidade.
As pessas a quem convier, devero dirigir-se a
mesma thesouraria no referido dia e hora indi-
cados.
Secretaria da thesouraria de fazenda de Per-
nambuco, 15 de novembro de 1869.
Servi n lo de officuil -maior
Manoel Jos Pinto.
DE
Paquetes a vapor.
Dos portos do norte esperado
at o dia 29 do corrente o vapor
Guar, commandante o Io te-
en* P. II. Duarte, o iual de-
pois da demora do costume se-
iortos do sol.
Desde j recebem-se passageiros e engaja-se a
carga que o vapor |nder conduzir, a qual deven
*er embarcada no dia de sua chegada. Encommen-
las e dinheiro a frete at as duas horas do dia da
na sahida.
Nao se reeebem como encommendas senao ob-
lectos de pequeo valor e que nao excedam a 2
irrobas de peso ou 8 palmos cbicos de medi-
ca0-
Tudo que passar destes limites devera ser
emhar -ado como carga.
Previne-se aos Sr;-. passageiros que suas passa-
ens s so reeebem na agencia ra da Cruz n. 57,
( andar, escriptorio do Antonio Lniz de Oliveira
Vzevedn A C.___________________________
PAKA 0 POHTO.
Sahir com a pos-ivel brevdade o pa Ib abte
portuguez Villa Flor, tem parte da carga tratada
para o resto que Ihe falla pode enlender-sn com
David Ferreira Rallar, ra do Brum n. 92,
com o capitao abordo. ________.
ou
Lisboa
2L
Pelo juizo de orphos desta- cidade, se ha de
arrematar em praca puldica no dia 49 do cor-
rente, depois da audiencia, dous raixes de casa
da ra dos Ossos ns. 30 e 31, romo tres nn-ia
aguas dentro de cada um delle-, avahados por
i:250# cada um ; afn deorenrrer as depezas do
inventario do finado Seba-liSo Jo> Gomes Penna,
e nutras de natureza privilegiadas. E para que
ebegue ao couhecimento de todos se fax o pre-
sente edita!.
Consulado provincial.
Pela administra ao deste conlado marca-seo
praso de 30 dias, contados da data do presente,
aflm de que os possnidores de escravns de amb>s
os sexos existentes nota cidade, qne nio forem
empregados no servico domestico ou em fabricas,
vennam da-los inscripcSo para proceder-se ao
O brigue portuguez Cotele, capitao p dono J. J.
da Costa, recebe alguma carga a frete : trata-se
com E. R. Rabello, ra do Commerco n. .8, on
cm o feferi 'o dono. ______________________
LOMPANHIA PERNAAMBUCANA
Di
Mrrega<;o co*tcira por vapor.
M.imauouape.
O vap-r Gorurtpe commandante
Silva, seguir para o porto cima
no dia 19 do corrente as 5 horas da
tarde. Recebe carga, enconimendas, passageiros
e dinheiro a frele ale as S horas da tarde do-
dia da sahida no escriptorio do Forte do Matto*
n.Jl___________________
Pura Lisboa
A barca portugueza Pereira Borgei dever se-
guir brevemente para Lisboa, j t*m a bordo par-
le da carga, e para o resto trata-se com Oliveira,
Filhos & C, ao largo da Corpo Santo n. 19, i
andar, ou com o cyitao na praca._____________
Wk PRRN.V"
GUMPANi
2L
\MBUCANA
UB
Vavesaco costeira por vapor.
Macelo em din-itura e Penedo.
O vapor tiqnta, commandante Aze-
vedo, seguir para o portos cima no
dia 22 do corrente as \ horas da ar-
de. Recebe carga at o dia 40, ncomroendas,
passagen> e dinheiro a fete at as 2 lloras da
urde do da da sahida; no escriptorio do Forte
do Mattos n '* gfr^
Para Lisboa
O brigne pnrtugnez Bella Figneiirnhe, capitao
Carvalho Sobrinh., vai sabir breve por ter a maior
parte do rarregaraento : para carga e passageiros
trata-se com E. R. Rabello, ra do Cominercio nn-
mero 48".
Porto,
r

Vai sahir brpve a barca Laur\ ; para carga e
Mssappim.s, trau-se com os ennsignatarioj Cana-
Ibo & Nofneira, na ra de Apollo n. 10.



*
Diario d Peniambuco Ouarfa
Para o aesTgnatlo porto prelend sahir enr mn
U brevidade o palhabolo ipsitu por icr i niaiiir
parle de seu carregamento prompto : para o res
toque I he falla, tratante tom o consignatario Joa-
iiuirn Jos Gancalves Bellro, ra du Cummercio
n. 17.
Para Itio Grande do Siil
segu com brevidade o patacho nacional Marques,
visto ter parte da carga prompta ; e para e resto
3oe falla, podor* entender-se com Francisco Jos
a Costa A mujo, nu com o capitao a bordo.
Rio do Janeiro,
Para o indicado porto, pretende seguir com mui-
ta brevidade a barca portutrueza S.Joo, \nr ter a
maior parle do seu carregamento engajado ; e
para o roMo quo llic falta, trata-so com o consig-
natario Joaquim os Goncalves Beltnio, ra do
Oommerc.ion. 17.
Porto.
Segu com brevidado a velcira e nova barca
oortngueta solina, para carga c passageiros,
para os i|uaes tein excellentcs commodos, trata se
com os consignatarios Antonio Lniz de Olivcira
Azevcdo Si C.; i na da Cruz n. f>7 1 andar.
Porto e Lisboa.
Segu para o Porto com escala por Lisboa, a
barca poatugueza Siifiea : para carga o passa-
geiros trata-so com os consignatarios, T. de Aqnfi-
n) Fonseca&C. ; ra di Vig.irio n. 19 ou com o
capitn na piaca.
Para a Bahia
Toma carpa o ter prompto despacho o patacho
italiano Margkerita, eapita Glierse: qnom neile
Suizer tomar praca, pode dirigir-so ao escriptorio
e E. A. Burle & C, ra da Cruz n. 48.
LEILOES.
Huje 17 do nnveiibro.
Augusto C. de Alireu continuar o seu leilao de
om glande sortimentode fazondas inglezas e fran-
cezas, por tnlervencao do agente Pestaa : hoje 17
do correte, as 11 horas da manha, em seu ar-
Qiazcm a ra da Cadeia.
i-bancas ?i mesa redonda, I mobta di ama-
relio, I mesa elstica 1 cama francesa de ama-
relk, I maeqoetio; I commoila do amarello, 1
importante realejo, 1 apparadnr, 1 piano de ar-
mario propri i j.ara principiante, 1 banca para
jog*. l() quadros ovaes com molduras duuradas,
i candieiros a gaz, 1 guarda vestido de ama-
reli, 1 importante oslante para livros, 1 lava-
rio de amarello, cabidos, marquezas, cadeiras
osadas, i cadeira preguicosa, 1 cadeira de re-
buco, coosolos, mesas redondas, 1 apparelho
de jamar 1 dilo para almoco, escarradeiras,
candelabros, relogios de algibeira, o de cima
de mesa e mullos outros objectos.
ininto-feii'.i 18 do corrate
O agente Martins far leilao dos movis cima
por coma de uina familia que se retinm para fura
da provincia, no annazeni da ra do Imperador
n. 10. as i 1 qoras do dia.
I
lo Patata
comprar
por onde
urbanos,
do Uelem
dirigir-so a seu
feira 17 de Noiembro de- 186
'**""<(> Al
A
O. Mara Adela
visa a todas as pesso
terrenos na antiga
em do pasar breve mi
pie ella val retalhar e diviifrl
ni pequeos sitios; e l>O^^^L
lho, o engenheiro Antonio Virento do Nascimento
i'eitosa, encarregado do todos os negocios de sua
nasa, para com lio effectuarcm qualquur compra
desses terrenos : na ra estreila do Rosario n. 23,
1 andar._______________________________
Na ra da Moeda n. 5, J andar, escriptorio
de Hanoel Alves Ferreira & C, vende-se vinbo
vurde superior cm barris, ancorlas cora vinho do
Porto superior e malvazia branco.
AVISOS DIVERSOS.
Fugio no dia 7 do corrento mez de novem-
bro, a esclava Joaquina, crioula, de idado 40an-
no,>. cor prela, baixa o cli ia do corpo, lem urna
orea rasgada no lugar do brinco, una peque-
a cicatriz na tosa a uru lado, dous denles na
iranio abertos que parece falla de uin, mas nao :
esta eserava so oceupava em carregar agua no pa-
teo do Terco, ou lavando roupa polos coqueiros
junio a ra Imperial, o por estes lugares quo
ella costnma andar, lioga-so aos Srs. capitaesde
campo a aprchensao de-la eserava e a levar a
ra do Queimadon. 39 lereeiro andar ou a praca
do Corpo Santo n. 17 primeiro andar, que scrao
bem recompensados.
I'recisa-se de nm padre para dizer missa de
Natal, em um Mgonho : a tratar na ra do Im-
perador n. 50.
Aluga-se nina preta velha, que cozinha e
faz compras na ra, faz o mais servico de nina
casa e sabe vender na ra ; quein a quizer a I li-
gar, dirija-so ra do AragSo n. 13, de mantisa
at as '. horas e das 2 as <*> da tarde.
Aluga-se duas casas na liba do lletiro (jun-
to a ponte da Passagem da Magdalena), lugar uuii
sadio e fresco, urna della de bstanles commoilos,
t;ndo j hauheiro feito para se tornar banhos ; a
tratar com o Sr. Luiz Manoel llodrigues Valenca
;i. ra das Trincheiras n. SO, 1 andar.
Ama
Precisa-so alugar urna .ama, que saiba
tiem cosinhar e comprar, para orna casa de
duas ou tres pessoas. Requer-se quo seja
de muito bons coslumes e diligente. Se
tiver estes predicados, paga-se bem. Diri-
dr-se ra Bella n. 30, sobrado de 2 an-
dares.
Para "familia.
pas casas retundas en urna s, caiadas e pin-
leifcjs do novo, a ra do Doslion ns. 3 e h, anda
r*t*i por .fugar, com nm grande quintal, eaciin-
lia, He.; trata-si na roa do Hospicio n. 28.
Na ra do Cotovello na Moa Vi'ta n. 1, 1.
andar, ha umrriadinhodo 12 anuos, escravo, para
alugar-se.
Aluga-so a primeiro.andar do sobrado
sito na rita Dircita n, 93: a tratar natra-
vessa da Madre de Dcus n. 21.
Em casa" de THEODORO CHRIST
ANSEN, ra da Cruz n. i 8, encontram-s*
ellectivamente todas as; qualidades de vinhc
Bordeaux. Bourgogne e do Rheno.
LEILAO
de fazendas araadas.
Quialt lyra i 8 de iiovcmbro as II horas
em ponto.
O agente Pinto far leilao, por conla c risco de
quem pertencer, de 579 pecas de madapolo, chi-
tas e algodocs. ludo com avaria d'ugua salgada,
o leiliti ser elfectuado as II horas do dia cima
dito, em o escripiori do referido agente ra
da Cruz n. 38.
LEILAO'
tiiiuf i cira im de novembro.
O agente Pinto far leilao a requeriinento dos
depositarios da massa fallida de Costa & Castro, e
por mandado do lllm. Sr. Dr. juiz especial do
commercio, da irmacao o fazendas pertencentes a
referida massa :
SENDO :
as 10 horas em ponto e no armazem do sobrado.
da ra do Imperador n. 29 a venda da armario
carleira e burra ; e
(em continuacao)
as 11 horas e no escriptorio do referido agente a
venda das fazendas.
Os pretendcnles podero desde j examinar di
tas fazendas e concorrer ao acto do leilao que de
Ter ter lugar no dia 18 do corrento.
Manoel Silva Jacoinc Pcssoa e seu filho Pe-
dro Iloinein Pessoa, Jos Candido da Silva Pcssoa
e sua mulher, Custodio Jos da Silva Pessoa e
mulher, convidara seas prenles c amigos
para assislircm as miagas quo p-jr alma de sua
presada av D. Ignacia Jacoine liezcrra, inandam
celebrar na igreja da Sania Cruz as 7 horas da
manha do dia 18 do crrente, pelo que se cou
fessam desde j gratos.
No dia 10 do corrente, stimo dia do
passamento do padre Primo Feliciano lava-
res, celebrar-se-ha na capella do arsenal de
marmlia as 8 horas da manha urna missa
pelo repouso eterno desse virtuoso sacer-
dote, que tao dignamente exerceu as func-
ces de capellSo do mesmo arsenal; c para
esse acto de caridade chrisla sao convi
dados os amigos do fallecido e aquellas
pessoas que quiserem assistir.
Joaquim Ferreira dos
Saltos
professor de dansa, natural do Portugal, chegado
a loucoda Europa com sua esposa esta pnvin-
cia, lem a honra de participar aos seus Ilustres
habitantes e mui principalmente aos pas do fami-
lia, que contina a leccionar cm dansas com todas
as. regras as tercas e quintas-feiras, das 5 horas
da tarde s 10 da nnite, cm sua casa na ra es-
trella do llosario n. 31, 2o andar, e nos domingos
do manha para todas as pessoas quo nao podeni
vir nos outros das, sendo a lico nos domingos a
noite gcral para todos. Tambem se promplifica
ir aos collegios e casas particulares nos outros
das.
Feitor e cozinheiro
Na ra Nova n. 12, ou na ra do Ouro n. 30,
precisa se de um feitor que saiba tratar de um si-
tio, assim como de um bom cozinheiro, preferindo-
se estrangeiros.
i'ede-se pessoa a quem for ollerecido um
annel de ouro com una granada, tendo esculpidas
armas em escudo csquarteladu, no Io quadro tres
vieiras, no 2o nove estrellas, no 3* cinco qninas em
cruz, e no 4" um leo, nao o :ompre pois fui Cor-
lado no dia 12 do corrente, e tenha a bondado de
leva-lo ra Nova n. 60, 3o andar, que ser bem
recompensada.
AMA
Precisa-se de duas amas, sendo urna para cozi-
lia e nutra que engomme : na ra da Cadeia-no
na, sobrado n. 17-
Attenco.
LEILAO
de farinha
de
tigo.
O agente Jos Maria Pestaa vender em leilao
em um ou mais lotes 200 barricas com farinha de
trigo muito nova recentemente chegada, qninla-
feira 18 do corrente as 11 horas da manha no
trapiche alfondegado Cunta, onde podero os pre-
tendenles examinar a qnalidade da farinha.
Previne-se aos credores da
massa fallida de Antonio Pe-
dro de Mello, que no dia
19 do corrente, pelas 10 horas
da mauhaa, reunio de cre-
dores na sala das audiencias.
Precisa-se de urna ama, para amamentar
nm menino, e d-se bom salario, na ra do
Pilar n. (53, Io. andar.
AVISO
Engomma-sc com asseio o promptidao, e mais
ralo do quo em outra qualqtn r parte, isto vin-
o j a roupa lavada: na ra Velho n. 93.
== Offerece-se urna mulhnr branca du boa con-
ducta para fazer companhia a una familia e pres-
tar ser vicos : quem precisar din ja-so Boa vista,
na dos Pires, ii-ja n. 33.
== Precisa-se de urna ama para engommar e
ozinhar : na ra da Roda n. 16.
Mais barato que em
outra qualquer parte
Prepara-se comida para fra com asseio e
promptidao : na ra estreila do Rosario n. 19,1
andar.
Lipoes de canto, mu-
sica e desenlio.
C. Marluangelf, ficando sem meios de
subsistencia pela horrivel caiastrophe acontecida
no thealro de Santa Isabel, o nao querendo ser de
peso sociedado, propoe-se a dar lic.des de msi-
ca e desenlio como j li/era ha mais'de vinte an-
nos em cinco collegios de ambos os sexos e en: va-
rias casas particulares.
A generosa hospitahdade que elle harecebido de
todos, e a ainisade que sempre Ihe cunsagraram
as pessoas mais estima*** desta cidade. faz-lhe es-,
penar que ieala vez tambem Ihe nao fallar tra-
balho, com que possa sustentar sua familia, e pelo
que invoca a coadjuvaco de quantos o eonhecem
no sagrado empenho em que se acha, no meio do
quai pora era aeco todas as suas torcas para con-
tinuar a mostrarse digno da proteccao com que
sempre foi honrado.
As pessoas quo so qnizerem aproveilar do seu
desvelado prestimo, podenio acha-lo na ra do
Suve (Ilha d"S Ratos) em urna das casas do Sr.
Tiburcio, perto de quatro coqueiros.
in!i.i l')tiMBi ai Uarinangeli
discipula do conservatorio de Milao, decidindo.se
a deixar a carreira theaUal c fixar a sua residencia
om Pernainhuco, onde sempre recebcu tamas pro-
vas do eslima e sym,-,athia, pelas qnaes conserva-
r eterna gratidao, deseia empregar o seu tempo
em dar lices de msica c canto, tanto de aper-
feicoamento como de principios.
As pessoas que quizerem-se ntilisarde seu pres-
umo podero dirigir-sc a ra do Sevc jlha per-
dos Ratos) em urna das casas do Sr. Tiburcio,
to de qnalro coqueiros.
M
Precisa-se de urna ama para cozinhar c fazer
todo o servico de casa de piuca familia : a tratar
na ra do Paysand u. 7, adianto da ponte do
Chora-menino.
cabelleireiro de Pariz, faz scienle ao rsspeitavel
publico e particularmente a sua boa fregnezia,
que de boje em /liante pJe ser procurado no seu
saln de CoilTuro para qualquer mister do sua
prolisso, com a co.uljuvacao do perito offieial
francez o Sr. Edouard Millo, rita do Crespo
o. 7 A, 1- andar.
Gabinete Portuguez
EM
Ama
Na ra do Codorniz n. 8 (Forte do Mallos) pre
isa-se de urna ama que saiba cozinhar.
Precisa-se de uina ama de leito
ra do Livramento n. 7, loja.
a tratar na
Hobfiias.
ete.
DE
carros, Camilos.
A 18 do corrente
0 agento Olivcira far leilao a requer ment
da Sra. viuva do lo dislinclo quanto lamentado
medico Dr. Henriqtie Krause, c por mandado do
lllm. Sr. Dr. juiz de orphaos c ausentes desta
cidade, da inubilia e mais objectos da casa que
forado sua residencia, con-istiudo em urna mag
nifica e completa guarnieo de Jacaranda para
sala de visitas, mesa redonda e consolos com
lampo de podra marmorc, mesa quadrada de ja-
caranda, cadeiras de balanco, sofs, sendo um
de mollas, cadeiras de guarnieo, de bracos e de
mollas, espclho grande moldura doaraoa, can-
dieiros para gaz, candelabro de tres luzes, camas
de ferro grandes, commodas, mesas com espclho
e outros feitios, aparador, estantes para livros e
ontms mysleres, jog de bagateila, armario, guar-
da louca, um apparelho de metal muito superfino
para almoco, dous carros de quatro roda*, o tres
cavallos dos mesmos com arreios, vmhos Xeres
e de outras qualidades em barris o engarrafados,
assim como do muilos eutros arligos que deixatn
de ser ennumerados.
Qumta-feira 18
do corrente, principiando s 10 horas da manha
em ponto em oprejlio da Sra. viuva Laserre, porto
deslo nome na Ca punga.
De ama mobilia de Jacaranda constante de 12 ca-
deiras do guarnieo, 2 ditas de bracos, 1 sof,
Fugio no dia 18 de outubro do corrente auno,
o preto crioul > de nome Anteojo, de dado 50 an-
uos mais ou menos, de c-tatura regular, porm
magro, com falta de denles, tem um dedo da mo
aleijado, anda um pniico corcovado para diante ;
esto escravo foi do Sr. Jos Gomes Ferreira, se-
nhor do engenho Maragi do Rio Formoso, para
onde se suppio ter seguido, quem o pegar leve-o
a ra da Concordia n. 8, reflnacao, que ser bem
gratificado.
Aluga-SH urna casa a beira do rio, no Poco :
a tratar narnade Dorias, sobrado n. 48,
Precisajae do urna senhora de reconhecida
honostidade e habililacoes para ensillar primeiras
lettras n'um engenho, vinte leguas distante desta
capital : a tratar na ra da Cruz n. 8, primeiro
andar.
Precisa-so de una ama que cozuilie e en-
gomme : na ra da Cadeia n. 10, ou na Capunga,
rualas Pernamhiicanas sitio n. 48.
iNo dia 17 do corrente fu?io do engenho Bom
Jardim da freguezia da Escada, o escravo Manoel,
cujos signaes sao os seguinles : cor fula, secco do
corpo, estatura regular, bem fallante, lera falta de
uin pedaco da orelha dircila do lado do cima, ja
foi snrrado por outro senhor que o possuio, levou
chapeo de bata e diversas roupas, e em sua com-
panhia urna mulher forra, a qual baixa, de cor
preta ; este escravo foi comprado ha pouco tempo
nesla praca ao Sr. Pedro Jorge : quem o pegar e
levar a seu senhor, no mencionado engenho, ou
nesta praca Rodrigues Almeida 4 C, ra es-
treila do Rosario n. 47, ser generosamente re-
compensado.
Precisa-so alugar uina eserava quo cozinhe
e engomme para casa de urna familia de duas pes-
soas, paga-se bem : na ra Diroita n. 12, primei-
ro andar.
Credores
O auaixo assignado, testamenteiro do finado An-
tonio Ferreira bornes, convida aos Srs. credores
do mesmo, a virem a Praca da Independencia ns.
4 o 6, receberem a importancia d que Ihes to
cou era rateio.
__________________Manoel Ferreira Pinto.
Precisase de urna ama du leite forra ou es-
erava : na travessa do S. Jos n. 35, 2 anJar.
Casa para alugar.
Aluga-se una casa na poroaco de Apipucos :
a tratar na tinturara franceza, a ra da Impera-
triz n, 53.
^ttNcaF"
I. ni? Antonio GoocaWes Ferreira, previne ao
Sr. Joan Luiz Goncalves Ferreira, que nao pague
as letras accedas pelo mesmo senhor, assim como
protesta desdo j em f de verdade, que o saccador
nao firmuu as letras que foram saccadas sobre
a v como decaram as letras ea escriplura de venda,
pois, se algnma firma apparecer falsa como est
j prevenido o accetante.
O Sr. Antonio Goncalves Costa, tem na ra
do QU'imado n 9 urna encommenda para Ihe ser
entregue, vinda de Fernando.
Caixeiro
Precisa-se de nm caixeiro com pratica de mo-
Ihados e que d fiador a sua conducta : na ra
do Imperador n. 11.
urna carteira desde a estrada do Camaro al a
eslcao do Caldeireiro, contendo 175000 emsedu-
las, 1 bilhete de assignalura dos trunos urbanos,
e meio bilhete da lotera do Rio de Janeiro da 61a
(30() n. 3775 firmado com o snete dos Srs. Viei-
ra & Rodrigues, em cuja casa foi comprado :
quem achou o quizer restituir, leve-a ra do
Livramento n. 11, que ser recompensado. E ro-
ga aos Srs. Vieira& Rodrigues, assim como a lo
dos os mais senhores cautelistas nao paguem o
bilhete supro seno ao abaixo assignado.
Manoel Francisco Pocas.
Attenco.
Antonio Jos Cordeiro Simdes est procedendo o
inventario dos bens de seu casal com a finada D.
Amelia da Silva Campos SimSes perante o Sr. Dr.
juiz municipal da 2* vara do termo desta cidade,
oque faz publico aflu de que os credores do mes-
mo casal a presentem ds seus ltalos c hab litera-se
no ,uizo do inventario, onde de vera ser attendidos
pelos seus crditos.
Agencia geral
Tsra para vender duas barcacas que levara 40
cxas, pouco mais ou menos.
A perfumara parisiense
Ra do Crespo n. 7 A, Io andar
Cbegou pelo paquete francez Gironde um bonito
sorlimenlo de lavas de cores para horneas e se-
nhoras, marca garantida do Jouvn e mais um
novo sorlimenlo de perfumaras esedhdas.
de Leitura
l'EBYtSBliu
De ordem.do lllm. Sr. presidente convoco o con-
sclhn deliberativo para sesso extraordinaria quin-
ta-feira, 18 do corrente, pelas 6 horas da la rae.
Secretaria do conselho deliberativo do Gabinete
Portuguor ae Leitura cm Pernambuco lo de no-
vembro de 1869.
J. P. Fonc.-a,
______ 2* secretario.
massador.
Precisa-so do um massador de padara ou mes-
mo aprendiz : na ra dos Pires n. 50.
Aluga-se
por anuo ou simplesmento para passar a estaca>
calmosa, nm casa na ilhi do Reliro (Passagem),
com comniodos para grande familia : a tratar na
ra da Senzala nova n.4, ou na ra da Cadeia nu-
mero 1
Prccise-sc de urna ama que saina bem en-
go ni mar e cnsaboar : na ra nova n. 21, loja.-;
xarope mmm^w pinto
E' de uinae'lienciuvt'i'dndeiMinienle'mar-
vilhosn como enlutante c'o systemn nervosoc
applicado con Ira n tinmlisin, a?lhmn, toBse
convulsa ou coqueluche, losse rcenles on an-
tigs sufTocnp6''b, catnrrhns bronrhicos, etc. e
a final contra lodos os sofTrimealos dns vos
respiratorias, enaphlisica pulmonar,sua vir-
tude con trn o ttano ou espasmo, e convulces
incon'.eslavel e ningem ha que odcsconhecn.
nico deposito, ru largo do Rosnrio.n. 10,
junto no quurtel de polica. Pernambuco.
Continuadamente se nosnprescnlam novo9
testemunhos dneflcnciu dofedegoso Pernam-
buco.
PILLAS, VWHO E XAROPE
DE JKIIRKB.l
ni::r' idos i-gio pnir.UACHJTico
JOAQ1X1I DE ALMEIDA PUTO
As prcparaees de jurubeba sao hoje vanta-
josamenle conhecidas o preconizadas pelos
mais habis mdicos, tanto da Europa como
do paiz, pela sua cfficacia nos casosde anemia,
chloroze, hydropesia, obstruccao do abdomen,
e tambem nos de menslruacao difficil, catharro
na bexiga, etc. ele.
Vendem-se em porgo e a retalho na cidade
do Recife, pharmacia do seu compositor, ra
larga do Rosario, n. 10, junto ao quartel de
polica.
PINTO PHABMACETJTICO
XABOPE DE SALSA PARRILHA DO PARA
ou
DEPURATIVO DO SANGE
Usadas as molestias de Pelle, impigens, dores
rheumalicas, e ulceras venreas.
REA LARCA DO ROSARIO, H. 10.
*
II.IYIjIS iioijse
Salt hill, perto de Windsor.
CATIOLICO DE HLMAAIDADES, lLtlIU
^S"o6 o patrocinio especia / de
SfA KMINKNCI.V 0 CAlDEAC WISEM.W, ARCEBISPO DE WKSTUPISTEIt, DOS KXM8. RVilS. SR3.
AMHERST, BISPO DE NORTIIAMI'TON, DR. CRA.NT, HISPO DE SOLTIIWARK, E DO HVW. MU
WAREINC.
Os Srs. James A Willara Bult. assistdos de nm japelle residente na casa (fe
aptos professores.-dirigem o estabelecimento cima mencionado. 0 curso do edocac*
encern as linguas, latina, regy, inglcza e francesa : algebra, arillimelica, calligraphia e
escripturarfo mercantil.
A pens5o de ciaeoentn guineos, Os lagares na capella (a qual faz parte da
casa) hem como o dinheirtf, que os alumnos b'verem de receber, sao pagos parle. A
pensao paga seis mezes adianlada. e no caso que os pais on correspondentes deseja-
rem que seus filhos ou recommendados se retirem do estabelecimento, tero a bondad
de avisar (s Srs. directores tres mezes antes da sabida dos sobreditos. As ferias da
vero comrcam no dia 21 de junho, e acabam no fim do mez de julho ; as do Natal co-
meram no dia 21 de dezembro e acabam no dia G de Janeiro. Desenbo, msica, dansa
e esgrima san entinados por professores modernos.
A situaro, como, bom se sabe, muito sadia: cincoenta geiras de trra per-
lencem casa, a qual espacosa e commo la; situada perto da estar,5o de Slougb,
nma das da grande estrada de ferro do este, (Great Western Raihraj.
Para melbores instruccoes qncira-sc dirigir aos cima m nconados ; ao Rvtn. R.
Gonego Sbepherd, Priory Street, Colchesler; ao Rvm. J. Bamber, Thorndon, Essex ;
ao Rvm, John Butt. Arundel: ao lllm. Sr. A. Butlcr, C, Austin Friars. Londres, ou ao*
directores os Srs. James & Willian Bult, c no Brasil provincia de Ptrnamboco, a Antonio
Luiz dos "Santos.
LOJA DAS MACHINAS
Acabam de chrgar grande quantidade dns verdadeiras machinas americana
para descarocar algodao de todos os systemas e tanianhos seguintes:
12 serras 12 serras
14 dilas I-i ditas
15 ditas 13 dilas
16 ditas 10 ditas
18 dilas 18 ditas
20 ditas 20 ditas
22 ditas 22 ditas
23 ditas 23 dilas
30 ditas 30 ditas
3* dilas 33 ditas
40 ditas 40 ditas
as qnaes se vendem por procos commodos c roga-se as pessoas que dellas fizeram en^
commendas d alguns tamanhos, obsequio de as mandarem busca-las o mais breve pos-
sivcl afim de nao haverem fallas
RA DA CADEIA N. 56 A
jai5.3ii;t
Do xarope Vegetal- Americano espccialitde de Bsfrthblomco&D
34,RA LARCA DO ROSARIO.34
foi coslumimoi procurar ItetUdos pin acreditar
naM>a preparado, e deiamoa qac ana applicacao e oa
resollados obtidos pelas pe>soas(|ne ae dignaramacceila-
loa, Ihea deem crdito e voga ; porqne nao sempre o*
lltesladoa conaiderados gralnilos, e dellea qoe aaj(a
mo o charlalanismo; mas ni qnerendo olfeoder a. pea-
soasqneesponlaaeamenle dos oITcreceram.os que aLano
fio transcriptos, oa tazemus publicar roanifcsiaudo-lbea
dossi gratidlo pela attenco. es|*rando qne Tenban
etles corroborar o conceilo, e acceiisc" qne lem mere-
cida nosso larope. liariholovro ft C.
aiiuum,
lllms. Srs. Bartholomeo t C. com a mais snlida
utiafjclo que declaro aer o iirope Americano de urna
efOcacia eilraordinaria, poia que soOrendo ba das de
intensa tnsse. i nonio de nao poder dormir i ooile i
despeilo mesmo de mediramenlos qne (omaa, a elle
recorr e na terrena colhcr fui alliviado. o de lodo me
acho boje rcflnbelecidn com o nso sement de quasi
meio frasco; i^raln pois i esse resultado manifest a
Vv, Ss. iKcn recoiilivcinienlo. lie Vv. Ss. ira, ve-
endor e nlirigtdlo. Mannrl Antonio Viegas Jnior.
Sim i-nsa '."fl n"c iihril de tsi S.
lllm. ."!* liailliol"iiieo i C, Peiihor.idissiruocnm
o bior i|ini mu lu.er..ui du aronselliaro u.-o do larupe
Vegetal Americano, de sna composi<;lo, quaodaa*
arbeta bstanle doente de urna constiparlo, qn as*
tornou completamente rouco e quo irouie ama loriar
tosse. a me iaapnssibililoo de cumprir os mcus deraraa>
de cantor da emprrza lyrica, ron agradccer-lbea anas
completo resiabelecimemo. qoe oLitc com nm s tuirat
do mesmo larope. depois de harer recorrido a maitas
Iralamentos. Desejarei que outros como en recorran*
ao sen tarop para se terem armados de lio termenV
Dcommodo, lio fatal rwste pais. Com rnalnr conaida-
raclo contino a ser de Vt. Ss. aliento. eneradura>
obrigarlo. Lniz Ciemona. Recife 25 de setenabra
de 1868.
Illma Srs Bartholomeo 4C 0 xarope Vegetal Ame-
ricano qne Vt. Ss. lira eiposto i renda i de toda effi-
eacia para o curativo d'asihma, canforme observei ap-
plicando-o a meo lllho Joaquim, menor de qnatrar
anuos; victima d'esse Dagello, que al enDopor espadar
excedente a dons annns havia resistido a oulrosiarope
de grande nomeada. Qneiram pois V. Ss. acnitar
exptessao altamente sincera de meo reconhecimesiA aa>
meritorio acirico que llic prcslaram com o iudie*da>
tarop, acre-liandome para sempre de Vt. Ss. criadav
aiwnlo e obligado. Amrrico Nelto de Ucndonca.
lletife 2 do outubro de lt.CS.
PRODUCTOS de J.-P. LAROZE
PHARMACEUTICO, 2, IUE OES LIQHS-SA1NT-PAUL. PARS.
XAROPE DEPURATIVO
de cascas de laranj as amargas
Com IODIIU10 de POTA88IO
0 lorloreto de potassio um verdadeiro alterante, om depurador de iocontettvel cffl-
eacia; combinado com o xarope da cascas de laranjas amargas, e aturado
sem perturbaco algnma pelos temperamentos os mais Iracos, sem alterar as funecoei
do estomago. As doses maihematicas que elle ronlem permiltem aos mdicos de receiial-o
para todas as complicacocs Das alTcrcOns escrofulosas, tuberculosas, cance-
rosas e nos accidentes intermitientes e terceiros; alem d'isso, O
agente o mais poderoso ciantra as doengas rheumaticas.
XAROPE TNICO ANTI-NERVOSO
de calcan de laranjas amargas.
35 annos de successos aileslSo a sua efti-
cacia para corar: as doenpas nervotu,
agudas ou rhrgnicas, as gaslrites, gastral-
gias ; e facilitar a digestao.
XAROPE FERRUGINOSO
de cascas de laranjas e qnassla amargs.
E' sob a forma liquida que mais fcilmen-
te se assimila o ferro; n'esia forma prefe-
rir! as pilulasc paslilhasen todos os casos
em qoe sao prescriplos os ferruginosos.
DENTIFRICIOS LAROZE
COM QUINA, PYRETHRO I CAIACO
* dentifrieio, rom base de magnesia
para a alvura e conservaco dos denles,
provenindo a descarnadura, provocando o
trtaro de que empede a reproduclo.
BIizr dentifrieio, para a alvura e con-
servacSo dos denles, curando as dores
causadas pela caria ou produzidat pelo
coulado do calor ou Deposito em Rio de Janeiro, B. Chevelet; em Prrnamduco, P. Horer e c; em Macelo,
Paleo Das; em Pelotas, Antera Lelvsa; em BoAia, Da necka; em Porto Alegre, jone
I Bella; em Maranho Ferreira e C*| em Ouro Prsto, C. I. V- Welereaa \ em Sania Calna-
i naa, 8. SeknteM *m Montevideo, O. Inkert | em 6tM*M-Ayrei, Eiekevareberda.
RA
DO
CABUG
esquina
| da ra larga do
Rosario.
RUI
CABUG
AO ANNEL DE OURO
Este importante estabelecimento no sen genero, tem sempre nm sortimento sem igual.1 esquina
e vende por prepos que nenhuma outra casa pode vender. L 1 ,
vista da qnalidade e do prepo das joias cada um pder-se-ha convencer daverdade.l rua lar8Taa(i
Garante-se ser tudo de le. Compra-se ouro, prata e pedras finas por prepos muito ele- Rosarios
vados.
A loja estfl aberta at s 9 borc da uoute.
i
s
^


>
-

Pernanibuco Quarta feira 17 de Novembro de
1869
=
Mikroskope achroma-,
tisehen. Objetiv Lin- ^ \^
sen.
Barometre e termo-
raetre. Centgrado
e reuumeure.
ISEBICBS
BORZEGUI D011AD8
Nova loja de calcado
JOAQUIM DAS DOS SANTOS C. acaban de brir om estabeieeiinent de al-
eado estrangeiro a ra Nora n. 30, onde o pttbfico encontrar ludo o qne neste ge-
aero de commercio ha de melhor e de mais gosto em Paris e Londres.
Por.todos os vapores transatlnticos receberfo elles constantemente remessas de
aleado novo, pelo que ter sempre o eslabelecimento o que a respeito se pode exi-
gir. Ao publico em geral e a seus amigos em particular, pedem a cooperario, que
Ibes possam dispensar, certos do que serio servidos com lealdade.
E crystal de rocha do Brasil.
r I eriuaan. recoromenda ao publico, seus vidros periscpicos aperfeicoa-
doa: porque, con estes vidros, a vista descanca, fortifica-se e nao a canea como om
os vidros ordinarios. Urna vez cscolhido um vidro, pode durar dez annos, emquanto
que com os vidros ordinarios se est obrigado a muda-Ios todos os annos eoster
ida vez mais grossos, o que altera o c.ystaiino do lho e detemuna quas. sempre, d-
0 alcance ordinario da vista perto de 30 centmetros do lho, e,
expelle sao
umero de
Com a appHcilUle meus vidros pdele ven;er estas difficuldades. Para os que tem
a vista curta e cojo crjitelino 6 mui convexo (o que faz ver bem, de perto, e mal de
lontre), o que se chama rnyope, por mcio de um vidro concavo affasta-se o ponto de
vista, o que faz divergir os objectos e deixa ver to longe como as outras vistas. Quan-
do o ci vstalino muito chalo, o que succede aos que tem chegado a urna certa idade,
o que se chama presbyta, vcm melhor do longo que de porto, e nao enxergam senao
um nevoeiro na distancia ordinaria da vista; com um vidro convexo, estes enxerparao
tao distintamente como na idade d lo annos. Servindo-se desles vidros quando e
vista principia eufraquecer, previne-se o mal.
F f. ftcriHann encarrega-se pela sua expenencra, tendente aos olnos, a es-
colher.'a primeira vista, seja qual for a Hade egro de vista, oculos propnos para
quafquer pessoa,
Para que sao fabricados estes vidros
Para a vista myope, (vista curia). Para a vista que nao snpporta
Par?, vista que se cobre de nuvens. solares nem grande clandade
v es-
??
Para a vista que por momentos,
voafar pequeos pontos negros.
para a vista que as palpebras tremom
de fraqueza.
Para a vista que os olhos slidesiguaes.
Para a vista que se turva com o traba-
Iho e a lcitura.
Para a vista presbyta (vislagalon ).
os raios
Para a vista operada da catarata.
Para a vista que as palpebras esio cer-
cadas de sangue.
Para a vista que um dos olhos myope
e o outro presbyto.
Para evitar finalmente que o crystalino
do olho se cobra de catarata.
ii?l|ifi!
* g o. en Q) -,
S ^ Z 8 a." o3
2 re a. 3- a -o
05
9 g. a. y 5
<*M

o.
ce
= 3 3 3 E' o
wo w) o a.
^

Sortimeruo
para theatro,
alcance para
rinha.
de binculos
c oculos de
o campo e ma-
Tem tambem grande sorlimeni
cima de mesa dos mais lindos mode
domada cfoleada, iuglezes, suissos
cantes.
Vendas em grosso e a retalho. Em Pernambuco.
N. 21=Rua |ovaN.
Lonetas, pince-nez e
face-a-matn, ouro, prata,
tartaruga, bfalo, ac,
etc., etc.
de retogios para parede, que d3a horas e para
Reldgios para algbeira, de ouro, prata, prata
e orisontaes dos memores e mais afamados fabri-
21.
9Ra da Imperatriz9
De xolta de Ma viagem a Europa onde visilou as mais afamadas fabricas tanto
em Paris amo fm Londres. Vienna, Berln, Hamburgo etc, e tendo-so relacionado
t-.m os mais celebrrs fabcantes como Herz Scheel.Bovd. Peyel, etc. o proprietario da-
quelle eslabelecimento expoz venda alguns destes celebres insti lmenlos e assevera ao
puhlico, fin parliculara.sseus freguezes que ellos, alm da perfeico e esmero do seu
fabalho, rennem cm si toda a elegancia, solidez e harmona,
Esta casa est montada tm grande escala e pode fazer todos os concertos neces-
f arios, ,pois o^eu piupiittauo troiae consigo da Europa todas os utensilios necessarios.
Coniuar pois, allugar, afinar e concertar, como de costume, como.maior
esmf ro p prTnptidSo. ___
n ..... '
y
, Hli]
OBTin-SE
COH O USO DA
i
INJECTON
nica hygienica radicale infallivol na cura das gonhorras, flores brancas e floxos
4e teda epecie recentes chi chrtwicos, e que olurece como garaulia de seus saluUres re-
soltados a antiga e continuada applicaJo que sempre com a maior van^gem se tem fei-
lo della, nos hosnitaes de Paris com preferencia a todas as mais conhecidas.
IMCO DEPOSITO PAHA O
BRASIL
SFS. BIRTH01VMEU l T,
34-----Ra Larga do Rosario-----34
VERDADEIRAS ~^|
PILULAS de BLANCARD
COM IODUNETO DO FERRO IRALTERAVEL
APPROVADAS PELA ACADEMIA DE MEDICINA DE PARS, ETC.
Ponuindo as propriedades do lodo et do /erro, convem especialmente as Affeccos
iscmoniLOSAS, a Tsica do principio,] fraqueiad* tomperammto e tambem nos easos de
Falta di cor, AMEN0HRHEA,em que precisa reagir "^bre o sangue seja para restituir
-Iba a sua riqueza e abundancia normaes, ou para provocare regular o seu curso peridico.
If. B. 0 iodnreio de tarro impuro on tlurado i nm medicamento infiel,
irritante. Como prora de pureza de anthencidade das rer^mdrtrmm pi-
Ww m ataatiri, dere-ie exigir nosso arll* Je prata reactiva
ik aoMo trata, aqni rtprodaiida, iraa ae arha na parta inferior da nm
^^ ratata arde. Dere-aa daaconfiar daa faitifleacoea.
laV'
.Ae*M
> Mu aa afcaiwi. Phan*4MUiet, rua ttmmpmrU, AP, Ptrit
X
ar.
F4BKI04 Hli PIIS
DE
J. Rhigass, successor
55Sua do Imperador56
Ke$ia.anga e bem conuecida casa, ,encontrar-8e-ha comooutr'ora grande sor-
tirueatp de pianos eonstruilos expressamente para o clima deste paiz, e Mr. J. Rtiisass
tando lbalaii< muilos annos na construyo de pianos em Paris, acta-se habititado
a.iwepapar os pianos que ende com todos os accessorios indiapensaveis n5o so a sua
soliiez, como stia duracSo. Todos os pianos sao garantidos.
Tambem ha neste estabetecimento, grande variedade de msicas novas e dos
meHrOres atersJ tanto vindas de Piris como do Rio de Janeiro, que se vende mais
barato do qti em eatra qiialquvr parte ; assim como ha igualmente venda todos o?
objetos aQceiarios contrurgo de pianos. Os concertos o afinaces de pianos sero
feitos com .o maior zelo ,e cuidado.
EXPOSICAO
ORES

G9RA DA CADEIA DO EE9CIFB60
rME,%MMBK M^IIOEJMMBAC %0
PARA ACBAR NESTES AS

>

C:
&
ANIiR DELSUC
CABELLEIREffiO
n7 A Ra do C^e^po1.* andar 7 A
ENCONTRAR-SEHA sempre neste estabelecimento um variado e.bonito sorti-
aaento em perfumaras francezas e inglezas cqja lista damos aos leitores.
LUYAS Marca garantida de JOUVTN.
EXTRACTOS.De superior qualidade marcas LUBIN dt GOSNELL.
DITOS FINOS.em frasquinhos proprios para presentes Lubin 4 GosF.efl.
POMMADASBanha una de varios cheirosLubin.Gosnelle, SocietHygioique
SAHONETES.finos para toilette^Lubtn dr Monpelas.
AU DENTIFRICE.agua para limpar denlesSociel Hyginique Lobin *P^
ftcwe.
BRILHANTINA.para lustrar a barba e os cabellos-Lubin.
AGUA DE COLONHA.Marca verdadeira de Joao Marina Farica.
COSMTICO.cheirosoLubin.
PQZ DE ARROZditoLubin.
HU LE DE SENTEUUOleo para coaservaco dos cabellosSociet HTginiq
ESCOVAS FINAS.para" cabeHos, dooles e unbas.
BLA1REAU.Pincel para barba.
GBANfOS.para cabellos.
RE OES INVISIVErS para cabellos.
GR.\VATAS LINDISSIMAS.do melhor gostoj
BENGALAS. de phantasia, para passeio e de diversos taannosetc.j etc., etc.
A la parfumerie ^arsene.
7 A RA DO CRESPO t. ANDA 7 A.
v\m\ w,% FE.
Aos 20:000^000.
IKao
mais cabellos .brancois.
Bilhetes do Rio venda
vende Vieira & Rodripne.
roa do Cabug n. 9, i
Um moco de idade de 17 ano'*, eun uwilc
bom talho de letra, -abendo arimmetica, traduzir
francez c wl''z, om-rece-se empr>tr-se em al-
puma casa de commercio, dando*ador sua cen-'.
duela, se for preciso : quera precisar dirija-se ;
ra da Matriz da Boa-vista n 16, i" andar, und
se dar informacSes a respeMo, ou annuncie p.
este Diario para sr procurad.
O proprif torio desle. ettablee*aento endo a#ir apto ferev* para os Etlath Aiidoa e finropa, fa mapN* l^urtasao uestes dias, paca acaljar ; eomo
animados para camas e janellas cobf-rtores ingleses finos, calcado de pao, bijoterias d*r'nro de 18, inui n setas de brilltaotesy aneis, wulo*. lunetas, trance'ins etc., apparelhos
i metal do mais fino que ha para almofo, bandejas etc., pe fumarias de diTerentes fabricantes, difTeretitesfnpfltiL, vtisiae p f*-tre6ik) ufopria6 pira ^uwaentes^ caixas,
if musirs, ditas com pertence? para costura, ferro de engomm^r, n3o sendo preciso carvio nem fogarefro, machinas de delir batatiis, ditas paja prf parar a carne para gui-
sados^Jilas para ba'ter ovos e bollos, grane*ariedade le purfoianas, aoeaa, -vasas p?ra 4tiraH'. apparp* pa-afjM-e|c,,4r|V0i 4>jefc>e d>- vidro como saja: lufitussi
gt#bot para saies. fanterns para'cima de mesa, escarraderes ele uns cxceHentes cofres de ferro, espelkng de diversos lamaiAos de moldura dourada e preta, moldnrS
pirrtjuadros, ricas caixs rara retalo, .Alas ta Lveiro ,fiipna paa fresa>. fesas_ *W, an^ay4naito. $?M|8 ftw para qoadros talagaj^
lMfsfa taMMatios, cosmerama, lanternas mgicas para diverlimento em salas, qnadros com finas figuras de porcelana, ditos com movimentos, figuras btonseadas para enfeites de mesa.
3w-vid3S para se lomar baultos no mar on rio. lencos de linhos finos para algibeiras, ricas grvalas de s^da, variadq siirtimento de miadezas e brinquedos para criancas
, ^engallas, camas d- ferro de differentes tamanhos. lavatorios, 8tereocospo. cosmoramas etc. el^p^iiBiJWlW'WlCOa^raAur: i mu<06 tas tufos qt# ee mderSo
No barato para inleiramerite acabar, no armazem EXPOSICAO DE LONDRES
60-M!i M CHHI M H
CASA FELIZ
Aos 20;00 \o Reclfe arco da Cnnceicio n. a
Os abaixo estguadus tendo-so habilitado na
(oren* das le, lera exposto a venda os seus feb-
les bilhetes das loteras do Rio de Janeiro, na rasa
cima, aonde se pagano as sartas que sabirem
os mesaos bitkotes, coas Gascn soaente
da lei.
PBECOS.
Bilnete inteats *M00
Meios 2S000
Qoartos SjWOO
R*tr'Wes pra cim* a Mf-o -brthete.
Sipusirdo A lae-
= Proi'isa-KB de mu cafseiro qu!i "tonha'pratlca
de negwein de fazenda-, e que qneira ir para
A tintura japonesa para fingir oe cibeft
da cabeca e da barba, fe i a nica admitBBs
Exposifo Umverml, por ter sido fese-
nliecida superior a todas as prsparacfis ate-
boje existentes, sem alterar a sande.
Vende-su a t0t)O cada frasco na
Ena da Cada n. 51,
1. andar.
N (iraca da Independencia n. 33 se dtp
nheiro sobre nenhores de ouro, praU e
Pii'cioi-as, seja qual for a quantia ; e na
i-asa se compra e vende objeetos de ev e i
. igualmente se faz toda e qoalqu- ebsa dte
c-oiiiineiida, e ledo e qualquer concert leod*
mpsn arte.
los
a de neg'
tar na ra do Livramenio n. S, loja de S Aaao-
rSn&C.
OS
CASA 4M 4
23 HUA U *v5WrP 23.
O abaixo assignadn tendo vendido nos seos alte
tes hilketes.da lotera 15' do Hospicio de jfjqpr
II (299) as ertes abaixo decas*, eoMffc -m
possuidorvs a vire reeSber, pois as pagar SOa
a pmmptidao que costuma.
Aottsm-oe venda se da 61* a J*or do Motete-
Numero^-2033, q atro quartos, com 30:000Klt.
4733, dous qoarios, com ijOftfl#000.
I6i9, duus quartos. enm 800JO00.
Manoel Martn* Pfau.
Jsiiayino Fra
raa (tova a. 61. per
Francisco Ferreira
Frflrisa-se e urna ama w tenlKtrbmn e aban- de Miranda Dorio: ,
'dame'Me, pag-se bem : mv ra larga do Rosario reclame al n da 18 do crtente, diaojw o i
d 18 3o andar. pretenda eneetnar a eeaofrav


dpfc
io de Prtiambuco Quart feira 17 de Novembro" de 1869.
i)
4
S
5
m
5*
efe
i
LOJA DE JOBAS
DE
t
Este antigo estabelecimento. completa-
mente reformado ie novo, est as condi-
0J3S de servir vantajosaraente os seus fre-
guezes, visto qua acha-se prvido com um
expendido sortimento de obras de ouro e
prata de le, assim como brilhantes e ou-
tras pedras preciosas, oujos preqos sao os
oais 'mdicos que se pode encontrar.
As joias compradas nesta casa recebem-
83 em troca ou compram-se com pequeo
abate.
Na loja, de funrtsrr* da porta trta ; rea da
Imperatriz o. 6$, tem um grande sorlimento de
candiciros e lamparinas para gaz, do lindes gestos.,
e otras de ftmileiro, tend 1 santuario de gosto*
tem acabado, assim como vende bombas, tornei-
ras etc., e enearregase da encana?io d'agoa para
qualquer casa, ou e-tabelecimento, tambem vende
um bonito e modern) fogo inglez, nao s eoxhiha
eom lenha como com o carvo. Na mesma loja
enncoriam-se todas as ubras de encanamento e
machina de costura, asseverando que achurad
sempre prompto a servir bem es seus Ireguezes :
a tratar na mesma loja a qualquer hora, quesera
attendido.
testameuteiro do fallecido subdito francei
Joao Vigiles, convida aos devedore* do finado a
saldaren) seus dbitos amigaveimeule,do contrare
serao ajuizados sem excencao algnma.
Attenpo
Ka,na'do CoweuW do Rispo n. 63 precisa-so
garoflia sscratapira ftzer compras, coznliar
ibaiAcend^os miarnos, t&o'\& ola o pceo : a
tratar na nir
Precisa-se fallar com o Sr. Hullun Tiiomaz
de Aqumo, genra do Sr. Manoel Jos de Souza, a
negocio de seu ioteresse, ou saber se o lugar de
sua residencia, na rua ro andar.
Precisa-se de urna cosinheira
Joias, ra do Cabug n. 4>
no Musen de
AMA
Precisa-se alngar urna preta eacrava para o ser-
vii ii externo de casa de pouca familia : ua ra do
Queimado n. 12, 1? andar.
Bolos para casamentos
35-Rua estreita do Ro9ario-35
ri0 l)ri,l,eiro andar, preparan)-se bandejas com
dilfcrontes armac/x-s, b.ilinlmsdo diversas qualida-
des, epfeitados ao ultimo gosto, com baqueta o li-
tas, com dsticos a ouro; assim como prepara ra-
se doces do todas as qualidades com perfeicao e
mero, podlns, bolos inglezes, pndelos, c as do-
mis iguarias proprias de das festivos ou presen-
tes, ornados ou simples. Tambem se fabrcam flo-
res de todas as qualidades, quer sejam de panno
ou cera, e tudo qunfHo for tendente llores artifi-
ciaos, desde a rosa al os reos para ornamento
de imagens, iuclusivo ornamento de velas para
baplsados ; arman) boqueta do cravos ou llores
rmluraes para casamentos com Titas ou sem ellas,
He. etc. : os pretendimtes deven) vir em temp>
fazer as encoinmendas, qi ora garantida a per-
feieao exigida e por cominodo preco.
i
na
pri-
0.

m
AS BOUBAS CUBADAS
E
Todas as molestias sypliiliticas.
PKI.0
i ELEXIR DO DR. SEVIAL
nico depurativo sem merciirio que tanta aceitacao tem meiedo no Bra-
s sil, as repblicas ilo sul o na Allemanha especialmente para cura das boubas,
1 s-irnas, rlicumatismo, todas as molestias syphilitipas e em geral todas aquellas
fzfy provin fia empureza do sangue.
m NICO DEPOSITO
3 WA
l*harinacla e drogara.
DE
{% Bartholomeu 4 C.
Yi\ 84Ra Larga to Rosario34
'i'insiicieq
so||8.iuodsba op eajjoo otuoj
oIsojo op boj 'seuumi|wo sepefo| bu 'ayoo epea oWS 8P oiadd
. 0|ad sopi!A03 o?; e 8J woj epas op ozb3 ap sajjoa sopur]
|j.>.) npBo *c c sopiisoA cied 'RjJBq mo.i anewad op saiaoo sajouedns
S9MN 0!S
Este admiravel
llcpuraliro au
contemos simer-
urio, iodo oa
arsnico i un
vigoroso niodili-
(SEM LIMITE.)
Iravcssa da
Crozos n, 2,
i meiro andar, da-sc qual-
I qner quaiilia sobre ouro,
prala c pedras preciosas.
O dono dcste estabelecimento,
?** competentemente autorisado pelo
|g governo, est as condicoes de ga-
H rantir a transacc5o que se lizer em
sua casa, prometiendo todo e zelo
m e consideracao s pessoas que se
i dignarem de bonra-lo em seu esta-
S belecimcnlo.
Na mesma casa compia-se ouro,
E^ prata e brilhantes.
bmwwm
?ia ra Direila n. 10, sobrado, lava-se e engon)-
ma-se tanto para hcmein como para senhora, por
coiiiinodo proco.
Advocada.
0 bacliard Carolino de Lima \
Santos, acha-se a ra estreita do
M Rosario n. 23 onde pode ser procu- I
H rado das 9 horas da manilla s 3 H
gg da tarde. ^
Club do Monteiro
0 empresario do Club l'ernambucano tem esla-
bflreiil i um Club na povoaco do Monteiro por
I Rifles a principiar no I.* de dezembro at 18 de
fovereiro prximo futuro debaixo das soguintes
con liccoes.
As pessoas quequizeivm ser assienantes deve-
rao entender-so com o respectivo empresario pnra
este apresenlar seus noine a directora do Club
io Monteiro, para este deliberar se sao ou nao
aeci'itos.
A assignatura sera de 10 (pagos adianlados)
pelos 3 meze para os assignantes efectivos o 20
por raez para os adventicios.
0i8ocits etfecliv.is do Club Pernambucan^ pa
garito adianlado ij, pelo trimesUe e 10i por mez
i adventicios, prendo seren ad.)iiuiJos sem
mam approvaco.
Programma do Club
Urna reunan familiar ans atibados; urna parti-
da na abertura e oulra no encerramonto, leitura
de jornaes, cli t)das nsiviites das 9 al 10 horas.
N)s rouniCes familiares s tero ingressn os ss-
sign intes, as partidas admitle-se convidados.
Rccife i i de novembro do 1869.
P. J. Lnyme.
O directorio do partido liberal convida os mem-
bros do iiiesioo partido e os atngos do Theophilo
fENEi>iCTO Ottoni, para a comnwmor.u-.io fnebre
i|uo os libt'raes d'esLjcid.ide mand.iii celebrar a
17 do corrento, s 10 "oras da manhaa, na matriz
ile Santo Antonio.
Au urna casa em Reberibo : a tratar com J. I. de M.
Itegj, ra do Commercio n. 34.
- Alugam-se duas casas terreas sitas no Mau-
gUtnho a margom do rio, reeommendaveis pela va
frrea : a tratarna ra do Vgaro n. 31.
CASA DA FOIWiSA
Aos 4:000$
Bili&toj garantidos.
i roa do Crespo n. 23 e casas do cosame.
Aebam-se a voiiJa os felizes bilbetes garan.i-
Jos da 11' parle da toiera beneQcio do pairi-
iBomo d.Mpibi' (17), (|qc se extr.iliir sab-
bado O Jo corrate moz.
Procos.
. Os do costme.
Manoel Martins Pinza.
Akiga so urna casa terrea acabada de novo,
cninda, pmUila, eom G ipiartus, muito fresca, na
ppvoac,iu do Moiit.-iio, entrada ipie vai para o Ar-
rai.il, propria para se passar a fesla, bu mesmo
imraniu : a tratar na roa de Santo Amaro n. 20,
Brtorio do MCfivio Jos Mariano.
Rio Onmde do Norte
O Liberal do fitirte em seu n. 62 apresentou,
como cosuima, um infame lbello contra a reputa-
(ao das duas primeiras autoridades da provincia,
h do nutras -pessoas gradas dcsla villa; e te ve o
descaramento do assignar esta miscellanea menti-
rosa, com a Qrma de Joo Anaslacio, sem se lcm-
brar (|ue e-te eiilmlao, embora pobre, e sem nome
no paiz, pr.-za a verdade o incapaz do mentir e
calumniar, porianio reverte sobre si tudo quanto
disse, que anda >er pouco vista do seu proce-
dimenlo. alera de sempre, e principalmente as
nrosentes eluicocs para um senador, cuja negra
historia logo ser visia c ronhecda pelo prelo. Nao
admira a iinguagem do Liberul, porm que a sua
liberdado d para tudo dizer e fazer, o qae deve
admirar que baja quem se oceupe de l-lo, c
mai< ainda assigna-lo.
Villa da Ponha 10 de novembro de 1869.
Km i Anstacio de Mello Silva Gama.
A VERDADE
55Ruado Queimado___55
S para coziiihar
Preesa-se de urna criada para casa de homem
soitoiro : na n;a da Cado-a do ltcrife n- 57.
Mo eque.
Precsase de um molcque para copeiro em urna
casa cstrangera, de H a 16 annos de idade : tra-
ta-se na ra do Vigaro n. 2, escriplorio.
Precisase
de um menino de 14 a 16 annos para caixeiro Je
loja de cera : na roa do Livi amento n. 36.
Precisa-se do una ama para
familia, para comprar e coznliar :
ti n. 77.
casa de pouca
na ra Augus-
AVISO
Aehando-sc Je passagein n?sta capital o abaixo
asignado prc>tdigitador rbimico ayisa ao res-
peiiavel publico quetenciona dar alguns sorsdc
prestidi^itacao no saiao do Club Pernambueano,
sendo o primeifo sabbado 20 do correntc, o que
ser annunciado com antceedencia o programma.
Mariano Vans E.n Alias Rodrigues.
ARVOCACIA.
O conselhfiiro Jos Rento da Cunda e S
JB Figuciredo contina a exercer a prolis- jgl
jL sao de advogad no sen escriplorio, ra Cgl
32 do Imperador n. S7, cntiala pelo caes do S
JB( 22 de Novembro.
Manoel Cordeiro comprou a taberna sita na
(Jasa Forte, de Manuel, da Costa Pereira : quem
se jiilfar com direito *tnesqia, comprela no pa-
so do tres dias. Casa Forte i de novembrroed
1869..
ADVERTENCIA.
O sitio do Jacar que vai ;i praca no da 18 do
corrente, por execue^io da fazenda, foreiro ao
patrimonio dosorpliaos cargo da sania ca-a-
!'', '". etc.-Empreado dianau.nle dle refresca aonassa do sangue econsolida o Mude.
A INJECGA0 CDT Cur*--m-*dia? corrim*D,M ,wioou ***"
Bamu, 7, B' OttMin,
os mais rebcldrs.
Os administradores da massa fallida de J ao
Ferivira da Custa Soans rogam aos oradores do
inesno, se sirvam aprosentar seus litulos no praso
de oito dias ra do Rrum n. 1, alim de sarcm
examinados e eiassifieados como dispoo o art. 859
do coJigo commercial. Reeifo 14 da novomufo-ilo
1869.
= Precisa-se de urna ama para casa do pouca
m lia, para cozinhar e ongwnuiar : a tratar na
ra do Cabug n. 1, loja de joias.
E JOIAS
n
^
GOMES DE MAHOS IRW10S
teiido feito completa mudanza em sea antigo e
acreditado estabelecimento de joias, com o flm de
dar-lhe maiores proporpoes e elegancia, convidam
ao publico em geral e com especialidade as Exms, ,___(
Sras. de bom gosto a comparecerem pessoalmente| G^
das 6 horas da manhaa s 9 da noute na
RA DO CABUG N. 4
onde encontraro um completo sortimento do que ha de mais elegante,
bello e precioso em brilhantes, esmeraldas, rubius e tudo que em obras)
de ouro, prata e platina se pode desejar.
MJERECOS DE BRILHANTES, ESMERALDAS E RUBINS
de no^-os gostos, assim como grande variedade de salvas e palitem* de:
prata contrastada e de gosto ainda nSo yisto, e completo sotimento de
bjectos de prata para uso das igrejas,
rm5rami..e lrOCam 1ual a qoalidade dos objectos vendidos. '
Ama de leite.
do loito : no pateo do
Precisa-so de urna ama
Hospital Pedro II n. 9.
ATrEN(A0 m
O abaixo assignado liavendo reerbido em sua
casa, por cariila.ie, a parda F.licidalo, que se diz
forra, e ouvindo dzer agora que captiva, faz a
presente declaraco para quo chegne ao conbeci-
menlo de quem por ventura possa ella intoressar,
n.-io e resoonsaUisaudo o mesmo abaixo assigna-
do pela fuga da referida escrava, que entretanto
no quer deixar sui cusa, protestando que forr.
Jos Bernardo G. Alcoforadj.
Ama.
Na ra do Padre Floriano n. 34, precisa-se
urna ama para servir a duas pessoas.
de
Oozinheiro
Precisa-se de um cozinhelro ou mesmo ajudan-
tf, om alfiuina pratiea do casa de pasto : na ra
Nava m. 67. I Beberibe
AJuga-se na povoaco urna casa eom trastes:
na ra da Imperatriz u. 15.
Ouzinheira.
.
*B=
Precisa-se de lima -taboira : no segando an-
dar do sobrado n. Si da ra Direita.
Joaquim Jos Oon-
(jalves Beltrao
tJ\ DO TRAPICHE N. il, ." AIBAR
Sacca por todos os paquetes sobre o BaD
oo do Minho, em Braga, e sotore t seiraiD-
tea logares em l'ortugal:
. Lisboa.
Porto.
Valenfa.
Guimaraes.
Coimbra.
Chaves.
Viseo.
Villa do Conde-
Arcos de Val de Vei.
Vianna do Ga*eflo.
Ponte do Lio*.
Villa Real.
Villa-Nova daJTamalicao.
Lamcfe.
Lagos.
Coviihift
VassatfTaliags^j.
Miraodella.
Beja. -
Barcellos.

0 MUSEO DE MAS
ff PElHINCHA
Fergand)s de coTes, peloT)aratiMltno preco de fjrjH n. oi&tm
r? ? i"ffHw: -m wjt *Qas Ctmininu, na ra do Crespo n. 13, de Antonio Corra tle "Vasconcetlos.
Amaos
^^lari^iillHMIMii^lllllkci^
qm wr|HMte a,aB>|^a wtmt, iiniis i
!N* do Vigarioo. 4, pavimento ter eo.
Na rna ua Puna n. i", t andar, precisa-se
de urna ama p.nra euzinbar e eng.mmar.
Antonio Jos da Costa Cabrol
participa inuio principalmente ao respcitavel cor-
po do romuwreio que deixou de ser sen caixeiro
o Sr Alberto Peixoto Braga desde o da 13 deste
corlelo
== Os ab.iixo a-signados faxi-ni cente ao res-
lieitavel publico o ao corpo coinmorcial, quo nesta
dala compraram ao Sr. Jos Antonio da Cosa Va-
lente, livre o desembarazado de qualquer nnns, ou
re-pon i;ao, sito roa do llortas n. 7. Recito 12 de no-
vembro do 186R.
M noel Gonenlvcs de Barros.
Joao IVonizio dos Santos Pinto.
Precisa-se de umalama para s rvico de duas
pessoas: na ra Augusta n. 7i..{
Compram se moedas de ouro e prata de to-
dos os valores, ouro e prata em obras inotilisada*.
brilhantes e mais pedras preciosas : na loja de
onrives do arco da Cimceicao, no Reeifo.______
0 inuzeo de joias
Na ra do Cabug n. 4 compra-so ouro, prata
i pedras preciosas por preces mais vantajosos do
]ue em nutra qnalipier parte.
i VERDADE tendo em depoeilo grande
quanlidade demiudezase perfumaras, e de-
sojando apurar dinheiroe adquerir b6a fre-
i?uezia est rssolvida a vender njuitissimo
barato, ; por essa razao convida ao respei-
tavel publico a vir competentemente mani-
do a sortir-se do bom e barato. Pois qu-
do a Vcrdadc apparece, tudo mais des-
apparece....
Grande sortimento de bonecos de cera e
massa as maisbtidaspossi veis vestidas, a ca-
rcter.
Abotoaduras moderuns para col
letea.......
Espelhos dutirados pepuenos. .
Agullias de osso para crox a .
Potites pwa regai; i com esnlas a
Ricos globos para candieiro de gaz a
Chamtns a.......
}Grande sortimento de objetes de
louca para brinquedo de menino
Garrafa com titila a.....
Dita com agua florida vcnladeira a
Dita com lita dita a .
Frasco com (leo de babosa a 500 e
Dito corn agua dedilonia a 300 e
Garrafa com agua divina a. .
Frasco com extractos linos a .
LaUs pequeas com banbi muito
lina a li'e......
Saboneti-s de diversas quali lades a
80,100,2*00.....
Finas escovas para denles de 120 a
Lindos coques modernos a. .
Pavios para gaz, dttzia a 240 e .
Escovas para fado a 51/0, 600 e
Ditas para cabello a.....
Penles para tirar piolho a 100 e.
Brincos de cores, bonitos a 1U0 e
Pefas de trani;a de la com 8
varas por.......
Oleo para macbina. de costuia,
frasco a........
Pennas d'ago finas caixas a 800 e
Dita d'aro Perry, caixa a. .
Galao de algodo peca ....
Lindos babadinbos e enlremcios
peca de 500 a......10&OO
Ditos de louca muito fino a 420 e 200
Ditos para calca a lO e. 240
Caixa com papel amizade a. 700
Ditas com .envelope a. .... 480
GOSPIUlHfi I
11DH
Compram-se e veudeui-sc diariamente para fra
e dentro da provincia eacravos de todas as idades,
cores e sexos, corfi tanto que sejam sados : no
terceiro andar di sobrado n. 3ti, rua das Crujes,
freguezia de Santo Antonio.
Com muito mawr van'agem compram-se
moedas de ouro e prata : na loja de joias do Co-
racao de Ouro n. ~i D, rna do Calmea.
Compram-se sdalas de li, ii e ojOOO : na
ra Nova n. 7.
320
2GO
200
320
10800
320
100
800
16300
WO
720
500
liiOO
1AO0O
160
32v
600
2*000
320
700
500
240
200
80
600
1-5000
400
400
40
280
160
500
280
VENDAS.
CIMENTO
Vende-se verdadeiro cimento ; na ra da
Madre de Dos n. 22, armazem de Joo
Martins de Rarros.
I.i
Hip dtj Lisboa
Ka ra do Cre*po n. 6 contina a ter rap de
oa da mellior qualidade que tem vndo a este
mercado, chegado pelo ultimo vapor.
COGNAC.

De superior qtialidade da mui accredita-
da fabrica de Bisquit Duboucli &C, em
cognac uina das qu mais agurdente de
cognac, fornecem para o consummo do
Reino da Inglaterra.
Vende-se em casa de Th. Just. roa do
commercio n. 32.
Cabriolet.
Vende-se ura ubntet era milito bom estado e
barato : na ra do Hospicio n. 3fi, si'io.
Cemento Portland
Barr
no caes
1
cj grande : a > armazem pintado de verde
. 2 de Novembro.
Vendem-se duas vaccas crioulas, paridas de
novo, e boas leileiras : nu ra da. Imperatriz n.
39, 3 andar.
Vende-se
o armazem de raolhados sito na rna do Impera-
dor d. 83: a tratar com Jo> Lopes Alhetro: na
ra da Imperatriz n. kl.
RITA A -LOItl % M. 5
Olaria do Fundao.
Ha sempre nesta olaria grande sorlimento de
materiaes, cuino tijokis de alvenaria batida, ladri-
lho, qudrado de 8, 9 e mais pollegadas, telhas e
telhoes, tijolos de tapamentos. O proprielaro des-
ta olaria garante a bondade e barro de raes mate-
riaes, como tambem vende-se mais barato do que
em mitra qualquer parte.
Para escrfulas !
Ka botica da ra Direita n. 88, vende-fe nm re
medio, o qual um especifico para escrfulas, e
tumorauseri,lujosos : preeo 2*000 ; asfkn como
xarope de veame, e a* pllulas pela forma do Fal-
lecido pharmaeoniieo Paranh 'a.
AHENCA
\ende-so una tabiTiw sita na eidado de-Oiinda,
na esttuina que vira para o Carino, uiuiloafivgne-
zada e acreditada ; quem a pretender dirjase
mesma : e igualmente tres moradas de casis ter-
reas, sitas duas na rna do Coxo com frente pra
os.Quatro &mti%. unta na ra d i J"go da Bb|.
Cmui.
Vende-seuma exwllente eatiia de amarello de
40 palmos de roniprida : no trapiche da eorapa-
nhia. larjm d Corp.. Santom. 1S.
Azeite de coco superior.
Veqde-se no fsoriptorio de Hallar, Oliveira 4.
Cj rnrdo "Ttgrlo n. 1, 1 andar.
---------
AttXMIflftO.
VM#Mte imvftrlflMMffo cnmpleto para
da gard nacional,fcnlonwvo por ler sido servdi
uma*ve.z : quem qnizer -pode dirigir je a esu
tyaographla que IHp indicarle quem vende,
Cemento
mais harato one em nutra qek]er parte: na
roxlo tHtMryso.Tt ?>,'? ndar.
Vwrtw eo iMM'pardade '> anno-, com todas
-aa>MIMMMl4#f Ur vestido de snob ira e coser do alfaiaio : u
rna Nuva n. 4ii. Ia andar.
^M 'i.. ......
Vende-se
mua acca.de laitc da biw caca, e que MljCMb*;
Wwdrrtfadara**jMn. 35.
Ditas com obreias a.
Caixa com agulhas fundo duurado
Ditas de ditas ditas a.....
Tbesoura -para costura a 2'*0e
Caixa com linlia de marca a .
rLinlia de cores em novellos (li-
bra) a........ 506
Carreteis de linha Alexandre de 70
at 200........ 100
Grampos muito finos com pasta-
ros, duzia a...... ?00
Carlas portugnezas, duzia a {4UG
Ditas francezas a 2^200 e 3$000
Papel almago e de psso, resma a
3;?iOO, MdoOO e .... 46500
Ja muito fina pata bordar, libra 6|J50C
Fita de algodo para debrum de
sapatos, pega a..... 160
Dilas de 13a para debrum de ves-
tido, peca a...... 480
Pentes finos para segurar ca
bello a....... 320
Ditos ditos de bfalo para alisar
a 2i0, 320 e...... 500
Ditos para aparar penna a 100
Rosetas pretas, par a ... 100
Tranga de 15a decaracol peca a 40 e 100
Fita de coz peca a 480 e 560
Aifineles de latSo a..... 100
Sapatos de 13a para enanca a 400e 800
Grvala de sedas de cores a 200
Culfadeiras a....... 80
Grande sorlimento de rendas das Ilhas.
Um par de suspensorio de borracha por
100 ris 1 I! I!!
Na verdade rna do Qnelmad*
n. 55.______^__
BAZAR UNIVERSAL
* -Itua \ova-Si
Carneiro Vianna
Neste BAZAR encontra-se um completo
sortimento de todos os artigos que se vea-
dem por preces commodos como sejam: Um
completo sortimento de machinas para cos-
tura de todos os .systemas, mais moderna*
adoptados na America e approvadas na ul-
tima exposieao servicos a eleems para almo-
co e jaui*Cta1va3Ybandejas, taboleiros, bol-
sas e malas para viagem, indispensaveis para
senhoras, candieiros para sala e cima demesa,
parede e portal, mangas, tubos e globos da
vidro, machinas para fazer caf, ditas para
bater ovos, ditas para amassar farinha, dita
para fazer manteiga, camas de ferro para
casados, solteiros a crianca, bercos, cadei-
ras longas para viagem, ditas de balanco,
espelbos de todos os tamanhos, molduras
para quadros gaz, baldes americanos, guar-
da comidas, brinque dos para erkmeas, xm
completo sortimento de cestinhas, oteados
para sala enen, tapetes para sala, quarto,
frente de snph, janella e porta, capaonusde
Sparto e coco, objectos para escriplorio a
muitos outros artigos que se encontrarlo
venda no mesmo estabelecimento e que val*
a pen ir examinar.
ti
A imperatriz regtnfa.
Veio cnni e>la denomuaacao pelo nliimo talW
francez riqmi>iino en.i|wos 4e vello e OMMa
pretoe, eafeitados de corte, para seidmra, o qae
ha de melbor gosto en Paris/Mj. k>iujos na >ts
de camhraia borlados pira baptizado, a=sun coro*
riqusimas sabida< de baile ou rapas d.-merld ri-
eameate enditadas com a mesnu di-no urna^ao ci-
ma, chapeimiis de palpa de Italia ultimo gosto,
frju* e basquinas de rruf preta." e npnvas, cor-
les do laa de dua< saias, gusto e-roce*, sultanas
de cores, lsiras assetinadas, proprias para vaati-
dos de das sao, popelinas de Core-, riq'ii-sirnos
desenhos, e nutras mu Has novldeile- qne os pro-
prielanos da loja do Fase.reeeaeram, prapi i da
e>taei>i prosele ; 6 pos per "e*i rszao qjie no*
pregamos sciaoiiflcar o respeitavel piWico da*
ovinades aema descrlptas.
iirii
A ra do Livraraento n. (
ver para vend#r. por
melbor viuho *
mercado.
Vej^aov-se 4*p i
i-se c
Juego Monteiro.
ta a ha-
Bfve
lo a,ert*

\



w

Diifi ie F^iiamtueo ; LIQUIDACO
SEM IGUAL
O proprietario do armazeui lo fazcn las denominado AIUR.V, ra da Impera-
triz n. "i, decltra ao rcspeitavel publico o scus froguezes, que cil liquidando odas as
fazendis e roupas feitas que te:n em se;i esUbeleeimento como sepoder ver no seo
aantiudo e preco abaixo mencionados,
Chitas fraacezas matizadas
3*o rs.
Vendo-so chitas francezas escuras matiza-
das a 30 rs. o covado por este preco su na
laja da Arara, ra da imperatriz n. 72.
LAAZINHAS A 240 US.
Vende-so la/.inhas para vestidos do se-
nhora t 240, 280, 3 O e 400 rs. o co-
vado.
B.UtRGES DE LAA A 500 RS.
Vende-se bareges de la com listras para
vertidos d-3 senhora a 500 e 040 rs. o
covado.
Alpacas de listras a 500 rs.
Venle-so alpacas de listras para vesti-
dos do senhora a 5D0 rs. o covado.
CHITAS FRANCEZAS A 888 RS.
Von1o-se chitas francezas claras a SHOrs.
CORTES E LA PAR V VESTIDOS. A
2i00.
V^nde-se cortas d i I3a para vestidos de
acabaras a 2-5400 cada iim,
PBACALBS A 4i0 RS.0 COVADO.
Vende-SO percales muito finos para vis-
tids de senhora a 410 rs. o covado, raur-
solinas brancas linas, a 500 rs. o covado,
brigantinas do cores, a 440 rs. o covado.
ilalcs m arfemos de todas as
eres.
Vendes^ baldes moderno sbranco c de co-
res a 4-5. 4.>,00 e 5$.
COBERTORES DE ADGODAO A 1^500.
Vende-se cobertores de algodo a 1>500,
cobortas de chitas a 13600 e 2$ cada urna,
GANGAS PAHA CALCA A 320 RS.
Vende-so ganga para calca a 320 o cova-
do, brirn de cores para caifas de hamem c
meninos a 400 rs. o covado, casemiras do
cores para calca e palitots a 2,5500 e 3>,
o covado, mmas casemiras enfestadas para
Algodo entestado ttOO rs.
Vende-sc algodo enfestado proprio para
lenfes c toalhas, i 900 rs. o metro, dito
trancado a M, melro.
Chales de merino a &.
Vndese chales de merino estampados
a 2jl, chales blancos o de cores a 1(5>000
cada um.
CORTES DE BRIM CASTOR PARA CALCA
A 640 RS.
Voi,de-se una grande porfo de cortos
de brirn castor para caifa de homem, 640
rs. cada um.
Cirande poreo de retalhos
Vende-sc grande porfo de retalhos de
chitas e cassas prcls a 160 e 00 rs. o
cava lo, retalhos de cassas, la e chitas de
cores baratsimos.
LIQUIDAN A ROUPA FEITA
Vende-sc palitots de brirn de cores a 2(5,
ditos do alpacas do cores a 24, dios de
hacia casemira a 2$ e 25500. ditos de pan
no preto bom a 8 o 105, caifas de algo-
do azul para escravos a 640 rs. ditas de
algodo de listras a 800 e !;>, camisas de
iscado de listras a 800 rs. cada urna, cole-
tos de brirn c fuslo de cores a 15 c 15500,
coletos de cesemira de cores a 25500 e 35.
e outras militas qnalidades de roupas feitas
que se vende por baratissimo preco.
Algodo de listras a * o corado
Vende-se algodo de listras para roupa
de escravos a 200 rs. o covado.
PPCA DE ALGODaO A 45.
Vendeni-so pecas de algodo 45000,
5)200, 65000e 75, para liquidar.
lialoes de reos 1500.
Vende-se balocs do arcos par senhoras
caifas o palitots a 15 o covado, brirn pardo pelo baratissimo preco do 15500 cada um,
de todas as qnalidades e brirn branco de
todas as qnalidades na ra da Imperatriz
n.72.
Alpacas lizas a a lo rs.
Vende-se alpacas de c&rcs lizas finas a I
640 rs. o covado, tarlatanas de cores a 320
Cortes de cambraia barras
a 3000.
Vende-se cortos de cambraias barrsa a
25 e 35 cada um.
LENCOS DE SEDA A 640 RS.
Vende-so lencos de seda a 640 rs. cada
I um, para liquidar*
CARTEIRA PARA V1AGEM A
1<5.
rs. o metro.
MADAPOLO ENFESTADO A 35500.
Vende-se pecas de madapolo enfestado
a 35500. pecas de madapolo inglez do 24 Vende-se carteiras para viagem
jardas a 55, 65400, 75, 85 e 105 a peca, cada urna.
72. Ra da Imperatriz. 72.
*
Lourenco Pereira Mondes Guimaraes, proprietario do armazem de fazendas
don minado GAR1BALDI, tem a honra de pirticipar ao respeitavel publico que tendo
recetlo diversas facturas de fazendas, de novo gosto, para a festa, estando a espera de
novas encommendas que deve estar aqui al o dia 15 do novembro vindouro, e vendo
que nao tem tempo antes do balanfo de vender tantas fazendas de encorn, endas p -r
iSn resolveu fazer urna liqidafo para ver se di maior, estracopor issoem vistas das
oircumsiancias vender tudo mais barato do que cm outra qualqucr parte, na ra da
'Tl'oAPOLAO* ENFESTADO A 35500. | CHITAS PRETAS A 160
V-nd-;-se urna grande porfo de madapo- Vende-se urna grande porreo de chitas e
13o entelado do 12 jardas a 3550.), assim cassas pretas em retalho a 160 o covado
como p-cas de madapolo inglezes de 24 tambemtom retalhos de chitas e la de co-
bardas oa 20 varas a 55, 55500, 65,65500 res que se vende barato.
7500U. 85, 95 e 105000. angas para calca a 30 rs.
Corpinhos a 200 rs. Vendem-se urna grande poroSo de gangas
CAMBRAIAS VICTORIAS A 5:500 I para caifa de h-mvm e menino a 320 o
Vende-se pocas de cambraias victorias covado, cortes de castor para caifa a 640
fiiat a 55500, 65 e 75- Brillantina bran- cada um.
ca Boa para vestidos de senhoras a 500
r-, o covado
ALGODO A 45000
Brim de cores a -lOOrs.
Vende-se urna grande porfo do duas
faces para caifas, palitots o colletes de ho-
V 'nde-se urna grande p ufo de algodo mem e menino, fnzonda inteiramentc nova.
todo do boa q'ialidade e 45. 55, 65, 655 '0, Brim pardo liso a 51 0 rs. o metro, dito
Ifi, e 85, apera de 20 jardas oa 24 .trancado lino a 800 e 15000.
Grande liq3daco de chapaos
de sol
Vende-se chapeos de sol de alpaca com
pequeo defuito a 25 e 35000. ditos finos
de 12 astes a 45500, ditos de seda finos
de 8 astes a 75500, 85000, ditos de 12 e
16 astes a 105000, para liquidar.
Chitas para cobertas a SAO rs o
covado
Vende-se chitas francezas para cobertas a
1240. 320. 340, e 380 o covado.
CASSAS FRANCEZAS A 240 RS.
Vende-se cassas frano-zas para vestido
a 240 o covado, ditas muito finas a 400 rs
a 440 o covado,
GRANDE SORTIMENTO DE MEIAS
Vende-se meias cruas para bomem i
35500, 45. 55. e 65000 a duzia, ditas par:i
meninos de todos os tamanhos a 35500 o
45000, ditas para senhoras e meninas a
AS NOVAS
11-EUA DO a
varas.
AD.VJ1REM-SE DO QUE E' BARATO
Chamalotes a 560
Veudc-?e chamalotede cores, dealgoda
para vestidos de senhoras a 50 o covado.
Alpacas Usas a 500 rs.
Vend-so alpacas lisas para vestidos de
cores, para senhora, a 500 rs. ditos matisa-
das finas a 720 o covado. Ditas lisas mui-
to largas a 640 o covado.
CORTES DE PERCALES A 6:000
V'den-se urna grande porco de cortes
do percales de duas saias para vestidos de
seuhora, de omito delicados gostos com
16 Vi covados a 65 75000.
CAMBRAIAS LISAS DE CORES A 600
Vende-se urna grande porfo de cambraia
lisa de todas as cores para vestidos a 600
re. o metro.
Organbys modernos a 800 rs.
Vende-se organdys de cores para fazer
vestidos, de duas saias, agora modernos, a
800 rs. a vara.
GRANDE SORTIMENTO DE CHITAS NOVAS
E BARATAS PARA A FESTA
Vende-se chitas francesas muito finaste i TenH}e vender u*ma ^^^ p^}
cores a 280. Dihs matisadas escuras a 320 de M fctn de brim ede casemira, de
ditas escuras escocezas a 360. ditas aleo- t0(Jag as quali(lades n3o se menciona por
xoadasa 360, ditas ganbaldinas a 360 o 5er enfHd.,nho.garante-seao comprador ven-
eovado. Sorraento de chitas como tem o der mais harat0 do em outra ^^
Garil.aldi ha poncas lojas que compitam. parUjf gt0 s se pJe conhecer con, a p7_
FUSTAES PARA VESTIDOS A 400 RS. sene a do comprador e a vista da faienda
V^nde-se fusto de cores para vestidos a que se pode couhecer como est liquidando
400 rs. o covado por barato preco, o general Garibaldi. rua
COBERTORES A 1:400 da Imperatriz n. 56. .
Vende-se cobertores de algodo a 15400 Chales de crin a tAOOO
cobertas de^jbiUs frita a 15600. Vende-se chales de Merino de cores e-
aVende-se grande porfo de corpinhos a lampad;* a 25000. ditos lisos a 35500. di
.borda *000 e. Jos eslampados finos a U, 55500 e 65000.
35500 45, e 55, a duzia.
BALOES DE ARCOS A 1:500
Baloes de arcos a 15&00, ditos modernos
a 45000.
ATTENCAO
Chegaram da Europa pelo ultimo vapor loja de Augusto Porto & C. ricos
c -tes das mais linda sedas d mimosas cores para vestidos proprios para bailes e casa-
minios.
Grande variedade do sodas de listras de diversos procos todas de lindas cores,
goi'gurao de "seda prela, e grosdenaple do varias qualidades gorguriio de seda la de
diCerentes cores.
Novos vestidos brancos de blond para noivas, lindas colxas do soda para camas,
ditas de la e seda, cortinados bordados para camas e janellas, fronhas e toalhas de
cambraia de linho bordadas.
Luvas novas de Jouvin.eelegantes sombrinhas de solas de cor para senhoras.
Espartilhos do 55 at J05, lindos bournous de cachemira de c6r para sahida
de baile, basquinos de renda prcta, e ditos de croch branco c prelo para senhoras.
Grande variedade de camisas bordadas e lisas para horneas c m5ninos.
Sortimento de maitas fazendas do la, linho e algodo todas por prefos muito
mdico.
Tapetes grandes para sof, piano e camas, pecas de tap-tes o de alcatifa para
forrar sales tudo em quantidade; e vendem sempre^por menos que em outra qualquer
parte.
Esteiras da India de 4,5 e 6 palmos de largo.
k BOMIA
ALGODAO
LOJA DAS MACHINAS
ifACHINAS americanas de serrote de todos os tamanhos para descarofar algodo, do
muito conhecido fabricante Eagle Cotton Gin..
CACHINAS ditas, tambera de serrotes e de todos os tamanhos para descarofar, al-
godo do autor New York Cotloi? Gin.
vf ACHINAS ditas de todos os tamaitos, de carreta de ferro e mais l)a a machina.
VIACHLNAS ditas de Roller Gins, de enjo trabalho faz obter mais 2.000 em arroba
de algodo.
ACHINAS de facao do fabricante Platt B. C, OMhan PatentLiverpool.
Todas estas machinas sao de superior qnalidade e as metores que tm
/indo ao mercado ; e para a sua apreciaco convkam-se os senhorea agricultores "
irem a exposiflo das mesmas na ra da Cada do Recife n. 56 A, loja do Bastos, onde
incontrarao mais o segninte :
tebulhadores para milho.
ylindros para padarias.
\rados americanos.
]arrinhos de m3o.
Vi achinas para cortar apiro.
Pannos de chumbo.
Bombas de Japy.
Ditas americanas.
reinas de ferro galvanisadas,
olhas de zinco finas.
~itas de cobre e lato.
,'erro de todas as qualidades.
ireos de ferro.
olha de Flandres.
lachados americanos.
'acoes ditos.
ialaios e cestas de verguinha.
/assouras americanas,
-"olles de todos os tamanhos.
7ornos e safras para ferreiros.
Finalmente muitos outrw artig
liversidade seria enfadonho ennumera-loa.
Folha do ierro.
Baiancas americanas.
Tinas de madeira americanas.
Ps de ferro ditas.
Baldes de maderra ditos.
Temos de batwiejas finas.
Trens completos- para cozinha.
Peneiras para padarias.
Baldes galvantsadoa.
Correntes de ferro para almanjarrasv
Espingardas e rewovcrs.
Guarda comidas.
Ferros a vapor para engommar.
Moinhos para refioafes. ^
Azeite de espernwcete, proprio para nsBCsii-
nas de todas as qnalidades.
Serras avulsas para mariinas.
Mancaes e todos os mai pertences par>ae
mesmas.
Latas de gaz,
oapertencentes- -lavoura e artesa que pela
Loja de miudezas de FERREIRA DA CU-
NHA A TEMPORAL, estilo quinando por
todo preco venham ver o que 6 bom e ba-
rato a saber:
Lindos brinquedos magnticos para me
nios de 240 a 15-
Linhas em novellos do 400 jardas a
60 rs.
Pefas de tronca de todas as cores a 40 rs.
Latas com superio banha 120, 160
e 25000.
Frascos com oleo baboza 240, 320,
400 e 600 rs.
Ditos de extracto 100, 30, 800 e
040 rs.
Ditos com banha 320, 800 e 15i<>0.
Ditos de agua de Colonia 320, 400 e
500 rs.
Baralhos de cartas portuguezas a 120 e
160 rs.
Ditos francezas 200 o 2Ors.
Grande sortimento de sobonelcs 80,
120, 1-60 e 200 rs.
. Caivetes finos com duas folhas a 240 rs.
Linha de 200 jardas em carrete! (duzia) a
15200.
Lindos port-main 240 rs.
Pentes de travessa para meninas 200,
320 e400 rs.
Duzia de meias inglezas muito finas a
35800 -
Ditas de ditas para senhora a 15500.
Garrafas com a verdadeira agua florida a
15200.
Ditas com agua divina 15300.
Frascos com sndalo a \ 200.
Pefas de entremeios a 500, 640 e 800 rs.
Lindos gorros de velludo para menina a
55000.
Papel amisade beira dourada (caa*) a
900 rs.
Dito e n paroles a 700r?.
Lindo; bonets de panno para menino a
25000.
Pentes brancos fiaos pw; alisar a 240 e
320 rs.
Macos com grampos 30 r*.
Lindos frascos pora cima e mesa com
eitraetos a 15500, 2.50001 e ^OflO ao par.
Jogos para vispora a 200. .240 e 320 rs.
Linba de marca (eaixa) 240 r.
Temporal pode arr procu-
rado em seu estabeieci meio bo-
nanza onde conli'titia a Tender
pelos baratos pret*p de eu an-
tio-o estabelcimerrto coi titulo
de Temporal na Ronartc/a--
Ruar do QneIiolon. (t:i.
liOJTA
DO
GALLO VIGILANTE
Una do Crespo n, 9
Sellius barates,
N. 27.- RA DO UVRAMBUTO N. 27.
Neste estabelecimenio \ende-sc sellins'e
siihes, de todas as qualidades do melhr
que"Se pode fabricar ho paiz, assim como os
mais arreios pertencentes ao mesmo, ven-
de-se tambem, colxoes, traviceiros, caix-
nhas com almofadas, proprias para meninas
levar para aula. 0 proprietario deste esta-
belecimento garante a ponttiahdade, esme-
ro e zelo de seu trabalho ; portante pede ao
rcspeitavel publico sua protecfo, queaflian-
ca vender tudo pelo mais barato possivel,
e por menos do que em outra qualqoer
parte. -_jv________
3 cordeiro prevdente
Rua do Queimado n. I.
Novo e variado sortimento de perfumaras
finas, e outros objeclos.
Alm do completo sortimento de perfu-
inarias, de que elTcctivamente est provida a
loja do Cordeiro Presidente, ella acaba de
receber um outro sortimento que se torna
jotavel pela variedade de objectos, superiori-
lade, qualidades e commodidades de pre-
fls; assim, pois, o Cordeiro Previdente pede
i espera continuar a merecer a apreciaclo
Jo respeitavel publico em geral e de sna
boa freguezia em particular, nao se aas-
tando elle de sua bem conhecida mansidJo
i barateza. Em dita loja encontrarSo o
jpreciadores do bom:
Agua divina de E. Coudray.
Dita verdadeira de Murray & Lananan.
Dita de Cologne ingleza, americana, fran-
eza, todas dos melbores e maisacreifitados
fabiic?ntes.
Dita de flor de larangeiraa.
Dita dos Alpes, e vilete para toilet.
Elixir odontalgico para con?cnaf5o o
*sseio da bocea.
Cosmeliques de superior qnalidade e che>
ros agradareis.
Copos e latas, maiores e menores, coro
pomada fin para cabello.
Frascos cwn dita japonea, transparente
i outras qualidades.
Finos extractos inglezes, americanos
[ francezes em irascos simples e enriados.
Essencia imperial do fino eagradavel chei-
o de violeta.
Outras concentradas e de cHeiros igual-
inente finas e agradaseis.
Oleo philocowe verdadeiro.
Kjtracto d'ole de superiw qnabdade,
jon escolhidos clteiros, em fra>9 de difi-
renos tamanhos.
Safeonetes em berras, maioreae meneres
oara os.
Ditos transparentes, redondo* a em fija-
ras d meninos. I
Di ti'.* muito finos-em caixinba pace barba.
Caixnbas com bongos sabonete imitando
ructas^
Ditas- de madeira iwvernisada centendo fiV
jas per&marias, mnilo proprias para pre>
ientes.
Ditas e papel5o igualmente bonJtBSvtam-
bem de jerfumaria finas.
Bonitos- vasos de metal coloridas-, e do
Os propndams deste bom eenhfteidfl eMRJwe-. m0|des navos e elegantes, com p ie arrot
cimente, alm dfes muitos objecr que tinli.im.ex-
postos a apre5B?5o do Kspeitaffvl pebHeo, num
1TT J'il 10 MIS
Grande armazem de fazendas e roupas feitas roa da Imperatr-
n. iit porta larga, de Paredes tt.
Neste estabeleciraento encontrar o respeitavel publico um boailo sortimento
de roupas de todas as qualidades, palitots de alpaca a 3#, 3$500 at- G>. Ditos fa
merino, ditos de casemira de cores bonitos gostos a 5#, 6$, &5-e 10)5, de panno prett
sacos e sobrecasacos. Ditos de brim pardo finos e ordinarios. Ditos d* alpaca branca
e de cores de SdjDO a 5^000. Caifas do brim de cor finas c ordinarias, dita*
brancas de todas as qualidades, ditas do brim pardo fino e ordinario, ditos de casemira
de cor e preta de 4& 5& 6# a 135. Colletes de todas as qualidades e preco muito
barato. Completo sortimento de camisas francezas de algodo-e de linho de 2# at 5-
uma. Sortimento de seroulas francezas- de algodo, de linho e- bramante a 25 e 20508.
Gravatas (mantas) novissimo gosto a todos os prefos. Meias sortimento-oompleto a 3>-
15 at 7# a duzia.
ROUPAS- PARA MENINOS.
Encarrega-se de quaesquer obras do encommenda tonto para< bomem, cerno
para meninos, e com brevidade, por isso qne tem um bonito sortimento de fazendas- dt-
todas as qualidades tanto em casemiras- como brins, pannos finos- e otvas mnitas 'a-
zeodas.
FAZENDAS
Bramantes de II palmos do largura a 15800 o metro;
Camhratas de cor e branca.
Alpacas de todas as cores a 640 rs. o covado.
Poil de-chvre com lista de seda fazentto de gosto a t(3200k
Basquines de guipure enfekadas a 18?50O0.
Sortimento de chitas escuras e claras a 280, 300 e 360 rs.
Madapolo fino a 60500, 7& 80 e 900.
Algodo peca com 20 jardas a 405OOv 50500 e 60000.
Pefa de algodo largo a 70500.
E outras umitas fazendas que ser eafadonho mencienar Cheguem noooa
feka que se est liquidando na loja rua da Imperatriz n. 52 (junto toja de ouriv8>do
LESO DA PORTA LARGA
DK
Paredes Porto.
ia
daram vir e asniam de recober pelo ultimo v*par
da Europa um completo e v;iriMn soltiincn(p
finas e raui deficodas espeeialidaite? a^ qnses <^-
tao resolvidos .vender, como ir de sen cos eme,
porpre?os muito baratinhos o cr.mmtidns paraMO-
dos, com tanto qne o Gallo....
Muito superisre tnvas de |ir!!, pretas, brut-
eas e de mui hndas core.
Machinas vapor de
^forpa de 3 e 4ca-
vallos.
Motores para 2 cavallos.
Arados americanos.
Machinas de faco e serrotes para desea-
rofar algodo.
Balanfas para armazem e baldo.
Camas de ferro.
Cofres de ferro de Milnez e de Uhit-
field.
Prenfas para copiar carcas.
Fogo americano patent
Bartholomeu & C,
RAP POPITIJlR
DA
FABRIfA NACIOXAL DA BAHA
DE
Teixetra UlduricofyC.
Acha-se veuda este ptimo rano, nico qup
pde suppnr falta do princeza de Lisboa, por ser
de mui agradavel perfume, viajado, e a preco o
mais mdico possivel; e por isso tem sido assas
acolhido as pravas da Babia, do Rio de Janeiro e
em entras do imperio : no escriptorio de Jjaquim
Jos GoocaWes Beltiio, roa do Commercio nu-
mero 17,
VlNHO, PlLULAS, XaROPB K TlNTURA
db jurubeba simples e ferruginoso;
Oleo; Pomadae Emplastro da mesma
planta preparados por
BftRTHOLOMEO & C
Pharmaceuticos- Droguistas
PEHV4.HBI.ro
A Jurubeba : esli plaa boj* reeonhacid
cono o mais poderoso lomeo, como o melhor
detobalruente, e cono lal applieada nos padecimraioi
do ligado a bacu, bepaliies, duroaas, lumoros inter-
nos e especialmente do maro, htdropesiaa, erysi-
pellas, etc.; a associadn ao ferro ntil as pallidu
corea, chloroses e fulla de menMraacto, desarran-
joa do estomago, etc., a o que diaemos attestlo
innmeras cara importantes obtidas oom nosso
Sraparadoe ja bem conhecido e osados pelos sais
isnctoa mdicos do pan a Portugal. Em todos o*
nossos depositoi distribuimos gratis folhetos ana
melbor fasem conhecer a Jurnbeba seos raaoludoi
pplieaeia.
I1I1)HI\IIIII\
Vendem-sfi ires riras toalhas de labyrintho pro-
pria para baptisarto : n\ rua do Imperador, loja
delivroi do Sr. Antonio Ooui|agues.
e boneca.
Opiata ingleza e franeea para de ales-.
Pos de eamphord e outras diferente-
inalidadea-tambem ebf* dentes.
Tnico oriental de lemp.
Alada mate coques.
Um outoo sortimento de coques de no-
vos e bonos moldes eom filis de vidriihos-
Mui boas e bom tas gollinhas o sumios para s*- MtU nmadna \e fnra* a- iassS.
nhora, neste genero o rpw ha do r* moderno. 8 alguns o'etles O n* le POrea>
Superiores penes de twtwnga wi roques. eslao todee- expostos a^toreciafo de quem
Lindos e rii|Btssiros efcites p:sm caberas w; os pretenfte'comprar.
Eimas. senhora GOLLJNHAS E PUMPOS BORDABOS.
^^^^^rZ^^^Z1 Obras dsmuitogosto e perfeijao
de melhor o m*-bonfc>. Fivtdftw e Oa* para cinto.
Superiores e< botutoe toques ^-madrefwn>t*l Bello e variado sortimento de taes objec
marfim, sandate- e osso, sendo ^neiks branras tos ficando a boa eseolha ao gosto do com
com lindos des.t*os, e estos pretrw nrarlnr
Muito superiores n>eia.- lio itti Eeeasia para s- '"' ________________________.
nboras, as quaes-sempr; so vcndeMM por ;0***
a duzia, entretanto tpiens verja)ao< por 9Bfs>
alm destas, temas-umbeiii gr.inde-SOtiimento di
outras qualda*tes> elre as qnaes aljamas mui*;
tinas.
Boas bengalas de soperior (;* da lndw.e
castao de marBm ci>0) lindas n enacmladoras figa.
ras do mesmo, mslc popero u ase de inethor
pode desejar ; am testas lentos lamben granate
3uantidz.de de-oalras qualidades, anmo sejam, na*
eir, baleia, osso, barraeha, etc. Mr. ele.
Finos, bonitos- e airosos chicotXtiios de eadciisia
do outras qualidades.
Lindas^ e superiores ligas de-seda c borneto
para segurar as meias.
Boas meias de seda para sents* c para aaasai-
nas de 1 a l2-auos do idade.
Navalhas eabo de marim c taateniga para baf
barba; sao muitobtas,o do maks-a mais sa.'.!^
rantidas peto fabrieantt-, e nos por Rusta vea sao^
bem asseguamus sua qualidaiH- o deiieadeta.
Lindas e bellas capi'llr.s para noiva.
Superiofes agulhas Dar margina epara w-.
Linha muito boa do poso, IV*^, para enoHei
labyrintho.
Bons baralhos do cartas para voltaretc, 3*4i
como os lentos para o omino ib.
Grande o- variado soriinicn.ii das mclhnit per-
fumarias e dos melhores o nenia conbeei'te* per-
fumistas.
COLARES DRBOEN.
Elctricos magnuticos csatra :is ronvtos, e
faciltala, a denticao das inaucenics crianzas. So-
mos desdo muito recebinatrcs destcn paMigaMAt'
collares, e continuamos a Mccbo-los |kw Ihomoi
vapores, aflm de que nsmea faltem no mcFrado.
tomo ja. tem acontecido, assim pois paitarle, aipiel
les que debes precisarouv. vir ao deposita du galbi
vigilante, aonde sempre SReontrarao dsies rerda-
deiros collares, e os qs.ti>s atteifllondb-B ao din
para que sao applicados, se renderao eom um ntui
diminuto lucro.
Rogamos, pois, avista dos cbjcUna <$w deisaeM
declarados, aos nossos (reguozca o aoiigos a lirom
comprar por precos muito nxnavnte loja do galb
vigilante, ru do Crespo n. 7_____________
J
Na rua do Codorniz n. 8 contina a ter mi
grande sortimento de doces en tetas c catsite *e
diversos tamaitos, cujo ?o rnvli! por pref? mais
barato de qne om outra qitalqaer parto.
liAZ ('l I.AZ
Chegou ao antigo deposito de llnnry Porster *
<1, rua do lmperadi)r, uiu carreijainento de ga;
de primeiraquaudade;oqual se vendo em paftioa
e a retalho por menos proco do que em nutra un-"
quer parte.
panno de algodJo da BirMa, proprio para
ronpa de escravos e saceos para assaear ; vnde-
se no escnptrtrio do Antonio l.niz de Oliveira Aze-
vedo et C, rua da Cruz n. o", Io nnd.nr.
mTrmorT
No armaiem n. "57 rua do Imperador, ha paro
veader por baratissimo prec
ment de pedras de rtiarmorede diversas qualida-
des, como sf ja : degraos, i
balcoes e lijlos, etc.., etc.
Excellente dt>ce do cc\jti
Vende-se excellentn doce ib caj encaidi .i
3t0 rs. a libra, send'i de arrob i tr.i cim i : par a
ver e tratar, no' patoo do Paraiz i i IV o-i la tam
bem exisie um carro da nwiri .
para nmn dou* hois. en i
veuder-e por 100|000. ^>
PILULES5SS5SCAUVN
m, SMttwa
Htk.
ata praataao araH efW o, ceaaooal
cono sarada'fll o resjwlio sisis islsllual para sa* I
trair as LaMtaaiilti. >s BeTralajta*, as sala ra-1
halda*, assiss eosso a hilas o a wUmHhtH
Ella afleat tu asarlUa, aha Wrtsiallll *i, <
O sf irlasalo aas MIsHaw caarala soda raasj-1
isir^e Mttii paltTru -. slaalahalaatf ou eaasaa
WIB*
Rila* He Haca aasa raanard* aa eaaiMa s.
bbUa;4c^laiistailiiairaMaavaaaas>sssi
alias aas rataaataa. asa daaa haurtanta da aula
deiurae. __
m


P'^S^s
WM
1
Si
MM



Diario, de Pemanibuco Quarla feira 17 de Novembr de 1869.

7
A DINHEIRO NA LOJA E ARMAZEM
QGHsm a usa&aaatiaiisku
DE


tVELIX PEBEIKA DA SIIiVA.
0 proprietario d'csle grande estabelarioiento, vendo quo so osla aproximando 0 lin-
do anuo, e tendo am ser um grande deposito deposito de fazcndas ; nao fallando iuti
asaltadas encommendas que Ihes estSo obrigado todos os das, tem resolvido liquida-
las por preco muito mais baratos do que era outra qualquer parle ; so com o m
de diminuir o deposito e apurar dinheiro. Encontrase neste estabelecimento do
PAVAO, avultado sortimento de azadas de Ihxo e modas; assim como de primeira
oecessidade. As pessoas quo negeciam em pequea escala n'esla loja poderlo suri r-
e vendendo-se-lhes pelos precos que compram, n celleotissimas familias poderSo mandar buscar as amostras de todas as fazendas, ou man-
dar-se-ha levar pelos caixeiros da mesma loja em stias casas; o estabelecimento se
acha constantemente aberlo das 6 horas da manlita s 9 da noite.
Explendido sortimento do, v ,. a5^000
m'+no Na loja do Pavo vcndem-se modernissi-
rOliplS leiUlS irnos chales de fil preto com lindas palmas
NA LOJA DO PAVO A UUA DA de se.la. pelo barato preco de 50000,
IMPERATRIZ N. 00 pe chincha.
Acha-se este grande estabelecimento com- BASQUINAS A 1000
pletamente sortido das melhores roupas, i Na loja do Pavo vende-se as mais nio-
sendo calcas palitots e colotes de casemira, dernas basquinas ou manteletes de gnipure,
de panno, de bnm, de alpaca, e de todas pelo barato pre$o de 125000 cada urna,
as mais fazendas que os compradores pos- i ALPACAS brancas Lavradas
sam desejar, assim como na mesma loja JSJEiES. ? !& d"1Pavo "m 8*> **
im uln- j 'nenio das mais bonitas alpacas brancas aviadas
tem um bello sortimento de .pannos casem- c de cord. sendo nVsio genero o meihor emsis
ras, brms, etc. etc. para se mandar fazer lustroso pito tem viudo ao mercado, tem nigunus
qualquer peca de obra, com a maior promp- lo unas c &> bonitas que servem para vestidos de
tidio vontade do freguez, e nao sendo L^^A^oW^Tfii^^-i.AvIn
obrigadosaacceita-las, quando nao stejam aS%"T*^tV&
Completamente ao seu contento, assim como sortimento das mclliores e mais modernas HmJ-
n'este vasto estabelecimento encontrar o "nas iwra vestidos, sendo tapadas e transparentes
do todos os pracoe o qualidades quo so vendam
mais barato do que em outra qualquer parte.
h.
^*f 03S5
** $UIMAt>6
!#*
A AGUIA BRANCA tem convicio de que a abundancia de objectos de novidade-
em seu constante e completo sortimento, a boa escolba no gosto delles, a superioridas
do de qualidades, e a limitacao de seus precos, esto na op niao do respeitavel publico
em geral, e na de sna boa freguezia em particular ; mas ainda assim ella julga de seu
dever scienticar a todos, da recepcao d'aqaellcs objectos que estilo alm do commum,
como bem sejam
respeitavel publico um bello sortimento de
camisas francezas e inglezas, ceroulas de
nbo e algodo e outros muitos artigos
proprio para homens e senhoras promet-
tendo-se-lhe vender mais barato do que em
outra qualquer parte. Na ra da Impera-
triz n. 60, loja e armazem de Flix Perei-
ra da Silva.
CERA DE CARNAUBA.
Vende-se urna grande porgao de cera de
carnauba em saceos por preco mais barato
do que em outra qualquer: na loja do
Pavo ra da Imperatriz n. 50. De Flix
Pereira da Silva.
FAZKXDAS PARA LUTO
Na loja do Pavao.
Encontra o respeitavel publico ueste estabeleci-
mento um grande sortimento de fazendas pretas,
eomo sejam, cassas francezas c IngkgM, chitas
pretas de todas as qualidades, fazenda de la de
todas que tem vindo, proprias para luto, como
sejam, laazinhas, alpacas lavradas e lisas, canto,
bombazinas, merino, etc., (ue tudo se vende por
prora barato.
AS CASSAS DO PAVAO
Corado a 300 rs.
Vendem-se linisskuas cassas francezas com lin-
dos deeenhos e cores (xas a 300 rs. o covado.
Madapolao francez a 7 $000 rs-
Vende-se pecas de madapolao francez
com 2 metros pelo baratissitno preco de
7)5000 a peca, c pechincha.
Altas novidattes em sedas
Cliegou um grande sortimento das mais
moder ias poupelinas ou gorgur5es de seda
e liuho com os mais elegames padres que
tem vindo a este mercado sendo, miudos c
graudos, tanto em cortes para vestidos como
para vender <-m covado, as.-im como um
bonito sortimento tas mus bonitas sedas
listradas que su vende tudo muito em cauta
Grosdenaplcs de cores
Cliegou um grande sortimento dos mais
bonitos gro-;denaples de todas as cores para
vestidos que se vendem muito mais barato
do que em outra qualquer parle.
CHAPEOS DE BRI.M A 000 RS.
Chfgou urna grande porco de chapos
de brim para cabera que se vende pelo ha
ratissimo preco do 000, p gado com um pequeo toque do ninfo. E'
pichincha.
GRANDE PECHINCHA A 5:000 RS. PECA DE
Uretaaha
Vende-se pecas do -uperior bretanha de
algodS i tendo qii tiro palmos de largura
com 20 varas ou ~2 metros cada pera, esta
fazenda seria para costar 8-5000, a* nao fer
ama grande compra que se fez, e liquida-se
a 5*5600, cada peca.
Cortes de chitas
Com 10 covados a 3:20 .
Com II covados a 3:520.
Com 12 covados 3:8iO.
Vende-se superiores chitas de padres
claros e escaros pelos precos cima men-
ciorfados sendo fazenda que se fosse vendi-
da a retalho nao so venda por menos de
400 rs. o covado, isto pechincha,
Corii!'o para rolletes
Vede-se o mais -superior gorguro preto
com diversos padres pelo barato preco de
6500o o corte decollte.
Admiravel pechincha
ALPACAS A 400 RS.
DE FURTA CORES A iOO RS,.
ALPACAS A 400 RS.
Vende-se tim grande sortimento das mais
brilhantes alpacas de furta cores com as
mais lindas e mais modernas cores imitan-
do perfeitamemte as sedas de furta cores
sendo neste artigo o mais novo que tem
indo ao mercado, para vestidos, muito pro-
pia para as senhoras que forera passar
feta no campo, por ser urna fazenda de
muita fantasia o pelo barato preco de 400
rs. e covado. '
Bretanha*' de rolo a 3A500 a
peca
Vendase superior bretanha de rolo ten-
do 10 varas ou i I metros com 4 palmos
de largura pelo barato preco.de 25500,
pechincha.
OssetiiisdoPavio
Vende-se os mais bonitos setins de cores
e mais encorpados proprios para vestidos
tendo de di vena* cores.
AOS PAUTOT DO PAVAO A W e
2O0OOQ.
Vende-se um bonito sdrtimento de palito-
ts francezes sendo, sobrecasacados e pro-
piamente 8obrecasacos. que se vendem
forrados de alpaca a 185000 e forrados de
seda a 20# A 30 RS, A DUZIA DE COLLERINHOS
O Pavao tem urna grande fartura de bo-
nitos colleirinhos de papel, rom os feilios
mais novos, que se vende a 30 rs. a du-
zia, pediincha,
Crochs para carleiras e sof
0 Pavio tem um grande sortimento do*
mais bonitos erodios proprios para cadei-
ras solas, mesas, almofidas etc etc., assim
como proprios para cobrir presentes, e ven-
de-se mais barato do que em outra qual-
quer parte,
GLACE' A 1:100 PARA VESTIDOS
O-l'ivao tem esla nova fazenda lisa prn-
pria para vestidos, com as mais delicada,
cores e com mais luslre do que a propria
seda com \ palmos de largura que facilita
l'azer-sc qualquer vestido com 10 covados
o vende se pelo baratissimo preco de l:20
rs. o covado, piThinrha.
CRETONE DA INDIA PARA COLCHAS
O Pavao tem esla nova fazenda cretone
ppopria para colchas, com os mais lin os
r -s cbioezes e com as cores inteiramen-
lixas, tendo largura de chita franceza e
.;' COLCHAS DEFOSTAO
Na loja do Pavao vende-se.um grande soriimen-
lo de colchas de fastao sondo brancas e de core?
dita* de cnirli |iara cantan de nniva, assim come
quintos damascos do la para colchas.
Na loja oo Pavo vendem-se os mais
bonitos chales de verdadeira cachemira d
cor, com os desenhos mais modernos, a (55,
10 e 125000, muito barato na ra da Im-
peratriz n. (O.
Organdvs a 30 rs.
Vende-se os mais bonitos Organdys de
cores com padjoes miudos e graudos. sen-
do todos de cures ixas, pelos baratos pre-
cos de :iO) rs. o coya. lo.
CAMISAS PARA SENHORAS
Chegou um grande .-o tmenlo de cami-
sas francezas"para senhoras, sendo lisas o
bordadas, assim comoum gratide sortimento
de eorpinhos de cambraia bordados, cami-
sinlias e manguitos com gollinhas que se
vende muito em conta,
OPACAS DE CORDAO
Bonitas caixinhas de madeiras envernisa-
das, con tendo navalhas e os mais necessaros
para viagem, servindo ellas de carteira
juando abertas
Outras conforme aquellas, proprias para
senhoras.
Outras roachetadas, com thesouras e os
mais necessaros dourados e de madrepo-
rola para costura, obras de apurado gosto
e perfecSo, proprias paro um bello pre-
sente, tendo algumas com musi;a.
Estojos ou carteiras do ce uro com nava-
Ibas, e os mais necessaros para viagcns.
ESCOVAS DE MARFIM
Para unhas. denles, cabello o roupa.
Outras de balea com machetados do ma-
dreperola para os mesmos fins.
OBRAS DE MADREPEROLA
Leques, escovas para dentes, caetas,
didaes, brincos, alfinetes etc. etc.
Ricas capellas com veos para noivas.
Cintos de brim, com elstico para se-
nhoras.
Voltas do grossos aljofaes de cores,
para circular os coques.
Outras igualmente bonitas, c com pin-
gentes para o pescoco.
Outras com aljofares coloridos, e tran-
selin dourado.
Botoes com ancora, e P. II. para fardas
e colletes.
Abotoaduras d'aventurino com o p de
prata dourada, para colletes, cada'um 55.
Pannos de crochet pa*a cadeiras.
Novo sortimento de toalhas de labyrin-
tho, para baptizados.
Renda e bico de guipur, branco e
preto.
Fil preto, de seda, com sal picos.
Pequeos c delicados espanadores de
pennas coloridas, proprios para piaonos,
oratorios, etc.
Bonitos passarinhos de metal prateados,
para segurar costuras, tendo almofadinhas,
do velludo para agulhas c alfinetes.
Thesouras de duas, tres, quatro o cinco
pernas para frisar babadinhos.
AGULHAS NON-PLUSLTRA
tal a qualidade d'essas agulhas, que
mereceu ao fabricante o pomposo titulo de
No-pltwtltra, merece a Aguia Branca as
honras d'um annuncio, e sera duvida me-
recer das inteligentes senhoras, a devida
estima por sua apreciavel qualidade.
At agora nada se tinha visto de to bom
em tal genero, e ainda assim cusa cada
papel apens 200 rs.
Provavelmente d'aqui a pouco abnndar3o
as falsificadas para serem vendidas barata-
mente, porm as verdadeiras continuarn a
vir especialmente para a' loja da Aguia
Branca.
Descrever minuciosamente por seus no-
mes e qualidades a inlinidade d'objectos
Assncar Chantcaud.
O auucar fe ruginoso te Clinnleaud obtklo
la associacao do exido de ferro tuteiramente so-
rel com o assucar cuidadosamente purificado,
ste assucar, de una bella p-inrencia crvslana,
m o simples gosto mu agradavol do assucar,'
sem o menor sabor adsiringcntc : nao tem accao
irritante sobre a mucosa do cstoinagn enlettioos,
e rpidamente absorvldo pelo oppanllio digesti-
vo em causaras eonstuacoV do venire.
E' hojo o preparado do ferro do mais nceitaeao
para a chlorose atona dos orga<>?. perdas Brancas
menstruaes difllcois, etc., o tem a sen favor o
juizo autorisado da escola de mediciD de l'ans,
e dos cbimicos os mais notaveis.
DEPOSITO ESPECIAL,
Pharmacia de Hartholomeu A C-, ra laica do
Rosario n.'.
VENDAS EM GROSSO
PRECO FIXO E MDICO
NO
Boles de cristal, encastoados em prata,' quo constantemente se acham venda na
para punhos, 4$ o par. loja da Aguia Branca, seria sen5o impossi-
Camisas de flanella para homem, a me- vel ao menos infadonho por isso ella con-
Ihor qualidade que tem vindo a este mer-
cado,
Meias de 13a para homens, senhoras e
creancas.
Ditas de dita, tecido do borracha, para
quem soffre de incliaco as pernas.
lia na constancia de sua boa e antiga fre-
quezia, e pede aos que de novo queiram
reconhecer a commodidade de seus precos
e a cinceridade de seu agrado, que nao se
esquecam de comparecer loja d'Aguia
Branca ra do Queimado n. 8.
TIENTO PARA A FESTA
Tende-se por menos de 10, 20 e 30 {0
SO' NO
EN CONSERVATIVO
N. 23Largo do Terpo.N. 23.
SIMIO DOS
Os proprietarios deste bem sorlido armazem de secco e molhados esto re-
solvidos a lazare urna grande diminuicao de precos as suas mercadoms, como se apro-
xima a festa e serapre se fazem avultadas compras para o centro e praca, por
isso previnem ao respeitavel publico em geral. que mande fazer suas despencase cer-
tos de que ferio a grande diflerenca era precos mais do que em outra qualqHer parte
e garanlind'^se as superiores qualidades.
O Campos da ra do Imperador n. 28 tem para
vender o seguinlo:
Queijos londrinos, pratos, flamengos o do Minas,
todos muito frescos o do boa qualidade.
Presuntos para fiambres o para tempero, paios,
salames ote. ele.
O verdadeiro bacal ho de Noruega.
Latas com lagstas e ostras.
O verdadeiro caf Mocha.
Especialidades
Grande remessa de cigarros de diversas quali-
dades, vindos da provincia do Uio de Janeiro, no
vapor brasileiro Paran
A saber:
Cigarros ao duque de Caxias
Ditos ao Maurity.
Ditos aos tonentes do Diabo.
Ditos Barbacenas.
Ditos Papel pcitoral.
Ditos de S. Paulo.
Ditos do Rio-Novo.
Ternos do medidas para seceos, segundo o novo
systema (mtrico francez), no armazem do Cam-
pos.
As mais adoptadas e mais facis tabellas para
de prompt se reduzir rf) e t a l.ilogrammas e ao
inverso estao se acabando por isso recommenda-se
aos esiabelecimenlos que ainda nao tem, que ve
nbam seus donos munir-se desse tao grande agen-
te do commercio, pois tjun, com a safra que.cst a
porta, toma-so ditas tabellas indispensaveis.
28-TUDO NO ARMAZEM DO CAMPOS-28
}
n
J
22 Ra Nova n. 22
Machinas para costuras.
A este acreditado estabelecimento, clie-
gou un riquissimo sortimento de machinas
para costura, de todos os auctores; as
quaes se acham em exposi;5o no mesmo
estabelecimento. O progresso destas ma-
chinas maravilhoso o seu servico equi-
vale ao de 30 costnreiras diarias I! Os
seus trabalhos sao pespunto, bordar, fran-
zir, e outras inuitas qualidad.-s de costura,
como se pode ver no mesmo estabeleci-
mento.
Garante-se a sua boa qnaiidade, como
bem o concert de qualquer machina quan-
do seja preciso; e tambera se manda ensi-
nar, at que a pessoa estoja bem pra-
tica.
mmm
Ra Nova
ESPELHOSem quadros dourados de Vj
' 'A / V V. a duzia MfOOO, 2&00,
400, 16900 e 1/5300.
LAPIS finos a groza 200, 2*000, 30OCO,
35400 e 45500.
DITOS com cabeca, de osso para carteira,
a groza 48i0.
DITOS muito superiores para carpina sro2.a
000.
DITOS muilo Onos com duas cores a groza
I4000.
FIVELLAS d'ago pulidas e envemisadas
para calca e collete a groza 15500.
OCUUOS aro d'aco, vidro degio a dozia
3,5500, ffJOOO e 9000.
LUNETAS OU MNCINEZ idein dem a du-
zia 9/W00.
E muitos outros arligos qii) h com a
vista podem ser apreciados tanto as qua-
lidades como nos resumidissimos piceos
por que tudo vendido.
Alm disto faz-se os abatimentos na razo
seguinte:
Compras de 505 a 1005 descont 5 /,
de d(i05 a 3005 10 /
de 5005 para cima 15 !/'
PAGAMENTO REALISAUO.NA MISMA DATA
em letra de 30dias menos^ Vi0/,
em de (10
Jnsde Soza
Soares &
5
C.
%
MU. A ffiTl
Eua Direita numero 53.
Grande o completo sortimento do bandaija chi-
nezas, tanto qu.idradas como tmftios, o de ti id i9 os
tamanhos, roQiptefo soninien! de tir.-is e garlos
de I e 2 U, balai;i;o nleiro e meto balando, .lili:-
res de metal principe, as oais Boas que hm find i
ao mercado, irm para cizinlf, p-ot krgrain-
mas tanto do ferro cmo da lata o (com redaran
d prcen), metros para medir Boenda IftHbi de
deira eonde lalao, xin de um Miitininitn roat-
pelo de ferragem e miudezts, bem como macoin; s
de desca ii(_'ai- ulpoda-a, inoinliu para raM e t idos
OS lamanliiis. ele, etc.. ludo por rire.is (mi- > >
avista do rempradiir hr. f : na ra DirnU n 53,
loja de feroifeusde Mauoei Beata de uliveira Bra-
ga & C.
A tenpilo
GAZ AMERICANO i 95500 a lata, c 440
rs. a garrafa e GOO rs. o litro.
VINHO VERDADEIRO FlGUEIRA 500
a garrafa, c 45500 a caada e 800 rs o ti-
tro.
DEM DE LISBOA das melhores marcas,
400, 440 e 500 rs. a garrafa, a 800 o
35*10 a ranada, GfJOe 7 rs. o lilro.
DEM RUANCO DE LISROA a 45000.
a caada e 560 a garrafa, e 840 rs. o litro.
VINAGRE VERDADEIRO DE LISBOA
15400,
AZEITE DOCE DE LISBOA 900 rs. a
garrafa, e a 75 a caada, e 15340 o lilro.
MANTEIGA INGLI5ZA FLR 15400 e
I580 a libra, J5060 e 780 o kilo-
grammo.
DITA FRANCEZA 9G0, 900 e 850 rs.
a libra, e 100, 15980 e 15860 o kilo-
grammo
DITA PARA TEMPERO 560 rs. a li
bra, 15220 o kilogrammo, era porco se
far abatimento.
BANI1A DE PORGO DE BALTlMOOR
720 rs. a libra, o I53GO o kilogrammo, em 800 rs. a garrafa.
Vende-se as mais bonitas aipacas de cor-
do, tendo de toda- as cores, as mais novas!-oo' 2*40 "e '320 rs -arrafa
que tem vindo ao mercado e vendem-se 7^800*" e 25200 a canadaT
mais barato do que em outra qualquer
parte.
ALGODO ENTESTADO
Vende-so urna grande p >rc5o de aigodo-
sinuo americano com 8 palmos do la-gura
proprio para lences e toalhas tendo liso e
trrncaao que se vende por preco muito cm
conta.
anos de lioho
Cliegou um grando sortimento de pecas
do panno de liuho do Porto que se vendem
de 700 rs. uto 15000 a vara, garantindo-se
que em fazenda de linho n3o ha nada me-
ihor, nem mais proprio para lences o toa-
lhas.
PECHICHA EM CHAPEOS DE SOL
Chegou um grande sortimento dos me-
nores chapeos de sol de seda, inglezcs ten-
do neslo art go o meihor quo tem vindo ao
mercado assim como urna grande porco de
ditos de alpacas de todas as cores e todos
se vcodem por preco muito mais barato do
que em oolra qualquer parte, por haver
grande porcao.
.neos braiieos
Vende-se um grande sortimento de len-
cos hrancos para homem, sendo a duzia a
156(10, 25 muito tinos a 45 e 65000 a duzia, ditos de
HMniio fazenda muito suoerior a 5$, 65 e
750i K),
SEVADINHA E SAG 280 rs. a libra e
620 rs. o kilogrammo.
FARINIIA DE ARXRUTA VERDADEIRA
640 a libra e 15400 o kilogrammo
BOLAXINHA INGLEZA MUITO NOVA a
400 rs. a libra e 8'iOrs. n kilogrsmmo.
VELLAS DE ESPARMACETE 720 rs. o
masso. em caixa ha abatimento.
PHOSPHOROS DO GAZ E DE SEGU-
RANCA. 280, 400 e 560 rs. o masso.
35200 e 65500 a groza.
AMEIXAS EM LATAS E CACIIINHAb
DE MUITOS TAMANHOS 15280, 25500
35500.45500. 55500 a lata e a retalho e 15
a libra.
GOMiMA DE MILHO AMERICANA 400 r*.
o masso. e em caixa ha abatimento.
BATATAS NOVAS DE LISBOA 60 rs.
a libra, em caixa faz-se abatimento.
SERVEJA INGLEZA MARCA II 55500
a duzia e 500 rs. a garrafa.
DEM BASS, VERDADEIRA IHLERS
BELL, 800 rs. a garrafa e 95 a duzia.
VINHO DO PORTO ENGARRAFADO DE
DIVERSAS MARCAS 15500, 15200, 15 e
Pechleha en casemiras a 4:000
Vende-se (inissimasca>emirasde cor com
listras ao lado, leudo duas larguras e com
as tres mais novas o mais bonitas que tem
vindo ao mercado, pelo baratissimo prec
de 45000 o covado ou 7,5000, cada corte
de calca.
Os baldes do Pavita a 21000,
Ch'-g u um grande sortimento de baloes
ou crenolinas do fritio mais moderno muito
poprias para vestidos ennesgados que e
vende pelo baratissimo preco de 25000 ca-
da um grande pechincha
AS CA-IBRAIAS DO PAVAO A 4:500 RS.
Vende-se urna grande porco de pecan-
do Hnissiraas cambraias brancas transparen-
tes tendo 10 jardas, com mais de vara de
largura pelo baratsimo preco de 45!00, a
peca sendo fazenda que nun.a se vendeu
por menos de 85000, grande DeehocBa.
porco se far abatimento.
ARROZ DO MARANHO E DA INDIA
120 e rs. a libra, 260 rs. o kilogrammo e
35400 a arroba.
ALPISTA 200 rs. a libra e 440 rs. o
kilogrammo. e 65<>00 a arroba.
;AF EM GRAO 65 e 65500 a arroba,
200, 240 e 260 rs. a libra. 440 e 520 rs. o
kilogrammo em sacca se far abatimento.
SABO MASSA 240 e 200 rs. a libra,
520 e 440 rs. o kilogrammo, em caixa se
laz abatimento.
MASSAS PARA SOPA, MACARRO, TA-
LHARIN E ALBTRJA, i 560 rs. librare
15220ok.logrammo.
BOLACHINHAS EM LATAS DE DIVER-
SAS QUALIDADES, bem corob perola bri-
Ihante.combination, Francy-cracynel, mixed
Britania. Mdium, Fancy-nic-nac, a. b, C, e
soda a 15000 e 15400 cada urna lata.
Assim romo ha outros muitos
GENEBRA DE HOLANDA E HAMBUR-
GUEZA 75 e 65 a frasqueira, e 500 rs. o
frasco.
DEM DE LARANJA DOCE AROMTICA,
115 a frasqueira o 15 o frasco.
QUEIJOS DE DIVERSOS VAPORES,
35 mento.
TOUCINHO DE LISBOA MBITO ALTO
400 rs. a libra, e 880 rs. o kilogrammo,
e 114500 a arroba.
LINGUICAS FINAS PROMPTAS EM LA-
TAS 15000 rs. a lata.
LOMBO DE PORCO ASSADO JA PROMP
TO a 15000 rs. a lata.
CHA FINO. GRAUDO E MIUDINHO
35200 e 25800 a libra, e 65100 o kilo-
grammo.
DEM PROPRIO PARA NEGOCIO 25000,
25200 o 15800, rs. a libra,
gneros, vinlio em ancoretas, azeitonas,
Joaquim Rodrigues Tarares de Mello?
tem para vender uo sen escriplorio, pra-jjg|
ca do Corpo Santo n. 17 primeira andar,
potassa da Bussia ltimamente chegada>c
cal de Lisboa e viubo ordeaux de supe-jjjl
rior qualidade. ;;r^
:,:;.
"Ikniiii
Resta a venda um escolndi sortimento de ob
lectos de marcineria, como sejam, moluas de ja-
:arand. mogno eamr.reilo, obra nacional e cstran
{eir, de apurado gosto e por pro/;o' razoaveis :
la ra cstreita do Rosario n. 32. Nesta mesma
sasa fazem-se com pcrfei^ao todos os trabalhos d<
wlhinha, como sejam, empalhamentos do lastro>
jar camas, cadeiras e sonh*
Vende-se a taberna da ra larga u n. 3, propria para principiante por ler poue w
fundos qnem prsieuder dirija-so mesma, que
achara com quem tratar.
li en
Na loja e armazem do Pavao ra da Imperatriz n. 60.
muito novas, passas e figos novos, charutos de diversas marcas, marmelada, feila pelos
melhores conserveiros em Lisboa, gela de marmello, pcego, ervilhas, em latas, por-
tuguesas e francezas, vinho verde engarrafado retalho, peixe em latas, bem como
pescada, tainha, pargo. goraz, lula, corvina, vezugo, cavalla, sarda e sardinhas de Nan-
tes. Canalla, cravo, ervado^e, cminlio, pimenta, grandesmolhns de sebolla 15500.
Finalmente mo;io$ outros gneros que enfandonho menciona-los.
CEMENTO
1 Bichas haoiburgapzas ~
Ra da Cadeia n. 51.
Neste novo deposito rerebe-se por todos os pa- PORTLAND.
HST2Sa2sX^ tsqn"H^de *T; Vendc-S "" armazem amarello de Vicente FeT-
Veilde-se um carrinho americano de qaalro irWIftDaftID
rada*, com 2 e & assenms, e arreio para nm cu- w MijM mwudm29l!
vaHo, tudo em h>mi estado: a tratar na roa a ania vaeea de leite por proco commodo : na roa
Florentfaa, ofleina de Mr. Granjean. da Croa n. 13.
FIO BE VELA
Barbante
Era casa de Rabo Schmotau 4 C. Corpo
Santo n. lo.
SHERRT 0L0R0Z0.
Gelo seal.
COCiMAC HE!IESSY.
Em casa de Rabe Schmettau 4 C. Corpr
Santo n. 15.
CAHMPMHA
SUPERIOR*
Roussillon, carie blanche.
Kril easa de Rabe Schmettau A
ii Corpo Want a. 15.
VINHO
DE
BORDEAUX SUPERIOR.
CHATEAU LA ROSE.
(IIA TE 1U RAUZAM
Em cusa de Rabe Schmettau & C. Corpb
Santo n. 15.
VERDADEIRO LE ROY
de 0IG.1*BET, Docteur-Mlerin
Ru do Seino, 51, PAIIIS.
Cabriolet
va
Veude-sc um Babriolet de dona c quatro ane-
los, o que ha de meihor insto genero, eoaa Lo i
ravallo c arrcios, ou sem ello : na ra de Santo
Amaro, rx-hcirn de Tlmmaz I.iii?.
Vende st; n enflenho Jerutak-m, no tt-rnw de
Scriiilifiem. di.-iai.te da estacan da via-errea tres
lefoas, com boas obras, inocule e Correut*, de
ajnia, cipciro, e mu boas nmtas cierras para m-
frej^r 2,(MK) pa s : ipi-n o quier c.imprar rnfcn-
da-secom seu priprieiario, Da ra dO'Hospi;j
n. 2't.
ATTENCAO
"Vende-se una armacao do taberna, nova, e ni
todos o< pertcnce mesma armacao qnem pn -
tender dirija-so rna Imperial n. 8."): na mesnut
leberna para tratar. Esta easa ach- locada e vende bastante lano para o malo ramo
para a trra, e
piante por nao
,e e preprta para qnalqaur prinn-
pe muilo grande a armaeio.
8e lo.
Novo regulan'ieiiiu do sello ; vende-so M I
i'-i un mica ;o p do arco de Santo Antonio.
Attencao.
Vcnde-?e o mito
na ra estirila do Ri
/..ulo : a tra'ar no ni>
li i id ario ii. II, muito ulregn '-
no.
ESCRAVOS FGIDOS.
(iratica-fce com 200% por cada
um, e mais, conforme a dis-
e fore ni capta-
qo
luneta err
rados.
Do engenbfl 5 ledado, em Porto Calvo, fu^ir n
juntos nodia^'/i! i'.:ii'Z|i:is-.,.l i,donseserav< s,roj *
ignaes uio os srguintes: na de nome Peli|
idade 2-'i annos, natural n Oari, cor cabra. etnva
um poneo dMbradu (piando fngio, tem n> caln-llos
earapinbadis, i.ii .s grandes e viv-, falla de um
denle na frente, rost cumplido regular, poufca
barba por baixn do qaHxo, estatura regalar, bem
felto de corpo, pernas giossas, pes pefloeno* e
bem feitos, eni marca do un a ferida em cima de
nina das ciuellas das fxrnat, e falla tiroede^-
emliaragado. O nutro de nome ManneL lamb i
cabra, tem 2.'l annos de idade, naiural du Bio
Grande do Norte, estatura mediana, espigado, sc:n
barli.i nenhuma, rosto curio, olhis peipienos e
vivos, nariz pequeo, regular em grossura, denles
perfeilos e alvos, bracos e pernas tinas, pos regn-
iares, sabe lr e escrever, toca viola e raata .'.c
improviso, fui munido de fal-osducomehtos. Ain-
Iws foram comprados nesta cidado do Recite ao
Exm. .Sr. baru de Nazarelb, o primeiro em jullm
de 1806 e o segundo em julho do eorrrnte an-
uo. E>lao a nbos limpos de costas o nadegas,
por nao terrm seffiidu castigo algum. Rogl-se
portanlo, s autoridades ponciaes, capital* de
eampo, ou qualquer pessoa aOO os enconire. do os
capturar, e lvalos a seu senbor, Francisco de
Paula Cavalcanto de Albuquerquo no referido
engenlio Soleclade, no termo de Porto Calvo, ou
nesta praca ao Sr. Joaquina Rodrigues Tavares
do Mello com escriptorin no largo do Gor|.o-anti>
n. 17 Io andar, pelo que cm qoaiqner das palies
se dar a gratilicacao cima promotlida. Reeife,
ii de ontubra de 8(i9.
AVISO
Fugio segunda-feira, 18 de oulubro, o escr.vr,
Antonio, preto crnalo, idade '0 annos, pouco na
ou menos, de estatnra regular, falta de denles na
frente, quando anda um pouco corcovado para
diante, luvou vcslido ralea de brim pardo, omisa
le totopa, e chapeo de padia j velho : esta e>-
cravo vtio j ha lempo do Rio Fnnnijse, e sr.p-
pde-so ter para all seguido : quem o ani lf
ve-o a roa da Concordia n. 8, reu'nacio, que sera
bem grntilicado.
Km rid.i goina, il, ntre rlha e o ihttI
q.ie .a amcu > lete, um ralnlu ianq-rua em mt-
!*ll ll flIAl. M C3VR KO ri\C .
A B nnr-
luir. ii-iiiraiillr
d k fi llano
M.MufBttl
..k i!, v ,ia
m x;im>,- .
uior dtscuulo. t
Kiilio da rasa d^> ahaix-i asaipuado <> si en-
cravo Isac, mulato, idade 20 annns. poiiro nais
ou menos, fui tamlo-lhe 500 a 600|000 rm moe-
das de our >, tem o dedo grande da man dirrit-i
com duas unhas. romo se fossem dous dedo?, sa-
ino bem vestido, bouMo c milito lidiante. O
abaixo assiiinailo prmnrtle pagar bem a quem o
pe/a- leva-lo rna da Matriz da Boa-vista Ho-
mero 33.
la ue novembr de 69.
Jesiino de Miranda.
I)e>appamvu de-do 10 do correnie mea, de
um silio na matriz da Varzea. a ocrava do
mue Joanna, muala alaranjada, feia. de cabeHr1
aiiipmlios. dente-i limados, alia, fllha du Cean.
iHvon vellido esenra e alguma ronpa mais usada
iui-m a pegar leve-a rna do Rangel n. 9, ped*-
'ia. que sel leCi'nipen.'ad.
FngM) lia i>ias do inez (iraiiino JIM
ngeuho F.irno ta Cd, o esc
un ni", iln4r 40
ta'tira rct.ii1,>!. tei
indar por G'iai
ar
era
em ice!








Pernambuco Quarta feira 17 de Novembr
le 1869.
WREUXBU.
HCl'MENICO
Carta sotas' o mimo r.
DIIUUIOA POB HSNffiMHOn O HISPO d on-
N3 AO Cl*KO DVSr. DIOCBSK.
E Itrio l>em 1eui n pVran negar?
go, e a re dos
povos ameacada?
Qual a.nova licrosia quediatargido me
pefgmitareiA vs. Qual ;l hflresia, senho-
res B acto da igreja ponltuma : nnnei o
Cloro d'mna a outra b*tremid,ade do globo.
esleve mus unida na f. Fra da lgrp)a,
pe'contrario, nfovs M m 'sinos taqnt**
centenares de vezes repelidos e oiitras
taas renovados, se reprodceos debati
de formas diversas c com novos azediimcs,
ontra todos os pontos da doutrina c.hrrstt,
mas, a'm disso, com tanta impiedado que
excede a do secuto XVIII. As propnas ver-
dades natnracs, as verdades pnmurdiaes.
s ore que assenlam as sociedades humanas.
sao neg.i las e auilaciosamenle discutidas ;
a sciencia tambem tem suas heresias na
scismt entre os pbilosophos; o a razan sor-
fre os ataques qnopareeiam reservados a
f. Consa singular A f hnje a guar-
da dos thesouros da razo, e reservedhe
de baluarte. Oh sabios, oh pensadores,
ex v lio! Todos os dias nos aecusaes de falta
de sciencia e de intelligonea, e vos, eos
pote* irmaos, to sabios, tao inteligentes
nao turnios sabido conservar, quasi quenoin
na vwdade solida e mmutavel! E vos,
oh protestantes, que qoizestes reformar a
igreja, sois os meamos qu'vhoje carecis de
reforma, e -onhoceis quanto vos 6 roister
o beneficio da antoridadeque nao leudes.
Exannne-se qual o esludo das lutelli-
gencias. Para onde se encaminham as pin-
losophias separadas c oppostas? Ha tres
seclos que a Allcmanha-hoje thcatro de
furiosos debates o de profundos abalos
vio surgir espiritos violentos, os qanes sa-
cudindo o benfico ju*o da f, e dejndo-
se ir aps todas as temeridades e loucuras
do pensaniento, api esenlam ao mundo o es-
pantoso sudario de inaudita andaeia, e ao
m sm< tempo da extrema fraqueza da ra-
zo humana, seguidas, como serapre, de re-
laxameuto e quebr de moral. E desses
prodigiosos esforcM do espirrto, desses ce-
Jeiros de ero llcld, que o que veio a la-
me ? V resurreico do lodos os antigos
erro, o pantheismo, o atheismo, a scepti
cismo, e na prupria religio as chimeras
mais contraditorias to urna exegese, que
seria o termo do christianismo. E patente,
estamos vendo n que deram, dezoito sOcu*
los depois de Jess Christo, os maiores la-
bores mlelleetuacsquc o mundo tem presan-
ccado.
E hoje. qu? o que por ca vemos T AS
creaners religiosas atacadas de frente, a dis-
soli:c;o de todas as crengas, mesmo as phi-
losopkieas, o amquilamento de todas as
verdades racionaes, e as nsurpacoes de-nma
pretendida scienria, ebria de si mesma.
que renegando a razad, pretende,
me do atheismo
era no-
li da materialismo, despo-
jar o hornera da crenca da inmortalidad?
da alma, da f era Dens. A imprensa nao
poupa meios do espalhar, com afn, nos
{ornees, as brocliuras, nos romances, na
folli.'lad>, doutrims Junestissimas acerca
de Deas, da alma, da moral, da vi la futu-
ra, da familia o da sociedade. Muitos dos
nossos contemporneos socobram oestes
erres, ou vogam. sera bussola nem tome a
dbcripQlo de todos os ventos da duvida
dos quatro pontos carlinaes, tempestuosa
troyas saUeem os espiritos, e penefram
mesme "as ultimas carnadas do pavo.
Grav s crios se. ho, adrede, totrodozwlo
em questoes conreinantes a igreja e dato
vera os i ii .mirados e i 00 les com que bo-
je a guerrean)
(toando rebentou en Franca essa revo-
luco, que ainda boje agita a Europa c o
muido, a igreja unida a artiga od.mi poli-
tica por lagos, que os lampos havi.im con-
sogrado, 6>i anclada na destruidora Imii-
, [uta eolio t; avada contra
ella, nao se soutra, oa nao s quiz distin-
guir cutre o que era puramente filiio de
causis legitimas, mis desneeessarias, e
o que. constitua ospii icipios esseoces, e
o espirito immutavel do chrJstianismo,
A a ly.-io, no peito de certos borneas,
tem aob evivfdo eega o implacavel. Lau-
cando ao esqaectmento dezoito seculos de
mi raiust.i r. o;u onda
revolucionaria arrasta no seu desordenado
curso verdades' e raen titas, virtudes o-en
mes,beneticios e desastres, u como a lgreja
pie nunca transige com o erro nem com
omalpresisteem. aciutetar o liomens
leste tempo das illusoes do palavras- en
ganosas, e' do porigo de doutrinas fawas;
edigamos ludo, j qu se obstinara era
culpar a Igreja de peusamento o prct'an
i;5es que ella n3o temeis o- motivo por
que a imprensa irapia ou desvairala ll'S-
phem conlra a Igreja, e pr >c sublevar
contra cila o povos. Eis [orine ouvimos
nesses proteudidos congresso sou man-
dato, uos-escripio dos jurualistas que- 0>
inspirami por entce grita di (perra so-
cial, lantas blaspnemias estpidas c san-
guinarias. Eis, flnahuenta, porque vemos
levar ao seiodas nossas assemmas legis-
lativas esse antagonismo sen causa, em
nome do qiial se pede a separarlo violento
da Igreja o da sociedade.
E, ainda ha pouco, .piando o Soberano:
Pontiflce elevou a xoz para indicara attwMfO!
de tbeorias impas ou immorats que nos-
inundara, que clamores, que accusacesum-i
merecidas surgirara, de Unios os lados! Ca-
lumniaram-no sera comprehender-lhe- a
linguagem. E vimos, 'cora doloroso-senil-
ment, homens polticos, tomados de preci-
pitada emoco, sem pedir nem osperar as
necessarias esplicaces apresarcm-se arat-
bem a proclamar um antogooismo, que, gra
Cas a Dus, nao existo.
Semelbanles hostilidades contra ^ Igreja,
ao passo que afastam delta os iltodidos,
lornam mais temivel tala o pengo a que
nos arraslam os erros actuaes; porqoe n8o
lia erros inofensivos : lei histrica, oou-
firmada por constante experiencia, promul-
gada pelo senhor do Bonald, quanrto esere-
veu estas enrgicas palavras; Ha sera^
pre grandes desordens. onde ha-grandes
erros, e grandes erros onde ha grandes de-
sordens. As ideas criam os fattos; as
tempestades vem do alto. ....
Perguntarei aos sinceros: Ha veis tonu-
do fundar o rgimen dos povos, e das so
ciedades 15o soraente por meto da rarao.
Ha j tres quartos de secuto que a expe-
riencia est em obra: que o que tendee
colindo ? Os costumes tem melhorado .
A atitoridade permanente? A hber-
dade esl segura ? A guerra desapparecea .
E a miseria ? E a ignorancia ? E essas
questoes que a raz5o formula cora rara
ferlilidade de invenco, mas que n3o sabe
resolver, quesles con o nenies aos mais
vivos interesses, taes como organisaco so-
vial, do irabalho, dos salarios, dos obre
ros, como que as tendee resolvido ?
Nao exagero se alarmar, que desdo que
a razao, entregue so a si, pretende .domi-
nar, tem reinado como reina o astro da
noite sobre as sombras que nao pode ven-
cer; equeo mundo, mesmo as socieda-
des mais civilisadas, -so olTeroco um viver
cercado de inquietacoes, mal-estar, de
odios e de sustos.
O dcimo nono seclo ac .har agitado,
fatigado, estril, e incontostavelmente
mal.
Temerario ser quem aflirmar que elle
se nar cheio de gloria, e nao despenbado
no abysrao.
IV
vista retrospei tiva.
Supplicio, todava, ineus a nigos e mous
irmajs ua f. qie nao se exagerem os fac
los. E* natural a tristeza em face do que
estamos vendo, e, repito-o, mo corceo
lera o quo nao se entristecer.
Filbos do XIX secuto, os homens da mi
nha idade liaviam sonhado maravdhas, ba-
viam acalenlado generosas esperaneas : va-
morrer, e motwmos deHudidoe. Mas
a nossi curia vi la vulurae compl-io
tT Smtitrmrmm ftn/ntitn I
ten o julio; nao dig
jercorrtdn sen e>
nonti
r prj t>-
pDS antigos eram melhores que os de boje.^
Insensata esta pergpoH
Reli, ha da, a Btillw canvecatoi
antigos conao do-idde
tos dos P#*r, sobre u.4mjmp;
ha excedem os qpPl
.peilo do mais limj^H
Salera do concilio demK'
noa falle desses toP'
lev. E qui vio ella emMr
Um secu o bum semitWBl
quinti a grandjWOWborl''
lollras e re'nWmenie daoMi
Ihante tambera ao nosso"p%|fc,ra) uso dos
tes dons.
' XVI secu!) poviava a Anirici, des-
cabella dale pouco, c l so cnlivgava a
muus'uosos excesses de avareza e cruel-
daqe. e Ihe inlrduzia o vergonzoso e des
'Uiirauau sgemt da csciavido. Amuuioa-
va.wiouro, que serviam di; corromper os
bous costumes. S espaHiarmos a vista
por sobro os tluoiios,. se a dingirmos ao
viverdos povos, se observarmns x mesma
Igreja, mais trislonhe e affliclivo sert o es-
peilaailo que se nos apresenta. Ifesse se-
clo viveram Hbnrique VIH, Isabel, Chns-
lierno II, Yvan o lerrUel, os Medios, Gar-
los IX e Henrique III. Esse seoulo
o oque de Roma c o cerco de Pariz.
secuto\o a pretendida reforma dilacerara
._ii___ ,______ a:.;ai fiirit.in-
VIO
Esse
.^leja.'lalbar a Europa, dividir a dinstnn
dade. Leiam-so as vidas dos grandes e san-
tos personagens desses tempoS, de D. Bar-
tboiomeu dos Marlyres, de S Carlos Borro-
m
(aces
> tudas .v ircas. R.,,
a igreja catholicf," cujosi
tir oV seos inimigos, n5 r\
tma de vigor ;
rsHlmte am Papa cuja* ttrtules ca-
^rai rtipeo. nuraemsos e ze-
ietes pios, unidos el
sabias e virtuosas for
perseguico e po-
(t. reja qner reunir
a-o para Roma, dando-1
^Pne e sqrviodj-so dos
io- me oMi o espirito de
do aos* seciijo. Mafia segura,
Miisp'irtos ipdos, ciunmodidades ile
fnIH? -gneros.
Todos sabem que tifio son cu dos quei
e.mmu.leccm e fe-clum os ollios diante dos
males da nossa poca, e dj perigo que
corre a salvaco dto almn ; mas duw e1
quero ser justo, e a wrdade pede que'
nao seja ingrato aos b:ne!icis que Deus
flu-rama sobre nos, e que reeonheca u
ficildade que nos elle concede'de obrar-
mos bem, mesm-o no3 tempos mais mos
Convem nao es(]U)cer qnu o dtver do
hornera e.nn los os tempos, hitar cnnwo
e que cada secuto tem irabalho e do-
cilidades que Ihe sito proprios, e a quo
ops cumpre sugeitar. Lamento, mas nao
maldigo o te n^o em que vivemos: mu
desespero da reforma dos povos. nem
lauco anathema aos principes. Esles au
sao' o nipoieutes, e* p ir cjrtu tambera
lulam com graves diUlculdades. Oro por
tanto qnanto o
se, para melhor sutisfazer i (j,, rrm
illi;u- cmJP
bem da humai
que possa duvidarex-
ede que a doutrina da
hi a virtude nio 'sd de
a salvacSo eterna dos ho-
a sna mi
cacia e f
< Quem
clama o Sa
igreja catb
concorrer para
mens, como tambem para o bem tempo-
ral das sociedades ; para u yvordajeiw
prosperidade, para a sua $ :rmm c
trauquilidade ? Nemo eninn/&9ri un
qiuita polerit catliolicat Eceksia fjutque
doctrim vim non solum ceternam hom -
nnm mlutem speclare, veritm eant pro-
desse temporali popularum bom, eorumque
vera prosperitali, ordini ac tranquillitati.
E quem ha que-posst negitf igreja este
poder civilisador e social'?
A roltgiSo x rehgiao f exclamava,
nao ha mulo, um eminente homem de
estado (Guizol), a seiva, a vida da hit-
manidade, m todos o$ lugares, e em todos
os lempos, saib em dias nefastos d cri-
i terricei e do vergonhosas aberris.
A religiio essencial para cooter ou sa
tisfaaer as atnbicoes humanas ; a religio
esBencial para fortalecer-009 na desgraca,
ou para nos mitigar os soffrimentos ; es
sencial para conter a cada um na sua
coodico, para dar-nos emfim socego o
p3z de espirito I Nenhuma poltica, nen*
huma por mais justa, por mais forte que
seja, se n5o se acompanhar da rehgiao.
serve-se
educadores-!'
vidam. ella a (tirina
'rrta-
i is petos
sciencia,
ios boM
'ode fpihiencia. Dn-
negam, ella insiste ;
elles, como a igreja ora, e,
TTle S yrinViVco'de S'ales; que reve-Jper'mittJ a fltinha fraca voz. eu os exhorto,
cos acerca dos solfrimentos da Igreja e 0 a todos, principes e povos, ^J***
,j leal concurso em prol da grande trela
d igreja, que a sa:itrlk-tc5o e a civilisa-
tai do mund.
dis potos l Ruferi-me s bullas d is Papas
da idade media : leiam-se as dos PMHiS*si
que-convooaram o concilio' d Ti
ver-se-ha se Adriano VI, Paulo Ur
nos
que!
de historia ?
Nos b8o vivemos no secuto XVI, nem
veremos no secuto XX ; mas a Igre.a vi-
m bontem e hade wer amunhia. Se eu
tivesse de fallar do que ella espera, nao
serian lgubres todas as nimbas prnphe
cas; o se interroga a sua hist ria, o lempo
presente c superior ao passado. Lance -
mos, pois, a vista aos seculos que foram.
Veremos, acaso, algura que nao tivesse sum
miserias e seus peiigos".' Ah l em face da
pusi lanimidade de certos calliolieos, lera-
bram-me as palavras d'im dos livros da
escriidura: Ne dicas: Quid putas cmsnecst
quid priora tmpora meliora farantqnim
Tcentu. c
e Pi IV
no-VoltovtTW vozes mafinaguadas o assus-
tadoras- sobre os pnrigos da rcpublieachris-
tai, do que o faz hoje Pin IV Sbllura de
costumes, desordens, escndalos: clero
mal educado, orden religit-sas aviltadas ;
os principes em guerra, os pews esmaga-
dos, a guerra continua e om.todos as pai-
zes. E, limitando me a fallar do concilio,
convocado s ib to tristes auspicios, recor-
darei qne foi mister reimil-o o'urna pequea
cidide situada na3 montanhas, do Tyml,
aguardar seis annos o beneplcito dos prm
cfpes_su3pendel-o, reabril-o, o solrer m-
cessantes e injustos ataques.
Mas, baldados foram os exforcos dos
cdiiirarosl a virtude da Igreja debelou
todos os obstculos, c depois do concilio,
logo em seguida a olio, que bnlhante es-
pectculo!
1 Que grandes homens e que sublimes
obras o coucio fez nascer com a aragem
vivificadora que derramou sobre toda a
sociedade cbrista! S. Carlos Borromeo. S.
Philippe do Nery, S. Pedro d'Alcaatara,
Santa Tbereza, S. Joo da Cruz. S. Fran-
cisco de Sales, Santa Joanna de Chanta!,
S. Vicente de Pauta, S. Francisco de Bor
gia, e S. i- .-ancisto Hegis, berdotros do es-
pirito dos Santo Ignacio e S. Franciseo Xa-
vier ; em seguida aps os santos canoni-
sados, esses homens apostlicos que rege-
neraram os povos, o be.naventurado Pedro
Fourrier, o rardeal de Brule, os senhores.
Oiier. En les, Bourduhse, o padre Ranee e
(aritos outros; ainda aps estes essas con-
gregaedee multiplices, esaM fecundas insti-
luices que la:it. lizeram reflorecer a vida
clerical e religi isa reanimando por todo o
universo o cotudo, a regnlaridade, achari-
la la;lodo esse movimeoto renovador,
em (ira, que dou nova vida^i|a.
Seguio se a ludo isso ossuet, Fneto-v
e a raagestosa unidade do secuto XVII.
E apozar de todos os abysmos que a mae
oL-pintual dos ho.n-jns, a igreja, lem tid
a transpor animosamente, possue, boj s,
templos em Jerusalem, liberdade em Pekim
o em.Constaiitmopla, bierarebia episcopal
na Inglaterra e nos paizes baxos, con hos
em Baltimore, missionaros na frica, as
Oceanias e no Jipao, Regozija-se, do
fundo d'alma, apesar da nao completos
seus desejos, c do muito quo tem a de-
plorar, rego/ij i-se, diremos, de presenciar
leis mais equitat vas.exercilos menos op-
pressores, os frases mais protegidos, os
pobres mas soccorridos, os cscravos liber-
tados, (toando a igreja encara de frente
essa preumdida reforma, que to audaz se
apresenlou, apoiada na poltica do XVI se-
cuto, v-a boje doutrinalmente desfallecida,
O que, sobre ludo, nos deve contristar e
causar amargas afflcees, a nos os homens
da actual! lade, s5o os tres nagellos qne,
em nossos diis, to^n tomado pr, porches
graws eassustadons : a perda decrencas
preparadi pela direccio impiados cstudos
scientificos o philosophicos ; a devassidao
de costumes accelarada de mil modos, por
propagandas corrupturas ; e, emftov os
erros e as difflamacoes injustas que os ir i-
migos da religio se comprazem cm es-
palhar e perpetuar entre os povos mo-
dernos, em detrimento da igreja. Eis as
Ires molestias cuja cura nos cumpre luntar,
com o auxilio de Deus.
Pessoas ha para quem estes tres flagcl-
los nSo sfo mas que o resulta lo parcial
do maior .le todos os flagellos pretritos e
prsenlesa rmlaf/n. N'o aceito esle
termo vago e mal denido, que, qual es-
pectro, se. eleva e giganta ; mas o que
n5o pode negar-se, que os males de
que estou fallando, criara no seto das so-
ciedades diviso de vontades, esqaect-
mento de Deus, despreza s leis e as au-
toridades, tanto orgulho e tanto odio, qua
pbe as sjciedades em perigo de se suo-
e
sofri-
inergji-ern no plago de revoljcoes semum.
V.
socconnos que o concilio opkkukcf..
Eis aqoi, -enhores, a razio pirim a
igreja. protectora das conscieocias, e nunca
indilTerente aos malesqnc a sociedade sobro,
na a pode licar de bracos cruzados. E' cor-
to que a igreja e a sociedade sao corpos
dist netos; mas camiuhando como caminham
ambas n,este mundo a par urna da outra,
contendo em seu soto os niesmos homens,
neeessarLmente sao solidarias no ben
no mal.'e compariilham pergos e
raentos.
E a igreja quer rennir-se, porqui. conhe-
ce que na cura dos males communs ella po-
do, e pode muito
Convera, todava, que n'este ponto, como
em todos, nao exageremos nem atenuemos
a vardade Depende da igreja a destrincan
de todos os malas qm afflig.-m a humam-
dade Hid. Mas n'este afn, n'este pe-
noso combate do bem contra o mal, tem
ella urna tapeta inmensa e pesada ; nao
Ihe dcima o peso, val tentar descmpenha-la.
O hornera livre, e obra o bem libre-
mente. Mis assistdo pela graca fl
a qual o ajuda sem Ihe prejudcar
dade; pois que, cornudilla ograndej Papa S
Celestino : Auxilio fei Uberumarbruuit
non aufertur, sed liberalur. D'positarn
dos beQs celestes, a igreja a divina assis-
tente do homem, o, mesmo na ord
poral, presta-lhc assislmcia
E se ella boje se
FOLHETJM
'RETAS
T.025A
pv
por.
Ora, lempa
Paulo Fval
Segunda pstvte
THLBi PAT4X
(Continuaco don.j22)
XXII
O Gas ca, Preta.
d i Ibas fallar das Eisicas
Preta-:, qii; forueeera titulo asta verilea
narrativa. Ja por muitas vezes mencio-
na nos o Casaca [':: a, esse rayth i i te ia-
qptetou ilivei-jis ;)0'.as, e cuja pres
ero P.u-is ileixoj resquicios, sobrelulo a
datir dos principios d'este seclo. V este
respeilo dssemoa nds o saciente para
que as p< -soas affeias a decWrar enygmjs
e a d'-.vinnar chara.I.is possam applicar
det-'rm'na I > rosta a \ i -lio illnslre appeHido.
Nao Brtaraos, pwrra, demiis? E Bru
neaii.'.! pitionormiadi, est certo do que
avan;ou ?
E com i tus colheitas os annos, entre
a0i i .;.) ni se assimelham.
aorl los, via Paris ass MiacS s de
mdfeitores muliipcarem-se ponto tal,
que o pnico se eSpatbava de ra em na,
entrncherando a< casas eoO|0 se foram
fortalezas. Nr allu-lhuos aqai ;i idade
inedia, nem esses lempos barbaros em
que nenomm claridade illuninava as nau-
tas 'J, {pian 11 :n reo fallava a
la: nem sequer nos referimos e
dias mais prximos em que os Srs. de
*irlhes e de La R'yaie lun-lrvara rrn
grande cus^i e por lo lia especie de meios,
a tr.njuii'i ladd d caoital, esUbelecialo,
4 rtg.in)>a accepcio. a ordem por mito
4* dasirdem, onai caro tambem a
o. Fallarais de
bnten :'j-a pracj da BaMiHwi tinha asea
coto Rita, as cinz id<)r Napotoln
estovara no; Invlidos, a Gtzeta dos Tni-
bnn>.m refera a abertura da ra Rimbj-
t-au ; reinava Imiz Felippe: do alio da sua
grandeza, aiguos personagens irapaceiavam.
e marcavam,*por notas do banco, as cartas
da lansquenata governam-nlal ; fallava-se
alto e Ii un som da mropcaO p ditica ; os
orases basiaai chocainitros nventrede
tal estadista, como se pralica entre amig>s.
e di/.iara Ihe : raagano, vec vendeu-se !
O despreso nao era demasiado para quem
Ihe punha boro preco. Tudo descambava
em risota : depurados satisfeilos O JOPUU-
listas indemnizados disputram primazias
de boa foigio ; a nppaivi a era de urna
alegra tonca ; nao se pr.eiu.aciava, e prin-
cipalmente nao se escrevia a palavra lu'r-
tude seno para Coser rir os papalvos i
bandeiras des icegailas.
Reinava a paz na E iropa, a paz todo
costo, como dizia a opooei?a i : riam tanto
das ameacas de guerra camode tudo mais.
A prosperidade material crescia-; a idus-
tria recebia um impulso memuravel e po-
diam aquelles airaos chamar-se a idade
urea da coramandita. Formavam-se ri-
quezas escmdaloMS, subiaWi tombavam,
enturaeciam, achatavam-s! :-era um lomar
Deus. Paris ajraelha^9-se urna roa
Quincampoin immensa, onle a agiotagem
incessanlemente tripuliava. O ricos jo-
gavara e ganbavara ; os pobres jogavam e
perdiam ; o governo, provan lo de tudo.
era, diziam, o primeiro a empunhar.a
copa I
E naquelle raachinisjno, esjueotado-
toda a forca do vapor, aliftima cousa sol-
tava sbrdos eslilidos. Havia symptomas
singulares-; o s/ira do ris> nao-era sao. a
orgia era doeatia. Cada qual se senta
confusamente arrastado por nao sei que
falalidade.
Hjviam crimes: mo agauro para um rei-
nado : liaviam crimesinteressantes, ltenla-
dos dramticos, asas celebres era \
quantidade. O tabellio Pcytel oppunls
coocorreocia Lafarge, Elicabide rijali-
sava com Lotade, e as damis de Marcel
lange davam ora pasto febricitante cu
Viosidade de urna turba miseravedtenitii
callejada para tudo que fuese honrado* t
congrega
poder em tempo algum realisar estes bens.
Q'ianto mais activo e extenso for o mo-
cimento social, menos podird a poltica
guiar a agitada humanidade. Para tsso
mister urna potencia mais alia que as
potencias da trra, horizontes mais ampios
que os da vida. E' mister um Deas,
mister a etoruidade. .
E' por isso que o santo padre, depna de
baver lembradu a benfica influencia da re-
ligio na oidem temporal, proclama de no-
vo o accordo, tantas vezes j por rile aflir-
raado, entre a f e razo, e o mutuo soc-
corro que, conformo a Providencia teve em-
vista, ellas teem de prestar urna a ontra :
c Assim comodiz ellea igreja sustenta
a sociedade, a verdade divina sustenta a
sciencia humana; ella que cousolula o
terreno debaixo de seus pos, e fazendo que
nao se transvie, favorece-lhc os progres-
sos : El humanar um quoque scienliarum
progressui ac soliditati.
Comprehendeis bem estas palavras, vos
os que aranosa, mas baldadameute tentaos
colocar a sciencia em aberto antagonismo
com a f ? O chufe da igreja nao teme a
sciencia, ama-a, preennisa-a. e recorda
que as verdades christaas concorrem para o
progressodella, e para a tornar mais solida.
Os sabios que mais ho Ilustrado a huma-
nidade, Leibnitz, Newton, Kepler, Coperni-
co, Pascal, Descartes, a par dos quaos os
nossos sabios se o orgulho de todo nito
os cega, conhecem quo pequeninos sao.
pensam do mesmo modo que edes.
E' issoaccrescc-nta o papa o qu > a his-
toria de todos os lempos demonstra com
evidencia irrecusavel: Veluli sacrae ac prn-
fanae historias anuales splendidissimis fac-
tis clare aperleque ostendunt. E esse o
sentido do mu condecido axioma de R.i-
con : A pouca sciencia afasia o homem
da regiao, a muita scienca nproxima-o
della. E, com effeito a sciencia levada
a sua mor altura, abrange o todo das ver-
dades, e descohre-lhes a ordem total.
A ignorancia atrevida ou as paixoes ce-
gas da nossa epocba podem desconhece-lo
ou esquece-lo ; mas os maiores genios tem
sempre reconhecido accordo completo en-
tre a f e a sciencia; teem sempre reco
nheerdo harmona entro a igreja c o socie-
dade, e teem repellide esle antagonismo de
nova data, opposto aos testemunhos hist-
ricos, e aos interesses da verdade.
Mas, senhores, n3o demos ligar a ata-
ques, escrevendo exprossoes equivocas.
Que o que faz a igreja, para transformar
as sociedades ? E' a historia que respon-
de, e da sua respo.'ta s quem tiver pie
venenes injustas, pode crear fantasmas o
imaginar que a igreja entorpece as berda-
des legitimas do espirito humano. Ocon-
a lber- -cilio de Roma, ser o d.'cimo-nono concilio
geral, e os quarenta ou cincuenta p iv e
"ptenelle teem de ser representados, todos
foram convertidos pelo mesmo modo, isto
, cooduiidos do barbarismo a civisacjio
pela autoridade da palavra, pela virtude
dos sacramentos, pelo ensoto dos pastores,
pelo cxcuipto dos Santos: taes sao as vas
mergulham-so nn trevas, ella d luz ; dl-
rdeowo olla "^^HP3 a*
mesmas uro ^bdei-
ra nalnreza re" D WRujwi
do homem; a Ii!terdade ea resppoeObilioO'to
moral; a immortalidade da al
sagrada-ilu casanfento; a le (hjrmii**.a
leida caridade; aipviolabilidade do dtrti-
to eda propiiedade;: ode ver do trabalhi;
a neeessidad^da paz.
E isto sempre, eisto em toda a parte, o
Uto a todos, aos^/ois e-aorf.THStores, **.
gregos e aos romanos, a Inglaterra^ *
Franca, a Europa e a Australia, ifl |*n-
po de Carlos Magno.oo parante WaaB m.
A perseveranca destas affirmaces^^sa.
dizc-lotem tanU ioiencia na ordemvno-
ral o social como o sol'a lera na ordem rw-
gular das cslactos. o na prosperidade H**
trabalhos campes^s. Oh pbitosophos menos presaes a igreja I sede franen*, &
nSo fosse ella, coran se conservaria entw <
povos a nncSu do Dens vivo f Oh pmuw-
lantes, ..h gregos confessae que so ni* H^
ra a igreja, tenis visto- desfazer-sn, amqra-
lar-se a imagem de Jess Christo Oh rti ralistns e polticos, respond* se' rtlto
fora a igreja, que haveries voit fal-
to da familia o da sanlidado do casa-
mento ?
Pois bem! O que Jess Christo fez, vai
ella continuado ; o que ella dhsse, vai aliir-
ma-lo de novo, e ha de continuar sua vi >.
sna mardia sua obra com o mesmo.espiri-
to de sabodoria e do caridade ; coniionaKt
a transmiitir as mximas verdades, ci>
guarda a razo humana ; e assim. so
assim, e poderosamente assim que ella apa-
ra sobre as sociedades e em bem dolas.
Tem-se dito: A religiSo dos povos w-
da-a sua moral. Ora, a moral sendo a.on-
gem genuna da boa poltica o das boas
leis. todo o progresso de um povo consiste
em fa!- que se introduzam eada voz mm*
no vi ver particular e publico os priwapws
prmordiaes da jastlca.' Logo todo o pe
que seguir a doutrina christa, cainuihara
na senda do progresso. e todo o seooli
quo tentar resolver, tora do Eva^relhr. as
qucswes que agitara a humanidade. cami -
nhar por estrada errada, e aprestar a sua
decadencia. Consultai o passado. e elle
vos dir: Quem expulsen do mundo a eur-
ropeo do paganismo ? Quem civilison os
barbaros, convertendo os a verdadeira cen-
ca ? Laneai a vista sobre o orienlc. qirwd'
l florescia o -christianismo; coniemplti-o
hoje denominado pelo islamismo A jn
fluencia do chrstaiiismo tocante a cisilito-
Cio dos povos, um facto too claro era
a luz do sol. E notai que os principios.de-
rivados da tote do Fvangelho, uo f ram
tudo quanto conteem. Os seclos nito' *-
gotirnm to ricomanancial. porque elle
contera riquezas mexuotaveis.
Por lauto, ainda que os scalos bajara
bebido na doutrina christia da candado,
da igualdade o da fraternidade dos homens
principios que randaram a face do airtig->
mundo, eslao ainda longc as applfcatftes
sociaes que podem derivar de to santa
como salutar doutrina; e no meu entender,
a misso natural das sociedades modernas-,
inocular cada vez mais, to fecundos prin-
cipios as leis enos costumes, e tirar debes
consequencias polticas,
ces, que honraro onusto, seclo, se
se transviar dos precetosehristos. (V
econmicas e so-
iss0 serillo, se na ^
se transviar dos'precetos ehrist os. O .-
lo a igreja e aos concilios, a sua missili es
pecial c indec'mave! mantee pu
sobrenatural.
o delibera,
das da aimosphera social ; as regioes me-
dias, as rnios, menos tintas de verraelho,
eram mais aduncas ; na nfima, era a dansa
macabra do vicio ladra) e homicida. En-
xergava-so isto vagamente ; o riso cuuti-
uuava, maSrhada raedo.
Aparava-se entretanto a penna que ia
escrever os Misterios de. Paris, esse livro
singular, e ao qual pouco faltou para ser
magnifico, que commetteu a grande falla
de ir collocar as nossas miserias nos do-
minios da m gia. A' "orea de buscar o
improviso, Eugenio Sae eneontrava cora o
incrivel ; revolva s manchlas terrores
verdaderos, e, pelo proeesso erapregado.
tornava-os inverosimeis. Se jamis houve
romancista que mereesse o titulo de his-
toriador, foi elle, e todava quem presta
fo aos seus quadros seuo a exigeraco
da simplicidade popular ?
Alera de que pregava, o isso um erro
mortal ; sao osfactos que de per si de-
sca ter etoquenca, uo o narrador ; pre-
gava n'uma linguagem generosa, ditticliuia
de entender, e que lalvez elle proprio
nao percebia complelauente. Aquelle vo-
cabulario do socialismo, que nao con la
ainda trinta annos, parece muito mais gt-
ihico que o francez de Arayot ou de Mon-
taigne.
NSo foi ao acaso que pronunciamos o
termo; outra feicio caracterstica : nomeio
d'estas turbacoes nascia o socialismo ; ba -
buciava j de lodos os lados as suas aus-
teras declamac5e8. Os seus apostlos ar-
repellavam-se com tal ancia, que tembra-
vara a era des questiunculas etteiosticas, e
a associacao, essa verdade primordial cujo
poder nmguem cuidava de negar, araeacava
de sossobrar com o peso das turbuletrtas
defezas dos seus patronos.
Havia com tudo ora d'eHes dotado de
genio, genio ao mesmo tempo lucido e
potico, cheio.de fervor oa inventiva, re-
plecio de alcances praticos na-exposic3).
vS (S
principios evanglicos, e livra-los o>etolit'
,'l i.l raer interprelacjio que os falsete mi
desvirtu.
p..r conseqnencia, toda a manifestaban das
verdades evanglicas, tudo o que tender a
desobscurece-las c aclara-las, toda a harmo-
na entre os povos c o chrislianismo, con-
silida Je edificio do progresso social o reli-
gioso. E c nisso que consiste a Mn&i
do concilio. E por isso que a igrej i l.'i.l
to grandioso esforco, e vai d senvolv.-r.
eonWdil O santo padre, todas a< sua< tor-
cas : ut omnes nostras majis magbqxe tmo-
remus vires ; eis porque os bi-pos palhoti-
eos <:.rrero de todos os pontos da toro*,
para consullarein com osa ch-fe : 8m '
nobiscum tsmmmean et conferir comiha.
ludo ; a
conlar os
que jamis tribunal algura representou.
O crme formigava assim ms altas cama-
D'elle s nos ficou urna tenda modelo, a
o prodigioso faslio destillado pela Demo-
cracia Pacifica.
Como isto velho Este titu'o, exhu-
mado de sbito, nao prnduz o elfeiw de
urna muraia do Egypto f A Hemarocia
Pacifica I Que de seculos decorridos .'
Quanto temoo duraram ento os ltimos
viole annos ?. ..
Santa gente que nunca desejou cousa
raellior que associar-se, antes como depois
de Fourier, sao 03 ladroes. Quando so
percorre a Gazeta dos Tribnnaes de I8II0
a 18i, fica-se raaravilhailo do numero e
da iraportarica das quadrilbas de mal i-
tores que cahiram cm pjder dajustiga.
A' jostiga, porm, nao coube
prova o que ainda sobra, sem
que morreram oa sua cama, cheios de das
e de honra : certo, porm, que Vidocq e
o Sr. Allard, os famosos cheles de polica,
lizeram por aquella poca memora veis
razzias. Cada sesso via desfilar dous,
tres, e algumas vezes qnairo exercitos de
bandidos, cora o capitn frente ; a rauor
parte tinhara entre si misteriosas cone-
xes ; o crirae saltava de urna pata outra
qiwdrilha, e havia here, com por exompio
Graft, o assassino do wlojoeiro Pechard,
de Caen, que tinha peaea assente n'uma
duzia de regmentos diablicos.
NSo havia com tudo entre essas quadn-
Ihas un lade de organisaci ; cada umi
opera va por.sua cunta e risco, e entre a
enorme massa de lestemunhas e delages
que esclareceram osjurys, uo se encontr
um nico resquicio d'essas romanescas ceu-
iralisagoes, qu^ com bastante razo apa-
vorara a opiraSo publica. O typ) colossal
de Vautrin, autcrata de todas as ladroei
ras, nunca existi seno ha opulenta ima-
ginaeio de Balzac. Os nossos gatunos,
Deus louvado I sao isentos do.espirito dl>
familia ; assalta-os o urna, arrebaiihara,-
traheavse mutuamente. ,? C;llh vez
genio verdadeiro, com o necessario mvi- que algum d'eUe effeoiu* algum negocio
naento de febre e mesmo o tudo nada de
extravagante. Carlos Fourier morreu jus-
larcnte por aquelle tempo, uo sm soto
bom, a maisforraidavel comediado ^angoe--d*ran.de-S. Pedro-Monhnartre. frosdi-
cipulos deram-sc presta
sistema.
r enterrar o seu
se,
bnlbaate, levanla-se das profndelas sub-
terraueas um coro ue votes invejosas, para
rao apregoar o nome prjli.-:
A' este respeito, os ladroes de Londres
sSe muito mais temiveis que os de Paris. Ha
ji cerca de dous seculos que a mu /)>
mi!q,.\ c;t\NiiK familiaexiste na capi-
tal do Reino Unido, e, apezar das negativas
olliciaes, mil vezes provavel que aquella
terrivel Ordem esteja longo di depor as
armas. Tem ella o seu re, a s a le, o
seu parlamento, a sua religio, a sua forca
armada. As raizas descera profundamente
sob o nivel social ; os cimos sobem to
alto, que a aecusaco custa-llie a attingi-
los. A verdade aqu deixa m to quem
as fi 'toes dos nossos romancistas ; o crme
organsado discreta e vastara nte, tem pru-
dencias do estado, e mantem-so, para com
a sociedade, em limites de algum modo po-
lticos.
Estamos em Franca : deixemds do parte
as transcendentes originalidades da Ingla-
terra.
Nao todava ra de proposito quanto
acabamos de dizer respeito de Londres
e da sol la aggregngo dos seus malfetores.
porque o pnico -urdo, quo n aquello anuo
de I8'i2 agitoii Pars, organisava-se n'um
objecto seme.bante. A muhiplicidade das
quadrilbas, cujos maleficios inwseantemeo-
te se renovavam, a repetid i exhbicSo
d'esses criminosos que snrgiam em chusma,
como se a calcada di Paris cubrir inex-
gotavel mina de ladroes, faziam reviver a
idea, j obsoleta, de um seminario myste-
rioso, quo continuamente preeochia as va-
gas prodazidas as lileiras do oxercito do
mal. Vautrin exista talvez. Exista
aquelle gnto inclasific ido, aquella roda po-,
derosa mas desengransada, cuja forca opa"
rava do encontr ao movimento da mecha-
nica social. Havia tal vez um homem, de
braco asss cpmprdo, de mo asss larga,
para alcaucar e conter todos os malandri-
nos de l'ranga e Navarra, urna cabeca asss
vigorosa para fundar a Roma do crme, um
pensamenlo asss claro psra instaurar n'es
te novo Vaticano a grande poltica dos es-
c o m mangados.
Disse-se isto. Quem? Ignora-se; dir-
se-hia que certas cousas sSo trazidas pela
aragem. Urna vez soltada a pnmeira pa-
lavra, o echo dos rumores confidencia*
apanda-a e espalha-a. Ninguem igoora
qaia longo se ouvom as cousas ditas bai-
xinho. E pasmoso. M)^>ois o rotnor eo-
tumece-se subilamente ura bello djoi
Paris vibra tola cora.) insirumento s rtwso.
Esta a verdadeira fama ; a p i
d.nle que tem lugar sem os jornaes,
despeito dos jnrnaes : nodoa da nuiia m-
gica, que se v cwlcer, crescer e a'isor
ver todas as cousas. Desde que as-in ,
snpprimio-se a du\da, nasce a cuctezt.
ninguem mais diz : lalvez. O Vautrin exis-
te, certissimo. Quem o vio ? Isso que-
lera ? Pois o Vautrin mostra-se l ? D-
Ihes porv ntura : Aqu me tem, sea ew "'
um hornera qualqucr. Ura soldailo : o
que rusta um uniforme ? Um padre :
cagoam com as cousas sanias Urna '"-
I he: houve ahi o cavalleiro d'Eon.
O fado este : s Vautrin e.rist\ Isa
do oi-: q t bijn Ihe parece. Cham;i-,se
o Sr. M-utinho ou o Sr. duque. Til utos
nao faltara, (rade ter dez nomos _eai vez
de nm ; convm brincar com a polica -A
evidencia nao tem preciso de provas : na-
geta o sol-, elle cega-os ; a existencia de
Vautrin demonslra-se pela larefa que d
ao jury. Ponham trancas de ferro
portas.
E tremara, apezar d'isso, porqoe por
elle nao ha portas nem trancas, nem fe-
echaduras. E o diabo em pess'oa.
Nao era Vautrin qne diziam ; o no
nosso, que d'este modo rendemos volmulp-
ria honenagem ao maior retratista dosle
secuto. As pessoas que conheciam o yu-
trin de Balzac nao formavam a mteaMpa
paite do rumor. Be outro lado, o. nMB>r
era serio de mais para se distrahr com,
esta's alluses luteranas. Ni se proftuu-
ciava rime aignm. E teda via .aMSjre
mdisponsdvel um symbolo para r^,B*r
idea to vaga. O symbolo exwba ; di-
ziam : o Casaca Pela.
E, gratas mais ou menos rcenlere-
miniscencias, vagas e profundas comoju
proprio rumor, fazia aquelle appelhdo As
bulla, que so-a diasera : Buft-ggj, JMc-
qnes Sheppard. Pea Bwtow, iPmpa,
Schinderhannes ; razia dez vezes ce ve-
zes tanta boina como Vautrm.
( Camtimimr tiA^l
as

Tyr. m
v.


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EWRBYOL1R_RA51ZR INGEST_TIME 2013-09-14T01:56:58Z PACKAGE AA00011611_11995
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES