Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:11990


This item is only available as the following downloads:


Full Text

1
AMO XLV. NUMERO 258. Pftir ,,.'-,
asa i eAMTii i man wra no S pasa rom
^'J____PS...................cIf M BTIBM1
i "
iip '---- OOikJI"
OilUWbFEIRA II DE NVEMBRO DE 1869.
PARA &EJmQ PORA DA PROVWCIA.
t?or tro- fflfiWs adi*_tados.........'...-.
Por seis ditos itjem................
Por no\i (Utos ktei...............
prUtaanno...................
ssr
Proprielade de Manoel

m
de Paria FLu?
11-... ,p
a*
-
M
i

'
____.
i
-----------b
-___
_-.
*


, .i.



1 '

SAO AEXTBS i
azrelo; Fraociop Twrt>4Qh; mt Al-gflj Br. Jos IfcrtiW ttftr, Ba Bafai; e Jos Wbero Ga^partahc"2'mo*jEta
Domingos Jo*.
PARtEOFFICIAL.
3~: .j.: g..
'que licasse convenientemente preparado cvpalaeio
do governo, alim de receber & A. a Sra. D. Leo-
poldina e seus augustos esposo e illhoa
-overo* da provlaeia.
BXPF.DIE.NTK ASSIG.VADO PELO EM. SR. DR. MANOEL
do **fnifcvr m.ichabo poutblla, -ECiv-rafe-
SIDKNTK DA PROVISGU4 BM 2 DK AGOSTO BE
1* seccao.
S. 4o7.-r-Porearia o Exm. Sr. general cooxnaa-
iaate das armas.Menda V. Exc. porcia liberda-
de o recruia Hyppoato Gassiaim de Siqueira Lo-
..es, visto ter provado isencao legal.
N. 4-l*_t. Hita ao musino Mande V. Eic. por
m tardada fqentta Candido Moreira da _rau-
jo, visto, ter-imitado iaento legal.
2* seccao.
V. 460.Portar ao chefa de polica interino.
CoBi lana! do parecer junto por dipia do mordo-
tno de mez no hospicio de alienados de Glinda,
resp.tlf 10 de V. 9. do 28 d^ me lindo,
sob n. 1,413 sobre a adraissact naouelfe hospfcio do
loued Vicente Mnez.
N. 461.Da ao commandante snperior da guar-
da ciea! de Palmares Itespondcndo ao ofici
de 'V. 8. ite 3 *> crrante, teono a dizer-lha qno
de oonformidade com o disposto no art. f f-26 do
decreto n. 1,334 de 6 de abril de WB4 rt: 9 par-
te 2" do decreto n. 1,130 da 12 de mafco-aV*883,
d as prondencias precisas para a reuno do eea-
selho de reviaio da qiraiifii^cap da guarda nacio-
nal do fiecife n. 55, pencedr-ndo de eonformdado
com a lei contra os oflfeiaes it qne trata o seu ci-
1111 nili-j > s? poevenlnra recen heeerserem simu-
la lis os motivos allefados por elles por se nao
prestareni ao sarvoe que Ibas era determi-
nado.
I. 405. Ma-ao jbr de direrto dft comarca de
lUm.*-Coa> o offlcio de V. S. de 4 do corrente
roeebi os mappas eslatislicos, que aomesmo acom-
iianharam. Sendo os referidos mappas os prime-
rosuuc recebo dessa comarca, roconiraendoa V.
S. flue haja de obter os que faltam das de mais
autoridade para remetler-m'oscoin apossivel bre-
vidade.
N. 463.Dita ao jaiz municipal de Cimbres.
Com o parecer junio por oopia do eonselheiro pre-
sidente da relaoao em offlcio de 21 do mez lindo,
respondo ao de Vrac. de 17 de maio ultimo, quan-
lo a competencia de proseguir nos termos de om
processo crirae instaurado por queixa dada peran-
tc q ju7. municipal o ao mesmo tempo delegado se
s supnlenles deste ou daquelle.
N. 464.Dita ao eomirandanle do corpo provi-
sorio de polica.Mande Vme. recoiher ao quar-
tol o oftlctal e pravas do corpo sob o seu comman-
1I0 que foram reforcar o districto da villa de Ipo
juca.
N. 463.Deliberacao. O vice-presidenlo da
provincia attendeodo ao qne Ihe raiuefeu Silves-
tre Alves de Alencar, sargento da 3 eompanbia
lo corpo pmvisorio de polica, DBMlM conceder-
Ihe tres mozos do liceo?* rom voncimentos na for-
ma da Iri, para ir a villa de Ouricury providen-
ciar sobre sua mudaiiQa para esta capital.
3* seccao.
N. 407.Portara ao presidente da As?neacao
Commercial Beneficente.Pelo offlcio de V. Exc.
de 10 do corente, liquei inleirado de ter sido re-
<[eilaem assembla geral a directora da Assoca-
rao Cinmercal Beneficenle. Agrade^o a V. Exc.
a manife.-'aro que faz dos sentimenlos de que se
acln'piisu)da a direefSo da Associaca Commer-
cial o estarc sempre prompto a auxilia-la a pro-
n ver os inleresses do conimereio, que ea lo
segnratmute representa.
N. i(iS.ila ao inspector da thesouraria de fa-
zenda.Em vista das pondoracoes felas pelo ad-
ministrador da recebedoria no offlcio por copia
junto ao de V. S. n. 553 de 11 deste mez, autori-
so-o a conservar em comraissao naquella repart-
rao es seguBdos escripturaeos Jos Francisco dos
Santos Miranda e Joaquim Pedro dos Santos Be-
zorra, 3-escriplurioEiithychio Mondim Pestaa o o
i' cunferento Jos Mara Cesar do Arnaral at o
1 timo do correle mez, depois do que deverao
regressar a alfandega como fui determinado por
aviso do ministerio da fazendade 17 de julbo prxi-
mo Ando.
N. 469.Dita ao mesmo.Communico a V. S.
para seu eonbecimenlo quo segundo consta de avi
sj da repartico do imperio de 4 do corrate, foi
pprovado pela verbaLazaretosdo exercciode
de 30000 autorisaao sej) responsabiHdade cle-ta
presideocia para pagamento de salario do serven-
te do lazareto da ilha do Pina pertencento ao mez
de junhu ultimo.
lH. 470 Dila ao ao mesmo.Expera V. S. suas
ordens para que cm vista do pret junto em dupli-
cila que me remetleu o commandante superior
I ste municipio com offlcio de huje, ob o. 163,
s.-jam liquidado- e pagos os vencimntos relativos
a 1' qumeena deste mez, das pracat da guarda na-
cional aquartelladas no Hospicio.
N. 471.Dita ao inspector da thesouraria pro-
vincial.Ao bocharel Joaquim Jos Forreira da
Hocha Jnior, mande V, 3. pagar en vista das
lias canias juntas documentadas que me remet-
( u o Dr. chefe de polica interino com offlcio de
13 do corrente, sob o. 1,193, a despeza feita nomei
U julho ultimo, na importancia de 2:833*632 com
o alimento e dietas dos presos pobres da casa de
deleBeao.
N. 472.Dito ao mesmo.Devolvendo a V. S.
as duas tonta* jontas em duplcala, que vieram
.- r. 400, correspondente a despeza com o forneci-
nieuto de luz o agua para o quartel do destaca-
nento da villa de Iguara-s, tenho a dizer em, res-
fiosta ao citado ofBcio que em vista da informacao
constante da inclusa ipia ministrada pelo delega-
rlo daquella villa do 7 do corrente, mande nao obs-
tante a impogeacao feita pela contadoria dessa
nicsouraria, pagar essa despeza, como se recom-
nendou em 5 do snpracitado mez de julho.
N. 473.iDitoao mespo.Da contomidade com
recibo jnnlo eco lio renelteu o Dr. chefe de
nfca.Respondendo aps
do corrente, sob aj.
jpjaV.S. de 4. e t6
id ,9Dft dlzendo-llic que
..o*, compro o pode fazer para Londres, por intermedio da casa neiros detuerra Da'racuavo*
darer d9 agradecer a V. xo. os servicw que de comm.5rcial.de S. P. Johnston A C, aeneommcnd* W 5 *"c -cao
. 1 ilicia con oflMio de 13 do correte, mande V.
~. liquidare pagar K> Droprieiario Pi-dfo Barbosa
de Sa, ou a Botnia para isse aetoriaada a quantia
de 40J pnrveninte da deapeza feita deade o mez
de setembro do atino prximo passado a junho
rlerte ana, eonv e alugnel da caaa que serve de
t adela no termo-de Fli-resta
N 474 Dito ao mesmo.Attendendo ao qe
1 aqnereu Candida Menez os Drammond da Cunt,
i rofeesora publica da pnvoaeo de Tegipi o nos
teneos d sua ie/orwafio de 13 d > coi renta, sob
u. 490, com referencia a da contadoria, antorim
* mandar -pagar ahorita professora o que for de-
.i44teieQi'veawi__os, a colardo prtmeirorse-
mestre fld i_o"protimo passado a msretrdesfe
ineo.
JBidrM.
K. 3J6.flkio ao Exm. Sr. presidente da pro-
* .bou de Para.OpportunameMa ser transmltti-
.aao mlttutro hrasileiro em Lisbua, o offlcio que
rara ter esse deslino V. Exc. me reraetteu com o
sea de 7'do correle.
L WfvPortara ao desembargatinr provdor
1* Sarta Casa de Misericordia. Concedo a aato-
i.isecie gae V. Exc pedio en sea offlcio de i'X du
tanrMle, sob 2,004, pura entregar s->b as condi-
eSes meneionadaa em dito offlcio, Antonio do
:aVttle Paraka Donato o expotto OcUviano da qne
rata e requermento ma ieckdvolvo.
BLI77.-DU aoberVoLivaamento. Teste-
le-ea-aa 11I r|> ajM..Ei: na ojoalatadaide
tao boa voetade o com tanto zelo presten.Igtiaes
ao Dr. Ignacio Joaquim de Soura Leo e Candido
Alfonso Moreica, mutatis mutottdii.
N. 478.Dita ao descmbargndnr Joao Pernea da
Cosa Molta.--^abe-me a satisfagao de agradeoer
a V. S. a boa vootade com que se preatou 1 fazer
parte da commissao encarregada de convidar ae-
nhoras para receber a S. A. a Sra. D. Leopoldina,
e a nianeira porque desempenhou esta incumben-
cia.Iguaes ao coronel Domingos Aflonse Nery
Ferneira e Francisco Mamede de Almeida.
N. 479.Dita ao administrador do correio.D
Vine, o conveniente destino ao incluso offleio, que
ao ministro brasteiro em Lisboa enviado pelo
presidente da provincia do Para.
N. 480.Dita ao chele interino das oliras publi-
cas, fiscal da illuminaco a ga. Providencie
Vmc. para qafecom urgencia se Coucertem os tu-
qs da illuminacao a gaz. da enfermada militar,
qoo pelo sea nrd estado deitant escptr mafot
quantidada de gardo que o neeessario, entenden-
do-se para pan lim com a respectiva companha.
N. 481.UeJiDeivicao.O vieu presidente, da pro-
vincia attendando ao que requereram as profes-
soras puMrcas Catharina Leopoldina de Castro
Araujo Hamos, Emilia Joaquina do Medeiros Sou-
za Caldas e Luiza Eudnxia Baptista, e lando em
visu as inforraacoes do director geral interino da
nstruccao publica de 9 e 13 do junho ultimo e 5
do corrente sob ns. 210, 214 e 243, resolve de
eonlormidade com o art. 23 da lei n. 398 da-13
de mao de 1864, remolve-las a primeira da ca-
deira da villa de Pesqueira para a da povoagao
de S. Jos da Cora Grande, a segunda d povoa-
cao de Correntes para a da ultima seccao da rna
Imperial na freguezia de S. Jos e a terceira da
Villa da Ra-Vista para a do Caminho Novo nesta
cidade.
aXPBDIENTE ASSICNADO PELO SIL, DR. JOAQUIM COR-
REA DE ARAUJO, SECRETARIO UO COVERNO, EM 16
DE AGOSTO DE 1869.
1" seccao.
J. 482.Offlcio ao Exm. Sr. general comman-
dante das armas.O Exm. Sr. vice-presidente da
provincia manda declarar a V. Exc. que acaba de
providenciar, para que sejam com urgencia, con-
certados os tubos de illuminacao a gkz da enfer-
mara militar-, como V. Exc. solicita eia effloio de
14 do corrente; sob n. 486:
2" seccao.
N. 483.Offlcio ao Dr. ciiefo de polica inierino.
S. Exe. o Sr. vice-presidente da provincia manda
declarar a V. S.. que nesla data expedio a neces-
saria ordem a thesouraria provincial, para man-
dar pagar a despeza feita durante o mez de julho
prximo (Indo, cQn>almentacao e dietas dos pre-
sos pobres da casa; fledetenco, conforra sohcitou
em seu offlcio de 13 do correte, sob n. 1,193.
N. 481.Dito ao mesmo.0 Exm. Sr. vice-pre-
sidente da provincia manda declarar a V. S. cm
respost* ao seu offlcio n. 1,073 de 20 do mez Du-
do, que nesta data so expedio ordem ao director
do arsenal de guerra, para mandar fornecer dez
clavinotes o igual numero de refes, cananas o
cinturoes para os ervico policijrtl do districto do
termo da Escada.
N. 485.Dito ao mesmo.O Exm. Sr. vice-pre-
sidente da provincia manda declarar a V. S. para
o seu coi.be:imento, que nesta dala se expedio
ordem ao commandante do corpo provisorio do
polica, para fazer recoiher ao respectivo quartel,
o offlcial o pracas que foram a villa de Ipojuca
reforcar o destaca,nenlo dalli.
N. 486.Dito ao subdelegado da Varzea.S.
Exc. o Sr. vice-presidente da provincia, manda
aecusar o recebmeuto do offlcio de 10 do corren-
te e do< mappas eslalistlcos, sob n. 1 e 9, que o
aeompauharam, assim como devolver o primeiro
dos referidos mappas, cuja remessa deve ser feita
ao Dr. chefe de polica como dispoe o respectivo
reguiamenlo.
3* scelo
N. 487.OITicio ao inspector da thesouraria pro-
vincial.S. Exc. o Sr. vice-presidente da pro vi n
ca tendo por detiberacao desta data e em vista da
iuformncao do director geral interino da instrae-
cao pnbliea de 9 e 15 de julho ultimo e 5 do cor-
renie.resolvdoconcederdeconformdade com o art.
23 da le n. 598 de 13 de maiofde 1864, as remocoes
que pediram as professoras pablicas Catharina
Leopoldina de Castro Araojo Ramos, Emilia Joa
quina de Moderos Souza Caldas e Lanra Eudnxia
Baptista, a primeira da cadeira da villa de Pes-
queira para a da povoacao de S. Jos da Corda
Grande, a segunda da da povoacao de Correntes
para a da ultima seccao da rna imperial da fre-
guezia de S. Jos e a terceira da da villa da Ba-
Visla para o Caminho Novo nesta cidade; assim o
manda communicar a V. S. para seu conheci-
mento.
4' seccao.
N. 488. Offlcio ao director geral da nstruccao
publica.S. Exc. o Sr. presidente da provincia
tendo por doliberacir desta data, o em vista de
suas inorma?8es de 9 e IB de jame trllimo, e 5
do correte, sob ns. 210\ 214 e 243, rasolvidj con-
ceder de conormidade com o art. 23 da lei n.
r>98 de 13 de maio de 1864, as remocoes que pe-
diram as professoras publicas Catharina Loopold-
na de Castro Arauio Ramos, Emilia Joaquina de
Medeiros Souza Caldas e Luiza Eudoxa Baptista,
a primeira da cadeira da villa de Pesqueira para a
da povoacao de S. Jos ta Corda -Grande, a segun-
da da da povoacao de Correntes para a da ultima
seccao da ra Imperial da freguezia da S. Jos, e
a terceira da da villa da Boa-Vista pata a do Ca-
minho Novo nesta cidade ; assim o manda com-
nmnicar a V. S. para sea conhecimento.
KPEDIENTE ASSIGNADO PELO EXM. SR. I>R. MANOEL
DO HASCIMK."iTO MACHADO I'.lHTELLA, VICE-PRES-
BNTK DA PROVINCIA. EM 1* DE AGOSTO DB 1809.
1* seccao.
N. 491.Portara ao Exm. general commandan-
te dasjirmas.Mando V. Exc. apresentar ao Dr.
cliWft 3ue julgar conveniena^ rgaardstiacional design;
odobatalhao n. 20 de infantaria Alexandrin.
Jos Gneino.-e o reernta Amar Jos Gome, visto
terem sido julgados incanazes para o servico do
xercto, come si vdos tenaos dg inspecijao, que
vieram anneups ao eu olcie da*16 # corrente,
tob n. 489.
N. 492.Dila ao mesmo.TrsmmrttW a V. Exc.
para seu eonheeimanto e exeou^io copia do aviso
expedido pelo ministerio) da guerra em 2 deste
mez, recommendando qtre nao se proceda a ins-
pecces de sadde de pracas de prel, sem que pro-
eed ordem de respectiva secretaria de estado,
eonftirme determina as ordens do da n. 270 de 20
jle^trihe de 48M e- n. 477 de 4' de eutubre de
N. 493.Dila ao ffleeme.Per aviso do minale-
H*i goerra de *de carrete se aeha a dtepesr-*
;o desta presidencia, pera ser>empreado AdaW
irovlncla como convler so sorvtOT, u arferes do
orpo de est
Eduardo Benj
iara seu eonln
o, tu.-.
^-Bande T.
latalhio do
le sola com seos
malar, le*-1 claese,
; o qua eorealadfco
Francisco
a V. Exc.
r do a/senal
ao qfttrletfrlry
perteneea* e sete espadas com
fcarnaaepaBa aewatai, aaanaaito reoalher a-eete
aeMeiiei dedaee
de um mostrador, de vidro para o relogk) do tor-
reao desse arsenal, pelo preco de l?e S.sohil-
lings, segundo anota do respectivo fabricante que
veio a anexa ao ultimo dos soas citados offlcio.
2* seccao.
N. no.Por parte do bngadeiro commandante das
anias Ihes serao apresentados o guarda nacional
desliado do batalliao n. 20 de infamara ilo mu-
niciiiiu. de Nazarelh Alexandrino Jos Coelho e o-
roerula Amaro Jos Gomes, alim de que Ihes d-o
destitu que julgar conveniente, visto terem-sido-
Julgad is incapazes do servico.do exercito emioa-
peccc- de sauda.
N. !TJD.Dit^'ao eommandnle.stJ|rsri!r interino
da guarda nacoqal,de8te mumeipieExpega V.
S. as suae ordeus para que seja dispenso, do sor-
Cp acivo da guarda nasionaj, nos das Meis.Jon-
quim liornardino de Senna, guarda do 1 nataihao
de inf; otaria, e que arruqew". em um dos ar-
mazein da alfaadega desta cu!5&, visto srem all
necessaros os seus serVicos^Xtemo representa o
respectivo inspeclor am offloio da-28 de jaiho ulti-
mo, seb n. 524.
N. '01.Dita ao commandante do eorpo provi-
sorio de polica.Em vista dojjuoexpoz Vme,em
offlcio n. 366 de 14 do crrante, autoriso-o a con-
siderar de nenlium elfeitn o engajamento do cor-
neta JcKino Antonio das Prazeres.
N. SO].Dita ao juiz depez da Varzea.Accn-
sando o rocebimenlo do offlcio de 40 do corrente,
a que acompanhou um dos mappas eeUitistieos, o
de n. 17, que a esse Jmzo cumpre-me ministrar-
me, recommendo a Vmc. quo remella coi brevi-
daile o do acedes civeis, sob n. 18.
N. 503.Dila ao inspector da thesouraria de
tazenda.Transmiti a V. S. para os devidos flus
a filiacaq junta dos corneta Antonio Estevao dos
Santos, Francisco Xavier da Silva e Jovino Fran-
cisco Ramos, a que so refere o offlcio do comman-
dante superior da guarda nacional desto munici-
pio, de 14 do corrente, sob n. 160, os qnaes se
aqham engajados para servirem no 4o btalhao de
infantaria sob aquelte commando superior.
N. 04.Dita ao mesmo.Segundo golictou o
eliefe do polica interino em offlcio de 14do cor-
rente, b n. 1,201, e em vista da conta jenta em
duplcala, mande V. S. liquidar e pagar a despeza
feita na importancia de B4t0 a Jos; Maiia Fer-
rara da Cunha, proveniente das diarias abonadas
aos.retrotas vindos do termo do Limoeiro para
esta capital destinados ao snico do exerciip.
N. 5)5.Dita ao mesmo. Providencie V. S.
para que depois de liquidado o pret junto em du-
plcala, que me remellen.o chefe de polica interi-
no com offlcio da 14 do crranlo, sob n. 1,200, na
impon; ncia do 25J460, proveniente do sido cetar
pa abonados escolla da guarda nacional que veio
conduz ndo recrujas do termo do Limoeiro para
esta caprtal, destinS1* ao servico doexereito, seja
paga a difa importancia a Jos Mara Ferreira'da
Conba, como solicilou o mesmo chefe de po-
lica.
N. 506.Dita ao mesmo.- De ronformidade com
0 que solicilou o chefe de pohcia interino com offl-
cio de 14 do corrente, sob n. 1.108,* em vista dos
recibos juntos em duplcala, expeca V. S. suas ur-
den.* para que pela collectoria da villa de Rame
soja paga.ao respectivo delegado a importancia de
8I56OO da despeza feita durante o semestre do
Janeiro a junho deslo anno, com o aluguel da casa
q*e servo de quartel ao destacamento all existen-
te, c bem assim com o fornecimento de luz para o
mesmo quartel.
N. 507.Dita ao mesmo.Recommendo a V S.
qee em vista do pret junto em duplcala que me
remenea o bngadeiro commandante das armas
com offlcio de hontem, sob n. 487, sejam liqmJa-
dos c pagos os vencimntos relativos primeira
qonzera deste mez, das pracas dd deposito dere-
erntas.
N. 508.Dita ao mesmo.Recommendo a V. S.
qno em vista do incluso pret cm duplcala que me
rometleu o brpadeiro commandante das armas
com officio de hontem, sob n. 488, mande liquidar
e pagar os vencimntos relativos primeira qnin-
zena deste mez, dos prisioneiros de guerra para-
guayos.
N. 509.Dita ao inspector da thesouraria pro-
vincial.-Depois de liquidados os prets juntos em
duplcala que me remetteu o commandante supe-
rior interino d municipio de Serinhaem cora offl-
cio de 10 do crrante, mande V. S. pagar os ven
cimentes das pracas da guarda nacional dedadas
em Gamelleira, relativos ao maz de julho ultimo.
1 N. 510.Dila ao chefe da repartico das obras
publicas.Remello a Vme. as inclusas propostas
aiiresenladas palobarodo Livrament >, inajor Bel-
iirmino do Reg Barros e Jos Augusto de Arauio
para as construeces das pootes da Passagem da
Magdalima e do Caxanga, sendo a do primej'ro
acompanhado de tres desenhos, ufim de que Vmc.
procedendo aos convenientes exames. milla o seu
parecer.
4.'seccio.
N. 511Portara a camafa municipal do Reei-
f.Inf jrme a cmara municipal ca cidade do
Recife, se o terreno occpadO pela parta'ncen'dia-
da da casa era que funecidna a Faculdade de D-
reilo aquello por onde tem de passar a nova ra
d) Principe e no easo alHnnativo so den soiencia
diste aos respectivos propnotarios, afim de nao
seren fjitos os precisos reparos.
, N. 513.Dita amesma. -Tendo acompanhia de
tnlhos urbanos do RecfaOliaJa requerido a esta
(esideucia a approvacuo da plaita que ultima-
mente' |e em consquencia de tr sfjjo pela cma-
ra municipal da cMade d Recfi obrgada a mu-
dar o ponte de partida approvado pola repartico
das obras publicas, o nao constando nesta repar-
#0 que fosseem tempo algum designado pohto do
flartda para a mesma estrada, e apenas que fflra
ajpprovida pela presidencia da provincia urna"
9Unta de parte da linha, e isto medante as coa-
Coos appresentados pelo chefe da reparllclo das
Obras publicas era offlcio de 3 d julho do anno
passadp, recommendo a mesma cmara municipal
aue con brevldade informe tdo quanio a respeito
Constai -Iha, declarando tambara o>motivos porfua
parece-lhe mais conveaieete^fova dreccao, alim
de que pussa resolver-sa soorc a approvaco ora
dida, na forma do contrato.
N. 514.Dte a mes^naDeclare a cmara mu-
iripal do Recife em resposta ao sea offlcio de I
o correte sob n. 69, que spprovd a arremataban
que procedeu da obra da ponte d estrada do
miterio publico pela qnanfla d 7!t90'
N. 515.Dila aeengcmheiro llscal de estrada de
srro.Communico a vmc. para su coheeimen-
0 e-eni resposta ao seu offlcio de 25 de julho pxo-
imo lindo, que segando me dclarou a cmara
iuoicipal do Recife em offlcio' de-4 o correle
ob n 68, deu nessa dala e era vis) dd aviso
. 335 le 31 d junho de 1865;, as. necessarias or-
eos ao llscal da freguezia d;e S. Jos para oo
ontinuar a exigir da eoinMAflla da esirao de
erre a-aferictao dos pesos, de seas iraasporte,
lOetirsirrE ASsioKAt^aii.aa. na. JOAOUi co-
REA DE AAW0x5J_atA.RI0DOOfiVERr, t,M 1768
AGOSTO DB ijfgf.
mentes relativos a quinzena das pracas do da^
pasito de.racrnus, cojno tambam os dos pvesio-
T- o!7.Oflfco ao Exm. Sr. coaselbeiro presi-
dente da rejacao.O Exm. Sr. vice-presidonie da
provincia, punda declarar a V. Exc, que ficou
inteiradp; por seu offlcio de l do corrate,, de ha-
Ver V. Exc. a 9 deste mez nomi.'ado Augusto Cesar
da Cunha para interinamente servir o offlcio de
Mcrivjw de appellacoes desse iribunal, creado pela
l| 0. 907 (fe 23 de junho ultimo, cuia serventa
T.' .ii ^f cocurso, 04 forma da lei era edita!
de ludo corrente mez.
"* *<*-;IRt0 ao Dr- chefe de polica interi-
ne>S. Exc. o Sr. vi ce -presidente d provincia,
njamla declarar a V. S. em re*posla ao seu offlcio
d 14 do coesente, que nusL data expedio a ne-
cessaria ordem a thesouraria de fzenaa para'ser
paga- pela collectoria de tianb a importancia da
dtsrwM-tladuraMee.serrtBftne oVjaJiqiroa janlie
desio anno, comoa*ngue4 da wsa que serve de
qeariel aodestaearaonte-Bl Kileiiie.ebem assim
com-o fer^cimento de. luz- para o mesmo quar-
N. ."j|9.Dito ao mesmo,tU-- ordem de S. Exc.
o S\ vice-presidente da proviuoia, declaro, a V. S.
pifa seu conhecimento, qua nesla data reilerou a
convenientg ordem a thesouraria de fazenda para
etajjdar pagar, nao s a importancia, do saldo e.
*capa abonados a oscolta da guarda nacional que
veio condazindo recrutas do termo do Limoeiro
para esta cantal, mas tambera a quanta de___
113440, proenionto das diarias abonadas aos
mencionados recrutas..
N. 520.Dte ao commandante superior interino
da guarda nacional deste municipio.0 Exm. Sr.
vco-presidonl da provincia, manda declarar a
V. S, que tivaram o conveniente destino as guias
de filiacao dof-cornotas engajados para o 4' bta-
lhao de tifaafJria, Antonio Estevao dos Santos,
Francisco Xavier da Silva e Juvno Francisco Ra-
mos, a que allude o seu offlcio n. 168 de 14 do
corrente.
N. 321.Dito ao mesmo.0 Exm. Sr. vice-pre-
sidente da provincia, manda declarar a V. Si para
o seu conhecimento e fins convenientes que uesta
dala se expedio ordem ao director do arsenal de
guerra para upndar fornecer ao quartel-ractre
do 4e hatalho'dc infantaria 7 cornetas finstrumeu-
tos) / cintnrdeg com seus perlcnces e 7 espadas
ombayonetas pira os cornetas do dito batalliao,
fazend) recoiher aquello arsenal, aquelles dos re-
feridos objectos que estiverem deteriorados o para
eso fin Ihe forera apresontados.
N. 522.Dito aomesmo.0 Exm. Sr. vice-pre:
sidente da provincia, manda declarara V. S. em
rosposla ao sen offlcio de 10 desto mez, quo nesta
dala se expedio a conveniente orde.ni a thesoura-
ria provincial no sentido de seren pagos os venci-
mentes das pracas da guarda nacional destacadas
110 povoado de Gamelleira, correspondentes ao
mez da jnltw ttnio
N. SELDito ao proifiolor ptibtico interino do
Rio-Formoso, Antonio Jos Piment'.0 Exm. Sr.
viep-presidente da pr vincia, manda declarar a V.
S. em resposta ao cu offlcio j 113 do julho ultimo,
ficar nteirado do liaver nessa data prestado jura-
mente e entrado no exerccio do Cargo de promo-
tor publico interino da comarca do Riu-Form'iso,
para o qual foi nomeadn |>elo mesmo juiz de dircito
a 14 do dito mez, no impedimento do effectivo.
3." seccao.
N. 524.- Offlcio ao inspector da thesouraria de
fazenda.0 Exm. Sr. vice-presidente da provincia,
manda commumeara V. S. para os fias convenien-
tes, que segundo offlcio do cidadao Antonio Jos
Pimeuiol de 16 do mez lindo, nessa data prestou
elle juramento c ontrou no exerccio interino do
Cargo do promotor jnililico da eomar do Rio
?* i r%,irV
PIMA1BPC0.
REVISTA DIARIA.
CHEFE DE POLICli.Prestou hontem jura-
mento e tqmou posse do cargo de chefe de polica
o Sr. Dr. Lnia Antonio Fernandes Pinheiro.
Aps quasi seis mezas de exerccio do eargo- de
chefe de policia da provincia, deixou-o hontem o
Sr. Dr. Franeico de Assis Oliveira Maciel, juiz de
direiloda primeira vara crimnaj, o qual durante
todo esse tempo oxerceu-o com completa satisfa-
cao publica. Magistrado recio a justiceiro, o Sr.
Dr. Oliveira Maciel foi serapre indilfarenle s pes-
sas que perante elle lltigavam, para s atienUer
a razao que Ibes assisla, e melhormente destri-
buir justica.
Damos-lite nossoa eraboras, por se ver livre des-
te espiuhoso cargo,
GA*WS DE PERRa A presidencia da pro-
vincia recebe propostas, at 10 do fevereiro do
anno vindouro, para o estabelecimente de carri
de ferro, qne liguem a capital com os suburbios,
par* os qaaes nao estejam j estabelecidos trilhos
urbanos-; e o pontos lmitrophas da mesma ea-
pital, nos termes da lei provincial n. 879 de 23 de
junho'nltimo.
. DINHEIRO.O vapor Guar levou hontem pa-
ra os portes do norte do imperio as segrales sotu-
rnas ;
Para o Natal v 30:0001000
< o eear 13-:4O5890
MEDICO HOMOPATHA.-Acaba de' chegar da
Europa Sr. Jacintho Soares Rabillo, medico ho-
meopatha, o qual, durante o tempo de demora en-
tre nos, se incumbe de tratar aquelles doentes
que o qiiizerm consultar no hotel do Universo
ra do Trapiche.
AGUAS SERViDAS.-Moradores da ra do Im-
perador se nos qoejxara deque, de algumas casas
do lado do caes, lngara noute ra quantidade
de aguas servidas, algumas das quaes em tal es-
tado de podrdao, que incomraoda. Chamamos pa-
ra isso a attencao do Sr. fiscal.
Ainda de moradores da ra da Penha temos
queixas contra alguns vizinhos, que detam ra
aguas ptridas e pestlentas, sobre ludo noHte.
ESTRADA DE FERRO DO RECIFE AO SAO
FRANCISCOEsta va de commuiiicaco no pro-
pio findo mez de outubro
rendeu 58:8793770
dospendeu 32:9634761
> a*
1 .
1 a

=

aos e ladrinhos de tedaaas
"IqiuT d'estes arge.s. a
iiessoas que a>a&-
eoconlnaaa
jarem effeclnar qaalquer' ewmp,. n" **
com qnem eniend-T-so, na ra da Crn "*"t

ment de laboas, de6.
dimenci5es, e vender qi...
precos relalivamente bai**, *.
Foriimso. para o 4u.1l %\ nomeadoTidlmiledmento
por molestia, do effectivo pelo resjieciivo juiz de
o irrito.
N.o2".Dito ao inspector da alfandega. O Exm
Sr. vce presidente da prbTineia. mande declarar
a V. S. em resposta ao sen offlcio n. 524 de 28 do
mez lindo, que nesta data se expedio ordem ao
eommandartte superior da guarda nacional dste
municipio-para ser dispenso do servico activo
delta, nos dias-'uteis o gnarda do 1 batalftao de
infantaria Joaquim Bernardina de Lima, de que
Irata seu dito ofticio.
objeetos qua por se acha-
toma apresMaaopek-taeea*&jL ,er8" ,____________
tTSCttae** dam^^^^^JSS

uovin
OKSPACfieS DA PRESIDENCIA DO W* 6 T>E NOVEMBRO
DE 1889
Antonio Jacintho D>rges.Informe' o Sr: enge-
nheiro encarregado das'obras geraas.
Henrique Miguel de Souza Abren c Lima.In-
formo o Sr. inspector da thesouraria provincial.
Henrique Augaste Milet.Informe o Sr. enge-
nheiro chefe da repartlcao das obras pablicas.
Ignacio Xavier de Paula RochaInforme o Sr.
inspector da thesonraria de fazenda.
Joao Alves da CruzAprsente a planta de que
trata o art. II do reguiamenlo de 22 de fevereiro
de 1868.
Joaquim Marcal do Nascimento.Informo o Sr.
coronel commandante superior interino da guarda
nacional do manicipio do'Reeife.
Capitao Jos Longunho da Costa Leite.Re-
queira ao goyerno imperial.
LMariana ins de Albuqaerque.Gonce tese a
pi-nrogacao requerida.
Tenente-coronel Manoel Antonio dos Pasaos e
Silva. Prove que os terrenos de marinha Dame-
ros 31 e 31 A, couberam ao supplicante por he-
ranea de seu finado pai, e oue se achara pagos os
respectivos foros desde 5 de abril de 188.
Octavio Affonso de Mello.lnltrira o Sr. enge-
nheiro chefe da repartico das. obras pnbiieas.
, Pedro Mnnoel da Conceicao.Pagos os direitos
devidos, como requer.
_8_ i
Francisco Malillas Perera DlnirPssand* o
snppticante recibo sejam entregues a patate e os
documentos.
Joagnim Alves Perera. Esgca-F ordem para
o fllhvj dd supplicante eeV di*porteado do sWvi^o
al a prxima reunio do eonselho de qualillca-
C|o, a quem o mesmo supplicante devora entao
rfcquerer a dispensado seu' tfobredito filho.
Jos Antonio Ribeiro.Informe, o Sf. Dr. chefe
de polica.
Jos-Henriques de Souza.Nao tendo o suppli-
cante si le multado por ter casa de drogas, mas
por mfraeedes do art. 69 das pisturas municipaes
da villa da Escada, e d" art < 25 do reguiamenlo
de 29 de selembro da 1851nao tem lugar o que
rtequer.
Leandro Gomes de Mello Cavalcanle.Requera
ao goveroo'mTperial.
i Manoel Jos da Matta.Indeferido vista das
ihfermaeoes.
- i '.Hi.i -
COMIIMMftfto
Dando de saldo a favor da garanta
do juros 25:9164009
No mesmo periodo transitaram na linha 16:315'/
passageiros; e foram transpportado- :
3:214 volumes de bagagera cora &2;40> kilo-
Ci>OMiUiJt,>07 InaiHahl^lUJAialugiaimas del A
mercadonas, e 561 anniraaes.
as mercadorias eslo comprehendidos : 15:009
saccas com 1:145:321 kilngrainuiasjde assucar, e
584 saccas cora 44:959 kilogrammas de algodao.
A despeza fi 55,98 "/. da receita.
DXAME DE HABILITACO.Comecon hontem
o exame do hahliacao para o magisterio primario,
do sexo femenino, perante a directora geral res-
Sectiva sendo examinadores os Srs. professores
* Escola Normal Dr. Maximiano Machado, e Vi-
cente de Moraes.
Comparecern) 21 examinandas, que deram ape-
nas a prova de grammatiea.
FACULDADE DE DIREITO.Fizeram acto no
lia 10 do corrente:
1" anno.
Juao Amerito de Camino, plenamente.
Luiz de Almeida Araujo Cavalcanle Filho, ideni.
Ernesto Augusto d Silva Freir, idem.
Francisco Caracoli de Paula Freitas, idem.
Francisco Fernandes Viera, idem.
Carlos Jos Augusto de Oliveira. idem.
Argemro Mrtiniano da Cunha GalvSo, idem.
Custodio Domingnes des Santos Jnior, idem.
3 anno.
Antonio Alexandrin o Ribeiro Lima", plenamente.
Ignacio Viera da Silva Coqneiro, idem
Benijanin SoarcS de Azevedo, dem.
Octavio Affonso de Melte, Idm.
Francisco de Moncorvo Lima e Silva, idem.
4" anno.
Antonio Coelho Machado da Fonseca, plena-
mente.
Jos Felippe di Toledo, idem.
Antonio Ramiro da Silva, dem.
Annibal Frederico Pernandes da Cunha idem.
Joao Baptista Guimares. idem.
Jos Flix de Sampalo, idem.
5 anno.
Cnicinato Aires Cavalcanle Comboim, plena-
itcnte.
Manoel Juvenal Rodriguss da Silva, idem.
Bellarmino Pereira de Oliveira, dem.
GOLLEGIp DAS ARTES.-Lista dos estudante
-chamados exame de geographia e histeria no
dia 5 do corrento :
Plenamente 2
Simplesmente 2
Reprovados 8
INAUGURADO DO I3THMO SUEZ.-Ea
salvo algumas modificagoes ulteriores, as di:
coes maritlmas determinadas para a rnaa
do canal de Suez :
Toaba os navios convtTado deverSo
dia 16 de novembro em Port -Sald, onde
preparadas boas para indicar o ancorad^
cada um delles.
No dia segUinte, io romper do dia, uma'sSIv'*
de 21 tiros de peca ser dada para anuoufciAire
apparelhar c lo ro os navios se poro era marcha pela ordem ee*- '
guinte :
A Agula, tendo a seu bordo a rniperatrt! Ata
rancezes ; a corveta a vapor Hera, tendo 4."
Iwrdo o principe real da l'russa ; a corveta
sabetta, na qual estar o archiduque Vctor*
do imperador da Austria ; a corveta a vapot Jom.
tendo a sen bordo o principe Henrique dos raas- !
Baixos ; e a corveta a vapor Varadis, tendo a sea
bordo o prncipe Augusto da Suecla.
Depois dos navios esterera separados, segni-
rao as esquadras. A primeira ser a italiana*
evolucoes, commandada pelo contra-almirantprio-
cipe Araadeu da Saboia ; depois a franceza do
Levante, tendo a frente a fragata almirante W<*-
mis ; a diviso hollandeza e a divisao sueca,
Quando os navios de guerra tiverera entrado
no canal, segu rao os vapores de commercib e t*
paquetes a vapor, tendo a seu bordo numeiosCs
passageiros.
t O vice-rei do Egypto preceder o cortej do'
espaco de urna hora e embarcar na corveta a va-
por Latif, com os seus ministros, com os sitas
ajudantes de campo e seus engenheiros.
i O Latif ser seguido do barco da compahhia;
encarregado de preparar tudo.
Quando o Aguia chegar Soez, urna safra
de cento e um liros de peca ser dada pela ali-
Ihara egypria.
Nao tendo ainda todas as naeiVs dado parl
das suas tenepes, o prngramma poder ser modf-
ncado,raas estando desde j-decdldo que esta gran-
de empreza devjda Franca, a ImperaMr-
que a representa ser a primeira, que entrar no
canal. >
GUSTO DA MOXBCUIA XA EUROPA.Urna ,
follia ingleza publrqii a segnnte relacao das -
tnt cien dos estados europens em 1869, cm me-
de poriugaeza :
5-!
o)
O jmperador da Russa
0 imperador dos franceze-
O sultao
O imperador d Austria
0 re de Italia
O rei da Prussa
rainha de Inglaterra
O rei da Baviera
O re de Portugal
O rei de Hollanda
O rei da Suecia
O rei da Dinamarca
O rei do Wurlemberp
O papa
Somraa
Da
12
Oa 6Geographia
Plenamene 4
jABTEI.-CENEaafBO COWaWfta aanTOTM de
, PERNAM&0M; 1^I>feNrfnBfia-|tt!ir}r^.
Ordem do dia i*, ddl,.
i J""!f "_?' P,ra 'M' dft guarnicao
4 dandoa Opa, que era 5 do eorrnte tonam p^
do caigo de presidente d'esfe provincia, p^-^ fZ
Simplesmente 7
Levantn-se 1
12
Da 8Seographia.
Plenamente 7
Simplesmente 1
Reprovados 4
it
SANTA CASA DA MISERICORDIA DO RECI-
FE.O pessoal existente nos estabelecimentos a
cargo da Santa casa no mez i de outubro, foi o
segtattte:
Hotfitai Ped* ir.Enfermos 9*8, mendigos 16,
filees de clennos a> empreg'dos 17, serventes
18total 28i-
Hospital dos Lassroa. .-.Enfermos 8*, emprega-
dee 4f serventes t-^i,] jg.
**A*^j* *2f** *M-Enfermos 78; empreja-
Mar das expsito. Ediicandae 90, meffl-
rtos em,-creaeSo 81, amas externas CT, empre-
ledna u, servente 1 total 266.
Qollegio dos orphaos. Bttdcandos 73, emprega
d'* (2, -serventes 3-Motal 88.
Colleaio das orph&at.Educandas 133, ewpr*-
lados 12, serventes itotal 117.
Screferta,mpregados 7, a.dvogados I, soflei-
iaoores. om^adoMs a-total 13.
: hevipitHlacfc. Enfermos 336, mendigos 16,
educandos 302, empreeatM 80, serTetdee 13, rfmS
82, meninos em erwHro 8iloW W0-
i D'este pessoal M petteneem ao patrrmonro dos
orpbios, e 685 b da eafidade. .
[. LOTERA
wneficio _._.._
upa de Ollftdj'.qu corre no da 1
MARMOrtES.-A casa de E. A.
acaba de roeeber e Geoeva, ara exReiW **
7,560:000 OW>
6,055:OOOJQOO
5,9iO:00OS0BO-
:i,R00.0000fMr
2,880:000$0
2,160:000*00
2,111:000*00'
1,125.000 5000
598:500*089
450:0OOMBbV
234.0004000
206 001)4000 '
180:000*06
180:000*000
Total 33,738 500*000
A este sotoia, j respeitavel, diz um corres-
pondente, deve accresceniar-se a lista civil dos
pequeos soberanos da Blgica, Grecia, Romana,
Servia, Bade, Montenegro c outros prinripesi-
nhos que todos recebem milhoes de francos pela
seu trabalho de monarchas consttucionaes ou ab-
solutos.
Alinhando esta? cifras teremos a somma de dn-
zentos milh5es de francos de listas cvs pacas an-
imalmente pelos povos da Europa monarchica a
quinze ou vinle cabecas soberanas.
A islo accrescentr-mos nos, qne as despezas fei-
ta com as monarchias nao signiticam somonte o
laxo e os regalo* da< familias reinantes. Se mnito
se gasta com o soberanos lambcm estes nao gas-
tara ponco com a grandeza, liberalidades e esplen-
dor que teem de rannler em honra dos estados av
quepresidem.
Nao ha poneos monarchas ompenhados. cara
a monarcha, mas como a instituirn pofitiea
que offereee mais garantas de ordem e esta-
bilidadc, e a ordem e estabilidade das nacoes tra-
duz-se em mnitas riquezas e propresso, preferimos
o governo caro das monarchias ao apparentemeo
te barato das repblicas.
FRANKLIN PIERCE. Acaba de fallecer era
Nova-York o general Franklin Piorce, antigo pre- .
sidente dos Eetados-nidos, de 1853 a 1837, e que-
se destinguioahernativamt'iite como advogado, co-
mo militar e como magistrado.
Elevado, contra sua vontade, s mais altas foac-.
Sitos da repblica, governou com o pauiotlsno, o
esinteresso e a honestidade cvica do que todos
os ehefes do poder executivo tem dado at agora,
exemplo nos Estados-Unidos.
Qaando lerminou o seu guverno, sahio da casa
E'residencial (Wlute-hoii-ei sem o mnimo appara-
o, apertou a mo do seu successor. Jamas Ba-
chaman. que linha ido tomar conta do governo a
n a sem ouira escolla sanio os seus amigos, e su-
bi a urna carruagem de aluguer para se dirigir
eslacao o caminho de ferro de Nova-York. Xo
leve oulra dsmonslraeao senao os vivas dos habi-
tantes, que aoclamavam nelie o boioein qua resig
nava com molestia o mandato qne Ihe tinha con-
fiado a nacao.
Franklh Pierce tornou a exercer, para viver, a
sua prolissao de advogado e morreu pobre.
Os EstadosrUnidos devem-lho o livre acfeaaf.T
dos portes do Japo. .
EXENTOS NA EITWJPAEs as forjasaet
tes exerciloi segundo as suas uHimas organisa-
C5es :
FrancaO sett exercito corapoese de l,508:6w
homens' distribuidos desta forma : exercito activo
400,000 horneas ; primeira reserva 100,000 h-
meos ; segunda reserva 228,000 homens : guarda,
movel 330,000 horriens. A popalacao de.......
37,500:000 almas. .'2'
Co federncao da Allemar.hn do Norte.9 enfa-
tu da ConfederaeSft tem 1,010:000 hpraed mW
se distribaem deste modo : exercito activo 32,0tlij':
homens; reerva 330,000 ; landwehr 370,WO,'-/r
populcae b innta milhQes de almas e o ftonV-
Os rectau
ngeoie auuual de 100,000 homens.
sao chamados s baodeiras na idade de viole W--^
nos, permahecem aellas tres anno?, entrara j
quatro na reseva e pertencem em seguida
c.nco landwhr ; total dte anuos de servio
Aiufna i Hungra. -O exercito *ttsrrd-
tq conte actualmente 1J)53:0W homens d|
leste modo': exercito activo 255,000 home
eer.f ?i!^jyatmentos da fron*
landwen'r 45,000V A popjlaj}*
almas ; o contingento annuafde 97
Os recrutas siveni |res anno's, n
leto na reserva e dous, na la'n^ehr: lo[
annos de servico. Os homens que estao
de servir e nao sao chamados' as Kandeil
pajrjeaaMdajeh/.djraae dozej
01
-m'& (.. [mm*
ir.
ILEElVH
i
I aaaaa-i


.63813G omm

nUMli Pernambuco Quinta feira
o as tropasja India) lem 802,000 hornees e *
"era servido activo 130,000 de
181,000 de eftndn resana. A
~":00Q.de.alinB*,(> eoatingen,-
a .duraoo do se/vico de
ras hfio se eompoem seaio
ros sob a inspeccao d go-
Vi fo NoTeiubro de 1869.
en
USTRACO AMERA^A.-Devhrevcn
le sahir luz'na corte de imperio un jornal sob
J0tie titulo, de nroprledade c redaccao do 3r, Tho-
tmi Ooraes dos 9 frmma o seguidle :
A ltnslraro Amiricind orna emprexa lit-
_

- Pdl alii SMHfrriro Mu dever de advogado, e
nenhura dos jurados pouer dtter que por qual-
quer forma Ib pedisse eu benevolencia no jalga-
men* de Vareo.
. Gonclue o Liberal** o escr otario duranfe a
tempo em que o Sr. Dr. PortsMk estere na nrtsi-
enca. piT er l'.i rjjtm gorda a S. Exc.
rque o prestigie do cargo muito poder ter in-
uido'-principalmente- a advtcaeiq adminittra-
tic
teraria brasilcifa que se levanta par correspon-
der, tanw oo asaampto de seus escriptos e nitidez
4e sua mpres>o,.como na perfeicao de sua* gra-
suras, a nccessidde que no Bra-il se fax sentir,
desde ba muito, de urna puhlicaco deste genero,
a altura de nosso creseente progresso, e de nossa
eitilisaeio. _,, ,
Estranha a partidos pobticos,a lllustracao Ame-
ritatu tem por ftm discutir os interesses do Bra-
sil, OS do continente amercno, e todos quan-
tos a les se alliem "directa ou mm'rectameme.
Comprehende estes inleresses; Ruancas, agri-
cultura, industria, comraercio, colonisacao, melho-
ramentos materiaes, forca publica de mar e de
ierra, littertra, ihstrucio publica, ele.
i A lllustracao Americana ser pablMada urna
vez por semana, constando a principio de dito pa-
lio de impressao, quatro das quaes onterau
mrur presentando estampas de merecimento
real eppporiuno, ou assumptos por occasi^'^^
csjtidos.
< Pin prcencher eficazmente ^ sa
pteoud*, o Mol a que se ^ lllustracao
JaMNSSM aguarda a -|||))M e generoaa wadju.
3^ Pu5!,c-sobt oases que habililein a liragero
le tres eaicoe^ nmJ ^ mra0s idiomas do con-
RWOW ,P7n'ricauo,porluguez, ingles e bespanhol.
'"** Antes disso, e logo que complete tres mil as-
signaturas, de iniciacSo, ao prego de 54 por tri-
mestre pagos adiantados.a lllustracao cnmecar a
ser regularmente publicada na lingua portugueza.
0 producto das assignaturas recolhido ao
kuco. do Brasil semaualmente, at reabsar um
terco do capital estipulado.
Durante o tempo necessario por essa realisa-
cio, o asslgnante que por qualquer motivo dese-
jar retirar a assignaiura, poder faze-lo apresen-
lando o recibo no escriptono da directora-
Completado aquelle terco, o producto das as-
signaturas eomecar a ser applicado na acquisi-
c2 do material e pessoal indispensaveis a realisa
Para que o paiz conheca e acoapanhe a acei-
tapio que vae tendo a lllustracao Americana ser
publicado peridica e opportuuamente pela ira-
prensa diaria os nomes dos assignantes que con-
correrem para a creaco e estabilidade da empreza.
A IUustmcSo Americana franqueia as suas
olumoas todas as intelligencias dentro dos li-
mites do presente programma: remunera traba-
Utosorgmaes de utilidarte geral, e resttuo is ar-
tigos gne a directiria entender nao dever publi-
car; aceita annuneios do interesse instructivo e
fcieolHiCb, e os publicar gratis no 1" numero,
que er destribuido e remettido a todas as redac-
56es do hnperio, em quantidadc snfilciente para
se TOlgarisado no Brasil, para dispertar o aco-
Ibimento correspondente magnitude dos spcvi-
eps que a Ittustrncdo promette.
Da mesma forma se praticar com os princi-
paes estabeleeimentos scientificos, agrcolas e in-
dustriaes do continente americano, se as circums-
tancias da empreza permittircm as edicoes d'esse
raesuio numero as duas ultimas linguas.
Os onginaes dos artigos trarao a assignaiura
do autor somenlu para enbeeimento da direc^o.
< Depois da puhlicaco do Io numero a asigna-
tura da UmlrarAo Americana ser semestral
raz) de I0 para a corte e Nictheroy, e de 1 i
para as provincias e paizes estrangeirus. Os an-
nuucios pagar apenas 100 rs. por linha, e o fo-
Ibelo avul-o custari Ij.
Os artigos, desenhos, reclamagoes e quaes-
quor cmmunlcacde* relativamente a este jornal
sao romettidos em carta fechada direccao da
lllustracao AmericanaW'm de Janeiro-Corte
Ra Sele de Setembro n. H6 A.devendo acom-
punhar aos p dido para a assignaiura a impor-
tancia estipulada. >
PASSAGEIUOS. Sabidos para o norte no vapor
Guan '
Antonio Bezerra da Rocha Menezes, Celso da
Cunta Magalbes, Antonio Nunes de Mello, Ma-
noel Pedro Cardoso Vieira e 1 criado, Manoel de
Mello Cardoso Barata e 1 i'.riado, Dr. Francisco
Lucas de Smua Hangel, 1 tilho e i escravos, Jos
Rodrigues Elvas Jnior, Caudido Vieira Chaves.
Braz Florentino Henriques do Snuza Jnior, The-
moteo E. Fern-ira Lima e 1 criado, Joao Antonio
Al ves Jnior, Raymando Joo de M -raes Reg.i,
Ernesto de Carvalho Pires Lima el criado, J..o
Vi nina de Mello c i criados, Fausto A. de Arauj i
Costa, Carlos Francisco de A. Costa^ Fraucisco
ViHia Perdigao, Juaquim de Oliveira Rorges, Ni-
colao Fiorenciano, Cassiano Gomos da Silveira,
Angelo Nardi, Be uto Goncalves Evaristo, o preso
Joaquim Jo- Marn lio e duas iracas que o escol-
lan!, Aron Chaw, Joao Grafft, i eserava de Fran-
cisco da Cunta Ci-trllo Branco.
PA^SAflEIKOS.Vindos de Mamanguape uo va-
por nacional Manda:
- Manoel Joaquim Vieira, Thomaz de Aqulno F
de Andrade, Antonio Pereira da Silvi, Joao Jos
de Vasconcelos, Joo Lopes Pessa Machado, Ma-
nuel Bezerra Dantas, Joo Alves de Salles, Jos
Alves da Cista e Silva, Manoel Reg de Oliveira
Pinto, Custodio B. Ferreira Maia, Jos Paulino de
Andrade, Jos Paulo da Silva, Antonio F. C. Mello,
Vicente Ferreira Gomes Lira, Joao L. de Mello,
Jos do Sonto Hurla, Jos de Arauio Gista, Douiin
gos Francisco Rainalho, Ignacio f\ Pinto de Car-
lalho, Irino de Araujo Bezerra, Avelino Tauriano
h Oliveira. Jus Alves ferreira da Costa, Ismael
Francisco da Costa, Theodoro Ernesto de Ca>tro,
Jos Justino Pereira do Almeida, tenente-coronel
Joao Bapiista de Carvalho, Jos Lopes Teixeira.
ngUU- Liberal no juiM que fttrtna, posto
<]ue por supposicao.
Durante a administrado de S. Exc. nenhum
novo constiluinte procurou o seu escripiorio : abi
eslo os protocolos dos eserives da 1* e 1* instan-
cia que poden ser invocados.
Quantoa ttmaria administrativa, liantp-me a
provoear a rftdaec>o do Liberal para aue declare
qual foi o negocio de que, como advogado houvts-
se eu tratado perante S. Exc. e do qual podesse
resulur a renda gorda de que falla.
Nunca fui socio do Sr. Dr. Portella en son es-
criptorio : formei-me em desembro de 1867 e .
ous dias depois para a provincia de Alag?' *j"
exerci u cargo de promotor publico da .l e
gar de que pedi demisso porcaus -apttai, Hi-
lantes padecimentos, voltando de,raen8<^!f:
em abril do corrente anno ra e3ta Piwnea
Ao tacto de ha ver _/ .
anuo fim Sr r oraucado durante o asea J
e n2b^ "r. P^tella devo a conflaaca cuui
pond-' --roueaqual me esforcei por corre >-
Era dever meu responder ao artigo a que oie
re ro; nao para tornar mais patente a injustica e
falsidade cora que proceden a opp icae para e< m
o Exm. Dr. Portella, mas, para que a redaccao do
Liberal seja mais (escrupulosa na indafagtodos fic-
tos que quizer inze ao pnblic para -nao caliir
outr.i vez em miserias desta ordem.
ntecife, 10 d# lloVcniBre tfe I*.
Adolpho Lamenha Lins.
Capdo Apolinario Rabello Pereira Torreo. '
Empregado publico Tibarcio Valeriano de Aran'
Dr. Vicente de Paula Cascaos Tclles. **
' 3* districto.
Coronel Tbeotohio Ribeiro e Silva.
Dr, Manoel Joaunim do? Santos Palury,
Vibrio Josa da Mala Mello.
Dito Joo Luix da Silva ReK
Or. Joaaulti JosA d* Araujo.
Dr. Jos Antonio* Babia da Cunb'j
Dr. Camii(kiJos de Moura.
Dr. Floriano Jase de Miranda.
Padre Amonio de Moli Albor'-- Mn_
Tenonte-coronel Joao Fer-, """j,- ,hB
zero. jira da costa, tab-
Major Jos-'Virginio Te' ._, '.^ .
Dr.OlympioEozebi^-^A^J^
Ao cor-
#
Mestre de ditnsas-
Com esta proflssao acha-se estabelcido enire
nos o Sr. Joaquim Ferreira dos Sanios, tendo
chegado em abril prximo passado de Lisboa onde
de miiitus anuos se dedica va a esta villa.
t> Sr. Santos rene os requesitos neeassarioi
um tal protessorato; a kmga pratica desle trata-
Iho em um lugar onde os bous mestres dev-im
abundar, o goslo e perfeicao com que dansa, o
zeki e delicadeza de seu ensmo, o capricho e inte
resse com que se empenha pelo progresso dos dis-
cpulos, e finalmente a modicidad na compensa-
co de seus servidos, lornam-no -digno da aiteaifo
do publico doeante, o nos que temos consciencia
do que deixam dito, e que conliecemos os pss-
simos auspicios sob que Se acha aqu reduzido am
semelhante ensino, alias conslilue urna importante
parle da educacao, apuntamos o Sr. Santos a ino-
culado, aos pais de familia e aos Srs directores de
collegios, corto de que encontrario em s eem seu
systema de ensino, um visivel contraste, coa: o>
que em geral aqui se propoem a isto.
Quer em sua casa, quer em casas particulares,
deu)ro ou fra >la oidade, da o Sr. Santos ligos
tornando-sc saliente em qualquer parte a mor.li-
dade, boa ordem e delicadeza em seu trabalho.
Ja cunta um crescido numere do discpulos em
sua sala e particulares e algumas familias, eirui-
to desejamos ao Sr. Santos bom acolhimento.
U.
AOS ANNOS DA EXM.' SR.* E.....EM 7 DE
NOVEMBRO.
Lyre longtemps oisive, eveillez-vous encor I
V. Hugo.
Festiva, no espaco dos infinitos
Sublimo, lioje, vi sorrir-se aurora:
Derramava de rir gracas de luz
Ao vosso da senbora, que se adora.

Os astros Itoje cantara l nos espacos:
Hoje a natura de galas se reveste :
Tudo vive e renasce em primavera :
De amor e de harmona tudo se veste I...
0 co puro de azul se tinge vivo
Para louvar senhora os vossos airaos.
De vosea vida, pelos anjos, urea pagina,
Desdobrou-se com lodos os seus arcanos I
Ah como o sol se ostenta tudaem lux:
(uo ternu so4as aves os cantares:
Como duce o sussurro das florelas ; ., \ft
E bellas as Adres, que perfumara os ares.
Vede; como tudo em risos rendo eullo
Ao grato da de vosso nascimento!...
Gida estrella urna aurora boreal,
Sao coras, que leus no linuamento.
Eis o hymno que a teus ps venho depr,
Mas depor taiubein cunsonte urna verdade:
t O amor, que rae juraste em face ao mar,
Foi na noite de teus anuos falsidade.
Ai I eras tudo qu'eutinha; agora magoas
Se arcam profundas n'alma ourolando;
Irei longe soffrer a desventura
E tiques tu de um novo amor guzando!
eleiteral da tercelro
dlOrleto.
- Aproxma-seodia 26 de novembro, era que ten-
des de exercer o vesso mandato em aubstituiclo
vaga deixada pete Exm. Sr. conseiheiro Jos
Bento da Cunta e Figueiredo.
Alguna d'entre vos, tendo era mais subida eleva-
cao, do qne mereco, miabas habilitacdes, e em
mais alta cunta us meus ser vicos polticos preten-
diam honrar-me com os seus sunragios.
Venjio hoje pedir-vus, porm, que rredeis o
meu nome das urnas na compelicao cadeira que
se acba vaga. Fallo-vos com a nhior franqueza.
Sectario de um principio poltico, nao desejo crear
embaracos, era por bices aos que dirigen) o
partido constitucional nesta provincia.
Se alguma cousa fli em prol d'esse partido tive
o maior desinteresse possivel, e me orgulho de re-
culher-me ao silencio cora meu espolio sagrado.
O gremio conservador lnd(coa o noroe-ao Exm.
Sr. barao de Aracagi. Foi mui acertada a escolha.
Cirqumdado da aureola do talento, e da devoco
assignalada pelos ser vicos, S. Exc. muito digno
da honra que aspira, e da escolha que foi feita.
Nao me resta o menor desgosto, sou dcil ero ce-
der o passo na distribuico dos pratos d festim
poltico. ?.
Contonto-rae com a consciencia religiosa de que
eumpri os meus deveres. Isto me basta, e a conti-
nuacao de vossa eslima particular e poltica.
Minhas palavras tornara saliente a minha reso-
lueao ; conservo, porm, minhas convicQes em
toda a sua pureza.
Herir, 10 de novembro de 1869.
Gaspar de Menezes Vasconcelos de Drummond.
Apreciem os iomens consi-
derados.
Nao facas a atrern o que nao
nao queres qne te facam.
(Deveres em geral.)
A satyra nefanda que o Sr. guarda-mr actual
a alfandega d'esta provincia proferto na occasio
a atracar os seus sscaleres bordo-do vapor
Guar, chegado hontem do sul (o. quando outros
j tiuham feito)aos matriculados do trafico do
porto; a considerirnos indigna para o homem
que se presa e cobre-se com o manto d civismo,
e jamis pronunciada pelos labios de am empre-
gado da esphera do Sr. guarda-mr. Ajuizem os
leitores. Ei-la :
>r. V prenda esta canalha rxroito-dias,
horda de salteadores. ladrSes, em retorqu'imentu:
e sem excepcao, os capatazes sao oepciores.
Quando urna autordade ou empregado publico,
assim se pronuncia, arrojado urna milicia no
seu geral, que tem um chefo distirteto, active e
jusliceiro como o integro offlcial que se acha
testa da reparticao do porto, indicio de locar na
susceptibilidade d'este, e ferir de jorro o procedi-
mento d seus agentes, e: de oufros proftssiona a
que se consideram ; saiba o Sr. Ryder, que em
todas as dasses ha bons e inos : respeitadores e
infringidores ; se alguns remadores deliuquem, ou
teein delinquido, o Sr. guarda-mr empregado
fiscal, tem a lei do paiz e instruccoes de sua re
particao seu arbitrio, para puni-los ; portanto
nao ha razSo de asiim Se pronunciarsem ex-
ce| cao.
Considere oSr. Ryder, e tenha plena cunviccao,
que para aquelles que presam sentimentos, nao
s irrogou-ll.es urna satyra nefanda, como com-
metleu um crime de injuria. Pessea muito illus-
tre que vinha no mesmo vapor para es *. provincia,
observou o acto de S. S.; e faca jiiizo, nao em
aborto dos dolinquentes, quera >e deveria referir
o Sr". guarda n r ; sin, para aquelles que por in-
fJicldade e amor ao tra*oalh e hurtt*|ruilitara no
trafico do porto, porm qne taem moral e civismo,
e sabem respeitar as leis e seus asentes, quando
estes se mantera em seu equilibrio : assim, espe-
ramos no proceder do Sr. Carlos Eduard > Ryder,
actual guarda-mr, que retirar a sua expres-o
na phrasesera ex ;epcao o< capatazes sito os
peiores. E providencie de conformidade com as
leis e instruccSes aduaneiras, do contrario pode
acontecer que alguns prejudicados estigmatisados
da offensa injuriosa o impropria, respondam-lhe
na phrase de um proominente estadista :t De-
volvo intacta ao seu autor.
Recife, 10 de uovembro d > 1869.
Os que se resentirn.
PUBLICACOES
A PEDIDO.
A redacc i do Liberal nao encontrando factos
que depozessera contra a jusliceira.prodento e mo-
ralisada admim>tracao do Exm. Sr. Di. Manuel
Portera, lembrou-se de consignar como censura-
vel o laclo do haver elle ao assnmir a presiden-
cia, deixado a meu cargo um eseriptorio de advo-
cada.
O celebre artipo do Liberal n. 3 j foi em parte
respond lo no Diario de 8 do corrente e pens
que o autor da resposta com razio nao deseen a
parte em que aquello artigo se ocrapa com o es-
eriptorio do Sr. Dr. Portella, entendendo, como eu
entendo, nao ser ella merecedora do resposta.
Como, porm, os sennores do Liberal lembraram-
se de eserver o raen nome em tal artigo (honra
que de bom grado dispensara) tenho o direito, se
nu obrigaeo de vir proteAar contra as proposi-
c3es aventurada^ sobre os trabalhos do eserip-
torio.
Nada preciso dizer sobre o facto de haver o
Exm. Sr. Dr. Portella deixado o seu escripiorio
aborto a funecionar sob minha exclusiva direccao :
isto cousa lo natural e usada que a ninguem
pode causar e-slranhesa, e nem ser objecto de cen-
sura, todos sabem que advogados qu* leem oceu-
pado cargos de ministros do estado,presidentes de
Srovincia, etc., tem, durante o impedimento con-
ado as causas de que esto encarregados a al-
f uem que as patrocino. R' isto cousa publica e
aot ria c que al boje nao foi e,nem pode ser cen-
surado.
O Exm. Sr. Dr. Portella, tendo nao pequeo nu-
mero de qoestoes pendentes e constituimos de par-
tido, nao poda deixar de entregar a aiguemo cui-
dado dellas, e honrando-me com sua conflanca,
por certo immerecida, en(regou-me a direccao de
seu escripiorio.
Coraigo cntenderam-se sempre os seus consti-
Xaintes sendo tan falso qne elles se cntondessem
em palacio com 8. Exc. a respeito do suas ques-
4oes, como alsissimo qne S. Exc. frequentasse a
ia> banca de advogado; c nao ha una s pe>soa
^ue visse o Sr. Dr. PurteJla era seu eseriptorio:
Jtppareca alguora que d testemunbo do qne diz o
Quaoloa deleza qite no jury do Cabo fiza Va-
rajao,facto que o Liberala.liftcoescandaloso
terto altor que dejla bavia sido encarregado o
Br. Dr. Portella desde feveroiro do corrente aneo,
e aenhuraa razan havia para que, como das de-
xnais causas, nao podesse cu encarregar-me
della.
Para que o Liberal podosse censurar ao Sr. Dr.
BMieUa, sqria preriso quo mostrasse (o qne por
certo nio poder fazer) que por qualquer mel
-4rcto 04 indirecto, S Exc. pnworava proteger a
Tareio no inlgamente a qne Mi ntmvKin
qmn certo e qne Varejo foi nneinmal amorte
apatarda falta de provas no proceeso, e que entre
m pesuas que vi tranalbarem para asna condwn-
des:ic?na-se algam ftfiUo do caraefcr
AO EXM. SR. CONEGO J. PINTO DE CAVPOS.
A v.issa raissio alta e grandiosa
De gloria perennal vos dou a palma
Deixai que 'Ibanas phrases de miuh'alma
Minha lyra vos offreca respeilosa :
Da Biblia athleta sempre laureado
Que planta a santa le chrisundado;
Carcter sempre cheio de bondade,
Que de Deus revela ser abencuado.
Se ha nobres acedes na creatura,
So ha honra e prestigio par da vida;
E' esta a vossa c'ra que fulgura.
Pois senhor, da min'harpa enfraquecida
Recebei esta homenagem sem ventura,
Seja embora por vos mal recebida.
J.S. F.
MOVIMIENTO DO PORTO.
------------------------------------------------------!...>' |---------
Navios entrados no dia tO,
Rio Grande do Sul21 dias, patacho norte alle-
mo Bertha, de 216 toneladas, capitao Aeker-
mann, equipa gom 7 cargacraxa.; a Amor i m
Irmo. ^m-
Rio Qcftde do Sul 20. dias, brijfe brasiieiro
Princeza, de 181 toneladas, capRao Valentim
Jos Augusto de Farias, eguipagem 9, carga
10^00 arrobas de carne; a Joao Francisco da
S Ifovaes.
Babia4 dia?, bri|ue porluguez Soberano, de 240
toneladas, cap i lo Manoel Bernardo Bogiganga,
equipagem 10, carga 2000 saceos com farinha
de mandioca e outros gneros; a E. H. Rabello.
Mamanguape 14 horas, vapor brasiieiro JfiMao,
de 222 toneladas, commandante Julio G. da
Silva, equipagem 14, carga algodo; a compa-
ubia Peroambucana. _
Buenos Ayree24 dias, brigue norte allemao Cari-
zudeudrei Greifen de 282 ioneladas, capitSo L.
Garcke, equipagem 11, em lastro; a Thomaz
Jefferies & C.
Navios sonidos no mesmo dia.
Liverpool Galera ingleza Hermione, capito J.
Gregcry, carga assucar e algodoj
Portes do norteVapor brasiieiro Guar, com-
mandante 1 lenle P. H. Duarte.
ParaLugar pertuguez Gome ao Vouga, capito
Francisco Pereira Colho, carga assucar, plvo-
ra e outros gneros.
l .- ~
T.

EDITAES.
COMMERCIO.
TORMENTOS DA CABECA.
Urna imperfeiu digestu, seguida de toda a sua
invaruvel comitiva, um disturbio sympatbel.co do
ligado c dos intestinos, a'causa excitante dis do-
res de cabeca nervosas. Porque razao'pois sof-
freis a sua atormentadora agona e desatinadas
ures, quando um curso, o efti alguns casos, urna
sdse das pilmas assucaradas deBristol, nao s
pode remover a causa, como tambera as conse-
quencias Dores de cabeca ebronicas, de um ca;
racter o mais obstinado, invariavelmente cedem
este remedio, de todos o mais brando e mais
efllcaz de quautos catharticos e antibiliosas medi-
cinas existum as quaes nenhuma enfermidade
procedente de ura estomago desarranjado, um es-
tado morboso do ligado, irregularidade ou prisao
do ventre, on as difficuldades inherentes aa bello
sexo podem resistir por muito tempo. 12m lo-
dos os casos em que o ligado se ache scri.mente
affeotado, a salsa parrilha de Bristol, o purillcador
o mais potente dos fluidos animaos que o nundo
jamis cunheceu, grandemente facilitar u cura.
As plalas acbara-se mettidas dentro de frasqui-
nhos de vidros, e por isso conservar-se-hao per-
foitas em todos os climas. Ambas estas medicinas
encontrar-se-ba venda em todas as prii .cipaes
lujas de drogas e boticas.
ALAGOAS.
Na noile de di* 23 leve lugar na casa da resi-
dencia do major Francisco de Vasoortcelloi.Heo-
donca, a reunio do gremio cun asslsten :ia das
ooinintssdes de todas as ratas para o lira de eora-
bmar-se e organisar-so a chapa di* canlidatos
que o partid conservadoi te& de apresjntar
considerac|io do corpo eletoraJ da provuiei n
prxima eleieo provincial.
As junto ft)r?m remettidas as respec:>vas circu-
lares, contendo os nomes dos eaudidato-s qm si0
os Srs. :
1' distnclo.
Dr. Bernardo Antonio de Meodonca Citftello-
Branco.
Dr. Jo- Antonio de Magalhes Basto.
Dr. Ju5o Foraande Chaves.
Advogado Lucio Soares do Albuquerqu Eus-
taqoia
Dr. Rozeudo Cesar de Goes.
Dr. Pelippe do Mello Vascuncellos.
Dr. Joo Lopes de Agniar Silva Muriba.
Dr. Barnab Elias da Rosa Calbeiros.
Dr. Luiz Antonio Mureira de Mendooca.
Dr. Francisco Jos Meira.
Vigario Jauintho Candido de Mendooca.
Vigarm Antonio da Parata Vasconcelbs.
Padre Jos flmes de Urna
Vigw J Major Jos Bernardo de Arroxellas Galvie.
PRAGA DO RECIFE 10 DE NOVEMBRO
DE 1869.
AS 3 1/2 HORAS 0A TARD1
Assucar bruto americano 34100 por 15 kil.
Algouao da Parahyba 1' sorte 987 e 1*000 por
kil. posto a burdo, froto de 't|4 d. e 5 0|0 (hon-
tem).
dem idem dem1*014 por kil. posto a bordo,
/rete de 5|8 d. e 5 0|0 (hontem).
dem idem idem1*001 por kil. posto a bordo,
frete de 3|4 d. e 5 0|0 (boje).
Algouao de Maeei 1- sortei*0il por kil. posto
a bordo, frete de 3(4 d. e 5 0i0 (hoje).
Cambio sobre Londres 90 d/v. 19 3|4 d. por
U000.
Cambio sobre Paris 3 d|v. 492 rs. por franco.
Descont uo letras10 0.0 ao anno (hontem),
F. J. Silveira
Presidente.
Leal Seve
Secretario.
Sociedade bancaria em com
mandita
Theodoi* Simn $ C,
Gompram e vendem sor con la pro-
pria metaos, moedas nacionaes, e estran-
geiras, letras de cambio, sdalas do go-
*erno e do banco do Bsasil.
DescdDtam letras da trra o outr os ti
tulos cotnmerciaes.
Encarregam-se por conta alhefa das me-
oaas transaccoes, da cobranra de Jetras da
trra e de oulros ttulos comroerciaes.
Receb m quaerquer quantias em depo-
sito, em conta corrate, e a prazo 6xo.
Largo do Pelourinho n. 7
_____ i..
ALFANDEGa.
ttendiraento do dia 1 a 9 331.902*902
dem do dia 10......57:079*429
-
Pela secretaria do governo sSo convidadas as
pessoas que quizerem contratar o estabeleeimen-
to de nm systema de carris de ferro, nos termos
da lei provincial n. 879, de 23 de junho do corren-
te anno abaixo transcripta, a apresentarem suas
^jropostas era carta fechada aoExm Sr. presidente
da provincia, no dia 10 de fevereiro prximo vin-
douro.
LE N. 879.
0 Dr. Manoel do Nascimento Machado Portella,
vice -presidente da provincia de Pernambuco.
Faco saber a todos os seus habitantes que a as-
sembla legislativa provincial -decreten e en
sanecionei a resolucao segui-ite !
Art. 1. Fica o presidente da provincia antori-
sado a contratar com o bacharel Zeferino de Al-
meida Pinto e Andr de Abreu Porto, ou com
quem maiores vantagens offorerer, o ostabeleci-
mento de um systema de carris de ferro, que ligue
nao s a capital com os suburbios, para os ques
nao esteiam j eslabelecidos trilhos urhanos, como
tambem una os diversos pontos liroitrophes da
mesma capital.
Art 2." O contrato1 ser lavrado sobre as se-
grales bases:
I.' O systema de caris ser o mesmo de que
traa a tereeira das condiccoes do decreto n. 4,082
de 22 de Janeiro de 1869.
J 2. As obras se rao fe i tas a custa dos conces-
sionarios ou da companhia que para esse lira se
organizar com previa autor'isacao do governo im-
perial, mas nao podero ter eomeco sem que o
presidente da provincia approve e plano d'eilas e
lotacao dos carris, e fixe o prco de 200 rs. por
viagem qualquer que seja a distancia.
g 3. Os contratamos deverao obrigar-se a ter
um certo numero de canloneires ou guardas, os
quaes sero postados nos crnzainentos das ras e
estradas nos pintos que se determinar, adra de
evitar os desastres.
4.* Os carros deverao ser obrigados a parar em
qualquer ponto, e ao menor signal que Ihe llzer o
transente que queira entrar ou sabir dos mesmos
carros.
5. O presidonte da provincia reservar-se-ha
o direito de organisar, ouvidos os concessionanos,
os regulameatos necessarins, podendo imi>r nos
casos de transgresso ou falta de regularidade do
servio >, multas at 50* rs salvo o caso da forca
maior devidamente provado.
6 dever Picar licito aos contratantes abrir
e prolougar sempre a ua conta as ras e estra-
das que a cmara municipal aulorisar sendo-lhes
garantido? neste cas. os privilegios de dejappro-
priacoes por utilidade pubica,
7." Os concesionarios em concurrencia com
outrem em obras municipaes e us lugar .'S em
que estiverm ou d'everem estar as-eutados os iri
mus, sero preferido era igualdades de circums-
tancia*. ,
8. Os mesmosconcessionartesdeven dr pas-
sagem gratis aos agentas do govrfno e da polica,
competentemente munidos de passe do respectivo
chefe, para servico da mesma polica
9. Pirar eadm-a a concessao se nao come-
carem as oliras dentro do praso da dous aouos,
e concluirem-as no de tres annos, ou se, depois
ae aoorto o trafogo fur elle iiilerrumpido por seis
mezes.
Art. 3. Ficam revogadas as disposicoes em
contrario.
Mando por tanto a todas as autoridades a quem
o conheimento e exocuce da presente resoucao
pertencer, que a cumpram e facam cumprir lio
intoiramente como neila se contein.
O secretario do governo desta provincia a faca
imprimir, publicar e correr.
Palacio do governo de Pernambuco, aos 23 de
junho de 1869, quadragessuno oitavo da inde-
pendencia e do imperio.
L. S.
Dr. Manoel do Nascimento Machado Portella.
Sellada e publicada a presente resoucao nesta
secretaria do governo de Pernambuco, aos 23 do
junho de 1869.
v O secretario
Dr. Joaquim Coira de Aranjo.
Registrada a folha do livro de leis provineiaes.
Secretaria da goverao de Pernambuco, aos 23
de junho de 1869.
Q chefe da 4.* seccao
Francisco de Lemos Duarte.
O secretario
Dr. Joaquim Coira de Aranjo.
para o resto que Ihe faite pude entender-se eora
David .Ferreira Baltar, rudo Brum n. 92, ou
com o.capjlio a bordo.
COMPANHIA pPERiAMBUCANA
-DI
Navegado costelra por vapor.
Mamamguape,.
O vapor Mandah, eommandante Julio, seguir
para o porto cima no dia 12 do crrante as 6
oras da tarde. Recebe carga, encommends,
passageiros edlnheiro a frete at as 3 horas da
tarde do dia da sahida eseriptorio no Forte do
Maitos n. 12.
COMPANHIA PERNAAMBUCANA
DI
Navegafio cottteira por vapor.
Parahyba, Natal, Maco, Mossor, Ara-
caty, Cear, Mandah, Acarac e
Granja.
- O Tapor Pirapama, comraandantt
Torres, seguir para os portes
cima no dia 15 do corrente as 5 hora'
Recebe carga at o dia 13 en com
passageiros e dinheiro a frete at as
t horas da tarde do dia da sahida no eseripto-
rio no Forte do Maltes n. 12.
tarde.
mondas.e
COMPANHIA BRASILEA
DE
Paquetes a vapor.
Dos portes do norte esperado
at o dia 12 de novembro, o vapor
Cruzeiro do Sul, commandante J.
P. Guedes Alcoforado, o qual
depois da demora do coslume se-
guir para o portes do sol.
Desde j recebem-se passageiros e engaja-se a
carga que o vapor poder conduzir, a anal dever.
ser embarcada no dia de suacbegada. Enconimen
las e dinheiro a frete at o dia da sua sabida as 1
horas.
Nao se receben como encommends seno ob
ledos de pequeo valor equenaoexcedara a dua*
arrobas de peso on 8 palmos cbicos de medieae.
Todo que pasear desles limites dever ser embar-
ca lo como carga
Previne-se aos Srs. passageiros, que suas as-
sagena s se reeebem na agencia ra da Cruz
n. 57 primeiro andar, eseriptorio de Antonio Luiz
do Oliveira Azevedo & C.
LEILAO
de difieren tes obj.tt ruar more
bastro(em JHp.)
Hoje 11 do corrente.
No arraazem da roa do Imperador n. 57.
e ala-
urna casa terrea s a travessa de S.
Jos t. 29.
O agento Pontual competentemente autorisado
vender em leilo o predio cima em solo lrsiro,
o qual tem 2 salas, 3 quartes, cosinba fon, quin-
tal murado e cacimba.
Saxta-fsira 12 do eorrente.
No 1* andar do sobrado n. 02, ra da Cruz,
as 11 horas.
LEILAO
De O barra de & com rlako
flato.
Sexta-feira 44 do corrente,
O agente Pestaa far letrio por Ha e risco
de quem pertencer de 60 barris do 5 eora vinho
tinto os quaes serio vendidos ero um ou mais
lotes a vontade sexta-feira <2 do corrente as II
horas da manha no armazem do Annes dcfronlo
da alfandega.
COMPANHIA PERNAMBUCANA
DE
.Vavegaeao costelra por vapor.
Maeei, escalas, Penedo e Aracaj.
O vapor Potengt, eommandante Pereira se-
truir para os portes cima no dia 15 do corrente
as 5 horas da tarde. Recebe carga at o dia 13,
encommends, passageiros e dinheiro a frete at
as 3 h-.ras da tard do dia d sahida no eseripto-
rio do Forte do Mallos n. 12.
COMPANHIA PERNAMBUCANA
DE
Navegando costea por vapor
Goyanna.
O vapor Parahyba, commandante Mello, segui-
r para o porto cima, no dia 16 do corrente, as 9
horas da noite. Recebe carga, encommends, pas-
sageiros e dinheiro frete, no eseriptorio do
Forte do Mattos n. 12.
Companhia americana e brasile-
ra de paquetes a vapor.
At o dia 15 do crrente esperado de Npw-
York por S. Thomaz e Para o vapor americano
Mei rimad:, o qual depois da demora da costume
seguir para os portos do sul, para fretes e pas
sngens trata-se com os agentes Henry Forster &
C, rna do Commercio n. 8.
Rio do Janeiro,
Para o indicado porto, pretende seguir com mui-
ta brevidade a barca portugueza S. Joo, por ter a
maior parte de sen carregamento engajado ; e
para n re-tu que Ihe falta, trata-se com o consig-
natario Joaquim Jos Goncalves Beltro, ra do
Commercio n. 17.
de movis, louga e cryst&es.
A SARER :
Um piano furte e quasi novo, 1 mobilia de Ja-
caranda com lampos de pedra, 1 candelabro e 2
serpentinas de erystal, jarros para floras, redomas
com flores, 1 cama franceza, I toilct, 1 guarda
vestido coro espelho, 1 guarda roupa de ainarello,
2 marquezas, 1 sof, 1 divn, 1 mesa (bostica,
I apparadcT, 1 mobilia de amarado, 2 eommoda*,
1 harmnico, 1 veneziana, 2 transparentes, difi-
reme* cadeira?, 2 bancas, 1 cama de ferro, 1 por-
ta licor, louca para jamare al moco, opns, clice?,
garrafas eeompoteiras, 1 quartinhira, 9 cabidas,
1 salva de metal, 1 mesa, trem de cosinba a ou-
tr* s objeetos.
Ncita-felra 1* de noveaibro
no sobrado de um andar da ra do Impe-
rador n. 47,
O agente Piuto autorisado por urna familia que
mudou de residencia, far leilo dos movis e
mais objeetos cima mencionados existentes no
sobrado de um andar da rna de Imperador n. 47,
aunde se effeetuara o leilo.
Principiara as 10 horas.__________ .
De una grande casa e sitio sita
a estrada de Joao de Barros
O agente Puntual competentemente autorisado
vender em leilo a casa cima acabada de cons-
truir ha poneos mezes, tendo todas as paredes
dobradas, 2 salas, 6 quartes, cosinha e dispensa
fra, cacimba com excellente agua para beber,
tendo um sitio com I3i palmos de frente a 420 de
fundo, (solo proprio), sendo lodo o sitio cercado c
perlencente ao Sr. Manoel Ferreira Pinto ue Arau-
jo, cujo sitio vende-se para paitar urna hypoiheca
que nelle existe ao Sr Francisco Teixeira Rsrho-
sa. Notando-se que o sitio dista tras 400 a 500
passos da estaca dos trilhos urbanos do Reeifn a
Olinda, a qual tem de ser feita do becco da Espi-
nheiro. O leilo ter lugar
Soxta-feira 12 do corrento.
No andar do sobrado n. 12. ra da Cruz,
as 11 horas.
PAMA
Para o designado porto pretende sahir com moi-
ta brevidade o pa|habote Rosita por ter a maior
parte de seu carregamento prorapto : para o res-
to que Ihe falta, trata-se. rm o consignatario Joa-
quim Jos Guncalves.Beltrao, roa do Commercio
n. 17.
Porto.
Vai sahir breve a barca Laura ; para carga e
passageiros, trata-se com os consignatarios Carva-
lho & ugueira. na rus de Apollo n. 20. ______
Para Lisboa
A barca portugueza Pereira Borges dever se
guir brevemente para I.i-boa, j tero a burdo par
te da carga, e para o reio trata-se com Oliveira.
Filbos & C, ao largo do Curpo Santo n. 19, 1
andar, ou com o capito na praca. _______
LEILAO
Da taberna da ra da Esperanza, Caminho
Novo n. 47.
Sabbado 13 Ae novembro as 10 horas em ponto.
O agente Pinto levar novamenie a leilo, ser-
vindo de base a offerta obtida no leilo do da 10
do crrente, a armaco, balean e gneros da ta-
berna do Caminho Novo n. 47, oor despacho do
lllm. e Exm. Sr. Dr. juiz especial do commercio,
as 10 horas em poato do dia cima dito na refe-
rida taberna.
6_____________
OECLARACOES.
O administrador da recebedoria de rencas
internas geraes faz certo aos conlribuintes do im-
posto pessoal do exercicio corrente de 1869-70,
residentes as freguezias desta cidade e as dos
Afegados, Varzea, P050 da Pnella, Munbeca, Ja-
boatio e S. Lourenco da Matta, que neste mez de
novembro finda-se o praso do pagamento sem
mulla do Io semestre do referido imposto, depois
do que ser pago com a multa de 6 0|0
1 Recebedoria de Pernambuco 2 de novembro de
Manoel Carneiro de Sou7a Lacerda.
389:0424331
MOVIMENTO DA ALFANDEGA
/olumes entrados com lateadas
dem idem com gneros

Voluntes sahidos cora faxendas
Idem idem cora genero
1400
500
-----900
233
124
Descarregan -boje 11 de ontubro
Barca francezaSolidemercadorias.
Escuna iagWW Biwfcfn irtosu
Lugar inglezBrilAoiildem.
Patacho italianoMargaeretidem.
RAES DE PERN.
'lendimente do dia i a 9 .
ulfeZidodia W......
3i7
vinhos
NA* ''GrU
20:9641844
*:211#683
OrjNSt^AOn PBOVWCIAL
laadinaealo do da a 9 28:8X7*068
dea do dia la .- 3:503*388
32:390*4
Consulado provincial.
Pela*adminislra ;ao desle con miado marca-s o
praso de 30 dias, contados da data do presente,
aflra de que os possnidores de escravos de ambos
os sexos existentes nesta cidade, que nao forem
empregados no servico domestico od era fabricas,
venham da-los inscripcjto para proceder se ao
respectivo lancamento, relativo ao anno corrente
de 1869-70, e effectuar-se a percepeo do impost
de 5*000 por cada escrav, votado no 38, art.
48 da lei n. 891, deyendo os contribuintes faze-lo
por mel de nma nota declarativa do nome e qa-
lidade do escravo, bem como de quem seja o seu
legitimo propnetario.
Consulado provincial 5 de novembro de 1866.
O administrador,
A. Carneira Machado Rios.
Porto.
Segne com brevidade a veleira e nova barca
portugueza Isolina, para carga e passageiros,
paja os quaes tem excellente commodos, trata se
cora os consignatarios Antonio Luiz de Oliveira
Azevedo & C.; rna da Cruz n. S7 1 andar. ___
Porto e Lisboa.
Segu para o Porto cora escala por Lisboa, a
barca poatugueza Safira : para carga e passa-
geiros trata-se com os consignatarios T. de Aqui-
n > Fonseca 4 C. ; ra do Vigario n. 19 on com o
capito na praca._____________^_^^___^
Para Lisboa
O brigue porluguez Bella Figueirenie, capito
Carvalho Sobrinhu, va sahir breve por ter a maior
parte do carregamento : para carga e passageiros
teata-secom E. R. Rabello, ra do Commercio nu-
mero 48.
AVISOS DIVERSOS.
INSTITUTO ARCHEOLOGICO E GEOuRAPHlCO
PERMMIMO.
Havera sessSo ordinaria quinta-feira II
do corrente novembro, pelas 41 horas da
manha.
ORDEM DO DIA
Pareceres e mais trabalhos de commis-
ses.
Secretaria do Instituto, 8 de novembro
de 1869.
Jos Soares de Azevedo,
Secret rio perpetuo.
Aluga-se una casa a margem do rio no Poce-
na ra de Horta* sobrado n. 48. ______
Lisboa
O brigue portuguez Catete, capito e dono J. J.
da Cosa, recebe alguma carga a frete : trata-se
com E. R. Rabello, ra do Commercio n. 48, ou
com o referido dono.
Para a Balda
Toma carga e ter promptn despacho o patacho
italiano argherita, capillo Gherse: quem nelle
quizer tomar nraca, pode dirigrr-se ao eseriptorio
de E. A. Burle & C, ra da Cruz n. 48.
9ata CftM da Misericordia do
Reeife.
A Illma. jnnta administrativa da Sama Casa da
Misericordia do Recife manda fazer publico quena
sala de suas sessdes, no dia II de novembro, pela--
malro horas da tarde, tem de ser arrematadas
tuem mais vantagens offereoer, pelo tempo de um
a tres annos, as rendas dos predios era seguida de-
* PATRIMONIO DOS OfliPHAOS.
Ra ao Calabouco
Casa terrea n. 20, jwr anno 2424000
Ra do Pilar.
Casa terrea n. 108 ................ iSO*52
Sitio n. 8 noPorho da Cal........... 150*000
Os pretendentes deverao apresentar no acto da
irremaucao as suas flaneas, ou compareceretn
acompanhados dos respectivos fiadores.
Secretaria di Santa Casa da Misericordia do Re
cife, 8 do novembro 9e 1869.
Oescrivio,
Pedro Rodrigues ir Snuza
mm MABiTiMes.
CARA
Sahra rom a p-> .
portugus Villa Fldr, tem
o plhabote
carga tratada
LEILOES.

d boliichinhas inglesas
HOJE
41 do corrente.
O agente Oliveira faz leilo por conta e risco
de quero pertencer de 6 caixas contendo sorti
ment de bolacbinbas finas inglezas para ca,
em latinbas
Quinta-feira
ao meio dia em ponto, *> armazem do Anses de-
fronte da arcada da aifandega.
LEILAO
ur-
be barra coaa toaelaho
ea E 8 arraigada.
HOJE.
O agente PeeUDsfaralrioporeeuia~eria>
quem pertencer de 60 barris com toacM* awui-
faOamimm Mm vind.* d b++****j*
Ctete, entra* iteste porte em 7 detaatoai 48,
serie veftdWus hoje ne trapiche Barbosa 10
horas da maabaa em ponto.
Precisa se de um raixeiro que tenha pratica
de taberna, na ra do Rangel n. 39.__________
Progrmala do t lab
Urna renno familiar aossabbadi; urna parti-
da na aberrara e oulra no encerramento, leilura
de iornaes, cha tedas as nuiles das 9 ate 10 horas
las reoniSes familiares s tero iogresso os as-
signantes, as partidas admitte-sc convidados.
Recife H de novembro de 1869.
P. J. Laytne.
Club do -Monteiro
O empresario do Club Pernambucano tem esta-
belcido um Club na poveacao do Munteiropor
3 mezes a principiar no 1 de dezembro at 28 de
fevereiro prximo futuro debaixo das segrales
condicc5es.
As pessoas que quizerem ser assijrnantes deve-
rao entender-se com o respectivo empresario para
este apresentar seus nomes a directora do Club
do Monteiro, para esle deliberar se sao ou nao
accedes.
A ssignatura sera de 40| (pagos odiantados)
pelos 3 mezes para os assignantes efectivos e 20a
per mez para os adventicios.
Os socios effectivos do Club* Pernambucano pa-
garao adiantado 20* pelo trimestre e 104 por ez
os adventicios, podendo serem adtoittides sem
mais approvacao. ________________
Hornera da Cinco Postas para o cemilerio ra-
glez, um carroceiro perdeu una maca deeuuro,
contendo roupa branca de senhora, o varios pa-
pis de importancia, como escrituras etc. Pede-
se a pessoa que a acbar, que a entrega*, os d
notici na ra da Aurora n. 4, que serassero-
smente recompensado. .';
Sociedade Bwreatva
Juventude.
nteoo-
fal-
ocios
Nao se tendo realisado a dia 7, com
vocada a assemhl gertt desta socr
u de nomero, eonvldo de ooo o J_.
a se reunlrem domingo, 14 *wrrenw,M6 ho-
ras da manha, aflm de csubeleclda a mesma as-
sembla, tratar-se de ossumptes imparta
Secretaria 6* sociedade Recreava Jurautude
10 de novembro de 1869.
Felomeno Peixoto,
! seiwtario.
Atteacio.
Na roa da Cooeoieao a. M precsase alugar..
dous escravo bons : a tratar ua mesma casa, da 1
8 horas da tarde em diante.
ILiMitl

i
<|
\'


Diario de Pernambucp Quinta
feira

11
de
Novembro

d
e
186d
ItiL
i
AOS
Plalas assocaradas de Brislol.
CONNAO TEM NEM CALOMELANOS NEH NENHUM
OUTHO MINERAL.
A grande necessidade e falta de um ca-
Ihartico ou de urna medicina purgativa, ha
maito que tem sido sentida, tanto pelo no-
vo, como mesmo por eio da faculdade
medica; e por isso, infinito 6 o gosto e
prazer que sentimos, em pdennos com
toda a contiancaesegundarle, recommendar
As pilulas vegetaes assucaradas de Brstol,
como urna excedente medicina purgativa, a
qual encerra em si todas as partes e mais
ingredientes essenciaes, tornando-se em um
perfeito, seguro e agradavel cathartico de
familia. Este remedio nao composto
dessas drogas ordinariamente usadas na
composicao dessas pululas, que por alii se
veiidem, mas sim, sao preparadas com as
mais finas e superiores quaidades de raizes
medicinaes, nenas e planta$f depois de se
haver chiraicamente extrahido e'separado,
os principios activos, ou aquellas partes
ue contem o verdadeiro valor medicinal,
daquellas porcSes fibrosas inertes o agres-
tes inteiramente destituidas da menor virtu-
de. Entre esses agentes activos ou ingre-
dientes especficos, podemos nomear a po-
dophgfih, a qual segundo a experiencia
mm demonstrado, possue um poder o mais
^laravilhoso possivel sobre as regios do
jigado, assim como sobre todas as secre-
tes biliosas. Isto de ombinacao com o
leptandrtn, e mais alguns extractos vege-
Xaes e drogas altamente valiosas, consti-
CASA DA FOlftUNA
23 llUA DO CRESPO 23.
a abauu assignado lcndo Vanado nos seu< feli-
zes bilbeles da lotera 13* do Hospicio do Pedro
II (199) as 80rte ibaixo declaradas, convida oh
possuiuores_ a virem receber, pois as pagar com
a promptidao que costo, ma. '
Acham-t* venda 01 da 61* a favor do Honte
Pi (300).
NumeroJ035, q airo quartos, com SOiOOOilOOO.
4733, dous qoarios, com 1:0001000.
18*9, dous qoartos. com 800*000.
1 _________Manocl Martins Fiuza.
Criado
Precisa-so do um criado : na ra das Lararget-
ras n. 29, hotel Commercial.
Precisa-se
do um caixeiro para taberna, que tenlia prsrlp e
d fiader a Sua conduela : no paleo da Santa Osa
nnmero 1_________________ ;____________
Preeisa-ae de urna pessoa que eutenda de
bolear carro : na ra estreita do Rosario n. 2, 1'
andar, das Atoras da manhaa s 3 da Urde, en-
contrar cam'quem tratar.
Os abaixo assignados participan) ao publico
e com especialidade ao corpo do conitnercio, que
difolvf ram amigavelmentu em data de 31 de ou-
lubro prximo passado, a soriudade em comnian-
dita que exista na taberna sita aTua do Impera-
dor n. 83, a qual gyrava sob a Arma social Per-
reir Goncal ves & C., Ilcando encarregado e ebri-
gado pelo passiv > o ex-socio commanditario Ha-
noel Jos Quedes de Magalhaes, e desonerados de
qualquer responsabilidade e pagos de seus captaes
e lucros os outros socios. Recite 10 de noveniDro
do 1869.
Manocl Jos Ferreifa Pinto.
Joio Goncalves Ferreira.
Manoel Jos Gnedes Magalhos.
Precisase de am bolieiro escravo ou forro,
que tenha bom comportaraenlo: na casa n. 40
junto a ponte grande da Pas da tarda at as 9 da manhaa.
------------------------_--------------
Aviso.
Joaqum Percra Arantes, eom loja de calcados
na prara da Independencia ns. 13 e 15, roga a to-
dos os seus deredores de contas antigs que ve-
nham pagar at o Hu da anno corrente, sob pena
de, passando as ferias, entregar a seu procurador
para receber judicialmente.
Precisa-se de um caixeiro com pralica de
taberna : a tratar na ra da Cadeia-nova n. 7.
Na ra Direita n. 120, 2* andar, ha para
vender urna ascrava crioula, bonita figura : quem
precisar dirlja-se mesma, que achara cora quem
tratar.
Precisa-fe de urna ama que saiba comprar
e cozinhar : na roa larga do Rosario n. 21.
Prccisa-se do urna ama para comprar e co-
zinhar : na na de Hortas, sobrado n. 140.
Ama.
Precisa-se de urna ama para comprar e cozi-
nhar : na ra dos Gurarapes, fabrica de sr.bp
n. 42.
Precisa-se de uia criada ptima cozinhera
na ra da Codeia do Recite n. 57.
PEDIDO
A irmandade de Nossa Senhora do Gaadelupe
da cidade de Oliuda, roga a quem tirar o prenia
grande da lotera que se ha de extrahir no corran-
te mez, em beneficio das obras da sua igreja, ;r-
va-se de destinar urna quota para o adiantamento
das mesmas obras, fazendo assim um benelich
igreja.
Precisa-se le urna ama para casa de familia :
>~..-- na ra de Hortas n. 30, sobrado de um andar,
tuem e fonnam urna pilula purgativa, tor- vr~
nando-se or issn mnitissimn superior r iillO
nando-se por isso muitissimo superior,
qualquer urna outra medicina da mesma
natureza, que jamis tora apresentado ao
publico. As pilulas vegetaes assucaradas
de Brstol, achar-se-hSo sempre um reme-
dio prompto, seguro e eminentemente efi-
caz, para a cura de molestias, taes como
sejam as seguintes.
tyspepsia, ou indi-
gesfeo,
Adstringencia, ou..
prisio do ventre
habitual,
Azia do estomago e
Cflatulencia,
Perda do apetite,
Estomago sujo,
Hydropesia dos mem-
bros ou do corpo,
Affecces do ligado,
Ictericia,
HemOrrodias.
Mau hlito,, e irregu-
laridades do sexo
femenino,
Dores de cabeca.
Em todas as molestias que derivam ?
sua origem da massa do sangue: a salsa
parrilha de Bristol esse melhor de todo
os purificadores de ve ser tomado conjun
lamente com as pilulas, pois que estas
duas medicinas, tendo sido expressamente
preparadas para obrarem de harmona urna
com a outra, quando fielmente assim se faz,
nao nos resta a menor duvida em dizer,
que nomaior numero dos casos, podemos
afliancar nao so um grande alivio, como
tambem urna cura prompta e radical, isto
est bem visto, quando |o doente nSo se
ache n'um estado muito alnj dos recursos
humanos.
mais cabellos brancos.
A tintura japoneza para Ungir os cabellos
da cabera e da barba, foi a nica admiltida
Exposicao Universal, por ter sido reco-
nhecida superior todas as preparacoes at
hoje existentes, sem alterar a sade.
Vende-se a iiJOOO cada frasco na
Una da Gada n. 51,
1. andar.
Na ra da Moeda n. 5, i* andar, escriptorio
de Manoel Alves Ferreira & C, vende se viuho
verde superior em barris, ancoretas com vinho do
Porto superior e malvazia branco.
Precisa-se de um creado ptra todo servido
de hotel, paga-sc bem, prefere-se escravo : a tra-
tar na ra estreita do Rosario n. 11, hotel Lisbo-
nense.
Precisa-se de um ofDcial de chapeleiro
tar na praca da Independencia ns, 496.
a tra-
Haveudo os chefes do partido conservador
escolhido o Dr. Antonio Joaquina de Moraes e Sil-
va para candidato vaga deixada no 1 dislricto
desta provincia pelo Exm. visconde de Camaragi-
be, e j tendo-me eu dirigido anteriormente a dif-
ireme* amigos, solicitando o seu apoio para mi-
nha candidatura amelle lugar, eabe-me o rigoro-
so dever de deciarar-lhes que, nao desejando de
modo algum contrariar as decisoes dquelles,
cuja suarda esto confiados os interesses do par-
tido, de que son um dos mais obscuros membros,
bascadas sem duvida em razSes ponderosas, de-
sisto mu voluntariamente, sem que me fique o
menor resenlimeotodesta minha pretencao, aguar-
dando-me para talvez nm da impetrar igual hon-
ra, tjuaddo julgarem mais opportuna a occasio.
Outro sim, peco, a todos qae se haviam dignado
promeiter-me o seu auxilio, queiram applica-lo
em favor do Dr. Moraes e Silva, o que tomarei co-
mo obsequio a miin teito, o pelo que confsso-me
desde j eternamente grato.
Recite 10 de novembro de 1869.
______Dr. Manoel do Jiego Barro Soma Leo.
Acha-se arribado desde domingo, 7 do cor-
renle, o prcto (oncalo, de nacao, representa ter a
idade de 40 annos, pouco mais ou menos, de esta-
tura menos que regular, costuma a embreagar-se,
e quando falla gagueija, costuma andar pela estra-
da nova e Passagem, e lagar de Luca e lambcm
pelo Manguinho e Capunga : quem o pegar leve-o
a ra Direita n. 10, que ser bem recompensado.
COMPANHIA
DOS
TRILHOS URBANOS
DO
RECIFE A9 OfcM\l \.
Por ordem da directora sao, convidados os Srs.
accionistas, para no prazo de dez dias coudos
do dia 5 do corrente effectuarem a 5" prestadlo
de suas acedes na razo de 10 % e receberem
nessa occasiio os respectivos ttulos.
Para esse fim ser encontrado o Sr. thesourero
das II horas da manhaa s 2 da tarde de todos
os dias no escriptorio da companhta ; ra Nova
n. 35 Io andar, entrada pela ra das Flores n. 11:
Recite, 3 de novembro de 1869.
I* secretario,
_____________ Joo Joaquim Alves.
Os Srs. Domingos Manoel Martins, Victal Josc
da Motta e Eutiehio Mondim Pestaa teem carias
em casa de Tasso Irma.>s, rna do Amorm n. 37.
Precisa-se de urna ama para servico de dnas
pe?soas : na rna Augusta n. 74..______________
Os lllms. Sis. Manoel Rodrigues Pinheiro e
Juvenal Rodrigues Pinheiro, teem cartas na ra
do Amorm n. 60. armazem.
Para ftimilia.
Dnas casas reunidas em urna s, caiadas e pin-
tedas de novo, ra do Deslino ns. 2 e 4, anda
esli por alugar, com um grande qnintal, cacim-
ba, He. : trata-sa na rna do Hospicio n. 28.
Joo Pereira Pedroso Lima relira-so para
Europa, e deixa por seus procuradores bastantes,
em 1* lugar o Sr. Manocl Jos da Silva Filgueiras,
em 2o o Sr. Antonio Pedroso Lima, em 3 Joio
Francisco Henriques. _______
Monte Pi Popular Pernam-
bucano.
Devendo ter lugar domingo, 11 do corrente,
a posse do novo conselho administrativo desta so-
ciedade, de ordem do lllm. Sr. director, sao con-
vidados os senhoret socios effectivos para compa-
recerem em sessj de assembla geral, as 10 ho-
ras do mencionado dia.
Secretaria do Monte Pi Popular Pernambucano
10 de novembro de 1869.
O Io secretario interino,
Ernesto Jos de Uenezes.
Xo avllhiMla Aurora
ra da Imperatriz n. 2, precisase de bons offlciaes
de alfaiate para todas as costuras.
A casa Feliz do arco da Coneeico acaba de
vender nos seus felizes hilhetes a sorte de 800*000
em dous meios de 1235 e j foram pagos, e alem
desta sorte vendeu-se mais mitras de 200#000 e
de 100*.
Precsa-se de um menino brasileire de 13 a
14 annos de idade, que tenha ou nao pralica de
taberna : na rna dos Pescadores n. 43.
AMA
Na ra Direita n. 61 precisa-se
para casa de am homem solteiro.
de ama ama
Offerece-se para caixefro de loja de fazendas
um rapaz portuguez de idade de 16 annos, chega-
do ltimamente do Porto, o qual tem bastante
pratica de negocio de fazendas : quem o preten-
der dirija-se rna da Praia n. 3.
Convida-se
urna senhora de maior idade, que tivesse tido sem-
pre bons costamos, para servir de eompanlua a
urna outra senhora casada com multo pequea
familia, daado-se bom tratamenlo : a tallar na ra
do Cabug, loja de cera.
Em casa de THEODORO CHR1STI-
ANSEN, ra da Cruz n. 18, encontram-se
directivamente todas as quaidades de vinho
Bordeaux, Bourgogne e do Rheno.
AVISO
Napoleo Dias de Camino e sua mullier D.
Oinstanca Firmeza dos Anjos (larvalho, avisam aos
moradores que se achara na sua propriedade Ma-
caco, que de hoje a noventa dias devem retirar-so
da dita propriedade, porque all vai criar urna sol-
a de gado ; e outro sim que nao afora seus ter-
renos, e s consentir e tempo necessario para a
rolhrtia de suas lavouras ; e aquelles que dentro
do dito tempo nao se retirarem serio despejados
judicialmente. Sitio Macaco 3 de novembro de
1869.
Napoleo Dias de Carvalho.
Constanca Firmeza dos Aojos Carval ho
Attenpao
Na ra do Corredor do Bi-po n. 53 precisa-se
alugar ana sscrava para faxer compra?, cozinhar
o raais servicos internos, nao s elha o preco : a
tratar na mesma.
ATTENCAO
No dia 17,do corrente fugio do engenho Bom
Jardim da freguzia da Escada, o escravo Manoel,
cujos signaes sao os seguintes : cor fula, secco do
corpo, estatura regular, bem fallante, tem falta de
um pedaco da orelha direita do lado de cima, j
fi surrado por outro senhonque o possuio, levo'u
chapeo de bata e diversas roupas, e em sua com-
panhia urna mulher forra, a qual baixa, de cor
preta ; este escrav foi comprado ha pouco lemfK)
nesla praca ao Sr. Pedro Jorge : quem o pegar e
levar a seu senhor, no mencionado engenho, 011
nesta praca Rodrigues Almeida & C, ra es-
treita do Rosario n. 47, ser generosamentere-
compensado.
Precisa-se de um menino hrasileiro de 13 a
14 annos de idade, que tenha ou nao pratica de
taberna : na ra dos Pescadores n. 43.
D. Mara Adelaida do Nascimento Feitoaa
avisa a todas as pessoas qne quizerem comprar
terrenos na antlga estrada de Olinda, por onde
tem de passar breve urna linha de trilitos urbanos,
que ella vai retamar e dividir seu sitio de Belem
em pequeos sitios; e poderle dirigir-se a seu
filho, o eogonheiro Antonio Vicente do Nascimento
Feitisa, encarregado de todos os negocios de sua
casa, para com elle effectuarem qualquer compra
desses terrenos : na ru estreita do Rosario n. 23,
1* andar. _______
ATTENQAO!
Roga-se pessoa qne receben da corle urna car-
ta de crdito favor da Julio Adolpho Ribas, qae
tenha a bond!ade de mandar participacao ao mes-
mo, aa ruado Hospicio 0. 29.
;

FOLHINHAS

AcHfcio dr Mhlr
rarfa
mUn
LIVRARIA FRANCEZA
I
Ra ao Crcipo, IV
ti ifioitil" FolUiku
TICA E REL
PARA 0 ANNO Di 870
FREgO RS
XiROPE F F*S^(ifO, TO WlfTO
ue um:\cf\\md**f'r*60m*a1cfn;irn-
viliosa cojnn inkx.nnU-dosvl|f(i .ier.fi.soo
iipiticnrlo tst^m n f.;in1!isinv>iistllrbJ, luese
orvulsa ou roqnilurlie. Iosp ireonles on na-:
1 '?*oflbcnfC-s,caliuilMsbronchicos,ele...'
fina? contra I ocies os solrrimonlos dos vina
resptralojius, o wi"pli!sica pulmonar.sua vir-
lude contra dk-lanoouesposmos.ecoiivulcoes
P. 'ncon'.itilnvelntiingeni lia fpieodcsconheca.
v.'nicodcposito'jrue larga do Rosario n.10,
junto no qtmrte] tic polie%, Pernamliuco.
Conlinuadamento sonosapresentamnovoa
lestfmunhos da uflicacia do fedegoso Pernam-
bucO.
PILULAS, VIRHO E XAROPE
DI] JI'RRKRi
MiPi-tiKK tria piumicnmco
JOlQl IH 1 1 Lucida im\TO
As pn parar-es de jurubrba so hoje vanln-
joPiUiKTiic conhecidas e prconibnd'as pelos
nins hilicis mdicos, tanto da Buropa como
lo piz, pela sua el licucio nos casos de anemia,
hloi or.e, hydrorjesia,obstrucQo doabdomen,
111 nibeni nosde menstruacaodiltJci!. catharro
a Ik'Mkti, ote. ele.
V.'iidom-sc em poreo e a rctalho na cidade
lo Rccil.-, pharmacia do seu compositor, ra
a:ga do Rosario, a. 10, junio ao quarle! do
">licia.
pinto i'HAnMACEtrrico
XAROPE OE SALSA PARRILHA DO PARA
ou
DEPURATIVO do SANGUE
Isi.his as molestias de Pellc, impignns, dores
rliriiiiiaiic.is,r ultras venreas.
ISLA I-lEi; UO KOS4KIO. \ 10.
Precisa-se
de um menino de li a 16 annos para caixeiro de I
loja de cera : na ra do Livramento n. 36.
jama
Na ra do Codorniz n. 8 (Forte do Mattos) pre-
cisa-so do urna ama que saiba cozinhar.
ATTENCAO
Jos Joaquim da Silva Gomes pede ao senhor
que lhe trouxe da Parahyba cartas pelo vapor Pi-
rapama, o favor de as ir entregar em seu es-
criptorio, roa da Cadeia do Ileeife n. 52, ou an-
nunciar sua morada para ser procurado.
- Urna pessoa, proprietaria de am si-
tio n'um dos arrabaldes desta cidade com
ptima baixa de capim, olera e casas para
passar a festa o qual acha-se avaliado por
5:000.5000, precisa por algum tempo da
quanlia de 42:000000 joro razoavcl,
dando por garanta o dito sitio; quem
quizer fazer esse negocio, quera deixar
nesta typograpbia, em carta fechada com
a Jttra B, as condices, sua morada e
nomo.
PRIMEIRO E SEGUNDO LIVROS
DE
LEITURA
PARAUSO DA
INFANCIA
PELO
BRASILEIAA,
Dr. A. Cesar Borges.
(2 EDICO MUITO MELHORADA E
AUGMENTADA)
Estes dous livros, resultado de grande expe-
riencia e esludos especiaes do autor, vieran) sa-
lisfazer a ama das mais instantes necessidades da
Inslrucrao primaria, e por tal forma que, pelos
governos de quasi todas as provincias teem sido
adoptadas para as escolas publicas,- assim como
por grande numero de professores particulares.
D primeiro Uvro ( absolutamente diverso das
caas vulgarmente conhecidas pelo nome de A
B C) e composto segundo um syslema natural,
philosophico e ameno que aos meninos fecilita
extraordinariamente o conhecimento da leilura,
tbrnando-thes muito mais rpidos, e muito menos
penosos, seus primeiros, tmidos o vacilantes pae-
sos na vida litteraria.
O segundo Uvro consta de muitos artigos, con-
t s te., todos tiio breves como convem fogaz
attoncao das criancas, e escripts em linguagem
e estylo apropriados franqueza de sua indili-
gencia.
E de maneira combinadas nelle se acham as
materias que, ao mesmo passo qne vivamente in-
Uressam c deleitam os pequeos leitores, levam-
llies e implantara-lhos no espirito e no coracao fe-
cundos preceilos de moral, inspirando-lhes, desde
logo, com o gosto da leitnra, o amor da virtud*
c a repugnancia da do vicio.
Sao ambos estes livros ntidamente impressos e
elegantemente encadernados em Pars, e conten
estampas finas representando os assumptos dos
eontos ; o que os torna mais convidativos aos me-
ninos e muito proprios para presentes ou premios
dos mesmos.
Contera demais o segundo dous bellos hymnos
com msica para o comeco e ftm da escola.
Uecommendamo-los pois confiadamente aos se-
nhores nais ao ramilla, e professores que anda es
nao conncccm.
Primeiro livro. 500
Segundo JjOOO
A VENDA NA
Livraria francaza,
9-RUA DO CRESP0-9
Aos laboriosos.
Concei tam-se.
sol) fianca, machi
as de costura
cora perfeicao e
presteza, fazen-
do-se mesmo
qualquer peca1
que por ventura
se quebr; assim
como machinas a
vapor, eylindros
de padaria ou ou-
tro qualquer raa-
chimsmo tenden-
te a industria do
paiz, sob as mes-
os condices cima : na rna dos Patos n. 8 ou
mu Direita n. Ci loja.
1 JMI
S CABUG
W esquina
da na larga do
Rosario.
AO
y

i"f PALOil
I N'ESTA AWTIGA E CDITATA
J PABRIGA
>
I1MITI1 II CIIIT1ITIIIITI IDI CMPLITI IIITIIIITI II
CHAPBOS BE !,:
J RU
De todaa aa qualidadea I
Di todos s feitioi I
Da todaa os procos t
RA DO CRESPO W 4
CURAS IMPORTANTES
oxarope Vegetal Americano especialidade de Bartholomeo
34,RA LARCA DO ROSARIO.34
Mol coftnmimoi procurar itletudoi .ra acreditar
oatot pnpandoa, deixamoa qne aaa apf licaclo e os
resolladoa oblidos pelas peaioasque ae digoarimacceita-
loa, lhe den eredita t Toga ; porque alo sempre oa
aRtealadoa considerados gralnilos, a delira qne lasca
KloocaarlaUBiaaio; mu ni aereado offeader aa pea-
oaianeeepeataaeaaMnte Dea oSereeanm.es qae ab.no
vio iraoacnptea, ea filemos publicar aMBlfesUndo-lbea
Boaaa raiulao pela attaoco, saperando aae tentuas
alija conrabortr o coaceito. e aecetUeao qae lem mere-
ca, aosaa tarop. Barih,torneo C.
4TTUTiea.
Illma. Srs. Bartholomeo C. com a nais mbida
etiefeeae qaa aclaro aer a xarope Americano de ama
eficacia extraordiaaria. poia qne aeffrendo ha diaa de
uieaaa loiao, 4 pono de nao poder dormir a noiie a
espeite sesmo de medicamentos que temava, elle
recorr e na terceira colher foi ellmado. a de todo me
achs neje reatabeleeida com o nao smenla da qnaai
ele frasee: grato pois 1 esse resoltado manifest a
. Sa. asen reconhecimento. De V. 9a. amigo, te-
aerador e obrigado. Manoel Antonio Viegas Jnior.
Soa casa 20 de abril de 1868.
Iltma. Sra. Bartholomeo t C. Penboradisslmocom
a faior qne ae ieram de aronsalhar o aso do xarope
Vegetal Americano, de ana eomposiclo, qnaaaWaM
acheta beslanla doente de ama conlipac,ao. qaa-aaa
tornon completamente ronco e que trouxe outjarta
U>sse. e me impossibilon de camprir os meas deveraa
de canter da empreza lyrica, roo agradecer-laea sata)
completa reatabelecimemo, qae obiire com un a* Mr*
do meimo xarope, depois de luver recorrido a makaa
tniamentos. Descjarei qne outros como en recorraaa
ao sea xarope para ae terem aliviados de t tarrifa!
incommodo, lio fatal aeate paiz. Com malor roaniae"
rjeia coalino a aer de V Ss. atiento, renerador
de iSfl0' ~ L0Z C":on, ~ Becife a ** ele'*
. Illma Srs Bartbolnmeo tC.-O xarope VtoUl Aaae-
ricano qae Vr. Ss. lm expoKo A Teada da leda efi-
cacia para e coralito d'aaihaM, canfenne obeatrei ap-
plcando-o a mea lilho Jeaqido, Mr da qaatra
annos; ticlima d'esse OaaeHo. JMat entlopor eafaaa
excedeate a dous annoa bata reeietido a waraalarapaa
de grande nomeada. Quiiram poia Ti. Sa. aeceilir a
expreaate aliamenle sincera de meo recoahecraieaia aa
meritorio artico qae lhe preatinm eom o indicada
xarope, acreditndome para sempre de Vt. S. criida
atiento e obrigado. Americo Nato de Meadaoca.
Itecife S de outubro de 1868.
MDALHA A EXPOSICAO UNIVERSAL DE 1867
Para a Superioridade d'a
PERFUMERA ORIZA
Intentada por LE GR AND, Pcrtamisa do Imperador lis FraiuM,
PARS. M, Han s.ili
CREME ORIZA
DE NIKON DE LENCI.OS
Pera ar fnttttrm 4 ptlir, dulruir m ruai it cara,
tonurvar tlirnamenli a telina di ;nctnl4.
it-nonorr. SO?. PARS.
ORIZA LA CX J
LEITE ANTEPUEI.ICO
fara rtfr$er, iran;urar i a*pr a aeeV, fauna
Vi ifip.irtttr 11 ooji al lar./ii.
SABAO ORIZA....... D'uma massa cenramale suate e d'um perfume dos mais delicados.
OniZA-C.iKAM oueaie. Massa especialaBeiile preparada para os banho; e a barba.
ORIZA-FLUID........ Pomada furlificaalec nutritiva para ronrriarosrabcllnseenipi'ililosdi' quabnreav,
ORIZA PIIILOtOME... Teluno de bol coleo de tela eom base d< quiua |nra o raseHos.
ORIZA-Oll.......... Oli finissimo perfumado para I mirar os cabellos empcdilnt de qnebrarea*.
OIUZA-BRILLANTINE. Cristallisado com tinlela. para dar brilho aos cabellos e a barba.
ORIZA FLOWF.RS---- Agua incoinparavrl de um perfume snare e delicado, para fortificarda la pelle.
ORIZA-ACIDULING... Vinagre do loueador, aroma e anlepliilico.
ESSF.NCE-0111/At'^t. Perfumo concentrado para o lencos prmluetn muilo delicado.
ORIZA-LYS.......... Perfume do bom loui c da alta tociedade para os lencos.
ORIZA-I'OWDF.RS.... Flor de arroi da Carolina para a cara e a belleza da pelle.
OMZA-DKNTIFRICK.. Para alvejar os denle e conservar avgengli as
OH1ZA-DKNTAIIIE ... Nova massa para alujar os denles sem destruir o esmalte.
AGUA TNICA DE QUINA E POMADA DE BALSAMO DE TANNlUO
fin liaata lainbridide ii fik.-n, b);liBui4t ti cabe lu, i aipediadi ii caair i as hinit rraastr riiidaaeite.
DEPOSITO GERAL na Caza de

E em Caza de todos Perfumistas do Brazil.
PRODUCTOS de J.-P. LAROZE
PHARUACEUTICO, I, RU OCS LIOIS-SHIIT-PAUL, PARS.
XAROPE DEPURATIVO
DE CASCAS DE LARANJAS AMARGAS
Ct IODIBETO dr POTtNHIO
0 kdoreto de potassio nm verdadeiro alterante, nm depurador de incontestavel eff-
cacia; combinado com o xarope de cascas de laranjas amargas, e aturado
sem perturbaco alguma pelos temperamentos os mais Iracos, sem alterar as foncedes
do estomago. As doses mathematicas que elle rontem permiltem aos mdicos de receilal-o
para todas as complicacoes as aiTerc-s escrofuloaaa, tuberculosas, canco-
rosa e nos accidentes intermitientes e teroeiros; alem d'isso, o
agente o mais poderoso contra as doencas rheumatioas.
XAROPE TNICO flNTI-NERVOSO XAROPE FERRUGINOSO
da cucos de Uranjax amargui.
35 asnos de successos aitesio a sua effi-
cacia para curar: as doencas nervosas,
agudas ou rhronicas, as gaslrites, gastral-
gias ; e facilitar a digeslo.
de cascas de lau-anjae qasaada, amarara.
E' sob a forma liquida qne mais fcilmen-
te se assimila o Trro; n'esta forma 6 prefe-
rivel as pilulasc pastilhasen todososcasos
cm que sSo prescriptos os ferruginosos.
DENTIFRICIOS LAROZE
COM QUINA, PYRETHRO E CAUCO
Elixir dentifrieo, para a alvura e con-
secvacSo dos denles, curando as dores
causadas pela caria ou produxidas pelo
contado do calor ou do fri
>* dentfrieio, com base de magnesia
para a alvura e conservacto dos denles,
provenindo a descarnadura, provocando o
trtaro de que empede a reproducSo.
^Deposito em Rio dt Janeiro, m. Chetalol; em Prroai6*KO, P. Minrere C; em Jfaceio
raleo Dlaa; em Pelotas, Antera Laltas; em BaAia, Da Roeha, em Porto Alegre, Jaa
Baila; em JfuraaAoo Prrre>lra e> C*| em Our Puto, c. J. v. Weleraaai eaa Santa Calhts-
as, s. acaasel, em Montevidto, a. isnaertt em Buenos-Aires, Btebeaarakarda.
!*_____________________^_^^_____________
CARVAO DE BELLOC
PARS
Approvado e recomnarndado pela Academia imperial de medicina de Parix para a
cura da gastralgia asa geral de todas as doencas nervosas do estomago e dos intestinos.
egualrnente e remedio por excellencia contra a retencao de ventre Finatinenie era
Vttyf suas propriodades absorventes, recommendado como verdadeiro remedio no*
caios de diarrhea a aseasrina. mrn aW aaelioa tema-se na occasio das comidas
sob a forma de pos on de pastilhas.
osito em Rto-Jiimao, Duponchelle; Chevolot. Em Pibbinbico, Maurer i C*.
Este importante estabelecimento no sen genero,/tem sempre um sortimento sem ignal.
e vende por prepos qne nenhuma outra casa pode vender.
vista a qualidade e do prepo das joias cada nm pder-se-ha convencer daverdade.
Garante-se ser tndo de lei. Compra-$e ouro, prata e pedras finai por presos multo ele-
vados.
A loja est aherta at s 9 horas da noute. I
HA
EO
CABUG H
esquina
da ra largado
Rosario.
5
..



i
Diario
de Pernambuca
*- Quinta
eira
^ ... < \ -i
11 de No\6mDro de
1869

'ni ;
-"-----------------!-----------------------------
=*=
TWWW
Mikroskope acbruma-
tisehen. Objetiv Lin-^^ \}
sen.
1V**
Rarometre e termo-
metre. Centigrade
eyeuumeure.
QCDLQS PERISCPICOS
E crystal de rocha do Brasil.
P. a. fiermann, recommenda ao publico, seus vidros. periscpicos aperfeicoa-
dos; porque/com este. vidros, a vista descansa, fortifica-se e nao a canea como com
os vidros ordinarios. Urna vez escolhido um vidro, pode durar dez nnos, emquanto
que, cora os vidros ordinarios se est obrigado a muda-Ios todos os annos e os ter
cada vez mais grossos, o que altera, o crystalino do lbo determina quasi sempre do-
res de cabaca. O alcance ordinario da vista perto de 30 centmetros do lbo, e,
todas as-*ezso,ue o objeeto est mais perto ou mais loaga, os raios que expelle s3o
mui convergentes ou mui divergentes e a viso nao pejeita. Um grande numero de
pessoas tem o defeito de fazer convergir multo de serte que a visao d2o distincta.
1 Com a appfieacSo de meas vidros pde-se vencer estas difficuldades. Para os que tem
1 a vista curta o cujo cristalino mui convexo (o que faz ver bem, de perto, e mal de
longe), o que se chama royape, por meio de um vidro concavo alasta-se o ponto de
vista, o que faz divergir os objectos e deixa ver t5o longe como as outras vistas. Quan-
do o crystalino muito chato, o que succede aos que tem ebegado a urna certa idade,
o que se chama presbyta, vem melhor de looge que de perto, e nao eoiergara senao
um nevoeiro na distancia ordinaria da vista; com um vidro convexo, estes enxergarSo
tao distinctamente como na idade da 15 anuos, ^ervindose desles vidros quando e
vista principia-etjfceauecer, urevine-se o mal. '
P, I. C^rinann eflearrega-se pela sua experiencia, tendente aos olhos, a es-
cojher, a primen-a visfa, teja qual for a i*ade e.gro de vista, oculos proprios para
qualquer pessoa, #
Para que sao fabricados estes vidros ? 7
DOl)
Nova toja de calcado
JOAQUIM DAS DOS SANTOS C. acabam de abrir nm nMBJriBtnro de c**-
catlo estrangeiro a ra Nova n. 30, onde o publico enfioolrw*.tai o eme neste ge-
nero de commercio ha de melhor e domis gosto em Piris e Londres.
Por todos os vapores transatlnticos recebero cite* constantemente remessas de
calcado novo, pelo que ter sempre o estabelecirajen o que a respeito se pode ex>
gir. Ao publico em geral e a seus amigos em particular, pedem a coc, erac5o, que
Ibes possam dispensar, certos de que serlo sj(tfolp'toBa ealdadev1_________jlfn
.' t* .' t

ti
Para a vista rriyope, (rista carta).
Para vista que se cobre de nuvens.
Para a vista que por momentos, v es-
roacar pequeos pontos negros.
Para a vista que as palpebras tremem
defraqueza.'
Para a vista que os olhos sao desiguaes.
Para a vista que se turya com o traba-
Iho e a teitura.
Para a vista presbyta (vislagalon ).

Para a vista que nao sopporta os ratos
solares nm grande claridade.
Para a vista operada da catarata.
Para a vista que as palpebras esiSo cer-
cadas de sangue.
Para a vista cjae am dos rhoe myope
e o outro presbyto.
Para evitar Analmente que o crystaHno
do olho se cobra de catarata.
Sortimento de binculos
para fostr, e ocolos' !d "
alcance.para o campo e roa
rinha.
^R* Wo

I
9Ra da Imp^ratriz3
\H *i4ta de -saa viagem a Europa ende visito as mais afamadas fabricas tanto
am Pars ono em Londres, Viertas, Berln, Hambargo etc, e tendo-se relacionado
Mi us mais-celebres -fabricantes como IJerz ScheeI,:Bavd, Peyel. etc. o propietario d;i-
foelle estabelocimenlo-expoz venda aJguns destes celebres instrumentos eassevera so
awtilico, em particular aos seus fregaeces que elles, aiin da perfeico e-eeaaero do seu
trabalho, rennean em-ei toda a elegancia, solidez e harmona.
Esta casa est montada em grande escala e pode fazer todos os conoertos neces-
rios, pois o seu propietario trouxe consigo da Europa todas os utensilios aecessario.
Contentura pois, allugar, afinar concertar, .como de costume, com o maior
mero e prompaido.
Limetas, pince-nez e
ace--maia, ouro, prata,
tartaruga, bfalo, a?o,
etc., etc.
Tem tamben grande sortimento de relogios para parada, que dio oras apara
cana de mesa dos mais lindos modelo :Relogios- para algibeka, de oaro, prata, prata
dourada efoleada, Inglzt-s, soisso eforsocltaes dos memores e mais afamados fabri-
cantes.
Vendas em grosso e a retaran. Em Pernambuco.
N. 21=Raa Boya~N^2L__________________.
C0MTARL4 DOS MPiAZES
16 RA DA CRUZ16
Ha diariamente bollinhos para chi, bollos ingleses, p5es-de-l, presunto, dito
fiambre, superior chi Hisson, dito preto e miudinbo, xaropes refrigerantes, vinhoe en-
garrafados, doces em calda, ditos seceos e crihtalisados, figuras partbaadejas (phaotazia
e noivado) caixiahaacom ameodoas para preco commodo.
ftecebem-se encommendas para bares, bapusados a casamentos, as encom-
mendas para fura sero bem acondicionadas.
Plua pudding.
Apre cot puld. Warranted superior qualit.
r?
\
Ca
'Yj03
r





FANICA DE PIANOS
J. YIGMES
J. Rhigass, succesBur
55Eua do Imperador55
Ketta aaga bem oonhecida casa, encontrar-se-ba como autr'ora grande sor-
timento de pianos construidos"expressamenle para o clima deste paiz, e Mr. J. Rhigass
tende trabalbado muitoa anuos na construya de piaaoa am Paria, acha-se habilitado
a preparar os pianos que vende com lodos os accessorios indispensaveis n3o s i sua
solidez, como a sua duracao. Todos os pianos sao garantidos.
Tambera ha neste aaUbelecimentov grande varledade de msicas novas e dos
meUtores autores, tanto indas de Paris como do Rio de Janeiro, que se vende mais
barato do qud-em outra raalquer parte; assim como ba igualmente venda todos os
objectos necesarios comruccao de pianos, s 4land*ita3|e atioacbas de pianos sero
feitos omh maior ze( ANDRE DELSUC

C.VBELLEIRE1R0
7 A Ra do Crespo1.' andar 7 A
ENCONTRAR-SE-HA sempre neste estabelecimento um variado e.bonito sorH-
mento em perfumaras francezas e inglezas cuja lista damos aos leitores.
LVAS Marca garantida de J0UV1N.
EXTRACTOS.Pe superior qualidade marcas LUB1N & GOSMELL.
DITOS FINOS.em frasquinhos proprios para presentes Lubin A Gosneil.
POMMADASBanha fina de varios cheirosLubin.Gosnelle, Societ flyginiqte
SABONETES.finos para toiletteLubin d- Monpelas.
J5AU DENTIFRIGE.agua para limpar dentes^-Societ Hjjginjque Lubin & F.
rierre.
' r~ -""*, i*5-'
MOUE

%*i .--.-..
Salt hia, perto de Windsor.
COLLIfilMITIOUCODE DIHIIIBAIIS, HLOIDIIS
S$f patrocinio especmlde 1
BRILHANTINA.para lustrar a barba o os cabellosLubin.
AGUA DE GOLONHA.Marca verdadeira de Joo Marina Farica.
COSMTICO.ebeirosoLobin.
POZ DE ARROZ.ditoLnbin.
HUILE DE SENTEUROleo para conservadlo dos cabellosSociet Hygiaiq
ESCOVAS FINAS.para cabellos, denles e tubas.
BLAIREA.Pincel para barba.
GRANPOS.para cabeos. >
REDES INVISIVEIS para cabellos. *
GRAVATAS UNDISSIMAS.do melbor gosto.l
BENGALAS.de pbantasia, para passeio e de diversos lmannos etc., etc., etc.
A laparfumeriej^arisienne.
.7 X RA DO CRESPO t. ANDAR 7 A.

BVMS.
K DO
sua. nn.
BV. DR.
^TT
8A EMINENCIA OeA0EAX WIStU, ARCEBISI'O DS W^StMINSTE, DOS'B&B.
AMa$RST, aatro nc NaT*PTaN, on. crant, biso de southwak,
wABaaeiG.
Os Srs. James Williara Bott. assistidos de um cape!13o residente na casa de
aptos Mfessopesvdjriga* o estabeleaimeato cima ppcionado, a.^prso^Bjeducacio
nserraa lingaas, i*+*t%*&, ingina e francesa ;,jl|ebra, ariltaawca, eatligrafMae
escrpwrac5o mereantil.
.- v,. A pensio de. Qpoeotai guineos. Os loga-^sna capaila, (a jjaal/aaipar da
casa) boa ao o didmir*, qa os alomaos ti verem d receber, sao pagea parte. A
pensJoe paga seis me**t altada,,eoo caso que os pas n corresponaenls deseia- .
rem que eus lhos i raaneiMMna aa retirem do eatalmtoemento^ lerto a *onde Ull
Oe avisar rjbr. directores trsiexes ante* da saida doa sobreditos. Asterias do cmcom, saja qual fcr a qutia; na m8ma
era> comocamao dia 4 de jsao, acabam ffo fim mega no dia Jl de.dezembetue^abam oo d*a deJaneiro. D-isenao, msica, e esgrima sin amados por ptnfcaaore* modernos. | f*j^n*'Pt!tdo e 4,**ler eiW** ^^
A situaco. como, bem se sabe, mallosadia: ciocoenta geirasde trra per-
lncem casa, a qual espacoaa e commo la ; imada perto da estaco de Slough,
nma das agrande eatrad* de arr(n1a*te, Para wInores mrtroeeoe* qnetra-se dirigir ao cima m ncionados; ao Rvm. R.
Lonego Shpberd. P/iorj Street, Coicaester ,ao B^wn. I IUber. Tboradon, &mi *
ao Rvm, John Butt. Arundel: ao II!. SK ^7rtler, 6, Ans Priars. Londres, ou aos
directores os Srs. James & WHbq Butt, e no Urasil provincia d i^rnamboco, a Antonio
Luiz dos Santos.
CASA FELIZ
Aos 20:000*5000
So Rer ifc arco da Cncetelo a. t
Os abaixo as^igoado* teade-se habilitado na
forma das leis, tem exposto a venda os seas feli-
zes b i limes das loteras do Rio de anciro, na orna .
cima, acode se pagario as tortes que saliiratn'
nos owaaus bilneies, com o descamo somante
da lei.
PREgW.
Bilhete inteiro 4000
Meios 2*08O
Quartos 6|0Q0
EMe tOO para cima a Sil o bilhete.
Figueiradt & Lee.
Muaaaca.
O nr. Francisco de Paula Soarca, me-
dico, mndon-se das Cinco Itentai puraa
ra Augusta, sobrado 119.
m moro de idade de 17 anuos, com muit<
bom talbo de letra, sabendo arithmetica, traduzir
fraatcez e ingiec, olTerecese empregar-se em al-
guna casa de commercio, dando fiador a soa coa-
docta, m for preciso : quem precisar dirija-se
ra da Matriz da Boa-vista n 6, 1* anda*, onde
a dar inr este Diario "para ser proearado.
~~ |ia pa Indapendeaci n. X ie i di-
hheiro sobre pnhores de ouro, prata e pedras
mesma arte.
AVISO
Roga-se o Illro. Sr. IfMfe Tleira del
si-riv o da cidade de iVazareth desta pr
favor de no praso de 15 das vir on m
fu do Imperador n. 18, para concluir
negocio, que ha 4 annos ja foi por este mea
nal chamado para eencJuir, a que acu
aquello anaanoio aaseveieu realw-io em ,
e de novo squeceu-se dalle I O anwncia
pera que I. S. ih'speasar de vir jaiada
para este firo, mas se (oT a islo obrigade por]
ser preciso explicar a razao deste chamad
parece ao annuociagia jbe oiocar airosa i
blieato. Recita 46 de outaJhre de 1889.
Attenca. T ?^
Alufl* a boa caae-ela Dr. CasUorMea, ta
na povoacao do Beberibe, com muilo boa*
mpdacoes, mobiliada as salas e qnartrt)
daw cama* de r,uM, irnaaBaa mesa elast
aceummoda crea de JB pttmm ; banho
cus fuuds do sitio e perto da casa, e d-i
pata dons cavallos : fu-te cntrate pete
da fasta, oo pelo tempo ijae eoaveacinnar.
ra do Queimado, pnmeiro anda* do
n. 3, de 9 horas da manhia a 8 da tatde, $
sacidvaw|>f>arae aataama.
Precfsa-se Je um^ ama sem fllho *iue Ah _
tenha bom lefte; na ra do L.ivramento b- dma casa em Beberibe : a
3G : 1 andur. Rgo, ra do Commercio a. 34,
!
I

?
1
.m___


Dkft'be''Ptthufabtfb ~- Qumt* fefer-tl de ^H^^n^le^idmA1
'"'5
CASA
Aos 20?
"WpkTda Aurora, na da.lmperatr
Bilhctes
vende Vii
n. %, precMe.dj boas
todas as costuras.
oQlciaes de ai/aiatu para
Ainga-se urna sala coto dous uuaoa,do f
andar da ra do Imperador n. 75 : a tratar no
mesmo andar, das (5 as 8 hora* da mahaa.
Beberibe,
Aluga-so na povoacao uaas casa conv trastes :
na rila da linperatriz n. l'i.
AMA
Precisase de una ama (|uc cozinhe, para fami-
lia pequea : na ra Nova n 45, 3" andar.
O abaixoassignado fat sciente a quem pre-
tender arrematar a cana que se acba aununciada
pulo agente Puntual, na estrada de Joao de Barios,
parieneanle-.ao Sr. Manoel Ferreica Pinto .dd.A-
raiu/y que dita casa se acha hypotheeada ao an-
LOJt DE JM.4S
&G
trun
'
Preciso-s
eozinhar para aj
punga, roa -da Amizade
publico,
propnetai
Cova da Oncal
presente fat
e sciente a -uero pesaa^ftiteressar qu
"faja transacao alcujna com Jas Floren-
'rifrtfe OiiTeira c Silva, ex-rendlrolto mencionado
engento, quer sobre a safra a moer, asenenr e o
el ja feito, quer otre. au*<*nuer fcbjectos per-
cncente aotprecitado etigeuljo, como muenda, tai-
xas, formas, ferros corrcnles, tanques o bakdes,
visto como nao s se acna o referido engenh sfr.
rendado a outro, como lac enjertos arrestado
peto juizo. da i- ara para pagamento e 112 ms
de renda do prodilo epgenho; pelo que desdo jj
protesto pelo seu tyrelo contra queqi quer que a
Precisase d
engommar
no sota
isa-se de nina ama que saiba eozinhar e
mar Mk cao d* pifa* familia .. lautar
ndoM.'ufflo-Ti^ nt9,3-*fclar. _
Prcfea-Bode moa/ama paracompnr
ocosiiaUarem ama casa de poorfajuilio
roa AMMkttos n. I.
CASA DA FORTUNA
Aos 4:000S
IM&ets garantidos.
prpjudiqtte, e at'ondo as leis e m 'tribunacs d4 '\ 'roa -od Orespo n.23 casas do costme.
um phiz Itie (raraiuirem seu exercirio.
-* O.abaixd assitfnndotendo sabido de sua resi-
dencia pasa o scuT estabeleciaenin s 5 horas da
manhaa, achou aa ra do 8. Goacalu- um maro da
sedulas, seu dono dando qualquer Figaal que pro-
ve ser o proprio, Ibcser entregue narua dos'Pra-
xengo. 30.
Ju$ Cttrmikn 4u Cwika.
a nina ama para engommar e ,
rastel d hnigia : nito-jtJ&^Ji** U
Alugara-ic duaa casas terreas sitas no Man-
guioho a tnargem do rio, recommendaveis pela va
frrea : a tratar na rita do \Hgario a. 31.
Este antigo estabeleeimento, completa-
mente reformado de novo, est uas condi-
^8es de servir vantajosauente os sus fre-
guezes, visto que acha-se prvido com um
expendido sortimento de obras de ouro e
prata de le. assim como brilhautes e ou-
tras pedras preciosas, sujos preqos sao os
mais mdicos que se pode encontrar
As joias compradas nesta casa recebem-
se em troca ou compram-se com pequeo
abate.
\ 5 BA DO G4BUGA N. 5


'!'i<-
DJJ
frCWALHO
Successores de Reg &Moura.
U -Ra Nova 34
Os proprietarios dette aovo rtabelecimento fazom sciente ao publico, que
acabam de receber uta perfeit e variado sortimento de pannos finos, casemipts, brins e
outras militas Meaaa da ^oalos modernos, as quaes vendenv pon procos razoaveig.
ts mesmos scientificam qoa tendo adniltido para sua ollicina de alfaite, um jrtisU babil
no desempenbo de suas funccoes, recebem qualquer encommenda de roupa por medida
promettende salisfazerem, con ponlaaUdade e presteza qualquer padido neste sentido.
^mnmmmmmmu mm mmmmmmmmmmsm
AS BOUBAS CUBADAS!
E
Todas as molestias syphitieas.
Ama
Precisa-se alugar urna ama, que saiba
bem cosinter etotiprar, pora una caga de
duas ou tres pessoas. Requer-sa qua seja
de muito Ibons costumai e diligente. Se
tiverestespredicadaa^paga-ae bem. iti-
dir-se ru Bella n. 30, sobrado de |K an-
dares.
Precisa-se de urna ttna para oasa de pouca
'amilia : a tratar ua fu estrella do Rosario n. 36
!. andar.
Offerece urna mulber branca de meia dadc'
de b4t con^ucj, iawi fwet coujpaolim a urna fc-
" nia<-c> prestar sonriis; quea prcar dirija-u
a Boa vista ra dos Pires toja n. 35.
' Aluga-se duas casas na Iha 6o Iletiro Qun-
to a ponte da I'aagem da Magdalena), lugar mu
sadio a,fresco, urna dclla de bastantes commodos;
eaMoJ batieiro fcilo para se tornar banhos : a
tifar-com 8 Sr. Kniz ala noel Rodrigues Valonea
ra das Trincheiras n. 50, I andar.
filVEl
Teno noticias por um pasaagl
da
MI
tu passagetfo hgado
sul, que em breves das cUogar em nossa capital,
um mgico gar nomo Mariano .Nanus Estin rival
tfo ealebre, Mr. Bermaon, doaejamos que chcguej
com Telicidade.
O idlm Msigaadn, teodo rendido alm de ou-
tras surtes, dous quartos n. 388 com 4:000/ da
lotera que fe acabou de e-xirahir a acnelicio da
'|reia do Nossa Ssnhora da SoleJade do R/:cifo
(z.V), convida aos posstndorcs rir.m receber
aa eanformidade do costante sem descont algum
Acham-se a venda os bilhetes da 1* parte da
.loteria. bandido da i^roja ele Nossa Senlwra do
Gtiadebipe de olinda (fi6'), que se extrahir sab-
bado 13 do corrate niez.
- Preaos.
Os do costume.
_________' Manoel Martins Flnza.
Alabase um grande armazem sito na praea
seirilcircolar do raes de Apollo', ladrilhado de po-
dra o acabado estes dias
dcia do. Resife n. 42.
a tratar na ra da Ca-
Precisa-so fallar com o Sr. Rufino Thoinaz
do Aquino, genra do Sr. Manoel Jos do Souza, a
negocio de feu iuteresse, ou saber so o lugar de
sna ridencla, na ra do Queimado n. 46, p. imei-
ro anda*.
Xa ra Dircila n. 16, sobrado, lava-se e eagoia-
ma-s taniu para henteui como para sealiora, por
maincnlo preco.
Joaq-uim Ferreira dos
Santos -
yofossur de dansa, atura! de Portugal, ebegado
il pvuco da Europa com sua esposa esta provim
ca, tcm a honra de participar aos seus iffustres
habitantes e mui principalmente aos pas de fami-
lia, que contina a leccionar em dansns com todas
as regra-, as tercas c quBlasfiras, das i horas
da tarde s 10 da imite, cui sua. casa na ra es-
trella do Rosario n. 31, andar, e nos do/niugos
de manhaa para todas as pessoas que nao podem
'.ir nos outros dias, sendo a> lirao uos domingos a
noite geral para todos. Tambe'tn se prumptiiiea
ir aos collegios e casas p^rliculaxes nos outros
has.
Feitor e cozinheiro
Na ra Nova n. 12, ou na ra do Ouxotf.30,1
ireeisa se de um feitor que saiba .tratar de um si-
lio, assim cerne do um bom cozinteiro, preferindo-
o estrangeiros.
Sr. baciiarel Joaquim Cordeiro-Cot-
illo-Cintra qneira apparecer na roa'do Hos-
picio n. 84, ngncio.
PELO
ELEXIR DO DR. SEVIAL
nico depurativo em mercurio que tanta aceitacao tora raeieilo no Bra-
sil, as repblicas do sul o na Allemanha especialmente para cura das boubas,
sarnas, rheumattsmo, todas as molestias sypliililicas e em geral todas aquellas
provra da empureza do sanguc.
NICO DEPOSITO
NA
Pfcaracla e drogara.
DE
Bartholomeu it C.
4Roa Larga do Rosarlo84
Companbia d seguros niaritunos utiiu
Publica.
A direc^ao desta eompanhia em conformidad^
com os estatutos, convida aos Srs. accionistas a se
leunirem, segunda-feira 15 do eorranta aomeio
(lia, em seu escriptorio a ra da Cadeia do Recife
n. 42. occasiao em que ser ^presentado o seu
elatorio e as contas do presente anno adminis
irativo. f
Recife 11 de nowaibro al
; Osadiraito
Ff iaiaao Jo
_-_____ Tat Feftaoies da CMnlia. _*
Urna seobora que ebegou da Euona, -^ita
l-oabelleire'ira, se offerece para pentear m*ha-
Eng-onunadeira.
Na ra do imperador n. 73, 2 andar, precisa-
se ,de urna criada para engommh

Precisa-se'do Orna co^inheira
Joias, ra do Culmg n. ij
no Mn-eii de
Attncao.
Precisa-se de urna ama forra ou esernva para
casa de puiiea familia, pagase bem ; e juntamen
te de um menino de 10 a 12 annos de idade : na
ra de Attoflo a. 86, andar.
. :
"T"
Casa para alugar
Aluga-se para (Masar a festa ou por aano, urna
casa ua ladeira daMis-Murdia, eiu Olinda, com '
salas, 5 quartos, coiinlta fura, tenagos cun assen-
los do pedra e cal, na frente e atraz, c bom quin-
al^cercado^^atratar^nolaro dTerc^n^ll
Sabo de alcatrao
Para curar a* molestia.* da pellc
taes como empingens, darthros, sarrias, coiniehoes
e mais molestias de pellc. sem oecasionar acciden-
tes ; desfaz as manchas do corpo, pannos, sardas,
resiabelece a cor natural, quanto a cutis, secca,
grossa e amarelleata, occasiotMndo. por alguna
enfermidade, o como desinfectante c preventivo
das molestias contagiosas.-
NICO *S*T,. v
Botica do Pinto, na larga di ltos;uio n. 10, junto
ao quartel fle polica.

r
C^uiiiam,sa-1aoeda8 de onro e prata do to-
dos os valores, ouro e prata em, obras inutlsadas,
brUhntit* twte pedras preciosas : na loja de
ourivj-s d arco da.Gonceicao, o llecife.
0 muzeo de joias
Na ra doCabug n. 4 compra-s oaro, prata
a pedras preciosas i>or probos mais vantajoso do
)ue em outra naialipicr parte.
iMMr-llMIM
SEMPREST1M0 SOBR
PE
ipreosarem
casa e em casa das senhoras na
podem dirigir-se ra da Uaiio n. A3. Hi mee
toa casa ba urna seobora que trabaUu com assefp
em costura de borne ni, tambero se fazem falos de
senhora, tudo cem a maiorfperfeicae.
Na loja de fundaria da parta larga ra da
Imperatriz n. 65, tem um grande sorlimenlo d>
eandieiros e lamparinas para gaz, de lindos gostos,
o obras de funileiro, taido 1 santuario de goaip e
bem acabado, assim como vende bombas, toroei-
ras, etc., e encarrega-se da encanado d'agoa para
qualquer casa, ou estabeleeimento, tambem vende
na bonito a moderno fogo ingles, nao scozinha
< um Iciiba como oooi o earvo. Na mesma loja
concertam-se todas as obras da encanamento t
machina de costara, asseverando que acbarao
empre promplo a servir bem es sena treguezes :
h tratar na mesma loja a qualquer hora, que ser.
s ttendido.
O testamenteiro do fallecido subdito francei
Joao Vignes, convida aos devedores do finado a.
saldarem seas dbitos anjigaveimente, do contrario
serio ajuizados sera exeepeao alguma.
ar
o
DE JOIAS
zn
GOMES DE MATTOS IRMAOS
tendo feito completa mudamja em seu antigo e
acreditado estabeleeimento de joias, com ofimde
dar-lhe madores propones e elegancia,
ao publico em geral e com especialidade
Sras. de bom gosto a comparecer em pessoalmente
das 6 lloras da manhaa s 9 da nonte na
RA DO CABUGA N. 4
onde encontraro um completo sortimento do que ha d aftai
bello e precioso em brilhantes, esmeraldas, rubins : tudo qw
de ouro, prata e platina se pode deaejar.
ADEREQOS DE BRILHANTES, ESMERALDAS E
de novos gostos, assim como grande variedade de salvas e paliteiros
prata contrastada e de gosto ainda ojio v'i&o, e completo >ortaBieiito
objectos de prata para uso dais igrejas,
Compram e trocam qualquer joia ou pedra i>reciosa
a quglidade dos objectos Tendidos.
(SEM LIMITE.)
Na travessa da
te rwr n, 2,
fllro aidaj, ja-seqnal-
%r vmik sobre ouro
, prata c yedras preciosas.
?j 'doio1 dfeste estabeleeimento,
I competentemente autorisado pelo
governo, esUtnas coadff3e8 de ga-
rantir a transacoSo qas fier em
sna asa, prometiendo todo e zelo
e consideracio s pessoas qne se
dignaren de nonia-lo em sen esta-
beleeimento.
Na mesma casa eompra-se ouro,
- prata e brilhantes.
BBWflgWWKMiB W 9M
Pana passar a festa.
sita na puvoaco da Casa forte, defronte dos tri-
Ihos urbanos, caiadi e piolada, do novo com com-
modos para familia : a tratar1 no pateo do Crmo,
sobrado de um andar n. 39, defronte da ordem
tercelra do Carino.
Bauritoft salgado e baahos doces
Aiugaia-se duas excellenies casas para passar a
f.;sit; sendo urna na puvoaco da Bea-viagpm, e
outra sita > ra unta das uu'lhores rnaa do Poco da
Panella, tendo cacimba com boa agoa de beber,
prxima ao rio Capibaribe : a tratar na ra Bella
.tt. ti'.^._________
PAflA ESCIHPTOHR :'
-\luga-so 6 i* andar do sobrado da travessa do
CorpQjjaHtq n, ffi: a tratar no mesado armazem.
se ouro, i
nrafi
Precisa-se de una nttgrinba para andar com
urna chanca m cas* da familia; ua ra de Bor-
las n. 9i, sobrado.
r ^recisa-s* da tan caixeiro que tenha pratica
de tabataa : no^tei do Terco n. 68.__________
Precisa-se de dous amansadores : na ra da
IJAnaaUffova n. 30.
'rn-^n 1:6001 sobre hypotheea em predio a
a tratar na rna do MoijdegoK olaria
0 MUSEO DE JOLVS
i OjO ao mer:
iv t:t.
-^
>
AVIS
Nous prions itistamment nos abom9''de
noaa fair parvenir leurs ordres de reflau-
ntfmenl de jonrnatix ponr l'anne 4870.
'ce catalogue complet des jonrnanx fran-
ca^j, angM, aHeattnds, portngais 4 a*c
1es p>k 4 condions d'abonnement est
la dfspositioff de tate personne qui nous
en fera la demande. Pernambuco > no-
vembre 1869.
Br-LaiOkK .
9-BW5 DU CRESPO-9.
Findand' aa^m 31 de dfzen)bro proxi
mo as assignituraa de jernaerde Enjopa
do aaaia>de 86^,*iJTiiwdamof5pis nasos
assignantefedTteterminar-nos se pretendem
continuar fu* auno de 1870, raesmas fcitaff.ti mais escolner algum'outro
peiiorJico.
Neste Ihn temos rtfferecer quem pre-
cisar o catbalogp ou -lista de jornaes france
zes, M^aee,, alten*, portgtBWt/etc
indicando os preeoa e onndicBes das osdig
natorar. Pamambaco, o de nowobro de
WSmV.
De buihaear <& C.
9-RUA DO CRHbW9^
I Antonio G. rospetfrft C3rao4*ara mais
^v^. **$* ?*" ******* orgawlj def3rea pelo baratissimo prego &min, o metro, qne corresponde a 320
0 lovado: na loja da CoIohmh, fia ma do Crespo d. Id, de Aptonio Cona de Viisconcellos.
pow in|Brftisjtf..>w ajwoaaaia aaa aaaden ao
sr. Utiru^r4iua Midiado vwlliii a -ui la^-nia af1'1
no*><*m Largo*, t, livre e d- eM,o*r!flq^*WfvW!9. epife 9 de'aovan-
wo Compram-se e vendem-se diariamente para fra
e dentro5 da prorinei esravos ae todas as id;
ades,
sadios: no
cores e sexos, coirf* lanfo iHe sejam
PTfeira and*;do sobrada n. 36, ra das Cruzes,
freguezia de Santo Antonio.
Lopii awaiP Hiator vantagatn compram-se
inoedas de opro c prata : na loja de jolas do Co-
rai;aode Ouro n. 3 D, ra do Cabug.
Compram-se sedulas de la, 2jJ o oOOO : na
ra Nuvji a. J.
Compr-se
seis roilhciros tiJu&|de alvenaria.grogsa, de bom
Lula ipme du UcI^Jf : a tratar na ra
barro, bol
do Mondi'gti
orara n. 13.
VNDAS.
Vendem-se duas vaccas famosas, raoaW boas
de leite, prximas a parir, com falla de "aa.mez
garantinao : na ra do Socego n. 2.
CIMENTO
Vende-se verdadeiro cimento; na ra da
Madre de Dos n. 22, armajem de Jo3o
Vfartins de flarms. aja*
Cabriole*.
Vende-se um cabriolet de dous e quatro assen-
tos, o que ha de melhor nea|agenero, com bora
cavallo e arreios, ou ran)>elle<: na rna da Sanio
Amaro, eocheira de Ttiomaz Lilis
lfl yhni
_ AlAi
Vende-se urna mulata coi* Matas e excellantes
tualidades : a tratar um Santo Amaro das Sa-
linas, junto a casa da professor n. 5.
Victorln.8_ de. Almeida.Rabello e Manoel Ro^
drtgoes TecVira fczem lilico e especialmente ao corpo do'commercio,
que na presente data dissolveram amlgavclmertte
a sociedade que tinuam na padaria da ra da Flo-
rentina n. 3, sob a Urma social de Ralx-lle & Teic
xeira, tlcando o socio Teixeira na posse exclusiva
de dito estabeleeimento com todo active e pas-ivo
existente, e abrigado sua IkjHidaeao como nico
responsavel, retirndose o ex-socio Victorino de
Almeida (tabello pago e satisfeito de seu capital e
lucros, e desonersdo de qualquer responsabilidade
pelos encargos da extioeta firma social. Recife,
de novembro de 18(19.
E' na travs.-a do Carnjo n. I, que *e vende
urna escrava recolbida de conducta alliancada,
()erfeita engoraraadeira e costureira. doceira e boa
cozinheira, 6 ditas para todo o servico, e 1 escravo
para o sewco de campo.
QUjpctos de madeira.
Ycnde-sa ricas caixinbas para costura, carteiras
para viagem e caixinhas para guardar jotas, obras
fabricadas na Hha da Madeira, com bellos embuti-
dos do madeiraa, tendo as lampas Hguras repre-
sentando os costuines da dita i Iha ; na roa larga
do Rosara n 36, luja da Aurora, de Manoel Jos
LopeeAIrmao.
Escravo pe^a.
Yemle-se um eabrinba de H a 15 anana, da
bonita figura e sem vicio nam achaques, o qua se
garante : a tratar aa ra da Mangueira d. das.
6 as 9 horas da manhaa, ou das 3 as 6 da tarde.
i j------------------------------------------------------------------
Vendem-se tres terrenos, sendo dons na Boa-
viagem e um na. ra Imperial: a tratar na roa do
Qaaimado n.:, loja.
------
para a ira
Rnfi'Sireita Humero 53.
Grande e completo- sortimento de bandeijas chi-
aeaaa,. taina quadradas como ouvaes, e de todos os
tamanhos, completo sorlimanta de facas o garlos
de 1 e i B blanco inteiro e meio halanco, culbe-
res de metal principe, as mais finas que tem vindo
ao Marcado-, trm para eocioha, pesos kiiogram-
moa boto do tarro como de latao (coat educeao
$e prece), aiairo para medir fazenda tapto de ma-
deira como de latSo, alem de um sortimento com-
pleta do ferragens e miudeus, bem como maeninas
de daaaaraejar acodas, njoinhos para cafe cW todos
os tamanhes, etc., ele,, tudo por presos que s
avista do cbnrprador faz f : aa rna Dlreita n.'63,
loja de ferrageuade Manoel Bento de feira Bra-
ga C.

-.---------
BURROS
Vendem-se dous burros mansos, proprioa para
carroca ou carga, na eoetaeira que foi do Rento
Hexpaunol, no m da ra da Roda : a tratar na
mesma ^ocheira. ou na ra Wova n. $i. _____
Vendes^ pm carrinho americana de quatro
rodas, com i assentos, e arreio para um ca-
vaH\ tudo em*i>m Hado: a tratar na rna a
yioreotlna, uttoma de Mr. Grosjean._________
a Vea**'* urna rasa terrea na roa Imperial
n. 64 : qem a quizer dirijase mesma.
o^pRa^ "Queimao__55
A VBfcDADE temi em (fcpr.:; gHB
"qiianiidade deriiakaase perrumorins, ode-
sejajido apurarrrnwrtre adqWnr boa fre-
gnezia est rssolvida a ventW umitissipao
barato, ; por'essa ia3o convida aoreBli-
tavel publico ;a vir compcteniemente
do a sortir-se do'borne Barato. Pois
do a 1'erdadc apuarece, "todo niais 1des-
apparece....
Grande sortimento de boheros de eriLe
massa as mais lindas possi veis vestidas a ca-
rcter.
Abotoaduras moderuas para col
letea ....... ;320
Esjielhos donrados "pepnertos. 400
AguIbas de osso para crox a 260
Pentes para regar; i com esntas a
Ricos globos"para candrefro de gaz a
Chamins a.......
Grande, sortimento de yhjulos de
loocrpar brinqoedo de menino
Garrafa cora tinta a.....
Dita com agua florida voi dadeit a a
Dita com dita dila a .
Frasco com oleo de babosa a 300 e
Dito cora agua, de Colonia a yoo e
Garrafa com agua divina j. .
Frasco com extractos f]in s a .
Latas pequeas com bahhi muito
fina a 12" e '. .
Sabonetes de diversas quali ades a
80, 160,240 e......
Finas escovas paFa dentcs le 120 a
Lindos coques modernos- a. .
Palios para gaz, duzia a i'ifi c .
tsco^s pata fado a SfOI 000 e'
Ditas para cabello a....., 500
Pentes para tirar p'rolbo a IfiO e. "240
Brincos de cores, bonitos a 160 e 500
Pechas de tranca de lia com 8
varas por...... 80
Oleo para machina de costnra,
frasco a.....' 600
Pennas d'aco finas ca'txas a 800 e I000
Dita d'aco Pcrry, caixa a. .. 1(5400
Gal3o de algodo peca .... 400
Lindos babadinhos e entremeios
peca de 500 a......*9500
1/
Ditos de louca muito fino a 120 e
Ditos para calca a 160 e.
Caixa com papel amitade a.
Ditas com envelopes a. .
Ditas cbm obreias a. .
Caixa com agulhas fundo dourado
Ditas de ditas ditas a.....
Thesouia para coslura a 240e
Caixa eom linha de marca a .
Linha de cores em uovellos (li-
bra) a........
Carreteis de linlia Alexandre de 70
tp........
Grampos muil Irnos loinpassa-
ros, duzia a......
Cartas porttiguezas, duzia a .
Ditas francezas a 2,52U0 e .
Papel almaco e de peso, resma a
35400, ^HOO e .
oaa muito fina para bordar, libra
Fita de algodo para debrum de
sapatos, peca a.....
Ditas de 13a para debrum de ves-
tido, peca a ......
Pentes unos para segurar ca-
bello a' ...... 32
Ditos ditos dfe'bufalo para alisar
a 240, 320 e...... 50
Ditos para aparar penna a 10t
Rosetas pretas, par a _. 40i
Trancada laaylecaracol paca a 40 e 10
Fita de coz peoa a 480 a 56*J
Alftaetes de lati a..... 100
Sapatos de 13a para oriiaca a 400e 800
Grvala de sellas de cores a 200
Calcadeiras a........ 80
Grande sortimento de rendas das libas.
Um par de suspensorio da borracha por
lOOrisHIU
Xa Verdade rna do Queimado
V_________D. &&._________________
mm emg
A PRECO F1XO E MOWCO
NO
200
240
700
480
40
280
160
500
280
506
t
100
2M
!400
3000
4,5500
6^50C
ICO
480
Ba Nova
ESPELHOS era quadros dourados de '/ Vi
'A V5 '/i % a duzia 40000. 2,5800,
23400, 11)900 e 10300.
LAPIS finos a groza 2200, 2C0C, 3^C0,
35400 e 45500.
DITOS com cabeca de osso para carteirti
a groza iHU0.
DITOS muito superiores para carpina gro.
25600.
DITOS muito finos com duas cores a groia'
145000. "
FIVELLAS. d'.a,co pulidas e envernisadM
para calca col lele a groza 15800.
OCULOS aro d!aco, vidro de grao a duzia
35500, 5500 e 95000.
LUNETAS OU PINCINEZ idem dem a dfe
zia 95000.
E rauitos outros artigas que s com a
vista podem ser apreciados tanto as qu*-,
hdades como aos resumidissimos preso*
por que tudo vendido. >
Alm disto faz-se os abatimeotos na razie
seguinte :
Compras de W# a 4005, descenso 5 f0 .,
* de t005 a 500* 10. "/
ejn de 60 < 5
Jos de Souza Soares 4) .
'f
Vea4e-s por mm* 'tU sai va^r a n;cuida
da casa da ladeira do Misericordia, rm Olinda, a.
18, que foi dos herdeiros de Joaquim Jenmymo Ser-
pa, garentinde-se aohaF-aedesemiaraada: a
tar tar eom o leiloeiro
n. 16.
Martins, rn*-do imparadfl
Loja do Arantes
Calvado borato
BoaUs* o> naHioa para taabara fiipOO
Bjooo
uara menina 31000
ara dita OM
OMadn Ih-m pardo e braaco
33000
A ra do Livramento a. 6, contina a atr
ver para vender por presas rasoaveis, t
tnelhor vicho verde at boje vindo a ei\la
mercado.______________________
Ha para vender-se urna boa .ps
annos de idawt e una 4a II anu"
ra do Hospicio n. .

armacin da mesai,
nrador : a tratar as Cinco
mero 30.
fisattt, ahumx a a-
f

\-





I
6
retriautuf !QuUi^>f^r# U e Nombro ae;18sj.
LIQUIDACM)

.{>:
SEM IGUAL
AS NOVAS
RA DO QEIMADO--11
Chegararn da Europa pelo $9m vapor loja do Augusto Porto C. ricos
cortes das mais linda sedas de mimosas cores para" vestidos propnos para bailes e casa-
mentes. ,. ,
,---------------------------- ---------------------------------- Grande variedade d sedal lie. bstras de diversosprecos todas de lindas cores,
O proprietario do armazem de fazendas denominudo ARARA, ra da Impera-' gorgurao de seda preta, e grosdenaplo do varias qaalidades e gorgurao de seda laa de
irz n. 72, declara ao respeitavel publico o seus freguezes, qoe est liquidando todas as differentes cores.
/azoadas o roupas feitas que tem em scu estabolecimento como se poder ver
uinuncio e prec,o abaixo mencionados,
Chitas fra acezas matizadas a
StO ra.
Vende-se chitas francezas escuras matiza-
das a 330 rs.o covado por este preco sna
loja da Arara, ra daMmperatriz n. 72.
LAZINHAS A 240 RS.
Vende-se liazinhas para vestidos do se-
nhora a 240, 280, 320 e 400 rs. o co-
vado.
RAREGES DE L.U A 500 RS.
Vende-se baregs de lia com listras para
vestirlos de senhora a 500 e 640 rs. o
covado.
Alpacas de listras a soo rs.
Vende-se alpacas de listras para vesti-
dos de senliora a 500 rs. o covado.
CHITAS FRANCEZAS A 289 RS.
Vende-se chitas francezas claras a 280 rs.
o covado.
CORTES DE LA PARA VESTIDOS A
20400.
Vende-se cortes d; 13a para vestidos de
senhoras a 25400 cada nm,
PERGALES A 440 RS.O COVADO.
Vende-se percales muito finos para ves-
tidos de senhora a 440 rs. o covado, mur-
80linas brancas finas, a 500 rs. o covado,
brilhantinas de cores, a 440 rs. o covado.
Baldes moderaos de todas as
edres.
Vende-s*baloes moderno sbranco e de co-
res a 4, 40500 e 50.
CORERTORES DE ADGODO A 10500.
Vende-se cobertores de algodo a 10500,
cobertas de chitas a 10600 e 20 cada urna,
GANGAS PARA CALQA A 320 US.
Vende-se, ganga para calca a 320 o cova-
do, brim do cores para caigas de hamem c
.meninos a 400 rs. o covado, casemirss de
cores para calca e palitots a 20500 e 30,
.o covado, mcias casemiras entestadas para
.calcase palitots a 10 o covado, brim pardo
de todas as qualidades e brim branco do
todas as qualidades na ra da lmperatriz
c. 72.
Alpacas lizas a 4 rs.
Vende-se alpacas de cores lizas linas a;
.640 rs. o covado, tarlatanas de cores a 320:
(odas as
no sea
Algodo entestado a 00 rs.
Vende-se algodSo enfestado proprio para
lences e toalhas, 900 rs. o metro, dito
trancado a 40, metro.
Chales de merino 94.
Vende-se chales de merino estampados
a 20, chales brancos e de cores a 10OOC
cada nm.
CORTES DE BRIM CASTOR PARA CALQA
A 640 RS.
Vende-se urna grande porcSo de cortes
de brim castor para calca de hornera, 640
rs. cada um.
Grande porco de retalhos
Vende-se grande porc3o de retalhos de
chitas e cassas prelas a 160 e 200 rs. o
con lo, retalhos de cassas, 13a e chitas de
cores baratissimos.
Liquidan a ropa feita
Vende-se palitots do brim de cores a 20,
ditos de alpacas de cores a 20, di'os d(
meia casemira a 20 e 20500. ditos de pan
no proto bom a 80 e 100, calcas de algo-
do azul para escravns a 640 rs. ditas de
algodo de listras a 800 e 10, camisas de
riscado de listras a 800 rs. cada urna, cle-
les de brim c fuslo de cores a 10 e 10500,
coletes de cesemira de cores a 20500 e 30,
o outras muitas qualidades de roupas feitas
que se vende por baratissimo preco.
AlgodSo de listras a OO rs.
o royado
Vende-se algodo de listras para roupa
de escravos a 200 rs. o covado.
PEQA DE ALGODaO A 4.
Vendem-se pecas de algodo 40000,
50200, 60000 e 70, para liquidar.
Baldes de arcos 1500.
Vende-se baloes de arcos par senhoras
pelo baratissimo preco de 10500 cada nm,
Cortes de eambrala barras
a 34000.
Vende-se corles de cambraias barrsa a
2> o 30 cada um.
LENCOS DE SEDA A 640 RS.
Vende-se lencos .de seda a 640 rs. cada
Novos vestidos brancos de blond para noivas, indas coisas de seda para camas,
ditas de 13a e seda, cortinados bocados para camas e janellas, fronhas e toalhas de
cambraia de linho bordadas.
Lavas novas de Jouvin.eelegantes sombrinhas de sedas de cor para senhoras.
Espartilhos de 50 at 100, lindos bouroous de cachemira de cor para sabida
de baile, basquinos do renda preta, e ditos de croch branco e prcto para senhoras.
Grande variedade de camisas bordadas e lisas para homens e meninos.
Sortimento de muitas fazendas de la, linho e algodo todas por precos muito
mdico. '
Tapetes grandes para sof, piano e camas, pecas de tapetes o do alcatif para
forrar saloes ludo em quantidade; e vendera sempre.por menos que em outra qualqaer
parte.
Esteiras da India de 4,5 e 6 palmos de largo.
ALGODAO
LOJA DAS MACHINAS
BASTOS
CACHINAS americanas de serrote de todos os tamaitos para descarocar algodo, do
muito conhecido fabricante Eagle Cotton Gin.
CACHINAS ditas, tambera de serrotes e de todos bs tamanLos para descarocar, al-
godo do autor New York Cotton Gin.
VLYCHINAS ditas de todos os tamanhos, de carreta de ferro e mais toda a machina.
ACHINAS dKas de Roller Gins, de cujo trabalbo faz obter mais 2.000 em arroba
de algodo.
ACHINAS de fac3o do fabricante Platt B. & C, Obdhan PatentLiverpool.
Todas estas machinas sao de superior qualidade e as melhores que tem
ndo ao mercado ; e para a sua apreciaco convidam-se os senhores agricultores
firem a exposicao das mesmas na ra da Cada do Recife n. 56 A, loja do Basto, onde
3ncontrar1o mais o seguinte:
a 120 *
um, para liquidar-
CARTEIRA PARA VIAGEM A 10.
rs. o metro.
MADAPOLO ENFESTADO A 30500.
Vende-se pecas de madapolo enfestado
a 30500, pecas de madapol3o inglez de 24 Vende-se carteiras para viagem
jardas a 50, 60400, 70, 80 e 100 a peca, cada urna.
72. Ra da lmperatriz. 72.

LIQUIDACO
NO
de fazendas
Lourenco Pcreira Mendes Guimaraes, proprietario do armazem
denominado GARI8ALDI, tema honra de pirticipar ao respeitavel publico que tendo
recebT o ditersas facturas de fazendas, de novo gosto para a festa. estando a espende
nows encommendas que deve estar aqui al o dia 15 de novembro vmdouro, e vendo
qrnotemSmpoaLsdobalancode vender tantas fazendas de encomnend s y,,
isso lisolvea fazer urna liqaidaco para verso d ma.or estracao por. issoem vistas das
circunstancias vender ludo mais barato do queem outra qualqaer parte:
CHITAS PRETAS A 160
na ra da
liaporatrix n. 56.
$2% kSSp,iSV Vende-se n, grande P-** *{-.
lio -
como pecas de madapolo inglezes _.
tardas ou 20 varas a 55, 50500.60,60500 res que se vende barato.
90 e 100000.
70000. 80,
Corpinhos a 200 rs.
CAMBRAIAS VICTORIAS A 5:500
Vende-se pecas de cambraias victorias
Unas a 50500, 65 e 70. Brilhantina bran-
ca una para vestidos de senhoras a 500
rs. o covado'
ALGODO A 40000
Vende-se urna grande p >rco de algodo
todo de boa qualidade e 40.50. 60, 605 O
lis. e 80, a peca de 20 jardas
angas para calca a S*0 rs.
Vendem-se urna grande porclo de gangas
para alca de h >nvm e menino a 320 o
covado, cortes de castor para calca a 640
cada nm. M__;
Brim de cores a 400rs.
Vende-se urna grande porco de duas
faces para calcas, palitots e colletes de ho-
rnera e menino, fazeuda nteirameute nova.
Brim pardo liso a 5i0 rs. o metro, dito
ou"24 trancado fino a 800 e 10000.
varas
AOMIREM-SE DO QUE E' BARATO
Chamalotes a 560
Vender chamalotede edres, dealgod *
para vestidos de senhoras a 5*0 o covado.
11 pacas lisas a SOO rs.
Venda-se alpacas lisas para vestidos de
cores, para senhora. a 50i)rs. ditos matisa- chitas para cobertas a ** rs o
das linas a 7* o covado. D>ta< lisas mui-
to largas a 640 o covado.
CORTES DE PERCALES A 6:000
\Vden-se urna grande porco de ortos
Grande llquidaeio de chapeos
de sol
Vende-se chapeos de sol de alpaca com
pequeo defeito a."0 e 30000. ditos finos
de 42 astes a 40500, ditos de seda finos
de 8 astes a 705OU, 80000, ditos de 12 e
16 astes a 100000, para liquidar.
Jebulhadores para milho.
^ylindros para padarias.
Irados americanos.
Carrinhos de mo.
\Iachinas para cortar eapim.
Cannos de chumbo.
Bombas de Japy.
Ditas americanas.
relhas de ferro galvanisadas.
folhas de zinco finas.
Ditas de cobre e litio.
ierro de todas as qualidades.
Vrcos de ferro.
iolha de Flandres.
fachados americanos.
?acdes ditos.
Salaios e cestas de vergumha.
Vassouras americanas,
folies de todos os tamanhos.
Tornos e safras para forreiros.
Finalmente muitos outros artig
liversidade seria enfadonbo ennamera-los.
Folha de ferro.
Balanzas americana*.
Tinas de madeira americanas.
Ps de ferro ditas.
Baldes de madeira ditos.
Temos de bandejas linos.
Trens completos para eozmlra.
Peneiras para padarias.
Baldes galvanisados.
Correntes de ferro para alrnanjarras.
Espingardas e revolvere.
Guarda comidas.
Ferros a vapor para engommar.
Moinhos para refinaces.
Azeite de espermacete, proprio para machi-
nas de todas as qualidade.
Sorras vursas para machina.
Mancaes e todos os mais pertenees para as
mesmas.
Latas de gaz,
ospertencentes- lavoura e artes que pela
Loja de miudezas de FERREIRA DA CU-
NHA A TEMPORAL, eslo quimando por
todo preco venkam ver o que bom e ba-
rato a saber:
Lindos brinquedos magneUcos para me
nios de 240 a 10.
Linhas m novellos de 400 jardas a
60 rs.
Pecas de tranca de todas as cores a 40 rs.
Latas com superio banha i 120, 160
e 20000. ,
Frascos com oleo baboza 240, 3S0,
400 e 600 rs.
Ditos de extracto 160, 320, 500 e
640 rs.
Ditos com banha 320. 500 e 10200.
Ditos de agua de Colonia 320, 400 e
500 rs.
Baralhos de cartas portuguezas
160 rs.
Ditos francezas 200 e 240 rs.
Grande sortimento de sabonetcs a 80,
120, 160 e 200 rs.
Caivetes finos com duas folhas a 2 0 rs.
Linha de 200 jardas em carretel (duza) a
10200.
Lindos port-main 240 rs.
Pentes de travessa para meninas 200,
320e4O0rs. .
Duzia de melis inglzas muito nasa
30800 v -'
Ditas de ditas para senhora a 40500.
Garrafas com a verdadeira agua florida a
10200.
Ditas com agua divina i 10300.
Frascos com sndalo a 10200.
Pecas de entremeios a 500, 640 e 800 rs.
Lindos gorros de velludo para menina a
^50000.
Papel amisade boira doorada (caixa) a
900 rs.
Dito em pacotes a 700rs.
Lindos bonet8 de panno para menino a
20000.
Pentes brancos finos para alisar a 240 e
320 rs.
Macos com grarapos 30 rs.
Lindos frascos para cima de mesa cora
extractos a 10500, 40000 e 30000 ao par.
Jogos para vjspora a 200, .240 e 320 rs.
Linba de marca (caa) 240 rs.
Temporal pode ser procu-
rado eraseu estabeleeimento bo-
nanza onde contina a vender
pelos baratos prejo de sen an-
tigo estabelciment com titulo
de Temporal na Bonanea.
Ra do UiielmaNfon. 99.
Mm fcarnos,
N. 27.- BfcA DLIVRApNTO N. 27.
este Btabewjmemo t*de-se sellins;e
ilhoes, da tedas'' as qualidades do melhor
que se pode fabricar no paiz, assim como os
mais arreios pertencentes ao mesmo, ven-
de-se tambem, colxes, traviceiros, tMxi-
nhas com almofadas, proprias para meninas
levar para aula. O proprietario deste esta-
belecimento garante a pontuahdade, me-
ro e zelo de sea trabalbo; portaoto peda ao
respeitavel publico soa proteceo, qoe afian-
ca vender tudo pelo mais barato poseivel,
e por menos do que em outra qualquer
parte._____________________
-------
10 LEU
LOJA
DO
Grande armazem de fazendas e roupas ferias fu da lazperatriz
n. 52, porta larga, de Paredes Porto.
Neste estabelecimento encontrar* o respeitave^ publico um bonito- sortimento
de roupas de todas as qaalidades, palitots de alpaca a 30, 30500 at 60. Ditos dt
merino, ditos de casemira de cures bonitos gustos a ->, 6-j, 8> e 10;), de panno preU
sacos e sobrecasacos. Ditos de brim pardo finos e ordinarios. Ditos de aIpicai branca
e de cores de 30500 a 50000. Caifas de brim de cor finas e ordinarias* ditas
brancas de todas as qualidades ditas de brim pardo fino e ordinario, ditas de asomir
de cor e preta de y, 50, 60 a 450. Colletes de todas as qualidades e preco muito
barato. Completo sortimento de camisas francezas de algodo- c-- de linho d- 2& at 50
ama. Sortimento de serouias francezas de algodo, de linho e bramante a 20 e 20500.
Grvalas (mantas) novissimo gosto a todos o precos. Meias sortimento completo a 30.
40 at 70 a duzia.
R8UPAS PAMMENINOfr.
Encarrega-se de quaesquer obras de encomienda taato para homem, como
para meninos, e com brevidade, por isso que tem un* bonito sortimento de fazendas de
todas ao qualidade tanto em casemiras como brins, pannos fiaos e outra*iauitos fa-
zendas.
FAZBNOAS
-' i Bramante de 11 palmos de largura a l-)880 o melrov
Cambraias de cor c branca.
Alpacas de todas as cores a 640 rs. o covado.
Poil de-chvre com lista de seda fzenda de gosto a $0200.
Oasquines de guipare enfeitadas a 180000.
Sortimento de chitas escuras e dars a 280, 300 e 360 rs.
Madapolo fino a 60500, 70, 8 e 90000. *
Algodo peca com 20 Jardas a 40500, 50500 e 6^00.
Peca de algodo largo a 705OOl
E outras muitas fazendas que ser enfadonho mencionar Chegue roupa
feita que se est liquidando na loja ra da lmperatriz n. 5*0onto aloja e ourives) do
LESO DA PORTA LARGA
; DE
Pede^Porto. >, _
..-----------
GALLO VIGILANTE
lina d* Crespa-ir. V
s propnetariw deste bm cwhecido estbele-
ciraente, alero- doe muitos objerM que tinhan ex-
potfos a apreciaeao do respeitaivel publico, man-
daram vir e acabwn de receber pelo ultimo *apor
da Europa um completo e vanado sortimenlo de
finas-e mui delicada* especialidades, as quaes es-
to wssolvidos a vender, como de seu cosame,
Sor precos muito baratinhos e cemmodos parar tc-
os, eom tanto qiwo Gallo..i.
ahito superiore* ravas de pelhra, pretas, b>B-
oas e-de mui linda cores.
Mb boas e bonitos golnhas e punhos para se-
ode
covado
Vende-se chitas francezas para cobertas i
240 320. 340, e 380 o covado.
CASSAS FRANCEZAS A 240 RS.
Vende-se cassas francezas para vestido
de percales de duas saias para olidos de ^
senhora, de mnito deli'-ados
16 '/i covados a 60 700
gostos
CAMBKAIAS LISAS DE CORES A 600
Vende-se ama grande porcao de cambraia
Usa de todas as cores para vestidos a 600
rs. o metro.
Organbys modermoa a 9#0 rs.
Vnnde-se organdys de cores para fazer
vestidos, de duas saias, agora modernos, a
800 rs. a vara. I
GflANDE SORTIMENTO DE CHITAS NOVAS
E BAIATAS PARA A FESTA
Vende-se chitas francesas moito finas de
cores a 280. Dit*s matisadas escoras a 30
ditM escuras escocezas a 3ftO. diUs aleo-
awim como percales finas para vestidos a
440 o covado,
GRANDE SORTIMENTO DE MEIAS
Vende-se meias cruas para bomem a
30500, 40. 50. e 60000 a duaia, ditas para
meninos de todos os tamanhos a 30500 e
40000, ditas para senhoras e meninas a
30500 40, e 55, a dosis.
BALOES DE ARCOS A 1:500
Bales de arcos a 40&OO, ditos modernos
a 40000.
ATTENCAO
Tem-se para vender urna grande porclo
de roupas feitas de brim e de casemira, de
todas as qualidades n3o se menciona por
xoadasa 360, ditas arihaWinas a 360 o >epenf;iCi,)nhu.garaQte-seaocomprador ven-
covad.i. Sormeato de chitas como tem o der ma8 Darato d0 que em outra qualqaer
Garibaldi ha poucas tojas que compitam. p^ isto 8e p0(je oonhecer con a pre-
FTISTAES PARA VESTIDOS A 400 RS. senca do comprador e a vista da fazenda b
V nde-se fusilo de cores para vestidos a qoe se poda conhecer como esjiguidando
100 rs. o covado.
COBERTORES A 4:400
Wnde-se cobertores de algodo a 10400
cobertas de chitas frita a 10600.
V. nde-se grande porclo de corpinhos a
64( p a30 20 e 400.
por barato preco, o general Garibali. rui
da Imperjtriz n. 56.
Chales de aierlaO a O
Vende-se chales de Merino de cores es
tampados a 20000. ditos lisos a 30500, di
ios estampados finos a 50. 50500 e 60000.
Machinas & vapor de
forpa de 3 e 4ca-
vallos.
Motores para 2 cavaltos.
Arados americanos.
Machinas de facao e serrotes para desear
ro^ar algodo.
Balancas para armazem e balcgo.
Camas de ferro.
Cofres de ferro de Mita e de Uhit-
field.
Prensas para copiar carlas
Fogo americano patent
Bartholomeu &|3.
Scbonete de alcatro.
DI
Antonio Nanea de Castro.
Este acreditado preparado, que tao bot
acceitaelo tem merecido n'esta provincia
mnito se recommenda para a cara cert*
das impigens, sarnas, caspas e todas *
molestias de pelle.
Depoito anico,
Pharmacia dp Bartholomeu & C, .
34^a larga do Rosario34.
Vende-se um ierreno rom alioerces para nma
boa a quem o pretender dirija-** ra de
Bartbolomott n. W, que acbar wu> quwn tratar,
VlNHO, PILULA8, XAROPK E TlVTURA
de jurubbba simples e fehruqin060;
Oleo, Pomadajb Emplastro da mesma
planta preparados por
BARTHOLOMEO i C"
PARMAfcEUTICOS-DROQUISTAS
FERffAMBLtO
A JorabeU : mu pbaU hoj McohciJ
como o mtit p*den>M nico, eonio o bmIbw
detoblrnenu, e como ul ipplicad* no pwlociiBanti
do Qgido bico, bepatiies, dorous, tumor mur-
no eipeciameiu do nuro. hTdropMlu, n*-
pellii, eu7 tuociidi ao forro ll m ptlliiu
con, chloroie o foll* d meotroc*o, denrraa-
do estomago, eu., o qo diemo atWJlM
nomeras cara impoiuau oMnhu oa boami
preparad ). km e^4^ jlo I^mmi
5iUDo aWlioM* Mii forWMl. S"t^J
domo potito diatribuimot arar
Mtbor Ihm Mhtetc i JiraMM
appUoafS.
t
iiis folaelo m
tM nMlUOM
SKMENTKS.
Viidem-se na ra da Crum. 13, dferente
qualidades da bnrialice, como sejam, pitaiga pan
cerra e enfeites de jardim. batatas de daa, ditas
de anglicas sucepas, roseiras de differentes qua-
lidades,
nhonii neste gene o"que ha de mais moderno.
Superiores pente de tartaruga para coques.
Lindes e riquissaos enfeites pan cabecas das
Exma. senhoras.
Superiores tranraa- pretas e de- ores com vidn-
Ihos e sera elles; esi fazeada o que pode hawr
de melhor e mais bonito.
Superiores e bonitos leque de madreperola,
marftm, sndalo e osso, sendo aquellos brancos
com lindos desenlws-, e estes petos.
Maito superiores meias fio de Escossia para se-
nhora, as quaes somprc se venBram por 30IS00
a duaia, entretanto que nos as Tendemos por 20|,
almdestas, temo* tambem gratule sortinientojjt1
outras- qualidades,- entre as quaas algumas muito
Anas.
Boa bengalas de superior canna da India e
caslao de marlim eom lindas e- encantadoras i gu-
ras do raesmo, neste genero e que de melhor se
pode desejar ; alm destas temos tambem grande
3uantidade de outras qualidades, como sejam, mar
eir* baleia, osso, borracha, etc. etc. etc.
Pinos, bonitos e airosos chieutinhos de cafcia e
de outras qualidades.
Lindas e superiores ligas de seda e bonacba
para segurar as meias.
Boas meias de seda para senhora e para meni-
na de 1 a 12 annos de idade.
flavalhas cabo de marflm e tartaruga paia_ fazer
barba; sao muito boas, d mais a mais sao ga-
rantidas pelo fabricante, e nos por nossa vez tam-
ben asseguranies sua qualidade e delicadeza.
Lindas e bellas eapellas para noiva.
Superiores aguma^ara machina e para crox.
Linha multo coa de peso, frouxa, pava encher
labftintbo.
Bons barathwr d* frartas para voItaete, assim
cerno os testos para o niesmo tim.
Grande e variado sortimento das melhores per-
furaarias'e des radheras mais conheoidos per-
fumistas,
" tOLARES BE ROE.
Elctricos magnticos .contra as conrulsSes, e
facirain a derfticSe dae Innocentes enancas. So-
mos, desde muito reeebedores destes prodigiosos
cokiare, e continuanK a recebe-los por todos os
vapores, adm de qae mmca falten no mercado,
tomo j tem acontecido, assim pois poderao aquel-
les que dalles precisaron!, vir ao deposito do gallo
vigilante, aonde sempre encontrarlo deste* verda-
deiros cellares,e es quaes atlendendo-se ao fin
para que-sa fiplicados; se Tenderio com um mol
diminuto lucro.
Rogamos, pois. avista dos cbjectos que deixamos
declarados, aos nossos freguezes e amigos a virem
comprar por precos moito razoaveis loja do gallo
vigilante, roa do Crespo n. 7.
D cordeiro previdente
Rna do inclualo n. 1.
Novo e variado sortimento de perfumarias
finas, e outros objectos.
Alm do completo sortimento de perlo-
tnarias, de que ffectivamente est provida a
loja do Cordeiro Previdente, ella acaba do
receber um outro sortimento que se torna
QOtavel pela variedade de objectos, saperiori-
dade, qualidades e commodidades do pro-
fos; assim, pois, o Cordeiro Previdente pede
a espera continuar a merecer a apreciadlo
do respeitavel publico em gentl e do sua
boa freguezia em particolar, nao so afas-
tando elle de sua bem conhecidamansidao
e baratezs. Em dita loja encortrarao os
apreciadores do bom:
Agua divina de E. Coudray.
Dita verdadeira de llurray 4 Lamnan.
Dita de Cologne ingleza, americana, fratv
ceza, todas dos melbores e mais acreditados
fabricantes.
Dita de flor de larangeiraa.
Dita dos Alpes, e vilete para toilet.
Elixir odontalgico para conservacio o
isseio da bocea.
Cosmetiques de superior quabdado e che-
ros agradaveis.
Copos o tatas, maiorea e menores, com
pomada fina para cabello.
Fraseos com dita japontra, transparente
i outras qualidades.
Finos extractos inglezes, americanos e
francezes em frascos simplesenfeitadoa.
Essencia imperial do fino eagradavel chai-
ro de violeta.
Outras concentradas e de Aeifos igual-
mente finas e agradaveis.
Oteo phflowme verdadeiro.
Extracto 9oteo de superia qjiaWade,
em escolhidos ehoiros, em fraseos dtvifie-
reatestamanbos.
Sabonetas em barras, maioree meaares
para roaos.
Ktos transparentes, redondos-a em iyu-
ras de menino*.
Ditos muito inos em caixinha pera baraa.
Caiiinhas cow bonito sabonete^irmUnak
fructa8.
Ditas de madeira inveroisada canteado fi-
aas parfumaria, muito proprias para pra-
lonte.
Ditas de papeftcigaalmente borjites> tam-
bem do perfumarias finas.
Bonitos vasos da metal coloridas, a da
moldes- novos o efcgante, eom p6 de arros
s boneca.
Opiata inglesa a francea para dantas.
Pos de campbora e outras diferente
cualidades tamben para denles.
Tnico orienta) da Keaap.
anda amas>cosjnca.
Um eotro sortimeato de coques de ne-
vos e benitos moMes gob* filets de wdrlbea
e alguna d'elles amados de flores a fitas,
esto todos expostos apreciaeao de quem
os pretenda comprar.
GOLalNHAS E PNHOS BORDADOS.
Obras de muitogosto e perfeicao.
Ftaeltas e 8*a para cisca*.
Bel e variado sortimento de tae objec
tos, fieando a boa escoiba ao gosto do coa.
prado*. ________________
I
Na roa do Codorniz n. 8 contina a ter um
grande sortimenlo de doces em latas e caixSes de
diversos tamanhos,. cujo e vende por preco mais
barato de que em outra qualquer parte.
E' na travessa do Carpi n. i que se vende urna
eserava reoolbida de conducta allancada, perfeita
engommadeira e costnreifa, doceira e boa eoii-
nheira, 6 ditas para todo o servico, e 1 escravo
para o servieo de campo.__________________
,1
muito proprio para bareacas e hiates ; vendem-se
no armazem de David Ferreira Bailar, roa do
Brum n. 91
m gaz m
Chegou ao antigo deposito de Henry Forster o
ti, roa do Imperador, um carregamento de ca
de primeira qualidade; o qual se vende em partida
e a retalla) por menos preco do que em outr qual
qner parte.__________________
~\
pilmes; icauvin
PrUi
A tenido.
Vende-se a eecheira da roa do Sol n. 17 eom
carros e cavaltos, bem mentada: a tratar na mes-
ma. onna rna do Rosarlo da Boa-vista a. 56.
Panno de algodo da Babia, proprio para
roupa de escravo-* e saceos para assucar ; vende-
se no esenptorio de Antonio Luiz de Olivelra Ate-
I vedo C, roa da Gnu S- 97, l Mdar.
i
f
*\
il


Diario de Pernanibuco Quinta fera' de Ndvemfcro de 1889.


t
1


r ;"
A DINHEIRO NA LOJA E ARMAZEM
DE
FKfilX PEREIRA A SIJLV%.
0 proprietario d'este grande estabelacimento, vendo que se est aproximando o fin'
4o anno, e teiido em ser ubi grande deposito deposito de fazenas; alo fallando em
avultadas encommendas que tbes esto obrigado todos osdias, tem resol virio liquida-
las por pre$o rauito raais baratos do que em outra qualquer parle ; s eom o fina
de diminair o deposito e apurar dinbeiro. Encontra-se neste estabeMcimertto do
PAVO, avultado sortimento de iazuidas de loxo e modas; assim como de primeira
Becessidade. As pessoas que uegociam em pequea escala n'esta loja poderlo surtir-
se veadendo-se-ihes pelos presos que compram, n .s casas inglezas; assim como as ex-
celleotissimas familias poderlo mandar buscar as amostras de todas as fazendas, oa man-
dar-se>faa levar pelos caixeiros da mesma toja em suas casas; n estabelecimento se
acba oonstaotemento aberto das 6 horas da manba s 9 da noite.
A38000
Na loja de PavIO vendem-se modernissi-
mos chales de fil preto com lindas palmas
de seda, pelo barato preco de 5/J000,
pecbincba.
BASQUINAS A lCO0
Na loja do Pavao vende-se as mais mo-
endo calcas palitts e ootetes fe casemW, dems ttasqoinas ou manteletes de guipuro,
de panno, de brim, de alpaca,* de todas pelo barato preco de i25000 cada urna,
as mais fazendas que os compradores pos- FOST0ES BRANCOS PAAA VESTIDOS Al
Esplendido sortimento de
roupas feitas
NA LOJA 00 PAVAO A RA DA
IMPERATRIZ N. 60
Aoba-se este grande estabeleotmeato com'
pletameute sertido das melbores roupas
sam desojar, assim como a mesma loja
tem mbeHo sortimento de pannos casemi-
ras, brms, etc. etc. para se andar fazer
400 RES.
Na loja de Pavlo vende-se om grande
sortimento de bonitos fostoes brancos, pro-
quaiquerpeca de obra, coma maiortsromp- prios para vestidos e neupas de oreancas,
tidlo ventado do rguez, e nao sendo assfcn como tambem para roupas de ho-
obrgados a acceita-4as, quando nao stejam mens por serem de lavores miodinhos -e
completamente ao sea contento, assim como banlante encornados, -e vendem-se pelo ba-
n'este ^asto estabetecimento encentrar o tato presto de 400 rs. o covado cwicamente
respeitavel puWioe um bello sortimento de > loja n. 60 da rus da Imperatriz.
camisas franaaas e inglezas, ceroulas de asi almcas do pavao a 640 rs. o covado
liahn alonrl luiim. milita* artiffA1 venderse um ffane sortimento tas mais twm-
ilBUo e algoa e OUtros muOS arUgOS as jiparas lizas lendo le todas as cfc, mais no-
propnes para honens e senhoras promet- vasquelem viudo ao mercado e vendem-se a 40
** tytttttt*
.lAnaicar de mxldo de ferro de
CkaoteaMd.
0 assucar f# ruginoso doCnautoaud oblido
pela assoctaflo do es ido de ferro tnlcii ament so-
luvel cora o assucar cuidadsan cale purificado.
Este assucar, de urna bella appar;ncia cry.--t.ilma.
tem o simples tost mui agrada vel do asgucar,
sem b menor sabor adslringente : nao tem acra
irritante sobro a mucosa do estomago e ente* linos,
e rpidamente absorvido pelo npaaren'o digest
vo sem causar as constlpac-ofs do ventre.
E' hoje o preparado de ferro do mais aceitaeSo
para a chloroso atona dos orgaos,.perdas brancas
menslruacoes difllceis, ele, e teui a seu favor o
juio aulorisado da escola de medicina de Taris,
e dos chimicos os mais notareis.
DEPOSITO ESPECIAL,
Pharmacia de Bartholomeu & C, ra taiga do
Rosario n. 34.
A AGUJA BRANCA tem conviccao de que a abundancia de obiectos de novidade-
em seu constante e completo sortimento, a boa escolha no gosto delles, a superioridas
de de qualidades, e a limitacao de seus precos, estao na op'nio do respeitavel pblico
emgeral, e na de suaboa freguezia em particular; mas ainda assim ella julga de seu
dever scientificar a todos, da reeepc5o d'aquell^s objectos que esto alm do commum,
como bem sejam:
teodo*e-lhe wser mais barate do que em
outra qualquer parte. Na ra triz n. 60, taja e arrnazem de Flix Perei-
xa Ida Silva.
CESA DE CARNAUBA.
Vende-se wn*a grande porco de cera 4e
irneuba eaa saceos por pre$o mais barato
do que eaa cetra qualquer: na loja do
Pavio ra Pereira da Sjka.
FAaTBMDAS PARA-LUTO
Na loja do Pavio.
Encontrado nespeila-vel publico neste esUbeleci-
mento um grande sortimento le fazendas pretas,
orno sejam, cassas francezas e ingieras, chitas
pretas de todas as qualidades, fazenda de4ade
todas que tem viudo, prophas para loto, como
sejam, lazinhas, alpacas lavraas e lisas, cantao,
bombazinas, i'im, etc que lado se vende por
preco barato.
AS A9SAS DO PAVAO
Cowdu aaOOs.
Vendem-se finissimas cassas francezas om lin-
dos desenhos -e cores flxas a 300 rs. o covado.
Madapotao francs a 7#000 re*
Vende-se pecas de madapolio francez
com 2 metros pelo baratissimo pre;o de
7)J000a peca, -pechincba.
TARLATANA
Chegon nas brancas e de todas as cores, assim
como fil braircn liso e de salpico, que se
Tende mais barato do que em outra qual-
quer parte.
Alias iiMdinles era sedas
Chegou um grande sortimento das-mais
moder laspouoefcoas ougorguroes de seda
e Hubo com os mais elegantes padroes qu
tem viudo a este mercado sendo, nudos e
fratidos, ianto eta cortes para vestidos como
para vender em covado, assim como um
bonito sortimento das nms bonitas sedas
listradas qoe se vende tudo muit'i em cunta
Grotideriaples Chegou ai grande sortimento do* mais
bonitos gro-tdeiiples de todas as cores para
vestidos que se vendem rauito mais barato
do que-em -outra jiialquer parte.
CHAPEOS DC BRIM A 26000 RS.
Chegou uaa grande -percu de chapeos
de brm para cabeca que se vende pelo ba
ratissimo pre$o ie 2k)00, por terem che-
gado com um pequeo tuque de mofo. '
p^'hincha.
GRANDEPECHINCaA A 5:000 RS. PECA DE
Kretfanha
Vende-se pecas de -uperior bretanha de
algoda tendo qualro palmos de largura
om 20 varas ou ii tetros cada peca, esta
azenda seria para custar 85000, a nao ser
urna grande compra que se fez, e liquidarse
i 550*0, cada peca.
Cortes de chitas
Com W covados a 3:20 '.
Coai 11 covados a 3:520.
Com 12 covados 3:840.
Vende-se superiores dtitas de padroes
claros e eseuros pelos precos cima men-
cionados sendo fazenda que se fosse vendi-
da a retallio nao se venda por menos de
400 rs. o cevado, isto pediincha,
(Cor^NrSo para eollctes
Vede-se o mais superior gorgnro preto
com diversos padres ptlo barato prego de
6600o o corte de collete.
Admiravel pechincha
ALPACAS A 400 RS.
E FURTA CORES A 400 RS,
ALPACAS A 400 RS.
Vende-se um grande sortimento das mais
brilluntes alpacas de fuit'a cores com as
mais lindas e mais modernas cores imitan-
do perfeitaraente as ,sedas de furta cAres
sendo neste artigo o lijis novo que tem
vindo a mercado, para vestidos, milito pro-
pria para as senhoras que forem passar
feta no camp<,, por ser urna fazenda de
umita fantasa e pelo barato preco de 400
rs. o covado.
Bretaahas de rolo a MSOOa
pee
Vende se superior jbreUnha de rolo ten-
do 10 varas ou II, metras cora 4 palmos
di largura pelo barato preco de 2500,
pechiocoa.
OspetinsdoPavAo
Vende-se os uis bonitos setins da cores
e mais encorpados proprios para vestidos
tendo de diversas cores.
rs. ao eavado.
ALPACAS Bit ANCAS LAVBADAS
Cliefou para a loja -do Pavio um grande sorti-
mento das mais bonitas alpacas brancas lavradas
o de cordo seto n'este genero o ciellior e mais
lustroso pue toni viode ao mercado, tem alguna*
lio Anas e ta nuives e voa4om-se>er commodos Arecos.
LAZINHaS MODERNAS NA LOJA DO PAVAO
Cliegou para este estabeleciment um grande
sortimento das ntedhores e mais modernas liazi-
nhas para vastidos, sendo tapadas e trauspareates
de todos os pre m&is barato do que em ontra qualquer parte.
APACAO-OU GOfitRAODE LA A A 800 RS.
Na loja do Pavio vende-se o mais bonito alpa-
ca-) de cowo tendte todas as cores, sendo fazen-
da bstanle larga a-00 rs. o covado.
COLCHAS DE FSTO
Na lojado Pavao vende-se um grande sortimen-
to de coletas de fuaio sendo brancas e de cores
(litas de rocha para camas de ooiva, assim como
qonitos damascos de laa para colchas.
CHALES DE CHACHEMrRA A 66, 106 E
6000.
Na loja ne Pr/o vendem-se os mais
bonitos chales de verdadeina cachemira do
cor, com os desanos mais modernos, a t>6,
10 e lOOO, muito barato na ra da Im-
peratrt n. 60.
Or^ans $ 7M rs.
Vende-se os mais bonitos organdy* de
cores com nadides miados e graudos. sen-
do todos de cores ixas, pelos baratos pre-
cos de .100 rs. o covaJo.
CAMISAS PARA SENHORAS
Chegou um grande so lmenlo de cami-
sas francezas para senhoras, sendo lisas e
bordadas, assim como um grande sortimento
de corpolios de eambraia bwdados, cami-
sinhas e manguitos com goltahas que-se
vende muito em conta,
VLPACAS OE COROO
Vende-se as mais honitas aipacas de cor-
que tem vindo ao *mercado e vendem-se
ma.is barato do que em outra qualquer
parte.
ALGODO ENFES1ADO
Vende-se urna grande porc5o de aigodSo-
sinho americano com <8 palmos de largura
proprio para lences e toalhas tendo lisoe
trrucado qtie se vende -por preco muito em
conta.
'anos de llnlio
Chegou um graud sortimento de pecas
de panno de tinho do Porto que sewendem
de 700 rs. at 16000 a vara, garantindo-se
que em fazenda de linho -nao ha nada me-
dbas.
PECHICHA EM CHAPEOS DE SQL
Chegou um grande sortimento dos me-
nores chapeos de sol de seda, inglezes 4en-
do/nesle artgo o melhor pie em vmdo.ac>
mercado assim ctano urna grande por;o 4n
ditos de alpacas de todas as cores e todas
se veadem por prtteo muito mais barato do
que em entra qualquer parle, .par baver
grande porco.
euvo* hraueos
Vende-se um grande sorliroento de len-
cos braocos para homem, sendo a dezia a
46600,26 muito tinos a 46 e 66000 a duzia, ditos de
e.-Kiii5o fazenda rauito superior a 56, <64 e
760O0.
Peehlcha en casemfiras a 4:<909
Vende-se linissimas caseavrasde cor enm
listras ao lado, tendo duas larguras e com
as cores mais novas e mais bonitas que tem
vindo ao mercado, pelo baratissimo preco
de i.6000 o covado oa 76000, cada corte
de calca.
O balites do Pavao a 2#000,
Cheg u um grande, sortimento de bales
ou crenolinas do feitio mais moderno muito
p:oprias para vestid>s ennesgados que se
vende p>Jo. baratissimo prego de 26000 ca-
da um'grande pechincha
AS CA.4BRAIAS DO PAVAO A 4:500 RS.
Vende-se urna grande porco de pecas
de linissimas camhraias brancas transparen-
tes tendo 10 jardas, com mais de vara de
largura pelo baratissimo preco de 46500, a
peca sendo fazenda que nunca se vendeu
por menos de 85000, 6 grande pechincha.
AOS PAMTOTS DO PAVO A 186 e
205QOO.
Vende-se um bonito sortimento de palito-
ts francezes sendo, sobrecasacados e pr>-
priamente sobre-casacos, que se venVin
forrados de alpaca a 185000 e forrados de
seda a 204000, 6 pechincba.
Bonitas caixinhas de madeiras envemisa-
das, contendo navalhas e os mais necessarios
para viagem,- servindo ellas de carteira
1 u ando a be ras
Outras conforme aquellas, proprias para
senhoras.
Outras machetadas, com thesouras e os
mais necessarios dourados e de madrepe-
rola para costura, obras de apurado gosto
e perfeic5o, proprias paro um bello pre-
sente, tendo algumas com msica.
Estojos ou carteas de ecuro com naya-
Ibas, e os mais necessarios para viagens.
ESCOVAS DE MARF1M
Para unhas, denles, cabello.e- ronpa.
Outras de balea com machtados de ma-
dreperola paraos mesmosfins.
OBRAS OE MADREPEROLA
Leques, escevas para denles, caetas,
didaes, brincos, alfinetes etc. etc.
Ricas capejas com veos para noivas.,
Cintos de tmm, com la^ico para se-
nhoras.
Voltas de grossos aljofaes de cores,
para circular os coques.
Outras igualmente bonitas, e com pun-
gentes para o pescoco.
Outras com aljofarescfltoridos, e tesn-
selin deurado.
Bolees com ancora, e P. II. para faldas
Pannos de crochet para cadeiras.
Novo sortimento de toalhas de labyrin-
tho, para baptizados.
Renda e bico de guipar, branco e
preto.
Fil preto, de seda, com salpicos.
Pequeos.e delicados espanadores de
pennas coloridas, proprios para piannos,
oratorios, etc.
B<*K.os passarinhos de metal prateados,
parajaegurar costuras, tendo almofadinhas,
de velludo para agulhas e alfinetes.
thesouras de duas, tres, quatro e cinco
nemas para frisar babadinhos.
AGULHAS NON-PLUSULTRA
e colletes.
Abotoaduras d'aventnrine com o pe de
prata dourada, paracoHetes, cada mi 56.! mes e qualidades a
Botoes de cristal, encastoados emprala, que constantemente
para punhos, 46 o per.
Camisas de flaneia para homem, a me-
lhor quatidade que tem vindo a este mer-
cado,
Meias*de 12a para homens, senhoras e
creancas.
Ditas *de dita, teeio de borracha, para
quem sfliTre de incbaco as pernes.
Tal a qaaMade d"essas agumas, que
mereceu ao fabricante o pomposo titulo de
Non-pUtMUra, merece a Aguia Branca as
honras d'nta annnaok), e sem duvtda me-
recer das 'mtelligentes senhoras, a devida
estima per sua apreciavel quatidade.
' At agora nada se traba visto de to bom
em i tal genero, e ainda assim cusa cada
papel tfpens 200 rs.
Pro va vel mente faqui a poaco abundarlo
as falsificadas 'para serem vendidas barata-
mente, porm as verdadeiras continuarlo a
vir especialmente para a loja da Aguia
Branca.
Descrever minuciosamente por seas no-
infinidade d'objectos
se acham venda na
loja'da Aguia Branca, serta seno impossi-
vel ao menos infadonho -por isso ella con-
fia na constancia de sua boa e antiga fre-
quezia, e pede aos 'que de novo qneiram
reconbecer a commodidade de seus precos
e a cincerirlade de sen agrado, q nSo se
esquecam de comparecer loja d'Aguia
Branca rea do Queimado n. 8.
SORTDIEMO PARA 4 FESTA
Verade-se por menos de 1#, 20 e $Q \0
SO' no
illilll CONSERVATIVO
K, 23Largo do Ter?o.N. 23,
SIMO DOS ^
Os proprietarios deste bem sortido arrnazem de secco e molbados estao re-
sol vdoe -3 fazere orna grande diminuirn do precos as suas mercadonas, como se apro-
xima a'-festa e sempre se fazetn avultadas compras para o centro e praca, por
isso previnem ao respeitavel publico em geral, que mande fazer uas despencas e eer-
tos de qt*e ve rao a grande, dille renca em precos raais do que em outra qualquer parte
e garantindo-se as superiores qualidades.
GAZ AMERICANO 96500 a lata, e 440, SEVADINHA E SAG 280 rs. a libra e
rs. a garrafa e 660 rs. o litro. <520 rs. o kilogrammo.
VINffO VERDADEIRO FKXJEIR. 560 FARINH* DE AIMBUTA VERDADEIRA
a garrafa, e 46500 a caada e 880 rs o ti- 640 a libra e 16400 h kilogrammo
Na loja e arraazem do Pavao ra da Imperatriz n. 60.
tro.
DEM BE LISROA das melbores marcas,
400, 440 e 500 rs. a garrafa, a 26800 e
36200 a caada, 668 e 720 rs. o litro.
DEM BRANCO DE LISBOA a 000.
a caada e 360 a gareafa, e 840 rs. o litro.
VINAGRE VERDADEIRO DE LISBOA
200, 240 e 320 rs. a garrab, 16400,
16800 e 26200 a caada,
AZEITE DOCE DE -LISBOA a 900 re. a
garrafa, e ;: 7,> a caada, e 16340 o litro.
MANTEIGA INGLEZA FLOR 16406 e
16280 a libra, 36060 e 26780 o kilo-
grammo.
DITA FRANQEZA 980, 900 850.rs.
a libra, e 26100, 16980*16860 o kilo-.
grammo
DITA PARA TEMPERO 560 rs. a
bra, 16220 o kitegrammo, emporco se
far abatimento.
BANHA DE PORCO DE BALTIMOQR
720 rs. alibra, o 16560 o kilogrammo, em 800rs. a garrafa.
flOLAXWHA INGliEZA MUITO NOVA a
0<) rs. a libra e 8<0 rs. o kilogrammo.
VELUS DE ESPARACETE 720 rs. o
maeso. em caixa ha abatimento.
PHOSPHOROS DO GAZ E DE SEGU-
RANCA, 280. 400 e 580 rs. o masso,
36200 e 66500 a groza.
AMEfXAS EM LATAS E CAOHINHAS
DE MITOS TAMANH06 16280, 26500
36500. 46500.36500 a lata e a retalho e 16
a libra.
GOMMA DE MILHO AMERICANA 400 rs
o masso, e em caixa ha abatimento.
BATATAS NOVAS DE LISBOA 60 rs.
a libra, em caixa faz-se abatimento.
SER\rEJA INGLEZA MARCA II 56500
a duzia e 500 rs. a garrafa.
DEM BASS, VERDADEIRA IHLERS<
BELL, 800 rs. a garrafa e 96 a duzia.
VINHO DO PORTO ENGARRAFADO DE
DIVERSAS MARCAS 16500, 1,5200, 16 e
porco se /ara abatimento.
- ARROZ DO MARANO E DA INDIA
120 e rs. a libra, 260 rs. a kilogrammo e
36400 a awoba.
ALPISTA i 200 rs. a bra e 440 rs. o
kilogrammo, e 65000a arroba.
CAF EM 200,240 e 260 rs. a libr*40 e'320rs. o
kilogrammo em sacca se* far abatimento.
SABAO MASSA 24Q.*SOO rs. a libra,
520 e 440 rs.. o kilogrammo,, em caixa se
laz abatimento.
MASSAS PARA SOPA, MACARRO, TA-
LHARJN E ALETRIA, 560 rs. a librare
16220okdngrammo.
BOLACHINHAS EM,MTS DE D!fVER-
SAS QUALIDADES, bf edmo perola bri-
Ihante.combination, Francy-cracynel, mixd
Britanra. Mdium, Fancy-nic-nac, b, c, e
soda a 16000' e 16400, cada urna lata. J
Assim como ha outfos muitos
muito novas, passatf e figos novs, charutos de dkarsas marcas, marmotada, feita pelos
melbores consentiros erri Lisboa, gela de parmelln,-pcego, ervilbas< em latas, po^
tugu-'zaS francezas, vinh8 v'rdi? engarrafarlo 1 retalho, peixe era latas, ber como
pescada, tainha, parco, gnraz, lula, (ihina, vezugo.cavBlla, sarda e sardinhas de Nan-
tes. Janella. eravo,r ervadoce, comliho. pjraeata, graadH*molhos de sebolla 16500.
Finalmente muito* outros gneros qde eiranoNraho memiona-los.
;--------1-------rr-'____' :.-..;
GENEBRA DE HOLANDA E HAMBUR-
GUEZA 76 a 6a /rasqueira, e 500 rs. o
frasco.'
DEM DE LABANJA DOCE AROMTICA,
116 a frasqueira e 16 o frasco.
QUEIJOS DE DIVERSOS VAPORES,
36000, 26800 e 26400 em caixa ba abati-
mento.
TOUCINUO DE LISBOA MUITO ALTO
400 rs. a libra, e 880 rs. o kilogrammo,
e 116600 a arroba.
LINGUICA8 FINAS PROMPTAS EM LA-
TAS J 6000 rs. a lata.
LOMBO DE POBCQ ASSADO JA PROMP
T0al6000rs. a tata.
CHA FINO. GRAUDO E MIUDINHO
35200 e 26800 a libra, e 65100 o.kitb-
grammo.
DEM PROPRIO PARA NEGOCIO 26000,
25200 e 16800. rS. a libra,
gneros, vinho em ancoretas, azetonas,
O Campos da ra do Imperador n. 28 tem para
vender o seguinte:
Queijos londrinoj, prato, flamencos o de Minas,
todos muito frescos e de ba'ijualidade.
Presuntos para fiambres e para tempero, paios,
salames etc. etc.
O verdadeiro bacalho d Noruega.
Latas com lagsUs e Ostras.
0 verdadeiro caf Hocica.
Especialidades
Grande remessa de cigarros de diversas quali-
dades, indos da proviocia do Bio do Janeiro, no
vapor brasileiro Purau
A sabor:
Cigarros ao duque de Caxias
Ditos ao Maunty.,
Ditos aes tonentes do DiaLo.
Ditos Barbacenas.
Ditos Papel peitoral.
Ditos de S. Paulo. *'
Ditos do Itio-Nove.
Temos de medidas para seceos, segundo o novo
syslema (mtrico fraucez), no arrnazem do Cam-
pos.
As mais adoptadas e mais facem tabellas para
de f rompi se reduzir ai e a a kilogrammas e ao
inverso estao se acabando por isso recommenda-se
aos esJabeJecimentos que ainda nao tem, o,ue ve-
Bhajn seas donos munir-se desse tno grande agen-
to do commercio, pois qup, mma-safra qneest
porta, loma-se ditos tabella indispensaveis.
28-TVD0m AMAZEM DO CAMPOS-28
O PAVILHAO
DA
AURORA
ARlAMIMPERlTKn, 2
Esquina da na da Aurora
Defronte do Caf Imperatriz.
Neste novo e sumptuoso estabcltcimento de fa-
endas, encontrarlo as Exmas. familias tudo quan-
to possam desejar, tanto cm artigos de rigoroso lu-
xo, como em todas as mais qualidades de fazendas
de sedas, blnnds, alpacas, merinos, lias, cassas,
lussuiinas, chitas, madapoliies, algodies, etc., de
modo a sahir bem servido desdo o mais rico e
'exilente amanto da moda e do luxo, at o mais
modesto pai de familia. Altjm do se acharan pro-
vidos do que melhor se eomtra neste mercado,
mandaram os proprietoros dVste estabelecimento
vir directamente o que em artigos de modas e de
mais apurado gusto se encontra em Paris.
Urna imwli ta especialmente oceupada nos traba-
Ihos do PAYILHAO DA AIJROBA, executar
promptameole e com toda a perfei^ao qualquer
trabalho a capricho, para o que se acna habilita-
da com tudo quanto mistcr para o bom desem-
penho de sua missao, o que i urna grande vanta-
ge para e bello sexo, que assim vai encontrar
em ura so lugar ludo quanto pode desejar, isto
fazendas do melhor gusto, modista para per-
feita execu<^o de qualquer trabalho, perfumaras,
chapeos, anfeites, iniudezas, luvas de Jouvin e
tudo quanto a moda pode exigir.
Aos cavaRieiros igual vantagem sa offerece, por
ter o estabt4ecimento o mais completo sortimento
de fazendas para factos, e pruprias para todas as
estaceos, e um hbil alfaiate encanegadu de exe-
cular com promptidao e mestria qualquer encom-
menda.
Os proprietarios do PAVILHO DA AUKORA
niio tpnde poupado desperas para dotarem esta
bella ckfade de urn estabeleciniHiilo digno d'ella,
confiam nos seus esforcos o no bom gusto de seus
habitantes, .garanttindo a maior circumspeccao e
modicidade de procos.
Com a possivel Brevidadc o em vista da protec-
cao que se dignarem dispensar-lhe, este estabele-
cimento trar muitas outras vanlagens, primando
entre ellas a publicacao de um jornal gratuita-
mente distribuido aos seus fregoezes, o qual se oc-
cupar exclusivamente da deseripiio das modas,
acompanhado dos ltimos tiguriiios ; vantagem
que at hoje anda nenhum eslabjlecimonto olT-'-
receu.
Concluindo, e na impossibilidade de descrever o
rico e variado sortimento que possuem, os pro-
prietarios do PAVILHO DA AURORA respeito>a-
menle convidam as Exmas. familias a visitar este
espacoso e rico estabeledmento que, alm le lu-
,do, esta dblado do pessoal necessario para vender
e levar amostras as casas que as pedirem.
Pelo ultimo vapor nao do receber ritos cortos
de vestidos para casamento, uvas de pelica ricas
chapelmhas para senhoras e diversas fazendas
modernas.
Alberto das 6 da manhaa s 9
da noite.
RAP POPUAi.4R
DA
UWk -lAGIOKALMBDIA
DE Jfc
Teixci'm Uldxmco fy C.
Acha-se venda esto ptimo ray, nico t\w
pdc supprir falta do prineza do Lisboa, por ser
de mui agradavel perfume, viajado, o a pre;o_o
mais mdico possivel ; e por isso (em sido ass
acolhido as pracas da Babia, do Rio de Janeiro *
em outras do imperio : no escriplorio de Jjaquim
Jos Gonijalves Beltrao, ra do Commercio nu-
mero 17
BAZAR UNIVERSAL
l-nna.\ova ti
Carneiro Vianna
Neste BAZAR encontrn-se am completo
sortimento de todos os artigos que se ven-
dem por precos commOdos como sejam: Um
completo sortimento de machinas para cos-
tura de todos os ystemas1, mais modernas
adoptados na America e approvadas na ul-
tima expsito servicos a electos para almo-
$o e jantar, salvas, bandejas, taboliros, bol-
sas c malas para viagem, indispensaveis para
senhoras, candieiros para sala e cima demesa,
paredee portal, mangas, tubos e globos de
vidro, machinas para fazer caf, ditas para
bater ovos, ditas para amassar fai inlia, ditas
para fazer manteiga, camas de ferro para
casados, solteiros e crianca, bercos, cadei-
ras tongas para viagem, ditas de balanco,
espelhos de todos os tamanhos, molduras
para quadros.gaz, baldes americanos, gu r-
da comidas, brinquedos para crianzas, um
completo sortimento de cestinhas, olidos
para sala e n esa, tapetes para sala, quarto,
frente de soph, janella e porta, capachos de
Sparto e coco, objectos para escriptorio e
muitos outros artigos que se encontraran
venda no mesmo estabelecimento e que vale
a pena ir examinar.
MARMORE
No arrnazem o. 'u i ua do Imperador, ha para
vendar por baratissimo preco un grande sorti-
mento de podras de marmoro de diversas qualida-
des, como sf ja : degrao?, soleiras, sacadas, mesas,
balcoes e tijulo?t etc., etc.__________________
Kiip de Lisboa
Na ra do Crespo n. t contina a ter rap de
Lis oa da melhor qtiahdade que tem viudo a este
mercado, ehegd.i pelo ultim vapor.
Botica.
Vende-se a botica da ra Direa n. ii, a qna]
llca defronte do oilao do Livramenlo, eom poucas
drogas, e est propria para qualquer principiante,
e so vende por pre^o rommodo : os pretendpntes
podero dirigir-se a mesma botica, que acharao
eom qui'in tratar. ____
COGNAC.
De superior qualif ade da mui accredit*
da fabrica de Bisquit Dubouch 4C, era
cognac urna das que mais agurdente de
cognac, fornecem para o consummo do
Reino da Inglaterra.
Vende-se em casa de Th. Just. ra do
commercio n. 32.
I
J
22
22 Ra Nova n.
Machinas para costuras
A este acreditado estabelecimento, che-
gou um riquissimo sortimento de machinas
para costura, de todos os auctores; as
quaes se acham em exposi;5o no mesmo
estabelecimento. O progresso destas ma-
chinas maravilhoso f o seu servicn equi-
vale ao 4e 30 costuraras diarias!! Os
seus trabalhos sito pesponto, bordar, fran-
zir, e Mitras muitas qualidades de costura,
como se pode ver no mesmo estabeleci-
mento.
Garante-se a sua boa qnaiidade, como
bem o concert de qualquer machina quan-
di) eja preciso; e tambem so manda ensi-
nar, at que a pessoa esteja bem pra-
tica.
%ESIIE-KK
urna vaeca de leite por prego comtuodo :
da Ciuz n. 13.
na rus
ESCRAVBS FGIDOS.
Gratifica-se com 2005 por cada
um, e mais, conforme a is-
tancia em que forem captu-
rarlos.
Do engi-nho S<>le'dado, em Porto Calvo, fogiram
juntos no_dia27dome7. passad",iIouscscravn.-,cuj"!i
signaes s.io os seguintes } om de non F|>|ie,
idade 5 annos, natural do Oar, cor cabra, pMava
um pouco discura di) quando fugio, tem os rain-I! -..i
arapinhados, olh is grandes o vivos, falla de um
dente na frente, ruMn rmiiprido regular, pmira
barba por baixo do queixo, estalma regular, bem
feto de corno, pernas grossas, pes pequeos e
bem feitos, cura marca de una fefida em cima de
urna das canellas das pernas, e fal.'a claro p rte<-
embaracado. O ootro de nome Manoel, tMnlrra
abra, tem 23 annos de idn Grande do Norte, estatura mediana, espipado, sem
barba ncnliuma, rosto cuito, olhs pequeos e
vivos, nariz, pequeo, regular em grasura, trates
pi-rfeitos e alvos, bracos e pernas linas, p- regu-
lares, sabe Mr e esrrcver, toca viola e cania de
improviso, fui munido de alos documento*. Am-
bos foram comprados nesta ridade do liecife ao
Exm. Sr. barao de Naureth, o piimeiro em juibo
le 1866 e o segundo em julho do rente an-
no. K-tao a nbos limpos de costas e nadegas,
por nao terem selfriilo castigo algtim. Ki^s-se
imrtanto, s autoridades policiaes, eapins de
campo, ou qualquer pessoa que os encontr, de os
capturar, o leva-Ios a sen senfior, Francisco do
Paula Cavalcanie de Albuquerquo no reb-rido
engenho Soledade, no termo de Porto Calvo, na
nesta praca ao Sr. Joaquim Rodrigues Tavares
de Mello com escriptorio no largb do Cori o-Sarit
n. 17 ailar, pelo que em qualquer das panes
se dar a gratilicacao cima promeltida. Rente,
23 de outiibrn de 1869.
AVISO
rr*
mr
Vendem-se diversos escravos pc^a*, proprias
para arniem ou engenho, viudos do Obi, as-
sim como algumas escravas com babilidodes e teat,
ellas : na rtu da Cruz n. 58,3* andar. ,
L------
bambarguezas
Ra da Cadeia n, 81
Neste novo o>pngito recebe-se por lodosos pa-
quetes transatlnticos, bichas de qualidade, supe-
rior ; vende e em stxa ou ptr^Si nw^peqena,
e raais barato do que em qMtqotf OQtra pane :
oa ras d Cadeia n. 51, t" andar.
PORTLAND.
tetKte-se o Tmaiem marello de Vicente leg-
rara da Costa & Pilho. defronte de areo'da Con-
ci8. em bfu-neits grandes.
------'----------------....... ai-L. >; ,! i miI.
Mronno i
Vende-se mais barato do que era nutra parte:
na ru i* Ca-ieia-velaa o. I, i e *> andar.
A tenco
Joaqaim Rodrigues lavares de MeM
tem para vender no seu escriptorio, pra-
ca do Cbrpo Santo n. 17 primeiro andar,
potassa da Itu-sia ultimamenlo rhegada,.
cal de Lisboa e vinho Brdeaux de supo-i
rior qaajidade.

lIMfJIM
I
Resta venda um escolhid sortimento de ob
i actos de marcineria, como sejam, mobilias de ja-
nrandi. mogno eamarnlln, obra nacional e estran
(eir, de apurado gosto e por pro;o< ras iaveis:
oa ra estreita do Rosario a. 32. Nesta mesma
As fazeimse eom perfeicao todos os trabalhos d
lalhinha, como sejam, empalhamefitos de lastro-
tara camas, nieiras e sophs.
RIJA OA GLORIA IV. 5
Olarm rio Funri&o.
Ha sempe fcest olarl grande sortimento de
materinfis iim. tiiotos de alvenaria batida, ladri-
lh.,|u*JrVo.d8, 9 e mais ,poiiaiadas, teihas e
telhj6e.s tolos de1 taiamenj*. O proprwtrio de-
ta ola-J* garante a b->ndade e barro de Us mate-
liaeXj'edi-jn tambem vewfc^e mis Itarilo do que
era outra qualquer parte.
Fugio scgiinda-feira, 18 de ouiubro, o eser.w,
Antonio, prefo crioulo, idade 60 anuos, pouco n nui
ou menos, do estatura regu'ar, falta de denles na
frente, quando anda um ponco corcovado- para
dianle, levou vestido calca do hi im pardo, ftwnisa
de estopa, e chapeo de paiha i.velho : esle e,-
cravo veio j ha lempo do Rio Formoso. e snp-
poe-se ter para all seguido : quera o pegar la-
vc-o a ra da Coucqrdia n. 8, reiinaco, que ser
bem gratificado.
o bem contiendo Jos Ot, por ter um so braco,
escravo da padaris allema, em Santo Aman., na
noite do dia 22, levado pela for$a da cachara, i'oi
cahir em algum arrabalde, Jovou um balaio na
cabeca, pie talrez o nerdesse no giro : piem o
uafiturar ser recompeivsafio.
Fugio no di 31 do mez prximo passarto. de
Sant'Ann, o rabudo Manoel, escravo de l>aa^ts-
e.i Jos da Silva Ralis, natural do Ceara. cabello
eni p, desdentado, beicos gr*ssos, e falla muito
fanhoso, Usm biirodc e pora, servio por muitos an-
nos ao Sr. F. F. Burgos, tendo andado embarcado
multo lempo, inculca-se forro,: pode ser entregue
na companbia Pernamhttcaaa ao Sr. B. Castelk
Branco da Rucha, que recompensar.
Fiiaio do sitio da Sapucaya 11 do ifivut
mez, o escravo de nomo Jos, preto, idade piai^ oo
menos 50 annos. alto, secw, cara' rnsfosa, ps e
maos grossas. bem talante e bdnjo, rosinnu em
suas rursSes ir para a matanca, ribeira, servir de
carnireiro, ou ganhar as ras da cidade lo Re-
cite. Recummendase a_ sua Captura as ait"riia-
des policiaes e capiles d campo, mediana cni-
petente indemni'acao do trabaran.
A preta Jprtuw.
Fugio na larde de 28 de nntnbro do
la Jnsiino, erioula. de idade.de 30 ann
regilar, muito magra, eflr baUn encarnicados, sem lentes na frea*
lanle, belie, nonsta jue adda tnen *| "">
de, tom 9iito vista na ribs> d Sw*'*!.:
quein a itanr eve-ai-rna ^..lnwrafiz a ,.
iin na ruattCruJa 6, qaO'/tYa bem rec*TrtpdO-
sado.
iw-


8
Diario Aa Peinambuco -7- Quinta, {eji) ]j d No>irJ)ro de 1&69.,
.tflttJ ol otUju-jh/ ouT ..-____ *" ob un
..fitr.--
*
tmm gsu
'* -....
CMARA DOS US. DEPUTAD.QS
SKSSAO & 43 DE OUf W0
PRESIDENCIA T)0 S1\. NEBIAS.
(ContMiafio)
Proseando no bislorieo d;i questo, che-
gamos ao ministerio do Janeiro do 4864,
presidido p.;t<) Sr. senador Zacaras do
<]ik!S, ai> qual foi a questo presente. O
Sr: Leite Kibeiro, que occ p iva a pasta da
agricultura, declarou que, em presenta do
que se passara. elle entenda que o go-
vero.0 estava conpromeuido a satisfax e i
companhia. Tioiue, porta|to, a quosllo a
cmara, efcvou-*. 4* jif* da gabinete
e obteve a sua ajpprovato eni junUo de
18G4, par uma diminua awria. .v
Gonvwnaqt d'wec, sonhore*. que pest
fosse quasi unnime a cmara de cola', e
fawravbl ao mraisierio, grande numero
de deputdos dalle se separaran, no voto
soire este assnuipto. Subi a resolugo
da; cmara ao senado, incluida como addi-
tiva ao seaado. Soflfreu l grande discus-
so...
O SU. A.NWUDE ElGUEIBA TudOS 03
nossos correligionarios do senado se oppu-
zwara ento. (Apoiados).
O Su. Peudigo Mauieiuo : Ninguem
nunca desejou mais carregar tal responsa-
bilidade. (Apoiados).
O Sr. Pkkeiiw da Sjcva : Do feto o
senado separoi a artigo do orgamento. e
mandou-<> dormir n;>s pastas do archivo.
Dos le I8G1 nao so tralou mais da questo.
Ao- Sr. Zacaras succedea o Sr. senador
Kurlado na presidencia do couselho ; a
este o Sr. marquez de Olinda em 1805 ;
depois volveu em 1866 o. Sr. senador Za-
caras ; em IS68 subi ao poder o Sr. vis-
conde de Itaborahy. Ha a notar que o
Sr. Paula e Souza, quando ministro em
866, declarou aqui que n5oaceilava soli-
danedade na queslo da estrada de ferro
de Pernambuco. e niojhe satisfazla a pre
tenco. pqr madera-la injusta. Para
que, pois. vr boje aqu o Sr. ministro da
agricultura lomar solidariedade que nao
exista nem pode existir ? (Apoiaios). Para
qae niaodou fnzer dcclaragoes em Londres
de qua considerava justa a pretendo da
companhia e a submelteria ao corpo legis-
lativo ? Para que foi buscar eta difficul-
dad^, este peso enorme? Se prevalecesse
o principio da solidariedade em taes ques-
tes, porque nao vingou elle em relago a
primera resol igo do ministerio de 1860,
que redondamente negou deferimento
companhi,.? (Apoiados). Serve para uns
e nao para outros ? (Apoiados).
Uma Voz :0 nobre deputado dizia que
precisa va de ad amento para esclarecer-
se, e desenvolve assim a queslo | (Risa-
das).
0 Sn. Pkrkuia da Silva : Desejava sa-
be-la m<*lh<>r para melhor desenvolve-la, e
nao pretenda fallar boje e nem me prepa-
rara para isso, tanto que nem.un discur-
so que pronuncio, apenas uma conversa.
(Pisadas).
Disse o nobre ministro da agricultura
que levantara a queslo para cumprir com-
promissos ou proraessas dos seus anteces-
sores. J eu mostrei a cmara que nao ha
promessa e nem compromisso dos minis-
tros de 1861. 1862 e 1803; que so em
1864 o digno e illnstradissmo Sr. Leite
Ribeiro, opinando em favor da preteng
da companhia, por causa do parecer do
Sr. engenhoiro Viriato de Medeiros, pedir
a cmara que a resolvesse em sentido favo-
ravd. Nao passava, porm, de uma opi-
nio de um ou mais ministros, ou de um
ministerio, quenoenganjava nem as cama-
ras e nem os seus successores. (Apoia-
dos).
Tanto que. nem as cmaras.deram desde
ento deciso, e nem os posteriores Minis-
tros de 1804. 1855. 1806 e 1867 exigiram
m3is das cmaras que tratassem da
que-to.
E porvenlura obligado um ministro a
pensar como os seus antecessores ? En-
to para que mudangas min steriaes, se nao
se effectuam para modificar e alterar prin-
cipios de governo ou de administrado ?
(Apoiados).
Eu nao creio. senhores, que esta ques-
lp sejt do gabinete, e nem mesmo pens
que o nobre ministro da agricultura a quei-
ra fazer sua e pessoal (apoiados); seja,
porm. como for, posto d o meu voto ao
gabinete, posto que Ihe tenba dado provas
sulficieiites de quanto o procuro coadjuvar
posto deseje a sua conlinuaco no poder,
nesta qoosto cima de ludo est rainha
consciencia (apoiados) cima de tudo est
o llevar d zelar pelos dinheiros pblicos.
Em uma poca de pesados sacrificios de
impostos, em uma poca de inanicao do
thesouro nacional, nao serei eu quem vote
nmurtnipnto ^p (tfr miW eerca de. j'raesma depirtacSo, sendo recebida
ivXJ:ojuiBittadadotocr do Pucaflamit. imperial com as formalidades do
co, e pelo espaciS' debito anoa, como in- S. M. o Imperador se dignara
deoMiisaco por assim diaer do* eabanj-
mentos e raalversagSes que a sua edminis
tracSo deixou commetter na construccSo da
obra contratada. (Mutos apoiados). Fosse
morigerada, econmica e zelosa. e amslrada
se concluira sem dnvida dentro da ver-
ba de libs. 1,200,000 estipuladas e garan-
tidas.
Nao quero trazer dilfiouldades ao .nobre
ministro, nao Ibe invejo a opposigo social,
como ha dias se publicpu em uma corres-
pondencia, chamando de ambiciosos al-
juns depulados que, posto prfl9taodo..'8uus
votos ao governo, em questots admifisira-
tivas.de iutvi ou otujra, ropautiya/),, ss se-
paran! as veei das 'ministros, eofiunciam
livre e independinemon*e as suaa convic-
<;oes. A atbi?ao regrada, senbfes, em
poltica um sentiraenlo nobre, e a evem
ter os representan.tes dapajz, para fazerem
prevalecer suas id.ts: conhecQ, porn,
que qaando exagerada prodtiz males, o cau-
sa diflculdades serias a administraco do
paiz e aos proprios ambiciosos; mas nao
tenho, senhores, feliimente, nem uma e
nem outra, cootnto-iOft ao deiejidcr neste
posto as miabas opiaies, como dealarar
que prefiro que de mim'se diga que mere-
co as posic5es sociaes sem as ter, .do..que
se diga que as un'iQ sem .as qierepr.. qit.-
va isto de resposta aos que possam aebar
em minhas palavras oulro peosanaeuloqae
nao seja o cumprimento de am dever dp
deputado zeloso e franco. (ApoiapS)-
^jwaliors
q" a sessao imperial dj
preiente sessaj, # ajee!
lugir amanh
paco do senai
O Sn. Puesidente
po-ta de Sua Mages
muito especial agr
altores disputados
alla para aquelle acto
Signados.
Na mesma oca
llio; da cmara a
exprimindo-se nos .
. O SR. PRESIDENTE : (Profundo
len ;io). Tendo chegado ao termo dos nos-
sos i/a^luos na presenta sesso, cum-
PTifrflpW. ,^p}r para em, urna breve
syri^,, se os actos todos qae praticnaos,
nia),i., paf-a .coelwcime^bie da. cmara, pois
cay um de nos sabe o que fez e a.atten-
to que prestou no exercicia 'de suas
fqnecoes, mas para que o .paiz nos jul-
qu(;, pava qoe um ia$) esetarcido da opi-
nili'poBlica aprecie a conducta dcsta ca-
wa.
Como era natural, depois de una mu-
danca de.poltica, as djfcussoes destaca-
se, as di&cuss reseutir-se de certo carcter tambem po-
,bti'>.
A in^prepsa e a poposicSo em luta cora
a situado presente e cpm os amibos ^sta
s,ituCo, cslabeleceram urna dr'sctiisSk>|fro-
lo;igada no parlamen o e fra d-lte, ^.0
Se nas do nassas cidades ; os or-
viuvasque perderam os seus pro-
airaes, reclamavam a tutella e os
(Muitos
L da
o seu
nacio-
jmais se-
(anlia, e a grati-
le ser poatuat no pagamen-
vida-aagada (Aprjados; muito
'
E' um aujfcenlo de despeza ipdeclinavel
nosnosses.ftflflMaent'1-- E ja isto, so-
nhores. um augm^to j|||Jpfcpeza que
Fallou-se em crdito e honra ou palavwi-|nesta cmara tinhanj
do governo empenhada na queseo. J mos-
.trel que nada disso apparecia na realidade.
Qaando mesmo um mjnstro tmprudefltfi,.$e
compromelte'se, seria esso comproaassftiHi-
dividual, devia trazer a sua destituido;
mas uo sujeitava o corpo legislativo e nem
o paiz, porque todos sabm no. Brasil e no
eslrangeiro que vigora o systema represen-
tativo, e que em materias de dinheirpnada
pode nepa. promett^r o-, gaye rao senuser au-
torisado\4eas'cmaras. (A oiados^>
Nao se assustem, pois, cora a perda do
crdito do pas, pirque se uo q^ita^re-
clamaco da companhia; havomos de ter
crdito na praca d> Londres.e as da Euro-
pa emquar.to ascrupulosamente Bagacatts,
como temos ieito, as nossas dividas e seus
juros, emqaanto executarmos cqm a pontua-
lidade os nossos contratos. .
Pederemos perd-la, sim, se constar eml
Inglaterra que somos uns esbanjadres dos
dinheiros pblicos, que os dapios com fa-
cilidade a quem no-Ios exige, sob qaalquer
pretexto de leso ou indemnisaeu, e que
nem na poca actual de ruina de finanzas
sabemos zelar os recursos do thesouro:
ualii que nos provir descrdito e desmo-
ralisaco.
Tambem nao temo que o governo bras-
leiro diminua de prestigio no eslrangeiro,
porque as cmaras nao appruvam as vezes
suas opinioes acerca de dispendios de di-
nheiros ; esse fado e outr.is idnticos pro-
varSo smente um grande principio^ e
que se pratica o systema representativo no
imperio, e que cada um poder poIKico
guarda a independencia de attribuicoes que
Ihe confere a constituico do Estado.
(Apoiados;. Vir-nos-ba antes o cooceilo de
que sabemos apreciar os nossos direitos e
exercita-los como abono claro de que to-
mos a maior confianca as instituices do
paiz (Apoiados).
Voto por ora, portanto, contra a reso-
luto vinda do senado. (Muito bam, muito
bem).
A discusso lica adiada pela hora.
Dada a ordem do dia, levanta-se a ss-
so as quatro horas da tarde.
ACTA EM 14 DE OUTBRO
PKHSIDENCI.v DO SU. NEHIA8.
Ao meio dia foita a chamad verifican-
do-se nao haver numero suffkiente de de-
pulados, e por isso declara o Sr. presiden-
te nao haver sesso.
Nao obstante, o Sr. 1" secretario proce-
de leitura de um oIIi o do ministerio
da imperio, cammunicando que S. M o
Imperador digna-se de receber hoje, uma
hora da tarde, no paco da cidade, a depu
taco desta cmara, que tcm de pedir ao
mesmo augusto senhor a designaco do
dia, hora e lugar do acto solemne do en-
cerramento da presente sesslo da assem-
bla geral legislativa.Inteirada.
O Sn. Pbesidente convida a deputac,o
que tem de pedir S. M. o Imperador a
designaco do dia, hora e lugar do en-
cerramenio da presente sesso a eomprir
a sua misso hora designada; c con-
vida os demais senhores deputafos a se
conservaran na casa at que voUe a de-
putaco.
Voltando ella, o Sr. Figue'rra de Mello,
na qualidade de orador, participa que a
os"obrigco de stlis-
jjazer e acompa'nhar.
Muitos vpellegas, nos^ofrencaroga4qs de
dfferenles dminislraCoes no imperio, ti-
ve;am necessi<1ade-d0 justifiwawe assim
plonamhta desvaaeceai as. queipas, e as
^nupaitas: aue parcn*ofaipoufam rAswl-
tarude umn'dlaausso mais calorosa contra
seus actos.
Uma VojscB o fizeram.brilbantemeiie.
Ofen Presidente : -r- A admmtlravo
ge.-al do imperio da mesaa-'fyrma era pro-
vocada a susteBtar-se a defeiider o seu
progr4ma ^onstiiucianal, lepelliado ac-
cwsacoefi a injustiwe,'..qe natraluaente
coitumam levantar s partidos apaixona-
dos. tli B(O i:
E' por isso, meus collegas, que uma
parle desta sesso no podja deixar e s^r
destinada par fSlaa discss, q.ue n^m
sem pre sp ,',es|(eres noi seus resultadas
e .jnfluenpUs sobre o es,piritp public.
Alera dito, sendo taraban o priraeiro
anuo da qgUlaJura,, tjnbiamos de tratar da,
verjcaca dos poderes; ft com quanto
hoje, esta, quoato se.acbe.um p'ouco mais
r&.UBBida ou restricta'pe'l^s ultimas dispe-
sioas regiaaentae, com ludo a cmara
teve de oceupar-se, quer durante uxn mez.
de sessoes preparatorias, quer mesmo de-
pois de muitos actos eletoraes, que sem
duvida aborveram algum.tempo dos ou-
tros nosios trabalUos diarios.
Era ujna*ecessidade indeclinav. To-
das as Sessles, que 9e abrera nstas cir-
cumslaQcias, ij^3*0 destes auspicios re
sentem-se dessa deficiencia e dessa perda
d teinoo. ^^
Assiqa mes#iO no m'iQ desas lulas po-
li! cas, flue eram inevitaveis aas doas casas
do partimento, creio_qm posso com orgu-
Iho diaer ao paiz, a es naeus collegas com-
migo, que na perdemos o nosao tempo
(apoiados), que a presente sossSo n3o foi
estril. (Apoiados).
Sei que muitp ha a fazer, sei que ha
muitos miles a curar,'ajilas aiddas que
o paiz reclama. No-enllanto os nossos
es'orcos perseverantes na presente sessSo
alguma cousa adiantaram, para desempenhar
os nossos compromisos, e temos ainda
dilate de nos tres annos de uma legisla-
tura para .corresponder conianca nacio-
nal, i,Muitos apoiados).
Senhores, actos importantes oceuparam
a sesso da cmara. Aiguns karara em
andamento, outros foram para o senado, e
diversos proj ctos j tem merecido a sane-
cao imperial.
Eu l todos os actos que foram iniciados nesta
casa, que ficaram pendentes, que foram
para a outrq cmara, ou j sancionados.que
serSo devidamente publicados par nossa
juiita satisfaco, se tanto fr nacessanio. pe-
raate o aiz.
Acompanbarai algnna dasses actos mais
importantes, com breves con^iderac-ces.
Fallo com preferencia da grande lista das
pensoes q e nos oceuparam durante quasi
ledos os dias de sesso.
Era uma divida sagrada que a nago ti-
nlia contrahido com es seus bravos e bene-
mritos que derramaran o seu sangue pela
bonra e desailroou das injurias nacionaes.
(Muitos apoiados.)
Os invlidos, qua por milbares aui per-
FOLHETIM
OS CASACAS PRETAS
ROMANCE
POR
Paulo Fval
Segunda parte
grite* i.ti'4K
XIX
T (Coutinuaco do n. 256)
NSo son ea tuhr, Sr. Roland ; co-
nheci, porm. em tempo seu pai, que um
homem respeitavel... e tenho visto ex-
cedentes mocos 4 quem as ms rodas le-
varan) anude elles nao queriam chegar.
Esieviu disse por sua vez e mui secca-
inenle :
' Obrigado, senhor.
Nao ha de quo... aston ao seu dis-
por. Resta dizer como eu soobe que eram
autores dramticos. A cousa nao tem ma-
licia. Habito um, quarto onde se ouvem as,
fres quartas pactes do que dizem..
. Pois depraesa nos mudamos excla-
maran! \ um lampo os doas amigos.
E as duas rendas ?
Tambem sabe ?
Sei pouco maij ou raaaoa tado.
Quando os senhores n50 traba Iham em
Eduardo, Sapaia-' Olympia Vefdier, con-
versam as suas, diffleuldadeiiUs. Ao
menos. no cont. ,muiio com a letlr^i qu
c tenho. 0 Sr. Ifcguel franco coa o
ouro. mas quem sae lio cedo e-entra em
casa tio tarde.... Ifa grande garan-
ta, n?. as vimos ao caso ; qnantd me]
sei^cr'oti.'porque se a guerra nao s trou-
xc com a morte de tantos martyres, o aban-
dono de umitas familias. c,qmo alm disto
nos arrancn milhares d bracos activos,
em damno da produccSo e desfalque d*-
renda publica.
A gnerra qne cessa, n5o traz iramediata-
mentea paz como seu cortejo de beneficios,
com os seus trabalhos fesundos, com as
sqs prosperidades e alegras"; apenas
uma esperanca.
A guerra que chga ao sea termo signi-
fica que vai estanca^-se o sangue precioso
de tantos Brasileros, susflendendo nma
pjrte das calamidades publicas; a guerra
que cessa nao restabelece os bracos qnie nos
fallara para a agricultura, di-nos folga e o
espado necessario para irmos poucoapouw
rhabililando asforcas da na?3o para um
da mais tarde chegarmos ao equilibrio das
npsss receitas e despezas. (Apoiados:)
MuW elementos so necesarios para
conduzir o paiz sua grandeza; hosso solo
apencoado ha d supprr os revezes porque
tumos pnssado e a agricultura com seos
dons prodigiosos ir de, elevar este paiz aos
seus altos destinos (apoiados); mas temos
de superar obstculos serios. Alt'm dos
bracos livres que nos faltar consumidos
pela guerra, nos servimos e alimentamos a
nossa principal industria com b-acos escra-
vos, e esta questo econmica e social as
suas relaces futuras a mais palpitante e
melindrosa da actualidade. (Apoiados.) De-
pois farei minhas observacoes a respeito.
Sem duvida lemos todas as condicOes de
um paiz civilsado, de nma grande nacao
hospitaleira par,a chamar ao imperio milha-
res de prodactores estrangeiros1; mas os
preconceitos que injustamente se tem le-
vantado contra o nosso parz nos grandes
estados de onde nos pode vir a maior forca
e melhor supprimento de immigrantes n3o
se podem destruir n'um momento.
A colonisaco entre nos comeco.u debai-
xo de raaos auspicios, foi infeliz nos seus
ensaios, mal escolhda e mal favorecida
entregue mesmo a especuladores vares; os
fados primitivos da immigraco, os contra-
tos obscuros, as queixas e reclamaces sa-
Kulij n7!r\ fncim fivnravtiic a/> imnf'.nn (*,
hidas nao foram favoraveis ao imperio ; c
por isso, no interregno de muitos annos,
nos temos visto que apenas em uma ou
ontra provincia se tem, accumalado algu-
raas familias agrcolas, que entrelanto ser-
vem para um bom-specimaa da falura pros-
peridad^ do nosso paiz. (Apoiados.)
E' natural que cessando a guerra, resta-
belecendo-se a paz, venha a confianfa, e
com ella osestrangeirosquesohrampor esse
grande mundo venhara aqui proci|rar e cul-
tivar o nosso fertHissimo solo.
Felizmente o Brasil nao uma uaco de
barbaros, e nao sei por que taes preconcei-
tos tm durada portaatoaimpo e tm sido
ta fatas para nos !
w No Brasil nao Ira rivalidafles mesquinhas,
vfan ba anlipathias oec.tiltas ou pronunciadas
Contra a colonisaco estrangeira (apodos); gibante tomando o seu curso rpido e na
ao contrario, aqui achaia todos o bem que" tura! no meio da nossa socedado.
oissas La t
tliando das g cantas <. direitos DolUicoa^a
que sio chamA AlMv|bffq|l}^.
Nao podemc|&( lujo, nao,podeo*
dar ao estrangi* |or MU- |efcma cons-
titucional tudofc.eiOiMifc^qge. pe>tencem
aos Brasileiros. (Apoiados.)
; Este favor ampio e a lei que passou ulti-
mameale sobre natural i sacos, bcilttai
as pioviactt* c na capital do imperi
cartas repecvae aos estrangeiros qae
procurem, prova que o corpo legislativo a,
o govroo do piiz n5o mesquqho.e t>5o
quer barreda r pira lange a loa ?^morliBB-*
da populaco estrangeira que venba*rocu-
rar os nossos portos e centros ajotos.
Para seguranca mabtf eparaBialhor or-
ganisaco interna do nosso paiz, nos temos
iniciado na presente sesso deferentes pro-
jectos que tveram andamento e aiguns j
Sfnccionados como leis do estado*
Com a* coa*iderac5es que tenho a pre-
sentado Ti0i-se o projeclo que passou nes-
ta uas, proposto ha mais aanos no senado
acerca da uno da familia escrava.
InlolHgencias esclarecidas desta casa en-
teuderam que este projeclo nao era com-
pleto. Sem do vida neuhuma que ha ah
muito a fazer e augmentar; mas nem to-
das as providencias humanitarias e vitaos,
paja o paiz Be podem adoptar de repente.
Tudo tem seu tempo, e depende de um
eslude maduro e refluctido. (Apoiados.)
O senado mandoupara esta casa, um pro-
jeclo favorecendo a alliang da familia es-
crava nos leiles pblicos { um passo que
demos com respeito civilisaco e a hu-
manid^de, tanto como, na -seguranca reci-
proca entre o senhor e o esc.avo.
O projeclo que garante a unio das fami-
lias, que nao permitte e prohibe a separa-
do do marido e mulber, dos lhos e seus
pas, at uma certa idade, um principio
eraioenteiaente philantropico, e que dando
expanso aos sentimentoi e affeices nalu-
raes nessa classe, ao mesmo tempo offere-
(ie rapouso aos senhores, e tranquilina ou
fortifica este genero de propniedade.
J vos disse, nao uma medida com-
pleta : muitos Ilustres collegas com seus
seotimenlos elevados, com sua ntelligencia
aliada, quereriam que se fizesse mais al-
guma cousa. (Apoiados). Creio quo eate
o pensameoto em que abunda toda a cma-
ra e em geral o paiz inteiro. (Apoia-
dos).
Mas alguma cousa que se nao pode fazer
e desdo j converter em uma lei positiva,
mais/estensa e reclamada, j em grande
parte supprida pelos sentiraentos natu-
raes, pelas tendencias benficas da nossa po-
pulaco.
' urna qoestSo esta, meus senhores,
grave e melindrosa; devems ser parcos
em trata-la, porque suas consequencias sao
condecidas por txlo o parlamento e pelo
paiz.
No entretanto, algumas observacoes mais
de*o expr aos meus collegas, ao paiz,
quelles que porvenlura nao tenham acom -
panhado os nossos trabalhos.
Nao ousarei chamar a attenco dos meus
ilhistres collegas; seria uma falta de justiga
e de respeito para com elles; mas, acom-
panhando este projecto de mais algumas
considerares, por qualquer tado que se
considere esta questo actualmente no paiz,
devemos estar tranquillos o fallar com bas-
tante coragem naco e aos estrangeiros
que nos observam.
Alm das observacoes que fizeram aiguns
dignos colicgas, a proposito desle projecto,
eu yejo que as inspi^cSes generosas do
corelo humano se manifeslam de um modo
tambem ftearam par- isot^ Mr. -e appeteci*t,
r>8
o
09
.ranflefo*
niadores, pndemo
alta que nos nossos lares
ha victimas
ti
v^z
ftca:
Assiaa pas,
dijspejfii o cui
senhofT 3'^os o
raco do-
ipensa.
nem rigores
calum-
yoz bem
domsticos nao
a populaclo inr
W
procuram, o na sua vida laboriosa toda a
proteceo, todo o agazalho. Os estrangeiros
no Brasil vivem como irmos, nossas fami
lias formara com elles uma familia comitium
(apoiados), debaixo das mesmas.lejs, com
iguaes garantas, perfeita tolerancia, cora
benevolencia reciproca (apoiados); nao ha
inveja, m f, nem perseguico contra os
estrangeiros que vem residir entre nos.
Digamos com orgnlho : quaes sao os
mos tratos, as injoticas, as offensas, os
assassinatos que soffrem, os estrangeiros no
nosso paiz? Quaes sao as seitas ou asso-
ciacSes polticas e religiosas que se frmam
eutre nos para hostilisar aos estrangeiros?
Nada disto: nao sei porque estes preconcei-
t|s tm permanecido por. tanto tempo e com
to fataes consequencias para o imperio.
Mas deixemos que o tempo e o. nosso pro
cedimento generoso ha de justificar nos e
3brir-nos os bellos horizontes, qne esto
reservados para este grandioso paiz.
Ha pouco entre os nossos actos, senho-
res, avultou um que vai de arcordo com as
ideas que acabo de apresentar, aquelle que
concedeu ttulos de naturalisages a immen-
sos estrangeiros1, que[fazendo j parte da
familia brasileira quaoto poss'ivel pelas
dariam, quero dzer dos direitos de autor
se Ibes apresenlasse um drarnalho com
pelo para o theatro do Ambig.?
Cousa nenhuma, respomieu Mauricio,;
as nossas pegas..somo nos que as fazemos.
As suas pecas 1 repeli Bruneau ;
ento tem muito d'isso armazenado ?
Eu nao permitta um homem como
o Sr... comecou o mocinho de cabellos
louros, que tnha seus motivos particula-
res para se impacientar.
Ora, vamos; eu sou um homem
como qualquer ootro, interrompeu seu
turno Brunean com to perfeita brahdura,
que Mauricio ficou com a palavra cortada.
Entrelanto, dizia-lhe o Eslevlo* biixi-
nho :
Bem vs que 6 um animal 1 tiao des-
confies: Olha que estes que tem Meas..
alm de s vezes as deseacantarem as
algbeiras da farrapagem.
Bruneau consultou o relogia.
Vinte.annos... e vinte e d<> annos,..
murmurou. N'esta idade ba bom cora-
C5o, ou ento oq nunca.
Era a seganda vez quo- assim falla va
Ambos os no^sps amigo? tinham ouvido
perfeitamente. Prendia-os a srQjjylarida-
de da stuago ; Mauricio tornava^e. cari
so, o Estevo conetbia vagas iaquieta-
Ces.
Senhor Bwoeaa, djsse o Mi.meiro
encarando-o filo, o seuhoc nior^lrou-aqui
para nos contar historias, a poblraadfaasaa
apparendas ha alguma siria...
- Serio o tado tt*. ras pondeu a. adUav
sem perder, nada dafl^agmatir, tranquilli-
dade, tanto por, dentro coma ..fgg, ifra-
Aiada agora era*aos trean ageite, yartr,
eu, que aqui vinha para o q^e-^jsaber,
a aguaites doas pobjfe rp;
toes! Todos tras entramos
Ris, ea'Vendo-os, porqne gostosempre de
olhar para onde ponho os ps ; ellas sem
me lobrigarem. Jujguei que notriam al-
gam mo esignio i s3o)tS pobres crealu-
ras I1 Mas n5oi Ainda me d vontade de
rir. A intenco d'elies era boa. Apenas
queriam apunhalar alguem por coala dos
enhor-s, para oo estarem ociosos. NS<
nraiam mnito e taes cmicos para o seu
drama. 85o parisienses de mais. Paris
nao acredita n'elles.
Notem, que Bruoead nem de leve ra.
Eu, meus charos senhores proge-
guia, que dava um personagem curioso,
c;hegahdo e ponto em branca ao; quartu
onde dous autores emhcyoaticos do tra-
tos imaginacao. e dizendo-Ite* : esme
aqui, Q meu drama ,se-o eu de cr; o dra-
ma que aiada nao combinaran!, conheco-o
eu desde o prologo at ao deieolace.
Querem quelh'o diga ?
V l, dissa o Estevla; original.
Mauricio conservava se silencioso.
N'esle drama, proaeguio Bruneau,
'iujas feiooes immoveis quasi qu sorrkam,
K)u en tal vez actor-. e os seaberes tam>
em. sem djareov por tal... Obi. um
drama como sa en pitucos Conhecoos
nossos collegas, os outros actores, e tam-
tem as damas. Conheco o conde Verdier
o saamulher, conheco o Eduardo, coatteco
|n Sopbia. Aome^mo tempp, qjje fallava,
jxavava osf ^f%^^g**{ V quadro
tracado $$ opspniuWII deporta. Co-
hego Alba, a syiipaAbica menina; conhe-
;oSr. Madac, papel daprioaaifaordaa;
MOaeo a.aarqaaaa Oitaaa...
E o Casaca PreU ? iotarronpeu bai-
liabo o Maoriei^ qa- opeoHava a sor
;uriosidada craacaab). sob ama vox de
sombaria,
!.:
D'esse ha de o Melingue tirar um
partilo, respendeu Broneaa como ama-
dor.
Depois, voltando costas ao cuadro.
Ainda enobeco outros sugeitos, e
ontras damas, que. esto tfelle enterrados
at ao-pescogo. Sei mujla historia...
mentoes de Instaras L fuerera saber o
que os seus personagens esta hora fa-
/.em ? 0 qae iaciam boaiem ''oque bao
de* fazer amanhlal
-7- O que-faa a Alba ? perguntoa levia-
na^Mita o Manrieio.
^Dnsa, raapwideu o aijlo. O con-
de Verdier veio i Paris no seu coup, a
condessa Olympia na sua calecha, e a mar
queza Gitana est cbecejra de um morr-
buado, / i
E essa boa ou m ? ipjerrogou o
Estevo.
l|a de. ser justamente precio qua o
espectador dirija si proprio igual pergon.-
ta, para que o drama prosiga.
E a Sopbia, qpe faz.''
Chora* NSosabe que a opulencia e
a ventura estao aporta do pobre tugurio
queitabita^
Oh i oh Vaoltaram conjuntamente os
daue mocos.
Digo-lhes qae palpitante de int-
rnale, pronunciou Bruneau. que sublinhou
coa serio sarcasmo as ultimas palavras.
Bollo o eeatuw abja feitieeiro ?
disse, iecredate. o .Estevla.
Nlo soa, nlo, J ( vai o tempo dos
feiticoi. SfMpNpKtbkqua isso :-os fei-
|iceiros ad4 has pomas db dedos.
ft!2faz ^u6* *f&
Todos os dias no nosso paiz, c ainda hoje
na imprensa vede o que se observa, senho-
res? Urna tendencia compassiva e toge-
neralisada para me servir da boa palavra
do meu Ilustre amigo, deputado por Mi-f
ruis, ha de naturalmente corar a grande
obra dos legisladores brasileiros.
Nao passa um s dia em que se abra um
testamento onde nao vejamos consagrado o
principio de liberdade para muitos escravos
que tm merecimento, que rivalisam nos
seus bons servaos e na sua lealdade para
com seus senhores.
Qual o velho proprietario que nao deixe
livres aiguns fiis servidores "
Qual q filho, quaes os mocos do nosso
paiz que nao respeitam os velhos servns de
suas casas, os bens eslavos qpe acompa
nharara com dedieago e fidelidade a sua
infancia ? Nao esto os registros pblicos
de todas as provincias atiestando a gene-
rosidade e gralido dos 8r;'.siisiros nesta
parte to importante dos seotimenlos natu-
raes ?
Senhores,.os rigores que outr'ora muitas
vezes se lancavam em rosto ao proprieta-
rio brasileiro tm desappareci to (apoia-
dos) ; a vida, escrava hoje, sem ser uma
O OAello millionario encommenda i
lago urna chive falsa para' a secretaria de
Desde mona.
-Bo Miguel ?
->- Ojear duer o Edaar lo ?
6lmv o Eduardo. Ama a Olympia
Verdier ?
Foi o Mat*rieo quem fez esta pergunta.
Bruneaii responden :
Nao e ella suflicientemento formosa
para aso ?
Pala primeira vez, Ihe agitou a voz uma
tal ou qiul com>BOCo. Desviou os olhus,
tirou do voluraoso relogio para montar
carta coataeaaia a toasio seceo.
E foi talvaz a tosse que Ibe fez subir s
faces urna leve e fugitiva vermelhido.
Mal decorrera o lempo de se reparar n'ella,
o fra como sa tal tio suecedera; e assim
como cousa alguma indica o lugar onde
algum objecto cahido hvantou na agua es-
tHgnada a serie da ondas circu ares, da
mesmo modo, na physionomia fra e sere-
na do normando, nenhum resquicio flcou
da passagaira commofao.
um bello rapaz; nao ha, porem,
poste indicador entrada da estrada que
conduz i grilheta
Este dito fez saltar as suas cadeiras
Estevlo e Mauricio,
O senhor, declarou- resolutamente
este ultimo, vai dizer-nos quem .
Bruneau, depois de Ijmpar cuidadosa-
mente o vidro d relogip, contra joplho,
consultou dslrahidamiinifi o mostrador.
Meus charos andigo*, replicn com
opora, oe senhores alo m viam aqu, se
5o fosse anda tempo de Ibes pY urna
arreira nq caiftioho.., no d'elle e no dos
vaharas,
nos separtrmds.etl. ooaja,' M;tewt
pe faUa.d'elle, Pel qae me diz reP#
iigiSo, suavisado o. capliveiro,' sem perigo
e abalo, pteaso 'aar-iqiust'ira, trazem as
babas soiac5es pacilic desse problema,
que os phijosopho> mais obseccados, e os
lihilaatropicoimais. impacientes, pretendem
amarem ou impr com um rasgo de penna,
e no meio de tristes coranjoces.
Anda aproHaado-igt <|s eb*rVi;oes
que fizeram aiguns dignos collegas nossos
neste ponto, preciso nSo esqucer ame
outra considerago que ns todos obset-' '
vamos no paiz.
Se a lei, que passou ftesta casa, nlobt'
completa em soas disposigoes e a*o--pfa-'
venio lodos Os casos de separacSo panWo4-
lar ou por contrato, ou partilhas, a sensi-
bilidade dos Brasileiros-tem acudido j neato
ponto, ao grande desidertum.
Eu tenbo por mim observado, e cwio>
que commigo todos os nobre*. depetado
terp. visto em 'suas .provincias, que nqs '
contratos particulares, respeita-se hoje e ha
muitos annos a allianca da famili escrava.
(Apoia*). '/:
Eu nao vejo essa facilidade na separaco
do marido e mulher, dos Qlhos e sea tais
(apoiados). Tmbo visto em partilhas u pa-
vimentos de dividas estes sentimentos ge-
nerosos irem alm de muitos sacrifi-
cios.
Nis partilhas, quer de sociedadee-parti-
culares, qoer judieiarias, eu tenho visl-
muitas vezes um socio ou lierdeiro lomar
a si uma familia inleira para salvar o prin-
cipio natural, a affeico profunda do casal.
Tenho visto muitas vezes herJeiros ou
socios ficarem com familias numerosas,
degnecessarias para o seu sarvico.
Os meus collegas bao de ter obserrad-
o mesmo facto, acompanhado de restrices,
onerosas por parte de muitos credores
bondadosos, a instancia de seus devedoras
que nos seus interesses bem caleuldbs
nao querem demorar as suas liquidacoes.
Com to bellos -instinctoe e dsposicdi'S to
propicias, bem v a cmara que mafceado
ou mais tarde, sem violentar o direito e
revolver a sociedade, preparamos um termo
suave e natural. Deixemos este ponto, o.
passemos a outros trabalhos da presente
sesso.
Para bem da liberdade individual, senho-"
res, nos que pertencemos a umi escola
constitucional, de solidas e permanentes
garantas, digam embora o contrario os
nossos adversarios, quelles que querem.
desvirtuar as nossas crencas e os nosso*
esforgos, para garantir a liberdade indi-
vidual dbaixo de differentes pontoSj.de
vista, trabalhos significativos foram a pre-
sentados e concluidos na presente sesso
legislativa.
Na guarda nacional, na administragafc,
da ustiga, na orgau-ago separada da po-
lica, projedos importantes do illustrado
Sr. ministro da reparligo e de varios
merabros distinols desta cmara, acom-
panhado do juizo competente das cura-
raisses respectivas, e tendo j passado
por uma discusso intelligente, muito
devem contribuir para consolidar as ga-
rantas individuaes de cidado brasileiro.
Esses projedos nao podiam ser adiautados*
na presente aesso, porque nao llavia
tempo para tudo; mas ah se acham re-
servados para os nossos estudos no Bler-
vallo da sesso, para complemento di-
nossa obra nos annos subsequenles di!
legislatura. >
Nao podendo j decretar medidas com-
pletas em reforma criminal, concedemos
aos reos absolvidos pela jury em certo
grao de penas 0 favor da fianca para nao
continuarem na priso por virtnde da ap-
pellaco interposta, como at agora. Desle
modo nao s fomos ao encontr do capri-
cho sustentado por um acousador implaz-
ca ver, que muitas vezes tnha o duro o vin-
gativo recurso de perseguir assim a reo
innocente com alguna mezes de cncWa,
como tambem consagramos o respeito'd-
vido essa instituigo popular, qne sabe-
mos apreciar e queremos perpetrar com
sua influencia salutar, escolmada do veis-
e defeitos.
(ContirrHttr-te-ha).
i
mi
lo nao estamos ainda no prologo do nosso;
drama e cerlos enygmas s no desenlace
deixam ver a explicacin. Paciencia. As
horas correram, emquanto da vamos a ila-
gua ; o tempo agora aperla-nos. Vamos
ao objecto da minha visita. Tomaram
conhecimento d'isso ?
Indicava com o dedo o folhato de papel-
pardo mal impresso, que estava em ima.,
da mesa e tnha por titulo': Proeetso ca-
rioso, Anir Ma$mtu en o prfido tx>,
(al I Rmbo do mfre bamdk (dt Ouen).
junho 1S2S.
Ha umi qaarto de hura, murmurouitt >
Mauricio, que eu pensava que o seoor i
era o^utor.d'esta remessa.
Eetaia IwroyHoii, oadpira. b
Fosse como fosse, Estevo e o proprjo
Maurieie toiaavam ,um interesse cresrtnle
n'aqrfella exlravagaotissim scena. Cura-
pre, pbrm, convi'r que a palestra sejiga.va
dejmaneira que apresentava uma d'cssas au-,
daciosas charadas q,ue sao a alegra n>s
autores dramticos. Dado que a historia-
do mysteriqso bracal fosse um prwjo .
porque lacos iara essas romanescas njc-
missas dar a complicada acglo, cojo iwr-
chanismo P9 nossos.amigos sentianr vaga-
mate ruocciobar em vola de si ?
Para elles, aquelle normando danppa-
renca* vilaiissiai*s assumia cada vet
mais singulares proMp5M-
Kflortrjd*ra*IM0p damycj
fiesucavarse leattmeMe aqaelPoatra
,i pelie, aquelle latente carcter de tfgi
irrojo e dejmplwavol iateUi^eoc^..
: {Qtntimmr n**k&
W jtiuR~m mi mmj ?
^
t
l
i

)
f
L.


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID E1PJZSAIB_65XY3D INGEST_TIME 2013-09-14T02:14:36Z PACKAGE AA00011611_11990
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES