Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:11988


This item is only available as the following downloads:


Full Text
WNQ XLV. NUMERO 256.
f v -
SE,
"" m$*<* -
PARA A CtfflTAl r CTWKS 0BBI IA6 55 ftH JWl
ttiia
EIRA 9 DE NOVEMBRO DE rttg.

Sftr
er un aar
c* ajtttttados
I 4

?$gjm
H
^7M
OftlBO
7*X

Propriedaide de Manoel Si^uerte de Paria & Hitar.

----------y-
iitf> >nipm

Os Srs. Gerardo Antonio AJves A Ribos, no Para; tM*a*es<
Pereira d'Almoida,
em Ntzarb; Ttaadiio Hvvefi CMt .'i'as; Dr, Jos tartiiilfves, na a-'e Jos KS^Gts^ii^mmhb Jtteire.
_ Ifcraahao Jtaquim Jos de OJistfeUi *> Cear; MO dt I^moi Bra#a, no Araeat*; Joo Maris Julio Chaves, no Am; Antonio Marqum da Suva, no Hait: Jos Atftat
em ManwngBape; AntMtft #j*aodruw de Lieaa, se Paraba; AbIoho. Jos* GomesTi da Penha; Belarmino dos Santos BoJcSo, em Santo Astite; Domingos Jos dTcoel w^
inn 1fcVrP i.ia3h-a na fcatiii o Inm DiKaixn (l

PARTE OmCIAL
Chivera* Ja provincia.
r-ACHO* DA VIOK-PHiMDKtiCIA BU DA 3 DE NO-
ramoii tees.
aaMeeta Bvarislo da Musa.Jaita o supplicant
daeltaata a man da despeza hita com o sustento
los roer*.
Padro Abasto Frenklin Mareira da Silva. In-
forme o 8. taspeeior da the-ourara provincial.
Bai* Ai Sotedade, Jos* Mendos de Frettae e
J* Goncalvos Ferrara Cosa.Dirijaia-se ao Sr.
nftettor ila thesouraria provincaL
Goncalo Alvos Tavares.Em visla das informa-
:>es ato tora lugar o que requcr.
Isabel Toeresa da. Silva. O suplicante ser at-
tendida polo r. dieta do polica, a quem ser
apreaaatodo u lillio da mesilla suppli-aino.
Coronel Joaqun) Cavalcanli de Alluiquerque.--
*" \ista das intormagoes nada ha a providenciar.
Mejor Julo HJbero Vsssoa de Licor Ja. Informe
Sr. inspector da luesouraru de fazenJa.
los Augusto de Araujo. Euircgue-se passande
t>jiUfjiilic.;iiito-recibo.
Joms Arres de MeHa Velloso. Espere ijue baja
catata
Bacltirel Jo> Ricardo Gomos de Carvdao.
'.cwla-se a liceitcit requerida, contada de 3 do
<;* rente.
Jusc Ttu mz de Afiliar Pires Ferrara.nfor-
*ne o Sr. inspector da tliesouria de fazenda.
Joaqun) Rodrigues Maia d'Olivera.Passe an-
ua |>.irlan;i.
Thome Arvollos Espinla.A vista das nitor -
!S na i lera lugar que reqner.
Manoel Fclppc do Espirito Santo, Jos Gomes e
' i.\i IVtvir.i il: Carvalho.A patente do primuiro
ls .-iippiic.mies nao ost na secretaria, segundo
esta uifor.i! i. As d.is .lemais peticionarios ser
apostitadas e entregues depois i pagos os direitos
<: euioluraentos deviJos.
DIARIO DE PERNAMBUCO
HBCIFK, 9 DK NOVGMBRO DE 1869.
NOTICIAS DA EUROPA.
Hoaten. as i horaa da tarde fundeou no lanj.v
va i o vapor rrancez Gtronde, trazando datas de
Ilamfiurg 20, Londres M, Pari 2-t, e Lisboa 27
lo na. sado.
HlSPAKBA. Esi venci'ii n iisuvretro repuh-
r mu 4e V ik guerra. Crise ministerial em conseqi(e:ir,Ui
ili ateamente ip clero.
J-'it\xi;v. Os depiaiof opponcionistas disittiram
di ntiinfestiicilo de 2 de oulubro; entrelnn'o
a ffmtru iomou providencial. Ale o meio din
.io se tinh'i verificado iniinifeslac.Ro nlgiiina. O
gwerno (roen tr.Ua de alargar o pragramma
"/>,'. termm boatos de madificaqio minute-
ri ti. O corno legislativo ser concoe ido pa os
principi! de novembro, as ekiioei supplemnUa-
te* *-Mi 'i- dnemlira.
Ron a f. \t\u\.Crise i:i4eri! em Florenca.
dfmissdo tii ministro da fazcmli Ferraris. O
pvlum'ito Miao brese a 10 de novembro.
Aliemvwiv Insurreico na Dilmacia. 0 go
ver a i austriitco envin tropas cutir os insur-
gentes. Furam derrotados os insurgentes de Ca-
tnro. R'nn o-sc em Peslte o v irl imenl > hnga-
ra a n de ou'abro. A Boxnia manifestase
pttM mt'M tegiti ron'ra c< comldCrm aus'riu-
ii. i) yirlaimnlo prtissiano regtituti a tirapos-
ti ";> cande de IJ.ppe. O ministro di fazendi
di Prntiapedio a suademissao.
i sin. v re-.iiA. Fallecen lord Derbg no dia 23.
S issa. Hita confederar/io trata de refonnir a
su i cinstiluicRii.
r:\i\yi\.0 princips Garlos de Rnurmnii rel-
broa esponma com a princesa Isabel d Wied.
\MKtn<:*i A iiniiiikn dos Estadas-Unidasapcisio-
n m o corsario Howet per/encent aos cubanas.
Era espirado em Washington o padre Jacinlho.
I'ortuovbReformas de secretarias de estailo.
Proxiini chegaila do duque de Saldanka, Ida
dn Stephania Suez. Noticias de Mocambigue.
HESPANHA.
Ea linilmente suffocada a revolucao repblica-
n i, 'jue fui una das raalores porqaa tem passado
i |uHU naci, pois o numiTo de insurgentes su-
hio a 30.0IK); e deve-s* attend-.T a que e< repu-
lilicauos nao se acliavam preparados para a lula,
jiais a revolucao rebeotou inesperadamente moti-
vada pelo dasarmamento de um corpo de volunta-
rios. Rendeu-se Valencia depois de algunas ho-
ras de fogo o de perdas insigniflcantcs no dia de ontubro; mas nos das anteriores tmha liavido
bates i?rmidos perecendo em um lelles o co-
ronal di regiment de Toledo, o tcnenle-coronel,
piaira fflciacs e 16',) soldados; o numero de
iBOrtos o feridos. da parte dos insurreccionados foi
oais clfvailo : as prisioneiros subem a 700, sendo
> orm luuitQs destes presos, som armas na mo.
A apre*90t,ijPS9 das armas fez se em oito pontos
tiiHerenle* da cidade, em cala um dos quaes se
va aquartollado um batalliao. Carias d; Beja
diitun que os republicanos se pronunciar.am alli,
traaado;csciliores da cidade, da qnal fngiram'
tiiivi luos de todas as elasses. Os insurrecciona-
dlo gasundo as mesmas cartas, nao passa-
riani de W>, nao tem enoommodado pessoa algu-
tna nena tem exigido a: mai pequea quantia,
*oc*ar dtt pajjar-ora oito a dez. realeo diarios a.ca-
ila sableado, sem que se saiba d'onde saliera os
fun-1
O* eoi(ieHs d guerra estao funecionando em
diversas jiartes ; o numero de presos eada vei
diaior S.ptiim*. Oxal que o governo seja in-
diligente t generoso, o qne nao haja derramamen-
tu de saagil. porque est^, vertido, raais so desen-
v.ilvoia as fsiiaoes polticas, e nuior o ardor da
vinganca.
m jnis.itHaraeoea pedio aatorisarao para pro-
ressar os doputados Caalellai, Soler o Bjanr. As
i :i iras j concederam as aojorisacSes pedidas
para correrem oa processos do* ostros deputados.
^eff^al Bfira dirigi urna circular ao exerci-
u ouva*'*' pela lejlilade que giurdou durante
a iwtmn'MSa, e esortando-o a purmanecer del ao
iverno para o bein o tranquiliilode do paiz.
O general Pim respondendo as cortes a urna
int>;rpelra^0 declarou que o sen maior desejo era
o termo Ida ifltermidadr-, e qne eMe era moni redi
, e cotiunuava a se-lo; que o seu maior desejo
pt que houvessc um candidato que todos admit
i^sera aira de que quanto antes so chegue ao
rim nkawtneo; termin.m asaesjurando qn o
rao cenparia muito bntamente da qus-
iWfltaittwhp, afun de coroar quanto antes o
ediOeio uftt lerantiram as cortes.
A Hessaaha est ameacadade.ama nova royo-
lucao. ftipliiln- isabeUno, carlista, e affonsino
inwtati ifc mainia aaeotda ptavocix tun. pro-
nonciameato na* asMciat aasasafada.s. Pare-
is fcaisUvas nao tora per afora colhido
o inelfcofLrenrtm o
.tnspoKMsqa 4a Madrid ero
H a uaaiMamfa do iya de Genova
_ sa M aeha
ma mHso eouft
5st5d terminadas as negociacoos para a recep-
cat ao nm ministro de Portugal em Madrid o
Sr. Andrade Corvo ; parece que por falta d algu-
nas* fbrw'aBdMes dipiomatie.as, hivia dfffiuMades
-am>ar reoebMo naquetla cdfte.
O 48 aetualmoate mais preoecupa a noNtica
huasaauia a sclso que pareos estar iamwiiate
.entre.os teas patudos Hheraestraloaista, pre~
gressista e demcrata. Um laclo desU orm po-
da traiertsmsigouua, lucta mais terrvoi que as
precedente*, porque o excrcilo se divideria em
dous campos.
Diz-se que Serrano' deixaria de ser regente, a
se veritlcar o rorapimento.
A Gasela publica a iei qao declara livre a cre-
cao de bancos e sociedades de crojito Tem sido
approvada na especialidade a Iei sobre as corapa-
nliias de caminbos de ferro.
Foram apresentados as cortes dous projectos de
Iei relativos a expropriacijes e reforma de legis-
laeao de minas.
As cortes lomam em considoracao a proposla
de preencher as vagaturas dos deoutados ; os
unionistas votam contra:, e os progressistas a
favor. .
Resolveu-se apresentar immediatamente s cor-
tos o projacto do Iei sobre nrdem publica; os
unionistas rcuniram-se e djcdiram manter a con-
ciliaco.
Ha graves dissjdencias entro os mjuistros na
questao do ornamento do alero, na do candidato
aothrono, e na do restabelecimento das graran-
tias.
A questao do orcamenlo de clero ser objecto
de una concordata com Roma.
O general Prim declarou as curtes que o go-
verno declarara oullas as doeises do coucilio
que forera contrarias as Iei- e conslituicao hes-
panbola.
Ha negociacies com o banco de Hespanha e de
Pars para o novo emprestimo de 200 milhoesde
reales, sobro bilhetes do thesouro.. entregando o
banco, como garanta, ttulos de divida consolida-
da de 18 "/.
FRANCA.
Os jornaes ftaneczes orcupam-se das emendadas
e misteriosas discussoes entre o mDerador e os
ministros. Diz-se que se trata de alargar o pro-
gramla do imperio liberal. Lga-se alera tlsso
umita importancia a varios artigos publicados
pelo Constituionel que diz ao gabinete de Berlim,
quo para assegurar a tranquilidade da Europa,
preciso que elle se obrigue a nao transpr os li-
mitos (racados pelo tratado de Praga, o que ao
mesmo tempo d solidos peubores, .corno por ej-
emplo, a inoullaeo dos tratados de allianca of-
fensiva e defensiva celebrados cora os estados do
sol.
O Jornal Official diz que os boatos de urna mo-
difieacao ministerial nunca f >ram fundados, e que
os ministros reunidos em Compigne preparara os
projectos que serao apresentados ao corpo legis-
lativo. O presidonte do senado, o o do corpo le-
gislativo forara chamados a Compigne para toma-
rom parte as delilieracoes sobre o decreto tata
belocendo as reanles regulameutares entre o go-
verno o os altos corpo* do estado. No con fe ttsladA -atMaSV^ 5*! JBts projectos relativos
deter depntacao, clcico das mesas, eleico das de-
poiacoes provinciacs dos eohselhos municipaos,
das municipalidades: suburbanas do Paris, do eon-
selho municipal de Lio, e dos conselhos das co-
lonias.
Uesolveu-se em conselbo de ministros couvocar
para os principios de novembro o corpo legislati-
va. Diz o Constitulionel que as eleicoes snpple-
mentares se verificara) no dia lo de dezembro.
O Jornal Oficial publica urna ola dirigida ao
Imperador pelo ministro do interior relativa a in<-
tituinao de nasa coinraissrio para o exame de di-
versas questoes inherentes patronagem dos ra-
pazes das calcelarias- e os livreles dos adultos. Os
j irnaes ininisteriaes applaudem este acte de reco-
nheciila c geral necessidade.
Hiz-m! que o principe de La Four d'Auvergne
sae do ministerio, o que a sua sahida coincidir
com o regresso das tropas francezas que estad
em Roma.
Dizem de Paris qne o ministro dos estrangeiros
entregara ao embaixador de Franco que em breve
vai partir para Roma inslrucees acerca do con-
cilio.
" Ronher contina a presidir ao senado, mas ten-
crona apresentar-se como candidato as prximas
eleicoes supplementares.
Affianca-se que o principe Napoleao ser convi-
dado a fazer parte do ministerio.
O imperador, vistas as importantes manifesta-
coes feitas em algumas eidades de Franca, contra
o tratado com a Inglaterra, encarregou o ministro
do commercio de apresentar urna memoria para
reformare melhirar a situacao dos fabricantes,
A FolIta^Official queixa-se de nm artigo publi-
cado no Paiz contra o principe Napoleao, arligo
era que e uffendida toda a familia imperial.
O general Dazaine foi nomeado commandante
da guarda imperial.
Fallecen, o senador, Ilustre critieo francez o Sr.
do Sainte-Beuve.
A associacao dos advogadus eelebrou urna reu-
nan afira de redigir um protesto eontra o prooe-
dimento dos agentes de polica durante os aconte-
cimentos de Bellville, e designar os que hao de
de ser encarrejados de defender os presos.
Araaioria dos depuladoa da oppoai^ao desis-
ti de fazer mna insnilQsta^ao no da 26 de ontu-
bro, ultimo da do praso Biarcdo pela constitu-
cao para a reuniu do corpo legislativo ; publicou-
se um manifest assignad por 20 deputados da
opposicao, que diz o segninte :
t No dia 26 nao nos apreseniaromos no palacio
do corno legislativa ; nlo joigamos ser o dirpito
de entregar aos caprichos da sorte a liberdadc que
renasce no nosso paiz; mais apaesentar-nos-
heinos no nosso posto no dia da abertura da- ses-
sieen'o pediremos ao poder oonlas do seu
comportamento, e desse novo insulto que-fez a na-
ci.
0 Rappel publica urna carta de Vctor Hugo,
em que aconselha que se nao verifique a manifes-
tado de 26, visto que o denotados da esquerda
se declarara desligados do juramento, e accrescen-
ta : no Jia em larei prescnt;*tje8ao a.aounsalho.
A maora das jowaes fronoezes applaudem o
manifest dos deeuladoada esquerda.
i'iima, reuoiao publica que houvo no boule-
vard de Clichy os deputailos Bancel, Jules Fcrry,
,Peiletan e Jujes Simn que queriam explicar os
motivos, porque nao faziam a raanfestacauaijnun-
ciadapara 28de ounbtro, foram interrompidos pe-
lo assistentes que os aecsaram de jesutas entre
padres da trra, santa parti de Ja puta para ir ao
Pyreu, onda deven solicitar a honra,de seram re-
debidos pela imperntriz a bordo iU seu yalc. Bi-
tas daioostf^u^ pwv*m jue a, Sur osa osla
hem coasiderada entro os pjvos do OrMOte.
Desi rente -se a noticia da viafom
a Jerusalin. % nm
npMA a Italia.
Conlinuam os preparativos para o concilio ecu-
mnico, quo lia de abrir-s no dia 8 de dezembro.
J se a 'liam m Roma owites pretados estrangei-
ros, qje a ello concorrem. Acham,-se tambem
all grande numero de estrangeiros qiie rao patear
o invern en Rom.
Eram esperados os reis de aples. O duque e
a duqueza de Parma, viajando sob o titulo de con-
des de Sala, chegaram a Roma ; o- dmiuos demo-
ram-se em Roma e esporam a chegada do rei e
rainha de aples.
O parlamente italiano abre-sc no dia 16 do
novembro.
O ministro da fazenda pedio, a sua demisso que
foi aceil*. Vi gi tan i- foi heweado iaiuitco d jus-
tica, e idni miaistro doraino. O imnivo da crise
ministerial foj o seguinte, segundo a Italia :
Orto ministros, ceir uw, Ferrar^, pronuncia-
raiu-se a J'avor da idea de convocar a cmara e
pedir-lite a auirisacao de excrcicio de orea ment
para.dtpois disso a dissolvercm e convocarcm no-
va cmara, Ferraris era de opioao que se con
vocasse a cmara e que Iho apreseutassem ara
prograiama que na sua opini.ii havia de ter
maioria. Se ella o rejeilasse, o ministerio provo-
cara a dssolucao das cmaras.
O enipresjimo de 70 millioes.ultimaraeate decre-
tado produzio sua mpressao einFloreaca. Os pe-
ridicos mlnisteriaes coinecain a preparar a opi-
nio publica a favor da redujo Jj juro do 5 per
cont a 3 por cento.
AM.KMANHA.
Rebeiitaram seras desnrdens era Cattaro por
causa de una nova Iei sobre recrutamenlo. Os
habitantes do Cattaro o de Rngusa nao eram d'an-
tes submettidos conscripci, e recusararaobede-
cer a ultima Iei pela qual os queriam incorporar
na la'ndwebr-liUjgara. Vndaram de Trieste
dous regitnsntos de infantara, e os rebeldes para
nao obedecerera forca abandonaran) as casas e
refugia.-ara-se nos bosques e as montonhas com
mulneres, lilhos, mobila e gados. Fizerara-se es-
forros para os demover da sua rc-olucao. para o
3ue as autoridades Ibes foram fallar. Os subleva-
as nao se queriam subraeller e tratavam de ve-
dar a estrada real com podras.
O governo antriaco enviou re/orcos para impe-
dir que tome incremento a' iastuieicao.
Os insurrecionados foram den -otados e expulsos
de todas as alturas c das suas posieoes mais van-
tajosas. O governo mandn marchar para a Dal-
macia mais tres regiraentos ds infantara, dous
balalhons de cacadoros e duas bateras da arti-
llara.
Nos iislrclos de Lupa e Patroviccho contina a
nsurreico. Os navios de guerra austracos que
estao n is partos do Mediterrneo receheram urden)
_de se dirigir para Gatuno onde grande a excita-
"cao dos esprtos cuftra a Austria.
No dia 17 rcanio-se em Pesth o parla Tiento
bungara. O SrasIdebJe da cmara Sosich dirigi
ama allocuco a ses collegas, em que mostrou a
urgencia dos tfabaUtos de que as cmaras se ara
oceupa-. Entre estes trabalilos notaremos pela
sua grande importancia aconstrneclo do caminln
de ferro quo deve ligar a Hungra com q imperio
Ottomano.
As eleicoes na Bohemia consideram-se geral-
mente como um protesto nacional contra a cons-
tit licilo austraca. A rceleico de todos os mont-
aros dr. Dieta que so tmhnn dernttdo de seus
cargos, declarando que a dita constituigo se nao
pode a| plicar na lialieraa, os peridicos apreci-
ara-na como um aviso dado Austria de que a
dilatan em satis fazer as exigencias do partide tche-
que im perigo para o imp rio
Os ministras austriacos Plener, Horbss e Has-
ner, partiram para Praga alim do redgirem um
compromisso com os cheles do partido tcheque.
Apprebendeu so urna proclamaco dirigida aos
slavji da Albania e da Herzegovina para se suble-
varan. A canhoneira Streile da marinha, ausi-
tnaca, que crusava na costa, tomou algumas ar
mas e municoes que linham sido desembarcadas
de nou'.e pelos insurgentes. O mais grave de ludo,
que se sabe positivamente que o inovim'nto
aumentado por agentes pauslavistas o que d for-
ca as pobabilidaitas da insurreicao lavrar em t-
das as povoac.des slavas.
A maior parto da unprensa de Vienna mostra-
se favoravel a um corapoomisso com os Tchnques,
e satisfacao dos votos expressos ua resolu'co da
Dieta da Galicia.
A correspondencia de Nordeste, diz que a pol-
mica sobre a roviso da conslituicao, que susten-
taran) alguna peridicos, considerados como inspi-
rados pelo ministerio commum, contribuio muito
para e'ncidar a opiniao publica e preparar o cami-
nho para nm eompronjisso. t Paro n>s contin-
cermos disto basta ver as mais dss folbas tcne-
quei que se nao limitara ao non pottumut de
spa declaraco e confessam que nao serta im-
piiStivel um aecordo fundado na conciliaco dos
intei'esses dos dous partidus. >
H i iraude antagonismo entre ministerio.aus-
tro-hngaro, e o imperador Francisco los, e,ue
esta cedendo extraordinariamente a influencias
cle -caos.
O parlamento hngaro protoslou eaergicameote
contra o convite, feito pelo papa aos protestantes,
recommendando-lb.es quo regressein ao seio da
Igreja.
Diza-se que o imperador Francisco Jos lon-
ponava ir a Urasmnlinopla aowmpaaiado #.4-i
cundo de Beust, conde Andra.ssi, raipsilo do com-
mercio, vce-alrairante Tegethoff q nuaoros p-
tiva. A nova imprensa fcra porm desmntela
noticii, e tambciu o boato que circolou do 11.0a
proxina entrevista eatfe o inujoaador, Francisco,
Jos 3 o re Vctor Manoel.
: 9 parlamento prussiano resolveu rejeitar a
proposta do conde da Lppa estabeeendo que as
ieis foderaes, n3o pnderlafli ser promulgadas sem
a-sentimento das cmaras.
Os progrossislns prwem ao governo que tra-
balhe diplomaticamenw para nm dasarmamento
geral europeu.
O ininistc > da fazenda d, Pruisia ptdto a sua
doraissio, por ihe terrei Giulbernie aaspprova-
do o sh pnejecto de emprestimo. .
O Sr. Werthar fot Basteado ambanaM da Prus-
-ia era Pars, a o Sr. SonevoiaOs phamadeg esa
Yiemw. ... ..
T.M'oa-sa a falla b wgem do acaaidatm^ Al-
vijaeles, e 1 milhao de tonaftis) mtricas pouea
mais ln inass.
O ministro das liaarv*as puMicoO, sob"o titulo
te Amwnario, urna collecco coiitendo todos os da-
ashtisticos relativos iVw aihninistracdos que
"*^ttn do seu ministerio.
inj'iro volara> dividnio en tras parte :
prinoira trata do quadeos dos rndimeats do
estdq e dos orcanfrttos conparal> fc 1863 a
1869; a segunda indica qual a impormncia da
divide' pubftt "no 1 Janeiro 1*39a sitbeio 4o
banco do -Seo e su as ;igeneas, etr. ; a terteira
re*e tudo o que diz resjiito ao commercio in-
terno externo nayegjp.io o s soejodsdes e
corapanbias industraes e r:"nm?rciaes.
IXCLATtlllUs
Morrea no dia 23 lord Derbv Je um ataque de
gofa.
Vm carta de Gladstulie declara qnb o governo
nao ppr ein liberdadc. os prisioneiros fenianos,
alia ae nao couipiumRUcr a >egeranea pubtrea.
' SVISSA. Jy- >- \
A confederaba j hejyetica tj^ta de reformara
sua constituir e.o- pac: > fe:l. ral; estao rauito
_------------,.,. ------------------ -----------------i--------------------------------------1------------------
PiwinoY afina! s recebemos li,0H contos,
quaoMa tal vez t snperior mfl contos actual di-
vida fluetttmie. A dilTeronca nao pode ser grmde.
Cbcga^ios esto ponto, sO encontramos duas'
hypotheses : ou o thesouro paga toda a divida
fluctuante, dficit do ano econmico crreme.
Os resuRado sao os mesmus em ambos os
casos..
Anvartisando tada a actual divida tluciuaote,
ter que conlrahir outra nova para aeudir o. d-
ficit Jo anuo do 1800 a 1870 o que tasto vale, co-
mo deixar alguma por. pagar.
Sompre flca certo (|iio a 30 de junh de 1870
o thesouro estar oncrado con) seis mil contos de
reis de divida fluctuante, e que se passar mais um
annosem reformas na admimstracao e as Ieis tri-
butarias em 30 de j un ho de 1871 a divida fluc-
tuante subira a treze mil contos de res. Haviam
de.rqpetir-se e*0tay, mas agravadas todas asdif-
liculdades de hoje.. *-
Concliiem, portento, os Iinanceiro3 da oppo-
'si^io que a sisnificacao do emprestimo, e apenas o
resprarmos por atgum tempo, para emprehender
2
*-*-
^^ciaKite
^BS
adiantadis os trabillns nex'.e sentido'; parece as_reformas,urgentes, e que se nao se fizerera to
que a consliln^io dar ao govero hhu forma
mata liberal e uo Imoionia ixxj\ as idtas de-sA-
culo.
n e:\iANiv
0 prmetae Garios da -BViuimnia, que taas v-
zes tora contratado o d^sieiie ca;amenio?, oelcbrn
os seus esponsaes no di. 16 de ouuibro no castello
deWied, perto de CoMence..om a priuceza Isa-
bel de Wiod. Acbava-sc presente toda a familia
da pnneeza. -'
O principe Carlos recebe consistorio israelita.
das ou as mais urgentes pelo menos, dentn deste
auno (feonomico, apesar de todos os recursos do
poiz, correremos direitos bancarota e a ruina ge-
ral. Que estas reformas nao hao de ser quaesquer
Deformas,, mas grandes e profundas. Economizar
estado no presente ou no futuro, pro va de boas
tendencias, mas nao um meio serio ae nttenuar
o dficit, nm significa muito.
PaFcce que teem razao infelizmente I
t \Vas o que a notar que os optinistas da si-
so qal prumetleu melhoi ar a aorta dos israelitas i tuaco que tudo veem cor do rosa, e os pcs:-imis-
resdentes nos principj'lis. | tas seus mulos qu.u tudo enchegam tenebroso
Airtuicv. coucordam n'um ponto ;quo nao lcito gastar
O fetados-lndos da America acabara de di- [ tempo em futilidades mascaradas com o ttulo de
mlnttir a sua divida n'uuia pregrossao vordadeira- reformas.
meulaj espantosa, de qi:e esta.'.) algnra offerece
exempla O orcainen.to das raicitas o despezas do
auno Ando em 30 d jtinn> de" 1 s69 a presenta um
excedente de o:'i0,39 dolais das receit,ts sobre
as despezas. E-las, snmmam 3:t8,l32:471 dallars.
e as receits 3H,32 NliJ. r.omparando o exer-
ccio de 1S9 com o correspm I-'iito epi 1868, no-
ta-se as. recetas urna djipinnjlo de U"i milhOes
lillia di reilncvao frita- ms imp i-to', e urna eco-,
nontis de 36 milhOes ferta as desfiezas.
A marinha dos Estados-Unidos acaba-de apri-
-ioejar o Myicel, corsario anuido petos partidarios
ciibanes cyra a marinha mercante he>panhola.
Preatra-sn em' Washington urna brilbane re-
i-ep>5o ao celebre preg.idnr, padre Jacinlho car-
inelitaABcalco, victima da perseguicao do geral
dos earme!;tis, q do algn* prelados francezes. O pa
padre lacintlio pregn era Mtre Dame de Paris, e
E' preciso atacar- ousadamento a questao tribu-
tara do reino e tilias, lodos os das cmfim se es-
palham noticias de que taes ramos de servico vao
ser alterados, de modo que a instabilidade do
fiincconalismo et na ordem do dia e o effeito
destas continuadas vicissitudes e hestacoes faz-se
sentir ho commercio c era tudo, principalmunto na
capital, onde abundara os enipregados pblicos de
toda* as cathegorias.
Diz se que chegar no dia 29 a Lisboa o du-
que de Saldanha. nobre marechal manifestou o
de*ejo do (|iM Ihe nad lizcssem recepcSes.
Em Ma-.lnd tem recebido as mais delicadas
atiene/es do regente e do ministerio.
Appareeeu lurntem no 'ario do Governo um
deereto providenciando acerca da eleico inunic-
' de,Lisboa.
A eloicao deve ser muito disputada. Por maior
apresentou a coiivccao de que a greja romana se | que seja a abstencao projectad pelo governo,
pode modificar e transigir com as fataes evolupoes ^mprc a eleico municipal ter feicao p-ditlea. E
das ideas e instituicoes sociaes. assim ser emquanto nao fr incoalpatibilidade
O hispo d > Poitiers lirmoii uun Ihmilia contra para entrar.no parlamento p ser vereador iiuini-
padre J.cintilo, e era cousequencta d"ella o goral
dos carmelitas 'descalcos cnnvidoo-o-rcelter aol
seu convenio den tro-do-pra'.o de dz*da" -' gov
apupos c violencias, e a custo poderam surtir da,Iberio a Berln para pagara visite foila ceiiode
sala Vtenjap*toprmeesaAdPe^^
O governo tem tomado todas as pr^eaueSes para
reprimir enrgicamente toda tentativa, e des-
urd-ns.
No dia 26 choveu at depoii do meio dia e a
manha havra-s passado araeiiuillaiaente.
A imperatri ajos francezes tem sido muito
bem recebida o ContUMUinoota. As principaos
tes do imperto Uireo vie eevtar deutttac<5e*
aaie,aeeosas)tWi eu
pelaFrai
3rom
Jinla,l_,
ausiiaca, failando do cordeal acolhimeBio que
ami ia Moperial fez ao principe hateis da Pros-
ata, diz que a, retaedat peweaas ealre as.doas fa
.mili! a raioiintes >au iamas, atas que at rataeOee
entro og dons governo continoam no mesmo es-
tado em que o irattdo.de Braga aaeoHecosv
1US8IA.
O governo rusw aecupa-se da,]rMttao setatita
Ivasdas dea eereaea por peso, e nao por
verno preocouBa-se
sacias
Ton QjVjsad^ grande iupio'sio a peiautica ro:
tigosa e as perseguicoc que d'ella resultaran).
0 capto general de Cuba d os seus agra-
decimenti.s ao gnvero hcspanli il c s cortes, tan-
to era seu nomo eonw no dos val;ntes soldado;- das
Tunas, pela declararlo dos benomertos da patria,
i) pcfci remessa de tropas que annuncia.
Os deputados por Porto-Rico apresentaram nma
proposta pedmd'i que, em conformdade oom o
art. 108 da conslituicao, o ministro das colonias
nao possa legislar relativamente s colonias.
O denuiado Arbiza apresentou urna proposls
para o aeabamento da eseravidlo as Antilhas.
PORTI'C. u..
Sao de punco inlere-se as noticias d"e>te remo,
como melgnr veriio os Iritores da seguinle carta
de nosso corre-pondenle de Lisboa :
t Dizem os intimis do gabiupl, que osla prxi-
ma a relisacao do empresUino dos dosoito mil
contos, prose'gulndo relativamente as negociacoes
para a respectiva emis-o.
Essa operacao que as'circumstancias do the-
souro tornarara indispensavel, vira habilitar o go-
verno a exonerar-se de encargos pesados, nao s
de dinhoiro, nau tambem de outra ordem que im-
pedem a marcha dcsalfrontada da admtnistragao
publica.
Realisadrt que s ja o emprestimo, os juros, da
divida consolidada interna e externa pouco exce-
dero a nove mil contos.
Os juros de tona a divida consolidada sao ae-
nal mente de 8,900 contos soanna redonda ; mas
Jessa quantia 1,500 contos representara juros de
tulos que pertencem fazenda nacional, e que
estao servindo de garanta viriosemprestimos.
Feite a reduccao do que a fazenda paga a si
propria, o ver ladeiro juro a pagar da divida
fundada a quantia de 7,400 contos. Juntando
esta quantia o JHro do emprestimo dos 48,090'con-
tos qne se pode reputarem 4,000 contos, somma
redonda, licar sendo o encargo linal de-divida
consolidada a quantia de 9,0.)) contos.
E' urna verba importante, mas com a qual
pode do certo o nosso thesouro, urna vez qne se
continu na senda das economas productivas, e
que se trate, como se est fazendo, da seria orga-
nisa cao do imposta.
Sao estas as reffexoes quo fazera sobre o as-
sumpto os memo pessimistas da irnprnsa de
Lisboa.
Temse dito (e a imprensa apfieweitou o. mo-
ma) que o Sr. Andrado Corvo nuneado uRima-
mameate ministro de Portugal em Madrid, nao
era recebido em audipncla, dando-se como razio
nao-so tercm aqu> sabida do Sr. Corvo 'eitooeruis
formalidades, mes como visitar o novo plenipoteq-
ciario o ministro.> Hespaoaa om Lisboa.
Tambera se sccrescentava iujc o Sr. Corvo u-
zera parte do gabinete qu estiva frente dos ne-
gocios pblicos em Portugal, quando o general
l'i im, aqu emigrad, leve de ser inlimada a sabir
do reino, poeque eslava conspirando contra, o go-
verno entao existente em Hespanha. Nao verdade
que e Sr. Corvo entao fosse j inmigro. Foi mw'S-
traalguns mezes.depois; masqnando assim oc,
nao era isso razao pana que mudado o rgimen,
gobernativo no pata visraho doixasse de sor mere-
cedor de todas as attencoOs diplomticas. Grao,
porem, que se tem tomado explieedes departo a
Sarte, e que esta momentnea frieza termtar* sa-
&fectoranonteoa#a as das necees. A mpsensa
poltica de l e de ca. tem tirado Rarlido deslft oe-
curreacia para se alargar, emcanimentarios,de
aue nade resulta e que peto contrario pode-
nao) ooncorwr para STroaxar a boa har.>r
nia. indispensavel eutfa d*us pova tao,ciopos, de
sua dignidad e 15o avaros da.su indepeadencia.
Continuara a AisculJr-se nos ^nraaes as refonnas
realisasas (taee. como a da seer-etara do estado dos
Itagnews do reina e a da seoratrria da jusilla) ao
mesmo tempo que todos os.d|a? se aanunciani, os
jtrabalhps das cemmlssSes nomeaas pelos diversos
ministerios pra estudar di verse* peatos de admi-
Bistrafai i colonial, .
^oppostoavaeoae, mi#B*Mp^*a a*|fane.
are, e discorre
Aeraissio
cipal.
z-se (com
>aiFB%quer
smpre tiestas occasioes), (pjC-e-
nas fci-irtf*-r h r- e nao1?!"
prunuucia a-fi
Est-sc?apro?IIR)Ji> a"tSTrveK
ra seguir para Suez o ministro da uuriafcu Sr.
Rabello da Silva, (que a imprensa nao pouco "deve
em el-jvacao e ceebridade) mandn offerecer a to-
dos os re(iresentantes da imprensa peridica de
Lisboa c Porto passagem gratuita na corveta para
irem aasistir s estrondosas festas da inauguracao
do canal.
Jspera-sc que appareca um destes dias na
folhotnoial a noinoacodo poneos I administrativo,
isto a dos governadores civis^Torna-sc a fallar
na soppresso de alguns districtos
Foi apresnlado o arcebispo de Evora o Sr.
Bilhano, doutor era eadoaes e parocho de llhavo.
Foi (por portarla do 18 do correute) manda-
da addtar a abertura da escola normal de LisbOa
(Marvilla) deveado arrendar-se era hasta publica
a quinta anuexa, como fora pmpnsto pelo director
daquelle estabelecimento em seterabro de 1868, o
tambera ltimamente. Parece quo se reabrr em
Janeiro, sendo deeretada a reforma daquelle ins-
titua. Serio mais elevadas as habillacoes que a
osela ministrar.
* O governo a&eV outra escola normal no Por-
to e latnbem nos oulros districtos do reino, me-
diante cooperarlo local.
t O director Lniz Folipps Leite foi encarregado
pela mencionada portara de propdr ao governo as
con lices de arrendamenlo da quinta e de execu-
Wr outras indieacoes de que trata o referido do-
cumento.,
Chegou ao Tejo a corveta Ilawk comprada
pelo governo em Inglaterra. Vai recebeY o nome
deGi7nn& Parece que para Janeiro partir
para Macao.
t Parece decidido, diz a Gazeta do Pooo, fultia
ministerial receui-creada,que sajara suprimi-
das (u nao sejam providas at aecordo com a cu-
ria romana as seguimos dioeeses:
t Granada, Pinhel, Eivas, Beja, Lamego, Castel-
Ip Branco, Aveiro, Lema o Porto Alegre.
Serio, portante providas doce-es. deLis-
boa, Pirto, Evora, Faro, Braganea, Braga, Vjzcu c
Coimbra.
as ilbas Oxam, a9 dioeeses de Fuucbal e
Angra,
Diz a mesraa folha, que tem razao para andar
bem informada pela sua intimidado com poder
que o ministro do reino aguarda as altera cues q_ue
a commissao de revisao do cdigo administraivo
qzen tiesta parte danossa legislara), para roaliear-
Klguinas reformas de conhicido interesso, o que
de|>endem necossariamente deste trabdho, que
est entregue a ho nens competentes que podem
dar seguro voto sobre materia, leo importante.
. Alarma que o ministro da*guerra tem al-
guns trabalhos preparados uo senlidodo molhnrar
S organisacao militar com a diminnicao das> verbas
do orcamento do ministerio da guerra, ipie sem
duvda aquella que mais reparas tem suscitado.
c O ministro dos negocios estrangeiros, diz-so
que se tem si licitamente ocenpado da reforma, da
sua secretaria e do carpo diplomtico,, esperaado-
e qne da nova organisacao oestes sorvicos resulte
valiossima economia>
O. mmstr das ohfas palilicas est taatando,
tro : vce-pre*deote, IV. Jo|
mede ; seoretarios :, Jos I
uuin Moreira Marques.
' Forrm reeleitos para ojei
vet*Be-ocon"rAvila; (Irl
Sr. Lak fcGasVottniaarile'j;
unanimidjtde.
' S^Jfcfcomraissao Hwal
actuaSS")eml>ros da ines^^H_
Pinto Cocino, Jalo AWe*Gorrje> de Castro, loa
Gomes Roldan.
Na folha offlcfol de 19 do corrente publicoa-se.
o quadro efftclivo a que se refere o-art 8o do dis-
creto d> fodc corrente que d nova orgateofio
ao ministerio do reino A repartir do gabiiwte
do ministro compoe-se de um rf ofllciar e tun
amanuense. A dirocca> de administrado p^litca
e civil dividida era quatro reparticoe* Pnineira,
admnistranv) poltica, segunda adminwtraci) gp-
ralo municipaj beneficencia, lerceira sen
publica, recrurameoto; qnarta hygien
estatstca da direccao. O possoal das ren.
composto s>iH l" e 2o ofllciaes, cxob'p,
quarta que tem alera disso 10 amanuenee*'"
A direccao de in~trueco publica tem-tresre-
partieoes: primeira instrnco superior, esiabeto
ciraentos Iliterarios e scienii'licos, pubUcacSus oeaV
ciaes o Iheatrosj secunda in-truccoes i^p<-ctal
secundaria; execucao das |.-is e tratados- entn
propriedade litteraia e artstica, archivo e-eaia)-f
ostatistiea da instrucrio publica. Esta direccjku
tem 3 amanuenses.
A rf partco de r.imabilidade alera do che te
compoe-se de 2 segundos ofBciacs e 4 amirtatn-^
ses.
0 offfcio-convto do ministro da marina*
redaecoes dos tontees politieos do llwc8B-^
guinte :
* Sr. renVictor.O govern. resolveu ni-inda'
corveta Estepliama a Soez, para (|ue a bauOev
poriugueza seja presente inauguracao do casal
que ha de communicar o mediterrneo coas
mar vermemo.
As razoe* qus dictaram esta rcsoloca deter-
minaran) tambera o governo a offerecer os repre-
sentantes da i ni prensa, i>ue furam convidados para
esta importante o menmravel solemnidade, lugar
naquclla corveta.
Espero que V. se sirva faaer-me constar s
acceita o lugar offerecido,alim de se expedir! as-'
ordens convenientes.
Secretaria, 18 de outulvro de 1869. De V. ete.
Luiz Augusto Rttbel! <* Sia.'
A EslephfuUa parte para Port Said al a > Ara-
do mez.
0 gnvomador geral lo Moganibijue, cm ofi-
cio de 24 do agosto ultimo, participou que tendo
no da 19 de ir ato anterior sabido do porto <(>
capital da provincia, a bordo da barca Tejo o to-
nente-coronel Antonio Tavares de Almeida, eom-
raandante geral das torcas en) operacoe* na Zam-
bzia. eobatalhao expedicionario de itocarabique,
na torca de .'lihh'irneiH, -cl^aram -- barra de
Qmlimane pa inodrugaoa (gr, dia %0 do mesm
\g\iti lifrec^ando'tl, o-.d^oiijbaai'tg, dous das
'I
eahum-^ds"'C3Tididat>is. ^fd^os.
Estfptxtnltt pa-^, *>,iir-i!i|l!,|Siii|ntL-iaTT5^opfflsa9cWvTs

da reforma da engenharta civil,"eccupanAfse de
remediar os Incoityonteales.que resultaranda re-
forma precipitada do gabinete transado.
< Tambem os orgias do minieiesio pomettem
grandes trabalhos do miaistro da razenda no sen-
tido de meHioraf qs "servifOs a cargo do seo mi-
nisterio, ao inesino passo qae procura vencer as
difflculdadee qpe Ihelegaram os seus amce-sores,
procurando sestabetocer o crodite cota operaeSes
prudentemente dirigidas.
As coramissoes nomeadas polo ministro da ma-
i-mba oaanaaeAisaaaiaMtaAte doa ttfgmtrt nua
foram submeltdoa isiu conyijderaco.
c Ora, lodo fkjlBPiirrl' f""" r ""......
visiveise dimos a acreduarmps pja-
meate as palavras dos publicistas do governo.
< Nio-esntaii|ri a abertura das curtes, e do
rer que daqui at li nos limites d<& autonsaedes
que o goveraa receeou, 'ssa apresentar sonlo
i quant djsaeja. pelo raen la oom que
| ^Hfl Inteligencia i
ioeenaaem eiolhorar os 'ssrwoos poblieos on
'' 0 'o-.
no dia 3 do jnnho segninte |iodo a forca continne
a marcha, embarcando *n lanchas eeches ese-
guindo va lluvial at Mogorrumba, aondoehegotr
no dia 8 as li horas da manilla.
Que tendo o commandante geral sabida da
Qailimane no dia 9 chegou a Mogorrumba no da,
II as 10 horas da noute, c que no dia 13 segas
com o batalho para o Masaro, aonde chegaram.
da 16 1 hora da larde encontrando alli os ne-
eessarios aquartcllamentos (|ue o governauor g^ral
previamente havia mandado tazer.
t Quo no dia 26 de junlw -chegara a barra de
Quilimane, ida do porto da cidade de Mocarabiqae,
a bordo do vapor inglez Borneo, a forca oxpedwta-
nara de Lisboa, effectuando-sc o desemb-.iBjnB
fura da barra por meio do dous hiatos c umaesea-
na, frotados para esse lira, o quando no dia 4 da
julho seguinto chegoa a Quilimane o eoinmaBda-
to geral (que do Masara chegou onde estova aeaa>
tonado cun o batoWau exiwdiciooario de Mo^am-
biqne viera a to la a presan logo que recebra
coinpeteiUo c.ranuinicacie), euconirou j desem-
barcada tuda a torca e parte do material, o cepto
o major cemmandate daliateria de arlilheria _
36 soldados quo so conserva rain a bordo para di-
rigir o deseinbarijuc do restante material o goar-
da-lo.
QuoSendo-so tornado o tempo muito tentpas-
tuoso.tevoo vapor de levantar ferro e arribar a ci-
dade de Mocanilitque, obrigado a que nesta,iiital
se irotasse o hiate 1'rano z Pionnier, p.ra, reb>ea-
do pela corveta de guerr Infante D. Joo, condu-
zir o resto da forca c di material para (nilinviee,
onde delinitivaiiiente chegou no dia 19 do di>
mez de julho concluindo-se o desembjirqiie. da
tudo no dia 2ok
Que j no da 19 de julho havam. ooraecaa
a sair de Quibinauo para-o Masara os combuyo
do vveres o municoes da guerra, ossoltada por
soldados do balalao do cacadoros da Zamb&am.
suguiudo para alli o resto do batalhao-audiallaaa
mesmo mez com o coininandante geral, e cando
em Quilimane, esped de transpotes a baterta
ds a inlii lia e correspondente malatial.
t Que no da 27 de julho chegasa. o comman-
dante geral o o batalliao de cacadwes a NanA^ e
no dia 30 a Mogorrumba.
Quo o batalho expediQionario so no da 27
julho pode seguir a sua marcha aara Senna. ooa
punco- se demorara, parlindo para a ariofl* ap
cidadao Belchiqr doNasciiueiijo,dedicado auxiltar
das (oseas reaes.
c Que o edmmandante gn-:d sairia na madra-
gada do da 31 de julho de Stogorrnmba o Irla
pernontar a Mamburca, dependo no dia 3-do rapi
seguinte chegar ao Masara.
Quo tendo eo ,stado ao commaudauio g-'raJ
que o rebelde Bonga tem itgnns piquetas fura dn.
anga at s gargantas da serr da Supata, n
como tamben) coobecesee a boa dlsposicio ent
qne est a nosso favor a caladlo BoleUior do Naa-
eintente, Ihe mandara em 17 de julho. orden pava,
qu com os seus pretos ac.ossasse o. injmigo-aaa.
alim da Supata.
i No dia SR s ta i assif natuza real a, reftaj"
ira de. leuns 4 s.vieos do mlaieterio da tai
nlu. Parece qne eata refirma o aeseantraajn^^H
ra e methadica.' A eeonomia rasallaate da exaou-
ca dalla, coasidbrsvel.
Foi transtosida para 31 teete mea (di Ae
aanos do Sr.Di Luiz I) a reoepeao om grande gaU,
pelo anniversario natalieto do Sr. 1
quo esta va aanunciada paya 29.
Esta oeonojma do galas
jo ras
da familia real, a sabor, ai
real Bv. Carlos, annos do S. M i
sarto do son casamento.
PuV.lieo.u-se a tt^H
restanrasao de Port'
trtarchal a1
pela Sr. Jet Mara de
vigario da S de Elva.
le na introluofll
tSK
reninlsc<'n
r4


^^^M
DiarD de PeriimW Tewja felfa 9 de Novetabo de 1869.
**
4 "^ **o *
Ofel
aiio intei'u
la se
niol
excepcin
i-mpo!
xpcnsas da
__Bo auno, nao
>nMores
jara-los.
^i a colheita no Douro
__* E' una produccao
___________ ___i ule.
. So di :on pelo paquete,; o Sr. Augusto
J*Uot, eunstil do Portugal na Baha.
J se i Cadix o Sr. Manoel Rosado,
neeso cnsul naquello porto. .
Ha probabilidades do ser nomeado ministro
ortuuei em Washington o Sr. Jacinlho Augusto
IJanfAnoa e Vasconcelos e ser despachado em-
baaador portnguez em Roma o Sr. Cabral Ribei
m Outros dizem qne o ilinstre estadista ira para
Uwdrcs indo para Roma o conde da Lauradio.
Grande numero de emigrados republicanos
ten sido internados em Portugal ulti-
com o titulo de viscondo de
Paita VaQsn, disUncto jiirisconstilto, e lilho do nao
MMf SsfciAdo jnri-consuito barSo do mesmo
Mulo.
y

I
MHHS
PEMAMBUCO.
Roa-VisU; tuberculov
Rosa Mari i de AlbtHaerquo Gome, Paraliyoa,
3i airaos, s.lt ira, B>a-Yista ; escorbuto.
Joaquim Sverio de Jesu<. Pernambuco. o an-
nos, viuro, Bu-Visla; eoogosta) cerebral.
6
enedcto, Pernambuco, 9 diis, Boa-Vista ; es-
pasmo. ,
Alexandrino, Pdrnambaeo, 7 mozes, b. Jos ;
espasmo.
Joanua BaptisU do Mello, Pernarabueo, 17 .an-
nos, easado, Boa-Vista ; tubrculos pulmonares.
Theotonio, Pernambuco, l anuos, S. Jos;
phlysica.
Jo*, Pernambu -, Boa-Vista ; o-
pasmo.
Jos, Pernambuco. Bja-Vista ; ai nascer.
Maria da Confcecao Goyanna, 3 annos, soltci-
ra, Boa Vista ; gstro-intente.
Ignacio, oscravo, frica, 40 annos, solleiro, Kt-
cifo ; pleumouia.
Manoel Toixeira da Assumpcao Jnior, Pornarn-
buco, 35 annos, viuvo, Recife ; meningo-sepnr-
Rufina Francisca Romana, Pcrnambuco, i(0
nos, viuva, S. Jos ; velhice.
Antonio Jos Lopes, Pernambuco, 16 annc<=,
solteiro, S. Jos ; tubrculos pulm>nare3.8]
=
: ,. .i-
x=
ic de le!
Pelouru
>EG.v
nio ao ata i a o
do 4ia 8 .
,xo.
a. 7
219:302*116
^|3380
U. ...------------
287:3i8A02
lo j arreriatacSo ser feita pelo
adjadicago na forma dj 1.
para que ehegua ao conucimnto de
lodos maodei passar o presente que ser
publicado pela imprensa e alfixlt no lugar
do coslume.
Recite, G de novembro de 1809.
Eu Manoel Mara Rodrigues do Nasci-
mento, escrivao o subscrevi.
Tristo Menear de Araripe.
MOVIMIENTO DA ALFANDEGa
Tolumes entrados com azondas
dem dem com gneros
Volum.es sabidos com fazendas
dem dem cora gneros
100
200
------300
13*
190
------312
Descarregam hoje 9 de ontubro
Barca franeezaSolidemoreadorias.
Barca hespanholaCentro de Exportacaovinhos
Patacho hespanholPorto/tusvarios gneros.
Barca inglezaBarlachoumercaduras..,,
Escuna ingleza Herondelleldem.
Para Lisboa
AVISOS DIVERSOS.
O r. Tristao do Alencur Agripe, oBlcial impe-
perial ordem da Rosa e juiz de direito espe-
cial do commercio, nesta cidado do Recife de
Pernambuco, por S. M. imperial e constitucio-
nal o Sr. D. Pedro II, a quein Deus guarde etc.
Faro saber aos que o presente edital virem, ou
delle noticia tiverem que no dia 20 do mez de no-
vembrp do crreme auno se ha de arrematar por
venda a quem mais der em praja publica desle
juizo depoie da respectiva audiencia o seguiile :
Urna casa de pedra e cal sita na freguezia da
Boa Vista becco do Pombal com urna porta e duas
janellas de frente e un alpendre, sala adianto e
atraz sendo esta mu pequea, nove quartos pe-
A barca portugueza Peretru Borget Uevej.
guir brevr ordp^H
te da eirgd, e p
Pilhos 4 G, ao lara;o do ;anto n. 19,1
andar, on eom'o capitao na praca._____________
^Port).
Segu com brevidade a vcleira e nova barca
portuguca Itolina, para carga e passageiros,
para os quaes lem excellentes commodos, trata se
com os consignatarios Antonio Luiz de Oliveira
Azevedo & C.; ra da Cruz n. S7 1 andar.
Porto e Lisboa.
Segu para o Porto com escala por Lisboa, a
barca poatugueta 8afira : para carga o passa-
geiros trata-se com os consignatarios T. de Aqui-
p FonsecaJLC- 5 ru do Vigario n.19 ou com o
capitao Da'^raca._______________________
liscuna malezaneronaeuemero. ainu souud os n |ici|u'-u,. H._.. K-
RECEBEDOKIA DE KENDAS INTERNAS GE- robos,eador uo meio cujos quartos sao tres
RAES DE PERNAMBUCO.
Hendimento do dia 1 a 6
dem do dia 8 .
1.0134397
4:3bOAO05
1!J:363 402
EEVISTA DIARIA-
FERIME.NT3 GRAVE.-Doinin0'o as G horas
da tardo foi a decantada ra do Cisco, na fregue-
zia da Boa Vista, theatro das facanhas dos sens
freienladoivs. entre alguns dos quaes honve
pande disturbio, resultando delle o fcrimento
grave de Adolpho lennos d i Gusta Rabello Pes-
ate, felto por Antonio Sergio, ainbas pracas do
corpo de polica.
FACOLDADE DE DIBEITO.Fizeram acto no
dial do correte:
1' anno.
Candido Alvos da Xobrega. plenamente.
Barcinico Paes Brrelo, idi-m.
Jo*da Cunha Tmxeira, simplcsmento.
JLugusto Pinti Al ves Pequeo, plenamente.
Antonio Gomes Leal Juui >r, simplesmente.
Manoel Rodrigue* Rodrigues Nugueira 1'inlieiro,
plenamente.
AukMio de Amorim Garca. dem.
TanMin '- d.i Silvir.i. piiinlesmi-nt.-' .
anuo,
Manoel Meuelio Pinto, plenamente.
Maaael Hara Marqui-s Mariz, i.leai.
IBywes 8egis:nun>lo do Araujo Batnga, dem.
AaftaioBernar-lino Monteiio de ISarros, Mem.
Eajenio Teil'.-da Silveira Fontes, idem.
Ibaeel de Helio Cardoso Barata, dem.
3> auno.
Joio francisco de Figueinil plenamente.
Jol mutuo Aeci i'i de Vascmcellos. dem.
Svio Pellico Keneira Perras, di-in.
A4dpbo de Siqueira Cav;ilcinte, dem.
Elysiario Angusto de Moraes, dem.
4 auno.
Ceciliano Mauv^le Alves Ferreira, plenainenlc.
Jos Loop ildino ile Q ieiroz, dem.
A Francisco da Cunha Castello Branco, idem.
Mizael i\.i Silveira Amaral. ido n.
Arisurco avalcante de Albuquerquc, idem.
5 TJIHO.
Francisco Santiago Accioh Lins, nlenani'nte.
Miguel l.iieo d Albu pienpie Mello Filho, dem.
Baymiifido Ewertm Maia, dem.
ESCOLA XOHMAL.Fizeram exame hontem os
alomnos-inesires aegnioies :
2o anno.
Cfrillo Ani;:is!i .).\ Silva Santiago, plenamente.
Hermino Rodrigues de Siqueira, i.loin.
Antonio Cundido Ferreira, idem.
t reprova is.
Lev ntou-?e nm.
EXVME DE"H\BILITACO* Deve ter lugar
amauhaa o exame de lia!niitac>v para o aiagisUi-
rio primarlo '! l%i feoMno. auto done ser ce-
lebran na I'^fajn N'^o.J. rl_
MWIOS CHEG*D0S.A' Li'ba a 18 Cen-
rente (vap >rj d C-arn, a 3 Umao do Para ; ao
Portoa 1G (nio d Peranubu>.
AVIOS SMili) IS. De I.-h.i-a 16 Unii
jura n Para, ,1 IS Jttrtmh-mr (vapor) p na u Pa-
ra, a 2i Ptorind-i para Pernamlioco ; l P irloa
SJfara Plmeira. para o Para,.; a 27 Fonnos'i
para o aranho
NAVIOS \' CARGA.-Em Lisboa Alexandre
Eerealann. Refmpigo tdarianmi II para Per-
Bambuco ; n i Porto -cegara ra e Triumplio pa-
ra Pernainbii "o, AdeMie para o Para
OXEIDA.E-te fap.tr o portaor da mala de
Southampton, no i-orrente mez. .
JLOHE.Era e-pera lo em Lisboa de. 1 a 2 do
twwvote este vapor da linlia de Liverpool, em
fMem liara o Cear, Maranho e Para.
SALADIM B SPHYRE.Estos dous vapore,
d liuhi de t.iveipoil. em vi.fjein para o nos-0
port, d'via n bular n > de Lisboa aquello de 28 a
30 do pausado, e este do 11 a 13 do crrenle.
FUNDOS BflVsILEIROS.Eraffl assimpotados
aa praca do Londres ;
8 /o de 1S9 81 a 9o nom.
8 % de 181B 83 a 81 1/2.
4 1/2 8/o 'I'1 1S;2-o8-G0 71 a 78
4 1/2% de 1863 71 a 73
O vanor Giqaid levou hontem para Mace
M:700j000.
PAQUETE.Espera se hoje dos portos' do sul o
paquete nacional Ctwr.
FLORINDA.E-te navio, sahido de Lisboa para
o bosso porto a 22 do passado. traz a seguinle ear-
m : 113 meias pip >, 81 barris e 6 raixas vnho,
114 ditas ceh das, IIJO ditas batatas, 56 dit;.< con
servas, 200 saeco* farello, 6 ditos erva-doce, 5 di
toa aloisia, SO dito- f^ijao, 53 ditos alfazema, 3i8
pedra* d lagedo, 21 volumes drogas, 50 barris
peo. 175 ditos cal, 57 ditos carne de pono, 95
ditos toucinbo, 121 ditos azeite, 76 ditos e 17 pipas
vinagre, 20 molos sal.
NOTICIAS COMMERCIAES.Eis as das princi-
pa pracas ^a Europa:
Landre.', 26 de ontubro. as 5 horas da tarde.
O algoda i tem alguina procura aos procos de II
*/ a 13 d. o de Pernambuco, de 11 a 11 % o da
Bacabyba, de II /4 a 11 V o de Macei, de 12 A
B13 o do Maranhlo, de ll l/2 a 12 '/ o do Rio
Grande do Norte e a 12 '/ do Cear.
O assucar fronxo nos presos de 26/ a 28 o bran-
co, o de 18/ a 24/6 o ina*cavadn.
Havre, 26 de outubro, as 5 horas .a tarde.
O Mgodao est fraco. Pernam uco ordinario
Ira. 143.
O cacao do Para 82 frs. 50 c.
ACCIDENTE !I istein as 4 Vj oras da tarde,
on servente da estacan das Cinco Ponta, que
ajudava a mover nm wagn sobre urna das Imbas
dnUi, colloc,ou descuid-.smente o p no trilito,
fiado a passar lh^ sobre elle o wagn. 0 servente
foi transportado ao hospital inglez.
LEILO.Hojp as 11 horas effoctua o agenU
Pinto uo armazem d r'aa do Imperador n.... ou-
tr"ora armancm all mea, o lelao de differente- ob-1
ieclos de marmire eja-pe, conforme o annuncioJ
inserido no lugar competente desto Diario.
O agente Mariins faz hoje lelao da armaca"
e gneros da taberna di Chora-Menino o. I junto
lelao deixoo de aereffec-
m impreviaUx.
PARTIDO CON
reiiniin da*
PUBLICACOES A PEDIDO.
do lado da sala de detraz, servindo um d'elles de
cosinha, com um silio de 130 palmos de frente, e
300 de fundo, cacimba peqtieaa de ra agua, pou-
eos arvoredoa, existindo no mesmo silio II raeia
Se a gratidao, 6 um louvavel senlimento que
huma o espirito do homem ; deve atTagarse a
idea do soa revelacao perante aquello a quera -e
grato ; e quando mesmo nao me tenha sido es-
quivo em faze-lo sentir de ootra forma, nem par
iso, deixo de recorer a estas linhas, com. rano
mais solemne, para render o* votos de estima ao
Sr. Jos Francisco da Costa Figueira. do enje-
nho Mamocaia, em cuja casa fui admittilo ampia
mente por mais de 2 annos, e on te sempre a
melhor harmona honrosamente gozamos,-at o
uiomeato de minha recente ausencia. Ao mesmo
senhor pois e a toda sua estimavel familia, os
motu alTectos o gratidao se dedieam.
Reslando-me sentir nao ter-lhe sido lao til, co-
mo era mister, nos trabalhos le3Cionarios que ah
ministre!. ...
Aceitando nnalmente a pureza de mmhas le.ies
expreso s doscalpar-mo-ha, s indicar-tne pelas
iojeiaes, sem fazer extensa firma, com que alias
aijiuns (esvanecom om stampar-so nos prelos.
Engenho Penlo, 8 do novemtiro de 1869.
M. S. O. 31.
Eleico
RENIAO DA DIRECCAO DO PAF
uHVADOR.Hoje. au meio dia, ha
SEHVADOR
membros do gremio conservador em cas do Sr.
Dr. I i de Souza Leao, para tratr-
|J^JhHJB^l'- 'raes.
ijMma trouxo domin
para os rs.:
18:781*00
DOS JtZKS, JUI7..VS E MAIS DEVOTOS QUE TEM
DU FESTEJAR N. S. BA SADE, NA IGKlJA
bK S. OSiCALO NO ANN) DE 1870.
Juiz protector.
0 Esra. o Rvtn. Sr. Bispo iscesano.
Juiza protedora.
A Exm. Sra. I). Friciso Nicolao Biebr.
Jtiizes por eleino,
0 lllm. Sr. Luiz Moroira da Silva,
A Ultna. Sra. D. Cietana de Paiva Pinto
Mosquita.
Jtiizes por devoco.
O Exm. Sr. general coiinnandante das ur-
inas.
Jos Jiiaqoim Goncal'es Fontes.
Oslllms. Srs:
Joaquim Francisco "lo Espirito Santo,
Antonio Valentina da Si\.i Barroca.
r. Manoel" Figueira tle Paria.
Juizas imrdevco.
As filmas. Sras. D: .
Olytnpia Julia LeOteaba Lin^.
Mtfrtnmaaa de 5^413.Bjb^ko: .
|JjBiiii(ia Viraos Cavalcante5v^%
1*rancisca tmra Vieira Penna.
Escrives p ir elei?3o.
O lra. Sr. Flavio Forreiri Cata).
A lllm. Sra. D. Adeaiile Emilia de Leaos
Pos.-a.
Escrives por rfevocSO.
Os lllms. Sis :
Francisco da ConceicSo U iiliguos Seixas/
Juan llajilisia do S taza Monteiro.
Jus Oiil"ii Ajtnes Jacoine Pires.
Dihiderio Pedro de Araujo.
Escii\aes por devu(o.
As Hullas Sras. O :
Aiilunia, lilin do litio. Sr. oronel A;os
linli.i Bezerra da Silva ^avaluante.
M.ui.i, esposa do lllm. Sr. teuenie-coronei
Pedro Paulo dos Santos.
Mina Giirispmiana R Mingues de Mirac.da.
JoMla Mara de S Bu-imio Rozas.
Morduuios.
Os Mms. Srs. :
Manoel Jgnacio de Oliveira Mariins.
Ripiiael Archaiijo da Rusa Lima.
Augusto Jo.- Teixeira.
Frauscisco de Arauj 1 Caldas Lima.
Liberato JtereocianO de Souza.
Joaijuiin Jo.- de Sal' nna.
Francisco Joaquim Ramos e Silva.
Curios Frederico de Suiza Birbosa,
Quirino Antonio do Espirito S?nto.
Jos Xavier Mandos Goncalves.
Mordomas.
As Illmas. Sras. D. :
Libania Carolina Mundonca da Fonseca.
Marta Margarida dos Rios Mello.
Mara Isibel de 01 veira Prates.
Carolina Agerida de Carvalho Siqueira V.
Antonia Francisca A nerico.
Launada Mendes de O. Nunes.
Joaquina Rita Mara dos Santos.
Ilermina, esposa do lllm. Sr. alferes Ma-
noel Odilon da Silva Vires.
Joauoa Victoria de Bulo.
Matnildes, esposa do lllm. Sr. Clonado
Ferreira Cat5u.
Procuradores.
Os lllms. Srs.:
J >ao Mmosi Lino da Rocha.
Manoel da Silva Jneoiue Pessoa.
Tenente Benjamn Vires Dutra,
Caudidu da Costa Duorado.
Thesonreiro.
0 lllm. Sr. Agosiinho Jacome Be.erra
Pessoa.
Assignado, Manoel Joaquim Xavier So-
breira.Vigario da mesma freguezia.
Errata: Na puhlicacSo a pedido dd Dr.
Olympio Marques da Silva, Teilf no Diario
de hontem, em lugar de abyssinoria, la-
se abvssinia.
MOVIMENTO DO PORTO.
Navios entrados no da 8.
Babia11 dias, barca ingleza Chariua
Scott, de 309 toneladas, capilo Daniel
M. Iotesh, jjipagem II, em lastro; a
Wilson & Hott.
Baha11 dias, barca ingleza Elim, de
458 toneladas, capilo R. I.-William.
equipagem 14, carga carv3o ; a D. C.
A- C. C. Smpson C.
Balda9 dias, barca ingleza Hero, de
360 toneladas, capitao Spleck, equi-
pagem 10.em lastro; a Saunders Bro-
thers A C.
Buenos-Avres 30 dias, barca ingleza
. Fresh Breezl de 568 toneladas, capilo
William M. Oouglas, equipagem 12 em
lastro ; a ordem.
Liverpool31 dias, barca ingleza Brillian-
te, de 303 toneladas, capitao W. W
C. Wanen. equipagem 13, -arga fazendas
e oulros gneros ; a Saunders Brothers
A C.
Bordeaux e portos intermedios 14 dias,
vapor francez Gcronde, de 1797 tone-
ladas, commandantc Ilerriquede Somor,
equipagem. 126, carga fazmdat e outros
generis ; a Tisset Freres A C.
Goyanna6 hoits, vapor Parahyb'a, de
104-toneladas, equipagem 14, comman-
dantc Mello, crga assricar.
Montevideo29 dias, patacho bespauhol
Timoteo 1". de 147 toneladas, capilo P.
Coll. quipagem 10, carga 3,641 quin-
taes de carne; i Pt-reira Carnero & C.
Goyanna6 horas, vapor brasileiro 'ara-
hyba, de 104 toneladas, commandante
Mello, equipagem 13, cm lastro; com-
panhia Pernambucana.
Navios saliidns no misino dia.
CanalEscuna ingleza. WUlian Comeng,
capiloHell. carga as-ucar.
Cabo VerdeBarca porttigueza Isolina.
capilo Joaquim Jos da Conceico, em
lastro.
AracatyHyate brasileiro Nova Esperunca.
capilo Manoel F. Jalles, carga dilferentes
gneros.
Penedo e portos intermediosVapor bra-
sileiro Gequid, comman lante Azevedo.
cara dilT COMPANIHA PERNAMBCANA
DE
Navegagdo costeira por vapor.
Porto de Gallinbas, Rio Fcjmose e Taman-
dar.
O vapor Parahijba, commandante Mello, seguir
para os podios cima no dia 10 do correte,
meia noite. Recebo carga, encommenda, passagei-
ros, e dinhelro'a frete no escriptorio do Forte do
Matt s n. 12.
Maria'contra Jaeitho Jos Cabral, nao havendo
lanzador que cubra o preco daavaliaeao a arre-
matacao ser feita pelo proco da adjudieacao.
E para qu chegue ao conhecimento de todos
mandei passar o prsenle que ser publicado pela
imprensa, e alisado no logar do costume.
Recife, 5 de* novembro de 1669.
Eu Manoel Maria Rodrigues do Nascimento es-
crivao o subscrevi.
Trisio de Menear Araripe.
De ordem do lllm. Sr. Dr. director gerai faca
constar a quera possa interessar, que o exame de
habilitaejo para o magisterio primario do sexo
femeninos dever ter lugar em um dos salSes da
Escola, Normal, no dia 10 do corrento, pelas 10
horas da manha, conforme foi declarado no edital
de 26 de oulubro prximo flndo.
Secrelaria da instruccao publica de Pernambu-
co 8 de novembro de 1869.
O secretario,
Aureliano A. P. de Carvalho.
Para Maco do Ass
A barca nacional Fleclia, capitao Joao Augusta
de Pinho Victoria, seguir Dar o porto cima In-
dicado nesles oito dias, recebe a frete a carga que
Ihe apparecer : a tralar-se com Marques, Barros
& C, no largo do Corpo Santo n. 6, 2 andar, 00
com o capitao a bordo.
FLIX FRANCISCO DRSOZA MA-
GALHAE.stransferio s$}| residen-
cia para o 2* andar d
n. 58, silo rui
Nova,
recisa-se
Na ra do Impel
de ama ama de leite e de nm eili
nstlfLTO ARCOLOGICO E GEOGRAPttIC(
PERWMBUCANO.
llavera scsso ordinaria qointa-fetra H
do corrente novembro, pelas 11 horas da
manha.
Oni'F.M DO DIA
Pai-ceeres e mais trabalhos de cornmis-
ses.
Secretaria do Instituto, 8 de novembro
de 1869.
Jos Soarcs de Azyiedo,
Secretario perpetuo.
Aluga-ae"ttoa casa a nvrgera do rio n6.Po?o
na ra de"Horta sobrado n. 48.
----------1*..-----------.--------*j*-------->
DECLAfiACOES.
O administrador da recebedoria de ren'as
internas geraes faz certo aos contribuimos do im-
posto pessoal do exercicio corrente de 1869-70,
residentes na"s freguozias desta cidade e as do?
Afagados, Vanea, Poco da Panella, Moribeca, Ja-
boato e S. Lmirenco da Mitta, que neste mez dp
novembro linda-se o praso do pagamento sem
mulla do Io semestre do referido imposto", depois
do que ser pago com a multa de 6 0(0
Recebedoria de Pernambuco 2 do novembro de
1869.
Manoel Carneiro de Soroa Laceran.
A Aij^^^^^H^H
VAS
Goyaon
paires da Rurna tu nt
ros.
B TOASITO. Achara-so a borc
traocez Gironde, iio passageirus pan
m imperio.
COMPANH1A PERNAAMBUCANA
\avegiH*i costeira por vapor.
Parahyba, Natal, Maco, Mossor, Ara-
caty, Cear, Mandaba, Acarac e
Granja.
O vapor Pirnpama, commandant
Torres, seguir para os porto*
cima- no dia 15 do corrente as 5 hora?
la tarde. Recebe carga at o dia 13 encom
nendas.e passageiros e dinheiro a frete at a?
! horas da tarde do dia da sabida no escripto-
rio no Forte do Maltas n. 12.
Precisa se de um raisriro qne tenha pratica
de taberna, na ra do Raogel o. 39.
----------------------*-------?----
A preta Justina.
Fugio na tarde de 2.' de outubro do 1869 a pre-
ta Justino, crioula. de dado de 30 annos, estatora
regular, muito magra, cor bastante preta, olho
enearnicados, sem denles-na frente, omito fal-
lante, bebe, consta que anda mesmo aqi na eida-
de, tem sido vista na ribeira de Santo Antonio;
quem a pagar leve-a ra da Imperatru n. 2b,
ou na ra da Cruz n. 6, que ser bem recompen-
sado. ^__
3L
COMPAiNllIA f.PERNAMBCANA
DE
Vavegaco costeira por vapor.
Mamamgtiape.
O vapor Mandah, commandante Julio, seguir
para o porto cima no dia 12 do corrente as G
koras da tarde. Recebo carga, encommendas,
pawapciros odlnheiro a frete ;it as 3 horas da
tardo do dia da sahida escriptorio no Forle do
Maitos n. 12.
Porto.
ECITAES.
De ordem do lllm. Sr. Dr. chefe depocja
interino da provincia, por esta serretaria avisa-
do o Sr. Joaqun. Ferreira da Cruz, ri-sidi-nie mista
capital, para que v ou mande reclamar perante
a di'li'gacia do termo de Santo Anta >, mediante
documentos comprobatorios de domino le.eal, a
entrega do eseravo de nonie Clemente, qne all
foi apprehendido em poder do negociante Frrei-
ra, e declama pertenrer ao mesmo Sr. Cruz.
Secretaria da polica do Pernambuco, 4 de no-
vembro de 1869.
No impedimento do secretario,
Jos Xavier Faustino Ramos.
Consulado provincial.
Pola administrado desto con miado marca-seo
praso do 30 dias, contados da data do presente,
alim deque os possuidores de escravos de amb >s
os sexos existentes nesta cidade, quo nao forera
empregados no servico domestico ou em fabricas,
v.-nham da-los inscripcao para proceder se ao
respectivo lancameniB, relativo ao anno corrente
de 1869-70, e e'lTecluar--e a percepcao do imposto
dn 5000 por cada eseravo, votado no 38, art.
48 da le n. 891, devendo os contribu'mtes faze-lo
por meio de nina nota declarativa do nonie e qua-
lidado do eseravo, hem como de quera seja o seu
legitimo propnetario.
Consulado provincial 5 de novembro do 1866.
O administrador,
A. C.orneira Machado Rios.
^4uta Casa da Tlisericordia do
Recife.
A Rima, junta administrativa da Santa Casa da
vlisericordia do Recife manda fazer publico que na
~ala de suas sessoes, no dia II de novembro, pelas
piatro horas da tarde, tem de ser arrematadas a
|uem mais vantagens offerecer, pelo tempo de um
des annos, as rendas dos predios em soguida de-
clarados :
PATRIMONIO DOS OijtPIIAOS.
Ra ao Calabouco
Casa terrea n. 20, por anuo ". 242.5000
Rtia do Pilar.
Casa terrea n. 103................ laOS'too
Sitio n. o no Forno da Cal........... 1501000
Os pretendenles deve.rao apreseutar no acto da
arrematacao as suas fianzas, ou comparecerem
icompanhados dos respectivos fladores.
Secretaria da Santa Casa da Misericordia do Re-
cife, 8 do nuvembro de 1869.
O oscrivao.
Pedro Rodrigues deS^uza
Vai sabir breve a barca Laura ; para carpa e
passageiros, trata-se cora os consignatarios Carva-
lho & Nogueira. na ra de Apollo n. 20.
Para o Porto
segu com brevidade a veleira o nova barca por-
tugueza Isolina ; para carga e passageiros, para
os quaes tem exclb-ntcs commodos, trata-se com
os consignatarios Antonio Luiz de Oliveira Azeve-
do & C, ra da Cruz n. 37, Io andar.
AVISO.
D. Auna Josepha Pcreira dos Santo', propieta-
ria do engenho S Joaquimvulgo Cova da Onca,
sito na freguezia da Varzea, pelo presente faz
publico, e scente a quem possa interessar que
nioguern faca tran'acao alguma com Jos Floren-
cio de Oliveira e Silva, ex-r-endeiro do mencionado
engenlw, quer sobre a safra a moer, assucar e o
niel j feto, qner sobro quaesquer objectos per-
lencenles ao precitado engenho, como nwenda, tai-
xas, forma, ferros correales, tanques e balcoes,
visto como nao s so acba o referido engenho. ar-
rendado a outro, como taes objectos arrestados
pelo juizo da 1* vara para pagamento de U annos
de renda do predi lo engenho : pelo qne desde j
protesta pelo seu direito contra quem quer que a
prejudique, e at onde as bis o os tribunaes de
nm pniz Ihe garantirem seu exercicio. ________
O abaixo assignado te.ndo sabido do sua resi-
dencia para o seu estabelecimenlo s 3 horas da
manha, achon na ra do S. Goicalo nm maco do
sedulas, seu don>> dando qualquer flgnal qne gro-
ve ser o proprio, Ihe ser entregue na ra dos Pra-
zeres n. 50.
Ji>S'; Carneiro in Cunha.
Petante a ra nara municipal do em praca nos dias 10, 13 o 17 di corrente para
s<-r ar-enhilada por quem menor preco offerecer a
obra da construccao de iTez pares de caiaenoibas,
paia adulto- e nutres tantos pira prvulos, de qu
ni'cessitaocemiterio publico,orala na quantia de
2:497|000; aquellas pessoas que quizerem arre-
matar a dita obra, babilitem-se na forma da lei,
e eomparecam no Paco municipal no. dias refe-
ridas.
O orcamento da obra acha-se na secretaria da
me-ina cmara onde ser facultado aos pretenden-
tes a arremataco.
Pa?o da cmara municipal do Recife, 3 do no-
vembro de 1869.
Ignacio Joaquim de Souza Leao.
Pro-presidente.
Francisco Canuto da Bwviagem.
Secretario.
XOMMERCiO^
Sociedade baucaria em ocra
mandila IH
Theodoro S/mon ^ C,
^^^^^Hb v-indem por coi
O Dr. Tristao de Alencar Araripe, ollicial
da imperial ordem da Rosa, e juiz de
direito especial do commercio nesta ci-
dade do Recife de Pernambuco por Soa
Magostado Imperial e Constitucional, o
Senhor D. Pedro II, quem Deus guar-
ae etc. etc.
Paco saber aos que o presente edital vi-
rem e dello noticia tiverem, que no dia 22
de novemoro do corrente anno, se ha de
arrematar por venda em praca publica
deste juizo, depois da respectiva audiencia
o seguinle :
Urna vaca peijada de cor raposa, por...
40iSi)00. A qual foi penhorada por exe-
ocao de Jos Faustino de Lemos, contra
Antonio Francisco dos Prazeres.
E nao bavendo lancador que cubra o
preco da avaliacao, arremataco ser fei-
ta pelo preco da adjudicado na forma
da lei.
para quo chegue ao conhecimento de
todos, mandei passar o presente, que sera
publicado pela inrprensa e affixado no lo-
gar do costume.
Recife 6 de novembro de 1869.
Eu Manuel Maria Rodrigues do Nasci
ment, escrivSo. o subscrevi.
Triitode Menear Araripe.
O Dr Trislo Atoncar d Araripe, ufl'r.ial
da imperial ordem da Rosa, o juiz do di
reito esperial do commercio aesti cidade
do Recife de Pernambuco por S. M. Im-
perial e Constitucional o Sr. D. Pedro II
aqaem Dos guarde etc.
Faco saber aos que o presente edital vi
rem e delle noticia tiverem que no dia 39
de novembro do corrente anno se ha de
arrematar por venda aquem mais der
tn depoU da res-
;n!iMi. sed
)a torra f
es, e
lulas '
Eaoarregam-se por conta albei
Putm|o
oarta
Ws contra Ant
LEILOES.
jnnto
LELAO.
1I01E.
Da taberna n. 1, no Chora Menino
a ponte pequea.
O agente Martin* far lelao da taberna cima
por despacho do lllm. Sr. Dr. juiz municipal da
I" vara, a qual foi- per.horada a Luiz da Molla
Silva Pimentel a requerimento de Amando Fran-
cisco Mendes.
As 11 horas do dia na mesma taberna.
Rio de Jaueiro,
Para o ind cado porto, pretende seguir cora mui-
ta brevidade a barca portugm-za S. Joao, por ter I
maior parle de seu carregamento engajado ; e
para o re-tn quo Ihe falta, trata-se com o consig-
natario Jnaquim Jos Goncalves Beltro, ra do
Commercio n. 17.
PARA
Para o designado porto pretende sahir com nim-
ia brevidade o palhibote Rosita por ter a maior
parte de seu carregamento prompto : para o res-
to que ihe falta, trata-se rom o consignatario Joa-
quim Jos Goncalves Beltrao, ra do Commercio
n. 17._____________________________________
~ IMPAMIA BRASILEIRO
di;
Paquetes a vapor.
Dos portos do norte esperado
at o dia 13 de novembro, o vapor
Cruzein do Sul, commandante J.
P. Gnedes Alcnforado, o qnal
depois da demora do costume se-
guir para o? portos do sul.
Desde j recebem-se paseageiros e engaja-se a
arga que o vapor poder conduzir, a qual deven
*er embarcada no dia de sua chegada. Enconunen-
las e dinheiro a frete at o dia da sua sabida as 5
horas.
Nao se recebera como encommendas senao ob
ledos de pequeo valor eque nao excedam a doa>
irrobas de peso ou 8 palmos cbicos de medica".
Tudo que passar destes limites dever ser embar-
alo como carga.
Previne-se aos Srs. passageiros, qne suas pas-
sagens s se recebem na agencia a ra da Cruz
n. 57 primeim amlar, escriptorio de Anbnio Luiz
do Oliveira Azevedo & O.
GMPA.VIllA BRASILE1RA
DE
Paquetes a vapor.
Dos portos do sul esperado
t o da 9 do corrente o vapor
Guar, commandante o 1* te-
nente P. H. Dnarte, o qual de-
___ pois da demora do costme se-
guir para o* (torta* do norte.
Desde j recebem-se passageiros e engaja-se s
arga qneoJapor poder conduzir, a qual deven
>er nmbareada no dia de saaehogada. Encomraen
las e dkMro a frete at as duas horas do dia d
Hia sahida.
Nao se riM5eben como encommendas senao ob-
lectos de pequeo valor e qne *o excedam a S
trrobas de peso ou* palmos cbicos de medi-
eo.
fado que passar destes limites dever ser
imbar *.ado como carga.
Previne-sfl aos Srs. passageiros que suas passg
ens s e moebein aa agama ra da Cruz n. B7
I* asidar, escriptorio de Antonio Luiz de Oliwir
ajtwinA
;.ere*.
E ulo bavendo laujador quo cobra
PARA O PORTO.
kajkiTrl iirHri.Mde
i Darte da
habnte
arga tratada
^H cun
r*T 99, 00
Offerece urna iinilher branca do meia idade,
do boa conducta pura fazer rompanhta a ama fc-
niiiia e prestar serviros; quem precisar dirija-so
a Boa vista ra dos Pires luja n. 35.
Aluga-se duas casas na ilha do Roliro (jun-
to a ponte da Passaizem da Magdalena), lugar mili
>adio e fresco, una dea de bastantes commodos,
tendo j banheiro fi ito para se tornar banlus; a
tratar com o Sr. Luiz Manoel llodrigues Valenca
ra das Trincheiras n. .f0, 1* andar._________
ir\i"ifiii." .
Temos noticias por um passageiro chejr.ido d->
sul, que em breves das chegar em nossa capital,
um mgico por nomo Mariano Nanns fisin rival
do celebre, Mr. Hermann, desjamoa que chegu.)
com felicidade._____________________________
Engommadeira.
Na ra do Imperador n. 73, 2* andar, precisa-
se de una criada para engommar.
De cerca de 80 cantas com
frascos, QiflVrentes rulos
vanisado, diversas obras
constando de ricos
ra cima de mesa,
conservas em
le rame al-
do alabastro.
arros e enfeftes na-
pedra raarmoro e
muitos outros objectos de goslo.
HOJE.
Ter^a-feira 9 de novembro
as 11 horas em ponto.
Tor intervenco do agente Pinto, no armazn
da ra do Imperador n. 57, (outr'ora a mazcm
Alliauca.) ^^^_^___^^____
mm
DE
ama boa casa, sita na estra-
da de J ao de Burros-
O agente Puntual, comnetentemente autorsado,
vender em lelao una exce lente casa acabada
de construir ha pnucos inezes, tendo todas as pa-
redes dubradas, 3 sala-, 6 quartos, cozinha e dos-
pena lora, calc-ida em roda da raS. cacimba cora
excellente agua, tendo a casa 34 palmos de frente
e 60 de fundo, e o silio 100 palmos de frente e
420 de fundo, solo proprio, sendo todo o sitio cer-
cado e pertencente ao Sr. Manoel Ferru'ra Pinto
de Araujo, di>tante uns 400 a 500 paseos da esta
cao que se te de fazer no becco do espinheim
dos trilhos urbanos do Recife Olnda. Os Srs. pre-
tendemos podero examinar a casa c o silio e
concorrerem ao leilao:
fiiojr.
no primeiro andar do sobrado n. 6! ruada Cruz
primeiro andar.__________________________
" LELAO
da armajao, baldo e gneros da taberna
do Caminbo Novo n. 47.
Quarta-feira 10 de novembro as 10 horas.
O agente Pinto far leilao requerimento de
Tasso Irmao, e por mandado do lllm. Sr. Dr. juiz
especial do commercio. da arinaclo o genero* da
taberna do Caminln Novo n. 47, arrestada a Fran-
cisco Jos da Costa e Sdva. e de conformdade
com o mandado existente em poder do mesmo
agente, devi ndo o leilao ter logar as 10 horas do
dia cima dito na referida taberna.
De 6 cantas com ha preto marca G A M
ns. 13. 14. *>. 2, 24..
Qaarta-feira 10 do eorrente.
J. O. C. Dovle tari leilao. por cunta e risco de
quem perteneer e por intervenco do agente Pes
lana de A caixas con cb preto em m de acondcinnam<*nto vindas de Sonthampton no
vapor inglez Douro entrado neste porto em 25 de
outnhro passado e serio vendidas no dia quarta-
feira W do corrente, a- 11 horas da manha, no
armazem do Ann* defnmte da alfandega
LEILAO
Para
l'esta.
pascar a
laga se por preco commodo urna caa lerrea,
sita na povoaejio da Casa Forte,, defronte dos tri-
lhos urbanos, caiad i e pintada de novo com com-
modos para familia : trat.-.r no pat.-odo ''armo,
sobrad* de um audar n. 39, d-frontil da ordem
tei ccira do Carmo.__________________________
lla-itos !aBgalo*e baahoit doce
Alugam-se du.i> exeellenli-s casas para pksgar a
festa, sendo una na povoacao da Boa-viag'-m, c
outra sita m tuna da.- liielbores mas do Pncii da
Panella, tendo carimba om boa agoa de beber,
prxima ao rio Capibanbe : a tratar na ra Bella
n :<2i.__________________
Aluga-se un ama para o servico de .asa .
na ra Direita n. 29._______
PAItA ESCKIPTBlU
Aluga-se o 1* andar il >obrado da travs*a do
Coip'i Santo o, ^5 : a tratar no mesmi armazem.
Precisa-se do una negrinha para andar com
una enanca em casa de (india: ua ra de Hoi -
las n. B4, sobrad-._________________
Precisa-se de um caixoiro que teDba pratica
de taberna : no p.ib-> diTeieo n. 68.__________
Prens,,-8'' ilo ilous auiassadores
Senzala-niv n. 30 ______-
na ra da
O advogatio Joio Braulio Correa t
Silva u&mdo da rub icaCon ja o Suva,
e havemlo oulr.is iguaes. qujr do Ora eiu
diante osar do de J -a- Braulio. ________
Urna pessoa. pi opneiaria de tiui si-
tio n'um dos anabaldes desla cidade com
ptima baixa de capim, o qual acba-se a*a-
liado por 25:000(5000, precisa por aigum
lempo da quantia de I2:(KX)5000 tijaro ra-
zuavel,dando por garanta o dito silio;
quem quizer fazer esse negocio, qneira dei-
xar nesta typograpliia, em carta fechada com
a lottra B, as condices, sua atorada c
nomo. ________________ _____
Precisare
de um caixeiro para taberna, que tenha pratica o
d fiador a sua conducta : no pateo da Santa Cruz
nnmero 8. _______________
Precisa-se de urna pessoa que uuteoda de
bolear carro : na ra estreita do Rosario o. S, !?
andar, das 10 horas da manha s 3 da tarde, ec-
conirar com quem tratar.
Precisase de um holieiro eseriT forro,
que tenha hora comportamento : na ras t. 40
junto a ponte grande da Pastagem, a tratar das 4
da tanto at as 9 da manha.
Precisa-se
de um menino de 14 a 16 annos pan taisairo de
luja de cera : na ma do L'vramento n. 36.______
Ama de leite,
Precisa-se do ama ama sem Olho ap
bom leite; na roa do Livrainento n. 3, j
ailar._____________________________
Ama
Na ra do Codorniz n. 8 (Forte
oisa-se )pre-
O abiixo as_ig(iail annuncio d<> Sr. Custodio
fe 8 de novembro de 1869-
Aatmi Dnarte M
da*:
Ar
De %Q karrla le 5* coa Tlaho
O agen
de qaemj*
untos,
lotes a I
horas d|
i(ii n i o* rari
r a pama, o favor de ~
l_____F
nuneiar m
.. Puik
fc.:
IJ
L wiuam i
*w>'- <')_ ; ............."" m
--------____.------------------------,------------
'
'-
i

l
j


.....
ka^HaaaB
aas
alaBBa
Pernamb
O.'Hl
umita |.. na os niislercs da
milla. O aosso deposito de nao e telas a ru
te. ibnu iiiin essas obrai do pa-
^^^^^m razoavsis, visto
i muitoflucran-
i innr nesto aviso
berros volantes, balaios de
i- a andar, marac?, ceslinhas
l escolas, cadeiras de vime
iinpras no mercado, cone-
;, ar.frites idom iuVm, h.v
pira por fru-ta na mesa, ditos de
i'srriptorios o papel rasgado, ditos
grandes para deposito deronpas servidas. Outros
los balaios existcm aqu disposicao de todos,
sim como cra branca de pavio e rollo fino para
i.eender luies n.ns iprejas o casas particulares :
temos in;us de 2O0 varas do estopa emendada,
peras de :(), 40 e ;K) varas muilo proprias para
Srs. prensarlos encapar saetas de lia, a vara
80 ris. _^
No Pavill da Aurora, n_da Impcratriz
n.J, precisase de boa* ofll:iaes de alfiato para
todas as ro^lur<*. *
t o/inheiro e it rapia
n carauina: na ra
una pan
naeoa-
:itamenton. lli-
i aballo a*sigtiado vio oni sorpreza no
Diario de Pernambum do ii de uulubro, cutre os
despachos do Se. viiv-jiiv-iJonte o sen rumo com
aeroscimo .!; Cavalcauli, declara 1|no scnicIhMtc
iiome rao I lie nartence e em nada lito honra o o
repelle coin indignar", o ii>v nisso motivo para
sarvir de debinue e 'pratinhos a cortos entes dege-
nerado do 01 mi la, i| ie s,i so oceupam de ouvir e
HHRr, baixa e servilmente aos actos violentos
despticos de eerl > individuo apuntado pela opi-
niao pnhlioa como devasso, libidinoso, inmoral o
negrereivo, ik> n;na conduela lio roa t|tio quercri-
do entrar c:n urna greja ca oceasiio de novenas
foi-lhe fechada a porta na ostanuada cara com o
despreso que merece tVi abjerto e asqueroso
onte.Man iel Dionizio-Gomos i Reg.
Precisa-so de urna cosinheira : no Huseu
Joias, ra do Cabug n. 4;__________________
Casa para alugar
Alnga-so para passar a Testa ou por anno, urna
casa na ladeira da Misericordia, om Olinda, com 3
sals, 3 quarlos, cozinha fra, torraros com assen-
los de pedia o cal, na frente o atraz, e bom quin-
al oerc^dojatralarnola^
Sabo de alcatrao
Para curar as molestia* da pcll e
Mes como empingens, darthros, sarnas, comichoes
e inais molestias de pollo, sem occasionar accider-
lea ; desfaz as manchas do corpo, pannos, sarda*,
reslabelcce a cr natural, quanto a cutis, secca,
grossa e amarellenta, necasionando por alguma
enfermulade, o como desinfectante o preventivo
(Jas molestias contagiosas.
UNJCO DEPOSITO
Botica do Pinto, na larga do Rosario n. 10, junto
ao quarli'l de policia.
EMPRESTIIWO S0BRE1
Con vi
jr
nma Minora do mai
pre bnis costumes, para servir de pumpanhia a
urna oulra senhora casada com muito pqiicna
familia, dando-selR'iB tralamcuto : a fallar na ra
do Calinga, loja do cera. __
Att&ico.
Pergunlei familia do Sr. B.....aonde exista
i)seu baptisterio da sua fidalguia, naodihra
-foemeomnetir, pois s n que nao nao pagaes, e que
desde 1830 at 1830 ja e>tou convencidodos seus
ironcos, p i nunca foram fldalges, nao sSa, B nem
-iuu lempo algiuii ha d ser ; e nao declaro porque
afra tem mais vergonha nos pos do que o se-
nhor na cara, como dizer que sao bem conhecidos,
sao como inslenles d leberibe, como assassinos,
*]>eis me (Miz assa-sinar.
Aluga-se^urnirTaa com .lons qnartos do *
andar da ra do Imperador n. Ti : a tratar no
mosmo andar, das 6 a 0 horas da manhaa.____
Beberibe,
Aiuga-so na povoario una casa com trastes
na ra da Imperan iz n. Vi. ^__________
Precisa-se de urna ama hvre ou escrava que
ozinho com perfeicao : a tratar na ra da Sonza-
la-velha n. 8. ____
Aluga-se
nova de Sanio Amaro, e vendo-se urna : a tratar
<*flm Antonio Jos Gomes Jnior cm Santo Amaro.
Nn praca da Independencia n. 3J se da di-
nheiro sobre penhores de otrro, prata o podras
preciosas, seja qnal for a quantia ; o na mesma
asa seeompra o vende objec'.os de ouro e prata,
e igualmente se faz tuda c qualquer obra de en
eommenda, o todo < qualquer concert tendente
mesma arte. __________
Aluga-se um sitio no lugar do CaldeireirO,
junto ao sitio do Illm.Sr. Dr. AlcoforadOj com casa
e fructeiras, lendo no fundo bnho : quemo pro-
tender dirija-so ao e-crptnrio do Htm. Sr. Dr. Ai-
coforado, ou no mosmo sitio, sendo o aluguel pelo
tempo do festa, prfere-se a possoa solteira, ou
que tenha pouca familia._________^_____
Srs., maldade.
Responda quem sonber a perguntas segninlcs :
Ia Quem o exportador do inmenso numer"
de crioulas que enlram no armazem ou trapiche
administrado pelo honesti temos certeza de que a maitria das casas expor-
tadoras recommendaro *.seus agentes ou correto-
res geraes qno nao fagom com as .ine>nias ti an-
Meci alguma-.
2" Seos algodSes que conten aquellas crionlas
tem boa ou m origem, c se linalmento sao das
espeluncas.
3* Quem o respons^vd pelas reclamare que
tem ciegado -dos morcados da Europa, em dis-
rredito de nassa provincia nao srno as referidas
crioulas trocadas nos aclos de embarque pelas
sertanejas, trazenno assim prejuizo eertu anie
lucro immediato o vantajoso a oniro, <|uc depms
as vende como partidas boas. So responderem
com pillado nao voltar mais
O inimigo da hypncrisia.
PERFUME 1N EXTINGU YEL.
, Paiia o Lenco, Tolcvdor, e Banho.
(SEM LIMITE.)
Na travessa da na
das Cruzcs n, 2, pri-
| meiro andar, da-sc qua-
m qner qnantia sebre ouro,
prata c podras preciosas.
O dono deste estabelecimento,
competentemente autorisado pelo
governo, est as condicoes de ga-
rantir a transacca que so fizer em
sua casa, prometiendo todo e zelo
e considerarlo s pessoas que se
dignarem de honra-lo em sen esta-
S belccimento.
Na mesma casa compra-se ouro,
S prata e brilhantcs.
inmni
Crlade.
No caes de Apollo, armazem n. 71, precisa-se
de um cria o para compras o alguin servido em
um pequeo sitio. _____-___________
Precisase
de um mi loque de 14 a 1G annos pora

Hs:
m


f C
m
o
5. y- 2 a
joias em urna tablela : na ra
A, loja.
vender
do Cabugii d. 7
AMA
Precisa-se de una ama que cozinhc, para fami-
lia pequea : na ra Nova n 45, 3" andar._____
O abaixu assignado faz sciente a quem pre-
tender arrematar a ca^a que se acha annnnciada
pelo agente Puntual, na estrada de Joo de Barios,
oerteneente ao Sr. Manoel Ferrara Pinto d A-
i-aujo, que dita casa se acha hypothecada ao an-
nunriantc.___________________________
Precisa-se uc una ama para engommar o
eozinhar para Juas pessoas de familia : na Ca-
punga. ra da Amizade n. 21._______________
Aluga-se o 3 andar v soto do sobrado n
:i, sito na praca da Boa vista, tendo commodos
liara grande familia : a tratar na ra do Alecrim
ii. 30.
- Alugam-se duas casas terreas sitas no Man-
Ruinho a margem do rio, reeommendaveis pela via
frrea : a.tralar na ra do Vigario n. 31.
AVIS
Nous prions instamment nos abonns de
tious faire parvenir leors ordres de rennu-
Aellement de joornatix pour l'anne 1870.
Le catalogue cotnplet des journaux fran-
jis, anglais, allcmands, portugais d- av c
es prix & conditions d'abonnemeat est
la disposition de tome persunne qui nous
tn fera la demande. Pernambuco f> no-
vembre 1860.
fo Ijailkacar & C.
9RU DU CRESP-9.
\
i'
Fuidantlo-se em 31 de dezembro oroxi-
tqo as asiignaluras do jorna^p de Europa
do anno de 1809, convidamos pois nosaos
assignantcs de determinar-nos se pretendem
continuar para o anno de 1870, com as
(iiesmas folhas e mais escotner algum otro
peridico.
Neste fin temos offerecer quem pre-
cisar o cathalogo ou lista de jornaes france
763, inglezes,, allemles, rxirtnguezes, etc.
indicando os precos e condicoes das assig-
nattiras. Pernambuco, 5 de novembro de
1869.
fe LnUhacar & C.
9RA DO CRESPO9
Precisa-se de uina criada ptima cozinheira :
na ra da Codeia do Recife n. 57. __
Nlo mais cabellos broncos.
A tintura japoniza para tingir os cabellos
da cabeca e da barba, foi a nica admiltida
Exposico Universal, por ter sido reco-
nhecida superior todas as preparacoes at
hoje existentes, sem alterar a sade.
Vende-sc a 1->0IH) cada frasco na
Rna da Cada n. 51.
1. andar.
Na ra da Moeda n. 5, 2o andar, escriptorio
de Manoel Al ves Ferrciri & C, vende se vinho
verde superior em -iarris, ancoretas com vinho do
Porto superior e malvazia branco.
Precisa-se de um eriada para ludo servifo
de hotel, paga-se bem, prefere-se escravo : a tra-
tar na ra estreita do Rosario n. 11, hotel Lisbo-
nense^__________________________________
Alugam-se duas casas nos Arrombados, para
fesla, tendo cada urna commodos para grande fa-
milia, quintaos murados e cacimba meieira. e ba-
nho ao p de casa : a tratar na ra das Cruzes,
segundo andar n. 24. __________
Precisa-se de um cozinhniro ou cozinheira
Hvre ou escrava, e boa conducta, para o hospital
dos lasaros : a tratar com o Sr. mordomo ae mez,
ou com e regente no memo hospital. ______
O Sr. professor de msica Jos Coe-
llio Barbosa, tem urna carta nesta typogra-
phia.
AMA
Precisa-se de urna ama para tratar de meninos,
que tenha boa conducta : a tratar na ra da Lin-
goeta n 4.
A irmaadade das almas da matriz de Santo
Antonio precisa de um capellao para celebrar as
missas da madrugada nos domingo o dias san-
tos, a comecar no !. de novembro prximo : o
Rvd. Sr. sacerdote que se quizer encarregar dessa
capellana queira ter a bondade de entenderse
com o llvd. Sr. vigario, na matriz.
Consistorio da irmandade 23 de outabro do
1869.
O eserivo
Manoel Camello Possoa.
A MU AFAMADA
A^GUA DE FLORIDA,
DE
MIRRIY dr. MXMIS.
He o mais delicado e mimoso e ao mes-
mo tempo o mais- estavel de todos os per-
fumes, e encerra em si, no seu maior auge
de excellencia, o proprio aroma das verda-
deiras flores, quando ainda na sua flores-
cencia e fragancia natural. Como ummeio
seguro e rpido allivio contra as dores de
cabeca, nervosidade, debilidade, desmaios,
flatos, assim como contra todas as formas
ordinarias de accidentes ltyslericos; de
summa efficacia e nao tem outro que o
iguale. Igualmente, quando destemperada
com agua, torna-sc um dentifricio o mais
agradavcl e excellente, dando aos dentes,
aquella alvinae aperolada apparencia lid
altamente apreciada e desejada pelas Se-
nhoras.
Como um remedio contra o mau balito
da boca, depois de diluida em agua,
summamente excellente, faz remover neu-
tralizar todas as materias impuras que se
criam roda dos dentes e das gengivas,
tornando-as duras, sadias e d'uma linda cor
encarnada. Quanto a delicadeza, riqoeza
e permanencia do seu fragrant aroma, ella
por certo nao tem igual; e a sua supe-
rioridade sem rival. Ella igualmente tor-
na-seum meio.mui excellente, para fazer
remover de sobre a pelle do rosto, toda a
qualidade de brotoejas, ebulices, sardas,
pannos, manchas, impigens espinhas.
Quando se queira servir del la como reme-
dio para fazer desaparecer qualquer um
destes disfiguramentos, e que tanto desfei-
am asflndas feicOes do bello sexo; devera-
se usal-a num estado de dilluicHo, destera-
perando-a n'uma pouca d'agua ; porm no
tratamento de qualquer espinha, usar-se-ha
delta pura em toda a sua forca. Final-
mente como um admiravel meio de com-
municar as feicoes trigueiras e paludas,
urna pelle macia e d'uma transparente al-
vura, dando-lhc urna linda cor de rosa :
para um tal fim, ella leva a palma a todos
os perfumes que se teera inventado at bo-
je, e existe em plena soberana sem rival.
Bem entendido tudo isto se refere nica-
mente a Agua de Florida de Murrat
Lanman.
s imitaces que se tem feito na Franca,
Allemanha, assim como em outras partes ;
sao inteiramente inuteis e valiosas ; por-
tanto recommenda-se mui especialmente
s senhoras, que tenham toda a precaucao
e cuidado, de quando comprarera, estejam
certas que compram.
A Gkntina
AGUA DE FLORIDA -
de
MURRAY d LANMAN,
A qual preparada smente pelos nicos
Proprietarios,
LANMAN d- KEMP, DE NOVA YORK/
Acha-se a venda tos estabe lee meatos de
A. Caors, J. da C. Bravo, A C. P. Mau-
rcr & C. A. A. Barboza Bartholomeu, & C.
Prcoisa-se de um creado par* todo ser vico
do hotel, paga-se bem, prefere-se scravo : a tra-
tar na ra estreita do Rosario n. 11, otel Lisbo-
nense.
Precisase de um ofncial de cliapeleiro : a tra-
tir na praca da Independencia ns. t 9 6.
" Preeisa-se de urna ama par? ira lar de urnas
uieniaas : na ra da Penba n. 23, 2* andar.
Aluga-se urna grande casa, sita nn largo de
Santo Amaro das Salinas, com os seguimos com-
modos : 4 satas, 1 gabinete ao lado, ."> quartos, 1
espacoso copiar, eozinha fra, ca prelos, e um grande-tanqne para dnposito d'agoa,
tendo busiante terreno, tudo cercado para plan-
tacoes.com embarque e desembarque no fundo
que vai at o aliniamento da ra da Aurora :
quem pretender dirija-se ra dos Regos, casa n.
i, defronte do antgo quartel de cavallaria, na es-
trada que vai para Olinda.
(fi
O^
!o?
>
5 9 >y
m
Precisa-se do uina ama que saiba comprar
e cozinhar : na ra larga do Rosario n. 21.
2.
J
n
er o-
g D-es.
rr m c
^v*
8SS-
.'rocisi-se .lugar una ama t-erava que co-
zinhe e engommo, para urna casa de .familia de
duas" pessoas, e paga-se bem ; na ra Direita n.
ii] Io andar. ;-, ..._. _______
A fuga-se
urna cata em Beberibe : a tratar com J. I. de M.
Reg, ra do Comraercio n. 34.
CONTRA FOGrO.
A Companbia Indemnisadora, estabelecid*
testa praca, toma seguros martimos sobre
navios e seus carregamentos e contra fogo
em edificios, mercadorias e mobilias: 3
rna do Vigarion. 4, pavimento ter eo.
Joaquim Jos Gon-
calves Beltro
RA DO TRAPICHE N. 17, i. ANDAR
Sacca por todos os paquetes sobre o Ban
m do Minho, em Braga, e sobre os segoin-
tes logares em Portugal:
Lisboa. u
Porto.
Valenca.
Guimares.
Coimbra.
Chates.
Viseo. f- \
Villa do Conde
-Arcos de Val de Vez.
Vianna do Castello.
Ponte do Lima.
Villa Real.
Villa-Nova de]FamaIicao.
Lamcgo.
Lagos.
CovltltSa.
Vassal (Valpassos).
H" F riLOBB
N'ESTA ASTIGA E
FABRICA

IIGtRTU II CtlSTlHTElIBTI lili CHIPtlTO IIIT1IIBTI I!
CHAPEOS DE SOL:
De. todas V quadades I
De todos s latios I
De todas os procos I
RA DO CRESPO N' 4 ,
^PRODUCTOS de J.-P. LAROZE
PHARUACEUT1C0, 3, RU DES LIONS SAIHT PAUL, PARl.
XAROPE DEPURATIVO
DE CASCAS DE LARANJAS AMARGAS
Com IOBlllUTO de I'OTVSSIO
0 Iodurcto de potassio nm vcrd.idciro alterante, um depurador de incontestavel effi-
cacia; combinado com o xarope de cascas de laranjas amargas, e aturado
sem perturbsco alguma pelos temperamentos os mais Iracos, sem alterar as fnnecoes
do estomago. As doses maihemticas que elle conlem pcrmitiem aos mdicos drreeeital-
para todas as complicayoes oas alTccci s escrofulosas, tuberculosas, canos-,
rosas e nos accidentes lntermitteutes e terceiros alem d'ieso, 4
f ente o mais poderoso cernir as doenQas rheumaticas.
XAROPE TNICO ANTI-NERVOSO XAROPE FERRUGINOSO
de cascas de laranjas a nlaamarr.
E' sol) a forma li-piida qoem
le se ar.simila o forro; n'csta form prefo-
rivcl as piliilasepastilliasentodosocato,
cm que so prescriptos os ferruginosos.
da caacaa de laranjas amargas.
35 annos de successos ailestfio a sua effi-
cacia para curar: as doenfitt nervosas,
agudas ottfhronicas, as gastritis, gastral-
gias ; e facilitar a digestdo.
DENTIFRICIOS LAROZE
COM Ql'INA, PYRETIinO E CAUCO
Elixir denttrricio, para a alvura e con-
servacao dos dentes, curando as dOrcs
F dentifricio, rom base de ttuxgnnim
para a alvura e conservacio dos dentes,
causadas pela caria ou producidos polo provenindo a descarnadura, provocando o
contado do calor ou do fri I trtaro de que empede a reprodocao.
Deposito em Rio de Janeiro, E. Cheolot; cm Pernambuco, r Maurer e C; ea Mactt,
Falco Da; em Petlas, Antera l.elm; em Baha. Da Rocha; em Porto Alegre, imm
Bella; em Uaranh&o Frrrelra r C*f em Ouro Preto, C. t. V \\ elcraaa ( em Sania CuUa>
i ria, s. Sebatel) em Montevideo, O. Imbert) em Duenos-yret, Elebeaareharda..
Oo xafopfe-Vejetal Aetn) 'esDecfalidadc de'Brtr'orr.i
34,RA LARCA DO ROSARIO.34.
Nca coiumamoi proearar attestados para acreditar
oos-os preparados, e deivmos que sna pplicaco e os
resuludo obliilos pelas peneoasqoe se Jigntraracceita-
loa. Ibes deem cradito e Toga ; porque ti tempre ot
Ittesiados coosiuerados frauulos, a delira qoe lasca
mo o cbarlatanMBo; mas ni qoereodo ofTender as pes-
soasqneespoutiBeamente nosofTerecerm.osqpe ibaiio
rio transcriptos, os faaamos publicar mtnifesUBdo-Ihes
nosss gratulio pela llencao. esparando que Tenham
Hles corroberar o coneeito, e acceitacao qoa lea mere-
cida aosso jarope. BarlMomto C.
arrtsTioo*.
Illms. Srs. Dartholomeo A C. com a mala subMa
Mtisfseao qoe declaro se/ o xarope Americano de orna
eflcaei extraordinaria, pois que sotTreniio ha das de
inteaia tosse, i ponto de nlo poder dormir a noiie a
espeilo mesmo de medicamentos que tomata, a elle
recorr e na lerccira colbcr tui alliviado, e de lodo me
acbe boje restablecido com o nto Cementa de qnasi
eio frasco: grato pois i esse rnnollado manifest a
Vt, Ss. meo reconhecimento. lie Vv. S. tmigft. re-
nerador e oLrigado. Manoel Antonio Niegas Jnior.
Sna casa 20 de abril de 18C8.
Illms. Sn. Barlliolnmco 4 C. Penhomdissimocnm
o favor que me Uieram de aroncelbaro uso do xarope
Vegetal Americano, do sna composicio, qj
sebera bastante doenle de urna coaslipaco, qoa
tornoo completamente rouco e qoe trouxa oata tarta
tosse, e me impossibililoo de cumprir os moas avaras
de cantor da emnrexa Irriea, too Vradecer-lkas **
completo restabelecimeolo. qu oblive coa tas si Tiara:
do mesmo xarope, depois de liaver recorrido a aaailaa
tratamentos. Dcsejarei qoe oatros como est rasarraa
ao seu xarope para se verem aliviados da tas farrival
incommodo, to tata] oeste paix. Coaa autor caaaiar
raco contino a ser de Vv. Sa. altelo, reaeSadur
obrigado. Loa Cremosa. Becife 33 aaHaifcra
de 1868.
Illms Srs Barlholoraee 4C0 xarope VgStat Ame-
ricano que Tv, Ss. leO exposto veada 4 # loa fS-
cacia para o curativo d'astbma, eanforme obstrrei ap-
plicando-o a meo filho Joaquim, menor annos; victima d'tsac Dagetlo. qoe ale alia par estoca
excedente a dous annos baiia ratistido aotiiaaaaaraaas
de grande nomeada. Queiram pois Vi. S. acetilar
expresso altamente sincera de meo reconbeciiaealo ao
meritorio servifo que I lie prestaram eon> o Miaaoa
xarope, arredilndome para sepre a* Vv, G$. sliaisy
atiento e obligado. Amrrico Nalto de Mundonca.
Recife 2 de oulubro de 1868.
MDALHA A EXPOSIQAO UNIVERSAL DE 1867
Tari a Superioridarie d'a
%s
InMlada or LE GR AND, Perfumista do Imperador fes friBCMM.
PARS. 07, Hua *i:iisst-Hoiiort;, 07. PAIUS.
CRKME ORIZA ORIZA LACT
LF.1TE ANTEPHEUCO
Para rtfrtiear, mafaiaar e iiaVeer a prt'>, fmund
ietff\rteir ut nodokl a al sarita*.
DE NIKON DE LENCLOS
Par dar fracura d i-tlle, destruir as rugai da cora,
eomerrar (rnameafe o belleza di jurentule.
SABAO OttlZA....... D'um.i massa excesivamente suave e il'iim perfume dos mshsVIicado*.
OHI/.A-C.F.AMmoossecsc Mas
OHIXA-H.OsD........ fomailafnrlilicantcenutiilivu para coii*enari*cabellos c. nipiililosdc qlWbiarenw,
OIUZA Pllll.OCOMK.. Telimo de boi c oleo de avela coin base OjlIZA-OIJ........... ():"> linissiiiiii pcrfiimadn para Inslr. r "- cabrilla rBi|icdi!its'4e iKiebrarr.
OTlZ\-nitll,f,ANTlNF.. Cii-T.iliisutlo cun vilela, para d.n brillin ai cabellos- a barba.
Olll/.A KI.UWKRS----- Apna iiicouipai avel de mu perfil uc Miase c delicado, para fortificardo la artle,
HIZV -At'.Ilil'I.IM.. Vinagro (o loucador, ai nma t anlcpliiliro.
I.SSKN'K OI'.IZA..... IVil'inno concenlraili. para os lencos pn.ducto milito delicado.
OHIZA I.YS.......... Perfumo do bom tom e da alta scieilaile paia os ieofas.
OHI/.A-r'H\!)KP.S___ Floaadc arroa da,Carolina pra a cara e a belleza Jo pdb?.
ORIZA-DKNTinilCI-:.. I'ara aejar os denles e conservar as sciigiins.
Olll/.A DSTAllili ... Nova mussi para alvrjar os denles sei ilflruir o-esmalte.
AGUA TNICA DE QUINA E POMADA DE BALSAMO DE TANNINO
rara liapm e saliaridid di cnkeja, faililicaaiia ai ule las, i empediaaa ai tikir < si twih trmtr raiiteanlf.
DEPOSITO CERAL na Caza Je
E em Caza de todos Perfumista* do Brazil.
RA
DO
SI CABUG
esquina
[da roa larga do
Rosario.
Este importante estabelecimento no sen genero, 'tem sempre nm sortimento jem ignal,
e vende por preqos que nenhnma ontra easa pode vender.
vista da qualidade e do prego das joias cada um pder-se-ha convencer daverdade.
Garante-se ser tudo de lei. Compra-se ouro, p i^^^l
vados.
A '^ ftfltat TaflllTsaal it fi^
CABG
da rna
m



Diario de Pernanifeuco Ter^fc feira 9 de Novembro e 1869
M

Mikroskope achroma- f
tjsehen. Qbjetiv Lin-^^ \3
--------
Barmetro e terrao-
metre. Centgrada
e rcuumeure.
2. 5 w ? < = o
o c s = 2. it
!t O M tf) < 3 &
8|gi-gSS?8
HlFri!
o 9
gl.3o2a
9
o-P." 3
O c
W> 3 O
9- o- 3 2 2
w e i es n ff1
re
i5-

_ re os
o S 1 g
ii-i-r 8e
S 2-sr = ^-2^ 8
g O. re 22 ? = re -


re
3
va

N 2 _, a: a
-j re r> a, 3
re os re
a
n_itircr=.fl
* os 3 a. o



0L1L0S PERISCPICOS
E crystal de rocha do Brasil.
F. *. Cirnala, recommenda ao publico, seas vidros periscpicos aperfecoa-
dos; porque, com este.1 vidros, a vista descanca, fortifica-se e nao a canea como com
os vidros ordinarios. Urna vez cscolhido um vidro, pode durar dez annos, emqoanto
que, com os vidros ordinarios se est obrigado a muda-Ios todos os annos e os ter
cada vez mais grossos, o que altera o crystalino do lho e determina qnasi sempre do-
res decabeca. 0 alcance ordinario da vista 6 perto de 30 centmetros do lho, e,
todas as veres que o objecto est mais.perto ou mais looge, os raios que expelle s5o
mu convergentes ou anu divergentes e, a viso nao perfeta. Um grande numero de
pessoas tera o defeito de fazer convergir muito de sorte que a visao nao distincta.
Com a applicacao de meus vidros pde-se vencer estas difficuldades. Para os que tena
a vista curta e cojo crystalino mui convexo (o que faz ver bem, de perto, e mal de
lojge), o que se chama myope, por meio de um vidro concavo affasta-se o ponto de
vista, o que faz divergir os objectos e deixa ver tSo longe como is outras vistas. Quan-
do o crystalino muito chato, o que succede aos que tem ebegado a urna certa idade,
o que se chama presbyta, vem melhor de longe que de perto, e nao enxergam senlo
um nevoeiro na distancia ordinaria da vista; com um vidro convexo, estes enxergaro
tao distintamente como na idade de 15 annos.' Servindo-se destes vidros quando e
vista principia cufraquecer, previne-se o mal.
p. 4. Germano encarrega-se pela sua experiencia, tendente aos olbos, a es-
colher, a primeira \isla, seja qual for a idade egro de vista, ocutos proprios para
qualquer pessoa,
Para que sao fabricados estes vidros ? ?
Nova loja de calcado
JOAQUIM MAS DOS SANTOS 4 C. acabaa de abrir um estabefcenento de ot-
eado estrangeiro a ra Nova n. 110, onde o pablco encontrar todo o qne neste ge-
nero de commercio ha de melhor e de mais gosto em Pars e Londres.
Por todos os-vapores transatlnticos recebero elles constantemente rcmessas de
calcado novo, pelo que ter sempre o estabelecimento o que a respeito se poderi-
gir. Ao publico em geral e a ser. amigos em particular, pedem a cooperacio, Ibes possam dispensar, certos de que serao servidos com lealdade.
Para a vista myope, (vista carta).
Para vista que se cobre de nuvens.
Para a vista que por momentos, v es-
voacar pequeos pontos negros.
Para a vista que as palpebras tremem
de fraqueza.
Para a vista que os olbos sodesiguaes.
Para a vista que se torva cora o traba-
Iho e a leitura.
Para a vista presbyta (vislagalon ).
Para a vista que nao supporta os n
solares nem grande claridade.
Para a vista operada da catarata.
Para a vista que as palpebras esto cer-
cadas de sangue.
Para a vista que um dos olbos myope
e o oulro presbyto.
Para evitar finalmente que o crysiabno
do olho se cobra de catarata.
i
v
a -
3 e,
i i
Mf9U
fW
a

Pocos tubulares instantneos de patent*
Estes pocos foram espalhados na Euro-
pa, tanto que, qualquer duvida do seu
grande valor pralico deve desvanecer vis-
ta das grandes vantagens.
Milhares de exemplos mostraram que
elles sao de grande til idade aos industriaos,
agricultores e particulares; at em todas
as expedicSes militares dos ltimos tempes
foram usados para procurar sera demora
agua fresca e pura, e (anta qoanta se pre-
cisa va.
Em todos os lugares, onde um poco ca-
vado ou furado pelo systeroa antigo) daria
agua, pde-se empregar 05 pocos tubulares.
Elles facilitara achar agua muito mais
depressa, mais cristalina mais fresca e
mais barata do que por meio dos pocos
cavados.
0 systema dos pocos tubulares o ni-
co pelo qual se possa obter agua perfeita-
mente pura, livre de todas as substancias
nocivas e preservada de todas as influen-
cias aUimospben'cas.
Por meio de urna machina muito simples, consistindo d'um macaco, mpelle-se para
Jeatro da Ierra um tubo d* ferro, cuja extremidade inferior est turada e munida
d'nm.i ponta d'aco; e logo que a sonda mostra agua no mesmo, deve-se atarrachar
a bomba e faze-la funecionar. Ao^incipio a agua ter substancias arenosas e terreas,
forera logo se clarifica, e em pouc tempo sahir agua peffeitamente lmpida.
Outras vantagens que aprsenla este systema sao:
Primeiramente, a promptijjap com que se execula toda a obra do tseatamento, que
UiUS vezes nao leva maie de urna hora, sem remoco algoma de trra: "
Segundo, a commodidade qae elle offere-ce de ser nio somente cobocado fra da
tsa, como tambem dentro da mesma, com "3o menor facifcdade :
Tercpiro. a fcilidade com que se tira para fra da trra o poco sem o estragar
fara o collocarem noutro tegar:
(juarto, a grande qnarrtidade d'agua que elle pode dar:
%iinto, a possjbilidade de tornar, uteis com pofleo trabalbo, por raew delle os po-
dios mados que foram estragados pela arca ou por outras causas.
Ptcisando-se de urna grande quauidade d'agua pde-se miroduzir aa tora di-
tarsos tubos' unidos uns aos outrog porjueib d'um apparettio muito himples.
tai lagar das bombas aspirantes geralmente usadas, pde-ee fornecer bombas de
coropreseao para -elevar agaa o cowdoai-la aos andar s superiores.
O <*>prego dos po^os tiibiitarea abre ludo proveitoso aos fazendeiroft, ue em
Wfcioercampo onde o gadofMsa fl-agwa, os podem enllocar e aSScTEeira se-
collocados onde mellior Ibes convier.
^ P ^b^m de grande utiWidade aoe fabricaBtes de cerveja. aos dntiHadores e a
*0os os fbncantes em geral, e com especialidade aos empreitekos, arcbectos.-ea^
fflDhi|iro8 e todos aqnelles que precisam de quantidade d'agua por tempo detercaibadoD
tste methodo o unieo p.ira obter em qualpuer parte agua, que seja ^ede par-
culas nocivas, elle tambera Broveitpso aos propnetarios de easas e'iardioi, tanto
t o uso diario como para regar a plantafSes e capim.
Sortmento de binculos
para tbeatro, e oculos do
alcance par* o campo e ma-
rioKa.
Lunetas, pmce-nez e
face--main> ouro, piala,
tartaruga, bfalo, ac,
etc., ete.
Tcm tambera grande sontimento.de rolqgios para parede, que dio horas e para
cima de mesa dos tfmi lindos modelo Relogios para algibeira, de ouro, prata, prata
dourada efoleada, ioglezcs, saissos e orisontaes dos melhores e mais afamados fabri-
cantes.
Vendas cm gross e a retalho. Em Pernarobuco.
N. 21=Rua govaN. 21.
xea*aiunicar
car aos ^
parftie a i a carnada que contm agua ; 3o em que foecie de cantada i acha a i
aio-JIe logar: *. finaBlm^te a qoantidad d'aua que se pede por bora.
A oflocacJa a po?o (lea por eoBta do comprador otrurecendo-se porra a ampre-
atar o apparelbo de assentamento mediante urna retribuicao a wosencio-i
ar, a aial ji regar peto temp) que se achar fra.
Tamben! encavga-se de mandar urna pessoa habilitada
fl. pa! (prador alm do afigfto e desbezas ^e *
lOi-aa^prwagieaie eoaaencionado. ^^ ^^
---------------- mais es,c!arecHaeat?a wgpeito a tratar na loja do Sr. F.
A' ra do Crespo h. 20 A, esquina da ra das Ouzes.
Alvaro Augusto d'Almeida A C. pnrlecipam ao respeitavel publico, e com es-
pecialidade s Exmas. Sras. nur. o seu amigo e acreditado estabelecimenio ra do
Crespo n. 89 A, de pequeo que ota, acaba de ser transformado em urna bonita c vasta loja
de fazendas finas aonde pela fiua localipide eampjidao, o publico nSos ter todas as com-
medidades para fazer suas coi., pras, cerno acha-lo-bo desde j prvido de um variado e
esfolhido sor tmente de fazendas finas e grossas, o que tudo se vende por procos mo-
die.
ste estabelecimento, apezar de estar j bastante conhecido, os seus proprieta-
rios tem resolvkloentiiula-lo por LOJA DOS ARCOS, para evitar equvocos, e torna-lo-
por esta aaneira anda mais popular. Eocontra-se nesta loja
Ricos cortes de blond e de seda branca para noivas.
Ditos de seda de cor e pretos.
Brochad de seda, fazenda interamente nova.
Foulard idem dem idem.
Laas de muito gosto.
Cortes de cambraia e chita Maaia Antonelte.
Satas bordadas, camizinhas, espartilhos, balloes, basquinas, fichas, sombriahas
biva6 de pellica, chapeos etc.
Ha tambera constantemente um completo sortimento de esteiras da India para
forro de salas, assim como alcatifa, tapete, capachos e mitos outros artigas, qt serirjpor
demais mencionar.

>

3>
l
"i
ANDR DELSUC
C01EITAM4
16-RA DA C
CABELLEIREIRO
7 A Eua do Crorpo1/ andar 7 A
ENCONTRAR-SE-HA sempre oeste estabelecimento um variado e.booitOfcOjl
mrito em perfumaras francozas e inglezas coja lista damos aos leitores.
LUYAS Marca garantida de JOVIN.
EXTRACTOS.De sup<;rior qnalidade marcas LUBfN GOSNBLL.
DITOS FINOS.era frasquinhos proprios para presentes Labio GoeneU.
POMMADAS-^anha fina de varios cheiros--Lubjn.Gosnelle, Societ HygiBifae
SABONETES.finos para toiletteLubm & Ropelas.
AU DENTIFRICE.agua para limpar denlesSociet Hygioique Lubm d P.
AelTr.
Ha diariamente bollinhos para che, bollos inglezes, paes-de-t, presento, dito
fiambre, superior cha Hisson, dito preto e miudinho, tarops refrigerantes, vinbos en-
garrafados, doces em calda, ditos seceos e crihtalisados, figuras parajbandejas (phantazia
e noi vado) caixiahas com amendoas para preco commodo.
Recebem-se encommepdas para bailes, baptisados e casamento?, as encom
meadas para fura serao bem acondicionadas.
Plan pudding. |
Apre col. puld. WarraDled superior qualite.
FAHK.4 w mm
J. nnigass, stHjeessur
41Bw do Imperador55
BRILHANTINA.para lustrar a barba, e os cabellos-Lubm.
AGUA DE GOLONHA.Marca verdadeira de Joo Marina Farrea.
COSMBIKH}.cheirosoLubin.
POZ DE ARROZ.ditoLubin.
HUILE DE SENTEURCHeo para conservado d oe cabe I losSociet fygAwm
ESCOVAS FINAS.para cabellos, denles e unhas.
BLAfflEAU.Pincel para barba.
GRANPOS.para cabellos.
RE OES INVTSIVEIS para cabellos.
GRAVATASNDISSIMAS.do melhor gostoj
HNGALAS.de phantasia, para passeto e de diversos tajnaabos etc., etc., etc.
A la parfumerie^ar8enne.
7 A RA DO CRESPO 1. ANDAR 7 A.
m .1
CASA FELIZ
Aos 20.000f000
AMA
Kesta aobga e bem coobecida casa, encontrar-se-ha como oatr'ora grande sor-
timento d ;pwwa consiruidoa eaprassamente para o clima deste paiz, e Mr. J. Rhigass
tendo trabalnado muitos anoos na construeco de pianos em Pars, acha-se habilitadOi
a preparar gMaoos qw| *ende com todos os accesoiios indispensaveis nao a i sua
olIJez, como i sua du e estabelecimento, grande variedade de msicas novia e dos
d*a.*op dOvItP de lm-Q, que se a*ai|
rabroo qoe em oatra qualquar pane; aeeim como ha igualmente venda todos o>
? dft piwo.' OHHcertoa e afioacota 4 pumo serio
^W^f>fp^ mi i iii i n mi
NaReeifearcoda Gomeeleoai. t
Os abaixo assignados lendo-se habilitado ni
forma da< leis, tem expnsto a venda o us felf
zes bilbeUis das lotera* do Rio da Janeiro, na ca
cima, aoade se pagarSb a aaries que sahirem
dos mesraos billicies, com -p doscoo*} sornaa*
da lei.
PREOG*
Bilhete inteiro lfc*000
Meios 13*000
Quartos *000
E *e *00* para cima a 1S o biUjato.
'______ Figaeirada& Mtte.
Om moga de idade de f
Superiores cortes Se p Tcaile com barra, para vestidos a d cada corta
Lindos cortes -de gne ie seda com 18 ^^
[preco de 5JO0O ca V tiaV_____^
MSos. cm ronit
boa ttlbo de letra, -abendo ariimetiea, traduzii
fraacez e inalez, otTerece-se empregar-se em ai-
gama casa de conunereio, dando fiador a ana o n
auca, *o for preciso : qnem precisar dirija-se a
nu da Matriz da Boa-vista o ?6, i* aadar, ondr
86 i|aii inrurinacus a respailo, oa aaaaMe po
esuj Diario para er arociuado.
Attenpao.
Stcethirio da urna ama forra ou tpiita qne
Katla lawr, enaomiuar e coMaaer ^ara eaaa de
familia : a tratar ou largo do Corpo Sanio n. 6,1
Precie-*) de ama ama que taa* Mota ia*.
travossa dos Pires o. 20 sitio de Jeriqaiti.
ifludanpa.
O Dr. Prancisco de Paula Soarw, ma^J
l dieo, mndou-se das Ciaco Puntas paraal
f ra Augusta, sobrado n. 116.

AVISO
301
Roga-se ao Ill. 9r. gnacio Viera de
osenv o da ftidadoe aartt> desta p
i favor do ao piaso de l&diw ir ou m
ra do Imperador h. |, par eoadwr
negocio, que ba 4 annos ja foi por ese
nal mamado para o concluir, e qne acud
aquelle "nnnnrin ^niiamn Mj^ljl I" em
e de aovo eroucimia'idatet"^nnuoci
pera que 8. S. o dispensar de vir amda ao
para este m, us e for a isto obligad*
MryagjHp
blialU ItecifcTl
-furUram
Agaa-Prota,


a**
~
Diario de Piiambuco Terca feira 9 de Nwembro de 1869.
LU DE JOUS
DK
IE.
Aviso ventajoso para os sa-
nhores (foengenho.
N. B.Pratiea, paciencia, e cm poucos teinpos.
Um estrangclro rom ortica msts de dez an-
na do ter j onrinado era alguna ojwnlios dosta
provincia, se offerece a qualqucr scnhor de enge-
nao para ensillar nao s as priujciras leras corno
o franccr com petfci^o e em poneos tempes :
quem pretender dirija carta fechada rom a sua
residencia, na ra das Trinchciras n. 50, com as
iniciaos l>. A. B._______*_______
Aviso.
O ahaixo assgnado, sahendo ana o Sr. Antonio
Gnnralves da Silva pretende vender o engenho U-
mao, sito na freguezia da Kscada, faz publico,para
seienein dos interessadns, o seguiste :
Que dito engenho fui, por cscriptura publica,
arrendado ao ahaixo assfgnado, por ofto annos,
e< m a condicio expressa de nao poder ser aliena-
do durante Me tctnpo;
Que o mesmo Sr. Antonio Goncalves rebaben
adianiada a maior parte da importancia total do
ai'endamento ;
Que pe inalienabilidade temporaria que se esti-
puluu, nao pode o engenlio passar a qiuli|uer com-
prador, ttuo com o onus de arrendamiento, que
o ahaixo assignndo protestaflazer efiectivo por lo-
do os meios qne as leis'I he garanten), e anda
mismo quando fosse preciso, o que nao laucan-
do mao do'ultimo recurso permitlido pela Od.
liv. 4o til. 9* $ Io-
Engenho Limito, 2 de novembro de I8G9.
Jos Leo Peieira de Mello.
Eiigonimadeira.
Em S. Joa doWanguinln, casa n. 1, paga-se
bom aliuMl pqr urna escrava que emenda h.-in de
engommjlo.
Na na uYSenzjIan >va n. 38, escriptorio,
contrata-se dmn pesan nalrilitada para fazer a es-
cnpta de ama casa de neg icio.

O PAVHfflAO
DA
T
Precisa-se de urna ama que saiba cozinhar e
engommar para casa de ponca familia : a tratar
no sobrado da roa. do Vigario n. 9, 3* andar.
Este antigo estabelecimento. completa-
mente reformado de novo, est as contu-
ndes de servir vantajosauente os seus fre-
guezes, visto que acha-se prvido com nm
ex)lendido sortimento de obras de ouro e
prata de lei. assim como brilhantes e ou-
tras pedras preciosas, cujos preqos sito os
mais mdicos que se pode encontrar.
As joias compradas nesta casa recebem-
se em troca ou compram-se com pequeo
ohofa
\ 5 RIJA DO CANGA 15

0LIVEIR4 a: CARVALHO
Successores de Reg &Moura.
24-Rua Nova 24
Os proprietarios deste novo estabelecimento fazem sciente ao publico, quo
acabam de receber um perfeito e variado sortimento de pannos finos, casemiras, brins e
outrs muilas fazendas de gostos modernos, as quaes vendem por precos razoaveis.
ts mesmos scientificam. que leudo admittido para sua otlkina de alfaiie, um-artista hbil
bo desempenho de suas fungues, recebem qualqucr eneommenda de roopa por medida
prometiendo satisfazerem, com poolualidade e presteza qualquer pedido oeste sentido.
mmmmmmmmtm mm mmmmmmmmmm^
' AS BOUBAS CUBADAS
E
Todas as molestias syphiliticas.
PELO
ELEXIR DO DR. SEVIAL
nico depurativo sem mercurio que tanta aceitado tem mei eu do ao Bra-
sil, as repblicas do sol a na Allemanha especialmente para cura das boubas,
sarnas, rheumatismo, todas as molestias .syphiliticas e em geral todas aquellas
provem da empureza do sangue.
NICO DEPOSITO
HA
Pharmaria e dragarla.
DE
Bartholomeu & C.
114Ra Larga do Rosario34
Ama
Precisa-se alugar urna ama, que saiba
l)i. m cosinhar e comprar, para urna casa de
tinas ou tres pessoas. Requer-se qu seja
do muito jbons coslumes o diligente. Se
tiver estes predicados, paga-sc bem. Diri-
dirse ra Bella n. 30, sobrado de f an-
dares.
Precisa-so do una ama para casa do pouca
fai lilla : a tratar na ra cstreita do Rosario n. 36,
t" andar.
Aluga- ro, pouao adianto da ostacao do Sr. Slarr n. 41 :
a tratar ua ra Augusta n. 33. _______
Precisa-so de urna ama para comprar
e cosinhar em urna casa do pouca familia
ra de Hortasn. 1.
- Precisase de una ama para cozinhar o fa-
zer compras para casa do pouca familia : na ra
do Pires n. li.
Aluga-se o qaarto andar do sobrado
fresco, e eommodos para grande familia.:
tratar .1 na do Ranee I n. 51.
Quem quizer possuir urna boa e pren-
dada escrava, com um casal do crias lilhos
degta; o motivo por que se vende, dir-se-ba
ao comprador: ra do R mgel n. 54, se
poder tratar.
Vendi-s? a rclinacao Ja ra d Hurtas u. 7
a qnal vende para mais do 30 arrobas de assucar
diariamente : qnem pretender dirija-so ao pateo
do Paraizo n. 2.
-t-
CASA DA FORTUNA
O abaixo assignado partecipa ao respttlavJ
corpn do commercio, quo nada deve nesta pr.aga,
poim se algnem se julfar seu credor apresente-
se no praso de tre> das para ser pago: outio sim.
destadala em dianto nao se rospoiLsabillsa por de-
bito foito em seu nome a nao ser o abaixo asig-
nado ou seu primeiro procurador o Sr. Joao Mar-
tn* de Barros.
lAocifo, 5 de novembro do 1869.
Custodio Jos de Olivara.
ATTENCiO
Na ra Direila n. 16, sobrado, lava-se e engom-
mi -se tanto para homem como para senhora, por
commodo pre;o.
Joaquim Ferreira dos
SnBtos
professor do dansa, natural de Portugal, cliegado
a pouco da Europa com sua esposa esla provin-
cia, tem a honra de participar aos seus Ilustres
habitantes e mu principalmente aos pais de fami-
lia, que continua a leccionar em dansas oom todas
as regra as tercas c iuintas-fairas, da o horas
da tarde ;is 10 da noito, cm sua casa na ra es-
trella do Rosario n. 31, 2" andar, e nos domingos
de manliaa para todas as pessoas que nao podem
vir nos ontros dias, sendo a Jico aos domingos a
noite geral para todos. Tambem se promptica
ir aos collegios e casas particulares, nos ontros
dras.
Feitor e cozinheiro
>'a ra Nova n. 12, ou na ra do Ouro n. 30,
precisa se de um feitor que saiba tratar de um si-
tio, assim como de um bom cozinheiro, preferindo-
se estiangeiros.
Aos 4:000$
Bilhctes garantidos.
\ ra do Crespo n. 23 e casas do costme.
O afcalxo asignado, tendo vendido alm de ou-
tras sorlcs. dous quartos n. ;i-8 com 4:000.-5 da
lotera quo se acabiu de e:Urabir a beneficio da
igrrja de Nossa Senhora da Solcdade do Recife
(12o"), convida aos possuidores virem receber
na-conformidade do costum; sem descont algum
Acham-se a venda os billietes da l* parte da
lotera benelino da iizreja de Nossa Senhora do
Guadelupe do Oloda (l6), que se extrahir sab-
bado 13 do correte mes.
Procos.
Os do eos tu me.
Man el Martins Fiuza.
TRIU10S URBANOS
DO
Eecife Apipueos.
Por ser a actual tabella inconveniente a partida
dos trens, do din 7 do correnli- em" dianto ser re-
gulada por urna tabella no,a, que podo ser pro-
curada as estacoes dos llecife, c das ofQcinas
desde j.
Escriptorio da comuanhia do novembro de
1869.
W Hawlioson,
Gerente.
8eTvo.
Pretcnde:so sab ->*o existo. esta eidade on J
fra d'ella, Custodio da Costa Goimaraev sobri-
nlm de Antonio Joaquim da Costa Guimari'S, que
fii estabelpcido nesta 'efdade com moa loja de fa-1
zendas, para negocio de seu interesse. e com elle
se tratarsubre bens que Ihe pertmrem na fregae-
zia de S Juliodo Callendario emPortucal; quem
d'elle poder dar noticia, ou de seus berdeiros,
qu^ira dirigr-se ao escriptorio de Prente Vianna
& C., ra da Cadea n.5'7.
Joaquim Fereira dos
Santos
tenante do 2 balalbao de infaqtaria precisa-se com
urpneU dt se Ihe 'fallar 4 hegrcio de seu interes-
ie, i ma da Madre de Dots n. 16.
Attencio.
Na loja de funilaria da porta larga ruada
Imperatnz n. 65, lem um grande sortimento df
candieinis e lamparinas para gaz, de lindos gostos,
e ebras de fanileiro, tendo 1 santuario do gosto e
bom acabado, Main como vende bombas, tornei-
ras, etc., c encarrega-se da cneanacao d'agoa-para
qualquer casa, ou e-tabelecimenio, tambem vende
mu bonito e modera t fogao inglez. nao so eozinha
com lenba como com o earvao. Na rnesma lja
concertam-se todas as obras de encanamento e
machina de costura, asseverando qne aebarao
sempre prompto a servir bem os seus fregnezes
a tratar na mesma Inja a qualqucr hora, que ser
Hendido.
Precisa-sc alugar unja ama de leilo : na ra
'do Imperador n. 4*. Iandtr.
AHRORA
A RtiA M ISPERATUIZ12
Esquina da ni da Aurora
Defrosto rio Caf Imperatriz.
Reste novo e sumptuoso estabelecimento de fa-
zeinlas, eneonirarn aslixmas. familias tndo quan-
lo pBssain desojar, tanto em arligos do rigoroso lu-
xo, como em tiiuos as mais qualidadcs do fazendas
de sedas, blods, alpacas, merinos, laas, cassas,
mmolinas, chitas, madapoloes, algodftes, etc., de
modo a sabir bem servido desdo o mais rico c
exigente amanto da moda o do luxo, at o mais
modesto pai de familia. Alm do se ai-harem pr-
vidos do que mellinr so encontra neste mercado,
mandaram os proprietorios d'este estabelecimenlo
vr directamente o que em arligos de modas e de
mais apurado gjsto so encontra cm Pars.
Una mmli la e-pecialmente oceupada nos traba-
Ihos do PAVILHO DA yUKOltA, execulai
promplainenle e com toda a perfeiciio qualquer
trabalho a capricho, para o que se a-ha habiliu-
da com tudo qnanto mister para o bom desem-
penho de sua missn, o qne urna grande vanta-
geiii para o bello sexo, que assim vai encontrar
em un s lugar tudo quanto pdje desejar, i.-in
fazendas do melhor gosto, modista para p>r-
feita execucao de qualquer trabalho, perfumarlas,
chapeos, enfeiles, mindezas, (uvas de Jouvin e
tudo quanto a moda pode exigir.
Aos ravalheiros igual vanlagem so offerece, por
ter o eslabelecimento o mais completo sortimento
de fazendas para Cactus, e proprias para todas as
estacos, c um hbil alfaiale encarregado de exe-
cular com promplidao e mestria qualqucr cncom-
menda.
Os propnelarios do PAVILHO DA AURORA
nao tendo puupado dospezas para dolarem esta
bella ciiLide de um estabelecimento digno d'ella,
confiam no seus esfbrcos e no bom gosto d seus
habituntes, garanllindo a maior circumspecco c
modicidao de prec.is.
_Com a possivel nvidade e em vista da protec-
Cao que se dignarem dispensar-lhe, este estabele-
cimento trar miiias nutras vantagens, primando
entre ellas a poblicacao de um jornal gratuita-
mente distribuido aos seus freguezes, o qual se oc-
cupar exclusivamente da descripeao das modas,
acompanhado dos nllirnos figulinos ; vantagem
quo at boje anda nenhum eslabelecimento offe-
receu.
Coneluiuilo, e na iinpossibilidado do descrever o
rico c variado sortimento que possuem, os pro-
prielarios do PAVILHO DA AURORA respetosa-
mente convidam as lixmas. familias a visitar este
espacoso c rico^slabeiecimento que, alm de tu-
do, est dotado do pessoal necessario para vender
o levar amostras a casas que asTK:direin.
Pelo ultimo vapor bao de receber ricos cortes
de vestidos para casamento, luvas de pelica ricas
chapei'iihas para senhoras e diversas fazendas
modernas.
Aberto das 6 da manhaa s 9
cja uoite.
Si^KIA
; O testamenteiro do fallecido subdito Trance;
oiio Vignes, convida aos devedores do finado a
saldarem seus dbitos amigavimenle,do contrario
seio ajuizados sem excepcao alguma.
BB
SEO DE MAS
GOMES DE WAHOS IRMftOS
tendo feito completa mudanza em sen antigo e|
acreditado estabelecimento de joias, com o fim de
dar-lhe maiores proporpoes e elegancia, convidam
ao publico em geral e com especialidade as Ezms.
Sras. de bom gosto a comparecerem pessoalmente]
das 6 horas da manhaa s 9 da noute na
RA DO CABUGA N.
C^
onde encontraro um completo sortimento do que ba de mais elegante,
bello e precioso em brilhantes, esmeraldas, rubias e tudo que em br
de ouro, prata e platina se pode desejar.
ftDEREQOS de brilhantes. esmeraldas e rbins
de noros gostos, assim como grande variedade de salvas e paliteiros derl
prata contrastada e de gosto ainda nao visto, e completo sortimento de'
objectos de prata para uso das igrejas,
C^mpram e trocam qualquer joia ou pedra preciosa ye arantem
a quahdade dos objectos vjmdidoa.
COHIPA'NHIA
TRILHOS URBANOS
DO
HEC1FK A9 OTilWDA.
Por ordem da directora san, convidados os Srs.
accionistas,. paca no prato do dez dias contados
do da .'i do corrate effec iuarom a o* prestadlo
Je suas acues na razau de 10 % o recehereui
nessa occasiao os respectivos tilulos.
Para esso lim ser encontrado o Sr. Hiesoureiro
das 11 horas da manhaa as i da tarde de todos
os dias no escriptorii) da companhia ; ra Nova
n. 35 Io andar, entrada pela ra das Flores n. 14.
Recife, 3 de novembro de 1869.
1" secretario,
Jom< Joaquim Altes.
Casa a alugar-se na
povoacao de Bebe-
ribe.
Alugs-fe orna excedente e nobre casa siu
margan do ameno e pitoresco rio Beberibe, sendo
de construeco moderna, c tendo ptimos comino
dos, consistihdo em 2 salas frescas, 5 quartos, des-
pensa, departamwnio .para engommar, espacosa
ozinha, aceommodaedes para escravos ou criados,
coeb0ir.vstribaria, galinheirn, quintal literalnaen-
rtetdwrado.com grande pc-riao a entrada, termi-
,aanda.jnargeui do ra por am exccllente o com-
mgdobanheico coberto de tlba,etc. ; a cana-re
aen conveaienafante mnbhaija com movis de
Jacaranda, mesa elstica, camas, etc etc. Nestas
conQes lio vimtajosas, (|mm prateod^r passar
o presente-verao confortaveimenie, e quizer-alu-
gar a sobredita casa, dirija-so ra do Hospicio
n. X3, on ao Forte do Maitns, armazem n. % de
iiao Frawiseo Antones Je Irmao.____________
O Sr acadmico Augusto Carlos de Melb
L'Araistre, antes do se retirar para o Parj.-qnei-
ra eumprir a obrigar.ao qne contranio em 91 de
outubro do anno prximo passado, do contraro.....''
COMPRAS.
Compran) se moedas de ouro e prata de to-
dos os valores, onro- praU em obras inotiiisada*,
brilhantes e mais pedral preciosas:: tm loja de
ourivB do ara da.t*nceicao, no Recite.
' --------------------! ------------------- i---------
0 SMfcBeo de joias
Na roa do Caaj* n. 4 eompra-9e onro, pcata
4 pedras preciosawwr precos mais atajse* do
luS%.rtra quTqner, parte.
DO
GALLO VIGILANTE
Ra do Crespo n. 9
Os proprietariflaV deste bem conhecido estabele-
cimento, alm de* mtiitos objectos que tinham ex-
postos a apreciaeao do respeitavel publico, man-
daram vir e acabam de receber polo ultimo vapor
da Europa um completo e vanado sortimento de
finas o mui delicadas especialidades, as quaes es-
tao resolvidos a vender, como de seu costume,
por precos muito baratinhos e eommodos para to-
dos, com tanto que o Gallo....
Muito superiores luvas de pellica, pretas, bran-
cas e de mui lindas cores.
Mui boas e bonitas gollinhas e punbos para se-
nhora, neste genero o que ha de mais moderno.
Superiores pentes de tartaruga para coques.
Lindos e riquissimos enfeites para .cabecas das
Ex mas. senhoras.
Superiores trancas pretas o de cores com vidri-
aos e sem ellcs; esta fazenda o que pode haver
de melhor e mais bonito.
Superiores e bonitos loques de madreperola,
marflm, sndalo e osso, sendo aquelles brancos
com lindos desenhos, e estes pretos.
Muito superiores mcias 6o de Esoossia para se-
nhoras, as quaes sempre se vendern) por 304000
a dnzia, entretanto que nos as vendemos por 10|,
alm dcstas, temos tambera grande sortimento de
outras qualidades, entre as quaes algumas muito
Gnas.
Boas bengalas do superior canna da ludia e
castao de marlira cum lindas e encantadoras figu-
ras do mesmo, nesle genero 6 o que de, melhor se
pode desejar ; alm destas temos tambem prande
auantidade de oatras qualidades, como sejam, ma-
eira, baleia, esso, borracha, etc. etc. etc.
Finos, bonitos c airosos chicotinhos de cadeia e
de ontras qualidades.
Lindas e superiores ligas de seda e borracha
para segurar as nieias.
Boas mcias de seda para senhora o para meni-
nas de 1 a 12 annos de idade.
Navalhas cabo de marflm e tartaruga para fazer
barba; sao muito boas,e de mais a mais sao ga-
rantidas pelo fabricante, e nos por nossa vez tam-
bem assegurams sua qualidade e delicadeza.
Lindas e bellas capellas para noiva.
Superiores agulhas para machina e pa#a erox.
Liona milito boa "de peso, fronxa, para enefeer
labyrntho.
Bons baralbos de cartas para voltarcte, assim
como os tentos para o mesmo flm.
Grande e vanado sortimento. das memores per-
fumaras e dos melhores e ftais conbeidosi.per-
fnmistas.
COLARES DE ROEB.
Elctricos magnticos contra as convnlsdes, e
facilitam a dentifio das innocentes criancas. So-
naos desde annil* reeebedores destes prodigiosos
collares, econtinuamos a recebe-las por lodosos
vapore, alim de,que nunca fallera no mercado,
tomo j tem acontecido, assim pois podero aquel
les que delles precisarem, vir ao deposito do gallo
vigilante, aonde sempre encontraro destes verda-
deiros collares, e os quaes attondendo-se ao flm
para que sao appliaados, se vanderap com um mui
Hminuto lucro.
Rogamos, pois, avista dos <*j*ctftMp$ deixamos
declarados, aos nossos freguezes ea*%fB a*virt>m
comprar por preoos muito razoaveis loja do gallo
vigilante, na do Crespo n. 7 '
A VERDADE
55Ruado Queimado__55
A VERDADE leudo em deposito gratad*
quanlidade de mindezas e perfumaras, e de*
sejando apurar dir.hiro c adquerir b/ia fre-
guezia est rssalvida a venden n>uilssimo
barato, ; por essa razo convida ao resjiei-
tavel publico a vir compelenti-nienle nitmi-
do a sortir-se do bom e barato. I'ois quin-
do a Vcrdailc apparece, tudo mais ftes-
apparece-----
Grande sortimento d>- bonecos de cera t
massa as mais lindas possi veis vestidas a ca-
rcter.
Abotoaduras moderuas para col-
letea....... 320
Espelhos donrados pepnenos. 260*
Agulhas de osfo para crox a 200
Pentes para rega; com csnlas a 320
Ricos globos para candieiro de gaz a i#800
Chaouns a....... 320
Grande sortimenlo de objetos de
louca para brin(|oh> de. menino 106
Garrafa com tinta a..... 800
Dita com agua florida vefjMlcira a i5300
Dita com lita dita a 1OCO
Frasco com oleo dti babosa a 500 e 720
Dito com agua de Colonia a 300 e 500
Garrafa com agua divina a. 1/5500
Frasco com extractos finos a 16000
Labs pequeas com banhj muit
fina a 120 e ..-..., ICO
Sabonctes de diversas qua lades a
80, 100,240 e...... 3zV
Finas escovas para tientes de 120 a 6C0
Lindos coques modernos a. 20000
Pa\ ios para gaz, duzia a 240 c 320
Escovas para fado a 5i0, 600 e 700
Ditas para cabello a..... 500
Pentes para tirar piolho a 160 e. 240
Brincos de cores, bonitos a 160 e 200
Pecas de tran?a de la com 8
varas por....... 80
Oleo para machina de costura,
frasco a.......\ 600
Peonas d'aco Gnas caixas a 800 e IdOOO
Dita d*aco Perry, caixa a. J400
Galo de algodo peca .... 400
Lindos baliadinbos e entremeios
pei;ade500*a...... 1AS00
Ditos de louca muito fino a 120 e 200
Ditos para calca a IriO e. 240
Caixa com papel amizade a. 700
Ditas com envelopes a. 480
Ditas com obreias a. 40
Caixa com agulhas fundo dourado 280
Ditas de ditas ditas a..... 190
Thesourn para costura a 240 e 500
Caixa com tinlia de marca a 280
Linha de cores em novellos (li-
bra) a ........ 500
Carreteis de linha Alexandre de 70
at 200........ 100
Grampos muito finos com passa-
ros, duzia a...... V^
Cartas portuguezas, duzia a *400
Ditas francezas a 26200 e 3-^000
Papel almaco e de peso, resma a
34400, 3>>:;00 e 4,5500>
ua muilo lina para bordar, libra 6&50C
Fita de algodo para debrum de
sapatos, peca a..... 100-
Ditas de la para debrum de ves-
tido, peca a...... 480
Pentes finos para segurar ca-
bello a....... 32C
Ditos ditos de bfalo para alisar
a 240, 320 e......
Ditos para aparar penna a .
Rosetas pretas, par a .
Tranca de laa d--caracol peca a 40 e
Fita de coz peca ai460 a .
Alfinetes de latSo a. ...
Sapatos de la para crian?! a 400e
Grvala de satas ele cores a .
Calcadeiras a...... .
Grande sortimento de rendas das libas.
Um par de suspensorio de borracha pw
100 risl !!!!!! i
\a % erdade a rna do Qneifluad*
n. 5.
-Vende-se un ierrem com alicorees para urna
boa casa quemo pretender dirija-so roa" de
Bartlioloincii n 67. mi'1 aehar iim> qnem lttar^
__. *it*y rtMmkmtttn* tugis de eflres, pOMHkt prefi -eHm'omm,-
.o twm: na loj das Chnas. na roa do Lrepo n. 13, de Antonio jOorrt^te^iisconcellos.
4*w** tsiimtm*Wmm
flNHIHG
E8GEUlOS
Compram-yff reildem-ee dtertanente parolera
dentro da DaMaDak escravos de todas as idades.
oTW-r sexos, com laalo ,)|un ) wmirTUrt
lercoiro utiuivutmmt 1l(i tm *m Cnma,
fregnezia de Santo Antonio.
Uaa dMn>> daaiw
i ouro e
flrS? hmssr
MARMORE
No armazem n. '!7 roa do Imperador, lia para
vender por 'harassimo preco um grande sorti-
mento de pedras de mannore de diversas qnalida-
des.fiomosfja : degraos, soleiras, sacadas, mesas,
baleSes e lijlos, etc., etc. ____
ftip du Lisboft
Na ruadorCrepo n. 6 contada a tar-rapa de
Lis oa da melhor anahdade qnn tem vimro a este
mercado, negad-pelo-intimo apor.
Na ra do Cadocan a 8 oonbna a ter nm
grande sortimento de daces era lataa e caixBe- de
diversos tamanhos, cojo te >veflde porpre^o mais-
barato do que em outra qualquer parte.
E' na iravessa do Garovxn. ili.que se vende urna
eimava wiU de.cimdncta allancada. pcrfea
nmadeira e eostureira, doreira e boa enl-
a, 8 ditas para todo o servieo, e 1 eteravo
fiar o m*^rm campo.
mm mita- e-mMIwtes
am Santo Amara das-8a-.
He profesMir n. #.
- VK\i)vs rnm\
A PRECO FIXOE MDICO
m
Ra Kova
ESPELHOS em quadros \tonrados de Vj l[t
'A V {h V*. duxu 4^*. 2^.
440O, lflpt) e 1*300.
LAP1S finos a croza 2^200, 25600,3,5000,
3M0O e 45500.
DITOS com caneca de osso para carttlra,
a grt.za i jgl>0.
DITOS muito superiores para carpiua groM
24600.
DITOSlwnilo finga com dtias cres agroit
I4000.
FIVELLAS d'afip pulidas e enveroisadas
para Sttca e collete a gmw W80.
OCULOS aro d'aco, vidto defro a daiw
3|50. 8*0O e W000.
LUNETASOU PlNCIfWBvMem itrnr a da.
lia 9#00>
r-,/E rnuilos butros arligos que st> com a
'vSia -pHem ser aprecilos tanto as qua-
lidadeVotan rs Te*HOidissimo3 praco
por que tudo vendido.
Alm ditu faz-se os batimentos oa razt
seguale :
Compras de 50d a 100 descanto 5 /.
de KiOd a 6004
de SOOt para cima < 15'
pag/mmro mawsap#a mesiia data
ni lelrade 30 acmenos 2 V*/.
< em .de60 5 %
Jnst.de Suia Sdares & C.
-V*ife-se por antM *.* v>va.{**4jM$a
da casa ila ladeira da kVeerjfiunlia, em Oliuda,,.
18, qne loi dosherdeiros deJa<|um JenmymoTeJr-
pa, garantimlo.se achar'sedaaemlwWieada
tar lar com o leiloeiro Martia, ra do-'I
11.-16.
A nrado LivrnnenUyn.'8.Mf
ver para vender mslhor vinrio terie ^4ehjt ?.. ;
mareado
J


iflfo de remambueo Ter^ fcifa, <9 e Nuvombvo de 1869.
n
\

LlQllllWlfl
SEM IGUAL
O proprietario do armazem trlz n. 72, diclara ao respeitavel publico o setn frcgttezos; qao est 1'iqii'dando todas as
fazendas o roupas feitas quo lera em sei osta eledrncnto como se poder ver no sea
annuncio o prer;o abaixo mencionados,
Chitas raueczas matizadas :i
3O rs.
Vende-se chilas francOzas escuras matiza-
das a 320 rs.o covado por esto preco sna
roja da Arara, nu da mperatriz n. 72.
LAAZINIIAS A 210 RS.
Vende-so aazintias pa-a vestidos de se-
nhora a 2*0, 280, 30 e 400 rs. o co-
vado.
BARElS DE LAA A 500 RS.
Vendo-sebaragos de 15a comlistras para
vestidos di sWor.i a 500 e 640 s. o
invado.
ras a 509 rs.
? lis lias para vesti-
"rs. o covado.
5ZAS A 239 RS.
ra:i 'as claras a 2 Al>a
Ve; "
dos de
titr
Ven!'-.;'
v.uh.
CORTKS DE UA PARA VESTIDOS A
2,-noo.
Vend>-so cortes d; la para vest .los de
zahoras a 2>00 cada nm,
PERCALES V 'iiO US. O COVADO.
yonde-se percales moito finos para ves-
tidos de senhora a 4i0 rs. o covado. mur-
solinas brancas finas, a 500 rs. o covado,
llantinas de cores, a 440 rs. o cuvado.
Baldes 'modernas cores.
Vendes^ baldes moderno sbranco e de co-
res a 4. 4/5500 c 5;?.
C03EBTQKES DE ADGODO A 1*500.
Vondp-se cobertores de algodo a 1)500,
cobertas de chitas a 15000 e 2?> cada orna,
GANGAS PAIU CALCA A 320 113.
Vende-so ganga para calca a 320 o cova-
do, brim de cores para calcas de haincm e
meninos a 400 rs. o covado, casemiras de
cores para caiga c palitots a 2.>500 o 3,->,
o covado, meias casemiras oafestadas para
calcase palitots 1$ o covado, brim pardo
'le todas as quididades e brim bramo de
uidas as qualidades na ra da lmperatriz
a. 72.
Alpacas lizas a 4 rs.
Vende-se alpacas de coles lizas linas a
(>40 rs. o covado, tarlatanas de cores a 320
rs. o metro.
MADAPOLAO ENTESTADO A 34500. |
Vende-se pegas de madapolo enfestado i
a 3#500, pecas de madapolo inglez de 2
Algoilo eafestado BOO rs.
Vende-se algodo enfestado proprio para
lences e toalbas, 900 rs. o metro, dilo
trangado a i\>, metro. .
Chales de merino 9.
Veiulc-se chales de merino estampados
a 25, chales brancos e de cores a li&OOO
cada un.
CORTES DE BRIM CASTOR PARA CALCA
A G40 RS.
Verde-sc urna grande porcSo de cortes
de brim castor para calca de hornera, G'iO
rs. cada um.
Ciraadeporco de retallaos
Vende-so grande porcSo do retalhos de
chitas e casias pretas a 160 e 00 rs. o
cova lo, rehlhos de cassas, 13a e chitas ci
cores baratsimos.
LIQU1DAM A ROPA FEITA
Vende-so palitots de brim de cores a 2?,
ditos- de alpacas de cores a*2#, dios de
meia casemira a 2$ e 25500. ditos de pan
no preto bon a 8.? e 10$, caigas do algo-
dio azul para escravns a 040 rs. ditas ele
algodode listras a 800 e 1#, camisas de
riscado de listras a 800 rs. cada urna, cole-
tes de b.-im c fustilo de cores a te l#500,
coletos di; cesemirn de cores a 20500 o 30,
e outras muitas qualidades de roupas feitas
que se vende por baratissimo prego.
Algodo de listras a rs.
o covado
Vende-se algodo de listras para roupa
de escravos a 200 rs. o covado.
PECA DE ALGODaO A 40.
Vendem-so pegas de algodo 40000,
ii$iOO, O0OOOo7, para liquidar.
Bal oes de arcos lSOO.
Vende-se barloes do arcos pan senhoras
pelo baratissimo prego de 1(5500 cada um,
Cortes de cmbrala barras
a 3&000.
Vende-se cortes do cambraias barrsa a
2r> o 30 cada um.
LENCOS DE SEDA A G40 RS.
Vende-so lengos de seda a G40 rs. cada
um, para liquidar-
CARTEIRA PARA VIAGEM A 10.
Vende-se carteiras para viagem 40
cada urna.
4S NOVAS SEDAS
11--RUA DO QTJEIMADO--11
Chegaram da Europa pelo idtimo vapor loja de Augusto Porto de C. ricos
cortes das mais linda sedas de mimosas cores para vestidos proprios para bailes e casa-
mentos.
Grande variedade de sedal d listras ,de diversos pregos todas de lindas cores,
gorguro de seda preta, e grosdeoaple de varias qualidades e gorguro de seda la de
diflerentes cores.
Novos vestidos brancos do blond para noivas, lindas colxas de seda para camas,
ditas de laa e seda, cortinados bordados para camas c janellas, fronhas e toalhas de
cambraia de lindo bordadas.
Lavas novas do Jouvin, o elegantes sombrinhas de sedas de cor para senhoras.
Esparlilhos de 5)5 at 500, lindos bournous de cachemira de cor para sabida
de baile, basqninos de renda preta, e ditos de croch branco c preto para senhoras.
Grande variedade de camisas bordadas e lisas para homes e meninos.
Sortimento de muitas fazendas de la, linho e algodo todas por pregos muito
mdico. .
Tapetes grandes para sof, piano e camas, pecas de tapates o de alcatifa para
forrar sal5cs ludo era quantidade; e vendera setnpre^por menos que era outra qualquer
parte.
Esteiras da India de 4,5 e 6 palmos de largo.
ALGODAO
LOJA DAS MACHINAS
lardas a 5, 60400, 70, 8,$ e 10;$ a pega.
72. Ra da lmperatriz. 72.
Lourengo Pereira Mondes Guimares, proprietario do armazem de fazendas
denominado GARIRALDI, tem a honra de pirtieipar ao respeitavel publico que tendo
recebilo diversas facturasde fazendas, de novo oslo, para a festa, estando a espera de
novas encommendas que deve estar ayui at o dia 15 de novembro vmdouro, e vendo
que nao tem tempo antes do balango de vender tantas fazendas de encorn endas p >r
isso resolveu fazer urna liquidarlo para ver se da maior, estragopor issoem vistas das
circumstancias vender tudo mais barato do que em outra qualquer parto, na ra da
'XdpOLAo'e.VFESTADO.U^OO. I CHITAS PRETAS A 160
Vende-se tima grande pnrgo do madapo- Vende-se urna grande porgio de chitas e
lo enfestado de 12 jardas a 3,5500, assim cassas pretas era retalho a 160 o covado
como p*cas de madapolo inglezes de 24 tambera lera retalhos de chitas e 13a de c-
janlas ou 20 varas a 55, 50500,G0, G500 res que se *nde barato.
70000. 8(5, 95 e 105000. I Caagas para calca a SO rs.
Corpinhos a 200 rs. Vendem-se urna grande porglo de gangas
CAMBRAIAS VICTORIAS A 5:500 para caiga de hom-m e menino a 320 )
Vende-se pegas de cambraias victorias covado, cortes de castor para caiga a biO
unas a 55500, 65 e 75- Urilbantina bran- cada um.
ca ua para vestidos de senhoras a 500 Brim de cores a 400rs.
S o covado I Vende-se urna grande porgan de duas
ALGOD\0 A 45000 faces para caigas, palitots e colletes de bo-
Vende-se urna grande p -rgo de al^do m.m e menino, fazenda inteiramente nova.
todo de ooa qualidade e 45. 55. 65, 5 Brim pardo liso a 5^0 rs. o metro, d.ti
75", e 85, a pega de 20 jardas ou 24 trangado fino a 800 e 1*000.
varaSt Grande liquldaco de chapeos
ADMIREM-SE DO QUE E' BARAGO de sol
Chamalotes a 5G0 Vende-se chapeos de sol de alpaca cora
Vende-* chamalote de cores, dealgodu pequeo defeito a 25 e 35000. ditos finos
para vestidos de senhorasa 50 o covado..je gastes |. 45o00, ddos de seda no
Alpacas lisas a 500 rs. de 8 astes a 75500, 85000, ditos de 12 e
Vendase alpacas lisas para vestidos de 16 astes a 105000, para liquidar,
cores, para senhora, a 501 rs. ditos m*tisa- chitas para -cobertas a 40 rs o
das oas a 720 o covado Ditas lisas mui- covado
to largas a 640 o covado. Vende-se chitas francezas para cobertas a
240. 320, 340, e 380 o covado.
vlACHlNAS americanas de serrote de todos os tamanhos para descarogar algodo, do
muito conhocido fabricante Eagle Cotton Gin.
CACHINAS ditas, tambera de serrotes e de todos os tamanhos para descarogar, al-
godo do aotor New York Cotton Gin.
ditas de todos os tamanhos, de carreta de ferro e mais torta a machina,
ditas de Roller Gins, de cujo trabalho faz obter mais 2.000 em arroba
de algodo.
VLACHLNAS de faco do fabricante Platt B. C, Obdlian Patent Liverpooi
Todas estas machinas s3o de superior qualidade o as melhores que tm
/indo ao mercado ; e para a s-oa apreciaco convidam-se os senhores agricultores "2
/irem a exposico das mesmas na roa da Cada do Recife n. 56 A, loja do Bastos, onde
incontraro mais o seguinte :
vIACIIINAS
CACHINAS
)ebulhadores para milho.
]ylindros para padarias.
irados americanos.
arrinhos do mo.
Vlachinas para cortar wpira.
]annos de chumbo.
bombas de Japy.
Ditas americanas.
Felhas de ferro gahanisacla.
7olhas de zinco finas.
Ditas do cobre e Iato.
?erro do todas as qualidadef).
Vrcos de ferro.
7oIha de Flandres.
\lachados americanos.
.^acoes ditos.
Jalaros e cestas de verguinha.
/assouras americanas.
bolles de todos os tamanhos.
Tornos e safras para ferreiros.
Finaimente mutos oote artig
livereidade seria enfadonho ennamera-los.
Folha do ferro.
Balangas americanas.
Tinas de madeira americanas.
Ps de ferro ditas.
Baldes de madeira ditos-.
Temos de bandejas finas.
Trens completos para cozialia.
Peneiras para padarias.
Baldes galvanisados.
Correntes de ferro para almanjarras.
Espingardas e rewolvers.
Guarda comidas.
Ferros a vapor para engommar.
Moinhos para refinages.
Azeite de espermacete, proprio- para machi-
nas de todas- as qualidades.
Serrae avulsas- para machinas.
Mancaes e todoe os mais perteness para as
mesmas. #
Lata de gaz,
ospertencentes ilavoura e artes,. qj:e pela
M1X10
Grande armazem de fazendas e roupas feitas nm da Impe?atrh
n. 1)2, porta larga, de Pandes Porto.
Neste estabelecimento encontrar o respeitavel publioo- um bonito sortimento
de roupas de todas as qualidades, palitots de alpaca-a 35. 35600 at 65- Ditos de
merino, ditos de casemira de cores bonitos gostos a 5& 65. 85 e 105, de panno preti>
sacos e sobrecasacos. Ditos de brim-pardo finos e ordinarios. Bitos de alpaca branca
e de cores de 36500 a 55000. Caigas do brim d cor fina c ordinarias, ditas
brancas de todas as qualidades, ditas de brim pardo fino e ordinario, di4as de casemira
de cor e preta de k$, 55, 65 a 155: Golletes de todas as quafeldes e prego muito
barato. Completo sortimento de camisas francezas de algodo e de linho de 25 at 55
urna. Sortimento de seroulas francezas de algodo, de linho o bramante a 25 e 25500.
Gravatas (mantas) novtssimo gosto a todos os pregos. Meias sortimento completo a 35
45 at 75 a duzia.
ROUPAS- PARA MENINOS.
Encarrega-se de quaesquer obras de encommenda tanto- para homem, eomo
para meninos, e com brevidade, por issb que tem um boaito sortununto de fazenda* de
todas as qualidades tanto em casemiras cono brins, pannos linos- o- ootras muitas fa-
zendas.
FAZENDAS
Bramantes de 11 palmos d* largura a 15800 o metro.
Cambraias de cor e branca.
Alpacas de todas as cores a 640 rs. o covado.
Poil-de-chvre com lista de seda fazenda de gsato a 15260:
Basquines de guipure enfeiadas a 185000.
Sortimento de chitas escuras e claras a 280, 300 e 360-re
Madapolo fino a 65500, "5, *> e 95000.
Algodo pega com 20 jardas a 45500, 55500 e 65000.
Pega de algodo largo a 75506.
E. outras muitas fazendas que ser enfadonho mencionar Gbegnem roopa
feita que se est liquidando na loja ra da lmperatriz n. 52 (junto*atoja de ourivs>d<>
LE&O DA PORTA LARGA
BE
Paredes Porto.
CORTES DE PERCALES A 6:000
Vc-den-se urna grande porgo de cries
de penales de duas'saias para vestido de
senhora, de omito delicados gostos com
16 V covados a 65 75OO0.
CAMBRAIAS LISAS DE CORES A 600
Vende-se urna grande porgao de cambraia
lisa de todas as cores pan vestidos a 600
rs. o metro.
Organbys Modernos a SO rs.
Vende-se organdys de cores para fazer 45000, ditas para seoooras e
vestidos, de duas saias, agora modernos, a 35500^45,Re 55,^a dnz.
00 rs. i vara.
CASSAS FU\NGEZAS A 240 RS.
Vendi-se cassas francezas para vestido
a 240 o covado, ditas muito finas a 400 rs.
asim como percales finas para vestidos a
440 o cov-tdo,
GRANDE SORTIMENTO DE MEIAS
Vende-se meias cruas para homem a
35500, 45. 55. e 65000 a duzia, ditas para
meninos de todos os tamanhos a 35500 e
meninas a
BALDES DE ARCOS A 1:500
nr,nifiBMmria BaRto de arcos a 15500, ditos modernos
GRANDE SORTIMENTO DE CHITAS NOVAS a 4jJooa
ATTENC-AO
Tem-se para vender um grande porgo
de roupas feitas de brim e de casemira, de
todas as qualidades nao se menciona por
f er eafrd mbo. garante-se ao comprador vei-
derDiis barato do que em outra qualqutr
parle, isto s se pode eonhecer com a prt-
E BARATAS PARA A FESTA
Vende-se Chitas francesas muito finas de
tares a 280. Dt*S matisadas escuras a 320
(Utas escuras escoceas a 310. ditas alco-
loadas a 300, ditas' garihaldmas a 360 o
ovado. Sorlimenio de cbiut conoo tem o
Slribaldiha poucas tojas que compitam.
FSTES PARA VESTIDOS A 400 RS. senga'd'o compratore a vista da fazenda >
-V^nde-se fusto de cores para testidos a qne se pode eonhecer como OTt hqmdandj
100 rs o covado por barato prego, o general Ganbald^ ra
COBERTORES A 1:400 da Impedirn. 56. mJkkku*
v*ndp- rohertores de algoilo a 15400 Chales de merm a
Vt-noiMe grande porc3o de corpinhos a lampad.* a 25CK" Sr^^K,
$40p.q30 20 e 400. *os -stampados BBOTa 5#, 55oOO etWWl1.
Machinas a vapor de
forca de 3 e 4ea-
vallos.
Motores para 2 cavallos.
Arados americanos.
Machinas de faco e serrotes para desca-
rogar algodo.
Balangas para armazem e bakao. a
Camas de ferro.
Cofres de ferro de Milnea e de Uhit-
field.
Prencas para copiar car-as.
Fogo americano patent
Scbonete de alcatra.
DI
Antonio Nunes de Castro.
Este acreditado preparado, qne to bo*
acceitagao tem merecido n'esta provincia
muito se recommenda para a cara certa
das. impigens, amas, caspas e todas a>
molestias de pelbmAll.
Pharmacia de Bartholoraeo 4 C,
.____34TT-nia larga do R 1t;.
' Venda urna oa> ierre .taCnncei-
con. 19 : trWr na roa |a Awwa B. 434 A>
con>oafenttBwebio.
Ra do Imperador n. 26
Neste estabelecimento se encontrar diariamon-
le um completo sortimento de pastelaria do todas
as quanJades par lanche e sobre-mesa, ele, etc.,
bolinnos de todas as qualidades para cha, presun-
tos de fiambre, botos inglezes, pudins, e finalmente
tudo que eensiste em nma boa paslelaria, com a
maior asseio e esmero, cha hysson, preto e miudi-
oho do nielhor qne ha no mercado. Nesta casa
tecebem-s* encommendas para casamenlos, bailes
rbaplisados, compremetiendo-se os donos do es-
a belecimento a ser ir o melhor que for possivel
a vontade do freguez, dispondo para esse flm de
um cnmpjeto pessoal. Recobe-sc avulso toda e
jualquer encommenda, como sejm, bandejas,
bolos o pSes-de l decorados, doces d'ovos, seceos
e de calaa e crystalisados, fructas aacionaes e es-
trangeiras, amendoas confeitadas, um completo e
variado sortimento de caixinhas d todos os gosms
e pregos, para mimosear senhoras ; estas caixi-
abias recentemeate chegadas de Paris, sao de pri-
morado go to, ofTerece m<>las aos galanteadores do
bello sexo, pois aellas achara nm digno e serio
presente para as donas de seas pensamentos. lico-
res, vinhos llnos,4e todas as qualidades, conservas
lamlhos em latis. Os donos deste estabelecimen-
as nao se poupando 4 despena, fuera todos os
^torcos para servir o respeitavel publico o me-
t or que for possivel, e sendo principiantes e tu-
fando com todas as difflculdades,, esperam a con-
currencia do respeitavel publico desta capitaf, na-
iHonaes e estrangeiroj. Pechincha : legitimo vi-
nho muscatel em caixas, que se vende por commo-
do prego para particulares e para negocio.
CIMENTO
i
Grande e comuleto sortimento de machinas para
descarogar algouaode nova Inveocao chegadas ol*
timameite em direitura para a* loja de Manocl
Bento do Olivcira Braga & C, na na Direita n.
53. Garante-se que a melhor qualidade que at
o presente tem vindo ao mercado : acham-so em
exposico aos compradores as do 10,12, 11,1C,
18 e 20 sorras.
Systema decimal.
Grande e completo sortimento de pesos kilo-
grammos do melhor comprehensao dos que tem
vindo at o presente, assim como marcos de latao
at meio grammo pelo mesmo systema, balanzas
de latiio de torga do 5 a 20 kilog ainmos, metros
de madeira c de latao para medu- fazendas, alin
de grande sortimento de niiudczas e fertagons de
todas as qualidades, tudo por procos que s a vista
faz crdito : na ra ireita n. 83, loja de Manoel
Bento de Oliveira Braga & C.
. Ljr.
De superior qnadadc da mui accredita-
da fabrica de Bisqnit Dubouch 4 C, em
cognac urna das que mais agurdente de
cognac, fornecem para o consummo do
Reino da Inglaterra.
Vende-se em casa de Th. Just. ra do
commercio n. 32._____________________
BAZAR UNIVERSAL
ma Mova29
Carneiro Vianna
Neste BAZAR enconlra-se um completo
sortimento de todos os artigos que se ven-
dem por pregos commodos como sejam: Um
completo sortimento de machinas para cos-
tura de todos os systemas, mais modernas
adoptados na America e appro-vadas na ul-
tima exposiglo servigos a electos para al mo-
go e jamar, salvas, bandejas, taboteiros, bol-
sas e malas para viagem, indispensaveis para
senhoras, candieiros prasela c cima demesa,
parede e portal, mangas, tubos e globos de
vidro, machinas para fazer caf, ditas para
bater ovos, ditas para amasaar farinha ditas
para fazer manteiga, camas de ferro para
casados, soReiros e crianga, bercos, cadei
ras longas para viagem, ditas- de balango,
espedios de todos os tamanhos, molduras
para quadros.gaz, baldes americanos, gu r-
da comidas, brinquedos para criangas, um
completo sortimento de cestinbas, oleados
pera sala e aesa, tapetes para sala, quarto,
frente de sopb, janella e porta, capachos de
Sparto e coco, objectos para escriptorio e
muitos outros artgos que se econtrar5o
venda no mesmo-estabelecimento e que vale
a pena ir examinar. ________
m GAZ GAZ
Chegou ao antigedeposito de Benry Forster
., rna do Imperador, um carregamento de ga;
de primeira qualidade; o qoal se vende em partida
e a retalho por menos preco do que em oulr quai
quer parte.___________________
Loja deffliudezas de FERREIRADA CU-
NHA d- TEMPORAL,, estao quimando por
todo prego venham ver o que bora e ba-
rato a saber:
Lindos brinquedos-magnticos para me
nios de 240 a 15.
Linhas em novenos de 400 jardas a
60 rs.
Pegas de tranga de todas as cores a 40 rs.
Latas com superio- banha 120, 160
6 25000.
Frascos eom oleo baboza 240, 320,
400 e 600 rs.
Ditos de extracto -160, 320, 500 e
640 rs.
Ditos coa-banha 320, 500 e 15200.
Ditos de agua de Colonia 320, 400 e
500 rs.
Baralhos de cartas portuguezas a-120 e
160 rs.
Ditos francezas 200 e 240 rs.
C.rande sortimento de sabonetas 80.
120. 160 e 200 rs.
Caivetes-finos comunas folhas a 240 rs.
linha de 200 jarda* em carretel(diiia) a
15200.
Lindos port-mainO- 240 rs.
Pentee de travessa. para meninas 200.
320 e400rs.
Duzia de meias nglezas maito finas a
35800
Ditas de ditas para senhora a 45500.
Garrafas com a verdadeira agua florida a
15200.
Ditas com agua divina 15300.
Frascos com sndalo a 15200.
Pegas de ntremelos a 500, 640 e 800 rs.
Lindos gorros de velludo para menina a
55000.
Papel amisade beira dourada (caixa) a
900 rs.
Dito em pacotes a "OOrs.
Lindos bonets de panno para meninos
25000.
Pentes brancos finos para alisar a 240 e
320 rs.
Magos com grampos 30 rs.
Lindos frascos para cima de mesa com
extractos a 15500, 25000 e 35000 ao par.
Jugos para vispora a 200, *40 e. 320 rs.
Ljnha de marca (caixa) 240 rs.
Temporal pode ser procu-
rado em seu estabelecimento bo-
nanza onde contina a vender
pelos baratos preqos de seu an-
tigo estabeleimento com titulo
de Temporal na Booanqa.
Rna do liieimado n. 8.
Pttms nm awi
Attenpo
Na praca do Corno Santo n. 17, l* g
andar, vemle-se mais barato do que em |
outra qualquer parte ral de Lisboa e
J_hBussia da mais nova ao mer
ttoma viaaJNNux de su-
lde em e carrafas.
N. 27,- ^m 0 N. 27.
Neste o< 9we-sc sellins]e
si.hcs, di do melhor
qne se pode fabricar no paTz, assim como os
mais arreios pertencentes ao mesmo, ^en-
de-se tambem, colxts, traviceiros, tfci-
nbas com almofadas, propinas para meifcm
levar para aula. 0 proprietario deste s^ta-
belecimerito garante a pontnaltdade, esae-
ro e zelo de seu trabalho ; porlanto ped'ao
respeitavel publico sua prolecgo, que affian-
ga vender tudo pelo mai barato possivel,
e por menos do que em' utra qualquer
parte._______________________________
3 cordeiro prevdente
Rna do Quclmado u. 16.
Sovo e variado sortimento de perfumariai
tinas, e outros objectos.'
Alm do completo sortimento de perfu-
maras, de que effectivamente est provida a
loja do Cordeiro Previdentc, ella acaba de
receber um outro sortimento que se toma
aotavel pela variedade de objectos, superiorj-
lade, qualidades e commodidades de pre-
006; assim, pois, o Cordeiro Prevdente pede
e espera continuar a merecer a apreciagio
do respeitavel publico em geral e de sol
boa freguezia em particular, nao se afas-
tando elle de sua bem conhecida mansidao
s barateza. Em dita loja encontraro os
ipreciadores do bom:
Agua divina de E. Coudray.
Dita verdadeira de Murray A Lamman.
Dita de Cologne ingleza, americana, fran-
oeza, todas dos melhores e maisacrecttados
fabricantes.
Dita de flor de larangeiraa.
Dita dos Alpes, e vilete para tolet.
Elixir odontalgico para conservacJo do
isseio da bocea.
Cosmetiques de superior qualidade e chai-
ros agrada veis.
Copos e latas, maiores e menores, eo
pomada fina para cabello.
Frascos com dita japoneza, transparerrli
i outra qualidades.
Finos extractos inglezes, africanos
francezes em frascos simples e eafeitados.
Essenci imperial do fino e agradavel chei-
o de violeta.
Outras coacentrartes e de chei/as igual-
mente finas e agradaveis.
Oleo philoeome verdadeiro.
Extracto tTaleo do superior qBalidade,
jom escolbido8 che;ros, em frascos db difio-
rentestamanhee.
Sabonetes ea- barras, maiores e menores
para mos.
Ditos transparentes, redondos e em figu-
ras de meninos.
Ditos muito fin*s-cm caainba para barba.
Caixinhas com bonitos sabonetes imitando
fructas.
Ditas de madeira invernisada conten do _-
aas perfumaras, htbIo prnprias para pre*
lentes.
Ditas de papero igualmente bonitas, tam-
oem de perfumaras flnas\
Bonitos vasos de metal coloridos, e do
Dsoldes bovos e elegantes, com p de arroz
e boneca.
Opiata ingleza e fraaoeza paca dentes.
Pos de camphora e outra differentes
pialidades tambem pra> dente.
Tnico oriental de Kerap.
Aluda uiaiaeoqn**.
Um oatro sortimento de coqe8 de no1
vos e bonitos moldes com filis *le vidrilho
a alguna d'elles ornados de flejes e fitas,
^stb todos expostos aprecaeo de quem
8 pnetenda comprar.
GOfeLINHAS E PNr9 BOHD.\DOS.
Obras de muito gosto e perfe^o.
Ftvellaa e fitas pava cintos.
Bello e variado sortimento de taes objet-
os, tcando a boa escolha ao gosto do comi
ordor.
bu mer- M
iix de su- B
[arrafas. i
Vende-se verdadeiro cimento;
Ma ir de Dos o. 2, armazem
Martins de Barros,

BIfl)E-SE
drasjMra de fette por prego wtnmoqo ; v* ru;
IdaCruB. 13,
Bartholomeu & C,
Vinho, Pilula8, Xarope e Tintura
m jurubeba simples e ferruginoso;
Oleo, Pomadas Emplastro da mesma.
planta---preparados por
BARTH0LOME0 & CA
PHARMACEUTICOS-DnOOUISTAS
PERNAJIBtJCO
A Jnrnbeb* : ea plaa t boj* reconh
como o mais podoroso tooico, como o metbor
desobsiroente.o como ul ippliwda do* pnlecmmitf
do ligado e baco, bepaiiiea, dorotis, lomorea inter-
nos e apecialmenla do otero, hydropena, erjai-
pella, etc.; e aasociade ao ferro til as paliidas
cores, chloroaei e falla de meostraacao, desrran-
jot do estomago, etc., e o ^ae disemos a>tle
iBHomens ceras latporuniss obtides mn).Bomn~
preparado* ja bem coobecidoe e liados paina maie
disoctos mdicos do pan Honogal. Km tedoa os
ajosaoa depoaitoa distribotaioe gratia folbaMs ao*
mslhor faseo r*bnaar a *arabA seo* saaeltaeaai
aapplicacao.
SKMENTKS.
Vendem-se na ra da Cruz n. 13, differentes.
i|n;ildide.de hi>rlalict>, como sejam. pvUagA para
cerca e enfeites de jardim, batutas de de anglicas stiaeoas, roseiras de dilTerenUaVaiua-
liades.
Vende-se urna carteira pv es.-riptoiio-. na
ra larga di> IWarj.. n. 21, loja do ralrjtdn
Para quem qaiztr tur um rendimeate>de S$
a t(/J pot-dia. r,
Venderse um sitio na estrada un* de jobaribo
eom 1 000 palmos da frente e 1,300 de anido,
maior parte de-te terrenu, est planudo de caoim,
e por i*so ama perhinvha par qneio 'Trmen-
der : a tratar na ra, larga do Rosara a. 22,
dja.
- Vende-se u-^ia mulata perita oozinheira e t*-
gnmmadeira, s-^dia sem defl'Hos: a tratar na
padaria franca^.
Cabriolet.
nde-rrfi nm cabriolet'de don e qnatro aen-
, qie ha de melhor nosle genero, oom 1
rovallo e arreios, 011 sem olio : na ra de
Amnro, cochoira de Thoma, Lins.______
ama can terrea na rna impMu
n. ifalb a quizer dirija-se a ^
SOL
muito n^j^H
10 arm
Brnm n. 91,

< iy-
aodem.se




1 *
Diario ele Pernambuco Tetqa feira 9 de Novembro de 1869.
A DINHEIRO NA LOJA E ARMAZEM
abq& & waia^aia-a
DE
60 CjEiMA^
Assucar de oxido de ferro de
Chnutcamd.
O (car / ruginoso de Chantcaud c obiidu
pela associago'do c>;ido de ferro tnteircmevte so-
luvel com o assucar mida llmenlo purificado.
Este assucar, de urna bella appnrencia erystalinn,
tem o simples goslo mu agradavel do assucar,
sem o menor sabor adsii ingeote : nio lera accao
irritante sobre a mucosa do estomago e entes fino?,
e rapidameuto bsorvido pelo ipparemo digesti-
vo sem causar as eonsiipaciVs do vontre. _
E' boje o preparado de ferro de mais iiceitacaa
para a cbloroge atona dos orgaos, perdas branca
menstruacoes diffloels, etc., o leui a-sea favor o
juio autorisado da escola 3c medicina de Parts,
e dos cbimicos os mais notaveis.
DEPOSITO ESPECIAL,
Pharmacia de Bartbolnmcu & C, ra lu ga do
Rosario n. 34.
FfiIIX FEREIRA DA SIIiVA.
O nronrietario d'este erando esiabelacimento, vendo qne se est aproximando o fin'
o aiino e lendo e.n ser um grande deposito deposito de fazendas; mo fallando em
SvuUda^encomrnondasque ll.es estao obrigado todos os das, tem reso v.doU.qu.da-
muito mais baratos do que em outra qualquer parle ; so eorao fim
diuheiro. Encontrase oeste estabelecimento
* .pitia tuunpa tom convicio de que a abundancia de objectos de novidade-
do
las por preco
ia diminuir o deposito o apurar uiuiieuu. ouum<> row,'lwl,TT ""
mAO- avultadoPso.'timcnto de iaz.ndas de luxo o modas; ass.m como depnme.ra
eco sidade As pessoas que negociara era pequea escala n'esta loja poderao surtir-
sedendo^ il ef Ss precos que comprara, n.s casas inglezas; ass.m como asex-
XtSlTaradL^oderPaoUdqar buscar as ^^"fZ
dar-se-lia levar pelos caixeiros da mesma loja em suas casas, o estabelecimento se
acba constantemente aberto das 6 hora da raauhaa s 9 da Jjj^
Na loja do PavSo vendem-se moderoissi-
mos chales de fil preto com lindas palmas
de seda, pelo barato preco de 55000,
pe chincha.
BASQUINAS A 120000
Na loja do Pavao vende-se as mais mo-
xplendido sortimento de
roupas feitas
NA LOJA DO PAVO A RA DA
1MPERATRIZ N. 60
Acha-se este grande estabelecimento com-
pletamente ^^SStocaSSS' dernas basquinas ou manteletes de guipare.
S^SttriSS. ^S Pel" ^-atopreCo de 125000cada_uraa, .
as mais fazendas que os compra
sam desejar, assim como na mesma loja
tem um bello sortimento de pannos casemi-
D4de l?.!S POSTOES BRACOS PARA VESTIDOS A
fazendas que os compradores pos- tblUL& BK' ^qq g
Na loja do Pavo vende-se um grande
sortimento de bonitos fostes brancos, pro-
ras, brins, etc. etc. para se mauuai > i ------ __ VPSr,,i0S e rouoas de creancas.
qualquer peca.deobra, cora a raatorprorap- WJ^ rpaiPa roupas de \0.
se mandar fazer,
>romp- pr'os Para vt
^^fj^*?'^ raetPrLrbr ^ *m..
n'este vasto ~fWeinento nUjrt o rato paco de *uu ^
respeitavel publico um bello sortimento de. JJ^g D0 PAVA0 A 640KRS. 0 covado
Vende-se um grande sortimento das mais bom-
camisas francezas e inglezas,
linho e algodo e outros muitos artigos
proprios para homens e senhoras promet-
tendo-se-lhe vender mais barato do que em
outra qualquer parte. Na ra da Impcra-
triz n. 00, loja e arraazem de Flix Perei-
ra da Silva.
CERA DE CARNAUBA.
Vende-se urna grande porco de cera de
carnauba etn saceos por prego mais barato
do que em outra qualquer: na loja do
Pav:io ra da Imperatriz n. 50. De Flix
Pereira da Silva.
FAZENDAS PARA LUTO
Na loja do Pavao.
Encontra o respeilavel publico neste estabe.eci-
mento um grande sortiiiento do fazendas pretas,
como sejain. cassas francezas e 'ng^as. uta.
pretas de todas as qualidadcs, tonda de laa de
todas que tem vindo, proprias para luto, como
sejam, fiazinhas, alpacas tarrada o lisas, cantao,
bombazinas, merino, etc., que ludo se vendo po.
preco barato.
\S
as alpacas lizas tendo de todas as cores, mais no-
vas que tem viudo ao mercado e vendem-se a ot
1*8 9rt <*fiV*Hlfl
ALPAGAS BRANCAS LAVRADAS
Chegou para a loja do Pavo um grande sorti-
mento das mais bonitas alpacas brancas lavradas
e de cordao sendo n'este genero o melhor e mais
lustroso pue tem viudo ao mercado, tem algumas
lao linas c tao bonitas que servem para vestidos de
unir e vondomse por W?*J?fl!nt.k*ln
IAAZINIIAS MODERNAS NA LOJA DO PAVAO
Cbrgoa para este estabelecimento um grande
Bormento das melhores e mais modernas laazi-
nhas para vestido, sendo tapadas o transparentes
de todos os precos c qualidades que se vendam
mais barato do que em mitra qualquer parte.
\l> MQ OU GORGURAODE LAA A 80!) US.
Na loja do Pari vende-se o mais bomio alpa-
cao de cordao tendo de todas as coi es. sendo Oxea-
da bstanle larga a 800 rs. o covado.
COLCHAS DE FUSTAO
Na loja do Pavao vende-se um grande sortimen-
to de colchas de fusiao sendo brancas e de cores
dita de croeb para camas de noiva, assun como
como bem sejam:
Bonitas caixinhas de madeiras envernisa-
das, contendo navalhas e os mais necessanos
para viagem, servindo ellas de carteira
uiando abertas.
Outras conforme aquellas, proprias para
senhoras.
Outras machetadas, com thesooras e os
mais necessarios dourados e de madrepe-
rla para costura, obras de apurado gosto
e perfeico, proprias paro um bello pre-
sente, tendo algumas com msica.
Estojos ou carteiras de ce uro com nava-
lhas, e os mais necessarios para viagens.
ESCOVAS DE MARFM
Para unhas, denles, cabello e roupa.
Outras de balea com machetados de ma-
dreperola para os mesmos fins.
OBRAS DE MADREPEROLA
Leques, escovas para dentes, caetas,
didaes, brincos, alfinetes etc. etc.
Ricas capellas cem veos para noivas.
Cintos de brira, com elstico para se-
nhoras. ,
Voltas do grossos aljofaes de cores,
para circular os coques.
Outras igualmente bonitas, e cora pin-
gentes para o pescoco.
" Outras com aljofares coloridos, e tran-
selin dourado.
Bdtoes com ancora, e P. II. para fardas.
' Abotoa'duras d'aventurine com o^p de
prata dourada, para Golletes, cada nm5J. mes Mu8 se acham venda a
Botos de cristal, encastoados em prata, que **X. seria seno impossi-
Par,Esdflt0e..Paarpara horaera, a rae-' vi. aerados infadonho por isso ella con-
lhor qualidade que tem vindo a este mer-
cado.
Pannos de crochet para cadeiras.
Novo sortimento de toalhas de labyrra-
tho, para baptizados.
Renda e bico de guipur, branco e
prelo, .
Fil preto, de seda, com salpicos.
Poquenos e delicados espanadores de
pennas coloridas, proprios para piannos,
oratorios, etc.
Booitos passarinhos de metal prateados,
para segurar costuras, tendo almofadinhas,
de velludo para agulhas e alfinetes.
Thesouras de duas, tres, quatro e cinco
pernaipara irisar babadinhos.
.AGLHAS NON-PLUSULTRA
Tal a qualidade d'essas agulhas, que
mereceu ao fabricante o pomposo titulo de
Xon-plusulira, merece a Aguia Branca as
honras d'um annuncio, e sem duvida me-
recer das intelligentes senhoras, a devida
estima por sua apreciavel qualidade.
Al agora nada se tinha visto de to bom
em tal genero, e anda assim custa cada
papel apens 200 rs.
Provavelmente d'aqui a pouco abundarao
as falsificadas para serem vendidas barata-
mente, porm as verdadeiras continuaro a
vir especialmente para a loja da Aguia
Branca.
Descrever minuciosamente por seus no-
infinidade d'objectos
DA
FfA NACIONAL D\ BA1IIJ.
DE
Teixcira XJldurico ^* C.
Acba-se venda esto ptimo ratA nico qne
pode snpprir falla do pritiecia de Lisboa, por str
de mui apradavid perfume, viajad), o"n pre?o o
mais mdico puBivcI ; c pir isso (etn sido assi*
aeolhklo nat pracas da llahia, o Ito do Janeiro e
em outras do imperio : no eswptorio do J>>3 uim
Jos Goni;alves Beltiao, ra do Commcrcio Dtt-
mero 17____________________________
OSSENHORKS MEDICtlS OPERADORES.
Queris possnir urna bella carleira cirnrgtca
de Lner, rom 3(5 ferros.' Ide a ra dos O.**
ns. ti e2-V, qno acharas nina por prrcoeommrt-
do; tambem retalba-se a mesma a vunlado ao
comprador. ^^^^^
O Campos da ra do Imperador n. 28 tem para
vender o seguinte:
Queijos loudrinos, pratos, nV.-enuos c de Minas,
todos multo frescos o de boa qualidade.
Presuntos para (iambres e para tempero, paios,
salames etc. etc.
O verdadeiro bacalhao de Noruega.
Latas com lngstas e ostras.
O verdadeiro caf Mocha.
Especialidades
Grande remessa de cigarros de diversas quali-
dades, vindos da provincia do Ilio do Janeiro, no
vapor brasileiro Paran
A saber:
Cigarros ao duque de Caxias
Ditos ao Maurity.
Ditos aes tonentes do Diabo.
Ditos Barbacenas.
Ditos Papel pcitoral.
Ditos de S. Paulo.
Ditos do Ro-Novo.
Ternos de medidas para seceos, segundo onovo
systeuia (mtrico frncez), no arraazem do Cam-
pos.
As mais adoptadas e mais facis tabellas para
de prompto se reduzir a esa kilogrammas e ao
inverso estao se acabando por laso rocommenda-se
aos eslabelecimentos que ainda nao tem, qne ve-
nham seus donos manir-te desse lo grande agen:
te dn commcrcio, pois que, com a safra que est
porta, torna-se ditas tabellas indispensavois.
28-TUDO NOAliMAZEM DO CAMPOS-28
TH fflW
FIO E VEI-1
Barbante
Em casa de Rabe Schmetau & C. Corpc
Santo n. 15.
SHERRY 0L0R0Z0.
G-elo seal.
mmmi
iX
J,JBW
HYPPHQSPHITOS
XAHOPE de HYPOPHOSPKiTO de SODA
X^ROPEdeHYPCPHOSPHITOdeCAL
PSLULASdeHYFOPHOSPHITO de QUIWINO
Meias de la para bomens, senhoras e
creancas.
Ditas de dita, tecido de borracha, para
quera solfre do nchacao as pernas..
VCI n IU6IIUO "--------- i -------- .
fia na constancia de sua boa e antiga rre-
quezia, e pede aos que de novo queiram
reconhecer a commodidade de seus precos
e a cinceridade de seu agrado, que n5o se
esquecam de comparecer loja d'Aguia
Branca ra do Quemado n. 8.
XARCPEderiYPCPd&SPiilTOd?; FERRO
PILLtdeHYPOPHOSFKITOdeMAiiGAHEStt
PASTILHA W5CTOAE8** CHRCEILL
Exigir para o M0Mpt o fiwco rfic.tdrado e en
tvilot os pioUnciot a awi^iiiilura do U"* CHUI1-
CHIUi, c o li'iruirii eom a marca PhariMcia 9WANM, 1 i.ru.i f:a>liitiimr.>,M"^
^PILIJIES
i)^ftWWa
CASSAS DO PAVO
Covad a 300 rs.
Vendem-se finissimas cassas francezas com lin-
dos de Mulapolao francez a 7^000 rr
Vende-se pecas de madapoRto francez
com 2 metros pelo hu.itissiino preco de
7-5000 a poco, 6 Dechincha.
T\M.AT\NA
Cli>oon um grande sortimento detnriatn-
nas. brancas e de todas as Ares, assim
como f branco liso e le salpico, que se
ven-le mais barato do qu>5 em outra qual-
quer parte.
Alias m\k\\m ciu
Cliegou urn grande sortim nto das mais
moder .as pojieli'ins mi gorgUTOes de seda
e linho com os mais elegan es padtwff que
U'in viudo a este mercado sendo, miudos e
gru los, unto om orles para vestidos como
para ven-ier *n\ cova lo, as-im como um
bonito sortimento das mus bonitas sedas
listradas que se. ven I- todo mullo em cuita
Grosdenaplos de cores
Clieoou um grande sorlimento dos mais
bonitos groden:iples dt; todas as'cftres para
vestidos que se vendem muito mais barato
do une em mitra qnalqer parte.
IIAPEOS DE Wf A 2;$000 RS.
Ch-g'u tima gratule porcao de chapeos
debim para d6ea q* se vende 0elo ha
ralissiiuo precede 1#m, por terem che-
gado com um pequen toque de m-fo. L
rhincha.
Al
Em casa do Rabe Schmettau & C. Corp'
Sanio n. 5.
&ep
As Plala* de Tallet. approvadas pela
Academia imperial de medicina de Pariz,
saO empregadas com o maior ^g^^
exito para curar a chlorosis,
e forlilicar as consliluices
(ratas. Nunca este ferrugi-
noso ennegrece os dentes.
Para a garnnlia da sua authenticuhde,
o nome do inventor Tai gravado era coda
pitula como margem.
cm llio-jA^tir.o, ttimcitUt Clifiolct.
--i.i Ptutaccc*. UatrcriC*.
Depo-ita
nnitos damascos de laa para culchas.
CUALES DE CHAC11EMIRA A 0, 103 E
1-23000.
Na loja no Pavo vendem-se os mais
booitoa chalos de verdjideira cachemira de,
cor, com os deseobos mais modernos, a ti3,
10 c 123000, muito barato na ra da Im-
peratriz n. 60.
Organd a M rs.
Vende-seos mais bonitos rgandvs de
cores com pad oes mindos egraudos. sen-
do lodos de cores fixas, pelos baratos pre-
cos de :t00 rs. b roja lo.
CAMISAS PARA SENHORAS
Cliegou nm grande, so tmenlo sas franceas para senhoras, sendo lisas e
bordadas, assi i como nm grande Sortimento
de enrpinhos de cambraia bordad,, cami-
sinhas e manguitos com golltabas que se
vende muito em conta.
ALPACAS DE CORDAO
Vende-se as mais habitas aipacs de cor-
do, tendo de toda, as cores, as mais novas
que tem viudo ao mercado e vendem-se
mais barato
parle
Yende-se por menos
SO' NO
de 10, 20 e 30 %
N. 23Largo do Ter^o.N. 23.
DE
SIMO DOS SXNTOS ft
gilJPERIOR*
Roussillon, carte b I anche.
Em casa le ISabe Schiaclaa &
G Corpo Sais a. 15.
DE
BOBDEAUX SUPERIOR.
CHATEA LA ROSE.
CHATM KAU2BA
Em casa de Rabe Schmettau & C. Corpc
Sanio n. 15.
mil! $i$ mmm
A teiicAo
PhirsKica. bo-ile"f 5.li">p.'l
Este KectoM pargallvo %w<-<* *!*
I como jurarta-i-l r.-moJin mus '
hruir s eoiintpacop. uo"-'-- *" "*
beld, i** """ M" '' h'>a*"
Rile* eOna na>galilll, onMruet* ?"
arca*, ahlhmaa. dore,calan los, cmplfl"!,
I nona e rtiruuiall-uii>H.
O m.T.n:.....lia da.- plliila "avln totr "-"
Imi nefUl |>ala*i i esulitlcci-r oj couer-
KIUS le' P'-iIem M rt-s.'urilo na comi-J n.-i
Ifeapida; em llu sai refeetaH cm tow puruailia ue r.<
[ i. Ha!- ,
/mamtufo.- MM lanrer el i!".
ESORAVOS FGIDOS.
do que em outra qualquer
ALGODO ENFIESTADO
e garanUndo-se a superiores fejoaltdadfS.
i-n a Al C UIIV XA OAMIO :i lalii.
Vcnde-se urna grande, porc>. de aigodo-
sinho americao com 8 pdmos de largura
prbpro para lences e toalhas lendo liso e
irnicaoo que se vende por preco muito em
conta.
->-anos de liaho
Cbegoa um graod sortimento de pegas
le panno de liuho do Porto que se vendem
Dfihmrna. ue panno uo huh fw h"" "--------
GRANDEPECHIN01AA 3:000 RS.PECA DE de70 rs. at |$000 a vara, garantindo-se
llretanlia q-ie em fazenda de linho nao ha nada me-
Vende-se pecas de uperior bretanha de .----------..;* nnuu4n nar..
algodS. tendo qu.tro palmos de largura
com 20 varas ou 2 meiros cada peca, esta
-fexenda seria para costar 85000, a nao *er
utfla grande compra que se fez, e hquida-se
a SdOOO, cada pega.
Cortes de chitas
Com 10 covados a 3:20 '.
Cum 11 covados a 3:520.
Com 12 covados 3:840. _
Vende-se superiores chitas de padrSes
claros e escuros pelos presos acuna men-
cionados sendo fazenda que se fosse vendi-
da retalho nio se venda por menos de
OO rs. o evado, isto pechincha,
Ciorgurd para eollcles
Vede-se o mais suprior gorguro preto
com diversos padroes p-lo barato preco de
fiVfOOo o corte de cohete.
Admiravel pechincha
ALPACAS A 400 RS.
E FURTA CORES A 400 RS,
ALPACAS A 400 RS.
Veode-se um grande sortimento das mais
brilhantftsaplacas de furia cores comas
unis lindas e mais m>dernas cores imitan-
do perfeitaraente as sedas de furia cores
sendo ueste artigo o mais novo que tem
rindo aumerewto, para vestidos, minio pro-
Dra para as senhoras que forem passar
jota no camp, P"r ser nma fazenda oV
iDuita faolasia e pelo barato preco de* 400
rs. o covado.
IBretanha* e rmW *O0 a
peea
Vende se superar brUnha de rolo ten-
do 10 tara* o ll con 4 |lmos
de largura pelo barato preco de 25500, e
pechincha.
OssetnsdoPaTao
Vepdo-w.os mais bonitos setins de cbm
o mais eeprpadus proprios para vestiOp*
tiendo dj divera* edr^s.
lhor, nem mais proprio para lences etoa
Ihas.
PECHICHA EM CHAPEOS DE SOL
Chegou um grande sortimento dos me-
hores chapeos de sol de seda, ingiezes ten-
do neste art go o melhor que tem vindo ao
mercado assim como urna grande porcao de
ditos de alpacas de todas as cores e todos
se vendem por preco muito mais barato do
que em octra qualquer parte, por baver
grande porcao.
i.euros braucos
Vende-se um grande sortimento de len-
cos brancos para homem, sendo a dtizia a
solvidos a
xioia a testa o
i>so previnem a
tus de que verio a
KaranUndo-se aa
GVZ AMERICANO a 0500 a lata, e 4i0
rs. a garrafa e 000 rs. o litro.
VINHO VERDADEIRO FlGUElRA a 560
a garrafa, o i;>500 a caada e 800 rs o ti-
tro.
DEM DE LISBOA das melhores marcas,
400, 440 e 500 rs. a garrafa, a 26800 e
352iiO a caada, Cli0e72M rs. o hlro.
DEM BRANCO DE LISBOA a 45000.
a caada e 500 a garrafa, h !>'i0 rs. n litro
VINAGRE VERDADEIRO DE LISBOA
200, 240 e 320 rs. a garrafa, 1400,
1,51800 e 25200 a caada,
AZEITE DOCE DE LISBOA 900 rs. a
garrafa, e a 7.) a caada, 15340 o hlro.
MVNTE1GA INGLEZA FLOR 15400 0
15280 a libra, 35000 e 25780 o kilo-
grammo. n,.n
DITV FRANCEZA 0G0, 900 e 8o0 rs.
a hbra, e 25100, 15980 e 15860 o kilo-
grammo
bra, 15220 o kilogrammo
far abatimento. .nnn
BANHA DE BORO) DE BALTIMOOR
720 rs. a libra, o 15560 o kilogrammo, em
porcao se far abatimento.
ARROZ DO MARANHO E DA INDIA
120 e rs. a libra, 260 rs. o kilogrammo e
35400 a arroba.
ALPISTA 200 rs. a libra e 440 rs. o
kilogrammo. e65KX)a arroba.
AF EM GRAO 65 e 65500 a arroba,
56(,2*b6 e 35000, ditos abanhadosUoo^o e260 rs. a libra. 440 e 520rs. o
Os proprietarios destebem surtido armazera de ""^'
Erare ama grande diminuifao do p-eco as suas mercadonas, ornse apio
snm-e se fazem avaladas compras para o centro e praCa, po.
o ', KavSf pubUco era geral, que ,!iande fazer suas M
grande differenca em preCos mais do que era Mitra qualquer paite
*SEVADINHA E SAG 280 rs. a libra e
G20 rs. o kilogrammo. -.,,,
F\RINH\ DEARARUTA VF.RDADE1RA
6'O h libra e 1M00 <> kilogrammo
BIMAXINHA INGLEZA MUITO NOVA a
iGO rs. a lihra e 8' Ors. o kilogrsmmo.
VELLAS DE ESPARMACETE 70 ts. o
masso. em .aixa fia abatimento.
PHOSPHOROS DO CAZ E DE SEGU-
RANCA, 280, 400 e"560 rs. o masso.
35200 e 65500 a groza.
AMEIXAS EM LATAS E ^CHINHAb
DE MUITOS TAMANHOS 16280. 25500
35HOO. 44500. 55500 a lata e a retalho e 15
GMMA DE MILHO AMERICANA 400 rs
o masso. e em atea ha abatimento.
BATATAS NOVAS DE LISBOA 60 rs.
a libra, em caixa faz-se abatimento.
SERVEJA INGLEZA MARCA II 55500
a duzia e 500 rs. a garrafa.
SSST TPUM7RI )rs ti DEM RASS, VERDADEIRA 1HLERSA
DITARA. t2H!?? L nJSo L BELL, 800 rs. a garrafa e 95 a duz.a.
VINHO DO PORTO ENGARRAFADO DE
DIVERSAS MARCAS 15500, 15200, 15 e
800 rs. a garrafa.
GENEBRA DE HOLANDA E HAMBUR-
GUEZA 75 e 65 a frasqueira, e 500 rs. o
Jo.iqmm
Ir
Graiifica-se com 200) por wfe
um, e mais, conforme a (is-
la ncia em que forem captu-
rados.
D. cngnftm Soledada, em Pori) Calvo, fujratu
innliDdiaa7donMipis8ad ------- h'hi'pe.
oes Tavarcs du Mcllu^
tem para vciulcr no seu cM".ri|ii"r", pra-3j
cadoilcipo Santi n. 17 pri.....iro audnr,
potassa da Itu-^ia Dltimamcnte rhegada
cal dfl Lisboa c vinho Burdeaux de supe
rier jualiJade. IH
.........atlEXCa:::
A propaganda homeoptica.
Boi* meaos |orccalo
Esta-se yendeadn os v.-tos dos mclieamentos
homeopticos viudo no vapor Ntnarre de casa ae
Wi-lier. Ret.ilha-fe a virotada do comprador, romo
sejam: glbulos eni tulws, vidros s. rtidoa, ghtbo-
|, inertes rnica, tintara inatro, dita dvnamiiaUe,
ele.; medlramento este, todo especial e nuvo anda
no p:iiz. Portanto, bun sera apr.iTCitar a oppir-
- ilen:
tnndade para proverem- ce lo remodt de plena
uunianca e cura maravilh. -a.
22 e 24--Ra dos Ossos-22 e 24
Confronte o hospitt era porfo se
Botica.
Vonde-e a botiea da ra Direita n. 12, a qnal
lira defronto do oilo do Livramento, cuui poueas
drogas, e est propria para qualqwr principiante,
o se vende por preco commodo : os pretendenles
poderao diripir-so a mesma botica, i|uo acharao
com quein tratar.______________________.
inaessfio os m: u :iv~ : um de nome l-'elippe,
Ida* 16 an#w,n.....raldotVa ra,w4ava
um pouco discor.-ulo quandu fngio, tem r* rawMoi
rarapinhados, U1"
dente na frente, rosto nmiprida regu! r, |lom-a
barba por baixo w< queixo, estatura rejular, bem
reitn do corpo, pera i [nenes-
bem feilos, eora inarri a u :: i- rida i m enna de
ama las eanellas das perna?, o falla claro o dos-
embararad i. (' i nti de n nm Mam ,'.. lambi-ro
rabra. 'tem ?" ajiiirt l na'tiral lo Re
Grande do N >rl slturi ou diana, gado, le
barba ncBpnin, fi*in nrto, l!l|"s p^P*l e
vivo, nariz pequiroo, regular em grosura, dentes
p.rfeiios e nlv- s. bracos e pernus fu a., ps regu-
lares, sabe lr r, R'ca viola e cania d?
improviso, \:. muid* 'i-' falNisilnMnr-ntos. Atn-
bus foram comprado? nos lade lo RerifM
Rxm. Sr. baro de Nazarclh, o mimeiro em julbo
do 1866 e o smumlo em julbo do ati-
no. (Mao aeh lim| s doc sias e ni.dega?.
por nSo terem MdTrdn rastlgo algnm. Rj>g***e
ii-iti.nt.i, s : los i '"'- wHlfi de
eanipo, ou qualquer uesoa que os en mtrn,do os
eaiiinrar, e leva-bw a seu senlu.r, Francisco de
Paula Cavalcanie de Albnquerque no reterwi
ongenlio Soled:, de, no termo de Porto Gafo, ou
nesta pra-a ao Sr. .1 iaquim ndrigiies Tayaros
de Mello com esc iptorio no Lirgu I.ti o-San( i
n 17 t" andar, pelo que em qualquer das partes
se dar a gratificado cima prom-itida. Recife,
2: do ontubro de l9. ^^^____^__
AVISO
muito lios a Ifi e 63000 a duzia, ditos di;
oBiiiao fazenda muito superior a 54, 65 e
7r>0iK),
othchaen* easenrasa 4:
Vende-se lihissim is ca>emiras do cor com
listras ao lado, leudo duas larguras e com
as cores mais novas e mais bonitas que tem
vind. ao mercado, pelo baralissiroo preco
de 44008 o covado ou 7/J000, caria corte
d calca. n/.
Os baldes do Pavao a 21000,
Chpg u um grande sortimento de baldes
ou crenolinas do feiiio mais moderno muito
P'oprias para vestidos ennesgados que m
vende pelo baratissimo preco de 2^000 ca-
lla um grande itechjnha
AS CAMBUHAS DO PAVAO A 4:S00 RS.
Vende-se urna grande porc5o de pecis
de finissimas cambraias brancas transparen-
te tendo 40 jardas, com mais de vara de
largura pelo baratsimo preco de 45300, a
peca sendo fazeiwla qiie minea fW veiwieu
pur mfiios deHSOO'. j/';m<1e.pechincha.
AOS PAL1T0TS DO 'PAVAO A I8 e
20>0(K).
Vende-se o|D bonito sortimento de pahti
ts ranceze
Ijriam-Dte
forrados
>eiia a 20^*0,
kilogrammo era sacca se far abatimento.
SABO MASSA 40 e 00 rs. a libra,
S0 e 440 rs o kilogrammo, en
faz abatimento.
MASSAS PARA SOPA, MACARRAO, TA-
LHARIN E ALETKIA. 560 rs. a libra o
Id20ok 'logramrao.
BOLACHINI1AS M LATAS DE DIVER-
SAS QUALIDADES, bem como penda bn-
Ihante.combination, Francy-crarynel, mixed
Britania. Mdium, Fuicy-nic-nac. a. 0, C, e
soda a ISOOO e 1)9400, cada urna lata.
Assim como ha outros muitos
muito novas
frasco.
DEM DE LARANJA DOCE AROMTICA,
lia a frasqueira e li o frasco.
QUEIJOS DE DIVERSOS VAPORES,
3(&uOO, 5800 e 400 em caixa ha abati-
mento.
TOUCINHO DE LISBOA MUITO ALTO
400 rs. a libra, e 880 rs. o kilogrammo,
e IISSDO a arroba.
UNGUIQAS FINAS PROMPTAS EM LA-
TAS 10000 rs. a lata.
LOMBO DE PORGO ASSADO JA PROMP
TO a ij$000rs. a lata.
CHA FINO. GRAUDO E MIUDIMIO
35200 e 25800 a libra, e 65100 o kilo-
grammo. .tu-.
DEM PROPRIO PARA NEGOCIO a 5000,
2W00 e 15800. rs. a libra.
gneros, vinho em ancorlas,
Mercurio
Vende-se mais barato do que em outra parte :
na ra da Cadeia-velha n. I, 1 e 2' andar.
RIJA lA LORIA JV 5
Olaria do Fundao.
Ha smpre nesta olaria grande sortimento de
materiaes, como lijlos de alvenaria batida, ladn-
Iho, quadrado de 8, 9 e mais pollegadas, telhas e
telhes, fijlos de tapamentos. O proprietario des-
Lt olaria garante a bondade e barro de taes maie-
riaes, como tambem vende-so mais barato do que
em outra qualquer parte. ___
Fngio se^unda-feira, 18 de ontebro, o escr.w,
Antonio prelo criollo, idade*50 annos, pouco ft*J
ou menos, de estatnra regn'ar. falla de dentes na
frenie, quandu anda um ik.oco corcovado para
diante, luvoo vetidn calca do hriin nardo, camisa
,le esUpa, e chapeo de pa lia ] v.lbo : esle ev-
eravo veio ja ha lempo do Rio Formo, e sup-
noe-e ter para alli sepuolo : qneni o pegar le-
ve-o a rna da Concordia n. 8, relina^ao, que sera
bem gratificado^__________________________
m
jsm como ha outros muuus Boiwrira, n... ^.^ -------. -
s. passas e Bgos novos, charutos de diversas marcas, marranada, fe ta petos
melhores conservaros em Lisboa, gela. de mrra.ln ^^ ^'i
tugUHzas e francezas. viho *tf* engarrafado retalho pene eraJ^ J! c"
nescada taii.ha, pargo. goraz, lula, corvina vezugo, cavalla, sarda e sardinitas de Nan
ET Silla, crvo ervado?;. touW.0. pimenta, grandesmolbos de sebolla 15500.
Finalmente mu.to* outros gneros que enfandonho menciona-los.
mi
22 Ra Nova n.
Machinas p;*ra costuras
A este acreditado estabelecimento, che-
gou un riqnissimo sortimento de machinas
para costura, do todos os auctores; a>*
quaes se chara cm exposi 5o no mesmo
esUbelecimento. O progresso destas ma-
chinas maravilhnso I o seu snico equi-
vale ao de 30 cuslurciras diarias II Os
seus trabalhos s3o pespunto, bordar, fran-
zir, e outras militas qualidades de cstura.
como se pode ver no mesmo estabeleci-
mento
Garante-se a sua boa qnaudade, como
bem o concert de qn.ilqoer machina quan-
do seja preciso ; e tambem se manda ensi-
nar, al que a pessa esteJa bt!B1 Pp"~
tica.
Na tya e armazem do Paiab ra da mperatriz n. 60.
Vendem-se diversos esrravos pec^s proprias
para arroaiem ou engrano, viudos ilo Cear, as-
sim como atgumaseseravas com h- bilidndes e sol
ellas : na ra da Cruz n. S5.3o andar.
Bichas haniuirgu'zas
Rna da Cadria n til.
Neste novo dcpoffl^^^HM p*>r todos os pa-
quete- transatlanlic dp qualidade supe-
rW : vende se em raifa m porcao mais pequen,
mais bar*, do que em W roa da Cadea u. til, i* andar.
CEMENTO
POftTLAND.
?nde-se no armaren amartillo de Vicente Per-
reir* da .* & Pillm. efrot do aro. da Gon-
eecan,ein harneas graa^'.
^oiydfcquatr>.,iisiTavas. ue t8,SO-18'e
30 ai^H de, um t>..in preto *
30anMH ^Hnm corintia : aa ra de Hurtas
n.96.
Rest venda um esrolb l*ot)
i;um> de aiarcineria, como sejam, mohffla de ja-
MrttKt-mdgnoeainarollo, obra nacionale^eelraii
4ra,'to|radogo-to e por^nw,.)- raioweis
i i rna estreita do Rosario n. 32. Nesta menina
aa^MBro-se com perfe.icao toijo- o, trakilhos d-
|BR, chmo ejam, ernplhiihento de lastro
>ra camas. cad''ira" e s.,r.h-.
" Vtife-1
n Ft.f da Pulme-ra: n
ra da Palma n.
o bem conhecido Jos Coto, por ter um s bra?.),
escravn da padaria allemaa, em Santo Amaro, na
noite do dia 22, levado pela forea da eaelwca, KM
eahir em algnm arrabalde, levoii um balaio na
rabnca, que tahez o perdesse no giro : quem o
capturar ser recompensado._________
Fugio no da ai d> ui-i prximo passado, de
Sant'Anna, o caboelo Manuel, cscravo de Prr.ncis-
m Jos da Silva llatis, natural do Ceara cabello
em pt, desdentado, heicos grossos, o falla muito
fanhoso, tem bUioda > pera, servio por muito* an-
nos ao Sr. P. F. H irge>,*endo andado einbarcado
milito h-mpo, Inculea-se forro : jide ser cniresne
na companbla Pernambncana ao Sr. B. CastelK
Uranco da Rocha, que rerompen-nra.__________
FuzTdo stio da Sapuca.a a H *> c.irrea*
mer, o eseravo de nome Joe, preto, idade mais ou
menos SO ann.tf. alto, secro, cara rusgi*a, ps e
mos grossas, bem falante e ladino, cnfiunu ern
cuas curies ir para a mtanca, ribem. s.T.-ir de
cariiiceiro, ou galibar na< roas A cidade do fie-
cife. Reeoinmeiida-se a sua captora as avt.Hrwa-
des poliriaes e capit-sde2|mj0niedianUa cuav
pe.tente imlenini-acao do trahaUo. ^
"STOCAfl
No dia 17 do crrente fuplo o ongenbo Rom
lardiin da fregneria .la F-ra1,o eservo atioel,
cn]os signafl* slo "s s'gu'mtes : cor ful,,secen df
c.rp >. estator r-*nlar, l*m fettante. ter) fUa do
un. pedaco da el'-! licit do lado de
f i siirtado P"
chapeo de Ito
pnnhia
peta
levar t
ii. praca_ ^^^^^^^^f
ireita
COII1U


Pernambuco Terra fe'ira 9. de NmewferO de 1869.
CAMABi DOS SUS. DEPTAOS
SSSSAO KM 1 DE OOTUimO
rttofBRNCK DO Sn. NEMAS.
(Continuaban)
t 0 vcrnr) informa se no ore-
me:, i fundos papa esse excesso
de garantaJunqwira *
O.Slt. ANTAO(ainiro fia agricultura :
fcil responder ao additamenlu a pre-
sentad o pele nobre depuiadd pela Balita ;
fcll mesmo ja suba qual devra ser a res-
posta qiundo o propoz.
Se ainda nao passnu a aotorisa;So c le
para o governo conceder garanta de juros,
como pndia existir decretados no ornamen-
to M fiinOcs correspondentes ?
O S. Ju.nqukiua : K isto o que eu
quera ouvir.
O Sr. Ministro da Agricultura :
obvio : nao lia fundos decretados, porque
anda nao est roncedida a autorisaco. Se-
r depois de ser ella consignada era lei,
que se destinar a quantia necessaria ao
scu pagamento.
A duvi la suscitada pelo nobre deputado
nenhuma influencia tena na questo, porque
u> innibe o parlamento de decidir desdo
j se o governo tica ou nao autorisado a
garantir ros ao capital addicionala estra-
da de ferro do Rcife. (Apoiados.)
.I;i disse qnanto parecen-me opportuno
sobre o adirnoslo. Se o goveroo se com-
prorn.tieu a promover a discusso desse
assumpto, como a cmara sabe nao poderia
adraitr oadiamento. Urna cousa contra-
ria a outr.i. (Apoiados.)
Esclarecimcnlos sobre a questo tem
6do prestados copiosamente, desde o pri-
meiro lempo em que fui discutida, s do-
cumentos foram presentes cmara dos
Srs. depulados, que por lano acha-sesuffl-
cienlemenle babilitada para decidir desde
j. Ao menos este o meu parecer.
Nao iratarei dos diversos pontos em
que tocou o nobre deputado porque nao
propria a eccamo para aprecia-los. N3o
se traa ainda do projecto, mas smente do
adiamento, sobre o qnal tenbo dito quanlo
bastante.
O SR. JUNQUEIM (pela ordem):
fleco permisso para retirar o meu addita-
ment, visto que a resposta do nobre mi-
nisxo me saliste cabalmente.
Nao ha fondos, nem os nodia haver.
Consultada a cmara, consente na reti-
rada do adlitamento.
Ninguern mais pedindo a palavra sobro
o adiamanto, posto a votos o requeri-
mento, e rejeitado.
Gonna a discusso do projecto.
O SR. AI.ME1DA PEREIRA faz algumas
consiili-races.
O SR. PEREIRA DA SILVA : Rogo ao
hojin ministro da agricultura que antes de
pipsegnirmos nes'.e debate, nos faga urna
etpo&oab dos motivos em que se funda-
menta par.; pedir a approvaeo do projecto.
S. Eu\ oppoz-tst o adiamento que nos
dau lempo para estuJar, con-eguio da c-
mara que o rejaaase. D-nos, pois. os
esclaivcimenti)s precisos, leia-nos os docu
menlos que comprnvo o tal ou qual com-
promiso, que na opinio de S. Exc. fo
lomado por sen antecessor, cunvenca-nos
delle j para sabermos o que nos compre
resolver. Nida nos disse no seu rotatorio
aomos cmaras, contcntando-so com re-
tar r-se ao anaexo da letra L, que nunca
aqui appareceu. (Risadas.)
Por minlia parte, nao osarei da palavra,
emquanlo S. Exc. nos n3o Ilustrar Linean-
do a luz no assumpto conlravertido.
Por ora as explicaces dadas at aqui
Dio bastam p-^a regular o meu voto. (Mili-
to tem).
O Su. FifltfsniA dk Mkllo (pela ordem):
Sr. presidente, segundo as inforraaces
que me dao alguns amigos, parece que a
in;i tarta desta resoluco ro j vencida nesta
casa, e remettida para o senado na lei de
ornnieiito de 18'i : mas sendo ah sup
primida para formar projecto distincto, veio
agora para esta casa com nina rnenla que
pelo senado senado fra approvada Por con-
sequencia <> projecto que ve,o do senado j
esta ippmvado por esta cmara; perUmto
trata se bnente de saber se devenios ou
nao approvar essa emenda, que leu nova
formula a materia. (Apoiados e nao apoia-
dos )
O Sn. Pi;nnnu da SIlv.y : O senado
constituio outro projecto
O Sn. Figueira de Mello : Se as cou-
sas correram como supponbo, eu quizera
que se consultassem os precedentes da
casa, e sa me dissesse o que hove sobre
esto objacto para que a discusso marebe
em reara.
S (lev'ros considerar que a primeira
prrle do projecto j fot apprcvado nesta c-
mara, e (pie o senado nao lie fez senao urna
FOLHETIM
OS CASACAS PRETAS
ROMAICE
POR
Paulo Fval
Segunda parte
TJIK1 PATAS
XIX
Tereeiro eollahorador
(Continuaco do n. 255)
Abro-se a porta de par era par. Ura
liomem de robusta' Dparenoia, de physio-
oomia fria e descarada, appareceu no l-
mar. Quatro vosas maravilhadas pronun-
aaram o uome de Bruneau.
O sugeito camprimentoo polidamente os
dou; mancebos e Com o pollegar indrcou
por cima do hombro aos outros dous flgu-
r5es o cainiohoda escada.
Rohalm e Similar b-'sitaram tim instante,
depois banarafl es olios em presenca da
visu firme de Braneao, e vollaram costas
sem articular palavra.
--Vejam o qwesqnorem, dfese Bruneau/
aportando cow e p para a enanca, que
all i sirehachara em volta nos farrapos.
EcUalot vultoi atwz, tomou-a nos bra-
o*, uesapparecmi correado
Qor tna ralees I maraoroo tran-
^oHIam-nte Brauni. Petoes rapazes l
"^5" dsoj ralts formidaveis !
^scoia a viiu, que oaovia leoiamenta.
fercorhm o ejmrte e faz o taveotario da
mligfiCf'*
i w^^^^H
contar da tata desta rcneta^*, a obrigaclio
do pagamento da referida quantia (apata-
dos), claro est que a discusso nao pode
versar senSo sobro esta emenda.; que todi
a discusso que versar sobre a materia
intempestiva. A caman nfio poda di tir aquello acto que ella j.i approvou.
0 Sn. Cuuz Machado : Vem como pro-
jamo do senado.
O Sn. Imoceira de M-.i.lo : No, senhor,
este artigo foi em um pnijecto do orcain'-n-
to, o senado separou-o ; mas para disculi-lo
em projecto distincto, e de modo mais es-
pecial. Essa separaco so verilleou, nao
porque o secado reprovasseo artigo euvii-
dor esta cmara, em tal caso bastan q:io o
senado separou-o apenas para entrar em
discusso especial ; logo, o sennde adptou
a emenda da cantara-e di>eutk)- como pro
jecto vindo della. Ora, a emenda que o sei
nado addio ao projecto. cm rainha opinISo,
foi ulissiraa, porque tende a diminuir os
encargos do nosso Ihesouro, porqaanto ten-
do sido a divida reconliecida pela cmara
dos depulados desde o anlio de t80i; por
dera entender a companhia da estrala du
ferro de Pernambuco, que ella tinha dreito
do exigir que se Ibe pagassem os juros dos-
sa divida desde ento por diante.
Portante, concluindo eu, desejava qu; V
Exc. me nformasse se a discuss5o marcha
regularmente, e como o meu requeriment i
respeita smente ordem da discusso.nSo
digo alguma cousa em favor da resofucto
ponjue voto; peco smente que se consul-
temos precedentes da casa, isto se o
projeeto que foi desta casa para o senaio, e
delle nos vollou, deve se considerar como
novo projecto do senado, ou simplesmente
como projecto desta casa, que pelo sonado
fra emendado,
O Sn. Presidente :Os precedentes da
casa e do senado sao ueste caso contrarios
ao que o nobre deputado pensa e re-
clama.
Os artigos destacados do orramento, ou
de outra lei pelo senado, consliluem alliam
projecto novo adoptado pelo senado. (Apoia-
dos.) Nesse sentido v-so que adoptada a
resoluco, n5o vem como emenda, porqu;
nao pode vir...
O Sn. Figueira de M;".llo : Desejo sa-
ber se isto est no regiment.
O Sn. Presidente :O regiment diz que
as resolucoes da cmara devem voltar do
senado com as emendas em separado; mas
pela observacao que fez V. Exc. sobre a ul-
tima parte desta proposito, v-se que ella
nao veio como acto da cmara, emendado
pelo senado, mas como resoluco pro, ra
ini-iada all. (Apoiados.)
O officio da enviatoria do senado confirma
esta intelligencia, e desta maneira'conce-
bido : O senado enva cmara dos de-
potados a resoluco junta e pensa que tem
lugar pedir a sua magostado a sua sanc-
rao.
J v, pois, que mesmo pela mesa do
senado nao havia duvida nenhuma de que
era urna resoluco adoptada l.
O Sr. FiguGiha de Mcllo : Desejo sa-
ber so o senado rejeitou ou apenas se-
pa rou.
O Sr. Presidente :Ha. cinco annos que
se tratou desta metera o enlo licou sem
approvaclo no senado, que ora adoptou e
miad'ni esta cmara com sua propria ini-
ciativa como resoluco, nova do senado,
all discut la e volada integralmente, com
essa parte mais que loi notada peo nobre
deputado sem tcru poder se dar o carc-
ter de emenda (apoiados), por isso conliua
a 2a discusso do projecto que veio assim
do senado.
O SR ANTO (ministro da Agricultura):
Sr. presid nte, a historia da estrada de
ferro de Pernambuco tem tido differentes
pitases, differentes pocas, que preciso
bem determinar para poder formar-se um
juizo que a questo actual exige.
V. Exc sabe que a estrada de ferro de
Pernambuco foi urna das primeiras que se
iniejou no paiz ; que os estudos Gzeram-se
sem toda a pr icie ca.
O decreto de 7 de agoslo de 1852 con-
cedendo privilegio para a construeco desta
estrada, n'uma das sois condices estipuloii
que se fixaria o mximo do capital garanti-
do, que teria lugar logo que a companhia
apresentasse planta e orcamento.
Comecl"S os estudos, reconheceram os
emprezarios que as bases do primeiro con-
trato lo navam inexequivel esta empreza,
e solicitaram, portanto, que fossem altera-
das algumas dassuas disp^siees,
Ento a lei n. 725 de 3 de Quinero de
1853 autorisoii o governo a modificar as
condices do decreto de 7 de agosto: o
decreto n.1245 det3outubro do raesmoanno
modiiicou algumas das condices do primi-
tivo contracto, e ento fixou o capital em
ftf 875.123.
Queira assentar-se, vizinho, disse
promptamente o Estevo. Venceu-se acaso
algum praso nosso ?
Mauricio accrescentou em tom quasi
provocador :
Nao sabia que-eslavamos emlal pon-
to de iulimidade, que cnirassemos sera
bater uns pela casa dos outros dentro.
Em vez de responder, Bruneau continua-
va examinando a cadeira.
Muita historia se e i, pronunciou
meia voz : montes a historias.
Os nossos dous amigos olliarram boquia-
bertos um para o outro.
A letlra, continuou socegadamente o
vizinho,s se vence no fin de novembro
Temos muilo tempo por nosso. Nao
aqui que mora o Sr. Miguel:'
No quarlo do lado, respondeu o Es-
teva.
Os ollios de Miuricio interrogaramn'o.
O vizinho oppoz-lhe a sua pupifla melant
clica e desbotada.
" TT limitivo di'ns cind-
f5es muilo imporlantes, que eram a l( e
17, em que a companhia obrigava-so a urna
fiscalisaco conslante das .desbezas que de-
viam so fazer com a consta' cf^ov
Estas duas eondieTtaa-fbi'am expjsessamen-f
t re vogadas^w segundo contrato-e redo-I
thhi nos s'guintes ternma: (pie esta ns-l
11 era nicamente relativa as despez)
acuslein e receit i. para secilartaro ren-
dfmcnto liquido; eni) o iwrm reeonlia-
ceii de algama mmeia que a comjiai'.liia
po leria fazer as ihhjp-zis bona pie, por-
que na i quiz continuar cotn a^=pfSfflr1pc5o
dfcstas duas condices. .
O Su. ANniiADK Fi;rr.ir.\: Mis isto
nfio exclua a fiscalisaci par parle dd"g9*
verno.
O Su. Mi\i*nio da Agriccltiuia :Ex-
clua a-fiscalsaeo nos seus lvro o em
Indo quanlo dizia respeto a adminis-
tl'aro.
Sr. Peukirv ii,\ Silvv : Foi s sobre
a receita e a despeza.
O Sn. MiNismo n.v AGRicui.Tiai\ :**Eoi
s limitada i a raceita e despeza do tra-
fico.
Houvo grandes contestaces a.est res-
peito; posteriormente vo-se que a compa-
nhia nao quera franquear os seus livros ao
exjuno.
O Sn. Anduadic Figueira :Isto n) de-
notiva miiitub.ia f da pirt' della.
O Sn. Ministro da Aouiccltur :Mas
depois sujeitou-se.
Alm destas concesses, fiz M-an-se mais
outros favores a companhia. Depois a com-
pauliia tentou a emisso de suas aeces.
n i podendo anda assim levantar tddos os
japilaes dssa primeira sooiraa fijada, e
aem inesm'i iuangurar os trabalbS','porque
reconheceram os engetiheiros. por asalte
mais detalhado, que era insnflicleinte o capi-
tal de SJ 873,i.iOl) pira fizera estrada.
Recorreram enllo ao governo oMufleute
osemprehe'rros, declarando que n) po*
diam levar a effito a empreza que nao po-
Jlam levantar os cap Mes em Londres,
se acaso o capital garantido nao fosse ele-
vado.
Esto capital effectvamenle sft elevou a
1,200:000: os trabalhos foram ento
inaugurados a 7 itasetembro de t8.'i.'i.
((decreto de II de agosto, tesdo aug-
mentado o capital de 1,200:000, restabe-
leceH as clausulas 16' e 17a o decreto de 7
de agosto, samanta para a vorificago das
Aespezas fetas com lil. 3li,879que ac-
:resceram ao capital primitivo, o permiitir
(uo a iinh i fosse desviada da primitiva cur-
va urna milha ingleza para cada lado, e o
leelive que livesse urna modilit^aco de 1
em80, noexceilmdo cm caso algum de 2
mkM de extensa).
Habilitada a companhia com este augmen-
to da capital, tentn novamen'o lanrar no
mercado as necessarias aeces para comp'.e-
ta-lo : nao o ple conseguir.
ntao, luvia passado a lei n. 912 de 1857
que autorisava o gpaerno a proporcionar
as eompanliias de estrada de ferro os meios
de levantar um trro do capital flxado por
einprestimo dentro ou fra do paiz, ou
a lovanta-lo por s, garanlindo os juros
e tomando sobre sua conta todas as obti-
gaces.
Como a companhia da estrada de ferro
de Pernambuco recorresse ao governo in
vocando a faculdade, que elle tinha, de le-
vantar esse empreslimo, declarando que
nao o tinha podido fazer, o governo o le-
vanten na importancia de lib. 400,000, pa-
gando a companhia 7 % inclusive de
amortizado; e no contrato (pese ceebrou
a 10 de abril de 1890 estipuloo-se qu
essas lili. 400:000 licaram effectvamenle
amortizadas cm 18G9. e que ento o capital
garantido ficaria reduzido as lib. 800,000
apenas. De modo que a rospelo desta
ciimpanhia as condices da amortizaeo sao
especiaes.
A companhia da estrada de ferro da Bj-
hia, como tambera a de S. Paulo, nao lera
em seus contratos cstabelecido o principio
da amortizado, como tem esta de Pernam-
buco. O governo obrigado a garantir o
capital daquellas corapanhias al a sua ulti-
ma concesso, salvo se houver aUura ac-
cordo em contrario. A respeito, porem,
da companhia de Pernambuco. cujo capital
do.1,200,000, sendo lib. 400,000 do em-
preslimo foito pelo governo a companhia;
e, portanto. tomando elle parte nesta em-
preza, alm -daqnella que j tinha pela
aeqiiisicao de aeces, em virtude de le,
pde-se dzer que o governo proprielaro
de lib. 000,000, ao passo que a companhia
lem nicamente lib. 800,000, porque elTec-
tivamente as lib. 400,000 foram' empresta-
das pelo governo.
Trago isto para mostrar que a compa-
nhia da estrada de ferro de Pernambuco
nao a mais onerosa para o estado, e a
prova queogbvono j 6 propietario de
urna grande" p.in.- da emprerr. De modo
que se passar a garanta ao capital ahucio-
loro a companhia a ter a
que primitivam nte Ibe foi
Os albos (febrera m-se-
iba n'urna Jas daas cadeiras cm haviam
i* vajas.
t he a tro, promettia aos seus penates que
reprodoziiia algnres aquell typo.
E nao se rocolher to cedo? pergnntou
Broneau.
Nao, senhor.
Bem entendido. E ba de madrugar!
Urna vida assim nao leva por mero gosto.
Com a ajuda de um enorme lenco de
quadros, que saoou do bolso, saecudio
cuidadosamente a^ oadeira e proseguio,
dirigin lo-se Mauricio :
O vizinho es#cam muita vontadede
se zangar. Nio fazia bem: sao ambos
muilo novos. Eu enteodo a gum* cousa
de physionomas. Os sanhenes dotem ter
bom coraco...
O que nao ob'sta, inlerrompeu sac-
cu lindo o lenco, que baja aqui muin) p.
A moca jff c nao pbe p ?NSo ?Ento
nao admira : criados como o Similor sujam
em vez de asseiar.
! a primeira phuse da aampanha
; Pcrnanroaita. Ase-
gunda phase comee qiwndo ella fez reela-
maees ao governo. de que, tendo gasto o
capital garantido, isto ,-rib 1.29J.O0O an-
da aisim achva-.,e construnla e entregue
ao trafigu uniceneite a ('secc-3o da estra-
da, faltando as tres secoCos.
A 'primeira dessas reclaraates j 7 no-
bre debutado que ha ftbuWwlluu disse
como ella teve lugar; -S^m duvida o go-
rerrroTcarSou conceder o augmento do ca-
pital garantido ; mas insislindo a compa-
nhia emque nao podia levantar fundos, de-
clarando mesmo que n i tinha cred to para
poder levanta-tos, e que assim se vern forc-
eada' a abandonar a empreza ou a liquidar-
so, veio esta reelamaco no tempo em que
era ministro o Sr. Mmoel Felizardo de Sou
za e Mello.
Leiei o aviso que o Sr. Manocl Felizirdo
expedio por esta occasio mas antes de
o f,izer tenln a notar que aqmlta redama-
?o da companhia foi examinada e esludada
na secretaria. A respeito della o Sr. Pe-
drera, hyj.ibaro do Bom Rjliro, den o
seu parecer, dizendo que era preciso ser
ouvido o presidente da provincia c o respec-
tivo engenheiro, enviando-se-lhes. com ur-
gencia, todos os papis concernentes a
questo, e que s depois disto que elle
estara habilitado para emlttir um juizo se-
gur.
De couformidadacom este parecer do Sr.
Pedreir foram onvidos o presidente da
provincia e o engermero fiscal, etambem o
Dr. Portella.
E s as concluyes do engenheiro :
Cinclno prponll: l9 que, avistada
importan ia d> assumpt) da petcSi di
companhia da estrada de ferro do Mat a
S. Francisro, seja nomeada urna commisso
para examinar atlen'amcntc todas as des-
pezas concernentes ao emprego do capital
garantido da inesuia companhia, entrando
devidameule na apreciaco de cada orna
das verbas; 2" que esla commisso, danto
conta do seu Irabalho, indique de urna ma-
neira clara e minuciosa as causas que de-
rara lugar exlncco do capital garantido,
lendo particularmente em vis'a a boa ou
m gerencia das negocios da companhia.
para o que lha ser franqueada toda a
escriptnraco, o nao poder a directora ne-
garse a explicaco de qualqner verba de
despeza; 3 acolhida qu3 seja favoravel-
mente a petico da companhia, dever a
somata a que livor de estender se a garan-
ta sor fixada ulteriormente a conclusa o,
entrega e recehimento das obras, para o
que ter desde j o. governo o direito
de nspccco sobretodo as despezas, po-
dendo por isso tornar elfeclvas as medidas
que lhe aprouver.
0 presidente da provincia e o Dr. Portel-
la adherram a estas coneluses..
De posse do todas estas consultas, orde-
nan o Sr. Manocl Fozardo s commisies
de Londres e de Pernambuco que exami-
nassem a questo, e aqui cabe ler csse seu
aviso :
Ministerio di agricultura, etc., cm 10
de agosto de 1801. Illm. e Exm. Sr.
Acenso o recebimento do officio de V. Exc,
que acompanhou a representado em que a
directora da companhia de estrada de ferro
dessa provincia solicita do governo impe-
rial, para tornar extensiva a garanta de
7 % ao capital necessario conclnso das
obras contratadas da mesma estrada, e
obre o que informou o engenheiro fiscal,
com o qual V. Exc. conformou-se ; e em
resposta declaro a V. Ekc, que nodevend
o governo imperial tomar deliberacao al-
guma sobre a referida representarn sera
um minucioso exarae do emprego da ca-
pital, que anteriormente se havia garan-
tido, cumpre que V. Exc. nomc urna
commisso composta do engenheiro fiscal
desta estrada c do empregado da th son-
rana actualmente encarregado da llqorda-
fo das contas mensaes da inesraa estrada,
afim de que proceda ao referido exame.
Deus guarde a V. ExcManoel Felizardo
de Souza e Mello,Sr. presidente da pro-
vincia de Pernambuco
Dirigi ao nosso enviado era Londre* o
seguinle aviso, que devo ler, urna vez que
se trouxe discusso as palavras do Sr.
conselheiro Manoel Felizardo.
0 Sn. A.norade Figueira : Ello defen-
deu-se perfeitamente.
O Sn. Ministro da Agricultura : Esse
aviso assim se exprima :
lllra. e Exm. Sr. Nao desojando o
governo imperial dar deciso alguma sobre
o ruquerimento em que a directora da
companhia da estrada d* ferro de Pernam-
buco pede garanta de juros para todo o
usa lo>fazia os seus descont* eoceupava-
se de diversas corretagens miudas.
A rede de pequeas ras que se avzi-
nham das Artos e Ollicios leva as industrias
do Templo at aporta da S. Mirtinho. N
Templo, toda a gente agiota, da Alsacia
ou da Norraandia. Bruneau era nor-
mando.
No physco, era elle homem de meia
idade e de estatura mediana, robusta, mas
desgaitosa. O rosto fleugraaiico nao indi
cava maldade, e rovelava nao sei que idea
de pura vagetaco. Etu summa, toda a
sua pessoa, sobretudo ao primeiro aspecto,
apresentava com bastante energa a appa-
rencia especialmente parisiense que os ro-
mnticos designavara pela palavra ten-
deiro.
capitaf que fdr emoregado na conchiso
obras comratadas era qu-i taoba
rilicado, se os capilaes cotsumidos na
parlo da linhaji concluida e na que est
em construeco, foram bem e .fevWmeBte
apphcados s obran da referida estrada, oV
terminei ao presidente daquelia provincia
3ue nomeasse urna commisso composta
o engenheiro fiscal por parle do governo
e do emprogado de fazanda, encarregado
da verificarlo das contas da dita estrada,
para que eximinando toda a eitcrjptueaco
da companhia, verila^se se '.as soramas
despendidas tinhanr sido embregada na
conMrucco da va frrea com a devida
economa, ou se foram transviadas e des-
perdiciadas.
< porque algumas dessas despezas tm
sido feitas em Londres, sirva-se V. Exc.
desmandar examina-las e remoller ao re-
ferido presidente a conta do que se tora
effecluado, para que possa ser por elle
tomado em considerado, quando tiver
de transmittir ao governo a oonla de
todas as despezas com a estrada de que se
trata, e hab itar o mesmo governo a ins-
tituir ura juizo seguro sobre o modo poc
que foram despendidos os capitaes que
tm garanta de juros, quer do governo
geral, quer do provincial, e a resolver cora
pleno conhecimento de causa sobre a con-
veniencia de conceder-se, ou nao, a ga-
ranta de juros requerida pela directora.
Deus guarde, etc. Manoel Felizardo de
Souza e Melh. Sr. enviado|exiraordinario
e ministro plenipotenciario do Brasil em
Londres. >
No rea torio qao apresentou ao corpo
legislativo, iralou ainda di questo da
mesma maneira por que a encarara no
aviso que acabo do ler.
O Sn. A.nduaoe Figukira Ha outro
aviso do Sr. Manoel Felizardo, dirigido ao
nosso ministro era Londres, depois dos
exames, que nao vem na obra do Sr.
Domiciano.
O Sn. Ministro da Agricultura; Os
exames a que se procedeu .destinados a
serem presentes ao corpo legislativo a Cm
do resobrar com acert, foram apreciados
pelo Sr. conselheiro Siaimb, ministro em
1862, que expedio o seguinle aviso:
Rio, ele, em 24 de julho de 1862.
No oIBcio que me dirigi em 18 do
correte expe V.-S. que ao governo im-
perial apreseotara a directora da com-
panhia da estrada de ferro de Pemanbuco
no auno passado urna pelicao, em que
rquereu concesso da garanta do juro
para augmento do capital indispensavel
para conclus* da dila estrada, que o go-
verno imperial para dar urna deciso con-
forme justica e aos legtimos interesses
de to importante empreza, mandara pro-
ceder s ioformacos necessarias ; que
tendo as coramissoes nomeadas em
Londres e Pernambuco concluido o seu re-
latorio, achava-se por isso o governo im-
perial habilitado a tomar una resoluco
definitiva sobre negocio to urgente por
maneira quo pudesse ella ser conhecida
em Londres at o mez de agosto prximo
futuro, sendo que a esla corto viera o
superintendente daquelia estrada para
prestar as inforraac.'S que fossem exigi-
das, e conseguir semelhante deciso de
vital interesse para a companhia, que en-
tretanto tendo o superintendente partido
de Pernambuco na certeza de achar-se
terminado o rotatorio da commisso desta
provincia, dous mezes eram passados sem
que livesse sido cnviido esse relatorio. e
sem que conseguintemente pudesse o go-
verno imperial dar a solufo precisa e
urgente deste negocio, resultando da de
mma, nao s perda considerase! do tempo,
como lalvez graves e irremediaveis males
para a companhia ; e que pois a directo-
ra compenetrada da solicitud*) d) governo
imperial, a elle recoma para evitar o
transtorno que auieaga a companhia. ma-
nifestando a sua deliberacao acerca do pe-
dido da directora, para lhe ser transmit-
tida pelo vapor francez, isto se o governo
imperial est res Ivido a conceder a ga-
ranta, urna vez que pelas informaces, a
que s procedeu, se mostr que as som-
raas despendidas o foram efectivamente
sem offensa da honra e da boa f, ficando
todava dependente do ajustes posteriores
a forma pela qual se deve conceder aquella
garanta.
A' vista das razes constantes desta
sua exposico, e das que verbalmenle me
apresentou V. S. na ultima audiencia que
tuve desle ministerio, demonstrando a con-
veniencia de obter em tempo de ser trans-
mittida pelo vapor francez, prestes a partir,
resposta da pergunta que me f>-z, alim de
ser communicada directora da estrada
de fero em Londres, corre-me o deverde
declarar-lhe que por este mesmo vapor
acaba o governo imperial de receber de
Pernambuco o relatorio da commisso eli-
dante n'essas ras, sem que tenhara dado
por tal.
Que Ibe havemos de fazer ?
Mosl Bruneau, esso diflerente ; nao
conhecem oulra cousa I Nao ba de ser
elle q le os ha de affrontar com pretencoes
originalidade. typo gasto como uns
cobres velbos ; physionoiuia ac'iatada co-
mo o uso...
E todava, em risco de fazermos d'esta
ileseripco um fato de arlequn), sarapin-
tado de raeias tinta*, dir-lnes-hemos ao
ouvido que ao segundo exame a vista de-
linha-se em Bruneau, sorpresa a quasi
espavorida. Atravez da placida lentido
dos movmentos, havia um nao sei que de
poderosa originalidade. Ao tereeiro exarae
diriam qpe aquello rosto, descorado e bon
naeheiro occultava algum sagrado termal
Tfi. _ur!L.eiSe:_ra.n:Il3tlr0Sc. .?ncaa,a" d-baiso de urna mascara de gosso. Eslava
me de p )sse
Ap do qtis
imperial
gocio, Je
ir sats-
carregada de exaflNJ
pan! i
desse relilori
foi feito em Lond
vai entrar no
que se o resulfartL
itactorio, como muilo deseja o governo, n5o
duvidar este fazer d^H hi.i da estrada
de ferro de Pernawhn$n Erar sotajtado,
isto conceder a ffl
capital j garant 'o, i^H f absolutamente
indispensavel para eonclasfo das obps
contratadas entre a companhia e o goveri^
camprindo todava advertir quo esse ax*-
cedento nunca ir alem do mximo do
capital garantido paras estrada de ferro a
Bahia, urna vez que esta valor lenha sido,
exclusivamente empregado as obras da re-
ferida estrada segunda os contratos
subexistentes.
Cumpre-me finalmente declarar a V. S.
que o governo imperial, maniendo to be-
nvolas disppsices, est tarabem no pM-
posito de tornar a nova concesso que elh
se espera, dependente das clausulas qae- a
!Co da experiencia naja aconselhado coma
mais salubres tanto ao bom resultado" d'
empreza, como aos interesses dos respee-
tivos acc mistas. Dos gurade, etc.J. b.
V. C. SninbiiSr. E. H. Biamah.
Pela leitura desta peca ofllcial v-se qaa
j se comecava a reconhecer que a compa-
nhia mereca algum favor. O fado de sa
terem ordenado esses exames manifesttva
da parte do governo disposico para che-
gar ao conhecimento das despezas que t-
vessem sido feitas bona pie. J se admit-
tia que havia despezas excedentes ao capi-
tal garantido, que podiam ser attend-
das.
O resultado desses exames foi remettido-
ao Sr. Viriato de Medeiros, o qual, depois
de glosar todas as despezas que julgou nio
deverera comprehender-se no quantum qna
houvessc de ser admittido garanta; de-
clarou qual era, em sua opinio, a despea
effectva. O capital por elle reconhecid
para ser augmentado ao que j estiva ga-
rantido, foi reduzido a i 845,648.
Depois disso o Sr. Bellegarde concordoo
com a opinio do Sr. Viriato de Medei-
ros.
Declarou, portante, o Sr. Bellegarde que
reconhecia ter sido aquella quanlia despen-
dida bonafide.
Veio posteriormenle o Sr. Domiciano, o-
qual disse o que consta do seo aviso, que
j Uve occasio de ler, em que declarou
qual tinha sido a deciso do governo impe-
rial.
Esla a segunda phase da historia da es-
trada de ferro, quanlo ao seu capital.
A' vista da discusso que honro na cma-
ra dos Srs. depulados em 1864, e da qaa
tem havido no senado, tendo se reconhecido
que era indispensavel um acto do poder le-
gislativo antorisando o governo a conceder
a gar; nlia, que se devera fazer effectiva Ca-
pote da data da resoluco, estanda a q t
tp nesta posiQo, o que restav a fser,
tanto mais quanto os ministerios anterio-
ras, reconhecendo urna despeza feila lana
pie. fixaram o quantum para garan-
ta ?
O Sr. Perkira da Silva :O Sr. Paula
e Souza nao aceitn a solidaredade.
O Sr. A.vniuDE Figuehu : Durante a
sua administrag) a questo nio marchou
para aliante ura s passo.
O Sn. Ministro da Agricultura Por-
tanto, tendo eu dito que o governo promo-
vera a discusso desta resoluco que esla-
va pendente da deciso do senado, nao Gt
mais do quo repetir o que disse o meu an-
tecaaaor. O governo comprometteu-so a
promover a discusso, declarando que nao
concedera a garanta antes da deciso d#
poder legislativo.
Pergunto eu : ou nao de necesidada
resolver a questo? Eu creio quesim. K'
preciso resol v-la sem mais demora ; na
pode ficar sem soluco. Podem d'ahi pascar
complicaces: porque ha reconhecimento
de despeza feila pela companhia em boa
f.
O Sn. Andrade Figueira :Della pata a
gerantia de juros ba grande difierenrr?.
O Sn. Minisnro da Agricwitua :
Por sso digo pue nao julgo que s*ja quesr
to de pequea importancia, ao co ttrario,
questo muito transcendente, e que poda
envolver de alguma sorte a digoldado da
paiz. (Muilo bem).
(Cotdiniar-tt-kaJ.
Ha muilo que se nao desfama de
falo, disso. Eu estou sempre s ordena.
Depois, accrescaotou, sem traaai$o:
Muitas veras encontram-sa coosas
bem ouriasas as algibeirae sa asaco
velhos... Sei momita da histonas,
Foi buscar a cadura, que mira va o re-
mirara desde que entrara, c repetio tra-|
zendo-a :
Mooioes da fcisioriati!
Efcii para *os contar historias ?.. .i
comec>i Mauricio.
Bomeau interrompen-o som cwemewia.
Ento, perguntou, o Sr. faal aiuj
est en casa ?
Bem v que nao, replicn serfawUe-: rjia qm aomaca-
o Mauricio.
Eaievaa, donmado jat Mea fia do |"
E asentou-se precatadameote, como
quum nao caocade aoa quatr pea a> oa-
teira confianea iibaitada.
Cumpre-aos faaer desde j solar que
eram estas cogas ditas e Jeitos sngala,
lenta, sobretado pacifteamente, e da ma-
neira qn nem se quer por sombras se sos-
peitasse reservada intaoco.
Estevo tinba talvez razo: o sugato era
psrventera am typo, para mais orna vez
finpregarraos, no sentido acceito, essa
e.'pressa-empoaieae vulgar, aventada de
(reas peta remenee da noca tigeila e o
theatro farropilbj^ ka primeiro aspeao,
com tildo, nao pareca tal. Da va ares, jpto
irtg* e tambera pelo porte, da oro
i'boi mal diihstodi. o4asa
rjifia oua onmac aaHfarr-^^"** &o
pi-oflsso a qe se dava n
a
dores qu^ charaam orchidas 9 Parecer-
Ihes-hia impossivel acbarera dous gostos
que se parecessera, n'essas collecyoes de
caprichos. As seraenres vecejam nas'fen-
dasda madeira velha ; depois as flores
caera dos lelos era guedelhas impossi-
veis. Assim urna certa parte da popula-
do de Pdrls. Estas inverosemelhancas pul-
luUm em redor de nos, mas to perto que
as nao vemos.
Para o escrptor mil vezes preferivef
pintar raridades amereanas ou chinezas.
Acha ento o leitor benevoi >, poraue para
este ultimo, a distencia desculpa-a da nao
ter vista. De cada ves que pm> em
scena Ecbamt e Similor, esses dous mon-
dongos mais extravasantes qw as do celeste
imperio, apossa-se nos v-rdadairo ter-
ror ; esses dona meaos parisienses da c-i-
baca at awpa, smwldados, 0HW1I
ramo e vdniSos com ora anidado se
all urna grandeza latente, urna belleza tara
bem, no pensamento... Mis quera con
cede n'este mundo tereeiro exarae m
Bruneau !
Ao mesmo tempo que scassentava.'pn-
chpo de nm volumoso relogio de prata.
que consultou, pensando em voz alta :
Sao apenas nove horas na Bolsa. Te-
mos lempo para dar taramella.
Possotofinal sabsr o que aqu o traz?
oergimtou Mauricio.
0 que me traz, meu charo senhor
Sim, sim, natural... mas isso logo. Pri-
meiro, dir-fhes-hei que tenho idia de eol-
laborar com.es senhres.
Coltaborar! repeliram ao mesmo
tempo Esteva > e Maurrio, um rindo e
outro seriamente escandahsado.
)rqqe n Bruno jo, cqjO
Msentou cora ina umt
l>ra de zombaria. Dlgo^liMS qiw
igwi, tem-laea viola vexes criuado por \m historias... moatoes de historias 1 TTf. lW
Mas... quiz dzer o Mauricio.
Enleudo. Os Srs. nao me confiaran
que buscavam por toda a parte am drama,
cum a mesma ancia com que, salvo o de-
vido respeito, os troperos remechtm o li-
xo. Os senhores sao uns bellos mogos...
que deixam papis dos bolsos dos usa-
eos.
0 senhor achou p!ano$ nosso&?''ltt-
terrompen o Estevo.
Ou carias ? accrescentou o Mauricj,
que eufioi* levemente.
Acfes do banco nao achei ea^om
certeza. Se as achasse, dizia-Ib o clarar
mente ; e haviamos de dividir, porgan o
que est vendido, est vendido, nao acliam?
Eu paguei es casacos e os foreds, ESlimp.
porm, a rapasrada. Tome l, Sr. fitliwartt,
aqui tem a sua correspondencia.
E apresentou urna carta dorada Mau-
ricio, que muden do c.
Nao a li, cominoou Bruneau coa er-
ta digni lade. mas conbego atetas.
Obrigado, s ricio com ar coalrafeito.
.Hio- ha da que... entra-eni
Quanto ao Sr. Rolaad, aqu taja dwn
contra-senbas e uma>aotela do Monte
pi.
EStevo receben os papis a aigio osa
grande cumprimaalo, dizendo:
Oh 1 viamktT J m m
comraodar-se.
O henaar aonheca i
enhora Sara!) 1 pergmrkH
Bruneau, difigiadorso eite.
Comot
Vsjo a caateia:
loar em nom
m ac
Mta
4'


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EYW3LZZI6_AR553E INGEST_TIME 2013-09-14T02:34:05Z PACKAGE AA00011611_11988
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES