Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:11992


This item is only available as the following downloads:


Full Text
MNO XLV. NUMERO 260.
*':

l
'!
a cAPma, e itoabtiim iao s paga mi*.

atd
64000
mm
mmo
S48BAD0 13 DE NOVEMBR DE 1869,
*m filmo i fora fia PBoyaciA.
Por tres mezos adimttdos.......... .
PorscdB8Wea.....,..........
Por noM ditos idem..........., ,
Por um anoo. .....
DE PE
PW^aiidade de Manoel Figueira d Faria & Fflhos.
Os Sr*. Gerardo Antonio AFveg
. d- Filhos, M>
Pereira d'Ahneida, em
A ACEITES: ,.
9M^L^^VtlJRuJlJr?110,'- ^a*"* *** ? M** *> Cwrt; Antonio a Jemos Braga, no AnaHf; Joto Mara Jofo Cbaw, no Amo; Antonio Maraes da Silva no Natal r
Mamtuginpe Amowo Aftnodrno c!e Luna, na Par%na; Antea Jos* Coa**, na VBada Panha; BelamktfX Santos Blcao, em Santo AnHto; Domingos ? Costa B?T '
em Nazareth; Kratyaap Tarare, da Costa, en Ainadas; flr. Jos* Afartms Alrea> na llana.; e Jos Rbeir Gasparinno, no Ufo (fe Janeiro. ^
-
Jos Justino
FAmOFTICIAL
Caverao da provincia
KxrattNTB A**IC.\'AOO lO EX. SB. D. MAXOB.
O iriSOinNTO MAMADO PORTKLLA, VICK-PRBSI-
BTK BA H10VI5CJ, M 19 DE AGOSTO DE 1869.
f" secuto.
N. 559.Portari ao Etm. Sr. general comman-
dante das araas.-Iande T. Exc. pof n* Kberda
<1 a recrota Manoel L renco Pinheiro, risto ter
provade isencao legal.
"V N. 560.Btta to director do arsenal de guerra.
1Mande V. S. por musa arsenal, a disposicio do
chafa da poticia l'i granadeiras cora o respectivo
cmame, reeaner do mesmo o armamento que
sa acha cora a destaeaineato do term > do abo, a
vista de oflScio de li do eorrente, incluso por co-
pia. 4 delegado do referido termo.
M. 5*1.Oka aa aasnto.Coinnaunieo a V. S.
para o wu canascneat. que segundo daclarou-
me o presidenta do R Grande do Norte em oHcio
de n do eorrente, fbrara dadas as necessaras or-
den para sdr paga pea asreneia fiscal daquella
provincia a quantia da MIJJ>. imp irtincia des-
pendida, com a compra dos otyect is, a raci-nu-
dos no termo e ontas que acompanham os offlei is
de V. S. de 10 c 13 dejulhj ultimo sob ns, 139 o
139.
J. 55i.Dita ai capital do porto.Remeito por
copia a V. $., ali'H de qu; tenha a devi.la publici-
dad o inclusaadia relativo ao incendio que l-
timamente se del no pharol de Mncuripe na pro-
vincia do Oar.
1' sec ao.
N. 563.Portara ao Dr. chele de polica inte-
rina.Kespondeodo o offlcio de V. S. de 17 do
eorrente, a que acoinpanhon o de 14, do delegado
do termo do Cabo, solicitando armamento para o
destacamento que all existe, teuho a dizer-lhe que
nesta data especo ordem ao director do arsenal de
guerra para ter a disposicao de V. S. lo grana-
deras cota o respectivo corrame, e receber a vis.-
ta do citado oficio aquella autoridad* o arma-
mento, qut> s4 acha com o referido destacamento.
N. 56i Dita ao mesmo.Remello por copia a
V. S. a inclusa lista dos irabalhadorcs da estrada
do ferro do Recife a S. Francisco, relativos ao mez
de julho prximo Ando.
N. 563.Dita ao juir. direito da comarca do Ca-
li.Itfspondendo o ollicio de 10 do eorrente. com
que V. S. cuoiprio a portara dcsta presidencia de
24 do mez pnxiin passado roeommen lo, q e haja
^ie obter para remetter-me com brevidade os map-
pas estaiisticos do juir. municipal, delegado e sub
delegado da Arariba, todos do termo do Cabo, os
dos dous subdelegado di termo de Ipojuca, e, li-
nalmente os dos juizes de paz de ambos aquellos
termos, menos os do districto do Cil. Devnl-
vo os dous mappas inclusos por na> seren exig-
des para a estilstica judicaria.
' seccao.
S. J567.Portara ao inspector da thesourana
le fazenda. -Deeonfonnidade com o que solicitou
o presidente i-i'iite sob n. 3,399, expeca V. S. suaaordeas tim
de ser entregelo co.nmandante ou inmediato
do Tapor da compa.ihia Bra>il"ra que seguir
para o norte o saldo existente nessa reparticao
nroveni-nte da arreradaco dos direitos daquella
proviHCia, etldcluada at o ultimo do jul.io prxi-
mo fin lo.
!f. 5o8.Drfa ao irestno.'Commnniro a V. S.
para sen conhecimento, quo segitndn mo deelarm
presidente do Rio Grande do Norte, em oflkio de
l'i do ciiiTenie foram expedidas as convenientes
ondeas para ser paga pela agencia fiscal daquella
provincia aqnantia de 131000, em qne importam
S cornetas de toque, 2 b^ndoiras imperiaes, 3 ditas
para slgnaes e galhardetes, comprados pelo ar-
senal de guerra desta provincia com destino
aquella.
N. 5ii9. Dita o mesmo.Em vista dos prets
untas emdupli-ata, e como me solicitm o eom-
mawlante superior respectivo em ollicio de 13 do
forren'e, mando V. 8. liquidar e pagar ao nego-
ciante Manoel Ferreira Pinto, os vencmentos do
destacamento da guarda nacional do municipio
do eorrente anno.
N. 370. Diu ao mesmo.Recommendo a V.
S. que depois de liquidado o pret junto em dupl-
cala que me remellen o com nandante superior do
mawnpio de Olinda com ofticio;de 16 do crrante,
mande pagar os eocUueatas relativos a 1* quin-
cena deste mee, das pracas da guar la nacional
destacadas as fortalezas do Brum e Buraco.
N. 371.Dita ao mesmo.Em vista do que so-
licitou o Dr. chefe de polcia em offlcio n 1173 de
10 do eorrente, c da nf irmacao de V S. o. 569
de 17 di mesan, resolv abrir um credit sob mi-
nha resu'm-aliili.la.le e nos termos do J} 1 di art.
1* d i decreci a. 288i do de fevereiro do 1W2.
da quantia de lfij a verba soecrros publieo-,
do ministerio do imperio e exercicio em liquidar >
de 1868 I8IM para pagamento ao subdelegi'do
de Panellas Jos Cardoso dos Sanios, ou a qa.'in
por eli se inu*trar autorisado, da despeza com n
transporte de vveres desta capital ao termo de S.
Beato e destinadas a disvalidos accwmnettido-
pela fem qu a secca occaMonou no ttano de
Bui |Qe, e a V. S. devolvo o requerimento e'doi-u
ment* que acompanluram a sua iaformapo ci-
ma citada para que se realiso o solirodUo paga-
mento.
N. 372 Data ao inspector da tbe*ouraria pro-
vincial.Approvu a arrematacSo dos concertos da
ponte d > 'JniiithT or Jos Augusto de Araujo,
peh quantia 6:1931130 rs. dept de deduzdo
o ahate de 18 % mmKantc a Ranea de Jos Igna-
e'm Car os trabamos no prazo de urna met, e a c>m-
rtai-lo* n) prazrt de 6, fleando assim respondido o
rdBri" de V. S. a WS de 16 do eorrente mez.
tT. 573.Dita a mesmo.Em vista do pret
junto em duplicara -que veio annexo ao oficio do
i-nmw tante snpvrioc do manicipio de Olind de
16 da crrenle, mande V. S. liquidar e pagar o*
vw el menta* do destacamento da guarda nacional
dalaeada naci'lade d'aquelle neme, relativos a
pffMeira qirizena do flerfente.
If. 571.-Dita un sesmo.Dec'arando-me o
ebefe da reparRcio das obras publicas em iwSciu
de hi>je, ** n. 489, ser insuficiente a quantia pe-
dida ao eorrente nvi para as despetas de reparos,
ene**mein e pontea, estradas, e a consitmaeoa
vertm eventuaes, anlorise ?. 8. a mandar ewre-
pr wthesoureire da tuesma, mais 2:'i05j000,
para eccorrer aqneNas despeas, e 359a>100 para
asevwiuaes, coafbrmie soHciton o iaeanonado
cfcefe.
K. 7. -IMt ao mesmo.Bm vista da informa-
oio de V. S. a. % ae 12 deste me*, aeab.. de ata-
lantar, por despelfrie hoj, Jes DomingoesC.-
deeeira, admini-lradwr da* obras da eapella de
*)aa Sena -ra das eeasaidades da Casa Forte, a
danaeanVr r-vm a cnniiauairao das mesmas at a
quantia de IMH jSMtlmporlaacia do beneficio re
colhidn a essa reuafli<;ao u proveniente da parte
d lotera coBcedlda 4>ara as mesmas, com abriga -
Wadja ansa- das* demnisa).
Com a mesna condeci de igual autorisacii a
padre Aartsiij ftmaimeew da Vasaaattdlw Ara
fin, Odadj'irtar nt^taocou- da fregaexia, de Pju
Cdda .|aanta a qaanlta a-j510, pnHmaivate
fjp boactiem > parta da lotera omeedida para aa
paw4a *>i'iaatiaa naaaia, -ftsU da ta/ornueau
hV. S- a. 48d ae U tapaacaa da
( l^eaoao.'
tf. 577 Dito0>f*m awiena daproviocia
da ParahybaNesU dala a de conforaatdade
o que V. Exc. solicitou em offlcio do 17 do
rente, sob n. 3,509, fieam expedidas as erronien-
tea ordens atiai de que o commandanle a imma-
dialo do primeiro vapiN* que seguir para o norte
receba da Ihesouraria de fazenda desta proviaeia a
conduza para a dessa o saldo all existente, pro-
veniente da arreeadacao dos respectivos direitos
at o ultimo de julho prximo liada.
N. 578.Portara aos agentas da compaahia
rasileira de paquetes.Jim vista do que solieitatt
o Exm. presideaie da Parahvba em oficio de 17 do
eorrente, sob n. 3,308, recommendo a Vsaes. a ex-
pedicao das convenientes ordens aam da que o
commandante ou immeduta ao primeiro vapor
que seguir para o narte v recebar da thesoura-
ria de lazenda desla cidade, e conduza para
aquella provincia o saldo all existente proveniente
da arrecadacaa dos direitos da mesma provincia
effectuado at o ultimo de julho prximo ftnda
N. 579.Deiiberaoa i. O vice-presidente da
provincia attendemio ao arte requereram as pro-
fessoras publicas Francefina Cesarina e teoncia
de Luna Freir, e tendo em vista as informacoes
do director goral interino da instruceo publica' de
26 de junho ultima, sob ns. 486 e 188, resolve, de
oonfrmdade com o art. 23 da le n. 398 de 13 de
m vio de 1861, conceder-Utos as remocoes que pe-
diram, a primeira da cadeira dafreguezia da Var-
zea para a de S. Pedro Martjrr de iMinda, e a se-
gunda da pnvoacao de Nossa Senhora do 0 de
Ipojuca para a dos Arrombados em Olin.la.
N. 580. Diu.O vice-presidente da provincia
atlendendo ao qne requeren o professor publico
da cadeira de instruccao primaria da fregueza de
Qezerros, padre Francisco Seabra de Andrade Li-
ma, e tendo em vista a informaco do director ge-
ral interino da mstrnecio publioa, de 2 do corren-
te, sob n. 23S, resolve conceder-lhe 30 das de li-
wnca com ordenado somenle, para tratar de sua
sade.
EXPBOIKNTI ASSIGSADO PLLO SB. DB. JOAt'IM COB-
BA DE AHAUJO, SBCBKTABIO DO GOVKBNO, EM 19 DE
AGOSTO DI 1869.
2.* seccao.
N. 381.OmVio ao commandante superior da
guarda nacional de Olinda.O Exm. Sr. vice-pre-
sidente da provincia manda declarar a V. S. em
resposta ao seu offlcio de 16 do eorrente, que nes-
ta data expedio as convenientes ordens s thesou-
raria< geral e provincial, no sentido de serem pa-
gos os ven -imentos correspondentes primeira
quinzena de nacional existentes nessa eidade e as fortalezas
do Brum e do Buraco.
N. 582.Dito ao commandante superior da
guarda nacional de Itamb.S. Exc. o Sr. vice-
presidente da provincia manda declarar a V. S.,
em resposta ao seu ifflcio de 13 do eorrente, que
nesta data providenciou no sentido de serem pagos
os vencimenlos do destacamento da guarda nacio-
nal existente nessa viHa, relativos aos mezes deju-
nho e julho do eorrente anno.
N. 583.Dito ao inspector da ihesouraria pro
vincial.S. Exc. o Sr. vice-presidente da provincia
tpndo por deliberacao desta dala resolvan conce-
der, de conformidade com o art. 23 da le n. 398
de 13 de maio de 1861, as remocoos que pediram
as professoras publicas Francelina Cesarina e
Leoncia de Luna Freir, a primeira da ea-leira da
fregnezia da Vanea para a do S. Pedro Martyr da
eidade de Olinila. e a segunda da povoacao do
Nossa Senhora do O' de Ipnjuea para a dos Arrom
bad'js em Olinda, assim o manda cominunicar a V.
S. para seu eonhecimento.
. 581.Dito ao chefe da renarticao das obras
publica*. O Exm. Sr. vice-prasideute da provin-
cia manda declarar a V. S:, em re*posta ao seu
nffiVio de hoje, sob n. 287, que nesta dala autorisou
a thesouraria provincial a mandar entregar ao
thesou.-eiro das*a reparticao a quantia solicitada
em seu dito ofllcio.
Dito Joaquim Manoel Beterra, corpo n. 34, sen-
taiieiado ao presidio de Fernando.
- Secretara do commando das armas de Pernam-
btie, H de novembro de 1869.
FVoncfsro Camilla Pnsoa de Lneerda,
Tenente-coronel secretario.
Repartido da polica.
i* seccio.Secretaria da polica de Pernambu-
ec ,12 de novembro de 1869.
N. il3.Illtn. e Exm. SrDas participaedes
Legadas esta repartido, consta que foram re-
colhidos hontein a casa de deteaca es aeguia-
teii individuos :
A' ordem do subdelegado de Santo Antonio, Am-
knsia, escrava do Exm. vsconde de Suassuna,
re jueriaiento do depositario da mesma, Jos Ro-
drigues Mondes.
A' ordem do de S. Jos, DamiSo Jos Caetano,
por disturbios.
A' ordem do da Boa-vista, Joo Francisco dos
Santos, por indiciado em chine de furto.
A' ordem do do 2 districto de Jaboalo, Jos
Mana Goncalvos, como desertor da armada.
Deus guardo a V. Exc.Illtn. e Exin. .Sr. se-
a.dor Frederico de Almeida e Albuquerque, pre-
sidente da provincia.O chefe de polcia, Luiz
Antonio Fernandes Pinheiro.
EXTERIOR.
ASSMPCAO, 15 DE 0UTVBB0 DE 1869.
Conjurada a crise alimenticia a que me refer
na anterior, pode o Sr. conde d'Eu, emprehender a
marcha do Rosario para Santo E>ianilo. o da
8 >ahio da villa do Rosario, e no dia H aehava-se
em Itaettruhy, donde devia sabir no dia seguinte.
Hoje se deve achar em Santo Estanislao onde
ta vez se communicar com o general Victorino,
aflu de operar de aecordo com elle. Caraguat),
onde est Lpez, dista dahi oilo leguas mais ou
roana.
Ter de marchar de Garaguatay o general
ias, o que nao pode fazer al
Iho uao ter chegado o gado
4" aaaaiOL
N. 589 Oficio ao director geral da instruccao
publica.S. Exc. o Sr. vice presidente da provin-
cia tendo por delibera ao desta ilala resolvdo
conceder de conformidade com o art. 23 da le n
598 de 13 de maio de 186i, as re nocSes que pe-
dirn) as pmfe-sora publicas Francelina Cesari-
na, e Ltoncia da Lima Freir, a primeira da ca-
deira da fregueza da Varzea p ra a de S. Pedro
Martyr da eidade de Olinda e a segunda da po-
voacao de Niissa^tenhora do O' de Ipojuca, para
a dos Arr.imhado* em Olinda, assim o manda
communiear a V. S. para seu eonhecimento.
obspachoa pa presidencia do dia 10 db novembiw
db 1869
Andr de Abren Porto.Abra-se concurrencia
nos termas da lei n. 879 do crrente anno.
Anioan Marques de Amorim.-Constando da
escriptura que houve doacao, e nao transferencia
como allega, nao lem lugar oque requer.
Antonio Joaquim de Vasconcello*.Informe o
Sr. inspector da thesouraria de fazenda.
Bario do Livraraenlo.Informe o Sr. inspector
da thesouraria provipemL
Baran do Livraraenlo__Infirme o Sr. inspector
da Ui- (andido E nigdio Pereira Lobo Certifique-se
Francisco Jos Alves de Albuquerque.Cunce-
da-se a Rcenea requerida com vencimenlos na
forma da Int.
Francisco Ta vares da Silva.Informe o Sr. Dr.
Chefe de. polcia.
Henedina Floresta dos Santos rjordeiro.Depois
que a snpplicante tiver as>uimdo o exercrcio de
sua nova cadeira, Ihe serio abonado* os dias que
houver ralla lo por causa da mudanca, cimtados
do em qne deixar o exercicio da cadeira da fre-
gueza de Piossa Senhora do O*.
Js Nobero Casada Lima.Concedo a licenca
pedida.
Luiz Cyriaco da Silva. Passaado recibo enire-
gne-se.
Manoel A aloek. da Cunha.Informe o Sr. cap-
lo do porto.
Manoel Antonio de Jess.Dirija-se ao Sr. des-
embargada provedor da Santa Casa da Miseri-
cordia.
Mmoel Joaquim do Nascinvnto.Informe o Sr.
capitito do porta. i
Paulina Marcelina de Alme la.Depnis qne a
supplicanle entrar no exerciea da sua nova ca-
deira, Ihe serio abonadas a* falta* quo der para
cffectuar sua miidanri, cnntalas di da emque
deixar a aauraieio da cadeira de Vertentes.
Caaiaiaaao -.\% armas.
Faz se puhhco para eonhecimento d inters-
sados, qtte existem na thesmiraria de fazenda d-
la pniviarin, e nao tero sido procuradas a* provi-
sfies de raf inaa dna prapas abat mencionadas :
Prnnaira liaba.
Soldado Antonio Francisco 'Segundo, 4* batalhan
de artnanaa p.
Cana Maaeei Maavnnra, f baaatMo da fma-
S.4d.** lamoal Jos de Araoj, idnm.
Dilii Manual Benedicta do Naxaunmaj, 2 bata-
lli"hi de nfanlaria.
Ditofasd Mariano Hender, > bntalho de m-
baaaaja
Dito Joaquim Jos de Sant'Aann, 8 balaibia ae
infautaria.
Tahatark da patria.
Soldado Manoel Franciseo de Salles,
n. la,
Aa^atjnni Inan^aa Marnanaa 4a ttrnx.1
Soldad'Manoel lartios Bina, eme a. tt
agora, em razio de
preciso.
Tive occasiao de testemunhar, em urna visita
que flz a Caraguatay e soffreguidao em que se
acliava o general Victorino para marchar, e o des-
contentamente que Ihe causava a falta de gado, o
quetinha inutilizado todas as providencias que to-
mara, fazendo alravessar j ha mu i tos dias gran-
de numero de batalhoes os arroies e riachos, nas-
centes de Manduvini.
O general Victorino muito activo c zeloso, e
essa contrariedade o affligia. Apenas restava emn
elle em Caraguatay urna origads da divisao do co-
ronel Paranhos. Ksse coronel, apezar do oslado
gravede sade cm que se acha, aeoinpanha a ex-
pedicao e va i com um caustic aberta. E' nina
prora de dediraeo e pundonor rmfitar.
Em S. Joaquim est o general Resin.
A crise alimenticia, a qne me refer na ante-
rior, nao pode ser conjurada de prompto, apezar
dus esforcos do general Polydorote conselheiru Pa-
ranhos. O vapor Deza$ei$ de Abril j lem feito
dnas viagens de Corrientes, conduzindo gado, mas
a distancia que tem de percorrer longa. O gado
lem de desembarcar em Angostura, onde descan-
sa dous dias, e dahi ?egue para Prav em linha
recia. .
De Piray a Guaralahy ha pelo menos dez le-
guas de mos ramirmo*. O leme Egydin de Oli-
ve .ra Prado, que loi no vapor Deza&isde Abril
para a condcelo do gado, tem prestado reaes
servicos, mostrando muito zelo e militar mostrou muila bravura em lod.is os com
bates do mez de dezembra ; d do t* batalhao de
cacadores a cavallo. Agora, nn commisso de que
usa encarregado, trabalha as-iduam-rnte, chegan-
do at constrnir ponles para o desembar<|uo do
gado que conduz.
o da 11 marchou desta eidade a brigada qne
se aehava aqu sob o commando do coronel Mes-
quila, para Arecutagu, donde far junrrao cmn
as torcas do general Cmara, em Encaruacao, pa-
ra ojierar mais pelo norte.
Na semana que entra seguir com o mesmo
detino o membrudo governo provisorio Cvrillo
Rivarolla, com a firca de mil e lautos paraguayos
que est arregimentando aqui.
3* forneeedores Lesiea e Lanns estao envidando
lodos os esforcos para satisfazerem a seus com-
promisso com os exercito* em operaedes. A bai-
xa do rio os contraria muito. Accresee que, adian-
do-se muito'disseminadas nossas forran ao snl do
; nduvir, nao podein os foraecedores acudir a
lempo a todos os ponto* com os vveres de qae rta
neeessidade. Me parece conveniente concentrar
es tas forc, is em um ponto, visto que j nenhum
servico podem prestar onde se achara senao a po-
lica das estradas, o queja nao deve correr por
cu ita lio exercito bra-ileiro, pois, o governo pco-
viforio tem ja dous -nezes de existencia. Existem,
por exemplo. forras n-issas no> seguintes pontos :
Em Piraya, a Io baialhio de arlilharia e mais
duas bateras do regiment de artilharia mo-
uda. Esse se oceupa na remocio do material do
exercito para esta eidade.
Em Ascurros est a ala dimita do batalhao 17,
so j o cumulando do tenente-coronel Maeedo.
Km Caacup se acha um destacamento de 33
pricas de infantaria com um alferes e um oficial
de fazenda para guardar os enjertos da fundirn"e
u~ mo-quinhos despi.jos que ahi nos eouberam ;
ha mai- dous sargentos e urna praca de cavalla-
ri, bem Cinno a reparticao do teletirapbo.
Em Nheguassd est o 2 regnenta de cavalla-
riti, sob o coinoiando do coronel Atohyde.
Km frente i picada, que vai do Campe Grande
a Caraguatay, e>t um destacamenio de*se Purpo
de cavallaria, sob o commaudo de tenente Car-
Valho.
Alm dessas forras existe nm poneo adianto
ae Pirayd, na marirem da estrada ile ferro, um
rejinieuto de cavallaria, sol o commando do to-
nenle-curoael BriJaaate, tomando conla da cava-
Ihada.
Em Paraguay outra *>rc de cavallaria.
Em VtUa-Hica estao as (urcas sob o eimunando
do general Purlinho, as nanas, rreio, nao faran
mais junecao onm as do general Resin, como ao
principio se diste.
C nnprehende se qne, tendo fwneeador de acu-
dir com viveros a tan nrannes ilistaneias, a a la
diwmsos pontos, muitaa fallas se tea de dar em
algnus dnlias.
A crise alimenticia, porm, gracas ao zelo do
rrnwttwiro Paranans e panera I- Pwrnaoro narta fi-
dad-, e do rnerel Victorino nm Orngnatay ni
lein sido lo grande como aigans pessunistas i tem
p atado.
O general Resin en S. Joaq um nafren mala, em
n.zio de ter nm eapito, aun nVa mandado peto
funeral Viaturino aavar-4he tnnnrtai ranas irrajo
o cainnhw, teiido-a ippriiBinmd'da vrita da lln*a.
nenia* vizibancM so arhavam as (tasd^Lo-
p'z. Felizmente esse capitn emendoo um eren,*
m mnnjdaa prnaata* na |unwM Mi aanlan Bai tnm
ciwfm- antro fado S. Joaq aa, onde as torcas do
funaml Emn eumccMam a sao* Tona, por*,
Mana a aaiaracio iacodjtaa,
~ aomla f Cn. pirata fhr/ida da a*ra-
As coamumcafJes, cralo, serao fetappeto Ro-
sario, donde para Santo Estanislao a distancia
muito menor do que daqui de Assumpcao. Pican-
do, como aVcrer, a villa do Rosario baserfeope-
racoes, mais Cjeil ser o forneeimonto do exercito
e desappareeer do espirito dos soldados o recis
de Ihe faltaren) viveres, apprehensao qne nwito
ronesti em na exercito expedicionario. Para o
Rosario fadrna a-reraessa pelo rio Paraguay.
Essas ideas me parecem sao tamnem as do au-
gusto general em chefe, o qtial d ixando ao gene-
ral Polydoro, cujo tino administrativo geralmeo-
te reconhecido, o commando de todas as forcas ao
sul do Manuvir, eonta que esse venerando mili-
tar tome as mais convenientes medidas.
Crea, portanto, quo o general Polydoro vai fa-1
zer a concentracao dessas Ibrcas disseminadas, fl- j
cando apenas era aigum ponto, por onde se sus-
peita qne possa querer passar Lpez fugitivo, se
acaso intentar o dictador sua fuga pelo sul do
Paraguay, e passagem por corrientes para Eotre-
Rrios.
Por isso dase eu cima, que fazia excepcao
de Villa-Rica.
De Lpez se sabe que se aeha em Cnrugna-
ty, tendo geme em Iguatemy, ou em S. Mdro La-
vrador de Curuguaty, villas'que estao situadas as
cordimefras de Caaguassd (ao nordeste deltas).
esses pontos on o dictador nos espera, ou foge
para o norte, para tomara estrada da Bolivia,
atravesando em chalana o Paraguay, onde entao
intenta a fuga pelo sul do Paraguay," affm de pro-
curar em Entre-Rios o apoio e auxilio de rquiza
o hroe de Toledo e Rasualdo.
Nao vejo mais do que tres hypoRieses para a
actual jRuaeao de Lpez, e nisso estou de acord
cota as deas de ngssos mais habis geueraes em
campaoha, com qu?m tenhetonversado.
Para o sul, a estrada costera a fralda da cordi-
leira vindo da villa de Iguatemy por Curugualv,
Carimhaty, S. Joaquim, Caaguassd, al tocar em
Villa-Riea. D'ahi, s ah chegar o fugitivo, pro-
curar passar o rio Paran, em qualquer ponto
para Corrientes, cima da tranquera do Lnreto.
Es?as eon]ecturas que estou fazendo, pintam a
triste situacao do dictador, c devem servir para
reanimar o espirito publico no imperio com a cer-
teza de que a guerra se acha na sua ultima pha-
se. Nao eonvm absolutamente agir desani-
mar. Depois de tantos ? tan nobres sacrificios
que tem Icito o imperio, depois dos brilhantcs fei
tos do augusto general em chefe, depois de sua
audacosa e enrgica perseguicao no alto das
cordileisas, um pouco mais de f, e ludo est
gaoho.
O governo provisorio vai indo regulannente Um
de seus memores CiryHo Rivarnllaacaba de
tesar urna vingem pelo centro at Saragnatay e
Piribebuy, donde volton para Piray, e d'ahi para
esta eidade, onde chegni no dia fl Seu flm fhi
orgamsar o regimem dos departamentos ou pnrti-
dos, como aqui se diz. nnm-ando a* respeclivas
autoridades, recommendando-lhes que obriguem o
povv ao trabadlo, planlacao do milho, de man-
dioca, em lim, cultura do campo..
qnando pwclso facilitar o movimento da povoa-
cao por lod o litoral, e deste para o interior,
assim como dteve tambe* azer livre de toda trave
a entrada dos elementos moteriaes neeessarios a
agricultura e domis trabalhos pmdulivos da
mesma poveacao, a quem ryrannia dteapojiu do
ludo, conderaoaado-a ao estado de tribrn serva-
feos ;
3. Que nao certo que os direito* alfnnde-
fueiros, contra osijuaes sa est clamandb na pro-
pria Europa, sejaa-sempre, eoem sua generali-
oade. os mais equiativos, nao s6> porque recaheir
sobre gneros neeessarios ao consumidor pobre e
*Preos instrumentos e materia prima do traba-
mo industrial; porm ainda mais pelo contraban-
do que os lorma mais desiguaes aniquilando o
homens d) governo- reseotetn-se de multos* tnSo
hbitos. Isso tem descontnmado a algorra pet-
soas. Acal de receber a seguate carta, qtte
mes peco publiquen em seu eoneeituadn jor-
Win datwnaa, ai sa-nUnaavu* para n-rd
Em Barreiro-Graude. donde illho o mesmo
Itivarolla, reuni o novo, fallou-lhes elle pretiri,
dando-lhe esse* cnhselhos, e fez depois distribuir
rezes, que toram murtas no me>mn 1 :gnr em que
se realisara a aren/a do governador. O concurso
era numeroso. Havia como ininhenlas muflieres
e vinle homens^ Nestas repblicas, porm, a mu
Iher una parte importantsima na popularan,
como elemento de iraiftlio; nao c como uir
nos.
Admirei a attento que prestaram e a adheso
que ir osirevam as mnlheres ao discurso do mem-
brudo governo provisorio. Havia um nao sei que
de palriarrh.il naquella acea, e depoi-i na distri-
huico das rezes murtas. Lcmhrel-me de um dos
epMidio* da lltint d Homero.
Nesla povoacao o Sr. Rivarolla deu una prova
de nobres sentimeiitos, mandando diaer na igreja
do povoado urna missa. a qne concorreu todo o
povo da vizinhaiica. Fez u na ortica o cura, e
depois o governador fui visitar com lodo o povo
a sepultura de seu pai que no ceiniterio da
villa.
O pai do actual governador fui perseguido pelo
1* Lpez, ernno o lilho o toi por Francisco Sola-
no ; smente porque um e o nutro liuham o plano
de ajireseniar ao Cougresso um projecto de consti-
lui\;ao para Paraguay. Por isso o povo para
gua)'", que tem ao Sr. Ciryllo Rivarolla por um
de seus homens preeminente*, o quiz pr membre
do governo provisorio.
Estere nos carceres de Lpez cinco annos. at
que fu feito sargento em Lomas Valentinas, d'on-
de, tendo-se transportaito para Cerro-Len, pas-
-ou-*e para nosso acampa ment em Piray no
dia tt de maio de 1869. E-va data notevel para
o Sr. Rivarolla, porque comidetava entao, da por
dia, hora por hora, os cinco annos de sua pri-ao
pelo dictador. Hoje de sargento do acampamento
de Lpez passna a primeiro magistrado dn rep-
blica. l'..roco-me liomein intelhgente, mas nao
lem minia inslrucgao. Era advogado, o que quer
dizer rbula, no Paraguay. Creio que lem gran-
des aspirarles, e peder as-mmir entre seu*
collegas do triunvirato a mesma attitu le que
t-imou Francia enlre seus dous companheires em
1811. Audaces fortuna jwat. E o Sr. Rivarolla
intellijente e audaz.
O Sr. Rivarolla 6 ministro do iuleriur, da mi-
trucfo publica e do culto.
Tendo el e, poi, a sen cargo ludo qne oncer-
neute a orgaaisaeao poltica e a>limni*lr departam utos da repblica, bem como a nrgani-
>acao do ensino dn novo e ao re-ianelecimento do
culto rehgioso, ua situaban- nrlual o ministre
mais importante; poda, nortantn, rebresahir desde
j. Perspicaz, eoiuprenemleu (embora a eii-ieu
ca de um ministro da guerra que militar), com
pivliouileu elle, lamistio do interior, qne era ne-
coesario pdr-se a frente da legua paraguya, a qne
vai coinirundar nos campos de nalalha.
O miiiislro da gaerra o Sr. rarenel Loisaga,
qne a ig uahneme da raarinna e das nlacoVs ex-
teriores. Da fueuda miaisiro o Sr. Bedoya, be
como do eotnmercn n aariealinra.
Tres decretos, acaba dniahlionre grwernu pro-
VHnria, oae tena matado, como era de esperar,
porq-ie olTeadt intareaes pes-oaes, urna ceteu
a eiaantnsa. Ua abuindu a esrravidao, nutre
astabetecendo patentes e a nutra sobre o papel
sellado.
Contra os dous ultimas sa anm awaitado mnRn 4% aas
tono n eomiaerciay qoa snaenava aqui dasdn jnna
re ui-ufruindo os antones tueros sem -o tenor
imposte, sem onns nanhnia.
Nao cwaannn ana a panada ealmma levantada,
apenas (unan puainar as dnerntos na japrurapiav
liario paraguayo que vio a lia ao 1 de oulobre,
. aaajrianans niavaram aa mano presnsurii
urna Representaeao contra ns decretes de patente
e da sanos, a pdinda o e-tabrfeimao de atfan-
dnfa, n qn nao admira, pois team cheias anas
oasna.
?> dons memnrat do trianairavo, qo tiohaa ae
rasainar o asaanate (paa aMamaa eslava aman
tai deferirn! a reprnuantafio, fandanda
despacho com os lanas* ra inanadns, qn
saaiasna *
Vista a presenta rnpratentaeia, t eonside-
.raneo:
t* Qne aa do* ana aaaaaaH* daanjatd
pominnreio licito o obrigando o estado a un vigi-
lancia despendiosa, qne hoje seria db todo ponto
impossivet ao governo da repblica;
4. Que alm das razoes expostas, os direitos
de alfandegas seriam de producto escassissimo,
anda quo seeviusse a maldade e o egosmo dos
contrabandisias, urna vez que sao sentos {por
acord internacional, que cumpre respeitar reli-
giosamente) os gneros iofroduzidos directamente,
ou por meo dos fornecedbres para c- exercito
adiado ;
5." Que, segundo o calculo feito, o imposto de
patentes nao chega a agravar 4 "'o os gneros de
importacao ;
6*'Que as reclamacoe qne este imposto lem
encontradoem urna parte do commcrcin eonssiste
aa nvocaeao da fortuna qne traz sempre des-
agrado, qnando tirado da vida ro'ineira e do
costume;
T." Que o chamado effeiio retroactivo on> re
laca* aos mezes decorridos de agosto e setembro,
segundo informaed. que tem o governo, nao
existe no verdadeiro sentid do principio legal :
Io, porque o direito de impor inherente sobe-
rana nacional e a nocessidatedu sua applicafio
preexi todos os homens sensatos ; 2, o connercio e do-
mis industrae* desa eidade leen estado a' ho-
je sem contribuir na mnima coiisa para as des-
pezas da administradlo ; 3', as despezas exlraor-
ilinarias, a que o governo tem sido obngado pira
snecorrer s familias que voltam do desterro a
que o tyranoo as con tuzio, nao podem ser co-
liertas com as rendas dos mezes porvir; 4", o
mesmo direito com que o governo poderia exigir
urna contribuico directa e cxtr.iorcinar Ihe as-
siste para cobrar a quota do imposto de patentes, a
datar de agostojquandi se instituto o mesmo go-
verno ;
E finalmente, que a actual lei de patente*
nao deve regor seuo at o II tn di auno, em que
ser revista o melhorada, segundo a experiencia e
estado econmico do paiz, e que esse curto perio-
do de lempo seria mais que insuficiente par?, o
estabelecimento de urna alfandega e mais su-
eur cede ;
O governo provisorio resolve que, nao obs-
si>
tinte os s mtimentos pacficos que nvinlfestam os
co ninercantes assignados, e as consideracoos de
interosse publico qiiu invoc.im o que sao a norm
Ai procedimento do gaverno, nao po*t\*el defe
rir a esta represenlaijae sem desharm-misar aera
ferir os nwsnVM interesses que se qnerem salvar.
Nao ten lugar a representaeao. Fiqnem nos ter-
mos oe 28 de setemhro. Pubhqae-se e eumpra-
se. Palacio dn governo aos seis dias do mez de
onluhro de 1869.Bedoya.Misaga.
Comprehende-se que este despacho nao agra-
d'iu aos commerciantes. Ine ir.
Essa attitude enrgica do governo era necessa-
ria. Se elle recnsasse de sua primeira medida,
que ferio interesses enraizados, ira mal.
Darei aqui a integra do decreto sobre a aboli-
cio di escras-alura, porque me parece importan-
tissimo o processo snmmario da abolicio desia he-
lndez, qne existia ainda em urna repblica :
O governo provisorio da repblica do Para-
guay, considerando que incompalivel a existen-
ca da esrravidao com os principio* de liberdale,
igualdade e justica que o governo proclama e se.
propoe a diffundi'r c arraigar no paiz :
Que a escravidio, institnicio anti-chvisia,
un triste legidn do* lempos qne passaram, e
que somenle a barbara tyrannia que tem pesado
sobre este povo tem podido perpetua-la :
c E Analmente, que semelhante propriedade
exigira, para ser respeitada, o uso de meios co-
ercitivos e violentos, ipie sao de tolo o ponto im-
possiveis na poca que alravess.imos, e qnando a
repblica, livre se levanta regenerada a marchar
lela senda qne seu alto destino Ihe depara ; ac
cor la e decreta :
t Art. 1 Fie desde hoje abolida totalmen-
te a escravidio em todo o territorio da rep-
blica.
o Art. 2. Aos seis mezes dpos da pramulga-
cS do presente decreto ser igualmente livre to-
llo o individuo, pial quer que seja sua condicao
anterior, peto nieo facto de pisar > territorio pa-
raguayo.
a Art. 3.' Abra-se nm registro no juizado civil
desta capital, era que se consignar o sexs, idade,
saude e aptido de todos os libertos paraguayas.
para serem justa e opportunamente indemnisailo*
os senhores que se crerera damniflcaaos pelo pre-
sente deerero. Iguaes registros se abrirao mis
jai tados de paz dos departamentos do campo,
com siijeieio di da capital.
< Art. 4.a Refistre-se e pubKque-se.
t Dado em Assinnpcas 2 do mez de out"-
bro do anno de 1869. Anno Io da liberdnde da
republiea do Paraguay. Cario* Loit i.Jote
O'ttt de Antaarh *
Quarnl i podar o Brasil fazer e mesmo VI Di~
cunt Puduani.
A inunieipaJide vai Umbem procurando
cumprir aras deveres, ajudada pe i p dicia. As
ras, qne se arbavatn em pessime oriado, e-tao
-*ndo asmadas. Um edilal da polwia impe ri-
porosas penas a todo o individuo que arroya i
ra al juta objecto insalubre ou cisco, e que na
ftenl a frente de sua cH*a bem as*ea.t. E-sis
lieai.is sao wiai tnnltn de 20 peso fortes, ei qnn-
tn itts coa Irnhalkt pblicos, peln primeira wt,
duplicndose ni reincide -ciii. U primeiro adiuJ
djaa : trabalhos toreados.
l'or mais exressiva que pareca essa penalittado,
preciso e ampreg o della cerno ame .o tata ir
*M0> a piflicu sanitaria em Han eidade. alm
mscoaoicoes topogranhisan, aena-va-se
muila saja, o que dava raceios 4 waa epvlnjnia
ae veri) pr txiao. Esse povo negligente a da-
ta iado.
I A omaicipaMade vai inaugurar no dia 1 de
novembro a primeira escala atriieipal de meni-
nas, de que ha noticia no Paraguay. Pubcam-se
jivmm daquella ooraracai) amniiando ao* ua
e familia a mandar ue se denominar Bscatn central de meiunas.
Mame* aviis se diz que entra as ram > in*-
tracea i prinvtra e de iraaalhox de costura se en-
saaratninnem os Mioma- hespinhol, francea a
nptet, ctifis etseses se anrivao succes^Wa.aente a
nfiria qn w vio apresenando almana*.
No nvsmo aviso a naaicipnlidadn aanvida
para asstetnr A soleantidade dwauwfn-
eseida.
Sem me restar tempe- para essa analyse da 1
generacao, que me pede- c atttor da carta.
apuWicacao da mesma^porqne um
iteenaaria contra as demasas do actual ganaran.
Ha nos paraguayos urna tendencia para u dtanj-.
tismoi ine eonvem eorrigir a-lempo.
Aesnmpcao, 2 de outubm de 1869.Mea ca
ro dootor.Acabando de lt o jornal que hontea-
se paMion nesta eidade, intirstado La fn'arnaaii
cion, lemorei-me do amigo, e por Ihe avajar jai
posicio de eorrespundento da primeira Man Ata-
ra da America do Sal.
O peccadoinveja a primeira vez que tan
confesso. Teaho-me assaz resignado sanare
com os acares da fortuna, ota desta ves ana
aeonleeeu- assim I
< Quizera neste momento merecer o favor d*
p<>ssuir o titulo oficial de correspoodento do idr-
nal do CommeretOy para dispor de algunas, aoca*
a aualysar o Io numero de La Regeneracin,
Emponbo-me em que se oceupe dessa tarefa.
Nao digo bem, emprazo o (admita o positivismo
do termo, sem elle nao Ihe da guerreotypo a an-
ima indicaco) a que o faca, sob pena de %er um
dia de responder pela complicidade do sea siten
co. Nos, homens livres, segundo o credo das
sociedades modernas, somos responsaveis par nV
dos os males que, affligindo-ai, nao qaizealni
combater, qoaodo isso nos permillia a notwa no-,
ligao.
La Regermucion ser a praphsase do Vaat^
nano ? aquella descompoc o Lpez e este verrnik-
va o Brasil e os adiados.
E ser assim quo
Brill la luz para la patria?!
Lea, doutor, La Regeneracin, i niifinMi n'
manisfesto do governo e o programma de redactad
com os actos i ftcaes que all se pubhcam t
Admire como este Paraguay (ira livre fe W&-
sem Francisco Solano Lpez, mas com um In-
vern que, aos primeiros raiosdo api erando JafaV
liberdade, j unpoe a capi'Wa onde cada eidado de-
ve residir.
E, como islo nao baste, que especimdaJnV
moderacao s editos da polica, era que urna 1n-
fraccao de postura corrgida por quatro das de
Irabalhos toreados para-os infelizes que nao tra-
rem 20 pesos fortes I '
< A vista do exposlo poder passar sem proteaMi
a declaraco in-erida no manifest dn governo ptfr^
visorio, de que se adoptar pornorma de su gobier-
no y base de la regeneracin nacional los prina>*
pios, garantas y direchos consagrados cunetiluefa1'
nalmenle por los pueblos mas libres del-cunimetr1
te americano, o especialmente por las naciona
mMnis que forman la alianza?
< No Brasil sei que nao encontraran exeinpJame '
que produzisse copias dos actos oficias* que de-
xo indicados.
E a forma de governo ser a que se atreve
dizer em rodacrio?
t E' assim qnoslrendremos la forma repulH*
cana democrtica de gobierno, como la e>presion ,
unnime de la f p litica de lodos los Paraguayo*,
y como una perfection de las sociedades libres,
que a-miran a la paz, prosperidad y bienestar de-
todos los ciduadanos sin escepeion ?
Se ainda hospedes no governo tratara, ca-
rao se v, j seus concidados, o que ser raaia
larde?
Avi e-me, dontor, do dia em que se embarca,
o exercito brasleiro, porque quero e-tarde malas
promptas para de-cer as aguas do Paraguay, dei-
xar esta perfeiCHO das sociedades litres. *
t Nao desato masaa-lo, do conmrio ainda ao
correr da peona Ihe dira algo da legislar i Unan ;
caira, especialmente sobre a discriininaeao qa>
houverain por bem decretar dos diversos ramos
da industria e do commercio, como s l na Rege-
neracin a que me redro.
< E as Ims de impostes com efleito ntroaetive,
lieterminando cobraocas de licencas de qnanda
ainda nao exista o triumvirato que .oinpoe ogo <
vorno provisorio da repblica I i
E' para lamentar que altas proras de sapien-
cia Ananceira appareeam posteriormente grandn
uta n irte-americana, para que o Chase utiUsaaaa-
lellas em (ireveito do Ihejouro daquella repblica,
de que lo fabulosos recursos necwssitava diaria-
mente.
Em presenca do que vejo por aqni premia
gar-se em materias de liuanrasdesped dn mau
aupniej o Woiowiski, Garnier, Vllauoi e outros
pubiicistes do veth > mundo, c procure di* aa es-
clarecer com estes rerem-nascidus tliiancciros
provisorio governo do Paraguay.
Tem sobeja razio da vaidade e do orgnBnv
quealarteaui as autoridades paraguayas: astas
nandes nao encontrara quem Ibes asse.nelhe.
liunior, se nada disaer como escriptor, ao me-
nns cumo caiholico pego a Djens para que os Pa-
raguayos libertados a tyrannia de Lpez estejaav
resignados a sollivr quera o subsutuiu ; o mesmo
(ara o
c Sen amigo >
E* cora effeto jnstissima a censura que sa faz.
aqui a certo* acto* do governo, como o do nja**n
r#nwcliro da lei de nateate*.
cima publico os umudtntndos do despaeno non
indeferioa peticao dosCnuuerciantes: veranan-
te sophisma vai no considerando qne se miara a,
esse pialo.
A |nihlicacao dessa. enra eonvm muila: i na
correi-ii vo aos desiaandos do poder: i utn -
gn para os cuiinicn-iantas que nao teera aqui outro
jornal, alm da Rmfneratiu.
Cora effeto nao satianz ao verdadeire nm da
impiensa livre a B*qen*r*cin%. Ma as actonas
circum-tancias dn Paraguay, querer a imprunan
livre j e j querer nm iinpossrL Ainhirn au
fecil saltus, dtsse o naturalista sueco.
O estado sanitario do exercito hom ea tedax
as circunisrripcoes au servico e saade. us Iros-
pitaes desta eidade temos apeaas 800 doeutes. No
vapor rate toram na l" quinzena deste mez la)
doentes |>ar* Humayt.
A esUeao quento asta arodarindu cnaaade tr-
anos. .4
Sea tallar nos qne se tem dado mn nosanajwa-
pitaes, vil re a inorto do Albo do eonaeMataa
Sayivdn aa Paraguayo de nona Gama, qtaaV-
vja viajado a Europa, a de um HaliaiHi. Siiosnatv
teeca caetaeras meu conliecrmenlo.
O general Polydoro tem lomado ranitaa ara*,
videncias otis.
Os conflictos sobre casa teeat d;sappata-
wdo.
Mullos Mmm teem sido tnaaiaaVa para ai
cito.
A outr s, qne pe achvam aam fcanel
eidade, tam-sa dada tironea para a arasil.
A juana militar de jsica nal
exercito esr|o no na rio.
Mean qiatr dias ateiaparana
d i adiniraveloieat. Sent-se fro. E'i
cBan IrrefaUr.
Ca-ttoum
nana na
dacanapta;
i'Qosn*
Pprnw paga
eapaetabnea*]
danaiasAoMa-
de^odr^l
Gmmse tnfiwMS dnsetoamaaaawiii'ragio
mal da repuhliar^purm sahradu jna de tres
1a*/aa MTjde nnann ratea anana para a
i rnuat ros negocios pnMaaa,
ia
an^pnraaairytt paostiMadu non a rifar d tea
iarbaiasr'nando-se ainda o paiz a braeos
[ faaiai, que sempre da
anaraai.
Y f

^L
I
w-
BJViVi'a,T>TiaJI
10 -ft vapor Cnaahv V *nl
parado Ra e laneira *!#>
1 ILESUft
-*--..


.COOf
limo de PernamblMo $abban.o 13 fk Novembro de 1869.




vapor ingiez Arno troaxeW 1 -^bwMioree Gitiraaa,
i
31:000^)00
I
13:000*01 i
MI
WJIBEI
a B"'*a i'
lankof i
Joaq mealvesBeltrao.
Pereira, Carneiro &
Pedro M. Maury.
Augusto P. d Oliveira ft C
Theodon Simn.
Piuui Barbosa 4 C.
Francisco Jos da Costa Araujo.
KelW & C WA ..
FACULDADB DE DIRECTO.Pizcrara acto so
a 12 do crrenle :
Jottiniano M. de /ambiiia Meirelles, planamente.
Silvio Vasconcelos da Silveira Ramos, dem.
Hilo Rengues do Almeida, dem.
Jo i Hopke, dem. .
Tbouuz Colho de Gusmaa Lima, aimplesmcnte.
Domingos Olympio Braga Cavalcanti, plenamente,
ugenio do Aihayde Lobo Mo-coso. idem.
Ignacio Lucas de Souza Rangel, simplesmente.
Joao Colho M.mteiro da Franca, plenamente.
Jos Fraueisco Ribeiro Machado, idem.
3* auno.
Francisco Fernandos Moreira, plenamente.
Manoel Brrelo Dantas, idem.
Arislides de Souia Espinla, idem.
Areelioo de Quars Lima, dem.
Joio de S Albuquerque, idem.
4* anno.
Antonio Tiitao de Serpa Brandio Jnior, plena-
PednTda Cunha Beltro de Araujo Pereira, idem.
Jacome Martins Poggi dt Araujo dem.
Arthur de Carvalho Moreira, idem.
Benedicto Onofre de Albuquerque Henriqnes, dem
Licurgo de Albuquerque Nasciraaoto, dem.
6' anno.
Ernesto Alvina da Silva, plenamente.
Rozenlo Mauricio Lobo, idem.
6ervaaio Rodrigues Dantas, idem.
FESTIV1DADE. Amanhaa pela madrugada
manda a irinaudade de Nossa Senhora Mai dos
Homens, erecta na igreja da Madre de Deus, can-
tar om mssa no altar de sua padroeira, e a nou-
le orna ladainha ; visto nao poder-se, eniconse
auencia de estar em obras a igreja e lora dos ai-
lar aa imagens, celebrar a festa solemne.
Durante os dous acto, e-tar exposto a venera-
do Ais tieis o andor da mesma excelsa Senhora ;
o fat devia servir para a procisso.
H\ ESTRF.ITA DO ROSARIO. -Moradores des-
ta roa se nos qoeixara da maneira .lissolula por-
que vivem uns mocos estudantes, habtenles d*
nro segundo andar, e nos ped*,|n chamemos a al-
tenca da polica, aftm de ver se elles cessam de
prntirar quanta indecencia e iraraoralidade ha
ESCRIV0 DO COMMERCIO.Pelo respectivo
joix fol nomeado interinamente, na forma da le, o
Sr. Manuel Silvino de Barros Falcan para servir
lugar de escrivo do juzo do commercio, vago por
roort* d' sen serventuario.
SOTFRACIO Hojo pelas 8 horas da manhaa
wmdam celebrar na igreja da Santa Crnz os Srs.
Manuel Silvmo de Barros Falca o Antonio Alves
da Fon-era Jnior urna nissa de rquiem em su-
fraei 4 alma do flnado Manoel de Carvalho Paes
'Andrade. .
xures-o de amisto-a lembranca dos vivos polo
que se flnou, sao para a as-istencia desteacto con-
vidad- os amigos daquelle lioado, e todos aquel-
tes que nclle honravam u talento e um bom ci-
dada.
EXAMES DE PREPARATORIOS.-Pelo minis-
terio do i npnio foi publicado, sob o n. 4,431 de
30 de oalnbro ultimo, o seguiule decreto:
Art. 1. Nos exames de preprate>rios de que
tratan o* artigos 51 dos estatutos das faeuldade
de feito, e 80 dos das faculdades de medicina,
seri otMervadas as nslruccdes que baixarain
ceao de-reto n. 4,430 desu data, com as modn-
caeftes e decais caes seguintes :
J7* Os presidentes das provincias de S. Paulo,
PeTKHiiburo e B hla exercero, com relata aos.
exames de preparatorios das respectivas faeulda-
do*, as attrbuce.+ qoe, era virtode da< referidas
nstniccfc, compelem a.i govrrno imperial.
Os liroetores das faculdides terao asen
cargo a que sao incumbidas ao inspector geral
da vtruccao primaria e secundaria do municipio
da corte.
i* Os presidentes das mesas de exarae sera
orneados dentre os lentes da respectiva facul
dade.
4* O lugar que as in*truccos destinara as
mesa* de exame aos professores do imperial col-
kgi.i do Pedro II, ser oceupado pelo prufessor
da materia das aulas preparatorias annexas a fa
CBWale, onde as houver, e era sua falta por al-
jum dos lentes ou opoositores designado pelo di-
r8',"r- ... 4
8.''Ser admif.idos a exame os alumnos das
aaias pr.-paralorias annexas s faculdades de di
rrito, que se moslrarem habiltalos por meio de
atte,stad.is pausados ni >s respectivos profes-ores,
e b-m assir oulros quaesquer que apreseniarem
igual documento firmado por professores pblicos
oo parlieiiUres, e directores de escolas ou collo-
gjos logaluvenle aubirisad >s.
6." A in-cripeo de que trata o art. 1." das ins-
tru'cA's, effertuar-se-ha na secreura das facul-
tades perante o respectivo secretario, que far
pulili-ar as listas de examinandos de cada materia
a follii offleial da provincia.
7.* 0< puntos para as provas dos exames sera
os roesmos do programma de que trata o art. 6."
das in-trurroes. o qnal ser era tvinp coinmuai-
ado ao din-clor de cada una las faculdades.
Art. as haliluc6-s requeridas para a ma-
tricula nas facilidades de oireito e de medicina
pelo art. 53 -lo decreto n. 1.386, e art. 82 do d
creio n. 1,387, amitos de 28 le abril de 1854, li-
tar compreliendida, de 1871 era diante, a appro-
vaeao no exame de lingo i p >rlugue7.a.
Art. 3* As instniccoes de que trata este decre-
to so serio execntadas nas faculdades de direit e
na 1e medicina-da Babia, de Janeiro de 1870 era
diante.
SUKD03 E CEiiOS.Por aviso circular do mes-
m ministerio, exigir un-se dos presidentes de
provine'relaedes do* Jira-i le ros ceg.w e surdos-
mnd's existentes na* respectivas provincias, com
e-mecilicaco dos que o f >rem de nascenga, e com
derlaracn de idade, naturalidade, filiaca e de
quaesqiier circ,umtancias que possaoi interessar.
GUARDA NACIONAL.Pela circular n. 30, d^
30 de outubro ultimo o Sr. ministro da fazenda,
vistas as duvidas que e t n su-eitado a respeit >
do | 10 da tabella que acorapanhou o regulamen-
to de 14 de abril desle anuo, declara aos Sr-,
inspectores das thesourarias de fazenda, para a
devida indiligencia e execug, que os emolumen-
tos de que trata o citad paragrapb referem-se
as que sao arrecadado- na corte pelas patente"
dos offlciacs da guarda nacional, e nao aos que
aao cobrados nas provincias pelas secretarias da"
presi lencias.
LOTERA.A que se arba a venda a 126' a
beneficio da igreja de Nossa Senhora do Gua la-
tune de Olinda que corre ho|e.
COMPANHIA PERNAMBUCANA.Hoje o ul-
timo da em que reeebem carga os vapores Pira-
yanta t Pt4engi para os portos do norte e sal con-
forme o annuncio da nv-sma c CCMITEl'.IO PUBLICO.-Obtuano do da 11 do
correlo:
Mara, pornaotbuco, 10 meses S. Jos ; eonges-
4iu cerebral.
Lucinda Soares da Silva Freita, pernambuco,
SI annos, casada, S. Jo; tubrculo- pulmona-
res.
Altna Paulina de Siqneira, Alagoa, 32 annos,
aoluira, Recife tubrculos pulinonares.
Krancelmo, Pernambuco, 2 mezes, S. Jos ; es-
#omno. .
Funcisco, Petnambaeo, 35 annos, snlleiro Boa-
Vista; erysipela.
Angelo, Pernambuco, 11 mezes Recife; es-
pjjaaM.
Thereza de Jess Scve, Cear, 40 annos, soltei-
ra, S. Jos ; tubrculos pulmonares.
12
Joaqoim Francisco Penha, Pernambuco, 16 a-
oso* snlleiro, S. Jos ; catarro pulmonar.
Luiza Mara da Cen-vigii, Pernamhuco 50 an-
OMs, viuva, Recife ; aff-cgo erysiiielatnsa.
Sevenano Jos dos Santos, Pernaim"Hie,21 annos
olteiroBoa Vista; tun-Tculo- palmmiarf.
Carolina C->lombiu, Pernambuco, 20 annos, sol-
4eira. Poco; phlysica pulmonai.
Legidio, Pernambuco, 9 mezes; S. J is; catar
to iminoHar.
TR1LBOS URBANOS DB OLINDA Termina
fcoje o praso marcad para a entrada de 10 0/0 do
capital snbseripto. A entrada oVvw ser fort em
.asado tbosoureiro, ra N .va n. 5.
CHROMCA JVWAURM.
TRIBUNAL O % II m. If,.lo.
S8SS0E19 DE NOVBMflHiDB 1869.
MUMIDXNCtA 00 EXM. MI. COOSKLHKino ClITAHO
SAIfTtXOO
iijiieriiue
JJW tjc-
r. .es-
fffffffffffi^BJAit ar-
eL^areinj
Assis, Domingues da Silva, Hegurirs
Leio, faltando os Srs. d<
Kcurador da corea, A! muda i
ria, abrlo-se a sesM
PassaJos os fetos, <.
rsos emires..Reerorrente,
corrid
eiiihl^K^K^K^K^K^K^Kj
gador
Santiago '-leo-. NHM| 1UI^
reccorrido, 'Juan Baptleta de Lemes.Relator o -r.
desembargador Multa, sorteados os Sr. desembar-
gadores R. Costa, Gtirana e Souza Leo. lmpoj
rdente. Reccorrente, o juzo ; reccorrido, Juao
Francisco da Costa Cabral Relator o Sr. desem-
bargador Assis, sorteados os Srs. desembargado-
res *r|ta, Gitirana Souz* Lea.Improceden-
te. Recrreme, o jniz; reccorrido, Pedro da
Cnnha.Relator o Sr. desembargador D imragc.es
da Silva, sorteados es Srs desemnargadores Molla,
Lourengo Santiago e Reguoira Cosa.Improce-
dente. Reccorrente, o juizo ; reccorrido, Anto'iio
Manoel Farias.Relator o Sr. desembargador Re-
ducir Curia, s-iTleados os Srs. desom&argadares
Lourengo Santiago, Gitirana e Molla. Improce-
dente. Reccorreote, o juizo; reccorrido, Joio
Henriquo de Araujo.Relator o Sr. desembarga-
dor Souza Le-i, sorteados os Srs. desrabargaloj
res Lourengo Santiago, Gitirana e Reguelra CJi-
la.Dou-se provltuento.
Aooravos db rancio.Aggravante, Manoel eos
Santos Nunes de Olivoira; aggravado, o J li-
to.Relator o Sr. desembargador Assis, sortead >s
os Srs. desembargadores Souza Leo e Lourengo
Santiago.egou-se provimento.
Peohogac.vo dr isventario.De Jos da Siira
Calho, coucedeu-se.
APPBU.ACOES cniMBSAppellante, o juizo; sp-
pellado, Antonio Alexandre de FreiUs.A n< vo
jury. Aj)pellante, o jui&; ap|llad >s, Anna Cus-
todia de Je-us e ouiros.A' novo jury. Appellan-
te, o juizo; appeilado, Joio Pedro da Silva.A
novo jury. Appellante, o promotor; appellados,
Jos Vicente Ferreira e Joo Vicente Ferreira.--A
novo jury. Appellante, o juizo; appellado. J is
de Barros Alves.A' novo jury. Appellante, o
juizo; appellado, Jos Marcolino Marques.A no
no jury. Appellante, o juizo; appellado, Jacob,
escravo.A' novo jury. Appellante, o promotor;
appellados, jininguos Rodrigues de Souza e ou-
lros. Improcedente. Appellante, o juizo; appsl-
lada, Josepha Mara da Coocecao.-Mandou-se
juntar o acto.
PASSAGKNS.
D > Sr. desembargador Gitirana ao Sr. desem-
bargador Guerra. Appellages civeis : appellan-
te, Manoel Florentino dos Santos ; app diado, Bar-
tholomeu Brando ua Silva Appellante, Anto.no
Correa deLacerd; appellado, Manoel Pereira dos
Anjos Cavalcante. Appellante, Alexmdre Rodri-
gues da Silva ; appellado, Jo J. da Silva.
Da de apparecer.Appellante, D. Josepha J is-
lina de Jess Gongalves; appellado, Joo Lucio da
Costa M.mteiro.
Ao Sr. desembargador Lonrengo Santiago.Ap-
Kpellacoes crimes: appellante, Jo Pachee ; ip-
sllado, o juzo. Appellaute, o juizo; appellado,
aniel Jos V;
Ao Sr. desembargador Assis.Appe lagaoei-
vel: appellante, Euzebio de Paulo P. Maranha;
appellada. D. Mara Jos de T. Brrelo.
Do Sr: desembargador Lourengo Santiago, ao
Sr. desembargador Almeida Albuquerque. Ap
peliagdes crimes appella'ite, o juizo; appellal,
Alexandre Pereira Lisboa. Appellante, o jtto;
appellados, J. Vicente de Frellas e Jos Felippe de
Frenas. Appellante, <> juizo ; appellado, Autoiii
Alves Bezerra. Appellante, ojuit; appellado.
Jo- Francisco Pereira. Appellat*' e'f,',: aPP''.1"
lante, Joaqun) Jos dos Santos; appellado, Antonio
Ferreira do< Santos.
Do Sr. deseobirgador Mola ao Sr. de-erabir-
gador Assis\ppeil igdes crimes : appellante, >
juizo; aapellado, Francisco Ferreira da Sil
va. Appellante, o juizo; ap.wllado, Clemente Jos
de B irros.
Do Sr. desembargador Assis ao
gador Doha.Appellago crime:
juz; appellado, Florencio de
cante.
Do Sr. desembargador D nnn#ues da Silva a >
Sr. lesemoargalor Regueira C.-ta -App-ol^'s
crimes: appellante, Ljurengo B. da Silva; appel-
lada, a jnslica publica. Appellante,n juizo; api I
lados, Jiistiuiano Rodrigues de Cirvalh o Mixi-
iniau Carlos do< Santos. App'liante, ojnjj.i;
appellado, M ni wl Marques Evanielisu de B ir
ros. Appellante, o juizo; ai-pellados, Jo Pa il
da Costa e >utr >s. Appellantes, Jos Alexandre
Ferreira Cavalcante de Lima o a ju-tiga; appella-
dos, a jnstica e Francisco Civalraote da Ro-
cha,
Di Sr. dse nbirgad >r S mzi Lea ao Sr. Jos-
embargad ir Gitirana.Appellagoo- crimes: appel!
lante, Luis de Fraiiga Venia na ; appellada. a jus-
tiga publica. Appeil inte, o juizo ; appellado, Vi-
cente Ferreira da Cruz. A ipelluile, o juizo-
appellado, Jos Francisco de imzi. Appellante,
o juzo; appelllo, Benodi't. Alvo-Muiteiro. Ap
laga. civel: appellantes, Aut mi Ferreira da Su-
va e sua mulher; appellado, Manoel Dultra do
Souza.
Assignou-se da para julgamento dos seguintes
feitos:
Apprllacrs oruoes.Appellante, ojmz>; ap-
pellado, J i- de Barros Alv-*. Appellante, o jui-
zo ; appellado, J.is Mire lm Marques. A|iel-
Unte, o promotor; ap|iellal', Douung Ferreira. Appellante, ujuiZi; appellad, Alexan-
dre de Souza Falro. Appellante, o promotor;
appellad, Domingos Duarle de Carvalho. Apel-
lante, J >o Crra de S; appellad .. o juizo. Ap
p -liante, o promotor ; appellad o, Joaquim Jos de
Sant'Anua.
Appei.lac.oes civ is. Appellantes, Ta mo ; appellida, a justuja. App-dlant. Js An
tomo Sintiag Olivflin; a.i.wll ido, Francisco
Sevenano de Momea Carvallio.
Deligbncia.Com vi>u a Sr. desembarga lor
promotor da m liga.Appeflagao rrime; appel
lante, u juizo; appellad, Sdvino Corroa de
Mello.
A' 1 hora da urde encerrou-se a sesso.
de en is Antonio-do Rege Pacbe-
Lr tJi* Fortjn- Regrttre-se.
offererendo iam-.
o 4e sea caiwlro lo|
\ aproseaiando. pa-
m-;ac3o de caixeiro
de Bento Machado A CRegistre-e.
D i ine.smo, requcrenlo por oertidio sobroJita
nomeago.D-se-lhe
De Sauniers Brothers A C, para se Ihes regis-
trar a procuracSo basunte, que juntara.Regis-
tre-se.
Replica do Antonio Fernandos de Figueirdo
Paiva sobre o despacho de 7 do mez prximo pas-
sado que dxaegou-lhe a matricula quo impetrara.
(Adiada.)
COM rSfORMAQAO DO SR. ESEMBARGADOR FISCAL.
Reiiueriraenlus :
De Fortunato Benjamim Lins de Vasconcelos,
requer-ndo ser nomead agente de leildes da pra-
ca de Macei.lunte cortid de baptismo.
De Bento Aires Machadii Guimarjes e Rocha o
Silva & C, contrato de sociedade.Reg9tre-se.
De Joaquim Gerardo de Basto*, carta de matri-
cula de coramercante.Juntando atistalo asig-
nado pelos tnosinos commerciantes que abonarara
o supplicante, pois tal attestado devo ser era se-
parado, soja o raesmo supplicante matriculado,
passando-so a respet'tiva carta.
Rehabilitagao commereial de Irino Januario de
Oliveira.Foi unnimemente concedida.
Nada inais sendo submetlido despacho, S.
Exc. o Sr. presidente encerrou a sesso as 11 ho-
ras e meia do da.
Sr. desembi.r
appellante, o
Paiva Cava I
SESSO JUDICIAR1A EM II DE NOVEMBRO DE
1869. ,T
PRESIDENCIA DO BU. SR. DESBMBARGADOR A. F. PE-
BBTTI.
Secretario, Julio Gumares._
Ao meio da declamu-se aborta a sesso, estando
reunidos os Srs. desembargadores Silva Guma-
res, Res e Silva e Accioli, e detwlados Rosa,
Basto, Miranda Leal e bario de Cruangy.
Lida, foi approvada a acta la precedente sesso.
ACORDAOS ASSIONADOS.
Embargantes, Abreu A Veras; embargados.
Augusto Porto A C. : embarcante, Joaqiiim Jos
Pereira da Cunha; embargado, Francisco Ferrei-
ra Novaos : embargante, Benjamim Tuckens; em-
bargado, Augusto Colho Lede.
JULOAMENTOS.
Embargantes, Oliveira Flhos A C.; embarga-
do, Jos Carlos Teixeira.
0 Exm. Sr. prosidenie orienou que se offlciasse
ao Sr. jniz corto S Leilao adra de tomar parte
no julgamento desse feito.
Juizo especial do commercio : appellnte auto-
ra, a Companhia Vigilante por seu gerente ; ap-
pellado reo, Joaquim Jos Goncalves B.-lira:
juizes os Srs. Res e Silva, Acc.oii, Ba-Ho e Miran-
da Leal.Foi reformla a sentertca appellada.
Juizo municipal e do comuieico da villa do Pi-
lar, provincia das Alagoas : appellantes autores,
Krosthelman A C ; appellad-) reo Jos Fran -isco
Taboca : juizes os Srs. Silva G linaraes, Accioli.
baro de Croangy e Miranda Leal.Fui confirrai-
da a sent -nca appel la.la qu rato primeira parte
e reformada quanto segunda.
Appellante, o liquidalario da caixa flNal d
Banco do Brasil uesta cidade ; appellado. Joo
Carlos Bastos de Oliveira.Adiado a pedido de
mn dos Srs. deputados.
O Sr. baro de Cruangy nao apresentou o feito
adiado a sen pedido ni se tes, emhargmtes embargad >s simultneamente a
viuva o herdeiros de Mm-vl Goucalv-s da Silva c
D. Claudma Senh rinha Viera de Carvalho.
Juizo especial do cominei-eio embargante em-
bargado appellado exequenle, Manoel Alves Fer-
reira ; embargante embargado appellante execu-
lado, Joo Piolo de Leraus^nnior; juizes os Srs.
Reis eSilva. Accioli, Ki4e btri de Cruangy.
Forain despresados os embargos do executa lo e
recebidos os dexequenle ora o voto d Exm.
Sr. presidente, sendo votos vencidos os Srs. Reis
e Silva e Accioli.
PASSAGRH.
D) Sr..desmbargador Silva Guimares ao Sr.
desembargador Reis e Suva : anpellanles, o Dr.
Manoel de FigueirGa Faria e oulros ; appellado,
o Dr. Gabriel Siares Ra ios i la Cunara.
DISTRIBUIQOES.
Ao Sr. desembirtrador Hen Sil*-: appellan-
tes. Zacaras Mar|u Vianna e ^ua iaiilh-r ; ap-
pellado, Salv.'ft ir Bar mo.
Ao Sr. desembargador nccioli: appellantes.
Tasso Irraos ; appellados, Manoel Nunes Parre
ra A C.
AOGRAVO.
. Juiz especial do e.i u nen-i i: >agarav.*iie, o li-
.pudaLirio da raixa filial do Ban.si do Brasil nesta
cidado ; aggravado, Joaquim Salvador Pessoa de
Siqneira Civalranti. ,
i Exm. Sr. presiilente dea provimento.
Nada raais huve, e foi encerrada a sess*
hora e meajla tarde.
aotecipo-me em aprcasnlar'nWi' R^B* ai!
minha profunda gratiuao.
Rtefe, 12 de novembro de 186").
De V. S, aliento, venerador, amigo % obrigado.
Dr. Manoel do Reg Barros Souza LeSo.
No dia de finados, a tarde, quando maltas
pessoas dirigiam-se para o ewniterio, achnra-se
no camin'do Hospicio, i porta de sua casa, e
sustentando na mo om formidavel ccete, om tal
individuo que por suas vergonhosas facanhas tem
grangeado o gnominoso epitheto de Caimtft
Passou-lho pela prla um irm >, a cuja espera,
ento, se achara elle; linio que, logo foi segura
do-o mostrar-lhe o ccete e dirigindo-lhe
araeagas e proroeagoes, at que, o irmo parou e
ergueu' tambera a sua bengala, desposto adefen-
der-se de qualquer offensa e repellir qualquer
ataque.
Nesta occasio, approximando-se-lhes um dos
transitantes, separou-os, buscando apasgua-los.
J nesse mesmo da de raanha no raesmo re-
miterio, uvera o Cam com este mesmo irmo,
um encontr bem desagradavel.
Na verdade, um hornera como esse tal Caim,
que sera respeitar a santidade de um da to so-
lemne, nem o lugar sagrado, onde de proposito
alacou seu irmo, e junto a sepultura da irma,
(sua vctima) como foi visto por algumas pessoas,
e val espera-lo de novo larde armado de ccete,
ou nao tem religiao alguina, ou est inteiramente
doudo. Alm disto, outros miiitos fados infames,
por elle pralisados, provam que se nao tem elle
perdido o juizo, ou quer crear fama de valen to,
quando pelo contrario so o na lingua, ou
>ente romichoes napelle, e quer que o cncem de
vez em quando, como j aconteceu em 1865, jun-
to ao porto de sua casa, por occa-iu do actos
igualmente atacante;, levar ama boa sva de
bengaladas, que todava nao Ihe servio de li
gao.
E' por certo bem valento o tal Cam.'.'.'
Concluimos, declarando, que falla nos de um
homem que jurou falso contra seu proprio irmo.
era um conseibo da disciplina muit regular que
bouve nesta cidade, e que de ento pira c Qcou
conhecido por Caim.
A bem da verdade. (*)
Espero que os Srs. redactores desse Diario, de-
clarein positivamente, se o abaixo assignado o
autor, directa ou indirectamente, do annuncio pu-
blicadosob o titulo Molina, a respeto de trocas
de saccas em um armatera de embarque ; para
desta maneira desvanecer-se as suspeitas, que o-
malvolos quereui e prelendem fazer crer a tai
respeto.
Recife, 11 de novembro de 1869.
Seu assignaute Jos Luiz Guaiaco.
COMMERCIO.
rs.
19 7|8
I Itlltl \ VI. D COHHERCIO
VCTA DA SESS V) ADMINISTRATIVA DE II DE
NOVE 'RESIDENCIA DO BXM. SR. OKSRMBAROADOR AUSBILM-
FRANCISCO PRRBTTI.
As 10 horas da manilla, reuni los os Srs. depn
unios Rosa, Basto, Miranda Leal e baro de
Cruangy, S. Exc. o Sr. presidente declarou aborta
a Foi, depois de lida, approvada a acta da sesso
de 8.
EXPEDIENTE.
Informago da secretaria sobre -o allegado na
pet jai do J >> Joaquim D as F-rnandes Junior,
que pede hai a na re-pnsabili la le do registro da
galera tfna>//o.Co-no rvquer.
Informag'i tambera da secretaria sobre a pre-
tenga de licenga do amanuense interpret' hacba-
rel Luiz Rodrigues Villares Que so Informa*
a presidencia, rom -ttenJo-so dita informic por
cotila, accrescentin lo que o ofn 'ial-maior da me-
ma secretaria requeren lirn; de tros mozos,
a qual sem duvida Ihe ser conceb la. circo ins-
tancias e n que licar a -ecreana re lusida a tre-
e.mpregadiis, teodo mil delles ial-maior. e por isso p iler-se-lit venUcar o cas
le ni p-ider ella eorn to diminuto p >ssoal dar
cunta do sorvijo ^u Jarg), seo I proras ehi-
uiar-se algum collabora-tor para que seinolhiuite
servio -e fag.i rom a pro nptidi noressana.
O Exm. r. presidente a+titptoa um dIR- em-]
que accusoii a rei'oiic> di on numea'> que
em data de 5 do correte Ihe Cuera o Ex n. Sr.
senador Frederico de Almeida e albuquerque de
ter n'aquelle rasm dia timado posse da presi-
dencia da provincia.
Foram a rubrcaos -eguintes livros -Diario e
Copiador de i- do Reg B te E. \. Burle A l*^ dit da Companhia 'orna n-
bueana le navegag costeira. Diario e Gipiador
de Edonard Turpin.
Vi-t livn da correspondencia, achon-se re-
gular at n. 209.
DESPACHOS.
Requerimenio do iHivmra Senna A CL, reque-
ren lo que se Ihes rerllfl pie so J Capisfannile
Senna freir o Jos Asloni. Goncalves esti-xHi
nao matriculados como mus eaixeiros. e tamhmii
e di resnorliva nomeac consta serein ellea Bra-
sileiros.G>mo requere.o.
Dos raeMnoe Obveira'Soni A C, anroenUndi
registro a nmneagao de sen caixeir J o Anto-
nio G .sendo Jnior, que dorbtram sor de i'la.le
lo Vi anuo* o natural das Alag. De I'.naves A Vianna, para se i'hes reriiflnr w
est matricnl*|o romo caixeir do ien estaBoleei-
uvnio Froocweo Joaquim de Sant'Aona.Coi ttfl-
[.|Oes.-.
I De Joio Chriostom< Goncalves Rosa oomraor-
Aa ff Itoras da maubia, prestles os Srs. des- {cianie malricalado, onerecondo refuU'fl a no-
PUBLICACOES A PEDIDO.
A h. E\e Hr. deeb:irgatir
presldeate do cara.
Cidide -le Quixeramobin 27 de ouluhro de 1&9.
Nao tenli^Miitro motivo para empreheiidero
|iie fago, sena o gusto de faze-lo.
Com lirenga de Vine, amigo Rn raauguro-me sen
cdlatnirador, noticiante oiticioso deste pitoresc
canto do imperio la Santa Cruz.
Prnielto-lhe. que nao desiisarei da senda do
never, sempre adstricto aos diramos da verdad-,
e-p meando as sombras da mentira e do embuste,
e remiendo constante vassalagem causa d yer-
dadeiro, do grande e do bom.
DluVil sera achar rom que entret-lo assidua-
inente. mas nao Umbem nossa alvo esto continuo
e nces-ante emprego. e lidar.
Narrare o que fr digno de chronica, animan
lo os esforcus generosos dos homens saos e bms,
e profligando essa raga expura de sevandijas, que
idolatras do-eu, e do biserro d'ouro, torna-so a
a pedra de escndalo da sociedade, dignos antes
de, alail-H a ataf.ma do evangelho serem immer
sos no pego do que contaminaron! por sua lasari-
na mural em paiz nascente, e que aspira tan gran-
iles e nobros destinos. Sobretudo nos oecupara
de pri'ferencia os negocios de polica e justiga n-
iiiiuito de moralisar os fados, rritiean I, e repr-
v.rado cura sobranceira iraparciaiidado o crime
lorpe, cynico, e audaz das autoridades e seus
agentes.
E dando de mo a prembulos bem ociosos, to
mainos |or divisa o res el non verba da escola
das iniinilesiinaes.
A imprens \ da provincia mu atreita s suas
infln las e ardentes pidemcas de agress, e defe-
za a sitiiagao, e sempre azafamada nesse rodopio
constante, e fervente lo que chamara grande p-
Mea, nao tem sobras do espago em seus jornaes;
o que Ihe vamos pedir em norae los grandes in-
teres pagina de nssa rasieira chronica, na seguranga
de que o Diario de P*rna franco as nanifesta-^ies da opinio, cmo aos ge-
midos dos ijue soffrera, no-lo conceder de boa-
mente.
De fond eu consol vio tran'tornados os magnos
negocios pilcaes deste malfadado municipio, cha-
ro II., o os fados flle,m, se nao qualquer menos
puro interesse. que nos iinpilli em memora-loa.
No sacrosanto da de sexta-feira da Paixo de
Christo do crrente anno, no distrirlo do Qnlxa-
d, Jo- Pereira vulgo do contrato espolion a sua
propria irma, viuva, idosa, cega e sem ampai
ile um eseravinh i mediante a innocente llega de
om esenpt de alienac, forgicado p-ir elle, e ou-
tps seus innos, e apaniguados, los Pereira
a osee lempo wa nvolvid' n'uin prcesso crime
p>rfurto que foi anal condemnado.
O escravo de que violentamente se apoderen,
dopois de o ter forgicado aquello papeloxo, ven-
deii-o a mercadores da caiiital para onde o leva-
rain, e d' -nde pnuco ilepoi- umsobrinho da virti
.na com granle sacrilii^o resgatou-, mediante a
sinnina de 9004, acmi-ellttdo do ni fazer nter-
vi r a piMicia na alnada por amor de sea* amados
o dignos tos.
Diion, tu redigio o papel seu mano B. casado,
i^sereveu-o um certo Pcocopio( enlre nsipiaes lo-
dos repartio-se o prego da preza. Diz que a
iMibra sennra no. aug do desespero temend
igual surte a outros do seus e-eravos, que inuit
ama, llvs passara lgii a ludo* carta de alforria,
rodiizin-to-se a nobre aendici laile.
Tildo isto corren i nfiediatamenie de boca em
boca nesta cidade, e era (noto-se) objecto prodiler
to das palestras d Dr. pnvnotr publico liacha-
rot Finnino Birbosa fiajwiro, que ria comaquolle
ausento e unido gnoeaeo, que se Ihe sobe cara
los ingenuos, que dama, musir de crer, que fus-
se o faci assumplo do iwTseguig criminal.
B o que diz-me Vme. ? atee-ta tiala o honrado
Dr. proirndor ni se dipnou deounrar de um di-
Meto to oosad e cikaUiiincoto tria, ajustado
enlre mitos e por dumais alarmante de todos os fiado na extrema bondade de V. S., %ero qne se
interesses, garanta socaes; nem ainda lio pon- dignar acceder ao oiet pedia lo a ininba
eo requerea a priso de Jos Pereira (e de tantos Candidatura debaixo de s
outros ocfw'ii paribus) condemnado ha mais de
mez no grao medio do art. 257 do cod. pon. II
Nlo com elteitt um orgo, e represealant da
Ifli digno de figurar n'uma exposigo dos mais
dsti netos 1 dicunl paduani.
Mas o que quer Vine. 1 o homem aspirante
a urna cadeirinha na aalinha provincial, e por
gosar destas honraras, n gmenle j, nas logo,
e no futuro dominio dos ex-correllgiunario pro-
gresistas, quando espera que aquelle homem que
tem suas relai,os, e certa aura popular naquellc
distrleto Ihe d mo e o ajude a bem sahir-se,
grato a to assignalada benevolencia.
E digam que faltara lonchis por abi o rodo
fonchts caricatos bem entendidos ? I
No disdricto da Bda-Vi igem um outro desalma-
do logrando seduzir urna rapariga desvalida, no
momento critico da rnatornidade, servinJo-lhe de
parloiro, deu causa, assim a mrie da parturinte,
como de laclo, que elle horrivelmente mutilou
com o lira de fazer a extrago sem attender, que
rustico e ignaro; acuella operaco exceda a sua
aptido, poda ser fatal, como fol, aquelles des-
venturados por quem se inleressava assim desas-
tradamente. E nao contente com isto, dando se-
pultura clandestina ios restos raortaes das duas
ereaturas, esgueirou-se do lugar para sobre as
azas largase possantes de um patrono liberal, mas
nao antes que despejasse a casinha da mesqui -
nha moga (que viva sosnha) dos valores que ti-
uha, dinheiro, joias e alfaias.
Deta desbragada oceurrencia detalhadameute
siube, e foi instruido ainda por seus numerosos
prenlesd'all o meiilssimo Dr. promotor publico,
esp-Tangas, e aspiragoes polticas, sjentificas, e
at monetarias, mas girando mu alto, enfrascado
todo em algbricas e afectuosas cogitacSes, se
quera lembrou--e de que o Cordeiro que o torno
responsavel cor tamaita disida e cynica relaxa-
ci no desempenho de suas funecoes publicas.
A nnralilade, a justiga social clara un contra
estes inauditos e enorme. escndalos ; o seu jn-
verno tera, como bom acreditamos,- a grave e no-
bre misso de distribuir justiga nteia, dar penho-
res de moralidade ?o p.uz, curapre que ollie com
seria attengo para estes, e muitos outros fados ;
que os faga syndcar severaraen e ; e que vn-, ue
e.n resultado a sociedade e as leis de semelhante-
e protervas violagdes negativas, que desnaturara,
pervertem, o barbarisam nossa socie 1 ule infantil,
e digna de mulhore* auspicios, e mais altos exem-
plos de justiga e moral para ^ahir do estado de
crysalida, safare, brutesco e ante-social om que
anda j;iz par estas e tantas nutras indebitas com-
placencias da suprema autoridade, que alias tam-
bera moitas vezes as ignora, como de presente
as que narramos.
E anda podemos capitular fado mais grave (se
possivel) contra o dignissimo, que tera alias o
fatuo desv le no bom e leal cumprimento de seus melindro-
sos deveres; o com sobra de razo porque s
mente elle teria um No dia 31 de dezerabro do 1867 em occasio de
eleigo popular no recinto da matriz d'esta cidade.
it n tiro de espingardi foi desfechtuo, de que re-
sultou o grave ferraMito de um cdadio, eri-
oieiito que confirma o corpo de dolicto, procedido
p ir insuspeta autoridade nteressava a parto fron-
til do crneo era linha horisontal.
Foi, e amia hoje rema a opinio de qao aquelle
tiro apon ta va urna eabega i Ilustre, o coronel
Hermenegildo.
0 Dr. promotor publico por umitas veze3 e em
toda parte declarava esposar esta crenca, e ex-
po-la fram;a nente na capital (Jizia ainda elle) ;
llorera jamis se julgou obrigado a denunciar do
faci ; porque a le era sua pioi una cousa
va a irrisoria, quando se nao a lopta a seu* ca-
prichos, cmveuiencias, ou raesmo seus hbitos
de inercia e regular fnuxid (no que, seja dito de
passagein, s vezes porm, abr parenthese- poucu
honrosos ainda.)
O eu achule-: (argumento) para responder aos
que Ihe eslraiihavam um to impudente, ampio e
vago liissr (aire, laissr oasserer dizer que
coronel, que se dizia victima do trabuco pro
gressista, be n poda violar o seu direito sera o
concurso do brago secular (quera dizorda prora-
loria !).
E nao ara grande e inconcurso argumento
ligno mesmo de mu prelicieute discpulo de
Tbcmis T
Dicant paduani I
O Sr. Firinio, promotor progressisu enUo, e
j em parte m me lio, conserva lor por seu foro
de Moternich enihryonario, tend a arte maravi-
Ihusa de ser progresssta, liberal, c.o.i>ervador, re-
publicano, inasborqueire, railical, e o demo, que
qO'iiram que elle seja, le u n da para outr i nao
po lia eominetlaff o le ciar sequor d >scapangas dos homens que Ihe t-
uham alirad aos denles una magra pilanca, ini-
galba de seu hanqueie, e de que ainda amaiiba.i
pode ha ver niisler, se na soldar sua quebradeira,
milito em risco, e t rabal liada de grandes contra
relailes.
H ije, se quzessera. Isto era outra cousa I
Coiiiuin sans facn que nmguem mais Ihe ad-
mira presta-se a advogar (at no juizo de naz)
causis que sabe plem degenerar, e assumr
ro ipagens crimina**, (aeges de furto civilmenie
intentadas) e que lia i de li'.ir fra de sui con-
peieucia, emb >ra a legi^lago e a ndole do seu
o.nprego proie-ie contra um semelhanle contra-
se.i-i', e verdadeira iminoralidade, levado de torpe
coloca, ao menos aa que parece.
Naj itnprla elle vai seu caminho, colhend-i
to>los os | revenios que se Ihe offerecein. Era com
effeilo a mxima radiante do defunlo oregress.
mas hoje S. S. transfigurado era conservador roo-
ge nao pode t asinha esquece la, como a gata da
fbula convenida em gr nde dama.
Que o Sr. Finnino dgnese, por JecOro publwo,
explicar estas comedias censuras, jue o sent-
uient, e o devor austero de cidadao arrancara
com sentida lastima a peona humilde do chrenista
da aldeia.
Geme o povo d'e-ta zona serlaneja aos altos pro-
cos dos legumes, que le da a da, como ato em
taes jccasies succeder, se exagerara ; o aind i
assim ha nutras zonas menos favorecidas, que se
est> prevando nolittoral, por custar a medula da
farinha de mandioca (1-32) 2J ; e outro tanto o
uiillio etc.
A carne mesmo, no amago doserlo, paiz emi-
nentemente creador, est fra do alcance das clas-
-es humildes, sendo que o jornal tera retardado
elevarse propnrco cora o prego sempre em es-
cala ascendente, dos gneros alimenticios, effeitos
necessarios e funestos da procastinada e crua
guerra, que tera depreciado nos* ppel moela,
o determdado essta abalos na ccnomia publica.
Que esse comboio, e ominoso esphinge dos es-
teire*. ou penidias hoje do Piraguay deixe de pe-
dir-nos mais sangue e ouro I
Felizmente afagut-mos a doco e cara >speranga,
que o disneto c ido, cora nan-lante e n chefe,
nao deslumhrado do furioso nnnie, que a histeria
tora legado ao Ilustre e heroico Gastn de Foz, seu
antepassado, se esforgar por conquistar pressu
roso no campo das pelejas.e ao servigo de to bella
causa, louros vrenles, palmas immarressiveis cora
que grangeando aquella alta venerago e estima
publica, que se funde s geraes sympathias, que j
merece por seu carcter nobre, franco, e cava-
Iheiro, Ihe deverlo p)r a coroa de seus ultlnios
esforcos no-la lucia homrica.
Salutem.plurimam A te valere.
The lover wilhout luek.
Jara o Dr. juiz de dirritn especial d> eontawrri
Tristo de Allkar Araripr, ella pelo iilMH tT
Macalfies proear*ir i
exequrnte <' i '. .' ('ilg' a Jnior, fura
Mri ptrVactH
ao 'X^^^^^I^^^^^^^Blrveira, e
quemo qne fleassrra a tas da Id
a penbora fela o dez dias aos odores nterru,
passando-se ediuet; o qne onvid orlo mu tmmrt
a penhora p<>r ||^p^pfcado m sois J *a let
por a-signado-, e lambem os dez |
incerlos e o mala pardehtif
apregoar pelo porteiro dos
na forma do esrrftw d- qne flt i
do do proioeollo das audiencias, e ju
do e termo de penhora qne segur.
Eu Secundno Eliodoro da Coala, ejcrivio jo-
ramentado o escrivi.
Eu Manoel Mana Rodrigues do Nascimola, oa-
criv' o subscrev
Por forga do ui'-u dospacho. o eseririo ta pao-
sar o presente edital pelo qual chamo, cito, e hei
por intimados os credores ineacloa do dala om-
lado para queromparecam noate jnzo, doatro do
dte praso, alira de allegar o que for de jMta.
Recife, 9 do novembro de 1869.
Eu Manoel Mara Rodrigues do Naseimento, es-
crivo o subscrev.
Recife 12 de novembro de 1860.
_________Tristo de Aiemcwr rmripr.
O inspector interino da alfaiidoo las pobA-
co, que existindo n trapicheDamaso ato-
*ldr
PRAQA DU RECIFE 12 UE NOVEMBRO
UE 1869.
AS 3 1/2 HORAS DA TAI1K
Assucar de Macei 3f *74 por 15 kil. posto
bordo, frete de 20| e S 0|0
Algodao de Pernambuco 1* sorte 939
imr kii.
Algoao de Pernambuco sem uspecgo871 rs.
por ki. (honiem e hoje).
Algododo Rio Grande do Norte1*000 por kil.
posto a bordo, frete de 3|4 e 5 0)0
Cambio sobre Londres90 d/v. 19 3|i e
"houliin e hoje).
F. J. Silveira
Presidente.
Leal Se ve
Secretario.
Sociedade Laucara em cora
mandita
Theodoro Simn $* ^
Compran e vendem por- cotila pro-
pria itti.'taes, moeiias naciouaes, u estran-
^eiras, letras de cambio, sedulas do go
verno e do banco do Bsusil.
Descontam letras da trra e outr os ti
tulos commorciaes.
Eq -arr gam-se porconta alheia das mes-
mas liansaccSes, da cnbranca de letras da
trra e de outros ttulos cominerciai-s.
Receb m quaerquer quan ias em depo-
sito, em conta corrente, e a prazo tixo.
Largo do l'elouriaho a. 7
mes abaixo declarados, no caso de
lados para consumo de cunfurmidade
posto no cap. 6 tit 3 do regnlanaento
setembro de 1860, os seos donus on
dev.ro despacha-los no prazo do trala da*,
pena de lindo elle, seren vendidos par
sem que Ibes fique rompetindo allegar euMra a
effeitos desta venda.
Marca- W S.Tres caxas. viudas A Rio de
Janeiro no brigue pertuguez Acuse, entrad ea
30 le margo do corrente anno, contendo fosal-
mentas velhas de la e algodo para coa ico, tm
pessimo estado, pertenreotes a Tasao Iraaaos.
Alfaodega de Pernambuco, 11 de awvautbro de
1869.
O inspector uterino,
Lnz de Carvalho Paes do "
ALPANUEGn
tendiuienio do dia 1 a II. .
Idem do dia 12 ...
451 IWM7
53 032*970
501:158*807
MOVIMENTO DA ALPANUEGa
/olumes entrados com fazendas
dem idem com generes
/olumes eahidos cora fazendas
dem Idem cora gneros
300
600
------900
300
----- 596
Descarregam hoje 13 de ontnbro
Escuna inglezaHe.rondeUe mercaderas,
llarca ingleza Bttrlackou mercadorias.
Lugar inglesBrilhantiilein.
Barca hespanhola Centro de Rxpnrtacaovinhos
Patacho inglezOum of Bantbicalho.
RHI^BEUtlRIA UE HE.NDA8 J.NTKli.>A^ ir-
RAES DE PERNAMBUCO.
Rendimento do dia 1 a 11. 8.1:711*621
Idem do di 1J........ l:3fii*824
26 273*418
0 inspector interino da arfitoga faz
publico, que a<-hanlo-se as mercadorui cwi-
lidas nos volumes abaixo declar*lo\ o
caso de serem arrematadas para
nos termos do cap. 6o til. 3* do
ment de 19 de setembro de 4860, o
douos ou consignatarios deveri despadsa-
l.is no pra do 30 dias, sob pena de Mario
elles. serem vend das por sua coota, na
que Ihes fque competindo allegar contra o*
etleitos desta \enda.
Armazcm n. i.
Marca J. A.Um embrulho n. 30 4/10
com amostras vnda de Bordean B>va|ar
ingiez La Plata entrado em II de abr lo
corrente anno, consignado a J. Anloom de
Araujo A C.
Sem marca.Um sacco sera o. *indo r-
Liverpool na barca ingleza Floaliug Omit
em 45, ignora-se o coutedo e a con>igna-
c3o.
Sem marca.Um volme sem n. enj
am >stras viuda de Liverpool na barca inglr-
10 Barlachou, idem ignora-se a eotajgaa-*
Cao.
Mera diamante F P. Urna caixa cha m.
i3 idem no vapor ingiez Gladiadcr.iD. C.
4 C. Simpson i C.
dem G. T. K. -Um embrulho o. 9
do le Antuerpia no brigue iitglez
em 4. a Kellir C, igoora-se o ew-
tcdo.
Idnin J M 4 CUro dito n. 27/1 eno
amostras i leui a Linden W j-bavii 4 C.
I lera A. F.Un caixa o. 427/135 viada
de Liverpool no lugir tngloi i4ia We$lm
idem ignora-s! o C'iite>l<> e c n*i'{oa$ao.
dem C L R. Urna diU n. 4*7 vida
no Hiw im b-t'frt franceza Joo Baptuta.
era 1 yira onir-s. a H. Lager.
dem G. A. Alves dr Filhos.(jai *m~
huilln n. IS, viudo de Soolliainplon o*
vipor ingiez Dnarn. idem com amostras, a
i. A. Ales d Fillios.
Ilum licuante L. V. dr C. Urna caixa
n :I7I vnda do Havre oa barca firarHvt*
Joo B'iplisto em i de maio. com chales de
la, a Henry L-iner.
Armizem n. 5.
Marca iliamint S S J II.Qmtorie
caixas us. 3 a Id viudas de Livwp>i aa
barca ingleza Flmting Clawt mn 9 'e avr-
qo com a uostras de la, a Jonsloa Paler
drC.
Armaxem n. 10.
Marca J J. A.Urna caixa n. 5 vnda
de Hainburgo na e*c,ana noi le-allenia Km-
maniwA em 12 a Ttieiitloro Justo.
Alfandej/a le Pernambaco 11 de aoveav
bio de Ir>60.
O inpeclor interino,
Luiz de Carvalho Paes de Attdrmt.
f

.
CONSULADO PROVINCIAL
tendimento do Ha 1 a II.
38:218*4'S
3:310.329
41:5284824
ECITAES.
Aos dgaos del tor es do primelro
distrleto
Illms. Srs. Derendo proceder- corrente eleic-o le depnladns provinciae-, e ten-
Jo revolvido apresenUr-ine |or ele priraeiro di-
tricto, lomo a liberdade de dingir-me a V. S, so-
licitando o seu roto e valioso apno para a ininba
candidatura o que rae garantir xito faruravel.
N; toudo tido itecani Je eslrear na vida pu-
blici, nao posso exibir ttulos, <|ue rae recoininea-
dem.
No enunto dix-me a conscenca, esse instracto
divino, essa guia inmortal, que o meu pausado nao
pde dexiar de ser-rae honroso.
Na ininba llmiUila eaphera lenho procurad
prestar ao raen partido os serviC/W &inuativeis com
iniiihas tenues foroas, nas eircuinn-tanna* raais
critica, com a unior esinnitaneidade, e preacin-
dinlo de enras considerandos que prsariam no
amulo de oulros mais Uiaidos, e do erencas ineno
Armes.
A coherencia polti -a, que 6 orna virtode na
phrasede um di-lnciopiililicl-ia, e de que lenh
lado sempre a nwis exuDerautes pmvas, 6 para
mira o titulo lois alioso que po-so apresenUr ai
Utaslra eurpo/iMsiioral. -ujos suffragios impeir.i,
pw pens, cora > *'hil, pie aquella que muda dr
poltica, wesnN a> pretexto de que cuntieren o
erro, era qoe laborava, jroceile auno os
e re-la pr.^r(in.iiaVn ignaes seniii
Nao leudo ainda rat'ebido a minima
apreso da parts de tona correligionarios,
De ordera do Illin. Sr. inspector da thesou-
rara de fazenda desta provincia se faz publico
para etnhecraento dos interessa!!*, qne o tribu-
nal do thesonro era ordera n. 197 de 25 de outu-
bro ultimo, antorisou o papamento de dividas de
exercicos lindos, cujos credires sio ua seguintes :
Antonio FernandesTrig- le L ureiro. Trajano Ali-
piod Carvalho Memloinja. Launana Rosa Candi-
da Regueira Duarle de Druinnwn I.
Secretara da theouraria de fazeuda de Per-
nambuco 11 de novembro de 1869.
Servindo leorBcil-m.iior,
Manoel Jos* Pra'o.
O lllin. Sr. inspector da ilie~our.ina de la
zenda d'esta prormria, em vrtude de orden da
presidencia, manda fazer publico que no da 27
do corrente, s dua< doras da tapie, irlo praQa
para serem arrwnalailos por qoem menos flzer.
os cnucerli de quecaracem aa rolnranas da pun-
te de Ierro denominadaSete de setembro.O or-
(jamemoe clausulas para o coulral, sera fran
queados na secretaria da mesma thesouraria ao-
preteadeites. .
A pessoas quera conrier a arreraataca, le-
verio comparecer no referido dia e hora indi-
cados.
Secretaria i* thesouraria de fazenda de Per-
nambuco, 12 da nowmbru de 186.
Servindo de olllcial-maor,
Manoel Jos Pinto.
O Dr. Tristio de Alenrar Ararn*. oltlc;.! iinpe-
perial ordera da R.wa e-juiz de direito espe-
cial do foininercio, nesta cidade do Recife de
Pernamlraro. por x M. imperial e con! loria-
nal o Sr. D Pwdr II, a qiem leos guarde ele
Faco saber ao< qne o preieute edital viren! e
l'elle noticia tivereo quo por este juiz esperal
do coiipnerriii, pendera mis artos de execucao de
senlenc de Cnsto.Ho Collaco Pereira Jnior, Mn
Ira Felicia Jn Vul de Oliveira. K tenlise feito
tienhora era dinheiro pertencenle ao exeriitado
fOira pelo >olieitadur Fedx Pranrisro galhaes procurador iki exequenle, feito o requer-
uienio do sefiinta termo :
Aos oito de novembro de 1869 na ciiade do Re-
cite era publica aoiienri que a* feos e partes
a ft
(*) Biu -.ni faCHM ao que n>s pede o Sr. GoWa
rlaramoe qne nao recebeinus de S. S. a pu-
a que se refere,' e. que ignoramos ae
nao o mb autor.
Os Madores.
DECLARACOES.
I'.ORREIU EH\L
Pela admnistracau do correio i
publico que hoje (li) pelas 3
desta
faz publico que hoje (12) pelas 3 hora4 da i
feehar-se-hao para os portos do ni as mate* ana
o vapor brasileiro Cruzeiro do Sul tem de caadn-
os jornaes serao receidos at meio da, a
cartas a registrar at 1 Ir hnra da Ur.
As cartas ordinarias, postas no rorrea at meia
hora depois de (indo o praso cima (Icrtarada, se-
guir seus de-tima cota o porte duplc.
Adininistra**ao do correio de Pernambnl
novembro de 1869.
O ad ninislrador,
Domingos dos Pawos raada.
ttnro n aV
CORREIO GERAL
Relatan das cartas registradasjondas j> anrte
e das exi-tentos na admnlstraeio do rafftvta at-
la cidade para os senhores abaixo declrate :
Dr. Avn- de Albupien]ue fiama Dr. Aariga
Jnstiniano da Silva Guimarea, Alfredo fliUaaha,
Dr. Antonio Joaquim II. Nazarelh, Antn S. Va-
ras, Antonio le S..uza e S (1% Bemjamia C. tra-
sileir.i Cimba. Baleriano Esrlesie, Dr. CnHaaw Xa-
vier Pereira de Hrto, Dr- CaroKiw Fnnnte* m
Lena Sanios, Christuvo Como Pereira, Oaaaaaflaa
\ITon-o Ferreira, Flix Pereira da Silva, tmsmm
Francisco Carnejro Machad Rioa, Fraariat mi
la Csta Araujo, major Fraariaro lUpOjal 4
Mello Reg. D. Guilherinina de Staueira Silva. Dr
ietulio M. de Ostro Lima, H. L. oe S-hiz Baa-
iiel. D Joaquina Mara do Sacramento, Jua^aia
Antonio Teixeira, padre Joaquim firariano da A-
raujo (t), D. J.wmi Franrisea Seie Nsv^rM, Or
loo Jo-e Ferreira de Agaiar, Jos* BenaS
des, Jos Dimingues Porta Netla, Dr. Jnw tara
tho, Jos Memin- Vieira, Jos Palo Sadr
Oliveira, Lino de Faria &C, Lind-m WvdjmsaA
C, Dr. Luiz de Carvalho Paes de Andrade, raei*
Manoel llapti-U R-nIrgnes, Man S,
Manuel Joaquim IVwua, JkWkW AH-d> leNo,
Maiiuei Jos Luiz Ribri lia,
Pahneira & Retira. Pcuir
Paulo Rosa, Dr. Raph;:
ro da direi'loria do j^^H
ano, SamrniH Ferr ^^
Vnlonio K.. T'dda* <^^H
i
Tribuimldociiiinercia
Por esta secretarla sa faz poUtse qae la-
O mntrai de sociedade *t *?*}*'
nia,ManelR.rellarjteAral f#^r***^
tonto Bacellar, esiliotIOa
provincia da Alapuas, conai
faaendas, mind. ws,t>mf* [J,?Slld;7?W7,t
nir, sob a Srma da "^JS**L*
eapllalde2l:SnO*tiaNSB>ailBA*lOO Una-
Jo em Monnania poto sosia ldoa.
CntraMse Haaoal Joaqona 4a Shra Uso Jos


1
Diaiio de
Pcrnambuco
SuBbaA 13
de N(emhro de 1869.
sob a
I fie
Lei)
nctor Jo*e
Mttiod BptW
asa de ennimqrcl
geiro, inovttnei
flrm-i de 1
-116:118*
ora ltt9'Jiwrei
Cwunl da Miau
da Pon*eea, e*ttBeleei sai dos Milafres, provincia das Alagoas, com
rasa de oora.nereU* de fazendas, miulezas, Terra-
ni e genero de estiva, ob a firma de Vctor
da Pontee* A O, e o capital de 12:000*000
yara ? anal eatra o telo Lima com 10:000*000
menutnaadita.
Contrato de Donlzio Rodrigues de Mello Castro
Veodato Affonso Monteiro, estabelecdos na villa
do Pillar, provincia da Alagoas, com loja de fa-
lendas, son a firma de Catiro & Monteiro, o o ca-
pital de 6 0001 fornecido p )r ambos.
Contrato do Epantinondas Jos da Silva e Jos
Mara de Vaseoucellos, estabelecidos na villa do
Pillar, provincia das Alagoas, com casa de com-
rnerria de fazenda*, sob a lirma de Ep.iminonda*
A VaseoncWlos, e u capital de .'l:000J000 forneci-
no pelo socio Epomi non Jas.
Secretaria do tribunal do commereio de Pcr-
nambuco 11 de novembro de 1WW.
O offiotal-maior,
Julio Guimarac.
AVISOS MARTIMOS.
Rio do Janeiro,'
Para o indicado porto, pretende seguir com mul-
ta brevidade a barca portugueza S. Joo, por ter a
Maior parte de sea earregamento engajado ; e
jara o resto que Ihe falta, tratase com o consig-
natario Juaquim Jos Goncalvos Bcllrao, ra do
Gominoicio n. 17.
WMRMllTTEttAAMBCANA
DE M*
TVavesa^io costteira por vapor.
Parahyba, Natal, Maco, Mossor, Ara-
caty, Cear, Manrtah, Acarac e
Granja.
O vapor Pirapama, commandanlt
Torres, seguir para os portas
_ cima no dia 15 do crrante as 5 hora.'
da lafde. Recebe carga at o dia 13 en com
niendas.e passageiros e dinheiro a frete at as
1 horas da tarde do dia da sabida no escripto-
rio nu Piirto do Mait*s n. 12.
COMPANHIA PEKNAMBUCANA
H
Xavega^So costefra por vapor.
Macelo, escalas, Punedo e AracajA.
O vapor Pottngtt commandantc Pereira se-
tuff para os portos cima no dia 15 do corrente
as 5 horas da tarde. Recebe carga at o dia 13,
*ncotnmendas, passageiros e dinheiro a frete at
as 3 biras dalard do dia da sabida no escripto-
rio do Forte do Mattos n. 12.________________
COMPANHIA PEKNAMBUCANA
DR
Navegando costara por vapor
Cioyanna.
O vapor Parahyba, commauJante Mello, segui-
r para o porto cima, no dia 16 do correte, as 9
tora da nditc. Recebe carga, encommendas, pas-
sageiros e dinheiro frete, no oscriplorio do
Porte do Mattos n 12.
brasile-
ra de paquetes a vapor.
Al o dia 15 do correte esperado de New-
York por S. Thomaz c Para o vapor americano
MeiriMiick. o qual desos da demora do costuine
.seguir para os portos do sul, paia fretes e pas
sagena trata-se com os agentes Henry Porster 4
C na do Commereio n. 8.
PAKA O PORTO.
Sahir com a pos-ivel brevidade o palhabote
portugui'z Villa Flor, tem parte da carga tratada
para o resto que Ihe falta pode entender-se com
David Ferrara Bailar, ra do Brom n. 92, ou
bm o capilao a bordo.
v
PARA
Para o designado porto pretende sabir com mili-
ta brevidade o palhabote Rosita por ter a maior
parte de seu earregamento prompto : para o res-
to qne Ihe falta, trata-se rom o consignatario Joa-
quim Jos Gonealves Deliran, ra do Commereio
n. 17.
Porto.
Va sabir breve a barca T/inra ; para carga e
Rassageiros, trata-se aun os consignatarios Cerva-
to & Vogueira. na roa de Apollo n. 20.
Para Lisboa
A barca portugueza Pereira Borges dever se-
guir brevemente para Lisboa, j l?ra a bordo par-
te da carga, e para o resto trata-se a>m Oliveira,
Ptlhos 4 C, ao largo do Corpo Santo n. 19, 1"
indar, ou com o capitao na praca.
Porto.
Segu com brevidade a veleira e nova barca
ortugneza salina, para carga o passageiros,
para os quaes tem excelentes commodos, trata se
.ora os consignatarios Antonio Lniz de Oliveira
Asevedo & C.; ra da Cruz n. 57 1* andar.
Porto e Lisboa.
Segu para o Porto com escala por Lisboa, a
barca poatugtnza Su/Ira : para carga e passa-
geiros trata-se com os consignatarios T. de Aqui-
n) Fonseea & C. ; na do Vigario n. 19 ou com o
eapito na praca.
Para Lisboa
O brigue portuguez"* Bella Fijueirense, capitn
Carvalh Sohrinho, vai sahir breve por ter a maior
parle do earregamento : para carga e passageiros
Irala-se cora E. U. Rabello, ra do Commereio nu-
mero 48.
Para a Baha
Toma earga o ter prompto despacho o patacho
italiano forghtrlta, capillo Ghert : quem nelle
Jnzpr tomar nraca, pode dirigir-so ao escriptorio
o E. A. Burle & C, ra da Cruz n. 48.
LEILOES.
LEILAO
Da taberna da ra da Esperanca, Caminlio
Novo n. 47.
HOJE.
Sabbado 13 Ae novembro as 19 horas em ponto.
O agento Pinto levar novamente a leilao, ser-
viudo de baso a offerta obtida no leilao do da 10
do corrente, a armarn, balco e gneros da ta-
berna do Caminho Novo n. 47, por despacho do
lllm. e Exin. Sr. Dr. juiz especial do commereio,
as 10 horas cm ponto do dia cima dito na refe-
rida taberna
LEILAO
Dos fjeneros, armado e pertences da ta-
berna sita no Corredor do Bispo nume-
ro 49.
O agento Marlins far leilao com autorisacao,
da arma cao, gneros e pertences da taberna agi-
nia em um ou mais lotes a vontado dos compra-
dores.
Terga-feira 16 do corrente.
As 11 horas do dia na mesma taberna.
AVISOS DIVERSOS.
Precisa-se de urna pessoa que entenda de
bolear carro : na ra estreita do Rosario n. 2, 1
andar, das 10 horas da manha as 3 da tarde, en-
contrar com quem tratar.
t
lido libei
O directora do partidoliberal convida os mem-
hros do mesmo partido e os amigos deTHEOPHao
Benedicto Ottoni, para a commemoracao fnebre
i|uo os iiberaes d esta cidade mandara celebrar a
17 do corrente, s 10 horas da manha, na matriz
de Santo Antonio.
Os abaixo assignados, ecreventes do escrivo
do juiz especial do commereio Manoel de Carva-
Iho Paes de Andrade, fallecido no da 5 do cor-
rente ; mandam celebrar urna missa do rquiem
pela alma do dito finado no dia 13 do corrente
pelas 8 horas da manha na igreja da Santa Cruz,
e convidam a todos os parentes e amigos do mes-
mo finado para assistirem o dito acto, pelo que
agradecemos a todos que comparecerem.
Manoel Silvino de Barros Falcao.
Antonio Altes da Fonseea Jnior.
Uerculano Cesar Ottoni manda celebrar urna
missa segunda-feira lo do corrente (trigsimo
dia) na igreja do Corpo Santo as 8 1;2 horas,
pela alma de seu muito presado lio e amigo Theo-
philo Benedicto Oitoni, para cuja asistencia con-
vid.a seus amigos e os do Qnado.
ni-
Tendo a mesa regedora da irmandade do SS.
Sacramento desta matriz de fazer celebrar no dia
16 do corrente pelas 1 horas do dia urna missa e
memento pelo irm > fallecido Francisco de Freitas
Gamboa, em altencao aos servidos prslados pelo
dito irmo em favor das obras da matriz, convi-
do pelo presente a viuva, fllho e amigos do fal-
lecido para assistir a essn acto.
Cmsistorio da matriz da Boa-Vista 11 de no-
vembro de 1869.
O escrivo,
Simplicio da Cruz Ribeiro.
Jos do RegoBorges. pelo prsenle pede
aos seus amigos e aos do finado Joo Si-
man de Almeida, para assistirem a urna
missa que por alma do dito finado, manda
celebrar na 'greja do Corpo Santo, s 8
huras da mnnha do dia do corrente.
anniversario de seu passamento, o que
desde j antecipa os seus agradecimentos.
Honlem das Cinco Ponas para o cemiterio tn
glez, um carroceiro perdeu urna maca de c uro,
contend) roupa branca de senhora, e varios pa-
pis de impurtancia, como escripturas etc. Pede
se a pessoa que a adiar, que a eulregue, ou d
noticia na ra da Aurora n. 46, que ser genero-
samente recompensado.
Fugio da casa do abaixo assiguade o seu es-
cravo gnacio, mulato, idade 20 anuos, pouco mais
ou menos, furtando-lhe 300 a 600*000 em mu
das de our i, lem o dedo grande da mo direita
com duas unhas. como se fossem dous dedos, sa
hio bem vestido, bonito e muito fallante. O
abaixo assignado promet* pagar bem a quem o
pegar e leva-lo ra da Matriz da Boa-vista nu-
mero 33.
Lisboa
O brigue portug lez Colele, capitao e dono J. J.
da Cosa, recebe alguma carga a frete : trata-se
ora E. R. Rabello, ra do Commereio n. 48, ou
com o referido dono.
Acha-se na taberna da ra de Aguas-ver-
des n. 15, um caro iro, nao se sabe quem o
dono, por i asi) que n der os signaos e pagar a des-
peza do annunejo e comestiveis se Ihe entregar.
Precisa-se de urna ama para comprar e co-
zinhar : na ra de Hurtas, sobrada n. 140.
Ao Manoel dos Sapatos Fer-
rara.
Com teu annun,:io to lionil:
Vou viver sempre abracado
Oh escriptor abencoado 1 ?
Urna boa nova traz.
Oh I que sabiti meu man
Que cabera de rapaz 1 I I
Uns s nascem para tollos
Outros de saber profundo
Quando a gente vera ao mando
A sua sina logo traz.
Oh 1 que sabio meu man
Que cabeca de rapaz I I I
__________________O admirador do genio.
Desappareceu hontem as 8 horas da manha
o cabra de norae Izidorio e diz eharaar-se Izidio,
da idade de 10 a 12 annos, cabello corrido, aca-
boclado, levando calca- de brim de quadrinhos
camisa de chita e chapeo de bata tudo novo, co-
nhecenio-se ser ioserto, tendo viudo com o seu
snhor Jos Pereira da Silva, de Pajeo _de Flores,
para ser vendido e como o vendesse e ni queren-
do iear aqu, desappareceu, procurando a estra-
da por onde veio na occasia que as pessoas que
o tronxeram se retiravam da cidade, por isso pe-
de-se que ninguem faca negocio com elle e a
2ualqner pessoa que o pegar levar a ra do
lueimado n. 10, que ser rea)mpensado. _____
Os abaixo assignados ton ; honra de preve-
nir o publico especialmente o corpo de commer-
eio e seus froguezes, que o Sr. Joveacio Miguel da
Costa deixou do ser seu caixeiro, e ene nenhum
dinheiro deveser entregue ao dito, como ttmbem
uo se rosponsabilisam por nenhans gneros que
possam ter sido tomados pelo dito ou por qualquer
dos nussos embregados, sera ordem. escripia ou
recibo assignado por nos. Desta data em diante
o Sr. Emilio Mafl. nosso guarda-livros, c nica-
mente encarregado das cobrantes de nossa casa e
todos os poderes eu procuraefies anteriores sao
rwogados e de nenhum effeito. Recite lidede-
zombro de 1869.
L. Leiden & C.
Precisa-se de um bolieiro escravo ou forro,
que tenha bom comportamento : na casa n. 40
junto a ponto grande da Passagem : a tratar das
4 da tarde at as 9 da manha.
i
Advocada.
0 bacharel Carolino de Lima
Santos, acha-se a ra estreita do
Rosario o. 23 onde pode ser procu-
rado das 9 horas da manha s 3
da tarde.
s
S3MS* mmmm mmmM
ATTENCftO.
Ernesto Augusto Pauls,
negocianto em Parahyba, remellen no dia 6 do
ci rrente mez para esta provincia, pelo vapor Pira-
pama, entregar ao >r. Don Juan Busnn, duas
vas de conhecimento ordem e Armadas em
branco, datadas ,ie 6 de oovembro sendo AEP de 50
sacras de algodo, sendo 2 saecas de segunda sor
te. as quaes tem o peso total de 292 arroba e 28
libras,, e foram embarcadas para Liverpool na baj-
ea ingleza Sarnia, copitao Alfredo Gould; e nao
tendo sido entregue dita carta quem eorrespon-
de, as-im como os conhecimentos. previne-se ao
respeitavel corpo do com ercio d esta praga, que
ditos conhecimentos foram desencaminhados, e
3ualquer venda que se faca sem ser por interme-
io do Sr. Don Juan Buson, ser milla, e desde j
se protesta contra qualquer negocio que se tenha
fe to ouse venha a fazer aqni ou un qualquer nu-
tra praca. Pernambuco. la de novembro de 1869.
Club do Monteiro
O empresario do Club Pernambucano tem esta-
belecldo um Club na povoacao do Monteiro por
3 mezes a principiar no 1." de dezembro al 28 de
fevereiro prximo futuro debaixo das seguintes
condiece.
As pessoas que quizerem ser assnznantes deve-
rao entender-se com o respectivo empresario para
este apresentar seus nomes a directora do Club
do Monteiro, para este deliberar se sao ou na
acceitos.
A assignatura sera do 40| (pagos adiantados)
pelos 3 meze para os assignantes effectivos e 05
por raez para os adventicios.
Os socios effectivos do Club Pernambucano pa-
garo adiantado 20# pelo trimestre e 10,1 por mez
os adventicios, podendo seren admilliJos sem
mais appmvaco.
Progrmala do Clan
Urna re.uniio familiar aossabbados; urna parti-
da na abertura e ontra no encerramenlo, leitura
de iornaes, cha todas asnoites das 9 at 10 horas.
as reunioes familiares s terao ingresso os as-
signantes, as partidas admitte-se convidados.
Recite 11 de novembro de 1869.
P. J. Layme.
Fugirain no dia 23 de outubro do eng^nh"
Pindoba de baixo, freguezia de S. Vicente, os es-
cravos seguintes : Satyro, com 40 annos de dad ,
pouco mais ou menos, crioulo, cor prea, corpo e
al :ura regulares, sem dente* na frente. Irineo.
com 35 annos, pouco mais ou menos, cor fuh,
altura e corpo pouco regulares ; este sapateiro,
e aqnelle carreiro ; desconfla-se que tenha seguido
para Guarabira da provincia da Parahyba. intitu-
lando-se de forro : roga-se a quem o apprehendT
que leve-o seu senhar no dito engenho, ou hid
casa do Dr. Sourianu de Moraas Pinheiro, no Re-
rife, ra das Cruzes n. 2, que ser generosamente
recompensado
Aos o:ooooo
CASA DA FORTUNA
23 RA O CRESPO 23.
O abaixo assignado tendo veudo nos seos feli-
zts bilhetes da lotera lo" do Hospicio de Pedro
"ti (299) as sorlcs abaixo declaradas, convida os
possuilores a virem receber, pois as pagar com
a promptido que costuma.
Acham-se venda os da 6t" a favor do Monte
Pi (300).
Namero2035, q atro quartos, com 20:000000.
t 4733, dmis quaros, com 1:000|000.
1649, dous quartos. com 800*100.
Manoel Martins Fiuza.
MOFIVA.
Roga-se oSr. fiscal lance suas vistas para um
cano do sobrado da ra do Imperador n....., 3" an
dar, do lado do caes do Collpgio, pelo qual deitao
aiioas ptridas quasi todas as horas da noite, agoas
asss que sao espanadas pelo, vento sobre todos os
visinhos e sobre a< pessoas que por ah passam.
Espera-se que o Sr. fiscal, cumprndo seu dever,
acabe com esse abuso.
Sociedade Recreativa
Juventude.
.15 m tendo realisado ao dia 7, como fura con
vocada a anseraMa geral desta soiedade, por fal-
tadb numero, Convido de novo os senhores socios
a se reunirera domingo, 11 do corrente, as 6 ho-
rada manha, afim de estabelecida a mesma as-
sembWa, tratar-se do ossumplos importantes.
Secretaria da sociedade Recreativa Juventude
10 do novombro de 1869.
Felomeno l'eixoto,
Io secretario.-
Precisa-se de offlcial da mar;ineiro : na ra
da Imperatriz n. 53, luja.
Ao publico.
O abaixo assignado participa a quem interessar
possa, que tem justo e contratado com o Sr. Jero-
nymo Francisco Ferreira a compra do sua taber-
na sita ra Nova n. 48 desta cidade, cuja com-
pra frta a dinheiro vista, e raso alguem se
julgue com direito a alguma reclamacao, dever
Caler no praso de tres das, lindos os quaes nao
ser attendido. Recite 11 de novembro do 1869.
Manoel Monteiro da Cunta.
Atten#lo.
Precisa-se alugar por espaoo do tres mezes urna
caa no Monteiro, ou em suas adjacencias, que
otereea commodos para peuuena familia, e por
preco mdico : no largo do Carino n. 18, primeiro
andar.
COMPANHIA
DOS
TRILHOS URBANOS
DO
REC1FE A9 Ofjf*D 1.
Por ordem da directora sao, convidados os Srs.
accionistas, para no prazo de dez dias contados
do dia 5 do corrente effectuarem a 5 prestaban
de suas accoes na razo de 10 % receberem
nessa occasio os respectivos ttulos.
Para esse lira ser encontrado o Sr. thesoureiro
das 11 horas da manha's 2 da tarde de todos
os dias no escriptorio da companhia ; na Nova
n. 05 1 andar, entrada pela ra das Flores n. 14.
Recife, 3 de novembro de 1869.
Io secretario,
________________Joo Joaquim Alces.
Precisa-se de um menino nrasileiro de 13 a
14 annos de idade, que tenha ou nao pratica de
taberna : na ra dos Pescadores n. 43.
D. Mara Adelaide do Nascimento Feitosa
avisa a tolas as pessoas qne quizArem comprar
terrenos na amiga estrada de Olinda, por onde
tem do'passar breve urna linha de trilhos urbanas,
que ella vakretalhar e dividir seu sitio de Belem
em pequeos silios; e poderv dirigir-se a seu
filho, o engenheiro Antonio Vicente do Nascimento
Feitosa, encarregado de todos os negocios de sua
casa, para cora elle effectuarem qualquer compra
desses terrenos : na ra estreita do Rosario n. 23.
Io andar.
Attenpo.
Precisa-se alugar urna casa pequea, em bom
estado, com sitio ou quintal murado, para urna
familia de poucas pessoas, preferindo se na Sol-
dade. Afilelos, Cipung.i ou Ponte de l'choa: quem
tiver dirija-se a ra da Cruz n. 19, andar.
Irmandade de Santa Cecilia
do Liv amento.
Por ordem da- mesa regedora tenuo a honra de
convidar a todos os senhores professores de m-
sica, irmaos desta veneravel irmandade, a compa-
recerem em nosso consistorio no dia 15 do cor
rente, as 9 horas do dia, para eleger-so os novos
funeciooarios do anno de 1869-70.
Con-ietorio de Santa Cecilia 12 da novembro de
O secretario interino,
Sabino Venusliano Romn de Luna Freir.
A-casa Feliz do arco da'Conceico acaba de
vendar nos seus felizes bilhetes a sorte de 800*000
em dous meios de 1235 e j foram pagos, e alem
desta sorte vendeu-se mais oulras do 200*000 e
de 100*.
Monte Po Popular Pernam-
bucano.
Devendo ter lugar domingo, 14 do corrente,
a posse do novo conselho administrativo, desta so-
ciedade, de ordem do lllm. Sr. director, sao con
vidados os senhores sucios effectivos para compa-
recerem em sessj de assembla geral, as 10 ho-
ras do mencionado dia.
Secretaria do Monte Pi Popular Pernambucano
10 de novembro de 1869.
O Io secretario interino,
Ernesto Josc ile Menezes.
A'luga-se
a casa terrea n. 32 da ra das Trincheiras : tra-
ta-se na ra dos Pires n. 26.
Aluja
a-se
o Io andar do sobrado da ra do Vigario n. o, com
bons commodos para familia e para escriptorio :
a tratar no armazero n. 2o da travessa do Corpo
Santo.
Precisa se alngar urna escrava que sirva
para vender e comprar para urna casa de pouca
familia : na ra da Moeda n. 19, 2* andar.
AVISO
Napoleo Dias de Carvalho e sua mnlher D.
Constanca Firmeza dos Anjos Carvalho, avisara aos
moradores que se achara na sua propriedade Ma-
caco, que de hoje a noventa dia-s devem retlrar-se
da dita propriedade, porque all vai criar urna sol-
a de gado ; e outro sira que nao afora seus ter-
reno*, e so consentir o tempo necessario para a
colhrta de suas lavouras ; o aqueles que dentro
do dito tempo nao se retirarem serao despejados
judicialmente. Sitio Macaco 3 de novembro de
1869.
Napoleo Dias de Carvalho.
Onstanca Firmeza dos Anjos Carvalho
.
Elle um preventivo seguro e certo contra
a calvicc,
Elle d e restaura for?a e sanidade a pelle
da cabera,
Elle de prompto faaeessara queda prema-
tura dos cabellos.
Elle d grande riqueza de lustro aos ca-
bellos,
Elle doma e faz preservar os cabellos em
qualquer forma e postcSo que se deseje
n'um estado formoso, liso c macio.
Ele faz crescer os cabellos bastos e com-
pridos,
Elle conserva a pelle e o casco da cabeca
limpo e livre de toda a especie de caspa.
Elle previne os cabellos de se tornaren)
brancos,
Elle conserva a cabeca n'um estado de fsej
cura refrigerante e agradavel,
Elle nSo demaziadamenje oleoso, gordu-
rento ou pegadico,
Elle nao deixa o menor cheiro desagra-
davel,
Elle o melhor e o mais aprasivel artigo
para a boa conservac3o e arranjo dos ca-
bellos das senhoras,
Elle o nico artigo proprio para o pen-
teado dos cabellos e barbas dr>s senho-
res,
Nenhum toucadr de senhora se pode con-
siderar como completo sem o
O CABELLO.
Tnico Oriental
o qual preserva, limpa, fortifica e aformosea
Acha-se a venda nos estabelecimentos de
A. Caors, I. da C. Bravo i C. P. Maurer
& C, M. Barbosa, Barlholomeu d- C, c em
todas as principaes lejas de perfumaras
e boticas.
Aluga-sc a primeiro andar do sobrado
sito na ra Direita n, 93: a tratar na tra-
vessa da Madre d* Deusn. 2i.
Lava-se e engorama-se com ranita perfeico,
assim como prepara-se comida com asseio : na
ra da Soledade n. 46.
Precba-se de um portuguez que entenda de
hortaltca : na ra da Gloria n. 89.
XAROPE DEFHDEG950, DO PINTO
ilcaciave ;.-'. trenle niam-
viihosa cmo cnlrr unledosYstenia nervosot$
applicado conlrn a paralisia, aslhraa, tM|p
convulsa ou coquclurhe, losse n cenes ou a-
ligas suflbcaci-s, catarrhns brom hicos,*!-3*
a Unal contra lodoe os solTrimenios das i
ha, c na phlisicn pulnionar,sua\
lude con Ira o telano ou espasmos, e con vu Icu^
incon!eslvel eningem ha que oilesconfafl.
nico deposito, n:e larga do RosJrio. n. 10,
junto no quarlcl de poKeiav Ptsrnambuco.
-Continuadamente se nos n presentan; novas
testemunhos daefCcacia do fedegoeo Peroam-
buco.
PILDLAS, VWHO E JAROPE
PE
BA
M JIRURK
n%tx't*t ftio raitatck'irrico
JOIQI IM |E ALMEIDA IM\TO>
As preparncocs ilc ju rubeba s4o hoje vant*
josamenlc conhocidis e prconisadas pelos
mais habis mdicos, lano da Europa como
do paiz, pela sua efficaeia nos casos de anemia,
chlorozo, hydropesia, obstruccao do abdomen,
e tambera nosdemenstruai;aodifnciI,catliarn>
na bexiga, ele. ele.
Vendem-se em porco e a retalbo na cidada
do Recife, pharmacia do seu compositor, ra
larga do Rosario, n. 10, junto ao quartel da
polica.
PINTO PHARMACEUTICO
XAROPE DE SALSA PARR1LHA DO PARA,
ou
DEPURATIVOdoSANGUB
Usadas as molestias de Pelle, impigens, dores
rlicumaiicas, e ulceras venreas.
^'A LARGA DO nOKARIO, 10.
Precisa-se
de um menino de 11 a 16 annos para caixairo de
loja de cera ^ na_rua_do Livramento u. 36.
Ama
Na ra do Codorniz n. 8 (Porto do MaUo) pre-
cisarse de urna ama que saitia cozinhar.
JteNcao
J':e Joaquim da Silva Gomes pede ao sanhor
que me tronxe da Parahyba cartas pelo tporP-
rapama, o favor de as ir entregar em sea es-
criptorio, ra da Cadeia do Recife n. 551, ou an-
nunciar sua morada para ser procurado.
Urna pessoa, proprietana de am si-
tio n'um dos arrabaldes desta cidade com
ptima baixa de capim, olera e casas para
passar a Testa o qual acba-se avaliado por
25:000^000, precisa por algum tempo da
quantia de 12:000,5000 juro rainavel.
dando por garanta o dito sitio; quem
quizer fazer esse negocio, queira deixar
tiesta lypograpbia, em carta fechada com
a lettraB, as condc5es, sua morada e
nome.
Joaquim Jos Gon-
(jalves Beltro
RA DO TRAPICHE N. 47, i. ANDAR
Sacca por todos os paquetes sobre o Bao
so do Minho, em Braga, e sobre os sep^iiD-
tes logares em Portugal:
Lisboa.
Porto.
Valenca.
Guiarles.
Cormbra.
Claves.
Viseo. *
Villa do Conde
Arcos de Val de Vez.
Vianna do Casteilo.
Ponte do lima.
Villa Real.
Villa-Nova deJFamalicio.
Lamego.
Lagos.
Coiilbaa.
Vassal (Valpassos).
Mirandella.
Beja.
Barcellos.
SEGUROS
MARTIMOS
CO\TRA I <><-<>
A Companhia Indemnisadora, estabelecidi
esta pra<;a, toma seguros martimos sobrt
navios e seus carregamentos e contra fogt
em edificios, mercadorias e mobilias:
rna do Vijjarion. 4, pavimento ter eo.
AMA
Precisa-se de nma ama que saiba cozinhar bem
para caa de familia : a tratar na ra Bella nu-
mero 36.
Preci-a-se de um menino bra-leir de 13 a
tt annos de idade, que tenha ou nao pratica de
taberna : na ra do Pescadores n 43.
Na ra da Moeda n. 5, i" andar, escriptorio
de Manoel Al ves Forrer A C vndese vinho
verde superior em barris, anceretas com vinho do
Porto superior e malvazia branco.
Acha-se depositada nesta subdelegada urna
pulseira de ouro : quem rat sma, compareca nesta subdelegada, que dando
os signaos, Ibi- ser entregue.
Freguezia de Santo Antonio 11 de novembro de
1869.
O subdelegado em exercicio,
Augusto X. de Souza Fonseea.
Aiuga-se
urna casa no Monteiro ou Apipucns por um anno,
pagando-se adiantado : quem a tiver nesta con-
dicoes, dirija-se travessa das Cruzes n. i A, loja
de calcados.__________________________^
Aviso.
Joaquim Pereira Arantes, com loja de calcados
na praca da Independencia ns. 13 e 15, roga a to-
dos os seus devedores de comas antigs que ve-
nbara pagM- ateo finido anno corrente, sob pena
de, passa ndo as ferias, entregar a seu procurador
para receber judicialmente.
PRIMEIRO E mim L1YR0S
LEITURA
PARAUSO DA INFANCIA BRASILEJAA,
PELO
Dr. A. Cesar Borges.
(2- EDICAO MUrTO MELHOR ADA B
AUGMENTADA)
Estes dous hvros, resultado de grande expe-
riencia e estudos especiaes do autor, vierajrf sa-
tisfazer a urna das mais instantes necessidades da
instruccao primaria, e por tal forma que, pelos
governos de quasi todas as provincias leem sido
adoptadas para as escolas publicas, assim come
por grande numero de professores particulares.
primeiro Uvro (absolutamente diverso das
cartas vulgarmente condecidas pelo noro de A
BC| t composto segundo um systema natura],
philosophico e ameno que aos meninos feeitita
extraordinariamente o conhecimento da leiiurt,
tornando-lhes muito mais rpidos, e < uito menos
penosos, seos primeiros, tmidos e vacilantes pat-
os na vida litteraria.
O segundo litro consta de mnitos artigoe, eon-
tos etc., todos 4ao breves como convem i fogat
altencao das erbmeas, e estf iptos em linguage
e estylo apropriados frarirjaeza de sua intelli-
gencia.
E de raaneira combinadas nelle se arham a
materias que, ao mesmo passo que vivamente v
tiressam e deleitam os pequeos leiiore, lex-ara-
Ihes e implantam-lhes no espirito e no coracao fe-
cundos preceitos de moral, inspirando-Ibes, desde
logo, com o gosto da leitura, o amor da virtud1
e a repugnancia da do vicio.
Sio ambos estes livros ntidamente impressos e
eh'gantemente encadernados em Paris, e contera
estampas finas representando os assumptos dos
contos ; o que os torna mais convidaiivos aos me-
ninos c muito proprios para prsenles ou premio
dos mesmos. .
fkintem domis o segundo dous bellos hymno?
com msica para o comeco e llm da escola.
Rpcommendamo-los pois confiadamente aos se-
nhores pais de familia, e profesares que ainda es-
nao conheeem.
Primeiro livro. 500
Segundo 24000
A VEiNDA NA
Livraria francaza,
_________9-RUA DO CBESPO-9_________
Precisa-se de um caixeiro com pratica de
laberna : a tratar n ra da Cadeia-nova n. 7.
Xa ra Direita n. 120, 2o andar, ha para
vender urna e-crava crioula, bonita figura : quena
precisar dirjase rucsina, que achara com quem
tratar._________________________________
Precisa-se de urna ara: que sai ha comprar
e cimitar : na ra larga do Rosario n. 21.
Precisase de urna ama para servico de duas
pessoas: na rna Augusta n. 74-
Ama.
Precisa-se de urna ama para comprar e cozi-
nhar : na ra dos Gurarapes, fabrica de sabio
n. 4S.
Para familia.
Duas casas reunidas em nma s, raladas e pin-
tedas de novo, ra do Destino us. 2 e 4, anda
eslao por alugar, com um grand- quintal, cacim-
ba, ttc. : trata-so na ra do Hospicio n. 28.
RIJA
IDO
C
CABUG
esquina
AO AIHL DE OURO
I.IM1 MBK
Este importante estabelecimento no seu genero, tem sempre um sortimento sem igual,
. e vende por prepos qne nenhuma ontra casa p da rna larga ao ^ ^^ ^a quaae e 0 preQo das joias cada um pder-se-ha convencer da verdade.
Garante-se ser tndo de lei. Compra-se onro, prata e pedras finas por presos mito ele-
vados, yfl i
A loja esta aberta att as 9 horas da nonte.
Rosario.
RUI
EO
CABDA
esquina
da rna larga do!
Rosario.

r.

.


rnambuco Sacado 13 de ^ovembro de .1869
rrr
rr y"'
Mikroskope acbroma-
tiseen. ObjaivLirr^^ \}
Barmetro e termo-
metre. Centgrada
e reuumeure.
OCGLOS PERISCPICOS
E crystal de rocha do Brasil.
F. *. fc^riHaoB, recommenda ao publico, seas vidros periscpicos aperfeicoa-
dos; porque, coa este vidros, avista descanca, fertifeawse e nao a canea como eom
os vidros ordinario. Urna vez escolhido um vidro, pode dnrar dez annos, emquanto
que, com os videos ordinarios se esl obrigado a muda-Ios todos os annos e os ter
cada vez mais grosso, o qate altera o crystauno do lbe e determina quasi sempre do-
res de cabeca. O alcance ordinario da vista perto de 36 centmetros do lho, e,
todas as vejes que o objato est mais perto ou mais looge, os raios que expelle s3o
mui convergentes ou ui divergefttl e a visad nao perfeita. Um grande numero de
pesseas tem, o deJeito de Caaer eowergr muito de sorte que a visad n5o d6tincta.
Com a applioacao de mea vidros pdese vencer estas diffictridades. Para os que tea
a vista curta e cujo crystalino mui convexo (o que fez ver bem, de perto, e mal de
longe), o que se chama myope, puf meio de um vidro concavo affasta-seo ponto de
vista, o que fae divergir os objeetes e deixa ver to longe como as outras vistas. Quan-
do o crystalino muito chato, o que succede aos que km chegado a urna certa idade,
o que se chama presbyta, vem melbor de longe que de perto, e n5o enxergam seno
um Beveeiro na distancia ordinaria da vista; com nm vidro convexo, estes enxergarao
to distinctamente como na idade de 15 annos. Servindo-se destes vidros quando e
vista principia eufraquecer, previne-se o mal.
F. J. tieruumu encarrega-se pela sua experiencia, tendente aos. olhos, a es-
colber, a primeira vista, soja qual for a-idade egro de vista, oculos propiios para
qualquer pessoa, .
Para que sao fabricados estes vidros ? ?
Para a vista myopc, (vista cauta). _
Para vista que se cobre de nuvens.
Para a vista que por momentos, v es-
voacar pequeos pontos negros.
Para a vista que as palpebras tremem
de flaqueza.
Para a vista que os olhos sao desiguaes.
Para a vista quo se tuna cora o traba-
Rio e a leitura.
Para a vista presbyta (vistagalon ).
Para a vista que nao supporta os
solares nem grande claridade.
Para a vista operada da catarata.
Para a vfefe jquo as palpeBras esto cer-
cadas de saogjM-
Para a vista que um dos olhos myope
e o outro presbyto.
Para evitar analmente que o crystalino
do olbo se cobra de catarata.
mmm mm
Nova toja de ea JOAQULM m* ftOS SANTOS A G. acatan de abrir tm ettatofetpM* o*-
gado estrangpirn a ra Nova u. 30, nade o pabhxo encontrar todo o qne aest* la-
nero de commercio ha. de melbor e de mais gosto em Pars e Londres.
Por tedas es vaperes traraatlanticos receberao elles cflnafemtamanta remessaa da
calcado nwo, elo que tera seenpre o esiabelecimenio o que a respeito se fde eli-
gir. Ao pulieo eaa geral e a mus amigos em particular, pedem a cooperarlo que
Ibes poseam dispeasar, certos de que serlo servidos com lealdade.
Sotnraenio de binculos
para tbeatro, e oculos de
alcance para o campo e ma-
rinha.
'BS Kr*
Lunetas, pfnee-nez e
face--main, ouro, prata,
tartaruga, bufele, ac,
etc., etc.
Tem tambera grande sortimento de relogios para parede, que dad horas e para
cima de mesa dos mais lindos rnodsk) Relogios para atgibeira, de ouro, prata, prata
dourada efoleada, inglezes, sois* e orisoritaes dos melhores e mais afamados fabri-
cantes.
Vendas em grosso e a retalho. Em Pernambuco.
N. 21=Bua (ovaN. 21.
1' .*

8rBoa da Imperatriz9
be volta de sus vagem a Europa onde visitou as mais afamadas fabricas Unto
ero Paris como em'Lendres, Vienna, Berln, Ilamburgo etc. e tendo-se relacionado
eetn os mais celebres fabricantes como Herz Soheel, Bnvd. Peyel. etc. o proprielario da-
felle estabeleciraento esptty. venda algnns destes celebres instrumentos e assevera ao
publico, em particular aos seus freguezes que elles, alera da perfeicio e esmero do sen
arabalho, reanem em si toda a elegancia, solides a harmona,
'Esta casa est atontada em grande escala e pode- fazer todos os concerios neces-
mss, pow o seu pruprietario trouxe oonsigo da Europa todas os utensilios necessarios.
Continuar poie, a aHugar, afinar e concertar, como de costume, com o maior
esmero e promptidio.
OBTFM-SE COH O USO Di
TSJECTION LHOSTE
tnica hygieniea radicalie nfaUivel na cura das gonhorras, Sores brancas e flu**
^etoit espeok recentes ou chrouieos, e que oHerece como garanta da sena sakitares **
hados a airtjga e continuada applicaeao te-delta, nosibtspitaes de Pars com preferencia a todas as mais conhecidas.
UNi>.DBfOSJTO PARA O

tBBASIL
SUS. BABTHOLOMEU i K
i4rSua Larga do Rosario34
> *-
itmu dos mam
16RA DA CRUZ 16
Ha diariamente bollinhos para cb, bollos inglezes, p3es-de-l. presnnto, dito
fiambre, superior cha Hisson, dito preto e miudinho, xaropes refrigerantes, vinhes en-
garrafados, doces en calda, ditos seceos e cribtalisados, figuras para^bandejas (pbantazia
e norvado) caixiab^s com amendoas para preco commodo.
Kecebem-se encommendas para bailes, baptisados e casamentes, aa encom-
mendM paia fora serao bem acondicionadas.
Plan pudding.
Apre cot. puld. Warranted superior qualit.
FABRICA DE PIANOS
____ DE
J. Rhigass, successor
55Ba do Imperador65
Jesta anufa e bem conbecida casa, encontrar-se-ha como outr'ora grande sor-
timento de pianos construidos xnressamente para o clima deste paiz, e Mr. J. Rliiass
leudo tcnbalnado mwtos annos na cowtrucco de pianos em Paris, acha-se habilitado
a preparar os pumos que vende com toaos os accessorios indispensaveis nao s sua
solides, como sua dtiracSO. Todos os pianos sSo garantidos.
Tambem ha ueste,estabelecMoento, grande variedade de nlusicas novas e dos
melKores autores, tanto viadas de Paris como do Sio de Janeiro, que se vende mais
barato do qud em onlra qualquer parte; assim orno ha" igualmente venda todos os
obieetos necessarios i entracclo de pianos. 0s concertos e allnacoes de pianos serlo
Jeitos com o maior seto -e cuidado.
ARMAZEM
EXPOSIQAO DE LONDRES
60RA DA CADEIA DO
PARA ACABAR UESTES DAS
1

>

os
i
?

r
ANDRE DELSUC
CABELLE1RE1BO
57 A Ra do Cre^p0V an<*ar ^ ^
ENCONTRAR-SE-HA sempre nesle estabelecimento um variado o.bonito i
ment em perfumaras francazas e inglesas cuja lista damos aos leitoras.
LUVAS Marca garantida de JOUVIN.
EXTRACTOS.De suparior qualidade marcas LUB1N GOSNELL.
DITOS PINOS.era frasquinbos proprios para presentes Lubin & Gosnell.
POMMA&ASBanha fina de varios cheirosLubin.Gosnelle, Societ Hygiaiqaa
SABONETES.finos para toiletteLubin d Monpelas.
AU DENT1FRICE.agoa para limpar denlesSociet Hyginique Lubin 4 K
fierre.
BRILIfANTINA.para lustrar a barba e os cabellosLubin.
AGUA DE COLONHA.Marea verdadeira de Joao Marina Farka.
COSAETICO.ebeirosoLubin.
POZ DE ARROZ.ditoLubin.
HU1LE DE SENTEURCMeo para conservacad des cabellosSociete Hyginiqae-
ESCOVAS FINAS.para cabellos, denles e unhas.
BLAIREA.Pincel pasa barba.
GRANPOS para cabellos.
RE OES IN VIS! VEIS para cabellos.
GRAVATAS LINDISSIMAS.-do melbor goeto.1.
BENGALAS.de phantasia, para passeio e de diversos tamanoos ele., etc., etc.
A la parfumerie ^arisienne.
7 A RA DO CRESPO l.' ANDAR 7 A.
GASA FELIZ
Aos 20.000^000
!V Recite are da CoaceleSo a. t
Os abaixo assignados tendo-sa habniudo na
forma das leis, tem exposto a venda os seas feli-
zes bilbales das loteras do Rio de Janeiro, na casa
acuna, sonde so pagarao as aortes aue sahirem
nos meamos bilheies, com o descont soineole
da le.
PRESOS.
Bilhete inleiro JOOO
Meios J2|000
Quartos 6*000
Ede 100* para cima a 223 o bilhete.
Figuoiredo & Leile.
AVISO
*
'-oslnados para camas
demetal do mais fino
de ni tsicas, di las
acabar ; ano
apparelbos
salas, dita, para ^C?*^^^
ditas para bater ovos e bollos, granda vaFcdada lo porcelanas, como, vasoa par tnitettp, apparelbos fw n^sa etc.. ^renlas obieeta de i-iaVn lamo a- lnavrii
PJ *. I^ter.,as para cima de esa. escarbadores etc., uns excelentes ofres de ferro? e^mnide SS?5e ^ ^
|uadros..nca ca.xas para retratos, Um muco de idade de 17 annes, cum muito
bom taino de letra, >abendo arithmetica, traduzir
franoez o ineiet, offerecese empregar-se ea^|
giima casa de commercio, dando fiador a sua cfn>
anota, ee ftw preciso : quem precisar dirija-se
ra da llatrit da Boa-vista n 16, 1* andar, onde
se dar mfnnnaeles a respeito, ou annuneie po
este Diario para ser procurado.
tea pira quadros talagarna
;, ..smorama, I .nternarmagicas'para "dmenlo em^^^^
?2tt3Jlrl J^T^^Jll taF^s e para^ deitar vasos em cima da mesa.rel.^o para ma de ra !da pa ede ^^^lgi^^lZ^^Zlel^r^
Ufa praca da Independencia n. X se da dl-
nheirr sobre penhores de ouro, prata e pedras
{treciosas, seja qual for a quanda; e na mesma
sw seoimpra e vende objeeto de euro prata,
e igualmente e faz toda e qualquer obra de en-
cotBroendT, e lodo a qualquer concert tendente
Ataca-se
^ hallas ^ ^ a,,De,ra8- r,c?8 "^^J^.J^^ wrtnento.d'miudewaa hHMaedoapara rianca^Wc^ em Beberibe: iraur com J. X. *.
-SU, Dengaitab, camasae rerrode diirere:its umanhos, 'avatorms. stereocospo*. co*morania etc. ew.,-faaieri pawaiaLao-comprador: aauiloe o^roa atSns se Tandaraam0. *> Commercio d .M.
wasto barato para inieiramente acabar, no armaseni EXPOSlCAo DE LONDRES *-am omw atajea q w fasaerat
60-IH1A IH C4MH M KE|-6 W
Rogase ao Illm. Sr. Ignacio Vieira de Melle
escrv o da "idade de Aazareth desta proTtadi,
o favor de no praso de 13 div vir os mandar a
ra dn Imperador n. 18, para concluir aquello
negoeio, que ba 4 annos ja foi por esto me;mo jpr-
nal chamado para o concluir, e que arudima a
aquelle annuneio asseverou realisa-lo em 30 dlaa
e de novoesqneceu-se delle I 0 amuncianlB sa-
pera que S. S. o dispensar de- vir anda ao arete
para este fu, mas se for a Uto abrigado porfi. S.
ser preciso explicar a raiao deste ehamado, a/a
parece ao annuncianle Ibe nao ficar airosa tal pn-
blica^to. Reeife 16 de outubro de 1869.
No mais cabellos bran
A tintura japoniza para tiogir es cab^
da cabeca e d barba, foi nica admif
Exposifo Universal, per Wr sido
nhecda superior todas ae preparacoefia
boje existentes, sem alterar a sade.
Vende-se a 10060 cada fraseo na
Una da Cada n* 51,
1. andar.
ffaraa da(Gonr^cSo a.' pretlWa-a* alnaar
doos escravus %tm : a tratar na nieama /*^Sai "**
8 hora da Urde em /Uaate,
PrecKa-se de um oficial o> cbapeleiro : a f|ft
tar m nrsaa di IndepenoVnria ns. 4 9 6.
LaraafH-
Precia-w de nni criado : na roa
ras a, 8, hotel CommerciaL
WSM


de Pemambuco
i
13 de Novcmbro de 1869.
i
CASA DA FK.
Aos 20:00(^000.
Bilhetes do Rio venda : na 4o QtfiOg u. I,
vende Vieira & Rodrigues. .
Bcberibe
i
Precisa-se de ema eosinhdra
Joia-, ra do Cabug n. 4j
LW\ DE JOIAS
1)E
H
Aluga-se na povoaeao ama casa coni trastes:
na rua da Imperatriz n. 15. _________
Mugase duas casas na ilha do Iluliro (Jnn:
lo a ponte da Passagem da Magdalena), lugar mui
sadio o fresco, una della de bastantes commodos,
tendo j banheiro frito para se tornar banhos ; a
tratar rom o Sr. Luiz Manoel Rodrigues Valenra
ra das Trinchriras n. 50, Io andar.
- Alugam-se duas casas terreas sitas no Man-
jruinlio a raargem do rio, recomincndaveis pela via
frrea : a tratar na rua do Vigario n. 31.
AMA
no Mu-cu de
Casa para alugar
Aluga-se para passr i festa ou por anno, urna
casa na ladeira da Misericordia, em Olinda, cem 3
sals, 5 qaartos, eoztnha fra, terrac/is cora assen-
tos de pedra e cal, na frente e atraz, o bom quin-
al cercado : a tratar no largo do Terco n. 11
Ama
Precisa-se alugar urna ama, que saiba
bem cosinhar e comprar, para urna casa d
duas ou tres pessoas. Requer-se que seja
de mnito bons coslumes e diligente. Se
tiver estes predicados, paga-se bem. Diri-
dir-se roa Bella n. 30, sobrado de \i an-
dares.
Sabo de alcatro
Para enrar as molestia* da pello
tacs como empingens, darthros, sarnas, romiclibes
o-ma'i molestias de pelle, sem occasionar acciden-
tes ; destaz as manchas do corpo, pannos, sardas,
reslabelece a cor natural, quanto a culis, secca,
grossa c araarellenta, occasion.indo por alguma
eofermidade, e como desinfectante e preventivo
das molestias contagiosas.
NICO DEPOSITO
Botica do Pinto, rua larga do osario n. 10, junto
ao quartel de polica.
Precisase de urna ama para casa de pooca
'amiba : a tratar na rua estreita do Rosario n. 36,
*V> andar. / \
VI
14
Este antigo estabelecimento. completa-
mente reformado le novo, est as condi-
poes de servir vantajosamente os seus fre-
guezes, visto que acha-se prvido com um
exilendido sortimento de obras de ouro e
prata de lei. assim como brilhantes e ou-
tras pedras preciosas, cujos precos sao os
mais mdicos que se pode encontrar.
As joias compradas nesta casa recebem-
se em troca ou compram-se com pequeo
abate
5 RE DO Cllll ! OLIVEIRA ttARVALHO
Suceessores de Reg &Moufa.
24-Rua Nova 24
Os propietarios deste novo estabelecimento fazem sciente ao publico, que
acabam de receber um perfeito e variado sortimento de pannos Anos, casemiras, brins fi
outras militas fazendas de gostos modernos, as qaaes veodem por precos ratoaveis.
s mesmos scientific'm que tendo admittido para siia oflicina de atfaite, um mista hbil
no desempenho de sitas ronceos, recebem qualquer encommenda de roupa por medid)
prometiendo satisfazercm, com poolualidade e presteza qualqoer pedido neste sentido.
AS BOUBAS CURADAS
E
Todas as molestias syphiliticas.
PELO
. ELEXIR DO OR. SEVIAL
nico depurativo sem mercurio que tanta aceitacao tem meieudo no Bra-
sil, as repuWicas do sal e na Allenanha especialmente para cura das boubas,
sarnas, rheamatismo, tedas as molestias syphiliticas e em geral todas aquellas
provera da enpurcza do sangue.
NICO DEPOSITO
NA
Ffcarmaeia e dragarla.
DE
Bartholomeu d- C.
S-I-Rna Larga do Rosarlo 4
mmwmmmmmmm wmmm
Na rua Direita n. 16, sobrado, lava-se e engom-
nia-sc tanlo para hooiem como para seohora, por
com modo preeo.
Joaquim Ferreira dos
Suntos
professor de dansa, natural de Portugal, chegado
a pouco da Europa com sua esposa esta provin-
cia, tem a honra de participar aos seus Ilustres
habitantes e mui principalmente aos pais de fami-
lia, que contina a leccionar em dansas com todas
as regia*, as tercas e quinlas-feiras, das 5 horas
da tarde s 10 da noite, em sua casa na rua es-
treita do llosario n. 31, 2o andar, e nos domingos
de rnanbaa para todas as pessoas que nanpodem
vir nos 'entras dias, sendo a licao nos domingos a
noite geral para todos. Tumben! se premplifica
ir aos collegios e casas particulares nos outros
das. ________
Feitor e cozinheiro
Na rua Nova n. II, ou na rua do Ouro n. 30,
precisa se de um feitor que saiba tratar de um si-
tio, assim como de um bom cozinheiro, preferindo-
se estrangeirus.
O Sr. Lachare! Joaqoim Cordeiro Coe-
llio Cintra queira apparecerna rua do Hos-
picio n. 8i, negocio.
EMPRESTIMO SOBRE!
na
pri-
Compauhia de seguros martimos lilidade
Publica.
A direccao de-la companhia em enformidatc
com os estillos, convida aos Srs. accionistas a se
reunirem, ^egunda-feira lo du correte ao ineio
dia, em seu escnptjro a rua da Cadeia do Rccife
n. 42. occasiao em que ser apresentado o seu
rclatnrio e as contas do prsenle anno admlnis
trativo.
tecife 11 de novembro de 1869.
Os directores,
Feliciano Jos Gomes.
___________Thomaz Fernandes da Cunta.
m
Temos noticias por um passageiro chegado do
sul, que em breves dias chegari em nossa capital,
um Hiasico |H3r nome Mariano Sanns Estin rival
do celebre, Mr. Hermann, desejamos que chegue
om felicidade.
til
Precisa-se de orna njnhVer forra ou captiv pan
ngommar o easaboar em ama casa de familia : a
tratar do 2o andar do saferado n. 18, rua da Ca-
deia do Rerife.
CABRIOLE!
Compra-se um caliolet de 4 radas e 4 as en*
tos e que lenha arrekis para i cavados : aa rua
da Cadeia armazem n. 31, se dir quem prorisa.
ATTENCAO
0
Na loja de funitaria da perla larga rua da
Imperatnz n. 65, lera um grande sottimcnlo de
candietros e lamparinas para gaz, de lindos gestos,
e obras de funileiro, lendo 4 santuario do gosto e
bem acabado, assim como vende bombas, tornei-
ras, etc., e encarrega-se da-eneanaoo d'agoa para
qualqacr casa, ou estabeleoimento, tanabem vende
um bnflito e modernt fogan inglez, ais s cozinfu
com toaba como om o cwvo. Na tnesma lij
ciinc*rtam-se todas as obras de eacanamento e
machina de costura, aseverando que acharad
sempre prompto a servir -bem os mus Ireguezes .
a tratar na mesma loja a qualquer era, que ser
attendido.
O testainenteiro do fallecido subdito francs
Jnao Vignes, convida aoe devedures do finad* a
saldaren) seus dbitos am4gaveimeale,do coatrario
sero-ajuizadosein excopcao aguasa.
0 MUSEO DE JOIAS
HT
zn
c^_
GOMES DE MinOS IRMiOS
tendo feito completa mudanza em seu antigo e
acreditado estabelecimento de joia, com ofimde
dar-lhe maiores proporpoes e elegancia, convidam
ao publico em geral e com especialidade as Exms.
Sras. de bom gosto a comparecerem pessoalmente | C/^
das 6 horas da manhaa s 9.da noute na
RUA DO CABUG N. 4
onde eiicontrarSo um completo sortimento do que ha de mais legante,
bello e precioso em brilhantes, esmeraldas, rubins e tudo que em obras
de ouro, prata e platina se pode desejar.
ADEREQOS DE BRILHANTES, ESMERALDAS E RUBINS
de novos gostos, assim como grande variedade de salvas e paliteiros de
prata contrastada e de gosto ainda nao visto, e completo sortimento t
objectos de prata pam uso das igrejas,
Comprara e trocara ^nalquer joia ou pedra preciosa e garanten*
a qualidade dos objectos vendidos.

(SEM LIMITE:)
Na IniYPssa da
Crnzes n, 2,
meiro andar, da-se qna-
qiior quanlia sobre ouro,
prata e pedras preciosas.
0 dono deste estabelecimento,
competentemente autorisado pelo
governo, est as condicoes de ga-
rantir a tranwtccao que se fizer em
sua casa, prometiendo todo o zelo
e consideracio s pessoas que se
dignaren] de honra-lo em seu esta-
belecimento.
Na mesma casa compra-se ouro,
prata e brilhantes.
CAS\ DA F08TINA
Aos 4:060
Billwtes garantidos.
A rua do Crespo n.23 e casas do costme.
O abaixo isaignado, leno vendido alm de ou-
iras sorlaj, dorts juarlns n. 3188 cora 4:000* da
lotera <]fc se aeabnn do exiraWr a benefleio da
igreja d jNos-a Sonhora da Soledade do Rerife
(lloj), envida au$ possuidorcs virora recebor
na confurmidado do cnstunie sem descont algum
Acham-se a venda os bilhetes da l' parte da
olera bcnelino da igreja de Nossa Senhora do
Gnadelti!* de Olinda (l6'), (|uo se extrahir sab-
bado 13 do torrente iiioi.
Precos.
Os do costa ii ii.
Manoel Martms Finza.
Attenpo
Na na do Corredor do BLpo n. 53 precisase
altigar orna sscrava para fazor compra?, cozinhar
e mais serviros internos, nao se olba o prego : a
tratar na mesma.
Precisa-se fallar com o Sr. Hulino fhoiaz
de Aquino, genro do Sr. Manoel Jos de Soaza, a
negocio do seu interesse, ou saber-so o logar de
sua residencia, na rua do Queiraado n. 46, p.imei-
ro andar.
Attnco.
Precisa-se de urna ama forra ou escrava para
casa de pouca familia. paga-?e bem ; e jnntamen
te de um menino do 10 a 12 anuos do idado : na
ru:i de Apollo n. 3G, 1" andar.
m
Blos para casamentos
35-Rua esfreita doRosario-35
No priineiro andar, preparam-se bandejas com
dilTercntes armacoes, bolinhosde diversas qualida-
dcs.'eiifeitalos ao ultimo gosto, com boquetse fl-
tas, com disticos aooro ; a se doc.es de todas as qualidades com perfeican e
esmero, podias, filos inglezes, pndelos, e as" do-
mis ignarias proprias do dias festivos ou presen-
tes, oruados ou simples. Tanibcm se fabricara fio-
res de todas as qualidades, quer sejam de panno
ou cora, e tudo quanto for tendente flores artili
ciaes, desde a rosa al os arcos para ornamento
de imagen?, inclusive ornamento de velas para
tapiados ; armam boquets de cravos ou llores
naluraes para casamentos cora Atas ou sera ellas,
etc. etc. : os pretendentes devem vir em lempo
fazer as encommendas, que ser garantida a per-
fclco exigida e por commodo precn.
Attenpao
Precisa-se de una negrinba para andar com
ama enanca em casa de familia : na rua de Hor-
tas n. 94, sobrade1.
AVIS
Nous piions instamment nos aboBns de
nous faire parvenir leurs ordres de renou-
vellement de journaux potir l'anne 1870.
Le catalogue complet des journaux fran-
fais, anglais, allemands, portugais A av. c
les prix A- conditions d'abonnement est
la disposition de toute personne qui nous
en fera la demande, l'ernambuco S no-
vembre 1869.
De Lailhacar & C.
9RLE D CRESPO9.
Urna pnrtiigucza de intuito bons costumes en-
tendendodeen^ommado, costur.is, bordados, ins-
truccjto primaria, francez, msica etc., se offerece
para casa de familia, modista nn mesrao para al
'jum engenho perlo desta cidado para servir a
sanlioras on encarregar-se da educaca i de meni-
nos : nesta tvpograpma se dir com quem se
trata. ________________________
Procisa-so de deas amansadores de padaria
nos Montes : a tratar aa rua das Cinco Pontas nu-
mero 82.
________
COMPRAS.
indandorse em.3i ic dezembro prxi-
mo as assignaturas de jomaes de Europa
UU ano de 1800, -contidamos pois nossos
aflifnaDtes continuar j$ara o anRo de 1870, com as
mesnias latras e mais escolfter algtuo outre
peridico.
Nete-fim- temos offerecer qem pre-
cisar ocalhalogo fiu lista de jornafs france
zes, inglfzs (Nemes, portogaezes, ele
indicando os presos e condicSes das assig-
ntkiras, Pemambuco, 5 de novembro de
Mtft
De Lnhamr & C.
9MJA DO CRESPO9
Antonio G>wies da Costa Loite faz >ciente ao
rospaiawt corno do commerclo a quem mais
MSM iuteressar, que na pmsente data venden ao
Sr. Bernardino Machado Goethe a sua taberna *ita
no-becco Largo a. 1, livre e fie dtbRos e de qualquer oaus. Renfe 9 de aovem-
tro 4* 1869.
Saint) a auz e vende-se na livraria 4a
e Larlhacar A C.
0-UA DO CRESPO9
i
0 MUSEO DE JOIAS
PECHINCHA
Irtrtmmm Wmem t organd de cores, pelo baralissimo preco de 50o rs. o metro, iorr x%* wvado: na foj> as Columna m rua do Ccwpo.n. 13, d Aalwio Correa de Vasconcelos. ^ orresponae a u
00A DE COWTABILIDAOE ItERCANTIL O EMO-
l-\L DE CONTAS FE1TAS
Contend tabellas comparativas de cam-
bio do Brasil com a Inglaterra e co outros
paizes da Europa e Ame tea ;do valor
das mnedas mais conhecidas, eno moeda
^brasileira -;da converso dos pesos e me-
didas do Brasil, e de todos os paizes com-
raerciaes. aas do systema mtrico;dos
dias comprehendides entre duas datas e de
qualquer data at o Sin do anno. para cal-
ciio de agio, cambio e juros ;de fraeces
ordinarias reduzidas a deciaes ;do va-
lor das libras em proporcao da arroba ; e
diversos methodos de contas corantes com
juros, seguidos de ambas explicagoes. Por
ll.S. C. J alune-n. Mm-
auxilio fue eontaqjem prestam ae'ta-
bellas, de .neeontedda utHidade, apreieti-
tam os calculas j feito*, poupado assim
lempo e faciliando as cortas* e mesrao ser-
nde de revisar, O inteiresse deste liv/i-
nholego se coanece abriado qualquer das
vmie tabellas, i^ue elle contm, sao todas
de assamptos t3o vulgares e de-uao tSo fre-
queiHe.que se tornara uidispensaveis para
cambios, juros, valor de aoedas. peso
e medidas,e maos outros alelos ja fei-
los e todis seguidos de arapLs e clara
explcacOes, apresentando eseroplos para
melbor comprt'hensao dos menos versados
na contahilidade.
Mais barato que em
oulra qualquer parte
Prepara-ee omiaa pura Ibrt com asjeio e
promp(jdao : na rua estreita do Rosario n. 10,1
andar.
Compram e moedas de ouro e prata de to.
dos os valores, ouro e prata em obras inutilisadas,
brilhantes e mais ,ot*tras preciosas : na loja de
ouriyes do arco d*6antric3o, no Hecife.
0 niuzeo de joias
Na rua do Calinga n. & compra-se ouro, prata
a pedras preciosas por precos mais vanlajosos do
ue em ontra qualquer parte.
-SEI YKMR-
Compram-se e vendem se diariamente para fra
e dentro da provincia escravos de todas as idades;
cores e sexos, cora tanto que sejam sadios : no
tercoiro andar do subrado n. 36, rua das Cruzes,
freguezia de Santo Antonio.
Com o tuto maior vaniagem coiupram-se
moedas de ouro e prata : na loja de joias do Ce
ra Compram-se sedulas de 1 i e ojOOO: na
rua Nova n. 7.
!HB
VNDAS.
Vende-se verdadeiro cimento ; na rua da
Madre de Dos n. 2, armazera de Jlo
Martms d Barros.
Kp d Lisboa
Na tu uo Crespo n. 6 contina a ter rap de
Lis oa da melbor quabdade que tem vindo a este
mercado, chegado |telo iiltimo vapor.
Hotel Lisbonen e.
Vende-se o hotel da rua do Kosario n. It, bem
montado c com muia fregnezia, faz i imito negocia,
com arrendomento do predio pnr quantidade de
annos e oulms vaatagens que so dirao aos coin-
pradores, assim como o m<4ivo da venda.
viuho de caj superior
Acaba do clieg.ir do norte, e vende-se em bar-
ris : no escritorio da rua da Cadeia do Hecife
n. 10.______________
Vl Sermhien,4)istaiite da estar da via-ferrea tres
tegoas, com boas obras, moente e correnlo, de
ajoa, cupeifOi com boas matas e torras para a-
frejr jOOOpa s : quem o quizer comprar enten
da-se eotn eu pr prietario, na rua do Hoepisio
n. 34.

na
Se lo.
Novo refulamento do sllo ; vende-se na Bfra-
ao p do arco de Santo Antonio
Na Hvssa do Carmn n. 1, vende-se urna
bnita muaibmda de idade de 16 annos, tres es-
clavas para todo o servico, urna dita de meta ida-
ds per 350*, unta dita para engenho por 7(H).
una dita para do por 8004, um oscravo para te-
do servico.
A VEIDADE
55Ruado Queinuido__5o
A VERBADB tendo em depo-1* y
quantidade denindezase perfomarian, e de-
sejando apurar dir.heiro e adqa6fr ba fre-
tfuezia est rssolvida a vender n! barato, ; por essa razao convida an rospei-
tavel publico a vir eompclontMni'xle muni-
do a sorlir-se do bom e barato. Pois quan-
do a Verdade apparcen, tudo mais des-
apparecc....
Grande sortimento de bonecos de -cera e
massa as mais lindas possi veis vestidla ca-
rcter.
Abotoaduras moderuas para col
letea....... .320
Espelhos donrados pepnenos. 260
Agulhas de osso para crox a 200
Pentes para regac com esntas a 320
Ricos globos para candieiro de gaz a l 800
Chamins a....... 320
Grande sortimento de objetos de
louca para brinquedo de menino 100
Garrafa con) tinta a..... 600
Hita com agua florida verdadeira a a#30
Dila com -lila dita a ijjfib
Frasco com oleo de babosa a 500 o iu
Ditd cota agua deCubraia a l>0 e BOO
Garrafa com agua divina a. OSoO-
Frasco com extractos linos a \SO00
Latas pequeas com baulu muito
lina a 12" e......' 160
Sabonitt's de diversas quali lades a
80, 160, 240 e.....d 32v
Finas escovas para denles de 120 a. : fiQO
Lindos coques modci nos a. 2^000
Pavios para gaz, du/.ia a 240 e .320
Escovas para fado a 5i 0, 600 e 700
Ditas para cabello ..... t S00
Pentes para tirar piolho a 160 e. 240
Brincos de cores, bonitos a 160 e 200
Pegas de tranca de 15a cora 8
varas por....... '80
Oleo para machina do costura,
frasco a........ 600
Pennas d'aco finas caixas a 800 e
Dita d"aco Perry, caixa a. .
Galn de algodfio peca ....
Lindos babadinhos e entremeios
peca de 500 a......
Diios de louca muito fino a 120.e
Ditos para calca a 10 e. .
Caita com papel amizade a. .
Ditas com envelopes a. .'
Ditas com obreias a.....
Caixa com agulhas fundo dourado
Ditas de ditas ditas a.....
Thesoura para costura, a 240 e
Caixa com linha de marca a .
Linha de cores em novellos (li-
bra) a........
Carreteis de linha Alexandre de 70
at 200. .......
Grampos muito finos com passa-
ros, duzia a...... 24
Carlas portuguezas, duzia a 1400
Ditas francezas a 2,$200 e 3^000
Papel almago e de peso, resma a
35400, 3,5500 e 4150C
a muito fina para bordar, libra 6#306
Fita de algodao para debrum de
sapatos, peca a..... 166
Ditas do 13a -para debrum do ves-
tido, peca a...... W6
Pentes finos para segurar ca-
bello a....... 320
Ditos ditos de bfalo para alisar
a 240, 320 e...... 506
Ditos para aparar penna a 106
Rosetas pretas, par a ... 100
Trancadelaadecaracofpecaa40e 106
Fita de coz peca a 480 e 56*
Alfinetes de latao a..... 100
Sapatos de 13a para enanca a 400e 800
Grvala de seda* de cores a 200
Calcadeiras a....... 8
Grande sortimento de rendas das Ilhas.
L'm par de suspensorio de borracha per
100reta!! 1 iTFl
Na lerdade rna de inclinado ^ ^
________ p. atk /______ ?-
\E\II\S EM lilliISSl
A PREGO F1XO E MDICO ,
NO
Ba Nova
Proeza-s de ama pessoa forra oh escrava
para trabalhar em urna fabrica sabo : o pe-
>a que quizer, *rija-se a ru imperial n. 207.
AVISO.
Aos senhores esludanles de preparatorios.
O .icadwmro Prtneisoo d iorja, legatmente ha-
MlilaA.. Ineetuna raa do* Praicr^s a 4J. rhato-
rlca, francez, e principio de latim, das 9'bom da
manhaa as !da tardk
Ama
Precisa-se de ora* anta : na rua de Ilortas nu-
yrn 70.
Precito.**,),. uin* i (n ipiv cozinhe bem
.J^MiJ'W**** afer-
~^U'*.^ad/_l'.rtn3\l'ri
,wwsrtr^i**8e'i!edtntama forra o
para cuanbar.
A imperatriz regente.
V.a 4 francez riqusimas chapeos de veludn e massa
pfet'ts, enfeitados de cores, para senlxira, o qnp
to* de nwAiir ({oslo em Paris.riq'iissHnos nx >vaes
de pambraia bonla'Ns para baplisado, assim como
riqui-isinws saliiila- de baile ou capas d merino ri
eainenie enfeiladas cun a mesiiKi d-'nominacao ci-
ma, chapeinis lo palha de Italia ultimo go^to,
feju o basquinas de crox pelas e. brancas, cor-
tes di loa dtt dua> saia, gusto escoivz, sultanas
da cores, B*tra assetin ida<, proprias para vesti-
das de deas sai;t. popelinas do cures, riqnH>sim"S
deatalki, e autras umitas novidades que os pro-
liriatarw* do leja d* P0 rereberam, pmpria< da
estarlo presente ; pois por est razao que nos
aerecamos' srientiVar o respeitavel publico das
novidadeg cima descripias.
Vende-se urna varea de tete rom bezerro
nowev no porto do capin a tratar junio do gaau-
metron 8.
L
Vendem--e tre rirtm toamas de Inhvrintho pm-
prias para boptisivV: na rua .1 -. (muerador, loja
debvraai' Sr. Antnoi Doiiungoes.
mi
/-i
Tde-se nma armaco de taberna, nova, cora
top* fe_Htma armara quera pre-
*+<( i rna Fnperfn n. W : na mesma
k JM traV.r. Bsta casa aena- c hem en
Rile bar>tni taalo pan o mau r.m*i
-!, o e urupria pira qoal'iuer piia-
fmm |W nSj ser muito granJe a ai mae'o.
ESPELHOS em qnadros donrados de ik
'A 'A /a '/ a dnzia 400G. 2800'
i*40O, H90O e 46300.
LAPIS finos a groza 20200, 2^000,3*00,
35400 e 4*560.
DITOS com cabca de osso para carteira,
a groza 45800.
DITOS muito soperiores para carpina groza
2600.
DITOS muito finos com duas cores a groia
14A00O.
FIVELLAS d'a?o plidas e errvernisadas
para caifa e collele a groza 16500.
0(>ULOS aro d'aco, vidro de grao a duzia
36500, 56000 e 96UOO.
LUNETAS O PINCINCZ idem idem a du-
zia 96000.
E motea outros orrigos qtto s com a
vista podem ser apraciados tanlo as qua-
lidades como nos resumidissimos prco6
por que tudo vendido.
Alm disto faz>se os abatimentos na razo
seguinte :
Compras de 506 a 1006 dasconto 5 %
de 1006 a 5006 10 ,/
de 5006 para cima 15-/
PAGAMENTO HE.ALtADO tiA MESMA DATA
eiu letra dt 30 dias meos 2 '/%
t em de 60 t 5 %
Jnsfi.de Sottzd Soares Ukf
A rua do LivramenAo a. 5, contina a ha-
vpr para vender por" precos rasoavels a
melbor vinho verde at hoje vindo a es
mercado.
Loja do Arantes
Caifa barate
Botinas de pellica para senhora
nua oretas
Dias oiu pura menina
Mnas de c*ir para dita
Hila-' de le mi o ir ii p b'^n1^
__t-rrtvo pepi.
Vcmle-se utn hriat ti a iS Miaa,
h..nit.. iHforre*m m-i mr rt;q es. a *nat
arante : tratar na rua ^.NanitueirH n fi da*
6 a- 9 horas da manhaa, ou das 3 as 6 da Uidc.


6
-----
Diario de P^mambuco -4-. Sabbaxlo 13 Je ..Nveme de 1869.
LIQIJIDAJAO
SEM IGUAL
Oproprietario-do armazem do fazendis denominado A KARA, ra da Impera-
nte n. fi, declara ao respeitavcl publico oscus fregtiezes, quo est liquidando (odas as
Cazend e ronpas'euas que tem em sci estabelccimento como se poder ver no seo
inundo preoo abaix mencionados
- .
Chita fraacezas matizadas k
999 r.
Vende-ss chitas francezas escuras matiza-
das a 3J0 rs. o covado por este preco sna
(oja da Arara, roa da imperatriz n. 7-2.
LAAZINHAS A O RS.
Vende-se ISazinhas para vestidos de se-
nhora a 240, 280, 320 e 400 rs. o co-
rado.
BAREGES DE LA A 500 RS.
Vende-se bareges de ISa com listras para
*estHos de senliora a SOO e 640 rs. o
cotufa
Alpacas de listras a SOO rs.
Vende-se alpacas de listras para vesti-
dos de senhora a 500 rs. o covado.
CHITAS FRANCEZAS A 289 RS.
Vende-se chitas francezas claras a 280 rs.
o covado.
CORTES DE LA PARA VESTIDOS A
20400.
Vende-se cortes d la para vestidos de
senlioras a 25400 cada nm,
PERGALES A 4V\ RS. O COVADO.
Vende-se percales tidos de senhora a 440 rs. o covado, mur-
solinas brancas finas, a 500 rs. o covado,
hr hantioas de cores, a 440 rs. o covado.
Baldes Moderaos de todas as
crea.
Vende-saba!5es moderno sbranco ede co-
res a *#. 45500 e 50.
COBERTORES DE ADGODO A 10500.
VendVse cobertores de algodSo a I #500,
cobertas 4 chitas a ijAOO e 20 cada urna,
GANGAS PARA CALCA A320RS.
Vende-se ganga para caifa a 320 o cova-
do, brim de cores para caifas de hamem e
meninos a 400 rs. o covado, casemiras de
cores para calea e palitots a 25300 e 30,
o cayado, meias casemiras enfestadas para
AI -oda eafestado fMM rs.
Vende-so algodo enfestado proprio para
lenri'tes c loallias, 900 rs. o metro, dito
trancado a 10, metro.
Chales de merino a 9.
Vonde-se chales do merino estampados
a 20, chales brancos e de cores a 10000
cada nm.
CORTES DE BRIM CASTOR PARA CALCA
A 640 RS.
Voade-sc urna grande porcao de cortes
de brim castor para calca de hornera, 640
rs. cada um.
Grande porcao de retalhos
Vende-se grande porcao de retalhos de
chitas e cassas prelas a 160 e 00 rs. o
cova lo, retalhos de cassas, la e chitas do
cores baratissimos.
LIQIDAM A ROPA FElTA
Vende-se palitots de brim de cores a 20,
ditos do alpacas de cores a 20, di'os de
meia casemira a 20 e 20500. ditos de pan
no preto bom a 80 e 100, calcas do algo-
do azul para escravos a 640 rs. ditas de
algodo de listras a 800 e 10, camisas de
riscado do listras a 800 rs. cada urna, cole-
tos' de brim c fusto de cores a 10 e 10500,
coletes de cesemira de cores a 20500 o 30,
e outras militas qualidades do roupas feitas
que se vende por baratissimo preco.
Algodo de listras a IOO r.
o eovado
Vende-se algodo de listras para ronpa
de escravos a 200 rs. o covado.
PEPA DE ALGODaO A 40.
Vendem-se pecas de algodo 4-5000,
50200. 60000 e 70, para liquidar.
Baldes de reos fl#&00.
Vende-se bales de arcos pan senhoras
AS
11-EUA
EIMAD0--11
Chegaram da Europa pelo ultima vapor toja de Augusto Porto A C. ricos
cortes das mais linda sodas de mimosas cores para vestidos proprios para bailes e casa-
mentes.
Grande variedafle de sedas de Hstras de diversos precos todas do lindas cores,
gorgur3o de seda preta, e grosdenaole de? varias qualidades e gorgurSo de seda 13a de
ciflerentes cores.
Novos vestidos brancos de blondpara noivas, lindas colxas de sida para camas,
citas de laa e seda, cortinados bordados*para camas e janellas, fronhas e toalhas de
f ambraia de linho bordadas.
Luvas novas de Jouvin.e elegantes sombrinhas de si las de cor para senhoras.
Esparlilhos de 50 at 100, lindos bournous de cachemira de cor para sahida
de baile, basquinos de renda preta, e ditos de croch branco e preto para senlioras.
Grande variedade de camisas bordadas e lisas para homens e meninos.
Sortimento de rauilas fazendas de 13a, linho e algodo todas por precos muito
mdico.
Tapetes grandes para sof, piano e camas, pecas do tapies o de alcatifa para
.brrar salos tudo em quantidade; e vendem sempre'por menos que em outra qualquer
parte.
Esteiras da India de 4,5 e 6 palmos de largo.
ALGODAO
LOJA DAS MACHINAS
BASTOS
ACHINAS americanas de serrote de todos 03 taraanhos para descarocar algodo, do
mnito conhecido fabricante Eagle Colln Gin.
1ACHINAS ditas, tambera de serrotes e de todos os lmannos para descarocar, al-
godo do autor New York Cotton Gin.
CACHINAS ditas de todos os lmannos, de carreta de ferro e mars toda a machina.
IACHINAS ditas de Roller Gins, de cujo trabalho faz obter mais 2.000 em arroba
de algodo.
CACHINAS de faco do fabricante Platl B. A C, Obdhan PatentLiverpool.
Todas estas machinas sao de superior qualidade e as memores que tm
indo ao mercado ; e para a soa apreciado convidam-se os senhores agricultores
irern a exposico das mesmas na roa da Cada do Recife m 56 A, loja do Bastos, onde
/ncontraro>mais o segrate:
....., n/ioj iMi.-itriiui as t-:iii-Mi-ni,i.i |/,lld 1011UB-SO 'ra go .nura |/ni i acimut,t
calcase palitots a 10 o covado, brim pardo pelo baratissimo preco de 10500 cada am,
de todas as qualidades e brim branco de Cortes de eanibrala barra*
todas as qualidades na ra da Imperatriz j J$09,
L__.-- .. -.. Vende-se cortes de cambraias barrsa a
Alpaca* lizas a 4 rs. g.j e 35 car|a um
Vende-se alpacas de cores lizas linas a! 1 rnp/vs ni? ivnk k fiif r 640 rs. o covado, tarlatanas de cores a 320. -JffS 7 J a a
rs. o metro Vende-se lencos de seda a 640 rs. cada
MADAPOLO ENFESTADO A 30500. "n1, para li(lnidar-
Vende-se pecas de aiadapolo enfestado CARTEIRA PARA VIAGEM A i0.
t .'t05OO, pecas de madapolo inglez de 2 i Vende-se
jardas a 50. 60400, 70, 80 e 100 a peca. cada una.
carteiras para viagem a" 10
7j!. --Bm da Imperatriz. 72.
LIQUIDACO
NO
f
i Lourenco Pereira Mondes Guimaraes, proprietario do armazem de fazendas
X den minado GAR18ALDL tema honra de p.rticipar ao respeitave publico que toado
rehilo diversas facturas di fazendas, de novo gosto, para a resta, es ando a espera de
Zi e^mm?nV que deve estar aqu al o da 15 de noventn) v.ndouro, e vendo
Z raormTernpo antes do bataneo de vender tantas fazendas de encomiendas p *
k o resolv fazer urna liqdacao para ver se d ma.or, estracppor .ssoem vl5tas das
dcanSSSas Zi-ier tudo .uais barato do que em outra qualquer parte, na ra da
,,BlfJ*fSr2 7?'PWFST\D0 A 33500. I CHITAS PRETAS A 460
V ftd Ps? una g5f 3o S Vende-se urna grande porejo de chitas e
70000. 80, e 1"^% r8 Vendem-se urna grande porco de gangas
CXMBKuK ^ GTOHIAS 5:500 para calca de h;m m e menino a 3D o
Ve?dS pecas de cambraias victorias covado. cortes de castor para calca a 640
fin;.! a 50500, 6* e 70. Brilhanlina bran- cada orn. AOr
para vestidos de senhoras a 500, y-rt- ^eres^a 40rs.^
rs. o covauo faces cal(.as> pa|Uols e co|l(Jtes de h.
V.iawuS|anfc p^5o de al^do m,m e menino fazenda inteiramente nova,
todoTeno\ qTalLde e SdV 60, 655 0 Brim pardo l.ooj. Wfl j. o metro, d.to
70 e 80, a peCa de 20 jardas ou i% trancado huo a 800 e J0OOO.
varis. Crande llqnldacao de ehapos
AOMIREM-SE DO QUE E' BARATO
Chamalotes a 500
Vende-ie chamalotede core, de algo l *
de sol
Vende-se chapeos de sol de alpaca com
pequeo defeilo a U e 30000. ditos finos
)ebulhadores para milho.
ylindros para padarias.
irados americanos.
larrinhos de mo.
dachinas para cortar capim.
Pannos de chumbo.
lombas de Japy.
Ditas americanas,
fslhas de ferro galvasadas.
7 Ditas de cobrt e lato.
Ferro de todas as quafidados.
rcos de ferro.
* olha de Flandres.
vachados americanos.
^ac5es ditos.
talaios e cestas de verguinba^
assouras americanas.
'olles de todos os tananhos.
tornos e safras para ferreiros.
Finalmente muitos otros ai*tig
Jiversidade seria eafaAmbo eniwera-to.
Folha de ferro.
Bataneas americanas.
Tinas de madeira americanas.
Ps de ferro ditas.
Baldes de madeira ditos.
Ternos de bandejas finas.
Trens completos para cozinba.
Peneiras para padarias.
Raides galvanizados.
Correntes de ferro para almanjarras.
Espingardas e rewolvers.
Guarda comidas.
Ferros a vapor para engommar.
Moinhos para refinaces.
Azeite de espermacete, proprio para madt*-
nas de todas as qualidades.
Serras avulsas para machinas.
Mancaos e todos os mais perlences para as
mesmas. '
Latas de gaz,
osperteocentes lavosra e artes, que pela
TTEW.U II) Lfill
lirande armazem te Hieidas e opas fpifas ra da Imperalri?
n. % porta larga, de Pareces Porto.
Neste estabelecimento encontrar o- respeitavel publico um bwiilo sortimenU
de roupas de todas as qualidades. palitots de alpaca a 30. 30500 at 60. Ditos d<
merino, ditos de casemira de cores bonitos gestos a 50. 60. 80 e tO0, de panno preti
sacos e sobrecasacos. Ditos de brim.pardo finos e ordinarias. Ditos iW> alpaca branca
e de cores de 30500 a 50000. Caifas de brim de cor finas o o?dfaarias, ditas-
brancas de todas as qualidades. ditas de brim pardo fino e ordinario, ditas de casemira
de cor e preta de 40, 50>, 60 a 13*. Collefcs de todas-as qualidades e preco-rouite
barato. Completo sortimento de camisas franeezas de algodo e de linho de 20 at 5
urna. Sortimento de seroulas francezas de algodo. de linho e bramante a 20 e 20500
Gravatas (mantas) novissimo gosto > todos os presos. Mbias snriimentc complet a 30
40 at 70 a duzia.
ROUPAS P\R\ MENINOS.
Encarrega-se de quaesquer obras bomenk, com(
para meninos, e com brevidade, por isso qne tem um b-wito s todas as qualidades tanto em cascaras com brins, pannos-fiaos e ostras moite6 fa
zondas.
FAZENDAS
Bramantes de 11 palmos- de largura a 10800 a metro.
Cambraias de cor e branca.
Alpacas de todas as cores a 640 rs. o covado.
Poil dn-chvre com lista de seda faaanda de gesto a 10200.
Basquinos de guipure enfeitadas a 180000.
Sortimento de chitas escuras e claras a 280 300- e 360 rs.
Madapolo Tino a 60500, 70, 80 e 90000.
Algodo peca cora O jardas a 40500, 505O e 60000.
Pe?a de algodo largo a 70500.
E outras muias fazendas que ser enfadonho mencionar Chegnem i roopa
faita que se est liquidando na loja ra da Imperatriz n. 5 (junto, toja de ourives) do
LEAO DA PORTA LARGA
DE
Paredes Porto.
Loja de miudezas de FERREIRA DA CU-
NHA & TEMPORAL, eslo quimando por
todo preco venham ver o que bom e ba-
rato a saber:
Lindos brinqaedos magnticos para me
nios de 2 40 a 10.
Linhas em novellos de 400 jardas a
60 rs.
Pegas de tranca de todas as cores a 40 rs.
Latas com superio banba 120, 160
e 20000.
Frascos com oleo baboza 240, 320,
400 e 600 rs.
Ditos de extracto 160, 320, 500 e
640 rs.
Ditos com banha 320, 500 e 10200.
Ditos de agua de Colonia 320, 400 e
500 rs.
Baralhos do cartas portuguezas a' 120 e
160 rs.
Ditos francezas 200 e 240 rs.
Grande sortimento do sabonetes 80,
120, 160 e 200 rs.
Caivetes finos com duas folhas a 240 rs.
Linha de 200 jardas em carretel (dozia) a
10200.
Lindos port-main 240 rs.
Penles de travessa para meninas 200,
320e400rs.
Duzia de meias inglezas muito finas a
30800
Ditas de ditas para senhora a 40500.
Garrafas com a verdadeira agua florida a
10200.
Ditas com agua divina 10300.
Frascos com sndalo a 10200.
Pecas de ntremelos a 500, 640 e 800 rs.
Lindos gorros de velludo para menina a
50000.
Papel amisade beira dourada (caixa) a
900 rs.
Dito em pacotes a 700r.
Lindos bonets de panno para menino a
0000.
Pentes brancos finos para alisar a 240 e
320 rs.
Macos com grampos 36* rs.
Lindos frascos para cima de mesa con
extractos a 10500, 20000 e- 30000 ao par.
Jogos p Unba de marea (caixa) 240 re.
Tem peral pode 9er procu-
rado em seu estabelecimento bo-
nanza onde contina a vender
pelobaratos preqos deseuan-
tigo estabelciroento com titulo
de Temporal na Bonanq.
ltna do Qwelnado n. 03.
Vende-echamaiotene cores. ua.K"u i-i-- ---"'.n Hit" dH seda finos
para vestidos de senhoras a 5- o covado. de l artes ***>, iditos djsefla finos
* i.*..- iu-i &00 ra Vend TScas L para vestidos de, 16 astes a 1O0OOO, para liquidar
corrts, para senhora, a 50 i rs ditos matisa-. chitas para cobertas a 149 rs o
das linas a 720 o covado OU* lisas mui- covado
to larfzas a 640 o covado Vend-se chitas francezas para cobertas a
CORTES DE PERCALES \ 6:000 240 320. 340, e 380 o covado.
V-den-se urna grande porrao de ortfis
de perales de duas stias para vestidos de
CVS\S FRVNCEZAS A 240 RS.
Vende-se cassas francezas para vestido
de pera es ae auas sias para vannos uo "......- j-. a ---"-
senhora. de mnito deli-ados gostos com a 240 o covado. ditas mmlo finas a 400 rs
iuii ni, u mu/ ,.. i-.u m ..nmn iirc.a 8 finas nara vestidos ;
16 Vt covados a 60 71000.
CAMRKM\SLIS\S DE CORES A 600
Vende-se urna grande porcao de ramhraia
lisa de todas as cores par* vestidos a 600
rs. o metro.
Organbys moderaos a SOO rs.
a-sim como percales finas para vestidos a
440 o cov.ido,
GRANDE SORTIMENTO DE MEIAS
Vende-se meias croas para fiomem a
33500, 40. 50. e 60000 a duzia, ditas para
meninos de lodos os tamanhos a 305oO e
Irznmltj aioucrv m cw^ un inri...^ ul, ......./.> -. .........-- -~- -
Vende-se organdys di cores para fazer 40000, ditas para senhoras e meninas a
restilos, de duas satas, agora modernos, a 30500 45, e 50, a duzia.
800 rs. a vara.
B\L0ES DE ARCOS A 1:500
n.n...,,noiitc niTie Bales de arcos a 10500, ditos modernos
GRANDE SORTIMENTO DE CHITAS NOVAS .-^
E BARATAS PARA A FESTA UW- ATTKNCA0
Vende-se chitas francesas moito finas de Tem.8(1 VHi|)1(,r flma ^ iy
core a 80. D.t.s mat.sad.sj-scuras a 3i0 ^ M 'fe|(M A(j Mm eJeetMrara> de
djta^Murft escoeexas a 30. ditas aleo U)^ >s Ma(\ nao se menciona por
loadas a 360, d.tas ganba dinas a 1.0 o twmflA ^o.^rante-seao comprador ven-
epvado Sortimento d chitas co-n fc-ra o ^ mu |)arat0 d(, em ..,
Ga.ribaldi ha poucas Iqas qoe co.np.iam. ^ ^ ^ se ^ ^^^ ^ a pre-
PUSTOES PARA VESTIDOS A 400 RS. frt#4 do nnpadore a vista da fazenda
V o le-se fosto de cores para vestidos a que se pode conlvrer como est liquidando
400 r. o covado por barato preco. g-neral Garibaldi, ra
COBERTORES A 1:400 da Jinper.nriz n. 56.
Vende-se cobertores de algodlrt a 10400 (hales de merino a #
coartas de chitas f ir^ a 10600. ?-nd.'se cIihI-s .le Merino de cores es-
V-nde-se grande porcSo de corpinhosa tnmp.d s a SOOO. .Rt 64( D q30 20 e 400. 10 estampados tinos a 50, 50500 e 60000.
Machinas vapor de
forqa de 3 e 4ca-
vallos.
Motores para 2 cavallos.
Arados americanos.
Machinas de facao e serrotes para desca-
rocar algodo.
Balancas para armazem e balc5o.
Camas de ferro.
Cofres de ferro de Milnez e de Uhit-
field.
Prencas para copiar car'as.
Fog3o americano patent
Scbvnete deatcatrdo.
DI,
Antonio Nunes de Castro.
Este acreditado preparado, qoe to tnv
acceitacao tem merecido n'esta provinciii
mnito se recommenda para a cura ceru
das impigens. sarnas, caspas e todas *>
molestias de pelle.
Deposito nnico,
Pharmacia ri> Bartholnmeu & C,
34rna 'arn do Ronario34.
Vendwn-*H daa "irav : ipi m a >fii'pr
rumprar entenrta-sm e*n HermeneiiUdo Eduardo
Reg Monte! rp,
Bartholom8u &|C,
VlNHO, PlLULAS, XaROPE E TlNTURA
de jurubeba bimples e ferruginoso;
Oleo, Pomadas Emplastro da mesma
planta preparados por
BARTHOLOKIEO & C*
PnARMACEUTicos-Droguistas
PEIIVtMUl 4 4
A Jurnbeb : m ptala hoja reconbecid
como o mis paderoso tnico, como o malhst
desubslruenie.e como til pplicai oos pailecimeDlot
V) llgtilue bico, bepuiiie. ilufem, tumores taler-
os e especiilmsols do ulero, hfdruueniM, erjii-
II, etc.; e Msociid* 10 forro un oas pallidtt
cores, chlorooes falta da nautruai;io, deaarraa-
loa do eaiomago, etc., o qoe di>eaoa alteatia
UDumeraa curas importante oblidaa oom ooaaot
Sreparados ja bem conhecido* a osado peloa mata
istiBctw otadicoado pan Ponofal. Em todoa oa
aowoa ilepoaiuw diunbuiaso* gratis folelos aua
melbor feoa cojhooK JiiraboM teoa ratoludoa
ttpfltefAt,
SKMfc.UivS.
Vi iieiii-ie na ra da Cruz n. V). differeDte>
Matidades i cerra enreites de jarlim. bautas de dalia, ditas
ddadm,
liOafA
DO
GALLO VIGILANTE
Raa do Crespo n. 9
O prnpnettrios deste bem eonberido estabele-
eimente, alm do* muitos objectos qne tham ex-
postos a apreciaran do roapeilave! publico,-man-
daram vir e acabam de receber peto ultimo vapor
da Europa um completo e Taado sortimento de
finas e mu delicadas especialidades, as quaes es-
to resolvidos a vender, como de seu eostume,
por precos muito baratinhos e eommodos para to-
dos, com tanto que o Gallo
Muito superioues luvas de pellica, pretaa, bran-
cas e de mui lindas cores.
Mui boas e bonitas gollinhas e punhos para se-
nhora, neste genero o que ha de mais modferoo.
Superiores psntes de tartaruga para cotjues.
Lindos e riqaissimos enfeitts para caberas das
F.xmas. senhoras.
Superiores trancas pretas c de cores coB-vidri-
Ihes e sem elle; esta fazenda o que pode haver
de melhor e maie bonito.
Superiores e- bonitos loques de madreperola,
marfim, sndalo e osso, se/ido aquelles brancos
com lindos desenlios, e estes pretos.
[faito superiores meias fio de Escossia para se-
nhoras, as quacs sempre se venderam por 30,8000
a dzia. ciitn'tanto que nos as vendemos por 20,
alm tiestas, terat tambem gfande sortiiento de
oolras qualidades, entre as qsaes algumas muito
(toas.
Boas- bengalas de superior canna da India e
castao de marfim com lindas e encantadoras figu-
ras do mesmo, neste genero o que de melhor se
pode desejar ; .alm destas temos tambera grande
3uantid?de de oatras qualidades, como sejam, ma
eir, baleia, osso, borracha, etc. etc. etc.
Pinos, bonitos e airosos chteotiohos de eadeia e
de outras qualidades.
Liadas e superiores ligas de seda e borracha
para segurar as meias.
Boas meias de seda para senhora e para meni-
nas de 1 a 13 annos de idade.
Navalhas cabo de marfim e tartaruga para fazer
barba; sao muito noas.e de mais a mais sao ga-
rantidas pelo fabricante, e nos por nossa vez tam-
bem asseguram*s sua qualidade e delicadeza.
Lindas e bellas capellas para noiva.
Superiores agalbas para machina o para crox.
Linha muito boa de peso, frouxa, para eneber
laJsyrintho.
Bons baralhos de cartas para roHarete, assim
como os lentos para o mesmo tim.
Grande e variado sortimento das raelhores per-
fumaras e dos rnelhores e mais oenhecidos .per-
fumistas. *
COLARES OE ROER.
Elctricos magnticos contra as convulsoes, e
facilitan) a dentic^o das if>nocentt's criancas. So-
mos desde muito recebedores destes prodigiosos
i','tllarn9, e continuamos a reeebe-los por todos os
vapores, aflm de que nunea faltem no mercado,
como j tem acontecido, assim pois poderlo aquel
les qne delles precisarom, vir ao deposito do gallo
vigilante, aonde sempre encontrarao (lestes wrda-
deiros collares, e os quaes attondendo-se ao fim
para qne sao appKcados, se venderao cora um mui
diminuto lucro.
Rugamos, pois. avista dis enjertos que deixamos
declarados, aos nossos freguezes e amigos a virem
comprar por precos muito razoaveis loja do gallo
vigilante, roa do Crespo n. 7
Sellins karata.
N. S7. RA DOtIVRAMENTO N. 27.
Neste estabelecimento vende-se sellins'e
sillioes, de todas as qualidades do melhor
que se pode fabricar no paiz, assim como oa
mais arreis pertenceDtg/1 ao mesmo, ven-
de-se tambem, colxes, traviceiros, calxi-
rihas com almofadas, proprias para meninas
levar para aula. 0 propietario deste eita-
belecimento garante a pontoaktdade, esat-
ro e zelo de seu trabalho; portanto pede ao
respeitavel publico sua proleccao, que afilan-
ca vender tudo pelo mais barato possivel,
e por menos do que em outra qnalqner
parte.
3 cordeiro previdente
Roa do luelmado a. A .
Novo e variado sortimento de perfuman!
finas, e ootros objectos.
Alm do completo sortimento de perfo>
marias, de que effectivainente est provida
loja do Cordeiro Previdente, ella acaba de
receber um ontro sortimento qoe se torna
QOtavel pela variedade de objectos, snperiori-
iade, qualidades e commodidades de pre-
os; assim, pois, o Cordeiro Previdente pede
e espera continuar a mereeer a apreciacio
do respeitavel publico em geral e de sna
boa fregnezia em particular, nao se afas-
tando elle de soa bem conhecida mansidSo
e barateza. Em dita loja encontrarlo o
apreciadores do bom:
Agua divisa de E. Coudray.
Dita verdadeira de Morray d- Lammao.
Dita de Cologne ingleza, americana, fra-
ceza, toda* des memores e mais acreditado
fabricantes.
Dita de flor de larangeiraa.
Dita dos Alpes, e vilete para toilet.
Elixir odontalgico para conservarlo d
tsseio da bocea.
Cosmetiquesde suprrr qualidade e cha-
ros agradaveis.
Copos e latas, maiorw e menores-, cot
pomada fina pava cabello.
Frascos com dita japoniza, transparantf
a dutras qualidades.
Pinos extracto* ingleze, americanec- a
(rancezes em frascos simple eenfeitados.
Esseneia'iiiiperia do fino-rafradavel hw-
o de vilela.
Outras concentradas e de sheiros igual-
mente finas e agradaveis.
Oleo piilocome vwdadeiro-.
Extracte d'oleo rife supensr qualidade,.
com escolados cheiras-, em fraseos de difie-
ren tes taraanhos.
Sabonetes em barras, maiora e menores
para mos.
ditos transparentes, redondos*e em figu-
ras- de meninos. '
Ditos muito finos em caixinh para barba.
Cixinhas ewm bonito> sabones imitando
frustas.
Ditas de mwleira invoniisada osotendo fi-
aas perfuman, muito proprias para pre-
sentes.
Dita de papelo igualmente brxMtas, tam-
oem de perfumaras fin?.
Bonitos vasos de metab coloritos, e de
moldes novos e elegante* cora p> de arroz
e boaeca.
Opiata ingle e francesa para lentes.
Pos-de campbora e outras tifferentei
cualidades tambem para denles.
Tobco oriental' de Kemp.
Anda aaaals rnntne*.
m>outro sortimento de coquas de no-
vos e bonitos mobles com filets do vidrlho-
e algans d'elles ornados de floves e fitas,.
st3o todos expostos ajreciacae de quem
is pretenda comprar.
GOfcLINHAS E PNHtOS BORDADOS.
ObBas de mcitogosU) e perfeifo.
parella a tta para Hatos.
Beo e variado sortimento d? taes objee
ios, cam lo a boa cscoiba ao gosto do comS
ondap.
Na ra do Codorniz n. 8 contina a ter um
grande sortimento de doces, em latas e eaixoes de
diversos tamanhjs, cujo se vende p ir precio mais
barato de que em outra qualquer parte.
muito pmprio liara barracas e hiate" ; vendem-se
no armazem de DaviJ Frreira Baltar, ra do
Briim n. 91

m m m
^ Ghegoa ao antigo deposito de Henry Porster o
., ra do Imperador, um carregamento de ga
de primeira qualidade; o qual se vonih* eiu partida
e a retalho por menos preco do que em outr qua1
quer parte.
A tengdo.
Ven t se a c tcheira da ru.i do Sol n. SI ffim
carro'' ecavallo*. hem mentada: a tratar na mes-
ma. ou ni rni >'Rti-arin la q>a-vt?'i n. 56.
V i*aa 11 -U alfolio da Babia, proprio par*
ronpa de -st'rivj* e saceos para assucar ; vnde-
se no esenpt irio de Antonio Luiz de Oliveira Ale-
vedo t C, ra da P.nl n 57. t* anflar.
(Javalu a' v^mla
Vende-se iuncv.-ill i castanhA i*om io|
dares ; a ver na roi-heira da ra do ImpaMM
u. 23, e a traur r ra do Codorniz a. jj a.


a> afuta l


Diario de Pernambuco Sabbado 13 de Novembro de 1869.
7
TT
1
v
i
1
A DINHEIRO NA LOJA E ARMAZEM
DE
FLIX PEREIRA DA SILVA.
0 proprietaro d'este grande estabelacimento, vendo que se est aproximando o fin"
do anuo, e tendo em ser um grande deposito deposito de fazendas; nao fallando etn
avultadas encommendas que Ities esto obrigado todos os das, tem resolvilo liquida-
las por prego muito mais baratos do que em outra qualquer parle ; s com o fm
de diminuir o deposito e apurar dinbeiro. Encontrase neste estabelecimento do
PAVO, avultado sortimento deiaz^ndas de luxo e modas; assimcomo de primeira
necessidade. As pessoas que negociam em pequea escala n'esta laja podero surtir-
se vendendo-se-lhes pelos pregos que compram, n .s casas inglezas; assim como as ex-
cellentissiinas familias poderlo mandar buscar as amostras de todas as fazendas, ou man-
dar-se-ha levar pelos caixeiros da mesma luja em snas casas; o estabelecimento se
acha constantemente aborto das 6 boras d inanhaa s 9 da noite.
A 5.J000
Na loja do Pav5o vendem-se modernissi-
mos chales de fil preto r>m lindas palmas
de seda, pelo barato preco de 5f>000,
pe chincha.
BASQUINAS A ldOOO
Na loja do Pavo vende-se as mais mo-
Explendido sortimento de
roupas feitas
NA LOJA DO PAVO A RA DA
LMPERATRIZ N/60
cba-se este grande estabelecimento com-
pletamente sortido das melhores roupas,
aendo calcas palitts e coletes de casemiri; Jemas basquinas ou manteletes de gnipure,
depanno.de bnm, de alpaca, e de todas pelo barato prego de 25O00 cada cima,
as mais fazendas que os compradores pos- FOSTOES BRANCOS PARA VESTIDOS A
sam desejar, assim como na mesma loja 400 RES,
tem um bello sortimento de pannos casemi-1 Na loja do Pavao vende-se um grande
ras, brins, etc. etc. para se mandar fazer i sortimento de bonitos fostes brancos, pro-
qualquerpega de obra, coma maior promp- prios para vestidos e roupas de creancas.
tidao a vontade do freguez, e nao sendo assim como tambem para rou jas de ho-
obrigados a acceita-las, quando no stejam mens por serem de lavores miudinhos e
completamente ao seu contento, assim como banlante encorpados, e vendem-se pelo ba-
n'este vasto estabelecimento encontrar o rato prego de 400 rs. o covado nicamente
respeitavel publico um bello sortimento de na loja n. 60 da ra da Imp^ratris.
ramu* francezas e inclezas ceroulas de AS ALPACAS DO PAVAO A 640 RS. O COVADO
cambas traticezas e inglesas, cerouids u Vende-se uro grande sortimento das mais boni-
nho e algodao e outros muitos artigos as alpacas liiag lendo do toda9 as coret ina8 n,_
proprios para homens e senhoras promet-
tendo-se-lhe vender mais barato do que em
outra qualquer parte. Na ra da Impera-
triz n. 60, loja e armazem de Flix Perei-
ra da Silva.
CERA DE CARNAUBA.
Vende-se urna grande porgao de cera de
carnauba em saceos por prego mais barato
do que em outra qualquer: na loja do
Pavao ra da Imperatriz n. 50. De Flix
Pereira da Silva.
FAZENDAS PARA LUTO
Na loja do Pavo.
Eneontra o respeitavel publico neste estabeleci-
mento um grande sortimento de fazendas pretas,
como sejam, cassas francezas e inglezas, chitas
pretas de todas as qualidades, fazenda de la de
todas que tem vindo, proprias para luto, como
sejam, laazinhas, alpacas lavradas e lisas, canto,
bombazinas, merino, etc., que tudo se vende por
preco barato.
AS CASSAS DO PAVAO
Covado a 3U0 rs.
Vendem-se finissimas cassa* francezas com lio-
dos desenhos e cores flxas a 300 rs. o covado.
Madapolo francez a 7 $000 rs*
Vende-se pegas de madapoio francez
com it metros pelo baratissimo prego de
74000 a pega, pechincha.
TARLATANA
Chegou um grande sortimento de tarlata-
nas brancas e de todas as Ares, assim
como fil branco liso e de salpico, que se
Tlnde mais barato do que em outra qual-
quer parte.
Altas navidades em sedas
Chegou um grande sortimento das mais
moder ias poupelinas ou gorgures de seda
e linho com os mais elegan es padres que
tem viudo a este mercado sendo, miudos e
gran los, Unto em cortes para vestidos como
para ven ter em covado, as-ira como um
bonito sortimento dus mais bonitas sedas
Ustradas que se vende todo muito em cunta
Grosdenaples de erkes
Chegou um grande sorfiment dos mais
bonitos gnxdenaples de todas *s cores para
vestidos que se vendem milito majs barato
do que em outra qualquer. parle.
CHAPEOS DE BRIM A. 2,5000 RS.
Chegou urna grande porgao de chapeos
de b'im para cabega que se venh) pelo ba
ratissimo prego de 2)5000, por terem che-
gado cora nm pequeo toque de ra'fo. E'
pe-hincha.
GRANDE PECHINCHA A, 5:000 US. PE?A DE
Bretaaha ..^
Vende-se pegas de -uperior bretanha de
algodii tendo quatro palmos de largura
com 20 varas ou 22 metros cada pega, esla
fazenda seria para custar 81JO0O, a nao ser
urna grande compra que se fez, e liquida-se
a 54000, cada pega.
Cortes de chitas
Com 10 covados 20 >.
Com 11 covado* a 3:520.
Cout.li covados 3:840.
Vende-se superiores cSitas de padres
claros e escuros pelor pregos cima men-
cionados sendo fazenda que se fosse vendi-
da a,retalbo nao se vendia por menos de
400 rs. o eevado, isto pechincha,
Ciorsuro para cohetes
Vede-se o mais superior gorguro preto
com diversos padres pelo barato prego de
6Oo o corte de collete.
Admiravel pechincha
ALPACAS A 400 RS.
E FRTA CORES A 400 RS,
ALPACAS A 400 RS.
Vende-se um grande sortimento das mais
brilhantes alpaca* de fui ta cores com as
Biais lindas e mais modernas cores imitan-
do perfeitamenle as sedas de furta cftres
fondo neste artigo o mais novo que tem
Tndo ao mercado, para vestidos, muito pro-
pria para as senhoras que forera passar
|e*ta no campo, por ser urna fazenda de
omita fantasa e pelo barato prego de 400
rs. o covado.
Breiaahas de rolo a .00 a
peca
Vende se superior bretanha de rolo ten-
d l vara u II metr-s cm 4 palmos
de largura pelo barato preco de 25500,
pechincha.
Ossetins.oPavito
Vndemeos maM.fcw*Qs setins. de core<
e nwi* encorpados proprios para vestidos
tendo de diversa* c-
vas que tem vindo ao mercado e vendem-se a 640
rs. ao covado.
ALPACAS BRANCAS LAVRADAS
Chegou para a loja do Pavo um grande sorti-
mento das mais bonitas alpacas braacas lavradas
e de cordao sendo n'este genero o melhor e mais
lustroso pue tem vindo ao mercado, tem alguraas
tao Anas e tao bonitas que servern para vestidos de
noivas e vondnmse por commodos pregos.
LAZINHxS MODERNAS NA LOJA DO PAVAO
Chegou para este estabelecimento um grande
sortimento das melhores e mais modernas laazi-
nhas para vestidos, sendo tapadas o transparente*
de todos os pregos e qualidades que se vendam
mais barato do que em outra qaahmer parte.
APACAOOU GORGURO DE LAA A 800 RS.
Na loja do Pavo vende-se o mais bonilo alpa-
co de cordao tendn de todas as cores, sendo fazen-
da bastante larga a 800 rs. o covado.
COLCHAS D8 FUSTO
Na loja do Pavo vende-se um grande sortimen-
to de colchas de fustio sendo brancas e de cores
ditas de croch para camas de noiva, assim como
qomlos damascos de la para colchas.
CHALES DE CHACHEMIRA A 69, 10/5 E
ldOOO.
Na loja ae Pav3o vendem-se os mais
bonitos chales de verdadeira cachemira de
cor, com os desenhos mais modernos, a RS,
10 e 125000, muito barato na roa da liu-
peratriz n. 60.
Organdys a 301) rs.
Vende-se os mais bonitos organdys de
cores com pad.es miudos egraudos. sen-
do todos de cores fixas, pelos baratos pre-
gos de 300 rs. o cova lo.
CAMISAS PARA SENHORAS
Chegou um grande .-o lmenlo de cami-
sas francezas para senhoras, sendo lisas e
bordadas, assim como um grande sortimento
de corpinhos de camhraia bordados, cami-
sinhas e manguitos com goiliuhas que se
vende muito em conta,
\LP.\CAS DE CORDAO
Vende-se as mais bonitas aipacas de cor-
dao, tendo de toda.* as coree, as mais novas
que tem vindo ao mercado e vendem-se
mais barato do que em ouira qualquer
parte.
ALGODO ENTESTADO
Vende-se urna grande p >rgo le aigodSn-
sinho americano com 8 paliaos du larg ira
proprio para lenges e tualiias tendo lisoe
irmcado que se vende por prego minio em
cunta.
'anos de linho
Chegou um graod- sortioienio de pegas
de panno de linho do Porto que se vt-ndem
de 700 rs. at liJOOO a vara, tfarantindu-se
(pie em fazenda de linho nao ha nada me-
lhor, nem mais proprio para lenges e toa
Ihas. 9
PECHICHA EM CHAPEOS DE SOL
Chegou um grande sortimento dos me-
hore chapos de sol de seda, ing'ezes ten-
do nesle arlgo o melhor que tem viudo ai>
mercado assim com urna grande purgo de
ditos de alpacas de indas as "ores e todos
se vendem por prego muito mais barato du
que em oitra qualqui-r parle, por baver
grande porgao.
a.eaeos branco
Vende-se um grande sortimento de len-
gos brancos para bomem, sendo a duzia a
UtiiH), iii(M) o :i,-5(iot), ditos abanhados
muito linos lije 630iK) a duzia, dilos de
RoffOiSo fazenda muito superior a o, ti$ e
7#0iU,
Peehlcha em casemlras a 4:000
Vende-se inissim is ca>eunras de cor com
lislras ao lado, tendo duas larguras e com
as cores mais novas e mais bonitas que tem
viada' ao marcado, pelo baratissimo pren-
de 4)5000 o covado ou 7/J000, cada corte
de caiga.
Os baldes do Pavao a 2#000,
Cheg ii um grande sortimento de baldes
>u crenoliuas do feiiiom.ns moderno muito
poprias para vestidos ennesgados que se
vende p*do b iratis>imo prego de $OO0 ca
da um grande iiei-liinclia
AS CAdBRAJAS DO PAVAO A l:SO0 RS.
Vende-se urna grande porgao de pega>
de tinissiinas caratiraias brancas transparen-
tes tendo 10 jardas; cora mais de vara de
largura pelfWatissiino prego de 4d">00, a
oega sendo fazenda que nun>'a se vendeu
por ruanos de KOOo. grande pechincha.
L1T0TS DO PAVO A IW e
0>0o0.
VenlF-se um bonito sortimento de palit-
ts franrezes sendo, sobrei'asacados e pro-
(iriamenle sobre-casacns. que se vendem
forrados de alpaca a 185000 e forrados de
seda a 200000- pediin- ha.
/ f
hl
** QUEMADA
>$
Assncar de oxido de ferro de
Chanteand.
0 assvcar fe ruginoso de Cbaptcaud oblido
pela associaco do exido de ferro intcii ament so-
luvel com o assncar cuidadosamente puril'iMdo.
Ente assucar, de urna bella apparencia cryslatina,
tem o simples costo mui agradavel d > assucar,
sem o menor sabor adstringente : nao em ac?ao
irritante sobre a mucosa do estomago e onta-ttotis,
e rpidamente absorvido pelo oppaTelho digest
vo sem causar as cunstipacfs do ventre.
E' hoje o preparado de fercode rsals acoitacao
para a chhirosc atona dos orglos, ndrdas brancas
menstruagdcs difHccis, etc., e lem a sen favor o
juizo auiorisado da escola de medicina de Pars,
e dos cbimicos os mais notaveis.
DEPOSITO ESPECIAL, .
Pharmacia de Bartholomeu & C, ra lai ga do
Rosario n. 3i.
A AGUIA BRANCA tem cenvicglo de que a abundancia de objectos de novidade-
em seu constante e completo sortimento, a bo escolba no gosto delles, a superioridas
de de qualidades, e a limilagJo de seus pregos, estao na op ni5o do respeiUvel publico
em geral, e na de sua boa fregubzia em particular; mas ainda assim ella julga de seu
dever scientiftear a todos, da reeepgSo d'aquetles objectos que esto alm do commum,
como bem sejam:
Bonitas caixiuhas de madeiras envernisa-
d;is, contendo navalhas e os mais necessarios
para viagem, servindo ellas de carteira
piando abertas
Outra conforme aquellas, proprias para
senhoras.
Outras roachetadas, com thesouras e os
mais necessarios dourados e de madrepe-
rola para costura, obras de apurado gosto
e perfeigo, proprias paro um bello pre-
sente, lendo algunas com mus ja.
Estojos ou carteiras de ecuro com nava-
lhas, e os mais necessarios para viageos.
ESCOVAS DE MARFIM
Para unhas. dentes, cabello c roupa.
Outras de balea com machetados de ma-
dreperola para os mesmos fins.
OBRAS DE MADREPEROLA
Leques, escovas para dentes, caetas,
didaes, brincos, alfinetes etc. etc.
Ricas capehas com veos para noivas.
Cintos de brim, com elstico para se-
nhoras.
Voltas de grossos aljofaes de cores,
para circular os coques.
Outras igualmente- bonitas, e com pin-
gentes para o pescoco.
Outras cora aljofares coloridos, e tran-
selin dourado.
Botes com ancora, e P. II. para fardas
e eolletes.
Abotnaduras d'aventurine com o pe de
prata donrada, para eolletes, cada um 50.
Botes de cristal, encastoados em prata,
para punhos. 44 o par.
Camisas de flaneila para homem, a me-
lhor qnalidade que tem vindo a este mer-
cado,
Meias de 13a para homens, senhoras e
creangas.
Ditas de dita, tecido de borracha, para
quem soffre de inchaco as pernas.
Pannos de crochet para cadeiras.
Novo sortimento de toalbas de labyrin-
tbfi, para baptizados.
Renda e bico de guipur, branco e
pFeto.
Fil preto, de seda, com salpicos.
Pequeos e delicados espanadores de
peanas coloridas, proprios para piannos,
oratorios, etc.
Bonitos passarinhos de metal prateados,
para segurar costuras, tendo almnfadinbas.
de velludo para^agulhas e ainetes.
Thesouras de duas. tres, quatro e cinco
pernas para frisar babadinbos.
j. AGULHAS NON-PLUSULTRA
Tal a qualidade d'essas agulhas, que
mereceu ao fabricante o pomposo titulo de
Non-plusultra, merece a Aguia Branca as
honras d'um annuncio, e sem duvida me-
recer das intelligentes senhoras, a devida
estima por sua apreciavel qnalidade.
Al agora nada se. tinha visto de to bom
em tal genero, e ainda assim custa cada
papel apens 200 rs.
Provavelmente d'aqui a pouco abundar2o
asalsilicadas para serem vendidas barata-
mente, porm as verdadeiras continuarlo a
vr especialmente para a loja da Aguia
Branca.
Descrever minuciosamente por seus no-
mes e qualidades a inBnidade d'objectos
que constantemente se acham venda na
loja da Aguia Branca, seria sen3o impossi-
vel ao menos infadonho por isso ella con-
fia na constancia de sua boa e antiga fre-
quezia. e pede aos que de novo queiram
reconhecer a commodidade de sens pregos
e a cinceridade de seu agrado, que n5o se
esquegam de comparecer loja d'Aguia
Branca ra do Quimado n. 8.
O Campos da ra do Imperador n. 28 tem para
vender o seguinte:
Queijos loudrinos, pratos, llmenlos o de Minas,
todos muito frescos e de boa qualidade.
Presuntos para Hambres e para tempero, paios,
salames etc. etc.
O verdadeiro bacalho de Noruega.
Latas com lagslas e ostras.
O verdadeiro caf Mocka.
Espeelalldadea
Grande remessa de cigarros de diverjas quali-
dades, vindos da provincia do Rio do Janeiro, no
vapor brasilciro Paran
A saber:
Cigarros ao duque de Caxias:
Ditos ao Maurity.
Ditos aes lonentes do Diabo.
Ditos Barbacenas.
Ditos Papel peitoral.
Ditos de S. Paulo.
Ditos do Rio-Novo.
Temos do medidas para seceos, secundo o novo
sysiema (mtrico francez), no armazem do Cam-
pos.
As mais adoptadas c maU facis tabellas para
de prompto se reduzir e a kilogrammas e ao
inverso cstao se acabando por isso recomrnenda-se
as eslabelecimentos que ainda nao tem, que ve
nham seus donos munir-se desso tao grande agen-
te do commercio, pois que, com a safra que-cst a
porta, toma-se ditas tabellas indispensaveis.
28-TUDO NOABMAZEM DO CAMPOS-28
O PAVILHAO
DA
S0IITI1IEM0 PARA A FESTA
Veude-se por menos de 10, 20 e 30 i
so* no
ARMAZEM CONSERVATIVO
N. 23--Lprgo do JgrQO.N. 23.
DE
SIMAO DOS SANTOS & C.
Os proprielarios deste bem sortido armazem de secco e raolhados estao re-
solvaos a fazere urna grande dirainuigo de p-egos as suas mercaduras, como se apro-
xima a festa e senipro se fazem avuiudas compras para o centro e praga, poi
isu previnem ao respeitavel publico em geral. que mande fazer suas despencas e cer-
los de que ver3o a grande differeuca em pregos mais do que em outra qualquer parte
e garanlinbi-se as superiores qualidades.
SEVADINHA E SAG 280 rs. a libra e
620 rs. o kilnprammn.
FARINIU DE ARXRUTA VERDADEIM
610 a libra e 15K) o kilo^rauuuo
BOUXINHA INGI.EZX MUITO NOVA a
400 rs. a libra e 8"0 rs. n kilogrsmmo.
VELLAS DE ESPABMACETE 720 rs. o
masso. em PIIOSPHOHOS DO GAZ E DE'SEGU-
RANZA, 280, 400 e 560 rs. o masso.
3)5200 e 63SOO a groza.
AMEIXAS EM LATAS E CACIIINHAh
DE MUITOS TAMANHOS i6iS(K 23500
33500.43500. 53500 a lata e a retalho e 13
a libra.
GOMMA DE MILHO AMERICANA 400 rs
o masso. e em caixa ha abatimento.
BATATAS NOVAS DE LISBOA 60 rs.
a libra, em caixa faz-se abatimento.
SERVEJA INGLEZA MARCA II 53500
a duzia e 500 rs. a arrufa.
DEM BASS, VERDADEIRA IHLERSd
BELL, 800 rs. a garrafa e 93 a duzia.
VINHO DO PORTO ENGARRAFADO DE
DIVERSAS MARCAS 13500, 13200, 13 e
800 rs. a garrafa.
GENEBRA DE HOLANDA E HAMBUR-
GUEZA 73 e 63 a frasqueira, e 500 rs. o
frasco. r
DEM DE LARANJA DOCE AROMTICA,
113 a frasqueira e 13 o frasco.
QUEIJOS DE DIVERSOS VAPORES,
3jiK)9. 23800 e 23400 em caixa ha abati-
mtoto.
TOUCINHO DE LISBOA MUITO ALTO
i 400 rs. a libra, e 880 rs. o kilogrammo,
e 113500 a arroba.
LINGUICAS FINAS PROMPTAS EM LA-
TAS 13000 rs. a lata.
LOMBO DE HORCO ASSADO JA PROMP
TO a 13000 rs. a lata.
CHA FINO. GRAUDO E MIUDINHO
33200 e 23800 a libra, e 63100 o kilo-
grammo.
DEM HROHRIO HAR NEGOCIO 23000,
23200 e 13800. rs. a libra,
gneros, vinho em ancoretas, azeitonas,
GAZ AMERICANO 93500 a lato, e 440
rs. a garrafa e 06O rs. o litro.
VINHO VERDADEIRO FlGUEIRA 560
a garrafa, e 43500 a caada e 800 rs o li-
tro.
DEM DE LISBOA das melhores marcas,
400. 440 e 500 rs. a garrafa, a 23800 e
332''0 a caada. 660 e 72o rs. O litro.
DEM BRANCO DE LISBOA a 43000.
a caada e 560 a garrafa, c>40 rs. o litro.
VINAGBE VERDADEIRO DE LISBOA
0<>. 240 e 320 rs. a garrafa, 13400,
13800 e 23200 a caada,
AZEJTE DOCE DE LISBOA 900 rs. a
garrala. e a 73 a caada: e 13340 o litro.
MXNTEIGA INGLEZA FLOR 13400 e
13280 a libra, 33060 e 23780 o kilo-
grammo.
DITA FRANCEZA 960, 900 e 850 rs.
a hbra, e 23100, 13980 e 13860 o kilo-
giammo
DITA HAR TEMPERO 560 rs. a li
tira, 13220 o kilogrammo, era porgao se
far abatimento.
RANIIA DE HORCO DE BALTIMOOB
720 rs. a libra, o 13560 o kilogrammo, em
porgan se far abatimento.
ABROZ DO MABANHAO E DA INDIA
120 e rs. a libra, 260 rs. o kilogrammo e
33400 a arroba.
ALHISTA 200 rs. a libra e 440 rs. o
kilogrammo. e 64OO0 a arroba.
JAF EM GRAO 63 e 63500 a arroba,
200.240 e 260 rs. a libra. 440 e 520rs. o
kilogrammo rn sacca se far abatimento.
SABO MASSA 240 e 200 rs. a libra.
320 h 440 rs o kilogrammo, em caixa se
iaz abatimento.
MASSAS HAR SOHA. MACARRAO, TA-
LIURIN E ALETBIA, 560 rs. a libra e
13220 o k b'graiiimo.
BOLACIHNHXS EM LATAS DE DIVER-
SAS QUALIDADES, bem como perola bri-
Ihante.comoination, Francv-cracynel, mixed
Biitania. Me. suda a 13000 e 13400, cada urna lata.
Assim como ha outros muitos .
muito novas, passas e figos novos, charutos de diversas marcas, marraelada, feila pelos
melhores conservemos em Lisboa, gela de raarmello, pcego, ervilhas, em latas, por-
tugu-zas e francezas, vinho verde engarrafado retalho, peixe em latas, bem como
pescada, tainha, pargo. goraz, lula, corvina, vezugo, cavada, sarda e sardinhas de Nan-
ies. ilaiHfa, cravo. ervadoge. cominho. piraenta, grandesraolhos de sebolla 13500.
Finalmente mu lo* outros gneros que enfandonbo mencionadlos.
AURORA
RLA DA IMPERATRIZ \. 2
Esqolna ila ra da Aurora
De fronte do Caf Imperalriz.
fteste novo e sumptuoso estabeleciiiiento de fa-
zendas, encontraro as Exmas. familias tndo quan-
to possam desejar, tanto em artigo? de rijrorso lu-
xo, como em todas as mais qualidades de fazendas
de sedas, blonds, alpacas, merinos, laa, cassas,
mussulinas, chitas, madapoles, aliiodOcs, etc., de
modo a sahir bem servido desde o mais rico e
exigente amante da moda e do luxo, at o mais
modesto pai de familia. Alm de se acharem pr-
vidos do que methor se eneontra neste mercado,
inandaram os proprietnrios dVste estabelecimento
vir directamente o que em artigo* de modas e do
mais apurado gosto se eneontra em Pars.
Urna mmli-ta e-ppcialmente necupada nos traba-
mos do PAVILHAO DA AUROHA, execntara
promptamente e com toda a perfeicao qualquer
trabalho a capricho, para o que se acha habilita-
da com tudo quanto mister para o boin desem-
penho de sua mis-fio, o que 6 urna grande vanta-
ge para o bello sexo, que assim vai encontrar
em um s lugar ludo quanto pode de-e,ar, i>t"
fazendas do melhor gosto, modista para prr-
feita execucao de qualquer trabalho, perfumaras,
chapeos, enfeiles, miudezas, lavas de Jouvin e
tudo quanto a moda pode exigir.
Aos cavalheiros igual vantagem sa otTerece, por
ter o estabelfcimento o mais completo sortimento
de fazendas para actos, e proprias para toda* w
eslaedes, e um hbil alfaiate encarregado de exe-
rutar com promplidao e meslria qualquer enemn-
menda.
0< proprielarios do PAVILHAO DA AURORA
nao tendo poupado despegas para dolarem esla
hella cidade do nm estabclecimenio digno d'ella,
eonliaii) nos seus esforcos o no bom gosto de seus
habitantes, garantlindo a maior circuiispeccao e
nnHlicidade de preciis.
0>m a possivel brevidade e em "ista da proiec-
5S0 que se dignaren! dispensar-lhe, este estabele-
cimento trar muias outras vanlagens, primando
entre ellas a publicacao de um jornal gratuita-
mente distribuido aos seus freguezes, o qual se oc-
cupar exclusivamente da descripcao das mo'las,
acompanhado dos ltimos lignrnos ; vantagem
qne at hoje anda nenhum estabelecimento olfe-
recen.
Concluindo, e na mpossihilidade de descrever o
rico e variado sortimento que possuem, os pro-
prietarios do PAVILHAO DA AURORA respetosa-
mente convidan! as Exilias, familias a -isiiar este
espacoso e rico estabele imenio que, alm lie lu-
do, est dotado do pessoal necessario para vender
e levar amo-tras s casas que as pedirem.
Pelo ultimo vaporreceberam ricos cortes
de vestidos para casamento, luvas de pcliea ricas
chanelihas para senhoras e diver>as fazendas
modernas.
Aberto das 6 da manhaa s 9
da noite.
ItAPfi POPIJIiAR
DA
FABRirA NACIONAL Di BABIA
Teixeira Uldurwo C
Acha-se "venda este nalinu) la;
p:.dc supprir falta do pri.iccra de Lison, por ni
de mi agradavel perfum, vajattae a preri (
mais mdico puartvcl ; v [tar Jwo \ acoihido na; praeas da Rabia, do Rio de JaucKpp
em outras do imperio : no escrintorio de i^aquin*
Jos Gongalves Beltrao, mu du Ouriinerlq nu-
mero 17
BAZAR ui
Ra Nova19
Carneiro Vianna
Neste BAZAR encontra-se nm completo
sortimento de todos os artigos que se ven-
dem por pregos commodos como sejam: Un
completo sortimento de machinas para cos-
tura de todos os ystemas, mais modernas
adoptados na America e approvadas na ul-
tima expsito servicos a electos para almo-
(o e jantar, salvas, bandejas, taboleiros, bol-
sas e malas para viagem, indispensaveis para
senhoras, candieiros para sala coima de mesa,
paredee portal, mangas, tubos o globos de
vidro, machinas para fazer caf, ditas para
bater ovos, (lilas para amassar farinha, ditas
para fazer manteiga, camas de ferro para
casados, solteiros e crianca, bercos, cadei-
ras tongas para viagem, ditas de bataneo,
espelhos de lodos os lamanhos, molduras
para quadros. gaz, baldes americanos, gu r-
da comidas, brinquedos para enancas, nra
completo sortimento de cestinhas, oleados
para sala e n esa, tpeles para sala, qnarto,
frente de soph.janellae porta, capachos de
Sparto e coco, objectos para escriplorio e
muitos outros arligos que se encontraran
venda no mesmo estabelecimento e que vale
a pen ir examinar.
MARMORE
No armazem n. "7 roa do Imperador, ba para
vender por baratissimo pre$o um gran le irii-
mento de pedras de uiarmorede diversas qualidA-
des, como si ja : degraus, soleiras, sacadas, moas,
baleos e lijlos, etc., etc._____________________
Botica, i
Vende-se a botica da run Direita n. It, a qiil
(ica defronlo do oiio do Livrametito, eom poocas
dmgas, 0 esl propria para qualquer principiante,
e se vende por prego coimnodo : os pretend'-ntc
poderao dirigirse mesma botica., que arharao
com quem tratar.
I
22 Ra Nova n.
J
22
Bichas hamburguezas
Ra da Cadeia n .51.
Npste novo deposito reccb#-se por todos os pa-
quete* transatlnticos, bicha* de qualidade upe-
i !r ; vende^ ero caixa ou porcao mais pequea, reir, dfi.ta & Filho. defronte do arco da Con-
i mal bara^to do que^ enf qnalquer outra parte : ceilo,em barricas granrtw.
CEMENTO
PORTLANO.
Venden no armazem amarello de Vicente FeT-
Machinas pra costuras
A este acreditado estahelecimenlo, che-
gou un r-iquissirao sortimento de machinan
para costura, de todos os auclores; a>
quaes se achara em expnsi;o no mesmo
estabelecimento. 0 progresso destas ma-
chinas maravilhoso 1 o seu servico equi-
vale ao de 30 costureiras dianas 11 Os
seus trabalhos sao pespunto, bordar, fran-
zir, e nutras inuitas qualidades de costura.
como se pede ver no mesmo estabeleci-
mento.
Garante-se a sua boa qnaudade, como
hem o concert de qualquer machina quan-
lo seja preciso; e tambera se manda ensi-
nar, al que a pessoa esteja bem pla-
tica.
""fifi
COGNAC
De superior qualidade da mui accredita-
da fabrica de Bisquit Dubouch dr C em
cognac orna das que mais agurdente da
cognac, fornecem para o cousummo do
Reino da higlaterra.
Vfende-se em casa de Th. Jnst. rba do
commercio n. l.
Vendem-se tres terrenos, seHdodo'is na ftu-
viagemc um na nu Imperial: a tratar na ruada
Queimado n. .'l. loja.
HIA A RSTA
Ra Direiti numero 5o.
Gratule c completa sortimento de handnjas cht-
nezas, lauto quadrada* como ouvais, e de todos es
tainanhos, romnleio sortimento de facas e garf-is
de le2B, Mbnfh inteiro e meio ti danco, ciltm-
res de metal principo, as mais linas que tem vu.^3
ao mercado, tim para coBnha, pnws kiiogram-
mas tanto de ferro cuno de lata (com redmc:p
de prec/i), meiros para medir fazenda tanto de na-
deira como de lato. alem de nm sorlimento rom-
plclo de lerragens e injudeus, hem como inaei.iua
de desc.-irot^ar algodao, inoiuhos para caf de torfof
os lamanhos, etc.,, eli',. tudo por pregos qne 3
avista (I i comprad >r taz f na na Direita n. 53,
loja de forrageii>de Manuel Rento de Oliveira Bra-
ga tn._____________________
HUIMOS
Vendem-se dnti< burros mansos, proprios para
carrosa ou caiga, na roehelra que fui do Rrr.tJ
He-paniiid, no liui da ra da Roda : a tratir ..
mesma cocheira. ou na ra Nova n. 22.
Cabriolet.
Vende-se um eahrwJet de *tns e quatro assen-
tos, o que ha de melhor niste genero, eom bon
cavado e arreios, Amaro, cocheira de Ttiomai l.ins.
Joaqaun Rodrigues Tavares de Mello
tem para vender no seu escriplorio, pra-
ca do ikiipo Sanli n. 17 priman, andar,
potassa da Ru-sia uilimamente clieg.tda
cal de Lisboa e vinho Bordeaux de supe-
rior qnalidade.
ESCRAVOS FGIDOS.
(iratificarse com 200 por cada
um, e mais, conforme a ta ncia etn que forera captu
railos, .
Do engenbo S Jedade, em Porto Calvo, fogirarr
untos no da 27 d" mez passad',dous escravos,cujos_
-ignaessao os seguidles : nm de nome l'Vlioi.e,
idade 25 annos, natural do Oar, cor cabra, esta a
um pouco disenrado qnando fugio, tem nscal>e||"9
carapinbad>*, olh-s grandes c vivo-, falta de ur
dente na frente, rost coniprido regular, pon; a
barba p felo de corpo, pernas gmssas, ps pequeos e
bem feitos, com marca de u1* ferida em cima de
nina das canudas das pernas,' e falla claro e des-
embarazado. O nutn de neme Manoel, lamN'i
cabra, tem 2.1 annos de idade, namral du Rii
Grande do Norte, estatura mediana, espigado, n-n
barba nenhuma, rosto curio, odios peqnemie B
vivos, n^riz pequeo, regular em gm-sor, d'iit'-s
perfeilos e alvos, bracos e pernas finas, pes regu-
lares, sabe lr e escrever, toca viola e canta de
improviso, fui munido de fal-os documentos. Am-
bos fortn comprados nesta cidade do Reeife ao
Rxni. Sr. harao Nazareth. o primeiro em julh.9
de 1866 e o segundo em jolho do Crrente an-
uo. E>tao anlios limpos de costas e nad'fra*,
por nao terem setTrido castigo algnm. Roga-se
pinianlo, s autoridades policiacs, capitaes campo, ou qualquer pessoa que os encontre.de U5
eapiurar, e lvalo a sen senlmr, Francisco de
Paula Cavalcame de Alboqnerqiie no nM^lUb
eiigeuho Soledade. no termo ib Porto Calvo, .>n
nesta praca ao Sr. Joaquim Rixlrlgues Tavares
de Mello com escriplorio no larpo do Cori o-Santo
n. 17 I andar, pelo que em qualquer da p.tr'e
23 de ..iitobro de i ra da Cadeia n. 51. Io amlar.
Na loju azem doFavao ra da Imperatriz n. 60.
Vende.se nm carrinho americano de qnalrt mr mt mr m\ KA^^J M*
roda, roin t e i sentos, e arreio para um ca- w !<. Hu"Ij
vado, tudo em boro estado: a iratar na ra da nina vaeca de leite por preco cothmodo :
FioreoUoa, offlciiu de Mr. Groejean. da Cru a 13.
na roa
Resta venda uro escolhido sortimento de o
celos de marcineria, como sejam, moliilias de ja-
larand. mogno eamarello, obra nacional e esiran
reir, de apurado gosto e por^rapi- raz..aveis
n ra estreita do Rosarlo n. 31. Nesta mesiii;
jus fazem-seeo porfeiciutKido- os trahall !
lalhioha, com sejam, empalhamentos de lastro
jara camas, cadeiras e topns.
RA lA GLORIA W. 5
(Mara do FuudAo.
Ha setnpre aesla olaria grande sortimento d<
inateriai"-*, romo lijlos de alvenana batida, ladri-
Iho, qaadrsdo de 8, 9 e mais tio|legadi<. lelha- e
iethOe<.tljiiki(de,tapa'nert.w O pn|ii iHartii de-*-
la dara garante a bmxlade e barro de ta*- maie
riae>, como tambem vende-se nuis barato do que
em outra qualquer parte.
I
VV1SI)
Fugio segunda feira, 18 de mitehro, n e.vr.\v,
Antonio, prelo cri-ulo. idade 50 annos, pouco u a.
ou menos, de estatura rvgu ar. falu de dentes na)
fente, quando anda um pouco eorrovafo par
liante, levou v. slidii ralea de brim pardo, Ciiiik
le estijw. ecb.pi de pa ha ja v.lho : rHe ev-
crav. veio ja ha lempo do Rio Ktiikw, e so*.
pie-se ter para all seguido : qnem o pepr H-
w-o a rna da Concordia n. K rriinaco, que *
i ni grntilieado.
Kofiio dosillo da Saplieaia a H do
iin*x, '.> e'i.Tavo ib' noine Jorf, pelo, irtade
Menos So ailas, alio, -eren, exra rus
gnissa*. bi'ni falanle e
incoes lepara a mat.ini;
'arnicini, un a^nliar na- i]
iioliciaes e d^^^^^^H
(lente iHten-WKP 111*
irmal
M."^ll'*C* #
114"- yr<
1*

u
7T


8
Diario de Pernambuco
Sabbado 13 de Novenibro
I
a*
uraauam.
POUCO DE TUDO.
ESTATUA A LAMARTINE. 0 eaolp-
lor A'iao SalomSo j terminou a estatua
de Laua/ne, qoe, segundo o desajo dos
esculpieres franceses, se ha de erigir na
praca da cmara e Pars.
O poeta est representado de p.-coro
nma mo sobre, o ello e ropellindo com a
ontra, com gesto taergice, a bandeira vr-
melo que as paijfes revolucionarias que-
riam impor repblica de 1848.
O e^enlptor quiz snccionar esta grande
recordacao, eisu obra cternisar una
solo patritico igual os mais sublimes poe-
mas,
ACCIOENTB EMCAMWrK) BE FERRO.
Acaba do dar-se um terrivel aconte-
cimento no ramabo de ferro do Midland,
entre Notunghaa a Derby On^^wa).
Um dos trens qoe ia de Nottiogham encon-
trou a meia noute. na altora de Breasloo.
am comboyo de aaorcadoras ; pode parar
a lempo, mas infelizmente ia atraz d elle o
expresso de Nottiogham a Trent, qoe se
lancou sobre o precedente, produzindo um
espantoso choque.
Morreram 7 pessoas e ficaram muitas
outras feridas. e tlgumas to gravemente
qoe poucas esperances davam de vida.
A suena fui tanto mais terrivel que pas-
sou-se de ooule e longe de qualquer"babi-
taeao.
TRISTE ACHADO Acaba de descobrir-
m no bairro da Trindade em Malaga
^Hespanh O alga cadveres enterrados no
subterrneo de ama casa.
Entre os cadveres, o de urna menina,
que teria aproximadamente 12 annos, offe-
recia todas as apparencias de ter sido de-
solada, pois tinta dua? racisoes no pes-
coco ; eslava coberla s com a camisa, e
sem sgnaes de ler sido enterrada.
Tambem se encontraran entre os restos
humanos intestinos frescos.
, As circumUancias que concorrem n'esta
descoberta sao lo diversas, que urnas fa-
zem crvr qne n'aqoeHe sitio houve um centi-
terio eousa de qne ninguem se lembra em
Malaga e oulras a perpetraeo de crimes
occultus e impunes.
i Como snspeila. foi prezaa dona da casa.
em podar da qual foi alm d' isso encontar
da urna camisa ensangaentada de mulher.
Acsticas de Malaga tratam de descobrir
o mysteriu que envolve o adiado.
Agradeco-lbe o seu eioqaabi
Resjwuvki -Uu pteisu, c aujcrla-UM -J
pi.
Vctor Hugo.
VIAGEM DO OWEKTE.- Achamae d
jornaes da Europa a seguinte descripcao
do palacio qoe deve occupar a imperatriz
dos francezes, quando em Constaatioopla :
t O palacio onde habita em Constanti-
nnpla a imperatriz dos francezes (bi edi-
ficado ainda ha poucos annos; forma um
quadrado, cujo aspecto externo bom tris-
tonho.
Eleva-se na margen asitica do Bos-
phoro.
t Vai-se para l n'uma canoa; sobem-se
dous degraus de marmore brauco a entra-
se no palacio.
c E' coaposto de dous andares, acima-
dos por um terraaso com balustrada de
marmore.
t A architectura do palacio, tanto par-
ca-
at
niMCAA fhifitfH dna i M lltfcl iti I i^^^^^B
pmsados ujs folhagens, ferramo otenos
vdimelhos fruclos e retalbam as rosadas
ptalas das flores.
O jardn do patero uo
como eram loraaes, e i arma fbracceita pelos pa-
ire, declarando logo que aSo pegara u'elta
havia muito lempo.
Comquanto o Sr. de Beauraont nunca ti
ivesse jotado o sabr, as suas in truccoe:
imitmdm do duque de Hamittoa, bar um e eoroaVr de tos, tfom* un jini fuaes
grande edificio
O lugar aprazado era urna flbaft qoe
n:i Europa, 09 simplasaeirte enfeitado
algum trras.
t Pendun-se do odo, e sobo-a* |3o tem nome e que- venr designada por
pira os seus mil andares por escalara m urna letra nos. mappas ofliciaesque lica
nriarmoro branco.
Ao meio camin adata aa toda a ci-
dade de Stamboui, com os innmeros
niiraretos, cujas grimpas afodbsima pi-
recem querer chafar- ao co.
L do alto, peroVse a vala ao longe,
amentando ora nt> mar Negra, ora na mar
m Marmora: os olhos all s tfceiw ao
horisonte por nico limite a liaba recta
em qpe o co e o mar se unem.
CARTA DE VCTOR HUGO. Vctor
Hugo dirigi a seguinte carta ao Sr. Luiz
Jourdan, redactor do Sicle :
Briixellas, 12 de outabro do 1869.
t Meu charo e velho amigo.Trouxeram-
me o Sicle. Li o seu artigo que me
comraoveu, qne me honra, e que me ad-
mira.
J que me d a palavra, eu tomo-a.
Agradeco-lhe o meio que me faculta
para destruir um equivoco.
t Em pnmeiro lugar, sou um simples
leitor do Rappel. Cuidava que j tinha ditn
isto bem claramente para me ao cons-
trangi'rem a repeti-lo.
Em segundo lugar, nao aoonselhei nem
aconselho qoalquer manifeslac popular
paia o (lia 26 de otitubro.
' t Applandi [llenamente o Rappel, quan-
do pedia aos representantes da esquadra
um acto a que Pars poderia associar se.
Urna dnininstraGlo exprossamente pacifica
e s^m armis, como as demonstrares do
dovo di Londres em semelhantes casos,
como a dt^monslraco dos cerito e vinte
mil fem'anos em Dublin, ha tres dias ;
isso o que o Rappel pedia.
Absieiidu-se porm a esquerda, deve
abslf r-se o povo.
* Kdlla an pofto o ponto de apoio.
t Por conseginte, nada de manifesta-
do.
t O direito est da banda do povo, a
\iofHiiria lea do lado do pod3r. Nao de-
mos ao poder nenlnm pretexto para em-
pre},';ir a violencia contra o direito.
Ninguem deve sahir ra no dia 2 >
de outuhro.
O >jue sae virtualmente da situarlo,
a abulicao do jorameo'-o,
t lima dfclaracSa solemne dos repre-
sentantes da esquerda desligaudo-se do jn-
ramfiiU parante a naeao, essa a vttrda
deira-!lc5o d crise. Selucao moral e
revolucionaria. Junto estas duas palavras
j de raso pensado.
c Abjiteuha se o povo, e Gca o chapes-
sot paral sado ; fallem os representantes,
e fii-a millo o juramento.
Tat-s s3o os meus dous conselhos, e
j que se dignou de me pedir minha opi-
yiio. ella ah (icaiateira.
Miis urna pdavra : quando en aconse-
jar urna instirreicSo, hei de l estar tam-
bem.
' Mas d'esta vaa nao a aconselho.
dentro como por fra, nao apresenta
racter bem definido, e aproximase
certo ponto, "da disposcSo neogrega.
t As portas da entrada sao estroitas o
pouco elegantes; as escada sio pequeas,
mas a desagradavel impresso prodazid
por estes defetos desapparjee em se che-
gando ao segundo andar, onde esto os
aposentos da imperatriz.
O palacio de Beylebey, como todas
as habiliacoes turcas, dividido era duas
partes iguaes. De um lado fiea o harem,
que pertence s mulheres; do outro
o selamlk, que pertence aos horaens.
Esta divso, exigida pela orgaaisago
da familia musulmana, reproduz-se em
todos os andares.
t Os aposentos de sua magestade estto
preparados no harem.
* A escada principal condtiz a am sali
de espera de largo estylo.
c E' um quadfilongo.
No tocto, susdo por columnas de
azul ferrete, esto prodiga usados os capri-
chos de urna ornamentaeo marivlbosa.
t Para este sali de espera abrem-se
aos quatro cantos outros lantos sates en-
cantadores, um azul, outro vermrlho, o
terceiro branco, e aquarto branco e au-
rado.
A casa de jantar, que tambem d para
o salSo de espera, apresenta a
combinaco do agasalho europeu
usos do paiz.
As bacias e os jarros que serven nos
lavatorios antes e depois da comida sao
cravejados de podras preciosas. Tedas
as pecas do servigo de meza turco sao de
mago 1 licencia oriental.
A demais d'isso, o sulto mandou fozer
na Europa um servico de meza completo
de extraordinario luxo.
Para sala de espera, que o panto
central de onde irradiam todos os aposen-
tos, abre-se da banda do Bosphoro urna
enfiada de saldes de recepcao, ans mobi
Ihadas raaneira da Europa, outros exda-
sivamente como se usa na Turqua.
* Os primeiros sio notaveis pelo valor
dos objectos, pelo esplendor e abundancia
d'elles.
N5o ha n'aquillo o gosto apurado
CUTME DE PANTTN.O fado occorrido
liaste lugar ttm dado lugar a aigans succes-
9os que a imprensa refere: O Sitr-k' conti
o seguinte :
t O guarda da nbute do servico na bar
reir da passagem do ciminho de ferro do
norte, situada entre Pantin e Anbervilliers,
Scou por um instante horrortsad, vendo
urna flgnra humana"agitandb-se e andando
a passos largos, mov^ndo os bracos e ges-
ticulando.
Isto parecen-llie tanto ma s extraor
com tipparencia
Kigubro, conbaeido coas o aome $ flam-
c*'
engenbosa
com
os
com certeza, mas o aspecto geral encanta
os olhos.
Os sales turcos sao ornados com
delicadeza, tal que faz lembrar as maravi-
llas da architectura rabe. Alli nao se v
nina paredeque nao seja lavrada por tolos
os lados, arabescos e inscripces poticas,
por cima dos ledos esmaltados com as
mais hriihantcs cores.
Entra-se depois nos aposentos resr-
valos ; a primeira casa, que serve de sula
para as damas de servico, apresenta duas
particularidades notaveis.
Um dos lados d'esta casa fechada
por um inmenso chale da India. O fundo
branco, e n'esse fundo corren foiba-
gens douradas.
L'ns balius de original configurarn
consliluem parte da colleeefio proveciente
de avs de Abdul-Aziz. Sao objectos pro*
ciosos e armas de tanta riqueza e de tan
habilidosa manufactura, que nem se pode
descrever.
Perto do sallo eslfio o quarto d^
dormir e os gabinetes de toucador, enj"
preparo foi adequado aos usos europeus.
A cama est n'um estrado, e tem por
i-ima um docel forrado de preciosissinws
fazendas.
Do quarto de dormir cntra-se n'um
pequeo corredor de poneos metros, e
ebega-se ao banbo, que de gosto finis-
simo.
* Comp^-se de duas sa'as, coa um c-
pula por cima toda crivada de barafuinbos.
por onde a luz penetra. As tornaras sio
de prala.
As duas salas teem paredea- e
(de marmore.
N'uma est urna cama para descanso,
diarlo qiianto que a figura que so apresen-
t.iva, Ihe era representada vestida de bran-
co, tendo as pernas e os ps n9.
Passda a primerra sorpresa, o guarda
aproximon-se do pliantasma, e obsenoh
que se achava effectivamene em presen-
ca de um homem qae ttrtha unicamen-
te urna bluse, estando em trada de ca-
misa.
Qnetn sois? que> fazois aqui? per-
gontou o guarda,
Sou o pai! respondeu o desconbe-
cide com voz cavernosa; sanio da'campa.
procaran>ra, mas nao me encontraran
por que vou partir palo caminho de
ferro,
c O pai de quem? torna o guarda.
1 Joao Kinck Julgarara ler-me assas
sinado, mas enganaram-se; nao eslou mor-
t:>.... estoo vivo!
Pois be, diz o gaarda vendo qne Ira-
tava com um louco; vnde comiso, vou
mandar-vos dar um bilhete para oprimeiro
treui, o podis partir.
O individuo deixou-se conduzr sem
resistencia al Bourget, onde o guardar o
ijntregou a gendarmera.
l)esde o negocio Traupmann os hab-
cantes de Pantin e d'Aubervilliers n5o pen-
cara seno em crimes c em assassinatos;
.mbern na manha iminediata, as oito ho-
ras, dUis homens do campo, que vinha
cada um delles do seu lado, chegaram
mystcrosamente ao quartel dos genJar-
mas.
Um delles trazia urnas caifas, um re-
logio e um lenco, encontrados no caminho
le Klandes; oontro leava uns sapatos e
ninas meias encontrados igualmente no
caminho que condus a mesma estrada.
t Ambos elles osto perauadulos de
que aquelles objectos pertencem a urna no-
va victima assassinada durante a noute.
mas conheceu^so logo depois que nio era
nada, par isso que os gewbrnaas reeonlfe''-
ceram que todos aqnellea objecto perten-
i'iam aa homem louco que tinlia s docondu-
zido pelo caminho de ferro.
Este homoin. chamado Jarge D;.^
de Pantin, e fabricante de corAas fuera
rias. Nestes ltimos dias tinha elle prepa-
rado e vendido nimias dessas cor&as aos
que iam visitar o campo do Langlois. O
pobre homem. que jnha a cabecaum
pouco fraca, enloquecen. Foi elle mesni*
no meio do Rneno, ao p da ponte de
KehL *
3o is 15, pela mmhia, foram para l
oa adversarios cos padrinlios, e travouse a
Dicta.
& conoide Beaumonl no*abia a esgri-
mt d sabr, o sesvmio'-se" delle como di
itere, atrou-se ao principe com fu-
ria tal, que osto ultimo, nao obstante e lon-
go estudo que Hzera da arma, logo foi fe
rido.
O sabr do conde atravessou-lhe a par-
te supirior do braco de um lado ao outro.
A ferida apresentou om carcter de muito
seria gravidade, por ter sido Turada a
teria. Prestaram-se-lhe
dados, e levaran depois o ferido para casa
da Sra Bassire*, m5i da Sra. de Poort&>
les, cujo palacio flea perto da ilhoU onde se
dera o desafio.
A propria existencia do principe deu bas-
tante cuidado por algaraas horas. A^ora
vai melhor. Dizia-se qne a infraeco feita
pelo principe de M^tternid as regras da
diplomacia talvcz me valere o ser demetli-
do do carg qne tem om Pars; mas como
foi negocio inteiramente privado, julgamos
poder alUrmar q-ie o imperador de Austria
nao loimr providencias de rigor contra o
seu representante em Franca.
PRISiO POR DIVIDAS. Estas prisoes
foram ltimamente abolidas em Franca,
mas continuara a existir em Inglaterra.
E'por isso que se falla muito om Lon-
dres da prisSo de lord Carlos Jos Archi-
bal Hamilton.
Eis-aqui a respeito d'este fado os porme-
nores que refere um correspondente ingler.
Lord Carlos nasceu era 1847, era urna
casa de Connaught Place, prximo de Hyde
Parck. Seu ;-mSo o duque de Hamilton
apenas dous annos mais velho do que elle.
Lord Carlos fez os seos estudos no cele-
bre coflegio d'Elon. Q jando tinha qa'mze
annos de idade, foi nomeado porta-estandar-
te do regiment de cavallaria de Je de Lancastre (corpo dos proprietarios ni
raes). H tres annos entrn em urna com-
missSo no exereito. na mesma poca em
que seu irmoera feKo tenente coronel do
regimentbda rainha, de Glasgow.
Lord uarlos actualmente porta-estandar-
te do 11. hussards do principe Alberto.
Quando lord Na ier de Magdala empre-
hendeu a campanha da Abyssinia, o joven
hussard foi como seu ajudanl de campo.
Durante todo esse tempo lord Carlos se-
guio vida desvairada. Jogava principa-
mente o Turf, em que perdeu sommas eon-
sideraveis. No espaco de om auno, as
carridas de cavallos levaram ao ponto da
banca rota ties oa qnatro mancebos fllbos
das mais il'wslres familias de Inglaterra ;
lord Hustings morreu completamente arrui-
nado; o oven lord Cnlton acha-se actu-l-
inente respondunda-perante o tribunal das
bancas rotas, assim como o duque de New-
Castle.
Agora lord-Oarlos Hamilton, e herdeiro
presumptivo dos duques Hamilton, est en-
carceiado na prisSo por dividas de White-
cross-Sireet.
Sabe se que o duque de Hamillon p-
rente, ainda que alfastado, do imperador
dos francezes ; a princezi Maria, lilha do
fallecido gr*daque le Badn, prima de
Napoleo III, foi esposa do duque de Ha-
ton-House.
< Esse cft cowluzia lord Carias,
qual, ignorando o pariga te carri, It-
mava tranquilamente um charuto. O alen-
tado Sawyer, assontado na almofada, nlo se
apercebeu de dona homens, quaa>tavam no
exlremo da Beuaett'Street, e qM se oc<
tavam no v5o de ama porta.
Aqoelles dous homentsahiram derepen-
te do seu esconderijo, e parando em frente
dos cavallos, gritaran:
t Parai I
Sawyer reconheceu desde logo os qna-
drilheiros.
t Deixai camnhar! responden etle.
Eao m8mo twnpo o seu chicote efl
volveu em um dos taes esbirros, de manei-
ra qae o lancou por trra. O seu compa-
heiro nao perdeu tempo em o levantar; cor-
reo para o lado, aonde eslava lord Carlos
o qual, abrindo n'esse momento a porta,
os primeiros coi- ] sahio correndo na direcelo de Jermyn-Sireet.
sempre em sua perseguirlo.
f O outro quadrilbeiro levantou-se, e
tanto um como outro correm atrs do fugi-
tivo, gi tanto com todas as forjas dos pul-
raes :
cParei I Parei f
t O mancebo eslava a ponto de ser alcan-
cado. Vendo quanto eran inuteis todos os
seus esfrcos, parou e coosttuio-se preso.
c N'este meio tempo seguo Sawyer atraz
da multidao com o seu cab.
E encontrando-se logo depois com lord
Carlos, disse-lhe:
cMas isto nao ainda tudo ; preciso
que me pague o proco da corrida.
f Deixa estar, disse um dos esbirros:
sua senhoria vai entrar comigo no cab, e a
corrida ha de ser paga.
* O esbirro abri a porta, lord Carlos
eotrou, soltando um suspiro acompanhado
pelo esbirro que se sentou ao seu lado, gri-
tando para o cocheiro em tom de mofa.
Para Whitecross-Street.
< Urna multidao immensa de povo se
agrupou na ra em volta do trem. Este
faeto deu margen a largas considerares
sobre a vida do joven lord, e de muitos ou-
tros qae se acham qnasi em idnticas cir-
camstancias.
Lord Carlos ainda est preso. Ignora-
se o que pretende praticar a familia d'a-
quelle mancebo em presenca de semelhante
ocebrrencia.
Jo kilo oiicouUourSo um frasco contendo
infusao da papoolas, da qoal a infeliz tinha
bebido oaa grande parle.
A morte, sea*! xaaie medico-la-
gtt, operdb 1llllttw9h^t3U^^VTe,, foi produzida
.b5o s pela infusSo das dormideiras, mas
pelo gaz carbnico de qne o quarto estava
cawio.
A infeliz tinha 3edt>to na vespera sete
cartas tarjadas do hifc qu*raan(te1evar
ao carreio por r.a das criados da. hospe-
dara.
Esta dami, qufr era doptada de rara fcW-
leza, viva separada de seu marido, enge-
Bheiro de caminlaa, de ferro/ que a tinha
abandonado.
E' a esta cau?a, diz o Droit que se deva
attnbuir o suicidio.
|uera se desp'o, laando para a estrada milton, pai do duque actual.
alguns dos objetos de queso servia. En-
:arainhou-se po^s pira o caminho de ferro,
com a idea fixa de partir.
e a p chale.
Varios passarinhos phantisticos que
DUELLO.Havi j muitos dias que em
Pars se follava n'uinduello, devendo effec-
tuar-se entro o conde de Beaumont e o
prine.ipe de Mtternch.
Tintiam-rsa dado normacoes errneas a
e:te re>pi*ito por muitos peridicos. Ago
ra porm que j se realisou o pesafio. p
de estabelecer-se a verdade dos fados.
Os preliminares do desafio precisaran
de cerl s demoras, devidas ao afastamento
dos di us adversarios; a situacio diplom-
tica do priadpa exiga alom disso certas
reservas.
Mal se ajustou o dia para o duell. o
conde de Beaumont pedio aos seus padri-
nhos, np^xar de se considerar elle o offen-
dido.qae deixassem ao principe a esculla
das armas.
Os padrinhos do principe de Metternich
eram : o principe de Sagan e o conde Wel
efeaw sershem, addido militar a em sisada de
Austria era Pari<:
Os padrinhos do conde eram o .viscoade
do Orcet, olTIcial de cavallaria e o conde
de Gauville.
A arma escolhida por Metternich foi osa-
As dividas de lord Carlos elevam-se a
urna somma fabulosa. Havia algum lempo
que os seus credores foram prevenidos da
chegada do joven lord a Inglaterra, d'onde
liavia saido prudentemente, era consequencia
das instantes exigencias dos seus fornece-
dures. Servia-sesempre do mesmo cochei-
ro homem gordo e possante, e de propor-
cTms gijiantescas, que d pelo nome de
Sawyer. Tinha sido posto disposico do
joven lord um carro proprio, e aquetle co-
cheiro.
t Sawyer conltece muito bem as leis, e
LADRA INDUSTRIOSA, BIGANA E EN-
VENENADORACom este titulo publica
um jornal a seguinte notida :
i Trata-se de urna joven e linda rapari-
ga Fany Lcctilia Stockwell, qne merece urna
bella pagina entre os criminosos. No anno
passado apresentoo-se ella em casa do joa-
Iheiro de Birminghan. dizendr qoe acabava
do h rdar, segundo om testamento cujo
extracto aulhentco apresenton, urna sonraia
de 500 o podia por coasequencia com-
prar afumas joias.
Entregue a mercadoria o nao paga, o
joalhe'rro conheceu que o acto que se dzia
autlientice era falso.
t Miss Fanny Lustilia casa-se pouco tem-
po depois com um tal Mr. Racker, o q lal
desappareceu alguns das depois do noiva-
do ; nao se diz porque.
t Depois disto, miss Fanny proeprou
viver ; foi servir como governanta em casa
de um tal Mr. Stockwell, homem que pos-
suia urna boa fortuna,; embragando os seus
a tt rae ti vos, conseguio conquista-lo, tornn-
dose l-gitima mulher desse Stockwell a ti
de junlio ultimo.
O Sr. Stockwell nao seria bastante
generoso :om sua esposa ; assim aj deve
acreditar, por isso que Fanny I.cotUM aja>
bou ena pouco tempo algoraas joia, mi|*t-
lor de 100 *
t O Sr. Slockwel recebeu queixas a ?fe-
venco; comeca a pois a desconfiar de
sua mulher, quando cahio repuntioaraente
enfermo. Suspeita-se naturalmente que a
mulher teulia concorrido para a doeuea.
Foi pois presa, e o seu curioso proeesso
vai dentro em pouco inslaurar-se, ba-
scado' obstes tres pontos de aecusacao :
roubi induatrioso, bigamia e enveoeaa-
uw-Dta.
CAUSA CELEBRE.Os tribunaes de San-
tiago (Chili) tratam actualmente de n sin-
gular proeesso de divordo, promovido por
urna mulher, qoa pretendo qu seoaa-
poso pertence ao mesmo sexo que eHa.
As circumstancias desta uniSo extraar*
diara, diz a Qazcta- d-w Tribmae, sS
muito curiosas. Parece que urna das duaa
mulheres que faa de mando desposara a
outra, fascinada pelo dote importante qoa
esta posBuw, e pelas numerosas espenmea*
qoe tinha em perspectiva.
0 pseudo marido tinha por costume din*-
gir-se aos banho de colina para ahi vender
ovos e antros gneros; a polica nao dei-
xava de Ihe prestar attenco, e achava sin-
gulares as suas maneiras ; dehaixo de un
pretexto qualquer, jamis deixava o seu
manto; a sua corpolncia nao deixava nada
a desejar, mas andava vestido de miaeira.
qae se nao podia suspeitar cousa al goma, o
qae era faril socceder, porqnanto usava a
vestuario ordinario da geote do paiz.
Parece que a mulher deste singular es-
poso da orna simplicidade, que toinoa-
possivel, dorante muito teapo, o subtern-
gio de que se trata;
Mas a sittiacao cada vez se complicavr
mais. Agora, aquello marido de um novo-
genero, ter de explicar perante a justifa-
criminal os manejos extra-legaes e as fai-
sideacoes de actos vis a que deve ter re-
corrido para diegar aos seus lins. Alear,
disso consta que vio ter nevitavelmente
logar numerosos proceesos rivis om ooose-
qaencia deste divordo, que nao pode det-
xar de pronunciar-se. Eflectivameoto a
maride, durante o seu extraordinario casa-
nwnto, fez aeqo'rsicoes ; eslipoloii, em nma-
de sua mulher, cora terceiras pessoas; lo*
mou posse de propredades que compu-
nbam os bens de sua mulher, e adminis-
tro u-as.
A que promovo o actual proeesso, logo-
que a sua unio estiver declarada nulla,
nao deixar de intentar execucoes a res-
peito dos contratos firmados pela senbora,
seu marido.
Por outro lado, ser .ella obrigada a en-
tregar snccesso paterna um dote que I1*
tinira sido dado, nicamente em virtude de
nra casamento que nao leve todos os resul-
tados que havia direito a esperar delle?
E' este um ponto de que vao oceupar-sa
os tribunaes, e de qoe deven Iratar ainda
por muito tempo os homens de le.
os credores, de maneira que lord Carlos
nao tinha que hesitar em se entregar as
suas maos. Era to gloriosa esta sna mis -
sio qtw o cocheiro soube por muito iYuip>
siibtrahir aquello mJiocebo a vigilancia dos
seus argos.
t DesgrafadamentP, os quadrilheiros en
pregavam igual interesse* e dedicaco em
encontraren o sea homem. qun Sawyer ti-
nha em o esconder; mas Sawyer era so,
eaquanlo que o-i quidrilli iros erara ana
Mi. Jase) v qae ft ftcilprever a derrota
[de Sawyer.
t R-'M effactivameate o que suocedeu.
f Quarta feira passada, ao m iu dia, a-
minhava um cab, Com rapidez, do lado de
Arlington-Street, aonde est astabelecida a
FOLHETIM
; OS CASACAS PRETAS
ROMANCE
por.
Paulo Fval
Segunda parte
IHIS PATli
XX
fioutoek de historias.
fContinuacao do n. 289)
As pessoas- qne tem de esconder al-
gnma cotfia, madam de nome. O coronel
aao faziatal : era o c ro el B izzo em P.i
ris, em L ndres, era toda a parte. H -uve
sim alguns zuaa-zu s no club, sabidos nin
guem sabia da onde ; as ns lingoas diri-
ginm ffe livm mte umas s outras di
versas pergunUa ; mas o gantleman fran-
rez fra apresentado segundo as regras, e
era etelltint!) jngadof.
', O seu parc^iro habHoal era John Mi
aon, IIm de um nabibo. que g^nhra uii-
la''s a envenenar os chins. O tal Mison
passava or tereento. e Crnenen'a mil libras
atterlinS de reni. AcabSra de casar com
ama actriz, e aadava arrapendido, segun-
do o costura i.
Urna m-mlt3* prtio era companhia do
aoroiel. n'um nnvi* -qe e fata de vela
ara a Italia. Bs ?boato que a este ras--
aetto corteo em Loadras. I ihu Misoo, J.
jwrondriaoo, aeaaa aa tanto a aAria tf&ti m mei^-dta 4s ga-
ropa urna residencia de invern Preten-
da el e possuir tres ou quatro leguas qoa-
drada segundo diziam, e funlar n'esses
terrenos um dominio como jamis se vira.
Ora, a herdade do coronel era (Ib molde
para satisfaze -lo, porque, partindo das
montaiihas, alcancava o mar atravz de
vastas Piresias. O coronel o3o tinha mais
jue aqndle patrimonio, na eptaao dos
soii pieos dous companheiros de viagemiam
jugar justamente n'aquella propriedade
nina ;olossal partida de b ick-garamon, qu
decidira o dominio.
f O coronel nao tornau a apparaeer em
Londres, onde a lendi dos Casacas Pretas
cahio gradualmente no estado de cont da
carochinha.
Nenhuraa capital europea pronnnciav
1'aquella poca o nome do Casaaa Preta,
(pie fliictuava as longinqnas historias d
uiyihologi bandnleira, como os grandes
noines de Cartondia. Munlrin a~Schinder-
liannes. Da reponte, pelo anno de 1821.
ressusdtarara-n'o os jornaes. O Gaaav
Preta eslava as prisOcs de Caen, palo as-
sassini 1 de urna senhora ngleza, a cx-adri
S*ra Buttler. viuva de John Maaaav
rinha entae morrido Jv Masn "
Ifio digo lodo, meus amos ; fW, ae ^ne
rem mais ampios esclarecimientos, ha ah
am homem, ua homem c.-wac qae am
Juinze annos da sua vida com ^ente d
polica ecom fadroes...
Aqui det ve-se Brunoaa. para 'tJHbar c
folego. liaba as faces auavvattfidia
ia* (antes borbHlhavaaadhaigelaa aivaaar
Rstevao e Mwricio eeeuiavam aort pro
funda curiosidade aquella narrativa, qr
pareca calculada para estimula! a atlencaa.
levando-a longe do ponto do partkla; Bs
tavam de ceno cera leguas dos pas, o
luiz e o commissario d polica de Caen, e
lamb ni cem leguas de Audr MaynoUe.
o tavrante do prfido bragal. ^ .
Maurti'M perguntou : ^
Esse homem da quem falla, o se-
nhor ?
Bruneau deixou cabir sobre elle a vista
indefinivel, parda e martca como as cinzas.
sob as quaes pode um incendio minar.
J olbaram alguraa vez do perto.
murmorou. para o desgranado que adra
.10 lado dos senhores... o Tres Patas,
como por ahi Ihe chaman ?
Inlerrompau se novamente.
E ento ? interrogou o Eslev5ot pro-
curando sempre o seu drama, com a teiu-
cidade da um cao que fareja urna pista ; o
'Tres'Pata?
O normando nao respondeu.
John Masn eslava bem morto, can-
tinuou saccadidamaata. Curiosa historia I
Sei montees d'ellas. Ah i ah 1 se sai. -
Nem Pars nem Londres ouviam j fallar
do Casaca Prau. Mi admira. Nao e
possivel estlr em toda a parta ao mesmo
tempo. O. (lasca Preta andava viajando
E o peqnead s-epetario do coronel, o To -
lonez Amizade, taba araaeido ; eslava um
rapagao.
* Juhn MaooesUva bea
rante um auno, tinbadba a ajj
da Laadsaa enviado par;
mas
gae
Que fatia elle em Sarleno X Nunca
ninguem o soube ao certo. Naturalmente
jogava a propriedade. A partida durava e
tornava a durar. A surte mudara. Masn
per>ia, visto que inandava ir fundos. A
actriz leve aedo do licar reduznla mi-
seria. P.uto da Laaios urna befla ma--
uhJ, elbi Goraegii, para velar pelos seus
haveres.
Quando um iofe iz est preso, fcil
:fazer-lhe escrver assignar o que bem
se quiser, nao assim ? Creio que havia
muito que John M. son j nao jogava o
bark-gaminon. Quando a mulher foi ter
com elle, que sitceo leo ? Anuunciou por
carta a morte do marido ao tabellio de
Londres e pedio a seu turno dinheiro,
sempre dinheiro.
f O C i-saca Preta tem disposto na sua
vida de mais ouro do que seria preciso para
comprar Pars.
. c Mas roda d'elle ha um exereito, e
isso custa raro.
D tabellio de John Masn recebeu urna
ultima cana da viuva. Nio se pareca co n
as outras e continha apenas quatro liabas
annunciando a sua milagrosa evaso. J
vam que la va una prisau, A final mis-
tress Masn nio enirava em pormenores;
liraitava-ee a dinr, que visto acbar-se li-
vre, ia drigir-* |iatia.
Comosa aaaaeiava do mar,
dafttfl
SUICIDIO.Urna senhora de 26 annos.
que pareca pertencer naci polaca, re-
sida ha algum tempo numa hospedara d;
ra de Tournou, em Paris.. Inquieto ulli
mmente o dono da hospedaria pnr nao al
ter visto durante um dia intoiro, dirigio-se
ao quarto da sua hospede, que eslava fe
diado por dentro.
Deu o hospedeiro parte desse fado ao
commissario de polica, que dirigindo-se
estalagem mandou arrmbar a porta do
quarto da dama polaca.
Awowbada a porta, offerecea-se-lhe um
;ura tristissimo espectculo.
A dama tinha cessado de viver; estava
estendida sobre o leito, vestida de branco
ITALIA.Em seguida damos a circular
do ministro da jiislica e dos cult >s da Ita-
lia aos procuradores geraes acerca da au-
torisaelo concedida aos bispos para se K-
rigirem ao concilio ecumnico.
t Florenga, 30 de setembro de 1869.
Aproximando se a poca para a qnal o
concilio foi convocado, algiras hispo8 do
estado dirigiram-se s autoridades para sa-
ber selhes seria permittido dirigiram-se alli.
Parr responder a estas pergnrrtas, e
prevenir as qae possam ser-ldes dirigidas,
ftgoverno do rei declare que nao p/ie
obstculo que os bispos ou quaesqoer
outros ecclesiasticos tornera parte na assem-
bla mencionada.
c Todava o mesmo governo, fiel aos
seus principies de liberdade religiosa, quer
le entrale que se facaexpressa e absoluta-
mente reserva de anas resoluc5es ulteiiu-
res, principalaaate no que possa lesar as
leis do reino e ns dlrdtus do estado.
Peoo-vea, pe, smhoflw, que oom-
kaoniqueis dispeifoes annunciatlas aos
11 hTlnaaiaa wapnihnndi 1 r aaaaa d*uio,
para seu goveeae a regra, e que acensis
'ornse afpppnva ao mar, empre
haadeu a aaa do Calais, atrateaaaadrtf revolucSo de 184
Prancs. -Foi aaaa.4Bada n'uma eatatagea Jtoda a Europa, e o
de Oan. Itralas da liaba
Porque sari emCaea? N3a ata porlmngmquo recar
am a carambo d'eHa e^pfc**; ra
t Preaderanfo assisalno. Ibunarismo.
0 Casaca Preta foi mettido em ferros,
pe. f r.meira o ultima voz na sua vida.
Era efectivamente o Casaca Prela ? ls-o
traehcionaiai cdeia le Caen, o foi jus
tainontfc da mesma prisa onde olio esive.
que cinco ou seis anuos depois, Audr
Miynotie fogio. por urna jane la, cujus va-
roes> linham sido de autemao limados pelo
prapriik Casaca frea.
Tolonoz Amizade fra no encalco da
aclrii. 'O amo seguir-o. Ambos alb*e
voliaram. muito tempo depois por uioa
noute tenebrosa, coa um estrangdro. qu
de certo herdou o_ quart de Masen. As
cartas que- o Amizade- lancou emo u
correio de S rteno eran digidas para
Berln. Em Berln, desapparecera um rico
banqueiro. Choveu dinheiro prussiaBO.
t Depois o Pai fez urna viagem a A'is
tria, e depois atnda ontra t Bossia. NI >
faltava logr 0ts subterrneos da Men.
Os que Untara cora o Pai e o Tolone/,
Amizade alli entravam e de l n5 sahiam.
t Em 18 um figorio alehawb, rbeio de arrojo *
11, folgazSit atrvala, nainorani|o-se de
quaatas mulheres encu/itrava*e matand
lr l o tempo como poda. Esta*aem d
(ver qu* thes pateateei lop oj>fo elw
mente ; aas hninediacfcs de Saitmo
vam longe de saber tanto con.
As neis polticas ano
a reeepcio da asesaste ciwular a este mi-
uistorio.. O mudstro Pirotti.
TBEMOIt DE TERRA.No dia 17 de se-
tambre- Hado seaao-se na apiud .le Poeh
tico (urna dae antilhas bespaAota) um.
forte tremor de trra, qne causn grande
-osto aos habitantes. Estes, reo-iosea de
que se repetisseophenoraen fugram para
o campo, que Ibamente nao aront>oo.
Va visinna ilba senlio o tremor d trra, anda q: coa
mais intensidade que em Porto Rico, Pod-
se desmoronado agumas casas FezmaB.
te nao ha desgjacas pessoaes que lamen-
tar.
'V
c 0 que prinalai ieni.
---------
te o compmvavM
era o odio que oltVi Ra contra Seoastili
lleni, dos conde Beszo, chele noabad'flo
lan, que se oanserarta dedicado as Bxr-
hons. Sebastio a>oi'fallecen mi oasielio.
u'aquelle mesa aaao de 1821 e a ava
una santa senbara hio podia tardar*
acompanha-lo> narfae oh mediis a ha-
viam conderanada. A tilhinha, aajo de
andura. de graca e bondade, sahira, pora
Ibes prestar os seus cuidlos, nocun-veoto
le Sarleno, onde eslava completando a sua
edueafSo.
c Giovanna Mana Be ni ia faxer em
seis auaos. Sua lia, a abbadessa
11 Hilas do Sarleno educra-a
abura destincU qae devia ser.
destinada (ara um primo' de Bastii
oacupava onrimeiro lugar entre i
dade insulana. Urna noot-% ao
ji^eja. 7)i ella accommeiiida, nao
ruinas, por aquetle D. Juan emb
o Tolonez Amizade. Nada
(Jm moco da cidade, armeiro
teu-se por ella a castig(u
seductor., ftiovanna M
'l'ee. OTolooai ao o
poUCO.
c Soltera oa eu* lira vos.
lores. Eutraffl em I
O afawiro U*qgE
Andr Maynote. a I
mica formoaura, 4 *<
IVerdier.
aeum
i


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EO76V60M6_83ZNDI INGEST_TIME 2013-09-14T02:26:42Z PACKAGE AA00011611_11992
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES